<%BANNER%>
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Acknowledgement
 Errata
 Duas palavras ao leitor
 Nomenclatura indigeno-brasileira,...
 Main body
 Indice


DLOC UFLAC



PRIVATE ITEM
Digitization of this item is currently in progress.
Historia do Brasil
CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00013080/00001
 Material Information
Title: Historia do Brasil
Physical Description: 159 p. ;25 cm.
Language: Spanish
Creator: Casa Mayença
Publication Date: 1922
 Notes
General Note: escripta sem um só verbo em qualquer dos seus tempos, numeros e pessoas.
General Note: Por F. dos Santos Silva Brazil History
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: All rights reserved by the source institution.
Resource Identifier: aleph - 30257268
oclc - 33123237
System ID: AA00013080:00001

Table of Contents
    Half Title
        Page 1
        Page 2
    Title Page
        Page 3
        Page 4
    Acknowledgement
        Page 5
        Page 6
        Page 7
    Errata
        Page 8
    Duas palavras ao leitor
        Page 9
        Page 10
    Nomenclatura indigeno-brasileira, empregada nesta historia; seu significado
        Page 11
        Page 12
    Main body
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
    Indice
        Page 157
        Page 158
        Page 159
Full Text














HISTORIC DO BRASIL









HISTORIC DO BRASIL


ESCRIPTA SEM UM SO VERBO
EM QUALQUER DOS SEUS TEMPOS,
NUMEROUS E PESSOAS

POR


F. dos aitfos Silva
EX-LENTE DO GYMNASIO DO CARAQA
UBERABINHA, MINAS




(p


1922
CASA MAYENCA
S. PAULO -


.UHNIVEMSI


b- }LOi.A L SARIES


UNIV:,,lITY OF FLORIDA LIBRARIES.























Pelo Auctor reservados todos os direitos
de reproducrdo da present Hisforia do
Brasil, escripta sem verbos, direitos garan-
tidos por lei, bem como por elle, considerados
falsificados todos os exemplares sem a sua
assignatura emn chancelia e sem tim numero
de ordem. ..








Numero .


Assignatura : -1 3' A


K























Aos subscriplores desta Historia,
os agradecimentos do
Auctor.

























A Isabel, a Redemptora, ao Conde D'Eu, seu
esposo, Marechal do exercito Brasileiro, na pessoa de
seu filho, o Principe D. Pedro de Orleans e
Braganca, unico sobrevivente de tao illustre familiar,
homenagem do
Auctor.








Principaes corrigendas


ONDE ESCRIPTO NA


coijstricqio
amorte
depois
um protest etc.
determine
aereditada
voltando
tal dia
espalhado pouco
invereados
period
elle
patreo
desejos
despidos
elle


ASSIM LIDO PELO LEITO
construcqio
a morte
depois
supprimida esta linha
determinada
acreditado
voltado
Tal o dia
espalhado dentro em pouco
inveredados
periodic
ella
petreo
desejosos
desdito
ella


Linha


J*






?i
,,
,,t








Duas palavras ao leitor


Por outro que ndo por n6s, bern just para escripto este Ira-
balho, ora apresentado aos nossos patricios e ao public em ge-
ral; mas, assim como de Minas Geraes sahido o primeiro brado
de Liberdade e levantado por um Mineiro; assim como em S.
Paulo proclamada a Independencia, mas tambem por iniciativa
de um Mineiro; bem just tambem para sahida, neste anno do Cen-
lenario, alguma cousa de notavel de um destes Estados. Esta a
razdo do nosso emprehendimento na composicdo de ama His-
TORIA DO BRASIL, ESCRIPTA SEM UM SO VERBO, em quaesquer dos seus
tempos, numerous e pessoas, cousa jamais realisada em qual-
quer Paiz, por qualquer escriptor e em qualquer tempo. Entre-
lanto, apezar do maximo cuidado empregado pelo Editor na
impressdo, comtudo ainda ahi encontrados alguns erros facil-
mente corrigiveis pelo Leitor. Entregue por n6s ao public este
trabalho modesto e d'espido de today vaidade, por n6s nada mais
almejado que o engrandecimento da nossa Patria, e da critical
sensata e just, a sua apreciacao.


0 Auctor.


Dezembro de 192.2










NOMENCLATURA INDIGENO-BRASILEIRA, EMPREGADA NESTA
HISTORIC; SEU SIGNIFICADO


NOMES
Apecuitd ....... Remo das canoas
Anhangd ...... ..Deus protector da caga dos campos
Acanguape ...... Cocar de pennas amarellas
Agoyaba ....... .Manto de pennas para os hombros
Aiucara ........ Colar (para o pescogo), enfeitado de dentes ou ossos.,
para os homes; e, de pennas, para as mulheres
Arafoyd ........ Faixa de pennas para a cintura da mulher
Caramurzi .......Homem do fogo
Cahigara ....... Cerca de pau
Cuia ........... Vasilha feita de casca de abobora
C6vo ........... Armadilha de madeira para a pesca
Caapora ........ Deus protector da caca dos mattos e invulneravel (con-
tra elles).
Curupira ....... Deus das florestas (a favor delles)
Cacique ...... General de uma Tribu
Cauim ........ Bebida fermentada, feita de milho ou caji
Enduape .......Faixa de pennas para a cintura dos homes
Guaracy ......... Deus do dia; Sol
Huhy .......... :Flexa de madeira
Iguagaba ....... Pote de barro para a guard de vinho
Inubia ........ Busina
Igara ......... 4Canoa feita do tronco de arvore
Jacd ........ ... Balaio feito de taquara; cumprido no sentido vertical e
estreito no horisontal
Juquid ......... Funil grande, feito de taquara para a pesca
Jacumd ......... Leme das canoas
Jacy ........... Deusa da noite; Lua
Kanitar ........ Cocar de pennas vermelhas
Mussurana ...... Corda feita de embira ou de algodio
Murucd ....... Langa de pau corn ponta final
Maracd ........ eChocalho
Memby .......... Gaita feita do femur do inimigo
Mundeo ........ ,Armadilha para a caca, feita de pau
Moraguigana .... Deus da morte
Macachera ..... .Deus da guerra
MboitatM ...... Deus dos incendios







Metara ......... Batoque
Nhaempepo ..... Panella de barro
Ocara .......... Praqa
Oca ............ Casa para moradia
Pariuateran ..... Liga de algodlo, entremeada de dentes de inimigo; distin-
ctivo dos heroes feridos em combates, e tambem de
seus filhos e viuvas
Page ........... Homem conhecedor do future
Perudd ......... Deus do amor
Puizd ........... Rede para a pesca
Pindd .......... Anzol
Porace ......... Danma
Panicii ......... Canastra pequena feita de palha
Pery ........... Esteira de junco
Patigud ........ Canastra grande feita de palha
Quigaba ....... Rede para descanco nocturno
Saciperere ..... Deus malfeitor
Samburd ....... Sacco feito de fios traneados
Taba .......... Aldeia
Tacape ........ Clava de madeira
Tore ........... Gaita feita de taquara
Tibi ........... C6va para sepultura
Tapacurd ....... Liga feita de algodio; symbol de virgindade
Tangapema ..... Clava destinada ao sacrificio dos prisioneiros
Tupan ......... Deus supremo; Senhor absolute de tudo
Tujupares ...... Palhoa, residencia do Pag6
Tibicoara ...... Casa das covas para sepultura; Cemiterio
Urupard ........ Arco de inadeira
Uay ............ Tambor para a guerra e para as festas
Ubd ............ Canoa feita da casca das arvores.



























CAPITULO I


DESCOBRIMENTO DO BRASIL. SEUS ANTECEDENTES


Cinco os grandes factos realisados no principio, meio e fim do
seculo XV e no inicio do XVI, todos nascidos na, Escola de Sagres,
fundada pelo Infante D. Henrique, o Navegador, e entdo paten-
teados ao Mundo:
A passage do Cabo "NAO", no reinado de D. Joio I, em
1412; a descoberta do Cabo das Tormentas, no reinado de D.
Jodo II, em 1486; a descoberta da America, por Christovam Co-
lombo, feita sob a protected de Isabel, Rainha da Hespanha, em
1492; a ultra-passagem do cabo da Boa Esperanca, no reinado
de D. Manoel I, em 1498; e, finalmente, o descobrimento do Bra-
sil por Pedro Alvares Cabral, no reinado de D. Manoel, o Ven-
turoso, Rei do Portugal, em 22 de Abril de 1500. Todos de grande
utilidade para Portugal e Hespanha, porem. o ultimo de umrn modo
todo especial, para n6s os brasileiros, components legitimos des-
ta porgco de terra, outr'ora pertencente a Portugal.
D. Manoel, 'ultimo executor das ideas do Infante D. Hen-
rique e, alem disso, receioso da perda de talvez alguns de seus







14

dominios com a descoberta de Christovam Colombo, logo por sua
ordem preparados grandes navios e entregues ao Almirante Pedro
Alvares Cabral, home de instruccqo regular, mas de grande pre-
paro geographic, incumbido de uma viagem as Indias para es-
tabelecimento de colonies e fixaciio de seu poderio.
Apoz a celebraciio de uma missa por D. Diogo Ortiz, Bispo
de Ceuta, em presence do Rei D. Manoel, os dignatarios de sua
Corte, Pedro Alvares Cabral corn os Capities dos diversos na-
vios e grande numero de povo, entregue o estandarte pelo Bispo
ao Rei e por este a Cabral, organisada uma procissio at6 a praia,
e, apoz as despedidas, logo todos embarcados nesses debeis, mas
privilegiados navios. Tal o dia 8 de Margo de 1500.
Pequena a esquadra de Cabral, porem, mesmo assim, a maior
daquelle tempo! Apenas tres navios e dez caravellas corn 1200 ho-
mens de guarnigio!!
Zarpada no dia 9 de Marco de 1500, ella logo no dia 22 em
frente de Cabo Verde, porem corn um navio de menos, agora re-
tornado a Portugal pelo impulso das correntes oceanicas. Si pela
esquadra e pelo Pacifico, o caminho para as Indias, e, si pela di-
reita e pelo Atlantctico, o caminho ao ponto descoberto por Chris-
tovam Colombo, pelo meio, corn certeza, alguma cousa para des-
coberta; tacs as ideas do Almirante Pedro Alvares Cabral, aug-
mentadas pelas ordens escriptas de D. Manoel, ordens determi-
nantes o maximo afastamento da Costa da Africa por causa das
calmarias. Bendictas ordens! Apoz uma viagem de 44 dias, passa-
ros e hervas, prenuncios de terra proxima, logo vistos por Cabral
no dia 21 de Abril; no dia 22 pela manhi, confirmacgo do ante-
cedente, e avistado um monte, para logo, por elle chamado Monte
Paschoal.
Tres os dias empregados, sempre corn velas ao Norte, em pro-
cura de um abrigo maritime para os seus navios; e este, uma vez
encontrado e ancorados os navios, logo por Cabral Cabral cha-
mado Porto Seguro. Affonso Lopes, capturados por elle dois in-
dios e apresentados a Cabral, embora impossivel um entendi-
mento entire elles, quer pela mimica, quer pelas palavras, comtudo
apoz bem tratados por Cabral e presenteados, incontinente pos-
tos na sua Patria juntamente corn Affonso Ribeiro, degregado,
primeiro portuguez morador da terra, com tres dias de des-
cobrimento, e entio chamada por Cabral ILHA DE VERA CRUZ.







15

A 26 do mesmo mez, preparado um rustico pavilhifo a maneira de
umrn caramanchdo, e levantado um altar, tudo isto num Ilheo,
logo chamado de COROA VERMELHA, devido As folhas e flores
desta cor ahi existentes; corn a pompa possivel, celebrado o San-
to Sacrificio da Missa por Fr. Henrique de Coimbra e assistida
nio s6 pelos da tripulagco como tambem pelos indigenas, ja ago-
ra estupefactos por tao ignota cerimnonia, e assim abencoada a
nova terra descoberta, e os 4 dias seguintes passados em prepara-
tivos de agua e lenha para os navios; isto, uma veidadeira festa
para os indigenas, solicitos na coadjuvaiao aos portuguezes. No
dia 1.0 de Maio, jA agora no continent, nova Missa celebrada por
Fr. Henrique, porem corn mais pompa, devido a ereccio de uma
enorme cruz e nella gravadas as arms de Portugal, como marco
autentico da posse da nova terra pelos portuguezes.
No conselho de capitaies reunidos por convocaiao de Cabral
no dia 1. de. Maio e, apoz a narraiao do descobrimento da terra,
agora denominada VERA CRUZ, narraiao escripta por Pedro
Vaz Caminha, escrivaio da armada, logo, pelo conselho, escolhido
Gaspar de Lemos para mensageiro a D. Manoel do annuncio de
tao grande e inesperado acontecimento; e assim a esquadra agora
dividida em duas parties: Uma sob o commando de Gaspar de Le-
mos, portador da bella nova, e a outra, sob o commando de Ca-
bral. Os navios, levantadas as ancoras, os de Cabral corn as ve-
las aproadas ao Sul, em demand das Indias, e a caravella de Gas-
par de Lemos corn as suas aproadas ao Norte, em procura do Con-
tinente Europeu, e assim todos em demand dos seus respectivos
destinos, no dia 2 de Maio de 1500. A terra chamada por Cabral,
no dia 22 de Abril, de ILHA DE VERA CRUZ, agora, entretanto,
com a verificaiao do dia 1.0 de Maio, chamada TERRA DE SAN-
TA CRUZ. Nada de verdade, pois, na estadia de Alonso Hojeda
no Rio Grande do Norte; nem Vicente Yanez Pinzon, no Estado
de Pernambuco; nem Diogo de Lepe, no Maranhao. Sim; si tal
a verdade, como durante tanto tempo esquecido esse facto pelas
Nac6es europeas, ambiciosas todas de descobertas? Incrivel pois
a passage delles por taes lugares. Gloria ao Almirante Pedro
Alvares Cabral.







16'

CAPITULO II

PRIMEIRAS EXPLORAC6ES

Immensa a alegria de D. Manoel pela noticia levada por Gas-
par de Lemos e por ordem de Cabral, relative ao descobrimento
de nova terra. Sem perca de tempo, logo os soberanos europeus
infromados escientificados deste facto, e em seguida preparados
os primeiros navios para exploracgo da Terra de S. Cruz. Duas
agora as armadas em frente uma da outra, em Cabo Verde: Uma,
commandada por Gongalo Coelho, com seu piloto Americo Ves-
pucio; e outra, a de Pedro Alvares Cabral ji entio em sua volta
da India. A primeira com destino ao Brasil e para estabelecimento
nelle do dominio portuguez; a segunda corn destino a Portugal,
portadora da grande noticia authentic e, da nio menos impor-
tante, a fixacio do poderio do governor portuguez nas Indias. Beni
fructifera a primeira expedicAo polos ponlos por ella tocados,
assim, de Norte para o Su!: Cabo S. Roque, Cabo S. Agostinho,
Rio S. Francisco, Cabo S. Thom6, Rio de Janeiro (erradamente
assim julgado), Angra dos Reis, S. Sebastiio, S. Vicente e Cana-
n6a; e assim, a terra, at6 entio supposta uma ilha, agora jA, semn
duvida, reconhecida como um grande continent. Francisco Cha-
vyes. um bacharel condemnado ao degredo, aqui agora por Gon-
calo deixado, e 30 annos depois ainda ahi encontrado. A segunda
expedicio em nada superior e nero mesmo igual a primeira; ape-
nas notada pela descoberta da Ilha de "Fernando de Noronha" e
entao chamada S. Joiio; a descoberta da Bahia de Todos os San-
tos; e a fundacio da primeira colonia denominada Santa Cruz,
proxima a enseada de Porto Seguro, e nadh mais.
Apoz estas explorac6es taiodboas, ainda assim o Brasil dei-
xado em complete esquecimento por Portugal; mas, nio olvidado
por outras nag6es, sequiosas da sua madeira precisa, o pau Bra-
sil. Assim este, durante muilos annos, at6 1526, em complete es-
quecimento por Portugal; mas, entretanto, jA bem para notada
a existencia de 3 homes, mais tarde tornados celebres: Fran-
cisco Chaves, deixado pela expedigie de 1502, em Cananua; Dio-
go Alvares, naufragado na de 1510, na Bahia, corn todos os seus
companheiros; e destes, os escapos ao naufragio, devorados pelos
Indios, nienos Diogo Alvares Corr6a que, devido a sua grande










magreza, guardado para o future festim, depois de gordo; porem,
arribados a praia um barril de polvora e uma espingarda, por
elle, morto um passaro a vista dos Indios, logo estes aterrorisados
com tal facto inaudito, e por elles clamado; CARAMURU', pala-
vra significant dragdo sahido do mar, e assim nao s6 poupado
ao sacrificio, como tambem, dahi endiante, muito acatado e respei-
tado por todos os da tribu, e at6, mais tarde, casado comr Para-
guassfl, filha do chefe Taparica; e Joao Ramalho, naufragado em
1512 em S. Vicente, nas costas de S. Paulo, e ahi casado com
uma filha de TibericA, chefe dos Guayanazes.
As cortes de Paris e Toledo, embora scientificadas pelos agen-
tes diplomaticos portuguezes, contra as preteno6es dos armado-
res francezes e castelhanos da idea pelos mesmos emprehendi-
da da fundacao de feitorias nas costas da nova terra, para me-
Ihor exploracao do pau Brasil, nada entretanto por essas Cortes
..resolvido em relacdo a esse habito de contrabando, apezar das
reclaniao6es escriptas, feitas por D. Manoel.
,ste Monarcha, recolhido aos bastidores do theatre mundial,
em 13 de Dezembro de 1521, mas logo substituido por seu filho
D. Joao III, home de ideas maiores e mais nobres do que elle.
Este, conhecedor dos projects supra citados, logo por elle prepa-
rada uma nau e 5 caravellas, corn o commando confiado a Chris-
tovam Jacques para uma viagem ao Brasil, para proteccgo deste
e, consequentemente, expulsdo dos estrangeiros invasores.
Chegado Christovam Jacques a ItamaracA, fundada a feitoria
de Iguaraqif, revistado todo o sul do Brasil ate o Rio da Prata, e,
de volta de la, atW o Norte; encontradas 3 naus francezas na Bahia
de Todos os Santos, aprisionadas as tripulac6es e metidas a pique
as naus, logo elle de retorno a Portugal e por D. Joao III dada
por finda a sua missAo. Entretant% este Monarcha, em nada sa-
tisfeito corn esta expedi9co e empenhado na colonisacao do Bra-
sil, logo, por sua ordem preparada uma esquadra composta de
duas caravellas, duas naus e um galefio, e nellas embarcadas 400
pessoas, dado o commando da mesma a Martim de Souza, corn po-
deres quasi illimitados, e, nomeado Governador Geral, este logo
de viagem para o Brasil.









CAPITULO III

BRASIL COLONIA. PRIMEIRO GOVERNADOR GERAL COM
SE'DE EM S. VICENTE; PRIMEIRA CAPITAL DO BRASIL
COM SEU PRIMEIRO GOVERNADOR, 0 PADRE GONQIALO
MONTEIRO.

Magnifica a recepcio dada por Diogo Alvares e pelo gentio
a Martim Affonso de Souza na sua chegada a Bahia de Todos os
Santos. Daqui, apoz uma permanencia de pouco mais de dous
mezes, elle logo de rota ao Sul para exploiraco das costas ma-
ritimas e demarcacao de limits, segundo as ordens de D. Joao
III. Ancoradas as naus na Bahia do Rio de Janeiro, e, por sua
ordem, preparada uma expedicio para reconhecimento do inte-
rior da terra em relacao ao ouro, embora esta de resultado infru-
ctifero, menos quanto a terra que supposta, a principio, uma gran-
de ilha, agora verificada um immenso continent. Gasto tam-
bern o tempo de sua permanencia ahi na constriccao de dois ber-
gantins, logo de novo em continuaqdo de sua viagem para o Sul.
Ancorados os navios em Canan6a, aqui Francisco Chaves, ob-
tidos 80 homes, por pedido seu, para a procura de ouro no in-
terior da terra, e logo elles internados no paiz e para nunca mais
apparecidos, por talvez, ou quasi certo, devorados pelos indios
Carij6s.
Embora desejoso da ida ao Sul, comtudo impedido disso, de-
vido ao langamento do navio capitanea as costas, Martins Affonso
de Sousa, desistido desse intent, logo de volta para o Norte. Fun-
deadas as naus em uma ilha fronteira e proxima ao actual Esta-
do de S. Paulo, cognominada S. Vicente, logo ahi por elle funda-
da a primeira povoadco e Capital brasileira.
Os Indios Guayanazes, uma vez por elles conhecida a exis-
tencia deste nucleo colonial, desejosos do seu desapparecimento,
sem mais detenca, todos promptos para isso, mas felizmente im-
pedidos na realisacio de tal project por Joao Ramalho, portu-
guez aqui resident e genro de TibirigA, chefe dos mesmos.
Feita a paz e estabelecida a colonia de S. Vicente, Martim Af-
fonso de Sousa, a instancia de Joao Ramalho, e levado por este ao
Valle de Piratininga, aproximadamente dez leguas pelo interior
e, ahi, fundada a sua segunda colonia, logo, por elle, Joao Ra-







19


malho nomeado seu Guarda, Mor. Em seguida voltado a S. Vi-
cente, e, aqui plantadas as primeiras cannas de assucar, prove-
nientes da IIha da Madeira, creado o primeiro gado, Martim Af-
fonso de Souza, feito um minucioso relatorio de todos os factos
realisados sob sua jurisdicgio, por sua ordem, por Pero Lopes de
Souza, preparada uma nau e nella embarcado, como protador dos
grandes feitos, em direcqio a Portugal. D. Joao III, reconhecidos
os grandes servigos prestados por Martim Affonso de Souza, em
carta datada de 28 de Setembro de 1532, a elle muitos os elogios e
agradecimentos nella dirigidos; e por ella uma de duas cousas fei-
tas por Martim Affonso de Souza: Ou a sua permanencia no Bra-
sil, ou a sua volta a Portugal; optado pela segunda, apoz a nomea-
9io do Padre Gongalo Monteiro para Governador da colonia de
S. Vicente e da de Joao Ramalho para a de Piratininga, disposto
tudo em boa ordem, tanto em relacao a justica como ao trabalho
e seguranca individual, sem mais demora, logo de regresso a Por-
tugal, em 1533, onde, depois de sua chegada, nomeado Capitio
Mor das Indias.



CAPITULO IV
OS INDIOS; SUA POSICAO GEOGRAPHIC; SEU MODO DE
VIDA; SEUS DEUSES; SEU VESTUARIO

Tres as grandes nac5es dos selvagens, habitantes o Brasil em
seu descobrimento, e ainda em suas mattas existentes, em nume-
ro talvez de 1.000.000: Tupys, Guaranys e Tapuyas; todas com
uma lingua commum, porem a terceira com a mesa um pouco
modificada; as primeiras, habitadoras do litoral e a ultima, do
interior; alem disto, cada nacao dividida em Tribus; cada Tribu,
em Tabas; cada Taba, em Ocas; duas ou mais Ocas apenas o
necessario para a formacio de uma Ocara, protegida pelas Cahi-
caras. Tribus pertencentes a nagco dos Tupys: A dos Carijos,
habitantes de S. Paulo at6 Rio Grande do Sul; a dos Tamoyos,
no Rio de Janeiro; a dos Tupinambas e Tupiniquins,na Bahia;
e a dos Potyguards, no Rio Grande do Norte e na Parnahyba.
Tribus pertencentes a nagco dos Guaranys: 'A dos Aymores, no
Espirito Santo e parte da Bahia. Tribus pertencentes a nacio dos









Tapuyas: A dos Palmarys e Carybas, residents no Rio Amazo-
nas e seus affluentes. Taes os indios em sua posicao geographic.
Agora em relacao A vida: Quasi nomade a vida dos indios, mas
entretanto corn governor mais ou menos regular, embora nao ab-
soluto, como mais adiante para por n6s relatado. 0 corpo, quasi
em complete nudez, pintado corn tintas de genipapo e urucii;
aquella, no tronco, e esta, nas extremidades. Peixes, animaes,
fructas, raizes, ras, sapos, cobras, etc., alem da mandioca e do
milho, por elles cultivados, taes os seus alimentos. Admiravel o
process por elles empregado para obtenqio de pennas corn co-
res variadas! Apanhado um "Chrysostis festival arrancadas al-
gumas de suas pennas, e nas feridas introduzido o leite da pelle
de uma ra, as pennas nascituras, de verdes primitivamente, ago-
ra, depois de nascidas e crescidas, transformadas em amarellas
e alaranjadas; arrancadas estas, as novas, outra vez nascidas,
mas com estas cores conservadas. Os homes, sempre obrigados
A rorada dos mattos e ao prepare do terreno para o plantio, e
dedicados a caca e a pesca; as mulheres porem, obrigadas ao
plantio e a colheita, bem como ao preparo da farinha de man-
dioca, a conservaqao da caca e da pesca, a fabricaqao dos obje-
ctos domesticos, taes como: Potiguaz, igagabas, pocarazes, ma-
quiras, mussuranas, quigabas, perys, nhaempep6s, jacas, etc.; as
velhas, entretanto, destinadas unicamente ao preparo das bebi-
das fermentadas e ao dos venenos para as flechas.
Um indio, quando doente, sempre bem tratado, e corn cui-
dado, pelos seus parents; porem, uma vez reconhecida impos-
sivel a sua cura, ou logo, elle abandonado por todos, ou entao,
morto para abreviacao de seus soffrimentos; apoz a morte, cho-
rado pelos parents, lembrado em seus feitos heroicos pelos com-
panheiros, aberta a Tibi na Tibicoara pelo parent mais proximo,
e algumas vezes mettido na iguaeaba, elle logo depositado na-
quella, juntamente corn a sua quigaba e as suas armas, e algunp
alimento e bebida; estas duas ultimas cousas sempre collocadas
com o cadaver, como necessarias e indispensaveis a alma, empre-
hendente, agora, uma grande viagem; e, assim, por elles, indire-
ctamente, reconhecida a immortalidade da alma.
Na caca, alem .do cao, unico animal domestic por elles possui-
do, tambem usados: Os mundeos e as flechas; na pesca, ubA e iga-







21


ras, corn suas jacomA e apecuitA e tambem, covos, pindAs, ju-
quiAs e pu9qs.
Quatro as armas principles para a guerra por elles usadas:
0 huhy, o mucuru, o tacape e o uruparA. Muito admiradores da
music e do porac6; naquella, empregados, entire outros, os se-
guintes instruments: Inubia, memby, maraca, tore e uay. Ad-
miravel, embora difficil na execucAo, o estratagema usado por
elles para reconhecimento pelo inimigo em relacao A sua direc-
eao e ao seu numero, quando em guerra ou em um ataque ines-
perado: Postos todos em filas regularss de dois ou tres e, uma
vez movimentados, cada qual collocado o p6 na pegada deixada pe-
lo da sua retaguarda, logo elles em march, de costas voltadas
para o ponto desejado e em demand do inimigo. Chegados ao
ponto de destino e atiradas as flechas inflammadas para incen-
dio das Tabas e iniciado o combat, dentro de poucas horas, lo-
go os vencedores senhores dos vencidos; estes, uma vez press,
logo de prompto conduzidos As tabas, para repasto opiparo dos
seus vencedores; aqui, guardados durante alguns dias, e depois
transportados A ocAra, injuriados mutuamente algoz e victim,
corn promessa, de ambas as parties, de vinganca pelos seus, a
victim, bern como o cysne, ap6z o seu cantico de morte, logo
prostrada no chao pelo golpe certeiro do tangapema, desferido
pelo victorioso. Em seguida, esquartejado e muqueado e prepa-
rado em comida pelas mulheres para os habitantes da Taba.
Tal a sorte dos vencidos.
Embora sem leis escriptas, comtudo sempre obedientes ao
Morubixaba, seu chefe material e ao Page, chefe spiritual. Cou-
sa notavel: Entre elles, nada da prostituicao nem de adulterio, e
quando, por acaso, um destes factos, verificado, immediatamen-
te a victim queimada por elles em uma grande fogueira. Nunca
casamento algum realisado entire irmfios, nem entire paes e filhas.
Em geral, ao pretendente de uma moga sempre imposta pelos
paes desta a condigao de servigos, durante algum tempo, a este
prestados, em troca da posse de sua filha; e em outras tribus,
para realisacao do casamento, exigida a morte de um jaguar. A
creanca, logo apoz o nascimento, mergulhada em agua fria, a el-
la dado um nome de ave, peixe, ou arvore, e collocada em sua
rede com um arco e flexa, si macho, e com uma roca com algo-







22

d.o, si femea, e em seguida entregue aos cuidados da mae e por
ella amamentada at6 aos seis annos de edade.
Uma cousa para notada, ainda hoje em nossos dias: Os pa-
peis do marido e da mulher agora trocados: 0 marido deitado
durante muitos dias para observancia do resguardo do parto; e a
mulher parturiente, occupada nos servigos do marido, alem dos
domesticos.
As filhas, attingida a puberdade, novamente purificadas com
agua e assignaladas pela TapacurA, liga feita de fio de algodio e
tinta de vermelho, atada na perna, pouco abaixo do joelho, co-
mo symbol da virgindade, e s6 por ella deixada por occasiio
do casamento.
Embora sem leis escriptas, como jA dito por n6s, comtudo
por elles respeitado um ente superior, dominador de tudo e ao
mesmo tempo seguido de outros entes inferiores, como satellites
daquelle; assim, entire elles, um Deus supremo e outros Deuses
inferiores, para as necessidades da vida: Tupan, o Deus abso-
luto, senhor do mundo; Guaracy, a Deusa mre dos viventes; Ja-
cy, a Deusa mae dos vegetaes; PerudA, o Deus do amor; Caapo-
ra, Deus protector das mattas contra elles e invulneravel; Saci-ce-
rere, Deus malfeitor; Anhangk, Deus perseguidor dos maus a
protector da caga; Macachera, Deus dos guerreiros; Mboitata,
Deus dos incendios; Moraguigana, Deus da morte; Curupira,
Deus das florestas; e, finalmente, um Deus material e visivel,
Pag6, resident em Tujupares e supposto conhecedor do future
e por isto muito acatado por elles.
Agora os adornos por elles usados: As orelhas e os beicos
furados e nelles introduzidos as metiras; na cabega, acanguape
e canitar. conforme a cor das pennas; nos hombros, acoyaba; no
pescoco, aiucara; e na cintura, aragoyA e enduape, conform o
sexo, taes os enfeites dos indios.
Nada por n6s conhecido melhor do que a descrippco dos ca-
racteres phisicos do indio brasileiro feita pelo Dr. Macedo, e
para aqui, corn a devida venia, por n6s trasladada: "Estatura pe-
quena; compleicio forte e robusta, craneo e ossos da face, lar-
gos e salientes; front baixa; temporas proeminentes; rosto lar-
go e angular; orelhas pequenas; olhos tambem pequenos, pre-
tos e com uma direcqao obliqua, corn angulo externo voltado pa-
ra o nariz; sobrancelhas delgadas e arqueadas fortemente; na-







23


riz pequeno, ligeiramente comprimido na parte superior e achata-
do na inferior; ventas grandes; dentes brancos; labios espessos;
pescoco curto e grosso; peito largo; barriga da perna, fina; bra-
cos redondos e musculosos; p6s estreitos na parte posterior e
largos na parte anterior; pelle fina, macia, luzente e de unma
cor de cobre carregada; cabellos longos e espessos; pouca bar-
ba;" tal o physico do nosso indio.
Quanto A moral, ainda as palavras do Dr. Macedo: "Hospi-
taleiro, como os Arabes e at6 com o proprio inimigo; agreste,
simples, inculto e barbaro; zeloso maisoque tudo da sua indepen-
dencia; audaz e bravo nos combates; crudelissimo na vinganga;
astucioso e sagaz; indolente na paz; o gentio, impavido e heroe
em face da morte, embora cheio de defeitos e vicios, comtudo do-
tado de alguns sentiments nobres e generosos. "
Quanto A lingua: 0 seu alphabeto, o mesmo que o nosso,
corn excepcao das letras F, L e R forte; mas, mesmo assim, a es-
cripta por elles usada, segundo os testemunhos authenticos des-
cobertos nas inscripcoes gravadas nas pedras nos Estados do
Para, Amazonas, e Matto Grosso.
A contagem, apenas at6 cinco, em todas as tribus; em algn-
mas, porem, at6 dez e vinte, por addiceio dos dedos das maos
e dos p6s; e dahi em adiante, Tuba, significant muito.



CAPITULO V

CAPITANIAS HEREDITARIAS; SUA POSIQAO GEOGRAPHI-
CA; SUA EXTENSAO TERRITORIAL; PRIMEIRO SYSTEM
DE COLONISAQAO; SEUS DONATARIOS

Reconhecido oneroso, em immenso, o system de colonisa-
egio, empregado por D. Jodo III, pelos dados provenientes das
colonies de S. Vicente e Piratininga, fundadas por Martim
Affonso de Souza no Brasil, logo imaginada indispensavel a crea-
cao de um novo system. A divisio do Brasil em capitanias do
Sul ao Norte e estas doadas a homes benemeritos, capazes de
sua colonisagco, e munidos de poderes quasi eguaes aos do mo-
narcha portuguez, corn excepcio, unicamente do quinto das pe-







24

diaries, de futiiroe ncontradas, da 4dihima do -peix nao pescqo a
canna, d* dos products refer,entes ao cultivo.diyino, w dos'direi-
iEs das alfandegas; t4 9 n.vo process imaginaflo e executado
f' por D U ,Joao II. D. I
I -?.


Primeiratcapitania: S. 'Vicente, com cem leguafs de costa, di-
vididas em duas porc5es: Ulna da barra de S. Vicente ate ao
Sul de Cana*6a, corn do7z leguas; e a outra, do rio Curupac6 a
barra do Macach6, corn oitenta e*oito leguas, dbadas a Martim
Affonso de Souza, em 1532, corn inclusio das tolonias por elle
fundadas. Esta -capitamia, embora nio administrada por Mar-
tim Affons. de Souza, agora resident em Portugal, mas sim,
pelos seus propostos, o Padre Goncalo Monteiro no littoral e Joio
Ramalho no interior, comtudo tal a prosperidade que, no fim
de doze annos, jA para gotada a existencia aqui de quinhentos
colonos e muitos engenhos de assucar. Algum tempo depois, de-
cahida a povoa do de S. Vicente, pela inavegabilidade do seu
porto, logo surgida no continerine uma outra, denomninada Santos,
e fundada por Braz Cubas em 25 de Setembro de 1536. Assim,
dois seculos mais tarde, esta mesa capitania revertida a Co-
r6a, por compr*,; em 1791 e, creados nucleos coloniaes no litto-
ral, logo esta em franca prosperidade.

II.o

Segunda Capitania: Santo Amaro, dpada a Pedro Lopes de
Souza, (irmio do precedent e o determinfnte das linhas limi-
trophes do Sul) com oitenta leguas, divididas em tres parties:
quarenta leguas, de Curupac6 a S. Vicente; dez leguas, de Parana-
gua a Laguna; e trinta leguas, da Bahia da Traicio A Ilha de
Itamaraca.
Bem infeliz este donatario! Pois, devido a um naufragio na
ilha de Madagascar, quando ja de viagem para o Brasil, logo alli
desapparecido para sempre! A colonia de Santo Amaro, regida
e desenvolvida por Gongalo Affonso no Sul e a de Itamaraca por
Joao Goncalo, no Norte, ambas, embora prosperas, comtudo bem
inferiores as de Martim Affonso de Souza e mais tarde ambas









revefidas, por.conipta,'A Cor6a; a pritneira, emn.171. e a se-
gunda, emr 1793., *



Terceira Capitahiai Parahyba do Sul, doada a Pero de Goes
da Silveira, coin 4rinta leguas, de 4JIacah6 A Itapemirim. Reti-
dos muitos de'seuw paaentes e corn ehle partido de Portugal para
o Brasil; 'chegadq ao Rio Parahyba e ahi fundada a' primefra co-
lonia, em 1540, e por elle denominada -- Villa da- 'aiflha, logo
de novo de volth A Portugal et~n rocura *de mais auxtlios, apos
confiada a direcoo da Capitania a Jose Mattins; grande a tris-
teza do donatario quando de volta a sua Capitania.'Esta em com-
pleto desleixo pelo sen preposto, por causa dos Goytacazes, re-
voltados em razio das offenses recebidas dos colonisadores.
Embora empikegados por elle todos os recursos para pacifi-
cacio dos indios, comtudo nada por elle conseguido; e, dentro
em pouco, destruido o estabeledimeinto, mortos os seus, e elle
obrigado ao refugio na Capitania do Espirito Santo, e assim
de novo em retorno para Portugal; e logo depois, em 1753, a sua
Capitania revertida A Cor6a, por compra.

IV.0

Quarta Capitania: Espirito Santo, doada a Vasco Fernan-
des Coutinho, corn cincoenta leguas, do Rio Itapemirim ao Mu-
cury. 0 donatario, vendidos todos os seus bens em Portugal,
reunidos alguns colonosk logo, sem perca de tempo, de viagem
para o Brasil; aqui chegado em 1535, e fundada a Capitania do
Espirito Santo, grandes 6s dissabores ,por elle passados. Ora,
os constantes ataques dos indios, ora, dominados estes, a desmo-
ralisacio dos colonos, elle, feita a doacio de sua Capitania a
Duarte de Lemos, mas, apparecidas algumas difficuldades, por
causa de certas exigencias deste, elle Vasco Fernandes Coutinho
renunciados os seus direitos de donatario da Capitania, logo esta re-
vertida, por compra, A Cor6a, em 1718, e elle reduzido a maior
pobreza e fallecido em miseria tal, que nem ao menos um len-
gol para no sen corpo envolvido, apoz a sua morte! Tal a sorte
deste donatario!







26

V.

Quinta Capitania: Porto Seguro, doada a Pedro de Campos
Tourinho, com cincoenta leguas, do ria Mucury at6 Porto Seguro.
Este donatario, em semelhanca ao do Espirito Santo, vendidos to-
dos os seus haveres em Portugal, e embarcado com toda a sua
familiar, alguns parents e muitos colonos, e uma vez chegado ao
Brasil, no logar ancorado pelo Almirante Pedro Alvares Cabral,
logo ahi fundada a sua colonia, corn a denominag~o de Porto Se-
guro e esta depois de muita prosperidade, devido, em grande
parte, aos modos cavalheirescos do donatario, e A grande cul-
tura de canna e fabricacio de assucar, bem como ao cultivo dos
campos e pesca, e assim por elle conservada em presperidade
at6 a sua riiorte. Por Ferndo de Campos Tourinho, seu filho e
successor, nada feito em favor da Capitania tambem atW a sua
morte; herdada por D. Leonor e, logo depois, por incapacidade
de sua direcg~o, vendida ao duque de Aveiro, em 1556, deste an-
no em diante, nada mais de prosperidade nella encontrada ate
seu complete aniquillamento e confiscacdo pela Cor6a, em 1759.


VI.o

Sexta Capitania: Ilheos, doada a Jorge de Figueiredo Cor-
reia, com cincoenta leguas, desde Porto Seguro at6 Bahia de To-
dos os Santos.
Impossibilitado de sua vinda em razao do cargo de Escrivdo
da Fazenda de Portugal, por convite seu, Francisco Romeiro,
munido dos recursos precisos, embarcado para o Brasil, e aqui
chegado, logo por elle fundada a povoagdo de Tinhar6, e esta
depois transferida para Ilh6os; dominados os Aymor6s, mas in-
disposto com os colonos, por elles press e remettido ao dona-
tario, e embora por este restabelecido e imposto de novo aos
mesmos colonos, comtudo nada por elle alcangado, por causa da
desharmonia agora reinante, atW complete destruicgo da colonia
pelos Aymords. Finalmente esta Capitania, alguns annos depois,
em 1761, revertida a Cor6a, por compra.







27


VII.-

Setima Capitania: Bahia de Todos os Santos, doada a Fran-
cisco Pereira Coutinho, corn cincoenta leguas, desde a Bahia de
Todos os Santos atW o Rio S. Francisco. Chegado A Bahia em
1538, fundada a sua colonia e construido um forte no logar ha-
bitado por Diogo Alvares Correia, auxiliado por este e pelos in-
dios, logo a Capitania em franca prosperidade. Entretanto,
assasinado por um portuguez um filho de um dos indigenas, por
estes, em vinganga, morto um filho de Coutinho, queimados os
engenhos de assucar, destruidas as plantag6es, e em guerra cons-
tante com o donatario, durante sete annos, este, A procura de
refugio, embarcado para Porto Seguro, mas, algum tempo depois, a
pedido de Diogo Alvares, de volta A sua Capitania, em 1547, dado
um naugrafio na ilha de Itaparica, elle logo morto e devorado pe-
los Tupinambas, e assim, no anno seguinte, a sua Capitania re-
vertida A Cor6a, por compra.


VIII.o

Oitava Capitania: Pernambuco, doada a Duarte Coelho.
com sessenta leguas, do Rio S. Francisco ao Iguarassfu. Junta-
mente corn todos os seus e com muitos colonos angariados, fun-
dado o seu primeiro estabelecimento em Recife, e em um monte
elevado, uma povoag o por elle denominada Olinda, batidos os
Caet6s, corn o auxilio dos Tabajares, feita a paz e dadas ordens
administrativas para a sua colonia, promovidos os casamentos
entire portuguezes e indias, desenvolvidas a agriculture e a in-
dustria, logo a sua Capitania elevada ao mais alto grao de pro-
gresso e em nada egualada pelas outras, nesse tempo; mas, de-
vido ao abandon, revertida A Cor6a, em 1654.


IX.o

Nona Capitania: Itamaraca, doada a Jodo de Barros e por
elle feita de novo doacio a Pero Lopes de Souza, com cem le-
guas, do Rio Iguarassu a Bahia da TrahicAo. Este segundo do-
natario, apoz repellidos os francezes em Itamaraca, logo de vol-







28


ta a Portugal. Inutil aqui a repetigco dos seus feitos, pois, por
n6s os mesmos ja relatados na Capitania de Santo Amaro.

X.o

Decima Capitania: Maranhio, doada tambem a Joao de Bar-
ros, corn cincoenta leguas, desde a barra do rio Diogo Leite ate
a do rio Cruz.

XI.o

Undecima Capitania: Piauhy, doada a Fernando Alvares de
Andrade, corn setenta e cinco leguas, desde o rio Cruz at6 o
Cabo de Todos os Santos. Impossibilitados os donatarios destas
duas Capitanias na execucao de sua colonisacgo, Ayres da Cunha,
associado a Joao de Barros e a Fernando Alvares de Andrade, re-
presentados estes respectivamente por dois filhos daquelle e um de-
legado deste, apesar de uma magnifica frota composta de dez na-
vios e mais de mil colonos, nada por elles feito pois, perdidos a
sua chegada nos baixios de Maranhao, por causa de umna grande
tempestade, logo todos mortos naufragados, except os dois
filhos de Jodo de Barros corn alguns colonos, mais tarde regres-
sados A Portugal.

XII.0

Duodecima Capitania: Cear,, doada a Antonio Cardoso de Bar-
ros, corn quarenta leguas, limitada ao Norte pelas terras de Fer-
nando Alvares, e ao Sul, pelas de Joao de Barros. Esta Capita-
nia nunca colonisada e nem ao menos visitada pelo seu dona-
tario. Tal a sorte das Capitanias.

XIII.o

Completamente pois inutil e sem resultado o plano de sys-
tema de colonisacgo adoptado por D. Joao III; e assim este, a
pedido dos donatarios, e apoz comprada a Capitania da Bahia
aos herdeiros do seu donatario, jA entdo morto, logo elle corn um
novo piano: 0 estabelecimento de um s6 governor no Brasil, e









corn a mudanga da Capital de S. Vicente para a Bahia, em 1549.
E, pra prova da nossa assergco supra, qui agora por n6s trans-
cripta a carta de Luiz de Goes, escripta de S. Vicente, corn data
de 12 de Maio de 1548 e dirigida a D. Jodo III: "Senhor, soccorro
por v6s em nosso auxilio! Pois, esta terra, em breve, perdida e
tomada pelos francezes, logo elles em seguida assenhorados tam-
bern da Africa e da Asia; se estes presagios em nada comoventes
V. A., ao menos, por V. A. compaixdo e piedade para tantas
almas christis desta terra."



CAPITULO VI

SEGUNDO SYSTEM DE COLONISACAO; SEGUND6
GOVERNADOR GERAL, COM SE'DE NA BAHIA;
THOME' DE SOUZA

Este governador, em geral, chamado primeiro pelos nossos
historiadores, mas corn manifesto esquecimento dos factos an-
teriores e por isto, por n6s chamado segundo governador; pois
Martim Affonso de Souza, investido de tanto e maiores poderes
do que este, quando aqui no Brasil, por occasido da publieacao
de alguma ordem, sempre por estas palavras encimado o seu
decreto, como ainda hoje usado pelo nosso Presidente de Estado
e Republica: "Martim Affonso de Souza, Governador geral do
Brasil, etc. etc. ". Tal o cabecalho de suas ordens. Ora, impossi-
vel de por elle usado um titulo nio seu; logo elle, o primeiro go-
vernador geral do Brasil e Thomn de Souza, o segundo.
Taes as bases do novo system: Um chefe de governor, Thom6
de Souza, com o titulo de Governador Geral e mais tres auxilia-
res: Pero Borges, ouvidor geral, ministry da Justiga; Antonio Car-
doso de Barros, provedor-mor, ininistro da Fazenda; Pero de
Goes, Capitao m6r, ministry da Marinha; e mais tarde creado o
logar de alcaide-mor, ministry da Guerra.
Thome de Souza, munido de todo o necessario para a via-
gem, com seiscentos homes darmas, quotrocentos degradados, e
seis jesuitas para a catechese dos indios, sob a direccao do Padre







30

Manoel da Nobrega, zarpada a sua frota, constant de cinco na-
vios e um bergantim, do Porto de Lisboa, no dia 2 de Fevereiro
de 1549, e elle, apoz pouco mais de um mez em travessia, che-
gado A Bahia e ahi muito bem recebido pelos TupinambAs e Ca-
ramuri. Julgada por elle inconvenient a posiedo da cidade pri-
mitiva, escolhido novo terreno, no logar chamado Cidade Alta,
edificadas as primeiras casas cobertas com palhas, fundada uma
egreja, construidas as casas para as reparticoes publicas e um
collegio dos jesuitas para o ensino, tudo isto em menos de oito
mezes feito, e assim prompta a nova cidade, por elle denominada
- S. Salvador, e solemnemente inaugurada em primeiro de No-
vembro de 1549, e dotada de armas, constantes de, em Campo
Verde, uma pomba corn um ramo de oliveira no bico, corn a
seguinte inscripeiio: SIC ILLA AD ARCAM REVERSA. -
Thome de Souza, home de alto tino administrative e ja nota-
vel pelas guerras da Africa e da India, sabedor da grande falta
de justica e harmonia existentes entire os portuguezes, logo elle
de rota ao Sul, acompanhado do Padre Nobrega, para estabele-
cecimento das fortificae6es nas capitanias, sua inspecgao e re-
gularisacgo da administragco da justiga. Assim, chegado a S.
Vicente, e reconhecida de utilidade a fundagio de Santos, feita
por Braz Cubas, e approvada esta e regularisada a alfandega
aqui existente, logo por elle creadas mais duas villas: A de
Inhaem e a de Santo Andr6, e nomeado Jodo Ramalho Capitdo
desta. Indios catechisados e aldeados; ordem, justiga, harmonia
e progress nas Capitanias, taes os grandes feitos de Thome de
Souza, no seu governor, at& a chegada do novo Governador em
1553; alem destes, mais s seguintes actos nobres por elle prati-
cados; a vinda de mais quatro jesuitas para auxilio aos primei-
ros, agora insufficientes; a creagio do primeiro Bispado brasi-
leiro, na pessoa de D. Pedro Fernandes Sardinha, aqui chegado
em 26 de Junho de 1552, por nomeacgo de 25 de Fevereiro de
1551; o servigo military obrigatorio; a importacgo de gado e o
desenvolvimento da agriculture; e, assim, corn o seu nome eter-
namente ligado ao da nossa historic patria.







31

CAPITULO VII

TERCEIRO GOVERNADOR GERAL; ESTABELECIMENTO DOS
FRANCEZES NO RIO DE JANEIRO

Multiplos os trabalhos passados por D. Duarte da Costa, o
substitute legal de Thom6 de Souza, e aqui chegado em 15 de
Julho de 1553. Grande 'a comitiva de D. Duarte da Costa: Du-
zentas e cincoenta pessoas e entire ellas, dezesseis jesuitas, e,
entire estes, o irmio Anchieta, o grande bemfeitor do Brasil, e
todos destinados A catechese dos indios. Muito infeliz Duarte da
Costa em seu governor, pelos factos seguintes, apesar da sua boa
vontade e do seu coragao bondoso.
Sabedor o Padre Nobrega, quando em visit ao Collegio de
S. Vicente, da chegada do novo Governador, e, de corn elle, di-
versos jesuitas, entire os quaes o irmao Anchieta, portador, al6m
disso. da sua nomeaio de Provincial dos Jesuitas no Bra-
sil, por necessidade de uma ampla casa para os recem-chegados,
logo por sua ordem apoz a chegada de Jose de Anchieta A S. Vi-
cente, transferido este Collegio para o interior, e elle o incumbido
disto. Este, internado pelo interior, e a tres leguas de Piratininga,
numa elevacio entire o rio Tamanduatehy e o riacho Anhanga-
bahfi, logar escolhido por elle, devido a grande quantidade de
peixe, logo ahi, por elle fundado o Collegio em 25 de Janeiro de
1554, corn a denominagao de S. Paulo, e mais tarde tornado na
actual capital do mesmo nome.
Graves as occorrencias dadas entire o Bispo DI Pedro Fer-
nandes Sardinha e D. Duarte da Costa, e tudo motivado pelo
procedimento incorrect de seu filho, Alvaro da Costa, rapaz, na
verdade, de grande coragem em combates, mas de pessimos cos-
tumes. 0 Bispo, sabedor do procedimento incorrect de Alvaro
da Costa, e de sua devassidao em relagio aos indios, censurado
o filho e avisado o pae, estes logo em franca opposigao ao clero.
Taes, porem, as queixas levadas por escripto ao Rei de parte a
parte que, o Bispo logo chamado por este a Portugal, e para as
devidas explicag6es. Infeliz Bispo!
Embarcado na nau "Nossa Senhora da Ajuda", corn destino
a Portugal, na sua passage pela Bahia de Acajutibir6, hoje







32

denominada Traigio, occorrido um forte temporal, e este segui-
do de naufragio da mesma nau, logo elle com os poucos sobre-
viventes, devorados pelos indios Caeth6s.
Tal a sorte do Bispo, cumpridor de suas orders.
Immediatamente novo Bispo nomeado para o Brasil, em su--
bstituicio ao infeliz D. Pedro Fernandes Sardinha, e recahida a
escolha da Santa S6 em D. Pedro Leitao, e este chegado a Bahia
em 9 de Dezembro de 1559.
Alem destes factos, outro mais grave succedido no governor
de D. Duarte da Costa: 0 estabelecimenfo dos francezes no Rio
de Janeiro. Assim o facto: Os francezes, adeptos do protestan-
tismo, acossados e perseguidos pelos catholicos na Europa, e por
aquelles preparados dois navios e uma chalupa corn mais de cem
homes e sob o commando de Nicolau Durand de Willigainon,
logo elles de viagem para o Brasil, com o fito da fundagco de
uma cidade, destinada a sua protecaio; e, assim chegados a Ba-
hia de Guanabara, ancorados os navios na ilha da Lage, e em se-
guida esta deixada por impraticabilidade da habitacio, e logo
transferidos para a de Sergipe, corn o nome, nessa occasiao, mu-
dado para o de Willigaignon, ate hoj6 conservado; levantado um
forte, denominado Colligny, logo estes dispostos a tudo, e por
elles destinado a future cidade o nome de Henriville e A colonia,
o de Franca Antactica. Agora, cada vez mais fortes os france-
zes, devido ao reforgo por elles recebido de tres navios, com
quatorze padres calvinistas, todos sob o commandode Bois-le-
Conte, sobrinho de Willigaignon, tudo isto feito com o consen-
timento de 'Henrique II, Rei de Franca.
Os calvinistas chegados pelos tres navios, em 16 de Marco
de 1557, para logo, em complete desharmonia com Willigaignon.
E tal o auge da desharmonia que, aquelles, em proposito de cer-
tas ordens em relac9o a doutrina protestante, por elle imposta e
por estes regeitada, logo estes obrigados A volta :, Europa, e 14
chegados, logo por elles espalhada a noticia da traicio de Willi-
gaignon A doutrina protestante, e por isso cognominado o Cairn
da America.
Duarte da Costa, apesar de seus constantes pedidos de re-
cursos a Portugal para expulsdo dos francezes do Rio de Janeiro,
nunca por elle attendido e assim nada feito pelo Governador.







33

Mais dois os factos importantes acontecidos no governor de Duar--
te da Costa: A morte de D. Joio III, em 11 de Junho de 1557, e
substituido no governor por seu netto D. Sebastiao de, apenas, 3
annos'de idade, e por isto tomadas as redeas do governor por D.
Catharina d'Austria, sua av6; e, finalmente, amorte de Caramu-
rA, o grande auxiliar de Thome de Souza na Bahia, em 5 de Ou-
tubro do mesmo anno.

CAPITULO VIII
QUARTO GOVERNADOR GERAL; FUNDACAO DA CIDADE
DO RIO DE JANEIRO; EXPULSAO DOS FRANCEZES;
ITRANSFERENCIA DA SEPULTURA DE ESTACIO DE
SA' DO PAO DE ASSUCAR PARA 0 MORRO DO
CASTELLO; E, DA DESTE PARA A SUA PLANICIE

Si graves os acontecimentos no governor de Duarte da Costa,
maiores, sem duvida, os no governor de Mem de Sa, substitute legal
daquelle, e aqui chegado em 16 de Janeiro de 1558. Tudo encon-
trado por Mem de Sa em complete desordem. Qual pois o sen
primeiro procedimento? A organisag;ao de ataques aos indios de-
vastantes e assolantes as colonies de Porto Seguro, Ilhos e Es-
pirito Santo, e isto de facto por elle executado; porem, si feliz
pela imposicao do seu poderio e dominio aos indios vencidos, por
outro lado muito infeliz, pela morte de seu filho Ferndo de Sa, em
um desses combates. Incumbido de um outro feito, qual o da
expulsao dos francezes do Rio de Janeiro, Memn de SA corn dois
navios e 3 embarcagces, nellesf embarcados mais de cento
e quarenta portuguezes e mais de cento e cincoenta indios, e as-
sim logo chegados ao Rio de Janeiro em Fevereiro de 1560, e
principiado o bombardcio na ilha de Willigaignon, logar habi-
tado por mais de mil c duzentas pessoas, entire francezes, colonos
e tamoyos, estes ja agora alliados daquelles; no dia primeiro de
Marco apoz tres dias de combat, logo coroados de exito os seus
esforgos, pela destrdliao do forte e aprisionamento de muitos
francezes, apezar da fuga de grande parte destes, e de quasi to-
dos os indios, para o continent. Satisfeito corn esta victoria, to-
mado o rumo de S. Vicente para uma visit a esta colonia, aqui
chegado e por sua ordem transferida a villa de Piratininga
para S. Paulo, devido ao grande progress desta em relacgo









aquella, e assim elle content e satisfeito de volta a Bahia. Nem
bem ainda expulsos aparentemente os francezes do Rio de Ja-
neiro, e jA em S. Paulo uma outra lucta iniciada: A confedera-
cio dos Tamoyos. Assim iniciada a lucta contra a prospera villa
de S. Paulo; e os partidos deste modo dispostos: 'De um lado, os
portuguezes e os Jesuitas, auxiliados por Tibyrica; de outro lado,
os Tamoyos guiados por Jaguanhario; estes, vencidos, apoz al-
gumas luctas, por TibyricA, em nada satisfeitos corn isto, e por
isso agora applicados na devastacio de fazendas e destrui'iAo de
outras povoacoes. Nobrega e Anchieta, sabedores destes factos,
e, embarcados em um navio, corn o consentimento do Governa-
dor, logo de viagem para Yperogy, residencia do Morubixaba,
chefe dos Tamoyos, para consecueio da paz, e aqui chegados em
5 de Maio de 1563. Grande a admiracio dos indios, quando in-
terpellados por Anchieta em sua propria lingua! Visto a boa re-
cepcio, logo, sem perca de tempo, edificada por Nobrega e An-
chieta uma egreja e nella celebrado diariamente o Santo Sacri-
ficio da Missa. Dois os mezes assim passados, e sem probabilidades
do restabelecimento da paz, por causa dos indios retidos prisio-
neiros por Tibyriia.
Entdo, uma nova resolucio tomada: A ida de Nobrega e Cu-
nhanbebe a S. Paulo para obtencio da liberdade dos indios la
prisioneiros, retido, entretanto, Anchieta, como refen. Tres, os
mezes de captiveiro, passados por Anchieta em Yperogy, durante
os quaes, na areia, escripta por elle uma poesia corn quatro mil
cento e setenta e dois versos, dedicados A Virgem Maria e, alem
disso, por elle, segundo o relatado pela historic, conservados de
memorial. Apoz este tempo, dada a liberdade aos indios e voltado
Cunhambebe, logo Anchieta posto em liberdade, e firmada a paz.
Bern just, para lembrados aqui, dois conceitos importantes
em relaio a Nobrega e Anchieta, os grandes evangelisadores da
nossa terra; um, de Roberto Southey, e o outro, de D. Pedro Lei-
tio: 0 daquelle, concebido nestes terms: "A ninguem, tantos c
tio relevantes services devidos pelo Brasil como a Nobrega; o se-
gundo, assim expresso: Qual o valor da Companhia no Brasil?
Ella, um verdadeiro annel de ouro, e a sua pedra preciosa o pa-
dre Jos6 de Anchieta". Immensa at& hoje a nossa ingratiddo para
com esses dois grandes homes! Por toda parte, neste nosso Bra-
sil, estatuas, hermas, e monumentos dedicados a homes, muitas







35


vezes mtnos celebres que elles, e estes? Em complete esquecimen-
to; malmente Anchieta lembrado no monument a Floriano Pei-
xoto, na Capital da Republica! Quando por n6s paga tao immensa
divida? Mas, em continuaciao de nossa historic: Como si nao bas-
tantes os males produzidos pela Confederacao dos Tamoyos, agora
outro seguido e ainda maior: A variola, doenca iniciada em Ita-
parica e logo propagada pelas povoac6es proximas, notadamente
a Bahia, onde por ella mortos milhares de indios; e os escapos,
aterrorisados, fugidos para as mattas; a este mal, outro occorrido,
a fome. Entretanto, nesta occasiao muito para notada e posta em
evidencia a energia do Governador Geral e a sua solicitude pelos
seus subordinados, jA com soccorros em viveres e dinheiro, jA corn
seu auxilio pessoal aos doentes.Tal o miseravel estado da Bahia
neste tempo !
Agora novo facto acontecido e de summa gravidade: Os fran-
cezes, apesar de rechassados da sua posicio, como por n6s ja vis-
to, de novo estabelecidos na Bahia do Rio de, Janeiro. A Corte de
Lisboa, sabedora disto por intermedio de Men de SA e a pedido
deste, por ella preparada uma pequena forca e entregue o com-
mando a Estacio de SA, logo este chegado a Bahia em 1564; aqui,
obtido mais algum auxilio de seu tio, zarpados os navios em di.-
reccao ao Sul, e uma vez entrados na Bahia de Guanabara, e re-
conhecida a impossibilidade da victoria sobre os francezes, de-
vido ao seu grande numero e A alliance corn os Tamoyos, elle, ape-
sar da sua ida a S. Vicente para obtencio de mais gente, e, de
volta, desembarcado em 1565 junto ao Pao de Assucar, e ahi lan-
cado o fundamento de uma cidade por elle denominada S. Se-
bastiao, nada entretanto por elle feito em relagio ao de'aloja-
mento dos francezes, neste anno e no seguinte; pois, dos combates
travados, nenhum decisive para qualquer das parties; atW que,
Men de Sa, sabedor do estado das cousas por intermedio de Jose
de Anchieta, ido a Bahia de S. Salvador para recepcilo da ordem
do Presbiterato, conferida por D. Pedro Leitao, em 1566, e por
isto, o primeiro sacerdote ordenado no Brasil, Men de SA, prepa-
rada uma esquadra sob o commando de Christovam de Barros,
nella tambem embarcado e recebidos de passage mais alguns
auxiliares em Espirito Santo e S. Vicente, logo assim chegado ao
Rio de Janeiro em 19 de Janeiro de 1567; aproveitada a coinciden-
cia da consagragco do dia seguinte a S. Sebastido, protector da









Cidade, atacados os francezes e tomada a posicgo de Urucumirim
por elles occupada, e, em seguida derrotados na ilha de Parana-
puan, logo senhor da Cidade, embora, para isto, muitos os mor-
tos, e, entire elles, Estacio de Sa, o fundador da cidade, e entao se-
pultado junto ao PNo de Assucar. Ap6s esta brilhante victoria. re-
conhecido inconvenient o logar da Cidade junto ao Pao de As-
sucar, por sua ordem a mesma transferida para o Morro do Cas-
tello; em seguida nomeado Salvador Correia de Sa, seu sobriniio,
Governador da Cidade, e embarcado em um navio, e assim de re-
torno a S. Salvador. Ahi chegado, sempre com instancias ao Rei
de Portugal pela sua demissdo e esta por elle obtida em 1573, po-
rem, tarde de mais, por colhido pela morte nesse mesmo anno, e
em S. Salvador sepultado. Em 1583, por ordem de Salvador Cor-
reia de Sa, Governador do Rio de Janeiro, logo transportados pa-
ra a Egreja de S. Januario, no actual Morro do Castello, os restos
mortaes do fundador da Cidade, e sobre a tosca lapide, como ins-
cripcao, gravadas estas palavras: "Aqui sepultado Estacio de SA,
Capitio e conquistador desta terra e Cidade. E a campa feita por
ordem de Salvador Correia de SA, seu primo, segundo Capitao e
Governador corn as suas armas. E esta capella acabada no anno
de 1583". Entretanto, os nossos antecedentes, ciosos destes precio-
sos restos, agora por elles tomada uma nova resoluciao para sua
conservacgo, assim: em 16 de Novembro de 1862, exhumados esses
venerandos restos, e logo depositados, em 20 de Janeiro de 1863,
em uma urna de pao Brasil, nessa epoca feita, e de novo restitui-
dos a mesma sepultura com a seguinte inscripedo: "Restos mor-
taes de Estacio de SA exhumados desta sepultura em 16 de Novem-
bro de 1862. A ella restituidos em 20 de Janeiro de 1863. E a pa-
diola com a urna, nessa occasiio, transportada pelos Senhores:
D. Pedro II, Imperador do Brasil, Visconde de Sapucahy, Presi-
dente do Instituto Historico e Geographico, Conselheiro Jodo Luiz
Vieira Cansansdo de Sinimbfi, Ministro de Justica, e Marquez de
Abrantes, Ministro dos Extrangeiros". Pobre Estacio de SA! Tu,
ap6z mais de trezentos annos em descango em tua ,sepultura rasa,
agora por n6s, os teus descendentes, della retirado para arrasa-
mento do Morro do Castello para o supposto embellesamento do
Rio de Janeiro! Qual a resposta dada ao viajor, quando por elle
feita esta pergunta: Onde o Morro do Castello e, 14, onde a se-
pultura de Estacio de SA, fundador desta Cidade? S6 esta a unica






37


resposta: 0 morro arrasado, e a sepultura destruida. E em re-
plica por elle: Barbaros, v6s verdadeiros barbaros e en: nada
apreciadores e conservadores dos feitos de vossos antepass:ados.
Quem, agora uma pergunta, quem dotado de forca sufficient
para obstaculo A destruigao do Morro do Castello? Quem? S6 o
Exercito, a Marinha e os homens de born senso!
Mas, em continuacao de nossa historic: D. Luiz Fernandes
de Vasconcellos e Souza, o substitute legal de Men de SA, nomeado
pela Rainha D. Catharina d'Austria, embarcado em uma frota
composta de seis navios e uma caravella, feito ao mar, elle logo
atacado pelos corsarios Jacques Sore e Joao Capdeville, partidos
por sua vez de Rochelle corn o proposito de exterminio de todos
os catholicos por elles encontrados, e, depois de alguns combates,
morto por elles juntamente corn quarenta Jesuitas, mais tarde, es-
tes, beatificados pelo Papa Pio IX sob o nome de Quarenta Marty-
res do Brasil. Ap6z este desastre, fallecido Men de SA em 2 de
Marco de 1572 em S. Salvador, sepultado no Cruzeiro da Egreja
dos Jesuitas, e reconhecida herdeira universal de todos os seus
bens a sua filha D. Filippa, esposa de D. Fernando de Noronha,
segundo o testamento por aquelle deixado, logo nova resoluqao to-
mada por Portugal: A divisao do Brasil em dois governor.



CAPITULO IX

DIVISAO DO BRASIL EM DOIS GOVERNOR, UM NO NORTE
E OUTRO NO SUL

Dividido o Brasil em dois Governos, jA agora no reinado de
D. Sebastiio, urn, corn sede na Bahia e corn jurisdicgco de Porto
Seguro para o norte, corn seu Governador Luiz de Britto e Almei-
da; e o outro, corn sede no Rio de Janeiro, corn Jurisdiqdo da Ca-
pitania do Espirito Santo para o Sul, corn seu Governador, o Dr.
Antonio Salema; estes dois Governadores, reunidos em S. Salva-
dor, em 1574, combinadas as bases do Governo em i'elagio aos in-
dios, e assim elles de mraos dadas para o augmento das conquistas
e abatimento dos indios, cada um em sua jurisdigco. Assim, no
Norte, a Capitania de Sergipe, desenvolvida, e principiada a con-







38

quista da Parahyba, e quatro expedic6es enviadas para o encon-
tro de ouro e pedras preciosas, guiadas respectivamente por Se-
bastifio Fernandes Tourinho, Antonio Dias Adorno, Domingos
Martins Cio e Marcos de Azevedo Coutinho, as quaes todas de re-
sultado infructifero, e tudo isto ordenado por D. Luiz de Britto;
no sul, os Tamoyos, perseguidos, anniquilados ou reduzidos A es-
cravidao pelo Dr. Antonio Salema, e os francezes expulsos do Ca-
bo Frio.
A estes factos, outros acrescentados: A morte do Bispo D. Pe-
dro Leitao e a nomeacao de seu successor D. Frei Antonio Bar-
reiros em 1568; a reuniao dos governor em um s6, em 1577, corn
sede na Bahia, e a nomeacdo de Lourenco da Veiga para Governa-
dor Geral, em substituiqio a D. Luiz de Britto, em 1578; a morte
de D. Sebastiao, na batalha de Alcacer-Quivir na Africa; a ele-
vahoo do Cardeal D. Henrique ao throno portuguez; a sua more
em 1580; a pretencio, imposiglo, e aclamagco, pelas cortes de
Thomar, de Pilippe II de Hespanha, como rei de Portugal, com o
nome de Filippe I; e, finalmente, a consequente passage do Bra-
sil e de todas as colonies portuguezas para o dominio hespanhol,
em 1581.




CAPITULO X

RETROSPECT; ESTA1O DAS CAPITANIAS, ATE' 1581

Antes de mais nada, um rapido exame as Capitanias, du-
rante oitenta annos de governor portuguez, e antes da sua passa-
gem para o dominio hespanhol.


CAPITANIA DE SANTO AMARO

Alem da Capital do mesmo nome muito pouco povoada, ape-
nas uma fazenda corn dois engenhos de assucar, e duas fortalezas.
denominadas S. Felippe e S. Thiago, na barra de Bertioga.







39


CAPITANIA DE S. VICENTE

A Capital, em decadencia; porem Santos, povoacio nascente
no littoral, bem como Piratininga e S. Paulo no interior, em fran-
ca prosperidade; a agriculture muito animada e o gado em abun-
dancia.

CAPITANIA DA PARAHYBA DO SUL

Em complete decadencia, devido as guerras continues dos
Goytacazes.

CAPITANIA DO RIO DE JANEIRO

Apesar de ainda nova, comtudo muito prospera; corn tres fa-
zendas de assucar, quatro engenhos e uma populacao superior a
duzentos colonos.

CAPITANIA DO ESPIRITO SANTO

Agora em franca prosperidade, corn uma populac5o superior
a duzentos colonos, alem de dois mil indios dedicados A agricul-
tura; um collegio dos Jesuitas e numerosas aldeias de indios, sob
sua jurisdicio; seis fazendas de assucar, gado em abundancia, e
algum cultivo de algodio.

CAPITANIA DE PORTO SEGURO

Embora em decadencia, comtudo mais prospera que a an-
tecedente; assim o seu estado: A velha Capital, com pouco mais
de quarenta colonos, as duas aldeias de S. Matheus e S. Andre,
corn um s6 engenho de assucar, nio desenvolvido e uma nascent
exportagio de agua de flor de larangeira primeira industrial, sin-
gularmente brasileira.

CAPITANIA DE ILHE'OS

Em complete decadencia, devido As guerras continues dos Ay-
mores; apenas corn uma villa denominada S. Jorge, dois estabe-







40 '..

lecinmetos" agricolas, tres engenhos de. Assucar, sern futicciona- .
.pnento e ciocoentd colonois ao todo.. '


CAPITANIA BAHIA DE TODOS OS SAvNTOS

Muito prgspera tntre? as prosperas: Com uma populaqgo de
quasi vinte mil almas, entra indos e.colonos; trinta fazendas de
assAcar, dtzeseis freguezias corn trinta egrejas, dez capellas e tres
4 conventos; muita riqueza e luxo; e capital corn quasi oito ril
habitantes.

CAPITANIA .DEOPERNAMBUCO

Embora inferior em populacgoo a- antecedente, pois 'apenas
corn cinco mil habitantes, entire indios, colonos e esctravos, conm-
tudo mais florescente que aquella; setenta fazendas de assucar,
corn uma producqio annual superior a duzentas mil arrobas; gran-
de exportagco de pau Brasil; muita riqueza e muitissimo luxo; fi-
nalmente a cidade de Olinda e a aldeia de Recife tambem em
presperidade.


CAPITANIAS DO MARANHAO, CEARA' e PIAUHY

Estas, nem para lembradas, por falta de colonisacao. Tal o
estado do Brasil, quando na sua passage para o dominio hes-
panhol.



CAPITULO XI

PASSAGE DE PORTUGAL E BRASIL PARA 0 DOMINIO
HESPANHOL, SOB 0 REINADO DOS FELIPPES DE
HESPANHA; GOVERNOR INTERINO

Embora ja Filippe I, senhor do throno de Portugal, comtudo
alguma pretencio ao mesmo, alimentada por seus primos, a Du-
queza de Braganqa e D. Antonio, prior do Crato; este, principal-






.4 1.. .


pnente, aHixIlildo.pof D.: tatharina de Me-icis, ntie de 1jenriqge'
1il Rei de Frana, e a ella prom ttido o Brasil, em dea o, caso
vencido Felippe I, e elle empqssado no throne de Portughal, Zm
taes ideias, preparada fima pequeAa frota % nella embarcado, elle
.logo de viagem ao jlrasil, e chegado ap Rio de Janeiro, corn dese-
"jos de posse, porem repellido por Salvadoi de SA, e por est'-assim
demonstrada t firmeza do Brasil em sua permanencia sob o jugo
hespanhot.
E assim aggra o Brasil, durante este tempo, dirigido por um
governor interino, composto do Bispo D. Frei AntQnio Barreiros, e
Cosme Rangel de Macedo, ouvidor Geral; porem, por falta de ac-
cordo entire ahibos, logo o Bispo retirado do Gverno, e Radgel de
Macedo, dominada por elle a Camara, e assim agora senhor de
tudo e corn a pratica de ac4oa& detestaveis, tae's como: process
crime aos seus desaffectog e perseguiedo aosydesgostosos. Assim o
procedimento do governor provisooiio, desde 1581, pela morte de
Lourenco da Veiga, atW 1583 pela chegada de Manoel Telles Bar-
reto, Governador Geral do Brasil, nomeado por Felippe 1.0 de
Portugal e 2.0 de Hespanha. Cessado o governor interino com a
chegada de Telles Barreto, por elle, de accord corn o governor da
Metropole, queimados os autos e as devassas, publicada uma am-
nistia geral, suspenjso os processes, terminadas as perseguicSes, e
logo restabelecida a paz na capital da Bahia; alem destes. mais
ainda os seguintes bons actos por elle praticados: a regularisacao
da cobranga do fisco na colonia; o desenvolvimento e proteccio A
agriculture; a fortificapao dos pontos, entao, mais estrategicos do
littoral brasileiro; e a colonisagao da Parahyba, levada a effeito
por uma esquadra de Diogo Valdez por mar, e Frutuoso Barbosa
corn Pero Lopes, por terra, auxiliados em muito pelo valente in-
dio Piragyba.
Entretanto, Pero Lopes e Castejon, entregues pelos seus a
toda sorte de provagao, apoz encendiado o forte de Sao Felippe,
logd elles de volta A Itamaraca, e assim perdidos tantos esforgos,
fructos de tao grandes trabalhos.
Mas, dentro em pouco, a victoria nas maios dos portuguezes,
devido a desuniao dos indios, proveniente da uniao de Piragyba,
por elles chamado cobarde, com os portuguezes. Joao Tavares,
Martin LeitAo e Manoel Fernandes, o primeiro juiz de orphas em
Olinda, e o ultimo, mestre das obras de El-Rey, chegados de Por-







42

tugal corn muitos colonos para povoamento do solo e estabeleci-
dos na margem direita do rio Parahyba e logo levantado um forte,
e assim firmado para sempre o dominio dos portuguezes na Pa- "
rahyba.
A par destes bens materials, outros espirituaes: A edificacao
do convento dos Benedictinos na capital, em 1584; a dos Carme-
litas em Olinda, no mesmo anno;,e a dos Capuchinhos em Santo
'Antonio de Olinda, 1585.
Assim pois, morto Manoel Telles da Silva, na capital, e, se-
gundo as "Vias de Successao", logo a administraqao do Brasil en.
tregue ao governor interino, composto dos seguintes: D. Fr. Anto-
nio Barreiros, Bispo, Christovdo de Barros, provedor-mor e An-
tonio Coelho de Aguiar, ouvidor-geral.
Magnifico o procedimento deste governor interino, corn dura-
qao de quatro annos,-e, por isso mesmo,.coberto de bengaos pelos
seus subordinados, devido A boa administracao exercida e As gran-
des victorias alcaneadas, taes como: 0 dominio sobre o gentio
no Rio Real e no Itapicur6; a expulsao dos francezes, contraban-
distas assiduos das costas brasileiras; a pacificaqao de Sergipe; a
fundagao de um Forte perto do rio do mesmo nome; o dominion
sobre os Aymor6s por Alvaro Rodrigues, cognominado filho do
sol, e sua fixagao junto ao rio Paraguassui, em. uma aldeia, hoje
denominada Cidade da Cachoeira. Alem destes, mais os seguin-
tes feitos; A derrota de uma expedigao ingleza, sobre o commando
de Roberto Withrington, contra a Bahia; e finalmente a nova ten-
tativa dos inglezes para posse de Santos, sob o commando de Tho-
maz Cavandish e Cooks; estes, apoz a tomada de Santos, irrita-
dos pelo procedimento dos habitantes, incendiado SAo Vicente e
feitos ao mar, logo elles em seguida desembarcados, no mesmo lu-
gar, porem, desta vez, repellidos pelos indios, e assim afastados e
retirados das Costas brasileiras. Muitos e de grande importancia
os factos realisados no governor de D. Francisco de Souza, nomea-
do, em 1591, em substituicao ao governor provisorio: A descoberta
de Minas Geraes, e as investidas, contra o Brasil dos corsarios
francezes, inglezes e hollandezes, tudo isto devido As rivalidades
entao existentes entire Hespanha, Hollanda, Franca e Inglaterra.
Conhecida a existencia de minas auriferas no sul do Brasil,
Roberio Dias, descendente de Caramurfi, animado pelo desejo da
descoberta de minas de prata e embarcado em navio corn destino









a Hespanha e aqui chegado, logo com uma petieao a Felippe 2.0
para descoberta das taes minas, s6 delle conhecidas, com a con-
diVto porem de a elle conferido pelo Rei o titulo de Marquez das
Minas.
Negado-lhe pelo Rei o tal titulo, logo elle desgostoso, de volta
a Bahia e ahi fallecido sem a revelaciio do seu verdadeiro ou sup-
posto thesouro.
Grande o empenho, em dinheiro e pessoas, empregado por D.
Francisco de Souza no descobrimento de minas, tudo porem de
resultado infructifero, salvo quanto ao obtido pelo conhecimento
e posse do interior do paiz.
Estes, porem, de mais importancia, os factos realisados no
governor de D. Francisco de Souza: A colonisarifo do Norte do
paiz; a conquista do Rio Grande do Norte, feita em 1597 por Ma-
noel Mascarenhas e ordem da Corte, corn 1500 homes, entire in-
dios, escravos e colonos; a fundacio da cidade de Natal; a cons-
trucqio do Forte denominado dos Tres Reis Magos; a paci-
ficacio dos Potyguazes no Rio Grande do Norte, e dos Caet6s, em
Pernambuco, ambas realisadas com o auxilio do indio Sarobab6
e do bravo brasileiro Jeronymo de Albuquerque, depols nomeado
1.0 capitio do Rio Grande do Norte; e, para notado: Elle ,o pri-
meiro brasileiro nomeado para um cargo public no Brasil; a in-
cursdo dos paulistas, pelo sul at6 Laguna, para aprisionamento e
escravidio dos indios; a invasaio dos inglezes Jaemes Lancastpe !
Joio Venner no Recife e dahi repellidos pelos pernambucanos,
guiados por Manoel Mascarenhas; o estabelecimento dos france-
zes na Parahyba e dahi expulsos; a entrada dos hollandezes em
Sfio Salvador, e apoz alguma permanencia dahi rechacados; i
morte em Hespanha, de Felippe 2.0 e sua substituiqio no throno
pelo seu filho Felippe 3.*, e a nomea do de Diogo Botelho para
substitute de D. Francisco de Souza em 1602.
Pouco ou quasi nada feito por este novo governador, D. Diogo
Botelho, devido em parte a forte opposigio de D. Constantino Bar-
radas, 4. Bispo do Brasil, e assim apenas, de resultado positive:
A submissio dos Aymords, assaltantes e assolantes as capitanias
de Ilheos e Porto Seguro; tentada tambem a conquista do CearA
para Norte por Pero Coelho com mil e poucos homes em 1603
e depois pelos jesuitas Luiz Figueira e Francisco Pinto, em 1607.
e ambas de resultado negative. Diogo de Menezes, nomeado subs-







44

tituto de Diogo Botelho, como Governador Geral do Brasil, em na-
da, mais feliz do que este; apenas para notados: a creacao do
primeiro tribunal de Relacio, no Brasil, composto de nove desem-
bargadores; a conquista do Ceara e a invasao dos francezes no
Maranhilo, realisada por Jaques Riffault e Charles des Vaux, e
dahi s6 expulsos no governor seguinte; a creacao de tres novas ca-
pitanias Ceara, Piauhy e Maranhio; a fundagio de um Forte e
uma Ermida, sob a invocagco de Nossa Senhora do Amparo, hoje
Fortaleza, no Ceard; a nova divisao do Brasil em dois governor:
No Norte, D. Diogo de Menezes, e no Sul, D. Francisco de Souza,
chegado ao Rio de Janeiro em 1608.



CAPITULO XII

DIVISAO DO BRASIL EM DOIS GOVERNOR COM SE'DE
RESPECTIVAMENTE NA BAHIA E NO RIO DE JANEIRO;
SUA REUNIAO E MUM SO' GOVERNOR; PRIMEIRA INVASAO
HOLLANDEZA

Chegado ao fim de seu governor, logo Diogo de Menezes subs-
tituido por Gaspar de Souza. Dois os factos importantes realisa-
dog em sua administration: A expulsio dos francezes do Maranhao,
levada a effeito por Jeronymo de Albuquerque, auxiliado por Ale-
xandre de Moura, e a fundacio da capitania do Para, por Fran-
cisco Caldeira Castello Branco.
Morto Francisco de Souza, Governador do Sul, logo o Bra-
sil reduzido de novo a umn s6 governor, corn sede na Bahia, e por
isto Luiz de Souza, filho deste, nomeado para substitute de Gas-
par de Souza. ,Dois os factos importantes dados no governor de
Luiz de Souza: A Creacdo do estado do Maranhio pela reuniio
das antigas capitanias do Para, Maranhao, Piauhy, Ceara corn o
seu governador, Francisco Coqlho de Carvalho; e, finalmente, a
morte de Felippe 3.", e a ascengfio ao throno de seu filho Felip-
pe 4..
E assim n6s agora chegados ao period mais grave para o
Brasil; ao ponto mais doloroso e ao mesmo tempo ao mais nobre







45

pelos feitos e dedicacao de seus filhos, em guerra constant du-
rante 28 annos contra os Hollandezes.
A Hollanda, fundada em 1559 e em guerra constant corn
a Hespanha desde o reinado de Felippe 2.0, comtudo, agora, ella
em descanco apparent, por causa da tregoa de 12 annos, assignada
por Felippe 3. em 9 de Abril de 1609. A Republica da Hollanda,
verificado por ella proximo o finm da tregoa, ambiciosa da posse
das grandes riquezas auferidas pela Hespanha e levadas do Bra-
sil para a Europa em seus navios, a semelhanca do acto ja por
ella praticado em 1602, corn a organisagio de uma companhia, de-
nominada das Indias Orientaes e destinada unicamente a
diminuicgo do poderio da Hespanha, na Asia, ella logo em organi-
sagao de uma outra companhia corn a denominacao de Indias
Occidentaes e corn o fim exclusive da posse de aigum terreno
brasileiro e dos thezouros transportados pelos navios Hespanhoes.
Por esta companhia, organisada corn um capital de vinte mi-
lhbes de Florins, preparada uma esquadra composta de 23 na-
vios, 3 hiates, 500 canh6es, 1700 soldados, 1600 marinheiros, corn o
seu almirante Jacob Willekens, seu vice-almirante Pieter-Heyn,
e sob o commando em chefe de Joio Van Dorth, destinado a fu-
turo Governador das terras conquistadas, e assim resolvida a inva-
sdo no Brasil, e, ap6s quatro mezes de viagem, a esquadra toda an-
corade na Bahia de Todos os Santos, no dia 8 de Maio de 1624, me-
nos o navio de Joio Van Dorth, por atirado pelas correntes ocea-
nicas A Costa d'Africa. %
Ancorados os navios e assumido o commando das tropas por
Albert Schouten, na falta de Joao Van Dorth atrazado em via-
gem, logo, no dia seguinte 10, a cidade sitiada, tomada, preso o seu
Governador Diogo de Mendonga e remettido para a Hollanda e,
no dia 11, estabelecido o dominion Iollandez no Brasil na pessoa
de Joao Van Dorth seu Governador; e, por julgada desnecessaria,
retirada parte da esquadra para a Europa.
Reconhecido pela carta Vias de Successio-, Mathias de
Albuquerque, entao Governador de Pernambuco, substitute legal
de Diogo Mendonga Furtado, e, como ainda ndo chegado A Bahia,
logo escolhido para a administracgo e direcgio da guerra, por
necessidade e pela opinido public, o Bispo D. Marcos Teixeira,
atW a chegada do Governador. Muitos, grandes e relevantes os ser-
vigos prestados nesta 6poca por este Bispo! Taes como: A en-









trega do commando das tropas a Lourenco Cavalcanti e Antonio
Cardoso de Barros, e o sitio da cidade de Sdo Salvador. Ja agora
corn a chegada de Mathias de Albuquerque para Governador, e
a de Francisco de Moura, enviado por Madrid para Commandan-
te em chefe das tropas da Bahia, cada vez mais apertada e dif-
ficil a situacgo dos Hollandezes; pois tudo entire estes em com-
pleta desordem e desharmonia, apoz a retirada de parte da sua
esquadra para Hollanda: Joio Van Dorth, cahido em uma embos-
cada e morto pelo capitdo Francisco Padilha; Alberto Schouten,
seu successor tambem morto poucos mezes depois; Willem Schou-
ten, irmio e successor deste, tambem deposto pelos soldados, de-
vido a sua lascivia e embriaguez, e logo substituido por Joao Er-
nesto Kiff.
Uma verdadeira mixordia entire os Hollandezes! Preparada
pela Hespanha, num acto de dedicado interesseira, uma pode-
rosa esquadra composta de 12500 homes, 52 navios de guerra,
dos quaes 29 hespanhoes e 23 portuguezes, tudo isto devido aos
graves acontecimentos passados no Brasil, aquelles sob as ordens
de D. Joao Fajardo e estes, sob as de D. Francisco de Almeida
e todos sob o commando em chefe de D. Fradique de Toledo Ozo-
rio; zarpada da Europa em 1624, logo a 29 de Marco de 1625 em
frente A cidade de S. Salvador; occupada a barra, impedida assim
a sahida dos navios hollandezes e feito o cerco da cidade, estes,
na impossibilidade de accdo contra os atacantes por terra e por
mar, logo elles com o pedido de capitulacao feito pelo seu com-
mandante Hans Ernest Kiff; taes as bases desta capitulacgo; Troca
mutua dos prisioneiros; entrega, pelos hollandezes de toda a ar-
tilharia, armas munig6es, navios e dinheiro; e da parte dos portu-
guezes: Dadiva de alguns navios para a retirada daquelles para
a Hollanda.
Assim no dia 1.0 de Maio de 1625, logo por todos os pontos
do continent espalhadas as bandeiras portuguezas e hespanholas
em signal de regosijo pela restauracgo da cidade, ja agora sob
o commando de D. Francisco de Moura Rollim, Governador Ge-
ral, substitute de Mathias de Albuquerque, aquelle, nascido em
Pernambuco na cidade de Olinda em 1580, 1.* poeta brasileiro e
tambem o 2.0 brasileiro incumbido do governor de ndssa patria.
Em 1626, novo Governador do Brasil D. Diogo Luiz da Sil-
veira em substituiceo de Francisco de Moura Rollim. Mas, os Hol-







47

landezes embora vencidos, comtudo- nunca esquecidos do Brasil,
e este, apezar das tentativas de invasao realizadas por aquelles
em 1628, mais on menos sempre em paz atW 1620.



CAPITULO XIII

SEGUNDA INVASAO HOLLANDEZA; FUNDACAO DO
ARRAIAL DE BOM JESUS

Nesta epoca, preparada pela Hollanda uma grande esquadra,
composta de mais de 70 navios, 1200 canhoes, 3600 soldados, mais
de 3000 marinheiros, com seu general Weerdemburch, corn seu
almirante Pieter Adryens, tudo sob o commando em chefe de
Loncq, e assim em direceao ao Brasil; porem agora ndo contra a
cidade de S. Salvador, mas sim contra Pernambuco, ponto por
ella escolhido por causa da riqueza desta capitania e, por isto
mesmo, a mais ambicionada por todos.
Chegada esta esquadra a Pernambuco, desembarcados 2000
homens, corn algumas peas de artilharia no logar denominado
Pau Amarello, logo estes,apoz quatro dias de sitio em continues
ataques contra Olinda, senhores desta cidade, apezar dos heroi-
cos esforcos empregados por Mathias de Albuquerque em sua
defeza.
Julgada por este impossivel a defeza de Recife, e, depois de
incendiados os armazens e os navios ancorados no porto, passado
a outra margem do rio Capiberibe, ahi fundado o arraial do Bom
Jesus, logo por elle iniciadas as guerrillas, conhecidas pelo nome
de Companhia de Emboscadas, na direccao das quaes grande a
concurso prestado pelo indio Poty, Vidal de Negreiros, o preto
Henrique Dias e outros.
'A Corte de Madrid, sabedora do prepare de uma grande es-
quadra contra o Brasil, sem mais detenga, logo por ella preparada
uma esquadra composta de 19 navios, 34 transportes corn 2000
homes e 439 peas, e sob o commando de D. Antonio Oquendo,
e enviada em defeza do Brasil.
Quaes os feitos desta esquadra? No primeiro encontro no
grupo dos Abrolhos, victoria indecisa; no segundo encontro na









Parahyba, no terceiro no Rio Grande do Norte, e no quarto emi
Pernambuco, complete victoria dos portuguezes, corn a tomad'a
pelos mesmos do Forte de Cabedello e consequente derrota dos
Hollandezes em Santo Agostinho e Nazareth.
Entretanto, agora, grandes as victorias dos hollandezes sohb'e
os portuguezes, devidas a passage do portuguez Calabar para o
lado dos hollandezes; taes os seus feitos: A tomada da Villa doe
Iguarassfl, do Forte do Rio Formozo e do dos Tres Reis Magos. e
neste encontrado ainda preso o indio Jaguary, tio do indio Poty,
ambos celebres e dedicados auxiliares dos portuguezes, e final-
mente a tomada da ilha de ItamaracA, do cabo de Santo Agos-
tinho e a' submissdo da Parahyba.
Apoz estas victorias, ainda uma outra alcaneada pelos hollan-
dezes sobre os portuguezes; A destruirdo complete de uma ar-
mada enviada por Portugal e composta de 7 navios e 600 homen;
e sob o commando de D. Francisco de Vasconcellos da Cunha.
Mathias de Albuquerque, sitiado por todos os lados e reconheci-
da por elle a impossibilidade de sua permanencia no arraial de
Bom Jesus, logo de nova resolucao tomada: A sua passagenm
para Alagoas acompanhado de 8000 pessoas. Agora um grande
desastre para as forcas hollandezas: Picard convencido por Se-
bastiao de Souto, (este, A semelhanca de Cabral, em uniio appa-
rente corn aquelle) das diminutas forcas de Mathias de Albu-
querque, logo em ataque a este, porem infeliz por derrotado por
elle, e alem disso, pela prisao de Calabar, e este enforcado no dia
22 de Junho de 1635, em paga de sua traicao a sua Patria. Pre-
parada uma expedited por Felippe 4. composta de 1700 homes
sob o commando de D. Luiz de Rojas y Borja, substitute de Ma-
thias de Albuquerque e nella embarcado Pedro da Silva cWnmo,
Governador Geral; chegada a Alagoas e ordenda pelo comman-
dante uma march por terra em direccio a Porto Calvo, logo es-
ta completamente derrotada pelo chefe hollandez e nessa lyata-
lha tambem morto o chefe espanhol, apezar dos reforcos tra-
zido por Camario e Henrique Dias. Assumido o commando tropas pelo conde de Bagnuolo e iniciado por elle um system de
guerrillas, dirigidas por Camardo, Vidal de Negreiros, Souto
e Henrique Dias, muitos os damnos causados por estes guerreiros
aos hollandezes.







49

CAPITULO XIV

GOVERNOR DE MAURICIO DE NASSAU; VOLTA DO BRASIL AO
DOMINIO tORTUGUEZ; ACLAMACAO DE D. JOAO IV; FIM
-DA GUERRA HOLLANDEZA

Assim agora a fortune adversa aos portuguezes coui a che-
gada de Mauricio de Nassau, nomeado Governador Geral do Bra-
sil hollandez em 1637.
0 Conde de Bagnuolo, apezar da resistencia empregada por
Camarao e sua mulher D. Clara Henrique Dias e outros, comtudo
obrigado a fuga durante a noite e a sua retirada para alem do Rio
Sao Francisco.
Mauricio de Nassau, senhor de todas as terras at6 o Rio Soe.
Francisco, logo por elle iniciada uma series de reforms, facto-
xas de sua gloria: A fundagco do Forte Mauricio; o esquecimento
dos factos passados; a liberdade religiosa; a protecAo a agri-
cultura, sciencias e artes; a restriceo do monopolio commercial
da Companhias das Indias Occidentaes; e, finalmente, a reedifi-
cacao de Olinda.
Animados por todos estes factos e, por ordem da Hollanda,
logo Mauricio de Nassau em direccao a Bahia para sua posse, po-
rem daqui repellido devido ao auxilio prestado por Bagnuolo ao
Governador Geral Pedro Silva. Chegado D. Fernando Masca-
renhas como novo Governador e logo travada uma batalha, com-
posta de 60 navios portuguezes contra 40 hollandezes, e embora de
resultado favoravel Aquelles, com tudo no dia seguinte elles com-
pletamente derrotados pelos hollandezes.
Corn a chegada a Sao Salvador, no dia 5 de Junho de 1640,
de D. Jorge de Mascarenhas com o titulo de Vice-Rei e Capit5o
General de Mar e Terra, Empreza c Restauracio do Brasil, as
cousas um pouco mudadas; mas, operada em Portugal a sua res-
tauracao no dia 1. de Dezembro de 1640, com a proclamacao do
Duque de Braganca, como Rei de Portugal, sob o nome de D.
Jodo 4. e este aclamado e reconhecido em todas as capitanias,
logo D. Jorge de Mascarenhas, preso e remettido a Portugal, por
causa da sua indecisdo na aclamacgo do novo Rei; e a direccao
do Brasil confiada a um governor interino do Bispo D. Pedro da
Silva, do Mestre de Campos Luiz Barbalho e do Provedor-mor






50

Louren9o de Britto Correia, at6 a posse de Antonio de Telles da
Silva, em 26 de Agosto de 1642, nomeado, por D. Joao 4.0, Gover-
nador Geral do Brasil.
Cessada a causa da invasao hollandeza no Brasil, devida a ri-
validade existente entire Hespanha e Hollanda, agora em paz, bern
just para cessada a invasao dos hollandezes no nosso Brasil, um.
vez passado este para o dominio de Portugal. Ndo assim entre-
tanto acontecido; muitas as luctas travadas atW a expulsao dos
invasores, e quasi todas favoraveis aos portuguezes.
Embora assignado o tratado de paz entire Portugal e Hollanda,
comtudo nunca cessadas as guerrillas de parte a parte, e isto tudo
devido a D. Joao 4. e a Nassau, intrigantes occultos de seus respe-
ctivos compatriotas.
* Estes os factos mais importantes succedidos at6 a sahida de
Nassau em 1644: A expulsao dos hollandezes do Maranhdo; a
posse do Forte denominado Calvario de Itapicfi no CearA; a ne-
meaq~a' de Vidal de Negreiros para Governador desta capitania;
o embarque de Nassau para Europa; e o governor interino hol-
landez.
Apoz a partida de Nassau, estes os acontecimentos: A insur-
reicao penambucana pregada por Vidal de Negreiros, auxiliado
por Antonio Dias Cardozo, Camardo, Henrique Dias, Joao Barba-
Iho e outros, corn o fim exclusive da expulsao difinitiva dos hol-
landezes do territorio brasileiro. Assim, depois de iniciada a in-
surreic.o pernambucana, taes os factos succedidos: A victoria dos
independents no Monte das Tabocas; a perda da batalha naval
em Tamandar6; a tomada pelos portuguezes da Casa Forte, corn
a capitulagco de Hndrick, commandant hollandez; a tomada da
Fortaleza de Nazareth e em seguida de Olinda, e dos Fortes de
Porto Calvo, Mauricio e Sergipe Del-Rei; a victoria da batalha na-
val de Recife e a derrota dos portuguezes na de Itaparica.
A Hollanda, apoz o desastre naval de Recife, logo em recla-
macao continue a D. Joao 4. para execucao do tratado de paz;
por este, ordenada apparentemente aos Independentes a cessacao
das hostilidades, comtudo em nada attendido e a elle por elles en-
viada esta resposta: "Primeiro a expulsio dos invasores e depois
n6s promptos para o castigo dado por V. M. a este nosso acto".
A vista disto, logo dimittido Telles da Silva e substituido por







51


Telles de Menezes, 20.0 Governador, como satisfaccgo dada a
Hollanda.
Sabedor D. Joao 4. do preparo de uma esquadra pela Hol-
landa, composta de 44 navios e 10.000 homes, secretamente con-
tra o Brasil, logo tambem por elle do mesmo modo despachado
Barreto de Menezes para commandant do exercito em Pernam-
buco; entretanto este, na passage pelas costas da Parahyba,
preso, e logo retido durante nove mezes, e mais tarde posto em li-
berdade pela generosidade de um rapaz hollandez chamado Fran-
cisco Brant, e, apoz muitas difficuldades, por elle alcangado o
acampamento de Joio Fernandes Vieira; uma vez aqui qhegado e
entregue o commando das tropas por este Aquelle, e estes agora
resolvidos a expulsio diffinitiva dos hollandezes; taes os fa-
ctos agora dados: A primeira batalha dos Montes Guararapes em
19 de Abril de 1648, ganha pelos Independentes com a prisao do
Coronel Rener, chefe dos hollandezes; a tomada de 33 bandeiras
e duas peas de artilharia, alem de 500 homes mortos, 523 feri-
dos e 200 prisioneiros; a segunda batalha dos Montes Guararapes
em 19 de Abril de 1649, tambem ganha pelos Independentes, corn
a perca da parte dos hollandezes de seu chefe Van Den Bricke,
92 officials, 957 mortos, alem de 100 prisioneiros, 11 bandeiras e
toda artilharia.
Depois desta victoria dos Independentes, tudo mudado para
peor para os hollandezes, em razao dos seguintes factos: A che-
gada de Rodrigues de Vasconcellos de Souza como 21.0 Governa-
dor em substituigio a Telles de Menezes; a fundagio da Compa-
nhia de Commercio do Brasil contra a Companhia das Indias Oc-
cidentaes e a defesa dos navios mercantes na sua travessia a
Portugal.
Finalmente agora enviada por D. Joao IV uma es(uadr;: com-
posta de sessenta navios, sob o commando de Jacque.s de Maga-
1haes para bloqueio dos hollandezes. Segismundo, chefe Hollandez,
atacado por mar por Jacques de Magalhaies, e por terra, ao
mesmo tempo, pelos Independentes, abandonado o Forte de S.
Jorge e Barreto, e assim corn suas forgas de rota ao Recife e
ahi concentrado.
Verificada a impossibilidade de sua permanencia no Bra-
sil, logo por elle resolvida a capitulacaio, e para isso enviado um
emissario a Barreto de Menezes corn o pedido de nomeacdo









de commissarios para redacqio dos artigos da capitulaio; no-
meados estes a 24 de Janeiro de 1654, no dia 26, logo por Se-
gismundo e Barreto de Menezes assignada a capitulacao deno-
minada da Taborda. Assim, no dia seguinte, 27, logo tomada
posse da cidade do Recife por Joao Fernandes Vieira em nome
do Rei de Portugal, D. Joao IV. Bem merecida esta honra con-
ferida a Joao Fernandes Vieira para posse da Cidade visto co-
mo a elle, o maior cabo de guerra, todas as victorias devidas.
Mais duas honras por elle recebidas: Uma de D. Joiio IV pelos
grandes servigos prestados e sob a denominagao de "Conselheiro
de Guerra, Capitfio General e Governador de Angola"; e outra,
conferida pelo Papa Innocencio X sob o titulo de "Restaurador
da Egreja na America".
Finalmente, assignado em 1661 em 16 de Agosto, o definitive
tratado de paz entire Hollanda e Portugal, na cidade de Haya.
Se pela capitulaco, os hollandezes obrigados a entrega da
Cidade e de todas as pragas por elles occupadas, agora pelo de-
finitivo tratado de paz, Portugal obrigado ao pagamento de qua-
tro milh6es de cruzados, importancia correspondent a mil nove-
centos e vinte contos de r6is, na razdo de quatrocentos e oitenta
reis cada cruzado, e restituigco da artilharia.



CAPITULO XV

UM RETROSPECT AO ESTADO DO BRASIL
DESDE 1624 atW 1661

MARANHAO

Nesta capitania, grandes revoltas e indisposicgo dos colo-
nos contra as ordens positivas, para extinciio da escraviddo dos
indios, trazidas e postas em execugco por Frei Christovam de
Lisboa; a expulsio dos hollandezes e inglezes estabelecidos na
margem amazonica da Guyana; a fundacgo da capitania brasi-
leira do Cabo do Norte por D. Joao IV em 14 de Julho de 1637;
e a primeira exploraoo do Rio Amazonas feita por Pedro Tei-







53

xeira e por ordem de Raymundo de Noronha, Governador desta
Capitania.
PARA'

Nesta, a falta de execucao do alvara de Frei Christovani de
Lisboa em razio da opposiqao dos colonos; a subida de Pedro
Teixeira pelo Amazonas em 1637; a sua chegada a Quitos; e,
na sua volta, a posse authentic de cem leguas, acima da con-
fluencia do rio Napo como o Amazonas, para a Cor6a de Por-
tugal, em 16 de Agosto de 1639.


BAHIA

Nesta, a oppressao do jugo hollandez e a supressio de sua
relagqo em cinco de Abril de 1626.


ILHE'OS E PORTO SEGURO

Estas, em complete decadencia.


ESPIRITO SANTO

Esta em prosperidade denotada pela repulsa do ataque dos
hollandezes, em 1640, pelo seu Governador Joao Dias.


RIO DE JANEIRO

Esta, em prosperidade, mas corn continues luctas centre os
colonos e os jesuitas por causa da escravidao dos indios. Inva-
dido o territorio das misses de Guayra e o da margem esquerda
do Parana pelos paulistas para a capture dos indios e a conse-
quente venda dos mesmos como escravos no Rio de Janeiro, os
jesuitas, enviados os Padres Luiz Mantoya a Madrid e Francisco
Tanho a Roma, corn cartas de reclamagco a favor dos indios, res-
pectivamente, ao Rei e ao Papa, entio, Urbano VIII e deste re-
cebida uma bulla, confirmante A de Paulo III em relagco aos in-
dios do Peril, e aqui para posta em execucio, pela qual escom-







54


mungados todos os detentores presents e futures, dos indios em
captiveiro, apresentada a bulla A Camara e ao povo, logo estes
revoltados contra elles e assim nada pelos jesuitas alcangado em
relacio A liberdade dos indios.

SAO VICENTE

Si graves os acontecimentos no Rio de Janeiro por causa da
execucao da bulla, maiores os acontecidos em Sio Vicente e Sao
Paulo; pois, de ambos expulsos os jesuitas, e si estes admittidos
mais tarde pela Capitania de Sao Vicente, ndo assim em Sao Paulo,
onde tudo preparado para a lucta.
Alem disso, conhecida nesta Capitania a elevacio de D.
Joao IV ao throno portuguez, logo Amador Bueno acclamado Rei
de Sao Paulo pelos paulistas, acclamagao porem por ellc regeitada.
Assim agora, devido a intervencio do Governador SA e Benevi-
des, logo feita a paz entire paulistas e jesuitas, porem, mesmo
assim, s6 muito mais tarde estes admittidos em Sao Paulo.



CAPITULO XVI

REINADO DE AFFONSO VI; JUNTA DO COMMERCIO

Apezar de restabelecida na Bahia a Relacao, comtudo muitos
ainda os melhoramentos necessarios no Brasil, quer em relagao a
administracgo, quer em relacao A necessidade de defesa das ca-
pitanias, quer em relagio a conquista do interior do Paiz e des-
cobrimento de minas, quer em relagio A Companhia Geral do
Commercio, oppressora do povo e dos commerciantes.
Devido as constantes reclama6es feitas pelo povo e pelos
Governadores contra a dita companhia, logo ella por D. Affonso
VI, successor de D. Joao IV, transformada em outra corn a denomi-
naefio de Junta do Commercio, incumbida, entire outras cousas,
da fixaiao dos fretes e da fiscalisagco do pio Brasil. Entre-
tanto organisada uma nova Companhia de Commercio para o
Maranhio, mas, por falta de cumprimento dos deveres desta, lo-.
go declarada uma revolta no Maranhio, conhecida pelo nome de







55

Revolta de Bekman, e por elle feita a deposigco do Governador
Balthazar Fernandes, a extincego da Companhia, a expulsdo dos
jesuitas e o governor entregue a uma junta chamada dos Tres
Estados.
Chegado Gomes Freire de Andrade como Governador, em
15 de Maio de 1685 apoz dissolvido o governor illegal, elle, tomada
posse, restabelecida a paz, os jesuitas e a Companhia, logo por
elle ordenada uma devassa para punicao dos culpados; mas, fa-
cto curioso e indigno do seu praticante: Manoel Bekman, j. es-
capo e agora refugiado e escondido em sua fazenda de Mearim,
comtudo ahi preso pela denuncia dada por seu afilhado e prote-
gido Lazaro de Mello.
Para tio horrenda ingratiddo, s6 mesmo um castigo equiva-
lente: Lazaro, opprimido pelo remorso e sem ponto de apoio em
parte alguma para descanso do corpo, e por todos despresado,
logo por si mesmo garroteado em um engenho de sua propric-
dade; sim, justiga feita por suas proprias mios.
Mas, facto notavel naquelle tempo e talvez mesmo hoje:
Morto Bekman, confiscados todos os seus bens e levados a' hasta
public, estes logo arrematados por Gomes Freire de Andrade e por
elle doados A viuva e As filhas do desventurado revolucionario!



CAPITULO XVII

REPUBLICAN DOS PALMARES; SUA DESTRUIQAO

Impossibilitados os portuguezes na consecucro da escravi-
dao, devido A grande opposicio feita pelos jesuitas e pelos Go-
vernadores, logo elles de intent mudado e corn as vistas volta-
das para a Africa, para a prisio do negros e a sua venda no Bra-
sil como escravos; e nisto apoiados pela Corte de Portugal, por
causa do imposto por ella cobrado, na imprtancia de dezesseis
cruzados, ou 7$680 por cabeca.
Quaes os meios empregados pelos portuguezes para escravi-
dio destes homes, livres em sua patria? Muito simples: Cada
negro trocado por missangas de vidro, ou por uma garrafa de
cachaca, on por umna faca de aco, ou finalmente ate por um 1)e-







56

dago de panno da Costa riscado; depois, cada umn delles marca-
do corn um .ferro em braza para verjficaq.o em caso de fuga;
depois amontoados aos quatrocentos c quinhentos no porao dos
navios, quasi nfis e em complete ausencia de luz e ar; embora tra-
zidos cada dia A cobertura do navio, mesmo assim enorme a mor-
tandade por falta de espaco, ar, luz e hygiene; de sorte que, na
estreita travessia do Atlantico entire a Africa e o Brasil, immense
o imposto cobrado pela morte; e assim iniciado o trafego dos ne-
gros da Africa para o Brasil, mancha ennodoante A alma na-
cional durante quasi Ires seculos, e s6 estincta pela lei aurea as-
signada por Isabel, a Redemptora.
No tempo por6m da invasio hollandeza, os negros, aprovei-
tada a confused estabelecida, logo estes de fuga para as mattas
e aos poucos reunidos em Palmares, na serra da Barriga, em
numero superior a trinta mil, e assim formada uma republican,
sob o governor de umn chefe denominado Zumbi.
Grandes os males produzidos por esse grupamento de negros,
devido As depredac6es por elles commetidas nas fazendas.
Francisco Barreto de Menezes, Governador Geral, no afan da
destruicao dessa republican, logo por elle preparada uma espedi-
cdo e enviada contra os mesmos, mas de resultado negative em
raz~o da sua complete derrota.
Mais de vinte espedicSes enviadas por este Governador Geral
e pelos seus successores contra a republican dos Palmares; e to-
das sempre derrotadas.
No governor de Mathias da Cunha, um sertanejo paulista
chamado Domingos Jorge Velho, logo elle coin umna proposta ao
Governador, em 1687, para destruigio dos Palmares, sob a con-
dicilo da posse das terras por elle conquistadas e dos escravos
por elle aprisionados; firmado o contract, em 3 de Marco do
mesmo anno, logo Domingos Jorge Velho a frente de mais de sete
mil homes para combat aos negros, na serra da Barriga. As-
sim iniciada a lucta, corn a duracio de dez annos, serm um so
moment de treguas ate a final destrui~io dos Palmares, sem o
aprisionamento de um s6 escravo; pois Zumbi, seu chefe, em
ultimo estremo, reunidos os seus fieis companheiros restantes e
levados ao alto da Serra da Barriga, ahi animados pelas suas pa-
lavras e apontado aos mesmos de um lado o captiveiro e a vida e,
do outro, a morte e a liberdade; de um lado, aquellas planicies,









testemunhos authentibos, da sua vida de infancia, e, do outrt lado,
aquellas serras reproductoras dos seus echos em victoria; abra-
cado singularmente cada um de seus fieis companheiros, humi-
decido o solo da patria corn uma derradeira lagrima, logo elle
despenhado por si mesmo do alto da montanha!...............
........... Silencio! ............. .............. Lugubre, m as
nobre feito para sempre inarcado em nossa historic patria! Si-
lencio! ......... Silencio m aior ainda!........................
Assim agora cada um de seus companheiros, uns apoz ou-
tros, atirados por si mesmos em seguimento ao seu chefe! Nem Ti-
radentes, sacrificado no patibdlo, mais nobre que este Zumbi! Pois,
si aquelle, nobre pelo sacrificio obrigatorio, este mais nobre ainda,
pelo vdluntario.
Domingos Jorge Velho, ignorante este facto, penetrado no ar-
raial de Palmares, certa da capture dos negros, mas em complete
desaponto, por s6 nelle encontradas mulheres e creancas, e fa-
Iho portanto um de seus pianos, a escravidio dos negros; e assim
terminada a guerra dos Palmares e destruida a sua Republica.



CAPITULO XVIII

GUERRA DOS EMBOABAS

Chegada a S. Paulo a noticia do descobrimento de ricas mi-
nas de ouro, em Minas Geraes, pelos portuguezes, os paulistas,
preparada por elles uma bandeira sob a direcgco de Carlos Pe-
droso da Silva e Bartholomeu Bueno, logo elles de viagem para
Minas Geraes; verificada a existencia desse sempre ambicionado
mineral, remettidas amostras a Corte de Lisboa, logo por estes
dois paulistas obtidos os titulos de Guarda-mor e Escrivio das
minas, respectivamente.
Devido A grande affluencia a este logar, tanto de portuguezes
como paulistas, logo estabelecida entire elles uma grande rivali-
dade, emanada do ciume e cobica, e aquelle mais tarde trans-
formado em odio.
Tal o inicio da guerra dos Emboadas, nome dado pelos in-
dios aos portuguezes em razio de suas vestes.







58


Corrida a noticia dos preparativos dos paulistas para um
ataque aos portuguezes, estes guiados por Manoel Nunes Vianna
e sob o commando de Amaral Coutinho e aquelles sob o de Do-
mingos da Silva Monteiro; e assim chegados As vias de facto, em
uma batalha pelejada junto a um rio, depois denominado rio das
Mortes, e nella desbaratados os paulistas c os sobreviventes ides-
tes, passados a fio de espada, e em seguida Manoel Nunes Vian-
na acclamado Governador de Minas Geraes pelos portuguezes.
Antonio de Albuquerque Coelho de Carvalho, novo Gover-
nador do Rio de Janeiro em substituigio a D. Fernando d( Lan-
castre, sabedor destes factos, logo elle de viagem para Minas pa-
ra restabelecimento da paz e na verdade por elle conseguida corn
a obdiencia de Nunes Vianna e da desistencia deste do cargo de
governador de Minas Geraes.
Os paulistas, encorajados pelos seus paes, esposas c irmnios
para umia desforra contra os portuguezes, reunidos aquelles em
numero superior a mil, dirigidos para Minas Geraes sob o com-
mando de Amador Bueno da Veiga, acampados junto ao rio
das Mortes, mas, sabedores da march dos portuguezes contra el-
les e receiosos de uma nova emboscada e complete destruicao,
logo, desistidos do seu intent, de volta a S. Paulo e assim ter-
minada esta guerra, devido em grande part a creagao da Ca--
pitania de Minas Geraes e S. Paulo, independent da do Rio de
Janeiro.



CAPITULO XIX

GUERRA DOS MASCATES

Mal acabada a guerra dos Emboabas em Minas Geraes, em
1709, e jA outra rebentada em Pernambuco, corn a denomninacao
de Guerra dos Mascates, em 1710.
Embora a cidade de Olinda, a mais prospera de todas antes
da invasao hollandeza, comtudo, depois desta, em complete de-
cadencia; Recife, pelo contrario, decadente antes da invasio, e
agora em franca prosperidade; al6m disto, Olinda s6 habitada
por brasileiros, e Recife s6 habitado por portuguezes; aquella,







59


cidade, e esta, nem ao menos villa; aquella, cidade capital e s6de
de governor, e esta, della dependent.
Os portuguezes, julgados humilhados por todas estas cousas,
logo elles corn urma petigco a Corte para a elevacao de Recife
A cathegoria de Cidade e de facto por elles alcancado o seu ob-
jectivo e assim cada vez mais exaltados os animos entire Olin-
denses umn protest ao Governador, por intermedio do president
mascates, nome dado por aquelles a estes, em razao de sua venda
ambulante. Nomeados Sebastiao de Castro Caldas, entao gover-
nador, e o Doutor Luiz de Vasconcellos Ortiz, entao ouvidor, pa-
ra a demarcacao dos limits da nova cidade, estes logo em de-
sintelligencia quanto a certas povoacoes, taes como, Cabo, Ipo-
juca e Morib&ca, sempre pertencentes a Olinda, mas agora, por
desejo do governador, passadas para Recife, contra a vontade
do ouvidor. Si grande jA a desharmonia existente entire brasi-
leiros e portuguezes pela elevaclo de Recife A Villa, maior ainda
agora pela passage daquellas povoac6es para esta.
Mesmo assim, marcados os limits segundo os desejos do
Governador, e levantado occultamente e durante a noite, na pra-
ca principal, o pellourinho, symbol da autoridade e da justice,
logo Recife elevado a cathegoria de cidade. Feito pelos Olin-
denses um protest ao Governador, por intermedio do president
da Camara, contra o seu acto, logo por ordem sua press o pre-
sidente e diversos brasileiros mais exaltados, e desenvolvida unia
series de perseguic6es, e daqui muitas as luctas sanguinolentas
travadas, em urma das quaes, o Governador ferido por um tiro.
O Bispo D. Manoel Alvares da Costa, substitute legal do
Governador, no impedimento deste, logo de viagem pela sua dio-
cese, e acompanhado por um official implicado no attentado con-
tra o Governador; enviadas tropas para prisao daquelle e nao
realisada esta, pela opposigio do Bispo, e assim aberta umna nova
desintelligencia entire os dois.
Sitiado Recife pelos Olindenses, em numero superior a vinte
mil, e derrubado o pellourinho, logo estes senhores desta cidade:
e apesar dos reiterantes pedidos para a paz feitos por Sebastiio
de Castro Caldas, e nunca attendido, fogo este obrigado a umni
retirada rapida para a Bahia, e assim o governor passado para
as milos do substitute legal, o Bispo D. Manoel Alvares da Costa.







60

Bernardo Vieira de Mello, sargento-mor de Olinda, home
intelligence mas sanguinario, duvidoso da amnistia trazida pelo
novo Governador, ja de viagem para o Brasil, aquelle logo de
embarque para o Recife; aqui chegado, muitas as desordens fei-
tas entire os seus ioldados e os de Recife, e por imposicao sua, o
Bispo obrigado A punigio dos seus; os soldados do Governador,
irritados corn tal procedimento de Vieira, logo estes de armas em
maos e este obrigado a fuga juntamente corn os seus commanda-
dos e logo depois preso, e esta prisio confirmada pelo Bispo.
A Corte de Lisboa, scientificada das graves occurrencias no
Brasil, logo por sua ordem determine a prisio do Governador,
unico responsavel por taes desgracas e a sua substituigco por
Felix Jose Machado de Mendonga e este bem recebido por todos
na sua chegada ao Recife, em 8 de Junho de 1711.
Finalmente, por ordem de D. Joao V, annuladas as pris6es
feitas por Sebastido de Castro, logo terminada essa luta em 1714.



CAPITULO XX

COLONIA DO SACRAMENTO

D. Pedro II de Portugal, desejoso da fixacdo dos limits no
Sul do Brasil, logo por sua ordem determinado a D. Manoel
Lobo, Governador do Rio de Janeiro, a sua ida ao rio da Prata
e a fundagio de uma colonia na Ilha de S. Gabriel, ou no ponto
mais convenient; este, subido o dito rio e chegado proximo da
citada Ilha, logo por elle fundada, no continent esquerdo do rio
da Prata, urna colonia denominada Colonia do Sacramento, em
1697, mais tarde verdadeiro porno de discordia entire Portugal e
Hespanha, e depois entire Brasileiros e argentinos.
Sustentada por D. Pedro II a pretenqio de Carlos d'Austria,
apoiada pela Allemanha, Hollanda e Inglaterra, ao throno hes--
panhol, por morte de Carlos II, contra Felippe d'Anjou, neto de
LuizXIV, entao Rei de Franca, logo daqui nascida uma desaven-
ca entire Portugal e Franca, e por isso a invasdo dos francezes
no Brasil, dez annos depois deste facto, ja entao no reinado de
D. Joao V. Preparada uma frota composta de cinco navios, en-









tregue o commando da mnesma a Francisco Duclerc, zarpados
do porto de Breste em direccio ao Rio de Janeiro, aqui chegados
em 11 de Agosto de 1710, apoz forcada a entrada da barra do
Rio de Janeiro e nisto obstada pelas fortalezas, logo em seguida
Duclere em direcgio a Ilha Grande e ahi desembarcados mil ho-
mens; estes, em march forcada durante sete dias atravez de
montanhas e caminhos incognitos, chegados ao Engenho Velho e
aqui saqueada a fazenda dos jesuitas, logo estes de caminho pa-
ra a cidade do Rio de Janeiro e na Lagoa da Sentinella (hoje
Ruas Frei Caneca e Areal) atacados por estudantes guiados por
Amaral Gurgel, mas estes completamente derrotados; seguidos
daqui os francezes, ao morro de S. Thereza e ahi dado novo en-
contro entire elles e estudantes, agora guiados por Frei Francisco
de Menezes, e assim estes apoz renhida luta, tambem derrotados;
depois disto, em seguida pelas actuaes ruas da Ajuda e S. Jos6
e travada uma peleja coin as forcas dd Gregorio Castro de Mo-
raes, logo Duclere derrotado e apoz a sua rendicao corn seiscen-
tos soldados e seis canh6es, encurralado no trapiche da cidade.
Francisco de Castro Moraes, Governador da cidade, entrin-
cheirado com oito mil homes, no Campo do Rosario, a es-
pera do ataque dos francezes, sabedor da reclusio de Duclerc no
trapiche, logo elle com uma intimacio ao mesmo para sua ren-
dicao, esta s6 conseguida depois da ameaga feita da destruiAio
do trapiche por meio de uma explosao de polvora.
Rendido Duclerc com todos os seus, logo a elles dada a cidade
por menagem e aquelle com residencia no morro do Castello
e mais tarde transferido para a casa de Thomaz Gomes da Silva,
na Rua de S. Pedro, e ahi assassinado por dois mascarados no
dia 18 de Marco de 1711; e assim terminada a primeira invasio
franceza.
Portugal, sabedor dos preparativos de uma expedicio para
uma nova invasio pelos francezes no Rio de Janeiro, logo por
elle despachado Gaspar da Costa Athayde com quatro navios e
tres fragatas para a defesa do Rio de Janeiro; e, ao mesmo tem-
po, um pedido a Inglaterra para obtencio por ella da part da
Franca para desistencia desta no seu ataque ao Brasil; a Ingla-
terra, porem, impossibilitada na obtengco do desejo de Portugal.
logo por ella enviado occultamente um navio para aviso a Fran.
cisco de Castro Moraes da invasio dos francezes.






62

Partida a esquadra franceza do porto de Brcste sob o com-
mando de Duguay Trouin, composta de vinte navios, cinco mil
e seiscentos homes e setecentos c trinta c oito canh6es, esta lo-
go chegada no dia 12 de Setembro de 1711 na barra do Rio de
Janeiro; e, fundeados os seus navios junto a Armacao, logo ou-
vido os troos de sua artilharia, contra os quatro navios, tres fra-
gatas, quinze mil e seiscentos homes, alem das fortalezas de-
fensoras do porto.
Sc pessimo o procedimento de Gaspar de Castro Athayde,
entio desorientado e aterrorisado por tao forte ataque, em razdo
dos navios incendiados por sua ordem, mais indigno ainda o de
Francisco de Castro Moraes, pela sua impassividade, inercia, na
defesa da Cidade.
Depois do desembarque de tres mil e oitocentos homes na
praia do Valongo, logo a cidade sob um continue ataque de fu-
zilaria durante os dias 16, 17, 18 e 19 de Setembro e apenas
defendida por estudantes guiados por Bento do Amaral Gurgel.
A' intimagAo de Duguay Trouin feita ao Governador da cidade
Castro de Moraes, por uma energia foreada, esta a sua resposta:
-- A cidade sempre por mim defendida ate a ultima gota de
meu sangue. Nobre gesto, mas nao cumprido por elle, pois, reco-
megado o bombardeio, logo elle de fuga para o Engenho Novo
e dahi para Iguassfi, seguido de grande parte de sua tropa.
Verificada pelos habitantes da cidade a impossibilidade de
sua defesa, logo por elles enviado um emissario a Duguay Trouin
para a obtenaio da paz.
Recebido o emissario e acceita a paz, logo por Duguay Trouin
communicado a Castro de Moraes a necessidades do resgate da
Cidade, sob pena de sua destruigio, jA agora entregue ao saque,
executado pelos francezes.
Assignado o desastrado resgate em 10 de Outubro de 1711
por Castro de Moraes, logo a cidade obrigada ao pagamento de
seiscentos e dez mil cruzados, ou duzentos e noventa e dois con-
tos e oitocentos mil reis, a entrega de duzentos bois e cem caixas
de assucar.
Cousa incrivel Em trinta e tres dias, tantos os decorridos de
10 de Outubro de 1711 a 13 de Novembro de 1711, logo Duguay
Trouin embolsado naquella quantia, da qual dez mil cruzados ou
quatro contos c oitocentos subscriptos por Castro de Moraes; acto







63

nunca praticado por nacao alguma, em tao diminuto tempo! E,
para cumulo de todas as desgracas, ainda por Duguay Trouin,
incendiado o ultimo vapor portuguez existente no porto no dia
de sua partida.
Deposto Castro de Moraes pelo seu indigno procedimento, e
assumido o governor por Antonio de Albuquerque Coelho de Car-
valho, ate a chegada do novo governador Francisco Xavier da
Tavora, logo, apoz a chegada deste, Castro de Moraes condemna-
do a prisao perpetua numa fortaleza da India.
Essa sentenca, na verdade, unico acto just praticado por
Portugal, desde o descobrimento at6 a independencia do Brasil.



CAPITULO XXI

REINADO DE D. JOAO V; SEUS BENEFICIOS AO BRASIL

Por D. Joio V, elevado ao throno de Portugal por mortc de
seu pae D. Pedro II, em 5 de Janeiro de 1707, grande o desen-
volvimento e progress do Brasil, realizados em seu reinado, taes
como: A abertura de um caminho, feito por Joao de Maga-
lhies, do Rio Grande do Sul a Colonia do Sacramento, para com-
municcaao entire estes dois logares, em 1726; a fundacio de uma
povoacio junto a margem meridional do Rio Grande do Sul,
por Jos6 da Silva Paes, em 1737; a creacio da Capitania de Santa
Catharina, subordinada a do Rio de Janeiro e com seu Governa-
dor Jos6 da Silva Paes; a separagio da Villa de Nossa Senhora
do Desterro e da Colonia do Sacramento, do governor de S. Pau-
lo e subordinada ao do Rio de Janeiro, em 1742; a creacio da
Capitania de Minas Geraes, desannexada da de S. Paulo, em 1720,
corn a sua capital Villa Rica e seu Governador Lourenqo de
Almeida; a capitania de Goyaz, desmembrada da de Minas Ge-
raes em 1744, com sua capital Villa Boa e seu Governador D.
Marcos de Noronha; a creacio da Capitania de Cuyaba, sepa-
rada da de S. Paulo, em 1849 corn seu Governador D. Antonio
Rollin de Moura; a creacio do Bispado do Para em 1720, por
Clemente XI; a dos de S. Paulo e Marianna e as prelasias de
Goyaz e CuyabA, por Benedicto XIV. em 1746.







64

CAPITULO XXII

BANDEIRANTES

Grande a divida do Brasil para coin os bandeirantes pelo
reconhecimento de nossos serties! Elles, levados nio tanto para
isto, mas principalmente pelo desejo da capture dos indios por
elles reduzidos a escraviddo, e accidentalmente -A descoberta de
minas e por causa destas, agora, corn os indios escravos, o co-
nhecimento do interior do Brasil; mas, mesmo assim, a nossa
gratidao para com elles.
Embora iniciadas as bandeiras pelos paulistas no seculo XVI,
comtudo s6 mais bem desenvolvidas no seculo XVII, e por ellas
attingido o apogeu no seculo XVIII.
Para aqui transcripts, substancialmente e corn a devida ve-
nia, as palavras do nosso illustre historiador Joao ribeiro, a res-
peito do procedimento dos Bandeirantes em viagem: "Em
march no intimo das terras como sabios marujos sobre o mar,
guiados pela orientagco da Bussola e pelas noites constelladas,
assim elles aqui e alli em seguimento ao curso dos rios, ou en-
tao, estes por elles vadeados.
E assim por elles recolhidas por todo parte as legends e
histories narradas pelos indios em relacgo a paizes distantes e
a caminhos ainda nio trilhados pela civilisacio.
Quando necessaria a descida de um grande curso dagua, em
nada por elles levado em conta o tempo.
Aboletados e acampados na margem, abatidas arvores gi-
gantescas, formadas esquadrilhas de canoas corn os seus tron-
cos e as vezes corn os seus cortices carcomidos a fogo, logo el-
les, apoz de promptas, embarcados em grande numero no meio
do alarido de todas as vozes, com a mesa animacio ruidosa do
primeiro dia da partida.
Quando esgotadas a alimentacio e as munig6es ou pela terra
a elles negada a caga ou os vegetaes reparadores, nunca desani-
mados:
Acampados de novo, queimada a vegetacgo bravia em lon-
gos tratos de terra, logo por elles feita a roga e segneados os ce-
reaes.







65

Este acampamnento nunca corn duracio superior a do tempo
da colheita, em geral de milho por mais prompta e rapida; e,
nesse meio tempo, logo a terra circumvisinha, num ralo de imui-
tas leguas, por elles conhecida e reconhecida.
Nessas bandeiras, figurada toda gene: Homens de todas as
qualificagoes; indios de todas as tribus; mulheres, padres, e crean-
gas; grande numero de animaes domesticos como: Cdes, galli-
nhas, carneiros, fora as bestas de carga. Uma verdadeira cidade
ambulante, com seus senhores e Governador e por isto nella tam-
bern existentes as rixas e differences, mas estas logo dominadas
pelo accord e harmonia em razdo do alvo principal e da espe-
ranca commum.
De caminho, *inauditas as crueldades por elles praticadas,
bem como terribilissimos os sacrificios por elles exigidos; e assim,
.s indios, perdidos na floresta, logo a elles agregados,
":'"p'arA n& succumbidos ante a caudal, tudo submettente.
Nem os desfiladeiros e precipicios, nem a sede ou a fome,
nemn as commo96es da natureza on as fadigas do espirito, nem a
guerra on as ciladas da terra desconhecida, nem ..............
............... nada capaz de obstaculos para elles".
Muitas as bandeiras no seculo XVI, estas as principals, guia-
das por: Sebastido Fernandes Tourinho, Antonio Dias Adorno,
Diogo Martins Cdo (alcunhado o matador de negros) e Gabriel
Soares; porem todas estas de resultados quasi infructiferos, sal-
vo quanto A capture e escraviddo de indios.
Si de pouco resultado as Bandeiras do seculo XVI, naio as-
sim as do seculo XVII, por muitas descobertas; takes como: As de
Paschoal Paes de Araujo, pela descoberta do interior de Piauhy;
a de Fernandes Dias Paes Leme, pela descoberta dos rios S.
Francisco e Doce em sua cabeceira e pela da lagoa de Vaspabus-
su, onde por elle encontradas suppostas esmeraldas, e a desco-
berta do rio das Velhas e ahi fallecido por causa das febres, mas
crente do encontro das taes tdo preciosas pedras; e, para notado
pelo leitor: De seus descendentes director apenas agora existentes:
Uma trineta, no Rio de Janeiro, a Exma. Snra. D. Maria Olesio
Paes Leme; e um tetraneto, o Dr. Pedro Olesio Paes Leme, filho
daquella, e actualmente resident em Ituyutaba, Estado de Minas
Geraes. Quanto ao caminho pelos Bandeirantes seguido, estas sub-
stancialmente as palavras de Capistrano de Abreu, nosso histo-







66

riador patricio: "Deixado pelos bandeirantes o rio Tiet6, logo por
elles alcaneado o Parahyba do Sul pela garganta de S. Miguel c
descido este at6 Guapacar6, actual Lorena, e dahi passados a Man-
tiqueira, approximadamente por onde esta transposta pela estra-
da de ferro Rio e Minas.
Daqui em rumo de Jundiahy e Mogy, deixado a esquerda o
Salto de Urubupunga, e assim chegados pelo Parahyba a Goyaz.
Por outro 'lado, de Sorocaba, o inicio da linha de penetra-
c5o tendente ao curso superior dos affluentes orientaes do Pa-
rana e do Uruguay.
Pelos rios desembocantes entire os Saltos de UrubupungA e
Guayra, logo elles transferidos da bacia do Parana para a do Pa-
raguay, e assim chegados a Cuyaba, a cidade de Matto Grosso.
Corn o tempo, pela linha do Parahyba, ligado o planalto do
ParanA ao do S. Francisco e do Paranahyba; pelas de Goyaz e
Matto Grosso, ligado o planalto Amazonico 'ao rio Madeira,
pelo Tapajoz e pelo S. Francisco. Mais fructiferas do que estas,
as Bandeiras do seculo XVIII, taes como: As de Manoel Borba
Gato e Antonio Rodrigues Arzio, pelas descobretas de minas au-
riferas em Ouro Preto, Marianna, Diamantina e Cataguazes; a
de Paschoal Moreira Cabral, pela descoberta de minas de ouro
em CuyabA; a de Fernando Paes de Barros e seu irmio Arthur
Paes, pela descoberta de Matto Grosso; finalmente, a de Bartho-
lomeu Bueno da Silva, pela descoberta de Goyaz e a fundagio de
Villa Boa (actual capital) e a descoberta de minas nessa locali-
dade, por meio da estrategia por elle empregada.
0 fogo ateiado, em um prato, a aguardente, cm presenga dos
indios, gesto significant a destruiiao dos rios, caso por elles ne-
gado o logar da existencia do ouro, e por esta razao por elles co-
gnominado (Anhanguera), on feiticeiro.







67


CAPITULO XXIII

D. JOSE' I; 0 MARQUEZ DE POMBAL; OS JESUITAS; 0
BRASIL ELEVADO A VICE-REINO, COM SUA CAPITAL NO
RIO DE JANEIRO

Si muitos os services prestados por D. Jodo V pela creagdo
de novas capitanias e descobertas de minas, maiores as de seu
filho D. Jos6 I, subido ao throno por sua morte, em 31 de Julho
de 1750.
Qual o primeiro acto deste novo monarcha ? A escolha de
Sebastiao Jos6 de Carvalho e Mello para seu ministry; de sorte
que, este o verdadeiro estado de cousas em Portugal e, por re-
flexo, em todas as suas colonies: D. Jos6 I, no throno e, Sebastiao
Jos6 de Carvalho e Mello, ao throno; ou antes, aquelle, Rei ficticio
c este, verdadeiro.
Quaes os actos praticados pelo Marquez de Pombal em rela-
cno ao Brasil, durante o reinado de D. Jos6 I ? Estes: A restricgo
da Inquisidco, a reduceio do "Santo Officio" a um simples tri-
bunal ordinario e por isso mesmo, suprimidos os Autos de F6, em
1751; a execudo do tractado de Madrid, assignado entire Portugal
e Hespanha, em 13 de Janeiro de 1750, devido ainda as luctas exis-
tentes entire esta, possuidora da Colonia do Sacramento, fundada
por portuguezes e em territorio portuguez, e aquelle, possuidor
das Sete Miss6es, colonia fundada por'hespanhoes, mas em terri-
torio portuguez.
Assim Gomes Freire de Andrade, nomeado pelo Governo
portuguez para demarcagio de limits no Sul, por parte de Por-
tugal e o Marquez de Val de Lirios por parte de Hespanha, logo
ambos de rota ao Sul.
Chegados ali e, embora dotados da melhor b6a vontade os
delegados, nada entretanto por elles alcangado, devido a oppo-
sigio feita pelos jesuitas.
Pombal, sabedor destes factos, e por elle reconbecido pes-
simo o procedimento dos jesuitas, logo elle posto na pratica de
dois actos importantes: Pelo primeiro, a obtencio de um Breve
do Papa Benedicto XIV, para reform da Companhia de Jesus,
em primeiro de Abril de 1758; e pelo segundo, a execucio da







68


Bulla de 1814 para emancipagco de todos os indios do Brasil, em
8 de Maio de 1758.
Os jesuitas, indignados por este procedimento do Rei de Por-
tugal e este por elles accusado publicamente..................
Silencio Quatro mezes depois, logo D. Jos6 I alvejado por
um grupo de desconhecidos, na noite de 3 de Setembro do mesmo
anno, mas felizmente apenas ferido no brago direito.
Recahidas as suspeitas no Marquez de Tavora e em algumas
pessoas de sua familiar, estes logo por ordem de Pombal condem-
nados a morte e executados em Belem, no dia 13 de Janeiro de
1759.
Irritado corn a 'perturbacao da ordem produzida pelos je-
suitas, logo por Pombal obtida de D. Jos6 I a assignatura da lei
de 3 de Setembro de 1759 para a expulsdo da Companhia de Je-
sus, do territorio de Portugal e do Brasil, e ap6s este acto de Pom-
bal, a mesma cousa executada por diversas nae6es europeas; fi-
nalmente, a elevacao do Brasil a vice-reinado em 1763; e tambeim,
a abolicao complete da mesma Companhia de Jesus, em todo o
mundo, pela Bulla do Papa Benedicto XIV, de 23 de Julho de
1773.
Agora uma cousa para notada pelo leitor: 0 tractado de Ma-
drid declarado nullo pelo tractado de "Pardo", celebrado entire
Portugal e Hespanha e dahi novas agitaq6es e novas guerras de
conquistas ateadas no Sul do Brasil, ate 1777; anno, o mais desas-
trado de todos, pelos factos seguintes: A morte de D. Jos6 I; a
subida ao throno de sua filha D. Maria I; o afastamento de Pom-
bal da C6rte portugueza, devido As perseguiS6es movidas por
aquella; a assignatura do desastrado tractado de S. Ildefonso por
D. Maria I, Rainha de Portugal, e pelo qual a colonia do Sacra-
mento e das Sete Miss6es cedidas A Hespanra; mas, devido A nova
guerra entire Hespanha e Portugal, logo a Colonia das Sete Mis-
soes conquistada de novo por Sebastido Xavier da Veiga Cabral,
Governador do Rio Grande do Sul, e annexada definitivamente
ao Brasil pelo tractado de Badajoz, assignado entire as duas po-
tencias, em 6 de Julho de 1801.
Pombal, embora despota violent e cheio de grandes defeitos,
comtudo ministry habillissimo e por elle muitos os serviqos pres-
tados ao Brasil, taes como: 0 desenvolvimento do Commercio e
Industria; a incorporacio de todas as Capitanias do Brasil a Co-







69


r6a, sem prejuizo de seus donatarios ou herdeiros; a defesa da li-
berdade dos Indios; a disseminacao da instruccao primaria pelas
Capitanias; a escolha de brasileiros distinctos para cargos ele-
vados no Brasil; e a prohibicdo do envio de donzellas brasileiras
para os conventos de Estados Europeos.



CAPITULO XXIV

REPUBLICAN MINEIRA

Opprimidos os brasileiros pelo pessimo governor de D. Maria
I, cognominada A LOUCA -, nada para admirado si logo nas-
cidas em Minas Geraes as primeiras idWas de revolta, corn o fito
da repulsdo do jugo portuguez, e por isso mesmo a fundacao de
uma Republica Mineira, idealisada nao s6 emr Minas Geraes como
ate em Franca e Portugal, por brasileiros em ambas residents.
Assim, a prioridade da fundagco de uma republican mineira,
sempre por justica attribuida a various estudantes da Faculdade
de Medicine de Montpelier, Franca, e entire elles: Domingos Vital
Barbosa, mineiro, Jose Marianno Leal e Jose Joaquim da Maia,
fluminenses e atW por este realisada uma entrevista com Jeffer-
son, Ministro dos Estados Unidos da America do Norte em Franca,
para obtencio do apoio daquella Nacgo A sua idea.
Assim, gragas aos cuidados do Dr. Jose Carlos Rodrigues,
para aqui por n6s transcripts as cartas trocadas entire Jos6 Joa-
quim da Maia (escriptas com o pseudonimo de Vendek) e Thomaz
Jefferson, cartas escriptas em francez e existentes na Bibliotheca
Nacional e publicadas pela primeira vez na Revista "ILLUSTRA-
CAO BRASILEIRA", de 15 de Novembro de 1921 e corn a devida
venia, aqui substancialmente transcripts:
"Montpellier, 2 de Outubro de 1786.
Senhor. Uma cousa da maior importancia para por mim
a v6s communicada. Mas, como pelo estado de minha saude, a
mimn nio permittida a minha ida em vossa procura em Pariz, as-
simr pois a v6s perguntado si por mim; a mesma corn seguranca a
vos communicada por carta: Porque eu, umn estrangeiro e, por
isso mesmo, desconhecedor dos usos do Paiz. Crente de por v6s







70

perdoada esta minha ousadia e liberdade e tambem agora por
mim a v6s pedido o obsequio da resposta, dirigida ao Senhor Vi-
garons, Conselheiro do Rei e Professor de Medicina da Univer-
sidade de Montpellier, aqui eu a espera da resposta. Assim eu,
corn todo o respeito Senhor, sempre vosso muito humilde e obe-
diente servidor. Vendek".
Embora nao existente a resposta de Jefferson a esta carta,
comtudo facil a conclusdo da sua existencia e affirmative, por
causa da seguinte carta de Maia:
"Senhor. Honrado corn a vossa carta de 16 de Outubro,
comtudo extremamente sentido, por causa da minha saude, e
visto como as minhas informac6es a v6s coin certeza, entregues
corn seguranga, aqui por mim agora a v6s transmittidas. Eu, bra-
sileiro, e por v6s bem sabida a medonha escravidao pela minha
Patria soffrida, escravidao tornada cada vez mais insuportavel
depois do dia da vossa gloriosa independencia; visto como pelos
barbaros portuguezes nada poupado para nossa infelicidade, comn
o temor de que por n6s seguidos os vossos passo; e como por n6s
j~ sabido que por esses usurpadores contra lei da natureza e da
humanidade nada pensado senio para a nossa oppressdo, agora
n6s todos decididos ao exemplo emmicionante, por v6s a n6s
dado, e por conseguinte a quebra de nossas cadeias e assim por
n6s feita a revivificacdo da nossa liberdade, agora completamente
morta e subjugada pela forca, unico direito dos europeus sobre
a America. Mas, bemrn just para dada, por alguma potencia, a
mro aos brasileiros, porquanto pela Hespanha, corn certeza, nao
deixada, de future, nesse sentido, a sua uniao corn Portugal: e
apezar de todas as vantagens militants em favor de nossa defe-
sa, impossivel a nossa accao, ou pelo menos imprudente, sem a
n6s nao dada alguma seguranca de exito. Assim, Senhor. nada
por n6s acreditada mais proprio para nosso soccoro que a vossa
Napco, nao s6mente por que por ella a n6s dado o exemplo, como
tambem porque n6s pela natureza tornados habitantes do mesmo
continent e por conseguinte de alguma f6rma compatriotas. De
nossa parte, promptos ao fornecimento de todo dinheiro neces-
sario, bem como a uma prova em qualquer tempo de nosso reco-
nhecimento aos nossos bemfeitores.
Senhor, assim por v6s conhecido pouco mais ou menos o re-
sumo de nossas inten,6es, e para nenhuma outra cousa a minha







71

estadia em Franca, sindo para o desempenho desta missao; pois,
por mim nunca expendidas taes ideas na America, sem occasio-
namento de suspeitas. Agora, si por v6s julgadas justas estas ra-
s6es, e, no caso de uma consult vossa ao vosso governor, eu sem-
pre prompto ao fornecimento de todas informacoes por v6s jul-
gadas necessarias. Assim, corn a mais perfeita consideragco, Se-
nhor, eu sempre vosso muito humilde e muito obediente servo.
Vendek. Montpellier, 21 de Novembro de 1786".
Esta a resposta de Jefferson a esta carta:
"Pariz 26 de Dezembro de 1786.
Senhor. Dentro de poucos dias, por mim feita uma viagem
As provincias meridionaes da Franca. Tardada, por esta rasdo,
a minha resposta A vossa carta de 21 de Novembro, na expecta-
tiva de por mim a v6s annunciado o moment de minha partida,
e o dia e o logar no qual por mim tida a honra de urn encontro
conivosco. Mas, atW hoje por mim tal moment ainda nao deci-
dido. Entretanto, seguramente, em breve por mim tida a honra
da communicacao deste aviso a v6s, e de por mim a v6s pedida
uma visit em Montpellier, ou circumvisinhanca. Nesta especta-
tiva, e corn todo o respeito, senhor, eu, vosso muito humilde e
muito humilde servidor. Thomas Jefferson".
Assim agora satisfeitos os desejos de Domingos Vidal Bar-
bosa na sua chegada a Minas e ahi jA planejada uma conspiragco
com o fim da procuamac~o de uma Republica, e corn os seus se-
guintes principles chefes:
Ignacio Jos6 de Alvarenga Peixoto, poeta e ex-ouvidor do Rio
das Mortes, encarregado da Redacgco das novas leis; Padre Car-
los Correia de Toledo e Mello, e Conego Luiz Vieira da Silva;
Claudio Manoel da Costa, poeta e advogado, Padre Manoel Ro-
drigues da Costa, e Coronel Francisco de Oliveira; Thomaz An-
tonio Gonzaga, poeta, desembargador c ouvidor em Villa Rica,
Capitio Jos6 Resende da Costa e Padre Jos6 Lopes de Oliveira;
Joaquim Jose da Silva Xavier, Alferes e Dentista, Padre Jos6 da
Silva de Oliveira Rolim; Basilio de Britto Malheiro do Lago, Igna.-
cio Correia Pamplona e Joaquim Silverio dos Reis, trahidores.
notadamente o ultimo.
Ap6s muitas reunites dos conjurados em casa de Claudio
Manoel da Costa, logo por elles idealisado o novo Labaro: Uma
bandeira branca com um triangulo azul, branco e ver-







7 72

melho ao centro, e neste um indio corn grilhies pQr elle quebra-
dos, idealisacao de Tiradentes; e, em roda do triangulo, o distico
a latino: "LIBERTAS QUAE SERA TAMEN" (liberdade ainda que
tardia), id6a de Alvarenga Pei*oto; tambem resolvida a mudanga
da Capital para S. Joio Del-Rey; e a aboliedo da escravatura em
toda Republica Mineira. Assim pois toda esta conspiracao basea-
da no seguinte:
Si pelos impostos do cha, do vidro e do papel sellado, os Es-
tados Unidos da America do Norte, independents, tambem pela
cobranca do quinto do ouro MINAS GERAES, REPUBLICA.
Trez mil trezentos e cinlo contos quatrocentos e setenta e
dois mil reis, pu quinhentas e trinta e oito arrobas de ouro a rasao
de seis contos cento e quarenta e quatro mil reis a arroba, tal o
valor da cobranca do quinto do ouro exigido por Portugal, em
prompto pagamento. Esta, a causa; e este, o effeito: 0 rompirnen-
to da 'revolucao no dia do lancamento da derrama.
Assim descripto, substancialimente, por Joaquim Norberto de
Souza e Silva, na sua historic da Conjurac~o Mineira, a conversa
de Tiradentes coin o teneute Coronel Francisco de Paula Freire.
de Andrade (paginas 95 e 960): "Grande o sobresalto do tenente
Coronel pela singular ousadia do Alferes: Porem, maior ainda
a sua admiragio pelo atrevimento de seu subordinado por causa
da narracao de tio mysterioso e delicado assqmpto a elle feito.
Mas, pelo Alferes, home dotado de grande loquacidade e
bastante desembarago, logo explicado melhor o seu project, e
manifestado ao mesmo que, a causa do levante s6 agora depen-
dente de sua vontade, visto como, na cidade do Rio de Janeiro,
os animos por todos dispostos para o movimento insurreccional:
e, ainda, para lisongea ao mesmo, por elle accrescentado: Que,
pelas pessoas postas a testa da revolta, s6 ambicionada a certeza
de sua preponderante adhesio.
Embora desconhecedor destes informes a respeito da suppos-
ta ramificadco da revolta, esta, agora, na realidade, pura inven-
cao de Tiradentes, comtudo como home dotado de uma condes-
cendencia illimitada, por elle nenhuma extranheza manifestada,
e ate por elle aconselhada a Tiradentes a complete absten.do de
taes projects, em semelhante pratica, por motives muito ponde-
rosos.







S 73


Satisfeitissimo agora o nosso Tiradentes, jfiq por por elle julga-
do envolvido no movimento o seu commandante;.mas, pelo julgada
iniciado no mysterioso trama; e, assim, logo procurado o seu Ca-
pitao Maximiliano de Oliveira Lette, agora em Villa Rica, hoje
Ouro Preto para obtengao tambern de sua adherencia ao moyi-
mento.
Este, a principio, muito attento as suas palavras, e, em se-
guida, muito pensativo; mas, quando assegurado por Tiradentes
da troca de algumas palavras corn o seu commandant sobre esta
material, elle logo revoltado, e por elle pedido para nem mais
uma s6 palavra por elle dita, neste sentido, sob pena de denuncia.
Considerada pelo Alferes a sua indiscripcio, logo por elle
obtida a promessa de nada dito pelo Capitio Maxiiniliano ao Te-
nente Freire de Andrade.
Entretanto nunca mais deixado pelo Alferes o seu chefe.
Devido a sua condescendencia, sempre o Tenente Coronel
procurado, por differences motives, pelo Alferes Tiradentes, e,
por este sempre desviada a conversa para o object dos seus de-
sejos, confirmados pelos recursos materials do Paiz.
E, tal a ousadia do Alferes que, por elle, uma vez, feito ao
mesmo um pedido para entendimento a este respeito com seu cu-
nhado Maciel que, corn os conhecimentos por elle possuidos, e
corn os estudos por elle feitos, com certeza melhor do que por
elle, demonstrada a possibilidade da sublevacio; e, de outra vez,
por elle relatado a sua entrevista com o Coronel Ignacio Jos6 de
Alvarenga, na propria casa do Governador A Canhoeira do Cam-
po, sobre tio delicado assumpto.
Embora, admirado sobremaneira, de que elle pelo Coronel
Alvarenga ouvido s6riamente, comtudo, logo afianeado por Tira-
dentes da opiniio do mesmo Coronel nesse sentido, e de que, em
breve, a elle por elle fallada qualquer cousa a esse respeito".
Tudo prompto e bem disposto pelos revolucionarios, entre-
tanto nunca pensada por Tiradentes a existencia de diversos trai-
dores e, entire elles, Joaquim Silverio dos Reis, seu constant ami-
go hypocrita.
Assim, em 15 de Marco de 1789, logo Luiz Antonio Furtado
de Mendoncu, Visconde de Barbacena, senhor de todo o segredo
da conspiracaio, pela denuncia dada por Joaquim Silverio dos
Reis, e do seguinto modo executada, segundo o relatado por Joa-



Lit A.







74

quim Norberto de Souza e Silva, em sua obra ja citada, pagina
189 e para aqui, com a devida venia, substancialmente transcript:
"Demorado Joaquim Silverio dos Reis em Villa Rica, hoje
Ouro Preto, para perscrutapco dos animos e toque nas chagas do-
loridas, como uma victim tambem do Governo Colonial; como
devedor opprimido pelas unhas devoradoras do fisco; penetrado
em muitas casas corn a mascara da amizade; ouvidos os quei-
xumes dos descontentes, de mistura com as ameagas do levante
e corn asesperangas da regeneracao; corn o gesto da hypocrisia,
inquiridos irmios contra irmaos, filhos contra pais, escravos
contra senhores; repleto de noticias, logo elle em direccao ao
Palacio para cumprimento de sua missdo, ancho de si mesmo,
como si por elle praticada a melhor das tarefas".
E logo, pelo Visconde de Barbacena, suspense o lancamento
da derrama em 25 de Marco de 1789 e pois isso os conspiradores
privados da principal causa para a sublevagao.
Por este tempo, ja Tiradentes no Rio de Janeiro, em confe-
rencia com o Dr. Jos6 Alves Maciel, chegado da Europa, e em
continue labor para a compra de armas e munigSes, quando, lo-
go chegado tambem o infame trahidor Joaquim Silverio dos
Reis, por ordem do Visconde de Barbacena, para participacdo
de todo o occorrido ao Vice-Rei Luiz de Vasconcellos e Souza.
Tiradentes, avisado por Francisco Xavier Machado da gran-
de espionagem sobre elle exercida, esgottado o tempo de sen pas-
saporte e negado um novo pelo Vice-Rei (pois naquelle tempo,
impossivel uma viagem de um logar a outro sem passaporte), lo-
go por elle resolvida a sua permanencia no Rio, ate a possibili-
dade de uma fuga para Minas occultamente; e o ponto por elle
escolhido, a casa de D. Gertrudes, na rua dos Latoeiros, hoje
Gongalves Dias, mas, por escrupulos desta. transferido para a de
Domingos da Cruz, na mesma rua, em 7 de Maio de 1789, c, no
dia seguinte, logo Tiradentes visitado pelo seu intimo e correli-
gionario o Padre Ignacio Nogueira, e este por elle incumbido de
sua ida A casa de Joaquim Silverio dos Reis, o trahidor, corn o
fito da obtengio de informes sobre a march dos acontecimentos,
Infeliz Tiradentes! Crente e confiante em Silverio dos Reis,
mas em preparativos de sua propria desgraga pelas suas pro-
prias mios! 0 trahidor, informado de tudo pelo Padre Nogueira.
a pedido de Tiradentes, menos quanto a residencia deste, e quan-







75


to ao seu proprio nome; apezar dos seus reiterados pedidos nes-
te sentido, e assim, sendo quando, uma nova desgraca accumula-
da A primeira: A entrada do Padre Manoel Jos6 da Bessa, usu-
rario e millionario.
Percebido pelo traidor o reconhecimento entire os dois pa-
dres, receioso de alguma communicacio entire ambos, despacha-
do por elle o Padre Nogueira, e em seguida interrogado o Padre
Bessa pelo nome de seu college, e logo informado nao s6 quan-
to ao nome mas tambem quanto A residencia.
0 Vice-Rei sciente de tudo isto pelo traidor, logo por elle
ordenada a prisao do Padre Nogueira e levado a sua presence:
Reunidos os dois a s6s, o Padre e o Vice-Rei, em sala secret,
apezar das ameacas deste contra aquelle, nada revelado pelo Pa-
dre; final a ultima amneaca, de realisagao proxima, feita ao
Padre: OU A INDICACAO DO ESCONDERIJO DE TIRADEN-
TES, OU 0 SEU DESAPPARECIMENTO DE SOBRE A TER-
RA!! Terrivel imposigio, cujo fim jA reconhecido nio long pelo
Padre Nogueira! Qual a solugno do pobre sacerdote, neste ca-
so? Se nio revelado por elle o logar da moradia de Tiradentes,
com certeza torturas immensas por elle soffridas e. no final, a
sua confissio forgada.
Onde impotente a alma, impotente o corpo.
Assim, por este meio, sabedor do esconderijo de Tiradentes,
logo por sua ordem determinada a prisio do mesmo, bem como a
dos seus cumplices em Minas Geraes, a conducao dos mesmos
para o Rio de Janeiro pelo Major Jos6 Botelho de Lacerda, me-
nos Claudio Manoel da Costa, por encontrado morto em sua pri-
sao, na manhi de 4 de Julho de 1789.
Sujeitos a longos e penosos interrogatorios, e assim todos em
accusag~es reciprocas, verdadeiro signal de fraqueza, menos Ti-
radentes e por isto accusado e classificado como principal con-
jurado.
Terminados os processes, esta a sentenga: 12 condemnados a
morte e entire estes, Tiradentes; 5 a degredo perpetuo; e os de-
mais a degredo temporario.
Devido porem A carta regia de D. Maria I, de 15 de Outu-
bro de 1790, logo os condemnados a morte com a commutacio
para degredo perpetuo, menos Tiradentes que, considerado crimi-
noso imperdoavel, logo, por forca de lei, executado em 21 de







76

Abril de 1792, no campo de Lampadoza, logar hoje occupado pe-
la Escola Tiradentes, e no moment de sua execucao, proferidas
por elle estas palavras: TAMBEM ASSIM MORTO 0 MEU RE-
DEMPTOR EM MEU FAVOR!
Enforcado, esquartejado, dispersos os seus membros pelos ca-
minhos do Rio de Janeiro a Minas Geraes, a sua cabeca alcada
em um poste em Villa Rica, hoje Ouro Preto, a sua casa arraza-
da, o solo salgado, os seus descendentes declarados infames, (dos
quaes ainda hoje existente uma tetraneta na cidade do Rio No-
vo, Estado de Minas Geraes) taes os effeitos da denuncia do
traidor Joaquim Silverio dos Reis!
Quanto a este nunca mais por elle pisado o Estado de Minas,
receioso da just vinganga dos mineiros, e sempre atordoado pe-
los gemidos de suas victims no desterro, e corn a consciencia
acabrunhada pela sua alta traiqao a Tiradentes, logo de nome
mudado e de mudanga corn todos os de sua familiar para o Esta-
do de Maranhao! Mas, mesmo ahi, perseguido por sinistras vi-
s6es, notadamente a cabeca de Tiradentes, acompanhada do cor-
tejo dos ais das suas victims, e por todos apontado como o CAIM
PORTUGUEZ, o subvencionado corn quatrocentos mil reis an-
nuaes pela Corte de Lisboa e o reprobo eterno de nossa Patria!
E assim desfeita a Republica Mineira.



CAPITULO XXV

MUDANCA DA SE'DE DO GOVERNOR PORTUGUEZ PARA 0
BRASIL; AQUELLE, GOVERNADO POR ESTE

D. Maria I, acabrunhada pela grande injustica por ella com-
mettida contra Tiradentes, e impossibilitada do exercicio do Go-
verno pela alteraqdo de suas faculdades mentacs, logo substituida
interinamente no throno, por seu filho D. Joio, nomeado Prin-
cipe Regente em 10 de Fevereiro de 1792, epoca agitadissima em
toda a Europa pelas guerras de Napoledo Bonaparte, Imperador
dos Francezes, ji victorioso sobre a Allemanha, Italia, Hespanha
e sobre Portugal, pelo vexatorio tratado de Madrid.







77

Napoleao, cioso de todas estas conquistas, logo por elle resol-
vido o bloqueio da Inglaterra, ainda nao submissa ao seu pode-
rio, e, para melhor consecussao do seu desideratum, impostas a
Portugal, por meio de Rayneval, seu Ministro em Lisboa, as se-
guintes intimacies:
Declaracgo de Guerra a Inglaterra, no prazo de vinte dias;
fechamento de seus portos aos navios inglezes; incorporagao de
seus navios de guerra As esquadras francezas; sequestro de todas
as propriedades Britanicas; e, finalmente, prisao de todos os sub-
ditos inglezes, residents no reino.
A' vista disto, logo por D. Joaio praticados tres actos, cada
qual mais vil e despresivel: Um pedido A Inglaterra para decla-
raiao de Guerra somente apparent a Portugal e sem hostilida--
des, proposta rejeitada pela Inglaterra; o envio de ricos presen-
tes a Napolefo, e, finalmente a proposta de casamento de seu fi-
Iho D. Pedro corn uma filha de Luciano Bonaparte; mas, tam-
bem todas estas propostas, repellidas por Napoleao, e em se-
guida por elle decretada a deposicao da casa de Braganca.
Horrorisado por todos estes factos, logo por D. Joao resol-
vida a vinda de seu filho para o Brasil com o titulo de Condes-
tavel, em companhia de Fr. Antonio de Arribada, como seu se-
cretario e mentor; entretanto a Hespanha, falsa em seus com-
promissos para com Portugal, logo por ella assignado o tratado
de Fontainebleau, pelo qual Portugal dividido em tres parties e
dadas a Principes extrangeiros, e assim ella de maos dadas corn
a Franca.
Apertado por todos os lados, logo Portugal resolvido
ao cumprimento das imposic6es de Napoleao, e assim declarada
a guerra A Inglaterra.
Occupados os portos portuguezes e a ilha da Madeira por
esta, e invadido o norte de Portugal por Junot, General Francez,
agora reconhecido por D. Joao o seu erro commmettido pela de-
claraio de guerra a Inglaterra, mas logo depois restabelecida a
paz entire estas duas nacoes.
Assim, aconselhado pelo Ministro Inglez Strangford, logo
elle com nova resolugco tomada: A mudanga da s6de da monar-
chia portugueza para o Brasil. ,
Preparada uma esquadra composta de dez navios, cinco fra-
gatas, doze brigues e duas charruas. nelles embarcada toda a fa-







78

milia Real, altos funccionarios, creados e mais pessoas amigas,
c assim todos de viagem para o Brasil sob a proteccao de uma di-
visdo ingleza, sob o commando do Almirante Sidney Schmitte, no
dia 29 de Novembro de 1807.
Da esquadra, dividida em alto mar em duas parties por uma
tempestade, logo arribada uma parte corn D. Joio a Bahia, em
23 de Janeiro de 1808 e a outra parte, no Rio de Janeiro; reali-
sado o seu desembarque ali no dia seguinte, quatro dias depois,
em 28 de Janeiro de 1808, logo assignado por D. Joao, a conse.-
lho do sabio brasileiro, Visconde de Cayuru, Jos6 da Silva Lisboa,
o decreto da abertura dos portos brasileiros a todas as nagoes
amigas.
No dia 26 de Fevereiro do mesmo anno, logo o Principe de
viagem para o Rio de Janeiro, s6de da monarchia portugueza, e,
no dia 1.0 de Maio, publicado um manifesto de guerra a Franca,
e nelle escriptas as seguintes palavras: "Em breve, do seio do
novo imperio criado, pela corte a sua voz levantada contra a
Franca". Assim, por ordem de D. Joao, logo a Guyana Franceza
invadida e conquistada por Manoel Marques Delvas Portugal,
com a capitulagdo de seu Governador Victor Hugues, em 12 de
Janeiro de 1809, e, annexada ao patrimonio brasileiro, e logo
nomeado seu Governador, o mineiro Joio Severiano Maciel da
Costa; e assim conservada at6 a queda de Napoledo em Wa-
terloo, em 1817, e s6 nesta epoca entregue a Franca, em razdo do
tratado de paz feito entire estas duas nac6es, jA agora no reina-
do de Luiz XVIII.
Isto no Norte do Brasil, agora o Sul.:



CAPITULO XXVI

ANNEXACAO DA PROVINCIA CISPLATINA AO BRASIL;
ESTE ELEVADO A' CATHEGORIA DE REINO

Pelas instigag6es da Franga, declarada guerra pela Hespa-
nha a Portugal, daqui as novas lutas no Sul do Brasil.
Cercado Montevid6o pelas trogas argentinas sob commando
de Rondeau, immediatamente, por ordem do Governo portuguez,







79

enviado, para o Sul, Manoel Marques de Souza com mil duzen-
tos homes e por elle conquistado "Os Sete Povos das Miss6es",
o Serro Largo e devassada a fronteira at6 alem do Jaguardo e
Santa Tecia e, finalmente, a terminagao desta guerra pela paz de
Badajoz, celebrada entire Hespanha e Portugal, em 6 de Junho de
1801, e corn a posse de Portugal dos territories por elle conquis-
tados.
Entretanto, nunca descurada pelos hespanhes a banda Orien-
tal do Uruguay e por elles sempre atacada at6 a queda de Mon-
tevideo, no anno de 1814.
Por morte da Rainha D. Maria I.0, fallecida no Rio de Ja-
neiro, logo o Principe regente elevado ao Throno de Portugal corn
nome de D. Joao VI, em 20 de Marco de 1816.
Chamada de Portugal, pelo Principe Regente, a divisdo dos
"Voluntarios Del-Rey" e reunida As forgas brasileiras de Frede-
rico Lecor, logo de novo a banda Oriental cahida em posse dos
portuguezes, e corn a sua difinitiva incorporacao ao Brasil, sob
o nome de Provincia Cisplatina, por vontade espontanea do povo,
em 31 de Julho de 1821.
Se grandes as injustigas praticadas por D. Joao VI"durante
sua estadia no Rio de Janeiro, devidas A sua fraqueza, maiores
os beneficios feitos por elle ao Brasil e, por isto, aquelles esque-
cidos por causa destes, taes como:
A creacio de um Conselho Supremo Militar, o Archivo Mili-
tar, o Desembargo do Paco, a Academia de Marinha, a Casa de
Supplicacao do Rio de Janeiro, a Fabrica de Polvora na Lagoa
Rodrigo de Freitas, a ImprensaRegia, a Junta de Commercio, a
Escola Medico-Cirurgica, a Escola de Medicina, a Escola de Bel-
las Artes, o Jardim Botanico, a Bibliotheca Real, as Secretarias
do Estado, a Academia de Sciencias Physicas, Mathematicas e
Naturaes, o Banco de Deposito, Desconto e Emmissdo, hoje Ban-
co do Brasil, a elevacao do Brasil a cathegoria de Reino, em 16
de Dezembro de 1815, e finalmente, a supressdo de todos os mo-
nopolios, menos os do Pau Brasil e Diamantes; tudo isto reali-
sado, devido aos sabios conselhos e as inspirac5es do seu Ministro
D. Rodrigo de Souza Coutinho, Conde de Linhares.







80


CAPiTULO XXVII


REVOLUCAO PERNAMBUCANA

Desaveneas existentes entire portuguezes e brasileiros desde
a guerra dos Mascates, e agora ainda mais augmentadas pelo
apoio do Governo Real aos portuguezes, em detrimneto dos bra-
sileiros, esta a causa desta revolucio, com o fito da repulsa do
jugo portuguez e da proclamacio da Republica.
Quaes os chefes? 0 negociante Domingos Jose Martins, o
Padre Joio Ribeiro Pessoa de Mello Monte Negro, o Padre Miguel
Joaquim de Almeida Castro, ou Padre Miguelinho, o Padre Jos6
Ignacio de Abreu e Lima, o Capitio Jos6 de Barros de Lima, ap-
pellidado Ledo Coroado, o Capitao Domingos Theotonio Jorge, o
Padre Pedro de Souza Toneiro, o Frei Joaquim do Amor Divino
Caneca, o Tenente Antonio Henrique Rabello e Antonio Carlos.
Caetano Pinto de Miranda Monte Negro Governador de Per-
nambuco, sabedor desta revolucio, logo por sua ordem press os
revolucionarios, do seguinte modo: Os paisanos, pelo marechal
Jos6 Roberto, e os officials pelo brigadeiro Manoel Joaquim Bar-
boza de Castro.
E, para cada preso apresentado, um mau trato infligido por
Barboza.
A vista disto, o Leio Coroado, irritado corn este procedi-
mento do Marechal, logo aquelle atravessado por este com uma
espada, e morto em presence de toda tropa sem protest della, e
agora em favor dos Revolucionarios, no dia 6 de Marco de 1817.
Por causa deste grave facto, logo o Governador de Pernam-
buco refugiado na fortaleza do Brum e por elle nomeado o Te-
nente Coronel Alexandre Thomaz em substituigco Aquelle, e
encarregado da suffocacdio do levante. Este, A frente de alguns
soldados, e quando ja proximo dos revoltosos, logo por elle ou-
vida a seguinte exclamagco do Capitfio Pedro da Silva Pedroso:
"Camaradas! Este o inimigo de Pernambuco, a causa das nossas
desgracas... Fogo!! Morto este, immediatamente os seus soldados
postos em faga, a confused espalhada em toda a cidade, as pri-
s6es abertas, os press, soltos, a Capitulaco do Governador, o







81

seu envio preso para d Rio de Janeiro, e a Revoluao triumphant
em 7 de Marya de 1817.
Neste mesmo dia, logo organisado pelos revoltosos o seguin-
te governor provisorio:
Chefe do Governo: Padre Jodo Ribeiro Pessoa de Mello,
.Monte Negro; Governador das Armas: Domingos Theotonio Jor-
ge; Auxiliares do Governo: Domingos Jos6 Martins, D. Jos6 Luiz
de Mendonea, Manoel Jos6 Correia de Araujo c Padre Miguelinho.
Escolhida a forma republican para governor, preparada unma
bandeira corn as cores do arco-iris e nella 3 estrellas, represen-
tantes as provincias revolucionadas, Pernambuco, Parahyba e
Rio Grande do Norte, para emblema da mesma republican; es-
tes os principaes actos praticados logo por este Governo:
0 augmento do soldo das tropas, a instituicio do tratamento
de --- V6s --, o envio de emissaries aos Estados Unidos da Ame-
rica do Norte para a compra de armas, bem como a estes e a
Inglaterra, para reconhecimento da nova Republica, e a Bahia,
Alag6as e CearA para adhesio destas provincias ao novo go-
verno.
Entretanto, de todas estas providencias, s6 Alagoas adherida a
revoluedo de Pernambuco; e nas outras, uma enormidade de des-
gragas para os Republicanos, tees como: No Ceara, a prisio do
Padre Jos6 Martiniano de Alencar; na Bahia, a do Padre Jos6
Ignacio Ribeiro de Abreu Lima, Cognominado Padre Roma.
Pelo Conde dos Arcos, Governador da Bahia logo ordenada
a partida, por terra, de uma column As ordens do marechal Joa-
quim de Mello Leite Cogominho, e, alguns dias depois, tambem
chegada uma esquadra do Rio de Janeiro, sob o commando de
Rodrigo Jos6 Ferreira e por este estendido o bloqueio desde o
Rio Sdo Francisco atW o Rio Grande do Norte; e logo realisada a
adhesio, indigna desta provincia e da do Parahyba, ao Governo
legal; de sorte que dentro de poucos dias, logo Domingos Jorge
Martins derrotado e preso, os demais chefes debandados, e a
cidade assim abandonada, cahida na posse de Rodrigo Ferreira
Lobo, representante de D. Joao VI.
Mas, mesmo assim, corn a posse da cidade, terminados os
dias angustiosos de Pernambuco.
Luiz do Rego Barreto, nomeado Governador e depois da che-
gada a Recife em 29 de Junho de 1817, logo por elle ordenado o.







82

sequestro de todos os bens dos compromettidos na revolucao, bem
como a sua prisao, e installada urma commissio military para jul-
gamento dos mesmos, dos quaes, por sentenga desta, muitos os
condemnados a forca, taes como: 0 Padre Roma, na Bahia, e
por elke pronunciadas estas palavras, antes da execugiio: Cama-
radas! A morte por v6s a mim dada, por mim, neste moment,
a v6s perdoada; bem attengdo na pontaria! Aqui, (corn a mao
sobre o coragio) neste alvo, a fonte de voda! Fogo!............
Jos6 Luiz Mendonga, Domingos Jos6 Martins e o Padre Migue-
linho, fuzilados em 12 de Julho de 1817.
E lavrada tambeni a sentence de morte contra Domingos
Theotonio Jorge, Jos6 de Barros Lima e o Padre Pedro de Souza
Tenorio, sentenga concebida nos seguintes terms:
"Applicadas as penas aos ditos reus e, depois de mortos,
cortadas as maios, e decepadas as cabegas, e estas e aquellas col-
locadas em diversos logares, do seguinte modo: A cabeca do pri-
meiro reo, na Soledade (povoacdo) e as miios no quartel; a ca-
beca do segundo reo, em Olinda e as miios no quartel; a cabeca
do terceiro, em Itamaraca e as maos em Goyana; finalmente, os
restos dos cadaveres, ap6s ligados A cauda de cavallos, arrasta-
dos ate o cemiterio".
Ap6z esta sentenga, mais os seguintes, enforcados em Reci-
fe: Amaro Gomes Coutinho, Jos6 Peregrino de Carvalho, Ignacio
Leopoldo de Albuquerque Maranhio, Francisco Jos6 da Silveira,
Antonio Henrique Rebello e Padre Antonio Pereira.
D. Joio VI horrorisado com factos tdo graves, logo por elle
creada, em 6 de Agosto do mesmo anno, uma algada composta de
dois Desembargadores do Paeo e dois da Casa de Supplicapco;
porem, si pessimo o procedimento da primeira, pessimo o desta;
e tal o ponto de crueldade que, o proprio Luiz do Rego, outrora
tao severe e agora atterrorisado diante de tio grande canibalis-
mo, logo elle de voz unida h do Senado da Camara do Recife, e
por ambos implorada uma amnistia ao Soberano e por este con-
cedida em 6 de Fevereiro de 1819, dia da sua coroadco.
Tal a sorte dos Republicanos de Pernambuco, sacrificados
em numero superior a oitenta e entire estes, trinta e dois Sacer-
dotes Catholicos.
Sim, mais uma vez abafados os rebentos do sangue de Ti-
radentes!









Altos designios de Deus! Antonio Carlos, irmio de Jos6 Bo-
nifacio, apezar de preso e levado assim, em mangas de camisa,
pela cidade, comtudo, logo depois, posto em liberdade!
Unico Republicano sobrevivente As crueldades portuguezas!!!


CAPITULO XXVIII

REGRESSO DE D. JOAO VI A PORTUGAL; REGENCIA DE
D. PEDRO; ORGANISACAO DO SEU PRIMEIRO MINISTERIO

Em Portugal, rebentada, A maneira de Hespanha, a revolu-
Oao em 24 de Agosto de 1820, para a repulsa do jugo oppressor do
Marechal Beresford, representante da Inglaterra, e para a volta
de D. Joio VI, durante 12 annos resident no Brasil, e assim
fire e victoriosa a revolucao em Lisboa, e nomeada uma junta
provisoria encarregada do Governo, e por esta concovados os
tres Estados, clero, nobre e povo para a factura da nova consti-
tuigao...
Chegada, entretanto, ao Brasil esta noticia, logo immediata-
mente a ella adheridas as tropas portuguezas do ParA, Bahia e
do Rio de Janeiro; e nestas Provincias, organisada tambem uma
junta Provisoria A imitagco da de Portugal.
Sabedor destes acontecimentos, logo por D. Jofo VI resolvi-
da a ida de seu filho, o Principe D. Pedro a Portugal "para o
restabelecimento das reforms e melhoramentos e leis consoli-
dantes a Constituicao portugueza e tambem para por elle tomadas
as medidas applicaveis ao Brasil".
Grande o descontentamento do povo por causa destas de-
terminag6es de D. Joao VI, e dahi a revolta do mesmo para a im-
posicao ao Rei da acceitacio da Constituiq~o Portugueza, tal co-
mo pelas Cortes decretada e sem modificacao alguma.
Sabedor o Principe D. Pedro do estacionamento das tropas
e do povo no Largo do Rocio, elle logo para la dirigido a ca-
vallo; e depois de scientificado dos desejos do povo, voltado a
S. Christovam, sem mais demora, de novo, de volta e com um
decreto assignado por D. Joao VI e nelle empenhada a sua palavra
da acceitaci.o da future Constituicao, feita pela Junta Revolucio-
naria de Lisboa.









A' vista destas circumstancias, e aconselhado pelos seus mi-
nistros, logo por D. Joao VI resolvida a sua volta a Portugal e
ao mesmo tempo por elle determinada a estadia do Principe D.
Pedro no Brasil e encarregado do Governo 'do Reino.
Qual o verdadeiro motivo da Revolueio Portugueza?
Simples: A inveja; o desejo da reducedo do Brasil ao anti-
go estado colonial; pois, com a s6de da Monarchia Portugueza no
Rio de Janeiro, aquelle, de Metropole, redusido a colonia; e es-
te, transformado em Metropole; aquelle, subordinado e depen-
dente deste, e este, altaneiro e progressista, com imposicgo de
leis Aquelle; simples despeito e nada mais; assim, por decreto de
D. Joao VI de 22 de Abril de 1821, logo D. Pedro nomeado
Regente do Brasil e resolvida a sua volta a Portugal no dia 26 do
mesmo mez e anno, e, no acto da despedida, ao seu filho, estas
as palavras por elle ditas: "Pedro, em breve o Brasil separado
de Portugal; caso porem isto acontecido, logo, de prompto, posta
por ti a coroa sobre tua cabeca, antes da posse da mesma por
algum aventureiro", e de facto: Um anno, 4 mezes, e onze dias
depois, logo D. Pedro acclamado Imperador do Brasil.



CAPITULO XXIX

INDEPENDENCIA; CONFEDERACAO DO EQUADOR

Ap6s a partida de D. Joio VI, e segundo as suas determi-
na6es, logo por D. Pedro organisado o seguinte Ministerio:
Principe Regente: D. Pedro de Alcantara

MINISTERIO
Ministro do Reino: Conde dos Arcos;
Ministro da Fazenda: Conde de Louzd;
Ministro da Guerra: Marechal Carlos Frederico;
Ministro da Marinha: General de Armada Manoel Antonio Fa-
rinha.
E assim iniciado o Governo de D. Pedro, em uma situacao
difficilima, quer pela falta de dinheiro, quer pela falta de har-
monia entire os seus governadores.







85

Quaes os primeiros actos do Governo? A limitacio das. des-
pezas de seu proprio Palacio; a harmonisacio entire portuguezes
e brasileiros; e a determinacgo das eleig5es dos Deputados por
Lisboa.
Entretanto feitas estas, logo surgida a primeira difficuldade,
pela troca da sede do Rio de Janeiro pela da de Lisboa, pelos
Deputados Brasileiros; e assim s6 a muito custo conseguida a elei-
"ao de tres Deputados jA residents em Lisboa e mais dois do
Rio de Janeiro e aqui residents.
Recebidas em Maio de 1821 as bases da Constituiafo portu-
gueza, e como as mesmas em nada obrigatorias para o Brasil,
senao ap6s a assignatura nellas dos nossos Deputados, logo por
D. Pedro adiado o acto de juramento, ndo s6 pela razdo jA dita
como tambem pela falta de noticias da chegada de El-Rei seu
pae, a Portugal.
A Divisaio Auxiliadora, sabedora das ideas do Principe Re-
gente, incontinenti, de march para o Largo do Rocio, com o fito
de coacqao ao Principe para juramento As bases da Constituicao,
e tambem a mudana de Ministerio.
E de facto logo satisfeitos os desejos dos portuguezes relati-
vos As suas imposic5es. Chegado D. Joao VI a Liboa, e conhe-
efdo pelos portuguezes o grande progress do Brasil, logo aquel-
les revoltados contra este e anciosos pela sua reduccao a colo-
nia
Para consecugao deste fim, quaes os actos e medidas toma-
dos por D. Joao VI, em relagao ao Brasil? Estes:
Pelo decreto de 29 de Setembro de 1821, determinada a vol..
ta a Portugal do Principe e abolidos os principles tribunaes
creados por D. Joao VI no Rio de Janeiro, e assim o Principe D.
Pedro redusido, de Regente, a simples Governador do Rio de Ja-
neiro, Minas e S. Paulo, unicas Provincias a elle fieis.
Agitada a opiniAo public por Joaquim Ledo, corn a publi-
cacao de artigos no seu journal "0 Reverbero Constitucional Flu-
minense", em 15 de Setembro de 1821, logo em Janeiro do anno
seguinte, recebidos por D. Pedro officios das Juntas provisorias
de S. Paulo, Minas e Rio de Janeiro, portadores de um pedido ao
Principe para sua permanencia no Brasil e por conseguinte a
sua revolta contra as Cortes de Lisboa.






86

Lidos estes documents por Jos6 Clemente Pereira, Presidente
do Senado e da Camara, no Paqo da Cidade, logo D. Pedro de
resolucfio mudada e por elle resolvida a sua permanencia no Bra-
sil e assim satisfeitos os desejos dos Brasileiros.
Conhecida a nova resoluqao do Principe, logo tentada pela
"Divisio Auxiliadora" a prisdo do mesmo, mas nisto obstada pe-
las forgas brasileiras estacionadas no Campo de Sant'Anna, c
commandadas por Joaquim Xavier Curado.
Chegado Jose Bonifacio de Andrada e Silva ao Rio de Ja-
neiro, em 16 de Fevereiro de 1822, ja entio Ministro do Reino e
dos Negocios Estrangeiros, logo, por iniciativa sua, convocado,
por D. Pedro, um conselho de Procuradores, para por elle leva-
dos a cabo os projects e reforms administrativas imaginadas; e,
no dia 21 de Fevereiro, um outro Decreto, mediante o qual ne-
nhuma lei portugueza cumprida no Brasil, sem o SIM e a assi-
gnatura do Principe Regente.
Emquanto estes os factos passados no Rio de Janeiro, graves
os realisados em Bahia e Minas Geraes: Aquella, revoltada pela
demissAo de Manoel Teda, Commandante das Armas e substi-
tuido pelo portuguez Luiz Ignacio Madeira de Mello; chocados os
partidos e vencidos os brasileiros, logo Manoel Teda preso e
remettido para Lisboa.
A esta oppressio de Portugal, ainda mais outra accrescenta-
da: A prohibicio do envio de armas e muni5oes para o Brasil.
A vista disto, logo por D. Pedro determinado aos Agentes Con-
sulares a dispensa do "VISTO" das autoridades portuguezas para
a entrada de quaesquer artigos no territorio brasileiro, e por isto
o seu livre desembarque em nossas Alfandegas.
Quanto a Minas Geraes, esta de novo revoltada quanto as
suas ideas de Independencia republican e por isso mesmo ne-
gada, por ella, obediencia ao Principe Regente.
Considerado o mau estado de cousas nesta Provincia, logo
o Principe de viagem a Minas e, ahi chegado, logo serenados os
espiritos e, de volta ao Rio de Janeiro, recebido aqui com gran-
de enthusiasm pelo povo, e logo a elle offerecido o titulo de
"Defensor Perpetuo do Brasil", e por elle acceito.
Assim, no dia 3 de Junho, logo pelo Principe convocada uma
Assemblea Constituinte, composta de Deputados brasileiros; c
logo depois disto, mais estas as medidas tomadas pelo Principe









Regente: A nomeacdo de Martim Francisco Ribeiro de Andrada
para a Pasta da Fazenda, em 4 de Julho; o levantamento de um
emprestimo de QUATROCENTOS CONTOS DE REIS; a prohi-
bicao do ,desembarque de quaesquer tr

seu consentimento; a publicacdo de um manifesto as Nacoes ami-
gas e nelle declarada a march dos acontecimentos no Brasil c
a permanencia da abertura dos portos ao commercio. Qual o
significado de tudo isto? Nada mais e nada menos que a decla-
raqdo de revolta do Principe contra seu Rei e seu Pac, e, por isso
mesmo, o inicio da INDEPENDENCIA DO BRASIL.
Conhecido pelo Principe Regente a existencia de graves dis-
sen(6es em S. Paulo, logo elle de partida para esta Provincia,
em 14 de Agosto, e assim a Regencia entregue a sua esposa D.
Leopoldina Carolina Josepha.
Chegado as margens do Riacho Y,piranga em 7 de Setembro
e ahi recebido por die um emissario Antonio Cordeiro, por-
tador de diversas cartas, c entire outras, de sua esposa e de Jose
Bonifacio, e por estas, sabedor da attitude de Portugal para corn
elle, e annunciado aos de sua comitiva o conteudo da dita cor-
respondencia, immediatamente feito um profundo silencio entire
todos de sua commitiva, e logo interrompido pelo Padre Belchior
Pinheiro de Oliveira com a seguinte phrase:
Senhor, eu, no caso de V. A., ja, neste moment, por mini
proclamada a Independencia. Arrancado o lago de seu chapeo,
symbol de unido entire Portugal e Brasli, logo por D. Pedro le-
vantado o brado: BRASILEIROS! AGORA CHEGADO 0 TEM-
PO.......... INDEPENDENCIA OU MORTE! E ASSIM SEPA-
RADOS DE PORTUGAL!
E, para melhor entendiIento, aqui por n6s copiado o Relato
do Padre Belchior Pinheiro de Oliveira, confidence' de D. Pedro 1,
publicado por M. J. Rocha. em 1826, e aqui por n6s, corn a de-
vida venia, substancialmente transcript:
"Pelo Principe a mim ordenada a leitura, em voz alta, das
cartas trasidas por Paulo Bregaro e Antonio Cordeiro. Estas:
Uma instrucgldo das Cortes, umna carta de D. Jodo, outra da
Princeza, outra de Jos6 Bonifacio e ainda outra de Chamberlain,
Agente secret do Principe.
Pela das Cortes,. exigido o regresso immediate do Principe,
a prisio e process de Jose Bonifacio; pela da Princeza, recom-









mendada pridencira c pedido ao Principe para um entendimento
corn seus Ministros; pela de Jose Bonifacio, dito ao Principe que
s6 existentes um de dois caminhos para por elle seguidos: Ou a
sua partida para Portugal immediatamente e a sua entrega como
prisioneiro, do mesmo modo que D. Jodo VI, ou a sua perma-
nencia e dahi a proclamagao da Independencia do Brasil e por
isto mesnio seu Imperador ou Rei; pela de Chanberlain, infor-
mado que, pelo partido de D. Miguel, jA alcangada, em Portugal,
a victoria e por todos fallada abertamente a desherdacio de D.
Pedro em favor de D. Miguel; pela de D. Joao, aconselhado ao
filho obediencia A lei portugueza. Por D. Pedro, enraivecido, arran-
cados os papeis de minhas mios, amarrotados, pisados, c logo
atirados na relva.
Em seguida, os mesmos por mim apanhados e guardados.
Depois, abotoada e composta a fardeta (pois, poucos minutes
antes, pelo Principe quebrado o corpo A margem do riacho Ypi-
ranga, agoniado por uma dysenteria corn dores apanhadas em
Santos) elle virado para mimni e a mim dito:
E agora, Padre Belchior?!
Por mini respondido promptamente: Si nao constituido jA
o Reino do Brasil, corn certeza V. A. logo prisioneiro das Cortes
c talvez desherdado por ellas.
Portanto nenhum outro caminho para seguido por V. A.,
sinao a Independencia e a separacao.
Por D. Pedro caminhados alguns passes silenciosamente,
acompanhado por mim, Cordeiro, Bregaro, Carlota e outros, em
direccao aos animals, entio a beira da estrada, logo derepente
estacado ja no meio da estrada, e a mim assim dito:
Padre Belchior, por elles assim desejado, a elles assim
contado.
Eu, perseguido pelas Cortes, e por ellas chamado, corn des-
preso, de Rapazinho e de Brasileiro. Por ellas agora visto qual o
valor do Rapazinho. De hoje em deante, para sempre quebradas as
nossas relac6es: Nada maits por mini desejado do Governo Portu-
guez e por mim proclamado o Brasil, para sempre, separado de
Portugal.
Por n6s respondido immediatamente, coin enthusiasm:
Hurrah A liberdade! Hurrah ao Brasil sc arado! Hurrah a D.
Pedro!









E pelo Principe, voltado para seu ajudante de orders, assim
dito:
Ja por ti annunciado a minha guard que, por minm feita a
Independencia complete do Brasil. Para sempre, separados de
Portugal.
Pelo Tenente Canto e Mello logo tomada a direcqio de uma
venda, onde, entao estantes quasi todos os drag6es da Guarda e
logo depois, corn ella, de volta ao encontro do Principe, sob o
vozerio de vivas ao Brasil Independente e separado, a D. Pedro,
e a Religiio! Pelo Principe, diante de sua guard, assim dito:
-- Amigos, n6s, neste moment, escravisados e perseguido's
pelas C6rtes portuguezas. De hoje em diante, para sempre, que-
bradas as nossas relac6es. N6s, por nenhum laco unidos mais. E
arrancando do chap6o o laco azul e branco, decretado pelas C6r-
tes, como symbol da Nagao portugueza, e atirado ao chio, assim
por elle dito:
Laco f6ra, soldados! Hurrah a Independencia, a Liberdade
e a separaiAo do Brasil! E por n6s respondido corn um viva ao
Brasil Independente e separado, e um viva a D. Pedro!
Pelo Principe, desembainhada a espada e nisto pelos milita-
res, imitado e pelos paisanos tirados os chap6os, logo dito por elle:
Pelo meu sangue, pela minha honra, pelo meu Deus, jurada
por mini a liberdade do Brasil.
-- E por n6s respondido: Tambem por n6s jurada.
D. Pedro, embainhada a espada, e nisto imitado pela Guarda,
posto a frente da comitiva, fire em p6 nos estribos e voltando
para n6s, assim por elle dito:
-Brasileiros, esta a nossa divisa de hoje em diante: INDE-
PENDENCIA OU MORTE!
Firmado de novo nos arreios, e esporeada a sua bella besta baia,
logo em direccio A Silo Paulo, e aqui hospedado pelo brigadeiro
Jordio, Capitio Antonio Silva Prado e outros, e por elles feitos.
verdadeiros milagres para contentamento do Principe.
Aqui, mal apeado da besta, logo por D. Pedro ordenada, ao
seu ajudante de ordens, a sua ida as pressas ao ourives Lessa e a
elle ordenada a factura de um distico em ouro, com as palavras
- INDEPENDENCIA OU MORTE, para por elle Principe col-
locado no bravo, preso por um laco de fita verde e amarello. E,
de facto, o Principe com elle apparecido no espectaculo, e abi







90

chamado de Rei do Brasil pelo meu querido amigo alferes Aquino
e pelo Padre Ildefonso. No theatre, por toda a parte, s6 lagos de
cores verde e amarello, tanto nas paredes como no palco, nos
bracos dos homes e nos cabellos c enfeites das mulheres".
Tal dia 7 de Setembro de 1822, as quatro c meia horas da
tarde.
E assim este grito, espalhado em pouco, por todas as provin-
cias do Brasil e, neste moment, escripto por D. Pedro I sobre .0
tumulo da governanga Portugueza no Brasil, o seguinte epitaphio:
"INDEPENDENCIA OU MORTE".
Proclamada a Independencia, a mesa logo reconhecida
pelos Estados Unidos, pela Inglaterra, pela Belgica, pela Austria,
pela Suissa, pela Franca c em seguida por todas as nag5es do
mundo. Facto singular em todo orbe! Sempre muito o sangut
derramado em todas as nac6es no acto da consecucao de sua
Independencia!
E no Brasil? Nem uma s6 gotta! Apenas umna indemnisacao-
sinha dada pelo Brasil a D. Joao VI de 600.000 Libras esterlinas
por varias propriedades suas no Rio de Janeiro e pelo Palacio
por elle aqui occupado, durante a estadia da sede da monarchia
Portugueza, e nada mais.
Vencidas quasi cem leguas em 5 dias, tal a distancia entr-
Sao Paulo e Rio, c aqui chegado, agora jA corn o distinctive da
Independencia ou Morte, atado no brago esquerdo c assim, D.
Pedro proclamado Imperador Constitucional do Brasil no dia 12
de Outubro de 1822, e coroado Imperador Constitucional e Per-
petuo defensor do Brasil em primeiro de Dezembro de 1822.
Quaes os actos praticados por D. Pedro I? Intimagdio a Por-
tugal para retirada de suas tropas do territorio brasileiro; inti-
magdo aos portuguezes aqui residents para a escolha da prefe-
rencia de Patria, a antiga ou A nova, no praso de 4 mezes; a
organisagao de umna esquadra confiada ao Almirante Lord Co-
chrane, na falta de um official brasileiro, para sujeicgo de algu-
mas provincias, ainda revoltadas contra a Independencia, por
causa dos portuguezes; o preparo de muitos navios brasileiros, e
o contract, na Inglaterra de marinheiros inglezes para a tripu-
lacfio dos mesmos pois estes atW agora s6 dirigidos por ma-
rinheiros portuguezes.







91

Chegado Lord Cochrane ao Rio de Janeiro e entregue ao
mesmo o commando de uma esquadra composta de oito navios
corn 244 boccas de fogo, logo elle no dia 3 de Abril de 1823 partido
para Bahia, e logo por esta reconhecido D. Pedro I como Impe-
rador do Brasil, e Bandeira de Mello embarcado numa esquadra
portugueza, composta de 13 navios de guerra e 70 mercantes, e
perseguidos pela fragata brasileira Nictheroy at6 a foz do
Tejo.
Assim agora Lord Cochrane de viagem para o Maranhao e
logo apoz sua chegada obtida a adhesdo desta provincia a causa
da Independencia; finalmente, D. Alvaro da Costa de Souza Ma-
chado, Governador portuguez de Monteviddo, a vista dos aconte-
cimentos favoraveis a D. Pedro I, logo por elle deixado o gover-
no, e embarcado para a Europa coin a esquadra por elle com-
mandada, em 18 de Novembro de 1823, e assim terminadas todas
as resistencias portuguezas a Independencia do Brasil, e arvo-
rado, em todo territorio, o auri-verde penddio.
Entretanto, aberta a Assemblea Geral Constituinte, no dia 3
de maio de 1823 (daqui a..razio da commemoracao da descoberta
do Brasil no dia 3 de Maio, em vez de 21 de Abril) constant de
7 militares, 48 doutores em direito e 19 Padres, ao todo, 74 mem-
bros, e, a principio, muita harmonia entire a Assemblea e o Go-
verno, mas apresentado o project pelos Andradas para expul--
sao do Brasil de todos os portuguezes suspeitos, logo esta dividida
em dois partidos, e della retirados os Andradas e substituidos
por Jose Joaquim Carneiro e Manuel Jacintho Nogueira.
Os Andradas, depois de tanta proteccdo dispensada por elles
ao Imperador, entretanto agora invereados por caminho contrario.
perfeita opposigido, principalmente pelos jornaes (0 Tamoyo e A
Sentinella) por elles fundados e dirigidos. No meio de tanta agi-
tacfio, impossivel de bem discutido e votado o project da Cons-
tituicio, pela Assembl6a; e a vista disto, logo a mesma dissolvida
e convocada outra pelo decreto de 12 de Novembro de 1823, e
em seguida press e deportados, para a Europa, em 20 do mesmo
mez e anno, os deputados; Jos6 Bonifacio de Andrada e Silva,
Antonio Carlos de Andrada Machado e Silva, Martim Francisco
Ribeiro de Andrada, Francisco G6 Acayaba de Montezuma, Jose
Joaquim da Rocha e Padre Belchior Pinheiro; este, o verdadeiro
proclamador da Independencia e hoje tdo esquecido nfio s6 pelos







92


escriptores de nossa Historia Patria, como nem ao menos lembra-
do pelos Mineiros da cidade de Pitanguy, por elle parochiada du-
rante 40 annos, ahi fallecido na idade de 90 annos e sepultado no
adro da Igreja Matriz, sob as pedras de cantaria da escada da
mesma Igreja, esta, presentemente destruida por um pavoroso
incendio, em 28 de Janeiro de 1914.
Pitanguyenses, Mineiros e Patricios, ao menos agora, por
occasido do nosso Centenario, por v6s collocada uma lapide, (na
falta de uma estatua) no adro dessa Igreja e nella gravadas as
seguintes palavras:
AO PADRE BELCHIOR PINHEIRO DE OLIVEIRA, INSTI-
GADOR DA PROCLAMACAO DE NOSSA INDEPENDENCIA,
AQUI SEPULTADO, A NOSSA GRATIDAO.
Mas, em continuagao de nossa historic: No dia 26 de Novem-
bro de 1823 logo nomeada uma commissao de 10 membros para or-
ganisagfio da Constituigio, corn os trabalhos presididos pelo pro-
prio Imperador.
Conhecida nas provincias do Norte a agitacgo liberal do
Rio de Janeiro, de prompto rebentada nestas provincias uma revo-
lugio, conhecida pelo nome de Confederacgo do Equador, para
estabelecimento do Regimen Republicano, corn o seu chefe Ma-
nuel de Carvalho Paes de Andrade.
0 Imperador, sciente desta revolta, no Norte, logo por elle
enviado, para debellacio da mesma, o Brigadeiro Francisco de
Lima e Silva que, desembarcado em Alagoas, logo por elle do-
minados os rebeldes e submettidas as provincias de Pernam-
buco, Rio Grande do Norte, Ceara e Parahyba, Alagoas e Piauhy;
em seguida creadas commiss6es militares para julgamento dos re-
beldes e, destes, 16 condemnados a morte: 8 em Pernambuco, 5 no
Ceark, e 3 no Rio de Janeiro.
Frei Joaquim do Amor Divino Caneca, de todos, sem duvida,
o mais notavel, nio s6 pelos seus escriptos como tambem por
chefe da revolta Ouvida calma e tranquillamente a leitura de
sua sentenga de morte, no dia 10 de Janeiro de 1825, e, apoz con-
fessado e commungado no dia 12 do mesmo mez e anno, logo
no dia seguinte, 13, transportado ao lugar do supplicio e embora
condemnado a forca, comtudo, isto nao realizado por falta de
executor e por isso fuzilado. Bern como o cysne que s6 na hora
da morte por elle desferido o seu canto, assim Frei Caneca, nos







93


ultimos moments de sua execueio e em sentido figurado, por
elle cantados aquelles versos tio celebrados:

Entre Marilha e a Patria
Guardado o meu coracgo;
P'la Patria roubado todo
Marilha chorante em vao.

Tal o fim do heroe da "Confederacio do Equador"!
Quanto aos demais, todos executados nas respectivas provin-
cias. Estes os acontecimentos do Norte, agora os do Sul.



CAPITULO XXX

INDEPENDENCIA DO URUGUAY; MORTE DE D. JOAO VI

Montevid6o, at6 agora parte integrante do Brasil, logo inva-
dido por D. Joio Antonio Lavolleja e Furtuoso Rivera e por
elles proclamada Independente toda Banda Oriental, e em se-
guida dirigida uma nota ao Governo Brasileiro pelo ministry
dos Estrangeiros da Republica Argentina, corn a declaracio de in-
corporacio, por esta, de toda a Banda Oriental, e assim, sem
mais nem menos, declarada a guerra pela Republica Argentina
ao Brasil, em 10 de Dezembro de 1825.
A vista disto, logo enviada uma esquadra pelo Governo Bra-
sileiro sob o commando do Vice-Almirante Rodrigo Pinto Guedes
para bloqueio do Rio da Prata e por ella completamente derrota-
das as forgas Argentinas sob o commando do Almirante George
Guilherme Brow.
Devido A inactividade do exercito brasileiro em Montevid6o
sob o commando do General Frederico Lecor, logo por D. Pedro
resolvida a sua ida ao Sul, afim de por elle proprio certificada a
march dos acontecimentos.
Chegado ao Rio Grande do Sul e quando ja em preparative
para o seguimento de sua viagem, aqui por D. Pedro recebida a
noticia da morte da Imperatriz no Rio de Janeiro; assim, depois
de conferido o commando de exercito ao Marechal Felisberto
Caldeira Brant Pontes, logo elle de volta ao Rio de Janeiro; e







94

desta data em diante, s6 revezes para o Brasil, nesta luta, e per-
didas por elle as seguintes batalhas: A Juncal sob o commando
de Jacintho Roque e destrogada pelo almirante Argentino e ainda
corn o aprisionamento de 11 navios nossos; a de Ituzaingo coin o
exercito sob o commando do Marquez de Barbacena, e derrotado
pelo exercito argentino sob as ordens de D. Carlos Maria de Al-
vear; e, finalmente, uma victoria dos brasileiros sobre os ar-
gentinos, em 9 de Abril.
Apezar das victorias alcangadas pelos argentinos, comtudo,
apoz esta unica victoria dos brasileiros, logo a campanha passada
para o terreno das negociaq6es diplomaticas com a reuniio dos
plenipotenciarios argentinos e brasileiros no Rio de Janeiro e por
elles assignado um tratado de paz que, embora nio rectificado,
comtudo logo cessadas as hostilidades de parte a parte, ate que
no anno seguinte e por mediagAo da Inglaterra, logo estabeleci-
do e assignado por ambas as parties, um novo tratado de paz,
com as seguintes determinag6es, ou clausulas, em 24 de Abril
de 1829: A Banda Oriental independent por espaco de 10 annos
e, ap6z estes, a sua livre escolha de forma de Governo mais con-
veniente; e a evacuagio da praga de Montevideo pelas tropas
brasileiras.
Tal o desfecho desta lucta sustentada pelo Brasil para acqui-
sigiio de um territorio a elle de facto duvidosamente perten-
cente.
Oitenta mil contos gastos, dez mil combatentes mortos e a
perca final da mesma provincia, tal o lucro do Brasil nesta
guerra.
De quem a culpa? Na realidade, s6 da Republica Argentina,
Nagio sempre ingrata para com o Brasil e entretanto a este por
ella muitos os favors devidos, entire outros, a sua independen-
cia e formagio como Nagio Sul Americana; e infelizmente at6
hoje, n6s por ella olhados de soslaio. Nenhuma paga, a melhor,
que a feita na mesma moeda.
Entretanto chegada ao Brasil a noticia da morte de D. Jodo
VI em Portugal, aos 10 de Margo de 1826, logo D. Pedro, como
filho primogenito, elevado ao throno portuguez; mas preferida
por elle a coroa do Brasil em vez da de Portugal, logo por de-
creto de 2 de Maio de 1826, abdicada aquella em favor de sua







95

filha D. Maria, entio com idade de 8 annos, e nomeado para tu-
tor da mesma, durante a menoridade, o seu irmio D. Miguel.
Facto curioso e singular entire o Brasil e Portugal com a
morte D. Jodo VI, realisado, em relagio aos seus chefes de Es-
tado: Aquelle, governado por um portuguez, D. Pedro I; e este,
governado por uma brasileira, D. Maria II.



CAPITULO XXXI

D. PEDRO I, IMPERADOR DO BRASIL; SUA ABDICACAO

Si grandes as ideas liberals existentes antes da independen-
cia, maiores as de agora devidas is rivalidades entire portuguezes
e brasileiros, e dahi os graves revezes durante a guerra do Rio da
Prata, por n6s ja vistos; e a todas estas accrescentadas ainda as
seguintes:
A franca propaganda da imprensa pela forma federativa das
provincias, com a just e natural opposicio do Imperador e do
seu partido a estas ideas; e daqui dimanados os graves confli-
ctos realizados em Sio Paulo e terminados pelo assassinate do
jornalista Libero Badar6, em 17 de Novembro de 1830; a noti-
cia da revolugio franceza, terminada pela deposigio de Carlos X,
e em consequencia disto, a excitacio dos animos em todas as
provincias, notadamente em Minas Geraes, a mais Republicana
de todas.
Desejoso do estabelecimento da paz, logo por D. Pedro re-
solvida a sua ida a Minas Geracs, ent5o, de todas a mais exaltada
e hostile ao seu Governo.
Partido, do Rio de Janeiro, corn sua esposa e grande sequito,
na sua passage por diversas localidades e na sua chegada a
Ouro Preto, por toda parte por elle ouvidos dobres de sino, a pre-
texto de exequias realisadas por alma de Libero Badar6, signal
evidence do descontentamento do povo, e por isto recebido .com
grande frieza da parte deste em 22 de Fevereiro de 1821, e ahi
por elle publicado um manifesto, de effeito contrapoducente.
Desgostoso pela attitude dos Mineiros, elle logo de volta ao
Rio, e, aqui chegado em 11 de Marco do mesmo anno, volunta-







96

riamente encerrado no, Pago de S. Christovam, durante seis dias.
Preparadas grandes festas, para solemnisacao da chegada
do imperador pelos portuguezes e estas censuradas abertamente
pelo partido Exaltado logo ellas degeneradas em agreg6e.s
violentas e terminadas pelo conflict travado entire portuguezes
e brasileiros, motim conhecido na historic pelo nome de -
Noite das Garrafadas devido a esta especie de arnnas emprega-
das por ambos os partidos, em ataques mutuos.
No dia 17 deste mez apoz o fingimento da entrada do Im-
perador na cidade, logo por 23 deputados reunidos em casa do
Padre Jos6 Custodio Dias, redigido um manifesto ao Imp-'.ador
e nelle reclamadas as offenses recebidas pela nacionalidade bra-
sileira, e exigida tambem a punicio dos culpados, e a demissio
do ininisterio; e, finalmente, levado este manifesto ao Imperador
pelo Major Miguel Frias.
Qual a resposta do Imperador? "A mim garantida pela Cons-
tituiqdo a escolha do ministerio; assim eu sempre prompto a
realisagco de tudo para o povo, nada, porem, pelo povo".
Voltado a noite o Major Frias e por elle ielatada agora a
coparticipacao dos generaes Lima e Silva, na revolta, D. Pedro,
apoz alguma reflexiio, logo por elle proferidas as seguintes pa-
lavras ao Major Frias: "Ndo, ninguem sacrificado por minha
causa"; e em seguida escripta por elle a seguinte declaraio:
"Pelo direito a mim pela Constituicdo conferid(- agora por mini
mui voluntariamente feita a abdicacio na pessoa do men muito
amado c presado filho, o Senhor D. Pedro de Alcantara. Boa
Vista, sete de Abril de 1831, decimo da Independencia e do Im-
perio".
E, no moment da entrega desta abdicacao ao Major Frias.
por D. Pedro I pronunciadas as seguintes palavras, corn os olhos
marejados em lagrimas; "Aqui a minha abdicacaio: Meus votos
pela felicidade dos brasileiros; dentro em pouco eu logo retirado
para a Europa e deixado este paiz por mirm sempre amado e pa-
ra sempre amado".
Neste mesmo dia sete de Abril, embora com data de seis, lo-
go por D. Pedro nomeado tutor de seus filhos Jose Bonifacio de
Andrada e Silva. Assim terminado o reinado de D. Pedro 1, e
assim elevado ao throno o seu filho, entdo coin a idade de cinco
annos e quatro mezes.







97

CAPITULO XXXII

MENORIDADE DE D. PEDRO II, AS REGENCIAS;

Entregue no mesmo dia 7 de Abril a Assembl6a a Abdicacao
de D. Pedro pelo Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, logo
eleita uma regencia provisoria, composta dos seguintes senhores:
Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, Marquez de Caravellas,
Jose Joaquim Carneiro de Campos e o Senador Nicolau Pereira
de Campos Vergueiro.
Quaes os actos praticados logo por esta regencia? A reinte-
gracio do ministerio dimittido e a approvacgo de Jos6 Bonifacio
para tutor do Principe menor e amnistia dada a todos os cida-
dfos brasileirds, condemnados ou pronunciados por crimes po-
litocos.
No dia 13 de Abril de 1831 logo D. Pedro de partida para
Europa corn todos os de sia familiar, menos D. Pedro II.
No dia 17 de Junho deste mesmo anno, reunida a Assembl6a
Geral, logo por ella eleita uma regencia permanent, composta
dos seguinles:
0 Brigadeiro Francisco de Lima e Silva, reeleito, e os depu-
tados Jose da Cosfa Carvalho, Joio Braulio Muniz, e no dia 4 de
Julho nomeado miniistro de Justiga o Padre Diogo Antonio Feij6.
Todo o period da historic do Brasil desde a acclamacAo de
D. Pedro II ate a declaragdo de sua maioridade, sempre cheio de
lutas intestines em diversos pontos do paiz, e algumas dellas dif-
ficilmente suffocadas.
Tres os partidos existentes no Rio de Janeiro com ramifica-
c6es pelo paiz, e com degladiae6es mutuas: 0 partido moderado,
a favor da regencia; o partido exaltado, propagandista da Re-
publica; c o partido Caramurfi, apoiado por Jos6 Bonifacio, recla-
mante a volta do Imperador D. Pedro I.
Quaes os actos praticados pelo ministry da Justica? A crea-
cg.o da guard Municipal e da Nacional e, por meio destas logo
suffocado um batalhdo de artilharia da marinha sublevado na
Ilha das Cobras; a suffocacio da revolta da guarnigio da Ilha de
Willegaignon, guiada pelo Major Frias e este, apoz a derrota, obri-
gado a fuga para a America do Norte; a suffocacio do levante
do povo insufflado por Jose Bonifacio no largo Estacio de SA, e







98

dahi o seu pedido ao parlamento para destituigio de Jose Boni-
facio do cargo de Tutor de D. Pedro II; pedido'attendido na Ca-
mara, mas ndo no Senado; por6m, mesmo assim logo Feij6 reti-
rado da pasta de ministry da Justiga.
De maneira que em todo o paiz, grandes revoltas, guiadas
todas pelo celebre dito de Feij6: "Nenhum progress sem ordem;
nenhuma liberdade sem justiga".
Estas as revoltas, durante esta regencia trina: No Recife, a
Setembrada, a qual, s6 apoz tres dias de terror, terminada e
suffocada; a do Ceara, guiada pelo Coronel Pinto Madeira e s6
terminada pelo fusiiamento do seu chefe; o povo indignado corn
a sociedade military creada pelo partido moderado e insuflada
por Jos6 Bonifacio, apoz a destruicao de diversas typographias,
este logo em frente ao Paso de S. Christovam, e ahi preso Jose
Bonifacio, logo destituido do cargo de tutor e remettido preso pa-
ra a Ilha do PaquetA, onde fallecido mais tarde em 1838; tudo
isto realizado em 1833.
No dia 12 de Agosto de 1834, logo pelas camaras votada a re-
forma da Constituicao, reform esta conhecida na historic pela
denominacgo de "ACTO ADDICIONAL".
Quaes os pontos principles deste acto additional? A estinc-
9cio dos Conselhos Geraes das provincias e a regencia de trina
passada para uma. Apoz a publicacio do acto additional em 21
de Agosto de 1834, pela Assembl6a reunida emn 7 de Abril de 1835,
logo o Padre Diogo Antonio Feij6 eleito regent.
Entretanto, de todas as lutas civis, desenroladas no Brasil, ne-
nhuma mais cheia de peripecias, nenhuma de mais duracao que
a conhecida pelo nome de Guerra dos Farrapos, no Rio Grande
do Sul; pois, principiada em 1835, s6 terminada em 1845.



CAPITULO XXXIII

REPUBLICAN DE PIRATINIM; MAIORIDADE DE D. PEDRO II

Quaes as causes desta guerra? As ideas Republicanas pro-
venientes das republican do Uruguay e da Argentina e os excessi-
vos impostos langados sobre os habitantes do Rio Grande do Sul.







99


Assim iniciada a luta: No dia 20 de Setembro de 1835 pe-
los revoltosos, guiados pelo Coronel Bento Goncalves, logo de-
posto o Presidente da Provincia, Antonio Rodrigues; Feij6, sa-
bedor deste facto, logo por elle enviado um novo Presidente Jo-
se de Araujo Ribeiro e por este, na batalha de Fanfa, preso o
seu chefe e remettido para o Rio de Janeiro; entretanto os seus
companheiros, reunidos na Serra de Tapes, logo ahi por elles
proclamada a Republica de Piratinim e acclamado Presidente o
seu chefe, ainda preso, mas substituido interinamente por Jos6
Gomes de Vasconcellos Jardim.
A' maneira de Souto, na guerra dos Mascates, Bento Ribeiro.
chefe dos rebeldes, passado para o partido legal, e de novo para
os seus companheiros, logo por elle desenvolvida forte opposicao
ao Governo, augmentada coin a fuga de Bento Goncalves, agora
collocado no posto de Presidente da Republica de Piratinim; e
emanada deste facto a renuncia de Diogo Feij6 do cargo de re-
gente e nelle substituido por Pedro de Araujo Lima, em 19 de
Setembro de 1837.
Se at& este moment, o Sul agitado pela guerra dos Farrapos,
agora novas revoltas no Norte, taes como: A Sabinada, na Bahia,
capitaneada por Francisco Sabino da Rocha Vieira, corn a conse-
quente proclamaqdo da Republica Bahiana, mas logo dominada
pelas forces legaes sob o commando do Marechal Jodo Calado
e do General Jos6 Coelho; a revolta dos Balaios, chefiada por
Manoel Francisco dos Anjos Ferreira, mas logo abafada pelo
Coronel Luiz Alves de Lima e Silva, entio, nomeado, pelo Re-
gente, Barao de Caxias.
Por causa de todos estes factos, logo feita, de commum accor-
do, pelos partidos degladiantes, urma propaganda a favor da de-
claraeao da maioridade de D. Pedro II, e esta logo conseguida,
gragas a imposiqao da mesma pelos Deputados Martins Fran-
cisco Ribeiro de Andrada e Antonio Carlos de Andrada Machado
nas cameras; estas reunidas em Assembl6a Geral, logo por ellas
votada unanimemente a maioridade do Senhor D. Pedro II,
em 22 de Julho de 1840 e, neste mesmo dia, prestado o juramento
Constitucional, logo pelo Senhor D. Pedro II assumido o Go-
verno do Brasil, na idade apenas de quinze annos, e assim ter-
minada a Regencia.







100

Apezar das luctas sustentadas at6 esta epoca, grande os be-
neficios feitos pelas differences regencias ao Brasil, taes comrno:
A organisagio da Academia de Bellas Artes; a reorganisagco da
Escola de Medicina do Rio de Janeiro, e da Bahia; a creac~o do
actual Collegio D. Pedro II; a perca incomparavel de Jos6 Bo-
nifacio de Andrada e Silva, fallecido em Nictheroy, em 6 de Abril
de 1838; e, finalmente a coroa do de D. Pedro II em 18 de Ju-
Iho de 1841.

CAPITULO XXXIV

REINAD.O DE D. PEDRO II; GUERRA DE S. LUIZA;
REVOLTA ALAGOANA E PRAIEIRA

Quaes os actos praticados por D. Pedro II? A nomeacio do
seu primeiro Ministerio, composto dos seguintes senhores; Anto-
nio Carlos Ribeiro de Andrada Machado e Silva, Antonio Pau-
lino Lincoln de Abreu, Antonio Francisco de Paula Cavalcanti,
Aureliano de Souza e Oliveira Coutinho, Francisco de Paula Ca-
valcanti de Albuquerque e Martim Francisco Ribeiro de An-
drada; amnistia geral para todos os crimes politicos, media
quasi que destinada directamente para o Rio Grande do Sul; e a
nomeacio do mais glorioso de todos os Generaes do Imperio,
Luiz Alves de Lima e Silva, Bario de Caxias, para a suffocacao
de todas as revoltas.
Antes da pacificagio do Rio Grande do Sul, tres as revoltas
operadas no Brasil, duas das quaes suffocadas pelo Barao de
Caxias: A revolta de Sorocaba em S. Paulo; a de Santa Luzia
em Minas; e a Alagoana e a Praicira, em Pernambuco.
Quaes as causes destas duas primeiras revoltas? A creacao de
um novo conselho de Estado, a reform do Codigo Criminal do
process e, finalmente a dissolugAo da Camara dos Deputados;
tudo isto feito pela Assembl6a Geral em 1841.
Rebentada a revolta em Sorocaba, provincia de S. Paulo, e
acclamado por ella Presidente o Brigadeiro Raphael Tobias de
Aguiar, logo o Barrio de Caxias enviado pelo Governo Imperial
para suffocacao da mesma.
Batidos em Venda Grande pelas forgas de Caxias, os rebel-
des, apoz abandonada Sorocaba, estes logo em fuga e persegui-