Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20019

Full Text
riBi
^g^|g_^|^_g^|_
ANNO XLIX. MJMERO 297

V ABA A CAPITAL E IAGABLN OXDK N.I SB PACiA PORTS.
J Por tres mes tdiaatados................
Por iseisdius idem.
* ,Por um, anno idem.


*

>
*.
Cadi numero avuioO .


188000
24&000
9320
PAMA DEMTRO E FOBi i PBOVW
Por tres mezes adiantados...........
Por seis ditos idem .
Por nove ditos idem .
Por um anno idem.................


*T
*
6#7&0
20J186
37*000
DIAMO DE PERNAMBUCO.
PR0PRIEDADE DE MANOEL FICUEJROA DE FARIA & FILH0S.
Ot Srs. Gerurdo Antonio Alvesd Filhos.no Para; Goncalves d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oliyeira d Filho, no Ceara; Antonio de Leruu. Braa, no Aracaty ; Joio aria Julio Chaves, no Assti; Antonio Marques da Sura, noHaUl; Joii Jart
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Angusto Gomes da Siha, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villad. Penha; Belarmino dos Santos Bulcio, em Santo AnUo ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas; Alyes d C, na Bank; e Leite, Cerquinho d C. no Rio|de Janeiro.
PARTE OFTICIAL
Govern o da provincia.
DESPACH03 DA PBF.SlDKiCt \ D) DIVU DEbEZEMBHO
BE 1873.
Antonio Peregriao Cavalcaate de Albuquerque.
-Sim
Angelo Jansen de Castro e Albuquerque Co-
mo requer
Abaixo a sigualos senhores e possusajres de
terreao3 adjacautcs ao rio Beberibe e no pirto di
Madeira.A' Cam ira municipal da ci lade de Olin-
la para attender aos supplicaates bos ter:no3 de
sui irformacao de 18 do corrente.
Associacao Commercial Agricola de Peraanibn-
coEacaraane-se.
Beraardiaa da Silva Costa Campos. -Passe por-
taria na forma d eslylo.
Compaahii Santi TherezaEncarainhe-se.
(iajpar de Dmcitaond. Sim.
0 me3mo. -Sim
Joaquim Elias de Carvalho Moara. Deferido
com olficio desta data a thesouraria de fazenda.
' Jose Ignacio dos Santos Qaaresraa. Sim, nao
havendo ineenveuiente.
Pedro Reginald Teixeira. In/orme o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
A antcridade judiciarria na Prussia, applica as a qual sc diz, estao os partidos conservadores dis-
l |--r^T,^y^*.'tyiff
DIARIODEPERNiMBUOO
RECIFE, 27 DE DEZEMBRO DE 187g.
Noticias da Europa.
Amanhecea quinla-feira em nosso porto o vapor
inglez Boyne, trazendo daus de Lisboa de 11 a 13
do corrente, adiar.tandoportanto tres dias as que
recebemos pelo lMzitania, chegado quarta-feira.
Eis o que colhemos dos jornaes e cartas :
fbanca.
0 veredictum do conselho de guerra reunido no
Trianon, 6 de que o general Bazaine era cul-
pado da capitulacao de Metz e do exercito em
campo aberto, sen fazer tudo o que prescreviam
o dever e a honra, e era consequeneia di3so foi
condemnado por nnanimidade a mono e a degra-
dacio railitar.
0 raarechal Ba;;aine ouvio a leitura da sentenca
na mais viva agitacao.
Em seguida ao julgamento todos os membros do
conselho de guerra assignaram uma supplica ao
presidente da republica o marechal Mac-Mahon,
implorando o perdao do condemnado.
0 presidente do conselho de guerra, o duque de
Aumale, foi iraraediatamente Tevar a supplica a
Mac-Mahon.
A commissao da aserablea de Versailles en
carregada de eicarainar a lei municipal, esculheu
0 Sr. Goulard couio presidents. Esta escolha tem
bastante significac,ao.
0 Sr. Goulard, no seio da sua commissao, ti-
nha-se pronunciado em favor da lei, com relacao
,i nomcaclodoi maires e adjuntos pslvptfaea-
iral mas fez Tessrvas formfcs quanto asoutras
duposic5es apresfutadas peio governo. -
\lem dso, a diminai^o que o projecto minis-
terial teria feito soffrer as atlribuicoes dos ma-
ai-trados municipaes, levanta mais opposicao, que
os'seus autores aaO tiahara presumido nas Uleiras
aE cemo uma parte do grupo bonaDartista esta
i'ualnuate decidida a repellir os artig>s que di-
zem rojpeito a tran3fereneia aos prcfoitos e sub-
r-refeitos dos poderes actualmente exercidos pelos
inaire' era materia de policia, e quasi certo, que
o-proiect > nao sera votado pela caraara sem serias
modincacSes. ._
A discussao das leis fmanceiras, comojara bre
vem^nte, pelo exsme do orgamento da justiea.
So no dia i de dezembro, depois de quasi
10 dias de votacoes succes9ivas, *e pode completar
t nomeaca>da cDmraissao dos Trinta, destinada a
dar o seu parecer sobre as leis constitucionaes.
Para se obter este laborioso posto, foi preciso
uue a direita elegesse um rae;nbi\> do contro es-
uuerdo, o Sr. Cezanne, e um membro da esquerda
rftoublicana, o Sr. Vacherot.
Depois da eleicao dos dius ultimos membros
<\a. commissio dos Trinta, entrouse na discussio
dalinterpellacao do Sr. Lamy, relativa ao estudo
Vduaue de Broglie, disse que o regimen do es-
tado de sitio e unicamento mantido contra a im-
Dfen^a; e que assim que a caraara your uma
lei que ponha os jornae3 a discricao do governo,
este propora a suppressao deste regimen espe-
0 vice-presidente, sustootju que medida algu-
ua havia side tomada contri um jornal qualquer,
seoao para defender os pnncipios sociaes, o exer-
ito, a patria e os direit03 da assemblea.
0 duque de Braglie, pronuncioa uma daquellas
palavras, que sao um insulto e que serapre fleam
na memoria. Sustentou que a prorogagio dos
noderes presidenciaes por 7 annos, era uma cousa
dade' ao abrigo do3 golpoi de uma folha d
K Nao ha ainda 3 annos, que o duque de Broglie,
1 nao fallava com este desdenda9 tfolhas de papel.
' As a folhas de papel portm, nao esUo hoie
em eraca iuntc a maioria, e junto ao duque de
Hrogiie ; entenda-se, po^". 1e as lo}^ de
naoel sio utiicamente 03 iornaos republieanos.
A direiu propoz a ordem do dia pnra e simples,
aue foi voUda por 407 votos contra 273.
As receitas publicas da Franca no3 ultimos
10 tnezei eram por sete railboes e meio, imenores
a< orevisoes do orcamento.
A commissrw do or.;amento reunio-se para, d.s-
cutir sobre o projecto de or^amonto para 18/\,
ADresentado pelo ministro Magne.
A despeza e receita do fuluro anno, sao assirr.
propostas, em nuuoeros redondos : -
Despezas ordmarias.......... 2.W5 railhoe.-.
i> u./.:.* ., ,........... 3,*fyU
Keceita
1 Elicit
li-i
V comi.)issao adoptou para eobrir este
conto e dez railhoes, de imowtos novos, deixandr,
o resto ao cargo de empresti'.iHs on de operacoes
do thesonro.
italu .
tfoi apresentado as camaras pelo mintstro da
iustica um prfljecto de lei sobro a organise do
vJurs' e outro duclarando obrigatorw o casamento
civil, antes do casamento rchgioso. '
r A eamani approvou um projecto de lei, aug-
menUndo o soldo dos ouiciaes do exercito.
,-0 general Menabrea, foi nomeado presidente
da commissao de engenharla e artilharia.
0 relatorio do Sr. Corrente sobro o projecto de
lei rebiiv) a iastrae*io ; *f. ^^lor;3-.
0 relalofio liKstra a absoluU
eis ecolesiaslicai aos bispos e aos padresalci- reio
Irantes.
Mr. Ledochowski, acaba de ser condemnado
de novo como reracidencia a 7,000 thalers ( dez
cont03 de reis) do multa, ou a cince annos de
prisSo.
0 prazo da 3ua citacao perante o alto tribunal
ecclesiastico, expiron, e e certo que Mr. Ledocho-
wiki, nao obedecera a Intiraacao.
0 bispo de Treve3, aspira, como seu collega ao
martyrio, mas sem abrir boha. Acaba de ser
condemnado pelo tribunal correccional da ciiade
episcopal a 3,600 talhers de multa ( cinco contos
de reis), por dezoito casos de nomea^les illegae3
de parbchos.
0 partido ultramontano na Prussia, era via
de prugressismo, enlrega-se as manobra3 mais ex-
travagantes. 0 Sr. Reichcnsperger apresentou
uma proposta pedindo que a camara convide o
governo a voltar a re3peito ao antigo modus
vnendi.
0 sr. Millinkrodt, apresentou um projecto de
lei der'igando as quatro leis ecclesiasticas.
As propostas serJo infallivemente rejeitadas ;
ma3, taes puerilidadej absorvem um tempo pre-
cioso.
A proposta relativamente a abolicao do di-
reito do sello para os jornaes, foi votada quasi por
unanimidade, 359 votos contra 6.
Desta vez o governo nao podera deixar de to-
mar em considera0o o voto reiterado da repre-
sentacao nacional. E' verdade que o ministro-
presidente, o Sr. Camphausen, dedarou, como ja
0 havia feito na ultima sessao, que e3ta reforma
1 he parecia judiciosa e justa, e quo racionalmen-
te so ligava a lei geral sobre a iraprensa, que
ainda esta por votar.
Ha tre3 meze3 que a Alsacia Lorena, provin-
cia do imperio do allemao, se acha sob o regimen
de uma verdafleira dictadura das mais peni-
veis.
Os jornaes allemae3 dizera que este estado pro-
visorio terminara assim que a Alsacia Lorena for
representada no parlamento allemao.
Logicameate curao paiz do imperio, isto 6, como
membro soberano da confederacy, a Alsacia Lo-
rena deveria tambein 3er dotada, de um governo
deficitivo e autonomo, e representada no conselho
federal ; mas nem tudo lembra, e nesta questao
ninguera falla.
0 conselho federal assontou no regulamento elei-
toral, e circumscripcoes para as elei;5es proxi-
ma3, as quaes serio Gxadas em todos os
paize3 do imperio allemao parao dia 10 de Janeiro;
so na AUacia Lorena dever Jo as eleicd"eser lugar
no lim do mez.
A populacio ainda nao esta habituada a sua
nova condieio, o as opini5es estao muito divididas:
I'as pregam a abstencao absoluta ;outro3 votam
pela eleicao com mandalo imperativo para os elei-
tos, de protestar no parlameato contra a ann3xacao
e retiraremse depois da assemblea.
' Cm terceiro partido julga mais ulil aos interes-
aas do paiz ir ao parlamento, e tomar lugar ou
sobre 03 bancos do qentro clerical e particularlsta,
oh. obro oa d maioria nacional liberal, mas ao
lado dos progres3ista3; n'um lugar fraalmente em
que a unidade nao fa^a e3quecer a liberdade.
A primeira camara do Bade tinha que d'ueutir
a proposta do Sr. Voelk, adoptada pela camara
dos depulados, e convidando o governo a apoiar
a introduccao de um direito civil uniforme para
todos ospaizes allemaes.
A coramissa) da camara alta, junton lho um
additamento enixnado de um membro da Tamiiia
real, dizeado que era todo o caso a Baviera devia
conservar o seu tribunal de appellacSo.
Pelo voto da caraara esta emenda so obtero 27
voto3 centra 13, era lugar de_ dou3 ter;os com a
proposta relativa a constituiQao.
As camaras saxonias tinham emittido, com
asseatimento do governo, um voto identico.
Sabe se que o chefe do rainisterio do Wurtern-
berg o Sr.Mithacht acaba de apresentar a camara
dos deputados, uma communicacao identica.
Estas concessoes de ama ulilidade contestavel,
nao teem sido feitas pelos esludos secundarios, sem
longas hesiu;5es nem sem roservas destinadas a
s-UvaguarJar as prerogalivas das soberanias par-
tic ulares.
0 ministro de Wurtcmberg fez mesra j por esta
occasiao uma promessa significativa, que pareco
indicar uma certa approhensJo de ver sacriftcar
as liberdades ja adquindis, as doutrinas menos
iiberaes que tem curso no norte.
E' pots no saio do conselho federal que se vai
debater esta grave questao ; deve se pbservar que
era certos pontos, como por exemplo na conjerva-
qSo do jury, a opiniao publica esta de accordo com
os homens politicos dos reinos do sul.
Annuncia-se a riagem do imperador d Austria a
S. Petersburgo para o dia 6 do proximo Janeiro.
HOIXANDA.
A ixpedicao hollandeza, ja chegou a costa de
Atchin, no dia 28 de novembro. Um ponto da
bahia de Atchin foi occupado pelos nollandezes e
disposto para servir de deposito aos doentes. A
estafio das canvas retardou o priacipio das ope-
racoes. .
0 corpo expedicionario compj5e-se de tres bnga-
das cada amade dous batalhoes de 8 companmas
completas, e de artilharia aperfeicoada de raonta-
nha e de sitio, assim com) de destacamento do
corpo de sapadores.
A infanteria esta armada de fuzis Beaumont
e provida de mun^coes abundantes. Todos os cui
dados foram dados ao material para corresponder
a todas as necessidades.
0 commandante em chefe general Van-Swieter
convidou os offlciaes a nio communicar aos jor-
naes esclarecimentos sobre as opera^oe?.
PniNCIPADOS.
Dizem de Belgrados que a Skuptehiaa a;aba de
adoptar um projecto de lei autorisando o governo
a maadar cunhar raoedade prata.
Ora, a Turquia Dersiste em contestar aos esta-
des tributarfos o direito de cunhagem de oaro e de
prata.
Sabe-se que a Roumania naj fez caso dessa pro-
hibicao e possue moeda de ouro. A Servia ate
deflcil, agora so tem cunhado a sua moeda de trocos. 0
oiro c- a prata que circulam no paiz sao de prove-
nieacia eitrangeira.
Como o principado mantem relagoes commer-
ciaes muito activas com os paizes visinbo3 ; como
a industria se de3envolve abi progressivamente,
c a prosperidade material nao cessa de crescer,
ella sente a necessidade absoluta de ter ur.ia moe-
da nacional. .
0 soverno servio, nao se detem mais ao que a
Roumania com os protestos que a Porta ue:ea-
riarnente ha de fazer.
Espera-se porom que nao resultirao d aqui novas
complicac5.js.
_ a camara d Bucharew votou uma mensa-
principc. sxprimludo a espera^^a do qie
postos a e3quecer lodas as divergenclas de bandei-
ra e a agruparem-se em defez.i dos principios de
ordem e do governo que a garantir.
Foi exonorado o Sr. Prefc:mo, goveraador ci-
vil de Madrid.
0 chamamento das rese.'vas produzio um
total de 46.000 homens. .
a Ripool foi nomeado capiti) jeneral do Us-
tella a Velha.
Ca3tellar esta reaccionano no seio da repu-
blica, receiando-se uma situagio Pixellargall, que
tao excentricos resultados deu ao poder.
t 0 governo de Madrid recebeu um telegramma
de Washington, annuncian lo ter marcado a cpoca
e a maneira de entregar o FirijiniHS..
t Eis as estipulacoes do protocollo, para a solu-
cao deste importante negocio, assignado pslo se-
cretario Fish, o o almirante Polo de Bernabe:
< 1' Restitaicio do Virginius e do3 prisionei-
ros, e tripolantes sobreviveotes.
t 2.* Saudai-lo a banieira dos Estados Lnidos,
no dia 23 de dezembro, se ate la a Hespanha nao li-
ver provado que o Virginius arvorou illegalmente
a bandeira americana; nesse caso, a exigencia da
saudaclo sera csponlaneamente retirada, devendo
todavi'a a Hespanha protestar solemnemente que
nao teve a mais pequena inten^ao de ultrajar a
bandeira dos Estadoi-Unidos. .
3." Se a Hespaaha provar que o Vtrgimus ar-
vorou illegalmente a baadeira amerisana, os b.s-
talos-Unidos intentario processo contra o navia e
sobreviventes da tripolacao, que violarara a lei e
03 tratados. ,.__
t 4." As reclamacdes por perdas e daranos ticam
adiadas para ulterior exame. 0 secretano e o
[amirante designarao o porto onde ha de ser on-
tregue o Virginius. ,
< A Gazela publicou um decreto determinanlo
qual a purcao de cavallos com que cadi P1-0*!"011
devera contribuir para a requisicao do 8,000 ca-
vallos. -(
a VeriQcou-se no dia 11 do corrente a recepcao
official do general R>jas, enviado extraordinary
da republica de Venezuela.
o Por determinacao do ministro da fazenda, os
subscriptores do emprestimo que entraram com a
primeira prestacao, em especies, podem etrectuar
parte da segunda em coupons vencidos, sondo
prorogado por lo dias o prazo para a admissao
daquelles valores ____
i Continuava o bombardearnento de Cartagena.
Um commissario do givernalor de Muzai tora
Partraan, para trazer para aquella capital asmw
mulheres e criancas, que se encontraram em i art-
man, no maior estado de miseria, e accommooa-
das as vinte, em casas destinadas a tres, quatro
miradores, apenas. 0 general Ceballos insistio
pela sua demissao, por se ter aggravado a soa
sande, a qual lhe foi dada. Partio para Madrid,
sendo substituido pelo general Panon.
c Na praca estao desprovidos de todo o necesa-
rio, escasceando muito os viveres.
Na bahia de Partman e-tao os y.ipores de
euerra iuglezes Lord Warden, Invencible, Topaze
*H>rt; os francezes, Thetis, Renard e outros ; o
itaftn > Roma ; 0 us proasianos, Frederico Carlos e
EUsabeth. Tem-se encontrado em differentes pon-
tos do acampamento dos sitiantes, projectis Ocos
de madeira ja rebentados. SuppSe-se que sio
projectis asohyxiantes analogos aos que tinhan 01
communistas de Paris.
a A esquadra vai comegar os seus fogos contra
a Principiou 0 bombardeamento do forte de Ata-
laia; opera^ao preliminar, e essencial para ser
tomada Cartagena. 0 forte de S. Juliao vai ser
tambem bombardeado. 0 ocampamento dos si-
liantes recebeu agora, um abundmte comb >io de
PI" Em Cartagena teem arlido 03 melhores esta-
belecimentos, e os mais consideraveis arraazens
do abastado capitalists Sr. Pedreno, consul da
Austria e Italia. Foi sajueada a casa do consul
allemao, Sr. Spotorno. Na rua Mayor roram sa-
Jueadas todas as casas de coramercio. Os presi
udos tem querido bater-sc a tolo 0 custo, jwr-
que lhes proraettiam rauito dinheiro.
Duraotc as ultimas 24 hoias, os sitiantes laa-
caram sobre Cartageaa 310 projectis, respondendo
os sitiados com 121. ._____
As faccoes de Navarra intentam aproximar-se
U. 0 general Moriones sahio de Tafalla com
16,000 homens, em direcc> a Pamplona. Ignora-
se 0 lim da expedicao. mM _
a Berga continiia bloqueada, e Bilbau solTre re-
petidas tentativas dos carlistas que a cercam. bao
incessantes as correrias destes por outras provin-
cias. ,
a Os carlistas queimaram duas estaQoC3 do ca-
minho de ferro de Valencia e Barcelona.
Segundo noticias que julgo muito exaclas, os
carlistas no norte estao sem recursos, mal vesti-
dos, descalcos na maioria, e insubordinados a pon-
to de terem ha pouco, em Salvatierra, alguns sar-
centos e cabos apedrejado as janellas de uma casa
onde D. Carlos dava um baile, por nao lhes ter
sido permittida a entrada. _
Esta restabelocida a circubj^o no carainho de
ferro de Valencia.
Os pacos do conselho de Vega Bollo, na pro-
vincia de Orenso, foram asfaltados por 400 indivi-
duo3 com bandeira vermelha, queiraando diversos
papais. 03 vereadores escaparam a custo. O go-
veraador militar mandou em perseguicao dos amo-
tinado3, for^as de carabineiros, e da guarda civil.
c Os ultimos telegrammas recebidos peU lega-
cao hespanhola em Lisboa, s5o :
t 0 geaeral em chefe do exercito do norte par-
ticipa que as faccSes navarras e guipuzeoanas tra-
taram hontera de oppor-se a passagem das tropas
para Tolosa. cuja praca tinham sitiado. Depois
de 4 horas de corabate foram desalojadas as ditas
facc5e3 de todas as posicoes, a maior parte eatnn-
cheiradas e tornado um reducto. As communica-
coes llcaram restabslecidas e sem receio de que
tornem a ser interrompidas. Contrauou hontem
pelas tropas sitiadoras de Cariagena o fogo sobre
o castello de AUlaya.
a A Gazeta publica um decreto nomeando o ge-
neral Dominguez general em chefe do exercito de
operacdes cm frente de Cartagena 0 enviado da
Venezuela, na recepc.ao official de hontem, disse
que traz instrucroes para termioar as questoos
pendentes eatre a Hespanha e Venezuela. Os u-
tiadores de Cartagena continuaram hontem o bom-
Jalla-sc vagamente de rauitos e importantes
trabalhos preparados por cada um dos ministros,
aCra de seram presentes as cdrtes. Brevemente
serJo conhecidos, e de todos que que merecerem
especial noticia, espero dar-lhes idea.
a Um delles, creio que tera por lim o contra-
hir-se um emprestimo, pagavel por uma verba an-
nual lixa, que comprehende juros e amortisacao,
para proseguir nas obras da defeza de Lisboa.
Reunio-se no dia 11 do corrente a assemblea
geral da academia real das sciencias paraelegero
vice presidente, por ter flcado empatada a votacao
na sessao anterior era que os Srs. marquez d'Avila
e de Bolama, e Dr. Bernardino Antonio Gomes,
tiveram 10 votos cada um. Uma segunda eleicao
den n vice-presidencia ao marquez d'Avila por 16
votos.
SS. MM. el-rei e a rainha, vieram de Villa Vi-
cosa a Lisboa, para assistirero a festa da Concei-
rao, na patriarchal de Lisboa. No dia seguinte
voltaram para aquelles pacos. Continuam as ca
cadas, A raaior parte das peca3 de ca;a, tera sido
dadas para o rancho das pragas dos corpo3 da
guarnicao da praca de Elvas.
t Foi assignado, no dia 7 do corrente, em Berna,
o tratado de coramercio entre a Suissa e Por-
tugal.
a Palla-se que o actual ministro da justiea tem
os trabalhos muito adiantados, tendenles a elabo-
racSo d'uma proposta de dotacao do culto e clero.
Tein aquelle trabalho, por base, a suppressao das
dioceses vagas, e a extinccao dos coaventos res-
tantes. As negociacdes com a curia a este respei-
to parocem estar bem fignradas. A questao e an-
tiga, raas parece aproximar-se d'ura satisfactorio
desenlace cora a Santa Se.
..0 quebra-mar fluctuante projectado pelo en-
genheiro naval portuguez, Cesar de Vasconcellos,
vai ser construido a 150 metros da ponte da alfan
dega de Lisboa.
Ja deu entrada no respectivo ministerio o im-
portante relatorio da commissao official encarre -
gada de estudar quaes os melhoramentos de que
careee o porto de Lisboa. A memoria esta divi-
dida em tres paries, com 23 capitulos. E' acom-
panhada dos desenhos necessarios para esclareci-
raento dos trabalhos propostos. 0 calculo feito
para todas as obras, e de 9,000 contos de reis.
As obras a emprehender, occupam na margera
direita, desde o Beato ate a Torre de Belem, cerca
de 12 kilometres de extensao, e na margem es
querda. desdo o pontal de Cacilhas ate a Trafaria,
uns 8 kilometres.
0 avancamonto na margem direita occupa
uma area de 137,28 hectares ; o da margem es
querda a de 18,39 hectares. Na sao destinados :
40,58 hectares a 9 docas de abrigo e descarga,
duas das quaes com capacidade para uumerosos
navlos dos de maior lotacao ; 22,91 hectares para
o gramle boulevard, 26,96, para caminho margi-
nal e ruas, 3,81 para a alameda dos Jeronymos;
4,65 para o arsenal de marinha ; 2,88 para esta-
leiros; 7,49 divididos em 10 espacos para edifl-
cacoes publicas; 17,70 para ediflca<;oes particula-
res, e'4,12 para o mercado industrial.
t Na margem do sul, 1,61 hectarjs sao desti-
nados aara docas de abrigo e descarga. E' tra-
balho 06 grande magnHude e qne, executado,
tornara o porto de Lisboa um d )s primeiros da
Europa.
* Prosegue suas sessoes de conselho de gnerra
para o julgamento dos reos militares do celebre
processo de tentativa de revolta. Ora, o processo
Bazaine que principiou depois, ja acabou, como
hontem s mbemos aqui pelo telegrapho, concluindo
pela condemnacao a morte o exautoraca.) do ma-
rftch i!
Teve o titulo de visconde de Barros Lima em
sua vida um suzeito qne se chama Francisco Ri-
beiro de Faria ft). Que dira a isto o proprietario
daquelles appellidos.
t Foi agraciado com o titulo de visconde d A-
lemquer, o Sr. D. Thomaz de Napoles.
Foi dada a commenda de Christo aos Srs.
Francisco Luiz Salgado e Antonio Augusta Tei-
xeira, subditos brasileiros; a da Conceicao ao Sr.
Manoel Antonio Rodrigues, deputado presidente
provincial do Para.
i Na proxima sessao parlamentar deve ser vo-
Uda a proposta de lei que extingue 03 gremios de
classe dc contribuicao industrial.
Chegou ao porto o novo paquete a vapor Almei-
da Garret recem-construido em Glasgow para a
emprez i portuense Progresso Maritimo, proprieta-
ria do vapor Julio Diniz que faz carreira entre
aquella cidade e os portos do Brasil. E' comman-
dado pel i Sr. Luisit Thomazini, que alem de muito
habil officialde marinha, e um dos nossos pinto-
res de maU noraeada. 0 Almeida Garrelt deve
sair brevemente para os portos do Brasil. E da
lotaQio de Julio Diniz, e a sua cowtruccao com-
pletaraente igual. j_ _
Falleceu no Porto a Sra. D. Rita da Conha Cos-
ta dos Prazeres, esposa do Sr. Domingos Joaquim
da Costa, proprietaria e moradora na rua do Bom
Jardim. Deixou testamento cerrado. Alguns de
seu3 nihos e herdeiros residem no Maranhao. No-
meiou por testamenteiro seu marido.
pitao Tnomaz Luiz Sympson, capitao Franciscom^q epassageiros por daas canftas que passavam.
ue
cossWade da tor- o governo assignara ainda rauitos tratados com as
raas mostra a grande
naro ensino obngatorio,
df-3oeza, de que a reforma precisa.
0 oroiecte do Sr. Scialoja, admitte om pnnci-
Dio a gratuitidade, mas exclue as classes que po-
dai pagar. 0 projecto da commis3jo, mantem a
avatuitidade absoluU; impoa umcatoente as fa-
inilias o encargo de prover as despezas deste en-
sioe por umimposto com.aunal especial.*
A provincia teria do prover a construccao <\e
oasas de esc Ja para as communas, que dellas sao
dosprovida;, raas por meio do emprestimos eoi- h-
bolsaveis por meio de ura imposto
vinte conliuia; per cabeca
con'.munal d(
potencias estrangeiras.
0 ministro dos negocios estrangeiro; d-;.:larou
qac o governo Siberia inanter em todos os casos
os direitos da Roumania.
HESPANHA.
Acerca desu paiz escrevo nosso correspoa-
deate de Lisbda : ....
A crise se nSo esta conjurada complctameute,
foi oelo menos adiada, e o ministerio aprescntar-
ie-ha sem mudificaciio na proxima sessao das cor
e os
der-
JuJga-se, porem que a attitude da maioria da
assembles irara difflcnldades ao goveruo e torna-
! rt ine"\uvel a fonovaeio da crise, para faz:r I tee
bardeamento do forte de Atalaya. A praca
fortes respondem debilmente. ConUrraa se a
rota dos carlistas quequizetara tolher a passagem
as tropas de Moriones na dreccao de Tolosa, e h-
caram rcstabolecidas as communieacoes com esta
cidade.
PORTUGAL.
Em 13 do corrente es.-reve nosso correspon-
dente de Lisboa : ...
Contiaiia inaltcnvel a tnnqttfVidade pubkea,
a sensaboria e o bom temp de que ja se lameu-
lam em ait s queixas os lavraderes, pois do inver-
no de tao prolongada seccj, ha muito que nao
Ha dons dias houve ura dosagaisado entre o com-
missario de policia Rangel, que presidia ao epec-
taculo do circo Priee, e o commandante das guar-
das municipaes, (barao de Zezere) do que resul-
tou o barao dar a voz de pre3o ao commissario de
policia, e este declarar ao bar Jo que oautoava, foi
novo e nlui curioseTepisodio que veio corroborar a
opiniao de que 6 impossivei accexistencia de dous
c.rpos de policia na capital do reino, policia quo
e desacata e prende mutu;ar.cate.
\olicius da America do \orte.
Por via de Lisboa recebomos as seguintes :
ESTADOS-UNIDOS.
Telegrammas de Washington communicant que
a raensagem presidencial faz elogios ao leal pro-
cedimento do Sr. Castellar.
Se a America for obrigada a intervir em Cuba,
as suas operates torao unicaraente por flra me-
Ihorar as relacoes comraerciaes entre os Estados-
Unidos e Cuba ; o presidente Grant nao dava uma
solu^ao definitiva a questao pendente, entre os
dous paizes, antes de ter sido destruida a escravi-
dao em Cuba, e suffocada a revolta. Por outro
lado nao insistira cora o Sr. Castellar, aum de nao
augraentar seus embaracos.
0 congresso apoiando o ministerio, rejeitou a
proposta para serem reconhecidoa como bellige-
rantes os insurgentes cubanos.
IVoticias do norte do imperio.
Tambem chegou na quinta-feira .pela manhaa, o
vapor brasileiro Ceara, Irazendo datas : do Aina:
zonas 10, do Para 18. do Maranhao 21, do Ceara
2J, do Rio Grande 23 e da Parahyba 24 do corren-
te. Eis o que colhemos de jornaes e cartas :
AMAZOX'AS.
Declinava a epidemia da variola em Manaos
e do interior cnegavam alii nolicias de quo por
oda a parte ia minguando de inlensidade, com o
que reanimava-se o commercio o a confianca ex-
pandia-senas mais esplendidas manifestacaes do
trabalho. Para, porem, sombrear este quadro vem
do/Purus a noticia de que apparecera alii o-beri-
beri* que ja havia casos fataes a lamentar.
No dia 10 procedeu-se na camara de Manaos j
apuracao geral da elsicao para 20 membros a as-
semblea provincial legislativa, e expedio se diplo-
mas aos Srs. : _
Dr. Luiz Carneiro da Roclia, Padre Torqnato
Antonio de Souza, Dr. Joao Carlos Antony, Lie-
mentino Jos6 Pereira Guimaraes, coronel F. Anto-
nio Monteiro Tapajoz, capilao Henrique Barbosa de
Amorim, major Jose M. da Rocha Thury, padre
Daniel P. Marques de Oliveira, inspector lose Jus-
tiniano B. Pinto, commerciante Jose a de M. Leao,
Francisco de Paula Bello, capitSo Nicolao J. de G.
e Costa, capitao Felintho K. F.de Moraes, teuo.ite-
coronel Joio Jose de Freitas Gaimaries, Jose Pan-
Silva Pi-
ll, de C e Mello, major Damaso de Souza Barriga
Continuava a presidencia da provincia a
obter avultados donativos pecuniarios para o dss-
envolviraento da instrnccao pnblica. Ultiraamento
onereceram 1:000*000 cada um os Srs. commen-
dador Francisco do Souza Mesquita, e Jose Francis-
co Monteiro.
Sob a epigraphe Tabatinga, publica o Com-
mercio do Amazonas :
De uma carta vinda no vapor .4 ugusto, extra -
liimos o seguinte:
Funcciona nesta fronteira com regularidade a
es<*ola nocturna, creada pelo tenente-coronel Jos6
Clarindo de Queiroz, em 7 de setembro do corren-
te anno ; 6 mais um importante servigo prestado
a fronteira e que nao deve Scar em silencio.
a Acha-se quasi concluido um grande edificio,
destinado para casa do commando da fronteira,
todo de tijolo e coberto de telha, melhoramento
que tambem se lhe deve.
0 Sr. Clariudo, a custa de nao pequenos enfor-
Q03, secundado pelo capitao E ico, engenheiro da
commissao de fortiOcacao, tera conseguulo montar
uma olaiia, cujo preducto ja sobe a mais de 160
milneiros de tijolos e oito de telha?.
A casa sera incontestavelmente nraa das me-
lhores da provincia.
Alem de um deposito para municoes, igual-
mente de tijolo e telha, obra desde muito tempo
reclamada, diversos outros trabalhos tem sido exe-
cutados pelo Sr. tenente-coronel Clarindo, achan-
do-se ja bastante adiantados os alicerces do novo
quartel que coraeeou em setembro.
0 asseio da praca, a ordem e a disciplina que
se nota em sua guarnicao, bem justiflcam a 'boa
direccao do Sr. coronel e do commandante da
fronteira.
A par, porem, de muita cousa boa, ha ura sem
numero de mo3qnito3 que atorraentam eesapieda-
daraente aos viventes : e so o que ha de mao.
E' urn verdadeiro sacritlcio o residir-se em
Tabatinga durante um mez.
Aduiira a dedicacao dos que supportam raaior
perraanencia.
Uma correspondencia de S. Angelo de Tau-
pessassii (Rio Negro) para o Diario do Amazonas,
diz que reanimara-se alii a agricultura, que fora
abandonada por amor dajextraccao da borracha; da
a noticia de que o rio Jaii nao vasara nada, o que
faz contar com uma pessima safra de borracha :
annuncia que a igreja mntriz da freguezia, que
ameacava ruinas, esta convenienleraente prepara-
da, e, finalmente, da a grata noticia do que no dia
3 do preterite abrira-se a escbla de instruccao
pnmaria daquella freguezia. .
Pelo balancete da camara municipal de Ma-
naos verilica-se que tinha em caixa aquella cama-
ra, em 31 de outubro 12:935*448, que arrecadara
em novembro ultimo 1:6915594 e dispendera...
6:139*339, passando para dezembro o saldo de
8:487*703. Alem desta sorama, tera em dposito
em sua area 2:6525439.
Durante o mez de novembro lmdo a receoe-
doria provincial arrecadou a quantia de.........
21:712*988. sendo : ,
?ara a provincia l "''"
ara a corapanhia fluvial i:5abt*o*
PABA.
Ate a ultima data era apenas conhecido o re-
sultado dos collegios da capital, Cameta, Igarape-
mirim, Breves, Vigia, Gurupa, Porto de Moz, San-
tarera e Obidos, para deputados provinces, que
era o seguinte:
Padre Benedicto
Major Gentil
Major Lima
Tenente-coronel Seixas
Manoel Roque
Major Bernardino Lameira
Capitao Lauriano Gil
Dr. Paes de Souza
Dr. Juliao
Dr. Lobato
Dr. Hhilo Creio
Dr. Miguel Lucio
Tenente-coronel TrovSo
Candido Penna
Tenente-coronel Maxiraino de Miranda
Capitao Joaquim Siqueira
Tenente-coronel Barata
Capitao Anreliano Coelho
Dr. Cantao
Dr. Guilherme Cruz
Dr. Thiago Pinto
Tenente-coronel Lopes
Dr. Santa Helena Magno
Tenente coronel Novaes
Tenente-coronel Jos6 do 0'
Joao Victor
Dr. Freitas
Major Chaves
Dr. Pereira de Souza
Capitao Delfim Portugal
0 Exm. barao de Maua, ao deixar a provincia,
fez o donativo de 6:000*000 as collegio de NOSS
Senhora do Araparo.
MABANIIAO.
No Icatii reapparecera a molestia, que no anno
passado alii reinou, classificada como loucura,
tendq ja fallecido 4 pessoas.
Estava em andamento o processo, ra3taurado
contra Rayraundo Jose Lamagnere Vianna, por ter
barbaramente surrado uma sua escrava de nom
Carolina, a qual, depois dos maos trat03 foi posta
a ferros, de cuja prisao conseguio fugir, e ir a pre-
sidencia da provincia pedir providencias. a qual
remettea-a ao respectivo juia para mandar fazer-
Ihe o corpo de deficto, e o preciso processo. Do
corpo de delicto ftito pelos Drs. R6xo e Julio Ma-
rio, consta que houve ferimentos e ofTensas phy-
sicas occasionados com instrumento contundente,
com incommodos de saiide, por vinte dias mais
ou menos, avaliando o damno causa lo em 60*000
e julgado excessivo o castigo era vista das lesoes
encontradas na paciente. .
No dia 28 de novembro, no lugar LruDU,
districto do Codo, tendo Julia Maria da Conceicao
sahido de casa, deixando tres fllbinhos, appareceu
fogo na casa que era de palha, que foi irameaiata-
mente consuraida pelas chammas, morrendo as tres
criancas viclimas do incendio. .
No Coroata falleceu o coronel Jose Baptista
da Silva, inspector aposenlado do thssouro pro-
vincial, fazendeiro alii estabelecido, onde era mui-
to estimado, assim como nesta capital onde deixou
grande numero de amigos.
0 escravo Aniceto, de propriedade de Joa-
quim Antonio de Mattos, do Alto-mearim. no dia
14 de novembro assassinou sua companrxira do
nome Luzia, e enforcou-se no dia 16.
Na noite de 4 da corrente, no caminho Gran
de, foi assassinada na soa propria casa, Henrique-
ta Maria dos Anjos por Jose Curador.
No dia 11 do corrente, amanheceu morto.nos
fossos existentes na estrada do Caminho Grande,
tendo cahido do muro feito para smtentar o entu-
Iho destinado ao terraplenamento do Campo dOu-
rique, o individuo de cor branea de nome Henri-
que Jos6 Gustavo.
Na fazenda Carmo, aehando-se os escravos
da fazenda S. Jose, ambas do Alto-mearim, dou3
escravos desta, travaram-se do razoes com um da-
quelle dc nome Viriato e acutilaram-se mutuameB-
to, resultando Hear feri.lo este que perdea na Ittta
um dedo da mao direiu, e recebeu uma facada no
braro, licando os dous d'aqaella levemente fe-
As 11 horai'da noito do dia 6 do scrr<
naufragou na bahia de >. Marcos uma cai
318
317
317
317
317
:i!7
317
316
316
316
316
316
316
316
316
315
315
314
314
314
'.14
313
313
313
311
309
309
303
303
290
SHB3SSSSKWK!yswsa
acontecendo que uma raulher quo alii vinha, sal-
vou-se a nado, consegnindo dirigir-se para a bocea
do riacho do Bom-Fim.
A canoa Feliz Maria, da carreira de Guima-
raes, ao sahir daquelle porlo carregada, abrio agua
em grande quantidade que, arribando logo foi ao
fundo antes de chegar ao ancoradoure, perdendo
loda a carga, sem todavia haver perda de vid* a
laslimarse.
Acaba de ser preso no Alto-mearim o crimi-
noso da Vargem Grande Antonio Mansinho.
0 recenseamento ultiraamente feite, menos de
quatro parochias da para a populacao da provin-
cia 326,427, o que eleva, segundo os nossos calcu-
lus a populacao, a mais de 450 mil habitantes, at-
lendendose para a inevitavel imperfeiclo desse
trabalho o interior.
As parochias, cujas commissoes ate agora nacr
mandarain os seus mappas sao as de Santa There-
za da Imperatriz, S. Felix de Balsas, S. Pedro do
Alcantara da Carolina c S. Luiz Gonzaga do Alto-
Mearira.
Entrando estas, a populacao andara por perto
de 300,000, como geralmente se calcula.
Estavara a carga para a Europa o vapor in-
glez Bruswick, e os navios de velas portngaezes
Angelica Formosa e America.
Ren leram as reparlieSes publicas de 1 a IS
do corrente :
Alfandega 39:699*776
Thesouro provincial 13:i31*87j
CBABA.
Nosso correspondente da capital escreve o se-
guinte :
a A administracao da provincia. confiada a ha-
bil e experimeutada direccao do Exm. Sr. Teixeira
de Sa, tem por ora corrido placida. Sua Exc.
deixa entrever uma administracao conciliadora 3
despeito do exaltamento politico da provincia; mas
duvido que possa domar a intolerancia da oppoti-
cao, tanto a radical como a dissidente. Esta ainda
no periodo da lua do mel, que tambem o teve, e
bem longo, a administracao do seu antecessor o
illustrado Sr. desembargador Oliveira Maciel.
c Sua Exc. acaba de promover um notavel me-
lhoramento a instruccao pnblica da provincia, pro-
mulgando a sua reforma. A Constituicao de non-
tern, noticiando este facto, assim se expressa :
a Hoje comeca a ser publicado na parte official
competente o regulamento que o Exm. Sr. Dr. Tei-
xeira de Sa expedio em data de 19 do corrente
mez, reformando a instruccao primaria da pro-
vincia.
c Charaamos a atlencao dos nossos leitores para
esse importante trabalho, cuja utilidade esta em
relagao com as palpitantes necessidades de qne ha
muita se resent ia a instruccao elementar da pro-
vincia, que elle veio satisfazor plenamente, apro-
veitando as boas ideas que se achavam consigua-
das na legislaoSo varia e diffusa da provincia sobre
e3se relevanlissimo objecto. e apresentando outras
novas, geralmente aceitas. 0 que foi garantir a
sorte do bom professor, punir os maos, estimnlar
o alurano tmnsn. cantor o vadio. alargar os hori-
sontes da instrucgao' elementar, acautelando os in-
teresscs flnana'iros da provincia; tudo esta ahi
bem pi'oriJeticla.do
a No dia 13 do corrente o Sr. Dr. Manoel da Sil-
va Rego pasou o exercicio do cargo de chefe de
policia ao seu successor o Sr. Dr. Jose" Antonio de
Mendonca, que na provincia da Parahyba exereia
o mesmo cargo. Magistrado intelligente e probo
no cumprimento dos seus deveres, o Sr. Dr. Men-
donca promette bem haver-se no exersicio de sua
espinliosa commissao.
t 0 seu antecessor, o illustrado Dr. Silva Rego,
deve seguir para ahi no proximo vapor costeiro,
afim de tomar conta de sua coraarca; e pede a jus-
tiea dizer que durante a sua administracao o crime
nao teve guarida : prestou os mais relevantes ser-
vicos a causa da lei, e deixa profuidas saudades a
todos os seus amigos.
e Estaraos anci03O3 por ver aqui inaugurada o
tribunal da nova relacao. Grandes difflculdades
se tem anteposto a acquisi^ao de uma casa com as
prccisas accommodates em que funccione esse
tribunal: o decidido empenho cora que se procura
superar essas difflculdades faz nos crer qne nao
sera por falla de casa que elle deixe do instaUar-se
no dia determinado.
a Consta-me que os deserabargadores d'ahi re-
raovidos para aqui estio mal satisfeitos por terem
de vir fixar sua residencia n'esta capital: entre-
tanto, estou convoncido que esta repugnancia e
filha unicaraente do juizo talvez ioexacto que eltes
fazem do Ceara, e que perdera a razao de ser logo
que elles vejara o progresso que teraos feito neste.-
ultimos annos.
a Ja nao lhe e desconbecido o horroroso atten-
tado da navoacao do Frade, de que foram viclimas
Getulio Barbozi Bezerra de Menezes e outros; e
bem assim as acertadas medidas que foram toma-
das pela presidencia, alini de serem presos os cri-
minosos: assim que, se o mal que elles praticaram
firremediavel. ao menos, ainda uma ve aquelles
que desgracadamente nutrem tendencias para a
pratica do crime, se convencerao de que a sua pn-
nicao e certa.
Os tres preso3, nos interrogatonos a que teem
respondido, fizeram revelacoes que que compro-
mc Item a um irmao do vigario encomraendado da
freguazia, padre Joao Baptista Alves Maia.como
mandante da horrorosa hecatombe. Ha diversas
versoes a esse respeito: dixera uns que os crimi-
nosos se referiram ao proprio vigario, e qne a cau-
sa do crime foi ter este sido contrariado e prefe-
rido por Getulio em uma paixao amorosa que de-
sastrosamento concebora por uma mdea que resis-
lira serapre com desdem e honestidade aos seus
crirainosos intentos, e ia casar-se com Getulio no
dia em que este foi victimado. Esta e outras ver-
soes, falsas ou verdadeiras, dizem-n'as comprova-
das pelas cartas do vigario qne foram apprehen-
didas em poder dos crirainosos, e nas quaes eram
eslo< recommendados a amigos e paremes do mes-
mo vigario.
Se elle 6 o autor desse drama de sangue, e nac.
6umainfame caluran.a que o procura perder e i
denegrir ao* olhos da sociedade, mais que nenhnm
criminoso celebre 6 digno do rigor da iei.
0 pastor qne se desnatnra em lobo, deve ser
mais odiado e temido do rebanho que o proprio
lobo.
x< Esperemos, entrelanto, as diligencias tjue so
procedem relativamente a este assumpto, que mni-
lo breve ellas nos darao a certeza da real inno-
cencia ou criminaJidade desse sacerdote.
S. Exc. Rvma. o Sr. bispo diocesano, logo quc
teve noticia desse grave atlentado, desaulorou o '
vigario das funccoe3 parochiaes.
t A via-ferrea de Baturite continaa a fanca^
nar regularmente, chegando soraente os trens, como
ja sabe, ao povoado de Arronches, distanle uma
l^ua pouco mais on menos desta capital.
c 0 moviraento de passageiros na semana que
decorreu de 7 a 13 do corrente, foi de 3,763, pro-
duzindo uma receita de 1:881*500; e na decomda
de 14 a 20, foi de 2.070, dando o producto de..-.-
1:035*000.
i Esta empreza de grande alcance para a pro-
vincia, ja priucipla a fazer sentir o seu influxo M-
JleflCO. a
. R' o seguinte o resumo dos oollegtos do z.
district i, na eleicao para deputados provinclaes,
excepbi e da Imoeratriz, que canste-me nao se ter
reunido: __
Vigario Nngueira 278 votes,
t Dr. Poates 275
Capitao Paulo Goncalve* 574
mbiumT'I
i


'



re GestcUo
ira
es
m
25..
271
271
m
266
26G
263
Dr. Htircn
Tonente ct
Dr. Nognei*
. Capitao Ssl"
Dr. Joao H
Major Almeida.
Vigario Corrfia hjo
Major Feijo de Mello- 585
Do 3.* dislricto s6 c m.-la 0 resultado do col-
legia de Telha, que o seguiutt:
Dr. Araripe Jnair 45 rotos.
Dr. Sa Barreto 45
Dr. Castelk Branco 43
Major J. Severiano 45
Major M. Caminhi 45
Capita^ Moreira do Souza 45
Lima Verde 43
Major Freitas 30
Dr. M.mtestima 17 >
Tern aparrecido casos de variola na cidade do
Ico.
o 0 Sr. Joaquim Jose dos Anjos Monteiro e saa
mulner, para soletnnisarein o natalicio de uma fi-
Ihioha, acabam dc conferir 'aria de liberdade. sem
onus alguin, a seu escravo Luiz, mulato de 22 an-
nos da idale e bom ollicial de charnteiro.
RIO-GRANDE.
Da capital escreve nosso eorrespmdente :
A policia do Sr. Dr. Correa da "ilva, acaba de
preslar importantis-imos scrvi;os a causa pu-
blica.
E' digna de buvores, e lodos l!i3 devem lri-
bular sincere ecoauecimento.
Foram caoluradas ultimament? oito erimino-
sos. cad* qual mais notavel por suas facanhas e
crime*.
Os tres sinarios, anlores do horroroso morte-
cinio da povoacao do Frade, pcrleneenie a provin-
cia. doCeara, dalli se auaentaram < prnciirando
refugio no districto de S. Miguel de-ta provincia,
foram ahi capiurados pelo digno subdelegado Joa
iuun Henrique de Almeida, quo por lal motive foi
mandado elogiar de ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia.
Joao Limiio, chefe do grupode malfeitores de-
nominadj Litiiauziuno, que infestava odistricto
de Patii, foi pceso no termo da Imperatriz pelo va-
lente furriel do policia .In-1- Paz da SHva Banda,
o qual apprehendeu em poder daquelle facinoroso
urn hacainarte, uma faca de ponia c uma notavel
cartuxeira de couro de onea, coulewlo vinle e urn
cartuxos embaJados.
Alem dessa importante caplura, aquelle ageo-
te da forea publiea prendeu a Ffancisco Ignacio
de CMiveira Coreata e a Antonio I'ereira de Qaei-
roz, amiios prouuiuiados em crimes de morte.
No termo do Ccara mirim, f)i ante hontem
ca iturado o crimin <9Q de morte Manoel Jose Ga-
mes do Nasrimento, tendo expedido a diligencia o
ineaiwavel del?gado major Antonio Benevides Sea-
lira de Mello.
Finahqenlo fofpreso na noite de 21 do cor-
rente, no distneto da \tacahyba, um tol Joaqaim
da Flortinha, por crime de tentaiiva de morte
contra Alexan Irina Cecilia de Karros
* As autori lades policiaes da provincia, acliva-
da pelo sen digno chefe Dr. Josfi Antonio Comb
da .Silva, vao t idas us dias dando inconcussas pro-
va< de seu zelo e dedicac.l > ao servico publico. t
l'.Ut.UIYIlA.
Xada occorreu digfl-i de meocai.
Kstameflte .Vrtrtto*,^ Tn* M4Ma, q#!4M
ella morwa, evadindo-se em seguida ao crinw: iienDi ninpuem exerMa n Ittgar de secretario da pro
!V:tieias do Ala-
Ainli aUegni na qninta-feira o vapor bmsileiro
,1/(/ndi/(. [rueodo datas do Araciijii ate 19 e de
Muceio .!'' il Jo coireuie.
tniiMii
- Karain nomendos promotores puWi'OS das
owarens : de Larangsira*, bac.liarel Antonio Bias
de l'ina Junior; de Pmpria, bacharel Manoel
VKira (,eite Samp.iki.
Achavi-se no exercr:io irderino de chefe do
p 'liria o jura de direin da capital Dr. Alexandre
i'inij L)bao.
MfeDEia
Nada tra;:em oa jornaas, qae mereca men-
...... i
ir
REVIS'TA DIAIUA.
."):Giii20n
."i:0)OaOiVI
?.: 7083000
:l: 300 000
2:1*21000
2:0:;03O(0
1:8015000
l:0030tX
I:795J000
l:38:i-MW.'
1::W0 5000
1:0005000
880i0:>0
."ilJ8i'J00
4o640;iir
OiiiOK)
TelcR-rapho stittmariiihn eo.stciro.
Jase aclia lixo em terra, na praia de (,'opacaba-
na. algumas milhas disunle da curte do Rio de
Janeiro, a lio tolegrapbico, qua deve pdr em com-
manicaea^ essi prtrto fvn as provincias da Babia,
Perrfamhneo e P,ira, oevendo a ioaujnra^ao offi-
cial ter Jnear no ifti I* de Janeiro de 1871.
o:is!a-nos quo M. u Imoerador ini assistir a
solemrte InaagnmerTo, c pie o Sr. Arthur Pearson,
digoti gfrente da eiopreza nasia provmeia, prepara
uma bella BiXttt nirs esse dia
CuPvntu Vital uir hoje a larde, on amanltS peta manha, para o
I'.ir.i. arttm do come^ar a sondagem do mar enlre
esse port i a o de S. Thomaz.
Vaprrjs r: satlrtittieoS. Em LUb esperawm-se, o m deslino ao nosso porto ; a 23
do eorrbn'e, o vapmr inglez Pntosi e um francez,
de Itortifos: e a 29, o vapor inglez Fire Queen, do
Liwrpoid.
Dlnficint. Os vapores Cearn. M'liirUihi o
Cmuripe troiixerau para :
Joaquim Jose lioncalvcs Bcitrfo
1'ilho
J'-aqiiim Oranlo de Bastos
Ta-so [rmSos
Agwfjij F. da Silvi h Jo.io KcrMMes Lrfpes
Barros, Fillw & d.
Carlos Jr.se t!,; Medeiros \ C.
Jose G'tiiherme ^ C
Msnoel Ntuws da Foneeca
Jose da Sllva l;>\r. k Filli<
Julio Cesar Pae Bamta
Jose Koilrigu-'.i ik Souza
Gomes & Cardoso
A. Cesario Moreira Dia;
Francisco Uamos & C.
0 vapor Penedo levou de oftssa praea para :
Penedo lO^MXOOO
Vapor ticiiuia I-Mo vapor >ia companhia
pernambubaua, tendose 11m parlido a bomba de
alimentar a caideira, ii mu no porlo do Natal.
Hontem seRitio para alii uma janjada couduzin-
do os aprestos ne:essarios para o concerto da
pora.
Para o sal do impcrio. C m 10 rece-
bidoe em nosso porto, levou o Boyne 112 passa-
ge iroa.
QucKtao raetlico cirursiea.Comeca-
in >s boje a publica^ao de ama serie de ariigos do
nosio comprox inciano, o Sr. Dr. Luciano Sarmeu-
to, em rcsposta aos doa Srs. Drs. Dowoguez e
Masearo. KecotBrnenJamos esse traballio aos lei-
tores.
Propa^iidora da S us truest < Pu-
Itliea. Hoje as 7 horas da none liavera reuniao
^o conselho parochiar da fregaezia de S. Jose, ao
o. 89 da rua de Santa Ri'.a.
Prisika. A' requisigao do ros[>ectivo doutor
juiz municipal, a delegacia de Liraoeiro alii captu
rou e recolheci a cadeia da villa, Joao Pereira do
Hego, indiciad i como autor da tenlativa de morte
praticada coBtra Anlocio Freire da Silva.
Assnssinato. -0 ce!ebre criminoso Manoel
Fflix, prouunciado no art. 193 do codigo criminal^
?!em de outras, Assassiaou com diwersas facadas a
Francisco Jose dos Santo*, na povoaejio de Itambe,
em ii do mez corrente, conseguind* evadir-?e; M
natural que ccntinue.
A auinridadn local procedeu ua forma da lei.
CanBieto e feriaieutos No dia 30 da
mez ultimoem occaeiao de ser recrutado Terto-
lino Gomes PijMoa na povoacao de Tracunhaem,
oppoz-se esie a prisio e auxiliado por sens innans
Jo4o (gna-io (Jomes Vieira de Albnqueirquo <
Antonio Gomes Vieira. deu lugar a que- se
travasse um leihido conflieto entre elle; e a for-
ca puMiea, do ituai sahiram feridiw: gravemente
Joao Ign; cio, Fraacico lose Pereira e Franwsco
Jose L'mreaco pertencentes a e-colta caphirante ;
levement-', o meneioiiado Tertolino e sen irmao
Antonio G"mes, e niais SeraSm Piodrignes Perei-
ra, que fazia parte d'aquella.
O inspector de quarteirSo ineumbido de effec-
inar tal dilig- neia milacrosamente escapon de ser
alii a93as^iodo, eontando mats a victoria de roa-
Ikir a rapturs t Tertolmo e a prisao de seu ir-
mao Ant'-nto Gome,s. 0 ootro, de nome Joao Ig-
nacio, conseguio eradir-je.
7-wn Pigou e-Miveniente destiooo inqaerito que
se !>ri>cedeu a respf
lli iticiilin espancamentns. Em
30#do me? pr i imo findo, no distnrto de Vioenein
& termo lie Nazareth, Vrcente Ferr'ifa do M^ura
maton corn uma facada o e>eravo Eduardo, d.i
eaiHtao Matotas Gon^alves Goerra. sendo preso era
jfl-igraote.
Josepbiua Botwinda doe Praeeres espancou bar,'de sermbs
(
Grande, escravo de l>sc ^Mpg' de Vnuy
espancou lambem 'a Aoriana, escrava do Bel i
Augusto RibeitoLlma, pondo-se Unibetn em m-
Sa ; e no4 dislrioto. da fregueaia de Trcunhan,
o mesmo termo, o Dr. Antonio de Hollanda Ca-
valcante da Rocha Wanderley, foi espancado e
ferido por Jose-ijBWT e sens eserwos Mnnnet, Bas-
tos e outros, todios os quaes, comettido o delicto,
evadiraai se.
Os inquerilos que taes oeeorrenciMmotivarani,
opportunamevte effectuados, tiveram logo o con-
veniente destino.
Fcrtmento. Pelas 10 hora3 da manha de
8 do corrente mez, Isaias Antoni ferio levemente
a Angelo Freire Gomes, sendo preso em flagrante
no districto de Cabrobo. 0 inquerito effectuado
sobra este facto, seguio ao sen destino.
Inqaerito.Teve o conveniente destino o
3ue se etfectuoou em Pao d'Albo, pakt respectivo
elegado, sobrc o assassieato de Carolina de tal.
Itamlte Escrevem-nos desfa villa em 2S do
coruente:
Renovo a d^sagradavel noticia, que dei na mi-
nha ultima, com data de 30 do passado, roferindo-
me a variola que contimiaem sua marcha desnla-
dora a conslernar a populacao do districto de Tim-
baiiba.
Entre outras mnitas victimas, conta se um sol-
dado de policia do destacamento que alii csta, e,
quo, embora tratado a tempo e conveuientemente,
fulleceu poucos dias depois de apresentar-se
doonte.
0 numero dos ataeados desse temivel mal
creice de dia a dia, e a abundante e conccrrida
feira qne, sempreaos sabbados se reunia, vai a
desapparecer; tal eo temor de quo setem apode-
rado os seus cemenrrentes.
0 commercio decresce con-ideravelmente, e o
resultado 6 que os generos, aiimenticios on nan,
vaoattiogindo a ura preco exorbilante.
A seu pedido foi exonfrado do jargo de pro-
motor publico interino o tenente Almeida, e no-
mcado pelo juiz de direito para substitui-i.i o ba
charel Tertnliano.
Entre 3 e 4 horas da tarde do 6 do corrente,
em Cruangy. foi barbaramente assassinado com
varias punhaladas um soldado do destacamonto, de
policia daquella lo,-.alidade, sen lo o criminoso um
tal Olympio Gondim ile Vasconcellos. Ontro tan-
to deu-se em Timbauba/ Na tarde de 14, o MM
Francisco Jose dos Santos frlHeceu de innumeras
facaias que Ihe den o celebre criminoso Manoel
Felix. Ambos infelizmente, C3nseguiram eva-
dir-e.
Nrlo sei ao certo o que occasionaram tao de-
ploraveis acontecimentns. e somonte sabe^se que,
qnanto an segundo, foi de caso pensado, porque
Manoel Felix procurnu sua victima e encontran-
tlu-a a distancia de duas leguas da povoacao de
Timbaiiba, a accommetten dc mode todo barbaro,
quebrando Ihe a cahe$a e um dos braeos, antes
quo Ihe ilfeso as facadas. As antoridades coinpe-
tentos proccderam as vistorias e as mais diligen-
cias leyaes.
No dia 10 teve effeclivamento lugar a convo-
caeao da l1 e ultima se>sao do jury deste anno;
nao tendo logo liaviio ca*a a falta de numero suf-
liciente de juizes de facto. Presidio a o juiz de1 di-
reit< interino Dr. Menelao; o seus respcclivos tra-
balhos ti'eram coraeco cm II, pelo modo seguinte :
1" julgamento, rco Vicente Ferreira da Silva, cri-
me d.e homicidio, absolvido e appellado pelo juiz
de direilo ; 2 Alexandre Jose Quirirw, tentaiiva
de homicidiiT, ahsolvklo ; '>" Manoel Vicente do
Oliveira, sargento do corpo de policia, homicidio
praticado em acto de resistencia na pessoa de um
criminoso a qnem procurava capturar, e do que
resultou sahir ferido, condemnado a sete annos
tie pris.in simples, e appnlkulo p.;lo seu advngado
o baehaiel Inojosa; 4 Jose Gomes de Souza, ho-
micidio, absolvido; o* e 0" Joao Paulo d.i Boa
Morte e Clauilino Jose da Silva, tenlativas do mes-
mo crime, absolvidos.
E:n 19cnce'rrou-se a >e-sio. subindo a julga-
mentn sei> re>js, sendo quatn absolvidos e dona
appellados.
No domingo (14) celebrou-se a festividade de
Nosfa Sonhora da Conceif5'>, na igreja da me-ma
invocacao, presidindo a esse acto como r.o do le-
vnnta'iienlo da bandeira e novenas que o prece-
deram, ai-rum brihanlismo e mnita concurrencia ;
tendo tocado em todijs elles uma banda de musica
que veio de Goyarma.
0 templo estava dec irado com eleganeia e
simplicidade e bastantemente illuminado.
Occuparam a trihuna sagrada os Rvms. frei
Augusto da Immaculada Conceii/ao, religioso car-
melita e padre Manoel Vicente, vigario da Ta-
qiura; oranlo aquelle nas vesperase no Evange-
Iho e este no Tc-Deum.
Oulroa niais aacerJok'S do li]g:iros circumvi-
sinhos, como bem o vigario de Goyanna o o pa Ire
Serapeao, vieram assistir a essa festividade, na
qual servio de raestre de ceremonias o Rvm i>adre
Vianna.
A' noite, depiis do Te-Denm, foi queimadoum
peqncno fogo de artificio, antes e depois I > qual
anuveraro algnns baloes primorosamenle prepara-
dos c muitas gyran lolas de fognetcs.
0 pateo d.i igreja estava bem il umina lo e
tambem ornado cum um chafariz, arcos, colum-
nas e algumas figuras representaado anjos e os
apostolo*.
a Felizmente em todos os actos reinou boa or-
dem, devido isto sem duvida a actividade do dele-
gado de policia capitao Gracindo Lobo e a do sub
delegado alferes Freitas Barbosa, que, estando
sempre presenles, em naJa se deseuidaram para
prevenir qnalquel conflict) quo se podes.se dar
mtre a multidao.* ,
Cmnarea de Ciinbres.-De'?sa coraarca
escrevem-nos em 18 do corrente :
i No dia 13 realisou-se a 4/ scssao do jury, sen-
do julgados os dous unices processos preparados.
O primeiro comprehendia os reos Tertuliano Seve-
rino Pereira de Souza, lilho e outros, accusalos
pelo crime previsio no art. 2o3 do codigo, qiie fo-
ram defendi los pelo Bvd. Dr. Estanislao P. do Car-
valho, e absolviJos. 0 segnndo ;omprehendia o
reo Jose \elabino da Silva, accusado pelu crime
previsto no art. 201. que teve por ildvogado o Dr.
Marco Tullio dos Reis Lima, c foi absolvido, ap-
pellando o juiz de direito presidente do tribunal.
As cousas de Moxoto vao no mesmo p6. Ma-
noel (mico e Joaquim Marques hoje aeampara no
Qeritaco, c, nao obstanie as enericas pro/idencias
e medidas tomadas pelo honrado admini>trador da
provincia, nao sei que mao fado pesa sobre aquelle
lugar, nada lemse conseguido em rolaeao a eSses
criminosos.
Luetamos com um sol abrasador e uma seeca :
j.i tern morrido tnuito gado, e continuara a murrer,
se nao houver uma boa trovoada por todo este
mez.
Presidente dc Sergipe A bordo do
vapor Ceard veio para esta provincia o Exm. S^.
Dr. Antonio dos Passos Miranda, presidente no
ineado para a provincia dc Sergipe.
Do jornal Diario do Gram Pdri transerevemos
o seguinte artigo da rcdaccao sobre este nosso
amigo :
No primeiro paqnetc brasilei.-o, que se espc-
ra do sul do imperio, deve segiiir Dara a provin-
cia de Sergipe, por via de Pernanibuc >, o Exm.
Sr. Dr. Passos Miranda, nomeado ultimamente pre-
sidente para aquella pro Formado em 1867, pela academia do Reeife.
onde deixou nome para sempre lembrado, como
estudante morigerado, talentoso e applicado o Sr.
Dr. Miranda, dando expansao a sua natural voea-
clo para a carreira administraliva, procurou esta
provincia, sendo dias depois de sna ehegada, no:
mead) pelo Exm Sr. eonselhejro Jose Beuto, offi-
cial maor da secretaria da presfdenna.
Tad boas services prestou o Sr. Dr. Miranda
nesse cargo, tao subejas provas de capaeidade ex-
blbio no cumprimento dos seus deveres que, va-
gando mezes depeis o lugar de secretario da mes-
ma reparti^ao, o g.iverso imperial, por iadiear&o
do Sr. conselheiro Joao AImvoo-, successor do Sr.
Jose Bento, o noiueou para esse lugar, qne elle
exerceu por mais de ouatro shoos. sem|irea con
lento dos presidente* e vice-presideates com quern
servio.
Arduo e espinhoso 6, por certo, o lugar de
secreSario ; apezar disso, o Sr. Dr. Miranda o des
empenbou sempre com lanto .ceit> e habi'idade,
por ura modo tao i oaroso ao seu caraeter e Sua
edncaoao, qun nao s6 oorrespondeu cabalmeute a
contia ica politica e is vistas administrativas da
presidencia, eoroo soube aogariar symp.athias e
affeic-fles de todos e mesmo amifade d inuitM qne
b procoravam- para tratap' de seus neguwo* parti-
btUares.
Sympatbic), de- iraeto amno e agradavel,
leal, eapaz d>j sacriticios e couhecedor des-a bo
guarem magnetica que, faHand > ao- eoracdes sna-
visa os dwwbores que do ordinario cau^a uma
expressio negaliva, o Sr Dr. Miranda deixou n i
cor.ioa.i dos paraense." proftmdas studades.
a Nib sanemos & Ske. tern de*iffec!o<, po-te
ser que os tenha. attenta a impoi lancia
que oecupava
ikdicapio e i ait aoeitaeio do qne S. I:
rtparticao o Sr. Dr. M1|^^l
TOttbfe sempf> eoifciliar o rnspeito devido ao iarg* coutaVpail^o daqutllcs que, embora serw
subordioados, elle sempra os considerou amigos
9 auxiliarcs da sua nobre e honrosa missao.
f CorrsrvadMM*r. Dr. Miranda nunea ir
aos seus .com JMtsos pcKticoi A soft divisa
M sempreJpiW a '"ws, favores aos amigos.
i Nunca iliwass a honru de river na inlimida-
de de S. Bxc. neni tao poaea fom s eonstantes fre-
quentadope* AHecretaria presidencial ; mas pelas
relacfles que as-neressidades da vida publiea nos1
levaram a confraliirpara com empregados de ea-
thegoria superior e pelo qr e observ.unos e i uvi-
mos de pessoas cir mmspnt-tas e insuspeitas, pe-
dem a justiea e a verdade que pela imprensa r~-
nhamos hoje como interpreter da maioria dos pa-
racnsas, trihutar a tao dislincto cavalbeiro as nos-.
sas sinceras homenagens de respeito, estima e
eonsideraclo. '
' Ventos bonanr;osos e propicios conduzam a
S. Exc. e sua Exma. famili.i a terra a que se des-
tinam
c Saudamos dd intfmo d'alma a provincia de
Sergipe por tao acertada escolha, que lanto hon-
ra ao nomeado como exalts ao governo que a fez.
i Ao Sr. Dr. Miranda nao faltam qualidades
para levar a provincia qne vai administrar ao apo-
gej da gloria e da prosperidade.
Assim saiba ella iprecialo deridamente.
Loteria.A que se r.cha a venda 6 a 81* a
beneficio da Santa Casa de Misencordia do Reci
fe. a qnal corre no Jia 30.
Casa de detencao.Movimento do dii
'i de duzembrb de 1873:
Existiara presos, 323, entrou 1, ficam exislln-
do 324.
A saber :
Nacianaes 239, muliieres 11, estrangeiros 21
escravos 47, eseravas 6.Total 3to.
Alimentados a custa des cofres publicos 252.
Movimento da enfermana do.dia 25 da dezem-
bro de 1873.
Teve baixa.:
Manoel Martins da Silva, febre.
Teve alia :
Manoel Scares de Luna.
Passasreh-os. Chegados dos portos do sul
no vapor brasileiro Handakii:
Vicente Andraile (iomes, Antonio Rodrigues de
MeHo, Francisca Alexandrina, Loonelia lonoeencia
Augusta, Antoni.* Estovio, Francisco Wanderley
M. Cauarica, capitao de fragata Francisco Joao de
Oliveira.
- Chegados dos portos da Euroja no vapor in
glez Buy us :
Francisco Riboiro Pinto Guiraaraes, Manoel Pe-
reira da Cunha, William Rawlisson, Bento Luiz do
Auniar, Manoel Jose C. Porto e sua senhora, Isabel
Bopiero, v'auuel de Aaujo Alcof>rado, Manoel da
0>sU Teixeira, Jose Femandes Gomes, Augosto F.
de Oliveira, Domingo} Jose Cracaives, Manoel
Dias Ferreira, Mane el Joaquim de Azevedo e Ma-
noel do Barreirinho.
- Chegados dos portos do Norle no vapor nacio-
nal Ceard.:
Di go Jose da. Costa, F. Canuto, Dr. Jose Maria
de Mapalhaes Velio, commeodador tenente Jose da
Costa Moreira, Antonio dos Passos Miranda, sua se-
nhora e 3 tilhos, Alfredo E. G. Barreto, sua se-
nhora e 1 (Una, E luardo J. Banks, Dr. C. C. Gra-
nelle, M Fl irenciano, H. P. Nilo, A. Cola V. Clia-
mutella, Pablo P. Arins, Joaquim B. liereis, L Bu-
rico, Manoel Maria F. RoJrigue.-1, Jose F. de Mello,
Manoel Si Villa Nova, G. N. Araujo, Antonio de C.
Moreira, R, R. Borges, Jose D. J. da Costa e Jose
Antonio Ferreira.
Seguem para o sul no mesmo paqnete :
T, C. Barata, I. M. A. Ferreira, C A. Ferreira
("aminlia, J. M. Costa, sua mulher e I filho, J. R
R, Fabio P. de Araujo, D.-. C. Leonardo, Dr. B. G.
de Miranda, Albino N. Cisti, Antoni-i J. da Motta
Ribeiro, Francisco A. Corrua Fernandea, F. da Sil-
va, A. do Amar.il Freitas, Jose Loiirenco de Lima,
30 recrutas e 70 escravos a entregar.
Saiiido para-o Rio Graodo do Sul no pata-
Cho portnguez Bm Jose Goncalvcs Peieira.
Cciniterio pnltlien. Obituario do dia 22
Jo corrente.
Francisca, lur la, Pernambuco, 42 annos, viuva,
Boa-Vista, hospital Pedro II; variolas.
Joaquim Ferreira da Luz, parda. Pernambuco,
29 annos, solteira, Boa-Vista, hospiial Pedfo II;
aneurisma.
Candida Maria Goncalvcs, parda, (igaora-se a
naturalidade) 26 anns, solteira, Santo Antonio;
variolas.
Caseiniro Thomas de Araujo Lima, pardo,,Per-
Vj.inbiii' >, 36 annos, e.asado, S. Jos6 ; tubereulos
pulmonares. ,
Guilhcrme, escravo, preto, Africa, 60 anuos,
aolteiro. Boa-Vista; cirrbosa do figado.
Francisco Antonio Duriiiv, branco, (ignora-se a
naturalidade) 71 annos, solteiro, Santo Antonio ;
amolocimento cerebral.
Joaj'iim Goncalvcs Vieira Guimaraes, branco,
Portugal, 70 annos, casado, Boa-Vista ; enterite-
chrimca.
Amelia Ferreira dos Santos, branca, (ignora-se
a naturalidade) 12 annos, solteira, Varzea. phty-
sica.
Pernambuco Sabbado 27 de Dezembro de 187S.
inho pela qnantia
urado, pages a
arrematmte demoli-i
Exm. presiien
i.-ao.
S3I|bHdu a camara pagar ai ittMnatante. do
dWcado publico a quantia de 6:130ji, para com-
pletar a 3* prestacao.
Foij^MMgHto de editbaaa* a peticio do Her'
rigues Pflnro ; a contadoria as
de FaustinoJMI la Fonceea e Tranquiliao F.an-
cisco de Paula; ao i^enfieiro, a d* Manoel An-
ielnoCorreia de FigueirAlo.
Nd Santa Casa de Misencordia mandou-se
eatisfazera exifencia do advugadoda camara.
Koram indeferi.las as pelicSes do : Antonio Fer-
reira Ramos, Anna Romualda de Lima e Carloa
Walter ; deferidas as da Junta administratfva do
hospital Porlugnez, J^se Miguel Ferreira da Si.v*,
Justine Constante da ConceicaoJJoaquim Baptista
Nogueira, Jun; Joaquim da Costa Braga. Jose Joa-
Iuim AlvBs Sobriaho, Jos* Augugto de Araujo,
)ao Jos* Fernandas d Costa, Joao Ribeiro Pes-
soa de Lacerda, Luiza Pereira Maria da Conceicao
Oliveira & Filho, Pedro Ratis de BorgeslRosa Ma-
ria; da Conceiesfci, Samyaio & C. e Dr. Symfronio
Coutinho
Nada mais houve a traUr-se, e o Sr. presidente
levantou a sessao as duas horas da tarde.
Bu, Pedro de Albuquerque Autran, seerotaiio
a escrevi.
Manoel Joaquim (fa /fe^o Albuquerque, pre-
sidente. Jose Maria Freire Gameiro. Jose da
Silva Loye Junior. Jose Pedro das Neees. Theo-
dora Machado Freire Pereira da Silva. Jero-
nijrno tie Sauza 'Lent. Jj&oda Cunha Soares
Guimuraes. Dr. Pedro ie Athayde Lobo Mos-
cow.
?B8UCBES PEPtOP
HHDIC'IVt
BREVE RESPOSTA AOS SRS. I.ICENCtADOS D0-
MIMH \.l. E MASCAB.6 PELO U. SAUMENTO
FILHO.
Antes de entnar nas principaes questoes, de que
17 DE
0 que, pordm, p-ienn afflanear. sem rpceio
ontestado, que nesta provincia ain la
CAMARA MUNICIPAL.
6." SESSAO DA 4.* ORDINARIA EM
DEZEMBRO DE 1873.
PRESIDENCY DO SB. THEODOR0 SILVA.
Ao raeio di, presentes os Srs. vereadores Theo-
doro Silva, que presidio a sessao, Loyo Junior,
Neyes, Gameiro, Cunha Guimaraes, Dr. Moscoso,
e Cesario de Mello, o Sr. presidente abrio a sos
sao e lida a acta da antecedente, foi approvada.
Leu-se o seguinte
KXPEOlF.XrE :
Uma pelicao de recurso de Manoel Jose Gongal>
ves Braga, com despacho do Exm. presidente da
provincia a camara para informar. Foi remetti-
da a coinniijsao de saiide.
L'm officio do administrador do ccraitcrio publi-
co, de 13 do corrente, remetlendo por copia um
ofllcio do Dr. chefe dc policia em que pede infor-
'macAo acerca do facto de screm inhumados cada-
veres sem guia da cam ira municipal e cujas licen-
^as para inhumacao naoobtiveram o visto das res-
pecilvas autondades policiaes, quando deviam em
Lies cams ser depositados na capella.e a resposia
a este dada de que tendo communicado arjuella
autoridadc em 3 do^ndante'fircm sido condazi-
dps pelo? cams de Paula & Mafra os cadaveres
de Maria Martins Pedroza o Ahtonia, sem acorn-
pauhar a guia municipal os havia depositado na
caneib. ate que aqua la autprijjido, a quem par-
ticlpara, ordenasse a*inhumacao, foi-lhe dedarado
qne cumprisse o re'galamerHo, no qnal estava pre-
veni lo esse caso, ;i rista do que e do ordem des
ta camara, a cujo eoohecimento trouxe o occorri
flp, contintion a proceder de conformidade com o
art. 87 do regulamenio, reservando-se para com*
munisar ao Dr. chefe de policia, 'quando sobre a
morte de alguem hoover duvida. A camara
mandou recommendar que conlinuasse a proceder
como o tern feito, observando restrictamente o re-
gulamento.
Iriformsr-io do engenheiro acerca da pertcao de
Antonio Ferreira R.rnos. Foi indeferida em vis-
ta da rnearfta tnformacae
Ofllcio do li-cal da fregaezia de S- Frei Pedro
Gwieilves, dando parte ter mullado a FYancisco
Joaqnim Riheiro 4 C. na quantia de 30*000 por
tar estabelecido uma padiria nos fundos da casa
n. 89 a rua deS. Jorge, som que livesse para isso
a respectiva licenca. Remetteu-se ao urocura-
dor o termo de iulraeeSo pirit vlfeetuar a'cobran-
Zi damulm.
Relacao das muitas importaspelo'flseal'da mas-
ma frfgiiezia de W a 17 do co-rente contra Jie
Dias di Silva, Victcrino Braga, Antonio Ferreira
de Souza, Albino Alva da Rasa AC, Vieira Pe-
rtiira e Joaquim Jose da Silva Awvedo ; a saber
o e 2 em 6*. por venderem leile com agua ; o
3*_em 6*, por-fatta de asseto no esUbelerimento
oii' em 8*,_reiucid8nci pela raoama eausa<; oO*
em 4*, p-da mesma causa e o 4* em 10*, por ter
baton ca onin tara.
0!lle;o dt) liscal dm Afoiados, dando pane ter
moltado em 605, i-uja pianiia ja-faireoil' ida am
cofres innm>i,)atw, a Andre Rampck-p-jr infraccao
dos arts. 7s a 77 combinadus com o art. 9i das
posloms Ue 26 &>. juuh Uo 1873. Iutairada.
DfHcio do tiscal da fregueaia de Nossa Senhora
d> ftraca, p-dindo o paga nento da quantia de
UrJa f'f> importanuia dos concertos >la ponte da
Bam.i Verd<*. Ao pr curalor para pagar.
0 itro do mesmo fiscal, dando parte aehar-so
mud i.ruiot lo Ii aterro |ta da passagem para
a r-ferida i>:i|e. .v> ongtn eir.i para exarmnar
e apr -entar o respectivo or<;araento.
O Sr verenUr Dr. Mosciso reqaorea verbal-
meute para que -ecreUrio da camara n*o reee-
do cargojbesse peticau alguma que contiver palavras m-
pr ipria* a., d.'i- iro e resp-iti devidos a camara. -
701 mi inimemonte approv.
F'r.im arreoijtados os materiacs do-
desejara unieamenle occupar-me, nao posso dei-
xar passar desapvrcebido, tralando se do assump-
tos, que affectam a pratica medico, o preambulo
de alguns escriptos, que tenho de analysar, em
que se procura disfargar certa tberapeulica desas-
trada, e se chainou a carapo antigas investigaeiies
barbaras, so comparaveis a pratica d'aquclles que
as invocarara. Por isso tenho de mo afastar. por
algous momwuos do objecto principal deste es-
c rip to, sentindo que a iiwiflicicncia do sen autor
o a aridez da materia, nao permittam unir o uiil
ao agradavel, par* menos-enfado da leitor.
De todos os ramos dos conbecimentis liumanos
e a hygiene o que mais concorre para a felicidade
das naciiosi A sua wflueiyjia sobre os pheuonio-
nos da vida, tanto no estado desaude, como no de
melestia, foi reeonUecida pelos primeicos legisla-
dores e philosophos, que em lodos os tempos, Ion-
ge de se lerera della descuidado, tnuito pelo con-
traries a cultivaram.
As proprias religioes, nas epocas primitivas, en-
cerravam preoeitos do hygiene, a que bemfeitores
do genero huinano, eomo Mivses, deram um ca-
racter sagrado, como meio.seguro, naqueUas epo-
cas, de conseguirem o cumprimento dos seus con-
selhos.
Os primeiros hvros quo appweceram no raundo,
desde o Sastha, qae preceduu de mil e quinhentos
annos ao antiquissimo Veidam, na India, trar,am
preceitos sanitarios.
Basta eiu'in percorrer a historia da Grecia e
de Roma, lembrar os sumptuosos monuwantos des-
tinados a hygiene por. estas povos, pin admirar
quanto era compreheadida a importancia de tao
util ram i das sciencias medicas e convencer nos
de quanto o foi esiudada era todos 6t tempos.
Nero e isso para estrauhar nessas epocas em
qne da hygiene emanavam quasi todos os recur
s is da therapeujtica, de que e ain la hoje a base.
Foi gracas a hygiene, diz um dislincio escriptor,
que na Grecia, desde os seus primeiros tempos,
os sous habiiaules,ohrigados a lutar contra os ata
ques- reiterados dos barbaros, c mseguiram com
vanlagem repelli-los.
Ileconhoce-se, euillm, compulsando a historia
in inedicina, que grende numero de medicos, tan-
to d a aaliguidade, como da idade media, deram
muito impulso a hygiene, e eram os primeiros a
datem o exemplo da sjbriedadV, do asseio c da
decencia.
Oxala os exemplos fossem seguidos pelos que
desconbecem a hygiene dessas epocas, em que de
certo nao eram cscunas espetuncas com baleoes
immuodos, proprios de tavoraas, tran-formnda^
em consultorios medicos.
Dilo isto, apenas para moslrar que os medicos
antigos nio se deseuidaram da h.giene, occupe
mo-nos dot instantes da pharmacologia, cuja in-
lervencao na cirurgia e ignalmente de sunma im-
portancia.
E' sabldo que, entre os agentet os mais precio-
ses da materia medica, coniam-se diversos vene-
nos; pordm, tambem e certo qua so da applica-
cao esclarecida aos differcntes casos, a que sa >
realmenle indicados, do estndo da sua opportuni-
dade, e quando em d6ses, delerminadas pela
sciencia, o qua se ':prende na arte ie formular, c
qae resultain os sous beae!i;ios.
0 medico, que reduzisse todi a sua therapeuti-
ea a um pequeno numero de ntadfeamentos dosta
ordom, daria exuboraates prova^ cia, desprezando a incootestavel utilidade dc inui-
tos outros dosta mesma clasae, e, alnda mais, a
summi importancia pratica d3 innumeras subs-
tancios, quasi que inuocentes em seu maior nume-
ro, e com razi. tao preconisadas polos medicos es
nais emincntes.
Assim, temos, entre estas ultimas, a pepsina, a
diaitate, a camomilla, a calumba, o cato, a gencia-
na, a magnsii, o aroao vegetal, a ratanki snbndr 'to ile bismuto puro, e outros, para as af-
feccoes gaslrp-eutestinass; o olid de figido de ba-
calkdo, as plantas bechicas, como o mmgo, a po-
lygala.o muitas outras para as an*ece9os do appa-
relho respiratorio ; o sulfato de quinino contra as
febres paludosas ; o phosphato de cil no mal de
Pott; a valerian i em certas molestias nervosas,
principalmente na hysteria, em.quo e taorecom-
mendada por Trousseau ; o alcalrdo, os balsami
cos em geral'para os catarrhos; o sneco das cm-
ciferas, das nurvneiaceas, ao escorbuto ; as aguas
alcalinas nvs affeccdes gastrp-hepalhicas, e urina-
rio etc., etc.
Ao passo que substancias tao simples e inofen-
sivas possuem propriedades therapeuticas tao effl-
cazes e extensas a grande numero de molestias,
rarnos os mais violentos venenos terem um em-
(Prego limitado, ou quasi nnllo, na therapeutiCa,
como por^exe-nplo a n' i nu$ toxicodendrrm, a anjftaMra; a reralrina, a
solanina, o acitlo oxalico etc., etc.
No entanto prescrevem os medicos, a qua nos
referlmos, para to los os casos os mesmos agenlesj
limitando t)da a therapeuticn a meia duziade to-
xicos dos mais violentos, entre os quaes sao al-
guns de aecao curativa duvidosa sobre cortas roo-
lostias, como a digital, por exemplo, nas affec;oes
do coracao, seguudo a opiniao dos carliopalbolo-
cistas modernos, o que e por certo digno do nota.
Mas pro*curar effeitos phy-iolegieo9 em assom
fcrosas propinacoes de acido arstnioso [lezgram-
-at'is) quefulmmariam aos- maiorea- tuxicophag^s ;
oosar preserever 3' grammas de strychnina em
um pequeno vehtculo, exjwndo uma familia intei-
ra a tremendas desgracas ; app'icar o extraeto de
cicu'a em doses, de qne resdMariam neeessaria-
mente envenenamentos, quando tornado segnndo
as instruccoes dadas; acon-elliar a' atropina em
doses rap'iuamente cresceBtes ate appareoerem
phenomenbs de intoxicayao franca; querer acos-
lumar os cftentes, come chinezes, a absorcao do
*pio, ou de seus saes, em doses que nem aqoelles
tolerariam; procurar ilessa forma ctfeiK>s physio-
logicos e certamente mais do que digno de lasli.
ma, e merededor da'mais severa punicio.
Nao ha idio-yiicrasias, por mais tolerantes que
sejara, que resisi.im a semelbantes despro >ositos
tlierapeatieos, sendo exdrnxalft a-pretencSo de se-
rein inoffensiv is taes attetitados contra a saiide
publiea, na hypMhe>e de quo exislem estas idio-
syncrasias, isto 6, modo de ser particular em-to-
dos \>* port*lore*da semellvints receitn.
E; alem do que, como estabeleeer o grao do to-
lerancia ; calcular os effeitos de taes venenos ;
prevenir o perigo do seu uso irami>lerado ; qoand .
nao se conheee o elienta, porque e visto pela pri
meira vez, sem que interesse saber ond r4da,
nem se espero tornar a ve-lo, desdo que as suas
condii^es de f irluna ntolhe permit'ii vi-itas, cuja>
retritmicao e exigida dp modo muito comparawel
as doses a qne se vao submetter ?
I'oder se na nestas cdndt^ocs gradua; o elTeito
physiologico de taes veneno*, em d tenies quo re-
gressam a seus lares, a* vezos a g'amle.s distaocias,
cnmo na ilka de Ua mar -cd, por exemplo. lieando
o medico alheio a marcha e as complicardes da
raolestia ?
Mas qne imoortam essas reflexoes, que a pra
trapifhs dencla acooe)hsria,8e a scjencla a iispirasse, e a
V
produz estupendts phenomenas psychologicos/ ad
pas&o que, promettendo-se curas sem dt longas, se
resume e se empalma a quinta cssencia das ow7-
tadas risitas?
P As scguinles tertades, eteripets pelo ilbislre
professor o Sr. Ptorry, teem toda a applieacao a as-
te respeito. B possa emfim o mm Hero, se eke-
gar a ser lidq por pessoas ettranhat d medicina,
preserca-las contra o$ preconcettos funestos, con-
tra as artimankos dot charlataes, acautela-las
contra i rrtlamos, os annnncios, rs prescripcoes
dos somnambulos ; inspirar-lbn aoersio contra
aqitelles que protegem esses trafcantes de saiide ;
fazer Ihes cer,em/im, q*e a meaicinn verdadeira e
a primeira das teiencias, e out a therapeutica, que
acalma, allicia, e ds cezes euro, nao repouza so-
bre remedios extravaganUs t incomprehensiveis,
nem sobre caprkhos de medicacdo, mas sobre fdc
tospositiro*, simples, comi afnatureza, e verda-
deiros,como arazao.t
Pretestando em nome da physiologia, da chimi-
ca e da therapeutica contra tao abominavel pro-
cedimento, nao insistiremos mais fobre factos pro-
vados, que estao no dominio da corporacao medi-
ca e pharmaceutica desta capital, e que em ou-
tro qaalquer paiz nao teriara licado por tante tem-
po impunes.
Tratando se de operacoes cirurgicas, seria ociosc
lembrar a importancia da anatomia, nunca contes-
tada a esse respeito.
Nao succede, pore"m, o mesmo em referenda a
viviseccoes, cuja applieacao a cirurgia nao e de
lanto provtito. As format, diz Velpean, srio tiio ra-
ramenle semelliantes, que niio se obtem em geral
sendo resuUadoii erroneos, qnerendo-se conclnir ri-
gorosnmente de um para oitiro.u
Com elfoito os serrieos presLados a medicina
operatoria pelas viviseccoes niio teem concorrido
pa a a raelhor execucao das operacoes em si mes-
mas, o quee facil de compreheuder, dependendou
seu aperfeeoaraento dos progresses da anatomia nor-
mal em applieacao a cirurgia, nos casos em que
os orgaos sobre que se tenha de proceder este-
jam saos, e da anatomia patbologica, quando elles
tenham perdido as suas relac5es, c estejam allera-
dos cm sua forma, estructura, volume, consisien-
cia.
As viviseccpes niio nodem ministrar estes co-
nhecimentos, e a cirurgia nao tem deltas tirado
algum proveilo, senao na. apreciacao do valor, sub
o ponlo de vista da puisiologia pathologica, de
uma operacao com que se pr >jecta enriquercccr
a sciencia.
Lembrar, porem, a nacessidado das viviseccoes,
tratando-sc deoper.agoos ja adquiri-lis pela cirurgia,
e que teem sido inaumeras vezes praticadas, sobre-
tudii quando ellas sao de natureza que a anato-
mia pathologist Ihes lem dado mais impulso do
que a anatomia normal, >' realmenle um dispa-
rate.
Actualmente as vivisecoes sao quasi oxclusiva-
menle applicadas a physiologia, que Ihes deve as
suas mats brilhantes descobcrtas; niio sendo
raenor a importancia das experieacias, igualmente
tentadas sobre ammaes pela medicina legal em
suas pesquizas sobre ceutos crimes, e muito em
particular sobre envenenamentos, com, ou sen
into.nc,ao criminal.
As vivisecoes, porem, devem ser muito fami-
liares a aquelles que se deslinam a prafissao de
veleriuarios, convindo lembrar que neste caso de-
vem os operadorcs de animaes ser muito cnida-
dosos, estando elles expdstos a ressentirem-se a
todo o tempo das pegonhas, qua podera Ihes ter
sido transmiiti las pelos inaividuo3 sobr; qne cos-
tumaram trabalhar.
Diremos ainda que es.tes habitos veterinarios,
nao exigjdos para o cultivo das operacSes, que
so tenham de proceder no hoinem, poderiam ser
desiulpados, se fossem as experiencias fe'rtas em
certoa quadrumaaos, que nuis se aproxiniam
physicamente do bomem ; porem a acqnisicao de
taes animaes, alias asquerosos e de dilBcil ap-
prehensao pela grande sagacidade de qae sao do-
lados, seria perigosa pelos mios instinctos, qne
os caracterusam.
ComprehendP-sc facilmoute quo taes ensaios,
feilos sobre individuos de typo mars afastado do
Bomem, mesmo nos quadrupedes, como no equuos
cabatlus, e no equus asinus, ainda em racas, as
mais ,iperfeiijoada, como n,a' arabe, na persa, prin-
cipalmente na andalusa, e de que se faz nraa idea
'polos retraMs, que os mercadores neste genera
costum.im espatHar pelas feiras, compre-.ende-se,'
digo, que esses ensaios pouco resu;tad)s danam,
em applicag.io a especie raeicnal, pela grande
Jilferenca das organisa.ujs.
Eritretanto a mechanic! em applieacao a ci-
itprgia paat muiio Inerar com* as vlWsee;o>*-,
^m ensaios sabre novos apparethos, on instru-
mentos, ainda nan introduzidos na pr tica me-
dica, e cujos effeitos ainda tno estejam bem de-
flnidos, e ainda menos coroados do desejado
resultado.
Neste senti lo consta terse tentalo uma nova
applieacao da mchanica a ophaimologia, para
maior commodidade na expforagao do globo occu-
lar. Consiste a reccnlc descoberta na singular
altitude do obserrador sob're os tricept da pessiw
stijeita ao exame, empregando se rignrosa fla-
gel I a cao aos bussinadores no cao de obstaculos.
Este modernissimo processo, cntretantg, quando
empregado em donzellas, tem o inc'nveniente
do proluzir as vezes a intcrvencao da policia,
quo sera razao tem querido descobrir em tao in-
nocente e secrelo meio de investigacao uma
applieacao a medicina legal, na sua parte crimi-
nal, dassiftVada no artigo do codigo penal, quando
se refere a tentativa de defloramento.
Nao proseguirei nestas reflexoes, aue poderia
este'ider a muitas outras sriencias e artes, qot
tambem dlzem respeito a medicina, poMfuanto
sto nos levaria muito longe, com dctrimeoto do
nosso lim presentemente.
Entremos na malerta.
A aaatomia, tanto normal, como pathologica, a
pratica de op.'racrje* no cadaver, e sol/re tudo o
grunde habito de operar no vivo, sao os mais so-
lido* csteios da cirurgia.
Aquelle que satisflzcr a essas exigencias, e pos-
suir algumas qualidades pessoaes, que possa
ter a iqnirido em um longo exercicio nos bos-
pitaes, tendo em sen favor numerosas operajdes,
operacjoes das mais dillli.is ds cirurgia, por si
praticadas com os mais vintajos >s resultados, po-
dera emprehender trauquillamente qualquer ope-
racao, qne tenha tnereeido a saaccao das autsri*
dades scientiflcas, sobtetudo qiiando esse cirur-
giao tenha assistido a muitas destas operaeoes, a
que se propoe fazer, e ainda mais tendo elfe pro-
prio ja praticado uma destas operafoos com a mais
feliz resultado.
E; quando as indicac5es tenham sido bem as-
sentadas, ja por si em reiterados exames, ja na
ouinia-* dc toJos os medicos, que tenham examina-
d-) o caso, reconheeida a necessidad'.- e oporlnni-
dade da operai;iio, a resolttjao no cirurgiao deina
da ser-facultativa, torna-se um sagrajo dever..
Apezar do concurso de todas estas circtlmstan.
cis, podera sneceder que elle encontro omjtbca-
eiws o accidentes impossiveis de sorem previslos,
e difflcilmws as vezes de remediar ; podera mesmo
aconiecer que a operacao seja segnida. de um re-
sultalo fatal, monn^nte sendo elh do numero d'a-
quellas em que todos os operadore*, de todo* os
tempos e de todas as partes, referem innnmeros
casos fataes, ja dnranle a operacao, ja depois de
as haver praticado.
Dado este caso, tendo o cirurgiao a sua con-
scjeacia a salvo de haver commettido erros. ou
ialtas, e ain.la mais lirmado no testcmun to uaa-
nime de todos os seus cullegas, devo com segu-
ran;a encarar de frente qualquer aecusaviio, po-
dera sorrir-se cun comoaixfio da censura, que in-
tent* feri lo. principalmente quando ella mnana
dd paixoes abjecias, revela descunhecer o quo sa
intenla crilicar, e parte do quem por sua imporieia
e iiiipruJeucias houver aggravado a situacio da
eijferina.
. Qualquer pode emitlir opinioas sobra fartosK-|
oondemnar uma ralica, arguir uma douiriua,
oonsurar uma operacao ; porem, para quo as suas
a imparciali lade, a boa fe. a raconliocida piobidade
das pessoas, qui o fazem, p issaio iuspirar Uda a
conliaiiQ-i; e necessatio qee a sew saber autorua
os-seus juizos, que a sua experien ia nesta mate
ria esWja coinprovaila.
Par-' critic <> uma operacao i preciso conhere-ta
A crjuci ioepiir*Ja pela ignoranda, pela avi 1;;.
doj lucre, e pelo despeito, que adulter* os factos,
enoerra erros, occult* as drcurasiancias, meos
preceder.ini e ;ioc-i-apan-laram, perde todo n va
lor, desce da sciencia a dillauiac^o.
A calurania e o sarca^ujo dtmunciam a cpn-ura
flomo ma'igna ; os. erroso m vidns do racciiu'ioi.)
n-i interpre acao de factos. deraonstram a falsi.la-
dj da sua narrac.o.
Til foi a:iiisi<) misao do* Srs. licenoiado* na
apreciacA Oucupyiuo- Ofx> da priiuc-iru.
(Continua.)
Os doutores emraollcifta mWilittect-yn* ha -
guns annos, sacvoccufbr o sea assorabro, que as
molestias pulmonares1 e bepaticas com uenhuma
outra cousa se podinin curar, mas sim podeirsja
ser completamonte exi^rpadas com o olco d vfigarjn
de baeafhao. Apenas be annuncioa uml suc-
c^sso, quando para logo o mercado SB vio inunda-
do de toda a ca-ta de composites do azeito de'ba-
Ida, do phoca de mios do vac a, do toucinho e um
sem numero de outras coraposiooeg, aos quaes se
ajuntou o notno do especilico lentinVi, ponSm sem
possuirem nenhuma de snas reaos virtudes. Po-
rem agora temos no oleo pnro medicinal de figado
de Lanman k Kemp am artigo, cuja perfeita legiti-
midade de oxcellencia se acha comprovada pela
faculdade medica. Nos hospitaes militares, navaes
e civis dos Estados L'nidos da America e elle tao
bem conhecido, como na, pratica particular dos
principaes medicos. Nenhuma classe de tosse, res-
friamento, affecgao dos brouchios, niolestia dos
pnlmoes o do figado, ou affeccdes escrofulosas,
podem resistir a sua maravilhosa accao medicinal.
Sem rebaixar o mcrecimento de outras prepara-
goes legitimas da mesma natures*, pode-se allian-
rj.ar que aquelle e supotlativamente exeellente
Agua ile Florida ile Murray e
liiiamaii.
Todos os perfumes mais delicados sao "btita
das (lores das regioes do tropie; e de todaoJys
essencias da aromatica llora do tiopico, esu4|k>i
sem duvida, e a mais dura>loura, pura e deliciosa
por excellenda. Ella embalsama a respiracSo e
da um agradavel e fragrante sabor ao partadar, to-
das as vezes quo se usa pdas luanuas, como en-
chagoamento da ,h>>ca, mixturada em um pouco
d'agua, assim coflro neutralisa de uma maneira
apetecivel o mao gosto do charuto, depois de se
se haver fomado.
Os senhores, nao obstante a presente predotni-
nanle paixae de barbas compridas, os quaes ainda
conseryam uma certa preferencia no uso da nava-
lha de barba, actrarao com agradavel sorpreza que
esta deliciosa agua de cbeiro, uma vez levemente
applicada ao rosto, depois da barba feita, os isenta
Ja usual penalidade. sentida/logo depois dessa ope-
racao, removendo toda a sensacao de ardencia da
pelle barbeada.
Para todos.
A casa mortuaria de Paula & Mafra con
tiniia a bem servir ao publico, era quantos
seus proprietarios ou sao deforidos no re-
curso que ititerpoem ao conselbo d'ostado
contra q. monopoiio concedido a outrem, ou
sSo a contento iodemuisados pelos mouopo-
listas. E para que ninguem se illuda a rtsn-
peito, scieiitiGcam ao respeitavel publico que
se acham providos do material necessario
corn carros novos.
oaMMsaim
GOMPArsHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritiuaos. cm mercadorias,
fretes, dinheiro a risco*ofinalmeiUode quaK-
iuer natorcza, em vapores, navios a veto on
oarMcas, a promios muito modicos.
RUA DO COMMEHCIO N. 34.
Seguro
rHE LIVERPOOL
coiitra4og
& LONDON & fi
LONDON & f.Lfv*
INSURANCE COMPANY
A.s;eiite.
SAUNDERS BROTHERS* C.
tlCorpo SantOT11
Oapiu).
/itaJo
northern;
.... 2O,006:0eO5W&
de reserva. 8,OO0:O00fW>
Agrttes,
Hills Latham & C-
R-UA DA CRUZ N. 38^
SEGUROS
t
CONTRA 0- FOGO.
A companhia ludemnisadora, cstabclecid*
nesta proca, toma seguros maritimos sobt*
navios e seus carregamentos e contra' fogr>
tva edificios, menadorias a mobilias: na
rua do Vigario n. 4, paviraento terreo.
COMPANHIA" ALU AN? A
seguros maritimos e terra**
tres cstabelecida ua Bahi>-
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL 4,000:600000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiflo r
ivX) maritimo cm navio- de vela e. vapor?*
para dentro e f6ra do imperio, assim como
jontra fogo sobre predios, generos c t*
rondas.
Agente : Joaquim Jos6Gon?9lvesBcltrSo,
-ua do Commercio n. 5, l*aadar.
PHA^A DO REOPS' 25 DB DKZSMBRO
DE 1873.
"S 3 i/S HORAS DA TARDE.
t;tac*r.N fQcimea.
Algodiu-de Goyanna l sorte 7*5500 por 15kik*.
;jnblo sobre Lonrfres 9dlv. 2<5 1* d. por
J4000.
Cambio -sobre Fari< a vista 367 m o francos>i."
banco.
Cambio-sobre Pertugal a SO d|v. 109 OfO de pr*-
mio, do bartco.
Cambiosobre Paris a 90 dfv. 360 rs. por franco,
i'-ambto sobre o R o de Janeiro a 30 d|V. |s 0|0<
de desoonlo
Uto sobre dito a 8 dfv. 1^8 0|0 de descoBUi)
quarta*feira.
Dubourq
Pelo- presMleme.
Antonio Leonardo Rodripue*.
, Pelo secretario.
ALFAXDEGA
iaudimento do dia t a IK. .
'lem do dia 26. .
8025244175
16:92ti?tW
8I9.443193
Descarregam hoje 27 de dezembro.
Vapor inglez Boync fesperado) raercadoiptta
para alfandega, e. bagageos para o tran-
che Conceic/ioi
'Vapor Inglez Cordova (esperado) mercadorias-
para allaodega.
Barea franeexa Mauricien sal ja derpacbad*
p3ra terra.
Barca ingleia -Jamei Dardsou farinha jad-
paehada para o caes do Apollo;
Baroa ingleza Jame Maria-~carvio ja despacha-
do para o <*aes do^ Apollo.
Vapor nacional. Mandahu generos naeionae*
para o trauirbcda u-mpauuia pornaitt-
bdeana.
Vapor nacional Cri*r^ generos, nacioo*^
oara o trapiciie Tr\vaso.
Barea infleza Dofa macbinismo papa^o t>
picho Conceicao, para oespachar, o cmt-*
vao ia despacnado oar* o caes da co*-
panhU peraambicsoa.
P',rtug-nz Vm&< y- cal ji dspacn*d*-
para o trapiche Gonoeiei), para coofwir,
Importn^Ao.
Vapor nacionBl MQpd*h.u, entrado d^
Pataebo
I HUnHADO
}
t 9

\

r
\
\
\
r
HH1
TT


o fiefFemambuQO g^Wt
k
*i4* ,^o.crre*e; e jeoi^gMida-a I & C,
[xr.JMfin,jn*nifaou : 4aKarli
Algodiic 18 sacfas > Francisco GouQalvflft
Torns. .^sutar ijfi saccos a Miguel Jose
AWes,^!* llfcqUM A Rlbo. Airoz
de casca 48 ,-sacea a Francisco Goti$alvesi
* Torres. r^' *f %f
f%mcnto 5 barrions a Fernandas da Costa
& C. Couros salgados 70 a Francisco Qjori-
ijalves Torres. H
Fariuha de mandico 55 saccos a Fran-
cisco Goncalves Torres.
Milho 288 saccos no mesmo.
Oleo dc rioino 43 latas ao mesmo.
Iho, 1 barril a Pedro 11. de Oliveira^ 1 caixa a Ma-
noel Jose Carneiro, 20 barris a Alheiro Oliveira &
I barril a Dr. Coupe dajia BfNira, 27 caixas
a Manoel da Silra Saitos, tfcrrSi C P. Martins.
Yinagre 35 barns a Silva UuintarBs & C, 4 pi-
pas e 20 barris aos mesmes, 5 pips e 25 barris a
Oliveira Filtaos & C, 40 barris a Leao Bocha 4 C,
2 pipas e 10 barris .a Alfredo Prsico JBarbosa, 5
barris a H. Correa & C
tECEBEDOMA DS BEN
RAKS UK P
Asndimento dn dia '
dem do dia ~"
>AS INTERNAS
JBUCO
72:260*1
L162J
Brigue nacional Superior, entrado do Rio
de Jane > ia paesraa data o consiguado a
Araorun If a ios, & C, manifestou :
Couros secos 60.
Xarquo 122,210 kilos a ordem.
Hiato portuguez Diligente, entrado do
Rio Grande do Sul em 25 do corrente e con-
signado a Mapoel da Silva Maia & C, ma:
nifestou :
Cduros seccos50.
Xafqiie $0,904 kilos a ordera.
Barca nicional Nova Marianna, entrada
do Rio (irando do .Sul na mesma data e
consignada a Oliveira Filhos & C, mani-
festou :
Azeitede amendoim 6 Jatas.
Fumo em folhas 4i fardas.
TOiUciylio 10 barris.
Jiarque 295,453 kilos a ordem.
Brigue inglez Trusti, cbegado de Terra
Kova na uieama data econsignado a Saun-
dres Brothers & C manifestou :
Bacajbao 2,381 .barricas aos consigna-
tarios.
Vapor nac-iuiial Curitr-ipe, entrado do Ma-
maaguape na mesina data e consigngdo 5
coinpanlih pernambucana de navegacuo
costeira por vapor, manifestou :
Algodao 100 saccas a Clemente Lima.
Couros salgados 516 a Roubaeh Cahm
d- c.
Fariniia de mandioea 23 saccos,a Monteiro
Junior.it Femandes.
Milbo 150 saccos a Joao dos Santos Fa-
rofa, 30 a Monleiro Junior & Femandes.
Vapor nacional Ceard, entrado dos porlas do
norte na ipesma d ta e eonsignado a Pereira Viau-
na & C, manifestou:
Carga do Para.
Coapcos (I l Chile 1 fardo a Pedro AfLn- >.
Gomma i caixas a Beltrao & Filho.
Salsaparrilha 30 rolos a Antonio Alves Gurma-
raes, 20a Jayme E. Gomes.
Carga Jo Mar*nhao.
Arr>'Z (1 i casca ;i0 saccos a Beltrao & FiUio,
50 a Francisco Goncalves Bastos e Sa
Bamcas. vazias 80-feixes a ordjm, 2) a Joa juira
Gerardo do Bastos.
Tapioca 12 panniros a Beltrao & Filho, 10 a
Francit-co Gon;alves Baslos e Sa.
Palacho nacional Marhi Emilia, entrado do
Bio de Jant-iro na mesma data e coa-ignado a Da-
vim <& Femandes, manllestou:
Barricas vazias 403 amarrados a Joaquim Jose
Aievedo.
Caf6 70 fjceos a Juaquim Juse Azevedo, 41a
Beltrao & Filho, a"0 a Jos^ Joaquim da Costa
Leite, ,100 a Bosa ^ Filhos, 70 a Magalhaes 4
Irman, 20 a Joaquim Uim- Leitao, 111 a Domin-
gos Joaqui n Ferceira Cruz, 30 a KicarJo Jose
Gomes da Cruz, 140 a Joik> Jose ll>ilrigues Mendes,
e 10 a AHu-iro Oliveira & C. Cimonto 60 barri-
cas a SoarA 4 AmaraJ.
Patacho aiuericano Alice, entrado de Balti-
more em 24 do correote,.e consignafdo a Johnston
Pater & C, manife^tiru :
Fariotia do Jrigo 3,300 barricas aos consigna.-
tarios.
Bara rranceza Gvilheme Tell, entrada em
26 do corrente e consiguada a Harismende & La
bille, mamfeitou :
Carvao ie peira o3(i toneladas aos consigaa-
larios.
Vapor ingioz Covduoa entrado de Liverpoo
por Lisboa em 23 do orrente e coasigoado a1
Saunders Brothers 4 C, manifestou :
Carg' de Lisboa.
Aieite do Oliveira 50 barris a Silvt Guimaraes
4 C, iO h Taoiniz de tqoino Pouceea 4 C. sue
cosiores, 5 i Miiloaca C& C. Allio* 12 canas
Uas a Luna 4 5Wi. Azeitonas 10) ancoretas e
9 caixas i C 'lire & Keis, 200 an^oretas a Silva
Ouimaraes & C, 22 ftillas a Beltrao 4 Filho, 60
ancoretas a Hon iro Janior 4 FernaaJes. Amn-
aoas|4 barricas a J."Hernia Sraga, 11 a Francisco
Ribeiro Pinto Gnimar.aes.
Batatas. 120|2 wixas a Silva Guimaraes 4 C,
50|2 a A. A. U- mu, 30(2 a M Corroa 4 C, 100
1|2 a Pereira Vnaoa & C, 30|J a Jose C>rrea
Rraga, 50|2 a Francisco G.mcilves Bastos e Sa. Bo
lacha 3 CJixas a Ueudonca C. C C. Bordados
1 caixa a E il Ilibelo 4 C. Bijouterias 1 cai
xa-duLuig-i >meo.
Castanli 9 iO caixa? a Silra Guimaraes 4 C,
13 a M^i;loi';a t, n-rea & u, I2|2 barricas a
Francisco Ribeicu Pmt-i Guimarles, 1 cisa a
Joao E G i nis, 2 |2 c tix*) e 11 cauistras a Lima ,
4 Silva I barrica a (;. Prancise i Martins. Ce-
bolas i'6 caixa^ L> Rtcha \ C, 50 a A. A.
Jacime, 20|2 a M i'.srrta& C.. 181 ciixasaSil
va Guimaraes & C., 25 a Jose Corr6a Braga, 25 a
Francisco Gjncalves Bastos 4 Sa, 50 a Bosa 4]
Irmao, JO a Cardoso Martins 4 C, 4 a Monteiro
Janior & Fernandes, 4' a Lim i 4 Silva. Cestos
5 (ardos a Lima < Silva. Chouricas 6 ctisas-a
Franci eo Goaf.ilves Bastos e Sa, 11 caixas a Jo
se Correa Braga Civaia 12 barricas a Clemen
te J. de Meadmea, oO caixas a R. 1. Gomes da
Laz&C. C*ns^rvas 11 caixas a Domiugos Joa-
quim Ferrairv Cruz, 112 a Pereira VnnoitSjC,
5 a Limi & SI.a, 23 a 0 iveir* Filhos 4 C,
Cal em pedra 50 barris a Francisco da Costa
Miia, 13!) a B'!tra> v Filho. Cera em ve'.las 60
caixas a M. lla!!iday 4 C, 75 a E. R. Rabello &
C. Chinellas d^ ouvelios, 3 caixas a Manoel J.
Bibeiro AC
Doce 1 caxote a Ueadonca Correa, 4 a J. Roin
gues Car.valh), i a Joaquim J.i-e Alves 4 C. Do
ces e oottervas i-j c.iixas a E. R. Bibello & C.
doee-1 caixa a volumes ao Dr. L>ao da Silva Rimos o 4 caixas a
Antonio Jose Abrou RbMro
Figos 6 grade; a L-:.i B .aha & C, 2 caixa3 a
J. F. Lirai 4 C. >0 grades a Brlirao & Filhos, 6 a
Francisco da Costa iC.4 caixis a F. R Pinto
Guimaraes, 169 caixa* e :s grades a Silva Guima
raes 4 C, l' eaix*s a Jt.se Correa Bfaga. Folh.s
de lenro 5 secccs a Franco da Costa 4 C. Fruc-
tas, seccas i caixa a F. R. Pinto Guimaraes 3
a J. Tholes 4 Hell >, 3 a Manoel Antonio da Costa.
Feoa, 5 fardos ? Constantino R. Mendes. Fava
3 oaias ao .
Grao dc bieo 20 .aixas a Silva Guimaraes 4 C.
Lfeor 12 caixa- a BHflio 4 Filho. Linguicas 7
caixas a Silva Guimaraes & C, 6 a Frajagisco Gon-
calves Bastos A C.
tfassa dt t'linate 1 caixa a Silva Guimaraes &
C 2 barris a Clemrnte J. de Mendonca. Massas
30 caixas a Mendon,;a >>rrea 4 C, 50 a Luige
Orrico, 100 a F. R. PmW & Guimaraes, 6') a Lima
4 Silva. Me'rcad rias drversas a Antoaio Duarte
iiunoes, diversos vulumes,
Nozes 10 barricas a Btendanpa Correa 4 C, 4 a
Jose Corr^ Braua, 10 a Franciso Ribeiro P. Gui-
maraes 11 a C. Francisco Marlins.
Passas 107 farihs aSiivi Guimaraes 4 C, 3 a
Francisco daC*U &C..3 caixa* e 13 atados a
Jos6.Corri5a Brag*, 3 cai mis o 3 fardos a Jos&F.
Lima & C,5 i Limi 4 Silva. Peixe 4 caixas a
Oataira Filhos 4 C., si jaarril a Pereira Yianaa
4 C
Sardinhas 15barris a*8ilva Guimarl's 4 C, 18
a'Lima Silva. Sementes 5 saccost. Constantino
R.-Hendes.
Toucioho 60 barris a Silva Guimaraes C.
Vacca de leite dmi a bma criaa Constantino R.
ileodes. Vailas tOOjcalitas a Silra Guimaraes 4
C. Vinho 86^iipasaM5 barris a Silva Guima-.
rjen 4 C, ISpipase 65 barris a Oliveira, Filhos
Garga de Liverpool.
Assucar 1 barrica a ordem. Arroz 90 saccos a
or Jem, 100 a Tasso Irmaos 4 C, 60 a A. Marco li-
no Monteiro, 50 a Manoel da Silva Faria 4 C, 50
a Magalhaes Irmaos, 100 a Lebre 4 Beis. 40 a
Jeronymo Francisco Ferreira. Amostras 2 volu
mesa Kel'er 4 C, 1 caixa a J. Christiansen, 1
caixa a Beltrao 4 Filbo, 1 a Mon->ard Mettler 4
C, 1 volume a Mesquita Cardozo, 1 a Cramer1 Frtfy
4C.
Riscoutos 1 caixa a J. J. Alves 4 C- Barriliia
25 barricas a F. da Costa 4 C.
Cerveja 2 barricas aos consigaatarios, 83 a F.
Goncalves Bastos c Sa, 50 a Antonio Marcel ino
Moutei'o, 70 a L. J C Amorim 4 C, 30 ao barao
de Bemflca, 7i a ordem, 120 a Horeira Halliday 4
C, 30 a Francisco do Paula Ramos,.Il0>ajlanoal
da Silva Faria 4 G Cliapeos 3 caixas a M. Gre-
gory 4 C, I a urdem, 1 a M. Mettler 4 C.. 1 a J
Chrisliani 4 C. Dads 4a sol 1''caixa a D. P. Wild
4 C Ditos de pallia 14 caixas a, Phipps Brothers
4 C. Cutilaria 1 volam; a M. Halliday 4 C, .1
caixa aos consiguatarios. Crystaes 4 caixas a Ber-
nardino Duarte Campos 4 C Caraisas I caixa a'
M. Mettler 4 C, 1 Cramer Frey 4 C Calcado
1 caixa a Mendes Loin 4 C, 1 a Joaquim Pereira
Araules, la Alfredo Gibson. Cachimbos 2 caixas
Sout> Sa 4 C- Couros preparados 1 caixa a
Cunha 4 Mania. Cha 5 caixas aos consiguata-
rios. 15 a ordem, 25 a Manoel da Silva Faria 4
4, 20(1 a 12(2 a Vlagalhaeslrmio, 20|2 a Lebre
C Reis, 1 a J. Francisco Ferreira,, 10(2 a J. J. Al-
vos A C > 5 a.Souza Bastos 4 C, 2l|2 a Fernan-
des da osta 4 C, 5 a Mills Latliam 4 C, 60 a
Phipps Brother.) 4 C, 30 a Jodo Martins de Baa-
ros 4 Filhos, 7 a P. riuudes da CosU A 0. Carne
em conserva 1 barril a Braga Son 4 C.
Drogas 1 caixa a prdem
Espelho I caixa a Antonio J. de Azevedo. Ether
1 caixa a C Starr 4 C.
Ferragem 5 caixas a von Loheslen 4 C, 2 bar-
ricas e 1 caixa a M. Halliday 4 C, 2 barricas a J
L Goncalves Ferreira 4 G. 1 caixa e 5 barricas
a Shaw Hawk^s 4 C, 2 caixas a Parente Vianna
4C.
Fitasde la I caixa a Domingos Teixeira Bastos.
Folhas de cob re 21 a Silva Barroca 4 Filho. Fa-
rinha 200 barricas a ordem.
Lou^a 1 barrica a A. Frederico de Oliveira 4
Companhia.
Manteiga 4 caixas aM. J. Tinoco do Souza, 19
a Aatonio Ferreira do Garvalho^o a- Babe Schraet-
tau iV C 8 a J. Marceliuo da B. 4 Filhos, 15 vo-
lumes a Magalhaes 4 Inn io, 23 barris a Cardozo
Martins 4 C, ~5 a \lfreJo Pnsco Barbosa, 50 a
L J. C Am trim 4 *. JO a or Jem, 50 -aos con-
signalarios. 12 a Tass-i Innfios. 'Mercearia 3
caixas a Costa Irmaos 4 C. Missaugas 4 pacotes
a Parente Viauua 4 0. Meias 3 caixas a Cunha
4 Mania.
Mercadorias diversas 67 volumes, a ordem, 10
fardos a S. P. Johnston 6: C, 3i a Sa Leitao 4
Coimbra, 6 caixas a uuha 4 C, 4 caixas a Pe-
reira Sim es 4 C, 21 a Th Christiansen 4 '-- 6
a Otto Bohres, t a D. H. Wild & C, 68,a Parente
Vianna 4 C. 4 caixas a Joajuim A. A. de Araujo
4 C, 7 a Basto Oliveira 4 C, 1 a Monteiro 4 SI-
>a, fO volumes a Jose Luiz Goncalves Ferreira 4
C, <1 a Alcoforado Vieira 4 C, 171 a Johnston
Pater 4 G, 54 a L. A. Sequmra, 1 caixa a J. P.
Cunha, 14 volumes a wiHs Latham 4 C, 2 cai-
xas a companhia dos trilhos urbanos do: Recife a
OimJa, i volumes a-companhia do gaz. Maclu-
nas 14 caixas a Wild 4 C.
Obiectos diversos a S. P. Johnston 4 C, diver
sos volumes e 1 caixa a P. Maurer 4 C., ditos "de
escriptorio o lytographia 3 caixas a Marques dos
Santos Aguiar 4 C. Oleo de linhaoa 10 barris a
ordem, 4 ditas a Joao da Silva Ramos.
Ornamento, 3 caixas a Bartholomeu 4 C.
Papcl 3 caixas a i. vtar-iues dos Santos. Pre-
suntus, 4 caixas a Lebre 4 Reis, 3 a Joajuim
Jose de Azevedo. Pimeota 20 saccas a Lebre 4
Beis, 5 a J. Francisco Ferreira- Piannos 1 caixa
a H. Yogilei.
Queijos 42 caixas a Francisco Goucalves Bastos
4 Sa, 23 a Femandes 4 Irmao, 23 a Joaquim Jose
de A'evado.
Sain* i eai** a U. P. Wild 4 L.. 1 a ordem
Saccos 10 fardos a ordem.
Tapetes 1 fardo a Souza Sa 4 C Tabaco 1
caixa a Monteiro (Jregorio 4 C. Tecidos, 6 fardos
3 volumes e U caixas a D. P. Wild & C, i81 vo-
lumes a B. Tnms hi 4 C, 1 caixa a Odorico da
Camara, 75 volumes a Simpson 4 C, 13 caixa e 20
lardos a Phipps Brother- 4 C. e E A. Burle 4 C,
30 fardos e I volume, 58 volumes a Alcoforado
Vieira 4 C. 20 a Ferreira Malheus, 4 a A. Fre-
d rico de Oliveira 4 C, 15 a Juse Luiz Goncalves
Ferreira 4 C, 48 a Carneiro 4 Nogueira, 3 a
Adriano Castro, 35 a W. H Wealt, 8 a Montoiro
Gregorio 4 C, 15 a ordem, 16 H. Mettler 4 C,
07 a Keller 4 C, 192 a Cramer Frey 4 C., 4 a
Domiugos Teixeira Bastos, 87 a Braga Son 4 C,
t a Papiula 4 C.,3 a Manoel Mes (uita Cardoso, 24
a lioa.'al es, Irmao 4 C., 1 a Adamson Howie 4
C, 1 a L. A. Siqueira, 8 a R. Irmaos 4 Guima-
raes, 3 a Johunsthi Pat-r 4 C. 132 a Enills La-
than 4 C, 4 a Linden Weydmam 4 C, 13 a Okel
Bmdloss, 35 a Silva Barnica 4 Filuos 62 a Mes-
quita Cardoso 4 C, 23 a Hah- Schametan ,v H., 5
J. J. G. Ferreira, 30 aos consignatarios, 3 a Car-
valho Guimaraes 4 C.
Viveres 7 volumes aos coo Vegetaes 30 caixas a Fernaades 4
Valvolas 4 caixas a compan ia de esgoto.
n-Attfi
C0N6ULAD > PROVINCIAL
^endimento do dfa 1 a 24 173:771*189
Idem do dia 26 ..... 7:6961789
Noticlact oianaiaaerelaes.
CiraUar deW.fi. Offwsandi.
TRIESTE, 3 DE DEZKXSaO DE 1873.
Precos das farinhas de Pest (Hu'ngria) e de
Trieste, por barrica, potto a borJo aquisera des-
pe.-.as nem commissSes algumas para os comprado-
res',salvo o frete e o seguro maritimo.
(A rainha .cftm^jifjft e paga pelos vendedores, e
dou sempre facturas origiuaes).
. 0/1 C
Concorrlia.......Est. 51/19 51/
3/1 A
,.. t 53/8 51/2
Buda-Pest
Victoria..,
gSJM aos DE b.s.poht.\i;ao .\0 DIA 24 DE
iEZERO D8 1871.
P-tra os portos do trierior.
Na galera portugieza Aniicia. para Liver-
pool, carregou : M. Lathan 4 C. 582 saccos com
43,630 kilos de assucar mascavado.
No navio ingle* Menie Brace, oara o Canal,
carregou : J. Pater 4 C. 2,000 saccos com 150,000
kilos de assucar mascavado.
No brigue hullluisz Weseld"uirger, para o
Canal, carregou : Simpson 4 C. 600 saccos com
45,000 kilos de assucar mascavado.
No navio fraucez /. Dirscl, para Marseille,
carregou : Keller 4 C. 5,600 saccos com 420,000
kilos de assucar mascavado.
No navio inglez J. Cock, para o Rio da Pra-
ta, carregou : L. J S Guimaraes 50 barricas
com 5,913 kilos d-; assucar mascavado.
So Vapor inglaz Boyiie, para Bumos-Ayres,
carregou : F. M de Aimei.la, 1 caixa com 6 kilos
de doce ; pera 0 Rio da Janeiro, F. M. de Almei-
da 1 dita com 7 ditos de duo, e 20 abacachis.
?ara os portos An mien <.
Para 0 Rio Grande do Sul, no patacho bra-
sileiro Cardin, carregou : Amorim Irmaos 4 C.
60 pipas com 28,80) litres de aguardente.
Para o Rio Grande do Sul, na oarca nacio-
nal Deolinda, carregou A Cordeiro 150 saccos
com 11,230 kilos de assucar ma-cavado.
Para M >-s ir6, na harcaca Veronica, carre-
gou : Carneiro 4 C. 3 pipas com 1,410 litros de
aguardente.
Para Macao,, na barcaca Dous Amigo?, car-
regou F. A. darbosa 1 pipa com 480 litros de
oguardente.
CaPATAZIa ha ALFANDKGA
Rendimento do dia 1 a 24 15:177*985
dam do dil 26..... 2014595
1S:379>780
Aipad..........
Pauouia.........
Louisa........
Elisabeth.......
Blum...........
Moinho de Trieste
Foutaaa........


51/9
0 47/
cc ccc
48/1C B T
49/6 47/6
,52/4
52/6
Si/9
52/
SSsF SSSF m

l preoos~3a taSetfa aD^xo'irMii-
mllAS
Nuraero 1-3W rs.
I> 2 400 rs.
. 3-640 rs.
a 4-460 rs.
a 5-400 rs.
Sera tambem Ibrnecida aos aresos cek u.hn-
portanemde 120rs, am qnanto esta orcado 0 al-
moco e na mesma proporcio. K para conaiar se
mandou fazer publico por este jornal.
Seereteria da thesouraria provincial de Per-
oambuco, t9 de dezerobro de 1873.
0 official-maior
______________Miguel Aflonso Ferreira.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento do acto do Exm. Sr. com*
mendador presidente da provlncia, de 4 do mez
corrente, manda fazer publico que, na mesraa
thesonraria, aohase aberta a inecripcao de apoli-
ces de divida provincial, ao par, veneendo 0 juro
de 7 por cento ao anno, ate a importancia de mil
contos de reis.
Seeretaria da thesonraria provincial dePernara-
buco, era 13 de dezeinbro do 1873.
1 +%n Vmtoriano J .W. Pmiharta, 1^ /
.p^Official-maior 4pterino.
a D.supef.,47/.1 .fipe43/6
0/1 AAAA SSSF SSSF
E
Economo....... 0 ,j2/ 49/ 46/ 43/
Favorecido com um carabio mais alto, os moi-
nhos de Pest, poderam sustcntar as cotajoes dadas
na minha ultfmaapezaTjeterem subido os.precos
do trigo, e enralgan^casbs 0 por marcas bem acrc-
ditadas as mesraas'sa? um pouco mais elevados.
Aqui na nossa pr*5a houve pouci alteracao. 0
nosso principal fornecedor delrigo -0 Mar Negro,
estando agora feriado, 1S0 ha probabilidade que 0
valor das farinhas baisara antes da primavera;
As transaecSes deste tn* z, para 0 Brasil, foram li-
mit a las a 5 cargas, da- quaes, < uuia para IVr-
narabuco, uma para a Uahia, duas ban 0 Bio de
Janeiro e Santos, e uraa para 0 Rio Grande do
Sul. Os precos das farinhas da Pesi, postii a bordo
em Hiraburgo.
Sahiram cercade 3/(.a4/ est. < 1*500) por bar-
rica, mais caros,; isto e porem quasi eompensado
pelos frctes .que.sao p,ais baratos. de la de que
d'aqui para 6 Brasil.
Para os portos do no lc, sahiram :
-Barricas
Em 8-rvapor inglez Eggpticme Liverpool 43:}
Em 20- cr Strides 40'
Devem carregar os vapores inglezes Tarifa ie
Arabian.
Freles. Temos lido entradas de navios, e no
raeio do mez, os capiWes teriam aceitado 60/ e
5 0/0 coorboa voa'adc.
As transaccoes foram : A escuna ingleza Wa-
leiii/i/, a 60/ e 3 0/0, Rio Grande do Sul; 0 lugfe
inglez Veho, a 37/6 e S 0/0, Rio de Janeiro ; 0 bri
gue inglez Liiiie&Kate, a 53/ e5 "/">, Pernam-
5'ic >, a ordens ; a barca allema S. Sftou, a 5 ;/ e
5 0/0, Rio de Janeiro, e a 57/6 e 5 0/0 Santos, d
finalmente a escuna dinamarqueza Ido, a 52/6 e
5 0/0, Biliia, a ordens.
Pelos vapores, via.de Liverpool, com conheci-
mentos em direitura, embarca-se farinna para os
portos do norte a 160/ e 10 0/0, e para Peroara-
buco a 85/ e 10 0/0, e tddo por tonelada ingleza,
devendo 0 frete ser paga aqui, senio a primagem 6
de -20 0(0.
As sahidas deste porto para todo 0 Brasil em di-
reitura, foram como segue:
No mez de Janeiro.,
fevereiro.
marQu ..
abril....
inaio....
junho ...
julno....
agosto...
seterabro.
outuhro..
novHiibro
132,223 -
Aoprev) da31/&est. paraos n<. O/i untos, sahia
a barrica posta a bordo ao lamarao.de Pernambuco
com frete de 50| e 5 ("iO, e cambio de 26 score
Loodres a 26*270.
- Sahiram oara Pernamhuco : a 13 de^novem-
bro, lugre inglez St-a. com 300 barricas Footana,
2Ml Louisa, 374 Cuocordu, 1000 Ruda Post, e
376 Panonia; a 20, palacho au-rtriaeo il'tkar,
com 800 Panonia, 800 i^oncordla, 1"0 Moinho de
Triestre, 500 Buda Pest, e 609 Foniana ; a 24, pa-
tacho allemao Tried*, com 401 Frabiskshoff. 400
liuda Pest, 500 Fantana, 300 Concordia, e 780
Moinho de Triestre.
E'esperado para carregar para Pernambuco
2,500 barricas de diversas qualidades, 0 brigue
iuglez Uzzie & Kate.
c a
1 c (i
c 1
a a c
c c
a a f
a c 1
a -c a
a 1
t 1
9,570 )arr
5.623 c
10,913
I7.W2 c
22,544 0
18,79-.
5,263 a
9,fi2i a
8.82't a
10,390 a
12,831 a
IIP I IP
[MTO 0'r 0Tfr
Navm sahiAos no dia 21.
Havre-Barca franceza Fedeleie, capitao Fretel,
carga algodao e mil ros gentros.
Bio Grande "do Norte-Patacho nacional Armi-
ztnda, capitao Marques, cm Inslro.
Navios entrados no dia 25.
Portos do none-9 dias, vapor brasileiro Ceard,
de 1,958 loneladas, commandanle Alcoforado,
qulpagem 60, carga varios generos ; a Pereira
Vianna 4 C.
Liverpool por Lisboa -18 dias, sendo do ultimo
porto II, vapor inglez Boyne, de 2,085 tone-
ladas, commandanle Reeks, equipagem 110,
rarga fazendas e outros generos ; a Adamson
Howie & C."
Bio ue Janeiro -22 dias, patacho nacional Mwia
Emilia, de 222 toneladas, capitao Manoel Jose
Prestello, equipagem 9, carga cafe e mais ge-
neros ; a ordem.
Rio Grande do Sul33 dias, hi ate portugnez Di-
ligent e, de 139 toneladas, capitao Antonio Ti-
noco Trindade, equipagem 8, carga carne ; a
Manoel da Silva Maia 4 C.
Terra Nova -31 dias, brigue inglez. Trusty, de
145 toneladas, capitao William Keber, equipa-
gem 9, carga 2,380 barricas com bacalhao ; a
Saunders Brothers 4 C.
Bio Grande do Sul -39 dias, barca portugueza
Xava Marianna, de 303 toneladas, capitao Ma-
noel Machado Portella, eqnipagem 12, carga
16,700 arrobas de carne; a Olireira Filhos
4C.
Navios sahidos m mesmo dia
Lisboa -Brigue portuguez Soberano, capitao Bu-
ginganga, carga assucar e outros generos.
Portos do Sul -Vapor inglez Boyne, commsndante
Reeks, carga parte da que trouxe dos portos
da Europa.
Navios en'rados no dia 26.
Rio de Janeiro-30 dias, ijbrigue inglez WooHon,
de 194 toneladas, capitao Thomas Cox, equi-
pagem 8, em lastro ; a Johnston Pater 4 C.
Cardiff 41 dias, barca franceza Guilherme Tell,
de 396 toneladas, capitao G. Lem'aitre, equipa-
gem 12, carga carvao; a Harismende 4 Labille.
Navios sahidos no mesmo dit.
Bahia e portos intermedios Vapor nacional Pe-
nedo, cenuuaudante Pereira, carga varic-s ge
neros.
Portos do Sul Vapor nacional Ceard, com-
mandanle Alcoforado, carga varios generos.
Rio Grande do SulPatacho portuguez Rival,
capita j J. A.. Gaspar, carga assucar.
VOLUMES SAHIDOS
No dia la 24...... 31,853
No- dia 26
?nraelra porta..... 10
seganda porta..... IS
re'reeira porta ,...-, 251
Qoarta porta ......
n^piche Coaoeic^o ... 5
32,134
SERVICO MAWTIMO
vivareogas descarregadas 00 trapich*
alfandega dr. '*a I a 24 bi
N> dia 26
sa\ij6 atracauo-s no ira/. da attandega *l
Alvarengas "......
io trapiche Conceicao ; .
69
tBITAK.
A camara municipal dasla ciaade faz pu-
blico para ceahecimento de quein interessar possa
o artigo de postura abaixo tran cripto.
Art. 8 No* primetros oil0 dias do mez de Janei-
ro de cada anno, lodas os medicos, cirurgi5es,
pharmaceuticos, drogaistas, parteiras, sangrado
res, dentistas e vetericarios, mandarSo a camara
municipal a d^claracao dades e moradas alltr de. que clla pussa mandar
publicar a lista de toua< estas pessoas ; os infrao-
tores serao multados em 10*.
Paco da camara municipal do Recife, 19 de
dezembro de 1873.
Theodoio M. F. Pereira da Silva
fYopreaidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secretario.
,W CA$A U .WSBJ11G0RD.IA 1)0
IILCU'E-
A.HIma.^uutaadlninistrativa .dajaata, casa da
Misericordia do Recife.j manda .fazer/ publico que
na sala' de suas sessoes; no dia 23 dfe dezembro
pelas 3 boras da tarde, tem de ser arrematadas a
quern axis yautagens ollerecer.pelo tempo de. um
a tres anups, as reudas dps predios em seguida
declarados.
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....306*000
Rua da Viracio
Casa teorea n. 7 (fechaia 240;000
Travessa de S. Jose.
Casaterrean.il.......201*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Snzalla velha.
Casa lerrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18 421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechada) .... 1:000*090
Rua 4a Guia
Casa terrea n. IS. ..... 200/000
Ruo do"Pilar>
Casa terrea n. 98.......21U0JU
Casa tereei a. 99 (fee had j) .... 351*000
Idem.n.,WJ. ,......241*000
Idem n. 102........24I*0O(J
Rua db Rosario da Boa Vista
Casv terrea n. 58fecTiada ..... 245*000
. Rua da Mocda.
Armazcm U. 97 (fechado) 8004000
. Rua Velha.
Casa terea u. 44.......' 4503000
Os pretendentes deverio a^resentar no acto da
lrrematacao as suas (iancas,. ou comparecerem
Moiopaehados dos rospectivos liadores, devendo
pagar alem da renda, 0 premio da quantia em
jue for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim corao 0 servico da lira-
peza e pro$os dos apparelhos.
Seeretaria da saata casa da misericordia do Re
cite, 20 de dezembro de 1873.
0 escrivao
Pedro Riniriaues de Souza.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta administrate da Santa Casa de Mise
ricordia do Recife, mpetentemente autorisada
pela pre-idenoia, em data 'de 3 de selerabro do
anno proximo liud<. e de conformidade com 0 que
dispoe o 9. art. 52 do seu com romisso. per-
nula por apolices da divida publica a fazenda de
criar gados que possue 0 patriraonio dos esta-
heleciraentos de caridade a seu cargo denoraina-
da Carnauba sita ne termo de Plores desta
provincia, com terrenos para criar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaccum.
Recbe para isto propostas nesta seeretaria ate
0 dia 10 de dezembro do corrente anno.
Seeretaria da Santa casa da misericordia do Re-
ifc, 10 de onlubro de 1873.
O escrivio,
Pedro Rodriq'itrs dt Sauza
= 0 admtnistrador da recebedona de rcuda'
intemas geraes "(u scieute aos contribuintes da
decima aoSdicionaf, lju> e no correute mez de de-
zembro que tem de-ser pago, sh n raulta, 0 pri-
meiro-semestre dolexercicio de 1873-74, ecom a
multa de 6 0|0 depois do referido mez.
Recebedoria de Pernambuco, 5 de dezembro de
1873.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
- 0 Illm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial manda fazer publico, que vai a praca no dia
31 do correote, perante a junta desta thesouraria
para ser arrematad a quern por menos fizer 0
cosieio da illumin cao publica da cidade de Goy-
anna por tempo de um anno, orcado em 286 rs
Idiarios catla lampio
As pessoas que se propozerem a essa arremata
cao, comparecam na sala das sessoes da referida
junta competentemente habilitadas.
E para constar se man la publicar 0 presente
pelo jorual.
Seeretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 22 de dezembro de 1873.
0 official- maior
Miguel Affonso Ferreira.
ADMIMSTRACAO DOS COBttEIOS DE PERNAM-
BUCO 2-t DE DFZEMRRO OE 1873.
Malas pelo vapor Ceard da companhia
brasileira.
A eorrespondencia que tem dc ser expedida
hoje (26) pelo vapor acima inencionado para os
portos do sul, sera recebida pela maneira se-
8uinte :
Marcos dejornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar ate 2 horas da tarde,
cartas ordiaarias at6 3 horas, e estas at6 1|2,
pagando porte duplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fraceio di 15 gram-
mas, e estes a de 40 r-. por 40 grammas ou rraa-
cao de 40 grammas, na progressao estabelecida
nas tabellasC e D -annexas as instruc^oes do 1
de dezembro do 1866.
0 admmistrador
^______Affonso do Rcgo Barros.
ADMI.NISTRAGAO DOS CORREIOS lE PERNAM-
BUCO 27 DE DEZEMBRO DE 1873.
Malas polo vapor Curmipe da eompaohia
pernambucana.
A eorrespondencia que tem de ser expedida
hoje (12) pelo vapor acima monclonido para Ma-
manguape, sera recebida ate as 3 horas da tarde.
0 administrador
Aflonso do Bego Barros.
TU1TM
-Becrao Campestre
NA
Povoa^&i) do M--vHteiro.
Quarta-feira 31 do correute, e
Quint n-leirti fl. de Janeiro
0 director dest*. tbeatro avwa aos associados 0
\a respeatavel pnWico que os dous primeiroses
:peetacuk>s terao Ingar nos dias 31 de dezembro
corrente e if de Janeiro de 1874, levando a see-
aa ou portante drama paxtoai:
Real companhia de paquetes
inglezes a vapor.
No dia 30 do corrente, eepera-se dos portos do
[jul 0 vapor inglez Neva, commandanle H. Bax,
0 qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente, e Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agoncia
fua do Commercio n. 40.
Rio Grande do Sul
Para 0 R;o Grande do Sul pretende seguir com
J>revidade 0 patach > portuguez Juoen Correa, por
ter alguma carga;e para a que Ihe falta trata-se
com os consiguatarios Joaquim Jose Goncaki--
Beltrao, a rua do Commercio n. 5.
Lisboa e Porto
Soguc viagem muito breve a galera portugueza
Ltsbna, por ja se achar com quasi todo 0 ceu car
regamento tratado* Para a pouca carge que lhe
falta e passageiros, aos quaes offerece muito bom
eommodo : trat-se com Tito Livio Soares, rua
do Vigario n. 17.
Os espccacnlos principiara. is 8 horas da noite
e havera trem para 0 Recife depois de Undo os
meamos.
Os senhores associados podem desde a procu-
far seus bilhetes no hotel do Mon oiro. '
Recebe ainda alguma pouca car
trata ip cam ^ R. Rabello & C,
mere 1
"e"p;
Preteade seguir i
biate Olindn, por 1
a que lhe falta, trata-se
qumj Jose Goncalves
Commercio n. 5.
PACIFIC STEAM
Pill
l.iiiliH qu
aspera so dos portos do siffa*" Wdia2 Jeja
neiro, e depois da demora do costume, seguira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, eneomraeadas e carga a frete.
rllN. B.-Roga-se aos Srs. passageiros 0 fcvor de
virem dar seus nomes antes 8a chegada do pa-
quete.
OS AGENTES
Wilson Howe A C
14RUA DO COMMERCIO14
Para tobem.
Seguira em poucos dias a barca portugueza
Gratiddo. Para alguma ponca carga que lhe falta,
trata se com E. B. Rabello 4 C, i. rua do Com-
mercio n. 43.
Para 0 referido. porto pretende seguir comapos
srvel brevidadeo brigue portuguez D. Anna, por
ter ja alguma carga engajada ; e para a que lhe
alta, que recebe a frete eommodo, trata-se eon.
is consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
k Filho, a rua do Commercio n. 5.____________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\vegaeilo costeira a vapor.
raRAffYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ABAC/.
TY, CF.ARA, MANDABU E ACARACU'.
0 vapor Ipojuca,
comniaudante Moura.
seguira para os por
tos acima no dia 31
do corrente, as .:
horas da tarde.
Recebe carga at* o dia 29 do corrente, eircom-
menda.i aid o dia 30, passageiros e dinfaeiro s fro
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte in Mattos n. 12.
Rio Grande do Sul
Para aquelle porto recebe 0 patacho naeionai
Leopoldina carga a frete, devendo seguir viagem
em poucos dias : para tratar, no escriptorio de
Silva & Cascao, a rua do Marquez de Olinda n.
SO, 1' andar. ___________^___________
Lisboa
Para 0 referido porto pretende seguir com pouca
demora 0 brigue poitugiez Ligeiro III, de !
classe, capitao Nubre. por ter a maior parte de
seu carregamento engajado, e para 0 resto que Ihe
falta trata se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Commercio
a. 5.
Pacific Steam foivision teipain
Liulm nulnzenal
0 PAQUETE
mm
aapera-se tfa-Eurupaate ..dia 5 do Janeiro, ede-
pois da demora do owturan seguira para a costa
Ido Pacifico, via Bahia,Rio d.-Janeiro e Rio da Pra-
ta, para onde recebera passageiros, encomuiendas
e dinheiro a frete.
N. B.Rogase aos Srs. passageiros 0 favor de
virem dar sens ownes aes da ehegada do pa-
quete.
OS *fl-R!VFES
Wilson Ruwe & C.
14 RUA DO COMMERCIO14
PRQGRESSO MARITIMO DQ PORTO
Empreza portuenwe de uavega-
cils> a vapor eatre Portugal e
Brasil.
"O vapor
ALMEIDA GARRET
Co en 111,
A. To.
AVISOS MARiMMOS.
0 Illm. Sr. inspiotw da theseurana proviur
dal manda fazer paklico ique no dia.iSO iator-u.
rente mot, perante a juuU daiazeaia da tesnia' Pofo O UlO (rrlande do Sill
thesouraria, s e lia dearremater a,quern por me- ^"tay XMU wrauuc uu vjui^
nos 8zer 0 fornecime rto de alimentaclo e'dtelas Sahira muito brtre a bwca nacional Deolinda.
nJ.tnte Luis
naosini.
Derve chegar da Europa ate 0 dia 6 de jaaeire
proximo future e depots de pequena demora den-
tro deste porto, seguira para os da Bahia e Rio do
Janeiro.
Recebe carga, passageiros, encommendas e va-
lorem paraosque trata-se com
OS AGENTES
E. R. Rabello ft C
48 Rue do Commercio 48
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
MavcgaeAo costeira a vapor.
MAOBtO, ESGALAS E PEKEOO.
0 vapor Mandahu,
commandante Julio,
seguira-para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, 4s 8 bo-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente, encom-
meadas ate 0 dia 30, passagens e dinfaeiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos 0. U.
CO
hotel rlenoniiiiaJo Duas Na$6es, sito d rua
de Mariz e Barros, antiga do Cordooiz
a. 10. !
Sahba Jo 27 do corrente
A'SJI 1 HORAS DA MANHA.
a^enieDias levara a Icilao, por raandado do
iz especial do coouqecua^ couso-
1 sofa, 18 cadeiraTidB HUcSo, 2
araarello, 3 mosarWrfHR, algn
de cozinha e diversas bortalicas e
serva (pequena quatidade), tudo
fen do hotel. *0
do pnadie, garantindo 0 arrenda-
rmeTrtb, torna-se este recom-
.nendavel pela excellent po^iqao .eraqu0 esta,
nao so para coatinuac^o do apesflio too *
gocio qUe'tiuha, roino para qualquer estl
mento eommercial,send 0 lamb om muito
0 respective aluguel. _____. _____
ma lot
doces
existenteIno:ri
Opioj
mento
eciabe
modic-
Leilao
OE
3 caixas com ceboias, doseuibarcjii.i? ultl-
mamente
TEKgA-FEIIU 30 DO CQKKLMi:
as 12 horas em poul 1
0 preposto do agente Pestana fa. a lailao, por
conta e risco de quem Dertcneer, do 30 ca
com ceboias, de^embareadas nltimamente.
TERgA-FEIRA 30 DO CORRENTE.
as 19 ho raw em ponto
no trapiche Guerra.
caixas
LEILAO
DK
33 latas com queijos suissos
Quarta-reira 31 do corrente
AS 12 HORAS EM PQNTO.
0 preposto do agente Pestana'fara leilao,^>or
conta e risco de quem portencer, de 33 latas com
queijos suissos
QUARTA-FEIRA 31 IX) C0RWB.NTE
ds 12 horas em ponto.
AO CORRER DO MARTEJJU)
No armaiem do Sr. Annes, defronw idaalfarjdega.
LEI LAO
DE
11 quurtollas com superior tinho Bordeaux
tf^ua'i f^iraSl de dfzernbru
as 1 horas em ponto.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco dequem portencer, de II quartollas
com superior vinho Bordeaux, 0 qual pela sua su-
perior qualidade torna-se recoramendavel
QUARTA-FEIRA 31 DO G*rtENTE
as 12 boras em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronto d'alfandega.
DE
44 caixas com arroz avariado
QUARTA-VEIRA 31 DO CORRENTE.
as II lioras em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer. do 44 saccos
com arroz avariado d'agua salgada, viodos de Li
verpool no navio inglez Dora, dei-cinbaicados ul-
timamente
QUARTA-FEIRA 31 D) CORRENTE.
As 11 horas da rauBha
No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
t
AVlSUb
44 S
- v >
iS
Nulalo ftigiiin. .
No dia 19 do corrente mez liigio 0 mulato Ge-
minianno, que foi eseravo do capitao Fir 11 mo, em
Maiicota, e tem os signaes seguinte< : estatnra
regular, cheio do corpo, falta de denies na fren-
te, tem na braco direito um & racao com as let-
tras AM C ; sahio com calra de brim, chapeo de
Manilha. costuma andar pelos Afogados, Bcberibe,
Olinda, Marie, ia e Iguarassii : quem 0 pegar di-
rija-pe a rua larga do Bosario n. 22 qne sera gra-
tificauo.
- Precisa ee d^ 10:OoOOfJO, dando-se por hy-
potheea uma propriedade duas b-guas uistante
desta cidade, e para maior garanlia da se tambem
7 e^cravos moco< e sa-ios, litres todos do qual-
quer onus : a pessoa que qnizer fazer este nego-
cio, dirija-se em carta fechada a taverna da rua
do Duque de Caxias n. 41, com as ieniciacs T,
F.JL.__________________________________
0 Sr Anionio Pereira da Rocha, inorado-
em Serinhiem, e rogado para vir cu mandar rear
lizar 0 quo nao ignora, no escriptorio de Tasso Ir-
maos A C.______________________________
AjfleiiQao
0 Sr. Franei-co Ag'istinho'Maoeira, e rjjal)
vir arua do Duque de Caxias n. 60 A.
LmzMaooel Rodngue" valenca, Joao Bernardo
aoRago valenca. Mancel "Bn^dino \Rego Valenca,
Jos6 larlos do Bego Valenca, Anna Monleiro de
Lima Rego Valenca, Miqnel.na de Jesus Medeiros
Rpgn, agradeceni aos sens parents e amigos que
se dignaram a<'ompanhar ao cemiterio pnbiieo 0
cadaver de sua querida mai Miquelini de Jesus
Rttio Yaleaca. Rogam agora o obsequio de a-sis-
tirem a missa -que sera dita seguuda-feira, 29 do
corrente m.. na igreja do convento Me S. Fran-
cisco, as 7 horas 00 dia. _______'
Candida Julia Neves
Galvdo
Manoel:de-S>uza GaWao, aua sogra e cunhados,
mandam resar algumas missas por alma de sua
muito presada esposa, filha e irma. Candida Julia
News Galvao. na igreja de S Faaucisco, as 8 ho-
ras da manha do dia 26 do corrente, anniversario
do seu fallecimento, e convidam os seus pareutes
e amigos para assistirem a etse acto.
CASA DO OURO
Aos 4:000^000
Bilhetes garantidos
a do llarao da Victoria (outr'ora Noixs
n. 63, e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender nos sen,-
nuito felizes bilhetes a sorte de 7i)0jl em um
mein de n. ;>70 u um meio de n 2170 com a sorte
de 1004, alem de outras sortes menores de 404000
e 20*000 da loteria que se acabon de extraWr
(89' ; convida aos possuidores a virem roceber,
que promptamentc serai pagos na forma lo cos-
tume.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respch>
vel publico para vir ao seu estabeleei mento com:
prar os muito felizes biluetes.que nao deixarao do
tirar qualquer remio, como prova pelas mosmc s
tnsuictos.
Acham-se a venda os muito feli-'es bilhetea ga-
"antidos da 17* parte da loteria a beneficio da
santa casa da mi-'erfeordia, que se extrahiri no
dia 30 do corrente met. ,
Precos
Inteiro 4000 ,
Veio 2<000
Rs lOCK^OOO para elmu.
lEteiro 3*800
Meio U750
hectfe, 23 de dezembro de 1873.
____________J00V1 Joaquim da Costa LeiU.
Cozinhcjra
Precisa-se de uma enzinheira que saiba bem co-
tinhar e que seja asseiada. para casa de familia :
' na rua da Imperattiz a. 37, 1* andar,
Himmmi \
rgpr


^
de Pernambuco
Sabbj
LIN HAS

DE
JICTROZEDEALGO-
DAO
DE
TOSAS
A.
COR1LS
ULHAS
Accessaries
PARA
PAHTE
DA
Nachioa
MflHl
Com as falsificacfies que tem apparecido
DAS HACHINAS PARA COSTUBA
DE
SINGER
= Nenhuma ma-
chiDaSinger elegi- /?&
g tima se nao levarii|
g esta marca fixa no
jg braco da machina.
Porqm
Paraevitarfalsi Jj
ficacoes notem-se g
o
bem todos os deta-
inee da marca.
S
6




MEM
!A dmheiro e a prazoi
A. contento das Exmas. familias
MUMS DE Hi


Sao as raais baratas
Sao dc dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
Sao duradouras
MACHINA DE SINGEB
DOUS POSPONTOS
Abainham
Franzem
Pregam tranca
Marcam pregas
Bordam de linha de seda
Alcolchoam
E pregam cordaos.
UNIGA AQENUA
EM
1/
\frnlzs es^eciieji para carraa-
gens.
Este verniz, cuja falta a.ui tanlo sentem
os Srs. fabricantes e possui-Jores de carrua-
gens, acaba de chegar para, seu unico depo-
sito, dns seguintcs qualidades.
VKRXIZ SIPERFINO PAR* CAIXAS HE
CARRUAGENS.
E' um verniz rauito claro c duravel para
as caixas de carruagens, para lodas as de-
mios. ou para a ultima somente, sobre
outros veniizes. A sujierficie secca em 12
boras, depois das quae?. so expoc ao ar por
algurn tempo, o que fasendiirecer, e passa-
dns 15 a 18 boras pode passar-se a caixa a
pedra pome e dar-lhe ^m'seguida outra de-
m.io. l)ao-se com facilidade tres demaos
deste verniz sobre as tintas, em tres dias.
A primeira demao serviiido de apparelbo,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellente brilbo.
Verulz superior acccante para
earrnagena.
Este verniz e da mesma c6r que 0 ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com 0
anterior. A duracao do verniz permanente
diminue na proporpao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
Nao 6" tio claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre cores escuras. P6de
passar-se a pedra pome passadas 10 boras,
podendo'dar-se em seguida outra demao.
Verniz pre to do Japito, superior.
Para trabalbos em preto de carruagens.
Produz 0 preto mais escuro e brilhante, e
pdde passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fuiulo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COUROS, BRILHANTE E
ELASTICO.
Este verniz, contendo na sua composicSo
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhante ao azeite denominadopwda bauf,
6 0 unico que d& flexibilidade ao couro ve-
Iho envernisado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
0 couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 boras, e & sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo bumido e inutil tal
trabalho, por que nSo 6 possival tornar 0
verniz elastico e seccante ao mesrao tempo,
Verniz para apparelho.
Depois de ter appbeado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'um intervallo de 8 boras, de-
ve-se deiiar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no lim dos quaes se p6de pulir com extre
ma facilicidade. E' essencialmente neces-
sario cobrir este verniz com duas demaos do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelbo, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para lhes dar
mais consistencia.
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 46
BARTHOLOMEU et C"
Pharmaceuticos premiados em diversas expoeicoee
Como n5o e necessario dar lustro & ultima
demao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, conve^n dd-lo
n'um local separado aonde nSo haja p6.
Quando a obra urge,- deve pdr-se & soaibra
e ao ar livre depois de secco, isto e, passa-
das 12 boras, lava-se e enxuga-se bem com
uma esponja bumida. Quantas mais vezes
se (izer isto, mais brilhante ficara' 0 verniz,
e mais depressa ss terminara a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
ma demfio). Durante as duas ou tres pri-
meiras semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ter ser-
dido.
Os frascos devem conservar-se sempre
bermeticamente tapados, 0 resto do verniz
nSo se deve deixar near no frasco, e pode
usar-se para as primeiras demSos.
Nao deve misturar-se com este verniz ne-
iihum outro ingrediente, nem agua-raz, e
de nenbum modo com o seccante. E' pre-
ciso limpar bem os vasos e os pinceis, e 0
melhor e servir um piucel para cada ver-
niz.
Depesito unico para 0 Brasil, Bartholo-
meu & G., Pernambuco, Rua do Rosa-
rio n. 34.
COZINHEIRO
Precisa-se de uma cozinheira ou cozinhciro
forro ou escravo, para uma casa de farailia no
ejroo : a lratar aua do Marquez de Olinda n. 38
i
Novo tratamenlo da Asthma, tosse, convulsa, defluxo catarrhaes, e todas as mokstias dos pultms,
que tem leito imporUntes curas, e que 6 hoje 0 unico acceito pelos melbores Medicos.
DEPOSITO GERAL, 34, run Larga do Rosario, PERNAMBUCO.

IAR0P1 PIITOBAL J1MBS
OPTIMO REMEDIO CONTRA
TOSSES, IOLESTIAS m PEITO e PHTYSICAS
ensaiado e approvado nos hospitaes de Lisboa,
legalmente auctorisado pelo Conselbo de Sande Public*,
auctorisa^ao que se acba reconbecida pelo
Consul geral do Imperio do Brazil.
FESTAS
Vistuarios de fustao pa a meninas a iOi
4^000. V&
Ditos de cambraia oi abados a ^%i
6*000. q
S& Dilos de alpaca enfeitados a ~l. go.
v|f Rua do Crespo n. 10.
Koubo
Na madrugada do dia 22 do corrente, das 3
para 4 horas, penctraram os ladroes por uma ja-
uella do sotao (ervindo-se de uma escada) da pa-
daria da roa uo Lima n. 72, em Santo Amaro das
Salinas, levando diversas pe^as de roupa, como
seja : 1 paletot-sobrecasaco de panno fino, 1 dtto
sacco, i calca de casemira preta, 1 dlta ce dita
preta com quadros de listras branca?, 6 camisas
franeczas, 1 chapeo de sol de seda trancada com
um leao no castio e nm chapoo alto de feltro
(sendo tudo em perfeito estado) e mais tres bilhe-
tes deJoteria da provincia da 80' parte que corre
no dia 23 do corrente, de ns. 844, 3,276 e um que
nao se sabe 0 nnmero, sendo todos tre* meios bi-
Ihetes ; roga se a qnem forem offerecidos ditos
objectns, de apprehende-los, qae sera gratificado
com boa recompensa em casa do abaixo assig-
nado.
Recife, 22 de dezerabro de 1873.
Manoel Rodrigues Percira.
AO AR
BO
VAPOR FRANCEZ
RUA DO BARAO DA VICTORIA
W. 7 Outr'ora NovaN. 7
Cakado
Ui\lCO DKPOSI TO EM PF.RHAMBUCO
&Mv SIH3 % C.4*
Rua I sti Correia & C, credores de Mello & liacedo,
scienlificaiu a quern interessar possa, qne nao de-
rain seu assentimento para a venda que se pre-
tend*1 effrctuar do estabelecimento commercial da
referida firma, pelo que promoveram sna exeeu-
cii'.i no mesmo'psiabeleciinenio, ainda que seja
transferido a outrun.
ATTENCAO.
Bernardino Doprat pensa uada dever ne.>ta pra
ca, quer por eontrato? commercials quer por
conlas parlicnlaret- ; se porem algn< m se julgar
s^a credor, apresente seus -titnins t-m caw dos
Srs. E. A Rune C. no impi. n.gavel prazo At 8
diaf, nt-idos derta data, para Ibe mit-tu pagot;
outm sim >< -w fir? a qnem interessar possa. qoe
de h*\e ttr. aiante LLu se rc.pon-abitisa nem pa-
ga f- jiaalguma conti." nftw quer que
seja em en nnrr avos for antomado.
rcrc declarants rr-xp a sir -
Recife, ?0 dc Ontmbro de if
francez.
Para Iio
BOTINAS de bezerro, cordavio, p'eHica, lustre e
de duraque com biqueira, dosielbores
fabricantes.
SAPATOES de bezerro, de cordavao e de case-
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAl'ATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banbos, sitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca
francezes e portuguezes.
Para senhora,
BOTINAS pretas, brancas e de cores dlfferentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para menlnaa.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
qualidades.
SAPATOS do tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homena, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de goernicoes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
tevos, e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7, outr'ora Neva.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Pertumarias.
Finos extractos,5banhas, oleos, opiata e p6s den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arrez, sabonetes,
cosaieticos, muitos artigos delicados em perfoma-
ria para presentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e garrafas de differentes tama-
nhos d'agua de .cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Con-
dray.
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos e
pkanta*ias.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Jonvtn, de fio de Escocia e de camurca.
Caixinbas de costura ornada com musica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinbas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muito bonitas para relo-
gios.
Brincos a imitacao e boioes de punhos de pla-
que.
Bolsinhas e cofren de seda, de vellndo e de cou-
rinho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez do cores, de prata dourado, de aco e
de tartaruga.
Oculos de aco fino e de todas as guarnicSes.
Bengalas de luxo, canna, com castdes de mar-
fim.
Bengallas diversas em grande sortimento para
homens e meninos.
Chicotinhoi de baleia e de muitas qualidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembaracar o para
barba.
Ditos de marGm muito fino?, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
ies.
Carteirinhas de medreperola para dinbeiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para chamar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mind e outros muitos differentes joguinhos alle-
maes e francezes.
Malas, bolcas e saccos de viagam de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marflm para as criancas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar criancas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portase janellas
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cores para illuminacSes de
festas.
BalSes aereostaticos de papel de seda mui facil
de subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palha e de sennas.
Tesourinhas e canivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
quadros.
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
zia.
Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com lladas pecas.
Realejos narmonicos on accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de meneionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros,pes e palmos para
medir terrenos.
Brinquedos para meninos.
A major variedade que se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados era differentes panes
da Europa para entretenimento das criancas tudo
a precos ms"s resomidofl qne e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Vic-
oria, ontr'ora rna Nova n. 7.
Ceslinhiis para rslura
Grande sortimento de honitos m lelos chegadoa
ao armazeSi do vapor 'ram-ei, cua do Ba-ao da
Victoria (oWr'ora Nova) n 7.
GRANDE LIQUIMGAO DE FA, DAS
A' Torre
Alog.i-so para paui
excel1 'i>- aoui
B : i
pro' i a rua < e
no
,6d

9 9
Rua da Imperatriz n. 72
in.
Lonrciico Percira MendesGninaraes
Heclara aos seus freguezes que tm resulvi'o faz?r uma gran'e liquida^So, ate o
Qm do corrente anno.
A SABKR :
CAMBRAIAS BRAHC1S A 3-70005
Vende-se pecas de cambraia branca, tapa-
da e transparente, a 39, 3$500, '.C0O0 e
!W00.
LASINHAS A 200 RS.
Vende-se lasinhas para vestidos, a200,
320 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A640RS.
Vende-se alpacasde cores com listras a 640
e 600 rs. [o covado.
GRANADI.NEA800RS.
Vende-se granadine preta com listras de
cfires, para vestidos, a 800 rs. o co-
vado.
POUPELINA JAPONEZA A 1800.
Vende-se uma fazenda nova com listas,
com o nomo de poupelina japoneza, propria
para vestidos de senhoras, a 19800 o co-
vado. Todas estas fazendas sao vendidas no
Bazar Nacional, & rua da Imper ariz n. 72.
CORTES DECASSA A 295 0,
Vende-se c6rtes de cassa para vestidos,
com lOcovados, a 29500.
CHITAS LABGAS A 240 Rs.
Vende-se chitasfrancezas, largas, de edres
nas, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado.
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas finas de cores,,
a 260, 320 e 400 rs. o covado.
SA1AS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras de ed-
res, a 29000.
CHITAS PARA COBEBTA A 280 RS.
Vende-se chilas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
homens, a 69000 a duzia, a qual val
89000.
CHALKS DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la, a 800 rs. cada
um.
CHITAS FINAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de carapo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO' A 20000.
Vende-se chales de merin6 estampados, a
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRINS EM CORTES A 19500-
Vende-se cortesde brim decflres epardo,
a 19500, para liquidar.
COBERTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas de chita, a 19600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meninos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-se colxas de cores para cama, a 29,
e 49000.
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vende-se transparentes para cadeiras, a
19.100, paroliquifinr.
BONETS A 500 BS.
Vende-se bonete de seda para homens, a
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
Vende-se chapeos de castor para rreninos
e homens, a 29500 e 39000.
Ditos u-. palha, a 29, 3*000 e 49000.
Ditos de massn, a 49000.
PERFCMARIAS EM LIQITDACAO.
Vende-se sabonetes de diveraos tamanhos,
a 120, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
Frasco de banha, a 160, 320 e 400 rs.
Frascos com aguade colonia, a 240 e-330
rs. cada um. E outros muitos extractos que
se vende muito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas, a 800 rs. cada
uma. I.encos brancos, a 29000 a duzia, e
39000 abainhados, fazenda que vende-se
por 59000.
GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
tas de cores a 200 rs.
Chapeos para bsptisados de meninos, a
39000.
BENGALAS E CHICOTES A 800 RS.
Vende-se bengalas e chicotes, a 800 rs.
cada uma, para liquidar.
GRANDE LIQLIDACAO DE ROUPA FEITA
Vende-se ceroulas de algodao, a 19000.
Ditas de linho, a 19600 e 29000.
Camisas de ehitas Unas, a 19600.
Ditas de pcito de cores, a 29000,
Ditas brancas finas, a 29000, 39000 e
49000.
Calcasde brim pardo e de cores, a 29600
e 29500.
Ditas de casemira de cores e preta, a 59,
69, 79'00 e 89000.
Palitdtsde alpacas de cores, a 29500.
Ditos pretos,. a 39000 e 39500.
Ditos de casemira de cores, a 49 e
69000.
Ditos ditos pretos, a 59000, 69500
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29, 39 *>
49000.
Camisas de flanella, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pec.as de algodao, a 49, 59 e
69000.
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de cores, a 29800 c
covado.
MADAPOLAO A 39000. "}%
Vende-se pecas de madapolao enfestado,
a39000.
Dito inglez, a 49500, 59, 69 e 79000 a
peca.
BOTINAS A 49500.
Vende-se botinas para senhora e meninos,
a 49500, 59 e 69000.
Ditas de enfiar, a 29000.
Sapatos de tapete, a 19500.
Ditos de tranca, a 19800 e 2#000.
BRAMANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 palmos d0
largura, para lencdes, a 19600 e 29500
metro. E outras muitas fazendas propria
do mercado, que se vende sem reserva, de
preco, para liquidar ate" o fim do corrente
anno, por isso convem aos compradores sor-
tirem-se de fazendas baratas, para a presen-
te festa que estd na porta, & rua da Imperatriz
n. 72. Bazir Nacional.
DROGARIA HOMEOPATHICA |8
41 Rua do Imperador 41
Os proprietaries deste estabelecimento, no intuito do lhe conservarem os ere-
ditos de primeiro neste genero, continuam a esmerar-se na preparacao escrupulosa
de seus medicamentos, podendo garantir ao respeiiavel publico desta cidade e in-
terior que sao rigorosamente observadas todas as regras pharmacologicas. Outro
sim, que com o mesmo Qm acba-se a testa do estabelecimento, tendo a seu cargo a
inspeccao de suas preparacoes e dircccio do consultorio, o acreditado medico ho-
Jmeopatha Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello.
Tem todos os medicamentos especiaes para bexigas e os considerados pre-
servatives : assim tambem, os medicamentos da sua drogaria em todas as dyra-
nanisacoes conhecidas e mais usadas.
Carteiras bomeopaticas de 12 a 130 medicamentos em tinturas ou globu'os e
a excellente obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.1 edicSo.
Plumeria, para mordeduras de cobras.
Sarracenea, para bexigas ( ou preser-
Vaccina, para bexigas ( vativo.
China cruzeiro, paia febres intermi-
tentes.
Schynus, para angina.
Calendula, para queimaduras.
Tarantula, para paralysias.
* ilis
Chocolate homeopathico d'Epps.
Encerado de arnica.
P6s homeopalhicos, para dentes.
Jerico, para rheuroatismo.
Matamata on Jaboty, para tosse.
Espirito de Hahneman ou de campho-
ra.
Cactus Grandiflora, para pneumonias
ou molestias do cora^ao.
Carnadba para syphilis
Consultorio homeopathico
DO
DR. SANTOS MELLO.
Con8iiltas das 11 horas da manha a 1 da tarde.
S A VERDADEIRA TINTA VIOLETA
&?
o^
-so
43
43
JOSfi FERREIRA DA SUVA
SUCCESSOR
DE
SANTOS NEVES
Confinoa a vender a verdadeira tinta violela extra-fina.de Montef-
ro, em meias botijas e quartos, a retalho e
Emgrosso com vantajoso desconto
MM PRIMEIRO DE MARCO M. IS
ANiIGO DEPOSITO
*

o1^ mm oavMM-
JiU"
J *
I mm
.

i


-"-^



t
I
\

Earlo de Peraaaibuau Sabbado 27 de DeaejaJwo de 1873.
%
DO BOWMAN
BUA DO BRUffl N. 52
\ (Passamlo o cltafariz)
PEDESI AOS aeouorei de eDgetihae ontros igniuUuies, e ooipr.egaiijres Uts m
thinismo o favor de nma visita a sea eatabelecimento, para verera o novo loriimeDto
tompleto qae abi ten; sendo todo superior em qaalidade e fortidSo; o qae com a ins
MCtfo pesBoal pode-se veriScar.
ESPECIAL ATTENCAOAO NUMEROE LUGAR DE SUA FUNDICAO
VatiOrft* A rfif.Q d'fl Drift d09 mais mo!ernos ystemas eem ta
apui 05 O rOUOS a H^Ua. -aao08 CoDvemer.tes para at divenas
circumstantial doa aenhorea proprietarioi e para descaro$ar algodao.
tfOOIldSS d6 C&HIia de.todo8 0I tamnho8' a:melhore qae aqni
Bodas dentadas p> "'v p.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiqnes e fandos de alambiques.
Podendo]todos
ser movidos a mio
por agni, vapor,
de patents, garantidaa........ | on animaes.
Todas as machinas -"*d8*" M C08tama preciMr-
Fa* qualquer concerto de michifli8,D0'a preco mai re8omido-
Fontlfl.8 dfl ffllTO l6m as mdmordl e ma's baratas exiatentes no mer-
'tnnnmmonrlao Iocambe-ae de mandar vir qnalqaer macbinismo a von-
auiuyiniuouutlBi u tuu comprai por intermedio de pessoa entendida, e qae em qnalqaer neceeiidade pode
ibu prestar aoxilio.
Arados americanos fl intrD,nento, **
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Hachinismos par"mandioc-v-gd5o,J
HMwmmoiuvD e plra terrJr mjeir,4
Bombas
FUNDICAO DE FERRO
A' rca do BarHo do Triumpho (roa do Bram) ns. 106 a 104
CABDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modornas e melhor obra que tern vindo ao mercado.
VapOr6S de for$a de 4, 6,8 e 10 cavallos.
L/aideiraS de sobresalente para vapores.
MOenClJlS llltCiraS e meias moendas, obra como aunca aqai veio.
laiXaS ;IUQCllQa8 e batidas, dos raelbores fabricantes.
IvOClaS Q aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOClaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelogiOB e apitOS para vapores.
OODlbaS de ferro, de repucho.
AraQOS de diversas qualidades.
Format para aSSUCar grandes e pequenas.
Concertos CQncertam com promptidio qualquer obra on machine, parao qne teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS man^*m ^T Por encommenda da Europa, qnalqaer machinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londrei
e com um dos melhores engennelros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assenurr
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDIQAO DE CARDOSO d IRMAO.
Sempre e bom!
T*a .1 imlos, .todiM leiaiii.
Jiao se eilftdetn, metis leit<.re.
Todos vejam, iju<* progtejM I I
Que ptogrosso wens seuhoics I!
Coin ]ii:m!<> j.i rsieja bem no douiinio de pu
blico desta capital e feat suburbios, qae para se
older tudo que e preciso para os regabufes nos
dias festivos qae se aproximam
Uma pessoa
nao tern mais do qae dirigir-se a
Confeitaria do Campus
24-Iraperador-2_
Oode f e acham ceui rilicadas as quatro artes.
A saber:
< oiifcilaria,
Pastelaria.
Conservaria
E culinaria.
Sempre e bom qae lembremos aos nossos ami-
gos e fregaezes qae ja nos annos passados cor-
nam aos turbilhoes a fazer soas encoramendas
de pasteis de came, e a confeitaria do Campos
Que este anno
Estamos munidos de uma nova machina que
bem se podia apellidar de
Infernal
Pois pode em 6 horas produzir com asseio
Duzentos mil pasteis! !
ALEM DISSO
Lembramos a todos
O seguinte :
Que preparamos com prcsteza.
Fiambres.
Leitdes.
Penis.
Peixes.
Empadas.
Pudins.
Bolos ioglezes, etc. etc.
E especialmente as famillas, os proprietaries
da Lonfciuria do Campos convida u a reuairem-
e naquelle verdadeiro centro de bonsboccadosf
ois em virtude das interdicc3e d5o se podera
puvir a missa do gallo.
PECHINCHAS
^6 o n. 20
RTJA DO GHESPO
Wk DAS 3 m
Alaga-se uma escrava para o service
rua da Gloria n. liG.
S Trastes.
na
ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, [BOV08 e
usados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11 a 33 palmos
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
ANNEIS electricos para curar dores de cabe^a. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com IS ou seda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato precp.
AKIERICANAS
^q^, Compra se e vende-se trastes novos (fak
uT e usados no armazem da rua do Im- ^v
gx perador n. 48. A
PILULAS
VEGETAES
DE
BRISTOL
Uns bofes sadios e sfios
Uma digestao vigorosa,
Um excellente appetite,
sSo alguns dos beneficios que se podem de-
rivar, fazendo-seum uso regular das
Pilalas vcgelaoN de Bristol.
Uma cura certa e efficaz dos intestinos,
Um remedio admiravel para os rins,
Um tonico poderoso para oestomago,
Sao as inapreciaveis qualidades medicas
quese podem encontrar, usando-se das
Pilulas vegetaes de Bristol.
Uma medicina que nao produz ddres nem
colicas.
Um purgante que nao debilita nem en-
fraquece.
Um laxante que 'nao causa a menor
nausea.
Formam uma ds amuitas virtudes que
possuem a s
Pilulas vegetaes de Bristol.
Um medicamento suave e favoravel para
o bello sexo.
Um correctivo seguro dos desarranjos do
systema.
Um-remedio completo e seguro para as it
regularidades.
Sao os effeitos sem falta, resultantes dt
usO e emprego das
Pilulas vegetaes de Bristol.
Uma complei^ao clara, alva e transparente,
Uma pelle macia e delicada e um
Ilalito doce e agradavel.
So os resultados certos e infalliveis, de-
pois de se
haver tornado algumas d6ses deste
melhor dos
Remedios as
Pilulas vegetaes de Bristol.
Em todos os casos de molestias d'uma na
tureza escrofulosa, ulcerosa ou syphilitica,
ou quando a massa do sangue se haja tor-
nado turva ou viciada pelo uso de ferro
mercurio, ou por outra qualquer substancii
mineral a
Salsaparrilha de Bristol.
deverS ser usada de conjuncto com as pilu
las, e assim obrando-se, em restricta con
'ormidade com as direc$des iuscriptas ni
envolto; os doentes podem Hear certos que
uma vez usada conjunctamente uma com i
outra, nenhuma enfermidade ou molestia,
por mais severa ou arraigada que se ache,
n8o poderi resistir ao combinado poder se
cretorio e sanitario destes dous
coittitinn jtvMMlrr nuHto fxiu'o psui .-ipnral*
muito diiibeiru.
CASSA LA
Chegoa esla fazenda, sendo lindos padroos, c ven-
de-se pelo dirninuto prepo de 200 rs. o covado, e
pechincha 1 1 dao-se amostras.
METIXS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padrSes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, 6
pechincha 11 t doJ-se amostras.
LAS ESCOCEZAS
Lasinbas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com listras, padroes modernos, a 280 rs. o
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
covade, e pechincha I I dio-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
14000 a 400 o covado, 6 pechincha 1 I dao-se
amostras.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo dirninuto preco de 400 rs. o covado, e
pechincha 11 1 dio-se amostras.
Cortes de casemira di cores, a 54000 cada um.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas pan Into, a 240 rs. o covado.
FosUo branco para roupa de meninos, a 660 rs
ocovado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chita adamascada, a 34500 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 34500
e 44000.
Lencoes de bramante, a 24000. ,
Dites de algodao, a 14400.
Toalbas alcochoadas, a:64000 a duzia.
Ditas felpudas, a 64500 a duzia. >,
Lencps de cassa com barra, a 14000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados, a 24000 a duzia.
Ditos de esguiao finos, a 34500 a duzia.
Cambria lisa transparente a 34000 e 44500 a
pec*.
Cambraia Victoriaa a 34800.
Atoalhado adamascado, a 24000 a vara.
Dito trancado, a 14400 a vara.
Fustoes de cores, a 14000 o corte.
' Chales de merino liso, a 24000.
Ditos estampados, a 34500,44000 e 44500.
Ditos com listras muito finos, a 54800 e 64OOO
Esgoilo muito fino, a 24000 a vara.
Brim preto trancado, a 24000 a vara.
Bramante de algodao, a 14600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
24500 e 24800 a vara.
Algodao marca T, a 54000 a peca.
Dito domestico, a 34000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas. a 400 rs. 0 covado.
Nanzuc cambraia de cores muito fina, pelo di-
rninuto preco de 400 rs. 0 covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
Loja de
Guilherme & C.
ATTEflCAO
Precisa-se alngar uma ama^^^^^Btde, i
ri*m qn seja nreft. hjp
[no.', f ipie
;>mr c. iMzintur (kiim
* ini.ir na fidaie >i "'-i i" di
.a'i..ir>a grandi'j <
Araga su u ai'muiwii t- opir
sobnulo da nia do I'om Jesu-', ontt'ura da Cruz,
n. 20, proprios para estabclecirMefn wmiiierfi.il:
a iratar na rua do Marquezdt obn-la n. 52.
Aloga-se o and.ir do sobrado da rua
rcila n, 8 : a iratar na loja do mefiuo.
Escravo fugido
300^000 de gratificacao
Aasenton-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a 40
annos de idade, e" perfeito cozinheiro, alto bastante,
e bem magro, pouca barba, olhos grandes muito
ladino, consta que tem pai no engeoho do Sr. Lulii
de Caiara, em S. Lourenco da Malta. Este prc-to
foi cozinheiro dos negociantes Adriano & Castro e
Sr. Jose Joaqaim Goncalves Bastos, c jalga-se
que esteja alugado em algam hotel ou casa parti-
cular nesta cidade, como forro : pede-se a todas
as autoridades e capiUes de campo, qae o desco-
brindo, o tragam a tua Daque de Caxias n. 9t, loja
de miudezas do rival sem segundo, que serao gra-
tificados com a qaantia acima.
! IHPFR1IL
S. JQAOB^NiCTiiEROY"
Rio He .l:titt-ir<>
(".'in.-ian.Jo ao :.!iai\n h-ist*u-i, anico ag^ft
iic.-ia I'lovuicia, da iuipej'ul fabrii-a de cigarru^
de S. Jwjo de Nielheroy, no Rio de Janeiro, qae
existe no mercado cigarros que sao vindn> romo
fabricados em dila fabnea, imitando para isso a
etiqueta em qae vem cllei envukos, apressa-se a
prerenir a todos os etis freguezes qne o unicos e
verdadeiros cigarros de exposicao dc dita fabrica
so sao vendidos nos annazeos dos Srs. Francisco
Guedes de Araajo, Manoel de Souza Cordeiro St-
mdes Junior e Faria A Filhos, unicos deiositos de
dita fabrica. Recife, 22 de novenibro de i873.
Domiugos Alvcs Malheus.
m
#
9

m

@
m
m
CHAMADO
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim
Clemente de Lemos Duarte, sao cbamados a
rua do Coronel Snassuna n. 282, a negocio dc
particular interesse.
Consullorio medico
DO
Dr. Hurillo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospilaes de Paris e Londres
pode ser procurado a qualquer hora do
aia'ou da noute para objecto de sua pro-
fissao. 'M,
gConsultas do meio dia as duas horas \g
da tarde. Q
Gratis aos pobres. Q
C4SA
Aluga-se o 2, 3, 4 andares e sotao do sobrado
n. 14 da rua do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, commodo para residencia de lamilias e es-
criptorio de negociantes : a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar._________________
Escravo fugido.
100^000 de gratificaqao
Desappareceu de novo, de bordo da barca bra-
sileira S. Jose, o escravo Joaquim, preto de na-
cio, o qual anda bem vestido e calcade, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
Marcelliuo da Silva, que o havia comprado na
rovincia de Hinas (em S. Jolo d'Elrei ou Ouro-
Teto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro e
d'alli para esta ~>vincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendi lustino Epaminondas Ne-
ves, a quem -w abaixo essignados.
Sane cozinli; apacao a que estava dedicado,
e conhece se pen falla que e afneano.
Offerece-se a pratificacao acima a quem o ap-
prehender e roga-se a todas as autoridades a sua
captara.
Recife, 6 de outubro de 1873.
Jose da Silva Loyo & Filho.
Na rua do Baiio da Victoria n. 36 precisa-s*
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
eira, a negocio de sea interesse.
DESCOBERTAS MERICINAES
PF.1.0 BACHAUEL
Manoel de Siqueira
Cavalcanti.
! o Preservativo da cry-
sipela : para curar com certeza, e
em pouee tempo, qualquer ataqae de
erysipela, e prevenir o sea reappare
cimento.
Este medicamento tambem e muito
poderoso para o rbeumatismo.
X' o Reguladur da mens
truacao : para falta, irregularida-
de, suppressao repentina da meustrua-
ca\>, e dos lochios, assim como para
todo? os soffrimentos devidos aquellas
affecgSes. Ambos estes medicamentos
ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e na do Rio dc
Janeiro.
Acham-se a venda somente era casa
do autor, das 9 huras do dia as 3 da
k, tarde, e a qualquer bora em casos ur-
9} gentes.
GRATIS AOS POBRES
Rua da Impcratriz n. 14, 2 andar.
Casa de campo
Offerece-se a quem quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por algnns annos, dr
graca, da excellente casa sita na Porta d'Agua,
que foi do finadoDr. Joaqaim I'ires Carneiro M >n-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnilico banho de agua doce em
frente, e e muito commodo visto que o trem passa
lefronte : quem pretender pode dirigir-se ao Sr
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos, au
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do I'ommercio n. 40.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito boos
commodos para familia : a tratar na rua do Mar-
quez de Olmda n. 52,__________________________
M0F1NA
Esta encouracado I!!
Agua mole ciu pedra dura
Tanto da ate que a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello
scrivao na cidado de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
luir aquelle negocio que S. S. se comprometten a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
8ns de dezembro de 1871. e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo e de novo cbamado pan dito
3m, pois S. S. se deve lembrar qne este negocio 6
le. mais de oito annos, e quando o Sr. sen fiino se
achava nesta eidade
ALUGA-SE
ama rasa na Capunga, ma das Pernambitcanas,
com coxeita e quaru>s fora : a' traUr na rua do
Vigario Tenorio n. 3t.

PARA
Marear vestidos, roupa de cama, guardanapos,len^os,
meias e todo genero de roupas
COMO TAMBEM
Carloes de visila, livros, envelopes etoda aqualidadede
papeis, elara e exaetamente com o nome competente da pessoa
Garante-se dar uma chapa taoljoa como podoria conseguir-se em Londres ou Nova
York, e affianca-so igualmente que a tinta sord indelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa como nome da* pessoa 6 acompahsda de dous frasquinhos de tinta, um
pincol, uma direcgao sobre a raaneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
tinta, custando tudo
Preco fixo 30000
Em letra de mao e potbica 5^000
\UGOIAS \MEHICi_XAS
PARA CHAVBS
S4o muito comraodas e possuem as seguinte* vantagens :
Servem pra ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo chatas, ha lugar para o
nome e moradia do Sao faceis de abrir e fechar, deixam entrar a major chave sem offender a
ar8lfl-
Sho feitas drt prata al!emS eno sfiosujeitas a enferrujar, quebrar ou abrir ; como as
argpjasde aoo, so muito fortes e bonitas. Cada argola amerioaua com o nome e mora-
dia do dono, aberta na mesroa, custa :
Pre9o fixo 2^1000
P. LAJIRO MAfiPHEHSON
Nosam-ESTAMAtr
Rua \cj [aiperadoT a, 2?
1 TO'1"- OS DIAS t>" 'S 9 HORAS AO MM i IUA.
E
REMEBIOS.
Amb3s estas medicinas acham-se a* venda
em todas as principaes !>.>licas e
lojas de drogas.
Acha-se a venda em todas as boticas.
Parts, 36, Rua Vivienne, D*
M!M:.N MED1CIN SP_CI_L
DAS ERFBIdllDADtS DM KXUAES, AS tyTBCCOU
ll'Tlinf AITMACOW DO S*SOOB._
DEPURATIF
,in SANG
13o,0O0curs iasimpim-
gent.putlulas, herpei,
I sun*, amixoei, aer>
I monia, e allerfOts, vi-
_JctOMU do sangue, vir
rut, eaUeimOta a. sangue. (Xarope vegetal
sem mercurio). epari TeieliM
t>HM misekaes tomao-se dons por
semanj, seguindo o tractameoto Depurativo : t
emprepartn n^s mesmas molestias.
I Este Xarope Ci traeto 4*
ferrodeCHABI_,eora
[imra^diatamenie qual-
Iquer pnrgacao, reUh
\xogao, e deb\Udad,
t i|tuaiuieaie os jiiuos e floret brancas da*
Bulheret. Esta iuieccao Deuigna empregasM
com oXaropo de citracto d ferro.
H'BtrrtKMi Poriuda que us curt ems dlas.
POMAOA MTIHFRPETICA
Contra nas aj/eccoas Ottawa* e comixot*.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
4o cbhie, cada frasco vrai accumpaoadt
it urn folbeto.
AVISO A08 SRS. MEDICOS.
Banhos eares saudavcis do
Monteiro.
Alaga-se alii duas pequenas casas muito em
conta para quem precisar de bons ares e banhos
frescos : a traiar a rua do Bar3o da Victoria, on-
tr'ora Nova n. 7. __________________________
Aluga-se uma excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinda, com bon< commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso. rua
Amorini b. 37.
NOVAS POBLICACDES HUSICAES.
.4. J. d'AaECvedoItua \v n. 11.
Aca>am de publicar-se, o acham-se i
venda as seguintts musicas :
PIANO SO'.
Danse espamiol-v, por Ascbcr 2? w()0
J Arabella, mazirka, por G. Wr-
theimer lc-o0
Valsa do Facsto, por Croyzcs 1J*>00
Sonho de uma virgem, por Alber-
tazzi 15000
Anna la Prie, cavatina 1JM>00
AoClair de la I.une, por Bussmeyer l'500
ESTBELLA DO NORTE p k b i(h mQQ
SaudaqAo ao Bahia (
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickets club pernambucano e
babiano HWOO
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por 1. Smoltz 2&000
Non m'amava, romance por Guercia 1?M)00
Tambem recebeu da Europa grande sor-
meniilu musina para piano, piano e
autoudos, methodos, etc. eto. _____
Nndanca de escriplorio.
Domiugos Alves Matheus, mndou o seu escrip-
torio para a rua do Vigario n. 5, primeiro andar
da casa em que tem armazem o Sr Caetano Cy-
riaco da Costa Moreira.
Preiisa-se de nth meuino &>m pratica ou
sem ella, para taverna : ua rua Jireita u. 45.
Alaga-se metade de uma .-asa de familia.
mulher e marido, sem filhos, so a casal : a ma do
caes da Oettencao n. 11.___________
Precisa-se de uma ama
que engomme e faqa outros
servicos domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Exmas. Sras.
A Rosa Branca pede toda a vossa attencao para
as las e sedas de listras de uma so cor, como e
ultima moda, e qae acaba de receber ; esta ven-
dendo quasi por metade do seu valor, por estar
Eroximo o balanco. A ellas antes que se acabem.
ao-se amostras com penhor e mandam-se levar
nas casas ; na roa da Imperatriz n. 56, loja da
Rosa Branca. ___.
PLUS DE
COPAHU
Dr
Cora calarrhoi.
coqutlucKet, irritoc(hi
ntrvoiai iru dot kron-
ekiot e (*ji ai 'lorncm
dopeito; i'i-';i au Dthe n-Maa deU Xarop" D' lt.
n. 2-2
Sirop du
orFORGET
l'c -i!n ;;iu casa de A*" ^to Uao.
rua da Cruz.
ATTENQAO
Fugiram do engenho Noruega, freguezia da Es-
cada, no dia 9 de dezembro corrente, os seguintes
escravos:
Felix, mulato, almra regular, falta de dentes na
frente, secco, rosto descarnado, muito conversador,
e bom carreiro. Levou duas camisas de madapo-
ao, 2 calcas de brim, sendo uma de listras e outra
parda, chapeo de baeta parda, ja velho. Repre-
senta ter 40 annos de idade.
Clcmencia, cabra. com falta de dentes ni frente,
rosto descarnado, representando ler 30 annas de
idade, tendo a munheca da mao direita um pouco
torta. Levou vestilo de chita cabocla, e de algo
die de listras, cliale de chita azal, uma rede e
mais roupas.
Roga se as autoridades policiaes e aos capitaes
de campo a captura destes cscravjs, podendo elles
ser enlregues no engenho acima ao seu senhor,
Jose Ignacio de Mello, ou no Recife, rna da Madre
de Duas n. 36, i andar, ao Sr Bernardino de Sena
Pontual, que serao re oinpem-ados.
Garmihuns.
Precisa se de uma escravi para cozinhar
e comprar : na rua Primeiro dc Marjo n. 23
oja.
Escravo fugido
Do engenho Jose da Costa, freguezia d9 Agua-
Preta, fugio um escravo pertenceiile ao abaixo as-
signado, com os signaes seguintes: Cezario, cabra,
cabellos carapinhados, porem alto, qtia tem um lobinha do lado esquerdo da testa acima
do olho, sobrancelhas cabelludas, vista espanla-
da, nariz grosso, bocca grande, falta de dentes
do lado de cima, cara chupada, tem os peitos um
tanto cabelludos, varias man-as de carbuuculos
nas pernas, e baixo e de pnu'-o corpo, pe peque-
no, andar apressado, quer tituhiar quando falla-
se com elle : 6 carreiro, cambiteiro e purgador.
Esteve no engenho Diamaiite, de Ipojuca, traba-
lhando como forro com o nome de Manoel Joa
quim, donde evadira-se logo quo foi conhecido :
roga-se as autoridades policiaes e as pessuas que
delle souberem (segundo os signaes iodicados) a
captura, e fazer entrega na praca aos Srs. Cunha
Irmaos, & C, ou no dito engenho ao seu senhor,
que sera pago com generosida.ie.
FeOx Valois dc Oliver,
Escravo fugido
Dpsappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose Borges. mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes: cabra, idade 30 annos
pouco mais ou menos, boa figura, um tanto grosso
o espadaudo, sendo o signal mais visivel uma
goinma na junta do pe esquerdo : roga-se a todas
as autoridades e capitaes de campo queiram ap-
prehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta pra.-a a Oliveira l-'illios & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19 qne serao generosaraente
recompaBsadoa.
Recife, 19 de novenibro de 1873.____________
Carros de luxo.
inqueslionavel que a cocheira da rua do Bora
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e a
que tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
le^-as e victorias de luxo, prpprias para qualquer
Quivado, visilas de etiqueta, bailes e actos da : a-
ii-mia, sendo os mesmos ajaezados de excelleutes
parelhas di^ animaes, arreios luxuosos eboletiros
Mm fardamentus do ultimo gosto, para o qi se
convida ao publico a vir por si mesmo BCKntifl-
car-se da verdade do que deixamos dito, cer -1 'e
iue nao eucontrar&o pomada, e sim reahil.tue e
rommodos pre?os._________________
SAQUES
ira.
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
le Vianna e suas agenr-ias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, & vista e a prazo
por todos os paquetes.
Piecisa se de uma mulher para servi'o de
casa de homem solteiro, sendo muito ficl e dando
fiador a sua condueta : na rua Augusta n. 258,
taverna.
ialiar aos
P.
-esse.
da Barao Ja '. *, iria n i . rs. Hedro do fli? '
Ua Silva, a negocio >i*
xoto ?
rticutar mt*
Aiuga-se
o sitio da Ponte de Uchdarn. 35 : a tratar no mes-
mo sitio, ou na rua do Rangel n. 7, ou 2*
andar.
CASA da mm.
AOS 4:000^000.
BILHETES (.AliAiXTIDOS.
1' rua Primeiro de Mar$o {oulr'ora rua a.
Crespo) n. 23 e casas ao cottwmo.
O abaixo assignado tend., veudido nos sous fe
Uzes bilhetes, um meio n. 01 emu 4 0003000,
um meio n. 570 com 700i, e outras sones de 40*
e 20* da loteria qne se arabon de exirahir (80 ).
convida aos nossmdores a virem recel'pr ua con-
formidade do costume, sem desconu- algum.
Acham-se a venda os febtes bilhetes garautido?
la 17- pane das' loterias a beneticio da Santa
Casa de Misericordia do Recife (81), que se extra-
hira na terca-feira, 30 d-i corrente mez.
PH-V&i
Bilhete inteir. 4*oiMi
Meio bilhete *-(,'**>
KM PORQiO DE 1 00-7HIM) PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
M-noel ''artini r'wzu
Attencjao
E. A. Burle & c, fazem sciente ao corpo com-
mercial desta praca qae 0 Sr. Alfredo Adolpho
Ferraz Costa, nao i mais empregado de sua casa
desde 0 dia 20 do corrente -mez.
Recife. 22 de dezembro de 1873.
Casas cm Oliu la
Alaga-se por quatro mew* u mr.i-
eoduihe r 1. 11.M evsril""1 -m
roa do B^ii'irn 1 zl. nn 1 > *
d.w paraK",d .... t 1
d">' imuiie m'i- 1
pv .1 1 I '
dl .. ..'. BHMl
. |> i u....
Jiao Rosa, rra-
por [" 111-
im.ta, iu
enntroo-
ipca -
ED 1
1 8.
Luiz Pereira Goncalves da Canha tendo dare-
tirar-e temporariamente, deixa encarregados de
seus negocios aos Srs. S >ares Leite Irmio.
Mngdalena.
Vende se Dm terreno no principio da estrada da
Torre, nuito perto do ponto onde param os bonds
cujo terreno tambem se retaibara : a tratar na
taverna do Rocambole __________________
Aluga-se uma casa terrea com commoer-
para familia, e tendo gaz e agua encanados, na
rua Imperial n. 1*9 : a tr tar junto. _________
Aluga-se duas canoas grandes para cendu-
cao de lijolos : a ver e tratar na roa do General
Searan 39.
% Udilon Duarte k \x\wU
% abelleimr .
0 Rua da Imperatriz n. 82 jS
V R.cberam mn grande e variadd sorti- w,
Q menii le Iran- as de obello artiflela Ipar.i V
j os [leuteados moderrm* que vmideai pelo jf,
_ baraii-simo preco tie 6* eida uma.
" Qa>X!^
t t-nde se um oral Tin d urado. pruprio para
"ap-ba p rti'-ular ; e" '.hi;i ima tantn en (rosto
c.iino inA lb- obra, 6 1 ar*,U> pelo -ystema
frani-ps. 0u-ni preiender omprar dirija- a^;a-
I'anl i liii-lidn
im ba)
at?
in la Inipratri7 qae
hi tnm ..inib^mha vmho de
i', bu<' i- garrafas, em
, \,r.i '. hi linto, a rua
>
15 da r a
ay.
do O-wral
i'Ua ;
^~ -' iiliil I in '
mill ill!


fc

^_ I
'
<

?-


xom
PENHOEES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri- j
raeiro andar, da-se '
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos raetaesepedras.
Engenho Caiap6 no termo de
Iguarassu
Na raa do Marquez de Oliada n. 55, preeisa-se
fallar coin o Sr. Luiz Antonio da Silva a Hegocio
de gu particular interesse.
$ Consultorio horaeopa- \
thico
Do
Dr. Santos Hello i
41------'Rua do Imperaior------41 |
Consultas todos os dias das 11 a 1 da f
tarde. i
Gratis aos pobres. J
Rwideneia a rua Nora n. 7, segundo c_.
Jfc andar, onde da consultas das 6 as 9 da jR
t manln e dan 3 as 5 da tarde. )gf
2g Charaados a qualquer hora.
*&?*** *$$* &&
Chaytam-sc
a loja de fazendas e roupa feita a rua do Marquez
de Ol.nda n. 40, os sunhores abaixo meneionados
a negocio de interesse reciproco:
Adolpho Rober Kooper.
Beulu Magalhiies.
Hermngene3 Nunes da Silva.
Joio Martin? Nogueira Santos.
Miguel Lopes Guimaraes.
Jose Alfonso.
Miguel Ferreira Pinto.
Miguel \zevedo.
Manoel Theodoro do Naseimenlo.
Bernardino Lopes dos Aujos.
DomiDgos Mafra.
Antonio Sen,*.
Jos6 do Hep i Araujo.
Jo 6 da Gaoh.i Prams.
Jose Iguacio Purto
Antonio M'lcira Gamarj.
Zeferino D niingues Moroira Junior.
Joao Rapuso de Sonza.
Paulino lose Aniline.-.
Manoel liuvllar IVreira de Moraes.
Anton o Aqniliou da Costa.
Arnand Hollanda Gaval -ante.
Oasa em Olinda
Alue.i se por quatro me/'-s oo mais e por pouco
dtatriro. uma ex-ell-nto r* em Olinda, na rua
i' Li i ifim o. 21, m lita fresca, com commodos
l grand*-, famdia, teudo agua e gar encanados,
k nida quintal ou aiti>i arb.risado, e com excel-
i vista p.ira o mar e a ridadn, apenas distante
""otitos da c-la ao do Garmo e pouco mais
iro.- : a traiar no armazem de Joao Bo-
s' .e si da Madro d Oeos n. 8.
Riseo maritime
'.. Wolff, capitao do brigne nllemao Celimar,
t ado ";.-iailo de Hio de Janeiro, nn I; stro, para
rarregar em uni porto mire Ma.-cio e Geara, e
: -1'jnir para Falmuitii a nrduin, e entradj
1 i irto com agua alert1, precisa, para occor-
. i depesas do concerto do mesmo navio, a
' uariUHHi, a quantia d- 6:0001, poucn mais
ou menus, fopre o casco e Ireie do dito navio.
OSertai em cartas fejhada.- Sevan rec-bidas no
consalado do impeiio germanVo (onde a carta de
fret;::;;-:;;. ,..'. ;e-or examiiiada) [ielos iuteressa-
dos at* o meio dia do dia 2G do correnle mez de
mbro.
uBeror aaoelecimfnu.a rua Primoiro rfe Marco n. 10,
pagamdodia L do Janeiro em dianl* a todos os
credores da inaisa- fallida de Mao4hUL Cordeiro
Lima, qoe de proriplo quizercm re:eber de oon-
.ormidade com a concordala obtida em juizo ; de
vendo os mesmo* credores apresentarem seus li-
tulos at6 o dia 24 do corrente para serem confe-
ridas.
Recifo 18 de dezembro de 1873.
!*dcp<
ro cte IctB.
Precisa-se de uma criada on criado para
comprar e co2inhar : na rua do Marquez de Olin-
da n. 40, l. andar._______________________
Precisa-se alugar uma ama boa cozinbeira,
forra ou escrava : a tratar na rua da Imperatr.'z,
casa n. 16, segundo andar.
Armada.
Na rua do Bario da Victoria n 36,;; precisa-se
fallar ao Sr. 2." tenente Jos6 Maria Pestana, a ne-
gacio de sen interesse._____________________
Precisa-se de uma ama para cozi-
nbar para rapaz solteiro : na rua do
U respo n. 20.
Ama
AMA
Precisa-se de ama anaa para
cozinhar : a tratar a rua do Im-
.perador n. 14.
AMA?
cornija.
Precisa-se de uma ama para co-
zinhar em casa de pouca farnlia : a
tratar na rua do Hospicio n. (_,
casa que tern boias amarellas nal
Ama de leite
Precisa se de uma ama de leite e paga-se bem :
a tratar na rua do Queimado, loja da Boa Fama,
du na rua do Crespo, loja da Passo, junto ao-arco
ac Santo Antonio.
Aiua k kite.
Precisa-se de uma : na rua do Hospicio a
ep aga-se bem.
32,
a "|ijr A Na rua du Duque-de Ca-
/% \m Ak xias n. 2, primerrb andar, pre-
cozinhar e comprar.
cisa-se de uma criada para
Precisa-se de uma ama que saiba
andar com meninos, a qual tenha
boa conducta : na rua da Imperatriz
D. 37, 1 andar.
AMA
AMA$
mja.
Precisa-se de uma ama.para co-
zinhar em rasa de pouca famiha :
tratar na rua do Uospicip, casa n
|ue tern bolas amarellas na cor-
Attend.
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca e favor vir a rua
do Duque de Caxias n. 60 A.
i
n. 11.
Chamados : a quaiquer hora.
Consultas: Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
as QJ
I
Companhia do Gaz.
Aempreza ao publico que receb^u ultirnente urn esplen*
dido sortimento de lustres devidro, candiei-
ros, arandelaseglobus, cujas amostras estaa
no escriptorio a rua do Iinperador n. 3ll
e serao vendidos ans seus freguezes pelo
prero Qiais razoavel possivol.
m
m
0
9 MEDICU-C1HURGIG0
toll
m fnnm n$ (lajmnga
Mine. Guubrone avisa ans pais de familia que
abrira no I* de Janeiro do anno vjndom a um col -
legiiJ fran --. jirovisorirni. nte m Capunga, rua da
Ventura n. :>'). para o sexo feminini ; alein do
fraui-ez ensiuar-se ha p mugnpz, ii'glez, geogra
phici, hi-torji, innsica, bmdados,danca, etc.
10 OlOOOde^ratificagao
Engetilii Sant>>8 Mendes
1'uRio no dia 20 da de ml.ro. do enpeoho San
to- Mendes, cnmarca de Nazareth, freauezia de
Tracunhaeni, a e-crava Maria, crioula, 30 annos
de idade, poueo mais ou menns. baixa, grossa, cor
preta, rosio alqaehrado, p<5 spcpos e epanados,
ded- s curtos. rah.Il>- braneoi*. canellas finas, tem
dims signaes cabelludos no queixo, e 6 bem ladi
na. A pessoa que eniregar esm escrava ou ao seu
don .jne e o wnhor du pnirenln acima. Lauren-
tino Gomes da Cuui-a P reira Beltrao, ou no Re-
cife, latga do Corp.i Santo n. 19, 1 andar, sera
eeompensada mm qnzntia de 1001.
Allf nca >.
Precisa-se do veadedoras de bolos, dando-se
100 rs. por pataca : na rua vital de Negreiros,
ar.l-iga I'm o-Puiita- n. 5!i._______________
O Sr. que anviineicu qnprer comprar um
sotrjido de am a' dar em qualquer das fregue-
zias da Boa-Vista, Santo Antonio ou S. Jose, an-
nuncic ?oa morada e hora de ser encontrado ;
ou v;i a rua do Hospicio n. 35 das 7 a 9 da ma
aha, e das 4 as G tl;. tarde, q,-e achara com quem
ttr-.ar.____________^^_
m HOTEL
na
Villa ye kuarassu.
0 tenente Francisco Xavier Bias de Albuquer-
que tem a honra de pameipar ao respeitav.-! pn
blico uue abrio, na villa de Iguarassu, um hotel
bem provido de tcdo o necessario para bem ser-
vir a aquelles i|ue n qoizorem honrar com as suas
freguezias ; CPrtos do qoe fic o Servian e a e.'inniodid.ide dos prog is. Jnnto ao
mesmo Iwtpi e.-ta montada uma eorheira pars re
colhimento dog animses dos c-neurrentes ao ho
tel, tambem por pre^os commodos.
55
&
4*
m
DO
Dr. Santa Rosa.
Rua do Barao da Victoria, n. 4t>, 1.* .
andar, outr'ora rua Nova.
Consultas das 10 horas da manha ao
meio dia.
Chamados por escripto a qualquer hora
Espeeialidades. Partos, molestia? de
olhos o do apparelbo re.-piratono.
m
m
m
E' mcrivel!
0 criminoso de morte Audre Jaaqnim de San-
t'Anna, pronunciado na provincia das Alagdas,
cumo incurso nas oen.is do arligo li) I do codigo
criminal, e que se arbava pre?o na casa de de
tenfao desta cidade, fii s.ilto por habeas corpus,
concedido pelojuiz de direito do segundc distric-
to criminal de>ta comarca I I
A aim i da assassinbdo.
Furtaram do ? andar do sobraao n. 34 da rua
estreita do Rosario, na mantf de 26 do errenle,
0 seguinle: 1 coHete de merino prelo, t relogio
de ouro, descoberto, com o mostrador de vidro
(rosso e o interior de crystal, do novo systema de
dar corda, e corrente Dre'.a, tendo no bolco do
mesmo collele 50/ em dinheiro, sendo quatro no-
tas de 10* e d.uas de 5*, e mais 1 bllhete de rifa
de relogio, e outros papeis, 1 sobrecasaco d. pan
no preto, contendo 1 lenco de pontas amarellas,
1 ma,ijo (le .cbaves, papeis e uma letra de 800 ou
900,etantos mil reis, com tres-Crmas, d^iBdas
quaes iao os Srs. AntQnioFranciieo.de A'bhqoor-
que Santos e Manoel Jeroiiymo .Uehoa Cavatcante,
1 cainisa de fu.-tiu com colleriaho supposto e gra-'
vata de gorgurJi com botDes grande3 de tatUru-
ga ; recomm^.uda-se. as autoridades policiaes, ,oa
qualquer pessoa a quem ditos objectos forem oft'e
reQidos,;a,apprenonaao dos mesmos._____^^^
Desappareceu ao amanbecer do dia 4 do eorren-
te, do cravo de nomet Jttf Rorges, ifpetlre pde. .assucar,
tendo os signaes seguintes:. cabra, idade 30,annos,
poaco mais ou menes^boa fig lira, um tanto ,gns-
soe.espadaiido, sendo o signal mais visiyel uma
gomma na junta as aatoriJades e^apitaes de. eampo qnetram ap-
prehender dito escravo e leva-lo ao referiio en*
-fenbo, ou aesla |>raca a Oiiveira Fillios & C., lar
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recempeaaado?.
C^licgi?) de Sanfa GenDveva
Sob a direry&o
I)K
Antpnio Marques de Amorirri
EsU coUegio, estabeleido a rua do Hospicie n.
55, em m^gniiiGO predio, cfferece todas as propor-
cdeajwra.c^uuiuooUdade^adUutaroento c-recreio de
seus alumnos.
Separado do mur.1 .que o cerca em paralelh
gramrno^lem n*&tr.te um bello jardim, dosjados
extensos patecs de recrgi >, e da parte posterior
am terreno arborisadp, vastissiroo dormiteriojias
melhores con li;oes hygienkas para 150 leitos,
com rervito. proprio ,ao frande la.vatori.'. 16 banbeiros, bum refeitorin, e
nalmente cooiiuodas salas para as classes, .um
salao de estijdo, rlaro-ftarajado, com proporcSes
para ^0Wudantes.
0 director couvida tpdos aqueUes, a quem inte- ^Pir?" Par* ta-,"-af:om
ressarpossa, para que visiiem o seu *stabeleci-
ment.\ eujos. uiappas o,ue f terca feira, 23 do corrente, p'do Joinal. do Recife,
4monstram o resuliado das aulas no corrente
anno lectivo.
De accordo com n program ma dos estudos, f >i
designado o dia .20 de novembro, e annuaciado
Rua do Barao da Victoria n. it
DE
GaMeko Vianna.
A' este grande estabelecimonto tem cho
gado am bom soitimeuto de macbinas para
costura, ^de todos os antores mais acredita-
LiffUMQAo 'DE immm,.
K.V
Rua da imperatriz fi. 60*
0
9 9
Vende fazendas para liquidar, por bara|issimo pre^o como
abaixo se ve:
Pereira da Silva & Guimaraes tendo em ser uuigrarjde depoailo de (aaotidas
tem resolyido fazer uma liquida^ao das mestnas com grande abaumentb nos precis,
com o unico fim de apurar dintieiro, para o que convidam qjo s6 os seus uumeroso?
freguezes, como o respeitavel publico, a vir surtir se de muitas fazendas, boas obarata*
no seu estabelecimento denominado oPavaoa rua da lroper,airiz n..60.
CAMBRAIAS A 49,^500, 5*, GJJ 7#. .
0 Pavao vende um das mais Gnas cambraias brancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas cada pe^a, pelo ba-
rato pre^o de 4, 45O0,99, 6tendo tam-
bem das mais finas que custuraam vir ao
mercado, assim como um grande sortimento
de ditas. tapadas e victorias que vende de 4$
ate 89, sendo fazenda que valle rauito mais
dinheiro.
COMSALPICOS DE CORES A 8.
0 Paxao recebeu um elegante sortimento
dos ultimamentena Euroua, cuias machinas iL?^!8* brands com bonitos salpiqui-
* .___,;j_______*Zl. I ..;.." tabos wiudinhos de cores, tendo 10
sao garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
*ano semidespeudio algum do comprador^
Neste estabelecimonto t ^nbeni haperteneas
para as-mesmas machinas e se suppre qual-
quer peca que seja necessario. Estas rna-
diinas trabalham com toda a perfcicao de
-um e dous pospontos, frauze e borda toda
cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
cadacoeta tods os nfe4es naoessariescomo
isejam : babadiphos, entre-meios, rendas,
qualquer costura por Cm quo se.n, seus requefifes, e vende pelo barato preco de 12
BS*ifR!^!?l,^Lpf.r!j5: cada um- assim com. duos a 2 do julho
com todos osenfoitesa-l(>!>, cortes de cam-
francez mujto %o a #000, apenas precis*
1, V4 metro Dara umlencol.
CSALJS BARATOS
a 2, 28500, 49. ^c
0 Pavio yen.de t^h ales a oioitac^o de me-
rino a 2J>, 4ko^ de merino lisos de todas m
cores fi^^pQ,.JjAps^e raerin6esUmparls,
muito (Trios a 4$V^aitos finissimos com fis
tras de sed a ,a *>#W0,. ftps muHo fiuos de
crepoma 10$ e 12J>.
.11 go dito onfes|ado alfe 19*80
O Pavio vende^lgodao eafestado com 8
palmos de largura, proprio para lenjiei
sendo do mais encorpado que tem vindb ac
mercado, liso a 19 avara etran^adoa.....
1JJ280.
ATOALHADO A 19600, 29, 69-
0 Pa*a.-.**nde atp;ik|d^rangado com 8
palmosidq iafgura a^lfSJDO^b 19600, ditf
0 Pavao vende umbonito "sortimento de \4masdo^a 29^MtotieiUnbo adamasca
do a 39 e 59-
cada corte de vestido e vende pelo barato
prec/> de 59, por ser pechincha, ditas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOS A USO DA CORTE |2
balhar a mao de 3G&OQ0, 409000, i.iJJOOO
o po .sSo do
809000, ,909000, 1009000, li>.j$000,
1-209000, 1309000, 1509000, 2005000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teracSo de pre^os, eoscompradores.poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
S. Exc. o. Sr. presidente da proymcia visitou o
estabelecimento ee dia e assasti aos exames,
Sue foram presididos pelo Exm. Sr. Ur. Antumo
e Vaconceilos Venczea de Druimnond, lcnte da
faculdade de direiio.
Foram exaraioaiores o?rs. Drs. Eaequiel Fran-
co de Sa, R -Honorio da Silva, Jorge Dornellas Iti-
beiro Pes-oa, Jos6 Diuiz .Barreto e o, professor C.
nachetery.
C0MPRA$
k
M tta Junior & C. e Antonio Martins Leite&
C. administradores da massa fallida ^le Jose Nar-
ciso da Silva 4 C. convidam aos credores 3a
massa quo apresentem seus titulos ate o dia d
de Janeiro, alim de serem verifisadas e admitti-
das ao rateio.
Recife, 23 do dezembro de 1873.
CASA
uma pcquena famila precisa de alugar rnjtade
de uma tambem de familia, =6 sen-e na fregnezia
de Santo Antonio : a tratar na rua larga do Ro-
sario n. 20
imperiaes
Duas que foram emprestadns a alguem
por rccasiai. da instfillagao da sociedade'Au-
xihadora da Instrucijao Secundaria, e que
se acha-n abanduna'ia-, o dono dellas pile
pr icura-las d run da I-'lorcntina n. 28, de
manha nte as 9 boras, a tajde das 4 em
diante, devendo passar recibo a quem as
emregar.
verao gostar pela variedado de objoetor que
pete mesmo jornal, para o exame no collegioj dos ha semnre nara vpndpr rnmn alumnos habilitadosi nao t6-enrliagna8,.M!ao'ein m sempre para venaer, como sejain cadet-
seiencias. ras para viagem,,malas.para, viagem, cadet*-
raspara salas, ditas do balango, ditas par^
crian^a (altas),.ditas para escolas, costurei*
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
para criangas, de todas as qualidades, camas
de ferro para horoem e crianc,as, capachos,
espelhos dourado6 para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos^ie metal para chi, fa-
queiros com. >',eaboqdei metal e de marfion
to Zr^ZTj^lTo^^^^o^ d,tos avulsost Uere, de metal too condiei-
rua das Grazes loja de trastfsn. 41. ros para sala, i jarros, guarda-comidas de
arame,4ampas^para cobrir pratos, esteiras
para forrari slas^avatorios gompletos, ditos
simpks, objeotos para toilette, e outros mui-
tus artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem. este grande estabelecimento
que se acha aberto de^de as 6 boras da ma-
nhinate as 9 horas da noute &
Rua do' Barao da Victoria n.
__________22___________
Nao ha mais eabellos
braneos.
MDIJklU JAPONEZA.
S6 e unica approvada pelas academias de
scieru-ias, recoohecida superior a toda que
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
retro.
Gompra-so-nma escrava parda de seus .10
annos, que seja>4e-mnito boa conducta e saioa la-
var, engommar ecozitihar, teodo boa satide : no
Gorreder do Bispo n: It, x tratar a qtinlqoer hora.
V":N0AS.
Vendese a tavern* sita ma do BarSo do
Triumpho n. 6>, bwn afreguezaia ; quem p-etenr
der, dirija-se a mosma, qoe achara com quem
tratar.
i\a fumlirin te (Sfifc &Ihirai,
b tm d ,%nm ns.AM a 103
Vende-se os seguintes ob-
jectos, por precos
commodos:
VARANDAS francezas de ferro fundido de diver-
e boaitos go-tos.
FOGOES francezes grandes e pequenos.
DITO dito para trabalhar oim gaz.
Bi 1MB AS francezas do repnxo.
BAN OS com pes de.fe.ro, com molla e sem
dia.
PES de ferro para. mesa.
JARROS de ferro para jardim, graades e peqne
nas.
MACHINAS iiara geiar >r gelo ; gelam
agua em j -zera gelo em
Padaria.
Aiuga-se a da rua dos Pescadores ns. I e 3 :
a tratar com Ta-so Inuifcs, r. a do Amorim n. 37.
mm
Os abaixo aasigaados declarara ao respeitavel
orpo commercial desta pra-.a, quo dis*oIveranl
amigavelmenie a cijdade; |oenjrava sob a flnua
de Garvalbo Guimaraes 4'G., licanJu o nctivo e
passivo a cargo dos mesmos abaixo assign .d is, e
osSrs Augnsto Forreira de Carvalho e Joaq.iim
Rodrignes Pereira pagos e sati-feilos de s i capi-
tal e lucros.
Recife 83 de dwmtwo de 1873.
Cu < Antonio da Gista Ribein-.
Aluga so a primeira casa do si:io do Arco na
eslrada que atravessa da Ponte de Ucb6a a Sant'-
Anna, com commodos soffl-ientes para qualquer
familia : a tratar em nma das casas do mesmo
sitio, oxi_na rua do Dugue de Caxias, loja n. 82.
Roga-se as p<-ssoas que est2o a dever a ta-
verna da rua Duque de Gaxia* n. 41 A, o favor
de pagar o que deveu sob puna de se Iheapubli-
car os nomes por e>ta folha, -e o nao lizerem no
prazo de 15 ilias. R-cif.-, 11 de dezembro de 1873.
No eogenho Jacare da comarca de Nazareth
precia se de um feitor para o eampo, e de um
caixeiro para o mesmo, nai escolhe-se nactonali-
dade : quem estiver nas conU^oes. pole enteo-
Irs-com I-eal 4 bmao, a rn* dtf'Majquez de
Olinda n. 56, ou no mesmo engenho.
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
mercio, por preco modico : a tratar com Tasso
Irmaus 4 C.
Aviso.
No escriptorio de Tbomaz de Aquino Fonseca 4
G. Successores vendese a retalho vinho^daFi-
gueira.jdas'itelhores marcas, chegados aUtmai
mepte: na rua da Vigario n 19, andar.
Vende-se
por mnito commodo prpeo exce lentes terrenok
nos teguinies lugares j na Torre, a margim do rib
Capibaribe e p ro ; na estrad-i de Beberfbe, amargemdo rio e
perto da edacity do caminho.de form, na eitrada
nova tratar com Joao Feitosa, na rua estreita do Rosario
numero Hi.___________
Vende-se uma casa terrea em chio-proprio,
na rua de aortas n. 42 : a tratar na rua velha de
Santa Rita n. 27,"2 andar.
braias brancasabertas, com listras-e lavores
W. ditos finissimos a 85, ditos. .de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 3*500, e- pechincba.
CORTES BORDADOS A 20* E 35.
0 PavSo vende ricos corti*s de cambraias
brancas delicadameote bordados, peloy ba-
rato pre^o de 20$ er.369.
ASSAS FRANCEZ.1S
a 300 rs, o covado ,
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara li-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BORNOUS A 12.
0 Pavao vende um bonito- sortimentodos
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 12* cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales de merin6 e com listras de seda.
LAZINHAS A 320
~0 Pavao vende rionitas laziuhas lisas,
sendo verde e cor de lyrio, pe o barato prec,o
de 320 reis o covado, assim como delicadas
lazinhas de quadrinhos a, 280 reis, e",pe-
chincha.
Cirantidiaes a 640
SEDA-. PARA .VJjSTIDOS
a 1*800 e 29.
j Q Eayao vende um bonito sortimento d<
sedas com listrinhas proprias para vesti
dos.de meniiiisade sauhora a l*6Q0;Oco-
vado, ditas lavradjidkaaa.^*^spad|#es sac
muito bonitos vende-se por este pwc/j pan
acabar.
0 Pavao tent um completo sertimento de
botinas muito bem enfeitadas parasenhoras
e leade pelo karato preijo Je 5*. artigo que
em outra qva|cpe/ parte custa t* e 75.
LENgOS BRANCOS
: a-25WK)0.
O PavSo Tende renews- braneos ab-'tnhi
dos, tanto.parabonjeQS,*Qmq parasenhoras
a 2* e 2*500 a duzia, ditos de gsguiao
cambraia de linho t -mbem ab-inbados i
3*500, 4*. 5*. oLto^ franepges eseuros, part
rape" a 6*, a duzia.
CAM1SAS PARA.JUOHEM.
O^P4oi,'veiide:*ias camisas eom pitc
de linho bordadas,;,proprias-ip ra^pon/fta
10)5 e 12* cada uma, ditas de linho sun -
remherii Uas .. 4*,.4D&00 e 53, Urtascotr
peito dealgodao muito finas 2,|2*a00 e
3*, ditas dechrtafina miudinh a 29,2*500
e 3*, assim como grande sortimento 'de tx-
roulas francezas tanto de linho como.de ai
godao de 1*600 al6 3*. gr nde "sorriment(
ie meioS cruas inglezas de 4* ate>#0000 '
|> duzia
:FAiraUUSPARALtTO.
0 PavaatemouBp grande sortimento dt
fazendas pretssiparailuto como swjam : cas-
0 Pavao vende um elegante sortimento s-sJttVfW-townhas lisas que vende a 401
das mais bonitas grauadines 0u .gazes de e f00 reis.o^ovadp, bombazinasde 1960C
seda para vestidos. tendo de todas as cores 'W o-<*?do, 'cautao-a 1 e 1^200,
e vende pelo barato preco de" 640 reis o co- 8raaadine Usa-com ilistras, cassas e chita
vado e granadine preta com listras de seda todas P^etas com listras e salpicos, .Ipacas
a 1*800. todas pretas e lavradas de branco, merin6s
' outras.muitay faaand s apropri das, que s
LAZINHAS A 360 0 COVADO. ?eudo>por mcnosdo que em outra qudquer
0 Pavao vendo bonitas lazinhas.itranspa---P911^*
rentes com palminhas a 360 reis oacovadu, I MADAPOLOES ENFESTADOS
ditas ditas indianas com lindos dezenhos, j a 3P000
tanto em listras como em quadros a 280 rs.' 0 PavSI vende pe^asde madaphlao enfes
o covado, e granule sortimento de alpacas e tado com 12 jardas a 39, dito a 39500, ditt
lazinhas de 40ii a 800'^is. com 20 jardas a 5ji5*500 e 69000, dito
' com 24 jardas de 5* at#8* e 109, sendo en
a casa n. 13 ,i Pa->salgem
y eom J. I. M Rego.
Alyga-se
da Magi!
Caixeiro.
Precisa-se de am, com prattoa bastant:, e qne
dfl fiador de sna conducta : a Iratar no pateo da j
Saata Sruz n. 4. i
Cuiupanhin ferro Carril de Per
natiilmiMt (outr'ora Pernambnco
Str**t Ri'lwayi.
Gonvido a todos os possuWores de bilhetes de
oas-rs n >- cirros desta companhia, ainda exis
tenUs em efccnlacSo com a assigoatura de H.
II. Swift, A-si Tr.-r. a traio-los ao troco pordi
mi.'in no esript i- da companhia a rua do
liriuii. .-in t >J..s os dias uii'i- i.i- |0 Was da ma-
niia as 3 da'taide, at6 :tl d- -l^zi'iubro proximo
1 i, oo1!- i. |uj >s 'ditt- bi
- : para qual
etTeito, a ,i.o eiro le tSTi em
trriiio.- do avi.-.i ,i,i mini-terio da fa-
uui.i paswiiio e da por-;
Uria da pr.'sidi-ncia desta provincia de'fldedU-
tubn
Recife, em 7 de ontubw de 1873.
0 gerente,
Gustavo Adoipho Schndit,
Lindas las escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modernas, a
"860 rs o covado : na rua I'rimeiro de Marco
antiga do Grespo n. 13, loja das columnas, de An-
tonio Corrtia do Vaieoncwlos.
AinliDs linos cngarrrfiidos
Prvprios para presente de festa ede dij
veraas qualidados ; vendem-se na roa d<|
Gommercio n. 48, 1 an.lar.
De fon;a de d .us a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquirn Lopes Macbado & C, tr-a
vessa do'Corpo Santo n. 25.______
Wil on Howe & L vendera no seu armazem
a rua de Commcrcio n. li :
0 veriadeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente flo de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Farm ha de mandioca nova
Teem para vender Joaquim Jose" Goncalves Bel-
trao& Filho, abordodo patacbo Sapho, chegado
de Santa atharina, fundeado defroote do trapiche
Barao do Livramento; e para tratar a bordo, ou
no seu escriptorio a rua do Commercio n. 5.
CHITAS DE CORES
a 20', 24t., 28 0 Pavio vende um grande sortimento de
bonitas cbitas tanto claras como escuras e
vendo de2ii ate 32 rs., assim como ditas
com listras ao lado muito finas a 360 e 4U0
rs., finissimas percales.miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 r&s, garantindo
serem K>iis de cures fixas.
COBERTAS A 2*, 2*500, 3*. 4*.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
com ramagfin grauda, pelos baratos precos
mais finos que tem vindo ao mere do.
AlgodJEozlnho a J-rCOO.
0 Pavao vende pecas de algodaozinlu
muito encorpado a 4*, dito a 5* e 6*.
TAPETES
'.
CORTES DE CASEMIRA A 5*.
0 PavSo vende um grande sortimento d*
j cortes decasemira para calcas, com bonitot
de 29, 2950 >, 39e 49, ditas encarnadas gostos, claros eescuros a 59,' ditos de 69
Vende-se
forradas a 59, ditas defustao branco e de cor
com barras a 49 e 59, ditas de creche* para
cama de noivo a 69, ditas muito ricas a 16*,
ditas de damasco a emita^ao de seda a 109
e 149.
FuNtdea
0 Pavao vendofustdes braneos e de cores,
sendo as mais bonitas cores qua tem vindo ao
mercado, tanto para roupa de criancss como
para vestidos e roupas de homvin, e vende
pelo barato prer^o de 560 atd 1, o covado.
BRAMANTES
a 1*600, 22 0 e 29500.
0 Pavao vende bramantes de algodao com
10 palmos de largura para Ienc6es, pelo ba-
Pe"s de sapotis. abaeates, romeiras, parreiras, rato preco de 196-0, nito de liuho com a
truou-pao, roseira^de varia? qualidades e outras I mpSm.. |arffra a a* t-2nflpwnn Hitr
ilnrps : n.f Boa-vista, rua dc Visconde dc Govanna ^ISn! I,,r8"ra ^- e oo. mto
n. 1#1, totitr*ora Mnndego.
Villa dePalmares
Vende-se por preco muito baixo duas casas terj
reas a rua Nova daquella villa as. 36' e 37. eotnj
grande terrenomteo no,estao aljgadas.e dao bon^
juros ao capital empregado : a intar no Recite,
roa do Crespo n. 7 A._______
Libras sterlinas
iVeaie-se no eseWptorio do Jo&qufm Jose" Ra-
mos, a rua do Bom Jesus n 8. I* andar.
Vimde-se uma escrava de meia idade, parda |
Asunicas verdadeiras
Bichas'Tiambnivuezas qn vom a este mercado-
ia rnr Mavcniet de olinda n. HI
Canarios da AUemanha
Chegaram pelo ultimo vapor da Europa, per-
feitos'cantadores e de cores mnito lindas : aeham
se a'vend a no armazem Fidelidade, a rua do Im-
oerador.n. li.
Cortes de chita a 99, r.0 e
MM.
0 Pavao vende cortes de chitas ascurase
claras com 10 covados carta corte, pelo ba-
ratismo prego de 29, 2o00 e /90fi0.
CORTES DE BRIM A 19400.
0 Pavao vende cortes de brim pardo para
calca, a 19400. Ditos de cor, fazenda mui-
to boa, a 19600.
Espartilhos a 3|e 4#000.
0 Pavao vende os mais"mddernos esparti-
lhos, proprios para senhoras e meninas.
pelos baratissimos precos du .3* e 49000.
Ditos muito superiores, braneos e de cor, a
59 e 69000.
79, 89, ate 10*, superiores casern iras frari
cez'se inglezas, para covado, de 3*500 ate
6$, paunos pretos ede c >resdos mais bara-
tos e mais finos que tem vindo ao mercado.
por prejos muito razoiveis.
Roupa feita
0 Pavao, tem constantemente um grand*
sortimento de roupas feitaspara homem, qoe
vende por preco muito em conta, como .--
jam:
Calgasde brim de cores de 2*500 ate"ij
Ditas de casemira escura a 39500.
Palitotsda mesma fazenda a 49500.
Calcas de brim pardo de 29 ate" 5fi.
Dit s de casemir.: de cflr de 7(J ate" 120
Ditas de casemira preta de 79 te 144.
Palitots de panno preto de'4*< ate7 12c
Fraques de panno preto flno de 209 ,at<
359000.
Calces brancas de liaho de-49 atot*.
Colletes de casemira de cor de 39000 t(
59000.
Ditos do dita preta de 4* ate" 7*.
Cortes de lit a 4*000.
0 PavJo vendetJdriitos cortes de"lsinha.
padrOes miudinhos com 'lindas cores, tend-
15 covadoscada corte, pelo barato preco de
49000^____
CORTES DE"ORGATTOT A 3*000 e 3*500.
0 Pavio vende corte de organdy branco,
com listras e quadrinhos, sendo fazenda mui-
to fina. pelos baratissimes precos de 39
3*500 o corte.
MScMnas do eostora do'seguintes autores .
Wilier., & Wilson, de ?:.pospontos para trabalhos''
TmJ&o"'*** '***',00*' 2'' im\ Ceroulasfr^cezas-WlinHo dtigodao, para todos os preebs e qdalfdades, asirr
Ditas*a iniURiqde Singer, com lan^adeira, aper- co'n" grande sortimento de meias cruas, camisas, colennhos, que tudo so vende'Oor
fenMa,'oir60i?m e t00|600. ,precos trruit r znaveis.
Ditas do Weed, com kmcndeiia a 10> e l^. ----------------------------------- t ______.
Dili's- de Grover & galier. cose com cordao pelo
comtoo Fii) d.i algoilaa da Bahia
a 5BJ000 a CS/srO', Tem para vender in -> u escriptorio J 'inim
... Bites do maamo>autor;ede umposponto, de tra- Jos6 Goncalves h^iirao & Filho a rua do Couu-
Vende-se a metade do sobrado de dous an- balhar comamSo. mercio n. 5.
dares ejotto na roa' de Pedro Afleaso,' bntr'ora. Teias ertas-maehmat'vef veniem -a dinheiro e f^-.___^ >. ____^-----------
'^J*?*1**.S***'**.' arJ A*10 conforpe se poder cfinyencionar com os pre-! OmiaS para aSSUCH T.
roa da Praia D.! 33
iSffiX^n^!?^^ por'um'anno'oalvanisadas- a pinu-las, por preco t
nmimportante predio bem coabecido e de grtnde e se mandaensinar no Bazar Universal < *.m r,,nh i. u.f.' ^ aZi
rendimeato pelos seat excellentes commodos.
N. 8J-Raa do Barao da Victoria-N, 22.
1 gendem Cunha & Manta, a rua do Marquez de
'Vinda.n. 23.
J. 0. C.Bfffle.
Tem paras.*x>d :
Gognac de Ueaaessy, superior e verdadeire.
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cha preto.em JjJte-4e lOj^Kb-as.0
Todas as preparactte chimicu do'-Dr. Ayer;
armaiemdarua do Commercio n. 38.
c
f
\ HD1HIUH [
r ifiifiO



H
I
1
WTO
I, IRMAOS
UHIGOS HGEHTES
A'
Rwa do Barao da Vidwia B'. 28
ia mais singles, as mais baratas e as melhores do mundo!
Ha exposicao de Paris, era 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a rnodalha de onro e a condecora-
5*o da Legiao de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
Est&dos-Unidos por ser o inventor da machine de cos-
tura.
A medalha de ouro na exposijSo de Londros acreditam
estas machinas.
A 908000
Cabe-nos o deter de annunciar que a companhia das machinas de Howe de flova-
vtk; estabeleceu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agencia
aral, para em Pemambur-o e mais provinciasse venderem as afamadas machinas de cos-
'a de Howe. Estas macfiinas sao justamente apreciadas pela perfei$ao de seu trabalho,
sroegando uma agulha mais curta com a mesma qualidadc de linha que qualquer outra,
**U introddejao dos mai aperfei^oados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
**reeer so ftxarac publicc as melhores machinas do mundo.
As vaniogens destas machinas sao as seguintes:
frirowra.O publico sahe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
"'amstancia de nunca teren* aooarecido no mercado machinas d Howe em segun-
mio.
&unda.Content o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Teroeira.Ha nellas meBortrjceao entre as diversas. pecas, emenos rapido eatrego
aae ns outras.
Qaarta.- For mam oponto como so fdra feito 4 mao.
(Jcinta.Permitte que se examine q trabalho de ambos os fios, o que se nao consega
raoetrna,
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de am a outro lado,
^o era segtM* sara mndi&c**-*e a tensao da linha, coxem a faienda mais
Setiraa.O compressor- 6 levantado com a maior facilidade, qnando se tem do mudar
*galha ao comecarnova eostura.
Oitava.Muitas companhias de machinas de eostura, tem tido epooas de grandeia e
*eadeoGia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi descoiihecidas, ontras soffreran
*adan$as radieaes parapodereaa substituir : entretanto a companhia das macbinasle Howe
aoptando a opiniao de Elias Howe, raestre em artes mechanieas, tem constantenwnte
sjiscntado o seu fabrico, ahoje ngo attende a procara, posto que faca 600 machinas
*f aia.
fada. machina aeompanhai'livretos com instrucc,6es em portugwex.
56 aUna do Marquez. dt>: Olibda 56 a
(outr'ora run da f'udela)
LOJA DE MACHINAS [mtttm
^.^..^ti8_:?St^WOTt0..aSSa?.COnhecido corao PrinciP? e recommen-;Grantdireda pre.* e colismasrt
Fazendas finas
Riur fc dc lar$o n. 7 A.
Cordeiro 8imoes & C.
B* esta' ctsa, sem duvida, uma da que hoje,
padecoro primazia apresentar aos seas freguezes
uu variadissimo sorikueato de fazendas finas pa-
ra (p-nde toilette ; assim como, para o uso ordi-
nano de todas as classes, e por precos vantajo-
sos para os cempradores, de cujas fazem um pe-
quaao resumo.
Mandam fazendas as casas dos pretendentaa,
para o que tem o pes-oal necessario e dao amos-
tras mcdiante penbor.
Cortes de seda de lindas cores.
Ditos de gorgnrao de cores.
Grosdenaple de todas as cores.
Gorgurao.hranco e preto.
Sctim Macau preto e de cores.
Grosdenaptes idem idem.
dado polos grandes depositos e bons sortimentos com que. sempre prima crater das' drs padroes e fazc-nda
aspihores, mats ncroditadas e verdadeiras mticliiiiaa atucricanas para a!-o
amboni mats
Apurados vapores locomov&is, d^forca.
'!% e 3'/a cavallos com todos perU'iic.as
ie &h
precisos para trabalharom i machinas para
ilgodao, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar rotipa.
Arados amoricanos p.ua varzea e ladei-
a.
Garros de mSo para aUerros.
Tinas de madeiras.
Haldes de dita.
Ditos de ferro estatdiado.
Ditos com valvula para lavatori'js.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
'luards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dlta dita ditos de madeiras.
Irons para cozinha.
Emfim muitos outros artigos, que soavisla e noste fistabeleoraod-rii1..Mi
lxaminados.
da cores lin-
da ultima moda
1 Cortes de cambraia branca com lindos bordados.
CapeHas e mantos para n ivas.
; niqojssimo sortimento de las com listras de seda.
I'awbraias de cores
IMtas maripozas, brancas e de cores.
Nansuck de lindos padroes.
Baptista de padroes mui delicados.
j PertaUn:!* de quadros pretos e braneos, de lis-
... Uras, etc.
ie Uiversos fabricant.:s para mi- jBrjns. de linho de cire>. proprios par* veslidcs
com barra e ii>iras.
Teraos de bandeyns finas.
Co.rrentes para arrastar madoira.
Cjlindros atnericanos para pmlarias.
Pertengas avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breu superior.
Moinhos
I ho e caje.
Debulhadores para milho.
Azaite dr- spermacete para m.ichinas.
<.amas de ferro.
Bombas deJapy.
Dltas americattas.
Cofres de ferro palenle.
Cannoa de ferro osmallarlos.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracba.
Folles para ffreiros.
pnpi8ii da fesla
0 qpe drrwir jwr alii.
dr
i 1
E sempre assim.
A 90^000 A
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 2.8,'
ICHINAS PARA COSTURA
A 30^000 e 30*000.
Quaodo parece terse esgotado o repeito^-o da
modas, pela immensidade de artigoa de n dade
que tem apparecido, eis que os velhos e i ansa-
vei* correfpV.Ddentes da Nova Esperanea, a ru
Duque de Caxias n. 63, descebrem outros no
mundo elegante, aondc se constrvam escogitondo.
minuciosamente as novas invenc5es; remeUam
para a Nova Esperanca. e aotriam na a dlzer
aos
que
Fu.-tio do Kndas cores.
CaSaquinhos de la e de todas as cores, para se-
I nlioras.
i Saias bordadas para senhoras
Camisas idem idem
I Vestuarros para meninos.
Dftns para baptisados.
i'-'.^Hh-os ii.axa ditos.
Tot'Jhaa ii gi|ardaoapQs ailamascados de linho
cores para mesa.
Colchas de \*.
CortinaAs bordaioa.
; Camisas bordadas para homem.
Meias dc iCorM para liomens e meninos.
'".' unpletvi sortimento de cliapeos de sol para bo
mens e senhoras, com cabo de marflm.
>MeriB6 de cores para veetiaos*
j Dil. preto.
e algpdao para toalbas.
Agua florida, de Guislain, JSK farll?0
.->f>.., r nn ~ i.T-:^T1-.-. Brins de Hrfho branco, preto e de cores.
para lazer OS CaOeilOS pr&-; Setim de lindas cores e com listras.
f__ | (-laics de rneriiw da cores e pretos.
WIS UiioA de casemira.
A aguiabranM,.a.rua Duque dc ^^aan.oO, H-'08^ se(ia Prela e de c0res'
tcaba,de recebcrnova remessada anreCiaVel agua Ditode touqmm.
fl;irMa para fazcros cabeilos pnto'?. O bom re- Cawisas do linho.
jaltado colhido porquem tptu-feito us dessa Dilas-de.chiu.
inoffenLva:prt)p sens freguezes e especialmeirteToTo^fea|d,te R9r f360 ^W* se faz.leiMbrar a quern, nor touV>s de brim e algodao.
nao creiam em tat: e para prova owdeme- vamente dejla precise e.queira se riproveitar de {^ascoue ta uc cores.
do que acaba ae expor, vejain o '.|ua ajawaoVsej*?*^^- Tamhcw fei,-.agua-d topasre e- KSJ2.*l*^,ie* para cadeira^ sofa e consollos.
.i^rossos
descreve : "'[&&)Jlani*>_pnra. o mesnw u>" acredilados
XfANUAES para missa, com capa de madreperohi
on tartarnga, teodo no centroda capa1
um pequeno relogio perfeilo rogakj-,
dor.
CARTE'.RAS, pot charutos, port cigarros e pprts
moneys no me? mo gosto.
CARTEIRAS para notas com capa de marfna, ma-
dreperola e tartaruga, coin o disticar^
. Lcmbi-inca.^
rolsas ^j^j^^jj^ Kovos.diademas dourados.a
qnalidades e raodcloe de nava-iavea*
comp a fttHm* q bi'iiiuoe do
aJjofaa^S;,^ ooios.
: Aeajtaa.branca,,*. rua rW.ilBwe daCaiiaa^
3'J,,.recebeu novas..e Uouilas volt* o btiocos dp
I rosso? Ijofares de cores, ( e ccioio, ^ompre conti-
nna a vendclas por precW commodo.
cao.
PORT BOUQUETS de lindos gostos a fcrjaaolws,
espocialidades para as noivas.
CAIXfXHAS com musieas c sen cllas, prcniuai pas/j dooradOS' , conw para. sari h i>wot, .
Collec^es de traelados
itara progenies.
com pewlras;
A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
30; reeebeu'novo sortimento dVl'onitos diade-
podraii laalo para uieimtas:
Na loja de Soares Leite Irmaos, a rua do Barao da
Victoria n. 28.
Ltrvas de pellica cora!peqneno toque,
. 200 rs.
'.brrtoadnras para collets; grande sorti-
ii nto a J20 rs.
Oaixa dc linha de marca, a 200 rs.
Lampnrinas & gaz, dando uma luz muito
ftoa,a 1000.
Duzia de pec,as de cordSo imperial, a
i-0 rs.
.Caixa de botdeside osao para cal^a, a
*00\rs.
DSizia decarreteis.de linha, 200 jardas, a
.-.oo Vs.
iderjh. idem 60 jardas, a 240 rs.
ilajjo de fita chfneza, a 800 rs.
Cairka de linlia com 40 novellos, a 500 rs.
Meios adererjoe com, camafeu.a 500 rs.
'jarrafa detint&.roxa extra-fina a 19000
>Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
A SOTS.
Cajxa. de penoas Perry, muito boas, a
iaooo.
Idem idem, a ^00 rs. <
Caixa de enveloppes tariados, a 50Q r.
Idem idem forrados, a 7Q0.rs.
'aixa de pa pel amisade, beira dourada,
800 rs.
Idem idem idem lisa,. a 600 ra.
DuzU de taJheres cabc braaeo, %JB., a
i000
' Rewa de papel pautado, a 4JK)00
t. 55800.
Idem idem liso, a2800, 35800 e 5&000.
Coques modernos, a 39000.
Dirzias de pecas de trancas de caracol
Espelhos demoldura.donrada, de todos
os tamanhos e pretos.
PEilFlJ.MAUIAS E MUDEZAS.
Frasco com oleo Onza verdadeiro, a
19000.
Idem com tonico de Kemp; verdadeiro,' a
19000.
Garrafade agua florida verdadeira a 19200
(iarrafa d'agua japoneza, a 19000.
Idem idem divina, a 1900O.
Idem idem Magdalena (novidade) a
19200.
. Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pote com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
nel, 19000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39600.
Duzia de sabonetes deanjinbo transparen-
tes, a 29200.
Idem idem com flores, a 19500.
Sabonetes Glycerino transparentes, a
19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 19000 e 1990O.
Cosmeticos, graudes e pequenos, a 100 e
800 rs.
Frasco- com agua de colagne, a 200, 320,
300 rs. e 10MHF.
Extractor muito finos dos melhores au-
tpres.
Lindas e elegantes caixinhas com perfuma
rias, proprias para presenes, dos auttwes
trantjas
oranca,. a,400 rs. j B. Codray, Rieger, Gelle* Freres.etc.
ideai.tdem.lisM, a SftO^rav Quadros com santos e estampas separa-
F.eques (teosao e sajBdalOi a 29000, 49 das.
69000. j Entremeios e babadoa transparentes e t-
Fit^develludode todas a*coreselargq- padps.
tts, Umai grande taboleta propwa para quaj-
Micreseopioscom 12.vjs5,|pr39O0a. quer loja.
Frasco com oieo paramachinaa 400 r&
liiia da Barao da Victoria n. 28.
tomb pce(* rm o Os verdadeffos
<]assa 15, padroes n tem vindo am nAad6, so ua-TOai do> Qjoahnado
IpjA-.^.Gjwrti&^Jrnaadesypola dinwiOr
iireco da aw rs. o covado J
'irtcgnem frv'-ieids que'stf afab.-i
ja--------.s-------^._!-----------1i ii.., i. p. i i
Fariioha deiararuta
Veode-sa siip^tor farkiha-dc araruta, Unto era '
porcoea ot'ino a reUiiiw, por,pA.'?o qua adiai'a,
visto sua qualid.-Je ; dejM^jt'- nos-s^gujatoAiii-
gares: rua do v ijiario n. v>t rua do Ambrim n
58.e travesa la rua das Cruies n. 4,' a S'ri. a'
libra*a rctalho. _______ { i
Para afesla. l
Rua PritMifciro GusmSo i hoid receberam os uwlhores < mais
Dioderntw que na [!! rh^p-rus para senhoras, o
, tao veridcodo muito bafatos, para acabar.
Vmhos de Bourgogne
das Dtareas
Cba.mb^rtiq,.,
Pymmard
Virita
V'olnay
Beepne
Mouthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Vende-se pop baralo pre^o
PARA LiyUIDACAO DE C0NTAS
NA
Rua L/arga do Rosario, 34.
Botica.
E outros "de Inteira novidade.
B com os menino.Sk
A Nova. Esperaooa, a rua Ihique de Caxiaa. n.
63, reqebemos bquecos da borractw do fjratos
iuteiramente novos : os meninos muito apreciarao
estc brinqucdo.
E verdade;

Qualquer senhora- de ; *om gosto1, parece qut
nao. pode. completar e sua toillette, sein dac u
passcio a Nova Esperanca a rua d Duiue-niCa!.
xias n. 63, p>rquc e a loja ile raiudezas..que puis
completo esta em Mrtimenti, e que mais'DDvida-
des apresenta ao publico em geral.
com as florlstas-
A Nova Eiperanca,,. a rua do Duque de iktxias
n. 63,' recebeu pelo ultimo vapor, um inteiro sor-
timento de papeis para flores 1 4 clles.
Paracrianca.
A Nova Esperanca, a mi do DuqnajdeiCasiagl
n. 63, recebeu un sorUmeoto de vwtuarios 4e
casemira e alpaca para criancas : modernos e bo-
Ditos.
LSs mescladas.
Um bonilo gortiniCBW de las meseUda* em co-
res, recebeu a Nova esperanpa, a. rua Duque da
Caxias n. 63.
OU
Burros 4 veada
h Deird avi?aa feus fropienea que- eM' ear
viagem para as provincial de AlagCa*e Peraam-
baco, conduzindo excellenie trop de, burros
passara por Penedo, Pilar, Castanna-GraarK Por-
tb Calvo. Barreiro*, Rio Furmoso, fiscada, Ciba e
provavelmente por SjuWOi Ainaro de Jabiatao a
Nazaretli ; por isso pode ser avi*ado ou encu-
trado em qualquer d*stes '.ugares
Larangeiras, 20 de outubro de t873".
-------PM-----------------------,-------------.------------------------------------------"................
Roupa cslrongctra.
Amaral Nabuca k'C. venrjem cosltrmes de brim
brantoe de cores (a mmrujo e a prnftaOOM1 parw
maninesi paletots e-cslletm para.haraera, dtot-de
alpaca o de ea.-emira para hmoora e- meijinos,,ca.-
misas bordadas e lisas para senhora, homem,.me- ^
nino e menina : uo Bazar Victoria, a rua 4o' '
rto da Victoria n. 8.
.....i' H'n iiiif i.i inn in i i
normas para escrever-se
A aguja brauca,.a rua Duque de Caxias n. 50,
recebeu novas conecccfes ou normas para as crian-
ijas apreo^ereiTi acserevpr pot si-mamMf Jioja-tBD'
usadasinas autas e coUagi;; o cauw sempua.vm*
detaa-fMV pryvo-oomaMdo.
Meias cruasflnaepara,meni-
uas esenlioras
A loj d'a^uia branca, a ru.Duque in Caxias.
a. 30, "'"heuiioyo sortimento daiiuellas tao pro-
aurad^ 'tna para senhora, vindo igualr
mente para meninas, e continda a vende-las por
proves coramodasi
y^osoa. mantkha^pretas;
A loja da agota branca, a rua do Duque de Ca-
xias n. 50, rocebeu bonitos veos ou. mantinbas
pretas d seda'VomvflWe8, e-eutras-a frJiiuc*o de
cmcM, e rande-aa petoati batatosi pretoa dei3#,
l| e 6*000. A fazenda e boa e esta em perfeitft
asiado, peio que conwuia a ter. prompta extrac-
Ferfeita novidade..
Grampos comiborljulDtas,. bezouroa e gafa-
niiotos donradotje- ooloridos.
A loja da .aguia branca, a rua do Doqua d
Gaxias n. 50, recebeu novos grampos combor-
boletas, bezouros c gafanhotos, o qua de certo e
perfeita novid dev A qnantidade e pepuena, e
por-'igsa em- ltreve s acabara.. '
N^vas'gpHinhas ornadascom4!
pelucia. ou arminho
A loja d'aguia branca- **. Daqua daCaxiaa
50, recebeu uma peqnava, quactidafle de boni-
s a-aftTB* guJliHla, traialUo. de la e .-eda, eu-
neiwdas com armintjo, obras estas, de muito gpsto,
I int'etrarrrentel'nnvas.
Ura.rnp.os^, brineos e rozetas
(kdchai da ditii.
TarJalana de ludas. as cores.
Esparlilhos lisos e bordados.
Foulard' de seda.
Casacos a tricot.
Nil.os oortes de veslidos de linho para senhora,
! d^idi. ersas cures, com os competent os enfei-
; tes nitima moda.
paSemiras pretas e de cores, chivas, madapol3es
pambraias,- panno fino preto e anil, collarintios,
ptofeosy jtravatas; luvas de pellica, dims d. tio
dc *catsia, brancas e dc dores, tapctes de todos
os tajnanlios, bulsas de viagem, etc. etc
?fa trjja do Passo, rua Primctro de Marco n.
A, antiga do Crespo.
rLinzinhas com lirlras eBtarapada^ pelo diminuio
eco de iuO.rs. o covado.
Ditas com listras assetinadas a UGOO o co-
varto.'
, Giauadina* pretas com listras de cures a 500 rs.
0 covdo.
Uetins trancados proprios para vestido, a 320 rs.
o covado-
Alpacas de quadros, proprias para vestidos, a
lid rs. o covado.
Briui branco, luiia, para caj.-as a 1*500 a vara.
Dito trancado a inoOO a vara.
Ditode cores, linho puro, a 1*400 a vara.
Ptoeiiincha
Chapeos de-sol de seda, cabo de caana, a 8*500
cada um, isto tudo so no n. 20 da rua do Crespo,
o;a Crheou o verdadeiro de Portland ; barxicas
ggandes de 400 kilos : no armazem dc Tasso Ir
maos & C. caes do Apollo.
RuadoBrum n. 76
Vend* se zioco. pnro de superior qualidade,
proprio para col mrtas de casas, medindo 11 pal-
trios de comprido e 4 de largo, por preeo mnito
em conta.
Jl
Ko> seus. arm w 4, ru* dp Moom. i
n, 37 o aw, tem par* yextder pp* pwigps commodoa
Tijolos encarna4os,sxUY.)S ,par,J*dxiJjK>,
Canos de barro para esgo!o.
Cimeoto Portland.
Cimenta Hvdraulfccv
Machinas de d^e#rooil al|oda>,
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Ph-osphoros de cKraf:
Sagti em garrafoes.
Seradmha em garrafoes,
i LeutiHias em garrafoes.
Pihum da aJraaica.
Vinho do Porto \elho engarrafadif >
Vitfho do Porto superior^ dito-
Vinho de Bordeaui, dito.
Vinho de Scherry.
, Vinno da Madeira.
Poles com linguas e dobrpias tflftttJ*
' Liapres finos sortidos.
) | (lagoa&GanihieriltaeEssi
Lata.- de toucinho inglez.
Barris com repolhoem; saLmonra
Vende-se uma typopraphia bera montada, com
am nuchina e cm prelo, tudo em bom evtadca
po'lprepo mndico: quem a pretender, dirija-seia
urr4du Torres a 12, subrado, t andar
dourados.
A loja' fcragtrir branca, a rua do Duque
Ztaim *; 90j reeatwtn novamMM boaitos- gram-
foSiiMneWiei rozatas) dduradoa ; a>.sijB ixaae
*ows d^i|jis,da, aw,, a, cupia^seraflra conftr,
. i y^nije-los por precos razoajreis
CaixinJias com p6s dourados
el prateadbs, para; cabeilos.
I Venae-se na loja'da Agaia.Branca a raa.do Dn-
|ue de Caxias n. 50.
Layas, 4PrSrlUcapreta^.e de
owferas c9re.
A loixjtt Aguia.Branca, a ruaJ'Dtifnie deCa-
lius-m ID, rewbea now sortimwifct- d* lnvix-da
DaUwi, pr^M o' fc oplrrn rwm i -
Vllla^ouca ae^AsUriarM-
B*CABBrA'E)AS^S#iCAS
s,to Or Jose J!i Bortrt
.rente da eseora PoTyte-
rUntfrx .Irl.UhHTt.
Ew e*e*Jtita a?na usa4i i taatairem m
Badecinrritbs- dcM'vtof-dignUva^^QTiaMriae' d*
estomafo ctp.,;e**r t
Veftdewg*
1
m
FlinriiMicin ArwgMf-i**
DA
Rua larga.do Bosario, n. 34.
GUitas
240 rs. o covado.
? 240.r% o covado.
Vende se um bonito cavallo preto, bem gor-' A 24Q rs. o covado.
doe dim todas as nurchas; a tratar na'rna da, S6 na rua Duque de Caxias tti-M.A, loja da
Imperatriz n. 68. tasquina.
Tem para vender Joaquim Jose GOnjalves Be^
ao Pilbo : a tratar no sea escriptorio a rua
do-Coaimercio n. "6._______________________
Nao se ciigaiiem
Vinhos.em barril e engarrafados, de marcas co-
nhecidas, acreditadas e garantidas, indusite, qua-
|idad propria- para mimos ou pessoas doentes :
vendem Cunha Irmaos. 4C, rua da Madre-dV
Deo*, n..34.
Gravatinha azul de 1834.
Colheita doanuo de-18el'.
Velho particular de 1840.
| l^agriroas do Douro.
Duque de 1815.
Duque do Porto.
Regrna.
1 Potassa dotb da Russia em meios barris:
Thila, cha e fumo
! Ann rat' Vabnco to C vendem tintas orisaline -
Lotion vegetale para tingir de pretes cabeilos,.a
qoe*e conbaoe da no.mod" de emprega-lo, como no resultado qne
se obtem. Cha verde e preto chegado ultimameno
ta; e'mibo inglei e- frifceer, para cigarros e ca-
chimbos : vendem no Basar Victoria, rua do Ba-
Ta*4yatori.a.2r. ___________________
lioa iiqiiisiciio
^^seepHwnt.ta"S0 porcscravos uma
caift'QQMsUuida datnovo, tendo se*6n qjuflrns. com gabinete,, sala; de <-Ur-
g^rtMBw:, cozmhrt f6ra, quartos paraf^uilia,
caaynbascom bn.t ^ua >\k beber- c uttvsitio
bflfo*abo/isi'lo ; n^ alto.la Torre : a tratar
nesta. tjpographia.
ao.
Venle-so um t-rr-no em Reberibe de B' im
rua da Rig'-u. ra &>. cum WO pal mo* de fivme e
6ftl de fuinl ; ien l oel'e bi-mf.-itiiria. A pe-
soa que p" i ur ilrija-'- a rua du B VJctQHA n 27 iue a.-h.ra c .in qm-m tratar
Para aca-lwr!
Ric na rua Duque
d%-*xi

A' rua di CalU|(a n 1 A.
Os proprietarios da fredilaoia, ao iutuito de
conscrvar o bom cotireito que teem merecido da
respcitavel publico, dislingaiudo o seu estabeleci-
mento dos mais veem scientificar aos seus boos fregnezes que pre-
veuiram aos m'us corre>jioudentes nas diversas pai-
cas d'Europa para lhes enviarem por todos ospa-
^uetes os objectos de luxo e bom gosto, qne se-
jam mais bem accitos pelas sociedades elegantes
daqnelles paiaes, visto aproximar.'se o tempo da
fcstaem que o bello sexo d;sta linda Vearza.
mais ostenla a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessem pelo paquete francoz diversos
artigos da ultima moila, veem palentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveiSi
esperando do respeit ivel publico a costunuda
concurrencia.
Aderecos de tarlaruga os mais linJi. s que teem
vindo ao mercado.
Albnns com ricas capas de madrrjierJa e de
teiludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
cos.
Aderecos complelos de horradia.pr irios para
toto, tambem sa vendem meios adarccos muito bo-
nitos.
1 Botoes de setim preto e de cores para ornato de
vestidos de-sethorai tambem tem par:, collete e
falitot.
Bolsas para senhora-, existc nm bello s< rtimen-
to de seda, de paiha, do chagrin), etc, ctfi por
barato preco.
Bonecasde todos os tamanhos, tan to d" lou^
como de cdra, de borracha' e de mass:, ; chama-
mos a attencao das Kxmas. Sras. pa/a gste utif.',
pois as vezes tornam-se Ss criancas um |ihi: pertinentes por falta dc um obteclo que as e.n-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com pdlfos bordados
para homem, vendem-se por preco/cwnmodu.
: Ceroulat de linho e de algodao, de diverscr- f re-
bos.
" Caixinhas com musica, o qne ha de mais liouo,
Com disticosnas tampas e proprios para, presen-
ies.
I Cotjues os mais modernas:e de dimneisn'oirnW'
fo.
I Chapeos para senhora. RccebeJBiii urn sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meainas:
Capallaa simpies-a coms&opara noivas.
Calcas bordadas para meainas. i,
1 Entremeios estampados e bordados, de lindos
desenhos.
! Escovas electricas para dentes, tem a propria*
dade de evitar a oarie dos-demes.
j Franjas de seda pretas-ede cires, exi.-te nm
grande sortimento de drVercw-largurasi e barala
p*Q.
! Fitasi de sarja, da gorgnrao, de setim e da caa-
malote, de diversas. largnras e bunitas cores,
i Fachas de gorgurao muito lindas.
j Plores artificiaes. A Pradilecta prtma-env eon*
servair sempre-nm bello e' grand* sartifneato1 daa*
Us flo es, nao so para enfeite dos cbellos* oook*
tambem para ornato de vealido de noivaa.
j GitMes'de algodao, do 14 e de-seda, braneos, pre-
tos e de diversas cores.
. Giavataa do seda para homem esenlioras,
1 Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para senhora
i Ligas de sedade cores e braneas bordadas.para
noiva.
| Livros para onvir missa, com capas de madre-
perola, macUm, oaso eveUado^ tudo que ba de
Pentes de tartaruga e marfim para a'lsar os ca-
bel os ; teem tambem para tirar caspas.
i Port buuquet Um borto sortimento de madre-
p*roia. marlingftsso e dourados,pur barato orec/i.
Perfuiuariaa Nesle artigo esta a. Vedile.'.'a bem
pmvida, n io so em extractos, com em oleos e
hmhas i is melhores odores; des mala .fam-xlos
fabrieai^es Lnubiai Pvven, Sodeoaito Hygietiica,
fcoudray, Gosuel e Rimel ; sao indispeu^aveis para i
afe&ta.
Saias bordadas para senhora, por emmodo
preco.
' Sapalinhos de la e de setim bord. i>s .para bap-
tisad'K.
Tapctes. lu'cebeu a Predilecta uu b'-uito wtB"
cueni" Me :iwros tamanhos, tan:'- par* -"fa co-
: radu de saias.
YctMii" :i- p '),baptisadoo que hi do m'ilhor
iodernos. recebeu a Predil -ta e
vend.' ,i r hnil preco, p i da
,
A verdade vou dizer-ves,
Sem embargo do mao tempo ;
Nao e graca, vou contar-vos
0 que dizem... por exempt*:
Qne a BARRIGA e" a mai da hiimanidade e que
esta como filha obediente deve tratar eim rcguin-
tado desvelo de sua dileclissima e infallivel mai
Que para isto e indispeusavel qua o. gastrono-
mos habitaDtes de.-ta beila cidade e seus subur-
bios, como parte integraute da humanidade, devem
vir ao muito util e conhecido armazi m do Cam-
pos, a rua do Imperador n. 28. comprawa oe
noTOS saborosis.-iiuos presuntos paia liaiiibres ; o?
gostosos paios, os saborosos salames, os appeteti-.
vels lombos de porco; as delicadas unguifia e
salchichae, cs digestivos penes em laias a flnia-
sima manteiga ingleza e fraoceza, os deleitosot
biscoilos, as excitantea conservas. as delieiosas
ameixas, passas, amendoas e nozes, as aprecia-
veis fructas em calda, os flexiveis doces, o mag-
nifico queijo llamengo e prato, o emhriagante-eha
perola, aljofra e prelo, os substanciaes chocolate e
cacao em po, os refrigerantes lici r naa-
tes cervejas, os corroborates bitters, oe iibpiraa-
tes vinhos do Pt-rto, Madeira, Bordeaux, Fignei-
ra, Lisb6a, Chorry, < oilares o outras muitas qua-
lidades, a corruscante champagne, cidra e um sem
numero de raros e arrcbatadoces sripipes, qua
da forga, vida e prazer, afim de recheanm dia-
riamente o rcceptaculo de snas idtdatradissimas
Barngas ;
Que, quem quizer fazer um delicado lunch, fi-
mar um primoroso cliarulo da Bahia u beber um
copo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao arma-
zem do Campos, unico que torn demons!rado alii
a evidencia a influencia da rainha do mundo a
- barriga
Mesmo porque
Ora esta e boa.
Quem quizer ser ditoso. ser Miz-
Deve ao Campos sjmente ir comprando,
l.'.it; udo assim de ir mai passai'Jo,
Deleiiando a barriga e o nariz.
Akvm do que dizem muitas ccusas ; por
exemplo que o Campos e so quem vende bom e
barato, que so e o unico que da amostrac de gene-
ris ; que so elle, e quem capricha em dr l.om
peso, que e elle s6 quem manda levar gratis
em raa do comprador os gencros comprados (a
diuheiro) em stu armazem, quer deitro da cida-
de, quer nos seus adjaeentea; que unicamenle
sO e no armazem do Campos, a rua do Imperador
n. 28, onde se enconira um completo e ecplendi-
do sortimenti>, wrdadeiro-Centro- de pcregri-
uas e exquesitas victualhas, onde todos (mavoas
jesnitas) devem vir sausfaaer esta obra tie mise-
ricordia (ja se sabe, trazendo dinheiro) dar de
comer a barriga altendendo a que :
Do dia a questao ja nao existe,
Que o Campos fez cessar toda esta briga,
Desfechando cste golpe philosopliico :
Tratem todos primeiro da barriga.
Finalmente que, as interessacaes meninas di
zra qne, so gostim de doces do ainmem do
Cauipos ; as seductoras e espirituosas raocas que,
so tomam um calice de bitter estomacal se for
do armazem do Campos; as respeitosa* mafraaaa
que, sd.se recordam do pastado qoando saboreiam
alguns acipipes do armazem do Campos ; on *ie-
gantes e amaveis rapazes que, so fumam charur
t-is do Campos; os velhos que, so aentem exciu-
cao quando comem certas iguarias do Campos
e ate os forasteiros so proenram o Campos, so
Juerem o Campos e so gostam do Gampos) aponlo
c... vejaoi:
Do Campos a fama como tfla
Nos bailes, thpatmae cafta;
Maxaiubombas. bonds e jardins,
Retroaud i do loundu nos coniins,
Dei^ta a todos uma nova, f-'iz, bta
E Vai passando di s annos atr-ivez!
a
a
Rua do Cabiur:'
n
\,

t r
MUTILADO


ibuco Sabbado 27 de Dezembro do 1873.


6-

I
JMISPRUDEKCfA.
Relatorl*
K BESPF.ITO DO NKGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EXCOMMANDANTE EM CHEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
CAP1TUL0 V
INCIDENTE REGNIER. PART1DA DO GENERAL
BOUilBAKl.CHEQUE DAS NEGOCIACOES E.N-
TAB jLAOAS.
(Continuacdo)
A 23 e a 2i de setembro, o marechol
nos occupareaios
cujos pormenorcs
a
via o Sr. Regrder. Nio
de
ticias, sem dar nenhuma inforraacio da sua noticias para o interior, mas aquelles agen-
Tdadeira posicaV. tes nuaca receberam outra missio senio a
Facilidade de communicacio com o ex- de dar conta dos motimentos do in'migo.
' Por outro iado nunca foram aceitos os offe-
rscimcotos cheios de dedicacao de alguns
officiaes, e* de simples cidadaos que se pro-
punham fazer aquelle sertsco.
0 marechal nao emprega, para coafmu-
nicar,i>s baloes sahidos de Metz.Emfim,
o marechal nio julgou deter uulisar, para
fazer chegar noticias suas no goverao, oe ba
terior por m?to do emissarios, durante o
mez de setembro. Esta apreciacio acna-
sc conlirmada pcias facilidades que o mare-
ohal sempre teve do communicar eom o
exterior.
Vimos, que a 14 de setembro, Mr. An-
dre, make d'Ars, tinha eutrado em comrau-
nicacio com o marechal por intermedio de
cia, desde 4 de setembro ate ao dia da ea-
pitulacio,, emissarios encarregados de trans-
mittir ao marechal Bazaine as instrucooes do
goterno ; os prefeitosdo norte e dos Arden-
nes, o sub-prefeito de Neufchateau, e o mi-
nistro de Franca, em Bruxellas, recebiam ao
mesmo tempo a missio de transmittir ao
marechal as noticias do paiz, e as vontades
do goterno
novo ilesta entre vista,
ja refori.nos. Limitar nos-hemos a dizer
que o marechal Iho tinha feito conhecer o
estado exacto dos seus recursos, quo lho nao
ponnittiatn prolongar a sua resistencia alem
do 18 de outubro.
No mesmo dia 24 de setembro, um cam-
ponez de Doncery, quo tinha sido encarre-
gado .depois da batalha do Sedan do condu-
zir a Saarbruck um ferido p'ussiano, eque
regressava munido da um passe da autori-
dadfl allema, entra nas suas liohas, e vem
curccer os seus services 3D marechal.
I'arte no dia 25 com duas cartas, uma
dirig" la 4 marechala Bazaine, em Tours, e
a ouira para o governo da defeza naeio
nal.
Esta ultima nao 6 o duplicado do despa-
cho de 15 do setembro, dingido a i miuis-
tro d.i guerra, no qual sa pedem instruc-
rdes noticias.
D-te modo, ainda na data do 25 do se-
ten 'im n marechal, que pur uma ordem
do lia official tinha fcito conhecer ao seu
exercito us nomes dos membr>s nacioual, escrevia ao ministro que nao tinba
outr.is informacOes senio as que provinham
debuatos vagos e assusta lores, espalbaoos
polo inimigo. Fixou a Regnier a data fa-
tal que in entiega-lo a merce do veneedor,
ea' '.iiiistronio fez saber a dtiracio da sua
res -!"ii ia, nem Ihe pe lio meres
Os.i.ntnario nao pdde cnconlrar aquelle
campo z de Donchory, e s*gun hi o depoi-
menio do chefe de esquadrao do estado-
mah" Guiot, ha mutivu para acreditar que
nao chwgou ao sea destino.
A contar de 15 de setembro, nao sc en-
con'.r i nos regUtos do marechal mais ne-
nhom vestigio de correspondeucia com o
exte ior antes de 21 de outubro. Ncssa da-
ta, nodia immediatu ao da partida do ge-
neral Biiyer para Hastings, dirigio para
Tours o seguinte despacho :
Por differontes ow-asides mandei ho-
niens de boa ton la do para dar em Paris
(e em Tours) nntir.ins do exercitode Metz
Dcsdc entao a nossa situacSo s6 tern peio-
rado, e nunca rocebi a menor commuuica
<-.3o nen do Pans nem do Tours. Sena
comtud'i muito urg"nt saber o quo se passa
na capi al, porque, deritro em pouco, a fo-
me me forward a tomar uma resolu<;ao no
interesse da Franca e do ex'-rcito.
Este dospacho f">i entrfguo a 22 de ou-
tubro a seis emissarios, cntre os'quaes se
encontravam os interpretes Valcour e Pries-
kewick Tres delleschpgsram directamen-
te a Tours, e entregaram a Mr. Gabetta o
despacuo de que eram portadores, mas ease
dpspachoera cifrado. e n5o tendo os mein
br s da delegacao de ^Tuurs a chave da ci-
fra do t-xercito do Rheno, expediram-n'o a
26 le outubro para o fazer traduzir em Pa
ris, donde nao voltou senio a 17 do dezem-
bro seguinte.
Em resumo, deixando de parte aquella
ultima mensagum sahi'ia do Metz, dous
dias antes daquelle em quo o general Chan-
garnier foi mandado c>mo negociador ao
quartel-general do principe Frederico Car-
los, as tentativas do marechal Bazaine para
entrar em relagdes com o governo da defeza
nacional, limitaram-se & remessa quo fez,
em duas occasides, a 15 e 25 de setembro,
de um despacho, cujos termos denotam a
intencio em que estava de atravessar para
qualquer direc^ao externa. Nio se poderia
effectivamento considerar como uma com-
municacio seria, nquella em que o com-
mandante do exercito, fazendo ignorar o
que sabe, se limita a pedir instweoes e no-
A ausencia de noticias e o silencio do
' marechal Bazaine, disse o marechal Le Flo
Pennetier. Tinha-lhe mandado informa-'ldes, que, durante mais de um mez, Wra-
Qoes importantes ; o marechal nao respon- vam todos os dias para Metz numerosos des-
dou, o despresou, para se corresponder com pachos particulares
o interior, um intermediario que a sur
siluagao official recommendava a sua atten
r5o. no seu depoimento, eram para mim objec-
A passagem do Gorge por mar esteve to de tagas e grates inquietac6es, que se
pois livre ate 25 de setembro, e ter-se- aggravaram ainda quando chogau a Pans,
hia podido estabelecer, disse Mr. Andre,1 poucos dias antes do ataque, na ante-tespera
um sertirjo regular de despachos por talvez, a noticia official de que um balao
aquella via ontro a praca o o interiordo paiz. |sahira de Metz, e cahira nasimraediaQdes do
Cheguei a partilhar, disse elle, a opi-JToul, creio eu, contendo mais de 6.000 car-
niio geralmente acreditada, de que o ma- tas, o qual nao data nenhuma informacao
recbal, perfeitamente servido pelos seus icerca da situa<;ao do nosso exercito, nem
emissarios, estava soguramer.to no corrente' continha uma unica palavra do marechal Ba
de tudo quanto se passava entrc o inimigo, zaine.
o no interior da Franca. 0 que me con-! 0 summario reconheceu que se encon-
firmava n'esta opiniao, 6 que no ponto trou segundo balio nas immediacoes de
muito restricto do cordao de intestida em Neufchateau, a 16 de setembro; tinha le
que nos achavjmos, ha via communica^oes vado de Metz uma grande quantidade de
relativamento numerosas. Concluia que a cartas, mas nenhum despacho para o gover-
autoridade militir, nao as utilisando, secor- no, quer escripto, quer era cifra.
ra>pondia sem duvida mais commodamente,
com o paiz, por qual pier outro ponto do
cerco de intestida.
Foi muito consideravel o numcro das pes-
soas quo communicaram entre Metz as po-
voacoes visinha, en que era facil obter da
autoridade militir as necessarias autorisa-
goes para viaja..- no interior do paiz.
Vemos que a 27 de agosto, Mr. Ar-
nous-Hivicros escreveu ao general Jar-
ras :
a Tenho a honra de vos informar que
gente do paiz estra c saho de Moulins, como
Iho agrada, e que muitos d'elles tao 4s po-
voaroes visinhas occupadas pelo inimi-
go.
communicaQOHS proseguiram em
larga escala durante o mez de setembro, e
c mtinuaram, ainda que mais difficilmente,
durante o mez de outubro ate o fim do blo-
qupio. 0 summario li.oitou-se a mostrar-
lhe certo numero d'ellas, para pio cahir
em repeticoos inuteis ( vide a parte do re-
latorii quo trata especialraente das commu-
nica(;oos.)
Nao eram s6mente os homens do cam-
po das circumvisinhafas que atravessavam
as liuhas de inv-sti la. Lomos no depoi-
mento do commandante Samuel, encarrega-
do do servico das informacoes para o esta-
do maior general:
Os meus agentes atravessavam facil-
meute as liuhas, e pp.rmaneciam nos cam-
pos nllemies ; gramas is informacoes que el-
Ips irazinm, pod--mos ter o marechal ao cor-
rente da divisao e do effectivo das tropas do
exercito do bloquio.
Tntprrog*lo sobro se os agentes teriam po
dido, se titessera recebido ordom, entrar
em coTimunicacao com o interior, o com-
mandante Samuel respondeu : Sem a
menor duvida, diariamente. 0 tenen-
te Charret, que estava 4s ordens do com-
mandante Samuel, fez d^claragdes analo-
gas.
Como confirmacao d'estes depoimentos, o
summario mostra directamente que durante
o bloquoio um sargunto, chamado Attem-
burger, sahio muitas vezes de Metz e tinha
chogado ate' proximo de Thionville ; que o
tenente Mouth, sabido a 25 de agosto, ti-
nha ido ate proximo de Saint Avoid ; que
no mez de setembro tinha atravessado se-
gunda vez as linhas na mesma direccao, mas
que n'essa occasiao no tinha podido tor-
nar a entrar; quo o Sr.Crusem conseguio
passar a prim ;ira vez na direcjSo de Corny,
a segunda vez pelo bosque de Grigy, a ter
ceira vez por Saint Remy ; que n'essas diver-
sas excursoes tinha porcorrido as immedia-
cdes de Metz, chegando na ultima vez ate
Luxemburgo.
Nao fattarain pois occasioes para mandarj
Torceiro balao, com 137 cartas, foi re-
colhido no Epinal, a 21 de setembro e
tambem n5o havia n'elle neehum despacho
official.
Em ultimo. lugar, o summario mostra
que emquanto duroi o bloqueio, succedeu
que em diversas occasioes pisses prussianos
chegaram us m.ios das autoridades de Metz,
sem que se tenha pensado em tirar partido
d'elles.
No depoimento do tenente Archambaut,
que conseguio entrar no oampo entrinchei-
rado, a 21 do setembro, encontra-se a se-
guinte passagem :
Teria sido facil communicar pelo aque-
ducto de Gorze, especialmente no dia da
ninha chegada, por isso que eu tinha um
passe valido para todo o dia, afim de cir-
cular de Jussy a Ars. Pediram-se-me
informagoes, mas enganei-me icerca do caso
que se fazia das minhas instruccoos, por
isso que o passe que apresentei no estado
maior general nao foi empregado. Junto-o
aqui para ficar annexo ao meu depoi-
mento.
Nao faltavam portanto os meios de com-
municar com o exterior ; e se o exercito de
Metz nao foi chamado a combinar os seus
esforgos com os dos outros exercitos fran-
cezes, nao se deve procurar a causa senio
na vontade do commandante em chefe. G
marechal Bazaine, continuando, depois de
4 de setembro, a posicio independente que
jise tinha attribuido para eora o imperado-,
proseguio do mesmo modo, sem nunca ta-
riar essa politica iuteiramenlo pessoal, que
o inimigo cio deixou de explorar.
Tentativas feitas pelos membros do gover-
no da defesa nacional para entrarem em
communicacio com o marechal. Emquan-
to o marerhil Bazaine guardava a maior
reserva a respeito do novo governo, este
multiplicava as suas tentativas para so p6r
em communicacio com o exercito de Metz,
e para lhe dar os meios de prolongar a sua
resistencia Os depoimentos dos Srs. ge-
neral Le F16, Gambetta, Tachard, de Ke-
ratry, e do intendente Richard fazem co-
nhecer os reforcos que se renovarara para
esse fim, com a mais loutatel persisteacia,
ate' 4 capitulaQio.
No primeiro dia da sua entrada no minis-
terio, que tete logar em 6 de setembro, o
general Le Fid, occupou-se em notificar
para Metz a constituicio do noto goterno.
Declarou que nio tinha despresado nenhuma
occasiao de fazer chegar ao marechal Ba-
zaine o conheciraento da situacio politica e
militar da Franca, mas que nunca tete a
hcerteza de quo os seus despacb^ '' -.'sem
chegado.
Pela sua parte, o ministro do interior, Mr.
Gambetta, mandouj4 de Pans, ja da provin-
FOLHETIM.
LUCSICIA BOESIA
MEM0R1AS OE SATAHAZ
POR
D. Uanoel Fernandez y Gonzalez
SEGUNDA PARTE
SAVONAROLA.
(Continuacio do n. 296)
V
A ALLIANCA de dous lobos.
Na occasiao em que, como dissemos Pe-
dro de Napolesseresguardou dachuvan'um
vio do portico de S. Marcos, sentio os pas-
sos de dous homens que se aproximavam e
que nio o podendo vor por causa da escu-
ridio da noite, pararam proximo delle,
apesar de que a chuva cahia em abundan-
cia.
Espera-me aqui, Benedetto, disse uma
voz pela qual Pedro de-Napoles reconheceu
o patricit AtTonso Crespi; teremos o que
o frade me obrig. a fazer, nio me fio nelle;
e, psssadas duas boras, eu nio tiver yolta-
do, tai chamar o magistrado da policia e
dize^Ibe que me perdi no convento de S.
Marcos.
V4 descancado, senhor, respondeu
Benedetto. ^
Alfonso Crespi passou, e penetrou na rua
oa| Maglio.
Benedetto resguardouse da chuva n'um
vSo do portico, proximo de Pedro de Na-
poles.
Boasnoites, Bpnedetto, disse o bas
tardo 'depois de deixarem de ouvir-se os
possos le Affonso Crespi.
Bfii-iletto sentio o quer que fosse muito
pareci In com o medo : era supersticioso
v.Lia que o amo nio ia ao convento para
couja nenhuma boa, e julgou que era 1-
oa dos estatuas do portico quo Ihe fal-
iff.
Quem esta ahit perguntou elle com
j-"^z tremula.
I'm homem de came e osso, respon*
leu Pe !ro de >"apoles, que como tu esper.i,
, e quo como tu nfio qur que a agon lhe che-
gue a peile. Em Fiorenga chovo com toda a
porfeigio.
Chovo L.>m,0 verdade, rcplicou Be-
! t o j4 tr.inquillo, porquo. triitando-se do
( iim holnem importava-lhe pouco o que po-
' brevir.
Tentativas analogas produziram etfeito
com outras pra^as cercadas, mesmo com
Strasburgo; Belfor, tinha mandado ao go-
verno os seus relatorios raensaes ; Batche
pdde receber o soldo daguarnicio, emandar
os quadros para a organisacio do novos
exercitos. S6 Metz, segundo disse o mare-
chal, nunca pdde receber cousa nenhu-
ma, -
0 silencio do marechal nareoia sempre
inexplicavel aos membros da dologagio de
Tours. Mr. Gambetta, no seu depoimento,
expressa-se nestes termos: Durante os
cincoenta e quatro dias que decorreram
desde 4 de setembro &te 4 capitula&io, o
governo da defeza nacional'Juao recebeu se-
nio b'despacho datado de 21 d'outubro, de
maneira que se dizia quo o marechal nio
pensou no governo, senao para lho fazer
saber que tinha capitulado.
0 depoimento de Mr. Reratry fornece,
icerca das tentativas de communicacio feitas
depois de 4 de setembro, uma circumstan-
cia que e essential fazer notar. Encarrega-
do de fazer chegar, a Metz em 13 de setem-
bro, um dos despachos do ministro da
guerra, juntou-lhe um bilhetc no qual dava
noticias da familia do marechal, e annun-
ciava a partida da senhora a marcha-la para
Tours. F.ste bilhet'e foi oxpedido com o
despacho ministerial pelo marinheiro Dou-
sellat.
Este cmissario entregou a 18 do setembro
a sua rnensagem ao coronet Turnier, quo
affirma te-lo mandado para Metz por um
agente que nio voltou mais, e a respeito
do qual nio p6de dar mais nenhuma infor-
raacio.
Seja como for, o summario mostra que
alguns dias depois o marechal Bazaine sabia
que sua familia tinha sahido do Paris, para
se dirigir a Tours, por isso que encaminhou
para Tours uma carta dostinada 4 senhora
marechala que confiou a 25 do setembro ao
camponez de Donchery. Como conhecia o
marechal a cidade para onde se tinha reti-
rado sua familia? Nio tinha em Tours,
nem propriedade, nem nenhuma ligacio de
parentesco quo lhe podesse fazer prever a
escolha daquella residencia.
Nio se p6de explicar es!e facto senio pela
chegada a Metz do cmissario a quem o co-
ronet Turnier tinha confiado o despacho
trazido por Douseltat.
Vamos alem disto mostrarque estas mes-
mas noticias chegaram pela segunda vez ao
marechal desde 25 at6 30 de setembro, com
a noticia da chegada a Thionville do viveres
para o seu exercito. Durante o bloqueio,
o municiamento do exercito de Metz foi
uma das mais graves preoccupacdes do go-
verno da dofoza nacional, e tentaram-se os
mais louvaveis esforcos para quo esta
importanto operacio tivesse bom rosul-
tado.
A 16 de setembro, foi o intendente Ri-
chard encarregado de fazer chegar aos pon-
tos fronteiros do norte graodes comboios
de viveres destinados ao exercito do mare-
chal Bazaine.
0 tenente coronel Massaroli, prevenido a
21 de setembro pelo intendente Richard,
recebeu em Longwy, na noite de 22 para
23, 120 wagons contendo 6,765 quintaes
metricos de viveres de toda a especie, con-
duzidos por .Mr. Seltay, inspector principal
da companhia d'Esto.
A operacio apresentou difficuldades muito
serias para Thiontille, O caminho en'.re
aquella praca e Bcttemberg tinha sido des-
truido n'umaextensiodeSOO metros; todas
as agulhas tinham sido arrancadas, e os
prussianos conservavam os seus postos nas
immediacoes. Segundo as instruccoes do
intendente Richard, foram raandados rail
homens da guarnicio de Thionvillo para
diversos pontos da tinha, e, sob a sua pro-
tecci>, node o inspector principal, na noite
de 24 para 25, reparar o caminho, e fazer
chegar, protcgidos pela artilharin di praca,
tres trans de farinha e do biscouto.
Na seccio relativa as commissfies, encon-
tram-se outros pormenores sobre as tentati-
vas que nio deixarara de se fazer ate' ao
ultimo dia do bloqueio para dar ao marechal
I aquella importanto noticia. Basta nos indi-
ca'r que um dos primeiros emissarios encar-
regados desta missio, o guarda movel Risse,
Era um dos bravos mais tremendosap
Roma, quo Affonso Crespi trouxera com-
sigo 4 Florenca para o que podesse succe-
der.
Sabe se j4 o que foi feito de dona
Angiolina ? perguntou Pedro de Napoles.
Dona Angiolina est4 com seu pai, re-
plicou Benedetto; mas, que lho importa
isso, quem 6 o senhor ?
Nada te importa quem eu seja, nem
a mim me importa com o que foi feito de
dona Angiolina.
Sabe que a noite est4 de molde para
trocar um par do estocadas 4s cegas ? disse
Benedetto com accento feroz.
Estupido I replicoa Pedro de Napo
les ; guarda as tuas estocadas para quando
forem necessarias e as poderes jogar. Sou
um antigo amigo de teu arao, e proponho-
me a esperar por elle.
Ab I pois se e amigo de meu amo
guarde para elle as suas perguntas.
Isso farei eu, e tan to mais que creio
que se aproxima um grande amigo meu.
Effectivamentesentiam-se passos.
Era Dominico Fanti que se aproxi-
mava.
Fste parou e assobiou levemente.
Pedro de Napoles sahio do vao do portico
e aproximou se de Dominico.
Nio necessito de ti por emquanto,
disse elle ; vai esi.erar-me na hospedaria da
Buona-Vita ; tenho aqui quem me acompa-
nne.
Tenha cuidado, Sr. Marcello Porta,
com as companhias que escolhe em Floren-
ga, replicou Dominico ; isto por aqui anda
entregue ao diabo.
Tenho na algibeira uma fianca de
Savonarola.
Isso poderi ser muito bom ou muito
mao ; se encontrar partidarios dos Medicis,
guarde so de que ell^s a tejam, diga-lhes
que e grande umigo dos Orsini e 6 entiado
do magniheo Pedro, o dar4he-hio a mao
en vpz de o maltratarem. Mas que fez o
Disse-
tempo ; tai-te perque chote muito e espe-
ra-me na porta da hospedaria da Buona
Vita.
E como ha de o senhor atinar com
ella, visto que nio teio nunca i Florenca,
ficando a hospedaria e b convento de S.
Marcos em dous extremos oppostos da cida-
de, com uma noite tao escura e sem nin-
guem pelas ruas, porque tocou j4 o cobre
fogo?
Nao faltard quera me guie.
Bern, tudo quanto podo succeder d que
ande perdiio por Florenca ate^ que araa-
nhe^a, e que eu paise a noite de tela espe- guntou Crespi
rando-o ; felizmente nio faz frio, e, por
tanto, adeus, boas noites.
Ate logo, Dominico.
O bravo poz-se 4 caminho e Pedro
de Napoles voltou para o tio do por-
tico.
Quem e aquelle homem? perguntou
Benedetto.
Vou dizer-t'o, respondeu Pedro de
Napoles, apro reitando aquella occasiao para
captar de algum modo a confianca de Bene-
detto ; nio me importa que o saibas. Tu
deves conbece-lo, pois que me pareces ro-
mano ; se assim e, nio sd deves ser seu co-
nhecido, mas tambem seu amigo, porque
e" um dos mais famosos bravi de Roma.
Comosechama?
Dominico Fanti.
Ah I por Deus e pela minha alma,
exclamou Benedetto, e o mordomo do de-
funto duque de Gandia Se o conhe^o I
E' um bom'mocp, coracio de aco, boa es-
pada e melhor olho ; se o titera ouvido
fallar, recoohece-lo-hia pela toz ; maa falla-
ram tio baixo que niio pude colher uma
unica palavra. Eu tiuha-o por morto, por-
que disseram que fora assassinado junta-
mente eom o amo.
Pois esta tio vivo como tu e eu.
Alegro-me porque soraos grandes
amigos; quando o mestre esteve em
Roma, escondido m casa de men amo, o
Sr. Affonso Crespi, todas as noites ia Domi-
mandado pelo coronel Turnier, chegou a
atravessar as linhas allemies. Entregou ao
marechal, antes do l.'de outubro, o despa-
cho que annunciava a chegada daquallas
muniQoes, o que, ao mesmo tempo confir-
mava as noticias trazidas ao Thionville pelo
marinheiro Donsellat, da parte do general
Le Fid, o de Mr. de Keratry.
O conteudo da carta, de que Risse era
portador est4 demonstrado pelo depoimento
do official inferior Calarnon, sahido na mes-
ma occasiio que elle do Thionville, e que
estava encarregado de transmittir terbal-
mente ao marechal Bazaine as noticias que
o guarda movel do Thionville levava por
escripto.
A chegada dc Risse esti comprovada pela
sua nota de alistamento, que recebeu na
mairie de Metz a 8 do outubro, para o 44
de linha. Est4 confirmada pelos depoimen-
tos das testemunhas Marchal e Flauhaut.
Esta testemunha recebeu em Metz as suas
confidencias. Risse fez-lhe conhecer de que
maneira se tinha conseguido conduzir a
Thionville provimentos consideraveis para
municiar o exercito. Dissc-lhe que tinha
visto o marechal Bazaine, ao qual havia sido
encarregado do transmittir aquella noticia.
Fez igualmente conhecer, que, depois da
ordem do marechal, havia elle mesmo re-
cebido do general Jarras, a 3 de outubro,
a missio de ir prevenir o coronel Turnier
da proxima partida do exercito para Thion-
ville, aondo iria procurar viveres que lhe
eram destinados.
A concordancia destos dous depoimentos
estabelece de uma maneira irrefutavel que o
marechel Bazaine recebeu, antes do 1. de
outubro pelo raenos, uma das numerosas
comraunicaQoes que lhe foram dirigidas pelo
governo da defeza nacional, e que tem co-
nheciraento das medidas que haviam sido
tomadas para prolongar a existencia do seu
exercito,
Em resumo, o governo da defeza nacional
nio admittio que, em face da invasio, o
commandante em chefe do exercito francez
podesse ter outras proocupacoes que nio
fossem as da defeza do seu paiz. Apressou-
so a noticiar ao marechal Bazaine a sua en-
trada no poder ; indicou-Ihe a firme toutade
que tinha de resistir ao inimigo.
Desde 16 de setembro, comprehendeu a
urgente necessidade de municiar Metz, e
gracas as medidas habeis tomadas pelo in-
tendente Richard, e ao concurso patriotico
da companhia do caminho de ferro do Este,
fazia chegar a 25 de setembro a Thionville
e 4s pracas visinhas, provisoes consideraveis
para muuiciar o exercito.
A contar daquelle momento, teve por
constante preoccupac,4o fazer conhecer ao
marechal os recursos que o esperatam
alguns kilometros do seu campo. Tinha a
certeza de que o marechal, sabendo que
existiam tao perto delle os meios de prolon-
gar a existencia do seu exercito, tentaria um
esforc.0 definitivo.
Com esso fim, foi mandado um grande
numero de emissarios. 0>^rimeiros conse-
guiram immodiatamente o seu proposito. O
marechal, j4 prevenido das intencdes do
governo da defeza nacional, pelas noticias,
pelos jornaes o documentos politicos levados
pelos prisioneiros evadidos, recebeu certa-
mente, antes do 25 de setembro, as cartas
do general Le Fid, e de Mr. do Reratry. De
25 a 30 de setembro, teve, pelo emissario
Risse, a confirmaQio das primeiras medi-
das, e foi ao mesmo tempo prevenido que
encontraria era Thionville e nas pracas visi-
nhas viveres para o seu exercito.
Este aviso chegava no momento em que
o marechal esperava um desfecho favoravel
para as negociacdes entaboladas pelo Sr.
Aproxima-se alguem, disse Benedetto.
e meu amo.
E, com effeito, Affonso Crespi, irritado
com a calorosa entrevista que tivera com
Savonarola, aproximava-se com passos ra-
pidos.
Benedetto, disse elte com toz tremu-
ta ainia pela colera, prompto a caminho
para a hospedaria da Vita-Buona.
Ah I Sr. Affonso Crespi, disse Pedro
de Napoles, e' pois certo que tivemos debai-
xo do mesmo tecto ?
Que homem c este, Benedetto ? per-
Nio seij mas parece-rae um amigo,
respondeu o bravo.
Tio amigo, que depois de uma pe-
quena conversa se convenceri disso, accres-
centou Pedro de Napoles.
O seu nome?
Mais tarde ; nio me agrada dizer cer-
tascousas na rua, e sobretudo quero que
antes de fallarmos, tenho de mim um bora
fiador, ou por melhor dizer dous bons fia-
dores.
E quem sio esses dous fiadores ?
O primeiro, e que por si s6 e bastan-
ie, 6 o seu grande amigo frei Jeronymo
Savonarola; o segundo, Dominico Fanti, 4
quem conhece de sobejo. A13m disso, ha
muito tempo que o senhor 6 inimigo mortal
dos Corsini, e na cinco annos que os Corsi-
ni sio meus immigosmortaes, obrigando-me
a titer incognito e com um nome falso.
Emquanto fallatam, caminhatam depres-
sa e Benedetto precedia-os. 4 distancia suffi-
ciente para nio poder ouvir o quedi-
ziam.
Depois de alguns instantes de silencio,
Affonso Crespi disse;
Conheceu, por ventura, Helena Cor-
sini ?
Tanto quanto o senhor conheceu seu
tio Lourenco Corsini, o seductor de sua
senhor ao veneravel frpi Jeronjrmot
me elle que eu levara-lhe em si o proprio aico estar com meu amo algum tempo e
satilIlrtZ loom o nosso teoeravel mestre. Muitas
Fui franco com elle, pordm nio quiz moites, j4 tarde, frei Jeronymo sahia, e Do-
escutar-rae; creio que pnlouqueceu. minico acompanha*a-o, e *6 toltatam ao
Nao hlasphpme. que Ihe poderia sue- amanhecer.
eedr algum* tLsgraca. Frei Jeronymo 6 E Dominico niio te disse nunca que
UIIW!itl | o pad re Savonarola entrata por certo posti-
Saul., que so- Deus lhe nSo acode, go uc palacip ib duqueza de Urbino, para
Wwbafa queun-i! i n'uma fogwiro. i ^sitar cerla dama, a dama mais formosa de
!>::., iU-ge-lo, porque o seu ^oma,
p ,,-, M.j ik ; j Mas quem e o jenhor que sabe cou-
U .;dis<:iputoscstaolaoiJ33que cujulgata um segredo .
., com., u mosiro, mas, nib pcrcamos. Que te importa quem eu si-ja.
esposa.
- Oh
exclamou Affonso Cres-
calle-se
pi com um rugido.
Ambos nds estamos unidos pelo pu-
nhat e pela tingan^a 4 familia de Corsini,
disse o bastardo.
Ah I o senhor 6 Pedro de Napo-
les?
S? ben Jo o padre Satonarola o meu
nome, nao vcjo a razio porque o senhor o
nore; porem csquec.a-0. Em Fio-enna
Regnier. Se depois de se ter raallogrilo
esta intriga, o commandante em chefe do J
exercito do Rheno, recemcou as conferen-
cias com o inimigo, como se ^r4 na tejeiira
parte, sem fazer uenhnma tentatita para
prolongar a existencia das suas tropas, nio# f
pdde, para justi&car o seu procedimenlp,
apoiar-se na ignorencia em que se Uria
enc^ntrado a respetto das resolucdes ener-
gicas do governo, e dos recursos postos ao
alcance do sou exercito.
RESUMO DA SEGUNDA PARTE.
A inaccio foi o caracter do periodo do
bloqueio comprehendido entre o 1." de se-
tornbro e o comeco de outubro.
Duascausas a determinatam.
A hesitacio produzida pelas noticias de
Sedan e do Paris.
As conferencias secretas entaboladas com
o inimigo.
Ao annuncio de aconteciraentos que agi-
tavam a situacao da Franca, e mudavam as
conduces da guerra, as prcocupajOes do
marechal eram muito naturaes ; mas os seus
deveres militares eram bastante instantes
para desculpar ter permanecido durante todo
o mez de setembro n'uraa inac?io que per-
mittio ao inimigo, organisar, no raeia do
ocio, o sem ser incommodado as suas linhas
do inveslida.
Qualquer que fosse a fdrma de goterno,
era necessario que o exercito vivesse e cora-
batesse.
O marechal sabia os seus recursos limi-
tados ; o seu primeiro cuidado deveria ter
sido augmental-os, ao mesmo tempo que
tinha o dever de os reunir.
Decidido a nao sahir de Metz, devia pre-
parar um systema completo de defeza activa.
Tal era o ratio que devia seguir era honra
para si, e proveito para o paiz. Era logar
de o adoptar, vimos o marechal, depois de
ter levado ao conhecimento das suas tropas
a coraposicio do novo governo,-sem forrau-
lar o menor protesto, dar ouvidos 4s aber-
turas do inimigo, acolher o agente Regnier,
aceitar as propostas que elle trouxe, e com-
binar com elle projectos de restauracio do
regimen imperial, cuja queda tinha regis-
trado. Ainda mais o marechal, desejando
ver o desfecho da situacio, nio receiou fazer
conhecer o numero de dias que ainda con-
tava na existencia do seu exercito ; revelou
o termo fatal em que elle devia cessar de
existir.
Podia retardar a epoca desse desfecho,
reunindo os seus viveres ; longe de o fazer,
preoccupa-se unicamente de raanterem bom
estado e prompto a sahir ao primeiro signal,
o exercito que destina a occupar uma posi-
cio politica. No seu espirito, tudo estata
subordinado a manejos era que a sua ambi-
cao o guiava, e em que elle nio percebeu o
laco que lhe estava preparado.
Uma vez envolvido em conferencias com
o inimigo, o marechal, pouco desejoso na-
turalmente de entrar em relacOes com o novo
governo, que nio lisongeava as suas ideas
pessoaes, rejeita as numerosas occasides que
se offerecem para communicar com o inte-
rior da Franca, e prefere referir-se 4s infor-
raacdes que lhe fornece o inimigo para em-
penhar os destinos do seu exercito.
Todavia o tempo decorria e as protisdes
tocavam o seu termo ; o agente que se au-
torisava com o nome da imperatriz, nio
voltava, e o general Bourbaki guardava si-
lencio. A imperatriz nio approva o que
se faz, e o inimigo tendo a sua attencio po-
litica fixada no marechal, o informado da
quantidado dos viveres que lhe restam, rom-
pe as negociocSes. Em presence desta si-
tuacao bera franca, era vez de se inspirar
das resolucdes energicas de que estata ani-
mado o novo governo, quo elle recoiheceu,
conlinuou a entrincheirar-se no isolamento,
e sem se deixar impellir pelo silencio do
inimigo, vai procurar renovar as suas rela-
cdes com elle, empenhando desti vez os seus
logares-teuentes e o seu exercito.
Mas se as tentativas secretas empregadas
pelo marechal nao produziram effeito quan-
do o exercito, bem organisado, constituia
sob a sua JireccAo nraa forca tomivel, que
exito podia o marechal esperar, uma vez o
seu exercito reduzido a nio ter nada.
sou
apenas Mafceilo Porta, Siciliano.-Ue nosso aposento, e nio^fazer-nos esperar na
Syracusa, mcrcador de sedas.
Muito bem, espero que nos cntehde-
remos perfeitamente, Sr. Marcello Porta,
concluamos, pois, por agora a no=sa con-
versagin, estas ruas sio muito estreitas, e a
noite estd escura. Poderiamos passar sera
reparar por junto de alguem que ouvisse o
que diziamos.
Tem razio.
E continuaram carainhando rapidamente
em silencio.
Em breve chegaram 4 ponte Velha de-
froate da iospedaria da Buona- Vita. Do
vio da porta destacou-se um tulto que
permaneceu silencioso.
Quem est4 ahi 1 disse Pedro de Na-
poles.
.. Sou eu que esperata, respondeu Do-
minico. Quem o acompanha ?
Amigos antigos, disse Affonso Crespi.
Oh I o senhor em Florenca 1 excla-
mou Dommico.
Sim, e este outro que nio sei a razao
porque permaneceu callado ; segundo creio
o meu mordomo Benedetto d muito seu co-
nhecido.
Bravo, raagnifico, disse Dominico,
mas como est4 a chover tou bater 4 porta,
porque eu fico aqui com o Sr. Marcello
Porta.
E nds tambem estamos hospedados
aqui, disse Affonso Crespi.
Muito melhor.
E Dominico bateu 4 porta.
* Pouco depois abrio-se aquella o appare-
ceu um criado com uma lampada na
mio.
Reconheceu como hospedes Pedro de
Napoles, Affonso Crespi e Benedetto, mas
estranhando Dominico, disse:
Advirto-o de que nos recolhemos logo
quo estes senbores entrem, e portanto seri
necessario que saia depressa se quizer que
lhe abra a porta.
Eu fico aqui esta noite; respondeu
Dominico.
. Onde ?
No meu aposento, disso Pedro de Na-
poles.
Ah I e verdade, replicou o criado,
tenho ordem do dbho da hospedaria para
lho dizer que se nio apresenta um fialor,
nio pdde permanecelr nesta casa ; nio es-
tranho ; a seohoria estd muito receiosa e
com razio. Os Midfcis conspiram e passou-
se rrdera para que ninguem receba um fo-
rasteiro sem que este apresente um fiador
abonado rtsidento na ci lade.
Pod's esperar para nos dizer isso no
purta, disse Affonso Crespi que era al-
tivo.
QiieiM perdoar, meu senhor, rcdar-
n-uio o criado, rf&s j4 o conhocemos 4 si, e
apresentou o melhor fiador que se podia
exigir, o padre Savonarola ; pordm enho
ordem de nio deixar passar este outro se-
nhor, se nio traz ou nio proraette apre-
ssntar a devida fianca amanhi pela ma-
nhi.
Medrosos andam os oito magnifiers
priores de Florenca, disse Pedro de Napo-
les ; mas visto que o padre Savonarola e
tio bom fiador, ahi tem um papel em quo
sus paternidade responde por mim; pdde
leva-lo 4 seu amo, com tanto que nos allu-
mie primeiro aos nossos aposentos.
Queira perdoar, mas nds cumprimos
com o que nos mandam, replicou o criado,
comecando a subir a escada.
Quando chegou a um corredor, no pri-
meiro patamar da escada, Affonso Crespi
parou defronte de uma porta.
Nio suba mais, Sr. Marcello Porta,
disse elle, e digo que nio suba porque
como eu tomei para mim e para a minha
familia todo este andar, supponho que teri
de subir ; entreraos, pois, e entre tambem
o Sr. Dominico.
Entraram.
Dominico e Benedetto tomaram por uma
outra porta da esquerda, e Affonso Crespi e
Pedro de Napoles, pela que ficata fronteira
4 porta de entrada.
Crespi techou 4 chate aquella porta, e,
passanch para outro aposento, abrio uma
outra porta que fechou tambem 4 chate.
Agora temos a certeza de que nin-
guem nos oute, disse elle tirando a capa,
o gorro e a espada e sentando-se n'uma
cadeira. Vamos, principe, tire a roupa ex-
terior que dete estar tio molhada como a
minha.
Porque me chama principe? disse
Pedro de Napoles tirando o raanto e o cha-
peo.
0 filho d'um rei e sempre principe,
embora seja filho natural.
Sim, para meu irraio Affonso tudo,
para mim nada. Os Corsini andavam bem
preferindo a mim, que nada possuia, Prda-
pero Colonna para t&arido de Helena. Que
quer ? a sorte dos filhos depende dos pais.
O rei Fred or i co na? me tem affecto, o que
pouco me importa; julgam-me morto e
alegro-me com isso, porquo me tejo desem-
baracado de um nome inutil. Resuscitei
unicamentr para quatro pessoas: para Db-
minico, para (lenaro Orsini, que.nao pdde
revellar a minha res'irreicao, para o padre,
Savonarola c para o senhor.
(Continuar*e-haJ
TYP.D0 DIARIO. -RL'A DlTQUE DE CAXIaS.
.1
] mm
Ldpg~
(
r*
I

f

v
^

*-