<%BANNER%>
HIDE
 Half Title
 Title Page
 Bibliotheca e archivo publico
 O bispado do Para, por Antonio...
 Correspondencia dos governadores...
 Catalogo da correspondencia dos...
 Alvaras, cartas regias e decisoes....
 Index


DLOC UFLAC



Annaes da Bibliotheca e archivo publico do Pará
ALL VOLUMES CITATION THUMBNAILS PAGE IMAGE ZOOMABLE
Full Citation
STANDARD VIEW MARC VIEW
Permanent Link: http://ufdc.ufl.edu/AA00013075/00005
 Material Information
Title: Annaes da Bibliotheca e archivo publico do Pará
Physical Description: v.ill.23-25 cm.
Publisher: Imprensa de Alfrdo Augusto Silva
Place of Publication: Para, Brazil
Publication Date: 1906
 Subjects
Genre: serial   ( sobekcm )
 Notes
General Note: Pará (Brazil : State) History Sources,Periodicals. Biblioteca e Arquivo Públicos do Pará, Periodicals .Brazil History, Periodicals.
 Record Information
Source Institution: University of Florida
Holding Location: UF Latin American Collections
Rights Management: All rights reserved by the source institution.
Resource Identifier: aleph - 25722895
oclc - 07545799
System ID: AA00013075:00005

Table of Contents
    Half Title
        Page i
        Page ii
    Title Page
        Page 1
        Page 2
    Bibliotheca e archivo publico
        Page 3
        Page 4
    O bispado do Para, por Antonio Rodrigues de Almeida Pinto
        Page 5
        Page 6
        Page 7
        Page 8
        Page 9
        Page 10
        Page 11
        Page 12
        Page 13
        Page 14
        Page 15
        Page 16
        Page 17
        Page 18
        Page 19
        Page 20
        Page 21
        Page 22
        Page 23
        Page 24
        Page 25
        Page 26
        Page 27
        Page 28
        Page 29
        Page 30
        Page 31
        Page 32
        Page 33
        Page 34
        Page 35
        Page 36
        Page 37
        Page 38
        Page 39
        Page 40
        Page 41
        Page 42
        Page 43
        Page 44
        Page 45
        Page 46
        Page 47
        Page 48
        Page 49
        Page 50
        Page 51
        Page 52
        Page 53
        Page 54
        Page 55
        Page 56
        Page 57
        Page 58
        Page 59
        Page 60
        Page 61
        Page 62
        Page 63
        Page 64
        Page 65
        Page 66
        Page 67
        Page 68
        Page 69
        Page 70
        Page 71
        Page 72
        Page 73
        Page 74
        Page 75
        Page 76
        Page 77
        Page 78
        Page 79
        Page 80
        Page 81
        Page 82
        Page 83
        Page 84
        Page 85
        Page 86
        Page 87
        Page 88
        Page 89
        Page 90
        Page 91
        Page 92
        Page 93
        Page 94
        Page 95
        Page 96
        Page 97
        Page 98
        Page 99
        Page 100
        Page 101
        Page 102
        Page 103
        Page 104
        Page 105
        Page 106
        Page 107
        Page 108
        Page 109
        Page 110
        Page 111
        Page 112
        Page 113
        Page 114
        Page 115
        Page 116
        Page 117
        Page 118
        Page 119
        Page 120
        Page 121
        Page 122
        Page 123
        Page 124
        Page 125
        Page 126
        Page 127
        Page 128
        Page 129
        Page 130
        Page 131
        Page 132
        Page 133
        Page 134
        Page 135
        Page 136
        Page 137
        Page 138
        Page 139
        Page 140
        Page 141
        Page 142
        Page 143
        Page 144
        Page 145
        Page 146
        Page 147
        Page 148
        Page 149
        Page 150
        Page 151
        Page 152
        Page 153
        Page 154
        Page 155
        Page 156
        Page 157
        Page 158
        Page 159
        Page 160
        Page 161
        Page 162
        Page 163
        Page 164
        Page 165
        Page 166
        Page 167
        Page 168
        Page 169
        Page 170
        Page 171
        Page 172
        Page 173
        Page 174
        Page 175
        Page 176
        Page 177
        Page 178
        Page 179
        Page 180
        Page 181
        Page 182
        Page 183
        Page 184
        Page 185
        Page 186
        Page 187
        Page 188
        Page 189
        Page 190
        Page 191
        Page 192
    Correspondencia dos governadores do Para com a metropole. Primeira serie. 1752-1757. Continuacao. Documentos n. 165 a 214
        Page 193
        Page 194
        Page 195
        Page 196
        Page 197
        Page 198
        Page 199
        Page 200
        Page 201
        Page 202
        Page 203
        Page 204
        Page 205
        Page 206
        Page 207
        Page 208
        Page 209
        Page 210
        Page 211
        Page 212
        Page 213
        Page 214
        Page 215
        Page 216
        Page 217
        Page 218
        Page 219
        Page 220
        Page 221
        Page 222
        Page 223
        Page 224
        Page 225
        Page 226
        Page 227
        Page 228
        Page 229
        Page 230
        Page 231
        Page 232
        Page 233
        Page 234
        Page 235
        Page 236
        Page 237
        Page 238
        Page 239
        Page 240
        Page 241
        Page 242
        Page 243
        Page 244
        Page 245
        Page 246
        Page 247
        Page 248
        Page 249
        Page 250
        Page 251
        Page 252
        Page 253
        Page 254
        Page 255
        Page 256
        Page 257
        Page 258
        Page 259
        Page 260
        Page 261
        Page 262
        Page 263
        Page 264
        Page 265
        Page 266
        Page 267
        Page 268
        Page 269
        Page 270
        Page 271
        Page 272
        Page 273
        Page 274
        Page 275
        Page 276
        Page 277
        Page 278
        Page 279
        Page 280
        Page 281
        Page 282
        Page 283
        Page 284
        Page 285
        Page 286
        Page 287
        Page 288
        Page 289
        Page 290
        Page 291
        Page 292
        Page 293
        Page 294
        Page 295
        Page 296
        Page 297
        Page 298
        Page 299
        Page 300
        Page 301
        Page 302
        Page 303
        Page 304
        Page 305
        Page 306
        Page 307
        Page 308
        Page 309
        Page 310
        Page 311
        Page 312
        Page 313
        Page 314
        Page 315
        Page 316
        Page 317
        Page 318
        Page 319
        Page 320
        Page 321
        Page 322
        Page 323
        Page 324
        Page 325
        Page 326
    Catalogo da correspondencia dos governadores e capitaes-generaes do Para com o governo da metropole. 1652-1823. Continuacao
        Page 327
        Page 328
        Page 329
        Page 330
        Page 331
        Page 332
        Page 333
        Page 334
        Page 335
        Page 336
        Page 337
        Page 338
        Page 339
        Page 340
        Page 341
        Page 342
    Alvaras, cartas regias e decisoes. Continuacao Documentos n. 333 a 364
        Page 343
        Page 344
        Page 345
        Page 346
        Page 347
        Page 348
        Page 349
        Page 350
        Page 351
        Page 352
        Page 353
        Page 354
        Page 355
        Page 356
        Page 357
        Page 358
        Page 359
        Page 360
        Page 361
        Page 362
        Page 363
        Page 364
        Page 365
        Page 366
        Page 367
        Page 368
        Page 369
        Page 370
        Page 371
        Page 372
        Page 373
        Page 374
        Page 375
        Page 376
        Page 377
        Page 378
        Page 379
        Page 380
        Page 381
        Page 382
        Page 383
        Page 384
        Page 385
        Page 386
        Page 387
        Page 388
        Page 389
        Page 390
        Page 391
        Page 392
        Page 393
        Page 394
        Page 395
        Page 396
        Page 397
        Page 398
        Page 399
        Page 400
        Page 401
        Page 402
        Page 403
        Page 404
        Page 405
        Page 406
        Page 407
        Page 408
    Index
        Page 409
        Page 410
Full Text










Annaes
da

Bibliotheca e Archivo Publico
do Para







rI







ANNAES

DA


BIBLIOTHECA


E


ARCHIVO PUBLIC

DO PARA



Tomo Quinto


Secretarto de Estado da dusrl'a, Interior
e InstrucZio Publica
Dr. Amazonas de Figueiredo


Director da Blbliotheca e Archilvo
Public
Arthur Vianna


Pard-Brazil
Typ. e Encadernagio do Instituto Lauro Sodr6
1906






















Bibliotheca e Archivo Publico





'OMPETE-ME o dever de apresentar ao public
este volume, o quinto da series dos Annaes da
Bibliotheca e Archico Publico do Pard, cuja pu-
blicac1 o foi iniciada em 1902 e at6 hoje man-
tida no disposto regulamentar de um tomo por anno.
Toda a material dada A estampa neste volume 6
completamente inedita e valiosa para o estudo da nossa
historic, com especialidade a correspondencia do gover-
nador Francisco Xavier de Mendonga Furtado, sobre
a questdo dos indios e dos jesuitas.
Na prosecuC'o dos nossos Annaes esta a tprefa de
maior alcance e de maior relevancia das que nos impoe
a lei organic da Bibliotheca e do Archivo.
Nem mister se faz encrecel-a: seria repetir inutil-
mente o que vive no espirito de todos.
Circumstancias especiaes me obrigam a deixar o
cargo de director deste departamento public, no qual
venho servindo o Estado, desde 1899, e nao quero fa-
zel-o sem registrar aqui um facto que me 6 summamen-
te grato.
A primeira secQao de manuscriptos, onde estdo os
documents da nossa vida colonial, acha-se completa-
mente organisada e excellentemente acondicionada, con-








II ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


stituindo uma fonte valiosissima para esta publicaqdo.
Quando, depois de uma longa series de volumes dos,
Annaes, se vier a exgottar o material ahi accumulado, a
tarefa poderi ser continuada sem interrupgao na se-
gunda secqo, tao bem e definitivamente organisada
como a primeira.
E', pois, cor a consciencia satisfeita, permitta-me
o leitor esta franqueza, que transmitto ao meu succes-
sor esse bello patrimonio historic, object da minha
constant preoccupac5o e dos meus mais esforcados la.
bores.


ARTHUR VIANNA























0 BISPADO DO PARA'


Por ANTONIO RODRIGUES DE ALMEIDH PINTO



DOM FREI BARTHOLOMEU DO PILAR

1. Bispo

SUMMARIO. Nascimento de Bartholomeu do Pilar. Sua infancia. Entrada no
claustro. Seus estudos e progress nelles. E' nomeado lente. O grfo de
doutor em theologia. Servigos a sua ordem. Creaqio do bispado do Para.
Nomeap~o de frei Bartholomeu para 1. bispo. Creacgo do cabido. Sagra-
clo do 1.0 bispo. Sua posse. 0 1.- governador do bispado do Para. Mora-
dia do bispo no convento. A primeira igreja no Parf. O primeiro vigario.
A igreja de S. Joao servindo de matriz. ApropriagAo d'esta igreja para ca-
thedral. Nomeagco do pessoal para o cabido. A chegada do 1." bispo. Sua
entrada solemne na cidade. Primeira visit pastoral. Governs os bispados
do Para e do Maranhio. Mudanca dos padres que residiam no convento do
Carmo. A umbrella dos conegos da Se. As virtudes do bispo. Etiqueta entire
o bispo e o general. Falta de attencqo do governador. Mais etiqueta. Cre-
aqAo da freguesia de Sant'Anna. O seu primeiro vigario. Os jesuitas e o
bispo. As congruas do clero. Desgostos do bispo. Sua caridade. Visit pas-
toral. Enfermidade e morte do bispo. As exequias. S6de vacant. Os viga-
rios do Para. Os frades. Sepultura do bispo. Trasladaqco das suas cinzas da
igreja de S. Joao para a Se. Notas diversas.


NASCIMENTO DE BARTHOLOMEU DO PILAR


OM Frei Bartholom6u do Pilar nasceu na
Villa das Vellas, na ilha de S. Jorge, em
SPortugal, e foi baptizado na igreja do Sal-
vador, matriz da mesma Villa, a 21 de Se-
tembro de 1667, filho legitimo de Joio d'Avila Betan-







6 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


cur, e sua mulher Maria da Silveira, illustres mais
por sua piedade, do que pela nobreza de sangue. (1)


SUA INFANCIA


Desde aquelle tempo, em que as disposigSes does-
pirito comegio a manifestar-se, nao tardardo a serem
reconhecidas as felizes inclinaqoes, que madrugardo tio
cedo no coraggo do filho, e que erao preludios do que
depois veio a ser.

ENTROU NO CLAUSTRO


Uma indole docil, e nataralmente propensa a vir-
tude, e uma firm resoluqgo de abandonar o seculo, o
fizerAo entrar no claustro Carmilitano da antiga e
regular observancia, cujo habito recebeu no convento
da Villa do Faial a 31 de Outubro de 1686, tendo de-
zenove annos de idade; professor no primeiro de No-
vembro de 1687, distinguindo-se pela sua obediencia,
humildade, genio pacifico e soffredor, e rigoroso obser-
vante das Leis claustraes, 6ra tido como exemplar do
um perfeito religioso, louv ado por todos, e talvez imi-
tado de poucos.

SEUS ESTUDOS


Conhecendo que a sciencia 6 indispensavelmente
necessaria a um ministry do Evangelho para empre-


(1) AO LETORn-Estavao dispersos em div ersos manuscriptos os factos impor-
tantes da creagao e inauguraqgo da Cathedral Paraense; sentia nio estarem com-
pendiados, para corn mais facilidade serem consultados; eu os compilei, compul-
sando esses documentos, e Ihes addieionei noticias que me transmittirio veterans
JA decrepitos. Aqui as lgo A posteridade, e me submetto a correcqto merecida;
supplico, porem, a indulgencia do respeitavel leitor, a que me julgo corn direito,
porque s6 o dezejo de fazer este servigo A minha patria, me deu forqas superiores
is difficuldades cor que lutei.







O BISPADO DO PARA


gar-se na gloria de Deus, na utilidade da igreja, e no
bem do Estado, procurou aproveitar seu talent natu-
ral, aperfeiqoando-o no estudo philosophico, e fordo takes
os seus progresses, dotado como era de engenho vi-
vo, comprehengio prompta, e memorial felicissima, que
veio a merecer uma particular estima de seus mestres:
seus Prelados nao permittirdo que deixasse a carreira
litteraria, e applicando-s.e aos estudos maiores, foi para
esse fim recolhido ao Collegio de Coimbra, aonde entrou
a 21 de Outubro de 1691, e conseguio ser um dos ma-
iores ornamentos da sua ordem.
Entregue as lettras, por gosto e reflexdo bebeo a
sciencia Theologica nas fontes mais puras e originaes,
de modo que nio tardou a ser comsumado Theologo,
e nessa faculdade defended conclusbes publicas na pre-
senga do Geral de toda ordem o Padre Mestre Frei
Joio Feix6 de villa de Lobos, vardo e letrado, coin
assistencia do Corpo Academico, que tinha honrado
aquelle acto, de que lhe resultarao justissimos lou-
vores.
Dado a liio das escripturas, da tradiqgo dos Con-
cilios, e dos Padres, adquirio aquelle fundo de luzes, e
elevagio de pensamentos, que ao depois se admirardo
nos seus series, nas suas pastoraes, e nos seus es-
criptos.

LENTE


Acreditado por mestre consumado, fordo tio co-
nhecidos seus talents, e tio manifestas suas virtudes,
que o P.e Mestre R.do Bartholomeu do Quintal, fundador
da Congregaqdo do Oratorio, em Portugal, querendo
dar aos Congregados de Pernambuco um Relijioso que
os edificasse corn seu exemplo, e os instruisse corn sua
doutrina, entire tantos varies, que honrardo aquelle se-
culo por sua eminente doutrina, o nomeou: e nao foi






8 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


baldada essa escolha, porque sabio e virtuoso era o mes-
'tre, sabios e virtuosos formou elle os seus discipulos.

DOUTOR EM THEOLOGIA

Encarregado de tao grave, como laborioso emprego,
todas as vezes que recebia a cadeira, fosse qual fosse a
material que explicasse, sempre d'ella deduzia alta dou-
trina, que levantasse o espirito, e accendesse no coragio
dos discipulos a viva chama do amor de Deus, fonte pe-
renne de principio segurissimo da verdadeira sabedo-
ria; empregado nesta commission, oito annos, leccio-
nando philosophia, e quatro theologia, foi retirado de
Pernambuco, para o Convento do Carmo em Lisboa,
onde foi condecorado, entire os seus, cor honras de
Doutor em Theologia, cujo grAo recebeu em 16 de Mar-
go de 1702 das maos do Cardeal Conti, sendo Nuncio
Apostolico em Portugal, e que depois subio ao Pontifi-
cado, com o nome de Innocencio 13. Teve logo nome-
aQ5o de qualificador do Santo Officio por Provimento
de 4 de Dezembro de 1704, e deste mesmo tribunal occu-
pou o cargo de Commissario no Estado de Pernambuco.

SERVIQOS A SUA ORDEM

Nao e s6 pelo que deixamos escripto, que a exem-
plarissima Congregacgo do Oratorio foi devedora A
Dom Frei Bartholomeu do Pilar de grandes e assigna-
ladas obrigaq5es: Ao seu zelo e litteratura deveo ella a
observancia dos seus estatutos de seu veneravel fun-
dador, nio s6 adoptando outros, cuja questdo foi entire
os mesmos Congregados debatida cor grande calor e
vehemencin, triumphando por fim a causa do Senr.
Quintal sustentada por D. Frei Bartholomeu do Pilar,
levado pelos seus principios do espirito a bem da jus-
tiga e da verdade.
QuAo subidos forgo os elogios, que para tio impor-






O BISPADO DO PARA


tante service mereceo o Senr. Quintal, o attesta uma
carta escripta por este ao Bispo Dom Frei Francisco de
Lima, Carmelita calgado, em cuja Diocese residia, ao
tempo em que a dita carta apareceo concebida nestes
terms: Muito agradeco d V. R.m" o que ter obrado e
obra a favor da congregagqo, e o applacar as tempes-
tades que contra ella se levantario, e applicar os reme-
dies convenientes para se atalharem os maos effeitos
que delles se seguirio ja por si, ja pelo R. p.e Mestre,
a quem estou obrigadissimo, e juntamente admirado
de que nao 6 s6 bom mestre, mas prudentissimo director
destes negocios, e o incansavel zelo cor que se ha na
sua conservaleo, como vi de tantos papeis, tao dilata-
dos, e tio acertados, que nao pudera fazer mais pela
sua Religiio, si Ihe tocara o defendel-a.
Queira o Senr. dar aos Padres da Congregacqo
este mesmo conhecimento para que o saibio estimar e
agradecer, que supposto o faqro por amor de Deus, isto
nao livra do nosso reconhecimento.
O Padre Francisco Pedrozo, um dos varies mais
exemplares da mesma congregaqio, escrevendo se ex-
plica da maneira seguinte: Foi Deus Nosso Senhor Ser-
vido levar para si o Nosso Veneravel Bartholomeu do
Quintal. Obrigadissimo a pessoa de Vossa Paternidade
confessa na sua carta que deixou comeCada ao Sr. Bispo
(cujo trecho fica acima transcript) e que ao dito Se-
nhor remetto, da qual poderd Vossa Paternidade ver a
estimaqio que o Veneravel Padre fasia das suas virtudes
e lettras.
De testemunhos tUo qualificados sio bem authori-
sadas as muitas virtudes, que tanto resplandecerio em
Dom Frei Bartholomeu do Pilar, fazendo-se por umas,
e outras, merecedor de que o Rei de Portugal Dom
Joio 5. que tambem o 6ra do Brazil, o nomeasse pri-
meiro Bispo do Gram Pard, a 9 de Novembro de 1717,
na qual dignidade foi confirmado pelo Pontifice Cle-
mente 11. por Bula de 4 de Marco de 1719.








10 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


CREA(:AO DO BISPADO DO PARA


Em 1718, Dom Joao'5.o, Rei de Portugal, e que tam-
bem o 6ra do Brazil, attendendo que pela distancia
que separava as cidades, Maranhao e Pard, um s6 Bispo
nao bastava para acudir a ambas comr a prestesa que
requerem certos cazos; e para que os seus vasallos
nao continuassem a soffrer a falta do bem spiritual,
que se frie da assistencia e presenqa do Prelado e
Pastor, recorreo A Santa S6 Ap'ostolica, pedindo-lhe
por takes motives a creaqgo de um Bispado na cidade
do Pard; media esta que ja no anno de 1684 havia
sido proposta a Santa Se pelo Rei de Portugal Domr
Pedro 2.0, e que o 1. Bispo do Maranhao e Part Dom
Gregorio dos Anjos conseguiu contrariar, e serem an-
nulladas as Bullas, quando ja ido at6 ser expedidas.
Sim, o Bispo Dom Gregorio dos Anjos no Park,
de visit pastoral, em aquelle anno foi avizado da Corte
de Portugal, que no anno antecedente o Rei Dom Pe-
dro 2. propuzera d Santa Se um Bispado para o Para
desmembrando para isso da cidade do Maranhao o ter-
ritorio paraense; tendo proposto, tambem, para Bispo
Frei Manoel da Natividade: Dom Gregorio recorreo sem
demora ao Santo Padre contra a desmembrag o, como
expoliaq5o que hia soffrer nos seus direitos, e foi tdo
pertinaz na approximacqo, corn quanto fosse ja na oc-
casino de serem expedidas as Bullas, que lugrou inu-
tilizar as diligencias do Rei, ficando em perpetuo es-
quecimento as referidas Bullas.
Mais bem succedido, porem, do que o Rei Dom Pe-
dro, Dom Joao nto s6 n~o achou opposiqio da parte
do 3.V Diocesano do Maranhdo Dom Frei Joze Delgarte,
como corn muita boa vontade encontrou o Santissimo
Padre, que ja 6ra Clemente 11. e nao Innocencio 11.o
que viveo ao tempo da primeira proposta.






O BISPADO DO PARA


FOI NOMEADO BISPO


O Summo Pontifice Clemente 11." tendo recebido
benignamente a proposta, se dignou de, por Bulla de
4 de Marco de 1719, crear o Bispado proposto, ficando suf-
fraganeo do Arcebispado de Lisboa,e como consequencia
independent do Bispado do Maranhao.
Por outra Bulla da mesma data foi servido elevar
a igreja matriz, e J.a do Par, deNossa Senhora da Graga
da cidade de Santa Maria de Belem do Gram Para, a
cathedral, sob a mesa invocaQco de Nossa Senhora
da Graga.

CABIDO


Por Bulla de igual data approvou a proposta do
Rei, de Dom Frei Bartholomeu do Pilar, para primeiro
Bispo da nascent Diocese, como ja esta dito em outro
lugar; assim creou o pessoal indispensavel para as fun-
cces religiosas, que foi o seguinte: 4 Dignidades, 10
Conegos Presbyteros, 6 Conegos Diaconos, 4 Conegos
Sub-diaconos, 16 Denificiados, 16 Capellfes, dos quaes
um era Subchantre, 9 Capellaes musicos, sendo um del-
les mestre da Capella, 8 Moqos do c6ro tambem mu-
sicos, 2 Mestres de Ceremonias, 4 penitenciarios meno-
res, 1 Altarreiro, 1 Organista, 3 Sachristas, 1 Porteiro
da Maga, 3 Varredores, e 1 Sineiro; e ficou portanto cre-
ado o Cabido. Quatro annos antes tinha estado de vi-
sita no Pard, onde chegou a 24 de Dezembro de 1717,
o 4.o Bispo do Estado do Maranhao Dom Jos6 Del-
garte, e se demorara nessa vesita seis mezes, quando a
13 de Julho de 1721 foi o Para solenemente reconhecido
Bispado, e desmenbrado do Maranhio. Nesse dia 13, ao
receber o General Governador os communicaqGes offi-
ciaes a tal respeito, as transmittio ao Eclesiastico, a ca-
mara, e aos habitantes, e deo suas ordens; os sinos dos






12 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBI.ICO


campanarios comeqario a repicar e as fortalezas a sal-
var com 21 tiros.
Por tres dias se illuminardo as cazas dos habitantes
e repartiqges publicas, assim como os navios surtos no
porto, a tropa trajou grande uniform, as fortalezas
salvardo trez vezes ao dia; no ultimo destes dias as
tropas formario em grande parada no largo da matriz,
na qual se reunirdo, Capitao General, Camara, a offi-
cialidade da guarniQgo, ordens regulars, confrarias,
nobres, e plebeos; e alli se entuou Te Deum Laudamus
em accio de graqas por um taio grande beneficio, cujo
acto concluido, as tropas derdo trez descargas de ale-
gria, e todos se retirarao satisfeitos e exultando de
contents.
A camera municipal dirigio ao Monarca um voto
de seu reconhecimento por um tZo assignalado acto
de sua benignidade pelo primeiro navio que sahio pa-
ra Lisboa, e nesse officio teceu elogios as virtudes e
saber do Bispo eleito; e a este, tanto a camera, como
o Cura da Freguezia, e os Religiosos Carmelitas, diri-
girfo suas letras floreadas com expresses de prazer,
respeito, obediencia, e reconhecimento.

SUA SAGRAQkO

Logo que o Prelado Diocesano recebeu as Bullas
se fez sagrar a 22 de Dezembro de 1720, cuja solemni-
dade teve lugar na Igreja Patriarchal de Lisboa pelo
Cardeal, 1.o Patriarcha de Lisboa, Dom Thomaz d'Al-
meida, e forio assistentes os Exm.os Sen.os Arcebispo de
Lacedemonia Dom Joio Castel Branco, e o Bispo da
Ilha 3." Dom Manoel Alves da Costa.

POSSE DO BISPO

Em seguimento d sagraqgo nomeou por procurago
de 9 de Fevereiro de 1721, o Carmelita Padre Mestre







* 0 BISPADO DO PARA


Frei Victoriano Pimentel, para em seu nome tomar
posse do Bispado, cujo acto se celebrou no dia 13 de Julho
do mesmo anno na matriz de Nossa Senbora da Graga,
que exercia suas funcg5es na igreja de Sao Joao Ba-
ptista a antiga, para onde as funcq5es-parochiaes ti-
nhao sido removidas em 1714, por estar a igreja ma-
triz tao arruinada, que ameagava perigo. A igreja de
S. Joao que existe hoje, 1875, 6 a segunda que se ter
edificado n'aquelle mesmo lugar, cuja obra, que hoje
vemos, foi feita com o numerario dos parochianos da
Freguezia da S6, sendo architeto o Engenheiro Ita-
liano, Landi, unico contingent com que o Governo con-
correu.
1.0 OVERNADOR DO BISPADO

Tambem por proviso de 10 de Fevereiro de 1721,
nomeou o referido Frei Victoriano, Governador do Bis-
pado, o l.o que o Pard vio, Provisor e Vigario Geral;
e todas estas posses Ihe forao conferidas pelo 6.0 Vi-
gario da Matriz Joao de Barros e Silva; 6ra Escrivao
da Camara Eclesiastica Antonio da Silva.
Este Carmelita calgado 6ra Vigario Provincial da
Ordem de Nossa Senhora do Monte do Carmo, em todo
o Estado do Maranhao, pois que abrangia tambem o
Para, onde ja tinha convento, tambem 6ra commissario
do Santo Officio, e Deputado da Junta das Miss6es.

SEMPRE MOROTT NO CONVENT

Ainda depois de sagrado, e tomada a posse da sua
nascente diocese, se demorou em Lisboa, occupado dos
interesses della, e em todo esse tempo residio sempre no
seu convento, onde 6ra visto, nao como Bispo aucto-
risado, mas como religioso humilde prompto e assiduo
em todos os actos da communidade, ensinando, assim
a todos o que 6 uma vida regular.







i1 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHI.VO PUBLIC


I.a IGREJA NO PARA


Quando no mez de Dezembro de 1615 o Capitdo
Mor Francisco Caldeira Castello Branco fez a sua praca
d'armas, a qdial deo o nome de fortaleza, e hoje Ihe
chamamos Forte do Castello, nao se esqueceo de fazer
edificar no seu recinto uma pequena Ermida, erecta d
Nossa Senhora da Graqa, e foi por tanto esta a pri-
meira caza de Deos no Pard; mas quando no anno se-
guinte comegou a preparaqco da aldea, que servio de
alicerce a fundagdo da Cidade, de acordo cor o Padre
Manoel Figueira de MendonQa, que foi o primeiro Sa-
cerdote, que celebrou no solo Paraense, e servia de Ca-
pellio, e que logo mais passou a ser o 1.o Vigario nomeado
pela Prelasia de Pernambuco da qual dependia o Pard
e Maranhdo antes de constituir-se em Diocese escolheo
lugar apropriado para fazer edificar a Matriz: Passou,
corn muita actividade, a reunir material para a obra,
por nao se compadecer, principalmente, corn o system
military, a circunstancia de ser devassado o recinto d'uma
praga d'armas pelo povo, nao military; assim como pe-
la conveniencia de aproveitar-se da concorrencia de
tantos bravos que o-TuxAua-Pard-assii-tinha post
a sua dispoziqho, empregando-os n'aquella obra de
tanta magnitude, de que havia mister.
O lugar escolhido 6 aquelle mesmo, em que vemos
a Cathedral, e a obra da Matriz teve principio em 1617,
sendo concluida ja depois da depozigdo, do Capitdo
Mor, fundador da cidade, 1619; a matriz foi edificada
de madeira, barro, e palha: PassarTo as funcqSes exer-
cidas na Ermida que existia dentro da fortaleza, para
a nova igreja, e a Ermida ficou existindo, e era ado-
rada nella a image de Nosso Senhor Jesus Christo

(I )-A data citada pelo auctor 4 insubsistente e tambem nio 6 verdade que
Castello Branco d6sse o nome de-fortaleza-- fortificaqio construida. Vide a nota
da pag. 231 do vol. IV d'estes Annaes. A. V.






0 BISPADO DO PARA


em ponto grande, ou de um home, a qual affirmara
a guarnigio que suava, e se Ihe chama o Senhor Santo
Christo do Forte.

0 1.0 VIGARIO NO PARA

O Governador do Estado do Brazil, e Capitdo Ge-
neral, Dom Luiz de Souza, a pedido e recommendaqio
do seu predecessor Gaspar de Souza, em Julho de 1617
deu nomeadio de Vigario da primeira matriz do Pard
ao Padre Manoel Figueira de Mendonga, a que tinha
direito incontestavel.

A IGREJA DE S. JOAO SERVIO DE MATRIZ

Correrdo os tempos, e na sua dura passage que
tudo humilhio, estava a matriz, em 1714, em estado de
tao grande ruina, que ameagava perigo; devida mais,
sem duvida, ao pouco zelo dos homes, do que ao ri-
gor desse tempo; o seu 5. Vigario Padre Antonio Lou-
renco da Franca, recorreu ao Governador a fim de ser
concertada a sua igreja e a vista de circunstancias, que
tiverao lugar, preferio a transferencia, das funcdes do
seu ministerio para outra igreja, ate que se concertasse
a matriz: concertada, ou feitos alguns pequenos con-
certos, de que precisava a igreja de S. Joao Baptista, a
primeira, que 6ra de madeira, barro, e palha, para ella
fordo transferidas as funcqoes parochiaes, mesmo nesse
anno de 1714, e a igreja de Nossa Senhora da Graga fi.
cou abandonada ao poder do tempo

ACCOMMODAqOES NA IGREJA DE SAO JOAO PARA CATHEDRAL

O Prelado Diocesano, que tinha ainda ficado na
Corte, para tratar das necessidades da sua nascente
diocese, teve logo conhecimento desse estado tao lasti-






16 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


moso da primeira igreja do Para, que acabava de ser
elevada A alta categoria de Cathedral, assim como, que
a igreja de Sao Joao Baptista ndo tinha a capacidade
necessaria para as funccges Cathedraticas, e cor grande
zelo e diligencia se dirigio ao Governo, e cor summa
brevidade obteve o Decreto de 23 de Marqo de 1724
pelo qual o Governo mandou fazer na referida igreja
de Sao Joao as obras, e accommodates indispensaveis,
assim como augmentar a Capella mor; estava a Matriz
a esse tempo sub a regencia do 6.0 Vigario Padre Joao
de Barros e Silva. Este Decreto teve tdo prompto cum-
primento, importando a despeza em 1:025$700, que a 19
d'Agosto, quando chegou o Sr. Bispo ao Para, tudo es-
tava feito.Porein Este, sabendo em Lisboa que a sua Ca-
thedral era coberta de palha, disse--S de palha Bispo
de papeldo.

NOMEA(,AO DO 1.0 CABIDO-VIZITAS PASTORAFS

Ainda mais, o Rei Dom Joao 5." auctorisou o Dio-
cesano por Decreto de 26 de Maio do mesmo anno do
1724, a nomear as Dignidades, Conegos, e mais Minis-
tros da sua Cathedral, dando-lhes logo posse, com o
onus, porem, de solicitarem do Monarcha a confirmaQgo.
Provide dos paramentos necessarios ao seu exerci-
cio, e funcqes de sua Cathedral, e de mais algumas
disposiqoes Regias, bem como a preciza Ordem para o
General pelo Erario Ihe fornecer nos devidos tempos,
embarcaq.o, gente, e mantimentos, para poder fazer as
vizitas pastoraes ao Certfo, e dois indios para creados
de cada um dos padres da Cathedral, embarcou em
Lisboa, e seguio para o Para, a 5 de Junho de 1724.

CHEGADA DO 1.0 BISPO AO PARA

Chegando a sua diocese, a 29 de Agosto mesmo
de 1724, acompanhado dos padres que havia nomeado






0 BISPADO DO PARA


de entire os de Lisboa, sendo: 4 dignidades, 15 Conegos,
e 12 Benificiados, dos quaes um era Organista, assim como
tambem no mesmo navio condosio o Orgio,, foi morar
com toda a sua comitiva no Convento dos Carmilitas
da Cidade, onde foi sua effective residencia.

ENTRADA SOLEMN DO BISPO

No dia 16 de Setembro deo posse ao corpo Cathe-
dratico, no dia 21 desse mesmo mez fez a sua entrada
solemne, a qual concorrerdo todas as Auctoridades, e
funccionarios, officials, irmandades e confrarias religi-
osas, sendo que os habitantes de todos os sexos e ida-
de nio se deixario ficar em suas palhogas, para maior
brilhantismo do acto; e no dia 22 se comegou a resar o
officio Divino na nascente Cathedral, erecta na igreja
de Sdo Joio Baptista como j6 dissemos, porem matinas
e laudes erAo resadas de noite.

1.a VIZITA PASTORAL


De posse, apenas, da' sua diocese, e firmadas a
regularidade, e exercicio da Cathedral, por estatutos
que Ihe deo compostos de 66 artigos, nao se poupou a
trabalhi algum para a edificago de seu povo, e do seu
Clero, e abrio sua vizita pastoral na Capital da Cida-
de para reformar quaesquer abusos nas igrejas e Ca-
pellas, visitando-as todas, e procedendo ocularmente a
exames.
GOVERNANDO 0 PARA E MARANHAO

Em Dezembro de 1724 fallecendo o 3. Bispo do Ma-
ranhao Dom Frei Joze Delgarte, e dando-lhe disso co-
nhecimento a Camara daquella Cidade, pois o falleci-
mento teve lugar no dia 14 desse Dezembro, tempo em






18 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


que estavio interrompidas as relag es entire Portugal
e -Roma, o convidou a fazer-lhes suas vizitas pastoraes.
O Bispo, dando do facto sciencia ao Governo de
Portugal, lembrou a conveniencia de ser mandado para
alli um Padre estranho is parcialidades, que ja tanto se
tinhio hostilizado e causado series cuidados, e sem du-
vida indicou o seu Arcediago Pe. Dr. Antonio Troyano.
O Governo certamente attendendo a circunstancia
de estarem suspensas as suas relaQges cor o Governo
Romano, e por isso impossibilitado de prover a vaga
de um Bispo no Maranhio tomou a media do encar-
regar o Cabido de Lisboa oriental para eleger, Sede
vacant, e pelos motives apontados pelo Diocesano Pa-
raense o dito Arcediago Dr. Antonio Troyano, e em-
quanto se tomavdo por Portugal estas medidas, o Sefir
Dom Bartholomeo aconselhou ao Arcediago, que renun-
ciasse o Benificio; e no entanto, respondendo a Camara
hie disse que, muito dezejava por no Maranhao um Vi-
gario Geral, que cabalmente satisfizesse a sua obriga-
qco, mas, attendendo as parcialidades, que tinhao ha-
vido n'aquella Cidade, achava que nao convinha no-
mear sujeito d'ella, e que porisso embora se privasse
d'um padre, antes de acabar o mez d'Agosto, que esta-
va entrado, o faria partir do Para, e assignou-- 30 de
Julho 1725-Bispo do Gram -Pard com o Governo do
Bispado do Maranhao.
Em verdade, 14 ou 15 annos durou esta interrupqgo
entire esses Governos e a Diocese Maranhense viveu
acephala todo esse tempo porem, o Arcediago renun-
ciou a 20 d'Agosto de 1726 o Benificio, por que ja Ihe
tinha chegado a nomeag8o alludida, e seguio para a
Diocese do Maranhio como Governador, Providor, e Vi-
gario Geral daquelle Bispado.
A esse tempo o Bispo foi louvado pelo Governo,
,pelo seu zelo, provado ainda mais nessa occasiao, e Ihe
recommendou o Governo do Bispado do Maranhio, pois
que a elle recorrerido os Padres de Maranhao, quando







0 BISPADO DO PARA


tivessem necessidade de assim o fazer nas cousas da
igreja.
Cabe aqui dizer que o Bispo Delgarte falleceu a
14 de Dezembro de 1724, e o 5., seu successor, Dom
Frei Manoel da Cruz so foi apresentado em 1738; sem
duvida decorrerAo 14 annos, de Sede vacant, e que
aquella diocese esteve sugeita A do Pard.
O Rei mandou abonar ao Governador Padre Dom
Antonio Troyano todos os annos 200$000, para as vizi-
tas que era obrigado a fazer na Diocese; mas vendo-se
doente no anno de 1727 pedio license, e retirou-se para
Lisboa; ficou o Bispo do Pard Dom Bartholomeu cor
o Governo daquelle Bispado, em consequencia do que
a 12 de Outubro desse anno 1732, dirigio ao Monarca
uma Carta expondo-lhes, que, em virtude de suas Ordens
tinha de passar-se muitas vezes ao Bispado do Mara-
nhao, em visit pastoral, e que este servigo demandava
de despeza, para a qual elle ndo tinha dinheiro; assim
pois Ihe pedio que Ihe mandasse dar os 200$000, que
havia consignado ao Governador Padre Dr. Antonio
Troyano, para as despezas das visits, assim como mais
400$000 do ordenado do Bispado vago, para as despe-
zas de ida e volta do Para a Maranh do, emquanto es-
tivesse vaga aquella Sd.
O Monarcha responded a esta carta em 12 de Fe-
vereiro de 1733, dra Dom Jooo 5.
Que se vio da sua carta de 12 de Outubro de 1732,
em que havia exposto, que de Lisboa, a que e sufra-
gunea a Se de Maranhao, 6 muito demorada a corres-
pondencia; que hia tomar o Governo dessa diocese por
haver-se recolhido doente a Lisboa o Govern ador Padre
Dr. Antonio Troyano, ao qu al tendo o Rei concedido
os 200$000, que costume nas Proviso ens dos Bispos
aplicar de suas congruas, para esmolas aos pobres,
sendo para estes 80$000, para congrua dos officials do
Bispo, Vigario Geral, e Meirinho, 120$000, dice o Rei
para cujo effeito pedis, que vos made dar a dita quan-







20 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


tia; e que como deveis ir visitar aquelle Bispado, en
cuja viagem, ou jornada de ida e volta he indispensa-
vel a despeza, tambem me pedis que dos dois mil cru-
sados, que estdo aplicados a congrua dos Bispos, se
v6s de a metade na occasido em que fordes ao dito
Bispado, para os ditos gastos, assim como uzei para
com os Governadores que em tempos passados, para
visitarem o Bispado do Para, tiverdo de la hir, e voltar
ao Maranhio.
Hei por bem dizer-vos, que ao Provedor mor da
Fazenda do Maranhio ordeno que satisfaca todos os
annos os 200$000, que se davdo ao Padre Dr. Antonio
Troyano, a v6s, em quanto foreis Governador daquelle
Bispado. Em quanto ao mais respeito declarareis de
qual das parties, em que se devide a congrua do Bispo,
pretendeis que se vos made pagar os 400$000 que
pedis. El Rei o mandou etc. Feita em Lisboa a 12 de
Fevereiro de 1733.
O Prelado, durante essa accumulaqdo de governor,
visitou o Bispado do Maranhao de dous em dous annos,
umas vezes por mar, e outras por terra; e nao foi menos
feliz no emprego da palavra Apostolica, de que era o
depozitario.
Com o seu conselho e exemplo extinguio muitas ini-
misades, e antigos odios, que pareciAo invenciveis; entire
os Maranhenses, como entire os Paraenses, achou amor,
respeito, e veneraqio; sempre que la chegava todos os
habitantes corrido ao seu desembarque e encontro;
grandes e pequenas exultavao, e como que dizido-Be-
nedictus qui venit in nominee Domino. O Padre Dr.
Antonio Troyano no principio de 1728 falleceo em Por-
tugal; e nao havendo alli quem quizesse a Cadeira que
elle renunciara na Se do Pard, o Rei por Resolugio de
10 de Abril desse anno de1728, mandou que o Prelado
a pozesse a concurso.







0 BISPADO DO PARA


OS PADRES SE MUDARAO


Os seus padres, logo que tiverao caza para morar
e creado para o servico, nao se fizerio mais pezados
aos Carmelitas, mudando-se; porem elle viveu sempre
no seu convento, nio so por sua austeridade, como por
o Governo nao ter casa apropriada para dar-lhe.


A UMBRELLA DOS CONEGOS

Naquelles tempos os Conegos quando sahiao a rua,
o fazido, cobertos por uma Umbrela de Damasco en-
carnado, sustentada pelo seu creado. O que erao costu-
mes antigos!
VIRTUDES DO BISPO

Por meio de uma condigao suavissima, qual outro
S. Francisco de Salles, Dom Bartholomeu elevava espi-
ritos e os enchia d'aquelles sentiments e sublimes
ideas, que fazem nascer as grandes verdades da Reli-
giio; elle pregava, instruia, cathequizava, confessava e
baptisava.
O seu paqo ou residencia 6ra a eschola da virtude,
e da sabedoria, onde se formario dignos ministros do
Santuario, por que nao confiava de outros mestres a
educaqdo dos que se destinav5o ao Sacerdocio e foi tio
grande o seu zelo Apostolico, que vigiava continua-
mente sobre a vocacao e vida dos alumnos que se des-
tinavio ao Ministerio da igreja. Ensinava, praticava, e
orava com elles, sendo modesto nas acq5es, parco na
comida, e pobre nos moveis; a sua cama erao duas ta-
boas, e um rolo de madeira Ihe servia ds travesseiro,
no espelflo desta cama estavdo as lettras-L-A-as
quaes erio por elle tradusidas--Levanta-te Animal-e


2-ANNA-E IA. IfIBLIO1HIrCA E AIHlO-!-OMOe -







22 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


entire as eievac6es de sua alta dignidade nio conhecia
outra grandeza que a de instruir, e edificar.

A ETIQUETA ENTIRE 0 BISPO E 0 COVERNADOR

Ainda nesse anno de 1724, o Governo de Portugal
expedio diversas ordens, como por exemplo, designando
a etiqueta que deveria seguir o Bispo quando fosse vi-
sitar ao Governador e GapitGo General, ou a este a
aquelle; assim como ao se encontrarem na rua. Orde-
nando ao Goverdador e Capitao General que nao se
achase em public nas igrejas, onde estivesse o Bispo
e o Cabido, em quanto ndo recebesse ordens a celca
da etiqueta que convinha seguir.
E dirigindo-se a Camara pela Garta Regia de 2 de
Junho de 1724, prescreveo-lhe que, tendo de assistir a
alguma festividade assim na Cathedral como em outra
igreja, a qual fosse o Bispo ou o Cabido, nella nao to-
masse assento em cadeira, mas somente em banco de
espaldar coberto, se assentaria o Ouvidor, como Presi-
dente, e os Vereadores, e que os mais individuos, de
que se composesse a Municipalidade se conservarido
em p6, e que esse banco seria em tudo semelhante ao
dos Beneficiados, e deveria ser collocado sempre fora
da Capella Mor, e do lugar em que estivesse o Coro.
E mesmo por essa occasion prescreveo as honras
militares que se deviao fazer a pessoa do Diocesano, e
que se Ihe dessem Indios para o seu serving domestic.
Ainda, reconhecendo o Prelado a necessidade de algu-
mas obras na sua igreja Cathedral, as requisitou a
Corte 'e foi attendido.

FALTA DE ATTEN4(AO DO GENERAL

Em Janeiro de 1725 o Rei extranhou ao Governa-
dor e Gapitao General a falta de d'attengdo corn que
tratara ao Prelado, e de que elle se havia queixado;
e Ihe ordenou que distribuisse sempre para corn a pes-







O BISPADO DO PARA


soa do Principe da igreja toda veneraqao e respeito,
mesmo para servir de exemplo ao povo.

MAIS ETIQUETA

Para completar as regras de etiquetas, o Rei por
Carta Regia de 2 de Junho de 1724, ordenou que, assis-
tindo a Camara alguma festividade, assim na Cathe-
dral, como em qualquer outra igreja, a que assistisse
o Bispo, ou o Cabido, long de se sentarem os Cama-
ristas em cadeiras, o farido em um banco, em tudo igual
ao dos Beneficiados, collocado sempre fora da Capella
Mor, ou lugar em que estivesse o coro.

CREAQAO DA FREGUESIA DE SANTA ANNA

Logo que fez a sua primeira visit pastoral, o Pre-
lado Diocesano, reconheceu a conveniencia de uma se-
gunda freguesia no segundo bairro da cidade, denomi-
nado por bairro da campina, e nesse sentido repre-
sentou ao Rei, indicando desde logo a ermida de Nossa
Senhora do Rosario, a primeira que tinhdo feito os pre-
tos minas, para provisoriamente servir de matriz; muito
principalmente por que o unico parocho da freguezia
de Nossa Senhora da GraQa, ja mais podia acudir a
todas as necessidades espirituaes de uma populagio,
que de dia para dia crescia e estava desceminada por
lugares tio longinquos. O Rei por sua ordem Regia
creou a dita freguezia, e approvou a indicagqo do Bis-
po, e este por sua proviso de 1.0 de Abril de 1727
nomeou, seu primeiro Cura, o Padre Antonio Manoel
Parente. Porem como o Prelado so concede ao Cura
levar Eucaristia por Viatico e a Ungio, este repre-
sentou contra a prescripqgo ao Monarca, que ouvindo
a meza da consciencia e ordens, dirigio ao Bispo
a Proviso de 16 de Abril de 1731 para que infor
masse sobre aquella pratica. A isto o Bispo satisfez,







21, ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


dando como cauzal, a circumstancia de aquella parte da
cidade, que comegou a povoar-se em 1627, ainda estar
em tao grande atraso que muitas de suas ruas tinhgo
uma ou outra caza entire muito matto, por cuja rasao
nao era convenient levar o Sacramento a essas ruas
por outra forma, de harmonia mesmo corn a desciplina
da igreja, e grandeza do acto.

OS JESUITAS E 0 BISPO


Foi em consequencia de representapgo deste sabio,
virtuoso, e zeloso Bispo que o Rei, por proviso de 12
de Outubro de 1727, determinou aos Governadores dos
Missionarios dos indios, que mandassem pelos referidos
Padres ensinar aos indios a lingua Portugueza, ces-
sando de uma vez de prohibirem os Padres da com-
panhia de Jesus o uzo da mesma lingua, coin que dif-
ficultavdo a communicaqio corn os brancos, e que tam-
bem mandassem ensinar-lhes aquelles officios fabris,
que dio emprego aos bragos dos outros homes.
Tambem, tendo precedido representagco, o Diocesano
obteve a ordem Regia que submetteu a jurisdicgo Epis-
copal os parochos Padres ja referidos, que tanto se
oppunhAo a ella, sob pretextos bem futeis e reprovados.
Hum desses padres da dita campanhia em um dia
da festividade de Nossa Senhora de Belem, de nome
Jeronymo da Gama, convidado para pregar o sermio
da festa na cathedral, abusando da cadeira do Evan-
gelho, aproveitou-se da occasifo em que a igreja
estava cheia de povo, que tinha concorrido a festa,
e estando present o Governador e Capitio Gene-
ral, o Capitio mor, os Magistrados, a Camara, e
muitos nobres, e em lugar de tratar da Virgem Maria,
cuja solemnidade se celebrava, so vociferou as mais in-
solentes censuras contra as auctoridades constituidas,
homes probos e de respeito, assim como mais circuns-







0 131SPAI) DO PARA


tantes, e desse modo vomitou o odio que tinha con-
centrado em seu peito contra os moradores da cidade
de Belem, chamando-os Regulos, gente de pouca im-
portancia, esfaimadas Lobos, e hypocritas. Todos sop-
portardo tao indignas injuries, com a serenidado pro-
pria do povo Paraense, sempre christao, e logo para
desaggravo dos immeritos epitetos corn que forgo of-
fendidos, nfo so obtiverAo a prohibicgo de aquelle pa-
dre ja mais occupar aquella cadeira, como representou
a camera ao monarcha contra uma doutrina tro es-
candalosa.

CONGRUA DO CLERO


Agora, tratando do Clero do Episcopado, registra-
remos que esta corporaqio vexada cor o atraso de
suas congruas por falta de numerario no Thezouro
Real, pois que a renda public era diminuta e as re-
messas da corte muito tardias, recorreu ao Monarca,
que providenciou expedindo a carta Regia de 11 de
Dezembro de 1731, pela qual mandou pagar as con-
gruas e mais vencimentos da S6 em Salqa, Cravo, e
Cacao, de harmonia com a peticio do referido clero.


DESGOSTOS DO BISPO


NFo se presuma que o primeiro Bispo do Pard teve
um governor mais tranquillo do que o tiverio os seus
successores; pois que com quanto os habitantes fossem
mansos, simples, subordinados e doceis, que nos outros
tempos e nao estivessem eivados da impiedade dos
nossos dias, nem tivesse o Prelado uma Junta da Co-
roa que the oppuzesse injustas e provocantes requizi-
torias, para protecqAo da impunidade, pois que esta s6 foi
creada em observancia do Alvar' de 18 de Janeiro de
1765; nem tambem tivesse as sociedaddes secrets de







2(i ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Carbonarios, Pedreiros livre e regalistas;. teve em su-
perabundancia a barra os Padres da Companhia de
Jesus, que, costumados a uma auctoridade e predomi-
nios incontestados entire agentilidade, repetirdo com
audacia, e oppozerdo contrariedades, a sua inspecQao
Apostolica, pelo que teve o Bispo de recorrer muitas
vezes ao Monarcha, assim como tambem teve de luctar
cor os mesmos Clerigos de que compoz o primeiro
pessoal da sua diocese, Clero qllazi na totalidade,
mal instruido e mal disciplinado e por tanto audaz e
insubordinado para o ponto a que o. seu zelo Ihes
apontava, mesmo por estar viciado das fragelidades
do seculo, em que vivia na Corte de Portugal, pois
sem duvida nao foi possivel ao Diocesano em tdo pouco,
tempo que mediou da sua sagra:aio ao dia da sua
partida, bem poder acertar na escolha.
Elle teve por este motive muitas occasioes de dis-
gostos acerbos; por exemplo:
O Chantre Antonio Rodrigues d'Azevedo que ha-
via tomado posse a 16 de Setembro de 1724, sempre
fez opposiqio as ordens do R.o Bispo Dom Bartholomeu,
e por tal forma desrespeitava-o na cathedral e fora
della, que um dia em que esses desrespeitos de que ja
se servia contra o Prelado, passardo ao cumulo dos
escandalos, levou este ao excess de o fazer prender
no forte do castello, negando-lhe homenagem em sua
caza, para cujo fim recorreu a forga armada, e, dando
conta contra elle ao Monarcha, que cor quanto extra-
nhasse ao Bispo ter mandado fazer a prisio no castello
da cidade, foi expulso o delinquent da Cathedral a 22
d'Agosto de 1726.
Todavia o Chantre recorreu A meza de consi-
encia e ordens e por que o Bispo tinha obrado sem
o haver pr6cessado nem formado culpa para o privar,
como privou do Beneficio, a Meza referente deu pro-
vimento ao recurso, mas o chantre nio foi reconduzido.
O Conego Presbytero Francisco da Rocha Lima,






0 BISPADO DO PARA


que havia tornado posse do seu beneficio a 26 de No-
vembro de 1725, tambem foi expulso do dito Beneficio
pelo Prelado diocesano, por o haver desobedecido for-
malmente na Cathedral, quando devendo continuar no
cargo de apontador, se negou a isso, e apezar de o Bispo
lhe pedir servindo-se de todos os verbos, que tern essa
significagco, como Peto, Suplico, obsecro, flagito; e de-
pois ordenar servindo-se de todos os verbos que isso
significao, como: Jubeo, prcecipio, impero etc., resistio
sempre.
Como o Chantre, tambem este conego representou
contra o Bispo a Meza da consciencia e ordens cujas
representaq5es causario ao Diosesano grande afflicqdo
e desgosto. porem mais tarde, depois do fallecimento
de Dom Bartholomeu, foi recondozido a outra conesia,
(1740) e servio de Vigario Capitular no Bispado do Ma-
ranhio, sede, quasi, vacant.
Em tal emergencia o Monarcha Portuguez julgou
de sua justiCa cassar ao Bispo a atribuicao, que pelo
Decreto de 26 de Maio de 1721, Ihe dera de nomear, ex-
pedindo em substituicio o Decreto de 4 de Marco de
1725 que o auctorisou a proper, somente.
O Prelado ainda teve necessidade de expulsar em
10 d'Abril de 1726 o Conego Diacono Ignacio Lisb8a de
Castel Branco, que havia tomado posse do Benificio a 16
de Setembro de 1724, por inepto, pois foi provide pelo Mo-
narcha, sendo Tonsurado apenas e por que faltando-lhe
todas as habilitag5s, nao procurava tel-as, e mesmo por
esse motive s6 concorria ao coro em dias de Pontifical, mas
nunca abria o breviario, por que delle nada entendia,
dando origem ao proverbio-Conego de Pontifical-nio
se pode ordenar por essas mesmas rasoens.
Os Beneficiados, Jodo Carneiro de Moraes, que to-
mou posse d 16 de Setembro de 1724, e no mesmo dia,
Joz6 Carneiro de Moraes, fordo expulsos; o primeiro
ommisso nos seus deveres e desobediente, como que
abandonou o Benificio deixando de frequentar a Cathe-







28 ANNAES DA B1BLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


dral cor escandalo, e o segundo por commetter o mes-
mo escandalo, fugindo de aprender o canto-chio.
O Boneficiado Eduardo Lopes de Faria que tomou
posse no ja referido dia 16 de Setembro, foi expulso
a 15 d'Abril de 1732; o Diocesano confessou que sentia
ver-se na necessidade de assim proceder, por Ihe co-
nhecer habilidade; mas apezar de se Ihe prometter
augment, deixava de ser assiduo, e at6 sem licenga sa-
hia para fora da cidade; e para cumulo das seus falhas,
no Coro. desobedecco ao Presidente delle em dia, que
o mandou chegar a estate para encaminhar os poucos
Capelloes que havido comparecido.
Estes clerigos assim provides nestes beneficios
6rao, uns simplesmente ordenados em misoribus, e al-
guns so corn primeira toncura, faltando-lhes por tanto
toda a habilitaqgo, e demais acorocoados pelo mau exem-
plo do Chantre Antonio Rodrigucs d'Azevedo, e como
mocos inexperientes, e eivados da malicia do seculo, e
ambicionando fortune no mundo; fordo uns forgados
a sahirem da cathedral por meio dessas demiss6es, e
outros de bom grado renunciario os beneficios, e lan-
qados na arena das ambiges, casario e se fiserdo la-
vradores, negociantes e proprietarios.
O Prelado Diocesano, Religioso do vocadao, creado
e educado no claustro, de costumes austeros, humilde
em todos os tempos para cor os seus superiors, ze-
loso e active no service do culto Divino, grande foi o
seu desgosto, quando por experiencia propria reco-
nheceo que tinha sido illaqueada a sua boa fM pela gente
da corte, na escolha do pessoal para a sua cathedral,
pois que long de serem clerigos exemplares, erao mer-
cenaries, na mor parte!

A CARIDADE DE DOM BARTHOLOMEU

Resplandecerdo com maior brilho os effeitos de sua
caridade n'aquella epoca desastrosa em que a popu-







0 BISPADO DO PARA


lagio da capital foi acommettida pela epedemia da be-
xiga; contagio, esse que fez milhares de victims, pois
bern poucas fordo as cazas onde a morte nao descar-
regou os seus golpes.
Erdo innumeros os enfermos; alguns tinhao tanta
necessidade de quem Ihes alimentasse o corpo, como de
quem Ihes vevificasse o espirito; a tudo acudia, a tudo
abrangia a caridade do bom pastor. Pessoalmente Ihes
administrava os Sacramentos, dava-lhes o sustento, e
vendo a pouca conformidade de muitos, os exhortava,
os animava a paciencia e soffrimento cor que deviio
tolerar tamanha tribulagio.
Nao perdia occasion de honrar a Deus,, aproveitar
ao proximo, e desempenhar as obrigaqces do seu Apos-
tolado.

VISIT PASTORAL

Em fim elle conhecia que um Bispo em qualquer
situaqdo que se consider deve trabalhar para exaltar
o Nome do Senhor, extender a pregaggo da f6 e cuidar
na santificacgo do seu rebanho.
Aborrecendo os mimos da vida, e as commodidades
dos palacios, visitava tao, vasta diocese. Elle nao te-
mia atravessar, navegando, mares e correntes tao en-
capelladas e furiosas, para trilhar aridos dezertos, e tre-
par altas serranias; nao esmorecia a vista de medonhos
certies, para descobrir entire aquelles medonhos e ido-
sos mattos a choupana do mizeravel indio, a cujos
barbaros ouvidos nunca tinhgo chegado as alegres no-
vas da salvacqo.
Auxiliado, como se vio, pela Ordem do Monarcha.
para se Ihe dar embarcaq8o e remeiros, assim como
mantimentos, visto como a provincia 6 retalhada por
uma infinidade de rios, que obstao o percorrel-a p6,
elle, levando no peito a lei do Senhor e na bocca
os oraculos da Divina sabedoria, solicito e cheio de






30 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


paciencia e de doQura, instruia a todos aquelles que
estavao sentados d sombra da morte, ensinava-lhes os
mysteries da f e Ihes apontava o reino do c6o.
Caminhava sem cessar de terra am terra, soffrendo
em tao longas jornadas muitas privagaes e trabalhos
indiziveis, redobrando o seu zelo n'aquellas povoag5es
que via mais engolphadas nos vicios.
Nas vizitas que fez as villas de Nossa Senhora
da Vigia, creada em 1693, e de Sdo Joio Baptista de
Cameta, fundada em 1635, para commover os coracoes
daquelles que estavao emperrados no peccado, e con-
duzil-os a huma verdadeira contricgdo, ordenou procis-
s6es de penitencia, e era elle quem verdadeiramente
representava o primeiro papel pois que caminhando a
p6 descalqo, corn uma aspera corda ao pescogo, um
cruzcifixo nas mdos, os olhos vertendo lagrimas copio-
sas, exclamava ao C6o, pedindo-lhe que inclinasse suas
mizericordias a favor do seu povo; quebrando-se-lhe
de dor o Apostolico coragio abrazado ao mesmo tem-
po em zelo assim orava pela conversio de tantos pe-
ccadores mizeraveis.
Tanta foi a efficacia das suas palavras, tao pode-
roso foi o seu exemplo, que essas villas at6 alii sub-
mersas em um laberyntho de espinhos, e reduzidas a
bravia matta foram transformadas em campo ameno,
e vieram a produzir fructos de benQio e de virtude.
cultivados por tio incansavel obreiro.


ENFERMIDADE E MORTE


Sentindo suas forgas quebrantadas, recolheo-se ,
Capital, porque o trabalho de suas fadigas apostolicas
Ihe encurtou a vida, e o chamou a morte. Na semana
Santa, jd gravemente enfermo, nio deixou de ir a Ca-
thedral a satisfazer as obrigaq5es do seu augusto
ministerio. Assistio com grande devogio o sermro do






0 BISPADO DO PARA


mandate; lavou com profunda humildade os p6s a doze
pobres, e, recolhendo-se no fim da tarde, sentio-se re-
dusido a um abatimento extreme.
Quasi sem forgas e sem alento, se vio no meio do
sua edificante familiar o respeitavel prelado. Por toda a
cidade comecarao a vagar as noticias do seu estado
morboso, todos corriao d sua morada, levados pelo
amor, e lavados em amargo pranto, pedirao e Ihe roga-
rdo que desse algum alivio ao seu espirito, e uma pes-
soa gravissima, e tida em muita authoridade, Ihe disse
--Que se nao fatigasse tanto, pois que estava provecta
a sua idade, e por isso a nao acautelar-se, brevemente
morreria-Si morrer-respondeo o Bispo-morrerei no
meu officio. Em verdade o Bispo Dom Bartholomeu ji
contava 66 annos, 6 mezes e dias de idade.
Parece que este Venerando Ministro do Senhor
fallou em prophecia, porque no primeiro accident, em
que o ameagou a morte, foi achado debrucado sobre
uma pobre banca, e aberto em sua frente, o 2 tomo,
da obra-De Officio et Potestate Parochi-o que prova que
estudava, e tinha sempre present suas obrigagqes gran-
des e tremendas e por isso sempre as praticou com zelo.
Salvo do primeiro accident, deo ordens no dia
immediate; isto 6, ordenou os clerigos, que estavao
promptos e preparados para isso, e no Domingo da
Ressurreigco celebrou pontifical na Cathedral. Dire-
mos aqui, que os ordinandos approvados em seus es-
tudos para clerigos, passavao por uma devassa, de
que nao tinhio sciencia, pois 6ra acto ex officio do
Vigario Geral pela sua camera Ecclesiastica, isto 6, este
ministry Ecclesiastico devassava em dois processes;
um, de vita et moribus, e o outro, de genere, nos quaes o
ordinando nao intervnvha de modo algum,
Porem gradualmente se Ihe diffinhavdo as forgas
no emtanto que o espirito estava vigorozo, e cada
vez mais alegie no Senhor, tendo sempre os olhos







32 ANNAES DA B3IBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC(


fitos no premio e coroa immortal a que se propoz
desde que se votou ao claustro, e service do mesmo
Senhor.


FALLECIMENTO DO BISPO


At6 que no dia 7 de Abril de 1733, foi acommetti-
do de um acc6sso mais violent, que o primeiro, e seus
capellies o acharao opprimido da respiraao, e sem
movimento algum; poz os olhos na sua virtuosa fami-
lia trespassado de aguda dor, e forcejava para langar
a mro no crucifixo, que um de seus capellies trazia
ao peito, e coin os signaes que transluzem nas faces do
just ainda nesta vida mortal, cheio nao s6 de virtu-
des, como tambem de merecimentos, doixou de viver, pa-
ra unir-se eternamente ao nosso Creador, em 9 d'Abril
de 1733, is 11 horas e meia da manhi. Contava n'aquel-
le dia 66 annos, 6 mezes, e 18 dias de idade, tendo go-
vernado a sua diocese doze annos. A's 7 para 8 horas
da noite desse dia seu cadaver foi sepultado no presby-
terio da Cathedral, que ainda funccionava na igreja de
Sao Joao Baptista, na parte do evangelho. Seu cadaver,
levado cor todas as honras pelo cabido, religiosos Car-
melitas, Franciscanos, Jezuitas, e todas as ordens 3.as e
Confrarias, por entire as alas que os Militares fizerio
naquellas ruas por onde teve transit esse cortejo fune-
bre, recebeo na terra as mais, e nao equivocas, provas
que os seus filhos em Jezus Christo tributavao A sua
veneranda pessoa, grandes virtudes, lettras, e mui acre-
ditado desinteresse, dignos dos primeiros seculos da
igreja.
Sua morte foi chorada por todos os habitantes do
ParA, e do Maranhio e foi chorada como uma calami-
dade public, e corn todas aquellas demonstraQoes de
universal sentiment, bem devidas a memorial de um
Bispo tio venerando a tantos titulos.







O BISPADO DO PARA


EXEQUIAS


Alem das exequias celebradas pelo Cabido em
cumprimento do seu Estatuto, os Carmelitas, em cujo
convento residio, por sua devog8o as celebrardo, assim
como em Lisboa a ordem Carmelita em que elle pro-
fessou lhe celebrou exequias pomposas; tambem o ca-
bido do Maranhao as celebrou com igual pompa. O seu
retrato foi collocado no Collegio do Carmo de Coimbra.


SEDE VACANT

Sepultado o cadaver do Bispo, o Cabido no prazo
legll elegeo tres governadores para o Bispado, que se
succederido nos impedimentos legaes; sendo, o Arce-
diago Franciscano Xavier Salgado, o Arcipreste Luiz
Borges, e o Doutoral Luiz Francisco Monteiro.


VIGARIOS NO PARA


Quando o Bispo Dom Bartholomeu, tomou posse
da diocese Paraense, a freguesia de Nossa Senhora da
Graga estava sob a direcqo do seu 6. Vigario e elles
se havido succedido assim:
1.0 O Padre Manoel Figueira de Mendonqa, que co-
meqou em 1615, nomeado pela Prelasia de Pernambuco,
estabelecida pelo Padre Paulo 5. ou Bulla de 15 de
Junho de 1614;
2.0 O Padre Balthazar Jodo Correa, que comecou
em 1626;
3.0 O Padre Domingos Antonio Thomaz que comeoou
em 1646;
No anno de 1676 foi constituido o Estado do Ma-
ranhio e Pard em Provincia Eclesiastica, cessando a de-
pendencia spiritual da Prelasia de Pernambuco.







34 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


4. O Padre Antonio Lameira da Franga, que en-
trando em uma conspiraqco contra o Capitdo General
foi prezo pelo Ouvidor, e resistio, empunhando uma faca
de ponta, que foi repellido por uma pistola, que o Ou-
vidor Ihe apontou, e incommunicavel no Castello da Ci-
dade, e, processado, foi remettido para Lisboa, em 1677;
5. O Padre Antonio Lourengo da Fonceca que
comeqou nesse anno de 1677;
6. O Padre Joao Barros e Silva, que comecou em
1719, e foi este que deu posse ao Sr. Bispo Dom Bar-
tholomeu, por seu procurador.


FRADES NO PARA


Assim como ja achou em seus conventos os frades
das ordens seguintes:

Os Carmelitas calgados desde 1626
Os Frades capuchos desde 1626
Os Frades Jezuitas desde 1653
Os Frades da Conceigdo da Beira e Minho, desde
1706
Os Mercenarios, porem, frades Hespanhoes, che-
gardo ao Para em 1631, e s6 em 1640 comegardo a
sua igreja e convento, cor quanto ja em 1636 tives-
sem uma pequena Ermida em que viviao, no mesmo
terreno em que edificarao o convento referido, e tam-
bem fordo elles os primeiros creadores do gado vaccum
e cavallar na ilha de Maraj6, desde 1644.


SEPULTURA DE D. BARTHOLOMEU


No dia 2 de Dezembro de 1737, o Cabido em acto
de communidade, e de cruz algada, as 9 horas da ma-
nhA, foi a igreja de Sgo Jogo, mandou abrir a sepul-







O BISPADO DO PARA


tura do Bispo, e, assistindo a esse acto, verificou que
os ossos estavao consumidos e desfeitos; cantou-se o
memento e todos os sinos dobrario signal de defunto;
feichada de novo a sepultura, fez collocar uma lapida
corn a inscripqdo seguinte:

Vivo
Qui fuit mortuus
S.
Bartholomeus do Pilar
Ex ordine carmelitano
Primus episcopus
Paraenses
Sub hoc lapide
Expectans
Expectat Dominum
Obtit die 9 de Aprilis em 1733


TRASLADAQAO DOS RESTOS DO BISPO PARA A NOVA SE


Nas Kalendas de Fevereiro de 1774 se benzeo a
capella mor da nova cathedral, pelo Bispo Dom Frei
Joao Evangelista Pereira. Tres dias depois este Bispo
acompanhado pelo cabido, foi a igreja de Sdo Joao,
onde estavao sepultados os restos do primeiro Bispo
do Pard Dom Frei Bartholomeu do Pilar, e, fazendo
abrir a sepultura nas suas presengas, a cujo acto es-
teve present o Governador e Capitao General cor toda
a officialidade da Guarnigo, e mais pessoas de posigdo
official, e dobravio os sinos, fizerdo extrahir os restos
mortaes d'aquelle Santo Bispo, cantando-se logo-Me-
mento-e em procissdo funebre forgo removidos para a
nova cathedra), dentro de um caixAo fechado.
O Bispo Dom Frei Joio, o Governador e Capitao
General, e dignidades do cabido forao os conductores,
a mfo de tro Santas reliquias e chegados ahi, onde






36 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


ja estava sepultura aberta, o cabido cantou officio de
Sepultura, pois que desde o principio deste acto esti-
vera de cruz algada; findo o officio, foi recolhido o
caixdo com aquellas preciosas reliquias na dita sepul-
tura, que foi encerrada con a lapida, de que ja fiz
menqgo, pois esta acompanhou as reliquias d'aquella
para esta igreja, onde ainda hoje existed ao lado do
Evangelho no prebysterio da capella mor, ad eternam
nmemoriam
E, em verdade, o Paraense ainda hoje repete corn
respeito e amor o doce nome do 1.0 Bispo do Pard, Dom
Bartholomeu do Pilar.


AINDA ALGUNS FACTORS ESTANDO SEDE VACANT


Nesse anno 1733, em que morreu o 1.0 Bispo, os
Frades Carmelitanos fizerdo edificar na Villa da Vi-
gia, casa de vivenda, e em 1734 junto a essa casa
um oratorio, a que chamardo Hospicio; para esta fun-
dacao tinha-lhes a camera dado terras no lugar
conhecido por Barreta; mas como ficavdo long da s6-
de da villa, escolherdo nesta melhor lugar para o seu
Hospicio.
Em Marco de 1735, o Capitio General Jose da Ser-
ra prohibio o costume de andarem pela cidade e en-
trarem nas igrejas, em Quinta e Sexta feira santas
pessoas em trajes de penitentes cor espadas desem-
bainhadas na mdo, acto que praticavdo, como em pe-
nitencia.
A' 23 de Novembro de 1736 celebrando-se, na Ca-
thedral, a Missa da hora de terca, se desouverao no
coro dous dos Governadores do Bispado, o Arcediago
Francisco Xavier Salgado e o Arcipreste Luiz Borges,
e se espancarao cor os breviarios, fugindo o Arcipreste,
cahio junto ao Altar da Senhora Santa Anna corn duas
feridas, que ahi Ihe fez cor uma faca o Arcediago.






O BISPADO DO PARA


Assim profanada a igreja, e suspensos os officials di-
vinos, o celebrate cor todo o coro foi para a Ermida
do Senhor Santo Christo nas immediag5es do Forte do
Castello, onde foi edificada em 1650, e alli se concluio
o Santo Sacrificio da Missa.
Os referidos mursados forio havidos por excom-
mungados, e entrou a governor o Bispado o 3. Gover-
nador!
Aos Frades Mercenarios que ainda estavio fun-
ccionando no seu pequeno Hospicio, os Governadores
do Bispado prohibirio o exporem o Santissimo Sacra-
mento em Quinta feira Maior.
A 5 de Junho d'esse anno, 1736, o Guardido dos
Franciscanos convidou o cabido a assistir a bengdo da
primeira pedra do seu novo convento, que ainda hoje
existe, cujo acto teria lugar no dia 13 desse mez.
Nesse anno a camera teve desinteligencias cor os
Governadores do Bispado a cerca das procissoes de
corps christi, Santa Izabel, e Anjo Custodio, sendo que
na ultima representou a farga o cura da Freguesia por
insinuapqes delles Governadores.
Naquelles tempos ainda, os Vigarios das freguesias
6rdo nomeados pelo Monarcha, sendo que por isso tendo
fallecido em 1738, o 1.0 Vigario Antonio Manoel Parente,
da Freguesia de Santa Anna, erecta na igreja de nossa
Senhora do Rozario dos pretos, e requeresse o lugar
o Padre Miguel d'Aragdo, o Monarcha exigio que o ca-
bido informasse a pretenQio a 27 de Marco do dito
anno. Esteve a S6 vaga ate que o cabido recebeo carta
de 15 de Janeiro de 1739 do 2.0 Bispo Dom Frei Gui-
Iherme de Sio Joz6, communicando a sua nomea fo,
Religioso de Thomar, em Portugal na qual se felicita-
va por vir servir com padres discipulos do 1.0 Bispo
Dom Bartholomeu.


3IANNAES Da BIsLIOIHECA E -ARCIVO--20M v







38 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Darei mais a seguinte noticia, resultado das minhas
investigaq5es:
Do ultimo compromisso, que homes respeitaveis
confeccionardo a 30 de Junho de 1862, consta que a ir-
mandade, do Senhor Santo Christo do Forte, foi fun-
dada a 30 de Setembro de 1652, e fez seu compromisso
dessa data.
Porem, do 1.0 Livro de receita dessa irmandade que
tive em mao no archive della, reconheci que tinha sido
aberto por termo de 2 de Marco de 1654, e o seu 1.o com-
primisso de 30 de Setembro de 1652, o 1.0 movimento
de 16 de Setembro de 1655.
Em Lisboa o Governador levantou dois regimentos
de Linha para a guarniqdo do Para, e elles chegarao
ao lugar do seu destiny .a 19 de Julho de 1753; e em
1754 se reunio a officialidade desses dois regimentos,
assim como a mais officialidade que existia na cidade
na Ermida inaugurada ao Senhor Santo Christo, feita
de taipa de pildo nas immediagdes da fortaleza prin-
cipal da cidade, e fez compromisso.
Por tanto como o General, que fundou o castello
em 1615, fez dentro delle uma pequena Ermida, em que
se adorava ao Senhor Santo Christo, ainda estando la,
se organisou a irmandade em 1650 e ndo em 1652;e por
isso o livro, de que trato acima, foi aberto a 2 de Marco
de 1654, que esta em relaqgo com a organisagio da Ir-
mandade; e 6, mais acertadamente, o que se fez naquel-
les tempos.
A tropa que desde 1615 existio no Pari, fez a Er-
mida em 1650 fora do castello, e ficava entire este e o
predio, que servio de hospital n'aquelles tempos, e hoje
de Arsenal de Guerra; sendo que por esta razdo quando
em 1753 chegarao os dous regimentos, levantados em
Lisboa, corn bom fundamento nessa Ermida se reunion
a officialidade e fez compromisso em 1754.







O BISPADO DO PARA


Em conclusio, em Margo de 1634 a irmandade ja
estava organisada, porque sem isso nio podia ter lu-
gar a creagdo desse livro de receita.
E quando em 1754 os officials, que havido che-
gado em 1753, se reunirio na Ermida, 6 que ella tinha
sido feita muito antes, pelos militares que desde 1615
faziao a guarnigio da cidade.
Ja muito arruinada em 1790, a Ermida, a Irman-
dade se passou a 19 de Dezembro para a igreja do Santo
Alexandre, e oito annos depois para a Igreja das Mer-
ces. E por este modo abandonada a Ermida Militar,
desmoronou sob o poder do tempo, e desprezo dos ho-
mens!
O Diocesano, informado da devogio do home
pardo Placido, o primeiro que instituio no Pard a ado-
rago a N. S. de Nazareth, erecta na sua choupana,
sendo esta a unica casa que existia n'aquella localidade,
em meio de uma verdejante e vicosa floresta, e que
hoje 6 o mais aprasivel bairro da cidade, habitado por
pessoas distinctas; alli foi visitar, acompanhado dos
seus discipulos, a Senhora de Nazareth, e animar a pie-
dade e crenga de Placido; comn as suas palavras un-
gidas, postou-se corn os seus, adorardo e resarao a la-
dainha, nio se tendo esquecido de levar d Nossa Se-
nhora cera e insenso. Placido muito animado ficou e
aconselhado pelo Prelado associou-se a Antonio Agos-
tinho, do mesmo lugar, e comeqario a promover meios
para levantar uma decent Capella a N. S. naquelle
lugar que perpetuasse as suas devog6es, o que mais
tarde se realisou por Antonio Agostinho depois da more
de Placido, e do Prelado, que tanto os acariciou comn
as suas palavras, a uma tio grande empreza.
Assim, pois, finaliza este trabalho, ao qual me levou
o desejo, de reunir neste pequeno e mal coordenado
opusculo, tudo quanto alcancei de papeis velhos que
compulsei, por nao ter tido a felicidade de testemunhar
o primeiro Bispado; o meu livrinho, mesmo cheio de







40 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


erros, poderd servir em alguma occasido para escla-
recer factos d'aquelles tempos; espero, do leitor res-
peitavel, indulgencia, assim como acceito a correcgo.


DOM FREI GUILHERME DE SAO JOSI
2. Bispo

Dom Frei Guilherme de Sao Joz6, Cavalleiro da
Ordem de Christo, Religiozo de Thomar, proposto pelo
Rei Dom Joao 5., foi confirmado por Bulla de Setem-
bro de 1738; sagrado na Santa igreja Patriarchal, do
Reino de Portugal, pelo primeiro Patriarcha de Lisboa
Dom Thomaz de Almeida, e forgo assistentes o Bispo
d'Angola Dom Frei Valerio do Sacramento, e D. Frei
Joao de Faro, Bispo de Cabo Verde, a 14 de Dezem-
bro de 1738.
Ndo me foi possivel alcangar esclarecimentos a cerca
da sua biographia.
Chegou ao Pari a 26 de Julho de 1739, indo resi-
dir com os frades Carmelitas; tomou posse a 10 d'Agosto
do mesmo anno, e a 15 fez a sua entrada solemn.
De posse da sua diocese, o seu primeiro cuidado
foi abrir na cidade a sua visit Pastoral, afim de co-
nhecer do estado do Clero e de seus diocesanos, e pouco
teve que prover, visto como nos seis annos que medi-
aram da morte do seu predecessor, A sua posse, os trez
Capitulares, eleitos pelo Cabido, bem tinhio, alternada-
mente, cumprido a commission.
Antes que o Bispo chegasse a sua diocese, o Rei
por Provisio de 13 d'Abril de de 1739, ordenou, que
nio fossem compellidos, judicialmente, os frades do
Carmo, Mercenarios e Jezuitas a pagar dizimo, dos
muitos generous que remettigo para Lisboa, sem ordem
a respeito, visto como o tribunal d'aquelle tempo tinha
movido acqgo contra esses religiosos, em virtude da
Ordem Regia de 30 de Marco de 1738, e por que a Or-







O BtSPADO DO PARA


denagqo Ihes prohibia possuirem bens de raiz, no en-
tanto que os possuido, e querido proceder ao seu tom-
bamento, ao que o Provedor mor da Fazenda se op-
punha.
Nesse anno, em que chegou, o Diocesano recebeo
a congrua de S6 vaga de conformidade com a ordem
Regia, que o acompanhou, tendo na corte recebido aju-
da de custo para a sua viagem, e o que recebeu na
sua diocese foi em assucar e cacao.
E por que o Rei mandasse ordem para que o Bis-
po restituisse o que tinha recebido na corte para ajuda
de custo, dirigio ao Provedor Mor da Real Fazenda
pelo Procurador geral da Mitra, um requerimento nos
seguintes terms:
O Padre Joao Alves Bandeira, Procurador Geral da
Mitra Episcopal, e fabric da Se, requereo, disendo
que com o Bispo tinha vindo a Ordem Regia que Ihe
mandou pagar a congrua de Se vaga, devendo ser re-
partida em trez parties, sendo uma applicada as depezas
feitas com a expedigio das Bullas de sua nomeaqio,
outra para as obras da igreja, e a terceira serveria pa-
ra o Bispo comprar os moveis para a sua caza.
Em virtude da dita ordem se fez a conta e tocou
ao Bispo 1:281$734 reis que elle procurador recebeo, um
conto de reis em assucar, e o restante em cacao.
Porem logo o Rei mandou o contrario, dizendo,
que paga a despeza das Bullas, e da ajuda de custo,
se visse, se o restante chegaria para acabar a obra do
Palacio Episcopal, que se Ihe informasse,
Como porem reconhecesse o Diocesano que o 1:000$
r6is que recebeo em assucar, a razio 3$ reis a arroba,
ndo podia produzir nada em Lisboa; para poder dar
cumprimento a Ordem Regia dirigida ao Diocesano, re-
quereo o dito Procurador, que o Almoxarife da Fa-
zenda recebesse a congrua d'aquelle anno para satis-
facQo da mensionada despeza 795$600 r6is, em que im.






42 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


portardo as Bullas, e a ajuda de custo; o Provedor
mor attendee o requerimento do Procurador Geral da
Mitra.
Logo mais, por uma provizgo, o Governador man-
dou que se desse ao Diocesano de cada vez que qui-
zesse fazer a sua visit Pastoral, 80$ r6is, canoa e gente.
E como o tempo Ihe fez saber, que o seu prede-
cessor fora contemplado corn as propinas em peixe
secco dos pesqueiros Reaes, como todos os Emprega-
dos; requereo por isso, que se Ihe fizesse a mesma gra-
ga, sendo attendido; e nem havia motive para o contrario.
Hia esquecendo, que o Senr. Dom Frei Guilherme,
a 15 de Janeiro de 1739, communicou ao Cabido estar
nomeado Bispo para o Para, e significando a sua sym-
pathia para com o Cabido e confianga que Ihe merecia,
deo-se por muito satisfeito, pela eleigQo dos trez Capi-
tulares, e por sua parte os confirmava, para continu-
arem a governor o Bispado, durante a sua ausencia.
Em fim ja tinha entrado o anno de 1740 e o Pre-
lado quiz ver, ou comegar a ver, os seus diocesanos do
interior, sahiu por isso a sua primeira visit Pastoral,
que comeQou pela Villa de Cameta, e na volta visitou
Muana, Abaet6, Conde, Beja, Barcarena, e se recolheo;
recebido e despedido com o respeito e amizade d'aquel-
les habitantes, que anciosos o procurario para vel-o,
beijar-lhe a mao, e ouvir-lhe a palavra ungida do Se-
nhor; elle os confessou, chrismou, baptizou, e cazou,
estirpou mancebias, conciliou inimigos antigos, e plan-
tou na familiar dias felizes; cercado de tantos respeitos,
e veneracqo, tendo colhido tao excellentes resultados,
se recolheo cheio de consolagdo, a corte da diocese.
Assistio, e cor a sua presence deu maior explen-
dor, a grande festa da Semana Santa; todos os dias
6ra visto no conficionario da Cathedral, e em outros
dias, da freguesia de Santa Anna, em uma e outra
igreja, dada a sagrada communh0o, fazia sua pratica.
Em 27 de Julho desse anno, ordenou ao apontador







0 BISPADO DO PARA


da Cathedral que nos dias de audiencia do Vigario
Geral, de manhd, considerasse interessentes o Reve-
rendo Conego Manoel d'Almeida e o Promotor no res-
pectivo ponto; nunca fez-se esperar a justiqa ecclesi-
astica no seu Bispado.
Em a cidade, ordenou em 1741, que das irman-
dades, e d'Ordem dos frades de Santo Antonio, sahisse
ou andasse um pelas ruas, pedindo esmolas para o cul-
to do Santo, ou Orago do Convento, a que tocassem,
pois que a piedade Christi desejava concorrer cor al-
guma cousa do resultado do seu trabalho, e nao sa-
bendo por que meio fazer chegar o seu obulo ao fim
dezejado, se viria por esse modo auxiliado, para che-
gar ao fim da sua devocgo; e a cada irmandade de-
signou um dia na semana, para esse fim.
Em Julho de 1742, o Diocesano sahio em visit
pastoral ao Amazonas, e visitou Gurupd, Macapa, Cha-
ves, Mazagao, Santarem, Monte Alegre, Obidos, e to-
das as igrejas que Ihe ficardo a caminho; nio foi me-
nos succedido, que na sua primeira vizita: o General
lhe forneceo, como na primeira, gente, canoas e manti-
mento, e elle por sua parte levando dois Sacerdo-
tes comsigo, foi sempre recebido em toda parte com
a maior demonstrapqo de respeito e amizade; conhecia
o contentamento em que transbordavio os coraqoes
dos seus diocesanos, corn a caridade de Christo com-
bateo o erro, e firmou a paz onde ella faltava, com os
seus padres se occupou de baptizar, confessar, cazar,
chrismar, e repartir com as pessoas pobres as offeren-
das que recebia, pouco, e s6 o necessario, 6 que que-
ria para si e para os seus. Em principio de Outubro
estava na cidade.
A 17 desse mez chamou a si os estatutos da Ca-
thedral e se occupou da reform delles, de maneira que
a 19 de Dezembro os enviou ao Cabido.
Officiou na grande festa de Natal nesse anno, e
ordenou aquelles Clerigos, que estavio nesse cazo, e







44i ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


proveo algumas freguesias que estavdo sem Parocho,
e a outras deu Coadjuctores.
A 16 de Fevereiro de 1743 deo publicidade ao Breve
do Pontifice Bento 14.0 concedendo poderes ao Vigario
Capitular, Sede Vacanti, e o enviou ao Cabido para
cumprir, e fazer cumprir.
Tambem a 7 de Maio recebeo a Provizio deter-
minando, que as licengas para tirarem esmolas para o
culto divino deviam ser dadas pelo ordinario. A 20 desse
mez o comissario Provincial de Santo Antonio convi-
dou o Cabido para incorporado assistir a trasladagco
da Ermida de Una, para a Capella mor do seu novo
convent, do Santissimo Sacramento e das imagens,
como fiz6ra a 13 de Julho de 1736, na occasiao da ben-
gio da primeira pedra para a edificacao do referido
convento.
Nesta igreja Cathedral se celebrava a festa do Di-
vino Espirito Santo todos os annos, cor novena; a co-
roa era levada para ella em procissao, levando, cada
um dos concorrentes, ou devotos, uma tocha accesa em
mao; a esta procissao precedia uma bandeira encarnada,
que tinha por emblema duas pombas, uma bordada no
centro da bandeira, e a outra pomba estava firmada
na extremidade superior da haste a que estava preza
a bandeira, e acompanhava-a uma caixa, como as de
guerra, mas que por armas tinha uma pomba, pintada
a oleo a um dos lados dessa caixa, e quatro homes
6rdo os folioes, ou cantores de louvores ao Divino Es-
pirito Santo; feixava essa ala de irmdos um que levava
em uma salva de prata, e que tinha seu p6 pelo qual se-
gurava-a, o dito irmdo, ou devoto, uma grande coroa de.
prata, no cume da qual havia uma pomba dourada,ou
de ouro, e a caza do festeiro, juiz ou imperador, estava
forrada de damascos encarnadps, guarnecida de places,
e em lugar proprio um altar com seu trono, em que
se collocava a coroa sempre que chegava a aquella
caza, e por essa occasiao os foli6es, ou cantores for-







O BISPADO DO PARA


mavAo coro, tendo entire si a bandeira e a caixa, e can-
tav5o por um quarto de hora.
N'aquella caza, reinava s6 alegria, assim como em
todos os lugares do Bispado, durante o tempo da festa
do Divino Espirito Santo, Terceira Pessoa da Santis-
sima Trindade.
Pelos lugares do interior, o Boi, Porco, ou Ave,
que se offertava ao Divino Espirito Santo, era respei-
tado no lugar, ninguem o offendia.
Voltando aos actos do Diocesano temos de regis-
trar, que o Monarcha em presenga de muitas demis-
soens, que deo o 1.0 Bispo, de cujo acto alguns recor-
rerao a Meza de consciencia e ordens, por Decreto de
2 de Julho de 1744 restringio esse poder Episcopal,
talvez contra o direito canonico, do qual nao tenho co-
nhecimento, mas que o respeitavel leitor o poderi ter.
Assim nesse mez por uma provizao o Monarcha Ihes
deo, e reconheceo o poder de darem a sua jurisdigio
aos Religiosos, que servissem de Parochos, e visital-os
por si ou por seus visitadores. Com quanto os Jezuitas,
e os da Ermida junto ao Hospicio de S. Boaventura,
na cidade, oppunhio-se a essa visit, sendo que por
um tal motive o Monarcha dirigio sua ordem ao Go-
vernador para o auxiliar, se fosse necessario; a ponto
de os Jezuitas pedirem a isempcio da jurisdigco do
Bispo para as igrejas das suas Aldeas, de que erao
Missionaries, e tiverdo em seu favor uma informaQio,
affirmando que como nao 6rao parochos, podido ser
isemptos.
E em verdade, elles do Estado, so precisardo a in
dependencia, e com ella se fizerho poderosos, por que
do trabalho dessas Aldeas, de que se julgardo e fordo
os unicos proprietarios, viverdo, inriquecerdo, enviardo
para a Europa grandes remessas, e edificardo sum-
ptuosos temples e cazas. E daqui veio uma insurreigio
na Villa de Cayt6 para serem d'ali expulsos os mis-
sionaries da companhia, pois nessa como em todos as







46 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


suas misses, a despeito da ordem do Monarcha, nao
ensinavdo a lingua Portugueza, e nao permittiAo a com-
municado dos indios corn os brancos, para nao serem
desviados do seu fir especial, assim como nao Ihes en-
sinavao um officio mechanic; foi indigitado o Clerigo
Vigario, Francisco Dias Lima, como cabega da dita in-
surreigio, da qual o Monarcha mandou devassar.
E cor quanto o Monarcha por proviso de 16 de
Maio demitisse do Beneficio, em que provera, a Mau-
ricio da Costa Favella, por haver o Diocesano repre-
sentado, que era absolutamente ignorante; por outra
de seis de Julho deo a intelligencia de que o Diocesano
nao o podia fazer aos ministros Collados da Cathedral.
Em 1745 o Jezuita Gabriel Malagrida se apresentou
com uma Ordem Regia concedendo-lhe a faculdade de
estabelecer Seminarios para a educago da mocidade,
assim como outra ordem para dar-se-lhe pelos cofres
nacionaes cem mil reis para percorrer o interior.
Para fundar na cidade um Seminario, obteve por
doago uma caza, que dava commodo a pouco mais de
vinte Seminaristas, no extreme da rua do agouge, hoje
da industrial, da banda do Convento de Santo Antonio,
a borda do mar, e lugar que se denominava, porto do
Sacramento, duzentas vacas, e uma porc5o de terras
em Maraj6, e algumas esmolas para patrimonio do Se-
minario.
Prehencheo logo esse numero de alumnos, deo-lhes
um habito talar, e em todos os Domingos e dias fes-
tivos iho incorporados d Cathedral assistido officio Di-
vino e festas solemnes.
E como se tivesse introduzido a pratica de os Do-
natarios de terras nomearem um padre para seu pa-
rocho e" chegasse esse facto ao conhecimento do Mo-
narcha, Elle o prohibio, e ordenou ao Diocesano lhe
informasse a cerca dos limits das terras publicas.
Em seis de Julho de 1746 o Monarcha exigio que
o Prelado lhe informasse se convinha fazer da igreja







O BISPADO DO PARA


de Nossa Senhora do Rosario dos pretos a freguesia
de Santa Anna, e que informasse se o bispado carecia
de mais igrejas, o que satisfazendo o dito Prelado disse
que era muito pequena a igreja dos pretos, para fre-
guesia, como segunda, assim como que tinha precizao
o Bispado de mais igrejas.
O Monarcha por sua ordem de 17 de Fevereiro de
de 1747 mandou que se fizesse a Cathedral, o Palacio
Episcopal, e o Seminario, porem que em primeiro lu-
gar tivesse lugar a obra da Cathedral, para o que con-
signou sessenta mil cruzados pelos cofres publicos; em
consequencia do que ficou parada a obra do Palacio
Episcopal, que ja estava entire mios, e mesmo por que
o Governador entendeo, que no lugar em que se tinha
comegado prejudicava a fortificagio da cidade.
No entanto que se tinha procedido a devassa no
Cayt6, pela desordem que alli tivera lugar para ex-
pulsar os Jezuitas, e como ella fosse contra o Clerigo
Francisco Dias, e o Ouvidor nao tivesse querido dar
ao Bispo a culpa do Padre, que a avocava, elle havia
recorrido ao Monarcha, e este ordenou a 14 d'Abril, de
de 1747 ao Ouvidor que satisfizesse a exigencia do Bis-
po, o que assim succedeo.
Em fim chegou o dia desejado, era 3 de Maio de
1748, e tudo estava prompto, para dar comeQo ao gran-
de Templo, que muito innobrece o Para, e a quem o
legou aos Paraenses: 0 Bispo Dom Frei Guilherme
de S. Joz6 pontificou cor Sacramento exposto, esteve
prezente o Cabido e o Governador Capitio General Fran-
cisco Pedro Gurjdo, assim como os nobres, e plebeos da
cidade.
Findo este acto, seguirio todos para aquelle lugar,
onde esteve a primeira igreja de Nossa Senhora da
Graga, defronte do Collegio de Santo Alexandre dos
padres Jezuitas e se collocou no alicerce a sua primeira
pedra, langada a BenQho ceremonial por sua Ex.a Rm.a
trajando seu Plovial.







8 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Em seguida ordenou os Clerigos, que estavAo prom-
ptos para isso; e sahindo em sua terceira visit, depois
de enviar ao Monarcha a resignagio, que fez do Bis-
pado, levou com sigo alguns dos padres que acabavam
de ordenar, e visitou Colares, Vigia, Cintra, Sbo Cae-
tano ou Odivellas, Villa Nova de El Rei, Villa de Sousa,
ou Braganga, Vizeu, Pirid, e Tury-assfi, voltando pelo
Guamd; baptizou, chrismou, confessou, cazou, estirpando
mancebias, e pregou, affirmando que deixava os Para-
enses, de quem levava ternas recordag5es, porem que
series enfermidades lhe ordenavao e aconselhavao a re-
tirada.
A fundagQo do Seminario, por Gabriel Malagrida,
tinha chocado a susceptibilidade do Prelado, que com
quanto tivesse sabido similar o seu resentimento; to-
davia tinha se queixado para a corte ao Governo pela
injustiQa que soffrera a sua dignidade com aquella con-
cessio, pois que segundo o Concilio de Trento os Si-
minarios erio sugeitos ao Bispo, isto 6, da jurisdicio e
economic dos Bispos.
E attendido pelo Governo, foi dissolvido o Semi-
nario que Malagrida tinha fundado em 1745; e aceita a
renuncia da Cadeira Episcopal.
Retirou-se para Portugal em Agosto de 1748; em
Agosto de 1739 tinha tomado posse do Bispado, de
que se separava.
Chegado a Lisboa, se recolheo ao seu convento, on-
de viveo at6 15 de Dezembro de 1751, em que morreo,
fulminado d'um ataque d'apoplexia. Ainda registarei
o seguinte:
Em 1746 foi invadida a cidade do Pard por um
mortifero contagio de Bexigas, e o Sr. Bispo Dom Frei
Guilherme, alem dos soccorros corporaes com quo, por
sua parte, acudio a pobreza, visitou os afflictos, fez
preces, e procissbes penitenciarias, e nellas invocava a
Mizericordia Divina para uma populaqgo inteira oppri-
mida e aterrada.







O BISPADO DO PARA


DOM FREI MIGUEL DE BULHOES E SOUZA
3. Bispo


Dom Frei Miguel de Bulhbes e Souza, da Ordem dos
Pregadores Dominicanos, nasceo em Verdemilho, termo
da Villa, logo, Cidade d'Aveiros, em Portugal, a 13 de
Agosto de 1706.
Foi nomeado Bispo da Malaca pelo Rei Dom Joao 5."
a 8 de Dezembro de 1745, e confirmado pelo R.0 Padre
Benedicto 14.0 tendo sido sagrado pelo Cardeal Patri-
archa, em Lisboa, a 29 de Junho de 1746, juntamente
com o Bispo de Leyria Dom Joao de Nossa Senhora
do Parto; forAo assistentes D. Joz6 Dantas Barboza,
Arcebispo de Lacedemonia, e Dom Frei Joao da Cruz,
que a esse tempo se tinha recolhido do Rio de Janeiro
A corte de Lisboa, removido desse Bispado para o de
Miranda.
O Senr. Dom Miguel, removido do Bispado de Ma-
laca para o do Para a 18 de Maio de 1748, pelo R.
Padre Benedicto 14.0, partio de Lisboa a 21 de Setembro
do mesmo anno, e chegou ao lugar da sua remogao d
9 de Fevereiro de 1749.
Tomou posse a 14 do predito mez e anno pelo seu
Procurador o Conego, depois Arcediago, Dr. Joao Ro-
drigues Pereira, e fez a sua entrada solemne no dia
15. A este Bispo acompanhou, como seu Secretario, o
Padre Manoel Ferreira Leonardo.
Antes de partir para a sua Diocese, requereo ao
Rei, que cor quanto Sua Magestade tivesse mandado
acabar o Palacio para os Bispos constava-lhe que o Go-
vernador Christovao da Costa Freire ainda nao tinha
podido fazel-o, talvez, e assim nao tendo elle Bispo ou-
tra caza para morar, certamente teria de alugar uma
lara isso, e nao tendo dinheiro para o poderfazer, lhe
pedia que mandasse dar-lhe caza, como se fazia com o
Bispo d'Angola pela fazenda Real, em quanto nao ou-







50 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


vesse Palacio Episcopal. O Rei mandou, como o Bispo
tinha pedido, em Provisio de 4 de Julho de 1748. E
se cumprio, alugando-se uma caza de dous pavimentos
a beira mar, que foi preparada para o fim a que se des-
tinava, demorava a entrada da travessa do pelourinho
e fazia quina a esquerda; 6 hoje de dois andares essa
caza em frente do mercado public.
Tambem por outra proviso de igual data mandou
que o Governador fizesse dar ao Bispo, ou ao seu Vi-
gario Geral, todas as vezes de vizita pastoral, embarca-
gao, gente, e mantimentos.
Ainda estando em Lisboa, tambem representou ao
Rei, que ainda nao havia no Pard um aljube, onde po-
desse ter-se os prezos da jurisdiQao eclesiastica, sendo
que por este motivo pedia que concedesse aos Bispos
que os carcereiros seculares recolhessem os ditos pre-
zos nas cadeas publicas. O Rei ordenou por sua Pro-
vizao de 4 de Julho de 1748 que em quanto com as
condemnaqges eclesiasticas se nao fizesse aljube ou
Elle nao mandasse o contrario, os prezos que o mere-
cessem ser por culpas eclesiasticas fossem recolhidos a
cadea public, e os carcereiros obrigados a dar conta
delles, da mesma forma que praticavao a respeito dos
prezos da justiQa secular, assim como que o Governa-
dor, o Capitao mor, Ministros, e officials de justica cum-
prissem os mandates do Diocesano.
Pela mesma occasiio requereo que, como pela in-
troduggo da moeda metalica no Pari, cessaria a con-
signaqAo que recebia da Provedoria da Bahia, fosse
elle e os seus padres pagos pela provedoria do Pard
em metal. O Rei mandou pela resoluqgo de 14 de Se-
tembro de 1748 que se pagasse ao Bispo a sua con-
grua pela referida Provedoria do Pard com a obrigafio
de dar esmolas, e pagar o sallario dos seus ministros.
E tambem relaxando o Monarcha a ordem, pela
qual reservava para si a nomeaqio dos Vigarios, ex-
pedio uma outra parte qual permittio que o Bispo no-







O BISPADO DO PARA


measse os Vigarios interinos, e os encommendados, e
reservou para si s6 as collaQoes.
De posse da sua diocese, o Bispo passou ou tra-
tou de tomar conhecimento do estado della, e para isso
abrio visit na Cidade; no correr desta visit se desin-
volveo na Cidade um contagio de sarampo de tdo mdo
character, que fez milhares de victims, e o Prelado
Diocesano logo aproveitou a occasido para se fazer
conhecido dos seu diocesanos pois nao s6 visitava-os
para tratar-lhes do corpo repartindo esmolas, como
para encaminhar as suas almas, e fez preces nas suas
igrejas.
Mesmo a esse tempo, 1749, os religiosos da Piedade
de Gurupd, em Portugal, comeearao um Convento sob
a invocagao de Sdo Joz6, na Cidade, proximo ao iga-
rap6 da comedia dos Peixes-bois, que perdeo esta de-
nominacqo, depois de levantada uma parte d'esse con-
vento; tem delle o nome.
O Prelado nomeou a 22 de Fevereiro, do dito an-
no de 1849, o Padre Manoel de Miranda, Vigario para
a Freguezia de Santa Anna, na igreja do Rozario
dos pretos; creada em 1727 pelo primeiro Bispo, at6 ficar
prompta a igreja comecada em 1761.
Em Marco os Jezuitas concitardo. contra o Bispo
uma sublevagdo, por elle querer executar a Bulla-Apos-
tolica servitutis-de 20. de Dezembro de 1741, de Bene-
dicto 14, e tambem as urgentes e apertadas ordens do
Monarcha, em consequencia da providencia Pontificia
constant da referida Bulla sobre a liberdade dos in-
dios impiamente uzurpada pela companhia, digo, pelos
Regulares da companhia de Jezus, os quaes fazendo-
se senhores absolutos do governor spiritual e tempo-
ral delles, e conservando-se por tantos annos nesta,
sob o pretexto da propagaqgo do Evangelho, e da di-
latago da F6 Catholica, prohibindo-lhes a communica-
qdo delles cor os brancos seculares, e o ingresso des-
tes nas suas aldeas, a fim de n2o serem pervertidos os







52 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


costumes e innocencia, privario destarte os habitantes
de trabalhadores para a agriculture e pescarias, e os
reduzirdo a extremes privagSes e provanQas nos pro-
ductos do trabalho geral para occorrer as necessida-
des communs dos homes.
0 Bispo tendo feito muitas deligencias previas, an-
tes de tratar da indicada Bulla, por que sabia como
tinhao sido postergadas as Bullas de Paulo 3. e Ur-
bano 8. e as Leis promulgadas em diversos reinados,
como as de 1570, 1587, 1595, 1609, 1611, 1647, 1655, e
1680, que defendido da escraviddo os indios, e mesmo
vendo que ainda se impedia o effeito da ultima pro-
videncia Apostolica resultado da concordata do Monar-
cha, e Benedicto 14.0, se absteve o Prelado Diocesano
de tomar qualquer pass na sua diocese, assim como
de representar ao monarcha, que se achava muito
doente por aquella occasiAo, desta maneira cedeo de
sua parte, cpm offense da sua dignidade, corn tanto
porem que ndo fosse por diante o motim.
Em principio de Maio desse anno (1749) comegou a
circular na cidade a moeda metalica garantida pelo
Decreto de 12 de Junho de 1748, e cessou por tanto o
maior motive das privaQges, que sofria o clero do Pa-
ra, pois tinha .necessidade de rebater, com prejuizo
proprio, a parte do seu vencimento, que recebia na
Provedoria da Cidade da Bahia, sendo mais a comfir-
macqo do deffirimento dado ao Bispo, qilando na
Corte havia requerido a tal respeito, como estd dito
em lugar competent.
Submetteu a exame synodal o Clero que achou na
sua Diocese prompto para ordenar-se, assistio a esse
exame; a vista das provas que esse clero exibio, co-
nhecedor das suas habilitaqges, ordenou muitos cor
que proveo de Vigarios diversas igrejas.
O resto desse anno de 1749 sahio a visitar a sua
diocese, levando dois padres velhos do mesmo Estado,
que bem sabiio manejar a lingua indigena, tendo-lhe







O BISPADO DO PARA


fornecido o Estado, como estava disposto pelo Monar-
cha, os meios necessarios, assim levou mais trez cle-
rigos, servindo um de Secretario da visit; elle come-
Qou por vizitar as Salinas, Bemfica, Cintra, Colares,
Vigia, Braganga, Vizeu, Turyassui, Pirid, e de Braganqa,
se passou d Caza forte, Ourem, Slo D omingos, Capim,
e na volta deste rio seguindo o rumo da cidade, teve
occasion de ver em Sao Domingos a pororoca, e se foi
a Bujarti, e Caraparfi, e seguio para a Cidade, onde
chegou em o mez de Setembro de 1749. Elle quiz co-
nhecer da moralidade dos Vigarios, sendo que por isso
a sua visit nio foi como de passage, e gozar as flo-
restas, resultando dessa pratica a troca das Vigararias,
quando se dava o caso de nio serem collados; foi re-
cebido em todas as localidades corn as mais convin-
centes provas de amor, e respeito com que o povo
paraense sempre recebeo os seus diocesa nos; elle lhes
pregou a palavra de Deus cor muito bom estilo para
ser percebido de todos, baptisou, chrismou, confessou,
corn os seus padres, e cazou; a todos acolheo com lha-
neza e mesnas demonstrates amorosas de pai, e deo
esmolas aos pobres, procurou a muitos na sua propria
palhoga, e destribuio, principalmente cor esses, do que
levava. Quiz assim mostrar que tanto era para o rico
como para o pobre, tanto para o nobre como para o
plebeo.
0 resto desse anno, 1749, se occupou da igreja
Cathedral, que estava entire as maios dos artists; e
de dar solemnidade As festas de igreja, e prover de
algumas providencias, onde havia necessidade dellas.
Entrado o anno de 1750, o Prelado Diocesano se
occupou do cuidado da sua Se no empenho em que
estava de vel-a acabada, hia a obra todos os dias para
destarte, empenhar e acoroqoar os obreiros que 6rao
servidos por cincoenta indios, os quaes erio rendidos


A-NNAE'.L)X~INUIO1~C NE AZRSHIvO-TOMO






54 ANNAES DA BIBLIOTHECA E AKCHIVO PUBLIC


mensalmente. Fez a festa da semana santa, pregou
com as vantagens corn que sempre o fazia, pois era
emminente na sua profissdo.
Por fim nesse anno recebeo avizo de ter falecido
o Rei Dom Joio 5. a 31 de Julho de 1750, que foi su-
ccedido pelo filho Dom Jose 1.o
0 Prelado se preparou para Ihe fazer as exequias
na igreja de Santo Alexandre dos Jezuitas, e, tudo
prompto, avizou o General e i Camara de que no dia 4
de Novembro teriam lugar as exequias, e cor vespera;
assim pois na tarde de 3 teve lugar vesperas, offici-
ando o Bispo, e no dia seguinte Missa de Pontifical, e
oracqo funebre.
Entretanto o Governador que tinha-se preparado
para a acclamaqio de Dom Joz6 1.0, em cuja intelli-
gencia estava o Diocesano, para 18 desse mesmo mez,
chegada a occasiao se dirigirgo a mesma igreja dos Je-
zuitas, onde houve Missa de Pontifical, Te-Deum, e Ser-
mno, que o Diocesano, deixando o altar, recitou, no qual
mostrou ser optimo discipulo do Claustro de Sdo Do-
mingos, de onde sahirao, naquelles tempos, as excellentes
regras da verdadeira eloquencia dos pulpitos.
Nesse anno o Diocesano fez demarcar o adro da
Igreja Cathedral; na fronteira deo-se Ihe 75 palmos, e
pelos lados de uma a outra parte 15.
O Prelado estabeleceo o Seminario Eclesiastico cor
sugeigio ao ordinario em virtude do Alvari de sua
creaqdo de 20 de Margo de 1751, no convento dos Re-
ligiosos da Companhia de Jesus, e a estes encarregou
a sua administraqgo ; era Junho de 1752.
O Bispo ainda dentro desse anno de 1752 repre-
sentou a El Rei que se havia dignado mandar conti-
nuar as obras da cathedral, applicando-se a ellas ses-
senta mil cruzados, e que fossem satisfeitos a quarteis
pelo Almoxarifado, que se pagardo no anno de 1750
cor muita promptiddo, que muito concorreo para o aug-
mento das mesmas obras, porem que mandando elle






O BISPADO DO PARA


Bispo receber o 3. quartel de 1752, que importava em
quinze mil cruzados, e assim requerendo o procurador
das obras; o Provedor mor, cor quanto alegasse que,
nTo se Ihe entregando ainda n'aquelle anno o quartel
vencido, os officials abandonariio as obras,ficando ex-
posta d ruina, como por igual motive se achava o Pa-
lacio Episcopal, e que.em face desta repugnancia em
entregar-se ao dito quartel, Elle offerecera fianga, sendo
certo que no Almoxarifado ainda existia cacao bastante
para o dito pagamento.
Vendo El Rei a conta da obra que Ihe foi prezen-
te cor data de 5 de Dezembro de 1751, mandou por
resolucQo de 3 d'Abril, que se fizesse o dito pagamento
do quartel alludido para complement dos sessenta mil
cruzados, e que se levantasse a fianga; era 7 d'Abril
de 1753.
A esse tempo que tambem tudo estava disposto
para comecar as demarcag6es de limits na fronteira,
os indios por sedugQo de dous Regulares de companhia,
Antonio Joz6, e Roque Hunderfund, que n'aquella par-
te do Amazonas tinhdo sido postos pelo seu vice Pro-
vincial, para aquelle fim, assim como para fazer guerra
aos Religiosos de Nossa Senhora do Carmo, que.exem-
plarmente alli estavio regendo as misses, desertario,
assim como tambem desertarao os indios das obras e
servico do Rei, na cidade, que se estavao fazendo para
a deligencia das demarcaqges.
Nao obstante estes factos o Governador e Capitio
General teve tudo prompto, e dissimulou a traic o dos
frades Jezuitas, e a 2 de Outubro de 1754, dando o go-
verno do Estado ao Senr Bispo Dom Frei Miguel de
Bulhoes, partio para ir presidir as demarcaqGes da fron-
teira.
Eis, pois, o Diocesano tendo nas suas mdos o Go-
verno Civil, Militar e E ciesiastico; nem por isso o Dio-
cesano langou mdo do poder para exceder as raias da
justiCa e rectidio, que o inspiravio em todos os seus







56 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


actos sempre; Elle foi um fiel guard avanQada da Lei,
e o primeiro executor com imparcialidade e rectidio
pelo que mais sympathies e amor o cercardo. O home
circumspecto o observou, contemplou, e admirou.
Nesse anno, inviuvando o Paraense Joz6 Monteiro
de Noronha, nascido no Para, e baptizado na S6 a 24
de Novembro de 1723, filho de Domingos Monteiro de
Noronha, que empregou na sua educacAo todo o seu
desvelo paternal, para ver desenvolver os bons prognos-
ticos, que reconhecia no coracqo de seu filho, o havia
feito frequentar as escolas primaries, e para tomar co-
nhecimento dos estudos maiores o fez entrar no col-
legio de Santo Alexandre dos Jezuitas; alli tinha com-
pletado o curso de Latim, Philosophia racional, Rheto-
rica, Physica, Theologia especulativa e moral, Elementos
de Geometria, etc; e onde chegou mesmo a tio gran-
des credits entire os seus lentes Jezuitas, que estes
empregario as maiores diligencias, para que entrasse
no Claustro, ao que elle resistio corn repulsa igual A
deligencia de seus lentes,.e frades e se recolheo A ca-
za paterna; passado alguns tempos cazou, entdo co-
meQou a servir-se das suas letras no exercicio de advo-
gado, servio de Magistrado quando na qualidade de ca-
marista substituio o lugar de Juiz de Fora, assim como
o poder judiciario, no crime, civil e orphdos, sempre
credor de grandes credits pela sua rectidio e honra-
dez, todos comegario a chamal-o Doutor, e assim ficou
considerado at6 a morte.
Porem inviuvando no anno de 1654, e sentindo ex-
tremamente a perda de sua virtuosa espoza, se deci-
dio por tal maneira ao serviqo do altar e de Deus, que,
sem mais recuza, se foi appresentar ao Sr. Bispo Dom
Frei Miguel de Bulhbes, eram jA fins do anno de 1755.
O Prelado, nWo s6 o recebeo cor especial agrado
mas Ihe concede o uzo do habito clerical, pois ja bem
certo de ter ao seu lado o home sapiente, que dese-
java; e como ji era reconhecido, o ordenou.







0 BISPADO DO PARA


E, querendo curar o mal, que tanto reconhecia, isto
6, a grande distancia que separa a Barra do Rio Ne-
gro, hoje capital da Provincia do Amazonas, da capital
do Para, sendo que por essa razAo tinha creado para
alli um Vigario Geral a 13 d'Abril de 1755, que logo
mais o monarcha approvou por carta Regia de 18 de
Junho de 1780, para que cessasse a difficuldade, corn que
lutavAo aquelles povos, para obterem um despadho
Eclesiastico, nas suas pendencias sugeitas a esse tribu-
nal; ordenado o novo Padre Joz6 Monteiro de Noro-
nha, em Dezembro de 1755, o nomeou Vigario Geral,
para aquella nova Vigararia Geral, da qual foi elle o 1.o
que aceitou.
Assim pois ficario prehenchidas as vistas e de-
zejo, de ter um padre, capaz de o coadjuvar em seus
cuidados Apostolicos n'aquella parte do seu Bispado,
assim como as obrigagces da igreja e da religion.
A 23 de Dezembro desse anno de 1755, o Prelado
Diocezano benzeo as 5 horas da tarde a nova cathe-
dral, que ji estava edificada atW o arco da capella mor.
No dia seguinte, 24 fez a abertura solemne, mudando
por meio de uma prociss.o solemnissima, o Santissimo
Sacramento da igreja de Sao Joao Baptista, que at6
esse moment tinha servido de SE, desde a sua insta-
lago, como da antiga igreja da Senhora da Graca ti-
nha passado para a de Sao Joao.
Cantou-se-Te Deum Laudamus-e seguiram. se
vesperas, e a festa do Nascimento de Jesus Christo, nosso
Redemptor cor as suas oitavas: Na 1.a festejou-se a
Senhora da GraCa Padroeira da Cathedral: Na 2.a Nossa
Senhora de Belem Padroeira da cidade: e na 3. o Pa-
triarcha Sao Domingos.
Assim, pois, a primeira Parochia da Capital do Para
foi restituida ao seu primitive lugar, por ter sido este
escolhido e fundado pelo seu fundador e da cidade, e tam.
bem o Sr. Bispo cor o seu Cabido passaram a ter a sua
igreja propria.







58 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


O Vigario Geral do Rio Negro, a camera, toda a
officialidade de 1.a e 2.a Linha, ou ordenangas, Magis-
trados, Nobres e Plebeos, assistirao todos esses actos e
festas, para sua maior grandeza.
0 Vigario Geral Joze Monteiro de Noronha, Dou-
tor como todos o chamavio e reconhecido, seguio ao
lugar da sua commissao, e o Prelado Diocesano ficou
tranquillo e satisfeito, porque vio nelle o obreiro que
tanto e escrupulosaniente procurou; e nao se enganou.
Estes motives devido todos ser submettidos a pen-
na competent, para uma dissertaco analoga, A qual
jamais posso chegar, nao s6 pela minha pobreza, singo
como porque me propoz a colleccionar e coordenar
estas noticias para dellas se servir a posteridade.
O Sr. Bispo Dom Miguel de Bulhoes, para ter en-
tre os altares da nave maior, um dedicado ao seu Pa-
triarcha Sio Domingos, fez que o architect alterasse a
plant primitive da Cathedral; era pois um Bispo de
notorio e exemplar zelo, e digno filho da Sagrada or-
dem dos Pregadores, Prelado respeitavel, e tao devote
do seu Patriarcha, que nao se esqueceu de Ihe tri-
butar aquelle obulo da sua piedade, e do seu bolsinho
sahio o dinheiro corn que se fez esse altar e o painel
do santo Patriarcha e na oitava, em que se fez a festa
do Patriarcha, "Elle Pontificou, e pregou o Padre Mes-
tre da Companhia de Jesus, Frei Aleixo Antonio.
Nao teve lugar a apparigAo da cathedral sem pre-
ceder-lhe uma sessio do Cabido, convocado pelo Dio-
cezano, e esta teve lugar no dia 23 de Dezembro, jd
referido, de tarde, na qual o diocezano fez saber ao Ca-
bido a sua intenQao, de abrir a nova Cathedral em a
Vespera de Natal, e dar principio is Festividades nesse
dia, em signal de gosto e contentamento que tinha, para
o que rogou ao Cabido que o acompanhasse em todas
as funcqges, que havia de fazer em os dias seguintes
depois do Natal, e Ihe disse mais que tendo a nova
Cathedral 10 Altares, alem dos 2 Collateraes, e nao







O BISPADO DO PARA


houvessem senao oito acolythos, propunha crear mais
dous, para serem dez, a fim de na hora do intervallo
os Sacerdotes terem quem Ihes ajudasse a Missa, para
o que se Ihes podia consignar a congrua, que jd tinhao
os oito, sem que corn tudo isso se prejudicasse a Or-
denaria da S6; e conformando-se corn essas medidas o
Cabido as approvou, por que nellas vio as boas inten-
o9es do Prelado, e por serem todas dirigidas para
maior honra e gloria de Deos, e por isso o applaudirao
e louvardo.
E finda a sessio do Cabido, pelas 5 horas da tarde,
tendo o Diocesano se revestido, e tornado o Pluvial,
benzeo a nova Cathedral acompanhado pelo Cabido.
Deixemos pois o Sr. Bispo como Diocesano, e va-
mos acompanhal-o como Governador interino do Estado.
Era Janeiro de 1756, e, recebendo terminantes Or-
dens da Corte de Portugal, para sem demora fazer
cumprir a Bulla de 20 de Dezembro de 1741, que de-
clarava livres os indios, sub pena de Escommunhao-
Latce sententice-aos contraventores; bem lembrado do
que lhe succedeo no comeeo do seu bispado quando
quiz entrar na execuqgo da mesma Bulla, para previ-
nir a reproducqio dos factos passados, avizou com
muita brevidade o General no Amazonas, e recordan-
do-lhe o que se havia passado entire elle e os Padres
Jezuitas, Ihe affirmou, que o esperava para aquella
execugdo.
Porem se o Bispo Governador interino se desviou
desta execugao com tanto tino, nio poude deixar de
cumprir a ordem pela qual se exigio da mesma Corte
a remessa para ella dos Padres Jezuitas Antonio Joz6,
Roquete Hunderfund, Theodoro da Cruz, e Manoel
Gonzaga, que tinhio dado os maiores escandalos, e coin
elles os dous Juzuitas Alemaens encontrados na Aldea
do Trocano; assim como communicar ao Vice-Provin-
cial dos referidos Jezuitas a advertencia, que Ihe man-
dou passar o Monarca, sobre os absurdos da maioria








60 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


dos seus consocios, e irmAos, abstendo-se por aquella
occasido o Monarca de several demonstrates, por es-
perar que a sua benignidade serveria de confusAo e
emenda; os dous Jezuitas Alemaens, na Aldea em que
forgo entrados, estavao armados e fortificados cor duas
peQas de bronze.
Repito: Esses Jezuitas Alemaens, quando forio en-
contrados, estavao fortificados com peas de bronze;
dos outros, huns tinhao operado a desergo dos indios
das obras do Rei, e outros tinhao operado desaloja-
mento dos Frades Carmelitas das suas misses.
Ainda voltando ao Seminario direi: Tio pouco
tempo havia, que se tinha retirado para Portghal o 2.0
Bispo, quando o 3., de quemn aqui trato, tomou conta
do Bispado, que, a pezar da extincqgo,. o Jezuita Ma-
lagrida continuou com o seu Seminario, ate o tempo
em que teve o Senr Dom Miguel de Bulhoes de fun-
dar o Seminario Episcopal, em virtude do Alvard de
20 de Margo de 1751, como ji dissemos; e por tanto o
Bispo approveitou os alumnos, que existiao, assim como
a mesma caza, e deo a outros lentes de entire os Je-
zuitas, e nio a Malagrida, a administraqao, que a con-
servardo ate serem extinctos e prezos; por que entio,
nio s6 forgo mudados os Seminaristas para o Colle-
gio desoccupado, mas a serem dirigidos por um Clerigo
Secular, assim como o forio, ou passarao a ser, os seus
lentes. Naquelle Seminario, por Ordem deste Prelado,
residiTo os dez meninos do Coro Acolytos, como pen-
sionistas. Elle estabeleceo para os seus seminaristas
habito talar azul claro, tendo pendente dos hombros
uma estola encarnada at6 o calcanhar, e o uzo do bar-
rete de quatro quinas, de que uzdo os Clerigos de Sdo
Pedro; assim tambem estabeleceo quatro Seminaristas
pobres, que erao mantidos a custa do estabelecimento,
e se distinguirdo dos outros, entire os quaes tinhao pro-
eminencia, e em qualquer parte, por uma divisa verde,







O BISPADO DO PARA


com tres pontos brancos, collocada em uma das pontas
da estola encarnada, ji referida.
Era imponente, e magestoso, ver o Diocesano sahir
a rua, de caminho para alguma festa, precedido dos
seus Seminaristas, formando ala; dezafiava attencao e
respeito, e todos na Diocese Ihe tributavao sympathia,
e veneraqao.
O Rei nao se esqueceo de por sua Ordem mandar
restituir os Religiosos Carmelitas A plena administra-
qdo das suas Aldeas do rio Javari, de que tinhgo sido
expellidos pelos Jezuitas com universal escandalo dos
habitantes; e a vista de todas estas ordens e medidas,
tomadas pelo Monarcha, acomodarAo-se os Jezuitas na
pratica das suas intrigas externas; porem lanqarao mio
das armas, formando pa.rtidos cor os Jezuitas Hespa-
nhoes, na fronteira do Norte, onde foi necessario levar
as armas do Monarcha.
Em fins de 1756 chegou o General pretextando en-
commodos de saude, mas principalmente attendendo ao
chamado do Diocesano, que assim simulou; e este nos
dias 28 de Janeiro, 28 e 29 de Maio de 1757 fez com
as costumadas solemnidades por sua Pastoral a publi-
caqdo do Decreto Pontificio de 20 de Dezembro de 1741,
e das Leis de seis de Junho de 1755 que incontesta-
velmente estabeleceram a liberdade dos indios; actos
estes com que exultardo os habitantes, por verem que
cor elles ficavio desfeitas as calamidades que por
tantos annos affligiAo o Estado.
Assim pois ficou o Diocesano retirado da cadeira
governmental, todo occupado de sua diocese, e porisso
informado como foi pelo General de que 6 seu Vigario
Geral da Comarca do Amazonas, affrontando privaQSes,
incommrodos inherentes, e at6 com perigo da vida, vi-
zitava muitas vezes todas as igrejas comprehendidas
no district da sua vara, nao Ihe escapando, ainda, a
mais remota; zeloso pelo bem das almas, cathequizava
os indios, reformava os costumes relaxados, cor muita






62 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


dogura e tino, e mantinha a decencia dos temples, e a
santidade do culto; e vigilante e zeloso pela conduct
dos parochos, rigorosamente os punia e sempre corn
justiga, logo que reconhccia a necessidade disso; Ihe
dirigio louvores, e o seu reconhecimento.
A terra e cabegas de gado vaccum que com o se-
minario tinhdo passado ao dominion Ecclesiastico, em
esse anno de 1757, jd cram uma fazenda, da qual o Ge-
neral, dando conta a Corte con as de mais, disse della:
que tinha cinco mil cabegas, e o administrator della
em suas contas, garrotas para os Conegos, em dia de
So Pedro, vinte e oito.
Neste anno de 1757 teve o Diocesano aviso de ter-se
dado na parte superior do rio Negro um motim de in-
dios que capitaneados pelo indio Domingos da aldea
de Dary, que descendo o rio, entrardo armados na al-
dea de Caboquena, trucidardo o Missionario Carmelita
Frei Raimundo de Santo Elizeu e o proprio principal
e mais moradores do lugar, e reduzirdo a cinzas a
igreja; fordo a Manaos roubardo os vazos sagrados,
espedagarao as imagens do Senhor Cruxificado, assim
como as imagens dos Santos, e o Sacrario, e incendia-
rdo a povoagdo, e a igreja; fordo a Villa de Thomar,
onde estava refugiado um grosso de gente, que Ihes
escapou fugindo para o centro, tudo praticado em vin-
ganga d'aquelle Missionario ter tolhido o concubinato
ao sobredito Domingos.
Afflicto o Prelado coin uma tdo horrorosa noticia
foi ao Capitao General representar-lhe, que lhe respon-
deo estar de tudo informado, e lhe affirmou que os hia
punir, o que fez, mandando sem demora huma forga
sobre os diliquentes, aos quaes nio deo quartel.
A 16 de Janeiro de 1758 voltando o Governador e
Capitao General ao Amazonas, a demarcagdo, entrou o
Diocesano no Governo do Civil e Militar, commissio-
nado, como a primeira vez.
E como desde o principio da Diocese nio estives-







O BISPADO DO PARA


sem determinados os limits, entire ella e a de Mara-
nhio, os Doutores Promotores e mais Ministros Eccle-
siasticos reunidos representario esta circumstancia ao
Senr. Bispo Dom Miguel, que por sua proviso de 2 de
Maio d'esse anno declarou limited o Rio Gurupi, ou li-
nha divisoria entire as duas Dioceses, ou ProvinciaS
Ecclesiasticas, principiando a do Maranhao na margem
direita ou oriental do dito rio, e da margem fronteira
a do Pard; tendo havido para isso intelligencia corn o
Diocesano do Maranhao.
Por muitas vezes o Prelado vizitava o seu Semi-
nario, assistia o acto das liqGes, concorria as conferen-
cias, presidia os exames, a todos os actos dava forqa
coin a sua presenga; e algumas vezes procurou vizitar
o estabelecimento em occasion do refeitorio, e tomava
um prato d meza com os alumnos; dest'arte promovia
e firmava, mesmo, estimulo em uns, e cumprimento de
deveres em os outros.
A este tempo e em virtude de Ordens Regias de
5 de Fevereiro, e 12 d'Abril se retiraram para Portu-
gal os Religiosos da Piedade, Missionarios na Villa de
Porto de Moz, e com convento em Sao Joz6 na Cidade;
e para Maranhao os da ConceigQo da. Beira do Minho
que tambem tinhao na Cidade o conventinho de Sao
Boaventura, de cujos edificios tomou conta o GovernO
para serviddo public e do Estado.
Entrou o anno de 1759 e coin elle chegou o 20.0
Governador e Capitio General Manoel Bernardo de Mel-
lo e Castro e como o seu predecessor ainda estivesse nas
demarcac5es, o Bispo que estava servindo interinamente
o lugar de Capitio General, por commission que lhe
dera o proprietario, entregou a Governanqa do Estado
ao que acabava de chegar com as formalidades do es-
tilo; era 2 de Marco; e assim passou com muita honra
e gloria, e geral sympathia a occupar-se exclusivamente
do seu Bispado.
O Prelado em 1758 por occazido de sua vizita fun-







64 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


dara na Capella de Lourenqo de Souza Pereira que a
offereceu corn todas as suas alfaias, e corn um terreno
quadrado coin sessenta bragas em cada quadro, a Fre-
guezia de Nossa Senhora da Piedade do rio Irituia.
E tambem por essa occazido a de Sao Miguel da
Cachoeira, capella offertada por Agostinho Domingues
de Serqueira corn todas as suas alfaias, na margem di-
reita do rio Guama, assentada em um terreno de ses-
senta bragas quadradas tambem offertadas pelo doa-
dor; o destricto comega do Jurujaia para cima at6 o
igarap6 Castanhal.
Aos moradores, freguezes desta segunda freguesia,
dos igarap6s Jurujaia, Jabuticac, e Jacundahi con-
cedeo que se desobrigassem da Quaresma na freguesia
de Sio Domingos da Boa Vista, por Ihes ficar mais
perto, que a sua.
Falleceu o 6.0 Bispo do Maranhlo Dom Frei Fran-
cisco de Sao Thiago, a 18 de Dezembro de 1752.
E, sendo nomeado 7.o Bispo Dom Frei Antonio de
Sao Joz6 em 1756, se communicou com o Sr. Dom Frei
Miguel de Bulhbes, e Ihe pedio de Lisboa que em seu
nome nomeasse um de entire os seus padres da S6, Go-
vernador do Bispado do Maranhao, no que satisfazendo
ao novo Bispo para o Maranhao, nomeou o Conego
Presbytero Francisco da Rocha Lima, que alli tomou
posse de Governador do Bispado a 15 de Julho de 1756.
O Bispo para o Maranhao logo por procurago de
9 de Novembro desse anno de 1756, nomeou o do Pard
para tomar por elle posse do seu Bispado. O Diocesano
paraense subestabeleceu a procuraqio no Arcipreste
d'aquella Cathedral Dr. Jodo Rodrigues Covette, e em
sua falha ao Chantre Basilio d'Almeida e Moraes, e
assim se realizou a posse.
O Bispo diocesano disp6z que os dez Seminaristas
que erdo meninos de Coro morassem no Seminario Ecle-
siastico, para de la hirem todos os dias d Se, ao ser-
vigo do Coro, como tambem ajudar as Missas, services







O BTSPADO DO PARA


estes para que tinhAo sido creados; mas, que -delles,
quatro seriao mantidos a custa do Seminario, e os seis
seriao pensionistas, pagando annualmente a pensao de
sessenta mil reis, cada um.
Tinha em principio do anno de 1759 resignado a
cadeira da Dioceze, porem o Monarcha s6 Ihe concede
a remoqao do Bispado do Pard para o de Leiria, em
Portugal, para onde partio a 12 de Setembro de 1760,
12 dias depois d'haver chegado o seu successor.
Chegado ao lugar da sua remocao o Sr. Bispo Dom
Frei Miguel de Bulhoes escreveo ao Cabido Paraense
enviando as contas correntes da sua administragao na
obra da Cathedral, dellas constavao as esmolas que ha-
via feito para a mesma obra, ainda depois de se ha-
ver retirado; repito ainda, do seu bolsinho, deo elle o
painel do seu Patriarcha Sao Domingos, e mandou fa-
zer a sua capella.
Foi elle o primeiro Bispo que se lembrou da prizao
do aljube, e por isso durante o tempo da sua inte-
rinidade, no Governo do Capitao General, fez edificar
uma caza para esta prizao; era de canto, e por isso
fazia ou tinha, uma frente para o largo da igreja Sao
Joio, e a outra para a rua da Atalaya; fez collocar-lhe
uma grande cruz de madeira junto a quina, na frente
da rua da Atalaia, e sobre a parte principal do edi-
ficio uma lapida branca em que se viam dois S. S. San-
ta Se; edificio este que ficou sob o dominio Eclesias-
tico.
Assim como os tempos e costumes se succedem, as-
sim esta prizao cahiu em desuzo, e em uma occaziao
esteve alugado este predio, cujo aluguel era tomado
como renda da Cathedral, em outro servio de quartel
de soldados, e logo mais, 1872, outro Bispo fez desa-
parecer a caza do aljube, substituindo-a por outra, fi-
lha da sua imaginaqao tao cheia de plans, para cuja
realisagao, foi demolida, e comegada desde os alicerces
a nova que ficou ou chegou a obra aos arcos das por-







66 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


tas e janellas, sendo abandonada nesse estado As in-
clemencias do tempo, destruidor atW dos metaes!
Assim sao os homes, no mundo, o que os de ho-
je fazem, os de amanha desfazem, por motive da novi-
dade, e adquerirem fama, e fazerem-se notaveis aos
olhos dos ignorantes, somente!
Ainda estava de posse da Diocese o Sr. Bispo Dom
Miguel de Bulh5es, ao tempo em que o novo Capitao
General Manoel Bernardo de Mello e Castro teve de
dar cumprimento ao Avizo expedido com a Lei de 3 de
Setembro de 1759 que prescreveo, desnaturalisou, e ex-
pulsou de Portugal e seus dominios os Jezuitas; em
virtude da qual Lei os prendeo e remetteu para Lis-
boa, e sequestrou-lhes todos os bens e propriedades que
possuiao.
O Diocesano se absteve de tomar posse da parte,
que o Monarcha designou para o Bispado do Para, por
que, disse Elle-Meu successor estA As portas da Dio-
cese, mais d Elle, que a Mim se deve entregar a parte
que ficar pertencendo A Diocese.
Foi explendido o embarque do Bispo de Leiria, do
Para para Lisboa, porque se Ihe fizerao todas as hon-
ras da itiqueta, assim como sobresahirao as da ami-
zade e da gratidao.
Em Junho de 1757 chegou d cidade do Para o avizo
de, por manejos clandestinos dos Jezuitas, terem de-
zertado d'Aldea de MariuA, para as misses dos Hes-
panhoes, 120 Soldados dos do servigo do Amazonas nas
demarcag5es, tendo roubado muniqoes de guerra, de
bocca, e outros generous.
J6 em Junho de 1755 o Governador e Capitao Ge-
neral tinha communicado para a Corte ao Ministro que
o Padre Jezuita Aleixo Antonio com o illusorio pretexto
dos exercicios de Santo Ignacio havia posto A sua de-
vogo uns poucos d'Officiaes, e que tambem havia dito
aos Engenheiros encarregados daquellas demarcaq5es
que todos os provimentos que o General mandara para






O BISPADO DO PARA


se servir a meza, alli naquella aldea de Mariua minis-
trados a custa de Fazenda Real, pertenciio A elles Je-
zuitas, assim como a frasca de cobre da cosinha, e que
si assim nao se fizesse, era um roubo a elles.
E quo passou depois a persuadir a gente do ser-
vigo das demarcaqGes que o Governo sahira da Cidade
para alli sem Ordem da Corte, e por um acto volunta-
rio os mettia naquella espessura brava, onde al6m de
innumeros incommodos, que nelles tinhao de padecer,
haviao por fim acabar i fome, porque as demarcagqes
nunca se haviio de fazer.


DOM FREI JOAO DE SAO JOSE E QUEIROZ
4.0 Bispo

Nasceo Joao a 12 de Agosto de 1711 na Cidade de
Mattozinho, em Portugal, filho legitimo de Francisco
Gongalves Dias e sua mulher D. Joanna Dias de Quei-
r6z, nobres, e foi baptizado na parochial Igreja de Bou-
cas de Mattozinhos.
Desde os seus primeiros rudimentos da Santa Re-
ligiio, e das primeiras escolas do ensino primario, com
excellent approveitamento concebeu vocagqo inverici-
vel pelo habito de Sio Bento; de forma que aos 18 an-
nos recebeo o habito como novigo em Tibaens, e findo
o noviciado professor nas mdos de Dom Abbade, Frei
Joz6 de Santa Maria, e passou a estudar Philosophia
no mosteiro de Sao Miguel de Refojos de Basto, jA era
Frei Joao de Sdo Joz6 e Queir6z.
Consummado Theologo e Philosopho, passou a ser
conventual em Sio Tyrso, de onde passou ao Convento
de Lisboa, nao sendo possivel precisar a data, porem 6
certo que em 1744 era Secretario privado do Abbade
Sever.
As letras e o sangue facilitavdo ao Benedictino a







68 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


allianga e amizade corn as pessoas doutas e nobres d'a-
quelle tempo, contando-se nesse numero as Rainhas, D.
Maria d'Austria, e D. Mariana Victoria; assim como as
sympathies do ministry do Rei Dom Joz6 1. para cor
o frade Ihe valerdo a nomeaqdo de Bispo do Gram Para
em 10 de Outubro de 1759.
Bispo o nosso Benedictino aos quarenta e oito
annos de idade, e do que foi avizado no dia 11 daquelle
mez as 3 horas da madrugada, empregou as suas dili-
gencias, para ser dispensado de tAo espinhoso encargo,
porem sem resultado, pois a 14 recebeo a nomeagao, e
a 15 foi beijar a mro ao Monarcha.
No anno seguinte, 1760, recebeu o novo e 4.c Bispo
do Pard as bullas, em virtude das quaes foi sagrado a
4 do mez de Maio na Cidade do Porto, sendo sagrante
o Bispo de Mauricastro, Conego da S6 Portuense, e as-
sistentes o abbade geral de Sao Bento, e outros ab-
bades Benedictinos.
Dois dias depois, foi elle sagrar a igreja de Matto-
sinhos, em que tinha sido baptizado; e, volvendo a Lis-
boa, seguio, dentro dess'anno, para o Pard, aonde sub-
stituio ao Bispo Dom Frei Miguelde BulhBes e Souza,
que no principio do anno de 1759 havia resignado a
Cadeira da Diocese, mas que ainda estava no Pard
Ora a 12 d'Abril de 1760 havia o Governador e Ca-
pitio General Manoel Bernardo de Mello e Castro, em
virtude do avizo expedido corn a Lei de 3 de Setembro
de 1759, remettido press os Padres Jezuitas para Lis-
boa, ainda estando no Para o Sr. Bispo D. Miguel, que
reservou a posse ao seu successor, e por isso o Gene-
ral preparou o Collegio esperando pelos seus novos
occupants.
Chegou, em fim, ao Para o 4.o Bispo Dom Frei Jofo
de Sao Joz6 e Queir6z a 31 de Agosto de 1760, e do
porto de desembarque foi levado pelo Governador para
essa grande caza, que ji estava destinada a palacio
episcopal: a 4 de Setembro, por seu pr ocurador, o Pa-






O BISPADO DO PARA


dre Dr. Jodo Roiz Pereira, tomou posse do Bispado, fa-
zendo sua entrada solemne na sexta feira seguinte.
Seguio-se assignar o Diocesano um termo de accei-
taqdo do Collegio de Santo Alexandre, que tinha sido
dos Jezuitas, para servir de palacio dos Bispos a part
nova, e que ainda a aquelle tempo nao estava aca-
bada, para capella do Episcopado a Igreja e Sachristia
do mesmo Collegio cor todos os seus ornamentos e al-
faias, e para Seminario Eclesiastico a outra parte mais
velha do referido Collegio, que consistia em 12 dormi-
torios, uma Capella, officinas, e seus pertences, e uma
pequena cerca corn poco e um pomar d'espinhos; esta
acceitagio foi feita em seu nome, e de seus sucessores,
sem condigio on onus algum.
E como o Diocesano ji estivesse de posse da parte
que Ihe tocava na dita graa ; o Reitor do Seminario
logo tomou posse da parte que Ihe tocava, fazendo pas-
sar para ella os Seminaristas, que estavio no antigo
Seminario a rua do Agouge e perto da Sacramenta.
Pela carta Regia de 10 d'Abril de 1760 foi o Col-
legio dos Jezuitas destinado a morada dos Bispos Dio-
cezanos, e pela de 11 de Julho de 1761 a part mais
baixa para Seminario Episcopal.
Ao Governador Manoel Bernardo de Mello e Castro
tocou fazer as divisbes n'aquelle edificio para as aco-
modaqges do Bispo e do Seminario, e por essa occasion,
approveitando as boas relaqoes cor o Diocezano, fez
occupar todo o pavimento terreo de que o Prelado nio
precisava, para.um grande armazem d'armas, e muniqges
e mais pretexos de guerra, e assim pode restituir os
predios particulares que estavio alugados para esse
service.
Nesse mesmo anno comeQou a edificaqio da mag-
nifica igreja, cor a invocaqco da Senhora Santa Anna,
para parochia da segunda freguezia da Cidade do Pard,


,-ANNXBB lA maLLIOl HhC F Ifl UIVO-! OMIO






70 ANNAES DA BIBLIOTHECA F ARCHIVO PUBLIC


hoje 2.o district, 145 annos antes se havia comegado a
edificagao da Cidade; no concurso das esmolas para
esta obra o Governador entrou coin 50$ r6is todos os
mezes durante o exercicio da sua jurisdicgio; o Dese-
nhador Antonio Joz6 Lande foi o Architecto que deo
a traca do temple e a poz om execug8o, e, alem deste
seu trabalho, concorreo coin dinheiro para a despeza
desta obra.
Entrado no exercicio episcopal, o Bispo comegou a
provar juizo recto, desafecto aos Jezuitas, e severe para
o padre ebrio e escandaloso. A um destes o Padre
Nazario de Novaes, disse elle--No o chamarei mais ao
servigo da igreja, vista a escandalosa incapacidade, a que
a desordem de beber, e de viver, tem redusido em to-
do este Estado a sua pessoa, prostituida a reputaco,
como, nas estradas de Coimbra, a do mais vil mogo das
malas, ou neste Estado a do indio mais perdido!
A outro, o Padre Frei Joz6 Capelldo, para evitar.
o ser assassinado, ou a matar em represalia, da injuria
que havia feito a um Capitdo de Linha, quebrando-lhe
um copo no rosto, e que produzio ferimento, fez em-
barcar para Portugal dentro de 24 horas, a 21 de Agosto
de 1761.
Vizitando a prizdo ecclesiastica, Alj ube, 1d encontrou
uma mulher india em prisao perpetua, e convencida de
pactuar con o diabo; o bispo fez subir a sua presenga
os autos do process ; e por duvidar, con bom fun-
damento, das culpas que attribuiro a paciente, a des-
condemnou.
E por essa occasiao fez lembrar d auctoridade eccle-
siastica, que as queixas uterinas sdo complicadas por
certo modo corn convulses, e outros symptoms extra-
ordinarios, que ainda medicos muito doutos, cheggo a
enganar-se suppondo esses vexames sobrenaturaes ; as-
sim tambem confessores excedem a regidez do criterio,
por se enganarem.
NRo transexigia corn os preconceitos sobre os enter-






0 BISPADO DO PARA


ramentos nos templos, e nos cemiterios, no centro dos po-
voados.
Neste anno de 1761, o primeiro do seu episcopado,
mandou sobre estar na obra da Capella mor da Cathe-
dral, por que o corpo da igreja elle achou prompto, e
ja nelle em exercicio as funges cathedraliticas; talvez
por temer que as paredes ainda nio tivessem a regi-
dez necessaria para receberem as abobadas e o telhado,
porem nio fez proceder a exame para entrar nessa con-
vicqdo, e nem tio pouco explicou o motivo da sua or-
dem.
Por carta Regia de 11 de Junho de 1761 passou a
igieja dos expulsos Jesuitas a servir de Matriz na Villa
da Vigia, hoje Cidade.
Pelas 3 horas da manhd de 19 de Dezembro de
1761 embarcou o Prelado Diocesano para a sua pri-
meira visit; foi levado ao porto do embarque pelo Go-
vernador e Capitio General, officials, autoridades, e
pessoas gradas por entire as alas da tropa; que, contra
sua vontade, o Governador mandou former; seguio, em-
barcando em quatro canoas.
Elle disse, tratando-se dos caldeiroes defronte do
Arsenal de Marinha, que causavao prejuisos, alagacqes e
mortes-Passamos sem custo o sitio de Sao Boaventura,
ahamado dos caldeiroes, certamente perigoso, quando
parecem ferverem as aguas, levantando aos ares, em
vez de fervura, uns caches, ou jactos, que mostrilo o
impulso cor que se encontrao as aguas do rio Guami
e Moji, n'aquelle sitio, em que a confluencia de ambos
terminal em angulo recto.
Seguindo portanto a sua viagem vizitou as Ca-
pellas e habitantes dos rios Guama, Bujarfi, Murtucfi,
Carapard, Mocajuba, Jacarequara, e Igarap6 Petucid,
aonde affirmou o Prelado, que, tendo passado uma noute,
verificou existir uma praga tio grande de morcegos,
que ella seria bastante para converter Phara6, e cas-







72 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


tigar o Egypto, por ser sem conta o numero das taes
aves equivocas.
Passou A freguesia de Sao Domingos da Boa vista,
que fica bem no sitio, ohde o Guama se une com o
Capim, e de cuja confluencia, disse o Prelado, result
uma copia e pezo d'agua muito notavel. Estava esta
igreja sem parocho, por havermos suspense o que es-
tava collado n'ella, por fazer cazar uma rapariga de
dez annos, e sumir o quaderno dos baptismos, rasgando
as folhas, onde deviao star os assentamentos da idade,
e por ter uma lingua tao comprida, quando era curto
o seu entendimento. E foi alli que o Prelado disse as
missas do Natal.
Transp6z a Cachoeira de Sao Migu'el percorrendo
todo o Guama e Ourem, era 1.0 de Janeiro de 1762, e
na capella de Nossa Senhora da ConceiQao disse Missa,
pregou, confessou, cazou e chrismou.
Recebendo o Bispo em Sao Miguel do Guama aviso
feito pelo Vigario Geral, de ter achado as duas moqas
fugidas da caza paterna, na vespera de elle seguir para
a visit, encontrada uma dellas em caza de um Benifi-
ciado da Cathedral, e a outra em poder de outro ho-
mem, e que ambas fez entregar a mai, o Prelado deu
ordem para ser prezo na Barra o Padre, sem permis-
sdo de passear na bacteria da fortaleza.
Ate que chegado A caza forte hoje Villa de Ourem,
desembarcou em direitura d igreja, affirmando ser o
lugar um theatre de mizerias, porque os povoadores
brancos, que 6rao ilheos, nao se davdo cor os indios,
e portanto era extrema a pobresa, muitas as enfermi-
dades, e desgosto nos povoadores, pois ate nio procu-
ravio empregar-se na lavoura, e tendo o Governo dado
a cada cazal um boi e uma vacca para o comeqo da
sua vida, era unicamente isso que Ihes valia, mas que,
como ilheos que erio, nao Ihe quizerdo vender nem
uma gallinha, das que tinhAo. e pouca mandioca ha-
vido plantado.







0 BISPADO 1)DO PARA


O Prelado no outro dia seguio para o porto grande
que dista d'alli 3 a 4 legoas, e na igreja desse lugar
pregou e crismou em dia de Reis.
A 10 de Janeiro deixou Ourem em busca de CaitW,
ou Braganga, que tambem se chamou Villa do Souza,
por terra, ora a pB, ou carregado em uma rede, e ou-
tras vezes a cavallo, depois de uma march de tres
dias cor suas noutes chegou a beira mar coin a sua
comitiva, e a 13 pelas 5 horas da manhi seguio em-
barcado rio abaixo, dez legoas consecutivas at6 que a
noute aportou a Villa de Braganga, antigamente Caet6
ou Villa do Souza seu fundador; Disse o Prelado-
Esta Villa situada em uma eminencia, cercada de cam-
pinas dilatadas, abundantissimas d'agua, sem que atW
aqui se resolvessem a comprar os da Villa, uma duzia
de vaccas e tres bois, nem a esperimentar a fertilidade
d'aquelles largos campos; tal 6 o abandon a que se
derdo os ilheos, que sio dignos de compaixio!
Ao desembarcar estava a Villa illuminada, as or-
denanqas, que sao nos nossos dias Guardas Nacionaes,
formadas, e a Camara reunida, para aquelle tio solemn
acto, em todos scintilavdo o prazer, e muito contenta-
mento mesmo: Aquella hora o Commandante fez dar
descargas de alegria, e desfilar o destacamento ou or-
denangas em continencia, e, disse o Bispo, que apezar
das boas dilligencias do Official Commandante fizerio
o melhor que Ihes foi possivel.
Assim tambem affirmou, que o Director dos indios
possuia as cazas que forio dos Jezuitas, os quaes ex-
pulsos deste lugar, sahirfo coin tanta desesperagAo,
que queimario tudo, o que nao poderao levar; e por-
tanto, que se deveo ao cuidado das autoridades da
localidade, o terem escapade ao incendio as ditas cazas,
e a igreja feita por elles, e que estava n'aquella occa-
sido servindo de freguezia.
Ainda affirmou mais o Prelado Diocesano que, corn
a expuisio dos Jezuitas, cresceo a populaqro n'aquella







74 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Villa, pois elles impediRo, morarem brancos nella, pro-
hibindo por particular interesse a communicaQBo entire
aquelles e os indios; e ainda mais, a estes saberem a
lingua portugueza; o assim cumprifo as ordens dos
seus maiores.
ChamavAo-se missionaries neste Estado aquelles
religiosos, que nas fazendas, com mais destreza, bem
preenchiTo as func~6es de administradores, procurado-
res, e contractadores!
De sorte que, esse Prelado, encontrou regulars
chamados, no Para, missionaries, escandalosissimos em
mancebias, homicidios, usuras, e tyranias. Alguns, to-
davia, veneraveis de todos as religi5es fundadas, no
Para, encontrou, que enchiAo dignamente as chronicas
das ordens, que professavAo. Nesta Villa o Bispo vizi-
tou, confessou, baptizou, chrismou e pregou; demorou-
se quatro dias, admirando e contemplando a fertili-
dade da localidade.
Deixando a Villa seguio rio acima ate chegar a
caza forte, ou Villa de Ourem, aonde fechou a vizita,
e seguio atW chegar A freguezia de Sao Domingos, lu-
gar em que o rio Guama se divide do rio Capim: Disse
elle ter visto ahi a por6r6ca bater bravamente, nestes
terms:
Na caza da residencia, em Sao Domingos, vimos
a por6r6ca bater toda furiosa; ella foi reconhecida a
longinqua distancia, talvez, de um quarto de legua, e
apareceu, representada por uma e muito alterosa onda
que atravessava o rio, de um a outro lado, e que se-
guindo em frente, impavida e ameacadora, se desdo
brava sobre a aguas do rio que, estavio em conser-
vagdo quietas, nessa distancia, a um quarto de legua,
se ouvia o medonho estampido, com que atroava, e
se via a espuma que a precedia no desdobrar a sua
march.
Estando mais ao alcance, se reconheceo que, trez
grandes ondas, e muito empoladas, se seguiTo, sendo






O 1MSPADO DO PARA


a primeira, on da frente, maior que as outras; chegando
a praia de Sao Domingos baterdo-se furiosas d'encon-
tro a praia, e depois f rampa, em que estava a ponte,
como querendo engolir tudo, quanto se Ihe oppunha;
cada uma bateo por sua vez, e recuou; e como que
mergulhando d'ahi a nada, parecia ter-se devidido,
seguindo uma parte pelo rio Guamd, e a outra pelo
rio Capim, facto este que vi succeder para com cada
uma d'aquellas tres ondas, que passardo a ser seis,
seguindo cada tres o rumo que ja demonstrei, e sem-
pre corn o mesmo estampido, e com as mesmas espu-
mas.
A por6r6ca s6 apparece no quarto da Lua, e com
a reponta da mar6; nos mezes, Janeiro, Fevereiro,
MarCo e Abril 6 maior que nos outros, e por isso mais
furiosa, medonha e fatal.
Quando exercida a sua furia, segue o seu rumo, a
mar6 fica preamar, movendo-se em um banseiro brando,
porem sendo muito vel6z a corrente. Foi aproveitando
esta corrente, que sahimos da Freguezia de Sao Do-
mingos, nas aguas da por6rdca para o rio Capim, que
nos proporcionou rapida e excellent viagem.
Porem ao contrario, a canoa, que a por6r6ca pega
adiante de si, s6 se salva, ou escapa de ir a pique,
estando ancorada em algum lugar onde o canal 6 mui-
to fundo, o que ja 6ra bem sabido dos navegantes de
aquelle rio.
Na passage, este flagelo desmorona terras, e
derruba arvores, em que bate a beira do rio; por cujo
motive a igreja de Sao Domingos, em que estivemos,
6 ja a segunda que alli se tem edificado, em consequen-
cia do desmoronamento espantoso que tem soffrido
aquella localidade, porquanto a forga que alli exerce,
6 maior, que em outro qualquer ponto do seu giro.
As pessoas; que tripulo, ou existem nas canoas,
que a por6r6ca pega, morrem irremediavelmente; e ha
na populag~o o prejuiso, de que os cadaveres dessas






7i ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


pessoas, que chegAo a ser encontradas. porque as mais
das vezes o nao sao apesar de deligencias, sao acha-
das sem a cabega.
Seguio por tanto, nas aguas da por6r6ca, o Pre-
lado pelo rio Capim, aonde de novo abrio a sua vi-
sita; e porque levava cor sigo dous Padres, que fal-
lavao bem a lingua indigena, fez por meio delles pie-
dicas na nova aldea, que alli a pouco se havia fundado
con 140 indios; e notou que, neste rio, sessenta e tantos
sitios estavdo arruinados por falta de braQos; assim
como que junto da Freguesia de Santa Anna vivido
aldeados uns Borges, tapuios, carafuzes, e pretos, que
erdo muito ladries, e prevenidos para cor a forga
public, de maneira que esta nunca podia preiider um
delles, porque nunca dormiio na aldea, e conservavdo
espias, que muito a tempo faziao por meio de assovios
em pequenas cannas, que Ihes servido de gaita.
Passou a visitar o rio Acard, ao qual deo a classi-
ficaQgo de-Rio alegre--e ahi na primeira Capella, que
era na fazenda. de Guilherme Bresson, ouvio music
cantada a quatro vozes, que erao de indios, e mamd-
lucas.
No comeco da visit deste rio, um portador em
uma canoa bem equipada Ihe entregou huma carta
nao assignada, avisando-o dos escandalos, que se pra-
ticavao, n'aquelle rio.
Ao que, disse o Bispo, depois de ler a carta:
Semelhantes papeis nao se prezdo, nem se despre-
zao: Nao se prezao, porque trazem a presumpqio, de
que a vinganga rebuqada na capa do zelo, esconde a
cara; nem o impio quer o nome conhecido. Saiba-se
(dizia Santo Antonio de Padua) o nome do pobre La-
zaro; mas nao se ponha em papel o nome do rico ava-
rento.
Nio se despresio; porque muitas vezes um espi-
rito sao, verdadeiramente zeloso, mas pusillanime, nao
se atreve a descobrir a cara, para a nio expor as






O BISPADO DO PARA


bofetadas do offendido, se a cautela nio for grande,
em guardar um inviolavel segredo. E tenho, por esta
rasio, por maxima errada, a d'aquelle prelado, que,
chegando-lhe as mdos um aviso anonymo, faz gala
de rasgar o papel, e de o nao ler; sendo que por este
caminho se tem evitado muitas desgragas, depois de
prudentes indagaqges. No correr da vizita, podemos
colher dados certos, de que muitas testemunhas se
proponhdo na vinganga de, um official ter feito umas
piis5es de ordem do Capitio General, accuzal-o ao
Santo Officio como affirmador de nao haver inferno.
various incestos publicos, e mancebias de trinta annos,
Ora, eis de que tratava a carta; alguns dos crimi-
nosos fordo press para a barra, e se andava na dili-
gencia de outros, afim de ver, que reformassem a sua
vida.
Ainda estando neste rio, recebeo o Prelado aviso
official do feliz nascimento de um Principe, herdeiro
da coroa, filho da Princeza do Brasil corn seo tio Dom
Pedro; Elle foi d capella do Mestre de Campo Antonio
Ferreira Ribeiro, que se achava bem ornada, e em com-
panhia de various Ecclesiasticos e pessoas gradas, cantou
o-Te Deum Laudamus.
Depois de chrismar, e pregar, feixou a lista da
visit, e seguio para a cidade, o Prelado embarcando
is 10 horas da noute, e, sem ser esperado pelo Gover-
nador, chegou ao porto da cidade as 3 horas da ma-
drugada dessa noute: contava-se 10 de Novembro de
1762.
Hum escriptor d'aquelles tempos disse-Frei Joao
de Sio Joz6 e Queir6s 6 uma vocagqo errada; a mitra
Ihe peza mortalmente na cabega!
Quando em 1763 se preparava para vizitar as
igrejas do Amazonas, escrevendo a Frei Jeronymo de
Santa Gertrudes, dice o seguinte:
Vou navegar contra a corrente do primeiro rio do
mundo, que 6 o Amazonas, cujo pendor 6 tio grande







78 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


e arrebatado, que em quinze minutes se faz a viagem
de trez leguas no salto do Pongo. Os defluxos me sdo
inseparaveis, sem embargo de o clima ser benigno, pois
desde As 4 horas da tarde at6 as nove horas do dia, 6
huma perpetua primavera, em o mais tempo e horas
ha algum calor; porem nao tem que ver com o que
experimentamos nos canicularios em Portugal, e cor
quanto seja e esteja dentro do tropico, e diste do equi-
nocial um grao e tantos minutes ao Sul, como isto 6
um labyrintho de rios, corn que se acha recortado o
continent, o saudavel vapor das mesmas aguas, e a
frescura dos arvoredos sempre cobertos com a viracgo,
que ha de manhd, tarde, e noute, faz o paiz temperado
e saudavel. Si nio fossem as trovoadas em quase todas
as luas, darido estes alguma idea do que o a terra do
Pard em retrato do Paraiso. E' verdade de que nao
faltio por aqui serpentes, nem fructa vedada; porem a
mizeria dos filhos de Addo em toda parte se acha,
visto como o peccado da origem transcendeo pela es-
pecie.
Emfim era 5 de Marco e o Prelado estava na villa
de Gurupi fazendo a sua visit no Amazonas, e tendo
virificado em Macapi que os cadaveres ardo sepultados
em um campo, nao cercado, elle exhortou as authori-
dades da localidade, para fazerem cercar, benzer, e
erigir uma cruz no centro desse terreno, tendo o prazer
de ver fazer, o que aconselhou, e, cercado o lugar,
elle mesmo o benzeo.
No emtanto dir-se-hia que reinava a doce paz na
Santa Igreja Paraense. Engano!
ConflagravAo-se odios poderosos contra o bispo, e
o libello 6ra formidavel e diffamatorio!
Os conspirados erdo; o Vigario Geral Padre Dr.
Pedro Barboza Canaes, que elle tinha por Ecclesiastico
douto, grave, e de exemplares costumes, com inteiresa
de ministry incorrupto, os Frades Carmelitas com o seu
Geral, e os devassos ricos, A frente 'dos quaes esteve







0 BISPADO DO PARA


um Mathias da Silva Gaio, casado cor duas mulheres,
que se colligario, e representardo contra o Prelado,
accusando-o ao Monarcha de depredador dos povos no
valor de algumas duzias do mil crusades, constantes
de multas acoimadas no acto das vizitas no certao,
afora das fiangas de banhos convertidos em proveito
proprio, esfolando assim os povos; de multar oitenta
pessoas, que se lavavio na praia nuas, de front da
sua janella a hora do meio dia; de ter uma rica bai-
xella que nada ihe custou; de dar sumptuosos ban-
quetes cor grades pompas.
Chegada d Corte esta accusaqio, Bispos e Fidalgos
Ihe escreverAo de Portugal aggravados e pezarosos de
takes accusagQes, que pezavio sobre o credit de tdo
bom agourado Principe da Igreja; e, recebendo elle
estas cartas jA na visit do Amazonas, responded, af-
firmando, ou defendendo-se pela maneira seguinte:
< na minha casa, por occasiao de haver ordenado dois,
dos meos famulos; todo o servigo da meza tinha tra-
sido de Lisboa que me havido offertado os meos pa-
rentes, e amigos; e me accusardo a tempo, que pedi a
El Rei que convertesse em beneficio de Catechese de
indios os seis centos mil reis de minhas congruas, su-
geitando-me a viver dos benches da mitra. A Snr.'
Condessa d'Avila, D. Maria de Menezes, e Joze Alves
de Meira, sao as pessoas, a quem devo essas offertas.
Aqui, antes de mim, recebido de um ordinando,
para dar por prompts os seus papeis, quatorse moe-
das, e se fazido outros roubos, precisos para sustentar
amigas, que, ainda estando prezas, 6r~o visitadas de
noute, na prison.
Tenho esfolado os povos, s6 por que tenho mul-
tado, de conformidade cor as Leis Ecclesiasticas, os
dilinquentes, cujas multas sao cobradas pelo Meirinho;
e no Amazonas, dispense. cinco mil cruzados, dquelles







80 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


que nao podido pagar, tendo emendado sua vida es-
candalosa.
Multei oitenta pessoas por andarem nuas na.praia,
banhando-se homes e mulheres aos beijos e abragos;
esta multa pertenceo ao Carcereiro, e ao Meirinho.
Multei quatrb mercadores por venderem ao Do-
mingo com portas abertas; esta multa pertenceo f fa-
brica da S6.
Forao multados, em umas libras de cera, uns mer-
cadores, por nao se desobrigarem; esta multa foi da
fabric da S6.
Na vizita passada, as multas nfo chegarao a oito
mil reis, e nesta, em que ando ha cinco mezes, ainda
nao houve uma.
Certamente, que os homes honrados nao achardo
motivo para accusar-me, e que esses homes hfo de
saber que tudo quanto tive na minha vida, reparti
com os pobres, e que quando nao tinha, pedia para
elles; e bem sabe disto a Snr." D. Maria Magdalena de
Mendonqa, e muita gente em Lisboa.
Assim El Rei nosso Senhor sabe, pois fiou de mim
as restituiqges, que se Ihe devido, para eu destribuir
em obras pias.
Podendo andar em uma liteira, ou sege, ando em
uma cadeirinha, e ainda a vizita deste anno fiz a mi-
nha custa.
E apezar das commodidades, que gozdo os frades
bentos, a minha bacia 6 d'estanho, e nao de prata;
uzo do meo habito cor o meo bordao de pao preto,
e fivelas de ferro; na minha caza nio se veste a seda,
nem barrete de meia de seda uso,.
0 Bispo soccorria cor mezada di religiosas pobres,
e f suas tias, todas residents em Portugal.
Mas o Bispo, no comego do seu Episcopado, tinha
mandado sustar a obra da S6, que se estava edificando
por ordem do Monarcha, e e certo que foi temerario
nas suas propozigSes para a Corte, e por isso concitou







O BISPADO DO PARA


contra si o odio dos grandes della e forgoso foi, apro-
veitar esta opportunidade, para arrimar o baculo, e
ser afastado da Diocese.
E por isto a sua defeza nao surtio effeito, nem foi
bastante para desfazer a intriga do Provincial Carmi-
litano, coligado com o Vigario Geral, e com alguns
personagens da metropole.
Ao recolher-se da vizita, ja as affrontas Ihe tinhio
rugado a regidez do animo, era 14 de Outubro de 1763,
os officials de' Justiga de noute Ihe entrargo em caza,
e sequestrario os papeis, existentes no quarto do Es-
crivam da Camara Ecclesiastica. Entregando-se tudo,
dice o consternado Bispo--Nao tem cousa nenhuma sus-
peita; s6 sim as provas de dever trez, ou quatro mil
crusades; e horrorosa a idea que se tem dado do Cle-
rigo na Corte!
Estava proxima a sua viagem para Lisboa, para
cumprir a Ordem do Monarcha que Ihe ordenou, .que
se recolhesse.
Alli estava um excellent politico, um grande refor-
mador, talvez, e pode ser que, nas palestras conventuaes,
e nas assembleas do convent de Oeiras, sustentasse
o nome de primeiro espirito. A mitra Ihe pezou mor-
talmente na cabega, por que Ihe minguou no peito o co-
raqdo robusto de f6, cor que ajudava o entendimento.
Vendeo todos os seus livros e trastes, e no dia 24
de Novembro escreveo ao Cabido, communicando a or-
dem, que o chamava a Corte, e no dia 25 embarcou em
um navio de Guerra para Lisboa acompanhado pelo
ex-Governador e Capitao General Manoel Bernardo de
Mello e Castro.
No dia 27 desse mez de Novembro foi o Governador
e Capitio General Fernando da Costa de Atayde Teive,
que tinha suc cedido a aquelle no dia 14 de Setembro
desse mesmo anno, a casa do Collegio dos conegos, e
Ihes apresentou uma carta Regia, em que o monarch
dezia ser muito do seu especial agrado que, na ausen-







82 ANNAES DA DIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


cia do Bispo retirado para Lisboa ao seu chamado, o
Cabido nomeasse o Padre Dr. Geraldo Joze de Abran-
ches, para reger a Diocese como Vigario Capitular, cuja
vontade o Cabido satisfez mesmo nesse mez.
Desembarcou na sua patria em Janeiro de 1764, o
Reverendo Bispo, e foi d portaria do seu mosteiro, onde
o acolherdo os seus irmios, porem, uns corn indiferenQa,
e outros corn piedade!
Sabido, porem, todos, que a deshonra d'aquelle fi-
Iho de Sao Bento era irreparavel. Poucas horas de-
pois o Prelado recebeo ordem do Governador para re-
colher-se como desterrado ao Convento de Sao Joao de
Pendurada entire Douro e Minho Ordem urgente e de
cumprimento immediate! !
Sao Joao de Pendurada!
E' aquelle mosteiro triste, impinado n'uns rochedos,
que se debruQio sobre o Douro : E' la em cima no monte
d'Arados, onde as neves hybernaes requeimio as raises
do bravio, para que alli nao floregco os gestaes em
Abril, nem as tojeiras em Dezembro se dourem coin
os seos festaes amarellos. Que desterro Alli entrou o
Bispo, precedido da noticia da sua infamia e desgraca,
era fim de Janeiro de 1764!!
E alli n'aquella caza escura, silenciosa, cheia da to-
ada gemente do vento a sibillar nos velhos vigamentos,
alli, elle Frade fidalgo da Corte de Dona Maria Anna
d'Austria e de Dom Joz6 1.0 o commensal dos Duques,
dos Condes, feitos na Corte de Luiz 14.0, Portuguez;
alli em meio de sandeos e fanaticos que d'elle fugiao,
como de leproso, e a quem o Governo nao concede,
nem sequer, defender-se ! ...
Que fazia ? . agonizava! .
S6 viveo oito mezes . .Morreo a 15 d'Agosto de
1764, conformado e resignado; seu cadaver foi sepul-
tado no Claustro do mosteiro triste ..
Pobre Bispo! comn que amargura leio as'tuas me-
morias, e reconheqo que nem teus padres da Estrella,







O BISPADO DO PARA


esses propriamente, a quem do Para mandaste dez cai-
xoens com os teus livros, e ricas madeiras para as
suas estantes, talvez nem esses, te resariao um-Pater
nostre-pela alma.
Ja ve o Leitor o destino que tiverao os ricos livros
dos Jezuitas extinctos do Pari ? Em des caixoes este
Bispo os mandou aos Frades Bentos de Portugal, quan-
do o Governo tinha ordenado que ficassem nos Simi-
narios de Belem e de GurupA.


SEDE VACANT


Ja vimos, que, desde Novembro de 1763, o Cabido,
para fazer a vontade ao Rei Dom Joz6 1.0 havia con-
siderado o Bispado em Sede Vacanti e havia eleito,
por indicadio do Monarca, Vigario Capitular o Padre
Dr. Geraldo Joz6 d'Abranches.
Mesmo nesse mez, o Governador e Capitao General
em data de 15 pedio ao Ministerio oito barcadas com pe-
dra calcarea, para acabar a obra da igreja da Senhora
S~ita Anna, que estava entire maos desde 1761, para
igreja Parochial do 2.o destricto da Capital ou bairro da
Campina, a fim de transferir-se para ella as funcQges paro-
chiaes, e irmandade do Sacramento, que desde a cre-
agio da dita freguezia e stava na acanhada e pobre Er-
mida de Nossa Senhora do Rozario dos homes pretos
tao pobre e acanhada que as obras toscas dos tres al-
tares, de que se compunha, erao forrados de grosseiros
papeis pintados ; e estava a dita irmandade tao mal
acomodada na dita Ermida pela estreiteza della, que
nisso er a igual a primeira, que elles demolirio em 1725.
Em 11 de Setembro de 1563, o Commissario geral
dos Frades de Nossa Senhora das Mercas Frei Lino Jo-
z6 Freire convidou o Cabido da Se para acompanhar
a trasladagio do Santissimo Sacramento, e das imagens,


83 *







. 84 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


da antiga Ermida, para a nova igreja as 7 horas da
manhd do dia 15, e assistir a festa da abertura desse
novo temple, o que tudo teve effectivamente lugar no
mencionado dia 15 de Setembro.
O cabido a 5 de Fevereiro de 1763 se dirigio ao
Governador pedindo-lhe que houvesse de mandar exa-
minar a obra da Capella mor da Cathedral, a fim de
verificar-se, si as paredes que estavio feitas, podido sem
risco, receber as abobadas; o Governador nomeou
dous Engenheiros para o exame e estes por resultado
do seu trabalho certificario por escripto que sem risco
so podia continuar a obra, por terem as paredes a gros-
sura convenient para receberem a abobada. A' vista
deste exame que o General communicou ao Cabido, era
20 de Margo, este comecou a obra.
Os frades carmelitanos, nesse anno de 1766, come-
gario nova igreja abobadada, demolindo a segunda que
tinhio feito de taipa, e para essa nova obra tinhao
mandado buscar a Portugal a cantaria e lancil para a
frente e mais obras internal; Antonio Jose Landi foi
o architect, e a igreja, que nunca se acabou, 6 a que
ainda existed em nossos dias.
O Governador do Bispado desempenhou com t Va
capacidade, estudo, e criterio a sua governanga que
nao teve um desgosto a soffrer; foi respeitado de to-
dos, em retribuiQio da sua regular conduct Civil e
Ecclesiastica.
Assim pois nao tiverdo de arrepender-se aos Pa.
dres do Para, por term feito a vontade ao Rei Dom
Joze 1..
O Padre Doutor, e Inquiridor, Geraldo Joz6 d'A-
branches governor o Bispado at6 o entregar ao Suc-
cessor do Bispo desterrado, que nao se fez esperar,
apenas nomeado.
Ainda teve lugar a seis de Setembro de 1772, o Ar.
cediago Manoel das Neves benzer a primeira pedra da
nova Capella de Sio Jo~o Baptista, que os Parochianos







O BISPADO DO PARA


da freguesia da S6, movidos pela sua piedade e religi-
ao, mandarao edificar, segundo a plant de Antonio
Joz6 Landi, para que haviAo feito demolir a antiga, em
que tinha o Cabido da Cathedral do Pard sido instal-
lado a 22 de Setembro de 1724. O Governador assis-
tio o acto, assim como os CorpoQ Ecclesiastico, e Mi-
litar, e Civil, e langou no alicerce varias moedas de ou-
ro e prata.
Com todos estes factos, se ensoberbeceo o Bispado
na epoca de Sede vacant, e pass a tratar do 5.0 Bispo,
que os Paraenses ja esperavao.
Ainda a este tempo em que a ausencia do 4.o Bis-
po pos a Diocese em--Sede vacanti-o Padre Jodo da
Costa e Souza, que desde 23 de Agosto de 1741 tinha
sido elevado a Conego da Cathedral, e havia a 11 de
Dezembro de 1754 aforado a Camara quinhentas bragas
de terras na Estrada do Utinga a mao direita, onde
havia feito caza e plantaiao, e Ihe chamava a sua Quinta
de Queluz, por seu fallecimento a 8 de Marco de 1765,
a havia testado em patrimonio do Seminario Episcopal.
O Sr. Bispo, registarei mais, ao tomar conta do
Bispado em 1760 achou na vigararia Geral do rio Negro,
que hoje se chama Manaus, como Vigario Geral o Re-
verendo Padre Dr. Joze Monteiro de Noronha, Pa-
raense de nascimento, ornado de services, e cercado de
tao grandes credits pelos seos talents, e virtudes que
lhe ganharao a sympathia, e respeito do povo Amazo-
niense, que o conservou, e quando em 1763, se retirou
o deixou no mesmo posto Ecclesiastico.
E a 12 de Setembro de 1760 levou, com o General
Governador, Cabido, clerigos, officials da 1.a e da 2.a Li-
nha, assim como nobres, e plebeos, o seu predeccessor,
Bispo Dom Miguel de Bulhoes, ao porto do embarque;
onde se trocarao todas aquellas provas de respeito,
amor, e gratidao, que sempre existe long da adula-


6-xftnenr oA aIKUIorHKCA a Ax'NIVO-TDOo







86 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


gao; isto por entire as alas que a tropa formou, cujo
embarque foi saudado pela salva dada na bacteria do
Castello, assim como a da Barra tambem a deo ao
passar do navio conductor.



DOM FREI JOAO EVANGELISTA PEREIRA
5. Bispo


Frei Jodo Evangelista Pereira, da 3.a Ordem da Pe-
nitencia do Serafico Padre S. Francisco, nasceu em Gou-
vaens do Douro, a 23 d'Agosto de 1708.
Nomeado pelo Rei Dom Joz6 1.0 a 23 de Agosto
de 1770, e confirmado pela Bulla de 17 de Junho de
1771, esta foi apresentada ao Cabido em Julho de 1772,
pelo Vigario Capitular e Governador do Bispado Pa-
dre Dr. Geraldo Joz6 de Abranches.
Com quanto estes papeis estivessem acompanhados
da procuragao do Bispo ao Padre, para em nome delle
tomar -posse do Bispado; como faltasse a Carta Regia,
que era costume acompanhal-os, o Arcediago da Ca-
thedral, Padre Manuel das Neves, teve escrupulos.
Recorreo, por isso, o Arcediago ao Governador e
Capitao General dando-lhe conhecimento do facto e pe-
dindo-lhe, que fizesse reunir no seu palacio os Magis-
trados, e todas as pessoas graves, e de saber, assim
como os Ecclesiasticos; e de, sub a presidencia do mes-
mo General, tomarem conhlecimento d'aquella occorren-
cia, e darem uma decisdo que servisse n'aquella emer-
gencia.
O Governador e Capitao General, attended o Ca-
bido, na pessoa do seu Arcediago, fez reunir, era fins
de Julho de 1772, a assemble requerida, de pessoas
doutas no seu palacio. A' esta assemble o Arcediago
exprimiu o escrupulo em que estava, de dar, ou ndo







O BISPADO DO PARA


posse ao Bispo Dom Frei Jodo Evangelista Pereira em
virtude da ProcuraQdo, Bullas, e Provisdo, dirigidas da
Corte ao Padre Doutor, Inquisidor, e Vigario Capitular
Geraldo Joz6 de Abranches, por nao serem estes papeis
acompanhados da Carta Regia, como era de costume,
e de estar governando o Bispado o dito Vigario Capi-
tular por Orden do Monarcha.
O Doutor Ouvidor Geral Joz6 Feij6 de Mello e Al-
buquerque tomou a palavra e disse que o Bispo devia
tomar posse na conformidade desses documents, nao
obstante a falta da Carta Regia, fundando-se em que
a eleigBo do Prelado tio admiravel partira do Sobe-
rano; e que sendo elle cheio de relevantes virtudes sem
duvida havia elle dar parte ao mesmo Soberano da
resoluQBo que mandara para o seu Bispado, o que tudo
corroborou cor outras rasoens a fim de nao se negar
a posse devida.
O Dr. Juiz de F6ra Francisco Xavier de Sampaio
ponderou que se por falta dessa Carta Regia se nao
desse a posse seria offendida a pessoa do Monarca,
quando essa falta podia so caber a secretaria de Es-
tado pela qual corre esse expediente. A assemble as-
sentou que se tomasse posse e que depois della se es-
fabelecessem os mesmos poderes pelo Cabido na pes-
soa do Padre que estava Governando o Bispado.
0 Cabido, porem, no dia 3 d'Agosto, por resulta-
do de descutir a material, em sua sessdo desse dia, re-
solveo dar a posse ao Reverendo Inquisidor e Vigario
Capitular, Abranches, querendo elle tomal-a pessoal-
mente, mas que iha negaria6 si sobrogasse i sua pes-
soa outra.
Com cuja decisgo nao se conformando o Vigario
Capitular, nio se realisou a posse, que ficou para quando
chegasse o Prelado: Este facto teve este desfeixo, por
o Cabido ter suscitado a duvida, que o Arcediago le-
vou i discussed d'assemblea ja citada, e mesmo por issb,
caprixosamente nao quiz tambem, ja tendo chegado o







88 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Prelado, servir de ser procurador para a sua posse,
como vamos ver.
Embarcou em Lisboa corn o novo Governador Joao
Pereira Caldas, e o Governador para o Rio Negro Joa-
quim Tinoco Valente, o Reverendo Bispo, tendo che-
gado a sua diocese a 17 de Novembro de 1772.
Chegado a diocese, e informado da occorrencia que
se dera, relativamente a sua posse, pelo Governador,
e Capitular do Bispado, que logo se negou a prestar-
lhe aquelle serviqo por aquella occasi2o, o Bispo no-
meou seu procurador o Reverendo Arcediago, Manoel
das Neves e este tomou por elle posse com seu nome
no mesmo dia em que chegou ao Pard.
No dia 28 desse mesmo mez fez a sua entrada so-
lemne conforme o ceremonial, a qual concorrerdo os
dous Capitaens Generaes, o Governador do Rio Negro,
as irmandades religiosas, todos os Clerigos, e Frades;
em fim ninguem ficou em sua caza para com summo
contentamento ver o symbol da Dignidade Episcopal,
da qual sentiao a falta a oito annos.
De posse da sua diocese, o Bispo se occupou nos
primeiros dias do seu episcopado em tornar o conhe-
cimento precizo do Seminario, e do Clero, fazendo al-
gumas reforms que julgou mais necessarias, e abrio
a sua vizita na Capital.
Coin o fim de ter junto de si um padre filho da
Provincia, e com saber, que bem lhe ajudasse na espi-
nhoza commission de administrar a justiqa Ecclesiasti-
ca a um povo que ndo conhecia, informado, como foi
do saber, virtudes, e conhecimentos do Paiz, do Padre
Dr. Joz6 Mopteiro de Noronha, que era Vigario Geral
do Rio Negro, Amazonas, o remove d'aquella para a
Vigararia Geral da Comarca da Cidade de Belem em
1772, onde, nessa Cathegoria, pregou muitas vezes, sen-
do sempre nessas occasioes grande a concorrencia dos
seus ouvintes, pela Uncio, e claresa, corn que explicava
o Evangelho do Senhor, sendo product do seu espirito,







O BISPADO DO PARA


e profundos conhecimentos das sciencias Ecclesiasticas.
O Prelado, que nto suppunha achar, no calcanhar
do mundo, o Pard, um Padre de que elle tanto neces-
sitava com as habilitaQces que reconheceo no seu novo
Vigario Geral; se deo por muito feliz, e exultou, dando
gragas d Deos por este inesperado beneficio, pois assim
classificou o preenchimento deste seo dezejo.
Socegado pelo lado do Padre que dezejava achar,
mas na diligencia de melhorar o estado de suas finan-
gas, o Bispo escudado cor as Provizios de 14 e 22
d'Agosto de 1682 pretendeo que o Governador e Capitdo
General Ihe mandasse pagar as congruas de oito annos
da S6 vaga, e sendo desattendida a sua pretencio, elle
dissimulou, esperando, ou aguardando-se, para uma
occasiio opportuna, pois ficara muito contrariado.
Ordenou os Clerigos que achou preparados, e pro-
veo com elles algumas freguesias que tinhdo necessi-
dade de um parocho, era 1773.
A esse tempo se comecou a edificacdo de uma er-
mida consagrada d Nossa Senhora de Nazareth do des-
terro, a cujo acto o Prelado concorreo, benzendo a pri-
meira pedra, a que assistio o Governador e um grande
concurso de devotos.
A devogio desejosa de dar a nossa Senhora, sub
esta invocaqco, um Santuario decent, conseguio da re-
ligido e piedade de muitas pessoas a sobredita erecgdo
naquelle mesmo lugar em que nasceo a devogio. Nesse
lugar viveo um home pardo chamado Placido, unico
morador d'alli, e que venerava a Santa Virgem, sob
essa invocacqo dentro da sua humilde caza de palha
em hum pobre e pequeno oratorio enfeitado conform
elle sem meios o podia infeitar; alli em certo dia da se-
mana se reunido alguns devotos de longiquos lugares
a adorar a Santa virgem, e Ihe offereciao velas e di-
nheiro, e cantavdo sua ladainha, find a qual, se reti-
ravdo muito consolados e animados; nas suas affliegoes
recorrido a Ella sempre-com tanta confianga, que erdo







90 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


soccorridos; e por tanto foi desde logo considerada mi-
lagrosa. Este home por sua morte a destinou d posse
de Antonio Agostinho, em quem tinha reconhecido
maior devogo, e piedade; e com effeito, este home
mudando-se para o lugar, occupado por Placido, quando
vivo, a fim de ndo se mudar o lugar da devog8o; con-
cebeo o piano, e levou a effeito, de fazer edificar a
Ermida da Senhora de Nazareth, cujo Nome tomou
tambem a estrada que conduz da Cidade a aquelle
logar, no qual fez um largo, ou praca, quadrilatero de
setenta e quatro bragas de largo.
Em vizita pastoral sahio pela primeira vez, ainda
nesse anno de 1773, o Prelado diocesano, a Barcarena,
Conde, Beja, e CametA, em cujas localidades recebeo
as mais fieis provas de respeito, e amor dos seus dio-
cesanos; em todos esses lugares, confessou, chrismou,
baptizou, e cazou, assim como estirpou escandalos, ini-
mizades, e odios rancorosos e antigos.
Voltando d Capital achou concluida a obra da ca-
peila mor da Cathedral, ja era Fevereiro de 1774; dez
annos depois de acabada a obra do cruzeiro e do
corpo da igreja, e de se celebrarem nessa parte do temple
desta Se de Nossa Senhora da Graga os officios divi-
nos, e mais funqges Ecclesiasticas, ficou prompta a
capella mor que pelas Kalendas desse mez de Feve-
reiro o Diocesano benzeo, e em acto continue disse
n'aquelle altar, a primeira missa baixa na forma do
ritual Romano, assistindo o Cabido e mais ministros
pertencentes a Cathedral.
Na tarde do mesmo dia capitulou o Diocesano so-
lemnemente as vesperas; e, no dia seguinte, depois de
fazer a mysteriosa ceremonia da bengdo da cera, e de
cantar a hora de terga, celebrou pontifical cantando a
missa da festa; ao Evangelho desceo do seu trono
para entrada dos cancellos, aonde estava preparado o
faldistorio e assentos para todos os ministros, que Ihe
assistiao paramentados.







O BISPADO DO PARA


Ali, expondo com muita eloquencia as primeiras
palavras do Evangelho da festividade, persuadio com
prodigiosa efficacia a frequencia corn que os fieis se
devem apresentar nos templos aos officios divinos,
produzindo doutrinas solidas e claras, muito fortes e
persuasivas. Assistirdo a esta solemne funccao o Go-
vernador Joao Pereira Caldas, os Magistrados da Ci-
dade, officials militares, nobreza e innumeravel povo,
todos transportados de jubilo, por verem a formosura
e magestade do temple.
Quando em 1653 se concede aos Jezuitas edifica-
rem o seu convento e Collegio de Santo Alexandre
sobre a ourela do mar junto ao Castello, tambem se
erigio a caza d'Alfandega no terreno adjacent ao que
tinha sido concedido aos Jezuitas; tambem em conti-
nuac;o se fizerio outros armazens mesmo desse lado
do mar e Castello, a que denominardo Real Ribeira,
porque ainda nio havia Arsenal de Marinha.
E ao tempo, Abril de 1760, em que o Governador
e Capitam General Manoel Bernardo de Mello e Castro
remetteu press para Lisboa, sequestrados, os Jezuitas,
estava o Bispado quazi em Sede vacant, por haver
resignado a diocese o 3. Bispo, e retirado-se para o
de Leria por remoqdo.
A' esse tempo chegou ao Bispado o 4. Bispo; e,
aproveitando o dito Capitam General a melhor intelli-
gencia em que estava para com este Bispo, fez occu-
par todo o pavimento terreo do collegio e seminario
para armazens de guerra na falta de predio national
para isso, e nao continuar a alugar um particular; pois
foi esse Bispo que recebeo o referido edificio.
O Capitam General Joio Pereira Caldas, porem,
reconhecendo que o lugar que offerecia transit do lar-
go da Cathedral para a dita Ribeira estava muito aper-
tado porque a cerca do edificio Episcopal tinha sido
mal collocada, e as lojas terreas que confinavio con a







92 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Alfandega era caminho de roubo, procurou-lhe o re-
medio
E vizitado um dia pelo Reitor do Seminario, o
Padre Ignacio Joz6 Pastana, o Governador o prevenio
que o servigo public reclamava que a cerca tivesse
novo alinhamento, para alargar aquella communicaQio,
assim como que, sendo a Real Ribeira roubada por
auxilio d'aquellas lojas por onde se fazia a sahida,
era convenient fazer outra sahida; no que ficardo
conformes, restando saber-se que o Reitor pedio muito
a brevidade da cerca nova.
O Governador praticou o seu piano, fez substituir
a cerca velha por uma nova, porem fazendo entrar
para dentro do terreno do seminario o alinhamento,
mas cerca de pedra e cal como a antiga, e Ihe deo
nova porta para sahida e trancada a antiga.
No meio tempo em que corria esta obra o Bispo
teve occazido e dirigio ao Monarcha a representagio
seguinte:
Senhora! Diz Frei Joao Evangelista Pereira da
Silva, Bispo actual da Diocese do Gram Para, que fa-
zendo V. Magestade Merc8 do Collegio de Santo Ale-
xandre, que foi dos extinctos Jezuitas, para servir de
Palacio dos Bispos desta Diocese, e de Seminario Ec-
clesiastico, feita a divisao necessaria; com effeito em
virtude da Real Ordem de Vossa Magestade mandou
o Governador, que entdo era, Manoel Bernardo de
Mello e Castro fazer entrega do dito Colegio ao An-
teccessor do supplicante o Bispo Dom Frei Joao de
Sdo Joze e Queiroz, que fez acceitaQLo delle em seu
nome, e de seus successores; por um termo, que assi-
gnou, como tudo consta do 1.o document, que vae
junto a esta.
Feita a divisao, ficou servindo de Palacio dos Bis-
pos um dormitorio que tinha sido feito de novo, e que
ainda ndo tinha sido acabado a parte mais nobre do
edificio, e que faz frente para a S6 ficou tambem para







0 BISPADO DO PARA


Capella Episcopal a Igreja e Sachristia do mesmo co-
legio cor todos os seus ornamentos e alfaias na forma
ordenada por Vossa Magestade; e para Seminario Ec-
clesiastico ficou outra part do referido colegio, e que
consiste em doze dormitorios velhos, uma capella, of-
ficinas, e seos pertences e uma pequena cerca cor um
pogo, e um pomar de espinhos.
Tomou logo posse da parte, que Ihe tocava, o
Reitor do Seminario, passardo para elle os Seminaris-
tas, que estavio no antigo, e todos os mais Reitores
que se seguirio; assim no Governo do sobredito Ma-
noel Bernardo, como no de Fernando da Costa, se
conservarao na dita posse do colegio e seus pertences,
sem contradigdo alguma; s6 o Governador Joco Pereira
Caldas, actual, sem attengio a merc6, que Vossa Ma-
gestade tinha feito, se atreveo a tomar para a Fazenda
Real duas cazas e various commodos, que estio dentro
do pateo do colegio, em que existiao os escravos, que
serve o seminario, mandando feixar a porta, que
sahe do mesmo colegio para o dito pateo, pondo por
este modo o Reitor do Siminario na contingencia de
alugar caza fora para assistencia dos ditos escravos,
cor grande prejuizo do Seminario que 6 muito pobre.
O que o Governador obrou sem ter ao menos uma
especie de attenqdo com elle Bispo, sendo o Seminario
Ecclesiastico sugeito A sua jurisdigio e economic na
forma do Consilio de Trento.
Nao deu logo o Supplicante conta A Vossa Mages-
tade, por conservar a paz cor o dito Governador, e
no dar motivo ao povo de entender, que havia divi-
sAo entire um e outro, e por outros respeitos.
Porem como agora novamente mandou o mesmo
Governador por por terra o muro da referida cerca,
que 6 o unico desafogo, que tern os seminaristas nos dias,
e horas de su6to, tomando um pedago della, como
consta do segundo document junto, afim de endireitar
e alargar um caminho, que vae para a mar, onde nao







94 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


ha casa alguma, nem rua public, nem necessidade
alguma da dita obra, como Vossa Magestade se poderd
informar pelos Ministros, que for Servida, se ve elle
Bispo obrigado, em rasao do seu officio, a por na
presenga de Vossa Magestade os dois sobreditos violen-
tos factos.
Pede a Vossa Magestade seja Servida pela sua Real
Grandeza e Piedade Mandar que se restitua ao Semi-
nario o sobredito pateo, com os seos commodos, visto
ser comprehendidos na mercer, que Vossa Magestade
Se Dignou Fazer sem reserve alguma, e que o muro,
e cerca se reponhio no estado em que estavio. Espera
Receber Merce.
A Rainha D. Maria 1.a por Provizio Regia de 18
Julho de 1778 encaminhou a representagao do Bispo ao
Governador e Capitao General para que respondesse,
e estava servindo o mesmo contra quem o Bispo tinha
representado.
Em resposta ou cumprimento da referida Ordem
Regia dice o Governador e Capitam General Joao Pe-
reira Caldas que o seu predecessor Governador Ma-
noel Bernardo de Mello e Castro quando, em virtude
da Lei de 3 de Setembro de 1759, expulsou os Jezui-
tas e os sequestrou, a 12 d'Abril de 1760, o Bispado
estava quazi Sede vacant, por ter resignado a Ca-
deira o 3. Bispo, retirando-se para Lisboa a 12 de
Setembro de 1760.
Tendo a 31 d'Agosto desse anno chegado ao Pard
o 4. Bispo, ao qual o dito Governador Mello e Castro
entregou o Convento, Igreja e seos assessorios, como
S. Magestade ordenara, e que nessa mesma occasion
tomara por parte da Real Fazenda todas as lojas do
Colegio para servirem d'Armazens d'armas e petrexos
de guerra, a fim de evitar o aluguel que, para esse fim,
se pagava a um particular, e por que o Bispo nao pre-
cisava das taes logas; e da despeza que pela Provedoria
Real se fez em preparar as ditas logas, para aquelle.







O BISPADO DO PARA


serviqo, havia remettido a conta a 18 de Junho de 1761,
e que assim existia na posse da Real Fazenda, ao tem-
po em que, 17 de Novembro de 1772, tomou posse; as-
sim como outros armazens terreos, que tendo servido
no tempo dos Jezuitas, para o recolhimento das dro-
gas e generous, que elles recebido do certao, achou
occupados como Armazens de mantimentos e madeiras
da Ribeira Real, media tomada por um dos seus
predecessors, sem com tudo haver plena posse no re-
ferido edificio, e seus pertences, e sem contradieio al-
guma figurada pelo Bispo.
Que estes armazens terreos, separados inteiramente
do corpo do edificio, Collegio, existiao na extremidade
da cerca delle, e emmediagao da Alfandega; entire elles
existiao uns muito velhos e arruinados casebres dentro
da mesma cerca e pateo, por onde se faziao os roubos
dos generous dos armazens reaes; forao estes que fize-
rao concertar e occupar convenientemente a fim de en-
torpercer o roubo.
Tambem elle Joao Pereira Caldas fizera derrubar
o muro que servia de cerca ao Seminario pela parte do
Castello, e logo sem demora fizerao reedificar de novo,
entrando para dentro do alinhamento antigo, a fim de
se tornar mais espaqosa a via que entire o dito Castello
e o Seminario eleva transit do largo da S6 para a Al-
fandega e Ribeira Real; e por occasiao de fazer o novo
muro, que serve de cerca, fez edificar sobre elle alguns
dormitories para crescer os commodos do Seminario.
E que para toda esta obra se tinha posto d'intel-
ligencia com o Reverendo Reitor, e que por essa occa-
siao este Padre s6 exigio, delle Caldas, brevidade na
obra da cerca.
Disse mais que, despeitado o Prelado, por elle Ihe
ter negado o pagamento da congrua do tempo, em que
o Episcopado esteve -Sede vacant 6 que havia se lem-
brado de representar contra o seu acto, como em re-
presalia.







96 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBLIC


Corn aquella obra, pois, ficou mais espacosa a via
de transit, que tao apertada tinhao, antes della, os
embarcantes, e aquelles que por esse lado procuravao
a Alfandega e a Real Ribeira.
Ahi, desse lado, estao as officinas da.Real Ribeira,
que achando-se muito arruinadas, elle Governador as
fez concertar corn obras novas; logo havia cazas por
esse lado.
Ainda mais, foi d'opiniao, que em quanto a Fa-
zenda Real nao tivesse novos armazens, que prestassem
o servigo d'aquelles, nao se devia restituir ao Seminario,
mesmo por que nao convinha a aquelles estabeleci-
mentos outros visinhos: assim como lembrou, que a
cerca do Seminario naquella parte, ou lado, que fazia
frente para o largo do Palacio do Governo estava born,
para nelle se edificarem alguns armazens, que, au-
gmentando os mais commodos precisos A Fazenda Real,
servissem ao mesmo tempo de ornar a dita praga por
aquella parte, e mais visinhanga i Marinha; e, nesse
caso, se poderiao restituir ao Seminario as lojas velhas,
que estao por baixo dos seus dormitories, e ao Senhor
Bispo tambem um grande e bom armazem, que se acha
a um lado por baixo do seu dormitorio, e esteve ser-
vindo de armazem para recebimento dos Dizimos de
embarque.
E chegado o mez de Junho de 1777 estava concluida
a obra da capella de Sao Joao Baptista, que os paro-
chianos da freguesia da Se haviao mandado edificar a
suas espensas, e no dia 23 desse mez, sendo o Dioce-
sano o officiante, benzeo-se, de manha; A noute houve
vesperas solemnes, e no dia 24 o Diocesano pontificou.
O Governador assistio, assim como muitos dos no-
bres, e mais classes da sociedade.
Por uma ordem Regia o Monarcha ordenou que
nos Mosteiros os Regulares ensinassem gratuitamente
os differences ramos da litteratura classic, e mesmo
que houvessem Escolas primaries, gratuitamente, cuja







O BISPADO DO PARA


communicagao o Governador fez ao Diocesano, e cada
um dos Conventos dos Religiosos existentes na Cidade.
O Prelado sempre zeloso pela educaqao do seu Clero,
nunca se descuidou do Seminario Ecclesiastico, vizitan-
do-o muitas vezes, assistindo os exercicios escolares,
e nas horas de repouso procurava muitas vezes estar
entire os alumnos do Seminario, para conquistar a ami-
zade e confianqa dos educandos, e outras vezes vizita-
va-os a hora de refeitorio, e a meza cor elles tomava
um prato do quotidiano alimento.
A Virgem immaculada era a sua especial advogada
e da sua muito.particular devoqco, e por isto todos os
Sabados as 4 horas da tarde com todos os Siminaris-
tas hia a Cathedral, e corn elles cantava na Capella
da Senhora de Bellem a Ladainha, sendo acompanhado
pelo Cabido, que jA a essa hora tinha acabado do coro,
e o esperava. Ainda mais por essa especial devoqao,
mandou fazer do seu bolsinho o retabulo d'aquella
Capella, no qual ainda hoje se lI a seguinte inscripcao
commemorative:
D. Frei Joannes Evangelista Tercii Ordi Sanc. Franc.
Episcopus Paraenoes religiose que se commendans, Patrocinio
Domino Nostce Belem hic, pecunia sua hoc altare in honorem
ejusdem Sanctissimaw Virginis construere, et decurare fecit An.
D.MDCCLXXXII.
Tal era a sua devoqao para corn a immaculada Vir-
gem Santa e Pura, Mde de Deus e dos peccadores.
Era inimigo do clerigo ebrio, devasso, e escandaloso,
motives estes que o levarao a punir os que delinquirao.
O Senhor Bispo Dom Frei Joao Evangelista Pe-
reira falleceu a 14 de Maio de 1782, perto de seis ho-
ras da tarde, a penas foi ungido, por que de repente
perdeo a falla, deo causa a sua morte o ter cortado
um callo de um dedo do p6 Foi sepultado no dia 15
no Presbyterio da'Capella mor da Cathedral, da parte
da Epistola







98 ANNAES DA BIBLIOTHECA E ARCHIVO PUBICO


Foi Bispo na idade de 62 annos, e morreu aos 74
tendo occupado o Episcopado 12 annos.
A 27 se fizerao exequias cor toda pompa, com as-
sistencia do Clero, Religiosos, General do Estado Joz6
de Napoles Telles de Menezes, Magistrados, Camara,
Nobreza e Povo da Cidade. Foi orador o Ex Guardiao
de Santo Antonio, Frei Antonio do Nascimento, que to-
mou por them as palavras seguintes: Corona digni-
tatis senectus, que in viis justitize reperictur.


SEDE VACANT


O Cabido na forma do seu estatuto se reunion a 21
de Maio referido, e elegeo Vigario Capitular o Dr. Vi-
gario Geral Joz6 Monteiro de Noronha, que logo tomou
posse: e a 16 d'Abril de 1783 tambem tomou posse da
cadeira d'Arcipreste, a que foi elevado, por proposta
do Senhor Dom Frei Joao Evangelista.
Por proviso de 18 de Junho de 1777 mandou a Rai-
nha, d requerimento do Diocesano, que das suas con-
gruas se pagasse em Lisboa annualmente, a quarteis, 400$
reis ao seu procurador, que de menos receberia no Para,
para alimento de uma sua parent velha e pobre.
E mesmo nesse anno por resolugdo de 9 de De-
zembro a requerimento do Arcediago do Cabido e mais
ministros da Cathedral, mandou que fossem como se fa-
zia aos outros Cabidos do Brazil, pagos a quarters.
Quando, em 1781, os officials e Empregados das de-
maccabaes estiverdo na Villa de Ega, Hespanhoes,
admirardo o orgdo, que servia na igreja do lugar, feito
por um curioso cor canudos de taboca; a cujo som can-
tavdo as indias as Missas, com alguns indicios de genio
harmonico, todos os Domingos e Dias Santos, e aos
Sabbados, Ladainha, Psalmos, Himnos, e Antifonas de
completes; seus mestres forgo Carmelitas.