Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20021

Full Text
a*
AKKO XLIX. IVUHERO 299

-
PARA A CAPITAL E LUGARES 0\DE KlO SE PAGA PORTE.
Por tres mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos idem............. > .4*. 129000
Por um anno idem.................. 349000
Cada numero avulso................. 9320
TERCA FEIRA 30 DE DEZEMBRO DE 1873
PARA DEXTRO eToRA DA PHOV1HCIA.
Por tres mezes adiantados............... 69750
Por seis ditos idem......*........... 1395o<*
Por nove ditos idem................ 209250
Por um anno idem.............' \ 279000
DE PEMAMBUCO
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA ft FILHOS.
Of Srs. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Pari; Gonc/dves d Pinto, no MaranhSo; Joaqnim Jose* de Oliveira A Filho, no Cearf; Antonio de Leruus Braga, no Aracatj ; Joio ria Jnlio Chates, no Assii; Antonio Marques da Silra, no Ratal j Josi Just
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, 11a Parahvba ; Antonio Jose* Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; Domingos Jose' da Costa Braga, em Naxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagfias; Alves d C, na Babia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio|de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Goveruo da provincial.
KKPEDIENTE DO DIA 9 DE OlITBR'tDS 1873.
1' seccao.
Otttcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
-Pode V. Exc. remelter para a corte, e nesto sen-
lido Gcara expedilas as nscessarias ordens a
>gente3 da companhia de navega;ao brasileira, os
recrutas consumes da relacao nominal annexa ao
sou offlcio de hontem datadi, sob n. 993.
__ Ao raesino. Sirva V. Exc. de mandar por
em Uberdade orecrula Manoel Jose Olyrapio Bap-
lista, que prov >u isenclo legal.
Ao mesmo.Sirva->e V. Exc. de noraear
nma eoraraissao que, na forma das ordens em
vigir, va-examinar o armamenio e medicaraentos
vindos da forte no vapor Paid, acondicionados
em 4 caixfies, devendo e3tes ultimos, que se des-
linam ao hospiiil militar, ser alii examinados.
Ao director do arsenal de guerra.Mande V.
S. fazor os coneertos, de que precisam vinle sellias
uertencentJs ;i eornpaobia de cavallaria, de confor-
midade com o peJiJo junto, do respeciivo com-
mandante.
2" seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao que
i -quereu o alferes Joao Carlos de Souza Santiago,
resolve dispensal-o do lapso de tempo era que in-
i-orreu, aBra de poder ser devidamente apostillada
sua patente.
Offlcios : -
Ao Dr. chefe de policia.Na conformidade
do que solicitou o inspector da thesouraria de fa-
/.enda em offieio de 7 do corrente sob n. 468,
.serie E, providencie V. S. no sentido do serem re-
mettidos aqu41a thesouraria os livros da escriptu-
racao a cargo do ex thesoureiro da secretaria da
oolicia, Joaquim Jose do Rego Range), afim de
I he 3erem tomadas as re mos do aviso do ministerio da fazenda, de 23 de
julho de 1861, publicado no Diario official a. 1731
de 6 de agosto do mesmo anno, e do qual remetto
a inclusa copia. ,
Ao mesmo. -Sirva-se V. S as informar o
qae consta nessa repartigao com relacao-ao recru-
it Antonio Ferreira de Araajo.
Ao mesra>. Nesta data determino a thesou-
raria provincial que a diaria para os presos po
lres da cadca do Cabo seja paga na rasao de 320
rs., 6cando assira reipondwo o ofncio de V. S., de
IS do proximo passalo mez, sob n. 1633.
An commandant* superior do Recife. Para
s^tisfaeao do aviso do ministerio da guerra, de 29
de setembro ultimo, informe V. S., ouvindo o com-
mandante do 4.* batalhao de infaataria d ste ma-
nicipio. sio guarda naclonal Joao Hygino Rodri-
gues, designado pelo referido batalhao para para o
Wvico da gurra em julbo de 1-67, fez sua apre-
<'-ntac2o voluntariamente on si foi coagido a esse
service. '
Ao couuaujdaate snparior de santo Anuo. -
I -ndo esta pre^idencia mariflaao aar gnTa aff xe -
u^nte Pedro Secundino Barbosa da Silv a -8 de
abril ultimo, e nio tendo ainda decorndo o oraro
da art 45 do desreto l'3ftde li de marjo de 1853,
nio ha lapsoalgum de tempo, de qae deva ser elle
di^oensado; coavindo, para qae possa ser manda-
di aggregar ao batahlio, que V.S. informe quando
* apresentou elle com a respectiva guia.
Ao comrnandante do corpo de uohcia.A
v.sta do quo informou Vmc. em seu ofncio n. 373
de 7 do eorrentj, nao pode ser attendido o alfe-
res Bllarmin Pinto de Paira, que pedn dispensa
do command) do deuacamento do Moxoto.
Ao mestiw. -Pode Vmc. engajar, sendo
idoneo, no r|>o sob sea commando o paisano
ti illarmino Xavier Paustino Ramos, de que trata
r. wn offlcio n. 374, de 7 do corrente.
3'. secgai.
Acto: '
0 presidante da provinca resolve nomear
Manoel Tavareb de Oliveira Bastos para escrivao
da collectoria provincial do municipio de Ga-
ranhuns.
Offlcios : r
Ao inspector da thesouraria de tazenaa.At-
teodendo ao que expoz o sentenciado de justioa
Heitor Meneta, no in'vlaso requerimento a que al-
lude sua informacao de 4 do corrente sob n 441,
serie E, resolvi arbitrar ao supplicante, em virtude
do artigo 36 do regulamento de 11 de fevereiro de
1865, uma gratificacio de 300 rs. diarios pelos ser-
vices prestados por elle na pharmacia do presidio
de Fernando de Noronha.
Ao mesmo. -Constando de aviso do ministe-
rio da fazenda .de 25 ie setembro ultimo ter sido
di*pensado da commissao para que fora nomeado
di' guarda-miir interino da alfandega da provincia
do Rio Grande do Sul o ajudante do guarda-mor
da desta capita'., Constantino Lopes Gaimaraes, as-
sim o communico a V. S. para seu cenhecimento e
rias convenienUs.
Ao mesmo.Transmltto a V. S., aflm de qae
o mande satisfazer de conformidade com a sua
informacao de 7 do corrente sob n. 476, *erie E,
o incluso pedido feito nek) conselho economico do
iK3idio de Fernando de differentes objectos pre-
cis'os para consumo do refendo presidio.
AT> mesmo.Com a inclasa copia do exame
qae transmilto a V. S. esta satisfeiu a exigencia
(-intida em seu offlcio de 3 do corrente sob n.
43d, serie E. v
Ao mesmo.Fico mteirado da mulu por V.
s imposU ao barao de JaboatSo, na qualidade de
presidente da junta de eaaancipacio do* escravos
uaquelle municipio, por nio ter comparecido ao
eucerramento da respectiva matricula, nos termos
d > regulamento do !. de dezerabro do 1871, se-
pando me communicoa era sea offlcio de 4 do
corrente sob. n. 436, serie E.
Ao mesmo. Communico a V. b. para os ae-
vidos fins qne a 8 do corrente entrou o bacharel
Joao atanoel de Barros Wanderley no roso de li-
cefsca que lti-3 foi concedida a 6 desta mei.
Ao inspector da thesourarii provincial. -A
\u;a da sua informacao datada rle 7 do corrente,
sob n. 450, manie pagar a quem so mostrar com
iwtentemente autorisadj a importance dos prets
in'clusos, relativa aos vencimentos da escolta que
conduzio preso^ de justice da comarca do Bom
Conselho para esta capital
Ao siesmo.Tomando era consideracao a
informacao de V. S., datada de 7 do_ corrente sob
u 449 mande pagar peia consigna;ao do 11 do
.utieo 4" da lei do orcamento vigente a Bononio
Rosa de Lima Lea), professor da Lage Grande, os
aeus vencimeDtos correspondentes aos metes ue
julho e agosto, e bem assim aquillo a que Uver
direito para as despezns de expediente e de ala-
gael da casa em Ao me;u -'"Tr.'.'i-rv.'i'o a V. 5. "ropia Jos
douf officios, sendo am d-j Exm. ['resident? da pro-
vrncia da Babia, eeul;": dad) EspiritoSanto, acer-
ca das despezas feius co o susteato dos senten-
ciados vindos daqaellai pr:vmiias. recolhidos a
casa de detencSo nesU capiu!, afim de V. S. pro-
coder a respeito conforme as cdens ulteriores
desta presideucia.
Ao mesr.o. Inteirado de quanu V. S. x-
poz em sna informacao de 7 do corrente, ob n.
447, relativamen'e ac pagamento da |. prestacio
do I.* lanco da estrada da Victoria e Grav.ita,
qae se refere o certificado appenso ao requerimen
to qae devolvo. tenha adrzer qne maide effec
taar o roflncioria^o pagaraecto, fi:aado-o respecti
vo arrematante obrigado a pagar o excesso do set-
lo, conforme indica V. S. na ultima parte da cita-
da informacao.
Ao mesmo. A' vista do que informa V S.
era offlcio n. 434 de 8 do corrente, tenho a dizer-
lhe que a diaria para os alimentos dos presos po-
bres da cadeia do termo do Cabo deve ser paga
no valor de 320 re"is.
Ao mesmo. Annuindo ao quo. solicitou o
chefe da reparticao das obras pabliras em offlcio
de 6 do corrente, sob n. 368, aatonso V*. S. a
mandar entregar ao thfisoureirjLdajiuella reparti-
cao a quantia de SfWjO^IPTrrliiraepoder ser rea-
lisado o pagamento dos rtparos feitos por Christo
vao Gomes Coimbra no predio denominate Con-
vento da villa de Triumpho; devendo essa entre-
ga ser effectnada por conta da verba votada na lei
do orcaraen'o vigente para os repacos de edifi-
cios.
4' seccao.
Offlcio:
Ao iuiz de paz da freguezia da Boa-Vista do
Recife.Para organisa$3o dos raappas estatisticos,
de trata Vmc. em sen offlcio sem data, pode man
dar seu escrivao ao archive da lilma. camara ma
nicipal desta cidade tomar as necessarias notas
para aquelle fim, ou mediante recibo levar os li-
vros onde possa encontrar os dados precis >s, con
forme opina a mesraa Illma. camara em offlcio do
1 do corrente.
5" seccao.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. Autoriso Vmc. a mandar execatar os
reparos urgentes no empedramento da ladeirado
-Engenho Velho-pela qaaolia de 272*230, se-
!;undo o respectivo orcamento, que por copia me
oi remettiao com offlcio de 6 do corrente, sob o.
367; e bem assim o aagmento da obra de que
precisa o 6* lanco da estrada do Cabo, na impor-
tancia de 540^000, segundo orcamento feito pelo
engenho do 2' districto, e que consta de outro offl-
cio de 3 do mesmo raez, sob n. 363.
Portarias :
Os Srs. agentes da companhia da navegaglo
brasileira deem suas ordens para qae sejam rece-
bidos a bordo do vapor Bahia, esperad > Jo norte,
e transportados a corte por conta do ministerio da
guerra, os recrutas mencionados na inclusa rela-
cio nominal.
Relacao a que se refere a portaria supra.An-
tonio Galdino dos Santos, Benedicto Jos6 de Saza,
Domingos Pereira de Souza, Joio Goncalves de
Freitas, Jose Maria, Joaqaim Antonio Mania, Ma-
neel dos Santos Alves e Sa, Manoel Francisco Ro-
zend), Manoel Ferreira da Silva, tfanoel Bernardo
Martins, Manoel Vicente Ferreira Chaves, Mmoel
Jose de Brito, Manoel Jiaquim Rim>s do Espirito
Santo, Pedre Antonio de Alcantara, Raymundo
Nonato da Mlveira e Valerie Manoel Bzerra.
Os Srs. ageates da companhia de navega-
cSo brasileira tnaadem dar pas.'agem para a
cdrte pjr conta do ministerio da giwrra, no vapor
Bahia, ao anspecada, llaneel FrancNo Ra, qae
foi traasferido para o I* regiment) de cavallaria
ligaira, e ao soldado deserter do li b.italhao de
flifantaria, Lniz Pereira da Silya, os quaes vao reu-
nrr-5e MrHNH r'iub poitofn,t9fii. **^
BXPEWRNTF. DO SECRBTAR10
1.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm brigadeiro commandante das ar-
mas. S. Exc. o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. Exc, em resposta ao sea offl-
cio de hontem datado, sob n. 996. que o director
do arsenal do guerra flea autorisado a mandar fa
zer os concertos precisos nos vinte sellins, cons-
tantes do pedido feito pelo commandante da com-
panhia de cavallaria, e a que allude o citado offl -
CIO.
Ao mesmo.S. Exc. oSr presidente da pro-
vincia manda declarar a V Exc, em resposta ao
seu offlcio lesta data, sob n. 998, que fleam expe-
didas as necessarias orden* para serem transporta
dos a cdrte no vapor Bahia o anspecada Manoel
Francisco Rosa e o deserter Luiz Pereira da Silva.
- Ao director do arsenal de guerra.S. Exc. e
Sr. presidente da provincia, tendo incumbido o
Exm. brigadeiro commandante das armas de no-
mear a commissao que deve examinar os quatro
caixoes a qae allude o sen offlcio de 8 do corrente,
assim o manda comraunicar a V. S., prevenindoo
de qae os caixoes contendo medicamentos destina-
dos ao hospitai militar devem ser remettidos
para alii, onde tera lngar o respectivo exame.
2" seccSo.
Offlcios :
Ao commandante superior de Garanhuns.
De ordem de S. Exc o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S., em additamemto ao meu offl-
cio de 3 do corrente, que o* prets relative* a es-
colta da guarda nasional que conduzio presos de
ju3tica da comarca de Bom Conselho para esta ca-
pital, serao pagos pela thesouraria provincial.
Ao jaiz de direito do Bonitb. S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda accusar o recebi-
mento do offlcio de V. S., de 30 do mez proximo
passado, em que da conta dos trabalhos da 3' ses-
sao judiciaria do jury do termo do Bonito.
Igual ao jaiz de direito de Garanhaas, quan-
to a 3a sessio do jury de Garanhuns. segundo seu
offlcio de 29 de setembro ultimo.
5.' seccao.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. 0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda communicar a V. S. que nesta data auto-
rison a thesouraria provincial a entregar ao the -
soureiro dessa reparticjto a quantia de 500*000
para o pagamento de que trata o seu offlcio de 6
deste-mez, sob o. 368.
DESPACHOS DA PBESIDEXC1A 3) DIA 27 DE DEZEMBRO
DE 1873.
Dr. Antonio de Vasconcellos de Drummond.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Candido Ferreira de Oli-eira Caupello. Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria oe fazenda.
Bacharel Eduardo Augusto de Oliveira.Infor-
me o St. inspector da tnesouraria de fazenda.
Francisco Manoel do Rego.Fornefase.
Jose Joaqaim de Lima Sim.
Miguel Luiz da Silva.Concede 8 dias.
Manoel Francisco Xavier.-Informe o Sr.
chefe de policia.
Maria Candida Barbosa de Albuquerque
ranhao.-Deferido com offici) desta data ao
vedor da Santa Casa de Misericordia.
Dr.
Ma-
pro-
do 2." batalhao de iofantaria o Sr. alferes
gradua lo Manoel Goncalves de Queiroz e
Albuquerque, por ter sido reformado por
decreto do 26 do novemfciifo ultimo, em vir-
tude da immediata e imperial reaoluc&o de
20 de julbo de 1870, tomada sob consulta
do conselho supremo militar, e das disposi-
c,5es do t. do art. 9." da lei n. 648
de 18 de agosto de 1852, visto soffrer de
molestia iucuravel que o tornou incapaz de
continuar no serviijo do exercito.
3." Que a 26 do corrente apresentou-se,
vindo da provincia do Amazonas, por nao
convir sua permauoncia alii, o Sr. alferes
do 2. batalhao de infantaria Ismael Cesar
Paes Barreto, como foi declarado em offieio
da presideucia da referida data.
4. Que approvou o engajamento a 23
deste mez contrahido para servir por mais
tres annos, percebendo sobre as vantagens
que lhe competirem, o premio de JQOiJOOO,
o soldado do 4. batalhao de artilharia a pe
addido ao deposito de recrutas, Manoel dos
Aojos Lima, que em inspeccSo de saiiJe foi
considerado apto para continuar no^servic,o.
0 mesmo brigadeiro determina que na
manha do dia 2 de Janeiro do anno proximo
vindouro se passe revista de mostra em seus
respectivos quartets, aos batalhoes de infan-
taria ns. 2/ e 9., o deposito de recrutas e
compauhias isoladas, pela ordem seguinte :
A's 6 horas a companhia de operarios, a"s
6 1/2 ao 2.* batalhao, a's 7 a companhia de
cavallaria, a's 7 1/2 ao 9. batalhao e final-
mente a's 8 ao deposito de recrutas.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme.0 major, Jose B. dos Santos Mer-
julhao, ajudante de ordens encarregado do de-
talhe.
Kc|irticao da policia.
z." seccao. Secretaria da policia de Pernambuco,
29 de dezerabro de 1873.
N 2090.Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a casa de detenc,ao
os individuos seguintea :
No dia 27 do corrente, d minba ordem,
Jofio, escravo da Ex ma. con dessa da Bda-
Vista, a requerimento desta.
A' ordem do subdelegado do Recife, o
maritimo italiano Giovanne Ileno, & re-
quisii^ao do respectivo consul.
No dia 28, a* ordem do subdelegado do
1." districto de S. Jose, Saturnino, escravo
dolose^ AntAo.de Souza aUglb*cs, r^u*-
rlmairto deste.^
A'ordem do da Bda-Vista, Manoel, escra-
vo de Manoel Marques da Costa Soares, por
andar fugido, e Bemvenuto, escravo de Pra-
xedes da Silva Gusm3o, por ter sido encon-
trado depois de 9 horas da noite sem bi-
lhete do seu senhor.
Por offieio de 16 deste mez communicou-
me o delogado do Bom Jardirn, que no dia
8 evadio-se da respectiva cadeia o criminoso
Paulino Ferreira Cabral, conhecido por
Paulo Antonio d'Andrade; equo.no dia 15,
no lugar Freitas, daquelle termo, Vicente de
tal, assassinou com um tiro a Thereza de
tal, conseguindo evadir-se.
Nesta data com nuniquei ciquelle delegado
que sobre semelhantes 1'actos procedesse nos
termos da lei, dando-me sciencia do resul-
tado do suas dibgencias.
0 delegado do Limoeiro communicou-me
por officios de 22 e 24- que, pelo subdele-
gado do 2. districto daquelle termo, fora
preso em flagrante, por crime de furto de
cavallos, Jose" Francisco Ramos ; que pelo
subdelegado do 2.* districto fora tambem
preso em flagrante pelo mesmo crime, Anto-
nio da Silva Cavalcante, e sobre taes factos
procedeu-se aos competentes inqueritos, os
quaes foram logo remettidos ao respectivo
Dr. juiz municipal; que no mesmo dia, no
lugar Sapo, Manoel Lourenco Vieira espan-
cou barbaramente a Joio Soares de Ca-va-
lho, logrando evadir-se ; que procedcu a
corpo de delicto e proseguia nos termos do
inquerito.
Em data de 24, communicou-rae o dele-
gado de Panellas que, na noite de 23 teve
lugar um incendio na casa (de palba) da
residencia do portuguez Joao Malaquias de
Aguiar, sits nas immediacdes daquella villa,
resultando de semelhante sinistro a morte de
duas criancas, filbas do mesmo Aguiar, que
fez as competentes vistorias e proseguia nas
deraais diligencias recommendadas por lei.
Por offieio de 26, communicou-rae o
subelegado dos Afogados que, no dia ante-
rior, no lugar Areias, daquelle districto,
Joaquim Marques de Campos Mello e Severo,
escravo de Jose' Antonio Gomes da Luz, dos
quaes tratoi em minha parte diaria n. 2,088,
assassinaram a Claudina de tal, que fez a
competente vistoria e proseguia nos termos
do inquerito.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com
inendador Henrique Pereira de Lucena, dignissi-
mo presidente da provincia.0 chefe de policia,
Antonio Francisco Correia de Araujo.
Commando das armas.
QUA.RTEL GENERAL DO COMMANDO -DAS ARMAS
DE PERNAMBOCO, EM 29 DE DEZEMBRO DE
1873.
Ordem do dia n. 753.
0 brigadeiro commandante das aru.,t> faz
publico para os devidos fins:
1. Que a presidencia desta provincia, por
acto de 87 do corrente, approvou a proposta
que fez o Sr. tenente-corone.l Sebastiao Jose
Bazilio Pyrrho, commandante nomeado para
o presidio de Fernando ao Sr. tenente bono-
rario do exercito Joio Pereira de Lucena para
o lugar de director' da efficiua de sapateiro
do mesmo presidio, o que constou de offieio
da referida data.
2.* Que no dia 22 do corrente lot excluido
PEEM1BUC0.
REVISTA DIARIA.
Collectoria provincial. Por portaria
da pre^iJencia da provincia, de 23 do corrente,
foi nomeado Antonio Fern.';ndes de Albuquerque
Camara, fiscal da collectoria provincial no muni
cipio de Serinhaem.
Carrls para carga Por portaria doi
presidencia da provincia, de 27 do corrente, fa
nomeado o engenheiro Dr. Cbrysolito Ferreira de
Castro Chaves para fiscal da companhia de trans
porte de generos, bagagens e mercadorias. de que
6 organisador o Sr. major Bellarmino do Rego
Barros.
Guarda naclonal Por portaria da pre-
sideucia da provincia, de 27 do corrente, mandou-
se dar guia de passage n para o municipio de
Igoarassp, ae capitao Jose Joaqaim de Lima, da
o companhia do 9* batalhao de infantaria do mu-
nieipio de Olinda.
Vapor Neva.Este vapor, da linha de Sou-
tampton, sahio no domingo a tarde do porto da
Bali a pcra o nosso. Deve amanhecer hoje aqni.
fabrica de fiacao e teeidos. Che-
goa pelo vapor Vilte de Santos a primelra pirte
do Backinismo destinado a fabrica de fiacao e
lecMos da Magdalena.
fcsafia a attencao dos cariosos e profissionaes
o syjtema d'aquelle que, constando de nma cal-
deira grande e duas peo;uenas, t-m, segundo affir-
mafao de sen constructor a grande, vantagem de
aoabentar a forca do vapor com sensivel dimi-
nuWo de combustixel. Ja est ve em exposi^.ao
pof tea dias atracado a ponte da alfandega, e
coatmoara por toda esta semana na fabrica a
Passagem da Magdalena.
Xao ha emenda. Gracas aactividade
do Sscal de S Joie, foraoi hontem retirados do
mercado de carne verde 127 kilos della, que,
apezar de putrehcta, era veadid i ao povo. Nao
ha emenda para aquella gente.
Evasao. Em 8 do corrente evadio se da ca-
deia de lorn Jardim o criminoso Paulino Ferreira
Cabral, conheiidopor Paulo Antonio de Andrade;
a respectiva aurir'dade procedea segundo a lei.
Assassinate No lngar denomin?do Frei-
tas, do termo do Bim Jardim, Vicente de tal Ve-
nerando assassinou com nm tiro, em 13 do cor-
rente, a atna Thenza de tal, conseguindo eva-
dir-se. A autoridadi teve coahecimento do facto
e procedeu como d dt lei.
Prlsoes Por crime de farto de cavallos fo-
ram presos era flagraUe Jos6 Francisco Ramos e
Antonio da Silva Gava'cante, o priraeiro no se-
gundo districto e o segtndo no terceiro do termo
do Limoeiro.
Tiveram o devido cam'oho os inqaerUos que
taes factos motivaram.
Espaneamento. No lugar Sapo do
termo de Limoeiro, Manoel Lourenco Vieira es-
Sancon em dias do mez pa^ado a Joae Soares
e Carvalho, evadindo-se em segaida. Eeffectuou-
se o competente inqaerito.
Oasastre. Em 23 do orrente, a noite,
inceudiou se uma palhoca nas immediacdes da
villa de Panellas, na qual re-idia o portuguez
Joao Malaquiis de Aguiar, motivando a morte da
duas criancas, filhss desse desavanturad homem-
Morte Em 25 do corrent;. Joaqaim Mar
Jues de Campos e Mello e Se-ero, escravo de
ose Antonio Gomes da Luz mauram Claudina
de tal no lngar Arete do distn:to de Afogados. A
policia local prosegto Bos termos da lei.
BUhetes postaes. A Italia vai adoptar
o systeraa de bilhetes postaes introduiindo-lhe
alem disso melhoramentos notaveis. 0 bilhete
postal, que apparecera no de Janeiro proximo,
tem as mesrass indicacSes qae as u-adas em Fran-
ca, porem o cartao e mais forte e cu-tara indis-
tinctamentc 10 centimos ; alem desses havera
tambem bilhetes postaes de 15 centimos com res-
posta paga
Estes bilhete3 sao como os outros, mas de maior
forjTiato; um bocado era branco e para o desti-
^-_i', ae o Ura quando o rccabe, e depois de
wi -rpto a rotpost* lng ao corraia gam pa-
gar Udda.
Alem disso a administrate por uma lei espe-
cial declarou que todo o empregado do correio
que revelar a alguem o conteiido de um bilhete
postal sera demittido e aquelle que violar o segre
do dds cartas, punido correccionalmente.
O jornali.suiu na China. Eis a des-
cripcao dada nor uma folha ingleza do jornal a
Gazela de Pekin:
a Cada numero forma uma brochura com nma
capa amarolla ; tem de 20 a 23 centiraetros de al-
to sobre 12 a 13 centimetres de largo. Os nume-
ros tao mais on menos compact is; uns tem 20
pagiaas, outros 40.
A impressSo d deploravel e o papel extrema-
raente grosseiro. Os caracteres, quasi sempre
chegam a ler-se pelo reverso, o que embaraca do
certo modo os leitores.
E' no interior do palacio imporial quo se en-
contra nm pequeno escriptorio, cujo* empregados
tem obrigacao de transcrever os decretos do dia
e minda-los aos ministerioa e reparti;5es publicas
da cidade.
a Quando estes decretos nio dizem respeito a
seguranca do cstado, os empregados estao autori-
sados a imprimi-los e a distribui-los aos assignan-
tes de Pekin. A Gazeta, pois, nao encerra senao
aqni'lo que a autondade deseja que se saiba.
0 jornal compoe se de tres partes: 1* o Rung-
MenChiao, ou copia da porta do palacio. E' o
jornal da corte, ,que da, todos os dias, a lista dos
funccionarios em exercicio, que descreve as accSes
e os gestos do imperador, que annancia as apre-
seoucoes, visitas, convites, etc.; 2* o Shang-Yu
ou decretos imperiaes; 3" o Tsow-Pao, ou memo-
rias dos grandes officiaes da corda.
i A typographia esta situada em uma das ruas
eslrcitas proximas do Le Chang, isto e, bairro dos
livreiros. As caixas typographicas estendidas ao
longo da parede encerram os caracteres de madei-
ra, distribuidos por ordem.
A Gazeta de Pekin tira muitos milhares de
exetnplares, qne sao distribuidos aos assignantes
da cidade ou expedidos em raassos para as pro-
vincia?.
0 preeo da assignatura regnla por cerca de
5*400 annuaes, (raoeda portugueza), porem mui-
tos ehinezes limitam-se a alugar a fqlha por dia,
maidando-a outra vez para a redaccao depois de
a lsrem. E' pelo systema de muitos gabinetes de
leitnra.
t Em Pekin nao exi3te senio este orgao de pu-
blicidade, que e o jornal official do governo. >
Costumes lagleces. A' proposito do
pro;esso Tichborne, o qual esta por emquanto
suspenso em consequencia de se esperar a che-
gada de uma testemunha da America, da-se o se-
guinte curioso pormenor acerca dos costumes in-
gle?e3:
Na inglaterra os parentes podem^dar aos fi-
lhos os nomes qae qaizerem. Por este modo, ha
seis mezes que 03 registros dos nascimentos offe-
recam de curioso a cireumstaneia de se contarem
nelles 300 recem-nascidos que receberam o nome
do pretendente Roger Tichborne.
Longe vidade extraordinaria.Com
este titulo 16 so o seguinte no Minerva, de Mon-
treal :
Proximo de Milao, no Tennesee, Estados-Uni
dos, vive am negro chamado Snow, ao qual o ceo
coucedera sem duvida os dias da idade de euro.
Este respeitavel velho entrou ja no 124* anno da
sua existencia.
Um americano, que o visitou ha pouco, foi rc-
cebido por uma menma de 63 annos, neta deste
horaem extraordinario. Saow e um rendeiro ale
gre.e muito bem conservado.
t Apesar disso Saow n!o e o decano do3 velhos
da America : o Hathusalem do nosso continent* e
um he mem de raca branca. Este, que e sem du-
vida o decano da humanidade, acaba de ser des-
coberto no Drasil.
- Jose Martins Coutinho nasceu em Saquarema
em 20 de maio de 1894, conlando porlauto 179
annos (! I) E' com o maior prazer que elle
conta a03 sous 294 descendentes e aos seus 40 fi-
lhos os combates em qne entrou contra os hollan-
dezes ha ISO annos.
Emirracao.-Eis, segundo os dados estatis-
ticos formulados offlcialmente em Washington, o
numero dos emigrados quo chegaram aos portos
dos Estados-Unidos darante o primeiro semestrc
de IV?.:
a Namero de emigrados 489:803, do* quaes
275:792 homens e 184:011 mulheres; raortos du-
rante a viagem 567. Deste numero 104:672 eram
de menos de 13 annos; 288:272 de 15 a 40 annes
e 66:839 de mais de 40 annos.
9 Os portos amerieanos qne receberam emigra-
dos foram os seguintes:
Nova-York 307:334; Huron (Michigan)....
58:917; Boston 31:676; S. Francisco 20:917; Bal-
timore 17:897; Nova-Orleans 6:304 ; Portland
4:52V.
Os emigrados eram das soguintes nacionalida-
des: ~-
t Inglezes 74:801; irlandezes 77:344; escoce-
les 13:841; do paiz de Galles 840; da ilha de
Jersey 13; da ilha de Maio 4 ; ao todo, das Ilha-
Britannicas 166:743 ; allemaes 149:671; au*triacos
5:765; succos 14:303; noraeguenses (6:246 ; di-
namarqaezes 4:931; hollandezes 3:811; belgas
1:176; suissos 3:107; francezes 17:798; hespa-
nhoes Sil : gregos 8:715; hnngaros 1:347; rus-
sos 1:560; polacos 3:838; chinezes 20:292 ; cana-
dianos 31:711; da Nova-Escocia 3:919; acorianos
1:161; da Australia 1:130. 0 resto dos outros di
versos paizes.
Os emigrantes tinham as seguintes profis-
soes:
Homens de uma certa profissto 2:986 ; ho-
mens que tinham um offlcro 48:792 ; homens de
diversas profissoes 163:718 ; sem proflsslo defioida
4:868; sem profissao (mulheres e criancas)......
234:943..
Gnerra ao asphalto Houve um comi-
cio muito importante em Londres na Freemasons'
Tavern, com o intuito de protestar contra o pro
jecto de ser asphaltado o pavimento do Oxford-
Street.
Eram proximo de mil os individuos que toma-
ram parte na reuniao, entre os quaes muitas pes-
soas notaveiv
Os donos de carruagens particulares e de alu-
guel, assira como os directores das companhias de
carruagens omnibus, deraonstrarara que o asphal-
to faciilita, 6 certo; a traccao, porem e uma fabri-
ea de qaedas para os cavallos, que assim se ferem,
se arroinam, e nao poucas vezes te*m algan< mor-
rido quasi instantaneamente. A experiencia des-
astrosa a te"m elles tido, allegaram os oradores, na
city.
Todos os cirenmstaotes foram de accordo em
redigir um memorial, rogando a adminislracao
muincipal qae nao procedesse a projectada substi-
tnicSo do revestimento actnal do pavimento da-
quella ma pelo asphalto.'
0 Sr. Gambe apresenton uma proposta, tendente
a qne o meeting declarasse tambem cathegorica-
mente que approva o emprego dos parallelipipedos
de madeira para calcar as ruas, visto os bons re-
sultados qae tem dado esse systema em Gracs-
charchs-treet, King William-street, Lndgatd-Will,
assim como em parte do Piccadilly, porque nao
faz bulha, facilita a traccao, e da aos cavallos um
excellente piso, permittindo rapidez e facilidade, e
sendo bom systema a todos os respeito*.
Casa in en to de onro. -Dous esposos de
Niava (Hungria) celebraram ha dias o 75* anni-
versario do aau caaamoato. O iiaaraAor inandou-
thes, por easa occasiao, 3:009 ftorirrs como pre-
sents.
Urn dentista chumhado.\'a> ha mui-
to qae contamos haver morrido uma senhora, em
casa de am dentista, na cidade de Lille, onde linha
ido acempanhada por sea marido para arrancar
am dente.
0 dentista, com autorisaclo do marido, chloro-
form i sou a paciente, porem tio imperitamente o
fez, que ella morreu em resultado da accao do
anesthesico.
Houve procedimento judicial, e o dentista foi
condemnado criminalmente, por horaicidio por im-
prudencia, n'am mez de prisao e em 500 francos
do multa. Em appellacao foi a sentenca reforma-
da, alliviando o reo da prisao.
0 viuvo intentou acgao civil contra o dentista
por perdas e Jamnos, tanto a sea favor, como no
de seu fllho menor, elevando as suas pretencOes a
20:000 francos.
Este pleito acaba de decidir-se, dizendo a sen-
tenca :
o Considerando que a sentenca do tribunal de
Lille e a do tribunal de recurso consagram como
caso julgado o facto de horaicidio por impruden-
cia, imoutado ao dito dentista, e elle condemnado
em 4:000 francos de indemnisacao, repartidos
por esta forma : 1:000 francos a favor de Mr. Ca-
ron (viuvo) e 3:000 francos empregados em in-
scripcoes, que serao entregues a seu filho, agora
manor, quando chegar a maioridade.i
0 referido tribunal avaliou a perda que causava
a Caron a morte da mulher em 40 soberanos. Nao
parece la muito.
Morte de uma celebridade artisti-
ca.Os jornaes amerieanos dao noticia do falle-
cimento de uma celebridade artistica dos stados-
Unidos, Mile. Laura Keene.
Esta actriz estreiou-se em Londres, no theatro
de Madame Vestris, e foi tal o aeolhimento que
obteve, que immediatamcnte a escripturaram para
a America.
Laura Keene teve um episodio terrivel na sua
carreira artistica.
Estava em scena, n'um theatro de Washington,
na nonte em qae Wilkes-Booth assassinou o pre-
sidente Lincoln. Quando o asjassine, depois de
ter perpetrado o crime, se preeipitou no palco,
exclamando: Sic semper tyrannis /a actriz, lou-
ca de terror agarroa-o pelos braces, porem nao
teve fcrea para o reter. Mais tarde, quando todo
o mundo perseguia Booth, Keene dirigio-se ao ca-
marote do presidente, e prodigalisou-lhe os cuida
dos mais assiduos. recebendo nessa occasiao o ul-
timo suspire da victima.
Assassinato de um missionario. -
Refere uma folha franceza que o Rvd. Hue, das
miss5es estrangeiras, fora assassinado era Tse-
Tchoaang. juntamento com o seu catechista in
digena. 0 Sr. Hue a;abava de cbegar de Kiea-
kiang-kien para alii fundar uma missao. Tendo,
porem, sido suscitada contra elle uma_sedic(;ao,
morreu ao3 golpes da popular. K sediccio 6 attri-
buida a suggestoes do magistrado da localidade.
\ovo barco a vapor.Le-se o seguinte
na Sentaullu do Meio-dia :
Nos eslaleiros do Sena esta-se concluindo ac-
tualmente a construcejSo de um novo barco a va-
por destinado a fazer grande concurrence as vias
ferreas. Este navio, que tem o fundo chato e e
guarnecido de dous helices qne serao postos em
moviraento por uma poderosa machina a vapor,
destina-io a navegar DO Rhone. Construido por
am novo svsteraa apresentado pelo Sr. Dupuy de
Lome, o vapor tem 140 metres de comprimenlo e
esta feito de medo a poder traosportar 1:600 tone-
iaJas do mercadorias. <
Obito tllustre. -Annunciam as folbas fran-
cezas, a morte do Sr. A. de la Rive Mu3tre, sab.o,
natural de Geuebra (Suissa).
0 5r. do la Hive tinlia 72 annos. Sao coaheci-
dos e apreciados cm todo o mundo os seus traba-
Ihos e publisac5es sobre electricidade. Foi elle o
inventor da bussola dos Senos, destinada a medir
a iutensidade das corrcotes voltaicas, e os fluctua-
dores, para deaionstrar as leis da electro-dynam ca.
Em uma licSo exposta em Paris fel o Sr. de la
Rive a deraonstracao experimental das auroras
boreaes: eete trabalho. fez grande sensacao no
mund) ?cientifico o originou activas cootrover
sias.
Morte de um jornnlistn Falleeeu na
idade do 56 anns o Sr. Alexandre Lomon, antigo
redactor do Pays e nltimamente da Pittne. As
suas estreias jornalisticas fizera-as Mr. Lomon nc
periodico Le Lharentais, e depois entrou na redac
cao de L'Aigle.
Tem jfraca. Merece privilegio de invencor
um confeiteiro de Toulon, pela lembranca que teve-
para afastar do seu estabelecimento os gaiato*
qae lhe davam caca as passas e outras gnlorjices
em exposicao junto das porlas.
Organisou uma vigilancia apertada, e qoande
algum gaiato e apannado em flagrante, propoe-ihe
o escolherem entre duas alternatives: ou serem
entregnes ao primeiro policia civil que seja encon-
trado, ou irem moer cafe durante tres horas no
raoinho da mesma confeitaria.
Quasi todos os que tem sido agarrados preferem
prestar gratuitamente as tres horas de trabalho, a
serem entregues a policia.
Miscelanea. Segundo o balancete defi-
nitivo da exposicao dc Vienna, as despezas qne
ella occasionou elevam-se a 19,700:000 florins. O
Reichrat havia votado a seu favor am credito de
15,700:000 florins, pelo que a deficit seelevaai
milhoes que se pagarao com o producto das en
tradas no local.
0 Sr. Despressoir fez ao governo francez a.
seguinte proposta, acerca do novo theatro da Ope-
ra : obngar-se a continuar a dar espectacnlos da
Opera, em Paris, ate a abertura do novo theatro;
acabir gratuitamente a nova Opera; administrar
esse theatro durante 15 annos, conjunctamento
com o empregado nomeado pelo governo, sem
subsidio algum do estado.
_ Em compensacio, o proponente pede a conces-
sao de tres casinos semelhantes ao de Bade, enr
Aix, Biarritz, Trouville, ou em outra praia do
banhos.
Morreu em Franca a condessa de Mercy, an-
tiga da mi de D-morda rainha Amelia, e que-fora
alem disso a sua mais intiraa amiga.
0 vapor Muritlo, acaba de ser vendido em
hasta publica, por conta dos proprietarios do Nor-
thfleet, e pela dos proprietarios da carga qae este
ultimo levava quando foi mettido a pique, por
aquelle.
0 vap ir foi vendido por 7,030 libras estertinas,
aos Srs. Saleedo & C, armadores hespannoes em
Londres.
Falleeeu, ha pouco, em Tbizi, na idade de
106 cera em 1767, dons annos depois de Napoleao Bc-
naparte vir ao mundo. Morreu no uso completo-
de tod as as suas faculdades.
- Esta-se coostruindo na arsenal russo de
Cronstadt am navio submarino de enormes di-
mensdes, em cuja fabricacao se empregaram 2,000
toneadas de ferro <* aco.
Move-o duas poderosas macbinas de ar e esta.
armado com um enorme ariete, achando-se alem
disso munido com doos cylindros cheios de pol-
vora para aproxiraa-los dos navios iniraigos, eom-
municando-se-lhes fogo por meio da electricidade.
0 vapor Beekion, prooodente de Cardiff com
um c*r regain'-n to de 1,000 toneladas de car vac
para Malta, nanfragou na restinga Oliveira, pro-
ximo do porto de Lage. Salvou-se so um roari-
nheiro. m irrendo o capitao e 21 tripolantes.
Oi mtios An **-nHTVwawi ini!.:'. -^,'J
de i>fferecer a bibliotheca real de Berlin todas a?
obras musicaes inedita*, 3e seu pai, com a eon-
difSo d> gnverao prassimao diapor do 700 ifcaiara
para permittir, coin os seus rendimentos, as pes-
soas de ulento aperfei^oarem-se na sua educa;2i>
musical.
Cada um dos membros do conselho munici-
pal de Paris acaba do recebor, como insignia?
das suas func.-oes, uma medalna de prata repre-
sentando de um lado a republica offerecendo uraa.
curoa e do outro o nome e emprego da pessoa a
quem essa medaha e coucedida,
0 principe Sout/.o, que matou nltimamente
em duello o principe Gbika, acha-se actualmente
refugiado em casa de um amigo em Berne, onde
perraanecera, segundo participou as respeetivas
autoridades f anceias, ate que se coacjna o pro-
cesso intentado contra elle.
Annuncia-se a morte do irmao do grande
explorador inglez Livingston, o Sr. Carlos Livin-
gston, consul em Fernando Po (Africa).
0 arcebispo Armenio de Lemberg, comple-
tou ha dias, 106 annos.
Santa Casa.Hoje fnncciona a junta admi-
nistrative da Santa Casa de Misericordia, por ser
quinta-feira dia santificado.
Proclamas. Foram lidos na igreja do Ro-
sario, qne serve de matrix da freguezia de Santo
Antonio, no domingo 21 de dezembro, os se-
guintes :
1.' denunciacao.
Joaquim Jose de Oliveira Costa, com Cosaula-
Olympia de Oliveira Souza.
Bacharel Francisco Marques da Cunha, com
Annunciada Cardoso da Cuona.
Fran:isco Albino de Souza Pinto, com Theophila-
da Silveira Tavares.
Pedro Francisco Theodoro de Senna, com Maria
Pinheiro da Silva.
2.* denunciacao.
Silverio Aoisio Pinto, com Francisca Marcoiina.
de Paula.
Jose Paschoal de Carvalho Rabello, com Rita Mi-
nervina dos Santos.
Joao Xavier Ribeiro de Andrade, com Maria An-
nunciada dos Passos Miranda.
Dr. Raymundo Theodorico de Castro e Silva,
com Leonor Machado e Silva.
Porlirio Mendes Martins, com Leopoldina Vicen-
tina de Souza.
Francisco Lourenco de Goes Vasconcellos, com
Ignez Maria Francisca de Luna.
Jose Joaquim da Cunha Maia, com Adelaide Fe-
lieissima da Porcinncula de Menezes.
Casemiro Pinto de Carvalho, com Eudocia Esme-
licia dos Santos.
Ulysses Martins Ribeiro, com Candida Rosa Go-
mes.
Tenente Joio Pereira de Lucena, com Isabel So-
phia de Azevedo Santos.
3.' denunciacao.
Domingos Rodrignes Chnstello, com Elvira Jo-
velina da Concei'.ao Passo.
Joao Travassos Correia da Silva, com Luanda,
Aiaria de Santa Roza.
Benedicto Marques Vieira, com Felippa Flori-
pes de Farias. t
Januario Ciaudino Machado, com Olympia Maria
Ramos.
Autonic Joaquim do Campos, com Maria Leo-
poldina de Albuquerque.
Joaqaim Conradode Aguiar, com Anna de Al-
meida Guedes.
Antonio Pinto de Veras, com Carolina Bemgna.
Tesek.
Joao Fraucisco Duarte Monteiro, com Ignez Mi-
ria Ceiestina.
antonio Samico de Lyra e Mello, com Emilia
Eufemia do Rego Barros.
Antonio da Cunha Torreao, com Joanna Maria.
da Conceicao.
Loteria A qne se acha a venda e a 81* a.
beneficio da Santa Casa de Misericordia do Reci-
fe, a qual cow hoje 30.
Hospital Portuguez de Beneacea-
ela. Moviraento das enfermarias nos dias 21 a.
27 de dezembro:
Ficaram em traumento 38, entraram 17, sahiram
curados 13, falieceram 2, fleam existindo 40.
Esta de semana o Sr. mordomo Joaqaim DaarU
Simdes.
Hospital Pedro- II. 0 roovimento deste
estabelecimento, do dia 22 a 88 de dezembro de
1873 foi o seguinte : existiam 37, enttaram 5i,
V
QBhift



_


iH jfaAt de Pemambuco Teroa 30 de Dezembro de 1875. ;ft$
*ahiram 51 filleceram ik, exiaUng Mft W*J : *HoJ6v KW-ms aiaKnta, do UN*da Hhenl as
t!5 bomena e-4l mulheresj defende todas, se as. torrtge, e as modifi a, on .*
e upprovada a seta da precedents
Advertencta.
Foram vfeit^ite as ouf:rm.1riasr ncstoi dias1: as
7, 8, 9 l|VMr > 6 42, 12 12, 11, f% 12. pelo. Dr. Sannento i as
9 l]l 10, 9, 9, 10 l|2, 9 l[i, pelo Dr. Mala-
quias.
Fattrcidos. r
loaquim Ferreira da Luz; nenriwu aertico.
Pranei*ea ; v.
Firniino Jose da SH* ; ulcarmoes gaogrenosas.
Jacinl ri; hyperlfophia caWi&ra.
Mariana .lain ; variolas coafluente*.
Manuel I'edm Jos Sto<; ojoningitc cerebral.
Victor Marin ; febre amarella.
Alexandre Gam 'S ; fariulaj confhient"8.
viano-l Pereir.i da 3*a ; imfiolas contlaenW
Emil Rusalot; f-iire'amartfla
tourenco da Cm&a; variolas cnnftueute*.
Isabel Maria daCon;eiva >; eaehexia paludosa.
Anna Maria daConceieao; eaehexia syphilitica.
Antonio Maqpet dos Santos; eaehexia paludosa.
Casu de djeteuyao.alovunento d_> dii
28 do dezembro de 1K73 :
Rxistiaro preen* 323, entraram 3, sahto 1, fi-
eam exishnio 3JJJ.
A sabar :
Nacioexes 239. mnlhores 10, estrangelros 23
eaeravos 46, eseravas 7. Toul 323.
Alirasntados a custa dos eofres publico.* 2'9.
1'i'ibitimt 4* f AOFA DA SF.SSAQ DE 26 Dli DEZBMRKO 1>K
wra
rRrsroE.vciA oo mrM. su. oonstcmieiro ansblmi-
KRAKOSCO PERRTTI,
A's 10 horas da manna, presentds os Srs. de-
putados SBcritarid Olmto Basins e supplcntes, 9a
Leilab e Aires aefra, filtando com participaeao
o Sr feopes Maeha'do, S Exc. o >r. eonsellieim
presidents deolaroo aberta a neSsSo.
Foi lida
es*5o.
PXPEDIRNTB.
Officio do eorrctor Pedro Jort Pinto, solicitandb
c?cusa do cargo de presidents 1a junta dos corre-
tores, para o qual ftara noraeado. -Foi aceita a es-
cum. scada que u Exin. Sr. caaseiheiro presiden-
t n>chrou nue o'votoquedeu para a nomeacao
In supplicant i, foi em ennsidcracao ao modo pur
que fl snpptieaute se houve ontr'ora, pnmeira-
roentc eno se:retario e ao depois eomo presi-
dent da Jttota Proeedemto-se a votaeiiopara a
nova junta, oMeve o eorret >r b-Tnar lino Vascon-
o'llos i|u.i!ro votos para p^esl8entc, e o eorreior
AnpiMo I'int) de Lethos ontrn? taMtos para secre-
fin >, lieaud i o corretor Aojonio Leonardo Rodri'
gui's, thosouri'iro da nova junta.
O tribunal resetveu quo se flzes^o con-tar a
junta actual as novas nlifeacSeS ij u> se. verii'iea-
n:n p-l.i e<-iis.i qn<) pedio e obtevo o correto-
I', dro Joe Pint > do cargo de presi lento d.t futura
Jftrrta. K ttelerminon o tribunal que sc respon-
*-.*si5 ao im-smo corretor Pedrn Pinto, duea to-se-
llte quo ior;im aceita^ as ponlor,ic!3;^ que fez
part scr di-jp'osad) de ser>if como Are'sldeitfe dl
ftitttra jiiiit.), sendo que a Bomeacao que sobri
el!o nleaKfra era n*n raw ihecime'iito .1 > te.i >, soli-
e.itudo e acerl", eoiu que servira anteriornaente.
(ytribhnal resottba otro*im qiv se cdmrnanH
ftrSw novamente ans nomeicios a nor'no'tci i a que
." urocedeu em cuiiseijuencia da es':a<;\ peJida
pelo corretor Pinto.
Disliibuirani-se os segttHteS livros :
Wariu e c piabrde P?ioc'co Galinnraes C,
c .;rind>r d i/iiz (7ou.";!v,S* da Silva A Puito, dito
de ioa |uira Gsrardo d-j Ua ItfC Uilrigufs i IriKio, dfte do Miltirin. tfa'rrn-
s ) de Me|| >.
DR8PACH06
R'querim.Titos :
I)- Thom z Teixeira ISastoo, p r.i dir-se cerli-
da.- da n'mie.cio A*, sea caiterro M.moel Davino
Tmeira Basils. De-se-llio.
D.! Harismendy A; l.ntrfflo, firma commci-cial
> lUiSlCcida nest.i ptaea emu eaaa di- Contmlss$e|
tior conta propria alh'ia em grosso, pedin*> ma:
irieula. -Vita ao -r. de- De Caetano Cyriaco da C)*ta Vorehra, proeura-
dor d) co-ninendad.n- Jo ho, solicitan to o rpjtistro da1 inelHsa escripldra
de dote. -Hejostre-se
{) .1 n i la Crz Macedi, pedindo exoneracao
diofll'io do c irretor pral desta praea. Como
Pejaer, fi;anlo destgnado o-4ia 29 do eorrente
par i .-. entrag.i dos livros do supplicant* a seere-
tiria do tritr.in.-vl, mh.stetiodo a Hanca durante o
pr;o lo.'.il. O IriliH'i.l! W*dv*u 4,,p 5e fizewe
saber a junta em oxeri'j.rio a exoneraeifi ru>did'>
!mM '* *' *'' ilesignou o d-:i T.< d i correate para o recotftbnen-
t.. ri is ms lr i-i> y. sAfretarla do tribunal, em at-
l(*ll.-.-i -i't son p^tii^'t.
De Jxe Lim Alves ViHeia, apresen'.ando a n>-
gistro a noui'i.i.-a i q ie den a An'iaio Alves Ville-
la. P;-.';-i.j ..(, refi--tro i>edido.
fie, Hatwwl Astofdii OdapHfea requTen<1o que
M reffcitra a iio:u.'ac?.u}u:rta de sou caixeiro. tfa
forma n-qtietida.
0,- VaMMM Ribatag da Silva, offerecendo a
reiistro a ;i imuofi do Sola Mvwol Nepomuceno
Sim.
Do turu .1 Li ration to, submethin lo a rc:ris-
RB a re rii" l. ..n J.' Mao m'I U> Na^cirn^nto Araajo.
-Ci.ii'i req'.ier, dep-is d.; reWMMMa a firma
da n>:iiea;:io.
D i \1 .'.rianuo Pereira Cabral, tnwendo a reeistro
:i n xno.icio de Jo Oeferiil".
Do pli irinaceulico J-tifaiin Rodrigues das Co-
t;as, polindi qoo se rerisfe a nomeaeao de son
caiveirn Areiado Goulard de Athayde Alvim. -
Scja registlrada a nomeijia f-.m!a.
De Jose r.iituuaf) dos Sat>. P.>rt>, imjwrraftdo
o ierfi>tro da nm&;ha de seus quatro cakeiro-.
Como pe le
De HaHhaiar Pinf) deGouv':i, para proreler-se
ao reejMtra da nonieaca> de sen* eaixoiros. Ni
forma requerida
Do Silva A: Irma >, sujeitando a registro no
tneaca > de caixeiro eoncelida a Olympio de Souza
Cyme Lima -Faca se o registm n'tdtdo.
De Mathias Tavaros de Almeida, otl>recend* a
registn a noiaeacio de seas e;iheiro-. -Na forma
pedida.
De Loiz Clementino Carneiro d.! Lyra, tamnem
requerendo o r-gislro da nomeacao de seu cai
xeiro Manoel Bias de Maceto. Como roquer.
Do Man >ei Jose Teixeira Fonte, igualmenie pe-
dindo o r.gistroda noineacV) de Ttimnaz de Aqui-
no Foneeca. -Gomo nqtmr.
De Jose J"aquim da Costa Leite, registro da
aoioea.ao junta. -Dcferide.
De Luiz Muro-ra Reis, r-*gisip da nomeacao an
exa, -Prooeda-se ao regUlBi pr<-tendid->.
COM 0 PAltfcC^n I'lS'-M..
Peti'fies:
De Francisco Mamade d* Abneida, pedindo ma-
(rieala de onmereiame. Adiado, porque nao
cnniparcceu o Sr. deputado Lopes Mnehado, a>>
pas> que e impedido o Sr. Gtwrra, nao pndetido
ser decidida a pretenoao do sapplicaitte p >r (tias
membros, vito com > nao pediente.
Be Antonio Hodrigue* de Sonza, idem idwn.
Come reqtttr.
De Aristides Duarte Cameiro da Cuuw Gama, j
Pedro Ameri -o da Gama Duarte e Joao .)urte
Gortlho da Gam, rcriflro dj-99) iroatrato. -Regis
tre se o conlrato juuto, s*.m ler ni- do deereto
n. 4,39i, send > que o dit eoutra'.o e a present*
petieao tem a data do 1.* do eorrente, quando
so foram CnuidaB ao tribunal a 18 do mesmo
mer.
Be Amar^l i\ 'alente, idem de dito.Faca -se o
registro, na forma do decrato n. 4*'W.
Do Ban^o .sIBemao Braileir fun lado em 'Ham-
burg .!. registre dos sens estatut >s. Satisfaca o
pareco.r fiscal.
De Thomaz de Aquino Ponce^a A; C Wedesao-
res, a respeiH do deposit! di ompaoliia Indem-
ntsaloia Infirmea se?retaria.
De (,'aii.jiio Casimiro Gae le* Aleoforado, para
>r pniTidO n-j Mfiti* de eorret >r g ral desta pra-
ea KmI'.vu o tribunal qua <<$s seMo pef'fio uart a ttltiinacS) d> prazo mar-
eadc.
\i m.>io dii, Mo basmndo njai- nala a dMpi.-
cbar, a. Exe. o Sr. eonaePwiropresilent* em*r>
roa a sessio.
leirt aiidnzs nos lwpfessds esbalhados pot tffdo M-
perio. ...
A's oonttBuadas inteupellacopi, re*paudein>n'ai
com o sileucio ou a evasiva.
Nao se e-impromettem...
Ora a sua imprensa publicando artigosassigna-
dos, eamo o facia obrigatoriamente a Prantja da
Napoteao III, nao pnjgrammeli^a ideas eoheran*
use uniformeiquepossam e>>natitiiirnjMa banleira
polities; ora se revela repoblicana, descrendo
sempre dai nossas iastitiucSes tundameutaes.
Etntet into )a na onposicio e ja sob aquelle mi*
uisterm e os que m Hie seguiram, auito direwn
foi a inarcha dj panido .ouserrador.
Cora discipline digna de inveja, como o tern
eontawado ootaveis Wieraes, proearon elle rain-
ier o sen. pensaniento politico, promovando area
ftsacao das promsssas de sens chefes feftas ho
parlamento, na imprensa e nos comicios.
Sinceraraente pairinU para ser bastante dedi-
cado ao bem e engrandeeirfiento do paia, dotan-
do-o de impirtantes o rcflectidasrefonnas e dando
o mais rigoroso i npulso aos melhoramentos, quer
moraes quer materiaes, tern sido elle a ver-
dadcira salvaguarda das HberdaJes publicas es
criptas ao nos-o eodigo politico.
Reduzindo ao seu devido val >r os sonhos p"ian-
tasticos e repugnanles ntdplas dos que naa-podwn
eonseguir fazer seria escola govemativa, tern elle
realisado o verdadeiro ifVal polfcieo do paw.
A finalisacao da guerra do Paraguay qua pa-
recia inaeabavel para cumulo do* males que eniao
BTH allligia, e a prrFpeiidade crescente dos nos-
soi recursos financeiros, permilliram que no moio
da tranquHlidade geral int-ma e paz exterior se
abrisffi nma nova dra paranobres e avan^ados
commtttiraentos.
Consolidado o nosso credtlo, seriamente com
promettido durante tolo um quinquenoio que nao
vai longe, os h>mens eminenles collocados na
governaeao do estado poderam oeenpar-se das
solocS-w dos problemas economicos e sociacs de
qae depende o futuro do Brasil.
A emancipacao do elemeuto servil a ref orma
judiciaria, com todas suas providencia* eom-
plementares a da guarda nacionale tantas nu-
tras relatrvas ao eredito, a lavoura, a viaeiio pu-
blica, etc.. nao sio senSo eloquent*** testemunlHis
qne desroeBtem dia por dia os echo* dissonaflU's
sahidos d.is arralaes adver-os
Nas provmeias, ausembleas patriotieas teim cn-
rado instant* e eflkazmente da ii*truccao publica
e de mel'iorameitos de todo gsnero que eom-
porta a eseass-*z dos setts orcatnenlos.
O partido liberal atropbiado e eauterisado pelos
mesmos s distant republicanos. amevendo em
seu letlnrgo a possibihdade da vi-tona, oome^a
em nao deitar como principio assentad i o funda
m Mtal da forma de governo.
No parlamento, nos clubs, na imprensa aio
monarchistas porque nao desesperaramainda.mas
amanha serao repuhbeanos sem incoherencia.....
Desde que um partido, seja qua! for o s"ii
nome, ataoaou teut deoerediUr a forma de gnver
no,a bi"e pm qu? repou-'am tolls as inslituiooes do
paiz, nao pode aspirar a -erjuovernn a seu tnmo,
por meios rogulares e constitoxiotiaes
E' mister quo Ihe a Ivenha o tri>Mi>|)ho OU da
ivv.duean ou do tempo que aode elaborar leuti-
m-nte por outras causa* a mudanca de eertas
WSlitui.dea e ttcpois a ^lo niesmo sysiema de g>
vorno do pair, que 6 o seu principio e a sua
base.
O partido liberal e pois su->peito reo de lesa-
s.dierania.
On arvore este a bandeira do seu eeiitiv ou a
e*qneca, nao e menos certo que a sua imprensa
nao pode deixar de conlrariar as suas actuaos
aspiracdes, quando reveh as suas vislas e oxpe-
dientes politicos em pernpectiva.
Atacando e critieando o no*so regimen gover-
namenfaL o partido liberal, ja desliguraJo, loin
apenas exi-teneia historica.
Sem completo abamlono de. principios eardeaes,
que tein snsteniado, nao e um p irtido de actua-
Uilade ; sem profanda e ladical transfoi macao,
na i e ao men-is no preseMe um partido di; pro-
pai-'.-nida, deal jJesiinado a gi>vr,rnar no futuro.
Os parti.I os radicaes ou se lnnitam a propagar
sua* ideas pela palavra ou pels imprensa ou sao
ua partiiosdj accao que convul.-ionam a socio-
daiioe precisam demolir.
Ao partido liberal fahallio a crea?a vivaz, a
energia moral, o exeraolo de virtude para aeredi-
tar a propaganda^ e a forja suffioieiile para fazer
a reveducao, einbora a tenha querfdo deixar re-
ceiar.
Que a_paz ds incruentos sacrilbios que faz a
aluivgaeao, ambicionando so em' grao asceudenie-o
.....'" ",">i ~4-:ih-*iya ''niaiivas-'eile-nera-,"
pTflp^g'*^***, nem um veMadetrj partlSo P
opiniao. i
Nas provincia.4 o-t arg-ioi (ib'!/e:* combatem ays-
lematicamente a* administrate* sem trazer um
raio de luz da scieneia que taato apregoam para
as questrJes de momento. Divurciad < da na^ao
qinnlo fere profundamente *s bases da constilui
cao por censiderala am obsUeul o a execucoo de
seus cerebrinos projectos, o partido liberal esla
impossibililado actu:ilmeule de gerir os negocios
pnblicos.
A bistoria politica de tod js os paizes, que e a
scieneia pratica de governar, nos esta dando diur-
na? c convenientes lie'es.
Seria absurdo que Thiers tivesse chamado ao
poder minlstros bonapartrsta^, oil quo a rainaa
Victoria organisasse am gabinete de, fenianx.
Desde que um partido por seu* representantes.
no parlamento, p ir seus orgaos na imprensa e es-
criptores no livro e no jornal, quasi qne faz de-
pendent o bin governo do paiz, da condicao da
miidauea de sua forma, pode se considerar fora
da arena em q ie os partido* regulares se delia-
lem e disputain o m ibdo pelas suas opiaioes, ideas,
c eredito polilio. E nem deseohamos os ja co-
nhacldM republieanos.
Esses pare-eni uns pohres sonhadorei que fal-
lara de miragens on armam a im iginacao.
Os lih-raes rdcollieriam de bom grado os demo
jos, se algwm dia .. despojos houvesscm.
Dahi a tao commoda aArrencia em se poder ser
monarehisla si el in quantum
IN'ao con lem laoi is o par lid i hberal 8in.io pelo
alegado e provado : 0 a verdade c-ntemporanea '
O Sr. Taviovs Ba !).*, om sua obrj, a 9roE'meia.
apropria se do seguinte pensaui'vato de Benjamini
Constant :
Bntre a monarchia coaslilaeional e, a republi
ca a differenca tsta na forma. Entre a m.marohia:
iron -tifueional e a monarolna absoluta a aitlerenoa
esta no fuudo.
Kssa theoria levada a realiJade pratica como in-
sinuam o Sr. Tavares Basla*, cbefes litteraes e os
seu* mais autorisados orglos, quer izerao menus;
Nos e in liflereote guiar o* destmos do Brasil
cum a republica ou a monarchia : o regimen po-
liOeodeam paiz radicada nos costume*, nas ins-,
iitui;*>e<, e n i complexo de factos que fazem mui-i
tas \'eze.s a sua bistoria de seculos, pode afoddar-l
se de am momento para ontra, gracas ao mais
ambicioso Ou au laz que appareeer.
Que exemplo nos efrerece oulros paiae*, para
qae u n partido desorganisado e quasi revolucw
oario seja chamalo ao poder p>r iu:.os constitu
cionaes ?
E* a situacao do partido liberal.
Crmdiiir^nws.
...
paste mum
------------------------------------------------'---------- "' "<4
fMti'!!.0 GOli;af1MB
RECIE-'h. ,JJ -T* OfcitKtffJlM DE 1873.
A SiTUACAO DO PA^TID UaERAL.
A asewsao nr.%jib1ne 1? 1d de jmbo de 1868
ao p.Kii ov jo sr o e> <:>, .<) iwl'oVta) 4u ceutro _
lilierai da.-o"i que se enf i.\av., iyela letriea le |da nwta do tntnistr
geodn : ref*-nn on recoludfo.
En Bflr-flrogtatoma, euj. ideas t
5i0 SE EMTENDEM.
Com a epigraphe -A nota'Tegedoro orgao op
posicionista publicou uiu pe.|ue'ho ar'Ciga *irn ro
taeao aos altimos acontecimontos dos esOdos pla
tinos, onde,ainda mais uma ves, revelju-ae par-
ciale mja-to
Tratando-se de quest6e3 aldliodrosjssimas, rxrao
sao seoipre a* questSes do polilica eiterna, pa-
recia qae o orgao opposicioawta devia ser menos
leviano, e mais siaeero; e nao avea'.urar propo-
defies fal*as e contraditoria*.
rto fniuitii de acctisar o patriotFco ifiiuKerio de
7 de mar^o o ariieulista Ja Provide''-! c'.ama pela
imprevrdeticia do goVeroo por aSo tomar provi-
deocias eifl ofdero a ew'lar a gjerra com a repu-
blica Argentina, qne em seu pansar, e emioenii e
inevitavel.
TtSo'ebritia ati'af'tra, dii 6o'vgUo aj>p*sicionista,
a ni:3o,'i/ue se tenha'dido nm pas'xoV,r', li'n-
laltonrad'i e p idfic inunte de uma iula em'intnto,
wprtparata, rotno cittt'bn, para elU.
fete pcqueno peri.Ml feVela o desa-vi, a levian-
dado e a inju-tiea com iqne o orgaj da oppjicao
ttt.js as. nmpto* de gYaadd tateressc pabneo.
Kilo l*es serve do meio do opposlcio; coitrij-
do csoeeulam o ia quasi deliiantc? c'disesperaJa?,
^vio JdMHftatido a reVdlucio.
CaflUrauisteo e*peetaedlo qua todos os dial
repreiesta esta gazeia, que ahi se publica com 0
nome de Procmzia 1
Dejxemo!-, p irem arf>3i estranhas ao
assumpio, de que (ein de u>s occuoar.
As ret! -xoe* que o orgao libaral Julgou dever
expender em algumas pouca* linh.is a proposito
,da nvta do mmistr< no* nogorios cstrangeiros da
pretmWk-'a Argentina sio, de lods ponto, desrabidas
?e sabAfelniusiaa.
Sluito po.|eriam n dizor .i, e*te re*peito, entre-
Unto Uiiilar^nos-hemo* a m astrar a manifest*
cortridi.;.al) eTu*i|ne, nesle p.>ato, se a-ha a Pro-
m'stdAi'mm a njonni; j.-r.ial quo so paWira na
cOrte eipta tiulHicm, conn a Proomcia, sn^fezor-
gi-j do parUOn liber; 1.
Com efleito a contradiciio destes dous orgaos
da imprensa opposicionista 6 manifesta; ao passo
quo a pVoomnta-accusa o gibtueie par nao se
acautefcir e mtra a itumda belbca dos estados pla
Unas, amiiario, c afcusa por e
arvarar em MKeaso agitad ir, impruden(B e levla-
B>, que sem torivos, ne'n ;ausas jusas e legili-
aia*, aluuaata nvalida les eatre dou* puts*' ami-
go*.
Quera tern razio : a-Refvnnt on a Profineiat
Q .al dosses dins orgaos da imprensa opposi
cijmsta fall a a verdade?
0 quo siuniiic.i esu rivalidade tao profuula en-
tre os ilons campeoes da imoren*a liberal ?
"T"
tantos servieo* tern prestado ao paiz e qne 6 sem-
rtre lido run grande intere**e, publican haponeos
dias uma carla eacnpta de Bueno*-Ayres, na qua!
se dava n iticia do desembaiviue de um graade ar-
nnmepto para qi exercito de 5), quo se csperavsta a cafla momento doos frarxde*
ni'iiiilores, de moito : nor foroa que qualquer de
n issos encouracSdos, e tinaUnenle quo o governo
da repulHtca havia contratado eng-mheiros nos
Estados-Unidos, que se ocenpavam em fazer ex-
perineias de torpedo* oo Tigre.
Esta nolicia, para a qual a Naga-i chamou a at-
teucao do governo e do paiz, deu motivo a serios
reparos ix-Rrfirmi, jue assim ie exprimw
Foi tnn/i imprudeucin desperlar mxiin odias e
ricalidtidesentre dous pjv >: amigos ; foi um lr-
viandid* dtrnanir-se assim falsat inform foes,
indnztndo se a erro o espirito publico.
Ora, em verdade ainda nao se vio em paiz aigum
aeciisar-se ao governo por que um jornal, qae o
defende, da noiiciai do qoo se passa no estran-
geiro com relacao a negocios infernos.!
A nppisicAo quer tr in-formar a ordem natural
das cousas ; sempre se considerou como am dever
da imprens;'. trazer o espirito publico informndo
do que elle deve saber, e entretantj clia ns-se a
isso iinpnxlencia e leviaodade I
Respondendo a es*a accusaoao, a Najao disse
as soitu ites eloquente* palivras :
Dilute d* verdiidetia proptgind* qne move
contra o Brasil anprensi argeiUina. nao pdie
t imprers i brasileira ser indifferente,
S'onos calumniad is a -todo t propotitoj as
noss-is mais puns intenciies sat invertidae; a
n-issa politico se Ikes afigara invariaottmtnteper-
ftd't, desleal e nmbiciosi.
Nao ha um so acoatecimenti da vida intima
do povo argentino em que os e*8 escriplores, pu-
biicistas, lusioriadores e estadisns n.io Kntravejam
i isidio*o m uiojo do governo bra*ileiro.
E" o general Mitre que se apresen'a candidato
a presiJeneia da republica Cliamain no os al-
simstasde candidato brasileir*, de estadista vendi-
do ao oro del Hrastl, e de indb ir argiuneolo jul-
gam nao poder servir-se para Ibe attrahir a iinpo-
pularidade.
< K' por sua vez Alsina i,ue. aspira o raando su-
premo da republica-? A Ntcion clama por sua vei
quo o Brasil o protege.
F.' I jjp Jordan qut se iusurreceiona 1 E'
Lopez Jordan .que resisti t E' Lopez Jordan qae
illude a vigiiancia do coronel Gainza ? E' Lopez
lordan que toina la Paz '.' A. revolucao e nada
menos que a obra do Brasil.
t 0 que esta propaganda de odios e preconcei-
tos traz apoi si, facii e enfre'ver. As viofeinas dia
tribes da imprensa eorrespoudem as falsas ideas
que circulam entre as niassas.
i Como se isloiao bastara, armam-se cjm for-
midaveis anrameilos.
t Porque?
o A nos*a jwh'Cca tern sido franca, le?t,'gene-
rosa. NSo acafieiam )if pianos de conidiatta; to*
dos os nossos esi'orCos se CimduZom a estreita'T' re-
la{o- co n a republica Argentina. As iJuas na-
jSes mais forte.- da America sul nao teem interes-
ts que se excli.un.
Neitiiifu arto do governo do Brasil denuncia
a intencao d-ileyar a gue(ra'a qualquer dos esta-
do* (il.itino*. ',".
Agora a Provincia, destoindo da Ref'>rnti,'VGio
dar razio ao orgao conservador, a qnem exeedeu
itiuito.
A .Vdf(Jo nao eonsidera, eomo a Provincia, a
guerra cemo inevltava ; ao contrarlo nio ve mo
tivo para essa Bclticosa crnzada, em que esta em-
penhada a republica Argentina; e o governo e o
primeiro atom-irse de sorpresa diante dos anna
meutos argentino*, quando por actos e por { pal i-
vras tern ahirmado o desinleresse. e a justija dom
une vd os negoeio* platinos. f_
TS v tonjpf, oir a .Vifii, esis 0 goveraar.-T .
".'.?.? quenoiiT" a'gnem; COntdTIe po3cf ma -
ciar-lhe os motivos.'
Blfci tiao esta em sua intencio, nem ao me-
nos Ihe parece nm inevitavel desenlace das ren-
itonciasque. ponsamos manter no Rio da Praia. 0
que o governo certamente nao vU e nao pole ver
coin indifferenca, e que, a somnra de ami paz
que nenhnma razao re esta io ameaca quebrirrtar,
um paiz visiuho esteja a annar-se eonao se estive-
ra na vespora de algnm passeio a RerHm.
Agora o paiz decidira qaem tern razao : nos, ou
a opposicSo ?
Em ontra occa*iao mostraremos rrae, o escriptor
da Provincia foi ainda infeliz atlribuinlo ao par-
tido coasorvadar a piillo quo so a si e a seu parti-
do deye ser impntada.
A raaito tem descido o
desfs redactores da Prmiincia^l
------------------------------------n'ji.r--------.^
nNGni
BilEVK RBSPOSTA AOS SKS. LWENCIXDOS D0-
MINfiolz F. MASCVK6 PELO BR. SAIIMKN TO
FtLHO. f 1
(C oiiintacJa.1
Finalisando o que teniio a dizer a respeito do
dijgnistico, vem a prop.sho lembrar qae os se-
uhores lieencia.l is punccieoanun o rentre da en-
ferma. anils'' da enirada sua para o ho-pital. e
ipae por certo nao o teriam feito, se houvessem
dia^n.isiieado uma degeneraeao no utero.
Quero fatfer-llies esia fnmca.
?iJS)S^^ mstTr.
nal djJRetife que aeonseloaram ao dona da doonle
que nao consentisse na operaeio, porque
NOVA PUBLrcACAO
Alarma e protesto e o titulo de urn pamahleto
de Figaro Junior contra a faculdade de dir -ito de
S. Paulo, ou antes contra os lento* da me.**:u fa-
cuidide, e Antonio Carlos e Leoncio de Carvalho.
\ Provincia, tecoiido eucomios ao escripfir da
verrina contra os mesmos lentes, diz o nog-ante:
Ahi nesse livro, que honra a moeiiade da
academia de S. Paulo, estarapa-se a alma vigarosa
qne sabe latar contra o* elemeuto* conjurados
.... do cadapalavra como qne transuda o bs-
pirilo varonil d'esse espersnfoso mogi, beHo ta
'iito, q*ie ja tem a frunie circundada pela eonia
do martyrio em prol da causa da democra.'ia. >
E' para notar, com elTeito, que, fazenlo parts
da redaccao d rrooincia dous lentes da facof lade
de direito d'esta eida le, teubam cstes eonseaiido,
quo se clogie o procndioieoto do esWdante, qne:
tao desoommunal nentedeprirae dos sen* mesire* I
E quo gloria p'Ue resulMr para a m vci.lad.) da
acadaimia de S. PauL), de uma publicac.to iBjurio.
sa, eicrijita por um moC/) apaixooado contra aco-
feridi*sima corparacSo f
Quo eJeraenioe conj'arados sao esses, eon(ra os
quae*.sabe lutar a alma fig>>rosa d'esss nwco.
qne ia tem a fronte circundada pela corua d
martyrio em prol da causa da democraaa?
E' de bem quo se saiba. que essa dean leiacia,
qoecircuoda afruato d'esse martyr, e ; derai-.
cracia repdblicaaa, que os provincianos Qigem
combater etn saa.gazeta.
Ao passo one as proprios lentes de S. Paulo,
que forara respcitados pelo estonteado pamohietis-
,u, dao o mais louvavol exemplo de boa> seosi, o
da redaccao da Provincia, que, pelo menos, deve-
ciam tornar-*e in lifTereates, ou sileociosa* era-re-
lacao ao iusultuasi escripto contra o* seus repei-
Uveis collegas, apressara se em dwtribuir louvo-
res ao alumno refr.ietario, nos seguintes terms* :
Applaudimos o seu impulse, panjue i tem
pre nobro ver a moeldade levantar-se a prated '
tar contra o anachronism) do pasaado, a qhrar
as c ideas qae fratem-na atada ao posts.da infalti->
bUidade do* inestre*.
E> inerivel que as palavras que fieam acima!
trancripia*. podessem ter sahido da bocca d^
me-tres, quo fen por dover howar a classe aqn
pertencem'?
&*tudtales que sin pumdos em S. Panlo por
snas turltu eaeia* e desacatos aos seus profasso-
re-s-j recubem testemuBbo* pnMiros de anlmscio e
louvor dos redactores la Prooinc'm,:.jue deve
riam ter purlicdlar empen io pela moralidade dos
rn-smos fstulautes.
Tal eoesc.mdilo dido a s teiedaXi pelri de*
v.iirado Figaro Junior, qo.o a propria Republica,
itotieiaado a public^. do pamphleto do martyr
deraocrata. assim se exprime :
A' partc a demasiaoa energia da pbrase, qne,
s* bem que justtliiivel, pode fazer parejer o
opisculo incendiario ..,
Ora, (|uanio os nroprios corrieligionarios de.na-
cruas aebam .phrase do wasen\dentsinioeMr-
gic '._c que pdde plreeer inceiuUgrio, tiavera jusu-
ticacao possivel i>ara o professor quo aoima e ap-
pl-mi le o di mesties *
Nao sahemos como qialidiar *mefhante proc.
dimonio dos mestre* relict ires da trwnr.ia. qua
\ n a iucrffeTIeviandade hi expressarom so nesles
terrao*:
Dimo* um aperlo do raao.-ao lllus'rado mocp
qne sabe r imp* contra ai tradifOt-s, e ha"stear 6
labaro daiib.rta-ao d> e-ipirits w d-la3epender-
cia das academias.
Deploravel sy*t ma d' e-'uear a njoeidad".
a doente
morreria, quando inuito pek contrario a propnze-
ram, yerdade ti quo sem responderem pelo seu
rosaltado... ffr}
Que consciencias!
B, so susteniam o sen diargnostico, qaal sorts a
operacao que propozeram?...
A hysteroto nls ?...
Prosigamo-. Assontado o diagnostico de Aisfo
dotwir/o,-Msolvid a ovariotoma, eorao noico,
ultimo e urgente recurso no caso da enferma, ve-
jamo* se > sonhores lieeneiados- sao mats feltzes
em MvjLcritica da operacao do que o sao ua im-
Plgriaeao do diagnostico ieonsft do ociria, qne
alias ta.nhsm-.'fiseram. ounio o satoem todos os me-
dicos, que a operacao assistiram.
Para evilar repettcSe*, ocenpar-me hei ceojunc-
tamente ah itescriftihe da crltlca, qae nao duvi-
daram faser.
Passemos sobre o primeiro teiopo da operacao,
pois que nada dizem a seu respeito : valha-me go
menos islo.
Lembrai'i eritreianto quo a incisao cnrla, que
os senhores NcenciaJb* dicem- sur prefenvel. tem
0 iiir.orivenieine de dilllcult&r o recooheeiin-'iilo
das adherencia-s, o ainda mais a sua destruioao,
quando ella* eXistam, alem de que embaraea a la-
qneacio. ou a cauterisacao, quando tiajam horaor-
rtrauias, ppofcangando em loios estes :ca3os a ope-
racao.
peclaram os senhores liceaciados que, depois do
primeiro tempo, no seg'undo, ea prociirara reco-
nrrejer, se haviam adheredeias ; que rjfcecionara
o Kisto ; que o RKisana; que lev.ara amlo ao seu
idteriiar. Depois dizem que aaq.prociMei cwsobo
rar o diaitnosticu. oy, sao liz. oauivoqueiine, por-
que a adlopsia aemonstVou'que o tumor era for-
inatfo'pelu frta Ire, ovarios, ttomba clc.
Qianto a priimira pane pena quo os senhoros
hcenoiwlos ** dissossom quocs os oulros aaeKis do
oomprovar'se o duiguo-tico, alem cdos que confes-
*a!ii que en iiz, aafvn se preten'denl qu o eil inter-
rompesse- a operacao para, armiMVi de um micros-
coaio, prneedei* a analysas.
Negara. eetes-ooaJiores que haviatn adheren-
cias, que impediaa) de c-mtornar o tumor, em to-
das as direc;i5es, e qmi portanto so podia ser le
vada a iuvefigaeai ate cmde era possivel huma-
naiiinnte caogar ?
Quanlo ao segun-to pwto ,dii*i qaet diiranse-es
te tempo da operacao, o- que se veriQcou foi que
se tratava realmanie de um lcist, coma .* flebno-
re* licerfela*)s t3o prora*lo na segtrlnte'cfnsaira,
que i mi faxem.
Assim, diiem, aju en urocurara intnvdasir a
mloentre o tumor e a sua rberla, ou iuvolu-'
cro.
Se o tumor naa era kisto, quo iavdlucro era es-
te ?...
Pois a madre, augmenrada do vlume por um-
esiado paihologico qu;dqner, tem involucres, Srs.
liceneiades 1...
Quando dizem a vcrda fe ? Sera quando susten-
iam o sea diagnostico, ou quando dizem que pro-
ciirara en penetrar com a in m entre o tumor e a
sua coberti.-oa Hirwluero?
Qne sapieocia I qne comedia I
Qual'.*ra a nalureza presumivel desse OBormo
tumor, que tinha capa e se red*u a metade ova sen
volume, depois de cxtrahir o sea liqaido, eomo se
coqfessa ?
Que cavidide era esta, que encerrava tamo li-
quido gelatino-albttoiinoso, craja sahlda L>i obcjsIo-
nada pela'ruptura :le septos, e que tcMbmo o tu-
mor a mais do metade do sea volume ? Seria en-
tao a cavidade uterina :'
E, i)e ferenciat dos Srs llceneiadas a hypotliese do uma
hydrometri6 de tieuotfa peoie, e tao dijjha-de
rMrnfc,r-i rtofem medn-o-s Kls o m livo prmgriS OSW'O Sutto->rqa-l
ua argumeutapao quae* os caracleres do tumor,
nem dao as razdes, quer antes, quer durante a
operacao, pirqtw diagnostioavam do uma 'fiirtna
coiiirana a de um kisto c-miirmado ; limrtandu
ioda= as suas objeccdes a uiera assercAo de que o
exarao posterior a opera<;ao moslrou scr uma de-
geueracSo do atero, sem dizerem era que ella con-
sistia.
K, demais, sensors, tleenciados tinbam Unta
corteza de que a lesao era outra, omro o vr^io
airectado, e lamaubos os erros commettidos, oor
quo se conservaram tao silenciosos, quand a, sa-
bendo d*J lantas eousas, com algumas palarras p.o-
dia in ter feiua a luz ?
O jurameulo, q;w prtstitran, nao ihes impoc
este dever ?
E' que os Srs. licen?iados, ou siio de uma'des-
bumaqidade revoltante, on ratio z-j.-ntnndo do-pn-
Mico.
Couluiuemos.
0 que veiifi^ttei, nao so durante a operacao, re-
pilo, como posteriormente,foi que se iratava real-
mente de um kist) mnltilocmtar, ostandb fhe o
atem tao adoereiite, qua se confuodia com o in
mor, como so tem obiarvado inouiueras vezes, a
p is-o a proposito-dissocitar centenis do observa
<;'.*, sen Io que as paredes do kisto oram inuito
espessas, edenatateza fthro-serosa-em soa e*trac-
tura
Foi sura duvila esta circsamstarKia, alias fre-
'lueate nos kislot do ovarit, que den origem sem
duvida a divagacao dos Srs-liaenciSdos, pois pare-
com dirSeonhataJr que astezes otrabahSo detlrs-
seccia rv v iiii>vi lempo da nvariotrtmia quan-
do na adaerencsas ii JeW ordem quo torn sido
comparado par alguns cirurgides com iacaatesta-
vel analagia ao que acontei?e nas-berniotomias.
Reconheei tamftoni pasteridrmente a co-tntrs-
tencia de algMem tecido caueeruso, o qua alias e
muito eoiwimm encontrar-se nos kistos do ora-
no, e com efl'eiua ieas-se nelle* obsei vado tecidos
eneephoide, colloije, 'schirroso, etc.
Er-tes factos, porem, cumpre obs-rvar,nio-ex-
duora nanea, somonte do per si, a enlsleaol* dos
kistot. ,
Dizem aind.i os Srs. licericiad >s qne liouve lie-
morriiagia, e nem se soube estan^ar o sangue.
Tudo se pole tfzetr
B' sabi to qne nosk*etos d* orario ha vel as do
um diamptri>considora9elpr.>porcidin' ao votame
do tumor ; e.que, se deve tantar sobre um vazo
d".*ta ordem a lajuoacao de preferencia a oatro
qa'il-iaer meio, pois e efhquorrfnts garante a ca-
vk! ido abAvninaf *> dorramameato-A) sangue; e
qua, qaamlo nao as possa eoaacgaJKav'ae proeeda
a Gsmpressia, ape*ar do iucsavenienUida presen-
ca de uma, ua uuiiu* mans, o que embaraca sem-
pre a? mandbras.
Teotar po** a Uifuoaeao era e> men dever, *ies*e
osamjad dm'tarte superior, .on inferior, d fcrida,
4m soqs la bins, au do seu fuado, passand-* a aom-
preseao, qua os Srs. beWeiados, pSra nio sbamlonaTem a
idea de uma aHoecao no utero, fallaram a esse
respeito de seios venosos, quando tal causa naa ae
ncontnau.
espirito da s^ieOTbc*l3f>loaa*faeir.iaue acparsja uto*t*t*w
ici de qualqbor outr'a grande operajao; o que 6s
meio* conhecid-s para-a sua s-.ispensaa foram ai-
krnadamnte.einpj'cgado.*,.comi senprs safeeuV.
U*o tondo sido preciso, rec:irrec aos, caqjeriq.*,' que
estavam promptos para qualquer eventnalidade.
Nao agradou aos ^rs. licenciadns o trocalerii
miuha escolba, e lembram as de S. Weils, e de
Kraussosky; ao qae possa e devo apanas raapou
der-lhes qua Tyler, Smit e B Browoo, usant de
trocaieres mais simides e de muito men or calibre.
Us Irccattres muito v ilumoso* teem o inconve-
nienie de pod rein ra'gar o ki-ti, daudo Ingar a
que alguma parte do seu conleudo pos^a se vasar
na cavidade do veatre, seado esta-a principal
questao na escolha de um tree a ter.
No caso, da que se train, ou porque a extremi-
dade da eanula do in*trumento fosse obturadapor
alguma parte mais c msistente do conteiidu. do
tumor, ou porque peoelrasse em alguns de seas
septos, onde o liquido fosse mais ospesso.e viscoso,
nao pode o trocater dar sahila a essas paries.
Esu occurrencia tem succedido com os mais
volumoso* trocaieres; mas a cerleza da existencia
do liquido, que de facto sahio na incessao, moveu-
me a anrir o tumor, como e preceilo.
Os Srs. liceneiades praeuram-me atacar com tal
desespen, que de-ta vez, nib podendo me ferir,
invetiiraiu contra o iortruiaento, qua empreguei.
Dize n, lin.ilmente. os Srs Hcen.'iados que, ora
introduzirn a mSo entre o turner e at paredes do
rentre, ora nao podio fizel-o, tendo-o ja consegui-
do,e que ulguem superarj todas estas difticuldades,
par occasian de estar eu de costas a fullir com os
ynltimtSj
A' estas e outra* insinuates de tal ordem di-
re: somente que ella* antes desdourama quern a*
faz, lo que ferem, mesmo de costas, a aquelle
quern sao dirigidas
O tio'ii senso, a dignidade de todos os collegas
presontes, farao justiea a samelhaates qnesides
pessoaes, tao odiosas, quauto pequeninas.
As adherencias eram extensas, prufundas, in-
venciveis, e foram cilas que opposeram os maiores
obstaculos a mareha regular da operacao.
Tainbem ja disseuao* que os Srs. Iicenciados ha-
viam aggravadii a sitn|;a resta prev-a-lo. Sabe-sa ja que os Sr. Iicenciados
em su'irlinica puiiccioiiaram o venire da doe.iie.
Eta puiircao, eomo ja foi- dito e provado, foi
scguida de duras, e de algumareaccao, o que alias
e muito frequent** e iauicio certo desta* perito-
aites parciaes, que t.into complican os Knios,
quando nao determinant symptoraas inflammalo-
rios no proprib tumor.
Nem e ista para admirar, quando assim pode
acontecer, ainda in.-,-mo pralicada a puue^ao pur
mao* habeis, qiuat<) nis pela modo ja prover-
bial por quo eosuimam esles Srs. pralicar puue-
cie, e que, m em simples aydreceles produzem
miiitas vezes accidenle* graves, e ate ja occactio-
aaram em f .gaJo- uma lum'te, se coneebe o qne
p.dia ella ac.irreiar em um caso tao miiindro-o.
como aqu-lle de que me oceupo.
E' conhecdo que us referidos aceidentes, eon-
sequeneias da punccao, geram adherencias, sando
para ndar-se que os Srs. Iicenciados iasistam
ainda em nao reomtveeraqoillo que todoo viram.
bendo as eoriiplieacoes, que uccasiooaram no
A'/.s(of.
Vej.nnos, alem de Curly, como e julgaua a opa-
raeao pratie-t la pelos Srs. Iicenciados na iufeiz
Pureia.
Diz o iUu-tre Stilling :
<> Atone i fucaes, a punecao i wn crime. A
coda np;rxrao mv*s udheiencim *e formam : o
enfraqitecimento da consfifuicuo. do est0d> gra/,
o -.u&HeHt- do volume do tumor, as diffianldades
snpplcnip, caja lagyfcna smjk^o, sendo lbe nlti-
mameaie insUMada por malixoade parente-ce
e alfoicao intinja^ ,amitpu-se elle jyresponder aos
aTtigds, declarandn rrue o psrentweo era notono,
mas nao e-tawtaeluidannOad., palo que *! ixara
de pcudutir peuya.; iitlaWo, uttttta, proposital-
raente a araisado intima. E o Dr. juiz municipal,
eutao no exercicie intenno da vara de direito, ia
verMniente aggfadido, tavea augnanimidade de
volver ao exerejcio de seu cargo sem uluroar o
procesco da suspaicao I
E' inelindrosa a p*i$a<> do jul. Act '.litamos,
porem, que m Dr. Ju.-e Igoa-ionao ananiiaro .. luva
que foi Ihe arrerae>sada. 0 ariieulista, para que
a alTroala fossa mais ineisiva, uco'-urou macular
a (ua reputacao illibada, recoirandu a um orgao
de publicidade de grande cir^uJaaao, e.n s- a tor-
raa natal,onda elle juiz tem pareates c aniigos, ao
eavez do ariieulista complelamaate ignorado
0 seu principal capitulo de aeensacao consisle
n'uma pbantwtosa allegacao p>r pane do juiz, de
que o uiatidado de delencaa pessoal contra Anto-
nio Rodrigues da Cruz foi coneedido sem prova
lilteral da divida.
Como se abusa da boa fe do publico f rrua-
ear-se uma sentenca, alterando-se o seu ssniido, e
prelender-se depois prevar authenticain oite quo
ex isle n que nunca foi posto em duvida, isto -im.
o mais do qae ignorancia, 6 mais do que ma
Mh
Mas... aquillo foi escripto, como sc diz vjlgar-
mente, para inglez ver.
Respon la o niesmo eserivao, que nao i stispeitv
ao ariieulista :
t Certifico, etc. Dou provimenlo ao recurso in -
terposio para considersr/ como lanaWoro, d*
nenhum effelto o despacbo pelquat foi ounce-
dido raandado de dcteuQao pe*soat dim a o re-
eorrente, seriameute aggravado pela manifesta
< violaoio da lai o prtterieao de snas furiiiul.-.s. o
que eoustitue nullidades subslanciaes ou abso-
Iujbs-.
0 regulamonto n. "37 de 2-1 de noveinl n d
t 1860, no % 2.' do art 314', foi cotnplelamentr
despresado. A prova littarai do.* casas do art.
343 p6'le ser supprida pela jiulilkaoao, mas
com os requisitos inencionados no citauo g e no
< art. 'HU do mesmo rejulamuuio. A provid.-ncin
do art. 3i6 para o caso de iirgencia nao vai ao
poi/.o do a loiuiir a iuquiricio das testemunha*
no dia subseqaonte ao da enncessio do tnanda-
. do. Demais, as teslemunhas, divergenlcs em
sen* depoimentos, nao orecisaram contr3 o re-
t eorrente nenhum dos casos do art 3id c n orfi-
ficio fraudulento 4m prejuizo dos endures, do
S '> nao i-sta sujeito a uma interpretacno tao
m lata que autorise a delemjao, alteata a parle ti-
nal do mesiuol Importaobservar ainda, qpe f>
recurso do aggravo, correctivo leg.d, nAo dew
ser otistado nos casos em que e permittido, por
um motivo fal-o ou mdebilamente allegado.
iieseaii), partanto, os autos ao ju;z a quo,'i&m
a de dar cumpruaento a este despacho, juU'ando
iiisab*istente o mandado expedido. VU'a rjv
< Bananeiras, 31 de oolubrde 187).Jsd Jffne-
u ci> de Albuquerque Xarier.Nada mais se. con-
tinlia em dito despacbo aqui transccipto, que
bem e liebnente irasLadei, cxtrahido dos pro-
pnas autos da carta testemnnhavel, qae cxrstem
Sera porque depois_ *de lerera Curly fkaracn sa- em meu poder cartorio, dada e passada nesta
villa de Bananeiras aos 23 dias do mez de no-
vembro de 1871. Eu, Inn cencio Jose jJe.Car-
ualho, eserivao, qae a escrevi.
Oade se falia omp;uV4 litt&al aeiivld i"? Srci
aaaso apaeripha a certidao, on o ascrivao oerti-
tkaria C'*asa ditferenie djque se coatem no*au-
tos t Nao irrogamos-lbo uma tal injuria. embora
no dizer do artMMliila elle fosse nl:m do sen pe-
dido, tanio mais quanlo, aJ5r> aquella .mbjU-.m*-
vei>ao, a certidao esta conforme aos artto*, assim
maiores para a ovanotumia, e por cutteguiiUe, oo mo estao as outras.
masjr pci9o ixiro a p*cieHf, em/bo- a inuliUtide Q recorrenle Antonio RfiUrigues daCnudecla
de uma operaeAo, sr iao cam, rfca rau sempre que o seu credor.que se ada^ams-
Como e-t>; UisiiucU cirurgiao peasam moitos ta villa, tinha tm seu po!er as letras ; "Ba petieao
oulros, bem como Bereuds, Marc, Hevin, Prus, ,para o utandadq do-detencao foram cite* merreio-
ua la* ; o aggravado uao al egnu tal omi-sao ;
para que o Dr. juiz de direilo havia do allega la V
Pock, etc. K-te ultimo provou que sobro 1 la en
fermas, j.unccionadas aniet da ovarioiomia. 8f>
morreram p->r efeito da punccao.
No caso verleute as a.|liereu*ias pr**1uzid; im
pos -imlitarain a exlraci^ao total do Kisto.
A obsi-rva^ao aulonsada. como se vio/tlenams-
tra as complicacoos, que .-u-'cedeai a paaocao,
pralicada antes da wvaruiioiaia, o qaanto aU ag-
grava a ituafao da enfcrma e concorre para o
insuceesso da operacao. i
E' precise*! Srs. lice,Kia4oSi4BaaP oa-axu* faitos
em linha de c.uia. ja qne taato procaram d .ivir-
ta.ar os albuios.
-e nan fora os aeeidnales- >eaasMaados pelas
proprtasmaos.dos Srs. Iicenciados, om aut di cries teria ea per carlo de aperar e mais ga- an-
ua liaverta do bom rosu((a < nm in tii jf*n-., adbwsntcnn goram,
espe*s-s, muito vascalaras aperigosissimasde se-
rem rasgailas com vialoaeia, pelo perigo de con-
tundirein o ferirem importantes orgaa* vjsinh1.*.
oomo os iatestiaos, a toexiga.et*-, eomolnfelizmen-
te tem succedido- a muitos ovarioti>al4ta3, inda quo
falixmentanae me tivesse aconteddo; sow qae por
i.**o deixvm de ter graade inerito, ainaa uaesino
quando a dillama-:a i se rwuvesse pr<*valeel das
occurrencia de sans operaeoes, o reourso-Ualad-a
a os uwios entao ompregados
Reombeeendo que nao era poasivaka-sxiraeaao
do kisto, recorri ao broiement. A espe**ura da*
paredes do kisto garanltam a utiuaa (taplativa
e de facto-as paredes re-i>uram as maaobras e
nan Uouve dersamamenlo aa cavidnda aaao-
amtaL
Os sepios do kisto podaram ser desarwdjos^ as
aas ceiulas posts* n ctammuiucafio ea,am ii
ijuido cxlrahido.
Muitas enras -teem sido oblidas por asta-prcjea-
so par mew da atroabia oa-ecutiva ."do ki^to.
Suturado* os labtos da fcri-Ja do kr4o.com as
paredes do abdomen lerminou-se a opersoao.
lofelizmeate a doente, depois de levada ao seu
leito, e feito o cunalivo, pnncipiou a cantr em tal
colapso, que veio a fallooer, aponr de todoa os
esforoos e roeios prodignlisatlos, o que eoolirma
ser esie o mais ttmivel accidenle da ovarioiomia
nas prime.ras horas que a ella se seguem.
Drei aiiMla, a para nao bear tao iaalado, como
me deixaram os Srs. uceuriados, qao vejam estar
co cm aoa companbia.
S. Weils nao pode c-mcluir a sua primeiM ope-
racao.
rt W'o- Sr. Dr. Sarmnto Filho. -"Em resposta
as p.*rguma, qoe V. S me fez em sua carta, teflh'
a respon ler the o seguinte :
1.'i44an-
iios, e que -a'iiwidoiti* dataaa de oito aauos,
ponco oianno mnt.
2. Q ie s^a m*nstrne*> foi *gol*r ate poucos
mpir.s antes de sni entrada para a hospital.
3 Qne sua m ile-lia omecara por um pequeno
turn-r, que f-u r.ros-ron to grMonlmonte ate que
tomou graades i>roporci.-.*.
i. Qne levada aos Srs. rneTteos hespan foe.*,
Maeor6 e tiominguez, esto pela tirc-ira vez pane-
cionaram o ventre da dc-nte,
S.*'Q'io" me dis*eram que a prWi podia serpor
Hes ouera-la, was que nao respondsmpeias con-
saqaeneias da opera^o.
"-.Qut.a i*reta loJja o voWfe eu'ormirnetite tb-
tamoso, e Senrfa d<*r^s po venire,-em eon-eqaen-
eia -lo qne tiftha as'vaa* iWjjaiHta. e eoosetvoa-
se sempre em e*i *.! > d e magte7a e' de poUca ali -
mentacSo.
0 rKf**r;do e v qae TKscoovier, da ^vasedte carta.
Iteafe, it de de.ieraaro de 1383.
De fi ?. *tc
TV # is' PeMra d: MtttUf ltotima.
Curadas. Si or las.
Aekley 1 4
Baakoahaimer 1 4
BaTdeloiwn 4 i
Bajrless 1 1
Black 4 1
Burns 4- 1
Crume 4 *
Doan 4 -1
Fries i Jj
Gay i 1
Prince 4 1
Priestley 1 i
Sannento Filtio 1 '1
-Wagaair 4 i*
Richard 0 4,
Sanrn 0 3
Ulaehman 1 1 :
Bachrira 1
Quanlo a me terom os Srs. licen:iados eollo-;
cado tao ahaixo em sua tseala vejam qae nao e
unto assim : Curadas ilortas.
Peraaiabuco I 1
He* pan ha 0 I
Quero fazer-lhes juslica, Srs. Iicenciadoe: -sem ha discipulos aproveiudos.
bons mestres, nao
( Conlinuarss -l*j
Para inutibsar o man-iadj de detenejio ernui maN
qne suticieiiie* a pretejric-Jo das formula* legacs e
oo doii liiiieut >s iiuproeedente* ft divtr^entes das
.testeintmhas uivadas da parcialLJade
Se o impedimenta allegado pelo jutz, tqnedeoe-
aoa o aggravo, porque o puiciQnario estaca av-
mats, o que nan conslava dos autos, e porque a
proiuracao, com -^toder^a especiaes, nn~o era stiff
ciente) nao [virmitiia Ihe inquirir as testemunha,
porque nao adiou ol|e a concessao do mandado,
quando a lei o mais fnc permitte, no caso de ur-
gaaeia, e qne o juiz, antes de redazrr a formo ;i
inqun-Hjao, inande.passar o mandado,.eonlinnando
successiva e immediatamente o actoda inqniricao'
Demais, qual a argencia preiuaiivel, se o devedor
^oiK-ee -poJSticaaoelUe que o advogado'dn son
credor, depois de ter solalo todos os recarsos
da seduccao, a-itverou que ia atira lo ua cadeia
pagfue nao queria oagar-Ihe integralmente o d-
bit' emquttstui, com prejuizo dos outros co nmar-
onstes seus credores T E depois veio o embargo
eoepois veio aqaeixa per erirae de tistellionato,
e ie mais mur.dos houvtra Id chegdra, evitando se
sempre o veraaieiro proeodimento -a abertura da
fsJieacia.
Nrio e nosso inluito defender aqOi Antonio Ro-
drigues da Cruz, e somente pruvar ate a eviden-
cia que o Dr. juiz mumcipa) foi injustamente ae
ousado k que nao pods iacorrer na eensura de
parciaJ. maxuae tendonepois.da sentenca, que foi
-tao-nulevolamente hnpugnada, denegado uma or-
dem preventisa de MOMSiz-'orpas, que c mesmo
Antonio Rodrigues roquerea-Jhe por actor se no-
vamente ameacado de prisao.
Releve-nos o Sr. Dr. Jose Ignacio termos asso-
mido a sua defeta. Sc assim umcedemos to*
porque, alem do motivo ja exp mdida. i-ntuudemas
que o juiz nao devi3 justifiear-se por si, porqaaf
entao seria compcllido a arrastar na >ua defeza a
vielima da illugaliUade, que esta aiada na sna de-
peodencia.
Em nome da ataioria da popuiaca* sensau
daate-sorma, qua naopreciaa oxtecnaros scusaenv
iinwnto, porque tuo fcio.njturios. (elicitamoaao
juiz por haver meorrido no de.-agralo do articu
lla, a quam promvUemos exhlbir .documento* do
qnttdeixamos pondcrado, caso elle jtflgue-os px-
risos, eomo tambem proaaottemos aoompanfta-lo
eat tidos os arligos do seu libellodiflanialork)
avixaado por oca sem resposta o segunda, que
eonLrariamos for ntgacao e-m o.protesto de co*
tenur aflnal, aouanlanao a premessa. da sua pm
aieiUda e dose.Uda vaita.
Bauaneiras, 24da novembro do 1873.
w5z.
lumtitari o provlwari* flam prafe.s-
Nao setendo pmlidolegabnenterealiara asao-
ciacSo do* prefessores, aw nao se ier pc dido obioi
a approvaca>) dos respectfves >*tatotos, os aua
ba cinco annos-seaQbaav snjeK-s a ot,*iaacaodta
dirertoria r>a Instrnefio poWica ; enavMo, na qua
IWife de presiden*,do-d*lo nitiinto, aos Srs. pro
lessores em geral,> em parrtenlar aaa assoMadM,
Sara no dia 3 de Janeiro proximo futoro, pelas 11
oras da manhi, se rennirom na easa n. 26 da
praea do Cbnda d'En (pavlmenlo terro>, aOm da
ahi se debberar, se oe deve, ou nso, dwsolcavauaa-
sociaeao; no easo attraaativo, qaal o dosiiac
one aeve"t*r^ p^quana'laadosocial.
fimplHio da Cruz Meiro.
Sri. rtdaetores.Pela ruora qae tem
deeocrido ale o ^peseute, para a posse da
villa raada pela asaemblea lejcislativa pro-
vincial, nestar!frBgtjezt aa pessoas mais gradas da mosina julgaram
cattvaoiaole ea*lre.gar vuoa riqwcsenla^ia a
aantara muoacipai *le Cimbres em PesquMr*.
para'gu.', porsaa intermedio er^gamlo to
conhocimento rlo Etrjo. Sr. prc5id*iOlB 8a
proviucaa, rlesse ealaauas orJeu>, attantas
am6ts atUegwta.fr para a p->sse il.i niia
trtAfai 1 s^'#rtlBenloBfir eApw quo ar.
pedi* aos Srs. reiiactores do Diario tie P-
amimco, par* qtae- &auga -in puuliaar, om
o qae minto obngnrao. na so aosasajat-
quanda visa um bin, ye'*Do"ra in- twins a este Qjtlu 6 de Vs. Ss. muito rosprntador,
obrinado e criado
Outturn.
Mms. Srs. presidente e vereetdorvs
da comara muwcip/ii du tvi/n We Cm**"*--
etn Puftuira..0<'ibaizo asstgoa-tos, ri-
detites ii a fregn.'zia de AlatfOa daMlaixa,
nwwrios nVadtaatir a ass-amblaa l**gi.U'.iT
protirreiat, baa>a.ln ns <5*>nsohhtcioshs ia-
Jlirma^oes. ua i.s6 1 preside rt' des titas-
tris-sMiii camara, acB&a.igualuiHuli; do aifi*
tisssmn r. Dr. j loaiuimpal eoeorpi*v;
Twsttv villa na pavoa^4d'4e Alafjda de Baw>ra
0 bocharti Josi lenaeto ie AitmfOer
que Xavier, juiz mussktp I do tevmo de
Mananetras, i ignerante, eat mieio t
Sob tal epigraphe in*ultante, foi provpeado *>
digno juiz municipal deste lermo, em ama pobli
cacao inserts no n. t37 do Dmrio de Perawwacu,
a resp nder a uma_ accusaeio documentatla qne,
senda) verdaderra, nao deixarfa de eowr^nVctter^
de alguma sorte a repulaeao lisongeira que o dis'
linclo magfeWadte'lom grangeade* emren6s, dn
ran to qnasi du annos de exercicio do xo eargo,
aa a aruonliata aao Iv- se bem cooiecida aqui .pel*
sua inconte.-tavel audaeia, qae nao irepida at se-
laeaao de roeios,
confessavel.
Advogado prorisionado, afloito em longas inte-
rinidades a exereer a sua protissaa peranliraaii
ijaiz sapaloat*v s*u primo, conountaao> e amigoi
infimo, que nao prescinde de .sua vastO'tradx^c,
ainda mesmo nos despacbo* trivialissimos, nao po-
dHo reafigMr->ae a aot as soas pretetafrjies, qae
nao eonbeaam ob'iir.*, sobmattiuas a apraBra^ao
de um juiz fcanit., qua dove tar legitimas aspi-
r-edtts e'eoose, ...:-. nonte responsabilidade rod,
engendrou o a. \Jitta um meto, de quo nao'fai
reserva algnma, roeiferando nas twefaas I'm;
meio dos raereadores da tod a espocw, de obrtf ar b
juiz effectivu a declarar-seespontaneiroonto so?
peito, por odio, nas causas om que elle 46r,patro
no, com a esperanca, talve?, de passaroffl elite ao
(
*

(

!


:
MTILADB [
( HIGiVEl
------,
an


Dfcft*.
Ijdl'^.ir^rrtoibj Cci
"la corpoAitjao, a
desampnro em qua se acha esta localidade,' 'dJ6 Simplicio Fraacisco de Goes, idem.
ixaadro Tiseonoellos, i(fem
Ito do^'Sarttds (JarValafr,
dosprum|)tafcreD|idiaib resuAuntes da justi^a
territorial, 24 loguai, n jue <> povoado de Alagoa de
Baixo, esuraftssa. villa de Pesqueira, alem a
que fica da juelle poato (Alagoa de Bai>)
aos arraiiies dos te'rmos do Buiquo, Pajeii a,
Ingazoira, na razao de 18. 24 e 14 leguas,
a" vista da napra quo teoi havido depots da-
quelte ado legislative) ate* o presente, sera
qua tenUa sido enapossada a villa creada, vem
respeitosamente pedir a V. S. para quo, ie-
vando oexpostoao conhecimento do Exm.
St. presidenteda provincia ppssam conseguir
do raosmj i neco^ria autorisajjao a auto-
ridaii^M.-k(.^|ra, alin de realisar-sa a
posse da icfwida villa. Ja tem se diffon-
dido yor estc lugar a noticia do que al-
guns emutos da creaoao da villa de Alagoa
doBaixa, pcocuram, por via do erapennos,
retoyo.la para putro pootoida mesma fre,
guezia.
Os abaixo. assignados nao cooaecem certa-
ra^Ble quM usse pouto, quo oiliroca as
wntagous dq,Al#goa do Baio, i* pala bom
construidf. matriz quo tern, ja pelo numero
das casas, posto que do mi construccao, su-
perior aos dos pequooos arcaiaes das suas
capollasiliaesque coosta a freguezia, ejd
Gnalmentu pelas araplissimas varzoas do rio
A(o*at6,,que atravessaudoa pouoas bra$aa do
povoado, :em em sua maior largura uin mil
cento e viute bracks com a extensao, dasde
suas aasceiiQas; a conUr da fazenda S.
Francisco ate" o Bom-Nome uiais de tres le-
guas de ura terreno em sua maxima parte de
a$ap4, que praduz bora canna, bananas,
arroi, mandioca, e tudo quanto sepide col
tirar de nt.'cessorio.a vida humaua, a vista
do que so ve em algous sitios que sous ha-
bitantes ji vao culuvando, ba dous aonos a
esta parte. Em.-toda a extensao fallada, e
abondanto d'agua ; em parte sobre a terea,
e em parte too superficial, que sero difficul-
dade se fazem cacimbas d'agua potavel, e
para a bebida dot gados: o que se pode Ti-
sivelmentt) verificar se Vv. Ss. quizerem
mandsjj ivua possoa, que.julguo imparcial,
o quo in forma a respeit de quanto iiea.ax-
peu Ji.lo, depois do baver comparado o lu-
gar do Alagoa do Baixo, com qu dquer dos
arcaiaea.de suas capdllas iiliaes. Sao estas as
consideracoes, lllins. Srs., quejos abaixo as-.
sjgM*Io6t!sppr quo Vv. S:1.. farao chegar ao couhecimento
do &tin. S-. presuieote da provincia.
Alagoa do Baixo, 4 de dezembro de 1*73.
1 Vigario Felix Jose Marques Biealhao.
% fWou 4 Looiwrdo Bnzerra de Siqueira
, Cavalcante.
3 Teiiente coronel Antonio do Siqueira
Barboss.
4 Capitao Joaquim de Siqufira Barbosa.
5 Antonio Leite de Siqueira, proprieta-
ry.
6 Aifm-s Francisco Albuquerque de Si-
queira Mello, idem.
f M-anod Ignacio da Silva Azevedo,
idem.
8 Capiu',0 Rajmundo Ferreira Portugal,
idem
9 frburtino Jose da Silva, idem.
10 Duartij Francisco dos Santos, idem.
11 L>iiz A''\ in Ire do Gdes, i lena.
12 Ant no Braz do Nascimento, idem.
13 Fi'ancistO Jo-e nviro', idem.
14 Antonio Vj.-ira Junior, artista.
1"S Jose Ferreira -le Mdla, propri.-tario.
1.6 uuuiui fc'r^ucisco (Id Si|va, iJwia-
17 FLire.ntiiio J"-o de >>&, idem.
18 Joe R..y i.uiv.i) da Silva, i 19 Mam* 1 fnmcisoo da Silva Bom-fim,
idem.
20 Aotonio Jose daSiiva, idmn,
21 Kayuiuu lo Ferreira de Mello Junior,
idem.
22 Jose Lbrys'isto.no da Silva, idem.
13 Antonio Jose do (ie s Mello, i le(B.
Man te| Mathias Jose I'raiir.isoo da >ilva, idem.
Alexanlrii.u Jose de Barros, idem.
Vicente I'erreifa da Silva, idem.
Jose Francisco dos Sautos, i lem. |
Any! > Cost'idioiFerreira, idem.
30 Tliomaz FrancitojD da >ilva, idem.
31 Jllfere.s Joso Pires Ferreira, idem..
32 II moiio i'VaricUc da Mlva idem.
33 Antonio dos Santos Carvalho, idem.
34 Antmio Jaciutho das Neves, idem.
35 Joaqi.im Padro do Nascimento, idem.
36 Jose Tbomrz de Almeida, idem.
37" Mano-I Kayiuundo da Silva, idem.
38 Antonio Alexandra de does, idem.
3D Joao de Almeida Pires, idem.
40 Jose Benwrdino da Silva. idem.
41 Maooel Nuii-s da hilva, i tern.
42 Maiin.jl l,.:tte de Brito, vaqueiro.
43 Antonio Jose Nunes, proprietrrio.
44 Vicente Ferreira da Costa, idem.
45 J se Francisco Siqueira, idem.
46 Jose Coi.lho da Silva, idem
47 Vicente Ferreira dos Santos, iilern.
48 Luiz Alves de Goes Mello, jdom.
49 Agostinho Ferreira de Brito, idem,
od Jose Marques de Souza, idem.
51 Joao Jose Ie Souza, idem.
52--iioaquim Lopes Frazao, idem.
52 Jose Francisco Frazao, idem.
54 Jose Antonio de Meilo, idem.
53 +rancisco Gomes da aitva Azevedo,
ifliem.
>6 Jbaquim Alexandre da Silva, idem.
:>7 Antonio Fo'-roira da Costa, idem.
58 Agostioho AlexMnire de Vasconcellos,
idem.
59 Antonio Balbiue de Goes, idem.
60 franc isoo Victorio do Niscimento,
idem.
61 Jose Francisco Souto, id en..
62- Jos6 Jeronymo Kibeiro, ideit.
63-Sedro Henrique da Silva, idem.
6V.ianoil dos Santos Lima, idem.
65 Mano"l Francisco dos Santos idem.
66 Manod Ignacio dos Santos, idem.
67 Bernardo Francisco dos Santos, idem.
68 Maiio-d Houonn da Siqueira, idea.
69 Antonio Fran:iaee d >s Santos, iSeia.
TO Feiicnn) Ferreira de Brit >, idem.
71 Manooi FraAcisco de GnraU>a ideta.
72 Laurentino Jos.6" de Araujo, idem.
73 Antonio de Souza Ouixabura, idem.
74 Anitao Alves de Sant'Aowa. idem.
~'S Bomi^gos de Oliveira Cavalcante, ne-
^ianf. Tl
76llonorit frioeu de Oiiveirr, propaieta-
77 Jeronymo de Cirvlho 14m*, vdaiB.
78 fist--v.it Jose de Goes, iiin.
ll Joa<| ii n Jose Alves da Almeida, oe#o-
rian'te.
80 Joa^uim dos Santos Carvalho, proprie
tario.
81 iose de Lyra Araaral, idem.
82 Gustavo Aiwa o)a L/ra Barreto, jden.
83 IBanoel Coelbo Lins de Albuquerque,
87 Joao Maaoel dps Santo* Carvalho,
idera,
f Raynmndo Alves de Mello, idem.
89 Manoel dos Santos Carvalho, idem.
0 Galduio I Raymundo Jose*de Mello, escriv5o.
92 Leonardo Rodrigues de Carvalho, agri-
euHor.
93 Antonio dos Santo* 6arralho, proprie-
tario.
94 Antonio Cyriaco da-SUvoira, idem.
95 Josd de Torres Menezes, criado.
96 Francisco Alves de Queiroe Aiaaral,
proprietario.
07 Antonio Alves de Goes, idem.
98 Jose* Antoni) de Gdes, idem.
99 Paulino Castro da Silva, agricultor.
100 Jose Leandro dos Santos, proprieta-
rio.
101 Jose" Marques de Siqueira Prata,
idem.
102 Joao Cactano do Araaral, idem.
103 Joio Faweira do PadiHjcuHe, escrivJo.
m
|Rio de Janeiro am Jg loo correuta-a
|a Jose da SiMtfA jQOiaiJmatllUtou :
Barriqas vasia* ,6tM Jos* da Sjtva Rego Bra-
4,400 a Mrt.ai,4 Ai-^k a i,* meiat a An-
t^nio Joao Furfado it C.
I Cafe 215 saceos a Joao Jog IHodrLgues Mendes,
800 a Antonio FcaociscoCoraa, 100 a Luiz Joise da
Cosu Amorhn & C, li a Frkfa 4 Rocha, ) a
Roia Irmao, 100 a Souza Ba cardo Jose Romas da Liz, 100 a Jose M. da Rosa
& Filhos, 60 a Cunlia Irmao A C, 50 a loaquim
Jose Uitao & C, 2> a Jose Joaquim Alves k C,
25 a Antonio Annes Jacomo, i a Jose Thallas do
Mello, 25 a Jeronymo Fraacisco Ferreira, 25 a
Jo5o M. deBarroj, Flhos 4 C, 20 a Domingos da
Silva Torres. Cimealo 100 barricas a Tasso Ir-
mao 4 C, 20 a Fernandas & irmao.
Farinha de mandioca 401 saccos a Antonio da
Silva Poutes Goimaraes. 300 a Fern 100 a Jcao Rodxiue in Farias
Pipas vasia* JuO.a Puraira Carneiro & C.
ttaitf 9djasr, *area iajh tkrbnt, de B8
tonefaaa.', eapiBo Patredge, aqdlpagem 8i em
e/a Susertan, de
,eTnipagem 13,
Mangue do* atulma.
As qualidades stypticas e salutiferas do
oleo die figado da bacalWo, o tornam per-
feitamente inapxeciavel nos caaos de be
mo-rbagia d.^s pulmoes. N'ao ha na mate-
ria meiwa cousa alguuia que o possa subs- (
tituir ; porquo ao par quo estanca a.
hentorrhagia e cura a rupturados vasos sao-
guioeos, fortilica ao mesmo tempo os-orgaos
da respiracao e o systema em.geral. Cora
tudo, tudo depende da legitimidade e pu-
re/, i do remedio, e porestn raza), os me-
dicos mais emiiiento-i recommeudam o oleo
puro medicinal de liga lo le bacalhlo, de
I.nnm in & Kemp, com um artigo garantido,
que leva a marca coin norcial d'uma casa
respaitavele digoa le tola a conlianca. Os
beneficos efTeitos deste remedio sebro os
doentes de phtysica e as^wssoas que pade-
ceta de alleci;6"s escrofulosas e do tigado.
compliiadis con outros males, sa< tides
entre os resultailos mais extraordwiarios
destetratamento moderuo.
, Hiate nacional Garibaldi entrado d.vflahia em
29 do corranle e coiuiguadoa tasso Irmao 4 C,
raanifestou :
Azeite de palaa. I. banri* a :Domingos Alves
Matueus.
Charotos 12 caigjefcaDoaiingos. Alves Matheas,
11 a Rouraard 4 C, i -Ooiuiof os. da Costa Fer-
reira, 3 a Belirao & Filao, 3 a. ordam, e 1 a Joa-
quim Bernardo dos Reis. Cognac 24 caixas 4 or-
ifem. Craros paraf ferradiras 5 baritis a'-Bekrie'-l
& Filbo.
Fechaduras Uflcaalietas aosmesmo*.
Jacarandi 18 rlos a Rocua, Lima i Guimaraos.
Mas9as finas 5 caixa* a E. R. Rabello &'G.
Piassava 100 betas a ordem, 60 a Ca;todio Jose
Vianna.
Rolhas 50 saooosx Boltraodj Filho.
*ftpioo~iu ~o&rrjos9 y yjniiHiWs &a oiraift P6i*
]reira- Mf
Vinlio 47 pipas, 5' barris de quinto e 20 deci-
mos a ordem.
lastro; a orduav
Moutevhrec- -5?F atas, bsrca
393 toneladas. capitao
em lastro ; a ordaoi.
RtoJb Janetro-lO dias, lagre J27 toneladas, capitao Wells.^qaipagem 8, em
lastro; a BragaSoaAQ
^;York,~ 49 dia*> iriuo ia$et Ro'ario, de
277 toneladas, capitao Mc. Natt, equipagem 11.
carga varies generos ; a Tasso Irmao & C.
Navw sahtdo no mesmo din.
Canal -Patacho ioglez Menie Bruce, capitao Sear-
le, carga assucar. -^r
r fiscal da thesourana provincial de Pet*rabaco derfan aos owmiBUHi.
*-? f pKnt'.),u??*lor.PasJa,e,> e ** CiOT' e.^avncas, a cargo c! i
arcieia de J872 ^ihes flea marendo o prace Jmprorogavel de 30
iDITAES.
'IJblaca hcspauhola yicaci", .enttada de Merce-
des em 28 do corrente e consignada a Perelra
Caraeiro & C, manlfestf u:
Xarque 174,612 kilos aos consignatarios.
A caraara municipal desta cidade faz pu-
blico para ceiibecimenio de quein interessar possa.
o artigo de postur* abaixo Iran cripto.
Aft-8' NoA-prioiau-a* oiudias do mez de jaaej.
ro-deeada aaoo, lodes os metlieos, cirurgioes,
pharmaceuticoB,. drfeuistas, .pararirafc sangrado-
res, dentislas vatejftuarios, .jnajaiarai) a caraara
municipal a dlclarafcao de spus aamas, naturali-
dades e raoradV, dam de qae-4h-possa mandar
publicar a lisu de todai aatas pessoas ; os infrac-
tores sorao rauUados em W*.
Paw: da ewwra nUDicipal do Recife, 19 de
dezefflbro de-1873.
Thaouoro H. F. Beaeira d.x Silva
Pro-presjdente. .
Ecdro Ae AJbuquecque Autran
Secretario.
0.aMai.i8rkinapeclor da.Ui>
cial manda fazer publico que do
4>
tea dos irapostos u
tollctoria de (JjpyaL
dias.a eontar da pubTicacJo deste, na conformidade dK lei n. 894, art. 53, Bar ottdti
contaacloso as respectttas guias, antn de recolherem teua dakitos proveniwtat do* tmemZTm-
pososs eertos de que nao tazeftdo dentro dest* praao, proceder-se-ha a cobraaca iudieialiaeoaa.
publwaodo-se para isto a relacao dos devedores abaixo transcripu.
Seeeao do contencioso provincial de Pernambuoo, 12 de daaembro da 1873.
O proenrador fiscal interino,
Mario ia iitiia adit a to exentdo de 1872 a 1871, provenienU im impotto* da dteima,4, 8 e a
por cento, SOfOOO sabre mascqtet, e impotto de carros i carrecas.
COLLSCTORIA DE GOYANNA.
Decima
24
25
26
27
28
29
l^uti de Florida do Hurray
l.iiimuu.
As senhoras que desejam e gostam gyrar
e mover n'uma atmosph-ra ra lunto tie-
frescura e-fragrancia, deverao se apre nsar
desta rica e mimo-a agua, uos seus to.ica-
dores. Umas poucas de gotas leitadas no.
banho. on n'um c po d'ngua, no cas> que
se desejo dar uaia luvagom oili^nfera aos
dentes, afibar-se-ha ser ennneiitnineute ro-
frigerante e siiin/iiiineute smlivel, e para
a boa conservacao dos denies itao ha con->a
melhor ; a mesma us ida ii'mn lino leiK^-o 1
cambria pela o-cafiio d'urai visita -m an
ir-se a um l>aile, a deliuada e deleitawl
fragraacia q ie se ditluule do lengo, attra-
hird A si mais att>meaa, do qoo o raro twir-J
dadodequeo mesmo eco-np isto Aqu-dl.is
pessoas sujeitas a veriigens p dores violeuias
da cibaca, quin lo preseutes em grandes
assembleas, acbara um promplo allivin no
uso da agua de Florida, a mesma laz parecor. co no por > ucanto, tola a oppressa >
do espinti, restituindoao mi-sino u-na docee
refrigerante suaviada lo, allivmu lo as ideis,
dan lo ao uspinto uma brilOante elaatici-
dade, e a mmite novo allivio e vigor.
^.....i
G0.\U\\Atil\
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias.
tretes, dinheiro a rtsco'e tinalmente de qual-
juer naturuza, em vapons, usvios a vela ou
larcacas, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro coiilra-logo
THE LIVKKPOOL A LONDON A GLOI
INSURANCE COMPANY
SAUJWERS BKOTHERSd C.
11 Cor po Sauto 11
Capital.
?undo
NOftTHBRN.
de reserva.
20,000:0009001
8,000:000OO
Agvntes,
Mills Latham & C
RUA DA CllC/. X. 48.

SEGUROS
MARITIMOS
CONTRA O FOGK)
Acorapanhia iDdemmsadora, estahelaridt
oesta praca, toma seguros maritimos sobr.
navios e seus carregamentos e contra fogi
em edificios, mercadorias e mobilias: i\>
ru*. do Vigario n. '*, paviraento terree.
G0MPANHI4 4LLIANC4
seguros maritimos e terretv
tres egtabelecida na Bahw
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0003000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
, >co mantimo era navio de vela e vapom
para dentro e fora do imperio, assim com
aontra fego sobre predios, generos e fa
roadas.
Agente : Joaquim Josd Goncalves Beltrio
-ua do Commercio n. 5, 1* andar.
ALFANPRUA
iaadimento do dia 1 n 27.
!dm do dia 29
815 m*83
12 1164*917
857.208.400
DescarreKam hoje 30 di dezembro.
Galeca potlugaea= Vaico d > Sama -g-neros M-
cionaes para o iripich^companhia.
Hiat *?***) ~ OprtiniM geivros oacionaes
para, o traaiehe Aiiget*.
Patacho anemic Actis diversos generos para
alianlega.
LWeaa panuane* ftorindo diverso* generos
nafa^irandega.
Vpoa MB#->C(vid -^atracado) diverso-f-
nWos para arfanl-ga.
Patacbo portug"ez Vandu varios geaere*
para alfandega.
Patacbo allemao Jofiann Carl diversos generos
para allapdaga.
ftnfa* oeapaohul Atkuljho.- barqae ja detpa-
)S3?ACHOSDfi: BXPOKTACA0 NO DIA 27 DH
DETEVBaD DS 187X
Para ospor'-as do exterior.
Ma.galera portugueia Audiciit.pari Liver-
po.il, carregou : H. Ualhan k C. 439 saccas com.
34,701 112 kilos de algod.io ; R. SchmmeUau AC.
S26 ditas com 1670S ditng de dito.
No vapor ioglez Nwa, para Southampton,
earrgou : K. Sch'iinettau &G.ii|3 saccas com
46,344 kilos de ilgnim.
Ni barca portugTlpn. ArMMla, para o Ca-
nal, carreg.ju.: R. Sorbnimettau & C 800 saccos
com 60,000 kilos de as*uar mascavado.
No navio inglez CoUa, para o dual, carre-
fiu : SgJJ'Yithers *C. i80 aaecos com *t,O0O
i 1 os d assucar mascavado.
Na barca franoeza M mricien, para o Havre,
carregm : Harismendy if Labille 1,242 saccas
com 98.366 kilos de aigodao
Na galera portaguez.t Lisboa, para o Porto,
carregou : *. M.'MiMteiru 223 saceas com 17,137
l|i kilos le algodao.
No patacho hespanhol llennqm, para o Rio-
la P a'a, oarregou : A Loyo .200 barricas com
21.07 klos de-a-*>ucar bran<:o e 206 ditas com
24,036 ditos de dito m isea vado; A. T de Mello
5 Unas com 6,43o ditos de dito branco.
Para ii* portoi do mcrrr"
Para o Ceara, no vapor bra-ileiro Ipojuca,
carr-gou Caroiiitairo Filho & Sobrinho 3' bar-
ricas com 1,980 kibis ,ie a**ucar branco ; Costa &
C. 6 i s*.v,i* com 4,'W ditos de dito e 30 barricas
c >m 3.098 ditos dedito relinado ; para Acaracd,
G iitgalvKS Irmi i C. 6 barricas cooi 6-6 kilos de
assa'ar braii'-o ; Fernandas A Innai 3 ditas com
23S ditos de dito e 1 >.ascj dm 210 litres de
agUardHOte.
Para o Rl> Grande do Sul. no najio nacio-
nal Rio Branco, c*rnnRm L. J S. Suimaraes
310 volumes com !T$>43 t|3 kilos He assucar
branco e 50 saccos coin 3,750 ditos de dito mas-
eaaada.
Pa'a o Rio Grande do, Sul, no patacho bra-
silc.ir i Curdi-i, carregou : Amorim [rmaoa <% C.
'tObirricas mm 5.492 Ift kilos de assucar uias-
cavalo e 473 ditas com 49,701 ditos de dit
brauca
Para o Natal, na baroaoa Dous Amiga's, car-
retiou Fraga & RocDa i* barriilas cnn 435 kilns
i cum >j Kiius j
dj assucar braoco ; iitra Mir/m i '., runistr-* t I
tiSrHiTas com \\\ ii* Kiin uo a-'slic.ii oraoco ; J
V. da Oil'. I din com 60 ditos de dito.
- Para a Mahia.no vapor aacin*l Penedi, car-
regou : A. Loyo 100 saccos com 7,500 kilos de
assucar brauco.
Capatazia da alfanir.;a
'lendimento (U- dia 4 a 27 18:500*656
iem do dia "29 ... 2-i629
rj 15:723*285
VOLUIIBS SAWDOS No dia la 27...... No- dia 20 33,288
Timeira paria .... Wanda porla .... Tbjiceira porta .... -^apicbe ConceLcjto 1* 28 9 735
34,078
SiiBVICO MARI.TIMO u>areiii?iis descarregadas no trap:.- ; alfandesa do dia 1 a 27 No dia 23 76
tBCEBEDOlUA DS RKNDAS 1NTBRNAS GK
RAES DE PERNAMWTCO
lendimento do dia 1 a 27. 74 235 '217
lem do dia 29 1:469*588
75 724*805
CONSULADO PROVlNCrAl.
lendimento do dia la 27. 191980*189
Idem do dia 29...... 9.900/884
-
201:887*073
,l0tf|Mfl*T$ 00 MTc
Navios entrados no din IS.
Rio de Janeiro19 dias, g^lera poilugufra Vasco
da fttima, de 525 tonnUd is, capitao Jose Ribei-
to Ferreira, equipagem 17, carga cafe e outros
generos ; a Loyo A Filho.
Mercedes (repubhea Orirnnl de Uruguay)28
dias, polaca ha^panhola Nicacta, de 197 fcme-
ladas, capitao Pedro San loan, equipagem 12,
carga 134,612 kilo* de carne ; a ordem.
Navios snhidos no mesmo dm.
Liverpool pela Parabyba Barca portngueza Au-
dacia, Capitao Antonio C Paiva, carga assurar
e aguardento.
Rio Grande do Sul Barca brasileira Deohnda,
capitao Joaquim S. Esianisho, rarga assucar.
Rio de Janeiro-Patacho portuguez Joren Correa,
capitao 'ilreira, cr|? assutiar owres ge-
neros.
Buenos Ayres-Hiate G.wnetid*, capiWo R. Du-
glas, cam assucar.
anal Briguo hotlaidez Werelbwfer, capitao
Wulff, carga assucar.
JHtwios entrados no dia 29
Bahia 12 dias, hiate brasileuo G->rilnldi. de 109{
toueladas, capiiao Cu^todio Jji-e fianna, ciui-
pagem 8, carga varies generos a Tas.s.i Irmao
Rio de Janeiro-17 dias., barca ingleza Eliza, de
ia provw-
_ dia 30 do-cor-
raote-mez, parant% a junta da fazenda da m sma
thaapiuaaia, saliasdfl arrematar a,siuem por n-
^jPytWa^niciPanlo *b aiimeniaftio -e dittas
aos presos poures aa casa de detencao, noTrimes-
trepe Janeiro a marco viadauro, aervindo de base
arreroatacao os pcecos daptabella abaixo trans-
cripta :
WETAST
Numero 1-380 rs.
2 4Q0 rs.
3-6fOrs.
4-4*);r9.
. 5-400 rs.
Sera tambem fornecida aos presos ceit na Ira-
portancm de 120 rs., em quanto e*ta orca'do o al-
mo^o e na mesma pronorjio. K para cons tar se
maniou fazer pnblico p ir este jomal.
Secreteria da theseurarta prormcial de Prr-
ueaHUea, 19-de dezembro de 1*73.
O official maior
aBguel Affunao FerrelTa.
O Illin Sr. Inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento do acto do Exm. Sr: comj
mendalor presidente da provincia, de 4 do mez
correnie, manda fazer publico que, na mesma
Inesouraria, acha se aberla a inscrmgao de apoli-
ifde divila provincial, ao par, vencendo o juro
c e !por cento ao anno, ate a importancia de rail
ontos de reis.
, Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, em 13 de dezembro de 1873.
Victnriano J M. PiUhares,
OinciaL-tnaior interino.
ULil I -
"'-'!.!
SANTA CASA l)A M1SEH1COKDIA DO
RCCIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fcizer publico qut
na sala de suas sessoes, no-dial.* de itnein.
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantag^ns oiTerecer,. pelo tempo de um
a tr s annos, a rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECI iE.VTOS DE CARIDADE
Rua de Mortas
Loja do sobrado n. U.. ,. 306*000
Rua du Vira^ao
Casa teorea n. 7 (fecha la 240*000
Travessa de S. Jos A
Casa terrea n. 11.......201*000
PATRIMONIO DOS OHPIIAOS.
i Rni da Senzalla v'elha.
(>sa terrea n. lo.......209*000
Beeco das Boia.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
sobrado n. 14 (fechada) .
Rua da (iuia
1:000*090
Ruodo-Piiaf. *Djr
Caww terrea n. 98.......24lOKi
Casa teree,. a 99 (fechadai .... .15*000
Idem n. (0.........24l*iK)"
Idem n. 102.......241*00
Rua do Rosario da Boa Vista
Case terrea n. 58fech.ida.....245*000
Rua da Moeda.
Armazem n. 37 (fecliad<\ 806*000
Rna Velha.
Casa terea u. 44....... 45AO0O
Os prelendeutes de.ver > apresentar no acto da
irrematacau as suas liancas, mi comparecerem
ii'ouipannados dos respectivos liadores, devendo
pagar aleui da renda, o premio da quantia en
jue for segum o predio que contiver estabeleci
nenio commercial, ami ouow o servico da Inn
peza e precos dos apparelhOs.
Secretaria dasania casa la mi-ericordia do R>-
,ife, 20 de dezembro de i873.
0 escrlvao
P*2>-o Rddrigtw* 'U Sowza.
Santa Oasa da Mi-ericordia
do Recife.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise
ricordia do Recife, uipetentemente autorisad;
pel* presiduneia, em data de 3 de setembro d<
inno proximo find", e de confocmidade com o qne
lispde o 9.* art. 82 do seu Coin romiso. per-
nuta Dor apolices da divida publica a fazenda dt
:riar gados que p.issue o palrimonio dos esta
belecimentos de caridade a seu cargo denomina-
da Carnauha sita no terim* de Flores desta
provincia, corn terrengs para criar e plantar, e
com algum gad> cavallar e vaccnm
Red-he para isto propostas nesta secretaria alt
o dia 10 de dezembro do currents anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
-ifa, 10 de outubro de 1873.
O escrivao,
Pedm Rndriav** if 8imz Para ci'nheciujen'u de. yueni mteressar pos-
sa, manda o Illm. Sr. Dr. chefe de policia publicar
o offlcio infra do Dr. Oicfe de policia da provincia
de Maranhio.
Weretaria de policia da provincia do Maranhio.
em 19 de dezembro de 1873
Illm Sr. Acha se ruc.lhida a cadeia desta ca-
pital," para onde foi remetti la da villa de S. Luiz
Gonzaga do Alto Mearim, a preta Lniza, qne foi
alii capturada por fngi la, e di* pertencer a uma
D. Franrisca, vinva de um Aranha, moradora na
i;ua du Imperadnr dessa cidade, e tie que tratei em
nieu offlcio de 16 de ag sto do corrente anno.
Como ate esta data a mesma D Francisca nao
leoha solicitado a enirega de sua escrava, vou
rugar a V. S. po se sirva de mandar dar-lbe
scleneia disto, p-ira no caso-rt* ?er sua a escrava
em qnesfcai, ier reolamada de-la rnpartigao.
Deos guarde a V. S.Ill o. Sr. Dr. chefe de po-
ticia da provincial de Perrtuobuco
0 chefe de policia
Miguel Calinon du I'm Almeida.
Secretaria da policia de Pernambuoo, t9 de de-
lembro de 1873.
O s-'cretario
________Eduardo de Bajr.ji Falrao de Lacerda j
Coqceicio n. 17. Os.herdeiros de Bento Jose da Veia
Dita n. 24. Umbelina
Dita n. 31. Mathias Gomes dos Santos
Dita n. 32. Maria
giia n. 44. Os herdeiros de Felippe Paes Barreto
Ua n. 37. Antonio Gabriel
WU-b.40. Maria, lima de Baciano
Data n. Jose do Canoo Uenira
Dita. a. 48. Joanna Baptists ads Santos Pessoa
Dita n. 50. Alexandria
Dita n. 58. Joao Francisco
Atraz da Coriceigao n 34. Fidelis Carneiro de Azevedo
Dita n. Joaquim de Vascoocellds
Dita n. Erandsco Paes Barreto
Dita n. Joaquim Amanle
Dita u. n. 24. Joanna
Dita n. 37. Maria SeraQna
Vl.-apio n. 18. Philomena Maria da Conceicao
Travessa do Limoeiro n. 4. Argemiro dos Santos
Lunoeiro n. 42. J.ise Aaacleto, os nerdiroa
Dita n. Francisco da Luz
Dita n. Manoel Josd de Andrade
Dita n. O mesmo
Forca n. 3. O mesmo
Soledade n. 7. o mesmo.
Dita n. 27. 0 mesmo
Bom negocio n. 1(4. Nyrapha Francisca Monteiro
e Maria Ricarda
Praia n. Os herdeiros de Francisco de P. Norberto
de Andrade
Dita n. Joaquim Botelho Pimentel
Genipr.peiro n. -48. Francisco da Raoba Ferrer
Dita n. O mesmo
Gilo n. Jcauna
Dita n. Os herdeiros de Custodio
Atraz do Amparo n. 10. J,.s6 ratfa da Fonceea
Dita n 20. O mesmo
Dita n 68. Belizana Maria da Conceicao
Dita n. 82. Rita
Uecco Fundo u. II. Autonk Luiza Guedes
Misericordia n. 12. Manoel Guedes de Moura
Dita n. 18. O mesmo
Tnpicbe-domeio n. 1. Veneranda de Souza Lima
Dita n. 2. Manoel Francisco de Paula
Dita n. 8. Arangil Coriolano
Dita n. 10 Thereza de Jesus
Dita n. 13. Alexandria .
*traz do Amparo n. 18. Ignacio
Soledade n. 2. Eugenia Maria dos Santos
Dita n. 16. A mesma
Dita n. A mesma
Dita n. 20. Abilio Jose Goncalves
Dita n. 28. Padre Herculano da Rocha
Dita n. 60. Os herdeiros de Joao Francisce de Castro
Porieiras n. 21. Paula Bezerra dos Santos
Dita n 25. Francisco Cavalcante Chaeoo
Dita n. 27. Jo5o Chacon Cavalcante
Santa Thereza n. 1. Antonio Dyouisto.
n'lta n. 35. Sdvestre Dornellas
J3ita n. Joaquim do Bapirito Santo |
Nuva. Felippe Santiago de Oliveira
Tanquinho ii. 29. Joaquim Goncalves de Vascon-
cellos
Dita. Joaquim, filho de Josd Mureira
Imperador n. 31. Valentiniano da Costa Rego
Barros
Becco de Joso Caelano n. II. O mesmo
Dtcimu da povoacao ie
\R 'Sario. Joao Sabino da Silva
iDita. Pedro Ralis
Poelra. h'ranciscn Ignacio de Andrade
Dita. Joao Ramupno t'.esar de Albuquerque
Dita. Juaquina Maria da Conceic5o
Dita. Joao Francisco de Freitas
Dita. Joio Fmncelino de Oliveira

8MM
4*320
3*880
6*460
4*320
4*328
5*400
6*480
6*480
41320
4*.*)
5*580 .
3*1240
4*<20
4*3:0
o
o
o-.


9
a
n
3
t>*04
4*837
6*S4
7*1-57
4*837
4*837
604t
767
7*257
4*837
3*240
2*160
4*320
1*080
21*600
4*320
16*200
3*240
30*24*
2*160
4*320
7*560
4*320
3*i40
4*320
12*930
5*380
6*8-0
5*400
4*400
7*560
5*400
19*440
8*64o
8*640
4*320
5 .41)0
6-480
6.480
4*326
3*240
4*320
5*400
4*320
5*400
i
I *04
t I29
' j31
iHl^i
G*1
:t*62.<
44857
'i i837
5*628
.4*837
"31628
2*418
4*837
1*209
Nossa
48*500
Senhora
3*0
3*2.0
10* 00
12 960
4*320
ft* 80
12*"60
do
Peira.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dila.
Dita.
Dita.
POBOtXG&a da O vaauaiu
5
6i40
2* 60
m
7*560
5*580
16*240
6*4*1
Pcd'os.
Oon^alu de Woora
Joanna Maria HariMula dmiMi Siiva
Joaquma Alves de Souza
Os herdeiros de Jo-e Joaquim Pereira
Henrique P-reira iIh Lyra
Joao Francisco |de Andrade Lima
Antonio Freire de Andrade
Povoacdo de Ponta de
(greja. Aqnilino Pereira Lima
Dita. O mesmo
Dita. O mcMiio
Dila. Jose de Mello de Albuquerque Monte-
Negro
Dita. Joao Pereira de Mello
Poco. Os herdeiros de Saturnino de Barrcs
Travessa do Pu$o. Maria Frazio
Imposts de quafro por cento.
Imperador. Ernesto. Moreira de Souza Ribeiro
U9i4
*388
1*459
*291
*6S0
*388
*291
*38S
1JJ166
*m
*580
*486
*86
*680
*486
1*749
4777
*777
*388
*486
*:.83
*583
*3"8
*291
*388
*486
*388
*486
4*374
O'.
*29i
i*n
*972
U166
*388
*502
1*166
**83
*194
M
1680
*5'i2
1*458
*o83
> tk
*C48
aliO
Jo97
*226
*120
*097
*I50
*388
*167
*94
*162
* 62
*2->6
*162
*583
*239
*2i9
*i29
*I62
*194
*I94
*129
*097
* 29
#162
*9
*ifii
0
24*192
4*837
18*144
3*628
33*868
2*418
4*837
8*466
4*37
3*628
4*837
14*514
6*249
7*2o7
6*048
6*048
8*466
6*048
21*772
9*676
9*676
4*837
0*048
as
4*837
63048
4*837
61048
14458 64*892
11*340 l*02O
4*320
8*6i0
5* 80
3*240
O mesmo, armazem de as-
Barao de Petropolis.
sucar 11*520
Imperador. Manoel Josd de Almeila, armazem
de la 16*000
Barao do Hervai. Francisco Cesario Castello
Branco, taveroa 8*640
Barao de Petr>po is. Terencio Albano Pereira, ar-
mazem de assucar 4*800
Dita. Luiz Cavalcante de Albuquerque Souza, ar-
mazem de assucar 5*760
Dita n. 73. Joa > Baptista de Macedo, tavorna 7*680
Cunde d'Eu n. 7. M uioel Marinho da Silva, ar-
mazem de carne secca 12*000
i ila n. 19. Vieira Junior iSj Irmao, deposito de pa-
daria 20*000
Dita n. 31. Mathias Gomes de Souza, taverna 9*600
Soledade. Jose Joaquim da Ojsta, taverna 1*9M
Porteiras. Miguel Ponies, loja de fazendas 4*800
Povoagao de Goyanninha.
Feira. Manoel Freire de Andrade, taverna 3 810
Dita. Joao Franciico de Andrade Lima, idem 7*?00
Dita. Bellarmino Gomes dos Santos, idem 3* (60
Feira.
Dita.
= 0' ad utnisirador da recetoeioriaiwretio'as
internasgeraes faz scieiito aos cuntribuintes da
decima addicional, '|u e no correute mez de de
leiubro que tem de ser pfvo, s nmlta, o pri
twirojeraestre do exerciao de 1873-74, e com a
Oiulta de 6 0|0 depois do referido mez.
Recebedoria de Pernambuco, 5 de dezembro d*
IS73.
Manoel Garaairo da Smm Laoerda.
_ r.i/iu, ou Olftm. 5r. Inspecior da thesouraria provin-
183 toneladas, capitao L. J. F Le fht-vafrer,'Hal manda fezer publico, que vai a praca no dia
equipagem 9, em lastro ; a -imp-on A C
^em
263 toneladas, capitao R H. Whiti eqmpdg'
I", din lastro ,* a Rabe -chmni.-ti.u & C
Santos 20 dias, luara ingjez IftzoA, d 2rtJtotie-
ladas, capitio Harden, equipagu,. 9, em lastro ;
Aonfen,
!>> Janeiro 21 diet, patacho wnetrcaoo Sitk
A Emma, de 322 tr naiad e, capilAo raster,
equipagem 8, em llisJ^ro j^ a Phipps Brot- ers
& C.
Haeahe
$f do- corrente, pennrte a junta desla thesouraria
Rio de laneiro -15 dias, barca iugl^za Arthur, de para ser airematnd a quem P'T menos fizer o
costely da dlainii cad pnM'Ca da cidade de Gey-
anna por tempo de hm anno, oreads em 286 rs.
idiarios cada lampio
As pessoas que !* or->pow>ren} a *a arremata
^So, comparec^m. n.i -al^ daa ^5rfs dAreferida
ninta competantemriilf ^abiMaijaj .
[ E para cbnstar se laanda ptUbmSf o presente
pelo jorual.
(I dia
etatf .
em lastro ; a ordem.
i;-m^;^X^a^J^^\bm *****&
Secretaria.da Ue?pttrsria jjjovbjcial de PertMun-
ft official- maior
Miguel Affoaso Ferreira.
Povoagao de Nossa Senhora do
Manoel Antonio da Silva Freitas, loja de fa-
zendas 3*840
Joao Ramupno Cesar de Albuquerque, ta-
verna 5*760
Impssto de 5 ,/ sobre moo morta.
Convento do Carmo.
*38
*777
IBM
*291
1*3(6
1*440
*777
*432
*518
*691
1*080
1*800
*864
*I72
*42
*345
8648
*302
#345
*348
*097
*()90
*324
*3ffl
* 29
*I67
*388
*1?4
*064
*2i6
*!67
*486
*306
*129
|2-18
*I67
*097
*345
*480
*259
*144
*I72
*:I60
*6GO
5288
*057
*I44
*llo
*2I6
*100
*llo
*172
31628
3*628
12*4-91-,
14*514
4*837
6*249
14*514
28*448
2*418
6*310
8*46li
6*290
18*144
7*257
12*066
4*837
9*676
6S240
3*6
13*171
17*920
9*676
5*376
6*450
8*601
13*440
2**400
10*7*2
2* 49
5*376
48300
8*064
3*762
4*301
6*450
Dario de Hervai n. I.
Dita n. 3. O mesmo.
Di'.a n. 5. O mesmo.
Dita n. 7. O oeamo.
Dita n 9. O mesmo.
Dita n. 11. O mesmo.
Dita n. 15. O mesmo.
Dila n. 17. 0 mesiao.
l-ita n. 19. O mesu o.
Dita n. 21. O mesmo
D ia n. 23. 0 mesmo.
Dita n. 13. O me-mo
Viracao n. 35. A irmandade da Conceicao.
Dita n. 39. A mesma.
Conceicao n. 5. A mesma
59*400 5*346
1*782 66*828
9*900
Misericsrdia. Jos* Ferreira
fieceo do FoBceca. Miguel
>ilo. Pedro
Dito. Luiz
Dito. Carlos
lmfosto de 2OfO00 sobre os masca-'es.
20*000
tO* 00
20*000
20*000
2-1*000
hnposto de 8 /,
*8I0
1*800
l*8ii0
1 8O0
1*800
4*800
*270
*600
*600
*600
*
*6
11*520
14*mW
9*600
I*') 16 .
1*296
*8i<4
9*^0 **,
9*6 0
9*600
24*000
69100
18*00)
6*000
6*000
12*>00
6*000
6*000
6*000
90*000
60-5000
*8C4
*8*4.
2*160
*N4)
1*6^0
*.140
*5i0
1*00)
*>40
*3i0
*:40
8*to0
*345
*4:i2
*i88
*a8
* -. a
4288
*28S
Conde d'Eu Jaaquim Josd da Costa Leite, cart rio
Praia. Manoel Cametlo Walcacerde A. Rootled', Idem
Imperatnz. Jcqulm de Matins AlcantiladOj idem
Dita. Joaquim M reira de Aguiar. eartorio
Cavalcante. Francisco Fernandas da Reaarreicao,
idan .
Duque de Caxias. Parisio de Valladares, solicit idor
de causas
Impotto sobre carrogis t carrot.
Sinta Thereza. Joaquim Gomes de Araujo e Silva,
carrojas
Conde d'Eu. Rozendo Vieira, carrocas
Barao de Hervai. Mathias Tavares do Mello, idem
Alem da Poiite. Belisario Rodrigaes Machado, Idem
Viracao. J >ad Gurfes de Souza, idem
Alem da Ponte. Marianno da Abreo, idem
Augu-ta. Joaquim Araujo da Fonceea, "Idem
Limoeiro. Jos* Durhragues Antonio Ref, idem
Soledade. Joao Bezerra da Lnz, Idem
Pop* do '.lei. FraocNeo Gfledes do EsmriW Santo, idem
Nova. Joao Pinto Tavare- Junior, 3 carros
Poco do Rei. Amariea de Medairos e Albuquerque,
i carros
Seccio do contaaeioso provincial de Pernambaco, 12 .le duembro de 1873.
0,4^ official,
Bwnci'o Watfrido Ptrtgrino da SHvu.
io*oe:o
22*400
22*400
22*400
2z*40O
> 22*400
12*901
16*128
10*7-2
10*732
10*752
*720
*180
am
i 80
* 80
3360
*I80
*wo,
*I80
2*7dO
26*880
6*130
20*I6>
6*720
6*7zO
13*440
0*720
6*720
6*720
lOO^O
5*400 1*800 674208
MOTILADO
atai I arriaiiAmni .
J

THUD
^i
"^> -m
< 'I" *'


-
Diario de Pernambuoo Terca feira 30 de Dezembro de 1873.
Tribunal do Commercio de
Pcraambuco."
BsU secretaria fan pubiico, em cumprimento do
dnposlo no artifo 15 do decicio n. 806 do 26 de
jnttode 1851, que a flaoca pnartada oelo ex-cor-
retor desta praca Joao da Cruz Macclo, subsisting
pelo tempo de seis mezes, con tad j* da presenle
dau.
Secretaria do tribunal do conwirrcio de Per-
camboco, 29 de deiembro de WA.
0 official -mainr
Julio GmiuarFies.
cSmpailK frrro Curril le Per
namboco < imtr'or* I'cniamhiicn
Street Railway).
Gonvido a iodos os possuidores do bilhet?s de
paasagem nos earros desta companhia, ainda axis-
lentts em circula^ao com a assignatura de-H.
U. Swift, Asst Treasr, -a traze-los ao troco por di.
aheiro no escriptorio da companhia a rna do
Brum, em todos os dias uieis, das 10 horas da ma-
nna as 3 da tarde, ate 31 do dezeinbro proximo
vindoaro ; preveniado, outro sim, que os ditos bi-
lhetes serio reputi.dos sem utais valor para qual-
pier effeito, a psrtir do i. de Janeiro de 187% em
iiannte, os termes do aviso do ininisterio da fa-
.nda de 6 de ago-to proximo passado e da por-
aria da presidencia desta provincia de 6 de ou-
obro corrente.
Recife, ew 7 de outubro de 1873.
<) gerente,
Gustavo Adotpho Schmdit.
LISBOA
. Para o referido por to pretende segnir coma pos
sivel brevidadeo brigue purtuguez D. Anna, por
ter ja alguma carga engajada ; e para a que lhe
alia, que recebe a freta commodo, trata-se com
is consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
k Filho, 4 rua do Commercio n. 5.___________
COMPANUIA PERNAMBl'CAKA
DE
HavejtH^ilo cestelra a vnpvr.
JLRAUYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AKACa
TY, CEARA, MANDAHT K ACARACU*.
0 vafinr Ipojucu.
commandante Moura,
seguira para os por-
los acima no dia 31
do corrente, is 5
horas da tarde.
Recebe carga at* o dia 29 do corrente, encom-
mendas ate o dia 30, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 boras da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Majtos n. 12._________
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quern perlencer, de 33 ktas com
queiios suissos
QUARTA PEIRA 31 DO GDBaEflTE
as 12 horns em ponto.
AO LORRfcti DO MAIWELLO
No armazem do (r, Annes, defroote da altaudega.
Recreio Campestre
NA
Povoa^ao do Monteiro.
Quarta-feirM 31 de corrente.
Quint*-! eira 1. de Janeiro
de 1894.
O director deste theatro avisa ao3 associados e
ao respeitavel pubiico que os dous primeiros es-
pectaeulos terao lugar nos dias 31 de dezeinbro
orrente e i.* de Janeiro de 1874, levando a sce-
na o importable drama pastoril:
Rio Grande do Sul
Para aquelle porto recebe o patacho nacionai
Leopoldina carga a frete, devendo segnir viagem
em poucos dias : para tratar, no escriptorio de
Silva A Gascao, a rua do Marquez de Olinda n.
60, 1* andar._______________ _______
Lisboa
Para o referido porto pretende seguir com pouca
demora o brigue portugaez Ltgetro 111, de I*
classe, capitao Nobre, por ter a maior parte de
seu carregamento engajado, e para o resto que the
talta trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filbo, a rua do Commercio
a. 5.
LeilJo
DE
VV caixas- corn Brrw avuriado
QUARTA-KEIRA 3i DO CORRENTE.
as 11 horas cut ponto
O prqwisv. do agente Pestana tnra leilao, por
vnnia p risco de quont pertoneer, de ii saecos
<:ora arroi avariado a'ajrua salgada, viodosde Li-
verpool no navio mgloe Dora, deseinbaieadas ut
tiroanieote
QUARTA FfiiRA 31 DO CORRENTE.
As 11 horas da manna
No arniazem do Sr. Annes, defronte da aJfandega.
Os espectaculo.1 principiarao as 8 boras da noite
* havera trem pe.ra o Recife depois de findo os
mesmos.
Os senbore8 associados podem desde ja procu-
rar seus bilhetes no hotel do Monteiro.
AVISOS MARITIMOS.
Pacific Steam Navigation Company
liinha quinsenal
O PAQUETE
POTOSI
Companhia americana e brasileira
de paqueles a vapor.
Ate o dia 1." de Janeiro e esperado dos portos do
sul o vapor americr.no South-America, eomman-
d.inte Tenklepaugh, o qual depois da demora do
costume seguira para os portos do none.
Para fretes e passagens, trata-se com os agentes
Henry Forster A C, rua do Commercio n. 8_____
Para o Rio Grande do Sul.
Sabira muito breve a barca nacionai Deolinda.
Recebe ainda alguma pouca carga, para o que
trata-se com E. R. Rabello AC, a rua do Com-
mercio n. 48.
PARA-
Pretende seguir com brevidade para o Para, o
aiate Olinda, por ter parte de sua carga, e para
a que lhe falta, trata-se com os consignatarios Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao & Filho, a rua do
Commercio n. o.

Real companhia de paquetes
ingiezes a vapor.
No dia 30 do corrente, esnera-se dos portos do
sul o vapor inglez Neva, commandante H. Bax,
o qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente e Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda,
rna do Commercio n. 40.
Rio Grande do Sul
Para o R>o Grmdo do Sul pretende seguir com
brevidade o pat?.chj portuguez Jovtn Conea, por
ter alguma carga; e para a que lhe falta trata-se
com os consignatarios Joaquim Jose Goncalves
3 eltrao, a rua do Commercio n. 5.
espera-se da Europa ate o dia 5 do Janeiro, e de-
pois da demora do costume seguira para a costa
do Pacifico, via Bahia, Rio de Janeiro e Rio da Pra
ta, para onde rccebera passageiros, encommendat
e dinheiro a frete.
N. B.Roga-se aos Srs. passageiros o favor de
virem dar seus nomes antes da chegada do pa-
quete.
OS AGENTES
'Wilson Rowe A C.
li RUA DO COMMERCIO14
LEILAO
DE
2 caixas com 240 lata. com peixe.
QUARTA-FEIRA 31 DO CORRENTE
as 11 horas da manha
0 preposto do agente Pestana, fara leilao por
conta e risco de quern pertencer, de 2 caixas com
240 latas com peixe, quarta-ftira 31 do corrente as
It horas da manha, no arniazem do Sr. Annes, de-
fronte da alfandega. _______^__________
PRESENTED
Do anno novo
Oh vos MOCOS E MO^AS, qua recebestes os
presentes de festas do Natal, e que e;tais na res-
tricta ohrigaQao dc retribuirdes taes festas, ide, ide
correndo ou raandai a
Confeitaria do Campos
na vespora do anno novo, que alii encontrareis
para ditas
Retribuicoes, o seguinte :
Uma rica caixinha ou cestinha com amondoas,
confeitos, doces, etc.. etc., etc.
Urn fiambre riesmenie enfcitado.
tin bolo inglez idem idem.
Um pao-de-16 idem idem.
('in pndin idem idem
Um qneijo inglez supetii'i'.
Uma surpresa sorprehendente.
Etc., etc., etc., etc., ete.
Na confeiUria do CAMPOS
Tao conhecido...
GRANDE LIQUIDACAO DE FAZENDAS
NO
Mil IMi
Rua da Imperatriz n
AVISO
Lourenco Pereira Mendes Guimardes
quo tem rcsolvi'o fazer uma gron'e Iiquida Declara aos seus frpguezes
Ilm do corrente anno.
Novo e ultimo
leilao
DA
loja de fazendas sita & rua da Imperatriz
n. 48, pertencente & massa fallida de
Paulo Feraandes de Meilo Guimaraes.
Sabbad 3 de Janeiro de 1874.
as 11 horas
0 agente Pinho Borges levara a novo leilao, por
mandado do Illm. Sr. Dr. juis de direito especial
do commercio desta cidade, a armacao, roupa fei-
ta, camisas e outras fazendas, 1 oofre de ferro, 1
carteira e mochos, candieiros degaz, espeihos,
mesas, caixas vasias, 1 balcao, armaiio e cabide,
que se acham patentes para previo exame dos
concurrentes, ao acto do
Avisa-se aos Srs. coatribuintes das gran-
des rozetas de brilhantes, (com o peso de
22 quilates) que serf a sua realisac,ao com
a 3.* do mez de Janeiro 'proximo future
Declara-se em tempo que, os Srs. subs
criptores que nfio tiverera satisfeitos o seu
corapromisso ate o dia 5 do referido mez,
perdem o direito.
Recife 27 de dezembro de 1873._______
Escravo fugido.
Fugio a 26 de dezembro de 1873, o escravo Se-
bastian, crioulo fulo, sem barba, com idade de 20
annos, altura regular, corpo reforcado, falla um
pouco descansado; foi aqui vendido em IS de de-
zembro de 1873 por Jos6 Francisco Pontes de
Azevedo, morador na matrix de S. Caetano. fre-
guezia da Rapoxa, lendo sido escravo de Alexan
dre Ribeiro do Sobral, da mesma freguezia ; acha-
se matriculado no municipio de Caruaru, para on-
de se desconfia ter fugido. ou para a Rapoza ; ro-
ga-se a todas as autondades e ca pi taes de campo
a apprehensao de dito escravo e leva- lo ao Recife,
rna do Livramento n 38, armazem do Baliza, qua
serao generosamente recompensados.
Recife, 30 de dezembro de 1873.
P"5 *
i leilao.
PRDGRESSO MARITIMQ DO PORTO
Empreza portueuse de navega*
ctlo a vapor entre Portugal e
Brasil.
0 vapor
ALMEIDA GARRET
Commandante Luiz A. To-
masinl.
Deve chegar da Europa ate o dia 6 dc janeire
proximo futuro e depois de pequena deiaora den-
tro deste porto, seguira para os da Bahia e Rio do
Janeiro.
Recebe carga, passageiros, encommendas e va-
lores, para o que trata-se com
| OS AOENTES ..
!;. I*. Rabello tV < .
8 Kua do Commercio 48
COMPANUIA PERNAMBUCAIU
DE
\avegaeffo coateira a vapor.
MACEI6, ESCALAS F. PENEDO.
0 vapor Mandahu,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente, encom-
mendas ate 0 dia 30, passagens e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 12.
LEILAO
1874,
DE
6 cavallos de sella, 4 dkos de carga e 1
burro.
Sabbado 3 de Janeiro de
Ao meio dia.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. iuiz de direito es
pecial do commercio desta cidade, e a requeri-
mento dos curadores IL-eaes da massa fallida de
Manoel Jose Monteiro Torres, o agente Pinho Bor-
ges, levara a leilao os referidos animaes, no arma-
zem do sal i rua da Conceicao dos Coqueiros.
Alugam-se
As casas da rua de Lomas Valentinas ns. 19 e
32 : a tratar com o ministro da Ordem Terceira
deS. Francisco, no consistorio da mesma Ordem.
Aluga-se a loja da casa da rua das Trin-
cheiras, por baixo do escriptorio do escrivao Brito:
para ver na mesma easa no segundo andar, e tra-
tar na rua do Imperador n. 67. __________
Aluga se ou vende-se a easa tsrrea da rua
do Coronel Lamenha, ontr'ora Prazeres n. 26,
com quintal: a tratar na rua do bom Jesus n.
31, pnraeiro andar. _____
Precisa-se de dous charuteiros para
charutos finos : a rua-Imperial n. 104.
fazer
Aluga-se a pequena casa, sita na travessa
do becco da Lama n. 3 : trata:se na rua da Ca-
deia n. 3.
LIILtO
PACIFIC STEAM
PANY
E.inl'nt |uinzenal
0 PAQUETE
eaperasc dos portos do sul ate o dia 2 ]e ja-
leiro, e depois da demora do costume, seguira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, encommendas c carga a frete
" N. B.Roga-se aos Srs. passageiros o favor de
virem dar seus nomes antes da chegada do pa-
quete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO-14
Para Lisboa.
Seguira em poucos dias a barca portugueza
Gratidao. Para algnma pouca carga que lhe falta,
Tata se com E. R. Rabello A C, a rua do Com-
.nercio n. 8.
Alliance Maritima Por-
tuense.
Companhia de Wavegacae en-
tre Portugal e o Brasil.
A galera portugueza Vasco da Gama segue em
poncos dias para o Porto, achando-se ja prompta
grande parte do seu carregamento.
Para passageiros e fretes trata-se com o res-
Sectivo capitao, ou com os agentes da companhia,
ose de Silva Loyo A Filho, escriptorio, a rua da
Companhia Pernambucana.
LEILOES.
DE
30 caisas com cebolas, desernbarcadas ulti-
mamente
HOJE
iis 12 horas em ponto
O preposto do agente Peftana fara leilio, por
conta e risco de quern perteneer, de 30 caixas
com cebolas, de=embarcadn< ultimamente.
TERQA-FEIRA 30 DO CORRENTE.
as 19 horas em ponto
no trapiche Guerra.
Leilao
DE
20 caixas com 120 latas com superior fu-
mo do Rio de Janeiro, em corda marca
! Suzau, em latas de uma arroba.
COMPANHIA BAHIAW
DE
LIKITADA
Maeeio., Penedo, A-acaju
e Bahia.
E'esperado dos portos do sul at>5 odia 6 de Ja-
neiro proximo fctnroo vapor Dantas, o qual se-
guira para os portos acima no dia seguinte ao
de sua chegada
Hecebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a tret.
AGENTES
Antonio J.uij. de Oliveira Azevedo & C.
57Ituado Bdto> Jesus17
Lusboa e Pprto
(Segue viagem muito breve a' gaiV* portugueza
Ltsboa, por ja e ach i quasi tcda a crir
regamemo c r, a pouca ca^jf ln" l|c
fafia e pa-" :uaes oflurece i?Jul1
noiuior- t
no Vigari:- &,
Tito Livi" S ,ai^
.As 11 l{2 horas da manha.
0 prepesto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quern perteneer, de 20 caixas
com 120 latas com superior fumo do Rio de Ja-
neiro, marca Suzau, em latas de uma arroba, r>
ga-se aos Srs. vendclhdes que nao fa I tem ao re-
ferido leilao, pois garante-se a especialidade do
referido fumo, terca-feira 30 do corrente, as 111|2
horas em ponto, no armazem do Sr. Annes, de-
fronte d'alfandega.________________________
LEILAO
DE
11 quartollas com superior vitiho Bordeaux
as 19 horas em ponto.
- 0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de qurm perteneer, de 11 quartollas
com superior vinho bordeaux, o oual pela sua su-
perior qualidaoe toma-se recommendavel
QUARTA-FEIRA 31 DO CORRENTE
as 12 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte d'alfandega.
LEILAO
DK
33 latns iom uaeijoi suissos
Qnat'ta-te- t do c .rrente
A'StSH -\srv ONTO.
DAS
dividas da massa fallida de Amorim, Frago-
so, Santos & C, aquellas que foram a
leilao pela primeira vez no dia 16 de de-
zembro.
Sabbado 3 de Janeiro
A's 11 horas.
0 agente Pinto, levara novamente e pela segun-
da vez a leilao, servindo de base s offertas obti-
das, as dividas que fazem parte da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos A C. e que foram a
leilao no dia 16 de dezembro, sendo que naquelle
Aluga-se a casa n. 17 a rua da Moeda, com arma
zem, i.1 n 2.<>ndares e sotso, pintada e caiada
da novo i tudo mais concertado.
Escravo fugido.
Fugio no dia 27 de dezembro da casa do seu se-
nhor Pedro Osario de Cerqueira, morador na es-
trada da Torre, sitio das Mangueiras, o escravo
Maximiano, preto, 36 annos, ponca barba, tem
os dedos dos pe- bastante unidos, levando vesti-
do roupa de riscado azul e um bonet de case-
mira, e outra muda constante de uma camisi
branca e uma calca de casemira escura, cujo es-
rasdo dia acima dito, no escriptorio
agente, rua do Bom Jesus n. 43.
do rt..
elTectuar-se-ha a veuda com quem melhor vanta^ cravo 6 natural do sertao desta provincia, o re-
gert ofTerecer. O leilSo sera efTectuadp as ?_~*rt*^aidio por mc^z-'" z~ ~~ freguezia de IpojueS,
engenho Queluz, em companhia do seu ex-senhor
Francisco de Sa e Albuquerque. Roga-se a to-
das as antoridades policiaes e capitaes de campo,
queiram apprehender o dito escravo e leva-lo no
referido sitio, ou na rua da Imperatriz n. 32, que
se recompengara com toda generosulad*.________
Gottegio de IN. S. da
Siliitle
Para educacfto das meninas. es*
tabeleeido na rua Formosa
n. *.V
A directora deste collegio, abaixo assignada, faz
sciente aos pais de suas alumnas, e mesmo a todos
os chefes de familia que quizerem conliar-lhe a
educacao de suas filhas, quo no dia 7 de Janeiro
proximo vindouro comecam os trabalhos deste es-
tabelecimento, no qual se ensina com asseio e per-
fei.-ao, e por escolhidos professores a leitura de
prosa e verso, caligraphia, arithmetica, systema
metrico, lingua vernacula, historia, geographia,
frantez, inglez, musica vocal, piano, desenho, dan-
ca, crochet, labyrintho, obras de la, bordados a
matiz e outro, etc., etc. ; nao serae admittidas
mais de vinte alumnas.
A directora contmua a ser zelosa e incansavel
no cumprimeHto de seus deveres, e desde ja agra-
dece em extremo a bondade com que a honram os
pais de familias, confiando-lhe a educacao de suas
innocentes filhas.
Boa vista, 29 de dezembro de 1873
Maria Elena da Rocba
__________________Directora____________
AttenQao
[oslinho Madeira, e rogado
e Caxias n. 60 A.
JSV.SQSDVESSQS
COLLEGIO INGLEZ. "
tntigo collegio de V H. de
Belem, resnmido
S1T0 A RUA D'AURORA N. 37.
No principio de Janeiro abrir-seha de
novo o antigo collegio acima denomina-
do, onde se recebe um numero limitado de
alumnos, cuja educacao serd modelada pela
que se recebe na Europa.
A respeito dos estatutos ou outra qualquer
referencia, a tratar na rua d'Aurora n. 37.
Precisa alugar uma escrava de meia
idade que seja fiel e civilisada para scrvico
interno e externo, na rua da ViracSo n. 33.
CAMBRAIAS BRANCAS A 35000;
Vende-se pecas decambraia branca, tapa-
da e transparente, a 3, 3^500, 4?MH)0 e
5J?000.
LASINHAS A 200 RS.
Vende-se lasinhas para vesttdos, a200,
320 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A640RS.
Vende-se alpacasde cdres com listras a 640
e 800 rs. wo covado.
GRANADINEA 806 RS.
Vende-se granadine preta com listras de
cores, para vestidos, a 800 rs. o co-
vado.
POUPELINA JAPONEZA A 1800.
Vende-se" uma fazenda nova com listas,
com o nome de poupelina japoneza, propria
para vestidos de senhoras, a 19800 o co-
vado. Todas estas fazendas sao vendidas no
Bazar Nacionai, & rua da Imper ariz n. 72.
CORTES DECASSA A 2&5 0,
Vende-se c6rtes de cassa para vestidos,
com 10tovados,-a 29500.
CHITAS LARGAS A 240 Rs.
Vende-se chitasfrancezas, largas, de cores
fiss, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado. '
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas finas de cores,,
a 2G0, 320 e 400 rs. o covado.
SAIAS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras de cd-
res,a29000.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se* chitas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
homens, a 69000 a duzia, a qual val
85000.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de 18, a 800 rs. cada
um.
CHITAS FINAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO' A 20000.
Vende-se chales de merin6 estampados, a
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRINS EM CORTES A 19500.
Vende-se cortesde brim de cores e pardo,
a 19500, para liquidar.
COBEHTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas de chita, a 15600 e
25000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meniuos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 25000.
Vende-se colxas de cores para cama, a 29,
e 49000.
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vendo-ao tronspareules porn cadeiras, a
19500, para liquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets de seda para homens, a
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
SABER :
Ditos de palha, a 29, 39000 e 49600.
Ditos de massa, a 49000.
PERFLMARIAS EM LIQUIDACAO.
Vende-se sabonetes de di versos temanhos,
a 120, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
Frasco de banba, a 160, 320 e 400 rs.
1 rascos com aguade colonia, a 240 e 320
Vs. cada um. E outros muitos extractos que
se vende muito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas, a 800 rs. cada
uma. I.encos brancos, a 29000 a dosia, e
35000 abainhados, fazenda quo vendVse
por 59000.
GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende-se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
tas de cores a 200 rs.
Chapeos para bsptisados de meninos, a
35000.
BENGALAS E CHICOTES A 800 RS.
Vende-se bengalas e chicotes, a 800 rs.
cada uma, para liquidar.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Precisa-se
de um caixeiro de 14 a 16 annos de idade, com
Sratica de molhados :
3, em Santo Amaro.
ratica de molhados : a tratar na rua do Lima n,
Herculana Emilia de Olivei-
ra Marinho.
Lourenco de Barros Marinho e
seus filbos agradecem do fundo
d'alma a aquellas pessoas que to-
maram parte em sna (usta dor, ja
durante a molestia de sua mulher
e mii, Herculana Emilia de Olivei-
ra Marinho, e ja por occasiao de
.ea fallecimento ; e de novo as eonvidam a assis-
tirem as missas que mandam celebrar na fregue-
zia do Poco da Panella, quarta-feira, 31 do cor-
rente, as 8 Boras da manha, setimo dia de seu
fallecimento.
JSmBjBmMMsjmj
Joaquim Goncalves Ferreira, seus tiinos e gen-
ro, mandam rezar algumas missas por alma de
sua rnui presado e.*p<>-a, mai e sogra, Marianna
dog Santcs Miranda Seve Ferreira, na igreja de
S. Francisco as 7 boras da manha do dia 3 de
Janeiro, anniversario do seu passamento, e eonvi-
dam aos seus parentes e amigos para assisurem
a ess.) ecto, pelo que manifertam seu recoaheei
meato.
ui
TJ
aixeiro.
Precisa se de dotis mtr m >i faixeiro no
iao que de fisdor a jua a a 'nets : a tratar
> i>u de reuro Affoiisc u. 1 nWfc-a rua i
fraia. l
0 Sr. Francisco A|
vir a rua do Duque i
casa da mm.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Marfo (outr'ora rua A*
Crespo) n. 231 casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
llies bilhetes, um meio n. 101 com 4:000*000,
um meio n. K70 com 700*, e outras sortes de 40*
e 20* da loteria que se acabou de extrahir (80*),
convida aos possuidores a virsm receber na con-
formidade do costume, sem desconto algum.
Acbam-se a venda os felizes bilhetes garantidoe
la 17* parte das loterias a beneficio da Santa
Casa de Misericordia do Recife (81), que se extra-
hira na terca-feira, 30 do corrente mez.
PREgOS.
Bilhete inteiro 4*000
Meiobilhete 2*000
Ul PORgiODE 1005O00 PARA C1HA.
Bilhete inteiro 3*800
Meiobilhete 1*750
Manoel Martins Fiuta
Pharmacia Torres
0 abaixo assignado, chimico pharmacentico,
graduado pela faculdade de medicina da Bahia,
participa ao respeitavel pubiico e aos Srs. medicos
dinicos desta capital, que tendo comprado a bem
conbeeida pharmaeia do finado Ignacio Pessoa da
Silva, sortida de medicamentos novos, preparados
franceze*. dos melhores autores, tintas de todas
as qoalidades, e avia qualquer receita a qualqaer
bora do dia ou da noite, com todo 0 esmero, asseio
e promptidio. sem fazer substituicoes, por precos
os mail raioaveis possiveis.
Manoel Thomaz Pereira do Rego
Quem precisar de um pequeno chegado ha
iouco d Portugal, para casa de uegocio, dirija-se
d r.rai-a do Cum le d Eu n. 8.
Feilor
Dm entenda : a tratar na rua do C miner-
el 11 b.
GRANDE LIQUIDACAO DE ROLPA FEITA
Vende-se ceroulas de algodao, a 18000.
Ditas de linho, a 19600 e 29000.
Camisas de ehitas tinas, a 19600.
Ditas de peito de cores, a 29000,
Ditas brancas finas, a 29000, 39000 9
49000.
Cahjasde brim pardo e de cores, a 2J000
e 29500.
Ditas de casemira de cores e preta, a 59,
69, WOO e 89000.
Palit6tsde alpacas de cores, a 29500.
Ditos pretos, a 39000 e 39500.
Ditos de casemira de cores, a 4$ e
69000.
Ditos ditos pretos, a 59000, 69500
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29, 39
49000.
Camisas de flanella, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas de algodao, a 49, 59 e
69000.
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de ceres, a 29500 0
covado.
MADAPOL.lO A 39000. *3|
Vende-se peijas de madapolao enfestado,
a 39000.
Dito inglez, a 49500, 59, 69 e 79000 a
pec,a.
BOTINAS A 49500.
Vende-se botinas para senhora e meninos,
a 49500, 59 e 69000.
Ditas de enfiar, a 29000.
Sapatos de tapete, a 19500.
Ditos de tranca, a 19800 e 29000.
BRAMANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 palmos d0
W^iro, para lencoes, a 1$600 e 29500 .
metro. E outras muitas fazendas propria
do mercado, que se vende sem reserva, de
preco, para liquidar ate 0 fim do corrente
anno, por isso convem aos compradores sci-
tirem-se de fazendas baratas, para a preseii-
?
Vende-se chapeos de castor para treninos te festa que estd na porta, & rua da Imperatrii
homens, a 29500 e 39000. 11. T2. Baztr Nacionai.
Sj DROGARIA HOMEOPAlHICA IS
ml DA _.
41 Rua do Imperador -- 41
Os proprietaries deste estabclecimento, no intuito de lhe conservarem os cre-
ditos de primeiro neste genero, continuam a esmerar-sc na prcparacao escrupulosa
de seus medicamentos, podendo garantir ao respeitavel pubiico desta cidade e in-
terior que sao rigorosamente observadas todas as regras pharmacologicas. Outro
sim, que com o mesmo flm acba-se a testa do estabelecimento, tendo a seu cargo a
inspeecao de suas preparacoes e direc;ao do consultorio, o acreditado medico ho-
Jmeopatha Dr. Jesuino Augusto dos^Santos Mello.
Tem todos os medicamentos especiaes para bexigas e os considerado3 pre-
servatives : assim tambem, os medicamentos da sua drogaria era todas as dym-
nanisa^Ses conhecidas e mais nsadas.
Carteiras homeopaticas de 12 a 120 medicamentos em tinturas ou globulos e
a excellente obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.* edi^ao.

Plumeria, para mordeduras de cobras.
Sarracenea, para bexigas < ou preser-
Vaccina, para bexigas ( vativo.
China cruzeiro, paia febres intermi-
tentes.
Schynus, para angina.
Calendula, para queimaduras.
Tarantula, para paralysias.
Carnauba para syphilis
Chocolate homeopathico d'Epps.
Encerado de arnica.
Pos homeopathicos, para dentes.
Jerico, para rhenmatisrao.
Matamata on Jaboty, para tosse.
Espirito de- Hahneman ou de campho-
ra.
Cactus Grandiflora, para pneumonias
ou molestias do coraflo.
Consultorio honieopalhico
DO
DR. SANTOS MELLO.
Consultas das 11 horas da~ manha a 1 da tarde.



c^
5-^
<92
A VERDADEIRA TINTA VIOLETA
JOSfi FERREIRA DA SILVA
SUCCESSOR
DE
SANTOS NEVES
Con ro, em meias botijas e quartos, a retalho e
Emgrosso com vantajoso desconto
RUA PRIMEIRO DE MARQO N. 19
ANiIGO DEPOSIIO
Ci
et>
\ mm
i
\
l~Mm


i
Diario jfe Peraambucu Ter$a feira 30 de Dezembro de 1873.

PUNDICAO DO BOWMAN
VIA DO BRDM N. 52
(Passando o eliafariz)
PEDEM AOS aeauorea de eug'.uho e outros agricuhons, e empregsti.'na de m
ib.iD.ismo o favor de cou vwiu asea eetabelecimeoto, pan verem o novo lortimento
iompleto qoe abi tern; sendo tndo aoperior em qoalidade e fortidao; o qoe com a ins
Mccio pesHoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDIClO
Vftnn^AR A rnHflQ fi'ao-na dos mais moJernos aystemaa e em ta
apurpB tJ lUUas U agua maDbos coDvenieDtes para aa divenas
eirconutancias dos senhorei proprietarioa e para deacarocar algodao.
Moendas do c&&__ de lod09 ol lamanh08* a8tmelhre ie *<*i
exiatem.
para animaei,
agoa e vapor.
Rodaa dentadas
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fdndos de alambiques.
Machinismos
Bomb as
para mandioca e algodSo, I Podendo" todoa
e para aerrar madeira, f ser movidoa a mio
rpor agaa, vapor,
de patente, garautidas........ |oa animaes.
Todaa as mi^miiiMi e p^d6 w CMtD0W "*
Pai qualqner concerto de machjaiwn0; preco nni rMomido-
Form IS do ffiirO tem m6lhor6s e m>ia blratas existeDtes no mer-
ffnAnmmATiiloa Incambe-ae de mandar vir qaalqner macbio'umo i von-
auuuimuouuttD. ^de dos clientea, lembrando-lbea a vantagetn de faxerem
ton ccmpraa per intermedlo de peasoa enteodida, e qoe em qaalqner oecesaidade pode
ht* preslar aoxilio.
Irados americanos e in'l^omeato, ,ricolM
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
%g0. Sempre e bom !
Ttwa a toilos, todoi leiam,
N'ui so effadrin, metis leiKire?.
Totlos vefam, que progresso I !
Que ['"rog-es*o metis seohoics !
Com qunnto ja esteja ^in no iloininio de pn-
Meo dr?sia capital e seus suburtoios, que para so
obter todo que e preciso para os regaboles nos
dias festivos que'se aproximam
Uma pessoa
n3o tem mais do que dirigir-se a
(Meilaria do Campos
24-Iraperador-24
Onde fa acham centrifieadas as quatro artea.
A saber :
Con fV-it aria,
Pasttelaria.
Conservaria
E culinaria.
Sempre 6 bom que lembremos aos nossos ami-
gos e rregueies que ja nos annos passados cor-
nam aos turbilhdes a fazer suas encommendas
de pasteis de came, 6 a confeitaria do Campos
Que este anno
. Estamcs munidos de uma nova macbina que
bem se podia apellidar de
Infernal
Pois pode em 6 horas produzir com asseio -
Duzentos mil pasteis! 1
ALEH DISSO
Lembramos a todos
0 seguinte :
Que preparamos com presteza.
Fiambres.
Leitoes.
Penis.
Peixes.
Empadas.
Pudins.
B0I09 inglezes, etc etc.
E especialmente as familias, os proprietaries
da confeitaria do Campos convida-as a reunirero-
e naquelle verdadeiro centro de bdnsboccadc$f
ois em virtude das interdicc3es nao se podera
pavir a missa do gallo.
FUiVDICAO DE FERRO
V roa do Barao do Triumpho (ma do Bruin) ns. 100 a 104
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra complete sortimonto de ferragens e machinas para en-
genhos, as raais modernas e melhorobra que tem vindo ao raercSdo.
VapOreS de for$a de 4, 6,8 e 10 cavallos.
L/alueiraS de sobresalente para vapores.
310enQclS inteiraS e meias moendas, obra como .iunca aqui yeio.
laiXaS lUndldaS e batides, dos raelhores fabricantes.
tvOdaS Cl a^Ua com cubaje de err, fortes e bem acabadas.
KOdaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades..
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
BOmoaS de lerro, de repucho.
AradOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grand
parao que
Compra se e vende-se trastes novos
e usados no armaiem da rua do Im-
perador n. 48.
| Trastes.

m
C0ZINHEIR0
Precisa-se de uma cozinheira ou cozinbeiro
forro ou escravo, para uma casa de familia no
ejiroo : a tratar aua do Marquez de Olinda n. 35
SUSS
FESTAS
Vistuarios de fustao pai a meninas a
&2000.
Ditos de cambraia m abados a
6*000.
Ditos de alpaca enfeitados a 74.
Rua do Crespo a. 10.
PECHINCHAS
So o n. 20
RUA ,DO CBESPO
LOJA D\S J PORTAS
conUMue n vnidrr nuiito liaraH* p.iia upurar
niuiio diiibeuu.
CASSA LA
Chegoa esta fazenda.sendo Kndo padr5e, even-
de se pelo diminuto preco de 200 r. o covadn, 6
pecliincha J I dao-se ainoslras.
METI.NS
Proprio para vestidos o que ha de mai go9to,
padrSes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, 6
necfaincha 111 doi-se amostras.
LAS ESCOCEZAS
Lasinha* escoeezas, padroes bonitos, a 210 rs. o
covado.
Ditas com listras, padroes modernos, a 280 rs. o
covado.
Oitas la e seda, padroes modernos, a 640 n. o
covade, e pechincha 1 I dto-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1*000 a 400 o covado, 6 pechincha! t dao-se
amostras.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto preqo de 400 rs. o covado, e
pechincha 11 I dao-se amostras.
Cortes de casemira Ai cores, a 5*(00 eada nm.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para luto. a 240 rs. o covado.
Fustso branco para ronpa de meninos, a 560 rs
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chila adamascada, a 3*500 rs.
Colchas brancas e com barra deco^e^ a 3*500
e 4*000.
Lencoes de bramante, a 2*000.
Ditas de algodao, a 1*400.
Toalbas alcochoadas, a;6*000 a duzia.
Ditas felpudas, a 6*500 a dnzia.
Lencps de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados, a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiao finos, a 3*500 a duzia.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500 a
peca.
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalhado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito trancado, a 1*400 a vara.
FuslSes de cores, a 1*000 o corte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampados, a 3*500,4*000 e 4*500.
Ditos com listras muito finos, a 5*800 e 6*000
Esgniio muito fino, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara. ,
Bramante de algodao, a 1*600 a vara..
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca.
Dito doroestico, a 3*000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. o covado.
Nanzue cambraia de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
L,oja de
Guilherme & C.
ATTENCAO
Precisa-se alngar nma ama de meia idade, no
rem qne seja. preta, aue nan unha vicios nem
.lchaque". f one fcffcmre sna mnducW. :-.ari rota
lu.ir e r.iztn!i:ir para '* ten>iPa de 3 peft*cn :
a ir,,t:ir na cila it- d (Hinda, il mjarii, -a
Alnga ?: u .irir'ureiu v u ;i:: .';i i .-.'uli: iki
sohradoda rua do l n. 20, pruprioj para wtabelefinipn'o emMheVrial:
a tratar na rua do Marquez di Ultnda n. 32.
Aluga se o 1* aatdar do sbrado da rua
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo.
m
4t IMPERIAL
raBRICA DJMI^VRROS
DM
0.
joia at mciiictio?
Escravo fugido
300^0.00 degratificacjao
Ausentou*se desde o dia 13 de maio d<; 1872 o
preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a 40
annos de idade, e perfeito cozinbeiro, alto bastante,
e bem magro, pouca barba, olhos grander e muito
ladino, consta que tem pai no engeoho do Sr. Lulii
de Caiara, era S. Lourenco da Malta. Este pre to
foi cozinheiro dos negociantes Adriano 4 Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e julga-se
que esteja alugado em algura hotel ou casa parti-
cular nesta cidade, como forro : pede-se a todas
as antoridades e capities de campn. que o desco-
brindo, o tragam a rua Duque de Caxias n. 91, loj
de miudezas do rival sem segundo, que serao gra-
tificados com a quantia acima. ____________^


Roubo
teem
les e pequenas.
Concertos concertam com promptidao qualquer obra ou machina
sua fabrics bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOniinendaS man^a"n '' Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo,
par*. O que se cor*ocpondom com uma. rocpoitaval oua da Londrw
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum)ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
Querendo definitivamente liquidar este hegocio, vende todos os que tem, -novos e
nsados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de recebero seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11 a 33 palmos
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
4NNEIS electricos para curar dores de cabega. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARQA e papel picado para bordar com la ou seda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.
$
Rio de Janeiro
insiando a.i ahihn asiitinid \ uiiico
a proviMia, da itnjcrial fabrica
e S. Juoo de Nictheroy, no Rio
existe no mercado cigarros qiie
fabricados ern dita fabnea, imitando
i:ti(|ueta em que vem elles envolios, a
prevaft a todi os ens freguezes que
venWRros cigarros dc exposiclo de
so sao vendidos nos armazens dos. Srs.
agenic
igarros
que
10
i a-se a
iiicos e
thrica
Francisco
(iuo4|i de Araujo, Manuel de Souza ('ordeiro Si-
mdesjuuior e Faria 4r Filhos, uuicos de^ositoa de
dita fabrica. Recife, 22 de novembro de 87.J.
Domingos Alves Mathens.
Na madrugada do dia 22 do corrcnte, das
para 4 horas, penetraram os ladroes por uma ja-
uella do sotao (servindose de uma escada) da pa-
daria da rua do Lima n. 72, em Santo Amaro das
Salinas, levando diversas pecas de ronpa, como
seja : 1 paletot sobrecasaco de panno fino, I dito m\
sacco, 1 calca de casemira Pr(fJa^ii*iid-^a _^S?JH' *'-
rraneczas, 1 chapTo*8e sw ae seda tran;ada com
um leoo no castao e um chapeo alto de feltro
(sendo tudo em perfeito estadoj e mais tres bilhe-
tcs de loteria da provmcia da 80* parte que corre
no dia 23 do corrtnte, de m. 844, ^,276 e sm que
nao =e sabe o numero, sendo todos tres meios ni-
lhetes ; roga se a quem forem oflerecidos ditos
objectos, de apprehendelos, que sera gratificado
com boa recompensa em casa do abaixo assig-
nado.
Recife, 22 de dezembro de 1873.
Manoel Rodrigues Percira.
CHAMADO
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim
Clemente de Lemos Dnarte, sao chamados a
rna do Coronel Suassuna n. 282, a negocio dc
particular interesse.
ConsiiKorio medico
DO
Dr. Morillo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
qnentou os hospitaes de Paris e Londres
pooe ser procurado a qualquer hora do
du ouda noute para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas do meio dia as duas horas
da tarde.
Gratis aos pobres.
ill

Barato
Aluga-se o 3 andar do sobrado da rua da Gnia
o. 62 : na rua da Senzala-nova n. 1._____
Casa para alugar
do Marquez de Olinda
0 quarto andar da rua
numero 4.
HAPAS AUitiMA
PARA
Marear vestidos, roupa de cama, gnardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO TAMBEM
Cairtfies de visila. livros, envelopes etoda qoalidade de
papeis, clara e exactanente com o nome eompetente da pessoa
Garante-se dar uma cbapa tao boa como poderia conseguir-e em Londres ou Nova
York, e aflian^a-se igualmente que a tinta sera" indelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa como nome da pessoa e acompahada de dous frasquinhos de tinta, um
pincel, uma direccSo sobre a maneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
tinta, custando tudo
Preco fixo
Em letra de mao e gothica
ANGOLAS \M.KICAN\S
PARA CHAVES
S3o muito comraodas e possuem as seguintes vantagens :
Servera para ajuntar as cbaves, e ao mesmo tempo sendo chatas, ha
nome e moradia do dono.
Sao faceis de abrir e fechar, deixam entrar a maior
argola.
SSo feitas de prata aileml enio sSosujeitas a enferrujar, quebrar ou abnr ; como as
argolas de aco, sao muito fortes e bonitas. Cada argola amerioana com o nome e mora-
dia do dono, aberta na mesma, custa : t
Preco fixo 2*000
LAURO MACPHERSON
NO HOTEL ESTAMIiNtT
Rua do Imperador n. 82
3^000
5*000
lugarpara o
chave sem offender a
P.
Borracha para hmas
Recebeu a phannacia Terres, de prhneira qua-
lidade, por commodo preco, vinda pelo vapor
Ceard.____________________________________
Acretlilarao vendo
Retalha-se um vasto e bello terreno a"
margem do rio, nos fundos da povoacSo de
Beberibe, ainda aao visto pela maior parte
da populacao, por ter sido ha pouco derru-
bado os mattos que cobriam dito terreno, o
qual consta de uma grande planicie, pro-
pria para edificacSo, e distaneia de 3 minu-
tos f^a ultima estacSo da via ferrea, achan-
do-se ja" dividido em ruas, com approvacio
da camara de Olinda.
Quem pretender pode ir ver que sem d-
vida ficara agradado, e entender-e com o
Sr. Jose" Honorato Medeiros (Ziunba), ev
carregodo, ou com o proprietorio, junt> a
ponte da dita povoaQ&o.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-s.
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
eira, a negocio de sen interesse.
Smwo> #&
DESCOBERTAS MEDICINAES
PEU> BACHA11KI. ^fli'
$ Manoel de Siqueira f|
& Cavalcanti.
**\ 1" O Preservative da ery-
" si pela : para curar com certeza, e
Aft en. pouee tempo, qualquer ataque de
Vg> erjsipela, e prevenir o seu reappare
jjv cimento.
*tg' Este medicamento tambem e muito
SU, poderoso para o rheumatismo.
*, % o Regnlador da ntens-
c^ truaeao : para falta, irregulanda*
fM de, suppressao repentina da mei strua-
Agj cao, e dos lochios, as.-im como para
^fi todos os soffrimento* devidos aqnellas
m&L an*ecQ5es. Ambos estes medit-amentos
hB/ ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e na do Bio de
Janeiro.
Achara-?e a venda somente era casa
do autor, das 9 horas do dia as 3 da
tarde, e a qualquer hora em casos ur-
gentes.
GRATIS AOS POBRES
Rua da Imperatriz n. 14, 2 andar.
M
Casa decampo
Offerece-se a quem quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguns annos, de
gra^a, da excellente casa sita na Porta d'Agua,
que foi do flnado Dr. Joaquim Pires Carneiro M in-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua doce em
frente, e e muito commodo visto que o trem passa
lefronte: quem pretender pode dingir-se-ao Sr
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos, au
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a ma do 'ommercio a. 40.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para familia : a iratar na rua do Mar
qnez de Olinda n. 52,______________
Banhos eares saudavcis do
Monteiro.
MOFINA
Esta encouragado!!!
Agua mole em pedra dura
Tanlo da ate que a fura.
Roga-se ao illm. Sr. lguacio Vieira de Melb
dscrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rra Duqne de Caxias n. 36, a con-
clnir aquelle negocio que S. S. se compromettea a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
pasaou a fevereiro e abril de 1872, e nada cuw.prio;
e por este motivo e de novo chamado para dito
3m, pois S. S. se deve lembrar qne este negocio e
le mais de oito annos, e quando o Sr. sen filho se
ii'hava nesta ridade
ALUGA-SE
nma casa na C.apunga, rua das Pernambucana*.
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 3L_____________________
25*000
1^500
15000
15000
i-ruou
Aluga-se o 2, 3% 4" andares e sotao do sobrado
n. 14 da rua do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, commodo para residencia de familias e es-
criptorio de negociantes : a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar.______________
Silva Barroca &' Filhos teem para vend
seu aimazem, a rua do Marquez do Olind*
seguinte :
Folha de Flandres.
Estanbo em verguinhas.
Machinas para descarocar alguJao.
Cerveja escosseza branca e preta.
Fillele para bandeira. ______^^^
r *
Precisa-se de uma ama
que engomme e fa^a outros
servic^os domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
ATTENCAO
Fugirara do engenbo Noruega, freguezia da Es-
cada, no dia 9 de dezembro corrente, os seguintes
eecravos:
Felix, mulato, altura regular, falta de dentes na
frente, secoo, rosto descarnado, muito conversador,
e, bom carreiro. Levou duas camisas de madapo-
ao, 2 calcas de brim, sendo uma de listras e outra
parda, chapeo de baeta parda, ja velho. Repre-
senta ter 40 annos de idade.
Clemencia, cabra, com falta de dentes na frente,
rosto. descarnado, representando ter 30 annos de
idade, tendo a muaheca da mao direita nm pouco
torta. Levou vestido de chita cabocla, e de algo-
dao de listras, chale de chita azul, uma rede e
mais roupas.
Roga-se as antoridades policiaes e aos capitaes
de campo a captura destes escravos, podendo elles
ser entregues no engenho acima ao seu senhor,
io*6 Ignacio de Mello, ou no Recife, rua da Madre
de Deus n. 36, 1 andar, ao Sr. Bernardino de Sena
Pontual, qne serao recompensados.
_. -_...... ,- t..'-t,^> "om^ iiinno rrf^g
para oAiem precisar de bons ares e banh/Ss
n a tr*ar i rua do Barao da Victoria, ay.
tr'ora Nova n. 7._________________________
Aluga-se uma excellente casa na povoaclo
de Duarte Coelho, em Oliuua, cum bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
Amorim n. 37.______________________________
Mndanca de escriptnrio.
Domingos Alves Matheus, mudou o eu escrip-
torio para a rua do Vigario n. 5, primeiro andar
da casa em que tern armazem o Sr. Caetano Cy-
riaco da Costa Moreira. _______
NOVAS PUBLICISES HUSIMES.
A. J. d'Azevedo IIua \ova nil
Acabam de publicar se, e acham-se a"
venda as seguintes musicas :
PIANO SO'.
Danse espanhola. por Ascher
Arabella, mazurka, por C,. V>r.r-
theimer
Valsa do Falsto, por Croyzes
Sonho de uma virgem, por Alber-
ta zzi
Anna la Prie, cavatina
AoClair de la Lone, por Russmeyer 1^500
F.STRELLA DO NORTE I ,>o|kfl brilbanlo 1?000
MriUCAO AO BAtllA I
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiano 19003
PIANO E CANTO.
Desespf.ro, muito lindo romance
por I. Smoltz 2*000
Non m'amava, romance por Guercia 13000
Tambem tweheu da Europa grande sor-
menide musi^a para piano, piano e
antoudos, methndos, '>tc. etc^____________
;) Escravo fugido
Precisa-se de um meuiiio
sem ella, para taverna : na ma
com pralica
Direita n. 4S.
00
Aluga se metade -le nma --asa de ramilia.
mulher e marido, sem fihos. s6 i casal : a rua do
caes da Dettencio n. 11. _______
Precisa-se de nma escrav* para cozinhar
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
oja-
fugido
Do engenho Jos6 da Costa, freguezia d? Agua-
Preta, fugio um escravo pertencente ao abaixo as-
signado, com os signaes seguintes : Cezario, cabra,
cabellos carapinhados, pnn-m alto, quasi caixado,
tem um lobinha do lado esquerdo da testa acima
do olho, sobrancelhas cabelludas, vista esanta-
da, nariz grosso, bocca grande, falta de dentes
do lado de cima, cara chupada, tem os peitos um
tanto cabelludos, varias marcas de carbunculos
nas pernas, 6 baixo e de pouco corpo, pe peque-
no, andar apressado, quer titul.iar quando falla-
se com elle : e carreiro, carnbiteiro e purgador.
Estove no engenho Diamante, i^e Ipouca, traba-.
lhando como forro com o nome de Manoel Joa
quim, donde evadira-se logo que foi conhecido :
roga-se as autoridades policiaes e as pessoas que
delle souberem (segundo os signaes indicadoO a
captura, e fazer entrega na praga aos Srs. Cunha
Irmaos, 4 C, ou no dito engenho ao seu senhor,
que sera pago com generosidade.
Fehx Valois de Olivcira.
Desappareceu^ ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engen o Serigi. rnniarca do Goyanna, o
escravo de uome J se Uorges. most re de assucar,
tendo os signaes se^uinies: cabra, idade 30 anno-*
pouco mais ou menos, boa figora, um tanto gross >
e espadaudo, sendo o signal mais visivel uma
g'unma na junta do jje esquerdo : roga-se a todas
as autoridades e ctpitaes de campo queiram ap-
prehender dito escravo* e leva lo ao referulo en-
genho. on nesta praca a Oliveira Filhos & C> lar-
jio do Corpo Santo n. 19 que serao generosainent'-
recompensados.
Recife, 19 de novembro de 1873.
Paris, 36, Rua Vlvlenne, D
M.M4M NEDIG1N SPECIAL
MS BUFCHMIOAtug DBS SEXDAIS, AS tTFEC^OM
DEPURATIF
in SANG
ALTBRACOn DO MMDB.
-------1111,000 enrti duimptif
geiu,puttuls, herpti,
I fame, comixoi, aen-
I monia, e allerfoet, rt-
\ciosas do sangve, vi-
rus, eaUeiUiOts u aangne. (Xarope vegetal
seminrcorio|.aep"rtlB teceteei
BAiiaas awinais tomao-se dous por
intuit, sefmindo o tracUmento Depvrattoo : i
empregado nas mtsmai molestiis.
I Este Xsrope Otracto de
ferro deCHABLE, can
linmiMiaUraente qual-
PLUS DE
COPAHU
e igu
uln
ineres.- Esta iuieccao
" Cfi"
quer purgacao, nir
rafao, e debt' '
hdadt,
brancas das
xniRDa empregata*
dtftrn.
torn o Xaropo de Citratto i
ratrrtMun Pomad* q ue at enra em s dial.
POMAOA ANTIHERPETICA
Contra: nas ajfreenrs ni/aneas i romixees.
PILULAS VEOETAtS OEPURATIVAS,
ao CbaMe, cada fnsco mi accompatoM
i* um folbto.
AVISO AOS SRS. ME0IC08.
Sirop du
DrFORGET
T0008 09 DUS UTEIS DAS 9 P' II W DIA.
I Cam catarrhes,
cofuslucXf, irrilafdM
ncrvoMt Sal dtot
Chios s total as i
I dopeiioibft*o(
DIM n.ti. '|.d- dli x.trope IV FoUtT.
Dr. cutck Mn Porta, "* *lvl*ai
''epos uda
'.
Garanhuns.
Na rna do Barao da Victoria n. 36, precisa-se
.-allar aos Srs. Pedro do Bego Chaves Peixoto e
ose Paes da Silva, a negocio de particular inte-
esse.
Miiato tugido.
No dia 19 do eorrente mez fugio o mulato Ge
minianno, que foi escravo do eapitao Firmino, em
Maii cot a, e tem os signaes seguintes : estatura
regular, cheio do corpo, falta de dentes na fren-
te, tem na braco direito nm coracio com as let-
tras A. M. C; sahio com calf a de brim, chapeo de
Manilha, costuma andar pelos Afogados, Beberibe,
Olinda, Maricota e IguarassU : quem o pegar di-
rija-se a rua larga do Roiario n. 22 qne sera gra-
tificado.
, Aluga-se
o sitio da Ponte de Ucbda n. 35 : a tratar no mes-
mo sitio, ou na rua do Rangel n. 7, ou 2*
andar.________________________________________
Jose Henrique da Silva tem nma carta para
o Sr. Jos6 Luiz ae Souza, empregado no cousnla-
do provincial; na Soledade n. 27, sitio.
Carros de luxo.
inqnestionavel que a eocheira da rua do Bom
iesns n. 15, de Joa>iuim Paes Pereira da Silva, 6 a
que tem as raelhores berlindas, calecas, meias ci-
lei;as e victorias de luxo, proprias para qnalquer
uoivado, visitas de etiqueta, bailes e actos da aca-
lemia, sendo os me*mos ajaezados' de excellentes
parelhas de animaes, arreios luxnosos e boleeir. *
com fardamentos do ultimo gusto, para o que se
convida ao publico a vir por si mesmo scientiii-
car-se da verdade do que dHxamos dito, certos de
juc nao encontrarao pomada, e sim realil;..
commodos prec> >._______________________
SAQUES
Carvalho & NogUfjra, na rua do Apollo
o. -20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agencias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a" vista e a prazo
por todos os paquetes
- Piecisa-se de nma mulher para servi -o o>
casa de homem solteiro, sendo muito ftel e dando
liador a sua conducta : na rua Augusta n. -;.''.
taverna. ________^______
Atten(jao
ggE. A. Burle k C, fazem sciente ao corpo com-
mercial desta praca que o Sr. Alfredo Adolpno
Ferraz Costa, nao "6 mais empregado de sua ca-a
desde o dia 20 do corrente mez.
Recife. 22 de dezembro de. 1873.
o primeiro andar do sobrado da rna das Trinchei-
ras n. 48, qne flea defronte da rua estreita da
Bosario, contendo 2 salaa, 2 gabinetes e 6 quartos,
pequeno quintal com cacimba e tanque para ba-
nho : trata-se na rua do Imp. rador n. 73, escrip-
torio por cima da livraria classica.
Cozinhrira
Precisa-se de uma corinheira que saiba bem co-
zinhar e que seja asseiada. para rasa de fami ia:
na rna da Imperatriz n. 37, 1* andar.______l__
casa terrea com commodos
na
uma
I
roalxuerialn. 179
Aluga-se
para familia, e tendo gaz e agua encanades,
a IcHfar junto.
Alujra-se uma ew.avn
rua da ;;,ia n IMS.
para o aervico : na
CASA DO OUKO
Aos -l:OOOcOOO
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
muito felizes bilhetes a sorte de 7o0_ em um
meio de n. 570 e um meio de n 2170 com a sorte
de 1004, alem de outras sortes menores de 40^000
e 20*000 da loteria que se acabou de exlrahir
(80*> ; convida aos possuidores a virem receber,
que promptamente serai pagbs na forma do cos
tume.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,qne nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesnx .
annuncios.
Acham-se a venda os muito teh.es bilhetes ga-
antidos da 17* parte da lufna a beneticio da
santa casa da miserienrdia, que se extrahira nn
dia 30 do corrente mez.
Preco*
lnteir<. 4^<>0 eio ^JOOO
1' jibOO
Ve M750
Recife, 2"! '" tnh' 1673.
o n 4"
M^dakna.
Vende-se um terreno no principio da esirada da
Torre, muito perto do pontu onde param _s bond-
enjo terreno tamhem se retalbara : a tratar na
taverna do Kocamftole
a tra-
lrecisa-se
de um rriado para p servico do cozia
tar no hotel de Bordeaux.
% Odiion Itimrte I L
%
'ireiro
i
Rua da Imperatriz n. 82 <&
Gr Rcceberam mn grande e variado sorti- J,
J mento de tran.as de cabello ariiuVia loara V
os penteadns modernos que vemiem pelo O
baratissimo preco de 6i cada nma. _/
Vende se um oratorio dourado. proprio para
eapella parUcnlar ; e (bra urima lantn em >;.
conm nn mao de obra, e 6 dourado pal* system..
francez. Quem pretender '*omprar diripa- a ca-
sa 'io Sr Paulo Gu'-loiie, roa da Impcralrii. que
ach ra com quem iratar. Tambem ha vinho ao
ejU, superior, por IV. a dnzia de garrai.-. e:n
ca-a d i Sr. Joaquim V eira de Mello Pi_*>, a rua
do Itaiao da Victoria n. 9._____________
?' /mheiri*
"re.-isa-se de nm '> >m 'odnheiro : a Ir im do
la "s* do Corp.) s.n'-j ii 19, I andar.

eaux,
^r-'jisu-se
i o : uiruo t
Miimuo
mam I
I
n
i
i-|_ai_M "i
'


_
deerant*ico 'fertja terra 90 de ezeflftro tteIt?**
Consultorio homeopa- 0
thico
Do Dp Santos Hello
41-------Rua do Impera 'or-------41 jgk
0
=

Consnltas todos os dias das 11 a i da
tarde.
Gratis aos pobres.
Residencia a rua Nova n. 7, scgundo
andar, onde da ronsultas das 6 as 9 da
niaiilia a das 3 as S da tarde.
a qualqaer hora.
- BernajHino- Dnarte- Campos & -- em sou
estabeleeimento a-rua I'rimeire de Ifaran n. 1G,
pagam do ilia !. do Janeiro em diante a todos os
cred.jres Ja masa faflida de'Jnio Nfsria' Cordeiro
i Lima, quo de prompto iroizerem re *eber de eon-
fonnidade com a concordat* obtida em -joko ; de-
veodo os mesmos credores apresentarem' aeus li-
tulos ate o dia 24 do corrente para serem eonfe-
ridas.
Recife 18 de dezembro de 1873.
anlia a das
*
m
* wmwam **
Jpasa em Olinda
Precisa-se de
iComprar e co'inhar
|ft P. 40, l. andar.
uma criada ou criado para
na rua do Marquez de Oiiu-
Precisa-se alugar uma ama boa eozinheira,
ra on escrava : a tratar na rua da Imperatriz,
casa o. 16, segnndo aodar.
Armada.
Aloga-W^dr quatro raezes oa mais e por r.
dinheiro, nma excellente casa em Olinda, na rua
do BomftnT n. SI, muita fresca, com commodos
para grande familia, tend,) agua e gaz encanados,
grande quintal oa sitio arb iri 1 ente vista para o mar e a cidade, apenas distante
tres rainutos da esta<-ao do Carmo e ponco mais
dos banheiros : a tralar no armazem de Joao Ro-
sa, na trave CoUigin francez na dapnnga
Mmo. Cambroee avisa aos pais de familia que
abrira no de Janeiro do anno vmdouro um col -
I egio francez prorisorlamente na Capunga, rna da
Ventura n. 35. pata o sexo feminino ; alem do
raflcez ensinarse ha portngnez, iuglez, geogra-
phia, historia, musica, bordsdos, danca, etc.
100^000 de gratificacao
Engeulio Santos Mendes
Fugio no dia-SO de dezembro, do engeoho San
tos Mendes, eocnarca de Nazareth, freguezia de
Tracuuliaem, a u.-crava Maria, crioula, 50 anno*
de idaJe, |wj m mais ou raeuos, baixa, grossa, cdr
preta, rcsto alqm braJo, pes seccos e e>panados,
ded.s eurtos. caMlos braneos, canellas finas, tem
dous sigm-ea cabelludos no queixo, e e bem ladi-
oa. A ptssoa que entregar esia escrava ou ao seu
dono, que e o senhor do engenho acima. Lauren-
lino Gomes da Gunha Pt rera Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
ecompensada com a quzntia de 100 i.
0 Sr. que anvuncinu qnerer coranrar um
sobrado de mil andar em qualqnej* das fregue-
zias da Boa-Vista, Santo Autonio i.u S. .1 se, an
nuncio sua. morada e bora de ser enronir-d" ;
va a rna do Hrwpiete h. 35 das 7 a- 9 da ma-
nhS, e da> i as 6 da tardp, qoe acbara com quern
ttraar.
Na rua do Barao da Victoria n 35,- precisa-se
fallar ao Sr. 2. tenente Jose" Maria Pesttna, a ne-
gacio de sen iateresse._____________________'
Precisa-se de uma ama para cozi-
nhar para rapaz soiteiro ;.na. rua do
U respo n. 20.
Ama
Furtaram do l andar do sobrado n. 31 da rna
estreita do t'osariu, na manha de 26 do corrente,
0 seguinte: \ collele de merino preto, 1 relogio (
de onro, desenberto, com 0 mostrador de vidro
grosso e 0 interior de crystal, do novo systeraa de
oar corda. e corrente preta, tendo no bolco do
mesiMO cwlkte 501 em dinheiro, sendo qualro no-
tas do 10* e duafde 5, e mais i bilbete de rifa
de relogio e outros papeis, 1 sobrecasaco de pan
no preto, contendo 1 lenc<) da pontas amarellas,
1 mai;a de.cbave.s. uau.:is e uma letra de 800 ou
900 etMOae .mil. r&, .eom-.Jjw^wias, .duas.das
quaes sao os Sr?. Antonio Francisco de A'buquer-
que Santos e Manoei iJervrttjme Ucboa Cavalcant<>,
( tata de gorgu'raj com botSes grandes de taftaru
ga : f eoemou4a^fr is aaloridades poUciaes, ou
Eilquer pessoa a quem ditos objeclos forem 6l!e-
idijSj ABpt-ei*oosao doa-mesnyw.___________
AM4
Precisa-se de ama ama ptra
cozinhar : a tratar a ma d Ira -
perador n. 14.
AMU
1
cornija.
Precisa-so de uma ama para co-
zinhar em casa de pouca familia,: a
tratar na rna do Hospicio n. 46,
casa que tem bolas amarellas na
Ama de leile
Precisa se de uma ama de leite e paga-se bem :
a tratar na rua do Qneimadn, loja da Boa Fama,
du na rua do Crespo, loja da Passo, junto ao arco
ae Santo Antonio
r
NA
Villa de IgnarassA.
O tenente Francisco Xavif-r Dias de Alhuquer-
Na rua do Bmmft 8fi, !
andar, precisa-se de uma
21!* leAl,""ra.de P?,ni7a; ao respeitavef pu n7iaTy*r',.Tma imilfaTe 1?"%^^" C""
blico que abrio, tia villa de Iguarassu, nm hotel------"-----------------------------K
Precisa-?e de ruma ama qoe satta
andar com meninos, a qual tenba
boa conducts : na rua da Imperatriz
n. 37, 1 aniar.
AMA
AMA
mja.
Precisa se de uma ama para co-
zinhar em casa de pouca familia :
a tratar na rua do Hospicio, casa n.
70, que tem bolas amarellas na cor
LIOUIBACIO' DE MfflMB
SA
Rna da Imperatriz n.:0
o
Sob a \Antamo Marques de Amoririt
' JSstff'CMIegbi, eMah*techk> a ma do'Hospicie n.
$5, enTrnagfliiico prtdlo, offeree* todas-as-ptopbr-!
ides para commodidadey atffitntam#Wd e fewefo de!
sens, atamtjos.'
; Separado do fiiaro qne 0 > cm paraleBo |
graaiDJu, tem ua ffente-um'beHo-jatrdim.'iJos -hdos |
extensos patecs' ne'tect'eio, eHa parte posterior
pm terreno ar,borisado, vastissimo dormitario nas
(nelllores condrJSes" hygiemeas para 150 leitos,
com servjgo proprio ao asseiq em aposento lateral,
fraade ravatotlo; *6batjheiros, bom Tefeiterie-, e
rial aente commodas salas para as classes, um_gado um bom sortimento de maehinas para
talao de estudo, ciaro-eArejado, com propor^aw'fostura, de todos os autores mais acredita-
para -00 estudantes.
0 director convida todos aqnelles, **j8em tnte-
fessar possa, para ?pie yisitem 0 sen estebHeci
Vende fazendas para liquidar, por baratissimo pre^o como
abaixo se ve:
Pereira da Silva & Guim>raes teudo em ser utugraiide depozito de.fazeodas,
tem resolvido fazer uma liquiJa^ao das mesmas com grande abatiraeuto nos nrecos,
com 0 unico fim de spurar didbeiro, para 0 que corrvid#m ,aao so ot seus muMrosoi
freguezes, como o respeitavel publico, a vir jiurtir se de muiUs faaendas, bo:s ebraU
no ieu-sUbelecimentodeaomindo 0-PavSoa rua da Imperairjz n. .00.
mm I1WAL
Rua do Barla da Yfeloria .%.
DE
Cmwmo Viamm.
A' este grande estabeleeimento tem cbe-
Ama de leite.
paga-se bem:
Precisa se de uma ama de leite,
na rua do IIospk-io;n. 50.
A iii le leite
Precisa'Se de nma ama de leite que- tenba bom
e abundantd paga-e bem na rna Formosa
D. 2i, casa com jardim defronte do beceo do* Fer-
reiros.
Precisa se de uma ama para andar
com meninos, a qual tenba b >a con-
ducts : na rua da Imperatriz n. 37,
AMA
{ andar.
AMA
S. Exc. 0 Sr. pissidento da provwrta vrsitou 0
estabdocjinento nesse dia e assastio aos exames,
que foram pr-esldtdos pelo" Exm. ^r. fir. Antonio
de Va-concellos Nienezes do Drommotid, leate da
jaculdade de direito.
Foram examinadores-flffrs. Ors. Ezeqniel Fran-
co de Sa, R', Hooorio da Silva, Jorge Dornellas Ri
beiro Pessoa, Jos* Dlniz' Barreto e 0 professor C
fachelery. _______ ____________
Precisa-se fakar comurgKni-ia ao Sr: Caau-
to Sergio de Farias, negociantf em Jaboatao : na
na das Cruzes loja de trastcs a- 41-
...... 1111 1
bem provklo .le todo o neccssario para bem ser-
vir a aqnelles que 0 qnizerem honrar com >* i!ts
fregu^zi.is ; ecrtoa de que lic.irao satisffitos mi
0 servico e a comuindidade dos pree 19. Junto aa
nicsmo hi-te' fsta moniada uma co h'ir.i para ro
colbimento d. s animaes dos encurrentes > ho
tel, lambem per precos commodos.
viiencaii.
a casj n. 13 a Pasagein
ar com JIM Rpgo.
Alnga-se
da Magdalcnba : a tra-
i
III
"p.nr rm ao amanhpcrr do dia 4 d mrren-
1 nhoSeigi, cmnarra de Goya--na. oes-
i me Just* Borges, m Lies M'guintes: cabra, ida ns ;ti iinnos,
11 i.s u menos, boa Itgura, um tawu gri.s
-; idau-lo. sendo 0 signal mais vi-ivr| nma
3 -.) uita do pe equrdc r ga N a todas
-. a tea e capitaes de canip- qin-j am ap
p.1I1 lilo e leva-lo ao rr i-.i 1 '11
nil.., ;n-ta praca a Oliveira Filhw ot <^., lar
lo Gurp" SiBto n. i9, qiu' scrao genero-ainen-
-
Pad
aaana.
O Sr. Candi 1.. G. It. Lima, faca e favor vir a rua
do Duqr.e de Caxias n. 60 A.
% .......Jt
\
B l|.
Ghamados
Consultas: Aos pobres gratis, das 2 as O
4 horas da larde. *
a quaiqaer hnra.
i
\!npa-se a da rua dos Pescadorps n*. 1 e 3 :
I tar ctfm Tp.-so lima 1. r a do Atnoriin n 37.
Numero 60:000
O Sr. Jose i'olippe Saniiago e chamado a n rio de p'-ni ular iotetc-o em o Forte dn \l.ittos,
armazem d < eompanhia. "
i! abaixo ass-gna>!os, unicos so-io^ da finna
rommenial Saund'.Ts Brotlics & C. n.i cid.id-- de Pernambiiiv). no imperi > d i ra-il,
peh pr.-seiil-' doclaiani que de coiiimnin acrordo
e niutu | c Hisr.itiiii-nto, ii s cio Charl s SauBdep;
se ret:ra rii->ta data da ntferida firm i Sanndt rs
Brothen <.\ ', ilinnJ^ de fizur parle da ;n<'Miu,
ficando o aciivo e iia-ivo a cargu dos socios Fre-
derick Sauu lers e Puelip Fr ik Neoqaani.
Liverpio!, 27 de novembro de 1873.
tjiarles Saunders.
Fred, i ii-k Saunders.
P. P. N el ha m.
SocieiL de propagadura da
ixstrucgao publict
Con-i Ihn parochial da Boa-vista.
Nao tan I > cornparwldn numero sufflcieme de
socios pan lonnar a sessSo em quo dove ter ngar
a eii.-ieio no n de uw OMVida
dos ludos os sociiB a comp ir cerem no di. 3'' do
corrente, ai fi hums da tarle, na rua da Uniao
D. 23, p.ira o dito fim.
Secretarial da oonselho parochial da Boa-vista,
?'/d dezembro de 1873.
Tide -.tin- de C.-.rvalho,
Socretario.
pi:X; s.- a quem s cilipr onJe exisie uma
preta liberta, q t Sonre do iwrebro, e e>ta vesttda
com oaia de sk>ta V'-idH ecaaco de la, qu- des-
appa: :ceu n ;.a fcir* com um tacho com Cis-
co que ia botar na ttiivoca di limpeza de-ta cida-
de, o f. jr Je (iir.i,'ir so ann de Saata Rita n.
13, q le m.iito >o a^radf-cera.
Alnga se urn preU) li-^m cozinheiro e com-
rad ir, pro >rio para hotel on collegio : na rua do
Marquez de Olinda n. 1, 2 an lar.
Caixeiro.
Precisa-^e de um, con pratica bistant.-, o que
di- fiador da sua cunducta : a tratar no patee da
Santa Sruz n. 4._______^^^^^^
Precisa so de um caixeiro para tavern <, de 12 a
14 annos ; ua ru i. do Viscoade de Pelotas, ar.tiga
Arcgao h. 1.
Companhia do Gaz.
A empreza ilogHztum a li-oira >ln nnnunciar
ao publico que racebnu ultinnMitf um espleo*
lido sorti'TH'iitu ros, araii'lflas f,^|oii.s, vi)js airnstras estio
e iSraTi ven 11
nipt?" TOO is raz.*e] t
0
* .l, I,.u,..ia4,,r a.. 31.
s aus shus frt-jjueaes peio
annolectivo. w.--,.pOo tempo
De accordo torn o programma dos estttdos, fbi aonosam 4espeoiho.*lgum do comprador,
idesignado o dia 50 dejwvembro! et annunciado \ fieste estabelecHnentO tambem ha perten^as
ipelo mesmp jorqaVpara o exame no collegio, dos pjja ^ mesnws machioas e se supurcqual-
alumnos habilitado*,nao so era lmgnas, eomo-em
isciencias.
CAM3RAIAS A 4& 4JKJOO, U, m-1.
O Pavao vende Jim magnilico sortimento
das mais finas cambraias bsancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas cada pega^ pelo ba-
rato preco de 49, 49500, Wi ,tedo tara-
bem das mais fines que custumam vir ao
mercado, assi-n como um grande sortimento
tla dius tap ad as e victorias que venue de 49
pte 89, sendo fazenda que valle muito mais
dinWiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59-
O Pavao recebeu um eU-aante sortimento
^Ui^ml^LVT* '8lS aCft & cambraias brancas com bonitos salpiqui
dosultimamentenaEuropa.cujasmaanmas pbos miudinhos de cores, tendo 10 SE
pelo barato
com
nissima
lio garantidas por umanno, NirfoimLh^ de vestido'e ^de
mentojcujus, jnappas que feram publicadwa j perfeito artista para ensinar as-mesmas, em;_reco de H m nwhim-iui diie
tercafeU-a, do Wretta, pflo )<*nal -*'*& qiialquer parte deste cidade, como bem as-'EEi i?A KJTft r-
nemonstrjm.ore^ltado das aulas no corrente Jm ^Ulas-pelo tempo tambera d'um i?fc^.^.TJ^10 fazenda fin,ssl
COMPRAS
Compra-ae uma escreva.parda.de seus 30
annos, que seja de muito. bo*- ewndncu e saioa la-
va r, engommarecozuibar,. tendo hoa saude : no
Corredor do Bispo n. 71, tratar a qualquer hora.
quer peca que seja necessarto.
a 79500 e ditas a 5^000.
VESTIDOS AUSO DA ORTE 129
O Pavao vende um bonito sortimento de
Estas tna- cortes de vestidosa uso da corte, trazendo
cbanas trabalham com toda a perfeicao de! cada corbj Xodoa os eaiViias neaessarioacorqp
umedous.pospontos, franze e borda toda sejam: babadirrbos, entre-meios, rendas,
quaiquer costura jor fina que seja, seus requefifes, e vende pelo barato preco de 129
precos sio daaegumtequahdade : pi tra- \ cada um, assim como, di os a 2 de julho
balhar a mao de 3OJ>000, 409000, .-i9000 com todos osepfeitesa 409 cortes de cam-
e 509000^ para trabalbar com o pc ,ao"de braias brancas abertas, com listras e-lav. res
809000, 909000, 1009000, ilojOOO, a.69, ditos anissimos a 89, ditos de cam-
1209000, 1309000, 1509000, 200^000 e braia branca com listras de cores, para aca-
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
terar;8o de precos, e os compradores poderao
ivisitar este estabeleeimento, que muito de-
;ver4o go$tar pela variedade.de objeclos que
iha sempre para vender, como sejarn : cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para slas, ditas de balanr;o, ditas para
crianca (altas), ditas para escolas, costurei-
ras nquissimas, para senhora, despensaveis
para criangas, detodasas qualidades, camas
de fe.-ro para bomem e crian^as, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
qofiKts, apparelhos de metal para cha\ fa-
3ueiros coin cabo de metal e de marfun,
itos avulsos, colheros de metal>uno,eondiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
Yende-se os se^uintes ob-'para forrar S8^as>lavatorioscomPletos'ditos
simples, objeclos para toilette, e outros mui-
tos artigns que muito devemegradar a todos
que visitarem eat grande estabeleeimento
que se acha abertb de-de as 6 horas da ma-
nna ate as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
___________22^____________
i\iao ha mais cabciios
tirUridoUrBsii ns. 100 a m
e sem
*m
m
DO
Dr. Santa Romi. Q.
Rua do Barao da Victoria n.\4^ 1.* fit
Bsdar, juti'cra rua Nova.
Consultas das 10 horas da uianha ao 9
in"i > dia. a
Chamado* por escripto a ipialquThora
E>p--.'i'ilii|ades. PartOs. nndestias de $
k olhos e On appartdho re puv.tiino,
M 'tta Junior & C e Antoui<> M triins LeiteA
C. administia da massa fallida dV Jose Nar-
ciso da Sib a 4 C. convidjun now cuedorfs 3a
ma->a quo apres'-ntem sen- titulos ate o dia d
ds jaoeiri, alim de serem veiiii Hsdaf a admitti-
das ao raleio
Recife, de d>-zembro de 187:
8
0
m
BaiiilHras inijM'riacs
Duasquef.ir.ru emprestmlas- a aiguoin
poroccasiao d iustillacao da SMfMIMis) Au-
xilindora >\i lnstrucc*o Secundwrin, que
se acha*n aban l-iiiada", o dono deltas po lo
procura-las a rua da Elorentina-<. 28.de
manha ate as 0 horas, a tea M da6 4 em
diante, devendo passar reribo a^quem as
entregar.
Roga-se a p ssoas que eslao a dever k ta-
verna da rna D iqne de Caxias rr. 4t A, o favor
de pagar o que deve sob puna d* Saities pUWi
earos nomes por p.'ta folha, -e o nao fizerem no
prazo de 13 d a-, it c.fe^ 11 de de/.einbrd de 1873.
No eng nhO Jacar6 da <-nniap-a de Nazareth
preci-a >e 4o um .'"oitHr para o pampo;-e de um
caixeiro para OTnWtmoj nai t'scolrt-s*'naionari-
dade : qnem esl}>er nas con-liQdes, pole enten-
d"i-.-o com I>>al k Irmao, a rua d> Marquez de
Olinda n. 'iti.'ii no niesiii.i engwilio.
jectos, por precos
commodos:
VAR AND AS feaarezas de ferro fundido-de divert
i- Ixmitos (fi-t.is.
POfiOKS f-am-ezns grandes e pcquenos.
JMTO dito para trabalhar ouni gaz.
B"MR\S franoe/ax de repuxo.
BAN OS com pes de fe.ro, com molla
ella.
PES ile ferro uai mo*a.- .. ^g*-,- ^ ^
JARROS i!3 tutttt para jirJim. gro.l. .
_ "a*.
VIACHINAS para getar agua e fazer gelo ; gefam
agua em 10 niinutur tzem gelo em
~ VENDE-SE
nma casa na villa de-Barrerrns, na rna de Com-
mercio, por prog* nwdico : a tratar com Tasso
Irmaos 4 C.
Ariso.
Na escriptorio de Thomaz de Aquino Foaseca A
C. Succewer>-3 vende se a rrtalho vinhe da Fi-
gueira, das uielhurt's marca-1, ihi'Kados uliima-
mente: tm reads-Vigario n 19. ao.lar *
TIIITUIIWllll JlkPONEZL
Soe unkaapprovada pelas acad,mias de
scieiuias, reooiihecida superior a toda que
tem apparecido ate" hoje. Deposito princi-
pal a rua da Cadeia do Kecife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1 andar, e em
tod as as boticas e casas de cabellei-
rfiiro.
bar 39500, e" pechincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pav3o vende .riocs qurtes.de camnraias
brancas delicadamente bordadot, pelo ba-
rato proeo de 209 e 859.
francez muito lino a 39000, apenas precis*
1, '/'' metro p&ra um lengol.
GHALES BiiAATOS
a 29, 29500, 49.
O Pavao vende-cbales a emitacio da m
rino a 29, ditost (Je jrierin6 lisos de todas at
cores a 29500,.ditos demariaoestampados,
muito finos a 49, ditos Onissimps com lii-
trasdeseda a 6950O, ditos- muito^ fiuos d
crepom a 109 0 129.
AlgodAo enfeslado a 19 e l?SSO
0 Pavao vende^lgodao eufestado com 8
palmos de largura, proprio para len^oea
sendo do mais encorpado que tem vindo .ac
mercado, liso a 19 a vara e tranradoa.....
19280.
ATOALHADO A 19600, 29, 59.
A>Pavj*\af de atoalhadc *?ancado com 8
palmos de largura aijj200 e 19600, ditt
adamascado a'29, dito de Uoho adamasca
do a 39 e 59-
8EDA PARA. VE8TIDOS
a 19600 e 29.
O Pavaor veade -um- bonito sortimento dt
sedas com listrinhas proprias para vesti
dos de meninasede s-'wbora a 19600 0 co
vado, ditas lavradtohjas.a 29, P6 padrdes sic
muito boHttose-vende-se por este preco pars
acabar.
Itotlnas a i OOO
OPavSo tem um complete, sertimento d*
botinas muito bewitenfeitadas para senhorai
e vende ipek* berate p^ego .'a 59, artigo qut
emoutra qunljitfrspa/tecusta t9e 79.
CASSAS FRAJSCEZAS
a 300 rs, ocovado
O Pavao rect-beu um grande sortimento
de cassas francezas com debcados padroes e
cores fixas, que vende pelo barato preco dp
300 rs, o c.uva.l.i, organdy branco e lis-
tailo e de quadrinbns a 640 rs. a vara ti-
nissimo fil6 branco liso ede salpicQS, etarla-
tanas de todas as cores.
BORNOUSA 129.
O I'avan vende um botiitu sortimento dos
mais modernos burnous coinhonitas listras e
vende pelo barato pre^o de 129 cada um,
assnn como uin elegante sortimento dos mais
bonitos ehdles de merin6 e com listras de seda.
LENC0S PRAiTOS
32900.'.
O'PavSo vende lencns braneos ab inha-
uos, tanto, p ra hgirnesiSiWo,,pra.seiApEas,
a 29 e 295<*0 a duzia, ditos de esguiao
cambraia i de'- liho t mbera abinhados i
39500, 49.59,dtonfnaacezesesiuurosi pera
rape a 69,duzia.
VTTKiNCVD.
Vende-seviiiftttpograpbia-bem moniada, com
u^t m.ichina e um prelo, Judo em bom estado e
po preen ra-'ijsco-.: quem a'pretender, dirija-so a
urrado Torres n. 12, sobrado, I" andar
Lindas las escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modernas, a
360 rs o cuvado ; na rua Primeiro de Slarco
antigado Crespo n. 13, .loja das columnas,ua An-
tonio Correia de Vasconoellos.
F
uffio
do pod t de-aeii sentior a escrava Maria, fula, de
40 an-1 >S de Idadfi, pane mais ou men is. altura
regular, cantu la. caMlos ja pintando, andar
apre cias a ru* d>i>Seb'i n. 57, se-a recompen-ad >
N "irncnte se roga a pisoa que no dia 20
do iioveiBbro aroxfuio pasad > a on nm-i
ra ii.< fi u [* i'^w Niva, defr nie do bili>ar da .^aa
u. 67, ifl.is iJi irasda tulo contendo Jnas If'ira*,
le VO i'i, outrt de 27riilo7. um Ii.' i I zO
e mais'sesjffina e tant > mil r&s em dinheiro, e
outro- pap/- de imp irtan aa, emu ja Cui annua
tiado por este Diurio nos has 21, 22 rlt do
moiicioiij-lj uiez it; uovmnbrn, sen lo a 1 Ir. de
40Gj5, > .! pdii >',r. "r Fra-icisjo Ang-iti da
Costa, a fwv do sr Or. ''.Ian I.>> de Aia j > Gui-
miraes, venella no Ja 6 de mareo de 187.', con
os Jaro' d- I 0|), o favor do mmdar eata-gar dUa
carleir.i *-ui niji^bji qa ro, ou a B-ii*nfta<> de Senna Dia-. que f..i ,| em
a perJeu efazV car ci. i tinh iro Bor,gr..t.deaca .. e se Hie agr.i-
deceia, vi-tj como ditas letras papeis d- nala
servem a quuso uheu, e situ a-quem per 'eu, por
se ter feilo scieate aos respectivos devedt^ros.
Alleii^ad.
Precisa-se de 2:000i a p*mi) so refhypotheca
em luatrii esrrav nn.c s e habilidtisVs .' a pes-
soa qn j int.-nd, r. pole deixar o uni neme nesta
typographia Com as iniciaosA S.
Alug'i se o 2 an lar do sobrado ri.'TO i rua
Duque do Caxas, praprio para faiftrtia : a tratar
na loja
Para acabar!
Ricos chapi'iis pera Si?nh)ra o na rua Bnqne
deQamaa a. 60 A, loja da esguina.
Villa dePalrnares
Vende-se pot preeo muito naixo duas casas ter-
reas a rua'Tfora daqnena villa ns. 35 e 37. com
grande terreno ate o no,e-tan alugadas, e dao bous
juros ao capital emnregado : a ir-tar no Recife,
rua do Crespo ii. 7 A. ^^^^^
Libras feterlinns
CAMISAS PARA HQ)JB}I.
.O 'Pa^ao-wnde -rieas caniisas com peitc
de Uoho hard das, ,^r,fprias p f*; owvo
I03e 129 cad-< uma, ilitas de linhoscn se-
rem 'bordv das j 49, 49600 e 59. Hites-eotr.
peito de algodao muito finas 29,39^00 e
39, ditasdechkafinnmiudinh > a 29. 29500,
e39, ssimcomo.graudi). sortimento de ce
LAZINHAS A 320 roulas francezas tanto de liiiho uvmo.dftal
0 PavSo vende bojiitos laziiihas lisas, odS'J de *9600 ate 39, gr nde sortimenU
sen-lo verdeecrdelyrio, pe o barato pn-c,of,,e mei s cru smglwes de 49*e900 i
de 320 reis o covado, assim como dejicadas duz'a -^ in*o. im. ^ ^
Iflzinhas de qumlrinhos a 280 reis, 6 po- rs/KWims iaA LUMJ.
cnlncfia. ------' ~ t 0-ravo-*m imwi grande sortimento dt
Ciranafliues a OlO fazendas pret a^ara luto como'sejam : ess.
0 Pavao vende uin elegante sortimento s s.''as'ou tanfcMSr-feas que vende a 40C
das mais bonitas graaiadiites ou gases de e 500 reis e oovado, bombazines de 19600
seda para vestidos. tendo de todas ascores 8t6 ^ tov*tlo, cantao a 19 e' 19200,
e vende pelo barato prey, de 640 relsoco- 'Sranadin hsa oom listnas, oassas e chita*
vado e granadiue preta com listras de seda to,,s pretascom listras e salpicos, ajpacai
a 19800. tCKlas prelas e lavradas de branco, merinos
outrasmuitas fnzeiMl s apropri das, que s<
LAZLWIAS A 360 0 COVADO. w^o ^>r roenoS/^h)que em outra qu lquei
O Pavao vendo bonitas lAzinbas trenspa- parte.
rentes com pajminbas a 360 reis o covad j MADAfOL0KSiN4-'ESTAD0S
ditas ditas indianas ftm lindos dejanhos,; a 35<0tt0
tanto em listras como em quadre6 a 280 rs. 0 Pdv4o> vaode pei;aad o covailo, e grande sortimento de alpacas e todo com 12 jard sa 39, flitoa 39500, dit<
laziiihas de 40.: a 8iK) neis. coin 20 jardas a 59, S990 e 69000, div
rr.DClc, ,com 24 Jar CHITAS DE CORES mais finos que tem vindo ao mere do.
a 20', 24< 28" e 3*>rs.
0 Pavao vende um grande sortimento do; Algodilozinl-.o a -IrCIOO.
bonitas chitas tanto claras como eacuras c
0 Pavao vende pecas de algodaozinhi
muito tncorpado a 4,?, dito a59 t>69,
Vende-.-e no escripjwio de J.a'iuim Jose iRa-.
mo, a rna do Mom Jesas n 8, a.idar.
unm mmm.
Df forca de d as a seis cavallos : a venda no
armazem de Juaquim Lopes Machado & C, tr-a
vessa do r'.erpa Santo n. 25'.
Wil on Howe & L. vendem no sea armazem
a rua d Cmnmercio n. 14 :
0 verladeiro panoo de algodao azul araencaao.
iExoellente Bo de vela.
Cognac de 1' qualidade
Vinbo de Bordeaux
Carvao de Pedra de todas as qualidade*.
---------
Farinha de mandioca nova
T em para vender Joaquim' Jose Gonjalves Bel-
trio A Filho, a bordodu patacbo Sapho, chegado
de Santa atharina, fnndeado defronte do trapiche
Barao do Livramento ; e para tratar a bordo, on
".. ^LYJPlK^t:?1? .^f "!p,;.'<,a.de' parda no seu escrii.torio a rua do Commercio o. 5.
vende de2mi ate 3i -rs.,assim como ditas
com listras ao lado muito finas a 360e4 rs., iinissimas percales miudinlias com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 reis, garantindo
serem o las de cures fixas.
COBKRTAS A 29, 29500, 39. 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
com ramagemgrauda, p-los baratos precos
de 29, 2950 ', 39 e 49. ditas encarnadas
forradas a 59. ditas defustao branco e de cor'^9, 69, ate* 109, superiores casemwaefraQ
com barr is a 49 e 59. ditas de croche para cez se inglezas, para covado, ia de noivo a 69. ditas muito ricas a 169, 64, paunos pretos edd cres dos mais barj
tos e mais finos que tem vin-io ao mercado
por pre TAPETES
CORTES DECASEMIRA A 59.
0 Pavao vende um grande sortimento di
cortes decasemira para calcas, com booito:
ostos, claros eescuros a 59, ditos de 63
ditas de damasco a emitacao de seda a 109
e 149-
Flint 0 Pavao vende fustdes brances e de cores,
Itotiim I Vita
0 Pavao, tem uonst'iutemeiite um grandt
sendo as mais tonitas coreaquetera vindo ao I sortimento de riwpaa feitasparassomeia, ri
escvira, ultltnimidte-elelada-dn rhatm. wm vicios
e com muito bem comportatwnto. propria para
casa de familia i trata-ae no 3* andar lo sobrado
da rua eetrerta do Ru*ario n. 10, das 4 a* 6 horas
da tar s.
Fugiila
No dia 15 d ivive n iro proximo passade -aigio
da pov.ia.ti le i;.i>a.ninha a e^craa"tlerencia,
de idol- 18 aiei'-. estatura menu-, que regular,
bem p.ireci 1, > mil i le -orpo.pAs e d-ntes/aJr fula,
cottUiua abrir > It -It ? ao meio da--abaca, e os
eonserv.a ji milt.-, i.- u ijui-nnaInra-i nos braoos, a
princijN.ii' dis uinalvcas, con lu/.io et4idas da
c:ioil)la..i ei-*a eliita, chaies e -apatas: nueiB
k-v.i-l. a -oi -".|i|..r, na povoa ao de Got/anna.
nu en C4a le v n It., a rin .1. -eta, cidade
h 6 ijaana, -era Iih r-eiKhpeii-ado.
\! Torre
A! iga-se (iiiio ps-ara festa om sitio com
excellente r.-is. ,|,. h,,l)itacao e b a frenta d--t. : qu,-m a pretender, pode
procurar A rua de Gervasio Pi res n. 24
A'nga-se rn,--tai1e da casa da rna dosOtiairo
Canto- n. 16, na Capunga : a tratar na ssasma. I
Escrava
Vende-se uma atari va de cor preta, perfeita
cozinheira e engmtrntedeira, sem defeitos: a tra-
tarna rua do Moadego m. t, casa de azulejo.
= Vdeiseuma casa ter reade pedra e cal e a
moderaa, com bom terrene e caciipba le igaa de
beber : peratriz1 n."7.
Vende-se
Vende-se
P#s de sapntis. abacates, romeiras, parreiras,
'frncta-plot roseira* de varia* quatidadea e outras
'flores : na Boa-vista, rua do Viseonde de Goyauna
n. loi.mtr'ora'Mondego.
Asunicas verdadeiras
Bichas hambtrrguezas qae vein a este mercado
ua ru; Marqnez tie ulinda o 51
Cauarios da Alletiranha
iiegftfam pelo ultimo vapor-Qa Eurqpa, per-
s jsatota'rtori-s e de cores mnito lladas : acham
sea vend i no arraaiem Fidelidade, a rua do Im-
1Deradr.O. Ii.
MacTiirtas di- cugtura
saguinte^ autores :
uma rasa terrea em Ofrndti; na rtra de S. Pedro
Martyr n. 6. teodo 8 salas, i qijartos grandes. eo
tinha fdra e quintal grande : quem a pretender
dinja se a ruyde S Joao n 37.
VENOl^SE
fro ajTenda-se, ao estado em que se acha, nm i-
fiona/reguezia do Reiaedios. freguezia dos Afo- Wilier .4 Wu..n, de 2 pospontos para trabalhos
f8 Bu.Jl' cn^'l^spria. en fto palmss deomo pe. ao/pnijo de 80 96^, -#9#, 180*, 150*
rraotee'658 de fund.): ospr ML*W.8JU proprietario na rua de S. Fran.-iseo, DiayiaBlfft^Jo.de.ajnaer, com btnjadeira, per-
lobrado n. 10. fei. iad. le *, 90* e *WiB0f.
Ditas do Weed, com lancadeita a *0"*| e i?0|.
Ditas fcffirefrer tt Raher. cose com coMJo pelo
ave^o.'a'fiOi.'ltiOviirys, 1503 o IMK^OOO
Ditis de On"I &rlr.rbeek, de trabalhar com o
a tavema Sfta'a'rua >W Batio ila Triompha n. 65 ^ 4ffi fl ^feC'* lai-* e posp-mtos,
bem afre.uezada: quem pretender airija-se a"*??*0^* fid*ft- i,
mesmaene acdaaa WWi'haem atsir. Ditasnd* ittwapaauier e ifenmposponto, de tra-
" '-----.........rj---i'.i....... -lhar com a wan.
Aos seau>res-pj*ieir mercado, tanto para roupa de crtauQas como
para vestillos p roupas de hometoj e vende
pelo barato preco de 56o ate" 19, ocovado.
BRAMANTES
a 19600, 2;j2'-<>-29500. ,
0 Pav3o vende bramantes de algod&o com
10 palmos de largura para Ieuc6es, pelo ba-
rato preco de 19b' 0, iiito de liuho com a
mesma largura a 29, 29200 e 29500, dito
Cortes de chita a 99, CoOO e
SrWaJO.
0 Pavio vende cortes de chitas ?scurase
Claras com 10 covadnseada corte, pelo ba-
ratismo preco de 29. 29500 e .190;)0.
CORTES OK BRIM A 19400.
0 PavHo vende cortes dj brim pardo para
Calca, a 19400 Ditos de edr, fazenda mui-,
to boa, a t96"0.
Espartilhos a 3#e 4^000.
0 Pavao vende o mais modernos esparti-1
lbos, proprios para senhoras e raeainas.
Silos barati-si'-nos pregos d- 39 e 49000.
itos iniiitu superiores, braneos e do cor, a
59 e 69000.
Ceroufasfr ncezas de Hnho e algodao, para todos os precos e qoalidades, assirr
cbmo grande sortimento de meias cruas, camisas, eolennhos, que tudo se vende iw
precos rnuit r zoaveis.
e-se
vende por preeomiiito em cotrta, como
jam :
Calgas de brim de cores de 295f>0 ate"J1
Ditas ile casemira esrura a 3i5oOO.
Palitots da mesm* fazend a 49500.
Calcas de brim ptrdu de 29 ate 5#.
Dit-i de casemiri de cdr de 14 at^ 12d
Dit-s de casemira preta de 79 to 14iJ.
Palitots de panno pret" de 49 atd 12
Fraques de pann preto fino de 269 at<
359000.
Cahj^s braneas de Hbo de 9 *to"79.
Cottetes de casemira de cor de 39000 titt
59000.
Ditos de dita preta de 49 ate" 79.
Cartes de la a 4rOOO.
0 PavSo vende bonitos corte-. de lasidhai,
padroes miudinhos com Hades cores, teriaV
15 covadoscada corte,,pelo barato prcro ^
49000.
CfalTES TJE OTtGATVTvT A 39000 e 39500.
O Pavio vende c6rte de organdy branco,
com listras e quadrmbos, sendo fazmdasaui-
to fina. pelos bratisrae6 pr*v>s de 3C
39500 0 cdrte.
Vemtu sa Uaiha
flado conforme se poder convencionar com os pre-
. \on 'l*i5'"'r^ aoWiga tendenles. Tarabem sJo garantidas por um anno
JJSS^"^ a r?- hara: raa 3. ese mandaensinar no Bazar Universal
Francisco n. 70, taverna. x 22-Rua do Barao da Victoria-N. n.
Fio da iiliroiljio da Bahia
Tem para vender em sen eccriatorio loaapiaa
Jose Gougalves Beltrao & Tilho, i rna do "Com-
mercio n. 5.
Formas para assmjar.
Oalvanisadas e pintadas, dot preco eommodo
*endem Conha i Manta, a rua doManraez de
Vinda, n. 13.
J. 0, C. fijfc.
tem pan vei* :
'fion 4a Mnrmmj, snperiere verdadetrc
Vh*o lares laa wUhores qoalidades.
Kttera de Anmttara.
Waiaky ^r-**
Todas aa preparacSas *lnflcas^)Dr. Ayar:
1 armaaem da rua do Conuaercio a. 38.
1
MJltiLMI
i
I mam I
*
1

>
%'


'> I
t ,
t
*a
/
4
#.

Diario 4ft ^jja^ifco
M
\\i
(HUGOS AGENTES
Rua do Barfto da Victoria n. 28
\s- majs simples, as majs baratas e as .melhores do mundo!
Na exposicao de Paris, em 1867, foi coucedido a
F.lias Howe Junior, a medalha de ouro e a cpndecora-
cSo da Legiao de Honra, por serem as machinas majs per
feitas do ratmdo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
'Estfldos-Unidos por ser 0 inventor da machina de
tura.
008-
A-medalha. de onro na.exposicao de Londres acreditam
estas machinas.
Cabe-nos 0 dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Sova-
itk, estabtleuieu nesta. cidade a rua do Bario da Victoria n. 28, urn deposito e agenda
aral, para em Periiambuo.e mais provinuasse veaderem as afamadas machinas.de cos-
*'i Ae Bows, Estas macninas sao justamente apreciadas pela perfeicio de seu trahalho,
pregando uraa agultia rnais curta com a mosma qualidade de linha que qualquer outrn,
**la introduecSo dos nw apexfeicoadosapparelhos, estarnos actualmente habilitados a
areeijr *-> axamc.publvtx a* melhores machinas do mundo.
As vant&gens destas machinas sao as seguinles:
ftjawira,0,pvtibUco, sa^Ajjiu* ellassao duradouras, para, isto prova incoatestarel, &
'ifain|ancia de.nH.11ca. terem annarecido no.mercado. machinas, d Howe em segun-
' mio.
Ssganda.C'jitaija,.0 material preciso para repa/ar, qualquer desarranjo,
Tcrceira.Ha nqflas raeno.r. frrcfjo entrc.as diVers^s pecas, emenos rapido esfragfi
ne nS outras.
Qptft*,Formam p porjto como se ttra fejtp imjp.
Cainta.~Permitte qaese eiaraine 0 trabalho.deamhos os fios, 0 que se nao consegu
rsOttr*S.
Sexta*Fwem^nto. mid0'ni casemira,,atravessan4o. 0 fio de,um i outro lado,
!--o eqj seg^-V se/a pdificar-se a tensao, da linha, coiem., fazenda.,.ma
Setim*,0 compressor, dley^ajado com-a raaior facjlidade, qoando se tende mudar,
<> gulha ao comecat nova.costura,
Oitava. Muitas comnanhlas de machiaa^.de costurA*tem,tido opo**;. de.^randexa.e
o-cadanci*- Machioasi oufr'ora.-populares, sap boje quasi,descjj:he,cidA6., outras, soffreram
u.dancas ra-iicaes pa/ajjpdewm eubstituir : entretanta a companhia dasma*h^*s,4e,iHo,iH5
aoptajttfo & opuaj&O'.dci'Eljas HQwo.imesJre em artes mechanicas, tem constantemen^e
e^ineiHado 0 seu.fabriep, e bpje, nio.atten.de. a procura^-posto que faca. 600...machinas,
-* iia.
"ad* macbii)aracamjDanha,livretQs comiUirtruccoos.em .poriugaex.
Fazetwfas Una
NA
Rua \: de lirgo.Jk 7 A.
DE
CordQiro Simoes dh'Q.
E'esta cua, sem duvida, uma das qne ho|..
j pode com priiuacia-apreseuiar afts sen* (tefaet>-
i urn variadissimo sorlimento de fazendas finas pa-
, ra grande Uiilette ; asm como, para o uso ordi-
i nario de lodas as cU>sui, e por pre jos vantaio-
sos para os campradures, de cuja* fazem am pe ,
! queno resumo.
Mandara fazeodaa as casas dos pretendeotes.
: para o que tem o pes-oal necessario e dao aroos
lra~ medjante penlior.
("ifles de"?eda de lindas cures.
Ditos dftgorgurlo de cores.
' Grosde|j|>le de lodas as cures.
i Gorgurio branco e preto.
j Selim Macau preto. e da cores.
Grosden.aples idem idem.
Veta3o prtto.
56 aRua do Marque? de Olinda.--56.a,
(outrora rua da (adein)
LOJA DE HIACBINAS
ur X.TA^^7zr^^:^%t ztz j S te -^rs ash.
-nelbores, mats acreflitadas e yerdadeiras machinas ainrrfcnuaa para also-' Popelinas de liudos padrdes.
f Hn. desde 10 & CO serras, e havendo em todos os tamarthos diversi'a.'les de sv Tu-.se melhorameutos para perfeito e rapido descaroc'arnento ; tornam-se diguas de 8a"SlSra.6
terem vistas e apreciad;is pelos Srs. agncultores; os quaes, alem, disto, encohtrarSo Coichas de seda para noivoe,
ambem mats : Cortes de cambraia branca <
Apuradns vapores locomoveis, de forca
ie 2Vi e 3*/ cavallos com todos perlongas.
precisos para trabalbarem 4 machinas para
lgodao, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados amcricanos para varzea e Indei-.
a.
Cnrros de mao para ruterros.
Tinas do madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Vpparelhos para jardim.
luards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Rita dita ditos de madeiras.
Trens para cozinha.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes pa,ra ar'rastar madeira.
Cylindros americanos para padafias.
Pertencas avulsos para maehinas.
Solitre refinado.
Breu superior.
Moinhos de diversos Mbricsuta para mi
iho-e are:.
'Hetiulhadores para mifho.
Azaite de spermacete para riMcbiqas.
Camas de-frro.
rWnbas de Jpy.
Ditas amorjeanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltalos.
Ditos do dito. estauhado.
liitus dechumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferreiros.
Emfim muitos outros artigos, que s6nvir'.ae n^ste "estabelwmoderao:ntp t i
mados. -.*-,.
tiaminados
E' sempre assim.
com lindos burdadus.
Capellas e maDtos para n ivas.
Riquissimo sortimento de las com ii?tras de seda.
Cambraias de core*
Drias marip ,za>, braocas e de core*.
Nansuck de liudos padiSes.
Ujptista de padroes mui delicados.
Per^alinas de quadros pretos e brancos, de lis-
'Iws, Wc.
Btins de Jinlw de c":<-s, pioprios pata vtslidof
i cpm.^arra e hstras.
Pualao'de liudas cores. ^
; Casaquinhos de la e de lodas a? cores, para se-
rfioras.
Saias Lord adas para sen boras
i Camisas. ideo,jdyem
Ve-tuarios .paramcuinos.
'Ditos para'baptisadbs.
Qiapeos para ditos.
T4lbas ii ^uardauapos adama^cados de linbo dt
, (}!', para, mesa,
l tolchas de ( .
i Gtrtinaaos bordados.
Catriisasbordadas-para homem.
Ueias de cures para tinmen* e raenjoos.
CojBpjglo; s-uHiiiienlu de cliapeos de so) para bo
taens^e senhuras,-com cabo de marGm.
I Merino de cores para vestido.-.
Dito preto.
veis
4gu*. ft)Pidai de-'Guklam;iS^'tarS.,we^d"PMM
para/Wr. osr.caMlos pre- P
tps.
Asey^MW^I.-rfta poflue
acjba ae Tecejwr nova remessa da
Setim de liriSas cores e cum listras
Chales de merSh6 de cores e pietos.
Oiios de casemira.
<}e Caxias n ^0 ^'l09 ^e sc(^a Preta e ^e cores,
a xpreciaVel agua Dilflij** toiwuim.
florida par fazer s eabolbjs proWs. OUtsati- tamisas de_ riahp.
dtv Barax) da Vic tail a
(H
00US P0SPQNT0S
^4ojde,80m!ciB,--LeiteIrmaos:) a'Tua dry Bario da
Victoria n.i 28.
pAHica : own psqueno >toqae,
pp*topUet', i gnmde i sorti>-
' \.'t'-n& dt<
d06re.
Abotiadtwas
-nar> tM-rs.
i".ais'-do lihhft-'de marca, a 200'rs.
Lamparincj & gar, dando uraa ki muito
*oa, a 1|M)00.
Duzia de pecas de cordio imperiaJ, ai
liO rs.
Caisa de bot6c* tie osso para calca, a'
00 rs.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
-tOOrs.
idem idem 60 jardos, a'tiOrs. ,
Hiicx>dfitachJBeza,a 80Ors.
Caira de linha oom 40 novelios, a- 500 n.
Meiw 8oter?i'com'ara*feu, a 900 rs.
GWrtli' dftaUro' Potes com dita ingleza, preta, a 40* e-
rOW.
rT de pnnas Perry, rrrv> b^as, a>
Warn ktera*t*a*iff;
Caixa de enveloppes tarisdw,fftOO^rsi
Idem idem forrader, a700rs.
Cx.v de papl arrrisa , 00 rs.
Idem-Mem idem lisa, a60*rs.
DtKitf^te1 tatter6 cario hranoo, 8., a
RflMM -ie- papel pautado, i *f##0
TrJMlV^H^n'rfeo, 980, 8900? |W0.
Coquet v6 de todos
'Espelhos dmoldur doaid,
OT'Wnafthos e preoos.
BERFIJAUBUS E MHJDEZAS.
Praseecor* oieo Omi verdatkwo, a
180M.
ld#m conrtonico de Kemp, verdadejro, a
too.
Garrafa* agua ftorrda vardadwra lflOO
(Varrafe d'gu japonza, a-19000.
trt^t*i*i inftfTfi |lfy* l!ftAAA_
utrni itf^iii uiTixttty a x^jrVtWrT
Idem idem Magdalena (novidade) a
1&300-.
Caixa de p6s para denies, a 200 rs.
Idem idem do pos ohinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
. Pote com opiata de Rieger, Rimete Grosn
nel, f^'W.'
Dfi2ia de sabonetes de amendoa,
S960O.
Duzia de sabonetes de anjinho transparen-i
tes, a 89200.
Idem idem'com Mores, a 19500.
Quando r.arece terse esgotad.o o reperto "2-a da
modas, pela immensidade de artipos de n dadc
qoe. tem apparecidn, eis qoe os.velbos c i anaa-
veis correspi.udeules. .da Nova Esj'eranca, a riui
Du.qne de. Caxias n. 63. descobrem ooljpa'ap
mundo elegante, aonde se conservam escog'it'apdoj
minuciosamerjte as novas inveirSes ; reinetleni
para a .Nova Esperani
aos seus fregueze,* e
Sue nao creiam cm tal .
0 qae acaba oe expor, vejarh o (]ue abalxofp,!"9-'OiM"*' 'Twiifeem vW'^e descreve : ; ^eaflontdixpar*. oi.moaaio. .'>. e Ua aueditadoo >l.cna3 de dito.
MAXUaES para missa* oom eapa de:rcadioperoia' o^W AWfl*i Tartatana de todas.as cOres.
om tarjacuga,.tendo.no- cenvnH^.cuM' ^Hfi .., ^ .1.-;,...,.,. A^ ^-^___I Espartilhos lisos i
um pequcnu relpgio perfeitQ regula-
dor.
Vottas e ibi)itic(M)i de -grosses FquM' *>,&*.
CARTE'.RAS, "po-t charutos, port eigarros'o perte, aljOfareS GC C$T$S jRi^scortes de vestidos de Urdu para senhora,
moneys n.i mesmo gosio. -A.ag.uia Vranja, a rua do Dnmie dj .Caxias n. I de"* en*s r("**> com os competentes enfei-
C.VHTEiRAS para notas com capa de mMttauma-. '; -recelbeu nVas e bonrtos violtas e: brincos de,U te3'u'^Bia n,oda v, ... ,,
dreperola e tartaruga, com o distk-o -^' resoe t-ljrtfaree de. wwt^. e eoma ampe. cooti-,! Usemiras (jcias e de cores, cnitas, madapolSes
LenWranca.- inria, a Yeaieiir.pacpxwiO com*ud. cambrai.as, panno fino preio e azul, Mjlarinhos,
BOL-AS Pa^^j ^or^e^iado.a;'^^ 45ndem doitrftd*, tWCTSb^Th ^ISefiS, tkS
qnalifcta e- mod^los 4e.0oW,^ CQWni|ifcMU
I'OP.T BOrQI'KTS dc lindos gostos.e t?manhos } A agnia branoa,a rua.du itouue de Qtxws a
especialidades para as noiws. ; 50, recehftil, Qqw,.torfyn'MfrW-, (boBJlos, dia CAI>XINHASoin musteas e sem etas,: ptopriasi ma^.,dV>uirji^!..e com pearas, taoty para,jjiem'na".
p:ira proseates. Wno para sentioras.
i& owtros deiinuiranoyidMis^... .. ( '** fl(ftfffa:q, jrlfi.. irnr i-rf'nr rm
E com os memiws. ; '*** ^.in..T...rm~-X4D
A Ncm BsFwmci. a maDuq^da Cax..*.J HOrmaS^Mar'OBeWWei^W.
63, recebenoshbanecoside bc^Tsebfl.dei-fcManal*; A.agma branca, a rea Jmque de Capias n. 50,
inieiramanla novos : os maninpirouilo aprei^apijTeccfcerfBovas1^!*^**^^! uo^nas vawascjjan-,
este brinquedo. r-as-afweodMram.a-osbrovMC'poi-. .ijiio>mo,-hvje,Uo
Qualquer senhora de bom
i iffoiHiHitt da feia
0 que Mum $ r alii.
dade von dizer rof, '' J^M
Sem embargo do- mao tempo;
Nao I graca, vou contar-vos
0 que dizem... por exer, plo:
tie a BARR1GA e a mai da hiimauidade e qoe
como filha cbediente deve tra(^^^^nquiu-
i desvelo d* ma dileetissm a o
tie para ista e gidispensavel qij
habit.mtes de-ta bella cida
io parte integrante da hnmri
uitu util e conhecido arsi.-i;
ua do Imperador i
isos paios, os saborosos Jafanies,
"omlws deporeo; as delieada*
salcbicbas, cs digestives peixes en'
sima .oanteiga fngleta e franeeta, os deleitosos
bi.-coitos, as exciiantes conservas. as fftliciosaa
ameixas, passa*?, amendoas e nozes, as atrecia-
veis fructas -m calda, os flexiveis doces, o mag-
nilico qneijo flaniengo e prato, o embriapante cna
per la, aljofra e prrto, os sub.>Taficiaes chocolate e
cacao em po, os refrigerantgs Uepres, a-: c;.lman-
les cervejas, us ct.rrobjrantes bHlers, os in-piran-
tes vinhos do Porto, Madeira, Bordeaux, Fignei-
ra, Lisbja, Chorr>' /ollares o outras muitas qua-
lidades, a cerruscaye champagne, efdra e om sem
numero de raros I arrebatadores acipipes, qoe
da firca, vida e pft?er, afim de reebearca aia-
riamente o receptft>i!o de suas idolalradi.-simas
Rarngas ; T~^
Que, auem quizer faier um delicado lunch, fn-
mar um prireoroso charuto da Bahia e bebe(Mni
ropo d'agiia fria (gratis a agua) dove vir ao arma-
z-rm do Campos, nnico que tem demonstrado alii
a evidencia a influc-ncia da rainha do mundo a
- barriga
Mesino porque
Ora esta e boa.
Quern quizer ser ditoso. ser feliz
Deve ao <}ampos s mente !r comprando,
Kvit;indo assim de ir roal passando,
L)' iei'ando a barriga e o narir.
Alem do que dizem muitas couias ; por
exemplo que o Campos e so quem vernle bum e
barato, que so & o unico que da amoslras de gene-
r. s ; qoe so el!e,V quem capncha em d r boro
peso, que e elle so quem nianda le ar gratis
cm ca-a do comprador os gencros compraaoa(a
dibbeiru) em seu armazem. qcer dee.tru da cida*
de, quer nos seus adjaeentes ; que uni.anienle
s6 e no armazem doCamp-s,a rtedo liiij'.rador
n 28, onde se enci nira urn rompkto e ecplendi-
do sortimento, verdadeiro Centro de peregri-
nas e ex'que-ilas victualhas, onde todos (niacons
jesoitas) devem vir satistazcr esta 'bra de mise-
ricordia (ja se sabe, trazondi> dioiioiro) dar de
comer a barriga attendendo a que :
I i dia a qiiestiio ja nao existe,.
Que o Campos fez cessar toda esta triga,
I)e. Tratem todos primeiro da ban]g,-..
Finalmeute que, as iuteressa tcs menicis di
zm que, s6 gustam de doces do armazem do
Campos ; as sedticto'ras'a espirituosas iiu.c.is que,
so tom^m um calice de bitter eslomacal se for
do armazem do Campus ; as respeito^a* rr,atr^.nas,
que, so se recordam do pasfado qnr.ndo sabi,re;ara
alguns acipipes do armazem do Campos; o? ele-
gantes e amavafs rapazes que, so fuaatn cliaru-
t-.s do Campos ; os velnos que, so senti-m excita-
cao quaudo comem certas iguarias do Campos
e :.ie os forasteiro* so procuram o Campos, so
querem o Campos e so gostam do Campos, aponto
Vfjain
Do Camnps a fama como vOa
Nos baiies, theatros e cafe's-;
Maxambombas, bonds ejaroins,
Retroand do rnnndo nos coi.Qc^,
Dei-a a todos- uma nova, feiiz, boa
E vai passando dis anno^atuvez I
Tm.s'sesntoas
gosio, parwe- qoe^(]to6(a^llM:llliaSjpafaiXieili-
nao DWa-eompletaae jua, tlleue, !em,,danumo
pajieio aJova Esperanca a rua do Duje.pfiCa,-||
xias n. 63, porque e a loja, de miadezas qne oiais^ ,
complete efe em scrtimenu, e qne mais'novid Ali* d.a8,a brancf.> a ,ruai&WS'i^U^af:
iMipr^enu ao-paUito emuSE, UJA^ebeu^ioyp sort.mcntq da^WsSo pro'-
-. ^ P i|curada^fneias-.cnwBparseBbeMj-vi*o lgiial-
Cj COm aS nOriStaS. imqataipaiaay o coDtiwii.a vendarla* per.
A Nova Esperaosa, ---------- -,..&** '<*****
n. 63, receben pelo
timento de papeisl para uores r a nes.
Para crianca. |mf^^*iMoi4osi^ouiittaotiiiufct
a Nnra p,nM La,L,^/^.;; prftUfl Hfi ;sfida ram floras, 6 flBtW aJajtacao dei
Esperanca, aim do Doqwde-Ca)tras eroch(i> e marm prlos- hwato* p
an^, a. rua,do,i)uqn8.de.Ciasi!*^?f<1>'*'*,^*" i* u i '\
pelo ultimo vapor, hjnjntelro "sor-JI Vw^ 'Bl^IltlOftaiSypPeuaS* i
isl para"flares 1 a*fc*. Atfrili-aguki branca;*ra*^,(rqa'^e^ti-
s&ttttssss. fasr^si SSsSsStf'f*
nitos.
Ms mesckdas*
Um L.>iiito sortimento de las roeseiadas em ci-
res,tecehau aNuva^esparanca,. a rua-Duoue tjei
Caxias 63.
Buirofi a vend*.
Jtj Deir> *vwa, a feus fnnguote* fnOc'.esi*.i-eBi
fjagum para it pravinv'jas de,.Aiagoa* QrSwuifO--
biico, coudujzindx). exeelleate tropa de burros
passara.por Penedo, Pilar, Castanna-Oraode: Por-
W Calto. Barreirost Ric Fotmoao,' Eseada, provvelroete pori Same Amaro- d, Aakoataora.
Sabonetes Glycerino tran5prentes,
^acom^bonetes.fOr^^d.^W,, &Tm',Sn1lTtl^S^
a 19000 e 19500. Laranpefras, 20 de ontubr^S* 1873.
CosmetiCos, graudes e pequenos, a 100 ei
800 rs
"Frasco cofnag^iade colagne, a 200, 820,
500 rs. e i&VQO.
Extractos muito finos dos m*4borei au-
tores.
Lindas e elegantes caiiinhas oetttperfuma-
Dozia4e vpeoas d trar^as 4e caracoli rws, proprias para presentes, dos' autores
oranei #***. iE. Codraj, Rieitr, Gelid freres.'etc.
Idem idemlisas,A 2^0 rs. Quadros eomsantose.estarnpas separa-
Leques doosSOo sandilo, a 39000, 4* Am.
69000. Eotromeies e babados trimsparentes. e ta-
Fita de velhido de todas as cores e l'argu- pados.
-as. Uraa-graudo taboleU pifpri* para qttal-
Microscopios com 12 Vbtas,^'flWO0- %-Ag|a.
Frasco com oleo pamimachina a 40 0 re.
Rua k 1km & Victoria n. 28. \
branco ed#ores (i mwujo c a pnrrn
mwiinosv paietots e.eJleti|s,p/a bowenij,.
atpaaa ode-casemira,.para awenzi^f"
njjsas bordadas e lisas.para senbora, J
nino e menfna : no Biftar' VJetorli/l' rijra''$
rao da Victoria n. S.

0s Terdaddm-
t^M li. Pdf Sea
ir vmdo..ao oierAi
, Jc;a Si floerra.
preoi. e"*W rs. o e
(iteguetu fr^'news qttewe- atakvt
#4'nM:gaelO' floe
naraa do QoAn>4o;
s, pelo dltnian-
Tfailioff.de Boorgc^tie
(bsvarxas
tmmmA
Rrila
Beanne
Montholie
Dito Bordeaux em quartollas,
Vcadc^se por barato pre^o
PARA LIQ(JID.vgAO DE GONTAS
Eliui Prinaeiro le Mar^ n. 14 "*
GusciSo & Ceat recebmm os melhores e mait Bu M.arg^m d Bwario 94.
Voode-se supafior tuinks, ,de arjuajtt, taoio em
^orcoas comd a reiailij, jwf: pre(# que ataitft,
vfsto suarjVidade-; 'iWportos bob wg^aiaiMhr-
4*ts mi I^KMaAo k'-H, na do ahmh4w
08, e traves*a da rua das Crazes n 4, a 80fltiMw
libra aaetalliu._____________________________
Para aksta.
\
Roupa cstrangnra.
Amaral'Nabnco'4 C. vetriem cosinBves^etrtini

promos do1 9p
rr^mPfirJeitOi
Uf^on^fcexlrac-I
PeBfciU,mvtdade.
Roa doBrum n. 76
OMHiBOSt wn btbollasw beaot-ros-e gala- JVeadf se zipco, puro de superior q/>a>ida4
nhntns doiirados e rnlAi. iPfoptip para coberue de casas, medmdo f 1 pa
. .....uJl^lr^LT.% i,T'r&-n. H-i ^^i>rid e 4 de Jargo, por proo moi
Akj^daeafaiaf.te*c^,arrtque d
.Cwias,^, 50, .r'eeab.ai novas g^^poscm por
bojetas, ptiouros e .gafaqhotos, o qne do, certo ei
perfet^ wwd-^de. A-iqrit( per bso- ok bMuaiseiacft bare.
Tv^a^^geiH|5Tt^oraadacoiBj
pelucia ou,arBiii)brO
A loja d'aguia. branca arvaqi0a<|e4U)e Gaxiasj
60, recebeu unj|t|WMf|i* QMwi*4# ^Q-boniH
oBitauianiKis,. bolsa* de viagem, etc etc.
Na^j^.dp I'rtSjo, rua, Primeiro de Marco c.
A, 9tg 4l. Crespb., __________________
liaralissimo
ninuto
ri>V\7.innas com listras estaropadas pelo dijiii
' efo ae-4AO r.t. ocvado. T
I fiwas.com listras assetlaadat a 10OOQ o c*-
mftn
Grw4i.nas,prejas pom. lisiras,de c6r.es .SQ0,rs.
o CQvaaq.,
IfcHns-trancados proprios para vestido, a 320-rs.
aeoxadft,..
AJpaM,dt quadros, pmprias para vejiiUos, a
WO.rs. o co.vadu.
Brim branc,o, lona^para caljas a i^500a vaya.
Difb Iraacado a t^eooa vara.
Bilo-de turn, liuho puro, a 1*400 a vara.
Petliincha
, Cnapjps.desol de seda,,cabo do caana, a 840OO
cada unl isto tudo so no ri. 20 da rua do Ctesdo,. vindo ao mercado
loja das. 3 portas. de Gailherme & C
----------11 i f
V ruado I'nlifiKu n. 1 A.
r > Os proprietarios da f'redilecta, n iutuito de
""couscrvar o bom nn eiui lyams toai.iniMiij,> a..
respeitavel pubtico. ili-linpuiqdo o seij. esta <&:
C1ME
IK
Crbeou o verdadeiro de Portland ; barrtcas
4gotulaa.de 400 kilo* : no armazem de Tasio lr
jWoujh ft* oaes.doi^Apollo-
mento dos mais que. n veem f ienrffleur aos sen? bons tregoo/es -j- e-
veniram aos seus correspondentc; nas diversaspar-
cas d'Europa.para IIiea(eRiarcm,porrtodos ospa^
quotes os objectos de laxo.o-bom gosio, quo, se-
jam mais bero aceitos peias.sociedades '-ieganles
daquelles paiies, vjsto,aprpjiiinar e o tempo de
fe.ta, em que o bellp sexo ticsta Imaa veolexa
mais ostonia,a,.riqueza de suas.-A>m<-ttes ; e co-
mo ja recebossem.j)ej, paquete Tra'ncez diverto,
artigos da ultirna moda, veetn patentear algous.
d'entre elles qo4,sfi ^oammaisrepommendaveis,
esperando do respeitavel' pubfico a coslumada
concurrencia^
Aderecos de taptaruga, os mais lindos que teem
mnito
lemtonu.
I I
I
Taofa veoder Joaqu|m.Jcs&GonfMve8-Be-
ao Filho : a tratar uo seu, e.scriplorio a ,rmt
do Commercio n. a.__________________________'
Nao se enganem
neitadas com armmho, ofclfjti estis df mrnM'fosJqj
emteirawente novas.. # yinhDs-em barril e engarrafados, de marcaacon
Albuns comr,rlca^ capas.de madreperola e da
velludo, sendo diversos tamanlios" e baratcs pro-
cos
Aderecos comjdetos,de borcacba.pr prio? para
It to, tambcm se vendem mei*6s aaefefos muito bo-
nitos.
Uot5es de s^tirn preto e de cores para ornato de
vestidos de sptliqra.; ^arabem.tem para collete e
palitot.
Bolsas para senhoras, existe um bello ?- rtimen-
to da sa,1a daipaJh^, de hagripi^. etc ei*, por
bar|yi preco.
Booecas de todos os tamanbos, tanlo do louca
como de-cera. de borracha e de massa ; ebama-
mos a a^jio das^xj^asi.Sraft para cs' artipo,
pois as v&ss wrnam-sQas erft^jj'na) p..ne0 im-
pertinentes por falta de um ooieeio qne as en-
tftcpiU|Ot
camtsas"'de linho lisas e com neitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroula* ie Jinb.o(e de ajgodic, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com mwica, o.-QUti bade mais lindo.
com disticos nis Unipas e pVdprioi
tes.
dord8
.
n
i.j.
uUH
tAr.
A loja jda aguia brawcv *'-rnsia"Ba|oa -
UaM< B.' O^roeaba-nowft' *onao8 -gram-.
pos.lMigeoa o-iwatasrdowradoa ; aswo, c#q
oaro dvd*at ^4asp, ,ft,fl9t$wm.-CWM
nua a vende-los por^r^cos^
GakiiibiagrCOiii

Em .sew*rnaweis A^tta4aAflwit
uu 87 saoMiaA^lQ,J^ *S?
.tem para veader.por precps coraiwdoj
Tijoios encarnadoa-aaxtayos para.iadrijbo.
Canos de barro para esgoto.
Ciinanto Portland.
Ciaento H?4raulitt.
Marikinaa det4wawgar.aiodao.
Maobinaa de padaria-
Pqtassa da Ruteif em barril.
Phosphoros d ewa.'
Sagu em gawitfia*
aeraiinba. m gorp(oos.
Lentiihas em garrafoes
Rhum 4a aJpiaJca.
Vinho do Parto vemu eagamUaio-
Vinbo do Parta iBperior, dita. '
Vinho da Madeira.
mes com liaguas e dobradas mftesaa.
Lipnres finaoMMidoa.
*>amr^Malhwr ftwm
Jjta de Mocffbo, julaa.
Rarr\s com rept.tno wo saMonra
' "W........ i-5*' ii 'i j um ii ij
Vcnde-se
- n
moderaos que tn em cbapeoa psra
estao veodendo muito baratoa, para aabr.
Botica.
aereOMadag e garanttOas, iBOHistvat.ifBfll-} ft *'. *
BKiai,paoat BuniMft oa peMMer.doaaM.,:; WfWaS', .
Outf,ft, Irmavs :4,C., rua da <*dre*#|!. ]?T"*i-"i
projit
ou^ eo*m.
A Jojarda AgnfarBranca^*.iwr 1
iksm-StPjirtBifa n-iw-aurtannnii
pellica, pretas e de outras corea-
Agwif" ^*r*4feiww> fdWhPjH
Am Salp[*4s.
BICARBONATADA^-SODIC^r .^ndeiSt u p-1.. ..: se por i SfiJMM um|
mt^%'6. t*e VW ,,ini g-l>iie', sala de u-
Gato exee^Dte >ffu# n^iidjauaiaate#eoi OX> .gommar, cnli-t W-a. qu-nos j.^ra f.-mi^a,
Pd^ liitiLTto.-ff^tellMBWk: mpm* ^|.t,Mimha;o A bel-er eumsino
Analyse*
Gfavatipiia azul de 1834.
Coiheita.de amio do.1851.
Vatho.particular deJ8M.
, Lagrinias, do Douro.
Puque,de <81S.
Duque do Porto.
RmrtWi
Rotasiaaova da. Russia era mei.s bairif.
Iintii. M c km
Amaral v'abuco A C. vendem tintas ocinMna
Lotioa ItfflUlg fWatipju- d .pr'taa fi#p*>*>B,
^waheco- de niais util e ctimiiiud', nan
o^o to- eniprega-ln, como no r|snftado qne
". Cba vepde e preto ehegado aHimaim-af
te, siioaMi. iaglat-a. (mcfj, para rigarros e i-r
tf*i neadem- qo Basar Vietoria, ru^dv B*>
ft
iicqii^ifao
rids para presen-
los.
Coques 09 mais modernos e dc diversos forma-
Chniieo?pra senhora. Racelwraoi iuo sortimento
da, uJ^ma, moda, .tan|fl pjjra s^p^iw.ra, como para
lindos
e com y<5o para noivas.
< :*lcas bormdak -para menina?-.
Entremeios estampados e M^dadps, do
J d^fttpbfis,.
T&c. v^ eje/j^icas para denies, tern a proprie-
daae de ev tar's car'ie dos dentA.
"'FVan/a* t e soda pWtai e do pures, exi gjandawniaiienJo.'do.divejjaSilarguras e bara^b
FiUa de sarja, de gorgurio, de sctito e de cba-
Flores artiliciaes. A Predilecta prima cm con-
seivo* awpre um bell* jMnde sorgmento des-
toe e de diverftiV *: '
Gravatas de seda para aoaiem e ^r)s.
;. Vv*rifti^^a,%de,^j)do cores
para senl. ora,-
Ligas de seda de cores e brancas boic^das para
Livr-.s para onvir missa, com capas de madre-
peroia, tuarfiig, p>-o a wU?d.: tudo que ha de
Peotes de tirrtaruga e marfn; para alisar os ca-
hel os ; item lambem para tirar cas|>as.
Port bouanex. (faubalip (oiftHnecto de madre-
ta. margin
aS,!iranco3,pre-
WmW+#i4c.
Vende-se
li i t >kco :-a tra^r
jnesta^fi -phu.
i Vead* a m-lade d snhrado dd rtmi- an.
: dares e sot7* > n r^a t\>wfnf oou'-fa
maaem n. So A
um lmpiirlai!:.-
readitiKinto \< I
por mnit-t emmodo pr^co excaleatos .tejxenof
no* seguinies Jngares : na Torre, > ma'gPm do ri
Capibarihe e o^rto da esia.-jo *> r,>n*ihni:a. ro ; oa a-trada d"N>MtM>, a mwaaoi'do ^rio e-a|Ua a M0m.ovadaj
pertftda ertap*" *:.* *,frra aanr
nova de Beijenbe, taadvai perto.da.as|adu) : a' A JIDr;.o covado. vallo : par3
tratar comjalo JF.eilosa, pa ma estreftiIpltdsario, Soaarna Duquc dp'-Cexias n. 0 A, loja da A rua do In-;
r va t-j
r.-di" bfiir
1.. e e,
a c-'tnpra i-oi -c r
i*i Kbeeid'i de grti'te
I i-ntes ci^Luioitos.
numero S3,
j
jSSaeabriolot
A Sifl r;. o covado. vallo r
-S-
en
lesaoiaa.
garioifbi-nj*
ist n a.-t
mo en
i f r
in.. J.
pcroia. martjm, (#&, e.dourados ptr barato preco.
Pe fiimanas. Nes^f artigo e*ta a Predilerta bera
nfovida, nao so eui extractos,1 com<-'em oleos e
banhas 1. s melhores odores, dos mais : fa ma dos
fabricates. I.oubio, Rj Cui/Uiajr, iV*nel.e Rimel i.sap iodispeusaveis para
a ffsi.i.
Saias bordadas para senhora, por commodo
prv'i.o.
Sipatinhos de li e de setim bordados.pa. i ap-
itado-.
| Tapetfs. Recebeu Predil.-.-' )nito rli-
. -i fn1' -Ie 'iveii.is Umanho-, l* n par-ofa C0-
'mo para ier.i.1^ de salas.
\Vt'lii-i' io |un, baptisad i n ;ue b n hor
i)SKi > .i- lernos, r- boil a Pr< li1 ta
ode i> f lX> |rr.fO, pa'- t-'ir v I
Iiia1i|iie
V
n Cabi

1
J
I mam I


de Pernambuco Tertja ieira 30 de Dezenibro de 1873.

jfflMnn&
O genio da Meculo
A SAMUEL UCHOA.
Oaecu! > e j;rao borbuUm lavas dos valcftes de Dens I
tiiIo e (rrandodiz o mar e os ventos
E o gran 4e areia, qae so move nos ceos I
G-UC
0 secul-- grande eflo lem o bello
\ 8ocuk- quo passados nao I
amid o pensainent" zomba
e morrendu vao I
elle veni "de longe -
eastigand > o mar *
TiNio da Grecia
elio saw querer parar
0 >eci^A prrariiie
Ue tern na fronte
selln d'lfm fatal mystsrio -
Elle vv um vulto collossal chorando
Sobre *- ruiuas de um fatal imperio I
-
0 secul i 6 gran 1c. -elle vio os Grachos,
Feros tvaanos, como foi Tiberio f
Ouvio a maguas, qne chwava o Tibre
Tint'; d sangue do immcoso iraperio I
0 secul' grande- elle vio miserias
Duros f fii'ios quo o* tyrannos dao !
Prisoes, oaueir*-, tribanaes de loucos,
Matand' em furias cum a cruz na inao !
U secul e rrandea natureza curva-se
A voz r imiuatria, quo so quer luisr -
0 secul < grande diz o mar e o vento
0 secul 0. prandediz a terra e o mar I
0 seculo <> grande elle escreve a hisloria
Oas gran If; Wlos nil-* parados sao 1
F, tern na fronts labareita iinmensa
Bos grandes genios, que DO* ceos estao I
0 seculo e (rrande-elle vki batalhas
I.utas g;:- lilies, eollo-saes, iinmensa*
Tumbav. n thmims, outros iiinums vinham
Brilhav luzes, que tiazi&m cieneas !
0 secul" e grande- i,Be lab"r immonso
Jud^a O-' Icnda que nao quer parar
Camiah mopTO n'um segrf.lo f'inito
Oair.inh sempre sem jauiaia cauiar I
0 seen 5 irrandea impivnsi luta
Os pn- srrit.irir n'um fatal ealor I
0 seci (''jranle como <>s livroa voam I
Temei .:-nnui<~i1essc' seu tabor I
0 BBC grande as MtSas vencem
Os tb trcmem-a tyranuia iiwrre
0 se> giande -cinii" as uwraa fogem f
O sei grande como o mundo corre I
0 sei o granie nao ha mais distancias-
0 m; s vent'* dominados sa.'
Lasc: mnnie.*-'s vapor** voam
* c< .--ntes conwrsaiiilo eatiu I
O sect grande 3 1 aha agora
Porte e niitt por uai Ha so
So ten u ii lorono u\< -tuta Roma
0 Adige liilga melodia a F6.
0 seculo e grande elle atira fl-ires
Na sepul'nra, finie um n*nn d'rme
Colombo salta do seu tui:ru u e onve
A voz do seculo deste Arrteu eooi me.
') seculo e grande o direttn fnlge -
Vence a iuMica. as cadafals s tombam
0 seccl" grande -como a Faz sciulil'a
60s preconceitos como os povos z.imbam I
0 secul" e grande -Lamartiue acorda
tiaios di odio dos sens olhot loc.a :
Loueos. w^potas, commu:inas n--gros,
Parai, ^rai, nao amaes a Fran.a !
Q seculo e grandese levantam povos
Vingando insultos que Ihe atira um rei
foge 0 tvranno que desterra o genio
VnlcSo 1e gloria que Moron Jersey r
0 seculo e grande-a industria e tudo-
Abrem-se niontes que riquezas dao
Surgem cidades dos desprU>s andos!
Fata-1 memorias que ent<-rradas sao.
,r--r^yfanaV^as manes Mas
;>o f" 'fin todas neste spciiIo immeoso-
Gali! u 1 evive, Condillao folya
Despf "am todisdo lethargo mtenso 1 .
(i spm'o e grande0 Evangplho vence
Borbjtam raios do sope da cruz -
0 secul0 e grande -este Anteti se ergue
Dizendi aos povos: adorai a luz 1
0 secnlo e grande o Andrade excelso
F. mais que genio, erftassal Titao
0 coutinente se ajoelha M tnmnjo
Do vutto homcrico, do fatal vulcao 1
0 seculo e grande-o Briareu gaiicho
Liberta povos1 com um aceuo so-
E' onda immensa r\i> gritar d.is prrtios
Pisa 0 tyranno, que se affocaem po !
0 seculo e grandea communa morre
Ao som dos gritos que 0 direito da -
L7C&ECIA SQ&QU
MEMORIAS DE SATftNAZ
POR
Thiers gigante, persorutao^o os astros
Espera os looros qae nao de vir de la.
0 seculo e grande Garibaldi agora
"--in de louros, como unj rei impera
ita hymnos, oracdes dos povos 1
io da Italia0 Pantheon to etpera I
0 seculo e grandeos arados lascam
Duros rochedos que riquezas dao !
De um pdlo a outro os pens3roentos voam -
s continentes conversando estao !
culo e grande -como as artes brilham I
.0 morre 0 genio porque Deus nao morre -
seculo e grarnle -a liberdada e santa
0 seculo e grandecomo 0 mundo corre I
0 seculo ii grande-que labor immenso
Judeu da lenda, que nao quer parar
Caminha sempre n'um segredo fundo
Caminha sempre sem jamais cancar!
Oliveira Sobrinho.
Japuahbe-merim.
JDRISPRUDEHC1A.
Rnlatorlo
. RESPF.ITO DO NbGOCIO DO MARECUAL BAZAINE
KX-COMMANDA.NTK EM CHEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
TERCEIRA PARTE.
CAPITL'LAglO ( UE 7 A 29 DE OUTUBRO } .
CaI'ITLI.O I.
COKSEI.HO DE 1 0 DE OUTUBRO.
(Continuapdo)
0 dev r de, um general em cliefe, dizia'
die na sua carta de 7 de outubro, c nao,
deixar- ignorar cnusa alguma, em seme-'
llianti condifdes, aos commandantes de cor-',
pos as suas urd'ns. iSao fez nada d'isto'
poten, e o c.insflho permanoceu na igno-j
raiicia cmnphta da situa<;uo, ignorancia
que a dwlararan do marecbal nao lbes per-
nitlia mesm" suspnitar.
Na ruuniao d.- -26 de agosto, ja se vio 0
rnarecbai, uucuttaodo aos seus luga^os-tenen-
tes todas s circuinstancias que podessenn
ins|Hrar*ine a rvsolucSo de recomegarem a
campanha.
EncQiitram il-o n'estas ruesmas disposigoes
perante 0 con-lho de guerra de 10 de outu-
bro. 0 proivsso verbal da sessao vai escla-
recPT-vus a esl respeito. -Reproduzimol-o
portanto na sua Integra.
SESSAO DO CONSELHO DE 10 DE OUTUBRO.
K'ii 10 hnras da tarle. 11 marechal eoaimandante
mn chi'fe do Ktieno, reunio os marecbaes e
"S generaes -ie divisio commandantes dos
corpos ilo exenntu, o general commandante
de artilbana, o general commandante su-
perior de Mftz. e o intendente em chefe do
exKrcito.
a (Juarenta h oito horas antes, tinba 0
marecbal ilirignin a todos aquelles officiaes
gnierao- uma c.-rta circular, na qual lbes
eipunha a situagao, e lbes fazia saber que
os nossos recur-on em pao nao excediam a
oito dias ; qu'- por falta absoluta de alimen-
tin;uo os cavallos de cavallari* e de trem iam
desapparei'er
c< (',mviJ os a obter as. opinides dos
generaes de ao sob as suas ordens, e a
fazer-lhe conhecer por escripto a sua opiniio
pessoal e in >tiv.ida. Depois de ter recor-
dado os principal's trar.os da situagao, 0 ma-
rechal Bazaine accrescentou que, aposar de
todas as Vmtativas feitas para entrar em
communicayao com a capital, nunca lhe
tinba cbogado noticia alguma official do
governo ; que lue n3o tmha sido iadicado
nenhum in liuio a respeito de um exercito
l&jil ,", que I'perasseno sentido a fazer uma
illveriao uill ao exercim 00 ivheno.
a Q general Coflinicres, commandante
suporior do exercito, foram enlao successivamente
conv'ulados a exporem o balango -deQnitivo
dos nossos riT.0rs.1s alimenticios de toda a
especio. Resulta que, fazendo todos os es-
foroos imaginaveis, juntando os recursos da
ci lade com os da praga e do eiercito, redu-
zindo a racAo diaria de pao a 300 grammas,
lap..In cacao aos babitantes, consuminde as
reservas dos fortes, e reduziudo ao mais in-
ferior 0 joeiramento das farinhas, sem se
expfir a saude da gente, era possivel viver
ate 20 de outubro inclusive, comprehenden-
do os dous dias de biscouto quo existiam nos
bornaes dos soldados.
a A ragao de came de cavallo devia ser
D. Manoel Fernandeiy Gonzalez
SEGLNDA PARTE
SAVOXAROLA.
V
A ALLIANgA DE DOUS LOBOS.
(Continuagao do n. 298)
Sim, senhor, 0 quarto d'ella flea ex-
actamente por baixo d'este ; se a conhece,
e quer foliar com ella, pode faze-lo de ja-
i.elia para janella.
E essa dama est4 s6 n'esse aposento ?
Sim. senbor ; e um gabinete muito
r^queno em que so cabe um leito, uma
Mesa eseis cadeiras, mastudo isto, porem.
muito rico, porque 0 Sr. Affonso Crespi
iiaga Y'ta.
juantos criados tem 0 Sr. Affonso
Crespi f
__1; n s6, o Sr. Benedetto. Com as taos
-enhoras vieram duas ayas e um homem
qua naoparece criado, alto, raorani, sober-
ii-.que pela voz parece estrangeiro e que
.01 tiao genio.
Cristobal de Villoslada, disse
(. jtasiy, mesmo Pedro do Napoles.
F accrescentou dirigindo-se ao criado da
li^cpedaria :
__Tens muio de fazer tbegar uma enrta
,-is n-.* >s da mais joven d'essas duas senho-
__Qnando ellas querem receber as car-
,, .3 sempre meiode lh'as entregar.
Aquella recebo-la ba com certeza se
"tregares.
Pois en'tao venha ella.
Espera, vou escreve-la ; di-me papel
9 til
0 criado sabio, e Pedro de Sapoles e Do-
mir'':" Iicararas6s.
Ab agora 0 caso e com Angiolina ?
disse. fioniiaico.
- Se nfio amasse tanto Luorecia, que
me importaria aceitar uma alfianca corn
AfTonsc Crespi por meio de sua fllba ? Se
esleve perdi >b, sabem-n'o poucas pessoas e
c*sas ttem interesse em 0 occultar. Pem
ls-?ol de Gouzaga dird, soja aquem.5'6r,
tambera elevada a 600 grammas primeira-
mente, e depois ate 750 grammas, por se
considerarem sacrificados todos os cavallos,
em prosenca da impossibilidade de os sus-
tentar, anioser nas pastagens quasi illuso-
rias; a mortalidade naquelles animaes fazia
todos os dias progressos norriveis.
0 general Colfinieres declarou depois
que 0 estado sanitario estava gravemente
compromettido na praca, tanto pela accu-
rnulasao de f9,000 feriJos ou eafermos,
como pela falta de medicamentos, de meios,
de camas, de locaes proprios e de abrigos, e
tambem pela insufficiencia no numero dos
medicos. Os relatorios dos medicos em
chefe mostram que 0 typho, a variola, a
desynteria, e todas as mais doencas epide-
micas comecavam a invadir os estabcleci
mentos bospitalarios e a espalhar-se Da ci-
dade.
Mostra-se que as ambulanctas e os hos-
pitaes estao cheios ; que perto de 2,000
doentes e feridos estao tambem recolbidos
nas casas dos habitantes, e a conclusao e
que, se tivesse de entrar de novo na praca
um consideravel numero de feridos, haveria
primeiro que tudo impossibilidade de os
installar.mas especialmente perigo immediato
para a saude publica.
Sendo assim conhecida de todos os
membros do conselho esta exposiQio a res-
peito da situacao dos nossos recursos ali-
menticios e do estado sanitario, passou-se ao
exame da situacao militar.
Feita, em conselho, a leitura do rela-
torio de S. Exc. 0 marechal Cmrobert,
eommandante do 6." corpo de exercito ; do
relatorio do general Colfinieres, comman-
dante superior de Metz ; do relatorio do
general Ddsvaux, commandante interino da
guarda imperial, a situacao militar resume-
se asseguiutes questoes:
1. Deve 0 exercito manter-se sob as
mural has de Metz ate a extincQao completa
dos recursos alimenticios ?
2." Deve coatinuar-se a fazer operates
em Volta da pra^a, para tentar procurar vi-
veres e forragens ?
3." P6de-se entrar em confereneies conn
0 inimigo, para tratar das condi^oes de uma
convencSo militar ?
4. Deve-se tentar a sorte das arm as,
e procurar atravessar as linhas inimigae?
A pri eira pergunta foi resolvida affir-
mativamente por unanimidade, porque a
conservacSo do exercito sob os muros- de
Metz return alii um exercito inimigo de
200,000 homens, de que uSo e* possivel 0
inimigo ir depor.; e nas condicoos em que
se acha, o maior servi^o que 0 exercito do
Rheno pdde prestar ao paiz e ganhar tempo,,
e permittir que se organise a defeza no in-
terior.
A segunda pergunta foi resolvida nega-
tivamente por unanimidade, em consequen-
cia da pouca probabilidade que ha de eacon-
trar recursos para viver mais alguns dias,
em consequencia das perdas que essas ope-
ra^oes occasionariam, e do effeito dissolvente
que o seu insuccesso poderia exercer no
moral da tropa.
A terceira pergunta- foi resolvida affir-
mativamente, por unanimidade, com a con-
dicao porem de se entabolarem as aegocia-
(,-oes n'um prazo que nao exceda a quarenta
e oito boras, afim de nao permittir ao
inimigo demorar 0 momento da conclusao
da convencSo ate ao dia e talvez alem do dia
em que se extingam os nossos recursos.
Todos os membros do conselho de guerra
duclararam eoergicameote qua as c,--'"'
di conrou^au ilevtom ser bonrosas is-
nossas annas e para nos-mesmos. %
A quarta pergunta produzio a quinta.
0 general Colfinieres perguntou se nao seria-
preferivel tentar a sorte das armas, antes de
entabolar negociacoes, por isso que 0 exito
dessa tentativa poderia tornar as conferencias
inuteis, ou 0 resultado- infructuoso do nosso
esfor^o, podendo pesar na balanca em pre-
senga das perdas que poderiamos fazer sof-
frer ao inimigo.
Esta pergunta foi posta de parte por
maioria ; decidio-se por unanimidade, que
se as condi^oes do inimigo atacassem a honra
das armas e da bandeira, se tratasse de abrir
um camanho por meio da forca, antes de
tudo estar exhausto pela fome, e emquanto
que raptaram uma das suas damas, nem
Lucrecia cotifessara o rapto. Pelo que diz
respeito ao gran-capitao, sabe que Angio-
lina estd tao pura como um raio do sol.
0 unico que duvila da pureza de Angioli-
na, e isso e natural, e seu pai. Imbecil 1
|-giiardou-se de me dizerquesua filha havia
estado perdida, e convidou me para almo-
r^ar amanha com Angiolina,. com Isabel de
Gonzaga e com elle. Nfio comprehendes
isto ?
Affonso Crespi sabe que 0 senhor 6*
um dos bastardos de Napoles ?
Sabe.
Entao comprebendo. Affonso Crespi
julga que tua fi ha e uma moeda falsa, e
quer lh'a fazer aceitar. Pense hem, meu
senhor, Angiolina que e a mulher mais for-
mosa da Italia, talvez nao tenhaamaio ain-
da verdadeiramente; 0 senhor e joven,
formoso, apaixonado, porem pobre. Seu
pai, que 0 tem por mrto, nao lhe quiz
oem nunca, e se 0 ve" resuscitado, dar-lhe-ha
muito p >uco. Affonso Crespi pectence a
uma familia antiga e illustre e 6 immensa-
mente rico.
Silencio, disse Pedro de Napoles
vem 0 criado.
E, com effeito, aquelle apppareceu tra-
zen !o papel, penna e tinta que poz sobre
a mesa.
Pedro escreveu 0 seguinte bilhete :
u Minha senhora. Posso dar-lhe noticias
de Gonzalo de Cordoba ; se as quizer rece-
ber, abra boje a meia noite a janella do
seu quarto, e na. sa assuste se penetrar por
ella a pessoa que pode fallar-lho do gran-
capitao e pn-la em intelligencia com elle.
Depois de fechar esta carta, entregou-a aD
criado, dizendo :
Se esta carta se extraviar ou f6r parar
a outrns maos que nao s?jara as da formosa
joven, podera" succeder-te alguma cousa
tremen a.
Esteja descancado, senhor j o rnenos
que me poderia succeder se esta intriga se
descobrisse, seria porem-me oarua.
Onde encontrarias de certo algtiem
que te quebrasse uma costella.
Repit.-lhe que pode ficar descan-
r^ado.
Para quo sejas mais discreto e mais
leal, toma.
E deu outro fl-rim ao criado.
Pretends .ie ultra mais alguma eou-
Jjsie esta sorriu lo servilmeirto psra Pe
I
Sada mais, boa uoite c ale amatiba.
Ate" amanha, meu senhor.
O criado sahio, a Pedro de Napoles fe-
chou a porta a chave.
- Eis-me outra vez envolvido em novas
aventuras, murmurou elle; veromos onde
isto vai parar.
0 senhor e que devia parar por uma
vez, disse Dominico. Visto que por uma
serie do acontecimentos felizes para si, Af-
fonso Crespi se dara por muito satisfeito de
o ter por genro, e, sabendo manejar bem 0
negocio, acompanhara elle a mao de sua
filha com um dote exorbitante.
Por exemplo T
Cm mil bio de florins.
Os olhos de Pedro de Napoles brilharam
de um modo sombrio.
Com um milhSo de florins, disse elle,
pode fazer-se muito ; portm isto e um so-
nho ; 0 Borgia excommungou Affonso Cres-
pi e c mfiscou-lbe os bens.
Os qne possuia nos estados da igreja;
mas 0 que 6 isso comparado com 0 que elle
possue em Toscana e em Ferrara, que 0
papa nao pode confiscar t
Angiolina esti louca pelo gran-capi-
ahi tao, replicou sombriamente Pedro de Na-
poles ; esse homem maldito nasceu para ser
amado por todas as mulheres; deslumbra-as
0 prestigio do seu nome.
Sim 0 gran-capitao, com quanto seja
um homem quasi no outono da vida, 6 gen-
til, cortez, adamado, e, quando se couoca
& frente dos soldados, transforma-se n'um
verdadeiro leao.
E' necessario que esse homem morra,
Dominico.
Dominico co^ou a orelha, e olhando se-
riamonte para Pedro de Napoles, disse :
Parece-lhe mui facil matar o gran-
capitao T
Sim, visto que pode morrer.
Tambem o ligre pode morrer, e com
tudo 6 muito difficil, quasi impossivel en-
contrar um homem que se atreva a aproxi-
mar-se d'elle para 0 matar, rnesmo quando
esteja dormindo.
Mata-sa de longe, Dominico.
0 veneno & inutil contra 0 gran-ca-
pitao. Julga que n$o se tentou ji isso I
0 seu cozinheiro e todos os outros criados
sao incorruptiveis, e 0 gran-capitao leva a
prudencia uo poiuo den5o aceitar con vita
para um banquote qualquer, nao recebe
presentee e por tanto e ioteiraiuenta impos-
sivel alcanja-lo com 0 v-3tisno.
Receberi cartas.
O^nvenenarBenta por oioio doucna
ha possibilidade de moutar algumas batcrias.
a Combinou-se pois e ajustou-se :
1. Que se conservem sob Metzo maior
espaco de tempo qua for possivel.
2." Qua se nao fario oparaooes em torno
de Metz, por isso que 0 fim a alcangar era
improvavel.
8. Qua as c nferencias se empeohem
com 0 inimigo n'um prazo que nao exceda
a quarenta e oit) horas, afim de se concluir
uma couvencao militar honrosa e aceitavel
por todos.
a 4. Que no caso do inimigo querer
impor condi^des incompativeis com a nossa
honra e 0 sontimento militar, se tentarj abrir
uma passagem com as armas na mao.
Approvarain e assignaram :
u 0 marechal Canrobert, commandante
do 6." corpo.
0 marechal Lebceuf, commandante do
3." corpo.
a 0 general I.admirault, commandante do
4. corpo.
0 general Frossard, commandante do
2." corpo.
0 general Desveaux, commandante in-
terino dos guardas imperiaes.
0 general Soleille, commandante da
artilharia do exercito.
0 general Colfinieres, commandante
superior de Metz.
0 intendente em chefe Lebrun.
0 marechal Bazaine, commandante em
chefe do exercito.
Um facto capital se deduz desde logo do
procosso verbal. 0 marechal nao levou ao
conhecimento do conselho as corresponden-
cias trocadas com o principe FreJerico Car-
los, as ncgociaijoes que 0 Sr. Regnier, di-
zendo-se autorisado pela imperatriz, tinba
feito com 0 assentimento de Mr. de Bismark,
a missao e a partida do general Bourbeki, a
carta dirigida ao general Stieble, 0 silencio
goardado desde entao pelo governo alfemao
e pela imperatriz ; in iieio certo de cheque
nas negociaQ6es entaboladas. Emflm 0 ma-
rechal declarou de uma maneira absoluta,
que nao tinba reeebido nem uma communi-
cacao do interior, e callou-se sob a existencia
de grandes provisoes de viveres- quo existiam:
em Thionville e em' Longevy.
Nao era duvidoso, em preseiKja das cartas-
dos coomaudantes de corpos, que a maioria
do conselho liana antecipadamente concor-
dado nas medidas de adiamento y s6 0 ma-
rechal Leboeufsetinhapronunciadopor uma
iuta immediata ; 0 general Ladmirault tiuha
tido a linguagem de um soldado, mas nao
tiuha manifestado grande confianca- no exito
de uma tentativa de sahida. Esta opiniao,
assim coisro ado marechal Lebmuf, nao fo-
ram comxnunicadas ao conselho pelo gene-
ral ; era elaro, antes de pfincipiar qnalquer
discussao, que se empenhassem no campo
das negociacoes. Se o marechal Bazaine
tivesse feito conhecer logo aos seus logares-
tenentes que as suas tentfttivas pessoaes de
negociacoes se haviam mallagrado, teria
voltado os seus espiritos- para Tesoluydes
energicas. Teriam comprehendido que s6
,um caminbode salvagao restava ainda aber-
to, combater no campo.
A altiva attitude do exercito, dor-ante 0
dia 7 de outubro, provava que 0 exito de
uma semelhante teatativa estava longe de
ser impossivel. Mas, deisando 0 conselho
empennar-se em negoctecoes, das quaes
uma unica palavra da sua.boca ter* revela-
do a completa inutilidade, 0' marechal assu-
raio a responsabilidade das consequencias
fataes da decisao do conselho. Nao ha ne-
cnssi.la-lo d insistir no caracter desta dafi-
beraQSo, na qual se ve- um general em
chafe declinar os seus deveres, deixando
aos seus logares-tenentes 0 cuidado- de de-
cidir da sorte do exercito que commanda,
eimpellil-os i sua vontadepara negociagSes,
que elle sabe antecipadamente que se hao de
mallograr^
Exame das resolw;oes do conselho.V.'
do deverdosummario examinar com cuidado
cada uma da6 questdes submettidas pelo ma-
rechal & apreciagao dos seus lugares-tenen
tes, e 0 vafor dos motivos que determinaram
h solur^So.
A situacao militar resumia-se, diz 0 pro-
cesso verbal, a"s seguiates questoes :
l.a Deveo exercko conservar-se sob os
carta e incerto, quasi impossivel. Oueren-
do que a carta pareca da uma dama e per-
fumando-a para que 0 gran-capitao aspire
0 seu perfume e se envenene com elle, per-
dera 0 seu tempo, porque 0 gran-capitao
manda abrir a ler todas as cartas pelo seu
secretario Marcos Mendana ; se abra algu-
ma, como tem sempre as luvas calcadas para
conservar a suavidade das maos, nao pode
envenenar-se com 0 contacto ; e como tem
muito boa vista, le conservando-as afasta-
dasde si. Ninguem, i excepcSo dos seus
criados particularas, toca nasrefeigOes ou no
seu leito. 0 gran capitao sabe a terra que
pisa, conhece que o odeiam, e rodeiou-se,
por tal modo, de precaugdes que e" inutil
toda e qualquor tentativa, a n&'iser um
assassinato, escandaloso, 6. distancia, com
arma de fjgo. Para ver como elle estd a
coberto de toda e qualquer tentativa, basta
dizerque os Borgias, que the votam um
odio de morte, tem posto em pratica todos
os meios imaginaveis, sem conseguirem dar
fim d'elle.
Lucrecia teve-o ao seu lado, e com
tudo essa homem vive ainda, 0 que prova
que Lucrecia o ama.
Nio, isso prova que 0 gran-capitao
nem sequer cruzou a sua mao com a de
Lucrecia, nem lhe pegou nas roupss, con-
servando-a sempre a distancia. Sabe qucm
Lucrecia ama ? Vou-lh'o dizer ; eu conhe-
50 muito os Borgias e tenho d'elles noticia
exacta, porque sorvi alguns annos 0 duqua
de Gaodia, era seu confidente, a elle nao
me occultava cousa alguma. No dia da
Assump$ao, em cuja noite assassinaram
Giovanni, dizia-mo elle emquanto se yeatia
com as suas galas mais ricas para assistir &
procissSo:
v. t Estou de mdo humor, Dominico ;
minha irma Lucrecia encerrou-se no con-
vento de San Sixto, apparentando umsenti-
mento que nao tem, pela dissolu$ao do seu
casamento com Jo8o Sforzia, pois que ama
com toda a sua alma 0 sen noivo, 0 prin-
cipe de Tarento. Isto n8o me convera ; nao
lhe damos esse marido para queo ame, mas
sim para que' nos aproxime da casa de Na-
poles. 0 amor que Lucrecia "onsagra a
Affonso, (5 um inonveniente grave.
So Pedro de Napoles n8o tivesse pintado
orosto, Dominico teria visto a terrivel palli-
dez queo cobria.
Todavia nao p6Je deixar do nolar que
o bastardo estremecia, sob a influoncia do
umacouvulsao nervosa.
Estara" escripto, disse elle, que eu
muros Metz de ate' se exhaurirem completa-
mente os nossos recursos alimenticios ? Es-
ta questao foi resolvida affinnativarnente,
por unanimidade, pela razAo de que a pre-
sence do exercito sob os muros de Metz,
conservava alii um exercito inimigo de....
200:000 homens, de que nao era possivel
dispdr para f6ra d'alli, e porque nas condi-
c5es em que se acha, o maior servico qua o
exercito do Rheno p6de prestar ao paiz e
ganhar tempo, e permittir que se organise a
defeza no interior.
0 maior servico que 0 exercito podia naes-
tar ao paiz, nio seria atravessar, custasse 0
que custasse, porque havia necessidade ab-
soluta de quadros para organisar os novos
exercitos francezes ? Nao era irrisorio fol-
iar em ganhar tempo, quando nao restavam
senao alguns dias de viveres T Parece que
se queria recusar ver a ver Jade; era s6 ao
marechal instruido de todo, unico respon-
savel, que cumpria dissipar todas as illu.
soes. Longe d'isto, vemol-o occultar a ver-
dade.
2.* Devecontinuara fazerem-seoperagoes
em volta da prarja, para setentar procurar vi-
veres e forragens"? Esta questao foi resol-
vida ncgativamente, por unanimidade, em
consequencia da pouca probiliabdade que ha
de encontrar recursos sufficientes para viver
mais alguns dias, om consequen :ia das per-
das que que essas operacdes occasionariam,
e do effeito dissolvente, que 0 seu insuc-
cesso poderia oxercer na moral da tro
pa.
Deve reconhecer-se que era ja muito tar-
de, para se recolherem recursos nas imme-
diacies de Metz. 0 marechal tinba deixa-
do escapar o momento opportune A sua
inaccao durante 0 periodo em que essa es-
pecie de operacdes teriam sido facilmente pra-
ticaveis e productivas, tornava-o entao sem
fructos. Mas elle sabia que 0 governo da
defeza nacional tinba conseguido fazer cbe-
gar a Thionville grandes provisoes para o
seu exercito. Porque n&o informou elle
d'isso os seus lugares-tenentes ? Se 0 tives-
se feito, ha razao para acreditar quese te-
ria resolvido uma tentativa para ganhar
aquella praca.
3.* Podeentrar-se^em conferencias com 0
iqimigo para tratar das condones de u na
conveugao militar? A terceira questda foi
resolvida affirmativamente, por unanimida>
de, com a condicao porem de se entabofa-
rem essas condigoes n'um prazo que nao ex-
cedesse a quarenta eoito horas, afim de nao
permittir ao inimigo demorar 0 momento da
conclusao d convengao ate' ao dia, e tal-
vez ate alem do dia em que se exhaurissem
os- seus recursos. Todos os membros do
conselho de guerra declararam energicamen-
te que as clausulas da convenglo deviam
ser honrosas para as nossas armas e para
nos.
O'processo verbal calla-sesobreascondigoes
da convengao militar que se devia obter,
mas 6'claro que se nio podia pensarem pe-
dir para o exercito de Metz a faculdade de
saImp com armas bagAgens para se ir es-
tabelecer n'um territorio neutralisado sen8o
em troco de vantagens muito serias para o
inimigo.
As instruccoes que 0 general Boy;r ia la-
var para Versailles nos raostrarSo dentro em
pouco 0 fundo d'estasituagao.
4.' Deve-se tentar a sorte das armas, e
procurar atravessar as linhas inimigas I Es-
ta quarta questao conduz-a uma quinta. 0
general Coffinie'res pergmtou se nao-seria
prefurivel tentar a sorte das armas, antes de
ervtaholar as nngociacoes, por issn fjne o- exi-
to d'aquella tentativa podia tornar as confe-
renci inuteis, ou podia 0 resultado infruc-
tiftiro dos nossos esforgos pesar na balanga
das perdas que tivessemos feito sotTrer ao
inimigo. Esta pergunta foi posta de parte,
por maioria, e decidio-se por unanimidade
que seas condicoes do-inimigo atacassem a
honra das armas e da bandeira, se tentasse
abrir caminho pela forga antes de se estar
exhausto pela fome, e emquanto restasse a
possibilidade de montar algumas batcrias.
Adiando assim toda a luta depois do che-
que das aogociagdes, nSo podia ser duvido-
so para 0 marechal que se ia deixar passar
0 momento em que o exercito ostava ainda
capaz de um grande esforgo. Por pouco
que as negociagdes se demorassem, a o ini-
migo tivesse todo 0 interesse que assim fos-
se, a penuria dos viveres ia tornar absolu-
tamente impotente qualquer tentativa da sa-
hida, e de fuluro seria inevitavel uma capi-
tulagAo.
0 marechal era 0 unico instruido da si-
tuacao. N8o fez cousa nenhuma para des-
viar 0 conselho do caminho das negociagdes;
6 responsavel do fatal desfecho.
Ia-se pois negociar immediatamente e
reserv r 0 exercito para occupar uma posi-
gao politica, como 0 aconselhara 0 general
Frossard ao marechal Bazaine na sua carta
a respeito da situagao. 0 exercito jd uio
tinha senao alguns dias para viver, e esses
alguns dias ia 0 marechal disperdiga-los em
conferencia sem exito possivel.
Pergunta-se como e que pdde vir ao pen-
samento de um homem experimenlado que
0 inimigo, que podia contar.os dias e as
horas de existencia que ainda restavam ao
exercito commettesse o erro de 0 deixar sa-
hir com armas e bagagens do campo
entrincheirado, para se retirar a um terri-
torio neutralisado, quando ji estava falto
de tudo, e era inevitavel uma capitulacao.
Quern lhe garantia effectivamente que aquel-
le exercito permanecer unido a sob a a di-
recgao dos seus chefes? Na havia, pelo
contrario, motivo de acredita- que sedispen-
saria immediatamente para ir wforgar os
exercitos francezes de formaglr> recente ?
Nesta situagao, 3 provavel, admissivel mes-
mo, que os allemaes pudessem consentir em
trocar contra uma semelhante eveotualida-
de, um triumphs certo, que ia tornar im-
poteotes os esforgos improvisadoa de
Franga.
Que havia para se offerccer ao inimigo
em troca de semelhante concessao? As
instrucgdes entregues pelo marechal ao ge-
lseral Boyer, instrucgdes que emanara da
nua iniciativa particular, da qual os seus
nagares-tenentes sd tiveram conhecimento
depois da partida do general, vao rajstrar
os tu do isto.
Instruccoes entregues a&general Boyer
por occasiao da sua partida para Versail-
les.No moment) em que a sociedade es-
ta ameagada pela attitude que tomou um
partido exaltado, e cujas tendencias n8o po-
diam chegar a uma solugdo que procuram
os espiritos bon* e rectos, 0 marechal com-
mandante em chefe do exercito,. inspirando-
se do desejo que tinba de salvar 0 seu paiz,
e de o salvaguardar dos seus proprios ex-
cessos, interroga a sua coasciencia e per-
gunta a si mesmo se 0 exercito sob as suas
ordens nao estava destinado a tornar-se 0
palladium da sociedade.
- A questao militar astd julgada, as ar-
mas allemaes estao victoriosas, e suamages-
tade o rei da Prussia nao podia iigar um
grande prego ao esteril triumpho que obte-
ria dissolvendo a unica forga que boje podia
dominar a an.nrchia no nosso desgragado
paiz, e assegurar & Franga a & Buropa a
tranquillidade, que se tornava tao necessa-
ria depois das violeatas commogdes que aca-
bavam de as agitar.
A intervencao de um exercito estran-
geiro, mesmo victorioso, nos negocios de
um paiz tao impressionado como a Franga,
em uma capital tao nervosa como Paris, po-
dia faltar ao seu fim, excitar os espiritos
alem do imaginario, e conduzir a desgragas
incalculaveis.
A accao de um exercito francez ainda
completamente constituido, com boa moral,
e que depois de ter iealmento combatido 0
areroito allemao. tinha a conscienoia de ha-
ver conquistado. a esti ma dos seus adversa-
rios, faria um immenso peso nas circums-
taaeias actuaes. Restabeleceria a ordem,
e protegeria a sociedade, cujos interesses sao
communs com os da Europa.
Daria a Prussia, nor effeito dessa mes-
ma acgao, uma garantia das que ella podia
ter a reclamar no presente ; e finalmente
contribuiria para 0- restabelecimento de um
poder regular e legal, com o qual se pode-
riam renovar relacdes de toda a natureza,
sem abalo e naturalmente.
pratique 0 ra uor da todos os borrores ?
Terei de deixar de odiar mortalmente Gon-
zalo de Cordoba, para odiar de morta a
meu irmao ?
Mas que foitigo lhe fez Lucrecia ?
Oh 1 calla-te I nao se apaga um so
momento do meu espirito a sua imagem ;
a cada instante augmenta a fascinagao que
em mim produz ; nao vivo, porque nao e
vida esta agonia que me raartyrisa, que
augmenta, qua se torna insupportavel; estou
abrazado por um fogo do inferno. Ella,
sempre ella Nao tenho outro pensamento
tudo quanto faro, tudo quanto tenho feito
desdo que a conheci, provom d'ella. Matei
Helena Corsini, porque n3o podia ser minha;
n3o posso ma.ar Lucrecia, mas extermina-
rei todos que ella ame, ainda que fosse meu
p;i, ainda que fosse meu fllho.
Angiolina Crespi 6 infinitamente mais
formosa do que Lucrecia Borgia.
E julgas tu que eu amo a formosura
de Lucrecia ? Sabes a raz8o porque amo
Lucrecia T Ndo 0 sei eu ; posso dizer-te,
unicamente, que e esse 0 meu destino, que
ou peregoou alcanco alflm esse sohhoido-
latrado que me parece impossivel, isto e, a
sua posse, o chamar minha sua alma I
Angiolina ? 0 que e Angiolina, a humilde
e formosa flor, comparada com a palmeira
galharda e soberana, agitada pelo furacio,
coroada pelo relampago ? Que vida e que
coragao 0 de Lucrecia ? Etnbora seja sa-
tanaz, amo esse demonio gentil. Nao pen-
ses, todavia, que olhei com indifferenga para
Angiolina'; a sua formosura recreia os olhos.
Ha n'ella uma frescura, uma suavidade qua
faz nascer 0 desejo de permanecer ao seu"
lado, aspirando-a, refrescando 0 coragao
abrasado, como a riajante qua, morto de
sede, encontra uma fonto crystalina e pura,
bebe, passa e esquece a fonte. Um milhao
de florins I Ah I um milhao de florins 6
a forga, e' 0 poder. Se Affonso Crespi da
em dote & filha um milhao de florins, caso
com ella. Uma mulher tao delicada como
Angiolina, esli muito exposta a morrer ; as
florcs desfolham-se com 0 mais ligeiro so-
pro. Porem ella ama Gonzalo de Cordoba
e regeitari 0 meu amor.
As virgens quando amam sonham ;
n8o conhceem a verdade do amor, stia)
quando conhecftm a verdade da vida.
Talez, Dominico, talvez. Procura-
me amanha uma escada de seJa qua che-
gue at^ ao rio.
Amanha calcularei a altura n terd aa
escada,
[ Continuar-se-ha.)
Estou enfarmo, soffro, e portanto r
colhamo-nos, Dominico.
Sim, recolha-se e pense maduramen-
te comsigo mesmo ; embale-se com a recor-
dagao da formosura de Angiolina a pode ser
que faga empallidecer a recordagao de Lu-
crecia.
Ah 1 esquecia-me, disse Pedro de Na-
poles ; arranje-me um trajo em harmonia
com a cdr do meu rosto e dos metis cabel-
los, porque quero apresentar-me tal qual
sou Angiolina.
Ella vio-o alguma vez ?
Sim, mas disfargado n'um cigano roto
e pobre.
Sera muito possivel que ihe agrade
vendo-o, que quando deixar da o ver, se
recorde de si, que se va lentamente impres-
sionando com a sua recordagao, e que aca-
be finalmente por lhe ter amor. 0 senhor
conhece de sobejo as mulheres, faga com
que essa rapariga acabe de sonhar.
Oh 1 quantos amores queres tu que
teuha Angiolina T Amou Savonarola.
Sonbo, fascinac8o.
Amou tiiovaoni Borgia.
0 duque de Gandia deslumbrava-a,
tinha 0 brilho e a formosura que faltam a
Savonarola ; outro sonho.
Esteve a ponto de perder-se pelo
gran-capitao.
Sentio-se fascinada pela sua grandeza ;
sonbou tambem. E, sobre tudo, que mu-
lher na sua juventude, deixou de estar cem
vezes a ponto de perder-se por uma illusao,
por um sonho, sendo t8o formosa e Uo re-
questada como Aagiolioa t Se 0 senhor nao
podesse ser para ella um novo sonho, que
com certeza sa convertera em real idade, n8o
lhe aconselharia eu que buscasse a cura do
amor de Lucrecia, no amor de Angiolina.
Invente uma historia suave e triste ; eu co-
nhego-a bem, e toda poesia ; afigue-lhe a
alma, e se, como 6 possivel, a sua alma, a
sua formosura, a sua pureza, 0 curarem, a
0 enamoraram, esqueca todas as sombras ne-
gras da sua existencia e seja feliz.
Pensarei no que me dizes, Diminico,
replicou Pedro de Napoles despindo-se a
mettando-se na cama. Apaga a fjiz e boas
noites.
Dominico, que so despira tambem, apa-
gou a luz 0 deitou-se.
0 silencio e as trevas onvolveram aquelles
dous infames.
{Conlinuar-s,e-fta.)
"fYP.l>0 DtARIO.-RL'A UUQl-E PE CAAIas.
.-'
'v
V
I
\
'
I
v
/
>
i
<
LMM