• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Introduction
 Instruccoes
 Derrota de Lisboa para a madei...
 Derrota da madeira para teneri...
 Derrota de tenerife para S....
 Derrota de S. Vicente para...
 Derrota do Pará para o rio...
 Derrota do rio de Janeiro para...
 Derrota da bahia da Mesa para...
 Derrota do Natal para a bahia de...
 Derrota de Lourenco Marques para...
 Derrota de Inhambane para a bahia...
 Derrota da bahia de Bazaruto para...
 Derrota da Chiloane para Sofal...
 Derrota de Sofalla para o...
 Derrota do Inhamissengo para...
 Derrota de Quilimane para...
 Derrota do rio Linde para...
 Derrota de Tejungo para a Ilha...
 Derrota da Ilha Casuarina para...
 Derrota da Ilha de Moma para...
 Derrota de Angoche para Mocamb...
 Observacoes acerca do navio e seus...
 Annexo A. Relatorio parcial em...
 Annexo B. Relatorio parcial a ilha...
 Index














Title: Relatorio da viagem da canhoneira Rio Lima de Lisboa a Moðcambique
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00024751/00001
 Material Information
Title: Relatorio da viagem da canhoneira Rio Lima de Lisboa a Moðcambique por Madeira, Tenerife, S. Vicente, Parâa, Rio de Janeiro, Bahia da Mesa, Natal, Lourenðco Marques, Inhambane, Bazaruto, Chiloane, Sofala, Inhamissengo, Quilimane, Rio Linde, Tejungo, Casuarina, Moma e Angoche
Physical Description: 203 p. : illus., fold. maps, fold. plans, plates (part fold.) ; 30 cm.
Language: Portuguese
Creator: Castilho, Augusto de, 1841-1912
Publisher: Imprensa Nacional
Place of Publication: Lisboa
Publication Date: 1889
Copyright Date: 1889
 Subjects
Subject: Voyages and travels   ( lcsh )
Genre: non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Statement of Responsibility: por Augusto de Castilho, 1884-1885.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00024751
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Holding Location: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: ltqf - AAB6291
ltuf - AFL2039
oclc - 02147298
alephbibnum - 001115323
lccn - 05022115

Table of Contents
    Half Title
        Page 3
    Title Page
        Page 4
    Introduction
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
    Instruccoes
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
    Derrota de Lisboa para a madeira
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
    Derrota da madeira para tenerife
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
    Derrota de tenerife para S. Vicente
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
    Derrota de S. Vicente para o Pará
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
    Derrota do Pará para o rio de Janeiro
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
    Derrota do rio de Janeiro para a bahia da Mesa
        Page 50
        Page 51
        Pages 52-53
        Pages 54-55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
    Derrota da bahia da Mesa para Natal
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
    Derrota do Natal para a bahia de Lourenco Marques
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
    Derrota de Lourenco Marques para Inhambane
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
    Derrota de Inhambane para a bahia de Bazaruto
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
    Derrota da bahia de Bazaruto para Chiloane
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
    Derrota da Chiloane para Sofalla
        Page 97
        Page 98
        Page 98a
        Page 98b
        Page 98c
        Page 99
        Page 100
        Page 101
    Derrota de Sofalla para o Inhamissengo
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
    Derrota do Inhamissengo para Quilimane
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 112a
    Derrota de Quilimane para Micahune
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
    Derrota do rio Linde para o Tejungo
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
    Derrota de Tejungo para a Ilha Casuarina
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
    Derrota da Ilha Casuarina para a de Moma
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
    Derrota da Ilha de Moma para Angoche
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
    Derrota de Angoche para Mocambique
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
    Observacoes acerca do navio e seus accessorios
        Page 148
        Page 149
        Pages 150-151
        Pages 152-153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Pages 166-167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 173a
        Page 173b
    Annexo A. Relatorio parcial em cumprimento do determinado no artigo y das instruccoes
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Pages 186-187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
    Annexo B. Relatorio parcial a ilha de S. Vicente de Cabo Verde
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
    Index
        Page 204
        Page 205
Full Text













RELATORIO

DA


VIAGEM DA CANHONEIRA RIO LIMA







1,/

RELATORIO

DA



VIAGEM DA CANHONEIRA RIO LIMA

DE
/ / /
LISBOA A MOAMBIQUE

POR

MADEIRA, TENERIFE, S. VICENTE, PARA, RIO DE JANEIRO, BAHIA DA MESA, NATAL, LOURENO MARQUES,
INHAMBANE, BAZAROTO, CHILOANE, SOFALA, INHAMISSENGO, QUILIMAME, RIO LINE, TEJUNGO, CASUARINA, MOMA E ANGOCHE

POR


AUGUSTO DE CASTILHO

CAPITAO TENENTE COMMANDANTE



1884-1885


LISBOA
IMPRENSA NATIONAL
1889




















INTRODUCQO



No existem, que me conste, instruces algumas que rejam a confeco dos rela-
torios de viagem dos nossos navios de guerra; e os commandantes devem certamente
achar-se perplexos, na maior parte dos casos, para saberem a frma que ho de dar
ao seu trabalho, e a maneira de coordenal-o.
A falta de uniformidade n'estes assumptos deve, sem duvida, ser um inconvenient,
no podendo os diversos relatorios ser systematicamente comparados e produzir os
necessarios resultados d'essa comparao.
Por outro lado, como no uso dar-se larga publicidade a estes relatorios de
viagem, ficam os officials novos e inexperientes privados de adquirir a instruco que
n'estes se contenha, e sem poderem colher o fructo da experiencia dos que os prece-
deram.
No admira, portanto, que eu meditasse detidamente cerca da forma que daria
ao relatorio, que, pelo artigo 12. das minhas instruces, eu era obrigado a enviar
direco geral de marinha, depois da chegada a Moambique.
Felizmente deparou-se-me um trabalho d'este genero, de um verdadeiro mereci-
mento, que em grande parte me serviu de norma, introduzindo-lhe, comtudo, algumas
alteraes que, posto no serem essenciaes, lhe do, a meu ver, um aspect mais
methodico, e tornam mais facil a sua consult para o estudo de um qualquer assumpto
n'elle contido.
O relatorio a que me refiro, o que apresentou ao governor brazileiro o capito de
fragata Julio Cesar de Noronha, commandant da corveta Vital de Oliveira, na viagem
de circumnavegao feita por aquelle navio, de 1879 a 1881. Esse interessante tra-
balho est impresso como annexo ao relatorio apresentado ao parlamento d'aquella
nao pelo ex-ministro da marinha Jos Rodrigues de Lima Duarte, cerca da sua
gerencia desde 11 de maio de 1880 at 16 de janeiro de 1882.

O present relatorio divide-se em quatro parties: a primeira comprehend as instruc-
es da direco geral de marinha; na segunda contem-se os extractos minuciosos do






6


Diario nautico, e a descripo e discusso de cada uma das viagens, illustrada com
um mappa; na terceira parte vo mencionadas com toda a individuao a receita e
despeza do navio, isto , as verbas que foram recebidas nos diversos portos, e a appli-
cao que se lhes deu; na quarta parte vo reunidas consideraes de diversas ordens
a respeito do navio, mastreao, apparelho e accessories, comprehendendo-se n'esta
ultima designao os instruments em uso na navegao, taes como agulhas, chrono-
metros, etc.
Algumas d'estas observaes cerca dos servios especiaes de bordo foram-me
apresentadas por cada um dos respectivos officials encarregados, e depois coordenadas
por mim, que assumo inteira, como devo, a responsabilidade das consideraes com
que elles me forneceram e que eu fao minhas para todos os effeitos.
Em frma de annexo vo os dois relatorios parciaes A e B, enviados ao governor
em separado, de Tenerife e de S. Vicente respectivamente, em cumprimento dos artigos
n.o" iii, iv e v das instruces.
Fao votos para que este meu relatorio seja lido e possa aproveitar a alguem.
Moambique, 4 de julho de 1885.

O commandant,



capito tenente.












RELAO DOS OFFICIALS QUE COMPEM O ESTADO MAIOR
DA CANHONEIRA RIO LIMA E SEUS ENCARGOS


Classes Nomes Encargos


Immediato, primeiro tenente Antonio de Azeredo e Vasconcellos ......... Detalhe, destacamento e appa-
relho.
Segundo tenente ......... Ernesto Augusto da Costa Penaguio ........ Material de guerra, commnan-
dante da bacteria.
Segundo tenente ......... Ricardo Xavier Correia Barreto ............ Pilotagem.
Guarda marinha.......... Pedro Berqu........................... Observaes meteorological e
embarcaes miudas.
Guarda marinha .......... Luiz Antonio de Moraes Frias Sampaio e Mello Signaes.
Facultativo de La classe... Luiz Augusto Rodrigues ................. Servio de saude.
Encarregado de fazenda.... Francisco Antonio Gonalves Cardoso........ Servio de fazenda.
Machinista de 3.* classe.... Francisco Domingos da Cunha ............. Machina.























INSTRUCCES

Para o capito tenente supranumerario Augusto de Castilho Barreto e Noronha,
commandant da canhoneira Rio Lima




I
O commandant da canhoneira Rio Lima largar hoje, 10 de dezembro, do Tejo com o navio
do seu commando e, logo que deitar fra da barra, singrar para a illa da Madeira, onde apenas
se demorar o tempo sutficiente para a entrega e recepo das malas do correio.

II
Sendo certo que ha tempo a esta parte um consideravel numero de navios das carreiras
transatlanticas buscam a ilha de Santa Cruz de Tenerife de preferencia s ilhas da Madeira e de
S. Vicente, para ali se abastecerem de carvo mineral e de refrescos; quer s. ex.a o ministry da
marina e ultramar que o commandant da Rio Lima, logo que deixe o porto do Funchal v ao de
Santa Cruz de Tenerife, e diligenceie informar-se de quaes sejam as condies actuaes d'aquelle
porto, que, pelas maiores facilidades que offerece navegao e ao commercio, attrahe com pre-
juizo dos da Madeira e de S. Vicente, uma parte important da navegao que, no ha muito tem-
po ainda, s buscava os dois portos portuguezes.

III
Para que o commandant da Rio Lima possa habilitar o governor de Sua Magestade a tomar
qualquer providencia que julgar mais convenient para que os portos das duas ilhas portuguezas
offeream vantagens e commodidades navegao e ao commercio identicas s que offerece a
ilha de Tenerife, muito se ha por recommendado ao commandant que informed principalmente
sobre a maneira como os navios ali se fornecem de carvo mineral; qual o preo d'este, e o direito
de importao que elle ali paga; sobre o preo dos salaries por que se pagam os trabalhos no
porto; sobre as disposies fiscaes que ali regulem, e sobre todas as demais circumstancias que
julgar conducentes ao fim que o governor tem em vista.

IV
Fica o commandant da Rio Lima auctorisado a fazer todas as indicaes e a propor todos os
meios que a sua reconhecida aptido e intelligencia lhe suggerirem para que lanto a ilha da Ma-
deira como a de S. Vicente possam luctar vantajosamente, em facilidades e isenes, com a sua
irm do archipelago das Canarias.











v
Terminada a sua estao em Tenerife, o commandanle remeller para a secretariat um minu-
cioso relatorio sobre os assumptos que so recommendados, e seguir para a illia de S. Vicente de
(,abo Verde, onde se poder abastecer de combustivel.

VI
De S. Vicente dirigir-se-ha para a America do Sul, tocando nos portos do Par, Rio de
Janeiro e Montevideo, e demorar-se-lia em cada um d'estes portos, o tempo comprelendido
entire o minimo de oito dias e o maximo de quinze.

VIl
Fica o commandant Castilho auctorisado a demandar o porto de Pernambuco, se o combus-
tivel que comportam os bankers do seu navio lhe no permittir o ir de vez do Par ao Rio dc. a-
tuero.
VIll
De Montevideo seguir o commandant Castilho para Moambique pelo cabo da Boa Espe-
rana, escalando pelos portos que julgar mais convenientes para se abastecer de carvo mineral,
ou de qualquer outra cousa cuja falta seja sentida.

IX
Nos portos estrangeiros onde tocar communicar com os nossos ministros aii residents, ou
com as auctoridades consulares, e dar parte para a secretariat da marina de qualquer occorren-
cia que julgar important.
X
Nos referidos portos estrangeiros em que locar dever observer a mais rigorosa neutralidade,
no se intromettendo nas questes, quer intestines, quer internacionaes, que ahi porventura se
agitem ou possam vir a agitar-se, e para isso ter a maior circumspecio, reserve e cuidado com
is relaes que houver de contrahir, nio se intromettendo de frma alguma nas contends que
possam dar-se entire a colonial portugueza e a populao indigena, nem em qualquer outro assum-
pto estranho aos fins especiaes da commisso que lie confiada.

XI
Manter sempre as relaes de mais restrict cortezia e cordialidade com todos os commai-
dantes das foras navaes estrangeiras que se acharem no porto, assim como nio faltar a nenhu-
ma das regras de altenao devida s auctoridades de terra.

XII
Logo que chegue a Moambiqlue enviar a esta direco geral um circumstanciado relatolio
da sua viagem at ali, tendo n'elle em vista o que recommendado n'eslas instruces.

XIII
Muito se recommend ao commandant da Rio Lima a pontual execuo do regulamento para
o servio dos navios de guerra e de todas as ordens geraes sobre a discipline, hygiene, asseio das
guarnies, e a maxima economic dos objects da fazenda public a bordo do navio que tem sol)
o seu commando; e bem assim o exacto cumprimento de todas as ordens da armada que tiverem
applicaao present commisso.
XIV
Dever o commandant da Iio Lima fazer adestrar a tripulao no exercicio de artilieria e
armas de mo, e bem assim exigir dos officials e guards marinhas todas as observaes e cal-
culos astronomicos em uso a bordo.







41


XV
De todos os portos onde fundear communicar direco geral de marina pelo telegraph,
ou por oflicios quando no haja estao telegraphica, o dia e a hora da sua chegada e saida dos
portos, e bem assim qualquer outra occorrencia de que porventura entenda dever dar conheci-
mento mesma direco.
XVI
Fica o commandant da Rio Lima auctorisado a sacar sobre a pagadoria da marina por qual-
quer despeza que for obrigado a fazer nos portos, devendo conjunctamente com o saque que fizer
remetler direco geral de marina os documents comprovativos d'essa despeza e dos motives
por que a fez.
XVII
e expressamente prohibido ao commandant da Rio Lima o receber nos portos da sua escala
passageiros, sejam de que natureza forem.
XVIII
A viagem da canhoneira considerada urgent.

XIX
Logo que chegue a Moambique apresentar-se-la o commandant da canhoneira ao da diviso
naval da costa oriental de Africa e mar da India, sob cujas ordens ficar servindo.

Direco geral da marina, 10 de dezembro de 1881.=Caetano Alexandre de Almeida e Al-
bnqulerqute.



















DERROTA



LISBOA PARA A MADEIRA










DERROTA DE LISBOA PARA A MADEIRA


Coordenadas geographical Derrota Correntes


23,7 38U


23,7 38.4l0'.0"


37,.3'.0'/

34o.2:'.0"1

32,0.0'.0"'


-i








9'.28'.4 3"


120.1 .30V/

15 .i4'.38"

16o.35'.30'"


SO. 58



3o


E

La


Dii ecto


NO. 2" -


NO. 22, NO. 46

20" 55o

SO. 41i


Ventos






Direco Fora


NE.


NNE.

NE.

E.


Meteorologia
- Etd Tep

Estado Temperatura


Do cu


nuvens
soltas

claro
e nuvens
soltas

nulao
nublado


Do imar







clia


775,5 17,3

775,0 17,01

775,0 17,0


Observances


Largmos o ancoradouro de Lis-
boa s quatro horas (p. iii.)
Ponto de partida s seis horas
e quarenta e cinco minutes.




Ponto de chegada s quatro ho-
ras (a. ni.)
Fundeamos s sete hioras (a im.)


Data


10


11 1

12 2

13 3


& =
- i
rt 0















de


~ 3[aJebTzpan z a: LZtM a &S~~S
ciMdSida+aRIOsn7~~


r G.-.
C.D..ei


SV


1>


s


G..md3aO
r ti


... ... ..


-Estreito &5-Cithmua.,r
























DE LISBOA PARA A MADEIRA



No dia 10 de dezembro de 1884 estava a canhoneira Rio Lima amarrada a uma boia em frente
do arsenal da marinha de Lisboa. As tres horas e vinte minutes (p. m.) cheguei eu a bordo de-
pois de ter recebido as instruces e as ultimas ordens verbaes do ex." i ministro e do ex."10 dire-
ctor .geral de marinha. Encontrei o navio com vapor e prompto a larger a boia. O tempo estava
bom e o vento regular de OSO.
s quatro horas depois de ter pedido licena ao navio chefe do porto, largmos a boia e se-
guimos rio abaixo sob as indicaes do pratico do rio e barra, laborando os prumos aos dois
bordos quando se tornava necessario.
As cinco horas e quarenta cinco minutes, tendo chegado bahia de Cascaes, parou a machine
e desembarcmos o pratico no bote do respective hiate. As seis horas e quarenta e cinco minu-
tos fizeram-se as seguintes marcaes:
Pharol da Roca por N. 230 E. da agulha; pharol da Guia por N. 84 E. da agulha, estando o
navio ao rumo de S. 12 O. Deu isto para ponto de partida latitude N. 380.40'.00". longitude 0. G.
90.28'.45".
Fra da costa o vento era NNO. e depois NNE. regular, mar ch~io. Soltei o rumo pelo N. de
Porto Santo na supposio de que o ramo da corrente do Gulf stream que vae ao S. ao long da
costa de Portugal, me fizesse cair ao S.
No dia 11, comtudo, encontrei corrente ao NO. e arribei mais, seguindo sempre a vapor e
vla com bom tempo.
No dia 12 ao meio dia ainda arribmos mais por ter encontrado a mesma corrente ao NO.
noite enfumaou-se muito o horisonte, especialmente para os lados onde devia estar a ilha do Porto
Santo, e formaram-se aguaceiros. As nove horas e trinta miuutos deu-se vista de terra pela amu-
ra de EB. que se reconheceu ser a ilha de Porto Santo. Contornmol-a pelo S. e no a grande dis-
tancia. s onze horas demorava-nos a ponta N. por O 4 1/2 NO. da agulha e s doze horas por
NO 4 1/2 N.
Aos quarenta e cinco minutes depois da meia noite avistou-se o pharol da ponta de S. Lou-
reno da ilha da Madeira, passando ns entire elle e as Desertas. s quatro horas (a. m.) de 13
fez-se o ponto de chegada, marcando-se a ponta do Garajau a O. e o pharol de S. Loureno ao
NNO. tudo da agulha, estando o navio aproado ao SO 4 1/ 0. o que deu para ponto de chegada.
latitude N. 32.40'.00". longitude O.Gw. 460.351301.
Pairmos at ao dia, pelo S. do Funchal, e quando aclarou demandmos o ancoradouro,
onde lanmos ancora s sete horas da manha de 13.







18


Samos de Lisboa trazendo 97:291 kilogrammas de carvo, e consumiram-se durante a via-
gem que durou sessenta e tres horas (afra tres em Lisboa em que a machine j estava prompt
a funccionar) '15:990 kilogrammas, o que d uma mdia de 242 kilogrammas por hora.


*

A distancia percorrida desde o ancoradouro em Lisboa at ao ancoradouro no Funchal foi de
570 milhas, o que dividido pelas sessenta e tres horas que durou a viagem d a mdia de 9 mi-
lhas por hora.
*


No Funchal desembarcmos as malas de Lisboa e recebemos uma para Tenerife; recebemos
refrescos de care, hortalias, fructas e vinhos para o rancho dos officials, e compraram-se va-
rios artigos de sobresalentes que em Lisboa deixaram de ser fornecidos.


Visitei o ex."m conselheiro governador civil do district.



















DERROTA



MADEIRA PARA TENERIFE












DERROTA DA MADEIRA PARA TENERIFE


Coordenadas geographical


Data
















S14
o

1a
g c


o
6
Eo
a



16.S3'.30"


Derrota


e


16.3'.50'" SE. 5 185
16.15'.0" 250 50


NO.17o


190


Correntes


Direco


N. 82. 0.
N. 75%. E.


Ventos


Direco


E : ESE. regular


ESE.


bonanza


Meteorologia


Estado


Do cu






1


nu
nu


Do mar


vens i cho
vens (


Temperature


Observaes


I
19gl Ponto de partida s quatro horas e
quarenta e cinco minutes (p. m.)
uma hora e vinte minutes (p. m.)
19,g avistou-se o Pico, e s cinco ho-
S ras e trinta minutes (p. m.) fez-
se o ponto de chegada.


32o.37'.9'/

29o.33'.0/
28o.47/.07


- I ~ 1 1
























DA MADEIRA PARA TENERIFE




No dia 14 de dezembro de 1884 pelas quatro horas (p. m.) estava o navio promplo a larger
a vapor do ancoradouro do Funchal. s quatro horas e trinta minutes, estando em cima o ferro,
comemos a seguir ao S 4 SO. da agulha.
s quatro horas e quarenta e cinco minutes fez-se o ponto de partida com as seguintes mar-
caes:
Ilheu N 41 0. verdadeiro; ponta do Garajau S 800 E. verdadeiro, intervallo entire as Desertas
S. 50. E. verdadeiro. Variao 170. NO. Soltei o rumo a passar a O. das Selvagens.
O vento conservou-se E: ESE. bonanoso, o mar cho e optimo o tempo.
Ao amanhecer de 15 via-se por BB. a arrumao da terra das Selvagens, mas no vimos as
ilhas.
uma hora e vinte minutes (p. m.) avistou-se o famoso pico de Tenerife e successivamente
toda a costa NO. da ilha,
s cinco horas e trinta minutes fez-se o ponto de chegada marcando o pico por S. 52". 0.
verdadeiro, e a ponta de Naga por S. 360. E., verdadeiro, o que deu: Latitude N. 28.47'.00".
longitude 0. Gw. 160.15'.00i .
As sete horas o pharol de Naga demorava nos a S. verdadeiro. Fomol-o contornando a rasoa-
vel distancia, e mais tarde avistaram-se as luzes da cidade de Santa Cruz e pouco depois os pha-
roes branco e vermelho do molhe.
Navegmos cautelosamente para elles at chegarmos proximo do fundeadouro, e ento rece-
bemos um pratico que nos foi fundear s onze horas (p. m.) em 8 braas de fundo de lodo ao N.
da cabea do molhe.
*

Consumimos durante a viagem da Madeira que durou trinta horas e trinta minutes (afra uma
hora e trinta minutes no Funchal em que a machine j estava prompta a funccionar), 8:900 kilo-
grammas de carvo, o que d uma mdia de 269 kilogrammas por hora. Total gasto desde Lis-
boa, incluindo o da cozinha. 26:278 kilogrammas.
*
*

A distancia percorrida desde o Funchal at ao ancoradouro de Santa Cruz de Tenerife de
266 milhas, que divididas pelas trinta horas e trinta minutes que durou a navegao do uma
mdia de 8,7 milhas por hora.











*

Em Santa Cruz de Tenerife visitei o governador civil D. Ricardo Gutierres de la Camara e o
capitlo general interino D. Jos de la Ribera. Ambos me retribuiram a visit: o primeiro pessoal-
mente, e o segundo por um ajudante de ordens. No dia 20 chegou a Santa Cruz no vapor correio
de Cadiz o novo capito general sr. Chinchilla, sobrinho do duque da Torre. No tive tempo de
travar com elle conhecimento, visto sair no dia seguinte.

*
*

Durante a nossa estada no porto appareceu ali a fragata hollandeza Atjeh, do commando do ca-
pito de mar e guerra J. A. Greve, com quem foram trocadas todas as visits da etiqueta. A AIjeh
vinha da Hollanda, e seguiu no dia 24 s nove horas (a. m.) para Serra Leoa e Zaire.

*
*

O nosso consul Virgilio Ghirlanda, negociante sob a firma Ghirlanda lermanos, um cava-
lheiro perfeito, muito considerado e que nos obsequiou bastante, especialmente facilitando-me os
meios de obter todos os dados estatisticos de que careci para o relatorio especial que ao ministry
da marinha enviei cerca do porto de Santa Cruz, considerado como escala da navegao ocea-
nica. No seria talvez descabida uma distinco honorifica com que o nosso governor lhe reco-
nhecesse os seus servios de mais de dez annos.




Em Tenerife o tempo esteve quasi sempre chuvoso e mau com vento frescalhio dos quadran-
tes do N. Aproveitou-se, porm, a nossa demora ali e as sotas de bom tempo para pintar o navio
interiormente em cima, o que se no tinha podido fazer em Lisboa pela precipitao da saida e
tambem pela inconstancia do tempo.




















DERROTA


TENIFE PARA S CENTER
TENERIFE PARA S. VICENTE












DERROTA DE TENERIFE PARA S. VICENTE


Coordenadas geographical


o'



es


Data









o

0s
a




21




o 23



cI


25o.22'.0"
22o.20'.0"1
19o.39'.0':


18o.27'.4"
200.22/.231"
22o.39'.22"


170.23'.0" 1 24.37'.30"


Derrota


o










SO. 35
30,
38



39


g-



NO. 2


NO. 200


Correntes


Direco


N.
NE. 32
80



28


Ventos Meteorologia
- _


Direco


ENE.


variavel
calmas

E.


Estado


Do cu


r regular cos
regular e nuvens


fraco
a

regular


fraco


Do mar








cho




:

B


Temperature


o
'S

fc

rt >
3 ^3
rt o
Q -


-o

I







20,1
22,0
22,5


22,0


Observa(es


Largmos s onze horas e qua-
renta e cinco minutes (a. m.)
Ponto de partida s tres horas
e cincoenta minutes (p. m.)
Bom tempo.

-.


Ponto de chegada s oito horas
e trinta minutes (a. m.)
Avistou-se a terra de Santo An-
tao, de madrugada. Aos quin-
ze minutes (p. m.) funde-
mos.


27o.6'.30" 1 6.26'.0"


1


5
j
-i













41R' fiuo




- e enoerife para
(a vapor e a


~S.A4nt

S.T4entte0 ~SSuzia
S.ATzolao


SBrtaO o Maio
-Fivlo


sc v znte
vet7a)


SYaL

V~jBa~ ista


C. Verde


&erro


-12-84


CBmneo























DE TENERIFE PARA S. VICENTE




No dia 21 de dezembro de 1884 estava optimo tempo; vento bonanoso de ENE, cu claro.
Preparou-se o navio para larger, e s onze horas e quarenta e cinco minutes (a. m.), estando a
machine prompta, suspendeu-se o ferro e seguimos para o sul costeando a ilha pelo seu lado
oriental e a curta distancia. s tres horas e trinta minutes, estando-se em posio de soltar rumo
fizemos as seguintes marcaes para ponto de partida. Pico de Tenerife N. 281 O. verdadeiro,
Ponta da Rasca (ultima de O.) N. 740 0. verdadeiro, que deram: latitude da partida 270. 56'. 30".
N. e longitude da partida O. Gw. 160.26'.00". Largou-se o panno todo.
No houve novidade durante a viagem, conservando-se sempre bom o tempo, o mar cho e
o vento brando ou calma.
No dia 25 do manh avistou-se a ilha de Santo Anto e pouco depois a de S. Vicente e ainda
depois a de Santa Luzia. s oito horas e trinta minutes (a. m.) fez-se o ponto de chegada com
as seguintes marcaes: Ponta N. de Santo Anto por S. 66 0. verdadeiro, Ponta N. de S.Vi-
cente por S. 220 O. verdadeiro; o que deu: latitude da chegada 170.23'.00" N. longitude che-
gada 24.37'.30" O. Gw.
As dez horas estavamos EO. com a ponta N. de Santo Anto, e entravamos no canal, e pouco
depois no porto grande, onde lanmos ancora em frente da fortaleza aos quinze minutes (p. m.).
*
*
Consumimos durante a viagem, que durou noventa e seis horas (afra tries em que a ma-
china j estava prompta antes de larger), 22:050 kilogrammas de carvo, o que d uma media
por hora de 232 kilogrammas.
Total gasto de Lisboa at larger de S. Vicente, incluindo o carvo gasto na cozinha, 49:626
kilogrammas.
Em S.Vicente recebemos 62:000 kilogrammas que, com 47:901 kilogrammas que existiam
a bordo, perfaz o total de 109:665 kilogrammas.

*

A distancia navegada desde Santa Cruz de Tenerife at ao ancoradouro no porto grande de
S. Vicente foi de 850 milhas, o que dividido por noventa e seis horas que durou esta navega-
o, d a media de 8,8 milhas por hora.



















DEr RIlO TA

SDVICENTE PAA A

S. VICENTE PARA O PAR












DERROTA DE S. VICENTE PARA O PAR


Coordenadas geographical


a

s B




10 160.52'.O'


o







25".8'.0"


11 150.18'.54"V 27.7'.3"


13.37'.0'f
11o.28'.0"
90.33'.0"
70.38'.0"
50.40'.24 6

30.57'.0"
10.41'.0"

171.18"


290.16'.41"
31.551.33'1
340.211.40"
36o.49.21
39.32'.2't

42.3/.56"'
446.49'.11"

47o.15'.0"'


Derrota


a
U
O
l


SO.50



50
51o
52


'S








em dois
dias
310


201
184
186
em dois
dias
390
214

174


Corrente


Direco


em dois
NE. 56" dias
4,6


SO. 24 6
NE. 74 15
84 14
em dois
SE. 85 dias
22
SO. 58 14


Ventos


Direco


SSO.



SSSO. e O.

variavel


NE. calma


variavel
OSO.ENE.
NE. calma


fraco



aragens

-


fraco


regular

regular
reulr


Meteorologia


Estado


Do cu


nublado





nuvens
soltas



forrado



nuvens
soltas


Do mar


cho



banzeiro




cho
banzeiro


picado
cho


Temperature


21,6I 24,8 764,5 25,0


25,1 26,0 764,2
25,1 25,0 765,0
25,8 25,0 765,8
26,5 28,8 764,5
27,0 25,0 765,2

26,0 26,0 763,5
27,3 27,0 764,2

26,8 27,5 761,0


Observaces


Saida s quatro horas e quarenta
e cinco minutes (p. m.). Pon-
to de partida s cinco horas e
trinta e cinco minutes. Chuva
por vezes; tempo sombrio.







Chuva; fuzis.
Chuva.

Chuva.


27,8n Ponto de chegada s oito horas
S (a. u.).


Data


I ^
28


N
Q 30
31




3
4

5


I I I .


2














fita


jDe V'cee paira. o Patr
(a vao vedZa)
-^----


'l?.84


rf uz,,,


Foyo .


- oo


\\



i/


de Jmirnsnt yatoinal.























DE S. VICENTE PARA O PARA



s quatro horas (p. m.) do dia 27 de dezembro de 1884 estava a machine prompta a func-
cionar e o navio safo. O tempo apresentava-se nublado, e tinham cado alguns chuveiros. Poz-se
o ferro em cima e s quatro horas e quarenta minutes comemos a navegar para flra da bahia
pelo S. do ilhu dos Passaros e contornando a ilha a milha e meia de distancia pouco mais ou
menos.
s cinco loras e trinta e cinco minutes fez-se o ponto de partida, marcando-se o ilhu ao
N. 660 E. e a ponta S. de Santo Anto ao N. T75 O., tudo verdadeiro, o que deu para ponto de
partida o que vae marcado no extract do diario nautico.
O vento que se esperava viria do quadrante NE., conservou-se de SO. bonanoso, com agua-
ceiros; e no dia 29 apparcceu uma larga ondulao do NO. dando grande balano. Navegmos
sempre a vapor ajudados pelo panno quando o vento o permittia.
No dia 29 veiu o vento ao NE. brandissimo, dando grandes intervallos de calma, e conti-
nuando os aguaceiros.
No dia 2 de janeiro choveu consideravelmente com vento regular do NE.
No dia 5 de madrugada reconheceu-se pela cor da agua que estavamos em sondas e em
frento do delta do grande rio Amazonas. As oito horas fez-se o ponto de chegada com a latitude
e longitude estimadas; s oito horas e trinta minutes (a. m.) avistou-se a terra muito baixa, que
se reconheceu ser do 0. das Salinas. Pouco depois avistou-se um hiate pairando a E. em frente
de uma ponta que se reconheceu ser a da Atalaia, aonde est o pharol. Approximmo-nos d'elle,
e vendo que era o dos pilots, recebemos um s onze horas, seguindo immediatamente em de-
manda. da barra do rio. s duas horas e vinte minutes (p. m.) passmos junto ao ponto pharol
que vigia o baixo de Bragana pela parte de NO., e deitmos para o S. e rio acima. Finalmente,
s onze horas e quarenta e cinco minutes (p. m.) largmos ancora no logar das quarentenas em
TapanI, junto margem direita do rio, e obra de 2 milhas a jusante ou a N. da fortaleza de
Santo Antonio da barra. Ficaram os fogos rechegados.
No dia 6 s onze horas (a. m.), isto , mais de onze horas depois de terms fundeado, appa-
receu a visit de saude que nosimpoz vinte e quatro horas de quarentena de observao, apesar
de virmos de portos limpos, de trazermos caria de saude limpa e visada pelo consul do Brazil
em S. Vicente, apesar de ser excellent o estado sanitario da guarnio, e apesar de no terms
communicado com navio algum.
No dia 7 s oito horas (a. m.) voltou o delegado de saude, o dr. Fernando Costa, a desemba-
raar-nos, seguindo ns immediatamente a vapor para cima. s oito horas e trinta minutes pouco
mais ou menos, porm, parou repentinamente a machine, por ter partido a haste da valvula do







36

divisor de baixa presso, no limited da sua rosca, mostrando indicios de j se achar rendida. Tive-
mos, portanto, de seguir vla para o fundeadouro em frente da cidade de Belem, o qual s
podmos alcanar s duas horas (p. m.).

*

Estivemos, portanto, access desde S. Vicente duzentas e sessenta e duas horas, incluindo
o tempo que o fogo esteve rechegado no ancoradouro de Tapan, e o tempo desde que se inuti-
lisou a machine at que se desistiu de a pr a andar. Consumiram-se durante este espao 57:390
kilogrammas de carvo, o que d uma media de 247 kilogrammas por hora da machine prompta
ou a funccionar. Navegmos, comtudo, a vapor apenas duzenlas e vinte e tres horas. Ora, a dis-
tancia navegada desde S. Vicente at cidade de Belem do Par foi 1:782 milhas; subtrahindo
d'ella 8 milhas que andmos vBla do ancoradouro de Tapan at cidade, ficam 1:774 milhas
que divididas por duzentas e vinte e tres horas dio a media de 7,9 milhas por hora. No Par e
na viagem de S. Vicente gastaram-se mais 2:239 kilogrammas de carvo na cozinha e 460 no
escaler a vapor no porto de Belem, o que, junto ao gasto da machine, (l o total consumo de
60:089 kilogrammas.
Total geral desde Lisboa, 109:715 kilogrammas.
Ficaram, pois, existindo 49:576 kilogrammas.
Foram recebidos no Par 52:000 kilogrammas, o que d sada para o Rio 101:576 kilo-
grammas.
*
*

Em frente de Belem amarrou-se o navio, ficando com 36 braas de amarra vasante e 24
enchente.
O navio foi muito visitado, especialmente no domingo, por milhares de pessoas, quasi todas
portuguezas.

*

Durante a nossa estada no Par foram trocadas visits com o commandant da canhoneira
Manaos, capito tenente Jos Antonio de Oliveira Freitas, com o inspector do arsenal, capito
de fragata Carlos Frederico de Noronha, e com o conselheiro president da provincia.
A canhoneira Manaos, que o navio chefe do porto, um pequeno barco de rodas deman-
dando 6 ps de agua e montando duas peas. destinada a subir o Amazonas e visitar os fortes
proximos de Maranho e Cear. E navio de madeira e antigo.
Alem da Manaos, est tambem surta no Par a canhoneira Lamego, muito parecida com ella,
commandada pelo capito tenente Eduardo de Barros Ganda.
O governor possue tambem o casco de um antigo brigue escuna de guerra Tonelero, que vae
apropriar a escola de aprendizes marinheiros, e um pequeno vapor de ferro destinado fiscali-
sao da alfandega e ao abastecimento do ponto-pharol do baixo de Bragana.


*

O arsenal do Par que eu visitei minuciosamente um vasto estabelecimento situado na parte
S. da cidade e com largueza para ter um desenvolvimento muito important. Tem, comtudo, sido
talvez um pouco descurado este ramo de servio public, n'um paiz onde a opulencia florestal
parece que naturalmente estava indicando um bem diverso procedimento. Queixam-se aqui muito
de que a administrao absorvente central da crte no deixa s provincias iniciativa para obras
do seu impreterivel interesse.








37

Ainda assim encontram-se no arsenal os seguintes edilicios: casa para habitao do inspector,
de construco recent, muito vasta e elegant; casa dos armazens do almoxarifado; quartel dos
aprendizes marinheiros, commandados pelo capito tenente Pedro Lopes da Conceio; officinas
de machines, ferrarias e serralharia; hospital naval; repartio de contabilidade; deposits de
material; telheiros de oflicinas de carpinteiros, serrao a vapor, etc.
Est em construcCo um casco para servir de ponto-pharol na barra, e varias embarcaes
miudas.
O arsenal no possue dique nem plano inclinado para reparao de navios.
O inspector do arsenal esmerou-se em nos ser agradavel, fornecendo-nos com a aguada de
que carecemos, varias peas de madeira para diversas obras de bordo, tudo graciosamente. Alem
d'isso presenteou-nos com amostras de madeiras d'aquella rica provincia, alguns models em
vulto de embarcaes miulas do system Trajano e outras, livros relatives marinha, etc.

*
*

Visitei o hospital da real sociedade portugueza beneficente, que um grande e magnifico edi-
ficio, uma escola national de artes e oflicios, o palacio da camera municipal e tribunaes; e assist
com os officiaes a um baile dado expressamente em nossa honra, por uma commisso de pessoas
importantes brazileiras, portuguezas, inglezas e francezas, nas salas da assembla paraense.


*

O nosso consul no Par, dr. Joaquim Baptista Moreira, fui bastante solcito em facilitar a
rapida execuo dos diversos servios de que ali carecemos.




















DERROTA


AR PARA O DE JANEI
PAR PARA 0 RIO DE JANEIRO














DERROTA DO PARA PA




Data Coordenadas geographicas Derrota Correntes Veiltos





Rumo I
Latitude S. Longitude O. Gw. correct Direco Direco ora


Sa 0s s




S15 29 NE. regular

16 0.22'.0 46o.20'.36 NE, 86. 51 i o NE. 89o 11 ENE.
i o.22'.44" 46.29'.36''1.X
17 2 2 o.151.0'' 430.38".54/'. SE. 73 178 NO. 1 0. 8,3 E.: ESE. fraco

18 3 3 2.01.0" 400.58'.31i' 71 170 3 23,2 E. : ENE.


19 4 4 30.21.0'f 380.8' 33" 73o 172 5o SO. 82 14 calma ENE. regular


S 20 5 5 4.37'.0" 35.40'.13'1 57o 176 8 NO. 85 27 ESE. brando

21 6 6 6.19'.0'/ 33.55'.3" 46 145 10 48 17 E.
S 22 7 7 90.57.0" 34.32'.38/ SO. 10 222 63o 15 ,
23 8 8 12.551.0" 360.19i.36'' 300 206 SO. 83 1 : ENE. regular
24 9 9 160.11i.0' 37o.35'.9 20 209 NO. 12o 3 NE.: NNE.


25 10 10 19.43'.0' 38o.30'.48/ 14o 219 SO. 46 13,4 NNE. N. fresco


22o.251.45' 4 o.4 .0 43o 223 NO. 89 20 N. bonana
2 11 11 23o.6'.0" 420.45'.0'/ 64 93 S. 780 0. 11 NNO. calma



27 12 12 calma


RA O RIO DE JANEIRO


Meteorologia


Estado


Do cu


poucas nuvens










o



limpo

algumas nuvens


claros e nuvens



forrado


Do mar


cho

o









1)




alguma vaga



grosso



cho



estanhado


Temperature


01
o










27,9

26,8

26,0


-a







28,0

27,0

27,2


27,6


27,5

26,8
27,2
27,0
27,2


t

.0S

-o






767,9

767,3

769,0


766,8


765,5

767,0
766,5
767,2
766,0


763,5


Ohseirtce


Largmos do ancoradouro de Belem
s onze horas e trinta minutes
(a. m.)
As seis horas e trinta e sete minu-
28,8 tos (a. m) fez-se o ponto de par-
tida.
27,6 | -
As cinco horas e cincoenta minutes
27,3 (p. m.) avistou-se a ponta de Ja-
caracuara.
As nove horas e trinta minutes (a.
27,0 iii.) avistou-se terra do Cear at
noite.
A uma hora (p. m.) avistou-se a
27,0 terra do N. do Cabo S. Roque at
noite.
27,2 Ao pr do sol viu-se a terra do N.
de Pernambuco.
28,0
28,0
27,5 meia noite avislou-se o pharol
dos Abrolhos (intermittente).
As duas horas (a. m.) perdeu-se de
,0 vista o phlarol. Fuzis a O. e OSO.
27,0 s dez horas e quinze minutes (p.
m.) furiosa trovoada no zenilh.
s tries horas,(p. m.) avislou-se o
cabo Frio. As sete horas eslava-
m-os ao S. d'elle e s onze horas
e trinta minutes avistou-se o pha-
rol da ilha Rasa.
Ao romper do dia navegmos para a
S costa e s dez horas (a. m.) fun-
demos no Rio de Janeiro.
I


Meteorologia

















Ba }?1zJ7rtl 4oaezer


(a vaporea lay


.4pOeaa
Jo
O


Pe7warnzteou


50.


IV


C.Y
-~ai~d~~


191

Y
'3i


'''

























DO PARA PARA O RIO DE JANE1RO




No dia 15 de janeiro, s onze horas e trinta minutes (a. m.), tendo recolhido a bordo o com-
missario que fra fechar as contas do navio, e estando a machine prompt a funccionar, levmos
ancora e seguimos para o N. pelo rio abaixo, sob as indicaes de um pra:tico, com vento NE.
regular.
s duas horas e trinta minutes (p. m.) largmos ancora em frente e perto da ilha de Tatuoca,
e foi a terra um escaler buscar areia. n'esta ilha que est edilicado o lazareto do Par, ulti-
mamente construido por um benemerito portuguez, Antonio II. Loureiro Sequeira, e por elle
gratuitamente offerecido provincia.
As tres horas e cincoenta minutes seguimos para o N. navegando com as convenientes cau-
telas e sondando de vez em quando depois de cair a noite.
s onze horas e trinta minutes (p. m.) do mesmo dia 15 demos vista do pharol fluctuante do
i.aixo de Bragana; e aos trinta minutes (a. m.) de 16 passmos perto d'elle, aproando depois
ponta das Salinas. e tendo assim deitado de barra em fra.
No dia 16 s tres horas e 50 minutes (a. m.) deu-se vista do pharol da Atalaya, na ponta das
Salinas, e s seis horas (a. m.) avistou-se o hiate dos pilots. s seis horas e trinta e sete minu-
tos desembarcmos o pratico, fazendo-se n'essa occasio o ponto de partida com a marcao do
:pharol distancia de 9 milhas ao rumo de S. 100 0. verdadeiro. Prurou se n'essa occasio, en-
contrando-se 19 braas de fundo.
Soltei o rumo a afastar um pouco da costa, e pouco depois das oito horas (a. m.) j a no
via por ser ella aqui extremamente baixa.
Entendo hoje, porm, que a melhor navegao teria sido conservar-me vista de terra, muito
embora tivesse de prumar de vez em quando.
Proximo da terra iria mais safo dos baixos, duvidosos ou no, que jazem fra, e sentiria,
talvez, menos a corrente a 0.
Ao meio dia de 16 soltei ento o rumo parallelamente terra que nunca vi e a passar por
dentro do lugubremente celebrado baixo de Manuel Luiz.
O baixo de Manuel Luiz, que o baro Roussin consider como um dos mais perigosos que se
podem encontrar no Oceano, s chegou a ser bem conhecido e determinado depois de ter sido o
cemiterio de muilos navios. Jaz a 77 milhas ao N. 8. E. verdadeiro de Itacolomi e consta de
muitos grupos de rochedos conicos afogados, mas quasi de nivel com a baixamar. Ora, como
.n'estas paragens rarissimas vezes reinam ventos violentos, o Manuel Luiz s rebenta l de es-
pao a espao na baixamar, sendo por isso muita vez quasi de todo impossivel avistal-o, mesmo
passando-se muito proximo..









Ha sobre estes rochedos de 5 a IS ps de agua na mar vasia e 8, 10 e 12 braas logo a ras-
tejar com elles. , portanto, possivel, e tem sido infelizmente frequente, dar-se vista d'este pe-
rigo subitamente quando se est j quasi em cima d'elle, e naufragar-se sem esperana alguma
de soccorro. Diz mais o baro Roussin que este baixo to traioeiro que, quando a mar tenha
duas horas de enchente, e se o mar estiver liso, no ser possivel avistal-o mesmo de meia milha
de distancia.
Ns passmos ao S. do Manuel Luiz, mas talvez no a mais de 8 milhas antes de romper
o dia.
At 18 ao meio dia convergimos um pouco para a costa que boja para o NE. entire as provin-
cias de Piahui e Cear. s cinco horas (p. m.) d'esse dia prumou-se em 15 braas de fundo de
areia, e s cinco horas e 50 minntos aNistou-se por EB. a ponta de Jacaracuara. Pouco a E.
d'essa ponta a terra recolhe novamente e por isso nos fomos d'ella gradualmente afastando sem
mudar de rumo.
Ao amanhecer de 19 avistou-se terra, e reconheceu-se a serra de Mandalem que s oito horas
(a. m.) se marcava por S. 630 0. verdadeiro. As nove horas e trinta minutes avistou-se a terra
do Cear que se marcou por S. 350 O. verdadeiro e se conservou vista at noite. uma hora
(p. m.) marcou-se um pico notavel, provavelmente o de Aratanha por S. 47 0. verdadeiro, s
quatro horas por S. 730 O. e as seis horas por S. 79 0.
No dia 20 pela uma hora e cincoenta minutes (p. m.) avistou-se a terra, pois que n'esta sin-
gradura fomos convergindo para o cabo Calcanhar, que boja para NE, e frma o principio da
volta para o cabo de S. Roque. Conservou-se vista a terra at ao escurecer a curta distancia.
s seis horas e trinta minutes marcou-se por S. 160 E. verdadeiro a ultima ponta visivel e
prumou-se em 10 braas.
Existe junto a esta parte da costa, e justamente entire os cabos Calcanhar e S. Roque, uma
linha de recifes de pedra, que deixam entire elles e a terra um canal navegavel de perto de 2
milhas de largo e de mais de 30 de extenso. obvio que seguindo por dentro d'este canal um
navio a vapor abrevia a distancia, visto que monta o cabo a rastejar com elle, encontrando mar
perfeitamente plano, e evita, indo para S., a maior fora da corrente que contorna o cabo para
o NO.
Ns no podmos entrar n'este canal, por isso que no possuiamos a bordo os mappas des-
envolvidos d'elle, que tive occasio de ver depois no Rio de Janeiro. Em consequencia d'isso
tivemos de dar o necessario resguardo parte exterior dos recipes, perdendo tempo e caminho,
e guinando s mais para terra, isto , para o S. s duas horas da noite quando nos reputmos
safos.
A 21 estavamos a E. de toda a terra brazileira e podmos ento navegar para o S. e um
pouco para 0. ao long d'ella. O vento, que at ahi se tinha conservado ponteiro, incidindo agora
do travez, permittiu larger o panno redondo, e finalmente foi n'esta singradura que se sentiu a
ultima corrente ao NO.
s cinco horas (p. m.) d'esse dia 21 avistou-se a terra da Parahiba, Cabo Branco provavel-
mente, marcando-se ao anoitecer por S. 670 0. verdadeiro a ultima ponta visivel por EB. da
proa.
De noite avistaram-se various navios. Pouco depois da meia noite avistou-se por EB. da proa
uma luz branca fixa que parecia pharol em terra, mas que no vinha mencionada nos nossos
mappas, nem no livro The lights and Tides of the world, edio de 1878, que a bordo ha. Soube
mais tarde no Rio que era o novo pharol fixo do cabo Santo Agostinho, o qual perdemos de
vista pouco antes das tires horas e trinta minutes (a. m.) de 22 pela alheta de EB.
De 22 a 24 navegmos afastados e fra da vista de terra que recolhe a 0. ajudados pela
corrente ao SO. e com vento largo regular.
A 24 ao meio dia estavamos proximo das sondas denominadas Royale Charlotte, e soltmos
o rumo a passar fora do alcance maximo do pharol dos Abrolhos, por no terms o mappa des-
envolvido d'essa parte da costa que nos permittisse navegar por dentro com o que teriamos abre-







415

viado um pouco a distancia. meia noite, porm, avistou-se por EB. da proa um pharol de re-
lampagos que se marcou a O 4 4/4 SO. de agulha, e que se reconheceu ser o dos Abrolhos para
onde a corrente nos encostava. As duas horas da noite perdemol-o de vista ao rumo de NO 4 N.
da agulha.
Na seguinte singradura navegmos a approximar mais da terra que recolhe a O. e um pouco
por fra da ponta de S. Thom.
N'essa noite, isto , pelas dez horas (p. m.) de 25, passou no zenith uma trovoada violentis-
sima de OSO., talvez das mais furiosas que tenho na minha vida presenciado. Houve um mo-
mento em que parecia que um feixe de fortes fascas caia mesmo sobre a mastreao com um
estampido medonho e relampagos sucessivos e deslumbrantes. Tomaram-se as necessarias pre-
caues diminuindo de panno e lanando na agua os conductores; felizmente no deu muito vento
e no houve novidade alguma desagradavel.
No dia 26, pelas oito horas (a. m.), deviamos estar com o cabo de S. Thom que se no podia
ver, no s por ser a terra ali extremamente baixa, mas tambem por estar densamente forrada
a almosphera today e curtissimos os horisontes. Prumou-se e encontrou-se 20 braas de fundo,
o que concordou regularmente com as indicaes do mappa. Choveu todo esse dia com abun-
dancia.
Perto das nove horas (a. m.), tendo clareado um pouco o horisonte para 0., pareceu ver-se
a terra muito enfumaada. Pouco antes do meio dia prumou-se outra vez e acharam-se 25 braas.
Avistaram-se various navios.
As Ires horas (p. m.) d'esse mesmo dia 26 demos vista de terra a SO 4 0. da agulha, a
qual se reconheceu ser a ilha de Cabo Frio. Pouco depois distinguia-se bem o edificio do
pharol, o qual s seis horas nos demorava ao N. 61 O. da agulha. Fomos contornando o cabo a
curta distancia; s seis horas e quarenta e cinco minutes estavamos ao S. verdadeiro do pharol,
e s oito horas demorava-nos elle ao NE '/2 E. da agulha. Ao S. do cabo o vento acalmou de
todo e o mar apresentou-se estanhado. Foram vistos various navios.
Fomos navegando para O. ao long da costa. As nove horas deixou de ver-se o pharol do
cabo, o qual ento demorava NE 4 8 E. da agulha. s dez horas e trinta minutes avistou-se a
terra n'um claro que a densa neblina deu n'um curto espao em que deixou de cover, e pareceu
reconhecer-se o cabo Negro. As onze horas e sete minutes (p. m.) prumou-se e encontrou-se
fundo com 54 braas. As onze horas e trinta e cinco minutes avistou-se inesperadamente o bri-
lhantissimo pharol electric de relampagos da ilha Rasa, sendo dois relampagos brancos e um
vermelho. Marcou-se ao N. 820 O. verdadeiro distancia arbitrada de 21 milhas, servindo esta
posio para ponto de chegada.
A vista do pharol da ilha Rasa surprehendeu-nos com effeito pelo seguinte motivo: o mappa
que existe a bordo e que tem a data de 1868 e o livro Lights and Tides, edio de 1878 davam-
nos o pharol da Rasa como visivel de 10 a 1I milhas, e s vezes muito menos ainda em conse-
quencia dos nevoeiros. Ora, succedia que a noite estava cheia de neblinas densissimas, chovendo
constantemente, devendo, portanto, ser muito menor ainda do que 10 milhas o alcance do pha-
rol, e devendo ns conseguintemente estar muito proximos d'elle, para o que era necessario
admittir ter havido nia violent corrente a O.
Soubemos, todavia, chegada ao Rio que o antigo apparelho de luz do pharol da Rasa fra
substituido por um esplendido pharol de luz electric de primeira ordem, visivel a 35 milhas em
boas condies, e pelo menos a 20 milhas nas condies atmosphericas em que estavamos,
attento o seu grande powder de penetrao.
Durante a noite, e depois de ver o pharol da Rasa, pairmos vista d'elle, andando o mais
vagarosamente possivel com o leme todo a um lado e prumando de vez emquando sempre entire
50 e 55 braas. s vezes a neblina era to densa que encobria de todo a luz; chuva toda a
noite.
Ao romper do dia 27 n3o se via a terra posto estarmos proximo d'ella. Deitmos para o N.
a reconhecel-a e vimos que estavamos a E. do Rio. Havia uma neblina densissima, calma e chuva









que encurtava os horisontes. Navegmos convenientemente e fomos passar a O. da ilha Pay, e
d'ali deitmos direito fortalza de Santa Cruz, na entrada da bahia do Iio de Janeiro. Entrmos
a barra s nove horas e trinta minutes, e s dez (a. m.) largmos ancora em 10 braas a pouco
mais de meia milha ao N. da ilha de Villegagnon e quasi em frente ou a E. da ponta do Cala-
bouo e ces do Pharoux. Amarrou-se logo o navio ficando com 36 braas de amarra para a va-
sante e 24 para a enchente.
*
*

Estivemos, portanto, access desde a cidade de Belem at ao ancoradouro do Rio de Janeiro
duzentas e noventa e duas horas, incluindo quatro em que a machine j ostava prompta antes de
largarmos do Par. Consumiram-se durante este espao de tempo 76:925 kilogrammas, contando
o tempo em que estivemos pairando, andando roda em frente da costa do Rio na noite da ves-
pera da entrada, o que d a media de 263 kilogrammas de carvo por hora.
Consumiram-se mais no escaler a vapor no Rio, na cozinha, em viagem do Par e no Rio
6:270 kilogrammas, o que (l para gasto total desde o Par 83:195 kilogrammas. Abatido isto
do que existia said do Par ficam 18:381 kilogrammas.
Receberam-se no Rio 90:500 kilogrammas de carvo, existindo, portanto, sada do Rio
108:881 kilogrammas de carvo.
Navegmos desde o ancoradouro de Belem no Par at ao da bahia do Rio de Janeiro 2:202
milhas em duzentas e oitenta e cinco horas, pois que das duzentas e noventa e duas se abatem
seis em que a machine estava prompta antes de larger, e uma hora em que o navio esteve fun-
deado em frente da ilha de Taluoca a receber areia. Abatendo mais oito horas da noite da ves-
pera da chegada em que estivemos pairando vista do pharol da ilha Rasa, temos s duzentas
e setenta e sete horas de navegaio, a cada uma das quaes corresponde a media de 7,9 milhas.

*
*

Fui logo comprimentado por um ajudante de campo da parte do chefe de esquadra, baro
de Jaceguay (Arthur Silveira da Mota), commandant da esquadra de evolues surta no Rio de
Janeiro.
Consta esta esquadra de 7 navios e 2 torpedeiros, e formada por duas divises: a primeira,
a que pertencem os 2 couraados Jarary e Solimes e os 2 torpedeiros; e a segunda, compost
das 4 corvetas mixtas de madeira Guanobara, Almirante Barroso, Trajano e Primeiro de Marco.
O commandant em chefe tem a sua bandeira a bordo do couraado Iliachuelo: a diviso de
couraados ou primeira diviso commandada pelo chefe de diviso Joo Mendes Salgado com
a sua insignia no couraado Javary; e a segunda diviso commandad: pelo chefe de diviso
Luiz Maria Piquet com a insignia a bordo da corveta Guanabara.
Os navios so commandados pelos seguintes oliciaes:
Riachuelo.- Capito de mar e guerra, Eduardo Wandenkolk.
Solimes.- Capito de mar e guerra, Jos Marques Guimares.
Javary.- Capito de mar e guerra, A. Cordovil Maurity.
Guanabara.- Capito de fragata, J. Nolasco Pereira da Cunha.
Almirante Barroso.-Capilo de fragata, Luiz Filippc Saldanha da Gama.
Trajano.- Capito de fragata, F. T. Pereira Pinto.
Primeiro de maro.- Capito de fragata, A. Pompeu de Albuquerque Cailvacanti.
Troquei visits pessoaes com os officiaes generaes commandantes da esquadra e tdas divises,
com os commandantes dos navios da esquadra, bem como com os coinmandanies dos outros
navios surtos no porto, a saber:
Sete de setembro (couraado).- Capito de mar e guerra, Manuel Bicardo da Cunha Couto.







47

Madeira transporte de rodas).- Capito de fragata, Pedro Benjamin de Cerqueira Lima.
Purus transporte de rodas).-Capito tenente, Jos A. de Alvarim Costa.
Estavam mais no porto, mas no os visitei, os seguintes navios de guerra:
Amazonas (corveta de rodas) que serve de escola de artilheria.
Imperial Marinheiro, corveta mixta de madeira acabada de construir na industrial parti-
cular.
Iniciadora, canhoneira de ferro.
Aprendiz Marinheiro, patacho de vla que serve de escola.
A esquadra de evolues, que parecia estar em muito boa ordem, saiu no dia 5 de fevereiro
de manh a fazer exercicios na costa. Todos os navios que a compem so imponentes. O Ria-
chuelo, construido recentemente em Inglaterra, foi visto em Lisboa, e por isso nada direi a seu
respeito. Os outros dois couraados Solimes e Javary, construidos ha dez annos no estabeleci-
mento das Forges et Chantiers do Mediterraneo, so perfeitamente iguaes, mas j completamente
obsoletos vista da modern construco naval. Os torpedeiros so muito similhantes ao nosso
Espadarte.
Dos navios de madeira apenas especialisarei a corveta Almirante Barroso, acabada de con-
struir no arsenal do Rio. Este navio, que de frmas elegantes e de um acabado primoroso, todo
construido com material e operarios brazileiros, com excepo apenas do seu armamento, que
consta de 9 peas de artilheria iguaes s que acabam de ser adoptadas na nossa canhoneira
Vouga, e que vieram de Inglaterra. Nas decoraes interiores, nas cameras e camarotes, apre-
sentam-se as ricas madeiras brazileiras em variados matizes, no cobertas por pinturas, mas
apenas polidas. As machines, em que se empregou o ferro das minas de S. Joo de Ipanema, so
de uma execuo perfeitissima e que faria honra ao melhor arsenal da Europa.
Durante a nossa estada no Rio entrou a canhoneira brazileira Guarany, construida toda,
inclusive a machine, no arsenal da Bahia. Entrou tambem a canhoneira franceza Gabs, que
vinha de Montevideu e seguiu para o Zaire. Com ambas estas foram trocadas as visits de eti-
queta.

*

Visitei oficialmente nas suas reparties o ex."n ministry da marina, almirante conselheiro
de estado e senator do iniperio, Joaquim Raymundo de Lamare; o ajudante general da armada,
vice-almirante graduado e conselheiro de guerra, Eliziario Jos Barbosa; e o inspector do arse-
nal, vice-almirante, baro de Ivinheima. O ministry e o inspector do arsenal retribuiram pessoal-
mente a minha visit; o ajudante general mandou-a retribuir por um capito tenente seu ajudafnt,
de ordens.
Visitei tambem o arsenal do marina e o museum de marina. No museu de marina encon-
tram-se os models em vulto da maior parte dos navios de guerra brazileiros, models variadik-
simos de embarcaes miudas, um lindo modelo da fragata ingleza couraada Neptuno, construidi
originariamente para o governor brazileiro com o nome de Independencia, armas e peas de arti-
Iheria (algumas com as armas portuguezas) tomadas aos paraguaios, a celebre amarra de ferro
que interceptou a passage do rio em ilumait, e muitos quadros a oleo representando episodios
da historic brazileira e especiallmente tda ultima campanha no Paraguay.
O arsenal de marina esl perfeitamente altura tdas exigencias da marina brazileira, espe-
cialmente havendo arsenacs tambem nas capitaes das principles provincial, takes como no Par.
Pernambuco, Bahia, etc.
O arsenal situado na ponta N. da cidade e junto ao morro de S. Bento, occupa tambem uni;
ilha proxima chamada das Cobras, onde tem dois vastos diques abertos no granito, o hospital
de marina e outras dependencias. 11a no arsenal varias carreiras de construco todas co-
bertas de telheiros permanentes de ferro zincado, magnificas onficinas de machines, fundio,
etc.. etc.







48

Esto em construco no arsenal uma grande corveta a vapor de system mixto de ferro e
madeira, e varias canhoneiras chatas de ferro e madeira para navegao de rios, algumas das
quaes com installao para lanarem torpedos.
Conservam no arsenal os models, em vulto e em ponto pequeno, das machines dos princi-
paes navios, dispostos em armarios envidraados, e movidos por meio de uma correia sem fim
que transmitted o movimento das grandes machines motors do arsenal. A perfeio e acaba-
mento d'estas machines pequenas o que se pde imaginar de mais admiravel no seu genero.
As reparties do ministerio da marina e commando geral, alem da da inspeco do arsenal.
encontram-se todas dentro do edificio.
Existe um project para a mudana do arsenal de marina com todas as suas dependencias
para a ilha do Governador, situada ao fundo ou ao N. da bahia do Rio, pelo receio de que no
caso de uma guerra com uma nao maritima podsse ser em pouco tempo inutilisado o actual
arsenal, que se acha muito exposto a quem forasse a entrada da barra. Este project est,
porm, naturalmente adiado pelo motivo de estar a sua execuo orada em cerca de ris
30.000:000N000.
*
*

Visitei no Rio de Janeiro os diversos estabelecimentos de iniciativa portugueza, takes como: o
gabinete de leitura, o hospital da real sociedade de beneficencia, o ]yceu litlerario, o club gymnas-
tico, etc., e visitei tambem o imperial lyceu de artes e officios, o museu national e a academia de
bellas artes.
*
*

No dia 2 de fevereiro tive a honra de ser apresentado a Suas Magestades o imperador e a
Imperatriz, pelo ministry de Portugal conselheiro Antonio Tovar de Lemos, no pao de Petro-
polis, e no dia 8 fui ao pao de S. Christovao apresentar os ofliciaes a Sua Magestade o Impe-
rador e despedir-me.
*


Recebi as visits do ex."m ministry de Portugal, conselheiro Antonio Tovar de Lemos e do
ex."m consul geral visconde de Wildick, esmerando-se um e outro em nos serem por todos os
modos agradaveis.

*

O navio esteve sempre patente aos visitantes e especialmente nos domingos e dias santifica-
dos, em que foi visitado por milhares de pessoas, principalmente subditos portuguezes.


*

Foram feitos various trabalhos de apparelho com o pessoal de bordo e alguns fabrics indis-
pensaveis que constam de outra parte d'este relatorio. O arsenal forneceu-nos de aguada e ope-
rarios. As contas d'essas despezas no foram pagas pelo navio, posto terem sido pedidas, dizen-
do-me o inspector do arsenal que esse assumpto seria tratado entire o ministry da marinha e o
ministry plenipotenciario de Portugal.

t i

Durante a nossa estada no Rio de Janeiro communicou-me o ex."1 ministry de Portugal em
31 de janeiro o seguinte telegramma de 19 d'esse mez do ex.m10 ministry da marina: Diga logo







49

chegue Castilho commandant Rio Lima nomeado conselheiro e governador de Mocambique apresse
viagem para ali.
Em 9 de fevereiro telegraphei ao ex.m" director geral de marinha : Conviria omittir escala
Monterideu. Em 10 recebi reguinte resposta. No v ao Rio da Prata. O seu immediate foi no-
meado governador de Loureno Marques.
Em vista d'isto, pois, foram alteradas n'este ponto as instruces e decidi seguir directamente
para o Cabo da Boa Esperana.



















DERROTA



RIO DE JANEIRO PARA A BAHIA DA MESA








52





DERROTA DO RIO DE JANEIRC


Coordenadas geographical


Latitude S.


Longitude
O. Gw.

E. Gw.


43o.6'.0"


1,4 230 51.10'/


2,4 25-.26'.011 42-,161.2911

3,4 27o.35'.0" 40,.1441X71
4,4 28o.35.18//1 37o.5.3411 ,


290.0'.0"1
29.391.01"
290.541.0/'
300.54'.0"'
31o.8'.0"
31.36/.0"
32.14/.0'!
32.48/.01'
33o.17i.0"
33o.57/.0'1
340&.4.0,"


34o.9'.01'


17,4 33o.50/.01


18,4 34.33'.0"


350.7/.0/


35o.31',0"1


21,4 350491.0/1



22,4 35o.44I.01'


340.5546W 1
310.551 5,1
28o.581.29I
26o.40.27i/
250.341/811
2W0.261.49/1
22o.481.5511
200.5111.17,1
4 o.301.0/1
17o.411.56"1
16,.25'.34"


29 23,41 350.46/.0/


Derrota


o
8

o
a



i40.58'.35/ SE. 860


13o.42'.171 NE. 73o


148

171





163
453
457
35
64f
92
103
77
98
6'


11.191.45" SE. 70 126


8,.41'.411


6-.X1.5611


2,.191.1 7


00.261,22'/ NE. 891 134


20.321.20'/ SE. 89


s
a






NO.


4


Correntes


Direrco


NO. 77

600


N. 5o E.


NO. 300
NE. 29
NO. 830
SO. 57
SE. 26-
400
60
400
8
NO. 860


NE. 57o


SE. 74o


SO. 270


SE. 210


17o



NE. 1o

SO. 46


Velocidade
Milhas


em
dezenove
horas
17
7,7


8

.7









6


11,5


16 5



10

3


Ventos


Direco


ENE.

NE.
NE.
N.
NO.
NE.
N.
N. : NNO.
aragens

NNE.





NE.
NNE.
N. : NNE.
N.
NNO.
S.
SSE.
SE.
E.
E. : ENE.
NE.
N.
NNO.

N.
NNE.




NNE.; NE.
NO.
ONO.

0.
NO.


regular

fresco
muito
fresco
rajadas
bonana

calmicos


bonana






bonana

fresco


irregular

regular
fresco

regular
bonana

fresco


duro
Muito

duro
fresco
bonana


eo


PARA A BAHIA DA MESA


Meteorologia


Estado Temperatura


Do cu


Do mar


cho



alguma vaga

vaga grossa

muito grosso e corrido

banzeiro

quasi cho

estanhado
cho








cho, pequena vaga





agitado


banzeiro, cho


vaga do vento


muito agitado



grosso

banzeiro


-7,0



27,0


limpo





claros e nuvens

forrado densamente


mais ou menos nublado
quasi limpo
limpo
quasi limpo






poucas nuvens


nuvens, forrado





limpando; limpo


claros e nuvens





nublado densamente



claros e nuvens


-,



26,0


E

-o


764,5

761,0

762,8
763.2
765,4
762,5
769,5
772,5
768,8
769,6
772,0
771,2
769,0


769,7


768,0


763,5


766,3


764,0


760,4



764,6

766,8


Data


Observaes


/
Largmos s duas horas e cincoenta
minutes (p. ui.) s cinco horas
fez-se o ponto de partida, nave-
gando a vapor.
s dez horas e trinta minutes (a. m.)
parou a inachina e seguimos
vla.

De noite trovoadas com saltos de
vento niuito duro e copiosissima
chuva. As dez horas (a. m.) accen-
deu se de novo.
Ainda salseiros, mas menos fortes.
Idem. Vento brando.
Lindissimo tempo.
Idem. Cacimba de noite.
Idem.
IJem.
O vento firmou mais.
O mesmo tempo. Larga ondulao
de O.
Idem. Muita cacimba de noite.
Idem.
Idem.


Atnosphera leve. De noite muita
21,5 cacimba. As sete horas e trinta
minutes (a. m.) saltou o vento ao
S. com aguaceiros.
Alguns salseiros no pesados, atmos-
21,5 phera forrada. De tarde e de noite
cacimba copiosa.
23,0 Limpando de noite e refrescando o
vento. Bom tempo.
Vento frescalho at tarde e alo-
23,0 nanando de noite. Atmosphere
leave e clara. Bom tempo; viu-se
sargao de manh.
2 Vento regularmente fresco. Muita
2, cacimba de noite. Bom tempo.
Refrescando successivamente al s
duas horas (a. m.) em que saltou
20,2 ao NO. com um aguaceiro pesa-
dissimo. Depois das oito horas
(a. m.) limpou.
Melhorando o tempo e diminuindo o
18'5 mar e o vento. Ondulao larga
do O.
20 Bom tempo. Atmosphere leve. On-
20,0 dulaio larga de O.


2








5-



27,5

27,0

23,8

23,9
2',2
26,0
26,2
25,6
25,0
24,6
24,2
24,0
23,0
23,0


6


7


8



9

10


I


1 1


1


18,0

18,2










Dat Dert CornesVn


Coordenadas geographicas






Latitude S. Longitude
E. Gw.


35o.53'.0'/
35o.39'.0"1


5o.0'.3/
80.17'.59"

100.50'.16"



13o.8'.50"


15o.48'.43"


18o.4'.0"1


Eo




250
260

27



280


DireceSo






SO. 86
NE. 85

SO. 14o



840


NO. 5,o



62o


Velocidade
Milhas





6
7





27


8



20


Direco






NE.
NNE.
N.
NO.
0.

SO.
SO.
SsO.

SSO.


Fora






regular
fresco

muito
irregular

regular-
mente
fresco

D


Meteorologia


Estado Temperatura


Do cu


claros e nuvens
limpo

nublado



S


claros e nuvens



claro


Do mar





pequena vaga
vaga do vento

pequena vaga



agitado


vaga do vento



picado


3







20,7
20,0

18,5



20,5


19,5


5



20,2
22,5

18,0



17,4


18,0



21,6


767,5
764,8

765,8



767,8


770,5



767,7


o








70,7
21,1

19,0



18,0


t9,0
21,0


Observaces


Bom tempo. Atmosphere leve. On-
dulao larga de O.
Lindissimo tempo.

Nublado. Alguns chuviscos miudos.



Idem. Vento refrescando.

1
Bom. tempo. Extraordinaria arden-
tia.
Bom tempo. As tres horas (a. m.)
avistou-se o pharol da ilha Rob-
ben, e s cinco horas marcou-se
ao SE. 4 '/4 E. da agulha distan-
cia de 15 milhas. Fez-se o ponto
de chegada; s oito horas (a. m.)
fundemos.


26,4 3o.18'.0/'



27,4 34.38'.0"


28,4 340.19'.0''


33o.47'.0'1


'-" ------ ------ -- - -


Derrota


Correntes


Ventos


Data


~----i---- --- I~.--L-.C-ii.---l----ii~i~i-C-~

























DO RIO DE JANEIRO PARA A BAHIA DA MESA



No dia 16 de fevereiro de 1885 pelas duas horas e cincoenta minutes (p. m.), soprando bo-
nanosa a virao de SE. e estando o navio aproado enchente, levmos ancora e seguimos para
a barra a vapor, passando-a sem novidade. Pelas cinco horas (p. m.), tendo j montada a ilha Rasa,
fizeram-se as seguintes marcaes para o ponto de partida indo o navio ao rumo de S 4 1'/ SE.
da agulha.
Pharol da ilha Rasa N 500 0. da agulha.
Po de Assucar N 150 0. da agulha.
Fortaleza de Santa Cruz N. 50 O, da agulha; e com ellas se determinou o ponto de partida.
Um pouco mais fra o vento era E. e E: ENE. regular deixando bem reger o panno, mas
o mar comeou a cavar-se e a dar balano. Soltei o rumo aos 230 SE. verdadeiro, isto uma di-
reco proximamente normal costa do Rio, no s para ir ganhando alguma cousa para E. e
principalmente para S. mas para ir ao mesmo tempo saindo da influencia provavel das bonanas
costeiras.
No dia seguinte o vento estava francamente estabelecido do NE. regularmente fresco, e por
isso mandou-se parar a machine seguindo-se unicamente vla; o mar foi-se agitando gradual-
mente, mas a atmosphere conservava-se leve, posto que por vezes algumas nuvens. O barometro
no inspirava receios.
Como era de esperar encontrmos corrente a NO. por 77 com a velocidade de 17 milhas
em dezenove horas. Em consequencia d'isso, em consequencia de ser convenient ir ganhando
mais E. para sair da regio das correntes contrarias e para no nos entranharmos muito pelo
S. com um vento demasiadamente escasso e com mar to grosso, apromos na segunda singra-
dura aos 4i SE. verdadeiro. N'esta singradura a corrente, cuja direco foi ainda para NO.
por 600, no excedeu a 7',7.
Tendo chegado posio do ponto observado do dia 18, achava-me em condies favoraveis
para adoptar a navegao aconselhada por Horsbourgh, isto , navegar direito ao ponto de inter-
seco do meridiano de Greenwich com o parallel de 350. Tracei, portanto, o circulo maximo
entire a nossa posio e o dito ponto de interseco resolvido a seguil-o quanto possivel.
Para a tarde d'esse dia 18 a atmosphere carregou-se mais, fuzilando desde o SO. at ao NO.
rondando de noite o vento pela popa para NO. a principio muito duro, com trovoadas fortes e
chuvas copiosissimas. Toda a noite se conservou assim tempestuosa, tendo-se de reduzir muito o
panno e por conseguinte andando-se bastante arribado, por ser o vento geralmente NE., por ser
muito grossa a vaga e por ter o navio pouco seguimento e muito abatimento.
8







40!


.I I_ I, I -r t. l T -l .i. na 1 it I.-i Is 1 1 x : ir m 1 n 1 1 Jn .1 I


r'**.**>


-




-%G


223N


SII


1A1'


.... ..........................J
I'4>
: x E? :






j4,
: or



\,.
^^^^^*^^ Q^ ^"' .''iyff^s^" ^^ ^ ri' *
'.^^^^^^^^.K"-^^. *^'"i^."* .'' ^ J" f*

KS^^^i^^ ^ ^ ^^ ^^tM K :^ : I^K ^j *^O"^







58

Em takes circumstancias decidi puxar a vapor para E. para ver se saia d'esta regio, que no
podia deixar de ser restrict, de um tempo to pouco favoravel. s dez horas (a. m.) de 19 lan-
ou-se fogo nas fornalhas, e ao meio dia comemos a andar a 7 milhas dando 70 rotaes do helice.
Andmos assim a vapor at ao dia 23. O tempo poz-se bom, o mar caiu, mas apesar de todas
as previses e esperanas no appareceu vento n'esse dia, achando-nos uma hora (p. m.) em
260 de longitude 0. Gw. proximamente e no podendo continuar a gastar carvo, de que s havia
umas 67 toneladas, mandou-se apagar o fogo da machine e larger panno. A tenuissima aragem
de NO. ou NNO., apenas imprimia ao navio o andamento de I milha I
Em 24 firmou o vento brandissimo no NNE. comeando o navio a caminhar vagarosamente.
Em 25 a corrente, que at ahi fra para 0., virou para o lado opposto conforme indica o map-
pa, e o vento tomou mais alguma fora.
Assim continumos com um lindissimo tempo nos seguintes dias: mar chio, cu limpo e azul,
atmosphere muito diaphana, horisontes admiravelmente extensos, vento muito bonanoso do
NNE. e NE., muita cacimba de noite.
A 2 de maro o vento alargou at ao NNO.; na madrugada de 3, o tempo apresentava uma ap-
parencia duvidosa, e o barometro tinha descido 3 millimetros desde as quatro horas at s sete
horas. As sete horas e trinta minutes saltou o vento ao SSO. com um aguaceiro que deu pouca
chuva. Em 2 accenderam-se as fornalhas da caldeira de EB. para distillar.
O vento obrigou-nos a pr de bolina com amuras a EB. De noite foi rondando para S. SSE.
SE. e s cinco horas (a. m.) de 4, vendo-se que convinha mais o outro bordo, virou-se. O vento j
bonanoso foi alargando ento successivamente at ENE: E. De dia caiu grande quantidade de
chuva e quasi acalmou o vento; depois d'ella, porm, veiu o vento ao NE.. rondando depois para
NNE. finamente firmando e refrescando no N. e alliviando a atmosphere. Da meia noite at s
quatro horas (a. m.) de 5 o barometro desceu perto de 5 millimetros, mas apesar d'isso o tempo
conservou-se francamente bom.
Em 5 vento N. frescalho com mar agitado, mas bom tempo, apesar de estarem um pouco
encinzeirados os horisontes; nuvens s vezes, mas zenith claro. De noite abonanou o vento e
caiu o mar; muita cacimba.
Em 6 de manh comearam a ver-se molhos de sargao. De dia esteve bonana, mas pela noite
adiante refrescou o vento. s sete horas e trinta minutes (p. m ) apagaram-se os fogos da cal-
deira de EB., que esteva accesa desde 2, durante cento e tres horas para distillar. Acabou-se de
encher a aguada, tendo-se distillado proximamente 5:664 litros de agua doce, ou seja 1:319 em
vinte e quatro horas, ou 55 por hora. Para obter este resultado consumiram-se 4:190 kilogram-
mas de carvo, o que d a media de 0k,739 de carvo para cada litro de agua doce, que ao preo
de 91831,138 ris, que custou o carvo no Rio de Janeiro, correspond a 7,26 ris por litro.
Antes de apagar os fogos da machine elevou-se a presso at 40 libras e fez-se funccionar a
machine que deu 56 revolues, obtendo-se o andamento de 7 milhas ou 3 mais do que o navio
ia andando s com o panno. Das cinco s seis horas (p. m.) houve exercicio de evolues, man-
dando os guards marinhas a manobra de virar de bordo.
No dia 7 foi o vento que era de NE : NNE. refrescando successivamente; mas como incidia do
travez e preparava todo o panno, o navio ia andando 8 e 9 milhas, e chegou mesmo a deitar 10.
s duas horas (a. m.) de 8 caiu um pesadissimo aguaceiro dando rajadas violentissimas. Dimi-
nuindo-se ento de panno, ferrando joanetes, vla r e logo em seguida o vento rondou at ao
NO. com a mesma impetuosidade e como era da popa carregaram-se tambem os latinos, bujar-
rona e vla grande. A chuva copiosissima continuou ate s sete horas (a. m.). O mar estava bas-
tante cavado e de rebentao, dando balanos de grande amplitude mas suaves.
As dez horas e trinta minutes (a. m.) rebentou a tralha da esteira do velacho rasgando-se
elle de baixo a cima. Foi immediatamente carregado, desenvergado e substituido, tudo em me-
nos de trinta minutes. Envergou se tambem um novo joanete de proa em substituio do velho.
Tem-se visto sargao. Para a noite caiu muito o vento, melhorando successivamente as condies
de tempo.







59


Em 9 estavamos proximamente no ponto que buscavamos de interseco do meridiano de
Greenwich com o parallel de 350 30' pouco mais. Como, porm, o vento continuasse pelo N.
resolvi correr no parallel, e no soltar o rumo para a bahia da Mesa com receio de me achar
sotaventeado, quando, porventura, viesse a soprar do S. como dizem os roteiros.
Em 11, todavia, estando j em 5" E. Gw. soltei o rumo para a bahia da Mesa, mas um pouco
pelo S. d'ella por causa das correntes que mais a E. deviam ir ao N. e a O.
O tempo nos seguintes dias conservou-se leve, mas dando por vezes alguns salseiros com
chuva e s vezes vento fresco mas escasseando. Barometro alto. Em 14 grandes balanos e vento
duro.
Na noite de 14 para 15 abonanou muito o vento. s cinco horas (a. m.) de 15 lanou-se fogo
nas fornalhas da machine, e s sete horas (a. m.), havendo vapor prompto, comemos a seguir
a vapor. Pelo dia adiante voltou o vento fresco ao SSO. e largou-se panno, mas como estava
sotaventeado para o N. no julguei dever prescindir da machine para demandar a terra.
Pelas tres horas (a. m.) de 16 avistou-se um pharol de luz fixa por EB. da pra, o qual se
reconheceu ser o da ilha de Robben. Ormos at que elle nos demorasse pela amura de BB. por
estarmos mais sotaventeados com o vento e a corrente, e deligencimos seguir para o S. As
cinco horas marcou-se o pharol ao SE 4 l/4 E. da agulha ou N 790 E. verdadeiro distancia de
de 15 milbas.
Ao amanhecer reconheceu-se bem a bahia da Mesa, que ns demandmos immediatamente,
fundeando finalmente s oito horas (a. m.) a SE. do quebra mar, guiados pelo capito do porto,
capito Penfold e por um pratico que veiu a nosso bordo um pouco antes.

*
*

Estivemos access desde o ancoradouro do Rio de Janeiro at fundear na bahia da Mesa cento
e quarenta e nove horas, das quaes cento e quarenta e quatro a andar e cinco prompto. Durante
estas cento e quarenta e quatro horas andou o navio 951 milhas, o que d o andamento medio
de 6,6 milhas.
Depois de largarmos ancora na bahia da Mesa, ainda a machine esteve accesa durante oito
horas, das quaes duas com o fogo rechegado. Consumiram-se nas cento e cincoenta e cinco horas
em que a machine esteve prompta ou a funccionar desde o Rio de Janeiro at entrarmos na
doca da bahia da Mesa, 41:480 kilogrammas de carvo, o que d o consumo medio de 267 kilo-
grammas por hora. Durante a viagem e do dia 2 at 6 de maro esteve accesa durante cento c
duas horas a caldeira de EB. para distillar agua, cujos resultados j foram apreciados atraz.
Consumiram-se, portanto, durante a viagem, para andar, distillar, cozinhar e trabalho de
forja 49:540 kilogrammas de carvo.
Abatendo esta quantidade do total com que saimos do Rio, restam, na occasio de entrarmos
no dique, 59:333 kilogrammas de carvo.
Total geral de carvo consumido desde Lisboa 242:450 kilogrammas.

*
*

Na bahia da Mesa procedeu-se a various fabrics de que o navio carecia, recebemos manti-
mentos e sobresalentes, etc.
Em 17 de maro entrou o navio na doca secca para substituir algumas folhas de zinco, para
concertos no leme e para a collocaio de uma bomba proa, o que tudo vae minuciosamente
mencionado n'outra parte d'este relatorio. Foi posto novamente a nado, vindo atracar a um dos
cases da doca de fluctua-o em 26 do mesmo mez.
Em 4 de abril ficaram concluidos os concertos todos, e em 11 estava o navio prompto a na-








60

vegar, no saindo, comtudo, seno a 28, em consequencia de ter eu resolvido esperar pelo ex-
governador geral de Moambique, conselheiro Agostinho Coelho, com quem precisava confe-
renciar.
*
a

Na bahia da Mesa troquei comprimentos com o governador da colonia do Cabo e alto com-
missario de Sua Magestade Britannica na Africa Austral, Sir Hercules Bobbinson, com o general
commandant em chefe de todas as foras da Rainha, Sir Leicester Smyth, com o president
do conselho de ministros e procurador geral da cora Thoms Upington, com o contra-almirante
commandant em chefe da diviso naval da costa occidental e Africa do sul Noel Salmon, com o
commandant Church da fragata Boadicea, com o commandant Pelham Aldrich do navio de ser-
vio hydrographico Sylvia, com os consules de todas as naes estrangeiras ali acreditados e
com varias outras pessoas, incluindo os principles membros da imprensa periodic.



















DER.ROTA



BAHIA DA MESA PARA NATAL











DERROTA DA BAHIA DA MESA PARA NATAL


Mleteorologia


Estado Temperatura


Do nar


ondulaces
do SO.


( cho


pequena
vaga



grossa
vaga


- 1 ~ 1 1 I


18,0 19,0 768,2 17,



17,9 19,2 767,2 19,0

19,5 19,0' 767,7 20,0

18,5 19,0 765,J,1 19,6,




.21,0 S1,8 769,0, 22,0


Observai.es


Salmos da doca s sete horas.
As oito horas comeciamos a
andar a vapor coutornando
a terra para o S. Ponto de
partida ao meio dia.

Terra a vista. Bom tempo.

Terra vista. Bom tempo.
Terra vista. Bom tempo. A
noite caiu um salseiro fresco.
Tempo claro, mar muito agita-
do. atmtsplera leve. Vento
frescalho. De noi:e aguacei-
ros pesados, mar corridor. As
oilo horas avistou-se o pha-
rol de Naala e s dez horas
fez se o ponto de chegada.


Derrota


Data


S28 13,3



29 1 14,3

30 2 15,3

S3 16,3




2 4 17,3
a


SE. 83"

NE. 81

60o


Correntes


Direceo


NO. 73

77

SO. 77


NO. 30



30

29,7

29



28
297


Direco









calima


NO.
calina


O.
OSO.


43 96
146 16
em dez horas


Fora












bonana


regular
brando
fresco



duro


Do cou


forrado
de
cacimbas

algumas
nuvelns
claro







nublado


_ ___ ___ __


-- ---i~- ------ --- ----- ----- --------



















flfit


C/JLrTZfj7/d


Da Bfdii da l za
pcara
iiita~ Ioltrrne7zo Miuyue8 eInkariun~ane
(a vapor e i vila)


VI


Sc7a olal,


B &a3fesja


Ca o 4daz.
























DA BAHIA DA MESA PARA O NATAL



O dia 28 de abril de 1885 amanheceu densamente forrado de cacimbas e com uma chuvinha
muito miuda, mas em calma.
s quatro horas lanou-se fogo nas fornalhas da machine e s seis horas havia vapor prom-
pto. s sete horas desamarrou-se o navio, e com o auxilio de duas espias dadas pela amura e
pela alheta de EP. apromos bca do canal da doca; melteram-se dentro as espias todas e se-
guimos a vapor para fra sem novidade. Um pouco a E. da cabea do quebra mar parou a ma-
china; iaram-se os escaleres de BB., deitou-se fra o pau da bujarona, envergou-se a respe-
ctiva vela, e s oito horas seguimos para 0. e S. contornando a terra a uma distancia rasoavel.
Ao meio dia tinha clareado muito o tempo e podmos obter a latitude observada; marcou-se
no mesmo moment a ponta Duyker ao N. verdadeiro e a ponta do cabo da Boa Esperana por
S 630 E. verdadeiro, o que deu o ponto de partida que vae mencionado no extract do Diario
nauuico.
Do meio dia s duas horas navegmos por S 400 E. verdadeiro, e a essa hora achando-nos
ao S. do focinho do cabo guinmos mais para a terra ao rumo de S 61 E.
Pouco antes do pr do sol fizeram-se as seguintes marcaes: cabo Hanglip N. 170 O; mon-
tanha Babilon Toren N 42o E.; ponta do Perigo N 83 E. tudo verdadeiro, tendo-se previamente
determinado que o desvio da agulha era 30 E.
Durante todo o dia foram vistos grandes mlhos de grosso sargao encanastrado. De noite
soberbo luar.
s onze horas e vinte minutes (p. m.) deu-se vista do pharol fixo do cabo das Agulhas que
se marcou a E 4 NE. da agulha e que meia noite nos demorava a ENE. A esta hora guinou-se
mais para terra, seguindo-se a ESE. da agulha ou N 730 E. verdadeiro, por terms montado a
ponta mais meridional do continent africano. Pela noite adiante formaram-se nuvens de cacimba
que empanaram o brilho da lua e impediam de ver-se a terra.
Ao romper do dia 29 avistou-se esta e s sete horas (a. m.) marcou-se o cabo Infante por
N 40 E. verdadeiro. Ao meio dia marcou-se o cabo das Vaccas por N 340 E. verdadeiro, e reco-
nheceu-se pelo sol ter havido cerca de O0,5 de corrente horaria ao O 4 '/2 NO. verdadeiro.
Depois das oito horas levantou-se uma aragem de NO., que permittiu larger panno, mas que foi
de pouca dura, porque de tarde acalmou de todo.
s oito horas (p. m.) guinmos mais para a terra que durante toda a noite se viu perfeita-
mente, a ponto de se reconhecerem e marcarem com toda a confiana as diversas montanhas,
da seguinte maneira. As duas horas da noite Pico Formoso ao N 4 NO., e s quatro horas o
mesmo Pico por N 290 O. e o pico Witte Els ao N. tudo verdadeiro.







66

O dia 30 amanheceu lindissimo. Calma, cu limpo, mar cho, horisontes extensos. As sete
horas e trinta minutes (a. m.) avistou-se a torre do pharol do cabo S. Francisco (situado na ponta
Seal) ou ao SO. da bahia de S. Francisco. s oito horas fizeram-se as seguintes marcaes: torre
do pharol N 531 E.; pico Karedouw N 410 0.; pico Witte Els N 530 0. tudo verdadeiro. Desde
as sete horas e trinta minutes seguimos mais ao long da terra, passando s nove horas (a. m.)
a 2,5 milhas ao S. do pharol, e navegando a passai a igual distancia do pharol do cabo Recife.
Ao meio dia tivemos o ponto observado e por marcaes, as quaes concordaram regularmente,
encontrando-se uma corrente de 0",3 por hora sensivelmente na mesma direco da da ves-
pera.
As duas horas e trinta minutes estavamos ao S. verdadeiro do pharol do cabo Recife dis-
tancia de cerca de 2 milhas, ou seja menos de 1 por fra das rebentaes do baixo Thunderbolt.
Imos a bandeira e a flamula e o nome do navio, G. Q. S. L. que foi reconhecido pelo posto
semaphorico. Em seguida imos os seguintes signaes Q. P. (o navio deseja que seja telegra-
phada a sua passage a ...) D. B. T. W. (governador) B. K. P. Q. (Natal); estes signaes foram
reconhecidos promptamente. Em seguida foi iado o jack inglez no mastro da estao com o qual
fomos tres vezes cumprimentados; correspondemos com a nossa bandeira a esta extraordinaria
cortezia.
As tres horas estavamos a E. verdadeiro do pharol e pouco depois via-se ao fundo da bahia
da Alagoa o porto Elizabeth e a sua cidade scintillando ao sol e graciosamente assented na encosta;
viram-se tambem alguns navios surtos.
s cinco horas avistou-se por BB. da proa o edificio do pharol fixo da ilha dos Passaros, e
ao anoitecer a sua luz vermelha. As seis horas e vinte minutes marcmol-o ao N. verdadeiro, o
s oito horas perdemol-o de vista.
Pela uma hora (a. m.) guinmos mais para a terra e antes do amanhecer do 1.0 de maio ainda
se chegou a ver acceso por BB. da proa o pharol fixo branco de East London. Costemos de
muito perto a foz do rio Buffalo e o ancoradouro exterior d'aquella cidiade, vendo l dentro a
casaria de East London na margem direita e a de Panmure na esquerda do Buffalo, e distinguin-
do-se mesmo um comboio partindo para o interior.
No ancoradouro via-se apenas fundeado o paquete Roslin Castle, que nos comprimentou com
a sua bandeira, correspondendo-lhe ns com a nossa.
O mastro do posto semaphorico junto ao pharol iou tambem o jack inglez.
Desde a uma hora da manha que veiu o vento ao O : ONO., e vendo-se que dava para panno
largou-se este todo.
Durante todo o dia navegmos ao long e perto da terra: s vezes a 1 milha e menos, distin-
guindo-se o gado a pastar, as casas, e todas as mais minuciosas particularidades das lindas pai-
zagens que apresenta esta part do paiz.
O ponto do meio dia foi determinado pelas marcaes do rio Kabinabe a 0. verdadeiro
distancia de 2 milhas.
As quatro horas reconhecemos o rio Bashee, servindo a sua marcao para ponto de partida
da navegao da noite.
Pelas sete horas da noite caiu um pequeno aguaceiro, dando poucas gottas de chuva, mas
refrescando muito o vento e levantando logo vaga muito alta e cavada, que pela noite adiante
comeou a enrolar e a rebentar de vez em quando, dando balanos de mui grande amplitude-
Durante toda a noite terra vista por BB. e atmosphere level, apesar de vento duro.
No dia 2 continuao das mesmas circumstancias: mar muito agitado, levantando-se as rhais
altas cristas talvez a 25 ps acima das cavas mais profundas, cu claro e limpido, horisontes
extensos, vento OSO. frescalho. Terra vista. Ao meio dia reconheceu-se ter havido nas vinte
e quatro horas uma corrente de 96 milhas proximamente ao SO., o que explica o grande
mar que havia, e que era muito mais revolto do que se fosse s motivado pelo vento que
reinava.
Depois do meio dia foims contornando a terra de muito perto, caindo um pouco o mar. s







67

cinco horas tivemos o ponto rigoroso pelas marcaes de uma mancha vermelha notavel, na lati-
tude de 300. 31' e da montanha Izali em frma de mesa. s cinco horas e trinta minutes quando
caiu a noite guinmos um pouco para fra para dar resguardo ao baixo Aliwal. s sete horas e
vinte minutes de cima da verga do velacho avistou-se um pharol de relampagos que se reconhe-
ceu ser o do cabo Natal, e que s oito horas comeou a ser visto de cima da ponte. Navegmos
convenientemente a demandal-o.
Perto das nove horas comearam a cair pesados aguaceiros do SSO. puxados com vento duro
e trazendo grossas cordas de agua; que s vezes tapavam completamente a vista do pharol. Houve
um moment em que hesitei se deveria seguir para o mar e metter de capa espera do dia,
correr para o N. em demand de Loureno Marques ou, finalmente, procurar o ancoradouro ao
N. do cabo. Optei pelo terceiro alvitre.
As 10 horas, achando-nos a 2 milhas do pharol, marcmol-o porN680 0. verdadeiro, ser-
vindo esta marcao para ponto de chegada. Ferrou-se o panno todo e fomos navegando muito
devagar, prumando redondo aos dois bordos. s dez horas e cincoenta minutes largmos o ferro
de EB. em 11 braas de fundo com 45 de amarra, no ancoradouro exterior do Natal, terra de
uma barca que estava fundeada, e marcando o pharol a S 10 O. verdadeiro.
Ficou o fogo rechegado por estarem em terra iadas as luzes indicativas de preveno para
temporal do N.
*


Consumiram-se durante a viagem, que durou cento e onze horas, afra duas em que a ma-
china estava j prompta antes de larger, 31:330 kilogrammas de carv3o, o que d uma media de
282 kilogrammas por hora.
Total gasto desde Lisboa, incluindo 4:872 kilogrammas na cozinha na bahia da Mesa e 829
kilogrammas na forja, 280:066 kilogrammas. Foram recebidos na bahia da Mesa 50:500 kilo-
grammas. Ficaram, portanto, existindo a bordo no moment de largarmos ancora em Natal
72:802 kilogrammas de carvo.
Navegmos a vapor durante esta viagem cento e onze horas. A distancia percorrida foi de
838 milhas desde a sada da doca na bahia da Mesa at larger o ferro em Natal, as quaes divi-
didas por cento e onze horas do 7,5 milhas para media horaria de andamento.
convenient observar-se aqui que esta media no a expresso absolute da verdade, seno
emquanto ao caminho percorrido sobre a superficie mathematics do globo. O navio andou real-
mente mais, ou antes a machine desenvolveu realmente trabalho para percorrer um espao maior,
visto como tivemos correntes contrarias que atrazaram a viagem. Se sommarmos, portanto, as
singraduras percorridas pela estima, teremos percurso total de 914 milhas em relao super-
licie das aguas do mar, o que daria a media de 8,2 milhas.
Esta observao applicavel a todas as outras viagens; mas como s n'esta que as cor-
rentes se apresentaram verdadeiramente impetuosas, s agora entendemos dever fazel-a. No caso
inverso, isto , havendo correntes favoraveis os resultados seriam exactamento oppostos.

*
*

No dia 3, logo de manh, foi vistoSair a barra do Natal o vapor do governor chamado Chur-
chill, o qual se dirigiu para proximo de ns. Vieram a bordo o magistrado de Durban R. J. Fin-
nemore, o capito do porto Ballard e os agents da empreza de cargas e descargas da compa-
nhia africana, Charles Hitchins e Morrison.
O magistrado era portador de uma carta de s. ex." o governador do Natal, dando-me as boas
vindas e offerecendo-me tudo o de que eu podesse carecer, e perguntando-me quando pretendia
desembarcar. O capito do porto vinha fazer a visit e offerecer-se com os praticos s suas ordens







68

para meter o navio dentro do porto interior. Os agents da empreza vinham offerecer os seus
rebocadores para quaesquer communicaes que o navio com a terra necessitasse durante a sua
estada em Natal.
Agradeci a todos as suas attenes; decidi no fazer entrar o navio no porto interior; fixei
para o dia seguinte, 4, s nove horas e trinta minutes (a. m.) o meu desembarque, e acceitei o
offerecimento de um pequeno vapor diariamente para as communicaes com a terra.
A 4, hora convencionada, veiu fra o vapor Churchill com o capito do porto e pessoal pra-
tico e tendo-me recebido a seu bordo, bem como ao encarregado de fazenda, servindo de secre-
tario, conduziu-nos at ao caes da ponta N. da bahia interior onde atracmos s dez horas
(a. m.)
No cases era eu esperado pelo consul de Portugal E. Snell, magistrado R. J. Finnemore, agen-
tes da empreza de cargas e descargas, consul da Hollanda B. U. De Waal; superintendent de
todas as linhas ferreas do governor David Hunter e various outros cavalheiros. Pouco depois das
dez horas (a. m.) partimos em um comboio especial com carruagem salo para Pietermaritzburg,
sendo acompanhados pelo superintendent dos caminhos de ferro e pelo director das officinas
de locomotives.
uma hora e trinta minutes (p. m.) parmos na estao de Botha's Hill, onde nos estava
preparado um magnifico lunch e s tres horas e trinta minutes chegmos finalmente estao
de Pietermaritzburg. Esperava-nos na gare o governador da colonia do Natal sir Henry Bulwer
com o seu estado maior, secretario geral da colonia, sir Charles Mitchell, os membros do conse-
lho executive, quasi todos os officiaes superiores da guarnio e grande concurso de povo. No
largo em frente da estao estava postada uma guard de honra commandada por um major do
regimento 91, Argyle and Sutherland Highlanders com a respective banda de musica,'o no outeiro
do outro lado junto fortaleza Napier uma bacteria de artilheria. Quando desembarquei fui rece-
bido muito affectuosamente pelo governador, a guarda apresentou armas, a music tocou o hy-
mno portuguez da carta, e a artilheria deu uma salva de vinte e um tiros.
noite houve um grande banquet de trinta e dois talheres no palacio do governor e outro no
dia immediate.
N'esse dia 5 fui visitado por todos os altos funccionarios e pessoas de distinco de Pieter-
maritzburg, a saber: tenente coronel sir Charles Micthell, secretario colonial, F. Seymour Haden,
thesoureiro geral, principal juiz da colonia, reverendo Jolivet bispo de Bellina, todos os officials
superiores commandantes de corpos, coronel de engenheiros, director das obras publicas, secre-
tario dos negocios indigenas sir Teophilo Shepstone, etc.
N'esse mesmo dia visitei a igreja catholica sendo acompanhado pelo major Chamberlain, secre-
tario particular do governador, e pelo bispo Jolivet, e visitei o internato de meninas, dirigido pelas
irms da Sacra Familia, as escolas de rapazes, etc. Visitei igualmente o jardim botanico em com-
panhia do governador, e dei um largo passeio nas montanhas que cercam a cidade e d'onde se
descobria um formosissimo panorama.
No dia 6 s oito horas (a. m.) embarquei n'um comboio especial com carruagem salo, sendo
acompanhado estao pelo governador, e com as mesmas honras e distinces feitas minha
chegada. Despedimo-nos muito affectuosamente e parti para Durban onde desembarquei uma
hora e dez minutes (p. m.). Era abi esperado pelo consul de Portugal Ed Snell, magistrado de
Durban R. J. Firnnemore, coronel Bowker, agent da companhia Union capito Ed Baynton,
agent da companhia Castle Mail, agents da empreza das cargas e descargas, consul da Ilollanda,
B. U. De Waal, e president da camera municipal Richard Vause.
Depois de trocados amigaveis comprimentos com todos os cavalheiros presents, dirigi-me,
de carruagem, para casa de um amigo meu, onde me aposentei.
Fui immediatamente visitado pelo conservador do jardim botanico de Durban, que talvez, o
melhor da Africa Austral. O sr. Wood convidou-me a visitar o jardim, o que eu fiz n'esse mesmo
dia, sendo-me ento offereci dos various specimens de bellissimas arvores, que levei para Loureno
Marques.


















DERROTA


TAL PARA A BAHIA DE LOURENO AREAS
NATAL PARA A BAHIA DE LOUREN(0 MARQUES











DERROTA DO PORTO NATAL PARA A BAHIA DE LOURENO MARQUES


Coordenadas geograplicas Derrota




.-i


-o


29.5 .15"' 31o.4'.0'


28o.31/.20"

270.38'.0"
26,.4'.15"'


"a
Y0


323.31'.30'

3:3".0'.52"
33,,.1't'/


-e








NE. 45" 113

21 58
1 91


E

o=-


Correntes


Dircro


INO.22 -


25

25
21


SO. 39o 20

14 85
48 30
cm 23 horas


Ventos


Direco


ENE.
0.

cal mia
NNE.


honania
fresco
duro
dt '


Meteorologia


Estado Temperatura]





o u Do Do mar e







limpo banzeiro -


plano 23,0 23,0 767,5 22,0

rioso 21,9 22,6 764.6 23,5
S2,0 24,5 765,5 24,0


bljcrvie s








Largmos s cinco horas e trin-
iniiiutos (p. 1u.) e seguimos
logo a vapor a caminho. Ter-
ra a vista sempre.




Ponto de chegada s vinte e
Fires horas.


-.1


- -- -- -- --- -- -----


- I I --



























DE NATAL PARA A BAHIA DE LOURENO MARQUES




No dia 7 de maio pelas quatro horas e trinta minutes (p. m.) cheguei eu de volta a bordo. O
tempo estava bom; o vento bonanoso de ENE: NE. e o cu limpo ou quasi limpo.
s cinco horas (p. m.) comeou-se a suspender o ferro, e s cinco horas e trinta minutes es-
tando elle em cima comemos a seguir a vapor para o N. ao long da costa. Quando ns larga-
vamos vinha chegando de E. um vapor cinzento que parecia da Castle-Mail e que seria talvez o
que anda encarreirado entire o Natal e Mauricia.
A situao do navio determinada pelas marcaes no ancoradouro serviu de ponto de par-
tida. Durante a noite veiu o vento a 0. que permittiu larger panno, mas que foi sempre brando;
entretanto levantaram-se com elle cacimbas de cima da terra que obscureceram um pouco a atmos-
phera. O pharol de Natal perdeu-se de vista pela popa s oito horas e trinta minutes.
Ao romper do dia 8 o vento tinha j rondado para o N. e mais tarde veiu ao NE. regular com
a atmosphere clarissima, horisontes muito extensos e mar de pequena vaga do vento. As oito
horas (a. m.) marcou-se o cabo de Santa Luzia por 500. NE. da agulha e ao meio dia marcou-se
o caboVidal por 70 NE., e o Po de Assucar da ponta S. da entrada da lagoa interior de Santa Luzia
por 53. NO. verdadeiro. Tivemos corrente de 20 milhas ao SO. em dezoito horas, mas do meio
dia por diante pareceu ella levar-se com bem mais fora.
Chegmos perto da terra e fomos navegando ao long d'ella, observando-se pelas marcaes
d'ella que a agua ia ao S. com grande velocidade. noite guinou-se um pouco para fra da costa
sem todavia deixar de a ver. De noite foi o vento refrescando successivamente, e augmentando o
mar que fazia jogar o navio em desordenadas oscillaes.
Ao romper do dia 9, o mesmo lindo tempo, mas vento mais duro e mar agitado. O navio vae-se
espetando muito e mettendo pela pra alguns soffriveis macareus. Vendo-se s seis horas e trinta
minutes que o navio difficilmente rompia com o mar resolvi arribar um pouco para E. at prepa-
rarem os latinos, e s dez horas virei no bordo da terra com pra de NO 4 N. da agulha. As
observaes solares deram uma corrente de 3,5 milhas horarias ao rumo de S 4 1/4 SO. verda-
deiro.
Chegando ao p de terra o mar era muito menos agitado e o vento menos duro de modo que
permittia romper para barlavento, mas to perto, que amos por vezes a menos de meia milha







74

das rebentaes. O mappa que possuo a bordo, e que o n. 2:089 do almirantado, edio de
julho de 1882, est grosseiramente incorrect, sendo difficilimo determinar por marcaes o lo-
gar do navio. Ainda assim s sete horas (p. m.) marcmos a ponta S. da bca do rio Kosi ao O.
verdadeiro servindo este ponto para partida da navegao da noite.
De noite afastmo-nos um pouco da terra, cavando-se novamente o mar aos impulses de vento
bastante fresco.
O dia 10 amanheceu lindissimo: horisontes admiravelmente extensos, mar picado, vento fresco
de NNE., cu completamente limpo. Logo que clareou chegmo-nos terra a procurar abrigo e
seguimos ao long d'ella muito perto como na vespera. Reconheceu-se a peninsula do cabo Co-
lato. s vinte e tres horas ou s onze horas (a. m.) estavamos a E. verdadeiro do cabo Colato
distancia de 4 milha servindo esta posio para determinao graphic do ponto de chegada.
Em seguida continumos para o N., contornmos o cabo Inhaca, entrmos na bahia de Loureno
Marques pelo canal Cockburn, e em seguida demandmos o porto de Melvillc onde largmos ancora
em 11 braas de fundo s duas horas (p. m.). Logo que montmos a ponta da Inhaca iou-se a
bandeira no penol e outra no tope grande indicative da presena do governador geral a bordo.

*
*

Consumiram-se durante esta viagem que durou 68,5 horas, afra uma em que a machine j
estava prompta antes de larger, 19:380 kilogrammas de carvo, o que di a mdia de 282,9 kilo-
grammas por hora. Consumiram-se mais com o fogo rechegado no ancoradouro do Natal, durante
cento e doze horas desde o dia 2 s onze horas (p. m) at 7 s tres horas (p. m.) em que se pu-
xou o fogo, 3:610 kilogrammas. Consumiram-se na cozinha desde que fundemos no Natal at
largarmos ancora na bahia de Loureno Marques, 1:170 kilogrammas de carvo. Total geral gasto
desde Lisboa 304:224 kilogrammas.
A distancia percorrida desde Natal at ao ancoradouro do porto de Melville na bahia de Lou-
reno Marques foi de 287 milhas, as quaes divididas pelas 68,5 horas de navegao do o anda-
mento medio horario de pouco mais de 4 milhas.
convenient observar-se aqui tambem o mesmo que foi notado no fim da viagem do Cabo a
Natal acerca das correntes, visto como tivemos, nas tres singraduras incompletas, nada menos do
que 135 milhas em direco muito proximamente opposta do nosso caminho.

*f
*

No dia 11 visited o estabelecimento do Mindello na ilha Inhaca, e n'essa tarde e no dia imme-
diato fez-se exercicio de artilheria tendo previamente sido collocado um alvo na ilha dos Elephan-
tes distancia de 800 metros. Os resultados d'este exercicio, que foram muito satisfactorios, po-
dem ser apreciados em um mappa especial annexo a este relatorio.


*

Em 13 de manh soprava o vento N. regularmente fresco. Mandou-se logo de manh bus-
car o alvo a terra, desarmaram-se os toldos e metteu-se um bocado de amarra dentro. As sele
horas j vasava a mar com fora, estando portanto o navio aproado ao SSE. parallelamente ilha
com o vento na alheta de BB. As sete horas e dez minutes (a. m.) arrancou-se o ferro e com as
vlas de pra e traquete latino arribou-se para 0., e depois de passar o vento pela ppa para o
outro bordo, orou-se com amuras a EB. com a rebeca e vela r. Viu-se logo que o navio abatia








para barlavento, isto , para o N., em consequencia da fora da corrente, e logo que tive a cer-
teza de que montava pelo N. o baixo Gibbon larguei todo o panno redondo.
Fomos seguindo assim sem novidade, at que ao meio dia largmos ancora em frente da forta-
leza de Nossa Senhora da Conceio no rio de Loureno Marques, ao ribombar de uma salva de
vinte e um tiros.
Veiu logo a visit do porto e de saude, e logo depois o governador do district e various outros
cavalheiros e funccionarios.
Achava-se fundeada a canhoneira Quanza que em 14 seguiu viagem para Moambique.
A distancia percorrida entire o porto Melville e Loureno Marques foi de 19 milhas.








MAPPA DO EXERCICIO DE ARTILHERIA
FEITO NO DIA 12 DE MAIO DE 1885 EM FRENTE DA ILHA DOS ELEPHANTS, NO PORTO MELVILLE


r. E Classes Nomes ualidade do projectil Qualidade Elevaco Hora Resultado do tiro
Q ,a da espoleta a que foi feito o tiro

Segundo tenente.... Erneste Penaguio ........... 0,17 Granada ordinaria, carga areia .. 0,31/ lh,15' (a. m.) Alvo n.o 1.
- Guarda marinha.... Pedro Berqu.............. 0,17 Granada ordinaria, carga areia.. 1o,31 11lh,30' (a. m.) Pela direita. Boa elevoo.
- Segundo tenente.... Ricardo Barreto ............ 0,17 Granada ordinaria, carga areia.. 10,31' llh,i3 (a. m.) Boa direco. Pouco baixa.
3.a 33 Marinheiro de 1.a... Joo Ameixinha ............ 0,17 Granada ordinaria, carga areia.. 1,31' h,19' (p. m.) Alvo n." 2.
4." 48 Marinheiro de 2.'... Antonio Epiphanio de Almeida 0,17 Granada ordinaria, carga areia. 1,31' lh,28' (p. m.) Boa direco. Baixo.
4." 48 Marinheiro de 2.a... Antonio Epiphanio de Almeida 0,17 Granada ordinaria, carga polvora Boxer Maxima lh,31 (p. m.) Rebentou a granada depois de
8'',95. (a)
4." 99 Marinheiro de 2.... Joo Manuel Fernandes...... 0,17 Granada ordinaria, carga areia.. 1,31' lh,59' (p. m.) Alvo n. 3.
4." 91 Grumete de l...... Joo Teixeira............. 0,17 Granada ordinaria, carga areia.. 10,31/ 2,00' (p. m.) Pela direita. Alto.
4.a 105 Grumete de 1.'..... Jos..................... 0,17 Granada ordinaria, carga areia.. 10,31' 2h, 8 (p. m.) Boa direco. Alto.
- Segundo tenente.... Ernesto Penaguio.......... 0,17 Granada de bailas............. Boxar 10,31' '3h,10 (p. m.) Rebentou antes do alvo.
3." 52 Marinheiro de 2.a... Luiz Francisco de Abreu..... 0,12 Granada ordinaria, ,arga areia.. 10,4 3h,20' (p. m.) Boa direco. Baixo.
3." 52 Marinheiro de 2.1... Luiz Francisco de Abreu..... 0,12 Granada ordinaria, carga areia.. 1,4/ 3h,31' (p. m.) Alvo n. 4.
4.. 57 Marinheiro de 2.a... Joaquim Leandro........... 0,12 Granada ordinaria, carga areia.. 1I,4' 3h,38' (p. m.) Boa direco. Baixo.
4., 57 Marinheiro de 2.'.... Joaquim Leandro........... 0,12 Grnada ordinaria, carga areia.. 1,4' 3h,43t (p. m.) Pela esquerda. Alto.
3." 90 Grumete de l. ..... Manuel Justino............. 0,12 Granada ordinaria, carga areia.. 1,4' 3h,49 (p. m.) Alvo n.o 5. (6)
3.' 52 Marinheiro de 2.'... Luiz Francisco de Abreu..... 0,12 Granada ordinaria, carga polvora Boxer Maxima 41,15. (p. m.) Rebentou a granada depois de
5'',42. (a)

(a) Experiencia de espoleta muito sa-
Sisfactoria.
(b) Caiu o alvo.


Alvo collocado na ilha dos Elephantes
na distancia de 700 metros Largura 4".,60
f s1 ^y f




















DERROTA



LOURENO MARQUES PARA INHAMBANE










DERROTA DE LOURENO MARQUES PARA INHAMBANE


Coordenadas geographlicas


25o.50.0' 1 33o.'.301"


Derrota Correntes


247o.14'.0' 35.43'.37i' NE. 57, 175 NO. 22



23o.45'.;30i 353.36'.0'/ NO. t14 29 21"


SDijerio
I


Velocidade
Millias


17
em vinte e uma
NO. 55 horas e qua-
renta e oito
minutes

NO. 650 12
em tres horas


Ventos


Direco


Svariaveis


calma


Meteorologia


Estado


Do cu


fraco limpo


Do mar






pequena
vaga


Temperature


23,0| 21,5


ondula-
o do S. 2,'


plano -


E






771,4


25,3 771,2


Observaes


Bom tempo. Ponto de partida
fra da bahia s duas horas
e doze minutes (p. m.), a 8
milhas ao N. do cabo Inhaca.

O mesmo tempo. Terra sempre
vista. As tres horas ponto
de chegada, a 1 milha a E.
verdadeiro do pharol da Bur-
ra. s cinco horas e doze
minutes fundemos fra da
barra.

Largmos para a barra s sete
horas e quarenta minutes.
Fundemos em frente da villa
de Inhambane s nove horas
e quarenta minutes (a m.)


Data






















DE LOURENO MARQUES PARA INHAMBANE




No dia 20 de maio s sete horas da manha soprava o vento de SO. fresco, com cu limpo e
tempo franco. Desarmaram-se os toldos e preparou-se tudo para sair vla, e pouco depois das
sete horas arrancmos o ferro e fomos seguindo com amuras a EB. em latinos e velas de pra.
A corrente da enchente, comtudo, e o abatimento encostaram o navio para sotavento, o fundo
diminuiu successivamente, e finalmente s sete e cincoenta minutes encalhou o navio proxima-
mente uma hora antes do preamar em cima do banco de lodo que se estende entire a ponta Ver-
melha e a Fortaleza. O navio assentou suavemente e sem pancadas, mas resistiu a todas as tenta-
tivas empregadas com espias e ancorotes pela amura e alheta de EB.
Do logar em que o navio ficou, aproado ao S 380. E. da agulha padro, faziam-se as seguin-
tes marcaes verdadeiras: focinho da ponta Vermelha S 760 E.; fortaleza N 500 0.; ponta
tlahone S 231 E.; balisa da Catembe S 29" 0.
Na baixamar, o navio, apesar do vento fresco que lhe incidia por EB. inclinou-se para esse
lado uns 12o, pelo esforo que sobre a borda lhe faziam as espias esticadas. Aproveitou-se para
pintar as Ires fiadas de folhas de zinco abaixo da linha de agua.
A noite tendo moderado o vento um tanto mais, e endireitando-se o navio com a enchente,
preparou-se tudo para desencalhar, o que se conseguiu pelas oito horas pouco mais ou menos,
vindo fundear em 5 braas. De noite porm, e no baixamar, estando o navio aproado ao vento e
com a ppa na terra, havia apenas 2 braas de agua na ppa.
No dia 21 logo de manha, estava o mesmo tempo: vento SO. fresco cu limpo, com excepo
do horisonte ao S., onde por entire uma barra de cumulus acastellados fuzilou toda a noite. Le-
vou-se o navio espia mais para barlavento, isto para o SSO., mas pouco se conseguiu com
esta ingrata e fatigante faina. s oito horas e trinta minutes desisti de sair vela e mandei pr a
chamin em cima e accender as fornalhas da machine. As nove horas e trinta minutes foi o dou-
tor a terra visar novamente a carta de saude.
s onze horas estava a machine prompta e s onze horas e quinze minutes largmos a vapor
a montar a ponta Vermelha para a bahia, e seguimos sem novidade. Quando chegmos ao alinha-
mento da balisa da ilha dos Elephantes e (la casa do quartel da Inhaca deitmos mais em cheio a
sair pelo canal do baixo Hope.
s duas horas (p. m.) estavamos fra dos baixios todos. As duas horas e doze minutes fez-se
o ponto de partida marcando o cabo Inhaca ao S. verdadeiro distancia de 8 milhas.
Fra da bahia o vento era S. regularmente bonanoso, e o mar de pequena vaga. Viu-se pela
pra a BB. navegando em rumo opposto ao nosso, e passou s quatro horas pelo travez, muito
perto, um lugre que nio iou bandeira.









No principio da noite, pelas sete horas pouco mais ou menos, caiu um aguaceiro que escas-
seou o vento e depois o abonanou, ficando toda a noite apenas aragens dlo S. que por vezes nem
aos latinos faziam feio. Viu-se a terra por BB. durante toda a noite.
Ao amanhecer do dia 22 o mesmo lindo tempo, mar cho, mas ondulando largamente do S.
cu limpo ou quasi limpo, terra vista por BB., a curta distancia. Ao meio dia estavamos um
pouco ao S. do cabo das Correntes. Fomos contornando a terra de muilo perto e s tres horas es-
tando a E. verdadeiro do pharol da Burra a 1 milha de distancia, fez-se o ponto de chegada.
Pouco depois iavam-se as bandeiras no tope grande e penol e o jack no tope de pra a pedir
pratico, firmando-as com um tiro de pea. S depois d'isso que foi dispertada a atteno dos
homes do pharol, que, devendo reconhecer o navio perfeitamente, tiveram no obstante a auda-
cia de perguntar-nos de onde vinhamos. Como, porm, ns lhes no dessemos resposta, desisti-
ram da sua curiosidade, iaram a bandeira national e fizeram para a ilha dos Porcos os signaes
convencionaes.
Continumos a navegar cautelosamente e de vagar, laborando os prumos aos dois bordos, e
s cinco horas e doze minutes tendo encontrado 10 braas de fundo mesmo em frente da bca
da barra de Inhambane, e vista da primeira boia largmos o ferro de EB. com 40 braas de
amarra. Fizemos ali as seguintes marcaes verdadeiras: pedestal da Lingalinga por S 700 O.;
pharol por S 150 E. ilha dos Porcos S 240 0. Ficou o fogo rechegado.
De noite vento E: ENE. brandissimo.
Logo que amanheceu o dia 23 avistou-se uma lancha saindo a barra, e s sete horas atracou
ella a bordo conduzindo o piloto-mr. Fez-se vapor e preparou-se tudo para suspender. Avistou-
se um brigue vindo de E. e um patacho vindo do S. A lancha do pratico ficou fra para lhes dar
pilotagem e s sete horas e quarenta minutes levmos ancora e seguimos para a barra que pas-
smos sem novidade, proseguindo rio acima. s nove horas e quarenta minutes (a. m.) lanmos
ancora em frente da villa de Inhambane em 6 braas de fundo, um pouco a jusante e por fra do
patacho portuguez Mamud unico navio surto no porto.
Vieram logo a bordo o governador do district, tenente coronel Fernando Schwalback, dire-
ctor da alfandega e delegado de saude.
*
*

Estivemos access desde o ancoradouro em Loureno Marques at ao ancoradouro em frente
da villa de Inhambane, quarenta e seis horas, das quaes trinta e tres a iindar ou prompto a andar,
e treze rechegado em frente da barra de Inhambane. Consumiram-se durante este espao de tem-
po 42:160 kilogrammas de carvo, sendo 31:757 kilogrammas a andar ou prompt, 403 kilo-
grammas rechegado. Media do gasto horario a andar 356 kilogrammas; media horaria rechega-
do 31 kilogrammas. Consumiram-se na cozinha desde que fundemos na bahia de Loureno Mar-
ques at largarmos ancora no porto de Inhambane 1:404 kilogrammas. Total geral gasto desde
Lisboa at Inhambane 317:790 kilogrammas.
A distancia percorrida desde o porto de Loureno Marques at ao de Inhambane foi de 25
milhas, as quaes divididas por trinta e duas horas de andamento, do a media horaria de 7,9 mi-
lhas.



















DERROTA



INHAMBANE PARA A BAHIA DE BAZARUTO












DERROTA DE INHAMBANE PARA A BAHIA DE BAZARUTO


Data



l






5









26 12







27 I 13


Eslaido


Correti[es







Velocidade
Direco
Milhas


Do mar









pequena
va ga


- 769,3


Obiscnaiia es


Largamos o ancoradouro da villa
aos trinta minutes (p. m ) Sai-
mos a barra s tres horas e
quarenta minutes. Ponto de
partida s quatro horas. Ter-
ra sempre vista. Optimo
tempo.

O mesmo tempo. s dez horas
(a. m.), fez-se o ponto de che.
gada, e ao meio dia funde-
mos ao NE. da ilha de Santa
Carolina a meia milha de dis-
tancia.


Derrola


goographicas


*f
w

J

,- .





35'.33'.0H


SE.






17
em dezoito
horas


Do Ctu










bouiianra limpo







regular u


.



N o
irt
c^<


35".33.01" [ N.


SO. 25


--


Meteorologia


TlemperaLura
~--L^I











- 1 "4- p I- h-- - 6- 1


a
* flfL ''t










V. .
5-Yr ,. ,.


V-". Y .







S'.;^


Iru ta f. a 1ra

^ \




- /Ca i,,1, t









J,1 ., rr,-_r
1 a lt dr : t;' rf rf' n







,zt ?** t^,.; 4L rz i r-
i21-2 J


7onJJ.ticx .42.
-~ onrnk~g


%2W(/f/YJJJ6JL








Kdir4r:tnz.d.e


.llkas rri"neirass


e7rrota


eGo a udcr





tIL
F





^ic




J -







Inaru









Irna


rzr Tr nr- rF


.14' 'o 40' 42.0


Se na


ee




< Dz /t,. .C ja,7, on % alc,
fil am isset'7 , 15 aQilhnan ,
R101 t CLer (-/ ic sao Zvrn ,

(Ia /Iayrrl e -. Ci c .

Z Z /4


__


Bl~ii~Z~


I a


4/.1


.2."





















DE INHAMBANE PARA BAZARUTO




No dia 26 de maio de 1885 estava magnifico tempo: cu claro e limpo, vento SSE. bonanoso.
Vieram a bordo varias pessoas despedir-se, e aos trinta minutes (p. m.) estando o ferro em cima
e a machine prompta, largmos o ancoradouro em frente da villa de Inhambane e seguimos rio
abaixo sob as indicaes do piloto mr Ronda. uma hora e trinta minutes parmos algum tem-
po em frente da ilha dos Ratos onde estava fundeada a lancha dos praticos, espera que ella se
fizesse de vla, e s duas horas e trinta minutes atracou ella a bordo, estando ns j ento perto
do pedestal da Lingalinga. As tries horas e trinta minutes desembarcmgs o pratico, e s tres ho-
ras e quarenta minutes estavamos completamente fra da barra.
As quatro horas fez-se o ponto dc partida marcando o pharol da Burra por S 90 E. e a ponta
do Mongo por S 680 O. verdadeiro. Largou-se o panno todo e seguimos vla e a vapor dando
68 rotaes de helice, ao rumo de NE da agulla, ou N 200 E. verdadeiro. De noite refrescou
mais o vento, e depois das nove horas e trinta minutes em que montmos o cabo da Burra Falsa
(Lady Gray) tivemos de arribar mais para seguir ao long da terra, andando o navio muito mais,
e sendo necessario affrouxar o andamento at 62 rotaes para no seguir mais do que 8 milhas.
Ao clarear o dia 27 tinhamos pelo travez o cabo de S. Sebastio, e s seis horas estavamos a
E. verdadeiro da ilha Bango, que a primeira no grupo de Bazaruto.
s dez horas (a. m.) fez-se o ponto de chegada marcando o cabo Bazruto por N 790 0. ver-
dadeiro distancia de 3,5 milhas. Contornmos depois a ponta NO., onde vimos ainda varado na
areia, com parte da chamin em cima, com a popa para o NE. e levemente adornado sobre EB. o
casco do desditoso e ephemero transport national D. Carlos.
Proseguimos para dentro da bahia navegando com as necessarias cautelas, e ao meio dia lar-
gmos ancora em 9,5 braas a 1 milha da ilha de Santa Carolina, marcando os seus extremes
visiveis a 0. e ao S 300 0. verdadeiro.

*

Estivemos access desde o ancoradouro em Inhambane at larger ancora na bahia de Ba-
zaruto vinte e seis horas e meia, das quaes vinte e Ires a andar. Consumiram-se durante este es-
pao de tempo 6:080 kilogrammas de carvo. Media do gasto horario 264 kilogrammas. Consu-
miram-se na cozinha desde que fundemos na bahia de Inhambane at largarmos ancora na de
Blizaruto 585 kilogrammas de carvo e mais 70 na forja. Total geral gasto desde Lisboa 324:5325
kilogrammas.
A distancia percorrida desde o fundeadouro em Inhambane at ao de Bazaruto foi de 160 mi-
lhas, as quaes divididas por vinte e tres horas de andamento do a media horaria de 6,8 milhas.










*


Visitei o presidio military de incorrigiveis situado na ilha de Santa C;trolina, commandado peol
alferes Antonio Maria de Sousa Pavia, e que est no estado de maior miseria que pde imagi-
nar-se. Existem tambem nas ilhas de Bazaruto e Benguerua dois pequenos postos militares de-
pendentes do presidio. A populao livre da ilha de Santa Carolina consta de um brazileiro e um
bathi, ambos negociantes, alem de alguns pretos de servio. Os sentenciados so em numero de
tres.

*

No dia 28, bom tempo, vento SSO. brando. cu claro. s dez horas (a. m.) estando a machi-
na prompta arrancou-se o ferro e seguimos a vapor a menos de meia fora, para o N. e s onze
horas e cincoenta minutes lanmos ancora junto ponta N. da ilha de Bazaruto em 19 braas de
fundo. Fizeram-se abi as seguintes marcaes: ponta do D. Carlos (como ficarei chamando ponta
fina de areia que avana para ONO. do extremo N. de Bazaruto), S 78 E.; centro da ilha de Santa
Carolina S 390 0. verdadeiro.
Consumiram-se com o fogo rechegado no ancoradouro da ilha de Santa Carolina 2W0 kilo-
grammas de carvo. Consumiram-se a andar desde ahi at ao ancoradoro junto ponta de D. Car-
los, em uma hora e quarenta minutes, 960 kilogrammas, com mais 117 kilogrammas na cozi-
nha perfazem o total de 325:8.0 kilogrammas desde Lisboa. Distancia percorrida desde a ilha de
Santa Carolina 9 milhas.

*

Fui a terra na ponta de D. Carlos examiner os destroos do naufragado navio. O cascojaz com
a pra para o SO. proximamente, adornado sobre EB. com a borda d'esse lado destruida e com a
pra mais baixa do que a ppa. As areas que o mar revolve nas grandes mars, encheram-n'o
j at ao nivel exterior do talude da praia, que para o lado N. muito decline. A pra est pou-
cos centimetros acima da areia, mas a ppa est toda fra d'ella e inteira, vendo-se o cadaste o
ainda parte da clara do belice. O leme est cerrado a EB. No painel da ppa'ainda se vem intei-
ras as armas porluguezas. A borda a BB. est toda corrida e inteira no apresentando vista
qualquer alquebramento, sensivel.V-se ainda a parte d'ella mais alta a meio navio onde eram
aos dois bordos os camarotes, com as respectivas vigias j cegas e sem iros ou vidros. As vigias
do salo, abaixo da tolda a r esto igualmente cegas. A casa da machine e o resto do navio para
vante esto cheios de areia, mas o salo s parcialmente o est. O pavimento superior est par-
tido em various pontos, en'outros queimado, devido talvez s diligencias de quem alijtem ido rou-
bar destroos. Da chamin est no seu logar cerca da metade inferior, tendo o resto cado aos pe-
daos corroido pela aco do tempo.






















DERROTA


BAHI E B AZARUTO PAA CHILO
BAHIA DE BAZARUTO PARA CHILOANE












DERROTA DA BAHIA DE BAZARUTO PARA CIIILOANE


Coordenadas geographical


Derrota


o







NO. 15o


42,


U
c

a
S
0'
i


Correntes


Direco


Velocidade
Milha s


Ventos


Direco


37 NO 19 SE. 2 em cinco calma
37NO. I9 SE. 25o horas Yo.
1,8 em duas

22 NO. renta e um- .
minutes


aragem


brando


Meteorologia


Estado Temperatura


Do edu Do mar


limpo estanhado


o




e, e,
l

e, o







24,5 25,0


.s



e, i
E o



S g

E
7 -






766,7 24,2


Observacs









Largmos s sete horas (a. m.)
Ponto departida,o do fundea-
douro a essa hora. Ao meio
dia latitude oblservada, lon-
gitude arbitrada. As duas ho-
ras e quarenta e um minutes
ponto de chegada, marcando
o pau da bandeira de Chin-
gune a O. verdadeiro, a 5 mi-
lhas. Fundemos no porto s
quatro horas (p. m.)


Data
~^1


1h


21.30'.0"
20.'3:5.0"
150
f20O.38'.30"


35o.251.301
35.1u51.01


340.591.0











Ir _' _ __ut /





I7
11 uu :n*,
l ., r'P(.-"A Ai.l '. t .i .

,, ...." ,_ .0.d ,,









Sena a
1., /9 , '








17 / ."> /,8,< -J ;, '.n
I\d *- ** ,, j -
















'Io
,$. da 2 Rr \t. 'so// h+ /,
l- ,1/ l'UHO t ;I,^'71rt, l7,a.

























\' dea .' ;






Ia. dm.a -l ..'/a.e e du"miP/
),/l an Ta n., 1
P l'rrc n'A' ( 1 t/.f' / r ri '//ti / 24




/ r da' s 1LJl !
Sl I I 0 ti ;lI ?/ ,L LZ37Il /7l' 7t .














i r


~ L

























DE BAZARUTO PARA CHILOANE




No dia 29 de maio de manh estava optimo tempo: calma, cu perfeitamente limpo e claro.
s seis horas e trinta minutes estava a machine prompta e o navio preparado para sair. Arran-
cou-se o ferro, o qual veiu entoucado e com um seio de 24 braas de amarra em volta da cruz e
entire esta e o anete, que levou perto de meia hora a desfazer.
O ponto marcado no fundeadouro serviu para ponto de partida seguindo o navio logo d'ali ao
caminho em direco a Chiloane, dando o necessario resguardo ponta da Machanga.
s dez horas perdeu-se de vista a ilha de Bazaruto que n'essa occasiiio se marcou por S 7 E
verdadeiro.
Cerca do meio dia avislou-se a ponta da Machanga por BB. Pela uma hora (p. m.) deu a vigia
da verga do velaxo parte de ver pela pria as rebentaes do baixo Mussagy Givane (Inverarily
dos mappas), guinando ns ento mais para a terra. Avistou-se pouco depois a ilha de Chiloane,
e s duas horas e quinze minutes o pau da bandeira e pharol da ponta de Chingune.
s duas horas e quarenta e um minutes (p. m.) fez-se o ponto de chegada, marcando-se o
pau da bandeira a O. verdadeiro distancia arbitrada de 5 milhas. No ponto do meio dia servi-
me da latitude observada e de uma longitude arbitrada.
Depois das duas horas e quarenta e um minutes fomos seguindo ao long da costa da ilha c
buscando a posio convenient para demandar o porto, isto , o ponto d'onde se marca o pau
da bandeira por S 26 O. verdadeiro, que quando a casa dos pharoleiros (constrnco de alve-
naria branca) se project por detraz do pedestal do pharol, excedendo-o um pouco de cada lado.
Depois de preenchida esta marcao, corremos sobre a ponta que contornmos de muito perto
e fomos s quatro horas larger ancora ao SO. do pharol junto praia de Chingune em 6 braas
e meia de fundo. Apagaram-se os fogos da machine, e poz-se na agua o escaler a vapor com a
sua respective caldeira.



Estivemos access desde que se largou o ferro no ancoradouro junto ponta de D. Carlos
at larger ancora em Chiloane vinte e oito horas, das quaes dezesete horas e trinta minutes re-
chegado e dez horas e trinta minutes a andar ou prompto. Consumiram-se com esse servio
3:300 kilogrammas de carvo, dos quaes 200 kilogrammas com o fogo rechegado e mais 117
kilogrammas na cozinha, o que perfaz o total geral de 329:259 kilogrammas desde Lisboa.







96

A distancia percorrida entire o ancoradouro junto ponta de D. Carlos em Bazaruto e o anco-
radouro junto ponta de Chingune em Chiloane foi de 67 milhas; que divididas pelas oito horas
e cinco minutes em que o navio andou, pois que se no deve contar a meia hora das sete horas
s sete horas e trinta minutes em que se esteve com o trabalho do ferro, do a media de 7,8
milhas por hora.j
*
*

S no dia 31 s oito horas (a. m.) que o navio recebeu a vista do director da alfandega e
delegado de saude, apesar de deverem ambos ter na vespera mesmo recebido aviso da entrada
do navio com a bandeira no tope grande.
Aos trinta minutes (p. m.) larguei com alguns officials no escaler a vapor para a villa, sendo
ali recebido com as devidas honras pelo governador interino, tenente Fortunato Jos, acompa-
nhado dos empregados todos, e pelo destacamento que fez a continencia.
Visitei a residencia e secretariat do governor, a alfandega, a enfermaria, o quartel, e um hiate
que ainda se acha no estaleiro e foi mandado construir pelo ex-governador Augusto Cesar de
Oliveira Gomes sob as suas proprias indicaes; visitei tambem um armazem onde o governor
arrecada uma boa poro de madeira para construco de lanchas.
A residencia e secretaria do governor que pertencem ao estado, esto em soffrivel estado de
conservao e asseio. O quartel, que tambem pertence ao estado, precise de reparaes, o que
motivou o aluguel de outro edificio para alojar a tropa. A enfermaria alugada, est n'um estado
de irreprehensivel asseio e no tem actualmente doente algum. A alfandega, que tambem alu-
gada e onde funccionava a delegao de fazenda, nada tem de notavel.
Terminada a minha visit, recebi na residencia todos os empregados e negociantes que vieram
comprimentar-me, e ouvi alguns alvitres seus cerca de necessidades publicas para o desenvolvi-
mento do commercio.
s tires horas seguimos a p para a povoao de Inhacamba, a meio caminho de Chingune
e onde residem os mouros, e ao pr do sol embarquei de novo e recolhi a bordo.



















DERROTA



CHILOANE PARA SOFALLA































































Fortaleza de S. Caetano de Sofalla- Faces Norte e Wslt (desenho original de Aug. de Castilio)































































Fortaleza de S. Caetano de Sofalla -Faces Sul e Leste (desenho original de Aug. de Castilho)












lii',,. -




AIii


\- d- S. --(-- --_ -
Fortaleza de S. Caetano dc Sofalla -(1) Janella da sala da secretaria- (2) Solteira da tojir de menagenim- (3) Porta principal.


p.


i



























DE CHILOANE PARA SOFALLA




No dia 31 de maio de 1885 ainda de noite, comeou a soprar fresco o vento de SSO. com
atmosphere um pouco nublada e horisontes enfumaados. As cinco horas (a. m.) mandou-se
accender, e s sete horas estava a machine prompta a iunccionar. s sete horas e trinta minutes
arrancou-se o ferro que veiu com a amarra entoucada e seguimos para a barra com a lancha do
pratico Cardoso Leopardo a reboque na popa. N'esta viagem, pela pequena distancia a percor-
rer, e pela necessidade de mudar de rumo amiudadas vezes, no se fez conta dos diversos comi-
nhos para o Diario nautico, fazendo-se apenas navegao de cabotagem.
Fomos primeiramente para NE. a deitar bastante fra da costa de Chiloane e dos baixos de O.
e quando encontrmos 8 braas de fundo guinmos ento successivamente para N. e depois NNO.
verdadeiro.
A terra s a custo se distinguia, mas ainda assim pelas onze horas reconheceu-se a ponta de
Mato Grosso e pouco depois a fortaleza de Sofalla.
As onze horas e trinta minutes, tendo-se encontrado 5 braas de fundo de lodo, largou-se a
ancora mesmo em frente da barra do rio, onde se fizeram as seguintes marcaes: fortaleza por
N ~40 0.; ponta de Mato Grosso N 630 0.; ponta Suangani N 190 0. verdadeiro.




Estivemos access i'esta viagem desde as seis horas (a. m.) de 31 at s onze horas e Irinta
minutes, cinco horas e meia, das quaes quatro horas a andar. Consumiram-se durante este tempo
1:980 kilogrammas de carvo. Consumiram-se mais em Chiloane 234 kilogrammas na cozinha e
100 kilogrammas no escaler a vapor. Total geral desde Lisboa at lanar ancora em frente de
Sofalla 331:573 kilogrammas.
A distancia percorrida entire o ancoradouro em Chiloane e o ancoradouro no exterior de
Sofalla foi de '5 milhas, que divididas pelas quatro horas empregadas n'esse percurso do a
media horaria de 6 '/4 milhas.
*


Aos quarenta e cinco minutes (p. m.) larguei de bordo em um escaler para a lancha que
estava surta proximo do navio, e uma hora largaei com esta vla para a barra do porto de
Sofalla a um tero da enchente proximamente e com vento SSO. muito fresco, tempo escuro e







100

mesmo alguns aguaceiros. A barra, apesar do forte vento, estava socegada, e s rebentava sobre
as restingas que perfeitamente, por essa circumstancia, se distinguiam. As duas horas e quinze
minutes atracavamos a praia a O. da fortaleza de S. Caetano dentro do porto de Sofalla.
Fui ahi recebido pelo commandant military tenente Jos Peixoto do Amaral e pelo comman-
dante do destacamento alferes Fortunato Ferreira, que me fez com a tropa a devida conti-
nencia.
A fortaleza de Sofalla que a mais antiga de todas as da provincial, e s inferior em impor-
tancia de S. Sebastio de Moambique, e est ainda em muito regular estado de conservao,
apesar das injuries do tempo e das maiores injuries dos homes. Carece, todavia, de algumas
reparaes indispensaveis e algumas urgentes, taes como: renovao dos madeiramentos de
quasi todas as coberturas do terrao das casas que a cercam por dentro e sobre as quaes assen-
tam as baterias; reconstruco de dois baluartes que olham a NO. e SO. e que parecem ter sido
demolidos de proposito, pois que os alicerces mostram estar magnificos; reconstruco de uma
sala contigua secretaria e que serve hoje de terrao descoberto, apropriao de um quarto do
pavimento inferior para capella, onde se arrecade condignamente uma veneravel e antiquissima
imagem de S. Caetano, orago da fortaleza; reparao no carretame e palamenta da artilheria e
substituio de algumas peas, quasi de todo inuteis, por outras boas.
Ha ainda outros arranjos que o bom gosto recommend e que o respeito pelos monumentos
historicos exige. So d'esse numero, a limpeza de todas as cantarias lavradas que esto hoje
quasi totalmente invisiveis sob uma espessa e estupida camada de cal, como succede s armas
portuguezas sobre a porta da entrada; a desobstruco de outras cantarias que esto mesmo es-
condidas debaixo de paredes de alvenaria como se v ainda em uma formosa arcaria manuelina
junto casa da guard da porta; a construco de ameias no alto da torre de menagem no genero
das que existem no terrao das baterias baixas da torre de S. Vicente de Belem, etc. notavel
que n'esta antiquissima fortaleza se no encontre uma unica inscripo.
No dia 1 visited a villa e o bairro proximo de Inhacamba, e depois doi um passeio de umas
6 ou 7 milhas para o interior, a um sitio denominado Dindira e povoao de Chivange onde
mra o capito mr. Na volta fui ver o logar denominado Manh-Mocure distant talvez a uns
1:500 metros a NO. da fortaleza, e onde, por ser alto e nunca inundado, cheio de boas arvores,
e sobre o porto, convem que se estabelea a nova villa de Sofalla. Ser apenas para isso neces-
sario construir uma estrada d'esse ponto para a fortaleza, sendo parte em aterro e parte sobre
pontes de madeira, e edificar ahi as reparties publicas.






XT.


PLATA G4~8AL
DA FORTALEZA DE S.CAETANO
DE SOFALA

1-Aindar terreo
2-Prirniro aundar
3_ orre de mnenaagern e- terra cos


- ~~_ ___ ~


- -- -- ---




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs