Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20069

Full Text
ANNO LXV NMM0269
DIARIO
PARA A CAPITAJL E LIMARES 0\DI! NAO E PACA PORTE
Por trea meses adiantados. .
Por seis ditos idem .
Por um ano idem.....
Cada numero avolso, do mesmo da.
AMBUGO
PARA DENTRO B FORA DA PROVINCIA
6J000
12*000
231000
#100
Trcpredaxk de Manoel
iN
TELEGRAMMAS
---------------------------------------------,------
mw mmm so ansio
NATAL, 24 de Novembro, as (O horas
da manba.
Hontem houve aqni ruidosas manifesta-
c8es publicas pelo advento da-Repblica,
fasendo-se urna imponente paaseiato cvica,
composta de todas as classea sociaes.
Foram feita, por essa ocoasiao extraor-
dinarias nunifestaeSes de adheslo ao go-
1 remador Dr". Pedro Velho. f
Beinou muita ordem e perfeita tranquil-
lidade.
NATAL,'24 de Novembro, as 2 horas
e 30 minutos da tarde.
Aqu tocou hoje o vapor nacional Para
que, regressando do norte, segu para o
sol. .Parte boje mesmo.
IGUARAS3U", 24 de Novembro, as 3
horas da tarde.
Hoje effectuou-se nesta villa urna gran-
de festa de adhesSo Repblica, reinando
indissriptivel enthusiasmo.
Grande massa de povo da villa e de toda
a comarca, em imponente passeiata, per-
correa as ras da povoaclo atacando mui-
ros foguetes e dando repetidos vivas Re-
pblica, ao governo provisorio, ao povo
hwileiro, ao exercito e armada naci-
nao*
Fallaram os cidadaos Dr. Paes Barreto,
Ladislao Amaral e Dr. Maximiano Duar-
te, os quaes foram muito applaudidos.
Por indicacS > do ultimo desses cidadaos,
t*ganisou-se um directorio republicano
oomposto dos cidadaos Jayme Galvfto, Joto
Francisco do Amaral, Napolelo Duarte,
Fr^d.r. gyws, iU fluin sin fssdll
Azevedo, Dr. Coelho Leite e Jeronymo
LetSo Rangel.
RIO DE JANEIRO, 24 de Novem'oro,
as 12 horas e 30 minutos da tarde.
Foram nomeados:
Ajudante general do exercito, o general
Floriano Peixoto;
Juis de direito da comarca de Barreiri-
ohas, no Estado do Maranhao, o bacharel
Raymundo Correa;
Chefe de polica do Estado de Pernam-
buco, o bacharel Antonio Ennes Ribas;
Secretario do governo do Estado de Per-
aambuco, o bacharel Antonio Ignacio de
Ifesquita Neves;
Secretario do governo do Estado de Ser-
gipe, o bacharel Joao Avila da Franca;
'Secretario do governo do Estado do Rio
de Janeiro, o bacharel Luiz Murat;
Secretario do governo do Estado do Rio
Grande do Sul, o bacharel Julio Castillo;
t Secretario do governo do Estado do Pa-
ran, o bacharel Evaristo Gonzaga.
mais popular, anda que meooe apreciado pelo
publico do que sea irmao Eusebio, em raiao das
poucas compoeices suas que and vam impres
sas e essas mesrnas em grande parte alteradas.
Hoje felizmente j existe um bom volme im-
presso dessas composices, izracaa as diligencias
do inft tigavel operario da; lettras o Sr. Vall
Cabral. Pena que o digno editor de Gregorio
de Mallos, por um mal entendido escrpulo,
trunca.se os versos do eminente saljnco. sup
primin lo palavras e As vexes at versos inteiros,
por obscenos ou menos delicados aos bons ou
vidoi.
Gregorio de Mattos, pode-Be diser, fol o 0vi lio
brzile ro. Sua vida era a satyra, Quevedo o sen
mais apreciado modelo. Seus contemporneos
denomina vam-no Becca do Inferno. 0 desejo de
fazer rir levara o a sacrificar at o s*U melbor
amigo araigosjnimigos, proceres, sacerdotes,
todos cantam debaixo de suas violencias e de
seus -ataques uto escapando os seus proprios
clientes, aos quaes por outra parte defenda pa-
ladinamente no foro. Semelhante procedimento
acarretou Itie, como era de prever, grandes in -
fortunios, alheando Ihe todas as amisades. redu-
lindo-o por ultimo, apezar da erud>cao e apti-
ddes que tinh. para a advoc icia, mais lamen-
tavel indigencia.
A sua despedida da Universidade de Coimbra,
que nao po Jemos fu ra r nos ao desejo de aqu
inserir, retela o poeta salyrico na plenitude do
seo carcter e com tolos os seus defeitos, e
lambem com toda a sua greca e originalidade,
retratando ao mesmo tempo avidado estudante
d'aquella epocba.
Adeus Coimbra inlmiga
dos mais honrados madrasta,
que eu me vou para outra turra
onde vivo mais e larga.
Adent prolixas escolas,
com reitor, meirinbo e guarda,
lentes, bedeis, secretario,
que todo sommado nada.
Adeus fmulo importuno,
ladrao publico de estrada,
adeus ; comei des es froctos,
que a bolsa esta ja acabada.
A' ordem do subdelegado do Recito,
John Gahin, a requisigBo do cnsul ln-
glez ; liad Lopmitx e Ury Leoblis, por
embriaguez e -disturbios.
A' ordem do do 1 districto de S. Jos,
Hermenegildo Antonio de Arruda, por
;rime de feriraentos graves.
No da 24 :
A' ordem do subdelegado do Recito,
Raymundo Jlo do Lima, por offensas
moral publica; Candido Jos de Araujo,
Demetrio Grego e Antonio Joaquina Fea-
reir, por embriagues e disturbios.
A' ordem, do do 1, .diBtricto de-Afqga-
dos Manel Bertholdo da Cruz, por crime
de defloramento.
A' orden do do 2. districto da Roa
Vista, Hilario de tal, por embriague
disturbios ; Joanna Eugenia da Con
por Goncalves Macedo Wanderley, Bazilio Bi-
biano da Silva, Manoel Antonio da Silva,
Pedro Celestino Jos de Saat'Aana, Al-
is mezas adaatadoa .
nove dem......
um, amioiem ....
numero avulso, de das anteriores


1
134500
200000
264000
#100
de Paria # 3nfio$


tas-den airan
de liberdade,
mirada p
elos' seus
das felizes de
grandecimento.
povos, ama-
,0. Franga tem
mas datas traxidas pelo vapor Donata, chegado
do suf antehontem:

(Jornal do Comptercio de 16)
Despertou bor.teai ajjtoir capiUl no mcio de
acontecimeoios tau grvele lao imprevistos que
as primeiras horas do da foram de geral sor-
prza.
- Rompen com o dia um raovimeuto militar que,
a buecam, forcejam-lie ron*,, iniciado por alguos corpos do exercito. genera-
Miriibu.a^X Dm o- iisou-se rpidamente pela prompta adbesao de
to ia a tropa de mar e trra existente nesta ci-
nso no coaceito universal, grac|i
ocia do tensamente erdeiro de
pre que una laivos do elementos
rito francez eeUMpecem os Es
O bom sens, porOa' se alteiae
tranceza continua a ser conserva-
uezj meto
|P*7 sHio
SSB72C0 I AHICIA 2AVAS
PARS, 24 de Novembro.
Corre o boato de que o Sr. C. Rouvier,
ministro plenipotenciario de Frnca em
3uenos-Ayres, substituir ao Sr. Conde
Amelot de Chaion, ministro plenipotencia-
rio no Rio de Janeiro.'
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
35 de Novembro de 1889.
JNSTRCglO POPULAR
H08
TgMPOS GOLONIAKS
~-
"i LlIlrrMlura Urasilplru do aecalo
XVI se remedo do XIX
BSBOCO mSTOBICO
IV
(Cntinaaclo) *
o de Mattos, mais ckkte indnbitav I
io poeta, o iginalissioaPem suas coo
^^Kpomo poucos, d* um carcter
nano e eetencialmente satyrico,
Adeus ama mal soffrida,
que se a paga vos tarda va,
furtavei i sem consciencia,
lueios de carneiro e vacca.
Adeus amigos livreiros.
com quem nao gastei pataca,
no discurso de sete annos,
de tantas carrancas cara.
Era j Gregorio de Mattos lio conhecido por
essa epoena de estelante, que o desembargador
Belchiorda CunhaBrochado referindose a elle,
escreviaa uns amig.> de Lisboa : Anda aqui um
brazileiro tao refinado na satyra, que com suas
imageus e tropos parece que baila Momo as cap
conetas de Apollo
Alm disso a sua tama como lettrado era tal,
que sendo nomeado juu do erme da um to din-
irtctosfc Lisboa o cf%<>* 4 iiffcln ?*
tes, mereceu por essa nomeacto os apptausos
de todos ; e at o celebre jurisconsulto Pegas
cita seus juizos e senteucas como exemplos de
boa eciencia jurdica.
Se nao fosse o espirito satvrico que constitua
a sua entidade. Gregorio de Mattos teria chegado
a oceupar os mais elevados cargos na magistra-
tura e at mesmo no governo do Estado ; porm
elle prefera urna gargalhada do publico a urna
poltrona da ministro, e por isso viven fasendo
rir os seus compotenraneos a troco da sua ven-
tura e trai quillidude.
(Contwta)
xandrino Baptista de Araujo, Antonio de.
Icemos Cysneiro, Aprigio Saturnino do
Espirito-Santo, Oiympio da Costa Mon-
toiro, Joao Henrique de Saat'Anna, Ni-
colao Faustino WanderJey, Jos Joaquim
de Sant'Anna, Joaquim Felipfl da Cunha,
Manoel Ferreira da Luz, Camillo Ramos
Machado e Innocencio Dativo dos Santos,
por embriaguez e disturbios.
Antehontem, as 3 horas da tarde e
d) 1.* districto de S. Jos, Hermenegildo
Antonio de Arruda ferio gravemente, com
ditas facadas, a Joaquim Paulino de Albu-
2uerque Maranhao, que exerce na C
ti Di'tencSo o lugar de guarda.
O offansor fot preso em flagrante e con-
tra o mesmo procede-se nos termos do in-
querito policial.
Em virtude de carta precatoria ez-
rdida pelo cdadao Dt. juiz de direito do
" districto criminal deste capital, foi preso
preventivamente no tormo de Santo AntSo,
por crime de estellionato, o individuo de
nome Manoel Thom de Souza Ribeiro.
Entraram em exercicio :
Ernesto Gonoalves Pereira Lima, dele-
gado do tormo de Gamelheira.
Manoel Antonio de Oliveira Brandao,
su]>delegado do 1.* districto de Jaboatio.
Sade e fratornidadeAo coronel Jos
Cerqueira de Aguiar Lima, mu digao
governador provisorio do Estado de Per-
oaiabucoO chefe de polica,
r tarti$~Junior.
parte orriciAi
DESPACHOS DA SKCRETARIi. DO GOVERNO
DO ESTADO DE PKRNAJtBCCO, 23 DE
HOVBHBBU DE 1889
Antonio Teixoira Pimentel.Indeferi-
do, visto como as financas do Estado nao
permitiera o provimento dos lugares que
se acham vagos.
Avelino Jos Jeronymo. Com este re-
querimento entregue se ao supplicante o
officio n. 1S, d 17 do corronte, do direc-
tor do presidio de Fernando de Noronha.
Dr. Arthur Grato Alves Carnauba.In-
forme o cidadao inspector da Thesouraria
de Fazenda.
Clodoaldo Aristheu da Rocha Pereira.
Ao cidadao inspector ge:al da Instruc-
9X0 Publica para informar.
Frei Caetano de Messina. Informe o
cidadao inspector do Estado de Pe mam-
buso.
Gaspar de Menez*B Drummond.Infor-
me o engenheiro fiscal sobre o estado dos
machn i sinos e sobie a conformidade d'es-
tes com os planos e desenhos approvados,
de accordo com a clausula 9.* do contrac-
to de 12 de Novembro de 1887, mandado
lavrar com o cidadao Gaspar de Heneaos
Drummond.
Jov.na de Miranda Veras.Sim, me
diante recibo.
Joaquim Barana do Nascimento.In-
forme o cidadao juiz de direito da co-
marca de Nazareth.
Manoel de Miranda. Ao cidadao juiz
de direito do 2." districto criminal para
informar.
Maria Silveria da ConceicSo.Ao cida-
dao juiz de direito do 2." districto crim
nal para informar.
Bacharel Maria Coelho da Silva.
D-se.
Pautilla Lds Vieira Cintra. Ao cida-
dao inspector geral da Insiruccao Publica
para infornar.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
aambuxi, 25de Novembro de 1889.
O jorteiro,
F. Chacn.
RepariHiw da l"oliela
2.1 secrao.N. 1 4<)Secretaria de Po-
licia do Jetado de Pcrnambico, 'b de No
vembro de 1889. Cidadao liovernadoi'
Participo-viii que fram recclhidos Casa
de Det^iicSo os segum-es individuos:
N di* 23 :
A' niinba ordem, Joao Goncalvea da
Silva, alienado, |at que possa ser trans-
ferido para o Asylo da Tamarineira.
DIARIO DE PERRAIBCO
RECIFE, 26 DE NOVEMBRO DE 1889
Republiea Costserv adora
Ajustando s comlic&es actuaos do Brasil a ce-
lebre pbrase de Taierea Repblica ur anuer
vaoraou no subsitir -procuramos lomar beoj
ciato o nosso peosamento em referencia i orga
nisicao poltica dos Estados creados pela revo
Incito triumpnante em 15 do crrante mez; e>
para tirar todas as duvidas, que porventura exis-
tir jiodessem em alguna espiritos mais Urdios na
compreheoso das cousas, fizenos reflexocs, ac-
corues com aquelle pensameuto, no sentido de
bem ti rmar que o nosso objectvo nao era dar pre
ponderancia aos partidos polticos da monarchia,
mas sim congregar os elementos caos d'esses
partidos em torno da nova erenca para dar-lbe
forja e prestigio, soergoeodo-a altura a que de-
vem guindar-se os governos de opiniao, que vi-
vem pela ordem, pela liberdade, pelo progresso,
pela felicidade da patria.
Nlo nos preoccopmos de modo nenhum oem
com as institu!6es que baquearam, nem com os
partidos que, vivendo para essas instituicOes>
desappareceram com ellas, arrastados na queda
fatal para o tomlo em que se encerram os cor-
pos sem vida das agremiacOis polticas qne per
derem sua raiao de ser. 0 que nos dominava
eotao, como anda boje nos absorve, foi a preoc
cupacao pelo bem publico, nrmando-se este na
moral e na jostica, forcas magnas que devem
actuar as sobriedades que querem viver na or
dem, pela ordem e para a ordem, e das qu es, de
certo, nao recebiam o influxo benfico os cori-
pbeos da situacao que findou seus dias como os
bavia comecado, ingloriamente.
E foi por isso que, dando toda preferencia ao
elemento republicano preexistente, esse ele"
meotu qne, sem pre na brecha, pugnara pela fun-
dacSo de um rgimen novo que fosse o renasci,
ment da patria, e o vio realisado sem os torvel-
liobos da lucta fratrecida e intemerata ; chama
mos a postos os elementos conservadores, isto ,
os bons, os saos elementos dos partidos extinctos,
nao para jue elles fossem ou sejam os directores
da poltica, preteoc&j que seria desarrazoadj,
mas para que fossem, para que sejam os activos
le es e oinceros rooperadores la Repblica, im
prtmiiido-lbe, tauty quaoto possivel, o seu cunti
ponderador.
Se foi essa a poltica pregada, e eflicazmente
realisada na Franja de 1871 pelo im:iorLal
Tbiers, pouco antes d'essa phrase histrica do
grunde pOvo francez, sincero adepto da monar-
cnia ; se foi essa a poltica que, em boa hora, sal
vou Paria e as demais cidades francezas dos hor-
rores da guerra fiatrecida, encabecada na coro-
muuj; se foi isa a poltica que predominou na
Hespaoha por aigum tempo, aps a qnda du
monarcliia de Isabel, poltica que, por nao ter
tido sequeucia, sabia e vigilante, determinou
um reviramento de opiniao; porque razao lendo
diaue dos olhos tj nota veis exemplos, tao as-
siguilados mcdelos.bavenos de abandona! a, de
sacnllcal-a, conlranamente'aos grande* inleres-
ses r acionaes T
A realieacao da formula de Thiers, a adapiacio
Repblica de elementos saos de partidos his-
loriciimente monsrchlcosorloanistas, benapar-
fi, e seassim na Franca culta,
ju um aecalo trabalhada as ideas
i e oo le ha va um partido repobli-
l pelo patriotismo como pelo no-
i erantes; se asaim foi na Franca, e
os veta repuWicanoB acolheram, acarinba-
" blicanos que, como Tbiers, para
,iram, despidos de preconcetos,
'paixees, desejosos de contribuir
atamento das nascentes inslituicSes
na ordem a par a liberdade; porque averbar de
suspeitos os elem'ntos conservadores da socie-
dade braiBUra, os elementos saos e puros dos
extinctos partidos da monarchia ?
Seria eritea e fatalmente corrosiva seme-
lhante poltica, nunca d'antes praticada, e levar-
aos-hia ao abjrsmo, seos sal vacio possivel, se fosse
posta em prstica. Nao foi d'essa forma qu: pro-
cederara 08 p&vos antigos ; e O fundador da nossa
Santa Regav/) Martyr da Cruz, quando pregava a
3ua luminosa erenca, acceitou no seu regaco de
paz e le amor todos os homens saos que para
Elle se volvlam Bequiosos e famiaJoa de lu e de
affeclos. '"^llP^
A Repubtlea Braiileira teni cwe, entre todos,
sublime exaaplo para inspiral-s. Deve aceitar
e affagar toaos os bons cidadaos, todos os ho-
mens de sip espirito e de coracao puro, qu della
se acercarem. E como sao asses precisamente
os elenaentot-con servad jres, a que tantas vezes
temos alloaldo, oto ba motivo para que se to-"]
oem de pueris receios, de infantis descoonancas
aqoelles que as tao oo caso de ser n acola idos, e,
diremos auijpo caso de seris procurados c ani-
mados cooao fundamentos que devem ser de um
rgimen aa paz, da ordem, de liberdade e fra
teroidade.
Sis ahi empteta a idea de repblica conser-
vadora, tal, como a compreheadeu e praticou a
Franca sab o iulluxo de roiers; e tanto esse
oeoamea^j directriz que, em seu bolttim de 3,
. <>r1. i i mmfi..... '* n.,..i.,
sennrea no primeiro de seus artigos somos
urna repblica coiuercadora, slo i, apta a respeUar
t libertades cvicas e a mamtenco da le, o
que importa, em termas diversos, o reconheci-
ment da pureza das ideas que temos pregado,
e das quaes aquellas palavras sao a synthese.
Respeitaram, porventura, as liberdades cvi-
cas ; respeitaram, porventura, a lei, os elemen-
tos perturbadores que, o'urna recente tmpora
da, felizmenje extincta, sobrenadaran) algons
momentos no mar re vol to das paixOes ? Sera
respeiur as liberdades cvicas e a lei, prender
sem culpa formada e deportar cidadaos em lem-
pos oormaes f impedir e destrocar violeotamen-
tamente reumoes populares ? calcar aos ps os
direltos individuaos ? exorbitar de attribuicoss,
para sophismar principios e ideas ? em summa
violentar tudo e todos, plantando o rgimen do
terror, como oSo ha muito tivemos na provincia,
boje Estado de Pernambuco ?
Que o digara os homens de sa consciencia, os
espiritos honestos, que se nao poluiram ainda no
charco das arrebatadas paixoes. Que esses ho-
mens, que e*8es espiritos saos digatn se querem,
voltar a esse calamitoso tempo, pelo predomio
dos maos fermentos, dos elementos perturbado
res, dos elementos anarchicos.
Quanto nos, elles nao devem vir a tona; de
vem ser systematicamente afastados da Rapubli
ca, para que esti seja estavel, forte, pojante e
gloriosa. Taes elementos sao desorganisadores,
sao acceleradamente corruptores tem em si pro-
prio o germen da morte. Nada'podem produzla
de til e saluur; sao como as avalaocbes que
descem precipites pelas enuostaa dos montes:
tudo destroem, ludo esmagam, arrastando com-
sigo para o abysmo, em que se precipitum a
paz publica, a ordem social, toda a vida eraBm-
Foi isso o que o grande Tniers poupou Fran-
ca fazendo viogar a republit-a ci n.-ervadura ; foi
isso o que a Hespaoha nao souoe evitar, deixan
do que fluctuas.-em c dominassem a Repblica
Uespanhola os elementos perniciosos, que a fi
zeram derruir I
Qua dosdus fados deve impr se? qual dos
exemplos mais nos convem ? qal dos modelo
devemos copiar ? No primeiro caso est a vida,
a preiperiJ-.de da Franca pela repblica ordeira,
conservadora, amada dos proprios Hlhos e r-s-
peitada, admirada pelo universo; no secundo
caso est a morte o ai.niquilameuto do rgimen
republicano na Hespanha, balido pelos fe ntos
da anarchia. Qual a rota que devemos seguir*
A Repblica ser coHtervadura ou naosubsut
Jisse Tbiers; e foi propheta quer em relaco
Franja, quer em rclaco a Hespautw. Su a
phrase 6 dogmtica, sigrou a tal aquelle grande
e clarividente espirito. Itos, simples mortaes,
nao Usemos seno upphcal a ao Brazil, consti-
tuido por um povo da mesiii i rija, da raesma
origen' do fraacez e :lu bjspanhol.
E leraos por iis u liccio lnstori'a, para repe-
tir, cieotes e eonscieatea : a Republtcn no lira-
til ser conservadora ou nao subsistir
0
-------------------Bcaasa^i--------------------
O aeomtec.ment da nl le
laaeiro
l^ra que os nos.-os leiiu: D lem apre-
os acontecimefoos que, a
n no Rio de J.in
correntc,
eme
que ellas
screvems das ires gi ias fluj
escreveram nos M 16, J
a
dade.
A consequencia immediata destes fados foi a
retirada do ministerio de 7 de Juabo, presidido
pelo Sr. Visconde de Ouro Preto, que leve de
ceder a intimacio feita pelo r. marechal Deodo
ro da Ponseca, jue assumira a direceo do mo-
vimeoto militar.
A' excepcao do lastimoso caso, do Sr. Bario de
Ladario, que, nao querendo obedecer a urna or
dem de prisSo que' Ihe fura intimada, resisti
armado e fleoo feritto, nenhum acto de violencia
contra a propriedade ou a segoranca individual
se den at o momento em que escrevemos estas
Habas. .
Aos que se acham com a responsablidade da
situBco corre o imperioso dever de manter a
ordem e a tranquillidade publica. SSo Untos e
tao importantes os inleresses da populacho na
cional e estrangeira da nossa capital que a mais
rigorosa e constante vigilancia torna-Be iodispeu-
savel para que no meio da efervescencia natural
nestas occasies oao quem compromeitidos os
crditos de um povo civil isado, como o povo
fluminense.
Confiamos em que estes uossos ardentes dse-
jos, que nao podem deixar de ser os de todos os
bons patriotas, nao serao desmentidos pelos acn
tecimentos.
Nao nos possivel neste momento ser hiato
riador, apreciando os fados em suas causas pr-
ximas ou remotas e emittiodo juizo sobre caso.-
que, para justo e imparcial julgameoto, exigem
a calaa da reflexio. Vamos expor simples
mente os acontecimentos de hontem, segundo as
versOes que nos pareceram mais aceitaveis.
A's 5 horas da mauha est vam no arsenal de
marinos- os Srs. Visconde de Ouro Preto, presi-
dente do conseibo, conselheiros Candido de Oli-
veira e Bario do Ladario, ministros da justica e
da marinha, que para alli baviam ido, avisador
de que e prepara va algom rao vi ment.
A's 5 i/4 desembarcoo o batalhao naval, sol) o
commaodo do capitao-tenente Q intino Francisco
da Costa, com 160 pravas a banda de tambores
e cornetas.
A's 5 3/4 comecaram a desembarcar torcas do
corpo de imperiaes mariobeiros que, as 6 oras.
em numero de 196 pracas sabiram com urna me
tralbadora, sob o commando do 1.a tente Ha-
noel Das Cardse
A's 6 1/2 chegoo ao arsenal e Sr. conselheiro
Diana, ministro dos negocios estrangeiros. Pouco
depois sabiram os ministros para o quartel-gene-
ral do exercito, no campo da Acclamsco.
Alli, j eslava, na respectiva secretaria o Sr.
Visconde de M iracaj, ministro da guerra, com
os Srs. ajudante-generai, geoeraes Brrelo, Ba
s*a alguns ofliciaei de diferentes armas.
No campo interno do quartel esta vam formado
os batalhOes de infantaria : 10.', sob o comman
do do coronel Ourique, 7.*, sob o commando do
coronel Tode Soares Neiva, e 1., sob o do l-
ente coronel iragaoca.
A's 7 horas chegou ao quartel o corno militar
de polica da corte, commandado pelo coronel
Antonio Germano d i Audrade Pinto e *50 pracas
de infantaria e 85 de cavallaria.
Pouco depois apresentou-se o corpo de bom-
beiro3, sob o commaodo do teneate coronel Nci
va, estando as pracas armadas com espingardas
e cartuchos.
O Sr. Bario do Ladario s-bio entao do quar
tel general e dirigi se para o arsenal de mari
ana alim de dar aigumas providencias.
Ao mesmo tempo quasi cuegavam os Srs. Ba
rao do Loreto e conselbeiro Lourenco de Ahu
querque.
Eram 8 horas quando apparecea no campo e
postoo se em frente do porto principal dos
quarteis o capito do Io regiment de cavada
na Godolphim com urna escolta de oito soldados
do mesmo regiment, armados de carabinas.
Aliins minutos depois apresentoo se o Sr
marechal Teodoro, com seu estado maior, e
frente do 1. regiment de cavallaria, commanda-
do pelo ti*aenu> coronel Telles. do 9., pel major
Soln, do 4 de artilharia, pelo major Lobo Bo
telho e dos alumnos da escola superior de guer
ra, formando todos em linba de combate.
Neasa occasiao regressava ao quartel o Sr. Ba-
rio do Lulario, que foi intimado, pelo official
cominandaote da escolta do Sr. marechal Beodo
ro. para entregar se preso
O Sr. Baro do Ladario; recusando ceder io
timacao, tirn do bolso um revolver que apon -
tou. mas qoe, segundnos informan, negou fogo.
Foram dados emao alguos tiros que produziram
no Sr. Barao do Ldano quatro ferimentos.
Do tugar on le cahira fe-ido foi o Sr. Barao do
Ladario cooduzldo para O palacete de Itamaraly,
na ra Larga de S. Joaquim, onde comparece-
rain os Drs. Joao Can o e Reg Cesar, qoe llie
prvsiaram os primeiros soccorros.
Passado algum lempo, o frido foi'lransporla-
do em urna padiola carregada por quatro mari
nheiras e acompanhada pelo chefe de divisao
Barbedo e ostros ofiiciaes de marinha al u i
bond fechado da nha das Larangeiras, no qoil
geguio para sua residencia.
Relativamente ao estado do Sr. Bjrao*do La-
dario fez o Sr. Bario de Pedro Afiooso a sgolnte
eoiDir.unicaco :
Chamado a examinar o Sr Barao do Ladario,
acodi promptaraente, mas ja ahi encontrei o Dr.
Jos Pereira Guiraures, que rlzera os primeiros
curativos.
t O Sr. Ba:5o ten : um ferimento na testa.
cias feridas na coxa esquerda, aigumas contu-
*Op. na perna esquerda. ferimento po1 bila na
regiao sacro-illia'-a direita
Todos os ferimentos 8o leves, excenlo o da
regiao sacro-illinca, que, cntretauto, nao sendo
DMetrante. uao "grave e deve terminar pela cu
ra. O estado Kera^ do doente excellenlo.
15 de Novembro de 1889. -BarSo de Pedro
Affonso
,\'i pan-I do Campo, o Sr. ajudante general
man lra -ahir, p do porto do 10, parte do cor
pj militar de poicia e pelo porto principal o
corpo de imperiaes marinlieiros e o batalLo na-
val, p. entrojara o comiuaudo destas forjas ao
gei-ral B irrito, tendo or-leaa Jo ao" 10 batalbfc
de in"aniaria que purlisse. para o largo da Laia,
a!i i 'le iibitar a passagetn dosalumno3 da cco
Uvwilitar. r
ntietanto 03 nini .tro3, dt-pois da conferen
ro com os gederaes preseulua na eccretana,
rain pedir sua demissao, o uue era uinu
dasintin-:coej fer.as patas urcas militares, p
pedido foi reito^.do begulote U din
ido para'l'etrou '
- eubor.-O minl-ter9. ciliado no quartel
neral "ioilSr. ministro da
marinha, ^u- c ido eui umacasa
prxima, e diinle das de.-larac6es dos Srs. gc-
ij. FioAno ['eixolo
?.que nao inapka oiilian-
ca a tia que vem, ? de re-
sistir caj i;ftlu ui/ij de exoaoracio
raari*(F4*X'odoro. dc, o Jefis
mos de Vossa Magestade o sea pedido de exo-
neracao .
Expedidoe teleg-amma, o Sr. ajudante gene-
ral sabio da secretaria, alim de commaqiear ae
Sr. marechal Deodoro a resolucao que acabavam
de tomar os ministros. O marechal penetraado
eatiio oo quartel com o seu estado maior, foi re-
celado com asclamacdes pela forca all postada
e pouco depois, acompanhado por esta, rezres-
sou ao Campo, sendo de novo muito victoriado-'
Foi eqt seguida o marechal Deodoro sala on-
de se acharara os ministros derJlssionariose x-
poz lonzamea te os motivos de queixa que o exer-
cito tinha do ministerio c qae em saa o '
eram fondadas. Terminando a sua ex.
maiechal Deodoro deu ordem de priso'
Visconde de ouro Preto e Candido de Oii
declarando qoe seriara recolhidos ao eu-
maior e ahi tratados com a maior consideradlo,
at partirem para fra do paiz.
O Sr. ajodante general do exercito, appellan-
do para a amizade e camaradagem do Sr. mare-
chal Deodoro, obteve qae este desistas* da pri-
sto e expatriacao dos Srs. Visconde de Ouro-
Preto e Candido de Oliveira.
Instantes depois a artiibaria da va urna salva
de 21 tiros.
Em seguida foram expedidas ordens para qoe
se retirassem o 10* batalhao que es'.ava no largo
da Lapa, o Ia de artilharia qae eslava no Arse-
nal de Guerra e o 24a de infantaria, que estava
no da Marinha.
Quando o corpo de aluamoa da Escola Militar
chegou ao Campo, foram ao seu encontr maltes
officiaes eergueram-se estrondosas saudacoee.
Pouco depois deslilaram as tropas e vindo para
o centro da cidade parcorreram diversas roas, *
as quaes foram acclamados. w ~
O Sr. major de engeoneiros Serzedelo voltou
i secretaria da guerra, alim de garantir que as
oessoas dos ministros demissionarios nada sof-
(rensm.
Mais tarde regressaram ao quartel os bata-
lhOes 1, 7 e 10* de infantaria e foram para S.
ClirUlovao os regimentos de artilharia e caval-
laria. -
Por vol la das i horas da tarde sahiram da se-
cretaria da guerra em carruagens os Srs. Vis-
conde de Ooro-Prelo, Barao de Loreto, Candido
de Oliveira e Diana, e tomn passagem em un'
bond o Sr. conselbeiro Lourenco de Alboqoer-
que ; nao hou\e na passagern dos ex-rainisiros a
menor demoostracio desagradavel.
O Sr. Visconde de Uaracaj demorou-se nada
algom tempo na secretaria.
' A's 3 horas da Urde grande massa de povo
peaetrou no e liicio da cmara municpaljonde
o Sr. vereadbr Jos' do Patrocinio foi un discor-
i


o
so. Lavroo se em seguida ama acta, da qual
anda oao podemos ooter copia, e em que, se-
gundo nos informara, foi declarado qoe as pes-
soas presentes baviam rescindo que se p
masse a Repblica. Foi ijada em urna das ja-
nflla urna bandeira com o symbolo republi
cano.
Logo que receben em Petropolis o telegram-
ma em que o ministerio pedia sua exoneracao,
o Imperador resolveu rir para corte, tomando a
erfiraia de ferro do N>ru.
carro para o paco da ddade, c .se acna-
vam aSra. Condessa d'Eo e seu e<-r ^.
A chamado do Imperador cheguj ao Paco da
cidade, s 3 horas da tarde o Sr. Visconde de
Ooro-Preto, qoo depois de demorada conferen-
cia, repeli o pedido de exoneracao do gabinete,
declarando que assim proceda por oao diapor
mais de meios de servir o paiz.
Feitas ainda aigumas reflexoes o imperador
accedeu ao pedido de exoneracao.
E uquanto isto se passava no Paco da cidade.
a acia la 'rada na cmara municipal era levada
ao conhecimento do general Deodoro por gran-
de concurso de povo.
Depois de algum tempo foi expedida a se-
guate proclamacio :
Coocidado8:
O povo, o exercito e a armada nacional, em
perfeita commuobo de seotimebtos com os nos-
sos concidadaoB residentes as provincias, asa-
bam de decretar a deposicao di dynastia impe-
rial e eonseqoeotemeole a extineco do sysfema
mooarchico representativo.
Como resultado immediato desta revoluco
nacioaal, de carcter essencialmente patriotiso,
ac ba de ser instituido um governo provisorio,
cuja principal missao garantir com a ordem
publica a liberdade e os direitos dos cidadaos.
Para comporem esse governo, emquaoto a
naci soberana, pelos seos orgoa competentes,
oao proceder escolba deflniliva, foram nomea-
dos pelo chefe do poder executivo da naci os
cidadaos abaixo asignados.
Concidados.
O governo provisorio, simples agente tem-
porario da soberana nacional, o governo da
paz, da liberdade, da fraternidade e da ordem.
No uso das attnbuicL's e faculdades extra-
diaarias de que se acha investido para a defexa
da integridade da patria e da ordem publica, o
governo provisorio, por todos os meios ao sea
alcance, promettu e garante a todos es habitan-
tes do Brazil, nacionaes e estrangeiros, a segu-
ra"ca da vida e da propriedade, o respeito aos
direitos iadividuaes e polticos, salvas, quan
a estes, as limitacoes exigidas pela patria e pela
legitima d.feza do governo proclamado pele
pjvo. pelo exercito, pela armada nacional.
Concidadiou I
As funccOes da justica o diara, bem como
as funegoes da administraco civil e militar,
eoutinoarao a ser exerddas pelos orgos at
aqui existentes, com relaco s pessoas, respei-
tadas as vantageus e os direitos adquiridos por
cada funecionario.
Fica, porm, abolida desde j a vitalicieda-
de do senado e bem assim abol.do o conselho
de E.--do.
Concidados I
r O governo provisorio reconhece e aoata to-
dos 'os cuiuprmisao-s nacionaes conirahidos du-
rante o rgimen ante or, os tratados existentes
com as potencias estrangeiras, a divida publica
exler&a c interna, is contractos vigenSa e mais
obrigacoes legalmenle estatuidas
Marechal Deodoro aa'Ponseca, chefe do go-
verna prov^sorio
AnstideB da Sil >. eir Lobo, ministro do in-
terior.
Ruy Barbo a, ministro da fazenda e interi-
namente da justica. ,.,.
'Fenente-coronl Benjamn Constaal Botelbe
de Migalhos. ministro da guerra.
Cbere de eqoadra Eduardo Wanaenkolk,
ministro da marinha. ,
. Quiut no Bocayuva, ministro das re.acoea
exteriores o interinamente da agri .-ullura. com-
uiurcio cobraj publicas.
Foram nomeados :
Cn-fe de polica da CJpital. Dr. Sampaio Fer-
Drector do Diario O/fiai. D,-. Julio Borgas
Dina.
I'.ciidonte dj Estado do Rio de Jaualro, o Dr.
Franciscj Porlella.
Presid n'.e to do Minas, o Dr. Cosario AWim.
A tnoco apreeatada na cama a muukijial, a
que aciia oof referimos, do ihoor geguiote :
Repubivn Bruzileira Srs. represeutantas
do exarote e da armada nacional.Os a
ns-iinadl. citaos espoutauoas Ua pojiulacao do
Uro de nunicar-vos
ntovl:
t
;
.
;-4l





f: *



II
II
i
Diario de Perni dbuco-Ter^Hfeira 26 de Novembro de 1-^89
tem achara-Be de eun, soffrendo dores atrozes;
senda pij'o que Ibe aaaaaaaaaaei ror

lruil-o goveroo
Conveuridos
rimaos militares,
Tlaaccoes de go
este arto, esperam
plt e iramediata prj
\ Vira a Republl
" < Vivam o exercL
. Viva o povo braeStrocaV
(Seguem sie as asadpataaae*
sentantes do povo.) ^ ^F \
De accordo cora a mogao votada seguio o povo,
indo frente urna commiaso de deputados da
ta vontade a apresentar ao governo provisorio
de liberagio do comicio.
Ao Sr. Jos do Palrocioio, que fes a apresen-
taco da mociu declarou o Sr. Bentamim Cona-
tanl que sera tomado na devida considerago o
Ko solemne do povo.
Na nfrlticio da polica pasoou se o se-
inte :
Desde ante hootem meia noite achavam-se
unidos alli o Sr. couseibeiro Basson, cbefe
d'aquella reparticao, os Srs Drs Bernardino,
1 ddegado, e Carijo, a delegado. 1
apaW, corraolBaOBBamc favo oom ^mummm'
^^rti^feiaro Prete^pSente do* governo que devi contar.
mo aos vivas erguidos pelos oradores.
Ministro* preso* Em freoie a secretaria lia
guerra, onde estava reunido o ministerio, posta-
rara-se, lo 40 pela manh, urna forja do i" regi-
ment, urna do 9> de cavallaria, urna do > re-
fimento de artilbaria, o bataihao naval e o corpo
e imperiaes marioheiros, estn lo todas ei-sas
forcas sob o commando do Sr. general Deodoro.
' Inilmado o ministerio para depr o governo,
respondeu o Sr. conselheiro Affooso Celso, presi-
dente do consellio, que nao obedeca a essa in-
timago.
Foram enlao fechados os portos do qnartel
general, ficando assim impedida a sabida do 1
04U OOttai SUiMMfettail #
'
*"


coose>, os, Si. Caedido de Oliveira e Maraca-
, ex-mioi6tros da justica e guerra, aiudaate
fenetal do exordio, teen te-coronel Neiva. eom-
andasm do corpo de hombeiros, coronel Ao-
drade Pinto, coaunandante do corpo militar de
polica, cap lio Lyrio e diversas autoridades.
Fono} posto de promptido o pessoal do
corpa militar de polica e o de bombeiros.
Pela.maahi. sebeado o Sr. conselheiro cbefe
de polsci* -que a forca de haba se achava do
tampe- da Acdanatt&o, para aUi m Badea ama
torca 4o-ooqpe< de poliow cacam de prevengo 80 pracas com-
aelealrmwnte armadas.
No amito da Acciamacao a torca policial
apreaeotau.se ao ex ministro da guerra, qne dia-
e -IhaoeaeMsse as ardeos do Sr- general Bar
reto, atqasU pouco depois pdl a sob as ordeas do
Sr. mwaril Baodoro.
Sabendo o Sr. conseIbeiro chele de polica que
aforc* soUoial muu sob asrdeos do mare-
chal Eteidoro, anndao descartegar o arsaameoto
da fonj i* promptido na reparticao a sea car-
ga, a mu tai recolbida ao quartel
A's 3 horas da tarde, pesco mais ou mea as,
trinada n ronoidoB o Se. eonaelheiro chafe do
polica, seus delegados, mdicos da reparticao,
MNNWMl da guarda cvica, capitao Lyrio e
variasJBMaridales apraaeotoB-se atn o Sr. cap-
tto da estado-maior da artilharia Br. Viren*
Aotonia do Espirito Santo, o qoal dirigindo se
aoSr. cooseUieiro Basson, que eslava sentado
a sua caaeira, diese Ihe que per ordem do go-
wrno anwiaono vinha ocoupar a seo tagar de
ehefe da poli, ; aecresccntou mais que ; o ex-
ercito oso vmua faaer politice e que se elle
ai se achava ora sinaplesmente para garantir a
erdqm.
O Sr. aaasemeiro Bisaoo ceden-1 be inimedia-
tamenle u luear, diseado ao sea euaalaMIa qae
eetavaa. espera de aovas arden para retirar-so
a apresen tar-lbe varios empregados de sua re-
particOv
S. Etc. despedrase em seg ida de todos os
eos empregados, que ciwrosos e agradecidos o
aeompannaram ate a porta da ra.
Os delegados de polieii, sabmdo que o Sr.
con-elurtr'j iasson se ha va 1 estrado, pedirn
lego pwwjao dos seas cargos e retiraram se.
Fsram nameadoa iouiriaamente t* delegado
de polkia o major Candado Jos de Siqueira
Gampullo cbefe de seccao daqnetla reparcfio
e 3* delegado o capitao Aastieaiee Villanal.
. Teu.lu o Sr. cap ti l>r. Vicente do Eapiri-
_ lo Santo, -befe de policio interino, deuancia de
Se alguos individuos preioodiam assattar a
sa ckUe eucao. maodoo destacar para alli
ama forca d 90 pracas, oommandadas por tira
asieres-
O servigo le fondada eidadefei felo aoo
tem, i aatto, por pracas 4o 7" balalbio de infan -
feria 1 de outros corpos do uxercito.
O p-ssoal das estacoes policiaes foi nefor-
csdo con> pracas do 7 i.aialliao, sob o eomman-
ao de um of&cial do exercito.
Por ordem do Sr. marecliaJ fteodoro a re-
Kico^los telegrapbos foi entregue ao Sr. t*
nte da armada Jos Augusto Vinosas, no-
SBcado director geral interino.
__ sti Cp .vipon^l honoruWu Jo caen ilu I'of-*
ea e Silva assumio o commando do corpo poli
val d.'. provincia do Bio de Janeiro.
i" iMialbao de infantaria eslava na liba
do BomJcsus, aqoartelado 00 Asyto de Invlidos
da Patria veio hontem noite para o aen anti -
ge qoartel ,no Cmi'O da Acclimacao.
A tfuarn4oes dos navios de gnerra reco-
feeram-ee a bordo.
O balaihao naval licou hootem aqaartelado no
arsenal.
A's 7 i 2, na oivasio em qae saina de sna
residencia pura ir uovaoiente ao paco, a chara i-
do do itawtador, o Sr. Viseonde de Ouro-Preio
fta pres<> .1 id 11 do general Deodorc.
Foi evi>:ai-u ordem para apnsao do Sr.
eeoselheiro Ca lidu Ar Oliveira ; i iu 1)2 hu-
ras da n i!e sua rasa estava cercada.
\,a directoras dos bancos dcsta praca,
que forii. ne.;ir-lhe gar.intias e segoraoca para
as e.-iabt'.:.i.titii.s bancarios e comraerciaes,
respond:!, o Sr marechal Beodoro que exped
ra ordem jiara que ura bataihao asaegnrasse
essa garanda.
A goMda 1o paco da cidade estava bontem
eommaudatta peiu t uente de infantaria Pero ira
Pinto qn siauOco dobrar as sentinellaj
Para a u-iu paco mandou o ma-echal Deo-
doro un '^soaew de cavada efe sob as o dens do nlferes Agnirrc
Con; Jim de garantir o pago.
A noiae outemos das seguinles nolicias :
Por vaiita das 9 horas da noite o Sr. ronseihei-
re Jos Antonio Saraiva, chamado pelo impera
dor, presentou se no paro da cidade e teve
ton a cuoferencia cora o imperador.
A's II horis e SO minutos re un rara-se sob a
presid ocia do imperador, os seguintes membros
do consetho de estado, aprinceza D. Isabel, o
Couded'Eu, os senadores Paulino, Viscoode do
Cruiein, [tantas, Joao Alfredo, Paranagu, Leao
VeUoso, Viseonde de Cavacante, Imarte de
Azevede, B. Roban, Andrade Figdeira e Silva
Casta.
i Disscram-nns qne os conselheirjs de Estado
ferara de parecer unnime que se organisaase
ministerio, -endo chamado pura organisador nm
.parlaraeatar que eativesse na corte.
Di-seram-noa tambem que f&ra chamado de
aovo ao paco o Sr. senador Saraiva.
(Gateta de noticias de 16)
A dala de htntem vai ficar assignalada na his-
teria.
Extiaordinaro movimento agitou a populaco
lominen.-e, desde o romper do da.
O espanto, a sorpresa e a anciedad cis o
qae se ootava em t;dosos oliarc, ora todas as
piysioDcmias.
O povo invadi as mas e pracas em basca de
iticias, sasendo ento que o exercito tinha-se
clarado aberUimente em opposirao ao minis-
asrio.
No noaan numero de hootem, em noticia de
aitiaa hora, eiiirelinhada,.haviamos escripto 0
segointe:
* No quartelgencral estavam reunidos, as 3
horas da madrugada de boje, o Sr. ajudante-
frac ral do exer to e diversos officiaes geaeraes.
No quartel acnava se em forma um bataihao
de infan'ar.a, c o regiment, ou parte, de caval-
feria. >
TrataviT-se, pois, de nm movimento ja combi-
aado. a qne dra cansa a ordem recebida peto 7*
kataiho, pura seguir para provincia remeta, re-
casando se eese bataihao a cumprir a ordem.
Sabendo, ultima hora, lo que se tramava,
reuni se em conferencia o ministerio at i meia
aoite, estando de promptido 400 pracas do cor-
po de polica.
l'i6 horas da maoh fecharam-se os quarteis
do 7o, do <0* e do corpo de bombeiros, e desom-
barcoa urna forca de fuzileiros navaes, armados,
Inuceadafinrolveres os olliciaes.
O caoiafe de Sant'Anna flcou todo oceupado
pelo e pto e pelo povo confraternisadoa.
ma arca do 1 postou-se no largo da Lapa.
Em ftlBte ao qnartel general esteudeu-se um
parque de linha.:Jtazileiros navaes, corpos de polica
jjpsta cof% e da provincia, e um piquete de ca-1
Tallara. *
Ha roa de Marcio Oas postou se urna forca
do t* de cavallaria, corrmandada por um cle-
la Crate Escola Normal eslava urna Jqrca
Os corpos de bombeiros e de potnia desta
curte marcharam em seguida para o campo de
Saat'Anna, e foram por se i disposico do Sr.
general Deodoro.
0 Sr. general FloriaBa** Peixoto, ajudarrte-
general, fot ao encontr do Qr. general Deodoro
coq qaem eoofereociou, dirig ndo se ambos,
momentos depois, ao Sr. presidente do conseibo,
qae aioda estava na secretara da guerra, cora o
miaisterio. m ,
Apenas alli cfcegados, o Sr. general Deodoro
intrmou o governo, em oome do exercito, a de-
pr o poder, e, anda em oome do exercito, deu
voz de prisao aos Srs. presidente do conaetbo e
ministro da just ca, qae por algura tempo oceu-
nira a parta de nioistro da gaerra.
Dectarou o Sr. general Deodoro que exiga o
exercito que se jlhessem elle, os dons minis-
tros presos, pau na Europa, e para la se retiras-
sera, porquanto m essa a satirfaco redamada
d'aquetlea que s> bariam nsadp do poder para
perseguir, deportar e desprestigiar o exercito.
ia%rvieram ot Srs. genertes Ploriano Peixoto
Miranda Reis, pedindo que fosse ndevada a
erdem de prisic aos dous ministros, ao que, de-
pois de alguma reluctancia, accedeu o Sr. gene-
ral Deodoro.
Dorante essa conferencia, os corpos que esta-
vam no qnartel marcharan: para a Tua; dando
vivas ao general Deodoro, e uniram se ira forcas
postadas em frente secretaria da gaerra.
Csnservon-se o ministerio at s 3 horas da
tarde na secretarla.
Tedas as forras estavam mtmictadas C3tn car-
lxame embalado.
Beuniram-se tambem a estas forcas os llam-
os da Escola Militar, estando mottos officiaes
armados de carabinas com o cartnxame.
O Bordo aoLtiiano-A's 8 horas da manhi
apresentou se em frente ao quartel general o ca-
mtae de cavallana Goldophim, acompanhado de
7 pragas. Vinha esae eteeial em exploracao.
N'esse memento algnns batalnoes formarara
em frente ao guarid, saaindo enlao o Sr. Barao
de Ladario, afm oe dar ardeos aos fuzileiros
navaes. _
N'essa occasio foi elle intimado por um efi-
cial, por orden do St. general Deodoro para, en
trecar-se.
Sem proferir urna paravra, o Sr. BarSi) do La-
dario sacou do boleo um retorver e apontoo o ao
peilo do offieial, faxendo fogo. O tiro, porm,
falnou.
Approxrmaado sed'dleo Sr. general Deodoro,
para reiterar a ordem de prisao, foi recebido com
um tiro peloSr. Bario do Ldano, de8viando>se,
porm, a bala do alvo.
Acto continuo, foram disparados algnns uros
por pracas de exercito, fleand) o Sr. Bario do
Ladario ferido
vma<
-vsappva
oSde
cMfe'aM
Contrasta va a serenidade do Conde d'u com
a angustia que traneparecia da pbysionomia da
princesa D. Isabel.
Conferenciaran! com.o imperador alguna ho-
rneas de Estado, entre os anees o Sr/Seoador
Paulino, qne se conservou aApre ao lado da fa-
milia imperial, '
A's 3 horas e 20 minutos foi o Visooade de
Ouro Preto chamado pelo .imperado?, por inter-
medio do Sr. general Miranda Reis.
lado ao pac 3, o Sr. Viseonde de Ouro Preto pe-
dio a demiaaao da presidente do cnsete de mi-
nistros, quenio fot acceita pelo imperador.
inistio o Sr. Viseonde ao pedido, ifojUrando
e^M^sVaafesltaattakMMMkfB^adfeaaai
melos de forca, e iodicoe, por eolicit
seiu governos
gabine
Sr.
vtage
denoi
fmmediatamente foi elle transportado em maca
para o palacete de ttamaratv, na roa Larga de
S. Joaquim, saguadod'ahi. aiuda em maca, para
a casa de sua residencia, no Cosme Veiao.
Foram chaiaades os Srs. Drs. Bereira Guima-
res a Bario de Pedro Alfonso.
Sao estas as iaformacOes ofikiaes prestadas
acerca do estado do Sr. Bario do Ladario, pelos
Onus illunlres fa-JiltaBfia _..., ,
Chamado para tratar do r. Barao do Lada-
rio, abi eucontre os meas dgaos coll'"gas Drs.
Canelo, Palnares e Ferreira de Abrea, os qaaes,
com a maior delicadeza, me eocarr^aram de
examinar e tratar do ferjdo. Este apreseotava
quatro fermiento-, dos quaes tres sem graviJade,
um oa fronte e dous ouiros na coxa esquerda
Qoanto ao ferimento grave coasistia esa ama
solucio de oootiQuidade dos tecidos da re^iao
sacro iliaca esquerda, com perforarn do oaso
iliaco correspondente, um pouco para fura da
tuberosidade d'esse mesmo osso.
Nao sendo encontrado projectit, neni bavendo
conveniencia em proceder as exploraces, das
quaes nao poderla resultar seno desvantagem,
tratei de. com meu9 dignos collegas, proceder
ao curativo.
O doenle foi deixado em repouso, cora re-
commenda^o de nao reeeber visitas.
Quando ji tudo estava prenrpto, apresentou-
se o Sr. Dr. Pedro Affooso, que penetrou no quar
to do doente, com o qoat conversn algoos mi-
nutos, mas sem de maneira alguma intervir no
curativo, visto ji este estar fetto.Dr./ot* F-
retro 1,mmaran. .
> Chamado a examinar o Sr. Ba ao do Ladario,
acudi promptameute, mas j os primeiros cura-
tivos lioham sido feiloa.
O Sr. Bario tem um ferimeslo contuso da
testa, dnas t'erid.is da coxa esquerda e algumas
contuses da perna esquerda, um ferimento por
bala, da regiao sacro-iliaca direiu.
Todos os ferimentos sio leves, excepto o da
regiio sacro-iliai, qne nio penetrante, nio
tem gravidade, mas de enra mais demorada.
0 estalo geral do doente excellente Bar&o de
Pedro Alfonso. 15 de Novembro de 1889.
A'o largo do Pdfo.No largo do Paco, quando
alli estava em forma o corpo de polica da pro-
vincia do Rio de Janeiro, foi depoeto o tenente-
coronel Honorio Lima, assnmtnoo o commando
daquelle corpo o*bravo e rfistincto offieial do
exercito coronel Fon seca e Sirva.
Ordenou o digno commaodante ao Sr. ma-
jor Deschamps que fizesse reeolher a forra ao
quartel.
ieguio iramelialamente o corpo policial para
Niclberoy.
Sin Sictheroy.A'i 5 hers da roanha em bar-
cn em Nicthercy, para esta corte, urna forca
de I7u pragas commandadas pelo major Des-
champe.
A's i 1 horas seguio outra forea commaodada
pelo tenea'.e coronel Honorio Lima, comman-
dante do corpo.
Para o servico do quartel, prisoes, polica-
mento das ras e guarnico do Thesouro Provin-
cial foram destacados officiaes da guarda na-
cional, sendo oesso occaalao agarrados carrega
doces e outros horneas do povo, que tiveram de
raootar guarda, na ausencia da forca policial
Para o quartel seguiram os S"s. coaselbeiro
Crlos Affooso, presidente da provio'ia do Rio
de Janeiro, cbefe de polica, e deputados pro
viacues Rutino Furtado, Carnciro Leao, Alves
Cunha e outros.
A's 3 horas da tarde desembarcou em Nicthe-
roy, de volta d'esta Corte, o corpo policial, com-
mndado pelo Sr. coronel Francisco Victor da
Fcoseca e Silva, que foi pelo povo recebido, na
estaco das barcas Ferry e na passagem pelas
ras, com euthusiasticos vivas.
Ao chegar o corpo policial ao quartel, o Sr.
conselheiro Carlos Affonso perguntou ao Sr. co-
ronel Fonseca e Silva em que carcter all se
aprsenla va.
No de comraandante d'este corpo, respon-
den aquelle offieial.
Nio o reconheco como tal, redarguio o Sr.
coaselbeiro Carlos Affonso.
Vendo, porm, que a officiaiidade do corno e
todas as pracas -econhedam o Sr. coronel Fon-
seca e Silva como sen commandante, disse o Sr.
conselheiro Carlos Affonso :
.Veste moaento deixo a presidencia da pro-
vinda. Occupe a tambem.
Cumpro ordens, redargnio o Sr. cotonel
Fonseca e Silva : son apenas commandante do
corpo policial.
Reliron-se o Sr. ^presidente da
acompanhado das pessoas que com
varo.
Consta qne as.- nmio a presidencia
Rufino Fartado de Men doea, 5*
dente. A
Magestade, para organisar novo
senador Sflveira Martms.
Teode recebido ordea para chamal
Sr. Viseonde de Ouro Preto que eslaya
m, retirando-te em seguida para resi-
a lo Sr. Bario de* Javary. :
conferencia com o imperador, eitdve no
paco o Sr. Lourenco de Albuquerque, as I horas
da tarde, _J^_ ^ t *
O Imperador manifestou desejos de earaeren
ciar cora o Sr. maeeebal Deodoro. CafiTeste,
porm. ni apparecesse, dirigiramse (tu casa.
00 campo de Sant'Anna, os Srs. senadores Dan-
tas e Corris.
Voltando ao pago os Srs. senadores Correa e
Distas, oi por este referido a Sua Magestade
3se, nio tendo podido fallar com o Sr. general
eodoro, bariam no edtenlo sabido de peasoa
Mediana, qae eslava definiUvanseale orgaaisado
o governo provisorio e feius as nomeaefles das
prlaci-iaes autoridades; que a deliberaco to-
mada traba *per origem a falta de eopJtnca do
exercito nos partidos mooarchiqes, pata ante fa-
ziam causa commum com os republigaoos.
S. Exc. declarou tambem que soubera baverem
varfes provsacas adherido ao morimeali, e que
era assegnrada a garanta de peasoa e vida de
Sna Magestade o Imperador e de sua familia
Apresentou se no pago um tenente do exer-
cito, commandaodo quarenta pracas, e disse a
um dos camaristas, que por ordem do dictador,
general Deodoro, ia apresentar-te ao imperador
com a forca, para gaar rar o paco,
At i hora em que escrevemos, esta a familia
imperial rodeada de pessoas do sua amizade, e
guardada por tropa e povo.
Foi reforcada a guarda do paco por 84 pracas
de infestara, oommasdada por nm capitaoe
dous lenles, sendo postada* em todas as por-
tas, pracas com ordem de nio deixar entrar pee-
30a alguma, sem ordem do camarista de semana.
Esti veram anda cem o imperador o Viseonde
da Penha, senadores Taunay. 'Gomas do Amaral
e Saraiva, commandante Banaeo, consel'iro
silva Costa, Bario e Baronesa de Loreto, Vis-
conde de Beaurepatre Roban, consdbeiros An-
drade Figueira e Olgaro, Mrquez de Taman-
dare, Conde de Carapehta, Barquee de Paran-
ui, BarOes da Jaceguay e de Murlba e Dr. Po-
ro Gurdlbo.
Ao Sr. commandante Bannen disse o Impera-
dor : Nada recelo. O povo brazileiro assim
mesmo. Aasanbi eetari tudo acabado.
O mtusterio A' i horas da madrugado rauni-
ram-ae no Arsenal de Mariana os Srs. presi
denle do conteni e ministros da justica e da
marrana, chegaodo is 6 I/I horas o de est.to-
acalmar-se
baleram
-Ihe reca
a resol vido *ei
de S. Exc
disse que im preo sfesaiada,
amparecesse or da; Ib apsaaaptar e
eeu cavallo, a seta saanhl foi tai
o, mas de pairo, flaanfe sagino
el de artilhasia, eeafee que j
esta arma e ^ !. te cavallaria
tinham viudo para a cidade, e regressando o
marechal encontrou de facto aquellas rapas ue
campo da Acclama^io, em frente i sua casa; e
i'ellas acompanhado dirigise para o quartel-
geaeral, em cajo campo fronteiro acampou.
O poni prindpal do quartel fra fechado. O
ministerio acaava-se reunido em urna das alai
do pavimento superior. L4 dentro, o govern.
tralava de organisar a resisteacia ; foi proposto
pelo Sr. coaselbeiro Candido de Oliveira ao ge
eral Almeida Barrete assumrc o commando de
ana erigada, para com essa eppor-se que vi-
nha deS- Chtistovao. Aquelle general declioou
de tal honra. _
?ajaaotao deBbenrra atada, quando fd aberto
Sua o porteo por ordem de um dos olliciaes que
deotrq do qnartel se acbavara.
L dentro, formados em lraha, estavam o 7*
e ID*, o carpe de bombeiros e pollda, com qae
o governo suppunba coalar
O general, vendo o parti iberio, penetrou no
quartel a avallo e percorreu todo o circuito em
frente is tropas ; estas, urna a u na, fizaram ihe
aa continencias, e segniam-e'o na sua passagem,
asedando o. E o general sabio para aran por
ellas acompanhado, e, segundo e sea proprio
diser, orgoiUoso par esta sua victoria extraordi-
naria.
gavera, das janelfes, assistia attonito a
esta'adbesaa eavaaassa. e eoalava oe elementos
qaieierdia.
Enlao.deram-se as trocas de exnlicacoes ra
pbauaatre o general OeoJoro e o aiudaole-ga-J
^oerat perla so Primte. T*
- 8m seguida, o general Deodoro,ttode ordena-
do a ftama geral-efe frente ao aaa'rral.adeB or-
dem aosSeus ofidaes que preodessem os mem-
bros do governo qae ia ser deposto, e que anda
viessera para all.
Vei o Sr-Barao de Ladario, que recusando
se a submafet-ie i ordem de prisao dada pelo
alferes Peona, saocou de revolver e dsparoa o
primeiro tiro. O offieial deaviou-se e rou igual-
mente do seo revolver ; mas o general Deodoro
vendp isso, impeilio o seo avallo Je acudi gri-
tando : Nio mates este bomem.
Por esta occasiao o Sr. Bario de Ladario res-
poadeii com outro tiro de revolver, este dirigido
contra o general Bnodoro, que uscpon milagro-
samente ; seguiodo que aQOsapaonavdSgenerai e causou os ferimen-
tos constatados pelos medicas qae pensaram o
Sr. Bario de Ladario.
Depois-desta cena, o marechal Deodoro sabio
as pavimento superior do qnartel e abi entea
deu-se com as membros do goveroo, dando voz
de prisao aos Srs. Viseonde de Ouro Preto e con-
selheiro Candido de Olivara, e declarando que
livree icavam os corros membros do gabinete
em seo entender pessoas de minini importancia
Diese ao ei-prasideatc do con saino os motivos
de queixa do exercito. e fez-ihe ver os elementos,
com que coniava ; ao qae o Sr. Viseonde de
Ouro Preto respondan, dizeodo qae submetlia-
se i focca.
Foi concedido aos Srs. Ouro Preto e Candido
de Oliveira, peb Sr. general Deodoro, que se
relirassem para anas casas : e o general logo
volton para-o Campo da AcelamacSo. onde man-
dou que por ama ealva de M tires fosse sauda
da a aurora da regeoeracia do pan.
Os ministras, cercados de pracas, tomaram
seas coaps, ?eguirara seas destinos, meaos o
9r. Viscorde depuro'reto, que pBrs logo dlri-
ps seas corpos deliberantes e os
caes.
Art. 4.* Eaaaaaata, pelos aieioii reeaUros
" '' p-->-JaM ^laajti da aou^rasav jusu -
me do Brafe*t>e eeeima. eleicao das legls
turas de cada a m estadas, sera, anda a
cacao brazileisa prlo feverno peovi.iorio da re-
Bublica ; e os-jmaDs aatados pelos ^overaoe qae
ajara proclausaia oa. sa laaa de.-iP4. p.r m>
remadores defeajados aVgoserao prww-xia
- Art. 5.' O^apaieraa jo* estarta Baduaaaa*
3 adoptaro cora eagasuaa odas as prawi hianfei
necessarias para a manutencio da ordem o da
se^uranca publica defesa e garanlia da liaerda-
Jee dos dlreito d03 ddadios, quer nacicnaes.
quer eatrangeiros
Art. 6. Em qoalquerdos estado:'. ond>' a or-
de n publica fr perturbada e onde falten ao
governo local meios fffieazes para reprimir a
deoordeos e assegurai a.paze tranquillidade pu-
bheas, effeciuari o governo provisorio a intc
estivessem de promptido os batalnoes naval a
de imperiaes marinherros.
Sob as ardeos do 1* teen le Nobre de Vas
concellos, seguio lis 7 horas urna forca de na-
vaes. composta de 400 pracas, rauruaadas, acora -
panbando os ministros, que se dirigiram para a
secretaria da guerra, onde estavam os Srs. mi-
nistro da gaerra, ajudante-geoeral, Bario dojRio
Apa e general Brrelo.
No pateo do anartei. alavam fnrmadaa b-
tainoes l, 1? e lo, Tuzierros navaes e corpo
de pollda, sob o commando do Sr. coronel An
drade Pinto.
A's 9 horas coaiparecerm os Srs. ministros
do imperio, de estrangeiros e da agricultura, fi-
cando completo o ministerio.
Ordenou o V. ministro da guerra que segnisse
para o largo da Lapa o 10* bataihao de infan-
taria. afm de impedir a passagem dos alumnos
da Escola Militar. Nao foi cumprida a ordem.
Ao vCr-se o ministerio sem forcas, desampa-
rado, ten do contra si o exercito, ex pedio ao im
pera dor o seguale telegramma :
Tendo ouviio a opiniao dos generaos, que
dizera que toda a resistencia impossivel, e
i tendo o general Beodoro imposto a deposicio do
gabinete, pedimos a oossa exonerago
A's 3 horas da tarda retiraram se os ministras.
Hcando apenas o da guerra.
O Sr. Viscoade de Ouro Preto dirigi se para a
casa do Sr. Bario de Javary, em cmpanhia de
sea lilho, o Sr. Br. Affooso Cefeo Janior.
ufe Cmara Municipal -Numeroso grupo de re-
publicanos, levando i frente os cidadios Jos do
Palrodnio, Joio Clapp, Annibal Falcio. Luiz
Mural, Campos da Paz, Olavo Bil ic e Pardal Mal
let, penetrou no Paco Municipal, onde foram er-
guidos enthusiasticos vivas i repblica.
'essa occasiao tentaran) alguna republicanos
exaltados destruir os retratos da familia impe-
rial, o que nio levaram a effeito.
Foram quebrados muitos vidros, apezar dos
insistentes pedidos do ddadao Patrocinio e dos
seos companheiros, para qae se anntiresse a
ordem.
Foi basteada a bandeira republicana no Paco
Municipal, sendo destruidas as qae trmularam
nss mastros.
Lavrou-se a seguate moefe), que, acompa-
nbada do officio que tambem pasaamoa a pabli
car, tei entregue ao goveroo provisorio pelos
cidadios Jos do Patrocinio, ioao Clapp, Annibal
Falco, Luiz Mural, Campos da Paz, Olavo Bilae
e Pardal Mallet:
Os abaixo assignados, orgio espontneos
de pavo do Rio de Janeiro, representara ao go
veroo provisorio, instituido api a gloriosa re-
volugio que ipso faci extingui a monarchia no
Bazil, a neceesidade urgente da proclamacio
da Repblica.
Ex ais. Srs. represeatoutes supremos das
classes militares do Brasil, marechal Deodoro da
Fonseca, cbefe de divisio Wandenkolk e tenente
cornnd Dr. B. Constan!.
O nevo do Rio de Janeiro, reuddo em massa
00 edificio da Cmara Municipal, tema honra de
comraunicar vos que, por meio de diverso* or-
gaos espontneamente surgidos e pelo na re
presentante legal, proclamou com a nova forma
de goveroo nacional a Repblica.
Esporam es abaixo assignados, representan
tes do povo do Rio de Janeiro, qne o patritico e
nobre governo provisorio sanecione o acto pelo
qual, iostituin Jo a Repblica, se pretende satis-
fezer a intima e real aspinicio do povo brazi-
leiro.
Vi va a republice brazileira 1
Vivara o exercito c a armada nacionaes !
Viva o povo do B1a7.il 1
So largo do RodoAh era tambem grande a
raultidao, principalmente era frente ae edificio
do Club Naval.
Erara constantes as acclamaces i repblica
e ao exercito, quer quando por alli passaram
destacamentos de forca em direceo ao Campo
de Sant'Anaa, qur quando desfilaram. todas as
forcas da guarnidlo, encorporadas, do Campo
para o Arsenal de Marrana.
BatoUio acadmicoA's 10 horas da manh
de hoje reuoem-se no largo da Misericordia os
alumnos das esolas polytecnnica e de medicina,
provincia,
elle esla-
geiros
Foram dadas as ordena necessarias para que gio-ee para o pago da ctdade, onde foi conferea-
afira de organisarem o batalbio republicano aca-
dmico, is ordena do governo provisoria Para
isso urna commiss&o ira pedir o armamento ne
cessario e inatrueces ao poder executivo.
O general DeodoroO llustre marechal tem
estado enfermo. Ao que parece, todo este no-
viraeuto tinha sido combinado para mais tarde,
para o da em que qualquer Sacio, por insignifi-
cante que fosse. oiTerecesse ensejo para o pro-
uundamento dos militares ; de sorte que o ge-
neral Deodoro mal poderla sunpor que o dia 15
de Novembro sena n assigualado para a irrupcio
o Sr. Dr- f victoriosa de sua figura no scenario poltico do
viee-prcai- nioia.
< O' general s 11 horas da noite de ante-boa-
ciar com *ua magestade o imperador, ao que
nos dizera, a chamado de aua magestade.
ls tarde, soube o general Deodoro qne por
orden emanada do governo deposto, carrega-
vam-se de aooicCes carracas postadas era frente
ao arseaaL de uerra, e.acraditaoio que o go-
verno anda tramava reacco, expedio aova or-
dem para que 'ossem presos e rocolbidoa aos
qusyteis de cavaltaria-e infantaria os Sra. Vrs
aaaa d pora abato e Candido de Oliveira.
Este ultimo nao ro encontrado al is 10horas
da noite ; o Sr. Viseonde de Ouro Preto teve or
dem de prii^f om ca*a d Sr Bar1!} de Javary,
sendo-lhe a ordem dada pelo tenente Veiga.
O Sr. Viacoadp de Qmfo Preto aula paqgam-
lou :
E se eu resistisse ao que respondeu
aquello oBiciat:
Eu sena obrigado a recorrer i violencia.
U Sr. Viseonde de aro Prelo ento eMbaieP-
teu-se i ordem recebida, e seguio para o quar-
tel do 1* red ment de cavallaria, acompanhado
d'aqoelle oficial e do Dr. Bernardo de Carvalho,
segurado tambem o Br. Br. Affooso Celso Janior,
que pedio para ser preso e acoropanhar a sorte
de seo pai.
O general Deodoro expedio ordem para que o
ex-presidente do consetho fosse tratado com toda
a deferencia, e dea licenca para qne o visitas-
sem psasoes da fmula e amigos.
Anda i noite a casa do general Deodoro era
constantemente invadida por grande numero de
pessoas, peta maior parte officiaes de marrana
e do exrnalo ; mas recebia-as no leito onde o
prendiam as dores violentas qne o affligum.
(Paiz, de 15, excerptos)
O desfilar das tropas Cerca de 1 hora da tarde
as forcas partiram do campo da AcelamacSo pelo
lado da cmara municipal, percorrendo a roa
Viseonde do Rio Braaco, praca da Coostiluicio,
roa do Tbetro, largo de S. Francisco de Paula,
ras do Ouvidor e Primeiro de Marco.
A' frente da tropa vinhara os Srs. general Deo-
doro Quinlino Bocayuva, tenes le- coronel Benia-
uiiu CoQslant e grande numero de officiaes, dos
quaes muitos da guarda nacional.
Das janellas e saccadas, das portas e roas era
saudada a forca do modo mais enthuaiastico com
palmas e vivas, coa aceaos de lencos e baadei-
ras.
Na ra Ouvidor dlscursaram brilbantemen-
te de varias janellas os Srs. Drs. Silva Jardim e
Arstides Lobo e o nosso collega da Ctdade do
Rto Sr. Jos do Patrocinio.
O Telegrapho Para que do oceurrido fossem
traasmittids noticias telegrapbicas com toda a
exactido, o Sr. general Dsodoro expedio ao di-
rector dos telegrapho8 a seguale ordem, entre
gae ao 1" tenente Jos Augusto Vinhaes :
Em oome do governo provisorio ordeno ao
telegrapho que facilite tudo ao i* tenente Jos
augusto Vinhaes-Rio de Janeiro, 13 de Novem
bro de 1889..
O Sr. Bario de Capanema, ao ser disso intima-
do, declarou qae eo por meio da forca ou com
ordem escripia cumpriria o que se Ihe maadava.
Em consequencia disso, o 1 teen ti Vinhaes
deu Ihe escripias as seguales frabas :
, "Por ordem do general Deodoro, cbefe dj go-
verno provisorio, intimo ao Sr. bario de Capaue-
ma, para que me entregue a repartijoo a sea car-
go e que Ihe foi confiada pelo extioeto governo
imperial e gabinete 10 de jubo, presidido este
pelo cidadio viseonde de Ouro Preto, sendo qae
no caso de resistencia usarei dos meios que me
foram dados.
o tersa*.foi assjgpadd irlas aihrm do governo
e vareadores.
^aafe da:isg voso ajas de tolos os poafes da sali.
0 *r- AriitiJes Loh;., mastro do interior, de-
P'JU deOBClarr qmo easpeaho do goveroo agria
sueteatar a paz e psomaaa* nasa nova era*ae
pwaind4e e graadeza para o paiz, disse qua
. nomw das aolaaas veaaalores flcariam liga-
'loa so .-auto iirmaiafeitiaalaso da declaracio da
repa*|icaeagraaeaad as azaaifeataces rece-
DTTas accresceufou que o goveruo havia de dar
toda a au ton rala A Cmara Municipal, a mais di-
recta rpresftn'.aufe do povo.' '
Novas palmas e bravos repetiram-se ao dudar
o seu disBurso o Sr; ministra do interior.
O Sr. presideule, depois de declarar que i livro
do termo estava fvaacoiasaigoalura dos prc-ei-
tes. coaffdon a Cmara a.acumpaohar o governo
j.t>vi rio.
venci necessaria pafa, com o apoto da!"forca pu- i ,t"llD8 Je s'!ljir,'io PaS municipal pnmuncieu
blica.-a*egurar o livre exercicn dos direito.!''^, B'?,aaa"1,Coi,,,Un allococao na qual
dos idadios e a livre aocio dis autoridade.-, "'p^qUae3 kS ,V>ZU* e e?2*2 do,.*wno.
constituidas ^^ que quena sobretudo urna palna moralisala.
Na despedida levaataram se muitos vivas ao
goveruo p-oia^rw .e>abpuoltca Brazikua.
ue volta apenas pulsados oitQ mnalos, che-
gar a m 10 payp.da oidade o major SuJou e o
tener.'..; Bandei *a re^posta do Sr. D. Pe-
dro U. .
O Sr^ ministro ialerlno da justica autorisou
e Sr. uaeio de polica a faser provisoriamente
as lomeacei don auxiliares que jalgasee con-
venientes
O ministro a -faarmia uepois de reeeber
00 Thesouro Nacional, os chefes las diversas
repa:ti-jo-.-s, ^W.ve nos Bancos do Brazii, Nado-
nal, etc.
I No idonai verticou a existencia dos saldas.
Nesfes estabeledmentos declarou que o go-
veruw jiro naociaga rao ta os con trae'.os com clles
celebrados pelo "governo transado, c que telo-
graphwra para as provincias mandando reeeber
ae notas do BancoNacion-d, em todas as estu-
oa da arrecadaedb.
-^otiapmeaab secretario do asinisiro da
fazud a SrT Paulo Couto.
-^tSr.ministTo da mariabjr no fox recep-
cSo of&cial de epreseau^-aov *. dizeawios que
-maDtm 003 respectivos carg03 todos oS empre-
gados i-ivis e mtiiiafo*.
Substrtui-3 o cargo de ofGcial de gabinete pelo
de secretario de ministro, omeaado para este
o Ctpitio tenente Uenrique Pinbeiro Guedes.
Nomeou sens.ajudanies de o.-dens o Ia tenan-
te Joo Augusto J.! Amorim Jlangel e o 2 Au-
gusto da Cunha Gomes.
0 Sr. ministro das rdacSes exteriores e
toterino da agricultura comgdfeceu as respec-
tiva secretarias.
Fei nomeado secretario de gabinete do minis-
tre in.erino la agricultura o Sr. Rubem Tavares.
A's 41|Z loras chegaram ao qaartel general
do oxercilo o alumnos da escola railiiai, sob o
commando dooigaddiro Jos >iariado de Quei-
ros, formando em bataloaode infantaria, sem es-
laudarte e acompanhados por ura contingente
do 34* batulhao de infantaria.
N j quand geoeaai do &>:orciio eslene urna
forca do corpo de imperiaes marinhdros 30b o
comutando de um oficial.
Ura contingente do bataihao naval aquar-
tcllou noite passada 110 qearlel do Campo da
Acciamacao.
A's C f(t horas da larde- apresentou-se a
brigada escolar, qual o Sr. ministro da guerra
deu por commandaute o 1' tenente de artilharia
Dr. ximeno de Villeroy.
0 8r. Francisco foriella, membro da as-
smbla legislativa provindal, nomeado pelo go-
verno provisorio goveraador do Estado do Kio
de Janeiro, as'sumio hootem a admiaistraclo.
Olficiou inconfinente i assembla provincia!,
coramunicando-lhe aquelle facto, e solicitando a
coadjuvacao da mesma assembla para a con-
clusao das. le animas e mais providencias re-
clamadas pulas circumstancias da proviacia.
Reintegrando ao commando do corpo policial
o teiRTste-coronel Iranseca e Silva, a quem no-
meou cbefe de Dolicia inlerioo, com as maiores
recoaimendacfies de manier a ordem publica e
todos os direitos garantidos pelas leis.
Sabendo qae o Sr, conselheiro 2ari03 Affonso,
ex presdante da proviacia, e Br. Arnaldo de
Olivara, ex-ebefede polica estavam detdos em
suas residencias, ordenou que fossem deixados
em plenaiibeaaae;.e..o_cbefe de jJic^jntari-
no acorapinr.on at a ponte das barcas Or. cob7-
selbdro Carlos Alfonso.
Declarou sem effeito a portara do ex presi-
dente da proviacia que mandou responsabilisar
a cmara do Carmo.
Nao aceitou a de nUso pedida pelo Sr. Alber-
to Olympio Jrandio do cargo de director da fa-
zenda. e 1 e ommoorteu Ihe que se conservasse i
testa de sua reparticao.
Foram nomeados governadores : do Estado
Art. 7.* Sendo a Repuolica Federativa Brizi-
leira a fftta dOiWtarao proclamada, a owpael
provisorio nao reco-ihece nem reconheeeri n
nhura gjveruo local contrario forma republica-
na, aguardan Jo como Ihe compre o pronuncia
ment dflairivo do vjto da naci livrementeex-
pressado pelo suffraglo popular.
Art. &. A forca publica regular represeutajla
pelas tees Traa* do exercito e pela armada na-
cional, de que existam guaroteoes oa coniingeo-
tes as diversas proviadas, continuar subord-
nala e exclus vameate dependente do governo
provisorio da repblica, poJeodo os governo
locaes, pelos meios ao sea alcance, decretar a or-
Siai sajaojde urna guarda cvica, destinada ao po-.
ciaraento do territorio de cada um dos no vos
estados.
Art. 9.* Ficam igualmente subordinadas ao
governo provisorio da repblica Jadas as repar
tiedes ctvis e militares at aqu stfbordinadas ao
governo central aa uacao brazileira. .
art 10 0 territorio do municipio neutro tica
provisoriamente sob a admioisiracio immediata,
do goveroo provisorio da repblica c a cidade dj>
Rio de Janeiro constitnida tambem prrJvisoria-
tneote sede do poder federal,
Art. 1!. Fienm eocarregedos da exeracko
doste decreto, aa parre que a cada um pertenca,
os secretarios de estado das diversas repartisoes
oa ministerios do actual governo provisorio.
Rio de Janeiro, IS de Ntvembro de 1889.
Marechal ManoelDeodoro da Fonseca. chele do
governo provisorio,S. Lobo. Ruy Barbota,-
Q. Bocayuva. Benjamn Constanl. Womden
HA
Jfor estarem aaseotea desla capital deixaram
de assignar este decretos Srs, Dr. Campos Sal
tes, ministro da justica, e Dr. U.-nietrio Rlbeiro,
da agricultura.
A's 10 3|i horas da manhi de hoatem os
alumnos das escotas de medicina e polvlcdini
ca cem os seas estandartes foram cmara mu
aidpal e submdo ao 1* andar da |-aceada levan-
taran vivas i Repblica Brazileira ; d'ahi diri-
gMam-se i secretaria da guerra, onde fallou de-
pois de om dos alumnos o Dr. Barata Ribeiro.
O Sr. ministro da guerra acceilou o offereci
meato que aquelles Ihe Qzeram de conslituirera-
se em brigada escolar em defesa da nova ordem
de-cousas e agradecen este espontaneo edelica-
do aaxilio, prometiendo dar-Ibes ura comman
daate idneo.
Os Srs, ministros estiverara reunidos al
ao meio dia, sendo abi comprimentados pelos
alumnos da escola superior de guerra, grande
atunero de olliciaes das difTerentes armas e pai-
sanos.
**s i/i horas da tarde o Sr. major Soln,
commandante interino do 9. regiment de ca-
vallaria, e o tenente do i.' regiment da mesma
arma Sebastio Bandeira foram, com um piquete
de cavallaria e em grande uniforme, levar ao
pago da cidade ao Sr. D. Pedro II a mensagem do
governo provisorio que ordena va a ua lie posi-
cio e retirada do paiz dentro de 3-4 hars. Con-
sta-nos que nessa mensagem garantida q Klle
seubor a dota cao de 800:000* annuaes, aura de
vrver onde lbe aprouver na Europa.
Jornal do Commercio ie 17) *
aractirinou se j a situacio poltica orgina-
da do movimento militar do 15 de correte e
que mil se dellLira as primeiras horas desse
dia.
0 dever que o patriotismo nos impoe as
actuaea circumstancias aconselhar o maior res-
peito da liberdade e a mais rigorosa manuteocio
da ordem publica.
Curaprico este dever, limitar-noB-bemosa con-
tinuar h jje a narracao dos factos de qae ti vemos
coahecimento.
Constituido o governo provisorio, de cuja or-
ganisacaoj demos noticia, e dada a proclama-
ci ao povo, tambem ji publicada, foi (expedido
o seguinte decreto :
dicbbto a. 1 01 il na noveubbo oa 1889
O governo provisorio dos Estados-Unidos do
Brazii decreta :
Art. 1 Fica proclmala provisoriamente e
decantada como forma de governo da naci bra-
zileiraa Repblica Federativa..
Art. J". As provincias do Brazii reunidas pelo
lago da federacio, ticam constituindo os Estados
Unidos do Brazii.
- Art 3*. Cada om desees estados, no exerci-
do de sua legitima soberana, decretar oppor-
tuoamente a eua coastitatcio defabRiva, etegendo
O Sr. B. Pedro II disse aos portadores da raen
sagem que maia tarde mandara a resposla
Na occasio da entrega havia na sala do paco,
a*ra da famflla imperial, os Srs. Mrquez de
Tamaodare, Condes le Aljezar e de Motta Maia,
Viscoodes de Garcez e Penha, BarOes de Ivinhei-
uu, Miranda Reis, Maritiba e de Loreto, veador
Nqueira Gama, padre Herculano de Brito e ou-
km pessoas.
Os mensageiros regressaram e drram coala da
sua commisalo aos Srs. miaistroa da uerra. fa-
zenda e interino da justica.
Um quarto de hora depois ebegou o Sr. aiferes
do i.* regiment de cavallaria Eduardo Lima
communianlo que o Sr. D. Pedro II aguarda va
os officiaes da commissao da mensagen para en-
tregar-lhes a respoeta.
Immediatamente os Srs. major Soln teneule
Bandeira 1 aal ti
D. Pedro II den ao jirimeiro de*sej offirie= a
sua res posta esoripta, duende que et'i v.m-un 1
a expressab reaf do soas senlhtleolOs.
A's 3 boraa da tarde os Srs. ministro* do
interior, fazenda e interino da justica, da man-
cha e da guerra, aeompanha lo? dos officiaes e
paisanos que estavam na Secretaria, dirigiram-se
i Cmara Municipal, que se chava reunida em
sessio extraordinaria, presentes todos os verea
dores em exercicio.
Ao abrirse a sessio comparecen o tenecte-co-
ronel Joio Nepomuceno de M delros Mallete com-
monicon que o governo provisorio vinha prestar
juramento peranie a Illma. Cmara.
O Sr Dr. Nobre, presidente, depois de decla-
rar que a Cmara esperara o governo proviso-
rio, pedio ao tcnente-corond Mallet para demo
rar-se e assistir i (citara e votarlo de urna mo
cao.
SenUndo-se o Sr. Mallet i esquerda do presi
dente, leu este a seguinte mocio, que estava as-
signada por todos os vereadores:
Os aconlecimentos lestemunhados hontem
por esta cidade produziram a Sundacao da Rep-
blica Brazileira.
O governo democrtico est constituido como
fazera publico todas as fofhas de aoje.
Avultado numero de cidados, tendo testa
o nosso coilega veraador Jos do Patrocinio, oc-
cupou hoatem os saldes do paco municipal e pro-
clamos a Repblica Brazileira.
O Imperador, tratado com o maior respeilo,
coasta que se retira do paiz
0 goveroo provisorio acha-se testa dos ne-
gocios pblicos.
Tendo a Cmara conhecimento destes factos
resol vea recouhecer a nova ordem de cousas e
declarar em nome da paz publica que o povo
deste municipio adnere ao governo provisorio.
Paco da Cmara Municipal, em 16 de Novem-
bro de 1889. >
Depois da leitura o Sr. Candido de carvalho
disse que fasia votos para que a nova era fosse
de presperidade e pas para o pais, e o Sr. Jos
do Patrocinio pedio ao Sr. presidente que loroas-
se coobeddo i populacio, pelos meios de qne de
momento dispunh.i, que o gorerno provisorio ia
prestar juramento.
Retirou-se o Sr. tenente-coronel Mallet, e o Sr.
presidente suspenden a sessio.
Algum tempo depois sendo annunciado que
o go verso provisorio sabia do quartel-general do
exerdto, o Sr. presidente reabri a sessio e no-
meou para reeeber os membros do governo os
vereadores Torquato Couto, Patrocinio, Cardoso
Pontea e Candido Carvalho.
Acompanhados por grande coocurso de offi-
ciaes da armada e exercito e.de pessoas de todas
aa classes sociacs. cntraram ao sali os mem-
bros do governo e tomaram assento i direita e
esquerda do presideate.
0 Sr. presideate leo o segqinte termo :
Aos 16 de Novembro de 1889 compareceu no
Eaco municipal o governo provisorio da Repu-
lica dos Estados Ulidos do Brazii, composto dos
ddaddos Manoel Deodoro da Fonseca, Roy Bar-
bosa, Aristides da SilveiraLobo, Beni-imin Cocs-
tant, Quintino Bocayava e Eduardo Wandenkolk,
que declaro peranie acamara mancipal, reu-
nida em seas&o extraordinaria, prestar sob sua
honra o iorameuto de manter a paz, as liberda-
des publicas e esdireitos dos ddudos, respeitar
e facer reapeilar as obrigacGes da naci, tanto
no interior como no exterior, em firmeza do que
assignam os ditos cidadios com os vereadores
da misma Illma Cmara Municipal este compro-
mimo para com o povo brazileiro representada
neste momento peta manicipaiidade da cidade do
Rio de Janeiro.
Traoscripto em um livro e lido pelo secretario
da Babia, o Sr. Dr. Maaoel Vicionono Pereira; e
do Espirito Frdtas Rosa.
Assumio o goveroo do do Ko-6rande do
ao mo d*'c*daj *** r. ^a^ Viseonde de relatas, sendo comeado com-
maudante das arnas do mesmo o geueral Au-
gusto Cesar.
Couima ao exercicio do cargo de secreta-
rio do governo do Estado do Rio de Janeiro o
De Ruyraundo Correia.
Foi nomeado delegado de polica de Nithe-
roy o Dr. Carr Ribeiro.
Ficou disposico do chefe de polica do
Estado do Bio de Janeiro o alferes Frldolino
Oiindense.
" Foi preso e logo depois posto em liberda-
de o Sr. conselheiro Francisco de Paula May-
riok.
Em Santa Catnaria foi {recolbido ao esta-
do-maior do 17* bataihao o Sr. conselheiro Sil-
vetara Marlins, que alli chegara vindo do Rio-
Grande.
O capitao do estado-maior de artilharia
Rermes Rodrigues da Fonseca foi nomeaio aju-
dante de ordena do governo provisorio.
A guarda do paco da cidade era hontem
feta por 190 pracas do 10 bataihao de infanta-
ria, sob as ordeas do capitao Beato Goecalves.
A do 9> regiment que guardava a parte exte-
rior do palado eompunha-se de 40 pracas, sob
as ordens do alferes Oliveira Lima.
O capitao Goacalves, commandante da guanta
de palacio, tinha como seus officiaes o tenente
Launado e alferes Pessoa. '
Ao escurecer um piquete de cavallaria sob as
ordens do major Soln, em graud". uoiforme foi
postar-se ao lado do palado, onde permanecer
at hoje, hora em que embarcar o Sr. D. Pe-
dro II com sua familia para acompanhal-os ao
embarque.
Dlzem-nos que acorapanham o Sr. D. Pedro II
e sna familia, Os Srs. Conde de Motta Maia e fa-
milia, Bario e Baronesa do Loreto.
O Sr. ministro da guerra deu ordem tele-
grapbica para o 2a batalbio de infantaria des-
embarcar do paquete Maranhao na cidade do
Redfe.
. Esiamos autorisados oficialmente a dea-
meotir os boatos de dlvergeocia entre o exercito
e a armada.
O Sr. D. Pedro II embarcou com sua fami-
lia boje, s 3 horas da madrugada, no caes do
Pharonx com destino Europa.
fGazela de Noticias de 17, excerptos)
Hontem, -como aate-hontem, foi extraornano
o movimento ae povo pelas ras, principalmen-
te na do Ouvidor, onde vinha elle sasfazer a
sea natural curiosidade, acompanbaado os actos
do governo provisorio, pela leitura des botejkis
aflixados s portas das redacgOes dos diveatos
jornaes.
Affiuio tambem grande massa de povo ao lar-
go do Paco, e todos os olhares convergiam paia
o ponto do edificio onde se sabia estar o velbo
Imperador, cercado de sua famili 1 e de seus
leaos amigos.
Guardas dobradas defeadiam as portas da-
Juelle edificio, em frente ao qoal, s i 1/i horas
a tarde, estove postada urna forca de cavallu-
ria.
Foi distribuida em a-valso a seguiote poesa
TRILG6IA DA LTBEROADE
7 DE SETKVBRO
O povo nc3te dia, ousado e forto,
A homhada cerviz altivo ergueodo,
O jugo sacudi, jugo tremendo,
Ao grito ingenteLratRDADB 00 mobtk t
Insiun
f
/i~.
Nao era a patria bnajfcra outr'ora.
Patria de cidadios. tS mondo intdro.
Vendo baquear o horror do captivei
Vo riar no BratB ridente aurora.
-.

*;

.
.

a -
i

se

I


i".
ira fci-se da. E o solbrimaste
co a patria fulge aeste instaste.
1
i
- \
I !
A' noite era anda extraordmar a anuencia
de povo i roa da Ouvido-. otava-se, parte,
mao ja o eamuniasme febril da vspero, prcu a
ealma, o socego, a quietacio das da coamuu
coraoe a pama oto boovesse d chofre seoudo
o aja de nina mudaoca radical na sua tocan
demnrao.
lato acceotua raais urna vez a profsnda varos
de desta aflirmaceo .que o povo brasiletro
esencialmente ordeiro e pacato.
A'a 7 horas da noite pasf ou pela na do Osri-
dor urna forca de cavallaria, que foi reeebidn
aos gritos deViva a repol>lica
Pouco depois passaram alumnos da Escola Na-
tal, dando viva ad" governo provisorio, Repu
biica Brazileira e ao Club Naval.
Foram esses vivas corre ipondidos peto poro.
No campo de Saat'Anna, iifgur iraperiaes ora
rinheiros daram vivas a mcnarchia. Faraoi im-
mediatamente presos e rucoUiidu* a .bordo-do
Riachuelo.
At alta hora da noite ainda baria muito po-1
vo as roas e pracas.
Estado de S. PauloO joraaes que hontem
recebemos da capital dao detalbes dos aconteci-
mentos que noticiamos por telegrama.
Era natural que imprensa da tarde da *nte-
bontem, nao podesse publicar.
f&Famiia imperial Hontoaj, a J boras da
Urde, o Sr. major Soln, fiscal do regi-
ment de cavallaria, acorapaimado de umc forja
do mesmo regiment, dirianVe o Paco; e abi.
o major Soln, em nome do enverno provisorio.
leu a intiraaco ao iispseMtor e 4 sua familia
Sra sabirem do territorio aaciooal no praio de
boras. ;
O governo provisorio garaaif a* iaiperador a
dotado actual e todos os sea sea*, at que a
constituate resoivu a tal respeito.
Quando major Soleo apreseotou a saosa
gem do general Deodoro ao imp*tJteatoJip-a
a sereno, tranquillo, disse queflBfMao atgaae
minutos para responder. *
A princesa, afilela, acompao*} leit ira da
mensagen, depois do que rrjhnm rir pin um
fabineie prximo. Abi o flperaior escreveu
e seu proprie puabo a declaracad' dejas' dapo
cao do tbrono.
A enrosaran de general Deodoro tersa! _
dizeado. "f% era de esperar que So* ^lage*nlc
procedesse como seu pai a 7 de-Abrii iM
O imperador em sua resposta declaren que ce
- ia, a vistadas condicoes em que se achava, a
imposicao feita e que retirava-se deala patria a
que servio por mais de meto scalo, desejando
loe todas as felicidades.
A resposta do imperador foi eatrege ao ma
jor Soln, que a entregouao ministro da guerra.
Familias e pessoas dedicadas ao imperador
perguntaram se podiam acompanhal-o em saa
deportco e se depois Ibes era permittida a voliu
ao Brazil. Foi-lhes respondido que sim.
O Sr. Conde de Motia Maia pedio para acom
panbar o imperador como seu medico.
O Sr. Ruy Barbosa declarou ao major Soln,
portador do pedido, que at applaudia a resolu-
cao do Sr. conde, visto que tratava-se de medi-
co de conanca do imperador.
No Tbesooro Nacional foi hontem entregue &
familia imperial a quantia de 30 contos, parte
da dotaco qne era sempre paga no dia 5 de
cada mea. O Sr. ministro da fazenda determi
nou que nao lizesse a menor alteracao a tal rea
peito.
Hontem meia-noite apresentou-se no quartel
general o Sr. major Lassance, niordomo ao Sr.
Conde d'Eu, que procurava os menibros do go-
verno provisorio, em nome do imperador.
Em conferencia longa que tev com os Srs. Ruy
Barbosa e Quintino Bocayuva, o Sr. Lassance ex-
poz a situaco pecuniaria da familia do impera-
dor e pedio que Ibes fosse concedida urna quan-
tia para as despezas de viagem e estabelecimento
no estrangeiro. Em lista apresentada, onde as
verbas eram detalbadas, o orcamento era de cerca
de dous mil contos.
O governo responden que eslava disposto a
conceder, nao dous, porin, cinco mil contos, sob
a condicao de qne o imperador embarcada im-
mediatamente, depois de receber o decreto de
concessao e o respectivo contracto.
Betirou-se o Sr. Lassance e meii hora depois
yoltou ao quartel general trazendo a resposta do
imperador, que acquiescia.
Em seguida foram peles secretarios dos minis-
tros, Srs Paulo Couto e Robem Tavares, lavra-
dqs o contracto e o decreto de concessao. qnelle
fOt% 3Bfd|Lalia (tftiii flr. I Buaibu fWVMfe Mmuua
tarte do imperador e pelo Sr. ministro da fazen
da. representante do governo.
O decreto do tbeor seguinte :
O governo provisoria da repblica dos Esto'
dos Unidos do Brazil, querendo prever a decen-
cia da posicao e estabelecimento da familia da
dynastia deposta, resolve :
Art 1. E' concedida de una s vez ao impe-
rador a quantia de cinco mil costos de ris ;
An. *. Esta quantia nao prejudica as vanta-
gens asseguradas ao chefe da dynastia deposta e
sua familia, oa mensa gem do Governo Provisorio,
de boje datada;
Art. 3." Revogam-se as disposies em con-
trario.
Deodoro da Fonseca.Ruy Barbota.Quintino Bo-
cayuva.Benjamn Constan!.Aristides Lobo.
Eduardo Wandenkulk. *
Rio, 16 de Novembro de 1889.
O Sr. Lassan:e retirou-se do quartel-general e
foi dar parte ao imperador da solucio das nego-
ctacOes- Dm official foi encarregado de levar o
decreto, qne s sera entregue ao imperador no
momeuto de embarcar.
O imperador em barco u s 3 boras da madru-
gada, na canboneira Parnahyba, de onde se pas-
eara para bordo do Alagos, o melnor dos navios
da Companbia Brazileira de Navegago, expres-
samente frotado pelo governo para n'elle ser
transporado o imperador para o estrangeiro.
Vasos de guerra brazleiros irio comboiar o
Alagos at aim do Equador.
(Paiz de 17, excerptos).
Por entre legitimas e expansivas manifeslafies
de regosijo passou-se o dia de hontem, mnito
embora a transformago operada com os ltimos
acontecimentos, que deram ao-6rae o direito de
renascer e constiluir-se nova patria.
Confiante e alentada por esperancas avigoradas,
a populadlo fluminense, por um lado procurava
com avidez as noticias dos tactos qne se iam des-
dobrando como sequencia das occarrenrias de
(ha 15, uieuiuravei para atusiorut oraiiletra, puc
outro, entregando-se aos seus afazeres commnni,
convencida de que cousa nignfua % perturbava
nos seus direitos e garanUas.
O commercio reabri as suas portas e voltou
ao seu labor progressivo.
Os bancos e a praca readquinram a sua acti-
vidade, momentneamente decrescida.
O vai e vem da populosa cidade qne habitamos
reconquistou os seos hbitos.
E evidentemente no espirito publico nao pai-
ra va a menor inquietacao. pois.qne todos volta-
ram s suas condi^oee de vida uormaL
Pacto nota ve I na hLtoria d'este paiz, que se
mostra nico no modo de consummar os maiores
acpntecimenths, o exemplo qne acaba de dar a
sociedade brazileira, representada por todas as
suas classes, e deve ser o mais legitimo orgu-
lbo dos nossos coni^dadaos.
E' alta a hora la no:te em que trucamos estas
linhas, que presedem a narrativa dos (actos da-
dos hontem.
Nio temos conbecimento de qualquer aconto-
cimento deaagradaveL que porventnra possa en-
tri'tPCT a socifdadp flnm'nenp.
Fas e liberdade por teda a parte.
vida administrativa do governo provisorio
Itiou-se pela prestacao de juramento, apresen-
i as respectivas secretarias, posse dos Srs.
Hstros e publicagao dos actos oniciaes mais ur
cestos, conforme noticias detalhadas que adente
inserimos.
Batalko acadmicoAs U horas da manha
pa.-Boii pfi populares numeroso prestito, formado em boa
ordem, dos acadmicos da facuidade de medi-
cina e escola polytecuaica, precedidos de varios
de. seus eotes, e ua frente urna banda de musios
que tocava a MarseJheza
Base brUhante prestito dasfiiara da escaldado
onde hsvi ^flphrado s^ao solemw. r>a qual
eraii i uiiiUsittiUco liMUrsos txMjgr*llUiriii
os Ulustrados tente Drs. Barato Ribeiro, Domin-
gos Freir, Enco Coelbo, Coapot Prtvosl e o
distinelo cliuico Dr. Bricio Pilbe: e onde flcoa
resolvida a creagao de au batalnao academice,
qne hontem mesmo doria se declarar i dispon,
ci do governo provisorio para enmprir as as
ordena e fazel-as enmprir.
-
qae recebeu das :
poto que se ijjlnmurnvn na roa
Baon,"segando semsre ia neema orden de
forme um, seodarim os aoad mieos as r*daee9ee
aos-iurnaes, recabeod oa saaaagem vivas en-
iusiasticos e foram em dirocoaO ao quartel ge-
neral do exercite, diaule do qual rlzeraui alto,
sao Jando o exerefto.
Apparecendo a urna das jmilas o Sr. Br.
Benjamn Coostant, ministn) da guerra do go-
verno provisorio, fallou aof Mademwos. agr
decendo a sua adbesao ao governo e declarando
que teria gloria em commai dar o brillante ba-
talhJo dos acadmicos.
Seguindo o- prestito e 'BuaaVo em frente
residencia do lir. Sonsa Liiaa, trsJnsssr da fa-
cuidade da medicioa, este incerporoa se sos
acadmicos e d'ahi seguto o prestito at a resi-
dencia do Sr. marechal Uotioro da Ponseca, ao
qsal saudaraia os ecadeoiieo cera Titas embo-
las ticos e delirantes.
O chefe do governo appantceo a urna das ja-
nelas e ergueu um viva aocidade academice.
Voltando o prestito, disilveu-se na escola
polyledinica, depois de encr.erem os acadmicos
com os seus nemes as rietai' dos voluntarios do
batalnao acadmico. *-A
. Urna deesas listas reeab
lentes da facnldade.
(Jornal th Commexio de 18)
Perante os acontecimentos que to se
euocedendo rpidamente, temo-nos limita-
do at agora a miseSo de chronista impar-
cial e minucioso quanto ossivel, rennindo
materiaes para a historia deste periodo da
vida nacional.
, E' ainda neste intuito que publicamos
boje alguna documentos.
A resposta do Sr.. D. Podro de Alcn-
tara mens&gem do governo previsorio e
a despedida da Sra. D. Isabel, Oondess
d'Eu, deviam ter sido pu blioadas hontem;
attendendo",-'gpVS, a contjideracSes que nos
fgram apresentadas em nomo do governo
e que nos
ten os oomes de varios
arpou i 1 bora da tarde, indo so semoa
tro da Pmrnah^m.- Levara a bordo oa
Ihu-Gos e baronesas de Loreto e Muritiba
o Vrscondessa de Fonseca Costo, que
tambom partiram pan a Europa.
O Alagoat vai commandado pelo Sr.
Jlo Mari* Pessoa; acba-se preparado
como quando neRe regressou do norte o
Ooade d'Eu, e leva grandes proVisSes re
excellentes gneros alimenticios.
A's 5 3(4 fea-se de mar.em fra o cou-
racado Riachuelo, que Tai acompanbar o
Alagos at um pouco alm da liana.
- Ao meto dia, passou pela roa do
Onvrdor a brigada escolar, paisana e
armada de espingarda, e dirigio-se para
o quartel do campo da AcolamacSo.
Pela mesma ra passaram tambem mni
tos mancebos do Centro Positivista, des-
f raldando seu estandarte, e se eacaminha-
ram para o quartel-general, onde entre-
garam ao Sr. ministro da guerra urna
mensagem, em que pedem a manntencao
da nova forma de governo, ordem e am-
pia liberdad religiosa.
(Qaztta de Noticete de 18)
O dia de hontem corren calmo e"tran-
quillo. ^
O povo affinra as roas, em banca de no-
ticias, mostrndose, pela sua atttade cor-
rectamente pacifica, interesando na mann-
tencao da ordem.
A ra do Ouvidor, durante o dia e parte
danonte, estere oceupada pela multidao,
qae em grupos commentava os aconteci-
mentos. ,
O largo do. Paco fot tambero, como nos
das antecedentes, "unr dos pontos
rados pelo povo, que all se reunfa,
ecto
rpOjde hnporias entrada fia pe4q inCessante movimaoto da cu
eceram ooaderosas por e^n-iqaao {saa ir e vjf, indnjjaodq, do*
a olem publica, ndiawos. cmaienthdo-os^ mas 1uny*s>ia **
Ess trahquHrida3e db "povo, e^
dos extraordinarios acontecimentos que se
deram, ama nota que dse jamos conti-
nuar a registrar.
O embarque do imperador. ^JfiPbm 2 34
bofena pnblicagao.
jPrjs* do^mentos a que nos referimos sao
os.seguintes
t SenhorOs sentimentos democrticos
da nacao ha muito tempo preparados, mas
disputados agora pela mas nobre reaccao
do carcter nacional contra o aystema de
violaclo, do.oejirapcao, de sobvers2o de
todafeas leis, exercido cm um grao in-
compravel pelo ministerio 7 4e Junho ;
a poltica systematica d; attentados do
governo imperial, natfs ltimos tempoa,
contra o exercito e a armada, poltica
odiosa nacao e profand miente repellida
por ella ; o esbulno dos direitos deesas
auas classes, que, em t >das aa poobas,
tem sido, entre nos, a defesa da ordem, da
oottstitnico da liberdad e da honra da
patria; a intencao, madifeatada nos actos
dos voseos ministros e confessada na sua
imprensa, de diasoa*e!-as e aniquila! aa,
subststuindo as p t elementos de compres-
sao official, qne foram cempre, entre nos,
objeoto de horror para a democracia li-
beral, determinaran! os acontecimentos de
hontem, cajas circumstancias conheceis
e cujo carcter decisivo cortamente podis
avaliar.
c Em mee desta Bituaclo, pesa nos di
zer-vol-o, e n&o o fazemos senao em cum-
primento do mais custoso dos deveres, a
presenca da familia imperial no paiz, ante
a nova sitaacio que lhe creou a resoluclo
irrevogavel do dia 15, seria absurda, im
possivel e provocadora de desgostos que
de honnm" qande
boras da madrugada
o tenente-coronel Mallet, commissionad^fcado. Tudo isto foi uma sorpresa para
pelo governo provisorio, se apresenta|B* mim. NSo sabia de nada. Von embarcar
Paco da cidade para acompanhar o embar* de noite, como se tngisse.
qne da familia imperial.
A agglomeracSo de*-povo, que durante
dia e parte da
a salvacao publica nos impSe a necessida-
dade de evitar.
Obedecendo,
pois, s exigencias do
voto nacional, com todo o respeito devido
dignidade das funccSes publicas que
tificar vos que o Governo Provisorio espe-
ra do vosso patriotismo o sacrificio de dei-
xardes o territorio brasileo com a vossa
familia, no mais breve termo possivel.
< Para esse fim, se vos estabelece o
prazo mximo de 24 horas qne contamos
nao tentareis exceder.
O transporte vosso e dos vossos para
nm porto da Europa correr por conta do
Estado, proporcionando-v: s para isso o G j-
verno Provisorio um navio com a guarni-
cio militar" precisa, efTectnando-se o em-
barque com a mais absoluta seguranca de
vossa pe ssoa e de toda a vosea familia,
cuja oommodidade e saude serlo zeladas
com o maior desvello na travessia, conti-
nuando-Be a contar-ros i dotacao que a
le vos assegura, at que sobre esto ponto
se pronuncie a prxima Assembla Conati-
tointe. S
t Eatlo dadas todas as ordena, afim de
que se compra esta delitteraclo.
c O paiz conta qae aaWeia imitar na
submissao aos seas desojos o exemplo do
primeiro imperador em 7 de Abril de
1831.
Rio de Janeiro, 16 de Novembro de
1889.Maiioel Deadoro da Fomecet.
Resposta escripta do imperador ao ge
neral Deodoro.
c A' vista da representacao escripta
que me foi entregue boje s 3 horas da
irde, re"lvo. cBdndo o imperio da
circumstan ias, partir, com teda a micha
familia, pera a Europa, amanbt, deixan-
do esta patria, de nos extremecida,
qual me esforc i por dar constantes tee-
temunhos de entraohado amor e dedica-
cao, durante qaaai meio seculo, em que
desempenhei o cargo de chefe do Estado.
Ausentando-me, poia, ou com todas aa
pessoas de minha familin, eonservarei do
Braa a umic aautlosa JembrtulCM, mzvu-
do ardentes votos por sua grndesa e
prosperidade.
* Rio- de Janeiro, 16 da Novembro de
189.D. Pedro de Akantea.
a E' eom o coracSo partido de d6r qne
me aaato de meus amibos, de todos oa
brasileiros e do pas que tanto amei
amo, para coja felicidad') esforcei-me per
contribuir, e pela qual c intinuarei a fazer
maiff ar'en'es votos. Ro ^e Jnneiro,
16 de Novembro da 1839Ieaiel, Con-
deesa. d-Eu.
Disemos j qne o embarque do Sr.
D. Pedro de Alcntara u sua familia effe-
ctuou-se hontem, a* 3 harn da madraga-
da. A lancha que os i-eoebeu no caes
Piarouz, trnnip"rf'iii-(tf ^arn bord'>*'l*
corveta Parnahtfba, paia onde, acompa-
nbados do Sr. Bario de Ramirez Galvlo
e Andr Reboacas, tanaliem foram leva-
da marfil, os filbos do
os quai aaviam ficado
l
Jpa segnem para a
O RUuXudo sabio tarde e tinnft ardem
de esparar pelo Alagoat na altura de Cabo
Fro, afim de acompanhal-o at (Brisan
das aguas.
A Parnahyba, voltou da liba Grande.
O Alagoae dio tocar em nenhum porto
do Brasil.
Brao de Jaceguay O Sr. Bario de Ja-
ceguay, intimado na ndite de sabbado para
ir ao quartel general, ouviu do Sr. minis-
tro da guerra que hara contra elle denun-
cias dadas por pessoas dignas de toda a
consideracao.
Responden S. Ezc. que era tudo inexa-
cto ; qhe, se estivesse'na marinha activa,
teria adherido manifestaao de seus com-
panheiroB contra oa Srs. visconde de Ouro
Preto e Bario, do Ladario, nio contra a
forma de governo ; qne, mesmo se tivesse
certeza de congregar em torno de si toda
a arma, aio dara tal passo, pois a lacia
n&o podia^dar resultado, e a cansa eslava
julgada.
Obtejido, depois, anctorisacio para fal-
lar oomS Sr. D. Podri) H, dirigio-se para
o paerlk cidade. Acbava-se j alli o Sr.
tenenaVeronel Mallet, qne procurava con-
vencer o velho imperador a embarcar.
Sao vou, dizia este &ao so'u nenhum
fgido; retirar-mo hei do Brazil, porem, 3e
dia.
k- Desculpe-me Vossa Magostada, disse-
Ihe o t. Baflo ; o embarae do dia daria
azo i maoifestacoes...
."E sao muito naturaes, porque o povo
M mim.
,< U| certo; mas ao governo incombi-
p derer de repr i mil-as. Vosea Mages-
embarcaria do mesmo modo ; correra
sangne ; poeftria morrer alguem da familia
imperial.
. -- O senhor convencen-mefoi a res-
poeta do Sr. Dr Pedro II.
E continuon :
Bstnei cincooata annos e consumi-os
em ca#6gar mns governos. J eston can-
tatoza, adbjQ-ae sempre profflpta tuna
guarda de pos soa composta de cincoenta
pracaa.
Em aeto de mostra, o anidante desse
corpo, V tenente Vbrat DnaWn Hall,
por ordem do respectivo commandante,
capitio de mar e guerra ManhSes Barreto,
annunciou a toas as pracaa gtre- o gover-
no provisorio decretou ante-hontem a ab-
belo do castigo corporal na armada e a
aedoecao do tempo de servico dos imjre-
riaes, que pasta a ser de 9 annos.
As dnas medidas, de alto tino adminis-
trativo, especialmente a prrmerra, reda
mada como previdencia digna de homens
livres, foram recebidas com extremado dn-
thnsiasmo.
O commando do mesmo corpo baixar'
boje a necessaria ordem do dia, para tor-
nar esaa resol uceo conhecida de todas as
pracas embarcada.
Em todos os navios de guerra nacio-
naes foi hontem substituida, com as for-
malidades do acto, o pavilhao do imperio
pelo da repblica dos Estados-Unidos do
Brazil.
Os navios brasileiros que entratam hon-
tem a barra, vendo so fonge o aovo pavi-
lhao, como se mostravam indecisos em to-
mar o ancoradouro.
O governo, porem, -providencien, com-
municando-fbes a forma democrtica que
rege a naca e todos tiveram lirre pra
tica.
tes da opnb publica o levariasu saaafce
EXTERIOR
o oa e parte aa noite somaonservara no
largo do Paco, a essa horf^l o havia aban-
donado, havendo apenas pequeos grupos
nos pontos qne as sentinellas e patrulnas
permittiam. De distancia em distancia, toda
a praca estava oceupada por sentinellas do
corpo de polica e era percorrida por pa-
trulhas de cavallaria.
Eram qoasi 3 horas qnando ebegou uma
lancha a vapor ao caes prximo ponte,
das barcas de Maruhy e raqueta.
Pouco depois da atracada a lancha, sa-
l iram do paco duna senhoras e uma en-
anca, que nos disseram pertencer fami
a do Sr. conde de Motta fctaia.
Essas senhoras, depois de indagaremse
era alli o local do embarque, tomaram lu
gar na lancha.
Veiu depois, do paco, va jarosamente e
seguido de nma pequea forca de cavalla-
ria, um carro fechado, no qual ia familia
imperial.
O carro voltou ao Paco e n'elle entratam
as outras pessoas que acompanham o im-
perador.
A lancha silvoue parti em direccloda
Parnahyba, tundeada em trente ao arse-
nal de guerra.
sentou no Paco o imperador, visivelmen-
te alterado O como se ainda lhe custasse
acreditar na realidad* Aa* ractos, pergun-
tava succeasivas reces:
Mas qne isto, Sr. Mallet? O qne
foi que fazemos ? O senhor est doido Os
outros esto doidos! Diga; qual a miuha
culpa, de que me aecusam ?
A princesa chorava desesperadamente,
e, apoiando-se no braco do tenente-coro-
nel Mallet para entrar no carro, disse:
Ah Sr. Mallet, os senheres hio de
arrepender-se!
E cada vez mais presa dos solooos e
vertendo copiosas lagrimas:
O que faz, o que fazemos? Voa-me
embora... e levo tantas saudades do Bra-
sil, oeste Brazil que eu tanto ama!
iijt, s 9 horas
Sr. Conde d'Eu,
rv> pv du C'dade
A's 10 1[4, a Pamskiba snspeod< a
forro o sanio barra fr., rumo da liba
Grande, onde deria ujnardar o vapor
Alrnaae.
Eate saaoo do anooar i4oro da PraisjBia
s 11 horas e foi para c poao, de onde
O conde d Eu, mais calmo^apenas apres-
sava a partida, tratandokom a maior ur-
gencia de embarcar os da comitiva.
De resto nio pareca abatido.
O principe D. Pedroembarcou tambero,
o, segundo disse, levava apenas a roupa
do corpo, nio tendo tido tempo de
apromptar malas. .
Alem de Suas Magestades Imperiaes, o
Sr. conde e a Sra. condesaa d'Eu, e o
principe D. Pedro, seguiram para bordo
da cnhoneira Parnahyba o Sr. marques
de Tamandar, o 3r. conde de Motta Maia
o um filho, o bario de Miranda Reis, tres
damas e os camaristas Or. Jos Calmon
o conde de xiljoaur.
O tenente-coronel Mallet foi acompa-
nhado do capitio-ten en te Serrano e dos
alumnos da escola superior de guerra; 2.-
tenente Antonio Jos Vieira Leal, 2.- te-
nente Jos Rapbael Aires de Azambuja,
alferes-alumno Jlo Baptista da Motta e
alferes-alumno Affonso Doria.
A bordo da Parnahyba, ficon nicamen-
te com Sua Mr'.gesta'e o oapito tenente
Serrano.
Os principes, filhos do'Sr. conde d'Eu,
estavam em Petropolis. A's 3 horas da
madrugada o Sr. Lassance ielegraphou
para, aquella cidade, para que elle* fossem
conduzdos para o porto sem a menor de-
mora.
Tambero acompanham os siembros da
familia imperial os Srs. Bario e Baronesa
de Loreto.
O Sr. Bario de Ramiz Galvlo acompa-
nba os pequeos principes, de que aio.
O Sr. Lassance fioou encarregado de
embarcar todas as bgagens da familia im-
perial e da do Sr. Motta Maia.
Para isso o governo provisorio mandou
uAr a mi dispusci" <* cs<- l< e 1 nchas
precisos.
A partida do imperadorCerca das 9
1/2 horas da manhl, depois de recomidos
u bordo da Parnahyba os principes, filhos
lo Sr. conde d'Eu, que pouco antes ti-
.iham cbegtil.i'le Pet'0|^iiR ,.'.-, Estrada
de Forro do Norte, largou aquella cnho-
neira barra fora e seguio para a llha Orando,
onde devia esperar o Alagoat.
Para bordo d'este vapor
cedo transportadas as bagagens e sargas estiveram de
da fiunilia do imperador e de sua comitiva. I ante-hontem.
Tudo sso por-
que esta gente perdeu a caneca. S eu
conservo boa a minha cabeca branca. E
quero que se seiba disto que estow-lbe
dieendo.
iVo SenadoHontem, quando o director
da secretaria do senado ebegou reparti-
lo, soube pelo porteiro, que alli compa-
recer um official intimando-o a fechar a
porta principal, deixaado aborta a da se-
cretaria. v
Depois da intimaclo foi postada orna
scntinella na porta principal.
A's 11 horas compareceram os Srs. Pao-
lino de Souza, Lima Duarte e Andrade
Pinto, aos quaes a sentinella communicu
a ordem que tnha de manter fechada
porta.
A secretaria fechon ao meio dia.
{Paiz d 18)
Cheto de conviocSs, rodeado de toda a
xranquillidade, senhor de si e dos seus di-
reitos, o povo brazileiro levanta hymnos
festivos patria, renascida com o baptis-
mo de completa liberdad.
Transluz a alegra em todos os semblan-
tes e a expanslo popular casa-se o riso da
propria natureza, ilfuminada por um sol
que lhe d todos os tona do festival que
presenciamos.
Nesje concert unnime de acclamacoes
a lWtS^>ari",_wu*t4 a roroloylo oa nf
mentos nacionaes, recalcados durante mui-
to tempo.
Nessa atmosphera de luz, que o povo
aspira a plenos pulmoes, est a affirma-
tiva de um grupo cheio de engrandeci-
mento e repleto de prosperidades para to-
da a colleetiridade, que vai naturalmente
empenhar os seos maiores esforcos para
mostrarse digna da resolucio que por si
mesma tomou.
Com a aurora da liberdad deve ter nas-
cdo tambom no coraclo brazileiro a con-
vic^ao intima e inabalavel de qae agora
osis do qne nunca devenios trabalbar pelo
progresso deste paiz, porque laboramos o
adiantamento e o bem estar nos meamos.
Paz e liberdad por toda a parte con-
tina a nos aannaciar o telegrapbo, com-
municando-me qne entre vivas e acclama-
coes traternaes a nova forma de governo
proclamada em todos os Estados do Bra-
e Si da Pirata
Sio ooahecidas aa seguinte* noticias:
Parinro
Datas at 1. de Novembro.
Sabia se em Santiago, do Chile, por
communieacao do Per, que o contrato re-
lativo ao cancellamento da divida externa
foi approvado definitivamente em ssslo
do congrosso pleno.
Segundo c relatono da commissio mixta
de senadores e depuiados incumbida da
organisacio do orcamento para o anno eco-
nmico de 1890, o total da receita da re-
publica do Chile subir a 58.000.000 de
pesos, imputando se ao imposto sobre
salitre mais da terca parte desta consde-
ravel quantia. O augmento sobre o orca-
mento de 1888, de 4.000.000 de pesos.
Quaado entrn em discussio as cama-
ras o orcamento para o anno vindouro, os
novos ministros annunciram que tinham
feio reducf;3es de 9.000.000 de pesos no
orcamento apresentado por seus anteces
sores, reduzindo ou snpprimiudo as ver
has destinadas a servieos. nio autorisados
ni.
Nesta capital o dia de hontem foi ainda
de delirantes oblacoes.
O povo manteve-se em justo enthusias-
mo, sem que a presenca da autoridade fos-
se reclamada por acta menos lcito.
As roas foram peroorridas por grupos
precedidos de bandas de msica, saudando
todos Repblica, ao exercito e armada e
ao povo brazileiro.
A avidez por noticias crescia de. mo-
mento a momento, apezar de satisfeita in-
terrompidamente pelos boletins qae eram
atusados frente do nosae escriptorio.
Analto.Na madrugada de hontem,
cerca das 2 horas da manhl, tentarsm-se
dous desembarques, na enseada e praia
fronteira ao quartel do 2o regiment de
trti Iberia.
Na primera tentativa, ao presentirse o
pharol da lancha, cuja machina ero de bai
xa presslo, mal foi dado o alarme, retro-
ceden a embarcaejto.
Na segunda, quando foi percebida a mes-
ma lancha, j estava junto praia eo
furriel commandante do destacamento ape-
zar de nio ter ordem, tomn a responsa-
blidade da situaca e rompeu vmssimo
fogo de revolver, oem os seus soldados,
fogo tal qae pareca da carabinas Oom-
blaiss, tle nutrido era.
Da lancha, corresnonderam as descar-
gas em retirada.
Visto este sucoesso, multiplicaram se as
precauc3e8 nio s naquelle quartel como
tambera nos de cavallaria e engenheiros.
A praia foi coberta por artilheria, de
tal modo qne os fogos poderntm cruzar
n enseada e em todas as avenidas proxi-
Destaoamentos numerosos de infantera,
artilheria e oavallariain tomaram posicio
desde a ra Figueira de Mello, at a Pon-
te do Caj.
Em fim, aquella grande rea foi conside-
rada como da maior importancia o aun*
tarmente oceupada.
No mar.Oa aavios de gasrra naoio-
foram desde janee bo pasto a foeaafoaa da WiUsfaigaon
todaaaoitede
por lei oa qae nio tinham carcter de ur
gencia inadiavel.
O partido democrtico cobvocou uma
assembla para tratar da situaclo em que
a quahdade da immigraclo estrangeira
collocou o operario chileno. Nos discur-
sos pronunciados foram condemnados os
esforcos feitos pelo goveino para rednzir
os salarios collocando assim o operario na
cional em situaclo desesperadouraobligan-
do o a expatriar-se. As pesadas presentes
resolveram dirigir uma representacao ao
ministro argentino pedindo-lbe facilidades
para a emigracSo.
A junta do partido democrtico delibe-
rou convocar nova reunilo no intuito de
pedir ao governo que faca cessar a immi
gracao, evitando assim a expatriaclo de
uporarioa ihmmmm.
As folhas fluminenses publicaram os
seguintes telegrammas :
Valparaizo, 10 de Novembro.
O Sr. Fontecilla, presidente do conso-
Iho, declarou as duas cmaras que man-
tera neutraulidade as prximas eleicSes
Para a presidencia da repblica.
Valparaso, 16 de Novembro.
O congresso chileno approvou o tratado
de limites com a Repblica Argentina.
E' provavel qne seja eleito presidente
da cmara dos deputados Ramn Barros.
Rio da Praia
Datas at 5 de Buenos-Ayres e at 6
de Montevideo:
Na sua revista quinzenal o diario porte-
nho La Nacin, tratando da situaclo poli
tos, diz:
"t No meio desta situaclo de marasmo,
fizeram-se sentir sympathias salutares, pro
enrsoras de um movimento popular no sen-
tido de normalisar pacificamente a condi-
cao constitucional do paiz.
Em reunilo efectuada no thestro Saa
Martin, tendo cncorrido maia de 1.000
a continuar a poltica de evolucio .que se
inmicou para o paiz ha ji-tres anaos.:
* Sio antes motivos econmicos a &
nanceiros os taa tornam 7 paveroao o> pro-
blema da eleicio presidenciaL
Ha duas tendencias a esse reapaito,
que disputam a primasia,: a qne etapda.
ligar o governo a todos oa movimaotas
desordenados da especuladlo, atiraodo,
quando necessarfo aa torne, fnrnfiaae
bolsa, o monopolio da emisslo, como pri-
tal do Banco Nacional, s cdulas hypo-
thecarias e at os iaaeeetatee ttulos emitti-
OB para construogao de was-ierreas; "e
a tendencia que procura attear o governo
das aventuras finaneeim e cirewawoTever
sen papel s obrigaoee>qae' lhe sio pro-
pjrias.
Essas dase seadeacias eaaajsaaas
accentnar-ae de tal maneira que a resol-
ver-se o problema presidencial, ficas isa
plicitamente reseivido taosaesay segundo o -
lado a que se inclinar a assembla, se esta
taca de eurw, cerno o governo ansso cha-
mara recentemente a repblica, ter de '
fundiree em alguma collosaJ bancarroas,
oase pod eremos conserval-a pasa que be-
bi tranquillamente nells os voreadetres
elementos de progresso e qne Be assinfo
pai, es productores da riquesa, que roda
nos faltam no mesa grao que sobre ce
forjadores do altas artificiase e de ctrisea
qae se vio tornando endmicas forca de
Se reproduzirem todos os mezes. 'Affft&
t Fot usa grande besa que a assembla
legislativa, esa saa maiem ao meno*, te-
na* conservado sua atttae 1 jiniaalii *
a conserve ainda at vespora da eleicio,
porque assim ter sobrada oppoptiraidae
pasa medir toda a transcendencia da qi*a-
tlo financeira e econmica antes, de resol-
ver aqaelle problema.
As folhas do Rio de Janeiro publica-
ram estes telegrammas, entre outros :
Buenos-Ayree, 10 ala Novembro. :: u^.t
A amara dos depatados susteatou e
aaiamento dos projectos concedendo garaa-
tiaa de juro.
Adiou tambem a discussio do projecao
de arreadamente da estrada de ferro dos
Andes, contra o pedido do ministra da fa-
zenda.
O rice-presidente da repablica, Dr. Pel-
legrini, aqu esperado da Europa, por-
tador de um contracto de emprettimo de
oico Bssbdes delibras esterlinas.
. A polica prenden Vitaliano Ventri cesso .
suspeito de conspirar contra a vida do pre-
sidente da repblica.
A Sociedade Portugueza de Soeeorros
Mutuos far celebrar, no dia 19 de cor-
rete, solemnes exequias por alma do re
D. Lniz
A Oazeta Portugueza publica o retrate
do re D. Carlos I.
A colonia suissa deu principio s restas
Sara solemnisar o anniveraario da indepen-
encia da Suissa ; houve hontem baile a
boje grande concert.
O estado maior do exercito propia a
creacBo de um asylo de invlidos da patria.
O Hippodromo Nacional offerecea uma
corrida a favor da Associacio da Impreosa.
Montevideo, 10 de Novembro.
A liquidadlo de sabbado foi muito diffi-
dultosa, ficando adiada para quintar forra.
P"*
lhos heceasarios para estabelecer n'aquella
capital uma sociedade popular protectora
da hygiene.
Confirmou-se a noticia do aasassnato do
cara da povoaclo de Las Conchas, Andrs
Motter. O crime foi commettido por vin-
tanca. explicavam-o da seguinte maneira:
esde ha temos a.esta, parte os irmlos
Valentini premoditavsm o aasassnato de
Motter por vinganca de offensas.recebidas
em Trent, patria da victima e doa crimi-
nosos. Os Valentini encontraram o an
xilio dp coadjutor Zenone, que confessou
ter recebido mos tratamentos de Motter.
f Segundo o summario aberto pelo com-
missario de Las Conchas, diz um diario,
evidente qae s a vinganca presidid per-
petracao do crime. Foi Zanone qnem in-
troduzio os Valentini em baxe da cmara
do cura Motter, onde esperaram que este
dormisse. Foi tambem Zanone quem pre-
parou a posiclo do cadver pasa simular
o suicidio.
Na sua edcio de do corrente El Si-
glo, de Montevideo, trataado da situaclo
poltica, assim se exprime:
i J estamos a menos de quatro meses
da eleioio presidencial e anda a maioria do
corno legislativo nio quiz vincular-se a
nenhum dos candidatos indicados para
di eencher a vaga qne deixar o general
Tajes no dia 10 de Marco prximo.
c Cmaras e povo parece que temem
agitar a atmosphera eafaaa em qae vive-
mos e que se propnseram adiar a resola-
clo do nosso problema at a vespora do
dia em qne constitucional mante ter de
ser considerado aabride.
c Nio alo principalmente motivos de
ordem poltica qne expheam esse estado
excepcional de passtvidade em nm povo
acostumado a tasan- e pobtma todo o an-
no. Ha a asta raspaste a soaviojio de
que qualquer que seja a candidato vence-
dor, os piogtessos reafisados e aa eorren-


!
M
A polica
socialistas.
impedio nma reunilo de


Montevideo, 12 de Ngvembro.
A embarcarlo Drione abalroou a embar- .
CBcSo Ryponenm, soffrendo ambas grandes -
avarias. ., .....^ ,^
Constituio-se uma associacio crematoria.
Abrio-se a estacio dos baabos.
Buenos-Ayres, 13 de Novembro.
O senado approvou, ama emenda, o>ts-
prestimo municipal, e adoptou, porem com
emendas, o projecto do oroamento futuro.
A cmara dos deputados rejeitou em 3.a
discussio o projecto, multando aos deputa-
dos que nio compareeerem s sessdes. >
Montevideo, 13 de Novembro.
A liquidaclo da bolsa foi adiada para
manhl.
O Dr. Herrera y Obes apresenta-se, em
Janeiro, candidato presidencia da rep-
blica.
Buenos-Ayres, 14 de Novembro.
A cmara dos deputados adoptou, com
emendas, o projecto d orcamento do mi-
nisterio do interior; o mesmo projecto volts
outra cmara e provavel que as emen-
das sejam rejeitadas.
O presidente da Repblica assistio inau-
gurado da segunda baca do novo porte-.


pessoas, foi nmeada uma commiasio pro-1 J" ^ da"te o qual teocaram-
visoria pata se incumbir da fazer os traba- e vanos onnaes ; r Pr
dente da Repblica e o do Sr. Pedro Agote
presidente da companbia.
Uma banda de msica tocn durante s -
solemnidade.
Montevideo, 14 de Novembro. A
17o senado comeco a discussao do pro-
jecto sobre a emisslo de bonds hypothaca-
ros, fallando contra a emisslo os senado-
res Terra e Vzquez.
O governo prohibi urna reunilo socia-
lista.
Tem apparecido em circulaclo mu
notas falsas.
Buenos-Ayres, 15 de Novembro.
Fallecen o comodoro Sometiera. A po-
lica processa o jornal D. Qtsixote, por cri-
me de calumnia.
Montevideo, 15 de Novembro.
A liquidaclo nS Bolsa, do fim do mes,
se effeetnon hoje de am modo satisfatorio.
A colonia portugueza mandou uma placa.
de ouro para ser collocada sobre o tmulo
de D. Lniz I.
O paquete Victoria esperado hoje.
Buenos-Ayres, 16 de Novembro.
A noticia dos a conteci mentos do Rio de
Janeiro causn aqni grande sensaejto.
O governo conferenciou e deoidio qne
partase para alli uma fragata argentina,
as ordens do ministro Moreno.
O senado votou o orcamento da fazenda.
Chegou o vice-presidente da repblica.
Pelligrini. Em sua honra haver um grande
baile.
Montevideo, 16 de Novembro.
O general Tajes foi mnito felicitado por
ser hoje o dia do 3." anniveraario de sua
administraclo.
Buenos-Ayres, 17 de Novembro.
A tazado ouro 217 /?.
Ha aqni grande enthusiasmo em favor
da repblica brazileira; o mirtintento .pro-
exceento rmpreselo.
Por esse motivo promovem se grandes



.-'
I
J a
t


i
ormo
3UVC illut
miaaclo elctrica,
Terrninaran as featai snissas com grande
conoerto e tmbola e flnelisando com um
bafle.
Montevideo, 17 de Novembro.
O recenseainento da capital cometa a
naobS.
O governo recua a compra da estrada
d ferro do norte.
E' proTavel que a canboneira Suarts
siga para o Rio de Janeiro.
INTERIOR
Sul do Brasil
-. Tiremos ai seguiutes noticias :
Mulla firsuo q0*
Em consequeneia de reinarem febres de
mi carcter em Corumba, tem sido ex
pedidos do Rio de Janeiro vapores com
Boccorros medios e outrca.
lo raade do *nl
Datas at 19 de Novembro :
Acompanhado pelo tenente de liaba Jlo
Martins Teixeira, e procedente de Santa
Harta, obegou 4 capital o coronel Martin s
Helar, pronunciado como autor da tentati
. va de morte na peasoa do r. Ernesto de
Oliveira e Silva.
Foi recebido a bordo pelo major Osear
Gnimariei, que o condmio pare o quartel
do 13. batnalo. O preso de se m barcou
fardado traaendo ao peito algumas conde-
ooracoea.
Em reuniao dos accionistas do Banco da
Provincia, havida a 31 do passado e 4 do
corrente, foi unnimemente resolvido que
se elevasse o capital a cinco mil contos de
ris, para o que ficou a directora autori-
aada a emittir na praca 15 mil accoss ao
par, de 200(5 nominaos cada urna e a re-
querer ao governo imperial o direito de
esnittir notas pagaveis em oaro.
O juiz municipal do termo da Cachoeira
qualincou como fraudulenta a fallancia do
negociante nJU> matriculado Qailberme
Loeekann, porashar-se comprehendido as
bypothesea do art. 802, I, IV, V e VI do
cdigo commercial, e o pronunciou prisao
e livramento, ncurso no art. 263 do cdi-
go criminal.
Guilherme Losekann foi conducido preso
da ex colon a Santo Angelo e resolbido
oadei* da Cachoeira.
Por telegrammas recebido* do Rio,
sbese que o Estado do Rio Chande do
Sul adbero 4 Repblica, reinando completa
calma
a nt* Caikarlna
Datas at 9 de Novembro :
No dia 3 foi laocada solemnemente,
na capital, a primeira pedra do Axylo de
Alienados, estando presentes o presidente
da provincia, seu secretario e ajudante de
ordena, autoridades, deputados provinciaes,
senboras e grande numero de pessoas
grada*.
No dia 29 do mea paseado, em La
ges, por nma questSo de trras, Jos Ca-
bra! de Souza ferio mortalmente com um
tiro de pistola aeu tio Manoel Tavares.
A alfandega renden no mea passado
76:460*375.
O Estado de anta Catharina adbe-
ro tambem pacificamente nova ordem de
cotuas polticas.
Sfto Paulo
Datas at 17 de Novembro :
A respeito do lyncbamento occorri-
do em Araraquara escreveram ao Diario
do Rio Claro que foram dous os presos
/jachado* pelo povo.
delegado c e polica e o jais
to, com o aux lio de 16 pracas,
todos o esforc a para salval-os da colera
popular.
Nada consegairam, porem, o grupo que
asaaltou a cade a era numerosissimo e ar
mou se de pedru que foram arremessadas
contra 4a autoridades.
As pracas fu.eram fogo, mas nmbame
peasoa do povo-fiocu ferida.
Um padre bateu no rosto do juix de
direito que fico.i um pouco maltratado. ^
Abri se nquerito.
Um telegram ma expedido de RibeirSo
Preto para urna folba da capital refere que
a 9 do corrente, o juiz de direito da co
marca a requer .ment de parte, mandn
proceder a exi.me com dous peritos em
ivros de registro geral de hypotheca, en-
contrando em peeaimo estado a escriptu-
raclo dos meamos ; folnas em braneo e
intercalados mu tos borros e emendas, em
vista do que suspenden por 1 anuo o ta-
belliao official do registro, Antonio Sote-
ro, e ordenou que los:e remettido ao Dr.
promotor o auto afim de denunciar o facto.
Mandn publicar a sen tenca chamando
o interessado no registro prra legalisar
8eus direitos. O tabelliao Antonio Soteno
no dia 6 abandi nou o cartorio.
Lomo* no Corrtio Paulittano do 17 :
A' 11 hora* ta manha, sabio do edificio
do Club Republ icano a commiasSo provi-
soria, seguindo para a Paco da Cmara, a
tomar a pos se c inicial do governo.
la acompanhi da por grande massa de
reto e Adolpho Sordo, um oficial, repre-
sentante do 10.* batalhao.
Era impossi ve 1 4 multidao que affluio ao
paco da cmara municipal o accesso sala
das sessdes ; tal era a enorme massa po-
pular.
As salas, corredores, escadarias, as im-
mediacbes do edificio, todo o jardim da
praca da Asscmbla regorgitavam de
povo.
A alvinegra bandeira republicana tre
mulava 4 frente do paco munic pal.
o edificio esperava a commissao pro-
visoria, o presidente da cmara, com meo-
dador Domingos Sartorio e mais tres ve-
readores, os Srs. Carmillo. Joao Garca e
Theophilo Azaubuia, sendo tres conser-
vadores e um republicano.
Ao eutrarem 11a sala, o povo que a en-
chia receben os membros da commissao,
com palmas e vivas.
Tomou a pres dencia o Dr. Ranget Pes-
taa, tendo a seus lados o commeodador
Sertorio e Prudente de Moraes.
Debaixo do doce!, na parode, cm ves
do escudo imperial, liase o seguinte dis-
tico : Viva a Repblica.
A bandeira republicana foi trazada para
junto da mesa, por entre acclamacoes.
Aasistiam ao acto diversas senboras.
Installada a commiselo provisor a, pe-
dio apalavra o Dr. Miranda Azeveio, re
querendo que se officiasse ao commandao
te do corpo policial Henrique Macedo,
para mandar a blinda de msica do mesmo
oorpo.
Depois de um a demora de cerca de 3(4
de hora, tomou s palavra o Sr. Dr. Ran-
gel Pestaa que prometteu ser les.I e
fiel ao povo e 4 repblica, prometiendo e
affirmando tambem entregar o honroso
mandato, que lb era provisoriamente con-
ferido, ao poder constituinte
incumbencia de legislar.
Assim proiaetto e afirmo tenninou
o "oV. Pestaa, sendo muito applaudido.
O Sr. Dr. Prudente de Moraes fez a
pror
Brea sta.
O secretario da can
quii Roberto de Aaevedo Marques, leu
entlo o convite que a commissSo proviso-
rio tinha feito aos me"mbros da cmara
municipal pera reunirera-se em seis&o ex-
traordinaria.
Orou de novo o Dr. Rangel Pestaa
pronunciando um discurso-programma, em
que prometteu novamente empregar todos
os eaiorcoe em favor do respeito de todos
os direito?, da manutencao da ordem, do
desenvolvimento industrial da provincia e
do aperfe i coamonto do seu commercio.
A Repblica, cientfica como a once
be, firma-se, basea-se no progresso.
Pede, pois, que um apoio sincero e de-
votado venha fortalecer os que receberam
o ssandatOj os que se eaforcam pela causa
da democracia.
O governo provisorio nao demittir os
funecionarios pblicos, que alo patriti-
cos ; conserval-os-ha nos seus lugares
so quer a sinceridade no ser vi 50 publico.
A Repblica ha de levantar a patria :
o juramento ah fice.
Ennuraera entilo todos os membros que
constituem o governo provisorio da*aacAo,
indicando os seus mritos, os seus talos
benemerencia popular.
Termina levantando um Viva a patria 1
Viva a naolo I Viva a repblica! a provin-
cia de S. Paulo 1 o exercito a armada !
Seu discurso to ao finalisar saudado
com urna prolongada salva de,paiine.
lelo Sr. capitao Joaquim Roberto* foi
ontlo lida a asta da sessao que se ssil-
zava.
Do paco municipal dirigi ss a palacio
a commissao que ia na frente da massa
popular, hasteando o estandarte republica-
no o Dr. Americo de Campo Sobnnho.
Chegando a commissao 4 grade do jar-
dim do palacio acompauhada de numero-
sa multidao, do meio deas irrrnperam
vivas 4 naci brazileira e 4 repblica.
O Dr. Prudente de Moraes, acompa
ohado do Dr. Rangel Beataoa, destacou-
se logo depsis da granda massa de povo
e encaminhou se para o edificio, sendo
recebido no vestbulo pelo coronel Barbo
aa, que o a braco u.
Durante o espaco de urna hora,'"o Dr.
Prudente de Moraes estove em palaeie
com o Sr. 'outo de Magalhes, mandan-
do depois dizr ao povo que o governo
provisorio j4 se achara de posee da admi
nietrajio. ,-'
O general Couto de Magaflea retirou-
se em seguida do palacio, paseando por
entre alas do povo acoinpaahado do Dr.
Prudente de Moraes, do Dr. Leao Vello-
so e de alguna membros do partido libe
ral.
Durante a paasagem do Dr. Couto de
MagalhSes, que foi acompanhado at a
rua da Imperatriz pelo Dr. Prudente de
Moraes e grande massa de povo, levanta
ram-se diversos vivas nac2o brazfeira,
4 patria livre, 4 R publica.
O general Couto di Magalhacs despe
dio He do Dr. Prudento, abracando o com
lagrimas nos olhs.
Todos os cheles das repartieres pu-
blicas apresentaram se ao governo provi
sorio. '
Os commandantes dos corpos de per
que tenha a manentes e de urbanos puzeram-se as or-
| dos do novo governo prcvincial.
Sement hoje teve o coronel Mtffsa
coramunicacSo de haver sidn u>i*oai)n
membro do govern >.
COMMERCIO
Revista do Mercado
RkCIFZ, 25 DK HOVEMBBO UK 1889.
0 movimento foi aioda pequea
Os diversos mercados estiveram p irados.
Bolsa
JOTA^'OKS OFFICIAES DA JI.'XTA D08 COR
BECTOKE8
Recife, 25 de Novembro de 1889
Nao couve colao.
O presidente,
Candido C. G- Airoforado.
O secretario,
Eduardo Oubenx.
C'atsiltio
0 mercado esteve qoasi sem movimento, sac-
i ando os bancos ingleses a 5" I e o Nacional
a!7l/t.
Em papel particnlir houve pequeas traesac
cesaiT^lti. ...... ... .
No Rio o Banco Nacional saccou sobre f bao
co a 17 7/16 e sobre a filial de Londres a 871/2.
0 London saccou sobre a caixa matriz a 27
pe particular escasso a 27 7/16.
TABKLLA* AFF1XADA8
5
i
S
-
i*
5
i
5.
'

i


: S c

J_S_
y
u
5f ~
I 5
I s
e
8
r "

s
1
JL
S i
g -
I
sLLl
5 &
St*ii
w c^ -S5 I Si I ~
a i s "
Cota-se o de sorte do serto do 6t0
64200.
A exportacio feta pela alfandega ueste roes, al
o dia 21, attiniio a 34.33 kilosi sendo 210467
pan o exterior e 70.230 para o into;ior.
As entradas venilcadas at a data de boje, so
bem a HMl saccas, sendo por:
larcacas.....
/apures ...
iaimaes.....
/ia-ferrea /ia-ferrea de 3. Francisco
^ia-errea de Limociro
SomJia
1 788 Saccas
5i
3 29
571
58!
5.885
12 661 Suecas
Os procos pagos ;io agneultor, por 15 kilos, se-
cundo a Associco Coirueirial Agrcola, foram
-s seguimos:
Usinas..... 3<0 a
Branco 2#7U0 a
>omenos..... 200 a
sascavado pnrgado 1500 a
Brutos 1*000 a 1*200
letame ... *700 a *000
mez
em trem
\'nuuiiMM neje a nono.
A,' noite bandas de msica Rooreio
do Riachuelo e Iiecreio dos Artistas per-
correram as ras principaes, aoompanha-
das por grande massa d povo.
A banda do oorpo policial, precedida
dos officiaes capitao Ribas, alferes Fleury,
Accipli, Pereira Franco e outros, compri-
mentou as redaoSos dos jornaes, Club lle-
publicano, e outros sociedades, levantan-
do sempre enthusiastioos vivas, que iam
encontrar echo na inmensa rcultt iao quo a
segua.
As ras estiveram cheias e aprasenU-
vam uin aspeoto fes'.ivo, sob os 'oos de
luz elctrica e illuminacSes particulares.
Todos os edificios pblicos estiveram
Iluminados. -..,
Chegou hontem a tarde, vindo- de
Ypanema pelo trem ordinario dss 5 horas
e 35 minutos, o coronel Joaquim de So i
za e Morsa, membro do guverno p. ov.so-
rio desta provincia.
Trazia uniforme militar. Dirigi se ao
Grande Hotel onde janto.u Seguio de
pois, a pe, acompan iado por grande nu
mero de pass tas, pelas ras de S. Ben'.o,
Imporatrft, 'JoIIegio, at o palacio do Go-
verno, onde foi rocobido pelos outros
membros do governo provisorio, ao som
da marselheza tocada pela banda de mu-
sica do corpo de permaneetes.
Dpois de breve conferencia com seus
companhoiros de governo, o coronel Mur
sa tomou posie e entrn no ezercicio do
eargo para o qual havia sido acclamado.
Os Srs. Prudente de Moraes e coro-
nel Mursa assistiram ao espectculo que so
realizou hontem no theatro.S. Jos, com
g opera'-^-os Higusnttes.
w nteryailo, de Io para o 2E asto pro,
n amft ma enth'isiastic discurso e Dr.
Mrnqho Prado Jnior sauddo adven
to di Repblica, a orchsta ex<;cutou a
marselheza, e foram levantados vivas
naci e Repblica, do camarote presi-
dencial, pee Dr Prudente de Miraos.
t Mina licr,i *
Datas at 17 de Novembro :
-Em Juiz de Fra, assim que affixaram-
se fci.p-imeu'os telegrammas do dia 15,
huve imponente rcuniSo popular em fren-
te ao Gaf Aa Imprensa, orand i os Srs.
Roberto de Barros, Francisco Lins, Se ve
riano Hermes, ^felino Sillos, Campos Por-
to e Moraes e Castro.
Ao lr se a proclamacao official, s 9
horas da noite, for.uou-se u.n deslumhran
te prestito cvico, que seguiu em marcha
at a residencia do juiz de direito da co-
marca.
Erguidos vivas a este magistrado, asso-
mou elle i janella, sendo saudado polo Jr.
Moraes Castro, como juiz rect:> e justo,
salva-guarda do direito dos cidadSoj-
O soldado agradeceu commovedissimo e
terrainou por um viva ao povo dd Juiz de
Fra.
Anda em passeiata, continnaram os ci-
dadSos encorporados at a madrugada do
hontem, levantando vivas aos membros do
governo provisorio, a Rangel Pestaa, Fer-
nando Lobo e Pallete.
No Forum da adiaotada cidade mineira
perante enorm concurso de povo, o ad
vogado Fernando Lobo requereu que se
consignaste n>s protocjlos ainstallacao da
Repblica.
juiz de paz George-Grande reconhe-
ceu a, nova forma de governo e fez publi
car o editul de reassumir o excrcicio de
un -m rcru.
A' 1 hora da tarde, foi proclamada a Re
publica na sala das sesales da Cmara
oeeasiSo, ao ser procla-
nie-pal.
A exporlacSo, feta pela alfandega neste
at o da-i I. subi a 6.8V3.238 kilos, sendo ..
1.226.175 para o exterior e.t 617.061 para o inte-
rior.
As entradas verillcidas at a data de hoje, so-
bem a 179.126 saceos, sendo por :
Para Liverpool, C. P. de Leuios 128" saccas
com 11 64- kilos de aUoJo e 343 saceos com
13 500 kilos de caroco i de alodio
fara o tnler*oi
No lugar ingles M. Sur, carregaram :
Para Santos, P. Carneiro >.. ifi saceos
com 97 740 kilos de as.-ucir ma cavado.
No vapor mencano AlUanca, carregaram :
Para Rio de Janeiro, J. /. Soares & C 1.000
saceos com 120 000 kilos de assucar mascavado
No. vapor nacional acuhype, carregaram :
Para Baha, Ainonm Irmios 6. 100 barricas
com l.850 kilos de assucar mascavado e 1,230
voluntes com 101,659 ditos de dito branco.
No tiiute nacional D. Julia, carregaram :
3*100 Paa Cear, A. D. da Silva 200 saceos com
300 12,000 kilos de feijao.
26'H) | Para Camosslm P. Alves C. 9 barricas :om
U70 1690 kilos de assucar branco; E. C Bel trio &
Irmao 4 barricas com 628 kilos de assucar
brauco.
Na barcaca Thereunka. carregoa :
Para Parabyba, A, ?. de Eca i caixa com 8
litros de genebra.
a. cacas
Vaporee. .
Animaes....
Via-ferrea de Caruarb.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro .
Soairaa.
63.033 Saceos
10.854
4.563
61 935
38.741
179.126 Saccoe
agurdente
Cota-ie 841007), por pipa d 480 Utroe:
___
llisVll
Cota-se a 175*O>.>0 por pipa de 480 litros.
i
Coto-se a 0*000 por pipa de 480 litros.
Couros salgados, 340 rers, e os verdes a 210
rito.
Pasila la Alfaadega
SUUMA ck 25 A 30 DI NOVsUBBO O 1889
Vide o Diano de 25 de orembro
Xa vi as descarga
Barca nacional Mana Angelina, xarque.
Barca nerueguense GrU, carvo.
Barca alterna Anna, carv&o.
Barca norneguensc Lnutprhtg, carvo
Barca noruegnense Woye. carvlo.
Barca inglesa "ar of Devon, carvao.
Barca sueca Ebba, carvao.
Barca norueguense Nina, carvao.
Lugar allemao Harold, varios gneros-
Lugar ingles Mornmg Star, xarque.
LUpar noraegoens<3 Cari'*/? Eyabetk, varios
gneros.
Lugar americano Lucy A, Oaic, farello.
Lugar ingles Gtenbo'jn, bacalbio.
Logar iogle CltUka, baca bao.
Lugar ingles Vtdonia. bacalhJo
Patacho americann Tenerife, farinha do trigo.
Patacho diuamarquex Mete Katartni, varios g-
neros.
Patacho noruegnense Aalong, xarque-
Patacho holanda; Clara, xarque.
Patacho allemao CUUttne, varios gneros.
Patacho nacional llival. varios gneros.
Patacho allemao Fiio, xarque.
Patacho hcspsnhol Encarnaacn, xarque.
K:t|#safia
ciri, 23 IIWMii db 1880
Vtira o exterior
No vapor infles Dnate, carregou: '
. ...
Reuditaeutos pHbllcoa
mu na Movauaao
Alfandega *
Renda geral
Do dia 2 a 23
dem de 25

Renda provincial
660*776 *6*4
8 77O#S07 -
Do da 2 a 23
dem de 25
91701*515
3.913*20
Somma t>tal
689:547*191
96.614*719
786.114910
Segunda seccao da Alfandega de Pernambuco,
5 de. Novembro de 1889.
O thesoureiroFlorencio Demingues.
0 chele da seccAo Cicero B. de Mello.
Do dia 2 a 23
dem de 25
Rccehedoria gcral
34:853i758
1 123*275
*c
35:977*033
Reecbedorla provincial
ia 2 a 83 62:193*493
Do dia
dem de 25 14:436*938
76 630*431
Reclc Draluage
Do dia 2 a 23 3802*820
dem de 25 533*429
4:366*219
Mercado de H. los
Entraran) para o consumo do das 22 e23 de
Novembro de 1889 :
67 1/2 bois pesando.9,065 nilor, oceupando 69
tainos.
Precos do dia:
Carne verde de 200 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 1 #000 idem.
Sumos de >60 a 640 ris idem.
Farinha de 480 a 6)0 ris a cuia.
Milho le 440 a 560 ris idem.
Feijo de 9O0 a 1A200 idem.
Matadouro pabllco
Neste estaneleciiaeto Ibram abatidas
consumo de ooie 99 rezos pertenceutes a dtver*
ios marchantes
para o
Vapore a entrar
U. Z Lfc NOVEMliKO
Sul........ Atrato............ 26
Europa....... Rosario........... 20
Noite......... Para............. *i
Norte......... Alhanca.......... 26
Vapores a sabir
MK7, OE NuVKllURU
Soutliampton Atrato............ 23 as
Santos e esc Vdlede Rosario... 26 as
Sul.......... Para............. 26 as
Rio e esc-----Allianga.......... 27 as
Movimento do porto
Navios entrados no dia 24
Bahia c escala 7 dias, vapor nacional
Mrquez do Caxias. de 500 toneladas,
commandante Jos Bernardo de Souza,
equipagem 28, carga varios gneros;
a Pedro Osorio do Cerqueira.
Swansea33 dias, barca norueguense Ce-
ler, de 633 toneladas, capitao A. J. Tel-
lefsen, equipagem 13, carga carvao de
pedra; s Wilson Sons & O.
New-Port42 dias, barca sueca.Augusta,
de 433 toneladas, capitao E. Nielsen,
equipagem 10, carga carvao de pedra ;
a Wilson Sons & C.
New-York 60 dias, Jugar americano
Edward Johnson, de 380 toneladas, ca-
pitao John 8. Warren, equipagem 7,
carga gai e breu ; Ferreira Rodrigeos
A\
Rio de Janeiro6 1/2 das, vapor nglez
Donato, de 870 toneladas, commandante
James Ulasspool, equipagem 27, em
lastro; a Blackburn Needb^m & C.
Navios saludos no mesmo da
Rosario de Santa FePatacho, americano
Teneriffe, capitao S. Sinall; carga as-
sucar.
* Dia 25
Cear. e escala10 dias, vnpor nacional
Una, de 268 toneladas, commandante
Alfredo Monteiro, equipagem 29, carga
varios gneros, Oimpanhia Pernam-
bucana.
Trieste e escala24 dias, vapor austraco
Plluee, de 1361 toneladas, comman-
dante A. Orlandi, equipagem 48, carga
varios ger eros a Henry Foreter & C.
Cardiff 42 dies, barca norueguenie Lo-
vetand, de 404 toneladas, cipitao Q. L
Tbomsen, equipagem 10, carga carvao
de pedrea Wilson Sons & C.
Trieste e escala39 dias vapor austraco
Lucifer, de 369 toneladas, commandan
te.'Cr. P. Francieck, equipagem 23, car-
ga farinha de trigo, ordem.
Havre e escala20 dias, vapor francs
Ville de Rozario, de 1555 toneladas,
commandante A. Delieu, equipagem 37,
carga vrice generes a Augusto La-
bille.
Navio sonido no mesmo dia
Montevideo Polaca Hespanhola -4na,
capitao Juan Raola, carga assucar.
Por esta
mado o eidadao Azarras Jos de Andrade
governador da cidade, o De. Fernando
Torres, juiz de direito da comarca, decla-
ren' solemnemente adherir nova forma
de governo.
A' noite dos dias 15 e 16, Iluminaran!
quasi todas as casas da cidade.
(dor, fallaram o acadmico Cal
.Na cidade da Leopoldina, foi enthusias-
tic.imente festejada a noticia da projlama-
co da Repblica.
ssio de ilasselro
Dataa at 18 de Novembro :
Alm das noticias referentes ao grande
acontecimento de 15, as quaes vSo com-
pendiadas -pa rubrica Diario de Pernambu
Jo e ontro
cujo nonie ignoramos ; e finalmente, no largo da
Academia, failaram os academices Alcebiads
nada
da mais de importancia referem as
di Espirito-Santo
.folhas
Kpirtfo-Sa\nto
Datas at 12 Ja Nuvombro
L-se na Provinci
do 12:
No domingo, com pequeo intervallo,
cahiram sobre a cidade duas grandes tor-
mentas, urna pelas 2 horas da tarde e ou-
tra cerca de 7 huras da noite.
A manhS, no emtanto, fra esplendi-
da; urna bella manhS Iluminada e sorri-
dL-nte, como soem ser as manhSs da pri
mavera, nestas regioes.
A temperatura, porra, desda cedo
elevo-se sensivelmento, at que 1 hora
du tarde, repentinamente, transformou-se
o tempo e urna trovoada acompanhada de
forte vectania do Sul e alguma chava, ca-
bio sobra a cidade.
A' noite, nova tormimti e^ desta feta
mais demorada e intensa. -
< Alguns estragos produzio a ventana
nao mattas circum^jeinhas. Sesgando nos
informam cahiram algumas taiscas elecJrL
cas all e aj mar. > ". ^1
Telegrammas de 16 a 18, diStem q'ie
esse Eatado adberio Repblica, sendo
mantida a ordem.
REVISTA DIARIA
1'iomolorei publiru -Por actos do go-
yeriiu iu iuii.ri.ij do Bstudo, de noutem datados
foram exonerados os saguistes promotores pu-
biios:
Antonio Cesario Ribeiro, da comarca da Vic-
toria ;
Bacbarel Marcoliso Ferreira Lima, da de Pao
d'Alno;
llachirel Jos Donato Gomes Tjrrei, di de
Jabuatao;
Bjcliard Eutropij Goncalvci de Albuquerque
Silva, da de Palmaras;
Gidadao Ljorenc i de Carvallu Araujo Ypi-
ran#a. da de Bom Conselo.
Por actos i mesma^iata furam nomeados
promotores pblicos:
Da comarca da Victoria, o bicharel Antonio
da Rocha ll)llauda ^avaleante ;
Uj de Pao d'Alno, o bacliarel Hygino da Silva
Gusmo.
Da do Jaboato, o baeoaiel Eutlies Bernardo
Quinleiro:
Da de Palmares, o bacbarel Manoel Henrique
Wauderiey;
Da do bui Conselho, o baciurei Fausto de
Barros Correia.
Fjr-m coajidiralaa sem effeito as porta-
ras de (9 do corrente pelas quaes foi exouera-
lo o bacbarel Jos de Moraes Gudes icotara-
Jo, do cargo de promotor paolico de Oliuda e
uomeado para uostiiuil o, o bacliarel ygiuo da
Silva Gusino.
Multotitulco deJulxc nubutiluto
-Polo gdveraailjr mtei ino do Espado de Per-
nambuco, foi expelida a seguiute portara:
2* jcsaj.Palacio do governo di Eslado
U governador iaienno do Kstado, para execue)
dos artlgos 3* e t" do dec>eto n. l.Sii. de ii du
Movwnbro Uo 1V1, rr.wlvc determinar quo uo
prximo auiu de 1890 o 2* juiz substituto da
comarca do Rucife coopere com o ju'z de di-
reito da vara do commercio e o 3 com o juiz de
direito da vara da fafenau, ocaiido uesta parle
alterada a portara de lo do corrente mez.(As-
signado.) Jos Cerqueira de Aguiar Limi. *
acta do governo decataidoForam
aotneaioj pa?a a Tliusoararia de Fazeoda do
A.oz jna3". J eacripiurario, o 2* da Alfandega
de Maoos, I.-ineu Costa c Jos Pmm de Araujo
Kebello Juntar e praliante, Domingos Francis-
co Soares.
Foi aposentado Antonio Caetano da Silva
Kelly no tugar qae exerceu de tnspecior da The-
sourana de Fazeadu da provincia ie Pernam
buco.
Foram noneados para a Alfandega de afa-
naos : 1 escripturaiio, o 3* da do Pt Jise
Huhiin Garvalho G'ii1inraes; 2o esetipturario,
Krjici .co Telles da lo .ha ; urficial de Ues sirga,
Jovite lympio de Carvaluo Rabello.
Foi uomeado i* <;cripiara io da Alfandega
do Pari o i da de Minaos, Ignacio Pinheiro Tei-
xeira.
Forum nomeados pira a Alfandega do Cea-
r : 3* e.-criHurao, o olli jal de descarga da
mesma repartigao Jos.'' Piulo Montenegro e uri
pedes Padilba para este lugar.
lOneodeu-se a Francisco Emygdio da Mot-
a exon-.-racao do lugar de porteiro da escola
militar do Cear, seudo no meado para o referido
lugar Jos Lino de Pau a Barros.
Foram promovidos : a chefe de diviso, o
capitao de m ir c guerra Basilio Antonio de -
queira Barbdo; a capitao de mar e guerra, por
iiitiguidadv', o capilo Je fragata, Jos da Cunda
Moreira; a capitao de fragata, por merec men-
t, o capitao-tenente Manoel Lourenco da Caa:ro
Rocha; a capitao lenle, o i tenente Joaqukn
Thomaz da Silva oelbo; e a Io tenente o 2 te
neute J-jao Carlos Mourao dos SaatoC, estes
dous por anguidade.
Foi uomeado ebefe de seccio da reparticio
do quartel-mestre general o leneote-coronel do
corpo de estado maior de i' classe Jos Frao-
cicoCoelio.
reata arudemica Realisou-se. antelion-
lein & Urde a grande procissao cvica que fra
projoctida pelos acadmicos da Faculdade de
Dir ito, para commemorar o feliz advento la Re-
pblica Brazileira.
A's Sel/2 horas da trdeco uecaram a aTluir
para o largo da academia, aotiga praca do Col-
iegio. as pessoas que deviam compor o prestito.
a's boras estando elle definitivamente for-
mado, destillou na ordem seguate; frente as
bandas de mu i;a do Arsenal de Marinha e do
corpo de polica, sjguindo se o pendi da aca-
demia, condusido por orna commissao de mocos
acadmicos, e logo depois todo o corpo acade-
mico, levando todos os estudaotes fachas ver-
melbas A tira eolio e bandeirolas de cores vana-
das, leudo cada urna um nome celebre de bo-
rnees jue pugnaram pela Iiberdade.
Em pos ia as bandas de ma sicas dos menores
do Arsenal de Guerra, 1* e 14 sendo seguidas
pela oflicialidade dos corpos da guarnicAo, da
polica, do corpo de bombeiros e diversos ho-
norarios e reformados do exercito.
Fecha va o prestito enorme massa de ciladaos
de todas as casies, formando nma cauda im-
mensa.
Calcula se em 2,800 pessoas o grupo com-
pleto.
0 prestito seguio i risca o itinerario annun-
ciado.
Na rua Marcilio Dias, orou, de um sobrado,
o tenente Barrsto Lins: na rua Visconde de Al-
buquerque orou, da janella de um predio terreo,
utuartista, cujo nome nao nos soubsram dizer;
na rua Velha, fallara o aca^mico Americo Rl
beiro e o cid. dao Artliu.* Bahia. parte do Club
Republicano Frei Caneca; na rua Visconde de
Pelotas orou o acadmico Luiz Fernandas; na
rua Visconde doRio Branco (Aurora) recitarara
lindas poesas os acadmicos Baplista de Olivei-
ra e Brito Ingles; na mesma rus, e da secreta-
ria da polica, fallaram, finalmente, os Drs. Coa-
la Ribeiro e Martina Jnior, que ambos proferi-
rn! importantes discursos na rua do Impera-
Pecanba, Baptista de Meleros, Sergio Lorcto e
Almeida Jnior.
Todos os oradores foram muito ipplaudidos e
victoriadoB, reinando o maior entliusiasmo du-
rante toda a ffesta, que terrainou 4s 7 hora3 da
noile. hora em que dissolvea se pacificamente o
prestito civico no mesmo largo onde se orgaai
sara.
Releva dizer que aquelle enlhusasmo tocou
quasi uo difiri em rente casa de residencia
do governador do Estado de Pernambuco, da se-
crearii de polica e no largo da academia, sen-
do muito acclamados o governador e o cfaefe de
pelicia, bem como o exercito armada nactonass
os Estados Unido i do Brasil e o povo pernam-
bucano.
O aspecto do prestito era deslumbrante, espe-
cialmente ao escurecer, quaodo foram accead-
dosbulcs venestanos.
A festa foi, pois, deliciosa, e deve ter deixanO
as mi-Inores impresses no espirito publico.
ReuniAo -informam nos que os Srs. coro-
nel Ca los Magno, capitaO Justimano Rocha, ca-
pilao teoepie Cawlro Menezes e t' teneute da ar-
mad >. Sbiefler assenlaraai convidar aos oflici-.es
la guarnicAo de mar e Ierra desta capital afim
de nomcarem dentre si commissOes, que, reuni-
das post riormeote no quartel de ca vallara, tra-
tem dos meios exequiveis de desenvolver entre
nos o pensamentu aventado na corte de resga-
'ar a'divida externa do paiz.
Aullados dignos miliares grandemente
louvavi-l e inpira-secom certeza em intuitos que
Ibes honrara os enlimeutos de devofo aos in-
teresses da comiranhO braiireira. ,
s* flcaco do leito dessa ponte requer prompta re-
para gao, para evitar- se a continuaco de desas-
tres, tais qual o jue anda no domingo ultimo
pel.'rf 6 horas se deu, cilnndo co rio por um dos
buracos existentes no mesmo leito urna crianca
de daaos de iJade, com fractura da espinha
dorsal, segunda s iuforraaces que nos trans-
muten). -
' Um desastre da ordem notada que pode ter
consequeni ias faiaes, um aviso doloroso que
nao deve i-cr desairado, com prebende-se bem.
Se mt'nore^j*eparos nao po lera ser exeeula- "
do.'ao'mVaws sejam por agora e pro'mpamente-
tajado? os mencionados huracos, cujo dispendio
ser miniado e deve preferir a outros porventu-
ra menos urgentes.
A Favorita E' nm novo estabelecimenlo
de miudezas ltimamente aberto rua 1* de
itarjO n. 2o ao eupprimento publico, que nelle
ncoolrar sempre grande sortimento de mer-
caduras da especialidade do mesmo estabeleci-
menlo.
S-Mis oroprietarios garantem commoddade de
pregos e a f xcellcncia do sortimento.
Podero os connmidres, no eotretanto, apre-
-.al o por si, indo at a Favorita. Nada perde-
rlo com isto, ao passo que tirarao a prova da
p romease.
Correceo-0 eidadao vereador da nossa
muuic{alid'ade Atexandre Americo de Caldas
?adilb declara nos que a transferencia de le-
:i. minagao que propuzera praca do i onde d'Eu
''.-a psra a de Maciel Pinheiro, e nSo Ricaido
Guimares.
Assim dissemol o por informacSo que nos
trouxeram. mas ninguem mais competente que
o eidadao allndido, coja recti icaco aceitamos e
fazeraos noticia anterior.
Festejo* de Tiicipi Commu licam-
nos :
Conforme fra aniunado, realizon-se na
noi'e de 23 do corrente a mirclte aux flimbeaux
com que os moradores e passalores de festa de
Tigipi resolveram leslemunhar seu regosijo
pela tastituicAo do rgimen repblicaoo no Bra-
sil.
No trem da ferro va de Caruar parti
desta cidade a musir do Arsenal de Guerra,
que all chegou as cinco e meia horas da tarje,
sendo rebebida na eslago com fogos e acclama-
gOes po miares.
t.'ahi seglo em direitura ao largo da igre-
ja, que. como outros pontos do povoado, se
achava eleginiemeute adornado com arcos e
posles de folhagens, galhardeles e oandeiras-
A's 0 horas sahio o prestito, precedido de
grande numero de senboras que, reunidas aos
manifestantes, indo uns e nutra; com balOesi-
iilus aceos e multioores, percorreram todo o
povoado, e eiitiiusiasii<'emciite correspondiam
aos innmeros vivas que iirompiam da mullid Jo
a Repblica, ao general Deo loro, ao exercito e
armada, ao general Cerqueira Lima, ao Dr. Mar-
ns hinior a a5 povo pcrnaartracaa i. rj estan-
darte toi ron luzdo pela lilba do Uado dem-
crata Core Real.
Em todo trajelo oronunciarara discursos es
seguintes Srs. : acadmico Gotigalves Lima, ca-
pitao Gjstnao L>bo e cidadaos Constaolioo Bar-
reto. Antonio Augusto, bacharel Monteiro Lopes,
Xavier Carneiro, professor Alfredo Reis, typo-
grapho Joao Balbino, acadmicos Symphronio
Barros e Virginio Mendos e alferes Seeioo Viei-
ra, sendo todos applaudidos.
Ao chegar a marcha i estagao da linba fr-
rea, ponto de.-ignado para sua dissolugao, ora-
ram anda o bacharel Monteiro Lopes e o acad-
mico Gongalvcs Lima, c, sendo ento chamado
iiovamejiie a tribu ia o capitao Gusmao Lobo,
pronu'iciou um improviso que despertou estre-
pitosos applausos.
Findos esses dis.ursos, urna commissao do
povo pedio ao capitao Gusmao Lobo para expe-
dir b seguinte telegramma :
< -o Sxm. general governador interino do
E3lado de Pernambuco.Tigipi. 23 de Novem-
bro de 1889, 8 boras da noite. Os moradores
deste povoado c oulras pessoas agora r. unidas
era solemne nvanifestaco pelo advento da Re-
publica Brazei-a, pedem me para saudar a V.
Ekc na pessoa do niclylo general Dcodoro, go-
vernador geral interino.(Assignado) A. G. de
Gusmo Lobo.*
< Transmitido esse telegramma, o bacharel
Monteiro Lopes propoz ao povo que o mesmo
capitao fizesse urna outra mauifestac/o por es-
cripto ao governo provisorio do Estado, asse-
gurando-lhe que os manifestantes presentes
erara adhesos i poltica constituida, o que fci
aceito unnimemente.
Na parle exterior de varias casas se acha-
va collocado o busto do general Deodoro, e em
muitas outras a illummagao e ornaraentacao
eram esplendidas.
A' noite todo o povoado apresentava bri-
lliante aspecto peta va-iedade de sores e profu-
so de luzes em lampeOes de todos os tama-
nhos.
Durante esses festejos reinou a melbor or-
dem possivel, prova evideotissima da boa indo
le dos habitantes e passadores de festa de Ti-
gipi.
Nub^crlpro popular Os cidadaos Do-
mingos Joaquim Seve e Vctor Moreira Lopes to-
ma rara a deliberagfto de iniciar um i subscripgQo
popular, cesta cidade, sera disecgao de classes
e cores, para corresponder s vistas do exercito,
no sentido de ser paga a divida externa do Brazil.
Tendo comegado sua faina ante hontem, aquel-
es cidadaos ja coUirram muitas assignaturas e
teera recebido as respectivas importancias, que
serSo recolliidas semanalmeote ao Banco Nacio-
nal.
Entre aquellas asiignatnras acbam-se as do
governador do Estado de Pernambuco, do Dr.
chefe de polica e de entras autoridades do Esta
do, e diversos parlicularcs.
Desejamos sinceramente que a patritica idea
daquelles cidadaos fructifique, e que (oda a po-
pulngao corresponda lio generosa iniciativa.
Entrada de ferro do Beelfe a Ca-
ruar Por portara do Ministerio da Agricul-
tura, datada de 24 do corrente, *. cujo theor foi
communicado respectiva directora pm tef
gramma da mesma data, foi exonerado do cargo
ele chefe do trafego e da locomogo aessa ferro-
va o ongenhero Antonio Carlos de Arroda Bel:
trao, senlo nomeado para subslituil-o o enge-
nheiro Pedro de Figueiredo Rocha, que hontem
mesmo assumio o exercicio de seu novo cargo.
Por portara da directora, datada de hon-
tem, foi nomeado ajudante de 2.* classe o enge-
nheiro Joao Evangelista Carneiro da Cunha.
Prolongamiento dea estrada de
ferro de 8. Francisco e cifrada de
ferro de Caruard Assumio hontem inte-
rinamente as funcge3 do cargo de director en-
genbeiro chefe dessas linhas frreas o respectivo
i. engeoheiro Dr. Jos de Carvalho Almeida,
viito ter solicitado sua exonerago o Sr. enge-
oheiro Dr. Aarao Leal de Carvalho Reis.
Passou a exercer, tambem interinamente, as
funeces de is eogenbeiro o Dr. Lucio de Frei-
tas Araaral
^'1

L
i
b


*m
M
.nejro,
ir
IV
JP;

100:000i000
20:0001000
10:000*000
*:000*000
3;0O0M00
I

;ttam
para onde vemenle
ffr~"T"" -"""'"" pelas S horas d
tarde foi o honra Jo Dr chtfe de policia aira de
ama esplendida nanifistcSo por parle da i.'
estatu da guarda cvica. A estacao aciava se
lindamente ornac.a, e ao approxtmar-;e o Dr
coete de polica ftiram erguidos /vas Repbli-
ca pela guarda que .chavare postada exterior
mente. Em seguida foi ffrrtado ao mesmo )r.
m quadro bordauo* l cora a inscripcao-Viva
e Dr. Mrtir Junior e ax. pr de intercssantes
jarros.
Corarlo Iiivre o Popular A sorteda-
de Carabao Livre e Popular foi compriinentar e
felicitar honlem o Dr. chele de polica.
AreodaCaacclf N'essa c; pella sera
basteado na sentir da-fcira proximii o estandarte
da feslividade da S.-nhora di Concucao, rene
rada na referida cipria, teodo lugar nos das
seguales a respectiva novena.
Por occasiao d'anuelle acto preparatorio toca-
rao as bandas toarciaes do corpo de pjlicia e do
14 batalhao J linba; e s noites da novena ha-
ver- fogos de be.igi'la e outros enlreienimeqtoa
populares.
f^Uollac* Os empaegados da typogra-
phia d'O Norte e redactores do mesmo joras!,
coid grande concurso de outros amigos foram
no domingo, anni versa rio natalicio do Sr. Dr.
Mari i m Jnior, comprimen tai-e, felicitando-o por
esse raolivo.- V
le uua felijjfornea d'aqui lies seus amr-
gos, que lay faraiulevar uss.ni urna prava de
estima e conaiieracio.
Por esii occasito houve djvfrsos discursos,
respondendo o Sr. Br.Martn* Jumor-cal elc-
quqBtes palavrus, ouvidas sob rstroodosis ac-
ao 6 "if lio significativa e honrosa mani-
festacao realizada oo edificio da policia, onde
achava-se S. S, foi locada jAarselbea pela
banda marcial do corpo de poli'-ia, que lora a
frente dos manifeUantes no sen transito quelle
editlcift.
Trlrtraana-Da Paratyba, e sem assig
natara, recebe.oos o seguinte eagrarama -.
Parakyba, 25 de Novembro, 9> 1 horas e 10
minutos da manila.
Consta ser candidato Conrtituinte pelo Es-
tado de Pernambuco, o juiz de dimito Dr. Andrc
Cmlcante de Altomierque, que W acha entre
nos..
Perro va do Kecife ao S, PrnarUco
-Recbenos e agrale.'emos dous recatnos im-
pressos e publicados em Londres, .obre os ne
godos da ferro via do. Recite ao S. Francisco (li-
nba inglesa). RelereS-se ambos a semestre
findo em 30 de Junho ao corirnte anoo..
tranU. lotera do Hio de Janeiro
A casa Iote ica do Sr Hartios Flua ra 1*
de Marc), receben telegramma dando os seguin-
168 nmeros como premiados na 2* sene da
Sande lotera do Rio de Janeiro:
.981
37.819
18.17* rvrV
137*5
36.498
Kijr i.ciiucp RLes artistas, que tanto
agMriVrlm>rt "errrambucojjSembarcam boje no
wqaete Par, esperado do frOtte, com destino a
Bohia.
Desejames Ihes prospera viagem.
Connrru de Bum Jurdm -Do cartas
que acabamos de receber de Bom Jardim, firma-
das por pessoas Hiediznas, sabemos que foi so-
lemnemente proel.imada a Repblica no dia 23
pelo respectivo juix de direito da comarca
Annanciada uuia audiencia extraordinaria,
comparecerra todas as autoridades pe.;soas de
odas as classes c a fot^a policial. Foi oficia]
mente proclamad;., a mu-langa do rgimen poli
tico no meio de vivas e acclamacoes.
Entao o digno magistrado, Dr. Ges Cavalcan-
te acoDs- lhou a todos o esquecimenlo dus des-
gostos partidarios e harmona para bejn servir
a Repblica.
oi seguida reuoio-se a maioria da cmara
adheriado enihusiasiicaiuente. aova forma de
overno. ,'
Feilo ieto, anda o Dr. juiz de direilo mandou
publicar por editaos que a justrea publica seria
rigorosamente dit-tribuida em uome da Rep-
blica, protestando obedecer a lolalidadj dos
funcionarios presentes.
ato o juiz de direito da comarca de Bfm-
eoamiunicaram tala n
rrido aol'IJpvrnador do* Estado de Per
imbuco, congratulando se com elle.
Servico militarEstao designados hoje
p.ri superior do da o cidadao major Al ves e
para rauda de visita um subalterno do cavalli-
ria.
O 2" batalho de infantera dar hoje a
guaroico da cidade.
Tem de comparecer hoje s 10 horas do dia
na delegada do cirrgiao-inr do exercito, alkn
de ser inspeccionado de s de o cidadao teueole
ao 27- botalho de infamara Jos Joaquim de
Agniar.
Nos requenmentos dos cabos de esquadra
do 2* balalbao de infantina Francisco Alexan-
dre da Rcba e do 14* da mesma arma Jos Mi-
guel, este pediado 15 das de liceoca para tra-
tar de negocios de seu parcurar inieresse nes-
te Estado e aquelle (ambem pedindo para man-
dar passar secunda via de litlo de engajameolo
por ter perdido a primeira o cidadao-coronel
geveroador deu os despachos ii'guiotes : ao pri
meiro, passe, nao havendo inconveniente e ao
segonlo, indcferilo.
Entregoa se liontem ao J* batalhlo de in-
fantaria as uias de soccorrimeoto das pracas
Sne se recolaeram da deligencia do Estado do
io Grande do Norte.
Tev trez das de dispensa do servico o S*
cadete 2 sargento do 2* balalb&o de infantaria
Bartholomeu Engento Muniz Wanderley.
Cicaram a disposicao do cidadao teneite
coronel commandant JJ balalbao de infan
laria iliin Je serem severamente ponidos os aus-
perndfa Jos AntoaU Nones e Joiu Luiz Pe reir
scidados Jos Antonio da .-Iva e Cuetano de Ol
veira Cunha, por lereo provocado* dtsiurbiof
hentem, na ra.
Maudou se que o 2 bataUjaj de infanta/i'
lizesse delacar para Garanhuus, um ofM'ial su
balterno.
Em dala de 22 do correle leve 3 mees de
liceo(m, para tratamento de saJe o cida lo ca-
pilo-ajuiaiile do 14* batalhao de infamara Au
gusto Frederico Pereira de Carvalho.
Verificaran! pracas non teto no quartel do
commando das armas 10 paisanos.
/mador da Parata?* Concta
qnei pelo (acto de nao ter segu o logo para o
tri-ilto Edado la Parabyba, do qual lora no
aezdo goveraador.o Dr. Albino Goocalves Meiro
di Vasconcellcs foi destituido desse cargo jr
ecto do Geverao Provisorio des Estados -unidos
do Brazii.
' Cansara Hnniripal do BrcfeDo Ci
aiiao Joaqoim Jos Ferreira da Rocha, secreta
ro da Cmara Munt apal do ReCtfe, recebemos o
segninte fficio, que publicamos para servir de
rjetJhYacSo i noticia a que elle se refere.
N. 397.Secrttario da Cmaro Muniapal io
R-efe, 25 de Xocembro de 18891-IUm. Sr. Re
*' clor. De ordein do presidente da Cmara Mu-
ii cipal do Reclfe venhe dar iciencia a V. 8. de
que a cmara nao trabalhou no sabbado, 23 do
corrente, em sessao secreta, como mal informa-
do noticiou o Diario de Pernamlmco; a cmara
eou seis d'entrc os seus membros para faxer
o projecto de orcameaio paro o exercicio de
{890 o qual lera de ser discutido em ses>ao pu-
blica para, depois de approvado. ser submettido
sanecao do Governador do Estado de l'ernam
bceo.
A coramii'sSs est confeccionando o referido
nenio, e para isso fas suas reunioes.no pa
la Rimara por ser ponto commuma todos
i-eadores.
< Eis u que ha de verdade, para que V. 8. se
> de ratificar a noticia.
Svrtide efraternidade.AocidadoDr. Felip-
igueroa Faria, mnito digno redacter do
io de Pernambucxioaquim Jos Frrena
aH, secrettirio
impreaaa- Recebemos do Rio de Janeara :
N 13 Mtio, pampnletos pehUcoa, que d*-
m lempe alli sao publicados.
de Novembro, d'A Vida Flumne*
.iustrada.
de 20 de detembro, d Mutracao, m
ressa em P-irrs.
urV*- bikiio-kij o resultado
plenamente.

_fini do Aiev
*-BBjBfee 5oua""Leo, simptesmente.
I^^^^H^^pTvaHio Nobre, dem.
Jeto Joaquim Coma de Oliveira, dem.
Luis Aramia de Vasconcelloe, idea.
Sf> onno
Antonio Barbosa de Soasa, plenamente
Praocisco Carlos Rodrigues, dem.
AU-erto Castello Brauco, dem.
Eduardo Eugenio Dantas Barroca, idem.
Joaquim Guedes Correia Gondim, idea.
Pedro Jorge Nolasco lereira da Cuaba, dem.
Jos Mariauno Correia, simpleamente.
3" anuo
Abel Vas Pinto Cavvath da Cnonc, plena
Joaquim do Prado de Sampaio Leite, si
mente.
Alvaro Rodrigues Vianna. dem.
Joo Bapttsu Costa Carvalho Frlho, idem. -
Joto Baptista de Medairos, idem.
'anno
Joo Nazareno Caroeiro i ampello, plenamente.
Aurwlio Figueiredo Rimes, idem.
Jos Joaqaim da Ccsu Pereira Braga, idem.
Carlos de Moraes Bueno, idem.
Landeno de Souza Lino, idem.
Benedicto Netto de Araujo, dem.
Jos Antoaio da Ci aba Sil veira Junior, idem.
Luiz de Soma Diai, idem
P auno
Cutodio Manoel SJIveira, distincc-lo.
Antonio Evaristo da Cruz Gouve'w, pleUrfentc
Ricardo Hardman Cavalcante d'AlbDi{uerquc,
idiu. .
Alberto de Almeid, Ramos, idem
Alvaro Ali'Xaodre ( e Jesas Fcrreii-, ideo.
Paulo A. Silveir, i, em.
Jiis Ferreira TvixcirSf idem
Salvador Luiz de II11 tos Soczi, idem.
Faisio Tertuliano Ilaudctli Fenrr, dem.
Estes receberam d grao de hachare!.
Boje rer c imada a exame oral a ui
roa turma dos eatuilantes do 2' auno, que j ti:
seram a prava escripia e amanh couiecari .
prova escripia dos que anda nao a fizeram:
Comecar tambeiii amanh a prova esflPIpla
dos quoTfiHa^no a tisera m no 1- auBP0Jsi.ilte
nao lia hoje exames.
Os exames oraes de geometria principia-
rao boje s 11 hors e meia e nao ha veri exa-
mes eecriptos. a5-
acaaa lVaramal-jO resultado dos exames
realisados bontem oessa escola foi o seguinte :
l-^as-
1- cadeira
Francisca Eleonora Duarte, distinecio.
Francisco de Paula Alves de Preitas, simples-
mente.
Ananias Eupbrosiaa Cavalcante de Albuquer-
que, idem.
Mana Jos da Costa, idem.
Mara Rodrigues Barbosa, idem.
Julia Soares Ferreira, idem. r
Falln 1.
2* e 6a cadeiras
Francisca Eleonora Duarte, pl enarcan te.
3' cadeira
Francisca Eleoaora Dn .re, simplesmente.
Julia Soares Ferreira, dem.
Maria Rodrigues Barbosa, idem.
Reprtvados 6.
\ 2* atino
4* cadeira
Rosa Amelia de Cauro Monis, plenamente.
Eugenia Paula do Reg Barros, idem.
Felippe Heorique Giro, simplesmente.
Mara Amalia Reg Sarros, idem.
Isabel Olympia Lint Perras, idem.
Maria Augusta Pereira d Magalbaes, idem,
Josenha Plora Ttrres, idem.
Lucilla Saivina dos S otos^idera.
depravados 5.
5* cadeia ,
Felippe Heorique Giro, plenamente.
Rosa Amelia Jas ro Mnniz, idem.
Josepha Flora Torn-s, dem.
Mara Amalia Reg Barro%{-simplesmente.
Eugenia Paula do llego Jarros, idem.
Isabel Olympia Leoios feme, idem.
Senhorinha Mara Josepha de Souza, idem.
Mana augusta ?erreira aBallics, idem..
Maria Joattoa Wanderley ^raujo, dem.
Maria Rosa/da Concei^o, idem.
Jo.-epha Calasans Gon es, idem.
E luardo Francisco Peona, idem.
Rolado do Crar -Em seu boletim, hon
tem tarde distribuido, o Jornal do Reeif$ pn-
blicou este telegraoioia do Cear:
Fortaleza, 24 dt Novembro, 45 minutos de
pois Je meio da. addk.
Oapvw otMariu c o-go rema da^mado'
em 16 do correle remido na prajjlfi'n'ecusa
aceitar ao governador nomeado peRrgoVerno
central.
Para conciliar os interesses dos Estados
Guidos do Brazii d liberdade uo governo do Rio
de Janeiro de ratificar a Doxeac/io do tenenie-
coronel Luiz Antonio Pcrraz, nunCa ontra, prn
cipalmente fra desle Estado.
Grande eotbusiasmo publico, embora a sec-
ca esteja fazendo victimas.
Bretnlo BecretSlwo da Herir -Esta
soctedade tendo-se reunido no dia 24 do crran-
le para eleger os seus oovos fuoccionarios para
os meses de Desembro a Peveretro coustiluio-os
pelo modo seguate :
GovernadorMonoel Gldtno dos Santos.
Vice ditoSalvador Domiogues dos Sints.
l* secrttarioRi>rdo Rodrigues dos Santos.
2 ditoManoel Monteiro da Franca,
OradorAntonio de Albuqnerqne Mello.
TuesoureiroJos da Uva Turibio.
Picoa marcado o dia i* da Desembro as 3
horas da tarde para ser empossada a nova di-
rectora.
vapor La-Por ordem superior foi trans-
ferida de buje pura o dia 24 a sabida do vapor
'na para os portos do norte.
Faiiecimuaso Victima de padecimentos
cardiacos, fallecen antenontem nesta cidade e
em sua residencia a ra do Barto-do Triompbo,
John Wer Smilb. engeubeiro mechanico e geren-
te da acreditada casa comajercial desta praja
herdetros Uowman
O tinado conuva 9 annos e era casado, nao
tendo deixado prcle : e o sen cadver foi bon-
tem s 9 nona da manti iohirmado no cemrte
rio ingles, e em proseoca de grande numero de
amigos que assim foram rende'r o ultimo preito
a sua memoria.
Seus coinpanheir js de trabalho sen tem e la-
menlam a per Ja do estimavel.cavalheiro que sa-
bia corresponder coosideracao djbe Ihe tribu-
ta van.
tomu*f-li foram nomeadas as com
missoes militares a que altudimos em outra local
e que hoje ao meio dia devem reunirse no quar-
tel de cavallaria para tratar do assumpto expos-
lo na referida local.
Tribunal do Jury So baveoio compa-
recido 30 joizes de facto, anda bonlem nao pode
ser installada a ti.* e ultima sesso ordinaria
deste tribunal no crrante anno.
Foram niuludos am 20* os jurados notificados
que deixaram de comparecer e sorteados os se-
guioles supplenles :
Santo Antonio
Antouio Martiniano Veras.
Joo Amonio de Mello.
Jos Gurgel de OU veira.
Arfhur Oclaviano da Silva Ramos.
& Jo
Benjamn Pereira de Queiroz.
Jos Joaquim Fernandes.
BoaVula
Vicente Goncalves Ferreira da Costa.
Joo Soares Pacheco.
Justino Casado Lima.
Arthur Goncilves Ferreira.
Cosme de Abreu Macedo
Jo Rodrigues do Passo Netto. _
FelifJpe Emilio Menna da Costa.
Bella:mino Goncalves de Albuquerque.
fraca
Antonio Bezerra do Menezes Silva.
Poco
Claudio Ideburgo Carneiro Leal.
Aolonio Martina d 3 Moura.
Jos PedroTtos Sa itoa Neves.
Foi adiada a seiso para boje s 10 horas.
Cana aaaeco-Os exames nontem havi-
dos era ingl'M netse- estabelecimenio deram o
segninte resultado :
Alfredo Odilon Duarte, approvado.
Luis de Castro Maciel Pioneiro, distinocSo.
Aloerto Sao Juan, approvado.
Benedicto Marquen Nobre Formiga, idem.
Rodolpbo Amaral de Sonza, idem.
Antonio Al vea Gapaleante Maciel, plenamente.
Joo Siiverio da (ata Oliveira, idem.
Jos Francisco de Barros Almeida, approvado.
Reprovado 1.
Levaotou-se da prova
habilitadas para a oral.
.
91 da lista pub
fcuarda Cvica -Foi expedida a segnil
ordem do dia:
Quartel do Coaunando Geral da Guarda.
vica de Peniatntojafl, em 21 de Novembro
188*.Ordem
O cidadao majar^jarnaadanle geral!
blico para conbecimento desla corporac"
gutnie
Art. 1.a Que por unnime aQ|
povos, exjKH e armada foi
ziletro cooatituido repblica,
U^goverojiergtfUi u3u>icto i
' Fonseca que orgaoisou o governo provw
ge os destinos deste feliz pa.
do-me'ffom todos os officiaes e sul
i lodos um ame
de confrite it^HS'^0 <' Palrw*i
i qual umcj (fee I(W hdheso a,
saota"cauza comOdTdBbza da Liberdade*|rj
:e deve dar alma e coradlo.
'os bravos* sOtduilp brasileiros deve se:
grande victoria da Liberdade.
Nao poda por maior tempocootiouar no le,
Ihargo aquelles grandes deafjadoa que .
souberam se collocar na altura qae tbjs
na como verdadeiros leOes.
" Tendo nossa frente os grande!
coronel Aguiar Lima no govetdo provisui
Estado de Pernanibnco r Dr. Martin.-
inttidene'a geral de poliio onratHes
apoio e por isso mesmo devemps, anda
urna "ves nos enclier de jubilo e erguermoa
viva grande Repblica. Brasileira Sul Ame)
cana e a todos aquelles qoe concorreram paj
to sania causo.Assi jnado, Jocqutm Sali
Perexrt Siqvetra Caralc-inte. Con manante
ral
ii-rrlorla da* obras de conitn*
rao do Porto* da B*crnd'*a.!>tt 'e. 24 de Novembro de 1889.
Boiexnn matoorologiCjo
,* i ^ar
ii-
pubrkorli
- -interesa
stoio do ensil
lia observa ni
s as espechnf
lo artificio e eni
m
rBraodelJIacat,
i varto-admiravel.'
o tralwlhff
y* pandunento
7/
seus
cuida
discpiir^pelo
ituraes, inv-
lo com o
o passo ou
f, P'-rm,'Ee
das inien
itlncto brazi

Tendo sido n^He a 1.a cadeira fo
aexo femomno, rogi*pd prbfeasoia D.
Claudio* Nativa do O' Santos, jwirticipa
aue oovqe dianto ; ra rio Bom Ju, n. 63, 1.
andar. *
do'porteiro que bem e fielmente
inconleslavelmenlc
a* alquebram; avi-
todo humanitario, qual
raeiliiar MRfMico dos eotihecimeulos
atares, -depota d* ha ver compoSlo e exu-
Btcnsente vulgarisado-numerosas obras*mo-
I para a infamia e a mocidade, propagado por
al provincias com noiavel eficacia as dou
Is da moderna pedagoga, trabalha com- ar
r, quando j era lempo de descansar cercado
'I gratldo popular, e produz anda o appa-
' I escolar mltiplo, o appar'lho cosmogra-
coe o livro ulilusimo
l#8.
rianca' e mi
io. desvelado
que nos oceupa-
emdijer o nome
de
Ouro Prelo).
dA
da
de
Horas
m.
i
12
s t.
6
l*-4
lfl*-l
29*-2
27*- 8
?-1
Bar
738-73
759-3
767-
Tjaueto
do vapor
90.481
205SF
do Brasil
78
Temperatura mxima29,73
Dita mnima 25*.75
Evaporaco em 24 horasao sol; 7".2 ; sosa
>ra: 6-.2.
Chuva3",fl.
Di receto do vento : ENE com'pequenas
terrupcoes de E e ESE durante todo o da.
Velocidade media do vento: 2,-Bt por s*
Nebnlosidade media: 0.47.
Boletim do porto
-Effeciuar-se-ho osVseguinies %
fceaei
Hoje :
Pelo ageute Gusmao, s 101/2 horas, ra Bem
i. 07, de movis de diverso usos.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas,^i travesea Id
lorpo Santo n. 27f de predios.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, travesa
io Corpo Santo, n. 27, de predios.
Amanh : '
Polo agente Pinto, s II horas, roa do Bofe
le-a a. 45, de movis
Pe\p ageote Gusmo, s 11 horas,
-juez de Olinda n. 5, de ca i xas com f;
tei, de seda e l, de viubos e um cavalto
indador.
Pelo agente Alfredo Guimaraes, aMkoni
ua do Buid Jess a. 44 de jjredio
Pelo ageote Modeste Baptista, s 11".
nrvea da Boa VisU, dj> movis, ^|c.
Pelo agente Gnsmfto-, a jf HiD'. a t
qtNKde Ulinda n. 5, ik diversas hudezas,"
pnT, haranCaa, etc." "
riaaaa rumebreaSerio celebradas: -
Hoje:
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, pela
lima de Victorino Jos Pereira Mala
PanoagetroftChegados do sul no vapor
nacional Mrquez de Caxias :
Benicio dos Passos Braodo, Luiz Tirelli, Gui
Iberme Gran Don, Jos de Araujo, Jola Heorique
e um menor, Gervazio de Almeida Braga.
cuta de ueieacaovimeniu dos pre-
os da Casa de Detencao do dia 24 de Novembic
e 1889
Existiam 455 ; entraram 23 ; sabio 1; exi
em 477.
A saber:
Nacionaes 432 ; mulheres 19 ; estrangeiros 6
-ToUl 477
.' rraroados 436
Bons 414.
Doentes 18
Loucog 3. w'-
Louca 1 -Total 436.
Movimento da enferruarla
Te ve baixa:
Antonio Jos da Rosa.
Hospital Pedro O O movimento deat<
stabelecimento de caridade, no dia 24 de No
remoro foi o seguinte :
Entraram 5
Sahiram 3
Fdleceram 1
Existem 423
Foram visitadas as respectivas enfermarla!
elos Drs.
Moscosos 8, Cysneiro s7 1|2, Barros Soori-
abo s 7 horas
N4o compareceram os Drs.:
Estevao Cavalcante.
Pontual. %
Malaquias.
Berardo.
Simoes Barbosa.
O cirurgio dentista Numa Pompilio da 8
aoraat.
0 pharmaceutico entrn s 8 1{4 da manh 4
iahio s 5 1|2 horas da tarde.
O aindante do pharmaceutico entrou a 6 1|.
ahio as 2 da tarde.
L.u:erla do Siraua-ParaA 6' parte da
12* lotera desea provincia, cojo premio granda
Ide 6O:0Tjo#, ser extrahida no dia .. de No-
rembro.
Lotera da edrteA 3' parte da 249* lote
na,.cujo premio maior de 10:000*000 ser ex-
rahida hoje 16 de Novembro.
n brande lotera da Bfaraakao A 10
erie da 1 lotera, dessa provincia, cujo premii
rande 300mOODOQ ser extrahida amanh 17
ie Novembro.
ad iiii
Adhesao RepuDiica
' 03 abaizo assigjadoe, moradores
ha de I tamaraca^ a*m pe4o, ifiaease
arar que adher'era franca, lea aincera-
ate ao novo rgimen poltico inaugura-
JO no paiz em 15 io corrente rnez, com
o yftw da Repblica dos Estados Uni-
a^a^fiasil, por isso
^Hfnolhes inspira
poaarn na f de que sel
ordem, aa liberdades i:
cidade da oacSo.
Vivajn. Ijtados-U:
Vivd'O-g^rarao provisorio do Brasil !
Vivam jrBxtmcito e a armada nacio-
naes *"~
ItaiardCH, 23% Ipro de 1889.
Franc'sdafCordei
Claudio Jo dq Sa't'!
"aaquim Bruteo d'Asaumpsio Pires.
Manoel (ordeiro Cavalcante GaivSo.
Fructuoso' Cordeiro Cavalcante Lins.
Benigno Cordeiro Cavalcante Galvo.
Manoel Antonio "de Si Leitio.
Francisco Cordeiro Cavalcante Ari.
Francisco Cordeiro FalcSo Brasil.
Jos Coraem) FalcSo. |
Pedro de Alcntara da Salles Cordeiro.
Alono Cordeiro Cavalcante de Albuquer-
que. -*.
Pedro de Alcntara Cordeiro.
Lua Cordeiro Cavalcante GralvSo.
Jos Cordeiro Cavalcante Lins.
Theattno Carneiro Tavarea de Mello.
Manoel Cordeiro de liveira Andrade.
Manoel Francisco Cabral.
Hermenegildo das Virgens Lima.
Antonio Alves de Souza.
J0S0 Coelho de Araujo.
Francisco JoSo o Pilar.
Ao Exm. Sr. Dr. jaizxespe-
cia do commercio e ao
Tribunal da Relacao de
Pernarabuco
N2o foi stirpreza para m-'m os protestos
petas (binan e por cartas dos de vedores da
relacao dan dividas vendidas a requer-
ment dos depositarios Seizas Irmlos.
A relacSo doa devodorea vendida am
Icilao publico somma ris 67:188335, en-
tretanto esta quntia est quasi toda li-
quidada pela massa, como provam oa
protestos e recibos que o arrematante
moatrou-me.
Est explicada a razao porque os depo-
sitarios Seizas Irmaos fantaziavam tudo
chegavam ao delirio para fazer acreditar
que a minha escripta nio poda mere-
cer f.
Agora, porem, que oe e^edorea pro-
vam que pagaram massaijtest justifi-
cado que nlo havia devedore*Kcticios.
Aqui agora o dinheiro de Seizas Irmaos
nao tem valor pera fazer desaparecer a
nota dos devedorea que Ss. Ss. fantazaram
cujas liquidacSes ficaram oas trevaa.
Recife, 23 do^yaj|an>> 1889.
b**Branh*v-
Ao commercio
Raymundo Soares e Silva, de Maman-
guape, declara ao corpo comraercial, nada
de ver massa de Alberto Rodrigues Bran-
co, como prova com recibo em poder doa
abaizo aasignndos.
Recife, 23 de Novembro de 1889.
Mata & Reaende.

Parabea $
jovctroioieHigente Alice Leonor
_ Fragoso, pelo grao de distinecio
* que obteve.
/. P. f .
1. 8*
Oleo raro Medicinal de litado de
Baralbao, de Ltanan de Kenap.
Os doutores de medicina ttconheceram, faz
alguna annos, sem oceultar o seu assombro, que
as molestias- pulmonares e hepticas, com outra
cousa nao se podiam curar, mas- sim poderiam
ser completamente extirpadas com o Oleo de Pi
gado de Bacalbo.
Apenas se annunciou um tal succes&o, quaado
para logo o mercado se vio inoundado de toda a
casta de composicGes de azeite de baleia,
pboca, de mos de vacca, de toucinbo e um sei
numero de entras aos qeaes se ajuntou o nome
do especifico legitimo, porm sem possuirom ne-
ubuma de suas reaes virtudes.
Porm agora temos no Oleo Puro Mediainal de
Figado de Bacalho, de Laman & Kemp, um
artigo cuja perfeita legitimidade de excedencia
e acba comprovada pela facufdade medica. Nos
nospitaes militares, navaes e civis dos Estados
Unidos da America elle to bem conbecido
como na pratica particular dos principaes m-
dicos.
Nenbuma classe de tosse, resfriaroento, affec-
Lcfea -dos bronchlos, molestia dos pulmOes e do
Hado, ou affeccOes escrophulosas. podem resis-
tir a sua maravtlhosa aegao medicinal.
Sem rebaixar o merecime to de oulras prepa-
races legitimas da mesma natureza, pode-se
allancar qne aquelle superlativamente excel-
lentc.
-se a sua boa conservaco em tod03 os
oooooi00oo>0!X^oc<.(>o<*oo^^cox)eoo<>o^
Dr. Jeersoa Mirabeaa
Almeida Duarte & C. leram a reaposta
do Dr. Mirabeau. S. S. tem razio. Ho-
meiiB da coragem de S. S. proceden aem-
pre assim : tomam dinheiro por empres-
timo e pretendem pagal o com descompos-
turas. Brevemente S. S. mdhor faltar
no tribunal competente. E basta.
0
0
0
o
o
o
o
o
o
v^p/
A' fiXM. SR.
D. Hara Caadlda de VI
anelredo ttanlon
Pelo amnvers-'n natalicio e sua
Can filh'nha
Uan de (armo
Jo dj Novembro dfe 1889
M. B. S.
Parabens.
0
0
.0
o
o
o
o
o
o
riBLiarjoss 4 pdiii
Leltura anlTersal
OD
DO
NOVO PBIMEIKO LtVBO DE LKITBA
BASlo DK MACAHUBAS
Pelo titulo julgaro muitos ser esta obra sim-
nimente recente edico do Primeiro Licio de
ara de Abilw; entretanto o seu arranjo inlei
ramete differenie.
No antigo .' rimaro Licro as materias succe-
dem se assim : alphabeio, syllabas, nomes, obra-
ses e periodo; no novo, as ieltras se achara dis-
tribuidas em grupos motivados pela semelhaaca
de pronuncia, e a cada grupo seguem immedia-
tamente palavras e phrajes onde s enlram as
suas retiras e as dos auriores.
0 ensino de leitora ministrado por esse modo,
desperta vivo ioteresse nos alumnos: desde a
primeira lico elles comecam a perceber a van-
tagem de tal conbecimeuto e vao se famil
sando com o artificio da escriptura dos voca-
bulos.
Auxiliado por este meihodo,
de intcll.gencia regular cheg
mente em menos de um mez, e
hbil, al em menos de 18 dia
Os eacomios a que ten.
''ovo Luto de L
ne Ih'os bavemos d
um analpbab
corran
Ao Sr. Alberto Rodrigues
Blanco
A lista dos devedores a que o Sr. Bran-
do se refere foi extrahida dos aatos da
fallencia e de accordo com o trabalho doa
guarda-livros nomeados pelo juizo para
organisarem a eacripta, que o Sr. Branco
tinna deizado n'um verladeiro oahoe.
Recebemos apenaa de um devedor da
fallenciao Sr. Jacob Gil Braza qun-
tia de 80A886, paseando a devida quita-
clo.
Oa demaia crditos/ecebidos foram-n'o
pelo curador fiscal.
Nao sabemos, portante, o que que qniz
dizer o Sr. Branco na alludida publiaa-
90.
Ezpliqua-ae.
Recife, 26 de Novembro de 1889.
Seixat Irmclot.
Ao commercio
O abaizo assignado cemmunica ao res
peitavel coipo commeroial deata praca
haver aaaumido a poaae do activo e paasrvo
dureatabelecimento ra da Imperatria
n. 80, que pertenceu a eztincta firma
Angelo Raphael & Cl, continuando no
negocio.
Recife, 31 de Outubro de 1889.
Angelo Raphael Peregrino.
Brottchlie aguda oh ckr*Bjea
ral de Cambar e melhor
Acha-se i venda em todas as boticas e Iojas de
drogas.
*-
2.a Seccio. Secretaria do Governo do
Estado de Pernambuco, em 25 de No-
vembro de 1889.
De ordem do Exm. Sr. Governador
interino deste Estado fajo publico para os
devidos effeitoa, o edital em seguida
transcripto, pondo em concurso o provi-
mento do officio de segundo tabelhao do
publico judicial e notas e annezos do ter-
mo de Taoarat.
O secretario interino,
Joao de Oliveira.
EDITAL
O cidadSo Franc seo Bernardo de Araujo,
1. supplente do juiz municipal e de
orpbaos em exercicio pleno da respecti-
va vara nesta comarca de Tacarat e
seu termo, etc.
Faz sabor aos que o presente edital vi-
rem ou que delle noticia t.verem e a quem
interessar possa que de conformidadn com
a ordem do Exm. Sr. conselheiro presi-
dente da provincia, exarada em officio di-
rigido a este juizo, datado de 19 de Ou-
tubro ultimo, posto novamente a con
curso o officio de 2. tabelliao e seus an-
nnzos, desta comarca de Tacarat com o
prazo de 30 dias a contar da data da affi-
zacim do presento edital, como dispon o
decreto n. 3322 de 14 de Junho de
1887.
Outro sim racommenda a quem preten
der a serventa vitalicie des referidos ofi-
cios, que insrua sua peticao com o exa-
me de suficiencia e maia documentos exi-
gidos pelo art. 210 e seus paragraphos do
regulamento a qne se refere o decreto n.
9420 de 28 de Abril de 1885 e maia leia
ooncernentes ao dito provimento.
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente edital,
que ser afnxaao no loga do costume
nesta villa da Jatob e na de Tacara t e
delle se extrahira un a copia para ser re-
mettida ao Ezm. Sr. presidente da pro-
vincia para mandar publicar pela impren-
sa, com a dedaracan do dia da affixacio,
i vista da certidlo que deste dr o por-
teiro do auditorio desta villa.
Dada e paseado nesta villa de Jatob
de Tacarat aos 5 dina do mea de No-
vembro de 1889. .
E, Manoel Francisco Botelho 1. tabel-
lito e escriv&o de orphios, crime, civel o
escrevi.
Certifico eu abaixo assignado que nesta
data arfixei dous editaos, um porta da
estacSo da linha frrea de Paulo AfFonao
nesta villa o o outro parta da igreja
matriz da villa de Tacarat-, pondo segun-
da vez a concurso o officio de '2.a tabelliao
deste termo.
O referido verdade dou f. Jato-
b de Taoarat, 6 de Novembro da 1889.
O official dejo llteno do
auditorio.Jeaumo Antonio dos Santos.
jntinhafoo edital e cer-
de Tacarat, 7 ^0 tabelSo publico. Mano
trancco Botdho.
BECLARAC&ES: ^
Prazo de 30 das
Pela inspectora desta Alfandega se fas publi-
co, que no dia 10 do lnrz d. Dezembro vindouro
serio arrematadas porta desta renarticio as
mercadoras comidas nos volumes afcaixo men-
cionados, nos tersos do titulo 5- capitn'oS- da
conaolidaco daa leis das Alfandegas e Mesas de
Rendas, se os seus donos ou consignatarios nao
as despacharen! e aa retiraren! no referido praso
de 30 das, a con ar Ca data deste edital, sob
pena de, findo*o mesmo nraso, serem vendidas
por sua ;onta, sem que Ihes fique direito algum
de allegar contra os effeitos deesa venda.
Armazem n. 1
Marca GMJ, 1 pachte sem numero, rindo de
Hamburgo no vapor ailemao Campias, entrado
em 26 de Marco da 1889, consignado a Gomos do
Maitos Irmaos, contendo um-cathaiogo de mas-
caras, aem valor.
Marca JOS & C, 1 dito sem numeo idem, s
Joaqpun Duarte Simoes A eootei
mas de velas stearinas (amostras).
Marca ES e contramarca R, 15 eaixas
a 416 e 419 a 426, idem, a Eugenio Sami<
tendo i 776 kilogrammas. peso liquido legal
frascos communs de vidro n. 1, sea rolba e s
bowa esmerilhada. L^T .
Marca AJ & C e cooUamarea R, 1 cai
4,031, idem, a Azevedo nflo c C contendo
kilogrammas de casemira de la srngela.
Marca P e contramarca OH, 1 dita n. 3.420,
idem, a Silva Pernandes A C.: contendo 31 kilo-
grammas de bacas de vidro n. 1, de cor.
Marca S&*t, 2 ditas ns. 137 e 158, idem, ao&~
mesm is, isnaendo a le n. 157 48 cadeiras de
madeira oflHuA- com asseafo" (le paiha, sem
brtcos esemURSBto de ) R; ea'flPiSSi
cadeiras d meama'joal da
3.* seccao da Al'andega de Pernambuco,
Novembro de 1889.O chpfe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
------------------------------------------------------------------------------------------------1.
Commando das Armas
Da coolormidade com as ordens do Ministerio
da Guerra transmitidas em lelegramma de ii
do correte, serio aceitosas voluntarios qu e
apresentarem para o servico do exercito e qua
estiverem as condicOes Tlel, os quaes se de-
verao aprese atar n'eala repartieo das 9 hor33
s 11 da manh dos dias otis.
Secretaria do Commando das Armas em Per-
bambuco, 23 de Novembro de 1889.
O tenente Jos C. Maciel da Silva,
_____________________Secretario.______
Derby Club de Pernambuco
Roga-se aos Srs. proprietarios dos aci-
maes que ti verem de correr pela prim ;ira
vez no prado da Estancia que os apreses-
tem, para serem examinados no ensilna-
mento do mesmo prado, das 3 s 5 horas
da tarde dos dias 26 e 27 do correte.
Secretaria do Derby Club de Pernao t-
buco, em 25 de Novembro de 1889.
O gerente,
Henrique Schutel.
Monte de Soccoirode
'ernambco
Sao convidados os possuidores das cautelas
dos nmeros abaixo, a virem 'esgatar asmes-
mas at o dia 48 do corrente, avisando-8e-H.es
de que lindo esle prazo serao ellas levadas em
leilo publico, previamente anouociado.
16 895 17.475 17.733 17.982 18.^12 18 415
17.338 17.476 17.735 17.999 18-216 18-416 1
17.381 17.477 17.736 18.00 > 18.227 18.417
17.384 17.478 17.739 18.006 18.231 18.420
17 386 17.480 17.741 18 014 18 237 18-426
17.390* 17.490 17.744 18.016 18.240 18 429
17.391 17.aOQ_lZ.746 18irJi.i8.24.iaV430
17.393 17 517 17.79 18.025 12 249 18.437
17.409 17.519 17.737 18(27 18.250 18.446
17.413 17523 17.760 18.034 18.252 18.4
17.421 17 525 17.770 18.038 18.234 18.456
17.423 17.333 17.776 18.039 18.236 18 464
17.423 17.535 17.7 O 18 041 18.263 18.466
17.426 17.550 17.799 18.08 18 266 18.470
17.430 17.551 17.816 18 049 18.268 18.473
17.431 17.554 17 817 18.0.-)0 18-269 18474
17.433 17 564 17 820 18 062 18.270 18.475
17.434 17.565 17.82/, 18.083 18 275 18 476
17.433 17.569 17.837 8 064 18 289 18 481
17.438 17.380 17.838 18.065 18.290 18.489
17.440 17.584 17.841 18.067 18- 295 18.490
17.441 17.585 17.851 18078 18 298 18.492
17.442 17.588 17.861 18 080 18 310 18 495
17.443 17 593 17.866 18.085 18.317 18.499
17.444 17.601 17.869 18.089 18.318 18.500
17 445 17.605 17.877 18.097 18.319 18.501
17.446 17.611 17 879 18.103
17.449 17.619 17.883 18 105
17.450 17 621 17.889 18.107
17.451 17.637 17.893418.108
17.432 17 642 17.894 18 113
17.455 17.671 17.896 18.122 18.334 18 522
17.456 17.686 17.902 18.127 18.343 18.525
18.130 18.348 18 526
18.135 18.354 18.528
18.139 13-362 18.530
18.143 (8 366 18.531
18.150 18.371 18.532
JF-

-M
' 11

^
t
.'**
18.320 18.508
18.324 18.514
18-326 18 515
18.330 18.516
18 331 18 520
17.457 17.692 17.909
17 458 17.693 17 911
17.459 17.694 I7.l9
17.461 17 697 17.922
17 463 17 699 17.925
17.46J 17.700 17.927 18.158 18.372 18.533
17.467 17.701 17.928 1J.157 t8 377 18 534
17.468 17 702 17.935 18.169 18.386 18 535
17.469 17.704 17.943 18.190 18.387 18.536
17.470 17.709 17.944 18 194 18.398 18.538
17.471 17.712 17 946 18.19o 18.407 18.541
17.472 17.713 17.949 18.200 18 408 18.542
17.473 17.726 17.962 18.207 18.412 18.550
17.474 17.729 17.979 18.211 18.414 18.552
Recife, 12 de Novembro de 1889.
O gerente.
Felino n. Ferreira Coelho.
i--
--
S. R. C
Soeledade Berrentlva Commerclal
Oevid ao infausto trespasso do osso ndito-
80 consocio oao Albino Alvos da Silva, deixa
de haver recreio domingo prximo, e encerrado
o expediente por tres dias, a cootsr.j*8'il dp
corrente.
Secretaria da Sociedade Recreativa Gommer-
cial em Pernambuco, 23 de Navembro de 1889.
O 1- secretario
Arthur Vieira. -
Estrada de Ferro de Pe
buce de Recife ae Sao Fran-
cisco
AVISO
Pelo presente sSo convidados os senho-
res accionistas desta companhia para rece-
berem na estacXo de Cinco Pontas o 52.
dividendo, relativo ao semestre vencido
em 30 de Junho deste anno.
Esoriptorio da Superintendencia, Cabo
23 de Novembro de 1889.
Welle Hood,
Superintendente.
Instruccao publica
0 inspector geral da insirucco publica do Es-
tado de Pernambuco, usando da atiribuigao que
Ihe confere o g t do art. 3 do reglamento de
18 de Janeiro de 1888, manda aos delegados Mtte-
rarios que nao facam nomeages de profoesores
interinos para as cadeiras creadas pelas leis sanc-
cionadas em dala de 2o de Outubro de 4|^^H
to como taes nrntages importariam emgra
augmento de despea para o Estado, e o gover-
no por acto de 20 do crrenle, considerando sem
effeito as nomeiaedes effcctivas para aquellas ca-
deiras. teve sobretodo em vista a economa dos
dinheiros pblicos.
Secretaria da instruccao publica tf
Pernambuco, 25
pedimento do-secreta
llUU UC


jo te ?mmbw7t

Por deliberado da directora desta sociedade
la Btnririanir todos os soeios e-te se achearvc
oso de sena dh-eitos a se reunirem em tsaem
lea geral extraordinaria no din MMo corrate.
it 6 1/2 horas-da tarde, para tratamos de as
nmpto importante p ra a mesma.
Reci, itfderfcvemato de tan.
Luiz dos Prazeres,
____________ 8 secretario.______
Instituto dos Professorea
De ordem do Sr. presidente deete Instituto,
envido a todos os associadoa para comparece-
RD no dia de DezembKv as 10 horas da ma-
ahi, afim d* em assembiea geral tratar-se'de
assnmpto urgente
Recife, 14 d Kovembro de 188L
0 secretario,
Tranquilino da Cruz Ribeiro.
^aJtMJbii i-..... i .....- ni.
Praso de 30*as
Pela inspectora desta Alfandega ntima-se a
Sadaine Pig*on, pasaeerra do vapor ingle*
Jokm Bter, estrado em 10 de Octubre ultimo, a
Malenca pela qual foram-lhe apprebendi los i
Tolumes com mudos falsos, pertenceotas a sua
Bagagem, caudo-lbes marcado o preso de 30
das, 8> pena de prerempeso, para recorrer da
marida sentetica.
3.* scelo da Alfandeea de Pemamboco, f&
de Novembro de 1889.O chefe,
__________PottiBgos Joaquim d Ponseca.
Hospital Portflgaez de Be-
neficencia
Aueakla geral
De ordem do Illm. sr. provedor, convido todos
Ds senhores socios a reunirem-se no da i de
Deiembro prximo futuro, na secretaria desta
lnatituico, para constituidos emassasabla ge-
Tal, cumprir, o que determina o art, 18 3. do
art. 17.
Secretara do Hospital Portugus de Benoii-
eacia, 13 de Novembro de 1889.
Joo y. C. Aliarra,
2- secretario,
Estrada de Ferro de Per-
nambuco doRecife ao S.
Francisco.
JUasM
Em virtude do art. 116 do regalamento desta
nitrada as 10 horas d maobi. do dia 39 do cor-
reate, e na estaco do Cato, se venderlo oa se-
P'ntes objectos. 8 atados de ferro, marca J.
5. R. ; 50 pranchas de nadeira, M 1 cama,
A. S.. i lote de madeiras, caibros etc.; 1 cai-
xao cigarros, M. A.; t ?aceos sal, C. C.; t ditos,
D A. ; 1 rolo fumo, M 11 saceos cal, A. 1.1). ;
18 barns vasios, P.; I caixoes lerragens etc.,
i. H. C.; 38 saceos carolos de algodo ; e ou-
tros de pouco valor.
Cabo, 5 de Novembro de 1889.
Wells Hood,
Superintendente.
Facuidade de Direito do
Recife #
Portugus
Serio chamados boje, as 10 horas da manha
ara prora oral, os segurotes examinandos :
Antonio Domingos Pinto Filbo.
Marta da Exaltaco abral.
Alfredo Cordeiro P. de Medeiros. -
Carolina Anjos Farias Slmdes.
Samuel Jos Pessoa Valenca.
Pedro Calixto de Mello,
Pedro Torres Lelte.
Paulo Alfonso Salles Bernardes.
Pedro Elysio de Macedo Franca.
Waifredo ElpMw da fflva.
Jlo Jos de Arruda Filtio.
Jos Amaro Bittencourt Barbosa,
Jos Luis Goncalves Peona.
Joo da Suva Ne ves Manta.
Americo Pessoa de Albuquerque.
Innoceacio Leite Ferreira.
Fioriano Lafayette de Barros Correia.
Fernando Lobo da Silva.
Francisco Octaviano da Costa.
Alfredo Pacifico Rabello Cintra.
Ezequtel de Araujo Pinheiro.
Sunco de Castro Chaves Wanderley.
Sneas Alcoforado Pereira de Lyra.
Bduardo Pinheiro Lobo.
Elysio amanero Gomes.
Miguel Angelo Peregrino.
Otear Lima.
Arthur Maia de Macedo Cavalcante.
Adelaide de Morsee Cabral.
Antonio Eustaquio de Soasa.
Jos Freir Hughes.
Joo Idalino do Reg Farias.
Januario Jos dos Santee Bernardo Jnior.
tJom UTessageries
Mariimes
LItETA HENSAL
O paquete Nertie
Commandan te Lecointre
E' esperado dos portee do
su I no dia J de Dezembro
M guindo depois dademo
ra da'cosiume para Bor-
de aux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aoa Srs. >tssageiro8 de todas as
1 ifcaes que ha lugares reservados para esta
igencia, que podem tomar em quaiquer tempo
Fax-se abamento de 18 0|0 em favor das fa-
ailias compostas de 4 pessoas ao meaos e que
garem .4 passagens tai eiras. '
Por enepelo, os criottoe de faimnnB que to-
Mesa biloetes de proa goaam tanxbem deate
atinjenta.
Os vales postaes so se dio at o dia 30 de No-
ventte pagos de contade.
Para carga, passagens, eneommendas
ueiro a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Orenoque
Oommandant i Mortemard

E' esperado da Europa to
diai o de Deiembro a ao-
gira depois da demora
necessaria para
3ahia, Rio de Janeiro, Buenot-Ayre e
Monttvidio
Lembra-se aos Srs. ptssageirot de todas ns
lasses que ha lagares reservados para esta
geoda, que podem tomir em quatquer tao
PrevBe-se aos Srs. recebedores de mercado-
ias que so se attander i reclamagoes por fal-
sa, nos volumes, que forem reconhecldas na
tecasiao da descarga, aadm como dererao dei>-
ro de 48 horas a contartto dia da descarga das
ilTirrnfjan. firirrm ffiaiaarr reelamacao cod-
rnentes a volames qiie porventura tebam se-
ntido para os portos do liiil, afim de poder-se
lar a tempo as proridenci as necessarias.
quarto,
Sala de recreio
Urna mobtiia de amarello com 1 sof, It ca-
deiras de guarnidlo, anas ditas de bracos e S
consol com podra, S espelhos douradoa para
contlos, 8 quadros, I jarros, duas figuras de
podra, 1 relogio de cima da mesa, 1 porta toa-
ibas, duas escarradeiraa de porcelana, 1 tapete
para tn/a, 6 Upetos para Borlas, 1 aparador, 1
thear de bordar, i lustre de eryatal com 3 braeot
para gas carbnico, 3 capachos de coco, 1 forro
de esteira da sala, 1 dito do corredor.
Saia de jantar
Urna mesa elstica de S tabeas, II cadeiras de
junco, t apera loros guarda-eomidas; 1 raadro,
louca. 1 aparadores torneados, 1 dito de dito,
urna marquesa, urna cadeira alta para crianca,
urna quartinbeira, 1 porta-gelo, 1 galheteiro de
metal, loutas para aluno eiantar; garrafas, co-
pos, clices, facas, garfia, Bandejas, mesas de
cosinha e muitoe oulros objectos.
0 agente Sosmao, autoriado pela ra. D.1
Francisca Olindina de Cerqueira, que tem de
retirar se para fora, far leilo dos objectos ci-
ma descriptos os quaes ae tornam recommen-
da veis.
e di
Kntrn paqwt<
um electnea.
afto tllujniaado a
Para carga, passagens, encommeodaa o di-
lieiro a frite: trata-se com o
AGENTE!
9
Auguste Labille
- Ra do ommereio 9
jjlmord
oorto
Companhia Brasileira de
Navegado Vapor
POBTOSIX) SUL
O vapor Para
louuaandjmte Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do norte ate
dia 96 de Novembro e depois da de
indispeasavel seguir para o*
portos do tul-
As encemmendas ser recebidas no trapkbr
arbosa at 1 hora da lar le do dia da sahidK.
Para carga, passagens, eneommendas e valo-
r js/ata-so com os AGENTES.
Vapor Espirito-Santo
Commaadante ( ark Antonio Gomes
E' esperado (los portos do sul at c
dia I de Dez -uibro e eeguindo de
' poi.- da demora indispensavel par
>m portos do norte at Mansos.
As eneommendas so s rao receidas na agen
la at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, eneommendas, passagens e valo
h trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=*Rua do Commereio=6
Io andar
2^;
MARTIMOS
ak
HUS. PKBVAMBC C4>
DI
laveeafi coaelra por Tapar
POBTOS DO NORTE
'arakyba, Natal, Maco, Mouor, Araca
ty e Cear
O vapor Una
Oommandante Monteiro
Segu no dia 99 de Novembro s 8
horas da tarde. Recebe carga at o
dia.
Eneommendas, pastaren dinheiro a frete,
- '.S as 3 horas da tarde do dia 99
ESCRIPTORIO
-Ao Com da Companhia Pernambucanu
n.12
eaawANma. peb*ambitA\
DE
flaTccafS* eosteira por Tapar
PORTOS DO SUL
lacei, Penedo, Aracaju' e Babia
O vapor Jacuhype
Commandante Estoves
F.a f
Segu ro dia 96 de Novembro as
5 horas da tarde. Recebe ar-
ate c dia 25.
EncoMteodas, passaaeos e dinbeiros i frete,
;t as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRTPTORIO
Ao Com da Companhia Pernambueana
n. 12
"United "States and Brazil
M. S. S. C.
0 vapor AUianga
-*^^^sa sw
E esperado de NewYork-
at o dia 2d de Novembro
te o qual depois da de-
mora necessaria segaira
pana
* el ra r !
eucommeudas e ai-
Jompanhia Baniana de Na-
vega^ao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
ju, Estancia e Babia
J O VAPOR
Mrquez de Gaxias
Commandante Bernardes
Seguir para o
portos cima
indicados no dia
96 do correte s
4 horas da tarde
PanTcarga, passagens, eneommendas e dinhei
o a frete trata-ee com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario- 17
LE1L0ES
Quarta-feira, 97, de bons movis, candi-
iros a gas, jarros, espelbos, objectos de aga-
faa, louca granltadae mt itos outrosmovisexi?-
entes na casa da roa do Commercio n. 13.
Quinta feira. 98, de ve ter lugar o leilo das
vidas da massa de Jos lavares Pinheiro, bem
amo as partes da casa da roa do Gasmetro n
Agente Pestaa
Leilo


De doas importantes predios com frentes de
.xuteio, tendo cada um 70 palmos de frente e
'96 de fundo, com jardim, gradeamento e por
ao de ferro, com muitas arvores fructferas.
<4uhoK0 e deposito d'auuu, silo a Estrada do
Jiqui oue segu para Jaboato. prximo es-
acaou sob os ns. 994 e 996, os quaes per-
OKeram ao Sr. Luiz Bernardo Castello Branoo
la Rocha, e serio rendidos por mandado e com
lasisteoca do'Bxoi. Sr. I)r. juiz de orphaos.
Ter^a-frirsi, t de srareaabra
A' 11 korati em ponto
Ro armaaem A travesea do Corpo Santo n. 97
O agente Pestaa, rendir a fnam mais dar os
predios cima mencionados, com os commodos
fguintep : n. 994, de mete 4 janellas e 1 por
a. no oitio, 3 janellas e 9 portas, no interior, 3
alas e 6 quartos, anudo um no centro que ser-
r de oratorio, cosinha, sitio com arvores truc-
heras e banheiro com deposito d'agoa; o de
i. 996. tem os mesmot commodos.
Km poder do agenta eicc-ntrar-se-ha a planta
los referidos piedios.
Urna tama dtfliHpff para casal, t
de-jaenrandi. ama importante commoda
de }a arand, 1 baoeo cabeceira de cama, 1
tinado de cama, 1 qu*dro, 9 transparentes
Mtollas.l tapete para cama. Hnias gnaru
para toritette, 1 eaMde, ama srandella paral
carbnico e 1 topete fcrro de quarto.
2(idBrto
Cm importante guarda vestido da amarello,
urna meia dbBsmoaa de dito, 1 magnifico lava-
torio de mogno com peora, i cablde de colum
as, urna gnarnigao floade porcelana para lava-
torio, urna esteira forrtTde quarto.
-6 deNoveiabro de, 18$9
Leio
Agente
4o c
Pestaa
leilta
Orna meia agua sita ao Caes do Caplbaribe n.
L, sertindo de base a offerta de 460400Q do St,
los Antonio ForrejjcaPoTto, a qnat rende
^iny^u. o^OOo, e^ ama casa terrea sita
na de L Jorge n-, 191. tendo os commodos
segointes : 9 salas, 3 quartos, cosinha e quintal
m portao rendando mensalmeute 90W00 ser-
ando de base a offarta de 1 600*000.
Teifa-felra a arrearte
As 11 Boroa
Vo mani ata traveseado Corpo Santo
n.27
0 agente Pestaa, autorisado por mandado do
2xm. Dr. juiz de orphaos, vender no dia e hora
icima mencionados as casas cima referidas
?gente Pestaa
Leilo
Da exeellente casa terrea com frente de aaule-
o, corredor independiite, edificada em terreno
iroprio, sita ru do Coronel Suassunan. 984,
>ertencente ao espolio de Jos Simplicio de S
mteves, por mandado e assistencia do Exm. Sr.
9r. juiz do cive4
Ter^a-feira. t do corrate
: A't 11 horas
!o armazera \ travesea do Corpo Santo
' n. 27
0 agente Pestaa. far leilo da casa cima
nencionada com os commodos segointes: ama
jorta e 9 janellas de frente, corredor indepen-
lente, 9 salas, 4 quartos. 1 saleta, cosinha fora,
rointal murado, tendo cimba, livre e desem-
Mracada de qualquer dona. .
Agente Pestaa
Leilo
estabelecimento de reflnacSo, pronfpt
Do estabelecimento de reflnacSo, prooTpto a
funecionar, armacao de amarello. 9 balanzas,
depsitos para cafe e cha, 1 moinho. 5 tachos de
cobre, 1 dito grande para calda, 4 ditos dome-
deira, grosas de pboepboros, resmas de papel
para embramo, porc&o de assucar, dita de car-
vio de pedra, dita de lenha e moitos outros ob-
ActOB, sito no predio ao pateo do Terco n. 15,
inclusive o meemo predio, pertencente ao espo-
lio de Jos Simplicio de Sa Esteves. por manda-
do e assistenca do Exm. Sr. Dr. juiz do civel.
tuarta-felra. 9)9 da corrale
A'i 11 hora em ponto
No armaaem travessa do Corpo Banto
n. 27
0 agente Pestaa vender no dia e hora cima
mencionados e por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz do civel, a refinaco com todos
08 seus pertenece, sita ao pateo do Terco n 15,
2/ leilo
Das trez casas terreas ns. 5, 7 e 9, edi-
ficadas em solo proprio, sitas travessa
da Torre, servindo de base a offerta d
1:280*000.
loar A't 11 horan
Na Io andar da ra do Bom Jess n. 44
POR INTERVENgAO DO AGENTE
Alfredo Guimaraes
Leilo
Agente
Leilo
! jotres
rfc.C.
-
do Commetior8
l1 andar
De bons movis, lind>s qnadros,
de cyrstal, porcelanas e vidr i
Teroa-feira, 26 do torrente
A's 10 1/9 bwas
No 2 andar do sonado ra Baila n. 37
Conetando:
Sala de visitas
Urna importante mobilia de Jacaranda a Luiz
&Y com 19 cadeiras de guarnicao, 4 ditas de
Vaco 1 -ofi e 9 r. o dios i*<>c p dra, 9 lindo-
espelbos para cuna de contlos, t lindos conso
ios da jacarand* para ca os de tala, duas un-
as aguras de marmore (s Carra ra com man
ras, 1 pequea e liada tolete, una importante
cadeira para descanco, una espregnicadeira corr
aatento de janeo. laacat eom cortinados flnoc
do uroria. rtoas atroofadan para sof. 1 lbum, 1
poru ai3iuw.n, i rupvaiOtro de di fnttim de u,
ama banquinha com pedia, duas dita sem pe-
ara, 1 bistre de 8 bicos para gaz carbnico, 1
tapate preparado com capa de pelle de onca, 6
aantlroi bitnricot ama moWuras donradat, 6
Jarros finas para flores, 6 tapetes uara portas, b
raU finos para crochet para sof e cadeiras e
ote para forro detall.
0 de bons movis novos e osados, louca gra-
nitada, quadros, candieiros a gas e outros ob-
jectos annunciados por intervenco do agente
Piato, deve ter logar quarta-feira, 97 do corren-
te, no sobrado da ra do Commercio o. 13, onde
fnoccionou o hotel de Londres/
0 das dividas e casa,aa massa fallida de Jos
Tavares na
Quinta-feira 28 do crrante
Leilo
De movis' louca, vidros, espelhos, qua-
Iros o objectos de agatha,
Inarla-Mra, t do corrate
A SABER:
Jala uiouii* do uitdalbae ouui i sof-, 1 ju-
k)8 com pedra, 4 cadeiras de bracos, ft de
rermelo de junco preto, i espelhos, 4 jarros,
1 candieiros a gaz, 4 quadros, S carneiras ou
apeles para son.
lima outra mobilia de pao carga, 1 cama fran
sa. 1 toiUete de Jacaranda i marqnasao, l ber-
fi, 1 santuario de Jacaranda, 9 marquesoes, 1
ommoda, 8 cadeiras, i mesa redonda, I basti-
tor, 9 jarros-de pedra, 1 mesa de coma, ioitt-
os de amarello.
Urna mesa elstica, 9 aparadores, 1 guarda- co-
mda, l gnarda-louga, 19 cadeiras, i ditas de b-
lago, oopoe para agua, louca granitada, trejri
le cosinha.
Dous consolos avulsos, 6 cadeiras, 1 mesa oval
m pedra, tudo de Jacaranda, 1 sof e amitos
mtros movis existentes
No sobrado grande da roa do Commercio u. 13
Agente Pinto
^RCA-PErRA, 96 DO CORRENTE
0 leilo principiar s 10 i|9
fardos com pecas de es tapa raradv d'agoa
do mar
Quarta-feira 97 do corronto,.s 41 hars
O aaante Oosmao far leao, no armasom n.
ra do Mrquez de OUsMa, por eonta e
de quem-portancer, a esa lotes, 4 vontade
dos compradores.
Leilao
De um importante cavallo andador novo
e sem achaques o 1 dito dito pequeo
Quarta-feira 27 do corrente, s 11 horas
No armasem da ra do Mrquez de Oiinda
uumero S
Por intervencSo do agente
Jrusma
Da armacJk bol anca, petos, medidas e
gneros da tavcriM da ra Larga do
Rosario n. 17.
e\ta felra, 99 da corrate
A'$ 11 hora
0 agente Gusmo, coaipetentemente autorisa-
tlo, far leilo em um ou mais- lotes vontade
dos compradores, garantindo se a casa ao com-
prador de todo o astabelecimento ou ao da ar-
maco. ? ,
Leilo
Hmarta felra, 9 9 ta eorrente
A't 11 korae
Na prsja da Ba-Vista n. 7, le andar
J>e 1 moaalia de Jacaranda, 1 dita de junco, t
dita de amarello, 1 cama de casal, 1 toilette, 1
guarda-roupa, 1 mesa elstica, 1 commoda. 9
aparadores, i sof, 1 marquezSo, i cama para
solteiro, cadeiras. 1 lavatorio, 1 quartinbeira, 3
gnelas, 9 consolos, 9 banquinhas, i espelho
oval, 9 ditos Cuadrados, quadros, jarros, can-
dieiros, louga, vidros e outros objectos.
0 agente Modesto Baptista, autorisado por
ama familia que se retira para {ora da cidade,
pr leilo do que cima se declara.
-----.....
Leilo
De diversas mindezas, chapeos, 1 mobilia aova
d junco com consolos de pedra, 9 bataneas
Bles novas para armazem de assucar, eadei-
_ da junco para carteiras e amitos argosque
seag vendidos para fecbamento de contas.
Quarta-feira, f do corrate
: A'8 11 HORAS
0 agente Gusmo far leilo por occasio do
leao de fardos de estopas avariatias e mais fa-
tendas.
.Vb armaeem ra do 31 arques de Oiinda
n.6
LeUo
, 0 agente Pinta levara a leilao por mandado-do
Ixbb. Sr. Dr. jais de lireito especial do commer-
no em virtadedopequerimealo do administrador
la massa fallida de Jos Tavares Pioneiro, nao
i6 a casa da rea do Gasmetro, porteucante i
eferida massa, bem como at dividas constantes
la relagao junta aos autos. .

Leilo
AVISOS DIVERSOS
Alugam se casas caladas e pintadas nos
nndos de S Goncalo, a 81000; a tratar na ra
la Imperatriz n. 76.
*
Precisa-se de um cosiohetro ou cosinheira
para casa de familia : na roa do Vigario n. i, ar-
mazem.
Precisa se de ama boa cosinheira ou cos
nheiro, e de urna ama para varrer e arrumar
casa ; a tratar na ra do Pires n. 83.
Precisa se de urna perfeita cosinheira ou
cosinheiro que queira ir para Oiinda, paga se
bem ; a tratar na ra da Impere triz n 36, pri-
mean) andar.
Par mdico prege aagam-se casinhas e
loartos no sitio do Chora-Menino n. 19; a trac-
V no sobrado junto capeila.
Na ra da Unio n. 35, precisase de urna
senhora que engt mme e cosa, para urna Casa de
pouca familia que se retira para fora "da ci-
dade.
Na rea veltoa de Santa Rita n. 89, precisa-
se de urna ama para comprar, cosinhar' e fazer
todo o servico de urna casa de peqotna fa-
milia.
/aju
ua
Compra se nos das de domingo toda e qua
qoer porc&o, de 100 a 140 rs. o cento ; na roa
larga do Rosario n. 14, taverna.
De movis, louga e vidros. constando de 1 mo-
bilia de Jacaranda com 18 cadeiras da guara i-
gao, 4 de bracos, 1 sof, 9 consolos e meta de
meto de sala com tampo de pedra, 9 cadeiras
de balango, I importante santuario e commo-
da de jacareada, 1 lavatorio com pedra, 1 ca-
ma para casal, 1 guarda-vestidos, 1 guarda-
iouca, 1 mesa elstica de 6 taboas, 1 cama
para solteiro, 1 mesa decabeieira de cama,
eadetras de sala d juntar, mesa de engomma-
do, louga para jantar, porcelana para alaioco,
copos, comnoteiras, gaifos e fataa, colberes,
9 aparadores, f toucador e quadro grande
ra vistas, 1 lbum com 40 vistas, 1 iuipor
obra da vida de Jess Ghristo e muitos
objectos existentes no segundo andar
do sobrado o. 93 oa roa do Vigario
Hulmt a-f elra t do corrate,
s 11 horas
Oagente Gnsmao, autorisado por urna familia
que mudou-se, far leilo de todos os objectos
cima, que sero vendidos sem reserva de prego
:
Leilo
da parto da casa da ra do
n. 11, bous per ten cen tes
Das dividas e
Gasmetro
massa fallida de jote Tavares Pinheiro,
tendo dita casa porta o 2 janellas de
frente, corredor iadopendente, 2 talas,
4 quartoa, cosinha, quintal murado, ca-
cimba propria e arvoredos, medindo de
frente a casa 3 metros e 50 centmetros
e de fundo 16 metros a 50 centme-
tros.
Quinta feira. t de Xovemhro
A't 11 horas
o-ansBazteai ra do Bom Jc-
s 44
A ubrr |
loo Bilverio de Sooza 1:998^730
los Maria Cavalcante 11*600
Vivara os Estadoss-lnidos do
Brazil
25 Uk j. DE MARgO25
Sob este titulo aeha-te profusamente
preparada urna loja de miudezas que es-
pera do respeitavel publico e especialmen
te das Exmas familias, o seu valioso aco-
laimento.
A FAVORITA tem um esplendido sor-
timento, recebido das melhores pracas
commerciaes, tem bom goeto, tem neces-
sidade de afreguezar-se o ser conheeida ;
trata com delicadeza e lealdade, e faz as
maiores modilicag&es possiveis nos precos
de suas mercadorias: querem ver a reali-
dade? Visitem a FavoritaRa 1. de
Marco n. 25.
Recife, 16 de Novembro de 1889.
BARROfl at C.
\o
Alnga se o sitio do Caldeireiro o. 33, do fina-
do Joaquim Manoel Ferreira de Sonta ; a t atar
na ra Jtova u, 16. on pateo do Cawnon.-
Ao c&mmP&
0 abaixo assignado declara que neata dala
dissolveu a sociedade que teve com o Sr.-Ber-
nardlno Francisco de Araujo, no estabelecimento
sito roa do Dr. Joaquim Nabaco n. 36, sahindn
o runrido Araujo pago integr^lmeute de seu sa-
pl al e lucros, e por isso desonerado, e Ocaadot
o abaixo assignado de pose |dc estabelecimente
e responsavel c^o activo e passivo do mesmo.
Recife, 91 de Novembro de 1889.
______ Jos Manoe de Sa._______
Declaragao necessaria
Acbando-me sorteado para o jory e portanto
dispensado de comoarecer a bibliotheca da Fa-
culdade, onde eou ajudante do bibliothecario,
deixe: de ti r conhecimento da reunio que bon-
tem 19 do corrente flzeram os lentes e mais em-
pregados da Faculdade, afim de manifestar a
sua adbesSo ao Governo Provisorio actualmente
constitu lo. Sentindo nao ter tomado parte.
nessa reuoiio para latentcar o meu enthusiasmo
pt lo estabelecimento da Repblica Brasileira,
declaro estar lerfeitamente de accordo com
aquillo que ficou resolvido na mesma reunio.
Recife, 90 de Novembro de 1889.
Joaqnim Teixeira Peixoto,
Ajudante do bibliothecario.
AVISO
Augusta Labille avisa ao commero que c Sr.
Leovigildo Samuel de Lima deixou di- ser sen
empregado desde o dia 93 do correte mez

Declaragao
Pelo presente declaro que o Sr. Leovigildo Sa-
muel de Lima durante o tempo que foi meu em-
pregado cumprio Cm os seus deveres e me me-
recen toda confianca e nao o conservo por sais
tempo por nao precisar maje dos seus servijos.
Pernambnco, 93 de Novembro de 1889.
Augnste Labille.



Magdalena
.
Leilo
De 5 caixas com chitas brancas, 3 ditas com ba-
tistes, diversas marcas le raadapolo, 9 cai-
xas com 100 pecas de las para vestidos, cola-
rinbos de linho e algodo diversos modelos
novos. camisas para ranea, poeta de msenda
de seda para vestidos, caixas com vermouth,
ditas com vinho Bordeaux. ditas com garralaa
Ue azei>c doce, auxm uuui viuo do Porto,
ditas com licores, frascos para amostras, laa-
ternas de molas, barrs e pipas com vinho
branco nacional, 9 mesas grandes com cava-
leset e mutot antros objectos, que Berta ven-
didos ao correr do mar tallo, para ftebamanta
de contas e para desoecupar o armatem a.S
da ra do Maguer de 0)inda.-nde se ef
ctur o leilo e por occasio do leilao de esto-
pa a variada.
Quarta-feira 27 do eorrente
A't 11 horas
Gusmao
aapaeiA. Vat e Silva
anoel A. Snares da Fonseca e Silva
Jos R. Pontual
franaisco Antonio Chataja
3. Joaquina Francisca de Sales Lima
loo Francisco de Paula Onca
los Antonio da Cooba
Jimeo Chryeostomo de Souza
?raneBCo Borotheu Rodrgnes k
SUva
xuilberme Francisco Cruz
loaqnim Tavares Pinheiro
fredo Jos Pereira Lima
intoiio Becerra da Silva
los Paula da Cunba
loaqnim Elias de Carvalbo Moura
danoel Hugolioo Pereira Geraldos
looRuflro Ferreira Filbo
loo Carlos Bezerra Cavalcante
los Quintino de Souza
francisco de Assis Pereira Lima
Pompeo de Carvalbo Soares Bran-
dao
ianoel Bastos Mello
rnesto Arcelino de Barros
?elix A. de Castro
Malaquias de Serra Mendts
loaquim Jos Heleno
los Marques dos Santos Aguiar
Francisco A. Bezerra Cavalcante
tose Aluno Siqoeira Monteiro
Ernesto Francisco dos Santos
Luis Leocadio R. Pinto de Sonta
tolo Pi da Silva Valenca
Manoel Silvestre de Moura Borba
tose Correia da Silva
Pedro Celestino de Araujo
silo Walfndo Alfonso R. Pereira de
Bastos*
judij diiubu Falcu
JoloJuHao Regueira Pinto de Souza
Francisco Xavier Correia
Candido Dias
Liberato de Callado
toaqnim Esmero
Marta Borba a Irmao
Faustino Gome de Oliveira
Jcs Gomes Rigueira Pereira de
Jattos
Sergio Dinix de Moura Mattos
Manoel Loureoco de Araujo
Dr. Ayres de Albuquerque Gama
Joo r. Correia de Araujo
Dr. Beato Jos da Costa
0. Umbelina Simoa R. Bastos
Jos Tbomaz de Agolar
Benedteso Jerga*' '
Manoel Jeronymo W. Cavalcante
Belarmino A. Soares da Fonseca
Francisco Candido Valenca
Jos Gomes Moreira Borba
Vittonno Domingos Al ves Maia
Manoel Francisco de Almeida
A. J Furtado a C.
uevedores por letras interrompi-
da a prescripcao, a saber :
Julio Liberato da SUva
Manoel A. Soares da Fonseca Pilho
Joaquim Elmiro Demetrio
D. Qmbelina Slma Rigueira de
Bastos
Francisco Candido Valenca
J-iSo Sil e'io iV Sruz-
Baitnssno A Soares da Fonseca
mesmo
Joaquim Elias de Carvalbo Moura
D. Baria Cavalcante da Costa
Joaanim Elias de Carvalbo Moura
D. l'mbelma Simoa Rigneira de
Bastos
Jos Quintino de Suuta
Francisco Candtdc Valenca
Dr. Sergio Diniz de Monra Mattos
Devedores por letras :
B. Mara Cavalcante da Costa
Joao Francisco Corroa de Araujo*
F. Candido Vallenca
10*000
981*840
2.488*6X1
348*190
779*900
179*590
31*8'0
30*000
99*800
977*180
1:515*690
175*000
177*610
67*000
678*950
73*600
95*000
1:013*000
341*790
5:3*6*700
149*900
191*840
9)3*950
493*490
409*970
57*380
895* reo
950*990
990*990
300*000
985*050
361*160
81*900
348*330
34*190
3:700*180
184*9*1
301*890
90*000
884*500
9:180*330
911*680
339*690
89*910
980*000
96:896*060
381*600
399*680
7410*810
135*440
7:484*800
11.883* 110
40*000
94:150
6451*550
8:945*300
-48*900
413*080
394*170
446*000
Attencao
Jos Ricardo da Costa previne que nao se res
ponsabilfsa por debito que nao for feto por si
ou autorisado por seu pnnbo. Protesta, ao con-
trario. Re:ife, 95 de Novemhro de 1889.
Madeiras de construc^ao
Pro-o fmromprleirU
Linbas, travs, encbameit, pranenas, c. ibos,
ripas, aras, estacas, fachinas, sulipas, voltas,
cavernas, etc. Medeiros I -mao A C, ra Mar
quez de Onda n. t& l-mtaur, eiicarrega-se de
qualquer encommenda nesle sentido. ____
A publico
Alugaae o sitio do Caldereiro n 33, do finado
Joaquim Manoel Ferreira de Sousa : a tratar na
ra Nova n. 16. do pateo do Carmo n. 5.
Joaquim Manoel Ferreira de
A directora do Monte -io Portnguez em Per-
nambuco, em demonstrado de pesar pal) falle-
cimento de seu finado e dedicado consocio bem-
feitor e ex-thesoureiro Joaquim Manoel Ferreira
de Souza, manda celebrar urna mise pelo eter-
no repouso d'alita da mesmo finado, quinta fei-
ra 28 do torrente, trigsimo dia de seu pasea-
ment, pelas 7 horas da manh, na matriz de
Santo Antonio, para cuto acto religioso convida
os seus socios, parete* e amigos do tinado.
Secretaria, 95 de Novembro de 1889.
; Manoel F. Velloso,
I secretario.
BaaBjatamaatMi
3:928*800
369*050
1:094*700
9:019*550
3:980*490
l:998*-a>
4:034*800
3:999*150
430*710
t: 710*530
918*480
9:130*900
7*7W
3;510*i*0
tr9f6*44

Jloo albn* lveo da Silva
Maria do- Prazeres Al ves dn Silva, nacbarel
J( ffersoD Mirabeau de Azevedo Soares e sua mu-
Iher, Miguel Antonio da Costa e silva e sua mu-
Iher e Ignez Hermina da Silva convidam aos pa-
rales e amigos de seu irmao e sobriobo Joo
Albino Al ves da Silva, para assis tirem a mista
que per alma do mesmo se ha de rezar na ma-
triz da Boa Vista no dia 28 do correle, stimo
du foltoiimculu, pt.Uo 8 iiuias ua uiouba; e
desde j agradecem esse acto de caridade.
\
.
Victorino 'ot Pereira Baala
Maria Eugenia da Costa Maia e saos lilhos,
Auna Emilia da Costa Croe (anente), Jos* An-
tonio Oos Santos, Antonio Palmeira Maia o Be-
larmino Jatob redem a souspareotes e am'goj
o obsequio de assistirem as missat que mandam
reat r torca feira 26 do correte, s 8 horas da
maub, na matriz de Santo Antonio, stimo dia
do fallecimento de seu extremoso marido, paie
cnohado, Victorino Jos Paren a Maia, e desde
j antecipam seos agradeefanaiHos.
sssaaanaanmmaaa
t
Amelia SA e Soasa
Jos S e Scuza, seus Gmos, i.tuo, sobrinhoi
e coubados, tob preaao da dor que Ibes cao
sou o infausto passamento de sua infeliz e sen>
Ki chorada mulber, mal, iruS, tia e cunbada,
elia S e Stusa, agradecem sinceramente s
pessoas que conduziram on seos restos morlaca
sua ultima morada ; f de novo pedem-bes o
caridoso obsequio de assistirem as missas que
por sua alma mandam rezar na matriz da Boa
VWa.,s 7 ho'as H mr-hS do dia Wdo cor-
rentejsetimg_ do seu fallecimento.
Alagase o sitio da Magdalena n. 8 com boa
casa, agua encanada, lado do rio, com alguna ar-
voredos, a qual est limpa : a tratar na ra Di-
reita n. 45, sobrado, onde tamhem se alugam a.
casa n 37, com soto, ra de Hortas, e a da
n. 12 travessa da Fundico. em Fra de Portas.
TraUmento radical en 6 dia
DAS
BLENORRHAGIAS AGUDAS
o
GHRONIGAS
(VULGO PURGAgAO)
no non i:m o n\ n i 1.11 i:r
E da leucorrha ou flores brancas
Punas Resino-Balsaasnleas
E
Injecc-o Ant-Blenorrha^ea
PREPARADOS POR CALASANS 4 C.
PRODUCTOS APPROVADOS PELA
K8PECTOBIA GERAL DE HTOrENE
Urna serie do brilnantes e innmeras ex-
Seriencias, coroadas sempre de bom xito
urante dez anuos, assignala a estes dona
medicamentos, usados com a dieta O dosa-
gens proscriptas, o primeko lugar entre oa
medicamentos estudados e preconisadot
para curar estas terriveis molestias.
As punas sSo supportadaa pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nao im-
pedem nem difficultam as funecoes deste
orgSo.
A injeecio anti-bjenorrhagjca nao ab-
solutamente irritante e por isso nao tem
inconveniente das actualmente empregadas
e nSo produz estreitamentos.
Nao publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que te-
mos recebido para nao offender aos nossot
clientes, muitos dos quaes sao pessoas mili-
to conhecidas e altamente collocadas.
Empregada como artigo de toilet parti-
cular excellente preservativo contra af
molestias secretas.
Modifica e faz desapparecer o mo cheiro
das regras.
Preparados por Calasans & C, Phar.
macia Imperial, Babia.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C, ra
Mrquez de Oiinda n. 23.
Atten9o
Souza, Pinheiro & C mudaram seu escrptorio
do pateo do Carreo para o bairro do Recife, ra
do Bom Jess n. 7. antiga da Cruz.
Vinho verde especial
Cnegon urna remessa do excellente Mourise
que se vende em garrafSes de tres caadas p*
7*000; no armazem da ra do Amorimn. 60.
Tres ca valles
Roubaram da estribara do engenbo Bolbesr
tregnezia de Jaboato, no dia SO de rtoveabra,
tres cavallos : um russo com pintas de pedrea,
velho, achacado das mos, andador ; e dona da
cinco annos, sem ferro de ribeira, sendo um ro-
dado, mnito grande, andador de baizo a meio, a
o ou tro russo sujo, magro, com pouca crinas, e
passeiro; qoem tirer noticias do lugar ondosa
acham esses anlmaei e quizer dal-as, poda diri-
gir-se ra de Hospicio u. 4oo a JaboatSoL roa
uo Imperador a. ___ ,
t*
m
*N1
16#000
Alaga se a casa n 4 da travessa do Freitas t
antiga do Trinda le, em S. Jos, com S salas, M
oaftos, 1 soto, cosinha quintal e cacimba ; a
e d. 31 roa das Calcadas por 12* ; a loja da
sobrado n. 63 rea do Apollo por zi*500, lia-
SBI : as chaves junto para ver, e trata-se na ra
B Guia n. 62.
Criado
Precisa-se de um : tratar roa do Payas*;!'
i: 19, Passagem da Magdalena.
mmmmmmm
m
VENDAS
t
VaurJ*o
I anniversaro
Meqnim LncMio de Siquein Vartaao convidi
a todos os sene parelas e amigue a aasitttenrl
at mistat qne par. alma do saa adarada e nanea
Vende-se un dos melhores estabelecimen-
to* de molhados, nos arrabaldes da cidade, bem
como tan bem se precisa de um caixeiro com
ortica : a tratar ua ra larga do Rosarla nu-
mero 14.
Vende-se
BK.- w i*" qiK^raiw ae stm aooraaa e uuuca
I.SWK30 esqaecida esposaDeoiinda MariaJbeira Vafad
I manda retar ua matria aa-Mgt>ViaU. pelase
horas da manha do dia S9 do corrente, 1
ri4ajBB nremataro
portos de ferro cwn columnas, ditos sem ellas,
grade de ferro para-cima de muro, jardim e ter-
reen galrinbeiro de ferro, bandeiras de ferro,
com langas, dobradiee de chumbar, bocea da
for1'O. cariinho .- n*!> h roda para o o;esmo
tambem se vende ferrotbo de seguranca ; no lar-
go do- farte das Cinco Pe atas n. 4.
ptima acquisi^o
Vendse urna casa de tijow acat,comnai
porta e duaa janertes de frente, edificada BB
terreiKi proprio. uom vanos arvorbdoo aauat
frncto, na estrada nova deCaaso***, mnito pro
kbm a estacao do Z mby, ssarcando-ee iU ai
DO palmos parea frente e 300 ou 400 parec
fundo* ao afeo qae fot ofclteaido Ptvt d<
"S-r AndrtdB; s Halar com Prancisoo Ureiaila t
Carvalbo Paes de Aodradena raa de Santa Tbi-
n. DounaUtodega.


A NUTRE DHE DE PARS
1A-RUA DO CABUGA--1A-
OfnGUIA DE COSTURAS
Mme. Kobit, de volta de sua viagem a Pars, oflferece as
Eimas. Sras, e o respeitavel publico o explendido sortimento de fa~
cridaste alta novidade. V estilos feitos de todos os presos, cortes
de l, linho e seda, chapeos dse! e rhapetmas da moda e aburado
gosto, veos, meias de fio d'Escossia e seda, luirs Pean Suede e seda,
gpravatas, fichas, mantilhas, leques e nutro argos de bom gosto.
3P^EGOS IASOATBIS
Para os feslifies
A' ra da soledade n. 50, preparam-s<
com Kmpesa, mestria e commodidade ei
leite, pirmides de doces d oves, ratepi
kmifijmpara osisasento* heyrisados, ata
Reeebem-se as encemmundas quer pera
cidade, quer pan fbra d'ella.
Chcara i fio Monteiro
Traspaasa-se o arreadamsnto da assei
ente casa do rnmahoim Pinto Janioi
rituada rsetgtm do rio, affeieeead
coda commodidade e conforto : a trate
oom Jlo Ramos, praca da Independei
i. 17. rl
Gostareiras
Precisa-se de perfeita* eostareiras, t
oosam en rxuKA^dese; pags-se hita, n
roa de Brfio da Victoria n. lo, sobrado.
. ATOUER 9 aUBAsal yAHNY SILVA
Perera & Magal&es
Kecebedoreg directos dos mercados estrangeiros
59Km Dique de Caxas9
aM a> aegnirtes artigo coa* descont* le 14
ASI MA & CATA
Curados -patos CIGARROS ESPIG
OppnsadOea Zsse Deflux Xevrulgiaa
ucmcudo m*DincTasu m man bo imhouo oo bjuzil
VM*
u ata amQnV-
-
XPV
jpTJOO (BgB^
;


a
i

!

eaa groaso
Soperiores percales para vestidos a 200 e 340 tb. carado.
Crotones utesos, finos, quasi 1 metro de largo, a 28&rfv dito.
Baptistas de odres e lisas a 166 e 120 re. o dito.
Brint pardo trancado saperior 260 rs. o dito.
Fisnelta de eres para camisas & 280 ra. o dito.
Renda hespanhola a 2)5800 o metro.
Bramante mrnees-a'WO rs. o dito, 4 largaras.
dem de paro linho a 10600 e 8000 e dito.
Pannos de cores pe mesa a 1(5000 e 1(5400 o corado.
Meias-cas^miras, dase largaras,, pretas, 800 rs. o dito.
Caaemira diagonal, idem a 1(5400, 15800 e 20000 o dito.
Oheriot preto e azul, idem, a 2,5000 e 3)5009 o dito.
Tapetes avelludados a 14*5000.
CortinadoB bordados, ultimo gosto, a 6)5000 e 8OO0 e par.
Lesees de linhos a 25500 a ansia! bonitas caixinhas.
Meias ingleses e nacionaes, para nomem, a 90606^#eOO-* 50000.
Camisa* idem superiores a 280600, 30*000 e 86*000 doria.
Oenjlaabordadas de bramante #120000 e 160000 a dita.
Toalhae -grandes para resto 40006' a dita.
Madapoln americano oom 24 jarda a 50500 e 60000.
Cambmia Victoria e transparente ai 20800 e 30000.
dem bordada branca e de corea a #0000, 12 jardat.
- -Corteede-seda pam'eoJlete 40060.
'idem' demeia-casemra-para calcara 10560 e 10806.
dem de crotones, oorldade, com figurn, a 80600.
Gaamicoes derrchete para soft e cadeiras a 60066 e 80006.
Colcha de crochets *>?06O6.
' dem de fnstao de cores a 20600 e 30000.
Coberta de ganga,-forradas para casal a 20500.
Lences de bramante idem a 10806. -
Cobertores de H, eoperiores, a 50000 um.
Chales da''II a 10500, arsetaira 30060.
Picoas e mantilhas a 10000, 10500 e 20000.
Fnstoes bordados de eftres e brancos a 280 e 360*rf.Jo covade.
Linn brarco para noivas a 500 rs. o dito.
Stotias de todas as cores a 800 rs. o dito.
Sargelins de cores, dfagonaf, a 206 rs./odita. ,, .< *1
- Sertiraer.to completo de merinos pretos e brms para lutos, casemiras pnetas,
fajaeHes *xues e rnnites artigos rerdadeiras pechinchas.
59Ra Duque de Caxias59
;*_____ .________
i*,

-
.
.a >
-

IKNBICO E I3INQSKE BROjfZf
LIJIZ DA CRUZ MESQlUTi
66~-rea o Barao do Triapiio^*6
Teitapara vender o seguate:
sHiIms de estfcre para saer espirito da deatillar a reatillar.
Alnsslfcl^fue de cobre do ant;go e novo, sjssema oom eaqaeote farapa,
saerpcsatlsia de cobre e da estanho.
Cae-apatas da cobre.
TafteB, tais e caldekas de cobre.
Utaa de tedas as qaalidades de repuchos, aspirantes e oonrinnai.
Taime I ras de bronsa e mdelrs de todos m taaaankos.
Castos de cobre, de chambo e de ferro.
Repartldelras, passadeiras e esenmadeiras da cobra a de ferro estanbdi
-fMbrc! em lenco! e arrnalw.
la inglesa e do Ho.
CaJllamaa patente a de lapis.
*>! da 1 libra at 110 arrobas.
VIGOR DO CABELLO,
VXtSL
sob bases acient Meas
"cas asara o flm de
bellos, restaurar
a cftr, impedir a queda, e aromo-
jp ?**- abundante cresci-
BsU aparada e excelleaSt >r*para?io, *
sem dnrida /siettor.ieawdlo at hoje
conhecldo paiaw ftrrotes defeitos da
tsbettssBs^sasBseaaMsaaaa atteseio de
todas as pessoas que t*m tide a Infelici-
dad* de perder em parte este mala rico
omamtsto atwal da physionomia.
Qasa^jwsjsaMB'ago iataiasaata tsm-sa
conssgttldp^lesBltad" reahaente sorpwa-
dentes. Em amitos casos, porm ao
serapre, a propria calvicie tem sido curada
" B^mpre'seeoniegae fazer parar s queda
d?* cabello: emqnanto me para oMaCaa-
aSas ssnnaras, 6 o bjecto mas nt s
mais agradarel que se pCe empregar.
ras*auo nao
DR J. C, AYER & CA,
. T#wn|i Msi_TlsfiiFali I A' tenda as lajas de armariaho o per-
SBSaSJBM>
- t wnsiiH iwsav .
^- -i '-ar


.t,.
PARA O CABELLO.
Augmenta, Aformosea
E TAZ CKESCER O CABELLO
com aawnxbrosa rapidez.
Cosinheiro
Precisa-se de um coaiabeiro; no armaien di
caes do Apollo n. 47.
*^

::'

I
I

E muitoa antros obiectos.
ENCARREOAM
oojectoi
-SE'le
onalquar concert a obras de eneommenda, garai
ido prestesa, perfei^ao e procos mdicos, para o qne tem peasoai babiEtado
VEXDE a oraso ou dinheiro oom descosto.

1 i' "l Wi
Aluga-se
o S- andar ra Gorooei Snasseoa n. 119 ; a
tratar na poannacia Conceicao, iaaio so arco da
CoDceicao.
arree
INJECTION

. I
'O'
Cura certa em 3 das sem ootro medicamento
.lA-'-
JPAMIJS- >, aaoiifanasd
Dnosnos em todas as Tutncipaas
y
-i
su*
^ i NEVBALGIsf\li
Pilulas do Docteur Moussette
i FlLTJLAS MOUSSETT acaJn4o e callo Jas
| IT rheumutitmaet agudas e dolorosas qaa res; tirio a qu al quer ou ro remedia
As Verdadeiras Pilulas Mowrtte ssajanr ser leseadas
reetcoes. No prUaeiso dia. tomar-ee-ha tres pilulas; pela mar ha, so almoee
jEantar:- Si nao trver experimentado all vio tome-se quatro pilulas no segando-
dia, duas pela man ha, ama no almoco e oosra no jantar. E' prec so ni o tomar mais
iux> pilslae Moosssrnx por dh.
Emja-se ai Verdadeiras I ilulM Bf laiatt* d CtH A *, de PAJU2
que m nsiiipsiiu em iodos aaiiii>aiaasta*asiSsris.
FINDICAO EERAL
' Ama
Precisa-sede tinta boa* coainbfeira, para casa
de pooea familia ; no pateo do Llrrasento n.
St. seeuudo aodar. .
a.....,--.-----------. i ,,, _____ t
44--8UA mm TalliNPH0~44

A
'Completo sorimeato de chapeos, capotas e gorros oe fantasa em todas m
S4Saflaaas.iSgP
Fitss, rendaste bico de seda e algodlo deltodas as corea.
Flores, plumas, passsros, algattes e bljaterles parajenfeitaa.
ChapSoe 6 eiraje castor, os mais modernos, para borneos,olanino.
Pecebe por'todosfjosfVfpores as primeiras novidad genero de negocio.4bsbbk^9MBl
Laphael Diae k.iC.
^Kuaflo Barao da; Victoria 2
mas a vapor
'Moet)da8.
Rodas d!agua.
TaA as fundidas e batidas.
Taixas batidas
Arados
:
'
sem crava
irao ha Porgante
algum qne tenha
sabormais. agradavel
VAJOUOAi
CassL.FREHE
19, ,ru Jas, MSB
ppppppppppf*
'w^e m
jToeos,

wwmmra'Boina
saIGO
nava
tminitt-f o Tuto ma en.
utlr Mais fmtn, mm
11, IU
MiWt IR. 11
P/PX6S A MjB sTOWKt
^WSfllfS.
m
BOUSTIAS 00 PEITQ,
AFFECf OO EsCHOFVLOSM
CHtowsrs.
sMaiaySfssjoAtf,
T'WANMP'GttV.
. BBOKWES, BAtHlTISBQ
Vitiko^daHtoi
U'.
w. )L- Si '
\ 0 Lt 0 WA\
> ngoento de Holloway um remedio iiftBS**enJi'o ranae dffpeito t tanfteaf**^
ai andat iagas ciwgpi e ulctras. E fr.muso on a gota c rhsaraati&aie- p toas 4 nasas"
^des de peilc bSo se-Teconhece egaal J
Pn C3 mures de :^r4antat:l>ronchhes resframentos e tossaa. ^
"i^jTiores d-s gratelas e todas aj Mokiias da reHJ^ tem.*eBellue pan os mebate.
1
roDUabidc e 'snict
i'ira como por cricanto.
lar
Ma
ates !M, Oxfwd Svect), X.OSfiHZa,
uUu'Sa %n*rt:
* d* c*4b aShw^naaMSritoSaaii sf

Amgja-se .
o sobrado da um andar e soto, na roa Mrquez
'lo Herval, travssa 0o Pocinno n. 33 ; a tratar
o largo do Carpo Santo n. 4, t- aodar.
Segundo an lar
Aluga-se o 2 andar ra Duque de Caxias
n. 33; a tratar no armazem ra do Brnm Da-
mero 80.
Sement d carrapato
Compra se em grandes e pesnenas
des e pelo maior preco posaivel; bo
de mercearia de Toaie8 Aires & C, roa
de Negreiros n. 86, antigo pateo do Te
oa fabrica de leos vegetaes amada
aumero 168.
O
E
Alugnel barato
0 1 andar da roa Visconde de Ilaparica u. 43
Raa do Roaario da Boa-Visti d. 99.'
Bec"0 da Bomba n. 8.
Roa Visconde de Pelotas n. 5.
Ra de Santo Amaro n. 14, loja.
Roa da Roda os. 58 a 60.
Roa Visttnde de Itaparica n. U, armaiem.
Largo do Mercado loja n. 17.
Baaco do CampeUo n. 1,1'. andar. K
Visconde de Goyanna n. 167, com agua e gas
Loja do sobrado do becco do Calabouco n. 4
Roa do Nogueira n. 13.
Visconde de Goyanna n. 163 com agua a gao-
A tratar ra de Cosamercio n. 5,1- anda
sscriptorio de Silva Guiaaraes 4 C.
|
J^^^.
i




Mereearia Equidad*
Statav Coronel saaMwaa. i a
ENa roa Mrquez do Herr! n. *1, sobrado,
precisase de orna ama para cosinhar e faser
outros serticos ne^essarios a urna familia.
Ama

Precisa-se de una ama perfeila cosmbeira,
era es sa de familia ; a tratar na ra Duque de
xias n. 93.
'
'
No becco da Lnguetn n. 6, precisase de ama
arna para sasa de pequea familia, para cosi-
nhar.
**rj----------!------
A ma
Pre sia so de orna ama para onerrljo SonlB*'
tico ; a tratar aa raa Batao da Victoria n. 64.

Ama

Precisa-se de urna ama para cosinhar e com*
prar; na roa Nova n. 20, loja, loja.
tar na roa dos Goararapes d. 88.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; ia raa
Pedro ABonson. 1.
-------------------r-
1: J!V
Ama
i
Coroael
(Antiga roa de Hortfrs).
0 propnetiriodeste modesto Sstabaleciments
Sresumindo ter sem ore contento de ma aesa>
Sada fresoeria gneros de reconnecfda qou
iade e pnreaa, a parda um eacoUdo sortiaei*
d! vinhos superiores e geoulnos por sos capr-
ihosa escolba no mercado exportador, cfcamt
ara este a aUenc&o dot coiuraaidores cnteri*
ios, que jamis deixaro de reconhecef a sai
nnceridade, recudi e integridade commerciaj,
Precos mdicos.


Jos GoncalvesTTMis
Prrn.mh.Mo

i


Attemjo
Aiuga-ee urna casa propria para estabeled-
ment, com armac&o, em um dos melbores pon-
tos da freguezia de Afosados, a qual acabad*.
Sal
Ama
... ,*-,*.?. ^ passar por uiaa grande recuicasao ;
kma para cosnnar, a rra- pateo da'Paz n. 96.
V
AlimentoiCriangas
Pira remediar a fraqneza das crlancas, detenvoloer
tu sttas fOrcas e pnserval-as ta* doencas Ha Hade
- 'M

Precisa-se de orna ama, paga-se bem ; na roa
Barao da VietSria n. 35, on Corredor do'Bispo
numero 1.
ttnra. es- principis Mdicos de Pars, ment
da "
opi
da. Academia'de" Med$*aa Se Paria, feceltaocdaa
Ama para menino
Precisa i% da alna ; la ra do brperador a
40, aimatem.
Padaria
Precisa se de urna
pessoa qne tenha algor
leste ramo d
?
capital e que queira associar-se neste ramo d<
negocio, sitoaia em mtito boa loca (ida e
tratar-BB*raa friaetaa Isabel n. 3.
Pe chin cha
SO rs. cavada
Las de cores, quadrosde seda, lindos plrdes,
faxenda de 1*400 a 400 rs, o ovado, apraveitem
a pecbincha ; roa do Crespo o. 21.
Oliveira Campos A C
Cozinheira
Na roa da Aurora n. 133, precisa-se de urna
qne darme Livraria Contempor-
nea
Instr amen toa He muilra
Bomoardao, bombaramo, barytoao, tromp
trombone, hecon, saxapaone. carrilon, bssabt
caks, prato.clarinitas. flantas:rabeces, violo
realejos, ollxas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quarlos, gabinesM, corrada
rea.
Molduras
doaradis, pretas e donradss para'qnadros.
Malas
pasa tlfljHD, diversos formatos, eBpecialment
paaa'WoBSOe'fleSibofa camarcte.
parapres
Novidades
xito o verSsdairo
4maatdmmti9dUuiiSmkm^mi
I Este agrada velallmento,comp8stocomsubstanciaS
vegetaes nutrlUvas e fortalecedoras di vide-se na eco-
noma tuda, e. pelas suas proprledades analepUcaa,
Enel hora a com posico do lei le das senhoras qiie ama-
mentao, e acorda as forcas lnguidas do estomago-
51. nu tlTieoe, hrU. tqtdlm ais PkuaaAa to Sua atta,
Aocommerem
Os absixo assignados, tendo comprado a Ai
varo de Menezes & C. a ebehira sita no caes
Capibaribs n. 16, livre e de; embaracada de qoak
quer onus ; quem se julgar eom dirette, quein
apresentar as suas notas no praso de tres dias.
Recife ii de Jicvembrede 1889.
Botelboi* C.

PAPEL RISOLLoT
U08TARDA EM FOLHAS pan SIHAPIIMOS
IHBISPtNtmiJUSJAstltiaVt
Usada bo mando inttiro.
Cosinheiro
jg-a> urna
i comoieusse'eeta
astfostaas-lataa
ceicao, junto ao arco da Gonceic
------:-




I
I
I
I

Celegii
Grande novidade
.na Duque de Caxlats n. 48
Foseadas recebidas pelo ultimo vapor.
Itamnes de corit 320, 400 e500 ra. oco
vado. #
Caximira com toque de mofo com duste
larguras de 20 a 800, covado.
Zephir de .quadros riodernos a 120, e 160
e 200 o covado.
La* modernas de quadros a 200 e 240 o
covado.
Crotones miudinhoj a 200, 240, 280 e
320 o novado.
Cachimira de quadros de 2,500 por 1000
Merinos lisos a 200 e 440 o covado.
Ricos cortes de cachimira bordados de 80$
por 30#"e 400.
Ditos bordados de lynon de 180000 por
120000.
Toilets para batisado a 60 80 100 e 120
um.
Ricos cortes do sretone com barra a 60
um.
Ricas las batas de seda a 400 o covado.
Seda Japonesa a 200 o covado.
Cort nados bordados para cama a 60 o par
Fechua de retroz dourados e prateados a
10000 um.
Luvas de seda todas as cores para senho-
raa 10000 10500 e 20000.
Saias bordadas para aenhora a 30000 para
acabar
EspartilboB courasna a 40000, 5000 e 60.
Cachones para homem e senbora a 10500
um. %
Costomes de Jersey Jifera enancas de 4 a
5 asnos a 70000 am.
Caaacos de Jersey para senbora, a 60
um.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 rs.
um.
Lencol de bramante a 10600 nm.
Cobertaa forradas para casal a 20500
urna.
Toalbas para erianca a 120 e 160 orna.
Cobertores brancos de la com pequeo de-
feito a 20000.
Leos de lmho a 20000, 30000 40000
a dasia.
CereJes frassuezas, a 1
CqMem adamascada,
Hfe 50000 urna.
DitaAe croxet, a 40000, 50000, 60000,
70000 e 80000 um.
Corta de casimira a 30500,40000, 50000
e 60000 nm. '
Cortea de fustao para collete a 500 rs.
e 10000 un.
Dito de velludo bordado a seda a 20000
um.
Camisas brancas de linho para homem a
20000 urna.
Ditas de me i as superior qualidade a 10
urna.
Brim branco de bnho de 40000 por 20 a
wa&s.
vara.

Grande sortimento de casemira para eos-
tomes, precos muito resumidos, assim como
apromptase um custume era 24 horas,
para isso tem perfeitos officiaes.
S la Revoluto
4 -Ra Duque de Casias4a
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
E' Tender barato
*IGlhe 440
no pateo do mercado n. li. .
ni ii i 9
Alfafa nova a 7$500 o
fardo
Vende se no largo do Corpo Santo n. 6.
Vinho puro de Santarem
Da ajuluta do Darral
Os proprietarios do Armaxem Central, a roa
do Cabofa n. 11, avisam aos seus dislioctos fre-
gueses eao respeitavol publico que receberam
nova remessa deste especial vinho, o qual se
recoiunenda por ser puro da uva, e s se reta-
Iba em seu armazem.
Joaquim Christovlo 4 C.
Telephone 447
Wr* *>L.RV Yetfe-j ea tato a oirt

FOLPETIM

,
ai aaaas m m





QUARTA PARTE
HERMINIA E GABRIELLA
i
( Continuacao do n. 2o8 )
n
LaritMaecaMkal ,
Renna-Nevada enxugou as lagrimas,
embrulhou-se no sea manto de herminia e
sabio.
Alguns segundos depois, Gustavo vio
do alto da montanas duas pelles de nrso
estendidas sobr* o teeto de nev, onde se
tinha era vado o dardo de Gabne'la.
Com o auxilio do oculo, vio d'alli pou-
co a propria Gabriella, escoltada por nm ho-
mem de elevada catatara e descendo r-
pidamente para o valle.
Salva !... Salva! exclamou elle com
alegra.
Mas, quasi no mesmo instante, nm gri-
to de alarme, solt polos velhos e muflie-
res, retii pelos echos das montanhas.
olhar penetrante de Aguia-Vrmelos
vio ao longe duas sombras que fugiam na
planicie.
O Homem-A aul e a Filha de Nove f
exclamou elle.
Como ama tromba, como ama avalan-
che, deseen dos vrtices onde ia atacar
Gustavo ; com metade da sea tropa co-
mecoa a perseguir Gabriella.
Oarcajon fiemes, frente da outra meta-
de de guerreiros.
Entfo, finalmente, os vate franceses,
emboscados aaa altana, largaran as pelles
TKCIDOS NOVOS
A Loja das lastras Azues
RA DUQUE DS CAXTA8 N. 61
Japas e visitas tecid> com vidrilhos a 2EiJ
Sedas arrendadas, ijorea : reme braco),,
. isul, verde claro, a 10500
3urah tecido faatazia a 10400.
Sedas de listras largas ama a cor com
branco, preto com 1 odas as cores 10200.
Tecidos abertos fanti.zia de urna s cor e
com listas matis a 400 rs.
foaile com ramager. 8'cores claras a 700
cores escuras sv 40 rs.
asemiras escaras fintata lisas ou com
ramagena a eW e 400 rs..
Mecidos fantasa ect qqadrahee, core:
azul olaro, maano, osf, e sjUUs.
>opes com ramagean cores claras a 500 e
GOO'rs. Sp'
."snzuc com lindas coi es e desenlio 240 rs.
recidoa de linho em lalas ou quadros f.i-
senda muito larga a 560 rs.
CJortes de vestidos d: casemira bordados a
200, 250 e 300.
Vestidos brancos bordados para noivas a
160 180 e 200.
Cortes do linho de qiadrinhos^oom 161[2
covados a 40.
\ovl ladee
Mosquiteiros americanos eomarmacaolOJ,
120 e 150.
Sabonetes para sardas e pannos a 500 rs.
?entes fantasa para enfeitee a 400 rs.
Fichas prateados e dourados a 800 rs. e
10000.
Bordados com 4 li2 metros cada peca 10
e 10200.
Glrinaldas com ricos veos para noivas a
70, 100 e 150.
Cortinados bordados para cama os janel-
las605OO.
Cortinados crochetds cores em peca a 10
e10500.
Liiivas de seda pretas e de todas as cores
10800 e 20.
Colzas de fustao do cores a 20 e 20500.
Bramantes com 4 largaras puro linho a
10600 o metro.
Espartilhos inglezes desde o n. 40 at 30
centmetros de gr ossura.
Bicos e rendas para enfeites de vestidos
todos os precos.
Caaacos de Jersey tecido de meia a 50.
. Fazendaa Baratas
-hitas claras finas e segaras a 200 rs.
Tecidos de linho lindas coi es a 120 rs.
Cassas de ama s cor a 100 rs. ou 10500
a peca.
Baptistas miudinhas cores finas a 120 rs.
Brim pardo para ro pas de meninos a 240
res.
Esguiiio pardo infestado para vettidos a
300 e 320 rs.
Vforim das Listas Azues 20 varas a 60 a
peca.
VladapolSo com 1 metro de largo a 40 a
peca-
ilorim lavado pecas eom 10 oa 20 varas
a 30500 oa 70.
Algodlosinho a 30200 a peca.
Lencos finos a 10600 a duzia.
GruardanapoB superiores a 10800 a duzia.
Atoalhado bordado a 10 o metro.
Panno da costa para mesas de jantar a
10000.
Toalhas felpadas grandes a 50 a dosis.
Saias bordadas, e cuaco braceo a 30.
Cambraia Victoria a 20600 a peca.
Crinolina de cores a 360 rs-.
Sargelins finos a 160, 180 e 200 rs.
Baleias rradas a 240 a duzia.
Pitas de sedas de latas differentes larga-
ra e cores a 400 e 600 rs.
Leqnes transparentes lindos desenhos a
10500 e 20.
Con tas lapidadas todas as cores a 500 rs.
o maco.
Retratos en tasaanho Vatural
Qualquer familia qne desejar possuir
am lindo retrato em soa sala de visita,
)u mesmo para nm presente, bastante
mandar um retrato pequeo em cartSo, e
iizer a cor dos olhos, e do cabello, para
hegar nm lindo retrato '
Por *&% com Moldura
Para fzer encommendas dirijam-se
A' .Loja da s Listas Azues
JOS AUGUSTO DAS
de ursos com que ne haviam disfarcado,
na esperance de penetrar por sorpresa no
acampamento dos indios.
Se nao fossem os caes de guarda, o es-
tratagema teria tido provavelmente bom
resultado ; agora, era totalmente intil.
Travava-se o combate.
As armas de foge e a vantagem da po-
sicao devia dar superioridade a Gustavo ;
mas, vendo que Gabriella era perseguida,
resolveu retirar.
O alto do terreno estava d'alli a pouco
em poder dos selvagens, cujo ard)r belli-
co redobrou de intensidade.
No emtanto, Nicolardot tinha meia legua
de dianteira.
Corra, mas n2o jera hesitacSes.
Um ribeiro, qne :'oi necessaro passar a
vito, fes-lhe perder alguns minutos ; vio
ein seguida muitos ligases de trenos, que
se crusavam sobre a nev, nao sabia qual
a direccao que devis seguir.
Gustavo observava-o, e senta am saor
inundar-lhe a fronte.
Se se engaa m no caminbo, mea
Deus !... exclamou elle, e la em baixo nlo
ha um signal, nada qne possa seguil-os!...
Vamos, camaradas, pas so de carga !...
Voemos em sea soc jorro !...
Os franceses psrtiram; pareciam fugir.
Carcajon, e prximamente dusentoa
gnerreiros que os perseguan; de perto, ar-
r'.messBvam-lhe dardos e pedacos de rocha.
N ico lardo t parou de repente
Os aignaes tornavam-se invisiveis ; ti-
nha percorrido j mais de urna legas, e
ouvia atrs de si o grito de guerra de
Aguia-Vermelha.
Mea Deas 1... mea Deas exclamou
elle com intonacao de desespero, segui
ama pista falsa... Estamos perdidos I...
Perdi, minha senbora, perdi... En nao
me importo com a vida, mas a senbora 1...
Gabriella nao tinha falta de coragem ;
no emtanto, o perigo era to hornvel qne
cambaleou.
Tinha-se julgado salva e vio-se outra
rea cabida em poder de nm monatro im-
placa vel; a vos expirou lhe oos labios ;
fiStava paluda como ama mortalha.
Eu bou a eaasa de todo 1 continuou
Wcoiardot, fia mal os signaes. E' li em
Imxo pela esquerda, qoe deveriamos ter
marchada ; all que devem estar eraos-
Lopes 8c Araujo, venden
a presos sem competencia
garantindo a ba qualidade.
os artigos abaixo mencio-
nados.
Gal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito paca machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de pei^e,, fo
Pixe em latas.
Kerosene ine^lsivel.
Potassia da Russia em caixa.v
de 10 e 2^ kilos.
Cimento Portland.
Graxa em bexigag.
Ru do LivrameBlo d. 38
Telephone 316
AO 55
- Pede-se ao respeitavel pblico que at-
tenda aos pesco abaixo mencionados :
Setim da China, fasenda de phantasia,
alta nov^e,.a 240 rs.
Amor da China, a 200 rs.
Zafiros arrendados, o trae ha de mais no-
*?*, a 800 rs. .
Vestuarios jersev, ultimo gosto, a 104
el2tf000
Renda rientol a 500 rs. o covado.
Crotones para cohorte, 500 rs. o covado.
Pannos de crochet, todos os tamanhos.
ttadapotSo largo a 600.
Flaaalla asul, muito lisa,,* 10200 o ce-
Fiehs de pbaataais a 1^000.
Lavas de seda a 20000 e 30000 o par.
Gruardanapos a 14600 a dosis.
Sargelins de qualquer cor a200 rs. o co-
vado.
Grinaldas para noivas, fcousa chic e ba-
rata J
Nunzucks, grande sortimento.'
Cambraia Victoria e transparente a 20800
ai>eca.
Cortinados bordados a 60000.
FkneUas para camisa a 320 rs. o covado.
Setina, qualquer cor, a 800 rs.
Renda da China a 200 rs. o covado.
Fustoes brancos a 320, 400 e 500 rs.
Vestuarios para baptisados, [o que ha de
mais novo.
Oami
J0OOO1 (
Grande sortimento de setina lavrados
10000 o covado.
grande e importaste sstabelecmienta r *?oline,1*J*i^ metr0
O
Pocas Mendes A C, sito i roa estreits do Rosa
rio n. 9, contgoo a igreja, acaba de rec elx
ama granee remessa do acreditado e epedal
Vinho Maduro
'0 nico qne, sem a mnima confeccio, ku
portado neste mercado, e s se vende no refer
do esomelecimento. Este precioso nctar si
torna cada vez mais procurado aqu. Qaeren
saber porgue ? Vejam : o vinho Maduro, sendi
como e, feiio nicamente da uvs madura, tea
as segnintes vantagens que as ontras qualidade:
de vinho nao tem ; facilita sem a menor pertor
bsco as digestOes do estomago, anda mesme
o mais enfraquecido, dando-lbe vigor, pois nutn
a olhos vistos as pessoas debilitadas, e d forca
as qne as tiver arruinadas peio oso de bebida!
viciadas.
Recebemos tambem
Reqi
ueijao
em latas, de procedencia de engenhos, cujoi
propriitarios capricham em bem trab* lhar nestt
artigo, atira da terem a primaiia sobre tanto
outros similafes. cuja conmoslcae duvMeea,
Em outros arfiaat coajo aasuNCsf ie rntalip
e flores, Ungas seccat do to Gramk, objtett i>
time e tamaium o Porta para booms e sea
ras, para isio 130 poucb temos competidor.
nossa esm 4 eipectaiista, ss aessoas qne dish
se quefcan 'cortuicsr potieni masrecer, car
oque IshafooTMfir#e.1' dude de artigos de prissetra ordena, que sfitissa
e em exposicao, acresce a smeoidade do tratt
com que timbramos tratar todos os qoe noi
bonram com a su presenca, junto a modicidad*
de precos sem rival.
ana asbjsea ato asmara a. a. jama*
a e-reja
Po4jas Mendes S C.
WIISIT
Rojal BlemJ natc VI4D0
Este excellente Whisky Eaoooes e pro
ferivel ao cognao oa agurdente de cana,
para fortificar o corno.
Vende-se a retalno nos melkores arma-
sens da molhados.
Pede Hayal Blend marca VIasa
cajo nome e emblema slo registrados par.
todo Brasil.
___________BRQWyS V., agentes.
FboHi
Vendase a propfiedade denrminada.fontesi-
nha. sita na freguezia de Murjbeca, distante do
Recife ojaajre legras, eom ass de IW oes d
coqueiros, fructeiras, mattas, mangues e com-
modo- para urna engenho a, jnnto a via ferr
de S. Francisco; sem proteoler dirija se roe
Vidal de Netrreiros b. lia.
A LOJA HAI| BARATKHU
)1DT rr- '\r V4 ir T? p Yfr>
francesas, com coDarnho, por
Zefiros a 160 e 200 rs, o covado.
Merinos, sortimento granito, a'500 e 800
rs. o covado. ta
Cambraia suissa, a 70000 a pees.
Cambraia com salpicos brancos e de cores
o 4a000 & ru*PQ _I>L
Babados e eutmeios a 6Q0, 800 e 10000
a peca-
Lencos de seda, muito bonitos e baratos.
Cachemira oombinacZo com listas de seda
a 10400 o covado. t%m-
Bramante de quatro largaras a 800'rs.
avara. B|,.
Mantil' as pretas a 40500.
Atoalhado, lindros padroes a 10 o metro.
EsDrtilhos com couraca a 40000, 50000 e
Colchas brancas e de cores a 20, 30000,
40000, 50000 e 60000.
Grande sortimento de fiehs de cores para
toda proco.
Cassa bptista a 120 rs. e covado.
Chitas hraaoas eaehrae a 949 rs., s se
vendo a bfia qualidade. .
Cretones muito bonitas a 320 e 400 rs. o
covado*. ~~'T^. -.
Melar para horneas, snnoras |e criancas,
grande sortimento.
Comisas de meiaa a 10000.
Grande sortimento em merinos pretes.
Cortes We fustao para coleto, alta novida-
de, a 10000.
Camisas de flanella francesa a 30000 urna.
Brim de linho de eOr a 500 e 600 rs. o
covado.
Tapetes para cama, sof e porta; [barato !
Velbutinas, qualquer cor/ a 800 rs.
Cassi netas, muito bonitas, a 400 re. o
vado. ^*
Cortes de cachemiras, em cartao, consa
chic.
Ditos de cretone muito bonitos a 80000.
Ditos de casemira de ocr a 40000, 60000
* 80001 .
Alm de putras muitas faaendas que
imbossivel mencionar.
Da-se amostras sem penhor a qualquer
peafoa. IJ]
ii Ra Duque de Cailaa 55
Fernaodes Azevedo & C.
co-
Vinhovirgemde Mon^ao
E' desta procedencia (jes acaba de chegaresa
puro vinho, consignado para a roa Coronel Sosa
suna n 15, onde se vende engarrafado e em bar
rio de 8- e 10-. Convida-se os ^resudores
julgareai a su* boa e pura aralfsaee, na l
c aria Equidade rus de Hortas n. 18.
cortam-
entlo
sos amigos .. E os malditos
caminbo...
CJom vos de Stentor, gritou
soccorro.
Em seguida, disparou a espingarda para
dar o alarma e tornou a carregal a im-
mediatamente, murmurando :
b: E' entilo aqu que vou morrer !..,
Diabos me levem, se lhes prestar para al-
guma consa a pelle de um velho tobarlo
como eu !... _^<
O valle, que pareca t3o pfano do alto
dos morros ou do planalto, onde eslava
estabelecido o acampamento, era eralmen
te nm terreno muito accidentado, oBde as
e!evac3ee, os fosaos, e parspeitos e naos
ticulos, todos muitos semelhantes une sos
outros, enganavam muito facilmaate a
vista.
Urna vez embrulhado naque lie ddalo
de areias, de gelos e de neves, nada mais
se via de que elevadas montanhas.
O horeonte da planicie limitava se a al-
guns passos.
Portanto Nicolardot- nlo podia ver de
am bulo Gustavo e os seus marinneiros
que corram .para elle, do entro, urna tor-
ca de vate homens regularmente forma-
dos em pelotlo a que avancavam em passo
accelerado.
Estes ltimos, ouvindo a pouca distan-
cia um tiro de espingarda e um arito de
soccorro, nao haviam duvidado qne era
Gabriella, libertada per Gustavo.
Assim, no i inmenso valle, convergiam
de direccoes differentes, para um s e
mesmo ponto, quatro forcas muito diver-
sas, mas que nao deviam encontrar-se all
ao mesmo tempo.
Aguia-Vermelha e os seus guerreiras fo-
ram os primeiros a chegar.
O vestigio dos- passos de Nicolardot,,
anda recentes, guiou-os com toda a sega
ranea logo qoe o perderam de vista.
O velo marinhiro, enirincheirado por
detras de ama especie de parapeito, espe-
rara os a p firme ; tioha tres tiros para
atirar, des dardos, nm machado; e como
nada tinha a puupar, gritara com todas as
suas forcas :
A mim, marinbeiros I... A mim, meas
rapases 1...
Gabriella, ao approximar-se o perigo,
tiaaa recuperado alguma energa. 1 pao.
Libras sterlmas
feode-se libras sterlicas ; na ra do Com-
mereio, armasem 0.8.
Nora rernessa
roo rs. covado
Marin se cores, duas largaras. II pura, s 401
Tafo covso ; rea do Oroepo n. SI.
(Miveira Campos & C.
Carregarei

as annis, disse ella
Gustavo ensinou-me como isso se faz.
" Coragem coragem e ama rapari-
ga valen te, com mil trovoadasf... A nossa
sal vacuo depende talvez de um oa dous
minutos de resistencia. Nlo aereamos o
animo!...
O marinheiro acabara apsnas estas
phraees, quando oa indios appareceram a
alcance de espingarda.
Costella de Baleia recebeu em cheio no
peito a pnmeira bala de Nicolardot; a se-
gunda passou junto da orelha -de Aguia
Vermelha e esmigalhou o crneo de 02o
do Mar ; a terceira ferio Aguia-Vermelha
oo hombro, mas oSo o fes parar.
Protege-o o diabo, trovSes do infer-
no I... exclamou o marinheiro, apontando
outra vez a prime ira espingarda que Ga-
brella tinha carregado.
Oazeotos guerreiros formavam um cir-
culo ameaeador ao redor d'ella e do ve-
Ifto marinheiro, que apontava ainda a
Aguia-Vermelha e que o errou pela ter-
ceira vez, porque o grande chefe se tinha
deitado de bruoos e aranoava de rastos
com sorprendente rapidez.
Um dardo !... minha senbora !... um
dardo I pregue-o ao oblo!. gritou Nioo-
lardot, fazendo um sarilho com a macha-
da, o que foi mortal para mais de um
guerreiro Nibouais.
Mas Gabriella, sem forcas, Gabriella,
fascinada talves pelos srdentos olhares de
Aguia-Vermelha, estava immobilisada pelo
terror.
A sua m2o tremnla largou o dardo.
Urna vos que ella teria reconhecido en-
tre mil, gritou-lhe de repente :
Coragem I
Gabriella eleotrsou se.
KOllo quiz combater. HL
Infelizmente era muito tarde.
Estava tudo decidido.
Aguia Vermelha aaahava de leraotar
te e amarrara a, li [oa com ama cr-
rela.
E Gnstavo, a ata turno, era ceroaao por
urna horda de se I vagos.
Gabriella dea um grito de horror ; de-
betia-se em rio.
Pela terceira ves, Aguia Versselha a le-
vava, daado am espantoso frita de trium-
O & .
16 Roa do B. da Victoria16 '
200 Tdaphon*200
Tendo recebido directamente da Euro^,
grande sortimento de fazendaa e modas
que ha de mais novo e precos sem cok
potencia.
A saber ;
Capas de surah, senda e merm.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de IX e 15 seda.
Damass de seda para.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10201
Crinoline preta e branca t 400.
Sargelim, todas as afires, a 200 rs.
Bramante de bnho a 10500, com li
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 105OL-
Chachemiras com 2 largaras a 800 r
Ditas de l e seda 2 larguras a 10OOC
Madapotto transado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdsrdeiro, a 60000.
Fichas de 11 e seda 10000.
Brins de linho cdies fizes a 600.
Espartilhoa couraca a 40000 e 5000:
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capelhu para noiva eom veo bordado
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de sais a 1050:
Renda de 12, preta, para quaresma.
Papo verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000. .,.
A verdadeira esteira para forro de sata
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama *
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras s 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de corea a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
- Guarnieres, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas heapaohola a 40000.
Capachos de coco.
Lavas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para seniora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com Adres.
Crep ioglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de so
Setineto para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustZo de cores.
Dito de casemira de odres.
TELEPHONE 200
Superior vinho de A.1-
cobaca
O acreditado e antigo armazem do Lima par-
casa,
e de
uDlico e aos seos freguezes que acaba
[fea nova remessa deste especial
escolhido propriameate pelo chefe desta
ir o and o-se recoajejeadado per ser port
qualidade. Jos Fernandes Lima 4 C.
o da Victorja namero 3. TeleStione2i3
Pao Centeio
Mes & Biset, tendo recebido nova rembssi
de faanha centeio. avisam aos eeus freguere*
que cntiBuam afabrictr este delicioso pao cen-
teio tedas as tercas e sextas feiras; na roa largi
do Rosario n. 40.
CARDUZO I IRMiO
A |tUA BARAO do triumpho
N. 108 A 104
Tem para vender tri-sulphi-
to de cal, que nao s faz alve-
jar muito mais o assucar, co*
mo evita o grande gasto de
cal no fabrico do mesmo.
Gustavo, irapellido por demasiado ar
dor, tinha chegado primeiro do que todos
os seus ao lugar do combate.
Este, gritou um Nibouais, o chefe
doB bomens paludos !...
Reconheco-o .'... disse Aguia-Verme-
lha. Agarrem-n'o vivo !... vivo !... E de-
pois, as pirogas 1
A estas palavras, dingio-se para o acam-
pamento da tribu, qoe applaudio a sua
chegada.
So ent&o o pelotSo de marinheiros appa-
receu aabre um montculo pouco afasta-
do ; vinte espingardas s apontaram ao
mesmo tempo ; o effeito desta descarga
foi borrivel.
Os companheiro de Gustavo reuniram-
se ao redor dos seus camaradas e fi se rain
fogo bem nutrido.
Mas de cincoenta Nibouais tinham per-
dido a vida.
Ms o moc ofhcial estava em poder
dos selvagens.
Tinha combatido como am borde, a ti-
ros de pistola oa a golpes de sabr, tinha
abatido tantos inimigos, como o proprio
Nicolao Nicolardot.
Desgracadamente, Carcajon, cioso por
imitar oa prfidos estratagemas de seu
pai, tinha arencado de rastos por detras
do valeata official e fl o eahir brusca-
mente; "depois, com o auxilio de vinte
selvageaa, tinha conseguido amrralo.
Nicoasardot jasia, cheio de feridas, entre
os cadveres dos Nibouais.
Com aaw grande pancada da sua mas-
sa, o ftros Carcajon ia acabal-o, quando
ama mulaer desgrenhada se collocou de
repente entre o etute-ttt e o corpo do ve-
lho marinheiro.
Mata primeiro tua mli !... dase ella,
j que ousas levantar o braco para aquelle
que me chamara sua filha !...
Carcajon, envergonhado, fugio.
Foi principalmente na sua gente qoe as
balas dos marinheiros franceses fiseram
mais estragos.
Poucor instantes depois, no campo de
carnificina, havia apenas urna mulber deso-
lada, pensando as feridas de um velho
marinheiro desmaiado ; Renna-Nevada ten
tava restituir vida o vlente e honrado
Nicolau Nicolardot.
Sob se aldeas de am meco aspeaie de
A FLORIDA
Fitas lavradas com um palmo de larga-
ra a 20000 o metro.
Papel de arroz de toda* s cores.
Chapelinas modernas a 50000.
Rendas hespanholas de todas as cores e
pretas com e aem vidrilhos.
Lindas guanicSes de vidrilhos pretos para
cosaco.
Grande sortimento de galSes, pahuas a
rozas de vidrilbo preto.
Bicos matisados de urna s cor como se-
C, granad, asul, rosa, beije, palha, chum-
_ salmn, terracote e muitas ontras cores.
Sabonetes perfumados a 500 rs. a duzia
Lindos desenhos para talagarca.
Lencos de seda a 500 rs.
Bcob de seda e de algodSo com
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodSo,
Franjas de seda com e sem vidrilho
Renda hespanhola.
CollarinhoB para homem a 30000 e 40OOC
a duzia.------
Bordados de cambraia tapada a 400 500'
600 e 800rs.fapeca,
dem com 3 e 1[2 metros, de qualqua
argura a 10200. *
Lencos de linho em caixinhas a 30000 i
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000. <-.-
Finas pulseiras americanas a 40, 601
80000 o par.
(Cortinados todos de crochet para cama a
120000, 170000 e 190000 o par, alguns
de edres.
Ditos para anellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 s
10000.
Ditos para sof a 20000.
Capelhu com veo para noiva a 60000 s
se


*



-*
100 a
Lindos enxovaos baptisados a 80
120000.
Toacas de setim para baptisado a 30. 40 a
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha da
melhor.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 20 apar.
Ditas de seda para cranos a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50060
60000.
Linha de machina a 60 rs. o carritol.
Linha de machina a 600 rs. a duzia.
Albuns de pe Unca de diversas corea.
Livros de mssa a 10500, 20000, 205OC
30000, e 30000 cada um.
Lindas luvaa de seda com salpicos e eom
listas, gosto moderno, a 20500 o pas.
Toalhas para banho a 10300.
Toalhas para rosto a 300.
To* Ibas para ralo a 160 rs.
Babadores com inscricoes e paisagem a
500 rs. e 400000 a duzia.
Espelhos grandes com molduras finas da
cantos redondos a 40000 e a 60000 urna
Bengalas flauta.
Grande sortimento de luvas de seda arren-
dada, com palmas canno comprido a
10500, 20000 a 20500..
Ra Dique de Canias 105
Noyidades daExpo-
siso
Al ves, Maia efe C.
proprietarios da cnapellaria Industrial, sita i
ra Barao da Victoria ns. 3i e 36, acabam de
receber de Pars pelo ultimo paquete o que de
mais chic te pode desejar em chapeos para se-
iiboras e meninas, capotas, flores, plumas, fitas,
cascos, etc., etc. Os precos (como aempre) sao
muito resumidos
34 Ra Barao da Victoria 86
keite puro
Na estrada de Joao Fernandos Vieira, sitio las
go depois das casas novas da direita, vende-ai
todos os das leite puro de vaccas taurinas as
trra, garante-ae a qualidade do leite.
Taverna
Vndese urna taverna no bairro da Boa-Vista;
a tratar na roa Mrquez do Herval n. 73.
mar i nha, o pelotao de marinheiros suba
em passo de carga o caminbo do acampa-
mento dos Nibouais.
a* MfIXIKI 0V1
Quando chegaram, as cabanas estavam
abandonadas.
A nacSo inteira, velhos, guerreiros, mu-
lheres e criancas acabavam de embarcar
as pirogas.
Viram com dr pasear e desapparecer
sob a abobada de rochedos a piroga em
que iam Aguia-Vermelha, Carcajon, Ga-
briella e Gustavo.
Nao tinham embarcacao de especie al-
guma para qua podessem persegml-os.
Betidos na mar^em, viam se condemna-
dos a ama inacclo mais cruel que o maia
terrivel dos combates.
De repente, um ruido singular resoou
Burdamente nos morros onde ruga a tem-
pestado. ^
E' a artilheria!... exclamou um ma-
rinheiro.
Silencio !... commandou o aspirante.
De minuto em minuto, succedism-se ss
descargas.
E' a artilheria!... Sim, a artilhe-
ria disseram quasi ao mesmo tempo to-
dos os horneas da Alerte e do B'claintir.
in
Afuia
Apenas quarenta marinheiros tinha a
acompaahado Justavo de Orneuil ns sos
aventurse expedicao de perseguir os Ni-
bouais. .
Quarenta homens esoolhidos e de boa
vontade, s que se haviam reunido alguna
servidores d Paulo III, smiasf pioadores,
conductores de caes oa de trenos.
Estes ltimos guardavam ss bagageos.
O capitlo Tourmagoe, ioiaiediato da
AlerU, nlo tioha julgado possivel embre-
nhar as companhias de desembarque
ilhas de gelo.
(CoiUinuar-M-ka)
1



.


-


T.