Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20018

Full Text
-*-*
.-
\
AMO XLIX. NUMERO 296
I
)
PABA A CAPITAL E LUGABES 0\DE NllO SE PAGA POBTE.
Por tres mezes aaiaotados........ GJ5000
Por seis ditos Mem...........' I 12J000
Po.rum anno idem..................24^000
Cad? numero avulso........... 320
I
iL
-^r
>_A.
QUINTA FEIRA 25 DE DE
*B75
I
PABA l)l\TROEIOR4 Dt PBOVIliCIA.
Por tres mezes adiantados. ........... W50
Por seis ditos idem................. J3$&o&
Por nova ditos idem................. 20&1S0
Por um anno idem................. 278000
l
\
DIAMO DE PEMAMBUCO.
__________________ PROPRIEMDE DE MANOEL FIGlttlBOA DE FAWA A FILHOS.
0, Srs-Gerardo Antonio AWesdFilhos.no Pari; Gouges d Pinto, no M^anhio; Joaqoim Jose de Oliveir.dFilho, no ^; Antonio de Lem Braga, no Aracat, ; Joio ari. Julio Cha.es, no Asao; Antonio Marques da S0>a.noIfcUl: J. JBU
Pere,rad Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silra, na Parahyba ; Antonio Jo* Gomes, na Villa da Penh.; BeJarmino do. S.mtos BulcJo, em Santo Antto ; Domingos Jose da Costa Brag., em Weth,
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; JoJo Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas; Aires d C., na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio Jde Janeiro.
DURIODE PERN AM BIJOU
RECIFE, 25 DE DEZEMBRO DE 1873.
\olicias da Europa.
Araanheceu bontein em nosso porto o vapor in-
Rlei Luzitania, da linha do Pacifico, trazendo da-
ta? de Lisbda ate 11 do corrente :
Dos jornaes e cartas recebidos, colhemos o se-
guinte :
iaA.N'CA.
- Por uma maioria de 66 votos foi votada a
firoloagacao dos poderes por 7 annos ao marechal
Mac-Mahon, agradecendo este railitar a assemblea
a prova de conliam;* que Ihe deu.
Foram eleitos depiitadas pelo3 departamentos
de Aube o do Sena inferior os generaes republica-
ns Suassier e Letellier Valaze.
0 no'vo governo orgauisou-se asshn : Broglie,
\ice presidents do governo e ministro do interior,
duque Dacaz-is, estrangeiros; Depevre, guarda-
sellos e justica ; Fourtou, instnecio publica;
Desse illigny. agricultura e comraercio barao
Larcy, obras publicas; Magne, fazenda Du Baraill,
guerra; Dompierre d'Hornoy, marinha. Forara
nomeado* sulnecretarios de estado os Srs. Ba-
ragnon, no miuisterio do ioterior; Venti, no da
justica ; Lefebre, no da fazenda; e Desjardins, no
da instruccao publica.
Estava marcado o dia 1 de dezembro para se
discutir a interpellacao do Sr. Laray sobre o regi-
men do estado de sitio ainda mantido em gran ie
numero de departameoios; mas a se3sao deste dia
se passou toda em escrutinios quasi todos infruc-
tiferos.
Ciuco membros que faltavara para completer a
commissao dos trinta. s6 pdde ser cleilo um ; o
Sr. Lucien Brun. A assemble passou em seguida
a eleicao de um secretario, para substituir Mr.
K&sjardins, qae tinha sido nomeado subsecretario
do estado; depots do escrutinio vio-se que nenhura
dos candidates hav a obtido maioria ab3oluta.
Nunca a impottncia de um corpo deliberate
foi mais bem deflnida. A sangue-frio, pergunta-
c, se e esia assemblea, incapaz de coustituir uma
simples commissao ou de eleger apenas um secre-
tario, que preteude organisar um governo forte e
dnfinitlvo para a Franca T!
Na sessao do dia 2 de dezembro procedeu-se a
1 'is escrutinios: o primeiro nao dou resultado al-
:4:1m, 0 segundo produzio a eleicao de dous mera-
iiros. A nomeacao dos dous restantes foi adiada
para 0 dia sejuinte.
Nesta sessao eonseguio a asserablea eleger am
secretario em substiluicao do Sr. Desjardins que
fora nomeado subsecretario de estado. Recahio a
-olha no candidate da direiu 0 Sr. de Segur,
(je obteve 309 votos contra 270 dados aoSr.
Imchatel.
Para obviar a todos estes inconvenientes, e
para nao prolongar por mais tempo a situacao ri-
dicula da assemblea, gastando successivas sessSes
om escrutinios sem resultado, a commissio que
i'in de examinar 0 projecto de lei modificaado a
organisa^ao munici jal, foi nomeada na mesa e fi-
ruu composta de quiote membros, seado 9 fcrara-
veis ao projecto e 6 contrarios.
Para a interpellai;5o Ao Sr. Laray, ja eslao ins
ci'iptos muitos oradores; mas falla*se em uma de
claracao do governo, com 0 lim de tornar inutil a
di-russo da interpella^ao, ou de tirar ao debate
toda a sua importancia.
Por esta decLirai;."io, > estado do sitio, podera
ser levantado assim que as leis sobre a3 municipa-
lidades, e sobre a impreiisa, leis que 0 governo ja
appresentou a assemblea, e que baviam sido an-
nunciadas pela mensagem presidencial de 3 de no-
vembro, houverem sido com jetentemente decreta-
das, e tenham dado ao gjverno as garantia3 que
e.'te julgar necessarias para manter a sua autori-
dade, e 0 bom exito da tutella a que elle quer sub-
metier 0 povo francez.
A imprensa occupa-.se muito destis leis. As to-
llias reaccionarias applaudemnaluralmente aener-
gia de que 0 governo da provas. Os jornaes libe-
raes fazem sobresahir as palinodias dos parlamen-
tares da opposicao no tempo do iraperio ; e que
h'">je para guardarem 0 poder. adoptam os mesmos
meios governativos contra que se levantavam. Ao
fiinilo a imprensa liberal, esta tranquilla e soce-
gada ; sabe por exporiencia que nenhum poder se
eslabeleceu jamais, em Franca e-pecialmente, e
ainda muito menos se pdde consolidar, tendo por
b isa a compressao e 0 terror.
0 que se pode esperar 6 ijue a3 novas leis pro-
voquem na opiniao publica uma reac;ao em senti-
do contrario e que em ultima analyse, seja 0 par-
ti do extremo, quem so se utilise da guerra pro
jeelada contra as liberdades necessarias e legitimas
0 Sr. de Coorcelles dep>)z a sua p.-op>sla ten
dente a adiar as eleigde) parciaes, em quanto cada
<1 partamento nao estivesse privado de um quarto
ou de um terco da sua representacao.
E' preciso, segundo di:^ra, salv'ar a ordera mo-
ral. 0 paiz esta socegado, paciente e submisso;
mas quando 0 cbamam a votar, diz francamente a
sua opiniao; e 6 esta opiniio contraria a do go-
verno," que e" preci custo.
0 general Ducrot, dapoz 0 sen mandato de de-
"pulado para conservar >seu commando militar de
(tourges. Os generaes Letellier Valaze e Saussier,
f-.ram pas?ados a disponibiliJade no dia seguinte
an da sua eleicio.
Nao se sabe aind;t s general Cissey que estto oasituayaodo Sr. Ducrot
j-iuirao 0 exempt) deste.
Paraa embai>:ada de Londre3 em substitui-
eio do duque de Dccaz-:* foi nomeado 0 Sr Laro-
chefoucault; para Berne 0 Sr Chandordy ; para
Boma 0 Sr. NouaiMns, em substituic3o do Sr. Four-
nier ; e para Washingtco 0 Sr. Bertholdi.
Falla-se era tentalira4 do governo para se a-
proximar do centro csquerdo, e ahi encontrar os
vutos que lhe faltam na ettrema direita; mas es-
tas tentativas teem poctaa probabilidade3 de se
reali9arem.
0 centro esquerdo esu mats q?ie aunca ligado
aos sens principios, e a apresentacao da lei sabre
a municipalidades nin e feita para 0 desviar del-
|es. Os sous jornaaa 0 os da esquerda demons-
tram aos legitimist p iros qoe se ellc* votam as
leis de excepclo propcsla pal-) Sr. de Broglie,
erao elles as primeiras -ietimas.
. Os repnblicanos dc !odaa as core? mostram-se
actualmeote mais uaides que jamais, nas eleieoes
tos. Os candidatos eo!Mdosj>or todas as frac-
r-Oes do partido republisano sao os seguintes : os
Srs- Calmon, pelo SiBfl at Oisa; Swiney por Finis-
t*re ; Marcon, mairo de CarcosK'ne, et Bonnel,
Auile. Os candidatos dis-
para assejurar a eleicao
maire de Narbonne por
aideutes retirararam =
.>" partido
> [i,o:ian;h;s:.v:
*n. Seine et Oi>e sj!i
riiirara 1 seqs voios
-r. Lev -j.' >rleani?ta;
em Aude sobre 0 Sr. Peyrusae, bonapartisia. Os
legitimistas de Finis:ere ainda aac escolherara 0
, 3ea canditato. *
0 governo fraucea convidoa a Belgica, a
Suissa e a Italia a uma con/erencii para modift-
car 0 tratado monetary de 1865 no sentido da
adopt0 do estaJ4c de ouro. A o.nierencia.devia
reunir-se em Pajjs no dia id.
Os telegrammaa de Trianon de 6 de dezem-
tiro, dizem que 6 commissario d( governo term*-
ncu 0 discurso it accasacao contra Bazaine, pe-
dindo em harntbiia; eom 0 libellc accusatorio a
applicar-ao a Bazaine dos artigos 209 e 2(0 do co-
digo militar, que impSem a pena de morte e a de-
gradacao militar.
0 c raselho de ministros resolveu chamar as
armas a segunda parte do contingente, segundo a
lei. 0 ministro das Qnancas tinha proposto o
adiamento por falta de fundos.
I.NGLATEBRA.
. 0 Sr. Disraeli, ao tomar posse da lord reito-
ria da universidade de Glasgow, pronunciou um
discurso em que fallou largamente acerca da
igualdade, reconhecendo que a nnica rerdadeira 6
a igualdade civil, isto e, a igualdade perante a lei,
a unica capaz de assegurar a prosperidade da na-
cao, a ordem, a liberdade, a justica ; e rejeitando
a liberdade social, alludio a Franja, dizeado que
entre os grandes servicos que esta grande nacao
tem prestado a Europa, um dos maiores e ter mos-
trado que 0 principio da igualdade social nao e
principlo sobre 0 qual um povo possa apoiar-se
com conQanca na bora do perigo.
Os ultimos tetegrammas dao no'.icia de um novo
combate. na Costa-do-Ouro, entre os ashantees e
os inglezes, auxiliados pel03 seus alliados indi-
genas.
Os ashantees atacaram bravamente as posicoes,
e sustentarara 0 ataque durante trinta horas, de-
pois das quaes tiveram de retirar.
ALLEMA.VHA.
0 Monitor do Imperio da Allennnka publicou no
1* do corrente dous decretos : 0 primeiro pronun-
ciando a dissolue^o do parlaraento do imperio ; e
0 segundo convocaodo os eleitores para 0 dia 10
de Janeiro, aflin de elegerem 0 novo parlamento.
A igreja catholica conta em Saxe poucos
adherentes, a excepcao da farailia real. A popu-
larao e quasi exclusivamenle protestante. Apesar
destas circuratancias desfavoraveis, os ultramon-
tanos linham feito de Dresde um foco de agitacao.
Publicavam ahi um jornal que conta entre os
seus redaclores, os capellaes do finado reL
0 novo rei Alberto, ainda que catholico, tem
opimdes muito liberaes. Um dos primeiros actos
do seu reinado foi convidar os sacerdotes ligados
a cdrte que renunciassem a redac-ao da folha ul
tramontana, que e am modelo de violencia e de
paixao nos ataques dirigidos contra 0 liberalisrao
allemao, contra 0 governo imperial e mesmo con-
tra a pessoa do imperador Guilherme.
Esta medi-la fez a raelhor irapresslo na Allema-
nha; e alem concorda com a3 intengoos pa-
trioticas e liberaes que a opiniao publica attribue
ao rei Alberto.
A mensagem votada pela camara de Bade
em resposta ao discurso da corOa, approva alta-
mente, accentuando-as com vigor, as palavras do
gran-duque relativas a liberdade religiosa.
A mensagem quo foi approvada por %a- votos
contra 10, exprime-se nos termos seguinte*?
< Quanto mais nos respeitarmos esta liberdade,
para todas as conflssSes, tanto mais apoiaremos 0
estado, quando elle salvaguardar as condicdes es-
senciaes desta liberdade. Os projectos de lei que
nos sao annunciados, e que tenderao a completar
sobre este aspecto a nossa legislacao, ser2b exa-
rainados por n6s com 0 me3mo espirito, tque teve
qnem os dictou.
Mr. Ledochwisky enviou a Roma 0 seu se-
cretario particular para pedir ao papa instruegSes
sobre 0 procedimento que deve adoptar no meio
das difflculdades em que se eucontra e das even-
tualidades que 0 amsapam.
Corria era Berlim 0 boato de um duello do
general Manteuffel com Greben; entretanto os
jornaes ofQciaes desmentera a noticia que outros
connrmam.
0 arcebispo de Posen foi intiraado para se
demittir das suas func<,.3e3 no prazo de 8 dias.
Diz-se que apesar desta intimacao monsenhor Lo*
dochowski esta firmeraente resolvido a resistir ate
ao fim, e a nao abandonar 0 seu posto senao a
forja. 0 governo vai usar de ignal energia com 0
bispo de Paderborn.
Um telegramma de Pans do dia 4 diz que
0 imperador Guilherme esta gravemente enfer-
m> com uma paralysia que Ihe uao permitte
mover-se.
AUSTRO HUNGRIA.
A nomeajio do conde Paar, para 0 cargo de
embaixador extraordinario da Auslro-Hungria,
junto a Santa Se, nao causou sensacSo alguma em
Vienna. Considera-se este facto como um acto
de cortezia-tradicciooal, sera Ihe ligar grande im-
portancia.
0 conde Paar e um diplomata conciliado e tran-
quillo ; nunca teve occasiao nas suas posirdes
anteriores era Dresde e era Copenhagen de dar
provas de capacidades politicas excepcionaes.
Os jornaes catholicos mo>tram-se muito satis-
feitos com esta nomeacao. Diz 0 Volksfrennd, que
este facto se tornou necessario era consequencia
do estado de saiide do nuncio em Vienna, que tor-
nara diffleeis, nos ultimos tempos as relac5es di-
plomaticas com 0 Vaticano.
Uma deputacao de bispos foi felicitar 0 impera-
dor, por occasiao do 25 auniversario da sua ele-
vacao ao throno.
S. M. respondeu que deseja vivamente que a
bencao de Dens acompanhe a accao do clero, que
tem por lim levar ao coracSo dos povos a paz.
Disse-Ibes mais que estava certo que os bispos nao
faltariam a cooperar, em toda a sua iofluencia, no
cumprimento deste alto fim.
A ordem do dia que 0 imperador dirigio ao
exercito, instituio uma medalha para todos aquel-
les que tomaram parte nas campannas posteriores
a 18i8, data da sua elevacao ao throno.
Um decreto imperial aranistia todos aquelles
que tenham sido condemnados pir crime de lesa-
raagestade, e determina que lhe seja immediata-
mente apresentado um relatorio sobre os condem-
nados, que se tenham tornado dignos de ser per-
doados.
Os jornaes austriacos publicam a circular de
2t de sotembro dirigida pelo governo turco aos
seus represcntanies no estrangeiro, e especialmen-
aquelles que se achara acreditados junto as poten-
cias garantes da aatouomia de Roumania, circular
aue nao foi communicada ao governo austriaco, e
deu causa ao incidente hoje terminado entre as
duas potencias.
Eis 0 documonto :
a Sabeis que os principados colloeados sob a
Suzerania do governo imperial gozam de eertos
privileges e immunidades qne Ihes foram gracio*
samento concedidos pelos saltdes.
< As potencias signatarias do tratado de Paris
confirmando esta situacao particular, reconheceram
qne os tratados internacionaes concluidos pela cor-
te-Suzerana, seriara igualraente obrigatorio3 para
os principados, e que alii continaariara a ter plena
applicacao.
t A' autonomia destes paizes vassallos assim de-
terminada, nao poderia haver duvidas sobre a
questao de saber se os seus governos podem tr?-
tar directamente com as poteneii- estrangeiras;
entretanto, estas iultiraas conMairam ja mais de
um enn.-encao de?t< genro.
Esie estado de cousas, que e sem duvida uma
invasao sobre os direitos e prerogativas da cdrte
soberana, dispertou a seria atteneio da Porta.
a Por outro lado, como estas infraccoesis con-
dicdes da autonomia dos principados poderiam um
dia prejudicar 09 interesses de terceiro, e dar mo
tivo a reclama;5es, 0 governo imperial acha-se na
obrigajao de fazer desde ja, reservas formaes, con-
tra qualquer acto que tenha um caracter interna-
cional, emanando destes principados.
c Pejo-vGs que comrauniqueis esta questao ao
Sr. ministro dos negocios estrangeiros de.....e
que Ine deixeis copia da minha presente coramn-
nicacio, se elle assira 0 desejar. Assignado.
Rachid.
0 governo da Roumauia dirigio uma circu-
lar as grandes potencias em resposta a esta oppon-
do-se a interpretacio dada pela Porta ao tratado
de Paris. Sustenta que este tratado confirms o
direito qne lhe assiste de tratar com as aacdes as
trangeiras, e declara, alem disso, que eslando ga-
rantida pelas grandes potencias a autonomia da
Roumania, 0 governo esta resolvido a fazel-a
respeitar.
Na Ser via abriram-se as camaras tambem no dia
27 de ao vembro. 0 principe Milan no sen discurso
espociali-a o acolhiraento benevolo e obsequioso
que recebeu em Paris em Vienna.
SUISSA.
Oconselho nacional da Suissa eontimia a dis-
enssao do projecto de nova constituicao federal.
Na sua sessao de 28 de novembro, depois de
tres dias de debates, adoptou 0 art, 48 relativo a
liberdade de consciencia, e 0 art 49 relativo ao
livre exercicio dos coltos e abolicao da jarisdiccao
ecclesiastica, a interdiccSo dos jesuitas e a prohi-
bicao de fundar ou restabelecer conventos.
Os dous artigos foram enviados a cumrnissao,
para que esta fixe a redaccio definitiva desses
artigos.
0 grande conselho do cantao de Saint-Gall
adoptou por 84 votos contra 52, um projecto de
lei estabelecendo que os ecclesiasticas que semea-
rera a discordia entre 03 membros das differentes
religioes, serao punidos com uma multa de 100
francos, prisao, suspensao das suas funccdes ou
destituicSo.
ITALIA.
0 Universo do 1* de dezembro publica uma
encyclica do papa, datada de 21 de novembro, as-
signalando as invasdos contra 0 seu poder '.'spi-
ritual, feitas pelo governo de Italia, assim como as
perseguicdes contra os catholicos na Suissa e na
Allemanlia.
0 papa reprova as medidas tomadas pelos go-
vernos suisso e allemao relativas a eleicao dos
parocbos, e excommunga os eleitos, e especial-
raente 0 bispo velho catholico Rheinkens e termi-
na por estas palavras: etperar, orar.
Entretanto 0 exemplo das eleicoes popalares dos
parochos propaga-se raesmo na Italia. Em Man-
tua, tendo 0 bispo recusado satisfazer ao pedido
dos habitantes da aldeia de Frassino, nomeando
um sacerdote por elles indicado; reuniram-se es
tes na praca defronte da igreja, na presenea de
am notario, membro do conselbo provincial, eele
gerara por escrutinio 0 sea candidate, qne obteve
a unaniraidade dos votos.
A junta de liquidacao do patrimonio ec-
clesiastico presegue sem experimentar resisteacias,
na possse dos conventos de Roma.
A maior parte dos conventos estao ja evacuados,
e os frailes e freiras um pouco dispersos. As fa-
milias patricias apressam-se em olTerecer-lhes alo-
jameotos. 0 principe Torlonia recolheu 27jesai
las na sua villa de Castel Gandolfo ; outros expa-
triam-se e vao refugiar-se e n Fran;a, na Belgica
ou na America.
Os conventos nao serao vendidos. mas destina-
dos para servicos pnbiicos. A venda dos bens ja
comegon na provincia de Roma, e sera continoa-
do na capital.
Annuncics publicos marcara o dia p ira a ven-
da em hasta publica dos immoveis pertencentes
aos capitulos de S. ioao de Latram e de S. Pedro;
ao collegio bibernez e a uma igreja collegia!. Uma
venda realisada na cidade de Viterbo, produzio,
apesar das ameacas de excommunhao, uma som-
ma de 1,299,329 francos.
Foram convocadas at direccOes dos bancos
para darem parecer acerca da circulacao do pa-
pel e da emissao dos bilhetes com curso for-
cado.
Assegura-se que sua saniidade, no conisto-
no de 22 de dezembro, nomeara cardeacs os ac-
tuaes nuncios de Madrid, Lirboa, Paris e Vienna.
Foi eleito presidente da camara 0 Sr. Biancheri e
vice preMdente os Srs. Pisanelli, Restelli e Pi-
roli. A camara approvou 0 orcamento de
1873.
TUBOUIA.
0 governo da Porla enviou as potencias estran-
geiras uma circular reclamandocontra 0 procedi-
mento dos principados, que, estando collo-
eados sob a suzerania da Porla, nao podem fa
zer tratados directamente, como ja tem feito,
quando 6 certo que as potencias signatarias do
tratado de Paris reconheceram que os tratados
internacionaes concluidos eom a cdrte suzerana
eram igualraente obrigatorios para os princi-
pados.
E 1:01110 estas infraccdes as condigoes da auto*
nomia dos principados podem prejudicar interes-
ses de terceiro, a Porta faz reservas formaes con-
tra todo 0 acto que, tendo caracter internacional,
dimane dos principados.
HOLLANDA.
0 ministro das colonias declarou na camara que
a guerra com 0 sultto de Achem tem por fim
collocar este estado sob a soberania da nacao hol-
landeza, porem nao sob a sua directa doraina-
cao.
Chegou a Singapura a saganda etpedlcao hol-
landeza contra Achem, vinda de Batavia e com-
mandada pelo general Sureten. Partio para 0 seu
destino.
HBSPAlfHA.
Acerca deste paiz escreve nosso correspon-
dente de Lisboa .-
0 ministro do interior disse, em telegramma
aos governadores das provincias que a questao do
Virginius ficara decidida de um raodo honroso
para os dous paizes, e que desapparecera de todo
0 perigo de uma guerra com os Estados Untdos.
t Sickles teve ultimamente nma demorada con-
ferencia com 0 ministro da guerra.
Falla-se na nomeacao de Figueras para.repre-
sentante da Hespania em Washington.
f Continua 0 bombardeamento de Cartagena.
Todos os navios estrangeiros abandonaram Escora-
breras, a pedido do commandante em chefe dos
sitiantes. Entretanto a praca continuava respon-
dendo fracamente. Muito deve enstar a fazer ren-
der a prafa.
a E' opiniao assente que so com muitos sacriti-
cios da parte do atacante ella sera entregue, uma
vez rpie todas as operajdes carainhem com regu-
laridade e nao baja alguma traicao.
Segundo as vozes mais autorisadas ha apenas
dous meios que podem levar a praga a entregar-
se ou mudando 0 acarapamento para quatro le-
guas de distancia d'onde se acha presentemente,
para encontrar melhores e mais seguras posicSes,
ou apoderar-se d'um dos /ortes que rodeam e de-
fendera a praga sitiada.
< Para 0 primeiro easo precisa-se muito tempo
e mais material de guerra do que 0 actual; para
0 segundo, e necessario ser elevado 0 exercito si-
tianle a mais 4,000 homens.
a As baterias que as tropas republicans esta-
beleceram nao nominam nenhura dos pontos de
ataque do inunigo, emqoanto quo esi mergulha
todas as posicSes do exercito siliador.
Da isto lugar a que os tiros dos sitiantes se-
jam menos eerteiros do que os dos defensores da
pra;a. Ainda mais. A artilharia de sitio I de
menor alcance do que a da praca.
t De tndo se pode concluir qual 0 tempo qae
ainda levara a luta de Cartagena.
Uma granada dos sitiantes que-cahio no edifl-
cio dos g aardas-marinha, matyu 13 pessoas.
t As tropas de Mariones comefaram a cortar as
pontes de Cjespo e Puebla, da provincia de Lo-
grono. Estao eminentes Importantes operacSes.
> A commissao permanente da assemblea decla-
rou vagas as cadeiras dos deputados que aceita-
rem funedfcs incompativeis
Decidib publicar esta deliberacao na Gazeta
Official, 10 dias cmsecutivos 0 em seguida convo-
ear os eleilores para 0 dia 8 de Janeiro proximo.
c Castelbr julga necessario, para consolidar a
republica, restabelecer a ordem e garanti: a liber-
dade, adoptando medidas para unir todos os par-
tidos qne cooperaram para a revolacSo de setem-
bro
Espalnava se dissidencias entre Caslellar e
Salraeron j mas nao ha fundainentos para taes
noticias.
0 que todos estio Concordes e que 0 governo
deve eurajrir rigorosamente 0 seu prograrama
restabelecepdo a disciplina, applicando rigorosa-
mente as nrdenangas miliUres, reorganisando a
artilharia, chamando as reservas e evilando nova3
desordenst
t Zaralafoi nomeadolgeneral em chefe do exer-
cito de Va^eoca era substituigao de Ceballos.
Jovellar foi nomeado capitao general de Cuba.
Estellaffoi completamente abandonada pelos
carllstas por-causa das epidemias do cholera e va-
riolas.
Martinez Campos foi nomeado capitio general
da Catalunha.
0 ataqne da guerrilha do cura Felix foi re-
pelhdo por Marejas e Alinatel. Hoave 5 hGras de
fogo.
Em Porman (dizem do Palma) ficaram umas
oitocenlas pessoas, entre mulheres e crianfas,
proeedentes de Cartagena.
Faltava^nes tudo porque lhe escapearara os
viveres.
a Na bahia de Porman estao os vapores de guer-
ra inglezes Lord Warden, Inuencible, Topaze e
Hart; os francezes Thetis, Renard e outro ; 0
italiano Rima ; e 03 prussianos Frederico Carlos
e Elisabeth.
< 0 contra-almirame Chicarro atacara as bate-
rias haixas da entrada de Cartagena.
Tera-se encontrado era differentes sitios do
acampamento projectis oucos, de madeira ja re-
bentados. Sappoe-se que sao projectis asphy-
xiantes, analegos aos que tinham os comraunislas
de Paris.
Declarou-se, mas desappareceu logo a crise
do ministerio hespanhol.
Salmeron teve uma conferencia com Castel-
Iar no dia 7 e 0 bom accordo julga-se restabe-
lecido.
0 0 governo ordenou a esqnadra que rompesse
0 fogo contra Cartagena.
Esteve imminente a formacio de um ministe-
rio Pi.
c As n ticiaa de Cuba sao favoraveis a termina-
ijao pacifica da questao do Virginius.
1 Foram dedarailos vagos trinta e tres circulos
eleitoraes.
A gente qae os carlistas tem em campo na
Navarra, querem aproximar-se de Miranda.
< D3 Tabalha sahira 0 general Moriones com
16,000 homens na direcpio de Pamplona, nao se
nbeodo com one fim vat.
t Berg a ainda esta uloqueada.
1 As fa^go'es que corcam Bilbao teatam de vez
em quando contra a praca mas per ora essas ten-
tativas nao obteem resultado.
0 governo hespanhol nao julgou boa a presa
dos navios allemaes que tentaram romper 0 cer-
co de J'.jIo, nas Philipinas ; sendo assim, terao de
ser entregues os navios.
Acerca do aprisionarnento do Virginius, on-
contram-is nos jornaes de Lisboa, 0 seguinte :
t Principiaremos por descrever aos nossos lei-
tores 0 aprisionarnento do vapor Virginius, se-
Saudo as versdes mais fidodigais. 0 Virginius,
epois do ter recebido a sen bordo os petrechos
de guerra destinados a Cuba e, os chefes da insur-
reir^ao culiana, fez se ao mar com destino aquella
itha no dia 24 dc outubrn, sahindo de Port Royal
na Jamaica. Tanto 0 carregamento como os pas-
sageiros foram-lhe levados d^ Nova-York, pelo
vapor Atlas. 0 Virginius, arvorava pavilliao ame-
ricano, tinha pipeis amerieanos e era comraan-
dado por um americano, 0 capitao Fry. A equi-
pagem em numero de 40 homens era composta de
gente de diversas nacdes, porem, a maior parte de
amerieanos e inglezes. Alem da tripola-;.ao levava
123 passageiros, entre os quaes se achavara 0 ge-
neral Barnabe Varona, creouio cnbano, de 28 an-
nos ; 0 coronet Jesus del Sol, rico plantador de
Cuba; Pedro Cespedes, irmao do presidente da
republica cubana, e 0 commandante geral de
Cienfuegos; 0 general americano OK van ; 0 co-
ronet americano Brown ; 03 coroneis cubanos
Castellan0 e Boitet e outros chefes. 0 vapor Vir-
ginius, contrarialo pelo tempo, vio-se obrigado a
demorar-se nas costa/do Haiti. Foi 0 que batou
para 0 consul hespanhol em Kingston participar
Sara Cuba qne 0 Virginius se dirigia para alii. 0
rigadeiro Buriel imraediatamente providencioa
Eara que 0 Virginius fosse aprisionado. 0 vapor
espanhol, de gnerra Tornado, encarregado de lhe
dar caea, alcam;ou-o nas agaas de Cuba e imme-
diatamente entrou a persegail-o. 0 Virginius,
tentando escapar se, virou de rumo para a Jamaica,
onde, a distancia de doze milhas d aquella ilha, 0
Tornado 0 apresava, depois do Virginius ter lan-
;ado ao mar cavallos, canhoes, metralhadoras e
armas, e de ter queimado petroleo e alguma ma-
deira em consequencia de Ihe faltar carvio. 0
aprisionarnento realisou-se na noite de 31 de ou-
tubro.
A 1 de novembro, entrava 0 Tornado com a sua
presa no porto de Santiago de Cuba, onde foi re-
cebido com grande enthusiasmo por parte dos ha
bitantes partidarios da Hespanha. No dia 2 ins-
tallou-se ura conselho de guerra a bordo do Tor-
nado, para julgar os prisioneiros. Tendo eome-
cado a funccionar as 9 horas da manna, aeabou
as 4 da tarde, por dar 0 seu ver edict um. Por in
felicidade inaudita 0 consul americano em Santia-
go, estava ansente, de modo qne nao se pdde obstar
as execucdas. Depois da condemnacao, foram
todos os prisioneiros, a excepcao de Varona, Jesus
del Sol, O'Ryan e Cespedes, conduzidos para a ea-
deia da cidade. Aquelles quatro chefes que ja
ettavara condemnados a morte ha bastante tempo,
foram fuzilados na madrugada do dia 4 de novem-
bro, ao meio de grande concurrencia de povo, ma-
rinheiros, etc. Varona e O'Ryan, raostraram
grande serenidade; Cespedes e Jesiis del Sol, ;re
signacao. No dia 8 pela manna, 0 capitao Fry e
53 prisioneiros do Virginius, eram passados pelas
armas dos soldados da republica hespanbola.
a Logo qne nos Estados I'nidos se soube do
aprisionarnento e fuzilareento dos chefe* da revo-
lucao cubana, 0 espirito publieo coraecou a agitar-
se a 0 governo deu as providencias que os nossos
Cuba, tinham fuzilado 80 prisioneiros ( alias S3)
e que era esse um mado de fazer guerra que os
estados clvihsados nao deviara tolerar. Concluio
0 general Grant, por dizer que se 03 hespanh >es
nos esforcos qne fa?em para se darem Hma forma
ae governo repubheane, nao conseguiam fazer-se
respeitar em Cuba, a intervencao tornava-se am
dever de humanidade.
a Proseguiram, porem, depois deste conselho
as negociacoes de modo a conseguir-se arranjo
pacifico. 0 general de Madrid, grandemente em-
penhado em resolver amigavel e honrosamente
e.J,a pendencia, resolveu ouvir os chefes dos par-
tidos hespanhoes e alguns jurisconsultos notaveis,
que todos, no dizer das folhas de Madrid, decla-
rarara dever a Hespanha, uma satisfacao aos Es-
taaos tnidos. Assim apoiado, 0 governo do Sr.
Castellar, resolveu acceder aos pedidos da repu-
blica amencana. As bases do accordo reilisado
entre 0 governo do Sr. Castellar e b do generol
brant, sao no dizer do jornal republicano El Fe
deralista, as seguintes:
r 1.' Saudacao a bandeira uorte-americana.
pelas baterias de Havana ;
2.' Entrega immediata do vapor Virginius,
aos Estados Unidos ;
3.' Formacio do correspondente e minucioso
sumraano para esclareeimento de todos os factos
occorndos na captura d'aquelle navio e execucao
do3 seus tripolantes;
4.* Prazo maximo de um mez para conclusao
do dito summario;
$.' Castigo dosabusos commettidos se resul-
tar culpabilidade na investigagao que se flzer;
6.' Inderanisacaj aos que a ella tenham di-
reito em consequencia das illegalidales commet-
tidas.
0 Federalista, insiste na exactidio destas noti-
cias, reptando a quem afflancar 0 contrario a que
0 prove e coraproraettendo se pela sua parte a
publicar documentos ofnciae3 para domonstrar
que a entrega do navio e feita sem condigoes, que
se sail la a banleira amoricana, sem quo a sauda-
cao seja corresponlida, e que so 0 que fica por
resolver 6 a questao da Indemnisacio.
De official acerca do accordo sabe-se 0 se-
guinte, pelo telegramma qne 0 ministro da go-
vernacao dirigio as autoridades.
Diz 0 Sr. Mais-mave :
0 conflicte eom os Estados Unidos, suscitado
pelo aprisionarnento do Virginius, flcou resolvido
do um modo allamente honroso para arabas as
nacdes. 0 governo da republica devovera aos
Estados Unidos 0 vapor Virginius e 03 tripolantes
sobreviventes. A sauda;ao a bandeira norte ame-
ricana e deraais reclamaedes feitas pelo governo
desta nacao resolverse-hao diplomaticamente. 0
perigo de uma guerra que teria sido desastrosa
desapareceu, e a Hespanha node aleatar a espe-
raeca de ver em breve pacificada a sua nreciosa
Antilla.
0 governo hespanhol coramunicou para Cuba
lei tores ja sabera pelo due publicamds no numero
de 24 de novembro. Os fuzilaraentos nao se evi-
taram em consequencia das tardia; chegadas do?
despachos do governo de Madrid, as antorldades
de Cuba, e 6 de notar qua todos os saccessoaque
occorreram com 0 Virginius, foram ignorados
pelo capitao general de Coba, 0 general Jovellar,
que alii chegou no dia 3 ou 4 de novembro.
No dia 9 de novembro, 0 governo americano
ceiebrou um conselbo a que presidio 0 presidente
da republica, 0 general Ulysses Grant. Mr. Fish,
secretario do estado dos negocios estrangeiros,
depois de submetter ao conselho todos os despa-
chos relativos ao Virginius, declarou opinar pela
espera de esclareciraentos mais circumstanciados
ante! de se tomar qualquer resolucie, e accres-
centou que sabia que 0 gabinete de Madrid nao
apprevava as execuc^es de Santiago. 0 general
Grant, com grande vivaeldade retorquk) que nesse
mesmo dia tinha sabido que as .utoflaades de
0 accordo e parece que ordenou a entrega do
Virginius aos amerieanos. A noticia, porem, da
entrega do Virginius, produzio na Havana, gran-
de agitato. Os principaes voluntaries cubanos,
publicaram um manifesto aeoastlhwAo eaaua
em XovoMar, capitao general "de Cuba, que parti-
cipou ao governo de Madrid, que e impossivel
restituir 0 Virginius, era presenc 1 do espirito da
populacao e que semelhante lentativa suscltaria
uma terrivel coramocao na ilha. Jovellar no
mesmo despacho que e datado de 4 do corrente,
pede a sua demissao. Despachos particulares de
Cuba, dizem que e impossivel a restituicao do
Virginius. Ve-se, pois, que a questio parece
ternar a complicar-se. I
E' iraportante a declaracao quo 0 genera
Grant faz na mensagem de abertnra do congresso
americano. Traz-no-la um telegramma do Was-
hington de 2 que diz :
A mensagem de Grant e amigavel para a lies
panha, mas condemna os excessos das autorida-
des cubanas. Diz qne a questao Virginius esta em
bom caminho. Espera draa solajao honrosa para
os dous paizes. A mensagem insiste especial-
mente na necessidade de abolir a escravidao em
Cuba..
Um telegramma de Londres do dia 5, parti-
cipa qae 0 consul inglez na Havana confirraa que
foram fuzilados 16 inglezes no dia 8 de novembro
e accrescenta qae os jornaes inglezes estio muito
indignados.
Ainda a questao Fir^iniua nao esta terminada
e nova questao surge entre a Hespanha e a Alle-
raanba, e e ella a seguinte :
Ha algumas semanas dous navios allemaes
carregaram, n'um porto proximo da3 ilhas Filip-
pinas, bastantes armas e canhoes. O general Ala-
minos, capitio general d'aqaellas ilhas, teve de-
nuncia de que os navios aportariam as Filippinas
e deserabarcariam nellas 0 armamento que condu-
ziam e qae era destinado a uma tribu inimiga dos
hespanhoes e onde teem grande preponderant
os allemaes qae ha alii em grande numero.
a Em vista desta denuncia, Alaminos raandoa
capturar os dons navios quando elles se aproxi
massera da costa. A captura foi levada a effeito
e na occasiao era que os soldados hespanhoes en-
travara no navio qne parecia ser 0 chefe, 0 com-
mandante allemao arrojon-se ao mar, sobracando
alguns papeis, e pereceu. As noticias que vieram
das Filippinas diziam que os hespanhoes tinham
apprehendido alguns documentos pelos quaes se
via qae as armas eram fornecidas a dita tribu com
a condicao della proclamar as ilhas Filippinas alle-
maes.
Decorreu 0 tempo e hoje apparece a Allemanha
a reclamar. Um telegramma de Berlim do dia 2
do corrente diz:
o Os jornaes dizem em consequencia de in for-
macoes completas que se receberara acerca da cap-
tura de navios allemaes por am navio de guerra
hespanhol nas aguas de Jold (Filippinas), qae a le-
Jagao da Allemanha em Madrid representari 03
in-itos dos nacionaes allemaes. Os jornaes offi-
ciosos csperam que 0 governo invalidara a senien-
ca do tribunal de Manilla.)) As reclaraacdes da
Allemanha, segundo dizem os jornaes hespaohees,
sao muito cortezes. A nota communicada ao go-
verno hespanhol diz que se as leis deste paiz nio
deixam duvida acerca da deelaracSo de presa co-
mo contraband*) de guerra, os dous barcos prus-
sianos cootinuaaor em poder das autoridades hes-
panholasatfi que 03 tribanaes prussianos, estudan-
do a questao, resolvam se ha motivo para a in-
derauisacao, devendo entao ser aprescntadas as de-
vidas reclaraacdes ; mas se as leis d; Hespa-
nna offerecem alguma duvida sobre 0 easo, os na-
vios deverio ficar em poder do governo prussia-
no ate que os tribunaes hespanhoes sentenceiem
em sentido affirmative
< Alem destas duas qaestoet apparece agora a
de ter sido preso 0 consnl hespanhol na republica
de Honduras, no momento em qae facia aos
horrores da guerra civil que arraina aquelle paiz.
No momento da prisao 0 navio hondUrense Coro-
net Ariza disparou alguns tiros sobre 0 bole em
que ia 0 consul hespantol. Solto pelo general Mi-
randa, foi para Omoa, onde foi de novo preso 0
mettido n'uraa prisao subterranea onde esteve 25
dias ate que pode fugi;. Depois disto as fore.as
do general Streber saquearam a casa do consul;
pisaram a bandeira hespanbola ; destruiram 0 ar-
chive consular ; roubaram 0 cofre e todas as fa-
zendas que cstavam nos depositos do consulado.
Os jornaes hespanhoes pedem ao governo que pro-
ceda com energia a respeitoda republica da Hon-
duras.'
PORTUGAL.
Em 10 do corrente escreve 0 nosso corres-
pondente de Lisbda :
a Reune-se em breve* dias a assemblea geral
da associacao central de agricultara portogueza,
alim de se occnpar.da questao da emigrac5o. For
mulararn para fervir de base a discussao, um ques
tionario com 50 artigos, que se prepara em 5 dif-
ferentes secedes : !. baldios, sem arrotearaento,
desamortisacao, enda ou aforamento dos mesmos;
V aproveitamenlo das agaas, pocos artesiano?,
pantanos, drainagem ; 3.' causas do atrazoagricola.
natureza do solo e do clima, faltade arborisacao, de
eriacao, absenleismo, falta de capitaes ; 4.* modo de
poyoar 0 Alemtejo, colonias agricotas, colonial*
militares, grandes on pequenas colonias, sua me-
Ihor organ is to ; 5.' expostos, orphaos e mendigos.
Estaoeleceram-se carreiras mensaes entre Lon-
dres e n porto de Selubal. 0 vapor qne comecou
a carreira foi 0 Aveluty, inglez de 612 metros cu-
bicos O ageute em Setubal e 0 negociantc inglez
Caferata.
No districto de Coimbra ha grande faha de
operarios. E' devida aojgran le numero dos quo es-
tio empregados no caminho de ferro do Minho, 9
obras de Pigueira.
Os salaries sao de 5 X) reis diaries, e viagem
paga, ida e volta, da loealidade onde habitam ate
a do trabalho.
a No dia 28 de novembro ultimo, 0 activo e pas-
si vo do Banco Commercial de Braga era de ....
1,126:508^414 r6is. A verha destinada para ga-
nhos e perdas era de 8:896*021 ; havendo na
caixa em dinheiro a quantia de 40:6641661.
Mais um novo banco se vai organisar em Lis-
bda. Com a maior brevidade vai ser convocada a
assemblea dos socios installadores do Banco Po-
pular Independencia, para a discussao dos estatu-
tos, cujo projecto ja foi esludado e presente, pelos
Srs. tenenie coionel de eugenheiros Baptista Ma-
ciel. Dr. Araujii Jurarte, Piiva Reis, Andrade e
Almeida e Luiz Felippe Leite.
Vai organisar-se um contingente de 500 ho-
mens para Macao e Timor. Parece que esta for-
ca sera formada du contingentes de todos os cor-
pos do continente, dtndn-se as pracas de pret a
gratificacao de 20*000.
a Para acompanhar as pracas vao offlciaes em
diiligencia que receberao 3004000 de ajuda de cus-
to, e uma gratificacao correspondente ao posto.
Regressam ao continente. 0 transporte sera feito
pelo vapor portuguez India, que ha poucos annos
foi comprado pelo governo.
n 0 ministro da marinha e Ultramar esta dis-
posto a adoptar um meio qualquer ten 1-mte a aca-
bar com a emigraQio dos coo/i, em Macao, es-
cravatura mais ou menos data, mas reprovada
pelo progresso de ideas. Como aquella emigra-
cao 6 uma das principaes foHtes de receita da re-
ferida possessao portugueza, 0 mesmo ministro
procura em outros elementos de natureza mais
licita e mesmo mais sympathica 0 supprimento
dos desfalques que o thesouro e commercio local
possam padecer com 0 acabamento daquelle tra-
fico.
A junta consulriva do ultramar reunio-se
u'um dos proximos dias, a pedido do Sr. Paiva Ra-
poso ao governo portuguez, alim de tratar da con-
" &iaJiu>* enno fallado de minas de car-
vSo de pedra na Zamboria. A conuultn. posto qn*
ainda nao fosse assignada, 6|favoravel a pretenc^lo.
A concessio e feita pelo governo da metropole, e nao
Selo governador geral da provincia de Mocam-
ique.
Foi assignado 0 decreto nomeando coramissa-
rio geral de policia na cidade do Porto 0 Dr. Ban-
deira de Mello.
t 0 principe real de Portugal foi nomeado ca-
bo de esqnadra do regiraento de lanceiros Victor
Manoel.
a Parece ler havido grande desordem era Gda
(India) entre 0 batalhao expedicionario e a mari-
ubagem da eorveta D. Joao, resallando mortes e
ferimentos. Faltam ainda os pormeaores.
n SS. MM. regressaram de Villa-Vicosa. El rei
e a rainha fizeram optimos tiros e mataram vinte
e tantas caheeas de caca. El-rei oSr. D. Luiz che-
gou a Lisbda uo dia 7 para assistir a 8 na se pa
trian-lul de Lisbda a fesia da Concficao. Ouvi
que se retira hoje para Villa-Vicosa. Nas pracas
daquella villa estao mais de duzentas pessdas en-
tre convidaJos e pessoas da real comitiva. Terns
sido uma festa verdadciramente realenga.
t Em breve estara concluido 0 projecto para o
tracado do caminho de ferro da Beira Alia. Tal-
vez no fim de Janeiro proximo possa darlhes com-
pleta noticia delle. O engenheiro Canvelles esta
na cidade da Guarda (Beira) dirigindo aquelles
estudos._
< Estao formadas era quasi todos os conselhoS
de Portugal, coramissdes, alim de indicarem quaes
os typos de vinho que das differentes localidades
devem ser representados na proxima futura ex-
posicao de Londres, e ao mesmo tempo colligir as
amostras dos typos escolhidos.
a Cada araostra deve ser de cem litros proxi-
raaraente. As vasilbas so poderao ser abertas em
Londres, no edificio da exposic^o, podeodo cada
araostra ser acompanhada de uma ou duas gar-
rafas da mesma qualidade para serem examinadas
em Lisbda.
t Vao ser applicadas na seccao photographica
da commissao geodesica de Lisbda, as laminas do
estanho de differentes grossuras no transporte de
desent:os para as pedras lithographicas, assim co-
mo aos processos de photographia heliogravure.
< Contmuam em Portngal as constracQdes dos
caminhos districtaes, conselhos e mnnicipaes. To-
dos os mezes 0 governo dota os diversos distric-
ts com quantias destinadas a ausiliar aquelJas
construcgdes qae tao necessarias se tornara para
a prosperidade de diversas localidades. Ultima-
mente o conselho de Elvas (Alemtejo) foi dotado
com 1:683JOOO para a construccio de dous lan-
cos eta estrada municipal daquella cidade a ponte
deSdr. Tr.
A commissao nomeada pelo governo para dar
0 seu parecer sobre a conslruecao do caminho de
ferro de Venda do Duque a Extremoz, ultimamen-
te concluido, deu-o completamente favoravel. Era
compesta dos engenheiros Jos6 Victorino Dama-
sk), Caetano Alberto Maia e Souza Brandao.
0 governo portuguez, auionsoa 0 director das
obras do Tejo a requisitar do ministerio das obras
publicas aguantia de 2:080*000, para ser appli-
fbada a feitura de dous diques e um esporao, e a
plantar Jo de am mazachao para defeza dos terre-
nos da raargem esquerda do Tejo no sitio chama-
do 0 Patacao, junto de Alpiarea.
Foi colkeade no sumptu >so edificio da cama-
ra municipal de Lisboa, 0 pau de fiieira, que re -
mata 0 raadeiraraento. Assistiram camara e va-
rios empregados do munici|no, e muitos curiosos.
0 edificio estava embandeirado e deram-se os'Vi-
vas do estylo. Tocou a este acto a banda dos
bombeiros da capital. 0 edilicio que flea mages-
toso, foi visitado por grande conenrso de cidaaaos
de todas as classes. Os operarios todo3 tiveram
nm dia de feria de mais como gratificacao.
a Ainda hontem se cooservava erabandeirado.
t Cm jornal de hontem dava as seguintes infor-
macdes acerca do novo edificio municipal :
t 0 novo edificio e elegante, vasto e com toda*
as accomraodacdes necessarias. A sa'.a das sessdes
6 muito espacosa, e 0 archivo perfeitamente isola-
do e garantido contra 0 perigo de incendio no res-
to do edificio A obra foi delineada e tem 3ido di-
rigida pelo intelligente architecto da camara 0 Sr.
P^rente da Silva, qae merecidamenle recebeu an-
le-hontem lonvores de todas as pessoas que visi-
taram edificio dos novos paces do conselho.
c E' muito interessante 0 relatorio apresentado
pele director das obras publicas de Cabo Verde,
a
r r
1 MHTILUDO 1
fHKlVfi
1 in..... -.....**
ini^ai m Mi*i


Pernambuco
Quinta feira 25 de Dezembro de 1873,,
.______x-------------------------------.------
(
sobre 09 melhoramentos feitos pela rcpmi^aoa.
eu cargo dcsdc JM a 1873, aunt* eafflpmM
didos pela sd*dW*c,ao, no archipelago.F.oi em
[ *870 qne os trabaltto* tiveram maior impulso, eon-
Armando .isskif'ttehp presents anno; dispendendo-
(se a quaulla HV144:832*2'9, o-que-da ajmedia de
48 277|V'6, qrtandd^nos annos. anteriorcs era de
37:568*9*0. A cidade da Praia tern sido embelle-
aada com a plantacao de arvoredo DOS principaes
largos; com a rejtnurac'o dos sou* prineipaea
dilcios ; construe;*) de um hello merrado e ma-
tadnuro ; na reparagao dos seus pfincipaes caes,
hospital, e quarlcis; aa repwacao do pavimento
das principaes runs, e traveaas ; no encaaamento
das agnas do M.mtegarro, tendo sido encmadas as
agnas das resp:ivas aasfeales, em 3.S9I metro.*
de tubas de ferrb, e um syphio do 1,858 metros.
As aguas sft rocoP.iidat na cidade, n'utn deonsito
ahobadado cam dous taaques, pnrtendo canter 2(W
mil litre, tendo anneTOi den? taaqucs para os
animacs adherent, e bicas para e poderem encher
pipas, alem dos encanamentos para M principaes
ediflcios, para o caes onde os navios fazem agua-
da. Foram mclhorados os psatanos da Praia Ne-
gra e varzea da Companbia ; nao se deseurando
lambem flits inMeramenlos hygienicos. No laza-
reto da ilha dc Santa Maria, construiram bons
quartos e um novo armazem para mercad)rias,
sendo aterrado o paataao de Pedra Badejo.
Na ilha rie Main reronstruio-se o edtficli. da
alfandega, levantando selhe seg-unl.> pas'imentJ, e.
eonslruiose um i nova igreja.
Na ilha do Foje, contruiram-sc duas estralas
importantes e uma igreja.
Na ilhallrava, foram reconslruidos os princi-
paes e Kficios, como praea do eonselho, cadeia, al-
fandega, etc. i ..
Na ilha alfandega.
t Em S. Vicente, concluiram-se as impnrtantes
obras.dos vastos ediflcios, deslihados ao servico of
licial, e quo fca annos estavam parada*. Foi res-
tauralo o edilicio da alfaudega, e constrnio-se em
freute uiu cats, que avanca 25 metros pelo mar,
obstanio, assim a invasan das ond..s qne amea-
.avam arcuinur aquellc edificio.
. Na ilha do Santo Aiitao licaram quasi conclui-
dos 4,2.">0 metros de uma boa esttada, abrindo-se
duas lacgas ruas que reforcalaa por paredoes defen
dem apovoacao deirapotuosas cheias. Coustruiose
lambent um meratdo .
Na Guine portugueza, construiraro so uma al-
fandega, uma igreja, e' varies outFos melhora-
mentos.
a Hoie devem ser definitivamente aprcsentados
ao Sr. Cardoso Avelino, miniirtro das obras publi
cat os trabalhos da coramiis&o nom -ada em 9 de
seteinoro de (871 para estuar as obras quo devem
ser feilas na rnargom do Tejo para melhorar as
-condicois maritimas, commerciae', hygi6iucas e
dc defeza do nofo bello pirto, prmciDalmeot
de ostndos estAo comprchcndidos n'utna substau-iosa
metnpria, illustrada com as res|iectivas planta* e
perlis e f.irmam um piano geral mujto impurtante,
estu lado a I u da scioncia e da convemencia ger.i.
aprcseniando uma rectificacai coinpletadesta exten
sa parte di margem, e que e oponto mais irregu-
I ir dr-lla. combinada com as eopdicoes livdrogra-
phicaj d': rio o regimen das.aguas. Estao alii in-
dicados melhoramentos im,.orlantes, taes como ca-
mioho marginal, dokas de abrigo, dc rcparacao e
de descarga de navios cm varios ponlos, sendo as
primeiras e ultimas de muita vastidao e clispostas
de rondo a attender a tidas as espicios de embar-
casSes e de trafego, boulevard .cmiinuo acompa-
otnnd.1 Boinlerior tola a extensao damargem, vias
fr> communi':; n5o, ruas novas, edilicaeoes diversas,
hairro industrial, ca"s, pontes, alfandega, baienas
!; dufe*, el.-, tonlo -' etn vista pao s6 o aformo
- a-liealj geral dessa visia an;a, mas prim-ipal-
ii s'jj a m'lhoria das cmli;.o!S h.gienicas da oi-
dalo e a* ibr.is que d^v'ein faier-sjB para transfor-
mar o pes-.iw e&iado d is seus esg dos.
As obras dosta margom jogariam com outr3s
di miniem snl, qne Hie scriam complemento, e
ria-n alfi laraftem levar o benelicio da corapleta
.ri:i-Mriii:i;:Vi das suas acluaos con licoes.
via'H do i.:n i empreza se p"opoo obief conces-
*6is para n-ilisaf m detalhe alguos dos ui'-lhora-
iifntos q.i-s fi/.ein, ao que parece, parte do piano
ua;.al i |>ul- hoinon- compi-teutes a quern foi con-
liati pel i giverao cste serio ennargo.
"omo a proxima sesaan parlamentar e consi-
derada.a, ultima da. actuM legisla'.ura, cousta que
o gi enn, pivsi lido pelo Sr. Fontes Pereira de
Slellj, reservatia para a seguiute ses-a> a apre-
scnt;ii- ^liumas |iropostas de lei mais importantes.
0 caminho de ferro americano (tramway)
ainla nSa funeciona ate Alcantara, uor I'alta de
gid i quo sb eucommenjqu. Por ora as carreiras
Vao il i caes dos Soldado*, estacao principal do
caminho de N e S ale a rampa de Santos no ater;
re da B.iaV'ista. Os trens andam sempre cheios
de gente, prtncipalmente aos domingos e dias san-
tificad)*, pois a populacio de Lifboa tein toinado
este ihelliorammto, mais iomo lesta e diversao,do
qne apeaas como meio de transporte barato e com-
raodo. Nao a'dmira, porque e novidadc.
K-perava si; umi carta do barao do Z-:zcre
ao poblico, fvplicand que as suas intencoesquan-
da pivndeu no l.imoeiro um dos redactorcs do
Uiario ftfuiar, ido era offender a imprensa. Pare-
:e, pnrSm, que nm dos ministros Ihe tirou isto da
;abei;a. e a carta ja na" apparece.
Aeerescenta-ie niesmo que na ilnsinteliigen-
cia entre o Ijjrao e o governador civil interveio
um alto per- uagoio e hcou luda cm aguas mor-
uas depots de grander disQussdes em consellio de
ministrus. Era incviiavel a crise, mas tudo se ac-
cominodou. Antes assim.
u O Uiar'o Papular (folha da opposi'-ao) diz
h;mtem, depois de exleno preambulo de conside-
racoes. quee o pnder ivgio que mantem o barao do
Rio Ziictc. a frtpedo dc tadis os yuei'x'imcs do pu
blico e d<: imprfnsa t ali: da npiiuao dos mintilras,
(que mtes, crr.io drsejim consercar as pastas, ado
ousain proceicr r.on'.ri o msubordinado e. violento
rommand'tnte ihs temem a da&is'siU).
K A vc-r cone se c inta a qousae inconslituclo-
nal e bn yogular, na verdade.
* Ma poBCns dias o Jarnal do Commercto, folha
que tern aooiado o actual gabinete com inuitos dos
seus actes, esereria qne se robusteceram as ap-
prthenso" de que o gabinete reconheda todo o
fundamento dos querxnme? geraes e nao se re-
solvia a dar-lhes o dovido valor, pelapressuo so-
bre os ntixistros exercida por quent ievin mos-
trarse absolutanvute eslranhoa estasquestoes
No mesmo dia aUeg*va a qne os niinistros rer.eio-
sos de algum dxa soffrerem vioteneias iguaes as que
o seidor barilo ten praticadt am outrds cidadaos,
apenas tomavam precaucoes'trrisorias para evitar
novos attentados contra as prerogattvas das auto-
ridades administralivas.
0 Pa'x{i)l>po5icao tambero),prpsegae epi com-
menur o procedimenjp anarcbico do commaadap-
le das guardas muuicipaes.
Como na deeadiineia da iloipa, csi-.re.ve o Dia-
i-io Popafo*', qaem governa no:mpio de&ie vergo-
nhoso abatioieuto do e&picito publicp, e a chefe dos
pretorianos.
Se'ao St. barao aprouTer dos seus paoos do
Carmo deeretar a monarchia apsoluta 6u a re-
publics, tera estepaiz que soffrer at monarchia ab-
soluta ou a republica. EHe e a_lei,,eOe e a inlel-
ligencia, elle e p ppder, e|le e tudo .' E.l<; e e arno ;
os m.nUlros s3e os seus "servos! !
Doif-Ihee este specimen de estylo declamatorio
para verem que as iras nao serenaram ainda, e a
fermentacao conrimja. Se o chefe do e.slado pesa
.na bafaoca coujas quo nao sap de saa corope-
tencia, (do que ainda e ttcHd duvidar, por^uo o
sen amor pwas instltiVc3ei c lusfituiioaies, tem.-se
manifestado mais de uma vez d8. um modo hero
solemue), e tnlh, muito rpao, ijjrayissifflw.
FT Cuiljodavia, d prevef qua, aberto o par
Jamento, e-t.-js irregularidaJes no pro arbitrario do eommaudanto da* guardas miinici-
paes, dara de si alg^ma se=sao/?eropesluasa.
< Por noticias reeedtea de .Poata Delgada. sabe-
mos que a esqaadrilha de vappres. quo ja ti;iiia
a-ja^tU praga^ acersse?. mais aia que ^ o A'vria-
*io, o qaaractfta de je,r. coropra-io para se empre-
gar di^ inverno no servi's coioinercfar da jflu do
g. Migitel, e de verao no que Ihe'for dado pel
agente em LrriJres. A admini-tracao' em PoiUa
Delgada, fica sendo gerlda pelas casis dos Srs.
G'orge Hays e Joao MScfiaio.
0 givemalor civil daqueUe dUtriqto, para fa-
tisfazer a reCTmmenda'eiip do,giverno de,auxiliar a
Commissah Central Pi ipieiro de Dezem'ifi) de 1640,
trata .le realiaar um bazar de pfe'qdas para o jue
ja nomeou a comitiissao felt).
E>te me-mo empegho vao irustraujo os c'.i:-
\p\fc
jho do.
.ilt.. peif rt-nperajao teni nlerectdo dis dosso irmaos dp
lt.-.-il i nio m9Qos do algans dos raafs illostres
cid ida s desse irojiem.
Tm estaid nioJfo doeate o Dr. Ant"nio do
fierpa, mial-foda fazeQ]a,coro rh9uma.tlsmo'agu-
A-i.- Sr.r*r4tfcio'CWaTi^;g6X*riaaor do Ban-
co Naolonal DltMmAriaft. com hexigas.
h MeittM a elvieao. A da vicc-presidencia llsn emp+Ud^: j
ndo o raarquez'd'Avila 'e Bolama If vows e p .
trah ando de guerra. 0 mareehal Passon sabsti-
luio Celiallos. 0 minlsterin esta complctamente
Bmd.K
:-'
Dr. Bernardino Antonto Gomes ourros 10.
u-feira proxima, havea neva volaoAo. 0 Sr. IW
tvno CoeThp fol reeleito ^eccetario e o Sr. Innocew
cio Francisco da Silva, thesoureiro Para a com-
missao revisora de eontas foram eleitos o general
Barrwcaa o o Sr. i'mheiro Cbagts. Kslivcram
preseata2l academicos.
t 0 eogenhoiriB naval Julio Cesar de Vascen-
cellos Correa, acaba de apresenUr ao goyerno
uma prop ista para a eonstrucqio, jonto a al
fandega de I.isboa, de um quebra mar Buciuante,
conforme o ptvjjcc.to por ell-* apresentado, e qne
foi approvado pela junta conmuiiva de obras pa-
Micas e conselho do trabalho do arsenal de ma
rinha. K'te quebramar tera 3'X metres pelo
lado do sol, e sera coHocado a ISO metros dof
pontes da alfandega. Pelos lados de L e 0 serai
defendido o abrigo pela forma indicada no nwsmo
projecto. A area d'agosra abrigadas sera de ifcOOO
metros quadrados.
Nas barcas ipae formam o.quebra-ma.r, esta-.
belecera o proponente depositos lluctuantes de
car vao para fornecimenio dos vaporei que vein
ao Tejo. Podera tambem empregar as roesmas
barcas para outros tins, que nao sejara prohibi
dos pela legi?laca-> fiscal, e que nae c:msem em-
baraeos ao servi^o da alfandega e fornecimento
de earvio.
Os navios que nao poderem atracar as pon>
tes da alfandega, por alii se acharem outros na-
vios, poderao elfectuar a descarga atracados ao
quebra-mar, depositando as mercadorias no que-
bra-mar, ou passa-las immediaiamontB para
quaesque- outras embarcaeoes, conforme for de-
termmado pelas autoridades liscaes. A alfandega
executara a fiscalisajao sobre o quebra-mar, on-
forme roelhor coavier ao servi^o. 0 servloo das
cargas e descargas do carvao, sera da exclusiva
competencia do proponente, conformando-se ape-
nas com os regulamentos uscaes.
0 proponente 6 obrigado a conservar_ o que-
bra-mar em boas coudicoes de conscrvacio. e se-
guraagi, fazendo as nee.assarias re^Ofaooes du-
ran to o periodo da conces^io.
Obriga-se a entregar ao governo. Undo o
prazo da concessao, qiie sera de 50 annos o que-
bra mar com lodes o seas aecessorios e iheelM-
nas, era bora- -cstadt* de conservacao.
Tod\s as mercadorias quo vierem aos caes
da alfandega pelos actuaes rpgulamenlos em
vigor, pagarao 1(2 por cento ad-valorem de im-
post* de abrigo em troca da seguranea offere-
cida.
Os navios que descarregaiem, nas circums-
lancias iudicaJas na condicao 4", (que sao-os que
tiverem de atracar ao quebra-mar) pagarao 3|V
por cento ad-valorem.
As mercadorias que embareatem deutro do
abrigo, qucr scja vindas.da alfandega, quer seja
vindas em embarcacoes, pagarao 4|1 por i
nd valorem.
Qairt- para a fw
fi. V Am rica
di Vtrfiatet,
di novo prazo
ali-nleudo a si
tuaeiW'-rt SSlque e ach a H-spinba. Be 9ipeW na causa.
osta nao ttr'Wica para fazer emregar o Vtnji-
nius, o congresso decilira qual deve ser o proce-
dimento da America
,meriCino espera a
sobieviventee deutro pm
m accorde em Lon
ra o psgameato dos
a.
a Londps,
Btrega d V\
de 10 d;s.
dres com a c
eouponas Iil
a Madrid, A thiz.'ta annuocm quo tres co
lnmnas combinilas nurchtm 9obre Berio. O
caminho de fro da Valencia osta restabelecido.
Duas coluiwm maruliam solire Cartel. O logo dos
insurgents.Ife Cartagena emnito fr.mxo. 0 tra-
tado de coBHBercio entre a Suissa e Portugal rot
assignado no sabbalo
Loadres, 9. Era -Washington o congresso,
apoiando o uoverno, rejeitou a proposta pr| re-
eon hecer belliferantes os in wgentes eutaflM.
Madrid, 10. 0. governo reiebou um tele-
gramma de Washington, annunciando ter se esta
publica b Dr. promotor Geroncio w4^K^]i8|fii^flrSi^
Palcdo, e-fez a accusacaV particultfiM WMoio Wf|#effl fe^nTflT^friWlWJS-irsaWsTt:
Francisco Teixeira.
t Piw.ini recasados : por parte da dfca 12 jui-
ses .k fa-*, tl pi-l-jj accusadiro^ c juraram
JtbJiej&W^dis^enar qtiabiuer-baiido de cigano-
quc apiarncesfui. na fregljizia, e sabendo qol n
demolsaeao. ...... prafa do Gainelli hatja chcgJMo um bindo, trJloo
Nao ha lambem o ceccioque o artieolisU pa wee je dirigh- seao Idgaf,' ra'mo nao 'iyesse desta-
ter, de que sendo long) o pn-cosso, is nbjectos h- eanx-n^ da guarda nhrionai 9apew*quatro pra-
3s accusadores estneraram se na accusaeao,
aprosentaram 15 testemunhas contra os infehzes
Caetanoi; porem so um soldado deserwr jurou de
vista
am os
I ip e:
in 1111
e da fo.
foram "an
jniz de dir
iP-
vista
Wh:
entiP^Mi
|enca.
Foi esi
laue temos
,aiscussao
horas da r
entao as nove.
M,pr
Wstfc c
primeiros estabelecimentos
introduclpr de
cid
dos mais imimriantesjulgamentos
nesta cif:4e. pois atmou a sua
So no dia segainN- pelas 7
l que enBs\WW*Uo, sahinde
oc;|Uill-
um dos
inJustriaes da paiz e
ie. um graade numcro dc machinas
belecido a epoca e a fo^kla'restituieJo do Vir- i'd#iJpicidaMiad-na yrlcultura c Indus-
Os sitiantes de Cartagena comecaram o Jtria, escreveu ao Commercto do Port) a segumte
bons re- interessantissima carta :
ginios.
bombardeamento do forte Atalaya com
snltados. _
n Madrid, 10. Morionos chogou a Reutena
sem combale e fez juncQiio com Loma. Um gru-
pe de 400 'individuos com ban loira vermeiaa as-
siltnu a casa municipal de "ega Bolo, na pro-
vimia de.Grease, queimmlo papeis earchrvos; a
mnito cmno fogirara os consclheiros mnnlcipaes.
0 giivereador iniliur enviou. carabineiros e guar-
da civil em perseguicao dos revoltosos. o minis-
tro da fazenda prorogou por IS dias o prazo para
serem recehidos no pagamenlo da 2.* presUcao a
empreslimo os coupons vencidos da dividaconsoli-
dada, quando a pruneira pres'acaa tier sido Im-
ta em numerario. La Palma vai bombardear os
fortes S. Jnliao e Atalay* era Carugena, espe-
rando-se qne d'este bombardeamento resulte a
prompta rendijao dos fortes e da cidade.
Sahiram. os navios: deste porto Augustine.(v.)
para o I'ara, Maranhao e t'.eara, eBruasjectt (v.)
para o Maranhlo a 2S,Coi-.foyi (v.) para Perna.n-
bueo-a 6, .111*1 idem a 7 ; do Porto -Maria Oa-.
roitna para Maranhao e Oeara 3, t
Trumpho para Peraambueo.
\oticiit<. ilit Aiwericia.
Por via de Lisboa recebe.uos as seguintes :
KsrAUOS-IINtBOS.
Os ultimos telegrammas sao de Gde dezembro.
O congresso reuuio se no dia I ; a mensagem do
presidenle foi lid* no dia 2
A liividad.i* Estados-Unidosaagm&ntoudurante
0 mez de novembro de 9,028 mil dollars, as exis-
toncias nas .ixas do thesouro, elevavam-se no
fun do novembro a 80 milhoos de dollars, a saber:
83,709 em oiro, e 1,396 em papel.
O protoeollo relatWo a qaestao da Po-oiaias.esia
0 imposts de abrigo sera cobrado pela al asssignado pelo Sr. Fish, ministro dos negocios
fandega conjunctameute com o< outros iiuposios, esa-aiigeiros,'epolo ministro do Hspanha era Was-
liquidTmdo no lira de todos os mezes eontas com
0 ivnies.sionario do quebra-mar.
Serio isentos de pa gar direito* todos os ma-
terial's e'.machinas que forem importados para
a eonsiruiieao, consorvaeSo. e sorvieo do quebra-
mar. .
A empreza do quebra-mar sera isenta de pa-
gar decima industrial. 0 proponente eompro
mette-se a ter promplo a funccionar 0 quebra-mar
dentro de 18 mezes depois de assignado 0 contra to
delinilivo. A proposla e datada da 29 de no-
vembro. ,
0 proponente fez no Jorml do Loouuccio
uma longa exposicao ou jnstificacao da sua pro-
posta, cujas vantagens diz sercqj as seguintes :
|, Dar abrigo as ponies da alfandega,. t >r-
nanloas aeeessiveif, seja qual for 0 esiado do
mar e tempo.
< 2." Dar abrigo as embarcacoes de scrvico do
Tejo, quand 1 se aolia.-em carrogadar.
3.' Dar armazens ao governo para o.carvaoi
re-olvendo a quostaO dos de-poailos r|lucluantes.
I." Pela culloeacao dos depositos de carvao
junto da alfandega, concorrer para que os vapores
venham carregar e descarregar proximo desta,
lazendo >e melhor fiscalisacao cjm menor pes-
soal.
'i." Pojer empregar na descarga dos navios
que vierem para dentro do abrigo, e quo nao
achem lugar nas poites, embarcacoes mais aproi
priad;is do que as aclues fragatas, podendo evi-
tar-se os frequentes descaminhos e avarias a que
actaalmente as mercaJorias estao exposlas.
6.- Dispor 0 quebra-mar d'uma extensa linha
de caes onde os navios possam amarrar-se. Este
caes e de GJO metros om boas circuuuinneias
de tempo, e 300 metros quando o tompo nio per-
mitta esur atracado pelo lado de fora.
1.' Poler armazenar nas barcas do quebra-
mar generos que hoje nao podem ser arnnzena-
dos na al(andega, por serem perigosos de in-
cendiar-se.
t 8." Deixar desembaracada a margem, sem
transtorno da navegagao fluvial.
t 9.' Poder, logo que as exigencias do servic;u
0 pedirem, augment ir a extensao do quebra-
mar com maior numero de barcas.
10.' Nao ser precjso transferir a alfandega
para um novo edificio, que ainda se haviada
construir, inulilisando consideraveis melhoramen-
tos, que a troco de grandes despezas se lem fejto
no actual edificio.
||." Poder estabelecor-se com ficilidade,
communicacau eotre a aitandega e 0 caminho de
ferro do N. e Leste.
0 custo completo da obra nao excedera a
oOO contos de reis (fortes). Nas obras sobre a
agua, os Qrcameqtos sao muito faUiveis. Se o Sr.
Julio Cesar de ,VasconcUos Correia orcasse a sua
obra em (000 contos, de eerto que nae desani.
niana com isto a e iipreza aye se- eooarregasse
de a fazer. E' obra do granie utilidade e.reco-
uhfcida necossidado. 0 eocargo r*sulunte de
mil contos nao sera diflicil de aatitlazer.
Apparece ja outrn podido de concesaao para
assfntamento de carris nas ruas de l^isboa. E'
feito pelo Sr. Basilic de Castello Uranco, para o
fun de estabelecer um novo sysiema de locwno-.
,-3o de mercadorias e materiaes. A einpreaa dos
caminhos de terro Americanos teijciona estabe-
lecer carros de carga ^elas carris por elia a-sen-
tados, e as ruas nao dap l'ugar para novos carris
frails),,e de crer que a concessao pedida.pWo
Sr. Basilio nao possa spr-)he dada-
-r Em 11 accrcsceula esse n jsso zelso colla-j
borador :
So boniem a tarde e que chegoji 0 LwsUanitK
Poueas linhas mais, baslarap. .
Esta ijuasi .resolyida a ajius^ao .municipal dos
mercados de Lisboa. Faieinse pur erppre*t'mp,
proximo do palacio das cartes,,na.s terras do,Que-.
ihas; outro a Santa Clara ; ambus de crisi.il fi.
ferro. Continiiara de pe 0 cenhfai (Praca da.'^|.-
gueira) ate Ihe chegar a sua vez de sar .sabsti
tuido
f A quesiao'Zezcre, c ramandante dos guardas
municipaes.'de.Li&boa o J?or.io, aipda serve de-tlrn-
ma as uilhas p'.ili'iii-as. 0 artigo principal do Jor-
t\al tf" Commercto e notavel porquj toea eni'ter-d
mos presisos no .poqlo meiindroso do governo;
pessoal com a,lgani jteriodas que nio deiam du-
vidas sobre as.aUusoes^mo .uor .eipmpio *le:"
E' pois a ,demq^ra5ia. que,m/eina. ou ,e 0jjsco,
confar.me se rdinoreja, *ue,roJiap recua,'.;in,i. go-
verna Reidando a, deiei.cracja e goverpando :
paco, e este ou aquella ,que loanteiu fora .do ar-
senal de murinhi <> condes "cuast^aoiorjis ftue:alli
devem'estaj (pacece alludir ao cooie, da^Li.nlia-.
resj e na gua'rJa mudicipal quern ja nap pode
c-.nservar-se U (allude ,ao barao .de <^efer^ ,sem
desdouro paria, micislrosd'uia -tei ca^aua^aal t
Saiba-seis.lo bijta^D'orau^ j^o^tterAmos*.. fu*c-
coes do fpi e as d>. dMpaeia^a ^ovarttda* n-
fnrme se pode'sujip^r d uoaia.^ue 0 regeiia-
mos.
F'u'.dada.a.daaiissio.do Dr. Moita de secre-
tary 0 da Escola Mediw -Cirurgica de Lisboa, c no-
mefda 0 Sr. Souza Martizis para eita i*gar.
Tao boniU) vai 0 tempo, qoa neconaecaram as
cjrri JaseflueAt^es no-Cup> Graada. ;
t Eis os ultimos telegrammas a jui fCivmidot I
Pariz,i6-. L#f*chef'muil foi onsada eta-
baijidpr ^mlwiqfies, (Jlundardjf em Berne, Bar
tlulli Q^Wmsntn&i*. It Na*ai:; oma, em
substituica^ W-WMMW-'i-i* >..
f Trianon, &. fi1 . mioo'u 0 discurjsp da .accajta^o^^ediaio em bar.-
mi-nia coin a bbiila ..accu*>l"ri* a applicacio a
I5.iz.una 4os artigp* JO? qJUJ-.do <5U*ia tasjitalr,
i}m;"i:np5eapeai4e. in)rt r a degNdacao mi
lilar.
. itidrjio?, -Q reialori j Ja jii:|istra da.guar.-
r'apu licado na Q reservas pruduflp jW,0 0 hwjons. 0 I-npoxciul-
Hi que 0 ffii^,^tli nu\ jofotinado^qoanJo pre
(eiide que ,pgjiy^tt**eiplitti* ***. *c"a-
dic-ap de reuitdir.-o Virgiaint.ai6 6 lit dezembro;
pjisqae 0 g ivemo tein direito de dem >rar at6 o
dia 18 a entrega. Confirma-i qoa os navios ale
maes aprisiotttdo* uas Philippinas lewwaia con
hington :Estipula que 0 Virginia* e os passa-
geiros, serao immediatamente entregues a Ame
rica, e qne a bandeira americana, sera sandada,
se se provar que o Virginias e um navio aroari
cano. No caso contrario, os passageiros serio le-
va los ant os trilnmaes americano* por violaeio
das Icis de ncnlralidade.
A Hespanha promette punir as autoridadps de
Santiago.
A-fixaciedas indemoisa.oes e reservada para
ulterior discussao.
0 governo americano deu um novo prazo de
dez dias para a restituieao do Virginia* 0 dos
oito sobrevivontes, e isto em atteneao a situacai
dilTlcilem que actualmenie se ac^a a Hespanha.
Se esta nao liver forca para fazer cumprlr 0
Iratado, 0 eongreeso decidira qual devohi ser o pro
cedimento da America.
As ultimas informacSes de Nova York pdem em
duvida qne a au'orldade di goveruo hespanhol
seja respeilada em Cuba, quando quizer fazer res^
peilar as bases do arranjo codcluldo cim os csta-
dosl-Uuidos.
Effectivnmente mesmo d* Hivana informam que
a populaeao e os jornaes desta cidade se tinham
opposlo a restitnieao do Virgimus e dos prisionei
ros subreviventes.
:Sera esle 0 grande embaraeo par* uma solu;ao
pacifici da questao, apezar da boa von tad e da
lfes-psnli.1.'
0 Estados-Unidos nao parecem contar com ella,
pois continuam os seus armamentos.
A esquadra onnracada c-lncentra-se em Key
West, e um relatorio do. minisiro da marinha af-
fisnpa (jue lodas as forcas rcqueri las psra uma
acoao contra Cuba, est*o promptas a entrtf em
campanha.
0
CRNAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Ilia 1- \utal.-E" I'-oni denominam o dia
de hoie, em 0 qnal a igreja catholica, esplendida
de galas e de regosijo, commemora, de anno a an-
no, atravez dos seculos, a na?ciroeoto de Jesus,a
Misericordia Divlna, que se humanisou no perdao
rederoptor da humanidade.
Sob a impressao dos ultimos aconlecimentos,
que tao directafflonte entendem om as ideias, quo zeiro o dia de hoje suggere, mat nos cabe esta ligeira
indicaijao. e a expressao dos mais vehementes do-
sejos de quo 0 dia 25 de dezembro do futuro an-
ao resplandeca sobre nossas cabeeas com aquelle
folgor purissimo e animador, a fallado qual, |>ela
primeira vez, sao meio desmaiadas as alegrias de
hoje.
Vapot* Cnrdova. -Chegou hontem a tarde
este vapor ioglez, procedente de Liverpool par
Lisboa. Nada adianta em noii'-ias, porter sahido
dc Lisbiia no dia'6 do jorreote, seis dias antes do^l
l.uzitaniu, lambem chesrado hontetn.
l>lcKramina eommereiaes. Os
dos Srs. Pinto Leite A Sobrinhos.de Londres, em
do contented."7 boras e 35 tninutos da larde
dizem>:
0 algodao esta calmo, com baixa de IrtOsobre
es precos : ;de 8 3j4 a 7(8 0 de Pernambuco, del
8 7|8 a 9'tjV o de Maceid.-B ij2 0 daiRarahyba, e
9 lf8 0 da Maranhan.
0 assucar com melhor procuea e alca de 3
d. sobre os precos : da 2i| .a 25f 0 branco, 21] a
a 2lj6o louro,.e 17| a 20( 0 ma-civado de Per'
nambuco.
A li irf a u.i do. Para fltrrae icom alca de um
Sr. redactor, Remelto a V. dois numeros do
iornhl Scienttlleo' Americano, pelos qnaes se pade
ra certiflcar da verlade sobre um acontecimento
bim extraordiffario cdlh relaci^ a laveura, qua
teve lugar nos Estados-Unidos, cuja noticia vem
dc baixo do ntulo qiuucima ll*
r'Em tolas a* cbu industriaes e materiaes. os Estados-Unidos levant
a palma, por isso qnd tein como base 0 esfnreo in-
dividual. Alii todoo homem aspira a melhorar a
sun condieao e tenta attingir melhoramentos em
ndoquinto Ihe passarpelamao..
Se e nrachanico nai osta satisfeito em quanta
as suas ideas nao.apresentarera ura mveoio supe-
rior ao estylo amigo. Se a creador de gado, 0 sen
empenho e apreseniar ura. typo superior a tudo 0
que nouver no mundo
Este constanie espirito de emproza, este cons-
tanlo ostudo do melhoramentos raraineados em
todos os actos da vida faz resultar nm grande ore-
dito e apreco dos praduetos americanos que os
tisma procnrado> em todos ot ootros paizes.
' f Como cxemplo d isto oitamos a- circnm-tan-
otas com-tla?ao a veada rooeolei d> galo bovine
nas propriedades daSr. SamueJXampbell em New
York porto de IJUca. Os animaes veudidns eram
quasi todos de arma^ao* curia odeum racaqne
haviasido import ada de ingiaterra ha 20 annes,
porem, malhorada constantemeate pelo estudo
americano, como se i>6de d*tre!reader da estima
que Ihe atiraliio o~s mais distinctos apreoiadoresy
pagando-os par precos os nsatsialtosqua tdra ha<
vido para gado desta especie.
O'jornsl a TVioons de Nonai-Yoik, diz qnr
cerca de 300 pessoas assirtiram jstnldp ontre os
quaes se acoavam lord Skelmersdate,-de Liver-
pool, Sr. H-ilford de Papiltou, Sr. Callhorpef Sr.
Richardson, represestaniei da sin Curtis Lampson
de Sassaxf Sri Berwick, opnesemantde lord Dnn
more, e outros de Ingiaterra.
As vendas eflectuaram-seueomo segue :
Um toiro de 3 annos por; 10:800^000.
Uraa vacca por:23t:5*8*00J
Uma cna-por ITHOOiOW.
Ontra'Tacca oomprada por lord 1 Becitve por
31:500 aOOO.
A venda tornou-se de eulrainantes interessos
quando se poz em praca a vacea chamada Duqne
za de Geneva, que foi veodida'ao Sr. K. Pavio Da*
vis de Gloucestershire Wmtlaterralqiela sommaix>
traordinaria de 36:5V0i0tK> 11
Depois desta seguio-se* venda-via ll.vaccas
dafamilia da Duqueza1 p-ir 2ti:S204 d'estas Idramipara Inglstenra, -eu8tando>-t32:390
c cinootiearam na Amerioa 00 ensto 82;33 i*
c Depois da fainiha da Ooqiieza, veddwam^sft a
Oxfords e outras familias, eidepoises toiros. Eram
ao todo 111 cabeeas qua produziram 342:8000000.
Alem da pnblieaoao deste .artigo nas suas. li-
das: columnas, eu peclirei a V. as suas nteis otwer-
vacoes sobre este assumpto, om qae V. tizewe ver
ao nosso larrador quo; temos sola- e ptoouctos
d'elle, iiilJlciBiMen>8me bons para^creacao das me-
Jhores racas de gado.teom que 110s fait a sao estes
exeraplos'do emalaean qno divemns isegnlr fa qae
os nao hardanws-'de 410SSOS 9aiiA. de LuBon-
qne.
Koteria. A quo se aoha ;i venda a HI" a
beneficio da Sanla Gas*ale Misericordia do Reci-
fe, a qual corre no iia'30.
Casa de detencao.-Movimeato 'do dis
23 de dezembro da 1873 :
ESxistiain fipresos, 319, eutraram 15, sahiram 2,
exislem 322.
A saber :
Nacionaes 239, malheres 11, estrangeiros22;
eicravos 43, escravas 7.Total 322
Alimentados a cusiadoscofres publieos 255.
Movimento daenfermana do dia 21 de dezem-
bro de 1873.
Tiv-ram baixa :
ldalino Cordeiro da Silva, febra
lzidoro, eseravo, senteneiado, febre.
Passsajceiros. Vicratn da Eoropa no vapdr
inglez Luzitnnia:
Manoel F. de Almeida, Antonio Soares Pinto,
Antonio da Silva, sua sennora, ami crian^a e uma
criada, A. L. Radrignes, J. Manoel, M. Antooio-P.
Jose.
Sahiram para o mrte no vapor nacional Cru
arfo arruinadoj, e coasegiiihlemcnte diininuirao
de valor, porque ahl esta 0 direito' do tavrlr 0
protest) "com a corapetenta avaliacao, em conse
1 anencia do qual os prejudicados receberao em
qnal.pier temped indamnisa^Oa importancia do
es- que poderiam faler o objecths, no dia etn qae os
emprczarios Agra & C. fossem doniaadadOs.
ViV portanto. 0 articullsta. que isso que esta na
lei provincial e muito diflerente dj man dado de
fflfcinitencao eoooedida coutra aacraia lei. E ma-
nifi-n que senvlhaate provideBcia estaem inta-
go'ii-ni'j com a lei provincial a. f, 121.
1) mandada de maautencao e requeilo para
nae se continue no exercidlo -de um direito, do
4M se usecomRlusaoTO?a,omais; goravam,
porem, os prejudicados exclusivamente da indus-
tria on oramerew de euterrar os in irios, de mo lo
que [X)desem dizer qnotfnhaai 0 uso exclusivo da
indu'fria f
Uso exclus+vo da iodastria so lem-no aquelle
a que a prpria lei dea, como dil-o 0 art. 179 % 26.*
de nosso paeto fundamental.
Quern perturba os prejudicados, ou os esbulha
da pose d'esau' estabelecimenlo de carros rune-
bres ?
0 juiznao liodia coneeder mandado de manu-
tgncao para Paula4S1 Mafra jjonliunarem no exor-
cicio da indaalria ou commercio, porque este Ihes
foi vedado pela lei, desde 0 dia do comeco da exe-
eueao de contralo ; e o mandado de mauuteofao
assim concedido, permitte 0 que a lei pr'ohibe.
Com prebend e-se, e-eerto, que Paula & Mafra ti
nham e lem a propriedade de seu cstabelecifnento
de carros fnaeores ; mas essa propriedade, ou do
minio consiste em dispar de seu esthbelocimento,
como qoizerem, com Unto qne nao facam usodella,
prohibido pela lei.
A propriedade e 0 direito de gosar e dispor
das comas da manelra a mais absoluta, Cora tauto
quedellas senao faca um uso prohibido pelas leis
ou pelos1 regulamentos-.
Diz*nos assim 0 codigo do Napoleao.
Se assim e, claro esta qne 0 mandado em ques-
tao n3o podia- ser concedido, porque por elle Pan-
la A Mafra estio fazendo um uso prohibido pelai
lei n:rl,t21,.qne wrnViu oser\dQ. mortoario privi:
legiado-.
Ojuiz que enncedeu 0 mandado comecen a dar
as infotmacSes exigidas pela presidencia da pro-
vincia assim :
c 0 mandado de mauntengao requerido por
Paula & Mafra e concedido por mim, manteveos
na posse'da sua indostrla e commercio do service
mortuaria e de carros fonfebres'
Posse da industria e commercio......
0* objectos da posse requr-rem antes uraa lei
que os permitta ; e a lei provincial n. 1,121 pro
hibio a outros que nao 0 contratinte o exercicio
da industria : logo onde essa posse da inius-
triat
Re^ponderemos mais logoao articu'ista do Jornal
do Recife i* cavlllaf6es.de'seu segnndo artigo,
Contlnnaremos.
C.
cas.de indicia, e a miu;.a resitteucfa (ossejiuatre
leguas de disuneia da villa, dirtgio-se afteoro'
mandanle da V cotapanhia,, requi>iUndo 10 pra-
cas, a -eomo tivesaa aaia recusa formal, mando^
notiliear diversoamoradaras df *a, e seus ar- -
rabaldes. #_
Sr bera que nio fos-e verdadeiro, segundoTne
informam, 0 apparecimeato de cigaaes em.Gamelia
comtudo devo aizer que, ainda mesmo que o
fosse, 0 seu dispersam nio nao era" ama diligence
urgen'Jssima, pela qual se esqaaoqaie as eonst-
deracoes iue devem guardsr as jutondadespo-
lioiaes para coin 0 c.onimandaote do batilhao,
quando se trau de chamar-se guardas para 0
service, mazime quando este nao se furU, antes
se presu com zelo a todis as exigencias daquellas
autoridades, para que 0 publico servico nao solfra:
a meaos que ues desproposilos nao sejam feitos
somente c^m 0 fim de desmor.disa-la, deszfiando
a desebedieucia dos guardas, 0 que e mamfesta
nconveniencia.
E' justamenlc por isto que en venno do atte
da imprensa declarar, que eraquanto nutrir a
iuU erenca da imparcialidade, energia e )ust);a,
que caraclerisam os altos funccionanos da pro-
vincia,estarei firme em meu poslo, opjiondo diqueis
a seraelhantes des Marios : quando, porem, can-
sado de lutar, for victima da prepotencia e des-
potismo, pelo abandouo daquelles que governam,
-o-qne nao devo de forma alguma esperar, dei-
xando satisfeito 0 commando do [bilaihap. reoo-
Iher-mo-hei ao centro do meus servico* a|rtcoas,
dos quaes me roanlenho.
Naoe esla apfijneira vez que soffro es.~c
acatos, mas hoje calar-me e irapossivel.
penny sobre;osjpre5os': de ifiaHfiliaa, 2|3 a 2|5
madiana, 1|9 l|2 cabega de negrc.lri pelles do
Ceara-...
. <>,cafe firme aosjiresos : de 90i alOO 0 do
Bio, e -1*51 a iQOi o do (Jeara.
lO Sr. F. Youl, de Londros, em 9 docorrento
a I hoi ie 3d inmuios da larde, diz .0 seguinte :
.(. Algodao reguiar de .Pcrnambuco em sur 8.3(4,
Parahyba 8 d|2j Jdaeaip frouxo.
.1 Assucar inascavado de Pernambuco, qualida-
da regular, em Liverpool, 4 1|3 '9(3 lirme.
Misu^.fiaMHBkpc-Amaiiha devD ser.ccte-
prada.o*igreja dotRosario da fegBia da Santo
Antonio, uma m.issa pela alma do Sr. Maooeidei
2' cadete'2*sargento Ignacio RavinandoM. Reis,
Francisco de Assis Correa Lima, Joas Baptista Al-
ves de Lima, Thomaz V. V.. e dous escravas a eatrogar.
Sahiram para Lisboa no brnjue portugnez
Cotete :
T. Thomazia Bianca, Antonio Arres Marques,
Antonio Josd Ventura e Manoel Veltoso.
**JnH ..-mifiii '.....nm 1__1 .......... j
PARTIDO CO\MEBi 4UOU
REG1PE, 25 DE DKSEWBRO DE 1878;
QOEStAO 'PAtJtA ifi MAKRA.
Cumpre advertir logo, q^d'agui em'diante en-
cararerooa.a questa0.nq.9ufi i^peita-a lei .provin-
cial n. i.C^t "Jldaleijtny ark i&m ......
Fica sob a.direcjao d> San^.Casa-de Mueri
cordia do Recife oservjco mortuario e de carros,
fuuebres desla cidade.
, JSd art. 2 a lei da ^meama Sa,n,u Casa a.facul-,
'iaMdo.ceijeTaste'dirato'.aoutreni, e exprime-*"
A liesma Santa Casa "podera contratar com os^j
nue actualraente fazem este.servic^, ou com quem
mewores vantagens offergcer, 0 refaiido ser.vico,
sob, as seguintes bases': e entre ossas bases le-e,
no j !2." do mesmo attigp esta.,:
Obrigacap de iudemniwr 0 contrataute aps
demafs eitabereclmeiltos de carros funebres exis
tenles na cidade.
Como e-v5, a leinaD'Uiz, e. njuita uienas 0 con-.
trato celebTaua com Agra.* C qne.a yademnisa-
$0 serd prevla ", d"op.de .sera,. poXanto, 0 artxu-
" isuslenlar a prpceflontia do mandado de raa-
r-Ao com a indemnwaisao ore via T
A'ProwMCi'-i n. 179, em sea constante proposito
de conritar e arattnar a po(mlac;.lo desta cidade,
em sWfattlgo chefe, ergneir nm brado'do indlgna-
rao contra 0 esjiiritd pacillco d povo peruambu-
cano por'hao haver ouposto resistencia material a
lei que commctiBu a* Santa Casa de Misericordia 0
servi;0 mortuario, a em virtude da qual foi elTec-
tnado ocontrato Agra-&C.'l
Netn*mitra conclusao podeser dedazida de pa-
lavrao solto e balofo do referido artigo, np'qual
nio se encontra um so argumento qne dembnstre
a desvantagem e maos effeitos daquelle conlrato :
cons'Ste todo em bhTa-es capado^aes, em ironias
ferlnas, em insinna^ocs anarchicas'.
Porque 0 redector chefe naq ha de deixar 0 ter
reoo das phrases vagas.do estylo senton iOio que
pedantertrente ostcnta para nboTdai a d1s*,assaode-'
tida dosfactos, e a demonstracAq da verdade ?
Se 'a contrato e mio, se comtirue'onn- a popu-
lai;4oj porque nao demopstra os seus defeitos'*- os
seus inconvenieutes, alim de ser devidamente cor
regido e niolUorado?
u desejo de melhorar 0 servico fanebre, bara-
teat1 os opterros e auxiliar a Suhla Casa, foram
sem ''rftfvidao movelda decretaoaoda lei n. 1,121.
Se delta resultam desvaoWgens, deraDnstrfim nas,
para que sejam rcmovldas.
Este seria 0 proceder'nObre e dlgno qtte a Pro
r/nc/adBvia *.er, se seu mtcnto'fosse 0 bempu-
blico, e nao'ode eapecdlarcom a pertarbacao so-
cial.
Comoeipoutia occasiao, asseveramos, a lei a.
1,12 f; nao e uma ti vldade no palz. Ao contrario
ella resnlta do exeroplo'dado pot odtras provln
eias.
Na provincia da Bahia 0 servigo mortuario o
privilegio da. Santa Casa.no Para lambent, e na
cdtte, desde muttos annos, foi esse altltre adop-
tado. Alii, como aqui, csse servjgo ft fcfto por
meio de contra*), tendo" a assemMfia desta provin-
cia aceilado 0 systema adoptado na corte.
Quand'6:passdu'lal servico a ser concedido a.Saa-
ta Cas, baviam muitos csubeleclraenios de car-
ros funebres, os .quaes foram pagos do' seu mate
rial pelo contralante. Isto foi 0 qne se fez nesta
provincia, com a vantagetn de serem maioresas
concessSes feftas'aos estabelecimentos deuartda-
de, e ficarem os enierramentos por menos preijo
do'que ef am.'
Ora, se pela nova tabtlla 0 custo dos carros fu-.
nebras diminuio em mais de 30 /. sob condjjao
de' ser de 5 em 5 annos revjsta, para serem os
prepos reduzidos; como oosa a Provincia dizer
qua'a populaeao deve agora pagar 40 peld que*
pagava antt-riormente 30 ?
A Provincia, pois, da assim prova de que ndo
presa a verdade.
Entretanto qaer a Prouftjcia'prejudicar 0 con-
trale Agra, do qual resulta aos estabelecimentos
de oafidade um forte auxilio, quer convenceT a
todos de que a sua redacgao'nSo se afiimafh 0?;
sentiirtentos de KumanWade .e (ihilantrd'piS. e sitn
wespirito ccgo de um partidismo selvag^m ; fa?a
esforyos e.pramova 0 systema dojeriterrartletltos
a mao ; mas fiao.caldnmlB os factos, neov deprima
das autoridades, que cumprem 0 seu"dever: nao'
assuie'os animos, nera'defrante' & sizania no'meio
da poputafae:' ,
Sejam os redactores da Provincia advef sanos
'teaes, facartl epposfojao artta pegaemiiwilga a quem alem, nem-qBelram oar:
cores falsas a lei u. 1,121, que enccrra'uma ele;
vda patriotleaTjrovideifcW.'-
Que 'PrOvintta-l
Queescriptdrai'li
. nuteacao com a indemn"Kl,tiap previi 1
MasqOila BajrosWanderiej, piar/ser ease 0 dia do' ______. *.,; i.iu.,rfl
anniversacio do seu -pasftainania.
1 Para siil dttlinppas.Com um rece-
Uido em nosso porto levon o'vapar Lnzitania b'21
passageiros.
tn como filoursd nas pedas do art. *7i do" codittj
crimuiiM eamh^olo;' eom" 0 aft. *,a!i lei da 3 de A
qm
parda Maria, appellando ex-omcio da sua seuten-
ea, quanu> aos ultimos.
1 Ainda o nv'smo juiz mandou extrahir provas do
Utrncesso, para qtfe Wdd queixa, pelo ujesnio cri-
me, e mtra Otagario Neiva.
Cidade da Victoria.--Rebemos 0 -
niciiua, do qBal aatraottios as seguintes noti-
eint
N' dia 40 do corrente.mez, abr((iMa 4* ses-
sa > do jury oVsla cotn Ifea. No mas rip dia entra-
r.nn eitt jiil^mwm o* acensadoa Maneel Caotanv
Bibeiro a PnwCatane RifeeW iikMrsos n#
art laj do o*1.r1m.
Foram sous adv.igados 0 pr^ffie.ihiij da Cd
nha Luna e .1 lanente"Alexandre
deAlbu
jerque Barros; aeciusa os, pof' jnfl^ i Jurfff4
(J^ensarooo10 dos"l^graiuoreJ5 M qae a lei se
exettttasse,. ficando ps .prejildicadus com direito
a haer do contratinte a iollenimsacaQ, inientando
atjSqperajlte os trjbuQaes,;. mas nunca 0 de que
a 'fel Itftasw de!pen(!CTrte de circuinstahcias que se
ScdJuftts: 'falsas: Pelo Sr. Dr. Joaquira podessem dar entre 0'contratarrte e os prejudi-
Gancalviss'timk'wW'.de direito dp attarto distric- cadds.
, foram preowiaadbs, por crime 'de sedulas fal- ** 'i4,,
sis, os aHemies Todt (jusente) e Jacob te, Kock,1'
os naeionaes J0S0 Evanieflstae<)afllef, e os escra- ,
vos Olym'hip e-A.diz, de I J. datjnbha ; n primci- prtiatorum c mventidWQ'lleTOgtci:
1,0 artieuriSta.eiJD sW pnojeiro.artigo:
^totlp<0WatQ nor parte dos erapre-
C, imporja./jiio/iicto 0 Qcarem os
1 continuar.no' fcommercio e ia
a', e com d'seu^tafteletimento.
* 9 da citada fei. roi'-fpnebres .senao para conJAZli' cadaveres f)
Pelo maMMojult firara desproiiunciados fYee-ie, aHtf-a'esse estado'nao. noifi^n ^).s .rs. Agra & TI
Padro Fcrreira, Crm Si-jueira, Geraldes Correa redaaf sens competidores nti trategO.mortuario
da Silva. Antonio M. da Cuaha Aievedo, Anlonlo sahi as" hrornifHSar prev1ameft)p. Em.qaanto nao
Mina Mar pies Porreira, Figaeiredo Juniqr ea iiWpinisadjts esses ^utroU.iuhAvne team 0 direito
-a-
'UBUCACQES A PEfilBO.
;e%ohtamr em taj tfafegO niesmo por forca di
lef pfnvinciaT 11.' 1,121 ; aifeito que como toao
aqneile qae entenae exclusivamente com a pro
rivada. esta ?eb a.sarVa-gtiarda do po
0 op.
*lM;Vrafflcr^eows.lodo o,perjolj. pm
ilticmiffiaoem^^Pn.yM palavras I
1 exacto que cpnid ^acufitf (lo .cqntfaio its
... iiq>iem com 0 sea estabeleeiine'uio sem
^ika^lguro.ourque a jei cuja .exrecacJajflhi-
?'*k8rsrPiuU>. tfiM. conduzix defunias
^~cio do inddinhlssT-se aos prejudi-
pjp.ipssfi campriiU e os pra-
m qae osjetoprozarU Agfa 4
ij'smlestaaamesfna lei 0 re-
Nao e ex icto que 0 Sr, Anlonio P^gfV41* K0"
chativesse reptisitado lOgnardasao corrtmandante
da 1" companhis, assim como nao e exacto qpe
rainha moradia diste i leguas da sededo termo
mas admittindo mesmo que tivesse requisdado, com
maioria de razao devia reqnisitar a mim, amaa
mesmo que morasse em distancia de 4 leguas, por
que so devem os capltaes de companbia aeeitarero
as reqnisi^oes, quando 0 coramandante do baialhuo
reside em distancia superior de 4 leguas da- sede
do termo.
Nao foi a lazao justificativa deste prqcedrmenio
ponco delicado, nem a recusa formal do captlao,
0 que e falso, nem a distancia de miriha residen-
cia : nao foi a recusa, porque a nao ser ella Iraa-
cinaria, era nm molivo fortissimo, em virtude'do
qual devia 0 Sr. Antonio Pereira d* Rocha officiar-
rae pedindo-me .providencias e fazendo scntir a
cansa pela qual bavia chamado os guardasaser-
vwo sem minha ordem, 0 que nao fez: nao fot
ainda a distancia de mmba residencia, porque po-
dendo-se ir vagarosaroente.em 2 boras da villa ao
meu engenho, esse tempo que se gastava para dar-
ine sciencia do occorrido, como Ihe cumpria, nao
prejudieava a pretendida diligencia.
Que exisle deslacamenio daguardaoaeional com-
posto de 9 pracas, dil 0 os prets que mensalmenle
recebo do sargento de policia coromaodante do
de -tacaraenlo, e por consegumte se esle nao exis-
ts e'porque 0 sargento de parceria com a policia
liCencia-o sobre-licticiamente para locnpletarera-se
com 0 seu soldo.
E* muiu coraeem, Sr. Antonio Pereira'da Rocra
affrontar se com tanta facihdade e indisencao a
opinlao pubh'ca; bem se disse na correspbndencia
de 13 que as autoridades de Serinhuenxjd ndate- .
miam um desmentido solemne.
Essa"nao foi a razao. ainda ojepito; 6 que 0 fcr.
Antonio Pereira da'Rocha, bebendP inspifajoes
alheias, alias perniciosa's e dcbtando-se-com docr-
lidade a descomedidas imposic8es, quer a todo
transe desmoralisar-me, por6m tranqaiiise-^e, nao
oiconseguiTa pcrque acimadesuas descahldas e-
U, feliznWc, collocada' a minha prbpria dignma-
de, que nao pode ser sepultada"Odra pelo St., nem
por aquelles que 0 guiim. ^ ,
Gottinha 0 Sr. Antonio Pereira da Itpcha: iem
minha volta soube qne pof minha ordem 1am'ser
presbs todos bs cidadaos qne IhemaviamaCbmpa-
ahadj, e efTectivamente feram, ponfos momento?
depois de saa ^ega'da e enviados para a fortafeza
^de Tamandare;e sopnondoseres.se act) prStica-
do para desmoralisa:lo, nao p5de ficar impassive.1
ante ette, pelo que commnnicou 0 occorrido ao
delegado e tendo ji de Ha" mnito ordem para re-
crutar. mandou prender a 3 ou 4 mocos que Ihe
parecijm nao ter isen^Ses legae?, os.quaes eram
guardas do meu baUlhab '
E' verdade, qQe mandei recother os guardas,
qne haviara deBobedecido, 0 qde t-u tinha deter-
ujina'do em dlversas ordens do dia anterior, so-
mente' por" amor a dlsclpflna, porque deriam ones
enmprlr as minha* ordeni; ainda -qne illegaes,"sen-
do eu porem por ellas responsavel para eom fl*
meus superiores : no entretanto, qne oSr. Anto-
nio Pereira da'Rocha por isto aproveitaddo-se co-
mo confessa, da ordem que ja de muito Jiftba para
reerutar, com fanha desesperada atira-se sobre
ianocentes, que nao podiam ser responsaveis p16
mens a-tos; e prende os como recrotas e algdn?
dellescasadosH!
E se nao foram as piisOes conseqnencia de
uma vinganca mesquinh&, porqfle foram soltos in-
conlinente os pacieotes 1
l'6de ser autoridade um indhriduo que assim
procede' 1 E' supportavel uma autoridade' que
exerce vinganfa sobre innocentes para ferir ai-
guem qde nao"se poia tocar"? .
Moralise 0 publico este procedimento e decida-o
porem deve perdoar em todo 0 caso ao Sr. Ab-
toaio Pereira da Bocha, qde nao sabe 0 due faz,
e se sabe", maismerecedor aindae' do perdao, por
aue tefri tanta consctencia do que vale, due pres-
u se machiftalmente aexet-cltar paixSes Stheias- as
mais mesquinhas e mais degradanles. '
E' lambent verdade que eu sabendo desta Va-
lencia foi a villa como devia, afim de saber os
motivos da p'risao dos guardas, e quando informa-
do detttdo, mandei dizer ao Sr. AntoUib Pereira
1 daRoctia, qtte aquellas "prises eram illegaes, e
qae em epocas norraaes 0 re'crutamenio pds hala-
Iboes era feito de harmonia com os respectivos
eomman'daiites e que mandas"se. por os presos em
liberdade : ao que five uma respbsta dfgna do Sr.
Antonio Pereira'da llocha. ,
Nesia" occasiao todo 0 pdvo da villa wachava
reunido emfrenie a casa do vigario, onde,roe acha-
va,_ claraando contra 1S0 barbafa, quanro ridicula
Fdram'se excitando Os'espiritp.', de rnodo qne
esta "vinBanca traria necessariamente conseqefeh-
cias desagradaveis, se'uao fofa a modfraC^op pra-
dencia deque mefevesti na'o'ciJasiab.garautfndtrqae
prea?ldfenta da provincia e chefe. de policia, ao-:
quads medirigra, nao serfato'sufdos as shaVrecj*-
ma|5es, e que tomarram'a respelto- providdderas
crJcrCici*?. .
Ol)r. iuiz municipal, qufi. pfesenciou todo 0
acontecimento, tambem otnciou ao preSid^nte da
provincia, mas como "0 onfcid.' .conttoha vefdades
rsoe'nio conviri'am apparec6r,'coflse'guTraoj depois
que eile uzesse correr um guajda. a to'da. pfessa
a casa do comraandante'superlor, pedindO qlle de-
volvdss'e ooffloio. ui..ja**
* Finalmente, estando tudo acohtmodadovoltei. para
0 meu engenho, talera 0 meudesejo ; porque 3e'eu
*reilaitdesse faiwr violencia^o qub' esta na cons-
ciencia do Sr. Antonio Pereira da Rocba, nao eram
4 solda'dos de policia, que poderiamconW'r rhais de
Sob'pessoas, que ihdignadas e dlsjpwtas a' tudo, so
esperavara 0 primeiro grflo de, ronfp'Imeatd.
Quap do'Wf sa e aoppressao.'ijiie sppporta aquel-
le. povo inreliz de tao deshattfradas autorida*-
Em ultimo resuluido para que oDr. chefe de
policia possa aauilatar benVo.ulerito e boa 16 des-
les squs delegauos, basta tonfr^brar a integri OP'S
oflicios que delles-recebem 'amlrelaAo a esses'facto?
e'i que diz 0 Sr. Anwnio Perefra da Tlocha cm sua
cofrespondeacia de 16: -0 que convener qu
ejtes: pouw important" saerIflpat a verdade, Uma
vez, ue coosigam os MUs,ilMteaiI^s 'jntenl'o'a.
.Dis^inda oSr. Antonio' T^reira d^ Kpcl.a qm
aid.receiou que eu FhetoWeTOcarVWrflpefaTra^a-
me^>qUe era necessirJo^arao'sgrinliBS eomme-
*T)izfem a Sr. AntonioPereifa da Rocha. abor-
recq a violent ia, quando con|0' com a j"nsttc>, e
faltar-me a coragera'parh Osjgrandes^accortteW
e seitew, tU'ipnlaq. publica, qflando convenieU
tomeafd csctare'eidi), coroari-"aqilelle que por
seus aclos se tiver ideutificado cuin e dever e
comabonr-. Sinto, porem, com todas as for|
de minha alma, que. os meus gratuitos inimii.
de seauhaeui, uao as. apxesentasjiem de vueira
levantada, quo me lizesscm cob^r-lemcnta, sfiTVia
dose do ST, Aiflnaifi pereira :da n^cha, a queat
'.voto maior dosprasn, patqae, era c dasejiva ardeutemente ajustar ustninhas coaJ.
no entretanto confi) qua .no correr da.discusslh
eu pu^sa arrancar as mascaras', c descriinina-ld^
as triples flguras, obrigaf-l es dep3r m!-era
mente as annas.
Islopostu.passo aanaljiar a currespondenCia-aV.
,Sr. Antoulu da Rocha.
Cumeca oste diiendo qae levd ordain' de Dr.
O lenentc coronel Vicente Hen-
des %VimJherley e policia le
NerinhtEem.
Deixaria. 'de responder. a cyrrdspbu^eocia con
tra mim puhlicada no Diafii de 16 do correnfc,
aassjgnada por Antonio Pere'ra daftocha, senad]
fora 0 deyeCw-gue .me couvuda, a defender-me,i
e d, st'artei',jtftedleat a verdaae,' qde se procura,
coma sempre,.cauteiosarannte occultar.
0 despreso salemoo "eras uuica resposta qaei
eu 'devia dar ao Sr. Antonio Pereira da Rofch'a,
que movendj-se t'6mente ao'bater das palavras dds-
aQuladires, atira-se sobre mint trahiodo a sifi.
propria conscieocla, para "a qd;il appello, e'faltitiao.
sem rebuco a verdade : mas para que nao se1
diga que com 0 meu si|encio assenli as"suas falsas
asseverates, ,aem' tao poico' fljSe.itymia aquellfs,
acceito desassonibfadameTUe a'luva,. dlsedtmm
os' factos qtfe presenteto'ente' nos occupam...e ptf;(
tros muitos que furmaih"o1toi4ao de 'gloria' desta,
mtanafiitiia policia:
Quem fellzmante nao receia, qne .Tacant curvar,
a sua froute, porque a sua vida pnhlfl^e 'pSjU-,
cular nuflca foi mancbada.por act) algam irfle-
Soroso,' nile pod nem deve teiher-se1 de ataques
esta ordera que so rebaixara aqueUes qiie' os
fazem. ^^ .
' Dl3cuump3 sem receio, te'Bdp pofgtna-a VSr- .
d>de.-quo 0 grande" tribwal' sensatp, impart*!, A*,comei|Mur a '^SA^JSgS^
ra-
com taenospreso Ac meu cira&er, e do'caJ"g'o que
occupo ...
Nio preciso adulterar factos para encobnr ver-
adelf' crimino-o, aceito e aceitei sempre a ras-
m.-abi(ida4e'do'smeas acfcs,'enr,.voco a justica
de'SerinTtaem, porquV'queTo-jasffllcar-fn'e 'e.mes-
rar as autoridades superiom, one .a* aunridades
lertahaen-r'tiad MflM, ef 6hservadas Sem
iJtoj da" ^orkliumVaWJ*to 80 service
'auolmp. .
Se 'Sr. -htoifih'-ereira ii'ifecha pefle ao pre-
isideWe da provincia qu-inaw*W,$caf"d";i Cactus
ppr pessoa oVsiateressate, e& \aW>bv1n sh'ffpm'o a
imidiiro qOe 0 fa(a ja,
(eza d.- s.-u coinplet.
cmnpauh-iros e do ti
tija.
fo intetrtv cer-
__iio e d.>s hiilifes
lumBho'roi VausA' da JuB
<
*
{
I MTUMI
fc_------------------------------------,-----------------
. .-
'
V




^.^-


___zk.
ffiario de FernamDuco.' Qiilnla feira'^5 de 'Pezemoro1 de ISTa.
T
ltlJ]ular to Jos os, dooanleatos. rimbrobl
qtejVjahf. i miif Jpn
coiYieinft;WTlo"Si'."..Btonio Pereira aa Roena7 o sala trabiilho d> olaria 6 ' detriment!) "
Sobre a
.limitar-ini!
% Rfha -
deVai__
adffogado na questao que neste (Oro susteuVi, de
duas escrsvas que reeebi do raeu sogro o-nnado
major Francisco da Rocha Wanderley, e depois
promoverara judicialaente sua liberdade, que* Uie
responds, s e .que a ma a yerdade, e presa -sua
digtiidade, do coatrario sola o Sr. Antonio da Ru-
cba e aquelles que o aeularam mais, que calum-
niadores.
Fique traiqufllo o Sr. Antonio da Rocha, que
nao mais Ihe responderei, porque a rainha quest**
e com aauulles que Ihe fizoram vil instrument,
Poam, U < es**tl>acrt* lialillunl do venire
ffalwvrn* conwolarisras.
0 l)r. Cyrus W. Nelson, de Boston, auter das
obsemtfes. olinicas sobre o tratamento das moles-
tias abdoffiiua'es, diz, em uma carta datada de 27
de feverefro de 1862 : En considero as pilulas
assuoanilas de" Bristol 0 melhor remedlo aw hoje
conheeato lustra a cuia de eoostiparae chronica
- do venire. Ellasnunca me falharam, e teono as
receitado era mais de cincoenta casos. Elle
accrescenti mais : -a Qae para Xdiis as trr'e'gula-
rttfilea doapaarelhodigestivo, o figado e os
iatestinos ellas sao oremedio mais superior e
util que elle jamais tern receitado, sendo perfei-
'< taiueate sejuras- e de eminente cunfiaaea.
Urn test* munho seme'lhatite nos fbf vorantaria-
menteltrieetdo pelo Dr. Humphrey Lattsttm, de
Chicago, o qual aponta nao menos lie trinta casos
de coastipacao habitual e hemorroydas, csm os
sens homes e datas, para os quaes elle administra-
ra as pilulas, tendo alcanc,ado de todos'tflMs os
mais feltws" resnltadoa A etceHente Wrma per
quo as pilulas vao aeondic onsdas, nchandose me-
tidas dentr.i de um frasquinhos de vidro, as torua
perfeitamente invulneravels" e a sua cortseTvaclo e
tixa e perfeita em todos os climas. Km todos os
oasos de rrnpurezas da massa dosaagae/ctevR-se
usar da salsauarrilha de Bristol eonjunetamente
com as pilulas.
^
o--------------------------------
Partahhp pjl^ofex Vania nWcador^Virt.
ada do Rio
e consig-
u :
i
Ne^urnuca ups sltios e lugares
iusalubres.
0 uso da salsaparrilha de Bristol tem efTactuado
casos adrairaveis de sezoes, tercas, febres Wtio=as,
c.itefrios, -febres remitteotes e outras moleslias
causadas pelas nocivas exhalacoes dos terrenos e
das aguas etttgnadas. lteferem-se casss occorri-
d<3 nos rales do Mississipi e do Ohio, e em todas
as partes da California, para os quaes, depois de
so li'aver eiipregado infroctaoaamente os talentos
dos medicos os mais osperimeatados, osle grai>-
de rostaurativo e con'ervador da saiide, nao so
meiite desaldjo i a motestia, como tam'iem regene-
rou completamente o doente, dando-lhe.'se^ando
disse'um iodltWao, qne se havia salvado das gar-.
ras da morte, nova vida, novo vigor, e toraando-o
nivi'.lneraviil contra os etTeitos da malaria, exposi-
c5es e todas as mais intluencias perniciosas de um
clima insalubre e doentio. Para a cura das mo-
lestiasnleeroaaaerraptiwis e o unico e derradei;
ro remedio infallivel. Acha-se constantemenio a
venda em todas as principaes boticas e lojas de
drogas do nrundo Inteiro..
la a
Cauros seccas 96.
Xarqua 227,100 kilos a or Jem.
Brigue hespanhol Awutile Teresa, eitrad*
de MonteTid^o ha mesma data e comigtiad*
a Silva & Cascao, manifestou :
Couros seccos 47
Xarques 160,410 kilos aordem.
Brigue portuguaz Floriuda, entrado d^
Rio de Jaueiro em -2i do eorreiile e consign
nado a th. A. Fonseca Successores & C.
manifestou :
Barricas vasias 275 volumes de iateiras
1,100 de meias a Baltar & Oliveira.
Farinba de trigo lOOAairicas a Josd
Duarte das Neves.
Pipas vasias 50 aos coosignatarios e 5f
ao capitao.
Solla 1 rolo a Ramos A'Machado.
>K^PACH03DE BXPORTACAO NO WA 23 DI
DEZEMBRO DE 1873.
Pttr a o$ vorttg: de tttetiw.
Na galera-porUigueia Auiacia, para Liver-
pool, carregou : M. Latlian 4 C. 400 saccos com pelas 3 horas
lMnM^ii kl.n^Sn U \lnntair.% X-M snik M^ mnio van
Para todos.
A casa taof taaria de Paula ttmia^ bem serrir ao publico, em quantos
sous proprietaries ou sao deferidos no re-
curso que interpoem ao conselbo d'estado
contra o monopolio concedido a outrem, da
sao a contento indemnisados pelos monopo-
listas. E para quo ninguem se illuda a res-
peito, scientificam ao respeitavel publico que
se acham providos do material necessario
com carros noros.
SbiOWWtiM de Blgodlo ; M. M. Monte|ro 558 sach
'eas 6W W^9I dMs :de' algodao ;W. 'R.'WIiW
118- dto* coin 10,fi dilos de dita.
Na barea portHgiMta i-A fabeHa,, |tara Liver-
pool, cacregou: fi..Soh8meliau & d/3-,000 saccos
com.22*,tX)o kilos de assucar mascavado.
Nb narvto holKftder 'Sj^mfx, pan o Canal,
carregou : Keller 20 sacoaam'l33 kilos
de algodao.
No navio inglei Menie Bruce, para o ("anal,
cirregaram : J.'Pater & C 480 saccos corn 36,000
kilos de assu^ar maseatsdo.
Na barca franceza Fidelile, para o 'Havre,
carregoo.: E. A^Bnrle&C 0saecaa com 6,607
kilos de algodao.
NabireafratJGeza'fl/ituWc/CT!, para o Havret,
carregw : Hartamendy- & LaDfHe 341 saecas com
29,72. kilos de algodao.
No navio inglt-z J. Cock, para o Rio da Pra-
ta, carregou: L. J. S Guimaraes 200 barricas
com 18,256 kilos de assucar branco e 30 ditas com
17,413 ditos de dim masr.avado.
Na galera portogaeza Lisbon, para o Porto,
carregou : J. I. Rodrigues Mendes 218 sacasom Idem o.
19,6.8 1|2 kilos de algodao.
Para o.t portos do ttitertor.
1aia o Rio de Jaaeiro. tio vapw'''francer
Villtde Santos, carregou : M. 0. de C. Meudoaca
20 abacaehis ; M M. L. de Araujo 40 dilos.
Para o Rio de Janeiro, no navio portuguez
J. Correia; carregou : A. P. BaltharSoliriiiho 501)
saccos com 37,800 kilos de'assucar branco j A.
Cordeiro 500 ditos com 37,500 ditos de dito..
Para o Rio Grande do SuL.no patacho bra-
sileiro Portuna, carregou: J J. Ferrelra 3i0 bar-
ricaircom 29,937 I [2 kHos'de aissnear branco.
Para 'a fiahia, off vapor naeionsl Pm4a, car-
regou: F. R. Pinto Guimaraes 50 saccos com
3,750 kilos de assocar branco.
Para Alagoas, na barcaga Lyndria, carre-
gou : F. A. Ferreira Viatma 1 barnl com 96 1itros
de alcool.
trc de Janeiro a m
a .rremaucao os
cripta :
-----
servindo de
abaixo trans-
lm-
oal*
Numero
\\
moco a na maseia prsporcto. R para constar se
mandou fazer publico pur este jonal.
Secreteria a* roesottraria proVmeial ww
nambuco, 19 de deserabrO|de 1873..
_______________MigaWB8ft8ftrrreira.
0 Illm. Sr. insipctor da thesouraria provin-
cial, em mmmmiM do acto do Exm. Sr. comj
rnendack* presMMtlsl da provincia, de 4 do mez
corrente, manda faser publico qne, na mesma
thesouraria, mtemiwfcsf t wuinflripcao de apoli-
ceadB divida prorimJiaL ao de 7 por cento ao ami), ate a importancia de ml
contos de reis. jati
. SecreuriadthesouKar>a p buco, em 13 de dezembro de 187.3.
Viclorimo J., m P4**W>
OflBoial-iWfer.-MHerino.
liavega^fto
frftM ilftfi- "MM

.mmmt
*#tA tASi DX IffSEfHCOfeDlADO frete
KRCttE.
A lHi.^mlMiniirtsatfva, 4* santa casa d
ffiserk-ordia doRecife,'aa*nto?famti&*tm ($
aa sala de m soaaoqg, no-diaig3 de dezembro
ftarde, tem de ser arremaiadas a
ens onai'ecar, peloi tempo de am
endas 'dos predios em segBJda
Red companhia dfepaquetigfi
inglfczes a vftpbr.
Ate o dia 27 dp corrente, espera-se da Europao
vapor inglez Bogne, commandante F. Beaks o qusl
depois da dement do costume seguira para Bae-
nos-Ayres, tocando nos portos da Babia, Rio de Ja-
neiro e Montevideo.
No dia 30-do corrente, espera-se dos portos do
sal o vapor inglez Neca, commandante H. Bax,
o qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos do S. Vi-
cente e Lisboa.
NH fretes, [fiUMWgWtft^iBM.i frata'-se na ageneia.
ma do.46i
GOMMlNHtA PERNAMftUCAliA
'
.

DE
escTffiWriri- nfj'
YStCf ^rvripe, comL
%rasdaurde
Reeebeuoarfa, i encommen
HjV.BasBageiros e diubeiro a
datanle do dia da sahida :
io^SBt^ v. 12.
Rio (IranfaiAo Sul
GOMPANHIA
Phenix Pernambacana.
Toma riseos maritimos em mercadorias,
'ret^s, dinheiro a risco'C finalmente de-qoal-
quer natureza, em-Tapores, navios a vela ou
iiar^a^as, a premios muito modicos.
RUADO CWIMERGIO N. 34.
CAPASAZIA da ALFANDEGA
Rendimento do dia 1 a.23 H:91"i389
'de-n do dia 2i...... 260*896
......
VOLUMES SAHIDOS
Nodiala23......
No- dia 24
Pnmeira potta.....
5eganda porla.....
Terceira poru.....
Quarto parta......
Tiapiche Ooceicao .
15,177*985
31,717
23
8
100-
Seguro conlra-fogo
CHE LIVERPOOL & LONDON & GLOt
INSURANCE COMPANY
Agentes -
SAUNDERS BROTHERS A C.
ll-M".orpo Santo11
'..tjiital
Ptndo
NORTHERN.
.... 20,O00:0O90O(
de reserva. 8,000:0003800(
Agsntes,
Mill* Latham &C.
RUA DA CRUZ N. 38.
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGO
A companhia Indemnisadora, eslabelecids
>ta pra^a, toma seguros maritimos sobrt
-lavios e sens carregamenlos e contra fogo
m edificios, mercadorias e mobilias: na
rua do Vigario n. 4, pavirnento terreo.
COMPANHIA" ALLiANC A
stiguros maritimos e terree-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de j aneiro em 1870
CAHTAL-4,0QO:OQ(ty5O00.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro i
' .jcp maritimo em navio de vela e vaporei
^atrti dentro e fdra do imperio, assim come
cotttra fogo sobre predios, generos e fa-
rondas.
Agente : Joaquim Jose Gongalves Belirao,
do Comraercio n. 5, 1* andar.
PKACA DO RECIFE 21 DE DEZEMBRO .
DE 1873.
AS 3 1/2 HOBAS DA TARDE.
Cota^Ses ofHciae*.
MfBdao da Paraliyba 1" sorte 8$550 por 15
kilos post -bordo a -frete de 3[1 d.
5 0[0, e -*3f 16 d; 3 OjO, horllfems
Dubonrq
Pelo presidente.
P. J. Pinto
Pelo secretario.
SERVigO MARITIMO
vlvarengas descarreg*4* o" w*p*
alfandeea do d No dia2t
N'a\ijs atracadosno trap, da ailandega
Alvarengas ........
fo trapicbe- Conceicao.....
31,833
56
quern mais
a tn-s annos.a
d Cic 1 n.r s d o ^
ESTABELECTMSNTOS DECARITrADE
Loia do Sobrado n. 41; SJDrtOO
BuadaVWKjio
Casa teorea n. 7 (fechada)^ 240/000
fravs*e a^lese. .
^^tittitm "DOS ORPHAOS. *}1'000
fla'dn^enzallavellu.
CaM^lsrNtt-Bi 16. ...... 2*M00
Becco das Boias.
Sobradoo. 18......... 4*000
Rua da Cruz
Sobradon. 14-(Jeehada) .1:000*090
Rua da Guia
Casa terrea n. 25......*0*000
Rtto Casa terrea n. 98.......' **'*S22,
Qasateireeaa.99(fechada) .... 331*000
Idem n. 100..........0
102 .- -...... M000
Rua do Rosario da Boa Vista
Case terrea. |Bfacln|* -. 245*000
Rutvda Mfcda.
ArmazmNii'5T(Rcifed(.) 808*000
'Rua Velha.
tid?a-tenaiJL 4i...... 450*900
Os pretendentes dewerao apresentar no acto da
srreaaacio as suas fianoas,.ou conp*reeerem
w,ompjmtoado dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
\ae for seguro olpretlio-que cootiver estabeleci-
mento commercial, assim "como'o'serviQO da lim-
peza e pracowdo* apparelhos. *
Secretaria da saAto casa da misericordia do Re
;ife, 20 de dezembro de 1873.
0 eserivao
fedro Roiriguet de Souza.
Saafca Casa da Misericordifr
do Recife.
A judto 'admtnlstrativa da Santa Casa de'Mise
ricordia do Recife, ,vmpenteffleTite autotisada
pela presideoai,'.eti data de 3 da seterabro do
anno proximo firido, e de eonformidade com o que
itepoeo|'0.'art.:B2-df> muta nor apolieesda.divida.pttblica a fazenda de
i:riar g'ados -que possue o patrimouio dos esta-
belecimentos de caridado a seu cargo denomina-
da Carnauba sita no termo de Floras desta
provincia, com temeBos para eriar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaccura.
Reeebe para islo propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da miserioordia do Re
:ife, 10 de outubro de 1873.
0 escrivio,
Pedro Rodrigues de Souza.
Para oRH> brevdade o^patafih >.portuguez.Voces) Coitus, por
ter ajguma caiga; e para a que lho falta trata-se
com os coiig*tarios 'Jnjtomrm Jose" Gontatvep
%Wrao,*'Hia dfr-Cfemmercto > 5.
Liisboa erorto
Segue viagem muito breve a galera portugueza
Lisbon, por ja se achar com quasi todo o ceu car
fegamemoTiMtado- PaTa a pouca oarg* que Ihe
Um*i passagetros, aos qeaes offerece muito bom
commodo : trata-se com- Tsto Livio Soares, rua
do Vigario n. 17. ___________
JL.
a=
50 amarrados com 2f50 irrobw de canw
secca a
SEXTA-FEIRA 27 DO CORRHfrE
as J I horas da manhfi
no trapiche da companhiMwrnambucana.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. jiris de direito es-
pecial do commercio, e a rdfuirHnento do Sr.
Joao Ramos, depositario, u agente Pinho Borges
fara leilao da dita came, per cofila e risco de
quern pertencer.
AVISOS DM
Afnga-se'uma peque
por (6*. font-nh, 2 quar
Santo Anaro das Salinas,
trater no mesmo lugar,
Livramento n. 2, loja.
muito fMSea
tfera, eta
rua da FundieSo :
rua do Lima
Para o xeferido porto pretende seguir com a pos-
jivel brevidade b brigue porWgnez D. Anna, pdr
ter ja alguma carga engajada ; e para a que Ihe
alia, que recebe a /rote commodo, trata-se com
os consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
3c FUho, k rua do Connnercto n. 5.____________
COWPANtilA PERTJAttBUCANA ~
DE
Uavegacao cositeira n vapor.
urXhyba, natal, macXo, MOSSORO'', ar*ca-
TY, CKARXy WANDAHU E ACARACD*.
0 vapor' Ipojaca,
cemmandante Moura.
seguira para os por
tos acima no dia 31
dp corrente, as 5
horas da"tarde.
Reeie**cga at oW do cttrrente. encom-
mendas ate o dia 30, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as % horas da larde do dia da sahida :
esCriptorio no Forte do Mattos n. 12.
*M. fi^Sr/.J^S
63
iSCEBEDORU DE RENDAS INTERNAS GE
RAES DE PERNAMBUCO
Aendimento do dia 1 a 23. .. 71:884*076
'demdodtt24...... 576*130
PAK%
Pretende segnir com brevidade para o Para, ,o
biate (Hindu, por ter pane de sua carga, e para
a quo Ihe falta, trata-se com os consignatarios Joa-
quim Jose Goncalves Beltrao & Filho, a rua do
Commercio n. 5.
cm da mm
AOS 4:000#000.
BILHETKS GAKANHDOS.
4' rmfiPrirrmro de Motqo (outr'ora raadt
Qrespofn. S3 ft casas do edsfume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fe
lizes bilhetes, um meio n. 101 com 4:000*000,
um meio n. -'>70 com 700*, e outras sortesMae 40J
e 20* da loteria que se acabou de extrabir (80),
convida aos pussuidores a virem receber na eon-
formidade do costume, sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido?
la 17' parte das lotehas a beneficio da Santa
Casa de Misericordia do Recife (81), qoese ext*a;
hira na terca-feira, 30 do corrente ntez.
PRECOS
. ;Wlhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
IM PORgXO DR 1009000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3*300
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Ffnza
Bencdo de novo templo da San*
tiHMiniM Vir^otta do Terco.
tranferencia das ima-
i geaa, e dia
da festa da mesma au^usta
*eiiliora.
A mesa regedera da irmandade do-Jer^o, pos-
suida do mais ex'ressivo prazer por ter consegui-
do o seu uiaior desejo na conclusSo do mesmo
templo na sua admioistracao vein peraate o pu-
blico nao so patentear o jubilo, de que se acha
possnida, como scieotiticar, ou descrever o pro-
gramma dds actos que pretende fazer.
Tendo S. Exc. Rvma. reeebido a commissao
desta irmandade com paternal afago, e mostran
do-se jubiloso pela exposicao, que em rude phra
se lba.fizeaics, se diguou acceder as nossas
rogativas, prestando-sea vir benzer o dito templo
no dia 1 de Janeiro do novo e future anno as 4
horas da torde, e tera lugar a benc^o das ima-
gens na igreja matrii de S! Jose, no dia 4 a larde
e sera a trasladacao das imagens para a sua igre-
ja, e a festa da padroeira no dia 11 de Janeiro
proximo futuro.
0 secr'rio,
Antonio Ferreira de Oliveira.
Rio Grande do Sal
Paraaquelle perto recebe o palacho nacionai
Leopoldina oarga a frete, devendo seguir viagem
em poucos dias: para tratar, no eseriptofio de
Silva A Cascao, a rua do Marquez de Olinda n.
60,1 andar. ^______
Lisbisa
NURTIMH!*; /
CINA
Preparade por '
LaninanftjLaipif ,
. para thisiacai
toda a qualidade
de doencas, quer
seja na garganta,
peito ou boles.
Expressamente
escolhidodosme-
o oleo no banco
da Terra Nora
purfflladochimt-
calmente, e suas-
valuaveispropri-
^ irva-
das com todo o>
cukiado, em todo
o frasco se garan-
teperfeitamen-
tepuro.
ste oleo tem
sidu aubincttido
a*iutiam)iii-
*toy>#|pelo
taleuto, do ftp--**
verno bespanhol
era Cuba e foi
prouunciado por
elle a conter
MAIOR PORCAO D'lODlNA
do qtteiOutro qualquer oleo, que elle tem.
examiiiadu
ionmo i umpodfr Salvador.
Em todo o oleo de flgauo le bfcalhao, e>na-
quelle no qoal content a rrratrj^porgao deata-
invaluavel propriedade, t; o unico meir>ptra
curar todas as doencas de SHI
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthtua, cathatrho,
tosse, resfriamentos.'etc.
Uns poucos frascos da carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, eddv^gor
a todo o corpo. Nenhum outre artigcr co-
nhecido na medicina ou sciencia, dd taoto
nutimento ao systema e incommodando quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisac&o tem sido des-
truida pelas affec^oes das
ESCROFULAS iOU RHEUMATISMO
e todas aquellas, enja digfctao*se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
LANMA.N it Kt.MP
Se eque desejam ver-se livros^ iswtssd^
enfermidades.
Acha-se A venda em todas as bbticas
Jrogarias. H. Forster & C.. agentes.
ilfi
luhito fiigido.
72:J0*206
CONSULADO PROVINCIAL
Aendimento do dia 1 a 23. 165:113*172
ldn no dia 24..... 8:542*352
173:635*524
iaviNieN?o oo porti
f
= 0 admtnistrador da recebedoria de rendas
internas geraes faz sciente aos' contribuintes da
decima addicional, que e no correute mez de de-
zembro que tem de ser pago, se>i> multa, o pri-
raeiro semestre do exercicio de 1873-74, e com a
multa de 6 0(0 depois do referido mez.
Recebedoria de Pernambneo, 5 de dezembro de
1873.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico, que vai a praca no dia
31 do corrente, perante a junta desta thesouraria
para ser arrematado a quern por menos fizer o
costeio daiUumin anna por tempo de um anno, orcado em 286 rs
adiarios cada lampio
As pessoas que se propozercm a essa arremata
c3o, compare^am na sala das sessoes da referida
junta competentemente habilitadas.
E para constar se manda publicar o preseute
pelojorual.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 22 de dezembro de 1873.
0 official- maior
Migiiel Affonso Ferreira.
Para o referido porto pretende seguir com pouca
demora o brigue portugaez Ltgeiro 111, de 1'
cla9e, capitao Nobre, por ter a maior parte de
sen carregamento eogajado, e para o resto que ihe
falta trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
fcontalves Beltrao & Filho, a rua do Corai
n. 5.
amercio
Para Lisboa.
Navios entradns no dm 24.
Liverpool e portos intermedios iQ dias, sertdo do
ultrmo porto 6, vapor inglez Luzilmia, de
2420 ton>*ladas, capifio B. B. Furner, eqmpa-
CH2, carga varios generos ; a Wilson
e & C.
Rio de Janeiro*-25 dias, patacho nacionai Supe-
rior, de 153 toneladas, capitao AteJ-ies M. Al-
buquerque, equipagem 10, carga 8,456 arrobas
de cane ; a Amorim Irmao & C.
Montevideo-27 dias, patacho hespanhol Isabel,
de 107 toneledas, capitao G. San Juan, equi-
pagem 13, carga carne; a Pereira Carneiro
& C.
Rio de Janeiro 14 dias, brigue portuguez Flo-
rindi. ile 338 toneladas, capitao Antonio Fer-
reira Coelho, equipagem 11, carga varios ge-
neros ; a T. de a. Fonceca & C.
Rio de Janeiro26 dias, brigue inglez Beonicii,
de 247 toneladas, capitao Charles Coom, equi
pagem 9, em (astro ; a Johnston Pater & C.
Baliim >re-46 dias, patacho americano Alice, de
311 toneladas, capitao G. H Joung, eqniptgem 8,
carga 3400 barricas com farinh a de trigo; a
Johnston Pater & C.
Liverpoel por Lisboa17 dias, vapor inglezCo'rdo-
tw,'de'910 toaeladas, commandante J. Hagles,
equipagem 30, carga varios generos; a oroem.
Aracajft e portos intermedios 4 dias, Vapor bra-
sHeiro Uandahu, de2i2 toneladas, commarttfan-
te Silva, equipagem 17, carga assucar e outros
generos ; a companhia Pemarabiicana.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do sul- Vapor francez Ville de S-mtos,
commandante Lefefre, carga parte da que'trou-
xe da Europa.
Lisboa Brigue portuguez Cotete, capitao Jose
J. da-Costa, carga assucar e outros generos.
Ga-a-il ^Barca ingleza Calderbank, capitao, Alei
xander Taylor, carga assucar.
z

ifliTAES.
4LFANDEGA
/ns4imento do dis 1 a 23. .
.4MB do dia 21
785:113*158
17:410*997
i i-
v*;i
a*

D^scarregara ho/e *i de dezembro.
inglez Boyne (esperado)
para alfandega, -e bagagens
che Conceicao. _
Vapor inglez -Cordova (ttpltHU'rmeiewwrrlas
para alfandega.
BaiSa franceza r Xjurioien salje despachado
para terra.
Bai'ca iu^leza Jam Maria carvlo ja lleapa-
chalo para o caes do Apollo,
r inglez Luzitania encommendas para
alfandega, e bagagen3 para o trapiche
A camara municipal "desta cidade faX&uJ
blieo para ce ihecimento de quem interessar "pdssa.
o artigo de postura, abaixo tran-cripto.
Art. 8 Nos prfmfliros ofto dias do mez de Janei-
ro de cada anno, todos os medicos, cirurgioes,
pharmaceuticos, droguistas, parteiras, sangcado-
res, dentistas e veterinartos, raandarao a cajjjara
municipal a declaracSn de sehs nomes, na'torali-
* deiejaftrajlaa, aflflj de que elJa.possa mandar
Bstos^assb* ; os infrac-
.^D?t0*.
Pace da camara municipal do Recife, l dft
dezembro de 187
Thsotloro M. F. Pereira da Silva
jYo-presidente.
Pcuro _____________________Secretario._______ ^ j
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-1
cial manda fazer publico qne no dia 30 do cor-
rete mez, perante a junta da fazenda da atesmaj
tleseuraria, se ha de arremaur a quem par me-1
nos fizer o forneeimento de alimentacao e dietas
aos presos pobres da casa de detencao, no trffne's-
ADMIN1STRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO 26 DE DEZEMBRO DE 1873.
Malas'pelo vapor Penedn da companhia Bahiana.
A correspondencia que tem de ser expedida
amanhi (26) pelo vapor acima mencionado para a
Bahia, com escala pelo Aracajd, Penedo e Maceio,
sera receblda pela maneira seguinte :
Macos de jornaes, impresses de qual quer natu
reza e cartas a registrar, ate 1 hora da tard*,
cart as ordinarias ate as 2 horas, e estas ate 2 1(2,
pagando porte duplo.
0 administrador
Aflonso do Rego Barros.
avisos maritimos.
PACIFIC STUM NAVIGATION COM
PMY
L.lnka quinzenal
0 PAQTJETE
sspera-se dos portos do suTate o 'dia 2 leja-
neiro, e depois da fleinpra do c0stuinLi ^seguira1
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, pata onde
recebera passageiros, ericommeudas e carga a frete.
SN. B.Roga-seaos Srs^-flagsafeiros o favor de
vlrem 8ar Seus nohlbs antes" da chegada do -pa-
quete.
OS AGEHTlS
A.DO CC$iMERCip:-li
GOMPtfNBM THlWWlBfrCAf A
&.
*kvega$ft^ eftSttf ra a vapor.
,MACEt6, ESCALAS E PEWEDO.
iMtandahu,
para os por-
, nodwv3l
ite, as 5 ho-
ITarde.
Recebe cargaBPMMT29 qT corrente, eneomt
aiendas ate o dm SO; ^tRagens*e 'dinheiro a frets
l^ara o ftfo
Sahira muito breve a Jwafcalaaalasial ifr nWWHif
trata-se miE.*.' TiaDello A cTfuaoo Com-
mercio n. 48.
Seguira em poucos dias a barca portugueza
Gratidao. Para alguma pouca carga que Ihe falta,
trata se com E. R. Rabello 4 C, a rua do Com-
mercio n. 48.
COMPANHIA Bit %*11.1 :i K 1
DE
MAVEGACAOAVAPOR
Pert os do sul.
CEARA'
E' esperado dos portos do norte ate o dia 26 do
corrente, e seguira para os do sul depois da demora
do costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
e mais inftrriiacbes, drrijam-se a rua do Vigario
n. 7, eseriptorio de
Pereira Vianna k C.
Agentes._________
No dia 19 do corrente met Tugio o mujato Ge-
minianno, que foi escravo do capitao Firtnino, em
Maiicota, e tem os signaes seguintes : estatura
regular, cheio do corpo, fall! de denies na fren-
te, tem na braco direito um coracao com as let-
tras A. M C; sahio com calca de brim, chapeo de
Manilha, costuma andar pelos Afogados, Beberibe,
Olinda, Maricota e Iguarassii : quem o pegar di-
rija-se a rua larga do Rosario n. 22 que sera gra-
tificado.
Precisa ee di 10:000*000, dando-se por hy-
potheca uma propriedade duas leguas distante
desta cidade, e para maior garanlia da-se tambem
7 escravos mocos e saiios, livnes laden de qual -
quer onus : a pessoa qne quizer fazer este nego-
cio, dirija-se em carta fechada a taverna da rna
do Duque de Caxias n. 41, com as inniciaes T,
F.T.__________________________________
- 0 Sr. Antonio Pereira da Rocha, morado-
em Serinhaem, e rogado para vir ou mandar rear
lizar o que nao ignora, no eseriptorio de Tasso Ir-
maos a C.________________________
AttenQao
0 Sr. Franci-co Agosiinho Madeira, e rogalo
jrdo
doTleffe Vafenea, Mfaeel EaeWine Rego Valetca,
Joke Carlbsflo 'Reg"o Valenga, AQ6a~Mon'tejro do
LWia Rego Valenca, Miquelma Be Jesus Heueiros
rBo, agradecem aos seus parentes e amites-tiue
seflignaraBi acompaobar au cemiterio -pnblico o
cifever de sua queiida mai Miquelina de Jesus
Rego Valenca. Rogam agora o obsequio de assis-
tiran a missa que sera dlta segunda-feira, 29 do
corrente mez. na igreja do coovento de S. Fran-
""yi iTif Brtfft-feiiiim m j-n ii r t i
Manoel de Mesquita Barros
Wanderley
Um amigo grato a memoria do' fiaado Manoel
de Mesquita Barros Wanderley, manda rgsar uma
mfssa no dia 26 do correute, anniversario do seu
faHecimento, pelas 8 horas da manna, na igre)a do
Roisario de Santo Antonio. _____________
0 INEXTUNGUIVEL
PERFUME
Ccmdicla Julia Neves
Pacific Steam Navigation Company
Linha quinzenal
0 PAQUETE
espera-se da Europa ate edta *do Janeiro, e de-
pois da demora do costume seguira para a costa
do Pacifico, via Bahia, Rio de Janeiro e Bio da Pra-
ta, para onde recebera passageiros, encommendas
e dinheiro a frete.
N. B.Roga-se aos Srs. passageiros o favor de
virem dar seus nomes aates da chegada do pa-
qnete.
OS AGENTES
Wilson Howe A C
H BtfADO'COMMERClO^14
*
LEILOESs.
Agente Dias
m
hotel^enomimwk) Daas Waijoes, silo a rta
de^ariz e Barros, aritifetf-'Bo Cdrdbniz
n. 10.
rente
ivara a,IeSo,, por mandado do
%^2f Dr. juiz especial, do commercio, 2'conso-
^2T>aocas,'i'sora, 18cadeira3 : degaarnlQao, t
[iar adores de ahiaieUo, 3 mesas 'defpinho, algu-
ll louca. trera da cozinha e diversa^ hortalicai e
afesTm *- ;aaa*te), tado
ia. toopnelario do predio, garahfuido o^armafla-
aUMlecimePto, tortta-Je jeste reeom-
7nendavd'nrf:kceirente posigSo em que esta,
nao so parrcoTftKtS'eJi) do'mesmo ramo de ne-
- PMcisa*e fallar c
mio Erasrao Mbreira del
-j emMwibeca: aarnadaaCiaws,
J gocio que tiaha, como para qUalqoer estabelecl- nAl.
Manoel de Sauza Gal vao, sua sogra e cunhades,
maadam-resaralgumas nrfssas poralma de sna
mtttttupresaila esposa, filha e irma, Candida Julia
Ndws Galvao. na igreja de S Faancisco, as 8 bo-
ras da raanha do dia 26 do corrente, anniversario
doaeu fallecimento, e convidam os seus parentes
e
CXSA DO OUHO
Aos 4:000^000
Bilhetes garastidos
itiM'do Bardo dd'Victoria (outr'ora Nova
n. 63, -e casa do costume.
aixo assianado acaba de vender aos seas
fettxes bilheiee ,a erle de '10df era um
3 n. 570 e um meio de n.,2*70 com a sorte
ij/alem de outras sortes menores de 40*000
.100 da loteria que se "acabou de extrahir
J; eonvida aos possuidores a virem receber,
que proBsptamente serao pagos na forma do cos-
tume.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiU
vel publico para vir ao sett estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,gue nao deixarao de
titar qnakjuer i remio, como pfovapdos mesmcj
anuuncios. j
Acham-se a venda os mnito felizes buhetes jga-
-^ntidos da !7' p8rte> da leterla a beaeflcio da
salta casa da misericordia; "que se eatraMra no
dia 30 do corrente ma
MURRAY ft LANHAM.
Uma -pilra distillarao das mais raras fli-
rts dos tropicos. Content, para assim In-
zer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragancia e quas
luexhausta ainda mesmo por continuada
o/aporac8o e diffusao. N'este respeito e
i icoraparavol a qualquer outro perfame
qne ha de venda para :
UESMAIOS, ATAQILS NERVOSOS, DOR
DE CABECA, DEBlLlDADE E
HYSTERICOS.
E um ccrto e ligeiro allivio. Cum o bom *
.)n, tem'colwtft^a'rlo' sua irlflughtiia para
cfctla de vhlte b cftco janrlbs sobre todos os
perfumes, nas Indias Occidental, Cuba,
jlexteo, America Central, e do $gl e n6s
own toda a conQan^a o recomnndamos
como um 'artrgo.'pBlo seu "a'r^ma muito de-
lioado', riquew de odor e permaneflbia, nao
pode-ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS E BORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se toma uma
excellente mistura para benhar ia pelle,
dando um arosoado e c6r clara a tjomplei-
53o nublada, sendo applicada dipois d--
barbear, evita a irrita^p quo gealment<-
occorre,"assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desappareet, e me-
lhora a condiy.ao dos denies e gfengivas.
Como ha mnllas rmitagOes, as quaes nao
possuem nenbumas d'estas propvwiiadei.
deve-se tomar cuidado e contar sdmente
o famoso perfume .; cosmetico do sol>'th
America, cham
HI AFLORIUA
If BE. 8 -
MURRAY A *A^MAJ..
So acha a venda em todos odroguistfflS
perfumarias da moda.
F^daria. I
AlugT-adaTua.das Pescadows..us. l e 3
a tratar com Tasso Irataos, rua do ,Amoflitn >,.
n

Inteiro
Meio _
para clrna.
inteiro 3*500
Meio 1*750
23 de dezembro de
Joao_ Joaquimi
Os abaixo assiimados declaram ao >pei;av
corpo commercial desta praca, qae dissolveram
amigavelmente a soclffdade que gyrava sob a firma
de Carvalho Guimaraes & C, Bcando o aJtivo e
passivo a cargo dos mesmos abaixo assignados, e
Aaftn aiigi'^ Ferreira de Caryalbo e Juaquini
BodrMuesPereua pagos e sati-feitbs de seu capr
Recife, 23 de dezembro.de 18/3 __ i
CasWdio..ABtanes Guimaraes
Anonk> da Costa Ribeiro.
Precisa-se de uma
zisjhar e qae seja assei
narua da fmperattiz n
iU
'mtk
qa-salkS)4Jem co-
casa de familia :
^ [mm***
qne tem a honra de pa:
blico-qu*abiiu, na villa
bem provido de todo o n
|BUea
ao Sr. Bathi-
de presente
loja de trastes
jAlbuqoer-
vel.pu-
um note.
bem ser-
honrar com as suas
satisfeitos cqm
QSQt9iw-o>^y)mmtmafi dos pnecos. Junto au
mesmo hetol (4i.oioatad8. uma cocheira para re-
aolhimerto^teriftnars dos .qweurreutes ao h
tel, tambem por precps commodos.
r
MUTIU1M f
stEGfVEL

r'n li>Hl


4
LINHAS
DE
RETROZEDEALGO-
DAO
DE
I0DAS
Am
CORES
Diario de Pernambuoo Quinta feira 25 de Dezembro do 1873.
ULBAS
Accessories
PARA
PARTE
Macliina
j
_JAS
Com as falsificac,des que tern apparecido
1ACHINAS PARA COSTDBA
DE
SINGER
ue?
o
oo
Porqi
Nenhuma ma-
china Singer e legi- ,;'V
levar'!
S3 tima
se nao
j
g esta marca fixa no I
braco da machina.
CO
Paraevitarfalsi
ficacoes notem-se
bem todos os deta-
iner ds marca.
03
s
!A dinheiro e a
prazo |
A contento das Exmas. familias
lliil
Sao as mais baratas
Sao de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
SSo duradouras
MACHINA DE SINGER
DOUS POSPONTOS
Abainham
Franzem
Pregam tranca
Mart-am pregas
Bordam de linha de seda
Alcolcho8m
E pregam cordaos.
UNICA AQENtlA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA 1)0 IMPERADOR 45

VERDADEIRO ELIXIR DO D" GUILLlE
TONICO ANTI-FLEIMOSO E ANTI-BILIOSO
PREPARADO PORPAUL GAGE, PHARMACEUTICO
9, em Paris.
Unico proprietario, rua de GreneUe Saint-Germain,
A Mflo da ruxir OnlUU a lnlclramule benaBca.
Como purgativo Dlo debiliia como 08 ouiroa remedloa
desu qoalidada, porem InniBca refresca no maamo
lempo : aaxilia a corrige lodaa aa aecrefOaa; da forca
aoa diveraos orgloa : nSo exige uma diela aevara, palo
coDtrario a praclao lomar uma ba refeicio a larda
qaando M user dalle; pod* ear admioiatrado cob
egaal eiUo na mais lenra Idado como na mala adian-
lada velhice aem nonca caoaar accidenie qualquer.
Na dot* d'uma colherada paquena denlro d'om
pouco do agua asaucarada, atja anus aeja depolada co-
ralda, eelirnu a o appeiila, aviva lai fucccBaa dlgesilras,
aubniiuaa lcaoa(mttinlkt),oawaat a babidai amar-
gas qua s* cc sluma tomar.
Un folhato quo a urn vardidalro tratado do madlclni
Daual a domeaiica aa da da graca com cada garrafa
da ELIXIR. Ella ladies u doancu aonda o ELIXIR
d mil a o modo do uaar della.
Aa pctioas qua qulieren consultar (Ml folhelo
anlaa do uaaram deaie BLIXIR, podem dirigir aau
padido franco ao S. Pan. Gaol, em Paria a na
provincla on noa paizea aalrangelroa, em caaa dos
depoaitarioa; esie folbelo lb as sen enlregue de
graca el Immedlalamenta.
Daada cincooau tonot t repaUcto do illilr Oullll*
eapalhoa-M no mando Inlerlo peloi aerricos que
qua cada dla alia preala aoa medicos a aoa enfermos an
a<
caaoa gravea ou deaanganadoa.
E sobretndo ntil & classe operaria
veis de doencaa e tempo perdido, pois com o E
a&o rapidas.
O Elixir Gulllie vende-se em todas aa princi
no
a quern _elle poupa gastos consider a
aa curas
0 Elixir Gulllie vende-se em todas as principaes pi
i Pernambuco: A. REGORD; BARTHOLO
harmacias das Americas, nomeadamente
OE&.
OLEO
DE PIGADO DE BACALHAU
IODO-FERREO
COM QUINA
E CASCA DE LARANJA AMARA
3d Don tor DDCOCX, 13, galerie tT Orleans (Paco Real), Paris.
Eat tnedicaurHo e facil do tomar, tern resaibo, e de cheiro agradayel. Pela na composicle,
powqe tcdai u qoalidadea qne ibe perroettem substituir com vantagem todaa serie de medicamentoi,
couo pHulas ferruginosas, vinho de quina, oleo de figado de bacalhau, xarope de eatea de
laranja tmera, empregadoi para combaUr a anemia;a chlorote, as a/Teoctes do peUo. a bronchite,
0* catarrhoi, a tine*, a diatheie estrumosa, escrophulosa, etc., etc.
Per motto do tea emprego facil. da tua accio maltiplice e legnra. da economia para oi doentes,
M medieoe pree:reTem > per prefereecia a qualqoer oitro medicaaeate limilar.
Depoeito em Pernambuco, A. REGORD.
BARTHOLOMEU et C*
Pharmaceuticos premiados em diversas exposipoes
EIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI^ASTHMATIGO
E3PECIALIDADE
v/^ .
Kevo tretamento ia Asthma, to*$e, eomnUsa. defluxo caturrhaet, e todas as molestias dos puisnes,
\tfae tern feiu> imi^rtantes curas, e que 6 Loje o naico nrreito palot roelhores Medicos.
PBIOSITO OBUt, 3, nw Larga d Rotmio, PBUNAHBTJCO.
Veraizes especiaes para carraa-
Este vernix, cuja falta a ;ui tan to sentem
os Srs. fabricantes e possuidores de carrua-
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das seguintes qoalidades.
VERNIZ SUPERFINO EARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz rauito claro e duravel para
as caixas de carrungens, para todas as de-
mios, ou para a ultima someote, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 14
horas, depois das quaes so expoe ao ar por
algum tempo, o que faz endurecer, e passa-
das 15 a 18 boras pode passar-sc a caiza a
pedra pomo e dar-lhe em seguida outra de-
mao. Dao-se com facilidade tres demaos
deste verniz sobre as tintas, em Ires dias.
A priraeira demao serviudo de apparelbo,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um eicellente brilho.
Vernix upesrlew aeccante parA
carrnaajens.
Este verniz 6 da metma cor que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com o
anterior. A dura^io do verniz permanente
diminue na proporpao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS.
NSo 6 tlo claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demSos sobre cdres escuras. Pdde
passar-se a pedra pome passadas 10 boras,
podendo dar-se em seguida outra demlo.
Yerniz pre to do Jap So, superior.
Para trabalbos em preto de carruagens.
Produz o preto mais escuro e brilbante, e
pode passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fundo preto e cobrir-se com outras dnas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COUROS, BRILHANTE E
ELASTICO.b
Este verniz, contendo na sua composi$5o
grande quantidade d'uma substancia muito
semelbante ab azeite denominadopiedj bmif,
6 o unico que dd flexibilidade ao couro ve-
Ibo envermsado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 boras, e i sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo humido e inutil tal
trabalho, por que nSo 6 possival tornar o
verniz elastico e seccante ao mesmo tempo,
Verniz para apparelhe.
Depois de ter appbeado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'um intervallo de 8 boras, de-
ve-se deixar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no lim dos quaes se pode pulir com extre
ma facilicidade. E' essencialmente neces-
sario cobrir este verniz com duas demaos do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tiutas moidas, para que
sequem mais facilmente e para lhes dar
mais consistency.
Como nao 6 necessario dar lustro a ultima
demao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, conve^n da-lo
n'um local separado aonde nao haja po.
Quando a obra urge,- deve pdr-se a* sombra
e ao ar livre depois de secco, isto e, passa-
das 12 horas, lava-se e enxuga-se bem Cpm
uma esponja bumida. Quantas mais vezes
se fizer isto, mais brilbante ficard o verniz,
e mais depressa ss terminard a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
ma denafio). Durante as duas ou tres pri-
raeiras semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ter ser-
dido.
0s frascos devem conservar-se sempre
bermeticamente tapados, o resto do verniz
nao se deve deixar ficar no frasco, e p6de
usar-se para as primeiras demSos.
Nao deve misturar-se com este verniz ne-
nhum outro ingrediente, nem agua-raz, e
de nenhum modo com o seccante. E' pre-
ciso limpar bem os vasos e os pinceis, e o
melhor e servir um piucel para cada ver-
niz.
Deposito unico para o Brasil, Bartholo-
meu & C, Pernambuco, Rua do Rosa-
rio n. 34.
ti.
AO ARMAZEM
BO.
VAPOR FRANCE!
RUA DO BARAO DA VICTORIA
7Outr'ora NovaN. 7
Galcado
francez.
GRANDE LIQUIDACAO DE FAZENDA&
NO
II1A
Rua da Imperatriz n. 72
Lourenco Pereira Nendes Ghimardes
que tem rcsolvi "o fazer uma gnrije liquida^ao, ate o
Para
BOT1NAS de beierro, cordavao, peHica, lustre e
de duraque com biqueira, dos melhorei
fabricantes.
SAPATOES de beierro, de cordavao e de case-
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados eom sola de pao, pre-
prios para banhos, ditios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranja
fnaeeses e pertuguezes.
Para seahora.
80TINAS pretas, brancas e de cores differentes,
nsas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de trant*.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
iisas, enfeitadas e bordadas.
ABOT1NADOS de diversas qoalidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para menlnoa.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
qoalidades.
SAPATOS de tranca francezes e portognezes.
Botas de montaria.
tolas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen, e meias perneiras
para meninos.
No armazera do vapor francez, a ma do Bario
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braeo, de goernifdes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costo-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
levos, e os mais propries moveis para saletas e ga
binetes de recreios.
No armazera do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito boos pianos fortes e
de elegantes moderns, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff AC.: no
vapor francez, a rua do Bario da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extraclos fbanhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arrez, sabonetes,
cosmeticos, muiios artigos delicados em perfuma-
ria para presentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e garrafas de differentes tama-
nbos d'agua de cologne, tudo de primeira qoali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coo-
drai
.por
da Victoria, outr'ora Neva n. 7.
%
armazem do vapor francez, a rua do Barao
Precisa-se de uma cozinheira oo cozinheiro
form ou escravo, para uma casa de familia no
e;iroo : a Iratar aua do Harqnez de Olinda n. 35
f
f


FESTAS
Vistuarios de fustao paia meninas a
4A000.
Uitos de cambraia .,, abados a
6^000.
Ditos de alpaca enfeitados a 7*t.
Rua do Crespo n. 10.
J^PJL Ki6\ifftft
1

Roubo
Na madrugada do dia 22 do corrente, das 3
para 4 horas, penetraram -os ladroes por uma ja
nella do sotao (servindo-se de uma escada) da pa
daria da rua do Lima n. 72, em Santo Amaro das
Salinas, levando diversas pecas de ronpa, como
seja : 1 paletot sobrecasaco de panno lino, 1 dfto
sacco, 1 calca de casemira preta, 1 dita te dita
preta com quadros de listras branca?, 6 camisas
franeczas, 1 chapee de sol de seda trancada com
um leao no castao e um cbapoo alto de feltro
(sendo tudo em perfeito estado) e mais tres bilhe-
tes de loteria da provincia da HO* parte que corre
no dia 23 do corrente, de ns. 844, 3,276 e am que
nao se sabe o numero, sendo todos tres meios bi-
lhetes ; roga-se a qoem forem offerecidos ditos
objectos, de aporehende-los, qae sera gratiucado
com boa recompensa em casa do abaixo assig-
nado.
Recife, 22 de dezembro de 1873.
Manoel Rodrigaes Pereira.
Correia C., credores de Mello h Macedo,
scientificam a mum interessar possa, qne nao de-
ram seu assenfJmento para a venda que se pre-
tende effectoar do estabelecimento commercial da
referida rirma, pelo qne promoveram sua execu-
tao no mesmo esttbelecimentc, ainda qoe seja
transferido i outrtm.
ATTENCAOT-
Bernardino Ouprat pensa nada dever nesta pra-
ca, qoer por contratos cemmerciaes, qner por
d-itas particolare* ; se porem algnem se jnlgar
sen credor, apresente sens -tit llos em casa oos
Srs. E. A Burle A C no improrogavel prazo de 8
dias, contados desu data, para Ibe strem pagos ;
outro sim, scientiflea a qoem interessar possa, qoe
de hoje n diante nao se responsabilisa nem pa-
ga diri^a algnma contrahida por que n quer qne
seja er en nome. salvo se o debits for autonsado
pelo dec rante com a sua assgn3tura.
Recife, J !-> d.zembrvde 2.873,-
Quinquilharias.
Artigoft de differences gastos e
phantazias.
Espelbos doorados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Joovfn, de flo de Escoeia e de camnrca.
Caixinbas de costura ornada eom mosica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaqne moito bonitas para relo-
gios.
Brineos a imitacao e botoes de punhos de pla-
que.
Bolsinhas e cofres de seda, de vellodo e de coo-
rinho de cores.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez de cores, de prata doorado, de ago e
de tartaroga.
Oculos de aco lino e de todas as guarnicoe?.
Bengalas de lnxo, canna, com castoes de mar-
DO.
dengaKas diversas em grande sortimento para
homens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de moitas qoalidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charotos e cigarfos.
Pentes de tartaroga para desembaracar e para
barba.
Ditos de marfim moito finos, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinheiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainbas de mola para chamar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes jogoinhos alle-
maes e francezes.
Malas, bolcas e saccoa de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar criancas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de qoatro rodas, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portase jane lias
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cdres para illominacoes de
festas.
Baloes aereostaticos de papel de seda mui facil
de sobir.
Machinas de varies systemas para cafe.
Espanadores de palha e de pennas
Tesourinhas e canivetee finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de moldoras donradas e pretas para
quadros.
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
zia;
Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos peqoenos de veio com lisdas pecas.
Realejos barmonicos oo accordions de todos os
amanbos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de menewnar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Bario da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medtdas de 40 a 100 metros,pes e paloios para
medir terrenos.
Brinquedos para meninos.
A raawr variedade qne se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em differentes paries
da Eoropa para entretenimento das criancas tudo
a precos mais resumidos qne e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Bario da Vic-
oria, ootr'ora rua Nova n. 7.
Cestinhas para costura
Grande sortimento de bonitot modelos chegados
ao armazem do vapor francez, coa do Ba-ao da
Victoria (ootr'ora Nova) n. 7.
Declara aos seus freguezns
fim do corrente anno.
CAMBRAIAS BRANCAS A 3JJ0002
Vende-se pe^as de cambraia branca, tapa-
da e transparente, a 99, 3^500, 49000 e
59000.
LASINHAS A 200 RS.
Vende-se lasinhas para vestidos, a200,
320 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A640RS.
Vende-se alpacasde cdres com listras a 640
e 800 rs. [o covado.
GRANAD1NE A 800 RS.
Vende-se granadine preta com listras de
cores, para vestidos, a 800 rs. o co-
vado.
P0UPEL1NA JAPONEZAA 19800.
Vende-se uma fazenda nova com listas,
com o nomo de poupelina japopeza, propria
para vestidos de senhoras, a 19800 o co-
vado. Todas estas fazendas sao vendidas no
Bazar Nacional, & rua da Imper ariz n. 72.
CORTES DE CASSA A 295 0,
Vende-se cortes de cassa para vestidos,
com 10 covados, a 19500.
GiIITAS URGAS A 240 Rs.
Vende-se cbilas francezas, largas, de cores
flas, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado.
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas finas de cores,,
a 260, 320 e 400 rs. o covado.
SAIAS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras de co-
res, a29000.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se ohitas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
homens, a 69000 a duzia, a qual val
89000.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se cbales de Id, a 800 rs. cada
am.
CHITAS UNAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO' A 2-J000.
Vende-se cbales de merin6 estampados, a
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRINS EM CORTES A 19500.
Vende-se cortes de brim de cOres e pardo,
a 19500, para liquidar.
COBERTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas de chita, a 19600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meninos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-se colxas de cores para cama, a 29,
e49000.
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vende-se transparentes" para cadeiras, a
19500, para liquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets de seda para homens, a
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
Vende-se chapeos de castor para nreninos
homens, a 29500 e 39000.
SADKR :
Ditos de palha, a 29, 39000 e 49000.
Ditos de raassa, a 49000.
PERFUMARIAS EM UQUIDACAO.
Vende-se sabonetes de diversos tamanhos,
a 120, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
Frasco dc banba, a 160, 320 e 400 rs.
Frascos com aguade colonia, a 240 e 320
rs. cada um. E outros muitos extractos que
se vende muito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas, a 800 rs. cada
uma. Lencos brancos, a 29000 a duzia, e
39000 abainbados, fazenda que vende-se
por 59000.
GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende-se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
tasde cores a 200 rs.
Chapeos para baptisados de meninos, a
39000.
BENGALAS E CHICOTES A 800 RS.
Vende-se bengalas e chicotes, a 800 is.
cada uma, para liquidar.
GRANDE UQUIDAf.AO DE ROUPA FED A
Vende-seceroulas de algodao, a 19000.
Ditas de linho, a 19600 e 29000.
Camisas de chitas finas, a 19600.
Ditas de peito de cores, a 29000,
Ditas brancas finas, a 29000, 39000 e
49000.
Cabjasde brim pardo e de cores, a 29000
e 29500.
Ditas de casemira de cores e preta, a 59,
69, 79000 e 89000.
Palil6ts de alpacas de cores, a 29500.
Ditos pretos, a 39000 o 39500.
Ditos de casemira de cores, a 49 e
G9000.
Ditos ditos pretos, a 59000, 69500
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29, 39 *
49000.
Camisas de flanella, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pe$as de algodao, a 49, 59 c
69000.
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de cores, a 29500 i>
covado.
MADAPOI.AO A 39000. R%
Vende-se pecas de madapol&o enfestado,
a 39000.
Dito inglez, a 49500, 59, 69 e 79000 a
pacjt.
BOTINAS A 49500.
Vende-se botinas para senhora e meninos,
a 49500, 59 e 69000.
Ditas de enfiar, a 29000. .
Sapatos de tapete, a 19500.
Ditos de tranga, a 19800 e 29000.
BRAMANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura, para lencOes, a 19600 re 29500 )
metro. E outras muitas fazendas proprias
do mercado, que se vende sem reserve, de
preco, para liquidar ate o fim do corrente
anno, por isso convem aos compradores sor-
tirem-se de fazendas baratas, para a presen-
te festa que esta" na porta, & rua da Imperatriz
n. 72. Bazir Nacional.
DROGARIA HOMEOPATHICA jjj
41 Rua do Imperador II
Os proprietaries deste estabelecimento, no intuito de lhe conservarem os ere-
ditos de primeiro neste genero, continuam a esmerar-se na preparacao escrupolosa
de seus medicamentos, podendo garantir ao respeitavel poblico desta cidade e in-
terior qoe sao rigorosamente observadas todas as regras pharmacologicas. Outro
sim, -que com o mesmo flm acba-se a testa do estabelecimento, tendo a seu cargo a
inspeccao de soas preparacoes e direccao do consoltorio, o acreditado medico ho-
Jmeopatha Dr. Jesoino Augusto dos .Santos Mello.
Tem todos os medicamentos especiaes para bexigas e os considerados pre-
servatives : assim tambem, os medicamentos da sua drogaria em todas as dym-
nanisacoes conhecidas e mais usadas.
Carteiras nomeopaticas do 12 a 120 medicamentos em tinturas ou globulos e
a excellente obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.' edifao.
A' Torre
Aluga-se pan passer festa um sitio com
excellente casa de habit*c,ao e banho no rio
a frenta desta t quern a pretender, p6de
procurar i roa de Gervasio Ptres n. 24.
Preetsa-M de um criado
do Padre n. 28.
rta hotel do Lecco
Chocolate homeopathico d*Epps.
Encerado de arnica.
Pos homeopathicos, para dentes.
Jerico, para rheomatismo.
Matamata ou Jaboty, para tosse.
Espirito de Hahneman oo de campho-
ra.
Plumeria, para mordeduras de cobras.
Sarracenea, para bexigas ( oo preser-
Vaccina, para bexigas ( vativo.
China crozeiro, paia febres intermi-
tentes.
Scbynns, para angina.
Calendula, para qneimaduras.
Tarantula, para paralysias.
Carnauba para syphilis
(lonsultorio homeopathico .
DO
DR. SANTOS MELLO.
Consultas das 11 horas da manhaa 1 da tarde.
Cactus Grandiflora, para pneumonias
ou mole9tias do coracao.
4?
A VERDADEIRA TINTA VIOLETA
JOSfi FERREIRA DA SUVA
SUCCESSOR
DE
SANTOS NEVES
CO
43

43
ets
ConJinua a vender a verdadeira tinta violeU extra-fioa de Montei-
ro, em meias botijas e quartos, a retalho e
Emgrosso comvantajoso desconto
RUA PRIMEIRO DE MAR^O N. 19 "i
ANTI60 DEPOSITO
I ILEEa^H
*^i^.aaaM^rWa^iaiWa
\ >
4
J
X
t
I

I



BpMP^WP^P"
HI

i
I
r
i
IXano de Pernambueo Quinta feira 25 de Dezembro de 1873
... 0 DO BOWMAN
. ItUA 00 BRUH I. 52
(Passando o chafariz)
.fcinU^EP^fA0S "en^orel d >gnho e uouos. agncui.ous, t tinprfgaujres .16 m
Muitmo o fivor tin* viiiu ana MUbelecimento, para veajn. o ooo lortimeDt
25Bf!lqoei I*' 8*do tod0 ,operior 10dade e toriidao; o qne com a in*
soccio pesnoai pode ESPECIAL ATTENgAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FCJNDICAO
VftDOTOS 6 FOdftS d'aOTft dos mai8 Ui0;1*rD-''-* yetemai eem ta
.J^i i mmm ** "* *** manho conveDieniea para aa diversas
srcnnuunuaa doi lennorei proprwtarioa e para descaro$ar algodao.
flOOnd&S d CAnilfl. de tod01 0i tamabo, ai;me!bore$ qoe aqai
Boom dentadas p *"wpw.
Taixas de ferro ftmdido, batido e ds cobra.
Alambiques 9 fandos de alambiques.
[achinlsmrMI par* ""odioci algodao.l Podendo; todo
viuwmvB epingenannadeiri. f nr movidot a mao
wmu Todag a8 TOftftMll^f* deqw e costoma precinr.
Fai q aalauer concerto de no*chiaU,Bo pre* moi '*>
PormaS d6 feiTO tem M B6lbor4a e mi" b,r,las existente* 00 ner
HiIICOTlfimATlHlflfl Incnmbo-te de mandar vir qualqner machinismo a von-
iwiuuwuujw, tad6 dog c|ienlMt lembrando-lbea a vantagem de fanrem
om eonpru por intarmedio de pessoa enteodida, e qae em qaalqner oeceaaidade pode
"1 prwtar aaxilio.
Andes amerfcanos iDl^omenlo, ricolM-
RUA DO 6RUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Senpre e bom!
Toea .1 fodos, todos leiani,
-\';io se cnfadmi, metis leitore?.
Todos vrjain. que progresso I I
Que inoja-ssO'! metis seulioies t l>
Com qnanto ia esieja bem no doniinio de pu-
blieo desta capital e seas suburbios, qne para se
obter tado que 6 precise par* os regabofes nos
dias festivos qae se aproximam
Uma pessoa
nao tem mais do que dirigir-se a '
ftinfeitoria do Campus
24-Imperador-24
Onde se acham centriricadas as quatro artes.
A saber :
< onfeitaria,
Pastelaria. ,
C'onsorvarla
E culInaria.
Sempre 6 bom qae lembremos aos nossos ami-
gos e fregueres qae ja nos annos passados cor-
riara aos turbilhoes a faier sou encomraendas
de pasteis de carne, 6 a confeittria do Garapos
Que este anno
Estamos mnnidos de uma nora machina que
se podia apeilidar de
Infernal
Pois pode em 6 boras produzir com asseio
Duzentos mil pasteis !
ALEM DISSO
Lembramos a todos
0 seguinte :
Qae preparamos com presieza.
Piambres.
Lei toes.
Perils.
Peixes.
Empadas.
Pudins.
Boles ioglezes, etc. etc.
E especialmente as famillas, os proprieUrios
da confeitaria do Campos convida-as a reuoirem-
e naquelle verdadeiro centro de bonsboccados,
ois em virtude das interdlccSes nSo se podera
puvir a missa do gallo.
Aluga-se uma escrava para o servico : na
rua da Gloria n. 146.
FCNDICAO DE FERRO
A' roa do Bario do Triompho (ma do Bruin] ns. 100a 104
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modernas e melhor obra que tem yindo ao raercSdo.
VapOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
L/aideiraS de sobresalente para vapores.
MOendaS mteiraS e meias moendas, obra como unca aqai veio.
TaixaS jflindidaS e batidas, dos raelhores fabricates.
KOdaS d agna com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOdaS dentadas de todos os tamanbos e qualidades.
Relogios e apitos para yapores.
BombaS deferro, derepucho.
-.-LraQOS .de diversas qualidades.
FoimaS para aSSUCar grandes e pequenai.
Concertos c00061^111 com promptidao qualquer obra ou machina, para o que teem
sua fabrics bem montada, com grande e bom pessoal.
EnOOmmGIldaS m*Ddam vir por encommenda da Europa, qualquer machioismo.
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melbores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
I Trastes.
p
Compra se e vende-se trastes novos
e usados no armazem da rua do Irn-
1TTI1
ANTONIO JOSE D!
Rua Nova
li
AZEVEDO.
n. 11.
PIANOS.
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, ^novos e
usados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos dp 11 a 33 palmos
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
ANNEIS electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nerveso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com la ou s&la.
VERDADEIILl agua de colonia em garrafas empalbadas.
E muitos outros artigos, e por barato prec,o.
HAM
PARA
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO IAHHIU
Cartiles de visita, livros, envelopes e toda a qualidade de
papeis, clara e exactamenle com o nome coinpetente da pessoa
Garanta-se dar uma chapa tSo boa como poderia conseguir-se em Londres ou Nova
York, e affiaiifa-se igualmente que a tinta sera* indelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa como nome da pessoa 6 acompah !a de dous frasquinhos de tinta, um
pincel, uma direccAo sobre a raaneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
tinta, custando tudo
Preco fixo 3^000
Em letra de mao e gotbica 5?O00 -
ARGOIAS \!VIA1CAN\S
PARA CHAVES
Sao muito coramodas e possuem as seguintes vanlagens:
Servem para ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo chata.s, ha lugar para o
nome e morsidia do dono.
Sao faceis de abrir e fechar, deixam entrar a maior chave sem offender a
argola.
Sao feitas de prata alftma e nao sao sujeitas a enferrujar, quebrar ou abrir ; como as
argolas de a^o, sao muito fortes e bonitas. Cada argola americaoa com o nome e mora-
dia do dono, aberta na mesma, custa :
'm Prejo nxo
P. UUftO MACPHERSON
NO HOTfiL ESTAMUMfiT
Rua do Imperador n. 32
TODOS OS WAS UTH9 DAS 9 HORAS AO MEIO DIA.
PILULAS
VEGETAES
DE
BRISTOL
Uns bofes sadios e saos
Uma digestso vigorosa,
Um excellente appetite,
sao alguns dos beneficios que se podem de-
rivar, fazendo-se um uso regular das
Pllulas vegetaes de Bristol.
Uma cura certa e efficaz dos intestinos,
Um remedio admiravel para os rins,
Um tonico poderoso para oestomago,
Sao as inapreciaveis qualidades medicas
quese podem encontrar, usando-se das
Pilulas vegetaes ile Bristol.
Umamedicina que nao produz ddres nem
colicas.
Um purgantc que nao debilita nem en-
fraquece.
Um laxante que nao causa a raenor
nausea.
Formam uma ds amuitas virtudes que
possuem a s
Pilulas vegetaes de Bristol.
Um medicamento suave e favoravel para
o bello sexo.
Um correctivo sag* ~o dos desarranjos do
systema.
Um remedio completo e segMO para as ii
rcgularidades.
SSo os effeitos sem falta, resultantes d(
usdeempregodas
Pilulas vegetaes de Bristol.
Uma compIeigSo clara, alva e transparentt,
Uma pelle macia e delicada e um
llalito doce e agradavel.
SSo os resultados certos e tnfalliveis, de-
pois de se
haver tornado algumas doses destt
molhordos
Romedios ns
Pilulas vegetaes de Bristol.
Em todos os casos de molestias d'uma na
tureza escrofulosa, ulcerosa ou syphilitica .
ou quando a massa do sangue se haja tor
nado turva ou viciada pelo uso de ferro
mercurio, ou por outra qualquer substancif
mineral a
Salsaparrillia de Bristol.
devcra ser usada de conjuncto com as pilu
las, e assim obrando-se, em restricta con
'ormidade com as direcc,6es inscriptas m
envolto; os doentes podem near certos que
uma vez usada conjunctamente uma com i
outra, nenhuma enfermidade ou molestia,
por mais severa ou arraigada que se ache,
nao podera' resistir ao combinado poder se
oratorio e sanitario destes dous
GRANDES, E INCOHPARAVEtS
BEMEBIOS.
Ambss estas medicinaj} acham-se venda
em todas as principaes baicas e
lojas de drogas.
Acha-se a venda em todas as boticas.
C TAF*C
2^000
Parts, 36, Ram Vivienne, D*
IHIMHH IfiDKIM SPfiCIAL
das inrmiiiDADAa en wxuah, as unofom
ALTMAfOPS DO SAMGCt.
130,000 curai du impim-
I geni,fmttulat, kerpti,
I sarna, comixoti, ocr*-
I monia, e alttrfoes, vi-
IctoMU do tongue, vi-
nu, t uUti uLuos Uo sangm. (Xarope vegetal
*em mercurio). epr T|tlii
Airaos aiMEBAes tomao-se dous por
semam, segnlnflo o tracts men to Depurativo: 4
pmpregado nas mesmas aolestias.
I Este Xarope Citracto de
ferro de CHABLE, con
[itiaWdiaUraeate quar-
/-Ma>
DEPURATI"
du SAIVG
PLUS DE
COPAHU
qier purgacao,
_ xacao, e debiluttyie,
t inalmeate os jiuxos ftortt brancak du
mulherea. EsU iuieecao benigoa emprgasM
Mm o Xarope de attract o d* ferro.
nrmrvi4*m Pomadii que at enra ma diu.
POMAOA ANTIHEHFETICA.
Contra: nas ajfrcfoe* nrtaneat eomixoei.
PILULAS VE(iErAES DEPURATIVAS
do a. Okaki*, cada fraaeo vrai aceoawakadt
Maa folheto.
AVISO AOS 8R8. ME0IG08.
Cora fimihot, MM
-oqueluc*** irriUfAtl
nertotat tat dM tren
ckiti e todot at aaemfl
it ptitt; buU ao daento
.. a rollw rrh'<- du< xaioawO' Korcit.
fir. CaUBU eui Paris, rum lttcne, SO.
!"- '< om. i i^ Aap' .i 22J
rnp ti1...
Sirop du
u! FORGET
PECHINGHAS
S6 o ii. 20
RUA DO CBESPO
\m\ m 3 mm
coiitiiiua a v n.icr muito liaralo pat a apurar
muito diubetro.
CASSA LA
Lhegon cta faienda.sendo lindos padrtfes.e ven-
de-se pelo diminnio pre?o de 200 r. o covado^ e
pecuincha I I dao-se amostras.
MFHINS
I'roprio para vestidos o one ha de mais gosto
padroes novos, pelo prepo de 400 rs. o covado, 6
pechmeba I I dof-se amostras.
LiSESCOCEZAS
Lasinhas escoceras, padroes bonitos, a S40 rs. o
covado.
Ditas com Iistras, padroes modernos, a M0 ra. o
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
covado, e pechincha I I t dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
. 7X?CU de eores> Padroes bonitos, farenda de
1*000 a 400 o covado, 6 pechincha I dao-se
amostras.
CRETONE
Lretone em pecas peqnenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, e
pechincha I! I dio-se amoatras.
Cortes de casemira ii cores, a 54000 cada um.
Cambraia de linho de cores, a 360 ra o covado.
Ditas pretas para luio, a 240 rs. o covado.
Fastfo branco para roupa de meninos, a 560 rs
o covado.
Brim pardo 'e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chita adamascada, a 3*500 rs. .
Cojgaas brancas e com barra de cores, a 34500
e 44000.
Lencoes de bramante, a 2*000.
Ditas de algodao, a 14400.
Toalbas alcochoadas, al6i000 a duzia.
Ditu felpudas, a 64500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 14000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados, a 24000 a duzia.
Ditos de esguiao finos, a 34500 a duna.
Cambria lisa transparente a 34000 e 44500 a
peea.
Cambraia Victoriaa a 348OO.
Atoalbado adamascado, a 24000 a vara.
Dito trancado, a 14UO a vara.
FustSes de cores, a 14000 0 corte.
Chales de merino liso, a 24000.
Ditos estampados, a 34500,44000 e 44500.
Ditos com Iistras muito finos, a 5*800 e 64000
Esguilo muito fino, a 24000 a vara.
Brim preto trancado, a 24000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
24500 e 24800 a vara.
Algodao marca T, a 54000 a peca.
Dito domestico, a 34000 a peca.
Brim de algodao com Iistras proprio para cami-
sas, a 400 rs. 0 covado.
Nanzue cambrau de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. 0 covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
Loja de
Guilherme tfe C.
ATTEffCAO
Precisa-se alugar uma ama de meia idade, po
rem qae seja preta. aue n3n tmha vicios nem
acnaqaes, e que sfflinr^ ma rnsdKeta, wri
[ir.ir e i" 'zictmr [i?.r:i nma !.;:. iji.i '.. :; ;.>-- in-
4 tratar a:> ciilate o OS;i.!, >in, i! ..:,.j.,,..., ,-.v
?a h'rwafraah', ':n |i it:"n>
A pessoa (J.f UiiliUUCtcU urc.-i-.M .1c 'isMt
premio sob liypotheca em bens de raiz, apparoea
rua do Hospicio d. 13, das 4 horas da tarde 'em
diante
^7
#
*' ^
Aluga so o armazem e o priiueiro andar do
sobrado da rua do Bom Jesus, oulr'ora da Cruz,
n. 20, proprios para estabelecimento commercial
a tratar na rua do Marquez de Olinda n. 52.
Aluga-se o andar do sobrado da rua-
reita n. 8 ; a tratar na loja do mesmo.
Aluga-se a casa da rua de S. Jorge, outr'ora
rua do Pilar n. 12, tendo sotea assobradada para
grande familia : a ver e tratar na rua dos Gnara-1
rapes n. 14, tavema.
CHAMADO
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim
Clemente de Lemos Duarte, sao cbamados a
rna do Coronel Suassuna n. 282, a negocio do
particular interesse.
0LXKLX*LX5iCOiiXSa^f
Consullorio medico
DO
Dr. Murillo.
RDA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres
pode ser procurado a qualquer bora do
dia ou da noute para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas do meio dia as duas horas fif
da tarde. fzj
ratis aos pobres. Q
Escravo fugido
300#000 degratificacao
Ausenton-se desde o dia 13 de maio de* 1872 o
preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a 40
annos de idade, e perfeito coziaheiro, alto bastante,
6 bem magro, pouca barba, olhos grandes, e muito
ladino, consta que tern pai no engenbo do Sr. Lulti
de Caiara, em S. Lourenco da Malta. Este preto
foi coxinheiro dos negociantes Adriano & Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Basics, e julgase
que esteja alucado em algum hotel ou casa parti-
cular nesta ciaade, como forro : pede-se a todas
as autoridades e capitaes de campo, que o desco-
brindo, o tragam a rua Dnqne de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival sem seguodo, que serao gra-
tificados com a qnantia acima.
Na rna do Barao da Victoria n. 36 precisa-*,
allar ao Sr. vigario Andre Cureino de Aranjo P*
elra, a negocio de sen interesse.
CASA.
Aluga-se metade de uma casa do paleo do Ter
cp a peqnena familia : a tratar no pateo do Pa
raizo n. 26.
Attengao
Francisco de Paula Cayalcanle Wanderley faz
sciente ao respeitavel uublico em geral e parti-
cularmeote ao corpo commercial desla provin-
cia, que attendendo a coincidencia da haver duas
pessoas de igual nome, assiguarse-ha desta data
em diante :
Francisco de Paula Wanderley
Recife, 4 de dezembro de 1873.
DESCOBERTAS MEBICI.NAES
PEI.O BACHAREL
CASA
i
Manoel de Siqueira
Cavalcanti.
1* o Prrsorvalivo da ery- 4
sipela : para curar com certeza, e 'S
em pouee tempo, qualqner ataque de
ervsipela, e prevenir o seu reappare
efc cimento. ^
P Este medicamento tambem 6 muito *T_
jte, poderoso para o rheumdtismo. 2j&
W# *' o Regnlador da mens 19
Olfi trua^ao : para falta, irregularida- Jr*
V de, suppressao repentina da menstrua- 'Xlf
^ao, e dos lochios, assim como para jcK
todof os soffrimentoi devidos aquellas >W
fob, affeccSes. Ambos estes medieamentos
Wp ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e Da do Rio de
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 9 boras do dia as 3 da
tarde, e a qualquer hora em casos ur-
gentes.
GRATIS AOS POBRES
Rua da Imperatriz n. 14, 2* andar.
Aluga-se o 2, 3*, 4 andares e sotao do sobrado
n. 14 da rua do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, commodo para residencia de tamilias e es-
criptorio de negociantes : a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar.
Escravo fugido.
100#000 de gratificacao
Desappareceu de novo, de bordo da barca bra-
sileira S. Josi, o escravo Joaquim, preto de na-
clo, o qnal anda bem vestido e calcade, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceuao fallecido Dr. Olym
Marcellino da Silva, que o havia comprado na
frovincia de Minas fern S. Joao d'El-rei ouOuro-
reto), e com elle seguio
ara o Rio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendido alii a Justino Epammondas Ne-
ves, a quern o comprarara os abaixo essignados.
Sabe cozlnhar, occupacao a que estava dedicado,
e conhece se pela (alia que 6 afneano.
OITerece-se a gratificacao acima-a quern o ap-
prehender e roga-se a todas as autoridades a sua
captura.
Recife, 6 de outubro de 1873.
Jose da Silva Loyo & Filho.
Precisa-se de uma ama
que engomme e faqa outros
servicos domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Exmas. Sras.
A Rosa Branca pede toda a vossa attencio para
as las e sedas de Iistras de uma so cor, como e
ultima moda, e que acaba de receber ; esta ven-
dendo quasi por metade do seu valor, por estar
Eroximo o balanco. A ellas antes que se acabem.
ao-se amostras com penhor e mandam se levar
nas casas ; na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Rosa Branca.
ATTENQAO
Fugiram do engenbo Noruega, freguezia da Es-
cada, no dia 9 de dezembro corrente, os seguintes
escravos:
Felix, mulato, altura regular, falta de dentes na
frente, secco, rosto descarnado, muito conversador,
e bom carreiro. Levou duas camisas de madapo-
ao, 2 calcas de brim, sendo uma de Iistras e outra
parda, chapeo de baeta parda, ja velho. Repre
senta ter 40 annos de idade.
ClemencJa, cabra, com falta de dentes na frente,
rosto descarnado, representando ter 30 annos de
idade, tendo a munbeca da mao di reita um pouco
torta. Levou vestido de chita cabocla, e de algo
dio de Iistras, cbale de chita azul, ama rede e
mais roupas.
Roga-se as autoridades policiaes e aos capitaes
de campo a captura destes escravos, podendo elle*
ser entregnes no engenho acima ao sen senhor,
Jose Ignacio de Mello, ou no Recife, ma da Madre
de Deus n. 36, andar, ao Sr. Bernardluo de Sena
Pontnal, qae serao rei-oinpensados.
Gararih
Na rua
allar /
los# Pa
."flSS"
arannuns.
do Bario da Victoria n. 36, preeaa-s*
Sr> Pwlr du Rdgo Chaves Pslxnto t
11 Silva, a nbg-jcki d> particular int^-
Offerece-se a quern quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguns annos, de
graca, da excellente casa sita na Porta d'Agua,
que foi do finado Dr. Joaquim Pires Cameiro M in-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade 6 muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua doce em
frente, e e muito commodo visto que o trem passa
Jefronte : quern pretender pode dirigir-se ao Sr.
Francisco Cameiro Monteiro, em Apipucos, ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do Cominercio n. 40.
IMPERIAL
FABRICS i)E (TGARR0S
S. JflAO Dt'lliCTHEfiOY
Rio tie .laneirii
tV'ii"iai>do ao nbaixo assignado, uuico agen:>-
uosta provincia, da imperial fabrica de cigarros
de S. Jodo ds Nictheroy, no Rio de Janeiro, que
existe no mereado rigarros que sao vindos como
fabricados em dita fabrica, imitando para isso a
etiqueta em que vem elles envoltos, apressa-se a
prevenir a todos os fens freguezes que os unicos e
verdadeiros cigarros de exposicao de dita fabrica
so sao vendidos nos armazena dos Srs. Francisco
Guedes do Araujo, Manoel de. Souzj Cordeiro Si-
mdes Junior e Faria It Filho?. unicos dei.o?itos de
diu fabrica. Recife, 22 de novenjbro de 1873.
_________________Domingo? Alves Matheus.
Quern precisar alugsr um escravo, eoa-se a
to que nao seja para servico de peso, dirijastan-
rna do Hospicio n. 61, que encontrara um btraba-
te intelligento, c capaz de encarregar se do
Iho de jardlm ou de hortalicas.
MOFINA
E^ta encouracado! f!
Agua mole em pedra dura
In in o da ate |ue a fur a
Rwga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello
escrivlo na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada desle jornal, em
(ins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este raotivo e de novo cbamado para dito
am, pois 8. S. se deve lembrar que este negocio e
d mais de oito annos, e quando o Sr. seu filho se
achava nesu cidade.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucaoas
com coxeira e quarlos fora : a tratar na rua do
V igario Tenorio n. 31.
NOVAS PUBLICACOES VOUCHES.
i. J. d'jtzevcdoIKualVova n. 1
If.
Acabam de publicar-se, e acham-se &
venda as seguintes musicas :
PIANO SO".
Danseespanhola, porAscher 2JSO00
Arabella, mazurka^ por G. Wer-
theimer 1J?500
Valsa do Fausto, por Croyzes 1&000
Somio de uma virgem, por Alber-
tazzi 1JSKJ00
Anna la Prie, cavatina 15>000
AoClair de la Lune, por Bussmeyer 1950H
ESTRELLA DO NORTEI n .,. .-.nftA
SAUDAgAO AO BAHIAiP0lkabnlhante 15M>
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiano UfOOO
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por I. Smoltz 2JJOO0
Non m'amava, romance por Guercia 13*000
Tambem recebeu da Europa grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para familia : a tratar na rua do Mar-
quez de OUnda n. 52,
1HWI
O quarto andar da rua
do Marquez de Olinda
Banhos eares saudavcis do
Monteiro.
Aluga-se alii duas pequenas casas muito em
conta para quern precisar de bons ares e banhos
frescos : a tratar a ma do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7.______________________
Aluga-se uma excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso. rua
Amorim b. 37.
Miidanca de escriptorio.
Domingos Alves Matheus, mudou o seu escrip-
torio para a rna do Vigario n. 5, primeiro andar
da casa em que tem armazem o Sr. Caetano Cy-
riaco da Costa Moreira.
Precisa-se de um meuino com pratica ou
sem ella, para taverna : na rua Direita n. 45.
Aluga-se metade de uma casa de familia,
mulber e marido, sem filbos, so a casal : a rua do
caes da Dettencio n. 1L______________________
Precisa-se de nma escrava para cozinbar
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
oja.
Escravo fugido
Do engenbo Jose da Costa, freguezia de Agua-
Preta, fugio um escravo pertencente ao abaixo as-
signado, com os signaes seguintes ; Cezario, cabra,
caoellos carapinhaaos, porem alto, quasi caixado,
tem um lobinha do lado esquerdo da testa acima
do olho, sobrancelhas cabeiludas, vista espanta-
da, nariz grosso, bocca grande, falta de dentes
do lado de cima, cara chupada, tem os peitos um
tanto cabelludos, varias marcas de carbunculos
nas pernas, e baixo e de pouco corpo, pe peque-
no, andar apressado, quer litubiar quando falla-
se com elle : 6 carreiro, cambiteiro e purgador.
Esteve no engenho Diamante, de Ipojuca, traba-
Ihando como forro com o nome de Manoel Joa-
quim, donde evadira-se logo que foi conhecido :
roga-se as autoridades policiaes e as pessoas qne
delle sonberem (segu'ndo os signaes indicados) a
captura, e fazer entrega na praca aos'Srs. Cunha
Irmaos, A C, ou no dito engenho ao sou senhor,
que sera pago com generosiaade.
___________Felix VaUris de Oliveira.
Caixeiro.
- ?Mcisa-se de dous meninos pan caixeiro no
matlo, que de fiador a sua conducta : a tratar na
rua de Pedro Affonso u. 7, antiga ma da Praia.
Aluga-se -ua-i canoas grandes para ctndu-
c5o de tijolos : a ver e tratar na fua do General
Seara n i'.
Escravo fugido
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna. i
escravo de nome Jose1 Borges mestre de assucar.
tendo os signaes seguintes: cabra, idade 30 annos
pouco mais ou menos, boa figura, um tanto gross i
e espadaildo, sendo o signal mais visivel uma
gomma na junta do pb esquerdo : roga-se a todas
as autoridades e capitaes de campo queiram ap-
prehender dito escravo e leva lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C., lar-
go do Corpo Santo n. 19 que serao generosamente
rccompensados.
Recife, 19 de novembro de 1873.
Carros de luxo.
inqnestionavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, & a
que tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
legas e victorias de luxo, proprias para qualquer
noivado, visitas de etiqueta, bailes e actos da aca-
demia, seodo os mesmos ajaezados de excellentes
parelhas de animaes, arreios luxuosos e boleeiros
com fardamentos do ultimo gosto, para o qne se
convida ao publico a vir por si mesmo scientifi-
car-se da verdade do que deixamos dito, certos de
que nao encontrarao pomada, e sim realidade e
commodos precos.
Primeiro andar para alugar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
d^ Marcilio Dias n. 137, pintadji e caiado de nov i:
quem pretender dirija-se a pharmacia Torres qne
achara com quern tratar.
Aluga-se
o sitio da Ponte de Uchoa n. 35 : a tratar no mes-
mo sitio, ou na rua do Rangel n. 7, ou -2*
andar.
SAQEJES
Carvalho & Nogueira, na ruadoApoll>>
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci -
dades e villas de Portugal, a vista e a pr&zo
por todos os paquetes.
Precisa se de uma mulher para servico de
casa de homem solteiro, sendo muito flat e dando
fiador a sua conducta : na ma Augusta n. 2o$,
taverna^____________________________________
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 18 annos,
com pratica para taverna, pagase bemagradand".
e dando conhecimento de sua conducla : a tratar
na rua do Rangel n. 3.
Offerece-se
um homem de idade e um moco de 18 annos, che-
gados ultimamente, para feitoras ou oatro qual-
quer servico : na rua da imperatriz n. 41 se din.
Aluga se uma casa terrea com comtnod >
para familia, e tendo gaz e agna encanados, na
rna Imperial n. 179 : a trntar
junto.
Attenqao
E. A. Burle k C, fazem sciente ao eorpo com-
mercial desla praca qae o Sr. Alfredo Adolph >
Ferraz Costa, nan e mais empregado de sua ess i
desde o dia 20 do corrente mez.
Recife. 22 de dezembro de 1873.____________
- Luiz Per>-ira Gon^alvos da Cunha tendo de re-
tirar-se tempnrariainente. o>ixa encarresados de-
seos negocios #o> Srs. S ares Leita Irmao.
^.jT^!ena.
Ven-o 6 um torrcno *
Torre, ir-uitn perto do pout
enjo terr'i i irmhem ? i
' '."crn.i d 'nciin'o -la9lrada d%
ode pr i n os ;
-.'hjri : > trati'- u


'V
"1
a .
UEGiVEl |
-----------7---------------------
-..^. ti immmmalmimmr ~ i i -
fc^-~.


V
-5-V. 6

2 *i

1
5
'^s^.
. *
? ""'] ;
\
Jkffc^ d^Pfcmtt&bueo Qitittta ^^'^5 de^ezWhbr6idciiejWh
PEMORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra^se os mes-
mos metaes e pedras.
Engenho Caiap6 no termo de
Iguarassu
.Na rua do Marquez de Olinda n. 55,
fallar com oSr. Loiz Antonio da Silva
de sea particular Interesse.
precisa-se
a negocio
*
*
Consulfcorio homeopa-
thico
D Or. Santos Hello
41------Rua do Imperador------41
Consu.tas todos os dias das 11 a 1 da
larde.
Gratis aos pobres.
Residoncia a rua Nova n. 7, segundo
andar, onde da consullas das 6 as 9 da
manha e das 3 as 5 da tarde.
Chamados a qualquer hora.
*
*
*
*
w
******* ***** ***
CI.aiii8.H-sc
a loja de faamdas e roupa feita a rua do Marquez
de Olinda n. 40, os senhores abaixo raeneiouados
a negocio de interesse reciproco:
Adolpho Roter Kooper.
Bento Magalhaes.
Hermogenes Xunes4a Silva.
Joao Martins Nogueira Santos.
Miguel Lopes Guimaraes.
Jose AITonso.
Miguel Ferrtira Pinto.
Miguel Azevedo.
Manoel Theodoro do Nascimento.
Bernardino Lopes dos- Anjos.
Domingos Mafra.
Antonio Sena.
jos6 do Regu Araujo.
Jo e da Cunha Freitas.
Jose" Ignacio Porto
Antonio Moreira Caraara.
Zeferino Domingues Moreira Junior.
Joao Raposo de Souza.
Paulino Jose Antunes.
Manoel Baeellar Pereira de Moraes.
Antonio Aquilino da Costa.
Arnaud do Hollanda Cavakante.
50$
Acha-8e r'ugida desde o dia 19 de novembro a
escrava Saansa, com os signae3 seguintes : cdr
parda, idade 30 annos, pouco mais ou menos, ca-
r>ello corredio e curto, pucha por uma perna em
uen-ia de urn defeito n'um joelho, sem
nnha nos df dos dos p6s, de estatura baixa, levou
eomsigo todh roupa do seu us", e a quantia de"
i00 que scbtrahio de seu senbor ; presume-so
er seguido para Goyanna em companbi i de um
'al Plorencio : roga-se as autoridadcs poliaaes e
capitaes de campo a sua apprehensao, entre-
: indo a a raa de Marcilio Dias n. 21, ou a seu
i a rua da Senzala nova n. 7, que sera gra-
lificado com a quantia acima.
Casa em Olinda
Alngase porquatro mezes ou mais e por pouco
dmneiro, uma excellnte casa em Olinda, na rua
!<:< B >:nflm n. 81, muila fresca, com cnmicodos
para grande familia, tendo agua e gar encanados,
grande quintal ou sitio arborisado, e com excel-
lent; vista para o mar e a cidade, apenas distante
; > ii.iiiutos da eMa - baonifo : a tratar no armazem de Joao Ro-
i na travessa da Madre de Deos n. 8.
Eiigominadeira
Para easa-de pqouena fatnilla precisa-se de uma
que.seja perfeita engoramadeirs, paga-se bem pre*
fenhdo-se escrava ; em S. Jose do Manguinho
sitio n. 2, antes de ehcgar a igreja.
FKITOR 1 CRIAM
Para tratar de am pequeno sitio precisa se de
um bom feitor e que entenda de jardim e um cria
do de 12 a 14 annos, para servico de casa paga-
se bem. Caes do Apollo n. 69, ou em S. Jose do
Manguinho, sitio n. 2, antes da igreja.
Bernardino Duarte Campos & C. era-seu
estabeleciraente a rua Primeiro de Mar$a n* 16,
pagam do dia 1.* de Janeiro em diante a todos osi
credores da massa fallida de Jdio Maria-;ordeiro.
Lima, que de prompter quiaere-~r Jeter de.-COB
formidade com a coucordata obtida em juao ; de-'
vendo os mesinos credores apresentarem sens ti-
tuios ate o dia 24 do correote para eaten eaofe-
ridas.
Recife 18 de dezembro de 1873.
Aos Srs. advogadfls.
Medianle algumas bemfeitorias, aluga-se uma
grande sala e dcas quartos, todo. forrado de pa-
pel e com asseio, propria para escriptorio : na rua
do Imperador n. 81, primeiro andar : a tratar no
armazein do mesmo sobrado. '__________ ,'
Prccisa-se de uma criada ou nnsdo para
comprar e co;inbar : na rua do Marqetde Olin-'
da n. iO, andar.___________________ '
Prectsa-ae alugarvuaaauia'-hoai'WillJWirtij
forra ou escrava : a tratar na roaud^'Itopwatrf*,'
casa n. 16, segundo andar.
----------"' i >.ti
COMMAS.
-*r-
S
Compra-e ma escrava paadsida seas
annos, que wjM de ra.iitcr imJ conducta*>aiba la-
var, engonimar e cozinhar. tendo boa saude : no
Corredor do fltspo a. 73, a tratar a qualquer bora.
J- g-
VP:NDAS.
Vemkse a laverna s ita a rua do Barao do I
Tiiumphon. 65, bem afrefraezada ; queaa p-etenr
der, dirija-se a mesma, ijue achara com qoem
tratar. ________^________________
'Por narato pre^> veada-se- uma.'ppaMQnide
trates e travetas de todos os'4amflnbo3 edequs-
lidade, lambem tem porta.'i de louro novas de to-
dos os tamauhus : no G&o.:a Meuino, com Jos* An-
tonio Maroues. .,-. ,
Armada.
Na rua do Barao da Victorian 38, precisa-se
Fallar ao Sr. 2. tenente Jose" Maria Pestana, a ne-
gacio de sea interesse.
Precisa-se da uma ama para cozi-
nhar para rapaz solteiro : na rua do
Urespo n. 20._______________________________
Precisa-se de uma ama. para
cozinhar : a tratar;a rua do lt-
perador n. 14.
Ama
AMA
AMA**
cornija.
Precisa-se de usaa ama para co-
zinhar em casa de pouca familia : a
tratar na ma do ilospioio n. 46,
casa que tem bolas aaueellasrua
Ama de leite.
Precisa-se de uma-ama deleite: la rua do Im-
perador n. 28, e em Olinda, rua do Varadouro n.
10. padaria.________________________________
Ama k leile
Precisa se de uma ama de leite e paga-se bem :
a tratar na rua do Queimado, loja da Boa Fama,
du na rua do Crespo, loja da Passo, junto aoarco
ae Santo Antonio.
Ama de IHte.
Precisa-se dc uma
ep aga-se bem.
na rua do Hospicio n 32,
AMA
cozinhar e cjmprar.
Xa rua do Duque de Ca-
xias n. 2, primeiro andar, pre-
cisa-se de nma .criada para
Precisa-se de nma ama que saiba
andar com nieninos, a I qual terms
boa conducta : na rua da' Imperatriz
n. 37, 1" anlar.
AMA
Precise de um de 12 a 14 annos de idade, para
compras e mais servico demestico de uma casa
de pouca familia, preferindo-se escravo : a tratar
na travessa do Vigario n. 1, escriptorio, das 9 as 3
horas da tarde.
ft riuuirt Bmm-bs. m a m >
jectos, por pre^os
Gommodos:
TA1WHWA* fWnWMasu*eletrdfOnaMdMiver-
e hontc^gotOs.
WtftoBSfhtttGetei -gtlsW.;s-e*peqeao3.
DfW*ltto part'inkbaHAr com-gaz.
BOMBAS-tVancezas de-re|itrxo.
BAIVCOS- OMfH*' "Arm r&, cttm" jtidlia e sem
ella.
rtR We'ferw part-mftss.
JARROS de terro para jardim, grandts e peqae
agua em 10 minutoy azem
11jHM^WfjBffl*D!4S:
Rua d
9
BAZAR lli
Rua do Barao ft:fltt(lDria-B..
DE
o Viarnia.
lama casa,aar vilb.de Barrairos, na rua do Com-
mercio,'. por'rfliw modico : a tratar-com Tassr
Jrmaos 4 C. i
rrAsso i
Vende fazendaspara liquidar,por baratieeimo preeo como
abaixo se ve:

."Ml
Pereira da Silva dlluiinarSes leado em Wrtrm gfarirfe depozTtO de fazendas,
tem resolvido fazer uma liquidacao das meamas com grand* abaraento nos precps.
com o unico flm da spurar dinlieir', para o que convfdam nSo ''sfj 'cs seus nuTuerosos
fregueies, como o respeiuivel publico, a vir surtir se tie muitis ftzendas, boas e baratas
iw seeWbehcieno de^fmnado-<)Pr&oa rtia da Imrfcratfrz nr 00.
null
Risco maritimo
J. Wulff. capilao do brigue allemio Collmav,
vinJo fretado do Rio de Janeiro, tm If stro, para
..'arregar mhi am porto entre Maceio e Ceara, e
.!.;poi^ negnir para Falmouth a ordein, o entrado
neste porto com agua alerta, precisa, para occor-
rer as despezas do concerto do mesmo navio, a
i isco maritimo, a quantia de 6:000 i, potieo mais
",i menos, sobre e casco e frele do dito navio.
I "ffertas em cartas rechadas serao recebidas no
,'onsulado do imperto germanico (onde a carta de
retamento pode ser exarainada) pelos interessa-
dos ate o meio dia do dia 26 do corrente mez de
dezembro.
Allencao.
0 Sr. Candido G. R. Lima, fa^a e favor vir a rna
do Duque de Caxias n. 60 A.
5 Coiisitll(ri ireiSco-cirurgico %
J*j DE Fj
Jj A. B. da Silva Maia. S
0, Rua do Visconde de Albuquerque n.
Jf 11, outr'ora rua da raatriz da Boa-Vista
n. 11.
Chamados i -a quaiquer hora.
Consultas : Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
(^ompanhia do Gaz.
A empreza do gaz tem a honra dfr annunciar
ao publico quo recebeu ultiaieate um.esplun-
dido sortimento de lustresde-vidro, candiei-
ros, arandelaseglobos, cujasaroostrasestao
no escriptorio a rua do Imperador a. 31,
e serao vendidos aos seus freguezes pelo
prec.0 mais razoavel possivel.
Em seus armazens & rua do Amorim
n.'.at e ctes dfrApoUon; 47, .
tem para vender-,por- pre^os oemmodoi
1 Tijolos enoasnados: .aaxtavos para ladriuio.
Canos de berr o. para, esgoto.
Cimeato Portland.
Ciraento Hydraulico.
Machinas defd^carooar *l*jo*io.
i Machinas de padaria.
Batassa da Russia em^banil.
! Phosphoros de cera.
Sagti em. garrafoes.
Sevadinha em gamrfoes.
Lentil has em garrafoes. )
Rhum da aJmeica.
Vinho do Porto velMo tja^anRfadc-
Vinho do BortOvsnperior, dito
! Vinho de Bordeaux,-dito.
Vinho de Scberry.
Vinho da Madeira'.
Poles oomdtogaas e dohradas ingleias.
Licores" fittos sartilos.
Cognac 'Gaolhiar aTreres.
Laias de-.toaeinhxa-inglez.
Barris com renolho em.salmoora. i
Tinla, dia e 1'imw
j Amaral Nabueo It C. vendem tintas orisafine -
Lotion vegetale:pHt,tiUgir=!denretestabello8,
i|ae se conhece ae mais util e commodo, nao so
no modo de empreg.vb, como no resultado qua
Bauibtem, Cha verte e TJreto fihegado ultimameaa
tar e funw inglez rrancez, para ctgaTros e can
cliiaibos : veadew no Basar Victoria; rna do Bv
ao da Victoria n. 2.
Boa a[iiisicao 5
-Veode-se ou pernaota-se por escravos uma
caa construida de novo, tendo duas tolas*
seis quartos, com gatrinete, sala de en-
gommar, cozinha f&ra, quartos para familia,
cacimha com boa agua de beber e um sitio
bem arborisado ; no alto da-Torre : a tratar
nesta typofiraphia.
Vende-se ataverna daxualmperial'n~23or":.
a tratar no armazem de Theotonio Annes ou Al-
fredo Pisco'Barbosa, aa sua da Madre de Deus.
A' este grande estabelecimento tem che-
gado am bom sorthwsnto de machinas para
costura, de tbdosos autoYes maisiacrdita-
dos ultimamente na Europa, cujas machinas
sao garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidAde, como bem as-
sim coBBecto-las.pelo-tempo tambem d'um
aono--sem deapendio- algum do comprador.
West'e8tab\itecimPrtlo txmbem h*a pertencas
p^tra'aS^hleSmTis ndathinas e se suppr; qual-
quer peca que sfja necessario. Estae ma->
chinas trabalham com toda a perfetQio de
trm e dons"posporrto9, franze e borda toda
qualquer costura por fina que soja, seus
precos sSo da seguirrte qualiflade : para tra-
balhar a mao de 309900, 40*000, 455000
0409000, para-trtbalbar.com o pe sao de
80OOO, 0*00, tOW^OO, 110900ft,
1*09000,1309000, 1509000, 2009000 e
2509000, emqtlanto ao autores nao ba al-
teracfio de precos, e os compvadores poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar peia vartedade de objectos qoe
ha sempre para vender, como sejam : cadei-
ras para viagem, naalas para viafsin^ssadei-
ras piirfl sails, dits de be lane/), ditas para
icrian5t"'(aHas), ditas.para escolas, costurei-
ras nquissimasi.patasenhora, despensaveis
para crian^as, de todaeias qualidades, camas
de ferro para bsmam e criai^as, capachos,
iespelbos dottrados tpara' sala; grandes e pe-
quenos, appa-relhos de metal para cha; fa-
queiros com cabode metal o de marfim,
CAMBRAIAS A^,WW,-W; 69 If. '
0 Pavao vende um raagfrifico sortimento
das mais finas cambraias tn*arrcas transpa-
rentes, tendo 10^fatdasa*ir pe^ai pelo ba-
ratopreco de 49, 49590;519; W1,tendo tarn*-
bem das mais Ones qoe eustomam vir-ao
raercado, assim como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de 49
ate 89, sendo fazenda que valle muito mais
dmheiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
'6 PaviO reeebeu um elegante sorthnento
de cambraias brancas com bohHos salpiqui-
*r%os mitrdinhes de cores, tettdo fO' jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
pre^o de 59, por ser pechincba, ditas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 79500 e dita&a-590OO.
iniJ
Thomas J. de OKveira & C. deciaram aos sens
I reguezes do centro da provincia, que desta data
em diante nao paguem quantia alguma ao seu pro
urador e cobrador, o Sr Francisco Gnelho Gon-
alves, vislo que fina desde ja sem effeito a pro-
uaracao que o dilo tem, e nesta data nenhura seu
devedor pf.gue a elle, sob pena de null idade no
pagamento, e aproveitam esta occasiao, chamando
o Sr. Goncalves, afim de preslar contas do que ate
esta data tem cobrado. Recife, 22 de dezembro de
1873._____________________________________
Collegia frcez na Capunga
Mrne. Cambrone avisa aos pais de familia que
ibrira no-1* de Janeiro do anno viudouro um col -
legio francjz provisorisnunte na Capunga, rua da
Ventura n. 3a, para o sexo feminino ; alem do
Irancez ensinar-se ha portuguez, inglez, geogra-
j.liii, histoiia, masica, bordados,danga, etc.
100^000 de gratificacao
Engenho Santos Mendes
Fugio nc dia 20 de dezembro, do engenho San
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracunhaem, a escrava Maria, crioula, 50 anno3
de idade, [toaco mais ou menos, baixa, grossa, cor
Sreta, rosto alquebrado, pes seecos o espanados,
cdcs curios, cabellos braneos, canellas finas, tem
, dous signaes cabelludos no queixo, e e bem ladi-
na. A pesaoa qoe entregar esta escrava ou ao seu
dono, qoe e o senhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Gunha Pereira Belu-ao, ou no Rc:
cife, largo do Corpo Santo n. ID, 1 andar, sera
recompeqiada com a quantia de 100 i-_________
Fugio no sabbado 20 do corrente, do sobra-
don. 14 da travessa da rua das Cruies, um papa-
gaio contrafeito, levando uma Bta amarrada em
um dos pos : quern o pegar, qnerendo restituir,
pode leva-lo ii.casa acima, qne se gratilicara.
m
m
*
i
i
0
*
*
*
ATftJNfcM
Veade-se uma. u-pogrsplria bem montada, com
am machina e um prehi. todo em bom estado e
portprecomodico: uuem a pretender, dirija-se.a
urrado Torres n. 12; sobrado, 1 andar.
Fi (In alffldao da Baliia
Tem para vender em seu escriptorio Joiquim
Jose Goncalves BeRrao & Fllho, a raa do Com-
mercio n. 5.
MEDICO-CIRHRGICO
DO
Dr. Maulu Rosa.
Rua do Barao da Victoria n. 46, 1.*
andar, outr'ora rua Nova.
Consultas das 10 horas da manha ao 9
meio dia. A
Chamados por escripto a qualquer hora ^
Especialidades. Partos, mwestias de olhos e do apparelho repiratorio. j*t
Bom negocio.
Precisa-se de uma pessoa que queira associar-se
em uma loja de joias e bijonterias, entrando com
um capital dc 5.0004000, podendo esta pessoa to-
mar parte na gerencia do mesmo estalwlecimeoto :
quern quizer dirija-se ao p.teo do Garmo, casa de
banlios, qae se dira quern isto precisa
Vende-se um serrenc' em Beberibe de Baixo,
rua da Regeneracao, com ,250 palmos de frente e
00 de fundos ; tendo nello bemfeitoria. A pes-
soa que pretender dh-ija-se a rua do BarSo da
Victoria n. 27. que. achara oom qnem tratar.
VESTIDOS\sl USO Dki C0RTE?IJ _*
0 Pavao vende um bonito sortimento de
cortes de vestidosauso da corte,. trazendo
cada c6rte todos os enfeites neeessarioa como
ejfcn : *b4dinhos, etre-iews, rendas,
reaueflfes, e vende pelo barato preco de 129
cada um, assim como, diies a 2 de julho
com todos-oo.efeitesa 409. corfcs^e-cana-
braias branras abertas, oean listras-e lavores
fp 69", ditos intisknas a 9t>, ditOs de catn-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e pechincba.
CORTES BOftDAD0SA209^E359.
0 Pavao vends riaos cortes de aambraHas
brancas delicadamtenHo bordadba, ipelo '*-
rato pre^o de 209 e *59.
CiSSAS- KRANCEZAS
a 300 rSi O covado
OPavfio rccebea um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
cores- fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos-a 4>40 rs. a-rara' ft-
nissimo fil6 branco ltso- e de salpicos, e tatia-
francez" "nJufto flho a 33MH>#i apenas precis*
1, /* metro para.M4fMl.
CHAI.ES BARATOS
a 29, 29500, 4*.
0 PavSo TenoVetaalea a emita^So de me-
rind a 29, ditos .de merino Hsos de todos as
cores-a2W00,",,nHos de merin6eslampados,
muito fiuos a,49, ^Uitoe liniasjaaos com lis-
tras desetia'a95*0,J oirds rrrui fiuos de
rapoma 109e-12.
Alar^dAo enfestodo a 19 e lSSO
0 Pavao ven^algod0'eole8Wdo,''com 8
palmos de largura, proprio para lencoes
sendo do mais encorpado quo tem rindo to
mercado, liso a 19 avara 0 trancadoa......
19380.
ATOALHADO A 19600
0 Parftflhde atfcl
palmos deiawura
lamaseMo'fr 29,
do a 39 e 59.
29, 59.
ancedo com 8
19600, dito
0 adamasca-
ditosavulsos, eoiheresde metal fino.condiei-
;ros para sala, jarros, guarda-comidas de tanas detodas as cores.
arame, tarn pas i pare,cobrir prates-, esteiras
para- loc*M>anl*t lavatories completos, ditos
simples^.ebjeotos-para^toilette, eoutros-mm-
tos artigos.que m*ito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acba aberto- de-.de as 6 boras da ma-
nha ate as 9 boras da noute a
Kuft do-Sarao'da Victeria- n.
22.
BORNOA 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
imais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preep-de 129 cada um,
assim oomo um elegante sortimento dosmais
bonitos-chal(.'sdemerin6e com listras deseda.
INaoha mais cabellos
trances.
mm mmt.
So e uuica approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida f.perior a toda qne
tem apparecido at*5 #. Deposito princi-
palaruada ^i do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
r6iro.
AttHMjAtt.
Precisa-se de venaedoras de bolos, dando se
100 rs. nor paUca : na rua Vital de Negreiros,
antiga CniBo.Pontas- a. 8f. __
E' iacrivel!
0 criminoso de morte Andre Jaaquim de San-
t'Anna, pronunciado na provincia das Alagoas,
como Incurso nas penas do artigo 193 do eodigo
criminal, e que se acbava preso na casa de de-
ten^ao desta cidade, fui solto por habeas corpus,
concedido pelo juis de direito do saguadc distric-
to criminaf-de;ta comarcal !
A alma do assassinodo.
JVlflli
M;tta Junior & C. e Antonio Martins Leiie&
C. administradores da massa fallida da. Jose Nar-
eiso da Silva k C. convidam aos eredores 3a
massa quo aprescntem seus titulos -ate o.dia d
de Janeiro,, alim de serem vexifloadas e admitti-
das ao raieio. t
Recife, 23 de dezembro de 1873.
No escriptorio de Thomas-de Aquino Fonseca &
C. Successores vendeise a relalho vinho da Fi-
gueica, -dae melhores marcas, riiegados altlma-
mente: na rua da Vigario n. 19, 1 andar.
''. > ......
Yende-se
ouarrenda-se, no estado eta qne se aeha. um si-
tio nos Keroedios, fregueia dos Afogados, 11. 18,
chSo' proprio, com Si^-pahnos de frento e 668 de'
fundo : os preteadenteg4ir>jaave aeseu proprie-
tary, a raa de S< Prancisco, sobrado n. 10.
VafHK II01IS.
De for^a de dous a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquim Lopes Machado & C, tr-a
vessa do'fiorpa Santo n. 18.
Veade-se uma casa terrea em- terreno pro-
Srio na roa'.do Carcereirou. 6 : na rua do Duque
8 Caxias, loja n. 60. se dira quern vende.______
- Wilion Bowe & L. vendem no-seu armasem
a rua de Conunereio n. li :
0 veriadeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente Bode vela.
Cognac de 1* qual idade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Vende-se nc
do ecom
Imparatriz n.)
kbonito cavallo preto, bem gor-
mardias ; a tratar na rna da
Vende se a laverna da rua Imperial n. 51,
com poneos"fon*)s; 'propria para principiante : a
tratar na mesma.
Farinha de mandioca nova
Teem para vender Joaquim Jose Goncalves Bel-
trao& Fllho, a.bordo do patacho Sapho, chegado
de Santa 'athafina, funoVado defronte do trapiche
iBarao do Lsvamento ; e para tratar a bordo, ou
110 sea escriptorio a rua do Commsrcio n. 5.
k) niHiHimi I
Os abaixo assignadasWasew srtente ao respeita-
vel corpo do commerclo e & qaeW interessar pos-
a, qae SteWverama sociedade qtte gyrava-nesta
'praca sbt<*lWBa dfr Oarvatho Guimaraes 4 C,
iieando 0 atrtivo e aassivo de dita sociedade a car-
go dos Sm. CustodtO''Antottes Guimarftes e Anto-
nio da Coita RiBeiro. Recife, tO d* dezembrCffle
AttguMo .Perreira de Carvallin.
Joaqatm Bodfigues Pereira.
O Sr. que anvuBicu quarer comprar um
sobrado de am aadarem qualquer das fregue-
zias da Boa-Vista, Saato Antonio ou S. Jose, an-
nuncie sua morada .e bora de ser encontrado ;
on va a rua doflospicio n. 35 das 7 a? 9 da ma-
' nhl, e das i as 6 da tarde, qae
GASA
uma pequena familia precisa de ahjgjr matade
de nma tambem de familia, so serve na freguezia
de Santo Antonio : a tratar na rua larga do
sarion_20_
Fagio 0 meu eseravo iSspoleao a-4\.-li ue
dezembro de>18<73, ievou-comslgo camisa _de azu-
Uo, cal^a de estopa, *hapeo de patha~cotn titita
azul, estatura oito palmos. cara li-a, sdjtem baco
de bartia, na-perna dfreita tamuiia ferya na ca-
nella, e no aed6 gfartde tJo*pe aifeft*tem tambem
sob a unjia uma ferida, pes grandes. mal feitos e
igrossc : quem 0 apprehender e leVaraseUse
irihor Sebastiao Jos6 Mendes da SfUa, nos Afoga':
dos, no sitio do Boi, sera bm reeottrpetisauo.
^fachraasde^EOStnra dos seguintes autores :
Wilier &Mls}in,iaV* peapojMos para trabalhos
como pe.uotpraco de^80/;90*, 10j}/,i2O^, 150^
e 200*000,
Djtas a imitarao de Singer, com Iancadeira. aper-
tfeicbaflas,"da,flO*', 9W e 100^000.
Dttassdo^Veed, com lancndehfa a'lOOS e 150/.
1 Ditas de G/over.& Raher, cose com cordao pelo
avesso, a BOf, rOO*, 120*; 180$ e 206*000.
'Dfrtas' He 6ulM!* Harteek, de rrabalhar com a
t>6 a com a mSo, com rancadelra e de'2 pospontos,
aS&ilOOO a 8ii*e0<\ ^^
DKas do me^mo afltor e de um posponto, de tra-
fcalhar com a mao.
Todas eStasmatihicas sc vendem a dinheiro e
Rado confortne se poder convene ionar com os pre-
ietfftWKes. Tambem si 0 garantidas por um anno
p sa'manua ensinar no Bazar Universal
N.42 Ruad*Barad da Victoria-N. 22.
Pesdejsaftttie, abacatee, roracrras, parreinas,
fructa^ie/ roseiraa de varia- qnalidadeae oatras
flores : ua'Sba-Vlsta, rua do 'Visconde de'Goyanna
n. 101, outr'ora Monuego. |VanaBjfBiaHais|
---------
LAZINHAS A 320
0 Pavao vende bonitas lazinhas lisas,
sendo verde e cor de lyrio^ pe 0 Barato pre^o
de ^20- reis o covado, assim como dek'cadas
Ifliinhss de quadi"rnhft- i 280 reis, 4-po-
cnincba.
Ciratraititran '40
#*A#AR#f*rtl*OS
a 19600 e 29.
JOPavav TBitde um "ftoTrttD soTtfiflTOlo da
sedas com kstrinhas proprias para vesti-
dos de tneamas euetteAlitra a-*960* o co-
vado, dkaslavradriiltas* ,-es padrfcs sic
muito-Dorihos^'VenctS-'se' por este projo pars
acabar.
DoHnas 5 #Oi
OPavSo'tem urn completo, sortimento de
botirras muito fceaoTenieitadas para senhora*
e-vende pelo- btrato pn^o Ji 59', artigo que
emoutra qualqu*rtpattecusta fS'e 79.
LEN,CS BRANCOS
O'Pavao Vende'Rn^osTiraricos- abainba-
dos, tanto purahomenscomo pare^senhoras.
a 29 e 29500 a duzia, ditos de- eaguiao
cambraia de Irfrfro'tymbera absinbados a
39500, i9, 59, d toslreneezes escoros, pars
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA-HOMEM.
0 Pavao-fewde) rtcw tarrrfsas com peito
de linbo bordadaa, pw^rias p*-ra- neWo
105 e 129 cada uma, ditas de linbo sen- se-
rera*bord>'das < 49,,'-W>M> e'59V'drls core.
peito de algodao muito finas a 2a\ SttfMkO e
39, ditas^decriitaffiia miUdinha a 29, 29500,
e 39, assim como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto de linbo como deal
fodao de 19600 dte"39*, grnde sortimenu-
de'Wetos^etuaS'ingRjBas de 49'atr5t89 duzia.
KAZEWDAS PARA> IilffO.
0 Pavao tem om i grande sortimento d^
^azendas pretspBra-luto como sejam : cas-
OPaYao vende um elegante sortimento ,Jte.(0-*inl^hsas que vende a 400
das mais bonitas granadines ou gates de o 500 re;s o co-vado,-bombaztnas de 1960t;
seda para vestidos. tondo de todas as cores ate ** ^^ canfao a 19 e 19200.
e vende pelo barato preeo de eWrenooo- ranad,n8 1> com bstrts, cassas e chitas
vado e granadine preta com listras de seda todas pretas-com listras o salpicos, alpacas
a 1980O. "as P1"6189"6 lavradas de branco, merinos
outrasmiiitas-fazeodas apropri-das, que se
LAZINHAS A 360. &COVAD0. I veU(le Pr mwos tttrque em outra qualque>
0 Pavao vende bonitaev lAzinhas -trsrspa- P*rte- -^
rentes com palminhas a 360 reis o vado, MA-DAPOLOES EJJFESTADOS
ditas ditas indianas com lindos deaenbos, a 39e00.
tanto em listras como em qnadaoaa 280ts. PavSe.veoda pecdejnadapel*o enfes
o covado, e granda- sortimento de alpacas e t^0 com Wjardas a 39, Kta) 39500, dito
lazinbas de 40u a 80 reis. c*m<20 jardas a 59^5|>5&0e 69000, dito
jeorrr-2* jardas de*9 ate89 !09, sendo o>
CHITAS DE CORES j mais finos-que tem vindo ao mercido.
ISO), 240, 280e 320 rs. q
0 Pavao vende um grande sortimento de
bonitas chitas tanto claras como escures e
vende de 200 ate 320 rs., assim como ditas j
com listras aolado muito finas a 360 e 400
rs., finissimas percales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 reis, garantindo
serem todas de coses fixas.
GOBKRTAS A 29, 2500, 39^49.
0 PavSo vende bonitas cobertas de chita
com ramagemgrauda, pelos baratos- precos
de 29,29500, 39 e 49, ditas encamadas
forradas a 59, ditas defust&o branco e de cor
com barras a 49 e 59, ditas decrochepara
camade noivo a 69, ditas muito rlcas-a 169,
ditas de damasco a emitai-ao de seda a 109
e 1)49.
FustOes
O Pavao vende fustdes branGOsede cores,
sendo as mais bonitas cureso,ue tem vindo ao
mercado, tanto para roupa de criaagas como
para vestidos e roupa* devhonon,|e vende
pek) barato prei}0 da 560 ate" 19, o covado.
tratar.
r
Aluga-se aca-s n. '35 aVrua
achara com qucmlSeara, com bons commodos para grande'
a tratar na mesma rua a. 39.
oral
a ;
Veutde-se
Veftde-se'lferato a armacio da taverna d. 60, si-
ia a rtByjrJtre'Ua' dos Afogados : a tratar na pada-
iria de junto n. 66.
i -- .. ^ "'
IMis ela^#HS
80 -vftBA DUQUE DE CAXIAS 53
' AtifMsrWrte'iiefeben as mais 'llndas-dttpeli-
nas e cbapeospara senh'oYas. ?nperiores polotin-
feas d6"WrgtfrSq: de .^di'^f icagm{>flara gra-
hratas de sfiTOidras.' Sens^pre^os Slo ^eajpre os
imais csftoydos- pesweta
A Ha
muito commodo preco exce'lentes terreno*
os seguinies lugares : na Torre, a.macgem do rio; na"'^
lapibaribo-e-perte-da e*tiflo uo caminhp de fer- t.___Li
o; mi estrada de Reblribe, a margem 'dowio e
0*#JM ia|i|h} lei retro, na e*ada
ova w-B**ria7 9mmm fCTtcrdi "esraffo : a Uma atar com Joao Feitosa, na rua estreita do Rosario Da rua
^Mtas de m&m
al^Mef stn Ndel^fD me^abfado.
la Im'p'efatriz n. 56. ^(^hmb
H na rua do 0aldeirfJWla|-'.*a*alar
fa-Patea n. '
^m&riti* ca^terrea emcnWpWprio,!' tunicas Ygrdadefras
t"rua"8d Hortas n. 42 : a tratar na rua velha de j Richas hamburguezas qne vem a esta-mer
rSantaRiUn. 27, bandar.
A* rue Marquez de Ulioda u. 51
este mercado'
BRAMAMES
a 19600, 2*21)0 e 29500.
0 PavSo vende bra mantes de^aigodio com
10 palmos de largura para lenc6esi pflio"ba-
rato preco de 19Gi0, dito de bubo com a
mesma largura a 29, 9200e 29500, dito
Cortes de ohita a 9, 9& 0 Pavao vende cortes de ebitas ascuras e
claras com 10 covadoscada c6rte, pelo ba-
ratismo preco do 29, 29500 e 89000.
CORTES DE BRIM A 19400.
0 Pavao vende cdrtes de brim i pardo para
calga, a 19400. Ditos de cdr, fazenda mui-
to boa, a 19600.
Espartilhos a 3|e 4#000.
0 Pavao vende os rn^sns(6da*neftp(a>
lbos, proprios para senhoras e meninas,
Eelos baratissimos precos de 39 e 49060.
itos muito superiores, braricos''a^te c6r, a'
59 e 69000.
Algpdaozinho a 49000.
OPavSo vende pegas de algodaozinho
muito encorpado a 49, dito a 59" e 69.
TAifflTfiS
CORTES DE CASEMIRA. Av59-
0 Pavao vende um grande sortimento de
cortes de-easemira para calces, com bonitos
gostos, olaros- eescuros a 8&? dftos de 69.
79, 89; ate" 109, superiores oasemiras fran-
cezas einglezas, para covado, de 39860 ate
64, paunos pretose da etTfesdos-Tnais bara-
tos e mais linos que tem viado^aovmercado.
por precos muito razosyeis.
Roupa feita
O Pavao, tem constantemente um grande
sorumento de.HMipaa.ieitaB8i'a^homam, que
vendepor prejpmmitfc em conta, como, se-
jaa :
Calc,as de brim de cores de 29500 ate" 68.
Ditas de casemira escura a 39500.
Falitats.de:mesma. fazends a:49500.
Calojas de.brim :pardo de 29 ate 5o*.
Dftis de" casemira de cdr de 74 ate 12(J
DrtBs de Casemira preta de 79 ate 144-
Palitots de pamio preto de 49 at^ 128
Fraques de panno preto fino de 209 ate
369000. t'> |
Calgas brancas de linbo de .49 ate 79.
Collates de casemira de cor de 39000 ate
59000.
Ditos de dita prdta'de *?fat79.
Cortodelaa49a*0.
0 Pavao vende botritoewwtW'de'lasinhas.
pad roes miudinhos com todaeteotes; tendo
15 covados cada corte, pate baaito preco de
49000.
C^RTCS*DufNWMWfc' A 39000 e 39500.
0 Pa vie vende c6rte de organdy branco,
com listras e quadrmhos, sendo fazenda mui-
to fina, pelos baratissimos preos-"de-38 e
39566 oeorte.
Geroulas franeeeas de linho e algodSo, para !todos osfpBecdsift qbiriadanesyjssirr.
como grande sortimento de meias cruas, camisas, oolerinhos, que tudo se venda por
precos muito razoaveis. *
Cretonps escuros
E' a primeira vez que vem a este mercado ; a
Rosa Rranca tem e vende barato, e < da atnostras
torn penhor : na rna da ItapwUth, a. 66.______
Canarios da Allematfc*
Chegaram pelo ultimo vaa'or da Earopa,[Der-
leitos cantadores e de core^-Tntiito lindas ; acham
se a vends, no armazem Fidelidade, a raa ao Im-
perador n. It.
(
[
_
- i
**
I 0. C-ftyte. .
Tem para vt/d :
Cognac *fc -Heaaefto', snperior e verdadeb-e.
Vtabi*M daa*Tbofes qualidades.
Chi preto em lattas flfe 10 kbras.
TadaMtepancBes mmiaumm. Ayer;
annasem da rua do Coouaercio & 36.
. >
-J
>>
Jff

!
#
-
;
t




W"
w

1

1
.

f

%
Diiiio de Peraambii UW60S AGENTES
Roa do Barao da Victoria n. 28
YB'mais simples* as maisbaratasa-asmelhores do mundo!
Na exposicfio de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalba de ouro e a condecora-
$4o da Legiao de Honra, por serem as machioas roais per.
feitas do rauado.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
, Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
-;lura.
A, medalha de ouro na xposiio de Londres acreditam
estas machinas.
AiDMMcMffl
mum
DE
Fazendas finas
NA
Rua \. de Margin. 7 A.
DE
Cordeiro SimSes <#C.
A
Gabe-noa o dever dd artounoiar qae a companhia das machinas deflbwe de RoYa-
(erk,-estabeieca nesta eidade it ma do-Barao da'Victoria n. 28, nm deposito e agencia
ra de> How*. stas machmas s8o justament^ apreciadas pela perftwjio de sen trabarao,
prgando i.m agulha mais eurta com a mesma qualidade dellhbaojTte qnalquer outra,
t*d*introdu';eao dws mW>-aperfei^oados appareihos, estamo* actualmente habilitados a
ferecer n> wrime ptAlioc as metbores machinas do mnndo.
As vantagens desfas machinas sdo as seguinles:
Mrc^ira.0 publico safee que ellas sap duradouras, para isto prova incontestavel, a
'iruinstanci* de nunoa terem aBoarecido no mercado machinas d Howe em segnn-
* mao. .
Segunda.Content o material precise para repa*dr qualqtler desarraftjo.
Torceira.Ha nellaa-menor-frtc$io entre as diversas pecas, e menos rapido estrsgo
fae nts outras. .
Qaarta.Forraam o.ponto eomo se fdra fetfo A" nrfo
(JttinUnHParmUte.que so.examine o trabalhodeambos c* ties, oqnesoaiooonsegn
*soitca*. |
Sexia.-r-Fazem ponio miudo em casemira, atravessando <0'fto de nm1 i oatro lado,
kwro em seguid* sara modicar-se a tensao da linha, cozem a fazendamais
Setima.-0 compressor e levantado com a raaior facilidade, qnando se tern de mudar
n agalba ao oomeear nova costura.
Oitava.Muitas companhias de machinas de costnra, t^m'lido dpocas -de- grandeta-'e
vcadeacia. ," Machinas outr'ora popu lares, sao hoje- quasi descorhecidas, outras soffreram
tadancas radieaes parapoderem^suhstituir : entretafrto-a eompanbiadasmachJnaade-Howe'j
doptando a opiniSo de Elias Howe, mestre em< artes mechanicaa, tem constanteraerite
Ejmc-nt&do o seu fabrico, e hoje. *r dia.
Cada taaohina aconipnha*livre(os eom Mstrucc,6es em pprtugtiei.
"A'
do Barao da Victoria n.
28.
DOUS P0SP0NT0S
Na lojade1 Soarefe Leite Irmaos, a rua do Barao da
Victoria n. 28.
petlic*
donvpequene "toque, i Espelhos de moldura dourada, de todos
I os.tamanhos e pre^os.
para coHeW, grande sorti- PtilFUMAlirAS: E MTODEZAS.
Lotas' de
. 200 rs.
*.botoadunis'
meirtoal20 rs.
Gaixa de liHbade'rtWnea, a 200 rs.
Lampatinasi ga;*dOo dma lutmnito
oca, a l!JO0:
DurJa ddfe^as de cordao imperial,' a
tiOrs.
Gaixa; de UMMWW bsso 'pin Bai^a, a
aoo rs.
Doiia d carreteW-de lrdha-,' 200 jatdasra1
ROOTS.
Idem idem 00 jardaS,- a 240 rs.
Ma^o de tits chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
Meios adere?iWew*iffl*rfe, a 508 rs.
E' i'?ta rasa, scm duvida, uma das que hoje,
1 pode com primazla apreseWar aos seus fregupzc
um variadissimo' sortminito de Tatenda9 flnas pa-
ra grande i-tiH ; a>snn cnmo, para 0 BM) ordi-
nario de todas a< classes, e por pre cos vantajo-
908 para os cempradona, de cujas fazeui um pe
queno resumo.
Mamiam" faiertdas ae casas' 'do* pretendentes,
para o que tem o pesfoal nefessario e'dao amos-
tras medianle |icalior.
^ Cortes de seda "le lindas cores.
' Ditos de gorgurao de cores.
Grosdenaple de todas as cores
Gorgurao branco e preto.
: Setim Macau preto e de cores.
Grosdenaples idem idem.
Sendoeste antigo estabelecimeato assaz conhecido- fiomo pcHioipal eirecommen- Granadinef eda preta e coKsmasri' de-cCres tin-
4ado pelos grandes depositos e bons sortimentos com :que .sempwu prima em tor das dissimas padraee e fatenda da nnhna moda
tnelbores, mais acreditadas e verdadeiras mncliinns auiericanaa para aLr- Popelinas de lindos padroes.
dfio, des-lolO a 60serra, e havendo em todos os tama'nhos diversidades de syste- i E'c^Jtawninw7^^'
Tjas e melhoramentos para porfeito e rapido descarocamento ; tornam-se dignas de Manias brasiieiras.

56 aRua do Marquez de (^inda 66 a
(outr'ora rua la < a 1 eln )
lereia vistas e apreciadas pelos Srs. agncultores; os quiies,-alem disto, encontrarao
tambem mais
Apurados vapores locomoveis, deforca
ie 2'/j e 3'/ cavallos ixtm todos pertenQas
precisos para trabalharem 4 machinas para
ilgodao, ou para Qutro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladui-
ra.
CarrtJs de mao para, attarro6.
Tinas do madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estauhado. .
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos d^ madeira para compras.
Apparolhos para jardins.
Tiuards-comidas.
Tamp Tarrachas para fazer parafuzos de ferro<
Dita dita ditos de madeiras.
Trenspara cozinha.
Emfim muitos outros artigos, que s6avi?ta e neste estabelearaoderaoeiitp s i
xaminados.
Tarnos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cyliudros americanos para padarias.
Pertengas ayulsostpara machinas.
"Salitrc. refinado.-.
BroH'suporior.
Moinhos .de diversos fabricantes para mi-
tho e cafe.
Debulhadores para mi Hid.
Azoite-de spermacete para mai iiinas.
^Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americaiias.
Cofres de ferro pateute.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dita estinhado.
Ditos dechumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferroiros.
E sompre assim.
Coiclias de seda para utrivos.
Cortes de cambraia branca com lindos bordados.
Capellas e mantos para n ivas.
Riquissimo sorlimento de las com listras de seda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas e de cores.
Nansuck de lindos padrdes.
Baptista de padroes mui delicados;
'Percalinas de quadros pretos e brancos, de lis-
tras, etc.
-Brins de linho de'-c&res, proprios para vestidos
torn barra ft lis'.ras.
Hnstao de lindas cores.
Cae*qninfios- de la e de todas a* cores, para se-
nhoras.
Saias bordadas para senhoras
Samisu idem idem
' Vestuarios para meninos.
Dilos para baptisados.
; foMnns ii ^uardan.ip6slal?ahiao*ado de limw de
cores para mesa.
Colchas de la.
', Cortinados bordados.
Cann.-as bordadas para homern.
iMeias de eottv 'p&fra liomehs e menmffl. '
(iompleto sortiihento de chapeos de sol para; bo-
mens e senhoras, com Merin6 de cores para vestidos.
iDilo
Quando parece ler-se esgotado o reperto^o da
moda?, pela immensidade de artigos de n dade
que tem appare'eidb, ^is qne'os' velfib's e i ansa-
veis correspondfenies 'da'wova E^pefanfa,' iirtra
Duque de Caxias n. 63. descobrem ouiros no
mundo elegante, aonde se constryam escogitando
minuciosamente as novas inveucoes : remettem,,
para a Nova Espetahfa. e autorftam na a dTzer '!,noffen8iv_P^0L>a^?a,
aos!;9eus fregoezes e especialmeuteao 'bello "sfexrj'
She1 nao'creiam em tal : e para' prova evidetfte
o que acaba ae expor, vejam o <|ue abaixo se
descreve : ,
MASTaES para'niissa, Cum'capa de madreperola'
ou lartaruga, tendo no centra da capa
um peqUeno relogio perfeito regulai-
dor.
CAR'TElRAS/po-t ctiaratos.''pr?rl cltfarrb? B jroris'
motie\'s-no mesmd'gostd.'
CARTEtRAS
preto.
Agua fldrtdft,-. de-Guislato'^SK %W*w*m*>**
_ o :' _;U_n__ Brins de linho branco,'prclo e de cores.
Oara taafcr 08 qOWWWkWPTfF Setim de MA* cores e com listras
Chale* de merido de b'ores e p! etos.
tOS. i tiitos de casemira.
! A agu>/brana,a fua B&qae ide^wtias n.-SO, Mlos de seda Pre,a 8 de ^Kt*-
;acaba ctereceber novaxemessada apreciavel agua jjt0."e touqnim.
/Ibriaa para' fater'os e'atellos 'pretos.' 0 bom re- Camisas de linho.
sotel^crJmrdo'-pcT r(ttem--tWn"frto tfsd rWssa" foUis de chila.
Inoffensiva proparacao i feWfaltamferite'fconeeitna'-"W'35 u*5 nane'la- ...
jd0ia*or iWo- apenas -selfaz lembjrar kfMMr Ceroulas de bnrn e aigodao.
vamenje.dfiila precise e queira.se, ajjruveitar de; ~,na:!C01 de la1d^ c"r??-..j.:.
siaututd; _
olea'HoViaS'p.a^a
c4mova(pJW:' i
1iibe'm v'c16"a^i:f 'de"'topasib'e'l'pnn08 d crochet -para cadeira, sofa e consoHos.
'^-rhWfn^WV s1^^cteSfe8bs'!,e<''chasdedilo
Tarlatana de todas a* cores.
,. iwj v, 'a' ^ Cisacos a tricoL .
allQfcarefrfle A guabran,' ra4o1ftu|t^i**.'*'- 'de di "."" cores, ctom ds compelentes enfei-
boDitas'voHasre briftcos'ae tcs, uiuma moda.
$ como senmreconti- Casomiras prelas e de cores, ch.las, madapol6es
ortinodb 'Mjnbraias, panno fino preto e azul, collannuos,
S pari notas coin cauade marfinhHBa*I:l^.'*:ec^^*uV WVgft ebflaitai. .
rlrpfiprola p lari-irnoi rum n didiipn-, grbssos >. jofares fle cores, e como sempreconti- 'tasemiras preia* c Uo ^o, n...^, wf^r"^"
ternbr?nca '*** vende-las por preco cortiKotfo. \ ca?n!,ra'as.Pa!|n J^JS^J^- S8FS*&
esie me^c,ado;'de,INVersbs tamaiflWs',
iiuaiidades e niodetos de'oo* inwti
POlrtB'duQrEfs de lindos gostos e tpmaiih'os
espi^ciaridades pata-SS hoivas:
! os'tamanhos, bolsas de viagem, etc. etc.
fca loja do P8so,.irua Primeiro de Marco n.
A pwpdlo da Fesla
0 que dizeiH por alii.
A verdade vOu dfter-vos,
Sem embargo do mao tempo ;
-Nao e graea, vou contarvos
0 qne dizern... por exempio:
' Que a BARRIGA e a mai da liumanidade e que
esta como iilha ohediente deve tratar com requia-
tado desvelo de1 sna dlectissima e infellivel mii
Que para isto e' inclisptusavel qne o gastrooo-
mos habitantes desta bella cidade e seus subur-
blos, como parte integraute da humanidade, devem
*ir ao muito mil e conhecido armazcra do Cam-
pos, a rua do Imperaior1 n. 28, eempnirem os
povos saborosisriinos iresuntos para fiambres ; os
gostosos paios, os saborosos salames, os appeteti-
veis lombos de porco; at delicadas linguijas e
fealchichas, cs digestives peixes em latas, a finis-
sima manleiga infleta e franreza, os deleitosos
biscoitos, as exeitaates conservas. as dcliciosas
ameixas, passas, amemloas e oozes, as aprecia-
veis fructas em calda, os (lexiveis doces, omag-
Difico queijo fldmeligo e prato. o embriagante cha
percla, aljofra e preto, os" substanciaes chocolate e
cacao em po, os refrigerantea licores, as calman-
tes cervejas, os corroborantes titters, os inspiran-
|es vinhos do Porto, Madeira, Bordeaux, Figuei-
ra, LisbSa, Chorrjr, Collares o outras muitas qua-
lidades, a corruscanteehampag*ie;'cidra e um sem
numero de raros e arrebatadore's acipipes, que
da for^a, vida e prazer, alim de rechearem dia-
riamenle o receptaculo dc suas idolatradissimas
Baingas ;
Que, quern qnizer fazer nm delieado lunrti, fa-
mar um primoroso charuto da Bahia e beber um
copo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao arma-
zem do Campos, unico que tern demonstrado alii
a evidencia a influencia da rainlia do mundo a
- barriga
Mesino porque
Ora esta 6 boa.
Quern quizer ser dltoso. ser Miz
Deve ao Campos s.inenie ir coniprando,
Evitando assim de ir mal'passando,'
Deleilaodo a barriga e o nariz.
Alem do que"dizem muitas ccusas ; por
exempio que o Campos' 6 so quem vendo bora e
bai ato, que *ii ii o unico que da amostras de gene
n ; que so die, 6 qucm eapricha em d. r bora
peso, que e elle so quem manda levar gratis
en> ca=a do comprador os generos cbnipraaos (a
dtuhciro) > m seu armazem, quer dentrb da cida-
de, quer nos seus' arijaeentes ; que nnieatnente
so e no armazem do Campos, a.rua dp Imperador
n. 28, onde se encc'ntra um completo e eeplendi-
do sortimento, verdadeiro Centrode peregri-
na< e eNinieMlas' vlctualhas, onde todos (macons
jesnitas) devem ^ satistazer esla obra de misp-
ricordia (ja se sabc, traeendo dinheiro) dar de
comer a barriga attendehdo a que :
Do dia a questao ja nao exlste,
Que o Campos fez cessar toda esta briga,
Desfechando este golpe philosophico :
Tratem todos primeiro da barriga.
Finalmente que, as interessanfes meninas di
zero que/so gosbm'de doces do armazem da
Campos ; as seductoras c espirituosas mocas que,
so tomam um calice de bitter esiomacal sc for
do armazem do C-mfips ; as respeitbsas tnatronas
que, so se recordamdo pass-ado qnando saboreiam
alguns acipipes do armazem do Campos; os ele-
gantes e amaveis rapazes que, sp fumam charu-
tus do Campos ; os velhbs une, s6 schtcm excita-
cao quando comerii' certai' iguarias do Campos
e ate os forasieiros sb proem am o Campos, so
querem o Campos e so goslam do Campos, a ponto
de... vejam :
Do Campos a;fama comb Voa
Nos bailes, I'heairos e cafes ;
Maxambombas, bonds e jardins,
Retroand do mundo nos conlins,
Deixa a todos uma' nova-f, fefi'z, boa
E vai passando d(s ann&9'atra^r I
------------------------------ -------------j:r

:-
com &.
A'gtfe"feratfca, a rda'db- Dat*': 8c1 RmMjji.4"*,' antiga do Crespo'.
', recflbeniiovo' sortiiaentcde'fconitosdiade- n ,.4
l\IXINHA8'commu.seas'e'Sem ell^.^ropViWT^.dPJira^A^om pedras, Unto para meninas
oara nresentes. como para senhoras ,
Couec^oes de traslados ou
Frascb com oleo Onza verdadeiro, a
Idem comtOBico dc-Kertp, verdadeiroi a
! nwv.
Garrafadeaguafloridaverdadeira a 15200
Garrafa d'agwa japoneza, a 19006.
Idem idem divine, a 1*060.
Idem idem Magdalena 'noviJade) a
19200.
Caixa de pis para dentes, a 200 rs;
Idem idem de pos chintex.mtiHo bom,- a
506 rs. e 19000.
Pole com opiaU para preseotes.
E outros de inteira novidade.
A Nova Esperanca.'a raa DuqUe do Caxiasn. ... ..-*, ^ <..
03, recebemos bonecosde borracha de :fonnalbs!.:&*i_bwn^]^
inleiramcnte novos : os meninos muito apreciarao
este brinqucdo.
E verdade.
Qualquer'Senhbra dfe bbnv "goswJ'paWce'qhe
nao pode edmpletar e sna toillette, sem' dar"nrtj'
passt-t'i a Nova Esperanca a rua do Duque dp Ca-
xias ni 63, porque e a loja'.do miudezas!que'mais
complete esta'em sortimcDtJ, e que mais nbvida-
de.< ^t*9errta ao ptiblieo eiri'geral.
E com as1 floristas.

Baralissinio
A Soya Esperanca, a rua,do Duque de Caxias
n..3, recebeupelo ultimo vapor, um inteiro-sor-
iimeotb'dc papeis" para flores 1 a elles!
Para criaiMja,
fecefc'eu hova^'Wileccuel^d'wirtos paVa:asferian-
Cas aprefl8ere'm- usadas nas aulas e collegios; e como sempre de-as; porprejtt commodo. |
Meias emttwrwft para/meni- v.
rt.au zinhas com listras estarapadas pelo diminuto
..i.ico de 400 rs. o covado. _n_
Ditas com listras asselinadas a IJIOOO o co-
vaio. .. -
1 Granadinas pretas com listras de cores a oOO rs.
0'covado.
,.,,Vtins tran;ados p'roprios para vestido.a 320 fs.
o covado.
Alpacas de quadros, proprias para vestidos, a
A loja d'aguia brajcaj: >,.rua Duqe'de Caxias
n. 50, recebeupovp.spjlinftnlo daaueUas tao jo-
cura3asiWefa8'crnSs tfaVa 'Hih'dra,: tfhW'igual-
mentepdraaieiB*s, \ cotitrtStia'aVfenfieilaa^'por
precos 'tommodoe.-
Vx^s^^ raatiti'ii'Kas'Wfetais:
A'lola^agUiTbra^i'^
x!as n. PO, recebeu bonitos veos ou manHnra?
; pfeus *V^nco'fl*r1i, 4Hcfe-atimHMpirm
Brim branco, lona,riaracalca's a 1 #800avara.
Dito trancado a U500 a vara.
Dito de cores, linho puro, a i#i00 a vara.
Peihiiwha
,f KJhapeos desoi'de seda, cabo de canna, a SAaOO
cada um, isto tudo so no n. 20 da 'rua do Crespo,
3oji das 3 portas. de Guaherme & C.
77
DitOS.
Lastiiescladas.
GarraJa-d Potes com dita ingleza, preta, a 100 e Duzia de sabonetes de amendoa, a
160'rs. 89600.
Caixit'depenJiasPei'ry,'muito boas, a Duiria AfMMoMM rJeaarjinhO transparerf-
18006: ies,a-2i6.
IdemldenY/a^OOrs. Idem idm torn flows; a 1JS600:
Caixa de euveloppes tarjados, a 500 rs". Sabomrter 6ly*erino transparebtet, a
lderrfldWi'fbrraflos, a'700 rs. 19006."-'
Ca5ta' 'de papel' amisade, beira dourada, Cant* Cort' isabote,"rermato de fructas,'
, SOO-Vs. altW^e'ltSio.
Idem idelri idem liia, a 600 rs. CostWOeoS.'^aTideS e' petraenos, a 166 e
DuzWde' lalhefes calio' branco, 2 B., a 806 rs.
69006 L I Frascd^oWaguadecoUg^e, a 200, 826,
Resma ie papel pauiado, a 49000', 500 rs. e' M^TOS'
e&9800, ExfrWWso^tHBrW'Bhes dds rrtlhotes1*^1!
Ide'to Tdemliso, ''iV$ll(l$'S$ttiOe 69666'. [tores.
Cotf6es'm>dern6s, a'3b00. Lin*e-e1egaes balxintoticam^rfiirm^
DuHas'de'peas; deutrancas de earacol j riai^pHa^r^p^rWesV drjs atrtorte
oranca, a 400 rs; jE. Codray, Rieger, GeUtf Freres.etc.
Idem ideai lisasv* 206 rs. QaadrOs'dbm'safltbs'e estainpas sepa'ra-
Lequea-drsso- aaBda^a-9006r4#!ds. ,tflllJJ.,, .. ,^^.,^i,
6^04 Entremeiosei)lbitdoslransparetfre^lal-
Fitadevelludodo-iwtea^aieeTeaeMafgOHirpadbi;^ '
,,g Uma grande,taboleta propria para qual-
Mie^^ploa-^rf^l^^sla^laewwefH qtler-rdja. # /
Frasco com oleo pm&m&^u&to40Urs,
.
Rua do Barao da Vidoria b. 28.
-----'illffit-tn'r
.......
-----------_
covado. I
Caasa'ffl,'.|lBarIesH(PJig e.%VBSf g^b' q*sj
tem vindo-ao ;pi^6.a,rriandfc"Qo**^' '
iS^loja de.GjWtA A^flandes, pelo 'dkainu'
s -------ICbambertin
VfchoB de1 'Botfrgo^e^^
das maress
trt
V.-:ida-wferierfer*ll& Sratula, 'tanto em
Mrcoeg^mo a relajjw.'t*'- peeeo qtw admiyt,
isto ua fluafcdade :, daj^oa^s segH.in^s Ju-,
cares: rua ao'vngano n. 26, rua dd Aniorlni n ,.
88,e fraveasVda nadisttnies'n 4, :aWrY' a '
libra a retain*.
a
Baa Priiueiro de Marco n. 14
Gusmao & Leal receberam os tnelbores o mais
aiodernos qua bS em chapeos para senhoras, o
estao vende^^tOTKotara^para aeaTntf,
Pommard
Virits
Volnaiy ;
Beanne ,
Momhelte
Dito Bordeaux em quartollas.
Vcwte-se por barato prc^o
PARA LIQUiDAgAO DE CO^TAS
NA
Baa Lnrga do Rosarfo SI.
Botica.
ttn bpnito sortimento tfe lie mesctadas. em o3-
res, recebeu'a Nr>ra'e*p%raBr;a; a rail Durrne'de
Caxias n. 63.
Chifas a HO rs. o covado.
A 240" r'j. b cbvado.
A S40 rs. o''covado!
Sfuarna Dliqoe de'Caxias B; A','loja1 da
esquina.____________________________
Veode'se um porco propno para a,' ftW,
em graadezajiap ha.seganijo, urn extraordina'
rio: atraiaf na,.rua do, Cotoveito n. 23..,., .
Burros-a1 vetida?
'?.5o
PWMta ;ifevwaae.
..
AJoja-ia-
nhotos d.ordes e colofr#i)S<
"4 rua tlo DutpiB da
verdadeiro de Portland ; barricas
kilos : no armazem de Tasso Ir
niaos C. caes do Apollo.___________
Vendc-se a metade do sobrado de
! dons andares e sotao na rua de Pedro Af-
Gran^-eu'|prboMttfc .bezowos^ gala- ^,> mtfon rua da praia n. 35 a tn^
na;mesma rtta, armazem n.
26 A.
E*van-
predio,
jJeiteita novid.de. A^VfMli^'TWpffiW
p*'i*ie*r-M^es*ae&bM*',;' Z'1 '' r'"_ n ----t_r
Nota^goilMa^iTlad^oolil ^nado Brum n. 7b
P ..- .VefldW se zinoo purb de superior1 qu
DOLUOia OU"aHlimlK> taieirf^JlaraiWberias to oaas,"wjedindo 11 jal
AlojfKgaWflraflar-'i** WWrt d^Ciias^^*Pridl> 4 de larK' ** V*V> "*
SO,- rocebea'wnafeqoew ^t,h r,vli|itfui^ t ) .---------
t novas goi!wia^!rab*ih5 ^t.ie^.tfo_. \ t Lindas las escocezas.

net
?eT'
1. Deiro avisa a seqs freguezes que esta ,etb
Viagem-para as provincWs Alag6as e^Pettfiiha-
baco, conduzindo exceHnter tropai de'burro?
passara *ori Penedp, PU^ Cjatanlm-Grajid;
W.Cjuvo. Barretros, Rio Formoso, Escada,
frrpvavelmente por Santo Amaro de Jab
Na^rttov porilfeo'ftb^^ *t?sata if
tradp em quatqner dee(s-!|tres.
L4rangeiras, JO de; ontnibi)o!dfl;<873-...........
nbras estas de mnifo goato
Mncbs-e rosielas
doura^m.
-.ldjl'a^agtit^'b'ranca,^
Caxias n. 50, recebeu nqvam
po*,' brlneoi''* T*terlls','dbllra*)!,
Rouna estKwifdfti;

Atoaral ^aeaif^e^^j^f^'^ti^
branco e de cores fa marujo er mjritaposL.na/a
menifibs, palrtrJts'e-colWBs^aT;
alpaca e da;ca*iW#tC'iir)ihpml e ftitWsin*J
raisas bordadas e lisas pajwiMJuflttra; horiern'aie-
tuno^e meniM ; no Ba^ar Victoriapa rua do Ba-
/ap .ora, victoria n.. fft3^\[r^-ri ..,; muyit rtv ,'
Canlaria de LisNt
Capiteis.
SdTatMJ -. ..
A" yenda no armazem b. 25, a travessa do Corp*
tt ; i,-,;uirniin c v,-*-;.mynH
m2
r. ,Vende-se um fscro mulatirthsV .-de;
muito bontta fa>gwtnoi$i9 e de b6$ jcpn- ,
ducia,v de ifladB de, |.*1 annqs, p?op pagdm e copeiro. E' vendiao pqpquqo;se.u
senlior vai doetUe para a Kuropa : a' tratar
ie Caxias
vas d.-petik pretas edftft
^xiaaiL 88, r^^n' trovo^rairaitoi
dras SafaiB?*1'
iWj u_* 30 it- vujiw.
e'Vaffdl'WdfSes,' e'intelratnedte'modernas' i "^
;f9'fc4iicbVa'ao': na rha Primeiro de Wttlfo!}&
restw 13, loja das colamnas, de An-
Correia de Vaicbncellos.
mW^l'T^Ai- para a^suoar
n a, n. 23. ___________}
ota
AMtlyses do Dr. Jose JTulfta
iri'lK U
de
Mfibapdoa^ajm^i ^6 na rua
i Gkias n. 60 A, loja da esquina.
ruaDuqne

KlM^.lnU*
ceil
tmenlHs'
-AepdW!"
Phar
DA
i
Ruf larga r Rosafkf n.'3k.
---------- i
C!__i]._rt
ma do B,m Gnste. etn- aWol^'Wfealfhai/'da' alTaBdega. n, a, armazem deHa'calhio, em
prcpria para principiante: que;pft*aaa''di. barricai dasmaiiires iide vera ,ao marcatjoca por
jija se a mesma taverna que adhara corn' quern" p^M mais commodo do qfle em oua qualquor
tratar part*
rajtfflder.joafaini Jq*e <3fm$m*ti
no seu escriptono a rua
1"'"_-
e-se
tvaerna da rua da Penht in.',ti8l'afu_aa
o mato ;a tratar
i
i

A' rua do CabOjca n. 1 A.
Os proprietaries da PredUecta, no iuiuilo.de
conservar o bom concoito ,guc teem mere'eido do
respeitavel pUblico, ditinguirt(re o seu estabeleci-
mento dos mats que negoc'iaai no mesmo genero,
veem scientiticar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus corresppndeptes nas diversas par-
jas d'Europa para lhes enviarem po.r todos ospa-
quetes os objectos de liixo'e bom gbsto, que se-
jam mais bem aceitbs pelas sociedades elegantes
daquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o bello, sexo, desta linda Veneza
mais ostenta a riqueza de suas (oillette.3 ; e co-
mo ja recebessem pelo paquete' franqez diversbs
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tomam mais recoramendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de urtara'ga os mais llnd'os que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas eapas de madreperola e de
velludo, sendu diversos tamaubos e haratos pre-
cos ,
Adere^ns comptetos de'btofacha for'prios para
lutq, tambetn se vendem melbs aderecos muito bo-
nitos.
Botocs de setim preto e d c6res para ornato d-j
vestidos de senhora; tambem turn para colletc e
palitot.
Bolsas para senhortt, exl^le am bello sortimen-
to de seda, de palha, de chagrin*, etc; etc., por
baratopre^o. ,. I
Bonecas de todos os tamanlas, tanto de Iou>;a
como dec*ra, de borracha e dfe massa ; cluma-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo.
pois as vezes tornam'se a* crlaflcas dm ponc<> ira-
pettinentes por falta de uni obieclo que a* en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homern,-- vendem-serpor preco commodo.
' Ceroulu de linho e de algodac, da diversos
m\
pre-
tos.
, ^Ciixinhas cdmueic^b qae ba de'mais lindo.
comj disticos nas tampas'e pronrios para prasen-
tes. '
Cooues os mais modernos e de diversos forma
apeos para senhora..Receberam um soitimentc
Itima moda, tanto "para seohora, como para
,inas.
Capellas simples e com rfo^ara noivaS.
i CiK'as bordadas para meninas.
jrj^niremeios estarapados e bordados, de lindos
desdnhos.
Escovas electricas para dea|es, tem a proprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de -seda: pVetas-b de OOres, exi-te um
grande sortimento de diveicas larguras e barato
"86s-' dft'sirja/de 'gWgufaoi de setim e de cba-
mM Wj'^e-di^ertag latgnvat eboniuu tores,
F t^^WfWr>tDuUo--Jindaa.,
TSnll
W tanto para a terra como para
M--tafl4t* i
''^et_8fte a-JrW^i
pateOSfcer|TsltHI-i b
1H utoBsHfos- Ba1 ti(VeVnaMaV
baraio; fl pt^pria pana- esutbwlecer naquelle Itigar : a tratar na
_.
.
se eiigaiiem
Vintnieto^barril' o engar/afados, de marcas co-
nhecidi'
lidade
vehdehr
Deos ifct4.o*!'
Gravafodra azul de l#H.
Colhoita do anno do 1881.
an particular de 1840.
l.aor'i',;u (10 DOUro.
Odqu't' de 1815.
Duque do Porto.
Regina.
Ro--ia em meh,s barris.
ii II
B fl
;ta pnma.eui c_n-
sortimdBto des-
w dos Lvbellos, cbmc-
7 tam rpara orMrto'tWvestidDdenoiTa*.
, ,,GiJ64e)algddibida;U,edeosda, brancos^ ppo-,
'"'w Ws 6 do diversas coresL
-* G afrlM aefseoiPpaTa ^erA 6 SenBoras.
par; 'siWlota.'
. lu gas de set
'cambraia ede^edk'de diversas eenes
in r
a de cores e brancas bordadas para
vros pari otovu^rin'ssa, ftbm'cflias'do triadre-
Jfeti marfitri,- os^o'e vWWfc, HUM que na de
Potassa re
W
L
)perol'S
bod.-1
Peates de bel'ps ; teenl tarnbem_ft_ftj|E*r .caspasi ;
"pprt bou(|riet.' umueno"rtim'ebti) de madre-
peVcila, marfim, osso e.dourados por -ftaratb' preco.
' Permmarias. Nesta'arttto a a Predilecta bora
pro'iida, nao s6 em. exfrasr com em oleos'e
bapbas dos melhores odores, dos mais :iCaraados
fa"bncantes, l-oubin, Piyer, Sociedade Hyrienica,
CoiiHritjt.'Gnsnel 'e'RinwfaW ihifisperisavefe para
a feSta.''
Saias bordadas para seatora, por c^nimodo
pre*).
SapatiDhos de la e de setim bor^-ido* pra bap-
tfsadbs.
Tapetes. Recebeu- a- PredUecta nm hnnito s"Tti-
mento do Jiversos tamanhos, tanto pars sof4 co-
mo para rntradn de saias.
Ve~timent<- para,haptli!i o mic ha '1 >n 'hat
gnsto .-. ii* mais modftrnos i**eeben a pp-dii He
v-n f' |i 'f b^T.'.o preco, patw Bear a ale
.|uali|uei- bojoa.
do GkrHuira
r


de
Ru
n
I MuTUMB I


m
8
S
Diario.de Pernambueo Quinta teira 25 de Dezembro do 1873.
\ Away I way!
(THOJ*)
Na arvoro da bumanidade
Se aperla (lor coutra-flor.
Essa leida divindade
Ha de ter sempre vigor !
Se uma cahe emmurcbecida
Por ter a seiva exhaurida,
Ou por tvrannica mao,
Outra mais linJa e vicosa
Desabrocba esparangosa
A cumprir sua missao !
Morre uina e outra nasce
Seen haver interrupgao,
Trazendo a (lor que renasce
Sua sina, seu condSo 1
Assim a> veinos formosas
Coloridas e vicosas
Do grande tronco brotar,
Sendo cada flor um povo
Que no mundovelho ou novo
Vem sua hUtoria tragar.
Em bora mogos ainda
Em nosso peregrinar,
Quanta flor nao vimos linda
Se expandir e desfolbar !
Ave negrn de rapina
Sahe ilos steppes ferina
Fitandoera seu vdoa presa
Da Polonia malfadada
Foi a rosa ensanguentada
Qu'espedagou com cruesa !
Palpitante sob a garra
Do negro abutre romano,
Jd do progresso desgarra
0 lindo p.iz hispano.
Que importa que o sol o inftamme,
Que sobre elle derrame
Seus raios de vida e luz ?
Emmudece a liberdade,
E -busca mata-la o frade
Co'o facho e o arcabuz I
Pobre Hespanha I Outr'ora erguias
Com orgulho nteu petiddo,
Quanto em Santa Isabel vias
Altos dons do Curasao I
Decahiste Veio Soror Patrocinio
Outra Isabel dominar I
E de tat mo lo bromaste
Que nem sequerescutaste
As vozes de Castelar I
Outra flor veceia ainda
Pa^a alem dos Pyrineus,
Porem dize. Franca linda,
Que proje' ios s3o os teus ?
Tu que te crias tao brava,
Como te tornaste esci ,
Como soffreste o ba! *'.< 1
Quercs ser livre, ou novo
Tera* por senhor teu povo
Cbambord ou Nspolcao ?
Sobre os cumes seus alpinos
i em ter nern fazer cobiga,
Contente co os dous divinos
Livre se eleva a Suissa :
De Tell o fi'.bo possante
Naquelle paiz gigante
A fronte curva a Deus sd !
Elle que ve a avalanche
Nao teme q j'alguem lbo manche
Os cimos do Jungfrau I
Tu, Italia, que nas artes
Soubeste tao grande ser,
Divididaem tantaspartes
Como podias crescer?
C-mfiada em tua estrella
r.ombateste, Italia bella,
A' livre e una ficar :
E sobre a cruz da Saboia
Tua forte mao se apoia
Para ao futuro, marcbar!
Mas cuidado I 0 despotismo
Quer ferir-to sob a cruz!
Busca cavar-te um abysmo,
Oppor as trevas A luz I
Qua quer o espectro romano
A forjar no Vaticano
Tantos punbaes e grilhdes *
Engana-se I A liberdadc
fi' filha da Jivindade,
N3o teme ferro e tiroes I
Roma I N8o ves, por venture,
Que e outra a senda a seguir
Desengana te l 4 loucura
Fazer espectros surgir !
Nao sonhes com tyrannias
De Nero os nefastos dias
Ja" nao podem reviver t
De Cbristo segue a doutrina,
Que somente amor ensina
E nao temporal poder.
Que valeu a tyrannia
Aos Habsbourghs crueis !
Eis-te, oh. I Austria, n'agonia,
Chora os erros de teus reis I
Eibausta a pobre caminba,
Como a iiaciio que definha
De Deus sob a maldicio !
Dd-lhe, Uungria alguua alento,
Pois para ter alimento
Estende supplicc a mio I
Olbos fitos no futuro
Tendoconfianca em Deus,
0 allemao vai seguro
Firman lo os destiuos seus I
Deixando trilbas batidas
Quiz ver luzes espargidas,
Pela crassa cscurid&o;
Crehi forcas e o pequeno
D'Alexandre Teodo o aceno
Se fez potente nagao !
Tu, Albion, sobre os mares
Dominas como rainha,
Tens liberdade nos lares,
Que cresee, que n3o definha !
Precaveudoo teu futuro
Sempre teu passo e* seguro,
Marchas sempre sem temor ;
Augmt>ntas tua riqueza,
E da iii'instna a roaleza
Tens nas forgas do vapor.
0 colosso americano
Diz o verbo do porvir,
Sempre a crescer de anno em anno
So Deus o pdde medir I
Tudo alii livre floresce,
Tudo nasce, tudo cresee
Com fe, com force e poder I
Co'o buril, ou livro, ou malho,
E' sempre honrado o trabalho
E pdde pal mas colber I
E tu, oh I patria querida,
Que fru-tos daras um dia ?
Terds poemas Ou rnarasmo que atrophia?
Nesta America potente
Onde o sol radia ardente
Terds treva ou terds luz ?
Sera's livre como a id^a,
Ou trards aos pes a pea
Dos roupetas de Jesus?
Ergue a fronte altiva e forte
Tao garbosa e tao gentil,
Busca a gloria e ri da morte,
Patria minha, meu Brasil.
Gigante dormente.. .acorda !
Entesa do arco a corda,
Vibra os sons do teu bore.
Restruja toda afloresta,
E seja um dia de festa
Verte soberbo de pe" l
Quern nasceu p'ra ser gigante
Nao pdde ser pygmeu !
Rasga a facha Avaute I avante !
S6 grande I... 0 futuro e teu l
Olha o ceo... que sol ardente,
Ocampo... todo virente...
Aivores rogando nos ceos...
Os rios... gigantes, mares...
Races unidas nos lares...
E a tudo sorrindo Deus l
Na arvore da bumanidade
Se aperta flor contra flor,
E' uma lei da divindade
Que terd sempre vigor I
Se uma cahe emmurcbecida,
Por ter a seiva exhaurida
Ou por tyrannica mao, '
Outra mais bella e vii;osa
Desabrocba esperaucosa
A cumprir sua missao I
Recife. 187.'}.
D.
JORISPRUDERCiA.
FOLHETIM.
LUCESCIA S0E5IA_
MEMORIES DE SATANAZ
POR
O. Manoel Fernandez y Gonzalez
SEGUNDA PARTE
SAVONAROLA.
(Continuagao do n. 295;
I
DE COMO SE ESCONDEC LUCRECIA EM FLO-
RENCE.
l'or aquelles tempos, nas margens do
Aroo, entre a Poote-Velha e a de Alle Gra-
zie, banhaudo os muros dos seus jardins
na agua, havia ao mesmo lugar em que
seencontra boje a bibliotheca Magliovec-
. luana, um antigo palacio gothico, ha raui-
to deshabitado. Diziam-se d'elle cousas
tspantosas : que era babitado por phantas-
rnas, por espiritos malignos, e por rauitas
outras cousas mais, filhas da superstigdo
iv liana. -
Urn dia, o magistrado dajustiga, Pietro
I'opoleschi, mandou que se informassera de
quern era o dono d'aquelle palacio, esou-
)>e-se que am sculo aates, fora o palacio
conuscado i familia Scaramuccia, por de-
licto de traifio*
As chayes do palacio existiam, pois, oa
casa dos offlcios, nas depeodeocias do con-
selho dos Otto.
I'opoleschi fot ao palacio, abrio-o, visi-
tou-o, e encontrou muito p6, muitas teias
de -araoha, rauitos vldros quebrados, e au-
f nci3 absoluta de movei. .
0 jar-lim, que era muito grande. c-stava
.-leio IKteralmente de bervas parasitas.
Popoleschi mandou lihipar o palacio,
p/>r os vidros, limpar o jardim, e guarne-
cor com mobili.i riquissima os aposentos.
Tudo ieto fdra feito sem dizer a pesroa
alguraa a razio porque o fazia, e a curio?i-
dade pubfica estaya excitada.
r M elt^4a
k RESPIiZO DO NEjGOCIO DO MARECHAL RAZAINE
tx CO MM AN DANTE EM CHEFE DO EXERCIT0
DO RHENO.
CAPITULO V
INClDJtifTE REGNIEa. PARTIDA DO GENERAL
BOURBAK.L,----CMEQUE DAS NEGOGUgOES EN-
TABOLADAS.
y^/hitinuaffdo)
As negatives do marechal caera diante da
i exactidio dos pormenores formulados por
Re'gnier, e diante da indicacSo, conforme a
situa^ao mostrada pela iutendencia, que da
da quantidade das provis5es. A data de 18
deoutubro, indicadacomo liraite da sua du-
ragao, e que se eacwntra no depeiiueuto,
confirmada a este respeito pela do comman-
dante Lancy, e um testemunbo irrecusavel
da verdade d'aquellas declara^oes.
Quanto & capitulacio do exercito, o in-
terrogatorio do marechal mostra-nos como
elle a coiaprehendki, e que alcaace ligava
a"s propostas que se Hie tinham dirigido.
Respondi ao Sr. Re'gnier que certamen-
te, so pudessemos sahir do embaraco em que
nos acbavamos com armas e bagagens, man-
teriamos a ordem no interior e fariamos res-
peitar as clausulas da convencao.
Se se tivesse deixado ao exercito a liber-
dade de sahir do bloqueioem que se achava,
como o indicava o marechal, era evidente
que era com a condic,ao formal do nao pe-
gar novamente em armas, emquanto duras-
se a guerra. Esta condicio tornava desde
logo desponivel o exercito do bloqueio e
per mi tua ao inimigo cahir sobre as forces
nacionaes, emquanto o exercito de Metz
era in'.ernudo n'um territorio neutralisado.
Como 6 que os allemSes, que o tinham es-
treitamente bloqueado, teriara podido dar-
lhe benevolamente a faculdade de recomecar
as hostilidades ?
Mas n^o era so utna attitude espectadora
que o marechal contava tomar. Devia, foi
elle que o declarou, fazer respeitar as clau-
sulas da conveacao que ia fazer com o ini-
migo, isto e, empregar no caso de necessi-
dade a forca contra os eiercitos nacionaes, e
isto no momento era que as proclamaQoes
ofiiciaes, que elle mesmo tinba feito publi-
car, Ihe. faziam saber que a intencao do
novo goveruo era fazer uma guerra a todo
o custo ; que Paris se p >dia manter durante
tres mezes, que uma assemblea nacional ia
fazer ouvir a voz do paiz. Nio seria antes
esta a occasiao de se associar aos esfortjos da
nacao pelas mais energicas resolucdes ? Nao
devia o marechal ouvir um couselho de guer-
ra, em vez de escutar o age ate, que Ihe vi-
nha propor que negociasse com o inimigo,
em lugar de o combater ?
A 23 de selembro declara o marechal qu
esld protnto a capitular com as houras de
guerra.Jiio foi sufficiente deixar levar se-
melhantos confidencias para Ferrieres; ve-
mos cinco dias depois o marechal escrever
ao general Stiehle essa extraordinaria carta,
da qual, por uma aberra$4o moral iocom-
prehensivel, reclamou uma copia ao gover-
no allemao. Recordaremos aqui a ultima
phrase lessa carta :
Mr Regnier perguntou-me se podia ex-
por as condi(;oes em que me seria possivel
entrar em negociacoes com o commandante
em cbefe do exercito allemao, em frente de
Metz, para capitular. Respondi-lhe que a
unica cousa que podia fazer seria aceitar
uma capitulagao com as honras da guerra,
mas que nao podia comprahendsr prff
de' Metz ua coiiyeiiQao a fazer. Sao estas
effectivamente as unicas coadicods que a
honra militar me permitte aceitar e s3o
as unicas que Mr. Regnier pode ter le-
vado.
I) este modo, a 23 de setembro, dia da
sua entrevista com o Sr. Regnier, o mare-
chal, segundo a sua propria d claragao, es-
tava prompto a capitular, se lbe tivessem
concedido as honras da guerra.
A 29 de setembro offerece elle mesmo ao
inimigo a capitulaeao do seu exercito, quan-
do ainda tinba em Metz viveres e municoes,
quando neubura esfon;o serio se tinba ten-
tado bavia um mez, para atravessar aslinhas
de batalha.
Tomando semelhante attitude perante o
inimigo, ouerecendo-se a mar \r-lbe um
ajudante de campo para dar .xplicagoes, e
fazendo assim avan^os para renovar as con-
ferencias, o marechal eonfessava implicita-
mente a sua impotencia absoluta para sa-
hir com as armas na mao. E' necessario
Fallava-se em que I'opoleschi havia com- possa viver
prado a republica aquelle palacio, e o tor-
nara habitavel, para fallar directamente
com o diabo, seu antigo inquiliuo, ou en-
tao que o destiaava para habitacao de sua
filha Eufrosina, que era sabia e muito ver-
sada na cabala e outras sciencias occultas.
A verdade era que em priacipios de se-
tembro, um correio que chegara de Roma,
apeiara-se do cavallo na rua de Colinara,
onde vivia Pietro Popoleschi, e pedira para
Ihe fallar, com urgencia, acerca de cousas
mui interessantes para o estado.
Pouco depois, aquelle correio, que era
anica e simplesuiente um dos prmcipaes es-
birros de Lucrecia, chamado Bartolote, es-
tava 6m conciliabulo com Pietro Popoleschi.
Visto que se trata da slva<;ao de
Florenca, e que eu sou o seu primeiro ma-
gistrado, falle sem raserva, disse Popoleschi,
ninguem nos oscuta. D'onde vem ?
- De Roma, magnifico senbor, respon-
deu Bartolote.
Quem o en via ?
A excellentissima e illustrissima se-
ohora Lucrecia Borgia, com uma carta.
Deed.
Bartolote tirou da algibeira uma carta
que eotregou ao magistrado e este foi le-la
para o tio de uma janella, voltando as cos-
tas a Bartolote.
A carta dizia assim :
x Senhor magistrado da justica da repu-
blica de Florenca, Pietro Popoleschi. Res-
peitavel amigo. E' tempo de obrar e de
obrar sem demora. Pela sua ultima carta
ao santo padre sabemos qu"e o prior d'essa
cidade de Florenca, frei Jeronymo Savona-
rola, da ordem dos pregadores, cre-ceado
em audacia, se apoiera rapidamente dos
animos populares, e estende a perversidade'eir donbega algura de que ninguem sabe.
da sua doutrina h^retica,' a ponto de se fa- TraU-se de uma grando daaa, de
zor acreditar um propheta inspirado por (uma princeza, que possa vi ver em Florenca
Deus. Por tanto e necessario atacar o mal sera que ninguem o suspeite.
na sua raiz e cortar o contagio, descobrin-| Issc nio 6 facil, replicoii messerCec-
do afalsidade dessequeseintiluia apoStolo, cone ; os floreutinos siki muito curiosos e
e fazendo vtrao pbvo, (|uce illudido. Para as florentinas muito mais ainda, sobretudo
este fun sou mandada a Florenga ; porSm' a gente do povo quo anda sempre pesqui-
como importa que a minha residencia ahi' zando tudo para dar parteMo que sabe e do
seja um mysterio, proceda dc modo que eu'que ye" a frei Jeronymo Savonarola.
n'essa cidade, occultamente e
sem que ninguem o suspeite.
a A obra e graudiosa ; urge atacar um*
rebeUiao contra a santa se que se vai tor-
naudo cootagiosa, acabar com o estado de
desordem em que se acha a republica de
Florence por causa dos transtoraos passa-
dos, e entregar outra vez o supremo domi-
nio ao magnifico Pedro de Medieis.
Veneza e Milio ajudam-nos> e a santa
se fard o que estiver ao seu akance para
levar a cabo am tao bom proposko.
Rospoada-me secretamente, afim de
que eu saiba quanio posso seguir com se-
guran^apara Florenga.
Recommendo-me affectuosameate a si.
EscripU em Roma aos 20 de agosto del847
Lucrecia Borgia.
Pietro Popoleschi respondeu extensamen-
te a esta carta, pondo-se completameate i
disposigao de Lucrecia, e para maior segu-
ranga enviou a resposta pelo proprio Bar-
tolote.
Pelo que se ve, Pietro Popoleschi, pri-
meiro magistrado da republica de Florence,
atraigoava a republica, valendo-se do seu
poder para tecer as redes em que se pre-
tendia envolver a liberdade e reintegrar ao
supremo dominio, de que tao justamente
havia ado despojado, o tyranao e repugnan-
te Pedro de Medieis.
Era necessario p0r em execuc,fio o encar-
go de Lucrecia e o magistrado coamou oc-
cultamente & sua casa messer Ceccone, no-
tario da senboria. \ -nt
E' necessario que busque em Floren-
ca urn .palacio desconbecido, disse Popo-
leschi a messer Ceccone. Este olhou as-
soabrado para 6 magistrado e respondeu :
Todo o mundo conaece os palacios
dfr*lorenga, a nao ser que vossa eicelleu-
dizer que semelhante procedimento, depois
de uma semelhante inaccao, e inaudito na
historia militar.
CAPITULO VI
PEQOEMAS OPERACOE8
Inapcdo aWZOde setembro.Falta de
direccdo geral naspequenas operacdes ten-
tadas desde aquella data. Um facto sa-
lieote predomina na historia do bloqueio
de Metz: depois de ter tido 40:000: bc-
mens, pouco mais ou'raenos, f6radecomba-
te desde 6 ofag^sto ate ao !. do setembro,
o exercito, desde aquella data ate" 2f d'ou-
tubro, n8o perdeu senjo 2,000 bomens no
campo da batalha. Foi, pois, sera ter ten
tado nenbum esforco serio, que o marechal
se collocou na necessidade de capitular.
Tinha-se copcordado, em 26 de agosto, que
se conservariam as tropas em attitude para
um^ serie de operagoes, e que se procura-
ria fajigar o inimigo. Era vez de se
conformar com este programma, por mais
restricto que elle fosse, o marechal perma-
ncceu n'uraa completa inacjao. Foi debaixo
desto ponto de vista, que o inimigo pode
fazer eonstruir, sem ser de maneira alguma
incomraodado, o entroncamento de Remilly
a Pont-d-Mousson, que ligava a linha de
Saarbruck 6 de Nancy, evitando assim a
praija do Metz.
Diante das reclamacdes que suscitava a
immobilidade do exercito, o marechal deci-
dio afinal, a 20 de setembro, ordenar uma
serie de moviraento de forragear, que tinham
por fi.ii recolher as provisoes que existiam
nas povoacoos proximas do seu campo. Mas
deixou a iniciativa de cada um dos com-
mandantes de corpo? d'exercito, a maneira
de con luzir as operacdes que se deviam
executar diante dos acarapamentos occupa-
dos pelas proprias tropas.
Estas operacdes, que teriam necessidade
de uma direccdo unica e o do concurso de
todos, deviam fatalmente mallograr-se.
O marechal queixa-se amargamente na
sua Memoria justificativa de n?o ter sido
secundado pelos sous logares-tenentes ; es-
tes respondem ao seu chefe, censurando-o
pela sua parto de n3o ter nunca dado or-
dens formaes e precisas.
Posicao imposta ao commandannte em
chefe pela situacdo do exercito de Metz.Se
o marechal tivesse encetado, logo depois do
1." de setembro, uma serie de operacdes
com a idea de augraentar os seus recursos,
e de fatigar o inimigo, teria podido apro-
veitar-se delta para dar extensao as liuhas do
seu exercito, e englobir dentro da sua area
as povoacdes visinhas onde encontraria re-
cursos, e abrigo? para as suas tropas.
Repellindo assim as linhas de investida,
augmentaria o desenvolvimeato, o que Ihe
facilitaria atravessar. O adiamento destas
operacdes foi, pelo contrario, vantajoso ao
inimigo. Permittio-lbe estabelecer so mais
fortemente no campo, apertar a linba de
bloqueio, e utilisar em seu favor, ou des-
truir os recursos accumulados nas circumvi-
sinhangas de Metz.
Mas ndo era siraplesmente para forragear
que o marechal, & frente de 140,000 bo-
mens, deveria ter limitado a sua accao. Re-
correndo frequentementea'sanna sinopinada-
mente, simulando ataques em noites reite-
radas, empregaodo os seusesforgos ora sobre
um pootor ora sobre outro, o marechal teria
constantemente conservado em armas o exer-
cito do bloqueio, eem consequencia dos si-
mulacros repetidos, um ataque geral teria
probabilidades de exito, se as fadigas assim
impostas is suas tropas nao tivessem forcado
o inimigo a levantar o sitio A posi;So cen-
tral do exercito francez, no meio de um cam-
po entrincbeirado, ao abrigo de um ataque
regular, dar-lbe-hia uma]|vantagem muito
consideravel.
llazoes invocadas pelo marechal para
explicar a sua inaccdO.- Pergunta-se em
vao pirque e que o general em cbefe nao
procurou uma unica vez tirar partido da
quella posicao central para cahir d'impro-
viso, e com forcas superioressobre o inimigo,
cujas tropas, disseminadas n'um immeneo
perimetro, estavam alem disso separadas
em tres fraccdes por duas corrsntes d'agua,
que era necessario tempo para fazer atra-
vessar is suas columnas. Esta questao foi
apresentada ao marechal, e elle respondeu
nestes termos:
A divis3o das tropas nas duas margens
do Moselle nao constitue uma posicao cen-
tral debaixo do ponto de vista tactico ; o
inimigo, occupando especialmeitteospontos
culminantes das duas margens, era noces-
sario deixar gente para a guarda das obras
Pois e de todo o ponto necessario que
frei Jeronymo ignore que essa princeza esta
em Florenca.
E quem e essa princeza ? perguntou
messer Ceccone que contava com toda a
coufianca do magistrado, porque estava tao
vendido aos Medieis como elle.
Essa princeza, respondeu Popoleschi,
e nada menos do que Lucrecia Borgia.
Lucrecia 1 exclamou com espanto
messer Ceccone. Pois Lucrecia vem & Flo-
renca ?
Pelo menos assim m'o iodiea a'esta
carta, respondeu magistrado tirando da
algibeira a carta de Lucrecia e entregando-a
ao notario.
Mas a senboria nao sabe nada a este
respeito, observou messer Ceccone.
Aquera 6 dirigida a ca'ta ? perguntou
gravemente Popoleschi.
Ao magnifico senbor magistrado 'da
policia, Pietro Popoleschi, respondeu o no-
tario, lendo o cabec,alho da carta.
E aio me recommenda Lucrecia Bor-
gia o maior segredo a semelhante respeito ?
Sem duvida alguma.
Poderaos fiar-nos, para perseguir o
frade, em algum dos magnificos senhores de
conselbo dos Oito ? ^g j^^H
Por certo que nao ; protegem-u'o e
nao se conseguiria cousa alguma.
Por tanto t- necessario langar mao da
astucia ; e onicameote por essa causa que
Lucrecia Borgia vem i Florenca ; quer vi-
va* ignorada e e necessario procurar-lhe
uma viveoda segura e to mesmo tempo dig-
na. Foi para isso quo o raandei cnamar,
messer Ceccone.
Pois bera, disse o notario ; tem o pa-
lacio dos dueodes, cujo jardim chega ate &
margem do rio, cercado de muros altos.
palacio de dueodes 1
Lucrecia trara certamente com-
guin.fiide exorcisante, pouco deve
importar-IJie que o palacio tenha dueodes
ou nao. j
Informe-se de quem e o dono d'es-
se palacio, disse Popoleschi, veja se o quer
vender e quanto pede por elle.
Soube-se ent&o que o palacio estava con-
fiscado pelf republica, por ter pertencido
do campo entrincheirado. Nio era, pois,
poisivel sorprehtnder o inimigo n'um ponto,
e opprimi-lo com forcas superiores, ua si-
tuagio topographica de Metz, e do seu
campo entrincheirado.
Por outro lado, os corpos que compu-
nhatn o exercito de Metz, tinham soffrido
perdas considerayeis nos ccmbatos prece-
dentes, principalmente nos seus quadrjs.
Era necessario, portanto, como jd anterior-
mente disse, pjupar aquelle exercito, e nao
deixar nada ao acaso. Quanto a un.a sa-
bida, para manter a campanba, julgei-a
impossivel depois de Sedan ; o exercito teria
sido disperso, ou teria debandado em ddas
dias de march em presej^a doeffectivo,
que o inimigo tinha em campo.
As razdes allegadas pelo marechal sao
mais especiosas do que fundadas. Nada
havia mais simples do que restabelecer as
pontes, que, improvisadas de 8 para 12 de
agosto, tinham sido desgracadatneule reco-
Ibidas logo depois. Multiplicando o nurae-
ro de passagens, teria bavido toda a facili-
dade para concentrar rapidamente as tropas
n'um ponto qualquer de campo entrir chei-
rado.
Se a occuparuo das alturas da margem
esquerda do Moselle pelo inimigo constiluia
um obstaculo se*rio para um apparecimento
daquelle lado, nada do semelhante existia
na margem direita do Moselle, onde as po-
sigdes occupadas pelo inimigo estavani quasi
no mesmo pe" que as nossas. Nao se com-
promettia de maneira nenhuma o campo
entrincheirado da margem esquerda, situa-
do entre a p'ra^a e os fortes, abandonaudo-o
moraentaneamente i guarda daquellas obras.
O 4." e 6. corpos assim como a guarda,
ter-se-hiam pois podido empregar todos,
sem o menor incjnveniente, na margem
direita, e hestas condigdes de centralisagao,
era certo nao encontrar diante de si senS
forgas naturalmente inferiores em numero.
E' certo que uma operagSo couduziJa deste
modo apresentaria sufficiente probabilidade
de exito para se dever tentar. O marechal
estaya longe de a considerar como devendo
ser impossivel. 0 depoimento do general
Lapusset raostra, com effeito, que elle es-
tu lava esta operagSo nos ultimos dias do
bloqueio.
Que se podia esperar evitando empregar
o exercito ? A questao dos viveres esti
clara ; uma vez consumidos, era inevitavel
uma capitulagSo. Era necessario fazer tudo
para escapar iquella horrivel necessidade. O
marechal disse que era necessario nao deixar
nada ao acaso, mas uma tentative qualquer
era melbor do que resignar-se desde o pri-
meiro dia a certeza de uma ruina.
Admittindo como o marechal que o gran-
de numero de feridos que obstruiam a pra-
ra creava embaragos serios que havia peri-
go de augmentar, nao se podia contestar
que em presenga das eventualidades de uma
operagdo como esta de que se acaba de tra-
tar, era inadmissivel a hesitagao.
0 marechal sabio que a Franca faria um
grande esforco. A sua experiencia demons-
travalhe que, se faltasse o concurso do
exercito de Metz e dos quadros que elle po-
dia fornecer para os novos levantaraentos de
tropas, esse esforgo ia provavelraeote tor-
nar-se impotente. A sahida do exercito
era, para a salvagao do paiz, uma necessi-
dade suprema, diante da qual deviam ser
postas de parte todas as outras considera-
gdes.
Em resurao, osuraraario tem direito de
perguntar ao marechal Bazaine porque e
que abandonou a iniciativa dos seus luga-
res-lenentes a esecuc&o de operaCOes, que,
para produzirem effeito, exigiam uma direc-
gao unica ; por jue e* que esperou ate" 20
de setembro para emprehender essas opera-
gdes ; porque se nao aproveitou para desen-
volver as suas linhas em vez da abandonar
sempre o terretio conquistado, dedicandc-se
ao incendio das povoagdes, cuja occupagao
momentanea nao perraittia que se recolhes-
sem recursos ; porque e finalmente que elle
nunca tirou partido da situagao central oc-
cupada pelo seu exercito para fatigar as tro-
pas inimigas, exaurt-las por meio de ataques
siraulados ate ao momento em que uma
concentragao rapida lbe teria permittido
atravessar as suas linhas, e ganhar pelo la-
do dos Voges o interior da Franga.
A inagao do marechal durante o mez
de setembro, constitue uma accusagao hor-
rivel, porque nao fazendo nenbum esforgo
para sahir, conduzia fatalmente o seu exer-
cito a uma capitulagao.
Ultimos 4espachos dirigidos pelo mure-
aos- Scaramuccia, desterrados de Florenga,
e sobre os quaes pesava uma sentenga de
traigao. Popoleschi comprou & republica
aquelle palacio, que ninguem quizera com-
prar antes por causa dos dueodes, e que
por esta razao foi vendido por pouco di-
nbeiro. Pedro Popoleschi adquirio-o com
o pretexto de o dar em dote i sua lilha
Eufrosina, que devia casar dentro em pou-
co com Rodolfo Gualterio, um ios mais ce-
gos servidores dos Medtois em FLpreoca.
A necessidade de preparar o palacio para
Lucrecia, fez com qoe se apressasse o casa-
meoto de Rodolfo com Eufrosina, que, nao
sem rauita repugnaneia, por causa dos duen-
des, forara habitar o antigo palaoio dos
Scaramuccia.
Afinal Popoleschi recebeu, no dia 19 de
setembro, urn correio de Roma que precedia
da uma Jornada Lucrecia Borgia.
Esta devia chegar na noite de 20 a Flo-
renca.
Natarde d'aquelle dia, Pedro Popoleschi,
seu genro e messer Ceccone, transportaram-
se para a quinta da villa' de Croce Brucfaa-
ta, que pertencia & Popoleschi, e ficava i
raeia legua de Flurenca no caminho de Ac
quapendente.
A' meia noite chegou Lucrecia n'uma li-
teira com uma dama.
Aquella dama era MarieU.
Acompanbavam Lucrecia oseu insepara-
vel Francesco Buotti e oito esbirros com
algumas azemolas carregadas com caixotes
que pareciam muito pesados, e que flze-
ram abrir muito os olbos A messer Ceccone,
qoe era uma ave de rapina.
Depois de uma larga e secreta con versa-
gao entre Popoleschi e Lucrecia, conversa-
gao que durou ate is duas horas da manha,
aquella eatrou com Marietta para a sua li-
teira, eaco npanbada por Popolescbi, Fran-
cesco Buotti, Rodolfo Gualtiero e quatro es-
birros com as azemolas, dirigio-se para o
Arno.
A alguma distancia da cidade, esperava
no rio um grande barco tripolado por al-
guns homens do confiauga intoiramente de-
dicados aos Medieis.
Lucrecia, Mariota, Popoleschi, Gualtiero,
Buotti e os oito caixotes entraram para o
chal ao governo do imperador.Antes de ,
se empenbar nas uttngaLpoliticas, auadl ti-
nham sido es esforgos do marechal Bazai- ,
no pera informar o goverao da sua situa-
g3o, e expor-lbe as suas aacesidades | *Lo-
go dopois da batamaade Servigny, tinba o
marechal Bazaine, no 1" de setembro,| ex-
pedido ao imperador a seguinte despachec *
Depois de uma tentative i viva lorgajque ,
noi. levou a um combate, durante dous dias,
nas iraraediagdes de Stnta Barbara, volta-
mos de novo ao campo iatrinebeirado de
Metz con poucos recuraos em muaigdes de
artilheria de. campaQha, sem carne nem
biscoito, mas com trigo para cinco semanas;
emfira n'um estado sanitario que nio e per-
feito, estando a praga accumulada de fe-
ridos: *. gm
a Apezar de nuraerosos combates, a mo-
ral do exercito e boa. Contiuuo a empre-
gar esforcos para sahir da situacdo em que
nos achamos, mas o inimigo e oumeroso
em tornode nds. Morreu o general Decaen.
Feridos e enfermos uns 18:000.
Segundo oregisto da correspondencia
do marechal, este despacho foi expedido ao
1, a 3 e 7 de setembro. O summario raos-
tra que elle tambem partio de Metz a 8 ou
10. N3o se encontrou vestigio senao da ex-
pedigao feita de Metz, e confiada i mulher
Antermet, que o entregou sdraeute a 7 de
noverabro a Mr. Tachead, ministro de
Franca em Bruxollas. Esta expedicao que
e cifrada contera, intercalada em escnpta
entre o dous paragraphos que acabam de
ser citados, a seguinte inforraagao :
Reeebi hontem 500 prisioneiros france-
zes entregues dos .combates de Sedan, em
troca dos que eu tinha entregado. Os
prussianos espalbam o boato de que Mac-
Ma lion capitulou, e de que fdra feito pri-
siooeiro, ouesti encorrado em Sedan.
A data que traz este despacho iodiea que
era destinado ao ministro do governo impe-
rial, por isso que a queda da regencia nao
foi annunciada ao marechal senao a 10 de
setembro pelo capitao Lejoindre, como se
vio precedentemente. Como se ve agora,
este despacho, que 6 a reproducgio do que
ja tinha sido dirigido ao imperador no 1* e
em 3, da alguns pof i enores sobre a shua-
gao do exercito, sobre as suas provisoes e
fa: conhecer as noticias de fdra que tinam
podido penetrar no campo iutrincbeirado.
A 10 de setembro o capitao Lejoindre fez
saber ao marechal Bazaine a formacSo do
governo da defeza nacional, sob a presiden-
cia do general Trochu
A 12, comraunica o marechal esta hoticia
aos chefes dos corpos, e aos generaes de
divisio reunidos era conselbo.
-A 14, leva Pennetier a Metz joruaes c
documentos, segundo os quaes o comman-
dante era cbefe do exercito do Rheno, leva
ao conhecimento do exercito a formagao e
composicao do.novo governo.
Despaachos dirigidos ao governo da de-
feza nacional (15 de setembro e 2i de ou-
tubro).Foi pois ao governo da defeza na-
cional que o marechal* Bazaine se dirigio
em 15 de setembro. Que disse elleao mi-
uistro, que devia suppor pouco ao correr
das inforraagdes contidas nos seus despachos
anteriores*
E' urgente para o ministro saber o que se
passa em Paris e'em Franga. Nao temos ne-
nhuma communicacio com o exterior, e os
boatos extraordinarios se espalhamj)or parte
dos prisioneiros, que nos sao entregues pelo
inimigo, o qual os propaga igualmente de
uma maneira assustadora. E' para nds
importanto. receber instruccdes e^ noticias.
kstamos cercados por forgas coosideraveb,
que em vao temos .procurado atravessar
depois de dous combates- infructuosos 31
de agosto, e 1 de setembro.
Este despacho foi con6ado aos couraeei
ros Marc e Henry, os quaes mostrara, no
curaprimento da sua missao, a mais loora-
vel energia. Tendo cahido por duas.vezes
em poder do inimigo, que os condemnou a
morte, conseguiram escapar, e chegaram a
13 de outubro a Montmedy, onde a sua
raensagera foi confiada ao commandante
Reboul ; este fe-la dirigir a Lille, pelo te-
nente Aulio, que a enviou no dia seguinte.
14 de outubro, pera a secretaria da divi-
sao.
Depois da partida da Lille, o summario
perde o vestigio d'aquelle despacho, o qual
nunca chegou. as muos dos membros da do-
legagao de Tours.
(Continuar-se-ha.)
barce, e Lucrecia com o auxilio de uma
noite escurissima, entrou como por con-
trabando, em Florenga e no palacio Scara-
rauneia, por um postigo do muro do jar-
dim que deitava para- o rio.
Lucrecia foi recebida por Popolescbi, a
levada aos aposentos do palacio que davam
para o jardim e nao podiam ser observados
em consequencia da altura dos muros.
Os caixotes .forara fevados para a camara
destinada & I.rcrecia, e esta abrio-os na pre-
senga de Popolescbi, de sua filha e do seu
genro, com quem se havia encorrado.
Quatro d'elles coo tin ham a b ixella de
prata qoe Lucrecia trouxera para seu uso.
Os outros quatro estavam cbeios de ta-
leigos de Oorins.
Fizemos um sacrificio disse Lucrecia
raostrando aquelle ouro ; temos aqui oem
mil escudosromanos, e pouco importa que
se gaste todo esse ouro, com tanto que Sa-
vonarola v6 parar i fogueira.
Ha de ir, embora seja o proprio S.
Joao Baptista I exclamou I'opoleschi com
energia.
Morrera na fogueira, accrescentou
sombriamente Gualtiero.
No dia seguinte entrou publicamente em
Florenca o padre frei Francisco de Puglia,
da ordem de S. Francisco, que por um
breve do papa qce trazia para o arcebispo
de Florenca, estava encarregado de comba-
ter no pulpito, a perniciosa doutrina de Sa-
vonarola.
Esta ja nio pregava, porque a son bo ria
Ihe impozera silencio, e comecava a ser-lht
bostil ; porem em seu lugar pregava a rnes-
ma doutrina o seu diseipulo frei Dominico
de Peschia, que pertencia ao convento de
S. Mercos, de que Savonarola era superior.
No mesmo dia em que frei Francisco
de Puglia eatrava em Floreoga, entravam
tambem, com poucas' horas de differeoga,
a duqueza de Urbino que trazia Angiolioa
para a entregar a seu pai, e Pedro de Napo-1
les, sozinho cornsigo mesmo e com a sua
vinganga.
(Coiitinaar-se-ha.)
"1X2.DQ UL\rUU.-RUA DUQUfi D&W&&"
f
i



<
r

' '.mm
I

'