• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Half Title
 Title Page
 Introduccáo
 A orientacao política e a forca...
 A orientacao da política de politica...
 A intervencao da forca armada
 A occupacao progressiva
 Forca policial e tropas auxili...
 Conclusao
 Index






Group Title: A occupaðcäao de Moðcambique, 1869-1909
Title: A occupação de Moçambique, 1869-1909
CITATION PAGE IMAGE ZOOMABLE PAGE TEXT
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00024758/00001
 Material Information
Title: A occupação de Moçambique, 1869-1909
Physical Description: 150 p., 1 leaf of plates : ill., (fold. chart) ; 22 cm.
Language: Portuguese
Creator: Rodrigues, David
Publisher: Editado pela Revista de Infantaria
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1910
 Subjects
Subject: History -- Mozambique   ( lcsh )
Colonies -- Portugal -- Africa   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: por David Rodrigues.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00024758
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: African Studies Collections in the Department of Special Collections and Area Studies, George A. Smathers Libraries, University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 002896374
oclc - 15376926
notis - APC7949

Table of Contents
    Front Cover
        Front Cover
    Half Title
        Page i
        Page ii
    Title Page
        Page iii
        Page iv
    Introduccáo
        Page v
        Page vi
        Page vii
        Page viii
        Page ix
        Page x
        Page xi
        Page xii
        Page xiii
        Page xiv
        Page xv
        Page xvi
        Page xvii
        Page xviii
        Page xix
        Page xx
        Page xxi
    A orientacao política e a forca armada de provincia
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
    A orientacao da política de politica indigena no districto de Mocambique
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
    A intervencao da forca armada
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
    A occupacao progressiva
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
    Forca policial e tropas auxiliares
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
    Conclusao
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 150a
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
    Index
        Page 155
        Page 156
Full Text




A (


Occupaa;o

de

Mogambique


(1869-1909)

PQR


PAVIP


ROPRIGUES


Capitio de Infantarla








LISBOA
Hlditado pela Revista (it Infwntarin
191*









S- -S- ^80^7
co Arsena\











A


OccupagIo de MoQambique





0

(-"


Occupagao


de

Mogambique


(18 G c- =1909)


POR


PAVIP


RO P RIG U ES


CapitAo de Infantaria


r
r

td
C-i'
II~


1910
Editado pela Revista de Infantaria
LISBOA


4":
, ^'














Introduceao






Nas paginas q'ue se vao ler nao se procura
fazer a historic contemporanea da provincia de
Moqambique. 0 nosso fim 6 mais simples: forne-
cer apenas alguns elements para se ajuizar da
march evolutiva da forqa military na Provincia
nestes ultimos quarenta annos e indicar a influen-
cia que exerceu na sua occupaqao e no seu con-
sequente desenvolvimento economic.
Nao se julgue tambem, precisamos accentuar,
que o present trabalho seja um brado que se
lanca para alcanqar a militarisado das nossas
colonies. Nao 6 d'isso que se trata. Conhecemos
a influencia que o exercito p6de exercer na cons-
tituia.o, organisa.ao e desenvolvimento d'um paiz
novo; conhecemos os services que p6de prestar e
os beneficios que d'ahi se podem colher, mas
conhecemos tambem quando a sua active inter-
venqao se p6de e se deve attenuar.
Advogar a militarisaqao das colonies seria um
erro grosseiro em que nao desejamos cahir. Mas
se advogar essa militarisacao 6 um erro quando









VI


ellas chegam a um certo grau de desenvolvimento,
nao combater a carencia da forqa armada quando
as colonies d'ella necessitam seria uma falta, e
falta grave, em que tambem nao desejamos in-
correr.
Infelizmente, por6m, tem sido este um dos
principles defeitos da nossa administraqao ultra-
marina. Como durante longos annos nao se soube
crear receita nas colonies, a nossa accqo, acqAo
commodista, limitou-se simplesmente a reduzir as
suas despezas, principalmente as militares, sem
sequer se procurar saber as consequencias que
d'ahi poderiam advir. E 6 exactamente isso o que
n6s desejamos evidenciar, porque o conhecimento
do passado em alguma cousa benefica p6de influir
para o future. E se d'esta f6rma contribuirmos
para o engrandecimento das nossas colonies, dar-
nos-hemos por bem satisfeitos.
O que, porem, agora e desde ja precisamos
accentuar para estabelecer um termo de confront,
6 que n6s, portuguezes, comeiamos a fazer eco-
nomias nos orqamentos coloniaes, e principal-
mente no capitulo referente As despezas militares,
quando- as naqoes mais poderosas da Europa,
deixando a political estreita em que viviam, come-
qaram a lancar as suas vistas para os continents
distantes; quando no cerebro dos seus dirigentes
se comeqou a pensar no future que as colonies
offereciam. Em 1869 accentuou-se entire n6s a
serie de economies coloniaes, mas por essa epo-









VII


cha 6 que a Inglaterra, seguindo um caminho
contrario, principia a olhar pelas colonies e a
gastar dinheiro cor ellas.
Na propria Inglaterra, pelo meiado do secu-
lo xix, ainda Lord Palmerston, ouvindo fallar no
Colonial Office, perguntava desdenhoso onde fi-
cava essa casa, where is that house? Mas em 1868,
apenas um anno antes de entire n6s ser publicada
a primeira carta organic das colonies formada
pelo conjuncto de medidas publicadas por Rebello
da Silva, em que se pretendia fazer com a forca
public uma economic annual de 93:842$921 rdis,
l para os mares do norte era por C. Dilke lan-
cada entire os seus concidadaos a ideia d'uma
grande Inglaterra, que a devia tornar senhora im-
perial, coroadora e exploradora do universe in-
teiro.
Quando n6s faziamos despezas mesquinhas
nos oraamentos das colonies, do lado do norte
surgia na mesma occasiIo a ideia mais assoladora
e talvez a mais arrojada que se tinha concebido
at6 entAo. A political dos little englanders, tendo
vencido Napoleao, resolvido quasi no geral as
quest6es da Irlanda e definido o seu Home Rule
em bases mais ou menos acceitaveis, tendo al6m
d'isso consolidado as riquezas de toda a Ingla-
terra e creado immensas industries que necessita-
vam de immediate expansao, necessario era crear
novos horisontes onde se podesse desenvolver a
phantasia de um povo e onde se podesse arreigar









VIII


com vantagem e proveito o seu espirito pratico e
utilitario.
E por isso, a idea de C. Dilke se associaram
em breve os diversos chefes politicos. Lord Bea-
consfield, em 1872, procurou voltar para o mundo
exterior os appetites dos partidos avancados. Em
1884, Lord Rosebery tornou-se a alma da Imperial
Federation League. A political, por6m, ia dando a
esta ideia uma concepqco demasiado especulativa
e destituida de bases scientificas. Para se manter
pura como uma religiao, pois que s6 a crenqa
d'um povo pelo ideal porque lucta 6 que Ihe p6de
garantir o success, era necessario cercal-a de
apparencias philosophical, moraes e scienficas.
D'esta tarefa se encarregaram entao os impe-
rialistas da imprensa e da cathedra. D'essa tarefa
se encarregaram Seeley e Frouda. Seeley come-
qou por ensinar aos seus discipulos da Univer-
sidade de Cambridge que a expansao indefinida
era a unica explicaAo e o unico motor de toda
a historic ingleza, a unica razAo de ser do povo
bretao. E demonstrada esta assergqo com dados
historicos e elements sociaes, facil Ihe era indi-
car aos seus discipulos qual era o caminho que
tinham a seguir. 0 povo inglez nao se devia cir-
cumscrever ao amor da sua propria patria, da
terra que o viu nascer. As suas ambiCoes deviam
ser lancadas pelo universe, devendo fazer sentir
em toda a parte do mundo a sua propria activi-
dade, rematando que s6 merecia a designaq~o de









IX


inglez aquelle que trabalhasse pelo imperio. E
definidos os dogmas com dados historicos e ele-
mentos sociaes, a nova religiao estava lanqada. E
os seus discipulos, seguindo pela Inglaterra como
outros apostolos, em breve levaram o povo inglez
A conviccao do dogma scientific, moral e social-
mente estabelecido. E mesmo Seeley escrevendo
o seu livro The expansion of England, deu ao
povo inglez uma outra biblia, nao para lMr aos
domingos A porta da cottage, mas nos proprios
dias de trabalho na escola, no escriptorio ou na
officina.
Mas mostrar a necessidade de expans.o do
povo inglez nao era bastante; dizer que devia fazer
sentir a sua actividade em toda a parte do uni-
verso nao satisfazia os sentiments praticos d'um
povo. Essa necessidade foi entao preenchida
por Frouda em muitos artigos da imprensa e es-
pecialmente cor a publica o do seu livro Oceana
or England and his colonies, onde ensinava aos
convertidos A nova religion o que devia ser o
imperio inglez, como devia nascer, os pontos em
que se devia apoiar, o que seria necessario fazer
e qual o caminho a seguir. E indicado o caminho
do future, ao povo inglez s6 Ihe restava trabalhar
e seguir a sua senda para alcanqar todos os bene-
ficios que a terra p6de offerecer a um povo pra-
tico e dotado com largas faculdades de trabalho.
E no entretanto em Portugal a lucta ia acceza
no parlamento e na imprensa por causa dos defi-









x


cits orqamentaes originados pelas despezas colo-
niaes. As reforms de Rebello da Silva, apesar de
prometterem o equilibrio da receita e da despeza,
nao conseguiram alcangar esse desideratum recla-
mado pelas diversas faccoes political. E nao o
podiam alcancar, porque emquanto na Inglaterra
se fazia a apologia da expansao, em Portugal
olhava-se corn desdem, e infelizmente ainda se
olha, para tudo quanto fosse questOes coloniaes.
Quando na Inglaterra os chefes politicos deixaram
de perguntar desdenhosos onde ficava o Colonial
Office, entire n6s os presidents de conselho de
ministros apenas indicavam, e As vezes ainda in-
dicam, para ministros da marinha personalidades
que apenas sabem onde fica o respective minis-
terio. Emquanto o povo inglez se expandia pelo
universe, n6s retrahiamo-nos em casa e lanqava-
mo-nos em uma political mesquinha, estreita e sem
horisontes, negando As colonies tudo quanto ellas
necessitavam.
Mas a theoria imperial para triumphar por
complete ainda precisava d'um cantor que a cele-
brasse e d'um home pratico que Ihe d6sse f6rma
economic. O seu cantor foi Rudyard Kipling, que
em versos e cantos suggestivos enalteceu as gran-
dezas d'esse imperio e as virtudes do povo que o
estabeleceu. Desde as tabernas de Westminster
atW as margens do Nilo e rios indianos, aos cam-
pos australianos, As areas do Soudao, ao velt
africano e As neves do Canada, todos o l~ram e









XI


todos se deixaram enebriar pelas suas estrophes
suggestivas.
A seguir entao ao poeta apparece o home
de negocios, o economist de valor, o politico
sagaz, o snr. Chamberlain, o home mais ambi-
cioso de toda a Inglaterra. Este home comeeou
por censurar o patriotism dos cafes-concertos-
the vulgar patriotism of music halls. -A unidade
do imperio, passou elle entao a dizer, 6-nos im-
posta pelo sentiment do patriotism, mas tambem
pelos interesses materials. O primeiro dever dos
nossos homes de estado 6 estabelecer para sem-
pre esta uniao sobre a base dos interesses ma-
teriaes. E dando elle entao f6rma as ideias
apresentadas, arrasta atraz de si, sob a bandeira
do Empire Trade League, Imperial Institute of Co-
lonies and India e Association of Chambers of
Commerce, um grosso exercito de commerciantes e
industries. E quando poude affirmar que o im-
perio era tao long como o mundo-world-wide
-e do qual nenhum inglez podia fallar sem sen-
tir um fremito d'enthusiasmo, passou a ligar todas
as colonies pelo laco economic do seu zollverein
aduaneiro.
Nao se julgue, por6m, que esses assombrosos
progresses foram levados a cabo simplesmente
pela alma dos propagandistas. Nao, isso nao bas-
tou. O admittir isso seria cahir num erro que nao
resistia A mais pequena observaco. A Inglaterra
consolidou o seu imperio porque no ultimo quar-









XII


tel do seculo xIx ella nao cessou de batalhar. As
suas tropas bateram-se no Egypto, na India, no
Afghanistan, nas margens do Niger e na Birmania
e tiveram de se defrontar por differences vezes
contra os zulus, achantis, derviches, orangistas e
transvaalianos. Quando nao prosperavam as em-
prezas que tinham montado os crentes da religiao
de Seeley seguindo o caminho que lhe traqou
Frouda, a bayoneta do soldado inglez, do Tommy
Atkins, foi sempre quem resolve as questoes.
As despezas do exercito e da armada, que em
1887 eram de 30 milhoes de libras, em 1897 de
42 milhoes, foram em 1901 de 62 milhoes, e hoje
jd estao excedidas.
E d'esta forma nao se perdendo em Inglaterra
tempo com discusses estereis na imprensa e no
seu parlamento sobre miseras despezas com as
guarniqoes das suas colonies, mas percurando-se,
pelo contrario, educar o povo e dar-lhe orienta-
.ao de forma a encaminhal-o para as suas co-
lonias, e mandando sempre atraz d'elle um exer-
cito valoroso e uma esquadra poderosa, nao admira
que progredisse e triumphasse no mesmo tempo
em que n6s, desdenhando das colonies, nao cui-
dando d'ellas como mereciam e tirando-lhe ainda
a forca military que as mantinha e que defendia os
poucos colonos que n'ellas se aventuravam a pro-
curar fortune, viamos dia a dia augmentar a sua
decadencia e engrossar o seu deficit. E que para
ter colonies 6 necessario mandar para ellas gente









X III


que as faqa progredir e forca armada que a proteja.
E indicada a tracos largos a forma como a In-
glaterra conseguiu em poucos annos organisar e
consolidar o maior imperio do mundo, voltemos
as nossas attendees para a Allemanha, que tam-
bem, sob o ponto de vista que estamos tratando,
nos fornece alguns ensinamentos.
A primeira carta organic das nossas colo-
nias foi promulgada um anno antes da guerra de
1870-1871, que permittiu d Prussia a constitui.ao
do imperio germanico. Depois d'essa guerra econ-
solidado o imperio, a Allemanha encheu-se de
grandes casernas, ao lado das quaes, devido i
rapid transformacao da sua agriculture e ao des-
medido desenvolvimento das industries, se cons-
truiram logo outras tantas vastas officials.
A idea d'expansao colonial germina entao no
cerebro do povo allemao. Os products precisa-
vam de collocaq.o e era necessario crear maiores
mercados que viessem estimular as industries
montadas e que fizessem nascer muitas outras.
Bismark tinha porem ideas limitadas a respeito
das colonies. Em 1871 desdenhosamente deixou
de exigir d Franca a entrega da Cochinchina. Em
1879 viu-se obrigado a regular o condominio de
Samoa e nao podia acreditar que a Damaralandia
e o Tojo fossem susceptiveis de se tornar colo-
nias de povoamento. Preferiu nos primeiros tem-
pos que o commercio se fosse infiltrando pelos
paizes j~ organisados.









XIV


As necessidades do commercio e da industrial
do seu paiz, em breve o fizeram mudar de orien-
taq.o. Os grandes politicos sao sempre opportu-
nistas e Bismark nao falhou a esta regra. Vendo
que a Inglaterra deixava em nosso poder a bacia
do Congo em virtude dos direitos historicos que
nos assistiam, entra em ac.ao para nos contestar
esses direitos. A conferencia de Berlim de 1885
mostra ji bem claramente a metamorphose do
chancellor de ferro. Os direitos historicos nao
passavam d'um platanismo neste period de ideas
praticas. O direito de posse era o unico admissivel
e assim se legislou naquella nefasta conferencia,
permittindo a occupaqAo do hinterland. Depois de
resolvida a questdo do Congo, a Allemanha entra
novamente em acqao para effectuar com a Ingla-
terra as convencqes para a delimitaqao das esphe-
ras d'influencia do 6ste-africano e da divisao da
Nova Guin6.
Mas quando Bismarck seguia sem hesitaqGes
a nova orienta.ao colonial, apparece em scena o
actual Imperador. Pondo de parte o seu chan-
celler, apresenta-se logo empunhando corn uma
das maos a espada do guerreiro, como symbol
da forqa e do mando, e com a outra a ferramenta
do artist, como symbol creador. Garantindo-lhe
a espada a forqa necessaria para impOr a sua
vontade, e a ferramenta do artist os elements
necessarios para engrandecer o seu povo, neces-
sario era abrir com aquella o caminho por onde









XV


os products d'esta deviam entrar. Era essa a
sua primeira tarefa e a ella se lancou corn de-
nodo.
Os officials do seu exercito, de maos dadas
corn os commerciantes do seu paiz, iniciam a
obra de penetracAo do continent africano, che-
gando aos grandes lagos equatoriaes e procurando
pelo Camerao abrir access para o Tchad myste-
rioso. Em Berlin conseguia-se ao mesmo tempo
uma partilha vantajosa de Samoa e lanqavam-se
as bases para adquirir uma parte da heranca
colonial d'Hespanha. 0 Extremo Oriente ndo Ihe
passou despercebido e a raqa amarella sentiu-lhe
os seus effeitos.
E ao mesmo tempo que os politicos, os mili-
tares e os commerciantes se debatiam pelo en-
grandecimento da sua naqao, o Kaiser nao deixava
de acompanhar a uns e outros. Elle, de Berlin,
creava carreiras de navegacqo largamente subven-
cionadas; as sociedades de propaganda tinham
todo o seu auxilio; as associaqoes de proteqao dos
emigrantes nao eram por elle abandonadas; o seu
governor desenvolvia as plantaoqes e activava o
commercio da metropole cor as novas colonies e
finalmente perto de Cassel fundava uma escola
colonial, que tern sido o ninho onde a aguia
imperial tern adquirido forqas para voar por todo
o mundo.
E d'esta f6rma o Imperador Guilherme e o seu
povo mostraram que razao tinha Madame de









XVI


Stael quando disse que -logo que uma ideia se
apodera do cerebro dos allemaes, a sua paciencia
e a sua perserveranqa em a sustentar fazem
honra a forqa de vontade do homem.
Mas no period em que o povo allemao con-
firmou, sob o ponto de vista colonial, a verdade
d'esta asserqdo, o que fazia o povo portuguez e
os seus dirigentes? Discutiam os deficits, man-
davam presents ao Gungunhana, tiravam is
colonies as guarnicoes militares, nao impulsio-
navam a emigracao, davam at6 de mao beijada
uma boa parte dos seus territories ao capital
extrangeiro e nao se incommodaram muito quando
souberam que a peninsula de Kionga tinha sido
occupada pelas tropas do Lohegrin dos nossos dias.
Mas o povo allemao, seguindo sempre aquella
orientaqao, tornando-se forte corn o poder das bayo-
netas dos seus soldados e rico cor os products
da sua industrial e transacq6es do seu commercio,
permittiu que o Imperador Guilherme dissesse
na festa do 200.o anniversario da fundacao do
reino da Prussia que ,nada se devia decidir no
mundo sem a intervencao da Allemanha e do
imperador allemrao. E de facto assim ter sido.
Quando os recursos da diplomacia se mostram
impotentes para resolver as quest0es, elle faz
sempre triumphar pela forca do seu exercito a
obra da expansao germanica. Assim procedeu
com a China e assim pretendeu proceder cor a
questao marroquina.









XVII


O exemplo que mais claramente mostra a
orientaqao colonial allema sob o ponto de vista
military 6 o que nos fornece a campanha dos
herreros do sud-oeste africano. Foi uma campanha
longa e que demandou fortes effectivos. No final,
quando a victoria jd estava decidida, as auctori-
dades militares entendiam que ainda era neces-
sario por mais algum tempo uma forqa de 6:000
homes para garantir a posse effective. O parla-
mento allemro, quando Ihe foram pedidos os
credits para isso necessarios, negou-os, como
o nosso tantas vezes tem feito com os orcamen-
tos militares das colonies, mas o Kaiser, reco-
nhecendo que o direito colonial s6mente 6 garan-
tido pela posse effective, colloca-se ao lado das
auctoridades militares, dissolve o parlamento em
1906 e manda para a colonia os effectivos que
Ihe eram pedidos. E d'entao para ca a posse effe-
ctiva tornou-se um facto e os herreros nunca mais
pretenderam sublevar-se contra a soberania allema.
Mas nao tomemos s6mente como termo de
confront os exemplos que nos fornecem aquellas
duas grandes potencias coloniaes. As pequenas
nacoes, como a Hollanda e a Belgica, tambem nos
offerecem elements de prova. A Hollanda tinha
em 1894 guarnecendo as suas colonies um effe-
ctivo de 1:377 officials e sargentos e 33:593 sol-
dados, sendo o effective d'estes constituido por
13:693 europeus, 57 africanos e 19:753 indigenas.
E estas cifras, dez annos passados, em 1904, ne-
.2









XVIII


contravam-se consideravelmente elevadas, sof-
frendo s6 a referente as praqas de pret de um
augmento superior a 3:000. E no entretanto as
colonies neerlandezas nao ter a extensao e im-
portancia de que as nossas sempre gozaram.
O Congo belga, que foi o melhor titulo corn
que tanto e tdo justamente se enalteceu a memo-
moria do rei Leopoldo ap6s a sua morte, forne-
ce-nos entao um exemplar ainda mais frisante.
Em 1894 havia apenas no Congo 6 compa-
nhias indigenas commandadas por officials euro-
peus e que no todo formavam um effective de
4:520 homes. De entao para ci, tendo augmen-
tado a expansao e influencia belga, tendo o com-
mercio penetrado pelo hinterland pelas vias fer-
reas e fluviaes e sendo necessario adquirir a 5osse
effective, estabelecer a soberania e garantir as
vidas, aquelle limitado numero de companhias
era de 23 ji em 1904, cor um effective de 225
officials e 200 sargentos europeus e 13:650 sol-
dados indigenas. E o que 6 hoje o Congo belga
nao o precisamos dizer n6s aqui, bastando accen-
tuar simplesmente que nos organismos, quer ani-
maes quer de character social, s6 ha harmonia no
todo quando os progresses sAo proporcionaes. E
no Congo belga assim tem succedido, porque
aos muitos progresses realisados ter correspon-
dido a necessaria organisagdo military como base
de toda a sua estabilidade e seguranqa.
E por estes exemplos, inglezes e allem.es,









XIX


ho llandezes e belgas passados no period a que
nos estamos referindo, se verd que n6s comecq-
mos a desguarnecer as nossas colonies quando as
outras naqces, e sobre tudo aquellas duas, que
teem sido as nossas competidoras, comecaram a
pensar em coisas coloniaes e em p6r ao serviCo
d'ellas, sem preoccupaqoes de despezas, o valor
dos seus exercitos. N.o p6de, pois, admirar muito
que n6s as perdessemos e que ellas as adqui-
rissem.
Sim, e essas naqces adquiriram colonies, triste
6 dizel'o, se n.o cor satisfacao nossa, pelo menos
cor um criminoso indifferentismo. Pelo tratado
de 12 de maio de 1886 cediamos territories na
Guin6 e no Zaire. Pelo tratado de dezembro
d'esse mesmo anno davamos d Allemanha territo-
rios ao norte do Rovuma e entregavamos-lhe
tudo que vae de Cabo Frio ao Cunene, po-
dendo constituir, com a propria Angra Peque-
na, que era englobada, uma t.o vasta extensao de
territorio que s6 por si daria uma grande colo-
nia. Corn a phantasiosa delimitaq.o das espheras
de influencia origin.mos uma questao com a Ingla-
terra, acabando n6s por ceder a esta naqAo, depois
das peripecias ainda na memorial de todos, o
direito ao territorio dos Matabelles, ao Kama
e a uma parte das terras na regiao do Nyassa.
E finalmente em 1892 a Allemanha toma posse
de Kionga sem que da nossa parte houvesse
sequer um simulacro de protest.









XX


Em todo esse period as colonies tinham sido
desacreditadas pelos debates parlamentares e pelos
artigos da imprensa sobre os encargos que tra-
ziam a metropole. A nossa orientaqgo estava sendo
contraria d das naqoes que hoje possuem grandes
colonies. Os nossos imperialistas eram negatives
e nao levaram os seus voos alem do campanario
da aldeia em que eram chefes politicos. E essa
carencia de um ideal alevantado nunca os deixou
pensar na colonisacao dos nossos dominios.
Fallar mal dos encargos que acarretavam era
mais facil do que propor-lhe remedio. E por
isso, em logar de procurar desenvolver as
riquezas do solo, p6r a terra em condioqes de
produzir, fazer desenvolver a industrial e activar
o seu commercio, estabelecer interpostos de per-
muta, romper estradas, construir caminhos de
ferro e, finalmente, fazer derivar para li uma
parte de emigracao que Ihe desse vida e as tor-
nasse productivas, era mais facil e commodo
entregar umas, desguarnecer outras e desprezar
a todas. E esta orientaqao, seguida durante,
longos annos, levou-nos i triste e misera situa-
qao de as deixar sem colonisaqio e sem occu-
pacqo, isto 6, sem seiva que as alimentasse e
sem forqa armada que as protegesse.
E 6 por isso que do antigo imperio colonial
portuguez nao se p6de dizer, infelizmente, o que
o sr. Anatole France escreveu acerca do imperio
romano:








XXI


le colon venait le lendamain pousser sa charrue.
C'est par le labourer qu'ils assuraint leurs con-
quotes.. Si l'on s'6tonne qu'ils aint gagn6
tant de terres, il faut s'6tonner bien devantage
qu'ils les aint gardees, (').


(') Anatole France Sur la pierre blanche.














CAPITULO I




A orienta(go political e a forga armada
da Provincia




P EPOIS de consolidado o regime parlamen-

tar, o nosso vasto imperio colonial, que tao
abandonado tinha andado em virtude das
guerras napoleonicas e das campanhas da liber-
dade que tinham absorvido todos os recursos e
prendido todas as attenqoes, apenas se fazia lem-
brado A sua mae patria e aos seus representantes
no seio do parlamento pelos deficits que accusava
no orcamento geral do Estado. E quando este
facto se evidenciou, uma accentuada corrente de
animadversao appareceu contra as colonies, por-
que se dinheiro nio davam e se especiarias tam-
bem nao forneciam, necessario era egualmente que
despezas nao acarretassem.
As colonies nessa altura eram consideradas
como simples padres de gloria. A concepcao mo-









2 A OCcUPAQAO DE MO(,AMBIQTUE


derna e economic que d'ellas hoje se faz era des-
conhecida por complete. Nao se pretendiam desen-
volver, colonisar e explorer, e, portanto, nao era
necessario submetter o preto rebelde para que as
emprezas futuras prosperassem e a nossa admi-
nistraqdo se fizesse sentir. E nao as desenvol-
vendo e administrando e deixando-as antes es-
tiolar i mingua de recursos, nao tinham ellas ele-
mentos proprios para poderem viver, tendo os
cofres da metropole de fornecer o dinheiro que
precisavam e que d'ellas nao sabiamos tirar.
Logo que esta conclusdo foi evidenciada nos
orcamentos pelos avultados deficits cor que se
apresentavam, uma political de reacqAo se inicia
contra ellas, acabando os debates parlamentares
por estabelecer corrente e definir ideas. Rebello
da Silva, sendo o seu campeao, ao mesmo tempo
que definiu e applicou a theoria da assimilaqdo, se
encarregou de Ihe dar corpo e f6rma, em todo
o conjuncto das suas medidas legislativas, aca-
bando com o monstro, que era o pezadello de to-
dos, fazendo promulgar em 1869 o seu project
de reorganisagao das forgas ultramarinas.
E no preambulo d'essa lei, procurando corres-
ponder As aspiraqoes geraes, se encarregou de de-
finir a sua ideia e fins que tinha em vista pela se-
guinte f6rma:
A despeza auctorisada pelo ultimo orcamento
approvado para o anno economic de 1867-1868
para a administraqco military do ultramar montava









A ()OCCUPAQO DIE MO(,AMBIIQOFJ


a 634:5418019 r6is. Esta verba absorvia pois me-
tade dos rendimentos publicos, porque a receita
geral calculada no mesmo orgamento sobe a reis
1.275:2588081. Approvado este decreto, a despeza
da administraqio military fica reduzida a r6is
556:6628898, verificando-se logo uma economic
immediate na importancia de 77:778$121 r6is, a
qual de future se elevard a 93:8428921 reis.
Segundo os calculos do orqamento nao aucto-
risado de 1868-1869 a comparaqao das receitas
corn as despezas das provincias ultramarinas apre-
sentava o deficit de 95:9198932 reis, calculo que
reputo bastante certo e em harmonia corn as in-
formaqGes colhidas posteriormente. Sanccionado o
piano de organisacao military que tenho a honra
de proper a Vossa Magestade, o deficit, reduzido
desde ja a 18:0418311 r6is, dentro de alguns an-
nos terd desapparecido completamente em virtude
d'esta reforma>
Se a pratica se encarregou de demonstrar que
nao 6 por essa fdrma que se consegue extinguir
os deficits colonies, vejamos os resultados que
d'ahi advieram para a administracao da provincia
de Mozambique e especialmente para a conso-
lidaqdo da nossa soberania em territories que
n.o tinham passado ainda da phase de conquista.
As economies que entao se fizeram nao attin-
giram principalmente a provincia de Moqambi-
que. A sua anterior guarnicao military, constituida
apenas por unidades independents e cor cara-









4 A OCCUPAQAO DE MOQAMBIQUE


cter districtal, deixava tudo a desejar. Mas o seu
defeito principal residia por6m na falta de offi-
ciaes e carencia de effectivos, que foram sempre
grandes. A organisaqao military publicada em
1869, nao prescrevendo medidas efficazes para
fazer desapparecer essas causes e dando-lhe, pelo
contrario, uma f6rma mais pomposa, mais a eu-
ropeia, apenas conseguiu augmentar as despezas
sem valorisar os elements de defeza.
Os effectivos maximos, nao attingindo a cifra
de 1:300 homes, representavam uma forqa mani-
festamente insufficient para guarnecer uma pro-
vincia tao vasta e extensa. Mas aquelle espirito
d'economia, que erradamente sempre se manifes-
tou, nunca deixou que os effectivos maximos
fossem sequer attingidos. As unidades estiolaram
sempre por falta de elements combatentes, pois
que a reducqao do numero, complicada cor a
questao do recrutamento, foi tambem sempre ag-
gravada pela defficiencia da qualidade. E se por
esta f6rma ficou a provincia desguarnecida, a sup-
pressao dos logares de commissoes para militares
deixou tambem o interior sem funccionarios, que
eram quasi que os unicos representantes no sertao
da nossa auctoridade.
As economies que se tinha em vista fazer nao
se souberam comtudo realisar, ou realisaram-se
d'uma f6rma errada e contraproducente. As antigas
companhias que guarneciam os districts foram
pela lei de 1869 remodeladas e agrupadas em









A OCCUPIAQAO DE MOAMIBIQUE 5


batalh6es de caqadores organisados a europeia,
cor capelldes e tudo, de sorte que se por um lado
se faziam economies nos effectivos e no numero
de funccionarios, pelo outro augmentavam-se os
logares de officials superiores, que, cor os soldos
das suas patentes, absorviam uma parte d'aquellas
economies. E esta razao, ponderando 25 annos
depois no espirito de Antonio Ennes, levou-o a
supprimir esses batalh6es por simples companhias
,por economic de dinheiro e de gal6es largos* (').
Um dos seus defeitos capitaes consistiu por6m
na falta de disposic6es cor relaqao ao recruta-
mento d'essas unidades. Os pretos da region
nunca se offereceram como voluntarios para o
servico military, porque detestaram sempre, nao s6
os rigores da. sua discipline, mas tambem os
estapafurdios capacetes A allemA que Ihe punham
na cabepa e os mal feitos e incommodos butes
em que Ihe mettiam os p6s. Os que por vadios e
ladr6es a esse service eram obrigados, em breve
adquiriam a sua liberdade cor uma simples
desergdo.
Nestas condicOes jd n.o era s6mente o mes-
quinho espirito d'economia que fazia com que os
soldados rareassem nos quarteis; era tambem a
falta d'uma salutar disposiqao legal que os abas-
tecesse cor homes para esse servico apro-


(') Antonio Ennes -A campanha de 1895; pag. 554.








6 A OCCUPAQAO DE MOQAMBIQUE


priados. Para valer entao a urna falta to insupe-
ravel, reccorremos aos marathas, mas o custo
dos transportes e o conhecimento dos falsos
marathas que a India passou a exportar fizeram
cor que o system fosse abandonado. Recorre-se
entao i troca de pretos entire Angola e MoCam-
bique, que pelos oceanos nao podiam desertar,
mas os miseros que na rede eram apanhados,
depois do cumpridos os 5 annos do contract
iam obtendo readmissoes successivas e forgadas
at6 que a morte os viesse libertar. 20 annos de praga e 15 de inuteis choradeiras- (1).
Mas quando mais tarde a Mala Real deixou de
effectuar viagens pelo Cabo, essa permuta nao
se podia fazer e a quest.o do recrutamente ag-
gravou-se d'uma f6rma accentuada, chegando a
provincia a nao ter 200 homes disponives para
metter debaixo de fileiras !
E resultando de tudo isto ficarem os governa-
dores sem tropas, sem funccionarios e at6 sem
dinheiro, qualquer tentative de forca que por
ventura pretendessem fazer para impOr aos indi-
genas a nossa soberania e fazer prevalecer a sua
auctoridade seria infructifera por falta de elemen-
tos apropriados que a fizessem fructificar. Mas se
forca nao tinham para os auxiliar no cumprimento
da sua missao, outros meios necessarios era dar-


(I) Mogambique, relatorio; Antonio Ennes.










A OCCUPAMAO EM MOAMIBIQUE 7


Ihes para cumprirem cor o seu dever. E estes
meios consistiram para a provincia de Moqambi-
que em normas descriptas na portaria regia que
nesse mesmo anno se publicou e que vamos
transcrever:

,Sendo necessario que a Provincia de Mloaambique
seja quanto antes pacificada, conseguindo este fim com o
menor sacrificio para a Provincia e para a Metropole: con-
vindo que se aproveitem todos os meios que sem des-
honra da dignidade national nem desdouro das armas
portuguezas possam encaminhar-se A mais prompta ter-
minaq.o do estado actual da provincia: Manda Sua Ma-
gestade El-Rei pela secretaria de estado dos Negocios da
Marinha e Ultramar, declarar ao governador geral de
Moqambique:



3.0 Que todos as vezes que a auctoridade poder ser
completamente restabelecida e respeitada sem o emprego
da forga, e se poder alcaunar uma verdadeira e nAo simu-
lada submissAo por parte de quaesquer indigenas que se
hajam rebellado, e depois reconhe;am o seu erro, e
recorram A clemencia da cor6a, sujeitando-se a obediencia
ou acceitando paz, nio e permittido ao governador geral,
a titulo de accrescentar o prestigio da auctoridade, e do
incutir um terror salutar, recorrer a meios violentos, de
que siga sem utilidade a perda de muitas vidas e o
dispendio dos dinheiros publicos que na occasiao actual
cumpre nio levar al6m dos limits que lhe imp6e a
necessidade de fazer respeitar a auctoridade e vindicar
a honra da na.ao.
4.o Que sendo muitas vezes a violencia e injustica
dos governadores subalternos e das auctoridades locaes










8 A OCCUPAqiO DE MOQAMBIQUE


a causa de muitos conflicts corn as povoaq6es indigenas,
e convindo sempre attrahir em vez de offender e mal
tratar os povos que vivem na obediencia da cor6a
portugueza, ou desejem conservar a paz, cumpre que o
governador geral adopted as providencias necessarias
para que todos os governadores subalternos e auctori-
dades locaes nao commettam vexames contra os indi-
genas, antes por seu procedimento firmem nelles o
conceito de que o governor portuguez 6 humamo, just
e protector.
5.0 Que o governador geral deve immediatamente
suspender e metter em process todos os funccionarios
locaes que se tornarem culpados de vexames, violencias,
extorsoes, dando parte ao Governo para que sobre os
culpados possa cair todo o rigor das leis.)


E indicados os meios que pela metropole foram
postos A disposiaio dos governadores e definido
o caminho que tinham a seguir para cor os povos
indigenas para nao merecerem as censuras que
naquella portaria se indicavam, procuremos ver
por urna f6rma geral a orientaqao political que en-
tao foi necessario seguir em toda a provincia para
mostrar a influencia que tudo isso teve na sua
occupagqo military e especialmente no district de
Mocambique.
Essa orientacao estA esboqada nos n."o 3 e 4
d'aquella portaria. No primeiro d'aquelles nume-
ros indica-se a conveniencia de alcanqar a obe-
diencia do preto sem o emprego da forpa, e no se-
gundo lembra-se a necessidade de attrahir ao nosso
convivio as populaqoes indigenas de f6rma a mos-









A OCCUPA(AO DE MOQAMBIQUE 9


trar-lhes que o governor portuguez era human,
just e protector.
Essa portaria, extraordinaria e unica, em que
se comeqava por reconhecer a necessidade de pa-
cificar quanto antes a provincia de Moqambique e
se acabava por dizer aos governadores que nada
fizessem e que nada deixassem fazer de duradouro,
e de tal f6rma humilhante que nem sequer p6de
ser considerada como um reflexo, embora tardio,
das ideias philosophical e humanitarias que ante-
riormente tinham feito escola a ponto de servir de
norma na conduct dos povos cultos, porque pa-
cificar uma colonia nao consiste em deixar as
suas populaqoes indigenas em perfeito estado de
rebeldia e insubmissao.
Nao se p6de tambem dizer que esse document
fosse uma consequencia necessaria do artigo 7.
da Carta Constitucional, que di aos aborigenes
os mesmos direitos civis e juridicos que sao con-
cedidos aos brancos. Pretendendo dar-se aos go-
vernadores nesse diploma uma norma geral da
political de assimilaa.o que-o governor central pro-
curava seguir, apenas se conseguir synthetisar a
causa da nossa future humilhaqao.
Mas desde que era esse o caminho a seguir s6
tinham os funccionarios duas cousas a fazer; ou
catechisar o preto, chamal'o ao nosso convivio,
mostrar-lhe que era um cidadao livre e com o
direito de voto ou lancarem-se a dormir para nao
levantarem difficuldades que incommodassem a









10 A OccOUPAA"O DE MOQAMBIQUE


metropole. E d'ahi nasceu a chamada political sua-
soria, political d'attraccao, que consistia em mos-
trar ao indigena que usufruindo dos mesmos di-
reitos e regalias nao devia repellir a nossa aucto-
ridade fraternal e de bons amigos e o nosso con-
vivio de concidadaos leaes e sociaveis. Era
necessario que tudo fosse pelo melhor, que con-
fiados nos nossos sentiments generosos nao nos
levantassem attrictos nem nos fizessem surgir diffi-
culdades.
E pobre do funccionario que no uso das suas
attribui(oes nao conseguisse esse intent, misero
d'aquelle que pelo emprego, applica.ao e exterio-
racao de sentiments generosos e ideias altruis-
tas nao fizesse prevalecer a sua auctoridade, por-
que, em face do n. 5 da portaria, seria logo sus-
penso e mettido em process, devendo recahir
sobre elle todo o rigor da lei. O que pela brandura
nao se conseguisse e que pela cordura nao se
obtivesse seria um mau servico prestado ao paiz
que as suas leis puniriam cor severidade.
Mas era necessario fazer economies para cor
ellas se extinguir o deficit da metropole, e como
isso constituia a ideia predominante, at6 esses pro-
cessos suasorios, de brandura e catechese se podiam
dispensar. Em Portugal julgava-se, e is vezes
cor razao, que os funccionarios nas colonies nao
passavam de simples tyranetes. A propria porta-
ria a que nos estamos referindo o deixava antever
bem claramente. E sendo portanto verdadeiros









A OCCUPA'.AO DE MO'AMBIQUE 11


elements de pertubaqgo e desordem e sendo,
alIm d'isso, uma das cousas que tanto fazia avo-
lumar as despezas coloniaes, estabelecia-se a or-
dem e faziam-se economies reduzindo-os ao mi-
nimo possivel. E dando Rebello da Silva um
grande c6rte nos logares de commissoes no ultra-
mar para militares procurava attingir esse duplo
fim.
Ficaram pois as colonies sem auctoridade e as
poucas que restaram sem attribuigoes nem meios
para fazer prevalecer os nossos direitos de sobe-
rania. Os effeitos comecaram-se a sentir immedia-
mente. O preto nao comprehendia essa orientaqao.
0 branco para elle foi sempre um intruzo e um ini-
migo a que obedecia porque sempre se Ihe tinha
imposto pela acqao da forqa. Para elle s6 6 gallo
o que vence pela forca; o que nao subjuga nao 6
vencedor; quem Ihe pede paz 6 porque nao ter
forga para Ihe fazer guerra. Alem d'isso o branco
queria cathechisar e attrahir, mas impunha impos-
tos, lancava cobrangas, tirava direitos e cortava
toda a ampla liberdade de que se gosa no sertao.
E nestas condigCes o funccionario podia ser gene-
roso e human, mas o preto 6 que nao o podia
considerar como amigo.
D'aqui nasceram os primeiros actos de insu-
bordinaqgo e rebeldia. Se havia funccionarios que
os procuravam catechisar e attrahir nao Ihes obede-
ciam porque elles eram o gallo e o branco a ga-
linha. Se contra elles se quizesse tomar uma
3









A (cCUPAcA.o DE AIOt'AMBnIQUE


acqao energica comenavam entAo as supremas dif-
ficuldades, primeiramente porque se corria o risco
d'uma suspensio seguida d'um process em que
se applicaria todo o rigor da lei, e em segundo
logar, e 6 ahi que comega a nossa degradacao,
porque se alguma cousa se tentasse fazer nao
havia elements para o executar. E 6 isso o que
vamos procurar evidenciar.












Os effeitos de lei de 1869 em breve se fize-
ram sentir. Em 1873, quando ainda nao estava-
mos refeitos dos primeiros revezes que nos in-
flingiu o Bonga, o celebre sargento-m6r de Mas-
sangano, j~ o governador de Tete dizia que o ba-
talhao de caqadores n.* 2, que ali tinha a sua
sede, nao dispunha pegar em armas>, pedindo um reforco de 200
homes para poder garantir a seguranqa public e
tranquilidade entire os regulos d'aquella vasta re-
giao. N.o tendo, comtudo, o governador visto os









A OCCUPA('iO DE MOAMBIQUE 13


seus desejos promptamente- satisfeitos e rece-
bendo constanternente noticias de rebeldias prati-
cadas em differences pontos e tambem queixas
successivas dos diversos negociantes, viu-se obri-
gado a recorrer a elles para corn as gentes por
elles proprios recrutadas fazer guerra para resta-
belecer a paz que permitisse as transaqoes dos
negocios do sertao. E elles eram entao os encarre-
gados do commando d'estas forcas improvisadas
a que o estado distribuia apenas polvora e armas.
A situaqco do district de Lourenco Marques
encarregou-se o sr. Augusto de Castilho de a des-
crever quando, sendo joven tenente, esteve en-
carregado do seu governor. O presidio estava cer-
cado por alguns regulos que nos eram obedientes
emquanto d'elles nao se pedisse algum sacrificio,
vivendo a maior parte a seu bel prazer, prati-
cando today a casta de atrocidades. Para proteger
os commerciantes, que por elles eram expoliados,
pretended estabelecer alguns postos no interior, o
que nao poude chegar a fazer porque a guarniqgo
do district constava apenas de 68 pracas, que
mal chegavam, dizia sua ex., para guarnecer as
fortificaqOes do proprio presidio. E para acabar
cor um tal estado de coisas propunha a organi-
saq o d'um batalhao de 400 pracas europeias, que
devia estar aquartelado na Cherinda, como cen-
tro de toda a Magaia. Este project, que foi reno-
vado em 1877, se tivesse sido attendido talvez a
campanha de 1895 nao se chegasse a realisar!









14 A OCCUPA,'oiO DE MOQAMBIQTUE


Em 1876, reconhecendo-se que a organisaqAo
de Rebello da Silva nao satisfazia 6s necessida-
des militares das colonies e que algumas expedi-
cOes que da metropole tinham sido mandadas
nao correspondiam cabalmente ao fim a que
eram destinadas, organisou-se o chamado regi-
mento de infanteria do ultramar, cuja criacqo nao
serviu nem para supprir aquellas necessidades
nem para remediar estas faltas.
Nao se julgue, comtudo, que era s6mente a
deficiencia dos effectivos qie fazia com que a
nossa soberania nao se exercesse efficazmente. Os
defeitos do recrutamento regional com pretos apa-
nhados a cordel foram logo aggravados corn a
falta de instrucCqo e discipline! forqa military ('), dizia o governador de Quelimane,
nio satisfaz em nada o fim a que 6 destinada;
por qualquer simples prisao para correccqo po-
licial por embriaguez e desordem, veem-se os sol-
dados fugirem e abandonarem completamente os
superiorss>
E para acabar corn um estado de coisas t.o
normal e improprio, em 14 de novembro de 1878
fbram organisadas companhias de policia civil
para as villas de Quelimane e Inhambane, cuja
organisaq~o se justificou na portaria que as criou
dizendo-se que eram destinadas a assegurar as
garantias individuals e a manutenqgo da proprie-

(') Boletim Official, n." 1, de 1877









A OCCUPA,;AO DE MO('A3BIQUE 15


dade por n.o ser para isso sufficient e apro-
priada a forca public existente.
As reclamaqoes appareciam de todos os lados,
e passados 10 annos sobre a organisacao de Re-
bello da Silva, o governor da metropole reconheceu
entao a insufficiencia da forca military da provin-
cia de Mozambique, decretando em 1879 a or-
ganisaqao de mais dois batalhoes de caqadores,
os n." 4 e 5, constituidos por um estado maior,
um estado menor e 4 companhias, que seriam es-
pecialmente destinados a guarnecer os districts
de Tete e Lourengo Marques.
Este decreto, comtudo, foi falseado logo ao
principio, porque nao foi executado em toda a
plenitude, e sete annos depois d'elle promulgado,
jd o governor do district de Lourengo Marques se
exprimia d'esta f6rma:-- tricto consiste no batalhao de cagadores n.0 4. E
urna irrisao dizer-se que no district de Lourengo
Marques ha um batalhao cujo effectivo 6 infe-
rior ao de uma companhia e pretender corn seme-
lhante forga guarnecer-se e occupar-se alguns
postos, fazer respeitar a lei, desenvolver a ins-
trucqdo etc. etc.. E esta forga, como succedia
pouco antes, ainda era dissiminada por differences
servigos, tendo 1 sargento nas obras publicas, 3 ca-
bos como policies e zeladores municipaes, 1 sol-
dado como carteiro, outro como fiel do almaxari-
fado, 2 no posto semaphorico, 2 na Catembe como
oleiros e 2 no cemiterio como guards.









1Gl A OccrPAc(,AO DE MO('AMBIQUE


Mas quando este decreto se publicava em Lis-
boa, no district de Inhambane davam-se aconte-
cimentos de certa gravidade. Este district nunca
tivera uma forga sufficient para as suas necessi-
dades. A sua policia era confiada especialmente
aos cagadores das terras, que eram forcas impro-
visadas e fornecidas pelos regulos que nos eram
obedientes e a quem as nossas auctoridades dis-
tribuiain polvora e armas quando d'elles se que-
riam utilisar. Em 1877 o capitao-m6r d'este dis-
tricto conseguiu organisar um batuque de 15:000
pretos para festejar a visit do governador geral,
o ha pouco fallecido general Francisco Maria da
Cunha. Ephemera, por6m, foi a sua significaqao,
porque se revoltaram no anno a que nos estamos
referindo muitos dos regulos que nos estavam
avassalados, deixando a nossa auctoridade numa
situaqao bem precaria e que teria sossobrado se
nao fosse o prestigio do mesmo capitao-m6r J. La-
forte, que conseguiu ainda organisar uma forca
de 8:000 homes para corn lla Ihes fazer face.
E neste mesmo anno outro tanto succedia no
district de Quelimane. Os colonos de alguns
prazos revoltaram-se, chegando a maltratar e
mesmo expulsar o capitao-m6r dos rios de Sena e
resident no Mazaro, e se a paz se restabeleceu
foi isso devido especialmente, nao i tropa, que
no existia, mas aos patrioticos esforqos de 14
paisanos, empregados publicos, commerciantes e
proprietarios, que foram louvados em portaria re-









A )crCUPA' DF ~\k)(aMBLQUE


gia de 5 d'abril, sendo mesmo alguns condecora-
dos corn a Torre e Espada.
Em 1887 o governador do district de Tete
dizia em um relatorio official que o batalhlo de
caqadores 5 forqa estabelecida pelo decreto que o organisou
nao chegava para a decina parte das necessida-
des do district, ('). E fazendo consideragoes so-
bre o recrutamento e que bemn mostram os seus
defeitos, acrescentava que nao havia armamento
convenient, o correame que estava em man es-
tado e o equipamento que nao se podia distri-
buir por estar arruinado.
O district de Sofala, que jA de annos ante-
Sriores vinha sendo gravemente ameacado pela in-
vasao vatua, que a nossa carencia de forqa tanto
tinha deixado alastrar, contaria apenas corn um
destacamento de 1 official, 4 sargentos, 8 cabos e
93 soldados, o que o respective governador repu-
tava insufficient ("). Mas este district estava
tao habituado a nao ter guarnicao que nesse anno
nem havia mesmo onde alojar o destacamento,
permittindo-se As pracas o dormirei e comerem
como desejassem e podessem.
O governador de Quelimane novamente volta
a fornecer elements sufficientes para se ava-


(i) Boletim Official, n.o 28, pag. 439.
(0) Boletin Official, n. 39, pag. 439.








18 A OCCUPAQAO DE 'MOVAMBIQUE


liar dos elements de defeza do seu district. A
forqa mi!itar, dizia, 6 constituida pelo batalhao de
caqadores n. 2, porem numa forca muito reduzida,
faltando-lhe sempre officials, sargentos e muitos
soldados para o seu estado complete., E nao acre-
ditando certamente que este mal podesse desap-
parecer, appellava entao para as companhias de
cypaes, como a de Mopea, pedindo auctorisacao
para organisar mais algumas em diversos pontos
do seu district.
E tambem no anno de graqa de 1887 apesar
de Angoche ter as honras de district, a sua forqa
military constava apenas de um destacamento com-
posto de 1 official, 2 sargentos, 1 cabo e 55 sol-
dados, o que o governador reputou -verdadeira-
mente insignificant para as necessidades que o
district a todo o instant esti apresentando (').
E deixando a sede dos districts vejamos
tambem o que se passava em alguns pontos do
interior onde pretendiamos ter alguma influencia.
Neste anno de 1887 foi organisado o commando
da Macanga e o official que d'esse servico foi en-
carregado para 1I seguiu acompanhado por 1 sar-
gento, 1 cabo, 1 corneteiro e 3 soldados. E de-
pois de desempenhar o seu service desforqou-se
por esta f6rma:- nem para guardar os volumes de fazenda que en-


(') Boletim Official, n.o 45.









A Occ'UPA(iO DE MO('AMBIQUIE


tao eram muitos, nem para seguranqa individual,
ja, nao digo contra os homes, mas contra as fe-
ras, pois que os tigres visitam todas as noites
as immediagoes a menos de um metro de distan-
cias do acampamento. Em compensaqao, porem,
levava instrucqOes para organisar uma compa-
nhia de cypaes, que exerceu, como todas as ou-
tras, uma influencia de duragao ephemera. E fi-
cando, portanto, aquella regiao corn uma autori-
dade sem forca que a defendesse, a impozesse e
Ihe desse prestigio, mandar para all urn branco
como commandant seria quasi o mesmo que lan-
Cal-o numa jaula de feras. E na Macanga succe-
deu precisamente isso, porque revoltando-se os
povos d'aquella regiao em 1889, o postofoi ataca-
do e a guarnigao derrotada, ficando como escra-
vos os infelizes que na lucta nao encontraram a
morte.
O resident geral de Gaza que collocAmos ao
lado do Gungunhana como enviado diplomatic,
exprimia-se tambem em terms nao menos preci-
sos. neste paiz.
Mas em 1889 da noticia simples do facto
passa jd a advogar a necessidade de collocar
junto d'elle uma forga military. dizia o resident em um relatorio, que uma pe-
quena forca aqui destacada faria realcar mais
a personalidade do resident chefe, cercando-o
assim d'uma certa aureola que seria bem aprecia-









20 A Oucuip-Ag.o I) DE MO(,IA'.kMBIQUI


da pelo vatua. S6 o que digo 6 que a auctori -
dade que aqui se acha estabelecida, bem melhor
figure faria se tivesse As suas ordens meia duzia
de soldados que fosse, pois ninguem ignora que
o apparato ou a ostentaqao entire os gentios pro-
duz um certo respeito e admiraao.
No anno seguinte pretendeu-se augmentar a
occupadao do district da Zambezia para o que
se creou o commando military de Guengue, desti-
nando-se Ihe na portaria que determinou a sua or-
ganisaa.o um destacamento do batalhao de caqa-
dores 2. Mas, contando-se antecipadamente que
nao seria facil organisar para isso forca sufficien-
te, na mesma portaria, como pequeno remedio
para um grande mal, se impunha ao respective
commandant a obrigaa.o de organisar tambem
uma companhia de cypaes.
Neste anno, e depois de luctas successivas,
foi finalmente extincta a influencia dos descen-
dentes do sargento-mdr de Massangano, o cele-
bre Bonga. Nao 6 aqui logar proprio para descre-
ver as operaqoes e trabalhos effectuados pelo
sr. Paiva d'Andrade para chegar a esse resultado.
,Infelizmente (diz este illustre colonial no seu re-
latorio referindo-se aos vatuas) o abandon em
que tinhamos entio a provincia de Moaambique
fez corn que nao tivessemos as devidas vantagens
das obrigaqoes contrahidas pelo chefe vatua>...
abandon que foi tao grande que deiximos que
elles impuzessem A villa de Sena








A O'CCUPAAO DE MO(,'AMBIIQUE 21


annos um pesado tribute de muitos contos de
reis,. E finalmente da leitura do sen relatorio ainda
se vC que os triumphs que alcancou nao foram
obtidos corn a intervencao da forca armada, que
nao havia, mas corn a reuniao de elements dis-
persos e improvisados que Ihes facultaram os
capitaes-m6res da regiao, que, cor habilidade e
patriotism, soube attrahir e congraqar. E tao
grande era a carencia da forga armada que o go-
vernador da regiao onde essas operaqoes se rea-
lisaram, precisando castigar o Motontara viu-se
obrigado a mandar contra elle uma forqa de 400
cypaes commandada pelo condemnado Domingos
do Rosario Nazareth ('), empregando-se tambem
uma outra commandada por um juiz.
E tendo-se recorrido aos cypaes e aos capi-
taes-m6res para supprir a falta da forqa armada,
vejamos o que sobre esses elements diz o go-
vernador de Tete, para ajuizarmos do sen valor.
ou tropas de guerrillas, nao servem senao para o
serviqo de guerra quando haja que roubar, que 6 o
mobil que mais os impelle Ao ter de emprehen-
der umr feito arriscado o chefe hesita e vacilla,
receando o mau espirito das forqas do seu com-
mando e comeqa por faltar-lhe a independencia e


(') /loletim Official, n." 31.








A OcCUPAcXKo DE MO(yAM-TVEIQE


sangue-frio que sao precisas a quem ter de de-
linear e dirigir as differences phases do combate>
Esta critical, cor excepqao da primeira parte,
parece-nos exaggerada, sendo apenas verdadeira
quando estas tropas forem mal commandadas e
especialmente quando n.o forem devidamente en-
corporadas corn tropas regulars, o que realmente
nessa occasiao nao podia succeder pelo simples
facto de n.o as haver. A experiencia dos ultimos
annos, pelo menos, assim o tem evidenciado. E
mesmo sendo valorosamente commandadas, como
succedeu nas operagOes da Mafunda, Chire e Ma-
ganja da Costa, ellas ainda prestam services de
incontestavel valia.
/ Neste apuro e mediante esta penuria vergo-
S nhosa, logo que se sentiu a falta da forga armada
regular e disciplinada comeqimos a entrar em
negociaqOes directs cor alguns chefes indigenas,
attrahindo-os com ben6sses que se Ihe conce-
diam e honrarias que se Ihes davam. E o pri-
meiro meio de que nos servimos foi nomeal-os
S a elles funccionarios de various cargos e catego-
rias para supprir a falta das nossas auctoridades
regulars, pois que elles, fazendo uso do seu pres-
tigio pessoal, poderiam alcanqar o que a n6s nos
era defezo, quer pela defficiencia de recursos,
quer pela falta de auctoridade, que de todo a ti-
i nhamos perdido.
E o cargo que geralmente se concedia era o
de capitdo on sargento-m6r. Corn isso alguma









A OccuPAC(o DE MOS'AMBIQUE 23


coisa conseguimos, na verdade, mas devida As
amplas attribuicqes que Ihe concediamos, aos
poderes discrecionarios que Ihe entregavamos e
A forqa que Ihe davamos, adquiriam elles a nossa
custa um extraordinario prestigio que nos offus-
cava por complete, parecendo ate que n6s eramos
os verdadeiros subditos d'aquelles tyrannos do
sertfo. E elles bem conheciam a sua forqa sem
ignorar a nossa misera fraqueza, e, portanto,
quando nao saciavamos as suas desmedidas am-
biqOes ou quando pretendiamos coarctar os seus
desmandos, elles voltavam entao contra n6s a
forca que tinham adquirido A custa do prestigio
que Ihes tinhamos dado, tornando-se os nossos
inimigos mais temiveis e irreconciliaveis.
Foi por este process que o Bonga se elevou,
apesar de nao ter passado de sargento-m6r de
Massangano, causando-nos massacres successivos
onde tanta humilhaqao se soffreu e tanto dinheiro
e tantas vidas se perderam. Foi por este process
que o Manuel Antonio, elevado a coronel e feito
commendador, conseguiu ser o verdadeiro senhor
feudal da Gorongosa ('). Foi por este process que
o Gungunhana tambem teve uma vistosa farda de


(1) O snr. conselheiro JoAo Coutinho, no relatorio da
campanha do Barue. refere-se ao Manuel Antonio nestes
terms: .O seu negocio era alli consideravel e o seu pres-
tigio tal, que conseguiu levar sempre as guerras dos Bon-
gas contingentes consideraveis da regido de que era rei.









A ( )('CUPAyAo 1)J* NMO(,AABLIQUE


coronel honorario de 2.a linha e um sello cor as
armas reaes para chancellor os seus despachos.
Foi por este process que tantos outros adquiri-
ram tambem forca e prestigio sern que d'ahi
adviesse o mais pequeno beneficio para a conso-
lidacao da nossa soberania.
Os capitaes-m6res, de que ainda hoje ha alguns
vestigios evidentes, sao entao definidos no ja
citado relatorio por esta f6rma: < diante, envolto em seus fardamentos, quasi sem-
pre caprichosos, aos olhos deslumbrados do indi-
gena, impondo-se como um ente superior e ter
um diploma para roubar, para cevar as suas
vingangas mesquinhas, para crear nome e infun-
dir terror, tudo em nome do Rei, e finalmente
para ter um harem bem sortido, sao os supremos
desejos, quasi corn raras excepcoes, d'aquelle
que concebeu a ideia de ser capitao-m6r."
Quem se exprime por esta maneira parece que
nunca deveria recorrer aos capities-m6res, como
fez o auctor d'essas palavras. A carencia, pornm,
de entidades idoneas para exercer a nossa aucto-
ridade era tao manifesta que esse proprio gover-
nador, como elle mesmo o confessou, se viu
obrigado a influir para que algumas d'essas no-
meacqes se fizessem por nao haver a quern re-
correr cor mnais proveito e prestigio para o bom
nome portuguez.
No sul da provincia a forqa armada nao es-
tava em melhores condiqoes. Os projects e pri-









A (CCUPA('iKO DE lMOI('AM-IIIUlE 25


meiros trabalhos do caminho de ferro tinham ji
em 1887 lanqado por terra as muralhas do antigo
presidio de Lourengo Marques. Era ji uma cidade
que comecava a desenvolver-se como as flores
vigosas do mez de maio, desabrochando aos pri-
meiros claroes de luz que o progress sobre ella
fez incidir para em breve a tornar em toda a
costa africana a rainha mais formosa do mar In-
dico. Apesar, comtudo, de ser a sede d'um bata-
lhao de cacadores nao possuia em todo o caso
os elements sufficientes e proprios para o seu
policiamento.
E para supprir esta falta, Barros Gomes de-
cretou em 18 d'agosto d'esse anno a organisagao
de um corpo de policia, que justificou dizendo no
preambulo respective que era destinado a manter
o socego public, a garantir a propriedade dos
particulares e fornecer i auctoridade superior do
district os meios de reprimir quaesquer factos
attentatorios da seguranqa public.
A hora do perigo approxima-se a passes agigan-
tados e d'uma f6rma verdadeiramente temerosa.
A provincia estava sublevada, os vatuas eram
senhores de toda a regiao ao sul do Save. Na
Gorongosa e Zambezia os arrendatarios dos prazos
e os capit.es-m6res apenas se debatiam pelos
seus interesses inconfessaveis. Os inglezes que
do sul avangavam em bandos de flibusteiros sob
o influxo dos poderosos direitos magestaticos da
South Africa, entravam em Gaza, illudiam a vigi-









26 A OCCUPA('iO DE MO(,'AMBIQUE


lancia dos residents e captavam corn presents
valiosos as sympathies do chefe vatua.
No district de Manica em que, p6de-se dizer
quasi que em absolute, nio se conhecia sequer
o que fosse a forga armada, entram os inglezes por
elle dentro, apresionam o sr. Paiva d'Andrade, fa-
zem tratados cor os regulos e arvoram a bandeira
da companhia. E como n.o havia na provincia forga
armada em condicoes de os poder repellir, o go-
verno geral ordenou entao a organisagao em Lou-
renqo Marques de um batalhao de 2.a linha e
constituido por voluntarios para guarnecer o dis-
tricto e que mais tarde para ahi tambem foram
mandados, onde chegaram a entrar em fogo.
Mas nao foi s6 a falta de forcas que permit-
tiu a entrada livre dos inglezes pela fronteira de
Manica. 0 snr. Paiva d'Andrade, que nesse anno
a percorreu, define bem o esquecimento a que lan-
camos as pessoas que a habitavam. gulos, diz, se lastimavam do abandon a que os
mezungos do Rei por tanto tempo os tinham dei-
xado, todos mostravam vestigios da nossa antiga
occupacao ou a ella se referiam, e todos, sobre-
tudo, nos imploravam que nao mais os abando-
nassemos,.
Em 1881 o district de Inhambane nio tinha
a forca regular sufficient para a sua guarniqao
determinando-se nesse anno, para supprir tAo
accentuada falta, a organisacao de um corpo de
cypaes, dividido em tres legioes, denominadas do









A ()(ccuI'iA('O DE IMO(,AMBIQUKE 27


norte, do centro e do sul, que seria constituido
pelos antigos cacadores das terras e pelos indi-
genas que voluntariamente d'elle quizessem fa-
zer parte.
A insufficiencia da forca armada era emfim evi-
dente e manifesta. Nao havendo, porim, coragemi
on dinheiro para remediar tao grande inal, re-
correu-se as chamadas expediqoes do sertao ou
misses civilisadoras para percorrer os territo-
rios que por direito historic nos pertenciam.
E para dar esta nova feiqao i nossa political co-
lonial muito contribuiram as viagens de Serpa
Pinto, Capello e Ivens.
A primeira tentative que neste genero se fez
na provincia de Moqambique foi realisada em 1883
pelo tenente da armada Antonio Maria Cardoso,
que foi mandado em visit ao decrepito Muzilla
cor um valioso saguate de fazendas e aguardente,
que foi retribuido cor a traditional ponta de
marfim. Depois muitas outras se seguiram pelos
territories da Zambezia e em direcqao ao lago
Nyassa, que motivaram um grande numero de
vassallagens e uma larga distribuicao de bandeiras
nacionaes.
Nao tendo, por6m, estas vassallagens um cara-
cter effective pelo abandon a que eram lanqados
os novos subditos logo que retiravam os nossos
delegados, e como, por outro lado, tudo isso re-
presentava uma grande despeza, pelo governor da
metropole, em uma circular de 1891, foi determi-
I









28 A OcCuPAXo n D 11o1'AIMBIQUE


nado que cessassem todas as expedigoes de ca-
racter military, scientific on commercial, effectuan-
do-se apenas aquellas que pela metropole fossem
auctorisadas.
Essas viagens ou expedigOes nao foram mais
do que uma imitaqdo mal executada da orienta-
gco political dos inglezes. A sua march invasora
do Cabo i Rhodezia foi feita pelos pioneiros
que pelo sertao se iam infiltrando ate junto dos
differences regulos. Ali chegados, por6m, nao se
limitavam a assignatura d'um pomposo termo de
vassallagem. Estabeleciam logo formulas praticas
de subordinagfo e logo que isso se conseguia
eram immiediatamente substituidos pela forga que
de traz os vinha impulsionando, ficando a paz
assegurada e deixando os pioneiros livres para
mais uma outra avangada para o interior.
Os nossos pioneiros, como antigos Magri-
gos, iam s6s e abandonados pelo sertao dentro,
animados apenas por um ardente am6r patrio,
mas tambem seduzidos pelo espirito d'aventura
que tanto caracterisa as nossas acqOes indivi-
duaes como os nossos feitos historicos. E o espi-
rito d'aventura e o platonico amOr patrio, que
tanto nos seduzem como nos dominam, ficavam
satisfeitos, ca e li, logo que se levantava um
mastro e se arvorava uma bandeira.
Mas feito isto e seguindo os pioneiros na sua
senda gloriosa sem deixar atraz de si mais do
que uima bandeira fluctuando ao vento, julgava-se









A OccuPAvAo DWE M0(,'AAMBIQUE 29


que a posse estava assegurada sem ser necessario
mandar tropas para a manter nem colonos para a
consolidar. E por isso que j. Andrade Corvo (1)
dizia: gqo que as emprehende, mas nao dao dominion,
nem forqa, nem colonies, nem capitaes>.
Uma das feiqOes caracteristicas da political in-
digena seguida cor os diversos chefes locaes
consistiu na invenqco diplomatic que junto a
elles pretendemos exercer. A political suasoria que
para supprir a forca armada foi necessario p6r
em pratica, depois de ter originado as platonicas
vassallagens que terminavam pela assignatura
d'um tenno, em frrma de contract bi-latteral, e
pelo present de bandeiras nacionaes por n6s dis-
tribuidas, fez nascer uma nova categoria de func-
cionarios, chamados residents.
A intervencao d'essa political junto do rei das
vatuas fez com que o Gungunhana deixasse vir
a Lisboa dois enviados diplomaticos, que nas sa-
las do ministerio da marinha assignaram em
12 d'outubro de 1885 um termo de vassallagem
naquellas condiqOes. Uma das clausulas do con-
tracto estipulava que um delegado do governor
portuguez, denominado resident chefe, seria col-
locado junto do chefe vatua na f6rma de administrar o paiz c na resolucfo
das questoes cor os subditos portuguezes.


(l) Estudo sobre as provincias ultramarinas.









A OCCUPA: ,i) iD\Eo AO(:A1PI3QIJE


Pouco depois era publicado o regulamento
para o resident chefe e seus subordinados que
junto dos regulos de menor importancia tambem
deviam ser collocados. As chancellarias europeias
nao teem por certo um diploma tao desenvolvido
e extenso como era esse document. Esses funccio-
narios tratavam de tudo e para tudo tinham com-
petencia, apenas faltava do seu lado o element
essencial, que era a forga military, para Ihes dar a
necessaria auctoridade.
E esta nossa assergao e confirmada pelo pro-
prio resident chefe, que 4 annos depois, em 1889,
se exprimia num relatorio da seguinte f6rma: ,E
apesar do pendao das quinas tremular ji neste
vasto territorio de Gaza, ainda assim os explora-
dores pullulam por todos os lados, procurando a
todo o transe influir no animo do rei>,... E, como
dizemos em outro logar, acabou por pedir para
junto de si alguma forca military para se poder
imp6r.
Mas so estes funccionarios nao tiveram forga
para so imporem aos chefes indigenas, outro tanto
jd se nao p6de dizer com relagao As proprias au-
ctoridades portuguezas, pois que em 1890 con-
seguiram alcangar a approvaCgo d'umn vistoso
uniform. 0 bonnet, que era como o dos officials
de marinha cor vivos encarnados e pala guarne-
cida com espiguilha d'ouro, era substituido por
chapeu armado no grande uniform. O casaco era
comr o dos officials do exercito, apertando corn









A OCCVPA(A'O Dr, Ioc MMiArliTQ


alamares e botoes dourados, de gola co:n galao
d'ouro e canhao em bico, em que assentavam
3 galoes para o intendente chefe. A cal-a era de
panno azul, tendo uma lista de galao d'ouro para
o grande uniform. A espada e o fiador eram
como o dos officials superiores da armada.
Nao alcanqando, comtudo, estes funccionarios,
apesar d'um tao vistoso uniform, resultados de
valia, em 1834 foi creado o commando military do
Limpopo,destinado a reforgar a acqao diplomatic
do nosso resident junto do Gungunhana e egual-
mente a impedir a excurqao e por ventura inva-
sao dos extrangeiros, tendo como fim principal e
segundo um artigo do respective regulamento
torio que constitute o commando, nao devendo
deixar-se perturbar no exercicio d'essas funccoes
e deveres, podendo no caso de aggressao a forCa
armada que tenda a eshulhal-o da sua auctori-
dade, oppor a precise resistencia, prendendo quem
quer que commetta, ou tente commetter tal vio.
lencia (').
E impondo-se ao commandant military supe-
rior do Limpopo uma obriga.ao d'esta natureza
e express d'uma f6rma tao imperative, o que
aliaz estA em harmonia corn a sua designacao e
fins, vejamos os elements armados que Ihe foram
dados para exercer a sua auctoridade e repellir,

() Boletfim Offi:cial, n." 2.









A (OccUIAPAXo DlE AMlOAyIJ B1QU]


prendendo, quem tentasse commetter tal vio-
lencia.
No mesmo regulamento e no segundo artigo a
seguir vem o assumpto esclarecido. ,Haveri no
commando military do Limpopo uma forga de
trinta cypaes que seri distribuida pelos differen-
tes postos conforme as conveniencias do serviqo,.
Nao se julgue, comtudo, em face d'uma forqa de
tal f6rma irrisoria para intimidar o chefe vatua
e impedir as excursOes de flibusteiros, que ella
seria s6mente destinada para o serviqo military.
Essa forqa, essa irrisoria forca, que era a unica
de que dispunha, era egualmente destinada, diz
o artigo seguinte do mesmo regulamento, ga au-
xiliar a fiscalisaqAo dos estabelecimentos e licen-
gas, competindo-lhe tambem fazer o servico do
correio entire os postos fiscaes, o commando mi-
litar superior e a capital do districto.
Nestas condiyoes, faltando tropa na Zambezia,
em Tete, em Manica, Sofala, Inhambane e ha-
vendo apenas uma forca europeia e regular, a
forca policial de Lourenqo Marques, a derrocada
deveria ser geral. A anarchia manifestava-se por
toda a parte e a sublevacao geral alastrava pela
provincia inteira como se fosse um pavoroso in-
cendio que a toda ella envolvesse. Pelo interior
j. nao se podia andar e as poucas auctoridades
que por li havia com difficuldade se podiam
aguentar.
Mas apesar da provincia atravessar uma t.o









A OCcuPAc1o DE Mo 'qAMIQUE 33


critical situaq.o, o aferrado espirito das mal com-
prehendidas economies ainda sobrelevava a ne-
cessidade de alli fazer imperar a nossa auctori-
dade. Rebello da Silva nao s5 nao conseguiu
extinguir o deficit, mas tambem nao evitou que
para de future a metropole deixasse de mandar
novas remessas de dinheiro. Este facto originou
at6 a ideia de se pOr a provincia em leilao nos
mercados europeus.
E tudo isso fez cor que o cutello das econo-
mias caisse mais uma vez sobre a enfezada guar-
niqao military da provincia. Dizia-se no preambulo
do decreto de 27 d'abril de 1393:--'A provincial
de Moqambique 6 de certo aquclla em que se
torna indispensavel operar maiores rediicqoes de
despezas, nao s6 porque 6 a provincia cujo deficit
mais ter pesado at6 agora sobre o thesouro da
metropole, mas que, por differences circumstan-
cias, 6 tambem ella onde taes reducybes se podem
realisar sem de nenhum modo sacrificar os servi-
cos ). E em obediencia a esta ordem de ideias,
foram reduzidos a 3 os 5 batalhOes de caqadores,
a que se lhes juntou uma seccqo d'artilharia, fo-
ram extinctas as guarnicoes europeias de Manica
e Zumbo e foram os cypaes d'Angoche substitui-
dos por uma secqao policial.
E atravessando a provincia urma situacqo
aguda e estando mesmo As portas d'uma desna-
cionalisagao que s6 uma forte e vigorosa forca
military podia impedir, ainda nessa epocha havia









A (Jc (iUPA, AC) 1)" o(; \~dB1(? l E


coragem para se asseverar no mesmo preambulo
d'aquelle decreto, apesar dos cortes que se fize-
rain, ,que o serviqo d'aquellas forqas concorreria
efficazmente para assegurar a ordem e o socego, e
ao mesmo tempo bastaria para debellar em mui-
tos casos qualquer tentative de rebelliao, dispen-
sando o dispendio de quantias valiosas cor a
organisaqao de expediqOes especiaes, sempre
muito honerosas para o thesouro.
E quando na metropole este period se escre-
via, poucos mezes antes foi necessario reunir no
sul da provincia todas as forqas disponiveis para
fazer face a um ataque dos maganjas, de que houve
receios. Essa forca, diz Antonio Ennes ('), eram
99 praqas de cacadores 1 e 2, que em Inhambane
encontraram vinte e tantos do 3, e que em Lou-
rengo Marques podiam ser reforqadas com uns 30
do 4. ,Ainda achei reunidos em Quelimane os
contingents que de today a provincia tinham ac-
cudido i villa para rebaterem os receiados assal-
tos dos maganjas: seriam ao todo umas 150
pracas,. E mediante esta penuria seria facil de
calcular em que situagao ficaria a guarniqao mi-
litar da provincia quando mezes depois se poz
em execucqo o decreto de 27 d'abril em que se
supprimiam dois batalhoes se de facto esses ba-
talhoes existissem.
A falta de effectivos era ainda aggravada coin


(') Relatorio de 1892.









A QOCCPA('AO DE IMOCnAMBIQUE 35


a disperso da forca em distantes e minusculos
destacamentos, que mais serviam para desmora-
lisar a forqa de que para impOr a auctoridade;
corn a falta de sargentos e officials, aquelles por
que nao havia e estes por que nas commissoes
civis procuravam gratificaqoes que o servico de
policia nao Ihes garantia; e finalmente coin a
pessima e mal appropriada adaptacao dos regu-
lamentos europeus e, sobre tudo, cor a falta de
instruccio e discipline, que eram completes. brandura dos costumes, as compadrices, as con-
veniencias, juntam-se a todos estes factos, a todas
estas causes de desorganisaco e de depressao,
para fazerem com que a institui.ao military de Mo-
amnbique nao se imponha ao respeito dos in-
digenas e a estima dos europeus, nao tenha forca
material nem prestigio moral, havendo at6 gover
nadores que prefeririam governor sem ella, (').
A forca military tinha pois cahido na maior das
decadencias. Os celebres batalhoes, ji reduzidos
a tres, nao passavam do papel. Soldados nao
havia, a nao ser alguns indianos indolentes ou
angolares deportados, todos velhos, decrepitos e
indisciplinados. Os quadros, compostos de sar-
gentos e officials, escaceavam, e os raros que
existiam nem sempre primavam pelo seu saber,
honestidade e competencia.


(') Antonio Ennes--elatorio de 1892.









A OCccUPAXo DE Io(,AMBIIQUE


O vento de revolta que se sentia de annos a
traz fez com que o incendio alastrasse e chegasse
mesmo is portas de Lourengo Marques. A nossa
soberania no sul da provincia e especialmente no
sempre cubiqado district de Louren9o Marques,
apenas assentava na pequena e estreita faxa de
terreno que vae do sop6 da Ponta Vermelha at6
ao estuario do Espirito Santo. A propria cidade
para se defender, precisou novamente recorrer aos
seus habitantes que como tropas voluntarias en-
traram em acc.o.
Os nossos direitos de posse, direitos histori-
cos de longos seculos, tinham os seus dias con-
tados se a metropole, depois d'um lethargico
somno que durou muitos annos ou d'um esqueci-
mento e at6 despreso condemnavel a que lanqou
aquella fertil possess.o, nao acordasse e num es-
trebuchar de leao nao mandasse para alli, como
mandou, as forcas regulars e sufficientes para
extinguir o incendio e acabar corn todos os focos
de revolta.
E entao, na campanha de 1895, que foi como a
aurora d'um dia radioso, soube o soldado portuguez
mandado da metropole remir con a sua vida e
o seu sangue os erros que uma nefasta orientacao
political ali tanto tinha feito accumular. A metro-
pole, por6m, nao podia continuar a mandar cons-
tantemente novas expediqoes para completar a
obra gloriosa que em 1895 cor tantos auspicios
se tinha iniciado. Era necessario, pois, reorga-









A OCCoUPAQio DE MO(AMBIQUE 37


nisar as forgas da provincia por f6rma a dispensa-
rem a intervencao d'aquellescontingentes O com-
missario regio Antonio Ennes iniciou essa tarefa,
reorganisando o corpo policial de Lourengo Mar-
ques e transformando os enfesados batalhoes de
caqadores em simples companhias de guerra, do-
tando tambem o novo district de Gaza corn uma
forga especial.
Mas o incendio ainda nao estava extincto. Os
combates de Magude e Coolella nao acabaram
com o rescaldo que o mais insignificant vento
de revolta podia novamente atear. Alm d'isso,
para o norte, os pretos da provincia se n.o
estavam sublevados d'uma f6rma tao perigosa,
nao acatavam comtudo a nossa auctoridade. Uma
acQao pelas armas impunha-se, e Mousinho d'Al-
buquerque, tomando as redeas do governor, assim
o comprehend.
Mas quando em marqo de 1896 tomou posse
do governor era ainda deveras lainentavel o es-
tado em que alli se achavam as forgas da guar-
niqao ().
Encontrou no papel o corpo de policia com um
effective que nao chegava a 100 pracas europeias
e que nao excedia 30 indigenas; o corpo de po-
licia de Gaza, que final ainda nao tinha sido or-
ganisado: a seccqo de policia e fiscalisagao de


(1) Mousinho d'Albuquerque-- Moambique, pag. 235.









3S A OcCUpACr AO DnF MocAMnIQ-e


Angoche, que nao policiava nem fiscalisava, tendo
algumas praqas cafrealisadas e outras bandeadas
cor o Farelay; e finalmente 9 companhias de
guerra corn um effective inferior a 800 homes e
constituidas pelos antigos hindus on angolares
ou por indigenas da provincia press por vadios
e ladroes e ainda por alguns deportados euro-
peus, perfeita egualdade de condiqoes no serving, no
pret, no rancho e no fardamento!,
Tomando medidas adequadas para acabar cor
um tao lastimoso como mesmo desprimoroso es-
tado de coisas, separa os brancos da promiscui-
dade em que viviam cor os pretos, desloca os
hindus, repatria os angolares que tinham comple-
tado o seu tempo de servigo, pede para o reino
os quadros necessarios para algumas das compa-
nhias de guerra, complete os effectivos das forgas
policies, e pedindo ainda para o reino reforcos
de tropas do exercito da metropole, consegue pa-
cificar a regiao de Maputo, consegue bater o Ma-
guiguana, acabando em Gaza corn o ultimo foco
insurrecional, e consegue iniciar, finalmente, a pe-
netracao e occupaqao do district de Moqambique.
0 paiz estava, comtudo, cangado de tanta ex-
pedicao. As ultimas que se fizeram foram apenas
devidas a Mousinho, que se soube impor corn o
seu prestigio. A obra em que estava empenhado
no district de Moaambique nao era bem conhe-
cida, ou talvez melhor, nao era devidamente apre-









A Oc'rrPA(,'iO DE MIOc'AMlBQUIE 3i


ciada. E o que e urm facto, 6 que logo que a sua
substituicao se deu nunca mais se pensou em
novas expedicoes. A provincia que se governasse
corn os recursos que tivesse e as consequencias que
d'ahi advieram mais adeante as analysaremos.
Corn o estalar, por6m, da guerra anglo-boer,
novamente se torna a evidenciar a falta de recur-
sos militares da provincia de Mocambique. Agora
nao era o alargamento da nossa occupaqao nem
mesmo a consolidaqdo da nossa soberania que se
desejava alcancar. Era apenas a neutralidade do
nosso territorio que se pretendia manter. E esta
necessidade novas expediqoes obrigou a effectuar,
fazendo avolumar a corrente de desfavor que con-
tra cllas se estava fazendo sentir.
Este estado de coisas nao podia continuar, por-
que alem da avers.o que o paiz mostrava pelas
expedicoes, havia os pesados encargos que ellas
acarretavam e que os recursos da metropole nio
podiam supporter. E nesta conjunctura foi publi-
cado o decreto de 14 de novembro de 1901, que
substituindo por complete todos os decretos an-
teriores, dotou finalmente a provincia cor uma
organisaqao que correspond perfeitamente as suas
necessidades militares.
E s6 entao essas necessidades foram bem re-
conhecidas. este important problema, que desde alguns annos
preoccupa os homes que teem estado a frente
da administraq o dos negocios da marinha e ul-









A OccUPAQ 0o DE ATOQAMBIQUE,


tramar... Alli, nas colonies, a forca public, al6m
do papel que Ihe 6 inherente nas regioes civili-
sadas, e que consiste em fazer respeitar a inte-
gridade do territorio, a honra national e em man-
ter a ordem e o respeito i lei, tem de fazer a
occupaqao effective de sertOes extensos e de pro-
teger o commercio, garantindo-lhe a seguranga.>
E obedecendo a esta ordem de ideias, aca-
bou-se com os defeitos das organisaqoes antigas,
tomaram-se medidas com relacao ao recrutamento
dos officials, sargentos e soldados, e dotou-se fi-
nalmente a provincia corn um effective minimo de
2:213 homes e maximo de 3:722, que hoje attinge
ainda cifras maiores por se ter posteriormente
transformado as companhias mixtas decretadas em
companhias indigenas e uma companhia europeia
em duas companhias tambem indigenas.
E o intuito do decreto, naquellas palavras de-
finido, tem sido atW hoje attingido, pois que cor
as unidades por elle constituidas se fez a campa-
nha do Baru6 e se consolidou depois a sua paci-
ficaqao por tal f6rma que hoje aquella region,
perfeitamente submettida, ji garante uma receita
important cor a cobranca do imposto de mus-
soco. Outro tanto tem succedido nos districts de
Inhambane e Lourenqo Marques e nomeadamente
no antigo district de Gaza, onde a ordem foi sem-
pre mantida apesar das investidas que por diver-
sas vezes teem feito os fugitives vatuas que de-
pois da guerra de Maguiguana emigraram para o


40









A OccuPAc1:o DE MOZAMBIQUE 41


Transvaal. E finalmente, corn os elements forne-
cidos i provincia corn aquella organisaqao se ter
continuado a penetraqio e occupaq~o dos distri-
ctos de Quelimane e Moqambique cor os accen-
tuados resultados que em outro capitulo procura-
remos apontar.
















CAPITULO II





A orientaqio da political indigena no district
de Morambique





Tendo indicado, embora a traqos largos, a
orientaqio political seguida na provincia de Mo-
qambique, e, tendo apontado os elements que re-
putamos sufficientes para mostrar a decadencia
da forqa armada emquanto vigorous a lei de 1869,
vamos referirmo-nos ao district de Moqambique,
que mais especialmente vae attrahir as nossas
attenqOes porque ainda hoje esti soffrendo as
nefastas consequencias d'aquella lei e da orien-
taq.o political que entao se seguiu.
Quando em Lisboa Rebello da Silva declarava
no parlamento no anno de 1869 que ia extinguir
o deficit ornamental cor as economies que proje-









44 A OCCUPA(;!AO DE MOqAMBIQUE


ctava fazer corn a reduccao da forqa armada das
colonies, o governador geral de Mopambique, ven-
do-se a bravos com a crise military que o abandon
dos annos anteriores tinha originado, e ignorando
o que entao se projectava na metropole, nesse
mesmo anno nomeou para a debellar uma com-
missao especialmente encarregada de estudar esse
assumpto. E na portaria que publicou exprimia-se
d'esta f6rma:-- necessidade que haja nesta provincia uma orga-
nisacio military, de modo que possa occorrer de-
vidamente ao servico de tao vastissima provincia;
e sendo actualmente escasso o numero de praqas
de que se compoe a guarnicao dos districts da
mesma provincia, que por isso nao podem center
em respeito os cafres selvagens e repellir as suas
aggressoes....
Os males que entao se apontavam nao pode-
ram ter remedio nas medidas d'essa commissao
porque foi surprehendida cor o decreto que na
metropole se promulgava, que para os que fadi-
gosamente andavam empenhados na tarefa da
restauraqio da forca military seria um crfi e arduo
desengano por verem que ella continuaria no
mesmo estado decadente e miserando. Mas a me-
tropole mandava, a metropole nao queria saber
se os cafres atacavam e se era necessario re-
pellir as suas aggressoes, e, por tanto, contra os
seus desejos, que para o caso valiam tanto como
designios da Providencia, nada havia a oppOr, a









A OCCUPA(!AO DE MO(AMIBIQUE 45


nio ser, co no fizeram, cruzar os bragos e deixar
que o marfim corresse.
A resignagao que o caso reclamava e a orien-
tac~o que dipois se deu d political indigena fize-
ram, c)-ntu I), con qu: s33 filta nIT se fiessi;
sentir de mo:nento, embora i forga de transigen-
cias c conlescenlencias sem limits supportasse-
mos como bom aquillo que nao era mais de que
urna capitulagao vergonhosa. E tanto nos habitui-
mos a esse estado de coisas que em 1874 o pro-
prio governador geral, em um relatorio official,
chegou mesmo a condemnar a occupago effective
do interior, dizendo que deviamos emquanto a nossa actividade ao littoral e esperar
que a acqao do tempo e das circumstancias nos
permittisse irradiar lentamente e por egual as
nossas forcas para o interiors. A fraqueza ou o
poder da resignaqio levam por vezes a tirar estas
maravilhosas e commodas conclusoes!
E em virtude d'este modo especial de ver, que
se arreigou nos nossos habitos e costumes admi-
nistrativos, nao se pretendeu fazer uso da forqa
armada, quer por nao a haver, quer mesmo por
se julgar a sua intervengao desnecessaria. Um
anno depois apparece por6m ao espirito do go-
vernador um assomo militarista, pois que dizia
num relatorio official que a organisagao de 1869,
garantia apenas um effective de 1:344 pragas, o
julgava ser muito pouco para uma provincia tao
vasta. E acrescentando mesmo que nunca se









A (JccuPAyi,!O DL AI0AAIMBIQDE


tinha chegado a attingir, lembrava que se fosse
possivel augmental-o se deveria construir um
grande e apropriado quartel nas proximidades
da montanha da Meza, para d'alli sahirem forqas
para todos os pontos do interior onde a sua
intervengao se tornasse necessaria. Isso, por6m,
nio passou d'um desabafo ou mero devaneio em
que nunca mais se tornou a pensar.
E nao havendo forga armada e tendo fallido
por complete todos os systems empregados, os
macuas, que constituem a raqa que povoa o dis-
tricto, teem estado sempre em perfeita rebeldia. 0
interior foi sempre um vulcAo e a peninsula de
Mossuril, que era a parte do continent em que
mais se fazia sentir a influencia da nossa aucto-
ridade, foi assolada por diversas vezes. Da nossa
parte houve entAo sempre fraqueza, porque al6m
das tropas de que se dispunha serem sempre em
numero limitado, as que havia nao passavam de
bandos de famintos mal armados, peior equipa-
dos e sempre indisciplinados. E como nao podia-
mos temar uma accqo energica, limitavam-se as
auctoridades a parlamentar corn os chefes locaes,
e, em logar de se Ihes applicar um castigo severe,
acabava tudo g'ralmente pela nomeaqao do chefe
revoltado para um novo cargo, confirmado em
portaria ou alvard, quando nao se pedia a sua
confirmagao por decreto.
Em epoca j~ recent, em 1888, houve porem
um vislumbre de energia. Os namarraes, cujo ter-









A ()C('CU'A(',Io DE MO(,AMBIQUE 47


ritorio se p6de observer das janellas do palacio
do governor, praticaram os seus habituaes des-
acatos. E d'esta vez resolve-se a applicacao d'um
severe castigo. 0 batalhao de caqadores n.0 1,
que estava de guarniqao na ilha, foi mandado
apromptar. Os officials e sargentos brancos eram
poucos, e o effective de soldados era constituido
por elements sem instruccao nem discipline. 0
armamento constava de Snyders em mau estado
e de duas boccas de fogo pesadas e de carrega-
mento lento e vagoroso.
Estando tudo apercebido, o batalhao 6 lancado
no continente, e, devido A boa vontade do seu com-
mandante, consegue ainda chegar at6 A Naguema,
onde e derrutado e obrigado a debandar tao des-
ordenadamente que se perderam as duas peas e
muito armamento, ficando os feridos e alguns pri-
sioneiros nas maos do inimigo. E d'esta f6rma,
o primeiro vislumbre de reacao contra um tao de-
primente estado de coisas produziu as consequen-
cias que facil seria de prever. Agora jA nao eram
s6mente condescendencias que mostravamos para
cor os povos que pretendiamos dominar, mas
tamibem fraqueza, incompetencia e ati talvez medo,
o que A sua vista Ihes daria a forqa moral suffi-
ciente para se poderem considerar os gallos da
regiao.
Mas nao havendo no district a forca arma-la
necessaria para fazer prevalecer a nossa auctori-
dade, vejamos os expedientes a que se correu









A OCCUPA7AO D)E AMo(Ani3IQUE


para mantermos pelo menos uma posse nominal.
A primeira coisa que se fez, seguindo no district
a mesma orientacao que no resto da Provincia,
foi substituir-me-nos a n6s mesmo pelas auctori-
dades cafreaes.
Muitos foram os regulos que no district de
Mo.ambique tiveram a honra de receber cargos
officials. Os regulcs que procuravam o nosso au-
xilio ou aquelles que acceitavam as relagoes ami-
gaveis que Ihes propunhamos, tinham gera!mente
como premio o ver o seu nome figurar nas colu-
mnas do Boletim Official. E feito isto e empregada
a formula sacramental= As auctoridades e mais
pessoas a quem o conhecimento d'esta competir
assim o tenham entendido e cumnpram= entrava
o preto no exercicio das suas funccqes e n6s
tinhamos nas suas terras uma auctoridade portu-
gueza.
Os cargos que se lhes concediam cram geral-
mente os de capitao-m6r ou xeque, o que ge-
ralmente era feito segundo o0; seus desejos ou con-
forme a tradii.o. O governor nao discutia bagatellas.
Mas para que a nossa acqao mais se fizesse sentir
ou para que a nossa influencia ficasse arreigada
ainda com lagos mais seguros nao nos limiti-
mos s6mente d nomeaqdo official d'estas aucto-
ridades. O ter ajudante e sempre urna coisa c:iHn-
moda e bonita e para Ihes realcar ainda mais a
sua importancia, davamos-lhes ajudantes que pela
mesma f6rma eram nomeados desde que ao go.









A OUCUPAIAAo Dn MO1AMBIQUE 4)


verno geral chegasse a proposta respectiva feita
pelo capitAo ou xeque e transmittida pelo capi-
tao-mdr das terras firmes, que era a unica aucto-
ridade, digna d'esse nome, que tinhamlos na parte
do continent abrangida por aquelle district.
Fardas, commendas e condecoraqOes como se
deram ao GA.nunhana e ao Manoel Antonio, nao
nos consta que lies foss2e conceJidas. No dis-
tricto de Mozambique nunca houve regulos po-
derosos. 0 espirito da independencia da raqa
macua nunca deixou alastrar a influencia de qual-
quer d'elles. Todos reagirani sempre as ambiy;oes
insoffridas que appareceram e as luctas que esse
facto occasionou fez corn que nunca algum se po-
desse intitular o rei d'aquelle pov). Uin titulo
de capitao-m6r ou de xeque era pois o bastante
para compensar os services que podessem press'
tar na pequena area em que exerciam influencia.
Nao havendo, comtudo, qualquer auctoridade
branca junto d'elles, como selvagens continuava-n
sempre procedendo. Nao Ihes dando mesmo forca
e elements para exercerem a sua acqao, nao po-
diam elles, mesmo vontade que tivessem, prestar
qualquer serviho prestimoso. Nao alteravam, por
consequencia, o seu modo de viver. A sua gente
precisou star snmpre preparada para a lu:ta,
quer para se defender, quer para atacar os regu-
los visinhos que nao os deixavam exercer a sua
auctoridade ou satisfazer as suas des.nedidas am-
bi1oes.









50 A OCCIPA(AO DE MOyAMBIQUE


Para dar ideia d'estas auctoridades vamos lan-
car mro d'um document official. Em 1886 o ca-
pitao dos ports de Moqambique precisou ir ao
continent por causa d'um roubo d'armas, e, para
cumprir a sua missfo, teve de conferenciar corn
alguns d'esses capitaes-m6res. Um d'elles nao
Ihe queria apparecer, mas depois de varias ins-
tancias marcou-lhe hora e um determinado logar
em que no dia seguinte se deviam encontrar a
s6s.
,Fui, diz o capitao dos portos no seu relato-
rio ('), esperei seguranent2 um quarto d'hora
primeiro que o tal selvagem apparecesse, atW que
por fim surdiu de li do meio de um cannavial se-
gurando muito uma cumpridaespingardaaomesmo
tempo que fazia a menQAo de pegar-pi. Dirigi me
para elle, elle deitou a fugir dizendo que me nao
approximasse, senao correria para o matto. Este
capitdo-m6r, visto assim rodeado de matto, sem-
pre cor os olhos irrequietos d procura do canna-
vial d'onde sahiu, e segurando a medo uma es-
pingarda que elle naturalmente largaria para fugir
mais depressa, era o typo complete de selvagem,
na sua expressAo mais fiel.>
Homens d'esta natureza, investidos d'auctori-
dade, abandonados, sem forCa e sem ninguem que
os unisse, orientasse e sobre elles exercesse uma


(') Boletim Official n.o 24, pag. 295.









A OCCUPAQAO I)E MOQAMBIQUE 51


active e efficaz fiscalisacao e vigilancia, nao po-
diam deixar de se tornar verdadeiros elemen-
tos de desordem e perturbaqio. E de facto as-
sirt foi, porque nao havendo forca armada, que
6 quem entire aquelles povos di o prestigio e ga-
rante a lei, elles, levados pelos seus instinctos de
rapinantes e salteadores, apenas faziam uso em
proveito proprio das attribuiqoes que se Ihes da-
vam. E quando isso succedia, a unica f6rma de
os castigar consistia simplesmente em lanqar so-
bre elles outros regulos, quando a isso se presta-
vam, ou entao a exoneral-os da mesma f6rma
porque tinham sido nomeados, fazendo-se apenas
essa exoneraqao acompanhar de palavras ou con-
sideraqoes cor character de censura.
E para confirmar estas assercqes a alguns
exemplos nos vamos referir. Em 1888, como ji vi-
mos, foi organisada uma column para reprimir
umas excursOes d'aquelles povos fronteiriqos de
Moqambique. A expediqAo foi mal succedida, mas
para vingar a affronta nao se supponha que se or-
ganisou nova column. A nossa acqao foi mais
simples e sobre tudo burocratica por excellen-
cia, pois que nos limitimos a exonerar o capi-
tao-m6r de Sancul, o mouro Maly de Valay,
em portaria provincial de 13 de fevereiro de
1889. Nao se exonera, comtudo, um cidaddo
d'um cargo elevado sem se dar uma razao jus-
tificativa, e as auctoridades portuguezas n.o dei-
xaram de ter essa merecida attenqao corn tao









52 A OCCUPA(AyIO 1D1 MOQAMBIQUE


illustre salteador. Na propria portaria se diz, como
se um caso d'esta natureza precisasse de justifi-
cacao, que Valay era exonerado por ter sido con-
nivente corn os namarraes emquanto duraram as
operaqoes de guerra contra este povo, avisando-os
de todos os nossos movimentos e incitando-os at6
a que invadissem as terras do Mossuril (').
E' nesta altura que nos apparece o nome de
Marave ffgurando nos Boletins Officiaes sob a
apresentaqdo da primeira auctoridade da provin-
cia e ao qual nos vamos referir, porque al6m de
ainda ser vivo, 6 um dos regulos que mais obsta-
culos ter opposto i consolidacao da nossa sobe-
rania no territorio namarral. Nessa mesma portaria
6 elle nomeado para substituir o expi.o e insti-
gador Valay. Mas como isso fosse pouco, em
portaria da mesma data nomeia-se, sob sua pro
posta, um preto de egual jaez para seu primeiro
ajudante.
Nao foram, por6m, duradouras as illusoes da
auctorida.!e provincial, porque logo no anno se-
guinte, em portaria de 30 d'agosto (2) foi o Ma-
rave considerado rebelde, e traidores os que o au-
xiliassem. ;sso comtudo nao era bastante para o
anniquilar, e apesar de nao terms forcas para
lie reprimir os seus desmandos, foi ordena lo o



(') Paginas 122 do Boletim Official da Provincia.
(") Boletim Official portaria n.0 35. pag. 3:1.









A OCCU;I'AQO D11 MOQAMBIQUE 53


estado de guerra nas suas terras e por aqui fi-
cou o castigo que se Ihe impoz. O que se nao
podia 'azer cor as armas e o crepitar dos seus
tiros, pretendeu-se conseguir cor o bater da
chancella official que confirmou a portaria e corn
o gender dos prelos da imprensa national, que
lhe deran publicidade. Este proceder nio envolve
nen unm sarcasmo nem uma irris6o, indica sim-
plesmente a fraqueza que symbolisava a nossa
political colonial.
Nio se julgue, tcdavia, que esta norma de
proceder se seguiu simpiesmente corn o Marave.
Com oulros regulcs se procedeu de identica
f6rma. A portaria de 29 de selembro de 1874 ('), um
exemplo a mais nos fornece, e que passamos a
transcrever. tangonha, Ali Hari, em 1857 praticado actos da
maior crueldade para ccm os subditos de Sua M.
Fidelissima; Sendo public e notorio que o men-
cionado xeque, posleriormente a esses actos, in-
vadindo as terras da corOa, corn gente armada,
commetteu roubos, incendios e homicidios, le-
vando por toda a parte a desordem e a destrui-
qao, e havendo-se conservado sempre em aberta
hostilidade, nao obedecendo iemr dando cumpri-
mento a ordem alguma d'este Governo Geral;
hei por ben exoneral'o etc., etc )


(') Bolelim Official, 11.0 40, pag. 185.









54 A O)(C;CUPA(,I~ DE MO(~AMBIQUE


E por esta maneira pondo em evidencia a
nossa propria fraqueza e falta d'elementos arma-
dos para garantir a ordem e restabelecer o pres-
tigio da auctoridade, se castigavam os rebeldes
corn uma portaria que nem sequer chegava ao
seu conhecimento, o que seria de resto um su-
premo bem porque nao teriam mais um pretexto
para da nossa incuria escarnecer.
E o que mais lastimoso 6 ainda, 6 ver que al-
gumas vezes nem mesmo essas proprias exonera-
q6es eram mantidas, tal era a falta de forca e
prestigio das nossas auctoridades. Em 1884
tinha-se feito um tratado de vassallagem corn o
regulo da Matibane, o que originou a nomeagio
tambem em portaria d'um xeque para o governor
d'aquellas terras. Se a bandeira national ficou
tremulando no meio da povoacao do xeque nAo
quer isso dizer que a nossa soberania ficasse con-
solidada e a ordem garantida. Mezes depois
d'esse facto solemne foi atacada e roubada uma
carabana de 200 pretos que pela Matibane se di-
rigia ao Mossuril para negociar. Os roubos, des-
ordens e attentados de toda a ordem seguiram-se
como se nada tivesse havido, ate que em 1835 o
governor resolve destituir esse xeque e nomiar
um outro para o seu logar. 0 que entao succedeu 6
larga e circumstanciadamente descripto na portaria
de 4 de julho d'esse anno. 0 proprio governador
foi em pessoa ao local para ouvir as reclamaqaes
dos povos e tal razao Ihe encontrou que no pro-









A OCCUPACAO DE MOAMIBIQUE 55


prio logar destituiu o nomeado e reintegrou no
seu antigo posto o xeque que tantas proezas
tinha praticado e que apenas vivia escondido e
enterrado no matto, ficando d'esta f6rma nova-
mente auctorisado a praticar as prepotencias que
o seu espirito de selvagem Ihe suggerisse.
O process das nomeaq es dos chefes indige-
nas para determinados cargos de character official,
foi completado e mais tarde substituido pelo pro-
cesso das vassallagens. As nossas auctoridades
estavam serm prestigio e nao podiam exercer a
sua acqao no interior. Os chefes que tinham rece-
bido alguina nomeacao, alem de nao terem cor
isso beneficio ou auxilio e protec.ao da nossa
parte de qualquer especie, eram os primeiros a
desobedecer e a fazer contra n6s uso do seu pres-
tigio. E reconhecendo que a nossa influencia se
perdia, procurou-se entao attrahil'os ao nosso
convivio por meio da catechese, a que tambem
se chamou acqao diplomatic, e que consistia em
leval'os por uma acq.o amigavel a prestarem nos
a sua vassallagem.
Estas vassallagens eram seguidas d'um termo,
a que tambem se chamou termo de reivindicaqao
de direitos, e no qual, em f6rma de contract, se
definiam os direitos e deveres das duas parties
contractantes. Estes terms chegaram a constituir
moda, tanto no district como no resto da Pro-
vincia, como jA vimos, mas em geral nem tive-
ram a duraqao das flores de maio; nasceram e









56 A OCCUPA(,XO DE MO(AMbIIQUE


morreram nas proprias columns do Boletum Of-
ficial. E d'elles esti t.o prenhe que se nao ti-
vessem morrido logo i nascenca pela doenga do
platonismo de que eram atacados, poder-se-hia
dizer que tinhamos alcangado corn palavras e
protests de submissao o que outros povos nao
tinham obtido cor o powder das suas armas.
Como meio de infiltracAo das nossas auctori-
dades pelo interior do sert.o era sem duvida ex-
cellente. Os inglezes assim fizeram, corn a diffe-
renca, por6m, de que em logar de lhes distribuirem
simples bandeiras e lhes fazerem promessas v5s,
como n6s fizemos, davam-lhes beneficios reaes e
collocavam logo ao lado d'elles uma forca military
sufficient para fazer respeitar sempre a bandeira
que se arvorava, para os proteger e auxiliar e es
pecialmente para que elles nao deixassem de
cumprir aquillo a que se tinham obrigado, conso-
lidando assim corn as armas o que outros tinham
preparado pela persuagao.
N6s, pelo contrario, nao seguindo esta mesma
orientacao pratica, fizemos consistir a nossa accAo
no emprego de terms pomposos cor que aquel-
les contracts eram lavrados.Vejamos pois um que
valeu ao seu relator um elogio no Boletim Official
e que 6 do theor seguinte: ,Compareceu pela
1 hora o grande regulo dos povos namarraes, de
nome Macutomuno, acompanhado dos seus gran-
des etc., etc.... a fim de pedir perdao pelas anti-
gas e frequentes faltas pelo seu povo commettidas









A OCCUPAQAO DE IMOAMBIQUE 57


em correrias praticadas no nosso territorio, e affir-
mar o seu arrependimento, obter firmes e dura-
douras pazes, protester obediencia e respeito ao
governor de Sua Magestade, de quem se consider
subdito, promptificando-se a executar e fazer
cumprir no paiz que- governa todas as ordens
que dimanarem dos legitimos representantes do
do mesmo Augusto Senhor>.
Como modelo de pega protocollar nao deixa
sem duvida de ser destituido de interesse. Isso
por6m nada significaria se a nossa acq o nao
ficasse restrict por ahi; se nos nao limitassemos
simplestiente a transcrevel'o no Boletim Official
como se pretendessemos ligal'os e prendel'os a
nossa soberania por um compromisso d'honra
tornado n'aquelles terms. Se em vez de tudo isso
nao os abandonassemos, se para junto d'elles
mandassemos uma auctoridade, se no seu territo-
rio montassemos postos e estabelecessemos forgas
militares que fizessem a policia, abrissem es-
tradas, protegessem os negociantes, auxiliassem
os colonos e chamassem ao nosso convivio os
povos que Ihe estavam subordinados, nao seriam
esses documents meramente platonicos e a sub-
missAo promettida passaria entAo a ter um valor
real.
Mas nao commettemos com elles s6 a falta de
os abandonar confiados na sua palavra. N6s mes-
mos os instigavamos d rebellion, ao saque e a
rapina. Logo que um regulo se nos mostrava









A OccUPAxo DE AI0QAAMBIQUE


affeicoado e nessa qualidade fazia um termo de
vassallagem ou acceitava um cargo de nomeaqAo
official, immediatamente nos serviamos d'elle para
com as suas gentes batermos os povos visinhos
que repelliam a nossa soberania, pois que mui-
tos nem a soberania nominal a acceitavam. E
d'esse combat d'interesses que n6s provocamos
entire povos barbaros, nasciam as reivindicaqoes
de uns, augmentava-se o odio de outros e provo-
cava-se a rebelliao de todos. N6s mesmos Ihes
ensinavamos o caminho.
A nossa degradagqo e ate falta de decoro na-
cional ainda foram mais long. Em 1866 poz-se
uma forpa military As ordens do chefe de San-
cul (L) para corn ella e a sua gente bateruum outro
xeque seu visinho e rival. Sendo feliz no seu in-
tento e apesar de ficar senhor absolute, despotico
e tyranno, o nosso governor, esquecendo a humi-
lhacqo a que se tinham obrigado os soldados do
Rei, lavra uma portaria em que aquelle regulo
recebia um caloroso elogio, dando-se como pre-
texto o ter-se assim alargado a nossa influencia
sem se ter derramado sangue portuguez (sic).
Mas o que geralmente predominava era a in-
differenqa e o esquecimento que lanqavamos sobre
os que nos tinham prestado vassallagem. Para
confirmaago d'esta assercao transcreveremos sim-


(') Boletim Official da Provincia, de 1866.









A OCCUPA(a'XO DE MOIAMBIQUE 59


plesmentente uma parte do relatorio que ao go-
verno fez o com:nandante da corveta Mindello,
quando, em 1888, foi a Kinga levar um pequeno
destacamento para guarnecer o posto d'este nome:
quale, significou corn enthusiasm o seu interesse
e affeicao por n6s, e disse que estando muito
long Kinga nao podia muitas vezes prestar-nos
soccorro immediate e impedir a frequent escra-
vatura que os mojojos fazem ahi; tornando-se por-
tanto de urgente necessidade estabelecer-se em
logar proprio, que elle mesmo escolheria, um
posto military corn forqa rasoavel, nao s6 para im-
pedir a entrada dos pangaios no rio, como para o
mandar avisar em occasiao opportuna; agrade-
cendo corn effus.o o present de aguardente que
V. Ex.a Ihe enviou, aproveitou o ensejo para se
lamentar, dizendo que ha bastante tempo suppu-
nha que quando se estabeleceu o post military
em Moginquale, o governor de Moqambique o cha-
mou a si, dando-lhe o post de capitAo-m6r e o
soldo mensal de 68000 reis corn a obrigaqao de
ser nosso alliado e fazer guerra a todos os nossos
inimigos; em tom pungente disse que at6 hoje se
ter esforqado por cumprir corn a sua palavra,
tendo-nos prestado todo o auxilio que ter podido
disp6r, mas que o governor de Moqambique nao
cumpriu corn o que Ihe prometteu, pois que at6
hoje nro recebeu um s6 real do dito soldo.>
Os proprios regulos, como se ve por esse do-









A OccUPAIO DE MOQAMIBIQur


cumento, eram elles que nos indicavam o cami-
nho que deviamos seguir. E isso para elles era
uma necessidade, porque os pactos que corn o
nosso governor tinham feito lanqavam-lhe respon-
sabilidades e at6 odios dos outros regulos. N6s
porem nao s6 nao os protegiamos, mas at6, o que
mais lastimoso 6 ainda, nem Ihe pagavamos os
miseros 6$000 reis mensaes que se Ihe promet-
tiam quando se lavrava o respective termo de vas-
sallagem. E como este muitos outros houve que
se queixaram pelas mesmas faltas.
No period em que esta orientacao mais se
accentwou, isto 6, de 1875 a 1890, encontram-se,
mesmo no Boletim Official da provincia, muitas
provas da vontade que alguns regulos mostraram
de se approximarem do nosso convivio. Ainda
no anno de 1891, na informaqao mensal fornecila
pelo capitao-m6r do Mossuril relative ao mez de
agosto, vemos que o chefe da Matibane renovou
os seus protests de submissao, que o regulo
Namurola mandou uma embaixada solicitar as
boas relaqoes corn o governor e que urn ajudante
do regulo do Itoculo (') foi tambem reiterara sub-
missao e vassallagem do seu chefe.

(1) D'este regulo diz o fallecido Eduardo Costa, no
seu livro -0 district de Mopambique em 1898-o seguin-
te: cO regulo do Itoculo era um regulo avassallado ha
muito tempo, mas avassallado, permitta-se-me a expres-
sAo, d maneira portugueza; isto 6, recebera bandeira e par-
ticipava a successor, fazendo alguns pequenos pedidos,.










A OCCUPAXAO DE MOAMBIQUE 61


Se soubessemos aproveitar estas e muitas ou-
tras boas vontades tantas vezes evidenciadas, e,
sobre tudo, se tivesse havido sempre recursos
sufficientes para os auxiliar e defender dos regu-
los visinhos insubmissos e se esta protecqco se
fosse estendendo a todos at6 acabarem as lu-
ctas intestines em que por vezes uns e outros
andavam empenhados, sendo tudo feito com pru-
dencia, justiqa, equidade e sem desfallecimentos,
estariam sempre ao nosso lado, acolheriam sem-
pre o nosso dominio, a nossa soberania seria
exercida, a exploracao d'aquellas ricas e ferteis
regioes ter-se-ia feito, as expediqoes que mais
tarde ali se mandaram e a occupaqAo progressive
que corn as forcas da provincia agora se esta effe-
ctuando ter-se-iam evitado.
A falta de forqa armada na provincia de Mo-
qambique e os constantes e successivos insucces-
sos nao s6 da orientaq.o seguida corn a nomea-
qao dos chefes indigenas para determinados
cargos, mas tambem das vassallagens que elles
por vezes prestaram, fizeram cor que a nossa
soberania tivesse de passar a exercer por mais
uma f6rma muito especial, dando-se uma outra
modelacao a orientafao que de long se vinha
seguindo.
Um dos governadores da provincia, em um
seu relatorio-officio, se encarregou de definir essa
modelacao cor as seguintes palavras:- A res-
tricqao convenient do commercio de polvora e









A OcCUPAVXo DE MOIAMBIQUE


armas, que aqui se faz em grande escala, acom-
panhada da indispensavel fiscalisaqdo, enfraque-
ceria tambem as tribus gentilicas e indirectamente
concorreria para a seguranpa publica> Para en-
fraquecer, pois, as tribus gentilicas e augmentar
a seguranca public passou-se entao a fazer a
fiscalisadao da costa, para o que se iniciou a mon-
tagem de alguns postos fiscaes. E para dar uma
ideia da f6rma como esse servico foi feito a al-
guns exemplos nos vamos referir.
A bahia de Sangage era considerada como
um dos velhacoutos por onde se fazia grande
contrabando e se praticava em mais larga escala
o rendoso trafico da escravatura. Em 1895, nao
s6 para se acabar cor aquella nodoa, que nos
envergonhava, mas tambem para se evitar alguma
complicaq.o por terms adherido is convenqOes
anti-esclavagistas que se tinham feito, foi man-
dado a Sangage o valoroso guarda-marinha Joao
Coutinho para montar ali um posto military que
restabelecesse a ordem, que reprimisse o con-
trabando e que evitasse a escravatura.
Bastantes foram as resistencias que encontrou
o sr Joao Coutinho. 0 seu valor, nunca desmen-
tido, soube porem imp6r-se. Entra a seguir em
negociagoes cor o xeque, que Ihe diz que a causa
da sua desobediencia is auctoridades portuguezas
residia simplesmente no facto de ter feito havia
jd cinco annos um tratado de vassallagem em que
se Ihe promettia um determinado vencimento








A OccUPAyiO DE MOZAMBIQUE (i3


sern que at6 Aquella altura se Ihe tivesse pago
cousa alguma. Montado, comtudo, o posto e in-
formado o governor dos acontecimentos que se
tinham dado, a unica resoluqdo que se tomou,
apesar do desire soffrido e do perigo que para
de future se corria, consistiu apenas em se mon-
tar alli um posto fiscal, mandando-se retirar toda
a forca, que devia ser substituida, como se orde-
nou ao director da alfandega, por pessoal ido-
neo, como se Ihe chamou.
Convem agora esclarecer o que era esse pes-
soal idoneo. Quanto ao numero, constava elle de
2 ou 3 guards da alfandega, cuja qualidade se
avalia dizendo que geralmente era desempenhado
por mesticos ou indianos, quando nao eram mesmo
de raqa indigena. Devido A qualidade ou A quanti-
dade, o que por6m 6 certo 6 que esses homes
nao se impunham As populaces locaes porque
nao tinham nem prestigio nem forca para isso,
nem cumpriam cor qualquer obrigacao que fosse
d'encontro As ambio6es dos regulos, o que Ihes
podia custar a vida. Alem d'isso, vivendo sempre
isolados e sem proteccao, abandonados e mal pa-
gos, apenas se podiam sustentar no posto occu-
pado em virtude das suas condescencias. Alguns
chegaram a cafrealisar-se, havendo ate documen-
tos comprovativos de terem sido vistos de ca-
pelana e perna nfia como os proprios pretos. Tal
era o pessoal idoneo que havia de substituir a
forca armada.








64 A ()CCUPAS'AO IDE MOIAMBIQUE


Em 1882, o capitAo das terras firmes, indo
acompanhado por uma forca military e por dois
guards fiscaes, conseguiu montar o posto da
bahia do Mocambo. Feitas as installaqoes indis-
pensaveis e contando com a benevolencia dos
povos visinhos, retira cor a forca e deixa ali
apenas os dois pobres guards. Essa benevolen-
cia nao se manifestou e passados tempos os guar-
das tiveram que fugir. E se em 1897 se quiz entAo
no mesmo ponto montar um posto military, precisou
Mousinho d'Albuquerque de recorrer A forca ar-
mada para vencer a resistencia encontrada e que
* o exemplo dos dois guards abandonados certa-
mente tinha fortalecido com a fraqueza que da
nossa parte se mostrou. E se ainda hoje existe
e porque d'ent.o para ca nunca mais a forca de Id
sahiu. E sorte identica teve o posto de San-
gage (').
NAo foi, todavia, causa d'insuccesso do piano
concebido s6mente a quantidade e a qualidade do
seu pessoal. O seu numero foi sempre muito res-
tricto, mas a doenqa principal que os atacou a
ponto de os fazer morrer foi tambem o abandon a
que foram lancados. A falta de orientaqao e espirito
de continuidade que se notam em todos os servi-
cos, tambem chegou a estes miseros postos que


(1) O. F. A. n. 4 de 1907.








A ( )CIjJ'AyAO)E 65


de long em muito long se espalharam pelo ex-
tenso littoral que vae d'Angoche ao rio Lurio.
A decadencia dos postos ficaes chegou a tal
ponto que em 1889 o director do circulo adua-
neiro, ao mesmo tempo que ponderava ao governor
da provincia a sua escacez, dizia que para se tor-
narem uteis, rendosos e preencherem o fim a que
se destinavam era necessario montar tambem
alguns postos militares, chegando elle, que era
paisano e simples empregado aduaneiro, a indicar
ao governor alguns locaes em que postos militares
deviam ser montados. Ja n.o era s6 n'esta altura
que se notava a decadencia em todas os ramos
de servigo e actividade em que a nossa acq.o se
devia fazer sentir, mas era tambem a desorienta-
cao, a inversao e a invasao de attribuigoes que
predominava na colonia a que tantas vezes se Ihe
tem chamado o melhor diamante da coroa portu-
gueza.
Mas como tiveram tambem a sua epocha pre-
dominante no nosso system de colonisaqgo, n5c
se podia deixar de se exteriorisar o system por
uma f6rma brilhante, e para isso recorreu-se ao
uniform, que foi regulado e definido em 1882,
dando-se assim uma prova, se nao do nosso senso
pratico, pelo menos do nosso bom gosto esthe-
tico.
Mas nao exercendo n6s soberania efficaz, nao
tendo occupagao, n~o havendo postos militares no
interior, nem postos fiscaes no littoral que imps-









66 A OCCUPA(,AO DE MOZAMBIQUE


dissem qualquer trafico illicito, procurou-se entio
exercer por mar a necessaria fiscalisaqao. Serpa
Pinto, no officio de remessa para o Ministerio da
Marinha do seu relatorio da expediqfo ao lago
Nyassa (') dizia: de dizer a menor censura a nenhum dos governa-
dores da provincia, e muito menos do actual
(Agostinho'Coelho) que 6 o unico d'elles que al-
gum terreno conquistou sobre o continent. O que
eu julgo de grande perigo, por motives que confi-
dencialmente exporei a V. Ex." 6 a continuaqo
do statu quo, sobre tudo attento o caminho que
as.questies africanas estao tomando na Europa-.
No seu relatorio e na parte em que se refere
a este assumpto propoe ento se proceda A fisca-
lisacao do district pelo lado do mar, diz, basta o service das pequenas canhoneiras
para manter o preto em respeito corn a sua vigi-
lancia e com o tiro dos seus canhoes>. Era um
remedio que se propunha para um tio lastimoso
estado de coisas, mas remedio de que se nao fez
grande uso, apesar da sua applicaqao mais tarde
ter sido tambem instada por individualidades de
valor, competencia e patriotism. Esta idea chega
a tomar certo predominio, mas numa portaria pro-
vincial de 1889, embora se Ihe reconhecesse a
utilidade, ja se dizia

(') -Boletim Official da Provincia de 1885.









A OC'CUPAQAO DE MO(IAMBIQUE 67


vel ainda d custa dos maiores sacrificios coadjuvar
corn forfas de terra a acfdo das nossas forfas
navaes em bloqueio.
Nio se fazendo, pois, a occupaqAo effective do
interior, as nossas auctoridades nao se podiam
fazer respeitar, a rebellido alastrava, as luctas en-
tre os povos continuavam a dar-se, as carabanas do
serlto nao podiam chegar corn os seus products
ao littoral, o commercio nao se podia fazer por-
que os commerciantes nao se podiam internal
pelo continent, a nossa suzerania emfim nao se
exercia, e, portanto, a intervenqao da forca ar-
mada impunha-se como unica media salvadora.

















CAPITULO III


A intervenp.o da forga armada






Quando Mousinho d'Albuquerque tomou nas
suas maos energicas e possantes as redeas do
Governo da provincia, a nossa influencia no dis-
tricto de Moqambique era tao restricta que se
p6de dizer que estava apenas limitada d ilha e a
alguns pontos isolados sem importancia, sem con-
tar corn o dominio ficticio que exerciamos em
Angoche, onde, apesar de ter sido a sede d'um
governor, imperava simplesmente o sultao que da
ilha de Catamoyo dava cumprimento exacto e fiel
is determinaqoes do sultao de Zanzibar.
Nesse mesmo anno apenas os indigenas tole-
ravam pequenas guarnigoes militares em Moma,







70 A OCCUPA(,AO I)D MO (AMBIQUE


ao sul do district, e em Sangage, Maginquale,
Infusse e Lunga. Nem sempre por6m estes pontos
eram occupados, e quasi sempre porque a falta
de recursos militares era tanta que nem chegava
por vezes para elles destacar meia duzia de sol-
dados. Esses postos tiveram mais um fim fiscal
do que outra cousa, mas como corn elles nao se
podia fiscalisar nem occupar o territorio, pouca
importancia se Ihes ligava e estavam geralmente
desguarnecidos. E at6 as condiGes de commodi-
dade e seguranga das guarnigoes para isso in-
fluiam, porque a nao ser em Lunga, em todos
elles se vivia a moda cafreal.
Para o norte do district, nessa extensa facha
do littoral que vae do Mossuril ao rio Lurio, ape-
nas existia o posto da Matibane, e, para o inte-
rior, tao vasto e extenso, o nosso dominio exten-
dia-se at6 Natule, a sete kilometros do Mossuril.
Critica era pois a nossa situagao no norte da
provincia de Mogambique. Em frente da capital
da provincia e a dois passes de distancia nao se
dava uma ordem que fosse cumprida, nao se pe-
dia um servigo que fosse satisfeito, nao se man-
dava pessoa alguma para o interior que se lhe
podesse garantir a vida. E nesta situaco desai-
rosa, inpolitica e perigosa se encontrou Mousinho
d'Albuquerque quando assumiu as redeas do go-
verno d'aquella nossa colonia.
As suas primeiras medidas consistiram, como
de resto nao podia deixar de ser, em procurar










A OC'UPA'A(:O DE M\Oy!AMJIQUE 71


effectuar a posse do territorio, subjugando os in-
digenas rebeldes para consolidar a nossa sobera-
nia, que tro abalada tinha andado. O piano que
para isso concebeu elle proprio o descreve nos
seguintes terms:
-Estabelecidas como foram as tres capitanias-
m6res- da Macuana ao norte, do Massuril ao
centro e d'Angoche ao sul reduzir a mais absolute
submissAo em cada uma d'ellas a facha do littoral
onde mais resistencia se encontrava por ser ahi
que predominava o element mussulmano cor as
suas tradicqces de escravatura, contrabando e
bandidismo. Nessa zona do littoral, cuja profun-
didade poderA variar de uns 40 a 80 kilometros,
os postos a principio teriam que ser numerosos,
para dar complete seguranga as carabanas vindas
do interior, que a ferocidade e bandidismo nunca
reprimidos dos namarraes lograra desviar de Mo-
qambique. Depois os capitoes-m6res, que jA esta-
van em relacio corn os chefes macuas do interior,
iriam avangando a occupa.ao para oeste, estabe-
lecendo commandos, abrindo estradas, animando
os povos A cultural e exploraqAo dos generous que
melhor mercado encontravam na costa. Mas tudo
isto tinha que ser feito corn muita persisten-
cia, muito method, muita energia e bastante
forca. Era um trabalho vagaroso, de resultados
infalliveis e d'uma vantage incontestavel, masque
s6 corn o tempo se manifestaria bem evidence, s6
a pouco e pouco se faria sentir. E na verdade


-I -- L~


I










72 A OCCUPAQAO DE MOZAMBIQUE


faltaram-me por vezes forcas e escasseou-me o
tempos.
0 piano de Mousinho delineado nesses perio-
dos nao 6 bem um piano de occupacao, mas an-
tes um piano politico onde se indica a orientacAo
geral a seguir para attrahir o preto ao convivio
e subordinacao do branco para o governor e Ihe
impor habitos de trabalho, prendendo-o pelos la-
cos do interesse A agriculture e commercio. E
para isso pretendia occupar e submetter d nossa
soberania toda a facha do littoral, porque al6m de
ser a mais rebelde 6 a que nos impedia a nossa
entrada livre e franca para o interior. E occupada
essa zona seguir-se-hiam entao outras, para o que
os capitaes-m6res iriam avancando a occupaqco
para oeste, estabelecendo postos, abrindo estra-
das, etc., etc.
0 piano essencialmente military e por meio do
qual projectava Mousinho effectuar a occupacao
era comtudo o seguinte:-- Mostra a experiencia
que, em Africa, toda a tentative de posse que nio
seja precedida por uma acq o de forca e seguida
Sde uma occupaqao que imponha respeito, on an-
tes medo, a todos que tentem revoltar-se, 6 sem-
Spre mal succedida... Entendi pois que a primeira
Scousa a fazer, desde que para isso obtivesse
meios, era proceder d occupaqco military, percor-
Srendo o paiz com uma column sufficientemente
Sforte para vencer qualquer resistencia, e, batidas
Sas forcas inimigas, occupar alguns pontos que









A OCCUPA,.AO DE MOcAMBIQUE 73


reputasse mais importantes, estabelecendo com-
mandos e postos militares fortificados e guarneci-
dos por f6rma a poderem, nao s6 defender-se,
mas exercer a sua acqao policial e repressive
numa zona bastante vasta.'
Este process jd nao 6 evidentemente novo,
porque al6m de ter sido seguida com differences
modelaqoes por Gallieni no Tonkim e Madagascar,
tambem foi sensivelmente o que se seguiu na
campanha de 1895, apesar de se terem organi-
sado ao sul do Save duas columns differences.
Quando Mousinho procurou p6r em pratica esse
process nao conhecia ainda bem o terreno que
tinha em vista occupar nem a indole dos povos
que pretendia submetter. E d'ahi o erro que se
nao o fez fracassar por complete, evitou pelo me-
nos que os resultados alcanqados no norte da
Provincia nao correspondessem cabalmente aos
esforqos empehados.
O emprego d'uma column que percorra o
paiz e que desfaca todos os centros de resistencia
e que acabe com os focos de insurreicqao 6
realmente recommendavel quando o paiz e os
povos que se quer bater a isso se prestam. Para
percorrer o district de MoCambique 6, em geral,
necessario abrir caminho pelo denso matto, causa
esta que pelo retardamento que occasion ao
avanqo d'uma column de tropas d o bastante
para nao recommendar o seu emprego.
E se esta razao 6 poderosa nao menos atten-









A OCCUPAAO DE MO!AMBIQUE


divel 6 o temperament do povo que habitat este
district. O macua, traiqoeiro e velhaco, errante,
vagabundo e salteador como 6, alum de nao se
apresentar em massa para um combat leal, como
o fazem os povos de muitas outras regioes, nao
s6 hostilisa pe'a embuscada e como o salteador
mas at6 em geral nao offerece ponto algum de
resistencia decisive e capital. E depois o district
6 tao vasto e extenso que muitas teriam de ser
as columns para percorrer uma simples zona
como aquella que Mousinho indicou no seu piano
politico.
Em todo o caso, con essa sua orientacao, que
tambem em parte foi seguida pelo saudoso Eduardo
Costa e pelo valente e distinct capitao de arti-
Iheria, Baptista Coelho, actual chefe do estado
maior de Mogambique, emquanto governaram o
district tendo Mousinho como primeira auctori-
dade da provincia, conseguiu-se montar, em 1896,
o posto de Fernao Velloso, em 1897, os postos
de Matibane, Muchelia, Ibrahimo, Itoculo, Myaly,
Sangage, Naguema e Namuco.
Nao entrando em detalhes das operaoqes que
entao se effectuaram para conseguir estes resul-
tados, por nao estar dentro do caminho que tra-
cAmos, 6 comtudo facil de comprehender os
grandes esforqos que seria necessario empregar
para romper com a rotina, para estabelecer uma
orientacao definida e segura, para organisar os
elements de que se necessitava e de que a pro-









A OccUPkA,o I E MO(AMBIQUE


vincia tdo carecida estava, e, finalmente, para con-
seguir sahir da ilha, entrar no continent e per-
correr o seu littoral e uma parte ji consideravel
do seu interior para montar todos esses postos e
consolidar ali a nossa soberania. Sim, muitos es-
forqos foi necessario empregar e mesmo atW algu-
mas victims sacrificar porque os postos em que a
bandeira national ficou tremulando como signal de
posse effective foram cavados em terreno regado
cor sangue de muitos soldados e officials.
Mas confrontando a carta da region e facil
reconhecer-se que o piano de Mousinho foi se-
guido, porque, cor as columns que se organisa-
ram, se occupou uma parte da zona do littoral e
se conseguiu atW penetrar pelo interior. Louvores
portanto, merece Mousinho e todos os seus glo-
riosos companheiros, porque alem da posse effe-
ctiva que conseguiram alcanqar e manter com os
postos projectados, tiveram tambem o grande
merecimento de iniciar uma nova era para aquelle
district e estabelecer e definir a orientacqo, unica
e verdadeira, que para de future era necessario
seguir.
Esta necessidade nao era, por6m, fortemente
reconhecida pelo governor da metropole. Alem
d'isso para continuar aquella obra era indispen-
savel que do reino se continuasse a mandar para
ali os periodicos contingentes que o exercito for-
necia, mas o paiz estava cansado e os recurso3
orqamentaes difficilmente davam margem para


75










A OCCUPAQAO DE MO,!AMBIQUE


isso. Nao podendo, portanto, os successores de
Mousinho alcangar o que o seu prestigio fazia
corn que a elle mal se Ihe podesse negar, e nao
encontrando na provincia a forqa armada suffi-
ciente para continuar aquella obra grandiosa, in-
dispensavel era, pela forca das circumstancias,
substituir a accqo guerreira pela political de attrac-
cao e conciliaqdo exercida junto dos regulos de
maior influencia, poderio e renome.
Nesta situaqao se encontrou o sr. conselheiro
Marques da Costa quando assumiu o governor do
district. Reconhecendo que era o unico caminho
a seguir, nao hesita e com vontade digna de lou-
vor faz recahir a sua actividade sobre o sultdo
Ibrahimo, para consolidar a nossa influencia em
Angoche, e para o trazer ao nosso convivio fize-
ram-se varias tentativas, deram-se alguns presen-
tes, offereceram-se beneficios que fallassem ao
seu espirito interesseiro e ganancioso e promette-
ram-se at6 algumas honrarias. E corn isso se con-
seguiu que fosse A villa de Antonio Ennes para
prestar vassallagem e permittir que junto a sua
residencia e no coracqo das suas terras se esta-
belecesse um posto military. E isso obteve-se de-
vido aos dedicados esforqos do capitao-m6r de
Angoche, A intervengAo d'um negociante baneane
e ao auxilio d'um padre mojojo, resultando d'ahi
os postos militares de Mochelele e Quilua, que o
proprio capitao-m6r guarneceu cor 65 praqas.
Pouco depois foi a ilha d'Angoche o proprio


__ __









A OcCuPNAQo DE MO(AMBIQUE 77


governador do district, que de boa vontade tro-
cou por algum tempo as commodidades do palacio
de S. Paulo pelas acommodaqces que durante
algumas horas lhe forneceu o proprio sultao,
encontrando o nosso vassallo satisfeito com o novo
estado de coisas e a fortificacAo do posto quasi
concluida.
No interior, por6m, a cordealidade nao tinha
chegado a esse ponto. O engenheiro Paes d'Al-
meida que por Angoche se tinha internado nessa
occasiao pela regiao dos imbamellas, nao encon-
trou a mesma hospitalidade, porque li ficou tru-
cidado. Mas os imbamellas j nio estavam na
zona do littoral que se pretendia occupar e por-
tanto o desforgo ficaria para quando podesse ser,
o que infelizmente ainda se nao poude realisar.
Seguindo-se, pois, a political de attracqao no
territorio que d'antes constituiu o district d'Ango-
che e que entao era apenas uma capitania-m6r do
district de Moqambique, vem a proposito dizer-
mos alguma coisa sobre a orientacao political que
ali se seguiu para a confrontar cor a que em 1899
foi iniciada.
O sultao d'Angoche ji em 1877 tinha sido
object das preoccupaqoes das nossas auctori-
dades. O governador d'esse district dizia nesse
mesmo anno em um relatorio para o governor ge-
ral ('):


(i) Boletim Official, n.0 22.









7S A OCCUPA(AO DE MO(AMBIQUE


STenho a satisfacio de communicar a V. Ex.a
que consegui felizmente estabelecer a submissao
do ex-sultio de Angoche, o Mussa Mahamade, e
por consequencia a tranquilidade d'este district.
mento lavrados na povoaqdo de Inhacaroba, onde
tive a conferencia cor o referido Mussa, o qual
se meapresentou acompanhado de todos os regu-
los e grandes das suas terras.
rUm dos terms refere-se a submissao do
Mussa, em que promette, sob juramento, render
a verdadeira vassallagem ao Rei de Portugal e
cega obediencia is suas leis; e bem assim prom-
ptificar-se, leal e desinteressadamente, a servir o
governor sempre que for chamado.
< niencia, por isso que de ha muitos annos vi-
vera entire o Mussa e os principles mouros, mo-
radores nesta villa, uma negra discordia, vicio
predominante nesta gente, tudo filho de interesses;
acompanharam-me, pois, tambem a conferencia,
onde se cortaram pela raiz todos os enredos que
flagellavam este district. Nao pude, por6m, como
muito desejava, levar o xeque de Sangage e o
regulo dos imbamellas porque a este teria de acom-
panhar mrn numeroso pessoal, e neste caso facil
era haver algum conflict cor a gente do Mussa,
e, quando menos causaria estragos por onde pas-
sasse; emquanto ao outro por se ter retardado o
aviso que Ihe havia mandado, de modo que




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs