Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20015

Full Text
ANNO XL1X. MJMERO 293
- --

PARA A CAPITAL E LUQARG8 ONDE NlO 8E PAG A PORTE.
Por tres mows adiautados................ 6)9000
Porsei* ditos idem..................129000
Por urn anno.idem. .'....... ........949000
( Cada numero avulso.................. 5J320
V
___ .el.'
SEGUNDA FEIRA 22 DE DEJ^MBRO DE 187?
PARA RE.HTRO E FORA DA PROVINCIAL
Por tres raezes adianUdos. "...-...... .
Por seis ditos idem .-..............
Por nove ditos idem..............
Por urn anno" idem................
69750
139500
209250
279000
DIARIO DE PEMAMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA A FILHOS.
0. Sn. Gerardo Antonio Alves* Filhos,no Para; Gon5aJves 4 Pinto, no MaranhJo; Joaquim Jose de Oliveira & Filho, no Ceara; Antonio de Leruu. Brag., no Aracatj ; Joio *ri. Jnlio Chaves, no Assd; Antonio Marques da On, no HaUl j Jcti Jut
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da Penha; Be)armino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; tomingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar datfAlagOas; Alves & C., na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no RioJde Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia.
BXPIOIENTE D3 DIA 3 DE OCTCBHO D3 1873.
1.' se<'^ao.
Offleios
ca da 1* cadeira da freguezia de Santo Antonio,
Anna Monteira de Lima Rego Valeria, para exa-
minar em trabalhos de agulha na verificacao de
capacidade profissional, a que se esta procedendo
perante essa directoria.
Caso, porem, nao possa comparecer aquella pro-
fessora, fica V. S. autorisado a chamar para tal lira
a da 4." cadeira da raesma freguezia Amelia Augusta
de Moraes Quintal, ou a da 5" de S. Frei Pedro
nu7-ARe8Sobafo T^'A t\ ^m** Florentina de Goes Cava.caaU,
X.' ^ Jl".. Ao mesmo.Con v--m que essa directoria in-
diqueas vantagens dos moveis a que se refere o
.setembro ultimo sob n. 960, dizendo que o reque
riraento e papeis de que trata, relalivos ao solda-
do do 2.* batalhao da infantaria, Antonio Cordeiro
dos Santos, foram davol/iJas a esse commando
de arrays com o offi'.ia da presidencia de 25 de fe-
vereiro de 1864; conforme resa o Gaal dj ei-
lado offlcio.
Ao inspector do arsenal de marinha.Re-
preientanio-me o brigadeiro commandante das
arraa3 era offlcio de 30 de seterabro proximo Cn-
do, nao ter ainda esse arsenal mandado collocar
no forte d > Buraco, conforme determinei em offl-
cio de 20 de raarco ultimo, novo mastro para a
bandeira em substituicaoido qua alH exislis e que-
brou-se, recommendo a V. S. que active a execu-
C-io desse servico.
Ao rnesra >. D.:ferindo o requerimento de
Maria Felippa, sobre que versa a sua inferraacao
do I.* no corrente sob n. 73i, auloriso V.S. a
rnandar desligar da comianhia de aprendizes raa-
rinheiros o menor Antonio Francisco, filho da
supplicante, internnisanJ > esta previamente a fa-
y.enda da despeza feita com o referido menor, pro-
vsniente de manutencao, soldo e fardamento.
2.' seccao.
Actts :
0 presidente da provincia resolve julgar de
ueuhura rffeit) a portaria de 5 da jullw ultimo,
que desigaou o capitao da 3 compaohia, lose
Cordeiro dos Santos, para exercer as funcoas de
major no balalhlo n. 57 da guarda nacionai da
municipio de Panellas, visto nao estar elle orga-
nisado.
0 presidente da provincia, atlondendo a pro-
posta do commandante intenno do 9.* batalhao de
infantaria da guarda nacionai do munici -io de
Olinda, e informacao do respectivo commandante
superior em offlcio de 29 do corrente, resolve
traniferir diversos officials de ttmas para outras
companhias, pela maneira seguinte :
1.* compaohia. Capitao, o da 4.* compaahia,
Manoel Igna-rio da Silva Braga.
2.' companhia.Capitao, o da 5.*, Joaquim Ra-
Cello Pessoa de Brito.
3.* companhia. -Alferes o da 6.", Ildefonso da
Brito da Cunha Souto-Maior.
Teneate, o da 8.*, Francisco Joaquim Antunes
4.* sompanma.Cipitio, o da 7.*, Cbristovaa Pe-
reira Pinto.
5.' companhia. -Capitao, o da 2', Jose" Joaquim
de Lima.
6.' companhia. Alferes, o da 3.', Francisco
Ludgero Nunes Vianna.
7.* companhia,Capitao, o da I.*, Joae Francis-
co da Lapa.
B.'jarapanAia.-CapittOjO da 3.", Manoel Alcaa-
tilado Torres.
Offleios :
Ao Dr. chefe de policia.Remetta V. S. a com-
missis composta dos juizes de direito e municipal
dacomarc- de Goyanna e lo major Jose" Cesar de-
Albuquerque, que acabo-de nomear para encarre-
gar-se da distribui^ao de socoorros aos indigentes
alii atacados de variola, a carteira homeopathica
u os tubos com pus vacciiico, que determinei ao
inspector da saude publica e commissario vacci-
nador lheenviassem com esse destiao.
Ao me;nio. Nesta data determino ao Dr.
commissario vaceinador provincial que, sem per
da de tempo, remetta au medico da casa de de-
tso^o algnns tobos d^ pus vaccinico, como soli-
citou V. S. em oflacio de 2 do corrente sob n. 1718,
que assim fica respondido.
3' sicgao.
Officios :
Ao inspector da thesouraria do fazenda.
Expeca V. S. ordem a coilectoria de Goyanna
para entregar a eonmiissao composta dos juizes
da direito e municipal daquclla comarca e do ma
jor Jose Cesar de Albuquerque, a quantia de
200J, allm de ser applicada as dietas com oj in-
Jigentes alii atacados da variola.
Ao mesmo. A' vista da inclusa conta, que
ma foi remeitida pelo inspector da sadde publica
com offlcio de hontem, mande V. S. pagar a Au-
, isto Caors a quantia da 864, em que importa-
ram os medicamentos homeopatbicos destinados
ao tratamento dos ind%n!es accommettidos da
variola na villa do Cabo.
Ao inspector da thesouraria provincial.
F.xpeca V. S. suas ordeiis no sentido de serem
(.agos a Joaquim Lnii Vieira, a vista do incluso
pret que me foi remettido pelo commandante su-
perior de Agua Preta, torn offlcio de 16 de setem-
fcro preterito, os veneimeatoe do destacamento da
guarda nacionai existente sa villa de Barreiros,
'<< nceraentes ao mez de agosto ultimo.
Ao mesmo.A ClaMino da Silva Rego man-
de V. 8. pagar, a vista da conta junta em dupli
rata, a quantia de 5i#997, proveaiente do alu-
guel da casa que no tarmo de Floresta serve de
cadeia, a contar do i.* de marcp a 9 de agosto
desle anno ; conforme selieitou o Dr. chefa de
policia em offlcio de 30 de setembro ultimo sob
a. 1698.
Ao mesmo.Tende nesta data approvado o
augmento de despeza na importancia do.........
10:0154242 oom as obras do theatro de Santa Isa-
bel, assim o eommunko a V. S. para sen conheci-
mento.
4* MCfM.
Aeto :
0 pres>dente da provincia, attendendo ao que
expot o Dr. inspector da saude publica, relativa-
inente ao desenvoivrmealo da variola por toda
e6ta cidade, devido sem duvida a falta de vaccina-
^ao de granda parte de sua populacao, e no Intuito
de facililar tao poderoso->reservativo, resolve no-
mear os Bra. e tidadeee abaixo dedarados para
se encarregarem desse sk^o^j em suas respecti-
ve freguezii.s :
S. Frei Pedro GoDcaryas.Dr. Americo Vespu-
cio Moreira de Almekla.
Santo Anlonio. Dr. Ignacio Aleibiadea Vei-
loso.
S. Jose.- Dr. Franeisco de Paula Soares.
Boi-Vista.Dr. SiWo Tarquinio Villas-Boas.
Nossa Senhora da firaja da Capunga.Profes-
sor publieo Angeloda Cosu Mello Rosal.
Poco da PaoeHa. Capitao '
Accioli Lins.
Afegados.-Dr. Miguel Joaqmm de Castro Mas-
carenhaa.
0 prenideat* da provincia resolve nomaar
uma eommisaao comoos'.s dos juizes de direito e
municipal ca ci:i-:a Coyanna p do major
Jos6 C^sar lit Abrcu, para eaearregar-se da dis-
tribuicao de sorcorros aus ludigcntes atacados da
variola na riHpectiva cidade*para cujo lira ficam
tomadaa as providfnrias necessarian.
(> pre? ideate da provincia, atteodendo -ao
qne rettnereu Maria Augusta da Silvelra, profes-
sora pibtica uMmameate nomeada para a cadei
ra Qe primetrae lettras da villa de P^trolraa, re-
solve proroffar por dons mezes o praso qne Ibe
foi mareado pela directoria da iastrac(ao publi-
ca para entrar no exercicpj da mesma caAira.
Oflklos:
Ao Dr. director geral interino da instruccao
publie*.A" rwta do one expoz V. S. em offlcio
Antonio da Rocha
da hontem mh n. 301^ desiguo a pro!e?cra pcMi. tivo orjaniento
seu offlcio de 2i do mez QnJo sob "n. 290, o p'reco
porque podem ser comprados. a quantidade etc, a
fiir. de poder esta presidencia autorisar a despeza
afazer-se com a acqusicaodelles.
Ao inspector da saude publica.Em resposta
ao offlcio de V. S. de 26 de seterabro Undo, tonho
a dizer Ihe quo nesta data foram nomeados os
doutores e cidadios abauo deelarados para encar
regarem se da vaccinajao nas respectivas fregue
zias. -Concedo a V. S., a autorisaclo solicitada no
mesmo offlcio para nomear vaccinadores gratuitos
para o interior, a quem for proposto pelas caraaras
raunicipaes e pelos juizes de direito ou raostrar-se
habilitado perante ossa reparticio : S. Frei Pedro
Goncalves, Dr. Americo Vespucio Moreira da Al-
meida ; Santo Antonio, Dr. Ignanio Alcibiailes Vel-
loso; S. Jos6, Dr. Francisco de Paula Soares ; Boa-
Vista. Dr. Silvio Tarquinio Villas Boas ; Afogados,
Dr. Miguel Joaquim de Castro Ma-careBhas; Nossa
Seahora da Gra^a da Capuoga, professor publieo
Angelo da Costa Mello Rosal; Poco da Panella,
capitao Antonio da Rocha Accioly Lins.
- Ao mesmo. Faca V. S. preparar com a
maior presteza uma carteira homeoo-thica, e re-
metta ao Dr. chefe de policia com destino a cidade
de Goyanna, onle esta grassando a vari la com in-
tensidade.
Ao commissario vaccin tdor provincial.Ten-
do nesta data ooraeado os doutores e cidadaos
abaixo deelarados para se encarregarem em suas
respectivas freguezias do servico da vaccina, no in-
tuit > da facilitar a todo< tio poderoso preservativo,
assim o communico a Vmc. para seu conheciinen-
to e afim de que forneca :om presteza o pus vac-
cinico que for por el!es requisitado : S. Frei Pedro
Gunc.alves, Dr. Americo Vespucio Moreira de Al-
meida ; Santo Antonio, Dr. Ignacio Mcibiades Vel-
loso; S. Jose", Dr. Francisco de Paula Soares; Boa-
Vista, Dr. Silvio Tarquinio Villas Boas; Afogadis,
Dr Miguel Joaquim de Castro Mascarenhas; Nossa
Senhora da Graca da Capuoga, professor publieo
Angelo da Costa Mello Rosal; Poco da Panella, ca-
pitao Antonio da Rocha Accioly Lins.
Ao mesmo. Remetta Vmc. com urgencia ao
Dr. chef" de policia lympha vaccinica da melhor
qualidade, com destino a cidale de Goyanna onde
esta grassando a variola com intensidade. Recom
mendo-lhe o maior cuidado na extrac;ao do pds
vaccinico para que nao tenha resultado negativo a
"ua applicacao, pois se diz geralraenle que o re-
T.ettido por essa reparticao nao tern efflcacia.
Ao mesmo.Remetta Vmc, sem perda de
tempo, a > medico da casa de detencAo alguns tubos
com lympha vaccinica.
Ao major Joio C-zar de Albuquerque. -Ten-
do nesta data noraeado uma coinmis-ao composta
de V. S. e dos juizes de direito e municipal dessa
comarca para enearregar-se de distribnir soccor-
ros aos indigentes atacados da variola, assira Ih'o
communico, esperanao do seu zelu e patriotismo nao
>e recusaraa essa hnraanitaria incumbencia. Por
intermedio de Dr. chefe de policia sera remettida
para tal fim a raesma commissao uma carteira ho-
meopathica o tubos com pus vaccinico, estando a
coilectoria d'ahi autorisada a entregar a quantia da
duzentos mil rdis para essa applicacao.Mutatis
mutandis aos juizes de direito e municipal da co-
marca de Goyanna.
Ao Dr. Americo Vespucio Moreira de Al-
meida. Tendo por acto desta data nomeado V. S.
para encarregar-se da vaccinacao nessa freguezia,
attento o grande desenvelvimento que vai to-
mando a variola nesta cidade; assim o communico
a V. S., esperanao do seu patriotismo c lelo pelo
servico publieo nlo se recusara ao deserapenho
desta humanitaria incumbencia.- Ficam dadas as
precisas ordens ao commissario vaceinador para
fornecer o pus vaccinico que para tal fim for por
V. S. requisitado. Iguaes ao Dr. Ignacio Alcibia-
des Velloso, Dr. Francisco de Paula Soares, Dr.
Silvio Tarquinio Villas Bdas, Dr. Miguel Joaquim
de Castro Mascarenhas, professor publieo Angelo
da Costa Mello Rosal e capitao Antonio da Rocba
Jiccioly Lins.
5: secfUo.
Acto:
0 presidente da pruviocia, attendendo ao que
requereu o tenente-coronel Pedro Pessoa de Si-
queira Campos, contractante da obra da cadeia da
villa de Flores, e tendo ouvido o engenheiro chefe
da reparticao das obras publicas em offlcio do
hontem datado sob n. 362, resolve couceder que
as portadas da dita obra sejam feitas de arueira,
com a condicao de serem revestidas de cbapas de
ferro ; fazendo-se no orcamento o abatimento
devido.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. Appro vando o angmento de despesa na
importancia de 10:0154242, com as obras do thea-
tro Santa Isabel, de que trata o seu offlcio do 10
de seterabro ultimo sobre n. 336, autoriso Vmc.
a mandar passar o competente certificado para
pagamento do arrematante das referidas obras.
BXPED IE ME DO SECRETAHIO
2' tectflo.
Offleios :
0 Exra. Sr. presidonte da provincia manda
declarer a V. S. que acaba de autorisar a thesou-
raria provincial, no sentido de ser effectuado o
pagamento da despeza, de que trata o seu offlcio
de 30 de setembro ultimo sob n. 1698.
Ao commandante superior d'Agua Preta.S.
Bxc. e Sr. presidente da provincia manda com-
munlcar a V. S. que nesta data expedio ordem a
thesouraria provincial, no sentido de serem pagos
os vencimentos d, destacamento da guarda nacio-
nai, de que trata o seu offlcio de 16 de setembro
ultimo.
Ao commandante superior interino de Ca-
ruaru. -0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S., para os devidos fins, que por
portana de boje foram nomeados para o batalhao
57 da guarda nacionai do municipio de Panellas
os officiaes conslantes da relacio junta, e julgada
sem effeito a do 5 de junho ultimo, que designou
o capitio Jose Cordeiro dos Santos para exercer
as funccoes de major do dito batalhao, visto achar-
se elle ainda em organisacao.
4' secgao
Offlcio:
Ao inspector da saude publica.S. Exc. o
Sr. presidente da provincia manda communicar a
v. S. quo expedio ordem a thesouraria de fazenda.
aftm da ser paga a Augusto Caors a quaa'.ta de
que trata o seu offlcio da bontom datado.
6.' seefdo.
Offlcio:
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S., para seu conhecimento e
em resposta ao seu offlcio de hontem datado sob
a. 362, que por acto desta data resolveu conceder
que as portadas da obra da cadeia da villa de Flo-
res, de que 6 contractante o tenente coronel Pedro
Pessoa de Slqueira Campos, fessem feitas de aru-
eira,'com a coudicao de serem revestidas de cha*
pas de ferro; fazendo-se o devido abate no respec-
DESPACHOS DA PHESIDEX U V Dl DIA 19 DE DIZEM8R0
DE 1873.
Antonio Games Senra o Maaocl Rodrigues do
Nascimento.Concedo, com a condigao de regres-
sarem no vapor immediato ao que tem de seguir era
Janeiro prox mo vindonro.
Bacharel Antonio Paulino Cavalcante de Albu-
querque.Passe portaria concedando a licenca pe-
dida.
Padre Andre Curcino de Araujo Pereira.Defe-
rido com offlcio desti data, dirigido a thesouraria
de fazenda.
Antonio Correia de VaseoncellosInforme o Sr
inspector da thesouraria de fazendi.
Carolina Francisca de Jesus.=lnforme o Sr. Dr.
chefe de policia.
Companhia Franceza de paquetes a vapor Mes-
sageiries Maritimes. -Indefiro o que re juer a sup-
plicante, porque esta presidencia nao tem attribui-
cao para autorisar pagamentos que nao estejam
previamente decretados pela lei do orcamento pro
vincial, senao como porque, involvendo a qiiestao
especies ou controversias gravissimas ede alta in
dagacao, n io pole ser dicedida adrainistrativamen-
te, e sira pelo poder judiciario do paiz, unico com-
petente, a quem a supplicante devera recorrer.
Joaquim Pereira da Silva. Eucaminhe-se.
Joaquim Gomes Ferraz. Informe o Sr. capitao
do porto.
Joajnira Ramos da Silva Moreira.Passe porta-
ria concedendo a licenca pedida.
JasC Crispiniano Rodrigues Coelho Brandao.
Informe o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jose Francisco Maraede de Almeida. Certifique.
Jose Antonio Guedes da Trindade.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Joaquina Alves de Almeida. Opportunamente
sera restituido.
Bacnarel Jose" Baptista Gitirana. Deferido com
offlcio desta data a thesouraria de fazenda.
Luiz Jose Correia de Sa. Sejam fornecidos.
Luiza Maria da Conceicao. Indeferido.
Bacharel Miguel Goncalves Lima.Como requer
Maria Isabel Lins. Informe o Sr. inspector da
thesouraria provincial.
Manoel J>se Martins.-Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
Uballioa Afra da Cmceicao Vieira de Mello.
Passe portana concedendo a licenca requerida
c omarcas : do Inga, bacharel Anezio Augusto de
Carvalho Serrano; e de Pattos, bacharel venancio
Augusto de Magalhaes Neiva.
Grassava na capitil, cam intensidale, a
variola.
Terminou na thesouraria provincial a arre-
matacao dos iinpostos das carnes da consnmo e do
gado vaccura e cavalhr sahido para fora da pro-
vincia e pedagio das pontes, relativaraente ao ex-
ercicio de 1874, cujo resultado foi o seguinte :
Imposto do gado sahido para fora da pro-
vincia.
JOse da Costa de Medeiros 33:1024000
Imposto das earnes de consumo.
Capital-Jose de Oliveira Diniz 6:9004000
Pilar -Nilo Jos6 de Carvalho 2:530*000
lBga-0 mesmo 1:0304000
ilagoa-Nova -0 raasrao 7014000
Pedras de FogoManoel Vicento Bap-
tista de Carvalho 1:0O7400O
Alhandra e Jacoca 0 raesmo 1164000
Mamanguape Nicolao Jose* de Carva-
lho Brito 2:5904000
Bananeiras0 raesmo 2:31940x0
Luite" -0 mesmo 2154000
seguintes igrejas da cidade de Olinda :
Coimnunilo das armas.
CARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERNAMBUCO, EM 20 DE DEZEMRRO DE
1873.
Ordem do dia n. 181.
Havendo 0 ministeno da guerra por avi-
so de 9, a que se referio a presidencia desta
provincia, em officio de 19 tudo ao cor-
rente, approvando a proposta que fez 0
brigadeiro commandante das armas, do Sr.
tenente bonorario do exercito Frederico
Augusto Velloso da Silveira, para comman-
dante do forte de P4o Amarello ; 0 mesmo
brigaleiro assim faz publieo para conheoi-
mento da guarnir^io, e determina que o
referido Sr. tenente eutre quanto antes no
exercici.. do seu emprego, Gcando desligado
do deposito de recrutas ao qual seri addido
0 Sr. tenente tambera honorario Joao Deo-
clecio da Silva Paula, que entregard ao seu
successor o commando do sobredito forte,
com as formalidades da lei.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
Lins. ,
Conforme.0 major, Jose B. dos Santos Mer-
julkao, ajudante de ordens encarregado do de-
laltte.
Independent-Firmino Aires Pequeni 2:5094 XM)
Areia-0 mesmo 2:90U00J
S. Joao0 mesmo 3514000
Cajaieiras0 mesmo 1:3014000
Pates -Sal vino Ji)3e de Figueiredo 1:0014000
Louza-0 mesmo 1:0014000
Pianco -Dr. Francisco de Paula e Sil-
va. Primo 5504000
Campina Grande -Alexandrino Caval-
cante de Albuquerque 1:8124030
Pombal Domiciano Lucas de Sauza
Rangel 6024030
Catole" do RochaLaurentino Ferreira
Maia 9O0.S0O0
Pedagio das pontes.
Saahana Francisco Antonio de
Barros 4:0014003
Batalha -Claudino do Rego Barros 1:05140OO
Gramarao Domiciano Lucas de Sau-
za Rangel 33SO00
68:5434000
fbttMAMBUOa
Re|*ar(i i.' seccao. Secretaria da policia de Peruambuco,
20 de dezembro de 1873.
N 2065.Illra. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a casa de delencao
os individuos seguintes :
A' minha ordem, Sebastiao Jose de Salles e Fran-
cisco Jos6 Florencio, vindos do termo do Bonito,
como pronunciados; Maria Isabel da Conceicao,
presa em flagrante por crime de ferimentos e Mar-
colino, escravo de Henrique Gybson, por andar
fugido.
A* ordem do subdelegado da Recife, Maria, es
crava de Alexandre Rodrigues dos Anjos, a reque -
rimento deste.
A' ordem do do 1* districto de S. Jose, Joaana,
escrava de Antonio Goncalves dos Santos, a re-
querimento deste.
Deus guarde a V. Exc Illra. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, dignissi-
mo presidente da provincia.0 chefe de policia,
Antonio Francisco Corrtia de Araujo.
DI RIO DE PERN \MBUW
RECIFE, 22 DE DEZEMBRO DE 1873.
!%"oticis do norte da iatperia.
Araanheceu hontem em nosso porto 0 vaoor bra-
sileiro Ipojuca, trazendo datas : da Ceara 17, do
Rio Grande 17, e da Parabyba 20 do corrente.
Eis 0 que colliemos dos jornaes:
CBARA.
Nada occorreu, que mereca mencao.
RIO GRANDE.
No dia 13 do corrente procedeu-se 4 eleicSo
de veraadores da caraara municipal da capital.
0 tenente coronel Jose* Bernardo de Medeiros
offereceu a terca parte de 5704, porquanto arre-
matou a taxa da carne das freguezias do Assd,
Santa Anna do Mattos, e Angicos, para sar appli-
cada a construccio do ediQcios para escolas pu-
blicas.
Foram nomeados promotores publicas das
comarcas : do Jardim, bacharel Avelino Ildefonso
de Oliveira Azevedo; e de Pao dos Ferros, bacha-
rel Adelino da Silva Pinto.
Lemos no Conservator.
No dia 11 de novembro ultimo Jose Keliz de
Figueiredo Maciel, morador na cidade do Assd, li-
zera uns feriraentos no official de justica Joao Pe-
reira Lima, por occasiao de ir effectuar uma prisao
de ordem do respectivo subdelegado em casa do
mesmo Jose Felix. Proeedeu-se a corpo de delicto
e a inquerito policial, que tiverarc 0 destino da lei.
Consta que 0 criminoso fora preso em flagrante
delicto.
t No dia 20 do mesmo mez foi capturado pelo
delegado de policia do termo de Mossoro o indivi-
duo de nome Antonio Joae Soares, como criminoso
de morte no termo de Canguaretama.
PARAIIYBA
Foi sanceiomdo e pnblieado fmo lei da pro-
vincia 0 seguinte projecto da assombiea respectiva:
Art. 1.* Fica approvada a clausula i.' do arL
l.# do eontrato celebrado pelo governo da provin-
cia com as coacessionarios da estrada de ferro
Conde i'Eu, para a garantia de juros, nos termos
da lei a. 459 de 22 de junho de 1872, com a decla
racao de que a conservacao da estrada, a que sao
obrigados os concessionarios, ou quem os repre-
sents, se limitara a extensSo effectivamente occu-
pada pelos trilhos.
Acnava-se no exercicio intarino de chefe de
policia 0 Sr. Dr. Francisco Jovita Cavalcante de
Albuquerque, juiz de direito do Pianco.
Farara nomeados promotores puMicos das
REVISTA DIARIA.
Jurj do Recife.Tendo comparecido no
sabbado numero sufficients de juizes de facto, foi
convidado 0 Exm. Sr. desembargador Affonso Ar-
thur de Almeida e Albuquerque para assumir a
presidencia do tribunal.
Coraparecendo e assuraindo a presidencia, 0
Exm. Sr. desembargador dissolveu a sessao por
terra os sorteios para composicao do tribunal sido
(eitos pelo Dr. juiz substitute, quando deviam se*
lo pelo jniz de direito respectivo.
Seminaries de Olinda. -Informam-nos
que foi, a seu pedido, exoneraio de reitordo gran-
de semtnario da Oiinda, o Exm. Itvra. monsenhor
Dr. Gragorio Lipparuni ; e quo foram nomeados
para esse cargo 0 Rvm. Sr. Augusto Franklin Mo
reira da Silva, e para reitor do pequeno semintrio
naquella cidade 0 Rvm. Sebastiao JosC de Me-
deiros.
Faeuldnde de direito. -Coraeca no dia
27 do corrente a iuscripcSo para os exames de
sciencias, e termina a 17 de Janeiro proximo, de
accordo com 0 aviso do ministerio do imperio de
27 de setembro de 1872.
Tribunal do commercio. Acha-se
marcado 0 dia 14 de Janeiro proximo para aelei-
cao de um deputado do tribunal do commercio,
em substituicao do Sr. Candido Casimiro Guedes
Alcoforado, que pedio 0 obteve sua exoneraclo.
Navio de guerra.Chegou hontem pela
manha, procedonte do Rio de Janeiro pela Bahia,
a corveta brasileira Vital de Oliveira, commanda-
da pelo Sr. capitao de fragata Piquet, a qual deve
seguir dantro em poucos dias para 0 Para, afim de
proceder a sonlagem do mar entro 0 porto de Be-
lem e 0 do S. Thomaz, indispensavel para a collo-
cacao do flo telegraphico
TelegranimadeMaoeio.Chegou hon-
tem a esse porto 0 vapor Penedo, da companhia
Bahiana, procedente da Bahia pelas respectivas es-
callas.
Por urn outro recebido as 10 horas da ma-
nha sabe-se haver fundeado tambem 0 vapor Cru-
zeiro do sul.
Cbapas amerlcanas.Sao bem presti-
mosas e uteis, portanto, as que tem a venda, por
comraodo prejo, 0 Sr. P. Lauro Macphirsom, para
marcar em panno ou papel 0 nome ou qualquer
indicacAo quo se deseje ; bem como argolas para
chaves. Recomraendamos a leitura do annuncio,
sob aquelle titulo, publicado no lugar competente,
onde vao detalhadaraeote expostas as qualidades
apreciaveis de taes objectos.
Propaeadora da Instruccao Po-
blicaSao convidados todos os socios residen-
tes na freguezia da Boa-Vista a comparecerem
hoje a rua da Uniao n. 23, pelas 6 horas da tarde,
afim de ter lugar a eleicao do novo conselho pa-
rochial.
Vapor Augustine. Sabio sabbado do
porto do Para para os do Maranhao e Ceara, este
vapor inglez da linba de Liverpool.
Ferias forenses. Comecam hoje as fe-
rlas forenses do Natal, quese prolongam at6 31 de
Janeiro proximo.
Protesto de letras.0 escrivao dos pro-
tests Jose Marianno, esta de semana, cartorio
na rua Bella, loja do sobrado n.^7.
Soeiedade dos Artistas Meehani-
cos e Llberaes.No dia 20 do corrente hou-
ve nesta soeiedade exames das seguintes discipli-
nes, sendo a commissao examinaddra composta do
Sr. Director interino Jose" Vicente Ferreira Barros,
e dos professores Dr. Jorge Dornellas Ribeiro Pas-
s3a, Ant)nio Basilio Ferreira Barros, Jose" Felix
d'Oliveira e Silva e Joio Ferreira Viilela : Arita-
metica, Francisco Jose" da Silva e Rodolpho Gon-
zaga de Menezos approvados com distincao; tachy-
graphia, Thomaz Cancio de Seuza Landin e Manel
Camillo Ferreira Landin, este com distinccaoo
aquelle plenamente; instruccao primaria, Braz
Garcia, approvado com distincae, Guilhermino Lou-
rencp d'Oliveira, plenamente; Manoel Jose Barbo-
sa e Manoel Egydio de Miranda, approvados.
Arrematacao provincial. Perante
a junta da thesouraria provincial vai a praca, no
dia 30 do corrente, 0 (ornecimento de aiimenta-
cio 0 dietas dos presos pobres da casa de delen-
cao, no trimestre de Janeiro a marco vindouro.
Ferro Carril de Pernambuco. Os
biihetes de passagem nos carro* desta companhia,
ainda em circulacao, s6 teem valor ate" 0 dia 3Ldo
corrente, em vista de ordem expressa do ministe-
rio da fazenda.
Camara municipal do Recife.
Esta corporacaoavisaaosSrs. medicos, cirurgides,
pharmacoutico3, droguistas, assistentes, sangrado-
res, dentistas e veterinarios, residentes no municipio
do Recife, que, em vista do artigo 8 do codign de
posturas, approvado no corrente aano pela asaera-
blea provincial, devem remetter a respecliva se-
cretaria, de 1 a 8 de Janeiro proximo, uma decla-
racao do nome, naturalidade, profissao e morada
de cada am, a&m de ter organisada a lista geral
deasas classes e publicada pela imprensa.
Cidade de Olinda. Na noite de 24 do
corrente, haverio missas, pelo anniversario do
nascimento de Nosso Seunor Jesus Christo, nas
nano
matriz
phas de Santa Tner'eza.
Depois de meia noite : Boa Hora ; Amparo ; S.
Sebastiao ; S. Joao; Nossa Senhora do Bom Suc-
cesso ; Milagres ; Guadalupe ; Misericordia ; Rosa-
rio; e Carmo.
Para dar comraoda passagem aqttellas pessoas
que desejarera ir ouvir raissa em Olinda, 3 geren-
cia da companhia de trilhos urbanos, segundo nos
consta, expedira trens erdinarios dc meia em meia
hora desde 6 horas da tarde ate as 6 da manha
de 25.
O homem cao.Estao agora em Paris em
exposicao dous mostrengos rarissimos : pai de 55
annos e.um filho de 3 annas, segundo refere 0
Jornal do Commercio.
, Mr. Roulin apresentou a academia urn relatorio
sobrea visita que fizera aAndrian Jeftichjew, que
neste momenta attrahe as attoncoes dos parisieo-
ses, ao qual um grande distico collocada na casa
em que so mostram, chama : 0 homem cao. Nao
tem cabello, nem barba, nem bigodes, mas toda a
faee e 0 craneo e a parte posterior do pescoee
desse curioso sujeito, esconde-se dobaixo de abun
dancia extraordinaria de pello raonstruoso, que at
tinge a jesta, 0 nariz e as faces, tendo a mesma
dispo-ii;ao e produzindo ao tacto 0 mesmo effeito
que a guedelha de um cao da Terra Nova.
Este mostrengo nasceu em Kostromi, nas cer-
canias de Moscow. A sua e datura 6 a ordinaria,
a intelligencia e" cum. As particularidade; da ros-
to nao se podem ob.-ervar e ainda raenos descre-
ver. 0 rosto nio tem saliencia; os olhos pauco
abertos e escuros, ligeiramente alongados, pare
cendo estarera affeclados de doen^a. 0 pesco^o e
curto e forte, os longos pellos nao rSo alera da sua
base.
0 resto do corpo, bem coma os braces e as p,!r-
nas sao robnstos, nao offerecendo nada de notivel
quanta ao ystema capilar quo par toda a parte
parece substituldo por pellos sedosos.
0 menino de tres annos .pie 0 acompanha da
lugar a crer que d com effeito seu filho, pois 0
caso de hereditariedade immediata, como se ex-
pressa Mr. Roulin no seu relatorio. se le" na phy-
sionoraia do pequeno e em todo 0 seu conjuncto.
A cara deste ainda nao esta tao coherta de longos
pellos como a do sen nor seu pai, mas ja nao e*ta
mal servido, coma se deprehende da citada narra-
0o e se observa no retrat) que delle traz a Illus-
tration.
0pequeno tem aspecto mas in'elligente que 0
seu illustre progenitor. Os olhos sao tambem es-
curos e vivos, circunlados de pestanas pretas. O
pello do craneo separa-se para os lados natural-
memo, corao acontece ao mostrengo grande. En-
tre os olhos tem uma etspecie de pdpa. Ao meia
do dorso do nariz faz coroa, e a urn lado da extre-
raidade delle appare-e uma madeixasmha. Uma
especie da bigode vai prender-se com as suissas,
que sao correlias e longas. Os pellos dos bracos
sao linos corapridos e bastos. A pelle da face 6
branea como 0 6 tambem a do corpo. 0 interior
dis orelhas tanto da pai coma da filho, c tola pel-
lado.
Nos d .rates tambem aprasentam singnlaridade.
0 velho tem qaatro incisivos na queixada inferior
e ura so na superior. 0 filho tem 0 raesmo nu-
mero de denies na queixada inferior e nenuum na
superior.
0 velho tem os dantes muito denegridos porque
esta sempre a fumar.
Era quanto a genealogia do cav slheiro Andrinn
Jeftichjew esta ella per ora completaraenle co es
euro; pois que nem ao menos so sabe quem fe
ram sens pais; e da mesma fdrma esta ignorado
Jus mulher trouxo em suas enlranhss 0 menino
ediir. E' esta a sua graca.
Pretextos para u'sar bigodes. Cu-
riosa estatistic* publicada polo Evcnement.
0 meu bubeiro, um.philosopho se quizer, aca-
ba de formular a seguinte estalistica :
- Se perguntar-se, diz elle, a qual juer porque
razao usa bigodes; eis 0 que responderao os in-
terrogados .
Para nlo fazer a barba G9 pessoas
Para evitar defluxos 31 >
Para encobrir os denies 5
Para dissiraular 0 nariz 5 >
Porque se e mililar 6 i>
Porque ja se foi 654
Para tor um ar distincto 4 >
Porqu." as mulheres gostam 1,243
V-se por tal li-ta que mnguem confessa que 0
a administracio do theatro retome 0 curso das
suas operates. Ch. Gounod.
Novo apparelho telegraphico.-Foi
ultimamento inventado em Franca, pelo S.\ de Ar -
lincourt, um novo apparelho telegraphico qae
resolve praticamente 0 prublema de por a telegra-
phia electrica ao alcance de quem saiba ler, po-
dendo tambem ser transmittidos por ella autogra-
phos, debuxos, retratos e quantos desenhoa se
possam fazer a raao.
0 apparelho referido 6 como os do systema its
Morse, porem, a roda sobre a qual se enrosca o
papel-cinta, foi substituida por um pequeno cy-
lindro morel, rauito parecido com os tambores das.
machinas de impressao. Neste cylindro enrola-sa
um papel especial sobre 0 qual, com tinta prepv
rada para esse fim, se debuxa ou cscreve o que
se deseja traosmittir. Sobre 0 cylindro descaaca
um pequeno apparelho que, ao movimento coni-
passa do da machina, vai picando 0 oscriplo 00 de-
buxo, enviando a electricidade ao apparelho recep-
tor, sempre que a agulha ou ponteiro fere os con-
torno?, e pcrdendo-se a faisca electrica quando
caha sobre os brancos.
0 apparelho receptor 6 identico. porem 0 cylin-
dro acha-se rodeado de ura papel chimico onde
por seu turno, 0 apparelho vai debuxando 0 trans-
mittido, ferindo 0 papel sempre que reccbe e con-
taclo da faisca, e deixando-o passar em braneo
quando a electricidade se perde.
O ensino superior das mulheres
Le-se 0 sogniote no Morning Post :
< Os que se interessam pelo ensino superior das>
mulheres, lerao com interosse 0 relatorio annual
dos exames da Unirersidad3 de Cambridge duran-
tc 0 anna de 1873. Duzentas e vioto jovene, de
idada superior a 16 annos fizeram exama, dei-
xando de o fazer 25. E' um progresso sobre o
anno precedente, em quo se apresentaram 154 jo-
rens, das quaes fizeram exarae 132. As observa-
c3es dos examinadores mostram quanto resla ain-
da fazer para realisar 0 ideal universitario.
latim e 0 grego nao sao estudados tanto como
espeniv... As coinposicoes latinas eram bem>
tas, mas as as jovens vacillatam muito n i trad
cao de um exlracto desconhocido dc Horacio
emontraram-se em serios embararos nas alta?
ragides da grammatica. I'raa so estudou ao grogo.
havendo-se melhor na versao da que no tlu ma.
Isto nada tem que sorprehender, porque 0 proprio
examinador assim 0 esperava.
t 0 francez, 0 allemio e 0 italiano derara me-
Ihores resultados, bem como as mathematicas.
apezar de so quatro senhoras terem feito cxame
desta materia. Seis outras passarara no exame de
logics. A botanica e a zoologii fizeram fiasco.
Quanto ao desenho e a mnsica, 0 examinador de-
clarou que 0 que se podia fazer de melhor para as
discipulas era deixa las pas-ar em silencio.
< Era summa e extremamente satisfactorio ver-
se que o progresso intellectual effectua-se sent-
perJr terreno, e sem que as qualidades feraini-
nas lenliam de algnm mode enfraqucida. A cul
t ura do espirito nao faz sahir a mulher da sua es-
phera. Torua-a sira em ser mais nobre, mais sa-
bio. mHbor e mais amavel.*
Vnma ccola.Ura inspector de academia
examinava ha dias os alumnos de uma escola
de instruccao primaria n'mna povoafao de AI-
sacia :
Sabe -pergunlou 0 professor a ura dos rapa-
amor proprio tem nisso grande parte.
Consumo de papel. b'-se 0 seguinte
na Independeniia Belga:
Se so admitte que 0 consumo do papel em
qualquer paiz pode dar ura calculo aproximativo
do seu estado intellectual, a estatistica estabele-
cida pelo Or. Albinus Rudal, de Vienna, olTerece
nesse sentido um interesse particular. Segundo
0 referido Dr., um rnsso consorae, termo medio,
1 libra de papel por anno; 1 hespanhol 1 e meia
libra ; um mexicaoo e um amenc mo central, 2
libras. Era Italia e na Austria, 0 consuma indivi-
dual e de 3 e meia libras por individuo; na Ame-
rica ingleza, 5 libras e meia ; em Franca 7 libras
e meia; na Allemanha 8 libras; nos Estados-
Unidos 10 libras e V4; em Inglaterra 11 libras e
meia I
< 0 Dr. Rudal calcula que a produccac do pa-
pel em todo 0 mundo, papel de t >das as especies,
de la, de algodao, de linho, de palha, de can ha-
mo, de juta, de arroz, etc, e de cerca de 1:800
milhoes de libras. Metade deste producto 6 em-
pregado na impressao, uma sexta parte na escrip
ta e 0 terco restante em todos os nsos Pode-se
dividir 0 todo do seguinte modo :
a Para 0 governo (doenraentos officiaes) 200
milhoes de libras, para 0 ensino 180 milhoes, para
0 commercio 240 milhoes, para a industrla m.inu-
factora 180 milhoes, para a correspondent par-
ticular 100 milhoes, para a imprensa 900 milhSes.
< Para produzir os 1:800 milhoes de libras ha
3:960 fabricas, que empregam 90:000 homens e
180:000 mulheres. Alera disso, 100:000 individuos
zesqual 6 0 nome do Salvador
< Jesus -Christo.
Como morreu ?
Mataram-o.
Quem ?
1 Os prussianos n
Facil e imagiuar i
indignaeao do inspector e
0 espanto do pobre mestre. que se rio ameacado
do uma immediata demissSo. Procedendo-se po-
rem as necessariaa averigaQoes reio-sea provarz
innocencia naquelle equivoco. A crianga tinha
visto nos quadros das igrejas e nos das Vias-Sa-
cras, que os soldados romanos usavam capacetes
ponteagudos, do que candidaraente inferira que os
judetis eram prussianos.
Proclaiuas. Foram lidos na igreja do RO-
sario, que serve de matriz da freguezia de Santi>
Antonio, no domingo 21 de dezembro, os se-
guintes :
1." denunciacao.
Silverio Anisia Pinto, com Francisca Marcoluu
de Paula.
Jose Paschoal do Carvalho Rubella, com Rita Mi-
nervina dos Santos.
Joao Xavier Ribeiro de Andrade, com Maria Au
nunciada dos Passos Miranda.
Dr. Raymundo Theodorico de Castro e Silva,
com Leonor Machado e Silva.
Porfirio Mendes Martins, com Lcopoldina Vicea-
tina de Souza.
Francisco Lourengo de Goes Vaseoncellos, com
Ignez Maria Francisca de Luna.
Casemiro Pinto de Carvalho, com Josefa Eudocia.
Esmelicia dos Santos.
Jose Joaquim da Cunha Maia, com Adelaide Fe-
licissima da Porcinncula de Menezes.
2.* denunciacao.
Antonio da Cunha Torreao, com Joanna Maria
da Conceicao.
Manoel escravo, com Maria das Neves.
Antonio Samico de Lyra e Mello, com Emilia-
Eugenia do Rego Barros.
Joao Francisco Duarte Monteiro, com Ignez Ma-
ria Ceiestina,
Joaquim Conrado do Aguiar, com Anna de Al-
meida Guedes.
Antonio Pinto de Veras, com Carolina Benigna
Tesok.
Antonio Joaquim do Campor, com Maria Leo-
poldina de Albuquerque.
Silviano Moreira Cavalcante, com Paula Joa-
quina Cavalcante de Albuquerque.
Januario Claudino Machado, com Olympia Maria.
Ramos.
Benedicto Marques Vieira, com Felippa Flori -
pes de Farias Mello. .
Joao Travassos Correia da Silva, com Lncioda
Jiaria de Santa Roza.
Domingos RodrigueiXhristello, com Elvira Jo-
occupam-se na procura e compra de farrapos. s j 3eliQa da Conceicao Pocas
Estados-Unidos actualmente nao importam senao 3 ._ .v___\f~' ,. a ,mj a
I.oteria A que se aclia a venda e a
milhdes de libras, sendo a produecao local de 374
milhoes.
A lnsdustria das luvas. Refere um
jornal de Marselba, que a industria das luvas ten-
de a tomar um grande desenvolvimento naquella
cidade. Ha quinze annos apenas sa exportavara
de Marselha 400 a 500:000 pares de luvas por
anno. Em 1872 essa exportacSo e!ovou-se a
1.699:215 pares. As nacnes que mais se fornecom
de Marselha sao : EgVpto 730:065 pares, Algeria
447:310, Turquia 110:205, Italia 85:595, Russia
(Mar Negro) 60.180, Rio da Prata 54:060, Brasil
43:6 5. Hespanha 28:985.
Philantropia de Gounod. 0 dis-
tincto maestro Gounod, dirigio ha poneo, ao Fi-
garo, a seguinte carta, datada de Londres :
a Tive hoje n iticbt da destruicae da sala
Opera. Esta cala nidade ferio nao sd 0 mais beljn
tneatro do mundo, como tambem uma maltida
de empregados e de funcckmarios de toda a espe-
cie, dos quaes muitos Urao talvez sido lancados a
miseria.
c Ignoro quaes sao os pianos adoptados para
soccorrer esses infelizes. Qaaosquer qae elles se-
jam, pecolhe, Sr. redactor, que faga saber a quem
compete, que, se as provideucias tomadas nao se
oppuzerem a Usq, deseja desistir dos direitos de
autor das representacoes do Fausto na Grande
O.iera, durante um anno, a partir do dia em que
da
sahiarm 3,
80*
bcoeficio da igreja da Santa Cruz, a qual corre
no dia 23.
Casa de detencao.Movimento do dia,
19 de dezembro de 1873: .
Existiam preso*, 311, entraram 9,
existem 317.
A Nacionaes 240, mulheres 11, estfangeiroe 22,
eacravos 37, escravas 7.Total 317.
Alimentados a custa dos cofres publicos 250.
Movimento da enfermana do dia 19 de dezem-
bro de 1873.
Tiveram alta:
Francisco Antonio Goncalves cepaalaJgia.
Mauricio Bernardo Teixeirarueumatismo.
Passajreiros. Chegados do norte no va-
por nacionai Ipojnea:
Manoel de Araujo Santos, Manoel da Silva Hot-
ta, Luiz da osta Fentalo e sua farailia, Dr. Licor-
go de A. Nascimento, Jose Joaquim Dourado e i.
escravo, J. H. C. Barroca, Francisce Jose Pereira:
do Valla, Antonio Gomes Leal Junior, Henriqie
Gull, R. Necber, Jo3o Paulo de Souza, Manoel
Abreu de Macedo, Saturnino H. de Oliveira, Anto-
nio Joaquim de 0. Lisboa, Antonio Delgedo Borba,
Joaquim R. da ^ilva Santos. Manoel Maria Oiynt-
pio de S. Birges, Joao Luiz A. Ribeiro, 3 oscra-
vos e 1 criado, Florentino de Araujo Chaves; L,
:i-
i
ntain
V

-2***.,.
1
^r
*^"


.**-'
s
2
r-SKla^
3-

jtario lie Pernambuco Segunda feira 22 de Dezembro de 1BTO.
*


v

R. do ftego Barros Jose MaMjps P. Braga Fiefs
SalnsU.-viiittJpse de Oliveira 1 oafravos a emregar.'
CeMjforto iftiblleo.-Obiluario do a 18
Sattiriiina Correa de Brito, branca, Pernarhouco,
26 annos, splieira, Afogados; phtysica pulmonar.
Martimaha de tal, prota, rYrna'mbu'co, 38 antw3',
solteira, Boa-Vista ; t .berculos pulmonares.
Usque, escravo, preto, Pernambuco, 38 aanos,
solteiro, Boa-Vista; bexigas.
Maria, escrava, parda, (ignora-se a narnralidade)
30 annos, solteira, Santo Antonio; variolas.
Candida, pSrd", escravo, Pernambuco, 12 annos,
solteiro, Graca; tetano.
Maria da Concerto Fitgueira Reis, branca, (ig-
nora-se a naturalidade) 82 annos, casada, Varzea;
phtysica pulmonar.
Antonio Francisco Caetano, pardo, Rio Grande
do Norte, 29 annos solteiro, Boa-Vista, hospital
Pedro II; variola* confluentes.
Manuel Scveriano, pardo, Pernambuco, 30 an-
nos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II; va-
riolas.
Maria do Bosario, prcta, Africa, 60 annos, soUei
ra, Boa-Vista, hospital Pedro II; ci-rhosa.
Jose, pardo, (tasora-se a naturalidade) 6 mezes,
Sanio Antonio; iniero coHte.
Maria, braRca, (ignora-se a naturalidade) i an-
nos, Santo Antonio ; variolas.
Maria, branca, Pernambuco, 1 anno, Recife ; ta-
berculos mezentericos.
Luiza, escrava, parda, Pernambuco, '18 annos,
solteira, IieaVisti; pstvsiea pulmonar.
19 -
Maria, branca, .(ignora-se a uaturilidade) 5 a
no?, Santo Antonio; bexigas.
Ltiiz, escravo, pardo, Pernanibuco, 36 annos,
casado, Boa Vista; gangrena.
' Carlota Maria da Coucoica.;. parda, Boa-Vista
antes dc nasccr.
Franci-ca Maria Bamos, branca. Pernambuco,
08 annos, viara, Boa-Vista, hospital Pelro II; va-
riolas.
Julia Maria da Conccieao, parda, Pernambuco,
18 xbbos, solteira, S. Jose ; variolas.
Francis Raymunda do Espirito Santo, parda,
Pernamb::co, 20 annos, casada, S.Jose; variolas.
Silvestre, escravo, pardo, Rio (iraude do Norte,
30 ani)os, solteiro, Boa-Vista; letano.
Alcxniiirino de Oliveira Maciel. pardo, Pernam-
buco, 2!) unii'is, solteiro, Boa-Vista, hospital i'edro
11; tub'rcnlos pulmonares.
Manoel Luiz de Oliveira, pardo, Pernambuco,
22 amiix, solteiro, Boa Vista, hospital Pedro II
gangrena dos orgAos genitaes extemus.
Vanuel Alves Bezerra, pardo, Pernambuco, 42
.iaut>s, SuUeiro, B>a-Vista, hospital Pedro II; tu-
berenlos pulmouaros.
August >, pardo, Peraambuco, I anno, Santo An
tonio ; variolas.
Maria, parda, Pernambuco, 3 mozcs, Boa-Vista;
bexigas.
_ Walfriil >, branco, Pernambuco, i mezes, Boa-
Vista ; entente.
Manuella, preta, Pernambuco, 60 annos >'d:eira,
Antonio Jose Pire-, branco, Pernambuco, 60 an
nos, viuvo, Poeo; molestia chronica.
Me.piilina de Jesus Maria, branca, (ignora-se a
nalirali lado) 7-'i ami is, viuva, Santo Antonio;
bronchitos ehronie.i.
Joanna Maria Servit, parda, Pernambuco, 16
annos, Bi>--V'i*ta; febre atoxica.
iiJfOMl'Ji H WfflAKSA.
'FIUKI'VIE. Dl RKIilCiO.
SK>S.ii) &M0 DE DBZBMBBO DE 1873.
TRH>:3KMCU DO KXU. SR. GONSKI.HKIHO CAKT.'.S I
SA5TUGO.
- rrrinrin Dr VirgtU'< Coettm.
A's 10 boras da manna, presentes os Srs. 1 -
*iibargadores Sdv.i t}niinar*c-, Lourengo Saotia
g 1, Ri-is e Siiva, Almeida Albnjuerrpie, \ccioli,
Hitri.i. procnraiior da cor-ia, Domingues Silvi.
Rg!ii!in l!i-!(, Souza Leao, Arau 0 Jorge e Xeivw,
^'.i'i i-.-e a s ;ss>.
JULQAMKNTOS.
Habeas corpus.
Pi-'ii-iit; Ten.ilia-u iiomes Pessoa. Negaram
soitiira.
Recursos crimes.
Ri-corrent-' o joizo de Jaguaribe, recirridi loio
HavtiM 1I0 UeJI'i. Juizes os Srs. desi.Tiibargadores
M-iili, Aram0 Jorge, Regueira Costa e LourenfO
San!i*go. -^{tupruoedciMe.
Hh-.m.-i'ii-o 0 juizo da Fortaleza, recorrido Joa-
qanii Mi'.iiumo de Araujo. Juizes os Srs di-sen-
bar.Ji.liros Djiningues Silv.i, >ouza Leao, Xei-
va 1! Aiviij 1 Jrgc.-Ficau adiado
UooorrenW 0 juizo da Escadi, recorrido Fruc-
tu iso Bias Aives dt Silva. Juizes os Srs. desm
bargad ires Souaa Leao, LooraaQO Santiago e
Arauji loi-ye. Imprece lento.
J{H,;orre;ite 0 juizo de G iranlmns, recorrido Ma-
noel Fernindes de Carnlba Ju'izl^s os Srs. dos-
emhargiJoros Araujo forge, Ri'gueira C^wla. Neiva
o Lourenc) Saotiag 1 I nprocodoule.
Reeurrente 0 juizo de Pianco, recorrido Jose
Gi)Ticaivi'- Pereira dc Brilo. Juizes os Srs. des
einbargadores Neiva, LoumoQo Santiago, Araujo
Jor*e a A--i ili IinproceJeule.
Recorreate 0 juizo JoBecifs, recorrido 0 viga-
rio Antonio Marines de Cistilha. Juiies os Srs.
deseiubargilore- Silva (luimaraes, Araujo Jorge e
Hegoeira Cista. X1II0 0 processo.
Responsibilidade.
D.'niin.-i.i dadi por Lucia Soares de Albuquer-
flue F.;is'..i'|.ii 1 i-ontr.i 0 Dr. Joatiuim Rarbosa Li-
1111, jui le ilireito da lmperatriz. Improcedente.
1ml. IVrio ge a peli.ao de Djaiingos Jose da Cu-
nha Lages, pedinlo prorogagio de inveutario.
Aggravos de petii.ao.
Aggravante Autonio Ioa<|uim de VasconceJ! is.
Juizes os Srs. taeateggadnm Aicioli, Ooria e
Regueira Cost.i.--X.-gou-se provimento.
Aggravant Fraasisco Monteiro de Soosa. Jai
ees os Srs. desembargadores Domingues Silva,
Neiva e Sdva Suttvaoj. -Xegon-se proviineuto.
Aggravante Manoel Antonio IViein.. Juizes es
Srs. desemliaigadores Neiva, Heis e Silva e Al-
meida Albuquerque. Xeg >u-se provimento.
Carla tes'.emunhavel.
Aggravante a direcioria da caixa tiiial do Banco
do Brasil. J .izes o Srs. desembargadores Re
gueira Costa, Reis e Silva e Accioli. Xegou se
provimento.
Appellacoes civeis.
De Maceio.Appellaiile David Alves da Cunha
Leite, appellado Manoel Joaijuiin Duarte Guima-
riies. -Xullo 0 processo.
Appellanto Sannder Brothers & C, appellado
Josne Materao de Azevedo Santos. Desprezados
os enbargos.
Do pii. Appellante Adeodato F-rreira de
Souza, appellado Antonio -IJayinuodo Peres. Re-
eeberam os embargos.
DeS. Juaa. -Embargantes lino, Lidia e outros,
wb irgados padre Paulino Villar dos Santos Bar-
ftosa e outros.Xao tomaraa* conhecimento dos
embargos.
D) Sobral.Appellante Francisco Bezerra de
Araujo, appellado Francisco Alves da. Fonceca.
Omiirmad.i a senteaca.
Deigiiarassn.Appellante D. Anna J. d> Motta
Teixeirt Cavalcanti, appeiiado Francisco Joaijuim
Cavalcanti Galvao.Desprezaram os embargos.
Do Recife. \ppellante Jose Bias Guitnaraes,
appellado bacharel Joao Ferreira da Silva Guima-
raes C miinnada a sentecca e se man 1 on ex
trahir copia das alloga;.oee da adv-igado Manoel
Netto de Souza Bandeira para 0 promoter publico
proceder oritainalinente contra elle
De Cabaceiras. -Appellante Manoel da Tiindade
Omuilo Pessoa. appellado Antonio Juaquim de
Vasroncellos. Desprezaram ** embargos.
Do Reeife.Appellante Mathias Lopes da C.
Maia, appellado Jose Maria do Castro. -Despreza-
ram 03 embargos.
A pellante Manoel Zeferino de Salles, appellado
Bartbolomeu A t".
Ao Dr. curador geral :
Do Bonito.-App'liante Francisco Pio da Silva
VaJenca, apuellada D. Jo de Mello. Desprezaram os embargos.
Do Recife. Appellante Jose Joai|nii Pereira.
apoellado Antonio do Souza Rego. Coalirmada a
senteaca.
. ne s'aut'Anna.^ipel'.anle Jeronymo Bezerra
dc Araujo. appellado Jose Vicente Monteiro. Con*
Armada 1 seutenga.
Do Re- Appellante Francisco Caroeiro Mon-
teiro, apuellados Manoel da Silva Faria & C. e ou-
tros o:i:innada a sentence.
D* Imperatriz. Apellante Pelix O.wea de Arau-
jo, appellal i Antonio Gomes'do* Santos.-Despre-
zadus of err barges.
Do 1-6. Appellante Manoel Candido oontciro,
appellado Apt >nio Joaouira de Piguciredo: Des-
prezados oj embatvos.
De Ignarassd. -AppEllaate 0 juizo, appellado
Joao, -A n ra ava1ia;o.
Appellacoes crimes.
D> Traipti.Appellante 0 jaizo. appellado Apri-
gio ':', de AIbnr|uer'|m. -Ao jmz de direi-l
to naia d-jr as raz&es da appcltarjko
De joyarna.Appellanto Jastino Jose dos San-
Vw, aneedada a justi?*.- l^etvmpta a-ae#ao.
BeTlofes.-App'IfaMco juizo, atfrMlado Pedro
Fnmciseo da Silva. Aovo jury.
Do Bom Consclho. Appellanteo juizo, appella-
do J. ap. Sc|res do Ifctlo. A novo jury.
De S Joao.Appellante 6 Juizo, appellado Jose
Manoel de Lima,escravo. Conffrmada a'senten?a."
De Borbnrema.Appellante 0 juizo, appellado
Jose Joaquitn de Brito.A novo jury.
Conflieto de jnrisd'nao entre os'juiees munici-
pacs da Escada e da Victoria. Julgousa. pela
competeacia do da Victoria.
PAS3AGENS.
Do Sr. desembargador Silva GuimarJos ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Embargos infringentes do commercio.
Embargantes hcrdeiros do bacharel Juvencio
Alves Ribeiro da Silva, embargada Feliciana Ma-
na OBmpia.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Commercial "da Fortalezt. Appellante Aquilino
Bezerra de Meaezes, appellado Jose Cavalcaati de
Albuquerque.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao
Sr. desembargador Reis e Silva :
Appellaeao crime.
Do Tr.-.ipu.-Appellante 0 promotor publico, ap-
pellado Antonio Francisco de Souza.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Iguarassii.-Appellante o juizo, appellado
Pedro, eecravo do Dr. Ser ja Brandao.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque:
Appellacoes crimes.
De S. Joao. Appellante 0 juizo, appellado Si-
miAo Gomes de Souza e oulro.
De Alagoas. Appelhnto Manoel Ferreira da
Peuba, appellada a juslica.
Apjiellajao commercial.
Appellante Joao de Oliveira Leite e Souza, ap-
jellado Antonio Jose da Silva Maia; appellanles
Henrique Leidem A C. appellado Augosto Kraus.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desembar-
gador Domingues Silva :
Appellacoes civeis.
Do Ceara.Appellante Carlos Ernesto de Mes-
quita Falcao, appellada a fazenda.
Appollacao commercial.
Appellanles Augusto Foppenbuc A C .appellados.
os administradores da massa fallida de Macalhaes
Irmaos ; appellan'e Joao Marques Fernaudes.ap-
pellados Azevodo A Mail; appellante Antonio
Duarte Carneiro Vianna, appellados Joao Baptista
Gomes Penna e outros.
Appellajao crime.
De Paulo Alfonso.Appellanto 0 promotor, ap
pe4lado Manuel Luiz, escravo.
Do Sr. desembargador Neiva ao Sr. desembar-
gador Silva Guunaraes :
Appellacoes crimes.
Da Granja.-Appellante Jose Ferreira de Arau-
jo, appellada a juUiea.
Da Independencia. -Appellante 0 juizo, appella-
do Jovin > <:oelno da Silva.
De Flores. Appellaute Francisco Jose de Lima,
appellada a jttftioa.
Ao Sr. desembargador Lonreajo Santiago :
De Olmda.-Appellante ojnizo, aopellada For-
tunata, escrava de Francisco das Chagas Salgueiro.
i'iligencia crime.
AoSr. dasembargador procurador da justiea :
Appellante o jui 0, appellado Tiburcio Valeria-
no da Silva Tavares.
OlSTRIBinCOES.
Appellacoes crimes.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaries :
De Angicos.Appellante 0 juizo, appeiiado ome-
nor Jose
De Caj.!zeiras.Appellante 0 juizo, appeiiado Jo-
se Man-elinode Oliveira e outros.
Do (twabe. Aipellanio ojuizo, appellado Bcli-
Liriode Farias Norouba.
De Maria Pereira. -Appellante 0 juizo, appella-
do J iao Fi'lix Cirreii.
Do I pii-Appel.ante Jose Pereira da Silva, ap-
pellada a jusii;a
Ao Sr. d'Seinbargailor Loprencp Santiago :
D'agaas Bellas. -Appellante 0 juizo, appellados
an lido Rodrigues Lius de Albuquerque o ou-
tros.
Do Assari. Appellante 0 promotor, appellado
Jo-i! '-'err-ira da Siiva.
D 1 I'ao d'As-ucar.-Appellante 0 juizo, appol-
I tila Rita, eserava.
Di Recife. Appellante e appellados 0 promo-
tor 0 loiqunn S-venn 1 Leal de Barros.
Di Misericordi 1. -Appellant* 0 jutzo, appellado
Ago^tinhd Araujii P-mwca.
Ao Sr. desemhargad ir Reis e Silva :
De liiuarassii Appellante Bellarmino Francisco
de Salles appellada a justica.
De Malta Grande.-Appellante Anna Custodia de
Jesus, appellada a justica.
De Nazareth.Appellante 0 juizo, appellado Jose
dos Santos F'rreira.
Do leaAppellante 0 juiw, appellado Paulino
escravo.
Ao Sr. dsembargador Accioli:
De Pao d'Assucar.Appellante 0 juizo, appellado
Antonio Felix de Santa Rosa.
Do Ceara-mirim. Appellante 0 juizo. appellado
Francisco de Souza Lias.
Do Bom Conselho. Appellante Goncalo Alves
Porto, appellada a justica
Dj AssariAppellante 0 juizo, appellado Jose
Jacintho Leite.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Do Recife.Appellante 0 desembargador presi
dente do jury, appellado Antonio Jose dos Anjos.
De Patos. Appellanles Autonio Jose da Costa e
outros, appellada a justica.
Do Bom Conselho.Appellante 0 juizo, appellado
Antonio Firmino de Carvalho.
Da Anadia.Appellante 0 promotor, appellado
Pedro de Barros Castro Mello.
Ao Sr. desembargador Souza Leao
Do Aracaiy. -Appellante 0 promoter, appellado
Mani>el Pereira Dias.
Do Bonito. Appellante Galdiuo Bernardo da Sil-
va, appellada a justica.
De .Nazareth.Appellante Francisco Lopes de
Oliveira. appellada a justica.
De Baturite Appellaute Antonio Nqjaeira
Campjs, appellada a justi;a.
Appellacoes civeis.
AoSr. desembargador Siiva Guimaries :
Do Recife. Appellante Daniel Antonio dos Reis,
appellada D. Juliana do Jesus Brito; appellaute
Hypoli o Robert e outros, appellada Henriqueta
Eli-a Bauks; rppellaute M;moel C. de Moura, ap
pellado Jise de Freitas Barbosa.
Ao Sr desem'argaJor Reis 0 Siiva :
De Atalaia. -Appellanles Antonio Jose Telles e
sua raulher, appellado Manoel Joaquim Maia.
Do R.-cife.Appellante. Joaquim Severiano No
gueira. appellado Tasso Irmao.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Do Recife.Appellante Jos6 Paula Botelho, ap
pellado Sebastiai 0. Lamenha Lins.
Be Ipnjpca. Appellante Rocha Leal & C ap-
pellado Manoel Jose da Sdva Oliveira.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Do Recife Appellante D Theresa Adelado de Si
lueira Cavaleame, appellada D. Fran -isea da Cnnha
Bandeira do Moll 1; appellanto Alexandre Xunes
da Siiva, appellados J.>-e Paulo Rotol >o & C.
Ao Sr desembargador Jomingues Silva :
De S. Joao.Appellantes ojutzo e Joao Bap-
tista de Queiroz, appellados Joao e Jose.
De -xtaLia. Appellanles Antonio Jose Telles e
sua mulher, appellado Manoel Joaquim Maia.
Ao Sr. desembargador Souza LeSo :
Do Reotfe. Appellanles -herdeiro* de Joaquim
Joe de Miranda, anpellado Claudio Dnbenx ; ap-
pellante Jose Dias Guimarans, appellado bacharel
Joao Ferreira de Almeida liuimaraes.
Da Baperatriz. Appella e Pedro Barroso Va-
li-nte Veras, appellado toaente coronel Antonio
Gonoal/es da Ju-ta.
Rneerrou-sea *essao as 2 boras e deram se as
ferias do Xatal.
res da Prrvjiiui.i em lima quesia >, 11 iqual nto po-1 nma companhia poder.si h aoriflcar asset pre-
dem icpi-wentar scnAo 0 tnste pa;wl de oiBciosos Kiosos inlertsses conliados-a guarda c solici
zefadorcs de interesses estranhos e que nao recla- tude.
mam ante os podercs publicos qualqner lesio on
pre juizo t
Em qtie foram oiTonJidos por parle do adminis-
tiador 08 direitos dessa companhia ?
Os redactores da Prooincia, ignorando 0 quanto
se ha pauado a respeito deese grave assompto,
procuram pescar nas aguas lurvas, excilando e
ate aconselhando os interessados estrangeiros a
levantarcm protestos e reclamacdes contra 0 go-
f"vemo I
Que interesses secretes ha ahi da parle desses
prmincianos para mostrarem se mais vivamente
empenhados pe'a sorte da companhia, do que 0
proprio advogado, de quern voluntariamente cons-
lituiram se orgao ?
Pois se essa emproza houvara sido lesada em
seus direitos, o Sr. Dr. Jose Bernardo nao teria si-
do solicito em sobracar a defeza com todo aquelle
empenho e reconhecido zelo pela causa do seus
constituintes ?
Nao fazeis fortuna por esse lado, mexilboes pro-
vinoianos.
Aodais a cata de intrigas, enredos e mexericos
acerca de ntn negocio, que ignorais totalmente, e
vos mesmos confes-ais 0 seguinte :
Se na realidade 0 proceJimenlo de S. Exc. foi
este, nada mais grave, nem mais desairoso
Como entao podeis aquilatar 0 louvavel procedi-
mento do administrador, alDrmando que rom-
peu elle brusca e incsperadamente 0 que havia
promcttido, rebaixando ao nivel do despreso ou do
ridiculo a honra do go;erno c os creddos do
paiz ? %
Nao vos reconhecomos 0 direito de fazerdes in-
terpellacoes em favor da empreza estrangeira, ain-
da quando vos apresentasseis como seu advogado
assalariado contra os interesses da provineia.
V6s, Pescadores politico?, que tendes a impu-
dencia de denominar de p:i7idilha aos defeosores
do honradissimo pernambucano, que todos os dias
vos esraaga com a manopla da justica severa, in-
flexivcl, pensais crcar embaracos a administracao
e render ao mesmo tempo servicos a companhia
Drainege.
Hem comprehendemos nos outros 0 alcance Jo
vosso nao encommondado sormao e do viso fe
mentido zelo pela honra do governo e credilos do
paiz, vos que negais pao e agua ao mesmo gover-
no, a respeito do qual ja declarastes em vosso ne-
lourinho-que ter/ris de snbarear o nectar dos deu-
ses vendo 0 apnpndo na praca pubtica I
Vos que ja declarastes bem de publico, que na
luta do governo c ;m 0 jesuita pouco vos imporla-
ria que se afund sse 0 mesmo governo !
Vos que nunca livestes uma palavra de anima-
cao e louvor por urn so aclo do illustre admiaistra
dor da provineia, contra 0 qual nulris tantos odios
e rancores pessoaes que nio vos pejasles de pro-
te, de quo nao foram prejudieados os sens direitos
pelo mesmo administrador.
A que vem, com efleiio e 0 que signiflca esa
isnpariineiitc e iodebila intervene.!) dos rcdaeto-
promctlido os Interesses da prvrfrtth *o seu ver,
Millouvoros sejam dados ao lrttogro e' zebtso a'd-
mmiitradir, quo preferio bieorrer 111 desagrado de
PARTS POLITKA
2'iRTIDO < 0\^3;il\ IDOtt
RECIFE, 3 DE DEZEMBRO BE 1873
coMPAinnv naorrs dr.vi.vaob.
Os redac.loros da Piovinci uti imnito de abo-
canbarem scmore todos os actos de vigor isa jti-ti
ea do veuemvel administrator desta provineia,
v.iltara ao negocio da companhia Drainage a ver
se fazem f .rtuna.
0 proprio cessionari), os mteres.-ados da era
preza e o adfogido desta nlo ar'ieulam na im
urensa fuudvidas (jaeixas contra 0 procedimonto do
S. Exc.
Esse trabalho, esse patriotico empenho em favor
do uma companlih estrangeira, contra a qual sur
gem alias da parte dapoptilacao desta cida le con
linuas rerlamacoos estava re-erv.do aos zetosos
provinrinn s, que se cunstituir.im patron-is dn
interessados d-ixam
por a infame transaceio de abafar a questao reli-
giosa, mediante a condiriio de sua remo^ao desta
prov ncia I
Vos, t|ue lhe sois inirnigos figadaos pela cons-
ciencia, que tendes, de que elle |amais trausigira
com as vossas tralicancias politicas, declarais on-
tri-tanto com urn turn de beata imparcialidade 0
seguinte a respeito da empreza Drainage :
Se 0 Sr. Lucena se limitasse a velar era prol
dos direitos e bem cstar dos babilantes de.-ta ci
rlade a zclar os dinheiros publicos, de um modo
cmspicuoeregular.no- teria a seu lado; lonwa
loiamos ate. se por rneios decentes tentassc obter
inodilicagoes as clausulas do alludido cjirtrato,
que fos.-em nocivas ao publico.
Ah I Se traduiisscm essas palavras sentimentos
de justica e lealdade e nao fossem antes repassa-
las de preraeditada nypierisia, teria chegado en-
tao 0 ensejo para esses astutos provineumos de
levantr.rein utn ymno dc congratulagoes ao he
roico mof.o que em sua admini>iraca> recta e vi-
gorosa nao tecuou dd seus nobre.i deveres pa"a
chamar a contas uma companhia estrangeira, que
preien lia collocar se acima las nossas leis.
Alias sao os proprios prooinciznos que reconlie
cem e coufessam quae* a* ameca.s e allivez
com quo os ageuies inglezes coslum im liquidar
suas pendencias de dianeiro com 0 Brasil.
E acham os redactores da Provineia que deve-
mos resignar nossoi direitos e bumilbar-noJ pe-
raote a* ameacas e allivez inslnza ?
Se vfiutis amove el verilatis causa desejam os
coilegas redactores apurar 0 procedimento do S.
Exc. nesii'. negoci pa-a fazer-lhe com siuceridade
a merecida jusii';a, como aconteee que, ainda va
cillantes sobre o inovel, que 0 iinpcllio, condem-
uem a priori 0 seu procedimento :
Os redactores. dizem : 1
So na realidade o procedimento de S Exc. foi
este, nada mais grave nem mais desairoso. >
Cnno pois stigmatisar e condemnar actos, cuja
realidade e moralidado nao se conhecera?
D; quanta prevencao, pois, e de quanta inj us-
tiea e parcialidade nao se tornam complices os
procinci'inos pir tao precipitad.is e infundadas ac-
cusai^ies contra 0 primeiro funccionario da pro-
vineia !
Quanta leviandade e precipitaca) ao mesaio
tempo contra 0 principio da autoridade, que a to-
do transe se protende desprestigiar I
Se levamos tao longe es instinctos da aggressao
partidaria, e preciso con tar desde ja cam a repre
salia em tolos os tempos, contra toda e qualquer
autoridade, cujo respeito, da parte dos cidadaos,
ttra de uma vex dosapparecido.
Pe.rniciosissima e degenerada quo e seraelhante
politica I
Nio sois competentes, Srs. da Provncia, para
dingirdes ao governo formaes inlerpetlacdes, e
nem 0 govern j tem 0 dever de responder os vossos
capriehosos e extravagantos intuitos.
Formulai, se podeis, as accusac5e3 contra os
acto* bem publicos e notorios da admioistra;ao e
vos responderemos, como teaios feito, victoriesa-
mente.
C-nsiderai que se a Campanula Drainage hon-
vesse sido ferida em seus direitos, nao se fariam
esperar os seus reclamns e 0 illustrado patrono
dus seus interesses nao preeisaria, dot certa,.subs-
tabelecer tacitaincnte em vos outros os seus pode-
res, e nem aceitaria 0 letnbrete, que tao offlciosa-
mente lln eudereQais.
E* prtciso que 0 publico nao acredite, que e-
lais a procurar em causa propria, finglndo zelos,
que nunca tivostes, pelo bem publico e vos chame
de caviliosos e alicantineiros.
So qnereis estudar conscenciosamente e^se ne-
gocio, ja lende-* em vossas mios a ponta da mea-
da, desde que estais inteirados de que 0 contrato
dessi empreza se aeha falsiilcado.
Sendo assim, 0 que deveria trislemente deeai-
rar-n is perante 0 estrangeiro e perante 0 nosso
paiz nao seria certameote 0 fazer passar os nossos
funecioiiari is pubbeos como vis fatsilieadores, ms
ao contario 0 consentir que permanecesse occulta
a fraude e impuaes os falsiflcadores.
Desle que constou a S.-Exc. que 0 coatrato
Drainage estava a lnlterado em parle essencial,
c-rria lhe 0 dover de veriQcar a verdade do facto
p ira alliviar os proprietaries desta capital de um
onus hijnsio e irtiquoe de facer pezar sobre os aa-
tores do crime o devido casligo.
9 A o ^ne fee *. 8xe., mandando proceder a um
e-xame jn iiciariu, do que r.-sultou a cerleza da fal
siticaeao, na> se onheoendo, porem, osseus auto-
res. 0 resultado d avoriguicao prova exube-
rantmerrte qne S. Exc, nao foi leviano, como afflr
mam os pi'ocincianos e antes cumprio nnbremente
0 sen lover, merecendo os applansos dos homens
de bem por esse acto de coragem e de civisino.
S Exe. procurou, e verdade, faaer um aecordo
rasoavel por melo de conees6es, qne desaggravas-
sem 0 |iesado onus, quo da falsilicacao de instru-
inonto do contrato resultava para 0 publico desta
capital. Os seas louvaeis itesejos e esforeos lb-
ram, porem, frustradof em vista das condicoes e
xxmeocias da comnanbia, as quaes, se fossem ac-
e tas, maw aggravari rn, por veutnra os mleres-
ses i'.a provineia.
Nestas circumstanciis entendeu S. Exc .quose--
ria do melhor aviso abrir mao de qualqner ajuste.
(lean U) bvre a fazen 11 provincial 0 direito e accao
one Hie possa cmnpetir ielo descobrimento da ver-
dade In facto c ant nil 1 i mesmo.
Um u-g rio jwrlo e crave desta ordem deman-
davi ile.ndas averiguacoes e delongas e nio po-
dia ser precipitadameiiU1 resolvido.
E' certo qne varias ennferencias e combinac5e9
tivcram logir entre S. Ifere. e 0 Sr. Dr. Jose Ber-
nardo, nas e inexacio. sumo afltrmam os malevo-
1 is provincianos, que S. Exe. houvesse chegado a
(juaiijuer ac'ordo e lnit vo com 0 mesmo St. e fai-
ta e depois a sua palavra.
0 me-mo Sr. Dr pode dartestemunho dessa ver-
ia I 11 ds i|ue um caval'ieiro nao reensa a pres-
tar fe para c i.qfandir a alnmnia, principalraenta
quando e efla mauejada :om o.abuso doseunonje!
por lestea'ei* adversarios.
>. Exc. inpirou--e pei'feitamimte em seu- bom
amor da jnstifa pirramio assumrr ares
QDEM \0S UVlu JUM>eit\All ?
Sob a epigraph-- acima escrevein bS redactores
da Provineia um iuteressaote artigo, que oiercce
ser appeciado e disculid .
0 assumpto, que Hies scrvio de fundamento, e
0 poder pessoal, ou antes o systema eleitoral da
nossa constituieao, de euja foute cmana 0 mesmo
poder.
A leitura do artigo, e forca confesaar, suscitou-
nos a attencao, porque, apartando se das divaga-
tes costumeiras, ftta um ponto culmiuante, que
deve ser elucidado no interesse do paiz.
0 aniculisla diz :
* 0 poder possoal e 0 padex anico, ooinipoten-
te pelo vieiamento completo das urnas ; poder
unico que se substitue e se imp5e a vontade nacio-
nal
Quando o mtitulado orgao de um partido poli-
tico anima-se a ennnciar ante 0 paiz tao grave
proposicao, que desnatuta e aniquila, pela base,
todo 0 uosso systema de governo representative, e
necessario eppor ibe a devida contesvacao.
Temos sempre denegado a existencia do fallado
poder pessoal, que para nos nunca passou de uma
visao optica dos nossos adversarios, quando fora
do poder.
Pedimos, pois, licenea ao arliculista para dizer-
Ibe que e inexacio o quedelara, a saber :
< Ambos os partidos militantes rcconheceram a
existencia de um poder pessoal acima da vonlade-
do paiz. >
Muito pelo contralto temos provocado, daqui
desta tribuna da imprensa, para que nos decla-
rem qual e esse poder 0 onde se acba a sede de
sua existencia.
A resposta as nossas interpellagoes calbegoricas
tem sido sempre, ou 0 silencio, ou a divagacao.
Hoje e que os provimcianos se adianlam, reve-
landu-cos que 0 celerando poder pessoal e lillio do
vieiamento completo das urnas, da forca das elci-
Coes, do systema eleitoral indirecto.
Ora, se assim 6, claro Dca que esse poder nao
tem nma existencia estranha e diversa da nossa
lei fundamental, onde se aeha homisiado e todos
o -veem e 0apalpam alii uo art. 90 da inesma
lei fundamental.
Pedimos licenea ainda ao illustrado articulis'a
para dizer-lbe que e tambem incxacto 0 que de-
clara. a saber :
Ambos os partidos proclamaram na tribuna c
pela imprensa a necessidade da eleie.io direcla,
como eondieao da verdade do systema representa-
livo. o
0 proprio facto actual protesta contra seraelhan-
te inexaclidao, pois one 0 partido conservador,
pelo orgao 0 mais autbentico do seu governo, nao
desposa, como nunca desposou, a these da eleicao
directa, e antes, como 6 publico e notorio lem ela-
borado um illaminado e consciencioso trabalho no
sentido de uma larga reforma, respeitando, po-
rem, as bases constitucionaes, conforms foi enun
ciado na camara, que acaba de encerrar se. pelo
honrado e benemerrto Sr. ministro do imperio.
Nao e possivel que qualquer dos nossos parti-
dos possa governar, manlido 0 mesmo systema elei
loral. j>
Ora se confessais constantemente que os mi-
nistrus 6 que fazem as eleiroes, como aeonlece qne
nao possam idles governar 1
t a nossa bistoria politica e quasi sempre co-
mica e supinameute immorar.
E' uma leuueiicia constante essa dos provin-
cianos sabilidade dos mao feitos que >6 a elles perteucem.
A historia da politica ligueira ou progres*ira.
e, com effeito, comica e supioamento immoral ;
aceitamos essa V!>ssa conRssao ; a bistoria da po-
litica dos nossos adversarios e, quasi semp-e
assim.
Sub.-tituido o sy-teina eb-ilmal indire<-to da
constitui^ao pelo suflragio Jirecto, julgais haver
cxtirpaoo 0 podrr pessoal, que e a cpasequeneia
da<|Uelle systema ; mas como podereis reabsar
essa reforma. que 6 hoje a vossa panacea ?
Porvontura aiiulueiieia e pressao que exercw
hoje o a [am id > poder pessoal so Ore a mas-a dos
volantes eessara ella com a lransf.;rmai;ao doses
raesmos volantes em eleitores ?
A mudanea da di-noniinaeao das pessnns trara
ella, por si so, a dilferenca c realisaeao da cousa,
que pret'.ndeis ?
Laborais etn completa illusao.
Depois, temos tantas vezes, vos interrogado:
de que modo prelendeis efl'eetuar essa magna
reforma'?
Nao vos digoastes responder nos.
Sera por meio de uma lei ordinaiia ou por m-
termedio de uma camara constiiuiute .'
E neste ultimo caso entendcis devcr couscrvar
a base conslitucional d* art. 9i 5." t
Nao basta enunciar simpltsm.-uie uma grande
e fundamental reforma, e essencial que externeis
todo 0 vosso pensamenio quanto a sua realisagao.
0 partido liberal acha-se extenuado, impotcnte
e sem prestigio no paiz.
0 primeiro golpe profundo, que lhe minou a
existencia, foi a lei do venire livre, lei generosa e
bumanitaria, ante a qual inoslrou-se pygmeu, ta-
canho e retrogrado. Desde essa meraoravel epo-
ca comegou visivelinente a sua decadencia.
As victorias successivas, que lem -.coroado os
nobres esforeos do pariido conservador pela re-
forma judiciaria, da guarda nacional e da proxima
reforma eleitoral, vieram empannar-lhe a mingoada
existencia que pesadaraente arrastava.
A questao religiosa completou a sua rnina, cn-
terrando-o para sempre nas aorabras espessas do
passado, donde nao ha resucita-lo.
A sua historia politica e sem interesse e sem
mereeimento, e as suas culpas enonnes e iire?iis-j
siveis.
Nesta situacao anomala, om que se aeha 0 par-
tido liberal, dividido e retalhado em todo 0 im-
perio, sem prinoipios, uem opinioes, nem fe poli-
tica ; desnorteados os seus chefes pelo radical an-
tagoni-mo das ideas e crencas relbjiosas, tendo
perdido 0 favor e enlhusiasrao da upiniao.publica
e vivendo uma vida de mero e^pediente de con-
ladores de historia* e de chroniatan de factos sem
importaocia, frivalos, pequeninos, no que se occu
pam corao esses velhos octogenarios, fatuos e im
pei linentes a repisarem as quixotadus de sens
tempos de mogo; nesta situacao, pois, nao e dif-
ficil responder a pergunta dos provincianos :
Quern nos deve governar 1
Em face do nosso direito publico conslitucio-
nal nio jorjde restar dnvida de que -quem nos de
ve goveruar -e oTmperador e a asseintl6a geral.
Ora, desde que 0 gbverno do Imperador encon-
tra na meema asseinWea eral 0 mais franco e de :
cidido-apoio, olaro e.-ta qne esse governo e nao;
outro e que nos dee go-ernar.
Sabera todos que o actual mmisterio encerrou
a sessao desle ann>, gzando de maiores sympa-
thias e dedica55es, do que no comeco dos traba
lhos, facto este bem notavel e signilicativo do re*-
peito e publica opiaiao que mantem 0 mesmo mi-
nisterio.
0 grande oidadao, cbefe do gabinete actual, coa
quista, cada dia.mais uma aureola para ornar a
sua nobre fronle ; os ministros, que 0 tem acoui
panhado em #Ba gloriosa t;.refa, continuaun a pro
vocar os applansos e as bencaos de todo este paiz
agradeeido pelus consideraveis beneficios, quedu
rante uma longa paz octaviana, tem fruido e vai
frrjindt. 0 honrado ministro da justica, a par de
superior e soliila illusiracao, desenv.dve o mais
serio e vivo interesse pela cansa publica. 0 jo
ven estadista pernambucano, cujo privilegiado la
,lento e proverbial, nao cede 0 passo aos seus il-
lustres companheros, no caminho da honra e do
patrfetismo.
0 gabinete actual symbolisa a devotaeao e 0
amor da patria.
Em face dts negocios politicos 6, p>.is, o^ioso
perrantar quem deve governar-nos ; porqne
iwpoflla nao p*fe ser dnvidosa; e assim como se-
ria inatil ou inrpbt perguour i> se o Impera-
dor nos deve governar. do mesmo modo seria o in
terrogannosse a assemblea geral tambem nos
deve governar.
Nos outros aendrtamos, nao so que 0 actual
mimsterio uVve go-'ernar nos. mas que nao pode
ser facil nento sub-tituido ; em todo caso, porem,
o que nJtcede a corrrprelieusao politica e a t dos
os caienios da rauo socialeconomica li que os
liberaes possam e devara guvernar e-te paiz; q
tanto conheeem eiies asta verdade qne hoj- nio
appetkvm mais senao para oauxilio do p-der pet
soot, aWde que a opiaiao fahniuou-lhes u inereci
do oastigo.
R*4a ta aos provinoianos :
1 Quem dtve govern >r-o paiz e 0 bnperado' e a
atsembhia feral (*susJeitnnos e naicos represen-
lantesi art. II da constituicSo.
& Mafra, considerando-a a seu geilo.
Pol- nTSsa parle nio nos piopomos a perdcr
lemj cm refntar couvpalavraa- nos.sas lu Jo quan-
ta alii se-dissa ; limilaino nos :>peiis a transcrever
0 aviso u, i8 .do ministerio do imperio de 30 de ja
ueiro de 1863,0 qual e a resposta mais procedente
e cabal que podem ter os provincianos sobre 0
seu alludido artigo.
Eis 0 aviso :
A0 presidente da provineia de S. Pedro.-De-
clara que nao cabe nas attribuicZes do poder jud,
ciario neg ir se a cumprir leis proviaciaes, por e*
enl'iider que excedem a compelencia das assemblies
provinciaes ou sao constitucionaes.
.)." secfao.-Ministerio dos negocios do imperio.
Bio de Janeiro, em 30 de Janeiro de 1863. -Um.
e Exm. St. Foi ouvida a seccao dos negocios Uo
imperio do conselho de eslado sobre o offlcio que
V. Exc. me dirigio com data do 2 de agosto do an-
no findo, acompanhado de nma copia da represen-
lacao quefez a V. Exc. a camara municipal da ci
dade de Jagnarao, queixando-se do juiz municipal
supplente da mesma cidade, por nao ter este
permittido que fosse por ella iustaurado processo
executivo contra um devedor de imposto munici-
pal, acto pelo qual desobodeceu 0 dito juiz ao pre-
ceito do art. 27 da lei provincial n. 133 de 12 de
Janeiro de 1839, que concedeu as camaras muni
cipacs aquella forma de processo por dividas c
obrigaxies provenienles de suas reudas.
E, tendo-se confermado S. M. 0 Imperador, por
sua immediata resolugio de ii dc dezembro ulti
mo com 0 parecer da refenda secgao, exarado em
consulta de 23 de novembro, houve por bem man-
dar deelarar quo irregularmente procedeu 0 juiz
municipal supplente, recusando-se a executor a
lei provincial, de que se trata, pela razao que al-
legeu, de exceder esta lei a compelencia das as-
semblers provinciaes.
Nio cabe nas attributes do poder judiciario
negar-se ammprir leis proviuciaes por entenlcr
que excedem tal competencia ou sao raconstitu-
cionaes, vi -to que a sua missive eapplicaras leis
aos casos occurrentes, podendo aomente para ial
Um interpreta-las doutrinabnente no empenho de
descobrir 0 seu verdadeiro sentido. A' asssmblea
Serai compete revoga-las nos termos do artigo 20
0 acto addicional.
0 que commuuico a V. Exc. era resposia ao seu
citado ofQcio.
Deus gnardo a V. Exc--Jose Liberate Barroso.
Sr. presidents da provineia de S. Pedro.
Mi.
E' isto 0 qae se da, (Uia*lo e irala de nnipa*
que, vendo por muito' dias 0 tiluo, a quenrama
estrcmeciaamente, entre a>vidae a.nlbrte,paro-
eendi ser -esta a sedaeae-provarel, Bais natural, e
quasi inevitavel de gravissiraa enfermidade, o v6
dc repente miraculosamente salvo e rcstilujda aos
seus bracos, aos jeus cariohos e a sua lemura
paternal.
E' isto que se di tambem e esse pai, que sen-
tio por algum t rapo a alma dilacerada pelas mais
pungentes angustiaa, pelas magoas mais alrozes e
"cruciantes, preteude siznificar sen profundo e eter-
no reconheciraento a aquelle que, fazendo de sua
nobre proQsslo um sacardoeio, descobre, com o
auxilio de sea saber e pericia, 0 sitio onde se oc-
culta 0 mat, que anna uma preciosa existencia,
para alii mesmo travar combate reahido, e, depois
de porlia la luta, restituir, como uma segunda pro-
videncia, a crenci, a ventura c a traaquillidade
de espirito a esse, entao raisero, mas hoje afortu-
nado pai, que se debatia nas ancias da dor, do de-
sespero e da duvida.
Pois bem, eis justamente ojque se passa coraigo ;
0 pai que acabo de descrever sou eu, e o medico
o lllm. Sr. Dr. Ignacio Alcibiades Velloso, distincto
entre os raais dislinctos, pela sua longa pratica,
vasta illustraeao c sentimentos eminentemente phi-
lantropicos.
Na impossibiiidade de manifestar cendignamen-
te 0 que dev 9 a tao illustre cidadao, limito-me a
aponlar ao rospeitavel publico 0 norae do Sr. Dr.
Velloso como 0 de am extremo bemieilor da hu-
raanidadi>, e a dizer a este que eu e minha familia
conservaremos eternamente a lembranca pura e
indelevel do que lhe oYvemos, visto como a grati-
dao e a memoria do coracao.
Becife, 19 dc dezembro de 1873.
Thmaz Garrett.
'UBIISACOES
t PFOltlP
Facto honoroso.
0 porluisuez F. A. S. P. havendo pedido em ca-
samento uma moca sua visinha na rua da Con:or-
dia, obteve do pai da moca 0 sim e nm peqaeno
prazo emquanto se preparava. Neste pi fieando
0 negocio, entendeu qne devia torpemeute aiios-
sar-se da moca, e effeclivamente foi a noite a ca-
sa da familia, e doitaodo por terra nma poila,
raptou a moc0 violentamente e lhe deu sumieo !
Consta que 0 Dr. defegado desta capital tem si-
do ineansavel em descobrir a moca, eenservando
era custodia 0 insolente raptor que tem 0 cynis-
mo de confessar 0 facto, e nao dizer 0 fini que
deu a moca !
JucMtHu Faiiiu i& ilrti'i-a.
Do que expendemos no artigo passado, ve se que
0 decreto n. 8i3 de 18 de outubro de 1831, esta-
beleceu expressa e terminanlemente que- a Santa
Casa da Misericordia, nivo poderia goz.tr do privi
legio exclusivo que 0 decreto n. 383 de 3 de se-
tembro de t830, lhe havia concedido, sem q^ue
nreviamente tornasse elTectiva a indemnisacao,
scgundo as avaliacoes previamcnle feitas no valor
de 38:076*880.
Bem se vi que a respeito de semelhante con-
ilicao, a indemnisacao previa 6 iraprescindivol
para que s entrasse no gezo do privilegio; por-
que 0 decreto tornuu-o dependente daqnella
condicao.
0 decreto nao s6 constituio a Santa Casa de
Misericordia do Rio de Janeiro, na obrigacao de
iudemnisar aos armadores e forncccdores de car-
ros e seges de. ent^-rru 0 valor dos objectos, mais
ainda cxigio como condi.ao para exercicio do
privilegio, que essa obrigacao fosse cumprida,
antes desse exercicio.
Ante esse decreto, comprehendese que a in
(lemoisa..ao devera ser sempre antorior, mas nun-
ca posterior.
Cumprehende-se tambem quo apesar de decla-
rar-s.^ alii <|ue a Santa Casa da Misericordia, em-
quanto n:io fizejse elfeeliva a indemnisacao, nao
poderia >[ozardo privilegio exclusivo; nem por isso
a direito de ser mderamsa la ao qual correspoirde
a obrigacao correlative de indemnisar aos arma-
dores e fiirnecedores de carros de enterro 0 valor
dos object-*, reel .maria a mandado de manalen
yio, quando a Soils Casa da Misericordia nio
cuinpns a "britfaqao ; p irque 0 inaudado pre-
supiie a pertnriia.ao da posse ; e, no caso, os for-
nece lure* e armadores e-tariam mansa e pacili-
cauieiite na posse dos objectos.
0 que Hies comp Una, porem, se a Santa Casa
a-sini o hzeise, era iulentar accao de indemnisa
cao nos leroios da avali.ii.ao ja feila.
Mas requerer mandado de manutencao......
nao. .. isso nao I
Ve-se pois que 0 decreto que citamos. no comeco
do artigo impoz expressamonte a Santa Casa da-
Misericordia, a obrigacao de antes de eulrarin
gozo do privilegio tornar effeutiva a indemnisacao ;
is fez uascor dessa obrigagao, para os fornecedures
de carros de enterro de sereiu inderanisados pee
viamente.
Mas a lei provincial n. 1,121, nio diz expressa-
mento que se (leva indemnisar aos fornecedures de
carros de enterro, an'.es de onlrar-se no gozo do
privilegio, iropoe simplesmente a obrigasao^ de
indemnisar 0 contrato colobrado pela Santa Casa
Jesta cidade, com Agra & C, tambem nada 0 di-se
expressaraente apenas constituio os contrataates
na obrigacao de indemnisar.
Ora, quando temos um decreto declarando ter-
niitiantemente que a Santa Casa da Misericordia
do Rio de Janeiro, (emquanto nio tornar effectiva'
a indemnisacao naopoderagjzar de privilegio ex-
clusivo do service mortuario ; ) quando temos
uma lei provincial sobre 0 mesmo objecto apenas
impondo aj contratante do privilegio exelusWa do
saw"
2
uma cau-a, qae os mesmos interessados d-ixam senso e tmor da justica p:rranao assumrr ares j
c orrer a rerefia, tal ea convicjao, qtie Ihes assis-'ponsabilidado On nut ac:o, que poderia tor com!
5' htMii qae se aumlfoa.
A Provineia em aeu namero lie *) do correnie
servico mi.rlua[io e de carros funebres a obriga-
cao de indemnisar aos deraais eslabeleciraenlos de
carros funebres existentes na cidade, ma" sim de-
elarar expressameule, como fez 0 decreto, que
essa obrigacao deva ser cumprida antes do comego
da execur;ao do conirato ; 0 que ncs mandam a
logi.-a e a boa razao concluir f
Effer-ttvamente devemos concluir: quo ^uanf>
ao decreto a indemnisacao e anterior ao exercicio
do privilegio, pois assim elle 0 exige expressa-
raente; quanto a lei provincial a indemnisacao
pode ser anterior ou posterior ao exercicio dp-
privilegio, pois a lei nao exigio que a indenraisa-
^ao fosse anterior.
Por outros termos: no Rio de Janeiro,_a .in
Jemnisacao previa e cpnd"Kao impcescuidive| e
indeclinavel parao comec<),do privilegio, aqui.nao;
pois nao e condicao indeclinavel.
Nao parega ao arliculista do Jirnql d i Becife,qoe
inventamos; nao : a propria lei conslitucional,,a
qoal ja 0 articulista se soccorreu, vem em nasso
apoio.
Assim pelo 22 do art. 179 da constijnicao,
pelo 2i do r'.iesrao .artigo, e manifesto que uma
cousa e desapropriagao e outra cousa e prohibi
r;ao da industria ou commercix.
E se a lei constitucioual distingue essas duas<
cousas bera vfi 0 articulista que pelo | 23,, nao
estao os contratantes olirigados a indemnisar pr*-
"iamente para se poder executar 0 contrato. i
Pr> hibido 11 genero fle industria ou commcreio,
ningueni e?ta desapropriado ; logo, a que vem a
indemnisacao previ 1, quand a lei qu a pmihibt,
shnplesmetite impoz a O'-rigacau de indemnisar
ao estabeleeimento do mesmo genero tie vndivstria
ou eommervio, mas nao disse que essa obrigacao
deveria ser cumprida previamenfe f
Ja se vC que no silencio da lei pTo^n-^al a.
1,141, nao devemos recorrer no g 22 do art. 1"$."
(da constituicao : ) porque, quando se diz direltp
dc propriedade, enlende-se lego 0 direitr> de usar:
exclusivamenie da omsa pres utondi rtabti*4i:
0 mesmo nao suecede coin a indaftfria-nu com--
mereia, a que s6 por nma lei so podera 1er onas*
exrlusivo.
On, nao ha lei qne tivesse (fcido ao estab-Ieci-
mento de Paula & Mafri, o n> wjclusivo da in-
dustria : elles nao teem a propriedatlo: ;tegt, part
que se acasWlU o arlimili.ta no$22 do art. tit
da constituicao f
Portanlo nao ha semeloanca entre a li qne tor-
nou exclusivo "privilegio do -ervico mortuario da
cidade do MU de Janeiro, c a lei -pr<>viual n>
1,121, desta provineia. e nem im sileacai 4esta
no- e permittiJo rucorrer ao $ 28 do art. I7, di
ci.n-tituicao, como f arliculista.
Medite bem o ariicuh-fcs e ha de ver ^*e na>
tem razao no seu mod* de rapi cinar.
O decreto n * tambem emhargaus passoe do arliculi 1.
Coutinuaremos.
A^riaileeiinento.
Ha sentimentos que nao podem ser tmdwidpi
por essa I'mguageei convencionil de^ne se-scrvenj
os I'omens, quando procuram nian>fu-lar as >-n
pre<-iW qne soffrem.
Para aquiilo que nosfero ligeiramenle s-6enti
dos, ou lisongeia apenis o nosso espirito. tap *ofli-
eienles as plifa que .ommumente ms servnn0- para aUeti&ama*
as nossas neces>idades ; mas it mxsino nl> aconltv
ce quando 0 nosso corae!) bate acelerailamentr,
Concei^ao dos militates.
Srs. Rfdaclore.Pe^o a Vmcs. quo em seu
conceituado Diario mc coneeda a publicacao das
seguintes linhas. Entrando eu anie-honlem na
igraja da ConceiQao dos Militares, fii|uei sorpretoen-
dido pela perfeieao de trabalho, e gosto coin.qm
foi feilo um jaz go pertencenle 4o Sr. Kmigdio X.
Subreira de Mello, admirando como ja disse a per-
feicao do trabalho, perguntei, 0 disseram-rae ser
da man do artista o Sr. Antonio da Silva Proa, que.
acaba de se estabelecer com olflcina a Travcssa
das Cruzes.
Reccba, pois, 0 Sr. Proa um aperto de mio, "
metis sineeros elogios, e desculpe-mo se com isto
oflendo sua modestia.
Recife, 12 de dezembro de 873.
A. I, de Si'iueira.
Da inaneirn jne ne deve w*er.
E' por certo un a cousa mui facil para tnia
pessoa embutir se ipiasi morialmauie -com reme-
dies purgativos compostos de mineraes acridos
venenosos, porom igualmente se aeha aoaeu al-
cance 0 peder rostabeleoer a saude e torcas lau-
cando mao do unico cathartico eapaz de tealau
rar as interrompidas funccoes do apptraiho di-
geslivo, sercrecao e expulsan, a ran eslado per-
feitn de saiido. sem <|ue durante a sna operacao
curativa debilile sysiema. Nas pilulas assuca-
radas de Bristol, eneonirar-se-ha ste grande
resultado, 0 qual tem sido, p-r tempo imuemo-
riavel debalde prncu-ado e desejado. JtHas sa
de uma ineslimavel aceitacao para os dy.-pepticos
os que soffrem de prisao de venire, os biliesos,
os rneu.naticos, os bydropieos, os exlenuados de
forcas, n'uma palavra sfto de sumroa elflcacia
para todos os que soffrem molestias procedentes
do eslomago, do figado ou dos intestines, sendo
nm meio prompto e seguro para u alcance de
um immediato allivio. Km todo* lestias chronicas (como sejam : iheumalismo, af-
feccoes do ligado, hydropisiae nevralgia)ou quan-
do a enfermidade apresente um aspeaio uloeroso,
lies-e caso a salsaparrilha de Bristol, como un'
poderaso meio de enriqueccr e purilicar 0 aangae,
pode ser tutnada com snrama vantagem eonjunc-
tamente, com as pilulas. Ellas vao mellidasdentro
de vidrinhos e por isso a sua conservajao e in-
tacla em todos os climas.
A. naedioiua pur exeelleneia do
Beeulo.
Nao lia nnhum remedio que tenha recebido
mais elogios ae todas as paries, como seja a sal
saparrilha de Bristul. Ella tem side approvada
pelo espajo de trinla e cinco aanos, por mais de
mil periodicos principaes; e pelos doutores,
chimicos e escriplores medicos de todos os paiies.
Faz quinze annos que loda a facnldade medica
de Bufalo, deu um tejieniunho unanime, de stia-
inestimaveis virtudes curativas, experimentadas
durante a longa pratica da sua prolissao. Qua-
renta medicos dislinctos, doniieiliadus era diffe
rentes povoacoes do estado de New-York, susten-
taram-nos co.11 um.outro testeinunlio nio men>-
empbatleo e summamente lisongeiro; e desde
entao cinco oilavas paries da mais escolbida -da
prulissao, (em contc,lado seus meritos, dobaiv
da responsabilidade de suas assignaturas, aoas
curas de escrofulas, cancros, tuinores e toda a
casia de molestias eruptiveis e ulcerosas, nunca
serao esquecida- emquanto a lingua ingleza for
lida e fallada. Cm uma palavra ellas tem sid
escriptas em todos os idiomas modernoe, e causado
a admiraeSo de todo 0 mundo civilisado.
Para todos.
A casa mortuaria de Paula & .Mafra cor.
tiniia a bem servir ao publico, em quantos
seus proprictarios t>u sJJo deferidos ,110 re-
curso que intcrpoem ao conselho d'estado
contra 0 mouopolio concedido a outrem, ou
sao a contento indomnisades pelos monopo-
Irstas. E para que rrrnguem se illuda a res-
peito, seicntificam ao respeitavel publico qu
se acham pruvides do material neeessario *-
com carros novos.
*
COMPANHIA
Phenix Per^ambucana.
Toma riscos maritimos em mercadoeks,
fretes, dinheiro a riscoje (inalmente de juer naturcza, em vapores, .novios a v6la ow
wrcacas, a premios muito modicos.
- RJJA DO GOMMBGIO N. 3i.
SEGUROS
C0NTR1 Q FOGO
A companhia Indemnisadnra, estabetecida
lesta praca, toma seguros uiaritimos sobre
oaviiis e seus carregamentos 0 contra to%>
'aa-do Vigario n. 4, pavimentp terreo.
COMPASIttiliiAfP
5guro8 maritimos e terijpB-
tres estabelecida aa Bahis
dm 15 de Janeiro em 1$ 7 ft.
CAPITAL 4,000:OQW?Ov>G.
foraa seguro de mercadorias 9.diaheiM> r
i
1
<
/
)
\ MUTILADD
JC
kkt.
1 *


Diaritf (feFarnamonco- Segunda feira, 22 de Dezen*M> de 187d.
^p* mtiritimo m ni p^f'deiuro e fcra do iiaperio, assim come
confra jogo sobre predfes, generos e f
rofidas. | <
Agente : Joatjtiira Jqs Gonc^ivcs Bettrao. com 17,700 kilos de assucar branco.
ru^jlo Commerf o m. 5, J* andar.
'/iti, car"-
kitos de
Pars Hamangaaae, na
regou : J. J. de Carvatbo 1 caiM e>m !
faW
~ Para o Rio dc Janeiro, no patacho brasilciro
Amur, carregou : Pinto Barbosa 4 G. 236 saccos
&
guro contru-fogo
THE LlVMll-OOL & 10ND0N4 GLOf
1NSU1UNCE company
Agentes
SAUNDERS BROTHERS A C.
IICorpo Santo11
pital.
('undo
NORTHERN.
CaPATAZIA da
aea*enio dr. dia 1 a 19
dddi do dia JD
ALF**DRG*
13:728*335
. 308*165
I4:03i#310
Jlodia 1 a 19.
VOLUMES SAH1DOS
No dia 10
.... 20,000:000300*
ie reserva. 8,000:0008001
Ag'tes,
Mills Latham & C.
RUA DA CRUZN. 38.
tACA DO REGIFR 20 DE DEZEMBRO
DE 1873.
AS 3 1/2 HORAS DA TABDK.
Cot*c#e afUriacA.
Algodaoda 1/ socle 8*000 poMo kilos, houtera
Gambio sobre Londres a 90 div. 25 3i8 d. dot
1*000, ""
Leal Seve
Pelo presidents
B. de Vasconeeilos
Pelo secretario.
tomeira porta
Uganda porta .
rerceira porta ,
Quarta porta .
^picha Conceicao
SERVICO MARITIMO
uvarengas descarregadas o trapiche
aifandega do dia 1 a 19 .
No dia 20
VaMJs atracados no trap, da ailandega
Alvarengas ..........
87,l
3i
21
20
3,300
30.7W
45
2
1
48
&-
ALPANDBGA
(Undimento do dia 1 a 19. .
Idem do dia 91) .
732 805*316
18:503i532
751:308,1868
Desiiarrogara boje 22 de dezembro.
Barca ingleza Fuzilitr diuersas mereadorias
para aifandega,
Patacho allemiL Actismereadorias para aifan-
dega.
Barca inglnza -floradiversas mereadorias para
aifandega e carvao ja despachado para
o cae- do Apollo.
Ban"a fran-cza -ilauricien vmko para alfande-
na e sal ja despachado para terra.
Barca iogl.z.i Jane Maria carvao ja despa-
chado para o caes do Apollo.
Barca ingleza James Dardsou farinha ja des-
pachada para o 5* ponto.
Vapor inglez -Cordova -(esperado) diversas mer-
eadorias para aifandega.
.M.T3RASAO NA VkUTS. DOS PnBCOS DOS GBNEROS
HMRITOS A DIREITOS DB EXPORTAQAO, NA SEMANA
OB 22 A 27 UK OEZEMBRO DB 1873.
Algodaoem rama on la 460 rs. o kilo.
Gouros de boi se-ccos salgados 577 rs. o kilo.
Courosde boi verdes 327 rs. o kilo.
Carvao de pedra estrangeiro, tonellada metrica
23*000.
Oarocode algodao 20 rs. o kilo.
Crina -animal em bruto 300 rs. o kilo.
Aifandega de Pernambuco, 20 de dezembro de
1873.
0 conferentc J. A. Wandeiiey.
0 1 conferente Jose Amancio do Outeiro.
Approvo. -Aifandega, 20 de dezembro de 1873.
\j inspector da aifandega
Fabio Alexandrino de Carcalho Reis.
AECEBEDORIA DE RENDAS INTERN AS GR
RAES DE PEKIUMBUCO
rtendimento do dia 1 a 19. 44 4574982
dem do dia 26 3:209*983
47.667*963
GONSGLADO PROVINCIAL
tendimeato do dia 1 a 19 128890*165
fdm do dia 80 ... 8:2683444
137:138*609
RECIFE DRAINAGE,
ttoodimento do dia 1 a 19. .
Idem do dia 20......
6:746*524
360*438
7:106*982
'0
~_T
IH|Milacau.
Patacbu allcmao Johnnn Carl, entrado de
Londres em 20 do corrente e consignado a
Saunders Brothers & C, manifestou :
Arroz 100 saccas a Antonio Francisco Cor-
ga. Amostras 1 volume a Adamson Howie
d C, 1 pacote a J. C. C. Doyle.
Baticos para jardim 2 caixas contendo 2
ditos a Amorim Irmaos & C, 2 caixas coa-
tendo 4 ditas a Balthar Oliveira & C, 2 cai-
xas idem 2 ditos a Manoel da Silva Santos.
Cimento 50 barricas a Antonio E. S. Ca-
inoes, 40 a Ferreira & C, 100 a Wilson
Rowe A^..J0a Vaz & Leal. Cha" 8 caixas
.a-itJsd M. dt Rosa & Filho. Chumbo 60
barris a Parento Vianna & C, 50 a Moreira
llalliday & C. Carvao de pedra 78 tonela-
das e 4- quintaes & ordem. Cabos;de mani-
Iha 49 rodas a Beltrao & Filho. Cerveja 30
caixas a Simpson iS C, 50 a Rabe Schmettau
iv 'J., 3 a Amorim Irmaos & C.
Espelho 1 caixa a Joao da Silva Ramos.
I.ouga de vidro 6 caixas a Joflo da Silva
Ramos. Chumbo 30 rolos a Moreira Hal-
liday & C. Limpador de facas, um em 1
iaixa a Joao da Silva Ramos.
Materiaes para o telegrapho 1 barrica e 1
volume d directoria goral dos telegraphos do ... A"l'! "^
D.n,:i vi^_ i i- a ii New-iorkPatacho
brasil. Mereadorias- diversas 8 caixas e 11
barricas a Manuel da Silva Faria & C, 133
barris e 40 caixas a Moreira Halliday & C,
5 barricas e 2 caixas a A. Caors, 2 volumes
a eslruda do ferro do Recife a 5. Fraiicisqo,
51 caixas a J Doyle.
Obra do bronze 1 caixa a Antonio Luiz
dos Santos.
Polvora 500 barris d ordem, 340 caixas a
loao Jose de Carvalho Moraes, 1,472 barris
50 caixa:> aos consignatarios.
Roupa decama e omamentos 2 caixas a
-loao da Silva Ramos.
Solpitre 100 barris a Parente Vianna &
C, 40 a Moreira Halliday &C, 50 a Von
l.obsteu & C. Saccos 25 fardos a J. 0. C
Doyle.
tapetes 1 fardo a Joao da Silva Ramos, 4
a Ferreira & Matbeus. Tinta 1 caixa ao
barao de Bemfica. Tecidos 15 fardos a
Adamson Howie & C.
Viveres 79 volumes a ordem. Vellas 14
caixas a Balthar Oliveira & C. Viuho Sher-
ry 25 caixas a" ordem.
iv. Zinco 1.0 barricas a Moreira Halliday
C.
MOVIMENTO E TRANSACgOES COMHERCr.VES YO
PRAgA DO RECIFE NA SE.HANA DE 15 A 20
DE DEZEMBRO DE 1873.
Cambies.
Sobro Loadrcs -a 90 d/v, 26 3/8,26 1/2,26 5/8
particular ; e do banco 26 3|8 e 2o 1/4.
sobre o Porio e Lisboa -90 d/v103 por cento
de premio particular.
Sobre Liiboa -A' visla 102 e 103 por cento de
premio particular.
Descontode lelras. 11, 12 e 15 po* cento ao
anno.
Entradw, do assucar e do algodao.
Assucar41,075 saccos.
Algodao4,282 saccas. Sao as entradas coahe-
cidas ate meio dia de sabbado 20.
Expirtacao.
Para o Canal (por ordens) 9,00 saccos de as-
sucar mascavado.
Para Gibraltar (por ordens) 5,430 saccos de
assucar mascavado.
Para Liverpool2,076 saccas de algodao e 1,800
saccos de assucar mascavado.
Para Hamburgo-1,339 saccas de algodao.
Para Barcelona -2,227 ditas de dito.
Para LisDoa3,651 couros, 20 pipas do aguar-
dente, 1679 saccos de astucar branco e 900 ditos
de dilo mascavado.
Para o Rio da Prata 2,525 barricas de assucar
branco e 500 de dito mascavado.
Para o Rio Grande do Sul -80 pipas de aguar-
dente, 2,500 saccos, 1187 barricas de assucar
branco e 30 barricas de dito mascavado.
Venda de generos.
Algodao de Pernambuco (paiz) regular garan
tido -7*700 por 15 kilograramas.
Dito do sertao-8* por 15 ditos.
Dito do Rio Grande do Norte 7*150 por 13
ditos.
Dito de Macao8*100 por 13 ditos.
"Couros salgados verdes 327 r6is por 15 kilo-
grammas.
Ditos seccos 577 idem, idem.
WPPg
'J II IJU.il .>
MOViMENTO 00 PORTO
OSSPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 19 DE
DEZEMBRO DE 1873.
Para as portos do exterior.
No navio inglez James Stuart, para o Canal,
arregou : A Brothers & C 1,100 saccos com
<2,508 kdos le assucar mascavailo ; Viuva Bastos
1.409 ditos com 03,n00 dilos ,le dito.
.Mu-nrigue portuguei Sobernno, para Lisboa,
oarregijq : Amorim Irmaos \ C. 2.000 saccos com
l'y),00O'bilos de assucar mascavado e 6tu ditos
^n 'to.iiflO dilos da dito branco.
N.i brigue p>rtuguez Vntele, para Lisboa,
carregou : rerretra Gascao & rMUo 170 couroa
salgailos tarn }; 40 kilos.
Na vapor inglez Aconciguu, para Lisboa,
carregou: J. B. Moreira 1 barrica com 12 aba-
eachiSk
Para os portos do interior.
Pa*a o Ri'i Grande do Sul, no navio nacio-
nal Rio Brancj, carrgou : L J. S. Guiaaraes
400 volumes rum 44,536 kilos de assucar branco.
Para p l!i i Grand.) do Sul, na barca naeio
aal_ Deolmd i, carrugoti L Duprat I'M barricas
com 3rt,47" l|i kilos de assucar branco.
Pan n Rio Graa-le d Sul, no brigue bra
I ciro Pronideiicia, c-arregon : Aiuorim Irmios 6t
C. 40il saeoiki com 7,500 kilos de a<-uc*r branco;
J. R. Ferreira 30) liarriras uo n 41.477 l|2.lit>s
dediu. ; A. F. Baltliar Sabrinlio 5.">0 saccos com
ii.25'' dius le dito.
i o Hi i Grande do Sul, no pata^ho bra-
siiein ? '"''"*d. cirrugou: Silva A liisjjao iOO
sascos coin I MM klos <<',< *-.r bianco, 50
barrio,n eo > Iflfti. >'iii>s ds (Jitu -iinenos e 203
i:Jas i; n^ 15,242 I '.o- dd dim ma r*3jj$e In) de Janeiro, ii> m, j p irtaguaa
t.'oriv'O^ yarren Sobrinlw
aacc.-^^Bji ">'. 5)1) Id is bruMfH.
Ijjphi ii itni de J iiieiro,. no-
i -g 11 : -iilva & Cai*aV> 200 sacco*
.13,01)0 ii1 m-.ir braito; A. Loyo
ditos n l ts 1.) da i.
'.ra -i .l.ri'iSio, no v.,, ,r lirasilairo (kH-\
zeiro d&$al. rar ejim : J. F. Oiscflia 4 C 10
saccos cam 7->0 kitJS, de assucar branc
Navios sahidos no dia 19.
BarcelonaPolaca hespanhola Izidra, capilao Boa-
venlura Golomer, carga algodao.
Antilhas Patacho inglez Britannia, capitao Kear-
ney, em lastro.
Navios entrados no dia 20.
Londres-42 dias, patacho allemin Johann Carl,
de 171 toneladas, capitao L. Lichtenberg, equipa-
ge ra 7, carga varios generos; a Saunders Bro-
thers 4 C.
Genova63 dias, patacho italiano Eimida 6., de
184 toneladas, capitao Angelo Ghers.equipagem
15, carga varios generos; a E. A Burle & C.
Navio soJiido no mesmo dia.
nacional Jaboatao, capilao
Cunha, carga assucar
Observafao.
Entrou da Bahia a corveta nacional Vital de OH-
veii'a.
DITAE$.
A camara municipal desta cilade faz pu-
blico para cenhecimento de quern interessar possa.
o artigo de postura abaixo tran cripto.
Art. 8' Xos primeiros oito dias do mez de Janei-
ro de cada anno, todos os medicos, cirurgides,
pharmaceuticos, droguistas, parteiras, sangrado-
res, dentistas e veterinarios, mandarao a camara
municipal a declaracao de seus nomes, naturali-
dades e raoradas. aum de que ella pussa mandar
pnblicar a lista de toda< estas pessoas ; os infrac-
tores serao multados em 10*.
Paco da.camara municipal do Recife, 19 de
dezembro de 1873.
Theodoro M. F. Pereira da Silva
Propresidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secrelarin.
- 0 Illm. Sr. inspector da thesuin.uu pruviu-
cial mandafazer publioo que no dia 30 do cor-
rente mez, perante a junta da fazenda da m sma
thesouraria, se ba de arrematar a quern por me-
nos ftzer o fornecimento de alimentacao e dietas
aos presos pobres da casa de deiencSo, no trimes-
trede Janeiro a marco vindouro, servindo de base
a rreraatacao os presos da tabella abaixo trans-
cripta:
DIETAS
Numero 1-380 rs.
2 400 rs.
' 3-640 rs.
- a 4-460 rs.
a 5 -400 rs.
Sera tambem. fornecida ao3 presos ceit na Im-
portance de 120 rs., em quanto esta orcado o al-
mojo e na mesma propor^ao. K para constar se
manlou fazer publico por este jornal.
Secreteria da thesouraria provincial de Per-
nambuco-, 19 de dezembro dp 187).
0 official maior
Miguel Alfonso Ferreira.
- 0 film. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, -em cumprimento do acto do Exm. Sr. com"
menda lor presidents da provincia, de 4 do m-z
corrente, manda fazer publico que, na mesma
thesouraria, aclia se aberta a in-cripgao de apoli-
ces de divi ja provincial, ao par, veiia^ndo o juro
drt 7 por qento ao anno, ate a importancia de mil
contos de r&s.
.Secretaria da thesouraria provincial de Pernani-
bnco, em 13 de d 'zeiobrb 1^ i873.
Vicloriam J U. Palharet,
Offl'M^l-inaior intndno
Tribuaal do Bi>rnmercio
0 tnb)Mai do com nerdo Ju pfov^ocia dd Per
aaraav'''a aos Sr->. on ueranuas nacio-
oae-, matriculados o ra c imparec^re-n no dia 14 da janein de 1874, as 9
h.uMs da, moilia, art ti' do decreto n. 696 ue 5
;do sate qbro Ja i8J'), nasala d.t A^ociagao Com-
ite^elicente, para proceder-se a eleicio
> uncional "dewm dVputado comiherciante, em substituic|p
do Sr. Candhlo Casimiro Giied>'s Alcoforado, qae
>licilou e obteve em ses-aode 11 do corrente mez
sauexonera.ao do cargo de deputalo, sob a sanccao
penal marcada no art. 5' do t tuto uoico do eo-*
dig^ oojnmercial, dovendo o.novo eleitoservir ate
o ajtinio do dezembro de 1874, tempo que faltava
Paulu os^ Gumes.
Pi-dro Goncalves Pereira Case Jo.
Pedro Osorio de Cerqueira.
Thomaz Francisco de Salles Rosa.
Tnomaz Teixeii a Ha>tos.
Vicente Mendrs Wanderley.
Vicente lo-e" de Baito.
Bacnarel Manuel Gomes de Maltos.
J "|o Anlouio da Silva Bastos.
Mathias Tavares de Almeida.
Jo-e Ant'iiiio Pinto.
Antonio Machado Pereira Vianna Junior.
Jo-e Luiz Goncalves Penna Junior.
Genuino Jose da Rosa.
Gapdido Jos6 da Silva GuimarSes.
Satyro Serafim da Silva.
Wanool do Nasciueuto Cesaj Bonlarmaque,
Jovmiano Mania.
Jose Rulino Glimaqo da Silva.
Esia cmforme. Secretaria do tribunal do com
merciu de Pemambueo. 18 de dezembro da
i873.
0 official maior.
_________Julio Augsto da.Cunha Guimaraes.
0 Dr. Sebastiao do Kego Barro3 de Lacerda, juiz
de direito espeeial do tvianie:,*cio nesta cidade do
Recife de Pernainbu;o, por i. M. o Imperador,
que Deus guarde, etc., etc
Faco saber aos que- o presents edital v.irem, que
pop pane de Jus t.onfaives da Cruz, me foi diri-
gida a pelicao do U^irseguint) :
Illm. Sr. Or. juudo emnnieiciu.-Diz Jose Goo-
calves da Cruz, que a 24 do c jrrente se Cnda q
prazo para a presrrpcao .la letta junta, da quantla
de 2:209.320, ae.eita pelos Sm. Julio dos Santos
Pereira e Aunusto Beltrao, e c. mo Julio esteja au-
sento e em lugar incerto e nao samde pelo que o
supplicanie quer proiesiar pela prescripejip eqvje
seia n itifkado o seguado para fioar soienta da
interrupcao da presciipcaq e para vir em juiza
dizer se e verdade cu na, nao se saber onde exis
te o dito Julio dos Santos Perolra, e que seja en-
tregqa a justilicaeau suppli-aate. Assirn pede
fV. 8. deferimeoto. E rec.eb.sra mere^.
do dezembro oe i8T3. Jo-e Goncalves da
Estava. seljada dita pelicao com o sel!
Iha na importancia de 200 r
sada na f&nna daflej. Na qnji de
guinte:
ao snhrtitnido, de confiirmldade com o que se acba
ettabeleVido no art. 4* do citado titolo.
E para conrtar,, mando l o sobredito tribunal
fazer este edited rtntoi assiirnaifo pefe sen secreta-
rio, sera publicado no Diwrio de Pernambuco e
Jornal do Recife, affixad) na praga do cominer-
cio, com aiisti de qua tnta.o art. 5* de deweto
n. ti96 do 5 sftumtare lr IWO.
Sflcretaria do Tribunal d> Comradrcio de Per-
nambuco. 18 de deiembro de 1873.
E eu, JoaquimOlinto BastevseewOrio, o snbs-
crevi.
Lista.
Francisco Vieira Perdigio.
Felisbcrto Ferreira de Oliveira.
Antonio Jose Laal Reis.
Antonio de Souza Pavolide.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
Antonio Luiz dos Santos.
Antonio Munit Machado.
Antonio Valenlim da Silva Ilarroca.
Antonio da Suva Perrelra Junior.
Antonio Alves Barbosa.
Antonio de Moura Rolira.
Antonio Fraucisco Martins do Miranda.
Antonio Igrracio do ftego Ktedeiros.
Antonio J>e Silva do Brasil.
Antouin Joaquinj de Vaseoujellos.
Antonio Francisco Per. ra de Lyra.
Antomo Gomes de Mattos,
Antonio Climace Moreira Tnmporat.
Antonia Luiz de Oliveira AzevedO.
Autonio Jose Danlas.
Aureliano Augusto de Oliveira. |
Augusto Frederlco de Oliveira,
Alftvdo Henrique Garcia.
Amaro Jose dos Pcazares.
Augusto Octaviano de Souza.
Antonio Seraphim da Silva.
Antonio Juaqnim Seve.
Barao de Ouricurv.
Barao de BenMica".
Barao da Soledade.
Harao de Nazareth.
Barao de Santa Cruz.
Baqtholomeu Francisco de Senza.
Bemnrdino de Sena Pontual.
Gae'ano Cyriaco da Cosu Moreira.
Cocbiniano de Aquino Fonceca.
('.(audio Jose de Sant'Anna.
Carlos Pinto de Leuios.
Carlos Jose de Medeiros.
Doanng-is Alves Jlatheus.
Demetrio Acacio de Araujo Bastes.
Daniel Cesar Ramos.
Elias Baplista da Silva.
Edoardo Candido de Oliveira.
Francisco Ferreira Baltar.
Francisco Antonio Gomes de Mattes.
Francisco Apolonio Bezerra da Suva.
Felippe Antonio Rodrigues da Costa.
Francisco Aceioli de Gouvea Lias.
Feuciano JoseG unes.
Francisco Antonio da Rosa.
Francelino Xavier da Fonceca.
Francisco Joaquim Ribeiro de Brito.
Francisco Iguaoio de Oliveira.
Francisco de Albuquerque MWIo.
Francisco \ntonio de Ass is Goes.
Francisco Ferreira Baltar Junior.
Henrique BernarJe- de Oliveira.
Hermmio Egidio da Figueired).
Ivo Antonio de Audra^de Luna.
Jos6 Jeronyno Monteiro.
Jose Marcclino da Rosa.
Joao Ignacio de Medeiros Rego.
Jose Francisco Sa Leitaa.
Joaquim Mauricio Gonjalves Rosa.
Jose Gomes Leal.
Joao da Cunha Magalhaes Junior.
Joaquim Jos6 da Gosta Fajozes.
Jose Rodrigues Pereira.
Jos6 Pereira da Cunha.
Jose Joaquim Dias Fernandes,
Jose Velloso Soares.
Joan Chrisostomo Goncalves Rosa.
Joao Joaquim Alves.
Jose" Pereira da Cunha Junior
Jos6 Moreira da. Silva.
Jose Augusto de. Araujo.
Joao Baptists Gomes Penna.
Jose de Sa Leitao Junior.
Jose Piroa Ferreira.
Joao Pinto da Lemos.
Jose Francisco do Rego! Mello.
Jj-e Antonio Moreira Dias.
Joao Manuel Pontual Junior.
Jose Ferreira d Silva.
Jose Felicia no Nazareth.
Jos6 Alves Fernandes.
jo-6 Francisco Lavra Penna
Joaquim Felippe da Costa.
Francisco Jose da Silva Guimaraes.
Joaquim Olinlo Bastos.
Joao Pereira Rego.
Joao Jose da Silva.
Joao Jo-e de Carvalho Moraes.
Joao da Rocha e Silva.
Joaquim Gemmiano de Arruda.
Joaquim Jos6 Ramos.
Jose Alve< Barboza Junior.
Joaquim de Souza Silva Cunl a.
-oaqnim Alvaro Garcia.
Jose da Silva Lnyo Junior.
Joao Walfredo de Medeiros.
Jayrae Romaguera Filho.
Joaquim Bernardo dos Reis.
Joaqu'm Lopes Machado.
Jos6 Fi-rreira Balur.
Joaquim Francisco das Chagas e Silva.
Jose nomingues do Carmo e Silva.
Jos6 da Assumpcao Oliveira,
Jos6 Luiz de Mello.
joao Rodrigues de Moura.
Joaquim Ildefonso da Molta Silveira.
Luiz Antonio SiquHra.
Luiz Joe da Silva Guimaraes.
Lourenco Luiz das Neves.
Luiz Goncalves da Silva.
Luiz Alfredo de Moraes.
Luiz J '.-e Pereira Simoes.
Leonidas Tito Loureiro.
Manoel Duarto Rodrigues.
Manoel Antonio da Silva More ra.
Manoel Joaquim Ramos e Silva.
Marcelino Gongalves Rosa.
Man. el Joaquim Roilrgues de Souza.
Miguel Jose de Abreu
Manoel Jos6 .la Silva Guimaraes.
Manoel Pereira Lemos.
Manoel Victor de lesus da Malta.
Manoel Januario de Arruda.
Manoel Moreira de Suuza.
Manoel Alves Guerra.
Manoel Pereira da Cunha.
Martinuo de Oliveira Borges.
Olympio Goncalves Itosi.
I'edro Jpaquim Vianna de Lima.
T
* ?
Distribuida. Tome-sc o protcslo e se intime ao
snpplicante, quanto ao outro ausanto justifique.
Recife 9 de dezembro de 1873, ftjros de La-
CLrGil.
Em virtude degj meudeapaeho (aw a peticao
distribuida ao escrfvio deste juizo Manoel Maria
Rodrigues do Na*eimento, e qua! lavtou o termo
de prolesto segaime :
Termo de protesto. Aos M de dezembro de
1873, na cilade do Recife e cartorio, appareceu
o sapplfeanta Jos6 Goncalves da Crue, e dissa pe-
rante aim a as testemunnas infra assignadas, qua
reduzia a protesto o conteudo de sua pelicao retro,
a qnal offerecia como parte do presente que flea
sendo ; e de como a vro este termo, no qnal depois de lido, se firmou
com as ditas testemunnas.
Bu, Manoel Maria Rodrigues do Nascimon-
to, escriyao, o escrevi. Jose Goncalves da Cruz.
Bernardino Jose da. Silva. Francisco Joaquim
Pereira e Silva.
B, tendo o supplicante produzido auas testemu-
nnas que juraram acliar-so o sujjpiuja*) Julio dos
Saatos Psieira, ausenlc e em lugar incerto e nao
sabidaf salTadbs a preparados os autos, me fez con-
clusos e nelles proferi a seotenea seguinta :
Uei por juslilicada. a ausencia do supplicante
Julio dos Santos Pereira a quem o protesto de
folbas sera intimado por editaes com 30 dias de
praio uBixados e publicados. Custas ex-causa.
Keaife, 17 de dezembro de 1873. Sebastiio do
Bboo Barai* de Lacerda
H raais se aao etintinha em dl(a min.ta sentenea
aqui transcripta e copiada^ por forci da qual'o
escrivao fez pa-sar o presefife edtral, pelo qual
chamo, erto e hei por intimado-o dito aoaente Ju-
lio dos Santos Pereira, par* que eompareca nes-
te Julia- #e.mro do pnwo de 30 dias, afim do ae-
gai; o quo fo ae jastic*.
K para qua clieguo 'o conaecimenlo de todos,
mandei passar o-poeaautos qua sari Mo e publi
cadp pola Mnpreosa e affisado am lugareado coa-
tuoe. Cidade do Recife de Pernambaco, 19 de
dezpmbro de 1873.
Bu, Manoel Maria Rodrigues do Nascimen'o, es-
crivao, o subscrevi^
Recife, t9,d> dezembro da 1973.
Sebasliao.d)Itego Barros de Lacerda.
Sala das sessfies de conselho de compras de
marinha de Pernambnco, 19 de dezembro de 1873.
O secretario
Alexandre Bodriguea ds Anjos.
'=-=0 adujtnislrador da reeebedoria de renda.*
mternas geraes faz sciente aos contribuintes da
decima addicional, que e no corrente mez de de-
zembro que tern de ser pago, sa multa, o pri-
meiro semestre do exercicio de 1873-74, e com a
multa de 6 0|0 depois do referido mez.
Reeebedoria de Pernambuco, 5 de dezembro de
1873.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise
ricoroia do Recife, z njpetenlemeute autorisada
pela presidencia, era data de 3 de setembro do
anno proximo fiado, e da canfarmidade com o que
disp<5e o g 9. art St do seu com romisso. per-
Tiuta eor apolices da divida pubiica a fazenda de
criar gados que poeaue o patrimonio dos este-
belecimentos da caridade a seu cargo denomiua-
da Carnauba sita ne termo de Flores desta
proviueia, com terrenes para eriar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaccun.
Recebe para isto propostas nesta. secretaria ate
o dia 10 de deierabro do corrente anna.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
:ife, 10 de ontubro da 1973.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Real eompanhia de paquetes
inglezes a vapor.
Ate o dia 27 lo corrente, espera-se da Europa o.
vapor inglez Boyne, commandaute F. Reeks o qnal.
depois da demera do costume seguira para Bue-
nos-Ayres, tocanJo nos portos da llabia, Rio de Ja-
neiro e Montevideo.
Na- dia 30-do corrente, ccpora go da*
sul o vapor inglez Neva-, cmajandaDta I flax,
quaj depois da demora do costume, i
para Southampton,
ceate e Lisboa.
Para fretes, passagens, etc.
rua do Commercio n. 10.
tocando nos portaVde'l
trata-se na ageneia,
*W
MttAMCflB.
COMPANHIA
DOS
TRILHaS URHANOS
DO
Recife a Olinda.
E Bebcribe.
Attendendo as recla-
rnagoes dos Srs. passa-
geiros de Olinda e Be-
beribe, deliberou a ge-
reucia desta eompanhia
augraentar provisoria-
20 do corrente era diante,
9 1/2 horas da noite
Obras militares.
A 22 do correntetBelas. U horas da maaba,
tc-ra logar na reparlicaa dos obras publics a ar-
rematarao das obras necessarias para a remocao
da capelia do hospital miiitar, de um comparti -
mento para outro, orcadas em 278*080 : quem
se qufci;r enearregar deste servico, apresente
snas propostas em carla fechada, no dia, hora e
lugtir acima de^ignados.
Pernambuco, 17 de dezembro de 1873.
0 engenheiro das obras militares,
________. Chrys-ohto F. de Castro Chaves
AMIIA lAHkW
JgrXtttr
meute, do dia
mais um tren diario as
para Beberibe, bem como outro para Olin-
da, nos dias de sabbado o doraingo, as
10 1/2 horas do noite.
0 gerente,
_______Laurentino Jos6 de Miranda.
9. ImtuHitlu de iufuntai'in.
0 conselho economico deste batalhao, contrata
com quem maiores vanlagens olferecer, para o
ornecimento das pracas arranchadas durante e
priineiro semestre de 1874, os generos abaixo de-
clarados, reduzid is pelo systema metrico decimal
francez, e po>tos no quartel por conta do arrema-
tante ; a saber :
Arroz, kilogrammos.
Assucar mascavado reflnado, idem.
Azeite d Bacalhao, kilogrammos.
Cafe .m grao, idem.
Carne verde, idem.
Came secca, idem.
Farinha de mandioca, decalitros.
Feijao mulalinho, idem.
Lenha, achas.
Manteiga franceza, kilogrammos.
Manteiga^ingleza, idem.
Paes de 172 grammos.
Paes-de 114 grainmns.
Toucinho, kilogrammos.
inagre, litros.
As propostas serao apresentadas em carta fecha-
da na secretaria do respectivo batalhao at6 as 11
horas do dia 22 do corrente.
Secretaria do commando do 9 batalhao de in-
fanta ria, no Hospicio, em 18 de dezembro de 18?3.
* 0 alferes secretario,
"i7on Fiock Romano
SANTA 0
I>A MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Mima, junta administrativa da santa casa da
Wisericrdia do Recife, manda fazer publico que
na saia de suas sessoes, no dia 23 de dezembro
pelas i horas da tarde, tem de ser arrcmatadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tr s an nos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....306*000
Rua da Viracjlo
Casa teorea n. 7 (fechada) 240*000
Travessa de S. Jos6.
Casaterrean.il.......201*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalta velha.
Casa terrea n. 16. # .
Becco das Boias.
Sobrado n. 18 -. .
Rua da Crnz
Sobrado n. 14 (fechada) .
Rua da Guia
Casa terrea n 23. ...
Ruo do Pilar.
Casa terrea n. 98.......241*000
Casa tereea'n. 99 (fechada) .... 351*000
Idem n. lO'i.........241*000
Idem n. 102........241*000
Rua do Rosario da Boa Vista
Case terrea n. oSfechada.....245*000
Rna da Moeda.
Armazem n. 37 (fechado) 800^000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacio as suas flanijas, on comparecerem
acompanhado3 dos respectivos tiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabcleci-
monto commercial, assim como o servico da lim-
peza e precos dos apparelhos.
Secretana da santa casa da misericordia do Re-
cife, 20 de dezembro do i873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
C; nselhi) de Ciuiipras de manuka.
Paco publico, d'ordens do conselho, que o con-
trato aunuuemdo para 23 do correato mez refere-
se tambem ao fornecunento ao arsenal de mari-
naa, no trimestre proximo vindouro de Janeiro a
marco, de carvao, cok, tijolo de alvenaria grossa
e carvao proprio para ferreiro.
Sala das sessSes do ceaselho de compras de
marinba, 20 de dezembro de 1873.
0 secretario,
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
0 conselho economico do 2." batalhao de in-
fantaria, tendo de conlratar o fornecimento dos
generos alimenttcios abaixo declarddos, para as
praeas arranchadas no primeiro semestre do an-
no vindouro, convida aos Srs. negocianles qne a
MM se quizerem prop6r, a appresentarem suas
oroposus em cartas fechadas na secretaria do ba-
talhao no dia 26 do corrente mez pe.as dez, ho-
ras da manha, certos os mesmos Srs. da que os
generos devein ser da melnor qualidade que hou-
ver no mercado, fornecidos pelos pesos e medidas
do systema ultimamente adoptado e pdstos no
luartel por conta do cantratanle. Previne se
mais que nao serao aceitas as propostas que nao
con'iverem explicitamente os pregos e todas as
declara$oes necessarias sobre a qualidade dos
mesmos generos, nao se tomando em consideracao
aquellas que nao assentarem sobro essa base de
legitima concurrencia 03 generos sao os scguin-
tes : arroz pilado, assnear branco reflnado, azei-
doce, bacalhao, cafe em carogo o raoido, carne
sezca, carne verde, farinha de mandioca, da ter-
ra, (litre) feijao molatinho e pr to, (litre) paes de
115 e 230 grammas, manteiga ingleza e franceza,
toucinho de Lisboa, vinagre de Lisboa, milho
branco pilado da Rio de Janeiro (que denominam
cangica) e lenha. em achas.
Secretaria do commando interinodo 2.* batalbae
de infantaria em Pernambuco, 22 dc dezembro de
1873.
0 alferes Joao Baplista de Siqueira,
________________Secretario. ____________
Western and Brazilian Tele-
graph Company Limited.
0 vapor Hooper, agora
DE
LhHfVM
Haceid, I'encdo, Aracuja
e Uakia.
E" esperado dos portos do sul'ate" o dia 2ido
corrente o vapor Penedo, o qua! seguira para, os
portos acima no dia seguinte ao "da sua che-
gada.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a trete.
AGBNTBS
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
57Ruado Bom Jesas-KT-'
209*000
421*000
1:000*090
200*000
CONSELHO DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA.
0 conselho pro., ove n > dia 23 do corrente mez,
a vista de propostas recehioas ate as II noras da
manhi a compra sob as c.indicoes do estylo dos
objectos do material da armada segninti-s :
25 almotolias de folha .le flandres, 60 kilns de
ague raz, 4 barri* de breu 60 pecas de brinzSn
ou meia lotn, (iftitilon de e-tanho em verga,.700
kil s de estopa alg dao, 30* kilos de estopa de
lipoo, 70 metros de encerado para payment., com
12 de largo, 30 litres de espirito de vinho, 10 ki
les denude algod5, 100 varoes de ferru rodoadu
de 9.niH07 de grossura, 8n varies de ferro redon-
1o.de 0,iu027"de grossura, CO varoes; de ferrj qua
dia lo oo O.oiOi:} de grossura, 60 varoes.de ferro
qa'idrado de 0,m004 de grossura, 60 varoes de
ffrr.iquadradodeO.m0ii de grossura, 100 bar-
le ferro pio.rio para grelha, 700 kilos de
graxa do Kin Grande, 15 kilns de goramalacca,
r"0 litros de Kcr >aene. 4imi f.dhas de lixa de vidro
0- 5. 100 navalhas de irtarinhHiros, fiOB kilos de
ocre, 3 000 kilos de oleo de liuhaga. 6 pant-Has de
frrio, "2 pellet preuaralas para caixa de guerra,
00 mrnros de tubos .|h friro para agua com
0,in08i d dia metro, 13 kilos do ta-lns de cobre,
114 kilos de tach s de c lire de, 6/0, 3 barris de
v-ruiz collar, 2 vergonte:.* de pinbo. cm 16 rae-
iins de cipri!i:i.ii.i,J0,3:t em nma ponia e 8i28
ilia, 2 vergont.-i-. .le niuho com i metros
iipriment., 0,2S em uma ponU e 0,l em
uiir>.
Ta i.bem o con-eHiode ignal forma contrata ao.
' dia J.I do corrente mez o ^rneci-
iroxlmo vindouro de janefro a
can leas de flanella azul fer-
impenaes mariaheir
r-te para
ditos.
ancorado neste
porto, vai immergir a segunda secgio do
cabo que ha de ligar Pernambuco d Bahia e
Rio de Janeiro, e espera-so quo a commu-
nicacao por toda a extensio do cabo, desde
o Rip da Janeiro ao Para" serd aberta ao
publico no proximo mez de Janeiro.
As taxas pelos telegram mas expedidos de
Pernambuco serao as seguintes
Para o Para"..........ijkjoO cada palavra
a Bahia ........19000
o Rio de Janeiro.. 15J500
Os nomes o o endereco dos destinatarios
e remettentes serao incluidos no numero das
palavras a pagar.
Telegrammas para lugares dentro do pe-
rimetro d'um kilometro da estagao tele-
graphica ser5o entregues livres de despezas,
mas os que excederotu pagarao 500 rs. por
cada kilometro ou fracgSo.
Quando qualquer telegramma forentregue
por meios especiaes, a despeza feita correra"
por conta do recebedor.
A somma de 200 rs. sera" cobrada para
portes do correio nos telegrammas destina-
dos aos portos do Brasil e a de 500 rs. na-
quelles destioados ao estrangeiro.
0 remetienla do telegramma tem a esco-
Iha de pagar a resposta qua desejar seja
lada pelo seu corre-pondente, se este quizer
que a resposta s6 conste -de 10 palavras, as
palavras (resposta pga) serao inseridas no
telegramma e cobradas, mas se elle desejar
que conste de maior ou inenor numero, entao
o numero de palavras sera" declarado em se-
guida ds pal vras resposta paga, porexem-
dlo : resposta paga. quatro palavras e estas
serao igualmente cobradas; se o remettente
para maior seguranga quizer qoeo seu tele-
gramma seja repetido o poderi faze", pagan-
do a metadedo custo do mesmo.
Esto feitos accordos em virtude dos quaes
I podem expedir-se telegrammas para todas as
partes do mundo: do Pard pelo vapor ame-
ricano qu sahe daquelle porto para S. Tho-
maz a 5 de cada mez o dalli serao telegra-
pbados ao seu destino, os pregos para taes
telegrammas que agora podem ser pagos
adiaiitartos ate" ao seu destino, podem ser ob-
tidos, procurando se nas respectivas estagOes
telegraphicas.
Por acconto feito entre duas coinpanhias,
a iinha da Piatino Brasileira Telegraph
Company'surd trabalhada per esta empreza, e
no coinplt-uieiito das linhas, o que so espera
dentro em p'.ucos mezes liavord communi-
cagao telegraphies directaentra as principaes
cidades do Brasil, Montevideo, Buenos Ayres
e costa do Pscitico.
Pernambuco, 6 .le dezembro de 1873.
Roberto M. Hyde,
Gerente do tnfego.
-LLJ -J ......' i"pIgg
Compunliia Fraiceza dc Navoga-
CHo a vapor
Linhamenscd'entre o
Havre, Lisboa, Pernambuco. Bio do
Janeiro, (Santos, somente na vol-
(a ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baltleacao aara o Rosario)
STF \>IFR
VIluVi^ D^ SANTOS
Coniauandanle Lefevre.
E' esperado da Europa, ate ii do corrente, se-
guindo depois da indispensavel demora para
portos do sul de sua escala.
Belativamento a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tern excellentes acommodacoes
por precos reduzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. DOLIVEIRA 4 C.
42Rua do CommercioEntrada pela rua
do Torres.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB
\avegacfto costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Coruripe, com-
mandante Santos, seguira para
o porto acima no dia 27 do
corrente, as 8 horas da tarde.
Recebe carga, encommen-
das, passageiros e dinheuroa
frete ale as 2 horas da tarde do dia da sahida:
escriptorio no Forte do Matto? n. 12.
Rio Grande do Sul
Para o R'o Grando do Sul pretende seguir pom
brevidade o paiach. portuguez Jovtn Conea, por
ter alguma carga; e para a qne Ihe, falla traU:se
com os consignatarios Joaquim Jus6 Gongalves.
Beltrao, a rua do Commercio n. 5.
Lisboa e Porto
Segue viagem muito breve a galora portugueaa.
Ltsboa, por ja se achar coin quasi todo o ecu car-
regamento tratado- Para a ponca carge que lhe
falla e passageiros, aos quaes offerece muito boui
OOinmodo : trata-se com Tito Livio Soares> xxa,
do Vigario n. 17.
LISHO
Para o referido porto pretende seguir com a pos-
jivel brevidade o brigue portuguez D. Anna, nor
ter ja alguma carga engajada ; e para a que Ihe
alia, que recebe a frete commodo, trata-se com
as consignatarios Joaquim Jose Gongalves Beltrao
A Filho, a rna do Commercio n. 5. _________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
iHavegacito costeira a vapor.
MACEI6, ESCALAS E PENEDO
0 vapor Mandahu,
conimandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente, encom-
aiendas ate 0 dia 30, pasjagens e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no For'e do Mattos n. ii._________
COMPANHIA PERNAMBUCAKA "
DE
.lave^aeflo costeira a vapor.
FARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA-
TY, CF.ARA, HANDAI1L' E ACARACO'.
0 vapor Ipajtica,
commandanlo Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as 5
horas da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente, eucom-
mendas ale 0 dia 30, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
8scriptorio no Porto io Mattos n. 12.

Para. Lisboa.
Seguira em poucos dias a barca portugueza
Gratidao. Para alguma p..oca carga fra> I'oe falta,
trata se com E. R. Rabello 4 C., & rua do Com-
mercio n. 48.
avisos Miu.miM$
Aracaty
com escalas por Macao saba nestes dias 0 novo e
sugeriur palhab'Jte nacional Ls nillo dt Cruz, ca-
pitao e pntico Manoel I'aetaro da Gosta torn
parte de seu caregamento proinpto ; para o resto
irata se com 0 consignatario Antonio Alberto de
Souza Aguiar, a rna do Amorim n. 60, ou com o
oapuao 3 bordo do mesmo palhabote fundeado
cupfrnnte. ao trapicbe da cimpanhia.__________
Papa o Rio Grande do Sul.
Bahira muito breve a barca qacional Deolinda.
Roceba aiuda alguma pouca carga, para 0 qne
trata-se com E. B. Rabello & C, a rua do Com-
mercio n. 48.
Pacific Sleaui Navigali n -to^f
Linha quinzenal
0 PAQUETE
COTOPAXI
9*J
LUS1TANIA
asnera-se aqni da Enropa'art 0 dia 22 !o enrrente
a depois da demora doiostnmn k rt saj
do imperio, Rio'da Praia a enst ;>
onde recebera passageiros, eneommeodas e dinhet-
to a frete.
OS AGHNTES
14
WilronRowc 4 C.
] mmmii
00 COMMERCIOli
J
L


-# r
*
\ 4 f i c
<
it.<
Diario de Pemambuco Segunda feira 22 de Dezembro da 1873.
<
PARA
i Prcteode iieguir com brevidade para o Para, o
biate Olinda, por ter parts de sua carga, e para
*a que Ibe falta, irj.ta-se com 03 coosignatarios Joa-
(jtum Jose Goacal ves Beltrio <& Fitho, a rua do
Oommercio n. 3.
Lisboa
Para 0 referido porto pretetde seguir corn pouca
demon 0 lirigue portugiez Ligtiro 111, de I*
classe, capi.ao Nobre, por ter a raaior parte de
teu carregamento engajado, e para 0 resto que Ibe
falta trata-re ooni 0$ eonsignatarios Joaquira Jose
Gon^vcs Beltrao & Filho, a rua do Commercio
B. 5.
Rio Grande do Sul
Para aqaelle porto recebe 0 patacho nacionai
Leopoldina carga a frete, devendo seguir Tiagem
em poucos lias : para tratar, no escriptono de
Sdva & Cascao, j'i rua do Harquez de Olinda n.
CO, 1* andar.
LE1L0ES.
Grande
LEILAO
DE
longa e diversos artigos de gosto
SENDO:
Urn piano, 1 mobilia de jacaranda a l.uiz NV,
com 12 cadeiras de goarnicao, 1 de bracos, 2 de
balanco, 1 sofa, % consolos e jardineira com tampo
de pedra, 1 dita de amarello com 12 cade Iras de
guarnicao, 2 ditas de balanco, 2 de bracos, i so-
fa, 2 consoles e jardineira com tampo de pedra, 1
toilette de jacaranda, 1 lavatorio, i guarda-vesti-
dos, 1 mesa elastica, 1 secretaria, 1 carteira, I
ostureira, commodas, cadeiras avulsas, camas
francezas, marquezocs,' capachos, escarradeiras,
jarros, lour a para almoco, dita para jantar, vasos
para flores, espelhos dourados e muitos outros
objectos de phantazia que estario patentes no dia
do leilao ; assim como am variado sortimento de
joias, como sejant pulceiras, annei*, alfinetes de
peito e tambem algumas obras de brilhante
Hoje
&S 11 horas da manha
Por interven^an do agcnte Pinho
Borges
a foa do Marquez de Olinda n. 2\.
LEILAO
Em liquidaqao
DA
laveroa 87 da rua do Hondo da Boa-Vista,
aotiga Caminho Novo
HOJE
O agente Martins fara leilao da taveina da rna
do Conde da Boa-Vista, em um ou mais lotes a
vontade dos compradorcs. tendo grande quantida-
de de vinhos, cuja taverna se torna reeommenda-
vel por ser b'em localisada e ter commodos para
moradia.
A's 11 horas do dia acima.
Grande
?
Edital n. 110
- Pela inspectoria da alfandega de Pernambaco se
faz publico, que nio te tendo arrematado as mer-
cadorias abaixo declaradas, annunciadas a leilao
por editaes n*. iOi e 106 por falta de concurrent
cia ao valor official, se transfers a raesma arrema-
tacao para as 11 boras da manha do dia 23 do
corrente a porta desta reparticao.
Trapiche ConeeicAo.
Marca T 31 canastras com alhos o com pi in-
cipio de avaria, pesando 657 k.los, vindas do Por-
to na barca portugueza Vcneedora, descarregadas
em 16 dc julbo do corrente anno, a avaliadas por
43*800.
Idem ACS 6-* ditas idem idem, pesando 1,049
kilos, avalialas por 69*933.
Idem X 30 ditas idem idem na barca portu-
gueza Nova Sympalkii, descarregadas em 12 dc
agosto passado pesando 582 kilos, avaliadas por
72*750.
Sem marca 116 ditas idem idem, pesando
1,604 kilos, avaliadas por 200*500.
Marca M 50 ditas idem idem, no vapor por-
tuguez Julio Diniz, descarregadas em 23 de agos-
to passado, ptsando 1,100 kilos, avaliadas por
146*666.
Sem marca 1 grade com plantas seccas, vin
das do Porto no brigue portuguez Recife, descar-
regada em 29 de setembro passado, sem valor.
Alfandega de Pernambaco, 20 de dezembro de
1873.
0 inspector
________________Fabio A.deC. Reis_______
Faculdade de direito
De ordem do Exm. Sr. conselaeiro director, vis-
conde de Camaragibe, faco pnblico que a inscrip-
cao para os exames de sciencias comecara no dia
27 do corrente e terminara no dia 17 de Janeiro
proximo vindoaro, de conformidade com o aviso
de 27 de setembro do anno proximo findo, que
raodiQcouas instrucc5es qae baixaram com o de-
creto n. 4430 de 30 de outubro de 1869.
0 que se pretender inscrever devera faze-lo na
secretaria desta faculdade por meio de requeri-
mento ao Exm. Sr coBselhoiro director, declaran-
do nao s6 a roateria em qae se tern de inscrever,
como tambem aquella on aquellas em qae ja tiver
sido approvado ; a filiacao e naturalidad* ; c bem
assim exhibira attestado do director do collegio ou
professor que o houver ensinado, cerlificando a
saa habilitacao e se a letra do requerimento e
assignatura sao do proprio punho do examinando,
tudo de conformidade com os art'gos e 2* das
instructors quo baixaram com o decrelo n. 4430
de 30 de outubro de 1869.
Secretaria da faculdade de direito do Recife, 20
de dezembro de 1873.
0 secretario
Jose Honorio B. de Menezes
JoseFelippe de Albuquer-
que.
0 tenente-coronel Pedro Francis-
co de Albuquerque, sua multaer e
filhns, rogam aos seas parentes e
amigos que se dignem de assistir
as missas que teem de ser celebra
das por alma de seu finado filbo
tenente Jose Felippe de Albuquer
que, no dia terca-feira, 23 do corrente, as 7 li2 ho-
ras, no convento de N. S. do Carmo, setimo dia
de sea passamento, pelo que manifestam seu re
conhecimento. ______________^___^
ao ar:
DO
VAPOR FR4NCEZ
RUA DO BARAO DA VICTORIA
N. 7Outr'ora NovaN. 7
Calcado
Tern sido apresentada ao pnblico
Durante o espaco
DE
4 0 A N N 0 S.
SVI.S\P\TOUI.H\
DE
RBISTOL
Para homem.
BOTINAS de bezerro, cordavlio, peHica, Instre e
de duraque com biqneira, dos melhorei
fabricantes.
SAPATOES de beierro, de cordavao e de case-
mira.
SaPATQS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, sitios e jardins.
SAPATOS de upete, chariot, castor e de tranca
francezes e Portugueses.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bcrdadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores di Terentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para men inas.
BOTINAS pretas, brancas e de cdres difTerentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qu.-.lidades.
SAPATOS de tranca portoguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavio.
ABOTINADOS e sapatSes de bezerro, de diversas
qualidades.
SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Gailherme, perneiras
meias perneiras para homen, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor francer, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de hraco, de gueraicSes,
sofas, jardineiras, mezas, co&versadeiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
levos, e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios. _
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7, oatr ora Nova.
GRANDE LIQUIDACAO DE FAZENDASj
NO *
_ 111 111
Rua da Imperatriz n. 72
Mb
LoorenyO Pereira MendesGnimarae$
que tern rosolvi'o fazer uma gran'e liquidacao, at6 o
1
Declara aos seus freguezos
fim do corrente anno.
Gabriel Antonio.
PIANOS.

briel
Na rua do Barao da Victoria, outr'ora rua
Nova, segundo andar do sobrado n. 58.
A. saber :
Mobiliasde jacaranda e de faia, secretorias de
mogno, guarda-vestides de mogno, com espolhos,
ditos de amarello, espelhos grandes com pes, mesa
elastica, aparadores, sendo todos cstcs moveis
completamente no os.
Uma mobilia d<- jacaranda (obra do Remigio),
composta de um sofa, 18 cadeiras de guarnigao,
4 de bracos e 2 de balanco, uma outra mobdia de
mogno, 2 camas^ara casados, sendo umadeja
caranda e outra de amarello. Todos estes moveis
com quanto tenham algum uso, acham-se perfei-
tamente conservados.
Espelhos grandes para sala, 4 quadros ricos, 3
ditos representando scenas nafaes, 12 vistas da
Italia, 1 cesta de electro plate para pao, jarros
para flores, garrafas finas para vinho, bancas para
costura e oulros muitos artigos que fura enfado-
nho ennumerar.
Na terca-feira 23 do corrente, as 10 1]2 horas
da manha, em a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora ma Nova, seguudo andar do sobrado de
azulejc n. 38, em cujo primeiro andar reside o
Sr. dentista americano Numa Pompilio ; tera lu-
gar esse importante leilao, por interyencao do
agente Dias, competentemente autorisado por
uma familia tin opnemq de residencia.
de confeita-
36, para li-
Josepha Maria dos Prazeres e
Silva, Josft Henrique da Silva Gui-
maraes e Glaudtno Francisco da
Silva Guimaraes, convidam as pes-
soas de sua amisade, para assisti-
rem as missas do setimo dia que por
alma de seu genro e cunr>ado Ga-
Antonio, fallecido em seu engenho Ilhetas,
na freguezia de Una, no dia 16 do corrente, man-
da celebrar na capellinha da Coneeicio dos Co-
queiros da Boa Vista no dia 22 do corrente as
7 horas da manha.______________
Alvaro Augusto de Almeida
Maria de Castro /tlraeida, seus
filhos e genros mandam celebrar
algumas missas por alma do seu
pre-ado marido, pai e sogro Alvaro
Aucusto de Almeida, na igreja de
S. Francisco, as 7 Ij2 horas da ma-
nha do dia 22 do corrente, anni-
versario do seu passamento ; para assistir a esse
acto convidam aos parentes e amigos ao mesmo.
DE
generos e diversos utencilios
ria, d rua do Imperador n.
quidac,ao de co itas
TEllCA-FEIRA 22 DO CORRENTE
as 11 horas
Por intervencSo do agente Pinto.
no referido estahelecimento.
Leilao
da
armagao, fsrragens, miudezas e um cofre
da loja de ferragens n. 6 da rua de Mar-
cilio Dias, antiga rua Direita
Teirca-feira 93 do corrente
O agente Martins fara leilao, por conta e risco
de quern pertencer, em um ou mais lotes d'ar-
macao, ferragens, miudezas, um cofre e mais per-
lencas da lojft acima, sendo qae se garante a ca-
sa a qnem comprar a armacao e ferragens.
Principia as 11 horas do dia acima.
Antonio Jose Fires
0 bacharel Luiz Antonio Pires o
seus irmaos convidam a seus pa-
rentes e amigos e os de seu finado
pai Antonio Jose Pires para assis
tirem as missas que mandam cele-
brar por alma do mesmo, no dia
24 do corrente, as 7 li2 horas da
manha, setimo de seu fallecimento, no recolhi-
mento de N. S. da Gloria da freguezia da Boa-Vis-
la e na capella da Ponte de uchoa.
Candida Julia JSeves
Galvao
Manoel de Souza Galvao, sua sogra e cunhados,
mandam resar algumas missas por alma de sua
muito presada esposa, fllha e irma, Candida Julia
Neves Galvao, na igreja de S Faancisco, as 8 ho-
ras da manha do dia 26 do corrente, anniversano
do sea fallecimento, e convidam os seus parcutes
e amigos para assistirem a esse acto.
Jose Manoel de Barros
Wanaerley
Convida-se aos parentes e
amigos do finado Jose Ma-
noel de Barros Wanderley
para assisiirem a uma mis-
sa, quo pelo repooso eter-
no do mesmo finado, se
manda resar na igreja matriz de S. Jose, pelas 8
horas da manha do dia 22 do corrente, setimo de
seu fallecimento.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modeios, dos mais Hotaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perrumarias.
Finos extractosfbanhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pos de arrez, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e garrafas de differentes tema-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos <
phantazias.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leqaes para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de flo de Escocia e de camurca.
Caixinhas de costnra ornada com musica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muito bonitas par^ relo-
gios.
Brincos a imitacao e botSes de punhos de pla-
que
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de cou-
rinho de c6res.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez de cores, de prate dourado, de ago e
de tartaruga.
Oculos de aco fino e de todas as guarnicoes.
Bengalas de luxo, canna, com castoes de mar-
fim.
ilengalias diversas em grande sortimento para
homens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros
Pentes de tartaruga para desembaracar e para
barba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ca
CURA OS CASOS MAIS DESESPERADOS 1
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL puri-
fica a massa do sangue, expelle para fdrs
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as secrecies, di vitalidade e
energia a todos os orgaos e d& for$a e vi-
gor ao systerna afim de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E'
pojs este um remedio constitutional. Elle
nunca distroe afim de poder curar ; pore*m
constanteraente assiste a natureza. Portanto
em todas as doencas constituciorum e em to-
das as molestias locoes dependente d'um es-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge-
ral, achar-se-ha que a Salsaparrilha m
Bristol 6 um remedio seguro e efficassissi-
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveis
vrtudes.
As curas milagrosas de
Escrofulas,
L'lcerns,
Chagas antigas,
ENFERMIDADES SYPHILI'fiCAS
ERVSIPELAS,
RHEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tern grangeado e dado o alto reuome i
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao t8o so-
mente devidas &
CNICA LEGITIMAI ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
II. Forster & C.
AGENTES.
NA PHABMAQA CENTRAL
mimi \mmmi
CAMBRAIAS BRANCAS A 35000*
Vende-sc pegas decambraia branca, tapa-
da e transparente, a 35, 3fl|500, 4?M>00 e
53900.
LASINHASA200RS.
Vende-se lasinbas para vest id o
320 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A640RS.
a200,
SABBR :
Ditos de palha, a -29, 3000 e 4$000.
Ditos de massa, a 49000.
PERFUMARIAS EM LIQUIDACAO.
Vende-se sabonetes de diversqp tamanbos,
a 120, 200 e 210 e 320 rs., todo bom.
Frasco de lanha, a 160, 320 e 400 rs.
Frascos eorr. 3guade colonia, a 240 e 320
<
rs. cada um. E outros muitos extractos que
Vende-se alpacasdecOres com listras a 640 se vende muito barato para liquidar.
PILULAS
VEGETAES
DE
LEILAO
DE
moveis e mais utencilios pertencentes a uma
, loja maconica
QUARTA-FE1RA 24 DO CORRENTE
is 12 boras em ponto
O preposto do agente Pestana fara leilao dos
moveis e mais utensilios pertencentes a uma loja
maconica, qae deixa de funccionar por falta de
numero sofflciente de irmaos, a qua! se acha
ebrigada (mcito a sen pezar) a tomar essa medi-
da, afim de liquidar seu compromisso
QUARTA-FEIRA 24 DO CORRENTE
as 19 haras em pants
so segundo andar n. 40, a rua do Commercio, an-
tiga rua do Trapiche, para algun.a informagSo
a tratar como mesmo agente, a rua do Vigario
All.
avibu D^EBSOS
Sociedjide Propagadora da
Iiirttruccao Publiea.
Cauisel'iio paroehlal da Boa-
Vista.
Sao convidados t-dos os socios residentes nesta
fregueiia a comparecerem 4 rna da Uoiao n. 23,
as hDras da tarde do dia 52 do corrente, afim
4e eleger w o novo con^elho, na forma doi esta-
^ntot.
Seeretara do cnnselho parochial da Boa-Vista,
18 de dezembro de 1873.
TJlontioo de Carvalh
Secretario.
Gabriel Antonio.
Joao Antonio Alves da Silva, Antonio Germano
Alves da Silva, Elvirio Alves daSdva, Jose Joaquim
Alves da Silva, Maria de Mendonca Rego Barros,
Dr. Jose de Mendonca do Rego Barros, Josepha Ma-
ria dos Prazeres Silva, Miguel Jose Barbosa Gni
maraes, Joaquim Henriques de Silva, Joao Xa-
vier da Silva, Jose Henriques da Silva, Henrique-
u Maria dos Passos Guimaraes, Josepha Maria
dos Prazeres Cesar Ribetro, Rita Margarida dos
Prazeres Guimaraes, Ricardo de Freitas Ribeiro,
Rita Bemvinda da Silva Gaimaraes, Anna Adeli-
na Assides Silva, Francisca Carolina Lopes da
Silva, Anna Thereza de Jesus Silva, Joao da Sil-
va Guimaraes, filhos, genro, sogra, cunhados,
noras, cunhadas, sobrinhos e nelos, convidam a
todos oi seus amigos e do finado para assistirem
algumas missas que mandam rezar no convento
do Carmo as 7 1|2 horas do dia 23 do corrente, e
desde ja agradecem a todas as pessoas qne se dig-
narem assistir esse acto.
0 Sr. Antonio Pereira da Rocha, morado-
em Serinbiem, e rogado para vir ou mandar rear
lizar o quo nao ignora, no escriptorio de. Tasso Ir-
maos & C.

Fugio do abaixo assignado no dia t do cor
rente rasz, uma cabrocna de nome Joanna Ger-
trudes, com os signaes seguintes : cabrocha, com
os cabellos soltos, olhos grandes e espantados,
tern om signal preto no bracp esquerdo, levou,
comsigo toda roupa ; pede-se as autoridades po
liciaes, com especialidade aos capitaes de cimpo,
a sua apprebensao e levarem-na no caminho novo,
junto da estacio da Soledade n. 8, que reoeberio a
sua gratiucacao.
Henrique da Costa Fianro.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
ies.
Carteirinhas de medreperola para dinceiro.
Gravatas branca3 e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para chamar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
maes e francezes.
Malas, bolgas e saccos "de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar criancas.
Cestinhas de vimes para bracp de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portas e janellas
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cdres para illuminacSes de
(estas.
Balues aereostaticos de papel de seda mui facil
de subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palba e de pennas
Tesourinhas e canivetes flnos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tintoiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
quadros.
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
zia.
Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecas.
Realejos barmomcos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difficeis de mencionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 rr etros,pt5s e palmos para
medir terrenos.
Brinquedos para meninos.
A major variedade que se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em differentes partes
da Europa para entretenimento das eriancas tudo
a prei-os mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do vapor franeez, rua do Barao da Vie-
orla, outr'ora rua Nova a. 7.
Cestinhas para costura
Grande sortimento de bonito* modeios ehegadoi
ao armazem do vapor Irancez, coa do Ba-ao da
Victoria (outr'ora Nova) n 7.
BRISTOL
Uns bofes sadios e sSos
Uma digestao vigorosa,
Um cxcellente appetite,
sao alguns dos beneficios que se podem de-
rivar, fazendo-seum uso regular das
Pilalas vegetaes de Bristol.
Uma cura certa e efficaz dos intestinos,
Um remedio admiravel para os rins,
Um tonico poderoso para oestomago,
SSo as inapreciaveis qualidades modicas
quese podem encontrar, usando-se das
Pi hi In* vegetaes de Bristol.
Umamedicina que n3o produz dOres nem
colicas.
Um purgante que nSo debilita nem en-
fraqucce.
Um laxarite que nSo causa a raenor
nausea.
Formam uma ds amuitas virtudes que
possuem a s
Pilalas vegetaes de Bristol.
Um medicamento suave e favoravel para
o bello sexo.
Um correctivo seguro dos desarranjos do
systema.
Um remedio completo e seguro para as ii
regularidades.
Sio os effeitos sem falta^ resultantes dc
uso e emprego das
Pilalas vegetaes de Bristol.
Uma compleiQao clara, alva e transparente,
Uma pelle macia e delicada e um
Halito doce e agradavel.
S8o os resultados certos e infalliveis, de-
pois de se
haver tornado algumas d6ses deste
raolhor dos
Remedios as
Pilulas vegetaes de Bristol.
Em todos os casos de molestias d'uma na
tureza escrofulosa, ulcerosa ou syphilitic*
ou quando a massa do sangue se haja tor
nado turva ou viciada pelo uso de ferro
mercurio, ou por outra qualqucr substancii
mineral a
Salsaparrilha de Bristol.
devera* ser usada de conjuncto com as pilu
las, e assim obrando-se, em restricta con
'ormidade com as direccdes inscriptas n
envolto; os doentes podem near certos que
uma vez usada conjunctamente uma com i
outra, nenhuma enfermidade ou molesjia,
por mais severa ou arraigada que se ache,
nio poderd resistir ao combinado poder se
cretorio e sanitario destes dous
e 800 rs. o covado.
GRANADIXE A 800 RS.
Vende-se granadine preta com listras de
c6res, para vestidos, a 800 rs. o co-'
vado.
P0UPEL1NA JAPONEZAA lJWOO.
Vende-se uma fazenda nova com listas,
com o nonic de poupelioa japoneza, propria
para vestidos de senhoras, a 19800 o co-
vado. Todas estas fazendas sao vendidas no
Bazar Nacionai, & rua da Imper ariz n. 72. |
CORTES DE CASSA A 25 0, ,
Vende-se cdrtes de cassa para vestidos,
com lOcovados, a 1$500.
CHITAS LARGAS A 240 Rs.
Vende-se chitas francezas, largas, de cores
fias, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado.
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas finas de cores,,
a 260, 320 e 400 rs. o covado.
SAIAS A 2^000.
Vende-se saias brancas com barras de cd-
res, a 29000.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se ohitas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
homens, a 69000 a duzia, a qual val
85000.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de 13, a 800 rs. cada
um.
CHITAS FINAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO' A 20000.
Vende-se chales de merin6 estampados, a
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRINS EM CORTES A 19500.
Vende-se cortesde brim do c6rcs e pardo,
a 19500, para liquidar.
COBERTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas de chita, a 19600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meninos, a 400 rs. o cova-
do, para liqnidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-se colxas de cores para cama, a 29,
e 49000.
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
19500.
Vende-se transparentes para cadeiras, a
19500, paraliquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets de seda para homens, a
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
T0A1.HAS A 800 RS.
Vende-se toa'.has felpudas, 800 rs. cada
uma. Len?os brancos, a 29000 a duxia, e
39000 abainhados, fazeada que vende-se
por ">9000.
GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende-se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
tasde cores a200rs.
Chapeos para baptisldos de meninos, a
39000.
BENGALAS E CHICOTES A 800 RS.
Vende-se bengalas e chicotes, a 800 rs.
cada uma, para liquidar.
GRANDE LIQUIDACAO DE ROUPA FEITA
Vende-se ceroulas de algodao, a 19000.
Ditas de linho, a 19600 e 29000.
Camisas de ohitas finas, a 19600.
Ditas de peito de cores, a 29000,
Ditas brancas fioas, a 29000, 39000 e
49000.
Cal$asde brim pardo e de cores, a 29000
6 29500.
Ditas de casemira de cores e preta, a 59,
69, 79f'00 e 89000.
Palitdts de alpacas de cores, a 29500.
Ditos preto?, a 39000 o 39S00. -
Ditos de ca?emira de cores, a '} e
69000.
Ditos ditos pretos, a 59000, 69500
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29, 3f
49000.
Camisas de tlanella, de cores, a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas de algodao, a 49, 59 e
69000.
CASEMIRA DE COR A 29500.
Vende-se casemira de cores, a 29500 o
covado.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pecas de madapoiao enfestado,
a 39000.
Dito inglez, a 49500, 59, 69 e 79000 a
po^a.
BOTINAS A 49500.
Vende-se botinas para senhora e meninos,
a 49500, 59 e 69000.
Ditas de enfiar, a 29000.
Sapatos de tapete, a 19500.
Ditos de tranca, a 19800 e 29000.
BRAMANTE A 19600,
Vende-se brarcante com 10 palmos d
largura, para lenc.6es, a 19600 e 29500 n
metro. E outras muitas fazendas proprias
do mercado, que se vende sem reserva, de
preco, para liquidar ate o fim do corrente
; anno, por isso convem aos compradores sov-
' i tirem-se de fazendas baratas,
P
\
V *


para a presen-
Vende-se chapens de castor para rr eninos te festa que esta* na porta, & rua da Imperatriz
homens, a 29500 e 39000. n. 72. Bazar Nacionai.
Qj DROGARIA HOMEOPATHICA
_! D.V
Qj 41 Rua do Imperador \\
Os proprietaries deste estahelecimento, no intuito de Ihe conservarem os cre-
ditoa de primeiro neste genero, continuam a esmerar-se aa preparacao escrupulosa
de seus medicamentos, podendo garantir ao respeitavel publico desta cidade e in-
terior que sao rigorosamente observadas todas as regras pharmacologicas. Outro
sim, que com o mesmo flm acha-se a testa do estahelecimento, tendo a seu cargo a
inspeccao de suas preparacSes e direcQito do consultorio, o acreditado medico ho-
I '"meopatha Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello.
Tem todos os medicamentos especiaes pars bcxiga9 e os considerados pre-
servatives : assim tambem, os medicamentos da saa drogaria em todas as dym-
nanisacoes conhecidas e mais usadas.
Carteiras homeopaticas de 12 a 120 medicamentos em tinturas on globulos e
a excellente obra do Dr. Mure Medico do Povo em 3.* edi^ao.
9
Os moradores da rua de Santa There-
za, vismhos do Sr. Br...a, pedem Ibe o fa *or
de n3o os defumar com tao putrida agua to-
dos os dias a tarde, a sua casa tem um ap-
parelho onde devem ser lancadas as aguas
scrviise pnra vwlar esta obstinacdo, ruga q
ao Sr. liical um passeio a dita rua.
Os visinhos incommodados.
in mi mo*.
Ambas estas medicinas acham-se i venda
em todas as principaes boticas e
lojas de drogas.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Forster & C.
____________ AGENTES.
cada um queijo o mais fresco
que se pode desejar : na rua
Caxias n. 40, junto &
Diario.
e do melhor
Duque de
typographia do
Assim
"g Precisa-sd de uma m-ilher de meia idadej
para fazer algam serriep e tomar eonta de casa nella, e no dedo grande do pe direito tem tambem
como 6 certo que neste armazem seiornece
a despensa & satisfacao de qualquer chefe
de familia, com toda a sinceridade e econo-
mia. 0 tempo i proprio, pois aproxima-se
a fes'a do Natal._______________-
Fugio o men escravo Napoleao no dia i* de
dezembro de 1873, levon comsigo camisa de aiu-
lio, calca de eitopa, chapeo de pallia com tiata
ami, estatura oito palmos, cara lisa, id tem buco
de barba, na perna direita tem uma ferida na ca-
da peaoena familia, a qual seja de boa condncta e
de Bad jr : n rua da linperatris n. 37, primeiro
andor.
- Alaga-se uma casa na Caonnga, com com-
nx-dos i>:ira familia : a tratar no me.-mo lugar,
rua das Crionla* n. 5. Na me" na casa precisa-se
df uma ama para o servico de rasa do pqnea- fa-
milia.
gob a unha ana ferida, pes grandes, mal feitos t>
grostib : qnem o apprehender levaraseuse-
nhor Sabastiao Jc.se Mendes da Siva, nos Afoga-
doa,ao siti- do Boi, seri b- in reeompensado.
Aluga se uma exceUciite caf a na puvoacao
de Duarte Coelho, em Olinua, com bnn- commo-
dos para familia; irafer com Jorge Tasso, rna
Amorim, a. 37.
IS
81
Chocolate homeopathieo d'Epps.
Encerado de arnica.
Pds homeopathicos, para dentes.
Jerico, para rheumatismo.
Matamata ou Jaboly. para tosse.
Espirito de Hahneman ou de campho-
Plumeria, para mordeduras de cobras.
Sarracenea, para bexigas ( ou preser-
Vaccina, para bexigas J vativo.
China cruzeiro, pat a febres in term i-
tentes.
Scbynus, para angina.
Calendula, para queimadaras.
Tarantula, para paralysias-
Carnatiba para syphilis
Consultorio homeopathieo
DO
DR. SANTOS MELLO.
Consultas das 11 horas da manha a 1 da tarde.
ra.
Cactus Grandiflora,_ para pneumonias
ou molestias do corac5\
A VERDADEIRA TINTA VIOLETA
JOSfi FERREIRA DA SILVA
S\3CC,SSOH
DE
*
;
^>*
O
SANTOS NEVES
Confinua a vender a verdadeira tinta violeta extra-ftna de Montei-
ro, em meias botijas e quartos, a retalho e
Emgrosso comvantajoso desconto

a?
79
RIM PRIMEIRO DE URQO M. 11 ?
ANilGO DEPOSITO
?
I
* n
-


I!
#'.-
1
;\
<
%

Diano do Pernambuoo Segunda feira 22 de Dezembro de 1873.
AVISO
Avisa-sc ana Si*, contribiiintos das grande* ro-
zetas do brilhantus, (com o peso de it quilates)
que sera a' ua realisaciio c<>m a 3." 'lo mez de
Janeiro proximo limb, "ihvlai) cm tempo quo,
os Sr. sub?rriptortM quo n.io liwetn satisfi-ilo o
sen coaipromissti ale a vespera de referido dia,
penlem o direito.
Recife, i'J Up dezembro de 1873. ,
Sempre e bom!
PUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO DRUM I. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS M&horei de engenho e ontroa agricultores, eempregadorei de m
iJuniamo o favor de uma visita a sen estabelecimento, para verem o &ovo sortimento
;ompleto qoa abi tem; aendo tado saperior em qaalidade e fortidio; o qae com a ins
ptecio p6M:ial pode-sa veriflcar. --**
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
VaiMMa a KArloa Alarwa dos ma'8 modernos systemaa eem ta-
VapurOa U rOUclS U oglia maaboa convenientes para as diversas
cirenmatanciaa doa aenhorea proprietarios e para deacarocar algodao.
Moendas de oanna *0,tamanh08' a8:melhoret qafl ,qni
Eodas dentadas pimaM aoaevapr
Taixas ie ferro fundido, batido e de eobre.
Alambiques e fundos de alambiqnes.
VQ nViiirn* am na para maodioca e algodao,I Podendo todoa
HLcttJllillilOlilUo e para |6rrar madeira. I ser movidos a mao
nftmLQfl (por agna, vapor,
DOIIlimS de patente, garantidaa........ |oaanimaea.
Todas as machinas **M*r ***
Faa qualqner concerto de mJchiai6mo' aPre **
formas da faito tam n melnore, e maia barata8 *i8tentea no mer"
ffiiAAmmanrida Incambe-se de mandar vir qnalqoer machinismo a von-
auUUlUiiiOUUH.9* ta(je dos clientes, lembrando-lhea a vanlagem de faxerem
"?naa eompras por intermedio de pessoa enteudida, e qae em qnalqoer neceaaidade pode
he* preetar aaxiiio.
Arados americanos e iMlroaleDl0, ari601"- '*
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4* roa do Barao do Trinmpho (raa do Bruin) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglalerra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modernas e melhorobra que tem vindo ao mercado.
VapOreS de forca de 4, 6,8 e 10 cavallos.
OaldeiraS de sobresalente para vapores.
MoeildaS inteiiaS e meias moendas, obra comoounca aqni veio.
TaixaS jflindidaS e batidas, dos melhores fabricates.
RodaS d'aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelogiOS e apitOS para vapores.
BombaS de ferro, de repucho.
AradoS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e pequenas.
(Vatwrt/w concertam com promptidio qualquer obra on machina, para o que teem
\jVlliA5rwa roa {abricti jjgjQ montada, com grande e bom pessoal.
fiWnmmPnrtaa mandam vir por encommenda da Europa, qualquer machinismo,
Eiliouiiiuieuudtt ^ Q que M correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho(ruado Brum)ns. 100 al04
F U H D I C A O DE CARDOSO d IRMAO.
Tqca a todos, 'doj leiam,
Nao so enfadem, meus leitorcs.
Todos vejam, qae progresso I I
Qae progresso I meus senhores > t
Com quanta ja esteja bem no deminio de pa-
blico desta capital e seus suburbios, qae para se
obter tudo qae e preeiso para os regabofes nos
dias festivos qae se aproximam
Uma pessoa
nao tem mais do qae dirigir-se a
Confeitaria do Campos
24-Iraperador-24
Onde se acham centriticadas as quatro artes.
A saber :
Confeitaria,
Pastelarla.
Conservaria
E culinaria.
Sempre 6 bom qae lembremos aos nossos ami-
gos e freguezes qae ji nos annos passados cor-
riam aos turbilhoes a f.izer saas encomraendas
de pasteis de carne, 6 a confeitaria do Campos
Que este anno
Estamos munidos de uma nova machina que
bem se podia apellidar de
Infernal
Pois pode em 6 horas prodazir com asseio
Duzentos mil pasteis! !
ALEM DISSO
Lembramos a todos
O segainte:
Que preparamos com presteza.
Fiambres.
Leitoes.
Perils.
Peixes.
Empadas.
Pudios.
Boles inglezes, etc. etc.
E especialmente as familias, os proprietarios
da confeitaria do Campos eon vi da-as a reun ire ra-
se naquelle verdadeiro centro de bonsboccatks,
pois em virtude das inlerdlccoes n5o se podera
ouvir a raissa do gallo.
ATTENCAO.
Bernardino Duprat pensa nada dever nesta pra-
ca, quer por contratoj comraerciaes, quer por
contas particulares ; se porem algaem se julgar
seu credor, apresente seus -titalos em casa dos
Srs. E. A Barle A C. no improrogavel prazo de 8
dias, contados de.-ta data, para lbe serem pagos ;
outro sim, scientiQca a quern interessar possa. que
de hoje em diante nao se respon< ga divida alguma contrahida por que-n quer que
seja em seu nome, salvo se o debito for autonsado
pelo declarante com a sua assignatura.
Recife, 20 d.; dezembro de 1873.______________
PECHINCHAS
S6 o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA m ;i PORTAS
contiruia a vi mlor mnitu barnto pafa sjturar
muito diubeiro.
GASSA LA
Chegou esta fazenda.sendo liudospadroes,even-
de-se pelo diminuto preco de 200 rs. o covado, 6
pechincha 11 1 dao-se amostras.
METINS
Proprio para vestidos o qae ha de mais gosto,
padroes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, e
pechincha 111 doi-se amostras.
LA3ESCOCEZAS
Lisinbas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com listras, padroes modernos, a 280 rs, o
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
covado, 6 pechincha 1 I I dio-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1*000 a 400 o covado, 6 pechincha I I dao-se
amostras.
CRETONE
Cretan* em pecas pequenas, com bonitos pa-
dr5es, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, e
pechincha 11 I dio-se amostras.
Cortes de casemira ds cores, a S*C00 eada um.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para lato. a 240 rs. o covado.
Fustso branco para roopa de meninos, a 860 rs
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chita adamascada, a 3*500 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3*500
e 4*000.
Lencoes de bramante, a 2*000.
Dites de algodao, a 1*400.
Toalbas alcochoadas, a}6*000 a duzia.
Diui felpadas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditas de cassa abanbados, a 2*000 a duzia.
Ditas de esguiao finos, a 3*500 a duzia.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*800 a
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalhado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito tranoado, a 1*400 a van.
FostSes de cores, a 1*000 o eorte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampados, a 3*800,4*000 e 4*800.
Ditas com listras muito finos, a 8*800 e 6*000
Esguiio muito fino, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 8*000 a peca.
Dito domestico, a 3*000 a peca-
Brim de algodao com listras proprio para cami
sas, a 400 rs. o covado.
Nanzuc cambraia de cores muito fina, pelo di
minnto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
L.oja de
Guilherme & C.
ATTENCAO
Precisa-se alngar oma ama de mcia idade, po-
r^m qae seja preta. qae n5o unha vicios-nem
acbaque:*, e nue watire siki romineta. (ttrVrom-
prar o o ziiiu.tr para iirun i.-m iUa ilo '' \>e>
t (ralar na ci.ia le d tH -.<\ i. ii.. i .,n.;i:>:". i"a
.a torn a praue>, 'um p nan < unto.
A pestua que anunuciuu iin-i-i-.r !c ."J-0*
preniio sob hypotbeca em bens de raiz, appareca
raa do IIo:-picio n. 25, das 4 horas da tardc em
diante
Aluga se o armazem e o priineira audar do
sobrado da rua do Bom Jesus, ontr'ora da Cruz,
n. 20, proprios para estabelecimento commercial:
a tratar na rua do Marquez de Olinda n. 52.
_ Aluga-se o andar do sobrado da rua
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo. ____
Aluga-se a casa da ma de S. Jorge, ontr'ora
rua do Pilar n. 12, tendo sotea assobradada para
grande familia : a ver e tratar na raa dos Guara-
rapes n. 14, taverna.
Escravo fugido
300#000 de gratificacjio
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a 40
annos de idade, i perfeito eozioheiro, alto bastante,
6 bem magro, pouca barba, ollios grandes, 6 muito
ladino, consta que tem pai no engenbo do Sr. Lulu
de Caiari, em S. Lourenco da Malta. Este preto
foi cozinheiro dos negociantes Adriano 4 Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e julga-se
que esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
cular nesta cidade, como forro : pede-se a todas
as autaridades e capitSes de campo, que o desco-
brindo, o tragam a raa Duque de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival sem segando, que serlo gra-
tificados com a quantia acitna.
IMPERIAL
FABRIC V lE (IGAUROS
S. JQAO DE KCHBOy.
Rto dc laii-in>
Consiando ao abaixn assignado, unico agente
ucsia I'lovin.ia, da imperial fabrica de cigarros
de S. Jooo de Nictneroy, no Rio de Janeiro, que
existe no mercado cigarros que *3o vindos como
fabricados em dita fabnea, imitando para isso a
etiqueta em que vem elles envolios, apressa-se a
prevenir a todos os tens freguezes quo os unicos e
verdadeiros cigarros de exposicao &<) dita fabrica
?6 sao vendidos nos armazens dos Srs. Francisco
Guedes de Araujo, Manocl de Souza Cordeiro Si-
moes Junior e Faria A Filhos, unicos de^ositos de
dita fabrica. Recife, 22 de novembro de t873.
_________________Domingos Alves Malhens.
Quern precisar alugar u:n escravo, com tan
to que nao seja para servico de peso, dirija-se a
raa do Hospicio n. 61, que encontrara um bastan-
te intelligent), e eapaz de enCarregar ;e do traba-
lho de jardim ou de borlalicas.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-s.
allar ao Sr. vigario Andrd Curcino de Araujo Pe-
eira, a negocio de sea interesse.
CASA.
Alaga-se metade de uma casa no pateo do Ter
co a pequena familia : a tratar no pateo do Pa
raizo n. 26.
Criado
Precisa-se de am criado para
tratar no hotel de Ap ipucos.
CHAMADO
Os Srs. Jovino Fernandas da Cruz e Joaquim
Clemente de Lemos Doarte, sao chamados 4
rna do Coronel Suassuna n. 28), a negocio de
particular interesse.
Consultorio medico
DO
Dr. MuriUo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Enrepa, onde fre-
quentou os hospilaes de Paris e Londres
node ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noute para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas do meio dia as daas horas
da tarde.
Gratis aos pobres.
Etpecialidade$.=UolesXaa da pelle, de
erianca e fle mulher.
Bmprega no tratamento das molestias
de sua especialidade as duchas friat e
banhos a vapor, para os quaes trouxe
os apparelhos mais moderoamente em-
pregados na Europa.
Tambem applica com grande proveito
no tratamento das molestias do utero a
elecUicidade, pelo processo do Dr. Tre-
pier. Cora por um processo inteiramente
novo as blennorrhagias e sobre tudo a
O (gotta militar) dispensando as injeccoes.
Atten^ao
Francisco de Paula Cavalcante Wanderley faz
sciente ao respeitavel publicn em geral e parti-
cnlarmente ao corpo commercial desta provin-
cia, que attendendo a coincidencia da baver duas
pessoas de igual nome, asiignar-se-ba desta data
em diante :
Francisco de Paula Wanderley
Recife, 4 de dezembro de 1873.
G #
#~~ DESCOBERTAS MEDICINAES ig,
ta/> BACH A R EL *P
^ Manoel de Siqueira @
Cavalcanti.
MOFINA
E^ta encoura^ado I!!
Agua mole eui pedra dura
Tan to da ate que a fura-
Roga-se au lllm. Sr. Iguacio Vieira de Hello
dscrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a roa Duque de Caxiaf n. 36, .. eon-
cluir aquelle negocio que S. S. se oompromeuea a
realisar, pela terceira chamada desie jornal, em
3ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passon a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
por este motivo e de novo chamado para dito
dm, pois S. S. se deve lembrar que este negocio e
de mais de oita annos, e qaando o Sr. seu nlho ie
ichava nesta cidade
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rna das Pernambucana.%
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31.

NOVAS PUBLICAGDES MUSICAES.
i. J. d'A/eveiloUuuKova u. 11.
CASA
FIGADQdeBACALHAU
fff
S5

ANTONIO JOSfiDf AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
Qaerendo definitivamente liauidar este negocio, vende todos os que tem, Lnovos e
asados, felo preco do custo df tacturs.
Taml^m acaba de receber o segumte:
0LEAD03 inglezes para assoalho de sales, de muitos liudos desenhos de 11 a 33 palmos
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande qne
seja com oleado inteiro.
IffAGNIFICOS espelhos ovaes paya ornamentos de salas.
ANNE1S electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nerveeo.
MUITO Hulas gravur|s, grandos, para qua'lros de sala.
GRAMPOS para setrurar roupa estendida nas cbrJas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARC* e papet picado para bordar mm la nu se YERDADEIH-i .?ua de colonia em garrat< emplh.idas.
E muitos utro artigos, e por rauito b>rf.t. preco.
FERRUGIKOSO, CUM E TRI6UEIM
E rnEVRiER
Cavalleiro de Legido de Honra, Official do
Medjidii e Commendadordaordem tFIta-
bel a Catholica.
Ooleo deCherrler deveoteu aroma
a subtancias balsumicas que ainda aug-
mentso as suas propriedades tnermpenu-
cas ao mesmo tempo qne o tomio agraaa-
vel ao tomar *e. ,
O senhor Chewier completou a sua
descuberta associando o Ioduretp aererro
ao seu oleo de flgado de Bacalham. Este
oleo de flgado de bacalhan ferru;Io-
e possue todas as propriedades do oleo
e dc ferro, 6 de facil digesUo e nunca
causa prisito do ventre.
Todas as celebndades medicas o pre-
ferem.as outras preparacBes rerrogino-
sas. Convem em todos os casos em que
seemprega o ferro : TUlc* pabwitr,
Bronchilr. BmUUibo, EacrofalM,
EMplgrn. Rheutlim., Dji-
pepsin, CoHTaleeeneiM demorada*
Fraqneza de eonaUtulei*^______
DcrosiTO km p*ia: Pharm. CHBVRUBR
2t, Faubourg Montmartre.
Na mesma pharmacia achio-seo Vunio
b Euxra de Coca, excellentes prepara-
cBet tonicas. Os granulos de Bismuth
compostoe contra aa diarrheas, dysen-
fprits. Mr** <\* fatnmnnn. ftr
Aluga-se o 2", 3, 4 andares e sotao do sobrado
n. 14 da raa do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, commodo para residencia de familias e es-
criptorio de negociantes: a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar._________._______
1' o Preservativo da ery-
_ slpela : para curar com certeza, e
en, pouee tempo, qualquer ataque de
erysipela, e prevenir o seu reappare
cimento.
Este medicamenta tambem 6 muito
poderoso para o rheunutismo.
%' o Regrulador da mens
truaeiio : para falta, irregulanda-
de, suppressao repentina dameistrua-
cao, e dos lochios, assim como para
todoj os solTrimento devidos aquellas
afecc5es. Ambs estes medicamentos
*&j ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta province, e na do Rio de
Janeiro. -r
Acham-se a venda somente em casa
do antor, das 9 boras do dia as 3 da
dBh tarde, e a qualquer hora em cases ur-
1^ gentes.
ia\ GRATIS AOS POBRES gv
51 Rna da Imperatriz n. 14, 2* andar. W
Casa dc campo
Offerece-se a quern qoizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguos annos, de
graca, da excellente casa sita na Porta 't'Agua,
^ue foi do flnado Dr. Joaquim Pires Carneiro M-m-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade 6 muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua dure em
frente, e 6 mnito commodo visto que o trem passa
lefronte : qnem pretendt-r pode dingir-se ao Sr
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos. au
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do ommercio n. 40.
acham-se a"
Wer-
Alber-
2)7000
19500
1?W00
19000
19000
Escravo fugido.
100#000 de gratificacao
Desappareceu de novo, de bordo da barca bra
jileira s. Jott, o escravo Joaquim, preto de na-
<;ao, o qual anda bem vestido e calcade, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallec'^o Dr. Olym
Marcellino da Silva, que o ha omprado na
provincia de Minas f'em S. Joao d ei ou Onro-
Preto), e com elle seguio para o h. de Janeiro e
d'alli para esU provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendido alii a Justino Epaminondas Ne-
ves, a quern o compraram os abaixo essignados.
Sabe cozinhar, occupacao a que estava dedicado,
e eonhece se pela falia que e afneano.
Offerece-se a gratificacao acima a quern o ap-
prehender e roga-se a todas as autaridades a sua
captura.
Recife, 6 de outubro de 1873
Jose da Silva Loyo & Filho.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para familia : a tratar na raa do Mar-
quez de Olinda n. tit, __________________
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-si
iallar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto t
>os6 Paes da Silva, a negocio de particular inte
.esse. ____
I. andar.
Aluga-se o 1." andar a rua do Padre
Floriano : a tratar na rua larga do Rosario
P.M.
19000
29000
19000
ra'i.rB'.te?.nTr.j
AjwitiacIo fARB.St, mumuIII
ttTACAO DOS BAJIH08.
Hontabelethiuniode VicAy.tmdiumtlho-
rn dm Bmpa, other-f Mm Ba*hp*iBmb*m-
ctetdelodaatorteparaaeuradatdoenfttm
itIwiH*, do dm kttca, ara I,
mmr~
UNM,
UHIMUIU
NaMM
taia* Idtm. twtrnio pr
iildai Um cniiTir- ---'".-.
t^ssSBHuSiM ^o unha
l -
utaMM,
Precisa-se de uma ama
que engomme e fa servi^os domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Exmas. Sras.
A Rosa Branca pede toda a vossa attencSo para
as las e sedas de listras de uma so cdr, como e
ultima moda, e qae acaba de receber ; esta ven
dendo quasi por metade do seu valor, por estar
proximo o balanco. A ellas antes que se acabem.
Dao-se amostras com penhor e mandamse levar
nas casas ; na rua da Imperatriz n. 56, loja da
Rosa Branca. ____
Contintia a estar fugida
a escrava Felippa, c6r fula, alta, secca,
beiQos salientes, cara secca, olhos amorte-
cidos, falla mansa ; e cosinbeira, postoque
do servigo de enxada : foi vista em Bebe-
ribe em uma casa, que a acoita.
Esta escrava fugio com o 61ho, escravo
do Sr. Jose" Antonio de Souza Magathaes,
naturalmente dara seus pasesios do Recife a
Beberibe, esti-se espreitando provas para se
proceder contra quem a acoita ; entretauto
roga-se a*s autoridades policies e capitaes
de campo a sua captura e conduccAo ao en-
genho da Sapucaia eui Beberibe. t
Aluga-se um itio com casa ncva no Ar-
raial perto da estacao da casa Amarella, com bas
t antes fructeiras e agaa de tieber : qaem preten-
de-la dirija-se a uverna junto a mesma estacao
qae acbara com qnem tratar.
iuga-se
o sitio da Ponte de Uch&a n. 35 : a tratar no mes-
mo sitio, ou na raa do Rangel n. 7, ou *
andar. ________
Precisa-se de uma mulher para servico de
casa de bomem solteiro, sendo muito flel e dando
fiador a saa conducta : na rua AugusU n. 258,
taverna.____________________________________
ALlli -vf
O quarto andar da rua do Marquez de Olinda
4. _______.^________
Joaquim Dias da Silva Guimaries, em vista
do annnnrio de sea devedor JosA Gomes da Sil-
va.- de ter contratado vender o sen estabeleci-
mento commercial, sita em Freeheir-s. apressa-se
em declarer que nao deu sea consentimento e
que promovera saa execacao sobre o mesmo es-
tabeleciniento, o3o obstanle a sua venda._______
FugkTna man ha de 20 do enrrente, da cida-
de do Recife, o <>acravo d- n me Fkn iano, crieu-
lo, com os Mgna- s seguing : cor preta. alto, cheio
do corpo, sem barba, pes grandes e grossos, ca-
bello carapinhii, bons denies, tem uma pequeoa
costara acima iula-s forr ; isia ter i-lo para -:. < Antao(em
ura eng.nh i dp t^m paraatc? Ii itos: iium
apurehen'V-- mr* lev.i a rna -. Apollo a<*
Srs. Annirn .: lirvalh-i qne eii recompen-t
sado.
Banhos eares saudavcis do
Monteiro. '
Alaga-se alii dua< pequenas casas muito em
conta para quem precisar de bons ares e banhos
frescos : a tratar a rua ao Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7._____________________________
-^Aluga-se o 3- andar do sobrado da rua da
Guian. 62 : na roa da Senzala-nova n. 1.
SAQUES
#>
Acabam de publicar-se, e
venda as seguintts musicas :
PIANO SO'.
Danse espanhola, por Ascher
Arabella, mazurka, por G.
theimer
Valsa do Fausto, por Croyzes
SONHO DE UMA VIRGEM, por
tazzi
Anna la Prie, cavatina
AoClair df. la Lune, por Bussmeyer 15500
Estrella do norte polkabrilbante moo
Salda(,;ao ao Bahia(
Cricket, ptr Seixas, offerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiatio
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por 1. Smoltz
Non m'amava, romance por Guercia
Tambem recebeu da Europa grande sor-
mf.nide musiea para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc._______ ____
Escravo fugido
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenbo Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome J"s6 Borges most re de a*nicar,
tendo os signaes seguintes: cahra, idade 30 annos
pouco mais ou menos, boa figura, um lanto t^rosso
e espadaiido, sendo o -signal mais visivel uma
gomma na junta do pe" esquerdo : roga-se a todas
as autoridades e capitaes de campo qaeiram ap-
prehender dito escravo e levaJo ao refer'do en-
genho, ou nesta praca a Cliveira Filhos & ', lar-
go do Corpo Santo n. 19-que serao generosameate
recompensados.
Recife, 19 de novembro de 1873.____________
Carros de luxo.
inquestionave) qae a cocheira da rua do Bum
Jesus n. 13, de Joaquim Paes Pereira da Sil a. t> a
que tem as melhores berlindas, calecas, me. ea-
legas e victorias de luxo, proprias para qi xuer
noivado, visitas de etiqueta, bailea e actoR a. -ca-
demia, sendo os mesmos ajaezados de oxeel '.es
parelhas de animaes, arreios luxuosos e bole; os
com fardamentos do ultimo gosto, pare .-se
couvida ao publico a vir por si mesmo mrl-
car-se da verdade do que deixamos dito, certos !e
iue nao encontrario pomada, e sim reali.lade e
commodos pregos. __________^^__^__
Primeiro andar para alugar.
Alnga-se o primeiro andar do sobrado da rua
de Marcilio Dias n. 137, pintado e caiado de novo:
quem pretender dirija-se a pharmacia Torres que
acbara com quem tratar. ___________ _
Carvalho & Noguetra, na rua do Apollo
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, i vista e a prazo
por todos os paquetes.
Precisa se de ama escrava para cozinhar
) comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
i>j_______________------------------------_>
Cavallos furtados >
No dia 3 do corrente, a noite, fortaram da estri-
baria do engenho Piuma da freguezia de S. Lou-
renco, dous cavallos com os signaes seguintes
um e mellado algemado, crinas e cauda bantante
alvas, grande e gordo, ca&trado e andador baixo ;
o outro 6 russo com pintas amarellas, crinas ft
cauda pretas, inteiro e bom andador ; 6 de meio e
esta bastante gordo, e tem o dentes quebrados e
uma reiadura na man esquerda; ambosasuo ripa-
do1* de n.'vo. Gratiflca-se generosaraeote a quem
os l^var ao referido engenho, ou delles der nohcia >
exact?. _______
- Alaga-se uma peq eua casa muito fresca,
com sala, 2 quartos e cozinha fora, com um ter-
renoealguraasarv"^ frucUf^ras, tudo por 16*
mensaes : a traur na rua do Lima n. 10, ou Li-
vramento n. 2, loja _____________________
4!usp-se
\ casa n. 11 a ft
ijr com J. I M. R''t
,ge: i .ia : a tfa-
Precira-?e de uma mnlber estrangeira para
cnidar de uma erianca de tres metes, paga-se
bem : na rua do Imperad -r n. 63, 2* andar.
Becebe-se eocoourendas de pasteis para a
fe ia : na rua do luiperadur n. 2, sobrado. .
AUeiic&>.
Preeisa-se de vendedoras de boloa, daodo-se
100 rs. por pataca : na rua vital de Negren-os,
Cin o-Ponu- n. 5".
77 da ma d *. Joao : a
ant
Aluga-se a casa n.
traur na taja da rua do Duqae de
T
I MUTI1AD0 )
Di
n 44,
oani raa do Rangel ^4^ andar.__________
Precisa-sade ama criala que saioa eozinhar
e engommar i-ara eaa de pouca familia : a tratar
na rua do Comma -^ a 38, primeiro andar, das
19 J* .uaiiha as 4 da tarde.
J
*-**
r
dU




zs
%!
Oiario cfe-Fcimmbue^ Segwicta, Mr* 22: de Bezembro de K78.
--
PENHOBBS
Na travessa darua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinhoiro sobre pe-
nhoros de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Engenho Caiape no terrao de
Iguarassu
Na rua do Marqdez de Olinda n 55, preisa-se
fallar com oSr. Laiz Antonio da Silva a negocio
de sea particular interest.
0 Consultorio homeopa-
thieo 0
Do r. Santos Mcllo <&
^41 -Rua do Imperalor-------il t
m
Criado
L Precisa se da um criado qua tenha praliea de
peiro o que seja de boa coadueta : na rua da
lmperatriz n. 37, i. andar.
m
Z. Cnruultas todos os'dias das 11 a i da
JT> unite.
Gratis aos pobres.
v, > Risileucia a rua Nova n. 7, segundo ^.
% andar, onde da ronsultas das 6 as 9 da 0
Xj. manna e das 3 as 5 da tarde. ]C
vj^ Chamados a quaiquer hora.
(taia;n-se
a loja de fazendas e roupa feita a ma do Marquez
de Olinda n. 40, os senhores abaixo mencionados
a negocio de interes-e reciproco:
Adolpho Rober Koopers
Beuto .\fagafaas.
Hermogenes Nuaesda Silva.
Joao Martins Nogiieira Santos.
Miguel Lopes Guimaraes.
!osC Alfonso.
Miguel Ferreira Pinto.
Miguel Azevedo.
Manuel Theudoro do Nascimento.
Beruardiao Lopes dos Anjos.
Domingos Mafra.
Antonio Bernardo Rodrigues Setto.
Antonio Serra.
Jose do Hego Araujo.
Jo e da Cunba Fruitas.
Jose Igoario l..rto
Antonio Moreira Camara.
Zefertao Duminpues Moreira Junior.
Joao Raposo ae Souza.
Paulmu Jose Antunes.
Manoel Bacellar Pereira de Moraes.
Anton o Aquilino da Costa.
Arnaud de Holland a Cavalcante,
50$
- Da casa do abaixo assipnado, a rua Augus-
ta n 288. fugio a preto BVnedirto, perteneente ao
Sr. Manor! de Snuza Tavares, o qual estava dc-
positado por mandado do lllm. Sr Dr. juiz de di-
reito da primeira vara, o abaix j assignado pelo
pre^nte protesta com todo o rigor da let contra
quern mier que o tenha aeoitad) ; assim corno,
recommenda a sua orisao ; o prr-to tem os sig-
naes s guiules : representa ter 2i annos, altura
e Curpo regular, esti bucando, pareee africano
quando anna, nao asseota bera o pe direito, pro-
veniente de softer de craw, foi vestWo de pale-
tot branco e ebapeo de feltro preto, e sapatos
de casemira tambem preto.
Recife, 17 de dezembro de 1872.
_________________Joao Jovino de Almeida.
* *-
Engofflmadeira
Para casa de pequena familia precisa-se de uma
que seja perfeita engommadeira, paga-se bem.pre-
fenndo-se eserava ; em S. Jose do Mangoinho
sitio n. 2, antes de chegar a igreja.
- Preeisa-se de uma ama para criar, que te-
nha bom leile : a rua Sete de Seteinbro, outr'o-
ja dos ftjrreiroe u. 21, paga-se bent.
Flillllli E CRI.UN
Para tratar de um pequeno sitio precisa se de
urn bom feitor e que entenda de jardim e um cria
do de 12 a 14 annos, para servico de casa paga
se bem. Caes do Apollo n. 69, ou em S. Jose de
Manguinh., silio n. 2, antes da igrejar.
Bernardino Duarte Campos & C bib awi
estabelecimentd a rua Primeiro de Marco n. 16,
pagam do dia 1.' de Janeiro e.n diante a. todos as
credores da massa fallida de Joio Maria Cocdeico pba,.e dai 4 as. 6 da tarde, que achara com quern
Lima, que de prompto quizerem rereber de can-
funnidade com a cr>m'.oriUta obtida em juizo ;.de
veodo os mestno^ credores a^reseularwD sens ti-
tul^s ate" o dia 24 do corrente para serem coafe-4
ridas.
Recife 18 de dezembro de 1873.
Precisa-se de seiscentis mil" reia- a premio,
dando-se by-p.-iiirca em um predio nesta-prata :
quern quizer fazer este negocio, annuacw para
ser pr. curado.
Escravo fugido.
Do engenho Jose da Costa, fn-guezia d* Agua
Preta, fugio um escravo pertencente ao abaiia a-
signado, com os signaes seguintes : Cesario, cabra,
cabellos earapinbados, pore^m alto, quasi caxiado,
tem um lobinho do iado esquerdo da testa acima
do ollio, sobrancelbas espessas, vista eepantada,
nariz grosso, bocca grande. falta de denies do lado
de cima, cara chupada, tem os peitos um tanto ca-
belludos, varias marcas de carbuncnlos nas per-
nas, 6 baixo e depouco.corpo, pe pequeno, andar
apressado, quer titubiar quaado falla-se com elle :
e carreiro, cambiteiro e purgador. Esteve no en'
i;enho Diamante, de Ipojuca, trabalhando como
orro com o nome de .Mano I Joaquim, dondeeva-
Bra.-se logo que foi conbecido : roga-se as autori
dades policiaes e as pessoas, que delle souberem
(segundo os signaes indicados) a captura, e fazer
entn-ga na praca aos Srs. Cunha Irmaos & C, ou
no dito engenho ao seu seuhor, qoe sera pago com
generosidaJe.
Felix de Valosis e Oliveira.
Aos Srs. advogados.
Mediante algumas bemfeitorias, aluga-se uma
grande sala e dcus quartos, tudo forrado de pa-
pel e com as.eio, propria para escriptorio : na rua
do Imprrndnr n. 81, primeiro andar : a tratar no
armazem do mestno sobrado.
Aluga se metade de uma casa de familia,
mulher e marido, sem filhos, so a casal : a rua do
caes da Dettencab n. 11.
Acha-ae fugida desde o dia 19 de novembro a
b$crava Suwna. com os signaes segnintes: cor
par 11, id ide 30 annos, pouco mais ou menos, ca-
corredio ecurti, pncha por uma perna em
equiT.ia -le um defeito n'um joelbo, sem
. m-s dtdos dos p^s, de estatura baixa, Ievou
toda roupa do seu uso, e a quantia do
que subtrahio- de seu senhor ;presume-se
r 'guid para Goyaaoa em companhit de um
1 i i: ;n'.io : roga-se as antorldadas policiaes e
ilaM Je campe a sua apprehensao, entrp-
i ;i a rua de Mareriio Dias n. 21, ou a ?eu
a ma da Sonzala nova u. 7, que seraigra
;n a qutntia acima.
Companhta ferro Carril dt- Per
nambueo (outr'ora Pernnmbaco
reel Railway .
Convida a todos os possoidore9 de hilhetes de
v.'"in nos-carrns de-la companhia, ainda exi.v
a em circulai;ao n>m a asslgaalara de H
IJ, Swift, A.-sl TrPasr, -a traze-los ao trooo por di
do escriptorio da companiiia a ma do
i, em tod.* os dias uteis, das 10 horas da ma-
as3 lataide, ate 3.1 de dezombro proximo
vindouro ; prevenindo, outro sim, que os ditos bi-
repotsdos sem mais valor para qual
r e!T a paftlr do l. de Janeiro de 1874 em
dianotc, os lermos do aviso do inini^terio da fa-
1 de C de agosto proximo passado e da por-
da ;residencia desta provincia de 6 de ou-
correnle.
Recife, em 7 de outubro de 1873.
0 gerente,
Gustavo Adolpho Schmlit.
Prccisa-se de uma criada ou criado para
comprar e co?inhar : na rua do Marques d Olin-
da n. 40, 1.' andar._________________'
Precisa-se alugar uma ama boa cozinheira,
forra ou eserava ; a tratar na rua da lmperatriz,
casa n. 16, segundo andar.
Precisa ee de 10:000*000, dando-se por by-
potheca uma propricdade duas leguas distante
desta cidaJe, c para maior garantia da-se tamlx-m
7 eseravos mocos o saios, livres todos do qual-
ffficr onus : a pessoa qae qr.ijer fa'.er este nego-
cio, dirija^e nn cart* tVhada a taverna da rna
do Duque de Caxias p. 41, com as inniclaes T,
F. T.
Pad
ana.
Aluga-se a da rua dos Pescadores ns. 1 e 3 :
a tratar com Tasso Irmaos, rna do Amorim n. 37.
Attencao
0 Sr. Franci-ca Agostiobo Madeira, e rogado
vir a, rua do Duque de Caxias n. 60 A.
E
!
0 crlmliu de nwrte Aoiti Jaaquim d* Sa*
t'Anaa, pronuneiado n* provincia das- AJagi'ias,
com* incurso nas penas do artigo 193 do codigo
criminal, e qae se arnava preso na casa de de-
ten^aoiitest* cWade, d i asHo por habeas corpw,
conwdidft.p to criminal desta comaroa I I
A aUmt-d/i ae.
-" 0- Sr. qae auvuncioa querer comprar um
sobrado de um audar-em qaatqaer daa fregue'
zias da BoaiVfsta; Santo Antonio orrS. Jos*; an-
uuBOie sua morada e hora de ser encontrado;
ott-va aTaa do Hftspicio n: 25das 7'aS 9'da-ma-
Mtlar.
ClIYilllgii
-Alo|
rua da G
-se ui eecravo
loria n. 116!
para o servrco : na
COMPRAS,
f Trastes. t
m
Compra se e vende-se trastes novos
e usados no atmazeuj da rua do.Im-
gpL perador n. 48.
Compra-se uma- eserava parda- da seus 30
annos, qae seja de muito boa coadueta o saiba la-
var, engommar e coarnhar, tend* boa Corredor do Bispo n. 73, a .tratar ajqualquer hora.
V1NDAS.
Farinha de araruta
Vende-se superior farinha do araruta, tanto em
porcdes coma a relalfco, por preeo que admira,
vis to sua qualidade ; depositos nos seguintes lu-
gares: rua do Vigario n. 26, rua do Amorim n
58, e travessa da rua das Cruzes n 4, a 500 rs. a
libra a ratalho.
Armada.
Na rua do Barao da Victoria n 36, precisa-se
fallar ao Sr. 2. tenente Jose Maria Peslana, a.-ne-
gacio de seu interesse. ______________________
Ami Precisa-se de uma ama para cozi-
nhar para rapaz solteiro na ma do
Urespo n. 2u.
Precisa-se do uma ama pa-
ra cozinhar : na raa do Mar-
quez de Olinda n. 22;.antiga
rua da Cad-"* do Recife.
IMA
4
Preci.-a-sp de uma ama qae
\ saiba pufeitamt-nle cozinbar : a
t i. rua do Queimaio n. 92, loja.
41 A
Precisa-se de uma ama para
cozinhar : a tratar a rua do Im-
perador n. 14.
Antonio Gomes de Freitas
tea centra si execneao alguma proxima, co-
uio" annnncioQ algnem no- [Diario da ante-bon-
i ; c.ii^ tem contra si spntpn?a, alguma con-
deiunaioria ; e, por conseguiule, nao pode ser cm-
Larai; ;i! > no leilao annuni-iado no mesmo Diorw,
.. qn I s6. cunprfhenlera alguns utencilios da
>nfe i e a:guns generus para HquldacSo de
suas ro'jtji. i- nao do estabeleeimcnto.
(tec'fe, 2 de dezenibro de 1873.
Vieor do Cabello
t>
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicSo de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
0 Vi^ob do Cabello 6 uma preparacao ao
mei.t fce. ..o agra-iavel, saudavel e eflicaz para
r\ o cabello. Por meio do seu uso o
llo ruco, grisalho, e en&aquecido, dt-ntro de
pouco tempo revolve a cor quo lhe c natural e
* adquire o brilno e a frescura do
1 i iventude; o cabello ralo se torna
vicie muitas vezes, posto que nao
cm r sos e neutralizada.
< lit que pode reformar o cabello
MButos estarpiti desrrnidos, e fts
iilas e idas, mais so ain>ta restarem
..in ser salvadas e ptillzadas pela
Vigor. Libre de ess cias
ornam muitas preparacoes di
aocivas e destructiva.-i ao cabello, o
no lh? e beneficial. Em vez do
llo c o fazer pegajoeo, o conserva
-, embelliaando o, impodindoa queda
se rutp, e por conseqninte provine a
; '


- 0
' \ina de leile
Precisa-se de uma ama de leite e paga-se bem :
a tratar na rua do Queimad", loja da Boa Fama,
du na rua do Crespo, loja da Passo, junto ao arco
ae Santo Antonio
Precisa-se de una cozinheira ;
a tratar na rua Nova, loja nu-
mero 7.
K M A
km de leile.
Precisa-se de uma : na rua do Hospicio n. 32,
epagase bem.
4niJl Precise ac uma an|a que tenha pratica
xvhioj ,je andar eom mcnin>s e para fazer mais
algnm servico de casa de ponea familia : na rua
da lmperatriz n 37, primeiro andar.
Criado
Precise dc um de 12 a 14 anno* de idade, para
compras e mais servico dom^tico de uma casa
de p"Ura familia, preferindo-s.' .sinawa : a tratar
r.a traves.-a do Vigario n. I, escriptorio,.das 9 as 3
horas da tarde.
Aliened.
t
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca e favor vir a rua
do Duque de Caxias n. 60 A.
a ConsfflltrTW iiieiljrn-irnif^iei) p
toil* tte aao lia nada mais Ji desc-
tClltlo oll'O D
*rao o iv,
cabello, lhe 8a um lustre lux, ;
10- muito agKulavul.
rmat a c r da barba, 5 i
u1 de quo com o cabello, ppre
' #aito, envulvendo a baj&t V aaoiiunio I
:. AYElt* !, Ma^,
KabkdnH l
Hlmiro* Itacli,
. ictx".
Chatkados : a quaiquer hora.
j Con.-ultas : Aos pobres gratis, das 2 as Qi
jj '4 horas da tarde. Q
Companhia do Gaz.
4 ninpivi ilo gaz tern a hunra do annunciar
iij [lubltco ujira ii'ichi'u ultiini'iit'! um esplen-
H'l,. sorti ii lit" dc lustres di? viilro, can'lioi-
, aran-l.-l.-isr gtubus, eujasamostrasestao
... ASRripu>riii & rua ilo hnp**radi>f n. 31,
: lus aos spiis freguezes pelo
pre^o mais r.zuavel possivel.
Chitas de xadrez.
A Rosa branca tem e vende a 440 rs. o covado;
na rua da lmperatriz n. 56.
Na fliii(li('iio de Cardoso kkmi),
d rua do Brinnns. N)0 a I'OIJ
Vende-se os seguintes ob-
jeetos, por preeos
commodos :
VARANDAS francezas de ferro fundida de diver-
e bonitos goslos.
FOGOES francezes grandes e pequeaos.
DITO dito para trabalhar com gaz.
B< iMBaS francezas de repuxo.
BANi.OS com pe"s de fe.ro.com molla e sem
ella.
PES de ferro para mesa.
JARROS de ferro para jardim, grandes e peque
nas.
ACHLNAS para gelar agna e fazer gelo ; gelam
agua em 10 minutqi azem gelo em
20 ditos.
LIQTJIDACAO DI
KA
Rua da lmperatriz n. 60
/
V
Vende fazendas para liquidaaypor baratfssimo pre^o como
abaixo se ver
Bereira. da Silva cV Cuimsraes tenda em serunrgrnnde deppzit tie fazendas,
item resolTido fazerumailiquida^ao das. meatttaB-com grande abatimento nos preeos,
! com o unioQ iim dl- ^purar lUubeir..,. pva-o que conwidacj. nlo- &4 s.seus^numertisos
freguezes, comoro reapeitnvel publico, a vir surtir se~de nmUaa- ifaete* b e-baratu
no seu estibeleoimeato denominado oPavaoo ruad*Impratt o. 60.
BAZAR
Rua do Barao da Victoria n. 22.
DE
I
Canreiro Vwiiiia.
A' este grande estabelecnnento tem che-
gad um bom sorrimento de machinas para
costura, de todos oi.autores mais acredita-
dos ultimarneute na Europa, cujas machinas
Alnga-se por commode preco- mna-Ma casa^na sao garantidas por um anno, e tendo um
povoapao do Caxang*, priacrpfo* da estraaa-dO' perfbito artista para ensiuar as mesmas, em
Ambble-.-a tratera ra*dedmpera ,09- simiconcerta-las peb. tempo tambem d'um
anno seca despewJio aiguin do comprador.
Neste estabelecimento Umbem ha pertencas
para as mesmas machinas e se supprc qual-
fluer pe^a qua seja necessario. Estas ma-
chinas trabalhara com toda a perfeicjo de
\xm e quaiquer costura por fina que seja, seus
reeos sSo da seguinte qualidade : :>ara tra-
alhar a mao de 309000, 40^000, 45Q000
e 509000, para trabalhar com 0 pe sao de
80JJ000, 908000, 1009000, 110JW00,
1209000, 1309000, 1509000, 2009000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teragSo de preeos. e os compradores poderao
Tisitar este estabeleeimento, que muito de-
verio gostar pela variedade de objectos que
ha sempre para vender, como sejam : cadei-
raspara viagem, ma las para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balanco, ditas para
criaaca (alias), ditas para escolas, costurei-
ras.rtquissimas, parasenhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homeme criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para chi, fa-
queiros com cabode metal e de marfim,
ditos avulsos, colheres de metal fino, condiei-
ros para sala, jarros-, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pralos, esteiras
para forrar salas,lavatorios completes, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mnir
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem; este grande estabelecimento
que seacha aberto desde as 6 horas da ma-|
nha ate" as 9 horas da noute a
Rua do Barao da Victoria n.
Nito ha irais cabellos
Fornias para assucar.
Oalvanisadas e pintailaa, por preeo commodo.
gendem Cunha & Mama, a rua do Marquez de
Vrnda, n. 23. ___________________
Vandase a taverna sita a rua do Barao do
Triompho n. Go, bem afreguezaia ; quem preteu-
der, dirija-sc a mesraa, quo achara com quem
tratar.
Nan.
Vende-so uma typographia bem montada, com
uma machina e um prelo, tudo em bom estado e
por preco modico : quem a pretender, dirija-sc a
rua do Torres n. 1^2, sobrado, t andar.
Sir K(|iiisi(;ao
Vende-se oujpermuta-se porescravos uma
casa construida do novo, tendo duas salas,
seis quartos, com gabinete, sala de en-
gommar, coziuha fdra, quartos para familia,
caci 'ita com boa agua do belief e um sitio
bem arborisado ; no alto da Torre : a tratar
nesta typographia.
*- Vende-se a taverna da rua Imperial a. 236 :
a tratar no armazem do Theotooio Annes ou Al-
fredo Pisco Barbosa, na rua da Madre de Deus.

mm
FESTAS
**
TWTURARU mWll
S6 e unica approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda qne
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez. de Olinda, n. 51, lc andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
GAAWRAIAS^ V* WKOO, 59, 69 79.
0 Pavao ventta um magnifico sortimento
aasnrawfinas cambraias brancas transpa-
rentej tendo 10 jardas cida peca, pelo ba-
rato pre$o de 4 4S00j 59,.6a4lendo tam-
bem das mais Unas-qua custumam vir ao
meroato, assimcomauraigrande' sortimentoj
de dittrtapadase victories que tende de 49t
ate 89i sendo faaenda que valle muito mais
dinheiro.
COBSALPKOS DEX0RE9A 59.
Q Favao recefeteu um elegante sortimento
de caaibraias brancas com bonitos- salpiquL
nhos miudinhos&de cores* tendoi 10 jardas.
cadi corte de restido e vende pel preao da 59, por ser peehincha* ditas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
s 79500 e ditas a 59000.
VHSTIDOS Ai OSO DA CORffB 129
0 Pavao veniie um banito 6ortimento del
cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
cada c6rte todos osenfaites necessariosoomo
sejam : babadinhos, entre-meioa, rendas,
requefifes, e vendeTwlfttiarata ptaco do-129
cada um, assim como, di.os-a2.de julho
com todos os enfeites a 109. cortes de cam-
braias brancas ahertas, com listras e lavores
a 69, ditos finissimos a 89; ditos de cam-
hraia branca com listras de cores; para aca-
bar 39500, e pechincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preeo de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, 0 covado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
d cassas francezas com delicados padrfies e
cores fiias, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadriuhos a 640 rs. a vara ti-
nissimo 1116 branco liso ede salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BORNOUS A 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerin6 e com listras de seda.
LAZINHAS A 320
0 Pavao vende bonitas lSzinhas lisas,
sendo verde e cor de lyrio, pe 0 barato prect)
de 320 reis 0 covado, assim como delicadas
1ft in has de quadh'nhos a 280 reis, 6 pe-
ohincha.
Granadiaos a tt IO
0 Pavao vende um elegante sortimento
francez--muito flno a 39D00, apenaa precisa
1, 74 tnetro para ura lencel.
CflAtLES BaRATOS
a 29,^9500, .4..
0 Pavao vende chales a emitacSo da me-
riu6 a 29, ditos de merin6 lisosde todas as
ceres a 29500, ditos de nierjn6^6tampa4aft
muito fihos a 49, ditos finissimos com flft
tra-de seda a 69500, ditos muito fioos %
cropom a 109 e 129.
AIsh1"It eufcstRuo ft-v9"^'fl9V80.
0 Pavao vende algodio euieaiado com 8
palmoa de largura-, propria- pwra- leae^Sei
seado do mais encorpado que tem vindo ao
inercado, lisoaUp avara-e4raBeadoa>....
1W2B0*
A-TOALHA'DO-A 19C00; 29; 59.
0 Pavao vende atoalhado trancado com 8
palraos de largum a 192o0 0 19600, dttc
adamascado a 29, dito de linho adamasca-
do r39 e ST.
SEDA PARA VHSTIDOS
a-. 19600 e 2ar.
0 Parfio vende um Bonito sortimento de
sodas com listrinhas proprias para vesti-
dos de .meninas ede seuhora a J960O o co-
vado, ditas lavradinhas a 29, os pad roes sao
muito bonitos e vende-se por este preco- para
acabar.
Botiaas a .V OOO
0 PavSo tem um completo sortimento de
botinas muito "bem enfeitadas p;tra seuhora*
e vende pelo barato preco Je 59, artigo que
em outra quaiquer parte custa c9 e 79.
LENCOS BRANCOS "
a29000.
0 PavSo vende len^os brancos absinhi-
dos, tanto para homeus como para senhoras,
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiao
cambraia de linho t-mbem abainhados s
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, para
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas camisas com peito
de linho boxdadas, proprias p-ra noivo a
10(5e 129 cada uma, ditas de linho sn se-
rem borl das a 49, 49500 c 59, ditas com.
peito do algodSo muito finas- a 29; 29600 e
39, ditas decbita fina miudinba a 29,29500,
e 39, assim como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto de linho corno de al-
godao de 19600 abi 39, grfnde sortimente
-ie mei-s cms inglezas de 49 ate 89000 3
duzia
FAZENDAS PARA EUTO. -
0 Pavao tem um grande sortimento de
fazendas pret s para luto como sejam : cas-
sis, las, ou laiinhas lisas que vende a 400
dis mais bonitas graaadines ou gazes de e ?00 reis covtado> bombazinas de 19600
seda para vestidos. tendo de todas as cores al6 *? covado, cantao a 19 e 19200,
e vende pelo barato pceco de 640 reisoco- 8ranadine hsa com listras, cassas e chitas
vado e granadinc preta com listras do seda todas Pretascom listras 0.salpicos, alpacas
a 19800. todas Pretas e lavradas dobranco, merin6s
outras muitas fazend-s apropri das, que se
LAZINHAS A 360 0 COVADO. I veude Pr menos do que em outra quaiquer
0 Pavao vende bonitas lazinhas transpa- Parte
rentes com palminhasa 360 reis 0 covado,
ditas ditas indianas com lindos dezenhos,
tanto em listras como em quadros a 280 rs.
MADAPOLOES ENFESTADOS
..a 39000.
0 Pavao vende pecasde madapolao enfes-
0 covado, e grande sortimento de alpacas e tado com 12 jardas a 39, ditoa35500, dito
,la*inhas de 400 a 800 re"is. cpm 20 jardas a 59, 59JS0O 0 69000, dito
;com 24 jardas de59 ate 89 e 109, sendo oj
CHITAS DE CORES maisfinos que tem vindo afj mere do.
a 200, 246, 280 e 320 rs.
0 Pavao vende um grande sortimento de AlgodSoalnlao a 49000.
bonitas chitas tanto claras como escuras e! n
vende de 200 ate 32urs., assim como ditas1 9lava0 v pa de algodaozinhc
com listras aolado muito finas a 360 e 400 muito tncorpado a 49, dito a 59 e 69.
De fbrca de dous a seis cavallos : a venda no
armazem de Joao,uim Lopes Machado it C, tr-a
vessa do Cotpo Saoto n. 25. ______,
feode-se umi rasa terrea em terreno pro-
prio na ruajdo Carcereiro n. 6 : na rua do Duque
de Caaia;, loja n. 60. se dira quem vende.
WlPon Rowe & L. vendem no seu armazem
A rua^e Commercio n. *i :
0 veraadciro paaao de algiidao azul amencano.
Excelfente llo de v ela.
Cognac de 1' qualtaade
Vinhade Bordeaux.
Car via de Pedra de todas as qualidades
*k Vistuarios derfustao para meninas a ,*k
tg> 4*000 tS>
a Ditos de carobraia com babados a /ol,
i? 64000. g
Ditos de alpaca enfeilados a 7f. />
Bua d9 Grespu u. 10. TO
Vende-se
uma casa na rua do Caldeireiro a, 24 : a tratar
na rua da Paiiua n. j".
-3?
J
w:im:(M:iKiJUaico ?
DO
IS:-. Santa Rosa. 0
Riik .in liurau da Victoria 11. 46, I.*
,11 i;ir, '"uti'cni rua ffava.
' ii-ii tas das 10 botis da roanttS ao 9
IIH'I-, ll,i. ^
Cii.n il.i> porescTiptoa qoalqu^r hora
l-..-ii..-i..ii.i;nies. Partos, mufeatias de ft
dlbu e >ii 1 apparelho re-pirono.
ura criado que eatenda de co-
seja (_! 1. < c.jndujta : na raa da Impera-
Para a fesla.
Raa Primeiro de Marco 11. 14
Gasmao a Leal receberam on memores e mais
modernos que ha em i-hpeos para senhoras, e
esUo venilendo muito batatas, para acabar.
Vende-s<3
nu arteuda-se, no estado em que se aeba. am si-
tio Rvmedios. fregne a doe Afogados, n 18,
rliao pr jfirio. coin '& palmos d>- frnic e fio8 da
fujido : os pretender!tes diiij-nu-se aeseu propne-,
tario, a rua de S Franci. s ,h*a*> n. i
rs., (inissimas percales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 reis, garantindo
serem todas de cores fixas.
COBERTAS A 29, 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
com ramagem grauda, pelos baratos preeos cortes de casemica para'calces, com bpnitci
de 29,29500, 39 e 49, ditas encamadas; gostos, claros e escuros a 59, ditos de 69,
forradas a 59, ditas defustao branco e de cor j 79, 89. ate 109, superiors casemiras fran-
com barras a 49 e 59, ditas de creche" para cez s e inglezas, para covado, de 39500 ate
camade noivo a 69, ditas muito rlcasa 169, 60, paunos pretosede c res dos mais bara-
TAPETES
CORTES DE CASEMIRA A 39.
0 Pavao vende um grande sortimento de
ditas de damasco a emitacao de seda a 109
e 149.
FnstSes
0 Pavao vende fustoes brancos ode cores,
sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao
Vende-se
no esaado em que se acha 0 silio existente no
lugar- dos Remedies, I'reguezJa dos Afogados n.
21, hqjo becco da travessa dos Remedios n. 18,
em chao proprio, quera 0 pretender entenda-se
com 0 seu proprietario na rua de S. Francisco,
como. quem vai para a rua Bella, sobrado n. 10,
que se fari todo negocio
Faiinha de mandioca nova
T. n para vender Juaquira Jo.'e' Gungalves Bel-
trao 4 Filho, a bordo do (wtacho Sapho, chegado-
de Santa atharina, fundeado itefronte do trapiche
8arado Livramento ; c para tratnr a bordo, on?
no sea escriptorio a rua do CouuuercJo n. ".
tos e mais liuos que tem vindo ao morcado.
por pregos muito razo veis.
Houpa feita
0 Pavao, tem constantemente um grande.
sortimento de roupas feitaspara homem, que
mercado, tanto para roupa de criancts couuo {vende por preen muito em conta, como se-
para vestidos e roupas de hoin*m,_e vende
pelo barato preco de' 56<* ate 19, 0 covado.
-se
Pe^ fructa-pao, roeiras de variai quaiidaii.>s e outras
fiorei : na Hoa-vi n. 104, outr'ora Moiidepo.
All.
Attencao
U n. 37, 1 audar.
encao
Vnde-?e barato a..".rina-.'o da tavern* n. 60,si-
a rua Direita 4os Afo^Jos ; a tratar na pada-
na feHiBtn n. 6ft._______________________"
Hatticula pai-a. oa vajio-s.
A' venda na livraria das ica, a rua do ImneraH
dor a. ?*. Preoo 'ift rs.
BRAMANTES
a 19600, 202'Oe 29300.
0 Pav3o vende bramantes de algodao com
10 palmos de largura para lenc6es, pelo ba-
rato preco de 190 0, dito de liubo com a
mesma largura a 29, 29200 e 29500, dito
Cortes de chita a 99, 29500 e
0 Pa3) vende cortes de chitas sscurase
claras com to covadoscaria carte, pelo ha;
ratismo preyo de 29. 23J500 e 390u0.
COUTES DE BRIM A 19400.
0 Pavao vende c6rtes.de brim pardo para
oalga, a 19400. Ditos do cor, fazepda mui-
t. boa. .< 19600.
Espartilhos a 3^ e 4^Q0Q.
0 I'avao vende os mais modernos esparti-
Ih is, proprins para senhoras e meninas,
pelos tiarati>siinos pregos de 39 e 49000.
Diu.s muito superiores, brancos e de cOsv
59 e 6O000.
jam
Cal^as de brim do. cocas, de 29500 ate- 69.
Ditas de casemira escura a 39500
Palitots da mesma fazend j a 49300.
Calcas de brim pardo de 29 ate a^.
Dit s de casemira do cor de 7^ atft 12jJ.
Dit,*s de casemira preta de 79 te 14^1.
PaJitQts de. paano pret de 49 au| 1,29.
Fraques de pann < proto lino de 209 ata
359000.
Calg s brancas de linho de 49 ?te'79.
Colletes de casemira de cor de 39000 ata
59000
Ditos de dtta preta da 49 ate 79.
Cortes de la a 4?000.
0 Pavao vende bQniu&xqrtv* de laaiphas,
padroes miudinhos com hn.la/s oore^ tendo
15 covados cada c6rte, pelo barato preco de
4aoae.
CORTES DE ORGAlfRY A 39000 e 3500.
0 Pavao vende c6rte de organdy branco,
com listras o quadriuhos. sendo fazenda mui-
to fina. peli is baratissimos preeos de 39 e
395oo o c6rte.
Lhwlas diajieiiiias
Ceroulasfr ncezas de linho e algodao, para todos os pregos e qualiiJades, assim,
no mo grande sortimento de meias cruas, camisas, colerinhos, que tu-Li se vende por
preeos inuit r zoaveis.
"'' J' .'.HI" '
Vde->e a hem afref oezada laveroa n. 40 na
rua d Sim Gosto, em aato Ainjro das Salinaa,
pRipria para prineipiante: quen preteode la di.
rda a mesma taverna ue achara com an-' a^^SSEu a^ Sa'ISto chanoli-
nas diapeo_s_para senho'a*. superiores p .lnne>
Vende-se um bonito ca valle preto, bem gpr
do e com toda ? as nurehas; a tratar na rua da, vataa da ietrnoras.
Crrloifps fsfuros
R' a primeira vez que vem a este mercado ; a
Id,-,i Mr ma tem e vende harato, e da arnostras
>nn penhur : ua rua da Imperatrii n. 89.
Mmperatro n. 68.
i DU*It COUJlUOTW pOSWWIS.
Caaarios da Allemaaha
Iheparam pelo ultimo vannr da Kuropa,
is enntador-s e de cdre- mnito lindas ; acl
aemiMa ca se a vendi no armazem Fidelidade, a rna do Im-'
WP* perador n. 14. '
Cheparam pelo ultimo vanor da Europa, ner-
zae 4e gorpirsro de seda e ricos lf*os para gra- feites cantador>s e de core- mnito lindas ; arham
Seus preeos sio
Dojfle.
L.....------1----'-----..:..---------r-r-
J. ft. c,
Tem para vera :
Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro.
Vinho Xar-s das menvftMualilaaeSv
Bitters de Anjgttuxa,
Cbi preto em Ufiaa de |0 libr
Todas as preparatiSes c^imicas do Dr. Ayer:
iimw aa rua to Cmmmb % W.
.

r
I


\ /
L
.....
r

IlIGlVI )
I


.**
-
4

?!
f
}
V
K>
^c
1
V

Diario Je Pernambuoo Segunda tea 22 'do JJMsemhro < .1

SCARES LEITE, IRMAOS
UNICOS AGENTES
Km do II;irao da Victoria n. 28
ts maissimples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Ha exp6si;So de Paris, em 1867, k
Elias Howe Junior, a medalha de ooro e
fl
DE '
Fazendas finas
.Agua Honda, de Giiislaiuy
parafeaer 'os 'cabellos pre-]
NA
foi concedido a
condecora-
Iiua 1. de Sirc.in. 7 .4.
N
ordeiro Simoes <# E' esta casa, sem.duvida, nma das qne hoje,
pode com primazia apiesentar aos sens fregnezes
um variadissimo sorlimento de fazendas finas pa-
ra grande toilette ; assim como, para o uso oroi-
i nano de todas as classes, e por precos vantajo-
i sos para os cempradorcs, de cujas fazem um pe-
queno resume
Mandam fazendas as oasas dos pretendentes,
para o tras jnodiante penhor.
Cortes de seda de lindas cores.
Ditos de gorgurao de cores.
Grosdenapte de todas as cores.
Gorgurao branco e preto.
Seiim Macau preto c do cores.
Grosdeuaples idem idem.
PREDILECiA
a i. Howe Junior, nos
da machine de cos-
5io da Legiio de Honra, por serem as macbinas mais per. Veludo preto.
feitas do mundo Granadine, seda preta e eolismasrt de cores lin-
dissimas padroes e fazenda da ultima moda.
Popelinas de lindos padroes.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Manias brasilciras.
tura. Coichas de soda para noivos.
Cones de carobraia branca com liados bordados.
A medalha de ouro na exposieao de Londres acreditam gggJ3TSSift. hm de seda.
estas macbinas. Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas e de cures.
Nansuck de lindos padroes.
Baptista de padroes mui delicados.
IPer^alinas de quadros pretos e braneos, de lis-
<3ebe-nos o dever de annunciar que a corapanhia das machinas de Howe de Nova-'p'iIT',?!0'!;,,.^ Aa ,..
ork,astaheleceunesta cid.de a rua do Barao ia Victorian. 28, um deposito e agenda ^tSfc&Z** "**" "*******,
jesal, para em PrnambM> e mais provtneias se venderem as afamadas maehinas de cos- Fnstao de lindas cores.
ra de Howe. Estas macomas sao justamente apreciadas pela perfeicdo de seu trabalho, Casaquinboa de la c de-todas as cores, para se-
mepmlo uma gu)ha mais curta com a mesma qualidade delinhaque qualquer outra, c.JSi,d., nra ------
i tU introduced dos maw aperfeicoados apparelhos, estamos actualmenle babilitados a i$ idem idem
erecer *o aiame publico as melhores machinas do mundo. Vestuarios para meninos.
As vantogens destas machiTias sao as seguintes: oSSi^SSt8'
frimeira.0 puhlico aaheque ellassao duradouras, para isto prova incontestaTel, a Toaihas o gnardauapos adamaseados de linho de
wreumstauoia de nunca tcrem anoarecido no mercado machinas d Howe em segun-
** mio.
A medalha de ouro, conferida
Estados-Unidos por ser o inventor
A 908000
cores para mesa.
Coichas de U,
Corlinados bordados.
Camisas bordadas para homem.
Meias de cores para bomens e meninos.
Completo sorlimento de chapeos de sol para ho
mens e senhoras, com cabo de martini.
Merino de cores para vestidos.
Dito preto.
Atoalhado de linho e algodio para toaihas.
Alealhado pardo.
Brins de linho branco, preto e de cdres.
Setim de lindas cores e com listras.
SejUioda.Coutera o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ua nellas menor fnccSo entre as divereas pecaa, e menos rapido estrago
sj.ae nas outras.
Quarta.Formam o ponto como se fdra feito a mdo.
Qaxnla.PermiUe que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nio consegn
AS OEtrS.
Se**Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um i outro lado,
. Ijmo ens segui^v aem modiiicar-^e a tensao da linha, cozem a faienda mais
** Chak de merino de cores e pietos.
Setima.0 compressor e* lovitntado com a maior facilidade, quando se tem de mudar J"ltos de casemira.
e tulha ao comegar nova costura. Dito* dedtorn uS.61* dG ^^
Oitaya. Muitas companhias de machinas de costura, tem tido epocas de ^randeia e Camisas de 'linllo.
cadeucia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi descothecidas, outras soffreram Ditas de chita.
cdangasradicaes.parapoderera substituir : entretanto a companhia das macbinas de Howe Pitas do lanella.
^optando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem .onstanteraente SS^ t %"VJlid'M-
ug^entado o seu fabrico, e boje nfio attende a procure, posto que faca
sr dia.
600 machinas
".ada machina acorppanha livretos com instrucgoes em portujruez.
icnina acompanna livretos com mstruccoes em portujruez.
kSiB&m a 90*000
SOARES LEITE, IRMAOS
A*
<\o Barao da Victoria n. 2 8.
ICHINAS PARA C0S1URA
A 30j9000 e 30^000.
DCHJS P0SPONTOS
Nalojade Soares Leite Irmaos, drua do Barao da
Victoria n. 28.
pollica com poqucno toque/ Espelhos demolJura dourada. de todos
para collete, grande sorti-
Pannos de crochet para cadeira, sofa c ismsollos.
Coichas de dito.
Tarlatana' de todas as cores.
Espartilhos lisos c bordados.
Foulard' de seda.
Casacos a tricot.
Ri.oscortes de vestidos de linii)
de di ersas cores, com os competentes
tes, ultima nioila.
Casemiras pretas e de cores, chita?, madapoloes
cambraias, panno fino preto e azul, enllarinhoe,
puuhos, gravaUs, iuvas de pellica, ditas d Oo,
de Escocia, brancas e de ddres, tape tes de todos
os tamanhos, bolsas de viagem, etc. etc.
Na loja do Passo, rua Primeiro dc'Marco n. '
A, antiga do A aguia branca, a rua Duque de Caxias n.
acaba de recebtrovareiiiessada apreciavel a^_
iLiBdajiara iazer.os cabellos pretos. O bom re-
sultado colhido por quera tem feilo uso dessa
inoffensiva preparacao a tem altamente conceitua-
do, e Tior isso apenas se faz lembrar a qoem no-
vamenie delta precise queira se aproveitar de
sia utiliuade. Tauibera veio agua de lopasio e,
oieo florido para o mesmo u e tio acreditados'
como aquella.
Vottas e brincos de grossos
aljoferes de cores.
ft aguia branca, a rua do Duque dj Caxias n.
50, recefteu noras bonitas voltas e fcrincos de
grossos ?ljofaresde cores, e como sempre conti-
nua a vende.-las por prego commodo.
Novos diademas dourados e
com pedras.
A aguia branca, a rua do Duque dc Caxias n.
50, recebeu novo sorlimento de bonitos diade-
mas dourados e com pedras, tanto para meninas
como para senhoras.
CollecQoes de traslados ou
normas para escrever-se.
A aguia branca, a rua Duqne de Caxias n. 50,
recebeu novas cokeecpes ou normas para as crian-
gas aprenderenj a eacrever por si mosmo, hoje Uo
usadas nas aulas e collegios; e como sempre von-
de-as por preco commodo.
Meias cruas finas para meni-
nas esenhoras
A loja d'aguia branca, a rua Duque de Caxias
n. 50, reeebeu novo sorlimento dafmellas tao pro-
curadas meias cruas para senhora, vindo igual-
mente para meninas, e conlinua a vende-las por
precps comuiodos.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da apiia branca, a rua do Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu bonitos vtos ou mantinhas
pretas de seda com floras, e outras a imitacao de
croche, e vende-as pelos baratos pretos de 31,
l#e 6*000. A fazenda e boa e esta cm perfefto
estado, pelo que cootimia a ler prompla exlrae-
eao
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bezouros e gaia-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novos grampos eom nor-
boletas, bezouros e gafanhotos. o quo de certo e
perfeita novid de. A quantidade 6 pepuena, e
por isso em breve se acabara.
Novas ^ollinhas ornadascom
pelucia ou arminho
A loja d'aguia branca area Duque de Caxias
- 50, recebeu uma pequena quantidade de boni-
s e novas golHnbas, trabalho de la e seda, en-
neitadas com arminho, ofcras eslas dc muito.gosto
e inteirameute novas.
Grampos, brincos e rozetaa
dourados.
Lavas d
200 rs.
Abotoaduras
onento a 120 rs.
Caixa de linha de raarca, a 200 rs.
Lampariras a gaz, dando uma lux muito
oca, a iJ&OCrO.
Duzia de pecas de cordao imperial, a
40rs.
Caixa do bo toes de osso para calca, a
100 rs.
toque,: Espelhos demoldura dourada,
j os tamanhos e precos.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a' Idem
500 rs. li200.
PERFUMARIAS K MIUDEZAS.
Frasco com oleo Oriza verdadeiro,
1*000.
Idem com tonico de Kemp, verdadeiro, a
19000.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19200
Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
Idem idem divina, a 19000.
idem Magdalena (novidade) a
Idem idem CO jardas, a 240 rs.
Mac/) de f.ta chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
Meios aderccos com camaieu, a 500 rs. \
Garrafa de tinta roxa extra-iina a 1 <0
Potes corn dita ingleza, preta, a 100 e
1 &0 rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
1900.0.
Idem idem, a 4-00 ra.
Caixa de o&veloppes tarjados, a 500 rs.
Idem ido n forrados, a 700 rs.
Caixa de papel amisade, beira dourada,
i 800 rs
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de talheres cabc branco, SB., i
69000
Rosma de papel pautado, a 4*000
e 59800. i Extraeios muito finos dos melhores au-
Ideru idemliso, a29800, 390000,59000. tores.
Coques a^deraos, a 39000 Lindas e elegantes caixinhascemperfuma-
Duzias de pe^as de tr&ngas de caracol rias, .proprias para presentes, dos autores
branca, a 400 .rs, E. Codrav. Rieer, GelW Freres.etc.
Idem ide u lisas, a 800 rs. | Quadros com Santos e estampas sep*ra-
Leques leosso e saodalo, a 29000, 49 das. <
69000. Entremeies e babados transparentes e ta-
Kitade volladode todaa as cores elarjfu- pados.
s. rjJmn gmbde teex^eta propria para qual-
Microsoj|ios com 12 vistaevfe 69000. quer loja. i
Frasco eom oieo para macbina a 400 ts.
Rua do Barao da Victoria n. %
Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pote com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
nel, 191 00.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39C00.
Duzia de sabonetes de anjinho transparen-
tes, a 29200.
Idem idem com fldres, a 19500.
Sabonetes Glycerino transparentea, a
19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 1*000, ei9600.
Cosmeticoe, graudes e pequenos, a 100 e
800 rs
rFrase aaagaa de eolagne, a 200, 320,
500 rs. e 1^000.
VENDE-SE
nma casa na villa de Barreiros, na ma do Cocn-
mercio, por prejo modico: a tratar com Tasso1
Irmaos 4 C.
A loja da aguia branca, a rua do Duque
Caxias n. 50, reccben novamente bonitos gram-
pos, bfiwos >e roielas *turds ; assim como
oovus diaitemis de ajo, e cunio.sempre conti-
inia a vende-los por precos razoaveis
para senhora, Cai&itth&B C(ttB 6s doUTadoS
e prateados, para cabellos.
Vende-sv na loja da Aguia Branca a rua do Dn
que de < axias n. 80.
Luvas de pellica pretas e de
outras c6res.
A loja da Aguia Branca, a rua Duque de Ca-
xias n. 50, recebeu novo sortimonto de luv.i de
pellica, pretas.<- il<- outras cores
Em seus armazens i rua do Amorim
n. 37 e caos do Apollo n. 4-7,
tem para vender por precos commodo*
Tijoios encarnados sexlavos para iadrilbo.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas de descarogar algodao.
Machinas de jpadaria.
Potassa da Russia em barrii.
Phosphoros de cera.
Sagd em garrafoes.
Sevadinha em garrafdes.
Lentilbas em garrafoes.
Rham da aJmaica.
Vinho do Porto veiho engarrafado
Vinho do Porto superior, diio
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho do Scherry.
Vinho da Madeira.
Potes com linguas e dobradas ingieia*.
Liceres finos sortidos.
Cognac Gaulhier Frer'es.
Latas de toucinho inglez.
Barris com repolho em salmonra
Roupa cslrangeira.
Amaral Nabuco & C. vendem costumes de brim
branco e de cores (a marujo e a puriianos) para
meninos, paletots e colletes para homem, aitos !de
alpaca e de casemira para homem e meninos, ca-
misas bordadas e lisas para senbora, homem, me-
nino e menina : no Bazar Victoria, a rua -do Ba-
rao da Victoria n. 2.
--------------------------------------------------------------------------------------------ll
Asunicas verdadeiras
.Blobas hamburguuzas na rui> Marquez deulindan. 51
A' rua ito Cbnff4 n. 1 A.
Os proprictarios da I'redileoia, no ioUiito de
conservar 0 bom conceito que teem merecido do
respeitivel puWico, disiinguindo 0 seu estabeleci-
roento dos mais qne negociam no mesma genero,
asm scientificar aos seus bons freguezfs que pre-
veniram aos seus corresiiondentes nas diversaspar-
cas d'Europa para Ihes enviarem por todos ospa-
queles os objeclus fle luxo e bom gosto, que se*
jam mais bera aceitos pelas sociedades elegantes
fdaqnellos paiies, visto aproximar se 0 tempo de
festa, em qne 0 betlo sexo desla linda Veneza
mais osteuia a ripieza de suas toillettcs ; e co
mo ja recebnssera pelw paqnete france"z diveraos
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
u'ontre dies que se tornam mais recommendaveis,
eperando do respeitavel poblico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tarlaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns -com ricas capas de madreperola e de
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
cos.
Aderecos completes de borracha pn prios para
Icto, tarn ben 1 se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
Botoes de setim preto e de cores para ornato de
vestidos de sethora ; tambem tem para collete c
palilot.
Bolsas para senhoras, existe urn bello sortimen-
to de seda, de palba, de chagrim. etc, eti., por
barato pre^o.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como dc ceYa, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes lornam-se as criancas um ponco im-
pertinentes por falta de um obieelo que as en-
tre'.enham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem se por preco commodo.
Ceroulas de linho e de algodac,, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com musica, 0 que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen
tes.
Coques os mais modernos e dc diversos forma-
tos.
Chapeospara senhora. I'.eceberam um sortimento
da ultima moda,.tanto para seubora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Oalcas bordadas para meninas.
Euiremeios eslampados e bordados, de lindos
desvnhcs.
Escovas cleclrieas para denies, tem a proprie-
dade de cvitar a carie dos denies.
Franjas de seda preias e de cores, exi te am
grande sorlimento de d vercas larguras e barato
preco.
Fitas do saija, de gorgurao, de setim e de cl*-
malote, de diversas larguras e bonitas eores.
Facbasde gorgurao muito lindas.
Flores aililiciaes. A Predilecta prima em con-
servar sempre um bello e grande sorlimento des-
tas fio es, nao so para enfeile dos cbeHos, como
tambem para ornato ie vesliilo de noivas.
Galoes de algndao. de la e de seda, braneos, pre-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Laeos de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
.Limws para onvir missa, ccm capas de madre-
perola, marfim, 6s 0 e velludo, tudo que lia de
bom.
Pentes de tartarnga e marfim para alisar os ca-
bel os ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, mailim, iwi e d<>uradns por barato preco.
Perfumarids. Nesle artigo esta a Predilecta bem
provida, nao so em t-xlracios, com. em oleos e
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabficantes, l.oiibin, Piver, Sociedade Hygienica.
Goudray, Gosnel e Rimel ; fao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
, pre jo.
Sapatinhos de 15 e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapatas.-Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
menio de diversos tamanhos, tanio para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimenta< para, baptisado 0 que ha de melhor
gosto e os mais moderoos, recebeu a Predilecta <
vendepor barato prepo, para Ucar ao alcance de
qualquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
0 pe dlwn pir ahi.
Crlieou o verdadeiro de Portland ; barricas
ggandos de 400 kilos : no armazem de Tasso Ir-
maos & C caes do Apollo._________________
Vende-so um escravo mulatinho, de
muito bunita tigura, sndio e de b6a con-
ducta, deidado de 18 annos, proprio para
p8gem e copeiro. E' vendido porque o seu
sentior vai doente para a Europa : a tratar
na rua de Ilortasin. 110.
El
i

Vende-aa uma excellent* cau eora um -nequeno
citio, sita ao -VrraiaJ junto a caaa-do Sr. Ansetao :
i tratar na mesma ca^a, epara iatoroiacoes na
averna do Qiifrmado n.^. t* andar
Bolsas,' malas ifrdispensa-
Amaral, Nabuco & C wwefctraai comaieie **,
".lmento de bclcas, malas eeadjspeoaavaia4* *
i-o, madeira e chagrin : vajnte-se no Bazar Vic <
r.oria, rua do Barao da Victoria a. t.
(irande pcdiiiuha a 2J0 rs o
rovade.
Caasa la, padroes novoC, e de mai* gSSto qua
tem vindo ao mercadi, 6 na ma do Qaeimado
n. i3, loja de Guerra & Parnandes, pelo diminu-
preco do iOO rs. o Covado I
Chegueui fiviguozes qua se acaba.
Os wrddciros
Vwihos de Bourgogue
marcas
FLORES
0 jardim da Nova Esperanca, a rua Duque fle
Caxias n. 63, esta replecto de flores a? mais de
bem, 4 rua do Cabuga n. 1 A.
---------------- '---- ----------- utaau >ui_< '*o a-'-iili (-uuiw llimv jvi IIUIUU.V U
licadas que 6 poseivel imaginar se.desde o'nWi* leqoes^de madrepentfa; a efles antes que se aca
singello ramalhtite a mais elegante *sa, - novidade) : ao bello sexo compete,.quanta-antes,
virera coibe-las einquanto estio viyosas.
ulensiliosfla tavefoa do
Vende-se a armacao e
pate- doTereo n. It, barato, e propria para quern
e quizer stabe1ecer naqueHe logar : a tratar na
tnesma.
.M'VlV.lsU
Chita s a WfO ts. o covado.
A 240 rs o covado.
A 240 rs. o covado.
S6 na rua Duque de Caxias n. 60 A, loja da
esquina.______________________
Burros a Tenda
J. 'DerrVj aviss a fens freguezes que esta em
viagem para as provincias de Alagoas e Pernara-
baeo, eondutindo exoeilente trnpa de -burros
ipassara ppr Penedo, Pilar, Castanha-Grande, Por-
to Calvo. "Barreiros, Rio Formoso, Escada. Cabo e
provavelmente por Santo Amaro de Jaboatio a
Naawetii; por isso pode ser avisado ou -eneon-
trado om qualquer destes lugares
Larangeiras, 20 de outubro de 1873. ^^ (
Para wcafcar I
Rtcos cnapeos para sennora : sd na rua Duqne
de Games n. 6<> A, 4oja da esquinn.
4 Predilecta acaJM de recener um Undo sorti .
mento de iltas escocezas achamaloladas, proprias
para facias ; assim como am lindo sortimento de
Armazem do fiiiw
Gbambertin
Powmard
Virils
Volnajr
Beanne
Muntlielie
Dito Bordeaux em quartoUaa.
\nk-M |hp bart pre$o
PARA LIQUIDAQiO DE CONTAS
NA
Baa Larga do Roaarlo 34.
Botica.
Rua da Madre de Deus A. M A.
lose HoningneB do Gamo e Silra pertrcipa a*r
sens frecueiee s anugoa que no sen arwKeai a
rua da wulre de item n. 10 A, se acha ,nm com-
pleto sortimento de fumoem fardos de patente l.",J
!. e 3.' sortea, dos mettiores fabricantes da Sahia
e bem assim a flor de todos oe lamos da cotda
em rolo>, pacotes, latas grandee e pe^uenas, tao-
beut dos mui acreditados fabricantes Torres 6
Araujo, Lizaur, Adolpho Schmdt 4 C., Lizaur
flchttidt A ., Veigas k Arauio, Trtndade & Are-
lar, Teixeira Piato dc Portella (gajrantidto pelOf^
mesmos) e de uutros aiude nao coniweklos pk
publico desta capital. 0 annunciatfe declara qr
todo fumo que for vendido em sua casa sera pelo
sen jnsto valor, e que quando garatttfr a respect!-'
va qualidade, sera slncero, mui particnlarmenu
eoaa as pessoae qoeuso enianaaa. da antsria ,
pois para bem sarvir a todas, tem o annnHCiante
*ioiiga oratica de 18 annos deste c/irnmercio.
Tub, cba e fumo
Amaral Nabuco 4 C. vendem tinUs orisatoe -
Lotion vegetate para lingir de pretes cabellos,
que se conheoe d mais ntll o commodo, nao so
no modo de eiopregn-lo, como no resoltado qne
se obtem. r.ha verde e preto chegado ottinameao
te, e furao inglez e fr"cez, -para cigarros e ca-
chimbos : vendem no Basar 'Victoria, rua do Ba-
i ao da Victoria n. 2.
sWAW-, IHAWRBS C, AJ 4, VKDBM:
Machinas >de corlar iumo.
Machinas de descaracar algodao.
ttachinas-a-rapoT deiirca Hb 9 ljt, eoa4 ca-
vallos.
Balancas de dtversM -quatiiades.
Pesos e medidas de diversos jiadi<5es.
CliaTarlz de ferro -para jardim.
' F6rmas paw -a^cax
Arados americanos.
Cimento
E sempre assim.
Quando parece ter-se esgotado o reperto^o da
modas, pela immensidade ue artigos de n dade
que tem apparecido, eis que os velhos e i ansa-
veis conrespcndenles da Nova Esperanca, a rua
Duque de Caxias n. 63, descobrem oulros no
mundo elegante, aonde se conservam escogitando
minueiosamento as novas inven>.5es ; remettero
para a Nova Esperanca. e autorisam na a dizer
aos seus frepuezes e especialmeute ao bello sexo
ue nao ere;am em tal: e para prova evidentc
o que acaba a; expor, vejam o que abaixo se
descreve :
MANU*ES para missa, com capa de madreperola
ou tartaruga, tendo no centro da capa
um pequeno relogio perfeito regula
dor.
CA'RTETRAS, po't charutos, port cigarros e ports
moneys no mesmo gosto.
CARTEIRAS para notas com capa de marfim, ma-
dreperola e tartaruga, com o distico ,
Lembranca.
BOLSAS para senhora, o melhor qne tem vindo a
este mercado, de diversos tamanhos,
qualfdades e modelos de nova inven-
cao.
PORT BOUQUETS de lindos gostos e tamanhos
especialidades para as noivas.
CAIXINHAS com musicas e sem ellas, proprias
para presentes.
E oulros de inteira novidade.
B com os meninos.
A Nova Esperanca, a rua Dnque de Caxias n.
68, recebemos bonecos de norracha de formatos
inleiramante novos : os meninos muito apreciarao
este brinquedo.
E verdade.
Qdalquer senhora de bom gosio, paTece que
nao pode completar e -ua toillette, sem dar um
I parseio a Nova Esperanca 4 rua do Dnque de Ca
xias n. 63, p>>rque e a loja de miudezas que mais.
completo esta em <> rtiiiient >, e que mais novida-
de- apresenta ao pdblico em geral.
E com as floristas.
A Nova Esperanca, a rua d<> Duqne de Caxias
a. 63, recei'i'-u pelo ultimo vapor, um mteiro sor-
fiinento de papeis para fl ires 1 a elles.
Para crianqa.
A Novfe EsperaHca, a ran do Duque de Caxias
n. 6% ttcebeu um sortimento de vestuarios fle
casemira e alpaca para criancas : muderuos e bo-
nitos.
Las mescladas.
Ua> bonito sortimento de las mescladas em co
reg^reSenon a Nova esperanca, a rua Dnque de
'Carxtts i. -63.
A verdade vou dizcr-vos.
Sera embargo do mio tempo ;
Naoe graca, vou cootar-vos
0 que dizem... por exemplo:
Que a BARRIGA e a mai da humanidade e qne
esta como filha obediente deve tratar com requin-
tado desvelo de sua dileiiissima e infallivel mai
Que para isto 6 indispensavel que os gastrono-
mos habitantes desta bella cidade c sens subur-
blos, como parte rntegrante da humanidade, devem
vir ao muito util e conhecido arniazcm do Cam-
pos, a rua do Imperador n. 28. oniprarem os
novos saborosissimos presuatos para fiambres ; os
gostosos paios, os saborosos salames, os appeteti-
veis lombos de porco; as delicadas linguicas e
salchichas, cs digeslivos peixes em latas, a flnis-
sima .iianliiga ingleza e franceza, os deleitosos
biscoitos, as exciianies conservas. as deliciosas
ameixas, passas, amendoas e nozes, as aprecia-
veis fructa3 em calda, os flexfveis doces, o mag-
nilico queijo flamengo e prato, o embriagante cha
perola, aljofra e preto, os tabstanciaes chocolate e
cacao em po, os refrigerantes Jicores, as calman-
tes ccrvejas, os corroboranles bitters, os inspiran-
tes vinhos do Porto, Madeira, Bordeaux, Figuei-
ra, LisbSa, Chorry, i oilares o onlras muitas qua-
lidades, a corruscanle champagne, cidra e on sem
numero do raros e arrebatadores acipipes, que
da forca, vida e prazer, alim- de rechearem dia-
rianiente o receptaculo dc suas idolatradissimas
Barngas ;
Qne, quem quizer fazer nm deMcado lunch, fa-
mar um primoroso cliaruto da Bahia c beber um
copo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao arma-
zem do Campos, unico qne tem dtmonstrado alii
a evidencia a influencia da rainha do mundo a
barriaa
Mesmo porque
Ora esta e boa.
Quem qnizer ser ditoso. ser Miz
Deve ao Campos s meatc ir comprando,
Evitando assim de ir mai passando,
Deleilando a barriga e o nariz.
Aliim do qne dizem muitas ccusas ; por
exemplo quo o Campos e so quem vende bom e-
barato, que sd.e o uuicoque daamostras de gene-
ris ; que so ellc, quem capncha em d.r bom
peso, que e elle so quem manda levar gratis
em casa do comprador os generos comprarLs (a
dinlii'iro) em seu arnia?cm. quer lentm da cida-
de, quer nos seus adjaeentes ; que unicamente
so 6 no arniazein do Campos, a rua do Imperador
n 28, ond*> se encontra um completo e eeplendi-
do sortiineiilo, verdadeiroCentro de peregri-
n.is e exqueMlas victuathas, onde tn jesuitas) devem vir satisiazer esia c-hra de mise-
rieordia (ja se sabe, trazenJo dinheiro) dar de
comer a barriga attendendo a que :
I>o dia a questao ja nao existe.
Que o Campos fez cessar toda esla briga,
De.-fechando este nolpe pliitust'piiico :
Tratem todos primeiro da barriga.
Finalmente que, as interessantes m- ninas di
zm que, so gosthin de doees do anna, 'n dn
Campos ; as seductoras e esnteitaosas mjci... que,
so tomam um calice de bitter ?' p ..cai se for
do armazem do Cmipv^s ; as respem -a^ mnnvnas
que, so so recordam do pas;ado qnattdr- saboreiam
alguns acipii-es do armazem do Campos ; ou ele-
gantes e amaveis rnpazes flae, so fumam charu-
tis do Campos ; os velhos que, so .-eiiicin excita-
cao quando comem certas iguarias do Campos
p at6 os forasteiros so procuram o lampi.s, so
querem d Campos t so goslam do Campos, aponto
de... vejam :
Do Campos a fama como voa
Nos bailes, theatres e cafes ;
.Ma\anibiiiiil>as, bonds e jar Retroaiul ido rnuudo nus conlins,
Deiva a todos uma -nova, ft- iz, boa
E vai passando dts annos at'-.-.vez I
Oiiilaria kite, a
Hombreiras.
Tapiteis.
Solaima.
a' venda no armazem n. iii, a travessa do t'orna
Santo.________________'
Las para vestidos dc geute
sinha.
Fazenda de 800 rs., vende se a 300 ..-. na Bsa
Branca c daose amostras: a rua da linppriitrn n.
W.
Lindas las escoce/as.
De vario3 padroes, e inteiramente ii...iIi'iu:k, a
360 rs o covado : na rua Primeiro de \Urco
antiga do Cresno n. 13, loja das columns. rt> > n-
tonio Correia de Vaiconceflos.
BanhosemOlindn
Camisas e calcas de fazenda da Ihmi qu*ttnade,
proprias para os banhos em Olinda un I fos
arc-is 4 rua Primeiro de Marco (antiga do Cre-wo
n. 20 A, do Gurgel do Amaral A C.
Rua do Brum n. 7 ft
Vende se zinco puro de superior q >.(.-de,
proprio para cobertas de casas, medini t> pil-
aws de coiuprido e 4 de largo, por < o Anilo
em conta.
lhapeosdesol de 12-hat-teas
a
Boa seda e bonitoe csbos.-valem Itl : e gran-
de pechincha, aproveitem : na rua da Impi-'atriz
n. 56, loja da Rosa Branca.
Vinhos linos eyprrrlados
i- de ili-
rua do
0 wKdsdeiro Poittend so se encwrtra no caes
da alfawiega n. S, armazem de badJKMia, *m
barjica. tmaiores qae ves ao tntreado* por
n>i. commodo da qu em -outra qualquer
Veu'Te-se a metado do sobrado de
dous nuilares e sotao na Jua de Pedro Af-
funso, outr'ora rua da Praia a, 35 : a tratar
na nesma rua, armaaem a. 26 A. E' van-
tajosa a compra, ptlo iuiportante pcadio,
bem construido, de grande rendimente e
excellentes commodos.
Vende-se
estdpa para calafetar navios e harcaca* : a rua do
Amorim, armazem n 31
Cosmoramas.
Amaral Nahsco A C, vendem oa atxis comrao-
dos cosmoramas com vistas actualmento novas :
Bazar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 1
Miiiifha
Chapjees de sol 8e seda, cat de canna, a SilOO
cada um, isto tudo 6 aon. 20 aa rua do Cr>po,
loja das 3 nurtas. de Guilherme & C.
CxHVAfl m\m
i$m AlciiliH.(ii ilras SaJgadas.
Vrlla Rouca de As^iiar.
BICAKBO.NATADAS S"DIC\S
Analyses tto Dr. Jnse Julio Roitrt
(rues, l.-ute dn esciin Pfriyte-
ehaflw de Lisbon.
itetaacmilente agua osada com vantaeem no
padecimento- das vias digestivas, urinarias, d>
estomago etc., etc.
Vende-se
NA
Pharmacia e drogaria
DA
Rna larga do Rosario n. 34._______
Vende-se
A tvaerna da ma da Penha n. 6, bem afregoe-
izda tanto v como pa-a o na_me*ma _________traves e travotas de Im.Ios os tamanln-
Vende t<-. um poraa pMpn para a festa, e lidade, tarribein t- m m-rtas de looro nova
entgraadeia nao t segdodo. um extraordina- ,dos os tamanh >s : no C ura Menlno, com Jose An
rio: a tratar na rm *n Pit*" t. VS. 'tnnio Marqn y
Pn prios para presente de festa
versas qualidades ; jrendem-se na
Commercio n. k8, 1 andar.
Las finas a 500 rs.
A rosa branca recebeu lanzinhas de lindos gos-
tos a 300 rs, sat) las de 800 ts. quem qnizer che-
gue. Rua da Imperatriz n. 58. Dao-se aumsiras-
ccm penhor.
J4GAKAN
Tem para vender Joaquim Jose Gonvalves Be-
ao Pi l no : a tratar no sea escriptono a rua
do Commarcio n. 5.
U
i
Baratissimo
fLanzmhas com listras-estampsdas pelo diminuio
eo de 400 re. o covado.
Ditas com listras assetinadas a l*i<00 o exf-
vado. *
, Granadinas pretas com listras de cdres a 500 rs.
n covado.
Metins trancados,propfi88 parawestido, a 320rs.
o covado.
Alpacas de quadros, proprias para vestidus, a
44#ts. o covado. >
Brim hranco, loaa.paraca*?w aHKOOa vara.
Dito trancado a 11600 a vara.
Dito de cSres,-linho puro, a 1#400 a vara.
DE
Superior qualidade e garan-
tido
Na rua do Commercio n. 4, eseriptorio do Lids-
tone Robilliard & C, vende se por precos eomrno-
dos o carvao acima, t peqnenas pereoes.
ii de
.(na-
de to-
nan
\ mm I
)


J, -
JDBISPRDDERC'A.

11
Diario de Pernambuco Segunda feira 22 de Dezenibro do 1873.
SUi'
ci
i
C(
SI .
tide
bocc
Iaga<
do
ral
fon
nho
nao
t;^
a !
mai
oeoi
dfci
Relatorio
V RESPEITO DO NEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
^ EX-COMMANDANTE EM CHEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
. CAPITULOIV
C0N5ELU0 DE 26 DE AGOSTO
(Conlinuacdo)
To I a via, tuna vez dada a orJem de retira-
da,'. 11 nperador mudaudo de resologio, tinha
deci-.ii Id a 8 de agosto conservar o exercito
em M tz, e manobrar sob o apoio daquella
; ;-aga. Esta determinagao dava ainda maior
impoi tanci.i a reuuiao de provisoes da praga,
porque ji so nao podia esperar formal-as
com os depositos que o exercito deixava na
retap'iarda, porque ia cvidentemeute con-
. sr :. -as.
Tu lo exigia portanto que se aprovcitaisem
0 ri" ursos da regiao que se aban louava ao
ini mgo. Nao faltou tempo nera meios de
U.nsporto; isto resulta dos factns que se
n eiam na parte do relatorio que trata das
-::,.encias. Limitando se a recolher a de-
>arte da colbeita, proporgio muito pe-
se se compararem os calculos formu-
por possoas competeutes, ainda assim
v -lagj^is da praga teriam duplicado.
'ITCLACiO EM CAMP0 ABERT0. REX-
DICA0 DA PR CA DE METZ.
mutsdo na praca don emigrados dos
tomou nenhuma medida nesto sen-
nas c.n vez de fazer sabir da praca as
iniitois, abriram-se as portas a popu-
r iral. Urn decreto do prefeito, de 10
s o, promnlg.ido por ordem do gene-
ffiuieres, veio orgauisar a ouelle ataquo
I to ivgulawont i, estipuUndn que ue-
i pessoa seria a rnittida na praga so
/aMB fomsigo meres para quarenta
do menos. Como bem se p6Je pensar
w istraejk) daquelles recursos era dos
brfieeis ; peraiiie a vaga sempre cres-
ii e.nigragao, tevo i a 12 de agosto. Mis ja era tarde,
p >rqu nais de 20.0i0 pessoas tmh in vin-
do aiMjmentjr a populacao civil de Metz,
cujo :i aero normal le SO.ouo almas, foi
assim evado ao de 70,000.
Ini rrogado sobre s cmsequentias do
decre! de li de ag-isto. n general Coffinie
res n nfestou a opiniao l que as provides
introdu'idas na praca pelos refugiados tinha
si lo m lito considerate!, e que a medi ia
fdra antes ulil que prejudiri.il. Seja qua I
for o filter que tenha esta opmiao, nada h i
iw legitime a fixaoao >l> esforco dequaren-
1 lirts indicadu pelo commandante superior.
D.' Jua*. uma ; ou elle julgava que a dura-
t i.. da resislencia da praga nao excedia a
quarnota dias, ou no caso i-ontrano i.npu
cba se a necessidade de sustentar alem da-
. jellft terino, a populacao civil que deixava
oetrar em Metz.
" impossivel dar conta das noticias que
c r ninara a a nao exigir senao um depo-
ts' lao limitado, que mais tarde se roconhe-
i ser pequeno, p >r isso que a praca ficou
bloqu'ada ate 29 do outubro, e por conse
qne'i'ia dbfigada a sustentar, durante trinta
e s--t- lias os refugiados que se tinham con-
urn." i-> com as prescripQOes da autondade
railit- .
Pa "> e que se hesitava entao tomar as
medi l is impostas pelos regulameutos, com
receios de perturbar os espiritos da popu-
lt^Sn.
S' luagdo das provisoes em Metz, quando
C nareckal Bazain tomou o commando da
pracn. No rnomento em que o marechal
Hszaine tormm posse do command", a 12 de
-.gosto, havia na praca, sogun lo dize.n pes-
soas competentes, viveres para sessenta ou
setentadias, isto e, para cincoenta dias tendo
em conta a populac.Su refugiada. Quanlo
as previsoes para o exercito, a situai;ao es-
tava longe de se poder reconhecer ; tal era
a ennfusao que reinava nos depositos. Cal-
cula-so, porem, a quantidade para flute e
trei a vinte e oito dias de viveres para tropas
na razae de 200,000 r(des militares, e
para dozeou qui ze dias de forragens para
cavallos, n'um effectivo de 50,000 caval-
los.
Mo e som razao que o marechal p6de
dizer que as autoridades militares nao ti-
nh -n tornado todas as medi das proprias
pa- i assegurar as subsistencias; mas tern
difTu ddado era se associar a esta censura,
por isso que as autoridades civis so incumbia
o cridtdo de se conformarem com as ms-
truegfies do commando superior, executando crificar o futuro em presence daquelle re-
sempre com dedicacio as determina^oes que sultado, elle se teria exclusivamente appli-
recebiam^ por outro lado tomam constan- cado a proloogar a resisteocia, naosusten-
temente a iniciatifa de propostas susceptireis tando senftq o numero de cafallos necessa-
de prolongar a resistencia. Pela sua parte rios para esperar o limite das provisoes em
o marechal Bazaino nao deu nenhuma ordem p3o.
prevenindo o sitio da praca ; se elle podesse Em resumo, se a contar do dia da sua
suppir que era negocio assentado, teria pelo noraeac&o, o commaodante superior da
menos procurade assegurar-se e informar-se pra^a do Metz, o general Coffinie>es, deixQU
das necessi lades da pra^a que ia deixar de tomar as medidas necessarias para reunir
entregar a si mesmo. no campo intrincheirado os recursas do
Podia admittir-se que em presenja dos paiz em trigos, forragens e gados, no dia
esfor^os que o exercito de Chalons ia tentar em que o marechal Bazaine foi investido no
parase reunir ao exercito de Metz, o marechal commando de todo o exercito, n8o deu ne-
tivesse podido ate aos primeiros de setembro nhuma ordem para reunir as provisoes
considerar a sua permanencia dentro das da pra^a que elle proprio tivesse abando
muralhas da praca como provisoria. Mas nado.
nao podia ter este pensamento desde que Mais tarde, quando voltou ao campo in-
tevc conuecimento do desastre de Sedan, por trinchuirado, foi fazer viver as sua tropass a*
isso que considerava entao como impossivel custados depositos da praca, n8o adoptando
voltar para o campo corno o con firm a in as medida alguma para recolher osrecursos que
suas proprias declaragOes. se encontravam ao alcance dosseus acampa-
Ncnhuma tentativa se fez para melhorar mentos, nem para se prepararem aquelles de
a situacdo das provisoes.Durante o pri- bue dispunha. Na parte do relatorio e
meiro perioJo que corresponde aofwesente especialmente consagrada a* questao das
caoilulo,' as preoccupajdes do marechal substancias, ha do estal)elecer-se que se po-
devoriam ter-se dirigido para a necessi lado diam procurar facilmente viveres, na pro-
de restabelecer as prov'sdesda praca, quo a ximidade para um mez, e que uma sabia
permanencia do sou exercito ia diminuir, e econoraia no consumo dos que havia era
aproveitar a fraca occupacSo da planicie do deposito, teria prolongado a durag&o por
biixo .Moselle, e ia margem direita, que re- um periodo igual do tempo.
sultava da concentragSo do exercito ioimigo primeiras soticias ^tasel de sedan e
tin planicie da margem esquerda, durante dos acontecimentosdede ^ 4hatembro.
os primeiros dias do bloqueio, para fazer 0 e,vercito sabe dos acontecimentos de 4
entrar as colheitas daqueda parte das im- di' setembro e da revoluQdo de i de setem-
mediacoes de Metz. Nenhuma tentativa se bro.O marechal leva ao conhecimmlo
fez ne.-te senlido. das suas tropas o governo da defeza na-
Segundo os dados fornocides ao general cional.A marcha do eiercito de Chalons ti-
em chefe, e as infurmayoestransmfttidas por nha sido annunciada pelodespacho de 23 de
pessoas muito autoris^las, as provisoes, tan- agosto, econQrmada depois com maior pre-
to do exercito, como da cidade, podiam cisao, como prudentemente exporemos, pe-
elevar .-e no principio de setembro, a trinta los despachos recebidos a 29 e 30 do geue-
e oito ou trinta e nove dias de pao do peso ral Ducrot, e do marechal Mac-Mahon. Em
de 750 grammas; ja se comecava a consu- consequeucia destas ultimas communica-
nir a carne de cavallo. Faltava sal. Esta goes, o marechal Bazaine tentou, disse elle
situac to exigia i nperiosamente o emprego no seu interrogatorio, uma diversao para
de medidas promptas e inergicas, tanto attrahir & margem diriita do Moselle uma
para preparar, como para reunir essas pro- porcao das forcas inimigas concontradas na
destes resultados,
planicie ontre o Meuse e o Moselle.
0 marechal esperava, durante os dias 31
Vl-OeS.
Para obter o primeiro
importiva procurar escrupulosamente todos'de agosto e 1" de setembro, ouvir de um
os recursoi existentes, par.i celeiro commum,! raoraento para o outro, o canhao do mare-
e i*r, dsde logo, ragdes a" populacao assim chal Mac-Mahon. 0 silencio que n5o dei-
como ao exercito; emlim, reduzir a quan-xou de reinar ; por outro lado as mano-
ti lade da racao ao estricto necessario, e bras rapidas lo inimigo que nJo trahiam
pviiarcni lado^amente to Jos os desperdicios. nenhuma inquietagao quo denotasse a apro-
DesgragalamDte nenhuma destas disposi- ximagfio do exercito de soccorro, tudo devia
;6esse tomou, e as medidas que o marechal fazer pensar ao marechal Bazaine, que a
se limitou a pre>crever depois, s6 tardiamen- marcha daquelle exercito tinha soffrido
te foram deeididas, e por isso mesmo se alguma demora.
tornaram illusivas. Os primeiros dias passaram-se na espec-
Em seguii lo logar, embora se deixasse tativa e na anciedade.
passar, sem se aproveitar, a occasiao de re- i A noticia da catastrophe de Sedan che-
colher. quasi jue sem combatcr, as colheitas gou ao conheciraeDto da marechal a 4 de
do baixoMo-ielle, e das planicies da margem setembro nesse dia, o commandante de es-
lireita, ainda se podiam fazer, desde o udo-raaior Samuel, aggregado a secgio das
principio de setembro, forragens muito informagdes. foi madado como parlamen'js-
productivas. Tinham sa tornado resolugoes rio para tratar da troca de feri.los docom-
formaes a -ste respeito no conselho de 26 de bate do 1 de setembro, e soube pelo chefe
agosto ; s6 se Ihe deu seguimento um mez de estado maior do general Monteuffell da
depois. e as operagdes emprehendidas noste capitulagdo de Sedan, e do imperador ter
intuito annuii'iado geralmente com anted-1Qcado prisioneiro. Quaes iara ser as con-
pagio, concebiilos em piano de especie al- [ sequencias deste novo desastre ?
guma, e executadas a" pressa, foram longe) Poderia o regimen imperial prevalecer
de produzir o que se poderia esperar, e so aquella catastrophe, em que a situagSo mi-
deram em resultado fazer incendiar povoa- btar da Franga, j4 Wo compramettida, ia
gdes que teriam ficado preservadas se aquelles ser ainda aggravada da maneira mais peri-
fornecimentos se tivessem feitocom um mez'goaa por uma revolugio ? Foi sd a 10 de
de antecipagao I setembro que o marechal fixou estas terri-
Alem disso, o general em chefe deixou veis questdes. Nesse dia chegou aes pon-
ateaofim, que o servigo da intendencia tos avangados um official de infanteria, o
operasse como no campo, conservando-o! capitao Lejoindre, quo ferido no combate
como o resto do seu osercito, na idea de de Sarrebruck, tinha sido recebido pelo ini-
uma renovagao imminente de hostilidades. j ra'8 e acabava de ser trocado.
Desvinu-o deste modo do seu fim principal | Aquelle official tinha tido conhecimento
que devia ser a procura dos meios que lhe dos jornaes francezes ate a data de 5, e dos
podiam permittir prolongar a duragaojultimos jornaes allemSes. Conduzido d pre-
dos viveres ; e nao foi esta uma das raeno- senga do marechal, inforraou-o dos aconte-
res causas da sua estagnagao. ci mentos de 4 de setembro, da proclama-
Em consequencia da ignoraucia em que cao da republica, e da composigdo do go-
so chava a administragao a respeito das verno da defeza nacional, sob a presidencia
ver ladeiras itengoes do marechal, deter-
minou-se, entre outras medidas desespera-
das, a recorrer ao emprego do trigo para a
sustentagao dos cavallos. Esta fatal decisa j,
quediminuio <'uas seman s, poucomaisou
menos, a duragao das previsoes, nao foi to-
mada senao com o fim de manter ate a ex-
tram idade o exercito em eitado de perma-
necer no campo, conservandolheosseus ca-
vallos. So o intendente em chefe tivesse
sabido que o marechal nao julgava possivel
sahjr, e f6ra do duvida que em logar de sa-
FOLHETIM.
LUCE.SCIA BOfi&IA
MEMORIES OE SATANAZ
.POR
"\ llano* J Fernandezy Gonzalez
SEGUNDA PARTE
SAVONAROLA.
1
IM QUE APPARECE DE NOVO PEDRO DE NA-
POLES
(Continuagao do n. 288)
Savonarola deixou a penna no tinteiro,
euardou n'uma gaveta da mesa a carta
lieio escripta, e disse a Dominico :
Manda entrar esse homem.
Dominico sahio, e pouco depois entron
Pedro de Napoles, que assim lhe podemos
chamar, pois que Savonarola e Dominico
' dm revelaram o verdadeiro nome de Mar-
cello Porta.
Savonarola recebeu de pe, austero e gra-
* i, o bastardo de Napoles.
Salve, veneravel mestre, disse Pedro
a vangando com o cbapeV) na mao e abaixan-
') profundamente a cabega diante de Savo-
i irola.
Salve, irmSo, respondeu frei Jerony-
i .j. 0 senhor e* o mercador Marcello Por-
i si fjiiou Dominico Fauti, criado d 'este con-
oto ?
Eu mesmo, respondeu de cabega er-
i la e com altivez Pedro de Napoles.
Que pretende ?
ProtecjSo.
Contra qu> m ?
Contra os meus inimigos.
Queoi >ao os sous ini/oigos t
Os Boi-gias.
De que modo quer quo llio outorgue
essa protecgi.o ?
Respondendo per mim para com a se-
nhoiia (i Florenga.
0""m hei de eu affiangar ?
. Siciliano Marcello Porta, natural de]
Florenga commerciar
pegou n'um papel
Syracusa, quo vena a
em sedas.
Savonarola sentou-so,
e esc eveti o seguinto :
0 prior dos dominicos de S. Marcos,
de Florenga, respunde per an to a senhoria
da republica, pela possoa do Sr. Marcello
Porta, natural de Syracusa, na Secilia,
mercador de sedas. Florenga, 21 de se-
tembro de f 497. Savonarola.
Depois tirmou o papel com o sello da
ordeu. e entregou-o a Pedro de Napoles.
Pedro guardou aquella especie de salva
conducta e disse:
Se nSo receiasse incommoda-lo, pa-
dre, e distrahi lo das suas gravissimas oc-
cupagdes prolongaria a minha permanen-
cia na sua companliia.
Se Ihe e" necessario, prolongue-a, re-
plicou Savonarola.
Vim a Florenga expressamente por
sua causa, pura o servir, para o ajudar, e
para que me ajude.
Entendo, auxilio por auxilio.
Sim, os Borgias ameagam-n'o de mui-
to perto, disse Pe ro de Napoles.
E' verdade, de muito perto. 0 san-
to padre nao Hcou satisfeito com excom-
mungar-me, excommungou a republica de
Florenga, porque me tern affecto, porque
ouve a minha doutrina, e acode pressurosa
a escutar. ajoelhando aos meus do's, a pa-
lavra de Deus.
Tem inimigos em Florenga, padre ?
Deus 6 a minha fortaleza o ampara-
me com a sua graga.
Entretanto a serpente enrosca-se-lha
na gargmta.
Falle terrainantemente.
Lucrecia Borgia esta* em Florenga.
do general Trochu. 0 capitao Lejoindre
recebeu ordem de guardar o mais absoluto
silencio.
A noticia que elle deu foi confirmada no
dia immedia'to, 11, pelo commandante Sa-
muel ; tendo-o'a seu servigo chamado de
novo aos fortes avangados, deu-se-lhe co-
nhecimento de um jornal allemao, a Ga-
zeta da Cruz, que nao deixava a menor
duvida a respeito da exactidao das informa-
gdes obtidas pelo capitao Lejoindre.
Aquellas graves noticias iam evidentemen-
derado seu irmao, ou de qualquer outro ho-
mem ?
Embora seja uma ovelha extraviada,
disse Savonarola, sera* sempre uma ovelha
do Senhor ; os pastores a quem Dens en-
tregou asuagrei, tem por dever procurar a
ovelha perdida e traze-la para o rebanho do
Senh ,r,
E, diga-me, padre Jeronymo, nSo po-
de a ovelha ter-se perdido de modo que lhe
seja impossivel voltar para o rebanho ?
A misericordia de Deus 6 infinita.
E julga que sem a misericordia de
Deus, nao pode o homem levar a cabo um
bom proposito ?
Primeiro que tudo, e necessario i
graga do Senhor.
E como podera* obter a graga difina
um grande peccador ?
Por meio do arrependimento, conae-
gando pela penitencia.
Ouga-mo, pois, em conflssao, porque
diante de si, meu padre, esta" um dos
maiores peccadares do mundo.
Siga-me, disse Savonarola.
E dirigio-se para uma porta situada no
fundo da sala, pela qual desappareceu se-
guido de Pedro de Napoles.
QUEM ERA SAVONAROLA T
Savonarola e Pedro de Napoles desce-
ram d sachristia e em seguida penetraram
na igreja.
No fundo d'esta, a esquerda entrarara
para a capella de Santo Antonif que estava
envolta n'uma densa penumbra.
Talvez que Savonarola escolhosse aquella
capella e o grande coniissionario que havia
no fundo d'ella, para les, de quem nSo sabia se devia confiar on
te transpirar. 0 marechal quiz leva-las
elle proprio ao conhecimento dos coraman-
dantes de corpos, e dos generaes de divi-
sSo, e convocou-os para esse fim, a 12, no
seu quartet-general. Nessa reuniao expoz
elle os aconteci mentos que acabavam de
realisar, e indicando a posigao qua tinha de
futuro rasolvido ao exercito, declarou que
em presenga do desastre do exercito de
Sedan, era necessario renunciar is grandes
luctas,contentar-se em ter as tropas vigi-
lantes, pequenas operagdes isoladas das
quaes tomariam a iniciativa os comraan
dantes de corposesperan lo se assim as or-
dens do governo. -
Emlim encar-egou os officiaes generaes
de communicarera as suas tropas o que aca-
bavam de ouvir. Todos se setiraram om si-
lencio. Iuterrogado sobre este ponto, a qual
governo fazia alluzio, o t arechal respon-
deu, que, se fallou de esperar as ordens do
govecno, do que nao tem exacta recordagio,
entendia-se por isso o da defeza nacional.
liifurmrjcoes obtidas por Mr. Debains.
Sua Cjininunicacdo aos commandinles de
corpos do exercito.Nesse dia, 12 de se-
tembro um secretario da embaixad*, Mr.
Dabains, que tinha sido aggregado ao csta-
do-maior general no principio da guerra,
julgan lo que os seus servigos podiam ser
mais uteis f6ra de Met?, solicitou e obteve
do marechal autorisagao para tentar atra
vessar, com um nome supposlo, as linhas
prussianas. freso e conduzido a Ars, pas-
sou alii 0 dia em companliia dos officiaes
lo exercito de Hesse, que esporavam a re-
solugio ilo principe Frederico Carlos.
Aquelles olbciaes pintaram a situagao da
Franga como das mais tristes, communica-
ram lhe algans jornaes, e fizeram-lhe sabor
a noticia, ainda queprematura, de rendigSo
da pr8ga de Strashurgo, no dia 9. Tenlo-
se-lhe recusado a autorisagao para atraves-
sar as linhas prussianas, Mr. Dobains teve
de voltar aos pontos avangados francezes.
No dia immediato 13, redigio espontanea-
mente um relatorio confidential para o ma-
rechal, no qual resumia as suas conversa-
goes, e as noticias contidas nos jornaes al-
lernaes. As conclusdos daquelle documen-
to precisam bem o seu caracter :
Em resumo, dizia Mr. Debains,
600,000 alleinSes no teritoriofrancezne-
nhum exercito regular, organisado om
Franga f6ra de Metz nenhum enthusiasmo
vigoroso pela causa nacional nas provincias
invadidasunifio completa dos allemaes pa-
ra otriumpho da causatoda a discussao
sobre a f6rma de governo dos cstados alle-
maes adiada para o fim da guerra nada 'te
probabilidades de intervengSo armada da Aus
triaA Austria e a Russia votam pila pz,
sem ter ainda indicado & Prussia as bases
com que devia ser aceitagrande esforgo
do exercito inimigo sobre Paris Metz su-
jeita a uma idea fixa, sitio proximo, em seis
ou oito dias, quando a artilheria grossa liver
chegado.
Logo depois de ter tornado conhecimenta
d'este documento, o marechal urdenou que
se mandasse imraediatamente copia d'elle
aos commandantes de corpos de exercito. A
razao e os regulamentos militares irapunham
o dever de conservar absolutamente em se-
gredo um documento d'aquella natureza. 0
decreto de 1863, e formal a este respeito ; o
commandante de uma praca sitiada deve ser
surdo &s noticias que o inimigo faz chegar
ao eu conhecimento ; com muito maior ra-
zao Ihee prohibidodivulgal-a, e espalhal-as,
por isso que o seu primeiro dever e conser-
var a moral do seu exercito, e evitar tudo
quanto fir de natureza a atacal-a.
Esles sentimentos manifestaram-se espon-
taneamente no seu estado maior. Deixe-
mos fallar o coronel Nugues, que foi encar-
regado da transmissao d'aquello relato-
rio :
Sabendo que se tratava de um docu
mento confidential, chamei officiaes para
Ih'o ditar eu mesmo. A' medida que avan-
gava n'este trabaiho, nao pude livrar-me de
um sentimento p*-nos"o, vendo communicar
aos commandantes- de corpos do exercito
informagdes como as que se continham no
relatorio
Os officiaes que escreviam o que eu di-
tava, partilhavam da minha opiniao e as-
sim o manifestavam altamente. Chegado A
conclusao, disso a*quelles senhores : Fica-
mos aqui; vou protestar junto do general
Jarras contra a transmissao d'este documen-
to. Represents ao general, que julgava pe-
Em boa hora. disse Savonarola ; eu desconfiar, nlo podesse perceber as altera-
nao co-uhato. abandono tudo, ate* a propria gdes da sua physionomiii.
vida, & vontade do Senhor. 0 que sigo Depois de ter resado i confissao geral em
pela conservagao da republica ; nao c mod,. latim, Pedro da Napolos disse :
nem de Deus ; Deusinspira-me, se o senhor Como sabe, eu nSo sou Marcello Porta,
me qneranxiliar, 6" porque eessa a vonta-.mas sim Pedro de Napoles.
de de Deus. Eu nflo busco o seu auxilio Seri sempre o rcesrao peccador, re-
nem o aieito ; o meu poder estrf em Deus, 'plicou Savonarola.
o quo eu prctendo c quo Deus o ins-; Tingi quatro vezej em saogue as mi-
piro pa an que me estenda a m3o quando fdr nhas raios.
necessario.
- F-ii'iido -a a todo os meus irmaos.
Tem a certeza do" que-p.sso sor censi-
Arrependa-se, diitse Savonarola, *nio
sabendo replicar de outro modd aquella
brusca confiss
Matei Helena Corsini. porque me ti-
nha amor e nao podia ser minha esposa ;
desde entao tenho passado por raorto, e u-n
absoluto incognito me defende da vinganga
dos Corsini.
Continue.
Dopois matei uma pobrc rapariga a
quem amava, porque ella amava outro; esta
desgragada era cigana e chamava-s e Ju-
liet ta.
Prosiga, disse Savonarola.
Ha pouco tempo matei, accommetten-
do-o pelas costas e de uma sd punhalada,
am homem que ameagava a vida de uma
mulher a quem amo, aquelle homem era
um esbirro de Cesar Borgia ; a- mulher nor
causa de quem matei esse esbirro, a mulher
a quem amo, o Lucrecia Borgia.
Continue, disse Savonarola sempre
impassivel.
N'aqueili mosma noite, levado por
Lucrecia ao seu palacio, recebido ao seu
servigo, roobei-lbe um retrato seu. Esse
retrato estava impregnado do veueno dos
Borgias ; eu sabia que Carlos Orsini amava
Lucrecia e puz em sea poder o retrato que
etle beijou, o que lhe causou a morte.
Prosiga.
Yi-me obrigado a fugir, e, entrando
para o servigo do Genaro Orsini, que igno-
re va ser eu o assassino de seu irmao, fui
vendido por elle a Lucrecia e preso. Pude,
poreVn, escapar em virtudo de um combate
entre a geote do gran-capitao que appare-
oera alii de repente, e a de Genaro Orsini.
Acompanhava-mc Dominico Fanti, que ha-
via sido preso tambem e que, comoeu,
aproveitara a occasifio para fugir.
Continue.
Respeitavel padre mestre, nao foi voa-
sa reverencia que.n enviou & Rorna o nosso
commum amigo Dominico Fanti, encarre-
gando-o de que fizesse a diligencia por eo>
trarpara o servigo do duquo de Gandia ?
Ignora que Dominico vendeu o seu senhor,
abandouando-o e sendo causa, em grande
parte, da sua" BOCTte dcsastro*a ? Diga-me
o padre quo so intiiula prophets, que 1^ no
futuro, que recebe a inspiragao de Deus,
qoe succedera' no dia em quo se apresente
em juizo T
"Se pequei, arrependi-rno, respondeu
Savonarola.
rigoso e culposo transmittir semelhante do-
cumento ; que tinha sido feito para espalhar
o desanimo no exercito.
0 general Jarras, que nao. tinha lido
o relatorio de Mr. Debains, depois de ter
conhecimento do resumo final, disse-me:
Eu vou fallar ao marechal.a Alguns
instantes depois voltou, e deu-me ordem
para supprimir aquel e resumo nas copias
que deviam ser transmittidas aos seus com-
mandantes dos corpos do exercito. Accres-
sentou que se contentaria em ler a cada um
dos commandantes de corpos a copia que lhe
era deslinada, dcstrulndo-a depois .
Esta communicag&o tomava deste modo
um caracter clanJestino, podendo assim
dar origem aos mais extraordinarios boa-
tos.
Julga-se dever precisar bom a natureza
daquelle documento, porque elle marca o
primeiro passo dado pelo marechal, no seu
successive procedimento, que teve em re-
sultado langar a inquietagSoeadesanimagSo
ncs hTeiras do exercito.
Tendo o summario pedido explicagdos a
este respeito ao marechal. respondeu elle,
que se tinha communiodo as noticias trans-
mittidas por Mr. Debains, foi por um senti-
mento de lealdade para com os seus
companhoiros d'armas, e para que nSo ig-
norassem cousa alguma do que elle sabia ;
que alem disso, se n3o podia estabelecer
nenhuma analogia, entre o estado moral que
suppde o decreto, e as circumstancias ex-
cepcionaes em que se achava.
As desculpas formuladas pelo marechal
podiam ter-algum valor, se as noticias tra-
zidas por Mr. Debains tivessem tido um
caracter de authenticidade, mas quem ga-
rantia a sua exactidao ? De facto, Strasburgo
nao tinha capitulalo. Este incidente prova
m.iis de uma vez quauto 6 indispensavel a
um commandante de exercito regular a sua
conducta pela estricta exesug&o das leis mi-
litares.
0 marechal e quem annuncia premalura-
mente o motivo da tomada d. Strasburgo.
N8o era sufficiente transmittir ao chefe do
exercito aquellas nrticias assustadoras, e
marechal ia, elle proprio propaga-las e an-
nuncia r in go. No dia 13 de setembro, visitou os
postos avangados : chegou ao forte de Saint
Privat; o official superior da guarda acom
panha-o ate" & herdade da Saint Landre.
Trava-se entre elles uma conversagSo no
caminbo.
0 marechal nunca tinha visto o official
que o acompanhava ; toma-o por confidan-
te dos seus pensamentos: A partida est
perdida nesta occasiao. disse o marechal;
seria necessario concluir a paz para se re-
formar, e recomegar dentro em dous
an nos. A' observagSo que lhe fez acerca
da superiorid ide da anilharia inimiga, o
marechal accrescenta, que : no bom-
bardeam> nto de 0 de setembro. tinham
cahido bahs de obuz ate Saint Martin ; que
acaba de receuer a noticia da capitulagao do
Strasburgo ; que a artilharia de grosso ca-
libre, que tinha servido para fazer o sitio
daquella praga, se encaminhava para Metz,
a qual ia ser tambem ataca ia proxima-
raente, e que havia motivo para receiar as
consequencias de um bombardeamento
n'uma cidade como Metz, que jd cheia de
feridos, ia tornar-se um verdadeiro cemi-
terio.
Limitamo-nos a apontar a gravidade
destas noticias assustadoras. E' complotar
mente inutil qualquer coramentario
Recepcao dos jornaes francezes. NotipZ-
cacao ao exercito da constituted^ do governo
da defeza nacional.Ho dia seguinte, 14,
assentou-se nos postos avangados da divisao
de Cissey, um brigadeiro dos sapadores do
1. regimento de engenheiros, que se tinha
invadido de Sedan, e que tendo conseguido
ganhar Ars, vinha dalli para Metz. 0 maire
d'Ars, Mr. Andre, actualmente prefeito do
Drome, entregou-lhe muitos jornaes para o
marechal. Continham elles a proclamagao
dirigida em 4 de setembro ao povo francez
pelo novo governo, a convocagao dos elei-
tores para o dia 16 de outubro, afim de
nomearem uma assemble'a nacional. Mr.
Andre juntou dquelles jornaes uma cdpia
escripta pelo seu proprio punho da cir-
cular de Mr. Julio Favre, de 6 de setem-
bro.
v Como esse documento fazia conhecer as
dijposigdes do governo d'entao, e constituia
um appetlo i resistencia a todo o transe,
Padre Jeronymo, roplicon Pedro de
Napoles, eu nao lhe disse o meu nome, nem
le pedi que me ouvisse de confissao para
o ver sustentar comigo a sabia hypocrisia
que o tornou senhor de Florenga, pe rigoso
para o papa e inimigo de Roma, nao ; vim
dizer-lhe : preste-me o seu poder e eu lhe
prestarei o meu braco e a minha conscien -
cia ; envolvom-nos as sombras, ninguem
nos ouve ; seja para mim, nao o frade hu-
milde, caritattvo, sabio, que prega a vir-
tude, mas sim o ambicioso que sonha com
o tbrono de uma igreja reformada.
Eu I exclamou Savonarola ; perse-
guem-me a attencio e a angustia, povoam-
me os sonhos, rodeiam as sombras que me
cercara em v3o ; o espirito de Deus esta*
comigo.
Muito bem. oSa insistirei, nlo procu-
rarei que lance fdra a mascara com que se
encobre ; mas ouca. A noite passa la pa-
rei em Acquapeudente, na hospedaria da
Aguia de Ouro ; quando entrei vi um ho-
mem que muito meu conhecido, dando
ordens para a coia de uma viajante ; aquel-
Ihe homem nio me reconhecea em conse-
quencia do meu disfarce, mas eu vi que era
o Sr. Francesco Buotti, mordomo e capitao
dos horoens de armas de Lucrecia Bor-
gia. A viajante1, para quem requisitava a
ceia, era certamente Lucrecia. Nao fiz mo-
vimento algum pelo qua! Francesco Buotti
podesse suspeitar que o tinha reconhecido.
Fui para o aposento qoe me destinaram,
pedi de ceiar e puz-me de observagio. A
janella do men aposento dava para o pateo
da hospedaria ; apaguei a luz, abn a janel-
la, o levei toda a noite observando. Antes
de amanhecer senti grande movimento do
geote na hospedaria o tropel do cavallos
que tiravam das cavallarigas. Uma liteira
qoe estava no pateo aproximou-se da esca-
da e pouco depois senii os passos de uma
mulher ; esta dirigio algumas palavras a
Francisco, quo na>i pude perceber, mas re-
conheci perfeitamente a voz e o accento
hespanhol de Locecia. Como ve, a pre-
senga de Lucrecia em Acquapendente, sig-
nificava que se dirigia para Florenga.
0 seu casamerito com seu irmao Af-
fonso e negocio assentado, e o que mais
importa a essa senhora, disse Savonarola.
- N4o supponha, porem, que a deque-1'
pensei eu, disse Mr. Andre' no sea depoi-
mento, que offeree* algum interfsse ^ao
marechal Bazaine, no easo que nio tivease
tido ainda conhecimento delle. #
Paris pdde manter-sf tres fiezes. 0
novo governo prepa^a-se para sustentar uma
guerra a todo o transe. Taes sao as reap-
lucdes desenvolvidas naquella circu|ar dm-
cial, que o general Coffinieres comMunicou
aos generaes de Metz, o que estes publicaram
a 16 de setembro.
No mesmo dia, 16 de setembro, o mare-
chal comprehendendo a impossibilidade de
guardar silencio ao exercito a respeito de
acontecimentos de uma importancia tao ca-
pital, publicou a seguinte ordem geral:
Eiercito doRheno.Ordem geral n. 9
Ao exercito do Rheno. Segundo dizem
os jornaes francezes de 7 e 10 do setembro,
trazidos ao grande quartel-general por um
official francez que pdde atravessar as linhas
inimigas, o imperador Napoleao, foi interna-
do na Allemanha, depois da batalha de
Sedan, e a imperatriz, assim coolo o principe
imperial, tendo deixado Paris, a 4 de setem-
bro, constituio se naquella cidade um
poder executivo com o titulo de governo da
defeza nacional.
Os membros que o campoem sSo :
0 generaUdo divisao Trochu, governa-
dor do Paris presidente, Julio Fare, depu-
ta Jo ; Gamier Pages, Gambetta, Gremieux,
E. Arago, Pelletan, Julio Simon, Ernesto
Picard, de Keratry, Rochefort, Glais Bizoln,
deputados.
Generaos, officiaes, e soldados do exer-
cito do Rheno.
As nissas obrigagdes militares para com
a patria em perigo s8o as mesmas. Con-
tinueraos pois a servir com a raesma dedi-
cagao e a mesraa energia, defendendo o
territorio contra o estrangeiro, e a ordem
social contra as mas posigdes. Estou con-
vencido de que a vossa moral, como tende;
dado tantas provas, permanecera" & altura
de todas as circumstancias, e que accrescen-
tareis novos titulos ao reconhecimento e
admiragao da Franga.
Grande quartel-general em Saint-Mar-
tin, 16 de setembro de 1870.0 marechal
de Franga, commandante em chefe. (As-
signado) Bazaine.Referendado, o general
de divisao, chefe do estado-nuior general,
L. Jarras.
Em resumo, oantigo governo deixou a
Franca, e surgindo uma nova ordem de
cousas o governo da defeza nacional cons-
tituio-se, sendo puWicaios os nomes dos
seus membros. 0 caracter geral desta
proclamagao & uma acquiescencia aos acon-
tecimentos consummados. Nio se poderia
ver nella a apparencia de um protesto.
Encontramos ainda outros vestigios destas
disposicdes do marechal n'uma carta diri-
gida por elle a 14 ao general Coffinieres, a
proposito dos artigts que appareceram
injuriosos para o governo cahido. Nio 6
nunca permittido,escrevia o marechal (e
isto com razao),deixar insultara desgraga,
e ridicularisar aos olhos dos nossos soldados
aquelles a quem outr'ora obedecemos.
Nesse mesmo dia 46 de setembro, fazia o
marechal entregar a dous militares do 7.*
regimento de couraceiros um despacho os-
ter sivo dirigido ao ministro da guerra ; nao
podia ser senao ao do governo, cujas or-
dens esperava a 12. Adiante trataremos de
novo deste despacho.
Emlim, logo depois 16, o marechal fez
supprimir as armas inaperiaes, e as palavras
que iuvocaram o governo do imperio sobre
os titulos de nomeagSo.
Tudo inlica, nesta priraeira serie de
actos, uma adhesao muito caracteristica ao
novo governo.
Mas o marechal protestou energicamente
em um dos seus interrogators contra esta
conclusao.
Considered disse elle, o governo da de-
feza nacional como um poder executivo de
facto, que se ligava a organisacao da resis-
tencia do paiz, mas nao como um governo
politico ; o governo da regencia, nos termes
da sua constituieao de 1870, continuava a
rosistir de direito. Deste modo, no meu
pensamento podia mos continuar a coocorrer
para a defeza do territorio, sem que o jora-
mento que nos ligava i dynastta imperial
fosse annullado, ou mesmo enfraquecido.
Foi desta ordem de ideas que sempre me
senti inspirado, convencido do servigo que
aquelle exercito podia prestar a Franga.
(Continuar-(mj-s.
za de la Roumania venha procurar o seu
futuro marido, tomando uma direccio in-
teirimente opposta a Napoles. Desculpe
se deixo de estar de joelhos e me sento aos
seus pes, frei Jeronymo ; como nio estou
babituado a ajoelhar, fatigo-me muito.
Pedro de Napoles sentou-se no degrdo do
confissionario e encostou-se a Savonarola,
passando-lhe o braco por cima dos joelhos,
sem que o prior de S. Marcos fizesse c
menor movimento.
A 1dm da dureza e da frialdade do mar-
more, parecia uma estatua pela immobili-
dade.
0 assumpto dominante em Roma, disse
Pedro de Napoles, e por conseguujte o as-
sumpto dominante de Lucrecia, i o reve-
rendo ; tem causado tanto ruido, tem dito
tantas vezes que e\necessario destruir tudo
quanto 6 velho e construir tudo quanto e"
novo, que nio 6 para ostranhar que quei-
ram destruir um revolucionario da sua
ferga.
Eu combato por Deus, e Dous me
dara* a sua fortaleza.
Tratemos tio soraente das cousas ter-
restres, frei Jeronymo. 0 padre tem pelo
seu lado o populacho de Florei^ar acaudi-
Ihado pelo terrivet Andre Vaiori, pelo in-
trepido Francesco Davanzati, pelo forte
Andrea Cambini, todos iuimigos de Pedro
de Medicis expulso por elles ale Florenga;
nordm em troca tem coutra si Pietro Ropa-
tescbi com os otto seaborn da nahoria de
Florenga, partidorios do antigo, sem con-
tar com os frades franciscaaos que o inve-
jam e Ibe movem uma guerra de morte. 0
padre julga-se poderoso porque deu a Flo-
ronga a forma de governo quo elle tem ;
pocque, apezar de ligado ao olaustro, d de
facto a senhor ia de Florenga, e todos os seus
magnatas pensam, dizem e fazera o que o
reverendo, prega no pulpito de Santa Ma-
ria del Fiere ; se teandar fooar os sinos a
rebate, o populacho apparecerff armado e
cheio do enthusiasmo na praga deS. Marcos.
Eu prego a paz, a frateroiJade, afa-
ridado, e evitei a guerra que amea$afa Flo-
renga.
(C IYP.D0 DJAWQ.-UUA DUQUE DE gauC
I

>
I
a ,

I

r
%

V
'
J
[ ILEBlVEl
. .
B^pa^paaHB*-