• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Title Page
 In memoriam
 Preface
 Dialogo imaginario
 A america do sul e o antisemitismo...
 O antisemitismo actual, como expressao...
 Civilizacao e' isto?
 Porque nao sou antisemita
 "Escuta Israel!..."
 O pequenino grande povo
 O antisemitismo
 Nos e os judeus
 Prophecia
 Momentos de vibracao
 O martyrio e a forca
 America - sepultura da Europa
 Judeus prodigos
 Para a civilizacao do mundo
 Divagacoes sobre antisemitismo
 Os judeus
 Por Israel
 O problema judeu
 O teatro judeu e "as razoes" da...
 Israel
 O concurso dos judeus na civilizacao...
 Protesto do saber
 Dois pontos de vista
 O judaismo
 O pai comun
 Hebreus e questao social
 "Biblicausto"
 Os "pogroms"
 A questao judaica
 Religiao e sciencia
 A lenda do anti-semitismo
 Hitleristas de fancaria
 O milagre judeu
 A democracia e os judeus
 Index














Title: Por que ser anti-semita?
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00023253/00001
 Material Information
Title: Por que ser anti-semita?
Physical Description: Serial
Language: Portuguese
Publisher: Civilizacao Brasileira, S/A.
Place of Publication: Rio de Janeiro
Publication Date: 1933
 Record Information
Bibliographic ID: UF00023253
Volume ID: VID00001
Source Institution: The Isser and Rae Price Library of Judaica
Holding Location: The Isser and Rae Price Library of Judaica
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.

Table of Contents
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    In memoriam
        Page 5
        Page 6
    Preface
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
    Dialogo imaginario
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
    A america do sul e o antisemitismo germanico
        Page 19
        Page 20
    O antisemitismo actual, como expressao de angustia economica
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
    Civilizacao e' isto?
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
    Porque nao sou antisemita
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
    "Escuta Israel!..."
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
    O pequenino grande povo
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
    O antisemitismo
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
    Nos e os judeus
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
    Prophecia
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
    Momentos de vibracao
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
    O martyrio e a forca
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
    America - sepultura da Europa
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
    Judeus prodigos
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
    Para a civilizacao do mundo
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
    Divagacoes sobre antisemitismo
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
    Os judeus
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
    Por Israel
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
    O problema judeu
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
    O teatro judeu e "as razoes" da perseguicao de Hitler
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
    Israel
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
    O concurso dos judeus na civilizacao brasileira
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
    Protesto do saber
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
    Dois pontos de vista
        Page 199
        Page 200
    O judaismo
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
    O pai comun
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
    Hebreus e questao social
        Page 215
        Page 216
    "Biblicausto"
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
    Os "pogroms"
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
    A questao judaica
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
    Religiao e sciencia
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
    A lenda do anti-semitismo
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
    Hitleristas de fancaria
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
    O milagre judeu
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
    A democracia e os judeus
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
    Index
        Page 269
        Page 270
Full Text






Por que

ser


Ant


-Semite?


Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

Collaboradores:


A. C. PACHECO E SILVA
AFRANIO PEIXOTO
ALF'7 DO ELLIS JUNIOR
AIl- SO SCHMIDT
AG PINO GRIECO
AMEkICO R. NETTO
ANTONIO PICCAROLO
BAPTISTA PEREIRA
BEZER E FREITAS
CLEOM_ ; CAMPOS
COELHO NETTO
DECIO FERRAZ ALVIM
EVARISTO DE MORAES
GALEXO COUTINHO
GILBERTO AMADO
HUMBERTO DE CAMPOS
HERMES LIMA


JAYME A. DA
JOSt MENDO
MARIA L. DI
MENOTTI DEL Pi-h-A
M. PAULO FILHO
NELSON T. DE OLIVEIRA
ODUVALDO VIANNA
ORIGENES LESSA
ORLANDO ROCH
PAULO M. DE '
PLINIO BARRE
PINHEIRO GUIM
RAUL DE POLILL.
S. C. PINTAUDI
SAMPAIO FERRAZ
SILVEIRA BUENO
SOLIDONIO LEITE FILHO


W. BELFORT MATTOS


CIVILIZACAO BRASILEIRA, S/A.
Rua Sete de Setembro 162 1933 RIo de Janeir



























































*



























IN MEMORIAL

AOS MUITOS ISRAELITAS
TRUCIDADOS, VICTIMS
DE UMA CAMPANHA
INGLORIA.


Ex ABUNDANTIA CORDIS


OS COMPILADORES

































































( Nit do (Iitoumpilimdore.s)





C I'C' I 0. d 1l~i8 SObl)Q I) [.SSL hIII to, C 1'IVOl'F d ,e,













Prefacio


Seria impossivucl quc, to inmcnos de ricochcle,
nao vi.css(, locar (d face d(a nossa terra c
Irp' rci)lir mi('111 noso nivlr, o c.rlr(llho cr s.xih li( o
movimicnio qwu os iinoos (dri'i,/clcs al(lcimds de's-
cic(ldcarl'aln contra ais popul(1Yc's judaics do sell
paiz.
Queremos rvferir-nos ()o anlisrmiilismo, csse
comple)ro e anfigo problema occidental quc, entire
tantos povos, por tdo lonfuos seculos, ora por des-
peilos commerciaes, ora por rancores refelqiosos,
ora por competi(oes politics tern pcrliurbado o
socego da Europa.
Corn o advento da nova polilica allemd, de no-
vo o antisenzilisino explodii c exploditi corn
mni1a forl'a v lma rIaiva iitnctnllntills,;.
Do dia para a noite, espathiou-sc )rjlas naIloes
lodas a noticia das pcrseguic'cs crucntas; riniranm







8 Um inquerito entire intellh'cuaes brasileiros

os cabos, gemeram os prelos e comegou a ouvir-
se de lodos os lados, alto e claro como uma fan-
farra, o clamor invencivel dos protests.
Foi isso o que trouxe d tona a grande e velha
questdo do odio ao hebreu; o mundo, aturdido corn
a brutalidade que e idosa mas estava esquecida -
organiza ainda a reacgao contra essa barbarie de-
crepita que ndo quer morrer...
Alastrando pelos continents, o rumor desses
acontecimentos chegou atd n6s; 6ra, aqui vivem
judeus como vivem allemdes e todos, semitas e
aryanos, vivem bem ou mal, mas vivem, e convi-
vem, e trabalham e produzem comnosco.
Nfo foi possivel, porem, evitar os effeitos do
movimento antisemita e vimos entfo, pelos jor-
naes, espoucar o conflict no platonismo das pole-
micas.
Resultado?
Tambem n6s sentimos um vago malestar; tam-
bem n6s nos inquietamos, jd agora, corn o precon-
ceito das racas, a que sempre fomos avessos e
preoccupamo-nos corn o antisemitismo.
Dahi, este livro...



0 nosso public, sempre alheio a essas agita-
c5es longinquas ou preteritas, de chofre teve a sua







Por que scr anti-scmita ?


attencdo voltada violentamente para ellas. Segue,
pela imprensa, os debates em torno do caso; son-
da, num ou noutro autor, ao acaso das leituras,
esse problema; e, final, fica mais ou menos em
duvida sobre as conclusJes a que deve chegar.
Foi deante dessas consideragjes que nos ocor-
re appellar para um punhado de intellectiaes, pe-
dindo-lhes que nos dessem um pouco de lazes para
a orientacfo das massas brasileiras nesse momen-
to crepuscular.
E elles, corn a gentileza e a generosidade que
t5o bem caracterizam as elites nacionaes acudi-
ram promptamente ao nosso appello.
Assim se fez esft livro...



Sdo, todos os que nelle collaboraram, nomes
consagrados pelos critics e pelos leitores; nio ha,
nesse ramalhete de renomes, um s6 que nafo seja
um typo representative na esphera luminosa da
sua actividade e que nafo contribua de maneira pro-
funda e decisive para o esplendor do pensamento
entire nds.
Cada um delles, tomando uma faceta do anti-
semitismo, estudou-a do seif ponto de vista e corn
toda liberdade de opinifes trouxe-nos a sua pala-
vra norteadora; cada um delles, pondo aqui o ce-








10 Um inquerilo cnire intellectuals brasiliros

rebro e o coragdo ao servico das ideas aponton-
nos a attitude que devemos assumir deante dessa
quest6o, que e terrivel em pleno seculo XX.
Este livro, pois, ndo c apenas umra critica mul-
liformne e illuminada do antisemitismo; c, tam-
bem, uma grande e sabia li(io de verdade c de jus-
tica.
E' o clamor de um punhado de consciencias
brasileiras esclarecidas contra a accdo de barba-
ros retardatarios que queremn arrancar d humani-
dade o direito de andar sobre dois pbs...

*>: ;:

Partindo de lantas pennas, privilegfiadas sem
duvida, mas, sem duvida, differences, estc feixc de
artigos podcria carrcer d uinidfi:lc: isso, enlrt'1clan-
to. niao se d'ii c incmi, talnc-, S;(eria possi'cl qtic sc
desse. Havia, a unifical-os, como nm cordao que.
liga mulitas c muilas perolas, a singularidade do
them.
Entretanlo, acima dessa, outra havia, que sr,
ndo imaginaria tdo forte e Ido clara: era a homo-
geneidade da nossa repulsa, jd hoje secular, a to-
das as encarnacoes do preconceito de racas...
Neste livro, com*effeilo, impression a egual e
vibrant opposicdo a essa monstraosidade que tern








Por que ser anti-seinita ?


parecido immortal e qir scrnpre floresce, aqui on
ali, sob as mais phantasiosas designacoes.
E nisso, este livro, mais que lima palavra de
guia, mais qu ulima series de ensinamentos se
torna um depoimento da collectividade atravcs dos
sells mentores e dos sels expoentes.
Corn effeito, sempre fomos, somos hoje e cre-
mos que seremos sempre refractarios a essas toli-
ces ignobeis que tentam talhar c retalhar a nossa
especie em families puras e families impuras, em
castas slIperiores e castas degradadas, corn grupos
mais on menos divinos e cm grupos mais on me-
nos animals.
E d essa lima das nossas grandes e bellas qua-
lidades. Pralicamente, sqguimos, todos, essa sd e
doce philosophia que fa: de fodos os povos irmdos
- irmaos desunidos, irmnios imperfeitos, irmnios
mais altos on mais baixos, irmaos mais alvos oU
mais pretos mas, final, irmdos...
Oulros serdo mais intelligfenles on mais guer-
reiros, mais antigos on mais experts, mais boni-
tos, mais robustos on mais ferozes do que n6s; ne-
nhum, porem, em tempo algum, sob ceu algum,
comprehended melhor a velha e funda e bella ver-
dade da egualdade humana na face da terra.
E' lima das qualidades ( o brasileiro; serd lima
de silas glorias pela vida cm fora.

















12 Urn inquerito entire intellectuaes brasileiros

Podemos ter fraquezas porem, ninguem po-
derd contestar que possuimos alguma ou algumas
virtides: resta saber se estas absorvem aquellas.
Entre as nossas virtudes resalla explendorosamente
os nossos reconhecidos sentiments amigos e hos-
pilaleiros.
Esta publicawdo d inna prova desta verdade,
dchoando, por cerlo, pelas terras brasilias como
umn grito de desabafo de um povo que ha seculos
pugna pela sua liberdade.

OS COMPILADORES.












DIALOGO IMAGINARIO

AGRIPPINO GRIECO


0 ANTI-SEMITA (furioso)

O ADA judeu 6 umn scelerado e Hitler anda
nmuito bern perseguindo todos elles...

0 SEMITA (ironicamente)

Sem duvida, e urna rapa que s6 tern dado fas-
cinoras e monstros. Ilaja vista aquelle philosopho-
so de Ilaya que, fugindo dos prazeres do mundo,
foi como se vivesse cem vidas na meditacao, sern
nada esperar do ceo e da terra e amando, apesar
de tudo, a piedade c o amor. Alheio a fama, pu-
blicou sempre os seus trabalhos anonymamente.
Nio detestando ninguern e detestado por todos, ju-
deu para os christaos e christaos para os judeus, e,
para uns c outros, neto de Judas, ndio foi, na rea-
lidade, senaio urma almhna livy. Novalis o chalmou
de homem bebado de Deus". Mostrou sempre um
grande pudor intellectual. Recusando-se a applau-
dir os exaggeros sectarios, quasi foi morto pelos







14 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

magnatas da Synaigoga. Solitario e pobre, polia ins-
trumentos de optica para viver, nao ia nunca aos
theatros e foi um verdadeiro illuminado, preferin-
do mil leguas de terra na Utopia a um palacete em
Amsterdam. Pr6gou o pantheismo sem redigir
essas 6clogas de character urbano em que as arvo-
res se converlem mercantilmente em chamin6s. Tu-
berculoso, recusou as esmolas corn que pretendiam
humilhar-lhe a pobreza c morreu s6, altivamente
so, semn amor de mulher, scm conforto de amigos,
mas tambem sem blasphemar, sem invectivar, sem
odiar ninguem...

O ANTI-SEMITA (impressionado)
Mas esse 6 o grande Baruch Spinoza. Esse 6
um verdadeiro santo da philosophia. Nao houve
jamais creature melhor.

0 SEMITA (insistindo an ironia)
Naio, era da progenie de Abrahio e, como tal,
devia ser agora escorragado pelos beleguins de Hi-
tler. As tribus de Israel saio semnpre formadas de
sujeitos aberrativos. Um delles, por exemplo, ao
inv6s de metter-se a guerreiro, liquidando o pro-
ximo em batalhas sangrentas, metteu-se a comp6r
umas musicas dulcissimas que ainda hoje sao exe-
cutadas em terras europ6as. Era amigo de Goethe,
que, ja velho, Ihe admirava a extrema agilidade
de pianist joven, pra quem o teclado 6 um tear
de incomparaveis melodies. Atd eu me casei ao
sorm da sua Marcha Nupcial, que tern resoado em
milhares de egrejas...







Por que ser anti-semita?


0 ANTI-SEMITA
Referes-te a Mendelssohn. Mas desse nada ha
que dizer. Esse embellezou as almas e os lares comn
os seus cantos deliciosos. Aqui mcesmo na minha
victrola tenho um disco corn a sua Cangio da Pri-
mavera...
0 SEMITA
De accord coin a tua theoria, se elle reappa-
recesse agora em Berlim para dar umn concerto,
os homes de cruz gammada o repelliriam impla-
cavelmente a murros. E harmonium que executas-
se ali a sua Marcha Nupcial seria immediatamen-
te feito em pedagos. Mas esqueqamos estes sim-
ples artist. Vejamos os cidadaios de character mais
pratico. Houve um home que nasceu entire os li-
vros vclhos da casa de um alfarrabista. E s6 pela
sua desenvoltura ironica, pela sua verve caustica
de polemista da tribune, pela argucia psychological
corn que previa ou desennovelava as situa5es mais
complicadas, foi longos annos primeiro ministry
da Inglaterra, fez medo a Gladstone e a Salisbury,
fascinou a solennissima rainha Victoria, a tal que
trazia na cara mais protuberancias que uma carta
geographic em relevo. Esse lidador foi um mestre
de orgulho national, lembrando a todo um povo
modern que Ihe cumpria repetir os antigos ro-
manos na direccqo dos destinos do mundo c na
repressio inexoravel aos possiveis recalcitrantes.

0 ANTI-SEMITA
Uma individualidade destas 6 uma bella li5io
de vitalidade, de dignidade humana aos frouxos







16 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

e aos abulicos. Feliz a rapa que d& animadores desse
genero...

O SEMITA

Pois estou falando de um judeu, Benjamin Dis-
raeli, lord Beaconsfield no nobiliario inglez e pres-
tigiador supremo da idea on do vocabulo "imperia-
lismio". Reconheces que foi um home que honrou
a especie. Mas, levados As suas extremes conse-
quencias os postulados dos naziss", nao desem-
jbarcaria elle na Allemanha se lA fosse tomar parte
num congress international. E, se 1i descesse, tal-
vez Ihe vaiassem a barbicha de doutor da Lei on
os carac6es que Ihe caiam desordenadamente pela
test.

0 ANTI-SEMITA
Talvez seu unico defeito fosse ser politico...

O SEMITA

Mas, f6ra da nefasta political, ha muitos que
o austriaco de Berlim poria na fronteira, como,
direct ou indirectamente, fez a Einstein. Carlitos,
por exemplo, o maior genio comico do seculo, su-
perior a todos os Arlequins e Pulcinellas da cha-
mada Comedia Italiana, niao cruzaria, coin o sen
bigodinho, a sua bengala e os seus sapat6es, as ruas
de Munich, e ali nio lhe serviriam um prato de
salsichas nem mesmQ nas tascas mais reles. Mar-
cel Proust, judeu melo-sanigue, pelo lado materno,
voltaria logo a Franca, deante de raz6es hygie-
nicas, sob pretext de soffrer de asthma. 0 histo-



















Por que ser anti-semita ? 17

riador Ferrero, casado corn uma filha do judeu
Lombroso, seria forpado a immediate viagem de
retorno, rumo da linda Italia que Vincenzo Monti
classificou de "giardino di natural E se Bergson,
o maior dos seres pensantes depois de Descartes e
Augusto Comte, fosse falar na Heidelberg de He-
gel ou na Koenigsberg de Kant, arriscar-se-ia a que
os hitlerianos o mettessem numa gaiola e o remet-
tessem cm despacho a pagar, a um dos ghettos
de Amsterdam ou de Edimburgo...





























































S










A AMERICA DO SUL E 0
ANTISEMITISMO GERMANICO

BAPTISTA PEREIRA


O exterminio dos Judcus na Allemanha 6 umn
desafio A Civilisagio. Ameaga que precisa ser com-
batida comn todas as armas, tanto mais grave se
torna, quanto abandonou a primcira ostensividade
para se transformar num "pogrom" silencioso, na
more pela fome. Calar ante esse drama e renim-
ciar A dignidade humana.
Hoje os Judeus. Porque niio amanhi os Ca-
tholicos? Exterminados os Judeus, coin a acquies;-
cenecia cobarde das outras nacoes, poriqtue parar
nesse caminho? Acautele-se a Humanidade: o que
Hitler quer e a lcgalisagcio do principio que vinte
seculos de Civilizagio pareciam tecr (xtinguido: o
direito de exterminio.
0 Brasil niio esta ao par da tragedia. S6omente
os que recebeni jornaes da Inglaterra sabem que
tudo que chega ate nos das atrocidades allemiis
6 unia pallida sombra da realidade.
O seviciamento, a tortura, o assassinio, coroa-
dos pelo roubo e pelo confisco, estio officialisa-
dos. Nio ha em toda a Hlistoria Universal, paii-
nas mais sinistras. Os movimentos anti-semitas
de outr'ora ainda tinham unma desculpa: a do ideal







20 Um inquerito entire intellectuals brasileiros

religioso. A Inquisicgo estava convencida de que
salvava a pureza da F6. Mas a canipanha hitleris-
ta, cuja ferocidade deixa a perder de vista a de
Torquemada, escuda-se apenas num pretexto: a su-
perioridade racial.
0 clamor de protest que as atrocidades alle-
mis levantaram na Inglaterra foi de tal ordem
que, percebendo-lhe o alcance, o Nazismo viu-se
forgado A denegagio de suas violencias. Debalde.
Milhares de testemunhas as comprovam. Todos os
estrangeiros que a Allemanha nao tem podido re-
ter nas suas fronteiras as confirmam. 0 arrola-
mento das victims, assassinadas ou suicidadas,
corre mundo.
Em balde o Nazismo as desmente. As violen-
cias continuam como dantes.
Leon Trotsky, no "Manchester Guardian" lem-
bra que quando um home empunha uma barra
de ferro parece mais perigoso do que quando es-
conde no bolso do paletot umna Browning. 0 Hi-
tler das denegag5es 6 o segundo. A vida dos Ju-
deus contintia hoje ameagada por uma Browning
escondida.
As perseguig6es aos Judeus na Allemanha sao
um ultrage A consciencia humana. Emquanto a Al-
lemanha nao retroceder nesse caminho deve ser
tida como a inimiga da Humnanidade.
E como tal tratada.
Os escriptores sul-americanos, os homens que
dedicaram a vida ao pensamento, tem o dever de,
mais uma vez, pro-tar que nao pode haver neutra-
lidade entire o Crime e a Justiga.
0 present inquerito 6 o primeiro passo nes-
sa Cruzada.











O ANTISEMITISMO ACTUAL, COMO
EXPRESSAO DE ANGUSTIA
ECONOMIC
EVARISTO DE MORAES


Q UANDO, ha annos, li a obra do tceuto Cham-
berlain que traz por titulo, na edicao franceza, La
gendse da XX idme sidcle, e percorri as muitas e
eruditas paginas inspiradas pela ogerisa germani-
ca contra os Judeus, tive a impressio de que os
arguments ali reunidos (por f6rma calculada-
mente tendenciosa), long de autorisar a th6se an-
ti-semitica do autor, serviriam para sustentacio da
th6se contraria. Foi bem simples o meu raciocinio:
- si os representantes raciaes do Judaismo al-
cangAram, atrav6z de tremendas perseguiq6es e
ferozes preconceitos, a influencia tio malsinada
por Chamberlain, offereceram, por isto, a media
de um valor incomparavel.
0 mesmo succedeu coinmfgo, ultimamente, ao
perlustrar a obra de Leon de Poncins As forgas
secrets da RevolugVo Magonaria e Judaismo,
e a de Henry Ford 0 Judeu Internacional. Qual-







22 Urn inquerilo cnire iniellectuaes brasilciros

qu6r dellas, a meu v&r, reaffirma, da maneira mais
complete, a existencia de altas faculdades que,
concorrendo nos Judeus, contribuiram para ihes
assegurar as situa6es combatidas pelos autores.
Tornam-se, assim, inexplicaveis as suas con-
clus5es, uma vez feito identico raciocinio. M6r-
mente em Jiden Internacional, o que se attri-
bhue ao poderio dos filhos de Israel 6 formidavel.
Si elles houvesseni, realmente, conseguido dominar,
nos paizes mais cultos, a political, as financas, a
public administracao, o jornalismo, a opiniaio col-
lectiva, ati o ponto assignalado, teriam dado mos-
tras de uma capacidade nunca exercida por ne-
nhum outro povo, e ficaria, de vez, combalida a
supremacia ethnic dos pretensos arianos... Mas,
em verdade, os Judeus niio merecom se lhes attri.-
bhiam tamanhas vantagens dominadoras, nom se
Ihes imputem tao grandes culpas. Elles foram sem-
pre, nao ha duvidar, propulsores da expansaio eco-
nomica e da cultural mental nos paizes que os aco-
Iheram, senm, entretanto, ser licito sustentar que
delles, exclusivamente delles, tenha nascido quan-
to, nesses paizes, exprima riqueza material e ri-
queza intellectual.
No tocante Ai expansi'o economic de origem
judaica, 6 farta e incontrastavel a comprovaciio
offerecida pelo economist e historiador do Capi-
talismo Werner Sombart. Em obra cuja traduccio
franceza data de 1923, deixa elle evidenciado que
os Judeus levaram a varias cidades da Europa, das
duas Americas, eklnentos pecuniarios, methods
do Irabalho commercial, iniciativas intelligentes,
que produziram innegavel prosperidade. Cumpre
observer: buscou Soinbart documnentar-se em apre-







Por qur ser anli-s'nmita ?


ciacqes de escriptores contemporaneos dos factos
que exp6e, e em seguros informs officials. (V. Les
juifs ct la vie economique, pags. 32 a 48).
Nio menos exaustiva 6 a demonstracgAo, por
elle feita, do papel preponderante quo tiveram os
Judeus na formagiao da mentalidade capitalistica,
que tornou possivel a commercialisagfio da econo-
mia mundial. (Idem, pags. 80 a 203).
Como explicar, deante dc factos que so im-
piem por sua propria evidencia, o reapparecimen-
to da persegui(gio aos Judeus, em naizes para ctija
civilisacao elles tanto e tanto contribuiram?
Como justificar a feroeissima guerra a elles
movida numa epoca em qnue gloriosos representan-
tes da mentalidade allemil notoriamente se entron-
cam na raca hebrda?
Ja em 1875, o rmanis esforcado, e, naquelle tem-
po, quasi unico. propugnador da cultural germani-
ca entire n6s, Tobias Barretlo, escrevia, referindo-se
precisamente d Allemanha:
"E', realnenfe, explendido o papel que
o judaismo ten ali representado, no que toca
A vida spiritual dos ultimos tempos. Niio foi
sem muita razio que um homcm como Vir-
chow, o celebre medico e orador berlinense,
declarou, ainda ha pouco, em uma sua res-
posta a Quatrefages. que os Judeus germani-
sados se tornaram, para os allemies, um po-
deroso fermento de cultural (Ensaios e Es-
ludos de Philosophia e Critfica, 1.a ed., Recife,
pags. 72-73). *
Antes, no mesmo trabalho, ponderira o genial
mesltio sergipano;







24 Um inquerilo entire intellectuaes brasileiros

-- "0 rancor outr'ora votado a veneran-
da gene israelita, e ainda mal extincto em
coracSes fanaticos, 6 um rasgo de barbaria,
que ha de sempre envergonhar a civilisacao
occidental" (pag. 47).
Estou convict, no emtanto, de que, alem do
preconceito racist, naturalmente robustecido na
Allemanha ap6s a sua derrota, estA agindo, ali,
a mesma concorrencia economic que, outr'ora,
era dissimulada pelo fanalismo religioso em Hes-
panha e em Portugal.
Nos seculos XV e XVI, o que, na peninsula
iberica, mal se disfargava sob a perseguiqio inqui-
sitorial era, principalmente, o despeito dos que in-
vejavam e cobiqavam a abastanga (muitas vezes
apenas supposta) dos crentes do Mosaismo. Reco-
nheceu-o Alexandre Herculano, em various trechos
da sua Historia da Origem e Estabelecimento da
Inquisiqdo em Portugal (V. Tomo I, pags. 84,
93 a 96).
AliAs, o mesmo factor economic da perse-
guicqo aos judeus transparece na obra jA citada
de Sombart.
Em Montpellier, meiado do seculo XVIII, os
negociantes christios se queixavam dos judeus, e
o intendente Ihes aconselhava que sortissem seus
estabelecimentos tio bem como os outros... At-
tingia o ponto nevralgico da contend o grande es-
tadista francez Colbert, quando, dirigindo-se aos
intendentes, observava:
"Deveis vos prevenir contra o ciume
commercial que levarA sempre os negociantes
a opinarem pela expulsAo dos Judeus".







Por que ser anti-semita ?


Admitto que, na expressed de um collabora-
dor da revista Le mois (1.0 de maio a 1.0 de junho
ultimo) o racismo nAo e novo na Allcmanha" e
jA aqui me referi a um dos seus mais famosos pa-
ladinos Chamberlain, discipulo aproveitado do
famoso e archiridiculo Gobineau; mas tenho para
mirm que agora (tal como nos seculos XV e XVI),
prevalece, na investida contra os Judeus allemaes,
a necessidade de attender aos reclamos angustiosos
de milhares de outros allemies, que n5o sabem co-
mo veneer a formidavel concorrencia daquelles no
commercio, na industrial, na public administra-
cio e nas profiss5es liberals.
Nao valem contra esta interpretacao do lamen-
tavel phenomenon as allega6es de Hitler no seu li-
vro Mein Kampf, porque nio se trata de uma obra
de argumentai5o sadia, mas, sim, de umn surto de
aggressdio aos Judeus c A Franqa.
Felizmente para os Judeus, espiritos superio-
res, quaes os de Francisco Nitti e Emil Ludwig, sem
se concertarem para a proclamaqAo de umna pro-
funda verdade, a enunciam, quasi nos mesmos ter-
mos, affirmando o actual isolamento spiritual da
Allemanha.
0 estadista e sociologo italiano accentda, em
artigo recent, at6 que ponto as violencias contra
os partidos democraticos e a perseguiqAo aos Ju-
deus afastaram da Allemanha os seus mais sin-
ceros amigos, os admiradores da sua vasta cultural
e dos seus progresses industries.
Doutro lado, o biography imparcial de Napo-
leao e de Guilherme II, o arguto entrevistador de
Mussolini, frisa a dolorosa separai5o entire o Es-
tado e os intellectuals allemies.








26 Um inquerito entire intellectuals brasieciros



Os brasileiros nfo po6dem, sem mcnos pr'zo
dos scus sentiments do tolerancia c de liberalis-
nio, applaudir o que so praticar cin qualquer par-
to contra os Judeus. Preconceitos d( raca e do re-
ligidio saio incoinpativeis coin a indole brasileira.
Quanto ao alludido e prevalent factor economic,
nao tern, no Brasil, a mcnor expressio. E, si recor-
rermos aos ensinamentos da nossa historic, ella nos
dira o que devemos A operosidade dos Judeis, pri-
meiros propulsores da importantissima industrial
assucareira centre n6s. Sio dev6ras interessantes, a
respeito, as inforinagCes recolhidas na obra de Soim-
bart e na pequena, mas substanciosa, monogra-
phia dc Solidonio Leitc Filho Os Judeus no
Brasil.
Quando tantas e tio fortes razoes nao militas-
sem no men espirito para determinal-o a condem-
nar, em absoluto, a cami)anha contra os .Julcus,
um imperativo da minha affectividade Icvar-me-ia
a concordar, ainda neste assumpto, corn o expocn-
te maximo da subraca a que perlenco, Tobias Bar-
reto, dizendo:

"Na falta do outras razoes mais fortes,
bastaria observer que a desdita impr6ssa na
front de um grande povo nio 6 monos res-
peitavel do que a desdita escripta na front
de umn grande home. 0 genio que em ambos
tern a mesma 4ivisa deve attrahir para am-
bos o mncsmo grAo de solenne sympathia"
(obra cit., pag. 48).












CIVILIZAQAO E' ISTO?

PLINIO BARRETO


S OBRAM raz'es aos quc se esforgam por afas-
tar do Brasil todos os extremismos, quer os da di-
reita quer os da esquerda. Se o Brasil 6 um dos
raros paizes onde so p6de viver sem torturas per-
manentes deve-o a repugnancia por tudo quanto
constitue oppressao. Nada seria mais contrario A
indole do scu povo do que aquillo que se passa,
ja n5o dircmos na Russia, mas na Allemanha.
Qual o brasileiro que supportaria, sem revolla, o
que, por exemplo, so fez, na Allemanha, corn os
advogados e magistrados de origem israelita? Corn
o advento ao poder do partido de Hitler, todos os
magistrados de sangue judaico foram obrigados a
tirar uma licenpa. 0 ministry da Justiqa, em cir-
cular dirigida aos presidents das cortes de ap-
pellacao e aos procuradores geraes, determinou
que se vedasse a entrada dos tribunaes aos ma-
gistrados israelitas que se nto quizessem submet-
ter ao afastamento forcado que o governor lhes
impoz. Nos tribunaes de commercio c nos de tra-
balho, os jurados e juizes israelitas foram afasta-







28 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

dos summariamente, mediante ordem de nao se-
rem mais convocados. Quanto aos advogados, fi-
cou estabelecido que os de sangue israelita s6 po-
deriam ser admittidos a exercer a sua profissao
na proporgio da populacao judaica em cotejo com
a populacao total da Allemanha. Ora, observa um
journal francez, "Le Temps", de onde tiramos es-
tas informac5es, como o numero dos judeus e cal-
culado em 565 mil, a proporcio fixada na lei 6
inferior a um por cento. Praticamente nenhum
advogado de origem israelita poderia exercer a
sua profissio. 0 governor commetteu, finalmente,
ao president da associaqAo de juristas nacionalis-
tas-socialistas, o encargo de escolher os advogados
judeus que ainda possam ser tolerados nos tribu-
naes. A dureza dessa deliberacio cresce de gra-
vidade quando se sabe que era elevado o numero
de advogados israelitas que trabalham na Allema-
nha, principalmente em Berlim, onde alguns del-
les gosavam de algum conceito. Antes de 1918,
nfo havia magistrados israelitas na Allemanha,
mas tambem nenhuma restric~io era posta ao
exercicio da advocacia pelos israelitas.
A decisao tomada contra os israelitas que se
dedicam As lides f6renses, frisa o journal citado,
e talvez muito mais seria do que o "boycott" do
commercio israelita. Este tem que ser temporario
ao passo que aquella decisgo p6de ser definitive.
Espera-se, ainda, que a odiosa media alcance
tambem os membro. do ensino de modo que, a
pouco e pouco, os israelitas serio excluidos de to-
das as profissies liberaes. Outras medidas violen-
tas contra elles nao surprehenderao A vista do que










o governor fez corn Einstein que 6 uma das gran-
des figures da humanidade nos tempos modernos.
Einstein foi obrigado a demittir-se de membro da
Academia Prussiana de Sciencias, do cargo de di-
rector do Instituto de Physica Imperador Gui-
Iherme e viu confiscado o pequenino peculio que
tinha depositado em um banco de Berlim. Nem
a honra Ihe pouparain, pois que, chefiada pelo
proprio reitor da Academia de que fizera parte, se
desencadeou contra elle uma tremenda campanha
de imprensa coin o intuito de prival-o da estima
dos seus concidadaos.
Nada que coin isso se parega jamais poderia
succeder no Brasil. Se nem o preconceito de c6r,
que 6 umna das chagas da republican norte-ameri-
cana, nos envenena a existencia, ainda menos po-
deriam encontrar guarida no coragao dos brasi-
leiros sentiments de odio mesquinho contra cria-
turas humans sem outro crime que o de perten-
ccrem a uma determinada raca. Que formidavel
clamor de protest nao se ergueria, immediata-
imente, de todos os peitos, se algum tresloucado se
lenmbrasse, amanhan, de vedar, no Brasil, o exer-
cicio de qualquer profissdio a quem, embora corn
todos os requisitos para se dedicar a ella, tivesse,
por exemplo, o sangue syrio, o sangue japonez, o
sangue italiano, o sangue allemao ou qualquer ou-
tio sangue! Nao haveria brasileiro capaz de ap-
plaudir qualquer acto governmental que restrin-
gisse a liberdade de trabalho e que privasse de
p~o e dos meios de ganhal-o a quem quer que
fosse.
A repulsa do povo brasileiro aos extremis-


Por (lize ser anti-scinita ,'







30 Um inquerilo entre intelleclnaes brasileiros

mos vem, portanto, do mais fundo da sua alma.
E' um novimento instinctivo em defesa do que ha
cm sua alma de nobre e generoso. Elle senate bern
que, no dia em que qualquer extremismo trium-
phar, terd desapparecido do territorio brasileiro
aquillo que d o scu encanto e a sua forga a
bondade, a docura, a tolerancia da gente que o
habita. 0 fascismo, o bolchevismo, tudo, em sum-
ma, que se traduz pelo dominio absolute de unm
grupo, de umna classes, sobre a generalidade do'
povo, nao 6 coisa que o brasileiro support. 0 ja-
cobinismo que, em dias tristonhos, jd quasi esque-
cidos, na sombra do passado, poz algumas nodoas
na historic da nossa vida political, foi uma febre
ephemera que o assaltou e, ainda assim nio foi
umna febre que houvesse tomado o povo inteiro.
Circuniscreveu-se a uma pequenina massa de exal-
tados, e apenas em algumas das grandes cidades.
Fagamos tudo para continuarmos a ser o que
somos. Nio pecamos ao estrangeiro nenhuma des-
sas innovagoes political a que, em accessos de de-
lirio, estao supplicando umina tranquillidade, que
Ihes nio proporcionarao. Contentemo-nos coin a
nossa vida modest, dentro do estado juridico quie
as nossas tendencies liberals organisaram, sem
odios profundos, sem preconceitos de raga e de re-
ligiao, sem lutas de classes, como umna s6, gigantes-
ca e carinhosa familiar, em cujo lar ha sempre ga-
salhado e piedade para todos os membros da com-
munidade humana. Nao abandonemos jamais a
doce philosophia da vida que nos faz desdenhar
todos os absolutismos, sorrir de todos os dogma-
tismos e nos conformar, serenamente, corn a re-
latividade de todas as coisas humanas. Se a civi-







Por que ser anli-semila ? 31

lsaaio d isso que a Europa nos mostra, facamos
volos por que ella nunca chegue ate aqui. Perse-
vcreml1os no atrazo, (e'1 quCe IOS encontraInos, se
o progress so se adquire por aquelle preco. Abai-
xemos as tarifas alfandegarias para os products
quC nos tornem a vida commoda e barata, mas ele-
emoil-as para as ideas que amcacem perturbar o
socego, a simplicidade e a innocencia da nossa
existencia collective. Prosigamos na nossa pere-
grinaiao pelo planeta corn o pass de que ainda
nio nos apartamos e coin o imesmo espirito que, ate
agora, nos tem animado. A troco de coisa algunia,
nao deixemos de ser o que temnos sido. Faaim t,.;
outros as experiencias political e sociacs que Ilhes
dci na cabega, mais provide de fumno que do
miolo. Quanto a nos, fiquiemos tranquillos, comno,
no sell quarto, o honiem feliz de Pascal, no nosso
estado democratic e liberal, nesino corn todos o0-
seus defeitos e imperfteioes. Nio disputemos a
ninguem a gloria incerta de construir regimens
politicos que sejam a ultima palavra do engenho
huinano. Satisfaaimno-nos coin o mais ou menos
republicanismo das nossas instituiGes e afaste-
inos de nos, desconfiados e cautelosos, esses sys-
temas de salvaiao public corn que os ideologos
aluados ou os tyrannos sem occupaqao acenam
para os ingenuos, para os desesperados, para os
afflictos, para os iflpacientes e para os levianos.
Antes o ranchinho hunilde da nossa democracia
que o palacio majestoso do despotisino gerinanico.
(Falamos so no despotismo germanico porque elle
e o que assenta no terreno mait aformoseado pel'-
lavor da cultural e da civilisacao). Prefiramos a
sorte de ser, perante o mundo, unia naiao caipira





















32 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

a ser, perante elle, urma nagdo hypercivilisada se,
para a mutagio, tivermos de ac6rdar, no abysmo
do nosso subconsciente, os instinctos ferozes que
talvez jazem lA adormecidos.











PORQUE NAO SOU ANTISEMITA

A. C. PACHECO E SILVA


U M dos principals caracteristicos da nossa
genie 6 niio ter preconceito de raga, de c6r ou de
nacionalidade. Todos n6s tanto nos aproximamos
de umn preto, de um chim, de um alemdio como de
umrn sirio, sem que nos mova outro sentiment que
nio seja o da fraternidade universal.
Abrimos os nossos portos e as nossas frontei-
ras a povos das mais longinquas regi6ecs da terra,
que aqui se radicam, aqui prosperam e acabam
por se integrar no nosso meio de tal forma que,
ao fim de duas c tres geraq6es, o sentiment de
brasilidade e neles tdo forte como o dos brasilei-
ros das mais velhas estirpes.
0 africano se adaptou entire n6s e ninguem
ama a sua terra mais que o preto brasileiro. Si
chegou at& a esquecer a sua origem e a propria
c6r, falando muitas vezes em nome da raga la-
tina...
Jamais se verificou entire n5s umn movimento
xenof6bico. Tem havido, 6 verdade, pequenos in-
cidentes oriundos de exaltaq6es momentAneas,
mas sio fatos isolados, sem maior significacio.







31 U'm inquerilo entire intellectuaes brasileiros

Passado o primeiro impulso, a harmonia niio
tarda a se restabelecer, serm que perdure o menor
rancor.
Merc6 desse espirito tolerante, o Brasil 6 uma
verdadeira "Terra de Todos". Assim e que, quan-
do um fen6meno social obriga determinado povo
a emigrar, este 6 sempre atraido pelo nosso pais.
Russos, alemAies, italianos, arabes, sirios, espa-
nh6is, portugueses, let6es, japoneses e chins en-
contraram aqui os meios de viver e a felicidade
que nio Ihes poude dar o pais de origem.
Sob o nosso c6u, cultivando o nosso solo, go-
zando as delicias da nossa natureza tao pr6diga,
participando da nossa vida social, intellectual e
artistic, habitantes originArios de toda a part
aqui constituiram os seus lares. Si porventura umn
cataclisma destruisse o mundo, poupando o Brasil,
nenhuma raca desapareceria da face da terra.
De que outro pais se podera dizer o mesmo?
Ai esth porque niio podemos compreender e
nos causam esp6cie as campanhas que, de quando
em quando, se desencadeam no mundo contra esta
on aquela rapa.
Agora os perseguidos sdio os judeus. Sdio ales
incriminados por todas as desgraqas que tem cai-
do s6bre os homens.
A luta antisemita atinge, eni certos lugares, a
grandes proporq6es. E' israelita, tem nas veias san-
gue judeu, naio ha contemplaqio. Nio importa o
passado; todos, quer tenham ou nio prestado ser-
vigos ao pais que habitam ou h humanidade, sio
repelidos.
Tanto um Einstein como um pobre belchior
sofrem a mesma perseguicao, as mesmas violin-







Por que ser anti-semila ?


cias, a que naio escapain siquer niulheres on crian-
cas. Morrer a mingua ou emigrar eis o dilema.
Sera just essa campanha? Havera motivo
para a aplicaiao, de um monmento para outro, de
medidas extremes? Tera algueni autoridade para
dizer "Estou agindo como o Criador Todo Pode-
roso: defendendo o meu pais contra o judeu, luto
pela obra do Senhor"?
Nao ha diuvida que e sempre dificil e teme-
rario julgar-se o que se passa long dos nossos
olhos. Todavia, analisando os fatos como agora
se nos apresentani, pelos acontecimentos que nos
chegam atraves da imprensa estrangeira, pela in-
tolerAncia, pela intransigencia e pela forma por-
que esta sendo movida a campanha contra os is-
raelitas, naio pode ela deixar de merecer a nossa
reprovagao.
A obra dos filhos de Israel nas artes, nas ci&n-
cias, sobretudo na medicine, s6bre a qual somos
mais autorizados a falar, represent uma contri-
buiaio formidAvel, de que toda a humanidade tein
beneficiado e pode ufanar-se. Sabios como Ehr-
lich, Neisser, Meirowsky e Wassermann, para so
falar de alguns dos principals m6dicos judeus que
honram a pr6pria Alemanha, onde vai agora in-
tensa a luta antisemita, sio nomes a que o mundo
inteiro hA de render sempre as maiores home-
nagens.
Ha ainda a ponderar si devemos admitir a
existencia de umna raga judaica. Digo isso valen-
do-me da autoridade incontestavel de J. Finot, que
no seu admiravel livro "Preconceito das ragas"
escreveu: "Que 6 essa rata judia, da qual ouvimos
falar desde tantos s6culos e que de tempos ime-







36 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

moriais tern tido o dom de excitar a curiosidade
dos politicos, dos fil6sofos, dos historiadores? 0
que sabemos hoje se reduz A quasi certeza de que
nlo se trata de umna rata, mas sim de umia religiao.
Os Judeus, que hoje estao long de former uma
raga, nao t6m siquer o direito de reivindicar 6sse
privilegio no passado. Chegados em pequeno nfi-
mero na Palestina, umia dezena de seculos antes
de Cristo, ai encontraram povos e ragas de toda
sorte: Hititas, Arabes, Filisteus, etc., e acabaram
por se fundir corn 6stes. Dispersados ap6s Alexan-
dre, nao cessaram de fazer pros6litos.
"Cumpre recorder, nessa ordem de id6ias, a
conversao em bloco de toda umna populagao turca
(os Chazars). Espalhados pelo mundo inteiro, mis-
turaram-se A vida dos povos e sofreram niio s6 a
influ6ncia do meio como a dos cruzamentos. Aca-
baram por dar o seu sangue a todos os povos, re-
cebendo o deles em troca.
"Hoje em dia, antropologistas os mais rigoro-
sos se rendem a evid&ncia de que niio hi uam tipo
judeu, mas tipos judeus, pr6prios a Alemanha, A
Pol6nia, a Russia, A Espanha, A Franga, etc.
"Em todos os paises, pode-se dizer, a intensi-
dade dos tracos que os distinguem se reduz a si-
tuaqao political e social.
"Quando as barreiras que os separam dos ou-
tros cohabitantes desaparece, o judeu acaba por
se assemelhar cada vez mais, intellectual e biolo-
gicamente, ao meio que o cerca de perto".
Ora, si assim 6, nao ha razio para umna campa-
nha sistematica contra os israelitas, semi primeiro
indagar da atuagao de cada urn, sem umna anAlisc
pr6via da vida passada e, sobretudo, sem se cer-



















Por que ser anti-semita ? 37

tificar si a atividade do individuo tem sido ou nao
perniciosa ao mcio em que vive.
Si a pr6pria criminologia, baseada na biolo-
gia, adota hoje o criterio da individualizagio da
pena, como condenar toda uma populacio s6 por-
que s6bre ela pesa a suspeita de ter 6ste ou aquele
sangue, esta ou aquela lingua, este ou aquele
dogma?
Ai estA porque nio sou antisemita.

















"ESCUTA ISRAEL!..."

MARIA LACERDA DE MOURA

I

O DESPERTAR DO TROGLODITA


A psicanalise revelou as camadas profundas
da bestialidade no home civilizado. Por mais
que a "Censura" recalque os instintos primitivos,
a ferocidade ancestral vive, em n6s, toda a sua
vitalidade potential.
Basta que circunstancias adequadas nos en-
volvam em determinados ambientes e o troglodi-
ta salta e vem a tona, em toda a expansdo da sua
virulencia.
A guerra foi o toque de clarim que quatro
anos de torturas e crueldades fizeram vibrar, evo-
cando o home prehistoric a vir cumprir na ter-
ra uma missAo social de exterminio.
Depois da guerra, mais que as outras poten-
cias, a Alemanha sofreu os efeitos do monstruoso
massacre.
A situacio desesperadora da Alemanha en-







40 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

volveu nas suas malhas uma geragiio de nevr6ti-
cos os filhos da grande guerra, as criancas que,
aterrorizadas, presenciaram os horrores da heca-
tombe e da fome c que se salvaram, como por mi-
lagre, da carnificina e da loucura, e mais: as crian-
cas geradas durante aquele period de desatinos
c de angustias dantescas.
Salvaram-sc da morte, mas, niio se salvaram
das nevreses e da desnutricio.
As camadas profundas do subconcicnte, today
a forqa ancestral do ser humano foi sacudida, foi
ventilada, foi acoitada pelo vendaval destruidor.
E a mentalidade prehistoric ai estA a servico
da violencia e vein reivindicando o direito A cruel-
dade c ao canibalismo.
Ameagando sorv6r toda a civilizaciio num ba-
nho de sangue, e a ebuli~io das camadas cripto-
psiquicas dos instintos bestiaes, viqdo h tona ap6s
o period delirante em que os series humans, nas
trincheiras, se transformaram em animaes fero-
zes, num retrocesso de centenares de seculos, para
obedecer A forga suprema do instinto animal de
defesa agressiva.
Ap6s a guerra, a revolucio alemni, humilha-
96es, a fome e a miseria, mais fome e mais mise-
ria, todo um cortejo aniquilador e o esmagamen-
to da individualidade no desespero da impotencia.
E a dureza das outras nag6es a exigir o im-
possivel, e a agonia fisiologica e a agonia moral
de um povo exgotado de sacrificios ingentes.
Em volta, tudo 6 derrocada.
Todas as lindas promessas milenares menti-
ram h ingenuidade das massas.
Religi5es, political, a democracia, monarquias,







Por que ser anti-semita ?


imperios, republican, organizac6es sociaes, o Esta-
do, a industrial, o capital tudo oscila num des-
moronar fragoroso, em mcio dos exercitos da fo-
me, dos sem-trabalho, aniquilados pela prepoten-
cia da maquina, esbulhados pela distribuicao eco-
nomica de privilegios o produtor com as mdos
vasias, morrendo de esfalfamento c inanicio e o
industrial queimando o excesso de producao -
afim de retirar os lucros do Capitall
Num ambiente assim feroz, o descontenta-
mento se alastra, a revolta se avolima e as mas-
sas fazem um esforco titanico para descobrir a
causa de tantas miserias sociacs. EntAo...


II

0 CAPITALISM FARfJA OS SEUS FILHOS
DILfiTOS...


ANTES que a conciencia da populaga desperate
para ver e apontar os verdadciros responsaveis
pela catastrofe, as hosts do poder e da riqueza,
num movimento talvez inconci6nte, guiadas pelo
instinto social de conservagqo tomam e dian-
teira de unma atuaqio reacionaria, buscam exaltar
o instinto feroz da agressio do individuo no seio
da coletividade, e se aproveitam do primeiro aven..
turciro ousado para canalizar o descontenta-
mento geral em determinada direqio, defendendo-
se, do perigo que as amcaga, ii custa da tragedia
de uma vitima que a propria historic da cruel-
dada humana aponta...







42 Um inquerito enhre intellectuaes brasil fros

Os donos da humanidade espreitam o mo-
mento, acompanham, interessados, os j6gos dos
partidos.
Aparecem os caudilhos, surgem os charlatges
sem escrupulo, de palavra fascinante e attitudes
tragi-comicas, e a mentalidade prehistoric do tro-
glodita, desperto pela virulencia dos condutores de
febre alta, volta a endeusar a autoridade do mais
forte e pede o capataz de rebenque em punho...
Veste-se de novo um idolo velho cor nomes
equivocos e as camadas profundas do home das
cavernas, desencadeadas numa tempestade de pai-
x6es desordenadas, esbravejam dominismo, ul*i-
lam e se arrastam na subserviencia aos pes do che-
fe supremo, o salvador, o dominador que tem sede
de sangue.
Assim foi na Italia fascista.
Assim e na Alemanha racist.
0 governor alemno, impossibilitado de fazer
face as desgrapas desencadeadas pela guerra por
sobre o seu povo, impossibilitado de se animar,
foi, de concessAo em concessio, dando forgas ao
hando militarizado de Hitler, a esses grupos de
assalto e espionapem, vendo na fantasia do cau-
dilho, um meio de armar indiretamente a Ale-
manha.
E Hitler foi ganhando terreno, palmo a palmo,
ainda mais porque os capitalistas veem perceben-
do o perigo das correntes revolucionarias rugin-
do num crescendo ameagador, prometendo levar
tudo de vencida uma pedra que vem rolando...
Hitler 6 confuso, ameapa o Capitalismo en-
quanto guard reminiscencias dos dias de fome de
proletario. Mas, o Capitalismo arregimentou-se







Po,' que spr anli-.s'emna ?


nas suas hostes e tudo ihe forneceeu para o adven-
to da sua vit6ria que 6 a vit6ria da reaqao.
O capitalism fareja os seus filhos dil6tos...
Sabe como 6 fragil a concicncia desses aventurei-
ros, c como 6 simples torcer o carter dos tiranos
e dos arlequins da political e como 6 facil conven-
ce-los e como e quando convem modificar os pro-
gramas ...
Sabe que cada urn deles tern um prego... De-
mais, Mussolini estA bem perto, para demonstrar
como se alteram as plataformas de aco dos salva-
dores de todas as patrias, dos condutores energicos
de multidSes delirantes ...
O capitalism sabe ainda que a febre alta das
massas fren6ticas ndo Ihes deixa perceber clara-
mente as subtilezas e os truques dessas mistifica-
95es ao sabor das conveniencias e dos oportu-
nismos.
O que 6 precise 6 aproveitar essa forqa capaz
de cultivar o ard6r feroz das massas arrebatadas
pelos impulsos ancestraes.
O que 6 precise 6 fazer canalizar esse instin-
to desperto, desviar o descontentamento da popu-
laca e apontar umna vitima para que as paixSes
exaltadas encontrem uma vAlvula de escapamen-
to e desalterem a s6de de odio e saciem a fome
bestial da vinganca.
Canalizar, exaltar, alimentar o fogo dos sen-
timentos baixos despertos pelo primeiro aventu-
reiro e a primeira parte do program confu-
sionista de todos os Thenardier das conciencias...
"Do mesmo modo que Mussolini, (Max Nettlan,
Viena, 6-12-32) no fin de certo tempo, foi Hitler
o escolhido, entire numerosos vivaes, pelos agen-







44 Um inquerito entire inlellectiaes brasileiros

tes capitalistas ai la page, como o home mais
digno de ser polpudamente subvencionado, e isso
Ihe permitiu, a um e a outro, agrupar em torno
deles, outros que viram de que maneira o dinhei-
ro corria. Esses dois individuos teem, como qua-
lidades, uma petulancia absolute, aplomb e cruel-
dade; o sangue e o fogo assinAlam os seus passes;
os brutos sdo atraidos por eles e podem cevar seus
intintos sanguinArios no ambient por eles cria-
do. E' um tipo de home que acreditavamos ex-
tinto, mas, a guerra, das mais baixas profundi-
dades, o conduziu ao pinaculo".
Alguns dos ultimos telegramas confirmam-no.
Nas sindicancias na Casa Morgan, segundo de-
nuncia do senador americano Reynolds, entire os
"freguezes privilegiados" esta Mussolini... Outro
telegrama ainda mais interessante, si possivel, e
o que se ref6re as relagses de Hitler corn judeus
milionarios:
"Berlim, 3 (H.) 0 sr. Adolfo Hitler deixou
esta capital para visitar Colonia e Goldenberg. E'
provavel que o chanceler tenha ocasiao de se en-
contrar durante a viagem, corn o bario Schroe-
der, afirn de conferenciar sobre quest6es financei-
ras referentes a situacio internal e externa."
0 barao Schroeder 6 banqueiro judeu. E foi
cm casa do banqueiro judeu bario Stein que von
Papen e os facistas alemaes tramaram o assalto
ao governor.
EstA certo. Hitler 6 contra o "judeu sem di-
nheiro"...
Escolhido o caudilho, surge o idolo que 6 pre-
ciso alevantar para a adoracao das massas.







Por que ser anti-semita ?'


Aquela educaqio alemi que Remarque assi-
nAla no seu livro, preparou o caminho de Hitler.
O idolo para exaltar a populaqa no festim da vio-
lencia, na Alemanha imperialista desperta e dis-
ciplinada, e


0 IDOLO DA RA(;A

III


O preconceito da superioridade racial germa-
nica vem dos tempos dos Hohenzollefn.
0 livro de Hitler e a jusificaqdo das persegui-
9qes aos israelitas, pela exaltada defesa etnica dos
p6vos germanicos.
Hitler desconhece absolutamente antropologia
ou etnografia. Nio sabe que nao ha ragas puras,
e, si as houvera em primeiro lugar estariam
justamente os judeusl
Nao sabe que segundo os estudos profundos
de antropologia e etnografia "nao ha ragas, ha
povos" (Collajanni) e que "a superioridade e a
inferioridade das ragas depend do moment em
que se as observam".
Apenas Gobineau, um cabotino, (1854-Franga)
6 quem defended a supremacia das ragas supe-
riores.
De Deniker a Meisner, de H. Hartmann a Vir-
chow, a Buchner, a Finot, a Le Bon, a Broca, a
Parchappe, Sergi, Manouvrier, Nystrom, Langer,
Morton, Lacassagne, Vann, Topinard, Elisee Rd-







46 Uim inqu'rilo entire intellecluaes lrasileiros

clus, Buffon, J. Nicolai e today a s6ric inais recenfe
dos nomes de estudiosos de antropologia e etno-
grafia todos estdio corn Collajani, contra o pre-
conceito de raca, baseando os seus estudos em fa-
tos e experimentaq6es e dedugoes cientificas que
nao vem ao caso citar.
Mas, essess pseudo arianos nunca existiram
sob a f6rma de um povo primitive, mas, s6mente
como invencao dos sabios de gabinete". (H. Hart-
mann).
Ha apenas "ragas historical" ou "raqas so-
ciacs"...
Hitler nao faz mais do que seguir a tenden-
cia anti-cientifica do fascismo e do antisemitismo
que proclama como Doria subversive a psicana-
lise
Siml E' subversive porque 6 a luz contra a
reaqao.
"A influencia dissolvente extende-se a todos
os ramos da atividade humana, a ciencia, a arte,
a moda, pelas teorias subversivas taes como o
freudismo"... etc., etc. (L6on de Poncins. "As for-
qas secrets da Revoluq~o" trad. port. Livraria
do Globo. Porto Alegre).
Para demonstrar que o fascism e a negagqo
da cultural, da ciencia e dos principios de human "
nidade, e que o fascismo quer dizer antisemitismni
e que antisemitismo quer dizer fascisnio o li-
vro de Hitler e bem a documentayio pratica da
ignorancia e da reaqdo feroz.
"A unica solucqo verdadeiramente eficaz se-
ria o exterminio total dos judeus. S6 a violencia
brutal e irresistivel p6de torna-los escravos". (L.







P1or quec ser aflhi-s('Ifih ?


Levinsohn "Israel" New-York, 1925 citado
por Poncins).
Esse 6 o espirito da literature fascista: 6 a
mais abominavel reacqio do principio de autori-
dade contra o principio de Liberdade.
Obedece a mesma orientaqio o livro de Hi-
tler: anti-cientifico e anti-humano. E' o despertar
do troglodita.
Nao importa que Mussolini, depois de dar a
luz a monstruosidade do fascismo, vista-se de anjo
para andar corn o ramo de oliveira e alce o re-
inigio para receber o Premio Nobel da Pazl...
Mussolini ainda vae longe...
"Gog", o livro de Papini, e a definiqiio da
crueldade como a originalidade maxima dos tem-
pos modernos.
E' um hino ao crime, a exaltaaiio do sadismo
em todos os campos da batalha da vida agitada
dos nossos dias epilepticos. Essa 6 a literature
unicamente permitida As geraq6es fascistas e ra-
cistas.
Hitler esta a servico da Internacional Arma-
mentista. 0 nazismo alemuio esta As ordens do ca-
pitalismo frances.
0 Comit6 das Forjas, corn sede em Paris, es-
tabeleceu um acc6rdo corn a industrial pesada de
alin Rheno, que faz parte do Cartel Continental
do Ago.
Ai estA o segredo da supremacia da raga...
0 nacionalismo a servigo da Internacional do
crime.
0 segundo segredo do culto A raca pura e
consequente perseguiciio aos judeus, vejamos em







48 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

IV

AS BASES MODERNAS DO ANTISEMITISMO


N os nossos dias, o odio se a vinganga para
corn os judeus, baseiam-se:
1.0 No nacionalismo, no preconceito de
Nacio, e mais: na concepcao estupida do Estado
modern como entidade tao poderosa que volta a
ser quasi divina. E' o fascismo.
As necessidades sociaes se foram alargando,
at6 que o comercio international tornou impossi-
vel, irrespiravel a vida e cresceram os exercitos
da fome e dos scm trabalho para que os explo-
radores se locupletassem coin a miseria humana.
E a reacio chauvinista se desencadeou, como si
esse fosse o meio de libertaqao da fonme e de to-
das as miserias moraes de uma sociedade que se
apoia no crime e em toda sorte de banditismo -
para o vampirismo social dos bens instalados A
custa da exploraaiao do proximo.
2.0 Cresce, todos os dias, a avalanche re-
volucionaria de socialists e anarquistas e comu-
nistas, de todos os descontentes, de todos os que
anseiam por uma sociedade menos cruel e mais
humana.
E' natural que a reaqao se arregimente. Avo-
luma-se a idea contrAria, de chauvinismo. nacio-
nalismo, para a defesa incondicional das posiqoes
ocupadas.
3. E aqui e que estA o "ponto nevralgico":
- CAlculo politico para desviar o descontenta-
mento geral, para canalizar a rebeldia, como vAl-








Por que ser (tfhi-semilha ?


vula de escapamento para as crises modernas dc
fome e preocupaq6es dos sem trabalho.
Os verdadeiros responsaveis pelas calamida-
des publicas inventam pretextos e aproveitam-se
da miseria como motivo de privilegios para o
amor ao torrio natal e direitos nacionalistas -
para canalizar as paix6es humans no sentido de
se vingarem numa vitima indefesa.
0 livro do Dr. Ludwig Battenberg-Landrat -
Fieberkuve oder Zeitenwende? (Kurt Eckehard)
- livro de propaganda nacional-socialitsa, vae
mais long: os nazistas, guiados pela burguezia
capitalist, querem desviar o odio do operario
contra o burgubs para o odio ao judeu!
A ignorancia das raz6es proletarias e da psi-
cologia humana 6 tal que os racistas entenderam
de transformar a mentalidade do operariado, ca-
nalizando a sua revolta de classes contra os pri-
vilegios parasitarios para uma revanche contra os
judeus!
Os racistas alemaies nada sabein das reivindi-
cag6es sociaes e se mostran de uima ingenuidade
cretina.
Demais, sup6em que os seculos que seriam
precisos para transformar essa concepcao do pro-
Ictariado, si tal fosse possivel, vdio esperar pelos
racistas... para mudar a face do mundo!
Os nacional-socialistas querem dar ao opera-
riado outro simbolo concrete para o seu odio. Em
vez do sombolo burguds, os racistas d5o o simbolo
judeul
Isso chega a ser divertido, encantador na sua
simplicidadel...







50 Um inquerito entire intellectuals brastleiros

4.o Os milenios de sofrimento das massas
acabam por fazer despertar as conci6ncias. Ent.o,
para evitar que os individuos despertem, os do-
minantes agitam as emog6es das massas e as ali-
mentam corn a ferocidade das paix6es alvoroga-
das A vista de uma vitima secular no altar da pa-
tria ou da religiao... E o "sacrificio" se cumpre
- para aplacar a ira dos deuses e o fur6r das
multid6es...
0 objective maximo 6 desviar as conciencias
que despertam, 6 reacender os instintos ferozes
dos ancestraes afim de adormecer a razao hu-
mana para continuarem a dominar os "super-
elefantes" do capital e os tubar5es do poder.

V

"ESCUTA ISRAEL!..."


PASSAM os chanceler, passam todos os cabo-
tinos do nacionalismo, passarao todos os Hitler
da psic6se no poder, passarao todos os despotis-
mos mas, nao passarA a inteligencia criadora
e a energia perseverante dessa raga de titans.
Esse povo que conseguiu atravessar a Idade
Media, que soube resistir a todas as crueldades e
a todas as perseguig6es, que renasceu das foguei-
ras da Santa Inquisicio como a Fenix da lenda...
que resistiu As torturas de todos os Autos da F6,
6 um milagre de tenacidade, um prodigio de forga
interior, o simbolo maravilhoso das nossas ener-
gias latentes.







Por que ser anli-semita ?


S6 se perpetuaram atraves dessa raqa heroica,
os atributos de coragem, energia, forqa, vigor e in-
teligencia e audacia.
A humanidade devia orgulhar-se desse povo
que se perpetuou por entire rios de sangue e laba-
redas inquisitoriaes, afirmando-se no seu cr6do,
na sua fe, no seu ideal.
E o povo de Israel colocou-se em primeiro
piano no mundo das ideias. Os dois nomes mais
altos do pensamento cientifico modern Eins-
tein e Freud -- desafiam os seculos e a caricature
servil dos Hitler da ignorancia e da crueldade sa-
dica do fascismo heranqa ancestral do home
prehistoric.
0 povo de Israel 6 um grupo human sele-
cionado no meio da desordem e da ferocidade dos
nacionalismos.
Premido pelas torturas, teve que burilar as
suas energies para poder atravessar, indefeso,
toda a co6rte da estupidez humana, nos desatinos
da perversidade organizada.
A esse povo sem patria, sem bandeira, disse-
minado por todo o orbe, estAi indicada a missed
internacionalista de paz e compreensio entire to-
dos os p6vos da terra para a grande reserve
da regeneraqio humana pela propria humani-
dade.
Acima de n6s mesmos, acima de todos os des-
potismos, acima de todas as torturas ha uma
forca latente no home que o conduz a mais
altos destinos, atrav6s do ideal de evolugqo e per-
fectibilidade.
E' essa chama sagrada que perpetuou o espi-
rito novo da rapa judaica, nesse povo de heroes



















52 I 'm inqnerilo entre inellehctiaes brasileiros

que ressurgiu das fogueiras de todas as Inquisi-
6cs, que se libertou da crueldade de todos os
Torquemadas da political e da religion.
Um dia, todos os homens e mulheres da terra,
sem distinqao de rata, de casta, de c6r, de sexo
ou de nacionalidade sem patria, sem frontei-
ras, sem familiar e sem religiao, serao irmiios
no auxilio mfituo e no respeito muituo A dignidade
da conciencia livre para mais alta evolucao -
atraves do tempo e para al6m do espaqo...












0 PEQUENINO GRANDE POVO

AFRANIO PEIXOTO


O judeu foi um pequenino grande I)ovo, que
tomou conta do mundo, moral e materialmente. 0
Cristianisino & judaico, imenso 6vo de Aguia, in-
cubado por modest galinha, perseguida pelo filho
desnaturado, simplesmente por ter realizado oa
divinos designios... Se Deus assim quis, por qua
razio serao perseguidos os Judcus, pelo que Ele
quis?
A finanpa universal 6, ha muitos seculos, mais
ou menos judaica. Religiio e capitalism sio todo
o mundo modern. Por contrapeso, as nossas ideas
sao tambem judaicas: SPINOSA, MARX, LOM-
BROSO, BERGSON, FREUD, EINSTEIN... sao
judeus.
Para isso, que e quasi tudo, o pequenino Povo
teve como elements de sobrevivencia, a fd e a
perseguigio.
A f6 em si, sem a perseguig(io real, cria a pa-
ranoia, o delirio da grandeza, donde, por falta de
correspondencia, o de perseguicon. ITa unia para-
noia coletiva ou national: a Alcmanha foi dele








54 Um inquerito enhre intellectuaes brasileiros

viftima recent. Os seus 6xitos militares, politicos,
industrials, comerciais, scientificos, nao os inter-
pretou como seu trabalho, por6m como umn favor
de Deus, aos mais dignos, donde Got mit uns, ate
para a agressio, pois, alem da sua grandeza, veio
a "sentir" a perseguicio do mundo... A gran-
deza chegou ao delirio, mas a perseguicio foi in-
terpretativa. 0 querelante, no delirio, investiu
contra o mundo, e foi derrcado.
No caso judeu, se ha a "grandeza", de "povo
elcito", as promessas de Deus a Abrio ..., ha, po-
rem, e por isso, nao a "perseguicao" ideological,
mas real, reflexo de sua f6, desdenhosa e inque-
brantavel... Como essa f6 agressiva contimia, con-
tinmia a perseguicio, "real", insist. A paranoia
judaica 6 apenas meio delirante. E' esse element
"real", a perseguiafio, que faz vivcr essa f6, e esse
povo...
Todos contra 61e, na idade antiga. Persas, As-
sirios, Babilonicos, Romanos, Arabes, toda a Eu-
ropa, todo o mundo. 0 "6xodo", o povo todo le-
vado escravo para Babilonia, ou para o Egito. Je-
rusalem arrasada por Tito, depois do templo ar-
rasado por Nabuco. Israel disperso. Nao podiam
ser soldados: naio morriam nas guerras. Era-lhes
vedada a agriculture: reuniam-se nos ghetos das
cidades, nos oficios urbanos, amealhando, poupan-
do, enriquecendo, emprestando...
Os Cristios fizeram isso, os obrigaram a isso,
e, depois, se queixam e invejam... Expulsies em
pnassa, hontem de Portugal para Holanda: Portu-








Por que ser anti-semita ?


gal empobrecido, Holanda florescente; hoje de
Alemanha... pobre Alemanha, se continuar sera
a sua segunda grande Guerra: Hitler continuard
Guilherme Segundo...
Nfio ha como 6xodos, inquisic6es, persegui-
c6es, confiscaq5es, para umn povo ou uma idea
vencerem. Portugal ontem, o Tzarismo agora;
Hitlerismo amanhb, dep6em, deporio. Passaram
Caldeus, Babilonicos, Assirios, Persas, Egipcios,
Gregos, Romanos e os Judeus, seus contempora-
neos, persistem... PersistirAo quando Austriacos,
Alemdes, e outros anti-judeus tiverem passado.
Nao ha t6nico como uma perseguigAo.
Perseguicao e f6... F6 em qu6? Os Judeus jA
nao crem em Deus, como ninguem, embora seja-
n os todos religiosos, papistas, luteranos, fetichis-
tas, cientistas... o que quizermos. E' tradigio.
Tudo isto sera sem fe. Por isso, precArio. Por isso,
contingent.
Judeu nfo; Judeu cre. Nao importa em que,
cre, do mesmo modo. FREUD, para citar um
exemplo, escreve um livro, "a morte de uma ilu-
sio": 6 a crenga, 6 a religiAo, 6 Deus, o Deus de
Israel... Que importa? FREUD, como judeu, cre...
Em que? Em si, na psicanalise, delirantemente
crente. Oucam isto: "0 analista, diz 6le, nao de-
vera querer ser ingles, frances, americano, ou ale-
mAo, antes de ser adepto de analise e Ihe serA pre-
ciso colocar os interesses comuns acima dos inte-
resses nacionais". Leram? E' incrivel, mas A por
isso que Judeu vence, com ou sem razao... Por.
que tudo para eles 6 fM... Ciencia, finanga, etno-





















56 Um inquerito entire intellectuals brasileiros

grafia, political, tudo 6 religiAo... Como FREUD,
LOMBROSO, MARX... lodos!
F6 & vontade de poder; crer 6 outra grafia, e
a mesma pros6dia, de querer. Os Judeus sabein
crir ou querer. N6s, seus inimigos, seus invejosos,
DOS os ajudamios, corn as perseguiqoes. ..
Muito bernm: por si, e por n6s; o Judeu c
ctcrno...









0 ANTISEMITISMO

ANTONIO PICCAROLO


S ABADO d(Ie aleluia, por volta do ineio-dia, ao
cruzar pelo largo 7 de Setembro, largo cujo nome
lembra o mais brilhante moment da Indepen-
dencia brasileira, assist a urn espetaculo bern tris-
te e doloroso; umn contrast vivo corn a gloria que
a placa azul-branca da csquina relembrava. Pen-
dente de um mastro, oscillava um boneco; contra
elle, raivosa, assanhava-se a meninada das ruas;
e o public, em torno applaudia. Mas, logo, entire
morras morras ao judas o titere sc desfazia
entire as garras das crianqas.
Umia tristeza imensa invadiu-me. Vi naquele
ato, que todos os anos se replete, o drama de umn
povo; mais: o destino de uma raqa. Entio, pen-
sei, o esforqo de tantos seculos c a obra de tantos
varies, no empenho de tornar a humanidade me-
lhor, teriam sido vaos? Ap6s dois millenios a hu-
manidade, para mostrar a sua gratidao ao home
que, para Mhe dar a prova supreme do seu amor e
o exemplo da fraternidade que deve reinar na ter-
ra, chegou ao spcrificio da propria vida, nio acho-i
nada mais que a manifestacqo de um odio inextin-







58 Um inquerito entire intellectuiaes brasileiros

guivel, de um odio que se transmite de geracao em
geraio atW a consuma~io dos tempos. Debalde,
pois, o meigo filho de Maria erguera para o ceu os
olhos cheios de ternura e de lagrimas, pedindo:
Pater, ignosce illis, quia nesciunt quid faciunt:
Pai, perdoa-lhe, pois nio sabem o que estAo fa-
zendo? A este sublime sublime pedido do mestre
os discipulos responded corn o rancor mais feri-
no, o rancor que nio perdoa, mesmo passadas vin-
te centuries? Civilizacigo, logo, 6 uma palavra oca,
um simples verniz exterior, que nio vae al6m da
epiderme, enquanto o coragio continue a ser o do
habitante das cavernas e das florestas, homo ho-
mini lupus?
Desviei a vista desse espetaculo deprimente e
continue o meu caminho, cabisbaixo, levando na
alma um profundo sentiment de desgosto e de
desanimo.


Nfio sou judeu. A minha palavra nio p6de,
por isso, ser suspeita. Nilo p6de ser suspeita ainda
mais, talvez, porque na minha longa vida de luta-
dor em favor daquillo que me parece a verdade,
especialmente a verdade social, habituei-me a con-
siderar os fenomenos humans com o olho impar-
cial do observador estudioso, que nada procura
af6ra a verdade. Procurarei, pois, como sempre,
encarar o problema do antisemitismo, hoje tAo enm
f6co em todo o mundo, exclusivamente sob o pon-
to de vista do estudioso, sufocando inexoravelmen-
te os sentiments de simpatia ou de revolta que,
por acaso, tentassem turvar a serenidade do mei
exame.







Por que ser anti-semita ?


Nio pretend fazer a historic do antisemitis-
tmo. Nao 6 material para uma dissertaiAo, mas sim
para uma seric de volumes. 0 antisemitismo nas-
ceu corn o cristianismo; melhor, no seio do cristia-
nismo. E' fato comum e universalmente conheci-
do que, quando numa entidade religiosa ou poli-
tica se manifesta uma cisio, o odio entire as par-
tes resultantes da separagibo 6 mais profundo e in-
sanavel do que, geralmente, entire outros grupos.
Esse fato sempre se deu e, claramente, mostra-se na
literature judaica e crista dos primeiros seculos.
Al6m desse fato geral, ha outro particular,
proprio do cristianismo. 0 filo e o miso-judaismo
manifestaram-se no seio da seita cristai, desde o
comeco, entire os discipulos de Jesus, logo ap6s %
sua morte e, talvez, ainda cm sua vida. 0 contras-
te entire Pedro e Paulo, aquele representante do
particularismo hebraico, que pretendia limitar a
reform ao povo eleito, ao judaismo e esse do uni-
versalismo, que transform a Sinagoga em Igreja
Catolica, universal, marca a primeira separacao,
a primeira cisbo entire hebreus e cristios.
Estes dois fatos, estas duas tendencies pura-
mente interiores e de carter estritamente judai-
co, transportadas do mundo oriental para o oci-
dental, onde ao contrast religioso se junta o con-
traste de raqa e, em seguida, o contrast de inte-
resses, transformou-se facilmente no odio que da
origem ao antisemitismo.
Comegam assim as lendas que vio criando no
espirito do povo a aversaio, que em seguida se







60 Umn inquerito entire intellectuals brasileiros

transform em repugnancia e em odio contra os
judeus.
0 judeu matara Jesus, o deus-homem. Logo,
de povo eleito pelo Senhor, transformara-se em
povo maldito, inimigo de Deus e dos povos que
acreditam em Deus. E' verdade que a morte de
Jesus estava escrita, havia muito, no livro dos des-
tinos, e que ele viera a este mundo para ser cru-
cificado e salvar a humanidade. Sob esse ponto de
vista, o povo de Israel, benemerito por ter dado
a vida a Jesus, foi duplamente benemerito por ter-
Ihe dado a morte, cumprindo assim a vontade de
Deus e concorrendo para a salvaciio humana. 0
povo, por6m, nao olha as cousas 1A corn muita
subtileza: o judeu crucificara Jesus; logo, odio a
morte ao judeu. 0 clero, a parte culta dos cris-
taos, devia impedir que essas calunias abrissem ca-
minho na conciencia do povo, lembrando que os
cristaos, nos primeiros tempos, foram vitimas das
mesmas calunias que agora se assacavam aos he-
breus. Mas a luta de classes, trio proteiforme e tao
insinuante, que sabe intrometer-se sob os mais va-
riados aspetos em todas as questaes, nao permitiu
que o clero se levantasse, em defesa da verdade,
contra as injustas perseguic6es movidas aos judeus
- se 6 que nao o tornou cumplice dessas perse-
guicoes.
Assim, atravez da Idade Media, o antisemitis-
mo vem radicando-se no espirito do cristao, que
vA no judeu um inimigo de Deus e consider to-
da ofensa, toda perseguiqAo contra o judeu, como
um merecimento perante a divindade. Israel 6 ba-
nido da sociedade humana, todas as profiss6es li-
berais, todos os contatos corn os cristaos the sao







1kw (Jll ser (lfli-s('inflit ?


vedados. Nas cidadvs onde 6 admitido 6, porem,
relegado para bairros especiais, as alfamas dos
portuguezes, os gheltos dos italianos, para onde
se deve retirar antes do por do sol e de onde saira
corn o novo dia. Cada vez que algo de grave paira
sobre a cidade, umia derrota, uma epidemia, a mor-
te de um soberano ou de outra pessoa de destaque,
cuja perda 6 considerada infelicidade public, o
povo cristdio vai desforrar-se na alfama, cai sobre
os judeus, esbordoa-os, mata-os, violent as suas
mulheres, destroe as suas casas.



0 decreto de 30 de marco de 1492 dos reis cris-
tianissimos da Espanha legaliza estas barbarida-
des, expulsando os judeus dos seus reinos.
Em Portugal, onde se re'fugiara boa parte dos
judeus expulsos da Espanha, tempos depois so-
brevem-lhes a mesma sorte. Tambem dai sio ex-
pulsos e obrigados a retomar o seu caminho. A
maior parte volta para as bandas orientais. Ou-
tros, que ficam nos paizes ocidentais, sio subme-
tidos as mais ferozes perseguio6es. As fogueiras,
os autos-de-f6, em que pereceram tantos milha-
res de hebreus, ainda langain sinistros relampagos
na historic da conciencia humana. 0 brasileiro
Antonio Jos6 da Silva, a mais alta expressio tea-
tral da raga lusa, depois de Gil Vicente, acabou
num desses autos, por ser filho de urma judia, diz
a sentenga; na realidade, porem, por motivos bem
diversos.
Assim continue o povo de Israel. Eterno Ahas-
verus, vai caminhando de terra em terra, atravez







62 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

das perseguicoes e do desprezo geral, at6 a Revo-
luqdo Francesa, at6 27 de setembro de 1791, quan-
do a Assembl6a Constituinte declara os judeus li-
vres e iguais aos outros cidadaos. Um poeta assim
represent Israel naquele dia: "Em trajos antigos,
umrn velho corn barbas de neve, olhar fixo e estra-
nho como o de uma estatua de marmore, escuta-
va anelando & porta da Assembl6a Constituinte,
como si uma unica palavra pronunciada naquela
sala devesse p6r fim aos seus sofrimentos e dar,
depois de uma fadiga de dois mil anos, descanso
A sua velhice".
A Franca revolucionaria pronunciou a pala-
vra esperada pelo velho ancioso: descansa, povo
de Israel, os sofrimentos e as perseguio6es acaba-
ram-se, a tua redenqdo 6 um fato. Mais tarde, mui-
tos anos depois, pronunciaram-na tambem os ou-
tros paizes civilizados: a Inglaterra e a Dinamar-
ca em 1849; a Italia em 1860 (menos Roma, onde
a emancipaqdo dos judeus foi proclamada s6 de-
pois de 20 de setembro de 1870), a Austria em
1867, a Alemanha em 1869, a Suissa tambem em
1869, a Bulgaria e a Servia em 1874.



A emancipagdo do judeu, por6m, ndo conse-
guiu apagar por complete a aversio e o odio con-
tra os descendentes de Abrahdo, que, latentes nos
corag6es de muitos e manifestados s6 acidental-
mente, de vez em quando explode corn brutal vio-
lencia, fazendo lembrar as barbaras perseguic6es
dos seculos passados, dando lugar a episodios de-
primentes para a nossa conciencia de homes li-







Por que ser anti-semita ?


vres e civilizados, como o denominado "affaire
Dreyfus" nos primeiros anos do present seculo,
que absorveu a atencio do mundo inteiro, e o atual
antisemitismo dos fascistas hitlerianos que, corn
os seus horrors bestiais, esta ameagando a paz
universal.
Quais as causes deste misterioso fenomeno,
desta traditional repulsa, deste odio inapagavel
que sobrevive as crengas religiosas, as convicq5es
morais, aos preconceitos de raga, aos principios
politicos e sociais?
A diferenca de religido nunca foi suficiente -
e hoje menos ainda para explicar esse fenome-
no. Antes de tudo, porque esta diferenca nio & tal
que possa provocar tao grande dissidio e tao pro-
funda explosdo de odio. 0 cristianismo outra cousa
ndo 6, senfo uma derivagco, uma evolucgo do ju-
daismo. Os seus ritos sdo um conjunto de ritos ju-
daicos e ritos pagdos. Alexandria foi o cadinho em
que se fundiram os elements da Helade com os
da Palestina, dando origem a conciencia heleni-
co-judaizante; em Roma foi que, aos elements he-
leno-judaicos, ajuntou-se o element romano-lati-
no, sobretudo o principio de universalidade.
Aldm disso, por6m, 6 de notar, o que talvez
seja mais important ainda, a conciencia moder-
na nao 6 mais capaz de lutas religiosas, como no
passado. Hoje, Pedro o Ermitdo pregaria no de-
serto: ninguem mais tomaria a cruz para ir com-
bater contra os infidis. Mesmo aqueles que con-
servaram o sentiment religioso, modificaram-no
profundamente, adaptaram-no as modernas con-
dig6es de sociedade civilizada, em que o respeito
a conciencia individual 6 sagrado. E isto tanto







(G-1 Um inquerito entire inlell'clt'aes brasileiros

para os cristdos como para os jIudeus. De uLn lado,
coino do outro, a cxccaio de alguns fanaticos, mcs-
mo os fidis A antiga lei nunca p)ensariami em pro-
vocar dissidios e guerras por causes religiosas.
0 dissidio religioso, logo, niio explica de per
si estas sobrevivencias antisemiticas.



0 mesmo quc acabamos de dizer para a reli-
gidio, p6de-se rcpetir para a moral.
A moral hcebraica esta ainda hoje na Lei dc
Mois6s, isto 6, no Decalogo. Mas, que 6 que prcs-
creve o Decalogo, se nao os principios da moral
cristi e da moral modern, em geral? Deixemos de
lado a parte exclusivamente religiosa. A part que
se referee a moral c ao direito represent a mais
perfeita ortodoxia relativamcente a doutrina cris-
ta. Doutro lado, a palavra mais nobre, mais siu-
blime, em materia de moral, pronunciada pelo
cristianismo, estA contida no scrmnio da montanha;
ora, os principios expostos no scrmiao da monta-
nha encontramn-se todos nos diversos livros do An-
tigo Testamento.
0 Talmud, porem, este, sim, 6 verdadeira-
mente anti-cristAo -, dizem os que combatem o
judaismo em nome da religiao e da moral. E dc-
sencadeiam a propria colera numa tempestade de
improperios contra este livro, quc faz parte da dou-
trina religiosa dos hebreus.
Nao quero, nem me seria permitido pelo tem-
po, fazer um exame do conteudo desse livro, para
estabelecer at& que ponto sdio justificaveis as iras
dos antisemitas a este respeito. Lembro simplcs-







Por que ser anti-semita ?


mente que o Talmud apareceu quando as perse-
guic6es contra Israel eram ja coisa velha: quasi
dois seculos depois da destruicio de Jerusalem ja
o povo judaico, sem patria, ia errando de terra
em terra, ia passando de sofrimento emn sofrimen-
to... E para quemn se acha em semelhante estado
de esliirito, tamnbcem o juiz mais rigoroso reconhe-
cc sempre, se nao uira justifi'aiiva, pelo menos
umna explicacao c uina atcnuante.
Nem a moral, pois explica o inextinguivel odio
de que os antisemitas, depois de vinte seculos, ain-
da se deixam possuir.



Nemi a religidio, nem a moral dizem outros
- ea causa do antisemitismo, mas sim a diferen-
qa de rata.
Eis aqui uima afirmaqio que, coin franqueza,
niio temin nemi justifica5io, nern explicaqio. 0 que
e raca, hoje? Onde c que se p6de falar em ragas
puras? N6s falamnos em racas latinas, germanicas,
eslavas; inas existe propriamente uma raca lati-
na, germanica on eslava pura, depois de todas as
migrac6es, de todos os cruzamentos de que nos
fala a historic?
Mas, objectam, o povo hebraico manteve-
se extreme de toda mistura etnica, pois os judeus
sempre casaram entire si, e ainda hoje fogem de
qualquer cruzamento coin outros povos.
Suponhamnos que assimin seja. Antes, admita-
mlos mnesmo que durante todos os seculos da Ida-
de Media e a primeira part dos tempos modernos,
assim tenha sido. Neste caso, a quemn cabe a cul-







66 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

pa? Nio eram as leis dos cristdos que proibiam
qualquer relacao corn os judeus? Nao era a reli-
gido catolica que excomungava o cristao que es-
treitasse vinculos de sangue corn o povo maldito,
o povo que crucificara o filho de Deus?
Contudo, numerosos aristocratas catolicos nao
desdenhavam casar corn filhas de judeus ricos,
quando ellas coin seus dotes podiam restaurar a
fortune periclitante do severo vario. Exatamente
como faz hoje a nobreza arruinada, que vai reto-
car as cores desbotadas do seu brazao corn a for-
tuna de uma rica americana quando nao pro-
cura, tambein, no vigor sadio de um povo jovem
remedio a sua decomnposicio hereditaria.
A relutancia do judeu em mesclar-se aos ou-
tros povos, entire os quais vive, 6 pura lenda. Nio
se funde, nao se caldeia onde 6 perseguido, onde
6 posto a margem da sociedade; mas, onde 6 tra-
tado como os outros cidadios, bem cedo perde to-
das as notas particulares, fisicas e morais, para
tornar-se membro da sociedade em que vive.
Valha-me o exemplo da Italia e da Holanda,
especialmente da Italia, de que posso falar por co-
nhecimento direto. Na Italia nio existe inais dis-
tin~io entire semita e ariano; nio seria possivel
distinguir um dos outros, sem saber que determi-
nados sobrenomes siio proprios de families judai-
cas. As duas ragas casam-se reciprocamente, e aqui
tivemos, annos atraz, um exemplo ilustre dessa
promiscuidade ario-semitica, quando S. Paulo hos-
pedou o ilustre pensador Guilherme Ferrero, acom-
panhado pela sua nobre senhora, Gina Lombroso,
conhecidissima escritora, filla do grande antro-
pologo Cesar Lombroso.







Por que ser anti-semita ?


Onde a fusio nao se verifica 6 devido a agao
dos antisemitas, que impede qualquer aproxima-
cao. Cesar Lombroso, no seu livro "0 antisemitis-
mo e as ciencias modernas", diz estar plenamente
convencido de que, se nio houvesse inais antise-
mitismo, o judeu desapareceria lentamente, em cin-
co ou seis seculos, ficando unicamente uns poucos.
obstinados nos paizes mais atrazados e mais bar-
baros. E o grande escritor russo, Novikow, por
sua vez, falando das perseguigoes contra os judeus
na Russia sob o governor dos tzares, afirma que
"a fusao entire russos e hebreus seria facilima, se
nio fosse obstada pelas leis arbitrarias, como se
pode ver em 1868, corn a legislacio liberal."



Religiio, moral, rata nao bastam para expli-
car o antisemitismo que persiste atravez dos se-
culos, mau grado as modifica6ces das condir5es
political, juridicas e sociais. Qual entLio podera ser
a recondita causa de tanta persistencia, pergunto
ainda uma vez?
A meu ver, a verdadeira causa do antisemi-
tismo, ou, pelo menos, a causa principal, funda-
mental, perante a qual todas as outras passam a
segundo plano, 6 a economic. E isso naio somen-
te hoje, mas desde muito, desde que o antisemitis-
mo appareceu. Examinemos o fato nos seus mo-
mentos principals, nos periods mais importantes
e carateristicos da evolugno economic: no perio-
do feudal, na renascenga ou period de formacao
da economic burguesa, e no period atual.
A economic feudal, como se sabe, 6 essencial.







68 Umn inquerilo entire intellehctues brasileiros

mente fundiaria. A base da economic feudal 6 a
propriedade do solo que pertence ao imperador,
este o. divide entire os seus grandes feudatarios,
marqueses, condes e barges que, por sua vez, o
subdividem entire os seus dependents, vassalos,
valvassores, valvassinos, etc., at6 os simples al-
de6es, que todos eram, em orden hierarquica, de-
pendentes do imperador, ponto culminante da pi-
ramide feudal. Tudo isso constituia umna engrena-
gem, umna corrente de dependencias e proteg6es im-
possiveis de se quebrarem, e onde nenhum elemen-
to extranho podia ser admitido, sem revolucionar
a organizacio toda.
0 povo hebraico, essencialmente agricola, co-
mo se depreende da sua historia, representada
pelo Antigo Testamento, fez repetidas tentativas
para se dedicar aos trabalhos do solo, mas esbar-
rou sempre numa dificuldade insuperavel: o di-
reito feudal, que vedava aos judeus propriedades
fundiarias, como lhes vedava o exercicio de qual-
quel profissio liberal. Um autorizado historiador
do direito, o prof. Jos6 Salvioli, escreve: "A lei
de Teodosio II, que declarava os hebreus incapazes
de preencher cargos publicos e possuir bens de
raiz, tornou-se lei do imperio franco, acrescentan-
do a essas outras incapacidades de ordem civil,
como a de casar corn mnulheres crisis, de exercer
profiss6es liberals, de possuir servos, etc... E
send que os juizes ordinarios nio davam aos he-
breus nenhuma garantia, estes pediam e obtinham
dos reis francos titulos de mundio, ou de privile-
gio, em virtude dos quais eram considerados co-
mo servidores do fisco e, como tais, autorizados a
possuir imoveis e exercer o comercio, pagando,







Por que ser anti-semita ? 69

em consequencia, um imposto especial A camera
imperial.
"De fato, eniquanto o direito public se unia
ao direito canonico para impedir qualquer re-
lacao corn eles, e proibir hospedal-os ou socor-
rel-os, doutro lado considerou-os como servidores
do Estado, in servitutem quasi public, em virtu-
de do que se achavam sob a protecao do impera-
dor, sendo portanto chamados de servo camera
imperialis. Este direito foi uma regalia, e como
tal vendido ou cedido as cidades e aos senhores
feudais pelos imperadores. Os concessionarios, por
sua vez, para aumentar os lucros, transformavam
a regalia em protecio temporaria que concediam a
prego de ouro e retiravam quando bem o enten-
diam, e muito maior proveito dava a suspensaio
dos privilegios, pois desde aquele moment os he-
breus voltavam A condiqio de servos, incapazes de
possuir, e seus bens sujeitos ao confisco. Tal a
doutrina de S. Thomaz, que os diz servos da Igrc-
ja, privados do direito de possuir e adquirir, por-
que os escravos nada tem de proprio.
"Estas doutrinas serviam para justificar as ex-
poliaq6es sumarias que governor c cidades faziam
contra eles. A mesma tambem 6 a doutrina dos
canonistas, para quem os hebreus deviam ficar
sujeitos aos cristaos tamquam servi; nern faltaram
juristas para afirmar que os hebreus podiam sem-
pre ser expoliados por just causa acrescentando
mesmo alguns que, como servos dos principles, nao
podiam ter patrio poder e que os soberanos tinham
o direito de tomar-lhes os filhos e batiza-los.
"Geralmente. nio podium possuir terras nem
casas e, isso, tanto para excluil-os dos direitos







70 Um inquerilo entire intellectuacs brastleiros

politicos baseados, no regime feudal, na proprie-
dade fundiaria, como para evitar a sua concorren-
cia e o seu predominio, pois temiam que, uma vez
concedido o direito de propriedade, em breve, pe-
los emprestimos, se tornassem senhores de todas
as terras".
Em todas essas disposic5es nada t6m que ver
a religico, a moral ou a rata. Trata-se simples e
exclusivamente de questdo economic. E' uma
classes que teme a concorrencia da outra e se de-
fende privando esta de todos os direitos. 0 mais
interessante e curioso 6 que, depois de tudo isso,
ainda hoje um dos arguments sobre o qual se
apoiam os antisemitas, 6 que os judceus sao refra-
ctarios a toda especie de trabalho, especialmente
ao trabalho agricola, e dados unicamente A usura
e A exploragiAo do trabalho alheio. Tudo isso seria
extremamente comico, se nao fosse tristemente tra-
gico; sim, 6 a tragedia secular de um povo per-
seguido e sacrificado.



A mesma causa economic prevalece no pe-
riodo da Renascenga e das descobertas, nos se-
culos XV e XVI, na peninsula iberica, onde naque-
le tempo se encontrava a maior parte dos judeus.
0 povo cristao, aproveitando-se das descober-
tas que abriam novos caminhos ao comercio, aban-
dona as ocupages agricolas, a que se dedicara
atW entdo, para entregar-se completamente As em-
prezas comerciaes. Neste terreno, por6m, encontra
concorrentes perigosissimos nos judeus, que desde
seculos proibidos de tratar qualquer outro ne-







Por que ser anti-semita ?


gocio tinham exercido unicamente o comercio,
no qual se tornaram mestres. Era preciso, pois, eli-
minal-os. E eis a lei de 1492 que expele os hebreus
da Espanha, e eis a lei de 1497 que os expele de
Portugal.
Desta vez tambem as provas da natureza eco-
nomica desse banimento apresentam-se numero-
sissimas. Trata-se unicamente de escolher. Damos
a preferencia As que v6m de Portugal, por ser-nos
mais proximas e mais facilmente verificaveis.
Sabemos como em Portugal se estabelecera o
Tribunal da Inquisicao, ou Santo Oficio, para os
processes contra os infieis, que naquela epoca eram
exclusivamente judeus. Nominalmente, esse Tri-
bunal era religioso e confiado a juizes religiosos.
Na realidade, porem, nao era mais do que a In-
quisiciio de Estado, como confessa um feroz an-
tisemita, o snr. Mario de SA, no livro A invasdo dos
judeus, confirmando o que anteriormente escre-
vera J. Lucio de Azevedo. "Por isso razio tinha
Pombal em affirmar no preambulo do decreto da
reform, que a Inquisicqo fora sempre tribunal re-
gio, region pela sua fundacio e regio pela sua mes-
ma natureza". Acrescenia Mario de SA: "Tanto a
religilo era um pretexto, e unicamente pretexto,
quanto nos tempos primeiros do Santo Oficio al-
guns judeus procuravam refugio nos Estados do
Papa, ai em plena tolerancia religiosa. Diriamos,
se nao estivessemos prevenidos, serem os portu-
gueses mais papistas que o papa. Mas n6s sabemos
que se em Roma n5o havia ainda uma razdo anti-
semitica, em Portugal havia-a, e de sobejo".
E' dos atos do proprio Santo Oficio que par-
tern as provas de que o movel das perseguigqes era







72 Um inquerito entire inlellectuaes brasilciros

economic e n5o religioso. Alguns exemplos: 0
antigo inquisidor geral, D. Fernando Martins de
Mascarenhas, portanto autoridade nesses assun-
tos, escrevia ao rei que os hebrcus cresciam em
numero de tal maneira, que dentro em pouco so
eles povoariam estes reinos; que cram os mais po-
derosos nas povoacoes, que tinham cabedais nas
companhias de Holanda, etc.".
Num escrito publicado no comco do seculo
XVI, e reproduzido em umn apendice A Historia dos
Cristios-novos portugueses, 1-se: "Coin a expul-
sao espanhola de 1192 passaram muitos deles a
estes Reynos de Portugal, vindo pobres e misera-
veis, c como taes e gentes desterradas se acomo-
dardio nas cidades e vilas cm que entraviio, nos
peiores bairros e lugares dellas, como consta ain-
da hoje do nome de judiarias que Ihes ficou, nas
quais viviio feito vis e baixos caminheiros e bufa-
rinheiros, cobigosos como no tempo de Augusto
Cesar, tratando, ao modo que hoje os ciganos, em
trocas, compras e vendas baxas, remendarias, cal-
cados velhos, sendo ferreiros, curtidores e malhei-
ros, descalgos, sujos e defumados. Destes anos
para cd que sdo pouco mais de cento, tern multi-
plicado como no Egilo, send jd hoje tantos como
os antigos naturais".
E mais adeante, o mesmo document: "Toma-
rao o assento nos principals lugares, villas e ci-
dades maritimas e do sertiio deste Reyno, e nellas
sao senhores dos melhores e mais sadios bairros.
Multiplicam infinitamente porque sio mui rega-
lados e lascivos, pelo que se se nao der algum court,
a sua successdo, d'aqui a outros cem annos elles
soos povoardo estes Reynos".







Por que ser anti-semila ? 73

Deante destes documents insofismaveis, eu
pergunto: o que ha de religido ou de moral em
tudo isso? Nunca talvez o materialismo historic
triunfou mais em checio, do que nestas lutas con-
tra os judeus, que se reduzem exclusivamente a
lutas de interesses materials, c nada mais. A re-
ligifio servia unicamente para encobrir a crua ver-
dade, (lque na sua torpeza se apresentava dema-
siadamente repugnante. De fato, enquanto isto
acontecia em Portugal, em Roma o pontifice Sixto
V circundava-se de judeus, que considerava oti-
mos financeiros, e a cles confiava a fazenda do
seu Eslado. Comentando um breve papal enviado
no arcebispo de Lisbon, D. Miguel de Castro, em
que o pontifice concedia privilegios c regalias nos
lebreus, Camillo Castello Branco na sua obra
"Narcoticos" escreve: "Enquanto o vigario die
Cristo assim p)rocedia coIn os hebreus em Roma,
ardiam cm Portugal os que nao podiam acolher-se
no patro-inio do papa. E' que sc cm Roma naio
havia, ao tempo, uman razio anti-semitica, em Por-
tugal havia-a, c de sobejo".
Niio e preciso ap6s tacs confissics, continuar
reproduzindo outras provas, quc sdio numerosis-
simas. Este estado de cousas continuou e conti-
nua ainda hoje. A burguezia, depois de ter apro-
veitado o auxilio dos judeus para veneer as ulti-
mas resistencias feudacs -- como os reis da Espa-
nha os tinham aproveitado para expulsar os ulti-
mos arabes quando achou nos aliados de on-
tni Iterriveis concorrentes, alarmoui-sc, voltou As
chlunias e as pcrscguicoes, c(riando o antisemi-
tismo present. (ue nio c sCeno umna continua(cio
do p)assado. isto e. uma luita d interesses. um epi-







74 Um inquerito entire intellectiuaes brasileiros

sodio de secular luta de classes, modificada em
correlaqio com as condicoes economics e so-
ciais.



No passado, a luta economic ocultava-se atraz
da questao religiosa: os hebreus eram postos A
margem da sociedade, porque tinham crucificado
Jesus. Hoje, que este argument pouca influen-
cia poderia exercer sobre a conciencia modern,
langa-se mao de outros pretextos: os judeus slio
vorazes, insaciaveis; mediante as usuras e as in-
trigas em que sio mestres adquirem o monopolio
da riqueza e entravam o livre movimento e o pro-
gresso das nac5es. Todos os males que afligem a
sociedade humana, todas as crises que transtor-
nam a vida economic dos povos, sao descarrega-
dos sobre os judeus.
Toda a ficgdo do passado fica assim desven-
dada, ou melhor, desvenda-se por si mesma. 0
movel verdadeiro do antisemitismo 6 a concorren-
cia, a lute em que, por experiencia adquirida du-
rante seculos e seculos de pratica, mostram-se su-
periores aos seus rivaes. Guerra de morte, logo,
contra esta raga de exploradores, de usurarios, de
gatunos, verdadeiras sanguesugas da humanidade.
Vamos de vagar. Shylock nio e sempre he-
breu. Muitas vezes, antes, conheccu hem de perto
a pia baptismal e frequent devotamente a Igreja,
catolica ou protestante. Entre os fraudulentos do
Banco e do Capital nem sempre o judeu ocupa o
primeiro lugar, e a series das infamias deste ge-
nero, desde as dos Bancos Bontoux, do Panamb,







Por que ser anti-semita ?


da Banca Romana, atW a recentissima do Banco
Ferrari, fundado pelo cardeal Ferrari, arcebispo
de Mildo, em que milhares de pobres families per-
deram o fruto de tantos anos de trabalho e de pri-
va6ses, 6 infinita.



Mas admitamos mesmo que essa tendencia
para a usura e para a exploracio seja predomi-
nante no hebreu. Prova talvez isso que tal ten-
dencia seja inata na raqa semitica? Ou nao 6 an-
tes um produto da condicdo de vida em que os
cristdios a tem obrigado a viver durante tantos se-
culos? Um povo, a quem era vedado adquirir pro-
priedades, exercer profiss6es liberals, ter contato
com os habitantes da cidade cm que morava, re-
legado a um bairro fechado, privado de espaqo e
de ar, al6m do mais, violentado neste mesmo bairro,
e a quem nao se concedia outra actividade que a
do cornercio da moeda, o que poderia tornar-se se-
nio um povo de usurarios? Bastou que Ihe per-
mittissem respirar livremente, sair da alfaina, to-
mar parte na vida social, estender a sua atividade
a outras formas que niio fossem exclusivamente da
usura, para que este povo, em pouco mais de um
seculo, produzisse aqueles milagres que se chamam
Spinoza, Ricardo, Meyerbeer, Mendelsohn, Heine,
Marx, Lassalle, Loria, Einstein, e muitos, muitos
outros, que em todos os ramos da inteligencia, em
um seculo, ocuparam e ocupam lugares de tdo
grande destaque.
Ha judeus ricos e judeus pobres. MacCul-
Joch nos seus Principios de Econonmia Politica es-







76 Um inquecrito entire inlellectuaes brasilciros

creve: "Ha muitos hebreus ricos na maior part
das cidades europhas. A grande maioria, porcm,
daquele povo foi sempre c 6 ainda muito pobre",
E isto sabem os Mores, os Drumont, os D)c Mun,
os Altwardt, os Hitler, estes antisemitas, alguns dos
quais, ricos, no antisemitismo procuram a sua
propria defesa, outros, pobres, procuramn a con-
quista da riqueza.
Trata-se, pois, de ma fc. MA f6 quea nao se li-
mita a esta mentira, mas vai alem, e tenla enco-
brir com umn novo pretexto a criminosa campanha
cnganando ao mesmo tempo a part mais ingenua
dos povos, a classes trabalhadora. Os hebreus, para
estes antisemitas, sio socialists, sao comunistas,
bolchevistas, inimigos da propriedadc e da orga-
nizaiAo social, pelo que devem ser combatidos, eli-
minados da superficie terrcstre, em nome da fa-
milia, da rcligiio, do direito c de muitas outras
cousas semelhantes.
La si decide, diria um toscano, deante dc la-
manhas contradicSes. 0 judeu 6 capitalist, usu-
rario, explorador, bomba insaciavel de dinheiro,
ou socialist, comunista, inimigo do capital c da
propriedade? E' conservador fcrrenho, ou anar-
quista desabrido?
Umia cousa e outra, para o antisemita, desde
que sirva para combater os descendentes de Abra-
liao. Falando aos pobres, aos necessitados, A classes
trabalhadora, A pequena burguezia, a toda gento
que, mais on menos. dirctamente ou indiretamente
6 explorada, o judeu 6 um usurario odioso, um
explorador repuignantc, um scr abominavel, con-
tra o qual todos os mieios de luta, mesmo Os mais







I'or que ser (ntfi-semi'lta ?


indignos, saio admitidos; "e rate Alberigo", contra
o qual

cortesia tu lui lesser villano

como diz Dante. E para melihor conseguir o seu
escopo, e mais facilmente enganar os ingenuos
toma arcs de revolucionario, dc socialist, daquele
socialismo que o meu grande amigo Felipc Turati,
morto ha um anno no exilio, vitima do fascism,
chamava de "socialismo dos imbecis".
Quando, ao contrario, fala as classes ricas, As
classes reacionarias que cm today refornia, em todo
progress, em toda afirma5io de justiqa farejam
um p1)erigo para a propria riqueza c p)ara os pro-
prios privilegios, entao o judeu & unm revoluciona-
rio perigoso, um socialist, um bolchevista, o ne-
gador da propriedade, da familiar c da religidio, o
mais espantoso dos perigos sociais.
Ha contradicao em tudo isso? Niio tem impor-
tancia para o antisemita. 0 judeu 6 culpado, seja
ele rico ou pobre, conservador ou revolucionario.
Rothschild ou Karl Marx, tenha caio ou nio tenha
cio, como diz o riffo popular.



Leitores, naio sou hebreu, repito, nem pre-
tendo fazer a defeza ou a apologia do povo de Is-
rael, que tern, como todos os outros povos, suas
qualidades e seus defeitos. Nem me preocupo -
apesar de ser inevitavel em todo coraqiao humnano
umn sentiment de revolta contra semelhantes es-
petaculos corn a sort do povo hebraico. Preo-







78 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

cupo-me corn a sorte da liberdade, da civilisacio,
do progress human que poucas vezes, como hoje,
estiveram em tamanho perigo de ser tragados pela
ameagadora mar6 de barbarie que estA avangando
de dia em dia, fazendo reviver estados de concien-
cia que julgavamos ultrapassados e desaparecidos
para sempre. 0 triunfo destas tendencies reacio-
narias significaria a destruigio das conquistas que
constituem a maior e mais brilhante gloria dos
tempos modernos, e a volta ao obscurantismo dos
seculos mais infelizes da historic.
Ha algum tempo, de facto, mais de meio se-
culo, esse povo que se considerou sempre o povo
eleito de Deus, tornou-se, talvez inconscientemente,
talvez sem querel-o, simbolo de progress e de jus-
tiga, e em seu nome foram travadas as mais belas
batalhas da liberdade. Quem, entire os que passam
dos cincoenta anos, ndo lembra a grande question
que preocupou o mundo inteiro nos ultimos anos
do seculo passado e nos primeiros do present, o
ji mencionado "affaire Dreyfus"? A questao Drey-
fus, em si, foi cousa de reduzidissima importan-
cia: um erro judiciario cometido pela justiqa mi-
litar, que condenou ao desterro um judeu, o ca-
pitio Dreyfus. Episodio judiciario, como se en-
contram em todos os paizes e em todos os tempos,
que teria comportado unicamente uma solugqo ju-
diciaria. Os conservadores reacionarios, por6m, os
legitimistas, os clericais, enxergaram neste "af-
faire" uma occasi5o oportuna para uma desforra
contra o liberalism, a democracia, a magonaria,
a que pertencia o capitio Dreyfus, e iniciaram uma
implacavel campanha antisemita, ameagando a
Franca de uma restaurac~o monarquico-clerical.







Por que ser anti-semita ?


Foi o sinal de combat. Dreyfus, o modesto
capit~o, tornou-se umn simbolo: Israel, a bandeira
de todas as liberdades. Em redor dessa bandeira
reuniram-se as melhores inteligencias da Franca,
e foi nessa ocasiaio que Emile Zola pronunciou o
scu terrivel J'accuse, a palavra mais vibrant, tal-
vez, destes ultimos tempos. A Franca da liberdane
acabou por triunfar sobre as tentativas da reagio,
e o antisemitismo foi obrigado a report na bainha
o seu espirito de odio e de vinganga. A vitoria da
liberdade no "affaire" Dreyfus ficou como uma
das mais belas na historic do progress e da civi-
lizacqo humana.



Por algum tempo o furor antisemita pareceu
sopitado ou, pelo menos, pareceu ter perdido muito
da sua virulencia. Mas eis que de repente renasce
na Alemanha, mais violent do que antes, tomando
feic6es que o tornam semelhante ao dos seculos
XVI e XVII, corn suas perseguiq6es, seus assassi-
natos, sua caqa ao judeu, considerado f6ra de to-
das as leis, divinas e humans. 0 que aconteceu
para que isso se desse?
0 atual antisemitismo e de natureza essencial-
mente political, a superficie; no fundo, como sem-
pre, inteiramente economic. A burguesia capita-
lista, vencida na grande guerra, foi obrigada a dei-
xar a direqdo da coisa public aos representantes
da pequena industrial e do proletariado. Uma
classes, por6m, mais do que o individuo, nunca
renuncia As suas posi6oes e aos scus privilegios,
sem fazer os esforgos extremos, as extremes ten-







8i0 LVn inquerito entire intellectlies brasileiro.q

tativas, para reconquistar as posio6es perdidas. Na
Italia, essa burguesia serviu-se de um falho mes-
tre-escola, um transfuga do proletariado que, de-
pois de ter tentado galgar o powder corn as forgas
proletarias, ocupando as fabrics, vendo-se na im-
possibilidade absolute de saciar por este caminho
a sua ambicao, a sua cobiga de riqueza, o seu so-
nho de vinganca, entregou-se aqueles que tinha
comnbatido, vituperado, conspurcado corn todas as
infamias e todas as torpezas. Assim nasceu o fas-
cisino na Italia.
A Alemanha seguiu o ca.minho trilhado pela
burguesia italiana. Ela tambem achou o seu de-
classe, um caiador desocupado, que se arvorou
em estadista e, ao servico da grande industrial e
dos latifundistas, tomou a si o triste encargo de
sufocar o movimento operario, destruir-lihe as or-
ganizacSes, saquear as cooperativas, aniquilar tudo
o que podia representar umn perigo ou unia difi-
culdade para a volta da burguesia e do imnperio
senmifeudal.
Mas para tudo isso era preciso umna aparencia
de justificaqio, um pretexto, pelo menos. Na Ita-
lia, onde nio ha c naio pode haver antisemitismno,
pelos motives ji expostos, o pretext foi encon
trado na luta contra a democracia, contra o socia-
lismo, contra os sagrados principios de '89, contra
a Maqonaria, contra o "estupido Seculo XIX"; em
breve, contra todas as manifcstaq es da liberdade.
Na Alemanha, onde a raqa hebraica, sem ser pro-
porcionalmente mais numerosa do que na Italia,
foi sempre impedida de se aproximar e de se fun-
dir corn as outras ragas, onde, pois, o antisemi-
tismo tern tradiq6es ininterruptas at6 os nossos







Por que ser anti-semita ?


dias, o pretexto apresentava-se obvio e natural. E
o fascismo alemao desde o primeiro dia foi anti-
semita.
A luta esti hoje travada entire o fascismo ale-
iino e Israel, aparentemente, formalmente; mas,
na realidade, e entire os reacionarios, inimigos da
liberdade e do progress, e os homes de todo o
mundo que tem fe no future c nos destinos da es-
pecie humana. Ainda umna vez Israel, este povo ir-
requieto, feito de nervous e de afilo, e elevado a
simbolo da liberdade, como ja o f6ra ha um quarto
de seculo, pela questfio Dreyfus. Desta vez, po-
rem, o campo 6 muito mais vasto, e nio se limita
a Franca, deixando o resto do mundo espectador.
lhoje c a humanidade inteira, sio todos os homens
lives que se aprestaln para uma luta gigantesca
emni defesa da liberdade, contra os derradeiros e
desesperados esforgos dc um passado que quer so-
breviver ao sou tempo, e vai encenando farcas car-
navalescas coin camnisas pretas ou pardas, cujo
tempo ja passou, como diz o poeta:

La liberty tocca il tamburo, c insieme
Dileguan medio evo c carneval.

0 exito final da luta nio pode deixar duvida,
apesar dos momentaneos sucessos da reacio. 0 ca-
ininho da humanidade p6de parar por alguns ins-
tantes, por6in nunca voltar atras.
E tu, povo de Israel, Ahasverus andante em
busca da terra prometida, descansa; Chanaan esta
proxima. Uma vez ainda o ten nome torna-se sim-
bolo de civilizaciao e de justica. Na grande bata-
Ilia que abalara a humanidade inteira, fermento



















82 Um inquerito entire intellectluaes brasileiros

que anima a formacio de umna humanidade nova,
mais livre, mais just, melhor, desapareceras para
fazer parte da grande massa, de que foste material
prima, imprescindivel. DesaparecerAs para viver
na gloria do future. Desapareceras, mas sobre o
teu grande tumulo, que sera a sociedade do porvir,
se esculpirA~o os versos do teu poeta Henrique
Heine: "Coloque-se urma espada sobre o meu fe-
retro, porque eu fui um bravo soldado na guerra
pela redeniao da humanidade".











N6S E OS JUDEUS

MENOTTI DEL PICCHIA


Q UEM leu os "Judcus sern dinheiro", de Gold.
penetrou profundamente na alma judaica. Nas pa-
ginas de Stefan Zweig, nesse canto maravilhoso
que & o "Crepusculo de um coracao", a mesma al-
ma fatalizada aparece, rica de sensibilidade, de
belleza humana. Maurois, trapando o perfil desse
judeu genial que foi "Disraeli", nos mostra ainda
a interioridade dessa alma, que p6de ser violenta-
mente ambiciosa, mas que nada tern de egoista.
A diferenea entire um judeu e um christio es-
tava apenas numa convengao religiosa. Tacito via
no judaismo uma violent reacqdo contra a civi-
lizaiAo helleno-romana. Inicialmente, no entender
de Oliveira Martins, era elle a divinizacio do "eu",
conduzido a uma forma national e egoistica e
Feuerbach niio estava long dessa doutrina a qual
considerava o home escravizando a natureza,
tornando-se um instrument de satisfaqio das suas
necessidades.
Foi justamente o imperative da satisfaqio das
suas necessidades dentro de um mundo hostile que
fez os "judeus constituirem umia naqio sem terri-







84 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

torio, um consensus que existe em umn inundo de
nacoes semelhantes" coino explica Oswaldo
Spengler. Essa nagio andeja, perseguida, negada,
armou-se, na lucta, de todas as armas: cultural e
dinheiro. A falta da sua integracio na massa hu-
mana, decorrente do inicial impulso religioso que
se fez historic, forgou-a a caracterizar-se, a im-
permeabilizar-se, sem possivel fusdio dentro de
uma hostilidade iniqua que se perpetuou. 0 que
era egoismo initial, transformou-se em instinct
racial de defesa. Os egoistas tornaram--se os que nio
quizeram mais o amalgama do povo de Israel den-
tro das proprias nacionalidades.
Considerados, porem, individualmente, atravez
dos documents que exprimem sua vida, seus sen-
timentos, vemos no judeu umn typo hymano dota-
do de immensa sensibilidade e niio pequena som-
nma de idealismo.
Nada mais brutal, mais barbaro, mais anti-ci-
vilizado que a perseguiiAo aos judeus. A historic
tragica e sangrenta dos "pogroms" e a historic de-
gradante da selvageria humnana. Nada os justifi-
ca sindo o odio e a cupidez do saque c do latro-
cinio.
0 Brasil nio se enod6a coin essa mancha. A
memorial do dramaturgo judeu, queimado pela In-
quisiqiio de Portugal, apenas degrada o Santo Of-
ficio e exalta a victim innocent e illuminada.
Nosso chdio jamais se manchou corn o sangue is-
raclita na infamnia de uma perseguigiio. Povo sem
preconceitos de c6r, de credo e de origem, soube-
mos acolher fraternalmente os elements huma-
nos de todas as latitudes do universe e de todas as
crengas, processando o unico typo de democracia







Por que ser anti-semita ?


concebivel: o da igualdade integral dos series e o
da fraternidade mais absolute.
0 brasileiro, pois, nio concebe nem explica o
porqu6 de hostilidade movida em certas parties do
mundo ao povo judeu. Entre n6s nio chega mes-
mo a ser admissivel um "problema judaico". Nio
ha duvida que elle nao existiria na face da terra
si niio f6ra a intolerancia religiosa. Quebrada essa
barreira, o judeu se caldearia A raca no seio da
qual convive, como se p6de plasmar no Brasil, on-
de a tolerancia do seu povo 6 a sua mais bella vir-
tude e a maior forca de assimilagio que delle se
desprende para former a unidade racial que o
tempo vae preparando.
A forca da religiio nao seria capaz de manter
a unidade spiritual da nacio judaica nio fosse
ella alimentada pelas outras forqas religiosas que
a hostilizam. Sio estas que formam as imponde-
raveis fronteiras dessa nacio sem territorio, em
eterno exodo pelo mundo, sonhando a fixacio
irreal e ideal na predestinada Jerusalem, fixacio
milenariamente adiada por ser mais uma conven-
qio idealistica que um objective real e politico
dessa raca espalhada e radicada por enormes in-
teresses nos quatro cantos do mundo.
A guerra anti-semitica, porem, nao afia apenas
suas armas deshumanas no rebolo da religiaio. Um
publicista engenhoso procurou, nas revoluq6es
scientificas provocadas pelo genio israelita, mais
um motivo para exarcerbar os odios contra os des-
cendentes de Moys6s. Attribue A vinganqa semita
as creaq6es extraordinarias de Karl Marx, Freud,
Einstein, que nos pianos da economic, da psycho-
logia e das sciencias exactas puzeram por terra os







86 Um inquerito entire intcllectuaes brasileiros

velhos mythos enthronizados pelo officialismo
christfo. E', como se v4, levar uma estulta pre-
vencao muito long.
Os espiritos que n5o bitolam o raciocinio pelo
dogma, long de contemplarem corn pupilas tao
rectorias essas geniaes reforms, s6 encontram para
esses homes que honram e engrandecem a hu-
manidade, uma admiragio que nao tern peias. Re-
levando, corn agudeza de observacao, a contin-
gencia da vida e do home, agrilhoados As for-
mulas fataes de materialidade terrena, nao fize-
ram mais, esses apostolos da sciencia, que illu-
minar uma nova serie de problems cuja solu,5io
s6mente p6de minorar as angustias do estado cri-
tico que a humanidade atravessa e preparar, o
quanto possivel, um estagio social mais just, mais
feliz e mais racional.
Marx, procurando a justiga social numa dis-
tribuiaio mais egual da fortune; Freud libertan-
do a alma dos recalcamentos e Einstein mostran-
do a relatividade das sciencias at6 hontem tao or-
gulhosamente dogmaticas, nada mais fizeram que
desthronar atravancantes mythos incompativeis jA
corn o proprio progress human.
Uma rata que deu ao mundo Marx, Freud,
Bergson, Einstein, Ehrlich e tantos outros genios,
6 uma rata que eleva e engrandece a humanida-
de. Perseguil-a por intolerancia; querer abatel-a
por inveja; amesquinhal-a por convenq6es religio-
sas; anniquilal-a por interesses politicos 6 consu-
mar um crime inominavel e reeditar em pleno
seculo do radio o obscurantismo odioso e sangren-
to da Santa Inquiziiao,


















Por que ser anli-semita ? 87

Felizmente o Brasil nao concebe taes mons-
truosidades.
E se alguma coisa pde elldie dizer coin referen-
cia aos judeus, e levantar seu brado justiceiro e
human de revolta contra os que os perseguem e
marcar corn sua execragio todos os que, esqueci-
dos da tolerancia, ortodoxamente christi, ferem
de morte, em nome de um Deus que 6 justiqa, so-
lidariedade e clemencia, aquelles que nio consu-
maram nenhum delito sinAo, por forqa das pro-
prias circumstancias historical, conservaram ape-
nas a sua f6.














PROPHECIA
CLE6MENES CAMPOS


N UNCA Ime lembrei tan to de Castro Alves como
agora. Que pagina soberba nao escreveria elle sobre
o novo exodo dos hebreus! Que estrophes canden-
tes nao sairiam da sua alma condoreira e gene-
rosa, ante a crueldade de um megal6mano, que
arrasta para o abysmo umn grande povo!
Elle quc soube eternizar, num dos nossos me-
Ihores poemas, a dor anonyina dos escravos, que
nos vinham da Africa no fundo lobrego dos na-
vios sinistros, nio poderia deixar de empunhar o
seu azorrague de fogo para a defesa de unm Eins-
tein, um Freud, um Remarque e um Max Lieber-
inann, que honram a humanidade.
"Deus, 6 Deus, onde estAs que nio responded?"
E certamente interrogaria, de novo, corn igual
amargura:
"Em que mundo, em que estrclla tu te escondes,
"Embugado nos ceos?"







90 Um inquerito entire intellectuaes brasilciros

0 judeu 6 uma forqa precisamente devido As
perseguic6es humilhantes, e injustas, que Ihe tmr
sido impostas. Foram ellas, sem duvida, que Ihe
deram tamanha cohesfio na desgraca. E isso, con-
venhamos, 6 jA um passo para a victoria. Ha um
proverbio oriental que diz: "0 vento e que ajuda
a arvore a crescer".



O que actualmente se passa na Allemanha,
por obra e graga do Sr. Hitler, se e uma vergonha
para o nosso tempo, pouco represent, em ver-
dade, para povo tho affeito ao soffrimento. Elle
possfie duas armas poderosas, corn as quaes tudo
vence, por fim: a resignaqdo e a f6. Ndo precise
manchar as mrios de sangue, como n6s outros,
para impor as suas idWas. 0 tempo, corn a sua lo-
gica, se encarrega disso.



Debalde os espiritos bem avisados de todo o
mundo tem procurado mostrar o absurdo de taes
persegui6es, hoje em dia: a vaidade, que fez o
sr. Hitler diminuir ridiculamente o bigode, fe-lo
augmentar ridiculamente a "majestade", ensurde-
cendo-o por complete As vozes claras do bom senso.
Vem-me A lembranga um conto ingenuo dos
irmAos Grimm, que you resumir. Intitula-se "A
carriga e o urso". A carriqa era o rei dos passa-
ros. Vivia feliz, no sossego da sua vidinha pou-
pada. Certa occasido, por6m, commetteu a im-







Por quc scr (Ifli-scinfli( ?


prudencia inominavel de cantar na floresta, justa-
mente quando por alli passava o senhor Urso em
companhia do senior Lobo.
"Trmio Lobo, (ue passarinho 6 esse que
canta tio bern?" "E' o rei dos passaros, res-
pondeu o lobo, deante de quem temos que nos
curvar". "Se assim 6. obtemnerou o urso, ser-
me-ia grato ver o seu palacio. Vemn commigo".
Quando o urso den arenas corn um simnles
ninho, dentro do qual pipilavam cinco ou seis bi-
chinhos implumes, levantou, admirado, as pataa
deanteiras: "E' isso entaio o palacio do rei? Isso
nio passa de umna choupana muito reles..."
E desandou em insults dessa natureza. Em
vao cinco ou seis biquinhos se abriram, ao
mesmo tempo, cheios de protests. Quando os
paes regressaram., A hora da refeiglo, todos
elles, apesar da fome que sentiam, nio accei-
taram coisa alguma. 0 que queriam, antes de
mais nada, era ser desafrontados. Faziam ques-
tio de que o lobo recebesse uma licqAio.
A carrica, indignada, saiu A procura do atre-
vido: "Velho ranheta, por que foster injuriar os
meus filhinhos? Isso vae-te custar mas 6 uma
guerra sangrenta". Dito e feito. 0 urso, corn
grande apparato, convocou todos os quadrupedes
(alles vierfiissige Getier). A carrica, por seu turn,
convocou todos os series alados (alles, was in der
Luff fliegt), isto 6, nlo s6 os passaros, mas tam-
bem os mosquitos, as moscas, os moscardos e at6
as lyrics abelhas.
Para commander os quadrupedes foi escolhida
a raposa, por ser mais ardilosa. Tiio ardilosa
mesmo, que convencionou immediatamente ur si-









92 Um inquerito entire intellecluaes brasilciros

gnal de ataque: "Eu tenho um lindo rabo, disse
ella. Quando o levantar para cima, jA sabem, a
coisa vae bem: voces podem marchar sem medo;
quando o baixar, porem, abram o pala o quanto
puderem".
Chegou, final, o dia da grande batalha. A
terra inteira tremia, ao passo marcial dos qua-
drupedes.
A carriga, em pessoa, foi commander as suas
tropas. 0 espaco, cheio de asas innumeraveis, era
umn immense zumbido.
A um arrepiozinho do scu topete, acompa-
nhado de um tathlo mais energico, desceu, impe-
tuosa, a esquadrilha dos moscardos. A raposa levou
as primeiras picadas.
Forgando a natureza, mordeu os beigos, numa
contracgiao involuntaria, c continuou, orgufhosa,
erguendo a cauda como urna bandeira. Os mos-
cardos ferretoaram-na de novo. De novo, ella en-
colheu-se, dolorida, e proseguiu, embora sem a ou-
sada elegancia de ha pouco. Mas a uma terceira
investida dos moscardos, ndo teve duvida: perden
a linha e desappareceu numa nuvem de pocira...
Foi uma debandada...


Sci que o sr. Hitler nunca ha de ler eslas li-
nhas... Muita gente, por6m vera que as ironias
dos homes de espirito, como os moscardos do
conto ingenuo dos irmios Grimm, hao de leva-lo,
muito breve, de vencida...











MOMENTS DE VIBRACAO

GILBERTO AMADO


P ARIS, abril A sala Wagram 6 urma das
mais vastas de Paris. LA se reune de vez em quan-
do o famoso "Club do Faubourg", que serA obje-
cto de um dos incus artigos futures. Achei-me
dentro della umna destas noites, no mcio da maior
multidao judaica que jA se reuniu nesta cidade.
Nao havia um logar vasio. Era um meeting convo-
cado pelos judeus mais prestigiosos de Paris -
banqueiros, advogados, escriptores, industrials, ar-
tistas de todo genero, masculinos e feinininos, para
protestar contra a perseguicio hitleriana e para
concertar os nmeios de proteger e ajudar os fora-
gidos, que chegam em mass da fronteira allemai.
LA se achavam os Rothschilds, aristocracia da ra-
ca, fiel e orgulhosa progenie da tribu de Israel, os
famosos advogados Moro de Giafferri, Henry Tor-
r6s, Fernand Corcos, umna infinidade de autores
dramaticos, de musicos, de pintores, de celebrida-
des mais ou menos universaes.
Os nomes illustres saltavam do meio da mul-
tid5o como peixes de prata do seio do oceano equa-
torial.







94 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

Perdido na enorme assistencia, corn o olhar
pousando, avido e insaciavel, de front em front,
e de nariz em nariz, eu generalisava, emquanto ou-
via os oradores, alguns admiraveis, quasi todos pos-
suidores dessa voz luminosa e cheia, que, no mun-
do feminino, fez as Rachel e as Sarah Bernhardt,
voz que tomou do ouro desejado e manejado pelo
judeu o timbre metallico e rico.
Moro de Giafferri fala como a music do
vento que agita os sycomoros do valle do Hebron:
a palavra Ihe sae da garganta sonora e doce como
a melodia que desce dos olhos largos das virgens
morenas do Libano. Torres 6 o trovao, e o brado
de Jehovah no Sinai; sua voz tr6a e ameaga como
a voz do propheta na sombra das noites lugubres
do desert. Mas esse judeu rico, deputado e trium-
phante, perdeu a tristeza de Jeremias; sua colera
& combative, mas jovial; truculenta, mas brinca-
Ihona; apenas a voz guard o alcance e o tom sin-
gular do grito na montanha.
Em meio do clamor dos protests, ao alarido
das altercagoes, A agitagao fremente dos corpos na
exaltacgo da assembl6a, nessa atmosphere carre-
gada de d6r e de luta sorri a face e brilha o
collo c6r de rosa de alguinas das mais famosos
bellezas do mundo essas judias douradas, sobre
cuja docura os cabellos negros arnmam o ninho do
sonho. A' sombra dos olhos profundos e infinitos,
o nariz suavemente agudo insinua as longas pro-
niessas do amor que a bocca offerece, na sua
ameaca tumida de beijo permanent.
Ouvindo os oradores, eu generalisava. Eu via.
essa marcha do povo errante, de terra em terra,
sempre, sem parar, acampando aqui e logo apa-







Pot, qie ser (Inhi-sendla ?


lnhando, corn os dedos recurvos, ouro e diamante.
Eu o via depois inventando o titulo movel, a moe-
da fiduciaria, a pro;;riedade deslocavel, transpor-
tavel, a letra de cambio, o effeito de commercio.
Via nascer por sua actividade febril e silenciosa
o edificio do Banco modern. Eu o vejo em Roma
gosando um moment do favor dos Cesares escla-
recidos, e logo trucidado pelos imperadores frau-
dulentos. Situo-o na Edade Media em quantos
estadios de miseria, de lagrima e de triumph!
A Renascenpa mistura-o a gloria dos papas e
ao esplendor dos principles florentinos. Descoberta
a America, elle se precipita atrav6s do oceano, coin
a sua sacola pejada de escudos e de cruzados. Das
monstruosas hecatombes, inquisicoes e massacres,
elle resurge malferido, arquejante, ensanguentado,
cheio de cicatrizes. De vez em quando, do fundo
da sua d6r uma voz immensamente lucida se er-
gue como uma aurora limpida, abrindo nova luz
sobre o universe: Spinosa. Um violino canta no
infinite: Paganini.
No seculo XIX, a prophecia toma a f6rma sys-
tematica da construccao political e se torna pro-
gramma de revolucio mundial Karl Marx. Uma
gotta de sangue hebreu perdida nas veias de um
senhor polaco passa atrav6s de uma geracio de
allemaies para dar a mente de Nietzche a visio do
Super-Homem. Pelos arranha-ceos de Nova York
sobe o afan desses conquistadores do abstract, des-
ses constructores de impoderaveis, que tecemn, atra-
v6s da material das realisag6es concretas, a r6de
dos fios invisiveis.
Emquanto falavam os oradores, eu generalisa-
va. Umn orador joven, cujo nome me escapou, sae








)6 Um inquerilo entire intellectuals brasileiros

do terreno preciso do debate, e invoca o podcr c o
encanto da rapa a que pertence, mostrando o que
Ihe deve a civilisagio humana. Um outro longa-
mente pintara o judeu no quadro national, lutan-
do durante a guerra como cidadaio da patria onde
nascera e nio como fillio espurio de unia rapa
maldita.
"0 brago judeu ajudou a ganhar a guerra".
- "Os campos de batalha estUo clieios de sangue
israelita". Um judeu cego, mutilado de guerra, so-
be ao estrado, patheticamente, arrancando lagri-
mas de alguns olhos e augmentando a commogio
geral.
E eu gencralisava. Em nosso tempo, eu via no
pincaro da aca5o political, a figure de Trotsky; ou-
via a music de tantos pianistas; lia os versos de
tantos poetas; pensava em Bergson; evocava Eins-
tein, cuja indignacaio no actual moment tanto en-
ternece o mundo civilisado.
Um canto enorme, em que todas as vozes se
harmonisam, um c6ro volumoso e unctuoso enche
a sala e res6a hA f6ra pIela avenida inteira: Israel!
Israel! At6 quando serAs perseguido?
No camarote que ficava defronte ao ponto em
que eu me achava espremido umna mopa, com os
cabell('- press atras do pcscogo, num torgal de
prata, sorria deliciada, como suspense num v6o,
alheia a tudo aquillo. Parecia ter vinte annos -
enitre a mae coberta de joias e o pae, f6sco e adun-
co. Enlevada, ella sonhava mocidade do mun-
do, flor da tribu, niao temendo o sacrificio, prom-
pta talvez para cllc.











0 MARTYRIO t A FORCA

ORIGENES LESSA


Eu tenho impressao de que o anti-semitismo
deve ser umn movimento iniciado e custeado secre-
tanmente pelos judeus... E' elle a razio e a forca da
sua raca. Foi o anti-semitismo, foram as persegui-
coes, as fogueiras inquisitoriacs, os cadafalso6, os
confiscos, as calumnias, as injuries, os ridiculous,
que conseguiram o milagre espantoso de trazer ate
nossos dias essa nagio ha dois mil annos sem pa-
tria. 0 odio soffrido e o sangue derramado, por
seculos scm fim, dio aos judeus o direito de, uni-
cos no mundo, poderem falar, semn exagerado ri-
diculo, nessa coisa ingenua: raca.
E tudo se explica facilmente. Nio se perpetual
religiio sein martyrs. Sem derramamento de san-
gue nio ha ideal que perdure.
0 martyrio 6 a forga.
Ha mais de dois mil annos que o judeu, er-
rante pelo mundo, ouve insultos e maldiq6es por
um crime real ou nio no passado, por crimes
reaes ou nio no present.
Nio ha paiz em que elles nio tenham sido
calumniados c mortos pelo simples facto, puro e







98 Um inquerito entire intellechtnes brasileiros

simples, de scr judeus. Nio ha period da histo-
ria, principalmnente depois de Christo, sem a man-
clia da sangucira judia derramada.
D. Manuel expulsou imbecilmente de Portu-
gal os judeus e, corn os judeus, o seu dinheiro.
Reis da Hespanha e da Inglaterra conservaram o
dinheiro mas expulsaram-lhe os donos e fazedo-
res: os judeus.
Quando faltava dinheiro, fosse na IHespanha
ou sob Plielippe o Bello na Franca, os potentados
lembravam-se de que Christo f6ra cruxificado pe-
los seus irmaos e revingavam-1he a morte. Havia
umra calamidade public, era culpa dos judeus,
castigo do ceu por estarem vivendo em paz. Elles
se tornaram o tio symbolic bode expiatorio das
suas velhas cerimonias religiosas.
Mas foi gracas is fogueiras que elles sobrevi-
verarn. Foi gracas a constant ameaqa de expul-
sio e confisco de bens que elles se tornaram esses
intelligentissimos negociantes que hoje aqambar-
cam todo o ouro do mundo. 0 holandez fez a Ho-
landa, o judeu fez o mundo. A difficuldade encon-
trada no seu tostiiosinho de terra pelos antepas-
sados da rainha Guilhermina pouco 6 comparada
corn o que enfrentaram em dois mil annos esses
homens excepcionalmente intelligentes e nobres
cuja raga deu um Isaias, umn Salomiio, um Paulo
de Tarso, um Jesus de Nazareth.
Batidos e escorracados, elles construiram a
philosophia religiosa mais bella da humanidade.
E' nos seus poetas e prophetas que se nutriram os
vinte seculos de christianismo que paradoxalmen-
te os condemnaram. Insultados como cies quan-
do nos surgem a porta como prestamistas anony-







Por que ser anti-semita ?


mos ou vendedores de moveis, elles usam ainda
os noomes de antepassados scus, David, Moyses,
Abrahlio, Samuel, que n6s aprendemos a admirar
conmo figures das mais respeitaveis da especie.
O sou reino nio era deste mundo... Mas elles
drain ao mundo philosophos, poetas, pensadores,
musicos, artists, financistas, creadores, revolu-
cionarios, idealistas. Todos os pinaculos da espe-
cie. Elles sdio donos, neste moment, de Einstein,
de Freud, de Trotzky. Onde haja possibilidade de
subir, estio elles no alto. No bemn como no mal.
E isso demonstra, simplesmente, a extraordinaria
vitalidade dessa raga, aco forjado no melhor do
logo, enfibratura temperada c caldeiada no cri-
sol violent da adversidade.
E' por isso que, long de ver no actual anti-
semitismo umna injusta e anachronica manifesta-
iao do velho "vicio allemino" como chama Ludwig,
ao anti-seinitismo da sua terra, eu tenho mais a
sensa~io de star vendo titeres a lanpar pedras e
chufas, movidos a sombra pela sagacidade de ve-
lhos e doutos lideres hebreus.
Quando os tempos serenam e desce a paz so-
bre os homens, elles se amolentam e efeminam.
E' preciso um repelliio forte para os trazer i rea-
lidade da vida que e luta e combat.
O anti-semitismo 6 movido para depurar e
acrisolar a raga. Treino violent para o ringue
da vida. .. Porque, de outra maneira, seria apenas
ridiculo. Quern resistiu a dois mil annos de per-
seguiiqo, laboriosa, paciente, constructivamente, e
enriquecendo final a humanidade, com os seus
calumniados homes do passado e do present,
pdde rir como o doutor Bloch na Camara Allenii,





















100 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

ha cincoenta annos. Uni deputado anti-semita, ao
ouvir urna referencia a Heine e a Bonne, judeus
baptisados, deixara cahir os labios, desdenhoso:
Esses dois n6s devolvemos de bom grado
aos judeus...
Acceitamos, comntanto que nos devolvam
tambem Jesus Christo e os doze apostolos, respon-
dera o outro.













AMERICA SEPULTURA DA EUROPA

RAUL DE POLILLO


Q -ANUDO Waldo Frank, numa tentative feliz de
redescoberta do signo da Am6rica, afirmou que o
Continente Americano era a sepultura da Europa,
muita gente, no Velho Mundo, se julgou melin-
drada pela audAcia da asserfio. Ao prodigio con-
tinental que o j6veni escritor estadunidense indi-
cava, como indice do surto criador da America c
sepultador dos escombros da civilizaqio europea,
os civilizados das velhas nac6es da Europa, num
equivoco quase infantil, opuseram os navios-nio-
tores da marina mercante italiana, os dirigiveis
da Alemanha, as tipografias de Franca, e mais
coisas de id6ntico jaez, como se a razio funda-
mental do raciocinio de Frank estivesse radicada
numa pretensaio de carter meramente tecnico, e
como se, atris da sua 16gica, ndo houvesse sequer
a sombra dc algo transcedental. Ainda assim, nao
se conseguiu aniquilar o sentido profundo da sen-
tenga de Waldo Frank.







102 Um inquerito entire intellectuaes brasileiros

A AMERICA E' A SEPULTURA DA EUROPA.

A Europa, velha sementeira sempre fecunda
e sempre verdejante de civilizagSes, foi obrigada,
por isso mesmo, a tornar a criar-se a si pr6pria,
cm face da significacao que a Am6rica passou a
ter para o future da humanidade. Quando um
continent cria uma nova cultural, sinal certo 6 de
que se viu constrangido a destruir, ou, pelo mc-
nos, a anular as consequencias da cultural an-
terior.
Estamos, presentemente, assistindo ao auto-
refazer da Europa. E o Velho Mundo, ao levar a
efeito, dentro de um espaqo de tempo que naio se
contara por anos, e sim por seculos, a portentosa
re-elaboracao dos conceitos com que se porA em
face da eternidade da esp6cie, olha para a Ame-
rica. E' possivel, p6de scr mesmo verdade, que
nao olhe para o Continente de Colombo corn in-
veja; talvez, na realidade intima da sua obra de
renovacio, encare o lado de ca do Atlantico corn
um sorriso de velha comadre corn esse indefi-
nivel sorriso que as velhas comadres esbogam
quando contemplam os requintes quase mulie-
bres, mas ainda ingenuos e destituidos de inten-
gio vital, das meninas de agora, diante do esp)lho.
Assim como essas comadres sentem, bem no fundo
de suas conciencias, que nao ha sorriso que valha
diante da march da vida, e que, por mais que
sorriam, o dia de amanhl pertence As meninas de
agora, assim tambem a Europa, por mais que se
convenga do seu direito de precedencia por an-
cianidade, ha de perceber, na elucidag o iiltima
de sua 16gica terrivel, que o future da humani-




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs