Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20016

Full Text
.2. '
f

i}>



ANNO XLIX. NUMERO 294
PARA A CAPITAL E LUttABES 0.\DE Ml SE PACJA PORTE.
for tres mezes adiantados................ 69000
For sois ditos idem......'............129000
Por urn anno idem.................. 249000
Csda numero avulso................. 9390
DIARIO DE
TERCA FEIRA 23 DE DEZEMBRO DE 1873
I
/
m
PAKA DE.HTR E EORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados.....I........
Por seis ditos idem...............
Por nove ditos idem................
Por urn anno idem. ,...'
69750
139509
209250
279000
PROPRIEDADE DE HAHOEL FICUEIROA DE FARIA A FILHOS.
6i Srs. Gerardo Antonio Alvesd Filhos.no Pari; Gonfatas d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jos* de Olivein &Filho, no Ceari; Utonio de Leruu. Braga, no Aracatj ; Joao aria Julio Chares, no Assa; Antonio Marques da Sita. no Sital; Jcti Jost
Pereira d'Almeida, em Mamangnape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahjrba ; Antonio Jose- Gomes, na Villa dj Penba; Be!arnJno dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Domingos Jose" da Costa Braga, em Nazareth:'
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, noPilardasAkgfes; Aires d C, na Bank; e Leite, Cerquinho d C. no RiojdeJaneiro.
PA1TE OFFICIAL
Ministerio da jiastica.
Por decreto de 6 do corrente fez-se m?rc<5 da
serventia viialicia do offlcio de 3 tabelliio do pu-
Llioo, judicial (i notas do termo da capital da pro-
vmcia de S. Paulo, ao tenonto-coronel Paulo Del-
tiao da Fonceca, nomeado "pelo respective presi-
dents para servir provisoriamente, na forma da
lei.
Miulsterio da agricuifiira.
Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 1873.Mm.
e Exm. Sr.0 governo imperial approva a decisao
pela qual V. Exc, respondendo a consults que Ihe
dirigio o presidents'da camara municipal de Mi
roim, declarou que dada ahypothese da ser c collec-
tor das rendas geraes do municipio genro do pre-
sidente da camara. devera para composigao d\s
partes classificadoras de quetrata o art. 28 do re-
gulamento que baixou com o decreto n. 5,133 de
12 do novembro de 1872, ser o dito presidente
dUbsiituido pelo vereador immediate na votagao e
que esteja no exercicio do cargo, e bem assim
que o valor do escravo que tenha de ser emancipa-
do deva SM arbilra jo in- term os do art. 37 do ci-
tado regulamento, uma vez que nao tenha silo de-
clarado pelo senho.% ou se declarado, nao fcouver
sido julgado razoavel pelo agente fiscal ou final-
mente se nao liouver avaliacao judicial que dis:
pense arbitramento. Deusguardea V. Exc.Jose
Fcrnandes da Costa Pertira Junior Sr. presiden-
te de Sergipe.
Rio da Janeiro, 12 de novembro de 1873. I Urn.
e Exm. Sr.Ao seu offlcio de 21 de abril ultimo
retpondo declarando-lhe quanto a primeira duvi-
1. nolle sujeita a decisao do governo, que 3 elas-
siflcagao dos escravos de que trata o art. 28 do
regulamento n. 5,135 de 12 de novembro de 1872
deve abranger nao so os do municipio da capital,
come- tamberr os dos municipios dos Pinhaes, Cam-
po Largo e Votuverava, por nao se ter effectua-
do nestes e sim naquelle municipio. a matricula a
que se refere n citado artigo ; quaoto a segunda
na elassiucaeao devem ser comprehend id os todos
os escravos matriculados, sem attender-se as forga3
i fundo de" emancipate ; linalmenle quanto a
terceira, que a junta deve trabalhar em dias con-
. cutivos, a horas era que possa comparecer o col
lector sera sacrificio dos interesses da fazenda na-
eioaal. Deus guarde a V. Exc Jose Fernandes
da Costa Pereira Junior. Sr. presidente do Pa-
rani.
Rio de /.aneiro, 10:de dezembro de 187J -Cir-
cular.Mm. e Exm, Sr.-Carecendo o rainisterio
a meu cargo de esclareeimentos sobre a execucSo
qae nessa proviaela tem iido as disposigooes re-
lativas a emancipacio do eleaiento servil, cumpre
queV. Exc, eom tola a bravidade informe ao
l>re este assumito. raaximesobre os seguintes pon-
Ms :
1.* Se pelos parocho? teem sido cumpndas as
dtsposicdes concernentes aos assenumentos de
baptisao dos fllhos livres de malber escrava.
2* Se forara executadas as disposicSes relallvas
raatricnla especial dos escravos e dos ingenuos,
o-clarando qual o nnmero de uns e outros matri-
culados ate o fim de setembro ultimo.
3.* Seem todos os municipios da provincia fo-
ram organisadas as juntas de classiflcagao dos
pscravos que Hern de ser libertados pelo fundo de
tjmaneipacAo, se taes.juntas teem funccionado re-
galarraente, e qual o' motivo porque possam ter
deixado deorganisar-se as mencionadas jui'as em
algumas localidades.
4.* Qual o resnltado dos trabalhos das juntas de
r-lassificacao, declarando qual o numero de vos classilicado^ e o processo observado nos ditos
trabalhos, a vista do que dispSe o art. 27 do re-
galamento n. 5,i35 de 13 do novembro de 1872.
5Qual a importaneia do fundo de emancipagao
descriminando as quantias consigoadas pela assetn-
lilea provincial e as provenientes de aoa;oes ou
legados inslitaidos com aquelle fim.
6. Quae3 as associacoes quo na provii-ia se
teem organisado com o rtin de promover a liber-
tacJo do escravos os resultados obtidtn.
7 Finalmente, qual o numero de escravos ulfor-
riados pela liboralidade particular Jesde a prcmul-
fcsclo da lei n. 2,010 de 28 de setembro de 1871,
ate 30 de setembro proximo findo.
Oeusguarde a V. Ex:. Jose Fernandes da Cos-
ta Pereira Junior. -Sr. presidente de...
Governo da provincia.
EXPEOIEN1E DO MA 4 DE OUTOBR0 DE 187).
2' secgao.
Officios:
Ao Dr. chefe de poiieia. Approvo o toaiuAo,
celebrado pelo delegado do termo de Agui Preta,
il>: uma parte da casa da camara de Palmares para
.-ervir de prisao e quar^l do destacamentc na villa
it mesmo nome,pelqaluguel men-al de 25J000.
Ao commandariie superior do municipic de
K ores.Em resposbt ao seu officio data i > le 21
azosto, curaprerue declarar-lh? que, nao tendo a
rrdem desta presidencia de 3 de abril do corrente
anno, autorizado a rtoatacar pracas de guirda na-
cional em Ing.izeira e Triumpho, nao podem ser
[.tgosos prets respective s.
Ao Dr. j aiz das execucoes criminaes da ca-
pital. Comraunicando-meo Exm. brigadeir: com-
u andante das annas haver resolvido que dcvolvidos para a cha de detencao os seutencados
de justica, empregadoj na fachina do f:rt9 do
jy.rum, Manoel Francisco de Moura, Serafirr. Caval-
cante Jordao e Vieeste dos Santos Barros, visto se-
rem desnecessarios os seus servicps naqueila for-
talesa, em consequenoia do haver ali numer-.' ..-uf-
ficiente de sen:enciados militares; assim o i.;ciaro
a V. S. para sa conhecimento.
Ao Dr. juiz provedor de capellas Prcviden-
cie V. S. no Minlido da serem prestados os escla-
recimentos exigidos co aviso do ministerio io ini-
perio, de 9 do met Cado, sob n. 9102, junto por
copia, coin relacSo as irmandade3, ordens tercei-
ra e qnaesqner outras institnigSes que mantenham
hospitaes, casas de asy!o e estabelecimentcs de ius-
truccao. n ,
Ao commandaate do corpo de policia.Poae
Vmc eneajar, sendo idoneos, no corpo sob o seu
commando os paizanos Jose Pereira de Miranda,
Antonb Bezerra dos Santos.. Francisco Juse ii-
xeira e Manoei Donuagues da Silva, de quern trata
o seu officio n. 5Si; da 1 do corrente.
3" secgdo.
Acto*:
0 presidinle da provincia, attendendo ao que
requereu Pe-lio Rwioaldo Teixeira, 3" escriptura-
3rio da thesouraria ae fazenda, resolve conceder-lhe
Ao inspector da thesouraria de fazenda.A'
vista da sua informacao datada de 2 do corrente,
sob n. 419, serie E, autoriso-o a man Jar pagar a
Jos Tavares de Oliveira, sob responsabiudade
desta presidencia, a quantia de loifOOO pelo tra -
tamento que preston aos indigentes atacados de
vari >\i no termo de Garanhuns.
Ao mesmo.Attendendo ao que requereu
Jose Francisco da Cunha Silva, no incluso requeri-
mento a que se refere sua informacao de 2 do cor-
rente, sob n. 418, serie E, recommendo a V. S.
que mande releval-o da multa que lhe foi imposta
pelo collector da villa de Agna Preta, por nao ter
averbado em tempo competente os escravos que
herdou por nnrte de sua mai.
Ao mesmo.Devolvo a V. S. o titulo de no
meacSo de Manoel Cavalcante Ferreira Mello para
o Iugar de cubrador da recebedoria de ren las des-
ta* capital, e de que trata o seu officio de 2 do cor-
rente, sob n. 417, serie E.
Ao mesmo.Recommendo a V.S. que faca re-
metier sem demora a junta de emanciparao de es-
cravos do municipio de Panellas os livros neces-
sarios para a classificacao de que trata o regula-
mento de 13 de novembro do anno passado, con-
forme pede a mesma junta em officio de 29 do
mez ultimo.
Ao inspector da thesouraria provincial.De-
volvo a V. ?. os documentos a que se refere o seu
officio de 3 do corrente, sob n. 439, afim de que
sejam excluidas as importancias de passagens dadas
a pracas do corpo de policia que viajaram escol-
Undo recrulas, visto como essas despezas correm
por conta do governo geral.
_ Ao mesmo. Nesta data approvei a autorisa-
gao que concedeu o engenheiro chefe da reparti-
gao das obras pubiicas ao engenheiro do 2* dis-
trict para maodar faz r o accrescimo da obra, de
que carece o 6 lanco da estrada daramiQcacao do
Cabo, conforme solicilou em offi:io de honlem, sob
n. 363, deveudo, porem, remetter-me opportuna-
menta o orgamento do que se despender; o qua
communico a V. S. para os Gns convenientes.
Ao mesmo. -Nesta data autoriso o engenhei-
ro chefe da ropartigio das obras pubiicas a con-
tractar com Francisco Barbosa Longavi, pela
quantia de 1:200/000, o servigo de marmorisar a
fresco tolas as paredes extenores do tbeatro Santa
Isabel, em vista das rasSes por elle expostas em
offi ;io de 30 de sete nbro ultimo sob n. 336, e de
nao ser esse servico da obrigacao do respectivo
contractante, Jose Augusto de Araujo; o que com-
munico a V. S. para os Qos convenientes.
Ao mesmo.Em additamento ao officio desta
presidencia, de 20 de setembro ultimo, mandando
pagar a Luiz Ferreira de Albuquerque ou a seu
procurador a quantia de 123JOO0, era que impor-
tou a despeza feiia durante os mexes de maio a
agosto deste anno com o sustento dos presos po-
bres da caleia do termo de Papacaca, tenho a di-
zer a V. S. que elle chama-se Laiz Ferreira de Al-
buquerque Mello e nao Luiz Ferreira de Albu-
querque, como se ve del incluso reouerirpeato.
Ao mesmo.Expe-;a V. S suas ordens para
que seja entregue ao thesoureiro da repartigao das
obras pubiicas a quantia de 6:2304008 para oc-
correr as despezas a cargo da mesma reparlicao
no corrente mez, conforme solicilou o re3peclivo
chefe em officio de 2 do corrente, sob n. 361.
Ao mesmo.Declaro a V. S., para seu conhe-
cimento e fins convenientes, que, tendo em vista o
exposto pelo collector do munioipio do Brejo em
offlcio de 26 de setembro ultimo, resolvi considerar
de nenhum efTeito a exoueracao de Joaquim Ra-
mos da Silva Moreira do cargo de escrivao da
collecloria daquelle municipio ; e bem" assim a
nomeacao de Manoel Tavares dc Oliveira Bastos
pare esse cargo.
Ao mesmo.Autoriso V. S. a procedcr dc
conformidade com sua ioforreagao de hontem, sob
n. 441. acerca do pagamento dos vencimeub'S a
que tem direito o conego Joao Jose da Costa Ri-
beiro, na qualidade de professor substituto das au-
las de latim, com exercicio no gymuasio provincial,
cujo pagamento solicitaelle no requerimento a este
appenso.
4.' secgao
Acto :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu a sociedade tRecreio Dramatico.o organi-
sada no Iugar denominado Encruzilhada de Belem
com o flm de dar representagoes particulares,
resolve, de conformidade com o disposto no artigo
33 do decreto n. 2711, de 19 de dezembro de 1860,
approvar os seus estatutos e conceder-lhe per-
inissao para poder funcciouar.
Ao director geral interino da instruccao pu-
bllca. Fico inteirado pelo officio de V. S., de 30
de setembro findo, sob n. 300, de haver o conse-
lho director approvado em sessao de 25 d'aquelle
mez a obra intitulada Arte de aprender a ler a
lettra manuscripta por Duarte Ventura, para
ser admittida nas aulas pubiicas primarias, de con-
formidade com a deliberacao do mesmo conselho,
de 29 de outubro de 1868, e approvada pela presi-
dencia em 6 de fevereiro de 1869.
- Ao provedor interino da Santa Casa de Mise-
ricordia. Nos termos da sua informacao de 3 do
corrente, sob n. 589, faga V. S. inscrever no qua-
dra das edacandas decollegio das orpbas as me-
nores, Josepha e Cecilia, filhas de Anna Joaquina
Theodora, e a quo alludem as certidoes juntas,
afim de serem opportunamente admittidas no mes-1
mo collegio.
Poruna:
A' camara municipal de Agua Preta. Pela
officio que em 26 de setembro proximo dirigio-me
a camara municipal de Agua Preta fi :o inteirado
de ja se achar elia funccionando na villa de Pal-
mares, em virtude do disposto na lei n. 1093 deste
anno.
. secgdo.
Officios :
Ao engenheiro chefe da repartigao das obras
pubiicas. Deferindoo requenmento de Cristo-
vao Gomes Coimbra, sobre que versou a informa-
cao do inspector da thesouraria provincial, do 1*
do corrente sob n. 437, autoriso Vine, a inandar
pagar ao supplicante por essa repartigao, em ob-
servancia do artigo 110 do respectivo regulamen-
to, a qnantia de 500J, consume do certificado
annexo ao mencionado requerimento, e em que
importaram as obras executadas no predio deno-
minado Convento, da villa do Triumpho.
Ao mesmo. Approvo a anlorisagao conce-
dida por Vmc. ao engenheiro do 5" districto para
mandar fazer por empreitaia, conforme expoe em
seu officio de 2 do corrente sob n. 360, os repa-
ros urgentes no empedramento da ladeira do En-
genho velho, calculados em 272J250.
Ao mesmo. Approvo a autonsagio que
concedeu Vmc. ao engenheiro do 2 districto para
fazer se o augmento de obra de que carece o 6*
lance da estrada da ramificagao do Cabo, confor-
3 mezes de lieenca, coni ordt'nado na forma da lei, me pede em officio de hontem sob n. 363 ; envian
para tntar do mm -itile r-wpf* provincia. '*
0 presidim;*, da orovhiria. attender.do au que
expo* o collectoi io tuunicipto do Brejo sra officio
de 26 de setembro ultimo, resolve considerar >?m
I'-ffeito a porta ia de 17, tambem de setembro, que
uomeou Manoel Tavares de Oliveira Bastos para o
cxrfso de escrivao da eollectoria daquelle muni-
cipio.
0 presidente da provincia, conformando-se
com o que expendcu o collector do, municipio do
Itrejo em offlcio de 26 de setembro ultimo, resolve
considerar sem effeito a portana d 17 do referido
mez de setembro, que exon.-r:u Joaquim Garros-da
Silva Moreira do cargo de escrivao da collecteria
daquelle munieipfo.
Offlcio? :
do-me opportunaraonte o or;amento respectivo.
Ao mesmo. Devoir. iheo re.iuerimeufo i^e
Jos6 igoacio d'Avila, arrcmalante da obra do paco
da assemblea provincial, afim de que Vmc. infor-
me circumstanciadamente qual o estado em qne
ella se acha, em quanto calcula o que se tem feito
e o que resfa a fazer-se, para que possa esu pre-
sidencia resolver si devem ou nao ser exonerados
da respectiva fianca os bens excedentes ao seu va
lor, como opina em seu officio do 1 do corrente
sobn 357. .
Ao mesmo. Autoriso vmc. a contractar
com Francisco Barboza Longarito pela quaatia de
:200 o servigo de marmorisar a fresco todas as
paredes exteriores do theatro Santa Isabel, em
vina das razfies expostas em seu offlcio de 30 de
selambro ultimo sob n. 356.
Ao engenheiro Luiz Jjse da Silva. Convem
que Vmc. va quanto antes a Colonia de Pimentei-
ras aviventar os respectivos marcos.
Os Srs. agentes da companhia de navegaglo
brasileira man Jem dar yas.agem para a edite por
conta do rainisterio da guerra, no vapor Bakia, ao
solJado Luiz Pereira da Silva, que vai reunir-se
ao 14 batalhao de infantaria, a que pertence.
EXPEDIENTE DO SECRKTARIO.
1' secgao.
Officios :
Ao Exm. brigadeiro coramandante das ar-
mas.0 Exm. Sr. presidente da provincia inanda
declarar a V. Exc. que ficam expedidas as conve-
nientes ordens para ser iransportado a corte no
vapor Bahia o soldade Luiz Pereira da Silva, de
que trata o seu officio de lioatem datado. sob u.
974.
Ao mesmo.S. Exc o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Exc, era resposta ao
seu officio dc hontem datado, sob n. 976, que fica
inteirado da deliberagao qua tomou V. Exc. de fa-
zer devolver para a casa de detengio os tres sen-
teneiados de justiga, que se achavam aoservic) da
fachina da fortaleza do Brura.
ft* seccao.
Officio :
Ao inspector da thesouraria provincial. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que flea approvado o contracto, feito pelo
delegado de Agua de Preta com a camara munici-
pal de Palmares, de ediflcio em que funcciona a
mesma camara, para servir de prisao e quartel do
deslacaniento, pelo aluguel de 25$ por mez.
5' secgdo.
Officios :
Ao engenheiro chefe da repartigao das obras
pubiicas 0 Exm Sr. presidente da provincia
mania communicar a V. S, era resposta ao seu
officio de 2 do corrente sob n. 361, que nesta data
mandou satisfazer pela thesouraria provincial o
pedido nelle raencionado.
Ao presidente da jnnta do emancipagao de
escravos do municipio de Panellas. 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda communicar a V.
S que nesta data expediu ordem ao inspector da
thesouraria de fazenda para remitter os livros de
que trata o seu officio de 29 de setembro findo.
As-ociagao Commercial BeneQcente de Pernatn-
buco, em 16 de dezembro de 1873.N. 91.-Mm.
e Exm. St.A direceao |cla Associacao Commer-
cial Beceficente, tendo presente o offlcio que V.
Exc. lhe dirigio em data de 29 de outubro passadn
solicitando varias informscSes relativamente a'
grandt e pequena Invoura da provincia, tem a
subida honra de transmittir a V. Exc. o resnltado
de saas investigagoes.
0 estado da Tavoura em i?eral, em sua opiniao, e
decadent I', dev-ido a baixa cos pregos dc aeus prin-
Cipaes prodnctos nos mereados fconsumidores re-
nulUiIle da (alia ile vias de coraiouniraijio para o in-
terior, sendo as^im grandes as despezas com o
transporte dos mesmos preductos, dos pesadissimos
impostos de exportagao, dos processos rotinanos de
fabrica e de manipulacao, cuncorrendo, assim.este
conjuncto de circumstancias para o completo des-
anirao do agricultor.
Quanto aos productos da pequena lavoura, es-
tando (sem razaoj adjtrictos a classe menos abas-
tada da populacao do interior, sofTrera parte dos
males que pezam seOre os generos de principal
produccao e tem contra si os efleitos do feudo qne
quasi sempre inhabiiila o bomem para o traba-
liio e lhe mala as aspiracoes qne pode ter. Hou-
ve uma epoca, e verdade, e nao ha rauitos annos,
era que a lavoura teve urn grande desenvolvimen-
to devide a guerra dos Estados Unidos da America,
e logo em seguida a do imperio com a republica
do Paraguay, dando aquella Iugar ao elevadissimo
prego a que altingio o algodao, e a ultima a baixa
do cambio que contribuio para que succedesse
quasi o mesmo, relativamente com o assucar, sem
embargo do dislrahimento de bragos para o servi-
go da guerra.
Forara, porem.esses phaeis anormaes produeidas
por circumstancias espeeiaes. Pelo quo fica dito,
achando-se patente a decadencia e o movimento
descendeate que tem lido a grande lavoura, relcva
tambem observar se que des dados estatisiicos da*
reparlicoes fiscaes e dos que particularmente col he
esta associacao, inclusive tis cotagoes officiaos da
junta de correctorcs a proluccao annual do algo-
dao, tendo attingido a trezentas mil saccas e seus
presos na citada 6poca a 3)|0.M) por arroba, ac-
tuahnente esta aquella retluzida proximamente a
30 por cento menos, e os pregos de 7$600 a....
&jl0..'0 por cada quinze kilozrammos. >
0 assucar o anno passado ainda obteve a raaior
produccao que consta do; annaes asricolas da
provincia, devido lalvezaestagao que a Providencia
aprouve conceder Ihe e a e.speranga de uma nova
alia de precos : infelizmente, porem, assim nao
succedendo, ja este anno so nota nma grande dif-
ference nas entradas, o que faz suppor]que a safra
e mutto reduzida a par de pregos tao baixos que
so podem ser equiparados os que vigoravam em
epoca muito remola.
Ha 3 aunos os precos* desse producto, tendo at-
tingido de 4J200 a 3*200 as qualidades brancas,
e os mascavados de 2*900 a 3*100, por 15 kilo-
grammas, estio hoje reduzidos os primeiros de
2*500 a 3*600, e os ult.mos de 1*800 a 2*300
pelo mesmo peso.
As concessoes dos emprestimos a lavoura sao em
geral feitas por particularly e em eondicoes de-
masiadamente onerosas, em falla de estabelecimen-
tos de credito rural, como lia em mnitos paises da
Europa, que facilitam os jmprestimos a lavoura
com juro modieo e longo praso de amortisagio. 0
que eatre nos exisle importa a accuraulacao de
juros sobre juros a uma ta> a de 12 a 24 por cento,
e as mais das vezes com hypotbecas taes que com
promettem em poucos annos o devedor e o redu-
zem a completa miseria.
A creagao dos referido* estabelecimentos de
credito rural parece que esia dependente da vonta-
de do governo, uma vez que os capitaes dos par-
ticulares, sem o auxilio ou subvencao do governo,
nao poderao por si sos concorrer para taes estabe-
lecimentos.
A indaencia que exercem os grandes impostos
!;eraes, provinciaes, o municipaes sobre as diversas
ndustrias exploradas na provincia e perniciosa ao
deseavolvimento e aperfeigoamento dessas indus-
trial.
Em nosso paiz, ainda nascente, cuja principal
fonte de produccao 6 a agricultura, sem bragos,
educacao agricofa e industrial, a taxa dos impos-
tos ele rados exerce una iniluencia extraordinaria,
quer pela elevacao dos pregos dos productos, nao
pedendu assim estes concorrer com os snnilares nos
morcados consuraidores, quer pelo desanimo que
traz ac industrial ou agneultor pelos modicos o
deficientes resultados que iiufere do trabalho.
A As; .liagao Commercial,pon, nao pede deixar
de recenhecer a pern ciosa influencia que exer-
cem sobre a agricultura e industria impostos tao
elevados como os actuaes, bastando apontar os 9
por cento de exportagao e os impostos de profis-
flo.
A direcgao da Associagao Commercial Beneficen-
te, com as eonsiderac5esacima, iulga ter respondi-
do o officio de V. Exc, solicitando varias informa-
gSes relativas a grande e a pequena lavoura da
provincia.
Deus guarde a V. Exc Dim. e Exm. Sr. Dr.
Hnnri.|ue ttoreira de Lueeoa, muito digno presi-
dente da provincia. W. Otto, vice-presidente.
' Daniel Cezar Ramos, secrdark).
desacbos da pbesidencia dl dia 20 de dezembro
de 1873.
Aitonio Joaquim Machado. -Deferido com officio
desta data, dingido a thesouraria provincial
AbkMo assignadjjs, babitantes da povoacao de
ViaeooaInforme o Sr. director da instruccao
paklici.
Idefbnso de Almeida e Albuquerque. Concedo
o pruo de oito dias.
Jojjuim Tranquilino de Lemos Da me. -Passe
poriria na forma requerida.
Jfco Ferreira Pinto Guimaries.Junte o suppli-
cant! a certidao de idade das menores a que se
refan sua peti;ao.
hi Dativo dos Passos Bastos. -Use o suppli-
caate dos recursos qne a lei lhe faculta.
Ba-harel Joaquim Pires Goncalves da Silva.
Defeido com officio desta data dirigido a thesou-
rariade fazenda.
Luz Antonio Goncalves Juuior. Como requer.
Maia Francisca da Conceicao.-Informe o Sr.
Dr. diefe de policia.
Ha*ia Candida Barbosa de Albuquerque Mara-
nhio.-Informe o Sr. provedor da Santa Casa de
Misercordia.
Mifiel Luiz da Silva.Informe o Sr. Dr. chefe
de poicia.
Re| L' seSclo. Seiretaria da policia de Pernambuco,
22 de dezembro de 1873.
N.1071.Mm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
qua ftram rccolhidos a casa de delengao os indi-
vidual seguintes :
Nodia 20 do corrente, a ordem do subdelegado
do 2districto de 3. Jose, Bartholomeu, escravo do
majoi Gasmio, preso em flagrante por crime de
farto
A' ordem do de Afogados, Onofre, escravo de
Anlouo Dias da Trindade, por andar lugido.
Nodia 21 nao foi recolhido preso algum.
0 mbdelegado do Poco da Panella, por officio
destadata, communicou-me que, das 2 para as 3
horas da tarde do dia antecedente, foram feridos
no sito em que residem, na estrada do Monteiro
daqudla freguezia, Genuino Jose Tavares e um seu
escraw, por Joao Patricio da Silva; que o delin
quenfe conseguio evadir-se, e que a tal respeito ia
prosejuir nos termos da lei.
Por officio de hontem datado, participou-me o
subdeegado de Beberibe que as 8 horas da manna
d'essedia, no Iugar Fundao daquelle districto, fdra
ferido gravemente, eom duas facadas, Theodora Ca-
Ji de Lima Ferro por Joao Sabino; qqe o
eriaiior
na forna da
Marcos Tygna da Cunha, Eudoro Emiliano de Car-
valho, Jos6 Joaquim de Miranda Monteiro de Bar-
ros, Joaquim Antonio da Cunha Junior e Libanio
da Silva Lima; approvados slmplesraente, com o
grao 3, Zeferino Antonio de Meira ; com o grao
2, Francisco Pereira da Silva Constinentino, Zeferi-
no Jose de Oliveira e Ernesto da Cunha Araujo
Vianna. a
valcacte de Lima Ferro por Joao Sabino; qqe o
:^?.* ftva-jjo-se e contra o mesmo ia proceder
Sara. 9r. com-
seija digdissi-
a Era urn quadro estatistico reraettido era 7 do
mez passado pelo director da colonia Uucunj, co-
Ihem-se os seguintes dados :
A colonia Mucury esta sitnada na provincia
de Minas-Geraes, no municipio de Minas Novas,
parochia de Nossa Senhora da Conceicao da Phi-
ladelphia. Soa fundacao data de 1836 e o systema
de cultura e o de pequena propriedade. Occupa
uma area cultivada de 1881,55 hectares e fez-se
lima derrubada na extencao dc 35,69=5 hectares.
A administragio esta confiada a 1 director e
servem sob anas ordens I ajudante, 1 medico, 1
pastor evangelico, 1 escripturario, 1 professor de
primeiras lellrase 1 enfermeiro.
t Sua populagio e de 701 habitantes, 288 na-
cionaes e 113 estrangeiros, sendo 142 homens e
146 mulheres nacionaes e 216 homens e 197
mulheres estrangeiros; formando 156 fogos. S$o
catholicos 186 e acatholicos 515.
Instruccao. -A instruccao primariae dada era
3 escolas mixtas, 2 pubiicas e 1 particular, que
foram frequBntadas por 107 alumnos, 63 nas pu-
bj icas e 3d nas particulares. Os que frequentam
as pubiicas sao 49 meninos e 19 meninas e as par-
ticulares 28 rpeninos ell meninas.
Sahiram 7 estrangeiros, 5 homens e 2 mu-
lheres.
Entraram 10 estrangeiros, 6 homens c 4 mu-
lheres.
Existem 3)7 edificios assim ciassificados : pu-
blicos 8, particulares 147, era construccao 4, nos
nucleos coloniaes 156, em construcgio 2. Conta
a colonia 6 fabricas de telha e tijolo, 1 de charu-
tos,_2 padaria?, 1 fundigao de ferro, 1 de tear al-
godao, 1 de aguardente e 1 de rapadura.
Profissao. Agricultores 135, negociantes 5.
alfaiates 3, carniceiros 3, padeiros 2, sapateiros
2, ferreiros 2, carpinteiro de carros 1, oleiro e pe-
dreiro 1, photographo 1, lavadeira 1, costureira 1.
Produccio.Cafe, milho, arroz, feijao, farinha
de mandioca, fumo, aguardente e rapadura.
Gado.-Vaccum 241, ovelbum 64, cerdum
708, xuar 6, cavallar 156. Tem mais 3,410 aves
domesticas,
Exportagao. Os generos de exr^-*a(.:. drt
setembro de 1872 a 30 do i.mh- ^ilW9"?
lei.
Deui guarde a V. Exc.-lllni. fi &
mendador Henrique Pereira de Luce__,
mo presidente da proviocia. 0 chefe de p'^icia,
Antonio Francisco Corrtia de Araujo.
RECIFE, 23 DE DF.ZEMBRO DE 1873.
moticias do sul do Iniperio.
Amanlieceu hontem em nosso pono o vapor
brasileiro Cruzeiro do Sul, trazendo datas : do Rio
de Janeiro 15, da BaUia 19 e das Alagoas 21 do
corrente. Eis o que colhemos dos jornaes e car-
tas :
BIO DE JANEIRO.
Por avisos de 6 do corrente foram nomeados
para commaudar : a bombardeira F-rte de Goim-
brj, o 1 tenente Fernando Xavier de Castro ; o
encouracado Mariz e Barros, o capitao-tenente
Carlos da Silveira Bastos Varella ; e a canhoneira
Felippg Camirao, o 1 tenente Manoel Pereira Pinto
Bravo. .
Falleceu no dia do corrente, no hospital
de mariuha da corte, o a3pirante Joaquim Jose de
Oliveira Sobrinho.
Pelo rainisterio da guerra nao foi attendido
o reo Jacintho dos Passos Guedes, exsoldado do
9" batalhao de infantaria, condemnado em 3 de
fevereiro de 1872, a pena de seis annos de prisao
com trabalho, em virtude de decisao do consel'io
supremo militar de justica, pelo crime de desergao.
- Por aviso de 11 do corrente, foi nomeado pa-
ra commandar a divisao naval do 3* districto (Pa-
ra) o capitao de mar e guerra Joio Gomes de
Aguiar.
- Por decreto n. 5,490 de 3 do corrente, foi ap-
provada a reforma dot estatutos da companhia de
seguros marilimos, fluviaes e terrestres E*peran
ca, esiabelecida na capital da provincia do Mara-
nhao, e cuja incorporagao foi autorisada pelo de-
creto n. 4,762 de 24 de julho de 1871.
A Manoel Calbo e Raphael Peralta concedeu-
se, por decreto n. 5,484, de 26 de novembro pro-
ximo findo, privilegio por dez annos para fabrica-
rem vidros pianos destinados a vidracas, espelhos,
etc., segundo om proeesso de f ua invengao.
Lemos no Jornal do Commercio :
a 0 resultado dos exames de hontem na Facul-
dade de Medicina, foi o seguinto :
2 anno medico.Joao Paulo da Silva Brito,
approvado com distiacgao; Guilherme Frederico
Victorio da Costa, Antonio Leitao da Cunha e
Oscar Lamaguiere Leal Galvao, approvados pie-
namente.
1 anno pnarraaceutico.Manoel Ribeiro Lou-
zada, Antonio Jose de Moraes Brito, Luiz Ferrei-
ra de Souza, Manoel da Silva Marques, Americo
Carlos de Siqueira e Jose Francisco de Carvalho
Ramos Filho, approvados plenamente.
3" anno pharmaceutico. Rodrigo Lopes de
Brito e Alfredo de Freitas Noronha, approvados
plenamente ; Gabriel Benedicto de Campos, Eduar-
do Rufino Gomes, Oiympio de Paula Candido e
Gabriel Lopes da Silva Porto, approvados simples-
raente.
6' anno (chnica) 1" lurma.- Guilherme Af-
fonso de Carvalho, Antonio Manoel da Costa Gui-
maraes, Jose de Macedo Cordeiro de Negreiros Lo-
bato e Alfredo Vieira Barcellos, approvados plena-
mente.
2* turma.-Paulino Cyrillo LeSo da Silveira,
Joaiuira Duarte Murtinho, Joao do Nascimento
Guedes Junior, approvados com distinccSo ; Pa-
cifico Esteves Valladares, approvado plenamente
ct 0 resuludo dos exames de desenho do 4*
anno, na Escola Central, foi o seguiute : Appro-
vados plenamente com o grao 9, Joaquim Alvaro
Pereira, Alfredo Ernesto Jacques Ourique, Anto-
nio Augusto da Conceigao, Dyonisio Evangelista
de Castro Cerqueira, Manoel Dyocez da Silveira e
Carlos Eugenio de Andrade Guimaraes ; com o
Srao 8, Eduardo Macedo de Azambuja, Francisco
jlio da Conceigao, Carlos Augusto de Castro An-
drade, Jose Felix Barbosa de Oliveira, Jose Ra-
bello de Vasconcellos, Luiz Mendes de Moraes, An-
tonio Candido Rodrigues e Ludgero Ernisto Las
sance Cunha ; com o grao 7, Jose Militlo Macha-
do Pereira, Antonio Borges da Costa, Carlos Al-
berto e Francisco Ferreira Pentes ; com o grao 6,
Caetano Alberto de Castro Nascimento, Francisco
da Cruz Ferreira Junior, Joao Eugenio Barbusa
Coelbo, Joaquim Jose Ignacio de Mello, Jos6 Joa-
quim de Miranda Horta, Francisco von Erwen, Jo-
se Osorio wogueira da Silva, Joaquim de Salles
Torres-Homem, Henrique Alvares Delgado, Ernes-
to Antonio Lassance Cunha, Antonio Joaquim da
Costa Couto Junior, Albino Pinto de Carvalho,
Eduardo Pereira de Campos, Antonio Joaquim de
Souza Carneiro, Jacintho Machado Bittencourt,
Paulino Lopes da Cruz, Joaquim de Oliveira Fer
nandes, Jose Antonio da Costa Gama Junior, An-
tonio Candido Salarar, Trajano Ignacio de.Villano
\anJZj de 1873, "forara
madeiras e couros, no
va Machado, lost Joaquim de Sa Freire, Erncs'.o
cafe, toucinho, rapadura,
valor de 205:000*000.
i Iteportacao Fazendas, molhados e drogas, na
imperunciade 82:350*195. .
Lemos no Diario Official:
Temos fulhas da cidade da Campanha alo 7
29 corrente.
Cou.'rauava a grassar a variola na freguezia
do Carmo da Christina, para onde o presidente da
provincia maaUara um medico que estava pres-
a^ndo importantes servigos.
** L6-se no Monarcltista :
< Da Christina commuuicam-nos :
Ha muitos annos que no districto de S. Se-
bastiao do Capiluba residia um fazendeiro abasia-
do de nome Antonio Pinto, criminoso de morte era
Barbacena ; nunca houve autoridade por mais di-
ligencias qup flzesse que pudesse effectuar a pri-
sao de tao potenlado criminoso, que era muito
protegido neste municipio, tanto que ao menor
movimento' da policia era elle immediataraente
avisado.
c 0 Sr. Dr Pedro Antonio de Oliveira Ribeiro
Junior, muito ligno juiz municipal deste termo, po-
rem, deu pessoalmente um cerco na fazenda do
dito criminoso Pinto, tendo para este fim arranja-
do a forga necessaria na freguezia de Santa Ca-
tharina, e conseguio prende-lo era um escondrijo
que tinha de proposito era baixo do assoalho da
casa, que para o descobrir, foi preciso desiruir a
machado parte do mesmo assoalho, em cujo sub-
terraneo se achava o criminoso, e onde sempre se
escondia em semelhantes occasioes.
c Eralira ha 17 annos mais ou menos que An-
tonio Pinto sempre zembou das autoridades d ,-ste
municipio.
a Fazemos votos para que o digno juiz munici-
pal continue a livrar-nos da impunidade que in-
felizmen'e grassa no nosso municipio.
Eis as nolicias commerciaes da ultima data :
a Conservou se ainda hojeo mercadode cambio
em posigao lisongeira e active. As transaccoes ef
fectuadas foram regulares sobre Londres a 26 d
papel bancario, 26 1|8, 26 3|16e 26 Ii4 d. particu-
lar, e pequcnas sobre Franga a 361, 362 e'364 rs.
por franco.
Nada se fez em soberanos uem em fundos pu
blicos.
0 mercado de acgoes tambem esteve extre-
mamente apathico. Apenas transpiraram peque-
nas opeiagoes sobre as do Banco do Brasil a 250*
cada uma a dinheiro, do Banco Nacional a 53* e
da companhia de seguros Integridade a 64*
t As vendas de cafe effectuadas hoje foram pe-
quenas e as da seraana somraam cerca de 5-5,500
saccos Calculamos hoje a t xistencia deste gene-
fo em cerca de 245,000 saccos.
t Cotames por uma arroba :
c Lavado 112000 a 12*000,
Superior e fino 11*500 a 11*800.
1' boa 10*900 a 11*100.
c 1* regular 10*500 a 10*700.
1* ordinaria 10*100 a 10*300.
i 2' boa 9*500 a 9*700. .
. 2* ordinaria 8*800 a 9*200
Pouco se fez em assucar para consutno.
As sahidas de carne seeca, tambem para con-
sumo, {pram de cerca de 6,000 arrobas.
a Fretaram-se dons navios, sendo um para Ca-
pe Town, a ordem, cafe a 203 por inteiro, e o
outro para Pernambuco e Rio da Prata, assucar
a 8 rls. t
Sahio para Pernambuco, no dia 13, o brigue
portuguez Ovarense.
BA1UA.
Lemos no Jornal:
i De bordo do vapor Hooper foi expedido pelo
engenheiro Jas. France o seguiate telegramma:
i Terga-feira 16 de dezembro de 1873. A' S.
Exc. o Sr. presidente da provincia e ao inspector
do arsenal. A extromi lade do cabo foi presa com
feliz resultado. Partimos as 6 horas da tarde
para o Rio. Nossos cordiaes agraiecimentos por
tantas provas de amabilidade de vossa parte. >
a Na fralda da serra do Bom-Successo, cerca
dc duas leguas acima do arraial do Bomfim, do
termo da Feira de 5am"Anna, abatcn uma eerta
exlensao de lerreno, desapparecendo arvores e
tudo mais quanto existia snbre o solo, estaoele-
cendo-se entao, era direceao certa, um lotto natu-
ral de estrada de ferro.
t Nada mais podemos aecrescentar, porque nao
nos souberam dar outras expliiagoes. 0 que e
cerl'.>-cquc o phenomeno tem attrahido muitos
curiosos.
A alfandega rendeu de I a 18 do corrente
304:945*717.
0 cambio sobre Londres regulava 26 X a
26 Va-
ALAOOAS.
Foi nomeado proraotor publico da coraarca
dalmperatriz obachirel Eduardo Jayme Gomes
de Aranjo.
Lemos no Jornal das A laooas:
< De Paulo Affonso cominumcaram-nosem data
de 5 do corrente :
a No dia 23 do mez proximo passado, foi esta
r
BBNAMBUCO.
REVISTA DtARIA.
Pharol do Beclfe Por portaria da pre-
sidencia, de 20 do corrente, foi nomeado Joio Hen-
riques de Souza Rangel, 2.* pharoleiro do pharol
da barra do Recife, vago por morte de Manoel Al-
ves Pereira.
Guarda uaclonal -Por porlariasda pre-
sidencia da provincia, de 20 do corrente :
Foram nemeados para o 6* batalhao de infanta-
ria do municipio do Recife: tenente da 1* compa-
nhia, o alferes Antonio Joaquim Lopes de Carva-
lho; alferes da 2' dita, o guarda Miguel Nunes de
Freitas ; capitao da 4' dita, o tenente Joao Chry-
sostomo de Albuquerque ; capitao da 5* dita, o
tenente Joao Ribeiro Pessoa de Lacerda.
Mandou so dar guia de passagem para o muni-
cipio do Cabo, ao alferes do 5* batalhao de infan-
taria, do Recife, Luiz Antonio Goncalves Junior.
Sluziicipio de Gamelleira.-Por porta-
ria da presidencia da provincia, de 20 do corren-
te, foi creado fdra civil no municipio de Camellei-
ra, com conselhos de jurados, flcando o mesmo
municipio annexo ao da Escada, a cuja comarca
pertenee.
Dinheiro.-Os vapores brasileiros Cruzeiro
do Sul e Ip-ijnca tronxeram para :
Bank of Rio de Janeiro 200:000*000
New London & Brasilian Bank 80:000*000
Bario de Nazareth 35:000*000
Borstelman & C 15:000*000
Manoel Jose de Sa Araujo 10:000*000
Moraes A Irmads 9:950*000
Gomes de Mattos & lrmao 5:052*000
Henrique Xavier de Araujo Saraiva 5:000*000
Francisco Jose da Silva 3:456*000
Soares Leite & C. 2:000*000
Luiz Antenio de Siqueira 1:872*000
Josd Velloso Soares 1:628*000
Guilherme C. da Cunha k C. 1:200*000
Loyo Sobrinho & C. 1:000*000
Andrade & Mello 760*000
Jose Rodriiraes de Souza 600*000
Sa Leitao & lrmao 600*000
Joao Baptista de Oliveira 528*800
Joaquim Geminiano de Miranda 4509000
Bularmaque, Araujo & C. 310*000
Jose Ferreira Pinto de Magalhaes 250*000
Quintino Joaquim de Miranda 50*000
Via ferrea do Caxaagra.-Nos dias_2i
25 do corrente (veapera e dia de Natal) heverao.
alem dos trens da tabella era vigor, os seguintes :
No primeiro daquelles dias (24) um do Recife a
Caxanga, a meia noite.
No segundo (25) do Recife a Caxanga, a I, 2, 3,
4, 5 e '() horas da manna, e II e 12 da noite ; do
Caxanga para o Recife as 12 e 35 minutos 1 e 35,
2 e 35, 3 e 35, 4 e 35 da raanha ; 12 o 35 da tar-
de ; 10 e 35, He 35 e 12 e 35 da noite.
Telegramma Eis o que fo? hontem aqur
recebido do flo do sul : Hooper a Pearson, dis-
tancia andada 653 milhas ate ao meio dia. Espe-
ramos fazer a jnncgao do cabo amanha, 22 de de-
zembro de 1873.
Missa- Hoje, pelas 6 horas da manna, man-
da a sociedade Amor A benepcencia dos talha-
dores, celebrar uma missa em honra de seu pa-
droeiro o Si*or Bom Jesus da Paciencii, que s
ven'era na igreja do Kosario da freguezia de Santo
Antonio, onde tera iugar essa missa.
Club litterario. Acham-se encerrados os
trabalhos dossa associacao ate o dia 7 de Janeiro
proximo vindonro.
Tr apiche Pelonriaho. Deve brevemeu-
te comegar a demolicao do barracio do largo do
Corpo Santo, que pertenceo ao Exm. Sr. viscoude
de 8oassnna, e foi desapropriado pela camara
municipal do Recife. A aeoiol:gao e remoeio do
material foi contratada pelo Sr. Jose Augusto de
Araujo, pela qnantia de 500*500.
Vapores esperados. A todo <> momen-
to, o francez Ville ae Santos, c os inglezes Csrdova
K

u--, A*.a.-
mimmTI
r'iBfn
"
> 4
e
..
villa sorprendida por um desses factos que repua
nara a sociedade.
Nesse dia, as 8 horas da noite, foi barbara v
cruel meu te espancado o tenente Cesario Borges
Barreto, delegado I.- sopplente deste termo.
a Eis como se deu o lacto:
< Diversas peasoas avisaram o tenente Cesario
de que sa o pretendia offender physicamente. Co-
mo era natural eHe precaveu se, mas na noite do
fatal altenlado teve neceasidade do sahir ao quin
tal de sua casa, d'oude voltando foi traicoeiramen-
te accorametlido por um individuo que o lancou
por terra com uma 'remenda caceUda no alto da
eabeea; nao satisfeito o malvado, ainda descar-
regou na infeliz victima mais 4 golpes, pondo-se
em fuga I
< Aos gritos de Cesario acodem diversas pes-
soas, que o conduzem a bragos para dentro de casa.
onde jaz hoje prostrado no leito da dor com irn
menso perigo de vida I Felizmente foi e tem sido
soccorrido pelos esfor;os do muito digno capitao
Ponte-Baixa, que muoido do uma carteira homeo-
pathica e presente ao delicto, apos os primeiro.-
els mores por Mo barbaro attentado, tem conse-
guido minorar os sofirimentos da victima.
< 0 clamor publico tem cogitado onde estao os
raandantes e raandatario de semelhante facto ; e
quasi sempre apontase este ou aquelle individuo
quando a humanidade e assaitada por crimes que
se perpetram em seu seio, como uma aberracao
dos verdadeiros costumes, das boas leis de uma
sociedade morahsada e christa.
c No caso presente a opiniao publica nesta villa
tem notado que constituiram se immigos do te-
nente Cesario os individuos Jose Antonio Ribeiro
e seus filbos Pedro Rodrigues Vieira, Francisco Ro-
d igues Vieira e genros Manoel Januario de Mello
e Joaquim Gaia, e seu irmao Francisco Antonio de
Oliveira Werceiens, haveodo presumpf-io de qne
um escravo de nome Feiippe, de propriedade de
um delles, fosse o antor do attentado.
Consta mais que esses homens aggregados a
um tal Joao Baptista Vieira, i>or vezes p.rotesta-
ram tomar uma vindiota contra o tenonte tasario,
que, entretanto nao acreditava in totum n'um des-
forco tao violento, pratioado em sua pessoa, ma-
xime quaudo neniiuraas razees justifioaveis para
isso subsistiara.
*4DiLSnq"9 l,ms dia. laanJa Manoei jaua-"
cuaht" 'a W "^S em casamento com uma,
..., apparecera, no-acto de celebrar se 0 Sa-
cramento, uma carta de impediment, que foi lo-
go attribuida, sera nenhuma prova, ao tenente Ce-
sario, e que'd'ahi partio toda a intriga cntra este
convindo notar que o tenente Cesario ecasad
com uma sobrinha de Jose Antonio Ribeiro e e
Werceiens.
< 0 que ha ahi do verdade, sobre terem sido
esses individuos autores ou conniventes no attenta-
do, nao garantiinci*, pou nue apeoaa aumoa o echo
do que se diz e se falla.
Que o tenente Cesario e um moco digno de
toda eslima, nao padece a menor duvida, e prova-o
ser elle 1.* supplente do delegado de poiieia, offi-
cial da guarda nacional e advogado provisionado
pela relacao da Bahia.
Coneluimos, r.gando ao JSxm. Sr. presidente
da provincia e Or. chefe de policia; que lancem
suas vistas para esta infeliz comarca, livrando-a
de tantos attestados contra a vida e de tantos
malfeitores que a infestam ; e para melhor o fa-
zerem temos aqui os Illms. Srs. Dr. juiz de direito
e delegado capitao Ponte-Baixa, que sao zelosos
curapridores de seus deveres. >
M>
0**
W^^
* >u
i< >'


___Jt'
2
T8I .{*!
* ti
4<
3*fejte 7! I /
M.....
>
^
1
Cotopaxi ou Luzilania, daflhtopa; de 35 it43
do corr,*J*;'o:lnglez lioyn^, da Eurnpa, e o brasf
leiro Ceg, d JVcivj. dojfio.da'Praia e escalas.
EstrWttaj He ferro do Recife ao s.
Fraiiclrte*. Do l. de janetra proximo em
dianle, o service de transporte de passageiros e
oargas pela via-ferrea do S. Francisco, sera regu-
lado pela ';abella paMicada no lugar eompeteote.
FerimeutAfcrnve -a's8 haras do dia 21
do corrente, no lags r Pandaodo drsWcto polieial
de Beberibe, Joao Sabino fario gravemeiite com
duas facadas %<.fneodor,o Cavaloautede lima Fer-
ro, p ikI ) se em seguida em f aga.
Ordens saeras -No sabbado (10) is 7 ho-
ras da inauha, S. Exe. Rvma. confcrte ordens, na
capella Joao i ark'* de Moura ; c de diacono, a Themisto
des Gonc-ilves de Andrade, Antonio Manot-1 de
Caslilho ttrandan, Joao Marques de Souza e Joao
da Costa llarros de Missa de \atal. -A commissao adminis-
trativa da devorao de Nossa Sen bora da Saude,
erecta na capella da portaria do oonvento de S.
Francisco do Recife, manda celebrar uma missa
solemne a mew noite Desde e-se Mia ate o de Reis estara em exposi
cao o presepio armado nessa capella.
Liberdado. O Sr. barao de Nazareth, n
signal de regosijo pelo consorcio de sna flip* pri
raogenila, a Exma. Sra. D. Eutbalia Ramos de
Barros, cm o Sr. Dr. Jose Avelino Gur-gel do
Amaral, consorcio que teve lugar wo dii 20 do
correoie, coiicedeu liberdade, sera conflicpes, at
sen escravo Paulo, em retribui'.ao dehorns servicoa
prestados por esse Bel famulo.
O acto do Sr. barao 6 desses qsc nno precisam
commeutario, visto como ja lem em tw cunho do
seii merecimento.
Jkttentado. No doming.) ultimo, pelas
boras da larde pout) mnis oa menos. passeiava o
Sr. Geminiano Josi Tavares, em seu sitio, loeali
sado na cslrada do Moawwo, qtumdo ohservou
que uma inelhcr e dous raaazes desfracUvam ar
rondos tie sua proprieaade. Dirigio-se a taes
pessoas, e, exprobandj-Hyrs do irregular procedi
-menlo, fd las retirar d'afti.
Momeulos p.issados, porem, tis qae tornam ;
appareeer-llws as inesraos, actur.panhados pelo ce-
lebre criicinoso Joao Patricw '4a Silva, que. arma-
do de eaoite, do wesmo tempo quo aineacava o
Sr. Gemini mo, maadsva que % mother e ns rapn-
zes contmuas-em m>. Colheita dos frurios :lh*W.
TaoArutal ousadia nao sapporta a sangiw Irio o
homom que se presa de o ser: o Sr. Geminiano
oppoe-se. oSb ob4nnte as amea^as a reaifeaca* tla
laelMOui e recwfee de JiaVi Patricio, caeniaiU'tao:
cerieira que o pro&tra-; cm escravo do Sr.'G^mi
niano, qw. ap|tareee a tempo de w ver chir,-cofre
em seu nuxiiio, mas-sua dedica^io, digna t!a me
Ihor sorte, 6 preaiatla eom trev facadas, qae Jo*
Patrick) lhc aaira, o bvade se.
Ora, isio ?e deu etn pteno dia, e m'uma das'
estradas m.ws poroadas e confttrridas.
Mas, lie itr.os aqdi.
Supri'Mii 'tribunal de jwstfe^a. Na.
essas dr- 13 do cotreule, foi jiilgatla a'rci-lama.-a
n. 2'i9.Feolamnnlc, o juic de diroitf) avulso Ma-
noel da S*lv:i MaTra. ,r
0 rc-kmante on que fit preju*ioado na suaar
tiguiJad-^ pela ullima relrtdta da lista, porquanhi,
tendo Maran!n.i> e ilao tenlo podido ir no pr i marcado,
fol i;on temp i dt- cxiTcieio anterior emesmo o prazo war
cado, tfuaji'doiia forma do deerctn n. >7 tie 26
de jtinlio "de l."i<), o temoo apraz*d> ptro se
apresentar'OB M desiino nan tuterronqjo ovoxer-
oiclo oflMHve i|ue ciiu-tiine anti^aidade, etc.
Assim tier i'Sta e aulras mMi requer o-roela-
Oiantn <$K eja roparada a inj!{fa.
it.-::i!;!i a rec l.miacao, dH.hatida no tsrreno
d u dovetttt one regeina malema, Sr. crt-sefhei
n \'H!fi:io i'\|)licou a* dispr.-siisi'-i -dt-^selle de
eret<>, C'liili'.'niando com o Ue'n. titJO'de-2-J de ju-
nil' iSr".S'), art. coochwo atie jnljiava pnice
denie ri r>".i'lamacao*.
Vestas i lf..\s aiiundaram os Srs. Allni'pj/irque o
Yili.irr:-, e ;nr ultimo tj Sr. "Pijriielra "de'Melld.
O >.-. :M!i>elhf'inM^ssias L-i'i, ojmoz'fe, rtao es-
taml i i-eU biu>lligv>neni *r-fleereto -ejcplicado pel"
Sr. Vit'/iM, ro, e ptr n'tiran, THcdlhetrtN-M! ns To-
'-'>. f >i a r^elamajao jirfgada prcjeedeiite, contra
i~ wh;a 4>arao de Pirapama e Cer^adra Leite.
Lwrma -e o aocord**, cojaintegra e a seguin'e :
Vi>. is, expnstos e relatados joles-a^Ros de reela-
maijaH .1.-. f.nUuuid>le 4*i iiY. do"?nrSHo vul-">, h-
chie Marmel da Silva Mufra : jiilgam proc^dentrt
a mesi'ia rvla iiaijAo e manlam iqne-sejam mivid *
os fafeos ii direit i ifrteressados desde o n. 192 xti
30*, fcurlusive da ultima ii*!a dff re*isao.
Rio d Janeiro, em VA de diaeiuhro de 1873.
Brito, pivsidenie. -F*?<-r.-tWMIfcter. Afbn-
toutfpuiGtrqneiru,-veaeido. -Smoes di SHtnt.
6Md>i -btHo, vencido. Pirerpana, renrido.
Pinto Chk;'iorro. FiqHetm'de-Meilo.
11 oiiiios. Na iMJiULidad> liontem peuetra-
ram na ladi 0a no solao da |iadria n. 72 da rua
do Lima, e da'ii 4evaram oique Ihes foi posstoel,
em-pi-ras de ruupa, que foi o qoe encontraram.
Ao amanheoec de hontem foi igualmeBte
roui>-"da a ea-a do Tesida;ia do Sr. Boaventara
Jos&Oielhn, a ru AoJtengel n.-oO. Por arrcm-
bamcrilo, quo pratir.arr.m emuma carteira alii exis
teisic lcva*an-Hte osiladrOes cerca de l.-OflO^GOO.
Descngaricmp bos: a fef'x.
V girt't Milentr 1iWtbarne -No dia 17
de ii/ivembro a uribniul X}aeeis Be nek ;ifcri* a
audieneia para coatinuar o julgamenio adiado
para Mar lempo a cbitgada ilas testemunhav resi-
denies na America e que a ac^usacao tiah;i pro-
duzid-> vilimameale.
Mr. Hawkins, advogedo da accusacao, requrreu
novo adimuento puT'tor-recebiio um tel "graiaina
guer li e diz.a : qae as terteniunhas de Nova-
York so podiam e-ftfi'r em Loadres no diaSJ, e
as de Nuva Orleans ino dia 26.
Mr. tven'aly opf oz ao ^diamento : i' por:
ser iwalra a lei, S'.por nao terem sido ictimados
ao roe nem os nonv*s das testemunhas, >noua os
faetos sobre que tinfcam 'dc.depor.
0 ^presidenfe obsr*eu q4e a admissao das tos-
temuobas ;ra legal, par i.-so,fue esta prona foi]
dadapara veriScar fades dequeo adr<^ado do
reo nao havia feito meai;ao, e que foram refe-
ridos por uma lesientwnba da defexa, de cujo
uome nao ss dau conbeewneoto a ae-cusajjao.
Mr. i'Kenualy declar'ott qae teria de pedir aovo
adiarnento para dar tesfemunlias, afim de refu
lar a prova ultimamente apresostada
O presidmte dwse : .pit- qao cOncedaria osais
adiameOvO algtim, mareaedo a dia 27 para a
coatinuafAo do juigameuio.
Na auiiisncia de 21, Mr. Mae-Mahoa.un dos
defensoras 4o preteadente, requereu que a tribu-
nal revqgasse a sua decisao que fixuu o dia 31
de outubro de 1874 como limite da dura^ao do
processo do seu ciiente, fundado em que esta de
cisSo nao se justiflcara pela* dfeposicoes legaes
de Jorge IV ede Guilaerme SV, qae ihvueou. O
advogado aualentou : ^ue estas leis nao autorba-
vam o tribunal a fixar .os limites da dnracao do
processo alem do 2i dia conlado das ferias qu'
se seguira n a sessao de juigamento ; que o tri
bunal so podia totnar conbecimeoto de uma causa
no p&riodo que decorre eatre a sessio em queo
processo Vomecau e as fenas que se seg\*?ra,
nenhutn processo pode proseguir, como se esta
fazeado. por muitas sessoes, muitas ferias.
0 juiz Heilor oUservou que baslava que uca
advogado fa lasse seis semaoas para Jkrrar a sea
:lienle de toilo o proeedimento udieial posterior.
Mr. Mae-Mahon diase :. que era uma conse
fiuencia da lei, qae a favor da sna piniao
havia am precedenteao processo &ex vin o'Con-
Jiell, {qua se a lei era absurda eompetia ae podar
legislalivo eaenda la
Os juizes lembraram que a earaara dos iords
ba pi aco tempo jalgon contra o preee lento ftpon-
la-.lo por Mr Mae vtahon.
0 juiz Blackour disse : que o tenlo d> Slataio
'stabeleee qo? em urn proedua julgado ado in
ounal pleBO nan ba Hum .limite senao o arbitrio
Mo juiz ; que uesle pro imile ale ao |irini-ipio desla sessao, depois ate
ao lim da sris*i nece-sario seia de novo proinqgado; que a lei
aao eoatem disoasicjao alguma quo proniba aoe
uizesosta f.ieiildaJe
0 tribunal in J.-ieri,i o requerimento.
Vulnatnna. Eoi umdas uliimos dias apre-
seolou -' uui.i mqlher bem trajada, n'um poslo
da p.dicia cm Pjris. e declarou que acabava de'
por as uvas e.n ptaa a> Sr. seu inarido, pelo ter
eneontralo em IJagrajjle infi.ieJjdade conjugal ;
indo pi.riant'i entregar-se a prisao.
0 ehefe da policia nao esteve pelos autos, man-
lando a, reUrar, dlase^ba <|U a4 4 paptuiaria se
) maridg donanoado e lh,e viesse queixar.
A mower peetqwia erq lodo' o cas-i Hear sob
oustpaia. atiscrafaBdo ter coramettido urn crime.
Carqe galada.Em reuniao ulliunmenie
-ealisada em Londres, pela cqmraissao alimenti-
:ia, nomeada pela sociedade das artes, o Sr. Har-
."isoa deo coiiU 4o resullado que teve a sua -Ian
ttlfcA. para lmortar enf togTalerra carne Ma A us
b-iiia,
Foi niallogtado' essb iofentM,
darott, por causa da deficient
das oaixas desluiadas. ao.acoiidieionaaierdrt ; de
fprina que occasionou o despe:dicio de 2o tone-
ladas de gelo, durante 27 dias.
0 professor Gamgee formuiou a sua opiniao,
assas desanfmadora, prognostic%ndo, que, embora
o intentj seja realisavel, a rareita uao dara para a
despeza.
O iuipostu inilirecio de niiiagena.
Continua teudo m prodigioso augmento, na Ita-
lia, o imposto sobre as inoagens, qae tantos e lao
energieos clamorcs suscitoa da parte dos contri-
buintes, tendo sido necessai io por mafias vexes
repellir resistenoias armadas, e serem is empre-
gados Qscaes incurabidos da reeap$ao daquelletri-
buto obrlgados a andarem sempre escoltados com
forca armada:
0 renlimeaio desse imposts foi pois, nos pri-
meiros dez mezes destu aaao, a somma de 9:5i2
contos de reis I
Aecasando um accressimodereeeita comparade
com igual periodo de anno de 1872, de.......
1,107:7001000, nweda forte 1 I
E islo espanloso, porera assim consta de docu-
mentos offlciaes, publicados em um jornal italiano
que lemos sob os oibos.
Hoje os moleiros ja se conformarara com aquel-
le genero de imposto, e o estado aufere am ren
ilimento tal, que mtri difflcilmenle liraria de oulra
fonte, por wuilo qae explorasse.
\iiva nieeda dc troco.De dia 15 do
corrente era diatttc, a casa da moeda eraitiira a
moeila sabsidiaria de bronze, do vglor dc 40 rs.
em troca do cobre circulante ( autigas moedas de
40 c io SO ts. ^. As reparli^des eublieas porem,
poderao have la por moeda papel. A nova sobsi-
diaria, Tabricada ao paiz, e em nada inferior as de
20 c It) rs., cujas chapmhas foram feitas na casa
James Wall, c cunbadas na B<4gica com matizes
gravados na casa de moeda de Rio do Janeiro, tern
osscguintes'caracteristicos : cor avermelhada, em
qcanlo nova, bem diifereMe .da do ouro, muito
ilevo, comparativamente com a de iOt, contorno
li-:", ctnquanto que o da moeda de ouro a setri-
mada ; o-retralo de S. *l. o hnperadore ni subsi-
diaria voitado a csquerda, sendo o da de euro
vokado u direita; no reverso daqaella as anna-
two tern o accessorio famo c cafe, mas stin dffnm
lodo du e-cutio o uuiifcro 40 e do oulro a pala
vra Hs.
Grande incestflio. Ardeu em am dts-
les dias a gran le fabrica de velas de cera e de
sebo, a qual desde oinilos annus se uchava estabe-
lecida em Nantes. liaveuMo alii profusao de ma
teries inuaminaveit, o fogo tomou logo vastas pro-
pursues, deslruicrlo tudo denlro de uma h ira.
Eszaiiaram os pav.llioes isulados.
A proposito deSte iucendio escreveu isto o Jour-
nal da Dibats:
< Os soccorros cbegaram ciim grande eeleridade
de tudos os p>atos, e ter se-hia podido obstr a quo
o incendi i tomasse tamanlias piop-rooes, se nuo
licrsse haciiofiilla de dgaa, o que prooim sempre
da iiisulpcieiK^i ou ind coll.como dit btccas.de in
cendio.
Tomou-se por isso nece-sario levaotar as pe-
dras da cal^ada e cavar a terra ale a tubos con-
ductures pnra os brocar e assim alcamjar se'.luda
a agua H-icessaiia
Aos que gritirn, desronln-cem, ou fingera das-
on'ieeer 'OS imp.irtantes serviros que a cidadc
lem ja presiad > a nossa cnu^iauliia de abasteci-
mento dagua, ufferecemus os trechos c>piads
para que rec nibecam, comparaado, estaruvts em
vauujo.-a posi.ao no que toca a forneciiiiento d'a
gua para o servi^o do incendios.
Uaaa scetta einnuiiivrilera. No tn
buoai de Montauban f n ha poucos dias julgado
coriv.ccionalmeiile um rapiz dc l.'i aimos, lilhj
M i u na fainil.'a decente. pela accusacsio do haver
(ortad > ao criad* da casa do pai, alguin .Hub -iro
e um reliigin do [irata. O tribunal Ueuidio quo u
luaneelm ubrara sem discerBiineulo, e por is,s > o
absolveu, dixlaraudo se dever ser eutiegue a seu-
pais.
E abracado 6 filho, com elle Rvaae/iu ale junto da
se'de dos juizes, e nrdenaado-lhd que ajoelhsssc, 6
nbrigou a expressar o sen arrcpendimento. No
inoinento do sair a porta da sala do tribunal, u
pai dins* ao lillio que se viraase para a parede
principal, undo esti'a imagem de Jesus Chrism, e
apoul .udo para o Ciucifixo, acCentuou estas pala*
vras : Leaibra te para sempre'! >
O audilorio preseuciuu tudu islo assas seusibili-
sad...
Coiidemnacao. 0 tribunal correcein-
n I do Versailles, era aadieneia de 113 desle mez,
ciiideinom a tres mezee de prisao o coronel Slot-'
fel, por ter dirigido iajuria* ao-general Riviere, re-
lalor no conselho de guerra que e-ta julgaalo o
marechal Baxaine.
laau^uracaa da tnenunento a Ca-
vour.-Xo dia 9do moz que vai docorrendo,rea-
Dsoff-se em Turin a iaaagara;ao do monument)
ao egregio cstadista, Cuude Cavour.
Os joruaes du pariido liberal, como era natural
e (i assurapto exigia, enchem as suas columuas
com a desciipcao d'aquella solemnidade, que ter
minou par um banquete.
Prestando tie justa e altamente devida home-
nagem aquelle grande vulto, que ja perlence a
hisioria, gratifie numero de homens notayeis,
havia parttdo de varios pontos da Italia, para as-
sistirem a um acto, quese por um lado avivava a
saudade que o passaraento de Cavour a tantos
causon, pelo ootro era-causa de lenitivo o ver
como nao ficou esqueeido por largos annos o pa-
gamento d'aquella divida oaeional.
Eutre as notabilidades q*ie se encontraram reu-
nidas em Turin, ee contavaoconde A Ifieri, sobri-
nho de Cavoar
0 banquele foi dado no palacio- Carignano.
0 autor do monumeulo e c bariio Dupre.
0 priweco que tomou a palavra foi o syndico
de Turin, como represent;wate da cidade, conclum
do p.>r levaalar um brinde quelle emioente ho
mom, que lao notavel (ora nas seiencias e na po-
li.lica itakana. O seu diseurso ceneitou vivos e
repelidi-js applauses.
O-nskiidtre da Portugal, dil um dos periodico*
que temee presaate; propoz um brinde a cidade
em newne do'corpo diplomatic ; brinde que foi
cordiaimeate acolhido.
0 representant da Gra-Brotanha, Mr. Paget,
pronanciou am diseurso em lingua franceza, ex-
pondo quaoto era venerada mo Inglalerra a me
moria do coade Gavoar, quaato no seu paiz sp li-
nha seguidj com eleg.-ia a nbase do resurgtmea-
to iiahan j, e foz recordar o fervido aimgo da
Italia, Mr. Ikates Hudson, que representuu a la
Slaterra junta da carle de Italia, durante o periw-
o mats afertunado d'est. aacao. As palavras
d'este orador foram muitas vezes iuternuiipidas
por eathusiasiicos apj:lai-:sos.
Ta'.nb- m lizeram discorsos sebremodo applau-
didos o aresidente do seoado, o coade Maimanl, e
6 presidente da ca-nara eleetiva, assim coaw o
presideote do conselho de mlnislrea.
0 ret da Italia e"aetts altos as?ociaram-se
igualmeate ao admira.dor6s do:grande Cavour,
nao faltando con a sjia presenca aMi. Assim de
Via ser. Victor Emmanuel eseus lilhos quando a
Italia liiava por quebrar as algeoias com q*eo
estrangetfo opprimia uma parte d'quelle va-Ho
paiz, nao se eoneervaram no gozo das commodi->
dades que aos seus palaeios disfrueu vain; mas
foram setapre toiaar narie nas duras batalbas
jue se feriram, vi omenos milizares, e fazeudo vibrar aos claroes
t!os combates as lauanas de suas valentes espa
das. A elles cabe valioso quinbao nos esforens
iagentes leseovolvidos pel s italtauos, para reali-
earem o grondioso peasameuio de Cavour.
JLoteria A que se aehaa venda-e a 80* a
beaeficio da igreja da Santa Gruz, a quad corre
I^eilau Hoje euectua o agente Martins as 4 (
hras do dia, o leUao da loja de (erragens aa rua
de Mawilio Dias n. 6 em ltites a voiitade dos com
prad'vas.
Haanital Portugue/ de Beaeliecn
'ia. Mivimento das eafermarias nos'dias 14 a
SJ do dezembro :
Ficaram em tralamento 34, entraram 14, sahiram
cuxadus S, faJieceram 5, lieam existioJo 38.
Esta de seauna o Sr. mordoiuo Fraoeisco Fer-
reira Maia.
Errata. No annunrio que bontera publiea
in..s do Sr. Antonio Games de Freilas, deelarando
nao ter contra eUe exeeucao alguma deve ler-se
Ju-e Gomes de freilas, etc.
rro uarne iia a us- rmucnios
l.i.m Aulonio-dos Santos ; In
, segntlflo cfle ;de- Maria da Lux,; variolas confl
cia Mia omsirut^RiIVii-ente loWac Bano< ; vari
Fallec'dos.
Abjonio-dos Santos ; bexigas conutbnies,
uenles. -''.
riolas rourim
IRrealaacrOlt.-eira da Silva ; variolas
Jaoiullio da (ijiiiia le.-ao orgaoica do con*dK
leremias; variolas conlluenles.
Jeronymo Ferrona : tu'ierculose pulmona.
Luisa ; syphilis tonstiltxional.
Angela Maria da Conceieao ; variolas coDTaeates.
Ignex ; variolas.
Angela Maxiitiiana Conv.i cachexia syphifca.
Maneel Severiaoo ; vaiiolas coaflueiites.
Antotiio Francisco Caelaim ; variolas.
Jonh llassen ; febre arwrella.
Maria do BosaJio ; wiirosa nepaiioa.
Maria Thcreza ; broncliite senil
Maiiod Alves Bezerra ; tuberculose pultmaar.
Alexaadriuo de Oliveir.i Maciel; lubercuose put
araofr.
Francisca Maria Ramos ; variolas confluenbs.
Man el Laiz dediveira ; gangreaa.
tuiz ; caagreaa seeca.
Maria Franci-cade Mcllo ;iabercalos pulmolarBs.
Deadato Benedicto da Silva ; variolas conlluenles.
Casa de detencao.Movimento
21 de dezembro de 1873:
Existiam presos, 317, sahio 1, exislem 316.
A saber :
Nacionaes 2o8, mulheres 11, estrangeros 22
83cravos 39, escravas 6.^-Total 316.
Alimentados a custa dos cofres publicos 253.
Movimenti da enfermtna do dia 21 de lezem-
bro de 1873.
Teve alia:
Maria Firmina do Espirilo Santo.
Vaussaj^elros. Chegtdos dos portos do stil
no vapor naeional Cruzeiro do Sal :
Aatonio G. de O. Azevedo, Francisco Terreira
Surges, -Antonio Machado Pereira Vianna.Paes de
Andrade, padre Antero E. Ojrique de Vasconcel-
los Tito C. Bareello e sna famiiii, Bento Jose de
-onza Carlos U.,{ Cleto Jose Barreto, l-Vancisca
Antonio de -Medeiros e sua senhora, Ger*/udes do
Almeida, Domiagos lose Leito de Oliveira, 4atheus
G egorio da.Assumpfao, Agostinho Ferrara Ba-
rnes, Florcncio dos Santos Koeha, Joao M- Novaes
Castro, M. de Itarros, Manoel Arthur da Siva, Dr
Jumt Cesar de Castro Jesus, Dr. Constance Pon
tual, frei Jose da Exatlacao Marques, frei 'quim
|da Gmeeicdo vloita, tdhente Francisco ose de-
Merwiltes, Dr. J-we F. da Silva, Antonio fc Ribei-
re, Lniza D. OUveira, Fidelis deO. Silva, Afoslinho
Ferreira Lustoza, Nicola.) Bareelto, Dr. JoaoCancio,
Maria Domlbea dos Santos, Barlboloraeu A de Oli-
veira, Raymundo L. Vasco: cellos, Franci.ca Be-
nediela P. do Amaral, Mauoel L. de Arairim, P.
Burstelinann, Evaristo II. da CosU, tenenlelose da
G. Montehro, Luiz Pireira da Silva Lira,", Adol-
pho Manoel P. S. Vianna, Francisco H. d; Silvei-
ra Rosa, Jose Snares, Raphael A. V. Silva. Cons-
lantino M. Coiilbo
Seguem para o norte no mesmo vapir :
Eubaak C. drdoso, M N. de Mello, Dr.Porflrp
0. Santos e sua jeubora, Francisco F dc Valle e
um e>cravo, Josopha M. da Coticeicao, alfetej Deon-
drio A. Citauhcde, P. de Oliveir.i Sjfntos, lose G.j
P. da Silva, major Ipnocencio R. F. de iraujo,
G. P. da Silva, Jo-ede Oliveira S. Juuior, Dr Hay-
inuniri) de A-suuipcao, Dr. Trajano.de A. M.rquus,
aifrres Martiniaw J. A. Ferreira, Dr. Felppe da
Silva Ccboa, Antonio Josi da Silva e sua sinnora,
Thoipaz M., Ddesato Alexandra H. Mellan e Ma-
noel Soares.
Cfiniterio pal*Uc.-Obituario dp dia 20
do cii'rrente.
Angel.) da Costa Mello R )-al, branco, P Uhco, 40 aiiiios.casad.i, Graca ; pneumonia
Jesuina Candida d Nalividade Ferreira, Iranca,
Pernambuco, 17 anu*, solteira, Sauti Artouio ;
piit'Sica pubnouar.
luaquiaa dos Prazeres Cpjavia, par la, Pifnaa-
nueu, 60 aunos. s.4ieira, S. fose ; paralysia.
Manuel, par.I.. P-rui ntiuco, recemaaseiib, San-
to \ul.ini i ; fra |Ueza r i i^.mita.
Join J.i-c de Sani'.viioa, pardj, Pernambicp, 30
auuos. solteiro, firaci; repentinamente.
Maria Frauei>ca de M.-ll i, p;.rla, tvrnanbuco,
06 auii'is, solteira. Boa-'Vista; tubercul >s julnu-
uares.
Bernardiuo Pteto Coelho, brancn, Portugal, 32
ani'iw; solteiro, Boa-Vista: pi>nglao ufcreiral.
Anna Jiiaayma Vascoaeellos, branea, Pernam-
buco, 66 annos ca>ada, S. Jose ; variolas.
Senli. riaha An.lreza Lobe, parda, Peruambuco,
30 ami! s. vHiva, S. Jose; canirode glandula.
- 21 -
Manoel, branco, Por nun Due j. I anno. j&. Jose ;
bexlga-*.
Juslini Maria do Sacramealo, paida, ^ernaui-
buco, 30 annos, casada, Boa-Vista ; scirro.
Deo.Iatn lieuediuto da Silva ; maadado pela po-
licia.
Domingos, pret;, Pernambuco, 2 horas. S. Jose;
espasmo.
Alexaudrino Jesuino de Olinda Tavares, branco,
30 annos, selteiro, Santo Antonio ; gastro enterile.
Manoel. branco, Pernambuco, 3 annos, S. Pedro
Martyr ; cunvulsoes.
Antonio, branco, Pernambuco, 2 meses,
Antonio; hepatite.
onles. ser ontro senao o que teve ; Irto pxxlia deixar eor-
S. Exc, nao o foi menos qnanto'ao?Sr. JBr, cliefe
de pjlmia, a quem altribue facias arbitrxrios que
nij pratie.ou.
0 pToccder desse digno ma'gistrndo nan pddia
. jmw ^..- .-g.-g^c*-. ai' q
PARTE POLITICA
fBf*a caprichos albeios o seu dover e forca moral
da autoridade.
Nao ha de ser por meio de insinuates maiignas
m^Lfummcia ha de colher vaatagens contra o
coiceita.eJnteire7a de t5o disttacto fuoaciouario.
Nao imporla in seja advad.i de Agra & C.
um parente do Sr. l)r hefo de policia. Perante
S. S. nada tem requerido o advogado de Agra,
netn, em asua carrelra ue funceionano public.
tern o digno magistralo praticado aetos que auto
risem sQfpor que as relapSes pessoaes e de familia
iouuenrOOl seu espirito.
Attenda, pois, o publieo aos faetos que vamos
expor. :
0 Sr. Dr. ehefe de policia foi avisado, como cum-
pria, pelo administrador do cemilerio de que alii
-Ichegwani adaers conduddos -por Paula 4 Mafra, sem'gtrias da eamara municipal e
visto da potlcia.
Entio mandou S. S. publiear m edrtal prohi-
do dia biudo que os boleoiros, que pelas posturas munici-
paes e regolamcnto de 4 de agosto de 1833 estao
sugeitos a policia, nao conduzissdm calaveres para
o cemilerio sem gtiia da eamara, e ordenou ao ca
pataz dos boleeiros que fizesse aviso desse edital a
todos elles.
Nao obstante isto, no dia 18, tres boleeiros con
daziram eadareres sem a respeclivas gnias.
Em vista desta formal desobediencia, o Sr. Dr.
ehefe de polteia mandou premier e inner a sna
presence os boleeiros desobedientes.
Comparecendo elles perante S. S., verificoti-se :
I." qne laboatao linhadeixado deexercer ha al-
gum tempo a sna proflssio, e achava-se em am
municipio proximo ao desla cidade, lendose apre-
.sentad'o na cocheira de Paula & Mafra somente a
17 ou 18 desle mez.
Nos termos do regnlamento eitado, o boleeiro
que deixa o exereitio, deve recelher a suamatri-
cnla a secrelaria da oolieia dentro de 24 hora3
NSo'tendo, pois, Jaboatao assim procedido, 'lbi-
lhe aa-sada a matncula.
2,* que Marcelino, nio so nao obedeceu a or-
iem cmtida noedilal, como, sendo boleeiro de Joa-
quim Fernaodes Rosas, nao podia guiar earrosde
oatra coehefra sem prevta communicacad a policJa,
segundo dispde o rfgnlamento a qne nos refe-
rimos.
Por e*tes motivos o Sr. Dr. ehefo de poHeia
cassou lhe a matrlcula, que lhe havia dado a p tli
cia, e inutilisou-a.
3." Jorge tendo tambem desobedecido a orden
publicada por edital, era boleeiro do Paula & Mafra,
em cuja casa.entrou, sem lor renovado asua ma-
tricula, como e obrigado a Cazer todo o boleeiro que
passa de uma para oatra cocheira, por quaato a
matrieala nao so menciona a casa cm quo lem o
matriculada de servir, como lambc.n o numero do
carro que tem de gaiar.
Foram esles os motivos que dclerminaram o Sr.
Dr. ehefe de pelicia a eassar-lbe tambem a ma-
tri.-ula.
Ateaqui ninguem, em boa fe dira, qqe o proce-
dimeDto do Sr. Dr ohefe de polioia uao fosse o
mais regular e conforme.
Resta agora ver o qne occorrou em relacao ao
recrutamento de dous desses boleeiros e a ameai.a
que se diz ter silo feila a Paula
Em virtude de ordem que tem a policia para
proceder a recrutatnesiio, o r. Dr. ehefe d poll
cia resolveu recrutar os dous soUeWos, deelarando
a um, que era casado, que esiand i-lhe cassada a
matricula, nao podia elle cmlinuar a guiar c irros,
emquanto oulra nao -fosse c joeedida. A infraccan
pjr parte delle, seria noslenuos do regul.uuento,
puoid i com tres dias de |u-i.-ao, ou mmu de-----
10 4000.
Nes-a oecasiio diase tambem a Paula, que Hie
constava que elle, em lalta de bdeeiro, eslavi
disnosio a guiar seus carro*, e Jiie preveuia lU;
que tal nao azesse, porque iucorroria nas inesma-
pnas.
Ora, explieados assim os faetos, e restabelocida
a verdade delles, bivera quuj disculpea preci
pitacao eaudaeia das causara&da Provincia ?
Ja ..-heganio-ao tempo da au>rctiia ger.il, em
que a autoridade que curopre esJric^amoqio o seu
dever, e zeja'a sua .forca moral, 6 aialo ao post..
e contra efla se cbaraa a odiosidado publiea ?
Qaelibjraes de >ernamDueo.r VSo querem lei
nem roque; a anarchia e a balburdia 6 o seu
elemento.
Mas nio se lembram que o Sr. Martin* Pereira,
quando dMeCado desta' capital, ex'ercia so.bre o*
boleeiros, a mats H^iVosa inspec.ao.'tassaVa ma-
triculis por qiialqder pequena falta, multava, re-
cruiava e prendia-os I
E nc(s, opposicao, eatao, nunca o censuramos,
nem lhe negamos cempelencia dc assim proceder I
Mas, deixemos a -/Wu/Hciir em sert andar des-
viado, em conquistar glorias de piisquins ;-'ebhten-
tamo-nos emeonflaf ao criteria pdblieo a verlade
dos faetos.
Nem o Exm. Sr. Dr. Lucena, nem o Sr. Dr. che
fe de policia, desinerecerao da confianga puhllch,
porque : de ambos maldrz meia duzia de cstur
di is o exattados especnladorei>,: qal cuidam gal-
gar ao poder nor trieto da petturba^ao social.
Deus os ajude, atna v q^ue aascerara sem
juizo.'
Santo
etabelecinienfo, do ola 15 a 21 'dbaeze'mbro de
1873 fol p seauinte : e,ijstiam 368, entraram 45,
sabfram 44 Talleceram 23, exislem 317, sendo :
224 homens e 123 mulheres.
Adcertencia.
Foram visitadas as enfermartas ner-tes dias : as
7 1|2, 8 Ii2, 9, 8, 7, 7, 7, pelo Dr. Bfiltrao ; as
11, 12,12 l|2, 12 1|2, 2, pelo Dr. Sarmenlo ;
as 8 Ui, 8 1|2, 9, 8 1[2, 9, 9, fr li2,nelo Dr, Ma-
laquias.'
IMRTIDO < \St,lt\ AIMHl
i .
ilECIFE, 22 DE DEZEMBRO DE 1873.
ATTBNTADO POLICTAL.
A questao que, em contrario a lei n. 1,121, le-
vantaram Paula & Mafra, deu assumplo a um vi-
rulento e intiet ariigo da redacnao da ?noineia
n. 1-79.
Nao nos proporemos a combater era todas as
suas partes esse injustificavcl amontoado de gros-
serias e insulios ao Exm. Sr. Dr. Lueeua e ao dig
no Sr. Dr. ehefe de policia ; reslringiremos os nos
nos reparos ao restabelecimento da verdade adnl-
terada.
Seixaremos ane os homens doutos e despreveni
dos ajnizem do iwucodimento daqaelles qne enteo-
dem dewer embsracar "* exeeucao da uma lei, eat
*ea"pleBo vigor, a'pretexto de oma iademnisacao
pr via que a me-ma lei nao esialuio.
Sobre e.-te pen to exislem do poder judiciario
dous despachos, am que opina pela indeuinisaeao
previa, e outro em senli lo contrario, o que mos'tra
que a questao, quando nada 6 controvernda, e naff
olTerece-espaco ae juizb decisivo e peremptorio da
PrwMcia.
Tambem nao tomaremos em consideracao as
pbserva^oes feitas no sentido de attribuir inconsti-
iuciooalidade 4 cilada lei, e desacarto aa sna de-
cretacae. "Os faetos, mais tarde, virao provar que
nao eaiste a sonhada mconstiiucionalidade, nem
que deeetnolhaqte lei provenha' atropekos e vexa-
me3 a populacao.
Oquejesulta deese acto da assemblea provin-
cial e nada Ineuos que tornar os enterramentos
menos caros do que eram, e importatUe auxilio e
benelicio a estabeleoimentos pios e de caridade.
A lei n. .1,121, nao e uma nuvidade, tem pax lira
reduiir o -service de carrds funebres ao qne-ii na
curie, e nos capuaes do Pai a e'Baaia desde tnui-
toe annos, a ultimamente no municipio de Campos,
da provincia do Rio de Janeiro, sendo que aesta
cidade as coacessoes feilas a Saala Casa de Mise-
ricordia foram muito maioros do qae as obiidas
naguellas oinras cidades. '
CoatestareiBC-s, portaaio, o que de iaexacto re-
ferio a Provtncia era relacao aos doas dtstinctbs c
respeitaveis fuaccionariim a que aeima aUddimoa.
Nao exacta que o Exm. Sr. Dr. Pereira de Lu-
feua emprejasse raeios de nalureza alguma, direc-
t.s oh iBdirectos, aosenUdb ddTecusar-ee a ea-
mara municipal a convir na execucaj do manda
do de maautenuito, e meuog qne pretendesse eter-
cer uma indebtta iafluehcia ma acciio judid+ria
Depois de realisado o cootratO' entre a Snta
Casa e Agra & L.. expedio S. fixe, as precisas or-
dens a observancla -lomesmo eontralo, e aisto ficou,'
C'-rto de que aqueUa eamara enmpriria a sua ra-
cwniinendagao, zelanio e defendendo as suas pre-
rogatives de mode a nao detaar ijUe fossem usur-
pada-i. <'
Recommendou tambem ao Sr. Dr. ehefe de poli-
cia que provideocia-se ni que' lbs eompetisse, so
bre a observancia das clausulas do mencionado
c.)ntrato
Reeebendo, porem, eommumcaeao da eamara
municipal de haver esta tecedfdo ao raandado de
rnaouten^ao, resolveu para basear a soa decisao,
otivir o juiz qne expedio aquelle roandado.
Satisfeita esta fortnafidade, reiteron S. Exc. sua
ordem a mesma eamara, mandoa lazer effectiva'a
execUcio doT5ealralo, e niSlo flcoo.
Cenaarar se, pois, o Exm. Sr. Dr. Lucena por
assim barer procedido, e de certo fevar 4 eriden-
cia o pouco ertterio da gente da Provineid e o odtb
qne a aienu edblra 8. Exc.
Queria a Pfovincia que na esphera de suas at-
tribuiji5es, nas'stnte fancies adnafcislrativas.'con-
seUthise S. Elc.'qito bob lei daer^tad* por fader
soberano fosse snstada indevidamnte ?
siiWnleda prdViitcIa am sea*ar*dWr^lB .(Irlrniir^f
ant .ridade a,dmlnliraiiva, a uuenj deve obedecer.
Por sua parlc i'ambem S. Exc. na i podia deixar
Je fazer" cumprir a lei em tmgoclo de exclu^iva
com,ietoucia-adiainisraliva e-de mteresso-geral e
de ordem publiea.
Quanto ao 2* ponto, sendo as palenles dos bo-
leeiros concedidas pela policia, a esta assisle o di-
reito de mauler ou cassar as mesmas pateotes,
desde que as boleeiros ae tornam on naoiadignos
de couserva las.
Quauto ao 3 ponto procedea S. S. muito acer-
ladameate, fazeudo reeiutar aquelles audaciosos
boleeiros, qae desrespeitavam as ordens da policia
a qual expressaraente havia probibido a esses era-
pregados de conduzireui eadaverea para o eerai-
terin sem o competente visto da roesma p licia.
Nao devia S. S. canseatir que fossa meooscaba-
daa ordem. da autoridade e publicameuto esearne-
cida por taes iodividuos, uao bavendo mais prom-
pto eastigo coutra lao acinloso proeedimento, pa-
ra cerreceao e publieo exeraplo.
A ordem de habeas corpus proferida por um juiz
de ideas liberaes desta cidade, pela qual concedeu
soltura aos ditos boleeiros, assenla sob uma base
falsa, qual a de desconhecer a c jmpeteueia do
ehefe de policia como autoridade recrutadora. A
liberalidade de ceitos juizes arrasta-os muitas ve-
zes a deploraveis commettimenios ate contra os
seus superiorcs, muitas vezes pela fatoidade e os-
tentacao.
E' de bem que saibam todos que 03 recruUdos
nao tem e nem exibiram isen.^es legaes em sed
favor.
Quanto ao 4' e ultimo ponto uao e exacto que
Francisco de Paula fosse mallratado. A verdade
perem, e que o Sr. Dr. ehefe de policia nao devia
tratar com afabilidade e cprUzia uma pessoa que
tio acintesamente se apresentou perante o seu
juizo disputan'do com a autoridade sem o respeito
e a obediencla quo lhe eompetia.
S. S. foi, alias, nimia'mente condescendente e
tolerante p; ra eom um individuo, cujo caracter,
edueacao e costumes claramenle estao revelados
pela acrimonia e audacia da linguagem com a
mil ataea e injuria do publieo a prlmeira autori-
dade policiaj.
Nessa ins6leote publicacao da Provtncia a que
nos refehmos, le se o'segulrtle, quo diz respeito
'an Dr. ehefe de policia :
... t apezar de sua alia posicao, nada de in-
conveni.^He bavafia, se para o fuiuro eu, o hu-
mflde filho do p vo, passbiasse a carro, "taudo por'
lacaio aljium udalgo, ainda qne haja elle occupa-
do posf^ao So alta como a de V. S. >
Bem couhecemqs os sentimentos humildps des-
se arisloerata plebeu, que cortseiite a publicacjio
de taes injurias cm sua despresivel gazeta.
Lacaios da canalha sao esses avertturairos, qne
para manterem a sna posieii-) de fofo orgnlno, nai
duvidam de comprnmetter a sua digmdade por
aftos, que lhe assighalaram na fronte o stigma da
repruvacao e do publieo desprczo.
Aquelles qne lovantam a cabeca altiva porme
nao tem em sua vida nm acto que os deshonre, es
tad mais solidamente garamidos do que esses tra
pacetrospoliiicos, que se submettem a'toda casta
de opprobrius e vHamas para pe*carem nas aguas
fturvas.
0 hospieio do< alienados, esperamos em Dens,
nao ha de ser edificado para recolher as pessoas
qpo coqcirrem com os seus donativos em favor da
earidosa empreza e sim par* os implos e atheus
roligiosos, aos i|U,ies lira Deus o entendimento
quando os qtter perder ou punir.
A triste ligura que c.-rtos ftdalg.is fazera no meio
do povo, que procur.im illudir e atraicoir, 6, com
eifeito, mais digna de compiixao.
Es esereverem nessa sua alludida publicacao; a oue
nos referimos, a-signa la |ior um bomein de paiha
tque aguarJam tenpo, em que h.ii de ajus
tar ib suas cohtas cam o nosso houradissimo. e
n inre aim go Dr ehefe de policia:
Item sabemos quo de muito sae capaj.es esses
ener^umenos, quando se acham no poder; mas
iem;i* a tnals robusta cmfianca de que a Provi
dtmciii ha de arredar deste paiz lao deptoraveL
desjtraca ; e qaaHdo, em seus altos juiz.>s, tal eas-
tigo nos esteja reservado. sere.mos resignados;,
eniretanto, convent deelarar aos iidalg<4es e aos
vellios aristocralas da Provinci-i quo o nosso
honrado amigo, veneraiel magistral.) nao e de-
funlo sem choro.
Os eflcrevinhadorcs tla Provin-
ciae honrado Sr. Div ehefe
de policia.
Temos por moitas vezes censurado a linguagem
solta e desabrida, com'que somos eonstantemente
aggredidos no pelourinho da Provincia.
O publieo tem apreciado a disenssao apaixona-
da, virnlenta e injuriosa contra o bertemorio pre-
sidente:
Pois bem, hoje volta-se o orgao opposionista pa-
ra a pessoa do nonrado Sr. Dr. ehefe de pilieia 6
atira-lhe em face os mais affrontosos doestos.
'Os cobardes que mandaram'assignar por ter-
ceiros os insolemes escriptos conlra-esses dous
respeitaveis aaagistrados,'mao se aper^ebem de
qae por entre. o .-apote em qne>se envolrern, des-
cobre-se a raao dos verdadeiros eobardes e uifa-
4 madores.
Admira que homens qne so inculcam de ehefes
da potittca liberal e aspiram a direecao dns pjibti-
eos negocios, estejam a dar ao paiz os mais f unes-
tos exemplos de desmoraiisacao e desaeato ads
poderesoonstituido*. '
Ainda mesmo que o Sr. Or. ehefe de policia hon-
vesse praticado algam acto de violencia e illegali-
dade, ahi estavam as 'leis, pronipro' e salutar re-
curso dus cidadaos honestos; para defeza evepa-
racao dos seas direitos.
Quando se considera, porem, que o digno ma-
gistrado enmprio os sens nobres deveres com o
maior empenho e solicitude,' lica-se pasmo diante
da insolencia, da aggressao por parte desses poli-
ticks abastardaaos, apostata's do partido conserva-
der, qne depois de atraicoarem os seas principios
nao se embaracam de comprometter' e aviltar o
pariido, qae abas nio cessa de repeUil-os de seu
seio. *'
Vando perdldas todas as suas esperanca; e ca-
da dia mais distanciados do -poder, que ambicio-
nara ; batidos na imprensa era suas ideas delete-
rias e anarchicas; deaunciadas ao publieo como
especaiadores sem fe e'sera crenca ; desesperados,
raivOws, arreraessam-se contra a pessoa do vene-
favel .administrador da provinera, assacando-lhe
os epithet is de indiscreto, atrabHiario, pedreiro
alienista, energumeno e iunumeras injurias mais
pubgeaeaa.
_ 0 honestissimo Sr. Dr. ebefe de policia, em cu-
ja vida publiea e particular nao se encontra uma
si) nodoa qde a desdonre, e denoaiinado de um
quidam, que nao conhece at rtgrat da cdrtelia,\
tnteressoM na causa de Agra it C, e oatros in-
sultos e ealuranias desta oraem. :
Mas porque todo esse escareea dos provincianos
em favor de ama quesiao particular, a que o tor-
pe instincto da especulaoao'esforca-se por impri-
mir o caracter de quesiao politica 1
E qae deceneia e moralidade ha abi em con-
sentir qae homens de palha venbam a imprensa e
Sob a respobsabilidade collectiva de um pertido
desaba/ein odios 8 rancores conu-a as primeira--
am .rilade> da proviaeia ? .
O publiea sabeqne as firmas que tiguramnes
as audacmsas publieacoes da Provixtia, sao en-
doe-i-do* pda pandilha de-ses liberaes, lolinei os
do Sr. bario de' VHIa Bella, qne & o primeiro re-
tk.nsavul por todas essa* diatribes.
Quaes sao os aetos pratieados pelo Dr. ehefe de
policia para excilar lid viralenlas exprobaeSes f
' ter S: S. reedsadose a pdr o visto nos atles-
ladot da obitos ;
;2 rasgar as patentes dos boleeiros ;
3* recratar dous dos ditos boleeiros
llabeii-x corpus.
0 Jornal epigraphe -Jurisprndencii--A segiffnte sentenca
de knbe > corpus. '
Das diligencias procelidas e con pro-enles aule^; se ve que ns pacicntes Marco-
lino Rodrigues dos Santos e Manoel PelrodeOli
veira,- seffrem violento eonstrangrnlento corporal
por ordem d > Dr. cttiefe de policia, !prendcrido-os
com infraceao da lei, sob pretextb de rCcrulameh
to. Semelhante infraccii esla pateote deste jiro-
eesio de reciirso, por nao terem os paciehtes pra-
ticado selo i\gam que saneeionasse a prisao pre-
veetiva oidena'da pela autoridade compelente,
e execuuda pela autoridade polieial, ou gue pela
flagrahcia Qe algum delicto na Occasiao creasse
essa competencia ao Dr. ehefe de policia ; e fam
valiosa e a desculpa do recratamentb, por nao
mostrar a autoridade polieial que esta funccionan-
do nos termos1 exigidos no decreto n. 2,771, fjrando
assim qualquer prisAo sob preloxto de reCrnfa
mento violenta e arbitraria, por faltar ao rnahdan-
te do acto a qualidade de recrutador, a qual exis,
lindo para a questao vertente, ainda irregular foi
o proeedimento- Havid'o para com os patientes,
cidadaos brasileiros, que, nos seus misteres ou
profissao, estavam garantidos por um regulamento
polieial e legalmentehabilitados, sendo ura desses,
o paciente Manoel Pedro de Oliveira, privadd.'itfso-
litamente de seu titulo de habilitacao, por tS-lo inu-,
tilisado o Dr. ehefe depulicia, rasgando-o'quana >'
o meshio paciente, preso, foi conduzido a presedca'
daquellc funccionario, nao se conceii|etido a ne-
nhum dos pacientes a menor dilapai, para mostrar
qaalquer das isehcoes reconheeidas em direito,
occultahdo-se-lhes a natureza d^as prisoes efTe.'.
tuadas hoje, a do pacieqle Marcelino Rddrigiies
dos Santos, dis 7 para as 8 boras, e'a do paciente
Manoel Pedro de Oliveira, is It boras, ambas a
nianha, e ibcoriiinente remetifdos, depois de'trera
a preserfca do Dr. ehefe de policia', para 6 deposito
de recfutaj.'e era acto continuado siijeitos a in3-
peccao,:!or'rendo de pareth'as 03 tra'nmties p'ara
o alistamentb 'injusto e illegil dos1 pacientes rio
exercilo, o que teria lugar so n.ao fosse s'erim-
mediataraente attendido pejo Exm. general coft)-j
manianje das armas, arequisieao desleqillto; cdin'
a viole'ncia do acto prau'cado pela autoridade jw-
Assira verificado como esta o conftrangiraento
corp'orall dds pacientes', dejermjnado pelo Or. ehefe,
de policia, .i titulo de rccratairieplo, e o que se Ve*
do coriie.rtdo do's o'.ffcios a US', e o mais dos autos,
concede a pedida ordem doftadrai-cbl'pus, e man
do que em virtude dessaso expeca soltura eitf'( fa-
vor de Marcelino Roirigues dos Santos'b Manoel
Pedro de Oliv'eira, e deste despacho reeorro para
o Superior Tribunal da'Relacao, a quern compete
no' caso occorfenle delerminar sobre o disposlotio
6." do art. 18 da lei n. 2,iiJJ, e custa?.
0 eserlvao'retnetta o processo para superi
tancia.
i processo para superior ins-
Recife, 18 de dezembro de 1873.Quintino lose
e Miranda. '
A simples leiiura desta sentenca basta para co-
nhecer*e a suit improcedencia; abi se encontratn
elevados a cathegoria d*argumentos verdadeiros
sophysmas; ahi se ve violadaajei e oblitefaaos
competenteipente os seus priucipios." E'para1'qUe
nao se a redite eapaz de fnoiar jnrisprudencia'ufn
julgamento 'nestas circumstahHas, vathos a'na1y os "seus fundanientos.
Coueedeu o ltdbeas corf us o Dr. juiz de direito
da f> vara por quatro razoes : il- ter sido a ptlslb
effectuada sob prefexto ou a titulo de reemtameh
to; 2J'nao mostrar a autoridade "qde estava'func
eionando nos termos extgidds pelo Dec. n. 2,171
dcando assim qualquer prisao a titujp de Hecrh
tamento violenta e arbitraria por raltaf ao mahdab-
to a qualidade de'rocruUdor; 3." ser irrepriar
amda a prisao, mesmo athando-sehabilitadod Dr.
cheft d- policia para reerular por'serfe'm os pa-
eienies eidaoads hra>ileiros, que nos sens mysteres
ou prohVsoes e*iayam garantidos por Um' leSuTa'-'
mento polieial e legalmente habilitados; 4."nal-
ii). nte nio se haver concedido a nehlium dos pa-"'
cienies ijnelior dilacao para mostrar imalqui^r das
isencoes reconheeidas em direito, sendo os raes-
mos remetfidos Inconlinenie para o resneclivo de-
posito. ^
Se nos fosse Jie-ito pensa1" que um m
no exercicio"Be a'sas mais importantes at
jpbdia'Mesirlarae'propositaliiienie da' sei'
ddFA.fnlsao.
E n virtude de qae dispo^ygao legal ou prlncipi"
de direito, aehoii'se S. S. aulorisad) a prescrutar
o intimo* da ennsrienria alheia para deseobrir qu.*
outra, mie mi> oneriitainaato,^-fra a causa da
prisAo diqwiles 4iiJividao*?
Nio foram elles remettidos para o quartel-ge-
neral, e nao ficou assim patente que tinham silo
preao-i para o exarcito ?
S. S. nao sabia qne Jorge da tal, que eslava nas
mesmas condicoes, tambem tei apreseniado na
mesma occaalio ao Dr. ehefe de policia, que nSo o
recrutou por ter altegado iseneio legal em seu
IMor 1
Pois aeredHa S. ft. policia quizesse p/*fOi para prender, lhe ralta
riam para prender a Jorge I
Apesar de tudo isto ttlvez S. 6. c ntinue a pres-
crutar a consciencia alheia, e attribuir a prisao
daquelles iodividuos a outra qualquer causa que
nao'orecrutamenjo ; mas com o mesmo direito
com qne S S. se julga, todos nos nos julgamas, e
a ser exacto que S. S. julga os mais por si, deve-
mos crer que costuma infrinuir a lei para salisfa-
zer caprtchos menos confesiateis.
Admiltindo porem que o movel da prisao nao
fosse o recrutamento, ainda assim, sendo os presos
deslmados para o service- do exercito, o que cum-
pria fazer a um juiz honesto e imparcial, a quem
tivessera pedido uma ordem de aubeas-corpus f
A rssposta nao pode ser duvidosa : verificar se
autoridade que recrutou era competcnto para isto,
ou se militava em favor dos presos alguma das
iscnefes legaes.
Tudo o mais qne fizesse, era arbilrariedade e
arbitrariedade muito c.ensuravel em ura Juiz, cuja
norina agendi, deve ser a hi, e tio someate
ella.
Se o Dr. jnizde direito da 1" vara quizesse oin-
gir-se a isto, en*o preteudesseexorlwlando desuas
attribuicoes. adivinhar psnsamenlos, por certo que
sen* mais oscrupuloso, e nao daria como fuuda-
m>'nto para a csneessao do habeas corpus ser o
recrutamento uma desculp i ou mn pretexlo.
Nao foi S S. mais fclizno seu segundo consult
raudum. ...
Parece mesmo que senamenle, ou de boa le,
nao poleria escreve-lo Pois sera admiravel que
somente o Sr. Dr. Quintino ignore aquillo qae D-
doe' sabem T 1
Haveri quem duvide da competencia das ajat.j -
ridades poliriaes de Pernamfcueo, para recrntar,
quando a presidencla, flrmada no art.3- *.'Dec.
n. 2,171 mes tera por tahtas vexes crdemtdo e se
servieo?! E depois exercendo etlas di .riiuttenle
ul attribuicso, sem que ouoea as autorId:id> s
superiores lues tenham feito censuras, nao 6de
presumir que procedem legatraenlle e por trdem
superior ?!
Nao; o Sr. Dr. iaiz de direito nao poOde presu-
mindo islo; entendeu qae o Dr. ehefe de policia de-
via mostrar (sem duvlda por prelexlos, porque p :>r
aclos lem mustrado sempre) que estiva hahilitado
para recrutar nos tennos do deereto ja citadel \
Si o Dr. ehefe de policia nSo estivesse habilitado
para recratar por certo que nao ex'ereeria a- fnne-
cSes do recrutador, porque e ineapaz de infritgn
a lei pira satisfazer caprichos menos etmfes-
saveis.
D i mesmo janx e o terceiro fnndnmenio da sen-
tence ; a sua irnprocedencia e manife^.
Elfeetivaiuente se Manoel Pedro e Marcelino ti-
vessem sido recrotados, sem qu"1 pode.*sem sedo
tollitur quest io ; mas qao iseneSes apresentavam
elles ? Isencoes nao sopretexlum, foram todas pro-
vistas nas "iostruccSes de 10 de jUHio dc 1822, e
fora destas ninguem se pode iesculpar eom
oOh-as.
Isto posto, em que art. ou das citadas histroe-
;6ee estavam comprehendidos os pacientes t 0 Sr
Dr. juiz de direito nao disse nem piileria dizer o
por qne o* recrutados nao tinham iseneio h*gal
Se quo podosse o recratador tomar cmihei-iwiento.
Afflrmamos isto porque sabeaws qne os recriMa?
aotes de foram interrogad.w e reconhecidos aptos para o
service.
0 facto de serem elles eoeneiros mairiculados,
aio os iscnla do recrutamentu, em vista do^ue
disHioe elaramenle aqnellas iaf.'iocdes; e nero tao
pmieo ha regniainenui algum polieial que os ga-
ranla, como disse S. S.: os regulamentos polie'iae*
sao feitos de accordii cun posturas da eamara mu-
nicipal, a qual tod... sabem qpe nao tem pode/e*
par* legislar wbr a materia. Se os recrntas ti-
vessom isencao legal uao teriam sjdo apresenta-
dos ao coip.Tian lanle das armas : 0 Dr. ehefe de
policia costuma observar israpre as pre-cri.-cSe?
da lei, e nflft infringi-la para sattsfazcr caprichos
menos confessareis.
0 quarto fundamento foi nao ter sido concedido
a.-nenhura dos pacientes a menor di|ai$o par-"1 qae
m -trassem' qualquer das isencoes reconbeciaV
em dircilo
Ora, nao bavendo os recrutas allegado isencac
alguma, nem por conseguinte pedido prazo p|ra
prova la, poderia o Dr. ehefe de policia exofllci".
tnarcar-lhes 8 ou mais dias durante os quaes de-
viam conservar-se prezos, para que mostrassem
aquiHoque abolutamente nao linha'm ? Isto 6 qut
seria violeneia e arbitrariedade
Os recrutas foram interrog'ados comojadisse-
mos e remettidos ao general depois de verificarse
tjue n^o linham >sem;ao'alguma.
Na informa^ao dada para o habeas-corpus, isto
mesmo foi leclarado ao ^r Dr. juiz de direito se-
gundo consta do processo ; e portanlo nao podia
elle prelextar o 4 fundamento qa sua justa sen-
tenca, vfsto como ja sabia que os recrutas nao ti-
nham allegado isencao alguma em seu favor, caso
unico em que poderia doixafde ser-Ihes marcado
nn? praso para justificaremna.
Acresce que antes de senfarera ptac.a os recru-
tas tem de ser inspeccionados e mesmo depots dlsto
podem allcgar isencJo perahte o prosldenteda prd-
vmcia, e portanto nao havia' necessidade da cou-
cessao offlciosa de ura prazo para alje'igar isencao.
Do exposlo ve' se que a prisa" de que se tram
nao foi arbitraria, que nao hopve constrangiinec
to illegal, que foram respertadas as preseripcp"es
da lei e que portanlo sob esse raotivo on pretext*
nao podia ser <:ju;edida a ordem de habeas cor-
pos.
Resta-nos ainda provar qne o Sr. Dr. juiz de
direito da j.a vara era incompetente para func-
-eionar.no processo de 'habeas corpTO,pMdo para
um dos recrwas.
Era este, Manoel Pedro de Oliveira. o qual ten-
do sido capturado na fregaezia da Boa-Vista, es-
tava recolliido ao quariel'ao deposjbi desta mesma
freguezia; '"' '
' Ka altima parte do artigo 2 do decreto n. 4824
de 22 de novembro de 1871 se le' : cfTodos1 estes
juizes de direito ainda os das varas ^prfvativas
exereerao Jari^dicclo crimidrf em distrldot cs-
ptbiaes da 'res-pyittva cdmlirca qne Ihes fbrem
designadas pelo' governo nn c'6rie e pelos presr-
dert'tes nas provioclas, pndendo porem indistine-
tameiite ordenar as prisSese todas as deligen-
ciasern qualqncr parte da eomarea.
i Em vista de tao expressa determinarjio de lei
poderia o juiz de dlrefto da l* vara, qae tem a
Sua jurisdiccao criminal limitada a freguezia de
Santo Antonio, funcclonar na da Boa-Vista f Se
Maiioel Pedro nao esteve prdso'nb 2." districto
hem por instaiues, em vfrtnde do que atlribUicao
julgou-se S. S autorisado i eonceder Hie habeas -
corpus ? Querera por ventura eonsiderar este re-
earsb tao important?, uraa dflfgencia', paia assim
poder estender a sna faculiade de concede-lo ou
negalo, a tbda a comarca dd Recife ? Se uma
tal tbeoria viesse a j)reva1ocer,; teriamos que um
Sies/no paciente, nao lendo Obtido habeas corpus
o juiz de direito de uma das varas, podia pedi-
lo' snetessivadiente aos das outras cinco, e ainda
Juando todos Ih'b negas'sem, o que seria pouco
rdvavel, ao tribunal na relacao, se accaso este
nio houvesse eonftrraado aftuma das denega-
|ses. -"
Poder-se- ha com vantagem susientar um seme-
lhante absurdo 1 A elle ain se op^de de um
modo ctaro e lerminante o art. 2.' do deereto su-
pra 1
Tanto se oppd>, qae o egregio tribunal da re-
'.So da corte em dous accordao' sob os ns. 4069
a?5o
8
i tfacada' pela'lef, acreditaiiamos dile o St.
? ter maitratado Francisco de' Panla Carneiro (Juwtiao 'procedera desta forma quando pro:
VcM*. aentehca de qne nos ocenpambs.
Qnanto ao 1 ponto o Sr.-Dr. ehefe nao podia '
nem devia deixar de faze Io, pois que tan'o impor-
ters o sostar a execoofc de am acto,- Conseiumcia
- lei, que Ih^'cumpre gdarojar 4 manter.
Se a frmiiicitt witastrdn mjwa'ohi relicso ai Por Oath) todo 8 S. cumpria as ordens do pre
e "4232, um de 30 de maio, e o outro de 28 de ou-
Jibro do corrente abno, flrraou a verdadeira
outrina de que 6 incompetente um uk de di-
reito para eonceder habeas-corpus em districto
iltreio aO de sua respectira jurtsdiecio criminal.
Mniios argumentos podiamos expender ainda
contra a competencia do Dr. juiz de direito da 1*
vara ; mas contentamo ri?a cm os que ja foram
apresentados, os qoaes teem pr s' astante for-
ca nara *,rt^*'",#' *- _x -.-.-#*t.m itiifTiui.
3.S. c
do, W.
0 superior tribunal ua relacao que folizmenlt
torn de tomar conhecimento do recurso necessa-
rio que S- S. interpoz da ^ua.ordem do habeas-
corpus, Ua de lazer justice ~tev/u\ o espefraos.
tra mostrar que sd por -2fftr' Jnl8ou-se
eompe'tente para fazer o que lhe oroWbU a
Realmente so procededdo assim, poderia
qne o recrutamento de Mauoel Pedro e Mar
6ra uma detculpa on umprefexto par3 a p
dos mesmos, em 'ez de decidhr, como rjeoi
mente cumpria, sobre 3 legajidafc ou illegaltdade
I
1
[IK
fUKLIMCBEt A FEIMW
0 defegado de Pdruaffs.
Sob o titulo supra veuj publkado na Chrmtett
1 .
'
.
f.
.


zi--
-
MHM
-

Dixrib de Pfernamotica Tertja feira 23> de DexemoF^ de- l<8Tdi
/'
\

vloJcrifcl .-'ft#piiM(^ da dia 6 dd correntei dm1
artigo cm que sou injuMamente %|rdiox>, o a
nuedeiei4edii prompta reepoeta, p&rque, nao
sendo assignante do mesmo jornal, somente hoje
tiveoccasiao de ler tal artigo.
E' verJade qa|Jos*iFracisco dos Santoa, mora
or em im sitio proximo do engenho Pelada,apre>
seutousB perante mini, pedindo a minha inierven-
cao para obteajdeaM* de nm sea cavallo, qe;
tendo-liio sidqiurtado dias antes, constava estar
ea> node- do Sr, Ernesto Arcelino de Karros Praa-
JO, prOpiietario e negodante u2 noVoa^fc) da Pre-
gai'.a, pur havcl-o rccebido em divida de Felippe
de tal, conhecido por Fellppe Goto.
PresUido-me a si mil ban te evgencia, segui no
dia immi'dialo para a casa do mesmo Sr. ErneUo,
em companhia de Jose Francisco, que espootanea-
mente eonconlou em que o proprlo individao, que
havia effectuado o negocio, fosse receber do deve-
dcr a sua importancia, ou oulro cavallo, obrigan-
dose o Sr. Ernesto a onlregar o de Jose Francisco,
logo que o portador regressasse.
Klleciivamenie as cousas se passaram, como se
havia tratado, reeebendo Jose Francisco o cavalio
era questao, e raoslrando-se lao satisfeito com o
resultade desse arranjo, que gratificou generosa-
niente ao pertador, ,que poupara-lhe assim o tra-
balho o as despezas, que neeessariamente vlria a
ter com a jtmilicai-ao perante o juizo competente,
qne, por eerto, nao e o delegado de Agua-Preta,
o qua!, bem como u suBudito Sr. Ernesto, ss acha
muito acima de tlo abjectas e torpos accusacoes.
Recife, 22 de dezembro de 1873.
AnttrieltMo de Otslro Sd Barreto.
SEGUROS
I m voto de agraueciineiato a
Exma. direetora do collegio
do (^oracil* E' a gratidao urn des sentimentos que mais
ennobrece a alma, e ella o caracter roajs distioc-
tivo dos corafdes bem formados.
Pirmado nestes prineipios aao posso, sem sutfo-
car as ju.-tas manifestacoes de meu reconhccimen-
to, deixar de vir patentoar pela imprensa, os sen-
timentes de minha etema gratidao a Exma. Sra.
D. Josephina Bcmvinda da Cuuh3Souto Msfor, di-
reetora do collegio do Coracao de Jesus, pelas des-
velos dispensados a minha filha Maria Capitulina
Marlins, ra edacacao. que alii acabade reoeber.
Nio venho fazer o eJogio dessc collegio ja lao
conhecido, e acreditado, e cuja direetora, com a
maior abuega;ao e inspirada somente pelo senli-
mento do dever, tern sabido conquisiar a admira-
jJo de todos qnantoe para alii tern mandado suas
filhas.
Venho sim dar nm testemunho solemne do meu
sincero reconhecimento pelas maneiras lhanas e
dehcadas, com que foi minha lilha tratada como
alumna mterna da Exma. Sra. D. Bemvinda.
Venhn confessar publicamente o seu aproveita-
menlo nas materias que ella alii estudou.
Entrando minha lilha para o collegio da Exma.
Sra. D. Bnmvjnila em marco de i87i,sabendo ape-
nas os primeircs rudimentos da lingua vernaculo,
spuba-sua digna direetora incutir-lhe de tal raodo o
amor pelos estados, que, em pouco tempo, come
coua ser considerada como uma dasalumnas mais
applicad* daquelie collegio, sendo agora em seas
ultimas exames preraiada e coroada, como a pri-
meira.de.sua classe
Soment' os qae, como eu, sabcm quanto se luta
hoje com a educac,ao dos filhos, podem avaliar a
f/i-ofuiiilezi de minha gratidao para com aquella
desvelada preceptora de minha lilha, que bem pode
dizer ter achado, em sua digna direetora, a rhai
quo tao cedo lhe foi roubada.
Possam estas pour-as linhas despertar a attenfSo
de muitos pais de familia, maudando para o colle-
gio da Exma. Sra. D. Bemvinda snas filhas; e entao
como eu, Hear jo sabeado que tambeni entrc nos
3as patricas, temas habilissimas preceptoras, a
quem podsmos confiar a educagao inteflectual,
moral e religiosa de nossas filhas.
Concluindo, p?co a Rxma. Sra. D. Bemvinda se
digne acceitar estas minhas singelas phrases como
a traducfio mais fiel de meu sincero agradeci-
menlo, certa de que nao saberei nunca esquecer
ludo quanto fez pela educacao de minha mui pre-
sada fill)a.
Recife, 20 de dezembro de 1873.
Francisco Feireiia Martins Ribeiro.
\gtia do Florida de Hurray e
I. a ii iii a it
A introduccao deste saudavel e delicadissimo
perfume uevitavelmente deve fazer, com que essas
mil e nma. aguas e espintos de cheiro, compostos
principalmente de oleos essenciaes fortes ede uma
qualidade impura, se transforniem n'uma verda-
deira drcga nos mercados. Ha 20 aonos a esta
i arte, ella tomou o lugar de todos os extractos e
.ssenciaes europeas nos mercados tanto de Ame
rica do Sul como nas Antilhas, supprimindo todas
as differeules qualidades dessas ohamadas Eau
de Cologne. 0 seu deleitavel aroma tem uma
aproximaca? mais estreita e analoga a reppirajao
delicada fas verdadelras flores do que aquelle de
nenhum outro artigo em uso para a mesa do tou-
cador. Usada como uma lavagem ou enxagoa-
mento da bocca, ella igualmente neutralisa e faz
desappareeer o mao gosto e halito causado pelo
fumo do cliarnto, a melhorando a condii;ao e es-
lade dos dontes e gengivas.
Uccorilai beui esta eircumstnu-
cia.
Que a DCunhecida pureza do oleo de ligado de
bacalhao, de Lanman & Kemp, o colloca n'uma
posica muito alem de tyda a rivalidade em todos
os mercado3 do rauado. E' este pois urn assump-
to de maior importo para os doeptes. Como uin
meio de curar as tossas obsiinadas, de sarap os
'.almoes inOammados 6 tuberculosos, de atalhar a
consumiflu do ligado, de alliviar as affeccoes
brouchiaes, de revestir os corpos extenuados com
novas carnos e de restabelecer as forcas e a saude
do systems, vital; nao ha por certo nenhum reme-
dio conhecido na seiencia que tenha produzido
taataamaraviihas. A bm meredda reputacao do
oleo de flgado de bacalhao cono o mais grandloso
dos remelios modernes, aclur-se-hia ja destruida
pelas vis imitacdes fraudulentas'que se empalma
ao3 poucos desconflados, se nao o houvesse salva-
ilo da deshonra este artigo fresco, puro e mcompa-
ravel, preparado e vendido dehaixo da garantia de
pessoas de uma respeitabilidade reconhecida. Ten-
do isto na lembranca, estareis seguros de obter o
legitimo ol>:o de ligado de bacalhao, de Lanman &
Kemp, o qual se acha a venda em todas as paries
do mando, nas priacipaes lojas de drogas e bo-
ticas.
CONTRA 0 FOGO,
A companhia Indemnisadora, estabelecid*
aesta pra^a, toraa. seguros maritimos sobrt
narios e seus carregamerttos e contra fog<
^m edificios,. mercadoriat e mobilias: n*
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COMPANHIA-ALLIANCA
seguros maritimos e terref>
tres estabelecida na Bahi&
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,(MW:(0eO(>.
Toraa seguro de mercadorias e dinheiro i
i*co maritirao em navio de- vel para ilentro e Mra do imperio, assim come
!ontra,fogo sobre predios, geaeros-e fa-
-ondas.
Agent : Joaquim Jose Gon^alves Beltrao
ua do CommefCio n. 5^ 1* andar.
PKACA:DO REUF& ii DE DEZEMBKO
DE 1873.
AS 3 4/2 HORAS DA TARBK.
iyete^#ei #llieifteM.
Algodao-de Ria Grande do Norte 81300 por i
kil posto a bordo a frete de 3|4 d. e S
0;0 de primagem,
^ambio sobre Londres a 90 drv. 25 lr2 d. por
IfAOO, hoje e sabbado.
Carabio sobre Lisboa a 90 djv. 103 0|0 de
premio.
Leal Seve.
Pelo prtsidente.
Antonio Leonardo Rodrigues.
Palo secreurio.
rts com 9,408 k(lbs ite mel ; Slim -& CascSo 15
flipas com 7,200 Ittfos de aguartfentil.
' Para o Rio Grande do Sul, na barca naclo-
aal Deolinda, Cfrregoi} L DopraLlS) harricas
(Suva 7,3W1|2 kUos'd^ |s3Be*7brHeo.
Para o Rio Grande do Sul, "nJ brigue bra-
leiro Provufencia, carregem : A. J. S. Guimaraes
MX) saecos oem 30,000 kilos de assuoar branco.
Para o Rio, de Janeiro, no navio portuguez
J, Gorreia, carragpu : A. F. Balthar Sobrmho
lJOOu saccos com 75.000 kilos de assuiar branco.
iro, capilao Joaquim Custodii
egado publico Joaquim fi_
aquim Jose Ferreira da Po
Ives de Abrantes, propriet!
tos Barros, major Luiz Antvow
Jpao Jose Ferreira de Aguiar, D|
tiooCarneiro da'Canha, capital
de Olivelra, em
ilho, cidada
Francisco
xandre dos
Ferraz, Dr.
iel Clemen
aria Freire
Capataiu
Rendimento d<> dia 1
tea do dia 22 '
DA ALPANDKliA
a 20 14.-03ii.SiO
. 4lo*256
!4:A60J806
NodiaiaW.
VOLUMES SAHIDOS
No- dia 21
.^rtmeira porta .
iegandi port* .
rereeira porta .
Quarta porta ., ._.;
n*piche Conceigao
SERVICO M.^ftlTIMi)
vharengiu descarregadas oe traptch*
alfandeifai do dia 1 ayfl
Vavus alracados.no trap, da-alfaaiaga
Vo trapMe Codc'elljio '. '. .
.
,,K,")B%%^ ismm""
30,799
26
87
40
313
31,267
48
1
~52
GE
Aendimento do dial a 20.
dam-dodi* 22. .

47:667^65
7:253*423
54:9211388
ALFANDEGA
tsndimento do dia 1 a 20. .
idem do dia 22
751:308*868
16:3391386
767:668*234
Descarregam hoje 23 de dezembro.
Vapor nacional Peneao (esperado) generos na
cionaes para o traiche da companhia.
Vapor inglez Cordova -(esperado) diversas mer-
cadorias para alfandega.
Barca ingleza -James Dardsou farinha ja des-
paehada para o caes do Apollo.
Barca, franccza -Mauricien vinho para alfande-
Sa,e sal ja despachado para terra.
_ eza Jane Maria carvao ja despa-
chado para o caes do Apollo.
Barca ingleza Dora diversos generos para al-
fandega, machinismo para o trapiche
ConceicSo, para despachar, carvao ja
despachado para o c*es do Apcjlo.
Patacho allemlo -Actismercadorias para ali'an-
aega.
Patacho partuguez-Fuftddvarios generos para
o trauiche Cooceigao.
Barca ingleza Fuzilier mercadorias para al-
undega.
Vapor francez Ville de Santos raercadcrias
para alfandega.
Para todos.
A casa mortuaria de Paula & Mafra con-
tinua a bem servir ao publico, em quantos
sous proprietarios ou sao deferidos no re-
eurso qua interpoem ao conselho d'estado
:-oatra o monopolio concedido a outrem, ou
slo.a contento indemnisados pelos monopo-
listas. E para que ninguem se illuda a res-
peito, sciontificam ao respeitavel publico que
e acham providos do material necessarioe
oro oarrcsnovos.
COMMEMIfl
COMPANHIA
Pheaix Pernambucana.
Tpoia riscos maritimos em mercadorias,
fretes, dinheiro a risco'e finalmente de qual-
qu^.natureza, em vapores, navios a* vela oo
iiarcaQas, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34,
canlra-fogo
Segn __________
THE LIVERPOOL d LONDON & GLOB
INSURANCE COSPANY
Azentes
SA.JNOERSfil^THERSdC.
11Corpo Santo11
capital.
*ntldD
de reserva.
2,0#rjri000t*e
8,000:000JM)0C
Agentes,
Mills Latham & C.
JIUADA CpZN. 8|,
Imporiacilo,
Vapor nacional Cruzeiro da Sul, entrado dos
portos do sul em 22 dp corrente e coqsujnado a
Pereira Vlanna & C, manifestou':
Carga doRiode Janeiro.
Caf6 30 saccos a Joaquim Rodrigues de Farias.
Cigarras 15 barricas a D. A. Matheus.
Fumo 130 robs, 40 pacotes e 16 caixas a Jose
M. Palmeira, 105 volumes a Antonio L. de Otivei-
ra Azevedo & C, e 30 a Jose Joaquim Lima Bairao.
Roupa feita 3 caixas a Caruairo & Nogueira.
Tinta 2 barrieas a. Jose Ferreira da Silva.
e CaraMaBahiA
Alfazema 6 saccos a/Praga &Bcha
Cabellos 1 caixa a IjUrismer.iJ^Si Labille. Cha-
rntos 5 caixas a Francisco Gtiedes do Araujo e 1
barrica a Keller & C. Chapeos de sol 3 caixas a
Oliveira & Irm^o, 2 a Mouhard MetUer & C.
Pannos de algodao 30 fardos a Francisco R
Pinto Guimaraes, 2o a Carvalho & Nogueira.
Tapioca 10 barricas a J. Rodrigues de Farias,
5 a Fraga & Rocha.
Vinho 19 caixas e 4 quarlulas a Harismendy &.
Labille.
Vapor nacional Ipojuca, entrado dos portos do
norte em 21 do corrente e consigoado a compa-
nhia pernambucana de navegacao costeira por
vapor manifestou :
AJgodao 230 saccas a Alfredo & C., I3i a Jose
da Silva Loyo Sobrinho, 55 a Killer, 50 a Julio
Cesar Paes Barreto, 62 a ordom, 22 a Monteiro &
Guerreiro, 14 a Juao Bapiista de Oliveira.
Cafe 9 saccos a ordem. Came 3 garaiaus a or-
dem. Cera de carnaiiba 14 saccos a Lunha Ir-
maos&C. Couros salgados 411 a Keller & C,
40 a J.i.esar P. Barrel j. Counnbo 39 molhos a
payjm Gorama 67 saccos a ordem e 55 a Davim & Fer-
aandes.
Sola 1,908 meus a Moraes & Innao, 1083 a
Fernaados & Irmao, 860 a Goin.-s de Mattos Ir-
maos, 534 a Sa Leitao Irmaos, 230 a Joao Jcs6 de
Carvalho Moraes.
Patacho portuguez. Vanda, entrado de Lisboa
em 22 do correwe e consiguado a E. R. llabdlo
6 C, manifestou :
Azeite 30 ba.rris a Antoaio Fraaci*co Corga, 30
aos consignatarios, 20 a Silva Guimaraes & C,
20 a Monteiro Junior x Fernandes.
Cat 50 barricas a Oliveira & Filhos, e 6 a Meu-
ron&i;. Camas 2 caixas a Jose Gomes Montei-
ro. Cebolas SO caixas a ailva Guimaraes & c.
Cevada iO saccos a Jose Maria Palmeira. Chouri-
cae 60 ancoretas a Fraucisco Guedes de Araujo.
Co ainhos.ilO saccos a Silva Guimaraes & C.
Farello 125 saccos a Beltrao & Filho, 100 a An-
tonio A. Jacome, 25 a Tasso Irmao & C.
Genebra 15 caixas a L. J. da Costi Amorim 4
Filho e 10 a Beltrao & Filhos. Grao de bico 4
saccos a Joaquim Simao dos Santos.
Louga 4 caixas a Antonio J. P. Monteiro e 1 a
L. J. da Silva Guimaraes.
Massas 00 caixas a Antonio Annes Jacome, 106
a Joaquim Jos6 de Azevedo.
Pedras para lageamento 567 com 300 varas a
Gongilves da Fonie, 439 ci in 250 a Antonio Jose
Dantas.
Touciniio 60 barris a L. Jose da Costa Amorim
&C.
Vinagre 35 barris de quinto a Joaquim Simao
dos Santos, 6 pi pas e 5 barris de quinto aos con-
signatarios, 17 e 40 a Beltrao & Filho, 6 e 5 a
Silva Guimaraes & C, e 6 e 5 a Thomaz A. Foa.
ceca Successores & C Vinho 99 barris a J a
quim Simao dos Santos, 3 a Joaquim A. F. Jaco-
bina, 1 o 10 caixas a Izidoro Bast is. iO pipas e
20 barris de quinto a Beltrao & Filho, 14,10 e 10
de decimos aos consignatarios, 14, 10 e 10 a Tho-
maz, A. Foneeca Successores & C, 14 e 10 a Sil-
va Guimaraes & C.
HMPAGH8S DE EXPORTACAO NO DIA 20 DF
DEZEMBRO DE 1875.
Para os portos do exterior.
Na barca inglesa Calderbank, para Liverpool,
carregou : P. Barbosa & C. 1,335 saccos com
105,125 kilos de assucar mascavado.
Na galora pnrtugueza Audacia, para Liver-
pool, carregou : M. Lathan 4 C. l.iOO saccos com
105,00p kilos de ass,ucar mascavado
No navio hollandei Sphynix, para o Canal,
carregou: KelJerAC z96 saccas com 21,729
kilos de algodao.
- No brigue hollandez \feteld^urger, para o
Canal, carregou Simpson ft C. 3,000 saccos com
22o,(iOO kdos de assucar raascavaio.
No brigue pjruifiiet ottte. par* Lisoa,
carowpii: L, J. S. Gihmjraes 200 sacco- pom
15 000 k1 os de assucar nia-cavadO e 100 dito-
com 7/|00 ditos de dito branco.
' ~ Jfc havio ingljz / Gck, para o Rio da Rea-
ta, carftapu: L. J S Guuuarai- 200 i.arrica.
00m I Haps do assucar branco e 30) diu*
com 3l,0t dltos 3e dito mascavado.
-i* No patacho nacional Jaboatdo, Da a Nw
york, carregou : H. Forster ft C. 12 sacao/s coin
881 kilos de cafe.
Para.ot portot do intertor.
, Parao.fljfo.Gwndja de Suj, no pata.cho hra-
Ueiro Portuna, carregou: J. J. Fwreir?. 98bar-
GONSULADO PftiiVANGIAA/
tendimento do dia I a 20
(dim ao dia 22 .
137:138.
20:768
157:9261722
dendiracnto do^aTf 2QRAC 'dem do dia 22......
7:1061982
562/748
MOTIMEHTO DC PC RIO.
Navios enirados no dia 22.
Babia8 dias, barca ingleza JuanUa, da 447 to
neladas, capitao H. Horlock, equipagem 11, em.
lastro; a Johnston Paler 4 C. Segio para a
Parayba.
Rio de Janeiro23 dias, brigue inglez Agilis, de
215 toneladas, capiOM Daaiel.ftfohy, equipagem
11, ein.Uwe.; a ordem.
Lisboa-33 dias,, patacho portugue* Vanda, de
184 toneladas, capitao Pedro Augusto Pestana,
equipagem 10, carga differentes generos ; a E.
R. Rabello& C. '"
Bahia-10 dias, patacho inglez Minic Bruce, de
186 toneladas, capitao Sear'Ie, ejuipagem 9, em
lastro ; a Johnston Pater & C.
Santos29 dias, brigue inglez Rosehall,Ae 271 to-
neladas, capiiao W. Unged, equipagem 9, em
lastro; a ordem.. Segujo para Maceio.
Portos do Sul- 6 dias e 14 horas, vapor national
Cruzeuv do Sul, de 11,1.19 toneladas, comman-
daute o 1 tenento WadJegion, equipagem 60,
carga differentes geoeros; a Pereira Vianaa 4 C.
I Ilia da Assumpeao13 dias, patacho inglez Indus-
trey, de 102 toneladas, capilao F S. Perrey,
equipagem 13, carga azeite de peixe, a ordem ;
veio arribado com agua aberta. Seu destioo era
BarbadSes.
Navios sahidos no mesmo dia.
Lisboabrigue portugez D. Anna, capitao Antonio
Francisco Leitao, carga assucar e outros gene-
ros.
Canalbrigue inglez James Stioart, capilao James
Scott, carga assucar.
Rio Grande do Sulbrigue brasileiro Providencia,
/ capitao Carlos E. Merry, carga assucar e outro
generos. P^^R' ,
Rio de Janeiro -patacho .brasileiro Arthur, capi-
tao Jose B. de Squza. carga assucar e outros
generos e 10 escravos a entre'gar
meiro, tooente eo/dOBl theodorio Machado
weire Pereira da Silva, nefociante Nicolao Tolen-
tlno de Carvalho, tenente eoronel Francisco de Mi-
3.nda Leal S>>ve, maior fW niiWjfcJ1! iM imi
areiidi. JJarie fiTytleante d Ro AB>Mar-
qae, Dr Adolpho Lameaha LiBs, Dr. Pedro de
Ataaydo ijobo Moscow, tenente Francisco Pache-
co Soares, Dr. Manoel de Barros Barretto, Dr Se-
bastiio do Rego Barros de Laoerda, lenente eoro-
nel Jjao Valentim Vilella.
Snpplentea.
Negociante Francisco Joaquim da Costa Fialho
Junior, tenente Herculaao Nlveira Be?soni, nego-
ciante Antonio Leonardo Rodrigues, despachahte
Antonio Augusto da Camara Rodrigues Sette, ea-
pjtao Ernesto Vieicador Ar^J* D/r-fiduardo Au-
gusto de Oliveira, professor Geiuiniauo Joaquim de
Miraada, capilao Joaa Jos Santos Porto, negociante
Jdse" Candido de Moraes, Anto/tij) l^onldas de
rfcrvUla eSilva^rti4ia,Cyrin9Rodrlguis da Silva
Campos, Antonio Candilo de Guimaraes e Sflva,
n^ociante Joao Joaquimda Co*JaLritB, jjgociante
JrJaQ,:Pdrp BapMsta, .tenente Benjamin Viraea
D)jtra,' ar/ista Alexandre DdrotliSo d*a; Mbrees;
^"'SSPi'^*^ MiJetv'Mirins, cidadio.Mamede
djjTRgo tTirros Fonceea. arfuta^fi^l^olrHo da
Silva, negociante Jose Qdratltid deMSa"TTavasso,
aftista Cosme Jo* 'de' ft'afit Lbpfe^Neves, des-
paehSate 'Hfeib Aflffrto d Sflvelra, vldadao Joa-
quim dos Santos Atevedo, cidadao Jose Lopes
V|awifiraadd Joafiuim Jnvinrt Ifonorato Bastos,
cpadid Jdoo Carlos Mendes, empreuado publico
Jilio GeMr Gardom Ayre^.-eldadlO JOse Joaquim
Pireira, empregJMkrphte8 Jofc.l*epoldino do
H 'g, arista Jo6 Francisco Diaiz, cidadao Loir
Francis x> de Paula Raffle, citUdito Jose Francisco
de PauJa Ramos,.Mattoel Joaquimda Conceiclo,
etnpregado pub!i:o Manoel de Miranda Castro,
ckladao Marcoliao Jw^Puppe. cidadao Bernardino
de Sena Dias, cidadao Rodrigo Gomes da Silva
Rfegp, cidaaSo F'pndisco Joaquim Goncalvos do
Cabo, cida'dao Virtbfrao Antortw Martins, cidadio
Francisco Alfonso Ferreira.
E par* eeiiWr'ttandeS fazer este edital, e affl-
xal-o nos luga'res mais publicos desla freguezia, e
publical-o pela imprensa.
Fregaeria do SaHtwsime Sacramento do bairro
da l3o*iVlta, 'W' de ddwnbro d 1873.
Eu, Alvaro Paulo Noblato, escrivao, o escrivi.
AMouio Cfirnoir* ihtelMdo Riot.
m
rWM,tat scienle aos eonlribuintes da
dfccirna adoicional, que 6 no correute met de de-
ztobro que tern de ser pago, sem multa, o pri-
nleiro semestre do exercicio ie 1873-74, e com a
rtjotea de 6 0|0 depots do referido mez.
"Jewbedoria de Pernantaco, 5 de dtpmbro de
_ Manoel Carneiro de Souza Laoerda.
belecimentos de caridade a seu cargo rM
ia Carnauba sita no termo de Flores desla
provmcia, com terrenos para criar e plantar, e
:om algum gado eavallar e vaccum.
Recebe para isto propostas nesla secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anao.
Secretaria da santa casa da miserioordia do Re
;ife, 10 de ontnbro de 1871
0 escrivao,
_^______Pedro Rodrigues de Souza.
Conselho de coiupras tie i
Face pablico, d*ordens de conselho, qae o ean-
trato annunciado para 23 do corrento van refere-
setambem ao fornecimento ao arsenal de raari-
nba, no trimestre proximo vindomo de-Janeiro*a
marco.de carvao, cok, trtolo de alvenaria grossa
e carvao proprio nara ferreiro.
Sala das sessoe* do censelho de compras de
mannha, 20 de deaembro de 1W3.
As pessoas que se propoip.ram rssa arremata-
fio, comparecam ua sanaar sesflcs da referida
junta cofnpeteBtemente habiTHadas.
E para ceDstar se manda pablicar o present*
pelo jorual.
i Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
puco, 22 de dezembro de 1873.
0 offlcial^maior
'.. Miguel AJFooio Ferreira.
p__________Alexanire h
. 0 conselho econortKo db
fatoiaria, tendo da contratar o
esdbs Anjos.
B batalhao de in-
Edital n. 110
Pela inspectoria da alfandega de Pernambuco se
faz publico, que nao se tendo arreraatado as mer;
cadorias abaixo declaradas, annuptiadas a leilJo
por editaes ns. lOi e 106 por faha de concurren-
cia ao valor official, se transfere a mesma arrema-
ta^ao para as 11 horas da raanhJ do dia 23 do
corrente a porta desta reparticao
Trapiche Conceicao.
Marca T 31 canastras con alhos ecom piin-
eipio de avaeia, pesando 657 kilos, vindas do Por-
1q na harca pniiUigueza Vencedora, descarregadas
em 16 de julh'o do corrente anno, e avaliadas por
13*800.
Idem ACS 65ditasidem idem, pesando 1,049
kilos, avaliaias por 69*033.
Idem X 30 ditas idem idem na barca porta-
gueza Nova Sympnthii, descalregadas em 12 de
agosto passado .pesando 581 kilos, avaliadas por
72*350.
Sem marca 116 dilas i iem idem, pesando
1,604 kilos, avaliadas por 200*500.
Marca M 50 ditas idem idem, no vapor por-
tuguez Julio Diniz, descarregadas em 53 de agos-
to passado, pesando 1,100 kilos, avaliadas por
146*666.
Sem marea 1 grade com plantas seccas, vin-
das do Porto no brigue portuguez Recife, descar-
regada etn 29 de setembro passado, sem valor.
Alfandega de Pernambuco, 20 de dezembro de
1873.
O.inspeclcr
Fabio A.de C. Reis
K
tCITAES.
A camara municipal desta cidade faz pu-
blico para ce ihec'unenlo de quem interessar possa.
o artigo de postura abaixo tran-cripto.
Art 8 Nos primeiros oito dias do mez de Janei-
ro de cada anno, todos os medicos, cirurgiSes,
pbarmaceuticos, droguistas, parteiras, sangrado-
res, dentistas e vetennarios, mandarao a camara
municipal a declaracao de seus nomes, naturali-
dades e moradas afim de que ella possa mandar
publicar a lista de todat estas pessoas ; os infrac-
tores serao multados em 10*.
Paco da camara municipal do Recife, 19 de
dezembro de 1873.
Theodoro M. F. Pereira da Silva
Propresidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secretario.
~ 0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que no dia 30 do cor-
rento mez, perante a junta da fazenda da m sma
thesouraria, se ha de arrematar a quem por me-
nos fizer o fornecimento de aiimentacao e dietas
aos presos pobres da casa de detencao, no trimes-
tre de Janeiro a marco vindonro, servindo de base
a .rrcio.uar.ao os precos da tabella abaixo trans-
cripta:
DIETAS
Numero 1 380 rs.
. 2 400 rs.
c 3-640 rs.
4-460 rs.
. 5-400rs.
Sera tambem fornecida aos presos ceie na Im-
portancia de 120 rs., em quanto esta orcado o al-
mo(o e na mesma proporcao. K para cons tar se
mandou fazer publico por este jornal.
Secreteria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, t9 de dejembro de 1873.
0 official-maior
_______________Miguel Affonso Ferreira.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimento do acto do Exm. Sr. com*
mendador presidente da provincia, de 4 do mez
corrente, manda fazer publico que, na mesma
thesouraria, acha se aberta a inscripyao de apoli-
ces de divida provincial, ao par, vencendo o juro
de 7 por cento ao aimo, ate a importancia de mil
contos de r6is.
Secretaria datbesoiiraria provincial de Pernam-
buco, em 13 de dezembro de 1873.
Vicloriano J M. Palhares,
Official-maior interino.
Ocida'dao Antonio Carneiro Machado Rios, tenente
eoronel da gnarda nacional, coramendador da
imperial ordem da Rosa, juiz de paz da fregue-
zia da Boa-Vista, em virtude da lei etc, etc.
Faco saber queem virtude da lei e ordens re-
cebi'las, convoco os eleitares e supplentes da pa-
rochia da Boa-Vista e que abaixo vao designados
pir seus nomes, para qae coinparecam na 3.* do-
min?a do me- de Janeiro, do anno proximo futuro
fle 1874, no corpo da matriz da dlta parochia. pelas
9 horas da manha, afim de organisar-se a junta
de qualiikayao, que tem de re\8)r a qualilicacao
do anno amecedente dps ci lading qne.fefcni direi-
to de votar nas eleicSes d* eleitores, ju'izes de paz
e vereadoaes da camara mumcipal^lcendo scientes
os referidos eleitores e supploutaj, ahaio declara-
dos, que soffrerap a multa de 40*000 afiO*OOQ, se
nao comparecerem, ou.Ujndo compareclao, deixa-
rem de assignar.a respecwYa,acJa.
%i tores. -^
Tenente coronal \ntini| Carneiro Machado Rios,
desembargad..r Caetauo Jose.'da Silva Satu^ugj,
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A lllma. junta administrativa da santa casa da
sericonSa ao Recife, manda fazer publico que
oa sala de suas sessocs, no dia 23 de dezembro
pelas 3 horas da tarde, tem do ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de nm
a tres annos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECIV1ENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....306*000
Rua da Viracio
Casa teorca n. 7 (fechada) 240*000
Travessa de S. Jose*.
Casaterrean.il.......201*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechada) .... 1:000*090
Rua da Guia
Casa terrea n. 25. # 200*000
Ruo do" Pilar.
Casa terrea n. 98.......241*000
Casa tereea n. 99 (fechada) .... 351*000
Idem n. 100.........241*000
Idemn. 102........2il*000
Rua do Rosario da Boa Vista
Case terrea n. 58fechada.....215*000
Rua da Moeda.
Armazem n. 37 (fechado) 800*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44....... 430,5000
Os pretendenfes deverSo apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, ou comparecerem
ac'orhpaHhados dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lim-
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 20 de dezembro de 1873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de -Souza,
CONSELHO
gUflk
inif'-Mor -implicjo da Ci
landido liasimiro Guedes Alcoferado, Or,
priano FanrLn Guides Altoforado, Dr.. M
Jose de Almeida Pernambuco,
Martins dos Rio- Junior, ci.ladao
Gouveia Cirfniro, cidadSo Mano^f do
Oa SUva.Rist.*, neg.xl; nte Pi-Sncisco Joaquihl'del
Melli Tavwe-, ca nio.'Mafc.el Gorae* de Figue-
redo, prow eoronel J-'ia mini J ,e -Silyfifa, artUfa Joao dos'
Santos Perreira Barms, cidadao Jeronynjo Pereira
arias, erapregado uublico Alvar Perrira de Sa,
DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA.
0 conselho promove no dia 23 do corrente mez,
a vista de propostas rScebidas ate as 11 horas da
manha a compra sob as condi?5es do estylo dos
objectos do material da armada segnintes :
25 almotolias de foi ha de flandres, 60 kilos de
agua raz, 4 barris de brea 60 pecas de brinzao
ou meia lona, 60 kilos de estanho em verga, 700
kil s de estopa flfe algodao, 300 kilos de estopa de
linho, 70 metros de encerado para pavimento, com
12 de largo, 30 litros de espirito de vinho, 40 ki-
los de fio de algodao, 100 varSes de ferro redondo
de 9,m007 de gmssnra, 60 varees de ferro redon-
do de 0,m027 de grossura, 60 varoes de ferrp qua-
drado de 0,m023 de grossura, 60 varoes de ferro
quadrado de O.mOOi de grossura, 60 varoes de
ferro quadrado de 0,m04l dfe grossura, 100 bar-
ras de ferro proprio para grelha, 700 kilos de
graxa do Rio Grande, 15 kilos de gomma-lacea,
30 litros de kerozene, 400 folhas de lixa de vidro
h. 5, 100 navathas de martaheiros, 600 kilos de
Dcre, 3000 kilos de oleo de linhaca, 6 panellas de
(Tecro, 12 pelles preparadas para caixa de guerra,
BOO metros de tubos de wrro para agua com
D,m082 de diametro, 15 kilos de tathas de cobre,
1114 kilos de tach.-s de cnbre de 6/0, 3 barris de
yerniz collar, 2 vergOBteas de' pinho com 16 me-
|tros de cpmprimento, 0,33 em uma ponta e 0,28
pm oa*ra, z.Tefgpntaas d.*aiinbo com 10 metros
de compriraento, 0,28 em uma ponta e 0,19'em
putra.
Tambem o conselho de igoal forma contrata no
mencionado dia 23 do corrente mez o forneci-
io>Mo uo trimf tf8 proximo viadouro de Janeiro a
jtar^o, de eamfsas e caixas de flanella azul ter-
k'ete para impenaes irtarinheiros e aprendizes
Jkos.
Sala das sess&es do conselho de compras de
- fornecimento dos
generos alimentic.io; abaixo declarados. para as
pfacas arranchadas np primeiro semestre do an-
na vmdouro, convida aos Srs. negociantes qne a
iso se quizerem propor, a appreSentarem suas
peoflostas era..cartas fechadas na secretaria doha-
tajhao no dfa' 26 do corrente mez pe^as dez, ho-
ras da manha, certos os mesmos Srs. de que os
gdneros devem ser da meteor qualidade que hou-
vdr no mercado, fornecidoe pelos pesos e medidas
do systema ultlrhamente addptadtf e postos no
quartel per coirta do csntratanle. Previne se
mais que nao serao aceitas as propostas que na contiverem explicitamente os precos e todas as
declaracoes necessarias sobre a qualidade dos
mesmos geaeros, nao se tomando em consideracao
aquellas que nao assenUrem sobre essa base de
legitima coacurrencia os generos sao os scguin-
tas : arroz pilado, assucar branco reSnado, azei-
dece, bacalhao, caf6 em caroco e moidu, carne
sezca, carne verde, farinha de mandioca, da ter-
ra, (litre) feijao molatinho e pnto, (litro) paes de
lio.e 230 grammas, manteiga ingleza e franceza,
touclnho de Lisboa, vinagre de' Lisboa, mHho
branco pilado do Rio de Janeiro (que denominam
cangica) e lenhs em achas.
Secretaria do commando interino do 2.* batalhae
de tnfantaria em Pernambuco, 22 de dezembro de
1873.
0 alferes Joad Baptista de Siqueira,
___ Secretario.
Western and Brazilian Tele-
graph Company Limited.
0 vapor Hooper, agora ancorado neste
porto, vai immergir a segunda sec$ao do
cabo qae ha de ligar Pernambuco a Bahia e
Bio de Janeiro, e espera-se qne a cornmn-
nicagSo por toda a e.tfeos&o do cabo; desde
o Rio do Janeiro ao Para1 seri aberta ao
publico no proximo mez de Janeiro.
As taxas pelos telegrarnmas expedidos de
Pernambuco serao as seguintes ;
Para o Pard..........10000 cada palavra
a Bahia ........19000
o Rio Je Janeiro. 1-^500
Os nomes e o enderego dos deslinatarios
e remettentes serao ineluidos no numero das
palavras a pagar.
Telegrammas para lugares dentro do pe-
rimetro d'um. kilometro da estagao tele-
graphica serSo entregues livres de despezas,
mas os que excederem pagarao 500 rs. por
cada kilometro ou fracgao.
Quando qualquer telegramma forentregue
por meios especiaes, a despeza feita correri
por conta do recebedor.
A sorama de 200 rs. sera cobrada para
portos do correio nos telegrammas destina-
dos.aospprtps do Brasil e a de, 500 rs. na-
quelles desttnados ao estrangeiro.
0 remetiente do telegramma tem a esco-
Iha de pagar a resposta que desejar seja
dada pelo seu corre-pondente, se este quizer
que a resposta so couste de 10 palavras, as
palavras (resposta psga) serao inseridas no
telegramma e cobradas, mas se elle desejar
que conste de maior ou menor numero, ent5o
o numero de palavras sera" declarado em se-
guida ds palivras resposta paga, por exem-
dlo : resposta paga, qualro palavras e estas
serao igualmente cobradas; se o remettente
para maior seguranga quizer queo seu tele-
gramma seja repetidop poderd faze-, pagan-
do a raetatie d custo do mesmo.
Estao feitos accordos em virtude dos quaes
podem expeilir-se telegrammas para todas as
partes do mundo: do Para" pelo vapor ame-
ricano qu sahe daquelie porto para S. Tho-
maz a 5 de cada mez e dalli serao telegra-
phados ao seu destino, os precos para taes
telegrammas que agora podem ser pagos
adiantados ate ao seu destino, podem ser ob-
tidos, procurando-se nas respectivas estacoes
telegraphicas.
Por accordo feito entre duas companhias,
a linha da Platino Brasileira Telegraph
Corapanyjserd trabalhada por esta empreza, e
no complemento das linbas, o que se espera
dentro em poucos mezes havera communi-
cacao telegraphica directa entra as principaes
cidades do Brasil, Montevideo, Bueoos-Ayres
e costa do Pacifico.
Pernambuco, 6 de dezembro de 1873.
Roberto M. Hyde,
_______ Gerente do trafego.
0 deposito de recrutas precisa cootralar,
a o rancho daa pracs de pret do duodeposiUi,
em o primeiro aemestre do anno vindonro, os ge-
neros alimeoticios abaixo declarados, os quaes 3e-
verao ser de primeira qualidade, a saber : arroz
pilado, assucar mascavo reflnado, azeite doce, ba-
calhao, cafe em earoco, carne secca, dita verde,
farinha de mandioca, feijio, lenha, manteiga fran-
ceza, paes d 172 grammas, ditos de 114 gram-
mas, toucinho de LNboa e vinagre; as pessoas
i|De pretenderem dito fornecimento, aprescnUrao
Bias propostas em carta fechada, a secretaria do
menciona deposit*, no quartel da Saledade. no
dia 27 do corrtfite, pelas 10 horas da manha.
Quartel do deposito de recrutai em Pernambu-
co, 28 de dezembro de 1*73.
Feliciaoo de, Ljra,
___________________Alfcres secretario.
Soqiedade Uniao G
. NJAiMPkiaAtsJi cmmJT*
rector desta soeiedad* manda cplebrar duas mis-
sas, alem da do costume, ao meio dia, na mes-
ma igreja de S. Pedro, sendo a wrimeira as
rs da manna" e a segunda as, iW horas do
portanto, os socios e mais n>M, que quizerem assis-
Ur a elias, qneiram comparecer as iioras dtin*
cadas._________
lompanhia Ferro Caml'dc Per-
naiulmco.
FESTA 1)0 NATAL,
Os carros dsta companliia trahalhario ext'raor-
dinariamenle durante as nolle* d 24 e 23 dcor-
rente.
.; Recife, 22 de dezembro de 1873.
0 gerente, G. A. Shraid.
ADML\'I>THAGAO DOS COItltElOS DE PEH.NAM-
Rl'CO 23 DE DFZEMBRO DE 1873.
Valas pelo vapor Cruseiro do Sul da companhia
brasileira.
A correspondent que tem de ser expedida
hoje. (23) pelo vapor acima mencionado para os
Jorto* do nerte, sera recebida pela- mancn se-
ninte :
Macos de jornaes, impressos de qualqjipc natu-
reza e cartas a registrar ate 2 "
cartas ordfaarias ate 3 Iioras da
3 1(2, pagando porte duplo.
0 administrador
Alfonso de Rego Barros.
AVISOS MARITIMOS.
O
Araeaty
com escalas por Macao sahe nestes dias o novo e
superior palhabote nacional UmiUo d* Cms, e&*
pitao c pratico Manoel Caetaco da Costa tem
parte de seu caregamento prompto ; para o resto
trata se com o consignatario Antonio Alberto de
Souza Aguiar, a rua do Amorim n. 60, ou com o
eapitSo a bordo do mesmo palhabote fundeado
eonfronte ao trapiche da companhia.
Para o Rio Grande do Sul.
Sahira muito breve a barca nacional Deolinda.
Recebe ainda alguma pouca carga, partf o que
trata-se com E. R. RabeHo k C, a rua do Com-
mcrcio n.48.-___________
"al
maj-ir J iio Francisco, Antunes, maior Eranciaci
Martins Hapozd, Dr. Manoel Barbara de Xmno' nba de Pernambuco, 19 de daeembro de 1973.
>oz fUbelro. nenielMC O. aaeretario
Alexandre Rodrigues dos Aajos.
SwrSv^JSh ^anta ^asa da, Miaericordia
A junta administrativa da Santa Casa de Mise
ricordia de Recife, q mpe:n**mente antorisada
:nela. presideneia. em, data de 3 de setembro do
janno p/pxinjo fijidp. e de confcrmidade com o qne
Idispde o. j 9. art. 6? do sett cbmiiromissb. per-
amla nor apolices da divida pnblioa a fcaenda de
tenente eoronel Joaqthm Caetano de Sowa Coos- criar gados que possne o patrimoafe dee estt- diarios cada lampiao.
O deposito de recrutas precisa contraiar, para
rancho das pracas de pret e do dito deposito
em o 1 semestre do anno vindouro os generos ali-
menticios abaixo declarados, os quaes deverao ser
de primeira qualidade a saber : arroz pilado, as-
sucar mascavo reflnado, azeite dqce, bacalhao,
cafe em earoco, carne secca, dita verde, farinha de
mandioca, feijao, lenha, manteiga franceza, paes de
172 grammas, ditos de 14 grammas, toucinho de
Lisboa e vinagre. As pessoas que pretenderem
dito fornecimento, apresentarao suas propostas
em carta feichada, a secretaria do mencionado
deposito no quartel da Soledade, no dia 27 do cor-
rente, pelas 10 horas da manha.
Quartel do depisito de recrutas de Pernambu-
co, 18 de dezembro de 1873.
Feliciano de Lyra,
_______ Alferes secretario._____
ESTRADA D FERRO
DO
Recife a Caxanga.
Alem dos tres ordina-
nce havera. no dia 24
do corrente & meia noite
urn do Recife a Caxan-
ga", e no dia 25, a 1,
2, 3, 4,5 e 10 horas da
manha, e It e 12 da noite.
Do Caxanga. para o Recife havera as 12
horas e 35 minutos. 1 e t5, 2 e 3o, 3 e
35, 4 e 35 da umiha ; 12 e 35 la tarde ;
10 e 35, It e 35, e (2 e 35 4i n tile, to-
oaodo todos nas estacoes >ia linha prim-i ml.
Escriptono da companhia, 20 de dezem-
bro do 1873.
R. C. Batterbte,
fierenti*.
O Illm. Sr. inspector d,th.io i.-*r..i ,,c.uin-
cial oandafazar publico, que vai a nmca m dia
31 do corrente, perante a jant Je^ta thesouraria
para er afrematad,i a nuem p-r menos fizer o
edsteio da illitmin 'fto publ'ca da rjdadn d Goy-
janna por tempo de urn stMio, orcado em 2W rs.
Real companhia de paquetes
------iagtos.a Ya^oy.
Ate o dia 27 do correnle, espera-se da Earopa o
vapor inglez Boyne, commandante F. Reeks o qual
depois da demora do costume seguira para Bne-
nos-.A>ivs, ti>e*ndo dos porto* da Babia, itio de Ja-
neiro e Montevideo.
No dia 30 do corrente, espera-se dos portos do
sul o vapor inglez Neva, commandante H. Bax.
o qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente e Lisboa. i
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda,
rua do Commercio n. 40.
COMFA.NHIA PERiNAMBUCANA
DE
\ave^ai'tto costeira a vapor.
MAMANCDAPE.
0 vapor Coruripe, com-
mandante Santos, seguira para
e potto acima no dia 27 do
corrente, is 5 horas da tarde.
Recebe carga, encommen-
. das, passageiros e dinheiro a
frete ate" as 2 horas da tarde do dia da sahida:
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
Rio Grande do Sul
Para o R>o Grando do Sul pretende segnir com
brevidade o patach portuguez Joven Correa, por
ter alguma carga; e para a que lhe falta trata-se
com os consignatarios Joaquim Jose Goncalves
Beltrao, a rua do Commercio n. 6.
Lisboa e Porto
Sague viagem muito breve a galera portngueza
Usboa, por ja se achar com quasi todo o ceu car-
regamento tratado- Para a pouca carge que lhe
falta e passageiros, aos quaes offerece muito bom
eommodo : trati-se com Tito Livio Soares, rin
do Vigario n. 17.____________________:
L1SB0 \
Para o referido porto pretende seguir com a pos-
ivel brevidade o brigue portuguez D. Anna, por
ter ja algnma carga engajada ; e para a qae lhe
alta, que recebe a frete eommodo, trata-se com
98 consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
jc Filho, a rua do Commercio n. 5. '
COMPANHIA PERNAMBl'CASA
DE
Navegacao costeira a vapor.
MACEI6,'ESCALAS E PENEDO.
0 vapor Mandah'.i.
commandante Iftlio.
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as S ho-
ras da tarde.
Recebe carga atS o dia 29 do corrente, encora-
mendas ate 0 dia 30, passagens e dinheiro a frets
H6 as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n, 12.
COMPANHIA PKRNAMBUCANA
DE
Navegacao costeira a vapor.
PARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO'.'AllACA-
TY, CKARA, MANDAHU E ACARACU'.
0 vapor Ipnjuca,
commandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia '.H
do corrente, as 3
-r horaa da larde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente. encora-
mendas ate' 0 dia 30, passageiros e dnlheiro a fre-
te at6 as 2 horas fe tarde db. dia da' sahida :
escriptorio no Forte no Mattos a. 11 .
o n ___.
Para Lisboa.
Seguira em poucos dias a barca portugneza
Gratidio. Para alsmna (h.nca- cargaque lhe falta,
trata se com E. R Rabello & C, a rua do Gan-
mercio n. D%
Rio Grande do Sul
Para aqu-l! p rto recebe 0 patacho nacional
LtcpuldJna eaiga a frete. devendo aeguir viagea
am pouoe dias : para tratar, no eacriptono.de
Sdva < Cascao, 4 rua do Marqaez de OlhwU n,
80,1 andar.
JL JiniiiM 1
rIKNH

f
k



;
Diario de Pemambuoo Tefja feira 23 de Dezembro de 1873.
PARA o
Pretende seguir com brevidade para o Para, o
hiale OUnda, por ter pane de sua carga, e para
a que lhe falta, trata-se com 03 consignatarios Joa-
quim Jo*6 Goncatves l3eltrao & Filho, a rua do
Oommercion. o. .
\

Lisboa
Para o referido porto pretecde seguir com pouca
lemora o brigtie portugaez Ligeire 111, de 1"
elasse, capitao Nobre, por ter a roaior pane de
, sea carregamento eng.iiado, e para o resto qne lhe
/ falla trala-se com os consignatarios Joaquim Jose
Gonealves Belttao & Filho, a rua do Commercio
n. 5.
Jos6 Felippe de Albuquer-

BVIIIAW
C0MMM1M
DE
UHTAM
Maceid, Penetlo, Aracajd
- Elahia.
B'esperado das portos do sal at6 o dia
corrente o vapor enio, o qual
portos aciraa do dia segainte
Hda.
Recebecarga, encomraendas, passageiros e di
nheiro a frete.
AGENTES
Antoaio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
57Raa do Bom Jesas57
23 do
seguira para os
ao de sua die-
que.
O tenente-eoronel Pedro Francis-
co de Albuquerque, sua mulber e
filhns, rogara aos sens parentes e
amigos que se dignem de assistir
as mls*as que teem de ser celebra-
das por alma de seu Onado filho
tenente Jose Felippe de Albuquer-
que, no dia terca-feira, 23 do correute, as 7 1|2 ho-
ras, no convento de N. S. do Carmo, setimo dia
de seu passamento, pelo que manifestam seu re-
conhecimento.
Antonio Jos6 rires
O bacharel Luix Antonio Pires e
seus irmaos convidam a seas pa-
rentes e amigos e os de seu flnadp
pai Antonio Jose Pires para assis-
Urem as missas que mandam cele-
brar por alma do mesmo, no dia
21 do corrente, as 7 Ij2 horas da
manhi, setimo de seu fallecimento, no recolbi-
mento de N. S. da Gloria da freguezia da Boa-Vis-
la e pa capella da Ponte de cchoa.____________
Candida Julia JSeves
Galvao
Manoel de Sauza Galvao, sua sogra e cunbados,
mandam resar algumas missas por alma de sua
mnito presada esposa, filha e irma, Candida Jalia
VAPOR FRANCEZ
RUA DO BARAO DA VICTORIA
W. 7Outr'ora NovaN. 7
Calcado
Iraneez.
JfnRTMENTO
MEDICIIU
Prepa"do p*
" I.anman dt Kemd
Neves Galvao. na igreia de S. Faancisco, a
8 ho
ras da manha do dia 26 do corrente, anniversario
do seu fallecimento, e convidam os seus pareates
e amigos para assistirem a esse acto.
< 0 DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do sal.
CEARA'
E' esperado Jos porios do none ate o dia 26 do
corrente, e seguira para osdo sul depois da demora
do costume.
Para carga, enconimendas, valores, passageiros
e mais informacSes, dirijam-se a rua do Vigario
n. 7, escriptorio de
Pereira Vianna & C.
Agentes.
Gabriel Antonio.
Joao Antonio Alves da Silva, Antonio Germano
Alves da Silva, Elvirio Alves daSilva, Jose Joaquim
Alves da Silva. Maria de Mendonca Rego Barros,
Dr. Jose de Mendonfa do Rego Barros, Josepha Ma-
ria dos Prazeres Silva, Miguel Jose* Barbosa Gni
maraes, Joaquim Henrique* de Silva, Joao Xa-
vier da Silva, Jose Henriques da Silva, Henrique-
ta Maria dos Pasoa Guimaraes, Josepha Maria
dos Prateres Cesar Rlbeiro, Rita Margarida dos
Prazeres Guimaraes. Ricardo de Freitas Ribeiro,
Rita Bemvinda da Silva Guimaraes, Anna Adeli-
na Assides Silva, Francisca Carolina Lopes da
Silva, Anna Thereza de Jesus Silva, Joao da Sil-
va Guimaraes, filhos, genro, sogra, cunhados,
noras, cunhadas, sobrinhos e netos, convidam a
tedos oi seus amigos e do Bnado para assistirem
algumas missas que mandam rezar no convento
do Carmo as 7 1|2 horas do dia 23 do corrente, e
desde ja agradecem a todas as pessoas qne se dig-
narera assistir esse acto.
LEILOES.
Grande
65S>
rua
58.
de
0 Sr. Antonio Pereira da Rocha, morado-
em Serinhaem, e rogado para vir ou mandar rear
lizar o qac nao ignora, no escriptorio de Tasso Ir-
maos AC. ..___
Para homent.
BOTINAS de bezerro, cordavao, peHica, lustre
de duraque com biqueira, dos melhores
fabricantes.
SAPATOES de beierro, de cordavao e de case-
mira.
SAPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, sitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca
francezes e portuguezes.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de traica.
Para menlnas.
BOTINAS preus, brancas e de cfires differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguetes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatSes de beierro, de dftersas
qualidades.
SAPATOS de trauma francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
lus a Napoleao e a Guuherme, peraeiras
meias peraeiras para homens, e meias perneiras
para meninos.
"No armazem do vapor francer, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernicSes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
levos, e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios. _
No armazem do vapor Iraneez, a rua do Barao
da Victoria n. 7, outr ora Nova.
PIANOS.
GRANDE LIQUIDACAO DE FAZENDAS
Alaga-se uma casa na Capunga, com com-
modos para familia : a tratar no mesmo lugar,
rua das Crioulas n. S. Na mesma casa precisa-se
de uma ama para o scrvieo de casa de pouca fa-
milia.
fla rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova, segundo andar do sobrado n
A saber:
Mobilias de jacaranua o ae taia, secretarias
mogno, guarda-vestid'js de raogno, com espelhos,
ditos de amarello, espelhos grandes com p6s, mesa
latica, aparadores, sendo todos estes moveis
completamente novos.
Uma mobilia deiacaranda (obra do Rcmipio).
composta 4e am sots., 1 cutauss ae g\iarni;o,
i de bracos e 2 de balanco, uma outra mobilia de
mogno, 2 camas para casados, sendo uma de ja
caranda e outra de amarello. Todos estes moveis
com quanto tenham atgnra uso, acbam-so perfei-
tamente conservados.
Egpalhos grandes para sala, 4 qnariros riCOS, J
ditos representaDdo scenas na.aes, 12 vistas da
Italia, 1 cesta de electro plate para pao, jarros
para flores, garrafas tinas para vinho, bancas para
Tostura e outros muitos artigos que fora enfado-
nho ennumerar.
Na lerca-feira 23 do corrente, as 10 1|2 horas
da manha, em a rua do BarSo da Victoria, ou-
tr'ora rua Nova, segundo andar do sobrado de
azulejo n. 38, em eujo primeiro andar reside o
Sr. dentista americano Nunia Pompilio ; (era lu-
gar esse iraportante leilao, por intervengao do
agente Dias, corap'jtentemente autorisado por
uma familia nn opnemq de residencia.________
Leilao
DE
generos e di versos utencilios de confeita-
ria, d rua do Imperador n. 36, para li-
quida^ao de contas
Hoje
as 11 horas
Por interven^ao do agente Pint 3.
no referido cstabelecimeuto.
LEILAO
DA
arma^ao, ferrageos, miudezas e um cofre
da loja de ferragens n. 6 da rua deMar-
cilio Diss, antiga rua Direita
O agente Martins fara leilao, por conta e risco
de quern pertencer, em um ou mais lotes d'ar-
macao, ferragens, miudezas, um cofre e mais per-
tencas da loja acima, sendo que so garante a ca-
sa a qnem comprar a armacao e ferragens.
Principia as 11 horas do dia acima.
LEILAO
DE
moveis e mais utencilios pertencentes a uma
loja maconica
QUARTA-FEIRA 24 DO CORRENTE
is 12 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao dos
moveis e mais utensilios pertencentes a uma loja
maconica. que deina de funccionar por falta de
numero sumciente de irmaos, a qual se acba
brigada (muito a seu pezar) a tomar essa niedi-
da, afim de liquidar seu compromisso
QUARTA-FEIRA 2* DO CORRENTE
aa 19 horas em potato
so segundo andar n 40, a rua do Commercio, an-
tiga rua do Trapiche, para algun.a informac2o
a tratar .com o mesmo agente, a rua do Vigario
a. 11.
Vernizes especiaes para camia-
gens.
Este verniz, cuja falta aqui tanto sentem
os Srs. fabricantes e possuidores de carrua-
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das seguintes qualidades.
VERNIZ SCPERFINO PARA CA1XAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito claro e duravel para
as caixas de carruagens, para todas as de-
maos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
horas, depois das quaes se expde ao ar por
algum tempo, o que faz endurecer, e passa-
tts?-i1 a 18 horas p6de passar-se a caixa a
pcuTa pome e dar-lhe em seguida outra de-
inao. Dao-se com facilidade tres demSos
deste vorniz sobre as tiotas, em tres dias.
A primeira demao servindo de apparelho,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellente brilho.
Vernis superior seecante para
carruagens.
Este verniz e da raesma cdr que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Kmprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com o
anterior. A duragao do verniz permanente
diminue na proporcao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS.
NSo e tao claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre c6res escuras. P6de
passar-se a pedra pome passadas 10 horas,
podendo dar-se em seguida outra demio.
Verniz pre to do Jupfto, superior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Produz o preto mais escuro e brilhante, e
p6de passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demfios sobre um
fundo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COUROS, BRILHANTE E
ELASTIC0.
Este verniz, contendo na sua composicjio
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhante ao azeite denominado pieds bceuf,
e o unico que dd flexibilidade ao couro ve-
Iho envermsado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
monte, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e & sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo humido e inutil tal
trabalho, por que nSo e possival tornar o
verniz elastico e seecante ao mesmo tempo,
Verniz para apparelho.
Depois de ter apphcado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-se deixar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no Dm dos quaes se pode pulir com extre
ma facilicidade. E' essencialmente neces-
sario cobrir este verniz com duas demaos do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilroente e para Ihes dar
mais consistencia.
AVISO W BSOS
Declarando, sera receio de contestacio,
que nao sou ermnca fui advogado da com-
paohia Recife drainage, bem como que
nenhuma confidencia me foi feita pela pre-
sidencia da provincia com relacAo aos nego-
oios da mesma companhia, julgo-me dispen-
sado de aprecii"- o qne com referenda a
este objecto disse o orrespondente desta
provincia para a Reforma de 3 do cor-
rente.
Recife, 22 de dpz-mbm de 1873.
Dr. Manoel do Natdmento M Portella,
Alngn-e lena casa e muito fresca
por'*): )0i ;ala, z nuartjo e c :iuha f6ra, eia
Santo .wnaro d.a iadi$ao: a
trater im resold Injar, rua do Litflj a 10, ou
Livrameuw n. i, I
Como nao e necessario dar lustro a ultima
demlo de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, convera dilo
n'um local separado aonde nao haja pd.
Quando a obra urge,- deve pdr-se d sombra
e ao ar livre depois de secco, isto 6, passa-
das 12 horas, lava-se e enxuga-se bem com
uma esponja humida. Quantas mais- vezes
se fizer isto, mais brilhante ficard o verniz,
e mais depressa ss terminal a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
ma demio). Durante as duas ou tres pri-
meiras semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ter ser-
dido.
Os frascos devem conservar-se sempre
hermeticamente tapados, o resto do verniz
nlo se deve deixar ficar no frasco, e pode
usar-se para as priniHiras demlos.
Deposito uotco t. o Brasil, Bartholo-
meu &., Periiaiw>uYi, Rua do Rosa-
rio a, 34
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos^banhas, oleos, opiata e p6s den-
trifice, agua de nor de laranja, agua de toilele,
divina, florida, lavande, nos de arroz, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfoma-
ria para presentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e garrafas de differentes tama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecides fabricastes Piver e Cou-
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de dlfferenteia goatos e
phantazias.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de flo de Escocia e de camurca.
Caixinhas de costara ornada com musica. a
Albuns e qnadrinbos para retnitos.
Caixinhas com vidro de angmeutar retratos. 4
Diversas obras de ouro bom de lei garantido. t
Correntes de plaque muito be nitas para relo-
gi08- ,
Brincos a imitacao e botSes de punhos de pla-
que.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de cou-
rinho de cdres.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de aco e
de tartaruga.
Oculos de aco flno e de todas as guarnicoes.
Bengalas de luxo, canna, com cast5es de mar-
6 m.
ilengallas diversas era grande sortimento para
homens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembaracar e para
barb a.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, cabellos, nnhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinheiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para chamar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
maes e francezes.
Malas, bolcas e saccos de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as crianeas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar crianeas.
Cestmhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
crianeas.
Venezianas transparentes para portase janellas
Beverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para- cosmorama.
Globos de papel de c6res para illumina^Ses de
festas.
Baloes aereostaticos de papel de seda mui facil
de subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palba e de penoas.
Tesourinhas e canivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas. e pretas para
quadros.
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
zia.
Estampas avulsas de sautos, paysagens e phan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecas.
Realejos barmonicos ou accordions de todos os
amanbos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difficeis de mencionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros,pes e palmos para
medir terrenos.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de todos
os brinquedos fabricates em differepta partes
da Europa para entretenimento das crianeas tudo
a pre.,os mais resumidos que posshrel: no ar-
mazem do vapor franeez, ma do Barao da Vic-
oria, outr'ora rua Nova n. 7.
Cestinhas para costara
Grande sortimento de bonitos modelos chegados
ao armazem do vapor francez, cua do Ba-ao da
Victoria (outr'ora Nova) n T.
para thiaiaca
toda a qualidadt
de doenc^s, quer
seja na garganta,
peito ou bofes.
Expressamente
escolhidodosme-
lhoresfigadosdos
quaes se extrahe fim
o oleo no banco
da Terra Nova
puriticadochimi-
calmente, e suas
valuaveis propri-
edades conserva-
das com todo o
cuidado.emtodo
o frasco se garan-
te perfeitamen-
te puro.
Este oleo tern
sido submettido
a um exame mui-
to severo, pelo
chimico de mais
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a confer
MAIOR PORCAO D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO EtMPODFR SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de bacalhio, e na-
quelle no qual contem a maior porgao desta
invaluavel propriedade, d o unico meio para
curar todas as doencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
llns poucos frascos da* carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e da" vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, da tanto
nutimento aosystema e incommodando quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisagao tem sido des-
truida pelas aflecooes das
ESCROF13LAS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas, cuja digestfio se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar,
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
LANMAN 4 KEMP
Se 6 que desejam ver-se livres e isentas de
enfermidades.
Acha-se A venda em todas as boticas
Jrogarias. H. Forster A C, agentes.
Jlua da Imperatriz n.
1MB
72
Lourenco Pereira JlendesGuimarJ.es
Declara aos seus freguezes que tem resolvi'o fazer uma grange liquida^do, ale o
do corrente anno.
A SABER :
0 INEXTINGUIVEL
PERFUME
4 celebre agoa Florida
BE
MURRAY I..VVUA.V
Uma pura distillacSo das mais raras fl>-
r-s dos tropicos. Contem, para assim ui-
zer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragancia e quas
iuexhausta ainda mesmo por continuada
e/aporacSo e diffusao. N'este respeito e
licomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de venda para:
DESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOB
DE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
E um certo e ligeiro allivio. Com o bom
.m, tem conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
perfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
idexico, America Central, e do Sul e n6s
com toda a confianca o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riqueza de odor e permanencia, nio
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS E BORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna uma
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cdr clara a complei-
c3o nublada, sendo applicada depois de
barbear, evita a irritacao que geralmente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lhora a condicSe dos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitacfies, as quaes nao
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e contar somente o
o famoso perfume America, cham
AGl \FLORIDA
DE
MURRAY A UAMMAU.
Sj acha & venda em todos odroguistasj
perfumarias da moda.
CAMBRAIAS BRANCAS A 3$000;
Vende-se pe^as decambraia branca, tapa-
da e transparente, a 39, 3^500, 49000 e
59900.
LASINHAS A 200 RS.
Vende-se lasinhas para vestidos, a2 00,
320 e 600 rs. o covado.
ALPACAS A640RS.
Vende-se alpacas de cdres com listras a 640
e 800 rs. %o covado.
GRANADINE A 800 RS.
Vende-se grenadine'preta com listras de
cdres, para vestidos, a 800 rs. o co-
vado.
P0UPEL1NA JAPONEZAA 19800.
Vende-se uma fazenda nova com listas,
com o nome de poupelina japoneza, propria
para vestidos de senhoras, a 19800 o co-
vado. Todas estas fazendas s5o vendidas no
Bazar Nacional, A rua da Imper ariz h. 72.
CORTES DECASSA A 295 0,
Vende-se cdrtes de cassa para vestidos,
com lOcovados, a 29500.
CHITAS LARGAS A 240 Rs.
Vende-se cbitas francezas, largas, de cdres
nas, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado.
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas finas de cores,,
a 260, 320 e 400 rs. o covado.
SAIAS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras de cd-
res, a29000.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chitas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
homens, a 69000 a duzia, a qual val
8JJ00O.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de 18, a 800 rs. cada
um.
CHITAS FINAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO' A 20000.
Vende-se chales de merind estampados, a
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRINS EM CORTES A 19500.
Vende-se cortesde brim de cdres e pardo,
a 19500, para liquidar.
COBERTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas de chita, a 19600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meninos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS.DE CORES A 29000.
Vende-se co' *s de cores para coma, a 29,
e 49000. i
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vende-se transparentes para cadeiras, a
19500, para liquidar.
BONETS A 500 RS.
Vendo-se bonets de seda para homens, a
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
Ditos de palha, a 29, 39000 e 49000.
Ditos de massa, a 49000.
PERFUMARIAS EM LIQLTDAQAO.
Vendo-se sabonetes de diversos tamanhos,
a 120, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
Frasco de banba, a 160, 320 e 400 rs.
Frascos com aguade colonia, a 240 e 320
rs. cada um. E outros muitos extractos que
se vende muito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalhas felpudas, a 800 rs. cada
uma. Lencos brancos, a 29000 a duzia, e
39000 abainbados, fazenda que vende-se
por 59000.
GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende-se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
tasde cores a200rs.
Chapeos para baptisados de meninos, a
35000.
BENGALAS E CHICOTES A 800 RS.
Vende-se bengalas e chicotes, a 800 rs.
cada uma, para liquidar.
f
GRANDE LIQUIDACAO DE ROUPA FEITA
Vende-seceroulas de algodSo.a 19000.
Ditas de lioho, a 19600 o 2000.
Camisas de chitas finas, a 19600.
Ditas de peito de cores, a 29000,
Ditas brancas finas, a 29000, 38000 e
49000.
Calcasde brim pardo e de cores, a 29000
e 29500.
Ditas de casemira de cores e preta, a 59,
69, 7< 00 e 89000.
Palitdtsde alpacas de cores, a 29500.
Ditos pretos, a 39000 o 39500.
Ditos de casemira de cores, a 49 e
69000.
Ditos ditos pretos, a 59000, 69500
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29, 39
49000.
Camisas de flanella, de cores, a 29000 e*
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas de algodao, a 49, 59 e
69000.
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de cores, a 29300 o
covado.
MADAPOIAO A 39000. R
Vende-se pegas de madapolao enfestado.
a 39000.
Dito ingloz, a 49500, 59, 69 e 79000 a
peca.
BOTINAS A 49500.
Vende-se botinas para senhora e meninos,
a 49500, 59 e 69000.
Ditas de enfiar, a 29000.
Sapatos de tapete, a 19300.
Ditos de tranca, a 19800 e 29000.
BRAMANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura, para lencdes, a 19600 e 29500 o
metro. E outras muitas fazendas proprias
domercado, que se vende sem reserva, d
preco, para liquidar ate o fim do corrente
anno, por isso convem aos compradores sor-
tirem-se de fazendas baratas, para a presen-

Vende-se chapeos de castor para neninos te festa que estd na porta. a rua da Imperatriz
homens, a 29500 e 39000. 'n. 72. Bazar Nacion-'!.
4* Torre
Aluga-se para passer festa um sitio com
excellente casa de habitacio e banh no rio
A frenta desta x quera a pretender, pdde
procurar A rua de Gervasio Piros n._14_.
PrcTsa-ae de um crlado : an "hotel do decca
do Padre n. 28.
Fugio o men escravo Napoleao no dia 1* de
dezembro de 1873, levou comsigo camisa de azu-
lao, calca de estopa, chapeo de palha com tinta
azul, estatura oito palmos, cara lisa, so tem buco
de barba, na perna direita tem uma ferida na ca-
nella, e no dedo grande do pe direito tem tambem
sob a nnha uma ferida, pes grandes, mal feitos e
grossc : quern o appreheoder e levar a seu se
Door Sebastiao Jose Mendes da Silva, cos Afoga
dos, no sitio do Boi, sera bem reeompensado.
1V0 HOTEL
NA
Villa de Iguarassii.
0 tenente Franeisco Xavier Dias de Albuquer-
que tem a honra de participar ao respeitavel pu-
blico que abrio, na villa de Iguarassii, um hotel
bem provido de todo o neesario para bem ser-
vir a aqnelles qne o qniierem honrar com as suas
freguezias ; eertos d<- que ficarao satisfeitos com
o servico e a eommodidade dos orecos. Junto ao
mesmo hotel esta montada uma cocheira para re-
eolhimento dos animaes dos ennenrrentes ao ho
tel, tambem por precos commodos^____________
Os moradores da rua de Santa There-
za, visinhos do Sr. Br...a, pedem lhe o favor
de nao os defumar com tao putridx agua to
dos os dias a tarde, a sna casa tem um ap-
parelho oude devem -er lancadas as aguas
servidas e para vedar esta ohstina^io, rogam
ao Sr. fiical um pa---n> a dita rua.
Os vinnhot inco.h/noclados.
Sj DBOGARIA H01HE0PATHICA |3
a ISA
41 -- Rua do Imperador 41
Os proprietaries deste estabelecimento, no intuito de lhe conservarem os cre-
ditos de primeiro neste genero, continuam a esmerar-sc na preparacao escrupulosa
de seus medicamentos, podendo garantir ao respeitavel publico desta cidade e in-
terior que sao rigorosamente observadas todas as regras pharmacolcgicas. Oulro
sim, que com o mesmo flm acba-se a testa do estabelecimento, tendo a seu cargo a
inspeccao de suas preparacdes e direcgio do consultorio, o acreditado medico ho-
I Jmeopatha Dr. Jesuino Augtuto dos Santos Mello.
Tem todos os medicamentos especiaes para bexigas e os considerados pre-
servatives : assim tambem, cs medicamentos da sua drogaria em todas as dym-
nanisacdes conhecidas e mais usadas.
Carteiras homeopaticas de 12 a 120 medicamentos em tinturas ou globulos e
a excellente obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.* edicSo.

Chocolate homeopathico d'Epps.
Encerado de arnica.
Pos homeopathicos, para dentes.
Jerico, para rheumatismo.
Matamata ou Jaboly, para tosse.
Espirito de Hahneman ou de campho
ra.
Plumen'a, para mordeduras de cobras.
Sarracenea, para bexigas ( ou preser-
Vaccina, para bexigas ( vativo.
China cruzeiro, paia febres intermi-
tentes.
Schynus, para angina.
Calendula, para queimaduras.
Tarantula, para paralysias.
Carnafiba para syphilis
Consultorio homeopathico
DO
DR. SANTOS MELLO.
Consultas das 11 horas da manha a 1 da tarde.
Cactus Grandiflora,_ para pneumonias
ou molestias do cora?ao.
A VERDADEIRA TINTA VIOLETA
g JOSfi FERREIRA DA SILVA
DE
SANTOS NEVES
Continue a vender a verdadeira tinta violeta extra-fina de Montei-
ro, em meias botijas e quartos, a retalho e
Emgrosso com vantaj&so desconto
RUA PRIMEIRO DEIMRCON.M
AN1IG0 DEPOSIT0
a?
S

u>
Cfe
at
c^
Preeisa-se o> nm ioeninn pratica
sem e^la, para taveiua : r > rua )lrl \ a. i'.
uu
I
1
c
i mmrn oa vnii-raxa
uiiiiri
<



*
Diano de Pernambuoo Terca feira 23 de Dezembro do 1873.

i Slim!'!.1
5T*>
)*
t* ...........~
/Wa......
15 !* *" I"i"* QgQtgtc'-Q'Qflcceocoe
AVISO
Avisa-se aos Srs. cuulribtiiutes d;is grandes ro-
zetas de biilhnntes, (cm o peso do 22 quilatesl
que sera a sua re.'.lwaeae com a 3.- do mm de
Janeiro proximo undo. Declara se em tempo quo.
os Sr. snjKeriulores quo r.ao livr-rem satisfeito o
jseu eumpioiiiisso ate a veer-era de referido ilia,
perdem c direiii.
Recife, 19 de dezembro de i87:J.
FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhorea de engenho e ootroa agricoltores, e 6m pre g a do res de m
dunismo o favor de oma viiita a sea eatabelecimeoto, para verem o iiovo sortimeino
ompleta quo ani tern; aendo todo soperior em qoalidade e (ortidio; o qoe com a ids
oeccio pessotl pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
V&pOr<38 6 rOQrtS Q ngUa maahos convenientea para as diversas
drcomatanciaa doa senhoret proprietaries e para descarocar algodao.
Moendas de canna Uawah08' a8^elb0.re, qoe aqDi
Bodas dentadas para aDimae8: agoa e vapor
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiqnes e fundos de alambiqnes.
Ma oh 1111 em no para maadioca e algodao,! Podeodo. todoa
*vlllJHoUlMD e para serrar madeira, f ser movidos a mlo
Rnmhna lpor agn1' vapor'
nuuiuao de patente, garantidas........ I oa ammaes.
Todas as machinas fl mu dfl qoe M C08tDma preci8ar-
Fas qualqner concerto de machiai8mo'a pre mui re8amid0-
PftTlflflft t\(k flflrrn tem as melhores e mais baratas existentes do mer-
^nortn-imanrlao Incombe-se de maodar vir qualquer macbioismo a von-
axiuuILLUiOiiUttS. Ia(je dog clientes, lembrando-lhea a vantagem de fazerem
ran eompras por intermedio de pessoa eotendida, e qoe em qoalqner necesaidade p6de
hea presUr aaxilio.
irados americanos e in'lrQmenl0' *** '
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Seimpre bom!
Toe a a todos, todoi leiam,
Nao se enfadeni, meus leitorcs.
Todos vejam, quo progresso I I
Que progresso 1neus senhores I
Com quanto ja esteja btin no demiaio de pu-
blico desta capital e seus suburbios, que para se
obter tudo que e preciso para os regabofes nos
dias festivos que se aproximam
Uma pessoa
nao tem mais do que dirigir-se a.
Confeilaria do Campos
24-Iraperador-24:
Onde se acbam centritic adas as qoatro artes.
A saber :
Confcitaria,
Paatelarita.
Conseirvarla
E culinaria.
Scmpre ii bom que lembremos aos nossos ami-
gos e freguezes que ja nos aunos passados cor-
riam aos turbilhoes a faj;er suas encommendas
de pasteis de carne, e a confeitaria do Campos
Que este anno
Estamos munidos de uma nova maehina que
bem se podia apellidar de
Infernal
Pois pode em 6 horas produzir com asseio
Duzentos mil pasteis! !
ALEM DISSO
Lembramos a todos -
0 seguinte :
Que preparamos com presteza.
Fiambres.
Leitoes.
Perils.
Peixes.
Empadas.
Pudins.
Bolos inglezes, etc. etc.
E especialmente as famillas, os proprietaries
da tuiifeitaria do Campos convidaas a reunirem-
se naquelle verdadeiro centro de bonsboccados,
pois em virtude das interdiccSes nao se podera
ouvir a missa do gallo.
PECHINCHAS
So o 11. 20
RUA DO CBESPO
LOM OiS ,1
ATTENCAO.
Bernardino Uuprat pensa nada dever nesta pra-
ca, quer por coutratos commerciaes, quer por
ctntas particulares ; se porem alguem se julgar
seu credor, apresente seus -titulos em casa dos
Srs. E. A Burle A C. no improrogavel prazo de 8
dia>, contados desta data, para Ibe serein pagos;
outro sim, scientifica a quem interessar possa, que
de hoje em diante nao se responsabilisa nem pa-
ga divida alguma conlrahida por quem quer que
seja em seu nome, salvo se o debito for autonsado
pelo declarante com a sua assignatura.
Recife, 20 de dezembro de 1873.
coiitinua a wilder nm.to b.irato [m apurar
muito diuheiro.
^ CASSA LA
Chegou esta fazenda.scudo lindos padroes, e ven-
de-se pelo diminuto preto de 2tX) r. o covado, e
pechincha 11 | dao-se amostras.
METINS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padroes novos, pelo preco die 400 rs. o covado, 6
pecbincha I I t doise amostras.
lAs ESCOCEZAS
Lasinbas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com lislras, padroes modernos, a 280 rs. o
covado.
DiUs la e seda, padrSes modernos, a 640 rs. o
covade, e pechincha I I I dio-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1*000 A 400 o covado, e pechincha 1 I I dao-se
amostras.
CRBTONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto precp de 400 rs. o covado, e
pechincha 11 t dao-se amostras.
Cortes de casemira ii cores, a SHOO cada am.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para Into, a 240 rs. o covado.
Fostilo branco para roupa de meninos, a 560 rs
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chita adamascada, a 3*800 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3*500
e 4*000.
Lencoes de bramante, a 2*000.
Ditas de algodao, a 1*400.
Toalbas alcochoadas, a!6*000 a duzia.
Ditas felpudas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados, a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiao finos, a 3*500 a dona.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500 a
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalbado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito trancado, a 1*400 a vara.
Fustoes de cores, a 1*000 o corte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampados, a 3*500,4*000 e 4*500.
Ditos com listras muito linos, a 5*800 e 6*000
Esguiao muito Cno, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca.
Dito domestico, a 3*000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. o covado.
Nanznc cambraia de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
Loja de
Guilherme & C.
ATTENCAO
Precisa-se alugar uma ama de meia idade, po
rein qne seja prets, que niid U nha vicios nem
j. traiar rj cida le a O^aOj, s tiu Sti iciiaro, e., lltf
tgr|vaIrgoJr^ ...;; ;, itac ac L
IiPERWL
s
A pessoa q^.e Mittubciuu pitniw le o 6i
preniio sob hypoibeea em hens (lerai/., appare^a
rua do Hospieio n. 13, das 4 horas da tsrdo em
dianle
Aluga se o arroazem e o priiueiro andar do
sobrado da rua do Bom Jesus, outr'ora da Cruz,
n. 20, proprios para estabelecimento commercial:
a tratar na rua do Marquez de Olinda n. 52.
Aluga-se o 1* andar do sobrado da rua
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo.
Aluga-se a casa da rua de S. Jorge, outr'ora
rua do Pilar n. 12, teudo sotea assobradada para
grande familia : a ver e tratar na rua dos Guara-
rapes n. li^taverna.
Escravo fugido
300#000 degratificaqao
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a W
annos de idade, t perfelto cozinheiro, alto bastante,
e bem magro, pouca barba, olhos grandes, e muito
ladino, consta qne tem pai uo engenbo do Sr. Luld
de CaiarA, em S. Lourenro da Malta. Este preto
foi cozinheiro dos negociantes Adriano & Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e jnlga-se
qne esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
cular nesta ciaade, como forro : pede-se a todas
as autoridades e capities de campo, qne o desco-
brindo, o tragam a rua Duqne de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival sem segundo, que serao gra-
tificados com a quantia acima.
DE
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-si
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
eira, a negocio de sen interesse.
CaSA.
Aluga-se metade de uma casa no pateo do Ter
co a pequena familia : a tratar no pateo do Pa
raizo n. 26.
CO
o
s
3

FUNDICAO DE FERRO
V roa do Barao do Trinmpho (rua do Bruin) us. 100a 104
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais raodernas e melbor obra que tem vindo ao raercado.
VapOreS de forga de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
ijaldeiKlS de sobresalente para vapores.
MoendaS inteiraS e meias moendas, obra comosiunca aqai veio.
TaixaS |fundidaS e baUdas, dosmelhores fabricantes.
RodaS d'agua COm cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanbos e qualidades.
RelogiOB e apitOS para vapores.
OOmbaS de ferro, de repucbo.
AradOS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e pequenas.
CloTlPPTTjOa concertam com promptidao qualquer obra ou maehina, para o que teem
\juuva51 ajb roa fajjfjca bem montada, com grande e bom pessoal.
FnP/)TnrTiendaS man(*am v'r Pr encommendada Europa, qualquer machinismo,
Ejuouiiimc para Q ^ue x correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com am dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
litas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Trinmpho (rua do Brum)ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.

2
CHAMADO
Os Srs. Jovino Fernandas da Cruz e Joaquim
Clemente de Lemos Duarte, sao chamados a
rna do Coronet Snassnna n. 282, a negocio do
particular interesse.
Consultorio medico
DO
Dr. Murillo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
qnentou os hospitaes de Paris e Londres
SDde ser procurado a qualquer hora do
ia on da nonte para objecto de sua pro-
fi^'iao.
Consultas do meio dia is duas horas
'a tarde.
Gratis aos pobres.
Atten^ao
Francisco de Paula Cavalcante Wanderley faz
sciente ao respoitavel publico em geral e parti-
cularmeute ao corpo commercial desta provin-
eia, que attendendo a coincidencia da haver duas
pessoas de igual nome, asiignar-se-ha desta data
em diante :
Francisco de Paula Wanderley
Recife, 4 de dezembro de 1873.
$' M 3d
^ DESCOBERTAS MED1CLNAES ^s
PELO BACHAHEL ^a?
Manoel de Siqueira
Cavalcanti.
1* o Preservative* da ery-
slpela : para curar com certeza, e
em pouca tempo, qualquer ataque de
erysipela, e prevenir o seu r&ppare
cimento.
Este medicamento tambem e muito
poderoso para o rheumatismo.
*' o Regulador da mens-
truacao : para falta, irregularida-
de, suppressao repentina da menstrna-
^ao, e aos lochios, assim como para jq\
Xodot os soffrimento* devidos aquellas ^tv
>ojl affecgoes. Ambos estes medicamentos z>.
* ja sao muito conceituados, e procura- <8
dos nesta provincia, e na do Rio de /r*
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa jOs
do autor, das 9 horas do dia as 3 da 'S'
tarde, e a qualquer bora em cases ur- ^
centes.
GRATIS AOS POBRES Jf,
Rua da Imperatriz n. 14, 2* andar. 'W
&4*
0. ul
Rio tie Janeiro
C< usiamlo no utiftixii assi^nadto, uuieo agenle
uesla piovineia, da impeiial fabriea de cigarros
de S. Juoo de Nictheroy, no Rio de Jaueiro, que
existe no mercado cigarros que sao vindos como
fabricados em dita fabnea, imitando para isso a
eliqneta em i|ne vem elles envoltos, apr< ssa-se a
prevenir a todos os teus freguw.es qne os r.nicos e
verdadeiros cigarros do exposicao de dit fabriea
so sao veiulid'is nos armazens dos Srs. Francisco
Guedes de Araujo, Manoel de Souz-.i Cordeiro Si-
raoes Junior e Faria ft Filhos, unices dej,ositos de
dita fabriea. Recife, 22 de novembro de '873.
________________Domingos Alves Matheue.
Quem precisar alugar am escravo, co
to que nao seja para servico dc peso, dii ija-se a
rua do Hospieio n. 61, que eneonirara nm bastan-
te iutelligento, e eapaz tie enearregar-se d. traba-
lho de jardim ou de bortalicas.
M0F1NA
Lst4 encoura^ado! I 1
Agaa mole em pedra dura
Tanto da ate que a fura.
Hofa-se ao Him. Sr. Ignacio Vieira de Mello
tsserivao na cidade de Nazareth desta pro ncia. o
favor de vir a rna Duque de Caxias n. 3- a ct 1-
ciuir aqnelle negocio qne S. S. se compro etten a
realisar, pela terceira chamada deste jo ial, em
Qns de dezembro de 1871, e depois para ;aneiro,
passou a fevereiro e abrii de 1872,e nada > iisiprio;
e por este motivo e de novo cbamado pita dito
9m, pois S. S. se deve lembrar qne este negocio e
de mais de oito annos, e quando o Sr. sen nlho se
acbava nesta e idade
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rna das Peroambucana;,
com coxeira e quartos fora : a tratsr na oa do
Vigario Tenorio n. 31.
^5

Wer-
Alber-
m>
CASA
w < I flu IS
S.W
=**!
a < iz, so b
a W s ?
.ESTABELECIMENTO THERMAL.-
fnuici, UepaiKnuoto do Allier.
PH0PRIEbADE 00 EITtDO FR4HCE2
AwumiTiiClo: PAR1Z, M, bocutiid Uoimuini.
ESTAQA0 DOS BANH08.
No estabelecimento de Vichy, urn dot mellu>-
ret da Europa, ochar-te-haBanhot e Bmbroca-
ctlei de toda a torte pmx a euro das doencat do
*(, do 0 l, da bull", arelaa,
alabetla, got*, eaaerefaea ealenlaaaa,
OH te4r na aai Inaa, etc
CiD* OIi,D*BDI 1 D MilOill It D Sl^TXHBRO:
Teitro e Concerto* no (MM. Mnle no Prqne.
Sallo it Idtuw. Sillo rewtrsdo pti SetnorM.
S16i d.JofOi. codt iriiclo e Wlbir,
todos os trtiiHOS iis rtsao itwi a vichi.
Dptalto m Pmumtu*: TOKT r-.-. SEsQII
N
ANTONIO" JOSE D!
Rua Nova
AZEVEDO.
n. 11.
PIANOS.
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, [novos e
nsados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalbo de salas, de muitos liudos desenbos de 11 a 33 palmos
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
ANNE'S electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nerveso.
MUITU Lndas grawras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cor las, a 200 rst a duzia.
TALAGAFlCA e papel picado para borrlar com )a ou se la.
VERDAOlilIRA agi.a de colonia em garrafas Rmp.lhadas.
E ra'iitOf outro? artigos, e por muito barato prego.
FESTAS
m
s>

Vistuarios de fustao para meninas a
4*000.
Ditos de cambraia com babados a
64000.
Ditos de alpaca enfeitados a If.
Rua ao Crespo n. 10.
a
Paris, 36, Bma Vivlenne, D
ih:m;im mmecin special
DEPURATir
PLUS-OE
COPA H *
D1S EKFCRVIDAD'S DBS SBSOAtS, AS iriCCOB
ALTrHA^OPS DO SANGDE.
~\ 30,000 curas das impltk-
I ge*s,putlulas, herpes,
\wrna,comixoes, acri-
tiM monia, callercoes, vi-
le iosas do sangue, ti-
;*, suite'ulcers au tangue. (Xarope vegetal
sem mercuno'). cparal tb TCftUH
auaes msxessaes tomao-se dous por
seuiana, seguindo o iiactameoio Depuratiio: i
rapregaiio ass mesmas molesting.
I Este Xarope Citracto d
I fwro de CHABLE, curs
mmiidiatamenie qiill-
I quer purgafao rtlm-
Jjcacao, e debiltdade,
o .Aiuliuaiiie os jiiixtM e floret brancas iu
mulheres. EsU iuieccao benign* empregasse
com o Xarope de Curaetu de ferro.
HraorraliO) Poriada qlie as cur* em3 dias.
POMAOA AiniHrRPETICA
Contra: nas aJTecfOtscutaneas comixoet.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do Si- Ckable, cada Trasco vrai aceompahade
4* am folheto.
AVISO AOS 3R8. MEDICOS.
I Cora cautrrkos, ttutt
coqulluchtl, irriltcbu
ntrvmt na dot aVoa
ckiot t loiai at doentm
' do peilo; baita ao doenta
u.a colhf rehdea darta lamp* D* Koawn.
Dr. OUOJit.a em Pills, naa Hilea.o, .
^.SirojjJLu
lTF0RGEr
CKiuvsito entuesa de Augusto 'aorsn. 22j
1 rua da Cruz.
Alnga-se o 2, 3*, 4* andares e sotao do sobrado
n. 14 da rua do Torres, perto da praea do Corpo
Santo, commodo para residencia de tamilias e es-
criptorio de negociantes : a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar._________________
Escravo fugido.
100#000 de gratificacao
Desappareceu de novo, de bordo da barca bra-
sileira S. Jose, o escravo Joaquim, preto de na-
c,io, o qual anda bem vestido e calcade, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
Marcellino da Silva, que o havia comprado na
rovincia de Minas (em S. Joao d'El rei ou Ouro-
reto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendido alii a Justino Epaminondas Ne-
ves, a quem o compraram os abaixo essignados.
Sabe cozinhar, occupacao a que estava dedicado,
e conhece se pela falla que e afneano.
OrTerece-se a gratificacJo acima a quem o ap-
prehender e roga-se a todas as autoridades a sua
captura.
Recife, 6 de outubro de 1873.
Jose da Silva Loyo & Filho. ____
,000
10500
1S5000
15J000
10000
Casa de campo
OfTerece-se a quem quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguns annos, de
graca, da excellente casa sita na Porta d'Agua,
que foi do finado Dr. Joaquim Pires Cameiro M:n-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade 6 muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magniCco banho de agua doce em
frente, e 6 muito commodo visto que o trem passa
lefronte : quem pretender pode dirigir se ao Sr
Francisco Cameiro Monteiro, em "Apipncos, ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do Oommercio n. 40.
Precisa-se de uma ama
que engomme e faca outros
servicos domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Exmas. Sras.
A Rosa Branca pede toda a vossa attencSo para
as las e sedas de listras de uma so cor, como e
ultima moda, e que acaba de receber ; esta ven-
dendo quasi por metade do seu valor, por estar
proximo o balanco. A ellas antes que se acabem.
Dao-se amostras com penhor e mandam se .'evar
nas casas ; na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Rosa Branca. __________
Joaquim Dias da Silva GuimarSes, em vista
do annnncio de seu devedor Jose Gomes da Sil-
va. de ter contratado-vender o sen estabeleci-
mento commercial, sito em Frecheiras, apressase
em declarar que nao deu seu consentimento e
qne promovera sna execucao sobre o mesmo es-
tabelecimento, nao obstanle a sna venda.
Fugio na manh5 de 20 do corrente, da cida-
de do Recife, o eacravo de nome Floriano, criou-
lo, com os signaes seguintes : cor preta, alto, cheio
do corpo, sem barba, pes grandes e grossos, ca-
bello carapinho, bons denies, tem uma pequena
costura acima do nnibigo, e muito fallante, e inti
tnla-se forro; censto ter ido para Santo AntSo (em
um engenbo) onde tem parentes libertos: quem
apprehende-lo queira levar a rua do Apollo aot
Srs. Arminio A Carvalho qne sera recompen-s
sado
Magdaleiw.
Vende se um terreno no principio da estnda da
Torre, luuito perto do ponto onde pi tram os bonds
cujo terreno tambem se reulhara : a tratar na
taverna do Kocambole
Mmlaiica de escriplorio.
Domingo" >'ve- Ma'V'tt-, (
torio para a rfo V>Bario t
da caw em ie iem ai mazen,
riaco da Co t,i Moreira.
i m n va escri[)-
". orimeiro andar
Sr, Caetaoo Cy-
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para familia : a Tatar na rua do Mar-
quez de Olinda n. Hi,_________________________
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-se
allar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
>os6 Paes da Silva, a negocio de particular inte-
.esse.
1. andar.
Aloga-se o 1." andar a" rua do Padre
Floriano : a tratar na rua larga do Rosario
n.22._________________________________
Aluga-se um sitio com casa nova no Ar-
raial perto da estacao da casa Amarella, com bas-
tantes fructeiras e agua de beber : quem preten-
de-la dirija-se a taverna junto a mesma estacao
qne acbara com quem tratar._________________
Precisa se de uma mulher para servico de
casa de homem solteiro, sendo muito fiel e dando
fiador a sua conducta : na rua Augusta n. 258,
taverna.
NOVAS PUBLICACDES MUS1CAES.
A. J. d'Azevelo HuaMevan It.
Acabam de publicar-se, e aoha' -* &
venda as seguintts musicas :
PIANO SO".
Danse espashola, por Ascher
Arabella, mazurka, por G.
theimer
Valsa do Fausto, por Croyzes
SONHO DE UMA V1RGEM, por
tazzi
Anna la Prie, cavatina
AoClair de la Lune, por Bussmeyer 10500
ESTRELLA DO NORTKjp^ brifta|lte ,^000
SAUDAgAO AO Bahia(
Cricket, por Seixas, otTerecida aos
chrickets club pernambucano e
babiaoo
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lin por I. Smoltz
Non m'amava, romance por Guercia
Tambem recebeu da Europa
menide musioa para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc._____________
Escravo fugido
Desappareceu ao amanhecer do dia i do cor-
rente, do engenbo Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes: cabra, idade 30 annos
pouco mais ou menos, boa figora, um tanto grosso
e espadaudo, sendo o signal mais visivel uma
gomma na junta do pe esquerdo : roga-?e a todas
as autoridades e capitaes de campo queiram ap-
prehender dito escravo e levalo ao referido en-
geoho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, l.r-
go do Corpo Santo n. 19 que serao generosamente
recompensados.
Recife, 19 de novembro de 1873.___________
0 quarto andar da rna
4.
do Marquez de Olinda
Banhos eares saudavcis do
Monteiro.
Alnga-se alii duas pequenas casas muito em
conta para quem precisar de bons ares e banhos
frescos : a tratar a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7. _j
Aluga-se o 3* andar do sobrado da iua da
Guia n. 62 : na roa da Senzala-nova n. 1.
Alnga-se uma peq iena casa muito fresca,
com sala, 2 quartos e cozinha fora, com um ter-
reno e algumas arvores fructiferas, tudo por 16<
mensaes: a tratar na rua do Lima n. 10, ou Li-
vramento n. 2, loja. _______^__________
Aluga-se
A casa n. 13 a Passagem
cr com J. L M. Rego.
'ia Magdalena : a tra-
Club Lillerario.
Faco sciente a todos os Srs. socios que, por de-
liberacao desta *ocieda.le, a -ham se o.< sens traba
Ihos encerrados ate o iha 7 de Janeiro proximo,
devendo ella come^ar a fumcimar deste dia era
diante era outra casa, a qual *era antes do dia 7
annunciada. ^ .
Sala das sossSes do Club l.iit- rano, 20 de de-
zembro de 1873.
0 l." swretario,
B.v-'l'd- 6 d l-eir- e Silva.
Aluga-se 11
de Duarte Coei >> H
dos para far rt*J
Amoriin, b. 37.
. pivoacai'
n b> ]- eeenio-
1-. Jorg- Tasso, rua
10000
20000
10000
granlc sor-
Carros de luxo.
inqnestionavel que a cocheira da rua rtc Rom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e a
que tem as melhores berlindas, catenas, me.as ra-
lecas e victorias de luxo, proprias para qrulTver
noivado, visitas de etiqueta, bailes e acto- < aea-
demia, sendo os mesmos ajaezados de ex. ^--at. .-
parelhas de animaes, arreios luxuosos e boleeiros
com fardamentos do ultimo gos to, para o q >>
convida ao publico a vir por si mesmo scitntifi-
car-se da verdade do que deixamos dito, certos de
que nao encontrarao pomada, e sim realidade e
commodos precos. -________________
Primeiro andar para alugar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
de Marcilio Dias n. 137, pintado e caiado de novo:
quem pretender dirija-se a pharmacia Torres qne
acbara com quem tratar. ___________________
Aiuga-se
o sitio da Ponte de Uchda n. 35 : a tratar no mes-
ial sitio, ou na rua do Range! o. 7, l* ou 2#
andar.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a" vista e a prazo
por "todos os paquetes._______-_________
- Precisa se de uma escrava para cozinhar
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. i'i
2J5;_____________________________________.
- Precisa-se de uma mulher estraogeira para
cuidar de uma crianca de tres mezes, paga-se
bem : na rna do Imperador n. 63, 2* andar.
P.ecebe-se encommendas de
fe ta : na rua do Imperador n. i,
steis
irado.
para a
C'aixeiro
Precisa-se de nm caixeiro de 14 a 18 annos,
com pratica para taverna, paga se bem agradando.
e dando conhecimento de sua conducta : a tratar
na rna do Mangel n. 3. _______
Offerece-se
um homem de idade e nm moco de 18 annos, che-
gados uliinumenle, para feilores on outro qual-
quer servico : na rua da imperatru n. 41 se dira.
Pr vine se ao Illm. Sr. thesooreiro das lote-
rias de bilh^tes desta provincia, qne nao p3gue os
bilhetes que Ihe forem apresentados de ns. 8i' e
3276 (sendo meio.- bilhetes) senao ao abaixo assig-
uado, visto terem sido os mesmos roubados.
Manoel Rodngoes Pereira.
Aluga se. uma casa terrea com comuodos
para familia. e tendo gas e agna eneanados, na
roa Imperial n. P a tr tar junto.____________
rE. A II
meri'i>l '
Fer-.r C.
des f" i
Attenc.ao
*! C
m scimte ao eorpo <*om
i Si. Ifredo Adlpho
ii i- opredidn de sua'caa
>uU) mez.
iembro de 1873.
JTJTIlaDO I
I HEBlVEl
V
1

-e


6
1
Diarie cfePbfnam^e' Terca fei*a 23 de Deaembio de l&VS.
as
PENHORES
Na travessa da rua
dasduzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se*s mes-
mos metaesepedras.
Criado
Precisa-fe de um criado one ten ha pralica de
c peiro e que seja de boa conducta : na tea da
Imperatriz n. 37, t. andar.
Eiigommadeira
Para casa de pequena familia precisa-se de uma
f|ue seja perfeita engommadeira, paga-se bem pre-
ferindo-se eserava ; em S. Jose do Manguioho
sitio n. S, antes de chogar a igreja.
Precisa cc de 10:000jo0), dandose por hy-
pothecs uma- propriedade dcas leguas distan'te
desta cidaJe, e para maior garanlia da-se tambem
7 escravos mojns e sa-lios, livres todos de qual-
qaer onus: a pessoaque qaiur fazer esie nego-
cio, dirija?e cm carta fee ha da a taverna da rua
do Duque de Caxias n. II, oin as inniciaes T,
F. T. I .
I
Engenho Oaiape no termo de
Iguarassu
m Na rua do Marqdez de Oiinda n 55, precisa-se
.ailar cum o Sr. Liiiz Antonio da Silva a negocio
it seu particular interesse
i
*
Consultorio homeopa-
thico
Do I)- Santos Mello
*1------Rna do Imperador41
Consultas todos os dias das 11 a 1 da
tarde.
8
0
*
*
}tK Gratis aos pobres. a
Residencia a rua Nova n. 7, segundo 2
andar, onde da consultas das 6 as 9 da S
manha e das 3 as S da tarde. **
X Chamados Ji qualquer hora.
***$*** 0000* 000
Chainaw-se
a loja de fazendas a roupa feita a rua do Marquez
ie Olmda n. 40, os senhores abaixe mencionados
a negocio de interesse reciproco:
Adnlpho Rober Kooper.
Bento Magalhaes.
Hermogenes Nones da Silva.
Joao Marlins Nogoeira Santos.
Miguel Lopes Guimaries.
Jose Affonso.
Miguel Ferreira Pinto.
Miguel Azevedo.
Manoel Theodoro do Nascimento.
Bernardino Lopes dos Anjos.
Domingos Mafra.
Antonio Serra.
Jose do Rego Araujo.
Jo.-e da Cunha Freilas.
lose Ignacio Porto
Antonio Moreira Caraara.
Zeferino Doraingues Moreira Junior.
Joao Raposo de Souza.
Paulino Jose Anilines.
Manoel Baceuar Pereira de Moraes.
Antonio Aquilino da Costa.
Arnaud de Holland.! Gavalcante.
Para tratar de am pequeno sitio precisa.se de
am bom feitor e queenteada.de jar dim e um cria-
do de 12 a 14 annos, para servico de casa paga-
se bem. Caes do Apollo n. 69, ou- em S.'Jos* do
Manguinho, sitio n. 3, antes da igreja.-
Bernardino Duarte Campos & C. em seu
estabeleciraente a rua Primeiro de Marco v. 16,
pagani do dia 1.* de Janeiro em diante a todos os
credores da massa fallida de Joao Maria Cordeiro
Lima, que de prompto auizercm re~-eber.de eon-
formidade com a concordats obtida em juiw ; de
vendo os mesmos credores apreseirtarem seas ti-
tuios ate o dia 34 do corrente para serem. confe-
ridas.
Recife 18 de dezemfaro de 1873.
Escravo fugido.
Do engenho Jose da Costa, freguezia de Agua-
I'reta, fugio um escravo pertencente ao abaixo as-
signado, com os siguaes segointes : Cesario, cabra,
cabellos earapinbadoi, porem alto, quasi caxiado,
tern um lobinbo do lado esquerdo da testa., aekna
do olho, sobrancelhas espessas, viria espaatada,
nariz grosso, bocca grande. falla de denies do lado
de cima, cara chupada, tern os peitos um tanto ca-
belludos, varias marcas. de carbunculoe nas per-
nas, 6. bauo e de pouco corpo, pe pequeno, aadar
apressado, quer titubiar quaado falla-se com .eile :
e carreiro, cambiteiro e purgador. Esteve no en-
!;enho Diamante, de Ipojuea, trabalhando como
orro com o nome de Mauo-1 Joaquiin, dondeeva-
dira-se logo que foi conhecido : roga-se as auiori-.
dades policiaes e as pessoas, que delte soufaerem
(segundo os signaes indicados) a captora, e fazer
entrega na praca aos Srs. Cunha Irmaos k C, on
no dito engenho ao seu senhor, que gora pago com
generosidade.
Fe'.ix de Valosis e Oliveira.
Pad
ana.
Aluga-se a da rua dos Pescadores ns. 1 e 3 :
a tratar com Ta-so Irmsos, rua do Amorim n. 37.
0 Sr. Francisco Agoetiabo lladfira, e rogado
vir a rua do Duque^e Caxias n. 60.A.
tVeeisa-se d-wna ama para criar, que te-
nha bom leite ; a rua Sele de Setembro, outf'o-
ra dos Fetreiroin. 34, poga-sebera.
I
t
( OtirriaJBiiio da rnort* Andwi JaaquHtv-de -San-
t'AnnB, proonaciado na ptorncra das Alagoks,
camo mcuTso nas penas do artigo 193 do endigo f
criminal, e que se achava-pmeo na casa de de-
tencaasdastacidade, UAmtilo |r haheas-oorpos,
conepdido-prio-jui* de-dirwto do sepiodc cferio
criminal desta comareail I
^________A aims da atsetsinado.
O-Sr. queanvunmou qoerer' cornprar um
sobrado de um andar em qosthroer das ffegije-
tias da Boa-Vista, Santo Antonio on .' Jose, an-
auncie sua mocada e. bora cle ser encontrado ;
pu;va a rua do Hospicio n.> 39-das 7"as 9 da ma-
pbi, e das 4 aa 6 da tarde, qpe achara com quem.
Ca\aog,
ii
Aos Srs. advogados.
Mediante algumas bemfeitorias, aluga-se uma
grande sala e dcus quartos, tudo forrado de pa-
pel e com asseio, propria para escriplorio: na rua
do Imperador n. 81, primeiro andar : a tratar no
armazem do mesmo sobrado.
50^
Acha-se fugida desde o dia 19 de novembro a
isCrava Su^ana, com os signaes seguintes : cdr
.: arda, idade 30 annos, pouco mais ou menos, ca-
f ello corredio e cuito, pucha por uma perna em
men ia de um defeito n'um joelbo, sem
.nha ims dedos dos pes, de estatura baixa, levou
-:i:sigo toda roupa do seu oso, e a quantia de
100^ qoe subtrauio de seu senhor ; presume-se
8T segnido para Goyanna em companhii de om
il Florencki : roga-se as aotoridades goliciaes e
' eapities do campo a sua apprehensao, entre-
:ando a a rua de Marcilio Dias n. 31, ou a seu
, ir i rua da < -nzata nova n. 7j que ser*igra-
tificadti com a quantia acima.
Aluga se metade de nma casa de familia,
mulher e marido, sem filbos, s6 i casal : a rua do
caes da Dettengao n. 11.____________
Precisa-so de uma criada ou criado para
cornprar e cozinhar : na rua do Marquez de Oua-
da n. 40, 1.* andar. _______________
Precisa-se alugar uma ama boa cozmheira,
forra ou eserava : a tratar na rua da Imperatriz,
casa n. 16, segundo andar._________
Armada.
Na ma do Bario da Victoria n 3fr, precisa-se
fallar ao Sr. 2." tenente Jos6 Maria Pestana, a ne-
gacio de seu interesse.__________
Precisa-se de uma ama para cozi-
nhar para rapaz solleiro : na- rua do
Urespo n. 20.
Precisa-se de uma ama para
cozinhar : a tratar a rua do Im-
perador n. 14.
Ama
AMA
J
Aluga-se por commodo prego uma b6a casa na
povoacao do Caxanga, princi;>io da estrada do-
Ambol*: a tratar a rua do ta wrador-n. fH,
de divros.
loja
rua
AUiM-se ut, escraw ,pra o servico ; na
da Gloria n. 146.
Koubo.
Na madrugada do dra 22 'de correato, das tres
para 4 boras, penetrarara os lad roes por uma ia-
naiia do sotao (servinda^a de uma escadfi) da pal
Jaria da rn* do Liwm xl 72 em Saato Awara da
SallioaSi levando diversa* pecas de reupa, como
seja : um paletot*obmasaco de paaao- lino, um
dito sacco, uma oa^adaoaswnica preta, nma di-
U de diia preta can* qoadft>s da listras traacas,
6 camisas fraueezas, um-chapec de sol de seda
trancada com um leao no cast&>e ui cbapeo-alte
de feltro (sendo tudtyanvpeWeko estado) a mats 3
Nbetes da loteria da ptaviacia da 80* parte qua
cerra ao dia 23 do corrente com os ns. 844, :i,27tt
e um que nao se sabe o numero, seode todos tras
meios btlhetes ; roga-se qoera foremafferecidos
ditos objectos, de apprehettde-lai, qaa sera gratis
flcado com nda recomaeasa eoi casa do abaixo
assignado.
Recife, 22 de dezembro da- &J3.
____________Maaoel RodfiguasiPereiaa.
LIQUIDACAO DE FA
Rua d
Imperatriz n. 60
bazar, wmm
Rua do Barao da Victoria d. M.
D
darnciro Vianiia.
mpanhia ferro Carril de Per-
i>:tiu3iueo (outr'ora Pernuuifoueu
SMreei Railway).
Convido a todos os possuidorcs de bilhetes de
igern nos carro* desta companhia, ainda exis
s em circulafiio com a assignatura de 11.
Swift, Assl Treasr, a traze-los.ao trocopordi.
dro no escriptorio da companhia a rua dc
Brum, em lodis os dias uleis, das 10 horas da ma-
...:i as 3 da tarde, ate 31 de dezembro proximo
indouro ; prcvenin lo, outro sim, que os ditos bi-
lieies serao repulados sem mais valor para qual
;uer effeito, a parti- do 1." de Janeiro de 1874 em
iiannte, os termos c'.o aviso do ministerio da fa-
la de 6 de agosto proximo passado e da por-
taria da presidescia desta provincia dc 6 dc ou-
iubro corrente.
Recife, em 7 de outubro de 1873.
O gerente,
_____________Gustavo Adolpho Schmdit.
Casa em Olmda
Aluga-se por quatro mezes ou mais e por pouco
liuneiro, uma ex^cllente casa em Oiinda, na rua
dr Bomfim n. 21, rauita fresca, com commodos
para grande familia tendo agua e gaz encanados,
grande quintal ou sitio arborisado, c com excel-
lente vista para o mar e a eidade, apenas distante
:res minutos da e M-ao do Carmo e pouco mais
dos banheiro : a natar no armazem de Joao Ro-
?a, na tra\e$. !.* ilaJre de Deos n. 8.
Risco maritimo
J. Wulff, capitSo do brigue allemio Caflaurj
indo fretado do Rio de Janeiro. m lastro, para
carregar em um porto entre Maceio e Ceara, e
iepois seguir para Falmouth a crdem, e entrado
neste porto com agua alcrta, precisa, para occor-
rer as despezas do concerto do me9mo navio, a
risco maritimo, a quantia de 6:0001, pouco mais
i menos, sobre ti oaco e ftete do dito navio.
Oilertas em cartas fechadas serau rat bidas no
consulado do imperio germanico (onde a carta de
.'retamento pode .-er examinada) pelos interessa-
ios alii o meio dia do dia 26 do corrente mez de
lezembro. _____
V
i ) >maz J. dc Oliveira & C. deciaram aos seus
freguezes do centro da provincia, que desta data
em diante nao pagu^a quantia algmna ao seu pro-
eujad'T e cobrador, o Sr. Francisco Coelho Gon-
calves, visto que fica desde ja sem effeito a pro-
coracao que o dito tem, e nesta data nenhum .seu
devedor pague a elle, sob pena de nullidade no
pagamento, e aproveitam esta occasiao, chamanda
i Sr Goucalves, aGm de preslar coulas do que ate
-ta data tern cobraJo. Recife, 22 de dezembro de
1873.___________________________
(iollfgio irancez na CajHingH
Mine. Cambrone avisa aos pais de familia que
abrira uo 1* de Janeiro do auuo vmdouro um col -
legio francez provisoriameate na Capunga, rua da
Ventura n. 35, pan o sexo fominino ; alem do
[rancez ensinar-se lu poriuguez, inglez, geogra-
.. hi-toria, musi;a, bordados, danca, etc.
"TOOjOOO de gratificacao
Engenho Santos Mendes
Fngio no dia 20 de dezembro, do engenho San
tos Meades, comaroa da Naaareth, freguezia de
fraGiiohaem, a eserava Maria, crioula, 50 annos
Je idade, pouco miMMHSi baixa, grossa, cor
preta r !ed.> cnri.ij. ,-al*'llo-' btaaeos, caaelias finas, tem
. i es cab*'' I'los oo qoaixo, e e bem ladi-
na. A |" na ] i-ntTegar8iascrava ou aoseu
ion -in' or daeafenho acima, Lauren-
lino (..in'- da Cti iia Pwaira Beltrao, ou no Re-
cif.t, U-g'i 11 Co -, smta a. t, andar, sera
rec uii'-ii-aia'r^oi qaaraia de tOO 1.
~ i-"..g i> BfHsn1.' *do SO doenneate, dusol>ra-
do i .. i dl raadais Crozes, um papa-
gaio r vvanda-nua ttta amarrada am
am|t-">i que o -eegar, que/endo restitair,
pod i i a >-as a<-iiaaj wjne se gratificara.
AMA
cornija.
Precisa-se de uma ama para co
zinharem casa depouca familia : a
tratar na sua do Hospicio n. 46,
casa que tem bolas amarellas na
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama de leite: na rua do Im-
perador n. 28, e em Oiinda, rua do Varadouro n.
10, padaria.
Ama de leile
Precisa se de uma ama de leite e paga-se bem :
a tratar na rua do Queimado, loja da Boa Pama,
du na rua do Crespo, loja da Passo, junto ao area
ae Santo Antonio.
AMA
Precisa-se de uoia eozioheira ;
a tratar na rua Nova, loja nu-
mero 7.
Precisa-se de uma
epaga-se bem.
Ama de leile.
na rua do Hospieio n. 32,
Criado
Precise de um de 12 a 14 annos de idade, para
compras e mais servico domestico de nma casa
de pouca familia, preferindo-se escravo : a tratar
na traves.-a do Vigario n. I, escriptorio, das 9 as 3
horas da tarde.
AtteRCfto.
Rua do Visconde de Albuquerque n.
II, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. II.
Chamados : a quaiquer hora.
Consultas : Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca e favor vir a rua
do Duque de Caxias n. 60 A.
8 Consullorio iHedko-cirargieo S
i A. B. da Silva Maia. Q
\
\
Companhia do Gaz.
A empreza do gaz tem a honra de annunciar
ao publico que recebeu ultimente um esplen-
dido sortimento de lustres de vidro, candiei-
ros, arandelas e globos, cojas amostras estio
no escriptorio & rua do Imperador n. 31,
e serSo vendidos aos sous fn>guezcs
preco mais razoavel possivel.
gmmmmmmmm
0
A! eato gcaude estabelcctmento tem che-
gado utn bom sortrmeoto de machinas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos ullimamfijitena Europa, cujas machiixas
sio garantidas por um aaoo, e tendo um
perfeito artists para ensinar aa mesmas, em
qualquer parte desta eidade, como bem as-
sim coacerta-fas pelo tempo tambem d'um
anno sem despemlio algum do cemprador.
HKte estabelecimentolambem ha perten^as
para as mesmas raaebinas e se suppre qu-al-
quer pe^a ym seja necessario. 1-1'tas ma-
chinas trabalham com toda a perfeiQao de
um a dous pospontos-, franze e bord toda
qualquer costura por fina que sfja, seus
precossaoda seguinte qaaiidade : para tra-
balhar a man de 309000, 409000. 459900
e 5090O, para trabatbar com o pe sao de
80900Or 90*000, M)900, 1109060,.
120&006V 1309000, J09000, 2009000" e
2509000", emquanto aaaautores nao ha al-
tera^fio de pre^os, e os compradores poderfe-J
visiur esta estabelecimeato, qoe muito de-
verao gostarpela variedade de objectos que-
ha sempre para vender, como sejam : cadei-
ras para viagem, malas para- viagem, cadei-
ras para salas, ditas de briango, ditas para
crianca (altas), ditas para eseolas, costurei-
ras:riquissiiaaa, para senbora, despensaveis
Na madrugada da 22 osaoa*cs da jeauiticsiOHd- para criancaaf detodasasqualidades, camas
vito, collocandeon* caibTo wato a varanda do so- 5 .__ u^. i
brado n. 50 da rua .do ViscEde da Inhaiima (ou- de f*rr0 P > e cnanjas, capachos,
trora do Range!) e subiudo. abriram uma poria do espelnos dourados para salat grandes e pe-
refehdo sobrado por uni poaUga qua achava se quenos, appawibos de metal para cha, fa-
aberto. em consequeacia^ift, muito calot fieaa- queiros com cab de raeUl e de marfim,
traram-na residencia.de Baavenlura Jos* Coelho, [tos im\SQS ealberflg dp nvtal fino cendipi-
estabelecido a mesma rua n. 46" con iunmera de asawi!sos, inereae rqet*; tin,cnaiei-
molhads,e awanjbando umaarteira onde o mes-1 "^ PW sa^a-,, jarroe^ guarda-cemtdas de
mo tajha o dinheiro, delta tirarau cerca de de um aramf,. tajnpfisparft cobrir pratoa, esteiras
eonto de reis, envnotasde-.W0#} SO*, 20# e miii-. para forr#r saks, lvatorie* cempfetos, djtos
%S^! lhees s^fde Psadifo foi encon- & #>><** ^ g^ e "** >~
trade pela manha dtfronte da sobrado visinho na to8*rt*0i Q08 n*"1110 dewmagradar a todoj
extrema do passoio com o calcamento, achando-se quo visitarem eate grande eeiabeleeimento
proxmio dtversos docamentos e papeis qoe tam-1 cue se aeha aherto. desde as 6 horas-da-nta-
2SSST*8BP1)1>Dd0 "rem I*yt*em' iBh*' ** **9 fi>8M d*noute'
I^iasdoBarao da Victoria n.
dinheiro.
SOM SALHCOS DE CORES A 59;
0 Pavao recebeu um?ielaganle sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nbo9-QiudinhQ9 de cores, tendo 10 jatdas
cada^corte de vestido e vende pelo barato
prefi? de 59, por ser pechincha, ditas eom
salpieos todo brancsedo fazenda finissima
a 79500 e ditas a 59000.
Precisa-se de am criado qi.e entsnda de co-j
peiro e seja de bo conducta : ca rua da Impera*
tri *. 37, 1- andar.
22.

ife Compra se e vende-se trastas novos
~ a usados no armazem da rua do Im-
perador n. 48;
)@>
Nao ha mais cabellos '
francos.
iTURjiA mm.
Sae unicaapproyada pelaa acad'MBias.da
seiencias, reconbetida superior a toda que
tem apparecido aha bje. Daposito princi-
pal a rua da Cadeia (W Recife, boje Mar-
,quea de OUnda, b. W, 1. andar, e em
s$i mW***''todas as boticas e casas de cabeilei-
u in
All
Vende fazendas para liquidar,por baratissimo pre^o como
abaixoseve:
Pereira da Silva tem resalvido fazer unia liquidaijao das raestnas com grande abatimento nos precis,
como unico ftm de rpuxaf diflhek,,. pjfaji qye <*M""- nAn *& u\>j>? nlHT^f""'f^
freguezes, como o^espaitavel publico, a vir surtir se de muUii fazeadas, bas.ebarata
no seu estabelecimentodenominado oPavao-aTiiaidiatp|?itent a. 60.
CAJfcRAIAK A 49, *9500, 59,^69 79-
O-Pavao veade-Jim tnagnifico sortimento
dasmais finas. cambraias brancas transpa-
rentfla, tendo 1 jaadasweada pe^a, pelo ba-
rato.preco dc 49, 49500,59,69, tendo.tamr
bem das maia fin*s qae custumam viivao
mercado, assiif;como uim grande sortimento
^6. *??? tapa^as e victorias que vende de- 49
francec muito. fibo aJ9000j apeaas precisa
i, '^Tnetro pata:um-ler5el.
CHALES BAHATOS
0 Pavao vende cbales a emita^ao daace-
| rin6 a 29, ditos de merino lisos de todas as
cores a 29500, ditos de mafineesUapadAs,
, maito Snos a 49, Jditos finissimos comAxs-
at6 89* sendo fazenda que valid mtiito -majsj ^s deseda a 69500, dilos rnuitft fiuos de-
it I n It n i a ft ^._ .-. ----_ A I dl -v__ *" \^r'
VESTIDOS A USO M COKKc 129
O Pavao venda um bonito sor^njento de
cartes de vestidos a uso da eorte, trazendo
cada corte todos os eafeites neceasarioscomo
sejam : babadinbos, entre-naeios, rendas,
requefifes, e vende-pelo barato prec,o de 129
cada um, assim como, duos a2 de julho
com todos oaenfeites a 109, cortes de cam-
braias brancas-abertas, com Hstras e lavores
a 69, ditos ftnissknos a 89, ditos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, 6 pechincha.
CORTES BORAD0S A 200 E 389V
O Pnvfio vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato prei;o de 209e 359.
CASSAS- FRANCEZAS
a 300 rs, o covado
O'Pavao recebeu- um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroese
cores fixes, que vende pelo barato piece de
300 rs, o covado,. orgdndy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara li-
pissimo fi!6 branco Wso ede salpicoSj e tarla-
tanasde todas as cores.
BORNOUS A 129.
; 0-Pavao vende um bonito sortimento dos
jnais modernos bornous eombonitas listras e
irende pelo barato precp de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dosmais
bpnitos chales demerinoi e com listras deseda.
LAZINHAS A 320
I O PavSo vendo bonitas lazinhas lisas,
sendo verde e cor de lyrio, pe'o barato prece
do aao reis o covado, assim como delicadas
tezinhas de quadrinhos a 280 reis, e" pe-
dhincha.
Granailiusi a Ct40
0 Pavao vende um elegante sortimeuto
ecepoma 109 e 129.

-
Al^ndAo rnfewtado a 19 e lgOr
0 PavSo vende a)gfd|e eufe9tasiai-.com 8'
pajmos -deiargtrra, proprio para lenc/5es
sejodo do mais encorpadp. que te.m vindo ao
mercado-, lisoa 10~ewa e^rancedoa.....
|f28fe
ATOALBATO A 19600, 29, 59.
0 Pavao vende atoaJbado tranjado com 8
palmos de largyra a 1^200 e 19600, dito
adamascade a .29, dito de Unlio adamasca-
doa39e59.
SEDA PARA fEWBOS
a 106OOve2*
0 PavSo vende um bonito 9ortimento da
sedas com hstrirriias proprias para vesti-
dos de meninasade seuhora a 19600 o co-
vado, ditas lavradmhas a 29, os padrSes sao
muito bonitos e vende-se por este prece para
acabar.
Hotinas a .V OOO
0 Pavao tem um eompleto sortimento de
botinas muito bem enfeitadas para senhoraj
e vende pelo barato prejo de 59, artigo que
em outra- qualquer parte custa t9 e 79.
MF1
LENCOS BRANCOS
3 29000.
0 Pavao vende lencos brancos abainha-
dos, tanto- para homens como para senboras,
a 29 e 29500 a duzia, ditos de es_guiao
cambraia de linho tambem abainbados t
39500, 49, 59, d.tos francezes oscuros, pars
rape* a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEH.
0 Pavdo Yende ricas camisas com peito
de linho bordadas, proptias para noivo
10(5 e 129 cada uma, ditas de linho sen se-
rem bori das a 49, 4$50 e 59, ditas com
peito de algodae muito finaa- a 29, 29500 e
39, ditas de cbita fina miudintba a 25, 29500,
e 39, assim como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto de liaho como de al-
godao de 19600 ate' 39, grade sertimento
de meias cruss inglezas de 49 ate 89000
duzia.
FAZENDAS PARA LITO.
0 PavSo tem um grande sortimento d
fazendas prct s para luto como sejam : cas-
sas, las, ou lajiebas lisas que vende a 400
Compra-so uma eserava parda de sens 30 f&ae-
annos, que seja de muito boa conducta e saiba la- f
var, engommar e cozinhar, tendo boa saudc : no
Corrador do Bispo n. 73, a tratar aqnalquer hora.
Vp:N0AS.
BanhofrernOlkida
Camisas e calcas de fazenda de boa qualidado,
proprias para os banaos em Oiinda : na loja dos
arcos a rua Primeiro de Marco lantiga do Crespo
n. 20 A, de Gurgel do Amaral 4 G.
Formas para assucar.
OaWanisadas e piniadas, por praco commodo.
gendem Cnnha & Maata, a rua do Marquez de
Vinda, n. 23.
De forca de dous a-seis cavallos : a venda no
armazem da Joaquim Uopes Machada & C, tr-a
Vendese a taverna^ita a raa do Barao do
Tfiumpho n. 63, bem afregnezada ; quem preten- ydSit d0 CorPP Sp '
der, dirija-so a mesma, que a<;hara com quem'
tratar.
pelo

0
0


0
0
m
ikMicao.
Piv. j. vpodedoras de bolos, dandose
100 .. .,
na raa
n.W
Vital de Negreiros
MEDICO-CIRUReiCO
DO
Dr. Santa Rosa.
Rua de Barao da Victoria n. 46, 1.*
andar, outr'ora rua Nova.
Consultas das 10 horas da manha ao
meio dia.
Chamado* por escripto a qualquer hora
Especialidades. Partos, nnJeilias de j(
olhos e du apparelho re-pir..tono. ^
oeo Bom negocio.
Precisa-se de uma pessoa que qpeira as90ciar-se
em. uma loja d>- joias e bijooterias, entrando com
um c.pnal dc 3 OOOadO >, podtmdo esta pessoa to-
mar pane na geteneta >k> mesmo estabeleeimento ;
quem quizer limja-se ao p<>teo do Carmo, casa de
baiih'*, que fe dira quem isto precisa
rW i o mm\
-
Os abarxo as.-igoa ls fazem sciente ao respeita-
vel corpo do cnuuercio e a quem interasiar pos-
sa, que dbssolveram a >ooedade que gvrava nc?u
praca sob a nnna de Carvalho Guimaries 4. C,
fuando o activo e psssivo de dita sociedada a car-
go dos Srs. Cust'jdio Antunes Guimaries e Auto-
ai da Costa Ribeiro. Recife, 20 da dezembro da
1873.
Ao gusto Ferreira de Carvalho.
Joaquiin Rodrjgues Pereira.
- Precisa se fallar cam urgencia ao Sf. Euthi-
uno Grasmo Momira de Mradoca, de pweente
n Muribeca : na rua das Cruxes, loja da trastes
u. 41
Vende-se uma casa terrea em terreao pro-
! prio naTaaJdo-Careereiro n. 6 : na rua do Duque
de Oaxia, loja.a 60. se dira quem vende.
-r Wltion Howe & L. vendem no sea armazen
a rua de,Commercio n. li :
0 verJadeiro panno de algodao azul amencano.
Escellente fio de vela.
Cognac de If qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Farinha de mandioca nova
_Teem para vender Joaqaim Jose Gongalves Bel-
cfcao proprio, com 349 palmosdt- frentc "e 638 de
fundo : os preteodentes dirijam-se ao seu proprio
tario, a rua de S. Franclgco, aubrada n. 10.
Para a fesla.
Baa Primeiro de Min-t'o n. f4
Guemao is. Leal receberam os maihores e mais
moderaos que ha em cnapeos para sephorae, e
estao vettdando muito baratos., p.ira acabar.
Vende-se
ou arroada-se, noaetado em qu3 fe.aclia. um si-
tio n^S Remedies, rrogueiia *s Afogados a 18,; tr5flTFliho arbordo'do'paUchT1sa^7chWa^
de Santa athanna, fundeado defronte do trapiche
Barao do Livramento; e para tratar a bordo, ou
no seu escriptorio a rua do Commercio n. 5.
Vende-se
fende-sea-hemafreguezada^uvarna n. 40na p^ de* sapotis. abacates, romeiras, parreiras,
raa do Bom Goste, em-anto Amaro das Salinas, frUcta-pio, roseiras de varia* qualidades e outras
ipropn?. para prinoiptante : qutm pretende la dt-1 flnre3 : ka Boa-vista, rua do Visconde de Govanna
nja se a masma taverna. que acnara. com quem
tratar__________________________________
- Veade-se um bonito cavallo preto, bem gor-
do e oom todas as m^rchas ; u tratar na rua da
Iraperatm n. 68._________
i Vende se a taverna da rua Imperial n. 51,
eom poucos fundos, propria pan principiante : a
tratar na mesma.
das raais bonitas granadiries ou gazes de e 50 r^'s o cpvedo, bqn^>aznas de 19600
seda para vestidos, tendo do todas ascores at^ ^ c?va e vende pelo barato prece de 640 reiseco- 8ranadine lisa com listras, cassas e chitas
wdoegranadine preta com listras do seda todes pretascom listrase salpieos, alpacas
t 19800. todas pretas e lavradas de branco, merin6s
outras muitas fazendas apropri das, que se
LAZINHAS A 330 0 COVADO. veude por menos do que em outra qualquer
0 Pavao vende bonieas lazinhas transpa- Parte.
rentes eom palminhasa 360 reis o covado, MADAfOLOBS ENFESTADOS
tlitas ditas indianas com lindos dezenhos,! a 39000.
tanto em listras como em quadros a 280 rs. 0 PavSo vende pegasde madapelao enfes-
0 covado, e grande sortimento de alpacas e tado com 12 jardtsa 39, dito a 39500, dito
iazinbas de 400 a 800 reis. com.20 jardas a 59, 59500 e 69000, dito
'com 24 jardas de59 ate89 e 109, sendo o
CHITAS DE CORES maisfinosque tena vindo ao mere.do.
a 200, 24U, 280 e 320 rs.
0- Pavao vende um grande sortimento de
bonitas chitas tanto claras como escuras e
vende de 200 ate 320 rs., assim como ditas I
com listras aolado muito flnasa 360 e 400 muit0 tncorpado a 49, dito a 59 e 69.
rs., finissimas percales miudinhas com lin-
dos-dezenhos a 360 e 400 r&s, garantindo
serem todas de cores fixas.
COBKRTAS A 29, 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
Al^oiltiozinlio a 49000.
0 Pavao vende pegas da algodaozinho
TAPETES
CORTES DE CASEMIRA A 59-
0 Pavao vende um grande sortimento de
com ramagem grauda, pelos baratos precos i cortes decasemira para calces, com bqaitos
de 29, 29500, 39 e 49, ditas encarnadas gostos, claros e escuros a 59, ditos de 69.
forradas a 59, ditas defustao branco e de cor! 79, 89, ate 109, superiores casemiras iran-
cora barras a 49 e 59, ditas de croche para;cez.se inglezas, para covado, de, 395Q0 ate
oama de noivo a 69, ditas muito rlcas a 169, j 6#, paunos pretos e de c ires dos rriaisbara-
ditas de damasco a emitagao de seda a 109 tos e raais finos que tem vindo aomereado,
e 149.
FustSes
0 PavSo vende fustoes brancos e de cores,
sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao
por precos muito razo3\cis.
Roupa feita
0 Pavao, tem constantemente um grande"
sortimento de roupas feitaspara homem, que
mercado, tanto para roupa de criancas como vende por prego mnito em cdnta, eomo se-
para vestidos e roupas de homcm,?e vende j jam :
Machinas de costura dos seguintes autores :
Wilier d Wilson, de 8 pospontos para trabalhcs
coma pa, ao pr e 200*000.
Dita* a imitacS'i de Singer, con Inn^deira, aper-
feicoadan, de 80i, 90> e 100^00).
Ditas do Weed, con lanc/idaii.-i a 10 o 120a.
ista,
n. 101, outr'ora Mondego.
Attencao
Vende-se barato a armacao da taverna n. 60, si-
a a rua Direita dos Afogados : a tratar na pada-
ria de junJOB. 66.
Matricula para cavallos.
A' venda na livraria clasfica, a rua do Impera-
dor n. 73. Preco 40 rs.
Lindas cbapelinas
53 RUA DUQUE DE C>XIAS 83
Augusto Porto recebeu as raais llodas cbapeli-
nas e chapeos para senhoras. superiojes pqjr'ue-
Ditas deGroyer4t Baiier. cos^ com cocda.opelo zas de gorgnrao'de seda e ricos la^os para gra-
avesso, a 80a, lfiOi, U0&. 1503 e SOpiOpO. iUs de spphoxai. Seus precos silo sempre os
Dps de Guild & H*rtieck, de trabalhar com o ois cqUnodw ppwiveis. .
pi e com a uiao, com lancadeira e de 2 pospontps, '---------. ----------------------------------
asoiuooa^sito-, Chitas de Todas eftas^Saehina. sh vendem a dinheiro e 1* da l*i#&r*9.1
fijloomCorme se poder couvein nmar coin os pre-
tendeutas. Tambem sa esa.mandaeninar nofiaiar Universal 'ma casa na rua da GakWrerro n. n a tratar
N. B-RuadoBaraoda\>^.-}i.l na rua da Palma o, 57,
pelo barato preco de 560 ate" 19, o covado.
BRAMANTES
a 19600, 2.-S2M0 e29500.
0 PavSo vende bramantes de algodSo com
10 palmos de largura para len?6es, pelo ba-
rato prece de 196"i0, dito de buho com a
mesma largura a 29, 29200 e 29500, dito
Cortes de chita a 99, ?SOO e
0 PavSo vende cortes de chitas escuras e
claras com 10 covadoscada corte, pelo ba-
ratismo preco de 29, 29500 e 39000.
CORTES DE BRIM A 19400.
0 Pavao vende cortes de brim pardo para
calce, a 19400. Drtos.de cor, fazenda mui-
to boa, a 19600.
Espartilhos a 3$ e 4$00Q
0 PavSo vende os mais modernos esparti-
lqos, proprios para senhoras e meninas,
pelos baratissimos precos de. 39 o 49000.
Ditos muito superiores, brancos e de qdr, a
59 e 69000.
Cal$asde brim de cores de 29500 at68.
Ditas de casemira escura a 39500.
PaJitots da mesma fazend. a 49500.
Calijas de brim p*rdo de 29 ate 5<5.
Dit s dc casemira de cor de 7^' ate 12(J
Ditas de casemira preta de 79 ate" 14(51.
Palitpts dp pannp- prelo de-4^ ateT 129.
Fraques de panno proto fino de. 209 at*
359000.
Calc-s brancas de linho de 49 ate" 79.
Colletes de casemira de cor de 39000 ate
59000
Ditos de dita peta de.49ate 79.
Cortes de lit a 49QOO.
0 Pavap vendo boobqs cattes dc ^sinhas,
padrdes rnindinhos comi lfn^as wqfs. tendo
15 covados cada corte, polo b#rato pre^o de
49000._
CO"rlTES DE ORGAKDT A 39000 e 39500.
0 PavSo vende c6rte de organdy branco.
com listras e quadrinhos, sendo fazenda mui-
to fina, pelos baratissimos preces de 39 e
39500 o cofte.
Ceroulas francezas de linho e algodSo, para todos os precis e qi^ajfdades, assim
como grande sortimeuto de meias cruas, camisas, c< Wrinhos, que tudo sff vende por
precos muit r-zoaveis.
------------T^-T-------:----'----
Greteips escrs

i
-
Vendese
E a prhneira vez que vem a este mercado ; a
Rosa Bn.nca tern e vende barato, e da aipostras
com penhor : na rua da Iroperatrli n. 86.
Canarios da AllemAiiha,
Chegaram pelo ultimo vapor da Europa, par^
feitos cantadores e de cores mnito lindaa : achara
se a vend* no armazem Fidelidade, a rua do Im-
perador n. 14. '. '^
I I
Tem, P*ra
Cognac de
,-i>e5sv, superior c verdadeO'o.
Vttmo ^eres ais melhores qnaHdadcs.
Bittera de Aa|otra
ras,
arnicas (Jo Jr. Ajer:
lercio a
mm I
Mat
ttilffi"
>


Diario Je Pecoambiico ITer^a feina 23 -de> tD&nnifoo de- W&.
J
I
>
:i
i
Fazendas fiaas
NA
Rllil l. k ltt(ftA.TA.
DE
Cordeiro tirades iHtG,
qrte hoje,
TregOezes
UNIGOS AGENTES
ftuudu too da Victoria. 28
ia mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na exposicao de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora-
$Io da Legiao de Honra, por serem as machines mais per.
feitas do muado.
A medalha de ouro, conferida i
Estados-Unidos por ser o inventor
tura.
E. Howe Junior, no:;
da machina de cos-
E' esta casa, sem davida, dina das
' pode com primazia apreseiKar aes seus
| urn variadissimo sortimenlo de fazendas Adas
; ra grande toilette ; asiiim corao, para o aso ordi
nario de todas as classes, e por precos vantajo-
j sos para os cempradores, de cujas fazem am pe
qoeno resumo.
Mandam fazendas as easfcs dos prelendeotes,
para o que tern o pessoal necessario e dao amos-
tras mediante penhor.
Cortes de seda de lindas cores.
Ditos de gorgurlo' de'cores.
Grosdenaple de todas as cores.
i Gorgurio branco e preto.
Seiira Macau preto e de cures.
. Grosdenaples idem idem.
Veludo preto.
. Granadine, seda prela e colismasrt de cores lin-
| dissimas padroes e fazeada da ultima raoda.
Popelinas de liodos padroes.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seila.
Mantas brasileiras.
! Coichas de seda para noivos.
Cortes de cambraia branca com lindos bordados.
Agua florifla, ^ tftm&tfn,,
para^faaer m cabelles-pre-
'tog.
A' ru do Cm buC 1 A.
Os proprietaries da Predileota, no intuito de
conservar o bom conceito que teem merecido do
respeitavel publico, distiuguindo o sen esttbeteci-
mento dos mais que negoeiam do mesmo genero.
veetn scientifaar aoe seus nous freguexes "KG pre-
veniram ao sans eorrespondentes nas diversas par-
cas d Europa para lhes enviarem por todos ospa-
sua,uttlidade. Tajnbero.veio agua de Jamiefti3Peles f o^jeiUfc de luw c bom gosto, qne se-
n e tfo acrediiadosC rm mm **m accitos petes sodedades
A.afuia^braoea^aiMa Duque de Caxias b. 60,
eafca de recabor.aovarernesjada apreciavel agua
onto para sulnHo cblhldo por quem tem fcito use dessa
Inoffenstva pwaparacao' a tem altamente eonceima-
do, e;per isso apems e faz lembrar a quern no-
vamefje deila -precise a quoin so aproveiaar de
oleo (Torino para o mesmo
eomo-iqndia,
Voltas e brincos de gtossos
aljofares de cores
' A aguia branca, a' rua do Duque dj Caxias n.
60, receheu novas e bonitas voltas e brincos de
grossoa aljofares de cores, e como sempre eooti-
nua a vende-las por preco commodo.
Novos diademas dourados e
com pedras.
elegantes
faquelles paiies, visto aproximar se o tempo de
festa; em que o bello sexo desta linda Veneza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo. ja recebcssem pele paquete francez diversos
artigos da ultiina moda,. veem patentear algun?
d"entre; elles tfita sc tornam mais reeommendaveis,
ojperando do respeitavel publico a coslumada
concurrencia.
Ade'recos de tartaruga os mais lindos que teem
vindoao mercado.
Albuns cow ricas capas de madreperola e fle
vellndo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
tos.
A 90*000
Cabtwnos o dever de annunciar que a comnanbia das, machinas de Howe
i, estibeleceu nosta cidade i nia do feariq da Victoria n. 28 am deposito
,ii % i t j .#>... ; Capellas e mantos paia univas. ,
A medalha de ouro na elpobi^lo de Londres acredttam f\iqaissimo sortimenu. do las com listras de seda.
eslas machinas. Cambraias de cures.
' Ditas martpozas, braneas e de c6res.
[ Nansuuk da lindos prdroes. *
i Baptista de padroes mui delicados. f
I Percaiinas de quadros pretos e brancos, de lis-
j jo i tras, etc
as OT8- Brms de |jDno je cflres, proprios para vestidos
'prk, estibeleceu nesta cidade i nia do Bario. da Victoria n. 28, um deposito e agencia j com barra e listras
,arl, para em PernambP'fiO e mais provi'ncias se venderem as afamadaa machiuas de eos-'Fusuo de lindas cores.
ara de Biowe. Estas macnlnas sao justamente apreciadas pela .per(eiclo de seu trabalho., c^^ho de la e de todas con*' para *e"
mpregando uma agulha mais curta com a mesma qualidade de(|oha.que qualquer outra, ^3^ b'0rdadas para senhoras
i *la introducijao dos mai aperfeicoados apparelhos, esiajmos actualmente habilitados a^Camisas idem idem
farecer *<* exami publicc as melhores macpinas do mundo. | Vestuahos, para menirios.
As vamagehs destas machinas sao as segmnies: tSiS^aiiStok08'
frimflira.O publico safe* que ellas sao duradouras, para istd pro^ia incontesla^ei; a Toalhas o guardana^K adamascados de li
T-uiflstuneia de uunca terem aooarecido no rarcudo machinas d Howe em ')e8un-'colcUas del'.
' naio. Cortinados bordados.
Swiiada.-n-Coutern o material preciao pafa repirar qualquer desarranjOi I Camisas bordadats para homem,
Terceira.-fla nellaa menor fric5*o entre as diTersas peoas, e menos rapid* fcsirtgo j^teftnfS
> fae ncs outras.
t Quarts.Forrnam o ponto como se fdra feito i mio.
Qainta.Permitte que se examine o trabalho de ambus os fios, o que se nio consegn
rt oetras.,
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um i outro lado,
i kc em sogi;v, sera madificar-se a tensSo da linha, cozem a facenda mais
Setima.-i-0 compressor e letantado com a maiorfacilidade/quando se temde mudar
agulbii ao comecar nova costura.
Oitara.Mi^itas cpmpanhias de machinas de costura, tfim tido ^pocas de graodeca e
ecadenc a. Machinas outr'ora populares, sao hoj quasi descOnhecidas, outras soureram Dius de chita.
udan^a'j radica.es parapoderem substituir : entretanto a companhitfdas machinas de Howe l
Complete sortiniento de cbapeos de sol para ho-
mens o senhoras, com cabo de marfim.
Merino de cdres'para veslTdos.
Dito preto.
Atealhado de linho e algodao para toaibas.
Ateiilhado pardj.
Brins de linho branco,' preio e de cores.
Setim de'Hildas cores e-eoia listras.
Chales de merino de cores pietos.
Ditos de casemira.
Ditos dj seda preta e de cures.
Dito de lonqnun.
Camisas de linho.
'^ptand9 a opinido deElias Hdwe^ mestre era artea mechanioas,
afmenUido o seu fabrico, ehoje ndo atlende ? procura, posto que
^r dia.
r*A* machina acompnnha livreto.s com instruec/jes em.portuguei.
_ Ceroulas de brim e algod5"
tem constanteraente Damasco. de 15 eores.
fa^a 600 machinas
A;9'0000
SOARES LEITE, IRMAOS
A"
do Barao da Victoria n. 28,
:------rs-----
MCHINAS PAM COSiURA
A 30IQ00 e .30*000.
D0US P0SP0NT0S
Na loja^e Sqajres, Leite Irmaos, d rua do Barao da
Lavas de pellica
. 200 rs.
Abotoaduras para eollete, grande sorti- j
naentt A J20 rs.
'Cafxa de linha de marca, a 200 rs.
Lamparinas i gaz, dshdo uma lux muito i
oMiflroo.- ,:- I
Duiik'de'pecas de cordSo imperial, a'
tiOrs. ": -
Caiia de botdes de osso para calca, a
tOOrs.
Duzia dc carreteis de linha, 200 iardas, a
GOOrs.
Idem idem 60 iardas, a 240 rs.
Hafcoiftelita' chineia, a 800 rs.
'Caiia de'linHa'coin 4t)hovellos, a 500 rs.
Metes adereoos cOni camafeu, a |00' rs.
!'<9*ftara detifeta'fotai eltra-fintf a i0OO
Pbtes^teom' dntf'ftgleza, preYa; a We
t66*rs. ''"' -:"' '
compequeno toque,; Espelhos demoldura dourada,
1 os.tamanhos e >
de
lennas
l-rt'i i
muito
Caiia
taooo.
Idem idem, a 400 rs.
Caftla He'enfehtobes tarjados, a 500 n.
Idem idem forTauds, a "TOOrs.
Caiia dftpapel amisade, beira dourada,
. 800 rs.
Mem idem idem lisa, a 600- rs.
DtrtU-detalberes oabo branco, 2 B., a
69000
Victoria n. 28.
de todos
precos
PERFUMARJAS E MIL'^EZAS.
Frasco com oleo Orua verdadeiro, *
19000.
Idem comtonico deiemp, verdadeiro, i
19000.
fiarraia de agua florid a verdadeira a 19200
Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
Idem idem divina, a 19000.
Idem idem Magdalena (novidade) a
19200. : '
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chrnez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pote.com opiate de Rieger, Rimel e Groa-
nel, 19000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39600.
Duzia de sabonetes de anjinho transparen-
tes, a -29200.
Idem 'idem com fldros, a 19500.
Sabonetes Glycerino trahsparentes, a
19000/
Caiia com sabonetes, formate de fructas,
a 19000-e 19500.
T!o6meticos, graudes e pequeijos, a 100 o
i# i. e i
boas,

papel
: -tvtt
pautado.
Resms de
e S98W.
Idero "idem liso, a29800, 89800e 59000.
Coqins modetnoa.'aWOO. '"' '
Dtrzias i*r^a%<{ de 1 rd^as de caracol
brafiCa;"a'00fs.( v
Idem idemli^as, 8,200 rs.
*3F OT9ffl--f- (^Bda'0> a
800 rs:
Frasco com agua de colagne, a 200, 820,
a 49000 500 rs. e 10000.
Eitractos rfioito finos dos melhores aji-
tore's r '
Lindas e elegantes caiiinhaa com perfuma:
rias; proprias para pfesedtes, d6s a'ittores.
I. C6tjrajVRieger, GelW Frefes0, etc.
Quadros corasantose esja'niMs bMt
;das.
fi&ffc^H&qfc tftdaf.af.cqresela^u- padjw
1L
Urn* grande, taboteta ^oprja, parAiqwaJ-
tseo com oleo para machina a 400 rs.
lifr-'Ar Barao da Victoria n. 28.

Venjijfse QWajL
titio. siuad Arraial junto a
traUr iu mesma.cas,
laverna t b' Qatmad6 &.
cjsa epm nni paguano
casa do Sr. Ansel mo :
a, e para in/ormac5es' ~
J*, '1-Qmfttf' ;
Bolaas, raalas- indispeiisa-
Amaial, Nabnco & C receberam compieto sor
limeatp de^bqlijM, ffl*las a indkncnsayeis'de eou-
rojmadeii^-e'SbagWfi^Ven^Si hoUaiar Vic
loria, ^rJ^Baa>o-'-d> Vtefcuia n..
Grande peehiBcb a MO rs o
c#vado.
Caasa la, padroes novos, e de mais gosto quo
lem vindo ao mercado, so na rua do Queimado
d. 43, loja de Gue'rra & Farnandes, pelQ dtrainu-
preco de tOO rs. o covado t
Chegaem fregnerw que se acaba
Vinhos de Bourgogn
das
Ch
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Yende-se por haralo preco
PARA LIQUIMCAO DE COWTAS
NA
Baa Larga do Rosarlo 34.
Botiea,
Pannoa de crochet para oadeira, sofa e-oaosollus.
Cokhas de dito. ,
Tartatana de Idas as oorc?.
Espartilhos lisos e bordados.
Poulard' de seda. I r
Casacos a tricot. >
Skos corlcs de vestidos delinlu para. 3enUor,a,
de di ersas cores, com os oompeteetes enfei-
> tes. ultima moda.
Casemiras orctas e de cores, chitas, madapoloea
cambraias, pan no 0 no preto eajcud, cdlarinfeos,
punhos, gravatas, lijvas de peiiica, diias i M
de Es'cgcia, brancas e dc dores, tapetes de .todps
os tamanhos, tooteas de ?i*gn, etc. Na loja do P.-isso, rua l'limeiro de Marco, a.
A, .antiga'do Creypo._____________________
i
uma caa na villa de Barreiros, na rua do
raercio, por preco modico : a tratar, cdm
Irmaos- & C.
ft"
\9S0
A aguia braaea, a rua do Duque de. Caxias a
50, recebeu novo sorti men to de bonitos diade-
mas dourados e com pedras, tan to para meninas
como para senhoras.
ColiecQoes de tfa&lados ou
normas para escrever-se.
A'aguia branca. a rua Duque de fcaxias n. 50,
recebeu noyas cdHec^o^s1 on normas para as crian-
cae aprenderem a escrever por si mesmo, hoje tao
usadas nas aulas e coHegios; e como sempre ten-i
de-as por prepo compodo. i.-
Meias cruas finas para meni-
nas esenlipras r
A loja d'-aguia branca, a rua Duque de Caxias
n. pO, recebeu novo sortimenlo daquellas tlo pro-
curadas meias cfnas pitra senhora, vlndo 'igual-
meote para meninas, e contimla a vende-las por'
precos coiAmodt):-.
Veos ou mantinhas pretas.
A'l^a d*agflia branca, raa do tmqdal dfe'Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos veos ou mantinhae
pretas.de seda com floras, e outras a imitacao de
crocbe, e vende as pelos baratos prejos de 3a,
it e 6*000. A fartnda 6 boa e. esta em perfeito
esudo, pelo que continUa a ter prompta axtrac-
cao
Perfeita novidade.
Grampos com borbrjletas, beiouros Vgaia-
' rihotois dour?drjs e fedlorldos.
A loia' di aguia nrahca, a rua do' Duque de
Caxias' n. 56, recebeu uovos grampos oobh bor-
bo|etas, bezouros e. gafanhptos. o quo de certo e
perfeita nQvidde.' A quantid'ade e pepuena,|e
por issa em brevti se'ac^ari.
Novaa gplliiliK ornadasoom
peliiia ou arminho
A loja'd'aguiafcranca'area Dmrne' deCakias
- 60; recebeu-uma pequena quantrdade* d*oni-
s e novas gollinbas, trabalho de la e seda,' en-
oeitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e iriteirart'enfe novas.
Grampos, brincos e roietasr
dowados.
* 'A toj* da aguiS- Manca, a rrftdo DUque
tiulaa n. 50, receboSoovamffnte posjbripcos a traaetas dnuitadue ; afesim como'
novas diadeoia de^aco, e como.s^mpra conti-
oiia a'vende-los ppr precos raioaveis
Caixinhas .cam p6s dourados
r' e<^ratea(}os, para cafeeilos.
V*ode-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn
quedecaxias'h. 50.
tuyas de peUic^ pretas e. de
utFas -c^res.
loja^da Aguia [Branca* a rua Duque de Ca-
n. 50, recubeu. iv,aor4lmento de, luv^ 4e
?>, pmM yi^mta* yaw
As un ieas- verdadeiras
Bichas haraburgoczas qne vem a este mercado
na rur .. Marqaez de uiinda n. 81
Aderecos crmpletos de borracha pr. prios para
ltto.tanjbem se veddem metos aaerecos1 muito bo-
nitos.
Botoes de setim preto e de c6res para oraato de
vestidos de ser.hora ; tambem tem para eollete e
palilot.
Dolsas para senhoras, e'xiste nm beTlo sortimen
w'de seda, de palha, de chagrim, etc, etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a altencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pbis as vezes tornam-se as criangas um pouco im-
pertinentes por falta de um obieeto que as en-
tretenham.
..Caimsae de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem se por preco commodo.
Ceronlad de linho e de algodac, de diversos pre-
cos.
i Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
om disticos nas tampas e proprios para presen
er
Em seus armazons & rua do Amorirn
n. "37 e caes dq Apollo n. 47,
tem para vender .por precos commp^oi
' Tijolos encarnados sextavos para ladrjlho. '
Can6s de barro para'esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descarogar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cera.
Sagd em garrafSes.
Sevadlnha era gStrrafSes.
Lentilhas em garrafoes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Perto velho engarrafado
Vinho do Porto superior, diio.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de SeheiVy. "
Vinho da Madeira'.
Potes com linguas e dobradas inglezai- .
Liceres finos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
LXu 6V todcraho inglez.
Barris com repoino em salmonra-__________
fttmpa eslrafigwgi,
Amaral Nabuco & C. vendem costumes de brimj
branco e de cores (a marujo e a puritan,os) .para
meninos, paletots e colletes para homem, ditos de
alpaca e de casemira para homem e menfn'os, ca-
misas bordadas e fisas para senhora, homent| me-
ninQ e menina : no Bazar Victoria, a rua do -Bi-
rio da Victoria h. 2".
ali
0 jardim da Nova Esperanca, a rua Duque de
Caxias' n. 63, esta replecto de: flores.a-' mais di-
licadas que e possivel imaginar se, qesda'q rhais
singello ramalhete aniais' eftgatite rosff1 (IdteTT
noviaade):'a|>elloexb eottpew, qoanto^ai^ bfaAW-'tfi^Kfe'^ff V 'mi' D\'CRfJZ 1
virm.co|helasemquaato^taopvi^oat, ?fS& M""mS^PVeNdWv^'"* "*'"
'Ulasarnaido jfaohinas de eortar'*!*. '' '
*
Oxfties os mais modernos e de diversos forma
to*.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimenlo
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellis simples e Com veo para ndivas.
t^lcas bordadas para meninas.
Eutremeios estampados e bordados, de lindos
^'esenhos.
Escovas e'.ectricas para deities, tem a proprie
dade dc evitar a carie dos dentes.
Fr.iHjas de seda pretas e de cores, exi.te um
grande sortiniento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de sarja, dc gorgu'ran, de Setim e de cfca-
majote, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de orgurao muito.lindas.
Fibres artificiaes. A Predilecta prima cm con-
servar sempre um bello e grande sortimento des-
Ms'lRj e, nao s6 fara enfeite dos cbrtlos,'como
tambem para ortfato dc vestido fa noivas.
Galoes d>' algodao. dn la e de seda, brancos, pre
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas" cores
):para 9enhora.
.Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
' Livros para onvir missa, com capas de madre-
'erola, marfini, 6s o e velludo, tudo que ha de
b*m.
Pentes rt< tartaruga- e marfiui para alisar os ea-
belos1; teeni tambem para tirar cjfepas.
Port bouquet. I'm bello suVtimentn de madro>
perola, mariim, osso e duuradus jH>r barato preco.
Pe*fuinari9. Neste artigo *! a fredilecta bera
Erovida, oao so em extractos, como em oleos e
anhas dos melhores odores, J>s mais .ifamados
fkWWJmtes, Lftttbin, Pivcr, Sopiedade Hygienica,
lefdrayt Gnsnel e Rimel ; sa-> iudispensavcis p*ra
a fcsta.
Saia$ bordadas para senhora, por commodo
Draco.
"SajjaHmY* de li e de setim bordados .para bap-
tisados.
Xapetes. Recebeu a Predi! ta nm bunito snrti-
mentowde diversos tamanhos, tanio para sofa to-
mo para entrada de salas.
Vestimenia- para, haptisadu ci-.jue ha de molhor
gosto a os mais mi-donaa, recebeu a Predilecta e
seoiJe4*ir barat.- preco, para Bear aoalcance de
(jualquer bula. ,rj-
Rua do Cabuga n. 1
0 fie dizew por abi.
verdade Von dizer-vos,
Sem embargo do-mao tempo ;
* Nao e graca, vou contar-TOS
0 qne diwm... por esemplo:
Que a B A It RIGA e a mai da human idade e que
esta corao filha obediente deve tratar com reqoin-
tado desvelo de sna dileclissima e infaliivel mil
Qne para isto e indispensavel anc os gastrono-
mos habitantes desta betla cidade e sens subur
bios, como parte integrante da humanidad*, devem
vir ao muito util e conhecido armazem do Cam-
pos, a rua do Imperador n. 28, comprarem os
novos saborosissimos presnntos para fiambres ; os
gostosos paios, os saborosos salames, os appeteU-
veis lombos de poreo; as delicadas linguicas e
salchichas, os digestivos peixes em latas, a fiais-
sima iiianleiga ingleza e franceza, osdeleitoso;
biscoitos, as excitantes conservas. as delieiosas
ameixas, passas, amandoas e nozes, as apreeia-
veis fructas em calda, os flexiveis doces, o wag-
nifico qoeijo flamengo e prato, o embriagante eba
percla, aljofra e preto, os substanciaes chocolate e
cacao em po, os refrigerantes -licores, as calman-
tes cervejas," os corroborantes bitters, os inspiran-
tes vinhos do Porto, Madeira, Bordeaux, Figuei-
ra, Lisboa, Chorry, C-ailares o outras muitas qua-
lidades, a corruscante champagne, cidra e um sem
numero de raros e arrebatadores acipipes, que
da forca, vida e prater, afim de -rechearem dia-
riamente o receptaculo de suas idolatradissimas
Barngas :
Que, quem quizer fazer um dclicado lunch, fu-
mar um primoroso charuto da Bahia e beber unj
eopo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao arma-
zem do Campos, unico que tem demon?trado all
a evidencia a influencia da-rainha do mundo :
barriga
Mesmo porque
Ora esta e boa.
Quem quizer ser ditoso. ser fi'liz .
Deve ao Caraaos Sjmente ir comprando,
Evitando aSsim de fKitiai passando, .
Dt-leiiando a barriga c o ii;iriz.
AI em do que dizem rauita^ ccusas ; por
exemplo que o Campos e s6 'Wvjn vende bom e
barato, qne so e ontticouue daauiostras de gene-
ris ; que so tJle, qem capi'^ha em dr bom
peso, que e elle so qnem n.anda levar gratis
em casa do comprador oa ge. eros copiprados (a
diuheiro) em seu armazem, q.ier dei-iro da cida-
de, quer nos seus adjaeentts'7 >(ue unieamente
so e no armazem do Campos, & rua do Imperador
n. 28, onde se enoontra um crot-pleto e eeplendi-
do sortimento, verdadeiro (>j.t'<- de peregri-
nas e exque^itas victuafhas, "ond todos (maeons
jestiitas) devem vir satisfazer < bra de mise-
ricordia (ja se sabe, troze'rul dinheiro) dar de
comer a barriga altendendu-a quo :
Do dia a qneslao ja nao. existe,
Que 0 Campos fez'cessar to-la esta briga,
Desfechando este^dpefhilosuphico:
Tratem todos primeiro da barriga.
Finalmente que,' a'4 interessa tes meninas d:
zmque, s6 gostam^dc deees dn armazem do
Campos ; as seductoras e- espiritnosas mocas que.
so tomam um calico, de bitter estomaeal se for
do armazem do Gainpos ; as respeito.-as matronas
qoe, s6 se recordrfm dp pasHido quando saboreiarc
alguns acipipes dti armazem do Campos ; os ele-
gantes e amavcis.rapazes quo, so fumam charu-
l-is do Campos ; -os velhos que, so sentem excita-
fao quando .comem-.certas iguarias do Campos
e ate os foras'ferros so procuram 0 Campos, -
querem 0 Campes e s6 gostara. do Campos, a pon'.c
de.:. vejam :
Do Campos a fama como vda
Nos"bailes, theatres e cafes ;
Ma5ftnpbom'lins, tionds e jardins,
Betroand do rnundo nos confins,
Deixa a todos area -viova, fe'ix, boa
E vai passando dVs auni/S atravei !.
"i
Crheou q .verdadeiro de PprtlanJ ; barricas
ggandes dp 400, kiT)s : ^0 .armaaem de.^asso If,-,
n&og'&Hfraefffo Apollo. "~ [
'Ve^d.e-sle uip, es,c/jvot,'w.ul4tir>bro, da
mviito bon^ai ducfa',' de ldade fcjf aniios.^proj^io para.
ChiUs a,240,rs,dcoio.
Sonarna Duque de Caxiasfi! '00.%; lbja d
esquina. PWtl '
E sempre assim.
Quando preca ter-se esgotado 0 reperto 7o da
nioclas, pt-la immensidade do artigos de n dade.
que tem apparecido, eis que 03. velhos e i ansa-,
veis correspendentes da Nova Esperanca, a rua
Duque. da Caxias n. 63. descobrem ontros no
mnndo elegante, aonde se conservam escogitaado
mioflciesamente .as novas invencdes ; remettera
para a Nova Esperanca. e autorisam na a dizer
aos sensifreguezes e especialmente ao bello' sexo
qua nao creiam em tal : e para prova eridente
daiqpeaaba oe cxpor, vejam 0 qua abaixo se
Deiro avisa a feus fi
viagem para as pronnetas- o> Aragnas e Pernaa>
buco, condusiodo bxceHente- Hr>pc de burros
passMaoppf ,iP^nedp, ^P^,-i48tonifc6aad#ft)r-
"Sfada5jCbo: e
neon*
bdo
trade em qualquer iestes lagxrdi.
[ ^arajgeira8<,jg d^ontubjo, de W?3.
Ricos chapeos para senhora : so na rua Duqne
de Gaxias.u,^0_AclQia:da. esquina.
para missa, com capa de madreperola
ou tartaruga, tendo no centro da capa
nm pequeno relogio perieit6 regula
dor.
CARTETRAS, pot charutos, port cigarros e ports
moneys no mesmo gosto.
CARTBIRA8 para notas com capa de "marfim, ma-
dreperola e tartaruga, com-o distico
I IWlWipiai
BQLSAS. para senhora, 0 malbor qne tem vindo a
este' mercado, de diversos tamanhos,
qtialidades e modelos 'da nova inven-
$ao.
PORT BPCOUETS de hndos goslos e tfmanhos
especiaiidades para a&.noivas.
CAIXlIvlIAs-com musicas e sem, elhs,' proprias
para presentes.
E ouiros de inteira novidade..
E <30m os rfteninos.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63;' reeeWnrts bonecos.de borracha de formatos
atejratnefite jiovos : os meninos muito apreciarao
to brinqnedo.
- 'Cimlaria
-SoriiLfetfa^..
C&piteis.
de Msi,a
:&pit
Soleiras.
A! venda no armazem n. 25, a travessa do Corp.
Santo. __________ : .
Las para vestidos de gente
sinh&.
Fazenda de 800 rs., vonde-se'a XQO rs. na Ross
Branca e dao-se amostras: a ma da Imporotriz n.
NQVHMH;
-_ Predifecta acaba de reeeber um rindo sorti-
mento der/itas-Bstabezas. aoaanwlatadaxt'iprnarias
oara ffichas> assim,c^mo #\#Ja#m&;
^ yerdade.
m,4!
Vende-se a arronea<} e uumsilios dallasarnajdo
pate^doTerfo-n. iU barato,e propria.Dara. quem
Entromewte M>dos trariSjWW^tai^J^r estabeb^er naqu^ fpgar.: ^^at^na,
,M e fanw
Amaral Nabuco 4 C. vendem tintas orlsaliae -
Lotion vegetale para tiAgir 00 preK* oaWHIoi; 0
qpese conbec* do mais ufcl t comiuo*o,'i.naiia,
nt>,modo. de.ooiWMa-Jp.'WimOi Bouesuttado .quo,
s obtem. ^ha..TeMk,e ^eto chagado JUtlmai
td, e fu'mo in?lez e fTancez, para cigarn
Cbimbos : vendem-no Basar VIeto+l4,ftdr'lcH
:!- -. "
rla-da Victoria n.l
Boa acqiilsi
Veode-se no permirta-se por escra vos uma e)
casa const* uida de riovo, tendo.duas-sajas,
seis quartos, com gabinete, sala 'dr'en-
goromar, cozinha f6ra, quartos para faraiUa,
cacioiia c.ciin boa agua do beber e um sitio
bfern arbwrisario ; no alto da Torre : a tratar
nesta typography. ,
Vpndese a (averna da rua Iraperiar
%
Sam.
ataine dejdBsoarooaf^algodaa. .
a de bom gosto, parece que
na6"J0e'CdmpIetar e sua toillette, sem' dar nm
pase*o'''ll'NfrVa Esperani^ a rua do Duque do Ca-
xia pij63i-porque e a loja do miudezas qoe mais
" ,^m sortimentp, e que mais novida-
ap publico em geral.''
oom as iibristas,
A Nova Esperanca, a rua do Duque de Caxias
hi 62,1 wtefceu pelo ultimo vapor, um inteiro sor-
MjBGtfP i,4S, Fpapeis para flores 1 a elles.
Fara crianca
WWMWKT 4sAra* u A ow Eaperanca, a rna do Dnque de Caxias
Las, mescladas.
P{9W'<#taMir%o9 padroes.
C afari,t de ferro paraijardim.
4 ^a9r?OBT5,%<. ^_^_
.?
O.yer
da alfi
aarte.

iiT a
ifer* SPSS'4a
itf em ouwai qualawr
. : -'
....Tl..
Veud^se-a- metader rJo-^ofcwda-.da
s> 8rrdreJJe Mttt'>% rua'te^edrocJAfor*-l
, outfdra rud d* Praia *. te : aittatar
na mesma-ruai, rfrawfcear-H. 26 A. E'.van-
taflosa -a'obrnp*t,upelo .impoote predib,
bem constroidrj, *f"grfMW ^eeote
exc&Hetrtes commodias
W:
a tratar no armazera-do Theotonio Annas 00 Al-
fredo Pisco Barbosa, na rua da Madre de Deua.
-
8Vende-se uma typographja bem montada, com
uma machina e um prelo, tudo em bom estado e
per preco modico: qnem a pretender, dirija-se a
rua do Torres n. \i, s>brado, Is andap.
Cosnioramas,
,
Amaral Nabuco & C, vendem os mais comao-
dos cosmoramas com vistas actualmente novas :
Baiar Victoria, rua do Barao da Victoria Oj_l___
Rua do Bruni n. 7^
Vende se tinco puro de
proprio para cobertas de' oasas
mos de comprido e 4 de largo,
em conta,
guaMade,
inflo tl pal-
Wedin
por pro;o
mnito
< :
Um.bonito sortimento de las mescladas em co-
res, fflje^eu a Nova esperanca, a rua Duque de
YfifcRouca de A^aiar.
B.IQARBONATADAS-SnDICAS
ftJJS** do Dr. Juse Julio Rortrl
^Sf,,lentr da csrola Polj'te-
0 *M,MMMca Esta oxeallonie aglia usada com vantagera
padecftaenlpft das vias digestivas, urinana?
|t9HrMMfiettr ,
Vende-se
NA
Vharuiacin e jsufla.
DA
Bua larg.. do Bos;... n. 3i.
no
d
Vende-se
A tvaerna da rua da Penha n. 6, bem afregoe-
zada ftrW) para a terra como para o mato ;a tratar
aamaania
Vende-se um porco proprio para a festa,
em graodeaa nao ha segando, e um extraordina
rio; a Mitf n rua do Cotoyeilo n. 23.
Lindas las escocezas.
De.varios padrSes, e inteirameiite modernas, a
3G0 rs o covado : na rna Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. f3, loja das columnas, de An-
tonio Correia de Vaicoucelios.____________
t Farinha de araruta
Vende-se superior farinha de araruta, tanto em
porcoes como a retilho; por preco que admira.
visto sua qnalidade ; depositos nos segointes in-
jzares: rna do Vigario n. %6, rua do Amorirn n.
58, e travessa da rua das Cruzes n 4, a 500 rs. a
libra a letaiho._______' __________
l hap6os de sol de 12 hapteas
a 8^000.
Boa seda e bonitos cabos, valem Hi ; c gran-
de pechineha, aproveitem : na rua da impcatrii
n. 36, loja da Rosa Branca.
\inlios linos
Proprios para presente fjfe festa
versas qualidades ; venderri-se na
Comm
e de di-
do
rua
ie^0.D,,4^
i andar.
tem part- vender
ao Filno : a tratar
do Commercio n. 8.
Jbaquim Jose Gon;alves Be-
oo sen escriptorio a rna
Btralissinio
rLanzinhas com listras estampadas pelo diminut-.
. eco de.400 rs. o covado.
Ditasleori 'listras-- aasetinadas a 1*000 o co-
vado.
Granadinas pretas com listras de cores a 500 rs
o covado.
Metins trancados proprios para vestido, a 320 rs,
o covado.
Alpacas de quadros, proprias para vestidos, a
440 rs. o covadai ...
Brim branco, lona,para calcas a 1*300 a vara.
Dito trancado a li
Dito de cores, linf
WRfoo-a*
?ft**i
vara.
Chapeos'de sol de seda, cabo de canna, a 8*50C
cada um, isto tudo sdno-n. 20 da rua do Crespo.
loja das 3 rwrtas.de GaiHwrme & C.
l-apor;baratopre^.'wbdefj >uma porcao de
(raves e travetas de^todos-oi. taraanhos e de qua-
lidade, tambem tem portae de louro novas de to
doe os tamatihos : no W6ra Heoino, com Jose An-
tonio Maranes. -''
\;i fiimlit'au il^ Cards & Imiao.
.1nwd) Bruwss. 100a 10S
Vende-se os seguiutes ob-
jectos, por precos
coihmoclos:
VARANDAS francezas de ferro iundido do diver
e bonitos gdrtos.
FOGOES francezes grandes e pequenos.
DITO dito para trabalhar com gaz.
ROMBAS francezas de repuxo.
BANCOS com pes de leiro, com molla e sem
ella.
PES de ferro para mesa.
JARROS de ferro par* jardkn, graades e peque-
nas.
MACHINAS para gelar agua e fazer gelo ; gelam
agua em 10 minuto/ azem gelo era
SOdhoSi
MUTILMO L
I IBSK
i
i
m
r '


(
Diario de Pernambuco Terga feira 23 de Dezembro do 1873.
JURISPRUDENCE
r
%
k
t>
sn
A
Si .
vi ".
a-
i prom
i nVi s
qi" ii.i
8 L. '
n no n ii
Sl" ,i 'It
3s jiii in-iras
enl'i' 'i mare*
qu farao oi
Relatorio
k RESPEITO DO NEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EX COMMANDANTS EM CHEIE DO EXERCITO
DO RHKNO.
CAPITUI.O IV
C0.NSELH0 DE 26 DE AGOSTO
(Continuacdo)
Esta declaragio est8 em opposigao formal
com i actos consumraados polo marechal,
ilosl.' ate 23 de setembro. Ao raesmi>
temp, que lovava ao conhe-imento do exer-
cito o- nomes dos membros do novo go-
verno, nommunicava aos jornacs de Metz
algous documontos officiaes que ilie tinham
chegadu, aos quaes so notava as seguintes
p-^sagens, que contrastam singularmente
Ci i as suas explicates :
Proclamacdo do governo da defeza na-
ci al ao povo francez0 poder cahio por
terra ; o que tinha comegado por urn atten-
tado acabou por uma desorgdo. Nao tomos
feito mais do que fortalecer o gorerno, que
e 'oou de mdos iiipotcntes.
.e-se u'outra circular do Sr. Julio Fravre :
< \ populagfto do Paris n8o prouunciou
a >|i 'a de Napoleao III e da sua dynas-
tic ; -jtitou-a em nome do direito e da
,juliga ..
..Sent etitrar em nenbuma apreciaofo poli-
tic a, i-videute que a attitude quo boje quer
'onjar > marechal nSo poderia ser, em pre
k;h pub!icag8o official e passagens, que
U" .iiiham t3o francamenle o ahysmo que
va o novo governo do do imperio.
jim o marechal annunciou em 12 de
nbro. em conselho, aos commandantes
rpos do exercito, e aos generaes do di
i nolicia da queda do i nperio ; a 16
:iou ao seu exercito, pela ordem n. 9
ocao do governo na defeza nacional ;
e pode por consequencia admittir
elle existo uma duvida sobre a
dade dos factos que tao formal-
ficou.
edimento inconcebivel deu logar
relagoes que se estabeleceram
tiial Bazaine e o inimigo, as
>jecto do capitulo seguinle
".APITULO IV.
>0 MARECHAL BAZAIXE COM 0
FftEDERICO CARLOS.
Bazaine pede noticias ao
o Carlos. Resposta do
moria justificative do ma-
* a seguinte passagem,
que dirigio ao principe
ter noticias a respeito
e -entao se consum-
titojo marechal Mac-Mahon proximo de iientativasde intervened, nlo tern nenhum
JMlan. sua magestado o imperador se rendea ifundamento.
pessoalmonte 8 sua magestade meii senhor e Nenbuma potencia ate hole tentou io-
rei, o imperador declarou n8o poder entrar tervir, e e quasi inverosimil qie se produ-
em oegoc.ar.fe3 politicas, porque tinha dei- za semelhante intervengSo, porque n8o te-
xaoo a airecgao politica ao governo da re- ria nenhuma probabilidade de exito, em-
gencia de Paris. quanto as bases de urn accordo n8o fossem
O imperador dingio-se depois como aceitaveis por parte da Allemanha, em-
pnsioneirode guerra para a Prussia, e esco- quaoto uao houver em Franga urn governo
Iheu o palacio de Wilhelmsoe, proximo de reconhecido p^lo paiz, e-que se possa consi-
Lassel, para a sua resi iencia. derarcomo seu repressntante. Os governos
a Dous dias depois da capituhgao sobre- allemaes, cujo fim n8o e a guerra, nfio recu-
veio em Paris urn abalo, que estabeleceu, siriam concluira paz com a Franca, se fos-
som derramamento de sangue, a republica so seriamonte pedida jDelo paiz.
em lugar da regencia. I pp^ste caso, tratariam s6mente de saber
Esta republica n8o teve a sua origera com quom po'deriam concluil-a.
no corpo legislativo,* mas na municipalidade, ] Os governos allemaes podonam er.trar
e n8o esta reconhecida* em toda a Franca. Jem uegociagoes com o imperador Napo
As potencias monarchies aiuda a n3o reco-'leSo, cujo governo 6 ate" agora o unico re-
nh?ceram. Iconhecido ou com a regencia instituida por
A imperatnz e sua alteza real dirigi-' elle. Poderiam tambem tratar com o mare
ram-sa para a Inglaterra. | etial Bazaine, que tem o commando do im-
Sua magestade o rei continuou a sua perador. Mas 6 impossivel comprehender
marcba de Sedan para Paris, sem encontrar'com que direito os generaes allemaes pode
forcas militares francezas na sua frente. riam negociar com um poder que nao re-
Os nossos exercitos chegaram hoje em'presenta por emquanto, senao uma parte da
frente daquella cidade. I esquer la do antigo corpo legislative ,
Quanto & composicao e ds tendencias Em resumo, o governo allemao estd dis-
do uovo governo estabclccido em Paris, o posto a tratar com a Franja ; mas no pode
extractode um jornal junto vos dard os entrar em negotiates sen3o com o impera-
pormenores. M0r, a imperatriz ou o marechal Bazaine.
F6ra disto, V. Exc. ha de encontrar-me 0 imperador esta prisioneiro ; a regente esta1
ser.pre prompto e autorisado a fazer-lhe f6ra de Franc-a ; o marechal Bazaine e pois
todas as communicacoes que desejar.(As- o unico habilitado a tratar; e" elle o unico
CO. PRINCIPE
0 marechal
principe Frederic
irincipe. Na :ne.
rechal Bazaine, le-si
acerca das aberturas,
Fretlerieo Carlos, por
iJ k .'.roiUecimentos qu
mavam ;
a. A noticia da forma
defeza national e da proc
blica r> Paris, chegou i
mento por um prisioneir
capar li'Ars-sur-Mosolle. t
dostes ar.ontecimentos prodi
pressSo no exercito. Acredit
manejo da parte do inimigo p
mfluencia na sua moral ; e g
ciaes e s ddados registravam cm.
m>l ami revolu^ao, que rebenta
c- i 'imigi pisava o solo da Franga,
bt>' ain la na fronteira.
\ nossa leaMade militar n.
?c i'.ar que a arabigao hoc promo
m yartido politico (o 5o do governo da
lamagao da repu
io nosso conheci-
o, que pode cs-
' 'Cmhecimemo
liio penosa im-
ava-se em um
ara produzir
aueraes, offi-
io inverosi-
sse quando
e se corn-
to podia
tores de
erjflcar
pare,
os int^resses mais sagrados do paiz
etiegar ao poder cobigado.
Nao tendo recebido nenhuma c.
magfio official da install igao do novop'
execotivo, escrevi ao principe Fredei
Carlos p.ira Ihe perguntar francamenle
significagao e importancia dos acontecimei
tOS qne tinham occorrido.
Deste modo, no momento em que o ma-
rshal manifesta o pensamento de quo as
noticias. cuja exactidao trata de evidenciar,
"podem nao ser mais do que um manejo do
inimigo, 6" ao proprio inimigo quo se dinge
para se certificar I A carta que o marechal
dirigio ao principe Frederico Carlos nao
li-ura no rcgistro da correspondencia. Esta
lormalidade era portanto muito necessaria
n'urna conjunctura tao delicada. A16m disso
quasi totalidade da correspondencia troca-
d i entre o marechal e o principe foi sup-
.rimida. Estas suppressoes sSo muito ex-
por ndo terem sido moti-
signado) Frederico Carlos.
Para o marechal do imperio, Bazaine.
Deve notar-se o alcance da phrase que
termina a carta do principe :
F6ra disto, V. Exc. ha de encontrar-me
se-npre prompto e autorisado a faze*-lhe
todas as communicagoes que desejar.
Quando o principe recebeu semelhante
torisagao, nao p6de ter sido senao a seu
P'dilo, pedilo sen duvida provocado por
algum procedimento do marechal:
Brro comm-.tlido pplo marechal na sua
Menioria dcerca da data da reunido dos ge-
neraes do seu ecercit'i.
. Lemos na memotia justiflcativa, que logo
depois de ter recebido a resposta do princi-
pe Frederico Carlos, o marechal Bazaine
convocou no grande quartel general, os com-
commandantes de corpos do exercito, e os
generaes de divisSo para Ihes dar conheci-
mento. Ha nislo um erro manifesto.
Foi a 12, e nSo a 17 que teve lugara reu-
niao dos commandantes de corpos do exer-
cito e generaes de divisSo era Stint Mar-
tin.
A- carta do principe Frederico Carlos nao
p6de pois ter-lhes sido communicada. Con-
vinha esclarecer esta .onfusao, compromet-
t' que todos se adrniram de encontrar era um
JocumentQ de u na importancia tao consi-
deravid, e que n3o pdle ser sen3o o resul
tado de um caluulo.
To la aquella part da Memoria esli
cheia le reticennias, que correspondem bera
ds hesitagoes que po%avam no espirito do
marechal no monmnto era que o vemos le-
var ao conhecimento do seu exercito a pro-
tiamagao do nova governo, e dizer que os
deveres militares continuam a ser os mes-
mos para com a patria, que 6 necessario
continu ir a defender o territorio da Franca
contra o inrmig), e toJavia entrar em rela-
gdfts com o general em chefe do exercito
llem&o \
3ue dispOe do forcas necessarias para servir
e garantia as negociagdes.
A declarag8o de Reims fazia assim acre-
ditar no marechal uma posig3o extremamen-
te importante. 0 governo da defeza nacio-
nal, constituindo-se, nao tinha pensado era
fazer figurar entre os seus membros p gene-
ral do unico exercito francez fortemente cons-
tituido que entao existia, 0 iqimigo tinha
comprehendido logo todo o partido que po
deria tirar d'esta circumstancia. Reconhe-
cendo no marechal o direito de concluir a
paz, ia desvial-o do cumprimento dos seus
deveres militares para o attrahir para o cam-
po das negociagoes d'onde a diplomacia al-
lem5 podi3, a sea bel-prazer, apressar ou
prolongar o desfecho. Como se ve, a de-
claragao de Reims servio de alavanca para
precipitar n'esse sentido as resolugfes do
marechal. Em que occasiSo lhe fez Mr. de
Bismarck conhecer esta declarag3o ? 0 ma-
rochal declarou ter tido conhecimento d'ella
pelo tonente Valdejo, q ie chegou a Metz a
22 de setembro. E' provavel que fosse
muito mais tarde, mas o sumraario n3o con-
seguio precisar a data. 0 que se pdde pro-
var 6" que, durante o mez de setembro, hou-
ve numerosas communicagoes directas en-
tre o principe Frederico Carlos eo marechal
Bazaine.
Officiaes parlamentarios allemdes, ad-
mitttdos nas linhas francezas, anterior-
mente a 23 de setembro.0 depoiraento
de Mr. Arnous-Riviece, va iesclarecer-nos a
semelhante respeito. Mr. Amous-Riviere,
antigo official demiltido, tinha sido encar-
regado pelo marechal Bazaine de organisar
umacompanhia de exploradores. Aggrega-
do primeiramente ao grannie quartel gene
ral, durante os segundos quiozedias do mez
de agosto, Mr. Arnous-Riviere foi investi-
do, no principio de setembro, no comman-
do dos postos avangados em Moulins.
Era por seu intermedio que se fazia a tco-
I
im
rep i
e os
iraordinanas,
*-das. ,
0 principe Frederico Carlos respondeu a
17 com uma carta datada de lti, is oito
horas da noite.
0 principe Frederico Carlos ao marectial
Bazaine. Quartel general era frente de
Metz. em 16 de setembro.
,. Sinto nao poder respondor senao neste
momento em consequencia de uma excursSo,
cai de vossa excelleucia. As informa-
^des que desejais ter sobre a marcba dos
acontecimentos em Franga, eu vol-o com-
munico voluntariamente, da maneira se-
guiute: f /
' Quando depois da capitulagao do exer-
Como tiveram Bmessas hesitagOese coraol0? "J" corresP(>n(lencia entre os generaes m
' chefe ; era elle quo recebia os parlarae^*-
rios e os conduzia de carruagem de Moulffls
para o grande quartel general. Como e
que uma raissio Uo delicada se confiava a
um official, cujos extraordinarios anteceden-
tes erara conhecidos de todos e do proprio
marechal ? E' isto que o summario se n3o
encarrega de explicar. Formulada esta re-
sorva, vemos Mr. Arnous-Riviere declarar
no primeiro depoiraento, que a 11 de se-
tembro recebeu de um parlamentario uma
carta do principe Frederico Carlos para o
mareoal. Depois restabelecendo aquella
declaragao, disse ter levado n'aquelie dia
aos postos avangados allemies uma carta do
marechal, que este lhe tinha entregado hid
mao propria. No intervallo* d'aquelles dous
depoimentos, Mr. Arnous-Riviere foi visitar
o marechal na sua prisfio ; anteriorraente ao
seu primeiro depoiraento, e a pedido do ma-
rechal, tinha elle ido fazer-lhe a priraeira
visita. Foi impossivel estabelecer bem em
qual das duas assergdes da testemunba se
acha a verdade, porque o despacho de 11 e"
um dos nuraerosos despachos trocados com
o inimigo, dos quaes se n3o encontra vesti-
gio algum no archivo.
-nfir-|o marechal foi levado a entrar em conferen-
Hlor cias con o iaimigy ? Wnos encontrar a
ico explicagao no seguinle incidente :
a Communicado do governo allemao aos
1- jornaes do Rheno.
Em 11 ile sutembro, appareceu no Inde-
pendant Wienois, um communicado do go-
verno allemao, raostrando francamenle a si-
tuag3o politica da Allemanha para com a
"ranga.
Varaos repioduzir na sua integra aquelle
portante doeumento :
< Os jornaes que se publicam no Rheno,
'oduziram a proclamag3o da republica,
decretos promulgidos pelo novo poder
que s e ^'"beieceu em Paris. Como a cida-
de est occupada pelas tropas allemaes, a
attitudi das folnas Publicas parece dar lu-
gar a su PPor-se que ellas expressam uma
1 nspirada ou autorisada pelo gover-
opiniao o
no allemi. f1*5 na n "<* disso.
Permi tt,ndo. a eS38S fo,has que publi-
cissem a su a P'ni3o, os generaes allemaes
nao iizeram i nals do que respeitar a liberda-
de de impren: ",8> como a respeitam no seu
paiz. Mas n3 reconheceram ate agora em
Franga nenhum outr governo senfio o do
imperador Napo ledo, e segundo a sua ma-
neira de ver, o i Teverno imperial e, ate &
constituigao de uu ^ nova orJem de cousas,
o unico que tern u aeit0 Para entabolar ne-
gociagoes que tenha. ura caracter nation I.
Cabe apui accrescent, V q"e o boato que se
poz em circulagao em Paris, e segundo o
qual quasi todas as po. tencias tinham feito
FOLHETIH.
LUCSSCIA SOS&IA
MEMORIAS D[ SAT&NAZ
POR
Continuando as suas declaragfes, Mr. Ar-
nous-Riviere fez saber que a 17 havia cbe-
gado um novo parlamentario, portador de
um despacho do principe Frederico Carlos,
que o official allemao entrogou pessoalmen-
te em {.ongeville ao general Boyer, com o
qual teve uma conferencia particular. Este
despacho foi publicado pelo marechal; ji
I>. Hi; iioel Fernandezj Gonzales
SEGUNDA PARTE
SAVONAROLA.
II
QUEM ERA SAVONAROLA ?
(Coutinuagfio do n. 293)
Sim, prega a dogura e fraternidade,
porque 6 essa a sua forga ; sabe que os
povos amam a paz, e sobretudo os povos
coramertiantes como Florenga ; a guerra
custa sangue e diuheiro, mata a industria.
iaterrompeo commercio ; sim, prega a paz
porera, se amanha lhe for precisa a guerra,
lovanta'--c'-ha desembainbando a espada de
S. Paulo em busca dascuavesdeS Pedro.
Avie-se, f<-ei Jeronymo, olhe que lhe mo-
dem o terreno, que os seus amigos dimi-
jiuom, oue os seus inimigos augmentam
que se ep-ra uiuito tempo, talvez seja tarde
quando quizer obrar de um modo decisivo.
i) santo padre e mais poderoso que o re-
verendo. tsm em seu favor a crenga catho-
lica, e excoinmungou-o.
-" Eu nrovei que a minha doutrinn era
sa, qut a excommunhao do Borgia, sobre
ser iiij'ista, nao tem autoridaile, porque o
l'Org*< Hf>ve a ua elevng8o a simonia e &
inlriga, e n8o lui e6 sd o que prot'-stwi ; a
lainba voz n3o e mais do que o echo do
i dos cardeaes de S. Pedro Adivin-
<''' Napoles e outras.
Sim ; porem, o nuodo catholico terae
o scisma, porque o scisnaa e a perturbacio
universal. Ale*andre VI esti reconhecido
como legitimo successor de S. Pedro pela
igreja e por todos os estados catbolicos ;
por isso mesmo, o padre e esses cardeaes
estao legitimaniente declarados scismaticos,
heroges e excommungados Florenga, ape-
zar da excommunhao, tem-n'O sustentado,
e corre a ajoelhar-se aos seUs pes, para es-
cutar a sua palavra, enchendo a cathedral
de S. Marcos. As cousas, porem, muda-
ram ; o santo padre, como era natural e
preciso, excommungou a republica de Flo-
renga que o protege, e sobre o que significa a
separagao da cougregagSo dos fieis do es-
tado florentino ? E' a paralysagao do com-
mercio, a falta de dinheiro, afome, a mi
seria, a desesperag3o. Nao foram ameaga-.
dos com anathema todos os catholicos que
pizem o territorio florentino ? Bern 0 vio;
as transacgoes diminuem de dia para dia,
ninguem quer ser excommungado, porque
em nenhum estado catholico se tolera um
hornem marcado com o anathema de Roma;
o ainda nao e tudo. Florenga esta amea-
gada por todas as potencias catholicas ; o
seu unico amigo e o rei de Franga irritado
contra o papa, porque lhe negaa investidu-
ra do reino de Napoles, raantendo-a na
casa de Aragao. E que pode esperar Carlos
VIII aposentado da Italia pela Hespanha, i
frente de cujo exercito se encontra esse mag-
trifico rei sera corOa, esse filho preddecto
de M o tHuln de gran-cap.ta j t Que esperanga
pode t r. padre ? A seuhoria, oscidadaos,
os commerciaotes copssgam a olbar para si
corn raiva, omo soudo a causa da ruina
palpavel da republica, sentem as bolsas ca-
' wt mate tn troca ouvem ape-
nas faniosos se. raOes. Esla no gontrO do
[ um vulcSo, frei Jeronymo, e esse vulcao
acabara por abraza-lo, e por iangar ao ven-
to a? suas ciozas ; eu tambem pretendo ser
propbeta ; desperte da sua allucinagao, da
sua confianga e combata. Chegou a bora,
mas nao combata com a palavra como apos-
tolo, mas sim com a espada como capitao ;
faga com que lavre o incendk) e saia de
Florenga ; insurreccione a Italia, fatigada
com a arabigao dos Borgias ; lance fora o
habito e envergue a couraga ; mande toear
sioos a rebate ; accommetta com os seus
sequazes, que sao fortes e numerosos ainda,
aogrito de liberdade e retbrma, a senboria
e todos quantos sio seus inimigos ; cinja a
corfe ducal de Medicis, leve tudo a fogo e
a sangue, aterre uns, assombre outros, lan-
ce-se sobre o ducado de Milao, cangado da
tyrannia dos Sforzias, encendei-a, apodere-
se d'ella; de a mao a Vsneza ; alente os
amigos da Franga no reino de Napoles, e,
nnalmente, infiamrae a Italia inteira. De
occasiao a que o rei de Franga, sedento de
vingar-se das humilboes quo soffreu na Ita-
lia, torne a p'assar os Alpes a frente de um
exercito formidavel, e erga-6e no meio da
guerra, terrivel e espantoso. Que podor4
succeder? morrer no campo da batalba?
j Escolhn entre.uma langa inimiga e a foguei-
ra de Roma, mas opera depressa, porque a
serpente aproxima-se de si, e ai se olla con-
segue.cingi lo com os seus anneis formida*
veis.
Tenbo escutado o inferno, disse Savo-
narola com voz cavernosa, a guerra, o sau
gue, o exterminio, o irmac devorado pelo
irmao, as lagrimas, a desolag&o, o incendio
a condetnnagao, e sobre tudo isto, ama
cor6a malJita. Oh I Senher, para que
permittes a satanaz que falle debaixo das
abobadas do tou templo aos pes do tuu
huinilde sacerdote ? Mas assim e. Tu
tivemos occasiio de o repr.)duzir.
A 21 novo parlamentario, conduzindo
Srisioaeiros trocados, e portador de dous
espachos para o marechal. Um d'esses
despachos era relativo ao servigo corrente ;
do segundo n3o existera vestigios.
A 23 chega ainda ontro parlamentario,
trazendo um novo despacho para o marechal
e conduzindo o Sr. Regnier.
N3o eneontr3mos vestigios n'este depoi-
raento deum parlamentario qne fosse con-
duzido"directamento a Saint-Martin entre 17
e 23, dia da chega la do Sr. Regnier, par-
lamentario que o capitao do estado maior
Garcin declara ter acompanhado. Era, se-
gundo diz esto ultimo, um o'litial do es-
tado maior particular d) principe Frederico
Carlos, Mr. doDirkan, qiiese vio virfrequen-
tes vezes ter corn o marechal no decurso do
mez de outubro.
As communicagoes assignadas por Mr.
Arnous-Riviere e pelo capitao Garcin fo-
ram porventura as unicas ? Quom poderia
affirmal-o ?
Qu.il foi oemissario que levou ao mare-
chal a declarag3o de Reins? E' impossivel
dizel-o; mas no meio de conferencias 3o
frequentes, e que n3o poliam ter por Om
senao a politica, um doeumento que o go-
verno allemao tinha tanto interesse em levar
ao conhecimento do marechal, e que lhe era
particularmento destinado, nao foi certa-
mente esquecido. N3o deve reconhecer-se
que se operou uma mu langa de attitude no
marechal, quando vemos, na conferencia
que houve em Ferrieres, 3 19 de setembro,
Mr. de Bisnark fazer a Mr. Julio Favre a
seguinte declaragao :
Um i vez que fallo em Metz, nao e f6ra
de proposito fazer-vos observar que Bazaine
vos nSo pertence. Tenbo fortes razoes para
acreditar que elle se conserva fiel ao impe-
rador, e que por isso mesmo 9e recusaria a
obedecervos.
Em resumo, fazendo saber ao marechal
Bazaino as inlengoes que o governo allemao
tinha de entrar en negociagOes com elle,
Mr. de Bismark vai transfoimar um gene-
ral em negociador, paralisar o exercito que
cooiraanda, e prolongando confereacias sem
resultalo, espera sem dar um tiro o mo-
mento, ainda ignorado, em quo a fome ha-
via de por o exercito 3 merce d'elle.
Vamos agora ver entrar em scena o agen-
te que vai obter do marechal o segredo d'es-
te fatal prazo.
CAPITULO V
INCIDENTE REONtea.'PARTIDA DO GENERAL
BOURBAKt.CHEQUE PAS NEGOCIAOOES EN-
TABOLADAS.
Primeira entrevisla entre Rignier e o ma-
rechal Bazaine (23 de setembro ).a A
23 de setembro de tarde, depoz Mr. Ar-
nous-Riviere, apresentou-se um parlamen-
tario nos postos avangados: era portador
de uma carta do principe Frederico Carlos
para o marechal Bazaine. A vinte passos
atraz ostava u n homem a pe, com lengo
branco no extrerao de uma bengala. Na
occasiao em que, depois de,entregar o offi-
cio, o official parlamentario se-dispunha a
partir. pergunteilhe quem era a pessoa que
o acorapanhava. N3o sei rospondeu
elle, e retirou-se. Voltando-me entao
para a pessoa, disse-lhe r Quem sois?
Tenho uma missao para o marechal Bazaine,
e quero fallar-Ihe j3.
Foi assim que o Sr. Regnier penetrou
nas linhas francezas.
0 Sr Regnier,depoz o capitao Garpjn,
foi conduzido de tarde, ao decahir da no'-
te, por Mr. Arnous-Riviere, ao quartel ge-
neral do general de Cissey, em Longeville.
Sem que o Sr. Regnier se apeiasseda carrua-
gem, o general Ciessey, sabendo que havia
urn parlamentario que desejava conferenciar
com o marechal Bazaine, deu-me ordem
para o conduzir iramediatamente ci sua pre-
senga. Aproximando-me de Saint-Martin,
pergunter lhe de que maneira devia eu an-
nunciar a sua cbegada ao marechal Disse-
me: Annunciareiso enviado d'H^stings
Ignorava-se entao absolutamante em Metz
que a imperatriz tinha fixado s s-ja residen-
cia era Hastings.
Tal foi a maneira, ainda mais extraordi
naria, que empregou oSr. Regnier para ob-
ter accesso junto do marechal.
Este contesta o que di'/o capita? Garcin,
e declara queo Sr. Regnier lhe foi annun-
ciado como sendo um correio man dado pelo
imperador. O marechal cooduz iramediata-
mente o Sr. Regnier para o seu gabinete.
O Sr. Regnier entrou no-assumptodecla-
rarando ao marechal que vinha de Ferrie-
res, onde se acbeva o quartel-general ini-
migo ; que obteve uma audieocia de Mr.
de Bismark, a quem se tinha dirigido para
saber se desejava fazer immediatamemte a
paz com o governo imperial. Mbstrou ao
marechal uma photograpbia da resideneie
da imperatriz em Hastings, pela parte de-
baixo da qual o principe imperial tinha tra-
gado algumas linhas affectuosas dirigidas a
seu pai. 0 Sr. Regnier no tinha poderes
escriptos, e diante da observagio que lhe
fez a este respeito, respondeu que documen-
tos t3o importantes nSo eram para se entre-
gar aos acasos dos incidentes de uma via-
gem. Os depoimentos do marechal
e do St. Regnie- concordam; quan-
to a estes preliminares da sua confe-
rencia, menos n'um ponto importante.
Disse-me vir da parte da imperatriz, com
o consentimento de Mr. de Bismark de-
clarou o marechal. N3o disso ao mare-
chal que tivesse algurna miss8o da impera-
triz, declarou o Sr. Reguier. .
Deste modo, existia desde o principio,
opposigap complota entre o marechal e o
Sr. Regnier quanto 3 natureza da missio
daquele extraordinano personagem. Ha
uma unica resposta que 6* f6ra de duvida :
o Sr. Regnier trata com o coDsentimento do
Mr. de Bismark. Existem as mais notaveis
divergencias nas narragdes que o marechal
e o Sr. Regnier fizeram a >-ospeito da con-
ferencia que entre elles houve.
Em consequencia da existencia deste des-
accordo, o summario julgou dever annunciar
ao marechal o depoimento do Sr-. Regnier,
paragrapho por paragrapho, e mostrar o
que dizia respeito cada u n defies. Nada
poderia causar uma impressao mais exacta
do qus reproduzira parte do interrogator!o
do marechal a esto respeito.
Pergunta.Senhor marechal dignai-
vos dar-nos conhecimento do que vos disse
Regnier.
Resposta. Qne a sua raissao tinha por
fim propor, quer ao mareohil Canrobcrt,
quer ao general Bourbaki, que se dingissem
3 Inglaterra para ficarem 3 disposigao da
regente. Respondi-lhe: Sereis posto
em contacto c tm aquelles senhores ; e dei-
xar-lhes-hei a livre disposigao de tomarem
o partido que quiz rera.
Expoz-me hontem que era para lamen-
tar que um tratado n8o tivesse posto terrao
3 guerra depois de Sedan ; que a conserva-
g3o das tr >pas allemaes uo territorio francez
era uma ruina para o paiz. Que a este res-
peito o exercito de Metz, sendo o unico or-
ganisado, daria garantias a Allemanha, se
tivesse a sua liberdade de acgSo ; mas que
sem duvida se exigiria como penhor a en-
trega da praga de Metz. Rospondi-lhe affir-
raativaraente que se podesseraos sabir do
embarago em que estavamos, com armas e
bagagens, era uma palavra completamente
organisados, manteriaraos a ordem no inte-
rior, e fariaraos respeitar as clausulas da
conveogao, raas que se n3e podia fazer
questao da praga de Metz, cujo governador
nomeado pelo imperador, a n3e entregaria
senao a elle.
Tudo quanto precede n3o foi mais do
que uma conversa, & qual nao liguei sen8o
uma importancia secundaria, por isso que
o Sr. Regnier nao tinha nenhuos poderes
escriptos.
Antes de contirfila'f a situagSo que coiae-
gamos do interrogator^ do marechal, con-
vdm restituir 8 conversg3o qtle elle teve com
o Sr. Regnier, o seu verdadeiro caracter,
que se acha contestado na resposta prece-
dente.
per minis to que satanaz levasse ao cume da
montanha o teu filho unigento ; permittiste
que todos os santos-ouvissem a palavra re-
belde, a palavra maldita do eterno inimigo
do ceo e da terra. Ob I meu Deus, quo-
res conturbas me ?'
Padre Jeronymo, replicou friamente
P'-'p^de Napoles, que maior guerra e quo]
uVc:.., impiedade do que essa terrivel firme-
za era. insistir na sua reform a t Se e tae
caritativo, tao piedoso, tao humilde, por
que nao desce do pulpito, onde sustenta o
incendio da sua palavra irresistivel, produ-
zindo males incalculaveis que todos os dias
v3o em augraento ? Porque Bio vai des-
calgo, com a fconte abatida e coberta de
cinzas, ajuelhar ante o throno de S. Pedro
e pedir arrepee lido a absolvigao dos seus
erre6? NSo ve que sob a inflnencia da sua
palavra se excitam os bandos em Florenga
e estao quasi vindo as maos ?
0 que nratico n8o esta em mim, vera
de Deus, 6 who de um espirito infinito que
enche o meu ser.
Sim, e" verdade, disse com desprezo
Pedro de Napoles, encontrou meio excel-
lente para afastar de si toda e qualquer res-
ponsabilidade ; o padre nao goza de liber-
dade, nao quer dizer o que diz ; e apenas
um prophela, ura apostolo, tem revellagdes,
a visao celeste repete-se aos seus olhos, esta
cheio de um espirito sabio, infinito, de um
espirito que nao 6 seu, e a que na sua hu-
mildade cbama o espirito de Deus; falls de
um modo symbtiico e obscuro, iulga-se um
eleito, um novo Mcssias, e ainda bom que
Ihe nio occorreu dizer que e um 8iijo filho
deoutro anjo; a sua bumilda le o a sua inau-
sidao sao a mair soberba e a maior fereza
que tenho conhecido ; vale so da ignoran-
cia geral, e domina a multidao com a sua
palavra suave, audaz e terrivel; propheli-
No depoimento do general Bourbaki en-
contra-se a seguinte nassagem :
0 marechal fez-nos ver cartas do prin-
cipe Frederico Carlos, que n3o tinham gran-
do significagao, e disse ao Sr. Regnier que
fizesse saber ao principe que elle pediria
que o exercito sahisse com as honras da
guerra sem tratar a respeito de Metz, que
ficaria independente do exercito, que o
marechal se retiraria com o seu exercito
para tomar em Franga uma posig3e neutral
ate* 8 paz
Feitaesta reserva continuemos o interro-
gators :
Pergunla.Regnier depoz que no seu
pensaroento o exercito de Metz, o unico que
restava 3 Franga, perecia ser chamado a
toraar uma grande importancia ; que Mr.
de Bismark lbe tinha declarado que Mr.
Julio Favre parecia seguro a respeito do
exercito de Metz ; que os alFiados allemSes
So reconheciam no governo da defeza na-
cional nenhum direito para tratar; |ue o
governo tinha feito conhecer a intengao for-
mal em que estava de formar a guerra a
oulrancfl, e de nao ceder nenbuma vanta-
gera ao inimigo victorioso; accrescentou
que lbe havieis respendido que o exercito
nSo estava 8 disposigao de Mr. Julio Favre ;
que poucos dias antes tivestes occasiao de
conhecer a opiniao dos commandantes de
corpos, nos quaes tinheis toda a confianga ;
que para v6s como para elles, a verdade
era eompletamente o contrario do que Mr.
Julio Favre tinha ju^jado annunciar. Que
ha de verdade no que disse Regnier ?
Resposta*N8o me lembro bastante-dos
pormenoros da conversagSo com Mr. Re"-
gnier par a a affirmar ou negar o que elle
disse ; mas certamente lbe teria dito que
ignorava o que Mr. Julio Favre poderia ter
MulilMO I
sou a vinda dos francezes 8 Italia, e os fran-
cezes vi;ram. Que significa va isso ? Todos
os homene de es.ado conheciam a impacien-
oia ambieiesa e o caracter aventureiro de
Carlq6 VIII ; isso nao era-uma prophecia,
mas sim uma deducgao acertada, e o reve-
rendo fez passar por uma prophecia o que
era apenas uma previsao necessaria ; pre-
disse a queda dos Medicis: a tal extrerao
baviam cbegado a sua corrupgSo e a sua ty-
rannia, que era impossivel deixarem de ca-
bir, despenhados pelos seus excessos, desde o
eume da sua dictadura insupportavel ; po-
rem a plebe ignorante, vendo cumpridos os
seus vatieioios, que eram comrauns a todos
os homens de estado, considerou-opropbe-
ta. E' essa a sua fon,a, a forga de que. im-
prudentemente abusa. Uma de duas : ou
est8 louco, e a sua Ioucura o perde fazendo
quesejulgue um predest nado divino ; ou
estdcegoVe essa funesta cegueira, produ-
zindo as desgragas da republica, o eayolverd
n'ellas destruindo-o. Desperte ; sa 6" ver-
dadeiramente caritativo e humilde, retrate-
se, deixe de allucinar a multidao credula ;
se o que pratica e s6 um meio para lograr
a sua ambicao, levante-se, fira, accommet-
ta em quanto tem forgas, porque essas forgas
vSo escapando-se-lhe das mSos. Emquanto
a mim, frei Jeronymo, julgo-o um ambicio-
so, que como todos os ambiciosos, tem o
seu.pequeno quinhSo de Ioucura ; 6\im
grande homem, ninguem o pode negar, e se
o nSo fosse nao teria chegado a fazer o que
tem feito. Por ultimo : eu nao vim ve-lo
unicamente para lhe pregar ura sermfio ;
necessito auxilio e aaxilio forte; em tro-
ca servi-lo-hei. 0 queo padren5o se atre-
ve a fazer, fa-lo-hei eu. vigiarei osseus ini-
migos, *accornmelte-los-hei surdamente, en-
roscar-me-hei na scmbra, mas para" isso
preciso protec$8o c dinheiro. Occulte-me,
CiBin
avangado ; que tambem n8o podia conhecer
o que se pasaava em Metz, por isso que nao
tinhamos relagoes officiaes uns com os ou-
tros ; que o exercito era primeiro que tudo
o exercito da Franga, ligado 8 dynastia im-
perial pjr um juramento.
Pergunta.Rigiior accrescenta isto :
que resulta das vossas palavras que com-
prehendieis muito bera, que o exercito em
frente de Metz devia entrar em todas as
combinagoes futuras, quaesquer que fos-
sem ; mas para entrar nellas era necessario
primeiramente que existisse; que, por pou-
co que se esperasse, paralisado como estava
entao, pela forga das cousas, n8o tinha des-
gragadamente deixando de existir ; que ten-
do entao entrado em detalhes da situagSo do
exercito, debaixo do ponto de vista dos vi-
veres, lbe havieis declarado poder difficil-
mente esperar o dia 18 de outubro; que
era preciso pois, se quizesse aproveitar-se o
exercito de Metz, operar aates daquella
epoca. Reconhecois o que ha de verdade
no que elle disse?
Resposta.Nao admjtte essa declaragao
em term os tao explicitos. Jd anterior men-
te tragou a posigao que o exercito tinha a
desempenhar para chegar 3 paz, e quanto
aos pormenores dados por Mr. Regnier a
respeito do exercito, nio disse cousa alguma
semelhante, e era-lhe difficil indicar cifras
ex a etas.
Pergunla.Vejo que neste depoimento,
do qual apenas vos dei um resumo, entrou
nos seguintes detaihes : e marechal fez-me
conhecer que ja tinha diminuido a ragio de
p8o ; quese ia, por medida de prudencia,
reduzir mais dentro em alguns dias; que
aos cavallos faltavam forragens, que se es-
tava reduzido a empregar came de cavallos
nos agougues ; quo nestas condigoes, e ten-
do era conta a necessidade de levar quatro
a cinco dias de viveres para o exercito, e
de conservar um certo numero de cavallos
era estado de servir, e alguns provimentos,
haveria uma grande difficuldade em chegar
a 18 de outubro.
D'onde i que Regnier tirou estas infor-
coes que estao de accordo com os factos T
Resposta.N8o entrei em nenhuns por-
menores a este respeito com o Sr. Regnier.
Pergunla. Regnier continuou a sua
narragao assim : Julguei dever fazer-lhe
observar que elle comprehendia melhor que
eu, que era necessario aprcssar-se em apro-
veitar o desejo que o inimigo tinba de tra-
tar ; qua na sua opiniao, seria possivel que
a capitulagao do exercito de Metz pedesse
servir para obter condigoes mais vantajosas
debaixo do ponto de vista politico ; que es-
sas condigoes, quaequer que ellas fossem,
seriam, debaixo do ponto de vista do exercito,
menos desvantajosas do que se poderia ob-
ter mais tarde; que era necessario pois
apressar-se era aproveitar a ignorancia em
que o inimigo estava a respeito dos seus re-
cursos. Que ha de verdade nisto que elle
disse?
Resposta.NSo tenho conhecimento des-
ta observ8g3o, e nSo a julgo menos funda-
da, por isso que era par via de um dos offi-
ciaes generaes junto da imperatriz que pode-
ria ser habilitado a entrar em negocia-
goes.
Pergunla.A accessJo do exercito de Metz
era a base de toda a negociag8o; so v6s
podeis fallir em seu nome, era muito natu-
ral que Regnier procurasse ganbar o vosso
assentimento, Regnier accrescenta que Ihe
ha veis respondido que toda a deraora seria
desvantajosa, e que, na posigao era que vos
vieis desesperada, assegurarieis um tratado
que permittisse ao exercito de Metz retirar-
se para um ponto neutralisado do territorio
francez, que o autorisasse a sahir do seu
campo com as honras militares, com con-
digao de nao toraar' a servir-se das suas
armas contra os allemaes, emquanto durassc-
a guerra ; a praga de Metz ficaria porem
f6ra das convengfes. E' verdade que haveis
feito estas declaragoes?
Resposta.Refiro-me 8 resposta que j8
dei a este respeite. Regnier deu-Ibe um
descnvolvimento que, quanto a mim, 6
completamente inexacto no que diz respeito
3 neutralisagdo, e a condigao de n8o com-
bater os exercitos allemSes. Nunca teriamos
consentido em ura accordo que tivesse divi-
dido a defeza national.
Pergunla.0 depoiraento de Regnier
eonclue assim : Apresentei uma vista de
Hastings pela parte de traz da qual o prin-
cipe imperial tinba posto a sua assignatura,
e pedio-lhe quese dignasse juutar-lhe a sua,
afim de que se podesse, mostrando-a a Mr.
de Bismark, provar que tinha o seu assenti-
mento. 0 marechal coocordou na assig-
natura pedida- Estes factos sSo exae-
tos r
Resposta.Nao tinha photograpbia, e
pedio-me entao para assignar ao lado da
assignatura de principe imperial, o que eu
fiz sem pensamento reservauo.
[ Continuar-se?k+.)
de-me ouro, e farei tanto que me considere
um dos seus melhores amigos.
Creio que terminou, Sr. Pedro de
Napoles, disse Savonarola ; ouga agora a
minha ultima palavra. Perdoo-lhe as inju-
ries que me prodigalisou, o juizo abomhia-
vel que focraou de mim, perdoo-lhe de todo
o meu corag8o ; alem d'isso o meu encargo
e espiritual e nSomundano. 0 senhor esta
carregado de crimes e e presa de satanaz ;
nao o denunciarei, limitar-me-hei a rogar
por si ao Senhor ; siga-me.
Savonarola sabio da capella obsoura, e,
a luz da lampada do Santissimo, que ardia
diante do altar-mo-r, deixou ter a sua figura
rigida e severa, atravessando lentamente o
templo em direcgao 8 porta da sacristia.
Pedro de Napoles soguia-o, raurmurao-
do :
Este homem 6 incoraprehensivel ; e"
ura louco, um santo, ou um demonio ; ve-
remos o que devo fazer.
Atravessando a sacristia e o claustro,
levou Savonarola Pedro de R apoles, ao mes-
mo postigo por onde havia entrado no con--
vento
A porta abrio-se e elle diiie.a Pedro de
Napoles :
Saia e arrependa-se.
Pedro sabio e o postigo fechou-se.
A noite tornara-se muito escur e con-
tinuava chovendo.
Pedro seguio pela rua del Maglie ate* i
praga de S. Marcos, alcangou o vestibulo de
igreja, poz-se a coberto da chuva em um
dos vaos do portico e esperou.
(Contimar-sc-ha.)

i
t
V
\
TYP.DO DL\RIO.-RUA DUQUE PE CAXlaS.
m*
M