<%BANNER%>

UFIR



PROJETO KAIABI ARAA: RESGATE CULTURAL DA CESTARIA E TECELAGEM KAIABI NO PARQUE INDÍGENA DO XINGU E NA TERRA INDÍGENA KUR...
CITATION PDF VIEWER
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/IR00001137/00001
 Material Information
Title: PROJETO KAIABI ARAA: RESGATE CULTURAL DA CESTARIA E TECELAGEM KAIABI NO PARQUE INDÍGENA DO XINGU E NA TERRA INDÍGENA KURURUZINHO
Series Title: Relatorio Tecnico, 2005
Physical Description: Technical Reports
Creator: Athayde, Simone
Kaiabi, Jowosipep (Aturi)
Publisher: ATIX e PDPI
Place of Publication: Canarana
Publication Date: 2005
 Notes
Acquisition: Collected for University of Florida's Institutional Repository by the UFIR Self-Submittal tool. Submitted by Simone Athayde.
Publication Status: Unpublished
 Record Information
Source Institution: University of Florida Institutional Repository
Holding Location: University of Florida
Rights Management:
This item is licensed with the Creative Commons Attribution License. This license lets others distribute, remix, tweak, and build upon this work, even commercially, as long as they credit the author for the original creation.
System ID: IR00001137:00001

Downloads

This item is only available as the following downloads:

relatorioPDPI_KaiabiAraa_2005 ( PDF )


Full Text

PAGE 1

1 Associao Terra Indgena Xingu A TIX Projetos Demonstrativos dos Povos Indgenas PDPI Apoio: Instituto Socioambiental Projeto Resgate Cultural da Cestaria e Tecelagem Kaiabi no Parque Indgena do Xingu (MT) e na Terra Indgena Kaiabi (PA) KAIABI ARAA RELAT"RIO III OFICINA DE CESTARIA E TECELAGEM Aldeia Tuiarar Parque Indgena do Xingu Junho de 2005

PAGE 2

2 Realizao: ATIX Associao Terra Indgena Xingu PDPI Projetos Demonstrativos dos Povos Indgenas Apoio: ISA Instituto Socioambiental Coordenao: Aturi Kaiabi Parque do Xingu/Aldeia Tuiarar Eroit Kaiabi Terra Indgena Kayabi/PI Kururuzinho Mytang Kaiabi Parque do Xingu/Aldeia Tuiarar Kunhreajup Kaiabi Terra Indgena Kayabi/PI Kururuzinho Diretoria da ATIX: Makup Kaiabi Presidente Alup Kaiabi Vice Presidente Ianukul Kaiabi Suy Diretor de P rojetos Projeto Resgate Cultural da Cestaria e Tecelagem Kaiabi no Parque Indgena do Xingu (MT) e T erra Indgena Kayabi (PA) RELAT"RIO III OFICINA DE CESTARIA E TECELAGEM Aldeia Tuiarar, Parque Indgena do Xingu, Junho de 2005 KAIABI ARAA

PAGE 3

3 Tariaiup Kaiabi Diretor Financeiro Winty Suy Diretor Executivo Kaminkia Suy Secretrio Agentes de Manejo: Pirapy Kaiabi Kwaywu Kaiabi Tamakari Kaiabi Assessoria: Simone Ferreira de Athayde ISA/Universidade da Flrida Ktia Yukari Ono ISA Cinegrafistas Al Tiro Filmes : Joo Pavese Thiago Santos Ricardo Santos Otvio Roxo Andr Michiles Organizao deste relatrio: Simone Athayde e Aturi Kaiabi Pi Diauarum, Parque do Xingu, 20/07/2005

PAGE 4

4 ASSOCIAO TERRA INDGENA XINGU ATIX PROJETOS DEMONSTR ATIVOS DOS POVOS INDGENAS PDPI PROJETO RESGATE CULTURAL DA CESTARIA E DA TECELAGEM KAIABI NO PARQUE INDGENA DO XINGU E NA TI KAYABI ALDEIA KURURUZINHO LISTA DE PARTICIPANTES DA OFICINA COORDENADORES Jowosipep (Aturi) coordenador geral Mytang coordenadora dos trabalhos das mulheres Eroit coordenador PI Kururuzinho PROFESSORES 1.Takapeianim aldeia Ykwawi 3 irmos 3.Tuim aldeia Samama 4.Tarumani PIV Manito 5.Karauu 3 irmos aldeia Tuiarar 7.Jamut A ldeia Kwaruja 8.Tamanauu Aldeia Ilha Grande 9.Jywafuku PIV Manito ALUNOS Nome Aldeia 1.Aritu Kwaruja 2.Daniel Kururuzinho 3.Elenildo Kururuzinho Muitar 5.Jamanary Tuiarar 6.Jepyk Tuiarar 7.Josu Kaiabi Munduruku Kururuzinho 8.Mai katu Tuiarar Tuiarar 10.Miarakaja Tuiarar 11.Moiss Kururuzinho 12.Momot Tuiarar KAIABI ARAA

PAGE 5

5 Continuao alunos Nome Aldeia 13.Myrysi Kururuzinho Samama 15.Pawan Diauarum 16.Piraju Tuiarar Muitar 18. Pirapy Barranco Al to 19.Tafut Yekwawi 20.Tamakari Tuiarar Tuiarar 22. Tymain Tuiarar Ilha Grande 3 irmos 25.Waldir Kururuzinho 26. Yarowy Tuiarar 27. Eroit Kururuzinho MULHERES PROFESSORAS 1.Kap Aldeia Samama 2.Zulmira Aldei a Tuiarar 3.Wisio Aldeia Kwaruja Aldeia Tuiarar 5.Mytang Aldeia Tuiarar 6.Kwaryp Pi Diauarum 7.More Aldeia Tuiarar

PAGE 6

6 ALUNAS Nome Aldeia Ilha Grande 2.Kwaryp Diauarum 3.Kuj Esage Tuiarar Tuiarar 5.Katu Dia uarum 6.Morajup Tuiarar 7.Jaupi Tuiarar 8.Aruti Tuiarar 9.Moreaju Tuiarar Tuiarar 11.Kanat Tuiarar 12.Aruata Ilha grande 13.Rywapo Tuiarar 14.Reaju Tuiarar 15.Maria Tuiarar 16.Jakap Tuiarar 17.Tamekatu Tuiarar Tuiarar Tuiarar 20.Kujrop Ilha grande 21.More Tuiarar 22. Rytee Diauarum COZINHA Jar Aru Kyrima PESCADORES Apurin ASSESSORIA GERAL Simone Ferreira de Athayde Colaboradora Instituto Socioambiental/Universidade da Flrida CINEGRAFISTAS Joo Pavese coordenador Otvio Roxo assistente Andr Michiles assistente

PAGE 7

7 RELAT"RIO OFICINA DE CESTARIA E TECELAGEM ALDEIA TUIARAR, PARQUE DO XINGU, 21 A 30 DE JUNHO DE 2005 No dia 14 de junho de 2005 tivemos em Canarana para f azer as compras do projeto. Resgate cultural de cestaria e tecelagem Kaiabi. Tivemos uma reunio para fazer o plano de trabalho durante uma semana, na qual decidimos de fazer as cartas convite para as lojas, super mercados, postos de gasolina, caa e pesca e papelaria. A Simone estava nos assessorando nestes trabalhos. Durante o tempo que ficamos na cidade, aproveitamos para responder as questes para o relatrio semestral que o PDPI havia mandado para ns. Os responsveis pelas informaes deste relatri o foram Aturi Kaiabi, Eroit Kaiabi, Jepyk Kaiabi e Tamakari Kaiabi. O trabalho foi muito difcil, tivemos que andar a p todo dia para entregar as cartas convite e fazer compra na cidade. Nesta hora eu senti a falta do pessoal que havia recebido treiname nto para fazer compra na cidadepois nenhum deles estava conosco. No dia 17 de junho de 2005 eu cheguei aqui na aldeia Tuiarar para preparar o trabalho na aldeia, eu tive que convocar uma reunio entre a comunidade para decidir como vai ser a oficina de cestaria e tecelagem na aldeia. Na reunio no dia 19 de junho, falamos sobre hospedagem do pessoal, conscientizao sobre o comportamento entre a comunidade da aldeia Tuiarar e os participantes da oficina que vierem de outras aldeias. Eu falei tambm que iriam chegar os cinegrafistas para documentar o trabalho feito na oficina. Falei tambm que nesta oficina haver uma visita do pessoal do PDPI na aldeia Tuiarar e na aldeia Guaruj. A seguir perguntei quem estava interessado de trabalhar na cozinha e como pescador. No final da reunio ficou decidido que cada participante que chegar de outra aldeia se hospedaria na casa dos parentes e tambm dividimos uma sala de aula para os homens e outra sala para as mulheres.

PAGE 8

8 A oficina estava marcada para comear dia 20 de junho de 2005, mas foi impossvel, porque a gasolina e gneros de comida ainda no tinham chegado na aldeia. Por este motivo no teve aula. A oficina teve incio no dia 21 de junho de 2005. Durante a reunio de abertura do projeto, falamos que estamo s iniciando uma oficina no segundo ano do projeto. Houve a doao de 200 camisetas com o smbolo do projeto pela assessora Simone. Os convidados vieram das aldeias Ilha Grande, Guaruj, Barranco Alto, 3 iv Manito. O trabalho comeou como no incio da oficina do ano passado. Cada aluno foi tirando os talinhos de arum trazido do Par pelos representantes da aldeia Kururuzinho. E as mulheres tambm comearam a fazer o mesmo processo: enrolar as linhas, sepa rar e fazer a armao do tear. No primeiro dia de aula, apenas o professor Tuim da aldeia Samama estava presente. No dia seguinte, chegaram os professores da aldeia 3 irmos, Guaruj e PIV Manito. Da por diante os alunos comearam a iniciar o trabalho co m orientao dos professores. Nesta oficina compareceram mais professoras e alunas mulheres, portanto as alunas avanaram e conseguiram terminar as tipias e bolsas durante a oficina. As alunas conseguiram aprender alguns desenhos que no tinham aprendido na oficina anterior. Os alunos tambm avanaram muito, pois alguns deles que estavam presentes na oficina passada aprenderam outros desenhos que ainda no haviam aprendido. Waldir e Elenildo da Aldeia Kururuzinho avanaram bastante no aprendizado das penei ras desde a primeira oficina realizada no Kururuzinho em 2004. Eles disseram que depois da oficina no Kururuzinho eles fizeram mais peneiras e j sabem fazer dois desenhos. Os homens fizeram 25 peneiras, com vrios desenhos. Tentamos que o Prof. Tarumani fizesse um panaku completo durante a oficina, porm o Panaku ficou incompleto pois o Prof. Queria que os alunos fizessem, mas os alunos no conseguiram terminar. Desta vez a gente trabalhou um pouco com as tintas para pintar as peneiras. Fomos at o mat o para tirar tinta com alguns alunos. A rvore da tinta

PAGE 9

9 tronco e vai cortando uma parte da casca. Depois de tirar a fibra, tem que espremer para tirar a tinta vermelha dentro de uma vas ilha. um trabalho muito difcil, que demora uma manh inteira porque tem que andar muito para chegar no local perto do crrego onde esta rvore gosta de morar. muito difcil encontrar esta rvore, ela s existe em alguns lugares. Ela alta e pode cheg ar at uns 30 metros. Depois de tirar a casca, o lugar onde foi tirado demora muito para se recuperar. Tiramos uma rea grande de 1,00 X 0,60 m e uma rea menor de outra rvore de 0,60 X 0,40 m. Isso produziu 1litro e 450 ml de tinta, que deu para pintar 6 peneiras, 2 grandes, 2 mdias e 2 pequenas. Para pintar o restante das peneiras feitas na 2 oficinas, tambm tiramos uma tinta substituta que se chama ywyjupe e que usamos para pintar cuia. Essa tinta mais fcil de encontrar na beira do rio e das lagoas Todas as peneiras que no so de uso foram pintadas durante a oficina. Para fazer a pintura das peneiras, tem que trabalhar no sol quente para aproveitar e secar a tinta no sol. Primeiro, passa a tinta com as mos na parte de dentro e de fora e vai col ocando no sol, deixando mais ou menos uns 30 minutos para poder passar outra mo de tinta. necessrio passar at 4 vezes para a tinta grudar na peneira. Depois que estiver bem pintado, deixa uma hora para ela secar bem para poder retirar a tinta que no pega na parte lisa da talinha de arum. A tinta raspada com um palitinho de madeira revelando o desenho da peneira. Depois da pintura devemos guardar a peneira durante 2 ou 3 meses antes de usar, seno a pintura sai. Depois deste tempo podemos usar a pen eira pintada com coisas que no molham. As peneiras de uso no so pintadas e podem ser usadas para coar mingau e usar com gua. O arum trazido do Par no foi suficiente para trabalhar at o final da oficina. Ento nesta oficina os professores Ywafuku, Jamut e Chico usaram a tala do cabo da pacova ou banana brava, chamada pokop, para terminar as peneiras que faltavam. O professor Tarumani disse que antigamente se usava a pacova para fazer o Panaku, alm do arum. A pacova uma boa substituta para o arum e cresce bastante em vrios lugares, s que a peneira de pacova

PAGE 10

10 fica um pouco fraca e no dura muito. Podemos usar este material para o aprendizado dos desenhos na falta de arum. Ns fizemos uma visita ao plantio de mudas de arum trazidas do Par Levamos os alunos que vieram do Kururuzinho e alguns professores para ver o plantio. Algumas mudas que ficaram embaixo dgua no crrego durante a poca da chuva morreram. Mas as mudas que no morreram esto se desenvolvendo bem, produzindo novos brotos e folhas verdes e bonitas. Em abril deste ano Tamakari e Ktia fizeram a avaliao do crescimento das mudas. A prxima avaliao vai ser em outubro. No ano passado tambm trouxemos algumas sementes que foram plantadas no mesmo local em que foi plantado o ar um, como a palmeira Patau, que tambm brotou bastante e est crescendo. Pensamos em trazer mais sementes do Par no prximo ano para aumentar os tipos de planta naquele lugar. As professoras mulheres Zulmira, Wisi e principalmente Kap fizeram uma rede tradicional do povo Kaiabi com o tranado simples para mostrar para as alunas como era a rede antiga. Nesta oficina, alm da rede antiga, as mulheres fizeram 6 tipias e 9 bolsas, que um modelo novo que ainda no tinha sido feito. As alunas da aldeia Ku ruruzinho no compareceram na oficina, pois algumas mulheres que j estavam no Xingu estavam com problema de sade. Isso foi uma falha de participao nesta oficina. Os cinegrafistas estavam registrando os momentos mais importantes da oficina e entrevista ndo algumas pessoas. Eles levaram um pequeno filme de amostra do trabalho feito na viagem para o Kururuzinho e oficina do Xingu e projetaram para a comunidade numa das noites da oficina. Os cinegrafistas junto com o coordenador do projeto e a assessora Sim one fizeram o roteiro completo do vdeo do projeto que ser entregue at o final de novembro deste ano. Durante a oficina tivemos uma reunio na lngua indgena junto com os velhos, professores, alunos e alunas para discutir como seria a continuao do p rojeto futuramente, quando o recurso do PDPI acabar. Os mais velhos falaram que devemos continuar esse trabalho porque ele muito valoroso e vm sendo feito por nossos antepassados e que devamos continuar procurando um apoio,

PAGE 11

11 para a continuao desse en sino e aprendizado para os nossos jovens. Os alunos tambm falaram que apenas esto comeando a aprender alguns desenhos, mas no tudo e que seria importante continuar com esse projeto ou escrever outro projeto para encontrar uma soluo para continuar ess e trabalho. O Prof. Ywafuku do Piv Manito falou que esse tipo de ensino de arte o mesmo processo de ensino das escolas do branco. Primeiro comeamos com os desenhos mais fceis e da por diante vamos avanando no ensino dos jovens e alunas. Por este mot ivo ele acha que devemos continuar com esse trabalho porque faz parte da cultura tradicional de nossos avs. No devemos nunca esquecer esse conhecimento que estamos adquirindo atravs deste projeto. Eles comentaram tambm que quando o pessoal do PDPI che gar, podamos perguntar se eles tem como continuar ajudando este projeto. No final da reunio, organizamos como seria a recepo dos representantes do PDPI na aldeia, no PDPI e a seguir Tamanauu, da aldeia Ilha Grande. No dia 28 de junho recebemos uma visita dos assessores Fbio e Viviane do PDPI. Os homens e mulheres se pintaram e se enfeitaram para receber os visitantes, que pernoitaram na aldeia. Antes da chegada deles, a comu nidade organizou uma exposio das peneiras e tecelagem feitas nas oficinas de 2004 e 2005 na escola. Essas peneiras, tipias, bolsas e redes feitas na oficinas vo ser guardadas para formar uma coleo. Ns vamos escolher cada tipo de desenho para montar a coleo, para ficar de registro e para mostrar o trabalho em outros locais. Alm disso, elas vo ser usadas para os alunos copiarem os desenhos em outras oficinas e trabalhos com a cestaria e tecelagem que ainda vo acontecer. Os materiais com desenho re petido, bolsas e tipias sero vendidos para os interessados e o dinheiro vai ser usado em benefcio da comunidade. As peneiras de desenho simples sero entregues para os alunos que fizeram, para suas esposas usarem no dia a dia. Durante a visita do PDP I aproveitamos para apresentar os resultados do projeto at o momento e falar sobre nossas dificuldades e preocupaes. Falamos tambm sobre a continuao do projeto. Fizemos uma pergunta sobre

PAGE 12

12 como seria a continuao do projeto quando acabar o recurso. E les nos explicaram sobre a nossa proposta, e disseram que eles podem prorrogar o projeto por mais um ano. Disseram tambm que ns podemos elaborar outro projeto diferente quando este acabar. Eles falaram que ficaram muito contentes com o resultado do proje to e viram que realmente os alunos estavam interessados e estavam mostrando o seu trabalho com a cestaria e tecelagem. No final da reunio agradecemos os visitantes e entregamos presentes de camisetas e peneiras para cada um. Neste momento tambm, acompanh aram esta visita o Presidente da ATIX, Makup Kaiabi e o Diretor de Projetos da ATIX, Ianukul Kaiabi Suy. Estavam com eles Wareajup Kaiabi, Coordenador do trabalho de apicultura no Xingu e o Fbio do ISA. Desta vez o Makup ficou muito contente com o res ultado do projeto e elogiou o trabalho do coordenador do Projeto. Ele afirmou que esse trabalho muito importante para o resgate cultural do Povo Kaiabi, que est acontecendo atravs da parceria entre a ATIX e a comunidade da aldeia Tuiarar. Relatri o da vinda de cinco representantes da aldeia Kururuzinho para o Xingu trazendo arum Elenildo Kayabi Aldeia Kururuzinho Em primeiramente ns fomos no mato cortar arum, depois ajuntamos, amarramos em feixes (10 feixes). Deslocamos da aldeia Kururuzin ho no Par no dia 15 de junho de 2005. Fizemos uma boa viagem at chegar na Aldeia Tuiarar, onde est sendo realizada a oficina de cestaria e da tecelagem. O motivo que ns viemos participar esta oportunidade que est sendo muito importante para ns jov ens aprendermos a fazer peneira. Ento estamos muito contentes. Viemos em 5 pessoas: Elenildo Kaiabi, Murici Kaiabi, Moiss Kaiabi, Daniel Kaiabi e Josu Kaiabi.

PAGE 13

13 Pequeno texto sobre (jequitib) Texto e desenhos: Myauiup Kaiabi, Aldeia Kururu, 2002. Quando agente vai tirar tinta de jequitib, tem que levar uma panelinha de 5 litros para colocar tinta. Mas antigamente, dizem que os Kaiabi colocavam a tinta dentro de uma cabaa ou tatusi Esta tinta tiramos assim: Primeiro tem que limpar em v olta e depois tem que ver onde vai comear a bater. A vai batendo com o machado de cima para baixo, vai batendo, batendo e vai saindo a fibra, quando chegar at o p tem que cortar. Depois do corte, tem que colocar a fibra no cho para espremer para tira r a tinta. Para tirar a tinta um pouco difcil, mas mesmo assim tem que enfrentar o servio. Essa rvore gosta de ficar no ecossistema que se chama yataran (lugar que inunda).

PAGE 14

14 Resumo dos trabalhos feitos nas 3 oficinas do projeto. PRODUTOS OF ICINAS Kururuzinho 2004 Tuiarar 2004 Tuiarar 2005 Total Peneiras 20 31 25 76 Panaku 0 0 1 1 Rede desenhada 2 1 1 4 Rede simples 0 1 1 Tipias 3 5 6 14 Bolsas 0 0 9 7 Desenhos feitos nas peneiras e tecelagem nas oficinas de 2004 e 2005 na Aldeia Tuiarar. Peneiras Tipias Bolsas Redes total Desenho 2004 2005 2004 2005 2004 2005 2004 2005 20 12 0 0 0 0 0 0 32 2.Awasiayj 2 4 1 3 0 0 1 0 11 3.Awarapypot 3 4 0 0 1 3 0 0 11 4 .Inimoeta 2 0 0 0 0 0 0 0 2 5.Yogajurat 1 0 0 0 0 0 0 0 1 6.Jowosiape 1 0 0 0 0 0 0 0 1 1 2 0 1 0 0 0 0 4 8.Jarukang 0 0 1 1 0 1 0 0 3 9.Kwasiarapat 0 0 0 1 0 3 1 0 5 10.Kwasiarapiyj 0 0 1 1 0 2 0 0 4 11.Kwa siaruu 0 2 0 0 0 0 0 0 2 1 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 1 Total 31 25 3 7 1 9 2 0 78

PAGE 15

15

PAGE 16

16

PAGE 17

17 MEM"RIA FOTOGRFICA OFICINA DE CESTARIA E TECELAGEM NA ALDEIA TUIARAR, PARQUE INDGENA DO XINGU, 21 A 29 DE JUNHO DE 2005 Fotos de Simone Athayde com exceo das indicadas na legenda. Mulheres participando da reunio de abertura da oficina e Aruti com sua filha Tairejua em uma rede desenhada. KAIABI ARAA

PAGE 18

18 Josu, Moiss e Daniel, jovens alunos do Kururuzinho que vieram para part icipar da oficina no Xingu.

PAGE 19

19 da aldeia Tuiarar, fazendo peneira e tipia na casa.

PAGE 20

20 Kujarop fazendo rede com desenho Kwasiat durante a oficina. Mytang, coordenadora do trabalho das mulheres, e esposa de Aturi, coordenador do projeto, fiando algodo. Foto de Aturi Kaiabi.

PAGE 21

21 Porto da aldeia Tuiarar no Rio Xingu. Fot o de Aturi Kaiabi.

PAGE 22

22 Kape, Wisi e Zulmira preparando o algodo para a rede antiga.

PAGE 23

23 Miaracaja, morador da aldeia Tuiarar e aluno, terminando sua peneira. Foto de Aturi Kaiabi. Jywafuku, morador do PIV Manito e professor de pe neira, orientando Chico (sem camisa), morador da Aldeia Tuiarar.

PAGE 24

24 Kape, moradora da Aldeia Samama, amarrando a rede tradicional Kaiabi feita na oficina.

PAGE 25

25 More, moradora da Aldeia Tuiarar e professora da oficina, fazendo uma tipia com desenho ku passado da cestaria para a tecelagem recentemente.

PAGE 26

26 Mulheres trabalhando durante a oficina. Elenildo e seu pai Waldir, do Kururuzinho, sendo entrevistados durante a oficina.

PAGE 27

27 Tymain, agente de sade da Aldeia Tuiarar, ensinando seu fil ho a fazer abanador.

PAGE 28

28 Jamut, morador da aldeia Kwaruja e profissional de peneira, fazendo uma peneira de banana brava (pokop), recurso usado como substituto para o arum.

PAGE 29

29 Karauu, profissional de peneira da aldeia 3 irmos, finalizando uma peneira com desenho combinando

PAGE 30

30 jequitib, para preparar a tinta das peneiras.

PAGE 31

31 Joo Pavese, cinegrafista da Al Tiro filmes,

PAGE 32

32 yp sendo espremida para a retirada da tinta. Aturi medindo a tinta tirada de duas rvores para pesquisar o seu rendimento.

PAGE 33

33 Tuim, professor de peneira da Aldeia Samama, pintando a sua peneira.

PAGE 34

34 Tamakari mostrando o resultado do plantio de sementes de patau trazidas do Kururuzinho e plantadas junto com as mudas de arum pr ximo a um crrego.

PAGE 35

35 Avaliao do crescimento das mudas de arum plantadas na aldeia. Tamakari, Tarumani, jovens do Kururuzinho e assessora Simone. Muda de arum trazida do Kururuz inho mostrando bom desenvolvime nto na regio do crrego prximo da Aldeia Tuiarar.

PAGE 36

36 Aturi (Jowosipep) Kaiabi, coordenador do Projeto na frente da e scola Itauu, onde aconteceu a oficina.

PAGE 37

37 Homens participantes da III Oficina de Cestaria e Tecelagem do projeto. Aturi e Eroit, coordenadores do trabalho no Xingu e no Kururuzinho. Atrs, exposio de peneiras feitas nas oficinas de 2004 e 20 05.

PAGE 38

38 Aturi presenteando Fbio do PDPI com a camiseta do projeto e uma peneira feita na oficina. Jovens da aldeia Tuiarar enfeitados e pintados para receber a visita do PDPI. Foi organizada uma exposio dos trabalhos de cestaria e tecelagem feitos na oficina.

PAGE 39

39 CATLOGO DE ITENS DA CESTARIA E TECELAGEM REPRESENTANDO OS PRINCIPAIS DESENHOS, PRODUZIDOS NAS OFICINAS DE 2004 E 2005 NA ALDEIA TUIARAR, PARQUE INDGENA DO XINGU CESTARIA KAIABI ARAA jovens aprendem no incio. Tradicionalmente no se pinta este tipo de peneira, pois ela para uso dirio das mulheres, como coar farinha ou mingau. Peneira feita por Sirawejup da Aldeia Tuiarar, 24/09/2004.

PAGE 40

40 Peneira feita por Waldir, da Aldeia Kururuzinho, Par, 25/06/2005 Desenho: Awarapypot. Peneira feita por Ywakatu, da Aldeia Ykwawi, 24 /09/2004. Desenho: Awarapypot.

PAGE 41

41 Peneira feita por Tuim, da Aldeia Samama, 2 6 /09/2004. Desenho: Inimoeta. Peneira feita por Tamanauu, da Aldeia Ilha Grande, 24/06/2005

PAGE 42

42 Peneira feita por Tafuriup, da Aldeia Ykwawi, 28/09/2004 Desenho: Jowiterian. Peneira feita por Piraju, da Aldeia Tuiar ar, 20/08/2004 Desenho: Yogii.

PAGE 43

43 Peneira feita por Sirawejup, da Aldeia Tuiarar, 11/10/2004 Desenho: Inimoeta.

PAGE 44

44 Peneira feita por da Aldeia Tuiarar, 28/09/2004 Desenho: Yok, Yogajurat.

PAGE 45

45 Peneira feita por Jamut, da Aldeia K waruja, 26/06/2005 Desenho: Kwasiaruu.

PAGE 46

46 Peneira feita por Jywafuku, d o PIV Manito, 26/06/2005

PAGE 47

47 Peneira feita por Awatare, da Aldeia Muitar, 20/10/2004

PAGE 48

48 TECELAGEM Tipia feita por Reakatu, da Ald eia Tuiarar, 28/09/2004 Desenho: Ipirien ou Jarukang.

PAGE 49

49 Bolsa feita por Ereajup, da Aldeia Tuiarar, 28/06/2005 Desenho: Awasiayj.

PAGE 50

50 Tipia feita por da Aldeia Tuiarar, 25/09/2004 Desenho: Kwasiarapiayj.

PAGE 51

51 Bolsa feita por Kujesage, da Aldeia Tuiarar, 27/06/2005 Desenho: Kwasiarapiyj.

PAGE 52

52 Tipia feita por Kujrop, da Aldeia Ilha Grande 26/06/2005 Desenho: Kwasiarapat.

PAGE 53

53 Bolsa feita por Morajup, da Aldeia Tuiarar, 27/06/2005 Desenho: Kwasiarapat.

PAGE 54

54 Tipia feita por More, da Aldeia Tuiarar, 18/06/2005

PAGE 55

55 CATLOGO DE DESENHOS DE PENEIRA ORGANIZADO POR AWATARE KAIABI, ARTESO DA ALDEIA MUITAR Posto Indgena Diauarum, Parque Indgena do Xingu, Julho de 2005 KAIABI ARAA Associao Terra Indgena Xingu A TIX Projetos Demonstrativos dos Povos Indgenas PDPI Apoio: Instituto Soc ioambiental Projeto Resgate Cultural da Cestaria e Tecelagem Kaiabi no Parque Indgena do Xingu (MT) e na Terra Indgena Kaiabi (PA)

PAGE 56

56 1. 01/08/2004

PAGE 57

57 2. AWASIAYJ 11/09/2004.

PAGE 58

58 3. AWARAPYPOT.

PAGE 59

59 4. JOWOSIAPE.

PAGE 60

60 5. JOWITERAN

PAGE 61

61 6. JARUKANG OU IPIRIEN.

PAGE 62

62 7. JARUKANG.

PAGE 63

63 8. JOWITER AN.

PAGE 64

64 9. JOWITER AN.

PAGE 65

65 10. JOWITER AN, INIMOETA, YOGAJURAT, YOK.

PAGE 66

66 11. YOGAJURAT.

PAGE 67

67

PAGE 68

68 13. IWIRAPYJ.

PAGE 69

69 14. KWASIARAPAREA.

PAGE 70

70

PAGE 71

71

PAGE 72

72

PAGE 73

73 TAYT.

PAGE 74

74 19.

PAGE 75

75

PAGE 76

76

PAGE 77

77

PAGE 78

78

PAGE 79

79 JEFUTAT.

PAGE 80

80 25. TA

PAGE 81

81

PAGE 82

82 27. JANYPAWUU.

PAGE 83

83

PAGE 84

84

PAGE 85

85 30. KWASIAPIAYJ

PAGE 86

86 31. KWASIARAPAT.

PAGE 87

87 32. KWASIARAPAT.

PAGE 88

88 33. KWASIARAPAT.

PAGE 89

89 34. KWASIARAPAT.

PAGE 90

90 35. KWASIARAPAT.

PAGE 91

91 36. KWASIARAPAT.

PAGE 92

92 37. KWASIARAPAT.

PAGE 93

93 38. KWASIARUU.

PAGE 94

94 39. KW ASIARUU.

PAGE 95

95 40. KWASIARUU.

PAGE 96

96 41. KWASIARUU.

PAGE 97

97

PAGE 98

98

PAGE 99

99

PAGE 100

100 45.

PAGE 101

101 PEKANGEROWAT.

PAGE 102

102

PAGE 103

103

PAGE 104

104

PAGE 105

105

PAGE 106

106

PAGE 107

107

PAGE 108

108 JEFUTAT.