• TABLE OF CONTENTS
HIDE
 Front Cover
 Title Page
 Introduction
 Paralelo entre as caracteristicas...
 Antecedentes de Portugal e Castela...
 Esboco de organizacao administrativa...
 Organizacao administrativa de tendencia...
 Organizacao administrativa de tendencia...
 Evolucao politico-administrativa...
 Conclusion
 Bibliography
 Table of Contents














Group Title: Administracao colonial luso-espanhola nas Americas
Title: Administração colonial luso-espanhola nas Américas
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/UF00023176/00001
 Material Information
Title: Administração colonial luso-espanhola nas Américas
Physical Description: 444, <1> p. : maps (part fold.) ; 24 cm.
Language: Portuguese
Creator: Lobo, Eulália Maria Lahmeyer
Publisher: Editôra Companhia Brasileira de Artes Gráficas
Place of Publication: Rio de Janeiro
Publication Date: 1952
 Subjects
Subject: Colonies -- Administration -- Spain   ( lcsh )
Colonies -- Administration -- Portugal -- America   ( lcsh )
Genre: bibliography   ( marcgt )
non-fiction   ( marcgt )
 Notes
Bibliography: Bibliography: p. 433-444.
General Note: Errata leaf inserted.
 Record Information
Bibliographic ID: UF00023176
Volume ID: VID00001
Source Institution: University of Florida
Rights Management: All rights reserved by the source institution and holding location.
Resource Identifier: aleph - 002328114
oclc - 02555934
notis - ALT1746
lccn - 55043802

Table of Contents
    Front Cover
        Page 1
        Page 2
        Page 3
        Page 4
    Title Page
        Page 5
        Page 6
    Introduction
        Page 7
        Page 8
    Paralelo entre as caracteristicas historicas de Portugal e Castela que influenciaram na conquista da America
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
    Antecedentes de Portugal e Castela como nacoes colonizadoras
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
    Esboco de organizacao administrativa de tipo feudal descentralizado
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Parte Portuguesa
            Page 117
            Page 118
            Page 119
            Page 120
            Page 121
            Page 122
            Page 123
            Page 124
            Page 125
            Page 126
            Page 127
            Page 128
            Page 129
            Page 130
            Page 131
            Page 132
            Page 133
            Page 134
            Page 135
            Page 136
            Page 137
            Page 138
    Organizacao administrativa de tendencia teocratica e centralizadora. Meados do seculo XVI a fins do seculo XVII
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 146a
        Page 146b
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
    Organizacao administrativa de tendencia teocratica e centralizadora, moderada perla situacao economica e politica da metropole - de meados do seculo XVI a meados do seculo XVIII - parte Portuguesa
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 224a
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 288a
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
        Page 327
        Page 328
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
        Page 343
        Page 344
    Evolucao politico-administrativa da America Luso-Espanhola no decorrer do seculo XVIII
        Page 345
        Page 346
        Page 347
        Page 348
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
        Page 368
        Page 368a
        Page 368b
        Page 369
        Page 370
        Page 371
        Page 372
        Parte Portuguesa
            Page 373
            Page 374
            Page 375
            Page 376
            Page 377
            Page 378
            Page 379
            Page 380
            Page 381
            Page 382
            Page 383
            Page 384
            Page 385
            Page 386
            Page 387
            Page 388
            Page 389
            Page 390
            Page 391
            Page 392
            Page 393
            Page 394
            Page 395
            Page 396
            Page 397
            Page 398
            Page 399
            Page 400
            Page 401
            Page 402
            Page 403
            Page 404
            Page 405
            Page 406
            Page 407
            Page 408
            Page 409
            Page 410
    Conclusion
        Page 411
        Page 412
        Page 413
        Page 414
        Page 415
        Page 416
        Page 417
        Page 418
        Page 419
        Page 420
        Page 421
        Page 422
        Page 423
        Page 424
        Page 425
        Page 426
        Page 427
        Page 428
        Page 429
        Page 430
        Page 431
        Page 432
    Bibliography
        Page 433
        Page 434
        Page 435
        Page 436
        Page 437
        Page 438
        Page 439
        Page 440
        Page 441
        Page 442
        Page 443
        Page 444
    Table of Contents
        Page 445
Full Text



SEULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


ADMINISTRACAO

COLONIAL

LUSO-ESPANHOLA


NAS


AMERICAS


EDITOR
COMPANHIA BRASILEIRA DE ARTES GRAFICAS
RIO DE JANEIRO 1952


___ .





/c s 30o a 4
6pz(kosP
Botasi.




























A minha tia Lucia Furquim Lahmeyer,
uma vida dedicada ao estudo da Histdria.







EULALIA M


Yf
V-4


ADMINISTRACiAO COLONIAL

LUSO -ESPANHOLA NAS AMERICAS











EDITOR
COMPANHIA BRASILEIRA DE ARTES GRAFICAS
RIO DE JANEIRO 1952


A4- T e^P^


9141 a--















INTRODU(I'AO


A histdria colonial do Brasil e dos paises hispano-ame-
ricanos despertou-nos o interdsse ao observarmos a profunda
infludncia das metr6poles que se revela, atd o moment pre-
sente, em muitas das manifestac6es da vida national.
Nas col6nias inglesas, holandesas e francesas ndo se en-
contra um vinculo tdo nItido do present ao passado.
Espanh6is e portugueses estavam imbuidos de verdadei-
ro espirito colonizador. 0 governo propalou intencional-
mente, a cultural, criando estabelecimentos de ensino, fomen-
tando a catequese, protege a populacdo naliva, preconizou
a imigracdo, promoveu a fixado dos colonos, a fusdo dos
vencidos e vencedores, finalmente, adotou political econ6mi-
ca relativamente liberal.
Os demais povos que participaram da conquista do Novo
Mundo, via de regra, se limitaram a explorer a indistria
extrativa ou cultivo em larga escala de determinado produto
procurado nos mercados europeus. Fundamentalmente ndo
houve preocupacdo official em difundir a cultural, em promo-
ver a imigracdo da metr6pole para a colonia, em proteger o
native.
As col6nias luso-espanholas, prdsperas, ate o sdculo XVIII,
entraram em prolongada crise, em consequdncia da revolu-
cdo industrial, enquanto que as anglo-sax6nicas comecaram
a progredir. A transformacdo foi de tal ordem que as ca-
racteristicas do passado se perderam em grande parte no
Canadd, Estados Unidos, etc. Naturalmente, naquelas o pe-
riodo colonial e mais important do que nestas.
De todos os aspects da colonizacdo, as forms de gover-
no e de administracdo pitblica que regulavam a evolucdo
econ6mica, a organizaico social, a formacdo moral das co-
lInias foram, a nosso ver, as que deixaram vestigios mais
profundos e duradouros.
Estudamos a administracdo comparativamente, ndo para
estabelecer superioridade da obra realizada por determinado
povo, mas como metodo adequado para esclarecer certas
caracteristicas da hist6ria, por meio de uma visao de con-
junto, pois a formaqdo das duas nacoes peninsulares e a colo-
nizacdo do Novo Mundo estdo intimamente correlacionadas.






Muitos anos de trabalhos de pesquisas foram necessdrios
para a realizac~o deste estudo. Diversas dificuldades tive-
ram que ser vencidas. E isso s6 foi possivel gragas ao
valioso auxilio de diversas pessoas a quem desejamos mais
uma vez agradecer penhoradamente.
Ao professor Silvio J(lio, orientador do curso de douto-
rado, que ,gragas aos seus profundos conhecimentos de his-
t6ria da Amdrica, nos aconselhou, nos transmitiu grande en-
tusiasmo pelo assunto e forneceu inimeras indicagoes biblio-
grdficas.
Ao Comandante Josd Moreira Maia que nos proporcio-
nou abundantes dados, colhidos principalmente em livros das
Bibliotecas da Marinha e do Conselho de Seguranga Nacio-
nal, e releu pacientemente os manuscritos. Ao Professor
Jaime Cortezio por ter colocado ao nosso dispor sua biblio-
teca e fornecido preciosas informacoes. Ao Professor Al-
cdntara Nogueira, ao Professor Marcilio de Lacerda, ao Pro-
fessor Eremildo Luiz Vianna, ao Professor Tannenbaum da
Universidade de Columbia, ao Professor Leffler da Univer-
sidade de Carolina do Norte, aos funciondrios da Biblioteca
do Institute Histdrico, a D. Maria de Lourdes Jovita, funcio-
ndria da Mapoteca do Itamarati, a todos um agradecimento
e a esperanca de que nao os tenha decepcionado produzindo
iuma obra muito abaixo do que esperavam.

A AUTORA.

















CAPITULO I


PARALELO ENTIRE AS CARACTERISTICAS HIST6RICAS
DE PORTUGAL E CASTELA QUE INFLUENCIARAM NA CONQUISTA
DA AMERICA

Estudamos a formagio de Portugal e Castela neste capitulo tendo sem-
pre em vista o nosso objetivo, que 6 o de compreender o impeto expansio-
nista dessas duas nav5es, a fim de nao nos perdermos em divagac6es indteis
para 'o assunto, ja, por si tio vasto.
Seguindo 6sse criterio nao analisamos aqui as discusses dos eruditos como
Alexandre Herculano, Oliveira Martins, Mendes Correa, etc., s6bre o povo que
deu origem ao p'ortugues. A hist6ria dos primeiros povoadores da peninsula,
os ibero-celtas, da colonizaiio greco-fenicia e do dominio sucessivo dos carta-
gineses, romanos, german'os, Arabes, s6 serA mencionada em fungco de sua
influencia nas caracteristicas peculiares das conquistas ultramarinas castelha-
nas e portuguesas e na administraeCo de suas futuras col6nias.
Tomamos, portanto, como ponto de partida, a 6poca em que surgiram os
vArios estados ibericos independents, dos quais nos interessam, no moment,
Castela e Portugal. Foi, por6m, indispensAvel, para a anAlise d&ste period,
recapitular, brevemente, o process de caldeamento de povos e cultures reali-
zado na peninsula, no correr de s6culos, pois imprimiu caracteristicas comuns
a todas estas nacionalidades em formacio, que eram, na realidade, meros frag-
mentos de um todo.
A peninsula IbBrica constitui uma regiio natural, apesar de variantes
locais, algumas bem acentuadas, perfeitamente delimitada pela barreira natu-
ral dos Pirineus, que a separa da Europa, e pelo mar, dos outros continents.
Devido i sua posiqio entire a Europa e a Africa marcou o limited das tenta-
tivas colonizadores de. gregos e fenicios, que nao ousavam aventurar-se mais
alWm no oceano desconhecido, a nio ser em expedig5es esporAdicas. Foi o
campo de batalha, na guerra entire Roma e Cartago. Tornou-se passage obri-
gat6ria das hordas asiAticas qup fugiam perseguidas pelas novas ondas de bAr-
baros.
A peninsula, unidade corn vida pr6pria, segregada at6 certo ponto do
mundo europeu e africano, era um ambiente propicio para a fusao distes povos.
Esta tcnd6ncia unificadora sempre se manifesto atraves de sua hist6ria, como
l5o bem observaram Silvio J6lio, Rafael Altarira 'e tantos outros historiadores.
As tribes de celtas e iberos foram se confundindo com os colonos gregos e
fenicios, c a esta associafio de povos, que jA adquirira caracteristicas pr6prias,







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


a conquista cartaginesa veio dar unidade political, sob o domino de Hamilcar,
e Hanibal. A invasao romana, iniciada ap6s a derrota de sua rival (220-216
a.J.C.), foi lenta (200 anos) e acidentada, principalmente por causa da revolta
de Sert6rio.
Tanto o gov&rno republican como o imperial, a fim de assegurar a posse
da nova col6nia, centralizou a administrag~o, tornou obrigat6ria a lingua lati-
na, imp6s, enfim, sua cultural, contribuindo d6ste modo para a unificacio da
peninsula.
Esta assimilacio dos povos submetidos era bem visivel nos centros urbanos
que, inicialmente, se distinguiam em col6nias, municipios e confedera'dos, de
ac6rdo com a origem dos habitantes e sua legislacio, e, nais tarde, se iden-
tificaram.
A populatio ib6rica estava relativamente homogenea racial e culturalmcnte,
quando, no s6culo V, comecaram as invas6es bArbaras. Em 409, os Alanos,
vAndalos e suevos submeteram fAcilmente a peninsula, por6m, logo disputa-
ram entire si o territ6rio conquistado. Roma estava nesta epoca tio decadente
que se viu obrigada a recorrer aos visigodos, estabelecidos ao sul das GAlias
e Aquitinia, para expulsar os vandalos. Estes se refugiaram na Africa. fican-
do os remanescentes confundidos com os suevos e Alanos, jA bastante dizimados.
Os visigodos tinham adquirido, em contact cor os romanos, uma organi-
zaiao military bastante adiantada, de que 6les se aproveitaram para se transfor-
mar de aliados em invasores, consumando a queda do imp6rio nesta regiao.
As suas expedicges se foram sucedendo rApidamente (414, 416-18, 456), fina-
lizando cor as vit6rias decisivas obtidas por Eurico (467-485) e Leovigildo
(582-586). Os visigodos, porem, n, o podiam dominar culturalmente seus novos
sfditos. Foram-se romanizando. Adotaram a religido cristi (conversio de
Recaredo em 587) e as leis romanas. No reinado de Eurico foi promulgado um
c6digo visig6tico, e, ao tempo de Alarico II, a Lei Romana dos Visigodos (506)
que devia reger a populacio submetida, sujeita a pesado tribute.
JA no. sculo VII os reis acharam desnecessario a existencia de duas legis-
laices distintas, e editaram um r nico c6digo, redigido em latim (Chindesvintus,
642-653 e Recescintus, 653-672). A falta de documentafio s6bre este period
nio permit estabelecer uma cronologia precisa das leis dos visigodos. Gama
Barros analisou detalhadamente o problema da autoria e das datas das leis
dcste povo, no primeiro tomo da sua obra "Hist6ria da Administraaio Pfiblica
em Portugal" (pAg. 45 A 51).
As guerras entire os candidates ao trono foram enfraquecendo o reino visi-
g6tico e preparando a invasio Arabe. Os mouros tamb6m se infiltraram na
peninsula, pacificamentc, como aliados dos pretendentes i coroa. Apesar da
resist6ncia, military ter sido insignificant, o contingent mouro era mais difi-
cil de absorver nessa 6poca, porque o povo estava profundamente romanizado.
A religiio cat6lica adquirira um papel preponderante na vida political dos
visigodos, revelado nos famosos concilios de Toledo.
Os Arabes entraram em choque cor a populacio Ib6rica, porque possuiam
cultural e religiio pr6prias bastante adiantadas. Ainda niao surgira oposicio
semelhante a esta, pois os primitives habitantes nao tinham um grau de civi-







ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMIRICAS


lizacao suficiente para resistir A influencia de uma cultural muito superior,
como a romana.
A invasio iniciada em 711 se estendeu, em sete anos, a toda peninsula.
Foi estabelecida uma provincia ou Emirato, dependent do Califado Muculmano
de D6tmasco.
Os Arabes trouxeramn consigo os elements de sua pr6pria decadcncia.
Na sua expansgo ilimitada, realizada num period de tempo relativamente curto,
englobaram povos variadissimos, que nio puderam assimilar.
A esta fonte de disc6rdias se aliava o espirito turbulento das tribes, antes
independents, e unidas exclusivamente pelo laco da religiaio.
Na Espanha, os berbhres, oriundos da Africa, estavam em constant con-
flito cor os mouros. Situagao que se agravou em 740 cor a chegada de um
ex6rcito mugulmano sirio. 0 enfraquecimento do califa foi se acentuando A
media que seus dominios se estenderam por regi6es mais dilatadas.
Em 732 o movimento invasor da Europa foi detido por Charles Martel, e
a partir dessa 6poca comegou a decad6ncia. A atividade guerreira dos muCul-
manos passou a empregar-se nas disputes entire os reinos, em que se fragmentou
o Califado.
Em 756 formou-se o Emirato independent de Espanha, sob a lideranga
de um descendente dos Omaiadas destronados em Damasco pelos AbAssidas.
AbderramAn III (912-961) conseguiu submeter, transitbriamente, a provincia e
unificar o gov6rno, estabelecendo o Califado de Cordova, que dava maior pres-
tigio religioso ao chefe de estado. Logo, por6m, se dividiu em sete reinos,
conhecidos como de Taifas.
Sob a pressio do movimento de reconquista, os reinos de Taifas pediram
auxilio aos mouros de Marrocos, os almorivides, cujo imperador resolve em-
preender por conta pr6pria a guerra contra os cristLios, anexando os reinos
de Taifas (1090-91). Estes rcadquiriram independencia devido a uma revolt
religioso-politica, em Marrocos, que .destronou o Imperador AlmorAvide. Os
fundadorcs da nova seita almohade, seguiram a orientacio de seus antecesso-
res, conquistando os reinos de Taifas por breve period, pois logo ficaram
desprestigiados pelas derrotas que sofreram, tendo, finalmente, de abandonar
a peninsula.
Os estados mouros, novamente aut6nomos, foram, no correr do s6culo
XIII, perdendo terreno diante das f6rcas castelhanas e aragon6sas, ficando
reduzidos ao reino de Granada.
Apesar dos mugulmanos e cristios viverem em constant guerra, era im-
possivel se isolarem inteiramente uns dos outros, durante um period tio
extenso de contact na mesma regifio. A intransig6ncia religiosa dos primei-
ros anos foi cedendo diante de inter6sses de ordem econ6mica.
Deixavam a populargo native residir nas cidades, no seu bairro, onde
existiam igrejas cat6licas e se praticava a religiLio pulblicamente.
Os Arabes tentaram converter por m6todos pacificos, libertando os escra-
vos cristLos que adotassem a religiio maometana, ou concedendo isengio de
impostos aos que eram livres. A estes renegados deu-se o nome de moCgra-
bes. Os arabes que adotaram a religiio cat6lica foram chamados mudejares.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Estes grupos promoveram o intercambio das duas cultures, auxiliando no piano
cultural e, As vezes, no piano politico, a obra da reconquista. No pr6prio
s'culo VIII, Pelayo tomou a iniciativa de reunir os remanescentes das forcas
visigodas dispersas pelo invasor, formando o nfcleo da reconquista nas As-
t~rias.
O sistema de combat dos crist5os foi, na primeira fase, o de guerrillas,
pois nao podiam fazer face ao inimigo mais poderoso. Depois de cada incur-
slo, refugiavam-se nas montanhas. Esta resistencia, que tinha de ser, pela
f6rga das circunstAncias, descentralizada, contribuiu para a formag~o de
pequenos estados crist5os independents, cada qual cor seu chefe, misto de
guerreiro e aventureiro medieval.
Passado este period de luta ca6tica, reapareceu a tend6ncia unifi-
cadora 1que sempre caracterizara a peninsula. A preponderAncia de Castela
s6bre os estados ib6ricos, em constant guerra, foi se delineando aos poucos.
Portugal foi uma exced8o a essa regra, nao tanto por raz6es de ordem
econ6mica ou etnol6gica, mas, em conseqii&ncia da nova orientagio political
do pais ao tempo da dinastia de Avis (1385-1580). Esta nova diretriz de
expansao maritima obedeceu a influencias geogrAficas e a causes political
apontadas por Oliveira Martins (Hist6ria de Portugal, volume I).
Alfonso VI, poderoso rei de Castela, Leao e Galiza doou a Raimundo de
Borgonha, casado com sua filha legitima, a Galiza e destacou desta uma region,
elevada a condado para Henrique marido de sua filha ilegitima, D. Tereza.
O empenho dos primeiros condes, depois reis, era o de anexar a Galiza,
continuaCgo natural das terras portuguesas. A fim de realizar este intent,
D. Henrique se aliou A D. Urraca, herdeira do reino de Leao, prestando-lhe
auxilios na guerra que sustentou com seu marido, rei de Aragao. Obteve Tuy,
Orense e outras comarcas que sua viuva e sucessora no condado, D. Tereza,
nao conseguiu conservar. Alfonso VII, coroado rei, pacific'ou o reino de Leao
e recuperou regimes perdidas, vencendo Aragao e derrotando as f6rcas portu-
guesas. Confirmou, por6m, o condado, coucedendo o titulo de rainha a Dona
Tereza.
Afonso Henriques (1100-1105), desembaragado das litas internal que
punham em perigo a monarquia, orientou sua atividade para a conquista da
Galiza. Surgiu nesta 6poca uma oportunidade tentadora para os portugueses
realizarem sua ambigio. Os nobres da Galiza, sublevados contra o rei leones,
pcdiram auxilio a Afonso Henriques. Alfonso VII, por6m, submeteu energi-
camente os seus sfditos e, simultAneamente, os Arabes atacaram o condado
portucalense pelo sul. Afonso Henriques viu-se obrigado a assinar as pazes
de Tuy (1137) em que renunciou As suas pretensoes no al6m Minho. Com-
pensou esta derrota com a famosa vit6ria de Ourique s6bre os mouros (1139).
A partir desta data, a political portuguesa comegou a desinteressar-se da Galiza
e a se dirigir para a conquista do Algharb Sarraceno.
Afonso Henriques foi avancando pela regilo entire Mondego e Tejo, e cor
o auxilio decisive dos cruzados ingleses e franceses terminou por se apoderar
de Lisboa (1143-47), ponto de grande importAncia para o dominio do Alentejo.
Entrou ainda duas vezes em conflito com o rei Fernando II de Leio; uma vez,








ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMARICAS


numa derradeira tentative malograda de invasfo da Galiza, ontra, em Badajoz
(1169), que pretendeu anexar, apesar do Walli desta cidade jA ter prestado
vassalagem ao rei leones..
Nao obstante estas derrotas, conseguiu ampliar muito os seus dominios A
custa dos territ6rios Arabes, e obteve o reconhecimento da independencia do
condado, pelo Papa, libertando-se assim da tutela de Leao.
Sancho I (1154-1211) iniciou a conquista do Algharb prbpriamente dito.
Auxiliado pelos cruzados que estavam em Portugal de passage para a Terra
Santa, tomou a praca forte de Silves. O seu reinado foi perturbado pelas lutas
e reivindicag6es dos nobres, aos quais foi fazendo concess6es exageradas.
O seu successor, Afonso II (1185-1223), viu-se a bracos cor a rebeldia
dos nobres e cor as exig&ncias do clero, que pretendia ser independent da
monarquia. Apesar da situacgo internal dificil, o rei portugues tomou parte,
junto As outras nag6es cristis, na batalha de Navas de Tolosa (1212), contra
os mouros, fato que revelava a importAncia adquirida pelo pequeno condado
ia vida peninsular.
Sancho II (1209-1248) renovou as tradig6es guerreiras de Afonso Henri-
ques, conquistando no Algarve: Elvas, Serpa, Mertola, Moura, Aiamonte, Tavira
e Caila. Nao poude completar o dominio nesta regiao, por ter sido destronado
pelo irmio, Afonso III, apoiado por uma faccAo dos nobres, pelo clero e pela
Franga (1249).
O reinado do usurpador foi uma 6poca de crise, pois o pais estava arrui-
nado pela guerra civil. Nao podia cumprir as promessas que fizera ao Papa,
nem satisfazer as ambig6es dos nobres que o apoiaram. D. Dinis (1261-1325)
se celebrizou pela sua political sAbia e apaziguadora, promovendo o desenvol-
vimento econ6mico e cultural da nafio.
Sucedeu-lhe Afonso IV (1291-1357), cujo filho, Pedro I, o cru, se dedicou
principalmente a quest5es de ordem internal, em mat6ria de justica e das rela-
c5es sempre delicadas com a Igreja.
Fernando I (1345-1383) associava a uma grande incapacidade military am-
biciosos pianos politicos. Estando a reconquista do territ6rio Arabe quase
terminada, as suas vistas se voltaram para os vizinhos. Nesta 6poca Castela
se debatia numa grave crise, provocada pela guerra movida por Enrique de
Trastamara contra o rei seu irmao.
Fernando I aliou-se ao usurpador e, depois da vit6ria d&ste, pretendeu con-
quistar Castela, apoiando-se na faccio fiel ao rei, que f6ra derrotada, em Ara-
gio e Granada. Foi vencido.
Pouco depois tentou desforrar-se. Tendo os seus territ6rios invadidos,
assinou a paz, mas continuou a fazer negociacges secrets com a Inglaterra,
contra Castela, o que provocou nova guerra e nova derrota portuguesa (1381).
Desprestigiado pelos fracassos militares e pelo escandaloso casamento com Dona
Leonor Teles, deixou a monarquia em situagio insegura, agravada pela sua
morte sem descend&ncia direta masculina.
Foi o fim da dinastia de Borgonha. O auxilio prestado aos castelhanos
por D. Joao e D. Dinis, descendentes de D. Ines de Castro, excluia as possi-









EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


hilidades de exito d&stes pretendentes. D. Juan I, rei de Castela, casado cor
D. Bdatriz, filha de Fernando I, era odiado por ser estrangeiro.
Surgiu como inico protetor da integridade national D. JoAo, o mestre
de Avis.
Durante toda a 6poca da dinastia de Borgonha (1109-1385), Portugal este-
ve envolvido nos conflitos peninsulares, primeiro, cor Ledo pqr causa da
disputada posse da Galiza, depois, com Castela.
Era, por6m, impossivel a esta nacio nova competir com reinos de forma-
45o anterior, mais extensos e ricos, como Castela e Leio, e por isso suas guer-
ras cor os vizinhos, ou suas disputes na delimitagao das zonas conquistadas
aos mouros, s6 podiam obter resultados negatives. Este fator de ordem poli-
tica, que dificultava a expans5o portuguesa para o interior da peninsula, e o
fator geografico da sua posicAo no extreme da Europa, possuindo uma costa
voltada para o mar desconhecido, contribuiram para orientar a energia do povo
na conquista de terras ultramarinas. Coube aos fundadores da dinastia de
Avis (1385-1433) a gl6ria de terem sido os realizadores desta empresa mari-
tima, que assegurava a independ&ncia. de Portugal, desligando-o do Ambito dos
interesses peninsulares.
As descobertas lusitanas tiveram um objetivo definido: o mercado asiatico.
Obedeceram a um plano cientifico. O infante D. Henrique formou em Sagres
tim centro de estudos nauticos. Aperfeigoou-se a construgao das embarcac6es,
claboraram-se mapas, formaram-se navegantes. As descobertas foram se suce-
dendo com regularidade ao long da costa africana, que se procurava nunca
perder de vista.
Portugal iniciava a conquista da America possuindo uma larga experien-
cia da arte de navegageo e habituado ao sistema de dominio military commercial
da costa africana e da India.



A hist6ria castelhana, que procuramos analisar em seguida, nAo parecia
destinar esta nag~o a conquista e colonizacgo do Novo Mundo. Os fatos leva-
ram-nos a crer que foram fat6res externos a vida peninsular que a desviaram do
curso natural de sua evolug5o.
A media que o pequeno nicleo da reconquista das Ast6rias foi se desen-
volvendo, os novos territ6rios se fragmentaram em pequenos estados aut6no-
mos, devido as dificuldades de comunicacio, ao espirito de independ&ncia dos
nobres visigodos, a falta de organizacio desse estado primitive, ao sistema
de guerrillas da fase inicial, etc.
A cada progress da ieconquista correspondia a formacio de um pequeno
pals. Assim surgiu LeSo, em meados do s6culo X, e d&ste se separou Castela,
por iniciativa do conde FernAn Gonzalez, que exercia hegemonia s6bre os
nobres da region.
A independ&ncia reconhecida em 1032 foi pouco duradoura.
Navarra, que comecara a adquirir importancia a partir do reinado de
Sancho Garcez (905-925), anexou a jovem na io. AliAs, aquele estado ib6rico








ADMINISTRAA0 COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


chegou a desempenhar, no s6culo XI, papel preponderante na hist6ria penin-
sular.
O rei navarro Sancho, o Maior, possuia extensos dominios: Castela, uma
parte de Ledo e territ6rios alem dos Pirineus, na zona Vasco-francesa. De
ac6rdo corn a tradigio goda, o reino devia ser partilhado entire os filhos, o
que foi a causa freqiiente de in6meras guerras civis.
Na divisao da heranca de Sancho, o Maior (1035), Navarra foi muito pre-
judicada. A partir desta data, suas possibilidades de lideranva na hist6ria
iberica ficaram diminuidas. A political de Navarra oscilou entire aliancas com
Aragao ou cor Castela, atW que a Franca passou a exercer uma grande influen-
cia (1234) s6bre aquela nacio.
As families nobres francesas de Champagne, Evreux, Foix, unidas por
lacos matrimoniais A casa de Navarra, reinaram neste pais, com excecio de
breve period de dominio arogones.'
A Marca HispAnica, antiga possess5o do rei frances, conseguiu se libertar
da tutela estrangeira, por iniciativa do conde Borrel II (940-992), de Barce-
lona, dando origem A formac5o do principado de Catalunha corn territ6rios
aqu6m e alem dos Pirineus. Condados de Tolosa, Carcasona, Manerbes, Nar-
bona, Sabert e Foix, aumentados depois corn a.conquista da Sardenha e da
Provenca.
O casamento do conde de Barcelona cor a princess herdeira de Arag5o
(1137) poderia ter integrado a Catalunha na peninsula. No entanto, as cons-
lantes ameagas francesas, que culminaram com a invasio de Simon de Monfort,
sob pretexto de abolir a heresia albigense, levaram nao s6 Catalunha como
Arag5o a freqiientes guerras no sul da FranVa.
O rei de Aragio, apesar de ter sido obrigado a ceder os seus territ6rios
franceses a Simon de Monfort, em 1213, tornou a entrar em conflito cor nste
pais por causa de rivalidades na ItAlia, que analisaremos na parte referente
a hist6ria de AragAo.
Enquanto os novos estados ibhricos foram se constituindo, Leao foi per-
dendo, a partir do seculo X, a hegemonia que exercera de inicio s6bre os povos
cristlos. Diversas causes contribuiram para o enfraquecimento do reino leo-
nes, entire elas as mais importantes foram as disc6rdias por questoes dinAsti-
cas, que coincidiram cor um renascimento do poderio muculmano.
AbderramAn (califa de C6rdoba) conseguiu recuperar as regimes conquis-
ladas por Leio e obteve a submiss'o de Sancho I. Almanzor consolidou em
diversas campanhas as vit6rias anteriores.
O reino de Leio passou para segundo piano, caindo, por fim, na 6rbita
de influencia de Castela.
O aparecimento do reino do Aragao correspondeu A queda do Califado
de C6rdoba (1035) e, portanto, a um progress decisive da reconquista.
Em pouco tempo AragAo' se tornou poderoso rival de Castela. Ampliou
seus dominios A custa dos Arabes. As suas conquistas atingiram tais propor-
vees que foi necessirio celebrar um tratado (Cazorla 1179) delimitando as
Areas de influencia de Castela e Aragio, a fim de evitar a guerra.









EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


As mais importantes vit6rias aragonesas foram, por6m, ao tempo de
Jaime I. Este rei anexou Maiorca (1229), Minorca (1232), incorporando, por
fim, todas as Baleares. Na peninsula, submeteu a cidade de Valenea e o sul
desta regiao, limitrofe cor o reino de Mircia, ambicionado por Castela. Tor-
nou-se de novo imprescindivel dividir as conquistas das duas naces. Pelo
tratado de Almizra (1244) ficou estabelecido que Valenga pertenceria s6 a
AragLo e Mlrcia A Castela. Esta, desistindo de reivindicar seus direitos basea-
dos na primasia da conquista do Cid, aquele, entregando M6rcia ao rei caste-
lhano Fernando III, apesar da prioridade de sua invasao.
A avancada das f6rcas cristis reduzira os dominios muculmanos ao reino
de Granada e alguns territBrios em Huelva, onde logo rebentou a sublevacAo
contra a soberania almohade.
O s6culo XIII (1244) marcou o trrmino da obra de reconquista por part
de Aragio. Fato este que ficou bem evidenciado pela recusa dos catalies em
obedecer a ordem de seu rei Jaime I, de participarem na expedicao de
Afonso X (1273) contra os mouros, alegando que nao Ihes interessava servir
em beneficio do rei castelhano.
A partir dessa epoca a political aragonesa se orientou para fora da penin-
sula. Primeiro, na Franga, devido as possesses da Casa Condal de Barcelona,
no sul d&ste pais, a que ji nos referimos, depois, na Italia.
O tratado de Corbeil, pelo qual Luiz IX renunciou aos seus direitos a
Marca Hispanica e Jaime I aos seus nos condados de Foix, Languedoc, exce-
tuando Narbona, terminou a rivalidade dos dois paises na fronteira dos Piri-
neus.
Os reinados dos sucessores de Jaime I: Pedro III, Afonso III e Pedro IV,
foram absorvidos pelos problems internos, sublevag~es em Aragi~o, Valenca,
dos nobres aliados aos Municipios.
Datava do reinado de Pedro III um fato de grande transcendencia para
a vida future de Aragao: o casamento deste rei corn a filha do rei da Sicilia,
que deu origem as reivindicac6es dos aragoneses A posse desta regiao e do sul
da ItAlia.
Charles de Anjou, apoiado pelo Papa, conquistou a Sicilia e Napoles, do
sogro de Pedro III. Arago6, em defesa de seus interesses, entrou em guerra
cor o rei de Franca, vencendo-o, em 1284, e readquirind'o NApoles e Sicilia.
A casa de Valois renovou as tentativas de dominio nestas, regi6es, sem
sucesso.
Formou-se, entio, um reino independent de Sicilia, que coube a um rano
da familiar real aragonesa (1302). Terminada esta guerra, o rei encaminhou
a atividade guerreira dos cavaleiros aragoneses para empresas no oriented.
Primeiro, na defess de Constantinopla contra os turcos, depois, em Atenas,
onde fundaram o ducado siciliano de Atenas, que durou atW 1387 ou 88.
Os principals acontecimentos politicos do reinado de Pedro IV foram a
anexa4co de Maiorca, Minorca, Ibiza e Rosell6n (de 1343 a 1344) extinguindo
um ramo independent da monarquia aragonesa. A conquista definitive da
Sardenha, com o auxilio de Veneza.








ADMINISTRAg~O COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Nem um fato de importAncia political ocorreu nos reinados seguintes de
Jaime I (1387-1395) e Martin I (1396-1409), a nao ser a reunigo de Sicilia a
AragLo. Ap6s a morte deste rei a monarquia aragonesa passou por uima crise;
a guerra entire dois pretendentes (Fernando de Antequera e o Conde de Urgel)
que as c6rtes catalds tentaram evitar propondo uma solucAo pacifica: a esco-
lha do rei por uma comissAo eleita pelas c6rtes.
Fernando I conseguiu veneer o seu rival que nao quis se conformar com
o resultado, desfavorAvel para 6le, da votagSo. Nio poude, por6m, dilatar os
seus dominios por estar constantemente preocupado cor as quest6es internal.
O reinado de seu filho e successor, Afonso V, foi especialmente brilhante.
NApoles foi reconquistada ap6s uma guerra, com alternatives de sucesso e
fracasso, porque a rainha napolitana fazia promessas de sucessio no reino
aos dois rivals, Franga e Aragio, para salvar sua independ6ncia.
Afonso V, seduzido pelos ideas renascentistas, ficou residindo em NApo-
les, numa das c6rtes mais faustosas da 6poca.
O prestigio de Aragao ainda crcsceu cor o casamento do irmao 'do rei
d&ste pais com a filha do de Navarra.
Afonso, ao morrer, distribuiu seus estados, dando a um filho natural o
reino de NApoles, o de Aragao e Maiorca, com as ilhas de Sicilia e Sardenha,
ao seu irmao, Juan II, que ji era rei de Navarra desde 1442, quando enviuvara.
Os primeiros anos do reinado de Juan II foram perturbados pelo con-
flito com o filho, que se agravou cor a intervengio dos catalaes, ap'oiados
pelos franceses.
Navarra readquiriu independ&ncia, sofrendo, a partir dessa 6poca, influnn-
cia francesa.
D. Juan II morreu em 1479, sucedendo-lhe no trono de Araga'o, Catalunha,
Valenga e Maiorca seu filho Fernando que, ao desposar Isabel de Castela, ia
reunir as coroas das duas nacqes maisimportantes da peninsula.
Acabamos, pois, aqui, de resumir, esquematicamente, a reconquista cristi
e a formaC5o dos estados ibericos, excetuando Castela.
Observamos como a tend&ncia unificadora foi reaparecendo apesar das
guerras entire as. nages peninsulares. Mostramos como estes paises periferi-
cos, e por isso envolvidos em conflitos corn vizinhos no exterior, perderam a
lideranca do movimento unificador que coube A Castela.
Portugal orientou suas energies para as conquistas ultramarinas. Navarra
deixou-se dominar pelos poderosos vizinhos, os franceses. A Catalunha, liber-
tada por um moment da tutela francesa caiu no dominio de Aragao que a
arrastou a novas guerras. Este reino tendo suas possibilidades de conquista
em territ6rio mouro limitadas, procurou satisfazer suas ambicSes expansio-
nistas en expedig~es no exterior. Ledo, enfraquecido pelas dissenc6es inter-
nas e pelos ataques Arabes, foi absorvido fAcilmente por Castela.
Resumindo o hist6rico do process de unificapio da peninsula, procura-
mos demonstrar como os reinos cristdos rivals de Castela nio alcancaram .
hegemonia que esta nagio estava destinada a exercer s6bre os povos ibericos.
Castela era uma regido rica situada ao centro da peninsula. Na 6poca da
reconquista, em que o estado de guerra era constant, tinha de se expandir A
custa dos vizinhos, estados cristaos e muculmanos, ou ento' sucumbir.








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


No primeiro quartel do s6culo XI, existiam na peninsula os reinos de Leao
(compreendendo Galiza e Astirias), Castela, Navarra e Aragao, Senhorios de
Sobrarbe e Ribagorza. Nesta 6poca Castela ainda figurava como nacgo de
segunda categoria. DWste s6culo ao XIII a reconquista crista progrediu mais
rApidamente. Fundiram-se os vArios centros politicos constituidos a partir
do seculo VIII, formando-se duas grandes unidades: reino de Leio e Castela,
corn duas regiSes-vascongadas: reino de Aragao, cor Catalunha e o pequeno
reino de Navarra.
Castela, depois de sua efemera exist&ncia como naCao independent,
readquiriu autonomia na partilha da heranca de Sancho, o Maior (1035), quando
foi dada a seu filho, Fernando. Este se aproveitou do desmembramento do
Califado de C6rdova para ampliar seus territ6rios. Anexou o reino de Leao,
o que representava um grande aumento de riquezas e poderio. Conseguiu
imp6r aos reis de Taifas, em que se fragmentara o Califado, o pagamento de
um tribute. Ao morrer cometeu o 6rro de dividir seus dominios em tres par-
tes: Castela, Leio e Galiza, uma para cada filho. Um deles, por6m, Alfonso
VI, submeteu os irmlos e rivals, ,unificando o reino.
Tendo vencido a crise internal da guerra civil, langou-se contra os mouros,
conquistando Toledo (1085), pra;a forte de grande importAncia estrategica
para dominar a linha do Tejo. Ao morrer Alfonso VI (1109), houve uma fase
de disputes entire os diversos pretendentes, como sempre sucedeu, atW se esta-
belecer lei rigida para a sucessao.
A herdeira de Ledo, D. Urraca, entrou em conflito com o segundo marido
lfonso I de Aragao que conquistara quase t6da Castela e Leio. O filho do
primeiro matrim6nio de D. Urraca, Alfonso VII, foi coroado rei da Galiza em
1111, e, unido A mae, recuperou as terras perdidas. Animado pelo sucesso
de suas armas procurou anexar Aragao, sem resultado.
A anarquia tornou a reinar desde a morte de Alfonso VII ate que, Alfonso
VIII, seu neto, assumiu o governo.
O fato mais notavel dOste reinado foi a cruzada empreendida, com o auxi-
lio dos outros estados cristAos, contra os Arabes, a fim de evitar a invasa'o da
peninsula pelos almohades.
O reino de Leao, reduzido aos seus primitives dominios (Asturias, Galiza
e Extremaduras), gozou de um period de independ&ncia efemera que corres-
pondeu aos reinados de Fernando II e Alfonso IX. Este filtimo tomou a ini-
ciativa de um movimento de aproximacgo, casando-se com a filha do rei de
Castela, Alfonso VIII (1197).
Fernando III, filho de ambos, foi finalmente, reconhecido como rei de
Castela e Leao, depois de uma s6rie de conflitos politicos entire seus pais.
Fernando III se celebrizou por seus combates aos mugulmanos, que foram
decisivos. A conquista de C6rdova (1236) e Sevilha (1248) assegurou-lhe a
posse do norte e oeste da Andalizia. Estes brilhantes feitos darmas nao foram
aproveitados pelos sucessores imediatos de Fernando III, para consumer a
reconquista cristA, porque os nobres, defensores dos ideals separatists me-
dievais, entraram em conflito com a political monArquica, cada vez mais uni-
ficadora e disciplinadora.








ADMINISTRAgO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


A guerra contra os mouros foi quase abandonada do s6culo XIII ao com6go
.do XVI, quando a monarquia absolute triunfante, conquistou o reino de Gra-
nada.
Alfonso X, o SAbio, filho de Fernando III e de Beatriz da SuAbia, teve um
gov6rno bem representative da 6poca. Os nobres, sob pretexto de abuso de
autoridade por parte do monarca, obrigaram-no a desistir de aceitar o titulo
-de imperaqor da Alemanha, a que pretendera pelos seus direitos por linha
materna A SuAbia. Esta ambigco mostrou a importAncia adquirida por Cas-
tela na political europ6ia. 0 grau de adiantamento cultural de Castela ficou
patente na codificap5o das leis e costumes do reino, sob a diregao do rei, corn
o titulo de Leis das "Siete Partidas". Um dos problems abordados nesta
legislacAo era o da sucessio A coroa, estabelecendo o principio do direito civil
romano, de heranca do pai para o filho primog6nito e d6ste para os seus
filhos.
No entanto, o fim do reinado de Alfonso X foi perturbado pela guerra civil
por causa da posse da coroa, em que se envolveu Aragio. Vencendo, final-
rmente, Sancho IV, conseguiu pacificar o reino. Entrou em acBrdo cor Ara-
g5o na divisdo dos stores de influencia de cada um dos paises no norte da
Africa, cabendo A Castela a regiSo de Tarifa (1292), posicio chave para inva-
sao da peninsula pelos mugulmanos da Africa.
A periods de anarquia durante a minoridade dos dois sucessores ime-
idiatos de Alfonso X, Fernando IV e Alfonso XI (1312-1350), sucederam-se
fases de absolutismo monarquico e empresas guerreiras durante a maioridade
d6stes reis. Conquista de Gibraltar e guerra com Aragao, Portugal, Granada e
Franca no. primeird dos dois reinados, e ataques aos Arabes na Espanha e
Africa, no segundo.
De 1350 a 1474 as guerras civis dinAsticas e com os nobres recrudesceram
agravadas pelas intervenc6es das nag6es vizinhas.
Pedro, filho de Alfonso XI, teve um breve reinado, sendo assassinado por
seu irmao bastardo e rival, Enrique de Trastamara. Este teve de imp6r mili-
larmente a Portugal, Navarra, Aragao, Inglaterra e Granada o reconhecimento
de sua soberania illegal. Foi obrigado a fazer grandes concess5es aos nobres
a fim de apaziguA-los. O successor, Juan I (1379-1390), filho de Enrique, con-
seguiu reconciliar as duas families, casando o seu filho e herdeiro Enrique
com a neta de Pedro I.
Os nobres, mais ousados depois dos privil6gios que tinham obtido, pro-
vocaram conflitos constantes durante a minoridade de Enrique III e o reinado
de Juan II (1406-1454), culminando com a deposicao de Enrique IV (1454-
-1474). A partir de entdo reinou sua irmi Isabel, destinada a tornar vitoriosa
a monarquia absolute, a promover a uniAo das coroas de Aragio e Castela,
pelo seu matrim6nio cor Fernando II, herdeiro daquele reino, a destruir o
ltimo reduto do poderio Arabe e a,empreender a descoberta e conquista do
Novo Mundo.
Dos fatos acima numerados os trWs primeiros foram uma conseqfiencia
16gica da hist6ria castelhana que acabamos de resumir esquemAticamente.
O filtimo estava completamente fora das tradig6es castelhanas. O natural seria








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


que, terminada a reconquista e unificagio da peninsula, Castela voltasse suas
vistas para a political europ6ia. Alias os seus inter6sses na Europa iriam,
mais tarde, prejudicar a colonizagao das Americas.
Castela, pela posicio que ocupava, pelas guerras que tivera de sustentar
cor os vizinhos e com os Arabes, nao pudera se dedicar As empresas mari-
timas.
Os pr6prios aragoneses, galegos, vascos e maiorquinos, que foram povos
navegantes, nao tiveram oportunidade, exceto os uiltimos, de se expandir no
Atlantico, devido a barreira que lhes opunham os Arabes. Portanto, a sua
experiencia nao se filia A iniciativa de Col6n, nem mesmo As expedigfes orga-
nizadas nas Baleares, porque foram abandonadas por largo tempo.
A proposta de Col6n, abriu novas perspectives A Castela; foi uma empresa
temerAria em que 6ste pais se langou, seduzido pelas riquezas orientais e pelo
exemplo de Portugal.
Qualquer que seja o m6rito atribuido aos primitives navegantes espanh6is,
as suas viagens nunca tiveram o vulto, a orientacao e o seguimento das portu-
guesas no AtlAntico, e, principalmente, nao desempenharam papel tao impor-
tante para a hist6ria do seu pais. Portugal, a tal ponto se identificara com
suas conquistas ultramarinas que o seu prestigio como nacgo e atW sua pr6pria
independ&ncia estiveram subordinadas a elas.

CAPITULO II

ANTECEDENTES DE PORTUGAL E CASTELA COMO NA(OES
COLONIZADORAS

A) Do ponto de vista econdmico.

No capitulo precedent procuramos dar uma ideia da situacao de Castela
e Portugal, ao iniciarem as suas descobertas ultramarinas.
Vimos como Portugal, de pais agricola, passou A nagdo de tradicio ma-
ritima, desenvolvendo lentamente um piano de dominion commercial do Oriente,
no qual a descoberta do Brasil nio se enquadrava por nio oferecer possibili-
dades apreciAveis de explorag5o mercantil imediata. Portugal naio ia se afa-s
tar do seu objetivo, depois de tantos anos de luta, para colonizar uma regiiio
a que atribuiu pequena importAncia. Limitou-se tao sbmente a fazer o reco-
nhecimento da costa e afastar a cobica das outras nac6es que pretendiam
disputar-lhe a terra rec6m descoberta.
Quando as noticias das riquezas encontradas pelos espanh6is na Ambrica,
o perigo dos, corsArios e o declinio do poderio portugues na India levaram
D. Joao III a tomar posse definitva do Brasil, Portugal jA tinha um passado
como naeAo colonizadora, nas ilhas do AtlAntico (Agores, Madeira, Cabo Ver-
de), na Africa e na Asia.
Os exemplos da Africa e da Asia de pouco serviram a Portugal, na ocupa-
cio da nova col6nia. Naquelas regi6es os territ6rios conquistados eram povoa-
dos e existia uma civilizacao aut6ctone, indistria e produtos de exportagio.







ADMINISTRAVAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMARICAS


Portugal criou um sistema de feitorias, defendidas por uma bem organizada
f6rca naval-militar, e baseado num regime de monop6lio commercial, para o
aproveitamento destas regi6es em beneficio da metr6pole. Em algumas zonas
introduziu o cultivo de generos destinados a exportagco, por6m, geralmente se
limitou ao estabelecimento de feitorias.
AliAs, alum destas raz6es de ordem econ6mica provenientes das condi-
Soes encontradas na Africa e Asia, havia outras na metr6pole, a pobreza do
pais e escassez da populacio, que impediam a realizagIo de uma verdadeira
colonizag~o, em tao vastos dominios.
D. Joao I comegara a reinar em condicges econ6micas deplorAveis. O
pais, jA empobrecido pelas guerras de D. Fernando, ainda f6ra devastado
pela revolugao que puzera no trono a dinastia de Avis. Vira-se obrigado a
emitir duas vezes seguidas, a fim de fazer face aos gastos, 6 para financial
a conquista e depois manutencAo de Ceuta. Essa desvalorizaeao da moeda
causava grandes transtornos, como o empobrecimento do povo e do gov&rno.
A coroa monopolizava a compra e venda das peas de ouro estrangeiras e
nacionais e das barras de prata, que se realizavam nas suas duas casas de cam-
bio, de Lisboa e do P6rto.
Os sucessores imediatos do fundador da dinastia, D. Duarte, D. Afonso V,
D. Joao II, D. Manoel, seguiram a mesma political a fim de compensar os
"deficits" da balanga orgamentAria. Como a nacao coritinuava ameacada de
insolvencia, os reis comegaram a lancar impostos.
As sisas, votadas em carAter transit6rio, nas Cortes, para a defesa do ter-
rit6rio, ameagado por Castela, tornaram-se permanentes, constituindo, no rei-
nado de D. Joao I, o principal rendimento da coroa. D. Duarte, e princi-
palmente D. Afonso V, empenhados nas guerras improficuas no norte d'Afri-
ca, pediram novas contribuig6es As C6rtes. Em 1478 a nagao teve de se sujei-
tar a exacges fiscais extraordinArias destinadas As fortificag6es, depois da
derrota de Toro. Apesar destes expedientes, em 1477, houve "deficit". A
situagao financeira precAria da nagAo ao iniciar a descoberta da Africa, expli-.
cava, atW certo ponto, o extraordinArio impeto expansionista portugues, pois
deviam ser especialmente atraentes para um povo nessas condic6es, as pers-
pectivas das riquezas orientais, abertas pelo genio empreendedor do Infante.
No seguinte trecho, Oliveira Martins destacou a rapidez com que se pro-
cessaram as conquistas lusitanas e a constituicao de um extenso imperio ultra-
viarino (O Brasil e as col6nias Portuguesas, pAg. 1):
"Na primeira metade do s6culo XV a Africa ocidental 6 reconhecida, pela
costa, at6 A serra Leoa, e sAo descobertas as ilhas do AtlAntico; na segunda
metade aparece o arquip6lago de Cabo Verde, as ilhas do golfo de GuinB, e
completa-se a explora io da costa ocidental atW ao Cabo, e dai a da costa
oriental, na viagem de Vasco da Gama a Kalikodu (1497-1498)".
Em 1454 o papa Nicolau V dava a Portugal o senhorio e dominio s6bre as
,descobertas na Africa. A costa baixa, muitas vezes pantanosa e de clima tro-
pical dsste continent, era desfavorAvel A fixagao dos portugueses, que que-
riam chegar A India, e consideravam as outras regi6es corn meras etapas desta
longinqua viagem.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Comecaram a resgatar dos negros ouro, marfim, course. gnma arabica, que
Holes Ihes vinham oferecer, e aos poucos foram se substituindo aos b6rberes
neste com6rcio. O melhor artigo era, por6m, o escravo negro.
A coroa, logo monopolizou o trAfego lucrative da Guin6, cedendo ao Infante
os beneficios. Estes consistiam no quinto das press e no dizimo das mer-
cadorias, e no privil6gio de exclusividade da navegagao al6m do Cabo Bojador.
A pr6spera feitoria de Arguim logo comevou a atrair os pirates, sendo pre-
ciso fortificA-la em 1461. Em 1469 foi adotado novo regime. Fez-se um con-
trato por cinco anos com Fernao Gomes, concedendo-lhe o com6rcio na Afri-
ca, excluindo Arguim, sob condigco de pagar A coroa a renda annual de 100.000
reais e de descobrir cada ano mais cem lguas da costa alem da Serra Leoa.
Em cumprimento desta clAusula os navegantes descobriram a Mina, onde se
localizou uma feitoria, depois forte de Sio Jorge da Mina em 1481. No--novo
contrato jA se incluia a zona de Arguim. Findo 6ste, o monop6lio passou A
coroa, que decidiu dar liberdade aos armadores e comerciantes portugueses
de negociarem, contanto que pagassem dez por cento, depois cinco por cento,
e, por fim, o quinto do ouro.
A16m desta renda, a Fazenda Real auferia os beneficios da exportaco para
,a Europa dos produtos importados da Africa, como a malagueta, muito pro-
curada no mercado de Flandres. Este comercio deu origem A Casa da Guine,
em Lagos, depois transferida para Lisboa, com o novo titulo de Casa da Mina.
Com o correr dos tempos os lucros decresceram. Os pirates ingl6ses e fran-
ceses, e atW os armadores portugueses de Cabo Verde e das outras ilhas do
.AtlAntico, que necessitavam de bragos para a lavoura do acgicar, contraban-
deavam os escravos negros. O ouro rudimentarmente explorado pelos nati-
vos comecou a escassear. As feitorias e fortes criados ao long da costa,
passada a fase de prosperidade inicial, foram sendo considerados como pontos
de parada da carreira da India, objetivo que absorvia todos os esforcos da
nagao.
A ocuparco da Africa oriental ficou na depend&ncia do dominio na India.
Era indispensAvel a conquista daquela regiao para assegurar a navegagco
entire Portugal e o Oriente.
Em 1505 foi criada a Capitania de Sofala e em 1508 a fortaleza de MoCam-
bique. Novos focos de povoagdo apareceram mais tarde; presidios de Sena
e Tete, feitorias de Inhambane, Lourengo Marques e Quelimane (esta iltima
em 1544). Predominaram, portanto, de inicio, as col6nias de origem military
defensive.
D. Joao II procurara recolher o maior numero possivel de informag6es
s6bre a Asia e Africa, mandando emissArios por terra em busca do Preste Joao
a fim de organizer uma expedicio ao oriented, por6m, coube ao seu successor,
D. Manoel, a gl6ria de realizA-la. Confiou o comando a Vasco da Gamna.
Passado o Cabo da Boa Esperanca, o aspect das povoag5es litorAneas da
costa oriental africana se modificou, pois se viam objetos de luxo trazidos da
India pelos irabes. A primeira destas localidades encontradas por Vasco
da Gama foi Queliniane, e, em seguida, Melinde. Dai cruzou o oceano indico
para chegar a Calecut (Kalikodu), ntaior emp6rio commercial da costa do
Malabar.







ADMINISTBAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


A attitude de Vasco da Gama foi ditada pelas circunstAncias. Dispondo
de quatro pequenas embarcac6es, s6 poderia pretender agir como embaixador
do rei de Portugal junto a c6rte do raja do reino de Kanara, cuja capital era
Kalikodu. O seu ac6rdo diplomAtico com o Samudri -, raja conhecido
depois como Samorin -, falhou devido as intrigas dos mouros e de seus
aliados (persas, etiopes, turcomanos, afghans) englobados pelos portugueses
naquela designacgo geral. Os portugueses iriam se defrontar cor nstes rivals
em toda a peninsula, do Indo ao Ganges, e na Africa Oriental, de Adal a Mono-
motapa, e atW nas Molucas.
Vasco da Gama foi obrigado a se refugiar em Angediva, donde regressou
a pAtria. A viagem, foi, por6m, comercialmente, um sucesso. A pimenta
embarcada na India alcancou o preco excepcional de 80 cruzados o quintal.
A expedicio seguinte, comandada por Pedro Alvares Cabral (1500), jA
ia bem aparelhada para sua miss5o diplomAtica-nmilitar. Compunha-se de
treze naus e de uma tripulacgo de 1.200 homes. F6ra organizada cor a
pompa necessAria para impressionar os indigenas. Levava carta de D. Ma-
noel escrita em arAbigo para o Samorin.
Diante da superioridade b6lica do inimigo, o raja de Calecut preferiu
recorrer a astfcia. Concede a Cabral o direito de fundar uma feitoria, per-
mitindo, ocultamente aos arabes, que massacrassem ds portugueses deixados
em terra, a fim de se eximir da responsabilidade do ataque. Waste ardil nto
evitou as represAlias: incendio da cidade, execucges em massa, etc. Nova
feitoria 6 fundada em Cochim (Katchi), pequeno reino que se aproveitou do
prestigio dos novos conquistadores para se libertar da vassalagem que pres-
tava ao Samorim.
Apesar de voltarem s6mente tr6s naus, pois cinco tinham naufragado e
cinco se desgarraram, a carga de pimenta e canela embarcada em Cananori
(Kananor) compensava as perdas.
Vasco da Gama voltou a India em 1502 com o objetivo de veneer Calecut,
consolidar a feitoria de Cochim e trazer nova carga. Cumprida a sua mission,
voltou cor os navios repletos de especiArias, 'deixando Vicente de Sodrb corn
parte de sua armada para defender a costa dos ataques arabes e sublevagces
indigenas.
No entanto, por causa do espirito de aproveitamento imediato que rei-
nava na India, Vicente de SodrB nio teve consciencia da importfncia da feito-
ria para o dominio portugues no Oriente. Abandonou-a para ir abordar as
naus de Meca, nas costas ,de Adal e Arabia e na embocadura do Mar Vermellio.
Se nio f6ssem os reforcos enviados de Portugal, Cochim teria sido destruida.
Ate essa 6poca a coroa ainda nio elaborara um plano de colonizagilo, nem
mesmo sob o ponto de vista econ6mico. Comegava, por6m, a se fazer sentir
a necessidade de um 6rgdo governmental para administrar e controlar um
com6rcio de tal vulto.
Nas primeiras viagens o rei permitira que os particulares participassem
no carregamento das naus da India. At* estrangeiros, como Bartolomeu Mar-
chioni, puderam armar navios. As tripulacges, os soldados, os funcionArios
civis e militares, usufruiam do chamado direito das quintaladas, ganhando







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


proporcionalmente ao capital empregado na compra das mercadorias que
podiam carregar.
0 sistema dos feitores que acompanhavam as armadas e residiam na India,
controlando a venda das mercadorias europeias e compra das asiAticas, nao
aprovou. Em 1503, quando chegava a Portugal Vasco da Gama, pensou-se em
copiar o modulo da Casa da GuinB para as novas possesses asiaticas. Os parti-
culares continuaram a ter liberdade de importar g6neros do oriented, porem
todas as.vendas se realizavam na Casa da India, que regulava a valorizac5o das
mercadorias, equilibrando a oferta e a procura, a fim de impedir o baratea-
mento excessive ou a elevacgo exagerada dos pregos. Neste sistema de con-
tr6le econ6mico, nem sempre eram adotadas as mesmas regras. Umas vezes
pagava-se aos donos dos embarques a quantia fixada, reservando-se a merca-
doria para ser vendida quando o preco f6sse mais favorAvel. Noutras vezes
entregava-se o genero aos seus proprietarios, de acordo cor a participagio
de cada um. Como eram necessArios grandes capitals para negociar na India,
freqiientemente se constituiam sociedades em que cram admitidos estrangeiros.
A grande vantage para a Fazenda Real na centralizacgo dos desembar-
ques e control das vendas, era facilitar a cobranga dos impostos, que varia-
vam conforme a 6poca, sendo, primeiro, a metade do valor do genero impor-
tado, depois, o quarto e vintena, acrescidos de cinco por cento para construgAo
do Mosteiro dos Jer6nimos, isto 6, trinta e cinco por cento, e mais um pequeno
imposto destinado ao pagamento dos oficiais da Casa da India.
Simultineamente foi precise organizer a arrecadagio dos impostos s6bre as
mercadorias importadas, principalmente dos paises n6rdicos, para o comer-
cio nas Indias. As cidades hanseaticas neerlandesas e bretas mandavam para
Portugal prata, cobre, chumbo, azougue, salitre, tecidos e atW biscoitos para
o consume nas viagens. De Castela vinham armas, alcatrAo, utensilios para
a marinha. Nos almoxarifados, verdadeiras AlfAndegas sifuadas nas frontei-
ras terrestres e maritimas, cobrava-se vinte por cento, soma da dizima e sisa.
A importAncia das vendas de especiAria no estrangeiro, e das compras,
obrigou o rei a se fazer representar nos principals mercados, como o de Antuer-
pia, por um agent commercial, o chamado feitor.
A administracao na India, pr6priamente, pouco sofreu com as transfor-
mag6es operadas na metr6pole. A principal func5o do representante do rei
continuava sendo a de fiscalizar os neg6cios da coroa.
A criagdo do vice-reinado nio correspondeu a uma mudanga na orienta-
Vio de poltica colonial, foi uma mera organizacbo sistemAtica de feitorias. O
primeiro vice-rei, D. Francisco de Almeida, definiu bem o cunho marcada-
mente commercial desta political numa carta ao rei D. Manoel, transcrita por
Oliveira Martins: "T6da ,a nossa f6rga seja no mar, dizia, desistamos de nos
apropriar da terra. As tradicSes antigas de conquista, o impprio s6bre reinos
tio distantes nIo conv6m. Destruamos estas gentes novas (os Arabes, afghans,
etiopes, turcomanos) e assentemos as velhas e naturais desta terra e costa:
depois iremos mais long. Com as nossas esquadras teremos seguro o mar
e protegidos os indigenas, em cujo nome reinaremos de fato s6bre a India; e
se o que queremos sao os produtos dela, o nosso imperio maritime assegurarA







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANIOLA NAS AMERICAS


o monop6lio portugues contra o turco e o veneziano. Imponhamos pesados
tributes, exageremos o preco das licengas (cartazes), para as naus dos mouros
navegarem nos mares da India e isso as expulsarA: as nossas armadas dario
corso aos contrabandos. Nao 6 mal de certo que tenhamos algumas fortale-
zas ao long das costas, mas sbmente para proteger as feitorias de um golpe
de mio; porque a verdadeira seguranga delas estarA na amizade dos rajas
indigenas, por n6s colocados nos seus tronos, por nossas armadas apoiados e
'defendidos. Substituamo-nos, pura e simplesmente, ao turco: e abandonemos
a id6ia de conquistas, para nao padecermos das mol6stias de Alexandre. O
que at6 agora se ter feito 6 uma anarquia e um esboco apenas: um sistema
de matangas, de piratarias e desordens, a que 6 mister p6r cobro" (Hist6ria
de Portugal, tomo I, pags. 248, 249). Os cartazes permitiam sbmente a im-
portacfio de g6neros pouco valorizados no mercado europeu como arroz, c6co,
azeite de c6co, etc.
Francisco de Almeida teve de combater em Diu f6rcas equivalentes As
suas. Os rivals dos lusitanos se organizaram para defender os indigenas e
impedir a invasao dos intrusos. Os mouros, os egipcios do soldao, auxiliados
pela artilharia veneziana e dirigidos pelos Arabes deram combat a Francisco
de Almeida em Diu, fracassando na sua tentative.
0 vice-rei, por6m, se afastou do seu objetivo estritamente commercial, t5o
bem definido na carta que escreveu a D. Manoel. Deixou-se levar pelo espi-
rito de vinganca, assolando a costa do Guzerat em represAlias pela morte do
filho. Foi por esta razao substituido no gov6rno da India por Afonso de
Albuquerque, nomeado capitao-general e governador.
Afonso de Albuquerque jA conhecia a situaggo de Portugal no Oriente ao
assumir 6ste cargo.
F6ra A India em 1503 e em 1506, desta vez sob o comando de Tristao da
Cunha que o destacara cor seis navios e quinhentos homes para dar caga
As naus no estreito. Exorbitando de sua funcao, subiu a costa arAbica pondo
c6rco a Ormuz, depois de espalhar 'o pavor pela regiio. Foi obrigado a aban-
donar esta empr6sa por causa da sublevac5o dos seus subordinados que s6 se
interessavam pelo saque.
De volta A India tomou conhecimento de sua nomeacio e comegou logo
a organizer a administration. Reconhecia a dificuldade da metr6pole dominar
efetivamente possesses tao extensas, mas tamb6m nao era possivel mant6-las
em bases tao precArias, existindo inimigos pr6ximos.
Nessa ocasiAo s6 tinham sido fundadas na India as seguintes feitorias
portuguesas: Cochim e Cananor e a de Coulao, criada por Albuquerque em
1503. Havia reinos de importancia secundAria, tributArios, como os de Cei-
]3o, Onor, Chafil.
A vit6ria de Diu assegurara uma supremacia temporAria nos mares, man-
tida a custo por duas frotas; a armada da India, que prestava servigo entire
Ceilao e o Golfo de Cambaia, e a da costa do Al6m, entire Guzerat e o Cabo
Guardafui. Eram compostas por navios em mis condic6es que nao serviam
para voltar a Europa com a preciosa carga de especiArias.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Albuquerque idealizou um piano genial de concentrar as f6rcas de que
Portugal podia disp6r nos pontos estrategicos para o domino dos mares, e,
portanto, do comercio oriental.
Era, por6m, necessArio ter uma base fixa na terra da India que f6sse mais
do que uma simples feitoria, onde as frotas pudessem se reabastecer e ser
restauradas, onde funcionasse o governo e houvesse tropas prontas para defen-
der qualquer ponto da costa atacada.
Escolheu Goa, situada a meio da costa oriental da India, numa ilha de
fAcil defesa e rica em madeiras pr6prias para a construgio naval.
Foi conquistada, perdida e reconquistada durante o ano de 1510.
SAfonso de Albuquerque na organizacio de Goa revelou sua capacidade de
colonizador. Pretendeu fixar os portugueses a terra, e, para este fim, pro-
moveu casamentos cor as nAtivas, turcas, persas, etc., dando moradia, terras,
premios, aos casais. Durante dois meses incompletos de resid&ncia de Albu-
querque em Goa, realizaram-se mais de duzentos casamentos. Ao contrario
da maioria dos capitfes portugueses, respeitou os costumes dos naturais, dando
a Tastes liberdade de escolherem os seus pr6prios magistrados. Esta cidade
teve um grande desenvolvimento. Para ai afluiam as mercadorias mesmo das
regimes mais distantes, como Mogambique, a fim de serem embarcadas para
Portugal.
Tendo assegurado a posse da costa, voltou-se para as duas empr&sas mili-
tares que iriam garantir o monop6lio portugues do comercio cor o Oriente.
Malaca e Ormuz foram os pontos visados por Albuquerque: o primeiro,
situado no extreme da peninsula da Indo-China s6bre o estreito a que dava
o nome, era um verdadeiro entreposto de intercAmbio dos produtos da India
corn os da China, Molucas e todo o Extremo Oriente. Em Ormuz, centre
commercial do ocidente, faziam-se as trocas das mercadorias indds cor as da
Arabia e da Persia, e, atrav6s de Aden, corn as do Egito.
Partiu Albuquerque em 1511 para Malaca, que conquistou no mesmo ano,
regressando a Goa com destiny a Ormuz e Aden.
Conquistados Ormuz e Malaca, fundada Goa, o dominio portugues no
Oriente atingiu o apogeu. "Supremacia no mar das indias, vassalagem das
costas desde Sofala at6 o Golfo P6rsico; desde o Indii at o cabo de Kumari
(Comorim); dai as bocas do Ganges, e, descendo pelo Arakan e pelo Pegu, at6
Malaca, cor as ilhas dispersas de Madagascar, e Sokotra, Anjediva, os arqui-
pelagos das Laquedivas (Lakha) e das Maldivas (Malaja), de Ceilfo (Sinhala)
Sumatra, Java, Bornuu e das Molucas, ate aos pontos extremes de Banda e
Ambon" ("Hist6ria de Portugal", de Oliveira Martins, tomo I, pAg. 280).
Este predominio dos lusitanos no Oriente nio podia durar. A manuten-
vgo do imp6rio exigia gastos crescentes cor o sustento do poderio military
indispensAvel para expulsar os rivals e veneer os natives, com as esquadras
que anualmente iam a India trazer de la as especiArias, e que sofriam muitas
perdas durante a longa viagem. "Faria e Souza avaliava term singrado para
o Oriente crca de trezentos e vinte naus, no decurso de trinta anos, guarne-
cidas em m6dia por duzentos e cinqiienta homes. S5 a d6cima parte volvia
A Europa..." (citado por Almeida Prado, "Pernambuco e as Capitanias do
Norte", 1.0 volume, pAg. 16).







ADMINISTRAXAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


A causa fundamental da decadencia era, por6m, a base do com6rcio asiA-
tico. Quando os portugueses resgatavam na costa ocidental africana, encon-
travam na sua pr6pria terra as mercadorias necessArias para 6sse com6rcio.
Ao abandonarem-no, atraidos pelas ilus6rias riquezas da India, encontraram
uma populacgo native mais exigente. Viram-se obrigados a comprar g6neros
estrangeiros para troca-los pelas especiArias. A metr6pole do vasto imp6rio
ultramarino enviava para a india s6mente o azeite, o vinho c os produtos da
Africa. Tornou-se necessArio estabelecer por lei que nas importacges por via
terrestre, houvesse uma compensacio das saidas pelas entradas sob pena de
perda das mercadorias importadas.
Durante o reinado de D. Manoel e de D. Joao III, em pleno apogeu do
dominio ultramarino, os recursos interns, subsidies concedidos pelas C6rtes,
emissbes, impostos, eram insuficientes para cobrir o "deficit", sendo necessA-
rio contrair empr6stimos no estrangeiro. Criava-se desta forma um verdadeiro
circulo vicioso. Os capitals obtidos por empr6stimos eram utilizados em
armar, navios e comprar mercadorias para o com6rcio no Oriente. Os rendi-
mentos do Estado (geralmente da Casa da India, Almoxarifados, AlfAndegas),
eram destinados a resgatar os titulos da divida externa e ao pagamento dos
intercsses.
Em 1534 a receita da nag5o atingiu 279 milhoes e meio de reais, talvez
mais, nao sendo especificado se entravam no cAlculo as rendas das alfAnde-
gas. As despezas conhecidas eram de 247 milh6es e 350 mil reais, porem,as
obrigag5es do Estado se elevavam a 160 contos e os padres de juros vendidos
atingiam A soma de 600 contos.
A media que o cr6dito na Europa diminuia os monarcas lancavam em-
pr6stimos internos, obrigat6rios, proporcionais As rendas dos habitantes. Em
1525 as C6rtes votavam um subsidio de 150.000 cruzados; em 1533, outro de
100.000, a fim de pagar as dividas em Flandres, porque as rendas do Estado
nao bastavam para saitsfaz6-las. A pimenta e as especiArias nao davam lucro
suficiente para compensar os gastos com a compra de mercadorias e o fausto
e aliancas matrimoniais da c6rte portuguesa. Tomava-se o dinheiro adianta-
damente s6bre letras de cAmbio a serem pagas pelos feitores em Antuerpia,
Medina del Campo, etc. Nem sempre era possivel saldar esses compromissos
e iam-se acumulando os juros (geralmente de 12 a 16 por cento 'ao ano) ate
que o capital em pouco se achava dobrado.
D. Joao III nas C6rtes de Almeirim, em 1544, pediu As tris classes reuni-
das, nobreza, clero e burguesia, 200.000 cruzados, especificando que os gastos
com a India haviam custado ao Real ErArio 1.150.000 cruzados, dos quais
350.000 foram -o prego da cessao das Molucas, por Carlos V, e 560.000, despe-
sas cor o Brasil, Mina e Africa, apesar do abandon das pracas de Cafim e
Azamor. Acresciam ainda as somas avultadas (1.400.000 cruzados) das arras
c dotes dos casamentos entire as families reais portuguesa e espnhola, c os
juros dos emprestimos.
Nesta ocasiao o sistema de comercio era o de monop6lio da coroa. S6mente
a tripulaeio conservara ainda o direito das quintaladas no carregamento das







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


naus. As vendas, das especiarias eram realizadas exclusivamente pelo Estado;
no interior, por interm6dio da Casa da India, no estrangeiro, pelo feitor.
Continuavam as despesas e as dividas a crescer. Sendo estas de 3.000.000
de reais em 1522, D. Joao III lancava no mesmo ano novo empr6stimo s6bre
os g6neros importados da India destinado a amortizag6es. Em 1549 foi fechada
a feitoria de Antuerpia que ja nao dava lucro. Ap6s a morte de D. Joao III
cessaram totalmente os pagamentos, convertendo-se em padres de juros as
obrigagces a cargo da Casa da India. Consumava-se cor esta verdadeira con-
cordata o descr6dito dos titulos da divida public portuguesa.
O Cardeal D. Henrique, regente durante a minoridade de D. Sebastiio,
n~o poude deter a march da nagco para a insolv6ncia. Deixou de pagar
os juros na Casa da India, langando novos titulos de juro mais baixo, de cinco
por cento, incluindo os juros atrazados. Os credores poderiam escolher a
repartig5o do pagamento. Bsses padres de juros representavam em parte o
pagamento da especiAria, vinda A custa de particulares, de que a coroa se
apossara.
Em 1559 Portugal ainda conseguiu novo empr6stimo em Flandres, de
900.000 cruzados. A partir desta 6poca os reis tiveram de procurar recursos,
principalmente no interior. Um deles, por exemplo, foi constituido pela
cobranga de impostos das terras isentas pertencentes a Igreja, durante cinco
anos, A razao de 50.000 cruzados por ano, por acordo cor a Santa S6. A
divida externa nessa ocasiSo chegara a 1.946.000 cruzados, e a internal ainda
superava tal quantia. Os titulos da Casa da India se vendiam pela metade
do valor nominal.
Em 1562 as C6rtes aconselharam A regencia a redugio dos juros, o que
foi posto em execugao. De 8% passou a 6 1/4%. No mesmo ano, por6m,
novo emprestimo foi realizado, sendo langados mais padres. Em 1564 a
monarquia recorreu novamente ao clero para obter um subsidio no valor de
125.000 cruzados.
D. SebastiSo ao atingir a maioridade teve de se valer de meios violentos
para financial a expedi5ao A Africa. Em 1570 D. Sebastiao decretava a liber-
dade do comercio oriental a fim de livrar a coroa de um neg6cio que se trans-
formara em 6nus. As finicas restrivges impostas eram a obrigatoriedade de
embarcar as mercadorias em determinados portos n& Oriente e descarrega-las
em Portugal. Na Casa da India a pimenta pagaria 18 cruzados o quintal, as
demais especiarias 30 cruzados, a massa de noz moscada, 50 cruzados. Na
India cram cobrados 100 reis por quintal, para emolumentos do governador.
Portugal, que se empobrecera cor esta empr&sa acima de suas f6rcas, nao
contava nessa 6poca com capitals particulares disponiveis. Os produtos
nacionais n5o davam para cobrir o valor das importacges, sendo, portanto,
necessArio compensar a diferenca com reais de prata ou cobre, que sempre
liveram grande aceitacAo no Oriente. Eram comprados A coroa, que os mono-
polizava. Como este sistema nio deu resultado recorreu-se a outro m6todo,
o arrendamento do trAfego a estrangeiros mediante as seguintes condirces: o
arrendatArio importaria 30.000 quintais de pimenta, ficando corn a metade,
livre de 6nus, e pagando pelo restante 480.000 cruzados, ou sejam, 32 cruzados








ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


por quintal. Por ocasiib da expedigio a Africa, D. Sebastiao recebeu para
6ste fim, dos contratadores da Casa da India, 100.000 cruzados.
Portugal ia-se esgotando gradativamente. JA nao era capaz de finalizar
a obra de Afonso de Albuquerque, tomando Aden, Suez, por onde continuavam
a passar as f6rcas arabes e egipcias, auxiliadas pelos venezianos. Era im-
possivel sustentar um estado de guerra permanent.
Os sucessores imediatos de Afonso de Albuquerque s6 puderam sufocar
as rebeli6es dos nativos, como a de Calecut, dos monarcas do Hindustao e de
Kambai, em 1528, ao tempo de Nuno da Cunha.
A decadencia foi sempre se acentuando sem que os esforgos do governo
moralizador de D. Joio de Castro (1545), pudessem det6-la. Os funcionArios
reais, freqiientemente subornados pelos muCulmanos, nao resistiam A tentaiao
de se enriquecer A custa da coroa que, dificilmente, poderia fiscalizA-los.
Durou o vice-reinado da India (inerente ao cargo de governador, a partir
de 1500) at6 1597, quando se fragmentou.
A decad&ncia de Portugal, em conseqii&ncia da derrota de D. Sebastiao
na Africa, em que se perderam os filtimos recursos da nacio jA exaurida, do
gov&rno hesitante do cardeal D. Henrique, da revolta do Prior do Crato, cul-
minou com o dominio estrangeiro em 1580. Durante o reinado dos Felipes
o imperio do Oriente foi sendo conquistado por holandeses e ingleses.
Portanto, a hist6ria portuguesa na Africa e India, se caracterizou pelo
aspect commercial e, nesse sentido, foi um insucesso que repercutiu indireta-
mente na hist6ria do Brasil.
O dominio portugues na Africa e no Oriente nao podia servir de exemplo
para a administrapio colonial do Brasil. Portugal era uma nagIo que come-
gara a prosperar quando iniciou a sua expansAo maritima, um pais arruinado
em meados do s6culo XVI. Encontrara naquelas regi6es terras povoadas e
ricas e se limitara a explorA-las comercialmente. Na America os natives nio
possuiam, como na India, produtos de exportag~o de grande valor. O pau
brasil, como veremos no capitulo seguinte, logo se desvalorizou, as feitorias
vegetaram e desapareceram sem nunca ter prosperado. Durante este curto
period, e ainda depois da criac5o das capitanias, os 6rgAos fiscais criados
para o Oriente, serviram para arrecadar os direitos e impostos do comercio
com o Brasil; os feitores, para venderem os produtos desta col6nia.
A influencia indireta das conquistas ultramarinas no Novo Mundo foi
grande. Dai a amplitude que demos ao assunto neste capitulo.
O atrativo que exerciam aquelas regi6es s6bre os portugueses desviou da
America Os melhores navegantes, os mais intr6pidos conquistadores, os capi-
tais particulares. A conseqiiencia principal foi, por6m, a ruina de Portugal
que, ao comecar a colonizacio do Brasil, se encontrava econ6micamente esgo-
tado.
Finalmene, a Africa proporclonou aos lusitanos mdo de obra barata, para
colonizar o Brasil. Portugal dispunha da mercadoria e do mercado.
Uma s6rie de contingencias impunha a colonizar5io pr6priamente dita
como linico meio de ocupar as ilhas do AtlAntico; as condig6es desfavorAveis
ao combrcio, por serem desabitadas e nao existirem riquezas acessiveis fAceis








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


de explorer, a necessidade de imigragio branca e de importagco do escravo
para o aproveitamento agricola do solo. No Brasil, o indigena revelou-se
incapaz de produzir g&neros de exportaglo e o pau brasil nao rendia o bas-
tante para manter as feitorias.
A situagdo econ6mica de Portugal ao iniciar a colonizacio das ilhas em
principios do s6culo XV, e do Brasil em 1530, era semelhante, faltavam recur-
sos. A solucio adotada foi id&ntica; recorrer aos capitals privados por meio
de doacGes de terras cor direitos senhoriais aos que quisessem conquistA-las
e povoA-las.
O sistema deu bons resultados. A Madeira, que comegara a ser povoada
em 1420, ja em 1425 era dividida em duas capitanias, Funchal e Machico,-a
primeira, doada a Zarco, a segunda a Trist5o Vaz. Funchal era vila em 1451
e cidade em 1508. A ilha contava, em meados do s6culo XV, cor quatro
povoag5es. Era a 6poca do apogeu do cultivo da cana de agicar trazida da
Sicilia e do Levante. Algarvios e Minhotos emigravam para a Madeira e para
os Agores. Porto Santo f6ra conccdida a Bartolomeu Perestrelo, pelo Infante
c ai tamb6m prosperava a colonizagco.
Nao ha certeza quanto A data em que se iniciou a colonizagio dos Acores.
Em 1460 as ilhas Graciosa e Terceira, doadas por D. Henrique ao sobrinho
D. Fernando, continuavam despovoadas. Posteriormente desenvolveu-se a
criag5o de gado.
As ilhas de Cabo Verde foram descobertas em 1460, provAvelmente pelo
navegante Antonio de Noli que tentou, sob os auspicios do donatArio D. Fer-
nando, criar em Santiago estabelecimentos semelhantes ,aos da Madeira. O
clima t6rrido das ilhas daquele arquipelago, o s61o pobre de vegetagro, nao
permitiram por6m que a agriculture prosperasse. Havia, de inicio, um
pequeno com6rcio corn a GuinB. Depois se transformaram essas ilhas em
dep6sitos de escravos, dai exportados para diversas regimes.
Sio Tome em 1485 tinha um farol. Em 1490 era elevada A categoria de
capitania, doada a Joio Pereira, transferida, em 1493, para Alvaro de Caminha
que se estabeleceu na col6nia cor judeus e degredados. Nesta ilha, gracas ao
solo e clima favoriveis ao cultivo da cana, a indiistria do agicar progrediu
rApidamente. Em 1522 jA existiam 60 engenhos produzindo 150.000 arr6bas.
Serviu de ponto de escala dos navios negreiros, provenientes de Angola, cor
destino ao Brasil. As ilhas do Principe e Ano Bor, vizinhas de Sao Tome,
s6 desempenharam este papel, por nao serem ferteis.
Os arquipelagos de Agores, Cabo Verde, as ilhas da Madeira, Sao Tome,
Principe e Ano Bor exerceram grande influencia sabre o Brasil. Prestaram
auxilio material As expedig6es dirigidas a esta col6nia, proporcionaram tripu-
lantes As naus, cederam colonos As capitanias, serviram de pontos de abaste-
cimento de escravos, enviaram gado e mudas de cana e vinha e, finalmente,
deram o exemplo do seu sistema administrativo-colonial.



Analisaremos, em seguida, o papel representado pelas Canarias em relacio
a Castela.








ADMINISTRAgXO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


No esb6fo esquemAtico da 6poca medieval na peninsula, que tracamos no
capitulo anterior, indicamos sbmente as linhas mestras da evolucio dos esta-
xdos ibericos. Salientamos as caracteristicas predominantes do povo espanhol;
a vida guerreira no afan de expulsar os mouros e unir os reinos cristaos, e
as tradic6es agricolas primitivas.
Nio se enquadrava num estudo de ordem geral mencionar a atividade
maritima dos navegantes dos s6culos XIII e XIV, eminentemente regional e sem
xepercussio na hist6ria peninsular. Estas expedig5es e descobertas promo-
vidas pela iniciativa particular nao tiveram continuidade, justainente por falta
da protegio real. Foram meramente descobridores, nao chegaram a former
col6nias.
Em Portugal, onde a procura do caminho para as Indias foi um empre-
endimento de importfncia vital, organizado pelo gov6rno, desenvolveu-se a
arte da navegago e constituiu-se um imp6rio colonial que muito influenciou
na colonizacgo e administracgo do Brasil.
Como as primitivas expedicges maritimas espanholas nio tiveram conse-
qiiincias para a colonizagco do Novo Mundo, nos limitaremos a mencionar,
ripidamente, as viagens dos navegantes das Baleares, que interessam para o
hist6rico da descoberta das Americas, por terem sido as precursoras da pene-
tracio no Atlantico Sul.
A documentagco 6 escassa s6bre o period anterior a 1400. As noticias
positivas encontradas foram: o portulano de Dulcetti, feito na Maiorca em
1339, no qual ji figure um grande trecho da costa da Africa, a carta de Villa-
destes (1403), provando que partiu em 1346 uma expedicgo de Jaime Ferrer
cor destino ao rio do Oro, talvez situado na SenegAmbia, fato este confir-
mado por um manuscrito existente em Gnnova; e um mapa do atlas Catalio,
de 1375. '
Os navegantes das Baleares estavam em contact permanent cor os ita-
lianos e franceses, que figuravam entire os maiores conhecedores da arte de
navegar, no mundo ocidental, durante os s6culos XIII e XIV. Tomaram parte
no surto de descobertas no AtlAntico Sul nessa 6poca. Sup6e-se que os fran-
ceses da expedig5o armada pelos negociantes de Rouen que partiu de Dieppe,
seguindo o mesmo rumo, tenham ultrapassado o Cabo Bojador em 1304.
A descoberta da Guin6 foi atribuida por alguns autores, aos genoveses
Vivaldi y Usodomonti, baseando-se numa cr6nica de fins do s6culo XIII.
Outros, como Jilio Rey Pastor, em sua obra "La Ciencia y la t6cnica en el
descubrimiento de Am6rica", nao acreditaram em viagem tao longinqua. A
influ6ncia dos italianos nas Baleares evidenciava a importancia d6ste centro
nAutico. Raimundo Lulio, famoso astr6nomo italiano, autor de um astrolAbio
e de uma arte de navegar, foi freqiientemente citado pelos viajantes das ilhas
espanholas, que dispunham dos seguintes portulanos: o de Angelino Dulcetti,
Dulcert ou Dolcet, feito em 1339 na Maiorca, o do maiorquino Guilherme
Soleri ou Solar, de fins do s6culo XIV, no s6culo seguinte, o de Viladestes
(1413), e o de Gabriel de Valseca, 1439.
O estudo da astronomia e da arte de navegagio entrou em decad6ncia no
s6culo XV, apesar de nunca ter sido de todo abandonado pelos espanh6is. Os
maiores navegantes e cientistas foram contratados para trabalhar no estran-








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


geiro. Encontramos Jaime de Maiorca, especialista na construcio de bfisso-
las e no tracado das cartas de mars, colaborando com os portugueses na orga-
nizadio da oficina de Sagres, desde sua fundacgo em 1412. Abraham Zacuto,
professor de astronomia na Universidade de Saragoca, autor do "Almanaque
Perp6tuo de los tiempos" foi convidado para tomar parte na Junta de Mate-
mAticos de Lisboa, organizada em 1480 por D. Joao II. Os irmrios maiorqui-
nos Oliva tornaram-se famosos na Ifalia, no s6culo XVI.
A Catalunha, AragSo e as Baleares tiveram a primasia, na Espanha, nas
tentativas nAuticas durante a primeira metade do s6culo XIV. Na segunda
metade, por6m, Castela foi arrastada As emprisas maritimas pela guerra contra
os mouros. Nao era suficiente venc&-los na peninsula, mas necessArio impe-
di-los de tornar a invadi-la. Este objetivo levou os castelhanos a efetivarem
conquistas em vez de esperdiCarem seus esforeos em longinquas viagens de
reconhecimento, como fizeram seus antecessores espanh6is.
Em 1400 Enrique III de Castela organizou um ataque a Tetuao expulsando
os pirates do estreito. De 1400 a 1402 a coroa deu o seu apoio a JoHo Bethen-
court e Gadifer de la Salle que tentaram se apossar das CanArias. Os portu-
gueses, por6m, consideravam-se os descobridores do arquip6lago, apesar das
reivindicacSes dos catalHes, e estavam dispostos a defender os seus direitos,
pois as CanArias eram um ponto estrat6gico important na defesa da penin-
sula, ameaCada pelos mouros e turcos. Enrique III desejava nio s6 conquis-
tar as regi5es fronteiras mais pr6ximas, como participar no com6rcio "doc
Oriente, que parecia tho lucrative. Enviou corn ste prop6sito duas embai-
xadas A c6rte de Timur, em Samarkand, por6m os seus projetos nao foram
levados adiante, pelos sucessores, ap6s sua morte, que ocorreu em 1406.
A guerra contra os mouros voltava a ocupar o primeiro piano na hist6ria
peninsular, absorvendo todos os recursos. Nessa 6poca concentravam os
esforcos contra o reino de Granada.
Os portugueses continuavam tentando recuperar as Canrias pela f6rca
das armas ou por via diplomatica. O infante D. Henrique organizara uma
expedicZo para invadir a Gran CanAria em 1424, por6m nao conseguiu realizar
o seu intent. D. Duarte, em 1435, obtinha do Papa uma bula autorizando-o
a conquistar e converter os infi6is das CanArias, sob alegagao de que nenhum
soberano crist5o possuia esse arquip6lago. Imediatamente os castelhanos pro-
testaram -e foi passada uma bula reconhecendo a sua soberania nas ilhas e cen-
surado o rei portugu&s.
Continuou, por6m, o conflito entire Castela c P'ortugal por causa do com6r-
cio no norte da Africa.
O infante D. Henrique empenhou-se em assegurar o dominio portugu6s
em Tanger. Em primeiro lugar, solicitou uma bula que permitia aos lusita-
nos iuerrearem os infi6is nessa regido e, logo a seguir, promoveu um ataque
sofrendo, pornl, uma derrota (1437).
Castela, que jA ocupara o arquipelago, comegou a tomar parte mais ativa
na concorrencia commercial cor a nagao vizinha e eterna rival. Em 1449 o
duque de ?edina Sidonia obtinha de D. Joao II a concessao de explorer o
traiego e:tre o Cabo de Guer e o Cabo de Bojador. D. Afonso V logo reivin-







ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANIIOLA NAS AMERICAS


dicou a posse d&ste trecho do litoral africano, impedindo qualquer iniciativa
espanhola.
Os portugueses ainda nio tinham desanimado de recuperar as Canarias.
De 1450 a 1454 enviaram embaixadores A c6rte de Castela. Diante do malo-
gro dessas negociac6es, o Infante enviou quatro expedio;es sucessivas as Cana-
riag, todas elas foram derrotadas. A partir dessa data os portugueses desis-
tiram do arquipelago. Em compensacio, em 1454 f6ra definitivamente reco-
nhecida, por bula papal, a sua soberania em Ceuta e proximidades e em todas
as terras por conquistar, na costa africana, al6m dos Cabos Nio e Bojador.
Continuava ainda em aberto, a questio da posse de Marrocos.
Finalmente, em setembro de 1479, foram celebradas as pazes de Alcapovas
entire as duas nag6es rivals. Portugal reconhecia a ocupacio das Canarias
por Castela e esta aceitava o dominio portuguis nos Acores, Madeira, Cabo
Verde, o monop6lio do trAfego de Guin6, e a conquista do reino de Fez. Cas-
tela tinha de solicitar, autorizac5io para navegar na regiso reservada aos por-
tugueses. Continuou ainda comerciando na costa d'Africa, por6m em pequena
escala e corn lucro reduzido. Encontramos no segundo volume da obra de
Navarrete, uma proviso (1480), dos reis cat6licos Fernando e Isabel aos mer-
cadores Diego Diaz de Madrid e Alonso de Avila, permitindo mandarem duas
caravelas a Mina de Oro, das que faziam isse trajeto antes do tratado, porque
o rei portugues dera seguro para elas. Outra provisfio, de fevereiro de 1480,
especificava que os quintos do resgate na Mina de Oro e Guin6 ficavam reser-
vados para o rei portugues ou o representante que o mesmo designasse. Esta-
vam, portanto, fechadas para a Espanha, as possibilidades de uma empresa
de tipo commercial como a portuguesa, na Africa e na Asia. Foram ocupadas
algumas pragas no norte da Africa de 1508 a 1511, por6m o com6rcio da costa
ocidental estava perdido. Tal fato ocorria justamente quando Castela, que
atW entlo se dedicara a political de unificacio da peninsula, A guerra contra
os mouros e a centralizactio internal do reino, via 6stes problems chegarem a
uma solugio.
Fernando, herdeiro de AragAo, Catalunha, Val6ncia e Maiorca, casara cor
Isabel, rainha de Castela, desde 1474. Era o primeiro pass da unifo defi-
nitiva. Faltava sbmente efetivar-se a uniio administrative e a anexagio de
Navarra: Em fins de 1489 todas as cidades do reino de Granada Ta tinham
sido conquistadas; simente a capital ainda estava em poder dos mouros.
Enfim, o fortalecimento do poder r6gio e o fim da guerra permitiam o
desenvolvimento da agriculture em Castela e Aragio. Verificou-se em Castila
um movimento geral de emancipacilo dos lavradores, os quais se transforma-
ram, em muitos casos, em arrendatArios livres das terras que cultivavam. Os
reis protegeram esta classes de agricultores concedendo-lhes, por lei de 28 de
outubro de 1480, o direito de mudar de resid&ncia, primeiro pass da extincto
do servo da gleba. Em Aragio, o rei D. Fernando nio poude melhorar as
condicges de vida da populagio rural devido A resistencia dos nobres. Na
Catalunha, por6m, ap6s uma terrivel sublevaciao dos "payeses de remensa",
reduziram-se os tributes a serem pagos aos senhores nobres e foi dado o
*direito aos servos de comprarem a sua liberdade. A expuls5o dos judeus pro-








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


vodou uma crise passageira, proveniente da retirada da circulac5o de grandes
capitals. Por6m, po- conjunto, o reinado de Fernando e Isabel correspondeu
a uma 6poca de prosperidade. Este aumento da riqueza national se refletiu
na political adotada nas CanArias. Inicialmente, as ilhas do arquipelago foram
doadas cor amplos poderes aos conquistadores que pretendiam colonizA-las.
JA em 1477 a coroa procurou ocupar o arquip6lago por conta pr6pria, porque
podia dispensar os auxilios particulares.
O piano de Col6n foi apresentado no moment propicio. Dava oportu-
nidade a Castela de conquistar o combrcio oriental. Suscitou, por6m, certa
oposicro de ordem poltica e de ordem tecnica. Nio deixava de ser uma teme-
ridade para aquile reino, ainda em guerra e empenhado na consolidacao defi-
nitiva da uniAo dos reinos ibericos, empreender uma realizagao dessa ordem.
Sob o ponto de vista cientifico os cAlculos de Col6n eram suscetiveis de
discussao. Estavam baseados nas cifras dadas por Possid6nio para a media
da circunferencia terrestre, transmitidas por Ptolomeu e adotadas por Paolo
del Pozzo Toscanelli, que parece ter sido o. conselheiro do c6lebre navegante.
Estas medidas reduziam de um tergo as dimensoes reais do globo terrestre.
Este 6rro foi atribuido, por alguns autores, ao astr6nomo grego, por outros a
Toscanelli, que teria dado um valor falso ao estddio mediaa grega).
0 cientista italiano avaliou mal as dimens6es do velho continent. Achava
que a distancia entire as costas ocidental da Europa e a oriental da Asia, era de
2300 de longitude geogrAfica, on seja, aproximadamente, dois tercos da circun-
fer$ncia terrestre, restando s6mente o espaco de 1300 entire os dois continen-
tes, ocupado pelo oceano desconhecido.
Alguns historiadores, como Della Rosa, H. Vignaud, R. Carbia, citados
por Jdlio Rey Pastor no seu livro "La Ciencia y la t6cnica en el descubri-
miento de Am6rica", nao acreditam na autenticidade do mapa enviado por
Toscanelli a Col6n.
De qualquer forma Col6n, provAvelmente, conhecia as medidas geod6si-
cas daquele' astr6nomo, confirmadas, aliAs, pelos sAbios Aribes. Baseado nes-
tes dados calculava uma viagem de 1.200 16guas, navegando pelo oeste, para
atingir a Asia. Pretendia realizA-la em cinco semanas. Imaginava ter pontos
de abastecimento garantidos nas famosas ilhas descritas por Mrco Polo e outros
navegantes da 6poca.
O plano de Col6n foi rejeitado pelos portugueses, que vinham se documen-
tando de hA muitos anos s6bre a astronomia grega. Conheciam as cifras
geod6sicas e da extensao do ecumeno, dadas por outros ge6grafos gregos.
Tamb6m a apresentacgo anticientifica das propostas deve ter contribuldo
para o mal6gro do projeto em Portugal.
Col6n no seu "Livro de los Privilegios" se referia aos privil6gios que Ihe
foram concedidos por graca divina, e, no "Livro de las Profecias", procurava
provar que as profecias do Antigo Testamento prediziam os descobrimentos e
a reconquista do Santo Sepulcro, que le estava destinado a realizar.
AlBm das razoes de ordem t6cnica, Portugal se achava numa situagio espe-
cial; os esforgos para atingir o Oriente, contornando a Africa, estavam prestes
a Ser coroados de 6xito.








ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Nao era econ6mico tentar uma nova empr6sa de sucesso incerto, quando
podia alcancar o mesmo objetivo cor mais seguranca.
Para Castela, que n5o tinha outras perspectives de conquistar o mercado
da India, a proposta era tentadora, apesar dos problems de political internal
em que ainda se debatia nessa 6poca.
Veremos no capitulo seguinte como o fato de Castela estar em plena fase
ascencional nos fins do s6culo XV e nao ter outras col6nias, a nio ser as Cani-
rias, influiu na conquista e colonizac5o da Am6rica.
A primeira conseqiiUncia foi de, simultaneamente, empreender a ocupa-
rao e a colonizagco. Poude tamb6m, cor mais facilidade do que Portugal,
centralizar o gov&rno e dispenser o capital privado obtido A custa de doar5es.
Enfim, reproduziu no Novo Mundo o que fizera nas CanArias.



B Do ponto de vista administrative.

As leis vigentes em Castela e Portugal, ao tempo da descoberta e coloni-
zac;o das Am6ricas, tiveram bastante influ6ncia s6bre a administration colo-
rial.
Nao era possivel estabelecer desde o inicio um c6digo inteiramente novo
para as terras rec6m-conquistadas. Na primeira fase as duas nae5es pro-
curaram aplicar, sempre que possivel, o direito pfiblico e privado das metr6-
poles, nas col6nias. Mais tarde foi conservado em carAter suplet6rio. Natu-
ralmente as relacdes entire indigenas e col6nos tinham de ser reguladas por
leis especiais, e as "capitulaciones" ou contratos entire os reis e os comandan-
tes das expedig6es, que iam em viagem de desoberta, as cartas de doacio aos
donatArios das capitanias brasileiras, apesar de obedecerem ao espirito da
legisla;Ao da 6poca, estabeleciam uma s6rie de clAusulas particulares para
cada caso.
Torna-se, portanto, necessArio resumir brevemente a evolugio do direito
administrative na peninsula ib6rica, para se compreender a base em que
repousam as "Leyes de Indias", as leis, alvaris, cartas r6gias, que constituem
os c6digos aplicAveis As col6nias de Castela e Portugal no Novo Mundo.
Portugal 6 uma nacio do s6culo XII, 6poca em que o direito pfiblico e
privado dos demais estados peninsulares ja atingira um grau bastante elevado
de adiantamento. Por esta razio nio se pode distinguir a legislagio portu-
guesa da castelhana-leonesa at6 o s6culo XII, e mesmo depois, porque ainda
continuou a ser aplicada no antigo condado, por algum tempo.
Os povos primitivos da peninsula tinham uma vida demasiadamente rudi-
nentar para deixarem vestigios na legislac5o. Nem mesmo os fenicios, gregos
e cartagineses, tio mais adiantados, tiveram influencia nesse setor. Os primei-
ros estabeleceram col6nias principalmente comerciais, e os segundos invadiram
a Ib6ria cor o fito de combater Roma.
Os romanos foram os primeiros que organizaram, administrativamente, a
peninsula. Os principios do direito plblico e privado romano perduraram








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


atW a hist6ria modern, apesar das invas6es barbaras e muculmanas. A supre-
macia da legislag5o romana era tal, que Sert6rio, refugiando-se da persegui-
cAo de Sylla, na Ib6ria, pretendeu rebelar a Lusitania, CeltibBria e B6tica
contra o dominio de Roma, mas adotou a forma de governo e as instituig6es
da patria, nas terras sob o seu mando. Criou um senado cor trezentos mem-
bros, todos romanos. Estimulou a cultural grega e latina em Osca, capital da
Celtiberia.
Alias, a influencia da legislac5o romana se tez sentir em toda a Europa
ocidental.
E' precise relembrar os fatos fundamentals da formaglo do direito romano,
pois foram o arcabouco dos futures c6digos das nac6cs que ai se constituiram.
Ao tempo da invasio da peninsula ib6rica, o governo romano ainda era
republican. Logo depois fundou-se o imperio, governo cuja tend&ncia abso-
lutista foi sempre se acentuando. A legislarco dessa 6poca refletia estas trans-
formaV6es, tanto na capital como nas provincias. Alias, os povos barbaros
nao s6 copiaram a administraglo provincial, por 6les encontrada na Iberia,
como os c6digos aplicaveis A capital do imp6rio.
Na 6poca da fundagco de Roma a realeza era eletiva e de carter reli-
gioso, como acontecia com a maioria dos povos primitivos. O poder legisla-
tivo cabia ao rei legess regiae) ou ao rei, Senado e patricios. O rei convocava
os comicios legislativos e judiciais por cirias (subdivisao das tribes, havendo
dez em cada tribo). Conforme o caso, propunha a lei ou presidia a distri-
buicio da justiga.
Nessa epoca os comicios eram constituidos exclusivamente por patricios,
os Anicos que votavam. O Senado (conselho de anciAos das families nobres)
ratificava o voto popular. Desta forma, se promulgavam as chamadas legess
curiatae".
A primeira compilagao das diversas fontes de direito, legess regiae", o
consuetudinario, o sagrado, foi o "Jus Civile Papirjanum", codificado pelo
Pontifice Maximo Papirio, em data incerta, provAvelmente no fir do period
da realeza, que durou de 7,53 a 510, ou 509, antes de Cristo.
Os 6rgAos de governo desenvolveram-se e evoluiram gradativamente num
&entido mais liberal, A inedida que Roma foi anexando novos territ6rios. Os
comicios sofreram uma reorganizag5o; os cidadios romanos foram divididos
em seis classes ou tribes de ac6rdo corn a fortune. Estas suibdivididas em
centfrias. Os proletarios estavam representados por uma centtria, portanto
em minoria, mas os patricios tinham perdido sua primitive exclusividade na
participagco do gov&rno.
O Senado adquiriu carAter politico, como 6rgao da classes dos patricios.
Foi assumindo tal importAncia que derrubou a realeza, substituida por dois
magistrados patricios, eleitos por um ano: os c6nsules. Separou-se a auto-
ridade civil da religiosa, confiada a um pontifice.
Os consules eram geralmente senadores, exercendo a funcio por um ano
sbmente. Geralmente, pouco influenciavam, deixando grande autoridade ao
Senado.







ADMINISTRAVAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMiRICAS


Nos comicios eleitorais, para escolher os membros do Senado, a fnica
classes que tinha influencia era a dos patricios. Os plebeus, cada vez mais
numerosos, nao podiam se conformar cor sua situacAo de complete inferiori-
dade. As assembl6ias populares s6 podiam tomar resolug6es relatives A classes,
sem fSrga de lei. A custa de sucessivas revolurSes conseguiram ter o direito
de escolher um representante no Senado, o tribune da plebe (494 antes de
Cristo). As assembl6ias populares se transformaram em comicios de tribo,
porque os patricios comegaram a tomar part nelas. Os seus decretos passa-
ram a ser leis gerais. SimultAneamente, o tribune da plebe foi adquirindo
prestigio quase equivalent ao dos c6nsules.
A plebe, animada por estes sucessos, reivindicava a promulgagco de um
novo c6digo em que leis escritas Ihes concedessem garantias e vantagens, limi-
tando o direito consuetfdinArio favorAvel aos patricios. As duas classes con-
vieram que todos os magistrados, c6nsules, tribunos da plebe, etc., renuncias-
sem As suas funS6es. Elegeram-se dez patricios (452 antes de Cristo) os
decemviros -, para exercer, temporAriamente, o poder legislative, executive
e judiciArio, enquanto elaboravam um novo c6digo, pois o "Jus Civiles Papi-
rianum" ja nao se adaptava As novas condicges. A predominAncia dos patri-
cios era tal que os plebeus mal foram contemplados na legislacio das XII
TAbuas. S6 mais tarde conseguiram duas importantes vit6rias: a lei abolindo
a sujeigio corporal por dividas, que atingia principalmente os plebeus (428
antes de Cristo), e a permissdo de casamento entire plebeus e patricios (lei
Canulia) .
A complexidade crescente da administragco pfiblica ia tornando neces-
saria uma organizagAo burocrAtica mais complete. Criaram-se diversos car-
gos, depois copiados nas outras cidades do imperio. Dois questores, encar-
regados do tesouro ptiblico, dois censors, fiscais dos costumes pdiblicos e
privados, um pretor, incumbido da administragco da justiga. tste cargo ele-
tivo, que data de 367, veio a ter grande importancia. Por fim, "edies curues"
e plebeus, cor fung5es de policiamento e inspegao das vias pdblicas, do mer-
cado. Estes funcionArios e os presidents das provincias iam publicando
iditos que constituiram o chamado "Jus Honorarium". Como os presidents
das privincias ou proc8nsules eram as maiores autoridades dentro do terri-
t6rio sob sua jurisdigao, reunindo em suas maos as atribuieges dos diversos
magistrados da capital, os seus 6ditos tinham especial importAncia.
Cor o advento do imperio, o Senado, que absorvera ao tempo da repfblica
grande nimero das func6es dos comicios, passara a piano secundArio. Oti-
vio, primeiro imperador, tendo vencido os seus inimigos em 36 da era de
Cristo, agambarcou todos os poderes. Era o comandante supremo dos ex6r-
citos. O poder tribunicio tornou sua pessoa inviolAvel e deu-lhe direito de
veto s6bre as decis6es de todos os magistrados. O poder censorial permitia-
-Ihe completar o Senado e proceder A sua apuragao. 0 poder religioso inves-
tia-o das dignidades de MAximo Pontifice.
Depois de Vespasiano (70 da era de Cristo) os mesmos poderes foram
outorgados aos seus sucessores, nao por parties, como aconteceu ao primeiro
imperador, mas de uma s6 vez.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Otavio Augusto concede aos jurisconsultos o direito de dar parecer s6bre
os assuntos referentes aos cargos que exerciam: "Jus Respondendi". O
poder legislative dos comicios, jA em decad&ncia nessa 6poca, foi-se deslocan-
do para os magistrados e jurisprudentes.
O governo de Adriano (117 a 138 da era de Cristo) marcou uma 6poca de
profunda transformacao na administragco e legislacio do imp&rio romano.
As constituiqces imperiais passaram a ser a principal fonte de direito e tor-
naram-se, por conseguinte, mais numerosas.
Este imperador completou a obra de OtAvio Augusto, elevando o "Jus
Respondendi" dos magistrados A categoria de poder legislative. Fixou e
codificou os principios do direito pretoriano, ramo do "Jus Honorarium",
confiando a Salvius Julianus, um dos mais notAveis jurisconsultos d&sse tempo,
a condensagAo, num s6 corpo, de todos os Bditos publicados anualmente pelos
pretores urbanos, "edies curues" e, talvez, os 6ditos provinciais. Foi cha-
mado o Edito Perp6tuo, aprovado pelo imperador e pelo Senado. Tanto os
pretores com as assembl6ias do povo e do patriciado eram as principals fontes
de direito privado.
Os pretores, por6m, perderam em parte sua autoridade. Deviam se cin-
gir ao Bdito, nio podendo, como dantes, legislar corn inteira liberdade.
Passados 118 anos desde o governo 'de Adriano, depois da morte de Ale-
xandre Severo, comecou o chamado Baixo Imperio, 6poca de decadencia. 0
filtimo golpe ao prestigio do Senado foi a criagAo do Conselho Imperial (Con-
cilium Principi), com carter permanent, e composto dos jurisconsultos de
maior nomeada. O Senado passou a ser uma simples depend&ncia da Casa
Imperial, aprovando, subservientemente, as propostas do imperador, quer f6s-
sem 'feitas de viva voz (oratio) quer por escrito (epistola).
As necessidades da administration pfiblica, aumentadas dia a dia corn o
prescimento da populagio e dos dominios territoriais, impunham, As vezes,
soluo6es rApidas, por parte do imperador, na ausencia do Senado.
O chefe do estado ocupava a presid&ncia do Senado, nomeava os senado-
res, escolhia entire ales os que deviam compor o Conselho de Estado, onde se
deliberavam os assuntos de maior importancia.
Caracalla extinguiu a praxe do "Senatus Consultus" que se transformara
em mera formalidade, passando o imperador a legislar a seu livre arbitrio.
Das constituic5es imperiais as que mais nos interessaram foram as edicta,
"edictales leges", generalss leges", "perpetuo valiturae ou perpetuate" leis
gerais publicadas em Roma e Constantinopla e posteriormente aplicadas nas
cidades principals e capitals. Geralmente constituiam direito novo, muitas
vezes de carAter pfiblico, "epistolae", respostas dadas a consultas de magis-
trados, e os mandatea", instrug6es aos funcionArios imperiais eram, nao raro,
apliciveis As provincias.
Durante o gov6rno de Diocleciano, que subiu ao poder em 284 (da era de
Cristo), Greg6rio, membro do "Consilium Principi", sentiu a necessidade da
codificaclo das constituic6es que, nessa 6poca, jA eram numerosas. Foi o
chamado C6digo Gregoriano.







ADMINISTRAVAO COLONIAL LUSO-ESPANIIOLA NAS AMERICAS


Analisaremos, agora, sumAriamente, a organizagio administrative da penin-
sula iberica durante este period, em que foi uma mera provincia do extenso
imp6rio romano. Posteriormente, assinalaremos a influncia destes c6digos
nas legislaCges dos bArbaros e das nag~es da 6poca da reconquista.
A peninsula foi dividida, durante o tempo da repfblica, em Citerior e
Ulterior, em relago .ao Ebro. Passou, corn o inicio da era dos c6sares
(Augusto Cesar) a ser separada em tres: a BMtica, a Tarraconense e a Lusith-
nia. Tarraconense, na zona setentrional, compreendendo a regiao de Portu-
gal, ao norte do Douro. Lusitania, parte ocidental, abrangendo o sul do
Douro e Estremadura espanhola. A BMtica, marginando o Betis, atual Guadal-
quivir, correspondendo a Andalizia. Estas provincial cram governadas por
autoridades cujo poder provinha de origens diferentes; a Tarraconense e a
LusitAnia, elevadas A categoria de provincias imperiais, tinham como chefes
do governo, delegados ou representantes do imperador, denominados "Lega-
tus augustalis". A Betica era provincial senatorial, isto 6, sujeita e dependent
do Senado, que nomeava o seu governador,.o "proconsule". Passou depois,
com a centralizavio administrative, A categoria de imperial. A nomencla-
tura distes funcionArios, aliAs, variava: "legatus augustalis", "legatus caesa-
ris", "praesides", "praetores", "proconsules" e "propraetores".
Tinham amplo poder, tanto civil como military. Os seus colaboradores
como, por exemplo, questores, curadores, empregados dc'financas, etc., eram
meros subordinados que obedeciam a ordens. As provincias se dividiam,
desde o s6culo II, em dioceses, onde governavam representantes dos legados
imperials ou proc6nsules.
Diocleciano e Constantino terminaram corn o sistema provincial estabele-
cido por Augusto, quando o imperio se separou em duas parties, do oriented e
do ocidente. A do ocidente compreendia duas prefeituras: a ItAlia e as GA-
lias. Esta fltima, tris dioceses: HispAnia, GAlia e Bretanha. A diocese,
administrada por um vice-prefeito on vigArio, subdividia-se em provincias,
elevadas nessa 6poca a seis: BMtica, LusitAnia, Gal6cia, Tarraconense, Cartigi-
niense, TangitAnia jA em territ6rio africano. Consulares as tres primeiras,
presidiais as ltimas. Os c6nsules e "praesides" convocavam pessoas ilustres
para darem seu parecer em assuntos judiciais. reunindo assim os chamados
"conventus juridicus". Os seus delegados seguiam o mesmo hAbito, e aos pou-
cos foi-se generalizando a denominacio de conventus aos lugares onde se reu-
niam tais assembl6ias judiciais.
A influencia romana penetrou principalmente atrav6s das col6nias, cida-
des calcadas na organizagao romana, que espalharam pelo povo native as
nogces do direito e da cultural italianas.
Alexandre Herculano comentando este aspect da invasio romana, dizia:
"Esta (Roma) nao empregava s6 as armas para assegurar a sujeipio dos paises
que subjugava; introduzia nOles as suas col6nias, as suas leis, os seus costu-
mes..." (Hist6ria de Portugal, I volume, pag. 58).
As povoagnes da peninsula iberica se distinguiam em diversas categories.
As col6nias de origem roman, regidas pelas leis romanas; os Municipios. por
leis e institiuc(es locais, apesar de tamb6m Ihes ser aplicAvel o direito pfiblico







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


romano. As cidades confederadas, que Herculano sup5e serem as que aceita-
ram pacificamente o jugo romano. As imunes, isentas de imposto, e as esti-
pendiArias, obrigadas a pagA-lo. Por fim, as contributes, aldeias o. burgos
dependents de povoac5es mais importantes. JA ao tempo de Adriano s6 os
eruditos as distinguiam.
Vespasiano estendia o direito latino a todas as povoag5es da IbBria que
ainda o nao tinham, e, dcntro de breve tempo, Caracalla (212 era de Cristo)
atribuia a dignidade de cidadao romano a todos os homes livres. No s6culo
IV (era de Cristo) o direito civil romano se espalhara por todo o imp6rio em
conseqfiuncia daquela concessao.
Desde o tempo de Cesar, por6m, a cidade de Lisboa constituia uma exce-
cio em materia de direito vigente, pois Ihe foi concedido o titulo de "Munici-
pium Civium Romanorum", gozando os seus habitantes do direito romano
cor todos os seus privilegios e regalias.
Na primeira fase da dominacio romana na peninsula iberica, o direito
vigente correspondia A 6poca em que o Senado ainda mantinha o seu presti-
gio (desde os fins da repfblica ate Adriano). Estava contido nas "formulae
provincial", nos decretos dos imperadores e nos 6ditos provinciais, emana-
dos dos respectivos governadores.
Ao tempo de Diocleciano passou a ser aplicado o C6digo Gregoriano, que
reunia as constituig6es imperiais, o edito perp6tuo, o Bdito provincial e os
comentArios dos jurisconsultos da 6poca clAssica, Gaius, Papinianus, Paulus,
Ulpianus e Modestinus.
A partir da morte de Valentiniano III em 455, (era de Cristo), o imperio
romano do ocidente entrou na sua fase final. Os nove imperadores que rei-
naram de 455 a 476 quase nada fizeram em materia de direito.
Quando o ostrogodo Odoacro p6s t&rmo ao governo de Romulus Augustus,
o ocidente romano estava virtualmente entregue aos usurpadores estrangeiros.
Nos primeiros anos do s6culo V, aproveitando-se das revoltas e divis5es do
imp6rio, Geroncio, general romano que governava na Espanha, fez aclamar
imperador, MAximo, e abriu passage pelas montanhas aos vAndalos, Alanos
e suevos.
Os visigodos ocuparam a BMtica e a Catalunha e foram dominando a penin-
sula, deslocando os seus rivals. A serie de reis godos da Espanha, que se
sucederam de 366 at6 711 (era de Cristo), comegou cor Eurico. Este encar-
regou o jurisconsulto LeIo de organizer uma colecio de regras juridicas e leis
dos seus antecessores, suas pr6prias, e atW mesmo dos romanos, subordinan-
do-as aos interesses dos conquistadores a fim de obter mais fAcilmente a com-
pleta dominagao dos povos peninsulares. Entretantb, faltou ao C6digo Euri-
ciano a unidade. Havia diferengas grandes demais entire as rudes disposic6es
dos bArbaros e os principios da legislalao romana. A reacio da populagao
ibero-romana A aplicac o d&ste c6digo foi grande, e, talvez, tenha motivado
a compilacio de um novo corpo de leis por Alarico II, filho e successor de
Eurico. O Conde Goyarico foi incumbido de redigi-lo. Baseou-se exclusiva-
mente na legislacgo romana, porque era destinado a reger as releases dos
ibero-romanos entire si ou com os visigodos. Estes iltimos continuavam







ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


seguindo seus costumes e tradig6es. As principals fontes utilizadas foram o
C6digo Gregoriano (jA aplicado anteriormente como vimos), o Hermogenia-
no, e o Teodosiano, "Novelas Teodosianas" e "Post Teodosianas". O Her-
mogeniano, mera ampliac5o do Gregoriano, englobava as constituirces do
tempo de Diocleciano. Foi promulgado em 314 e 332 (era de Cristo). Teod6-
sio II pretendera reunir todas as fontes do direito numa compilag~o, o C6digo
Teodosiano, por6m, a comissao nomeada em 429 (era de Cristo) para este
fim, nao poude levar a efeito a parte reference aos trabalhos dos juriscon-
sultos, tal era a abundAncia de material. Finalmente, reuniram-se em 435
(era de Cristo), s6mente as constituirSes gerais e 6ditos desde Constantino o
Magno. Completado em tris anos, foi enviado a Roma, jA a este tempo sob
a ameaga dc invasdio dos vAndalos, sendo recebido festivamente por Valen-
tiniano III e aprovado pelo Senado.
As constituic6es posteriores ao C6digo de Teod6sio II, as de Valentiniano
III e de outros imperadores do ocidente e oriented at6 Justiniano constituiam
as chamadas "Novelas Teodosianas" e "Post-Teodosianas".
As outras fontes compulsadas pelo nobre godo foram as doutrinas dos
jurisconsultos.
O novo c6digo visig6tico foi chamado "Liber Legum", "Liber Juris", e,
no s6culo XVI, passou a ser denominado "Lex Romano-Wisigothorum", "Bre-
viarium Alarici" e, As vezes, "Breviarium Ariani". Logo que os compilado-
res o entregaram a Alarico II, este convocou uma assembliia de bispos, de
leigos notAveis, em Aire, na Gasconha, e, obtida a aprovaco, foi promulgado
em 506 (era de Cristo). Este corpo de leis sofreu modificag6es gradativas at6
ser substituido por novo c6digo aplicAvel a toda a populacio.
S Parece que Leovigildo foi o iniciador das reforms que culminaram com
a promulgacio do c6digo denominadp "Forum Judicum". A convers5o de
Recaredo, filho de Leovigildo, teve grande influencia na administrac5o e no
govCrno visig6ticos.
Abjurou o arianismo, solenemente, na presenga de setenta bispos e dos
nobres reunidos no III Concilio de Toledo. O clero, que ainda mantinha o
prestigio adquirido em Roma desde o tempo de Constantino (313), era o
element mais culto, conhecedor do direito romano e can6nico. Comecou a
interferir na legislaclo por meio dos concilios. Houve uma fusio da jurisdi-
VCo civil e eclesiAstica. 0 rei mandava seus funcionArios executarem disposi-
c6es eclesiAsticas referentes ao clero. Este, por sua vez, era incumbido da
aplicagio de leis civis. 0 poder real declinava; nio encontrando apoio nos
nobres, sempre divididos em partidos opostos, ansiosos por ocupar o trono,
eletivo. O povo ainda n5o entrava nessa 6poca como element ponderavel
no cquilibrio politico. O clero dominava.
Os concilios convocados anualmente eram verdadeiras assembl6ias legis-
lativas que formulavam novas leis ou reformavam as antigas.
Os nobres estavam em minoria e o direito de veto do rei era ineficiente,
pois o clero poderia, facilmente, dep6r o soberano, valendo-se de uma frac5o
de fidalgos revoltados.
Ao tempo do BreviArio a administration goda obedecia, em linhas gerais,
A organizag5o dos romanos. Os reis nomeavam a maioria dos funcionArios







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


administrativos. O duque era a mais alta dignidade. Estava a frente do
ex6rcito e da administrarco da provincia. A seguir na escala hierArquica
vinham os condes. Existiam diversas categories de condes: "comites civita-
tis", "comites provinciaes, ou territory", "comites exercitus", "comites palatu".
O conde exercia func6es militares, administrativas e judiciais dentro
de sua repartifio. Havia, tamb6m, juizes locals e os bispos considerados juizes
reais.
Os romanos estavam sob a jurisdic5o em primeira instincia, do juiz e do
defensor. 0 tiufado, chefe de mil ou "millanarius", outros chefes, como o
"quingentarius", julgavam os godos. Para ambos a segunda instlncia era o
governador da provincia que, conforme o caso, podia ser o "dux", o "rector
provinciae", o "comes" ou "vicarius".
Nao se encontraram vestigios claros, nesta legislacgo, do antigo "mallum"
ou assembl6ia popular das tribes germAnicas.
Pode-se enumerar muitos funcionArios subalternos, de somenos importLn-
cia, tais como os executores das sentengas dos juizes, tabeliaes, escrivLes,
cobradores de direitos, etc. Quanto a administration da Fazenda, houve grande
adiantamento; separou-se o tesouro pflblico do particular pertencente ao rei,
como se fazia ao tempo da repbblica, tradiclo que se perdera com o advento
do imperio romano (VIII Concilio de Toledo).
Os funcionArios encarregados da Fazenda pdiblica, desempenhavam tam-
b6m outras funcges.
O rei dispunha dos recursos economicos, tributes, encargos, contribui-
g5es. S6 ,le poderia modificar o imposto territorial.
Ao lado dos funcionarios do estado, havia os do municipio e os parti-
culares, tais como os procuradores das propriedades particulares, que tamb6m
exerciam jurisdicgo como funcionArios pfblicos.
Aos poucos as condig6es se modificaram. Vencedores e vencidos foram
se fundindo gragas ao contato, A adocgo da religiLo dos vencidos, etc.
Chindaswintus propss a organizagio de uma colegAo de leis ao VII Con-
clio Toledano (648), aplicAvel A populacio em geral, sem disting~o de raga
ou nacionalidade. 0 seu filho e successor, Receswintus, entregou o Tomo
r6gio, propondo uma renovag5o e aperfeicoamento da legislacgo, ao VIII Con-
cilio Toledano (outubro de 652). Na sessio de dezembro do mesmo concilio,
decidiu-se por em execucio as novas leis, a pedido do rei. Ainda no mesmo
reinado convocaram-se o IX e o X concilios toledanos.
O rei seguinte, Wamba, logo destronado, e o usurpador Ervigio intro-
duziram muitas modificacges na legislagvo (XII Concilio 681, XIII 683, XIV
684)., No reinado imediato de 1igica reuniram-se o XV (680), e o XVI (693).
Neste iltimo, processou-se a uma revisLo geral das colegSes, desde Chindas-
wintus, a fim de se dar uma forma definitive ao c6digo visig6tico, chamado
"Forum -udicum", "Liber Judicum", "Codex Legum" "Lex Visigothorum".
Continha leis de Chindaswintus, Receswintus, Wamba, Ervigio e tgica. De
tSdas as c6pias que serviram para a edigco de Madrid, do "Forum Judicum",







ADMINISTRAfAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


nenhuma tinha garantia de autenticidade, e as mais antigas eram do s6culo X.
Nao existia identidade entire as c6pias, o que tornava dificil estabelecer cro-
nologia exata das leis e, portanto, a autoria das mesmas. Havia, por6m, em
t6das as verses uina predominAncia de leis atribuidas a Chindaswintus, o
4ue levava a crer que fossem dele as principals reforms.
O "Forum Judicum" revelava a influencia do direito romano atrav6s do
BreviArio de Alarico e do Can6nico, por interm6dio dos concilios.
O "Forum Judicum" nao conseguiu contudo fundir totalmente os dois
povos, nem romanizA-los por complete. Reveswintus, por exemplo, ainda exi-
gia uma autorizagco especial do delegado do rei para casamento entire roma-
nos e godos.
Muitos costumes godos, apesar de legalmente reprovados, persistiram,
tais como: o combat judicial, o juramento compurgat6rio, o direito de revin-
dita. Tal era a situaiAo dos habitantes da peninsula ib6rica, quando se deu
a invasAo mugulmana em 711. A legislagio Arabe deixou poucos vestigios,
por6m, a conquista e a guerra da restauracgo influiram, direta e indiretamente,
no regime feudal dos reinos crist5os constituidos durante a Idade M6dia.
Gama Barros no seu trabalho "Hist6ria de Administragdo Piblica em Por-
tugal", discutiu eruditamente o problema do feudalismo neste pais, em Ledo
e Castela, citando duas definivSes (pig. 169 do volume I da "Hist6ria da Admi-
nistraCao Piblica em Portugal"), a de Cardenas, que atribuia no suzerano, pro-
prietArio da terra, a soberania s6bre seus habitantes, partindo disse raciocinio
para provar a exist6ncia de um feudalismo caracteristico na peninsula.
Gama Barros argumentou de forma convincente contra o parecer do his-
toriador espanh61; s6 se explicava o enfraquecimento do poder do rei, impres-
cindivel para existir feudalismo, se le perdesse a soberania s6bre as terras
que f6sse dando, como suzerano, aos seus vassalos.
Em segundo lugar transcreveu a de Guizot, que considerou como traCo
fundamental do feudalismo, o direito dc senhorio s6bre os habitantes do feudo
ser exercido pelo feudatArio ao recebe-lo. Foi o que sucedeu na Franga, que
pode ser tomada como o prot6tipo do feudalismo. Gama Barros adotando
esta definicgo, e confrontando-a cor a situafio existente em Portugal, Castela
e Leio, chegou a conclusdo de que nio houve um feudalismo absolute nestes
paises.
Realmente demonstrou que a monarquia na peninsula ainda conservava
grande soberania em relagio A realeza francesa da mesma 6poca (s6culo X).
A rebeldia dos nobres, considerada ilegitima, foi, muitas vkzes, vencida pela
forga das armas.
Quando um bario ou conde era vitorioso, constituia novo reino, logo des-
ligado de qualquer lago feudal, e o novo soberano passava a exercer ampla
jurisdicgo s6bre seus vassalos. Em Castela c Leio os condes, os tenentes eram
de nomeario r6gia e amoviveis; em Franga, cargo semelhantes tornaram-se
ieredithrios e privativos.
No s6culo IX o servigo mililar se transformara num dever do vassalo para,
o suzerano, estipulado no ato de homenagem.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Nio se encontraram em Portugal, Castela e Leao documents concludentes
relatives ao assunto, anteriores ao s6culo XIII. Ao tempo dos godos o serving
military era obrigat6rio para todos; depois foi sofrendo restrigSes. As doaces
r6gias, em recompensa do service military prestado, nao estavam condicionadas,
como em Franca, A obrigatoriedade do s6dito combater quando o rei solicitasse.
A remuneracgo do servigo military variava conforme o caso; ten6ncias amovi-
veis, pr6stamos (no sentido de usufruto temporArio ou vitalicio de r6ditos ou
de uma terra), presta6es em g6neros, dinheiro, consignac5es de determi-
nados rendimentos fiscais, partilha dos despojos, etc. D. Dinis, limitando as
terras privilegiadas, revogando certas doac5es, empobreceu os nobres e viu-se
obrigado a remunerA-los com uma soldada "a contia" -, para fazerem face
As despesas da guerra, linica profissAo que eles exerciam.
No Fuero Viejo, no Esp6culo e nas Partidas o servigo military era obriga-
t6rio para todos, se o rei f6sse atacado, se bem que variAvel, conforme a con-
dii;o social do suidito e quanto ao tempo de servigo. AliAs, as Partidas tra-
tavam do feudo em titulo A parte, o que aemonstrava que o feudo nao estava
vinculado ao servigo military.
Analisou Gama Barros, em seguida, se a imunidade em Lego e Castela
excluia t6da a jurisdigio real na terra imune, segundo as tradig6es medievais,
concluindo que, inegAvelmente, os proprietarios nobres ou eclesiAsticos tinham
poderes jurisdicionais sobre os moradores de suas terras, por6m *o rei con-
servava certos direitos.
As imunidades e privil6gios, mesmo quando declarados perp6tuos, care-
ciam de confirmagio dos soberanos sucessores, ou do pr6prio doador.
Uma carta de imunidade ou de couto s6 dava todo o poder ou senhorio
real quando o dono da terra tinha exercido a justiga, por 40 anos ininterrup-
tamente, mas, mesmo nestes casos, existia o direito de apelactAo para o rei.
Gama Barros achava que a imunidade tributAria das terras nobres ou eclesiAs-
ticas concedida pelo rei As classes privilegiadas foi transformada numa prer-
rogativa inerente A sua categoria social. Havia, assim, justigas constituidas
pelos nobres, pelo clero, pela burguesia e pelo rei, por6m estas fltimas cram
consideradas superiores As outras.
Faltava, portanto, na peninsula, para a existencia de um feudalismo bern
caracterizado, o encargo feudal para com o suzerano, inerente A doadao de um
feudo on terra, uma escala hierArquica bem caracterizada entire suzerano e
vassalos ligados pela prestag~o de services, as restricdes na compra e venda
de bens, e existia uma subordinacao direta e imediata dos senhorios A auto-
ridade real.
Terminando, Gama Barros analisou os vestigios do feudalismo em Portu-
gal, Leio e Castela, representados no predominio do direito local, na variedade
da condicio das pessoas, na f6rma imperando at6 na justiga, nas guerras pri-
vadas legais, no combat judicial para dirimir quest5es, na aristocracia vio-
lenta, opressora, no grande nfimero de homes livres sob a protegio de um
senhor, na jurisdigco unida A posse da terra nobre ou eclesiAstica. Mas,
segundo o referido autor: "o feudalismo nao era isso, e na organizacio social








ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


que o preceded vamos achar a maior parte daqueles caracteres se nao alguma
coisa de todos Oles" ("Hist6ria da Administraedo Pdblica em Portugal", I vol.
pag. 166).
No entanto, a predominAncia dsstes caracteres durante a Idade Media,
pareceu-nos ser, se n5o o traco fundamental do regime, pelo menos fator bas-
tante important de sua organizacgo. O pr6prio Gama Barros concordou que
havia grande semelhanga entire a situafio dos senhores nobres e do clero,
cor a situagao dos mesmos na Franca, quanto A imunidade, ao exercicio dos
direitos jurisdicionais e aos encargos e servigos que lhes deviam os morado-
res e lavradores das suas terras. Havia semelhanga inegavel nos preitos de
menage dos castelos, concessoes de prestim6nios, doac6es perpetuas de bens
da coroa, instituic5o dos ricos homes e tenentes.
Concordamos cor as conclus5es do autor em linhas gerais, mas nao acei-
tamos as causes por Ole indicadas para a inexistencia de um feudalismo tipico
nos paises da peninsula. Gama Barros achou que a necessidade de manter
uma guerra constant contra os mouros, tornou imprescindivel a autoridade
real forte e a coesao dos siditos em torno do governo central.
Cardenas, citado por Gama Barros na pAg. 245 do primeiro tomo de seu
trabalho, considerou a guerra como uma das causes da fragmentacgo do poder
r6gio: "A inica garantia da produAio do capital empregado numa terra era
o dominio s6bre a mao de obra resident nela, afim de proteg6-la contra os
ataques constantes dos mouros". Foi o que sucedeu em condicges semelhan-
tes no Novo Mundo, sob o regime da "encomienda" e da reparticgo de indios
da coroa.
Concordamos cor Cardenas que, a inseguranca de vida fortaleceu os pri-
vilegiados nobres ou eclesiAsticos, tornando necessArio dar-lhes jurisdigao e
senhorio s6bre os moradores de suas terras, que careciam de protecgo, e que
tamb6m promoveu o desenvolvimento do Municipio, outra forma de detesa
dos habitantes da peninsula contra os mouros. A nosso ver a monarquia,
apoiando-se nos Municipios, poude restringir as liberdades e prerrogativas das
classes privilegiadas, impedindo a constituicio de um regime feudal corn-
pleto.
As instituicges feudais que vigoraram na peninsula foram, por6m, sufi-
cientes para proporcionar A aristocracia elements vigorosos de resistencia ao
poder r6gio.
Os privil6gios da nobreza se resumiam no regime senhorial, tao bem defi-
nido por Paulo Merea: "o regime senhorial consiste essencialmerite numa dis-
seminacAo dos direitos pr6prios da soberania, numa fragmentacgo do conteddo
desta e de sua distribuigio por diversos individuos, em cujo patrim6nio pas-
sam a fundir-se, misturando-se com os direitos de indole privada e ingressando
cor nstes no com6rcio juridico (pAg. 502 do volume II, da "Hist6ria de Por-
tugal", dirigida por Damiio Peres).
A partir do seculo X se desenvolveu iste sistema nas Astdrias, e dai se
estendeu aos depais estados peninsulares. O regime senhorial se aplicava
aos nobres e eclesiAsticos, e, em especial, As ordens militares.








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


As func6es administrativas, judiciArias e financeiras cram exercidas has
terras senhoriais por oficiais do pr6prio senhor em cujo proveito revertiam
os tributes e services dos moradores.
A honra e couto existentes em Portugal desde o s6culo IX, correspondiam
as cartas de imunidade comuns nos paises hispanicos. Na terra coutada esta-
va vedada a entrada dos funcionArios reals, e os proprietarios das mesmas
gozavam ainda de outras regalias, como, por exemplo, o usufruto dos direitos
da coroa, s6bre os habitantes, e poderes senhoriais variAveis.
A honra tinha o carAter de terra imune por causa da condicgo nobre do
proprietArio. S6 eram considerados como tais as propriedades dos nobres
de antiga' linhagem, muitas vWzes anteriores A fundaaio da monarquia portu-
guesa.
As beetrias castelhanas e as maladias portuguesas cram privil6gios cria-
dos pelo ato voluntirio dos moradores de uma region de se porem sob a pro-
tec~o de um senhor de sua escolha, escapando A jurisdiqco real direta.
Os nobres garantiam os seus privil6gios por meio de diplomas das con-
Scess6es obtidas e compilacges das tradie5es legais e dos foros. Uma das cole-
cves mais famosas era o "Fuero Viejo de Castilla", reunido em 1212, ao tempo
de Afonso VIII, mais tarde ampliado (reinado de D. Pedro, 1356).
O Municipio foi o 6rg5o de defesa dos privilegios da burguesia. Mereceu
menc5o especial pela importincia que teve na hist6ria medieval iberica, e
pelo papel que dese'mpenhou no Novo Mundo, a'o ser transportado pelos con-
quistadores para' as terras rec6m-descobertas.
A origem desta instituigLo envolve uma controversial entire historiadoref
famosos, que ainda ni'o teve uma concluslo definitive.
A fim de tornar compreensiveis os arguments apresentados no debate,
lembraremos aqui os principios da organizacio municipal romana, nicleo de
vida do imp6rio e da sua expansion colonial.
desfrutavam, de inicio. dos mesmos direitos, administrados de ac6rdo com o
moddlo romano. A media que em Roma o Senado foi absorvendo os poderes
durante a repiblica, o 6rgio correspondent, nas outras cidades; a ordem dos
decuri5es; seguiu a mesma evolugio. Foi chamada, por analogia Senado, e seus
membros senadores, e, tamb6m, de CUiria e curiais.
Os magistrados que administravam a cidade eram eleitos pelos curiais,
dentre os individuos de sua classes, a nAo ser quando numeados, por funcioni-
denominag6es variAveis: os curadores, censores ou quinquenais, semelhantes
rios superiores extra municipals ou pelos seus antecessores. A Curia colabo-
rava no gov6rno como o Senado. Havia, portanto, a mesma divisio de classes
que na capital; decuriSes em vez de patricios, e plebeus.
Os magistrados exerciam, cumulativamente, o poder judiciArio e o exe,
cutivo.
As velhas "civitates" compreendiam uma cidade, "urbs", capital do Muni-
cipio, e uma circunscrigio territorial, o "territorium". Todos os habitantes
Havia uma s6rie de funcionArios correspondents aos de Roma mas com








ADMINISTRACi O COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMIRICAS 47

ao censor, por6m exercendo tamb6m certa superintendencia s6bre rendas
pfblicas; os duumvidus ou quatuorvirus (conforme o n6mero), aos c6nsules;
os edis aos 6dis, o questor ao questor. Algumas cidades obedeciam a um
regime de excecgo; eram administradas por um prefeito nomeado por Roma,
mas foram send equiparadas As outras. Esta era a situaaio das cidades, na
Italia. Nas provincias, algumas gozavam do direito itAlico, organizagco
municipal complete e isen,5o dos impostos diretos, como "capitatio"; outras
cram administradas por um magistrado romano, "rector" mas conservavam
os decuri5es, presididos pelo primeiro inscrito no album ou registo.
Durante os s6culos III e IV (era de Cristo) perderam gradativamente a
autonomia e os duumviros grande parte de suas func5es judiciais. A classes
mais elevada comegou a desertar a cidade. Por fim, em meados do seculo IV,
dois funcionarios imperiais foram encarregados de intervir no governo muni-
cipal; o "defensor civitatis" e o "curator reipublicae", ja antes mencionado.
O primeiro, destinado a defender os habitantes da cidade, da tirania dos gover-
nadores das provincias e dos grandes proprietarios territoriais. 0 segundo,
recebeu a incumbencia de vigilar a gestao financeira e administrative dos
magisrtados urbanos. S6 podia ser escolhido o defensor fora da Ciria, por
cleiv5o de todos os burgueses. No fim do period imperial era um dos ma-
gistrados mais importantes.
No s6culo IV a situacdo da Curia era opressiva, porque seus membros
ficaram responsAveis pela satisfa(co dos tributes impostos A cidade. Os
curiais, geralmente cem, comegaram a escassear. Tornavam-se necessArias
medidas de emergencia, para completar aquele nfimero; a inclusio de posses-
sores plebeus, proprietArios de mais de 25 geiras de terra, na ordem curial; e
disposigces para impedir que os curiais entrassem em colonato ou servidao.
No entanto, a desintegraclo continuava. Segundo Sanchez Albornoz ("Ruina y
Extinci6n del Municipio Romano en Espafia y Instituciones que le Reemplazan",,
pAg. 17), no ano de 415 ja existiam cidades sem magistrados. Exporemos, em
primeiro lugar, a teoria de Alexandre Herculano apoiada em Savigny, Thierry,
Raynouard, Guizot, Eichhorn, e mais recentemente defendida por Oliveira Mar-
tins, Ernesto Meyer e PBrez Pujol.
Alexandre Herculano admitiu a decadencia municipal na ftltima fase do
imp6rio, que assinalamos acima, por6m, achava que esta instituiciao, apesar de
ter se modificado, perdurou at6 a 6poca da reconquista. Em defesa de seu
ponto de vista argumentou que a invasSo dos godos repelia os antigos habitan-
tes para a cidade onde iam procurar um refugio natural contra a barbArie.
Os invasores se localizavam de preferencia no campo, continuando o gSnero
de vida a que estavam acostumados.
Acrescia a estes fat6res a divisio legal da populaCgo, que correspondia
portanto a uma divisao territorial (Alexandre Herculano, "Hist6ria de Portu-
gal", VII volume, pAg. 44).
Em seguida, analisou o BreviArio, dando especial atenc5o A interpretacio
das leis romanas, pois deviam corresponder ao direito vigente. S6 encontrou
refer&ncias raras ao curador e ao defensor, sendo que este 6ltimo perdera








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


muito do seu prestigio e passara a ser recrutado na classes dos curiais. Parte
das suas func5es f6ra conferida ao conde godo, substitute dos retores romanos.
Acentuou a ampliagio da jurisdicgo da Ciria. Ficou encarregada da ins-
crigSo das doac5es e testamentos e de t6das as outras escrituras. A interpre-
tagAo Ihe concede competencia para autorizaCgo de diversos atos de jurisdi-
clo voluntAria: adog~o, emancipagio, nomeaiao de tutores, inventArio e venda
dos bens de menores, doagces, abertura de testamentos, etc. P6rez Pujol
achava que tamb6m tinha atribuiclo judicial em causes penais (Claudio San-
chez Albornoz y Menduifia, obra citada, pAg. 35).
Assinalou a falta da classes dos "honorati" dentro da Ciria, porque era
constituida pelos nobres que tinham exercido altos cargos, e, naturalmente,
no tempo dos godos, os hispano-romanos estavam excluidos d&sses cargo.
Pelo c6digo visig6tico (642-649), o defensor passou a ser nomeado vitalicia-
mente pelo bispo e povo em conjunto, sendo que o voto daquele devia ser
preponderante.
Nio apareceram vcstigios do curador, nem dos 6dis, mas Herculano argu-
mentava que, sendo iste c6digo de carter politico (estatuindo as relar5es do
povo e do rei), e civil e criminal, eranatural que nfo mencionasse funcionA-
rios que nao estavam relacionados coin estas func5es. Citou, por6m, os nume-
r.arios, que considerava como representantes dos exatores e susceptores.
Segundo Alexandre Herculano, a influencia do clero, entao poderosa, devia
ter contribuido para a nivelagco, no s6culo VII, de curiais ou "honorati" e
plebeus, possores on privatei", como eram respectivamente chamados ao tempo
do imp6rio, do BreviArio, e do C6digo Visig6tico. Considerou, entio, a impor-
tAncia adquirida pelo conventss publicus vicinorum" ou assembl6ia do povo
que, de certo modo, substituiria a Curia.
Gama Barros, apesar de nao se definir claramente a favor da origem
romana do Municipio, apresentou uma s6rie de indicios nas formulas visig6ti-
cas e no C6digo de Alarico, da exist6ncia do Municipio, nas v6speras da con-
quista arabe, e at6 do progress d&sse 6rgdo de governo.
Nas formulas vinte e cinco e vinte e um encontrou referencias a insti-
tuiCBes municipais em C6rdoba, e a atribuifio de publicar e register testa-
mentos conferida A CUria. No C6digo de Alarico observou uma lei s6bre a
alienag5o dos bens dos curiais, outras ampliando as func6es d&stes, vestigios
da conservagio de cargos municipals, mencgo dos seniorss loci" e do "con-
ventus publicus vicinorum". Por fim, citou trechos do codigo s6bre a con-
cessao de interfer&ncia legal aos "boni hominibus" e de funcges de policia
criminal aos moradores de qualquer povoado, provando a participacio dos
habitantes no gov6rno urban. ("Hist6ria da Administracgo Pbihlica em Por-
tugal", vol. I, pAgs. 72, 73 e 79).
Os arguments de Herculano a favor da conservagco do Municipio durante
o dominio arabe eram, visivelmente, insuficientes. Alegava o respeito aos
costumes dos vencidos pelos vencedores, a ponto de subsistir a organizaaio
administrative eclesiAstica e dos nobres godos terem ingresso no ex6rcito e
nos altos cargos governamentais., E referiu ainda a conservacgo da nomen-








ADMINISTRATOR COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


clatura Arabe dos funcionarios municipals (Al-Kaid, al-wasir, al-Kadi, al-mohtsib)
nos reinos postvisig6ticos.
Alexandre Herculano por6m s6 apresentou dois documents: decretos de
reis francos: um de Hludwig o pio (815), outro de Carlos o calvo (845). O
primeiro concedia aos mossArabes abrigados nas fronteiras francas o direito
de resolverem entire si as causes crimes e civeis de menor importAncia, segundo
o costume dos hispanos, e reservando as mais importantes para o conde e o
tribunal (Mallum) francos. O segundo estabeleceu condigces semelhantes para
os habitantes de Barcelona, libertados dos Arabes ("Hist6ria de Portugal", vol.
VII, pAgs. 62 a 65).
Hinojosa, Valdeavellano, Torres L6pez, Sanchez Albornoz, Paulo Merea
combateram esta teoria. Indiscutivelmente os arguments de Sanchez Albor-
noz estao mais bem documentados, o que aliAs se explica por ser o seu trabalho
uma monografia s6bre o assunto, enquanto o de Alexandre Herculano e um
capitulo de uma obra geral, escrita ha mais tempo.
Sanchez Albornoz concordou corn as observances de Alexandre Herculano
s6bre o Municipio ao tempo do BreviArio, por6m, achava que os condes e
juizes godos absorveram grande parte das fungces curiais, chegando a substi-
tuir o curador e o defensor.
O BreviArio se esforgou por manter e ampliar os curiais. O curial que
fugia perdia todos os seus dircitos e dignidades. Quando vendia os scus bens
o comprador ficava responsAvel pelos seus encargos. A filha de um curial s6
podia se casar cor outro curial, sob pena de perder a quarta parte de seus
bens. O funcionArio que auxiliasse a venda de um curial que quisesse volun-
thriamente ser escravo, era condenado A morte. Os curiais eram obrigados
a declarar os valores que possuiam. S6 quando tinham treze filhos ficavam
livres dos encargos, mas o genro sem filhos, passava a ser curial. Se por
acaso fugissem para outra cidade eram declarados curiais em ambas. Os
menores, a partir de dezoito anos, passaram a ser considerados como curiais.
Foi duplicada a duraciAo do cargo para suprir a falta de curiais.
Sanchez Albornoz considerou estas medidas drAsticas, aliAs tamb6m cita-
das por Herculano, como uma evid&ncia da dccadencia da institui5ao.
Todos os historiadores concordam quanto a cste ponto, por6m Albornoz
procurou provar a extinc5o do Municipio antes ainda da invasao Arabe.. Come-
cou em seguida a analisar como as atribuiSces conferidas a Cliria pelo BreviA-
rio de Alarico foram sendo exercidas por outras entidades. Segundo as F6r-
mulas Visig6ticas, por Nle citadas, no primeiro terco do s6culo VII jA se eman-
cipava por carta. Na "Lex Visigothorum" jA nao se requeria a intervengao
da Ciria para a doac5o. A nomeaciio de tutor era feita pelo juiz e parents
sem a presence dos primii patriae". A me e o tutor estranho estavam obri-
gados a fazer inventArios dos bens do menor perante testemunhas. O testa-
mento ol6grafo se reconhecia e declarava autintico ante o juiz, o bispo e tes-
temunhas.
A compra de um escravo a pessoa desconbecida, devia se efetuar na pre-
scnca do juiz e de "bonis hominibus". Claudio Sanches Albornoz nao admitia








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


a teoria de Perez Pujol e de Alexandre Herculano, perfeitamente aceitAvel, de
que as testemunhas f6ssem curiais.
No entanto, seria natural que os curiais, apesar do seu desprestigio, ainda
conservassem uma certa ascend6ncia e f6ssem designados pela expressao boni
hominibus.
Deu Sancles de Albornoz, uma explicagio diferente ("Ruina y Extinci6n
del Municipio .Romano en Espafia..." pags. 86 a 947; achava que os homes
bons representavam um vestigio do antigo "mallum" germAnico, que persistiu,
apesar dessa assembl6ia popular dos bArbaros nao ser aceita na lei. Funda-
mentou a sua argumentaaio, citando certas disposicres da "Lex Visigotho-
rum" que aludiam A participaCio dos homes bons na audiincia do juiz visi-
godo e nas assembl6ias populares, "conventus populi" e "conventus publicos".
Eram as seguintes: obrigatoriedade do "judex" escolher auditors ou jurados,
dentre os "boni homini" ou honesti viri", do tiufado se aconselhar cor alguns
membros dessa classes, proibicio do conde e juiz julgar s6.
Parece-nos mais plausivel aceitar os homess bons" como descendentes
dos curiais do que como representantes do povo.
As testemunhas e auditors desempenhavam a fungcio dos curiais. Eram,
provAvelmente, os pr6prios curiais que foram perdendo esta designagio c
grande parte dos seus encargos.
No sBculo VII a peninsula se achava profundamente romanizada, a buro-
cracia e a complexidade da organizagio administrative dessa &poca nfo se
coadunavam com a existencia de assembl6ias de tribo.
Para provar a persistincia desta assembl6ia popular durante a invasio
Arabe, Albornoz ainda encontrou maiores dificuldades. Disse s6mente que,
tendo cessado a influencia romana, esta tradicgo deveria se desenvolver.
Todavia, Ule pr6prio criticou Alexandre Herculano por nao ter apresen-
tado documentagio suficiente em defesa da subsistencia do Municipio romano
entire os Arabes.
Ao analisar a tese de Herculano mostrou certo apriorismo; s6 mencio-
nou alguns arguments apresentados por sste historiador: a nomenclature
Arabe dos cargos municipals e a exist&ncia dos cavaleiros e pe6es nos conse-
Ihos leoneses e castelhanos, que corresponderiam aos curiais e plebeus.
Achava que o primeiro nio procedia, porque tal nomenclatura foi adotada
s6 depois das conquistas de Fernando I e Afonso VI. Quanto ao segundo, ji
mencionamos a sua opiniio.
Albornoz, a fim de comprovar o desaparecimento do Municipio no s6culo
VII acumulou arguments, tais como: as reforms na administracgo fiscal,
introduzidas posteriormente ao BreviArio, que retiravam as func6es fiscais da
Cfria (obra acima citada, pAgs. 56 a 62).
Citou a lei que dispensava o defensor de ter desempenhado as magistra-
turas da Cdria que considerou como prova decisive da inexisfencia de curiais e
6, para n6s, indicio muito discutivel. Por fim, mencionou uma disposigco da
"Lex Visigothorum" (obra acima citada, pigs. 52, 63, 64), permitindo aos
curiais' vender seus bens (terras, casas, servos), antes considerados garantia
de sua responsabilidade fiscal.








ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Consideramos esta lei uma prova irrefutAvcl para demonstrar que os curiais
perderam tal funcgo, mas nio que deixaram de existir.
Em seguida Sanches de Albornoz procurou demonstrar que o Municipio,
mesmo tendo subsistido atW o tempo dos Arabes desapareceria nessa 6poca.
Os cristdos, em sua maioria, ou foram escravizados ou se submeteram
tendo neste caso certas liberdades, controlados, por6m, pelo conde designado
pelo emir, como sucedeu nas comunidades do Andalus. Aqueles que fizeram
pactos cor os Arabes, conservaram inicialmente bastante autQnomia, mas
tinham-na perdido em fins do seculo VIII. As povoag5es mossArabes tendiam
a diminuir devido aos impostos e perseguic6es.
As cidades importantes arabes do seculo VIII se regiam por uma organiza-
4Ao que nio conservou o menor vestigio de autonomia.
Por fim, Albornoz alegou que a regiao das Astfirias foi a mais tardiamente
romanizada, e que as mais importantes cidades godas desapareceram durante
a invasao.
Em conclusio, devemos dizer que os arguments de Albornoz sobre o
desaparecimento do Municipio no sCculo VII sAo insuficientes. Conseguiu
Z cal, mas, nio que deixara de interferir nas causes de jurisdicio voluntaria,
conferidas a ela pelo BreviArio.
Acreditamos que os auditors, jurados e "boni homines", sejam os suces-
sores dos curiais. Estamos por6m, de ac6rdo com Albornoz quanto ao desa-
parecimento do Municipio sob o dominio Arabe.
A 6poca da reconquista oferecia condigces favorAveis ao desenvolvimento
do Municipio: a inseguranga do povo devido A guerra, a opressiio dos nobres
e da Igreja e at6 a necessidade do rei de ter um apoio no povo contra os fidal-
gos. S6 progredia a terra que tinha uma povoacdo acastelada para defender
,os habitantes em caso de ataque e dar-lhes direitos e privil6gios que os garan-
tissem contra a tirania. Era 16gico que a semelhanca das condig6es fizesse
ressurgir a instituiiao romana, naturalmente modificada, cor iria ressurgir
a legislacgo romana, durante a Idade M6dia. A falta de um poder central
forte, de um espirito national, o isolamento dos diversos grupos de povoacro,
contribuia para o desenvolvimento do direito local.
Os reis da primeira fase da reconquista precisavam dos Municipios. e,
portanto, foram multiplicando as concess6es de forais, verdadeiras constitui-
r6es que estabeleciam os direitos das cidades perante o rei ou o nobre pro-
prietario da terra. Mais tarde, a monarquia, no seu esf6rgo para estabelecer
um govbrno centralizado e absolutista, teria de combater o poder dos Muni-
cipios.
O Municipio se caracterizava, como todas as instituigces medievais, pela
sua extrema variedade. Segundo Herculano o traco distintivo era a ligacao
mais ou menos direta dos funcionArios locals com o lugar onde exerciam as
suas fung5es. Paulo Merea jA adotou outro aspect do Municipio para defi-
ni-lo: "...os conselhos exerciam dentro de sua esfera de poderes, que nao
diferem essencialmente dos senhorios nas suas respectivas terras, sendo certo
,todavia que se distinguem claramente dos ditos pelo seu carAter coletivo e








EULALIA MARIA LAIIMEYER LOBO


democrAtico" (pAg. 493 do vol. II da "Hist6ria de Portugal", dirigida por
DamiAo Peres).
O Concelho em conjunto, tinha uma s6rie de regalias referentes ao direito
de asilo, liberdade das pessoas, dever tributArio, servigo military, a defesa dos
direitos em juizo, inviolabilidade do domicilio.
SO Municipio no seculo XII, tanto em Portugal como nos reinos ibricos,
diferia muito de region para regiao, na sua organizagio de govfrno e classes
dos moradores.
A nosso ver, Torquato Brochado de Sousa Soares foi o historiador que
conseguiu sistematizar este assunto de maneira realistic, na t6se apresentada
A Universidade de Lisboa "Apontamentos para o estudo da origem das Insti-
tuicges Municipais Porluguesas". Os outros, geralmente, dcixaram-se influen-
ciar pelo conceito que faziam da origem do Municipio, como aconteceu, por
exemplo, cor Alexandre Herculano.
Procuraremos dar aqui uma idWia dos tipos de Concelhos observados por
Torquato Brochado de Sousa Soares, nos dispensando de analisar os Conce-
Ihos dos reinos hispAnicos, por serem semelhantes, apesar das variantes locais,
e para nio alongarmos demasiadamente esta introducgo ao assunto da tese.
Aqu6le historiador dividiu Portugal em tr6s zonas: a do norte, acima do
rio Douro; a central, entire este rio e o Tejo; e a do sul. Afirmou que na pri-
meira-predominaram os gr&mios rurais de origem anterior aos romanos, por
diversas causes. Istes invasores s6 conquistaram a regiao no fim do seu perio-
do de dominio na peninsula. Os suevos, menos influenciados pelos latinos
que os visigodos, invadiram o norte e contribuiram para incentivar as tradi-
p6es locals, que perduraram em conseqiiencia do norte nao ter sofrido muito
corn a invasio sarracena de 711. Considerou &stes gremios rurais como o
resultado da absorgio pelo "conventus publicus vicinorum", isto 6, reunido
dos representantes das aldeias ou "vici" (sob a jurisdiCgo das civitas), das
atribuig6es de carAtcr judicial do "concilium" germano, que era uma assem-
b!lia judicial do distrito. Alguns destes gr6mios possuiam um juiz eleito, um
mordomo para defender a populacgo dos abuses do exator fiscal r6gio, e a
assemblBia de homes bons. Outros, s6 contavam com um juiz, auxiliado pelos
homes bons. A populagco variava. Ou era constituida por agricultores e
pastors, foreiros dos casais e herdades, sujeitos ao impossto de jugada, ou
por artifices e mercadores que pagavam tribute s6bre as casas e s6bre os g6ne-
ros que entravam no burgo (portagem).
Na regiao central os Concelhos cram de origem romana. Ai a influhncia
latina foi grande c a invasio sarracena nio teve graves conscqii6ncias. Todos
estes Municipios caracterizavam-se pelo seu aspect urban, pela presence da
cavalaria-vili e de funcionArios r6gios que tamb6m desempenhavam fung6es
municipals.
Toi'quato Brochado de Sousa Soares considerou a cavalaria vil5l como
herdeira dos curiais roinanos; a assembl6ia de homes bons, a sucessora da
Curia; o alcaide, o continuador do "curator"; o "judex", do defensor; o mor-
domo, do "numerarius".
Aquele autor distinguiu cinco grupos, dentre os Concelhos urbanos. 0
primeiro, predominant na Beira-Alta, tinha uma magistratura bem complete,







ADMINISTRAClAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


um juiz, um corpo de homes bons, um saiao officiall de justica), um alcaide
(funcionArio military, delegado do rei). AlBm da cavalaria vili, obrigada a
prestar servigo military, no "apelido" ou "fossado", existiam os pe6es jugadei-
ros. O foral de Coimbra, de 1111, serviu de modelo aos Concelhos do segundo
grupo, que se distinguiam do anterior pelos privil6gios excepcionais conce-
didos a cavalaria vili. Ao terceiro grupo pertenciam os Concelhos que se
assemelhavam ao de Miranda (foral de 1136). A sua organizacao de gov&rno
era mais rudimentar: um juiz, um saiao, e um vicArio equivalent ao mor-
domo. A populagio era constituida por cavaleiros vilgos. e pe5es jugadeiros.
Os forais de Viseu e Seia mencionavam tal variedade de classes sociais
que mereceram uma classificaclo A parte, constituindo o quarto grupo. En-
contravam-se, nestas vilas, cavaleiros-vilios de duas categories, uns sujeitos,
outros isentos do servigo military, cl6rigos, pe6es e mercadores. Viseu conta-
va cor um juiz, um saiio, um mordomo e o corpo de homes bons eleitos pelo
povo, sob condicio de confirmagfo do Concelho. Em Seia (1136), alem da-
queles funcionArios, havia um alcaide, todos eleitos diretamente.
O exemplo tipico do foral do quinto grupo 6 o de Tomar (1174), ondo
a magistratura estava representada pelo juiz (provAvelmente eleito), pelo alcai-
de, mordomo, sailo e 'o almotac6 que nio existia nos demais.
Por fim, temos, na zona sul, os Concelhos distritais, formados mais recen-
temente pela fusio da sede do distrito cor a organizacio do julgado. Uma
de suas caracteristicas essenciais era a presenga constant de um delegado do
rei. Estes Concelhos foram criados na regiio devastada pelos sarracenos que
destruiram as tradic5es locals. Os seus forais foram geralmente copiados de
outras cidades.
Alguns Concelhos da Beira-Baixa e sul do distrito de Braganga entiree
Sabor e Douro), tiveram como modelo o foral de Salamanca. Nao havia uni-,
formidade absolute; nuns, o juiz do distrito tamb6m era juiz do Concelho; nou-
tros, havia dois alcaides independente. Tanto os alcaides como o juiz do
distrito tinham carAter de representantes r6gios. Distinguiam-se entire os
alcaides, os runrais e os urbanos.
Os forais do Alemtejo e Beira-Baixa inspiraram-se no de Avila; mencio-
navam um alcaide, um "judex terrae", delegado do rei, um juiz popular eleito
e os homes bons. Santar6m, Lisboa, os Concelhos de Extremadura, Alemtejo
,e Algarve se assemelhavam ao de Coimbra (foral de 1179). A organizacio
desta cidade dependia inicialmente do conde, maior autoridade da coroa na
provincia. Sofreu uma serie de transformag6es, ficando finalmente a magis-
tratura constituida pelo "judex terrae", que substituiu o antigo alcaide, conro
representante do rei, e pelos alvazis (juizes).
Na regido entire Douro e o Minho e TrAs-os-Montej os Concelhos se consti-
tuiram de forma semelhante ao de Zamora. Encontravam-se, em todos Mles,
dois juizes de eleicio popular e ainda um pretor fidalgo e independent do
municipio, um juiz nobre ao lado do popular. ]ste era o inico grupo da
zona sul que apresentava um carAter rural, cor uma populac5o constituida
exclusivamente por jugadeiros.
No correr dos seculos XII, XIII, XIV e XV houve uma uniformizaego dos
Municipios, porque os mais rudimentares aspiravam a se equiparar aos adian-







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


tados, e esta tend6ncia encontrava terreno favorAvel, p'ois facilitava a inge-
r6ncia da monarquia no gov6rno dos Concelhos.
No s6culo XIV surgiram os vereadores, que logo se generalizaram; repre-
sentavam no Concelho os homes bons, que dai em diante s6 foram convoca-
dos para decidir casos graves. Era uma manifestac5o da tend6ncia uniformi-
zadora e antidemocrAtica.
Em fins do s6culo XV, e no XVI, a magistratura jA era idWntica na maioria
dos Concelhos lusitanos: um ou dois juizes, trfs ou quatro vereadores, con-
forme a importancia da povoaiAo, um procurador, eleitos de forma indireta
pelos moradores. O chamado juiz de fora, que o rei foi gradativamente intro-
duzindo nos Municipios, presidia as eleigces.
Os juizes, tamb6m denominados j6dices ou alvasis, ou ainda alcaldes,
tinham jurisdicio contenciosa, autenticavam as conveng6es particulares, legis-
lavam dentro de certos limits, controlavam os funcionarios fiscais. Estes
eram, o almotac6, encarregado da inspegeio dos mercados, da aferigio dos pesos,
da taxacio, etc., e o juiz das sisas (imposto s6bre as compras); ambos esco-
Ihidos entire os municipes. Ainda havia o juiz dos 6rfios, em algumas vilas;
noutras, o juiz comum desempenhava estas func5es.
Os vereadores, selecionados dentre os homes bons, se incumbiam de
assuntos administrativos, mas tamb6m tinham conhecimento, juntamente com
os juizes, dos casos crimes de menor importfncia. O procurador requeria ao
Concelho medidas de utilidade pfiblica. Completavam o quadro administra-
tivo municipal, os gr&mios de oficios cor os seus respectivos procuradores.
Em Castela e Ledo encontravam-se nessa 6poca, na maioria dos Cabildos,
dois juizes ou alcaldess hordinarios", cor jurisdiclo civil e criminal limitada,
um corpo de regidores, tamb6m eleito, que veio a substituir o "Cabildo abier-
to", isto 6, a reuniio dos moradores de maior importAncia. Os regidores cor-
respondiam aos vereadores portugueses, quanto As func6es que desempenhavam
e ao seu papel politico. O oficio de procurador nio era permanent; esco-
lhia-se uma pessoa quando havia um caso important a tratar. Havia o juiz
dos 6rfios, para se ocupar dos testamentos, litigios, etc., referentes aos seus
protegidos. O deposithrio de penas, o recebedor de penas, o tesoureiro, rece-
biam e guardavam as multas e rendas do municipio. Os "fieles executores"
eram fiscais de pesos e medidas; o mordomo se incumbia da administracgo
de obras pdblicas, como o hospital; o alferes real representava a cidade e
dispunha de voto e lugar de destaque nas reunites do Concelho. Ainda exis-
tiam funcionArios subalternos tais como, o escrivao, o apregoador das postu-
ras municipals, o corredor de lonja, o porteiro.
Os alcaldess de la hermandad" dirigiam um verdadeir corpo de policia
rural, formado pelos moradores do Municipio, sob a protecgo de um patron.
Os gr6mios, organizag6es corporativas do trabalho originarios das' confrarias
religiosas, eram subordinados ao Cabildo. Regulavam o exercicio das diver-
sas profissbes, estabelecendo hierarquia de aprendizes, oficiais e mestres,
fixando tabelas de salArios.
No s6culo XIV tornou-se muito important o Conselho da Mesta, associa-
loo dos criadores. Serviu de 6rgao de reivindicagio da populagao rural do
distrito que ficava sob a jurisdicio do Cabildo resident na cidade.







ADMINISTRAQAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Um certo nfimero de vizinhos (habitantes da cidade) reunidos em Cabildo
aberto, tomava parte no governo, julgando pleitos de certa categoria, elegendo
os magistrados municipais indiretamente, promulgando posturas, sancionando
decisbes, especialmente s6bre cobranga de impostos de excecgo. Havia diver-
sas fontes de renda: os bens do Concelho (terras, im6veis), impostos decre-
tados pelos pr6prios funcionArios urbanos, multas e penas pecuniArias. E
muitas vkzes o rei cedia ao Municipio os direitos da cor6a s6bre a regiao.
A monarquia durante os s6culos XIII, XIV e XV procurou nao s6 restrin-
gir a jurisdigAo dos Municipios, diminuindo as atribuig6es dos juizes, intro-
duzindo outros regios, como controlar as rendas das cidades e seus termos,
atrav6s dos juzes de fora, corregedores e provedores nas terras portuguesas,
c os corregidores nas castelhanas-leonesas. Os corregedores hispAnicos ou
lusitanos visitavam os municipios a les subordinados, devassando a eleicao
e a conduta dos oficiais urbanos.
Os Municipios portugueses e os Cabildos espanh6is tinham grande forga
political nos seculos XII e XIII, porque participavam das C6rtes, isto 6, reunites
dos representantes das cidades, da nobreza e do clero.
Quaisquer recursos requeridos pelo rei eram submetidos a essas C6rtes
que, desse modo, tinham de fato um certo poder s6bre o monarca. Em mat&-
ria administrative funcionavam as C6rtes como um Conselho.
Estudaremos, em primeiro lugar, a evoluc5o political em Castela, a partir
do s6culo XII. Neste s6culo, e no seguinte, os Municipios e as C6rtes estavam
em pleno florescimento, em prejuizo do regime senhorial, que vai perdendo
o prestigio de que gozava nos primeiros tempos da reconquista.
A Espanha era uma confederagio de cidades. Cada regiAo gozava de
forais pr6prios, como os de Cuenca, Logrofio, Najera, Sepulveda, o Fuero
Viejo, organizado por Afonso VII, em 1212, o da cidade de C6rdoba, concedido
em 1241 por Fernando III (mera traduciio do "Forum Judicum" para o caste-
Ihano). Este filtimo foi espontaneamente se generalizando e sendo traduzido
em diversos dialetos.
O objetivo da realeza iria manifestar-se nas tentativas de codificacio das
leis, e de generalizar o direito Justiniano, que preconizava o absolutismo
monArquico.
JA no s6culo VII encontravam-se citac5es desse direito nas epistolas pon-
lificias e, mais tarde, no seculo XI, nos Canones. No s6culo XII Bolonha se
transformou num centro de irradiaqio das novas doutrinas, vulgarizadas pelo
clero nos outros paises da Europa.
O "Corpus Juris Civiles" marcou o apogeu do imperialismo da iltima
fase do poderio romano, simbolizado pela expressAo de um jurisconsulto da
6poca: "a palavra do imperador 6 a lei". Compunha-se do Codexi compila-
cio das leis, decretos, etc., dos imperadores desde Adriano, do "Digesto" ou
"Pandectas", conjunto de toda a jurisprud&ncia desde as XII TAbuas, e, por
fim, das "Institutas", compendio de direito para uso dos estudantes. No
"Digesto" os pareceres dos jurisconsultos foram pela primeira vez reunidos
e constituiram uma verdadeira interpretacgio da lei vigente, em vez de mera
enunciacio de mAximas te6ricas, nem sempre aplicadas.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Os inter6sses da realeza estavam intimamente ligados a renovagAo do
direito Justinianeo, que se caracterizava pelo absolutismo imperialista, pela
centralizacAo administrative, pela subordinaglo de todos os slditos as mesmas
leis. A Igreja, se bem que sua autoridade f6sse relegada aos assuntos espi-
rituais no c6digo de Justiniano, se sentia prestigiada pelo principio da mo-
narquia de direito divino, que Ihe concedia uma certa suzerania s6bre o poder
temporal.
Coube ao successor de Fernando III, Afonso X, a tarefa de organizer um
corpo de leis official para toda a nagco. De inicio procurou somenfe conso-
lidar as leis e costumes em vigor, incumbindo juristas, cidadSos de nomeada
e membros do clero, de reunir as disposicges foraleiras e do "Fuero Juzgo"
num c6digo promulgado em 1255, sob o titulo de "Esppculo". Logo a seguir
apareceu outro, o "Fuero Real de Espafia" mais perfeito, por6m ainda
baseado no f6ro municipal de Soria e no "Liber Judiciorum". Para facili-
tar sua aceitacao foi concedido como foral a Madrid, Soria, B6jar e Sahagun.
A terceira e filtima colegio de Afonso X, as "Siete Partidas", represen-
tava o esf6rco da monarquia para realizar uma grande transformagco political,
prenincio do fim da 6poca medieval. O "Fuero Juzgo", os "Estillos", o
direito consuetudinArio, ficaram relegados ao segundo piano. Os principios
do direito JustiniAneo e do Can6nico (principalmente as decretais de Greg6-
rio IX), constituiam as bases da nova legislagco.
O C6digo das "Siete Partidas", assim denominado por razoes astrol6gi-
cas, enumeradas no pr6logo da obra, era um tratado de direito p6blico e pri-
vado.
bmente a segunda e a terceira partidas, foram dedicadas quase exclu-
sivamente ao direito pfblico. A segunda partida comeca definindo a pala-
vra imperador em termos pitorescos, que resume os principios da nova
legislacio: "Ca el Sefior a quien Dios tal honrra da, es Rey, e Emperador:
e a el pertenesce segund derecho, el otorgamiento que le fizieron las gentes
antigamente de, gouernar, e mantener el Imperio en justicia. E por eso
es llamado Emperador que quiere tanto dezir como mandador, porque al su
mandamiento deven obedecer todos los del Imperio e el non es temido de
obedescer a ninguno fueras ende al Papa en las cosas espirituales" (pAg. 3
das "Siete Partidas"). A lei II do Titulo I d6sse c6digo, pAgs. 4 e 5 tratava
das atribuic(es e regalias do imperador, que podemos classificar em legisla-
tivas e judiciArias. Cabia ao imperador promulgar novas leis, reformar as
antigas, interpretA-las, e at6 impedir a aplicacgo do direito costumeiro.
Ficava o soberano investido da autoridade de julgar pessoalmente, s6 6le
podendo nomear juizes on outorgar tal poder a particulares. Competindo-lhe,
mesmo revogar a concessao de jurisdicio s6bre as terras doadas, e, tamb6m,
reivindicar para si, a decisao em pleitos s6bre privil6gios concedidos pela
coroa. Por fim, a lei especificava que o rei devia delimitar as provincias
e vilas, cunhar moedas, langar tributes, declarar a guerra, a tr6gua, a
paz. E' sup6rfluo dizer que o poder executive era, tebricamente, absolute, e,
na prAtica, limitado pelas imunidades e privil6gios das terras pertencentes aos
nobres, clero ou Municipios, e pelo contr6le das Cortes. Algumas leis visa-







ADMINISTHAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMARICAS


vam dar ao rei a oportunidade de dominar o clero, nobreza e burguesia
quando o seu poder se tivesse fortalecido. Estava neste caso o direito
de suspender o uso dos costumes tradicionais. Era o principio oposto ao dos
primeiros tempos da reconquista, o predominio das leis gerais s6bre as locais.
A faculdade de revogar, sob certas condig6es, a jurisdicgo dos nobres e do
clero s6bre suas terras, representava a anulagio da base do regime feudal.
A lei VIII, estabelecia a hereditariedade em substituivgo ao sistema ele-
tivo, outro element lindispensavel da consolidavgo do absolutismo monArquico.
A lei seguinte determinava as regras da sucessao ao trono: em primeiro lugar
o filho mais velho; sendo impossivel, o parent mais pr6ximo. Em caso de-
inexist6ncia de herdeiro, admitia-se a eleicio ou casamento com a rainha, ou
outorgamento pelo Papa.
As Partidas se ocupavam muito dos nobres e dos seus direitos porque Mles
ainda' desfrutavam de posiqco de destaque no reino. Havia uma verdadeira
escala hierArquica, encaberada pelo duque, que desempenhava um cargo civil-
-militar e prestava vassalagem ao rei, ao receber terra da coroa a titulo here-
ditArio. Logo a seguir, vinha o conde, com senhorio hereditArio s6bre o con-
dado; o marquis, senhor de grades terras em comarca de reins, conforme a
expresso usada Has Partidas; o visconde, substitute do conde. Os infani5es
pertenciam a uma categoria inferior, porque s6 possuiam direitos jurisdicio-
mais s6bre suas terras quando o rei fazia concessao especial. A lei definia
,stes direitos da seguinte maneira: "E ha poderio cada uno de ellos (os
nobres) en su tierra, en fazer justicia, e en todas las otras cosas que han ramo
(c sefiorio, segund dizen los privilegios, que ellos han de los Emperadores, 6
'e los Reyes, que les dieron primeramente en sefiorio de la tierra, o segund
]a antigua costumbre, que usaron de luengo tiempo, fueras ende que no pueden
legitimar, nin fazer ley, nin fuero nuevo, sin otorgamiento del pueblo".
Sbmente no titulo IX, encontramos a parte referente A organizacgo admi-
nistrativa do reino. Em primeiro lugar, figurava a lei s6bre o capelao do rei,
defer6ncia para com a Igreja, que era sempre post em evidencia. Depois,
em ordem de importAncia, vinham as que tratavam do chanceler, incumbido
de verificar se as cartas r6gias estavam de acbrdo com a lei, selando-as, em
caso afirmativo, e do Conselho, formado pelos homes eminentes, consultado
nos assuntos de maior relevAncia. Por fim, dos notArios, que exerciam fun-
C es burocriticas, secundados pelos secretarios, na redag~o e registo de car-
tas e privil6gios. Terminava corn uma longa lista de nobres palatinos encar-
regados de prestar services pessoais ao rei. Encontramos ainda, dentre os
funcionArios da c6rte, o alferes real, que desempenhava atribuicges variadas.
F6ra, primitivamente, juiz da c6rte, depois, advogado da causa real e dos desam-
parados, principalmente nos casos de usurpagao de direitos da coroa. Coman-
dava os ex6rcitos, representando o rei. 0 adelantado veio a substituir pos-
teriormente o alferes real nas funcges judiciArias. Logo abaixo estavam os
chamados juizes superiores da corte, ou sobrejuizes, aos quais se encaminha-
. aam as apelac5es das sentengas dos juizes locais.
A administration regional, por falta de uma organizacgo uniform para
todo o pais, era extremamente complex.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Os adelantados governavam as comarcas, dispondo de plenos poderes,
por6m suas fung5es eram principalmente de carter military e judicial. Fis-
calizavam os juizes locais ou alcaldes das vilas. Os "merinos maiores", equi-
valentes aos adelantados, nomeados pelo rei, administravam algumas comar-
cas. Uns e outros designavam funcionArios subalternos, como os merinos
menores. Os "alguaciles", responsAveis pelo policiamento, podiam estar sob
as ordens do rei, do adelantado ou do alcalde. O almoxarife era o arrecada-
dor das rendas da monarquia, da portagem, dos dizimos, do censo de estabe-
lecimentos comerciais, etc. O rei ainda dispunha das rendas p6blicas como
_se f6ra propriedade particular.
Al6m dos funcionArios nomeados pelo rei, ou pelos seus representantes,
havia os juizes locais, eleitos pelos moradores dos Municipios, os ouvidores,
provedores, etc., designados pelos nobres e pelo clero nas terras que possuiam
com direito de senhorio.
A centralizageo administrative, o absolutismo monArquico ferindo os pri-
vil6gios dos burgueses, da nobreza e at6 do clero, caracterizavam as "Siete
Partidas". Estas leis tentavam controlar as propriedades imunes da Igreja,
relegando sua autoridade exclusivamente aos assuntos espirituais. As classes
atingidas eram, no s6culo XIII, demasiado poderosas para se deixarem sub-
jugar. A coroa, por6m, foi aos poucos conseguindo fazer prevalecer o seu
interssse, aproveitando-se das lutas de classes, apoiando-se na f6rga dos Muni-
cipios contra a nobreza e valendo-se desta para aniquilar os burgueses.
A vida de Afonso X foi um desmentido aos preceitos que estabelecera,
por6m seus sucessores conseguiram realizar gradativamente as reforms
preconizadas nas "Siete Partidas".
A partir do s6culo XIV o Municipio entrou em decad&ncia. O rei encon-
trou apoio na populacio rural dos termos das cidades, que se considerava
oprimida pelo governo urban, nos nobres e no clero. Afonso XI (1312-1350)
criou o cargo de corregidor, que, A testa das comarcas do reino, seria o ins-
trumento da centralizacio, interferindo na eleicio dos regidores e na dos pro-
curadores dos Concelhos nas C6rtes. Foi promulgado nesse reinado o "Orde-
namiento" de AlcalA de Henares, que se compunha das decis6es das C6rtes
reunidas nessa cidade, em 1348, e outras, de C6rtes anteriores e colec6es juri-
dicas de carAter privado. Reconhecia o principio da hereditari'edade, base
do absolutismo monArquico, e regulava a administracio da justica e o regime
senhorial. O rei podia julgar nos tribunais da coroa os chamados casos de
C6rte, isto 6, aqu6les em que a jurisdicio dos senhores feudais, as imunidades
eclesiasticas on da nobreza prejudicavam os direitos da monarquia. Natural-
mente os monarcas usaram o mais possivel dessa prerrogativa. Iam tamb6m
substituindo os juizes locais pelos letrados mais capazes de aplicar o direito
Justinifieo, que exigia o conhecimento das leis romanas. Continuavam, por6m,
os conflitos de jurisdicio entire a realeza e as classes privilegiAdas.
Em materia de 'Fazenda pfiblica o rei cedia menos freqilentemente aos.
nobres o direito de perceber os impostos, e controlava as rendas municipals
por meio dos corregidores.







ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMIBICAS


As C6rtes passaram a ser convocadas o menos possivel. Juan I organi-
zou nas C6rtes de Valladolid (1385) a CUria real, denominada entao "Consejo
Real", de carAter permanent, que iria aos poucos substituindo as fungces
administrativas e legislativas das C6rtes. Era constituida por membros nomea-
dos pelo rei, representantes dos tres estados: quatro prelados, quatro cava-
leiros, quatro cidad5os. Funcionava meramente como 6rgio consultivo. Em
1387 o nimero de conselheiros foi reduzido e substituiram-se os burgueses por
letrados. Em 1459, contava cor doze membros: oito letrados, dois prelados
e dois cavaleiros, portanto, a maioria favoravel h political r6gia.
Estas reforms puderam ser introduzidas nio s6 pela hAbil political dos
reis, que souberam se aproveitar das lutas de classes para se fortalecer, mas
tambem, e principalmente, pela modificacgo das condic6es de vida na penin-
sula. Citamos, ao tratarmos do Municipio, uma frase de Cardenas aplicivel
As honras, coutos, be6trias, terras senhoriais, imunidades, que apontava como
causa destas concess6es de privil6gios a inseguranga geral em conseqiiencia
das guerras internal e com os mouros, das violencias dos poderosos, que obri-
gavam as pessoas a procurar um meio de protegio numa cidade fortificada,
defendida pelas f6rgas armadas dos moradores, ao abrigo de um nobre ou de
um dignatArio da Igreja, etc. Ora, a expulsao dos Arabes, jA quase realizada,
as vit6rias obtidas por Castela s6bre as nagces rivals, iam tornando a vida
livre de perigos que exigissem um sistema de protecio especial. Promoviam
tamb6m a prosperidade, enriquecendo os reis, que, assim, obtinham maiores
meios de aCAo s6bre os sfiditos.
Ao tempo de Fernando e Isabel iam-se completar as duas grandes ambic6es,
de Castela: a expulsao dos arabes do seu 6ltimo reduto e a fusdo das casas
reinantes dos dois grandes reinos da peninsula. Era, portanio, natural que
houvesse grandes transformacies nesse period. Foi entao tentada a unifica-
vio racial e religiosa, que cotribuiria para o fortalecimento do poder r6gio.
Em 1480 foi criado o tribunal da Inquisicgo, e, em 1492, decretada a expulsSo
dos judeus que nao se convertessem. Poucos anos depois, em 1502, os mucul-
manos que se conservaram infieis foram obrigados a se retirar da peninsula.
A monarquia subjugou uma rebelido dos nobres da Galiza e ordenou a
destruigco das fortalezas dos nobres castelhanos c andaluzes. Foi feita uma
revisfo dos senhorios de juro e herdade, afim de impedir qualquer usurpa-
cio de direitos ou de terras. Os reis cat6licos procuraram converter a nobre-
za rural em palatina, para diminuir os seus meios de resistencia. Incorpo-
raram a coroa os territ6rios isentos de pagamento de impostos, das ordens
militares (1495-1496). A convocacao das C6rtes ficou, a partir dessa 6poca,
ao arbitrio do rei.
Em conseqii&ncia do aumento de poderio e riqueza do estado, foi neces-
sArio criar diversos 6rgaos novos de governo. Os conselhos da cor6a adqui-
riram maior importAncia. O Supremo Conselho de Castela representava a
flltima instancia em materia de justica. Logo abaixo estavam os alcaldes da
Casa real e da C6rte. Dois tribunais superiores foram instituidos, a Chance-
laria real e Audiencia de Vallodolid c a de Ciudad Real (1494), sendo esta filti-
ma transferida, em 1505, para Granada. Os seus distritos ficavam separados







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


pelo Tejo. Mais tarde foram sendo criadas Audiencias inferiores a estas.
Eram constituidas pelos ouvidores, juizes civis, e os alcaldess del crimen.
Dividiu-se o territ6rio da nacgo em "corregimientos", compreendendo
cidades e vilas, algumas das quais ainda conservavam a antiga autonomia.
Formaram-se distritos con as terras confiscadas das ordens militares.
Terminada a reconquista, os "adelantados", que desempenhavam primiti-
vamente funces predominantemente militares, foram substituidos pelos alcal-
des maiores ou corregidores de carter civil, no gov&rno dos corregimientos
e distritos.
Os corregidores, prestigiados pelos reis controlavam os juizes dos senho-
rios feudais e das cidades, provocando conflitos de jurisdicgo, muitas vhzes
encaminhados A Audiencia regia, considerada superior A justiga particular.
Os "alcales de la Santa Hermandad", criada em 1476, tiveram suas fun-
C6es limitadas A manutencio da ordem pdblica, pois os reis receavam estas
milicias municipais.
Em materia fiscal, tamb6m a inger&ncia rdgia 6 bem mais sensivel.
Constituiram-se a Contadoria Maior para controlar todas as contas prestadas
pelos funcionArios da Fazenda, os Consulados de Burgos (1494), BilbAo (1511),
e outros, cor compet6ncia em assuntos comerciais.
Os impostos foram se multiplicando, as regalias se ampliando.
O almirante de Castela, cargo que nos interessa por ter servido de mod1lo
ao concedido a Col6n, era, ao tempo de Fernando e Isabel, um verdadeiro rei
nos mares. Em 1399 a sua jurisdigco f6ra ampliada aos portos e rios nave-
gAveis. No s6culo XV jA se generalizara o hAbito de conceder cargos plbli-
cos heredithriamente, apesar dos protests das Cortes de Toledo, reunidas em
1480. .0 oficio de almirante se achava nessas condic6es, vinculado i fami-
lia dos Enriquez, se bem que por doag6es sucessivas.
Juan II e Enrique IV tinhain tentado controlar a autoridade judicial ili-
mitada ,dstes funcionarios s6bre; a tripulagCo, nomeando juizes de "comisi6n",
porem os almirantes obtiveram! sucessivas confirmac6es de seus privil6gios
(1411, 1426, 1429, 1440). Os reis cat6licos procuraram revogA-los, ,pois nio
admitiam restrisoes A sua soberania.
Castela, apesar de formada pela conquista de diversos reinos, LeAo, Gali-
cia, Toledo, Sevilha, apresentava no' s6culo XV uma certa coes5o internal, gra-
cas ao fortalecimento do poderio; r6gio e A exist6ncia de unidade political. O
mesmo nio se dava com Araglo, que tivera uma formagn o hist6rica diferente,
conio vimos no primeiro capitul9. Era uma federacgo .de estados aut6nomos
e demasiadamente heterogeneos para se fundirem. O rei de Aragao intitula-
va-se tamb6m rei de Mallorca, Vledncia, Sicilia, Sardenha, NApoles e principle
de Catalunha, e administrava separadamente, cada um dos seus dominios.
Todos possuiam tradic6es pr6priis, conservadas nos foros e no direito consue-
tudinArio. O rei precisava nomdar representantes porque nao podia governor
pessoalmente terras tio distantesl Designava procuradores, mais tarde gover-
nadores, vulgarmente chamados de vice-reis. Como indicava esta denominagio
popular, desfrutavam de amplos poderes administrativos, judiciais, financeiros
e militares; s6 deviam obediencia ao rei.








ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Por ocasiao da descoberta do Novo Mundo, Castela ainda era, politica-
mente, independent de Aragio, sendo portanto as terras descobertas conside-
radas como parte integrante da monarquia. Os habitantes dos outros estados
peninsulares foram tratados como estrangeiros e proibidos de emigrar para a
AmBrica. 0 mesmo criterio prevaleceu em materia de direito. A legislagio
castelhana foi post em prAtica nas col6nias. Mais tarde, quando se constituiu
um corpo de leis adequado para as conquistas ultramarinas, continuou a ser
utilizada em carter suplet6rio e como modelo, nos casos em que os preceitos
criados para a metr6pole eram aplicaveis as col6nias.
A "Recopilaci6n de Leyes de Indias" mandava que, na falta de uma lei espe-
cifica para determinado caso, se aplicassem as Leis de Toro (de 1505), o "Orde-
namiento de Alcala de Henares", o f6ro vigente na cidyde de que se tratasse, o
"Fuero Real" e, por "iltimo, as "Siete Partidas". No entanto, apesar do exclu-
sivismo castelhano, a unilo com o rei de Aragio teve certa influencia. Vere-
mos no pr6kimo capitulo como o cargo de Vice-rei, por exemplo, apareceu no
Novo Mundo.
A experiencia colonial castelhana se resumia, como relatamos na primeira
parte deste capitulo, a colonizacio das CanArias. A metr6pole, ainda em plena
guerra, quando tomou posse destas ilhas, deu-as em senhorio aos particulars
que quisessem empreender a conquista. Uma real cdula de D. Juan II, de
1420, concede a Alfonso Casaus o direito de conquistar a Gran Canaria, Tene-
rife, Gomara e Las Palmas, outorgando-lhe pleno senhorio heredilario, juris-
dig~o civil e criminal. A unica obrigagco imposta era a de reconhecer o mo-
narca castelhano e manter quatro galeras a servivo do rei. Esta convengcio
estava ainda impregnada de feudalismo.
Ja no seculo XV, os reis cat6licos, ciosos da sua soberania mas impossi-
bilitados de se assenhorearem da Gran Canaria por conta pr6pria, fizeram a
seguinte concess5o a Alonso de Quintanilla e Pedro Fernandez Cabron (1480):
receberiam o quinto das pescarias, press, escravos, couros, cebos, carrega-
mento da ilha, por dez anos, cm compensagiio dos gastos que tivessem na expe-
digAo e dominio. Findo aquele prazo a terra e as rendas reverteriam A coroa.
Notava-se, portanto, nesta convencio de Fernando e Isabel, como a monarquia
absolute se implantara na peninsula e nos seus dominios.
E' assunto do terceiro capitulo o choque entire a' political metropolitan e
as necessidades e problems do Novo Mundo.
Em Portugal operou-se evolug~io political semelhante A de Castela e Leio.
De inicio, foi adotada, no antigo condado, a legislagio visig6tica cor as alte-
rages feitas na antiga metr6pole, isto e, o "Fuero Real", a "Lei del Estillo"
c o "Fuero de Leon". Aos poucos foram se acrescentando as leis gerais, pro-
mulgadas pelos reis lusitanos, e se desenvolvendo o direito consuetudinArio.
Houve grande resistkncia por parte do clero, da nobreza e da burguesia,
em aceitar as teorias da soberania monArquica estabelecidas no C6digo das
"Siete Partidas".
Afonso III, contemporAneo de Afonso X, o SAbio, muito contribuiu para
o fortalecimento do poder r6gio. Antes de usurpar o trono do irmio, vivera
na ,Franga onde o direito JustiniAneo estava em voga. Encarregou legistas








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


de estudarem o "Corpus Juris". O mestre Jacobe "ex legibus", redigiu, nessa
6poca, um famoso compendio baseado nas "Institutas". No reinado seguinte,
de D. Dinis, filho de Afonso III e neto, pelo lado materno, de Afonso, o SAbio,
propagou-se o ,ensinamento do "Corpus Juris" por meio da Universidade de
Lisboa, fundada em 128'7. O C6digo das "Siete Partidas" foi entAo traduzido
para o portugues.
D. Dinis procurou nacionalizar a Igreja e as Ordens Militares (1310),
possuidoras de extensos bens imunes, e impedir, por meio de inquiric;Ao, as
usurpacges dos direitos r6gios pelos nobres e pelo clero. Tarefa extrema-
mente dificil, porque estas duas classes obtiveram grandes concessoes de
Afonso III, em recompensa do apoio prestado na guerra civil contra o irmio.
Afonso IV prosseguiu na mesma political centralizadora. Mandou proce-
der a nova inquirig~o s6bre os titulos de posse de vilas, castelos, coutos, hon-
ras, jurisdigSes, declarando sujeitas a visit dos funcionArios r6gios as honras
concedidas a partir de vinte anos antes da morte de D. Dinis. D. Pedro I
reforcou o uso das "Siete Partidas" aceitas pelo clero na concordata de Elvas
de 1360, em carter de leis subsidiArias. A partir do seu reinado foi exigido
o beneplAcito r6gio para a execucio das bulas, letras pontificias, etc. Ten-
tou revogar o direito de petigco ao rei, costume traditional dos foros munici-
pais, por6m teve de ceder diante da peticgo popular, nas Cortes de Elvas, em
1361.
O ato administrative mais important de Fernando I foi a lei de 1370, abo-
lindo a concessao do direito de jurisdigco criminal e civil a particulares, base
do regime senhorial, excetuando apenas certos privilegiados, como os paren-
tes do rei, o alfered, as ordens de cavalarii, os senhorios confirmados por
Afonso IV, as terras dadas pela coroa em troca de outras com o direito de
jurisdigio reconhecido. Restringia, mesmo nestes casos, o poder jurisdicio-
nal, atribuindo a coroa competincia para julgar nas quest6es referentes a
direitos fiscais, servigo military, posse de Igreja.
D. Joao, mestre de Avis, escolhido pelo povo, apoiou os Municipios con-
tra as exig6ncias da nobreza e do clero. AliAs, as classes mais pobres vinham
progredindo do s6culo XIII ao XV, gracas A melhoria das condig5es de vida,
conseguindo ingressar aos poucos nos centros urbanos, a fim de gozar das
regalias concedidas nos forais.
D. JoAo mandara coordenar e copilar a legislacgo portuguesa, desde a
independencia, por Joio das Regras, chanceler do reino, por6m esta obra s6
foi completada no reinado de Afonso V, seu neto, por D. Joao Mendes e Ruy
Fernandes. Este rei, contudo, prejudicou a implantagio do absolutismo mo-
narquico, devido As iniimeras merc&s e doag6es que fez aos nobres em recom-
pensa aos servings prestados, nas guerras na Africa e contra Castela.
O reinado de D. Joao II, representou a fase do apogeu do absolutismo
monArquico. Foi o period em que se solucionou o conflito secular entire os
senhores feudais, os Municipios, o clero e o rei. Fase transit6ria, como todas
as da hist6ria de um povo. Portugal, apesar das despesas desnecessArias fei-
tas por Afonso V, estava numa situacgo econ6mica favorAvel, sem o luxo apa-
ratoso do tempo de D. Manoel, que cobria uma das mais s6rias crises finan-
ceiras da nagao.








ADMINISTRAgAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


O professor Angelo Ribeiro, no III volume da "Hist6ria de Portugal",
dirigida por Damiio Peres, a pig. 192, resumiu o absolutismo monarquico
dessa 6poca no seguinte period: "... o regime de monarquia absolute resul-
tava de uma evolucgo natural, da centralizagio dos povos e dos governor, que
se vinha realizando havia dois ou tres' s6culos. Uma nova realidade social
surgira d&sse intense trabalho de renovacgo. A centralizacao do poder regio
substituira-se a multiplicidade dos poderes particulares exercidos pelos mem-
bros, das classes privilegiadas e ainda nos municipios, pelos chamados homes
bons, essoutra aristocracia dos concelhos. Se o rei era o v6rtice da piramide,
essa piramide deformara-se: o vertice f6ra-se aproximando progressivamente
da base e esta fora alargando correlativamente. A agco do poder nascente
da realeza a par do desenvolvimento, pela expansao industrialist, das comu-
nidades urbanas operara um fen6meno de nivelamento. Essa agio de tendon-
cia niveladora, ao mesmo tempo que favorecia, pela centralizagio dos pode-
res, a coesao da vida national -- o solidarismo da grei ia transformar a classes
nobre em simples serventuAria da realeza, ao pass que a onda popular subia.
A classes eclesiAstica, a grande educadora dos s6culos medievos substituia-se
na agdo orientadora, a nova classes dos homes de cultural, dos letrados, que
provinha na generalidade, das camadas populares. Se, como as outras classes,
tamb6m a burguesia perde em regalias e privil6gios, ela ganha, por outro lado
com essa acio niveladora exercida pela realeza".
Durante o primeiro period da dinastia de Avis, os reis se valeram do
povo para abolir as prerrogativas das classes privilegiadas, porque o absolutis-
mo implicava na igualdade de todos perante o governo. Tal principio atingia
principalmente a nobreza e o clero. Quando estas foram aniquiladas a mo-
narquia prescindiu do povo para exercer o seu poderio, tornou-se tirAnica,
entrou em decadencia.
No reinado de D. JoAo II o absolutismo estava na sua fase positive, a
abolicio de privilegios. Exigiu que os alcaides-mores, que eram nobres, os
procuradores das cidades e vilas, Ihe prestassem menagem. Atendeu aos
pedidos dos povos, feitos nas C6rtes de tvora, de 1481, tais como: de enviar
corregedores As terras dos nobres para inquirirem de como estes exerciam a
justica e os obrigarem ao cumprimento dos mandados r6gios; de abolir os
desembargadores privativos da Relacgo, que julgavam as questies s6bre terras
de donatArios. Deu ainda atengao aos pedidos para que os fidalgos nao pudes-
sem imp6r tributes extraordinArios, requisitar geperos nao especificados no
foral, obrigar pessoas a servi-los sem remuneraClo, abusar dos seus direitos
jurisdicionais, se intrometer nas eleig6es dos concelhos e, tamb6m, As recla-
mae6es contra o aumento das tencas dadas aos nobres, e contra a dissolucio
dos costumes do clero.
O rei fortaleceu a acao dos corregedores, pondo-os A testa das comarcas,
em substituicAo aos "adelantados" e concedendo-lhes, enfim, poderes para
entrarem nas terras dos donatArios.
Promoveu uma inquirig~o s6bre os titulos de doac6es, restringiu as con-
cessbes aos nobres, fazendo-as s6 por uma vida. 0 inico ponto em que cedeu
uma prerrogativa r6gia foi na desistincia do beneplAcito exigido por D. Pedro








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


para cumprimento dos breves, letras pontificias, etc., em troca da bula da
cruzada, obtida em 1458, que concedia indulg&ncia aos que f6ssem combater
na Africa, e obrigava as ordens religiosas a contribuirem para essa guerra.
Em 1483 e 1484 mandou executar D. Fernando, duque de Braganca, um dos.
nobres mais ricos e poderosos de Portugal, chefe de um movimento de rebelilo,
e qutros revoltosos. Morreu em 25 de outubro de 1495, deixando a soberania
absolute da monarquia definitivamente implantada.
O seu successor, D. Manoel, duque de Beja, irmio da rainha viiiva Dona
Leonor, nono filho do Infante D. Fernando, irmao de Afonso V, foi o pri-
meiro dos reis da dinastia de Avis a abandonar o povo. Poude faze-lo, nio
s6 por causa do fortalecimento do gov&rno, durante o reinado de D. Jolo II,
como pelo caudal de riquezas que o empreendimento do Oriente trouxe para Por-
tugal. As C6rtes, Anico 6rgdio de representag o popular, eram geralmente con-
vocadas para sancionar gastos que a monarquia deliberava fazer: D. Manoel,
o Venturoso, nio as precisava convocar tio freqiientemente como seus ante-
cessores. D. Joio I reunira C6rtes vinte e cinco vezes; D. Manoel, s6 qua-
tro vezes, em 1495, 1498, 1499 e 1502; e D. Joio III, tris v.,zes.
D. Manoel continuou a political de D. Joio II; unificacio da peninsula pela
reuniio das duas casas reinantes. Casou corn a filha mais velha de Fernando
e Isabel, e, ficando viuvo, corn a terceira filha dos reis cat6licos, que foi a
mile de D. Joao III. Os reis de Castela e Aragio insistiam junto a D. Manoel
para a expulsao dos judeus, muitos dos quais vinham da Espanha se abrigar
em Portugal, fugidos da Inquisicio. D. Manoel sentia a utilidade, para a
uniao do reino, de eliminar dois grupos que viviam A parte, possuiam leis pr6-
prias: os mouros e os judeus. Ambos eram detestados pelo povo, como herejes,
e os filtimos como usurArios, pois geralmente contratavam corn a coroa o arren-
damento da arrecadagio das rendas r6gias. A retirada repentina da circula-
cio, do dinheiro dos judeus expulsos constituiria, por6m, um prejuizo para a
naCio. Afim de conciliar os desejos do povo e o interesse do gov&rno, decretou
D. Manoel a expulsao, em dezembro de 1496, de todos os mouros e judeus que
nio se convertessem ate outubro de 1497, sob pena de confisco e. more, com-
prometendo-se a fornecer embarcag6es para os que quisessem partir. Atendido
o desejo do povo e de Castela, procurou forcar a conversio pelos meios os mais
desumanos. Em abril de 1497 mandava que os filhos dos judeus f6ssem entre-
gues a families cristis, para serem educados na religilo cat6lica, exigiu que em-
barcassem s6mente em Lisboa, onde muitos israelitas foram levados de rastos
para a pia do batismo. Tendo abolido os privilegios dos judeus, igualando-os,
A f6rga, A populagpo cristi, o rei, em maio de 1497, estabeleceu um prazo de
vinte anos, durante o qual n5o se fiscalizariam as prAticas religiosas dos con-
versos. Em 1512 concederam-se mais dezesseis anos. Proibia por6m, em
1947 e 1499 a said e a concessdo de cimbio aos cristlos novos.
D. Manoel fez uma tentative infrutifera, junto ao Papa, para obter a
criagio da Inquisicgo, por6m teve sucesso na pretensio de alargar a influen-
cia regia na Igreja. Pela bula "Dum Fidei Constantiam" de 7 de junho de
1514, as Igrejas do Ultramar ficavam subordinadas A Ordem de Cristo. Os
gr5o-mestres que eram os monarcas desde D. Joio I, foram investidos do
direito da padroado.







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Por fim, D. Manoel encarregou o chanceler-mor Rui Boto, o licenciado
Luis da Grd e o bacharel JoSo Cotrim de reverem as Ordenac5es Afonsinas
para a elaboragio de um novo c6digo. Provivelmente tamb6m colaboraram
no trabalho os desembargadores Joio de Faria, Pedro Jorge e Cristovam Este-
ves. S6 em marco de 1521, poucos meses depois da morte de D. Manoel, ficou
concluido o texto definitive.
Houve uma primeira edigio em data discutida, fins de 1512 ou principios
de 1513, e uma segunda em 1514.
O principle herdeiro, D. Jolo III, que ia governor como soberano abso-
]uto, nao era, segundo os testemunhos da 6poca e a opiniio do pr6prio pai,
que combatia os seus amigos intimos e receava de Ihe entregar a monarquia,
pessoa capaz de dirigir um pais, justamentc quando deixara de ser um peque-
no estado europeu para ocupar a posig5o de capital de um imperio colonial.
Inicialmente seguiu a mesma orientag~o de D. Manoel, conservando os
ministros, casando-se em novembro de 1552, com D. Joana, filha de Carlos V.
Em relaaio aos judeus, deixou-se levar pelo fanatismo religioso, pelos conse-
Ihos dos validos e pela exaltaglo do povo, abandonando a orienta9C-o utilith-
ria, se bem que, por vizes, violent, do pai. Foi, alem de cruel, prejudicial
ao pais, enquanto D. Manoel s6 incorreu na primeira daquelas faltas. O em-
baixador portugues, em Roma, obteve, de Clemente VII, o estabelecimento da
Inquisiiao, pela bula "Cum ad nihil magis" (17 de dezembro de 1531).
Antes da bula ser publicada, os judeus pressentiram o perigo. A carta
de lei de 1.0 de marco de 1507, f6ra revogada e revalidados os alvarAs de 1499.
Negociaram em Roma a suspensio da bula, o que foi feito por um breve de 17
de outubro de 1532, "Venerabilis frater".
Em maio de 1536 por6m, graCas A interferencia de Carlos V, o Papa Paulo
III estabeleceu definitivamente a Inquisicao como tribunal permanent, inde-
pendente da justiga ordinAria e eclesiAstica, com competencia para julgar deli-
tos de heresia, feitigaria, bruxedos, etc. Juntamente com a bula vinha um
6dito, para ser publicado em todas as dioceses, concedendo um prazo de trinta
dias para se apresentarem os culpados, os quais, pela confiss5o voluntAria, se
eximiam das penalidades.
Pouco depois foram especificamente designados os delitos: ritos e ceri-
m6nias de carAter judaico, ou maometano, luterano e her6tico, bruxedos, biga-
mia, feiticaria. Os judeus nio podiam ser acusados por atos cometidos antes
de 1535, ano em que foram perdoados.
Tendo renunciado o primeiro inquisidor geral, escolhido pelo Papa, o rel
obteve o direito de nomear o seguinte. Designou o irm5o, Cardeal D. Hen-
rique, em 22 de junho de 1539.
A Inquisicdo, por ser um tribunal de nomeaCgo rigia, e pela forma de
processar os r6us, era magnifica arma political nas mios de um monarca abso-
unto. Estudaremos aqui a sua organizag~o, porque 6 inteiramente indepen-
dente da administracbo do reino, que analisaremos em seguida.
A Inquisigio foi um meio de obter a unificagio religiosa do reino, que
contribuia para a political, e serviu de espantalho para os que fizessem sombra
A monarquia.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


0 inquisidor-m6r desrespeitou as apelacSes dos acusados para Roma, os
perd6es concedidos pelo Papa, e tais violencias cometeu, que Paulo III, pror
um breve de 22 de setembro de 1544, suspended a execucAo das sentencas do
Santo Oficio. O nuncio demitido pelo rei, excomungara os notirios da Inqui-
sicio. O Papa, para conciliar os animos, concede absolvicao das penas e
excomunhSes aos "cristaos novos" e outros herejes, em maio de 1547, e diri-
giu um breve ao cardeal solicitando-lhe que agisse com brandura, e, em novem-
bro d&sse ano, outro no mesmo sentido. Afim de agradar ao rei anulou as
iseng6es outorgadas pela Santa Se aos "cristaos novos" de Portugal, com algu-
mas excec5es, apesar de terem sido compradas. Envion a bula definitive da
Inquisig5o e a bula "Meditatio Cordis", que dava inteira independencia ao
inquisidor-m6r tanto das justigas eclesiAsticas ordinArias como dos delegados
pontificios. Ficava, assim, sendo a supreme autoridade em Portugal, em ma-
t6ria de delito contra a religiao. Havia um Conselho Geral da Inquisicao e
um ndmero variAvel de tribunais em diversas dioceses, mais tarde reduzidas
sbmente a seis.
O regimento mais antigo que se conservou foi o de 1552. Os inquisido-
res visitavam as respectivas comarcas ou distritos, acompanhados por um
notario e pelo meirinho, com autorizac5o do inquisidor geral. Publicavam o
6dito jA mencionado e recebiam as confissies das pessoas arrependidas, feitas
secretamente, perante o inquisidor, notArio e duas testemunhas. Ouviam tam-
b6m as acusar5es. Estas, muitas vWzes, eram apresentadas na sede do tribu-
nal. Os inquisidores, de volta das visits, decretavam de ac6rdo cor o pare-
cer da maioria, as prisSes, processes, etc. Os inquisidores faziam as audien-
cias, visitavam os cArceres e mantinham a ordem no tribunal.
O promoter requeria a prisSo dos culpados, procedia A acusa5Io e inter-
rogat6rio das testemunhas. Requeria qualquer dilig&ncia, por informacio
dos solicitadores, presenciava as audiencias. Apelava para o inquisidor geral
ou Conselho, quando considerava o Santo Oficio prejudicado pelas sentenvas
dos inquisidores.
Os culpados de leve suspeita de term cometido heresia sofriam penas
espirituais, como obrigacAo de ouvir missa, abjurar, etc. Os que incorriam
na suspeita classificada de veemente, deviam abjurar publicamente, ser encar-
cerados, cumprir penitencia em mosteiro, ou, ainda, pagar penas pecuniArias
e praticar os ritos da religiao cat6lica.
Os condenados A pena 6ltima eram entregues A justiga secular para a exe-
cugio do auto da fB. Os reus podiam ser condenados, sem term confessado,
se houvesse prova suficiente. Os que confessavam, se dessem mostras de con-
versfo, podiam ter sua pena reduzida ao hAbito e cArcere perp6tuo.
Os processes tinham por base os depoimentos das testemunhas denuncian-
tes. Deve-se notar que um escravo que acusasse o amo seria posto em Jbier-
dade, um "cristio novo" que acusasse outro era absolvido; e quem acusasse
"cristio novo" recebia cinco ducados.
Dentro do prazo de quinze dias da prisSo os inquisidores faziam tres
admoestarces para obter a confissao. O promoter entgo apresentava a acusa-
cio, e recebia quatrocentos reis, dos sentenciados de leve suspeita, seiscentos







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMIRICAS


reis, dos de veemente suspeita, e novecentos reis, dos declarados herejes. O
r6u podia escolher advogado procurador e nomear as testemunhas de defesa,
mas todos deviam ser aprovados pelos inquisidores.
Primeiramente, eram ouvidas as testemunhas da acusagio, na presenga
de dois presbiteros. Remetia-se a c6pia, dos seus depoimentos, ao rei, guar-
dando-se segredo s6bre os nomes. O acusado e o procurador apresentavam
uma lista de pessoas consideradas inimigas. Se coincidisse algum nome cor
o de testemunha da acusacio, esta era examinada. Em seguida iam a audi6n-
cia as testemunhas de defesa.
Um meio de prova preconizado no regimento, artigo quarenta e seis, era
o tormento. Se o r6u renegasse a confisao feita durante o suplicio podia ser
repetido tr&s vezes, com intervalos suficientes para a recuperacgo de f6rcas
da vitima.
Seguia-se a sentenca final, na presenga do acusado, que nio tinha vista
geral do process por causa da necessidade de guardar o segredo. Os inqui-
sidores e o bispo julgavam, havendo recurso para o inquisidor geral on Con-
selho da Inquisicio. No caso de empate na votagio, tamb6m se recorria a
estas autoridades superiores. A parte podia requerer suspeicao, contra qual-
quer official do Santo Oficio, por6m, ao contrArio do que se dava nos tribunais
civis, os inquisidores nao a enviariam -i instAncia superior se a considerassem
"frivola".
Negava-se aos culpados de heresia o direito de prestar fianga.
O tribunal da Inquisigfo diferia dos demais tribunais do reino pelo gene-
ro de delitos de que tomava conhecimento e pela forma do process. Eram
peculiares da Inquisieio os seguintes caracteristicos: o segredo s6bre os nomes
das testemunhas; o direito dos inquisidores de s6 revelarem ao r6u o que qui-
sessem dos depoimentos dos acusadores; a falta de liberdade' do acusado na
escolha das testemunhas de defesa, do advogado e do procurador; a recomen-
dagilo do uso da torture; a proibicgo da parte de ter vista geral do process;
o direito do inquisidor julgar se a suspeita movida contra Mle tem ou nao fun-
damento; a condenavgo A morte na fogueira.
D. Joao III, cuja mAxima preocupacgo era combater as heresias, deu todo
o seu apoio A Companhia de Jesus, rec6m-fundada por Santo Inicio de Loiola,
e ao Concilio de Trento, que pretendia estabelecer os dogmas da religifo e
reformer a discipline eclesiAstica.
D. Joio III patrocinou os jesuitas em Portugal, nao s6 porque Ihe convi-
nha ter, nas colinias, missionArios de espirito combative, como tamb6m pela
ajuda prestada por Santo Inacio na obtengiio da Inquisicdo, do patriarca da
Eti6pia, e por ter servido de mediador no conflito entire o Papa e o rei lusi-
tano, em 1544, a prop6sito dos excesses cometidos pelo cardeal D. Henrique.
O Concilio de Trento, reunido em 1545, foi diversas vezes suspense, con-
cluindo s6mente as suas deliberag6es no reinado de D. Sebastiio.
Do inicio da dinastia de Avis ao fim do reinado de D. Jofo III, Portugal
sofrcra a maior transformacgo de sua hist6ria, A monarquia, inicialmente
apoiada no povo, pudera se imp6r A nobreza e ao clero. A expansao mari-
tima transformara Lisboa na capital de um dos maiores imperios coloniais do








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


mundo. D. Joao' III, forte pelo poder adquirido no interior e pelas riquezas
vindas do ultramar, abandonara o povo e impuzera a sua vontade soberana a
nag o, unificando-a, sob o ponto de vista religioso, A custa das atrocidades
cometidas pela Inquisigio.
Esta evolugdio tinha, obrigat6riamente, que repercutir na administragoo.
Nos primeiros s6culos da vida de Portugal a administration nao era do reino
mas dos "reguengos", isto 6, terras pertencentes a coroa. O monarca nHo
podia enviar seus funcionArios As terras dos nobres e dos eclesiAsticos que
f6ssem imunes, nem mesmo a muitos dos Municipios. Os funcionArios regios
eram principalmente nobres que desempenhavam servigos pessoais na casa
do rei. Cor a ampliacgo do poderio da coroa, quebrando os privil6gios da
nobre7a, do clero e -do Municipio, foi precise ampliar a organizacao da justice,
que passava a tender maior nimero de pessoas. Como os reis procuravam
imp6r o direito Justiniano, recorreram aos letrados, relegando os nobres aos
services da casa do rei.
Vejamos como se processou a transformagco do funcionalismo do govSrno
central, e a constituiVco dos tribunais superiores do reino, at6 o s6culo XVI,
6poca em que Portugal iniciou a colonizacio do Brasil..
Enquanto a guerra constituiu a principal oc-Ipaclo do soberano, a figure
mais important na c6rte era o "signifer", alferes-m6r, supremo comandante
dos ex6rcitos na aus6ncia do rei. Em principios do s6culo XIII o "mordomus
curiae", desempenhava o primeiro cargo da casa real e do Estado, pois ambos
se confundiam. No reinado de D. Dinis o mordomo continuava superinten-
dendo os servigos da casa do rei, mas perdeu as suas atribuig6es de carAter
geral. O cargo de "dapifer curiae" ou "dapifer domini regis" ainda 6 mal
conhecido; parece, por6m, segundo Gama Barros, designer o vedor da casa
real. Inicialmente nao havia um funcionArio especial incumbido de rever os
atos governamentais do rei. O chanceler-m6r foi por6m se impondo como
ministry do despacho e colaborador indispensAvel, A media que o Ambito
da jurisdicao r6gia foi se alargando. O regimento do chanceler-m6r, que
figurava nas OrdenagSes Afonsinas, baseava-se nas disposigaes das Sete .Par-
tidas.
O chanceler revia todas as cartas, diplomas de graga ou justiga, a fim de
verificar se obedeciam As leis, se prejudicavam os direitos da coroa, das clas-
ses, ou do individuo. Em caso afirmativo punha a glosa, em caso negative
colocava o solo. Havendo duvida consultava o rei, ou a Relagco, conforme
a mat6ria.
O chanceler-m6r conhecia das suspeiC6es postas aos desembargadores e
outros oficiais da c6rte, exceto aquelas da competencia do regedor da RelagFa.
Este filtimo julgava os recursos dos despachos dados pelo chanceler.
O chefe da secretaria ainda passava cartas de apresentagio das igrejas,
provimento de oficios, inclusive dos lentes de Coimbra, publicava as letras
vindas de Roma e de outras terras estrangeiras. Nomeava tabeliaes das vilas
e terras menos importantes, examinava os candidates a tabeliaes ou escriviies.
No reinado de D. Pedro, o Cru, o escrivAo da puridade desempenhou papel
important cor uma esp6cie de primeiro ministry do rei. Selava as cartas








ADMINISTRAPAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


r6gias corn o s&lo do rei, sendo As vezes dispensado o da chancelaria. As
Ordenac6es Afonsinas nio trataram do escrivfo da puridade, mas as Manue-
linas o mencionavam.
As Ordenacges Afonsinas citavam o meirinho-m6r ou da c6rte, funcionf-
rio executive, e os meirinhos de comarca comparados aos "adelantados" de
Castela.
Vejamos a evolugVo da administracgio da Fazenda e, a seguir, a da Justica.
O porteiro-m6r bastava para cobrar os direitos fiscais dos dominios r6gios,
quando o monarca era simplesmente um grande proprietirio rural.
No reinado de Afonso IV, Gama Barros deduziu dos documents, que o
porteiro-m6r f6ra substituido pelos ouvidores da portaria, ficando o primeiro
somente encarregado de guardar a entrada na casa do rei. Na segunda meta-
de 'do s6culo XIV apareceram, finalmente, nos documents, os vedores da
Fazenda, corn mais freqiiincia, A media que os ouvidores foram sendo mais
raramente mencionados.
Nas Ordenagces Afonsinas encontramos a seguinte hierarquia na adminis-
tracAo dos bens do rei e da Fazenda Pfblica: os vedores, superintendendo os
almoxarifes, cobradores de impostos e contadores, incumbidos de fazer o
balango orcamentArio da naSgo. 0 reino do Algarve ficou subordinado a um
contador sob as ordens dos vedores. Nas comarcas do reino havia contado-
res que controlavam a arrecadagao das rendas r6gias. Os vedores despacha-
vam com o rei os assuntos de merc6s, e julgavam a s6s, em finica instancia,
os feitos s6bre sisas, no lugar onde residia a corte e, por apelacio, quando o
feito ocorria noutro lugar.
Todos os outros pleitos s6bre assunto fiscal eram encaminhados ao juiz
dos feitos do rei, de cuja existencia ha provas desde 1393.
Entre os oficiais da c6rte figuravam, ainda, o aposentador-m6r e o almo-
tac6-m6r. O primeiro, mais antigo; o segundo, data do reinado de Afonso V.
Eram incumbidos do abastecimento da c6rte, funvco de pouca monta que mais
tarde se tornou important. As CUmaras protestaram contra a interfer6ncia do
almotace-m6r num setor que antes era de sua competencia.
No campo da justiga encontravam-se os seguintes altos funcionArios, no
gov6rno central: o corregedor da c6rte, o procurador dos feitos do rei na
c6rte, o ouvidor das terras da rainha, al6m dos juizes jA mencionados cor atri-
buigco exclusive em assuntos fiscais.
Supoe-se que o lugar de corregedor da c6rte tenha sido criado quando
os corregedores das comarcas adquiriram carter permanent, no reinado de
Afonsp IV, substituindo gradativamente os meirinhos.
SNas Ordenacges Afonsinas foram especificadas as func6es do corregedor
da c6rte, id6nticas As dos seus subordinados nas comarcas. Devia manter a
ordem, administrar a comarca onde estivesse a c6rte, conhecer dos agravos
das sentences dos juizes ordinarios, em feitos civeis ou crimes, dentro de
cinco 16guas em redor da sede do governo. Julgava certas causes em que
estavam envolvidas pessoas privilegiadas, como nobres, altos funcionArios, ou
em que o delito era considerado muito grave, como traicdo, sodomia, moeda
falsa. Julgava s6, as causes civeis at6 o valor de dez escudos ouro. Quando








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


ultrapassavam de sua algada iam as causes para os desembargadores do pago.
Sentenciava os feitos crimes em relacgo. Em 1488, segundo Gama Barros, ji
se operara a divisAo desta magistratura, havendo um corregedor do crime e
um do civel. O procurador dos feitos do rei existia desde o s6culo XII, por6m s6
quando os tribunais do reino foram definitivamente organizados adquiriu
carter permanent e fungSes definidas. Al1m de defender os interesses da
realeza, o procurador devia advogar gratuitamente nos processes dos pobres
e indefesos, substituir um ouvidor quando necessArio, desempatar a votag~io
de uma sentenga.
O ouvidor das terras da rainha era o successor do antigo s6brejuiz da rai-
nha, e tinha atribuic5es equivalentes As de um corregedor em sua comarca,
A constituicAo do Desembargo do Pago e dos tribunais superiores 6 assun-
to de dificil estudo. Gama Barros foi quem melhor pesquisou s6bre as origens
dessas instituigSes. Os visigodos jA possuiam o chamado Oficio Palatino,
constituido pelos conselheiros do rei. A Curia r6gia dos tempos posteriores
era integrada pelos altos dignatArios, o alferes-m6r, o mordomo da c6rte, o
chanceler, os ricos homes, os prelados. Nio tinha atribui56es especificas e
conservava carAter consultivo.
A partir do reinado do mestre de Avis a constituig~o do Conselho modi-
ficou-se. Nas C6rtes de Coimbra, de 1385, os povos indicavam nomes para aerem
escolhidos, das quatro classes: prelados, fidalgos, letrados, cidadaos. Por-
tanto, os nobres e 6 clero perderam a exclusividade na participag~o do gov6rno
da monarquia. Essa tendencia democrAtica foi a caracteristica dos primeiros
reis da nova dinastia escolhida pelo povo.
No s6culo XIV designava-se ,o supremo tribunal do reino, Curia do rei,
tribunal da Corte, tribunal da Casa do rei. Compunha-se dos chamados sbbre-
juizes ou ouvidores.
No saculo XIII o numero de causes julgadas na c6rte era relativamentc
pequeno, dada a grande 'porcentagem de privilegiados que-pozavam do direito
de nomearem juizes para as suas terras, subtraindo, assim, grande part da
populacgo da jurisdic5o r6gia. O rei designava um prelado, um alto digna-
tArio para julgar o process que vinha A c6rte.
No tempo de Afonso III o s6brejuiz da c6rte julgava em primeira instancia
ou em apelario, as causes das pessoas que, segundo o criterio medieval de pri-
vilbgios, estavam sob a jurisdigio da c6rte. Da sentenga d&sse s6brejuiz
havia apelaao para a c6rte.
Nos primeiros anos do s6culd XIV existiam no tribunal da Corte os ouvi-
dores das "supricac5es" imediatamente abaixo do rei, os ouvidores da c6rte
c os s6brejuizes, em numero variAvel nos diversos reinados.
Estudando um document de 1337 Gama Barros deduziu que a constituigao
do tribunal da c6rte nesse ano f6sse a seguinte: dois s6brejuizes letrados
conheciam os feitos civeis, dois ouvidores as causes crimes. Estes illtimbs
costumavam acompanhar a c6rte em suas continues viagens, enquanto os pri-
meiros, de ordinArio, ficavam permanentemente num ponto do reino.
D. Jodo I procurando abolir os privil6gios medievais e ampliar a jurisdi-
cio da monarquia estendeu a maior n6mero de pessoas o direito de screm cha-
mados ao juizo da corte.







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMARICAS 71

Nas Ordenadces Afonsinas a organizag~o da justica superior ja aparece de
forma definida e mais aperfeigoada. O tribunal da Corte era designado como
Casa da Justiga da C6rte ou Casa da Suplicacio. Compunha-se, entio, de um
regedor ou governador, presidindo os doutores, do chanceler-m6r, dos desem-
bargadores do pago, do juiz dos feitos del-rei, do procurador da justica, do
corregedor da c6rte, e de tres ouvidores.
No tribunal tratava-se dos feitos de justica em vArias instancias, e dos atos
'de merc6 e graca. Os ouvidores conheciam de toda s as apelac6es de feitos
crimes e das civeis quando nao competiam especificamente A Casa do Civel.
JA mencionamos as fun6Bes dos demais membros, exceto dos desembargadores,
aos quais dedicaremos um estudo mais minucioso logo a seguir.
A Casa do Civel de Lisboa recebia as apelag6es e agravos das sentengas
dos ouvidores nomeados por certos nobres, e ainda os pleitos sobre direitos
fiscais.
Os desembargadores do pago, ao tempo das Ordenac6es Afonsinas, eram
dois desembargadores da Casa da Suplicacao, deputados para despacharem
junto corn o rei. Competia-lhes receber e dar resolucio As peti,6es de graca
c justiga, conhecer, em fltima instAncia, dos recursos das sentengas proferi-
das pelos s6brejuizes da Casa do Civel, ouvidores, corregedor da c6rte, ou de
outro juiz. Se confirmassem a sentence estava findo o process. Se nao, ter-
ceiro desembargador era delegado para ver o feito. Ou os tres eram unAnimes
ou o feito era levado A Relaago. Recebiam tamb6m, os desembargadores do
pago, os instruments de agravo civeis vindos das comarcas, seguindo-se o mes-
mo process, bastando, por6m, dois votos para a decisao final. Sendo casos
crimes era precise ouvir o regedor.
Al6m das atribuigses judiciais os desembargadores tratavam dos neg6cios
de graga ou merc6; cartas de perdao, comutacgo de pena aos criminosos, reso-
lucio das peticges feitas ao rei. Confirmavam as eleiCoes de juizes, perfilha-
mentos, doac6es entire particulares, concessao de cartas de privil6gio, legiti-
ma;do, restituifio de fama, habilitagco a quaisquer outras merc6s semelhantes.
A administration se ampliou na proporcio da extensao gradativa da juris-
dicao r6gia no reino, por6m nem sempre esta evolufio se processor no ritmo
desejado para tender As necessidades de Portugal.
Assim, por exemplo, viram-se nas C6rtes de Coimbra, 1472, nas de Evora,
1481 e 1490, pedidos dos povos para aumentar o nAmero de tribunais supe-
riores de recurso.
D. Manoel procurou tender a algumas das necessidades mais urgentes
e p6r a legislai;o em dia.
Qrganizou uma comissAo para rever todos os forais, na qual tomavam
parte o chanceler-m6r, Dr. Rui Boto, o desembargador Dr. Joao Facanha, e
Fernao de Pina, cavaleiro da casa real. A finalidade era de fixar a m-oeda
corrente para facilitar a cobranga dos impostos r6gios, remediar os inconve-
nientes da grande variedade na forma de arrecadagio da portagem, tributes,
etc. Organizou novo regimento das sisas, imposto municipal tansformado em
renda permanent do Estado. Recaia, s6bre a compra e venda do vinho,
foi, depois, estendido As outras mercadorias, exceto cevada, centeio, milho c








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


plo. O absolutismo monArquico, apesar de todo o odioso que Ihe empres-
tou mais tarde a revoluego francesa, reivindicando os direitos do homcm e
acusando-o de tirfnico, foi um process no sentido democrAtico em relacao A
Idade Media. Em vez de existir uma serie de grupos privilegiados e uma
massa de populacio serva, todos passaram a ser silditos do rei, melhorandb a
condig~o das classes mais infimas. e reduzindo as isenc5es e liberdades da
nobreza, clero e burguesia.
Em 27 de setembro de 1514 saiu o novo regimento dos contadores, e, em
17 de outubro de 1516, o da Fazenda.
A Casa da India tambem sofreu transformagao. Tendo uniformizado os
impostos, D. Manoel simplificou e melhorou o sistema de arrecadavgo. En-
carregou o chanceler-m6r, o licenciado Rui da Gra e o bacharel JoAo Cotrim
de procederem A revisao das Ordena65es Afonsinas. ProvAvelmerite diversos
desembargadores colaboraram nessa copilagio.
Seguiu esta, nos seus tracos gerais, a legislacio de D. Afonso. As inicas
diferencas eram: o tribunal do Desembargo do Pago aparecia separado da
Casa da Suplicagio, recebendo regimento pr6prio. Na edigao de 1514 ainda
se viam unidos os cargos de desembargador do pago e da Casa de Suplicacio.
Na de 1521, jA divididos. Aqu6le tribunal ficava com o regedor, o chanceler-
-m6r, os desembargadores dos agravos, ouvidores do crime, procurador da jus-
tica, juiz dos feitos del-rei, corregedor da c6rte. A Casa do Civel, com os seus
ouvidores, etc. Os antigos juizes rurais, subordinados aos juizes municipals,
passaram a ser chamados de vintena, e suas atribuib6es foram definidas.
Deviam residir nos lugares de vinte a duzentos habitantes que distassem uma
l6gua, ou mais, da cidade ou vila sede do t6rmo. Tinham alcada at6 quatro-
centos reis. Passando dessa quantia o feito ia para o juiz ordinArio da cabega
do Municipio.
A administrag5o do reino ao tempo das Ordenagces Manuelinas, isto e,
no inicio do s6culo XVI, era portanto constituida pelo rei que, como soberano
absolute, tinha poderes ilimitados em todos os stores do gov6rno. Em mat6-
ria de justica o rei despachava cor o Desembargo do Paco, e 6ste, isolada-
mente, tomava conhecimento dos recursos em iltima instancia. Logo abaixo
vinham a Casa de Suplicagio e Casa do Civel, tribunais superiores do Reino
para julgar as apelag6es e agravos dos feitos crimes e civeis, respectivamente,
c, em primeira instancia, os feitos da sede do gov6rno. Os corregedores das
comarcas, eram simultAneamente governadores dessas divisSes territoriais, e
juizes subordinados Aqueles tribunals. Nas seis comarcas do Reino, e no reino
do Algarve, encontravam-se juizes ordinArios e de vintena das vilas e cidades,
os ouvidores das terras nobres, e, por fim, os juizes eclesiAsticos corn compe-
tencia nos crimes considerados pecados e nos cometidos pelo clero. Os cor-
regeilores tinham certa ascend&ncia, sabre os juizes municipals, e de senhorio,
pois os fiscalizavam em correicAo. Em mat6ria da Fazenda havia os vedores
da Fazenda, que superintendiam a arrecadag~o, os contadores, incumbidos do
balan'o orgamentArio, do contr6le dos ingressos e das despesas, aos quais os
funcionArios arrecadadores das comarcas tinham de prestar contas. Estes eram
os almoxarifes r6gios, ou municipals, os cobradores, os arrendatArios da cobranga
das iendas r6gias. Os provedores das comarcas representavam o elo entire a admi-








ADMINISTRAVAO COLONIAL LUSO-ESPANIIOLA NAS AMERICAS


nistraaio central, integrada pelos contadores, e a das comarcas. Os almo-
xarifes municipals gozavam de certa autonomia, e muitas terras nobres con.
servavam os seus arrecadadores pr6prios, que nio cram funcionarios regios.
Vemos, portanto, que a administragco do reino, apesar de certas restri-
rges ao poder r6gio, perdera as caracteristicas medievais que apontamos ao
analisarmos o feudalismo na peninsula e ao definirmos o senhorio e o Muni-
cipio.
LUgicamente as terras conquistadas por Portugal durante esta fase ascen-
cional do absolutismo monArquico seriam, sempre que as condig5cs econ6mi-
cas o permitissem, administradas nas mesmas normas da metr6pole.
As ilhas do AtlAntico, Madeira, Ag6res e Cabo Verde, consideradas como
um prolongamento da metr6pole, foram concedidas a titulo de senhorio; nas
primeiras doagces, por6m se nota a preocupag o de ressalvar os direitos juris-
dicionais do soberano.
D. Duarte ao fazer merc6 das ilhas da Madeira, Porto Santo e Deserta, ao
irmio, o infante D. Henrique, por carta de 26 de setembro de 1433, especifi-
cava que era por uma vida, dizendo: "Temos por bem e damos lhe, que tenha
e aia de nos em todollos dias de sua vyda as nossas ylhas...", e limitava a juris-
digfo: "... corn sua jurdicam civel e crime, salvo em sentenCa de niorte ou
talhamento de membro: mandamos que a alcada fique a nos e venha aa Casa
do Civel de Lixboa..." "...E reservamos para nos que o dicto Iffante nom
possa mandar fazer em ellas moeda; mas praz nos que a nossa se corra cm
ellas".
Na carta de doagio da ilha de Porto Santo, feita por D. Henrique a Bar-
tholomeu Perestrello, em 15 de marco de 1473, existia a clAusula de heredita-
riedade, mas, em compensacgo, a jurisdifio era mais reduzida; "...me praz
que elle tenha em esta sobredicta ylha a jurdicom por mym em meu nome
do civell e crime, rresalvando morte ou talhamento de membro, que esto venha
perante mym; porem ssem embargo da dita jordigom a mym praz, que todos
meus mandados ecorreicom ssejam hi conpridos asy como em cousa propria
mynha..." Seguiam-se clAusulas estipulando as rendas do donatArio, e ter-
minava reservando o direito ao infante de doar as terras que nio tivessem sido
dadas ou aproveitadas pelos donos. ("Alguns Documentos da Torre do Tom-
bo", pAg. 10).
Gradativamente, sob a influencia do isolamento e da falta de recursos
dos iiltimos reis de Avis, os donatArios das ilhas foram adquirindo maior inde-
pendincia em contrast com a metr6pole. Afonso V deu muito menor juris-
digfo aos donatArios na metr6pole, do que aos das iIhas.
Os nobres e seus ouvidores nio podiam tomar conhecimento, por simples
querelas on denfncia, de feito crime, de feitos s6bre os convocados para o
serving r6gio, feitos s6bre posses das Igrejas, Beneficios, etc. Nem dar cartas
de prorrogag~o de dividas, de restituicio de fama on concedendo graga. Das
suas sentengas havia apelacio e agravo para o rei.
Os meirinhos e corregedores visitavam duas v6zes ao ano estas terras pri-
vilegiadas, e o rei ainda se reservava o direito exclusive de nomear os tabe-
liies.








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


A diferenca foi sempre se acentuando. Na carta regia de doacao a Vasquea-
nos Corte Real, das terras que descobrisse (17 de setembro de 1506), havia o
seguinte trecho: "elle (o donatArio) tenha e aja de nos de juro de herdade, para
todo o sempre, has capitanias cor as cousas seguintes, saber: a juidicam civell &
crime, cor toda alcada & superioridade alta & baxa, sem d'elle, nem de seus
herdeiros & soccesores, poderem a pellar, nem agravar em nenhum casso,
nem comthia que seia, pera nos, nem pera nenhuma pessoa que nosso poder
tenha..," (obra acima citada, pAg, 150),
Os mesmos fatores que atuaram em relaCgo As ilhas para que o feudalis-
mo ai reaparecesse, a despeito dos desejos da monarquia, agiram corn maior
intensidade em relac5o ao Brasil, trazendo conseqiiencias que repercutiram em
toda a hist6ria colonial ate o s6culo XVIII.
O estudo do regime de gov6rno das ilhas e o da metr6pole tiveram grande
interesse para a anAlise da administraggo colonial brasileira, porque o pri-
meiro foi seguido na primeira metade do s6culo XVI, e a monarquia tentou
impor o segundo, a partir de meados daquele seculo.
A administration da Africa e do Oriente hio serviu de modulo para a do
Brasil por nao se tratar de colonizacgo pr6priamente dita, mas de explo-
racio commercial. Os 6rgdos de gov6rno especializados em assuntos mercan-
tis, como a Casa da India, foram utilizados nos primeiros anos de explorag5o
do pau brasil, experi&ncia malograda que nao teve continuidade. O domi-
nio portugubs ultramarino podia ser controlado por um governo relativamente
simplificado, porque nao havia ocupaaio territorial, a nio ser em pequena
escala. Baseava-se num sistema de aliancas, fortifica(6es e policiamento dos
mares em defesa dos intrepostos.
O governador era assistido por um secretAiio, e, mais tarde, por tres Tedo-
res da Fazenda, incumbidos de fiscalizar percepcdo dos impostos e a obedien-
cia ao monop6lio do comrcio. Completava o quadro dos funcionArios supe-
riores um ouvidor geral, maior autoridade judicial resident na India.
A funcao do governo central era de providenciar o carregamento das naus
e a defesa dos dominios. O governador nio podia pretender subordinar aque-
las povoa(ces distantes. Poucas eram as colonias prbpriamente ditas, como
G6a, Mogambique, Malaca e Diu. Nestas havia uma popularibo sidita de Por-
tugal e um territ6rio a ser protegido, e era necessArio um gov6rno mais com-
pleto, capities, alcaides, vedores das fortalezas e ate um ouvidor. JA nas fei-
torias, que eram as mais numerosas, o rei portugu6s se fazia representar pelo
feitor, cujas fung6es eram meramente comerciais. Ficavam situadas em pon-
tos convenientes para o carregamento das especiarias nos reinos aliados, mas
independents. Algumas das mais pr6speras eram Calaiate, Marcate, Baar6m.
Para as capitanias se escolhiam, de preferencia, as regimes de importAncia estra-
tegica na defesa do dominio portugues nos mares. Estava neste caso a de
Majostio, defronte da ilha de Ormuz.
As feitorias e capitanias mais distantes gozavam de autonomia quase com-
pleta, como as da costa de Coromandel, Punicale, Negapatio, Sio Tome de
Maliapor, as do litoral chins, desde Liamp6 at6 Macau, e as de Bengala Pegi,
Java, Celebes, Born6o e Timor.








ADMINISTRAgFO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS 75

Na America o com6rcio do pau brasil nao dava margem suficiente de
lucro para se constituir um imperio, nas bases do oriental. Sbmente se for-
maram algumas feitorias de vida incipiente, sempre ameagadas pelos corsArios.
Nao se chegou a constituir um govrrno central, nem col6nias e capitanias.
No estudo da administragdo colonial brasileira teremos que relembrar sempre
a da metr6pole e a das ilhas do AtlAntico, e, s6mente em casos excepcionais,
a do Oriente.
CAPiTULO III

ESBOCO DE ORGANIZACAO ADMINISTRATIVE DE TIPO FEUDAL
DESCENTRALIZADO

Analisamos, no capitulo anterior, o process de evolucfio do absolutismo
monarquico na Espanha e Portugal, que culminou corn o predominio da reale-
reza s6bre as classes privilegiadas. No entanto em fins do s6culo XV e prin-
cipios do XVI a administrarAo das col6nias americanas d6stes paises apresen-
lava um carAter predominantemente feudal. Empregamos esta palavra para
nos referirmos Aquelas caracteristicas feudais que existiram na peninsula Ib6-
rica, e nao ao sistema na sua forma mais complete e tipica como o encontra-
mos, por exemplo, na Franca.
Este aparente contrasenso, do renascimento, no Novo Mundo, das institui-
c5es combatidas pela realeza na Europa, se explicava pelo reaparecimento de
uma 6erie de circunstAncias comparAveis As da peninsula na Idade M6dia.
Nessa 6poca, a falta de recursos obrigava a monarquia a fazer concessoes, aos
nobres, aos concelhos, As ordens militares, de territ6rios e de direitbs ineren-
tes A soberania real, a fim de povoar as extensas regi6es devastadas pela guerra
e defendA-las dos freqiientes ataques mouros.
No s6culo XV, e inicio do XVI, as duas nag5es ib6ricas estavam impossi-
bilitadas de arcar cor as despesas de empreendimento tao vasto como o de
colonizar dois continents. Havia necessidade de ocupar e proteger as terras
recem-descobertas ameacadas pelos pirates. Era precise enfrentar os perigos
da trav'essia do oceano, a hostilidade dos indigenas, os obstAculos de today esp6-
cie, provenientes do meio geogrAfico diferente, desconhecido. A coroa via-se
obrigada a recorrer ao capital particular, mas, para atrai-lo, devia oferecer
vantagens equivalentes As que foram concedidas, na Europa, aos senhores feu-
dais, e, em especial, As ordens militares, geralmente localizadas nos lugares
mais perigosos.
As soluc;es dos problems coloniais administrativos de Espanha "e Portu-
gal, em aparencia 'semelhantes, apresentaram caracteristicas peculiares que
tentaremos analisar estudando suas causes e conseqiiencias.
Desde que a realeza nao ia governor diretamente seus dominios america-
nos, era necessArio eslabelecer as relac6es entire ela e os concessionArios e
entire Astes e os seus s6ditos. Nas col6nias espanholas as primeiras normas
de direito e de administracgo se encontram nas capitulacges. Nas portugue-
sas, nas cartas de poder, nas de doa;io e nos forais das capitanias. Natural-
mente, tanto as capitulag5es como os forais obedeceram ao espirito da legisla-
cio metropolitan daquela 6poca.








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Estudaremos esta fase inicial da colonizacio em ordem cronol6gica, por-
tanto, primeiro a espanhola. A viagem de Col6n A America se revestiu de
dupla importfncia, porque a descoberta se processor simultAneamente A colo-
nizsaco, ao contrario do que sucedeu no Brasil.
Os primeiros documents s6bre a administragco colonial da Am6rica pre-
cederam a sua descoberta, fato que teve graves conseqii6ncias.
As capitulacges dos reis cat6licos Fernando e Isabel, cor Col6n, concede-
ram-lhe poderes e direitos extraordinArios pois, sendo o descobridor, corria
maiores riscos do que seus sucessores.
Por outro lado, a coroa e Cristobal Col6n ignoravam o que seria descv-
berto, supunham que a expedicgo f6sse seguir nova rota para o Oriente. Iam
A procura de um domino commercial e nao estavam preparados para ocupac5o
de extensos dominios territoriais.
ProvAvelmente os reis cat6licos ao concederem a Col6n, pelas capitula-
c6es assinadas em Santa F6, em 17 de abril, e pelo privil6gio de 30 de abril
de 1492 em Granada, as ilhas e terra firm que por... "Su mano e Industria"
descobrisse, pensavam em ilhas de somenos importAncia que se deparassem no
caminho para o Oriente.
Estes terms vagos iriam dar origem a interminiveis pleitos judiciais.
Cristobal Col6n recebeu os titulos hereditArios de almirante, governador e
vice-rei, capitan general com todos os poderes jurisdicionais, legislativos e
executives inerentes a 6stes cargos, alnm de beneficios materials e participa-
cio nos lucros eventuais da venda dos generos importados.
As capitulacges de Santa Fe merecerh especial atencgo nao s6 pelo seu
carAter excepcional,' como tamb6m pelas reivindica,6es das parties interessa-
das, que promoveram uma definiio precisa das suas clusulas e acentuaram
o carAter contratual daqueles conv6nios que os reis pretendiam revestir de
uma aparencia de concessao.
Na ocasiao da partida para a Am6rica, o titulo considerado mais impor-
tante foi o de almirante, Naturalmente, o que parecia essential para quem
ia em busca dos mercados orientais era a autoridade supreme dos mares, a fim
de garantir a exclusividade do tao almejado caminho para as Indias. Apare-
ceu, portanto, em lugar de destaque nas capitulacges de Santa F6, o seguinte
titulo: almirante en todas aquellas islas y tierras firmes que por su mano o
industrial se descobriran o ganarAn en las dichas mares oceAnos para durante
su vida y despues del muerto a sus herederos e successores de uno en otro
perpetualmente, con todas aquellas preheminencias e prerrogativas pertene-
cientes al tal officio e segund que Don Alfonso Enriquez nuestro almirante
mayor de Castella 6 los otros sus predecessors en el dicho officio tenian en
sus districts" ('pAg. 30, "Los Origenes de la administraci6n territorial de
las Indias", de Garcia Galo). Na confirmacio foram mencionados salArios
iguais aos do almirante de Castela.
Quando Col6n regressou de sua primeira viagem, os reis sentiram a neces-
sidade de delimitar as Areas de atuacao do Almirante de la mar Oceana e do
de Castela. Mal tinham estabelecido uma divislo chegou ao conhecimento dos
espanh6is a bula de Alexandre VI, de 4 de maio de 1493, motivada pelos pro-
testos portugueses, e, no ano seguinte, 6 tratado de Tordesilhas que, apesar de







ADMINISTRAAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


debatido pelas duas pot6ncias em j6go, finalmente firmou uma linha divis6ria
duradoura.
As atribuicges do almirante das Indias dentro desta vasta Area cram, de
ac6rdo cor o mod6lo castelhano, jurisdigdo civil e criminal no mar, portos c
lugares banhados pela Agua do mar. A sua algada nos pleitos civis nio ia
al6m de 300 maravedises.
Col6n em 1498 pediu treslado dos privil6gios concedidos ao almirante de
Castela. Nesta transcrig~o foram omitidos os privil6gios e confirmag6es que
impediam os reis de nomear juizes de "comisi6n" em detrimento dos direitos
jurisdicionais do almirante. Se os reis catblicos se esqueciam fAcilmente das
leis que Ihes eram desvantajosas, sempre se lembravam delas quando os favo-
reciam.
Quando o almirante das Indias requereu aos reis, nas capitulacoes de
Santa F6, que Ihe concedessem competincia nos pleitos s6bre mercadorias que
se resgatassem ou comprassem dentro do seu almirantado, recebeu resposta
condicional. S6 teria este privil6gio no caso de se verificar que o almirante
de Castela tamb6m o possuia. Esta apuragio deu resultado negative. A mA
f6 na interpretag~o das leis era, portanto, reciproca. S6 se invocavam aque-
las convenientes a defesa dos pr6prios interesses.
Em principio, o almirante ficava encarregado da organizafio e direcio
das armadas, nomeaiAo dos patronses, "maestros", abastecimento, arma-
mento, etc.
No entanto, justamente nestas func6es que envolviam quest5es econ6mi-
cas importantes foi que a monarquia, desde c&do, procurou intervir.
SCol6n nao dispunha de cabedais, nem de capitalistas que financiassem
totalmente sua empr6sa.
O rei, gastando grandes quantias no armamento dos navios, se achava cor
direitos s6bre a organizacgio da frota. Os seguintes documents transcritos
por Martin Fernandez Navarrete na "Colecci6n de los Viajes y descubrimien-
tos que hicieron por mar los espafioles desde fines del Siglo XV" (pAgs. 12,
14, 18, 41, 42 do II volume), dao uma idWia das vantagens pecuniArias ofere-
cidas pela coroa: a proviso de 30 de abril de 1492 dirigida aos moradores
de.Palos ordenando que fornecessem duas caravelas; "Bien sabedes como por
algunas cosas fechas 6 cometidas por vosotros en deservicio nuestro por los
del nuestro consejo fuistes condenados a que fu6sedes 'obligados A nos servir
doce meses con dos carabelas armadas a vuestras propias costas...". as rela-
c6es das somas entregadas ao almirante em 1487, 1488, 1489 para o custeio
da armada, a isengio de direitos em todas as compras feitas por Cristobal
Col6n, ou por ordem sua (15 de maio de 1492). Na segunda viagem, a c6dula
de 23 de maio de 1493 incumbia Fernando Zafra de escolher, das f6rcas da
"hermandad" sediadas em Granada, vinte langas ginetas, pagando o soldo de
seis meses em adiantado da tesouraria da "hermandad", e a carta patente de
23 de maio de 1493 estipulava que os arrecadadores de grdos entregassem cento
e cinquenta "cahices", das tergas reais, para o abastecimento da armada, que
estava de partida para as Indias. Em outras c6dulas do mesmo dia foi reco-
mendado As autoridades dos povos, que prestassem todo o auxilio a Col6n e a







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


D. Juan Fonseca, que o alcaide de Malaga fornecesse armamentos e Rodrigo
.de Narvaez a artilharia, para a expedicdo.
JA na segunda armada que pardu para as Indias sob o comando de Col6n,
os reis determinaram, pela c6dula de 23 de maio de 1493 (obra citada, II vol.,
pig. 40), que Francisco Pinelo, jurado e field executor da cidade de Sevilha
controlasse as despesas da viagem. Um membro do Conselho de Castela, Juan
Fonseca, arquidiAcono de Sevilha, e Juan Soria, lugartenente dos contadores
mayores, foram destacados para superintender os assuntos referentes as novas
col6nias.
A carta patent de 23 de maio de 1493 (obra citada, II vol., pag. 51)
revelava a gradativa organizagio burocrAtica econ6mica que ia se constituin-
do 6 revelia do almirante.
O registro das caixas feito por Juan Soria seria entregue a um official
designado por ele para contador da armada, Bernal Diaz de Pisa, que faria a
confer&ncia das, mercadorias cor o representante do contador maior, resi-
dente na Espafiola (Sao Domingos).
Na instruclo para Bernal Diaz de Pisa de 7 de junho de 1493, (obra cita-
da, II vol., pag. 74), foram-lhe cdnferidas especificamente fungces alfandega-
rias, como control de tripulantes, armamento, carga, tanto no embarque na
Espanha como no desembarque nas Indias e na tornaviagem, e outras de card-
ter geral, como fiscalizar a divisfo do soldo dado pela coroa aos colonos,
conhecer junto corn o tesoureiro e recebedor'da Espafiola, de todos os assuntos
relatives A Fazenda. Era mais uma res-riclo a autonomia do almirante.
O parAgrafo nono da instrucio real de 29 de maio de 1493 para a segunda
viagem determinava que os resgates s6 se realizassem por intermedio do almi-
rante, do tesoureiro real ou de seus representantes. Que se organizasse uma
Alfandega na ilha, subordinada ao tes6ureiro real composta por um official
nomeado por Col6n e por outro designad'o pelos contadores maiores. Na
metr6pole haveria outra, em Cadiz, tendo um funcionArio nomeado pelos reis
e'por Juan Soria, e outro pelo almirante (obra citada, II vol., pigs. 66 a 72).
Se bem que as cartas dos monarcas dirigidas a Juan Fonseca levassem a
crer que Col6n superintendia a administraglo e organizagIo das armadas, a
existencia de um funcionArio real de alta categoria a seu lado implicava numa
restrig5o A autonomia concedida nas capitulac6es (cartas de agosto de 1493 e
maio de 1495, obra citada, II vol., pags. 93, 87, 174).
Juan Soria indubitAvelmente ocupava posigAo inferior. De inicio era
necessAria sua assinatura nas ordens ou "n6minas", como eram chamadas, para
pagamentos de despezas referentes as naus da India. Depois as cartas reals
o censuravam quando pretendeu op6r resist6ncia A vontade do almirante (5
de ag6sto de 1493, obra citada, pag. 93, II vol.) e por fim dispensavam sna
assinatura (18 de ag6sto de 1493, obra citada, II vol., pag. 95).
Nem s6 neste setor ia se insinuando a autoridade real. Pela c6dula de
24 de maio de 1493, vimos que Alvaro de Acosta foi nomeado capitio de um
navio e alguacil para ministrar justiga na armada e nas ilhas (obra citada,
II vol., pag. 54).
Os protests do almirante motivaram a c6dula de 27 de setembro de 1501
(obra citada, II vol., pag. 275) em que os reis prometeram respeitar o direito







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


de nomear capities e oficiais para os navios destinados As Indias. No entante,
foram conservados os que ja tinham sido designados atW essa data.
Outro ponto controvertido foi o da participation do descobridor nos lucros
provenientes das viagens.
No tiltimo parAgrafo das Capitulac5es de Santa F6 se estabelecia "el poder
de disponer de la octava parte de la carga de los barcos, recibiendo en cambio
el octavo de los beneficios", e, no terceiro, fora-lhe concedido o direito ao
dizimo. Sob este aspecto tamb6m foi desrespeitado o modelo adotado, pois
o almirante de Castela podia contribuir com um tergo do carregamento rece-
bendo os lucros proporcionais, alem de um tergo do lucro total, em vez do
dizimor
Esta diferenca nao passou despercebida a Cristobal Col6n, que requeren
dos reis, um tergo, de ac6rdo com o precedent acima mencionado, um oitavo
como participant na carga, e um d6cimo como comandante da frota. Que-
ria, portanto, anexar os privil6gios tradicionais aos concedidos pelas capitula-
c6es de Santa F6, pretendendo ficar com uma porcentagem realmente exces-
siva nos lucros.
A coroa naio aceitou estas reclamag6es, conservando, por6m, o oitavo e o
d6cimo mencionados no parAgrafo dezoito da instrugio para a segunda viagem
(obra citada, II vol., pag. 71). Em compensacto, o almirante recebia os
direitos de said e ancoragem de navios da carreira da AmBrica, carga e des-
carga de mercadorias.
Conforme pudemos observer, as regalias inerentes ao titulo de almirante
foram gradativamente se afastando do modelo castelhano. Nas capitulav6es
que precederam a primeira viagem concederam-se prerrogativas ao novo almi-
rante superiores as do seu antecessor. Nas viagens subsequentes a coroa
comecou a sentir que Col6n ja nao era indispenstvel, e insensivelmente fez
restric6es. O almirante das Indias obteve por6m Wsse titulo hereditaria-
mente, enquanto que, o cargo, na metr6pole, estava vinculado a familiar dos
Enriquez por doagves sucessivas, e, portanto, sem garantia de sucesslo. O
almirante Castelhano ficava sujeito aos juizes de "comisi6n" nomeados pelo
rei para exercer a justica em detrimento da sua jurisdig~o. 0 das Indias tinha
s6mente de suportar, As vizes, um "alguacil" ou os representantes dos conta-
dores maiores, por6m &stes s6 tomavam conhecimento da parte econ6mica.
Quanto aos lucros, se nio eram tio grandes as porcentagens do almirante das
Indias, devemos considerar que Mle desfrutava do monop6lio do comrrcio, que
foi implicitamente reconhecido pela coroa na carta patente de 23 de maio de
1493 (obra citada, II vol., pag. 51).
Analisemos, em seguida, as condicies da concessio dos titulos de gover-
nador e vice-rei, mais importantes do que se pensou inicialmente, a fim de
reconstituir a forma de governor dos primeiros anos e a administration colonial
do descobridor da Ambrica.
Nas Capitulac6es de Santa F6 estes dois cargos foram apenas menciona-
dos. 0 privil6gio de 28 de maio de 1493, ja especificava: "con todas aquellas
facultades e preeminencias e prerrogativas de que han gozado e gozam los
nuestros almirantes e visoreyes e gobernadores que han sido e son de los dichos
nuestros reynos de Castilla e de Le6n" (obra citada, II vol., pig. 57), Con-







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


fornie tivemos oportunidade de observer em capitulo anterior, nio se encon-
traram refer6ncias a estes cargos na legislag5o castelhana. Garcia Gallo, na
sua interessante monografia "Los origenes de la administraci6n territorial de
las Indias" lembra a exist&ncia dos governadores no reino de Aragao, porem
supos que os reis cat6licos nao deixariam abrir o precedent na administra-
gAo castelhana,'de um funcionArio tio autonomo e dispondo de amplos pode-
res. Achamos por6m que este argument nao procede porque os monarchs
tiveram, freqiientemente, de ceder As instAncias de Col6n.
De fato, ao analisarmos as atribuig6es conferidas ao famoso navegante,
notamos a, grande semelhanca que apresentavam corn a dos governadores ara-
goneses.
A instrucdo de 29 de maio de 1493 especificava que poderia nomear juizes
para sentenciar nos pleitos "coino los acostumbram a poner los otros viso-
reyes e gobernadores donde quiera que sus Altezas los tienen", e julgar "segun
lo acostumbran facer los otros visoreyes e gobernadores e .Sus Altezas (Na-
varrete, obra citada, II vol., pAgs. 69 e 70). A forma vaga d&stes paragrafos
davam margem A suposicZo de uma referencia ao reino de Aragao.
De qualquer forma os oficios de vice-rei e 'governador das Indias se reves-
tiam de autoridade superior A dos funcionArios entAo existentes em Castela,
como, por exemplo, a dos "adelantados" e "merinos mayores", cargos mais
elevados da administraCio provincial.
AliAs, as circunstancias em que eram outorgadas estas regalias a Col6n
impunham a necessidade de um prestigio todo especial. A Real 1rovisio, de
16 de ag6sto de 1494 se referia ao almirante nas seguintes tirmos: devia ser
ohedecido como "la persona misma del Rey" (obra citada, II vol., pAg. 156).
Desfrutava de amplo poder legislative, conforme se observou na instrugao dada
pelos reis para a segunda viagem, conferindo-lhe o direito de promulgar pro-
visoes, mandamentos, patentes, em nome dos reis.
Em principio, Col6n deveria se cingir As instrucoes que recebia e as leis
castelhanas, por6m os pr6prios reis foram obrigados a reconhecer que era
indtil pretender determinar previamente as arces de seu representante em
regi5es distantes e ainda desconhecidas. O seguinte trecho de uma carta r6gia
de 5 de setembro de 1493, elucidava o estado de espirito da realeza por oca-
siao da segunda viagem: "y cuanto A la poblaci6n que hicistes en aquello no
bay quien pueda dar regla cierta ni enmendar cosa alguna desde aca, porque
alli estariamos presents y tomariamos vuestro consejo 6 parecer en ello,
cuanto mas en ausencia por eso A vos lo remitimos" (obra citada, II vol.,
pAg. 155).
No desempenho de suas func6es foi autorizado a imp6r penas aos deso-
bedientes em nome dos reis, que as confirmavam adiantadamente (Real Pri-
vil6gio, 28 de maio de 1493, obra citada, II vol., pag. 57).
A Real Cedula de 11 de setembro de 1494 (vol. 30 da Coleiio de Documen-
tos, compilada por Torres Mendoza) ainda reforcava a autoridade do vice-rei
e governador mandando que os cavaleiros, escudeiros, oficiais e moradores
em geral, obedecessem a Col6n sob pena de cair no real desagrado e multa de
dez maravedises para a CAmara Real. O poder discricionArio do vice-rei e
governador tornava-se patente na permissio que lhe foi concedida de proibir







ADMINISTRAVAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMARICAS


a entrada ou estadia, nos dominios sob sua jurisdigio, das pessoas que con-
siderasse indesejAveis, sem necessitar a sangdo r6gia, se bem que pudesse haver
recurso posterior para a coroa (Navarrete, obra citada, II vol., p6g. 57, Real
Privil6gio, 29 de maio de 1493).
Pelas capitula56es de Santa F6, parAgrafo segundo, as atribui6bes do con-
cessionArio foram definidas nos seguintes terms: "Par al regimiento de cada
huna e qualquier dellas( de las islas y tierras) faja 61 election, de tres perso-
nas para cada oficio, e vuestras Altezas tomem y scojan uno, el que mas fuere
su servicio, 6 assi seran mejor regidas las tierras que Nuestro Sefior le dexar.
fallar 6 ganar a servicio de vuestras Altezas". Corn o correr do tempo os
reis verificaram a ineficiencia d6ste complex sistema que implicava numa
s6rie de demoras prejudiciais. Na instrugao para a segunda viagem determi-
navam que o governador e vice-rei poderia nomear diretamentc os funcionA-
rios municipais, regidores, jurados, alguaciles e at6 alcaldes, que deveriam ser
escolhidos, segundo a tradig5o, pelo voto dos moradores da cidade, facultando
ainda a Col6n o direito de nomear substitute ou lugar tenente para adminis-
trar a col6nia em suas ausencias. O representante do governador e vice-rei
das Indias s6 poderia passar provis6es e cartas mediante cedula real confe-
rindo-lhe 6ste direito (obra citada, II vol., pags. 66 a 72). Tal restricio evi-
denciava o carAter excepcional das concess6es feitas a Colon.
O vice-rei e governador exercia jurisdiaio civil e criminal, alta e baixa,
mero e misto imp6rio. Tomava conhecimento em primeira instAncia em ape-
lacAo, ou em simples querela, instrucio de 29 de maio de 1493, jA citada.
Suas condenag6es iam desde penas pecunihrias at6 as corporals, como se obser-
vou na instrucAo de Col6n a Margarit, de 9 de abril de 1494 (phg. 110, obra
citada, II vol.). Tinha autoridade para promoter pesquizas s6bfre a conduta
dos funcionArios reais nos casos previstos nas leis castelhanas (Real Privil6-
gio de 28 de maio de 1493 mencionado linhas atrAs).
Em relagdo A populagAo native os poderes de Col6n eram na prAtica
absolutos, apesar da proibigao r6gia de escravizar os indigenas em 20 de junho
de 1500, ap6s consulta a letrados, te6logos e canonistas (Navarrete, "Coleeci6n
de los viajes y Descubrimientos que hicieron los Espafioles", II vol., pags.
168, 173 e 246). Dos vinte escravos trazidos na segunda viagem, dezenove
foram repatriados por ordem da rainha.
Diante da falta de mAo de obra na col6nia a monarquia permitiu ao seu
representante distribuir indios, geralmente entire os propriethrios de terras,
que poderiam usufruir temporAriamente de seas services e escravizar os indios
capturados em guerra just, ou prisioneiros resgatados.
Denominava-se "encomienda" a concessi~o de mao de obra indigena c
"encomendero" o beneficiado. A situafio deste se assemelhava A dos senho-
res feudais em suas terras. Geralmente as "encomiendas" eram dadas aos
propritArios de terras justamente porque estas nao tinham valor algum sem
a mAo de obra, como acontecera durante a Idade M6dia na peninsula Ib6rica.
Os soberanos procuravam evitar que as instituig6es feudais se reproduzissem,
como se pode observer no seguinte parAgrafo da earta patent de 22 de julho
de 1497, s6bre a doacAo de terras: "...contanto que en las tales tierras 6
montes 6 aguas que asi di6redes 6 reparti6redes las tales personas non puedan







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


tener ni tengan jurisdicci6n alguna civil ni criminal ni cosa acotada ni dehe-
sada..." Demetrio Perez, no seu interessante trabalho "Hist6ria de la colo-
nizaci6n espafiola en Am6rica", pigs. 296 e 298) salientou as diferengas entire
a "encomienda" e o senhorio.
Em primeiro lugar observou que no senhorio a posse da terra 6 que dava
direitos s6bre os moradores dela, por6m, conforme jA tivemos oportunidade
de observer, nas Indias, geralmente, o proprietArio de terras 6 que recebia
"encomiendas". As vezes, os indios eram provenientes de outra regiao. NMste
caso a intenalio era justamente de proteger o "encomendero" contra um pos-
sivel levante. Demetrio Perez argumentou que o indio continuava sendo sidi-
to do rei, sob a jurisdicio real. Os moradores do senhorio tamb6m nao dei-
xavam de ser siditos do rei, e, conforme tio bem observou Gama Barros, o
soberano sempre conservou as prerrogativas de supremo juiz. Na prAtica
sabemos, pelo depoimento dos cronistas e historiadores da 6poca, que a auto-
ridade do "encomendero" s6bre os encomendados era ilimitada, em especial
na primeira fase. Maior do que a autoridade legal dos senhores para cor
os seus subordinados na Europa. Outra alegacIo do eminente historiador
espanhol 6 a da falta de perpetuidade das "encomiendas", em contrast cor
o senhorio hereditArio. Sabemos, no entanto, que os colonos foram sempre
obtendo prorrogac5es por uma, por duas, e at6 por tres gerag6es.
Na "encomienda" do tempo do gov&rno de Col6n nao havia regulamen-
tag o quanto A idade, sexo, genero de trabalho, remuneragco, distancia mAixima
do lugar de trabalho da terra natal. As "encomiendas" se assemelhavam As
"behetrias". Nestas, as pessoas se punham sob a protegio de um nobre;
naquelas os reis colocavam uma parte da populagpo sob a tutela de particula-
res, por6m os indios, incapazes de defender os seus interesses, viviam em con-
dig6es piores. Eram as mesmas causes provocando situag~es -semelhantes, se
bem que revestidas de aspects exteriores diferentes. Havia id&ntica neces-
sidade de ocupar a terra valorizando-a pela doagcio ao proprietArio de miio
de obra sob sua jurisdigco. A inseguranga proveniente da guerra, das desi-
gualdades sociais, agravada, no novo mundo, pela inferioridade cultural de
uma parte da populacgo e pelo preconceito racial, tornavam insustentAvel a
vida das classes inferiores desamparadas, que eram obrigadas a servir aos
privilegiados em troca de protecio.
Os colonos desfrutavam, te6ricamente, de direitos superiores aos das
diversas classes de morailores dos feudos. Na pratica, por6m, ficavam na
inteira depend6ncia de Col6n que usava tirAnicamente de seus poderes. A
instituigio do Municipio, que protegia na Idade M6dia os burgueses, nao tinha
a mesma f6rca no Novo Mundo, nos primeiros anos da conquista, porque
Col6n obtivera o direito de nomear os membros dos Cabildos das cidades que
f6ssem send fundadas .
O vice-rei e governador era, portanto, a representante do rei em todas as
ilhas e terra firme que descobrisse dentro dos limits do tratado de Torde-
silhas.. Dispunha de poderes ,legislativos, primeiro relativamente limitados
pelas instruc6es, depois amplos. Nomeava todos os funcionArios administra-
tivos e judiciArios, excetuando os fiscais da AlfAndega e dos resgates. Acumu-
lava em suas mios os poderes, legislative, judiciArio e executive. Ficava a








ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


seu alvedrio a reparticdo das terras e a escolha dos colonos pagos pelos reis.
Por conseguinte os direitos de Col6n ultrapassavam de muito o de seus pre-
decessores, donatarios das CanArias, em especial, se considerarmos que as
regalias d&stes, no s6culo XV, tendiam a ser limitadas em conseqiiUncia do
absolutismo monArquico.
Demos uma idWia, atrav6s dos documents que ainda se conservaram, s6bre
os cargos criados nas capitulac6es e as mudancas que foram sofrendo, e
como foram se distanciando dos models metropolitanos. Devemos, agora,
observar a situac5o da nova col6nia na vig6ncia d&ste regime. Sob o ponto
de vista legislative, as novas terras eram consideradas como um prolongamento
da metr6pole.,
Sob o ponto de vista administrative a col6nia estava numa situacio que
lembrava a dos senhorios nobres da peninsula. O descobridor tinha poderes
equivalentes aos de um senhor feudal em suas terras, as relacges que manti-
nha corn o rei tamb6m se assemelhavam as de um vassalo para cor o suze-
rano, nao na forma, mas no espirito.
Faremos resumido hist6rico desta primeira experi&ncia de administraa5o
colonial espanhola em funcionamento, antes de encetarmos o estudo do s6culo
XVI na America Hispanica.
O governo pessoal exclusive do almirante, vice-rei e governador Cristo-
bal Col6n, nas condicoes estipuladas nas capitulag6es de Santa F6, durou de
1492 a 1495. -N&ste curto espago de tempo a sua atividade foi incansAvel,
simultaneamente descobrindo novas terras, colonizando, procurando ouro, con-
quistando militarmente as regimes em que os nativos opunham resistencia.
Esta fase representava o primeiro esbgo de organizagco administrative tenta-
do pelos espanh6is, nas ilhas que foram descobrindo nas Americas, verda-
deiro pr6logo da conquista e colonizagAo do continent.
Nao entraremos nos pormenores, tdo conhecidos, da viagem de desco-
berta da America.
A fundag5o da primeira col6nia, La Navidad, na costa de Haiti, batizada
de Isla Espafiola, se revestiu de um carAter accidental de graves conseqii6n-
cias futuras. Col6n dispunha, entao, s6mente de duas naves (depois da defec-
cio de Martin Alonso), uma das quais, a caravela do almirante, escalhou.
Desmontada, serviu para a construcao de um forte, onde foram deixados trinta
e nove homes.
Esta primeira viagem f6ra bastante curta para que a tripulacgo e oficiais
voltassem encantados cor a exuberAncia da natureza, a afabilidade dos indi-
genas e a aparencia de riqueza da regiSo, sem ter tempo para avaliar os pro-
blemas e dificuldades que iriam deparar quando tentassem tomar posse da
nova terra.
Ao regressar, em 1493, o almirante foi entusiasticamente recebido na
Espanha, pelo povo e pela c6rte. O seu s6quito de indigenas, animals raros
e objetos estranhos despertou a curiosidade geral. Pedro Martir de Angleria
descreveu, em estilo vibrant, 6ste acontecimento extraordinario. Os reis
confirmaram os titulos e prerrogativas de almirante, vice-rei e governador
concedidos na capitulac5o da primeira viagem. Deram-lhe o direito de usar
nas suas armas os castelos de Castela e os le6es de Leio. O tratado de Tor-








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


desilhas (1494), promovido pelo Papa espanhol Alexandre VI, reconhecia ofi-
cialmente a posse das col6nias rec6m descobertas.
Todos estes fatores contribuiram para a grande afluencia dos espanh6is
na segunda expedicao, que se realizava em 6poca propicia. Justamente mui-
tos dos militares acostumados A vida n6made da guerra contra 'o mouro, se
achavam desocupados e ansiosos por obter fortune rApida.
Em setembro de 1493 partiram desessete navios cor 1.200 soldados, arti-
fices, oficiais, sacerdotes, dirigidos pelo beneditino Frei Bernardo Buil, num
total de 1.402 pessoas, todas pagas pela coroa. Levavam preciosa carga de
gado, sementes, utensilios agricolas, etc. D. Cristobal Col6n foi nomeado por
carta patente de 28 de maio de 1493, capitan general da armada (Navarrete,
obra citada, II vol., pAg. 62). As' instruces reais eram vagas. Recomenda-
vam que os indios f6ssem pem tratados, atraidos para o convivio dos brancos
por m6todos pacificos, dando-se presents escolhidos, dentre as mercadorias
levadas para o resgate.
Esta segunda viagem foi uma decepgfo para a maioria. Os navios pri-
meiro exploraram o mar das Antilhas, descobrindo duas ilhas que denomina-
ram Dominica e Guadalupe, e, logo a seguir, depararam com os ferozes Cari-
bes que desvaneceram as ilus6es s6bre a bondade inata dos indios.
Percorreram a cadeia de ilhas tropicais, Monserrat, Santa Maria la Redon-
da, Santa Cruz, Puerto Rico, atingindo, por fim, a Espafiola, onde encontra-
ram o forte destruido e nenhum sobrevivente.
A primeira media a tomar era a construi;o de uma nova cidade, Isa-
bella, que, espontaneamente comecou a ser administrada de acordo cor as
tradipces do direito consuetudinArio municipal da Espanha. Os alcaldes e
regidores foram, por6m, nomeados pelo governador e vice-rei, em cumpri-
mento das instru65es recebidas.
A seguir, Col6n organizou uma expedicio ao interior, chefiada por Ojeda,
em busca das tAo anunciadas riquezas minerals. Seguindo as vagas indica-
v3es dos indigenas, dificeis de interpreter, os espanh6is procuravam a regiao
de Cibao.
Col6n ainda nao desesperara de descobrir o Oriente, e, logo que resolve
os problems mais prementes, partiu em viagem para o ocste, encontrando a
ilha de Jamaica, e explorando a costa meridional de Cuba.
Pelas informac6es de Las Casas sabe-se que deixou em SAo Domingos, -
testa do gov6rno, seu irmao Diego assistido por fray Buyl, Pedro Sanchez de
Carbajal, regidor de Baza, Juan Lujan cavaleiro de Madrid e criado da Casa
Real. Margarit foi incumbido de dominar o interior da ilha, militarmente, e
explorer as riquezas que porventura existissem. Reuniu-se a gente de Ojeda
ficando esta desde entao sob suas ordens. Nas instrug~es que recebeu, o obje-
tivo principal era a prisAo de Caunaboa, o chefe indigena da regiao mais rica
da ilha.
Foi recomendado o bom trato dos indigenas, se bem que o castigo acon-
selhado para os indios que roubassem f6sse: "cortandoles las narices y laa
orejas porque son miembros que no podrAn esconder".
O almirante ao regressar A Espafiola, encontrou-a em mA situacio. Os
seus substitutes se revelaram incapazes de administrar a nascente col6nia.







ADMINISTRATION COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Margarit, desobedecendo as ordens recebidas, permaneceu na fortaleza, mal-
tratando os indios.
As condiVces econ6micas eram dificeis. Os espanh6is, ainda n5o adapta-
dos a agriculture indigena, estavam revoltados por terem arriscado a vida para
trabalhar na terra, pois tinham emigrado seduzidos pela perspective da riqueza
fAcil. Os nativos constituiam um problema novo e extremamente complexx.
A experi6ncia adquirida nas ilhas iria ser futuramente muito itil para a
colonizacdio do continent. Os indios das Antilhas, al6m de nio estarem acos-
tumados ao trabalho sistemitico, eram incapazes de abastecer a col6nia. E
tinham mi vontade corn os intrusos que haviam cometido infmeras violencias
durante a ausencia do almirante. A resistencia passiva dos indigenas, a fome,
as doengas e a mis6ria foram bem retratadas no seguinte trecho do c6lebre cro-
nista das indias, Pedro Martir de Angleria, fla obra "Decadas del Nuevo Mun-
do", a pAgina 45:
"Preso Caunaboa (indio principal da provincia de Cibao) con toda su
familiar, el Almirante determine recorrer la isla; pero le informaron que habia
tal hambre entire los insulares que habian muerto ja mAs de cincuenta mil hom-
bres, y que caian todos los dias a cada paso como reses de un rebafio pestado.
Lo cual se supo que les aconteci6 por su malicia. Pues viendo que los nues-
tros querian escoger asiento en la isla, pensando ellos que podian echarlos de
alli si faltaban los alimentos insulares, determinaron no solamente abstenerse
de sembrar y plantar, sino que cada uno comenz6 en su provincia a destruir y
arrancar las dos classes de pan que teniam sembrado, del cual hicimos menci6n
en el libro primero, pero principalmente entire los montes cibanos o cipangos,
porque conocian que el oro en aquella provincia abundaba". Este segundo
period revelava a mentalidade do conquistador que considerava uma traicio
a desobediencia dos nativos. Col6n mrostrava estar imbuido d&sse espirito,
exigindo um imposto absurdo, de ouro per capital, e por fim embarcando, em
represAlia, quinhentos indios para serem vendidos como escravos na Espanha.
Esta fonte de renda, aliAs insuficiente para manter a col6nia, foi logo ex-
tinta pela proibi45o, da rainha Isabel, de escravizar os seus siditos das novas
terras.
Apesar das precaue6es de Col6n, as noticias s6bre as revoltas indigenas e a
mis6ria da col6nia, as rivalidades entire as autoridades, etc se cspalharam pela
Espanha, principalmente devido as informagces de Margarit e do sacerdote frei
Buil que voltaram para a terra natal.
Por ocasiao da viagem de Col6n A Jamaica e Cuba correu o rumor de sua
more na Espanha. Os reis se apressaram em tomar uma s6rie de medidas
s6bre as col6nias, que mostravam como estavam descontentes. Pela real pro-
visio de 10 de abril de 1495 foi concedida a liberdade de descobrir e comerciar
nas Indias, anulando a carta patente de 23 de maio de 1493 (Navarrete, obra
citada, II vol. pAg. 165) que reservava a exclusividade do com6rcio na India
para o almirante, respeitando, por6m, o direito d6ste ao oitavo da carga. No
mesmo dia foi promulgada uma real p6dula reorganizando o governo das Indias.
A fim de se certificarem da verdade, os reis designaram uin juiz pesquisador,
consoante a tradiio espanhola. Por carta credencial de 9 de abril de 1495 (Na-
varrete, obra citada, II vol., pAg, 162) foi designado Juan Aguado, repostero real,







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


munido de instrucges secrets. Chegando A Espafiola em outubro de 1495, inter-
viu no gov6rno, limitando a acio do vice-rei e governador e exacerbando os
6dios. Col6n, considerando a situacIo insustentavel, resolve embarcar para a
Espanha a fim de se justificar perante os reis. Nessa emergencia o seu irmlo
nomeado adelantado das Indias em 1494 ficou como a maior autoridade da ilha e
RoldAn, alcalde ordinArio, passou A categoria de alcalde mayor.
Antes de partir, reconhecendo o fracasso de sua pr6pria col6nia, Col6n de-
terminou a construcIo de outra cidade, Nueva Isabella, conhecida como Santo
Domingo, ao sul da ilha, zona de clima mais salubre.
O regresso do almirante a Europa transtornou os pianos dos reis cat6licos.
Garcia Gallo e Demetrio Perez defenderam a lealdade dos monarcas, alegando
que tinham desrespeitado as capitulac(es de Santa F6 na suposigco da morte do
concessionArio. Esta argumentagco 6, a nosso ver, falha, visto que as concessecs
foram feitas a titulo hereditario. Alias, a manutengao do direito ao oitavo da
carga foi um reconhecimento d6ste fato. O problema da lealdade dos monarchs
e por6m, secundArio. Quaisquer que f6ssem as intenvges eram impelidos pelas
circunstancias a reivindicar suas col8nias, que se revelavam cada vez mais exten
sas, impedindo que ficassem nas mios de uma familiar por causa de doacges feitas
quando se desconhecia o Novo Mundo. A coroa procurava se aproveitar de
todas as oportunidades para recuperar a autoridade cedida a contra gosto.
Desta vez, por6m, nao conseguira atingir seus fins e via-se obrigada a re-
conhecer a exclusividade do com6rcio sancionada em 1493, pela proviso real
de 2 de junho de 1497 (Navarrete, obra citada, II vol., p5g. 202). No entanto,
a partir desta data o prestigio do almirante ficou abalado. JA havia um pre-
cedente a ser invocado.
Naturalmente os reis prodigalizaram as honrarias tais como a confirmagio
das merc6s e privil6gio doados ao almirante nas capitulacges de Santa F6, dos
titulos de almirante, viso-rey e gobernador, licenga para instituir "mayorazgo"'
(23 abril 1497) merc6 a Bartolom6 Col6n do titulo de "adelantado" (22 de ju-
Iho 1497), alvarAs nomeando D. Hernando e D. Diego Col6n, pagens da rainha
(18 fevereiro 1498). A16m de vantagens materials, tais como isencio de im-
postos na primeira venda dos g&neros importados das Indias (abril 1497), c6dula
confirmando o dizimo e o oitavo (junho 1497), etc... (Navarrete, obra citada,
II volume, pAginas 191, 195, 221, 217, 220, 190, 202).
Os preparativos para a terceira viagem nos revelaram muitos dados inte-
ressantes s6bre esta fase da hist6ria colonial castelhana. Nota-se, em primeiro
lugar, que as colonias eram um mau neg6cio para a coroa.
Col6n continuava com grande autonomia e os gastos cada vez maiores cor-
riam por conta do Real ErArio. Havia as despesas com navios, armamento, tri-
pulagfo, enumeradas, por exemplo, na carta dos reis a Juan Fonseca, mandan-
do que preparasse quatro caravelas (2 de junho 1495) na c6dula ordenando a
compra de mantimentos (22 de junho 1497). Por outra, de 23 de abril de 1497,
o almirante f6ra autorizado a levar at6 quinhentos emigrantes a soldo, al6m dos
colonos pagos jA residents nas Indias. (Navarrete, obra citada, II vol., pags.
177, 211, 188, 199).
Nestas condig5es os g&neros produzidos ou mesmo resgatados dos indige-
nas nao eram compensadores, principalmente se tivermos em conta o transpor-







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


te dispendioso e demorado, a isengpo de impostos na venda na Espanha, elimi-
nando este lucro da coroa.
O document mais complete s6bre os problems econ6micos que suscitava
a ocupag5o das Antilhas, 6 a instrug5o para o bom governo das Indias, feita por
ordem dos reis para uso de Col6n, de partida para sua terceira viagem A Ame-
rica (datado de 15 de junho 1497, pAg. 203 do II vol. da Colecao Navarrete).
Principiava ditando normas gerais preconizadas para atrair e catequisar os
indios, e determinacres precisas, como a da construgio de um forte e de uma
nova povoacio junto A mina de ouro. O restante tratava quase exclusivamente
do aspect econbmico da colonizac5o. Os 430 colonos concedidos pela cedula
de 23 de abril de 1947 jA citada, deviam ser divididos da seguinte forma: 40
escudeiros, 100 pe6es de guerra e trabalho, 30 marinheiros, 30 grumetes, 20
lavradores de ouro, 150 lavradores, 10 hortelaos, 20 oficiais de todos os oficios
e 30 mulheres.
Na instrucao era permitido ao almirante alterar as quotas referentes a cada
profissao, por6m sem ultrapassar o limited estabelecido, a nao ser que o exce-
dente fosse pago pelas rendas das Indias, e, assim mesmo, o total nio podia ir
alem de 500.
Recomendava o incentive a agriculture e a criac5o a fim de evitar a remes-
sa 'de abastecimento de Espanha. Constava o fornecimento de quinhentos e
cinquenta "cahices" de trigo, cinquenta de cevada, cinquenta de farinha, mil
quintals de biscoito, alem das compras feitas a particulares pelo almirante, A
custa da coroa, para o consume na viagem e na ilha, e uma parte dos cereais
destinada a ser distribuida pelos lavradores para o plantio. Carregavam-se ainda
20 juntas de vacas, 6guas e asnos. A pendria atingira tais propor6ces que entire
os objetos citados, junto a tendas de campo e p'eas para fabric de moinhos,
via-se mencionada uma nau velha para ser desmanchada e utilizado o madei-
rame nas construn5es.
O soldo estipulado consistia numa longaa" de trigo por mes, e 12 marave-
dis por dia, exceto para os oficiais mecanicos, cujo salArio ficava a critbrio do
almirante. Esta regra se aplicava aos ji residents.
0 piano da coroa era o seguinte: os lavradores pagariam o dizimo da sua
produgio A coroa, ficando cor o restante disponivel para vender na ilha, aos
precos estabelecidos pelo almirante. Este mandaria cunhar moeda, privilegio
geralmente reservado ao rei, para facilitar as transa~6es, e nomearia um arreca-
dador daquele tribute (Navarrete, obra citada, pAg. 182, II vol.).
Para se avaliar as dificuldades financeiras de coroa neste empreendimento,
que determinaram a restricio no niumero de emigrantes, interessante citar
alguns documents. Uma c6dula de 1 de junho de 1495, Navarrete, obra citada,
II vol., pag. 175), mandava que o almirante d6sse liceriea aos moradores da
Espafiola que tivessem mais necessidade, de voltar, pois nao convinha que o
nuimero de habitantes excedesse 500 considerando a despesa corn os soldos "Y
es much cosa e much trabajo del Ilevar de los mantenimientos"...
Noutra c6dula se recomendava ao almirante que distribuisse os mantimen-
tos equitativamente e que mesmo os culpados *de qualquer delito recebessem a
sua quota.
Esta preocupagio mostrava que prAticamente todo o alimento ia da Espanha.







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Naturalmente que o dizimo da producio nao poderia compensar os gastos,
e os resgates e produtos tamb6m, nio, pois, como dissemos, a coroa os isentara
do pagamento de impostos s6bre a venda na Espanha. A mina de ouro tam-
b6m n6o produzia bastante para cobrir o deficit.
A venda das mercadorias espanholas na ilha era tio pouco remuneradora
que os reis solicitaram ao almirant e a Juan Fonseca que contratasse corn um
negocinte a venda dos produtos em Sio Domingos, a precos tabelados.
O sonho dourado das indias se transformara num sorvedouro das riquezas,
aliAs escassas, da metr6pole.
Apesar dos soldos oferecidos aos emigrantes, das facilidades de terra, de
sementes, de gado, de instruments agricolas, da viagem de graga, etc., era
dificil encontrar pessoas dispostas a partir.
Que contrast com as futuras col6nias ingl6sas na America do Norte, nas
quais encontramos os chamados "bond-servants", colonos que se sujeitavam ao
trabalho servil para pagar A Companhia colonizadora o prego de sua viagem.
Assim como o entusiasmo f6ra sibito na metr6pole, tamb6m se desvanecera
rApidamente. A maioria dos colonos voltava contando os seus dissabores na
ilha, a luta permanent contra os Indios, as epidemias, a dificuldade de se adap-
tar as novas condicoes de vida e, principalmente, o desapontamento de nio en-
contrar 0 ouro em abundAncia.
Para fazer face a essa situacio langou mao a coroa do recurso de ordenar
As justicas do reino que entregassem ao almirante os condenados a desterro,
para que cumprissem pena em SAo Domingos. E na mesma ocasiio, prometeu
indulto aos criminosos comuns, mediante a condig o de servirem nas Indias.
Dessa concessao nio beneficiavam, entretanto, os culpados de heresia, de lesa
Magestade, de traicio, de caldnia, de morte, de moeda falsa, de sodomia c de
exportacio de moeda ou de objetos probidos.
Mencionamos este detalhe para mostrar que alguns dos delitos enumerados
nesta lista eram justamente aqu6les que os historiadores modernos atribuiram
aos deportados para as Am6ricas, a fim de provar que, segundo o crit6rio atual,
nao seriam considerados criminosos. A heresia, lesae magestatis estavam, po-
r6m, na categoria dos crimes de tal gravidade que a condenagAo a morte ou
prisao nao podiam ser comutadas em degredo.
Conforme pudemos observer, pela instrucao para a terceira viagem, o prin-
cipal objetivo dos monarcas de Castela e AragAo jA nio era a exploragiAo, a pro-
cura das minas de ouro, os resgates preciosos, mas a colonizagAio da Espafiola.
A fim de incentivar a agriculture e a criacio, Col6n recebeu o poder de doar
terras em nome dos reis, mediante certas condicges estipuladas na carta paten-
te de 22 de julho de 1497 "...obligAndose las tales personas de tener 6 mante-
ner vecindad con su casa poblada en la dicha Isla Espafiola por cuatro afios
primeros siguientes contados desde el dia que les di6redes 6 entregaredes las
tales tieras 6 haciendas 6 que harAn en las dichas islas casas, 6 plantaran las
dichas vifias 6 huertas en la manera 6 cantidad que a vos bien visto fuere con-
tanto que en las tales tierras 6 montes 6 Aguas que ai di6redes 6 reparti6redes
las tales personas non puedan tener ni tengan jurisdiccion alguna civil ni crimi-
nal ni cosa acotada ni dehesada -" ".... Ansimismo reservamos para nos







ADMINISTRAVXO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


el brasil cualquier metal de oro e plata, 6 otro metal que en las talles tierras
se fallare.. ..", (Navarrete, obra citada, II vol., pag. 215).
Col6n zarpou para o Novo Mundo, comandando uma frota de seis embarca-
Vies. Descobriu as b6cas do Orenoco e as pescarias de p6rolas de PAria. Au
chegar a Espafiola, levando os abastecimentos, encontrou a populacio native
dizimada, os espanh6is divididos em bandos rivals. Os revoltosos, chefiados
por RoldAn, interceptavam a chegada das embarcacqes provenientes da Es-
panha.
Col6n foi obrigado a transigir, assinando dois conv&nios corn os revoltosos,
ate conseguir imp6r sua autoridade pela f6rga das armas e de execuc6es suma-
rias de alguns cabegas. Segundo as leis espanholas, o almirante nio podia jul-
gar a contend entire seu irmao Bartolomb e RoldAn, por causa dos intimos lavos
de parentesco. Requereu aos reis nomeassem um juiz letrado e dois conselheiros.
Esta media nAo condizia cor o temperament autoritArio e independent
que Col6n revelava em suas cartas e attitudes intransigentes. Provavelmente foi
ditada pela falta de confianca nos reis e pelo sentiment de que estes poderiam
solapar-lhe a attoridade sob qualquer pretexto plauslvel.
A soberania r6gia ia se insinuando e se fortalecendo A media que os con-
flitos e distdrbios recrudesciam na Espafiola.
Um dos problems mais s6rios, por ocasiio da chegada de Col6n, era o da
subsist6ncia. A alimentagio se tornava cada vez mais escassa A media que
,os indios morriam ou fugiam para regi5es distantes, pois eram os inicos que se
sujeitavam ao trabalho agricola. Mesmo porque os espanh6is, em pequeno nii-
nmero, sem recursos, desconhecendo as plants nativas, inadaptados ao clima t6r-
rido, vitimas da malAria e outras doengas da regilo, dificilmente poderiam se
sustentar sem auxilio.
Os tributes pagos pelos indigenas, com relutancia, em tempo de paz, ces-
saram de todo durante a revolta de RoldAn. Desta vez Col6n, antes de se ocupar
cor a procura de minas de ouro, como fizera nas outras viagens, tentou estimu-
iar a agriculture, concedendo a cada colono uma propriedade, o chamado "re-
partimiento", e um grupo de indios, de "encomienda".
Enquanto se processava lentamente a colonizagio da Espafiola os soberanos
de Castela, informados das revoltas, comegavam a tomar provid&ncias.'
Em 21 de marco e 21 de maio de 1499 foram passadas tres provisoes a fa-
vor de Bodadilla, conferindo-lhe o lugar de juiz pesquisador, com poder para
procesasr os culpados do levantamento, nos seguintes termos: "... A los que
por ella (conspiracao) hallaredes culpantes, prendles los cuerpos y secuestrad
les los bienes y asi press, procedades contra ellos y contra los ausentes A las
mayors penas civiles y criminals" ... Outra concedendo a Bobadilla a
"gobernaci6n" e o oficio de julgado cor jurisdicio civil e criminal, alcaidias e
"alguacilazgos", comprendendo o poder de nomear demitir e expulsar.
A terceira foi dirigida a Colon, designando-o s6mente como almirante, exor-
tando-o a que entregasse todas as fortalezas, casas, navios, armas, petrechos,
mantimentos, cavalos, etc., pertencentes ao rei, ao Comendador Bobadilla, nossd
governador das ilhas e terra firme, (Navarrete, obra citada, II vol., pigs. 235,
237, 239).







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Lendo estas provis6es, dificilmente um historiador poderia afirmar que
Bobadilla exorbitava de suas func6es, como alegam muitos compendios. Os
reis se aproveitaram da revolta de Roldan e do pedido do almirante, para rea-
lizarem seus intentos. O comendador Bobadilla chegou A Espafiola em 1500,
ocupou a casa de Col6n, apossou-se dos seus bens e documents, e encarcerou
os tres irmaos: Diego, Bartolomb e Cristobal. Os reis, diante dos protests
veementes de Col6n, procuraram contemporizar desautorizando o seu repiesen-
tante nas Indias, libertando o almirante, e enviando-lhe, enfim, uma respeitavet
soma e recebendo-o cor todas as honrarias em Granada. Em seguida Boba-
dilla foi destituido e decretada a devolugeo dos bens de Col6n (Navarrete, obra
citada, II vol., pAg. 275).
Apesar destas satisfacges de ordem moral findara o governo exclusive do
almirante, vice-rei e governador, Cristobal Col6n, Este realizara, a despeito das.
revoltas e conflitos, uma obra extraordinAria em' curto espago de tempo, de
1492 a 1501. Descobriu e tomou posse da Espafiola, Cuba, Jamaica, costa Ve-
nezuelana, etc.; fundou os nfcleos de povoaiio iniciais, onde comecou a fun-
cionar regularmente a administracgo municipal; e explorou as minas de, Sao.
Domingos. Porem as col6nias ainda nio viviam aut6nomamente por causa da
falta de recursos do conquistador; recebiam os abastecimentos da metr6pole,
conforme pudemos observer nos documents da 6poca. O problema da mio
de obra ainda nio f6ra resolvido, apesar do paliativo de que se langara mio, a
"encomienda". Reinava o descontentamento e a revolt.


Acabamos de historiar como a monarquia conseguiu limitar e revogar os
privilegios concedidos a Col6n, atentat6rios a sua soberania nas col6nias.
A explorac5o do novo continent, at6 aquela data, f6ra para a coroa caste-
lhana um mau neg6cio, numa 6poca de crise econ6mica da metr6pole. S6 era
possivel prosseguir na emprpsa atraindo o capital e os valores individuals, ofe-
recendo-lhes vantagens de ordem econ6mica e de ordem juridica, por6m a mo-
narquia nao queria abrir mio da autoridade que adquirira s6bre as col6nias a
custa de conflitos com o descobridor. A monarquia, apesar de sua falta de re-
cursos podia exigir condig6es favorAveis nas futures capitulac5es. Se a Espa-
fola decepcionara o espirito aventureiro e ambicioso, nio correspondendo a
espectativa, os espanh6is nAo desanimavam de encontrar o Eldorado em tio
vastas terras de possibilidades ilimitadas, cujas riquezas iam aos poucos se re-
velando. As p6rolas de Paria, as noticias dos indigenas sbbre fabulosas minas;
de ouro, etc., despertavam grande interesse pela exploracio do Novo Mundo. A
base do regime das capitulacges, comegado nessa 6poca, seria a de contratos em
que a realeza cederia o minimo possivel em troca de capitals particulares. O
convenio contratado com Col6n fracassara pela falta de reciprocidade nas van-
tagens oferecidas. Se na primeira viagem Col6n entrara cor um capital de va-
lor inestimAvel, o seu plano audacioso de viagem, jA nas seguintes faltava-lhe o.
essential para que o sistema das capitulac6es funcionasse bem, o dinheiro.
A ambicAo de dominio da monarquia e a falta de meios do conquistador
foram as causes essenciais dos atritos que relatamos, provenientes da inger&n-
cia da coroa nos dominios do almirante, pois neles gastava suas rendas.







ADMINISTRAIAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


Nas futuras capitulag5es a coroa faria s6mente concessdes aos que pudessem
materialmente explorA-las e a titulo provis6rio. Nio incorreria novamente no
crro de acumular nas mAos de um conquistador titulos como os de almirante,
vice-rei, governador e "capitan-general". Outorgaria direitos s6bre regimes de-
limitadas tanto quanto possvel segundo os conhecimentos da 6poca e por fim os
reis estabeleceriam suas porcentagens nos lucros e automaticamente o poder de
nomear fiscais para garanti-las.
As capitulagies cram uma conting6ncia a que os reis se submetiam provi-
sbriamente, mas ao lado d6stes contratos procuravam estabelecer um gov&rno
central na metr6pole e nas col6nias a fim de controlar os conquistadores. Nos
primeiros tempos &stes desfrutavam de tal poder que a coroa mal conseguia re-
ceber a participacio nos lucros das expedigces realizadas, mais tarde pormni
comecou a.interferir em todos os stores da administracLo.
Juan Fonseca, bispo de Badaj6z, membro do Conselho Real de Castela, au-
xiliado pelo secrethrio Lope Conchillos, foi encarregado, em 25 de janeiro de
1500, de receber em carAter official todos os despachos referentes ht Indias, en-
caminhando os processes judiciais ao Conselho.
O carter commercial da colonizacgo nessa primeira fase quase que impos-
sibilitava a monarquia de tender aos problems sociais, de assegurar a destri-
buicio da justica na col6nia. Os mais prejudicados cram os indigenas apesar
da vasta legislacao protetora promulgada.
Nem Juan Fonseca, na metr6pole, nem o governador da Espafiola conse-
guiam se fazer obedecer pelos independents conquistadores. Nicolas de Ovan-
do, foi'nomeado em trLs de setembro de 1501 juiz -e governador, competindo-
Ihe designer e destituir alcaldess", alguaciles, etc., livrar pleitos, ordenar pes-
quisas, (Navarrete, obra citada, II vol., pAg. 225).
Os moradores das col6nias s6 podiam apresentar queixa ao governador da
Espafola. Apelar para o rei ou para os 6rgfos metropolitanos representava
espera de um, de dois, on de tres anos, nio s6 pela demora natural da viagem,
como pelos impecilhos que o governador ou capitao, conform o caso, podia p6r
a partida do navio, etc.
No caso do indigena a possibilidade de abuses era praticamente, ilimitada
na primeira fase, pois o prejudicado nao tinha capacidade de se defender. Por
esta razaoo,a legislacgo colonial se ocupou enormemente da situagio dos nativos,
procurando regular a "encomienda" e tentar novas solugSes para conseguir o
trabalho forcado do indigena, preservando por6m os seus direitos como sfidito,
em igualdade de condig6es com os colonos. Por c6dula de 9 de ag6sto de 1508
(Navarrete, "Coleccion de los viajes, descubrimientos... etc.", II vol., pig.
322), o rei D. Fernando nomeara o almirante Don Diego Col6n governa-
dor,... "sin perjuicio del derecho, de otros..." Na real proviso de 29 de
outubro do mesmo ano, (Navarrete, obra citada, II vol. pAg. 322) foi designado
da seguinte forma: "Don Diego Col6n Almirante de las Indias islas, 6 tierra
fire tenga por mi gobernacion 6 oficio de Juzgado della..." ... el
tiempo que mi merced 6 voluntad fuere,..." -"... 6 alcaldias, 6 alguacilaz-
gos, 6 escribanias dellas..."
Ao chegar, em 1509, a sede de seu governo nas Indias, Diego Col6n encon-
trou o sistema das "encomiendas" jA enraizado. A pr6pria rainha Isabel, de-
/







EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


fen-ora da liberdade absolute dos indigenas, tivera de reconhecer a necessida-
de do trabalho forgado, na proviso de 20 de dezembro de 1503 (Navarrete,
obra citada, II vol. pAg. 288) ao recomendar ao governador Nicolas de Ovando
que obrigasse aos nativos a trabalhar, contanto que recebessem remuneragfo e
naio sofressem maus tratos sob pena de 10.000 "maravedis" e o desprazer real.
Simultaneamente foi determinado que o pr6prio chefe indigena dirigisse o tra-
balho dos indios seus sfiditos e estipulasse a remuneracgo sob a orientavio do
"encomendero". A "encomienda" assim legalizada se estendeu nio s6 ao tra-
balho nas minas como na agriculture. Havia duas categories de indios na so-
ciedade americana: o indio encomendado, constrangido temporAriamente a tra-
balhar mediante pagamento de salArio enquanto se recusasse a faz&-lo esponti-
neamente, e o indio escrayo. Este podia ser adquirido legalmente em guerra
declarada just ou por compra de prisioneiro destinado ao sacrificio.
cipio da segregacgo.
Depois foram tentadas outras soluc5es como a das misses e a das aldeias
de indios da corona, administradas por funcionarios regios, baseadas no prin-
cjpio da segregacio.
Nesta primeira fase notava-se a preocupaCio da monarquia sob a influin-
cia religiosa, que se insinuava mesmo no governo, onde o clero tradicionalmen-
te colaborava, de estabelecer uma legislagco equitativa. Por6m era quase im-
possivel aplica-la, pois o regime que predominava era o da autonomia das auto-
ridades dentro de suas provincias completamente insuladas. Nio havia um
estado mas uma federavAo de entidades independents, nio s6 por fat6res poli-
ticos mas tamb6m geogrAficos. Quando o governo colonial se centralizou a
situagio dos indios melhorou, gragas A fiscalizacio da aplicacio das leis mais
eficiente.
As instruc6es recebidas por Diego Col6n (em 3 de maio de 1509), versavam
em grande part s6bre a questAo indigena, contrariando a opiniao. tio vulga-
rizada, de que o rei D. Fernando permitiu a exploragco absolute dos indi-
genas. Os caciques deviam recorrer ao almirante Diego Col6n quando sofres-
sem maus tratos, e, por sua vez, tinham de dispenser bom tratamento aos seus
suditos. 0 governador ficava incumbido de zelar pelo respeito A proprie-
dade indigena. Tamb6m fiscalizava o cumprimento da cedula relative a
remuneracio do trabalho e A proibicio de venda de armas aos nativos. Com-
petia-lhe, ainda, negar aos curas o direito de possuir indios encomendados, pois
ja recebiam salario em paga de sua misslo. Recomendava-se ao governador
convencer as filhas dos caciques de que nao poderiam herdar segundo as tra-
dig6es indigenas. Por fim, mantinha-se a repartigao feita pelo governador
Ovando, atW novas disposic6es reais, tomadas de ac6rdo cor as informagio en-
tiadas por juiz especial e pelo pr6prio Col6n.
Notava-se a preocupargo de preservar os indios, ji consciente e realist,
e iao ut6pica como ao tempo da rainha Isabel.
A mortandade dos natives nas Antilhas foi mais proveniente da inadapta-
Viio do indigena ao trabalho organizado sobre outras bases, principalmente o
daa minas, e das epidemias trazidas pelo branco, do que um desprezo pela vida
d' povo das Americas.








ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


A preservaCgo d6ste era, alias, indispensAvel. Conforme jA observAmos o
problema da mio de obra era premente. Dificilmente se obtinham colons,
apesar das vantagens oferecidas, soldo e terras de graga, auxilio para o cultivo
etc. Na instruc4o acima citada proibia-se que algu6m voltasse cor tres anos
apenas de residencia nas Indias. 0 almirante em carta escrita em fins de 1500,
considerava estes colonos infteis dizendo que: "se les dan las mejores tierras
y a poco valer valerAn docientos mil maravedis al cabo de los cuatro afios que
la vecindad se acaba sin que den una azadonada em ellas", e afirmava que ao
tempo do seu gov6rno Mles se satisfaziam com a terra ainda tendo a obrigacio
de pagar o terco do ouro e os dizimos. Portanto, em curto espaco de tempo
os espanh6is se desinteressaram pelas terras americanas. Aqueles que vinham
pretendiam enriquecer e regressar A pAtria. Nobres sem heranga, aventureiros
em busca de gl6ria e fortune, militares treinados nas guerras contra os mouros
e na Italia, que se viam repentinamente desocupados. Os colonos eram eseas-
sos e incapazes, na sua maioria, de trabalho agricola. Por estas razies, justa-
mente, as terras s6 valiam, na America, quando o proprietArio dispunha de uma
"encomienda". Esta seria a origem do conflito entire a Igreja, partidAria da
segregagio do indigena em aldeias, onde te6ricamente seria independent, e o
colono branco, que desejava a escravizaiio. Este conflito foi, aliAs, outro ele-
niento de melhoria das condic6es de vida do indigena. 0 clero era um podero-
so clemento de contrble do cumprimento das leis favorAveis aos indigenas qae
os te6logos, membros do Conselho Real, incutiam aos reis. Estes adotavam uma
political de compromisso entire as duas tend&ncias opostas. A16m de tais fato-
res, necessidade do indigena para o trabalho bracal, protecgo da Igreja, havia
outro element que auxiliou a preservagco, foi o nfimero diminuto de disputes
cor narges estrangeiras, no s6culo XVI, em que o poderio espanhol ainda era
respeitAvel. Nas col6nias americanas do norte os indigenas foram sempre as-
sociados As guerras entire ingleses, franceses, espanh6is, holandeses e suecos.
Cada qual os recrutava para guerra, seduzindo-os pela corrupcgo corn o Alcool,
vendendo-lhes armas, instigando-os a rebeliao, as guerras intestines prejudiciais
ao inimigo.
Mais tarde, outro element favoravel seria o nivel mais elevado de certas
tribes do continent, como algumas no M6xico.
As outras disposic6es da instrugfoo eram menos interessantes, porque tra-
tavam de assuntos de carAter mais local, como necessidade de mandar informa-
CGes quanto A fundagio de novas cidades, dc hospitals, de prestar auxilio a
Ponce de Leon na sua tentative de colonizagao de S. Juan (Porto Rico), de pro-
curar novas minas, em especial em Cuba, de impedir fraudes nas minas da Es-
pafiola e na arrecadacgo de impostos gerais, de examiner a conduta dos fun-
cionArios, do clero, etc.
Don Diego Col6n, por6m, se mostrou ineficaz quanto ao control das ou-
tras autoridades fora da ilha, e na proteVio aos indigenas on aos colonos es-
panh6is, fatos de que nAo era culpado e que provinham da formula adotada
para o gov&rno das indias, aliAs, inica condizente corn as tradic6es da metr6-
pole e cor os fat6res econ6micos do moment.
As pessoas escolhidas pelo pr6prio Diego Col6n para colonizar novas re-
gioes em seu nome se tornaram independents, como Diego Velasquez, em Cuba.








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Possivelmente, para sanar esta falha tenha sido criada a audi&ncia em 1511,
pensando o gov6rno que um 6rgio de justice especializado, situado nas col6-
nias, talv6s pudesse resolver os pleitos que surgiam, por6m, s6 teve papel pre-
ponderante, quando toda uma nova estrutura de governo foi imposta pela me-
tr4pole.
Os protests do clero e a influ&ncia da ordem dominicana na c6rte conse-
guiram finalmente, como resultado positive, as leis de Burgos de 1512, e o ato
adicional de 1513, ja nos iltimos anos de vida de D. Fernando.
Como a justificativa moral do sistema de "encomienda" era a converslo
do indio, procurou-se obrigar o "encomendero" a desempenhar esta fungio.
Ficava a seu cargo construir uma igreja e uma escola onde as criangas abaixo
de treze anos eram obrigadas a receber instrucio, ministrada, geralmente, por
padres franciscanos. Devia facilitar aos mais aptos os meios de aprenderem
uma profissfio. Outro aspect destas leis era o de regular o trabalho dos nabo-
rias. A fim de impedir a mortandade provocada pelo trabalho nas minas, s6-
mente um tOrgo dos indios encomendados podiam prestar 6ste serving. Os que
pertenciam a uma "encomienda" muito distant ficavam na obrigacio de suprir
os mineiros de alimentos. Os outros naborias serviam no campo ou nos tra-
balhos dom6sticos. As leis de Burgos especificavam o tempo de trabalho obri-
gat6rio, idade minima e a remunerag o. O indio deveria trabalhar nove meses
para o "encomendero" e tr6s nas suas pr6prias terras ,em seu beneficio, tendo
a faculdade de continuar com o "encomendero", durante os tr&s meses, riedian-
te pagamento de salArio mais elevado. Como o trabalho na mina era considerado
mais important e para evitar viagens freqiientes dos indios, tinham sf es de
permanecer nas minas durante quinze meses, para fazerem jits ao descanso de
tris meses. Ningu6m podia trabalhar corn menos de quatorze anos, pois os pri-
meiros anos de vida seriam dedicados ao estudo. O salario devia ser de um
p&so de ouro por ano. Quanto a alimentagiio, ficava estabelecido que nas minas
devia ser da melhor qualidade. Os oficiais reais e o pr6prio almirante no-
meariam visitadores para fiscalizar o cumprimento destas leis. Tal media jia
f6ra anteriormente posta em prAtica, pois, cor D. Diego Col6n viera um visi-
tador encarregado de verificar a situacio dos naborias e informar A metr6pole.
O defeito destas leis estava, por6m, no problema da fiscalizacgio. Os visitado-
res deveriam ser pagos com uma "encomienda". Esta media economic, com-
prometia fundamentalmente a seriedade da fiscalizacio que a coroa pretendia
exercer.
Tanto o naboria ou indio encomendado como o escravo nlo podiam ser chi-
coteados, senio cor o consentimento do visitador. Os verdadeiros fiscais, sem-
pre vigilantes, eram, por6m, os cl6rigos. Outro meio que a monarquia adotou
para converter e ao mesmo tempo utilizar os indios foi o eempr&go das misses
religiosas. As ordens, especialmente a dos jesuitas, recentcmente organizadas
em bases militaristas e rigida discipline, dispondo de toda esp6cie de privil6-
gios, tais como, isengio de impostos de exportagio dos produtos de suas aldeias,
facilidades de navegagio, direitos de usar armas, etc., eram as mais aptas para
veneer no Novo Mundo. Preparados para combater, os jesuitas mostravam-se
especialmente hibeis na educafio, pois o seu objetivo era convertear infi6is,
e em pouco tempo se tornaram uma das ordens mais ricas do mundo, em-







ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS 95

prestando at6 aos pr6prios reis. Esta soluc5o diferente, oferecia vantagens e
desvantagens. Naturalmente o indio, segregado da sociedade, ficava ao abrigo
de crueldade e maus tratos, aprendia certo nfimero de oficios, por6m, como es-
tava inteiramente submetido a outrem, perdia a noc5o da responsabilidade e
tornava-se incapaz de viver no mundo. Na condigio de aldeado o indio era
tratado corn bondade por6m como tutelado. Enquanto que a "encomienda"
proporcionava ao naboria um verdadeiro aprendizado da vida em comum con
a branco de cultural e raga diferentes.
Uma tentative inteiramente nova foi a do cardeal Ximenez, (aconselhado
por Las Casas), durante a minoridade de Carlos V; a criagio de um Conselho
de tres padres jer6nimos e um eminente jurista, que teriam poderes judiciais e
executives em especial s6bre os indigenas. Receberam instrug5es para proce-
der a um inquerito entire os col6nos s6bre as possibilidades de dar um governo
aut6nomo aos indios, concentrando as tribes em cidades sob o contr6le de um
chefe native, de um administrator civil e de um padre, ou de dar-lhes liberda-
de total. Neste caso pagariam A coroa tributes iguais aos dos demais siditos,
que serviriam, de inicio, para indenizar os colonos. Sendo necessArio, o estado
compraria as propriedades dos espanh6is que ficassem impossibilitados de sus-
tentA-las. Las, Casas veio para o Novo Mundo cor o titulo vago de protetor dos
indios.
As conclus6es dos padres jer6nimos, que nio podiam ser acusados de par-
'idarismo on interesse a favor dos colonos, foi desconcertante para os te6logos
da c6rte.
Nio era possivel libertar os indios sem comprometer, definitivamente, a
posse e desenvolvimento das col6nias espanholas. Os indigenas, n5o adaptados,
ainda, A vida europeia, voltariam aos seus antigos hAbitos e procurariam se
solar, senio agredir. Quanto ao piano de cidades de natives, o Conselho acha-
va que os "encomenderos" dariam melhor vida a dles do que um funcionArio
rpgio, que nio resistiria A tentacio de explorer pr&sa tAo fAcil. 0 "encomende-
ro" necessitava da mao de obra, e tinha, por isso, interesse em preservA-la,
principalmente se a "encomienda" f6sse a titulo hereditArio. 0 conselho or-
ganizou s6mente algumas vilas cor os indios pertencentes A coroa. Recomen-
dava ainda que nao se concedessem naborias a ausentes ou oficiais do governo.
Os monarcas visavam, resolver os diversos problems. A comissao dos jer6-
nimos tinha tamb6m autoridade para averiguar as queixas dos colonos, senten-
ciando nos pleitos, investigando a conduta dos funcionArios, dos civis, e refor-
mnando os erros administrativos.
Vimos, assim, as diversas tentativas da coroa para minorar os abuses pro-
venientes do choque entire as duas ragas, uma, em grau mais adiantado de cultu-
"ra e dispondo de meios superiores de ataque, outra, destinada a ser vencida, e
tamb6m para p6r c6bro aos excesses ocorridos ao abrigo da autonomia e inde-
pend6ncia dos representantes da coroa, nas suas provincias, sob o regime das
capitulagces.
A pr6pria monarquia por6m, viu-se obrigada a reconhecer esta indepen-
dencia, que existia apesar da subordinagro official ao governador de Espafiola.
Em 1513, na capitulacio cor Pedro Arias De Avila, concedeu-lhe o titulo de








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


governador, s6mente subordinado ao rei e cor as mesmas prerrogativas con-
cedidas ao filho do almirante.
O aspect da colonizacio que teve mais importAncia nesse primeiro period
foi o commercial, o inico em que a interferencia da monarquia se fez realmente
sentir.
0 principio em que se baseava a Casa de Contratagio era o do monop6lio.
commercial dirigido pelo Estado, que facilitava a cobranca dos impostos e fisca-
lizaio do com6rcio. Todas as transac6es controladas, todas as mercadorias con-
centradas num armaz6m. Era, portanto, na sua ess6ncia, semelhante A Casa
da Guin6 e Casa da India em Portugal.
O contador Juan Soria e tesoureiro, Pinelo, constituiram o primeiro nilcleo
dessa organizacao. Conserva-se ainda um memorial an6nimo de meados de
1502, propondo aos reis a organizacio de um armaz6m destinado a abrigar todas
as mercadorias importadas, das Indias, para a Espanha, e exportadas desta
para aquelas.
Seria administrado, segundo os terms da sugestAo, por um fator, um tesou-
reiro e dois contadores, incumbidos de preparar as frotas, de fornecer ins-
truC6es aos pilots e tripulag6es, e de manter contact direto corn os oficiais
da Contadoria nas Indias, para o registro das mercadorias. Era uma amplia-
cio do sistema de fiscalizagao existente ao tempo de Col6n como vice-rei,
integrado pelo contador que ia a bordo, pelo da metr6pole e pelo da col6nia.
JA na instruCao para a segunda viagem os reis indicaram a necessidade de
constituir AlfAndegas em Cadiz e na Espafiola.
As primeiras "ordenanzas" para estabelecimento e governor da Casa de
Contratacio, datam por6m de vinte de janeiro de 1503 (Navarrete, obra citada,
II vol., pAg. 285).
A finalidade d&ste 6rgilo administrative se expressava neste curioso
document, nos seguintes t&rmos: "...ordenamos e mandamos que en la
ciudad dq Sevilla se haga una Casa de Contrataci6n para que en ella se reco-
jan y esten el tiempo que fuere necesario todas las mercadorias 6 manteni-
mientos 6 todos los otros aparejos que fueren menester para proveer todas las
cosas necesarias para la Contrataci6n de las Indias, 6 para enviar alla todo
lo que dello convenga de enviar, e para que se resciban todas las mercaderias
6 otras cosas que de allA se enviaren A estas Reinos, para que alla se venda
dello todo o1 que se habiere de vender, o se enviare A vender 6 contratar A
otras parties donde fuere necesario..."
A organizagao initial era muito simples. Continuava existindo sbmente
n4mero reduzido de funcionArios; um "factor", um tesoureiro, e urn contador
ou escrivao. Havia principalmente uma ampliacao de func6es. O tesoureiro
recebia mercadorias, valores de toda esp6cie na presenga do "factor" e do escri-
viio ou contador e fazia as cobrancas de ac6rdo corn os despachos do "factor".
Este e o tesoureiro deviam selecionar as mercadorias mais convenientes, os
navios mais apropriados, levando em conta se era mais vantajoso fretar on
mandar construir. Escolhiam os escriviles fiscais, verificavam a entrega e
carregamento das mercadorias e gbneros alimenticios. Os patrbes dos navios
passavam recibo em presence do "factor", do contador e do escrivio fiscal.
Este ia a bordo e assistia obrigatoriamente a entrega do recibo As autoridades








ADMINISTRACAO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


na ilha, para evitar qualquer fraude, informando a Casa de Contratacao.
Mktodo semelhante era aplicado na viagem de regresso. Os oficiais dasIndias
forneciam um certificado e c6pia s6bre as mercadorias embarcadas. Os
patries e escrivaes das naus ertregavam 6stes documents na Casa de Sevilha,
onde se procedia a conferencia e despacho do conhecimento para que a mcr-
cadoria f6sse desembarcada. Esta era declarada, nas ordenanzas, livre de
impostos, tanto na entrada, como.na said da Casa de Sevilha. Deve-se, por6m,
salientar que a iseng5o se referia apenas aos impostos s6bre a venda, entrada
e said de g6neros no reino, e nao ao dizimo ou quinto da coroa cobrados
conforme o tipo de mercadoria. A chegada de ouro, por exemplo, devia ser
logo anunciada aos reis e remetido o precioso metal para a Casa da Moeda
de Sevilha.
Os oficiais da Contratacio ainda tinham a incumbnncia de dar indica-
g6es aos capities e escrivaes s6bre as mercadorias que convinha levar ou tra-
zer, pois estavam sempre informados quanto a procura nos mercados europcu
e americano.
Afora estas fun6ies alfandegArias a "Casa de Contrataci6n" desempenha-
va papel important como 6rgilo consultivo dos reis, nas concessoes de licen-
Cas para descobrir e explorer nova's terras na Am6rica. S6 ent5o os reis con-
seguiam efetivar o que ambicionavam em 1495. Em 1510 a Casa de Contrata-
,Ao adquiriu poder legislative em assuntos de Fazenda e Justica em proces-
sos fiscais.
As normas para 6stes contratos cram estabelecidas nas ordenanzas: "...6
ai converni A nuestro servicio que mandemos dar la dicha licencia A las per-
sonas a quien asi di6remos la dicha licencia vayan so la obediencia de nuestro
capitan que por Nos fuere nombrado para la dicha armada, y A quien di6re-
mos la dicha licencia nos hayan de dar y den la part que Nos hovi6ramos de
haber, segun el asiento que con ellas mandAremos tomar de lo que en la dicha
tierra rescatare hobiere en el dicho viage, sin que saquen ni descuenten dello
ningun costo, asi del flete de los dichos navios como de las mercaderias 6
mantenimientos que llevaren para hacer la dicha contrataci6n ni otra cosa
alguna, 6 antes que lo acaben de asentar lo consultem con Nos".
O almirante Col6n passava por efeito desta decisao a categoria de um
concessionario comum revestido de honrarias especiais. Seu filho, D. Diego,
obteve o reconhecimento dos titulos de governador e vice-rei temporariamente
suspensos, porem s6mente nas terras descobertas pelo pai, pessoalmente.
Diminuiram as participag~es do almirante nos lucros das viagens de resgate,
pois perdia o monop6lio do com6rcio das Indias.
As formulas adotadas nas capitularges variavam pouco.
Encontramos, por exemplo, o texto de uma destas na preciosa Colecio de
documents de Martin Fernandes Navarrete (II vol., pags. 244, 245, 246) data-
da de 5 de junho de 1500.
"...que nos damos licencia A vos el dicho Rodrigo de Bastidas para que
con dos navios vuestros vais A vuestra costa 6 mission, por el dicho mar oc6ano,
A descobrir 6 descobrais islas 6 tierra firme A las parties de las Indias, 6 A otra
cualquier parte, con tal que no sea de las islas 6 tierra firm que fasta aqui son
descubiertas por el Almirante D. Crist6bal Col6n, nuestro Almirante del dicho








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


mar Oc6ano, 6 per Crist6bal Guerra, ni de las que son descubiertas 6 descubrie-
ren antes que vos por otra 6 otras personas par mandado 6 con licencia nuestra,
ni sean de las islas 6 tierra fire que pertenezcan al Serenisimo Rey de Portu-
gal y Principe nuestro muy caro 6 muy amado Hijo, para que dellas ni de algu-
nas dellas no trayais ni podais haber interest alguno salvo solamente cosas para
vuestro mantenimiento 6 provision del navio 6 gente si le hobi6redes menester.
Otrosi que todo el oro 6 plata 6 cobre y plomo y estafio y otro qualquier metal
6 aljofar, 6 perolas 6 piedras preciosas, 6 joyas 6 esclavos 6 negros 6 loros que
en nuestros Reinos sean habidos 6 reputados por esclavos 6 monstruos 6 serpen-
tes e otros cualesquier animals 6 pescados 6 aves 6 especeria 6 drogueria 6 otras
cualesquier cosas, de cualquier nombre 6 calidad 6 valor que sean sacados la
armazon 6 flete 6 gastos que en el dicho viage 6 armada se hiciere, de lo que
quedare, Nos hayamos la cuarta parte de todo ello, 6 las otras tres cuartas
parties sean libremente par vos el dicho Rodrigo Bastidas..."
Na clAusula seguinte ficava estabelecido que os reis nomeariam uma ou
duas pessoas para cada navio, destinadas a fiscalizar os resgates. Aqu6les
que cometessem fraudes perderiam todo o proveito da viagem, "...6 el cuerpo
a la nuestra merced..."
Todo o resgate deveria ser entregue em CAdiz e apresentado ao official
resident nesta cidade, incumbido da cobranca da quarta part pertencente ao
rei. Para maior garantia era exigido fianca:
"...6 para asi tener 6 guardar 6 coimplir vos el dicho Rodrigo de Basti-
das deis fiancas lianas 6 abonadas A sometimiento del obispo de C6rdoba de
nuestro- Consejo, 6 de su lugarteniente".
Enfim tinha de apresentar seus navios e tripulantes, na cidade de CAdiz
ao- official real Gimeno de Bribiesca, "...para que vea los dichos navios 6
asiente la relaci6n dellos, 6 de la dicha gente que en ellos van, en los nuestros
libros, 6 haga las diligencias para ello necesarias".
Nas capitulac6es posteriores a 1503 estas quatro filtimas condig6es im-
postas ao concessionArio ficaram a cargo da Casa de Contratacgo de Sevilha,
sucessora mais aperfeicoada da AlfAndega de CAdiz, e do representante dos
contadores maiores, Gimeno de Bribiesca.
Terminava o document nos seguintes t6rmos:
"Para lo cual facemos nuestro Capitan de los dichos navios 6 gente que
en ellos fuere, a vos el dicho Rodrigues de Bastidas, 6 vos damos nuestro poder
complido 6 juredicion civil 6 criminal con todas sus incidencias, y dependen-
cias, emergencies, anexidades e conexidades".
Predominava, portanto, o carAter temporArio e commercial do conv&nio.
Era mais um piano de explorcio do que de colonizai5o. Os poderes atribui-
dos caracterizavam-se pelo cunho military. O concessionArio comandava mari-
nheiros e gente de guerra que ia resgatar, em terra desconhecida, objetos de
valor por quinquilharias, se expondo A guerra, fome e aos riscos da viagem
em troca d&sse possivel lucro.
A capitulacio feita em nome dos reis cat61icos com o comendador Alonso
Velez de Mendoza e seus fiadores, datada de 20 de julho de 1500, transcrita
por Navarrete (II vol., pig. 247) obedecia As mesmas normas. S6mente os s6cios,
tiveram de jurar obedi6ncia e tamb6m, naturalmente, participavam nos lucros.








ADMINISTRA;AO COLONIAL LUSO-ESPANHOLA NAS AMERICAS


No terceiro item da referida capitulagco constava a obrigacgo do conces-
sionArio pagar ao fiscal real salArio correspondent ao de um marinheiro.
L&-se, ainda, a recomendacgo formal de regressar diretamente para CAdiz, s6
parando por motive de f6rga maior, e, neste caso, as pessoas que desembar-
cassem seriam acompanhadas pelo fiscal. Noutra part costa a proibic5o
cxpressa de levar ou trazer estrangeiros ou mercadorias escondidas.
A capitulac5o corn Luiz Arriaga, de 5 de setembro de 1501 (Coleg5-o de
Documents compilada por Torres Mendoza, vol. XXX, pAg. 526), jA denotaya
uma preocupagio de colonizar a Espafola e mesmo as terras que o concessip-
nArio descobrisse.
A primeira clAusula impunha que Luiz Arriaga leyasse dpzentos yiscainos
c suas mulheres a povoar a Espafiola, sem receber soldo algum do real erArio,
ficando subordinados ao governador da ilha, que os repartiria em quatro vilas
de cinquenta moradores cada, nos locals que conside-rnsse mais adequados.
Cpmpetia ainda ao governador dividir as terras entire os habitantes, benefician-
1lo os casados mediante condigco de perman6ncia por 5 anos, pelo menos.
Durante kste prazo s6 pagavam o dizimo s6bre o lucro da lavoura ao rei,
ficando isentos de outros impostos. Os reis, al6m do dizimo, se reservavam
os outros direitos e a propriedade das minas de ourp, prata, cobre, ferro,
chumbo, mercArio, enxofre, salinas, etc., que porventura f6ssem descobertas.
'Do ouro que colhessem nos rios, por exemplo, dariam metade aos reis. Era
proibido resgatar ouro dos indios. Ainda tinham a obrigagio de entregar todo
o "buo" que encontrassem e o tergo do algodao plantado pelos indios, f6ra do
t~rmo das vilas.
Poderiam gozar da metade da renda liquid das minas que estivessem
lentro de suas terras.
Estes colonos eram s6ditos do rei, sujeitos A sua jurisdic5o civil e crimi-
nal. Podiam eleger cada ano, entire si, alcaldes, regidores, "escribanos", pro-
curador e outros oficiais, exceto o "alguacil" cuja nomeacao ficava por merc6
temporBria a cargo do governador. Havia apelacAo para o governador, que
podia, se quisesse, julgar em primeira instAncia nos casos civis e criminals.
Proibiam-se mouros, reconciliados ou desterrados de residirem nestas vilas.
Os moradores destas novas povoagoes gozavam dos mesmos direitos concedi-
,dos As mais antigas.
Estas determinacges mostravam o inter6sse da monarquia em organizer
administrativamente 6stes primeiros n6cleos de colonizagio, concedendo rega-
lias de ordem material; terras de graga, isengco de impostos; e de ordem espi-
ritual; direito de elegerem seus pr6prios juizes, etc., respeitando as tradig5es
,dos Municipios castelhanos, por6m dando margem a que a autoridade do gover-
-ador se fizesse sentir quando necessario. Observava-se, portanto, al6m da
tao apregoada s6de de ouro, consci6ncia das necessidades reals.
As demais clAusulas se assemelhavam As das capitulac6es jA mencionadas,
variando por6m o tribute r6gio, metade das p6rolas e o quinto dos demais pro-
dutos. Todas as plants, sementes, etc., levadas pelos tripulantes para seu
uso, eram embarcadas livres de direito. Qualquer culpado em fraude no paga-
mento da porcentagem pertencente ao rei perdia todos os direitos e privilb-
gios concedidos pela capitulagco.








EULALIA MARIA LAHMEYER LOBO


Na mesma data foi assinada em Granada uma capitulagAo cor Vicento
Yafiez Pinzon. Os reis faziam uma concessfo especial em compensagio pelos
gastos e services prestados pelo- famoso navegante em viagem precedent ao
Novo Mundo. Foi-lhe dado o titulo de capitan e governador das terras que
descobrii desde "la dicha Punta de Santa Maria de la Consolaci6n siguiendo
la costa, fasta Rostro-hermoso, e de alli toda la costa que se corre al Nordeste
fasta el dicho Rio que vos posystes nombre de Santa Maria de la Mar-dulce"
(Colegco Documentos, copilada por Torres de Mendoza, vol. XXX, pAgs. 536
e 537).
Poderia nomear lugar tenente. Exerceria jurisdii5o civil e criminal.
"...Contanto que non pbdais matar persona alguna, ni cortar miembro..."
(Colecgo Documentos Torres Mendoza, vol. XXX, pag. 541).
Esta concessio era um grande golpe no prestigio do governador da Espa-
fiola. Os outros concessionarios estavam visivelmente em condicio menos
categorizada, meros capit5es de pequenas frotas destinadas a explorer o comer-
cio de uma regiao. Vicente Yaiiez Pinzon, ao contrArio, 6 tratado em pB de
igualdade. A sua inferioridade residia unicamente na clAusula que estabelecia
a vig6ncia das capitulag6es por um ano.
Do lucro liquid do resgate nos navios custeados por Vicente Yafiez Pin-
son, um quinto era do rei, por6m, se Aste enviasse navios pagos pelas rendas da
corba s6 dava de participacio ao governador da terra, um sexto.
As inicas peculiaridades cram o privil6gio de isencio de impostos na
primeira venda das mercadorias importadas pelo concessionArio, e a proibi-
cio express de trazer indios, ditada pela triste experiencia das matancas o
barbaries cometidas por diversos navegantes, como, por exemplo, Hojeda.
Uma capitulag5o de 14 de setembro de 1501 feita com Diego de Lepe em
Granada, s6 se distinguia por nomear o concessionArio "capitan" cor juris-
digao (ColegAo de Documentos copilada por Torres Mendoza, vol. XXXI,
pAg. 5).
Outra de 5 de outubro do mesmo ano corn Xoan Descalante, igual A anterior,
limitava a importag5o do pau brasil, a fim de n5o prejudicar os particulares
que tinham contratado com a realeza a explorario dessa mercadoria, (Colecgo
de Documentos copilados por Torres Mendoza, vol. XXXI, pag. 90).
As capitulacges iam se sucedendo e muitas vWzes os prazos foram reno-
vados como, por exemplo, cor Lepe (Colec5o de Documentos copilada por
Torres Mendoza, vol. XXXI, pAg. 102), Pinzon e Hojeda. Este capitulara corn
os reis, em 28 de julho de 1501 (Navarrete, "Viajes Menores", pag. 106). A
fim de incentivar a exploraiAo duma regiao onde os indios eram especialmente
agressivos foi cedida ao concessionArio a propriedade das minas e riquezas que
descobriu pagando por6m o quinto ao rei. Para auxiliA-lo a monarquia abriu
mIo dos direitos s6bre a primeira venda e nomeou-o governador da ilha de
Caquebacoa, desfrutando de metade da renda annual dela e ainda deu-lhe uma
propriedade nia Espafiola.
O titulo de governador comportava ampla jurisdiiao civil e criminal, e
direito de nomear juizes, alcaldes, "alguaciles" e outros oficios. Podia pro-
mover pcsquisas e expulsar as pessoas que considerasse indesejAveis, (Navar-
rete, "Viajes Menores", pag. 111).




University of Florida Home Page
© 2004 - 2010 University of Florida George A. Smathers Libraries.
All rights reserved.

Acceptable Use, Copyright, and Disclaimer Statement
Last updated October 10, 2010 - - mvs