• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Introduction
 Dedication
 Foreword
 Livro 1: Da origen do nome, descobrimento...
 Livro 2: Do que obraram os Padres...
 Livro 3: Do que os padres obraram...
 Livro 4: Levantamento do povo do...
 Livro 5: Do que se obrou do anno...
 Livro 6: Das cousas que succederam...
 Livro 7: Do levantamento do povo...
 Livro 8: Poe-se a míssão em estado...
 Livro 9 - Relata-sea reparticão...
 Livro 10: Trata-se das cousas da...
 Table of Contents






Group Title: Chronica da missao dos padres da Companhia de Jesus no estado do Maranhao.
Title: Chronica da missão dos padres da Companhia de Jesus no estado do Maranhão
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00024784/00001
 Material Information
Title: Chronica da missão dos padres da Companhia de Jesus no estado do Maranhão
Physical Description: 2 p. ., vii- iii p., 1 ., 697 p. : ; 23cm.
Language: Portuguese
Creator: Bettendorf, João Filippe, b. 1626?
Publisher: J. Leite
Place of Publication: Rio de Janeiro
Publication Date: 1910
 Notes
General Note: At head of title: Padre João Felippe Betendorf.
General Note: Cover-title: Chronica dos jesuitas no Maranhão.
General Note: "E" a 'Chronica' impressa agora peia primeira vez em sua integra, aproveitada uma cópia que da existente na Torre do Tombo foi obtida por Gonçalves Dias." -- p. vii
 Record Information
Bibliographic ID: UF00024784
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 000118121
oclc - 01459927
notis - AAN3971
lccn - 42027761

Table of Contents
    Half Title
        Page iii
        Page iv
    Title Page
        Page v
        Page vi
    Introduction
        Page vii
        Page viii
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
        Page xvii
        Page xviii
        Page xix
        Page xx
        Page xxi
        Page xxii
        Page xxiii
        Page xxiv
        Page xxv
        Page xxvi
        Page xxvii
        Page xxviii
        Page xxix
        Page xxx
        Page xxxi
        Page xxxii
        Page xxxiii
        Page xxxiv
        Page xxxv
        Page xxxvi
        Page xxxvii
        Page xxxviii
        Page xxxix
        Page xl
        Page xli
        Page xlii
        Page xliii
        Page xliv
        Page xlv
        Page xlvi
        Page xlvii
        Page xlviii
        Page xlix
        Page l
        Page li
        Page lii
        Page liii
        Page liv
    Dedication
        Page 1
        Page 2
    Foreword
        Page 3
        Page 4
    Livro 1: Da origen do nome, descobrimento do Estado e capitania do Maranhão
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
    Livro 2: Do que obraram os Padres missionarios em tempo do governo do primeiro governador do Estado, e do segundo, em que se fez a viagem para quito, e do terceiro, em que os hollandezes tomaram o Maranhão
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
    Livro 3: Do que os padres obraram desde o anno de 1655 até o anno da sua primeira expulsão, em 1661
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
    Livro 4: Levantamento do povo do Maranhão e Pará contra os Padres da Companhia da Jesus, emquanto se institue a missão do rio das Amazonas com missionarios e residencia em Tapajóz
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
    Livro 5: Do que se obrou do anno 1667 até o anno 1684
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
    Livro 6: Das cousas que succederam a missão em tempo do governo do Padre Pero Luis Gonsalci, Romano
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
        Page 343
        Page 344
        Page 345
        Page 346
        Page 347
        Page 348
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
    Livro 7: Do levantamento do povo do Maranhão, expulsão o restituiçao dos padres missionarios da Companhia de Jesus
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
        Page 368
        Page 369
        Page 370
        Page 371
        Page 372
        Page 373
        Page 374
        Page 375
        Page 376
        Page 377
        Page 378
        Page 379
        Page 380
        Page 381
        Page 382
        Page 383
        Page 384
        Page 385
        Page 386
        Page 387
        Page 388
        Page 389
        Page 390
        Page 391
        Page 392
        Page 393
        Page 394
        Page 395
        Page 396
        Page 397
        Page 398
        Page 399
        Page 400
        Page 401
        Page 402
        Page 403
        Page 404
        Page 405
        Page 406
        Page 407
        Page 408
        Page 409
        Page 410
        Page 411
        Page 412
        Page 413
        Page 414
        Page 415
        Page 416
        Page 417
        Page 418
        Page 419
        Page 420
        Page 421
        Page 422
        Page 423
        Page 424
        Page 425
        Page 426
        Page 427
        Page 428
        Page 429
        Page 430
        Page 431
        Page 432
        Page 433
        Page 434
        Page 435
        Page 436
        Page 437
        Page 438
        Page 439
        Page 440
        Page 441
        Page 442
        Page 443
        Page 444
        Page 445
        Page 446
        Page 447
        Page 448
        Page 449
        Page 450
        Page 451
        Page 452
        Page 453
        Page 454
        Page 455
        Page 456
        Page 457
        Page 458
        Page 459
        Page 460
        Page 461
        Page 462
        Page 463
        Page 464
        Page 465
        Page 466
        Page 467
        Page 468
        Page 469
        Page 470
    Livro 8: Poe-se a míssão em estado maior e sua ultima consistencia
        Page 471
        Page 472
        Page 473
        Page 474
        Page 475
        Page 476
        Page 477
        Page 478
        Page 479
        Page 480
        Page 481
        Page 482
        Page 483
        Page 484
        Page 485
        Page 486
        Page 487
        Page 488
        Page 489
        Page 490
        Page 491
        Page 492
        Page 493
        Page 494
        Page 495
        Page 496
        Page 497
        Page 498
        Page 499
        Page 500
        Page 501
        Page 502
        Page 503
        Page 504
        Page 505
        Page 506
        Page 507
        Page 508
        Page 509
        Page 510
        Page 511
        Page 512
        Page 513
        Page 514
        Page 515
        Page 516
        Page 517
        Page 518
        Page 519
        Page 520
        Page 521
        Page 522
        Page 523
        Page 524
        Page 525
        Page 526
        Page 527
        Page 528
        Page 529
        Page 530
        Page 531
        Page 532
        Page 533
        Page 534
        Page 535
        Page 536
        Page 537
        Page 538
        Page 539
        Page 540
        Page 541
    Livro 9 - Relata-sea reparticão das missoes que se fez, por ordem de Sua Magestade, entre os missionarios das religioes e o que obrou o superior novo, Bento de Oliveira, em tempo de seu governo
        Page 542
        Page 543
        Page 544
        Page 545
        Page 546
        Page 547
        Page 548
        Page 549
        Page 550
        Page 551
        Page 552
        Page 553
        Page 554
        Page 555
        Page 556
        Page 557
        Page 558
        Page 559
        Page 560
        Page 561
        Page 562
        Page 563
        Page 564
        Page 565
        Page 566
        Page 567
        Page 568
        Page 569
        Page 570
        Page 571
        Page 572
        Page 573
        Page 574
        Page 575
        Page 576
        Page 577
        Page 578
        Page 579
        Page 580
        Page 581
        Page 582
        Page 583
        Page 584
        Page 585
        Page 586
        Page 587
        Page 588
        Page 589
        Page 590
        Page 591
        Page 592
        Page 593
        Page 594
        Page 595
        Page 596
        Page 597
        Page 598
    Livro 10: Trata-se das cousas da missão acontecidas em tempo do superiorado do Padre José Ferreira
        Page 599
        Page 600
        Page 601
        Page 602
        Page 603
        Page 604
        Page 605
        Page 606
        Page 607
        Page 608
        Page 609
        Page 610
        Page 611
        Page 612
        Page 613
        Page 614
        Page 615
        Page 616
        Page 617
        Page 618
        Page 619
        Page 620
        Page 621
        Page 622
        Page 623
        Page 624
        Page 625
        Page 626
        Page 627
        Page 628
        Page 629
        Page 630
        Page 631
        Page 632
        Page 633
        Page 634
        Page 635
        Page 636
        Page 637
        Page 638
        Page 639
        Page 640
        Page 641
        Page 642
        Page 643
        Page 644
        Page 645
        Page 646
        Page 647
        Page 648
        Page 649
        Page 650
        Page 651
        Page 652
        Page 653
        Page 654
        Page 655
        Page 656
        Page 657
        Page 658
        Page 659
        Page 660
        Page 661
        Page 662
        Page 663
        Page 664
        Page 665
        Page 666
        Page 667
        Page 668
        Page 669
        Page 670
        Page 671
        Page 672
        Page 673
        Page 674
        Page 675
        Page 676
        Page 677
        Page 678
        Page 679
        Page 680
        Page 681
        Page 682
    Table of Contents
        Page 683
        Page 684
        Page 685
        Page 686
        Page 687
        Page 688
        Page 689
        Page 690
        Page 691
        Page 692
        Page 693
        Page 694
        Page 695
        Page 696
        Page 697
Full Text















CHRONIC

) DA


MiSSIO DOS PADRES DA COMPAHIA DE JESUS


ESTADO DO M ARANHAi





POARE 30l0 fELIPPi BIEillORi








Chronica
da
Missao dos Padres da Companhia de Jesus
no
Estado do Maranhao


RIO DE JANEIRO
1910
















SUMMARIA NOTICIA




Varnhagen cita a Chronica do padre Betendorf
entire as fontes de maior confianqa a que recorreu para
historiar os Successos de que foi theatre o Maranhao
em fins do seculo XVII. Repetidas vezes invoca o seu
testemunho o escrupuloso J. F. Lisboa. Forneceu ella
grande c6pia de informaCqes a quantos a consultaram
para estudo analytico do period primitive da vida colo-
nial em nosso extreme norte. Oeminente Sr.BarAiodo
Rio Branco, em 1899, elaborando a 2." memorial justi-
ficativa dos titulos do Brazil & fronteira do Oyapock,
invocou a autoridade do trecho desse codice, em que se
faz a descrnpCao geographic do littoral equatoriano, jd
incontestavelmente portuguez, eos critics do monu-
mental trabalho concordam em qualificar felicissima a
efficaz e opportuna citacio.
E'a Chronica impress .agora pela primeira vez
em sua integra, aproveitada uma opia que da existente
na Torre do Tombo foi obtida por Goncalves Dias.
Ignora-se onde para o original, si por accaso nao se
,extraviou, eventualidade tanto mais lamentavel quanto
de innumeras incorrecc(es e lacunas resente-se o ma-
nuscripto, muito embora, como uma samples leitura
evidenciard, em muito pouco esse defeito comprometta
-o valor da obra.











Facilmente poderia ser elle corrigido, si nao se
fizesse sentir, imperioso, guardadas as devidas pro-
pore6es, o dever de transportar para as paginas que sa
vdo ler o mesmo respeito cor que se conservam,
mutilados, os specimens da arte antiga.
TMo pouco o resume desse long e minucioso
registry de facts procura completal-o, supprindo
omissoes de occurrencias, alias importantes.
Desde logo, por exemplo, o leitor notard o silencio
sobre a tentative da primeira colonisaqao, da qual
resultou o naufragio de Ayres da Cunha e dos filhos de
Joao de Barros, e sobre os trabalhos missionistas, quer
do padre Luiz Figueira em 1622, quer do capuchinho
frei Christovao de Lisbea, em 1625. Isto, s6 para allu-
dir as remotas 6pocas da historic do Maranh~o.




Nascido na cidade de Luxemburgo, onde entrou,
em 1645, para a Companhia de Jesus, Jodo Felippe
Betendorf ministry no capitulo 17 do livro 50 da Chro-
nica interessantes pormenores da sua biographia. Veio
servir no Maranhao, em 1661 a convite do Geral da
Ordem, attendendo ao appello que a Roma dirigira o
padre Antonio Vieira. A data de seu nascimento,
segundo uns, 1623, parece ter sido 1628, combinadas as
indicacoes chronologicas da Dedicatoria, da Adoerten-
cia, e do texto, das quaes consta que elle o escrevia aos
71 annos, 38 depois de ter vindo para o Brazil. Exerceu
various cargos, emquanto catechisou pela regiao ama-
zonica, tendo sido duas vezes superior da MissAo, uma
de 1669 a 167/ e outra de 1690 a 1693. Era em muitas












circumstancias preferido para derimir certas quest6es,
por verem na sua origem extrangeira uma garantia de
imparcialidade. Entretanto, a adaptacao ao meio, nelle
se operou de modo complete, a principiar pelo nome, que
aportuguezou, chegando a pr6gar sermies em lingua
tupy. Envolvido, cor seus colleges, na animadversao
dos habitantes do Estado, motivada pelos cautelosos,
mas constantes embaracos, que oppunha a Companhia
ao captiveiro dos indigenas, participou da dupla ex-
pulsao de que ella foi victim, primeiramente no
proprio anno de sua chegada ao Para, em 1661, e
depois, em 1684, na cidade de S. Luiz do Maranh&o. De
ambas as vezes regressou ao campo de sua actividade.
Em Lisboa, durante 4 annos, occupou o cargo de
procurador da Ordem; nesse period escreveu uma
Informanao ao Rei sobre os acontecimentos da ultima
dessas revoltas.
O anno e o logar de sua morte ainda hoje sao
ignorados, suppondo-se que chegou a edade bastante
avanqada, porque no fim da Chronica faz referencia
A memorial de D. Pedro II, fallecido em 1706, e em uma
nota manuscript, encontrada a margem do capitulo 14
do livro 90, 14-se que assistira aos terriveis effeitos de
nova epidemia de variola, no Pard, em 1724.

A Chronica de Betendorf constitute, acerca do norte
do Brazil, o complement natural da que foi escripta
por Simao de Vasconcellos, limitada a catechese no
sul. Ha entire as duas, por6m, profundo contrast
de method e de estylo. A do jesuita belga-allemao,
comquanto d.e real merecimento historic, 6, antes
de tudo, uma series de episodios, na sua maioria












communs, quasi triviaes, que prendem a al len.'i':
pelo que apresentam de ingenuamente curioso, nao
send o menor desses attractivos a abundancia dos
vocabulos indigenes, ja ent5o incorporados a lingua
portugueza. Desses despretenciosos moldes conserva-
se muito distant o trabalho do seu confrade, onde e
visivel a pre.,:-uplai.;3: das pomlp, rhetoricas e as
amplificaqces dos factos, subsidiadas em larga escala
pelos conceitos eruditos, que a sciencia da 4,poca e
a discipline intellectual permittiam..
De identico em ambas as obras 6 o ponto de vista
da moral relative, caracteristico de todo o trabalho dos
ignacianos, quer como catechistas, quer como educa-
dores, nos seculos XVI a XVIII, concepqfo incompativel
cor um dogma theologico, mas cuja necessidade
social o genio de Loyola presentio admiravelmente.
Nio f6ra a ambigio industrial dos colonos, favorecida
pela frequencia das relacdes commerciaes cor a me-
t I:pole, e nas margens do Amazonas se j,.pri:"1u Ziria a
organisaqio theocratica a que deve o Paraguay a sua
physionomia ethnic.
Nessa, como em outras phases evolutivas do seu
Jr. ,i-resc:, a IHumanidadesoube restaurar os priniil:,i:-
da ordom, depois de periods mais ou mienos longos de
agitacgo. A Chronica de Betendorf registra o aspect de
umr delles, narra como entfio se sentia e o que entao se
pensava. Tanto basta para o interesse de sua lei-
tura.
Serve-lhe de preambulo uma fervorosa invoca40o 6
Virgem Mae, o hello resumo do symbolismo catholico,
inspiradora das mystical alllcinaqes de Santo I;g'-i')
de Loyola.











Em seguida, g o leitor advertido de que sb em obe-
,diencia a uma ordem superior foi a obra escripta, fi-
-cando nello, pela .forca das eircumstancias, confundidas
as narraqses dos factors do dominio temporal corn os do
spiritual. Alem disto, re.n:,mmenPla-4,e que nio haja
precipitaqilo-nas censuras.
Divididaem livrose estesem cal.itu lIc, a Chi'oWi'a
nfo os subordina 4 rigorosa successor chronological ;
em variosepisodios volt a a.pocasianteriores, apresen-
tando-os ligadt a ,-inlr.'s ainda desconhecidos.
Desde o principio, comprehende-se que cr'li obser-
vada at6 o'fim a simplicidade propria de -um trabailho
sem intuitto 'litterario.
Dos 15 capituilos do livro 10, onze Rio consagrados
d parte descriptive historic -do Estado.
Qual a origem do nome Maran7dho: Ainda hoje
object de duvida, naquellaseraso envolviam as maio-
res incertezas, nem se -a I lnd.-i nocerto a que accident
hydrographico applical-o. Betendorf cita o ri:, Ama-
7onas, o 'Ie irellana, o 'Orinoco, e:a reunifio dos cursos
d'agua operada na bahia de Tapuytapera, largo esluari),
que passara seu nomee 4 1 ilha e depois 4 'Capitania,
generalisando-se em breve ao Estado.
Um navegante francez, :Riffault, a convite de certo
c'hefte ndigena,etluipou duas ndos em 155 'te veio tentar
fortune nessa part da America.
As tempestades e as discordias fizeram-no aban-
-donar a conquista, onde, p1or";m, deixou ficar um
compatriot, de Vaux, que-soube captar as sympathies
dos selvsgens, ao ponto de serinstado por elles tpra ir
buscar francezes que alli estabelecessem*uma colonia.
De Taux voltou 4 Franca e Henrique IV, depois de











ouvil-o, o encarregou de, em companhia de La Ravar-
di6re,vir proceder a uma exploracao mais complete da
nova terra. Executado esse trabalho preliminary, e, de
regresso 6 patria,.onde j6 governava a regente Maria de
Medicis, La Ravardiere obteve o apoio necessario. Or-
ganisou a expedicio, demandou a America do Sul eem
24 de Julho de 1611 foram lancados por ella os funda-
mentos da cidade de S. Luiz.
S6 em 1614 velo Jeronymo de Albuquerque, de
Pernambuco, expellir os francezes. La Ravardi6re
atacou-o, apenas acampado na ilha de Santa Maria,
mas, repellido, capitulou e deixou a America.
A descripgao da ilha do Maranhio baseia-se na
que escreveu Claudio d'Abbeyille, um dos missiona-
rios capuchinhos vindos na frota franceza.
Consta do capitulo respective a posicao geogra-
phica, a superficie, o nome das ilhotas que a cercam,
dos rios que a atravessam e das 27 aldeias ou tabas
indigenas, que a povoaram no principio do seculo XVII:
A climatologia da ilha, e, mais adiante, a de outras
localidades do Estado, sio object de demorados de-
talhes. Quanto as produccOes, vem citadas as ma-
deiras, o algodao, o anil, o uruci,: a copahyba, o ta-
baco, a pimenta, o assucar, o sal, os couros, o ambar
e o milho, s6 mais tarde apparecendo o cacao, o
cravo, o ouro, a prata, as castanhas e a aguardente.
Corn governor distinct do resto do Brazil, pela
carta regia de 13 de Junho. de 1621 e de facto desde
a posse do primeiro governador,- Francisco de Albu-
querque Coelho de Carvalho, em 3 de setembro de
1626, o Estado do Maranhao comecava nao long dos
baixos de S. Roque, aos 30 30' L. S., extendendo-se









XIII


ate o rio Vicente Pinson (Oyapock); ficaram indicadas
suas divisas para o occidente; uma das misses je-
suiticas, 'subindo 0 Tocantins, penetrou ate o centro
de Goyaz, onde encontrou vestigio de um estabeleci-
mento de bandeirantes paulistas; Pedro Teixeira,
percorrendo o Solimoes, fixou um marco no local
chamado Aldeia do Ouro, al6m do Putumayo.
Duas capitanias principles o compunham, a do
Maranhdo e a do Grampard, subdivididas em outras
secundarias, algumas da Cor6a, muitas de donatarios,
situadas quasi todas ao long da costa do Atlantico,
poucas no interior, proximas foz dos rios,' mas jA
contando grande numero de nucleos pelas margens
do Amazonas ate o Madeira e o Negro.
A Chronica enumera as 12 seguintes capitanias:
S. Luiz, Itapecurt, Icatu, Ucary, Tapuytap6ra, Caeth6
(antes Gurupy), Vigia, Bel6m, Joannes,' CametA, Gu-
rupa, Norte.
Em 1607, antes da occupacao franceza, os jesuitas
de Pernambuco tentaram converter os selvagens que
habitavam a zona septentrional do Brazil. Os padres
Francisco'Pinto e Luiz Figueira desembarcaram no Ja-
guaribe e adiantaram-se at6 a serra de Ibiapaba; ahi
o primeiro perdeu a vida, victimado pelos indigenas,
o segundo retirou-se do Ceard e s6 7 annos depois
chegou ao Maranhaio, comegando mais tarde sua pro-
paganda religiosa.
Cumprindo.uma ordem de Alexandre de Moura,
fundou Francisco Caldeira de Castello Branco a cidade
do Pard, em fins de janeiro rou principios de 1616,
como provou 6 Dr. Manoel Barata, em recent e apre-
ciado trabalho; e em 1618, Bento Maciel Parente,











movendo guerra de exterminio As tribus at6 o cabo
Orange, tomou posse da capitania do cabo. do Norte.
A. actividade doutrinaria que tinha, de desenvol-
ver-se nesse vasto territorio,, tornava-se comparativa-
mente mais facil do que no sul, onde o obstaculodas
altas montanhas estreitava as viagens terrestres- orla
do littoral. Os magnificos cursos d'agua.da bacia ama-
zonica proporcionavam rapidas communicates, au.
gmentando as levas migratorias dos cathecumenos e
a frequencia da vigilancia spiritual que!elles exigiana
A passage do estado fetichista rudimentar ao mo-
notheista, graqas As concessias que a moral da ordem
ia opportunamente restringindo, foi-se operando corn
as inevitaveis alternatives.. A mestiqagemr ia transfor-
mando e absorvendo as raKas de origem, e, como pro-
ductoexpontaneo do phenomenon sociologico, o espirito
local, por nfo se poder ainda chamal-o patrio, teve
alli manifestaq3es mais cedo. Pernambuco precisou,
para sentil-as, de 119 annos, entire a fundado de
Iguarassfi, em 1526, e a insurreiCao de Vidal de Ne-
greiros, em 1615. Colonisado em. 16414, o Maranhgo
28 annos depois reagia pelo seu povo contra, o do-
minio hollandez, no aug. do poderio.
Aldm da Companhia de Jasus, outras communi-
dades tiaham. representantes na ilha: os Mercenarios,
os Franciscanos, os. Capuchos, os Piedosos. Conven-
cionara-se a principio que elles tomariam a sea cui-
dado a margem esquerda do Amazonas, o que foi depois
regularisado por uma ordem do Rei, em 1693.
0 livro 2?, corn 11 capitulos, enceta a narraoao de-
talhada dos acontecimentos. Em 1626, primeiro do
Estado, al6m da habitual distribuicao de data de terras











e sesmarias, comecam as diversas ordens a edificar
seus conventos. 0 padre Luiz Figueira, grande mestre
da lingua, inicia a construcqao do Collegio de Nossa
Senhora da Luz, na capital, e abre a serie das pere-
grinaq5es catechisadoras, indo pelo Amazonas at. o
XingA. Os hollandezes tentam estabalecer-seem certos
pontos da margem norte do grande rio, entire os quaes no
de Cumari ou Cumai, depois Macapd, matadouro dos
broncos e indios, mas sao repellidos por Maciel Parente.
A divulgaq&o da maravilhosa viagem de Orellana
inspirou a Phelippe II o pensamento de estabelecer
pelo Amazonas communica6eos mais rapidas e se-
guras entire a Hespanha e as provincias do vice-rei..
nado do Peri. Muito mais tarde, no governor de Jacome
Raymundo de. Carvalho, coube a Pedro Teixeira veri-
flcar a possibilidade desse, melhoramenit,. Em 28 de
outubro de 1637 partiu elle de Bel6m. As peripecias
dessa exploragao fluvial, no seu genero a mais im-
portante dos tempos coloniaes, sao descriptas na Chro-
nica minuciosamente.
O vice-rei, conde Ghinchon, resolve que Pedro
Teixeira regressasse de Quit.a em companhia de dous
jesuitas, Christovio Cunha e; Andre Artieda, ao pri-
meiro, dos quakes se deve: a narrative da volta. Nella
se baseou Betendorf para a longa enumeragpo qua
faz dos rios percorridos e avistados, das naa5es indi-
genas que os povoavam, dos accidents notaveis dos
terrenos e ate das lendas,. j entio pouco acceitas, re-
lativas aos ornatos de palhetas de ouro,, as mulheres
guerreiras, etc.
Pedro Teixeira regressou. capital do ParA, pm 3
de dezembro de 1639, seguindo logo para a Europa









XVI


cor aquelles dous companheiros. Pouco depois, Por-
tugal separou-se da Hespanha e nao teve consequen-
cias praticas a arrojada empreza.
Por esse tempo, os hollandezes, senhores do lit-
toral desde o rio Real ate o Potengy, occuparam a
ilha do Maranhdo, sem resistencia do governador, que
foi aprisionado, reconhecendo, porem, os invasores a
indole pouco submissa da populaco. Narra a este
proposito a Chronica o seguinte episodio:
( Passou o commandant ordem que todos os
portuguezes viessem dar juramento de lealdade a
republican do Estado da Hollanda; obedeceram e jura-
ram todos; s6 Pedro Dasaes, biscainho, marido de
D. Antonia de Menezes, recusou de jurar, dizendo
jurara a El-Rei de Portugal e Ihe nao queria ser des-
leal. Offendido o commandant desta resposta, man-
dou jurasse ou fosse enforcado logo, e, como elegeu
antes ser enforcado que quebrar a fidelidade a cor6a de
Portugal, foi levado d forca, e estando ja ao pB della,
cor alva vestida, movido o commandant dos rogos
dos padres da Companhia e lagrimas de D. Antonia,
sua mulher, Ihe perd6ou a vida. )
Dous annos e tres mezes depois, em 28 de Feve-
reiro de 1644, eram os hollandezes compellidos a aban-
donar a ilha por uma sublevaio popular, dirigida por
Moniz Barreiros e Teixeira de Mello, grandemente
auxiliados pelos jesuitas Benedicto Amadeu e Lopo do
Couto.
Antes de 1640, viera de Portugal, como governa-
dor do Estado, Pero de Albuquerque, trazendo o
padre Luiz Figueira, que f6ra buscar missionaries.
Naufragando a expedicgo defronte da cidade de Belem,
salvaram-se quasi todos os que nella vinham, sendo,
porem, aquelle jesuita e outros companheiros victims
da ferocidade dos indigenas Aruans.









XVII


0 aniquilamento das esperangas depositadas nesse
valtoso reforqo foi como que o prenuncio da series de
provaCdes, que desde entao accidentaram os trabalhos
da Companhia.
Fallecem os padres acima citados e tres outros
morrem as maos dos Uruatis, no Itapicura. Ao mesmo
tempo, dd-se a primeira explosdo da antipathia que os
missionaries inspiravam a alguns habitantes. Um
capitao-m6r, um sargento-m r e o proprio vigario
geral de S. Luiz instigam assuadas e motejos que
obrigam os desrespeitados a se refugiarem no convent
de uma outra ordem religiosa. Durou pouco essa agi-
tacgo; mas parajustificativa dos actos que a tinham
provocado, conseguiram os padres e guardaram no
archive do Collegio uma certidao attestando que perto
de dous milh6es de indiop forros jd tinham succum-
bido em servigos violentos, descobertas cansadas e
guerras injustas, por ordem dos capitaes-generaes e
governadores. No eram decorridos 40 annos do pri-
meiro estabelecimento colonial naquellas paragens.
Pareceu aos jesuitas, tanto do Maranhlo como do
Pard, que sem reunir o governor temporal dos in-
dios ao spiritual, seria infructifera a Missgo.
Foi nessa conjunctura, tab adaptavel as indoles
combatentes, que alli surgiu e logo se impoz o celebre
Antonio Vieira. Chegado a S. Luiz em 1653, precedido
pela gloria de ser o mais afamado pr6gador do rei
D. Joao IV, tomou a si o encargo de alcanqar a reali-
za~go daquelle programma.
Depois de ter, cor a maior actividade, tornado
diversas providencias, nao s6 quanto ao servico da ca-
techese, como quanto aos interesses materials da Or-
1851 b









XVIII


dem, regressou a Lisb6a, onde, recebido no meio do
maior alcorofo, foi logo despachado muito d sua von-
tade, conforme oque pedia.
0 resultado de tdo diligentes esforgos concreti-
sou-se nos dous textos legaes conhecidos por proviso
de 9 e regimento de 14 de Abril de 1655. Paraavaliar-se
do seu valor politico e economic, basta citar-se a se-
guinte disposiao:
< Que as aldeias e os indios de todo o Estado sejam
governados e estejam sob a discipline dos religiosos
da Companhia de Jesus; e que o padre Antonio Vieira,
como superior de todos, determine as misses, ordene
as entradas ao sertao e disponha os indios convertidos
d fi pelos logares que julgar mais convenientes. )
0 livro 30 occupa-se com a narrative dos effeitos
immediatos dessa legislacio. Veio assegurar-lhe o
cumprimento, na qualidade de primeiro capitao-gene-
ral do Estado, tomando posse em 11 de Maio de 1655, o
mais prestigioso filho do Brazil naquelle tempo, Andre
Vidal de Negreiros, a quem ficou pertencendo, na his-
toria do Maranhao, o cognome de grande amigo dos
jesuitas
Antonio Vieira, portador da nova lei, teve, em
curto lapso, uma das phases mais laboriosas da sua
existencia. Ora de S. Luiz, ora de Belem, expedia re-
commendacoes eordens incessantes para todos os nu-
cleos de povoa chefes religiosos, classificando- os, conform sua impor-
tancia, sob este ponto de vista especial, em casas, al-
deias, residencias e assistencias. Para regularidade e
coherencia dos actos da catechese, escreveu umavisita,
eolleeco depreceitos regulamentares, a queo Geral da
Ordem enviou de Roma plena approvaAo.











A Chronic menciona essas localidades, em nu-
mero de 17, desde a de S. Francisco Xavier no Ceard
at6 a do Xingli, ainda proxima a foz do Amazonas; e
nao perde occasido de salientar a desconflanqa e mesmo
o terror que inspirava aos indigenas o trato corn os
brancos, temeroso obstaculo, que era precise remover a
custa da habilidade intellectual, que o theologismo igna-
ciano permittia apropriar ds circumstancias.
De accord com as recentes instrucoes, Vidal de
Negreiros aggregou a cada uma das expediqoes, que fez
partir, missionaries jesuitas, cujos poderes, compre-
hende-se, deviam se approximar muito dos que foram
exercidos na tremenda crise de 1793 pelos delegados
do comitd du salut public junto aos generaes da revo-
lundo franceza.
Era Vieira quem os designava.
Souto Maior acompanhou a tropa, que foi- reduzir,
ou, melhor, conquistar as tribus da ilha de Joannes
(Maraj6), sendo entao, pela primeira vez, conhecido o
uso do curare, corn que os Anajas hervavam suas settas;
em seguida, dirigiu-se cor outra ao interior das.terras
na margeim direita, chegando atM os aldeiamentos dos
Pacajds, eumaua busca inutil de ouro,
Francisco Velloso percorreu o Amazonasat6 orio
Negro, regularisando os casos da servidao, a que estava
sendo limitado o captiveiro ; depois subiu o Tocantins,
donde attrphiu grande leva de Tupinambas, e a veio loca-
lizar na ilha do Sol, que tomouo nome daquelle gentio.
Manoel Nunes, que conseguira antes reunir em
Itaqui os indios de Capityba, proximo a S. Luiz, para
os fazer filhos de Deus e tel-os mars chegados ao po-
voado dos portuguezes, afim de Ihes seroirem por seu









XX


salario, quando assim Ihes parecesse, renovou a ex-
pedicao do Tocantins, no decurso da qual procedeu a
observaq5es astronomicas, verificando ter attingido o
6" grdo de latitude sul, ist) 6, um ponto correspondent
A foz do Potengy, mais ou menos, na costa do Atlantico,
ultrapassando, vindo do Norte, a confluencia do Ara-
guaya.
Manoel de Souza seguiu at6 as cabeceiras do Juru-
nas, affluent do Xingii, encontrando entire as belli-
cosas tribus que o habitavam a tradiccao de porfiada
luta contra uma bandeira de exploradores paulistas,
que nao se suppunha tivessem ido tAo long no meiado
do seculo XVII; e, descrevendo as particularidades
que notou, como indicio de relative adeantamento, re-
feriu a destreza corn que as mulheres adelgacavam a
flbra do algoddo at6 reduzil-a 6 espessura de um flo de
cabello; cor o padre Manoel Pires realizou outra via-
gem de penetracgo do Amazonas, desembarcando jd no
lado septentrional, para converter os Aruaquis, os Tu-
plnambaranas e os Condurizes.
Antonio da Fonseca executou a mesma empreza
cor os Curiatos, os Pataruanas e os Andirzes. Estes
ultimos, diz a Chronica, t6m em seus mattos uma fru-
ctinha que chamam guarand, a que estimam como os
brancos a seu ouro, porque dd forcas, e diuretica, tira
febres, d6res de cabeca e caimbras.
Salvador do Valle, ajudado por Paulo Luiz, ficou
-um pouco mais abaixo,fazendo identico trabalho quanto
aos Pauxis, na zona onde depois se levantou a cidade de
Obidos.
Francisco Goncalves, grande perito na lingua
brazilica e possuindo a sciencia experimental de curar











enfermidades, entrou pelo rio Negro e ahi permaneceu
dezesete mezes.
0 proprio Antonio Vieira foi ao Ceard, uma das
mais perigosas misses, andando grande parte do ca-
minhodescalco, para imitar S. Francisco Xavier; pro-
videnciou sobre os interesses das aldeias, e deixando
para dirigil-as Goncalo de Vdras, voltou a Belem, afim
de completar a empreza encetada pouco antes na ilha
de Maraj6 ; ficaram celebres os ajustes que ahi realizou,
conhecidos sob o nome de pazes cor os Ingahybas.
Todas essas excursOes, levadas a effeito em prazo
relativamente curto, 5 annos, eram por sua natureza
exhaustivas, mao grado as vantagens prodigalisadas
pela rede hydrographica. As estradas fluviaes, que as
canvas fendiam, margeavam-se de inimigos francos on
traicoeiros, ao mesmo tempo que condicies climatericas,
quasi sempre hostis, epidemias e molestias,afugentando
os recem-convertidos, fazendo succumbir soldados e pai-
zanos, leigos e ecclesiasticos, compunham factors de
desanimo, que s6 poderiam ser affrontados por almas
e caracteres de nao vulgar tempera.
Muitos religiosos perderam a vida ; quasi todos ti-
veram a saude arruinada para sempre.
S&o commovedoras as paginas que Betendorf con-
sagra a narracqo dos padecimentos e a memorial dos seus
piedosos confrades.
Entretanto, Vidal de Negreiros deixara o governor do
Estado, em 1658, sendo substituido por Pero de Mello.
Dirigiu Antonio Vieira novo appello aos Collegios
da Europa, reclamando cooperadores para a propa-
ganda que assim se dilatava. 0 clamor encontrou echo:
various jesuitas partiram para o Maranhao.Um delles foi









XXII


o autor da Chronica, que, nesse trecho, descreve lon-
gamente o inicio de sua carreira apostolica, as vicissi-
tudes da demorada viagem que emprehendeu e o modo
por que foi recebido no Maranhao e no Para.
Entrou logo em ace5o, partindo para a aldeia de Mor-
tigura, proxima de Belem. Eis como elle conta a sua
estrea:
( Dei-me bellamente com o padre Francisco da
Veiga, tomando a minha conta a doutrina de cada dia
e a classedos meninos para ensinal-os a ler e a escrever,
juntaram-se muitos discipulos e entire elles o capitao
Jacare; e sao estes hoje os mais autorisados e velhos
da aldeia; e por que, por falta de livros, tinta e papel,
n~odeixassem de aprender, Ihes mandei fazer tinta de
carvio esumo dealgumas hervas e corn ella escrevia
em as follias grandes de pacobeiras, e, para lhes facilitar
tudo, Ihes puz um pausinho na miao por penna e Ihes
ensinei a former econhecer as lettras, assim grandes
como pequenas, no p6 e areia das praias, corn que gos-
taram tanto que enchiam a aldeia e as praias de lettras,
ficando alastradas todas; mas comoos mysterious da
nossa Santa F6 s8o os que se devem saber e ensinar
antes de tudo o mais, nelles tambem os exercitava,
no fim da classe, e cor isso ia tambem eu aprendendo
a lingua da terra, cuja grammatica jd tinha trasla-
dado em latim, estando ainda em Portugal, e man-
dando-a para a minha provincia para que aprendessem
por ella os que de I quizessem vir para esta missed
do Maranhao. NMo faltava que fazer na aldeia, que cons-
tava de umas tres mil almas, e comprehendia muitas
naqges...
Poucos mezes se demorou Betendorf em Morti-
gura. O padre Antonio Vieira o chamou a Bel6m, e
na sala da livraria do Collegio, mostrando-lhe um
mappa do Amazonas, o convidou para ser o primeiro
missionario permanent de toda aquellaprovincia,cujos
limits seriam a 16ste a aldeia de Gurup6, a obste a do









XXIII


Ouro, no territorio dos Cambebas, limitrophe com os
dominios hespanh6es, ecuja sde ficaria naembocadura
dos Tapajoz.
Acceita com fervor a incumbencia, mal encetara Be-
tendorfseus primeiros traballos quando teve noticia do
levantamento do povo no Alaranhao contra a Com-
panhia. Mas nao os interrompeu; e o capitulo 3 do
livro 40 da Chronica encerra curiosos pormenores acerca
do method seguido pelos jesuitas na gradual ;*lar.j.p;;
do indigena & vida civilisada,.
Um frade da Ordem do Carmo, em \ ianem para
Lisboa, conseguira apoderar-se de carts que Antonio
Vieira escrevera a D. Joao IV, contend referencias
pouco favoraveis ao governor e aos homes da capitania.
N Nao se p6decrer facilmente o que esse religioso
causou de sizania, odio e iras no coracio de muitos,
assim ecclesiasticos como seculares, os quaes, fazendo
desatinos, tomaram estas carts por m:o ivo da expulsio
dos padres missionaries, que em aquelle tempo tinham
a administraqio temporal e spiritual dos indios das
aldeias todas; nao fez o governador D. Pero de Mello
esforqos em atalhar aquellas alteragqes do povo, indi-
gnado alem do referido, porque os padres governavam
os indios e .nio Ihos concediam, conforme o seu gosto,
para lhes servirem 6 sua vontade. Portanto, vendo-se
sem haver quem Ihe fosse 6 mao, elegeu suas cabecas
e foi razer a Camera queixa dos padres, singularmente
acerca do seu governor temporal dos indios, fora do
Estado. Acceitou a Camera a queixa do povo...)
Tendo o representante da Companhia recusado
acceder A intimaclo que lhe foi dirigida, a massa ipo-
pular obrigou os padres, que se achavam na ilha e
nas immediac5es, a abandonarem o Collegio e a reco-
Iherem-se reclusos d casa de um particular. Isto passou-
se em 15 de maio de 1661.









XXIV


0 movimento alastrou-se para o norte, produziu-
se em Gurupy e em Bel6m. Antonio Vieira e todos os
seus companheiros foram press e remettidos para o
Maranh5a e dahi seguiram para Lisboa, em 8 de se-
tembro de 1661.
Cor poucos outros padres, manteve-se Betendorf
algum tempo, em Tarapd e Gurupd, livre; masafinal,
em principio de 1662, foram todos detidos tambem, ap6s
varias peripecias, relatadas na Chronica, cor interes-
santes detalhes. A ndo que os devia transporter para
o reino fez tanta agua, logo no primeiro dia de viagem,
que teve de voltar arribada a Belem ; desembarcados
os salvos de naufragiocerto, se continuassem no mar,
permaneceram em terra,presos, emquanto se concertava
o navio ; mas, neste interim, operou-se na sua situacdo
subita mudanca.
Antonio Vieira, chegando a Lisboa, historiara A re-
gente, Dona Luiza de Gusmao, as scenes tumultuarias
occorridas no Estado, produzindo no animo da Corte a
mais dolorosa surpresa.
Nomeado Capitao General, Ruy Vaz de Siqueira
recebeu para seu governor um regimento, que lhe foi en-
tregue pelo proprio Vieira. Quaes os seus terms? A
Chronic nao os revela. Lamentando que a principio
Ruy Vaz, empossado em 25 de marco de 1662, houvesse
empregado certa tergiversacio em cumpril-o, informa,
entretanto, que elle mandou um emissario a Lisboa
pedir a restituigao dos padres ao duplo dominio antigo.
Nao resta duvida que, embora tarde,.elle deu publici-
dade as boas intencies da CGrte, que s6 podiam apro-
veitar, desde logo, aquelles jesuitas, que se achavam
constrangidos no Pard.









XXV


Cor a actividade, por6m, que Ihes era propria e que
as circumstancias tornavam urgente, elles transpor-
taram-se para o Maranhao e dentro em pouco .tinham
reorganisado o service, bruscamente interrompido.
Um anno depois da expulsAo, dia por dia, effe-
ctuava-se, na matriz de S. Luiz, grande festa religiosa
em honra da Companhia, dando o povo mostras de
vivo arrependimento e assistindo os que voltaram do
reino. E' possivel que para esse movimento da
opiniao concorresse muito uma assoladora epidemia de
variola, supersticiosamente acreditada como castigo do
ceo, ao qual tambem foi attribuida mais tarde a morte
de quantos ostensivamente concorreram para a violencia
supportada. Das suas victims, faltava uma, a principal,
AntonioVieira, que nunca mais pisou terra maranhense.
Mas a victoria que conseguira, mantendo a legis-
lacao de 1655, obra sua, contra a revolta do interesse
industrialist, foi ephemera. Subindo ao throno, Dom
Affonso VI adoptou political reactor. Uma proviso
datadade 18 de outubro de 1663 ( 12 de setembro, se-
gundo J. F. Lisboa), concede amnistia plena aos suble-
vados das duas capitanias, reconhecendo que os tu-
multos havidos, provinham das vexacoes que soffria o
povo, em virtude da maneira por que os jesuitas enten-
diam a lei, e fez cessar toda a ingerencia de quaesquer
religiosos no governor temporal dos indios, associou
aos jesuitas, na catechese, os membros de outras
ordens e declarou terminantemente que desses tra,
balhos ficaria excluido o padre Antonio Vieira, por
nAo convir ao real serviqo que a elles tornasse.
Comtudo, mandando vigorar os quatro casos da
legislago de 1655, que permittiam o captiveiro dos









XXVI


indios (quando tomados em just guerra e ainda assim
dadas certas circumstancias, quando impedlssem a pr6-
gaego do Evangelho, quando press 6i corda para serem
victimadospelos seus inimigos, quando vendidos por
outros indios que os houvessem torado em just
guerra), salvou aquella proviso o principio dominate,
que, na occasiao, representava o progress; e antes de
fallecer, em 1697, na Bahia, pudera Antonio Vieira ter
noticia da promulgacgo da lei de 1680, pela qual tam-
bem muito se esforcou. Ella aboliu de modo complete a
escravidao dos indigenas do Brazil, reatando os 6los de
uma cadeia historic suggestive, porque tern em uma
das extremidades o vulto precursor de um jesuita e na
outra o de um discipulo da Encyclopedia, Pombal.
No dominio do novo regimen, Ruy Vaz fez seguir
para o interior do Estado varias expedicoes desacom-
panhadas de jesuitas.
A primeira desceu ao Ceard, cor o intuito declarado
de colher ambar. Foi infeliz, occasionando a dispersao
do nucleo alli fundado ; delle retirou-se o padre GonCalo
de Veras, conduzindo para o Maranhao 300 Taba-
jaras.
Outra subiu o Amazonas, levando como catechis-
tas frades do Carmoe das Merc&s e o vigario geral do
Estado, soffrendo tambem complete desastre.
Duas vezes tentou-se devassar pelas armas o terri-
torio do rio Negro e em ambas nenhum resultado se co-
lheu. Vem aqui a proposito um trecho da Chronica:
cular, que tambem desembocava em o rio das Amazo-
nas, e por este sitio contaram os da tropa 96 aldeias s6
desta nacao. E' o rio de agua doce muito clara, e olhando
para ella parece negra como o carvao, levando-a em









XXVII


alto toma a cir de crystal. 0 sitio 6 frio e mui sau-
davel, e tanto, quese conta por maravilha ndo adoecer
da tropa ninguem por este sertao, sustentandose a
gente mais de um mez de manicoba, que se fa, da folha
da mandioca pisada e cozida, sem outro sustento, por-
que o rio pelo inverno e esteril de peixe, e como sao
tantos e os indios Ihes fazem tantas redes estreitas e
outras armadilhas em logares estreitos, o peixe que
entra pelo rio nunca mais sahe destes lacos; tern suas
vasantes e enchentes, como o mar largo, corn estar
mais de 400 leguas distant delle. 0 gentio Aruaquis
6 trabalhador e mui impaciente de captiveiro e sujeicdo;
tanto, que se resolveram alguns, que tomaranm em
guerra os portuguezes, a tomar peconha para morrerem
por mais conveniencia, do que virem a ser escravos
dos brancos.)
Inefficaz como as antecedentes, essa invasio for-
neceu material para as interessantes descripqies do capi-
tulo 17 do livro 40 ; entire outras, a das provas impostas
ao guerreiro Aruaquis para ser considerado principal e
exercer a honra de matar o inimigo aprisionado.
Uma occurrencia algum tanto dramatic succedeu
igualmente alli.
Aquelle frade do Carmo que interceptara as cartas
de Antonio Vieira, em Lisboa, tinha voltado para Sdo
Luiz e fora eleito prelado na sua Ordem. Para compen-
sar-se de prejuizos que tivera, resolve partir para o
sertao afir de reduzir escravos, corn vinte soldados e
duzentos indios, que lhe conflara o governador, devendo
ser o lucro de ambos. Conseguiu captivar cerca de
500, entire omens e mulheres, que, transportados
para Belem, revoltaram-se, mataram os soldados e fu-
giram para os mattos. Continfia a Chronica:
aEste prelado se resolve tambem a vir atraz cor
outra can6a de escravos que tinha tomado por assaltos,
pronUnciando uma lei de qcie at6 os seculares zomba-









XXVIII


vam, e vinha a ser que todos os indios do rio Amazo-
nas eram escravos; e vindo-se elle muito content e
descuidado para baixo, eis que subitamente, em meio
da jornada, uma india velha, que tambem trazia por
escrava, estando acordada, se foi chegando a elle cor
um ticAo de fogo em a mao, e a vista de todos deu uma
pancada cor tanto impeto e forca sobre a cabeca do
religioso que parecia guiada por outra m0io, e elle logo
cahiu morto, sem poder mais fallar nem pronunciar
uma s6 palavra. Cor esta accao inopinada se anima-
ram entdo os indios que vinham por escravos, e ferindo
a um ajudante, que vinha do sertAo, se voltaram pelo
rio acima corn a india, que os capitaneava, langando o
corpo do defunto em uma praia desert, onde ficou
carecendo de sepultura ecclesiastica; e 6 de notar que
s6 elle dos que vinham em sua companhia morreu,
porque os mais soldados e indios christios se puzeram
em fugida, indo sahir em differences logares, e a velha,
cor o ticgo de fogo em a mao, que foi o instrument da
sua victoria, capitaneou os barbaros, rio das Amazonas
acima, para suas aldeas.
De uma tropa que foi invadir a regiAo dos Jurunas,
depois de preparada secretamente, diz a Chronica que
para assim ser o lucro maior, s6 escapou o cabo corn
poucos companheiros.
Menos infeliz nao foi a que se aventurou pelas
terras dos Poquizes, no alto Tocantins, sitio de
ricas jazidas de crystal. Contrastando corn esses in-
successos, a simplicidade persuasive da palavra do
padre Joao Maria Gorsony conseguiu attrahir os Gua-
jajaras das margens do Pindar6 pare a aldeia de
Capityba.
Despojada do powder temporal sobre as povoacoes
que fundara, destituida do privilegio da catechese e do
voto decisive em casos de captiveiro, jurisdicaio que
passou a ser desempenhada por uma junta, a Compa-









XXIX


nhia aproveitou engenhosamente o raio da actividade
que Ihe deixaram para transformal-o no diametro oc-
culto da circumferencia ideiada. Fez prosperar os seus
estabelecimentos, augmentou e construiu egrejas, fun-
dou cursos de ensino e at6 para manter a influencia
antiga, alcancou que ficassem algumas aldeias admi-
nistradas por indias, chamadas principalezas. No Pard
uma, Joanna, casada com Jose Corumin, e no Tapaj6s
e no alto Itapecurfi outras duas, que tinham o mesmo
nome, Moacara, tornaram-se notaveis.
Quando, por acaso, qualquer duvida sobre caso de
captiveiro Ihes era submettida, os padres ndo perdiam
a opportunidade. Em 1671, arrojada expedigao, acom-
panhada pelo incansavel Gorsony, penetrou pelo rio
Amazonas, indo al6m do JapurB e na volta conduzia
cerca de 900 Solim6es aprisionados.
( achasse em Cametd com o Sr. governador donatario
daquella capitania, o qual, vindo de visitar o Gurupd,
pedio-me que, como superior, examinasse umas peas
feitas pelo capitio-m6r daquella fortaleza, Joao Botelho,
sem mais autoridade que a sua: foram-se os missio-
narios, continuando sua viagem para o Pard, exami-
nei as peas e achando que eram feitas contra a lei, as
dei por perdidas todas, conform o que a mesma lei
estava dizendo.,
Exemplos desta natureza sao frequentes.
0 period que vae de 1667 a 1684 f6rma o assum-
pto dos livros 50 e 60. Os trabalhos da Companhia, ape-
zar das restricoes soffridas, desenvolveram-se. Quatro
capitaes generaes ou governadores, como os chama a
Chronic, succederam-se no Estado: Antonio de Albu-
querque Coelho de Carvalho, Pero Cesar de Menezes,
Ignacio Coelho da Silva e Francisco de Sd e Menezes.









XXX


Em 1680creou-se o bispado, cujo primeiro titular foi
D. Gregorio dos Anjos.
Oprogresso industrial da colonia assumia, entre-
tanto, grandes proporoqes. A exportaqCo do cravo au-
gmentava, produzindo cada arroba 14$ e 16$ livres.
Crescia tambem a do cacao, e as salinas que os padres
tinham estabelecido na ilha eram proveitosamente ex-
ploradas.
(Depois de beneficiadas do modo jd dito, informa a
Chronic, deram tanta quantidade de sal que bastou
nao s6 para a casa e roga, mas para ajudar a republican,
vendendo-se aos moradores a duas varas de panno o
alqueire, quando ha abundancia delle.n
Alem do panno, corriam como moeda o novello de
fio, o fumo e esses mesmos products extractivos.
Tres mil cruzados em assucar eram pagos a casa do
Maranhao por um legado litigioso.
A Camara de S. Luiz tinha em 1650 a receita de
53$860 e a despeza de 60$040; em 1671, a sua
receita era de 180$700, para uma despeza de 118$500.
O commercio avultava, principalmente no porto do
Para, residencia preferida pelos capitaes generaes.
Nesse period, tinham sido aldeados various gentios
do Xingi e ate das longinquas tribus do rio Ma-
deira.
A falta de brasos para a exploracio agricola e dos
meios de transport tornava-se cada vez mais intense;
corollario inevitavel da anormalidade do element basi-
co do trabalho, quanto maior era a expansao indus-
trial, tanto mais agudo se fazia sentir esse estado de
crise. Nao suppria a deficiencia o recurso do trafico
de africanos, porque em pequena escala era entao alli
empregado o barbaro succedaneo, sendo muito usado









XXXI


na Chromca o termo tapanhuno, designativo tupyco
do home preto.
Pois foi nessas circumstancias que, reassumindo
perante D. Pedro II a influencia perdida no reina-
do anterior, o padre Antonio Vieira alcancou a promul-
gaqo ndo s6 da lei e proviso de 1 de abril de 1680,
prohibindo o captiveiro dos indigenas, regulando o
servigo dos considerados desde entao livres, e resti-
tuindo aos missionaries da Companhia de Jesus o
privilegio das entradas pelo sertAo, annexa a plena
competencia temporal e spiritual, como a do alvard de
12 de fevereiro de 1682, estabelecendo as clausulas do
funccionamento de uma companhia de commercio, fa-
vorecida pelo monopolio da navegaio, pelo estanco de
varies generous de importaoo e o onus de introduzir,
mas durante 20 annos, dez mil escravos negros, a razao
de 500 por anno, si tantos fossem necessarios, venden-
do-os ao preco de cem mil reis cada um. Comprehende-
se quanto era diminuta a transigencia concedida ao
espirlto escravocrata da dpoca.
Nesse mesmo anno de 1680, tgo fertile na versatile
jurisprudencia portugueza sobre a material, nova pro-
visao regulava o servigo dos indios livres, determinan-
do que uma terga parte delles poderia ficar destinada
ao servipo dos moradores, outra permaneceria nas
aldeias, sujeita a parochos, entregando-se a restante
aos missionaries. A competencia para essa distribui-
co foi dada ainda a uma junta compost do bispo, do
prelado de Santo Antonio present na localidade e de
um representante da Camara.
0 descontentamento dos prejudicados chegou ao
seu auge: abuses commettidos na repartiqao dos indios









XXXII


vieram aggraval-o. Entre os habitantes estava recent
a tradido de 1661. 0 jesuita, franco defensor da li-
berdade dos indigenas, mesmo d custa da dos africa-
nos, nao podia subtrair-se, no Maranhao e no Para, a
fatalidade economic, que os venceu no Rio de Ja-
neiro e em S. Paulo.
Os interesses em revolta colligaram-se. Beck-
man foi o seu orgao.
A narrative do movimentosedicioso de 1684, ma-
teria do livro 70, differe apenas em alguns detalhes da
que se 1l em Berredo e outros antigos escriptores. O
perfil historic de Manoel Beckeman, atrav6s da antipa-
thia da causa de que elle se constituiu interpreted e
principal agent, nao ficou amesquinhado na Chronica,
onde foram reconhecidas suas pouco vulgares qualida-
des pessoaes. O povo, attribuindo aos padres a md
situagao dos negocios mercantis, reclamava que Ihes
fosse retirado o governor temporal e spiritual dos in-
dios e abolido o estanco, crente de que, feito isto,
raiava-lhe uma era de prosperidade. Manoel Beckman
teve a seu lado, al6m da massa popular, as autoridades
ecclesiasticas e civis e os representantes da forca pu-
blica, achando-se o governador ausente no Pard.
Foi Betendorf quem tomou a palavra para defen-
der a Companhia, uma vez perante o Senado da Cama-
ra e outra no proprio Collegio. A allocuqAo proferida
por Manoel Beckeman, se nio 6 textual, ipsis verbis,
estA de acc6rdo com os sentiments e a firmeza que
elle sempre revelou:
(Reverendo Padre Reitor, eu, Manoel Beckman,
como procurador eleito por aquelle povo aqui present,
venho latimar a Vossa Reverencia e mais religiosos









XXXII '


assistentes em o Maranhao, como justamente alterado
pelas vexacSes que padece, por terem Vossas Paterni-
dades o governor temporal dos indios das aldeias, que
se ter resolvido a lanqal-os f6ra, assim do spiritual
como do temporal, e nao por alguma falta ou mdo ex-
emplo de sua vida, que por esta parte ndo tern de que
se queixar de Vossas Paternidades ; portanto, notifico
a Vossa Paternidade e mais religiosos, por parte deste
alterado povo, que se deixem estar recolhidos ao Colle-
gio e nao saiam para f6ra delle, para evitar alterac6es
e mortes, que por aquella via se poderiam occasional ;
e entretanto, ponham Vossas Paternidades c6bro em
seus bens e fazendas, para deixal-as em mios de seus
procuradores que Ihes forem dados, e estejam appare-
lhados para a todo o tempo e hora se embarcarem para
Pernambuco, em embarcacies que para esse effeito Ihes
forem concedidas.j
Nao faltavam nunca aos jesuitas recursos da orato-
ria em outras occasioes, quanto mais nessa !... A r-
plica de Betendorf estava naturalmente indicada : se
irregularidades havia na distribuiQgo dos indios livres
entire os moradores, a culpa era da junta incumbida de
repartil-os e estavam os padres promptos a desistir
do governor temporal dos aldeiados, uma vez que os
promotores desse acto se responsabilisassem por elle
perante o governor em Lisb6a.
0 movimento seguio o seu curso. O povo elegeu
tres governadores: Joao de Souza de Castro, Manoel
Coutinho e Thomaz Beckeman ; sem deixar de attender
aos demais agitadores salientes: Eugenio Ribeiro, Fran-
cisco Deir6, Jorge de Sampaio, o vigario Ignacio da
Fonseca, os grades Elias de Santa Thereza e Ignacio
de AssumpCqo. Mas os habitantes das outras capita-
nias, comquanto muito se regosijassem cor os resul-
tados praticos da revolta, a deixaram limitada ao Ma-
ranhdo.
1851 c









XXMV


No dia 26 de marco de 1684 foram embarcados em
dous navios, cor destino a Pernambuco, 27 padres e
irinos, alguns dos quaes, ignorando a sorte a que se
expunham, tinham, por aquelles dias, vindo do Para.
Os dous barcos tocaram na Fortaleza. Ur, ao
proseguir a viagem, cahiu em mros de pirates, que
infligiram crueis tormentos aos prisioneiros, abando-
nando-os depois em pequena ilha proxima 6 costa,
donde puderam as victims transportar-se 6 Tapuyta-
pdra (Alcantara) e ao Pard, sendo, por6m, recebidos
ahi cor as maiores demonstrates de respeito, e re-
cuperando, atravez do varias peripecias, a sua anterior
autoridade. 0 outro chegou, sem contratempo notavel,
ao Recife. Ia nelle Betendorf, que partiu logo para a
Bahia, donde, ap6s repetidas conferencias cor o padre
Antonio Vieira, os princiliaes da Ordem, o arcebispo e
o governador geral, o 20 marquez de Minas, dirigiu-se
a Lisboa, em cujo porto jd se achava no dia 23 de outu-
bro, no character de procurador geral das misses, encar-
go que exerceu at6 1688.
Elevado ao throno desde 1683, D. Pedro 20 confiou
a um de seus validos o estudo do caso ; foi Roque Mon-
teiro Paim, nome indicado pelo proprio Betendorf, que
interessou tambem na questao o padre Joo Madeira,
confessor do rei. Os revoltososdo Maranhio, por seu
lado, haviam enviado 6 Corte um representante, Thomaz
Beckeman, incumbido de justificar o movimento e
assegurar-lhe os effeitos.
As primeiras providencias tomadas annunciaram
logo a que orientagio obedecia o espirito do governor
portuguez. Um habilissimo general, Gomes Freire de
Andrada, investido do cargo supremo no Estado, com










XXXV


poderes especlaes e dispondo da forqa military julgada
sufficient, partiu para o MaranhRo. Betendorf declara
no capitulo 90 do livro 70, que se entendeu muitas
vezes cor elle, informando-o dos costumes e manhas
da terra e, por escripto, sobre a norma de seu procedi-
mento em relacao aos moradores de S. Luiz, apontando-
Ihe os amigos da Companhia ((nos quaes se podia fiar e
com os quaes tratasse, quando estivesse ancorado em
Aracagy, antes de tomar o porto da cidade... .
Sabe-se qugo facilmente afortunada foi a expe-
dicao de Gomes Freire. Em 15 de maio de 1685, desem-
barcava elle, sem encontrar a minima resistencia,
apezar das tentativas do indomavel Manoel Beckeman
para organizal-a. Este e Jorge de Sampaio, concluida
a devassa, pagaram cor a vida a sua audacia revolu-
cionaria; Deir6, foragido em tempo, teve a effigie
enforcada, e, mais tarde, recebeu o perdao, que attingiu
tambem aos outros compromettidos.
Antes de divulgados esses acontecimentos em Lis-
boa, nao descansava Betendorf. Assim, redigiu um
memorial, compendlando em 17 itens as reclamaoes
da Companhia e os meios indispensaveis para o razoa-
vel exito de seus trabalhos. Todos referiam-se a
liberdade dos indigenas, ao regular aproveitamento de
seus servigos e a protecco de que elles e os missio-
narlos careciam. 0 ultimo paragrapho revela o pensa-
mento geral que inspirou o escripto:

((17. Finalmente, como os pobres indios nao tem
capacidade de requererem seu direito, assim para os
pagamentos devidos por seus trabalhos, como para
sua liberdade, seja Sua Magestade servida constituir
procuraddres delles para as capitanias, aos quaes possam










XXXVI


recorrer, em suas necessidades e oppressoes, para Ihes
valer. ,)
Na; qualidade de representante do provincial da
Ordem na Bahia, Alexandre de Gusmao, oppoz-se Be-
tendorf a que fosse entregue ao Rei uma carta ou petico
do padre lodoco Peres, que do Para viera juntar-se-lhe
em Lisboa, requerendo que, a vista dos successes ultimos
e seus antecedentes, fossem dissolvidas e abando-
nadas as misses. Essa renuncia era um acto de cohe-
rencia. Consta da certidao passada pelos tabeliaes de
S. Luiz, quando notificaram aos padres a intimaq o
para se retirarem, terem elles respondido (( que em
nenhum tempo, por sua vontade, nem leve pensa-
mento tinham de voltar e assim o promettiam.)
Indeferido o requerimento, ficaria extincto o com-
promisso, alias antes imposto de que acceito. En-
tretanto, o proprio Betendorf declare que em 1693 re-
novou a proposta.
A Chronica nAo 6 explicit a respeito dos resul-
tados juridicos das negociacQes do seu autor. Informa
apenas que, depois de muitas instancias cor Roque
Monteiro, elle obteve part dos papeis tocantes a resti-
tuiqao do governor dos indios, despachados conforme
seu desejo, e os entregara a lodoco Peres, quando de
regresso para o Maranhao, em companhia do novo go-
vernador, Arthur de Sa e Menezes, que tomou posse
em 23 de maio de 1687.
0 que se deprehende dos capitulos seguintes 6
que, cor essa restituiqo, os padres alcanqaram
tambe m que fosse annullada uma lei expedida em 2 de
setembro de 1684, concedendo aos moradores a admi-
nistraqOo dos indios trazidos do sertdo por tro'pa acom-









XXXVII


panhada de missionario jesuita ou capuchinho, e, mais
tarde, em 22 de marco de 1688, o restabelecimento da
plena competencia spiritual e temporal, como a plane-
jara e conseguira Antonio Vieira, ert 1655. Mas o
cumprimento dessas dispomsiqes ficou sujeito a mode-
ragOes, para empregar o termo da Chronica.
Tinham os moradores do Estado, desta vez por
intermedio das Camaras, reiterado suas representaqes
sobre a necessidade de escravos, allegando que, al6m
do seu alto preco, pela escassez delles, muitos fugiam
e poucos viviam bastante, nao vendo outro remedio
para isto senfo o estabelecimento das aldeias de
administration.
Inclinava-se a Cdrte a transigir, uma vez que os
jesuitas dirigissem o service. Betendorf recusou a
incumbencia, para nio ficar a Companhia exposta, sem
vantage social de especie alguma, as odiosidades que
jA excitara ; pediu, entretanto, que Ihe fosse conser-
vada a liberdade de accio religiosa, indo os padres, cor
a devida licenca, doutrinar e desobrigar os aldeiados.
As instancias continuaram, mas reduzidas d permissio
para as expedicies conhecidas pelo nome de entradas
nos serties para resgates.
0 fim estava declarado francamente: era trazer
escravos. Examinado tudo, diz a Chronica, por le-
trados, juristas e theologos, o rei concede a licenca.
A Companhia, fiel ao seu principio da relatividade
das cousas, conformou-se A situacio, abstendo-se de
envolver-se nos casos de pagamentos a fazenda real,
mas resolvida sempre a aproveitar todas as occasides
em que, por seu esforco, a causa da liberdade dos
indigenas ficasse salva, convindo e-tl,' na ida de um









XXXVIII


missionario seu cor as tropas organizadas para aquelle
fim.
Em 1688 o padre Gorsony acompanhou o bando,
que, sob a chefia de Andre Pinheiro, subiu o Ama-
zonas, percorrendo a margem esquerda, at6 acima do
Jamund .
Trouxe grande numero de prisioneiros e desco-
briu nas cabeceiras dos rios JutumB e Urubfi ricas
minas de ouro e prata. Sdo curiosas as explicates
praticas que se 1lm nas pags. 416 e 496 acerca do pre-
paro dos metaes extrahidos.
Um jesuita, de origem austriaca, Samuel Fritz,
que tinha a seu cargo a missao do paiz dos Cambe-
bas, dependent da audiencia de Quito, veio procurar
entire os expedicionarios, entio no rio Negro, recursos
para curar-se de afflictivas enfermidades. Remettido
para Belem, ahi restabeleceu-se, mas s6 poude re-
gressar a sua amada missao depois de licenca do rei,
obtida corn grande demora. O governador, Antonio
de Albuquerque, cumprindo ordens da C6rte, o fez
voltar, a custa da fazenda real, em uma can6a grande
( bem equipada de remeiros e provide de soldados
para sua seguranca, indo por cabo Antonio de Miranda,
o qual, depois, por este service, foi provide no posto de
sargento-m6r do Estado. )
Muitos annos depois, em 1696, uma outra expe-
dicio encontrou o mesmo jesuita estabelecido mais para
leste e o intimou a deixar aquelle territorio, que per-
tencia 6 coroa de Portugal, no que foi obedecida, e,
observe a Chronica, nada mais houve sobre essa material.
Entretanto, Varnhagen diz que o padre Fritz
fez imprimir em Quito um mappa do rio Amazonas,









XXXIX


onde era muito desfavorecido o Brazil, atttribuindo
isso ao desgosto causado pela delonga de sua permanen-
cia no Pard.
A Chronica registra dous episodios, nao muito
frequentes, occorridos durante a estada de Betendorf em
Lisboa.
A princeza Maria Francisca, acompanhando seu
pai, o rei Dom Pedro II, a uma cacada em Salvaterra,
matou um javali, cor animo e destreza varonil.
Elle dedicou-lhe por esse feito uma 6de em latim,
que, infelizmente, na c6pia do manuscript original,
soffreu grandes adulteraQoes.
Nesse specimen de litteratura profana e corteza,
apparece corn certa importancia a novidade da indi-
cap o geographic da procedencia: musa maromo-
nense.
As segundas nupcias do rei corn a princeza Maria
de Neuburg forneceram & Chronica paginas, em que,
atravez da habitual negligencia doestylo, ha certas de-
scripg5es e narrativas dignas de nota.
Datavam de 1682 as primeiras excursies dos je-
suitas na capitania do cabo do Norte. Foi s6mente em
1687 que os padres Antonio Pereira e Bernardo Gomes
se fixaram na aldeia de Camunixary, ilha situada em
um lago, junto A costa. Ambos foram ahi mortos
pelos indios das vizinhancas, um anno depois. Desco-
berto o principal criminoso, em 1689, perdeu a vida,
despedacado a boca de uma peca de artilharia. Os ossos
das duas victims, transportados como reliIuias, ti-
veram sepultura em Belem.
Em 17 de maio de 1688 partiram de Lisboa corn
destino ao Maranhio os padres que para alli tinham ido











quando expulsos, e cor elles vieram doze missio-
narios, alliciados por Betendorf.
Duas nomeacaes o aguardavam na cidade de SAo
Luiz: a de reitor do Collegio e a de commissario da In-
quisicao, cargo vago desde o tempo de Antonio Vieira.
A intencgo desse restabelecimento foi fazer corn que
ficassem mais respeitados os padres pelos povos, aque,
por qualquer cousa se levantam, sem nenhum medo?.
No seu novo character, Betendorf tornou public, por
todas as egrejas do Estado, a bulla de Innocencio XI, de
28 de agosto de 1687, condemnando as proposicoes de
Molina sobre o quietismo.
Formam o capitulo 21 do livro 7T. O manuscript
transcreve o que cont6m a obra impressa em Lisboa,
na lingua hespanhola, tendo parecido preferivel tradu-
zil-a em portuguez.
Deu-se nesse anno o fallecimento do Bispo D. Gre-
gorio dos Anjos, a quem a Chronica tece elogios com-
placentes, nao esquecendo lembrar que:
a alguns tinham para si que elle dera alguma aza
de palavra ao levantamento do povo do Maranhilo,
mas o tempo mostrou que tudo foi uma presumpcqo
fundada em fundamentos mui fracos, e nao houve
nada al6m de cousa de pouca substancia e moment,
e assim depois sempre se correu bellissimamente com-
nosco, nem tivemos de que nos poder queixar delle em
cousa nenhuma.,
Ainda nesse anno, creou-se a missio dos Irurizes,
no alto Madeira, apoz uma viagem de tres mezes, ven-
cidos terriveis perigos de morte, encontrados nas
cachoeiras.
O titulo do livro 80 (P6e-se a missdo em estado
maior e em ultima consistencia) dd a entender que es.












tavam terminadas as lutas intransigentes contra a
Companhia, no derradeiro decennio do seculo XVII, a
cujos acontecimentos se refere, entire os quaes figuram
diversos exterminios de tribus, verdadeiras carnificinas,
dolorosamente registradas. A liberdade da raca oppri-
mida nao deixava, porem, de ser a idea fixa dos incan-
saveis apostolos. Ha no seguinte trecho da Chronica
reflexes que parecem de seculo mais proximo ao nosso:
a Importa A salvaco de Sua Magestade que nao
conv6m dar tanta largueza a homes que nao buscam
senao o seu proveito, e empregam os indios 6 sua von-
tade, sendo que elles nio consentiram nunca senao em
serem governados conforme as leis de Sua Magestade,
alem de que muitos delles foram descidos pelos padres
da Companhia de Jesus, ou vieram por sua propria von-
tade e estAo onde querem, pois estas terras sao dos
indios, naturaes dellas, e ninguem Ih'as p6de tirar
sem grande injustica, nem obrigal-os a trabalhos
senao conforme as leis de Sua Magestade, por nio
se terem obrigado, nem elles, nem seus antepas-
sados, a mais. E p6de-se p6r em quest se ainda
a isto estao obrigados, porque ou nunca Ihes pro-
puzeram bem, nem explicaram, como devem, as
obrigaqces dessas leis, ou porque, como sao indios de
pouco entendimento, nao comprehendem bem esses
pontos, e, se consentem em alguns, 6 por nio enten-
derem o que fazem, obrigando-se ao que nao fariam se
tivessem tido boa noticia e conhecimento delles, e 6
terrivel cousa obrigar esses pobres a tWo pesados tra-
balhos, como sio os seus, antes de admittil-os a serem
fi!hos de Deus, pelas ald6as, onde assisted os missio-
narios.)
Uma deploravel omissao 6 a que se nota no capitulo
40desse livro. Nelle devia transcrever-se a doutrina,
uniformizada pelo proprio Betendorf, que se ensinava
aos indigenas, mas que o autor julgou excusado repro-
duzir, por constar de um cathecismo impresso. Ficou









XLII


assim a posteridade impedida de conhecer, em fonte
originaria, o method pratico pelo qual os jesuitas ap-
plicavam o principio, muito mais tarde systematizado,
da correlaqAo entire os deveres e os sentiments, estes
determinando aquelles, confiada A f6 e a acqAo do tempo
o desenvolvimento dos germens da cultural moral, que
as maravilhas da arte catholica incutiam na alma dos
convertidos.
Nas frequentes visits que faziam as aldeias, as-
sumpto de numerosas e demoradas narraqSes da
Chronica, era constant a preoccupa~go dos Superiores
pelo melhoramento das condiCes externas das egrejas
e capellas. pela decencia e ordem das sacristias, a boa
disposicio dos collegios e a possivel magnificencia
esthetica dos actos religiosos.
Em uma dessas visits, durante o anno de 1692,
Betendorf foi testemunha do terror que ainda causava
aos aldeiados do rio Urubf a lembranca de um terre-
moto, poucos mezesantes, acompanhado de medonha
enchente. A espirito tdo perspicaz nao escapou o que
podia haver de exagerado naquella impressio e o tempo
se encarregou de justificar a incredulidade, nunca mais
tendo-se alli sentido phenomenon tellurico de identica
natureza.
Alids, para dissipar panicos e tornar os espiritos
soffredores e resignados, eram de um poderoso alcance
certas crencas supersticiosas, fazendo nascer esperan-
cosos confortos, mediante a confianqa na palavra apos-
tolica e a pratica de elementares devogOes.
Um sentiment de compassiva benevolencia, che-
gando muitas vezes ao carinho, exhala-se das ultimas
paginas da Chronica, constituindo a gloriosa caracteris-









XLIII


tica das relaq5es dos padres com as tribus, justamente
quando a intervencgo delles no service da catechese
ficara restringida, a ponto de sustentar uma autoridade
que s6 Ihes restava dizer misses e administrar sacra-
mentos.
Citando casos em que a simples observancia dos
deveres da Humanidade bastava, em regra, para anga-
riar as sympathies dos selvagens, ponder a Chro-
nica:
(E daqui se colhe que se os Tapuyas fossem tra-
tados cor amor e carinho pelos portuguezes todos, nao
se haviam de levantar tantas vezes contra elles, porque,
ainda que sejam barbaros e brutos, nao deixariam de
reconhecer o bem que se lhes faz, visto os proprios
animals e todos os brutos serem agradecidos pelos
beneficios e bom trato que se Ihes dd, como consta de
innumeraveis historians e vemos cada dia corn os nossos
olhos. Nao nego, nem posso negar que corn esta gente
selvagem se hade tratar cor toda a cautela, princi-
palmente emquanto se nao domesticar e abrandar, pelo
ensino da verdadeira fd e virtudes christas, quanto o
permitted sua brutez natural.))

A dedicacio dos missionaries foi submettida a rude
prova durante uma devastadora epidemia de variola,
que assolou todo o Estado, em 1695. Descrevendo os
horrores dessa crise, o velho jesuita revelou notavels
talents de observacdo.
Um navio, trazendo negros de Angola, chegara ao
Maranhao; constando que a bordo vinha um enfermo
do terrivel mal, foi-lhe prohibido ancorar perto da
cidade, cautela frustrada pelas instancias dos mora-
dores, avidos de bragos para o trabalho,e pelas negatives
do commandant, que ameagava cor um process por
perdas e damnos.









XLIV


( 0 que parecia ser para remedio dos moradores
converteu-se em sua grande ruina, porque cor elles, os
tapanhunos, entraram as cameras e as febres, que
mataram muita gente, nao ficando de f6ra os que
tinham alguma mistura de sangue de indios e negros,
e nem por isso parou o mal, porque, antes de partir o
Padre Superior da missao, cor o governador, ia mor-
rendo tanta gente dessas molestias, e, entrando as
bexigas, depois delles partidos, morreu gente sem
comparaqo muito mais. Comeqou o mal pelas bexigas
brancas de varias castas, e logo seguiram-se as pretas,
a que chamam pelle de lixa, as bexigas sarampadas e
outras dessa casta, mui pestiferas, as quaes fizeram
tanto estrago nos indios, assim forros como escravos,
e mais nos tapanhunos, que e uma dOr do coracao
s6mente referil-o; cahiram e foram morrendo tantos,
que as vezes nao havia quem acudisse aos vivos e en-
terrasse os mortos.
SReluzio nessa occasiao a grande caridade em
nossos padres do Collegio, e sobre todos no padre
reitor Jose Ferreira, que, sem embargo que tinha assaz
que lidar corn os seus, acudia cor lenhas, aguas,
peixe e farinha, avarias casas, e corn o sacramento da
confissao, por si e pelos seus todos, a toda a cidade, ndo
so de dia, mas ainda de noite, a qualquer hora que o
chamavam... Era o mal ja insupportavel, por se Ihe
ajuntar grande fome, pela falta de commercio de fari-
nha, em razao das grandes seccas que tinham havido
naquelle anno. Para maior ajuda, accrescentou-se nesta
parte a fome a guerra, que os Tapuyas faziam nos rios
do Meary e Tapecorfi e corn isto ficaram os curraes de
gado perdidos. ,
Morreram oitenta pessoas no Collegio, que ficou
quasi despovoado ; nas mesmas condiCes acharam-se
as aldeias e os engenhos da ilha administrados pela
Companhia. Passou-se a epidemia para a villa de
Tapuytapera, cor igual intensidade; chegou 6 Ca-
eth6, oride o capit~o-m6r e os moradores, que antes
tinham perseguido ao padre Joao Carlos Orlandini, nio











acharam soccorro As suas desgracas senio no altruismo
e na experiencia de curar do incansavel missionario;
e de facto alli o estrago foi menor.
0 navio que contagiara o Maranhao, transmittiu
a enfermidade ao Pard. A ilha de Maraj6 foi a pri-
meira atacada; ahi falleceram quasi todos os indios
aldeados; o mesmo succedeu aos Tupinambazes e aos
Maraguazes, havendo dias de adoecerem vinte, trinta e
quarenta pessoas. A cidade de Belem transformou-se
em um hospital de bexigosos, sem exceptuar os con-
ventos; os padres andavam pelas ruas perguntando
se havia alguem que necessitasse de confissao, isto
muitas vezes, por nao se achar nas casas quem fosse
chamar confessor e, por falta de quem sangrasse
os que careciam de sangrias, prestavam tambem este
servico; acompanhavam os cadaveres, sem horror,
ficando-lhes a pelle putrefacta entire as maos. Em
CametA e em todos os demais pontos da capitania a
forca do mal foi irresistivel.
A observaqo mostrou que o unico recurso para
evita-lo era a fuga para os mattos, expediente, po-
rem, que trazia o perigo da dispersao e abandon das
aldeias, cor tanto trabalho estabelecidas. Betendorf,
entAo em Inhuaba, no Tocantins, lancou mio de um
meio, que modernamente seria chamado forqa ugges-
tiva. Sabendo que os indios, cor medo da variola,
queriam procurar aquelle abrigo, animou-os, reuniu-os
na egreja, disse-lhes que nao se retirassem, tendo mais
cuidado da salvacio de suas almas ficando, do que da de
seus corps fugindo. Todos obedeceram, cumpriram corn
ardor seus deveres religiosos e nao houve um s6 que
enfermasse. ( Alguns soffreram d6res de c'abeca e de ca-









XLVI


deiras com alguns vomitos, signaes precursores, diz a
Chronica, mas, antes de recommendados aos santos e a.
Virgem Maria, eram sangrados, com o que desappare-
ciam os symptoms alarmantes.) A isencao do contagio
irradiou-se:

( Foi cousa para se notar muito que, ao mesmo
tempo que tudo eram tristezas pelas outras parties,
naquelle logar cantasse eu misses solemnes, ajudado
dos domesticos de Diogo Pereira, que eram os meus
musicos e acompanhavam o canto corn suas rabecas e
violas, que tocavam cor muita destreza, e, sobre todos
elles, Manoel Pereira, filho morgado de Diogo Pereira,
que, na ausencia do padre Joao Justo, me acompanhava,
explicando-lhe eu logica e physical atW o fim das cousas.
Foi tanta a merc6 da Senhora, que ate os vizinhos,
como Joao da Silva e outros, flcaram favorecidos.,

Betendorf tambem acha ser cousa digna de reparo
que, tendo tratado de muitos variolosos e ajudado a
amortalhar grande numero devictimas, ndo trans-
mittira a molestia aos indios da sua aldeia, durante
os quatro mezes de flagello. 0 facto 6 authentic; sua
explicacgo p6de variar ; mas ndo ha duvida que o ins-
pirou um energico movimento de dedicado.
No seu declinio, a epidemic transformou-se em
duas, uma de febres catarrhaes e outra de sarampos,
que por longos mezes dominaram, a ninguem pou-
pando, send principalmente mortiferas entire os
pobres indios, entire os que regressavam e os que
desciam para supprir os claros abertos nas aldeias
pela antecedente calamidade.
Mas, atravez de todas as vicissitudes, nao cessavam
os trabalhos regulamentares da Companhia. Tinham
sido tambem installados no Pard os cursos de huma-









XLVII


nidades estabelecidos a principio em S. Luiz, e aos
quaes Betendorf. dera grande impulse, a tal ponto que
estudantes de Coimbra vinham alli terminar alguns
estudos especiaes, como os de philosophia e theologia.
Todos os annos procedia-se a exames corn apparatosa
solemnidade, e os de 1696 revestiram-se da maior im-
portancia, tomando a denominacqo de conclusoes lo-
gicas, especie de defesa de theses, ad gradum. Os com-
mentarios que faz a Chronica a este respeito merecem
ser transcripts:
( Armou-se uma cadeira mui bem adornada junto
6 port trav6ssa, para a banda da rua. Osdefendentes
foram o irmao Sebastiao Pereira, um religioso de
Nossa Senhora das Merces, chamado frei Manoel
Correia, e Jose de Souza, sobrinho do capitAo-m6r
Hilario de Souza, que nao assistiu por doente... Ar-
gumentaram o muito Reverendo padre frei Antonio
Soares, o muito Reverendo mestre graduado em phi-
losophia Manoel Tavares, e o padre Superior da mission
Jos6 Ferreira e outros; responded mui bem o Irmao
Sebastiao Pereira e os mais assaz bem, para prin-
cipiantes; o padre mestre do curso houve-se, pela
dispute toda, sempre sem nenhum abalo, e corn o
rosto risonho, respondendo a tudo e saltando todas
as difficuldades, corn a maior gracae facilidade, como
tenho visto nas universidades maiores do mundo todo;
e assim foram muito applaudidas suas conclusoes,
pelo bor success que tiveram. Depois de partir o
padre Superior da missao para a sua visita, se fez
exames de cursistas; os examinadores foram o padre
reitor e mestre de curso, o padre Gaspar Misseh, o
padre Miguel Antunes e eu. Responderam todos como
entendidos, admiravelmente bem, de sorte que mal
se podia dizer quem entire elles levara a palma nas
respostas, e parece-me que nem nas universidades
da Europa fazem os cursistas do primeiro anno mais
do que fizeram os do Colleglo de Santo Alexandre
do Grampard.









XLVIII


Mais tarde, ainda esses exames excitavam-lhe a
mesma admiraco, achando que, embora uns estu-
dantes mostrassem maior habilidade do que outros,
nenhum deixou de revelar que possuia a mediedade,
merecendo muitos approvaqao cum laude e duplice
laude. Como velho de 70 anns, e 54 depois de ter
se graduado em Treveris, nao achava que o pre-
paro ministrado no Para fosse inferior ao que na
antiga universidade alleman se obtinha.
Nesse mesmo anno de 1696 comecou a adelga-
car-se o vdo que isolava o Maranhao da colonia, mais
pela forga de circumstancias fortuitas do que pelas
ficqoes legaes: uns homes do Brazil vieram reque-
rer datas de terreno para pastos e curraes de gados nas
campinas entire o Ceard e o rio Itapecorfi; voltaram
a cavallo, pelo caminho mandado abrir para o sul,
indo corn elles Manoel Nunes Collares, que tinha
sido ouvidor geral e ia provide no posto de desem-
bargador da Bahia.
No limited opposto, occorria success de nao menor
alcance. D. Pedro II recommendara muito ao padre
lodoco Peres, quando de regresso ao Maranhao, em 1688,
que a Companhia dedicasse toda a attengqo a margem
septentrional da foz do Amazonas.
Em 1691, organizou-se uma expedi~go para res-
gatar indios naquella zona, indo como seu missio-
nario o padre Joao Maria Gorsony, que instara repe-
tidas vezes por esta providencia. No GurupB, o capitao-
m6r Guedes Aranha offereceu-se para ir explorer o
littoral, onde lhei constava achavam-se francezes, que
pouco antes haviam trazido uma carta do governador
da Cayenna, a Antonio de Albuquerque Coelho de Car-










XLIX


valho, solicitando permissa) para psnstrar naquelle
territorio. A respl)ta foi que a licenqa dependia da
Rei, a quem seria transmittido o pedido. Refugiando-se
nos igarapes da costa, os francezes escaparam 6 per-
seguigo de Aranha.
A idea da fundagao de uma Franca Equatorial,
concebida por Devaux, em 1604, affagada por Henri-
que IVe tentada por Lavardiere, em 1612, jd nao ia alim
da foz do Amazonas. Em 19 de junho de 1697, Ferroles
veio atacar a fortaleza de MacapA e a tomou sem resis-
tencia; mandou occupar a do Partt, fazendo-a arrasar;
e em cartas, que Betendorf reproduz, fez sciente as
governador que a Franga considerava sua aquella re-
gi0o. A conquista foi ephemera.: em 10 de julho, Fran-
cisco de Souza Funddo, por ordem do governador, ex-
pellia os invasores.
Esse governador teve na historic do Brazil a sort
singular de ser feliz onde a situacao Ihe era adversa.
Sabe-se que, dep3is de administrar o Maranhdo du-
rante 12 annos, veio para o sul occupar igual post
em S. Paulo, entdo reunido a Minas Geraes. Tomada
a cidade do Rio de Janeiro por Duguay-Trouin, em
1711, chegou para scccorr6-la depois de assignada a
capitulaSio, a cujas consequencias teve de assistir
impassivel. A reconquista de Macapd, que exerceu apre-
ciavel influencia no long pleito diplomatic s6 em
nossos dias decidido, valeu-lhe o titulo de benemerite
e o esquecimento da perda anterior. No seu governor, sus-
tentou varias questies com os jesuitas, e Betendorf
0 trata indulgentemente, lembrando-se de que foi seu
mestre de latim. Duas dessas contends ficaram ce-
lebres. Uma originou-se no dominion temporal que
1851- d-











os padres ainda conservavam sobre as salinas do
MaracanA, no Maranhao, conseguindo a Companhia
manter illeso o seu direito e ate reclamando contra
a exigua quantidade de generous alimenticios comn que
certos moradores pagavam os trabalhos dos indios.
Outra teve maior significa~go: o padre Joao Maria
Gorsony informou ao governador que umas vinte
cabildas do Tapajoz queriam descer, e elle deu-Ihe
ordem para que as localisasse nas aldeias de baixo,
isto 6, na foz do rio; mas o missionario recusou

cumprir a indicacec, porque (( naquellas aldeias nao
havia descanso, nem nellas se guardavam as leis
de Sua Magestade, e os indios s6 desciam cor a con-
dicao de servirem quando e a quem quizessem, pre-
tendendo, antes de tudo, serem christaos e tratarem
do sua salvacao.,

Revestiu-se da maior gravidade, por trazer uma
complete perturbacqo ds relacoes civis dos habitantes,
dependent como se achava a sociedade leiga da legis-
laceo ecclesiastica, o estrepitoso conflict que o mesmo
governador abrio corn o bispo. Quiz D. Timotheo do
Sacramento, logo ao assumir o cargo; em 1699, effectuar
no clero maranhense certas reforms, e, de rigor em
rigor, chegou a mandar prender alguns religiosos e
leigos. As reclamaeies contra a severidade episcopal
impressionaram o governador, que tentou entabolar ne-
gociaq6es cor o bispo, e, nada conseguindo, fez levantar
contra elle o chamadojuizo da coria. Um tribunal
constituido para esse effeito avocou a si o julgamento
dos:actos praticados pelo spiritual e declarou insub-
sistentes as sentences : recusando a attenderd intinma-
co para mandar soltar os press, e tendo sidoestes











restituidos d liberdade pelo poder civil, o bispo lanqou
a excommunhao sobre as pessoas interventoras e de-
clarou interdicto o Estado. Por sua vez, o tribunal
impoz ao prelado a pena deprisao e o fez permanecer
muitos dias recluso no seu palacio. Ali acudiram
os jesuitas, tornando-se intermediaries entire as duas
parties desavindas, e, depois de diversas concessies
mutuas, restabeleceu-se a harmonia geral.
Mas, como pelas opinides manifestadas e pela atti-
tude assumida para normalisar a situagqo, alguns mem-
bros da Ordem tornaram-se suspeitos, o tribunal fez
sentir ao Superior, entao o padre Jos6 Ferreira, que con-
vinha que sahisse do Estado, por supposta inconfidencia,
um dos mais illustres dos missionaries, lodoco Peres.
O Superior nao se curvou a esta injuncao; respon-
deu que a levaria so conhecimento do Rei, esperando
que elle ndo a sanccionasse...
Termina ahi a Chronica, parecendo antes inter-
rompida do que finalisada.
Para suas paginas procurou esta Noticia summaria
attrahir a attengo dos estudiosos. Se o conseguir, ter,
salvo de immerecido esquecimento a memorial do
home superior, que foi Betendorf.

Tornou-se impossivel manner a complete unifor-
midade orthographica, principalmente nos nomes indi-
viduaes, porque as divergencias appareciam, no ori-
ginal, em occasioes inesperadas, quando o trabalho
typographico, jd muito adiantado, nao permittia emenda
de pagina anterior e era object de duvida se a alteraqao
significava uma corrigenda ou uma inadvertencia do
copista.









Mi


O leitor notard, por exemplo :
Gorcenin e Gorsony;
Samuel Fernandes e Samuel Fritz;
Jusarte e Zuarte:
Francisco de IIiro e Francisco Deir6;
Antonio e Antio Gonsalves;
Villa e Avellar;
Hyrso e Thyrso Gonsalves;
Salema e Soleima ;
Carrea, Carreo, Correa, Caxeu.
Pedro Poderoso, Pero Poderoso, Pero Pedrosa.
Figura como de origem franceza o appellido Almei-
da, de origem alleman o de Coelho, de origem irlandeza
o do Carrea, de origem flamenga o de Balthazar Campos.
O cargo exercido por Antonio Vieira, de Sub-prior,
passou, depois de 1661, a ser denominado- Superior.
Um outro caso exemplificarA as incongruencias da
c6pia, felizmente em assumpto de pouco vulto. 0 ca-
pitao-mor de Cameti recusara em 1697 entregar ao
padre que tinha a seu cargo a direcqco spiritual da
aldeia de Parij6, certo numero de indigenas, queuma
antiga lei, cuja data n o vem citada, affectava ao ser-
vico daquella mission. Esse numero, que na pagina
(58 e de 25 casaes, passa na pagina 659 a 21 remei-
ros, que na pagina 661 sobem a 25, figurando nas pa-
ginas 660, 661 e 662 apenas 25 indios; foram estes
altimos os que o governador mandou final entregar,
mas qual o criteria para a escolha do designativo
Aos familiarisados comn trabalhos historicos, e co-
nhecida a falta de homogeneidade dos vocabularios an-
tigos. Na c6pia que serviu para esta publicaego, a abun-
dancia de reticencias, demonstrando ter sido difficil a









LIII

leitura do original, aggravou essa contingencia inevita-
vel. Em muitos casos, para dissipar incertezas a respeito
de nomenclatura geographic ou tupyca, foi de impor-
tantissimo auxilio a consult ao Atlas do inolvidavel
Senador Candido Mendes de Almeida.
A contracq~o de em e os artigos acha-se pouco em-
pregada no principio da Chronica, parecendo ter havido
proposito de evital-a. A mesma observaqAo applica-se a
Camera e Camara.















Erros, propriamente typagraphicos,
guinles, mais importantes:


Pags.

19

31
33

37
.18
39
43
47

70
72
73
84
90
101
144
147
155
175
200
345
348
359
3S9
413
471
492
523
561
578
589
607
611
612


Lin. Em vez de
4 comr
22 Salema
33 da o
19 Pedro Luiz Glui
30 nSo visitou
9 Maguazes
29 Mercenario
7 Urub6s
16 Migtagoaya
1 Titulo
14 1029
4 imitados
31 caass
15 Paniazes
I Capitulo 20
31 Joannes on Sacacas
12 e partiu-se
8 corregodor
26 Donai
20 casas
6 Paquizes
25 tropa os padres
6 Amazonas a Araguary
23 e como reitor
21 como prelado
0 Amaro Cardoso Camara
10 a tropa
12 1692
1 6
13 Farroles
18 pedir-lhe
11 Capitulo 2
32 aquelle, mal como cousa
34 elle
33 os irmlos
24 mcstre do curso o padre


fleam assignalados os se-



leia-se
em o
Soloima
a do
Pero Luiz Gonsalvi
avisinham
Maraguazes
frci Theodosio, mercenario,
Urubh
Mitagoaya
Iivro
1026
incitados
casas
Parizes
Capitulo II
Joannes, Sacacas
qu' partiu-se
corridor
Douai
casos
Pocuizes
tropa e os padres
Amazonas, Araguary
pondo, como reitor
com o prelado
Amaro Cardoso, camera
cor a tropa
1690
6 A
Ferroles
pedir-lhes
Capitulo II
aquelle mal, como consa
elles
o irmao
mestre do curso, o padre



















DEDICATORIA





Havendo-se do dedicar a alguem esta tVo limitada obra da
Chronica da Missao dos Padres Missionarios da Companhia de
Jesus com o.Estado do Maranhao,'nao acho'a quem com mais di-
reito so deva fazel-o quo a v6s, Oh Soberana Rainha.de todo o
creado, Virgem Mde de Deos, Nossa Senhora da Luz, par quanto
deo v6s, bella e purissima Aurora, nasceu o Sol de Justiga, vosso
Bemdito filho Christo Jesus, quo com os seus Divinos e Luzi-
dissimos Raios alumia o Mundo todo, o ja desde o principio
desta vossa misseo alumiou este Estado do Maranhdo', e para
o que se reflected com mais direita reverberacao, e'com maior
Gloria sua e vossa, alem do que conhecendo os primeirbs Mis-
sionarios serves mui humildes, e amantissimos filhos, que s6
debaixo de vosso amparo e patrocinio, poderao fazer fruto em
as almas de tanta gentilidade barbara, que vinham buscar
para encaminhal-as para o Ceo, escolheram com eleigSo Supe-
rior e acerto Divino a v6s por Mae e Padroeira sua, levan-
tando por essa razto 4 honra de vosso Santissimo Name o seu
primeiro Templo, e dedicando-vos o primeiro Collegio corn o
cognissimo titulo de Nossa Senhora da Luz, em a Cidade de
S. Luiz, cabega do Estado todo. Assim tambem por esta via
vos 6 sempre devida esta minha obrasinha, pelo que, Senhora,
dai liconga a este vosso servo. mais inutil que, prostrado a
vossos Virginaes pes, vos tribute os effeitos de vossos favors,
recebidos desde o primeiro principio de vossas liberalissimas
misos. Ndo engeiteis, Senhora, esta offertasinha, porque sup-
posto que ndo 6 merecedora do apparocer em vossa presenqa,
pela illimitacZo de vossa incomparavel grandeza, por ser offe-
1851 1 TOMO LXXII. P. 1.










REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


recida de um Missionario que cor tanta frouxidio se houve em
vosso servigo, e em o servigo de vosso preeioso Filho, com
tudo, se tomada pelo aspect que ter de uma ainda que
mui imperfeita relagio das gloriosas obras que por vosso meio
os vossos serves Missionaries tem obrado nesta vinha do Senhor,
conflado estou que aceitareis cor agrado, e, por vossa na-
tural bondade, olhareis cor bons olhos por seu autor, e con-
tinuareis a favorecel-o, como ja flzestes por espago de mais de
setenta e um annos de sua idade, aloanQando-lhe o Santo Ba-
ptismo, quando recemnascido corria perigo de o perder, le-
vando-o para a Companhia de Jesus, e dando-lhe depois mila-
grosamente saude de uma mortal doenga da qual por beneflcio
vosso so levantou e achou-se logo sgo e valente para servir,
a elle e mais a v6s, nesta gloriosa mission em a qual esta desde
o principio do anno 1661 ('), tendo-se encaminhado para ella
no anno 59, e deseja do acabar seus dias de vida que lhe restam,
para no cabo delles ir ver-vos e a Deos, primeiro principio e
ultimo fim seu, por meio de vossa toda poderosa intercessao.
Soberana Senhora de todo o creado: Indignissimo filho, e
mais inutil servo vosso,---Jodo Felippe Belendorf.

(1) O Padre Joao Felippe chegou ao Maranhio a 20 de janeiro
de 1661, escreveu esta chronica 38 annos depois, portanto em 1699,

















AO LEITOR





Antes de en dar principio a esta chronic da missao dos
Padres Missionaries da Companhia de Jesus cm o Estado do Ma-
ranhao, pareceu-me haver-vos de advertir de tres cousas,
quo, ignoradas, poderiam occasionar-vos algum just reparo.
A primeira 6 que eu me nIo ingeri a escrevel-a por mi-
nha propria eleigRo, mas sujeitei-me a este trabalho visto
o Padre Bento do Oliveira, Subprior da missao daquelle
tempo, e seu successor, o Padre Jos6 Ferreira mostrarem
gosto nisto, per nao haver ji Missionarios antigos que tonham
as noticias necessarias, e ser eu o que o possa fazer, ao menos
em o mode que o tempo me permitted.
A segunda cousa, de que vos quero advertir, 6 que nao
haveis de estranhar que you sempro ajuntando o governor espi-
ritual cor o temporal, porque sendo que os tivessem os Missio-
narios ambos juntos acerca dos indios, ou os ndo tivessem
juntos, mas um s6 que 4 o spiritual, comtudo andAram sempre
o andarao tRo annexos, que forgosamente os Missionaries se
devem valer dos Governadores e Capitaes M6res para effectuar
na salvagao das almas o que pretendem, alem do que por esta
via melhor se conhecerA o que se obrou em qualquer tempo
na missao.
A terceira finalmente 4 que se por alguma circumstancia
vos parecer que a escrevi cor menos acerto, nao me condemneis
logo, porque pode ser que erreis v6s, e que acerte ou, porque
alem de me governor eu assim polo que vi cor meus olhos,
o pelo que soube pelas diligentes informag~es tomadas dos
mais antigos e mais acertados, sempre sigo o que ache mais










1tEVISTA DO INSTITUTO HISTORIdO


provavel, quando nio posso descobrir a verdade manifesta, o
que acontece muitas vezes pelas fraquezas das memorial
humans, como v6s mesmo conheceis; sigo as informagies dos
mais antigos e attend em o que elles viram corn os seus olhos,
e ouviram todos que bem o sabiam ou obraram aquillo de que se
trata.
B6as diligencias tenho foito corn os Missionarios Portu-
guezes e Estrangeiros para que escrevessem, mas elles antes
quizeram fazer cousas proprias, dignas de se escreverem por
outros, que escreverem faganhas alheias. Conheco que poderia
ter feitu apontamentos que me tivessem servido em esta
occasiAo, porem como nunca me passou por pensamento que
esta chronic me viria cahir As costas, a mim o mais inepto de
todos, e o mais inutil do toda a missao, parece que alguma
desculpa tenho de me ver tido com menos cuidado nesta part ;
e v6s, benign Leitor, olhae que tenho culpa, confesso, e com
toda vontade, e peCo-vos me queiraes perdoar, e pedir a Dcos
que me perdoe esta corn as mais innumeraveis culpas que tenho
em sou divino acatamento, pela muita frouxidio com que lho
servi nesta sua mission os 38 annos que nella estive, e po-
dendo ter merecido grandes premios no Cdo, merego grande
castigos, oxal1 nao no Inferno; e fazendo v6s o que vos peao,
me deis por muito satisfeito nested pequeno trabalho, que tudo
offerego a Deos Nosso Senhor por maior Gloria sua e para
maior honra da Virgem Senhora Nossa da Luz, sua MEe, de-
baixo de cujo amparo a emprehendi, desde seu principio.



















LTvRn 1.


PDA ,ORIGEM PDO NOME, DESCOBRIMENTO, ESTADO E CAPI-
.ANIAS DO \fMAt4NHAO


CAPITUILO lo.

DA ORIGEM DO NOME MARANHAO


Do mepp,9 mo d9 lue as carts geograficas dos Hospa-
nh6es e Portuguezes divergem, tanto nos nomes dos logares,
coma em outras circumstancias, assim differem tambem na
designagIo da origem do nome Maranhao, porque costumam
attribuil-o a various rios entire si mui diversos, e prin-
cipalmente a tres que desemboeam em o mar da costa Sep-
tentrional, vindos da America Meridional : rio Orelhano, das
Amazonp4, ,e Orinoc. com so p6de ,ver ,em a historia do
,Tos6 ,da Costa, para deixar outros menos acuratos, o qual
fal inlo em o rio do .lai'anlho. diz que uns o chamao Ama-
Y.,nas, outrOs Qrolhanp, outros Maranliai'. Jo~o Laet, an-
tuqorpiense. auqtor :i DI: rLip;.'io das Indias.Occident is, Lib.
ib. Cap.,8, diz e prova gue Jos6 da Costa soeengana muito,
e,por .on.-li.io .diz assim: Sera Malanhlio nome de algum
rio ,ou nao, porque de Abbeville,nega ser nome de rio,,o
certo 6, que uniformemente 6 attribuido em ti.as as cartas
geora.ic' i ailla, dp ,MIraynhao, ondo est.i situada a Cidade de
S. LSiz. cabeo( do Etd.do do dito Maranhiao, se ha algum rio
a se chamar deste nome, sao os que nascidos de varias parties
corm ,qme a ,lhe pert,.nce', clmos.i o, rio do Pinart, do Ma.
,raca, do Mearimn, de Tapecurli, inidos vao parar em um, em a
babiaqlamada Typuytapera, depqis de porrerem ;ao long da











REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


ilha se vIo desembocar ao mar, nem embarga ter cada um
dostes rios seu proprio nome, porque o tern s6mente correndo
apartados, porem estando unidos parece-me isso ter muita pro-
babilidade, e se me nao engano costumam alguns pilots Portu-
guezes dar-lho o appelido do rio do Maranhio,. Nao me motto a
dizer mais sobro esta material, basta o que esta dito, e ser este
nome, sem nenhuma controversial, nome de ilha do Maranhio,
que por nenhum caso pode ser tornado de outros rios acima
referidos, nem ainda dos que outros poderao allegar, mas deste
mesmo nome por serem mui acertados, salvo se dissermos con-
jecturas sobre o modo por que alguns chamam o rio das Ama-
zonas, rio principal do Estado todo, o rio do Maranhao devia
communicar son nome A ilha do Maranhbo, e A sua Cidade, pois
e cabeca do Estado todo, e ao mesmo Estado pela mesma razIo ;
porem ha contra isso que a ilha do Maranhao antes que se des-
cobrisse, sempre so chamou dos naturaes Maranhao, como
afflrma Claudio de Abbeville, primeiro Missionario della.


CAPITULO 20.

DO DESCOBRIMENTO DO MARANHAO

Consta de varias histories que se tem escripto sobre o des-
cobrimento das terras da America, pertencentes por direito as
duas Coroas do Rei de Portugal a do Rei Catholico, con-
forme as reparti~ies feitas entire ellas pelas Bullas Pontifi-
cias, como aos primeiros descobridores e conquistadores dellas,
am que nao pode haver duvida nenhuma, e que consequente-
mente a ilha do Maranhlo, e todo o seu Estado pertence A Coroa
de Portugal por todo direito, mas so perguntarmos, a buscar-
mos quem foi o primeiro quo descobriu, e povoou a ilha do Ma-
ranhao, fazendo nella casa forte, e edificando moradas para sol-
dados, acharemos que foram os Francezes, como manifestamente
se prova e convince do nome do S. Luiz, Rei de Franca, cor
que appellidaram primeiro a Cidade do Maranhio, que tam-
hem comegaram a fundar, e para melhor noticia desta verdade
so faz aqui este Capitulo, em que se relata cor toda sinceridade









JOXO FELIPPE BETENDORF


e verdade, tudo o que nos seus principios so tern passado a res-
peito della.
Digo, pois, que havemos de saber que um certo Capitao do
Mar por nome Riffault, franeez de nagio, convidado por um
Indio principal, de grande autoridade entire os sons naturaes
chamado Guiripii, equipou duas naos no anno de 1594, para
tentar fortune em as terras de America, e que por infortunio
seu. deu em a ilha do MaranhIo mui derrotado por grande
tempestade, e como se achou em a perda do tudo quanto tinha
trazido, e da sua melhor embarcaao, alem de grades discor-
dias entire os marinheiros, e mais gente que o tinha acompa-
nhado, tratou de se tornarpara Franqa, deixandocom o gentio des-
coberto em a ilha do Maranhao um fldalgote chamado De Vaux,
e come este soubesso por seus bons terms e mode cortez ganhar
os animos dos barbaros daqueila ilha, pediram-lhe instante-
mente quo procurasse trazer de sua terra umacolonia de gento
que os instruisse nos costumes da Europa, e na verdadeira Fe
para se poderem salvar ; convencido logo pelas muitas instan-
cias que Ihe tinham feito os Indios habitadores da ilha do Mara-
nhao, so patio para Franca para afflrmar o que se Ihe tinha
pedido o fidalgote De Vaux que chegando deu part a El-Rei
Christianissimo, Henrique o Grande; por6m El-Rei para se cer-
tiflcar mais da verdade o das riquezas que da terra do Maranhio
se lhe promettiam, mandou o Senhor Ravardiere eo Senhor de
Vaux corn promessa de dar liberalmente todo o necessario
para se fazer a nova povoaco que se Ihe pedia, caso se
achassem as cousas do mode quo Ihe tinham referido. Obedeceu
sem dilaeio nenhuma Do La Ravardiere, a foi-se ao Mara-
nhio levando em sua companhia o fldalgote De Vaux e depois de
uma mui diligent e acurata informagao de tudo quanto se
achava de bom em a ilha do Maranhao se voltou para a Franca.
Mas como em aquelle interim tinha sido morto El-Rei por um
parricidio horrivel, deixou-se de dar execucgo a promessa feita
ate o annode 1611, em o qual o Senhor De la Ravardiere, send
bem avizado de tudo pela Rainha-Mae partiu corn quatro
capuchinhos barbados, dos quaes um era o M. R. Padre Claudio
de Abbeville, e corm gentle bastante para principiar uma po-









REVISTA DO INSTITUTE IIISTORICO


voaeao, para a ilha do Maranhao ; tove varies successes em a
viagem, mas vencidas as difficuldades todas chegaram a langar
ancora em a ilha de Santa Anna aqs 24 da julho do mesmo anno,
e dq I4 passou & ilha do Maranhao a qual chamou Sao Luiz,
onde edificou uma fortaleza junto ao porto principal, caval-
gando nella viute e sete peas. Em quanto os soldados se
empregavam, un estatura do Forte, iam-se empregando os
Padres Capuchinhos barbados em o onsino dos Indies, dos quaes
pouco dppois leyaram uns comsigo para Pariz, onde se bapti-
zaram em public cor grande solemnidade; e como o Maranhao
nao pert:.n.;i. a El-Rei de Franca, mas A Coroa de Portugal,
nao durou per muito tempo aos Franeezes a posse delle, por-
que em o apno do 1614, veio de Pernambuco Jeronymo de Albu-
querque, e pouco depois, ootre o anno 1614 e 1615. o Capitgo
M6r Alexandre de Moura, e em sua companhia dous Padres da
Companhia de Jesus, o Padre Luiz Figueira, e o Padre Josd da
Costa corn un 100 Indios; foram milagrosamente botados fora da
ilha do M'aranhi.i em o modo seguinte.


CAPITULO 30.

ACOMMETTEM 0P FRANCEZES AO PODER PORTURGUEZ, E FICAM VEN-
CIDOS POR MILAGRE DA VIRGEM SENHORA NOSSA

Tendo Jeronymo do Albuquerque lanqado ancora em os
portos do Pare am o moz do Outubro do anno 1614, mandou
chamar os Portuguezes, os quakes pouco dantes tinham levantado
a Villa de Nossa Senhora do Rozario no Perca, e juntos todos
em um corpo foram per seu arraial ilha de Santa Maria,
assim clamada depois polo milagrozo soccorro que deu aos
Portuguezos esta Soberana Senhora.
Logo quo isso veio em noticia dos Francezes da fortaleza
de S. Luiz do Maranlio, achando era bom rechassar o inimigo
em sous primeiros principios quando chegarim destrocados dos
mares, e mal tratados das doengas, e trabaihos da viagem,
antes que Ihes viesse o soccorro quo esperavam, sahiram corn
grande podor de canoas todas mui bem equipadas de papa a









JOAkO FULIPPE BETENDORF


pr6a de remeiros e soldados frescos e bem animados a polejar
cor os Portuguezes por uma vez ; porem succedou-lhes tudo
per mode muito divers quo elles se tinham imaginado, porque
em vez de veneer olles os Portuguezes, foram vencidos,::e
quasi de todo acabados, acudindo o CNo pela justice de Por-
tugal, contra a injusta aggressio cor que Franga acommettia
o Maranhao, fez vazasse a mar6 mais do costumado deixando
as canoas dos Francezes em secco, desde as oito horas da mar
drugada atW as tres da tarde, sem tornar a encher, dando
lugar a peleja que de ambas as parties era muito renhida, power
pelejarem todos a peito descoberto cor grande porfia, mas comr
victoria assignalada dos Portuguezes, inda que menos cm nu-
mero quo seus adversaries. Attribuiram todos esto bom success
a Virgem Nossa Sonhora per apparecer entire elles em a peleja
uma magestosa e valorosa mulher, a qual andava de ca para 1,
e ia repartindo a polvora e balas de son regago aos Portu-
guezes, animando-os a pelejar corn valor, de sort que tendo
vindo sobre elles tresentos Francezes, nAo escaparam mais que
cincoenta delles corn vida para poderem levar a nova de sua
triste dita ao Governador da fortaleza, o Senhor La Ravardibre,
ficando s6 tres mortos da parte dos Portuguezes por milagre
manifesto.
Ouvindo o Govornador La Ravardikre este success, tio pro-
digioso pela relavio de sous soldados, fez logo em pessoa bus-
car a Jeronymo do Albuquerque e Ihe entregou as chaves cm
boa paz, para cada um dos sous poder ficar ou ir-se, como
melhor lhes parecesse, dizendo, nao so podiam deixar de render
e pOr-se da part de quem Deus e sua Santa Mie ajudam,
e corn isso despejaram os Francezes e tomaram os Portu-
guezes posse do Maranhao, e para que nunca chegasse a
se p6r em esquecimento este tio assignalado beneficio recebido
pela Virgem Mae de Deos, attribuindo-lhe toda a gloria deste
tio prodigioso success, lhe dedicaram a Matriz da Cidade, onde
a festejam todos os annos cor Procissao Solemne, Missa cantada
a canto de Orgio e pregagdo, muitos tiros de artilharia de-
baixo do Glorioso titulo de Nossa Senhora da Victoria, cuja
image se venera exposta em o Altar-mor da mesma Egreja.










10 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


0 que aqui referi neste capitulo 6 cousa tao sabida, quo
nao s6 a referee o Padre Claudio de Abbeville, Francez do nagoo,
e um dos Missionarios capuchinhos barbados que foram em com-
panhia do Governador o Senhor' La Ravardibre ao Maranhao,
mas descripto em assento public dos antigos Portuguezes tes-
temunhas de vista ; refere-se tambem na historic Ecclesiastica,
e finalmente so pr6ga cada anno em o dia da festa, e que tam-
bem eu tive a gloria de pregal-o, assistindo em acidade do Ma-
ranhao, de sorte que 6 couza em que se n~o pode ter nenhuma
duvida, e pode servir este milagroso success para animar a
confianga dos Portuguezes para esperarem que nem a Franga,
nem outro inimigo algum prevalecer& contra este Estado
do Maranhao.


CAPITULO 4.
DESCRIPQXO DA ILHA DO MARANHAMO, DAS ILHOTAS E RIOS, COM
C TODAS AS MAIS CONCHEGAS QUE LHE PERTENCEM

Diz Claudio de Abbeville, dos primeiros Missionaries ca-
puchinhos que no anno 1611 vieram de Franca em companhia de
La Ravardiere para povoar a ilha do Maranhao, A qual chegou
em os tres de Julho do mesmo anno, que os autores geograficos
que escreveram do Brazil, nunca t8m feito mencgo desta ilha,
supposto fizeram muitas vezes monao do rio do Maranhao;
para pois dar alguma breve noticia della, digo cor o dito autor,
e pelo que me consta por ter morado nella muitos annos, que
e a em que depois de expulsados os Francezes se edificou a
Cidade de S. Luiz, cabeca de todo o Estado do Maranhao; 6
sita a dous graus e trinta escropulos de linha para banda do
Sul, tern tres legoas de largo,gumas vinte e sete de comprido,
e umas dez pouco maisjou monos de circuit ;tpara o Leste ha
uma ilhota que osI[naturaes'chamam]Ipayemiry, os Francezes
e, depois delles os Portuguezes, ilha de Santa Anna; 6 cercada
para banda do Leste do rio Muny, e por OesteJda bahia que
hoje chamam bahia de Tapuytapera, havendo-se de chamar cor
mais razgo bahia do Maranhao; 6 cortada desde seu mais











JOAO FELIPPE BETENDORF


alto principio de various rios, mas o mais principalmento de
tres, que a dividem do continent tres legoas por part do Occi-
dente, e algum tanto menos por part do Oriente. 0 primeiro
o mais oriental destes rios 6 o que se chama Muny, o qual
desce 40 ou 50 legoas pela terra dentro A ribs de sua bocaina
larga, de um quarto de legoa pouco mais ou ou menos. 0 se-
gundo 6 o rio de Itapecurd, largo ao menos uma meia lagoa
onde desemboca na bahia que ajuda a former na entrada do
mar, e desce tambem mais de 40 ou 50 legoas de dentro do con-
tinente.
0 terceiro e o mais occidental rio 6 o do Meary, o qual,
conform a opiniao commum, dizem ter sua origem debaixo do
tropico do Capricornio.
Ha mais outros rios, comosao o Maraci, que entra no rio do
Pinard e ambos no do Meary, umas duas jornadas de caminho
A riba do Maranhao. Deste concurso de tantos rios, e pela
maior part caudalosos, procede que na bahia se encontram
grandes correntezas corn ondas a entrada para a ilha do Ma-
ranhao assaz difficultosa, juntando a tudo isso os baixos e coroas,
e sobre tudo a corona grande, das quaes 6 cercada a ilha para
banda do mar, de sort que os que pretendem entrar na
bahia, ou rio do Maranhao, necessitam de andar corm grande
cautela e ter pilots muito experimentados, porque esta ilha
do Maranhio 6 como a have de todo este Estado cujas
costas por ambas as bandas, assim por banda de Leste ate as
Arvores Seccas, e por banda Sueste, desde Tapuytapera e Cum-
m& ata o Grampard, sio mui perigosas, principalmente da ba-
hia do Maracand por diante, em razio dos baixos chamados
de Tigioea, onde perigam e se perdem as embarcacles as vezes
menos acauteladas, por so flarem demasiadamente, e che-
garem muito para terra, havendo de largal-a e perder de
vista at6 avistarem a terra da ilha de Joannes.
Estava a ilha do Maranhao, em tempo que para ella foram
os Francezes, povoada do 27 Alddas, que os indios chamam
Taba. Constava cada uma dellas de quatro ranchos compridos,
dos quakes cada um feehava por uma banda em form de
Convento, corn su torreiro bastante no meio delles, por terem










REVISTA DO INSTITUTE IIISTORICO


commummonte duzentos e as vezes trezentos passes do comprido
o 25 ou trinta de largo, erio todas essas rancharias armadas
de paus, e cobertas de folhas do palmeiras, quo commummento
chamao pindcbas. Laot, que eu sigo nesta relagpo, pois elle
seguiu o Padre Claudio de Abbeville, Capuchinho, varao douto
curioso e testemunha de vista, rfeore todos os nomes dessas 27
aldeas, no mode que as achou Abbeville, pordm come este
era Francez de nago, e os Francezes nao pronunciam nem ex-
primem bem os nomes de outras linguas, acho-os to errada.
monte impresses, quo, supposto tenha bastante noticia de todas
as paragons da ilha do MaranhWo, apenas posse alcangar adivi-
nhando o que quer dizer ao menos corn alguns delles; nLo
deixarei por6m de referil-os aqui para que constem. Diz,
pois, Laet assim: havia naquella grand ilha do Maranhao
27 aldeas, das quaes a primeira vindo da ilha de Santa Anna
6 Timpohu, quer dizer Timbohi ou Timbohiba; a segunda
nais chegada a esta 6 Itapary, assim chamada om razao das
Camboas que havia para banda de Sao Jos6; a terceira Carnapij6;
a quarta Huayne; a quinta Hirahendaba (deve ser Iraendaba);
a sexta Arussu6 que quer dizer dia grande; a septima Pindotune
(querera dizer Pindobuna); a oitava Timboaup seraa Timb6ipO);
anona e a maior de todas Inniperan (sera laniparana); a de-
cima Toroiepeeb (nio entendo, salvo so quer dizer Turuyp6); a
undecima Janovarem; a duodecima Ovarapiram (querera dizer'
Guarapiranga); a decima torceira Coynop (quor dizer Coynp6);
a decima quarta Onga ou Cap. (querera dizer Ongaquaba, ou
Ogaguap6); adecima quinta Maraeanapirip (quererA dizer Mara;
canapiri); a decima sexta Taperussf; a decima septima Torou
ope, sera Turuypd; a decima oitava (sera Aquotua, per ventura);
a decima nona Caranaove (serd Caranayba); a vigesima
quer dizer Taperussu; a vigesima prima Uaucatan (sera Icatfi);
a vigesima segunda lavirie (sera lavirey, quer dizer lavire pe-
queno); a vigesima terceira Onry-ouvassucupe (serd Turiva-
cuype); a vigesima quarta Noyone (sera Mayoba); a vigesima
quinta Pacouri-huie; a vigesima sexta Huapar; a vigesima se-
ptima Moruouty (serA per ventura Murutetaua). Mas seja isto
come for o que se deve notar 6 ter side a ilha do Maranhio capaz,










JOXO VELIPPh BETENDORF


de sustentar 27 aldeas de Indios, cada uma dellas povoada de du-
zeitos, r.czeuts., e as vezes de seiscentos moradores, dos quaes
todos, conforme a conta que lah~aram os Francezes desse tempo,
cohtava a ilha de dez ou doze mil honoens; e ella neste nosso
tempo apenas sustenta duas para tres aldeotas, que todas nao che-
gain a dar senao um tao limitado numero de indios habitadores
sous, quoe para pasmar. Os riomes destas ald6as come foramn im-
pressos, conform os escreveu um Francez, assim como ficaram
mal escriptos assim tambem foram mal impresses sem de poder
conhiecer, senao advinhando as verdadeiras piocuniicl. -I.,- dellas
cada um as chame como melhor Ihe parecer, que eu confess que
nao Ihe sei dar a verdadeira expressio, por me nao constar ter
ouvido nomes quo tenham alguma semelhanga com varies desses.
Basta sabermos que havia 27 ald6as na ilha do Maranhao, para
dahi inferirmos quantas haveria de la ao Pard e por todo o
Estado. Quanta devia ser a crueldade e cobiga dos que aca-
:,ali por guerras e trabalhos tanta gentilidade


CAPITULO 5.0
DA QUALIDADE DOS ARES, E TERRAS DA ILHA DO MARANHAO

O ceo e commummente claro na ilha do Maranhio, e sio
serenos s os sus dias, sem que nella se ache frio nem calma, e
seccuras immoderadas; ha mui poucas nuvens, e vapores monos
sadios'para os moradores; nao ha tempestades, ou redemoinhos
de Ventos, hemo nuvens, nem geadas, poucos trovoes, salvo
'nos 'mezes de chavas, nos quaes ha as vezes troves mui
grades, que cor os raios e coriscos jA mataram varias pessoas
em tempo que assisti nella, come estou muito bem lembrado,
porque vi um dia uns marinheiros, que estavam na ante.
camera de seu navio, junto e ancorado abaixo da Santa Casa
da Misdricordia, onde um raio os foi buscar descendo pelo
inastriete sobre um qte estava quebrando uumas ostras, o
qual se tinha confessado commigo aquelle dia, som Ihe fazer mal
'ienhum, natarido porBm outro que estava A portinha da mio
hbreail,,e a.'al.iido 'tambem outro, de sorte que esteve som










14 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


falla, e s6 o pude confessar por me apertar a mio, este es-
capou com vida e melhorou; nao tiveram porem a mesma dita
dous Indios, dos quakes em outras occasiies, um foi morto do
um raio para banda do mar, e outro fugindo delle so ia reti-
rando para o alpendre da ermida do S. Joao onde o foi buscar
e estendeu morto logo de pancada; as vezes tambem nao
faltam relampagos a bocca da noite, e is vezes pelas manhas
dos dias mui serenos.
Quando o Sol volta do tropico de Cancer para o de Capri-
cornio, lava deante de si e afugenta todas as chuvas daquellas
bandas as vezes quarenta dias antes de chegar sobre as cabegas,
e depois de ter passado o zenith, chove dous on tres mezes con-
tinuos conform a diversidade dos climas; e na Ilha do Mara-
nhao desde o fim de Fevereiro ate o primoiro ou meio de Junho,
ou depois de passado o Sol estivo, quando o Sol torna para
o tropico de Capricornio, levantam-se uns ventos da banda do
Leste, chamados vulgarmente brisas, e quanto mais se chega
para o seu zenith, tanto sao mais vehementes no seu soprar, e a
proporsao que delle se afastam pela mesma proporcAo se enfra-
quecem; levantam-se quasi todos os dias depois do raiar da
madrugada, a saber, pelas sete ou oito horas, e A media que o
Sol se Isvanta sobre o horizonto accrecentam suas forgas, porem
passado o meio dia se abrandam insensivelmente, e param
quasi de todo quando elle se desire ; nao se sabe commum-
mente de outro vento na ilha do MaranhIo e tao firm nella,
como o de Leste, o qual tempera de tal sort o ar, que o faz mui
sadio; e porque esta ilha 6 tao pouco distant da Linha,
goza per todo o anno de dias e noites pouco mais ou menos
iguaes, e de um mesmo temperament do ar, e difficultosa-
mente se poderia achar clima mais agradavel, nem mais com-
modo para a habitag8o dos homes.
0 terreno desta ilha, supposto que por todas as parties cer-
cada do mar, nao carece, comtudo, principalmente, fora da Ci-
dade, de fontes nativas mui doces, claras, e sadias, e regado de
muitos rios, ou riachos, e se trata bem que se nao esterca,
nem de o semear, comtudo da muito milho que os natu-
raes chamam abaty, no mez terceiro, depois do se plantar em










JOXO FELIPPE BETENDORF


grande usura; e muitas vezes, idos os annos, as raizes das
mandiocas das quaes usam em lugar de trigo, engrossam em
pouco tempo, os mel5es amadurecem no segundo mez depois de
semeados, e se colhem quasi todos os mezes do anno, e do sou
continental.
A mercancia que desta Ilha se pode tirar, s4o paus de
ybira coatino, pao roxo, pao amarello, e ybira peteruna, como
tambem pau santo, e c6r de ouro, que se acha nos mattos de Ta-
pecuru; da muito algodio, anil, urucil, copafiba, casta de balsamo
que Claudio de Abbeville compare com o destracha, tabaco,
pirnenta, e assucar, pois tern terras mui bWas para elle, assim na
ilha, como principalmente por f6ra della, per todos seus rios, isto
sem falar no courame, que se pode tirar de muitos curraes de
gado vaccum, a sem tambem fazer mencao do ambar, que nao
poucas vezes so descobre em suas praias pela costa do mar.
Nao falta na ilha e nos arredores della pedra, das quaes
so pode fundir, e jA se ter fundido ferro muito bom, nem
outras de varias castas, para os edificios, nem tambem barro
de varias castas, assim para as olarias, como para fabric
das casas, mas nunca vi que se achasse uma certa especie de
jaspe, do qual os Indios fazem os batoques que trazem nos
beigos, e mais nas orelhas, brancos a vermelhos, mais duros que
os mesmos diamantes, quo os Francezes chamam Alencon, e
varias outras de muita casta.
Emflm, nao 6 esta Ilha estendida em campinas rasas,
neom se levanta em montes mui altos, ter seus outeiros ao pe
dos quaes sdem fontes e rios, pelos quaes so caminha em
canoas. A terra, para dizer verdade, 6 ji mui canqada, e jA
tem poucas mattas virgens, havendo sido occupada por muitas
vezes, quasi toda por todas as bandas; flea, por6m, coberta de
mattas ji mais baixas, e povoada de palmeiras mui accommo-
dadas para a caga dos porcos do matto, veados, cotias, paccas,
antas, a tambem do varias castas de passaros mui bons, no
numero dos quaes devem entrar os guards vermelhos todos,
como lacre, e as gargas brancas, al6m de outros passaros, pela
terra firm, dos quaes so far& relagao A part em outro ca-
pitulo.











16 REVISTA DO INSTITUTO HISTORIC


CAPITULO 6.0

DA-SE BREVE NOTICIA DA CAPITANIA DO MARANHAO, E OUTRAS
QUE SE ACIIAM ATE A DO GRAMPARA
DECLARACAO BREVE DOS TERMS ULTIMOS DO ESTADO, DO NUMERO
DE SUAS CAPITANIAS, E PRESTIMOS DELLAS, E DE SiAS
MISSOES QUE TEM ATIE A CAPITANIA DO PARA.

Comega o Estado do Maranhao por cima do Ceara, niao
longer dos baixos de S. Roque. Dista setenta logoas de Pernam-
buco, em quatro graus e cinco minutes a Sueste, onde tom seu
primeiro marco, contando dalli ate o Ceara cento setenta e
cinco legoas, tres graus e trinta minutes para o Sul, e vai
correndo do Ceara ate a Cidade de S. Luiz do Maranhio, cento
e setenta legoas e dous graus; quarenta minutes, do Maranhao
atd a barra do Grampara ; cem legoas para o Norte, dahi ao
Cabo do Norte que 6 a ponta da terra de outra banda do rio
das Amazonas, sao dous graus e cincoenta minutes, sessenta
logoas que tern o rio ae largo na bocca, e do Cabo -do Norte
atd o rio Vincente Pinson umas quarenta legoas, um grau,
quarenta minutes, onde ter seu ultimo marco, fazendo em tudo
a sua Longitude de um marco a outro, quatrocentas e trinta o
cinco legoas pela costa, porque pela terra dentro pelo rio
das Amazonas para cima, chega ate A aidea chamada aldea
do Ouro, onde Pedro Teixeira, Capitdo Maior da tropa mandada
para o Quito no anno de 1637, voltando para baixo metteu o
marco de Portugal em umas ribanceiras da dita aldea, que ca-
hem sobre o Rio das Amazonas, e isto a vista do Padre Christo-
vao da Cunha, e o Padre Andr6 de Artieda, ambos da Companhia
de Jesus, mandados do Governador e real audiencia de Quito,
para tomar inteira noticia das alturas, terras, naSes, rios e
prestimos d'aquello famoso rio, e dar disso inteira informagio
a real Corte de Madrid, o mais a vista do Capitao Francisco
da Costa Favella, do Capitio Pedro Bayon, o Capitao Pedro de
Oliveira, e o Alferos Fernao Mendes Gago, depois Sargento
M6r do Maranhdo, que muitas vezes me contava a sua viagem










JOAO FELIPPE BETENDORF


e toda a tropa portugueza, de que tudo fizeram, depois assento,
e termojuridico em os livros da Camara e mais da fazenda
real da Cidade do Grampark.
Divide-se todo este Estado do Maranhao assim chamado
da cidado principal de S. Luiz, sita como cabega na ilha do
Maranhao, ou bem do maior rio delle o faf oso rio das Amazo-
nas, que alguns querem seja o rio do Maranhao, que nascendo
no Reino do Quito assim 1l se chama por vir desembocar em
o mar, em o Cabo do Norte em duas Capitanias principals,
a saber a de S. Luiz, Cidade do Maranh~o, e a do Grampart.
A estas se juntam outras Capitanias, umas d'El-Rey, outras.
dos Donatarios; a Capitania do Maranhao tern outras menos
principals em seu distrieto, e sao : a do Ceari, que dantes
provia e deixou de prover por star mui distant, e poder-se
prover melhor de Pernambuco, a de Itapecuru, e de Icatii e
Miary, tambem Capitanias d'El-Rey.
Para dar mais particular noticia da Capitania de S. Luiz
do Maranhao, tern a Cidade do mesmo nome S. Luiz, que tambem
depois da prodigiosa victoria alcangada dos Francezes, se
chama Nossa Senhora da Victoria; esti esta cidade sita quasi
no meio da demarcago do Estado, em a altura de dous graus
e vinte minutes de Linha, donde por qualquer part fica facil
a disposicgo de tudo, e assim muito accommodada para a cabega
delle; tem um forte antigo por de traz dos Palacios do Go-,
vernador, em a ponta de uma ribanceira, em a concurrencia
de dous rios que a cercam, um chamado Coty que desce do
Leste, e outro chamado Abacanga, que desce do Sul, e ambos
juntos em um desembocam em a bahia Tapuytapera, ou rio do
Maranhao, ao long de uma ponta que se chama ponta de
Joao Dias, onde o Governador Antonio de Albuquerque Coelho
de Carvalho, por ordem d'El-Rey Dom Pedro o 20, de Gloriosa
Memoria, fez edificar uma fortaleza real de pedra e cal no
anno de 1692 e 1693, at6 se p6r em sua perfeiQao.
Nao era a Cidade de S. Luiz cousa de considerablo, se nao
mais que uma fortaleza cercada de um muro grosso para banda
do Rio Mony que encerrava o Collegio, e por banda da rua ia
fechando-se cor um; portio feito pelos primeiros conquista-
1851 2 ToMo I.XXII P. I.










18 REVISTA DO INSTITUTE IIISTORICO


dores, corn umas poucas do casas espalhadas por varias ruas
pouco povoadas; mas depois da expulsso dos Hollandezes, foi
crescendo pouco a pouco, tanto para o Este come para o Sul,
que hojo e uma Cidade bastanto, coin mais de seiscentas
families, pela maior part pobres, mas tao fecundas quo os filhos
podem servir para outra povoaqgo ; tom sua Matriz que Dom
Gregorio dos Anjos, primeiro Bispo do Estado, quiz fosse a S6 do
Bispado, alem da S6 posta na praga; tern a casa da Misericor-
dia no cabo della. Ahi mesmo os Palacios do Governador, o
Camera Nova corn sua enxovia debaixo para a banda do mar ;
tom mais quatro casas de Religiosos, a saber: o Collegio dos Pa-
dres da Companhia de Jesus, de Nossa Senhora da Luz, logo
atraz da Se, o Convento de Santo Antonio para o Leste sobre o
rio Acothy, o Convento de Nossa Senhora do Carmo em um alto-
zinho quasi no meio da Cidado, e por detraz delle a Oeste a
egreja de S. JoLo Baptista que o Governador Ruy Vaz de Siqueira
mandou fazer a sua custa para os soldados. Finalmente para
banda do Sul ha o Convento de Nossa Senhora das Mercs, e mais
para riba polo rio de Abacanga, no Cabo da Cidade, toda pelo
Sul, a ermida de Nossa Senhora do Desterro. Sao todas estas
egrejas mui bells, mas leva vantage a todas as grandezas, pela
sua estructura de pedra e cal, a egreja nova de Nossa Senhora da
Luz corn seu retabulo que o Padre Joao Folippo mandou fazer,
correndo o Padre Diogo da Costa, Reitor, cor as obras, corn sous
adjuntos o Irmao Manoel da Silva, o o Irmao Manoel Rodrigues,
e a fbram aperfeicoando, o Padre Bento de Oliveira, o o Padre
Jose Ferreira que me succederam no cargo, sendo Reitor do Col-
legio o Padre Antonio Coelho.
Sao os ares da Cidade de S. Luiz sadios e frescos pelas
quasi continues viragoes, 6 a terra b6a prineipalmente para
tabacos e algodies, porem ja cangada. Ha mattas virgens poucas,
mas ainda corn aga principalmente de veados, pacas, e cotias.
As aguas sdo bWas mas poucas na Cidade, supposto que muitas
mais por fora delia. Os mares e rios para porto corn peixe
miudo bastante abundant em todos os generous em os
longes, assim para gastar fresco como para salgar; em uma
palavra 6 a cidade do Maranh.o avantajada, em o que toca a











JOAO FELIPPE BETENDORF


peixe o came e ao sustento da vida humana, sobre a Cidade de
Belem em o Gramparh, porque alem do ji dito, tem came
fresca de vacca que cada semana se Ihe corta a prego acommo-
dado, vinda dos curraes de Tapuytapera, dos grandiosos pastes
do Rio Meary; uma ou duas cousas lhe faltam, que sao os escra-
vos o embarcacies do Reino; porem nada disso faltaria sose em-
progassem os moradores com diligencia em cuidar de algod5os,
tabaco, canna de assucar, uruce, e fabricar anil, ajuntar oloos
preciosos e bellas madoiras, e cousas semelhantes de prego, que
a terra liberalmente da, sam fallar nas tintas tambom e crystaes
quo em seus arredores, conform ouvi dizer, so descobrem.
A Capitania do bello rio do Itapecuru tinha nos annos atra-
zados a Villa de S. Jacob, por6m agora nad Ihe flea senior a er-
mida meio arruinada nesse rio, e era povoada de bells engenhos
de aSsucar, corn bons ares, boas terras para mantimentos, al-
godoes, assucares; boas aguas o cor peixe, bons pastes acham-se
juntos por esse rio, como tambem azeviche, cm uma ribanceira
por cima do sitio antigo de Vidal do Maciel, como me affirmou
o CapitAo Amaro Martins, que Id descobriu o tomou para trazel-o
comsigo a Cidade.
Tern aquella Capitania sua Fortaleza renovada A custa do
Capit~o M6r Joio de Souza Salorna o sua mulher Dona'Isabel
da Costa, isto em tempo do Governador Ignacio Coelho da
Silva; sondo ella do tanto prostimo, fica hoje quasi desampa-
rada de tudo pelas invasoes dos Tapuyas, Uruatis, Cascaes, e
outros queo: at c '.em I, II de tal sorte os moradores, que nio ha
quem la se atreva de parar.. Sem embargo disso, fez o Padre Joao
do Avellar fazer ajuda ainda de uma bella ogreja de taipa a
S. Miguel Archanjo, Orago daquella residencia dos padres Mis-
sionaries da Companhia, quo Id assistom,- ficando-lhes a aldea
de S. Gongalo do visit.
A Capitania do Icatfi, que se principiou pelo anno 1691,
om tempo do Govornador Arthur do S, tem sua villa, cor
egreja nova, tem vigari o Capitoo M6r o uima aldea por dis-
tante della chamada S. Jacob, por ter sido nome da ald0a de
S. Jacob em Tapecuru, (por Icati), ondo as visitam os Missiona-,
rios e tambom o padre Joao do Avollar; csti sita sobre o










20 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


rio Mony, cor bons ares, bastantes aguas, bor peixe e caga,
tern em riba dous engenhos, um de taboca, outro de taboca
mirim, o outro por baixo, todos corn boas terras para assucares,
se nio faltassem os escravos e tivessem quietaao dos tapuyas,
que continuamente os molestam.
Ter o rio do Mony crystaes, pedras preciosas o minas de
prata, como me assegurou o capitao Amaro Martins, o qual
acompanhando os mineiros mandados d'El-Rey Dom. Joao o 4o,
de Gloriosa Memoria, que pelas cabeceiras pescaram um dia-
mante que loi estinado em tantos mil cruzados, e quo em uma
paragem onde estio dois penhascos a que chamao os dous car-
neiros acharam uma" mina de prata, sem fallar em outra que
so descobriu em taboca.
A Capitania do Rio Meary tern bons ares, e aguas corn
terras excellentes para cannaviaes e engenhos de assucar, como
campinas de ricos pastes para curraes de gado vaccum, que IA
se da melhor que... porem 6 mui infestada de tapuyas do
matt, que a cada pass dio nos escravos e brancos, tirando-
Ihes a vida 's frechadas, e por isso se vio pouco a pouco des-
amparando f6ra do sitio onde os Reverendos Padres das Mercds
tern uma residencia comn tres ou quatro sugeitos. Nao falta l1
nem peixe nem came, e sao as marrecas sem numero em suas
dilatadas campinas.
Defronte da cidade de S. ,Luiz, Capitania do Maranhio,
estA a Capitania de Tapuytapera, do donatario Francisco Coelho
de CarValho, que a deixou a Antonio de Albuquerque Coelho
de Carvalho, sou filho; tern sua villa, chamada Santo Antonio
de Alcantara, corn sua Egreja de pedra e cal, e edificada do
tempo do vigarlo geral, Joao Ferreira, tern mais sua camera,
vigario, capitAo mor e senado, 6 situada sobre um alto corn
bells ares, boas aguas, terras fortes cor seus engenhos de as-
sucar, nio falta caga, nem peixe, nem ostras, se ha quem o vi
busear ; consta a villa de uns tresentos moradores pela maior
part pobres, a gentle da Ilha, que vive do seu trabalho s6
tem que mandar no barco quo vai e vein A cidade do Maranhbo,
dando-lhe suas lavouras tudo quanto plantam nellas, e por esta
rezdo ha 1a dous conventinhos, um de Nossa Senhora das Mer-










JOAO FELIPPE BETENDORF


ces, outro de Nossa Senhora do Carmo, os quaes, tendo sido
mandados demolir, forao outra vez restituidos em sou pris-
tino ser por commissio de Sua Magestade El-Rei Dom Pe-
dro o 20, que os tinha mandado derribar ; nesta villa nunca
houve casa da Companhia de Jesus, nao porque a nio desejas-
sem muito os moradores della, offerecendo terras para esse fim,
mas porque nio houve fundagio, nem modo de a poder 1A sus-
tentar; houve comtudo residencia na aldea de Serigippe pela
terra dentro, em a qual assistia o Padre Matheus Delgado, e
muitas vezes o convidaram os da villa para pregar em suas fes-
tas ; 6 o sitio desta villa mui aprazivel pela boa vista dos rios,
montes e valles de seu arredor, om os quaes se acham umag
salinas naturaes, que poderiam dar sal ao Estado todo, se hou-
vesse quem tratasse dellas, como convem.
Umas sete para oito jornadas para a banda do Para estA
a Capitania do Caeth6, em o Donatario de M... de Mello. Cha-
mou-so primeiro do Gurupy por 1 estar a villa. Em meia
aldda tinham os Padres da Companhia de Jesus uma residen-
cia de taipa de pilro, que parecia um conventinho, mas porque
pareceu aos moradores que tinham poucas terras para manti-
mentos, mudaram a villa para o Caethd, sitio sadio de bons ares,
mantimento, came o peixe, mas nio em aquella abundancia
que em o Gurupy. Ter sua Igreja, Camara e Capitao M6r, e
como sao poucos os freguezes, e estes quasi todos pobres, nao
podem sustentar vigario e por isso lhes acode o Missionario da
aldda por earidade.
Segue-se para a mesmn, banda do Para a Capitania de
Jorge Gomes Alem6, mas como este quebroi no negocio por
certas razies, achou o Governador Gomes Freire de Andrade
que a villa da Vigia, que tinha mandado fazer, estava nas
terras d'El-Rei, nem nunca teve aldea, e consequentemente
nem Missionario e a tirou delle; e parece nunca mais se tornou
a p6r em pb, supposto que os moradores da villa gozam dos bons
ares do mar, cor seus peixes, ostras, caranguejos, e da fartura
da terra pelo mantimento que produz em abundancia, estao
sujeitos ao ParA, e o que l1 tem de melhor a Imagem Mila.
grosa de Nossa Senhora de Nazareth, que de todas as parties se










RREVIS'A M IN[10 NTITiT0 III'!ORICO


frequent dos romeiros, quo vdo lJ fazer suas romarias e nove-
nas ; n~o fiz menvo da aldeia de Maracand, onde os Missiona-
rios da Companhia tem sua residencia de S. Miguel, porque,
como nella assisted de present o Padre Diogo da Costa sem
ter os indios, que El-Rey manda dar aos Missionarios polo nio
querer dos que tem esta aldda isenta das mais, para as sali-
nas d'El-Rey, pilots o servigo dos que governam e trn a sou
cargo as salinas d'El-Rei, nao entra na conta das mais, con-
forme me disse o Govornador Antonio de Albucuerque Coelho
de Carvalho.


CAPITULO 70.

RELATAM-SE AS CAPITANIAS E MISSES DO PARA ATE A CAPITANIA
)DO GURUPAC, COM OS BENS QUE NELLAS SE ACHAM

-Esta a Cidade da Capitania de. Bolcm distant da barra tres
mars por um brago do colebrado rio das Amazonas acima,
sita A margem delle em um altozinho trinta .e cinco minutes
para o Sul. Seu clima 6 assaz sadio, assim pela abertura
do rio para banda do mar ao Norte, que da lugar aos ventos de
refrescar a terra, principalmente f6ra dos mezos do inverno,
como pelas frequentes chuvas quo a regam polo anno todo; di-
vide-se a Cidade em duas parties, uma para banda do Sul em
Ssitio um poueo mais alto, o esta so chama Cidade, outra, em
sitio um tanto mais baixo, se chama Campina. Para banda do
Norte, bom no principio da Cidade, oade chamavam portao os
antigos, ostd o Collegio de Santo Alexandre dos Padres da Com-
panhia de Jesus, virado cor a portaria para a praga assaz es-
pagosa. Della se repartee, Norte para o Sul, em quatro ruas
principals, e do Leste a Oeste em outras tantas quo atravessam
as primeiras. Est:i o Collegio no principio da terceira, ter a
Matriz defronte, no cabo da praqa para o Sul, entire a segunda
a terceira rua; no principio da primeira que esta ao Norte, e
corre Norte ao Sul, estd a Fortaleza de taipa de pilao, sobre um
alto-de pedras, edificada om quadro, com suas peas de arti-
lharia ao redor, tom o rio bem largo e fundo para Oeste, e no










JOAO) FELIPPE DETENDORF


mais cercada do muito pogo secco. Correndo do Norte para o Sul
pela primeira rua, occorre logo a ermida de Santo Christo, mais
adeante Nossa Senhora do Rozario, e no cabo o convento dos
Religiosos do Nossa Senhora do Carmo, sito bem sobre o rio;
indo da mesma fortaleza, Norte e Sul, pela segunda rua logo se
offerece em a praqa a Casa da Camara. Pela terceira rua adeante,
d-se em o cabo cor o Carmo novo quo se vai fazendo, na ultima
rua que atravessa a ermida de S. Joho, de Leste a Oeste, e de
IA de Leste para Oeste, pela primeira rua que so atravessa, se da
corn o Palacio do Governador,assaz grandiose se f6ra de pedra e
cal, e nio de taipa do pilIo. A part que se chama campina se re-
parte pelo mesmo modo, pouco mais ou menos, em ruas direitas e
travessas. A primeira vai do Collegio para o Norte tern legoa
e media, armazem d'el Rey, e depois, pelo meio, o convento de
Nossa Senhora das Merces sito bem sobre o rio. A segunda tem
a campina e depois, A mio esquerda, a Misericordia, It muito
adeante e ao cabo de tudo estA Santo Antonio. As ruas tratessis
nao teem nada de consideracio digno de se relatar sinio
a Misericordia que pela banda do Norte ter, uma.......
de 15 ou pouco menos, a bella ermida de 8. Jose, fundada por
Hilario de Souza e sua mulher Maria de Siqueira, quo por
more a deixarant aos Reverendos Padres Piedosos, que dd novo
tinham vindo por Missionarios. Tern a cidade pela banda de
riba os rios Murutucd, Guarapiranga, Mojd, o AcarA, todos
nao tao fecundos em peixe, como eni cannas de assucar, tabacos,
cacauzeiros, urucuzeiros, que em saas torras se plantarem,
como so vD nos engenhos e outras fabrics que por elles se
acham. Nao falta caca de porcos do matto, vcados, cotias para
o sustento dos moradores que os pov6am; para banda de baixo,
onde vao correndo para o mar, quanto mais se afastam as terras
e rios tanto mais abundantes de poixe e farinhas, At6 a Villa da
Vigia, post sobre as entradas do mar.
Era a cidade do Pard ainda em o anno de 1660 cousa
mui limitada, porem depois disso cresceo tanto em moradores
e casas bellas, que agora se p6de gloriar do titulo de cidade se
bem 6 mui pobre, nao 6 isso por Ihe faltar meios com que
possa ser um dos mais ricos imperios do undo, mas 6 por










24 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


falta de bom governor e industriados moradores, os quaes
todos querom viver A lei da nobreza e serem servidos em o
Para, quando a m6r part delles em suas terras serviriam a
outros, e quando menos a si mesmos; e como por esta sua so-
berba os castigue Deus tirando-Ihes os escravos que Ihe serviam,
ficam pobres podendo ser abundantes em tudo, se deixada tanta
ambigao de honra que os mata, tratassem do servir os peoes a
nobreza, e quando menas a si mesmos para bern de suas fami-
lias. Todos ate agora julgam a eleigio do sitio da cidade do
Para um erro, e que muito melhor era so estivesse mais para o
mar, onde ha bom porto, b6as terras, bons ares, melhores aguas.
e abundancia de peixe e mariscos ; mas isto j6 nio tern remedio,
principalmente estando jA edificadas as egrejas e conventos, e
mais edificadas as fortalezas, e ultimamente a de Nossa Se-
nhora das Merces que estia vista da cidade, feita de pedra e
cal, para prohibit as entradas das embarcaQoes dos inimigos.
Tern a Capitania do Pard duas residencias, uma para banda
do mar em os Topinambas, cujos Missionarios acodem A ald6a
Maguary e A alda Muribira, e acodiam tambem aldea de
Joannes, antes de se a larger aos Missionaries de Santo Antonio,
e outra para banda do forte, em Murtigura, chamada S. JoEo
Baptista. Esta acode a todas as aldeotas daquella banda, e mais
a aldda do Guama, todas aldeas de visit, que por limitadas nio
so capazes de sustentar Missionario, e quasi pelo anno todas
estio sem indios por andarem continuamente divertidos em va-
rias parties por onde os mandam os ministros d'El-Rei.
Varias vezes a esta aldea do Guam& foram os pobres in-
dios, sem nunca acharem logar para tratarem de sua salvaglo,
por andarem quasi sempre divertidos por varias parties, f6ra
de suas casas, os missionaries incumbidos de vizital-os, e mal
achavam quem os podesse doutrinar. E so deu que, cor as
bexigas do anno de 1695, falleceram muitos delles e querendo
o governador Antonio Coelho de Albuquerque remediar esse
damno, mandou para 16 uns poucos de indios do sertlo, dados
por forros pelo padre Joao Felippe, por term sido feitos es-
cravos contra as leis do Reino, e pouco depois, neste anno
de 1698, uns cem maraguazes, entire homes a mulheres, que,










JOAO FELIPPE BETENDORF


por sua livre vontade, tinham vindo do sertao corn Manoel de
Passos, por nao quererem mais acompanhar um tapaiino Jos6
Lopes, natural do Cabo-Verde, o qual os tinha levado da aidea
dos Abacaxis, onde reside o padre JoIo da Silva, por Missionario,
corn o irmio Antonio Rodrigues.


CAPITULO 80.

DA CAPITANIA DE JOANNES PERTENCENTE AO DONATARIO

A' vista do Grampard, atravessando em canoa umas seis para
sete legoas para a banda do Norte, por caudalosa concorrencia
do rios que em grs part desem corn os bragos e bocainas do
rio das Amazonas, se da cor uma Ilha charmada Ilha Grande
do Joannes, cujo donatario 6 Antonio de Souza de Macedo,
fidalgo da cidade de Lisb6a. Tern, conform dizem, trezentas
legoas em redondo, e se reparto em varias ilhotas habitadas al-
gumas della de indios de lingua travada. Na travessia do Para
a Joannes estio tambem varias ilhotas, das quaes uma cha-
mada ilha Redonda & vista da cidade, em a qual melhor que em
nenhuma part estaria uma fortaleza para impedir aos ini-
migos a entrada quo por junto della se faz. Para esse intent
tem-se feito uma bella fortaleza de pedra e cal, em tempo
do governor deste grande Antonio de Albuquerque, para banda
da terra, e mais chegada para a cidade A eusta da fazenda real,
presidindo o capitao Luiz Vieira a sua fabric e um... de
madeiras correspondent para outra banda, a custa do capitao
Jos6 D'Eca. Ambas t6m suas peQas cavalgadas para impedir corn
balas o caminho das ndus. Tem a ilha do Joannes bons ares,
boas aguas, boas terras e campinas de pastes, mas como por
pouco frequentadas sLo asperas, e criam nio sei que de peco-
nhento, nao servem commummente para multiplica5Cao de
gados, por morrer muito nellas; ter comtudo assaz campinas,
por uma banda, cheias de mangabeiras, que dao mangabas mui
excellentes, e mais de jabutis, ou kagados, e suas mattas de
caga de porcos selvagens, e veados, e varies outros animals
comestiveis, come tambem suas aguas e rios t2o abundantes










26 REVISTA DO INSTITUTE IIISTORICO


em peixe, que nas pra ias delle se faz o pesqueiro d'El-Rei quo
corn as salgas que faz de tainhas sustenta a cidade do Pard. Sao
as torras desta ilha b6as para canna, e tabaco em algumas
parties, como tambem para plantar cacauzeiros, os quakes em
outras paragens della se dao mesmo por natureza, cor grande
proveito dos moradores della.
Ji disse que a ald6a de Joannes, chamada Chipucu, em quo
moram os Sacacas, nos annos atrazados de vizita (e a vizitaram
os nossos Missionaries dos TupinambAs, ou de murtigura),
agora, depois da repartigqo das misses, tem os Missionarios de
Santo Antonio 1U sua residencia perto da casa forte, que tam-
bem li so acha, e outra Aruans que para maior conveniencia
o ................................ ..


CAPITULO 9,.

DA CAPITANIA DO CAMETA

Trinta leguas da Cidade de Belem do Grampard, para o Sul,
estA sita a Capitania do Cameta, cujo Donatario primeiro foi
Feliciano de Carvalho, pae de Francisco de Albuquerque
Coelho de Carvalho, e av6 do nosso Governador prezente, Anto-
nio de Albuquerque Coelho de Carvalho. Tern seu nome do rio
que ahi entrou, e em os tempos passados foi de grande fama,
assim por sous muitos moradores, como por ser alli aonde de or-
dinario se aprostavam as armadas quando haviam de fazer suas
correrias, porem mudaram-se depois para outras parties, ficando
l a aldea do Cameta povoada de indios da terra, corn sua egreja-
zinha, a qual largaram os primeiros Padres que lhe assistiram e
a tinha feito, servindo-se depois da egreja de S. Joao Baptista,
freguezia dos Portuguezes, dos quaes ainda alguns poucos mo-
ravam pelos arredores com o seu Ouvidor da Capitania, at6 se
mudarem para o sitio da Villa do Cumarfr, onde em tempo
present tern sua freguezia de taipa de pilio, cor o Padroeiro
S. Joao Baptista quo era da egreja velha do Cameta, em a
qual estava enterrado Francisco de Albuquerque Coelho de Car-
valho, deante do Altar m6r, bem no meio da Capella, onde se










JOAO FELIPPE BTETENDORF


desenterrou cor missa solemn, que cantaram os Reverendos
Religiosos das Merces, estando os ossos postos em uma d6a de
junto cor suas velas brancas, pregando eu, o Padre Jofo Fe-
lippe, entio subprior da Missao, assistindo a tudo os dous
filhos do Governador, Antonio do Albuquerque Coolho do Carva-
Iho, o Capitao M6r do Para, Paulo Martins Garro e outros A so-
lennidade, depois da qual so levaram os ossos cor grande
adjunto ao Pard, e de 16 em companhia do Governador para a
egreja de S. Bartholomeu do Alcantara da Villa do S. Antonio
de Alcantara ou Tapuytapera.. Nessa aldea do Cameta assistiu
primeiro o Padre Conego... Correia.........
o apoz elle os Padres da Companhia de Jesus, om residoncia
foita em quadra para clausura religiosa. Estes fizeram on-
diroitar os ranchos novos dos indios de tal maneira ao long
do rio que pareciam uma Villa de Portuguezes, o assim durou
atd as boxigas quo descompuzeram tudo ; cor poucos annos
depois veio Antonio do Carvalho assistir aos indios por or-
dem de sou pae, e mandou o Padre Manoel Nunes residencia
para.... onde assisted de prezente, ficando a aldoa do Cameta
de visit, at6 quo Antonio de Carvalho a mudasse para o Parij6,
onde hoje esta cor nome de sitio, e torn egreja do taipa de
pilgo, e casa de Padres de taipa de mio.
A's espaldas do CametA desemboca o rio dos Tocantins, ao
long do qual ha bWas terras, supposto que nao torn bas para
tabaco baxo, quo...... excellentes ares, aguas tio bWas que
as de todos os rios sao ricas para beber e cheias de varias
castas de peixes, come tambem suas ilhas, mattas de caga, e
castanhas para banda de riba onde tambom so faz cada anno a
viracao de uma grand multidgo do tartarugas, as quaos
supposto se acham palas ilhas do todo o rio de frecha o coves,
comtudo as que chamam do viracao, principalmonte se acham
mais para as cabeceiras onde so vao buscar cor tanto concurso
de canOas e gentle, quo as canvas As vezes passam do cincoonta
e a gente de algumas milpess6as, o vmn commummente pro-
vidas todas de suas tartarugas que ajuntam em curraes A borda
da agua quanto pode ser, sorvindo ahi de sustento pelo anno todo
ou ao menos para a maior part delle. Tom aquolle rio nome










28 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


de rico, como elle parece, sem algum ejcarecimento, come diz
o Padre Christovio da Cunha na sua relagdo da Viagem de
Quito; porem, ninguem conheceu seu cabedal senio s6mente o
Francez, que em algum tempo, conforme conta, navegava navios
corn terra que tirava de suas ribeiras, que levava para fora,
para la beneficial-a a enriquecer cor ella, sem jamais atre-
ver-se a mostrar aquelles thesouros aos barbaros que por alli
habitavam, arreceiando-se que, vindo por esta noticia a fazer
della a devida estimagco, sem duvida por fim Ihe haviam de
embargar a p6sse e nao deixarem passar tantas riquezas.
Nao ha de present quem saiba que terra poderia ser esta
de que os Francezes faziam tanto case, salvo se 4 um barro
branch que os naturaes chamam tabatinga, o qual posto de molho:
e passado per um panno, e depois bern cozido serve de tinta
primeira aos estatuarios e aos pintores, em logar de gesso
do Reino ; mas esta tabatinga da qual as ribanceiras estao cheias,
nio 6 cousa de que se faca caso, e s6 so usa della para
se caiar. Outros barros ha, uns amarellos a outros vermelhos,
mas nem estes se estimam. Em as praias onde so faz a viraQco
das tartarugas ha umas lages de pedra azul que lasca, e
esta casta da com que em Europa se cobrem as casas, porem
nem ainda desta so faz case ou estimaQao. Acham se tambem
umas pedrinhas de varias c6res em um riacho que ha no
porto do caminho que tern para as terras dos Pugoris, e supposto
quo l1 se achou ja alguma de prego, ninguem se embaraga
dellas, come nem dos crystals que ha per dentro dos Pugoris;
acham-se mais come acazo umas perolas nas Itans grandes, e
estas per nao serem bem redondas nio se estimam. O que se
pode estimar por aquelle rio sao sous bons ares, boas aguas e
multidao de .caga e peixe, principalmente de tainhas em certos
tempos do anno, tantas quo, de outra banda, em um sitio que
chamam Marapata, andam em cardumes tao grandes que pare-
cem uns formigueiros, e de qualquer mode que so pesquem logo
so tomam em tanta quantidade que vem as canoas carregadas
dellas. As terras da Capitania do Cameta sao excellentes para
tabaco, mas ji nio tanto para canna, salvo em alguns sitios para
riba; tinham suas mattas muito cravo, mas como so cortou e










JOAO FELIPPE BETENDORF


nio recresce si niao mui devagar acha-so agora pouco, e este
novo pela m6r part, e por isso tambem de menos estimaCao.
Tem a Villa do Cumard uns quarenta moradores pela maior
parte pobres,Atem seu Capitao M6r, sua Camara e pelourinho,
Haveria mais vizinhos se as terras fossem mais fecundas.
Haver; uns oito annos que se fez a Villa do Cumari cor tudo
o mais, em tempo que Antonio de Carvalho e Albuquerque a
governor corn titulo de Capitio Mor, em quanto Antonio de
Albuquerque Coelho de Carvalho governor o Estado todo, com
o titulo de Governador e Capitao Geral delle, depois do ter sido
Capitio M6r do Para e, antes, da Capitania de Cameta, como
filho legitimo de sou pai, como tal herdeiro de seus bens com
seu irmlo Francisco de Albuquerque, neste anno de 1698.


CAPITULO 100.

DA CAPITANIA DO GURUPA E SEUS PRESTIMOS

E' a Capitania de Gurupa uma das Capitanias d'El Rei,
que comega logo nos ultimos fins do Cameta; tern sua forta-
leza em riba de uma ribanceira cor uma plata-forma algum
tanto mais abaixo sobre o rio cor porto em o rio do Xingi a
brago do das Amazonas em que este vem dar, 6 esta fortaleza de
taipa de pildo e pedregulho, uma das mais aatigas do Estado;
tern seus Capitaes que, supposto que na proviso nao tern titulo
maior, comtudo ja pelo costume os chamam Capities Maiores
os quaes as governam, porque em este Estado o que servio algum
post da milicia flea com o nome por toda a vida, assim se foi
Alferes, Capitao, ou Capitao M6r, sempre Ihe dao todos sem
nenhum reparu aquelle titulo. As terras nao sao mas em
algumas parties para banda da terra fire, que as ilhas que Ile
pertencem nao servem senao para se colher nellas muito bom
cacao, a razao de muitos cacaoeiros que por ellas se dao por
natureza; os ares foram muito maus em os principios, mas
perderam sua malignidade pouco a pouco, e muito mais
depois de mandar o Capitao M6r Paulo Martins Garro derrubar
por conselho meu, quando lhe assist no anno de 1661, uma part










30 REVISTA DO INSTITUITO HISTORIC


do matto que impedia a viraglo da banda do mar. Sdo as suas
aguas barrentas, por6ni as quo subministra um igarap6 junto
a fortaleza vindo da terra dentro, sao excellentes e o poixe nao
falta a quom o manda buscar.
Tinha antigamonto oste sitio suas casas ao redor da for-
taleza cor seus mor;dores, alom dos soldados do presidio;
porem hoje nao tern mais que estes ; havia tambem la urn con-
ventinho de Nossa Senhora do Carmo, fabricado cm quadro corn
uma egreja para banda do matto e as collas para banda da
fortaleza cor uma bella varanda sobre o mar, e estava
no meio do pateo uma larangoira de laranjas tio preciosas
que nem em todo o Estado, e nonhures me parece as haveria
melhores.
Tinha mais a fortaleza sua egreja de taipa de pilao, sita
no meio do torreiro, a qual durou ate hoje e durar! at6
haver quom tenha devoaio de fazor outra melhor.
Os Religiosos de Nossa Senhora do Carmo rotiraram-so dolla
desamparando tudo, por Ihes nao servir aquella assistencia
para nada; mas a instancia de Manoel Guedes Aranha, Ca-
pitao-M6r, mandou Sua Magestade os Reverendos Padres Pie-
dosos corn ordem quo ht so Ihes fizesse o hospicio, para po-
derom assistir aos soldados do presidio, e juntamente acudi-
rom As suas misses quo lhes couboram em repartiCao em o
anno 1692 ; sorvem essos Religiosos de muita consolagao as-
sim na fortaleza, como aos que andam polos sorties quando
chegam doentes, ou de outro modo necessitados, porque Ihe
acodem cor muita caridade, conforme a sua pobreza os
ajuda ; lI se curou e sarou o Capitao-M6r Hilario de Souza,
vindo doento do Peri no anno 1697, a lI mosmo falleceu
vindo corn o Governador Antonio do Albuquerque Ccelho de
Carvalho do Rio Negro dos Abacaxis e rio da Madeira, que
tinham ido visitar, e pagou-lhes Deus Nosso Senhor este
acto de misericordia, porque assim elle cor sua mulher Dona
Maria de Siqueira Lhe deixaram a ermida do S. Jos6 cor tudo
quo Ihe pertencia, e seiscentos mil rdis annuals para maneio
da dita ermida o suas pessoas, entregando para este effeito a
roga corn toda sua gonte, casas e tudo o mais que tinha a um










JOAG FELIPPE BET1ENDORF


administrator e assim a seus testamentciros a obrigagao do
darem cada anno os sciscentos mil r6is.
Tiveram os Padres Missionarios da Companhia polo anno
1660 o 61 at6 o anno 63, rosidencia na Capitania do Gurupa
em a ald6a de Tapari, dondo visitaram a aldea de Fortaleza
chamada aldea de S. Pedro, mas acabou com a expulsao da-
quelle tempo, o depois do restituidos ficou o Gurupa t conta
do Missionario do Xingit que del vinha de tempo em tempo
visitor a aldea de S. Pedro com muito cuidado, acudindo em
o mesmo tempo juntamente ds necessidades espirituaes dos
oapitaes-Mdres, e soldados da dita Fortaloza, at8 a chegada
dos Reverendos Padres Piedosos, por cuja conta corre de pre-
sente, como mais largamente so dird em seu logar, conten-
tando-me de dizer aqui que, sondo, Capitio-M6r Manoel Guedes o
jAincapaz de la assistir por sous achaques e muita edade, lar-
gando o post ao Capitdo.Mor Pedro Pinheiro, seu parent,
levantou este a fortaleza com sous baluartes ao redor, o poz
sun proporg~o d sua custa, atW fazer reboca-la today ao redor.


CAPITULO 110.

DA CAPITANIA DO NOTE OU DE BENTO MACIEL


Defronte da Capitania do GurupA que 6 d'El-Rey, esta
de outra banda do rio das Amazonas a Capitania do Dona-
tario Bento Maciel, chamada commumente Cabo do Norte.
Corre esta Capitania pela costa ate o rio Vicente Pinson,
e para o Poente polo rio a riba ate por cima da aldia de
Gurupatiba, comprehend os Tucujus com suas aldeas, o rio
Pard com as suas. o pelo rio das Amazonas para cima a
aldea do Jagoacuara, a aldea de Urubuquara, e ald6a de
Gurupatiba. Para part do Norte tern a fortaleza do Macapa
que o Governador Antonio de Albuquerque Coelho do Car-
valho mandou fazer por ordem de Sua Magestade, j foi
tomada uma vez pelos Fraucezes em o anno de 1697, cor
da o Pard, como dopois se dira mais largamonte em sou logar.










32 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


Tem aquella paragem polo igarap6 dos Tucujus boas
terras, mas muito mAos ares, e pouco bWas aguas done
nasce, que sem embargo das viraqoes do mar adoecem logo
brancos e indios, dando-lhes umas febres corn d6res de cabega
que Ihes fazem langar sangue.
Dos indios poucos escapam corn vida. A causa deste ar
pestilencial, dizem, nasce de uns lagos; as terras para dentro
alem de serem bWas para mantimento, sao tambem bdas para
cannas, tabacos, e ferteis de muito cacao, e podem-se estimar
mais pelas campinas que tem, para muitos curraes de gado
vaccum; nao falta peixe nem eaga para quem tem cagadores
e pescadores, de sorte que s6 os mius ares, principalmente os
do verio, sio os que impedem a galhardia que delles se pode
tirar.
0 sitio do rio na fortaleza do Pard ter algum tanto
melhores ares, mas nao terras, so bem que pelo rio a dentro as
ter mui b6as, ter muito peixe, caga, cacAo, salsa, cas-
tanhas e para essa banda do rio das Amazonas peixe e tar-
tarugas em abundancia.
Em o principio do rio Pard esteve antigamente uma
fortaleza chamada de Nossa Senhora do Desterro, esta fortaleza
do Pari tambem ja foi tomada neste anno 1697 pelos Fran-
cezes, porem ambas foram restauradas polo valor do famoso
Capitao Manoel de Souza Fundlo, honra dos Portuguezes e
digno de eterna memorial. A aldia de Gurupatuba ou Jogoa-
guara tern melhores arcs e aguas nio Ihe faltam, nem caca
o jabutys, mas ter poucas terras de mantimentos, e grandes
campinas totalmente inuteis; em o monte alto que tern sobre
o rio acha-se um bago amarello excellent, mas tirade se
deve p6r de molho, e depois passar por um panno e ir p6r
ao Sol para o ter perfeito, e depois disso fazendo-o queimar
ate ficar accezo, flea pardo e faz uma rica sombra come me
mostrou o Padre Jolo de Reis...... mathematics que foi de
Sua Magestade Dom Pedro, quando lhe debuxou as fortalezas
e Cidades de seu Reino.
Tom essa ald6a side residencia dos Padres Missionaries da
Companhia de Jesus, em a qual assistio primeiro o Padre Io-










JO7AO FELIPPE BETENDORF


doco Pires, corn o Padre Manoel da Silva por companheiro, o
depois delle eu cor o mesmo Padre Manoel da Silva, e fizo-
mos umas casas do sobrado mui bellas, que fomos obrigados
de deixar por nio descerem os Aracajus, conform tinham
ficado; mudou-se esta aldea um tanto mais para riba, ondo por
informago minha e do outro Padre Jos6 Barreiros, uma nova
residencia se fez, cor egrejas e casas, mui born..... mandando
della ao Maranhio.
A aldea de Urubuquara que esta em um alto ao p6 de
um monte, que sobe a modo do um pao de assucar, trn b6as
mas poucas terras, muito boas aguas e ares melhores, muito
peixe e tartarugas; nella fez o Padre Jose Barreiros uma nova
residencia com egreja e casas, sendo eu subprior dessa aldea,
tendo pela terra dentro ao precioso pao de Ibirapinima uns
dias de viagem per terra; uma jornada mais arriba estd em
um alto monte a aldea do Gurupatuba, mais povoada que as
outras, nella fizemos, eu e o Padre Antonio da Silva, residencia e
a par de n6s o Padre Joao Carlos, melhor, e a par delle o Padre
Manoel da Costa, ainda muito melhor. Tern ares moderadamente
bons, aguas. excellentes, came, peixe e tartarugas em abun-
dancia, mas nio tanto nem tao b6as terras, e de Id tambem so
vae pela terra a dentro ao pao de Ibirapinima. Tern riquissima
vista por todas as parties, para banda do Norte, e descobre
bellos altibaixos cor rochedos altos, os quaes uns e outros
tempos dao estalos, signaes de algum mineral. No valle corre
uma ribeira em a qual se acham umas pedrinhas lindas, e al-
gumas dellas de preco, o refere o Padre Christovio da Cunha
que vindo de Quito com os Portuguezes Ihe disseram os indios,
quo pela terra dentro por um igarap6 ou rio chamado Iriqui-
riqui seis dias do viagem, acharam grande quantidade de ouro
pela praia de um regato on rio pequeno, que passa ao pe
de uma serra chamada Jaguaracurt, o perto desta havia outro
sitio que chamavam Picuri, onde acharam um metal branch
do qual faziam machados quo logo se esbotavam corn o uzo. Eu
1 estive, Missionario e assaz curioso, mas nunca me lembrei
disso para perguntar pela verdade; s6 digo que como por
aquella banda ha multiddo de outeiros pouco povoados de
1851 3 TOMO LXXII. P. I










34 REVISTA DO INSTITUTE HISTO(RICO


arvoros grades, me pareco, nao poderd faltar algum mineral
do que so descobriu nestes annos.
Para banda do Sul dg descobre o rio das Amazonas, corn
muitos altos mui vistosos ; para banda do Leste, tambem so
offerece parte do rio e altos montes, o para banda do Oeste ou
Poente occorro logo um matto cor duas pedras mui grandes
para altas e largas, das quaes uma 6 em forma de arco, outra
macissa toda, cor um Sol entalhado nella, e como nao achei
queen me desse razio destas pedras, presumi commigo que
seriam os marcos da Capitania por aquella parte ; logo ao
p6 deste alto correm por grades espagos para baitd ea riba,
bhllas e vistosas caimpinas para gado vaccum; si se podessem
limpar das cobras e'bichos pogonhentos; estas no inverno so
alagam em parte, e pelo verio so queimam todas, durarido o fogo
algum mez e mais em que se destroy toda a immundicie que
nellas ha, servindo a terra em certas paragons para os indios
plantaremt nellas seus milhos, tirando mais outro proveito que
6, secando os lagos, term quanto peixo querem homes e mu-
Iheres, meninos e meninas, pondo uns cestos virados sobre
elles sendo pequenos, ou fochando os send peixe maior, quo
trasbordafido o rio sae de toda a casta para os lagos onde fica,
por so n5o retirar a tempo quantidade dello ; s6 os peixos boiS
quo os ha muitos polos rios das Amazonas, nao sahem com-
mumente para o lagos, mas ficam nos igarapAs maiores que
ten hervas pelos bordos, porque estas sio sou past ordinario, e
mais gdstoso; umna causa de muita molestia nesta aldea sio
os mosquitos que desde as Ave-Maria da tarde perseguem at6 a
manh ; mas fazeido-se casas do mosquitos que so fecham ao p6r
e antes de se levantar o Sol, nao se abrem senio muito depressa,
tornando-se a fechar do mesmo modo, nao dd muita molestia.
Estd ald6a pertence hoje aos Reverendos Padres Piedosos
que 16 assistem, tratando de ensinar aos meninos a lingua por-
tugueza, para coin isso se poderem beni doutrinar, depois elles
a sons filhos, visto nao terem noticia de sua lingua por nIo
a ensinarem soes pais, aos quaes acodem por intorpretes no
melhor modo quo Ihes 6 possivel, o Ihes supprem son grande zelo
a caridade que t.m pela salvacgo do seas almas,











Jo0, FELIPPE BETENDORI'


CAPITULO 120
DA-SE BREVE NOTICIA DAS MAIS TERRAS ONDE HA RESIDENCIA
DA COMPANHIA DE JESUS ATE A ULTIMA DELLAS

Como quer quo corn a reparticao das MissSes ficaram as da
banda do sul dos Missionaries da Companhia do Jesus, e as para
banda do Norte dos Religiosos de, Santo Antonio e dos Reve-
rendos Piedosos, dos Religiosos de Nossa Senhora das, Mercds e
Nossa Senhora do Carmo, tratarei primeiro das da Companhia
de Jesus.
As primeiras terras que seguem para riba da Capitania do
GurupI para banda do Sul, sao as do bello rio do Xingd que
os Indies tambem chamam Paranayba. Nestas esteve sempre
residencia nossa ate o prezente; s8o as terras b6as para tudo
se nao houvesse a praga das formigas, e sem embargo disso sao
ricas para tabaco. Seus ares sao sadios, suas aguas atd as do
mesmo rio excellentes, por descerem por cachoeiras e ardas,
assim da banda do Tacoanhapes, como da banda dos'Jurunas,
nao falta caga e mel em seus mattos, nem peixe em seus rios,
alem de bSas tartarugas em sou tempo; tern aquella residen-
cia, chamada de Sao Joao, tres alddas de sua banda, e os Coa-
nizes, do outra banda do rio, corn muita gentilidade do Ta-
coanhapes, Jurunas, o outras naegoes, entire as quakes sao
umas vinto ald&as de Curnbares da lingua geral, que o Padre
Joao Maria tratou muito de descer para a banda do Xingi,
antes de se mudar para a residencia dos Tapajoz. Deus o ajude
na empreza visto ir outra vez feito Missionario da residencia
do Xingd.
Umas cinco jornadas para cima ha o rio e terra dos Ta-
pajoz, onde tambom ha a residencia de Nossa Senhora da
Conceicdo em passage. Assiste depois o Padre Joao Maria, de
edade de setenta e um annos, e vinte e oito da Missao, o Padre
Manool Rabello vindo do Maranhao. Aqui havia uma populo-
sissima ald6a onde aquelle rio desemboca em o das Amazonas
corn outras muitas pela terra dentro; mas tudo so ter des-
truido pela muita cobiga dos moradores broncos do Estado.










36 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


Mandou Sua Magestade fazer l, uma fortaleza em tempo
do Governador Antonio de Albuquerque Coelho de Carvalho,
comegou e vai acabando o sen CapitIo m6r Manoel da Motta,
cujo o pai falleceo na empreza; estd sita a dita fbrtaleza em
um outeiro alto que eu mandei rogar no anno 1661, quando
o Padre Antonio Vieira, visitador da mission, me tinha mandado
para la por primeiro Missionario de accento, para o Rio das
Amazonas e Tapajoz; sao boas terras para mantimentos,
principalmente para milho e tabaco, os seus ares ja nao sao
tao mAus como d'antes eram. Bebe-se agua do rio a qual assen-
tada nio faz mal, nWo falta caga por seus mattos, quo at4
coelhos, pombos e patos ca se acham; os rios abundam em
peixe, at6 peixes bois a tartarugas. E' paragem muito aprazivel,
e tratou Sua Magestade El-Rei Dom Pedro de v6r so Ia se podia
fazer Villa e Collegio da Companhia de Jesus.
Umas cinco jornadas pouco mais on menos pelo rio das
Amazonas acima estio os Tupinambaranas. Estes estavam em
uma ponta alta sobre o rio, onde em 1669, quando la os foram vi-
zitar em minha companhia o Padre Pedro Luiz Glui e o Irmao
Domingos da Costa; mas pela grande praga dos mosquitos mu-
daram-se uma jornada pouco mais pela terra dentro sobre um
bello lago on rio que vindo parte dos Andirazes, part do rio
das Amazonas, val dar polos Curiat6s; aqui fizeram sua
ald6a que o padre Antonio da Fonseca, primeiro Missionario
de accento, mudou mais para riba, e acrescentou corn indios
novos chamados Pataruanas, fazendo sua residencia corn egreja
e casas de Santo Ignacio. Tern bella vista, bons ares, b6as
aguas em comparagao de outras, b6as terras para mantimento,
boas mattas para caga e fructas, e boas paragons para peixe
e tartarugas, desta residencia se nao vizitou os Andirazes, pela
banda de riba, e. os Curiatbs para a banda de baixo; em ambos
os sertoes, principalmente nos dos Curiatds nao falta gentio.
Tem os Andirazes em seus mattos uma fructinha que chamam
guarand, a qual seccam e depois pisam, fazendo della umas
bolas, que estimam como os brancos o seu ouro, e desfeitas corn
uma pedrinha, corn que as vio rogando e em uma cuia de agua
bobida, dA tio grandes forcas, que indo os indios A caga, um dia










JOO FRUIPPR BETRNDORF


ato outro, nao tme fomo, alem do quo faz urinar, tira febres e
d6res do cabega e caimbras. Do prestimo quo tern para provocar
urina me consta; do mais nao sei de certo se nao pelo que com-
mumente ougo dizer. O principal dos Tupinambaranas 6 Jofo
Cumari, indio afamado nas guerras, e por essay raz~o feito
Capitao M6r dos seus, mas ja de muita edade, e morreu-lhe sua
gente quasi toda e ap6s ella tambem elle falleceu.
Navegando umas duas para tres jornadas por um igarap6
acima chega-se aos Maguazes, em c.ja terra mandou o Padre
Subprior Jos6 Ferreira fazer residencia em o anno 1696. Para
Ia foi por primeiro Missionario o Padre Jos6 Barreiros corn sen
Irmio Secular, mas como depois de 1. assistir por tempo de um
anno pouco mais ou menos, adoeceu, veiu-se per doente para
baixo; estSio os Maguazes sobre um lago em terras mui do-
entias, e apartados em tres aiddas, tao pouce distantes que
todos os indios poderiam vir facilmente ouvir missa e assistir A
doutrina, em a do meio, onde estava o Padre Missionario.
Nao tern aquella paragem nada de bom nas terras, aguas e ares,
s6 uma cousa tern de bom: em os arredores ha varias na-
g~es quo so podem reduzir A Nossa Santa F6, indo domesticando
pouco a pouco. Neste anno 1698 mandou o Padre Subprior Jos6
Ferreira ao padre Antonio Gomes, mas elle ficara em Xingil em
quanto Ihe nao ia Companheiro a tendo-se-lhe destinado o
Irmao Geraldo Ribeiro foi-se para 16.
Finalmente uns tres para quatro dias mais a riba esta
a alda. dos Abacaxis, a qual 6 bmrn povoada de indices; esta
perto da bocaina do rio da Madeira, cuja residencia que havia
nos Iruris se deixou por muito doentia; nesta ald6a no anno
1696, mandou tambem o padre Subprior Jose Ferreira fazer
rezidencia, sendo o primeiro Missionario della o padre JoRo da
Silva, natural do Maranhao, depois de vdr uma prenda rica
restaurada do Pard; bom sitio, aprazivel, b6as terras, bons areas,
muita caga e peixe.
Teve o Capitio M6r do Pard, Hilario de Souza, la um Tapa-
nhuno chamado Jos6 Lopes para feitor de seus negocios, as-
sim para cravo, come para cacao, e escravos per aquellas
bandas, e este ajudado de outro Tapanhuno escravo do Capitao









38 REVISTA DO INSTITUTE IIISTORICO


M6r Manoel Guedes; mas come ji ambos 16 estio cseusados,
depois da more de Hilario de Souza se tiraram de ld, o ficava la
o Padre Joao da-Silva corn seu companheiro Antonio Rodrigues
que o Padre Subprior Iho deu depois de vir doente para o Para;
sera essa residencia uma das melhores do todas as mais que
tem os Padres da Companhia em o Estado todo ; nao vou mais
por deante daquella banda do Sul, que do present nos foi apar-
tada para nossas misses d'El-Rey Dom Pedro nosso senior,
porqdo so bem so pode cstender at6 a aldda do Ouro o jl-
timo termo do Estado do Maranhao para banda do Ponente,
comtudo, como nunca houve por ahi misses, deixarei de fallar
em aquellas terras, porque quero antes acabar de fallar em
as terras onde, dantes de repartirem, tinhamos direito e resi-
dencias.
Para banda do Norte at6 o rio Negro, onde cor a reparti-
q.o do anno de 1693 se concedoram as mais miss5os, s6 accres-
cento aqui que neste anno 1698, sendo vindo o Padre Joao da
Silva para baixo corn seu companheiro, como so ndo deram as
aldeas mais para baixo em sitio muito melhor, veio nisso o
Padre Subprior, e mandou corn elle o Padre Domingos Macedo
para fazerem nova residencia um pouco mais para aeima.
JA disse que os Padres Piedosos tinham residencia sua em
Gurupatuba oqde a tinhamos n6s; agora aecrescento quo tam-
bem tern outra nos Jamundazes que nos pertenciam de visita;
estdo os Jamundazes sobre o rio do mesmo nome, mui bollo
e aprazivel, entire oitoirinhos de uma e outra banda, corn tor-
ras, caa e peixe bastanto, por6m corn ares menos sadios.
Segue-se umas jornadas para cima o rio dos Urubfs, onde
assistiu o Padre Frei Theooosio Mercenario com licenQa nossa, o
agora assisted come missao que coube 6 sua Religiio em re-
partiCao. La estive uns sete dias de visit, e o quo posse
dizer das terras daquelle rio d serem em tudo meas e term
muita gentilidade corn as minas de ouro e prata, de que falarei
depois.
Umas jornadas para cima, sobre o rio das Amazonas,
flea a aldda de Matary, para a qual mandei o Padre Alui-
zio Conrado em o mesmo tempo em que mandei fazer residencia









joXo FELIPPE BEETENDORF


no Rio Negro pelo Padre Joao Justo ; ambos elles IS, assistiram
por algum tempo, mas nio continuaram por estarem obrigadog
a retirarem-se por adoecerem. de umas doencas mortaes. Tem
aquella banda boas terras, bOas aguas, peixe e came para pas-
sar a vida, mas menos bons ares para os brancos; e como foram
dadas estas misses aos Padres de No.;a Senhora do Carmo, e
as de UIJrbis aos de Nossa Senhora das Mor'ic.. !.r'amol-as a el
les, e descernos para os Abacaxis, send dantes a ultima dellas
o famosq rio Negro que vai dar no Orinoco, e fi~Tpenpt pas
celobradas ilhas 44 Trindade. Corn isso ponho em en falar aas
papitania, q mais torras do E- LdIo, em quo ha misses neste
anno 1698, que dos mais oq4e os podera havpr pelo toppo aqe-
ante, trataroi, quand, referir a ida dos PortuguQzes para
Qnito, e a volta dellos para o ParA coop o Padre Clhisi.ovi)a da
Cunla, de cujafiel relagao tirarei o que dellas so pode dizer corn
verdade. Contento-Iae 4e accrescentar aqui que, como as Mis-
soes da Companhia correm da banda do S l para riba ate a
aldea do Qurq, ultimo termo dellas, fica logar para algumas
residencias das molhores que havera em today a missao, porque
como as terras daquella banda tru ribanceiras altas corn terras
feotei p mrnita gentilidade, assim sobre o, rio como pela terra
d.nt.'.. naii poem deixar de dar logar a grandes bellissimas
missiles para os Mi-i.o.u-rioi; mais fervorosos e v lhu,.;' darem
camnpo Irgo a seu crystalino, zelo da i \a..;5,)o ( la almas, que
so viPram bbscar neste Etado.

CAPITULO 13
REILATA-SE A PRIMEIRA MISSiO QUE, EM 0 ANNO DE 1607, FIZERAM
PARA AS TERRAS DO ESTADO DO MARANIIAO 0 PADRE FRANCISCO
PINTO E BEU COMPANHEIRO 0 PADRE LUIZ FIGUEIRA, COM -A
GLORIOSA MORTE, QUE O PADRE FRANCISCO PINTO ACHQU NAS
SERRAS DE IBIAPABA.

Antes qes se d-s.'Leris pelps Fr.-ne.'.:, consideraidQ os primeiros Padres da Compnhia
do Jesus, Mi-i.:.'a ios do Brazil, a grande multid o do gentili-
d q, O que havih por today ag3ell gonquista da Cor6a de Portu-










40 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


gal, sepultada om as trevas da ignorancia de Deus e das cousas
de sua salvacgo, desde o rio de La Plata, primeiro limited della
nesta America, at6 o rio de Vicente Pinson, ultimo limited
della, e como a isto viam quo iam acudindo pela banda do
rio de La Plata, resolveram-se tambem de acudir para banda do
Norte, e consultado corn Deus Nosso Senhor este t~o important
negocio, determinaram flnalmente pSr por obra o seu bor
intent. Para este fim elegeram dous Padres Sacerdotes do Col-
legio de Pernambuco, a saber: o Padre Francisco Pinto, sacerdote
antigo e mui zeloso das bandas da Bahia, e ji de edade de cin-
coenta annos, a quem o veneravel Padre Jos6 de Anchieta tinha
curado milagrosamentede uma doenga mortal, dizendo-lhe se
levantasse porque o esperavam ainda muitos trabalhos, que por
amor de Deus havia padecer antes de se assentar na mesa ce-
lestial, e o Padre Luiz Figueira, nao de menos annos, mas fa-
vorecendo-o o c6o de muitas gracas e dons naturaes, raros
talents e grandes letras.
Convidou o Padre Provincial Fernlo Cardim esses dous
zolosissimos Varoes, os quaes, ajudados do Governador do
Brazil, partiram de Pernambuco no mez de janeiro do anno
1607; comegaram sua viagem por mar, e a continuaram ate
Jaguaryba, e de 1a proseguiram a p6 por terra acompanhados do
uns poucos de indios, dos quaes alguns eram da mesma nagio
que elles iam buscar de sua primeira tensao. N~o so viram ca-
minhos mais incommodos e asperos que estes por onde cami-
nhavam, por estarem cheios de aguas e lodo e assim so acharam
obrigados a passal-os a p6, mas com grandissima molestia sua
por caminharem em tempo de inverno.
Os montes eram tao ingremes e cheios de arvoredos e es-
pinhos, que nao apparecia minimo signal de caminho, e havia
por todas as parties mattas tCo fechadas, que neo era possivel
dar um pass por deante som primeiro abrir-se caminho a forca
de bracos, de facas e machados.
E no tocante ao sustento necessario para a vida, havia tdo
grande falta delle, que as mais das vezes se achavam obrigados
a passar com umas poucas de hervas. Tendo lidado desta
sorte per espago de um anno, entgo corn tanta difficuldade,










JOAO FRLIPPE BETENDORF


quo depois do corn lgoas de caminho deram finalmente cor as
sierras de Ibiapabi abaixo do Ceara, quasi' cem legoas para
banda do Maranhao; mas chegados ao gentio que era o que iam
buscar, acharam estava corcada de outro gentio bravo e cruel,
nao s6 cor os forasteiros, mas ainda pelos seus vizinhos
mais chegados. Mandaram os Padres repetidas vezes alguns
indios daquelles quo os acompanhavam, para vfr se por meio
de dadivas os podiam abrandar e fazer amigos, mas acharam ser
tudo debalde. Passaram logo aos segundos algum tanto mais
afastados, dos quaes foram recebidos como dos primeiros, sem
se Ihes dar sequer uma boa resposta. Juntaram finalmente os
do pass terceiro, e destes foram recebidos poor que de todos os
mais, porque nio se contentaram com engeitar os presents que
Ihes mandavam, mas mataram tambem aos portadores delles,
escapando s6mente um mancebo de dezoito annos para lhes servir
do guia a buscar e matar os pobres Padres. Estavam estes tra-
tando cor os quo os acompanhavam,porque viam poderiachegar
anagao que buscavam, quando viram uma multidio de barbaros,
que ds frechadas acommettiam seus indios, e iam endireitando
corn a choupana do Padre Francisco Pinto, o qual so tinha reti-
rado para rezar o officio divine. Sahiu a aqueile estrondo o Santo
Sacerdote Missionario, e cor palavras brands tratou de
aquietar a sua embravecida furia, o at6 os indios Christios so
Ihes oppuzeram gritando em voz alta que aquelle Padre era
Homem Santo, vindo nao mais que para Ihes ensinar a verdade
e caminho do Ceo ; mas elles, mais que nunca embravecidos, res-
pondendo que nio esperavam bens nenhuns, mataram pri-
meiro um indio christao, que mais animoso que sous compa-
nheiros so Ihes tinha opposto para defender ao Padre come sou
bom Mestre, o logo dopois investindo com faror e crueldade
diabolica contra o servo de Deus Ihe deram repetidos golpes cor
suas ybirassangas, que sdo uns pdus duros, largos e compridos,
na cabega, at6 quo lh'a amassaram toda o Ihe deram uma more
muito cruel, aos onze de Janeiro de 1608, justamente em o
termo ultimo do anno daquella sua gloriosa missed para banda
do Ceard e sorras de Ibiapaba. Nao estava li o Padre Luiz
Figueira, que teria sem duvida tambem side participate da-










42 REVISTA DO INSTITUTE IIISTORICO


quella mesma sorte, so, avisado do que se passava, se nao tivesse
retirado em os riattos ahi chegados, em os quaes defendido
da Providencia Divina esteve escondido aos olhos dos barbaros
Tabajaras, que por algum espago de tempo andaram em busca
delle para tambem Ihe tirarom a vida, ato que desesperados de
o poderem achar descarregaram o resto de sua maldade em os
Ornamentos que os Padres traziam comsigo para dizerem Missa,
e cor isto satisfeitos do sua victoria e despojos se foram em-
bora. Com isto teve o Padre Luiz Figueira logar de ajuntar
o sou rebanho que andava espalhado corn o medo da morte, e de
ir ao sitio daquelle ditoio sacrificio, onde estava o corpq es-
tendido no chio, a cabea toda feita em podagos e tpdo an.
lamado e banhado em sou sangue. Lavaram-no muito bom c
depois de lavado Ihe deram sopultura ao p6 do monte, porque
nao Ihes dava o tempo em que se achavam logar para mais,
sd levaram comsigo um desses pius ou ybirassapgas como
os chamam os corn que matam, cor o qual tinha sido quebrada
aquella sagrada cabeca, todo ensanguentado que ate ao dia de
hoje se guard com muita veneragqo,, e lembranga eternp no
Collegio da Bahia de Todos os Santos. Esto foi o fim daquella
gloriosa missed deste valorosissinqo soldado de Christo para
banda do CearA a serras de Ibiapaba, em as quaes moram os Ta-
bajaras, em cuja busca ia este primeiro Missionario da genti.
lidade do Estado do Maranhlo ; a esta foi tambom a feliz morto
que tantos annos !antes lhe tinha prophetizado 9. Veneravel
Padre Josd de Anchieta, quando milagrosamente Ihe det saude,
dizendo-lhe que outro genero de more o esperava. Eis final-
mente o glorioso principio das misses dos Missionarips da Com-
panhia de Jesus no Estado do 0Maraahuo, pois 4 missao da serra
do Ibiapaba 6 uma das contidas dentro dos limits da Capi-
tania dita do Maranhao. Deixou a Providencia de Deus vivo o
Padre Luiz Figueira, compapheiro do Padre Francisco Pinto,
para ter dahi por deante um martyrio mais prolongado, quando
veiu fundar a cidade de S. Luiz, cabeca do Estado, cor um
Padre que o acompanhava er seus trabalhos. Deste tao born e
glorioso principio se podem facilmente colher os grades pro-
gressos que hai de ter estes Missionarios, porque diz Christo










JOO FELIPPE BETENDORF


que se o grao jangado a terra vier a nascor ha de dar abun-
dante fructo. 0 Padre Pinto nasceu na ilha Terceira, na Cidade
de 4ngra.
CAPITULO 140

DA-SE NOTICIA DA CIIEGADA DO PADRE LUIZ FIGUEIRA AO MA-
RANIIAO, E DO QUE SE OBROU EM AQUELLES PRIMEIROS PRIN-
CIPIOS, DO CAPITAO-M6R ALEXANDRE DE MOURA EM A ERA DE
1615 ou 1614.

Veiu de Pernambuco Alexandre de Moura, mandado
de Gaspar de Souza, Governador da dita Cidade, per Capitio
M6r do Maranhio, trouxe em sua companhia tries Padres:
o Padre Luiz Figuoira, o Padre Lopo do Couto e o Padre
Bento Amado cor uns duzentos Indios, para por meio delles
ganhar os animos dos da ilha, para serem amigos dos Portu-
guezes. Eram esses Indios de lingua goral, vassallos do prin-
cipal Gregorio Migtagoaya, pae do Principal modern Lazaro
Pinto que Ihe succedou no governor por seu fallecimento. Logo
que Alexandre de Moura saltou em terra, e tomou posse do sen
governor como primeiro Capitao Mor daquella Capitania, sa-
bendo os primeiros conquistadores quo trazia poderes dados
em nome do Sua Magestade por Gaspar de Souza, Governador
de Pernambuco, quo o mandara para dar terras de data o ses-
maria, metteram cada qual sua petigio em que pediam terras e
chaos para suas moradas e lavouras. 0 Padre Luiz Figueira,
supposto ngo pedisso terras para lavouras, pediu chaos para
morar; concederam-se-lhe quarenta bragas em quadra, dentro
das quakes se fundou o depois Collegio de Nossa Senhora da
Luz,.e tudo o mais, tiradas as quarenta braces que chegam
at6 o mar, so comprou e pagou sam se ficar a dever um so
vintem; isto ponho aqui, porque vi os papeis cor mous olhos,
e fui eu mesmo comprador de varies chaos que estavam ao
redor de nosso Collegio. Nao pedia o Padre Luiz Figueira
terras para lavouras, porque um corto Pero Dias Moreno arti-
lheiro, e sua mulher Appolonia Bustamante, cigana, nos deram
as em que temos nossos rogados em o sitio de Anindiba; estes
nossos bemfeitores traziam de Pernambuco ordem do Gover-










44 REVISTA DO JNSTITUTO THISTORICO

nador Gaspar de Souza para se Ihes dar uma legua de terra em
quadra dentro da ilha do Maranhao, na paragem que elles
mesmos escolhessem, e por esta razao logo que saltaram em
terra para banda da ermida de S. Jose onde havia a casa forte
de Itaparica, pediram que ahi mesmo so Ihes desse sua legoa de
terra, a qual so lhes concede de Carnapi6, quo estava em Ia.
niparana, a leste para a banda de Pinar6, a Oeste para Mocaju-
tiba, e assim do mais para as outras bandas, come consta do
nossa carta de data nova e confirmagao da primeira. Tomaram
logo posse de suas terras, e marcaram nellas para banda do pd
do monte de S. Jose, e como depois de algum tempo fizeram
ambos doagio dellas para o bem do suas almas aos Padres da
Companhia de Jesus, e quizeram que o Padre Luiz Figueira as
mandasse demarcar, demarcaram-se por public autoridade,
assistindo a demarcaqao o mesmo Padre cor muitos brancos
e indios chamados por testemunhas, assistindo tambem o prin-
cipal Gregorio Migtagoaya, corn outros velhos, que ainda al-
cancel no anno 1063, no Maranhio.
Constava a ilha do Maranh~o em aquelles principios de
muitas ald6as, come jd dito fca acima, e come cram todas
povoadas de indios de lingua geral, na qual o Padre Luiz Fi-
gueira era um cicerdo e mestre da arte, que della compoz
para Ihes powder acudir, tratou de por uma rocinha bern no
meio dellas na paragem chamada Indiba, pondo naquelles pri-
meiros principios a casa, assim nossa come a dos indios que
nos pertenciam, no alto que ha antes de descer para a ribeira
que corre ao p6 della; mas a mudou depois o Padre Matheus
Delgado corn casa e tudo para o sitio onde hoje esta, per
quanto uns vapores que se levantam de uma lagoa que no
anno 1689 mandei desaguar pelo Irmio Manoel Rodrigues,
causam grandes doengas na gente della; e havia tambem lI
perto um tanto atraz, pelo mesmo alto uma aldda chamada
S. Jobo, a qual tambem se tirou.
Emquanto os Padres tratavam moderadamente do sustento
da vida temporal, e tratavam incansavelmente da salvagio de
brancos e indios cor infatigavel zelo, acudindo As necessidades
de todos assim saos, come vivos, e si bem eram poucos no nu-










JOAO FELIPPE BETENDORF


mero, e nao muitos na virtue cram semelhantes em aquillo
aos mysteriosos animaes........ do Ecclesiastico que professam
pelo Carro da Gloria do Senhor, tendo cada um delles nisto
........de muitos para exercitarem todas as funcgbes costu-
madas na Companhia, assim na cidade onde comummente
assistiam cor muita aceitagao, come fdra della onde tinham
suas misses, tinham em aquelle tempo um Irmio, cujo nome se
nao sabe, e admittiu o Padre Luiz Figueira um outro chamado
Joao Soares Avila ; mas este nao perseverou, foi-se cor seu
Irmdo Paulo Soares, Capitao Mdr da Fortaleza do Gurupa, feito
Sargento M6r della.


CAPITULO 150

DESCOBERTO JA' 0 GRIOPARA' VEM GOVERNOR AQUELLA CAPI-
TANIA BENTO MACIEL PARENT COMO CAPITAL MOR DELLA,
PONDO OS INDIOS EM QUIETAgAO COM CASTIGOS QUE MANDA
DAR A SEUS PRINCIPLES.

Logo que o Capitao Mor Alexandre de Moura teve noticia
do grande rio das Amazonas, mandou a Francisco Caldeira ao
descobrimento delle. Este pondo-se em caminho por mar che-
gou aos tres de novembro, ao porto principal do Para no dia de
S. Francisco Xavier, e achando aquelle logar acommodado paka
fortaleza e povoagdo, fez um e outro, chamando d cidade
de Nossa Senhora de Bel6m, e de la so foi estendendo
ate o Gurupd, onde se fez outra fortaleza, e corn povoaqao de
alguns brancos que 1a assistiam; alem do presidio dos soldados
necessaries para sua defesa, dados estes principals da banda do
Para e Gurupa, logo chegou uns annos depois, na era de 1618,
de mandado de Pernambuco, Bento Maciel Parente cor du-
zentos soldados em sua companhia e quatrocentos indios; e
como achou os indios do Estado estarem amotinados entire si
contra os Portuguezes tendo reforgado a Capitania do Maranhdo
corn bastante presidio, tratou do os castigar para reduzil-os a
sua obrigavgo; os indios da Capitania do Maranhio tinham
morto trinta homes de um forte, que os primeiros conquis-










46 REVISTA DO INSTITUTO IiiS'1;T0i'RI


tadores tinham feito em Tapuytapera, o os do Para tinham morto
quatorze homes de uma lancha que acoinmetteram, sendo
tarnbem culpados d'outras rebeldias semelhanies. Ora, Bento
Maciel tomou uma heroica satisfaio do todos elies o poz tudo
em paz, como soube por uma pessoa de sua confianga quo
todo o gentio iavia passado palavra entire si de so levantar
em a Semana Santa na note de quinta-feira das Endoengas,
para Sexta, contra os Portuguezes para matal-os e nao dei-
xarem vestigio delles; antecipou seus atraigoados visinhos
fazendd chamar todos os Principaes, e recolhidos em uma
casa forte, em um dia justigou a vinte e quatro, pondo
uns em boca das peas e fazendo-os v6ar polos ares e casti-
gando todos os mais cor supplicios do mortes, cor quo se
desanimaram seus parents todos, a ficou tudo com bella paz;
com issotendo torado posse dd sua Capitania do (;Itaimp:l;i
como valente Capitao, depois de sugeitos os indios, comeqou a
se entender cor os IIollandezes que moravam no cabb do Norte,
e pela costa do mar daquellas bandas. E em todos os annos
que o Estado foi governado pelos dous Capitles M6res ngo se
sabe do que obraram os Padres maisd que, nao satisfeitos de
ensiniarem e prdgaromn na Cidade e aeudiromn a todas as suas
necessidades, sahiram pelas aldas administrando os Sacramenios
aos indios dollars, principalmente a aldea quo estava em
lniariipara corn o nome do laniparana, por umra banda, e Car-
niapio per outra on Carnapio em laniparana, onde tinhain unma
egreja dedicada a S. Joio Baptista, em a qual domIingos e fiestas
diziani iissa a broncos e indios que para ella concorriam como
mie reiatod uma pessoa fidedigna, assim por sua muita odade,
como sua muita religiAo, send Portuguez de na .o e christio
velhd do todos os quatro costados.










JO61 6ELIPE1J T3ETENDORF


TITULO 20.

DO QUE OBRARAM OS PADRES MISSIONARIES, EM TEMPO DO
GOVERNOR DO PRIMEIRO GOVERNADOR DO ESTADO, E'
DO SEGUNDO EM QUE SE FEZ A VIAGEM PARA QUITO, E
DO TERCEIRO EM QUE OS IOLLANDEZES TOMARAM O
MARANH-O.

CAPITULO 10.

EDIFICA 0 PADRE LUIZ FiGUIIRA O COLLEGIO DE .NOSSA SENIIORA
DA LUZ

Teido' Aleiandre de Moura governado dous annos i capi-
tania do Mhranhao, chegou Bento Maciel por Goverhiddr da
Capitania do Pard rio anno 1618, e depois de star o goVerno
oito annos nas mrios dos CapitLes Moreo, chegou finalmente no
anno de 1629 Francisco Coelho de Carvalho por primeiro gover-
nador de todo o Estado quo governor troze annos.
Eri os primoiros annos de set governor, offereceram os
moradores suas petigbes para confirmago das datas de terras,
quo lhes tinha concedido o Capitao Mor Aloxandro do Moura ,
e 6 Padre Iuiz Fi:uoii. ta tmbm podium confirmagio f6ova
data da logua do terra em quadra ji domareada, quoe c'n,
bemfcitores Ihe tinham dado de esmola. Deti-se-lho carta de
datt, como podia.
Pouco depois comegaram os religiosos a edificar seus
conventos, tirados os Reverendos Padres Merceriarios, .j.u
ainda nio estavam no Estado, e o Padre Luiz Figueira' tambein
ediflcou entro cor a ajuda dos vassallos do Principal Gregorio
Migtagoaya, o Collegio e ermida velha, que edificou t Nos~a
Senhora da Luz, todo de pedra e cal, eri o sitio em que'se v0
do present o Collegio muito acrescentado, 6 o logar da Ermind
que mandel derribar no anno 1692, para corn a m6sina pedra
fazer-se a Capella mor da egreja nova da mesma invocagao;
mandou tirar a pedra de uma pedreira pedida e dada, por
de traz das csass de Agostinho Corrda, pgra bdnda da fonte das










48 REVISTA DO INSTITUTE HISTORIC


pedras a taboado do Collegio; comegaram os Padres cor muito
mais fervor os costumados exercicios da Companhia do Jesus,
como sdo: ensinar doutrina, confessar e pregar.
Em tempo do governor do mesmo Governador Francisco
Coelho de Carvalho, vein o Hollandez e queria presidiar o Gu-
rupa, tondo feito outras fortalezas sobre o rio das Amazonas
para banda do Norte, uma na Tarrera, outra no Cumafi, que
hoje chamao Macapa, e 6 o matadouro dos brancos o indios, corn
casa forte no Tapana e Mayaguary. Porem, supposto queimaram
as casas dos soldados do Gurupa, postas ao redor da fortaloza,
foram rechassados pelos Portuguezes, e o Capitao Mor Bonto
Maciel Parente Ihes foi dando tantos e tdo fortes assaltos quo,
desalojando uns, aprizionando outros, e mettendo seus navios
a pique com notaveis successes dos nossos, a demonstracSes do
seu valor, desonganados nao tornaram mais a revisitar aquellas
bandas como antecedentemente tinham feito, mas retiraram-se
de todo, deixando rios a terras a seu legitimo Senhor, E1-Rei
o Cor6a de Portugal.
Aconteceu em tempo do governor deste governador um
case digno de se contar, para exemplo das mulheres casadas que
se atrevem a faltar a lealdade devida a sous maridos: succedou
que uma chegasse a tirar a vida a seu marido corn um
machado, estando dormindo. Feitas as legitimas informagoes,
aprendeu-se na cadda, e come se Ihe provou o case deram-lhe
sentenqa de more. Como houve muitos peditorios para se
Ihe perd6ar, deixou-se-lhe passar aquelle crime; sabendo outra
deste perdio, confiada no exemplo, deu muito man trato a seu
marido, ameagando-o Ihe havia de fazer o mesmo que tinha
feito a outra ao seu; deu-se part disso ao Governador, que
mandou prender logo a primeira que j6 andava solta e livre,
e para nao servir de mau oxemplo aquelle perdao dado d instan-
cia de devotes, a fez enforcer, e chamando depois a outra em
sua presenga disse-Ihe que si nao desistisse do que dizia e fazia,
per vida d'El Rey Ihe havia mandar fazer o mesmo, corn o que
ella se aquictou e emendou.
Por aquelle tempo, pouco mais ou menos, o Padre Luiz
Figueira chegou at6 o Gurupa em a aldea do Xingt, onde como




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs