• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Foreword
 Introduction
 Capitulo I: Ideias geraes
 Capitulo II: Provincias e...
 Capitulo III: Hygiene, therapeutica,...
 Errata
 Table of Contents
 Advertising
 Back Cover














Title: Guia do colono para a Africa portugueza
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00025075/00001
 Material Information
Title: Guia do colono para a Africa portugueza
Physical Description: 286 p., 2 p. of plates : ill., plans ; 18 cm.
Language: Portuguese
Creator: Castel-Branco, João Bentes
Publisher: Typ. da Empreza Litteraria e Typographica
Place of Publication: Porto
Publication Date: 1891
 Subjects
Subject: Colonies -- Handbooks, manuals, etc -- Portugal   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: elaborado sic por João Bentes Castel-Branco ; rev. e corr. por muitos dos principaes africanistas portuguezes.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00025075
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 003041138
notis - APT3175
oclc - 13714657

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
    Half Title
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Foreword
        Page 5
        Page 6
    Introduction
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
    Capitulo I: Ideias geraes
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
    Capitulo II: Provincias e districtos
        Page 67
        Provincia de Cabo Verde
            Page 67
            Page 68
            Page 69
            Page 70
            Page 71
            Page 72
            Page 73
            Page 74
            Page 75
            Page 76
            Page 77
            Page 78
            Page 79
            Page 80
            Page 81
            Page 82
        Guinè
            Page 83
            Page 84
            Page 85
            Page 86
            Page 87
            Page 88
            Page 89
            Page 90
            Page 91
            Page 92
            Page 93
        Provincia de S. Thomè e principe
            Page 94
            Page 95
            Page 96
            Page 97
            Page 98
            Page 99
            Page 100
            Page 101
            Page 102
            Page 103
        Provincia de Angola
            Page 104
            Page 105
            Page 106
            Page 107
            Page 108
            Page 109
            Page 110
            Page 111
            Page 112
            Page 113
            Page 114
            Page 115
            Page 116
            Page 117
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
            Page 123
            Page 124
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
            Page 133
            Page 134
            Page 135
            Page 136
            Page 137
            Page 138
            Page 139
            Page 140
            Page 141
            Page 142
            Page 143
            Page 144
            Page 145
            Page 146
            Page 147
            Page 148
            Page 149
            Page 150
            Page 151
            Page 152
            Page 153
            Page 154
            Page 155
        Provincia de Moçambique
            Page 156
            Page 157
            Page 158
            Page 159
            Page 160
            Page 161
            Page 162
            Page 163
            Page 164
            Page 165
            Page 166
            Page 167
            Page 168
            Page 169
            Page 170
            Page 171
            Page 172
            Page 173
            Page 174
            Page 175
            Page 176
            Page 177
            Page 178
            Page 179
            Page 180
            Page 181
            Page 182
            Page 183
            Page 184
            Page 185
            Page 186
            Page 187
            Page 188
            Page 189
            Page 190
            Page 191
            Page 192
            Page 193
            Page 194
            Page 195
            Page 196
            Page 197
            Page 198
            Page 199
            Page 200
            Page 201
            Page 202
            Page 203
            Page 204
            Page 205
            Page 206
            Page 207
            Page 208
            Page 209
            Page 210
            Page 211
            Page 212
    Capitulo III: Hygiene, therapeutica, formulario
        Page 213
        Hygiene
            Page 213
            Page 214
            Page 215
            Page 216
            Page 217
            Page 218
            Page 219
            Page 220
            Page 221
            Page 222
            Page 223
            Page 224
            Page 225
            Page 226
            Page 227
            Page 228
            Page 229
            Page 230
            Page 231
            Page 232
            Page 232a
            Page 232b
            Page 233
        Therapeutica
            Page 234
            Page 235
            Page 236
            Page 237
            Page 238
            Page 239
            Page 240
            Page 241
            Page 242
            Page 243
            Page 244
            Page 245
            Page 246
            Page 247
            Page 248
            Page 249
            Page 250
            Page 251
            Page 252
            Page 253
            Page 254
            Page 255
            Page 256
            Page 257
            Page 258
            Page 259
            Page 260
        Pharmacologia
            Page 261
            Page 262
            Page 263
            Page 264
            Page 265
            Page 266
            Page 267
            Page 268
            Page 269
            Page 270
            Page 271
            Page 272
            Page 273
            Page 274
            Page 275
            Page 276
            Page 277
            Page 278
            Page 279
            Page 280
            Page 281
            Page 282
    Errata
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
    Table of Contents
        Page 287
    Advertising
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
    Back Cover
        Page 294
Full Text













GUIA DO


COLONO








GUIA DO COLONO

PARA A

ERICA PORTUGUEZA

ELABORADO POR

JOAO BENTES CASTEL-BRANCO,
S Bacharel em medicine e philosophia


REVISTA E CORRECT POR MUITOS DOS PRINCIPLES
AFRICANISTAS PORTUGUEZES


PORT6
TYP. OA EMPREZA LITTERARIA E TYPOGRAPHICAL
178, RUA DE D.-PEDRO, 184
1891









y Q.mo^ a e Q/Te^0 w nr. 6f).': GJnCmo c/e -C-/
,* tn ( aoW, ze tisaunvo, c/o.aci .t




-; ,l,,iranlido profuindamente os relevantcs ser-
vios prestados por V. Ex." Rev."'" ds nossas colo-
nias missionando por largos annos em clinmas.min-
bospitbs e entire It ,nsh scliug',n, "conminexcedivel
: elo- e "superior iilli:iLc, ii, peo l/I ,,a" para. he'.-
dedicar 'este trabalho .comno modesta, ias sincere bO-..
i nenagem, e Ihe pedir se dig ne presidir d colheitd do.
product da i;enda do ((Guia do Colono e dm e .
.hor applica io d'estas quantias destmadas a prote-
,:, geros nossos colonos e d lhes forfnecer elentioesi .

.A gradecendo, pi ,fiiid,,iitii!, o auxilio& que se
Sdigna prestar-me., ,I,,,'S:,l-,l,: coinl O .axint res-
peito e consideraCio

D V. E.
'sin. ad." e at." ven." m." c '

0.Jo .. BENTES CASTEL-BRANO1 :






















0 product d'esta obra dedicada aos emigrantes por-
tuguezes serA destinado a auxiliar aquelles que se forem
estabelecer nas nossas provincias africanas e a fomentar
\ n'estas o progress e a civilisagAo.


0 AUCGOR.












INTRODUCEC AO








SQuemr no nosso paiz desejar ir para os Estados
j*nidos, Mexico, Brazil, Republica Argentina etc.
p6de com relative facilidade obter rigorosas informa-
;Ges sobre os respectivos paizes; mas aquelles que
,se destinam a nossa Africa, s6 a muito custo, a tro-
.co de muito tempo e trabalho, poderao conseguir
algumas indicases vagas e muitas vezes contradicto-
rias.
Nao ha paiz civilisado, ou qu'e pretendasel-o,
para o qual nao esteja escripto- um ou mais guias
que deem no'ges da sua topographia, riquezas, re-
'cursos, indole e costumes da populacao, etc. 86 para
s .nossas possesses nada ha onde o emigrante pos-
sa encontrar condensado o pouco ou muito que se
sabe, de modo que Ihe permitta, cor pouco trabalho,
fazer unhma idea do logar a que se destina: Aquelles
Sque apenas desejam e querem ganhar a vida, nao se







podein entregar a pesquizas laboriosas nem a dila-
tadas leituras.
Observando esta falta de primeira ordem para,
um paiz que'pretenda a serio fomentar o progress
das suas possesses, falta, que entire n6s se est,
effectiyamente tornando cada vez mais sentida, sem
que ninguem buscasse preenchel-a, entendemos que
a dadiva mais valiosa que poderiamos fazer ao paiz,
no period angustioso que atravessa, seria condensar
as niopes dispersas em centenas de publicagaes, n'um
paqueno volume facial e barato que simultaneament,
podesse divulgar no nosso paiz conhecimentos das
coloniess e servir ao emigrante para o guiar na es-
colha do ponto' que mais lhe convem, nos prepara-
Stivos a fazer, no genero de vida a adoptar e nos pre-
ceitos ia seguir para offerecer a resistencia maxima
na lucta que vae affrontar contra o clima e outros
elements adversos. A nossa ambicgo vae ainda mais-
longe; pois desejamos crear uma poderosa empreza
colonisadora que, inspirada: na SocietW Financiere de-
Colonisation, na Britich American Land Company,
na The Canada Land Company, na Australian Land
Company, na The Schottich Australian Investement
Company; para a adoppao do sen typo, seguisse o ex-
emplo da AIrican Lakes Company que associada com
as misses religiosas da Escocia, lanQou nas remotas.
regi6es do Nyassa takes e tam energicos elements de
progress' que conseguiram determinar em Inglaterra
o movimento de que resultou sermos esbulhados dos
terrenos.que por todos os titulos historicos e de di-
reito internacidial s6 a n6s deveriam pertencer.








S Uma empresa que instruisse. rapida e conisciente-,'
mente o colono, o guiasse na escolha do local e da
S vida a adoptar, o recebesse A chegada, Ihe desse ele-
mentos para ganhar a vida e-lhe estimulasse a pro- .
ducgao ate que o mesmo colono enriquecido por: to
benefica :direccao a podesse convenientemente inde-
mnisar, seria, em nosso ver, a mais solido esteio do
progress e da vida nova que necessitamos ver. sea
demora implantada nas nossas colonies.
a-: NAo tendo porem at6 aqui conseguido organisar i
:' tal empresa, offerecemos ao colono este guia que
obdece A :mesma ordem de ideas, desejando que em
todas as suas parties o ache succulento e de seguro .
Saproveitamento.
OxalA o tenhamos conseguido.






*' Pensamos com Stuart Mill que para nada serve
as colonies quando nao offerecem ao paiz o melhor
e mais lucrative emprego do seu trabalho e capital e,
Sestamos convencidos que, 6 ppr nao terms assim en-
,carado os nossos dominos d'ultramar, que tenos.
soffrido tantas perdas-e humilhagaes, apesar dos sa,
crificios crescentes que temos feito para os desenvol-
ver.
Ja deviamos ter experiencia bastante nos resulta-
Sidos da nossa administracao de seculos, noultramar,





10

para nos convencermos que temos seguido caminho
errado e mudarmos radicalmente de systhema, se-
guindo os exemplos e as normas da Inglaterra que
tem feito e estA fazendo, como nenhum outro povo,
verdadeiros milagres d'expansao.
Aos pessimistas diremos que s n6s ns o vemos
o que ainda podemos fazer no ultramar: pensadores
estrangeiros aos quaes nao cegam os sentiments
antipatrioticos e a profundissima descrenga que inva-
diu o piaiz, reconhecem as nossas aptidoes colonisa-
doras e todos sao concordes em declarar que-resis-
timos melhor aos climas tropicaes do que os povos
do norte.
Frederico Raoler diz que entire todas as nages
destinadas a colonisar a Afiica se encontram Portu-
gal, Hespanha, Franga, Italia e pelas suas condigoes
historical, a Inglaterra. Portugal, diz elle, parece ter
marcado um grande papel n'esta empresa de coloni-
sapao.
Nao desanimemos pois, que o desalento e o aban-
dono matam as mais auspiciosas tentativas; imitemos
os nossos inimigos inglezes na tenacidade, preserve-
ranga e esforgo que em tudo revelam, e ainda podere-
mos ter esperangas.
Se nada tentarmos nada conseguiremos.
A propaganda das riquezas inexploradas da Afri-
ca determinoou em Inglaterra uma corrente emigran-
te que cresde todos os annos, a ponto de j em 1881
contar no Cabo 340:000 europeus, no Estado de
Orange 62:000, e no Transwal 85:000, numerous estes
que hoje se acham, quasi duplicados.








S Porque nao hao-de em Portugal eguaes process:
sos determinar effeitos similhahtes?
tNao temos tempo a perder, qualquer tractado
.com a Inglaterra nao desviarA as ambigaes dos aven-,
tureiros britanicos que teem as vistas fixas nas nos-
sas terras, nem farao a South Africa Company per-
'der a ambigao de adquirir Ipor qualquer. forma, os
nossos portos ao sul do Zambeze.
Se havemos continuar a dormir 6 melhor ven-
der para nao acabarmos de perder tudo sem honra,
nem proveito.





Para a elaboragao d'este guia consultamos os se-
guintes livros: Analyse da viagem de Lewingstone
por D. Jos6 de Lacerda. Le Congo producteur-por
A. Merlon. South Africa and haw to reach it-by
the Castle Mail. Estatisticas das Alfandegas d'Angola
e Mogambiqiie. Estatistica geral do paiz. Colonies
Portuguezas por Dr. Augusto Sarmento. Aponta-
mentos d'um governador de Sofala-por Alfredo
Branidao Cr6 de Castro Ferrari. Subsidios para a
corographia de Cabo Verde per A. de Paula Brito.
A Africa occidental-por Travassos Valddz. Les
Colonies portugaises 1878. Hintz to travellers'
(scientifical and general) Cauncil of the Royal Geo-
graphica Society-1889. Series dos boletins do ul-
tramar. Serie dos relatorios dos governadores d'Ul-







tamar desde 1882. Exposition Colonial du Portugal
o.rganis6 par la society de Geographie de Lisbonne
1885. A raa negra e a civilisaafo d'Africa por A.
F. Nogueira. La relation du Congo por Eduardo Lo-
:pes-Trad. Leon Cohem. Angola e Congo--por
Francisco Antonio Pinto. La colonisation scientifique
por dr.,A. Border. Estatistica das provincias ultra-
m..arinas por Lopes de Lima. A questSo colonial por-
- tugueza por Antonio Jos6 de Seixas. Estudos de di-
Sreito administrative colonial portuguez por Bernardo
: Meirelles Leite. Indice remissivo da legislaogo ultra-
Smarina 'por Antonio M. Castilho Barreto. Collecao
da. legislagao ultramarina. Plantas uteis da Africa
portugueza pelo conde de Ficalho. Contribuigao para.
o estudo da flora d'Africa coordenado pelo'prof. Ju-
Slio A. Henriques. Les colonies anglaises par H. Blery.
SExpedigao portugueza ao Muataianvua H. de Car-
valho. A Lunda- H. de Carvalho. Serie dos bole-
tins da Sociedade de Geographia de Lisboa. 0 Bra-:
Szil e as colonies -0. Martins. La province portu-
Sgaise de' Mogambique Conference por M. Augusto
Castilho 1891. A companhia i acional agricola de S.
Thomn e Principe e suas dependencias por M. F.
R ibeiro. Hygiene colonial por M. F. Ribeiro. Diccio-
narios encyclopedicos, tractados de medicine colonial
e hygiene;'
Tambem colhemos preciosas informagaes, jA nas
respostas que obtiremos no'questionario publicado
no Correio de Pdrtugal, ja directamente dos ex.mfa
snrs. Adelino da Cruz, dr. Alexandre 'Mendon-
.a, Antonio Castilho, dr. Costa Lereno, Augusto C.




43


''8. Gnomes, Francis'o S. GorjAo de Moura, Henrique
<: de Carvalho, Joao do Nascimento Mello, dr. Joao
de Souza Machado, Jayme Cruxe de Carvalho, Joa-
:quiin Augusto.da-Silva e de muitos outros.
.:_'Depois de elaborado o nosso trabalho submette-
,mol-o A reviso- e auctorisadissima censura dos ca-
Svalheiros 'cujos nomes encimam cada assumpto,
d'onde resultaram modificaCdes em todos os capitu-
los e n'alguns uma quasi complete refundigao, al6m
Sde numerosas addigaes.
nosso trabalho e respongabilidade como auctor,
,ficou pois apenas reduzido a compila o e distribui-
g: ao das inaterias;, porque nem as affirmaSes, nem
muitas vezes a propria redacgao nos pertence.
Esforgamos-nos por empregar uma linguagem cla-
ra e terms vulgares, sob uma forma tam amena
Squanto possivel, para que a leittira se nao tornasse,
fastidiosa aos menos estudiosos.
Sahindo um pouco. das normas habituaes dos
Sguias apontamos algumas emprezas a tentar que, para
as differences localidades, vimos indicadas como pro-
mettedoras, na esperanga de poder n'algum leitor des-.
pertar a iniciativa:que tanto rareia no nossopaiz.
Na part hygienica, que mais particiilarmente nos
S pertence, reduzimos today a material a pequenas regras
faceis de fixar.
S Na part medical descrevemos as doenoas por
grupos, approximando-as pelo tractamento, para maior
.facilil:L;k] de retengao e economic de volume.
.Reduzimos o formulario a medicamentos, tant6
Squanto ppssivel innocentes e a formulas de facil ma-







nipulaqao, para que qualquer os possa utilisar, sem,
outro perigo que nio seja o da inoportunidade da
applicaiLo.




Apezar de todos os esforgos empregados para
tornar este guia um resume pratico e complete, e
para n6s f6ra de duvida que esta primeira tentative
sahe deficiente e incorreta em muitos pontos, por
falta de elements.
Para attenuar taes defeitos tentamos obter o au-
xilio d'uma commissao especial da Sociedade de Geo-
graphia e conseguimos vMl-a nomeada e reunida; mas
ficamos dolorosamente surprehendidos quando, pelo
despreso d'uns e pela critical d'outros, apercebemos
que d'ella s6 podiamos esperar difficuldades e emba-
raios levantados pela maioria dos seus membros.
Serviram-nos ao menos de consolagao os cava-
Iheiros que particularmente se dignaram auxiliar-nos
jA fornecendo preciosos materials, ja permittindo
que os seus nomes abrilhantem e deem auctoridade
a este pequeno volume d'onde nem procuramos au-
ferir interesses nem crear nome.




Se o Guia do Colono conseguir despertar o inte-
resse do public, folgaremos em ver apontadas as





;-,***------ *--^-- ,

incorrecqSes e faltas d'esta primeira tentative; para
Sas corrigir em futuras edig6es, se o paiz.proteger o
unico trabalho d'este genero at6 hoje apparecido
entire n6s, como 6 de esperar; desde que comprehen-
da 'a absolute necessidade que "tem de conhecer e
. proveitar o que possue, se ainda quizer reter al-
guma cousa, e achar digna d'incitamento a protec-
ao que queremos dar aos colonos que sao os me-
Ihores defensores das nossas possesses, os principles
fautores da riqueza e progress do ultramar.








GUIA DO COLONO


CAPITULO I

(Revista pelos Ex.I~" Srs. -lHgo
de Lacerda e D. Antonio Barrozo
prelado do MAoambique.)

Ideas geraes-Clima, aspect, usos e costumes do gentio,
vocabularies, modo de tratar o preto, riqueza minei-
ra agricola e commercial, indicayCes pessoaes, pre-
paratives, fornecimentos, viagens no sertto, commer-
cio, escolha de residencia e das occupacres mais
uteis; prego de transportes e telegrammas.


Climatologia Na Africa portugueza, situada en-
tre o equador.e o tropico do hemispherio austral, ape-
nas se distinguem duas estapaes: a da secca e a das
chuvas.
A proporgao que do equador se caminha para o
sul vao-se gradualmente differenciando as quatro es-
tagoes, por f6rma que, ao sul de Lourengo Marques
ji perfeitamente se distinguem.
Ao sul das nossas possesses da Africa austral
as estac6es nao coincidem, mas alternam cor as da
Europa. 0 inverno 6 de 21 dejunho a 21 de setembro,
a primavera de setembro a 21 de dezembro, o verao
at6 21 de margo e o outono em abril, maio e junho.
Nas colonies africo-portuguezas a temperature 6
quasi constant, tendo medias comprehendidas entire
15 e 300" conforme a latitude e a altitude. 31 is se as
oscilacoes annuaes slo pequenas, outro tanto nro





18


succede As diarias' que accusam variaCdes de 20 e
mais grios, principalmente nos logares desarborisa-
dos; havendo pontos onde o thermometro desce mui-
tas vezes de madrugada at6 00 e outros em que se
eleva ao sol at6 650.
A media thermica desc e a salubridade augmen-
ta corn a latitude e a altitude; em Huilla, nos Mon-
tes Libombos, na Garungosa e n'outros pontos jA a
agua chega a gelar, e o europeu p6de river e repro-
duzir-se em boas condicoes.
Ao long da costa oriental ha uma corrente ma-
ritima que se dirige para o sul e na occidental outra
que caminha para o equador. A differenca de tem-
peratura d'estas correntes 6 de 150c.
Durante o outomno e inverno (abril a setembro)
reina constantemente at6 ao parallel 290 o vento
do quadrante norte chamado mongco; nos seis mezes
restantes o vento sopra em direccio opposta, e deno-
mina-se monCao de sudoeste.
Os dias sao eguaes as noites. O crespusculo da
manha e da tarde falta; fazem-se quasi subitas as pas-
sagens do dia para a noite e reciprocamente.
A partir do tropico de capricorneo (24) para a
equador, as estaqoes vao-se gradualmente antecipan-
do e o inverno elevando a sua temperature, por f6r-
ma que no coragao da zona torrida, apenas existem
dous periods estivaes caracterisados por chuvas;
um maior de novembro a fevereiro, outro menor de
maio a julho. E' este segundo period que vae dimi-
nuindo a proporgAo que se caminha para o sul, tor-
na-se apenas sensivel para baixo de Lourengo Marques.






19

Os planaltos do interior sao mais chuvosos que o
litoral. A frequencia das chuvas tambem diminue do
equador para o sul, augmentando em compensagao a
sua intensidade.
Os chuveiros apparecem subitamente. Muitas ve-
zes o c6o esta limpido e o calor 6 ardent, faz-se
um socego profundo na athmosphera, as nuvens so-
bem lentamente, parece que se abafa, que'falta o ar;
entao vento comega a soprar rijo e a agua cahe
em torrentes formadas de grossissimas pingas' que
molham ate aos ossos: a temperature arrefece uns
101' e o preto, sem agazalho, tirita de frio. Pouca
depois a athmosphera novamente se apresenta lim-
pida e b sol continue dardejando seus ardentissimog
raios mais insuportaveis que nunca.
As grandes chuvas slo em geral piecedidas por
Salguns dias em que o sol nascente se apresenta des-
coberto e por frequentes trovoadas.
A maior frequencia das chuvas em cada dia
das 5 horas da tarde at6 alta noite.
Sao frequentes os annos de secca dando-se a
SSoincidencia de abundarem as chuvas ni costa orien-
tal, quando faltam nna occidental e reciprocamente.
As observagies feitas no Real Observatorio do
Cabo indicam que a quantidade media de chuvas nos
Sultimos 45 annos ter gradualmente diminuido com
o corte das arvores e incendios das florestas -que
cada vez mais vio rareando em Africa. Hoje nao
sio raras as seccas de quatro e cinco annos o que
constitute uma 'verdadeira calamidade para a agri-
cultura.





i20


No nosso archipelago de Cabo Verde as seccas
sao quasi periodicas com os intervallos de cinco a
seis annos; notando-se tambem a mesma coinciden-
cia de terem augmentado corn a desarborisacao.
Urge pois que todos se interessem pela rearbo-
risago e concorram para proteger as florestas con-
tra os pastores pretos que Ihes deitam periodica-
mente fog6 e 'contra os colonos avidos e imprevi-
dentes.

Aspecto -0 aspect da Africa varia muitissimo
cor as estaqces. Durante os seccos invernos veem-se
largas extens6es aridas, onde abundam os areas em
que de long em long a custo consegue vegetar al-
gum espinheiro; entermeadas cor estes desertos
veem-se ias margens dos rios, nas bacias pantanosas
e em todos os terrenos humidos, densas florestas de
luxuriante vegetago.
Logo" que o verao chega, cor as chuvas tudo se
cobre promtamente de verdura:
0 litoral e baixo e arido.
Para o interior os terrenos sobem e a athmos-
phera torna-se mais humida, a vegetacao arborea
cede o passo A arbustiva e herbacea; a athmosphera
carrega-se frequentemente d'uma densa nebrina que
nada deixa ver e que penetra a roupa at6 i pelle.

Rios'- Os rios africanos como as chuvas, teem
um regimen especial; ora caudalosos tomam propor-
oies gigantescas, ora, sobretudo no sul, diminuem atW
desapparecer em muitas parties sob as areias que Ihe





21

formam o leito.' D'esta f6rma, ora se esta impossibi-
litado de navegar por falta d'agua, ora pela violencia
e impetuosidade da, corrente. Porisso alguns expl,-
radores e, companhias que, como a do Congo, care-
cem aproveitar as vias fluviaes, teem feito construir
vapores muito leves, montados sobre rodas, cor as
pas nos raios, por f6rma que p6dem indifferentemen-
te navegar ou percorrer os baixios e areas seccos
dos talwes dos rios.
Alem d'estes obstaculos, a navegaqao e em mui-
tos pontos interrompida pelas cataratas quo existem
em todos os grandes rios;

Do Gentio--0 governor das tribus africanas p6de
dizer-se feudal. As populacoes obedecem a regulos
oa sobas pretos que, em regra, dominam n'uma pe-
quena area habitada por algumas centenas ou, quan-
do muito, milhares de individuos.
Os regulos governam como verdadeiros despotas,
dispondo a seu talante da vida e bens dos subditos.
Em volta de cada regulo existed o conselho dos
notaveis (mac6tas em Angola) que dispute todas as
importantes questoes d'estado e com cujas delibera-
5es o regulo sempre se conform.
Os herdeiros dos regulos em regra, sio os sobri-
nhos filhos das irmas.
Como o povo, os regulos teem cathegorias, pa-
gando uns tribute de vassalagem a outros; mas to-
dos governam os seus povos na mais complete inde-
pendencia. Os regulos vassalos, em tempo de guerra,
tanmbem fornecem ao senhor das terras, combatentes




22


que sAo remunerados tomando part nos despojos
dos vencidos.
Os sobas andam em guerras continues e tern por
habito vender os prisioneiros para escravos ou ma-
tal-os; o mesmo fazem aos seus sentenciados por
crimes maiores.
Os regulos accumulam as funcoes de juizes.
As penalidades menores sempre se reduzem a
multas, Qaando um soba ter de pagar a vassalagem
faz public que Ihe venham trazer alguma cousa e
cada un traz o que quer, dando uns bois, outros ca-
bras, gallinhas, pelles, fuba,.borracha etc., segundo os
seus haveres. Da mesma f6rma recebem os suzeranos
os tributes de vassalagem.
O preto 6 polygamo; cada um ter as mulheres
que p6de: em geral compram-nas aos paes.
As mulheres prisioneiras de guerra sao distribui-
das pelos vencedores.
As populacges aglomeram-se por pequenos gru-
pos em, Sanzalas (Angola) ou muze (Mozambique)
verdadeiras aldeias formadas de cubatas irregular-
mente dispostas cercadas por sebes vivas.
Cabatas sio cabanas circulares formadas de pAos
a pique eitrelagados de fibras vegetaes cor cober-
tura de colmo; muitas teem as paredes forradas de
barro. Cada familiar abastada ter urmas poucas de cu-
Sbatas para as suas differences necessidades.
No centro ter um abrigo que serve de cosinha
commum onde as mulheres preparam os alimentos.
O. todo e sempre cercado d'uma sebe viva.
0 fato do negro no sertAo, limita-se a uma tan-








ga ou panno feito de fibras de vegetaes indigenas ou
de qualquer tecido europeu, cor as pernas, tronco e
bravbs nus, ornamentados cor pulseiras' e collares.
Os que vivem mais em contact com o europeu ves-
tem mais profusamente accrescentando o panno at6
aos p6s e, quando p6dem, vestem a europ6a fazendo
as mais exquisitas e estravagantes combinagSes.
A arma indigena 6 a setta, o arco ou a azagaia,
a espada curta e n'alguns pontos, um escudo; hoje
por6m quasi todos possuem armas lazarinas de pe-
derneira e, entire os hotentotes, jA apparecem muitas
armas aperfeigoadas que o commercio europeu Ihes
ter cedido.
Onde nso ter chegado a religiso mahometana
nem a christa o preto ter apenas uma infinidade de
suprestig6es difficeis de desarreigar; os seus deuses
sAo sempre entes terriveis cuja c6lera 6 necessario
aplacar por meio de sacrificios.


Vocabularios Cada sobado quasi que ter a sua
lingua; porisso 6 impossivel dar uma id6a succinta
das que se fallam em todas as nossas possesses que
comprehendem alguns milhares de regulos; no em-
tanto, para d'algum modo suprir esta falta, daremos
umas pequenas nopoes da lingua abunda que 6 a
mais espalhada na provincia d'Angola, aproveitando
um dialecto da regiao colonisavel do sul e da mara-
ve ou cafreal que se falla na regiao de Manica on
Zambezia, que serA sempre o coragio da provincial
de Mogambique.








PORTUGUEZ


Abelha ... : .
Abrir. .
Acampar . .
Acampamento de caravanas
Acampamento de guerra. .
Aceitar .. .. .
Acima, no alto. . .
Acold, alem . .
Acordar, levintar. .
Adormecer, dormir, deitar, en-
costar .
Agarrar .. ....
Agasalhar, abafar, cobrir
Agua .
Aguardente ...
Agulha .
Ajudar .. .
Ajuntar . ...
Alcofa .
Aldeia ...
Algodao (linha de) .
> (panno cru) .
S 47, .


MARAVE (1)


Cufungala
Camanga-micassa


Cutambira .
Pa zflo .
Qu6-n6co .
Cula-muca .

Cug6na .
Cupata .
ufinica. .
Maze. .
CachAssu' ...
Singano ..


Chissapo
Maze ..
UssAro .
Maricano .
Lop .





i_ ______


ABUNDA (1)
Dialecto lin kumbi

6 mike-pl. 6 n6
6 cuichla

6 tanda-pl. 6 nmt
6 xirombo-pl. 6 bi
6 cutambila .
k'e ulo ou p'e ulo
6 c6 cuna
6 cupindn4c

6 culala
6 cucuata
6 cufiquinina
6 m6ba
6 gualente (do port:}
6'n guia (do port.)
6 cucuat6fa
6 cucongolola

6 umbo
6 mussinha
o'n binja
o'n1 congolo






Ali . .
Alto homee) .
Amanham . ..
Amarello. .. .. .
Amigo . .
Andar, percorrer ...
Anil.. ..
Annel .. .
Anno. .. .

Ante hontem ..
Anzol . .
Aonde?. .
Apagar .
Apanhar. .
Apoiar (ser a favor d'alguam)
Aqui . .
Arame amarello .


. .......
SGCulapa .
. Manguana .
. Sanange. .
. Chamuire .
.Cufamba. .
. Anil
. P6te
.Chaca

Zana . .
Anzol
SCuzimissa ..
SCupata . .

. Safuri
(1) Este vocabula-
S) foi-nos fornecido
lo ex."O snr. major
F. S. Garja o de Moura,
primeiro governador
de Manica.


cuna
6 mule (se se trata de pessoa; 6 xile e 6
cAle em outros casos]
o'n b6i
6 xin dumbo
6 panga
6 cu6nda

6 murima. O anno e contado desde o fim
de cada cultura, julho ou agosto, e com-
Sprehende doze luaus
6n quela ina


curipe?
6 cumima
6 cunhanga
6 cuAma
cino
6 xibera xio'n dumbo (ferro atnarello)


(1) Este vocabulario foi-nos fornecido
e revisto pelo ex.mo snr. A. F. Nogueira.


- f- --;;- ---- ;------- ---- --- ----- --- -;---;-------


i







PORTUGUEZ MARAVE


Ar, vento, frio. Ptpo
Arco de flexer Mafita
Arder, queimar. . .
Arroz. *
Arvore, pao, madeira. Mute.
Assar, coser, cosinhar, aquecer
agua -. ..Cupic .
Assentar ... CucAra
Assim .. .. Tanepa
Atacar .
Atar, amarrar. Cumanga
Alirar .
Atravessar um rio. .Cucmbuca
Ave .. Balance .
AvO, 6 . S6culo .
Azeito, oleo. .. . Nl afuta .
Baile s6 de homes Mafta
S) de homes o mulheres C. utco .
liala, bola ... Barra. .
Banana . *
liambIt . .. M.i... .'
Banho, Iv '.-rn (tomar) Cuss' mba
Barba . Dovo. .


Wn o'hala, o'n Nimnbi
A Jinjo-pl. 0 iIIL

. 6 curisticula (favaa-sei
6 n6'ng6ri (cIbcllos dct baba]


. o'a p6po
. 6 fita--pl.6 mu
. 16 cpia
5 6 lu 6sso (do por
. 6 muti-pl. 6 m

S6 cuioca'
6 cutancama
. 6 nd '
; 6 cuh6m6na
S6 cucuta
S6 cuiumba
* 6 cuiafca
. 6 xindila
. tite ciflo, in'A ci
. 6 masi


ABUTNOA





rt.)








210






Barco indigena .
europeu (qualquer)"
-Barraca, cabana .
Barriga ...
Barril .
Barulho .. ...
Basta. ...
Batata redonda. .. ..
) dooe. .
Bater. .' .
Bebado (estar) .. ..
Beber. ...
Bicho, animal. .. .
Boa (pessoa) .. .
Bocado : .
Bocca, beigo, labios ..
Boi domestic .
) do matto . .
Bonito . .
Braga (fracgho pequena da).
S(meia br. de fazenda).
S(uma)) )) ).
S(duas a > ).
Braqo . .
Jranco homee) ... .
Bufalo ...
Cebaga . .


.Mandia u'c6co .
. Paquete. .
Nhumba
SMimba .
SAncoreta
SMatinada .
SBasse
SBatata
Bambaia
SCumenha .
SCul6s-era
SCuma. ..
. Chirombo .

. Quipinde .
. Mororomo .
. N'gambe.
SNhumbo.
S6ccbma .
. Mpinda
SLupanda. .
Lumpa .
.|Caputi .
. Zanja .

SNhato .
. Dico .


6 ato -pl. 6 m~
S. 6 xinder brancho}

. ,i6 imo-pl. 6 mA
. o'n coreta /do port.]
S. c6hir6ra
S. xiapua, 6 n6, 6 n6 il'a
o'n batAta-pl. 6 n6'a (do port.)

6 cupinma
... 6 mu clue
S. 6 cfinua
.6 xifito-pl. 6 bi
. 6 mfl'n tu u 6 xiri (pessoa de verdadt]
. 6 xitetere
S. 6 mulfingo-pl. 6 mi
S.o'n gombe-pl. 6 n6'n

S. 6 mua-pl. 6 baua

6 nando
. 6peca-pl. 6 mA
. 6 ma peca 6 bari
S6 cubh6o--p. (6 mA
. 6 xi'nrler
S.[6 nhLte-pl. 6 n6
. .6'n tenda-p1. 6 no'n


_ __ L ~ ~1_1








POIlTUGUEZ


.Cabeca .
(;libello
Gabra, cab:ito. ...
Cacete, p:io. .
Gair .. .
Cala-te .
Calor (estar) esLt quente
GCma: .
Caminlio, estrada ..
Campo semeado .
Ca na .
CGra .....
<;,rnie . .
Carneiro. .. .
Carregador .
Carregar (conduzir As costas ou
a cabega) ...
GCsa europea .... .
Casar. . ...
Civar . .
Cedo . .
Chaga, forida .... .
Chainar .


MARAVE


M's6ro
Cisse .
Buzi .
Garbngondo.
Chbua .

Caluma .
Bonde
N'gira .
Niunda .
Mitete .
C6p. .
Nhansa .
Bira .
Nhomitbro

Lonane .


Culima


ABUNDA


. 6 mutue- pl. 6 mi
S6 huque--pl. 6 n6
S6 xi c6mbo-pl. 6 no'n
S6 xi mfiti-pl. 6 bi
S6 c(ia
.mu6na
. u t6c6ta
. 6 ila-pl. 6 ma
S6'n dira-pl. 6 n6'n
S-pia-pl. 6 mA
S(d'assucar e sorgho) 6 muonguo
6. 5 mup61lo,
. 6'n berla
S6'n-gui-pl. 6 no'n
S6'n gamba-pl. 6 n6'n

.6 cuxinda
6 'n jAo-pl, o d'on
S6 cuhonb6la
. 6 curima
. 6'n binba
. 6 xipitti
S6 clif ana








Chover .. .
Cobra . .
Corda, cordao, cordel
(nomer . .
Commercio, negocio .
Corpo . .
Correr .. .
Cortar .
Creado . .
(Creanra .
C rar. -. .
I'aqui a tros dias
p, a mais de tres dias
Dar .. .. '
Dodo... .
Dentes .. ...
Dopois . .
Depois d'amanham .
Depressa .
Desamarrar, desatar.
Dia ...
Doente .. ...
Duas bragas de fazenda.
Dono, senhor .
Dormir . .


.Kuflea


*Nh6ca
Cart bala
Ciadia.

* Monungo
Cutamanga








Ifillnu.

* Nl'londe

Cussuzmra
* Zico

* Capute


6 cufiea
i 6 iula
.6 culoca
* 6 nboca-pl. 6 n6
? o'n gondi, 6 lu hiba
o6 ciria
* 6'n ddndo
* 6 Iito-pl. 6 rni
* 6 cut6p6ca
*6 cnt6ra

6 mona-pl. 6 1),1



6 6u culLdnj
6 mfnuo-p/. 6 mi
6 'io--pl. 6 un
SI] 'p~1
o'n kela ina
o'n col'6'nc6lo
* 6 cupandurula
*6 kunibi
6 mu'n bbndi

muene
6-, cuIdla


I _








PORTUGUEZ


MIARAVE


Elefa te. . .Zo .
Elle, s. . 16, Iv6 .
D'elle, s. . Piache, Pido
Emprestar . .
Enxada .. ... .
Escravo .. .
Espetar-se .... .!
Espindho . .Mm'
Est.i ... ........ ....
Estar (assenlado) .. Cucra .
Este .. . .
Espingarda ..... Fute .
Eu .. n .
Evadir, fugir .. Cutana .
Faca . . M'pne .
Farinha ....... ta .
Fazer . .
Fazenrta (panno) . .
Fechar . ... uf6nga .
Feiticeiro ;'hll,:l . .
Forir. .. ... .
Forro. . Utar .
Filho, creanga . .iInana .


ABUNDA


. 6'n jainba-p1. o no'n
. 6 i6
. i alie
. cuundira
S6 tomo-pl. 6 m6i
. 6 mu pica-pl. 6 bi
So curiassa

6 po eri
. o cucala. 6 cu tancama
* 'u, e eixi
6* uta
.time
. 6 cuh6na
.6 imdco-p- 6 nr
. 6 find
. 6 curinga
* 6'1 guo-pl. 6 n6'nj
S6 cuica
. 'n -.iaw-i-- 'l. 6 n6n,
6 cubhta
.i 6 xibhra -pt. 6 )i
.1 t m6na--p1, 6 b;A


~J~II ____ _1_~_____1__~___1__1__I_______






Floresta, riatta .
Fogo, raio, relampago
Fugir .
Gallinha .
Grade'. .
Guerra . .
Hoje .
Homem ...
Hontem .. .
Hyena . .
Hypopotamo .
Ignbro, no sei .
Igual, do mesmo tamanho
Ir, andar .
Isto .
J .. .
Juiz (indigena) .
Lado . .
Lama. .. .. .
Leao .
Leite .. ....
Lenha .
Levar .
Lingua ... .
Longe .
Lua .
Machalo .


. Mussito
NM6to'.
. Cutana
C. bo.
* Iculo .

Lero
.Maimuna.
SZulo
STica
. V6

SB6sibds6
* Cuenda .

* Chinchino
Bazo

SMatope
SPandBro.
* M'ecaa .
SN'cuni

. Terine
. N'cuni .
. Mucze
SBaza .


. 6 tunda, 6 fica
. 6 tupia
. 6 cuhena
. 6 xi fisua
. 6 n6ne
S6 bitr"
S6 muhono
. 6 mulume
. 6n kela
S6 xi malanca
S6 i
hi xindi
.u rissue-pl. b6
S6 cuenda
. 6 xieixi
pahapa

n there
o'n tata
. 6'n edfe
.6 mahihi
.6 n'on cumi
.6 cutuala
.6 Iaca-pL. 6 ma
.6 c6 cle
6 hami
6'n caba-pl. 6 n6"n







PORTUGUEZ


ho- ? itl. o : '
Madrugada .. .
'IMa . .
-Mais .. . ..
Mama ....
Mandar .. .
'Mandioca . .
Mlanhain (de) .. .
Mano, a .. .. .

Mlao e brao .. .
MAu . .... .
Mar . .
Martello . ...
Massa de farinha .. ...
Matar .. .
Men, minha . .
Mez . .
Milho.. .
M i- r,.. .. "
lor, 1p. iu (reduzir a farina) .
Monto ....
ol o .


MARAVE


----


ABE NDA


So'n dume
.'n biniba, (madrugar) 6 curimeneca
minha) m6me, (d'outro) ina
. bari, litt. dois
S6 bele-pl. 6 ma
.6 cutuma


I


Mamuna .
Machibesse.
Mama

Mat 6re
Cntuma .
Mandioca
Massicata
Bare .

.M anja .
A cuipa .
Nhanza ) .
Nhundo
Sima. .

Pianga() 2)



Cucinzira
Pire .
I .Il1 -: .l .


--


. o'n gula
S6 mueulo se mais vclho, o'n dengue se mais
novo, o'n pi ILr's I 1: home para mulher.
. 6 cub6co, bravo dircilo 6 curio
. xibe, litt. feio
S6 calunga

. 6 xifinma
. 6 c'n dip,
.* angue-pl. di'n
. 6 hami-pl. 6 n6
. 6 pungo-pl. () mAi
. 6 birAnda
6 c6ictua
.; 'n pnnda
.6 imu11olo






Murder .. .
SMorrer
Mulher
Nada (nao haver) .
Nadar . .
Nio ...
Negocio . .
Negc.i. r .*
No',I- .
N6s...... ..
Nosso ... .
Olhar, ver ....
Olho, s .
Ovo . -
Pa (de remar) .
Pae . .
Pagar . .


. Curama .
* CAfa . .
SMucaza .
G Cb6 pinto taio.
Puno ...
ST io .


Massico .
If6 . .
SPiato .
SCMona ...
Masso ..
Mazai. ..
SGambo
SBaba . .


(1) Tambem signify
ca.grande rio e lago.
(2) Quando o prone
me antecede o object
possuido suprime-se
pie a terminagao ang
forma corn o object
um nome s6, ex.: mi
nha cabra =buziang,


cunhumata
S6 cAfua
. 6 muricandi-pl. 6 bi
. cutupo
.6 cfioa
Sdate ou Ai
. 6'n dando
S6 curinga 6'n dando
.6 u ffco
6'n-tue
. 6 ietu-pl. d'6tu
.6 c6tala
. -iso-pl. 6 m6so
. -iaki-pl. 6 ma

o-si, meu pae tate
S6 cufeta


1







PORTUGUEZ


Palha . .
Panella (para cosinhar) .
Panno de vestir .
Pao .
Papas .
Parar . ..
Pe, s, perna, s. .
Pedir . ..
Pedra .
Peixe . .
Pelle . .
Pequeno. . .
Perto. .
Porco . .
Pouco . .
Quebrar, mortar ..
Quem?.......
Quemn? . .
Quente ...... .
Querer .
Ndo quero .. .
Rabo . .
Rli. ", do comida diaria .
Raparigq .


MARAK


Uzo .
SPendi-cdre
Gto .
SMicati


SMiemnibo. .

SMiara
Somba
STembe
.Ingono
SChifup6 .
SCumba
Pang6ne.



Cufuna

SM'chira

M'sicana, ,


-ABUNDA


. 6 mangu6ngue
S6'n bia-pl. 6 no'n
. o'n guo
.o'n b6lo
6. tete-pl. 6 mA
6 cutalama
.6'n pandi-pl. 6 n6'n; perna, mupindi
S6 cupinga
S6 tari-pl. 6 ma
S6-si-pl. 6 n6
.6 xi c6ba-pl. 6 bi
6 catuto
S6 popepe
6'n gflo
S6 catflto ou catito
.6 cutandula, 6 cuteta
6 rie?
i a tocota
.6 cili6ng61a (qucrel-o)
hi ongila
. 6 muxira-pl. 6 mi

6 mufic


VE





Rapaz . .
Rato ....
Rio .. .
Romper, rasgar .
Roupa . .
Sair. .......
Sair .
Sal .
Serra (montanha) .
Sim .. .
Soba ou regulo .
Sol .
Luz ou calor do sol
Tabaco . .
Tarde ...
Terra ...
Teu, tua. . .
Todo . .
Trazer. ..
TU, v6s . .
Tudo. .
Uivar, chorar, tocar
Vae-te .. .
Vara para barquear
Varrer .. ....
Vasilha para agua.
SVelho,a.. .
Vender .


S. A'pare
. Bena ..
.Mucurro. .


S ubrcca. .
S Munho .
Bango .


S. Zua.


Mauro .
Mataca .
Piaco.
Once...

. Iu6, lum6 .
* Encene .
S Culira .
D6oo piaco .
Pondlo
S* upsaira.
S* Care
Caramba


.16 musungo
.1 6 culanda


I


6 muquenje
6 xi pfco-pl. 6 bi
6 longa--pl. 6 mi
6 cutandula
6 bicuto
6 cutunda
6 mongoa
6'n pfnda -pl. 6 n6'n
enga
6 hamba-pl. 6 n6
6 kflmbi
6 mutenha
6 caia-pl. 6 ma
cuaixa
6-fi
fi'obe
xi'si-pl. bi'si
6 cfleta
6be-pl. 6nue
xi-se
6 cu'rira, 6 cuhica
enda, tunda

6 cucomba








PORTVGVtEZ MARAVE ABUNDA


Vir .. .
Volume de carga para home .
Vosso . .


1 .
2 .
3 .
4 .
5. .
0 .
9 .
8 .
7.
'10 .

42 .

44 .

20 .
50 .
40 .
50 .


Guza .
MitOro .
Piano .

Possi .
Pira .
Tato ... .
China .
Chano ; .
Tantato .
Chin6mi6 .6
Sere ...
Femba .
Cume.. ..
Cume nam bosi
*Cume nam mAn6re
Cume nam tato
Cume-na-nai
Cume-na-cham
Ma-cume-manire
Ma-cuma-tato
Ma- cuma-nae
Ma cuma-tam-tato


S6 cua
S6 xitele
.i6no

. mosi
Sbari (tratando de gente b bari)
. 6 tato
. 6 cuana
. 6tano
. 6 pando
S6 pando biri
* xi nane
Sxi'n die
. cume
.6 cume na mosi
.6 cdm6 n'a'n bari
. e cume nA'n tato
. 6 cumi, nA'n cuana
.6 cumi nA'n tano
. ma cimi 6 bari
Sma cumi 6 tato
. ma cumi 6 cuana
Sma cnmi 6 tano






400 .. ... D'zana 6 xita
200... .. .... 6 maxita 6 bari
1000 . . Cbicui . 6 cumi ri o maxita

No dialecto marave o plural dos nomes que comegam por m forma-se suprimindo-o; nos
que nao comegam, accrescentando m.
Os verbos comegam sempre por coe. Forma-se o imperative suprimindo a prefixa cui, o que
tambem 6 commum ao dialecto o'n bundo.
O present e o future formam-se antepondo ao imperative disse.
O preterito antepondo ao imperative d6, ex.:
Rir, cu-seca; imperative, seca; present e future, disse-seca; preterito, d6-seca.
No dialecto Abunda ou o'n bundo os prefixos exclusivos de gente, sao no singular mu, no
plural, ba ou b6. Os prefixos, para coisas, animaes, passaros, etc., sao si, x'in, o'n, lu, ca no sin-
gular; no plural, bi, mB, mAn, 6 n'on.





38,


Modo de tratar o preto- 0 natural do preto 6
indolente, doce e leal, qualidades que principalmen-
te o distinguem no sertao.
Os que vivem mais em contact con o branco,
embrutecidos pelo alcohol, repassados pela seguranga,
desmoralisados pelos frequentes enganos, sto descon-
fiados em extremo, rapaces e mendigos, sem nada
terem perdido da sua indolencia primitive.
Para tratar corn pessoal d'esta ordem que repre-
senta a forga bruta do paiz, 6 necessaria uma pacien-
cia evangelical; conv6m que se ameiguem e tratem
bem, mas corn justiga: deem-se-lhe o menor numero
d'ordens possivel mas nunca se tolere que deixem de
ser executadas.
E' necessario nunca mostrar medo e mandar
sempre cor auctoridade.
O branch nunca se deve zangar; o ralho deve
apenas set a primeira f6rma de castigo.
A afabilidade nunca deve chegar a chalaga em
perfeito tom de egualdade, para se nio perder o res-
peito. 0 castigo deve seguir sem demora a culpa.
O preto embriaga-se por mil f6rmas; cor aguar-
dente e vinhos europeus, de banana, palma, acajil
etc., e atW fumando a folha de canhamo de que o
arabe extra o terrivel hachisch. Acima do prazer
da bebida s0 esta o da mulher pela qual troca todas
as riquezas e prazeres do mundo.
Nunca capitalisa.
Corn tas dotes nao 6 facil conseguir o trabalho
do preto senao forgado.
No tempo da escravatura era pela compra que se





39


obtinha a posse d'um preto e pelo chicote que se
'obrigava a trabalhar.
Hoje na nossa mais florescente possesslo, S. Tho-
m6, e em Angola, 6 pelo contract do preto du-
rante um certo numero d'annos que se obteem bra-
'os. Estes contracts sAo analogos aos que em Por-
tugal se fazem cor os colonos engajados; feitos na
presenga do curador e por elle vigiados.
Os inglezes tambem adoptam o trabalho forgado
concedendo recompensas proporcionaes aos servings,
despresando, castigando e nunca encerrando a vadia-
gem.
Outros povos obteem trabalhos contratando-os
cor os sobas que por sua vez forgam os seus a
executar.
Por qualquer forma, s6 a forqa o preto trabalha;
completamente livre pede quantias fabulosas pelo
mais pequeno servigo, faz o menos que p6de e, em
recebendo a feria, embriaga-se e nao volta a trabalhar
emquanto nao senate fome.
preto comprehend liberdade como synonimo
de fazer nada. Convem pois 1.0 nunca dar esmola
ao preto valido, mas offerecer-lhe sempre trabalho
-,2.0 pensar o mais possivel no modo de substituir
o home pela machine, para conquistar a maxima
independencia.
Riqueza mineira, agricola e commercial A ri-
queza mineira das nossas possesses 6 extraordinaria,
m6rmente na Africa oriental que desde remotissimos
tempos gosa da fama de abundante em ouro. As de-
clarag6es unanimes de todos os viajantes e as minas





40


registradas, os campos d'ouro e diamantes em via.
d'explorag o, em todos os paizes que circumdam os
nossos districtss de Lourenpo Marques, Inhambane
Sofala, Quilimane e Manica, sao outras tantas provas
exuberantes da sua riqueza mineira.
Desde 1886 que em todo o sul da Africa recru-
desce a febre do ouro, em consequencia das fortu-
nas realisadas em poucos dias por alguns explorado-
res habeis e -arrojados, na regiao aurifera de Kaap
proximo do extreme sul do district de LourengoC
Marques. Hoje apenas se descobre um campo d'ouro,
6 logo invadido por uma infinidade de pesquisado-
res, na sua maioria inglezes.
Pehl importancia do assumpto daremos algumas
no6ges sobre a pesquiza e extracqao do ouro.
Pelas fendas dos terrenos silurianos, isto 6, pelas
juntas dos terrenos mais antigos, affloram os files de
q'lartzo.' O terreno siluriano 6 formado de grez e
schistos de textura folheada, como a ardosia das
pedras de louza.
Ei no meio do quartzo que o ouro se acha espa-
lhado em palhetas quasi sempre tao pequenas que
apenas se distinguem cor a vista; muitas vezes s6 o
microscopio as pode revelar: mas algumas vezes
tambem elle apparece em grsos de volume bastante-
consideravel.
D'estes files de quartzo os mais resistentes ele-


1 Quartzo e uma rocha muito dura esbranquicada e
transparent vulgarmente chamada pederneira





41

vam-se muitas vezes acima do solo, sempre orienta-
dos de norte a sul em linhas parallelas.
Mas nem sempre o ouro existe assim, o que 6
uma vantage; porque a explora^fo do quartzo au-
rifero exige um process complicado e dispendioso
que nao 6 accessivel a todos.
Os terrenos primitives ou mais antigos encon-
tram-se formando os cimos das montanhas; nos val-
les estes terrenos. afundam cobertos pelas camadas
mais recentes chamadas sedimentares, formadas de ca-
lh6o, area e barro, em extractificag3es mais ou menos
regulars.
Quando os pontos elevados sao formados pelo
terreno siluriano, desagrega-se d'elles um sedimento
silicioso que afflue as ravinas, leitos dos rios e se es-
palha nas baixuras onde se encontra o ouro disse-
minado em palhetas, pequenos graos ou fragmen-
tos bastante volumosos chamados pepitas. Estas ca-
madas auriferas que algumas vezes se encontram a
superficie, ficam outras a grande profundidade, cober-
tas de camadas de basalto ou outras aluviaes e alon-
gam-se no seu conjuncto por extensoes de milhares
de kilometros.
Quando o ouro afflora (estA A superficie) o tra-
balho do mineiro 6 muito simples:-reduz-se a
lavar a terra em muita agua at6 esta sahir clara.
Entao v6-se o ouro depositado no fundo por baixo
dos calhAos mais densos que nso poderam ser arras-
tados pelas correntes da agua de lavagem.
Os mineiros exploram o ouro empregando uma
especie de taboleiro inclinado onde lavam a areia em








muita agua agitando sempre; a terra mais leave vae
sahindo por cima do bordo inferior e o p6 d'ouro
puro vae-se accumulando no fundo.
Para acabar a limpeza lava-se uma segunda vez
n'um prato.
Nos campos ricos, lavando 2 a 3m" de terra, po-
de um mineiro tirar diariamente uma media de 18$000
reis e, umas vezes por outras, encontrar algumas pe-
pitas cujo valor chega a elevar-se at6 1 e 2:000$000
reis.
0 process que se ter reconhecido mais vanta-
joso para os mineiros que nada sabem de metalurgia,
e associarem-se por grupos de tres, para explorer
o cubigado metal; sendo uni para cavar, outro para
lavar e agitar o crivo e o terceiro para cosinhar e
guardar a casa em que moram. As funcqoes alter-
nam-se diariamente centre todos.
Tal 6 o method d'extracqao para os pobres que
o nosso colono p6de corn grande facilidade ir ver
posto em pratica pelos inglezes no Transwal, na Sua-
zia on em Manica.
Os homes menos'familiares cor os processes
metalurgicos poderao, pela simples observaqao d'uns
dias, sem mais nenhuma aprendizagem nem outro
capital, alem do necessario para a alimentaAo du-
rante a pesquisa e primeiros dias d'explorago, fazer
rapidas e enormes fortunes n'esta industiia. t tao
remuneradora a exploragao do ouro que, ainda di
bons lucros quando o terreno nfo cont8m mais de
4 a 5 gr. por mil metros de terra.
Ha outros processes mais lucrativos; mas que





43

demandam conhecimentos especiaes de geologia, chi-
mica, mechanic e miiito dinheiro.
Alem do ouro existem em differences pontos mi-
nas de ferro, cobre, fabulosos deposits de carvao,
campos de diamantes, petroleo, antracite, enxofre,
etc.
Embora a costa occidental tenha bastante mine-
rio, a nossa provincia de Mo~ambique ter os terre-
nos mineiros classificados entire os mais ricos do
.mundo.
O indigena s6 explore os jazigos metallicos que
affloram at6 A profundidade de dous a tres metros.
E' cor o ferro das suas minas que fabricam as en-
chadas,. machados, espadas, facas, langas, etc. que
usam, vendendo os seus products a baixo prego.



Onde ha agua a vegetagao apparece cor tal pu-
janga que a terra nunca estA limpa; apenas desem-
baraqada dos arbustos e plants que a cobrem, logo
se veem surgir novos e vigorosissimos rebentos cujo
rapido crescimento espanta o viajante. Sob a zona
torrida, parece que a natureza ter mais forga para
rear como para destruir: apenas cahe a arvore que
more de velha, logo fica sepultada em exuberante
vegetaggo que Ihe occulta os restos.
D'esta espantosa uberdade do solo, o preto apenas
tira o indispensavel para o seu sustento diario.
No capitulo sobre agriculture exporemos. mais
largamente as fabulosas riquezas que se podem ob -





44


ter arroteando as terras virgens da nossa Africa; por
agora apenas diremos que a differences lavradores
temos ouvido affirmar que tiram rendimentos supe-
riores a 60 por cento.



Pelo lado commercial as nossas possesses re-
presentam importantissinos centros de consume,
ainda por explorer, que poderio vir a ser origem do
desenvolvimento da actual industrial rachitica do nos-
so paiz.
Sao nossos os melhores portos maritimos da Afri-
ca boreal e as portas d'entrada para o vasto sertAo
do Barotze.
Basta construir dokas, cases de desembarque, de-
positos de carvAo e suprimir as peias e entraves que
at6 aqui temos posto ao commercio, para desde logo
ver surgir toda a importancia de S. Vicente, S. Tho-
mr, Santo Antonio do Zaire, Loanda, Benguella,
Mossamedes, Lourenco Marques, Beira, Quilimane,
Mocambo, Tungue, etc.
Todas as costas sao abundantissimas de peixe.
As industries de sal, pesca, conservas de peixe,
S care, fructas, a ceramic, aguardente, assucar, pol-
vora, tecidos, cal, etc., podem ser origem de rapidas
fortunes logo que sejam estabelecidas em pontos
apropriados, corn faceis communicates, tanto para o
interior como para a Europa.
As colonies portuguezas sul africanas, encerram
pois em si riquezas de toda a ordem promptas a re-





S45


munerar largamente todos aquelles que as quizerem
intelligentemente explorer dedicando-lhe o seu tem-
po, actividade, e capital.
A melhor prova do immense valor das nossas co-
lonias est! na cupidez que teem despertado entire
nagoes estrahgeiras e, loucura serA, se n'ellas nao em-
pregarmos todos os capitaes disponiveis; porque nos
deverao ser restituidos cor lucros muito superiores
a todos os que poderemos haver no velho continent.



Indicag5es pesscaes -Apesar do innegavel pro-
gresso que nos ultimos annos teem tido todas as
nossas colonies, a verdade 6 que ainda se acha quasi
tudo por fazer; na maior parte das terras, mesmo do
litoral, o europeu nao encontra aquillo de que care-
ce e no interior, s6mente poderA obter um mau ali-
mento, quando nao saiba proceder.
Emquanto ao clima ha nas nossas possesses, ao
lado de muitos terrenos pantanosos e insaluberrimos,
outros que sao tao sadios como os melhores de Por-
tugal, por isso 6 indispensavel saber escolher e to-
mar as cautellas convenientes, sempre que os acci-
dentes da vida arrastem o emigrante para logares
doentios.
A Africa nAo 6 jahoje considerada como outr'ora
um clima essencialmente mortifero; observances exac-
tas teem provado que mesmo os mkos climas, duran-
te os primeiros tres annos s6 original doengas agu-
das e curaveis sem deixarem vestigios; e passado





46


este tempo que as consequencias do impaludismo e
da temperature se apresentam chronicas e ficam in-
deleveis no organism: mas ainda n'estes pontos se
podem combater on evitar muito as consequencias
do clima, pela estricta obediencia aos principios da
hygiene que no capitulo respective apontamos.
Corn as devidas cautellas p6de qualquer ir sem
perigo de vida, percorrer, estudar e explorer as nossas
colonies cor tanto que a demora se nao prolongue
alem de tres annos.
Porem aquelle que de Portugal emigrar para de-
finitivamente se fixar em Africa tern de possuir ap-
tidoes especiaes para resistir aos adversaries que 1A
vae encontrar, no clima, no indigena e no concorren-
te estrangeiro.
0 colono carece pois estudar-se antes de se
embrenhar no estudo dos conhecimentos e na acqui-
siglo da bagagem de que carece para partir em boas
condig;es.
Mooralmente o emigrante deve ser corajoso, pru-
dente, active e emprehendedor, mas circumspecto;
nao deve recear qualquer servigo, mesmo mais gros-
seiro on different d'aquelles a que estd habituado,
mas fazer de cada vez ,uma cousa s6, e o melhor que
puder; finalmente 6-lhe indispensavel ser previdente
e saber fazer-se respeitar pelo indigena.
Physicamente nao deve padecer de rheumatismo,
de tuberculose, de affecq6es gastro intestines, do fi-
gado nem do bago ; deve ter constituigao robusta,
edade entire 18 e 45 annos.





47


Todos os portuguezes n'estas condioesi dao bone
colonos; mas entire todos, levarao vantage os que
forem naturaes de climas mais quentes e paludosos
como 6 a Madeira e o Algarve, os que tiverem uma
estatura median ou baixa, de c6r morena e cabello
preto.
Pelos seus precedentes o colono deve estar ha-
bituado a privagOes, a arrostar a iiclemencia do
tempo e a trabalhos penosos; principalmente se nao
f6r logo de c6 contratado para algum servigo espe-
cial e leve; porque quem part para terras estra-
nhas e selvagens deve ir preparado para tudo.
Emquanto a habilitag6es deve pelo menos saber
ler, escrever e ter um officio ou profissao, alias bem
poucas serao as vantagens que tera sobre o preto
com o qual ndo p6de physicamente competir nos tra-
balhos ao ar livre.


Preparativos -Antes de partir todo o emigran-
te deve procurar adquirir nogoes exactas dos novos
paizes que vae precorrer, quer. tomando informaaSes
directs, quer consultando os mappas, lendo o que
ha escripto e tomando apontamentos de tudo o que
presuma poder-lhe aproveitar de future.
Infelizmente na nossa litteratura faltam livros
manuseaveis onde o colono possa encontrar conden-
sados os conhecimentos de que carece; alem d'esta
tentative, para supprir tdo grande falta s6 se encon-
tram indicagaes dispersas e diluidas nos boletins da
Sociedade de Geographia, n'alguns numerous dos jor-





48


nacs ultramarinos, nas publicagies relatives As colo-
nias estrangeiras visinhas.
Sao dignos de se ler os livros das exploragaes
dos snrs. Capello e Ivens, Serpa Pinto, Henrique de
Carvalho, as conferencias sobre Angola e Congo do
sur. F. A. Pinto; mas as mais preciosas informagaes
encontram-se na collecqo dos relatorios dos.gover-
nadores e boletins da Sociedade de Geographia.
Antes de partir deverA o emigrante munir-se
d'um bom mappa forrado a panno e dobrado por for-
ma que se possa trazer no bolso e proceder ao seu
estudo minucioso;
2.0 aprender algumas nogaes de carpinteiro, ser-
ralheiro e outras artes manuaes que Ihe poderlo ser-
vir de muito;
3. at6 onde o tempo e a illustragao Ihe permit-
tir deveri tambem estudar a lingua do paiz on pelo
menos aprender os terms mais vulgares;
4.0 quando nao saiba desenho sao muito conve-
nientes os conhecimentos de photographia pois d'el-
los se p6de tirar partido em milhares de circumrtan-
cias;
,5.0 nogbes de agrimensura, desenho de mappas,
determinagao da posigco pelas observaoes astrono-
micas;
6.0 de geologia o bastante para distinguir os
differences terrenos:
7.ogeneralidades botanicas;
8.0 generalidades de hygiene, medicine e cirurgia,
como applicar uma ligadura, fazer uma cataplasma
ou um penso, laquear um vaso cortado, etc.





49


Nas differences informacGes que colher deve ou-
vir o maior numero possivel de individuos, para poder
confrontar o que dizem e tomar s6 como verdadeiras
as informacoes concordes; porque uns exageram,
outros falseam e outros ignoram os factos.
Quando possa o emigrante deverA levar um com-
panheiro, o que represent um valor inestimavel em
terras longiquas corn clima, costumes e lingua diffe-
rentes da patria.
Para companheiro dever-se-ha procurar, tanto
.quanto possivel, um individuo de character franco,
bondoso e leal; mas energico, active, corn conheci-
mentos e aptidaes manuaes differences dos do indi-
viduo.



Fornecimentos-O material, da bagagem de qu e
cada emigrante carece esta na razao inversa dos re-
cursos da terra para que se destina; per isso, lendo as
indicacOes do abastecimento para o sertao, poderao os
que se dirigem para os centros de povoagao, reduzir
tudo o que Ihes parecer, accrescentando os instru-
mentos apropriados ao seu officio on profissao.
Aquelles que pertenderem internar-se pelo sertAd
,deverao fornecer-se de tendas, ferramentas, armas,
fatos, medicamentos e mercadorias.
A tenda deve ser quadrada, de 2m,30 de lado ,
cor dous tectos, uma janellinha na trazeira e um chio
portatil e impremeavel, que p6de ser de borracha o u
pellets forradas d'oleado.





: 50


Este chao deve ter 0,"25 mais do que a barraca,
e cordelinhos junto da margem para atar a outros
que devem existir na barraca. Os cantos da barraca
devem ser seguros por quatro cordas de 30m.
Toda a bagagem deve ir em saccos de lona alca-
troados para livrar do solalB, formando volumes que
nao excedam.25 kilos que 6 a carga de cada preto-
Oleados quadrados de 2 a 3 metros de lado para.
cobertura das bagagens.
Linhas, agulhas, alfinetes, tesoira.
Cordas delgadas e resistentes, alcatroadas, de diffe-
rentes grossuras.
Anzoes de differences tamanhos, que em muitas
occasioes sio um precioso e atW o unico recurso-
para obter o sustento.
N'um pequeno rolo de couro -martello, formAo,
goiva, verrumas, furador, ench6, serra, torno de mao,
limas, corta-fio, alicates, chave de parafusos, macha-
dinha, fita metrica, compasso e esquadro, um folle
pequeno, pregos, parafusos, um rolo d'arame fino
zirrcado.
Saccas convenientes destinadas a encherem-se
de hervas seccas para servirem de cama e travessei-
ro, saccas de couro para as cargas. Lengoes e toa-
lhas.
Mosquiteiros, lanterns, vellas, cadeira e mesa de
lona, tanque d'agua cor filtro, uma porqao de filtros
d'algibeira, balanga romana para pezar atW 30 kilos,
lampadas d'alcool, ferros para abrir latas, fuzil, pe-
derneiras e isca, pentes, escovas e tesoiras, facas de
bolso, toalhas, uma porgco de vasilhas de lata para





51


fogo mettidas umas nas outras, palito de prata, sa-
ca-rolhas, sabso, tabaco, binoculos de campo, oculos
fumados, relogio bom de prata, fitas metricas, ra-
toeiras fortes.
Duas boas espingardas de repetigao, dous rewol-
veres, respectivas municoes, faca de matto.
Papel, sobrescriptos, aparos, lapis, tinta, regua,
estojo de desenho, uma boa p'orgao de botas de cano
baixo e salto de prateleira, sola grossa cardada, nao
muito pesadas e largas bastante para calgar com
dous pares de meias. Este calgado deve todo ser ex-
perimentado por alguns dias antes de partir.
Sapatos de lona para casa, polainas de couro le-
ves, calgas finas e de meia estagso, camisolas de flanel-
la para vestir por cima, cintos leves, chapeus, meias,
ceroulas, camisas e camisolas d'algodao (Vid. cap.
hygiene art. Fato) casaco impremeavel.
De viveres carece levar-cafe, chA, leite conden-
sado, farinhas nutritivas, conservas alimentares e es-
timulantes, passes, chocolate.
Para attrahir o gentio poderA levar lanterna ma-
gica, caixas de music, machines photographic e ele-
ctrica.
Para presentear os regulos deve adquirir collares
de contas de ambar, torquezas e coral, cruzes, meda.
lhas, pulseiras, brincos prateados e dourados, oculos,
harmonicas, relogios de algibeira e parede, vasilhas
de lata, tachos, colheres, facas de todos os feitios,
garfos, chapeus de sol de cores, chapeus de cabepa,
sapatos de tranca, guizos, assobios, chicotes de caaa,
frascos cor aromas, gal6es, fardas, muitas peas de
us





52


panno;cru, riscado de varias c6res, zuarte, lenGa-
ria, grande sortido, tabaco, polvora, aguardente e vi-
nho.
De- medicamentos os indicados no formulario
corn os signaes **
Adhesive simples, alfinetes e agulhas de curativo,
linha, fios, algodao phenico, ligaduras sortidas, almo-
fariz, balanga, funil, copos graduados, borrachas para
clyster, bisturis, tesoiras recta e curva, pingas de
curative, porta-nitrato.





SIndicap6es ao viajante-Logo que desembarque
o viajante que pertender internar-se em Africa de-
verA demorar no litoral o menos tempo possivel;
por isso carece empregar a maxima assiduidade no
ajuste dos carregadores.
Os carregadores devem ser ajustados por distan-
cias e nio por tempo, alias nunca se chegarA. 0 pre-
,o de cada carregador oscila de 160 a 240 reis dia-
rios na costa occidental; em Mogambique as oscila-
SOes sao muito maiores.
SAs ragoes devem ser pagas em alimentos e equi-
tativamente distribuidas pelo proprio chefe ou por
pessoa de confianga; qualquer outro system provo-
ca desordens ou reclamacaes muito prejudiciaes A
discipline e a march do europeu, quer percorra offi-
cialmente o paiz, quer o atravesse como negociante
ou explore como mineiro.





53

Quando parar em qualquer sitio deve o explo-
rador esforcar-se porque a sua paSsagem se torne
sempre proveitosa para as pessoas que o receberem.
Vao n'isto os bons credits do europeu e a facilida-
de do seu transit para deante; porque as noticias
espalham-se em Africa de boca em boca cor uma
rapidez assombrosa.
Quando prestar soccorros medicos a qualquer
doente em perigo nunca use de medicagao internal
para que Ihe nao attribuam a morte.
Deve fallar com antecipagao nas remuneragOes
que tenciona dar ou mesmo mostral-as o que 6 d'um
effeito assombroso para o bom tratamento.
Os melhores instruments de que o europeu em
Africa se p6de servir sAo os orgaos que Deus Ihe
deu.
E' until reparar em tudo e investigar o que puder
sobre todos os assumptos.
Para nao esquecer, todas as noites deverl men-
cionar n'uma caderneta:- o aspect das paizagens,-
a riqueza agricola e mineira, -os rios, montes, ter-
ras, clima,--tribus, typo, character, usos etc. dos ha'-
bitantes, algumas palavras que tiver podido colher
de cada lingua, tudo o que lhe parecer de qual-
quer utilidade por pequena que seja; sem nunca se
esquecer de mencionar as difficuldades que Ihe ap-
pareceram, o modo como as venceu e os insuccessos
que teve.
S As coisas mais insignificantes e futeis na appa-
rencia, assim como os factos mais vulgares, podem-





54


se tornar de future em preciosissimas indicagaes de
incalculavel valor 1
As observa9ges devem ser methodicas e rigoro-
sas, e escriptas sempre pela mesma ordem segundo
os assumptos.
No interior d'Africa as estradas sao substituidas
por veredas abertas no capim 2 ou nas florestas por
onde as comitivas seguem a um e urn.
As viagens fazem-se geralmente a pe.
O pessoal superior, nos pontos em que faltam os
animaes domesticos, 6 conduzido em tipoia (dspecie
de rede suspensa de varas conduzidas as costas de
pretos) ou em machila (especie de cadeira a Voltai-
re cor argolas lateraes por onde tambem se suspen-
de is varas que os negros conduzem).
N'alguns pontos empregam o boi-cavallo guiado
por duas cordas press a um pequeno ferro ou pan
que atravessa as ventas do animal.
Os Boeres, e nos paizes que Ihe ficam ao sul, via-
jam em grades carros de bois quando o terreno



1 Todos estas observaCOes e os estudos que se devem
continuar depois de estabelecido, convem que sejam man-
dadas Sociedade de Geographia de Lisboa; a imitagao do
que fazia o benemerito Silva Porto.
Aquelles que assim procederem serao benemeritos da
patria e prestarao relevantes services, dignos de recom-
pensa, aos que de. future os seguirem na exploracao e
civilfsa9ao do continent negro.
Especie de graminea que se eleva acima da altura
d'um homerri, extremamente generalisada em toda a Africa.





55

Ihes permitted e ja hoje empregam o cavallo, a muar
,e o burro.
As marchas diarias d'uma expedigno oscilam
centre 12 e 25 kilometros por dia.
Ao chegar As terras de cada soba 6 neeessario
iparar e mandar-lhe pedir licenea fazendo logo acom-
panhar o requerimento por uma garrafa d'aguarden-
te: salvo nos pontos em que o dominion europeu ja
*esti perfeitamente consolidado.
Obtida a licenqa para acampar espera-se a visit
.do soba a quem se ter de presentear corn alguns
objects, cujo valor deve estar em relagpo cor a sua
importancia e o que d'elle se pretend conseguir.
E' necessario tamar precaug9es contra as exi-
.gencias d'alguas que chegam a ser extraordinarias.
E' indispeasavel nunca mostrar medo e nao per-
-der occasion de dar provas de habilidade, forga e
destreza que produzem sempre grande effeito. 0 caso
esta em convencer o preto de que nao ter elemen-
tos para resistir; por isso 6 indispensavel que as ex-
pedigoes vao bem municiadas e armadas.
Toda a prudencia 6 pouca para evitar o emprego
da violencia ou a animosidade.
E' necessario fazer o pessoal da expedigo res-
peitar os usos das terras e sobre tudo as mulheres
,de que os pretos sao ciosissimos.
Nunca so deve atravessar qualquer povoaggo
senSo a p6; o contrario 6 tido como injuria.
Sempre que o europeu nio. consegue captar a
benevolencia d'um soba, este, ou o ataca ou, se nAo
tem forgas bastantes, prohibe que lhe forneaam vive-





56


res, causando em qualquer dos casos grandes perdas
e pondo em risco a vida dos expedicionarios.
Para captar a boa vontade do gentio .e conve-
niente atirar para o meio da multidao que se aglo-
mera em volta do expedicionario uma pouca de mis-
sanga solta e distribuir alguns alimentos pelas crean-
gas.
O sustento obtem-se a troco de mercadorias sen-
do a base das transac~ies-missanga azul ou encar-
nada do tamanho de bagos de roma, o panno cri,
ou riscado, len1os e aguardente. Os alhmentos que se-
encontram no sertao sao :
Gallinhas que custam 2 a 3 bagos de missanga.
Patos, cabritos, carneiros -700 bagos on 10 jar-
das de riscado.
Porcos-2 a 3000 bagos ou uma pega de fazenda.
Feijao, milho, mandioca, fructos 2 a 3 kilos.
por um kete de contas '.
Vinho de palmeira por uma garrafa 8 on 10
bagos.
um boi-25 a 40 peas de riscado.
Para a compra d'objectos baratos 6 preferivel a.
missanga.


Commercio Em toda a Africa 6 o commercial
que principalmente seduz o preto e abre as portas ao-
europeu.

1 Kete 6 a distancia que vae da ponta do indicador 6
cana do pollegar.





57

Todos no sertso teem de ser mais ou menos ne-
gociantes; porque faltando a moeda 6 s6 a troco de,
products europeus que se obteem alimentos, traba-
Ihos do indigena on concessoes dos regulos.
O mesmo succede aos fazendeiros; porque a moe-
da cunhada, quasi today estrangeira que n'uma varie-
dade extraordinaria apparece nas nossas colonies, ra-
ro passa das principaes terras do litoral; pelo menos
do lado occidental.
0 grande negocio em Africa faz-se nos pontos de
mais facial communicagao com a Europa onde se en-
contram estabelecidos representantes de casas portu-
guezas, francezas, hollandezas e inglezas:
Algumas d'estas casas, emquanto puderam obter
carregadores por prego modico sustentaram succur-
saes mais ou menos internadas levando as suas guar-
das avangadag em Angola atW Pungo Andongo, Ma-
lange e Bih6; em Mogambique atW Tete, Zumbo e foz
do Sanhati.
Desviados pela liberdade que os livra do traba-
Iho forgado e pelas obras publicas que triplicaram e
quadruplicaram os ordenados que os particulares atW
entao pagavam, os pretos furtam-se hoje ao servigo
de carregadores, multiplicam de dia para dia as
suas exigencias, recusam-se a seguir em determina-
das direcgaes, incitam os sobas a crear difficuldades,
retardam as'marchas, desertam,-revoltam-se, etc.
Para luctar contra este estado de cousas, ini-
ciou-se no Estado Livre do Congo o system de na-
vegacao fluvial a vapor, conseguindo assim por inter-
medio dos numerosos affluentes do Zaire introduzir





58

profuadamente no sertso, com grande economic re-
lativa os products europeus.
D'aqui teem resultado series embaragos as nossas
feitorias" do interior d'Angola que nao podem com-
petir; ,muitas casas teen mandado fechar as filiaes,
e os negociantes que operavam por sua conta teenT
trocado o commercio pela agriculture e pela indus-
tria.
,0 commercio livre do preto ter substituido o dos
carregadores,por conta dos europeus; o gentio de
Ambaca, Bihb, Bailundo etc. forma comitivas que
veem ao litoral trocar os products do interior pelos
'europeus. '
0 negoclante europeu hoje estabelecido, ter
agents que vao aos caminhos esperar as caravanas
e, offerecendo-lhes presents, as conduzem d casa
commercial que os enviou.
Ahi sao os pretos alojados em amplos quintaes,
ji destindos para este fim, alimentados durante to-
do o tempo das negociaoaes e ainda presenteados cor
cobertores, polvora, aguardente, etc.
As negociacoes comeqam entao e proseguem corn
tanto mais morosidade quanto maior 6 o valor das
transacqaes.
Para levar ao fim qualquer contract corn o pre-
to 6 necessaria uma paciencia evangelical; porque 6
aqui que o indigena busca desenvolver toda a sua
.habilidade para enganar e .no ser enganado pelo
branco.
0 preto pede 30 e 40 pelo que vem a dar por 1
ou 2; comeqado o ajuste sah e e ntra mil vezes, dis-





59


cute alternadamente cor os companheiros e corn o
mnegociante e consome dias inteiros sem -resolver.
A falta de moeda, 6 s6 pela equivalencia dos pro-
lductos avaliados pela quantidade e qualidade do ge-
nero que se effeetuam as transac6ges.
Estas equivalencias referem-se a differences uni-
-dades que variam d'uns para.outros pontos e sao
missanga, bois, polvora, armas, peas de riscado, etc.
Feita assim a avaliagAo recebe o preto um papel
.(mucanda) onde se declara em unidades commer-
ciaes o valor da carga entregue e s6 depois se passa
A segunda operabAo que consiste em trocar estas
uni.dades da mucanda por differentes artigos.
E n'esta segunda permutagao que o branco ga-
nha, chegando a obter pelos products de que o preto
desconhece o valor, pregos 50 e 100 vezes superio-
res aos da Europa.
E necessario, por6m, nio confiar demasiadamente
n'estes lucros; porque nAo s6 sso onerados de gran-
-des despezas, mas porque a concorrencia augmentan-
do dia a dia as vae constantemente reduzindo.
Quando o negociante se serve de. interpreted de-
ve-o pessoalmente vigiar; porque 6 frequent que este
0 queira enganar.
Ultimadas finalmente todas as negociagoes se-
gue-se um preseute ao lingua (malufa ia quitanda,
em Loanda).
Pela sua part o preto offerece tambem o sea
present de pelles d'animaes, armas indigenas, estei-
ras e outros objects da sua pequena industrial.
Muitas vezes nao se effectua a segunda permu-




60


ta~ao e o preto leva a sua mucanda, a qual dA tanto.
credit que esta chega a percorrer muitas maos sem
que ninguem, n'esta parte, duvide da probidade do,
branch.
Na Africa Oriental as circumstancias mudam; o,
grande competitor do europeu 6 o aziatico, batiate,
banianie. Estas racas dedicam-se ao commercio, vi-
vem miseravelmente com uma economic sordida, em
palhotas immundas' onde dormem, cosinham e fa-
zem o deposit de fazendas: o seu vestuario consis-
te apenas n'uma cabaia larga e chinelas sem meias;
a sua alimentagao 6 frugalissima: limita-se quasi a.
arroz, mandioca e milho.
Estes homes fornocem-se directamente da India
Ingleza, contentam-se corn pequenos ganhos e re-
duzem o prego da fazenda, estabelecendo entire si
uma concorrencia corn a qual o branco difficilmen-
to p6de competir em consequencia das suas maiores
necessidades.
Quando enriquecido o indio no constitute um
element de progress para a provincia; porque se
repatria corn tudo o que possue, abandonando a ter-
ra que tanto tempo sugou sem n'ella deixar o mais
pequeno vestigio util da sua passage.
O individuo que tentar es.tabelecer-se como ne-
gociante tem pois de se prevenir para luctar contra
aziaticos astutos e economics e europeus illustra-
dos, ricos e activos, porisso carece empregar e de-
senvolver a sua intelligencia, capital e actividade tan-
to como a, sua astucia.
Felizmente o portuguez capta melhor a estima







lque os povos do norte, d'aqui vantagens que permit-
tem aos nossos, conterraneos obter em Africa rapidas,
e boas fortunes.
Os' pontos internados d'onde se puder obter uma
-facil e economic ligacao corn a Europa sio os mais
vantajosos para o negocio; as casas que n'estas
circumstancias se montam desenvolvem-se at6 cons-
-tituir verdadeiros principados.
O que 6 indispensavel 6 captar a amisade e con-
fianga do gentio tornando-se util e tendo artes para
-s tornar indispensavel e guia.
Tal 6 a base da fortuna e da grandeza entire as
tribus atrazadas.
A cautela conv6m sempre construir a caza em
ponto elevado e defensavel, e por sebes vivas, vala-
-dos ou fossos para poder resistir a um ataque, quer
-do gentio quer das feras.



Artigos de commercio-Os generous que princi-
palmente se importam da Europa para transaccionar
sao:- assucar, azeite, vinho, bebidas alcoolicas e
fermentadas, chk, manteiga, mela;o, tabaco me-
taes em' bruto, espingardas ordinarias, rewolveres
e espadas, facas, machadas, polvora, chumbo, en-
chadas, panellas de ferro, arame, lata, candieiros
para azeite, fio de ferro, cobre, latao, ferragens de
-tda a ordem para casas:--emblemas, botoes ama-
:.rellos, fivelas, espelhos diversos, relogios, caixas de





62

music e outras quinquilharias:--missanga' de bor-
dare conta grossa, pederneiras, faiangas, vid'ros e-
loug9at:-panno d'algodao cri e: entrahnado, len9os
grandes estampados, linho, sedas e veludos, linha-
gens estampadas, fato branco e de fdra feito, cha-
peus e.calcado:-galoes, bonets bordados, sapatos-
de tranpa, pentes,' mantas, chapeus de sol, etc. ar-
tigos d'escriptorio, conservas alimenitares de toda a
ordem, barcos de pesca, etc.
Para Lourengo Marques e Loanda a importagao
esti ja sendo muito mais variaIa.
Os generous que em troca se obteem da Africa
interior reduzem-se hoje a cera, marfim, borracha e
copal, devendo notar-se que-j& hoje todos tendem a.
escacear cada vez mais pela maneira barbara por-
que o preto os ter explorado.
Al1m d'estes products ha outros que se produ-
zem em differences localidades ja mais ou menos-
adiantadas e que p6dem vir a ser origem de impor-
tantes receitas, taes sao:,
O algodao que jA se cultiva em Benguella e-
Mossamedes em quantidade bastante para fornecer
a provincia podendo desenvolver-se atW ao ponto
de emancipar Portugal das fabrics inglezas e ame-
ricanas.
A exploragao rational tanto da cagoneira (caut-
chuc), que ja se iniciou em Mossamedes cor a de-
nominavao de almeidinha, como de outras arvores de
borracha.
Maindioca, milho, trigo, inhame, tabaco, caf6, ana-
naz, indigo, aguardente de canna, de palma, de cajil







etc., amendoim, fructo e-oleo de coco, ursella, a qui-
na, e outras sementes oleoginosas.
Sementes e plants ornamentaes, fibras vegetaes,
cascas taninosas, plants tmedicinaes.
.Conchas, tartarugas, madeiras, mihesio.
Os fructos, a care e o peixe seccos ou de con-
serva, o sal, o cebo, as pennas d'abestruz e outras
aves, a la em rama, as pelles, etc. podem ser obje-
ctos d'industrias faceis e de commercio lucrative.
A exportacao d'aves e outros animaes vivos, bra-
vios e domesticos, que n'alguns pontos sao baratis-
simos.
As esteiras de mabu, cabazes, cestos, alcofas,
chapeus de palha, cordas, tecidos grosseiros, pelles
cortidas, sao industries indigenas que se p6dem e
devem explorer e aperfeiqoar; porque teem baixo
prego e ha artigos muito bem executados.
Armas e ornatos gentilicos hoje apreciadas para
ornamentagao das salas.
STambem sao dignas de se desenvolver as indus-
trias de sabso e cachimbos, as redes de balougo, as
rendas e cobertas.de Cabo Verde, as obras de tarta-
ruga de S. ThomB e na costa oriental, pesca da es-
ponja e coral em Cabo Verde, a das ostras de pe-
rolas em Bazaruto e Cabo Delgado.
Para consume local promettem future as in-
dustrias de tecidos d'algodao, manipuiacao de taba-
cos, fabricacao de filtros em Loanda e Mossamedes,
fabricagao de telha, tijolo e cal. As mobilias porta-
teis de bambft, a exploragao e aproveitamento de ma-
gnificas madeiras que hoje attingem na Europa pre-





648

ios elevados, a fabricaao de polvora e a explora-
go das variadissimas minas sao outras tantas fontes
de riqueza e commercio muito aproveitaveis pelos
homes d'iniciativa e intelligencia.
Os commerciantes nas possesses auxiliam-se mu-
tuamente cor uma franqueza e boa vontade que se
nao ve na,metropole; emprestam-se, sem lucros dif-
ferentes de favors analogos, fazendas dinheiro e ma-
chinas na proporqao dos haveres de cada urn.


Residencia-- Todo o portuguez deve preferir tan-
to quanto possa o sul das colonies e os planaltos;
porque ahi encontrara os climas mais salubres.
Para as terras jA adiantadas como Cabo Verde,
S. Thom6, Santo Antonio do Zaire, Loanda, Ben-
guella, Mossamedes, Lourengo Marques, Quilimane e
dentro em pouco Beira e Inhambane devem dirigir-se
os artists de toda a ordem, os industries e'o com-
mercianto.
Para o sertao s6 se p6de dirigir o pesquisador
de minas e ainda alguns negociantes; depois de co-
nhecerem o litoral, as condiges de transport e
consumo.
Os agricultores deverto procurar a proximidade
de boas terras, de 'caminhos de ferro e de rios nave-
gaveis, afi'm de poderem valorisar os products que
obtiverem;' aliaz terao de reduzir as cultures pela
iiutilidade dos excendentes das colheitas.




TABELLA DE CARREIRAS MENSAES DA EMPREZA DE NAVEGAgeO NATIONAL

Diasda Ida Dias de volta PREVO DE PASSAGENS Prepo de transport
PORTOS Todos Tondos la~-- -- de mereadorias para qualquer
_____os mes os mees 'Classe s.a Classe 3. Classes porto do itinerario
09mezes '08 mezes


Lisboa .........
Madeira..........
S. Vicente........

S. Thiago.......

Bissao e Bolama .

Principe.... .....

S. Thome........

Cabinda.........

Banana...... ....

St.o Ant.o do Zaire
Ambriz .........

Loanda ..........

Novo Redondo....
Benguella .......
Mossamedes......


Idem


417M100
51 300

Idem


85550
285500

Idem


S85500 06,500 .5ii00 '

2 4414000 858500 38,000

29-1 Idem Idem Idein

27 1423500 1043500 42,750

Idem Idem Idem

26 Idem Idem Idemr
25 Idem Idem Idem
-21-24 Idem Idem Idem

21 1' .,,)0 11 i t -: ,''0
19-201 Idem Idem Idem
16-18 li.l-,0 1235500 .20.-3.11


Farinha por barrica 14500.
Liquido em vasilha, por pi-
pa ate 500 litros 7W000.
Ferro e outros objects pe-
sados a escolha da empire
za, por 1000 kilos 115000.
Legumes, cal, carvao, lou-
; ca, ferragens, saccos ve-
Ihos, phosphoros, telha,
etc., por m '105000.
Generos nao especificados
e fazendas m3 -iii.111.
Embarque e descarga pa-
gavel em Lisboa.
Machinas, caldeiras, gran-
des volumes, gado-Ajus-
te especial.
Ouro, prata ejoias, 11/2 0/o
ad valorem.
Cobre e bronze 2 1/g ad va-
lorem.
0 menor frtete ser de 41000


t t L


__~_~~





.TABELLA DAS CARREIRAS MENSAES DOS VAPORES DA MALA REAL

IDA VOLTA PuREOS
PORTOS Dias do Dias do.
mez mez I.- Claseo 2.- Classe 3.. Classe


Lisboa............ 21
Marselha ...... ... 25-27
Port-Said;.......... 2-7
Suez.............. 4 -7
Aden............. )9-12
Zanzibar."......... 10-21
Mocambique...... 20-24
Lourenco Marques. 26-27,


5-7
_Ik 4O 4U0 27o000I
23-26 1 11l) -1 1 1 H11 361W0
21-21 11123500 81000 40;r500
16-19 1 18R1,00 1171000 14"000
7 -12 198b000 II'lI111 84806"0
2-5 212,5301141,57,50 9450O
30-2 2220680 .1-,ld-II 4I030950


C Carga por metro cubico ou
1.000 kilos a escolha da em-
preza para Lourenqo Marques
e Mocambique 135500, para
qualquer outro porto da esca-
la 17X100.
Descarga em Lourenco Mar-
ques per m/c 24250.
Descarga em Mo Ub690.
Nos outros ports 10 % so-
bre o frete.
A ompreza faz ajustes par-
ticulares.


PItEGlO DOS TELEGHAMMAS POR PALAVRA

Entre Lisboa c S. Vicento . .. ...
SLoanda . . . .
S 0 0 IBenguclla. .. . ... .
) 0 Mossaciledos. . . *
SLouromic;o Marques .... .. .
0 0 Slo'lll;inbiIlio,. .... ,


516 reis

20183,4
2:3381,4
2,M31







CAPITULO II

PROVINCIAS E DISTRICTS'




PROVINCIA DE CABO VERDE

(Revista, correct e miuto augmentada
pelos ex.mos snrs.dr. Antonio M. da C.
Lereno, dignissimo facultativo do qua-
dro de saude e Augusto F. Figneiredo
Sde Barros dignissimo seeretario geral
da provincia).

Estaiprovincia; formada pelo archipelago do mes-
mo nome, estA.situada entire 140,45' 170,411 lat. e
160,39' 190,12' long. 0. de Lisboa.
Esti ligada a Lisboa e A Guine por carreiras re-
gulares de paquetes que tambem estabelecem com-
:municagao entire as differences ilhas.
Eis em milhas 1 o quadro das distancias entire as
differences ilhas.-

N -am s er Dstancias is aotecsderts
ta Luzia.
SS.to Antao. 973
o S. Vicente. 436 20
SS. Nicolau. 386 48 62 .
Sal........ 228 75 120 130
Boa Vista.. 470 26 78 125 138
Brava ..... 2 12 22 '143 104 123 143
Fogo...... 483 6 115 137 102 112 14-2
SMaio ...... 168 76 85 55 83 99141 160
S. Thiago.. 1208 20 59 06 77 1061408 -7 i1


1 Umia milha tern 1.851 metros.







CAPITULO II

PROVINCIAS E DISTRICTS'




PROVINCIA DE CABO VERDE

(Revista, correct e miuto augmentada
pelos ex.mos snrs.dr. Antonio M. da C.
Lereno, dignissimo facultativo do qua-
dro de saude e Augusto F. Figneiredo
Sde Barros dignissimo seeretario geral
da provincia).

Estaiprovincia; formada pelo archipelago do mes-
mo nome, estA.situada entire 140,45' 170,411 lat. e
160,39' 190,12' long. 0. de Lisboa.
Esti ligada a Lisboa e A Guine por carreiras re-
gulares de paquetes que tambem estabelecem com-
:municagao entire as differences ilhas.
Eis em milhas 1 o quadro das distancias entire as
differences ilhas.-

N -am s er Dstancias is aotecsderts
ta Luzia.
SS.to Antao. 973
o S. Vicente. 436 20
SS. Nicolau. 386 48 62 .
Sal........ 228 75 120 130
Boa Vista.. 470 26 78 125 138
Brava ..... 2 12 22 '143 104 123 143
Fogo...... 483 6 115 137 102 112 14-2
SMaio ...... 168 76 85 55 83 99141 160
S. Thiago.. 1208 20 59 06 77 1061408 -7 i1


1 Umia milha tern 1.851 metros.





68


;Cada ilha forma um concelho except Santa Lu-
zia que 6'quasi deshabitada, Santo Antao e S. Thia-
go :ue tem dous.
O clima de Cabo Verde nao differe muito do de
Lisboa durante o verao e outomno; a sua tempera-
tura media das 11 horas da manha as 4 da tarde e
de 270 centigrados em maio e agosto (as duas pas-
sagens do sol) e dd 220 centigrados em abril, junho,
julho e setembro; os maiores calories sobem a 35.0
centigrados.
As madrugadas e comego das noutes sao frescas
e maitas vezes humidas.
)Os ventos alizados que os naturaes denominam
brizas, sopram do quadrante norte desde fins de de-
zembro at6 maio e do quadrante sul durante o resto
do anno.
As chuvas sao hoje muito irregulares e cahem
do comego d'agosto at6 novembro, abundando prin-
cipalmente nos ultimos dous mezes.
Segundo alguns informadores parece que outr'ora
as chuvas cahiam cor mais frequencia e comegavam
nmais cedo.
As s&ccas frequentes estAo sendo quasi periodi-
cas, causando enormes prejuizos a agriculture e ver-
dadeiras fomes:
Notam-se no archipelago tres climas differences:
o do litoral, quente, secco, ventoso, insalubre e cor
resumido quadro nosologico no qual predominam as
febres; o das altitudes, fresco, humido, ventoso, sa-
lubre e corn variado numero de doenCas; o das
ribeiras, mixto dos dous, corn as correntes atmos-




69


phericas modificadas segundo os abrigos e exposiao
de salubridade muito variavel.
D'uma forma mais geral: todas as ilhas se podem
considerar salubres nos pontos elevados e nomeada-
:mente a Brava, Santo Antao e Fogo.
Nos logares insalubres as febres palustres appa-
recem de julho a novembro.
Em todas as ilhas ha medico e pharmaceutico.
O total da populagLo eleva-se hoje acima de
S120:000 almas.
Os individuos propriamente europeus nio exce-
dem uns 500; mas a populaao branch ou mestiga
em que predomina o sangue europeu 6 muito'nume-
rosa.
Em Cabo Verde ha uma verdadeira sobreposigao
de ragas negras, caucasicas, malabares.
A c6r dos habitantes negros 6 muito menos car-
regada que a do continent africano.
SA. lingua que se falla 6 um dialect creoulo
muito misturado de portuguez.
Os habitantes sao meigos, mas muito indolentes.
Ha' jA annos queos degredados deixaram de ir
para esta provincial.




O mar do archipelago 6 abundantissimo em pei-
xe, tartarugas, baleias, ambar e excellent coral.
Nas ilhas de S. Nicolau e Maio ha duas empre-
zas para a pesca da baleia; mas esta tambem 6 fei-





70


ta por palhabotes americanos quasi sempre tripu-
lados por agorianos 1
0 coral 6 irregular e imperfeitamente explorado
por italianos que para isso possuem uma pequena
esquadrilha.
O coral e pescado corn um aparelho formado por
duas fortes peas eguaes de madeira, cor I1m1 sobre
0,22, entalhadas e ligadas em cruz por fortes cha-
pas de ferro, terminando em anneis de 16",,5 de dia-
metro. Estes anneis formam a bocca de fortes saccos
de rede de malha miuda, solidamente press, tendo
de fundo 27"m.
Al4m d'estes saccos, tambem estA ligado ao topo
de cada brago um molho de rede muito larga de 1I
de comprido.
A.marrando ao meio da cruz uma corda forte e
suspendendo, fica o aparelho horisontal cor as re-
des pendentes dos topos.
Prendem entao ao meio da cruz um pezo de 30,1
que o faz mergulhar e, quando chega a um fundo
de 200 a 300 metros 6nde existed o coral, remam
fortemente para terra.
O aparelho assim arrastado pelo fundo traz com-
sigo muitos bocados de coral.
Apezar da pesca ser muito abundante, principal-


1 No regresso aos Estados Unidos estes palhabotes
transportam emigrantes (quasi sempre clandestinamente,
para tripulagao de navios.
A repatriaEco d'estes individuos estA hoje sendo para a
provincia uma importatte fonte de receita.







-mente a do alvacarA (atum), nao se faz em quanti-
dade bastante e nas condigoes necessarias, domo
seria de desejar, para poder servir de recurso nos
annos de fome.
Em differences ilhas encontra-se marmore verme-
Iho,,cal, terra propria para tinturaria e loupa, e mi-
nerio de cobre, ferro, estanho e, segundo alguns, ou-
ro no monte Vermelho a oeste e pouco distant da
Praia, e na ilha da Boa Vista; na ilha do Fogo ha
abundancia de enxofre e sulfato de soda.
0 terreno 6 vulcanico e bastante fertil quando
Ihe nao faltam as aguas.*
Tanto as plants da zona torrida como da tem-
perada, vegetam egualmente bem no archipelago.
A superficie cultivada avalia-se em 40,248 hecta-
res, produzindo 6.625:774 lit. de mantimento.
Os naturaes fazem a cultural por processes muito
imperfeitos, embora melhores do que os do continen-
te fronteiro.
Apezar de ainda jazer inculta a maior parte dos
terrenos, todos elles sao jA propriedade de particu-
lares.
Os principles products agricolas da provincia
,pela ordem da sua importancia sao:-sementes de
purgueira, cafe, pelles de cabra, milho, aguardente,
assucar mascavado, anil, tabaco, sementes, oleo de
palma christi e quina.
Ha pouca vinha que produz excellent uva e dU
duas colheitas por anno.
Existe grande abuadancia de gado cavallar, suino,
caprino. e asinino.




72

A importagao da cabra angora da Algeria ou do
C'abo daria bons lucros pela sua sobriedade que Ihe
permitted resistir as grandes sccas.
O commercio de Cabo Verde faz-se principalmen-
te cnm a Guin6, Madeira e reino.
As industries estao bastante atrazadas; export
sal, colehas muito acreditadas cujo custo oscilla entire
1$500 e 24$000 reis, rendas, sabao, peixe shcco, tin-
tas; pelles curtidas e em crA, 'manteiga e queijo.
Devem dar lucros:- a refinagao d'assucar, as
conservas alimentares, fabricagao de telha, tijolo e
mais obras de ceramic, extrac9ao de oleos, fabrica-
gao ;de tabaco, de coidas e cabos de pita..
Seria tambem muito aproveitavel a forga motriz
dos ventos que sao quasi constantes em S. Vicente,
a serragao mechanic das abundantes e excellentes
madeiras da Guin6, a fabricaao de telha de pau de
que se faz largo consume em substituiao do colmo
ou docapim.
Mas de todas as riquezas d'esta provincia a
maior. incontestavelmente estA na sua posigao geo-
graphica que jA hoje Ihe dd, pela reexportaqao de
carvao e abastecimento de refrescos aos navios, a
principal fonte de receita.
1E na exploraeao da sua posiaso, no centro da
estrada: maritima entire os dous mundos que se po-
dem realisar as melhores fortunes em deposits de
carvao, dokas e reparos dos navios,. organisagao
do servigo de carga e descarga, venda de viveres,
recreios que convidem os passageiros a desembar-
car e todas as facilidades que permittam a S. Vi-





73


center competir em tudo corn as Canarias'e Senegal
francez.
A belleza, fertilidade e salubridade, a posse de
altitudes de 2 e 3000m, de aguas alcalinas e sulphu-
rosas a differences temperatures apontam n'este ar-
chipelago pontos excellentes para sanitarios que ne-
cessariamente haviam de'attrahir nao s6 os nossos
colonos d'outras provincias mas os europeus de toda
a costa fronteira que 6 altamente insalubre.
JA hoje os negociantes da Guin6 costumam ir
passar a estagio das chuvas na ilha do Fogo ou na
Brava.
Tambem seria boa tentative a creasgo d'uma
companhia de seguros ou celeiros communs contra
as seccas.



Os artists de Cabo Verde sao poucos, maus e
tendem a rarear fazendo-se a falta cada vez mais
sentida.
Um bom carpinteiro ou pedreiro p6de ganhar por
dia ate 2-'".110 reis.
Os artists indigenas dos mesmos officios,'tece-
I6es, ferreiros, pintores, etc., vencem uma media de
700 reis.
Nao ha sapateiros nem barbeiros indigenas,
Os bravos para servigos agricolas corn difficulda.-
de se obteem para as sementeiras e colheitas que se
fazem; o seu custo 6 de 140 a 200 reis por dia.
No serviko de carga de carvAo chegam a pagar





71

300 .reis por dia e nao ter gente bastante que se
preste.
Nos portos principles de todas as ilhas ha pha-
roes e quasi todas as povoa95es costeiras teem cases
d'embarque; ha ji muitas estradas ligando os prin-
cipaes centros da populIcao das ilhas.
Alem da moeda portugueza correm as ongas hes-
panholas, peruvianas, chilenas, bolivianas, colum-
bianas, de Buenos Ayres, Equador, etc. por 14S600,
.meias ongas e quartos.
SAguias==9$200 (dez patacas), meias aguias. Pe-
las brazileiras 8$000 reis, e meias peas.
*Libra sterlina 4$500 reis, meia libra e shiling.
.aelcutas 50 reis.
Officialmente foi ha pouco adoptado o system
metric decimal mas habitualmente empregam o fras-
co, o alqueire e a vara.




Grupo de Sotavento

S. Thiago--E' n'esta ilha que fica a cidade da
Praia, capital da provincia e residencia do governa-
dor. .
Os 'dous melhores portos da ilha sAo o da praia,
defronte da cidade e o da bahia do Tarrafal.
0 movimento d'estes portos 6 relativamente pe-
queno, pois que quasi se reduz aos vapores da car-
reira e navegagso costeira.





S75. .

O centro da ilha e formado por uma cadeia de
-montanhas basalticas que no pico de Antonia attin-
ge 2.000 metros d'altitude.
Junto da costa o terreno'deprime-se formando
'bastantes pantanos insalubres.
A populaaio da -ilha eleva-se a 45.488 almas e'
-vive quasi exclusivamente da agriculture.
Pela producqto do solo 6 esta a ilha mais rica
do archipelago.
Ao sul da ilha fica a Ponta Temorosa sobre a
qual assenta o pharol e lazareto.
A pouca distancia fica- a ilhota de Santa Maria
onde existe ur deposit de carvao de pedra.
A cidade fica cercada de terrenos pantanosos
origem' da sua afamada insalubridade.
iHoje estes pantanos estao esgotados; corn takes
obras melhorou o estado sanitario da cidade a ponto
de a tornar perfeitanmente habitavel pelo europeu
que alli se reproduz hoje em condioes normaes.
Em todo o caso, aconselham os medicos,, como me-
dida de prudencia, passar f6ra da cidade desde
meados d'agosto a meadows de novembro podendo
para isso aproveitar-se alguns pontos interiores da
ilha que sao bastante salubres.
A cidade destaca alegremente ao lado de planta-
,.oes.de palmeiras, coqueirds,. tamarindos e acacias.
Na praia fica a repartigco maritima, as officinas
d'obras publicas, um bello edificio para alfandega.e
ponte d'atraqiue com guindaste de ferro.
As 'ruas sao direitas, espag sas, arborisadas e
ilanqueadas por edificios regulars, alguns dos quaes








bastante elegantes; de noite sao illuminadas a pe-
troleo.
SNo largo da Igreja erguem-se os palacios do go-
"vernador e do governor, a junta de fazenda .e a im-
prensa national.
S Na prawa Albuquerque veem-se os pagos do con-
celho onde tambem funcciona a administragao e re-
cebedoria do concelho, cartorios judiciaes, repartigao
de fazenda e correio.
No largo Chaparet ha o deposit d'aguas Monte.
Agarro.
No planalto da cidade existed o mercado tendo
ao centro um chafariz.
Na praga Pinheiro Chagas (vulgo Bateria) fica a-
repartigao das obras publicas, thesouraria, quarter
de policia civil e military e o telegrapho submarine.
Tambem possue uma boa pharmacia que fornece
as ainbulancias de todas as outras ilhas e um boin
hospital qnde se tratam gratuitamente os pobres,
corn enfermaria e quartos particulares para contri-
buintes.


O segundo concelho da ilha den6minado de San-
ta Catharina tem a sua s6de no porto do Tarrafal
ao N. da ilha.'
Projecta-se n'este-ponto um novo deposit de
carvAo que p6de adquirir importancia para as linhas
de navegag o do sul da Africa.
Este ponto tem agua em abundancia e 6 bastan-
te salubre.








Ilha do Fogo--E a mais interessante do archipe-
lago pelo accidentado dos seus terrenos cheios de
grutas e quebradas immensamente pittorescas.
Ao sul ergue-se o vulcao adormecido, mas nao
extincto, de 3.200 metros d'altitude 1 onde a neve nao
e desconhecida. O centro da ilha 6 formado por uma
serrania de 3.000 metros d'altitude em cujos mon-
-tes se encontram aguas thermaes sulfurosas.
N'estes terrenos onde a vegetagIo 6 exuberante
n1ao sao raros os ,evoeiros que a esta parte da ilha
dao uma frescura notavel.
Apesar por6m da abundancia das suas torrentes
nas abas do vulcao e da serra, ellas somem-se nas
-quebradas e poucas chegam as planicies do littoral
que sao faltas d'agua: aqui os gados passain tortu-
-as de sede chegando em alguns pontos a beber s6
-de tres em tres dias.
A populacao d'esta ilha que se eleva a 16.000
habitantes 6 quasi today mestiga; vive da agriculture
e export muito caf6.
A sua povoagCo principal 6 a villa de S. Filippe.



llha Brava Ter um bom porto denominado da
Turna..
O terreno 6 todo accidentado e d'uma altitude
bastante elevada.

1 Vid. a interessante noticia de Felix Capello sobre o
vulcao da ilha. do Fogo Boletins de Cabo Verde, 1856.





78


A populago que se eleva a 9.013 almas 6 mais
densa e active que a das outras ilhas e na grande
maioria de c6r branch.
Dedica-se muito A agriculture em pequenas pro-
priedades; tem unma important fonte de receita nos
niancebos queose repatriam depois de estarem duran-
te algum' tempo contratados na America do Norte;
fabric chapeus de palha tao perfeitos que rivalisam
corm os do Chili sendo pena que esta industrial se
nao ache desenvolvida em larga escala.
Exporta bordados e trabalhos de palma, purguei-
ra e caf6.
A sua povoagao principal denominada S. Joao
Baptista fica a 600 metros d'altitude; 6 saluberrima.
a j& hoje esti sendo bastante procurada para mu-
danca d'ares:
Os gastos feitos por esta affluencia de forasteiros
constitue tambem uma fonte de receita apreciavel
que augment o bern estar dos habitantes.
A quatro kilometros da villa e ligada por uma
boa estrada ha a fonte alcalina gazosa denominada
do Vinagre que os habitantes utilisam para consume
diario. :
A ekportago d'esta agua convenientemeute en-
garrafada poderia ser altamente lucrative; pois.a sua
utilidade esta largamente reconhecida nos paizes,
quentes.






79


Slha de Maio-- plana e insalubre : conta 1.833
habitantes que se dedicam A fabricaao do sal e crea-
Scao de gado.
O seu melhor porto 6 o denominado Inglez.



IhJa de Santa Luzia --E' apenas habitada por
duas families' de pastores, serviqaes do proprietario.
Tem um bom porto intita agua e excelentes pas-
tagens.



Grupo de Barlavento

lha de S. Vicente -Se nao 6 a maior, 6 a ilha.
principal d'este grupo do archipelago pela importan-
cia que Ihe dA a sua posi;ao e pelo.seu amplo e ex-
plendido porto.
A cidade do Mindello, s6de da capitania dos por-
tos da provincia, 6 a unica povoaqao da ilha e en--
cerra a quasi totalidade 0dos habitantes que se ele-
vam a 7.500.
Al6m da cidade ha, 6 verdade, alguns agrupamen-
tos de casas dissiminadas na ilha mas sem importan-
cia alguma.
A cidade, de recent formaSao, 6 aceiada, temr
observatorio meteorologico, bastantes lojas bem sor-
tidas, hotel, agua canalisada em abundancia, bons
cases d'embarque, telegrapho submarine para a Eu-
ropa, Africa e America.





80


] n'este porto que estA a mais important receita
da ilha e da provincia; pois que n'elle tocam annual-
niente cerca de 1.600 vapores para se abastecer de
carvao e refrescos.
S. Vicente ter como rival o archipelago das Ca-
narias quie pelos seus melhoramentos materials Ihe
esta desviando a navegaao n'uma progressio cres-
cente 1
0 terreno da ilha 6 mau, a vegetagao rachitica.
:Nas poucas proprieda'des que conta cultiva-se
milho, feijao, banana e purgueira. Tambem possue
bastante gado e produz expontaneamente algum al-
godao e ursella.



'Santo Antao-E' sade de comarca, saluberrima,
-tem um bom porto denominado dos Carvoeiros onde
fica a villa da Ribeira Grande.
Os vapores transpoem a distancia que vae d'esta
ilha A de S. Vicente em 3/4 de hora.
'0 terreno em Santo Antao e muito fertil.
A populagao eleva-se a 1:8000 almas e vive da
agriculture corn cujos products abastece imperfeita-
mente S. Vicente.

1 Il. nas Canarias dous deposits de carvao, um em
Santa Cruz de Tenerife e outro em Las Palmas. E este ul-
timo que faz mais concorrencia a S. Vicente pelos muitos
melhoramentos do porto que e hoje segurissimo, pela fa-
.cilidade das cargas e.descargas e pela abundadsia de vi-
veres.





81


A industrial agricola est6 atrazada, nlo s6 pela
indolencia dos habitantes, mas pela falta de estradas,
o que torna os transportes muito dispendiosos.
SEsta ilha, a mais aconselhada para sanitario,
tambem possue aguas alcalinas e sulfurosas; mas nao
estao exploradas.
Acha-se hoje aclimada a quina em Santo Antao,
inas, apezar de vingar maravilhosamente, tern esta
cultura torado muito pouco incremento.


S. Nicolau Ilha de 8.805 habitantes, ter um
bom porto, 6 a s6de do bispado e lyceu.
De todo o archipelago 6 a melhor cultivada; a
propriedade est& bastante dividida.
Exporta pelles de marroquim preparadas cor a
plant a que os naturaes chamam tortaolho.


Boa Vista Foi, outr'ora a capital da provincia.
Conta 3.086 habitantes ter um bom porto deno-
'minado Sal Rei, e no centro uma cadeia de monta-
nhas.
O seu terreno 6 fertile e o clima muito salubre.
Exporta gado, queijos, sal, loua de barro e cal.



Sal E' uma ilha quasi desert; conta apenas
990 habitantes que vivem quasi exclusivainente do
fabric do sal.
S6








O terreno 6 um pouco accidentado e.presta-se
principalmente a creagao de cabras.
-A maior part do sal produzido prove d'um
olho de agua salgada que rebenta no interior da ilha,
Basta deixar esta agua permanecer nas maretas
20 'a 25 dias para estar reduzida a sal, produzindo
enormes quantidades que sdo transportadas em car-
ros assentes sobre carries e movidos a vella como os-
'barcos, atW ao porto: tio constant 6 a regulari-
dade dos ventos.
E' Inuito consideravel a edificago urbana da.
Principal povoagao da ilha do Sal e grande os valo-
res que alli se acham" empregados em pontes, cases,
vias ferreas e material circulante, etc.
Infelizmente parte d'isto tern estado, p6de dizer-
se, inutilisado em consequencia do Brazil, que era o
Sseu principal mercado, ter imposto direitos prohibiti-
vos a importagao do sal.
Bastaria poucb dispendio para a arte melhorar
muito esta fonte de producqao quasi gratuita.












GUINEA


(Este artigo foi completamente
rcfundido segundo o notabilissi-
mo relatorio official do ex'o snr.
Joaquim da Graca Correia Langa,
governador da Guin6, relative a
1890 e revisto pelo ex.nm snr. Au-
S gusto F. Figueiredo de Barros).


Esta provincia, creada em 1879, flea na costa oc-
cidental da Africa entire os parallelos 120,20" e 11
de Lat. N. e 170,38' e 13" long. 0. de Lisboa, desde
o cabo Roxo ao N. de Cacheu atW ao rio Caciae e
desde o archipelago dos Bijag6s at6 ao alto de
Geba.
Os seus portos de Bissau e Bolama estao com-
mercialmente ligados corn Cabo Verde por vapores
mensaes que, partindo do archipelago no dia 18, ahi
regressam a 26.
O caminho director a Lisboa duraria 6 dias.
Esta colonia, encravada na possessao franceza da
.Senegambia, mede a superficie aproximada de.42.000
kilometros quadrados incluindo as ilhas junto da.
costa.
Divide-se naturalmente em duas parties, a conti-
nental e a insular, de certo modo confundidas na sua
Sdivisoria pela infinidade de canaes em que se divide
os rios,. que separam numerosos tractos de terra.
'





84


do corpo do continent, ja d'um modo permanent,
ja durante um period do anno apenas.
Os rios principles sao Cacheu, Geba, Rio Gran-
de e Cassine.
O Rio Grande cuja foz se attinge navegando
atra'ez do Canal das Arcas, tern sobre todos os rios
da*Sehnegambia a vantage do fund que permitted
a navegagpo de embarcagOes de alto bordo atW Pon-
ta Regina, emquanto os outros as nao recebem senao
de callado reduzido e muitos, como o Geba, etc., offe-
receni perigos, ja pelas ilhas e baixios d'areia move,
ji pelos desniveis violentos (machar6s) e impetuosi-
dade das correntes nos mezes das chuvas.
Os terrenos sao baixos, formados pelas aluvioes
dos rios, abundantes em pantanos d'agua doce, sal-
gada e mixtos.
A parte continental, incluindo as ilhas mais pro-
ximas da costa, esti dividida em concelhos on antes
commandos militares; Bissau, Cacheu, Geba, Fa-
rim, Zeguichor e Bolola, nos quaes s6 occupamos as
capitals.
A parte insular composta dos archipelagos dos
Bijag6s e dos Ilhetas nao estA occupada.
O clima continental 6 insaluberrimo e s6 a custo
.de muitas cautelas na escolha dos logares de habita-
g. o e de muitos sersvios de saneamento se poderA
conseguir alguma cousa.
Nas colonies proximas, os francezes nao conse-
guem fazer vingar um unico filho; as suas estatisti-
cas dao nos europeus 391 mortes por 100 nasci-
mentos.





85


At6 op proprios indigenas soffrem do figado, do
bago e accusam um excess de 124 mortes por 100
nascimentos.
No emtanto ha, a oeste, pontos que se.podem clas-
sificar de relativamente salubres no Rio Grande, Bu-
ba, Bolama, Bambaya, Colonia, part sul da ilha de
Bissao e sobre tudo nos archipelagos dos Bijag6s e
Ilhetas cuja salubridade 6 incomparavelmente supe-
rior.
Os nossos negociantes da Guin6 teem conseguido
affrontar bem o clima indo passar as epochas das
chuvas para Cabo Verde on Lisboa onde muitos
deixam permanentemente as families.
As chuvas comeqam em maio e attingem a sua
maior intensidade em agosto e setembro.
N'estes ultimos dous mezes os rios chegam a ele-
var-se 10 metros e mais alagando todo o paiz e nao
permittindo as communicasoes senao em barcos.
A temperature m6dia nos mezes das chuvas sobe
acima de 280.
Nos quatro mezes restantes a humidade do solo
desapparece quasi at6 A ultima gota, evaporada por
um sol ardente que nem uma nuvemmodera; os ve-
getaes tomam uma c6r amarellada;' a temperature
m6dia desce a 20 centigrados. Tal 6 o inverno on
a estacAo secca da Guin6.



Ethnographicamente 6 interesantissihma esfa re-
giao porque se acha habitada por uma infinidade de





86


povos, com typos e habitos differences ', misturados
em virtude do recAlcamento produzido pela expansao
da.ra9a fula que desde as nascentes do Koura e'Se-
negal se tern alastrado at6 ao lago Tchad e a nossa
Guin6, como uma onda invasora, subjugando e escra-
Svisando os povos que he acceitam a religiao do Is-
lam e guerreando implacavelmente os que se man-
teem no fetichismo e lhes embargam o pass.
S O R. Grande e aproximadamente o ponto da
nossa provincia onde a lucta se fere mais renhida,
todas" as suas margens estao infestadas pelos deste-
midos guerrilheiros beafadas ou mandingas que pal-
mo a palmo defended o seu territorio fazendo por
todos os meios urna guerra d'exterminio a raga
f ula.
Atraz d'estas ragas ha outras de menos impor-
tancia como sao os felupes, baiotas, banhumes, cas-
sanges, brames, balantas, papeis, grumetes, man-
Sgajos, bijag6s, nalus, formando no total uma popula-
9ao aproximada de' 820:000 almas.
O pieto fula, de raga caucasica, nariz aquilinio e
cabello liso,. incontestavelmente o mais-intelligente


1 Vide' noticia sobre as racas da Guin6, por Bocand6,
o qual distingue It typos de indigenas.
S0 griimete nao 6 uma raca de origem caracteristica:
6 o product da influencia portugueza nos diversos pontos
odcupados: 6 o intermediario da civilisacao europeia, e
habitat geralmente nos suburbios das nossas. pracas e pre-
sidios. Vide a(Recordacses da Guin6, de A. F. F. Barros-
1'oletins de Cabd Verde, n.us 1i e seguintes, de 1I86.' J





87

'e a raqa dominadora; entrega-se exclusivamente A
,,guerra.
Os fulas forros (mestigos) e pretos, sao de cathe-
goria successivamente inferior, considerados escravos,
e ja se dedicam A cultural do arroz e milho mindo.
Do lado' dos aborigenes os biafadas tambem se
-entregam s6 A guerra. .
Os mandingas podem considerar-se como os mais
adiantados em civilisaaso, pois nao s6 tem mais in-
Austria e producqlo agricola, mas fazem uma melhor
idea da justipa e ja apreciam as aptiddes artisticas e
intelectuaps.
As tribus restantes de balantas, felupes, manja-
cos, etc. prestam-se ao trabalho sbm brilho, 6 verda-
de; mas, embora pachorrentamente, nro deixam de se
engajar para o trabalho durante a epocha da cultural,
:sendo raro que abandonem o campo antes da co-
Iheita.
A raga bijag6s, pela sua rusticidade e proporo6es
tathleticas, 6 talvez destinada a um important papel,
se n6s, auxiliados pelo christianismo, quizermos sus-
pender a riarcha do islamismo egoista e cruel, ini-
migo tradiccional da nossa raga e da civilisaao que
devemos introduzir has terras africanas.



No littoral os terrenos, d'uma feracidade perfeita-
mnente excepciod'al, acham-se cobertos de'densas flo-
restas aonde abunda a borracha, a dende (elais gui-
nenrsis) e outras arvores, taes come6: a calabaceira





88

(adansonia digitata) o mampatache salanca, mabo-
de, poilao, caboupa macho, goiaba brava, pao, carvao,
miogno--vulgo ebycelon -canafistra, machete, pat
cadeira, cibe, ou coqueiro preto de que se faz excel-
lente e duradoura estacaria. para pontes, caes, etc.;
permittindo que s6 em fructos expontaneos e excel-
leites madeiras se carreguem annualmente quasi sem
dispendio e sem esforgo de cultural muitas dezenas-
de navios.
.A mancarra (amendoim) d& por cada litro de se-
mente decalitros 10,9 de colheita; o milho e o arroz
produzem por forma correspondent.
A borracha 6 -abundantissima e a laranja excel-
lente: vegeta expontaneamente nas ilhas.
O gado vaccum sobre tudo na margem esquerda.
do rio G6ba e n'algumas ilhas, 6 em quantidade bas-
tante para constituir a unidade de pagamentos dos
tributes.
Os' archipelagos dos bijag6s e dos Ilhetas cons-
tituem a part mais rica da provincia, embora seja a.
menos conhecida.
Ao cruzar por entire os numerosos esteiros e ca-
naes que dividem entire si as cincoenta e tantas ilhas
e ilheos que compOem estes archipelagos, depara-se-
o mais surprehendente espectaculo.
Nao se v0 terra. E' da superficie das aguas que
emerge immensas florestas de.palmeiras que por si
s6 constituetn fabulosa riqueza.
E tudo isto estA virgem d'exploragao I
Nas ilhas nao ha agriculture, o que a terra pro-
duz por si chega de sobra para a populago que, nao








tendo, necessidades, nto ter incentivo-para valorisar
o que possue.
A polvora, o tabaco, os pannos e a aguardente
sao adquiridas a troco de azeite ou vinho de palma,
laranjas, ovos ou gallinhas.
Os terrenos dos archipelagos sao todos d'aluviao,
predominando a composiggo silico argilosa.
A ilha das Gallinhas sobre todas, presta-se admi-
ravelmente a uma exploragao immediatamente lucra-
tiva.
A sua extensao e de 11 milhas de comprido so-
bre 6 de largo.
'Nio ter pantanos,. 6 abundant de magnifica.
agua, e muito salubre.1
Como todas as outras esta vestida d'uma densa
matta de palmeiras (dendA) que produzem o c6cona-
te, abunda, n'ella a laranjeira e a borracha que os
pretos cortam para cultivar arroz, tern muito mel e
cera, gado vaccum. e suino que se alimenta de ma-
gnificas pastagens.
Ter tres portos cujo fund 6 superior a 7 bragas.
S6 alli faltam bragos que queiram trabalhar e
>cabegas que saibam dirigir.
A popula8o 'que se eleva 1600 almas 6 pacifica,
diz-se christa, acolhe bem o negociante estranho e,
com geito, nao seria difficil leval-a a um trabalho re-
gular.

1 Em muitas fontes da Guine se encontra pronunciado
gosto de agua ferrea. Essa qualidade sobiesae em uma
fonte da ilha das Gallinhas.





90

No mesmo caso estd a ilha. de Canhaback ou
Roxa que ter 7400 almas e passa por ser das mais
salubres.
Egual abundahcia e facilidades se encontram nas
restantes ilhas dos bijag6s e nos ilhetas que, no dizer
d'um negociante, podefiam cor os seus actuaes pro-
ductos, sem despeza de cultural, carregar por anno
corca de 30 navios d'alto bordo.
-No interior a Forrea i mais accidentada, offe-
rece fracos recursos naturaes e ter largos tractos
de terrenos improductivos ou pelo menos, suscepti-
veis de mesquinha producqao; mas nas margens do
Rio Grande, Geba, OaCcheu ate Farim e nos archipe-
' lagos, seria facil abrir grandes propriedades agricolas
corn resultado certo e altamente remunerador.
0 R. Grande jk provou bem a sua fertilidade no
period de florescencia agricola da provincial.
., e toda a Senegambia, a parte que constitute a
Guinq portugueza e a mais fertil e a que melhores
condigoes possue para um largo desenvolvimento
agricola.


0 regimen do trabalho agricola e muito original;
o rendeiro ou proprietario da terra engaja homes
para trabalhar, adianta-lhe sementes, alimentos, pan-
nos e mais despezas de cultural, sem mais encargos
para o cultivador do que pagar-lhe os adiantamentos
e vender-lhe o excedente dos products da terra.'

1 Vide RecordaCqles da Guind, boletins ja citados, de
4886.





91

O rerideiro ou proprietario, sempre negociante,
vende assim magnifica e seguramente os seus artigos.
Em troca o cultivador paga as sementes abona-
-das pelo dobro e, depois de satisfazer todos os adian-
-tamentos, ter de vender ao proprietario o excedente,
jA minguadissimo, da colheita, pelo pre o do mercado.
Se o gentio tenta sonegar alguma por9ao de man-
carra para vender, a outrem, perde-a completamente
em beneficio do negociante corn que tinha feito o
'contrato.
O resultado d'este negocio 6 invariavelmente le-
sivo para o preto, o que tern concorrido para que os
manjacos que geralmente o faziam, se nao abalancem
.j a elles corn receio de trabalhar de graga.
A esta falta de protecgao de que gosava o preto
em face do branco, acrescia que as tribus em guerra
atacavam e destruiam as plantag6es quando chega-
-das a maturidade, obrigando assim a fugir os culti-
-vadores, atacando as feitorias, fazendo emigrar tam-
tbem os negociantes por falta de seguran9a.
No emtanto a remuneragPo e tao seductora que,
h6je novas tentativas em larga escala se fazem, nao
s6 para as cultures indigenas, mas para exploragao
Ada canna sacharina.



0 commercio da Guin6 portugueza esta hoje qua-
si annullado pela competencia dos francezes que, do-
,minando os povos do Senegal,. Gambia, .Casaman-
za, Nuno e Pongo e fazendo em Futa Djalon uni





92


reducto commercial, t6m de tal forma absorvido todo-
o trafico que, com elles, nem os visinhos inglezes da
iSerra Leoa conseguem luctar.1
.Cor tudo o Rio Grande tern sobre as arterias-
commerciaes, visinhas a grande vantage de permit-
tir a navegagco d'alto bordo e e ella de tal impor-
tancia que ainda em 1879 mantinha 79 feitorias-
prosperas e ricas d'onde partia o mot d'ordre do ne-
gocio para todas as regioes visinhas.
A maioria d'estes negociantes emigrou; mas mui-
tos ainda lA conservam os seus comptoirs e feitorias
e :no deixarao de voltar, desde que tenham a segu-
e' ranga garantida e a facilidade de importar em condi-
gOes de competir corn os products das colonies vi-
sinhas.
SOs pontos commerciaes mais importantes que
nos restam sto Farim, G6ba e Bissau.
Os generous que alli affluem sao borracha, cera,
marfim. e couros em troca de polvora, tabaco, pan-
nos, alcohol e armas.
Bissau terA umas 80 moradas, algumas de ferro
ou tijolo, apertadas n'uma muralha de 3" d'altura,
contornada por um fosso que serve de despejo e de
augmentar as jA pessimas condigaes de salubridade
da villa.
Com tudo, 6 este o principal centro commercial
da Guin6 portugueza e abriga uma important colo-
S nia, tanto nacional.como estrangeira.

1 Vide Recordagbes da Guind, boletins jA citados, de
4886.





93


Em Cacheu o negocio principal e a borracha.
Em Bolama 6 a mancarra que constitute o pri-
aneiro artigo de exportagto.
Buha pouco commercial.



Na Guine circula toda a especie de moeda: -
:portugueza, franceza, ingleza, mexicana, dos Estados-
Unidos, Norte-americanos, do Brazil e mais estados
.sul-americanos.
SA importagao de pezos mexicanos e enorme; por
correrem alli com o prego de'920 reis quando nos
.outros paizes se compra de 600 a 770 reis.
O franco circula por 172 reis.



A industrial indigena,. que nao ha outra, e rudi-
rmentar. Tecem pannos de 2 decimetros de largo,
*chamados bandas, fabricam potes de barro, cestos,
*esteiras, zagaias, espadas; manilhas de cobre e ouro.
As artes e officios sao'exercidas por pessoal vin-
,do da Serra Leoa, Cabo Verde ou Gorea.












SPIOVINCIA DE S. THOME E PRINCIPE


(Revisto e correct pelo ex.~n sr,
dr. Mathe'us Augusto Ribeiro de-
Sampalo, medico reformado do
quadro de saude e ex-proprietario'
em S. Thomi).


Esta possessoo comp6e-se dos nossos dominios
no golfo de Guin6 e 'constituida 1.0 pela ilha de S.
Thomf, no golfo de Mafras sita a 00,25' lat. N.,
150,58! long. E. de Lisboa.
2.o da ilha do Principe a 1,0381 lat. N. e 16.,38
Long. E. de Lisboa.
3." S. Joso Baptista d'AjudA a 60,19' lat. N. e
11,018 long. E. de Lisboa.
A ilha de S. Thom6 dista 135 kilom. da ilha do
Principe, 200 kilometros da costa e 7.315 de Lisboa.
Os vapores da carreira bimensal gastam 18 dias
de Lisboa.
SO contorno de S.: Thome 6 bastante irregular;.
offerece iuitas calhetas de facil access para peque-
nas embarcavoes; mas s6 tem dous ancoradouros na
costa oriental para navios d'alto bordo: a babia de
Anna Chaves onde fica a cidade de S. ThomB capi-
tal da provincial e a Angra de S. Joao ao sul da ilha.
A sua superficie 4 de 926 kilometros quadrados,
erigada de niontanhas escarpadas terminando em agu-








Ihas: as principles sab o Pica de S. ThomB 2.136m
e o Pico Anna Chaves.
-A maxima parte dos terrenos da ilha teem uma.
altitude superior a 300 metros.
Sao abundantissimas as ribeiras denominahdo-se
as principles: J6 Grande, Agua Abbade, Manuel.
Jorge, Rio'do Ouro, etc.
O terreno 6 basaltico de differences variedades,
associado, de dolerites, trachytes, tuffos wackes e ar-
gilas mais ou menos ferruginosas.



Os dias sao eguaes As notes. 0 anno p6de em
S. Thom6 dividir-se, em duas esta;Ges uma secca
chamada gravana que vae de maio a setembro ou
outubro e outra chuvosa que vae d'outuibro a maio.
Em janeiro e fevereiro chove menos do que nos ou-
tros mezes e por isso os indigenas chamam a este
periodo-epocha do gravauito.
Nos proprios mezes em que as chuvas faltam a
seccura da ilha 6 apenas relative; porque entAo os
picos coiservam-se quasi sempre occultos em humi-P
do e denso nevoeiro, fonte perene, de abundantes
nascentes.
A temperature conserva-se quasi constant os-
cilando a media na zona baixa entire 260c e 280o; a
800 metros d'altitude desce a 240 e no pico de S.
ainda baixa 8e".
O clima.pois varia muito corn as altitudes que di-
vide os terrenos da ilha em tres zonas, baixa, m6-





96

dia e alta. A zona baixa e doentia, sobre tudo nos
mezes chuvosos, nos logares abrigados e pantanosos;
nas outras zonas porem encontram-se pontos de sa-
lubridade notavel.
A nielhor epocha para a chegada dos emigrantes
4 nos mezes de junho e julho.



A populagao eleva-se a c6rca de 30.000 almas
constituida por indigenas e trabalhadores importados.
Os naturaes sAo extremamente indolentes, vivem
dos fractos expontaneos que a ilha offerece em abun-
dancia e de peixe que facilmente obteem com pouco
trabalho: fabricam ou antes extraem o succo da pal-
meira que Ihe fornece o vinho e o vinagre e tiram
do fructo o azeite. Eis tudo o que dao; atW hoje
tem sido completamente impossivel obter d'elles o
minimo trabalho.
A. populace europea esta crescendo n'uma mB-
dia de 50 individuos por anno; a sua alimentagio
Stao cara como barata a do indigena pois que, com
modest meza nao pode cada individuo dispender
menos de 1$000 reis por dia.



Na costa o peixe 6 abundantissimo.
Na ilha abundam os burros bois para langa.
Ha algum gado cavallar, asinino, outros animaes
domesticos, alem de muita caga inoffensiva.
A vegetag o 6 uma verdadeira maravilha em S.





97


Thom4: a sua profuzAo e robustez p6de quasi dizer-
,se que nao ter rival no mundo.
Toda a superficie da ilha'jaz coberta por um
-denso manto de soberbas florestas.
De todos os lados brotam fontes de magnificas
aguas.
Na vegetagao predominam as species arboreas
-do continent visinho.
Como o clima, a vegetabgo divide-se distincta-
mente nas mesmas tres zonas.
Na zona baixa as species sto variadas e co-
roam-se de copada e abundant folhagem. A corda
d<'agua, a banana, a ginguba, a mandioca, a batata
doce, inhame etc. ahi crescem expontaneamente e
cultivados.
A baunilha aromatica s6be atW 240 metros, a
,manga e o c6co at6 300 metros, o dend6 a 570 me-
tros, a arvore do pao e o caf6 a 825 metros, e a
chinchona at6~1800 metros.
Nas florestas incultas ha borracha e um grande
numero de preciosissimas madeiras que poderiam
por si s6 ser origem de grande riqueza, mormente
aproveitando para a serragao os motors hydraulicos
que abundam por toda a parte.
A laranja, o limoeiro, o ananaz, o albacete, a
canna sacharina, o milho, o feijao e numerosas plan-
tas europeas vegetam em muitos pontos das zonas
m6dia e alta.
Tudo cresce sem rega e as produces sao fabu-
losas.,
Na zona alta, que se eleva acima de 800 metros,




98


o arvoredo que cor6a os montes 6 tao uniformemen-
te esguio e alto, mesmo quando isolado, que chega
a parecer monotono apesar da elegancia da forma e-
da. corpulencia d'alguns exemplares.



0 estado jA nao possue terrenos na ilha de S.
Thome, apenas conserve alguns na ilha do Principe;
porque ainda nao foram medidos e postos em prana.
A part em cultural nfo excede 1/, da sua su-
perficie total e esta limitada quanto a caf6 e cacau
A zona m6dia e baixa, sobre tudo do lado oriental da
ilha.
Apezar de todos os embarapos que o agricultor
encontra os arroteamentos alargam-se, as plantayses.
multiplicam-se a olhos vistos e o prego da terra cres-
ce assombrosamente.
A rosa do Monte Caf6, primeiro vendida por
alguns centos de mil reis, foi depois adquirida pelo
actual possuidor por 75 contos e gastou n'ella 45.
contos. O rendimento actual d'esta propriedade cal-
cula-se n'uma media de 100:000$000 reis annuaes.
A roga dos Angulares adquirida ha pouco mais.
de dez annos por 900$000 reis acaba de ser avalia-
da, n'uma liquidagao, em cerca de 400 contos.
A roba de Agua Iz6 foi comprada pelo primeiro.
bargo d'este titulo por 4.500$000 reis. Esta proprie-
dade adquirida, por execunao, pelo Banco Ultrama-
rino estA-lhe hoje por bom prego; mas dentro de tres
annos deve produzir 50.000 arrobas de caf6 e cacau.





99


Avaliando no prego medio de 4$000 reis a arroba,
dara o rendimento bruto de 200:000$000.
Se orgarmos a despeza em 60:000$000 dara uma
receita liquid de 140:000$000, que cobrird larguis-
simamente todas as despezas feitas.
E apesar d'estes pregos quasi inacreditaveis, cal-
culos dignos de todo o credit, avaliam que os capi-
taes entregues a cultural devem no fim de 12 annos
dar um rendimento annual superior aos mesmos ca-
pitaes.
JA hoje ha algumas dezenas de fazendas entree as
quaes se apontam rogas notaveis como sao Monte
Cafe, Agua Iz6, Rio do Ouro, S, Nicolau, Nova Mo-
ka, Saudade e outras.
Em muitas veem-se rodas hydraulicas para fazer
a descasca do caf6 ou a moagem da canna.
Na Bemposta, dependencia do Monte Caf6, exis-
te uma machine a vapor e.nso sAo raras as caldeiras
para a destilaao da garapa.
N'ota-se cor prazer que sendo today portugueza
a emigragio europea para esta ilha, ter ella augmen-
tado mais de quinze vezes o seu rendimento collecta-
vel nos ultimos trinta annos, emquanto as melhores
das nossas restantes colonies tern apenas triplicado a
sua producgao
Comparando a producqao de S. Thomr corn a de
Angola acha-se que aquella proporcionalmente A su-


1 Deve excepttar-se Lourengo Marques que hos ulti-
mos cinco annos augmentou dez vezes.




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs