Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20014


This item is only available as the following downloads:


Full Text

ANNO XLIX. NUMERO 268
PARA A CAPITAL E I.M. YlltS 0\DE NAO M PltA PORTE.
Po-tres mezes adiantados. ................ 6?M)00
Por seis ditos idem...................125P000
For um anno idem..................249000
Cada numero avulso.............- 9320
IARIO
SEXTAFEIRA 20 DE NOVEMBRO DE 1873
PARA DEATRO E FORA DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados. .............
Por seis ditos idem...............
Por um anno idem.
63J750
<35S5o
20&250
27JWO0
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILH0S.
Os Srs.. Gerardo Antonio Aires & Filhos, no Par4; Goncalves d Pinto, no Maranhao ; Joaquim Jose" de Oliveira & Filho, no Ceara; Anfonio de Leraus Braga, no Aracatv ; Joao aria Julio Chares, no Assd; Antonio Marques da SUva, no Hatal; Jot4 Jart
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jose* Gomes, na Villa d^Peniia; Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo Antlo ; Domingos Jose da Costa Braga, em Hazaxeth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoas ; Aires d C, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio Jde Janeiro.
4
PARTE OFFICIAL.
llini*lcrii Io iuiperio.
Por decreto de 10 do corrente f:>ram nomea-
Ordera da Rosa.Commendador, a tenenteco-
rotiei da guarda national da provincia do Rio
ijrande doSui Nieolao Rodrigues de Lima, com-
mandante da linha do Chuy, pclos relevantes ser-
viiios prestedos ;io estado.
Ordem de S. Beiito de Aviz. Cavalheiro, o ci-
rtirgiao-mor de brigada gradoado do corpo de
>;.ude do exercito Dr. Jose Zaeharias de Car-
valho.
Foi indeferida a peticao de Liberal Moreira Vi-
Ul. pedindo para abrir botica no muoicipio de
Macao, no Rio Graade do None.
Ministerio da justica.
Por deoreto de 6 do corrente mez :
b'oi reformado a pedido :
Miguel dos Anjos Alvares dos Pra^eres, capitao
Pernambueo, no posto de major.
Foi designad)" estalo-maior do commando su-
perior da capital .li provincia do Para, para aelle
-=er aggregado o uiaj or ajudante de ordens da
j i.irda nacional do munieipio de Caxias, na pro-
vincia do Maranhao, Carlos Frederico Ribeiro.
Foi perdoado :
Ao r6o Jose Francisco Carneiro Monleiro, o res-
to da pena de i l [2 annos de prjsao com trabalho
e multa eorrespondente a metade do tempo, im-
posta em virlude de decisao do jury da cidade do
Recife, na provincia de Pernambuco, por crime de
ferimentos.
Foram marcadas .
Ao juiz de direito Ernesto Franscisco de Lima
Santos, a ajuda de custo de 1.000$.
Ao juix de direito Eutiquio Carlos de Carvalho
Gama, a de 600*.
Ao juiz de direito Francisco de Paula Lins dos
Oaimaraes Peixoto, a de 800$ e o prazo de cinco
mezes.
Ao juiz de direito Ravraundo da Molta de Aze-
redo Correa a de 8fXM.
Ao juix de direito Joaquim Pires Gongalves da
Silva, a de 600$ e o prazo de tres mezes.
Ao juix de direito Reinaldo Francisco de Moura,
a de 800$ e o prazo de quatro mezes.
Ao juiz de direito Constantino J036 da Silva Bra-
ga, a de 600$ e 0 prazo de tres mezes
Ao juiz dc direito Esmerino Gomes Parente. a
de 'j00$ e 0 prazo de quatro mezes.
Ao juiz de direito Joao da Molta Correa Lima, a
de i:200$ e 0 prazo de tres mezes.
Ao juiz de direito Antonio de Souza Martins, a
de 700$ e 0 prazo de tres mezes.
Ao juiz de direito Jose Pereira da Silva Morass,
a de (iOOi e 0 prazo de quatro mezes.
Ao juiz de direito Francisco Jose Cardoso Gui-
maraes, a de 800$ e igual prazo.
Ao juiz de direito Felippe Raulino de Souza
'Jelioa, a de 600$ e o prazo de tres mezes.
""" Ao juiz de direito Jesuino de Souza~J4artins. a
,]> 800$ e 0 prazo de quatro mezes.
Ao juiz de direito Joao Rodrigues Chaves, a de
"00$ e 0 prazo de seis mezes.
Ao juiz de direito Francilizio Adolpho Pereira
Guimaraes, a de 1.000$ e 0 prazo de quatro
mezes. .
Ao juiz de direito Jose Antonio Rodrigues, a de
700$ e igual prazo.
Ao juiz de direito Caetano \icente de Almeida
Galeao, a de 300$ e igual prazo.
Ao juiz de direito Miguel Archanjo Monteiro de
Anirade, a de 800$ e 0 de cinco mezes.
Aos juizes de direito Frederico Dabney de Avel-
lar Bro.ero, Joaquiru Cardoso Coelho Ciutra, Se-
fcustiao Jose Pereira, Antonio Manoel de Medeiros
Furtado. Pedro Camello Pessoa, Carlos de Cer-
queira Pinto, Frederico Augusto Alvares da Sil-
va, Antonio Joaquim Rodrigues, Ombelino Morei-
ra de Oliveira Lima, Manoel de Azevedo Monteiro,
Manoel Ignacio Carvalho Mendonca, Jose Marlins
Fontes, Antonio da Trindads Antunes Meira Hen-
riques, Francisco Teixeira de Sa, Francisco Urba-
no da Silva Ribeiro e Brauliuo Candido do Rego
Mendes 0 prazo de tres mezes.
Aos jcizes de direito Candido Augusto Pereira
Franco, Manoel da Silva Mafra e Felicio Ribeiro
do* Santos Camargo 0 de quatro mezes.
Aos juizes de direito Jose de Almeida Martins
Costa e Antonio Firmo Figueira de Saboya 0 de
3ei= mezes.
Foi indeferida a peti^ao de Joao_ Paulino
Marques, capitao aggregado ao 3 batalhao da re-
serva da guarda nacional de Pernambuco, pedin-
do reforma no posto de major, por nao ester 0
supplicante nas condicoe do art. 68 da lei de 19
de 3etembro de 1830.
Foi remettida a sce^io de justica do conse-
Iho de estado, sendo relator 0 conselbeiro Jose
Thomaz Nabuco de Araujo, para consultar com 0
seu parecer, 0 recurso de grac-a mterposto ex-of-
ficio a favor da re, escrava Canuta, due em vir-
tude de decisao do jury do termo de Petrolina. na
provincia de Pernambuco, foi conderanada a mor-
te pelo crime de homicidio.
Ministerlo da agi-iouliura.
Em poruria do 31 de outubro, foi exooerado a
seu pedido 0 engenheiro Antonio Alves Pereira
Saigado, do lugar de ajudante da commissao en-
rarregada de inspeccionar os trabalhos da estra-
di de ferro do Madeira a Mamord, e da raedicao
de terras alii.
Ministcrio da giierra.
Hei por bem declarar eliminados do q uadro do
exercilo, visto terem sido feitos prisioneiros, ou
haverem-3e extraviado em diversos combates na
Republica do Paraguay, os offlciaes cons tantes da
reiacao que com este baixa, assignada por Joao
jd3e de Oliveira Junqueira, do meu conselho, se-
nador do imperio, ministro e secretario dos nego-
cios da guerra, que assim 0 tenha entendido e fa-
<-a executar. Palacio do Rio do Janeiro, em 10 de
ie.zembro de 1873,quinquagesimo segnndo da in-
dependencia do imperio Com *a rubrica de S.
M. 0 I uperador. Joao Josi it Oliveira Jun-
queira.
Relacao dos ofBeiaes que- sao mandados eliminar
do quadro do exercito por decret > desU data.
Ag"regados por decreto de 30 de margo de 1870.
Arma deartilharia.- Capitaes: Antonic Francisco
de Paula Hollanda Caval^an'.i de Albuquerque, pri-
awneiro com 0 i batalhao de artilharia no com-
bate de 3 de novembro de 1867.
Augusto Jose de Abrcu. idem idem.
2 tenente Firmino Cesario Monteiro, prisioneiro
em Matto Grosso.
AgL'regados por decre.o de 28 dejunho de 1870.
Anna de cavallaria \"e:v- Carlos Tereiri Santos, prisioneiro em Mi; GroSsb.
Armi de infanteria. .., .". .- : Gustiro Jose
Xavier do Anjos, extraviado no combate de 2 de
maio de 1866.
Francisco Mafloel de Oiiveira, idem idem. _
Maooel Ferroira da Ponceca Lyra, extra
no combate de 24 de setembro de 1867.
Joao Peidro Correa, prisioneiro com 0 1 bata-
lhao de artilharia no cjmbate de 3 de- noverabro
del867
Teneute Francisco da Lapa Trancoso, extravia-
do no combate de 1(1 de julno de 1868.
, Alferea An'onlo Luiz Teixeifa Campos, prisio
neiro com 0 4" batalhao is artilharia, ao combate
de 3 de novembro de itv7.
Franeiseo Victor Baplista, prisioneiro no Para-
guay naoconsta quando.
Aplirodizio Jose de Amorira, extraviado no com-
bate de 16 de julho de 1868.
Joaquim Angusto Filgueira, prisioneiro no Pa-
raguay ; nao consta quando.
Palacio do Rio de Janeiro, em 10 de dezembro
de 1873. -Joao Jose de Oliveira Junqueira.
Por decrelos de 10 do corrente :
Foi promovido ao posto de coronel 0 tenente o-
ronel commandante do 20 batalhSo de infanteria
Joao Gervasio de Souza 1'erne, de conformidade
com a imperial resolucao de 26 de novembro ulti-
mo, toinada sobre consulta do conselho supremo
militar, em attencao aos seus servijos e mereci
mento, e bem assim por ser chefe de classe de sua
arma e no posto que occupa.
Concedeu-se reforma, na forma do que dispoe a
! parte do 1* do art. 9dalei n. 648 de 18 de
agosto de 1852, ao capitio do 4* regimentode ca-
vallaria ligeira, Pedro Felix de Medeiros Mallet,
visto sourer mulestia incuravel que 0 torua inca-
paz de continuar no servico do exercito.
Declarou-se, em virtude da imperial resolucao
de 26 de novembro ultimo, toinada sobre consulta
do conselho suprpmo militar, que 0 capitao refor-
mado do'exercito Sabino Martins de Amorim csta
comprehendido na ultima parte de 1 do art. 9*
da lei n. 648 de 18 de agosto de 1852, e, portanto,
a sua reforma deve ser considerada com o'respec-
tivo soldo por inteiro.
Foi promovido a effectividade do posto, de con-
formidade com a imperial"resolucao de 26 de no:
vembro proximo findo, tomada sobre consulta do
conselho supremo militar, e das dispo3ic6es do
art. 31 do regulamento que baixou com 0 decreto
n. 772 de 31 de mzreo de 1851, 0 tenente gradua-
do do 2 batalhao de infanteria, Lauriano Jose Pi
menta, visto ter sido preterido na promofio que
teve lugar por decreto As 14 de abril do presente
anno.
Concederam se as honras do posto de alferes do
exercito ao 2 cadete 2 sargento reformado, Bel
miro Francisco Ribeiro da Silva, era attencao aos
bons servicos que prestou na campanha do Para-
uay, onde foi gravemente ferido no combate de
de' maio dc 1866.
Pa: sou a aggregado a arma a que pcrtence, de
conformidade com a imperial resolucao de 30 de
julho de 1870, tomada sobre consulta do conselho
supremo militar, 0 alferes do 1 batalhao de infan-
teria, Joao Soares Baplista Machado, visto soffrer
raolestia incuravel, que 0 lorna incapaz de conti-
nuar no servico do exercito.
Foi reformado, vencendo soldo dobrado de vo-
luntary da pptria, na forma das disposicSes da
ultima parte do art 10 do decreto n. 3,371 de 7 de
Janeiro de 1863, 0 ex-l sargento do 29' corpo de
voluntarios da patria Jose Floripes Marque3, visto
ter-se invalidado para 0 servico do exercito em
consequencia On molestia adquirida na campanha
do Paraguay.
Por portarias de 9 do corcente foram nomea-
dos: jl
0 araanuense da intendeu da guerra, Joao
Rodrigues de Souza Faria panTum lugar de 2* of-
Boiol da nicsiiM iutcudcoeiar*-qiTe UeVB Ser COnSl-
derado vago por nao se ter apresenlado a tomar
posse Francisco de la Sierra Pereira, 0 qual foi
nomeado por portaria de 6 de outubro proximo
passado.
0 capitSo honorario do exercito, Cicero Rodri-
gues de Oliveira, para 0 lugar de pedagogo do ar-
senal de guorra da provincineia do Para.j
Por portaria de 10 do corrente foi nomeado
Carlos Augusto Daritas para 0 lugar de amanuen-
se da 2' secQio do almoxarifado da intendencia
da guerra.
Por portaria de 11 do corrente concedeu-se li-
cen^a para residir na provincia de Matto Grosso
ao capitao reformado do exercito, commissiona
do no posto de major, Manoel Alves Pereira da
Molta.
Por portaria de 29 de nove nbro foi transre
rido 0 tenente do 4* batalhao de infanteria, Seve-
riano Nunes. para 0 12" da mesma arma, e nao
para 0 1, por portaria de 4 do corrente, como por
engaco se publicou.
Por decreto n. 5.487 de 26 do passado foi sup-
primida a pistola como parte do armamento das
pra;as de cavallaria que usam da clavina.
Foi expedido 0 segninte aviso:
c Rio de Janeiro, 29 de novembro de 1873. -
Tendo sido presente a S. M. 0 Imperadar 0 offlcio
de o de junho ultimo, em que Vmc. representou
a duvida que a pagadoria das tropas da c&rte ti-
nha em continuar 0 abono do raeio soldo garanti-
do pelo art 101 do regulamento de 1 de marco de
1858, aos militares empregados no magisterio das
escolas central e militar, a vista do decreto de o
de abril do corrente anno que melhorou seus ven-
cimentos", houve 0 mesmo augusto senhor por bem
declarar, por sua immediate e imperial resolucao
de 26 do presente mez, tomada sobre consulta da
seccSo de guerra emarinha do conselho de sste-
do, qne os lentes oppositores das referidas escolas,
que anteriormente ao regulamento n. 2,582, de
21 de abril de 1860, estavam no gozo da percep-
cao do meio soldo correspondente as suas patentes,
devem continuar a percebe-lo depois da lei n.
2,223 de 5 de abril de 1873, que nada inno;ou a
tal respeito; 0 que communico a Vmc. para seu
conhecimento e devidos effeitos.Dens guardc a
Vmc. Joio Jose de Oliveira Junqueira.or. Oo-
minuos Jose Alvares da Fonceca.
forme 0 Sr. inspector i\ thesouraria de fazenda.
Ignacio de Barros Lins W'anJerleyPresente-
mente nao pode ser tumado em considerarao 0
que requer 0 supplicante.
Joaqulna Maria da Conceicao Vieira.Indefe-
rido." 9
Joao Vieira do Nascimento. 0 supplicante ja
for mandado por em liberdade na data de hontom.
Luiz Ignacio de Mello Barreto.Sim.
Manoel Gomes da Cruz. Como requer; deven-
do, ponim, regressar no mesmo vapor.
Maria Salome de Siqueira Varejao. Sim, me-
diante recibo.
Manoel Jo3u de Campos Barbosa. Dsferido com
offlcio desta data a the3ouraria provincial.
Manoel de Carvalho Paes do Andrade.Informe
0 Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Oscar Desti^eaux.Indeferido, em vista da in-
formacao.
Rita Maria de Jesus. Ficam expedidas as con-
venientes ordens no sentido do que requer a sup-
plicante.
Correspondeiicia do Diario
Pcrnamhnco.
BUEXOS-AVRES, 5 DE DKZEMBKO DE 1873.
I
Comecaremos noticiando que o dia 2 de dezem-
bro, anniversario natelicio de S. M. o Imperador,
nio passou iuteiramente desapercebido nesta ca-
pital.
As legacies e consulados estiverara embandei-
rados; o forte da cidade, icando o pavilhao impe-
rial a 1 hora da terde saudou-o com 21 tiros; e, o
nosso digno ministro o Exra. Sr. barao de Araguaya
deu um esplendido jantar na casa da legacao, ao
qual assistiram o ministro das relaeoes exteriores,
o goveroador de Buenos-Ayres, os membros do
corpo diplomatico e varios brasileiros distinctos
aqui residentes.
Ao Sr. Tejedor coube a honra de erguer o pri-
meiro brinde, saudando a S. M. o Imperador, e o
Sr. barao de Araguaya, em resposta, fez votos pela
paz e prosperidade da Republica Argentina e das
outras nacoes amigas, cujos representantes se
achavam presentes.
A Tribuna, diario eovernista, publicou ulli-
raamenle as aotes, que abaixo se seguem, trocadas
entre o nosso ministro nesta repablica e o Sr. Te-
jedor, tendo sido a segunda dellas, como sabeuws,
ja publicada no Rio de Janeiro. y
Eis as notes:
a Legacao imperial do Brasii na Republica Ar-
gentina.Buenos-Ayres, 31 de outubro de 1873.-=
Exra. Sr. ministro. Por noticia9 raysteriosamente
communicadas, chegouao conhecimento do gover-
no de S. M. o Imperad/r do Brasii que as sessoes
secretas do congresso-icgentir.o, a requisicao do
overno nacional, t1veranV'1A"'-,-'':",'n "m projecto
a alliaiija oflenslva e d*i|osi-a entre a Kopubirca
-Arirontina > tirem entre si o terrilorio do Cha.'o, com exclusao
complete do Paraguay, e fazer a guerra ao Brasii.
c 0 governo imperial, que tanto se empenha em
manter as mais paciflcas e amigaveis relacoes com
os estedos visinhos, nao se pude persuadir que o
governo argentino nutra sentimentos hostis contra
o Brasii, seu fiel alliado, e tente arrastar os dous
paizes a uma luta calamitosa, por isso mesmo
deseja ver desmentidos esses boatos que inspiram
deoconiianea e temores ao commerc>o e trazem os
espiritos agitados tanto no Brasii como no Rio da
Praia.
a De ordem. pois, de meu governo a V. Exc. me
dirijo por este meio, esperandc que, por amor da
paz e das nossas boas relates, di-sipe essas noti-
cias atterradoras, a que o mysterio das sessSes se-
cretas da maior importaneia.
Aproveito o ensejo p*ra reiterar a V. Exc. as
segurangas da minha alte consideracao.
Illm. e Exm. Sr. Dr. D. Carlos Tejedor, ministro
das relaeoes exteriores da Republica Argentina.
Barao Ae Araguaya.
Ministerio das relates exteriores.-Buenos-
Ayres, 3 de novembro de 1873.Sr. ministro.
Tive a honra de receber o despacho de 31 do mez
passado, sobre certos rumores de guerra, por mo-
tiro das sessdes secretas do congresso.
< Como o governo Imperial, o actual governo
argentino, Sr. ministro, considera a paz como um
dos maiores beneficios para estas regides; c pode
V. Exc. ester certo de que nuaca provocani de sua
parte uma guerra, nem celebrara allianfa que pos-
sa importer no mesmo.
Emquanto, alem d'isso, a republica se achar
Ministerio da marinlaa.
- Por decreto de to do corrente foi exonerado
o capitao de mar e guerra Joao Gomes do Aguiar
do iugar de inspector do arsenal de marinha da
provincia da Bahia.
Per decretos da mesma data foram noraea-
0 chefe de divisao Mamede Simoes da Silva,
para o lugar de inspector do arsenal de marinha
da provincia da Bahia.
0 bacharel Joao Jose Luiz Vlanna, para o de
adjuncto da seccao de mathematical do externato
da -srola de marinha.
Por oulro decreto da mesma data foi aposen-
tado. por contar mais de 42 annos de servico, Jose
Miiitao de Sant'Anna, no lugar de V pnaroleiro do
pharol da llha Rasa.
Governo da provincia.
0B--PACH09 DA PHKSIDKNCIA DO DIA 17 DE DEZEMBRO
de 1873.
Capitao Antonio Goncalves de Moraes.-Enca-
minhe-se.
Francisco de Paula Machado. Informo o sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Honorio Fiel de Sigmaringa Vaz Curado. -Pas-
se portaria concedenio a licenca requerida.
Jose" Lourenco d* Sant'Anna.Deferido com of-
fteio desta date, dirigido ao Sr. inspector da the-
sonraria de fazend*.
1 lonwna Minervina de Albuquerque 0' Connell
fW i.Hemettido ao Sr. Dr. director geral da
inBtrucQao publica para aliender a supplicante,
aos terraos da sua iuformacao de 16 do corrente,
job n. 356.
Siiverio Fernandes de Aranjo Jorge.-Deferido
com offlcio desU date ao inspector da thesouraria
de fazenda. .
UbaWina Afra da Conceicao. -Entregue-se, nio
bavendo inconvenlente.
18
Tenente-cofonel Antonio Jose de Campos Bar
bosa.baforme o Sr. inspector da thesouraria de
fazenda. .....
3acharel Francisco Santiago Accioh Lias. -In-
unida ao imperio pelos vinculcs da allianea que
deu por terra com o poder invasor do Paraguay, o
seu governo tera com estes sentimentos geraes um
dever de lealdade, de igual apreco para elle, e que
por si so seria bastante para assegurar ao imperio
de que nada 6 eapaz de fazer contra as boas e pa-
ciflcas relacoes que felizmenle existem.
c Se ainda nao nos temos ; odido entender na
que9tao dos tratedos definitives de liraites com o
Paraguay, sabe V. Exc. tambem que nab ha tao
pouco nesta circumstancia motivo algum que faca
receiar a perturbacjio da paz, dispesto, como se
acha o governo argentino a limtter-se a execugao
do resto do accordo de 19 de novembro, e a espe-
rar do tempo e dos faclos a ronsagraeao do sen
direito.
Aproveito a occasiao para reiterar a V, Exc.
a minha mais alia e distincta consideracao.A S.
Exc. o Sr. barao de Araguaya, enviado extraordi
nario de S. M. o Imperador do Brasii.Carlos 1e-
jedor. i
Nao nos devemos conflar na l:Gguagem amigavel
e pacifica que o Sr. Tejedor eaprega em sua note,
porque estamos certo que o fim das sessoes secre-
tas foi o que chegou ao conhecimento do governo
imperial, e com estes subterfugios o goveruo ar-
gentino so tem em mira ganliar tempo para nos
fazer a guerra, quando estiver mais preparado do
que se acha actualmente.
A prova d'isto e que, como dissemos na nossa
ultima missiva, este republica esta se armando a
olhos vistos e com agodamento.
0 navio John Patten, chegado dos Estados-Uni-
dos, trouxe para o governo argentino um arma-
meuto formidavel, que, segundo os proprios jor-
naes desta cidade annunciaraai, se compoj do se-
gninte:
Quatro canhoes monstros di; 3ctman, madindo
15 pollegadas de circumferencia, pesando cada
um delles 50:000 libras e podendo atirar balas de
400 libras; outros cinco canhe'iss rules, para arro-
jar balas de 350 libras.
Veio com elles todo o maiena'. necessario, in-
clusive 2,000 balas,
EsLe enorme armamento cu-tou ao governo mais
de 200,000 patecoes I
Cmstanos que, os quai-o canh'es maiores sao
destinados para us encouracadc-. que se esperam
a cada momento, e que os outrcs son para se for-
tificar a ilba de Martim Garcia, ci.ave do Rio da
Prata.
Hontera foram deserabarcados dez caixSes com
espadas, vindas da Europa, por encoramenda do
mmislerio da guerra, e sabemo* que sio deslina-
das para os regimentos de cavallaria^
No dia 23 do passado regressou a esta capi-
tal o >Sr. Sarmiento, presidente da republica, de
voltri de sua viagem ao Parana,
S. Exc. nomeou ao coronel Gainza director su-
premo da guerra de Entre-Rios, e ao genoral Iva-
ski commandante geral lo fodas as forcas de
linha e guarda nacional destacada nas provincias
de Santa F6, Cordova, S. Luiz e Mendoza.
Dizem uns, que foi combinado um piano de
ataque defioitivo, para acabar de uma vez com os
revolto3os, e outros, que se tratou de um accordo
com Lopez Jorrtam, para este abundonar o movi-
mento cevolucionario.
Mas, quanto a esta ultima vorsao, a Tribuna
de Montevideo publicou ha poucos dias uma carte
deste general, em que elle desmente o boato de
proposic*o de paz, e da a entenler quo se Hie for
apresentada nao a aceitara, pois esta resolvido a
comb.Tier ate alcangar uma victoria complete, o
que julga ooder conseguir brevemente, em vi9la
das derrotas que tem solfrido o exercito nacional.
Alguns jornaes desta cidade dizom vagamen-
te[que trate-se de fusao entre os partidos alsinis-
ta o avellanediste, e por consequencia tambem tera
de se tratar mais tarde da uniao dos partidos mi-
tr.sta e quintanista, flcando deste modo a debate-
rem-se no campo eleitoral somente dous candida-
tes a presidencia da republica. -0 general Mitre e
o Dr. Alsina.
Julgo provavel que isto se realise, porque sao
estes os dous can lidalos, dos quaes mais^e ocsupa
a opiniao publica ; e cujos partidos mais se gla-
diam, principalmonte na provincia de Buenos-
Ayres.
Se assim acontacer, poderemos afflrmar, sem
medo de errar, que, 9e veneer Mitre a guerra com
o Brasti flcara adlada para mais tarde, podendose
chegarl um accordo nas questoes ora pendentes,
e se veneer Alsina, entao tererao3 a luta armada
immediatamente, pjrque elle 6 tao nosso inimigo
que dit com todo o displante que nao pode. nem
ao menos sentir o conlacto de um brasileiro.
A ruidosa causa dos irraaos Guerri, aquelles
desgragados comprados para assassinar o presi-
dente da republica, foi agora julgada na ^nateira
instancia.
Um delles, Francisco, ao qual se lhe arrebentou
o bacamarte por oocasiao de ser perpetrado o
crime, foi condemnado a 20 annos de ga'es
Os outros dous, Pedro e Luiz, foram condemna-
dos a 15 annos.
Os advogadoo inenmbidos da defeza do reo3 ap
pellaram da sentenea,
No dia 29 do mez findo teve lugar a ultima
sessao da convenjao incumbida de reformar a
con3tituigao da provincia de Buenos-Ayres, que
em breve devera ser solemnemente jurada.
Uma guarda de honra com bandeira e musica
formava era frente a casa dos represeotante3 da
provincia.
Depojs de termiuada a sessao, foi apresealada e
approvada a idea de offlciar-se ao governo para
que requeira ao poder legislativo os necessaries
fundos para ser erigida uma estetua de bronze ao
Dr. Mariano Moreno, que, segundo cremos, foi um
dos redactares da Constituicao primitiva.
0. major Mendez, commandante das forcas
de La Paz, que linha sido submmettido a um
conselSio de guerra, foi condemnado a ser exone-
rado dteseu posto militar, dando-selhe baixa abso-
Diant^ deste icsultado ha qrem assevere que
elle foi julgado injustamente, e que chegara a oc-
casiao em que seus feitos serao juslificados.
Foi publicado um decreto do governo nacio-
cional concedendo aos Srs. Juan E. Clark & C.
a construccao de uma estrada de ferro de Buenos
Ay res ao Chile, passando per S. Joao.
Este caminho deiferro vai ser construid) por
capitalistas chilenos e argentinos, havendo partido
a iniciativa dos primeiros.
A linha deve ester concluida em suatotilidade
deutro de 5 annos.
- Apos dous dias de um forte e intenso calor,
na tarde do 25 do passedo houve aqui um grande
tufao de vento, que levantou nma espessa e suffo-
cante nuvem de poeira, que par mais de meia
hora atordoou aos babitanles desta c dade, succe-
dendo a isto uma forte tempeitade, que durou mais
de 24 horas.
A chuva era tao torrencial quo muites casas
ficaram inundadas, chegando a agua na rua do
Chile a altura de mais de uma vara.
Na praca 25 de Maio muites arvores foram ar-
rancadas pelo vento.
0 porto muito soffrju com seraelhanle tor-
menta.
Varios barcos pequenos foram arrojados a praia
outros tiverara avarias, e morreu afogado um ma-
rine heiro da chate Carlos.
Felizmente depois da tempestede vem a bonan-
5a, e temos gozado agora de alguns dias frescos e
agradaveis.
Um sucesso verdadeiramente lamentavel oc-
correu, na terde do 1. dJ corrente, na casa depo-
cito de ferro, da qual era chefe 0 Sr. Leroy, situa-
da na ruade Cuyo, entre as de S. Martins e Re-
conquista
Eis 0 que se passou, conforme narra a Repu-
blica do dia 3:
0 Sr. Leroy e sua esposa, haviara se sentido
mdispostos e necessitaram tomar uma pequena
dose de magnesia calcinada.
c Um terrivel equivoco na preparaeao deste re-
medio. ha via de occasionar desastrosas conse-
quencia-,
Existia em casa uma certa porjao de arseni-
co. Em vez de tomar a magnesia, cada um dos
esposos tomou equivocadamente uma colherinha
do veneno.
Facil sera comprehender 0 que isto produzina
naquellas organisac5es.
0 Dentro de pocuas horas a esposa do Sr. Leroy
deixava de existir, soffrendo padecimentos crueis
e horriveis convuls5as, sem que os auxilios dos
facultativos alliviasscm 0 seu lamentavel es-
tado.
t Quanto ao Sr. Leroy, sua agonia se prolongou
ate hontera.
Sem duvida a hora era que este Diano cir-
cula tera tambem fallecido.
Seu estado era de tal raodo grave, que todos
os medicos nio esperavara poder salva-lo.
Uma falte de attencao, uma precipitecao ou
um descuido foi a causa deste tristissimo aconte-
cimento.
Um diario de hontem ja noticiou a morte de Sr.
Leroy.
Em Chacabnco commetteu-se, na semana
passada, um attentado inaudito, que causou sensa-
cio na opiniao publica, tendo sido a causa ques-
toes politicas.
Dando credito ao que diz um telegrarama de
Chivilcoy, publicado na Pampa, achava-se reunido
um grnpo de mitristes e enlre elles ertava Fidel
Fernandez, de quern diziam, que quatro dias antes
haviacorrido uma facada a P. Ulloa, sem feri lo,
quando se apresentou a policia intimando a Fer-
nandez que se rendesse. Este resistio. A policia
sem trepidar fez entao nma descarga sobre 0 gru
po inteiro, matendo a Fernandez e a Gregorio Ba
co e ferindo gravemente a Manoel Lozano e a Fran-
cisco Veiron. Os aggredidos, em vista disto, flze-
rara tambem uma descarga contra sens aggres-
sore3 com alguns revolvers que traziam nos bol-
cos.
Os mo'tos flcaram no meio do campo, appare-
cendo em-seguida 0 juiz de paz com outros gru-
pos, gritando contra 0 commandante Quirino e 0
coronel liaibiene e di endo que queriam vingar 0
sangue derramato.
Felizmente nisto ficou 0 negocio, nao havendo
mais consequencia lamentavel.
Na provincia de Santa Fe sublevou-se a guar-
nlcio da Guarda Esquina, sendo os offlciaes as-
sassinados. 0 capitao Rivas foi o chefe do movi-
mento.
Segundo um telegramma do Ro3ario, de 1. do
corrente, o commandan'.e Cordoba que foi em per-
seguicao dos sublevidos, alcancou-os no departa-
raento de Corenda, prendendo o capitao que os di-
rigia e 48 soldaJos.
Na provincia de Catamarca foi descoberta
uma rica raina de ferro, de superior qualidade.
Este descobrimento foi feito no lugar em que foi
extrahida uma amostra de ferro, experimentada
pelo Sr. Kile no collegio nacional de Buenos-
Ayres.
Tambem se descubriram, na mesma provincia,
algumas minas do carvao de pedra, de excellenle
qualidade.
Diz uma folha desta capital, que com estas ri-
quezas em seu seio a provincia de Citamarca cedo
se elevara em popula?ao e commercio, podendo
em breve sortir a estes regides dos principaes ele
mentos do progresso e civilisacao.
Em Mendoza sentio se no dia I.*, pela raa-
nh^, dous fortes tremores de terra.
Cahiram algumas paredes e cornijas de diversas
casas, e ficaram rachados varios ediiicios publicos,
entre elles a casa dos tribunaes e o theatro.
A populacio da cidade esta horrivelmente alar-
raada.
Os diarios de Salta, noticiam quo se desen-
volveu nos daparlamentos de Santa Victoria e dc
Orange uma epidemia, cujos symptomas sao pare-
cidos eom os que precedem ao cholera-morbu3.
As autoridades locaes tomaram providencias para
que o mal nao progredisse.
Vamos eneetar nesta correspondencia uma
parte inteiramente mercantil, por julgarmos que
podera ella interessar ao commercio dessa pro-
vincia.
0 estado geral da praca de Bueno3-Ayres n5o e
satisfactorio.
A ultima Revisla Commercial dos Srs. Gandolli
y Rossi, assim se exprime :
i Depois da nossa ultima revista de 14 de no-
vembre, a posicao de nosso mercado de impjrta-
cao parece que tem peiorado notavelmente. Os
temores de proximos desastres A-ao pnuco a pouco
inllltrando-sc nos animos, e a desconfiauca que em
parte parecia querer desapparecer, volta de novo
a fazer-se sentir e ameaca um verdadeiro cata
clysmo, em vista da dura;ao da fatal guerra civil
de Entre-Rios, das complicacies politicas e das
desfavoraveis ootichs reccbidas pelos uitimes pa
quetes da Europa, com rclacao aos nossos produc-
es, e flnalmente pela fatal crise monetaria que
cootinua seu desastroso caminho sobre nossa pra-
ca, e que este invadindo os principaes mercados
monetarios europeu, ou mellior dizendo, univer-
saes, ameacando uma verdadtira catastrophe eco-
nomico -social.
Se ate agora, nosso mercado tem podido re-
sistir a potente forca qne o este impulsando desde
7 mezes, sera lamentar forte abalo, cremos seja
somente devido a sua indiscutivel solidez e exem-
plar prudencia.
Sera embargo, nos doe dize-lo, cremos que nao
atravessou ainda as peiores'provas que o esperam,
nos parecem ra'eviUveis e quejflftieni vif'eln fttifi %u a':fhao]armada, da qual resultou 18 mortes e
meutos bem fatees para oste paiz.
Desde a sua abcrtura o banco nacional tem
descontado diariamente consideraveis soramas a
12 fr. c. ao anno, e o banco da provincia o tem
feito a 8 p. c, facilitando por este modo as trans-
acc5e3 commerciaes.
Os banquoiros particulars descontam a 1 l|i
p. c. mensaes, com garanlia de fundos publicos
ou cedillas hypothecanas.
c Ate agora felizmente, os cambios nao sofl're-
ram alteracao sensivel, consirvando-se a taxa bas-
tante elevada.
Ha giradore3 sobre Inglaterra a 33 d e sobre
Franca e Amberes a fr. 540.
t 0 Sr. barao de Maua, vendeu a uma compa-
nhia ingleza todas as suas propriedades no Rio da
Prate, por 80,000 libras esterlinas.
t A companhia compradora se denominaThe
Agricultural Pastoral and Industria Company.
e E' um dos maiores negocios que se tem rea-
lisado no Rio da Prate.
II
Do Estado Oriental temos datas ate ante hon-
tem.
Na camara dos deputados alguns de seus
membros flrmaram uma exposicao pedindo que o
ex ministro das relacoes exteriores, Dr. Perez Ge-
mar, que foi para a Europa como membro da
commissao do eraprestirao, volte a Montevideo em
cumprimento ao art. 89 da constituicao do estado,
3ue determina expressamente que 03 ministros
e estado quando deixarem as suas pastas nao po
derao sahir por nenhum pretexlo para fora do ter-
ritorio da republica. a
No dia 29 de novembro, foi recebido em au-
diencia publica pelo presidente da republica, o Sr.
ministro residente do Peru, Dr. Manoel Irigoyen,
pronunciando-se os discursos do estylo.
Uma guarda de honra do 4. batalhao de eaea-
dores fez as honras militares.
No dia 2 do corrente, anniversario natalicio
de S. M. o Imperador do Brasii, os nossos navios
de guerra, que estecionam no porto de Montevi-
deo, conservaram se embandeirados durante todo
o dia e salvaram a 1 hora da terde.
As legacoes e consulados estrangeiros tambem
se embandeiraram.
Os brasileiros alii residentes, se entregaram ao
maior regosijo, havendo alguns festejos particu-
lares.
A linha telegraphica Platino-Brasileira esta
merecendo desde a sua installacao a mais juste
proleecao do publico.
So no mez de novembro se expediram petes h
nhas dessa companhia ate" Porengos 1,300 despa-
chos telegraphicos.
Na noite do primeiro deste mez os presos
que se acham no Cerro tenteram evadir-se, o que
nao conseguiram, gracas a altitude cnergica da
guarnicao daquella fortaleza.
Da lute que houve resultou morrer urn dos pre-
sos e ficarem tres feridus.
Ill
Do Paraguay is datas que ba sao atrazadas.
A unica noticia digna de mencao, e que o
governo daquella republica enviou ao Argentino
um extenso e lmportante contra memorandum so-
bre as negociacoes de limites, no qual prova
a evidencia, com documentos incontestavcis, que
a republica Argentina nenhum direito tem ao ter-
ritorio que arabiciona no Chaco.
IV
Das rupnblicas do Pacifico e da America Cen-
tral temos noticias ate 3 do corrente, viudas tele-
grapbicamente de Valparaizo.
No Chile, o congresso se occupa da reforma
da constituicao e do codigo penal.
No senado, foi approvado por 11 votos con-
tra 7 um projecto ja adoptado pela outra camara,
pelo qual so tira das monicipalidades sua interven
cao nas eleicoss, passando em seu lugar para os
maiores contribnintes.
Foi um golpe que soffreu o gabinete, qne com-
batia com todas as forcas semelhante projecto.
rJ, Na camara dos deputados, a fraccao ultra-
montana pedio a separacSo da igreja do estado.
Na sessao de 16 de novembro, continuon a dis-
cnssSo geral do projecto que re3tabelece o mono-
polio do ensino official.
Combateraran'o fortemente 03 deputedos Fabres
o Cifnentes.
Houve cbistosos incidentes no discurso do Sr.
Fabres, quando este tratou da provar que o go-
verno tem ensinado mal nos collegios do estado,
citando o discurso do Sr. Barroj Afanaa ao elogio
do professor Vander Heil, adorador de Robespier-
re, Saint Just, San Simon, Lucrecia e dos horro-
res em Franca, e propagador de suas fatees ideas
no Chile.
Robespierre, disse o Sr. Fabres, me caasa
horror, porque era homein devorado pela inveja,
o peior dos peccados, e o diabo nao e mao senio
por ser invejoso.
t 0 Sr. Gallo (interrompendo). A soberba foi
que perdeu o diabo.
0 Sr. Fabres.Perdu -me S. S., quo n4o poJe
emendar-me em materia de theologia. 0 invejoso
Robespierre sacrificou aos seus proprios eompa-
uheiros por inveja. Antes de levalos ao patibnlo,
diziam-a esse grande tyranno : nao corteis a ca-
be?a de todos, contentei-vus com quatro somente.
Nao, disse Robespiorre, que cahiam as cabecas de
todDS oito. Afflrraa o Sr Fabres, que o estado
ensina e tem ensinado pessimarnenle.
0 Sr. Gallo. 0 estado ensina melhor qne os
particulars.
a 0 Sr. Lira. -Os jesuite3 ensinam melhor que
todos.
0 Sr. Fabres Os jesuites comecam ensiaan-
do aos meninos initium sapienlia timor Domini.
(Risadas.)
A questao do liraites outre o Chile e a repu-
blica Argentina tera tornado um caracter de vio-
lence que destroe toda esperanca de uma proaip-
ta solujao.
0 plenipoteuciario argentino, Sr. Frias, dirigio
ao ministro das relacoes exteriores do Chile uma
extonsa note em que combate fortemente as pre- *
tengoes d'aquella republica ao territorio da Pata-
gonia Oriental.
Um joroal, referindo se a isto, diz, que a attitu-
de assumida pelo governo argentino conduz fatel-
mente a um rompimento.
- Falleceu em Santiago o palriota veterano da
auerra da indepeadencia, general de divisao Jose
Maria da Cruz. As tropas tomarara luto por oito
dias.
Em Valparaizo, sentio se a 25 do passado,
um pequeuo tremor de terra sem coasequencias
desastrosas.
Na mesma cidade, houve no dia 2 deste mez,
um incendio em alguns eJiQcios em frente 4 In-
tendencia.
As perdas sao de pouca considerae-ao.
Merece attencao dous casos de uma enfermi-
dade rara, que apaareceram em Valparaizo.
Consiste a enfermidade em uma subita fadiga,
|ue, apoderando-se da parte sensivel do corpo nu-
mano, o converte em nm cadaver, pois o doente
perde totelmente os sentidos e dura neste estado
am bom numero de horas.
Os medicos ainda nao descobriram reraedio pa-
ra combater semelnante mal, ate agora desconne-
cido n'aquellas regioes.
Ne Peru, o go /erno aceitou uma proposte
para se coustruir uma linha telegraphica desde
Paila ate o Panama.
Em toda a republica occorreram gravissiraas
desordens, por causa das eleicoe-s de deputados.
55 ferimentos. Em Lamb3yeque tenteram assas-
sinar o prefeito.
A situacao financeira do Peru 6 bastante cri-
tica, produzindo muito alarma o decreto do go-
verno que prohibe a exploracao do guano.
Na Bolivia, achava-se enfermo o presidente
da republica o Sr. Adolpho Ballivian.
0 horisonte politico daquelle paiz apresenta-
va mao aspecto.
No congressohouve sessSes tumultuosas por
causa da discussao sobre o emprestimo.
A Republica de La Paz, diz, que carece de
toda a verdade o rumor de uma allianea entre o
Chile e o Brasii, e que o governo do general Bal-
ivian Irata por este meio de distrahir ( tentes do interior, com perigos que so cxistem em
sua imaginacao.
No Equador, na tarde de 20 de novembro
sahio do porto do Parana o vapor Montijo com
uma expedicao de 250 homens ao mando do coro-
nel Espinosa, em perseguicao dos revolucionarios
que se ere" tenham seguido era sua maior parte
para o interior do paiz.
A expedicao deserabarcou perto dc Pampano a
vista da cidade e sorprendeu a uma partida revo-
lucionaria que por alii aqdava, a qual fugio de-
pois de haver feito fogo, ferindo a varias pracas da
forca do governo. 0 coronel Espinosa seguio per-
seguindo os fugitivos.
Na republica de Costa Rica, o presidente
Tomas Guardia convocou o congresso nacional pa-
ra sessoes extraordinarias. alim de subraetler a
sua deIibera;ao o novo contrato celebrado pelo
poder executivo com o Sr. Enrique Meigbs para
continuar a obra da estrada de ferro ate o Pacifi-
co, enja via ja este termiuada entre Alajuela e o
Atlantico.
INTERIOR.
RIO DE JANEIRO
7 DE DEZEMBRO DE 1873
0 paquete inglez Liffey, da linha de Southamp-
ton, trouxe hontem do Rio da Prata'as folhas de
30 do passado.
As de Buenos-Ayres referem mais uma invasao
de indios na provincia de Mendoza, de onde os
selvagens vao levando muito gado. Falteva alii
tropa para persegui-los.
Entre diversas scenas sanguinolentas que acom-
panhavam a inscripfio nos reaistros eleitoraes,
sobresahia a de Cachabuco. Alii, diz uma folha
achanJo-se entre um grapo de mitristes um tal
Fidel Fernandes, que dias antes tinha coramettido
leve delicto, sobreveio nma forca policia! que n
intimou para entregar-se preso, e como nao tosse
de prompto obedecida, fez uma descarga, deixao-
do mortos o mesmo Fernandes e outro mortal-
mente ferido um terceiro, e menos gravemente
outros. Os aggredidos dispararam a seu tun.o as
armas de algibeira que comsigo traziam. Saben-
do-se disto e.n Bueno3-Ayres, e governadorda
provincia mandou marchar 200 pracas para aquel-
la povoacao c requisitou do supremo tribunal a
designacao de um juiz do crime que a'brisse de-
vassa sobre as occurrencias havidas.
Ira Montevideo, onde as camaras legislativas s
occupa vara com os assumptos para qne havlam
sido convocadas extraordinariamente, suscitou-se
uma questao de constituicao. Tres deputados,
mas na sua qualidade de cidadaos, represeuteranj
perante a commiisau permanente contra a nomea-
cao do Sr. Perez Goraar para ir a Europa con
tratar um emprestimo Deixara elle a pasta de
estrangeiros para encarr gar-se dest i commissao.
quando o art 89 da consiilui^ao prohibe que o ci -
dadao que acaba de ser ministro de estado saia
do paiz, mesmo era servico publico, antes dede
corridos seis mezis desde que deixou o cargo.
Nao se podia negar, e a commissao especial
para este eneito eleiu a.-sim o reconheeeu, que o
poder executivo infringira a constituieao com
aquella nomeaclo, e que nao se oppondo a ella a
commissao permanente faltara ao seu dever ; en-
treUinto, como nenhum motivo havia para sup-
por nulicia, mas apenas madvertencia, e a re-
vocacao do Dr. dinar, qitf ja partira para a Eu-
ropa, o exporia a dosar, acrediiava-sc qne ae uma
forma ou outra so proeuraria sanar a irreguian-
dade sem chegar ao extremo de cassar a nomea-
cao (1 Tio.



M mmnmifemgTi tel data tmcorreta
^^l^^i^^Ha^^^iiiMMMiMilMiMiBi^iii^iMMHiHaHMiiHiBliHHilHMHilliliOMOaaBHHai
MUTILADO


_



)\4W de Pernambuco 3;u,bato 20 de Dezeiubrb ae

D-i i.imeiia de Itapaboama o*rfcvrxnni m Jio-
fci7i-Ccj/jM|ta-e*i data ile t
No dia Si it) m 7. ;>i) passaJo, ts 9 floras
da mantiA,ded-sb nesia*paci'i rt la*
tnentavel sa'teewo : o portitguea Manoel- Moeir
Cainpoi fultostfies, rmieo de 19 aunoscai\tir>.
na casa commercial dc Justo Jose de Souza, que~
rendo me|ter no tionoo u prcto Izilro. eseravo de
am dosorphus hcrdeirosdo rallectil) Ma'nnol Ma-
thias de Araujo, e qujfcjfctava alugado na mesma
casa, fngio o dito eccrAvo pelos fun Ids do esUbe-
lecimeulo. S.hio enuo Maaocl M iroira a cerca-
lo,srmadu de uma faca, eeneoiitrandoo junto a
margem do no, igualinoote arm ido, alii tracaram
oma lula da qual resultou sahireni ambos fc-
riaos.
0 pn-to Izidro levou uma grande facada na
ngiao ahd niiiiial, e fallcceu dentro de seis horas ;
e Man i'-l Moreira daas racaJas, amoas na regiau
thuraxica, na visinhanra .11 coraca i, e veio a fal
lecer Sous dias dop lis.
Parecii que eulre o* -lous havia rixu a'nriga
por causa do domes.
Em 187) o espolio de I>a quiin J t?i Pereira da
Silva, arrecadado pelo juizo de ausentes, foi ac-
cionado por uma letra it<; G:0K)i, enjo aceite era
attnbuid i an dito Perei a Ja Silva, e quo era sa-
eada por una artist i d) Alcazar de nome Elvira
Sombrie, c aprcsenta.Ia pela franceza Alida
Laffeton.
Pioposta a aoc/io p 1) juiz-i do oommercio da
segunia vara, foi o csp ilio con Icimiado a pagac,
e, appellant!) o corador das heraueas, foi a son-
lenra- eoaflnnada pelo trihtmal -lo cummereie, e
o thesimro pasou a iuipottancia da letra c as
custas
O Dr. I.' delogado, na sen louvavel cmpenfco de
deseohrir Wdos os crimes cemmctlidos pela com-
nikDdita, procurou esses antos, e, verilieaaao qne
liguraram nelle como a fvogados, a priircipioo
Ur. M'/lla Ci-uz e depois o hacharel Jose Alves IV,
reira ile Carvalho, su-peit ou qne devia ser tambem
falsa a letra que servjia de base a accao
E tao fendada era essa suspeila qae, procuran-
do \lida, em cuio nnae fui prowsla a accao e
que cm iviiiadira de'tltul por declaroullie el,a : qae nunca fora eredora de
Pereira da Silva uein dima de tal letra ; que a
pedklu de JuS'i Fir.Tulio Sfuniz, a qaem eoiilieeia,
Davis alg-jiii t inp', e fui depois S3J c Vmi;ki ire,
enehfira osai letra : e que prestara seu mime por
the asMgnrar Urauho quo, sonlo escrivao, oao
poJia ligtli'ar, apezar letra.
Accrescef4ou A-lida ter ido com liraulio ao ta-
belliao, ontle fwra pas-ada a procii'aeio, > mais
taido ao Ibesouro onde rceebera o ilinheiro.
Nao resi.a, p >is. a menor duviila quo tambem e
falsa a liri'ii ilo ^ceite attribuido a Joaquim I is'
Perwra da-Silva.
O I." deiegado aeboti mais de nitenta lotras
pag.as no lemtto-ein qu Pereira da Silva era -in-
menriautec qu^ servirani de base para ) exame
euiqujj seeouiicceu a falsidade da lirtiia.
I'rosegalndo no inipierito con Ira loan liraulio
Mtmu. e AUA Laflfectoii, verilieou a referhta au-
tondaJe i|ne com elTeito Braafio lii r >:n Alida ao
ihi'-oiiro pira reeeber o dinheiro, e alii reco
nheeeu a IdMttMadti d'ella, exigiJa para u pffga-
menio.
t) iv*il!i'l> iloi cxanies do bont'm, na Pa iaile de Mediri'i.i, loi o seguinle :
t anno medico.Joao Alves Pini", Pr*newco
de I'.r.ila VaMMares, 1'ianrisco de Paula Broquae
Joaqiiim AnUiin i Uutra, approvad is plenamente.
ii.' anno. -Kr.uitisco Purnsrino Viriatii do Me-
d''ir is o Juaqaim Duart Murlinlio, approvad is
com ii>li 6 Jisl .la Cruz l.oiire.ro Saiiqiam. approvadOi pie-
namente.
<) aiun <:iinii',i). I i'io Francise i de S wzi J t-
ilion, An in .in I'owpen de S-io/.a Itra-i", Forluniln
da Ko icxa Dn.iric e A iloiiio da (", i-'a Pinio. ap
provaJn .plenainente
0 resujt:.ln do- exames linaes das I" -ai'i-
ra no j* e (W anno -i.i Escula Cenir.iL loi o -e-
gttfiibj :
if anno. Appro vados pknauionte: run i grao
7 Hii-'iii'i Maria iii o grao America Pereira d.i Silva.
6." anni.Approvad is plenamente com i grao
9, Carlos Klu.iiili Sapluier do I'ierrulevca o M-
nocl I'eixuo Cui'sino do \:n ante ; como grao
7, Jnliano Jose de- Ainoiim Gomes; com u grao
>. To lupliilu licnadici.i Je VasConeellas, e Augus^o
tyi-ii! d-i Silva.
0 le-uiudo dos QXames lioaos dos alumnos
da 21 cadetra do 6" anno foi o seguiute :
Appn .vu Jos plena mei.Ue.... cijio. ,i/ ^M-H +<$A-
Ua>fi.ado Ittxeira tfct%jRliMl *>H**5o.|ii-as matorJawfrlinrdo Ori-tai Cirvalho, pl-ma-1
i I" ann Hard) barret i d,a
ral Jo Hf-i dft Ja'ieiio ; 1\ Mario do
. Kerreira, iIon :tu, loaquim yntamlha->l-
VjJdacbadi*, iJum.-irS* anno-:
i em.iatia o dist
iido n
f, ioa.i. !i>xiutoc.
;i Preta, idom. 3* anuo : 1", Antonio
alves Pcreira, idem ; 2', Jolo Antonio de Goes
e Vascoiioellos, idum.
Tiveram meni;ao hoaro^ como approvados com
JisliHc^ao cm toJas as maleria> os seguiatea alum
nns :
Extcnialo. I' anno : Alfredi Jasti di Silva
natural do Rio de Janeiro e Porlirio Juslo da Silva,
idem.
O Sr. ministro do imperio coirferio o grao aos
segumtes aiamnos:
laternat'j -tArthur Cesar ie Aodrade, Carlos
Ubert) do Menezoi e Frederico Marcondea dos
Smtos NHturaes do Rio de Jmoiro.
Exiernato.Carlos Ferreira Fcaftpa, natural de,
S. Paolo ; Fran isc.) Sailes do Uacedo e.Luiz Aa-
t'mmade Souza fltoves, natsraej d) Rio de Ja-
neiiA.
W
Nastardes dedomingoe segaad i feira dig
noa-se S. M. o Impcraior visitar o collegio Abilio,
assistindo as provas de adiantameiKo dos aluinnos.
A p imeira tarde foi coasagrada a exercicios gym-
nasticos, parle esseacial da educac;io da mooi4a-
de. Omveacido, eomo alias e.-tao todos, .embora
llie nao ligutHii igual importaneia, da eturna vcr-
dale do apUorismo uMens sana en corpore sunon,
o Sr. Dr. Abdio, ao mesmo tempo que cmtiva a
inielligeneia 4 \olver-lb:s as for;as physicas e laaer dclle* lio-
mens robustes e aptos para todas os mistores da
vtila.
Nos exor-cioios corporaes segue o illustrado direc-
tor o mesmo systema que nos intelleetuaes : pro
cura por todos os uwdos wrnalos agradaveis, de
forma qne os meninos se entregam a etlcs com
prazerje mais como recreio edivertimeuto do que
u.iu i.ii-el'a imposta.
Assim, no vasto campo anucxo ao jardiin do
colkigie, vimos oi alumnos Ibrmados execuurom
div:.-i^as evolu.;oes, estenderem em liuba, o a vzdo
ruiamiuitfl, fazorom simultaneamente varies uiovi-
iMalos com uma precisao que leria icito li^ara
a qtialquer balalhao bem disciplinado. Svguiram-
se exercicios na barra lixa, nas parailelas, no
trapezio, na escada, e:n argolias, eai '-ordase va-
rasuara trepar; dopais sallos, in umbras en ou
das corridas a pe. em velocipede c me-nw em
Jjih c. vallinlios,' lulas, etc. Em todo e?te espi-
claculo o que mais deleitava era ver o ardor cam
que as criaiicas so entregavam a estes fuiguedos e
a alegria que eutre elies reiuava, U* tambem uo
collqgio urn grande tanquede nawcao.'oulro axer-
cicio quasi iudispensavel.
Na segunia tarde os alumnos dos primeiros ires
auuos qu' forma n o curso dc iiistruevio primaria
deram boas provas de sua applicaeai intellecloal,
e dos resullados colbidos do meUiolo de eusino
seguido pelo Sr. Dr. Abilio, que em alguuias pa-
avras dirigidas a s. XI. o Imperalor e*iiionro-.
e uwtin.'cao nas outras uui
ra, piinameni
r. lllJlinri.W) i!!ll *
menie
Ir'MpOi
llitf-u, rrancez e arilhmctic
ttiecism ..
I- ;uMio leremias C.ynn.i da Silva, disii"
em utheoismo e simplesmento em latim, pnrin-
g'jei, arilttmetica e elsmcntos de goographia ;
Joan Maria de Freitas Briw, Jose I'.aelav) Hueno
Soares, J.ab Servio Fenvira e Velisbcrto Bueno
Soares, distine^ao em tolas as mnierias; Joajunn
>de Soqza Breves, plenamente em Istim, portuauet
e eleineutos te gcograptaa, c diittnecao nas outras
materias ; Alberto Pinto Nello, plenamente em to-
las as malarias.
- O resultalo dos exames de hontem na Pa-
dade de Jfediciua, foi o seguinte :
I' anno p!iarn;iceatico : Approvados plena-
mente Henrique Bodolpho Baptista, Joa mim Cor
rea de ilello Junior e Antonio Rodolplio Pereira
de Leiuos, approvals siipbwmetUo Eugenie Jo-
llo Vieira e Antoaio Joaqisim Pereira.
1) ivou de comi>are;er am alnmio.
2* anno medico: -Approvad is com distinc.ao
loao XIanoel de Castro e Camillo de Moura Esie-

tiahn
no* que
van; appiovados plenaaento Dominjios Lyra d* thif.
!,'ross wtv-i
acirtia t').los*0|
salio di Associa lepois de lavra.la uma acts -especial para
commoraorar o ^rartcfe acontecimento que se
acabava de rea'isir, e o mamvilhoso pro
gresso que viuha iW; s*r conquistado, cujas
vantagens alias sao *ia faeil inluiQao : a
junta da Assneia^ao Coiii.nercial levan-
tou vivas a S. M. o Iniperador, 0 d au-
gusta faiiMlin imperial, a Si. Kit. 0 Sr.
president* da provineia, aos promotores e
executores do tel-grapho electrico suhmari-
uo d > Urasil, e a > respeitaval cofpo (MMriMter-
eial da prara desta cwade : ergueudo enteo
as p'ssoas presentes um oiva tambem a
distincta Associacao Commercial da Ba-
Silva, F'rnctuoso da Motta Bragac Manoel Caval-
canie ile MeUo ; aparovado siuiplesmeute Saturni-
no Ferreira de Carvallio.
S anno ((Ulrica) :Approvado com di*nccao
Gustavo de Oliveira Godoy ; approvados plena-
ineute Sergio Eastaquio Ferreira de Ouvefra, An-
tonio Dommgues de Sa Junior, Silvestre D'as Fer-
raz Junior e' Fjcgiuu Uora-io de Oliveira ; appro-
vado simplesmente l.uiz da Crrnlio Moretra
12 -
0 resultado dos exames de liontem na Facnl
dale de Medieiaa, foi o soguinte :
fr anno (cliniea)I* turma : Jose Camillo de
M provado* com distinccao: Franklin Bento Pereira
Saigado e EJuardo Glyuipio Teixeira, approvados
plenamente.
2" turma: Luiz Agapiui da Veiga, appeovado
cum distinccao; Antonio Pereira de Birros Leite,
approvalo plenamente.
1 anno pharaueeulieo : Ernesto Frederico dos
Santos, Jose Anioaio de Aievedo Vianna. Fernan-
do Antonio Uagea Caristino e Jose Raphael do
Azeredo Viaaoa, approvados plenamente ; Jose. An-
toaii de Oliveira Maicindei 0 Guilherme Jose
Card -.si Filii", approvadoa siuj|)le8inente.
3' anno pUaruiaceuHej. -AKi|Jiiloquio de Aiau-
jo Uiboiro, approvado com iliFtiiieoao; Antonio
.Maria Teixeira Junior, Antonio Luizde Souza Juni r,
Joaqui.u .Miguel !)u lue-Esinula Meyer e Jose do An
drade XLmteiro. ap;ir.iva-:os plenamente; Joaqniiu
Jose de Araujo, approvado simplesmente.
2- anno niedwo. Ciaciunato Amerioo Lopes,
Joa pi;oi Augusto la Silva Guerra e Joao da Ci.-ta
Lima e Castro; approvados com distinccao: Jose
llarb isa dos .Sa!.is Junior e XIanoel Tocjuit) d;
Gouvea, approvados p.'enamente; Graciiiauo Gon-
talves Xegreiros, approvado simplesmeale.
13 .-
I** Rio da Prata teal h follias ale 7 do fl t
o au li A's 5 3/i boras da tarde, cbegou a terra
0 cabo e foi desembarcado, na Barra, em
uma das casas que ficamdefroute do peque-
no gazometro.
o forte de S. Marcello
Francisco BayamuJo Ewe/tou Quadris, l'cdr.
iim Paes Leiuos cAlciuo Jose Cbavantes ; cu
xoto Ciirsiro de A;n.iiM-i[.. Francisco Aulouio Car-
neiro da Cunba. Alberto Eugeiiiode AndiaJe Par
reiras II u;.. u flanoel Clementino Carneiro da Cu-
nlia Ar.uhi.i ; com 0 grao 8, Carlos Eduardo Saul-
nier il-l'icrrelevea. Jose Tin.maz Carneiro daCunlia,
Jro li-
. coin o
era.1 7, J se Cnlos de Sonza, XIaii"el Redrigues
Biptisl.l, Francisco Jo-e de XIcllo e-Smza Junior,
Fernando Palmeiro Pereira da Cunha, Jirgo Be
hcdiolo Oltiin'i,' Juao Clirockett de Si 1'erciia de
Casin, I'obias Rabeilo Leite Junior e Balthazar
Bern iniji.o ISaptisla Pereira ; com 0 giao G, Joao
Ltiiz rinin Campist.i, Anionio Comes iodre, Au-
gust t Coo I :. da Silva, Marcos Thomaz da Costa
e Sa, Til- ;.!iii 1 Beu*liclo dc Vascun.-ello.s, Al-
beito Be'nnmte do Aguiar, .1 >ao Guncalves do
Ar.mjo, Ii .iii.-co Carlos da C.slo Steal c Julian o
Jose de -in .rim Gomes.
O resuitado dos exames ije d'senho do .'! anno
foi 0 segninte :
Ap.irovado plenamente com distine-'iio grao 10,
Emilia AriHandoJlenrique Scbiwor^ "comgrao!),
Jase i'lr.. i.i/. Cat neiro da Cunju'e Aotiocliu d...s
Sanlpa Fanrc coin grao 8, Bibiaoo Sergio da
Foutoina Cuslalbt e Franciscj I'.aymuuJo 'Cwer
ton O.iailros ; com j grao 7, Francisco Jose do
Freiia-, Prancisco Tlierezio porjo Nctto, Carlos
Luizde Sanies Jimiiir e.Guillierme Candido Na-
vier de Unto Junior ; com u grao 6, XIanoel fjle-
-nentino Carneiro da Cunha Aianha, Jeroiivn)-
de Cssjro Abreu Magajbies, Autom'o Jos.- le
Mello e Souza, Antonio Americo Pereira da Silva.
rahdido Gpncaives Gomide, Jo2p Gon';a!ves dc
Araujo, Jose Maria Mendes Goncalves, ILii r Su
b'ral Pinto Cavalcantede Albuquerque, Godofrej 1
Jose Furlado.'JIiguel Maria Girard e Fa bio ii
tilio dc Moraos Rego ; approvados simplesmenfe
,om 0 gi-ao 5, A .Ipho de Lima Barros
e JottJ'Carlos Mpniz Hj^encotirt ; com o gr.io i,
Luiz Suliral Pinto Cavaicaut de Albuquerque;
com 0 grao 3, Joao Sabuio Damascene ; com 0
grao 2,ijancisa^yudo Vjux'lla U'a : com .
grao 1, Asnio de CSmlhoTWIs eTn"de Carva-
Ihoe Almoida.
Huateta, as 8 *|2 Inras da maniia, suicidou se,
dando am tiro dc rewolver sobre 0 iegiau do co-
raijao, Job,UJ Paler Adier, morador a rua das Mar-
recas 11. Ii. e eaixeiro da casa dos Sr--. Har'wig
Willesen |k C, cstabelccidos a rua da All'andega
n. 10.
Cvnsta fine c-ste inl'eliz j.i anic-lioutem, em casa
de seus palroes, manil'esiava desarranjo mental.
0 que era ailribuido a mal correspoudida pautao
amorosa.
- 9 -
Do Rifi la Praia .trouxe-003 a paquct) itgka
lohu Eloer, foi has ate 3 do corrente .
Con tin lava a dar-se co.no iinmiuea'.e uma tu-
alna en fintre-Hios eiitre as for;as uacionaes e
us jordauistas. Esperava se a toa > 1 m iinento-;
aoticia di coa>ple;a derr 11 dos reieide-; espe
remos, paiA, timbem.
Ba prov-intia de Cotduva annuucia se uma
ievacn 1 cla gaaraicao de Guardia Esquina, que
asssssinou os seus offleiaes. Dizia se que u;n ea-
pitao Riva;, se aehava afrenie d 1 iironunciainent .
Em Xloi tevideo publicous; effectivameutc 11m
decreto riscando do qtiadro do excrcito 0 general
oriectol l^raball", que, aeh.uu! i--e notorianxmte
em Entte-Rios mmaniando lorcas jornaOislas,
nao cumprira a ordem de apresentarse no quar-
lei ganeta.
Effeciaou-se boniem, na pinseolheca da aca-
demia da? Bellas Artes, na augasu pre^'ii-a de
SS. MM. Imperiacs, ,1 soletnnidadc- da riistribui-
<;ao its prtniin' e collajao do grao de bacharel em
1 lo coll-gio rurso do e.'tyh 0 professor couego Dr. Jo.Tjatm
i'emandes Piun-'iri.
Obtiv.'/a :i [.remios os alumnos jeguintes:
Internal>.l."anno ; i jiremio. Arthur Wfcd-
miro da Serra Belfcrt, natural do Mvauhio ; i"
i Montetro, pal
dos
Antonio Jinsen do Paco, natural da Bahra!
Tell 1 do vieni'zes, uatura
i" anuo : I4, Edgard Dm
lural do Biu.d6 Janeiro. .'> a
n to de Souza Coutiaho,
-.6' auno : !, A
I a;-al io Rio d>j Ja
e ja uma novidade este nictlwao ; ha annos que
o Sr. Dr. Abilio o emprega na oJueaoao da moci-
dade. instruindo as criaiicas pji'iiieiode cmver-
sas, impnmin lo-lhes na uiemoria numerosas ua
i;oi's e abriudo-lhes giadualmenle a iuleliiguacia
para apoderar se deltas 0 ir foimauao racioci-
uios. Uma das grannos vantagens e apreuderem
as criaiicas para assim dizcr -buneindo, sem can-
sai;o new tedio. No exauie rcspoaderam ainda
as iniis pequcnas a um sem aumero de perguulas
sobre os principios geraes de todos os c iriheciineu-
tos qua poleai cntrar no quadro de uma ius-
UUCCao v nada.
Termiiiados os exames, di^uoa-.se S. M. o Im.ie
rador percorrer as aceo:iioJa;oes d> collegio e
- 1.1s JcpeuJeinias, en ijue reina iuiuu ordem e
a-sci e e\a nin u alguns traballios do deseuho e
copia-dc m.ippai ge>grapbicos, ojira dos alum-
nos.
0 resuliado dos exames flc kunleui.ua faculJa-
de niedicina, f.ii o seguinte :
I' anno medico. Approvado plcnamenle, Braz
Valeuiim Dfas Sobriuiio. Houve dfjas reprova-
(i* anno (clinica) Approvado com dtajoccau
Antonio Caolano da Silva Lara ; apjirnvados plena-
mente, Jose Rodrigues Peixolo, Manoel Ldjies
Monteiro de Oliveira, Sebastiao Gomjalvcs da Silva
Xlascirenlias, loaquim Jose de Meoezes Vieira,
Luiz Pinto de Magalhaes Siqueira.
li'auno (exame do anno) Apprevado cm dis-
tintjao Francisco Caetano dos Santos ; approva-
dos plenamente Francisco Pinto Ribeir.i e Faeifico
flW:io-A'y^tl1^Si!V-tT.rt!i^. **"'- r "
Tarminaram hnje os exames oraes do c 6
anno medico, e comecam amaiiha os do 2 anuo
medico e 1 pharmaieutiev
0 resnltado dos exames de deseuho lo B annc
da nscola central f,i u seguinte :
Approvados coin distinccao grao 10 : Alberto
Bugenio de Anmade Parrciras Hoi la, Juao Ferreira
de An.bade Parrciras llorta e Alcino Jose Cba-
vantes ; approvados plenamente com 0 grao 9 :
Francisco Antonio Carneiro da Cunha ; eom 0
grao 8 : Jose Carvallio de Souza; como grao 7 :
loan Luiz Pint 1 Cunpista, Tobias Ribello Leite
Junior, Jorge B-melieto Ottqni, Carlos Edmrdo
Saulnicr de Pierrelevee, Manoel PeixotoCurslno do
Ainaran*..', Fernando Palmeiro Pereira da Cunha e
Aulouio Cnncs Sudre ; com 0 grao 9 : Francisco
Carlos da O-sta Real, Manoel Rodrigues Baptista,
Marco- To iinaz da Costa e Sa, Balthasar Bcrnar-
iliuo Biptista Pereira, Padre Batim Paes Leme,
Theoputlo Benedicto de s'asc-mcellos, Alberto Bel-
mint., de Aguiar, Augusto Coelho da Silva, Juliano
lose de Amorim Gornes, loan Chockatl de Si Pe-
reira Jo CaslTO e Fraaei-co Jose de Mello Souza
lunlor.
Vo- exames finaes da 2* cadeira do 6* anno
0 alumno "h$6 Ferreira de Andrade Parrcira-
ffnta foi approvado plenamente com 0 grao !>,
nan c..... 0 grao C, coin) sa'uo publicado in
dia 7.
- I!
0 St. Dr. Jose Antonio Fernandes Lima, adjunto
interim Jos proniotores publieos, deu hontem de-
nuncia contra 0 escrirap de I" olflcio de orphaos
.li 2 vara desta forte, capita 1 Maximiano ;Jose
ijam'-- de Paiva, como iuenrso nos crimes previs-
tos nas artiges t;i3, li9 f G',.135 S JI* do codigo
criminal, requercudo quo se llie iustaurasse pro-
eesso, na forma dos artigos 1100 usque 405 do re-
gulamento de 31 de Janeiro de 18ii, eom iutima-
' '.'. testernun!'..!--.
A commissao
ja nos refenmos,
Pacilie 1.
Kelativamenla a guerra do Eatee-Rios a[ieu;is
liaviam algumas uolieias vags, svoguudo as quae-i,
Lopez Ionian estiva em Alcaracita, departamen
to de La Paz com a sua vanguarda em Rapes, ja
Uioteandose com a do exercilo de Gainza, que
recobiira novos refiirijos do Parana, c estiva pros-
tcs a empenhar uma batalba. Outros diziam que
q rebelde, esquivando uma accao, obliquava na
direcc-ao Jo no Uruguay. Por esto lado tinha
lamliem 0 goveroo re/air^ido as pracas quo alii
occupa.
Quuito ao general Vedia dizia se que eslava nas
immedia.oes da Concorha, teudu-lhe desertado a
maior parte das milieias correaliuas.
Ein Santi Fc esiav.ao gaienil Ivainwakri QEga-
nisando porordein do goxernp geral a in excrcito
.de res-Tva Je 6,000 Ima^ns.
Perscgijida por forces uacionaes a sublevad,^
guaniica 1 da Guarjia de la Esquina, fora alean-
ca.la, fcita.pri-ion.'iiac couduiija ao Rosariu. Na
inoviiicia de XlbnJoza repetiam se os terremo-
los, allirma s.\ porem, que sem caasarem grande
damno.
Hep as ile larga discussao a camara dos r'prc
senfaates d-? Monte ideo votpu um projecto de lei
aliofind 1 1 -.'ivico inio'tar obrigatorio e daclaranrlo
que tao piuco node'ra elle ser imposto como pena
correcci opal. 0 'excrcito oriental n.io s^ forma ra
senao de voluntarfn on de Ihdivlduos nacionae-
oii estrangeiros CiSnlratados por qiiatn atufos, me-
diantfl a quantfa de'JOO pesos qne todavia jlao se-
ra) entregues senao Undo 0 tempo Je servir-i.
0 resuitado dos exames de hontem na facuJjla-
de de Medicina, foi o seguinte :
2. anno medico. Duarle Henrique de Araujo
Fonceca, Pliilogenio Lopes Utinguassii, Jose Eu-
gemo !' Miranda Ferreira e SalMlel de AnlraSe
Br'aga approvado? p;enamente.
C- anno (clinica). -J.iio Henrique da Silva Cou-
linb aoprovaJ 1 eom di-tinci;ai; Antonio de Mel-
lo Muniz Maia, Antunio Manoel de AzeveJo c Fran-
cisco de Paula Bueno de Azevedo MaceJo, appr
vados plenamenle.
l. anno pharmaceutico. Fernando Abolt, ap-
provado com distinccao; Saniael Pertcnce, Joao
Frederico \bott, Jayme Ramos da Fonceca e JoSd
Coelho de Mello, approValos plenamente ; Joao
Preflerieo de Figueiredo, approvado siniplesmente.
3 anno pharmaceutico. -Joao Lopes Bastos Ju-
nior e Antonio de Souza Camargd, approvaJos
plenamente ; Joao Bastos de Mello Gomes, Ma-
noel Gomes Pereira e Antonio Jose de Faria Fon-
ceca, approvados simplesmente.
Don se ante-hontem um facto grave, cuja cau-
sa ainda se conserva em sogrodo. Foi-nos referi-
do do seguinte mode :
Frequenlava a casa de uma familia moradora
para os lados de S. Cbrisiovao, um inoco geial-
mente estimado : entre elle e aquetta fatnilia pa
reciam existir as melhores relagoes.
Ante-hontem recebeu 0 mo^o um bilhete, enf
que lhe pediam que nao deixasse de ir nessa tar-
de aquella casa. Acudio ellp ao convite, mas ape
has entrara na sala principal, appareceram dous
individuns tnpradores na meitna casa, e um del
les apontanjlo-lhe ao peito nma pisiola, disse
the qne nao proferisse uma palavra, porque ea
niria logo morto, c, ap mesmo tempo, 0 outro ti-
rava-lbe das algibeiras 0 relogio, a carfcira ibm
diuheiro c varios papeis, entre os quasso convite
Em seguida qnizeram obriga-lo a assignar nao
sabemos quo obrigagao ou' declaracao era {tal,
porem. que mesmo ante a ameaca da morte, a
viciima, ate alii purameate passiva, rebellou se.
Ehta>, desespmdos com a resistencia que en-
cnlii-
ra n sobre 0 mo;o, parti'ram-lhe a caheca eco-,
.ram a espanca-lo iJesapiedaJamente ate qne
0 prostraram sem sentidos.
Hora depois a victim* era transportada em um
carro para a cidttde, e, ainda desaeordada, cheia
de foriraentos e contusoes, abandonada no corre-
dor da casa de sua familia.
E' natural que a policla ja tenha conhecimento
desta vil cilada e proceda as averiguacoes, cujos
resnltados oosanos em breve publicar.
Tiveram lugar, bo seminario episcopal de S.
!o-e do Rio Comprido, os exauies do curso de pre- contraram, os'dous salt3,adores domesticos
paratorios, com assistencia do S. Exc. Revma 0 Br.
D P^lro Xlaria de Lacerda.
'i' anno Lucas Evangelisla Teixeira/ com
plenamente em pliilospphia, inglez, rheloriea, his-
toria universal e pnysica ; Thome Juaquim Torres
de Souia, plenamente cm inglez e distinccao nas
ontras materias ; Alvaro Soares de Andrea, pleua-
nierjte em todas as materias.
3 anno Manoel Pinto dos Santos Barreto,
plenamente em inglez e physica 0 distin^cSo uas
ontras materias ; Antoni > Baptista de Campos Pe-
reira e Tiburcio Alves da Fonceea, distinccao em
philosophia e rethorica e jilenameute nas ontras
rpaterias; Jose Maria Bueno da Rosa, plenamenle
em todas as materias ; Theopliilo Carlos de Gou-
veia, simplesmente em philosophia e inglez e ple-
namente nas outras materias; Symphronio Car-
doso, distinccao em inglez e riit-torica, plena-
mente em physica e sirriplesmonte nis outras ma-
terias.
V anno Manoel de Castro Viilas-Boas, sim-
plesmente em inathema icas e distinc;ao em geo-
graphia, cosmograpm'a, historia do Brasil, historia
sagrada e eathecismo; Isaae Servio Ferreira, sim-
plesmente em arithmetbiea, algebra, geometria e
histeria do Brasil, distinccao em hisioria sagrada
e pleaamentc em cathecfetno e geogr'aphia ; Jolo
Brasil Silvado, plenamente em geigraphia, histo-
ria sagrada, coMnographia e edtheeismo, e shn-
plesmente cm hisioria do Brasi! ; Antonio Mar-
ques de Oliveira Rocha, simol mente em co-mo-
graphia e plenamente naajputrai maierias.
3 anno .- Paulino Moreira de Ataujoe Miguel
Hodrigues Perein, rjistinccao cm eathccLmo e
plenamente em latim, francez e historia sagrada ;
Francisco Caflcro da Silva e Adolpho Marcondei
de Slunra Bueno. pleiamente on todas as mate-
rias ; Joii Evaageliita d indrade, disu'ncQao imi
todas'as mnierias; Tlirni z Servio l Oiivaira
Freitas. dfiHihecaii em I.tin-.e francei e plenamen-
te nas ouuas uiati-rias; 'ifavarrino Alexandrian da
Silva, plenamente em francez e iatito 0 simplas-
' nas outras materias.
anno Pi 1'riudade e Jose
em francea 0 distinccao
1 e cathecismo ; Arthur Go-
a catheci-
BAHEA.
12 DE IfE^KMBUD DE 1&73.
Hontem, as It lioras da manba, largou
da ponte da compuihia Ha Mima 0 vapor
Pauli) Afjomo, deliciilaiiiente ppsto adijn-
si^ao da junta da Associacao Commercial
desta pratja pelo digno superinteiideuto in-
PA ino daquella companhia.
0 Pau/o Alfonso, cpnduzindo a sen-bor-
do grande numero do negociantes, e muitas
'utras pessoas pertoncontes a diversas
classes sociaes, foi ao encontro do vapor
ingloz Hoopur, quo, segundoja" noticiamos,
cliegara coniuziudo a seci^ao do cabo tule-
grapJiico submarino, qua esta sendo Uor
morgido na costa ac Brasil, e vai por em
communicasao csta capital com muitas
outras proviucias dd sul e do norte do ffp-
perio.
Aproximand)-se 0 Paulo Alfonso di>
Hooper ao qual acornpanbou, ate ao pliarol
daBarw, 110 trabalho da immersao do cabo,
Nessa occasiao,
salvnu.
) eibo foi depois puxado para a casja que
tern de seFvir de ostacjao.
A' ceromonia assistio grande concurso de
[lOssoas.
Hoje tera logar a inauguracao dos respe-
ctivos trabalhos ; e S. Exc. 0 Sr. presidente
desta provineia expodira n primein^ tele-
gramma an Rxtn. presidento de Pernam-
buco.
de engenheiros a que
dirigio to los os traba-
lho.
0 command a te do Hooper e um ca-
valleiro sympathico e do matieiras alfa-
vois.
13
Telegrapho clectrico. Hontem a uma
hora da tarde, S. Cxc. o 8*. presidente
da provineia, acompanhado de varins pes-
iwtts yaiiiK, ettire us quues o general omi-
mandante d.isv annas, inspector do arse-
nal de marinh*. eapiUto do potto, coronel
commanduule do corpo'de policia, barao de
C'ltegipo, cotiselbeiro Arauju Giies, Dr. A-
raujo G60S Jyiiior, varios mpnbrosda asso-
ciacao eommercial, 0 inuitos outros caval-
leiros nacionaes e eslrangeiros, d.rigio-se no
vapor JHoeina para bordo do vapor iagtez
Hooii'r, onde foi recebi lo pelo comman-
dante e otlicialidade com a maior cortezia e
disliiici;;ii)
Depois de visitar detidamentc n vapor,
cuja de9crfpt;ao jci demos em outro numero,
o conTn.mdan'.e convidou a 8. Ex*. 0 seus
ainigos para tomare n um copo de cham-
pagne, levautando-se por esta occasiao os
ssjguinles brindes :
Do Sr. presidente da provineia a compa-
nhia lelegraphica occidental h.asileiia rc-
presentaila po seu pessoal do nngeubeiros ;
Do engeuheiro em chela .las. H. v'rance,
agradecef'i'lo a S. 64c. e hrm 1111 lo o povo
bahiauj) 0 as aulori lades dopaiz ;
Do Si-. John Morgan, cousuL myle/., ao
Sr. presidente da provineia ;
Do Sr. commendador Mono 1 .liviquin
Alves ao coramandante do vapor Hooper ;
Do Sr. presjdente da provineia a S. M. a
roimia Victoria.
Do Sr. consul inglez a S. M. 0 Sr. D.
Pedro ft. \
A's dua: horas e tre_quartos seguio 0
Hoema para a. Barra 0 deseihbarcarido S.
Btc. -Jirigio-so & casa Qa estacao telegrapbi-
ca, no largo do Fharol,' onJo fum.u ii,..u
gurados os trabalhos, troeando-se alguns
b.'legramipas entre os agentes da companhia
o.n Pernambuco e Par.} 0 o presidente dessa
proviucii, que tambem cumprimentoii os
seus collegas do Pard e Penuimtiuc.).
Ainanha puhlicaremos todos os te|ogxam-
ii) as.
Ao rec.-ber-se 0 primeiro telegram na, a
musica de policia tocou 0 hymno nacional,
0 p uumeroso concurso de pessuas alii n:u-
nido ergueu vivas ao povo ingloz, ao bra-
sileiro, aos soberanos de ambos os paizes,
fazendo ainda riovjs briades os senhores
presidente da proviniia, Dr. I.eao Velloso e
Dr. Frederico Lisboa ; aquelle em nome do
povo bihiano d Inglaterra, 0 0 segundo a
S. Exc. o Sr. Cruz Machadi : e b terceiro
.1 fratornUacao do povo brasileiro.
Atti a hora em que escrevemos, 7 da Qui-
te, nao sao chegadas as respostas dos pre-
siJentes do Para e Pernambuco.
Sao dignos de louvor poi sua amabilida-
de e cortezia, nao so o commdiidante do
Hooper, como os engonheiros e empregados
da companhia, esmerando-sc todos em ob-
sequial- as pessoas preseules, que ficaram
caplivas de tanta all'abilidade.
Conquistamos assim um novo e brilhantc
progresso, que Deus pi;rniitira seja 0 pre-
nupcip Jo inuitos ouiros para a gloria c fe-
li. idado do nosso esperan;oso pai/.
14
Ante-hontem, as 11 horas da manhii,
S. F\j. 0 Sr. Cruz Macbado, presidente da
privinaia, os empregados.da sua secrateria,
grande numero d conwidados ilostes com
suas famtlias, e muitos ouiros ci ladaos, na-
cionac-s e estraugeiros, dirigira.avse ao arse-
nal de aariiiba e a ponte da coinpaniiia ba.-
hiana a procurarem logar nos vaporcs .Hoema
e S. Francisco, postos a disposigao de todos,
ali.n de irem cumpriraontar 0 commandante
e olCcialidade do Hooper, aos engenheiros
da benemerita companhia occidental do
cabo electrico submarino que tanto con-
carre para os progresses da civilisagilo dos
povos de todos os contiuentes,
Largaram os vapores 4s 11 0 i\2 do
ai'sebal de marinha em defitaifda do Hoo-
per.
sVpeuas ahi chegados, logo apresentou-se
adigoa otlicialidade do navio inglez a rece-
ber, osvisitantes que 0 prqcurav/im.
As maneiras e as ettengO's do comman-
dante e coaimandados do IJoopi.r sao de
um cavalheirisroo a tods a prova.
:anquoados os cpmmodos do vapor aos
visitantes iudistinclamenfe, domorou-so a
visits ate as 2 c 1|2 da tarde, nao baven lo
quern deixasse de obserrar 0 a Imirar as
propprcoes collossaes desse giganto dos ma-
res, e todos os seus compartimentos, em
alguns dos quaes, prineipalmente uo jabi-
nete do estudo do engenbeiro chafe, havia
lu> 0, asseio e ordem sorprendentes.
0 digno commandante do Hooper offere-
Tfb
Do S*. Dr. I
4e li't)er*lada c muralida
1 nio fei trensmitti
oflicialidado do Hooper, pelo Sr. Odor
Mendes de Amorim,
Do Sr. capitSo tenente Manoel F.rneste de
Souza Franca -a marinha ingloza.
Do Sr. engenheiro Peasoa de Barrosao
presidente da provineia. pela sua energia,
intelligencia e illustracSo, que tanto pro-
mettem a civilisacao 0 ao progresso da
liahia.
F.ncerron os brindes S. Fxc. 0 Sr. Cruz
Machado,saudando ao povo inglez ropre-
seiilado pela rainha Victoria;tendo pre-
cedido a este btinde um do Sr. engenheiro
do Hooper& S. M. 0 Imperador do Bra-
sil.
Acabado 0 lunch, retiraram-se. saudosos e
peuhorajos das mil gentilesas coin elles lis-
pensadas, os cayalleiros e senhoras. de
bordo do Hooper, voltando para os vapo-
res Moema e 5. Francisco.
Ao largaram passaram em continencia
pelo Hooper, atirando foguetes, loeando ao
mesmo tempo as bamhs maretaes o hymno
nacional, os convidados a darern vivas, e
as senhoras a agilarem alegremente sens
lenens.
A testa nao findou ahi : 0 Hoeiui foi
a Barra.
A estacao do telegrapho foi tambem visi-
tada.
0 vapor S. Franekco voltou ao largar
do Hooper, para a ponte da compsnhia
Hahiana.
0 Moema, porem, demorou-se um pou-
co a espera de S. Exc. 0 Sr. presi leute da
provineia que tinha ido a bordo do Pttr-a,
que vinha enlrando do norte ; e so depois
da volta de S. Kxc. aproou nqnelle vapor
para terra, cbegando ao arsenal, de mari-
nha ns 5 1|2 horas da tarde.
C.alcula so em mais de ltiOO as pessoas que
t"iiiaram parte nes-a agra:ravel diversao.
an^r-
im>s
F
UUKLO DE^EK^MkI
,i
BECIFK, 20 DE Dr/.F.MBRO DE 1873.
Wotieias Cbegou honlom ao meio dia ao nosso porlo 0
vapor inglez Aconcagua, tra/.eudo dalas ; do Hio
da Praia 7, do Kio Grande do Sul 2, de Santa Ca-
tharina 0, do S. Paulo II, de Minis Gerae* 7, d-i
Parana S, do K^innlo Santo i, do Rio de Janeiro
13, h Alein das noticias nue damns sob as rubrieas
P aos joniaes as que seguem :
mo g.-.axdk DO SUL.
0 Male Flovetta, propritdade do Sr. Manoel Mar-
(|aes dis Neves LoU), pr.n-e leute de I'oito Alegre.
com carreganwuto de lelhas para I'elolas, n.wtfra
gara na barra de S. Goncalu, por causa de um
rombo que lhe fizera no coslado a nulia de ferro
da draga qae alii se acha em servico de exeava-
^ o. Sahara se a tr.uola.ao.
Depois da exlr.iordinaria eucjaentc liavida ulli-
mameiue, coiiic.;avase a reoeiaf un'.a seoea nao
m!iws terrivel, por isso ijue ja ia escasscando a
agna 110s dos do interior. Nos lugare- baixos do
Itio Par Jo, us lancbues ja passavam com diilkul
dade, mesmo depois de desearreyarem parte. da,
carga ou toda el|a. No ri j dos Sin -is tambem
baixaram tanw as aguas .iue 0 vapor CuiAj/WI Ii
eara rjuasi encalliado em algnu- dos baixios.
0 Bute, (JA.S. Leoppldo, nai:ra em seu numero
de 26 do.passaJo pela seguinte ionna iiUeslaJJ,va
de assassinate, Je quo ia sep.lo victima 9 inspec-
tor de quaiteirao Joao l.elin, no Iferrabraz.
A' noite chcgira n a caja do Lehh, no Padre
Elerno, dous boinens, e pergn.ntar.am as eriancas,
que se achavam n-* -ta, onde estava 0 inspecjor.
Lehn, ouvindo a| ,ia, sabio de casa e no n^es-
mo inslanft recol. no peito a carga de um tirp
O .-O..J. nir...,> V*ralll!)i'|-i I 1 pi'l.l voz uue um
dps criminosos e membm da scita de Maiirer
com ell'eito, as pessoa- quo soguiram 0 rasto a-se-
gurain que elle se per'dja in palreiro a leptos ile-sa seita.
0 de>em!jargidor clie.'e Icpiicia v.dtara de
Bagfi e 'e acb.iva em Pel Has.
Noiicia uma corre-piu lea'oa de Passp Fimdo:
1 Os ban.lidos do 7." dislrict.1, coniinaaJados
por um nioco que na canipanUi dp Paraguay ga
uhou gloriosamente os galdes .le official, dispersa
ram se, anandonand > 6 rancno do Hiirrflaco 'onde
esliveram acantonados, e tomapdo ca la um diffe-
rent!'. direc;ao
Conv que 0 subdelegado leuente loaquim Jose
da Silva nap se portou mal em lap dilllci! conjnnc
liira, sendo auxiliado effi:azuiente pela iled'cagao
palriotica do ti'neute coronel Nicol.io Falkeuback,
que se mosirou incansavel.
Supp5e sc qte a dtspersao dos bandidos love
origem u0 receio de serem baliJos por uma esc.ilia
da guarla nacional que 0 tenenle coion 1 Nicola?.
poz a disposicaj da rcspectiva antoridade, oollo
capdo-a de nbservacao no ua'nipo-pprhrjrido.
Havia ohegado ao porto do Rio-Grand-;, proce
dente do' p.irlo
da Con-tituicac, no Chile.' Com a
apiJa viagem de M dias, 6 pataclio al'emao Il'i7-
'elmine, ennftio Rabe, copi um WrregiraeniJ do
lelmtne, capit^c
i'ariuha de trigo.

sentes, 1
Ladamente o jcoitaram.
uiuito; brindes foram levan-
Bdo-se entre elles os segujpc
0 commandante dests ultimo vapor, 0 nsjceu.um copo decharnpiagne as faniilias p.e
Srs. William Sharpej Seaton e Otto Toll,
engenheiro da West-rn and Brazilian te-
legraph company coi.vidaram para o seu
navio a junta, e os mais passagcir s do
Paulo A ffonso, que foram distincta me ate re-
cebidos, e quo tiveram occasiao de examinar
r o caiw, os depositos
tos do Hooper, dan-
os emprega Jos lesto todas as explicacoes
0
Etc.
o Sr. commendador Cruz
ao bello sexo.
anheiro Pessoa de Barrosaos
acoionistes da companhia do eabo telegra-
phico-submariDO.
Depois de 30 horas de grandes soffrimenlos, fal-
lecera na IdaqTe de So ann >s, oSr. Antouro Valen-
lim Qaaresjna, r|elsa,ndp vluva com Bltllnho.
Fimm e-ia a causa da sua itiorl^, no'd'zftr dp
Oi'nno do Hio Grande dfe 30 do.passaJo :
i Correm duas ver--oes. Eis u na della?:
0 preto Frucluoso, pean ou c'apataz de uma
clia:.ira, qqe al!i lem 0 Sr. Joaquim Ja'Co-'a Tor-
res, estando' no campo em service repontandp uns
h'pis, fui'aggrcdidp fior Antonio Valeatin. O'-^'reji-
ma e ouiro irmlto Antonio Qoarsma cd 0 am re-
IJ10 suvava Fructu'iso, quo se dererrdi. um
r'cbcpqnc, quanlo 0 sen irniJo, por roni !i"!:niro,
arrancanJo de uma pistola, desfecli;::-... :n9o a
bala cravar se no rostd' de Anthnro, jfib to na
riz, no lado direito.
Antonio, cahinda no chap, gritou peTo irmio,
qqe im'mcJiatimcntoo acudio. ftfgindo eh1 seguida
Fructuoso quo se veio apresentar a pri-ao
t A outra vers.lo e esta : Frnctno-o estava no
campo e armado com uma pistola, qaand.i a sen
encontro saiiiram os irmaos Quar^snu, quo >. ;'.e-
riam impelir de rep-miar um gado, e der>*R de al-]
guma altercacSo, servindo-se da pistola, disparou
um liro sobr Antonio Qir.resma, que cahio mor-
talmente ferido.
Apeando-se 0 irmao para soecorrer 0 i-erido,
Fructnoso disparon a cavallo em
dade. >
Kallecera tambem desastradamente Sr. Traja-
no Augusto da Silva.
0 Sr. Trajano tinha sahido do lugar denomina
do Canoa em companhia de tins sens amigos. Ao
aproximar do arroio d'BI-lV i. no dia Jc, a 2 bo-
ras da tarde, a cavalhada investira para atravs.
sar 0 dito arroio fora do passo, pelo que 0- oaval-
leiros viramse forcadds a acompanha-la. e e.om
difBculdade transpoaoram o no; porem, am es-
eravo do Sr. Trajano morreria afogado sc 0 Tom-
mo senhor nao se cxpazesse para salva lo. Infe-
lizmente, depoi* rieooasogfc-lo, qoerond-J apan-ar
oma dasmalasqne ia rio abaixo, afandou-se a
vista de seus companiietfos, que nenhum auxilio
lha pod. ram presiar.
Em Uage 0 men ir Alfonso Fabres ferira grave-
mente outro menor de nome Guilheeme AgO:linbo
Xavier dc Drito, lilho do Sr. Guiiherme mdid/}
Xavier do Briio.
Esiavam Guiiherme e Affonso jegando uma par-
tida do biloar no hniel de llalia, a rua Tret de,fe-
vereiro quaa4o. n.10 se sabe porqne mptivo, |ren
varam-se de razees e desafiaram-se para brigar,
dirigindose ambos para as immcdiaQOHs do logar
ehamado Largo do Bica onde comecaram a lula.
Alfonso, ileyois de apanhar algun^ s"^os, sup-
plicou an sen inuii'.eo .|ue a dcixassa, e lembraq-
du s-cnta .1 de 0,0a faca que trazia na cava lo
leln,fez coin essaarraa um ferifuent>i aotbraco de
liuiliierma, o qual, veodo-se .desajmaflo, traiou de
fugir; mas tropeQando em uma pedra, cahio e loi
alcaueado por Alfonso, recebesdo ent.
ca It no ventre, aoladoesquerdo do umbtgo, ^t|
o prostrou.
NestH acto chegon o i-x-oilfteial de justifa
do Ro/arii., qne nao so Jeiendeu o fcriv
coiidiizio-o nosbiacos para casa, fuginJo nessa
Mttui.H1 0 aggressor, qae foi logo ajarrad
db-ta-
ada pelos dos. vern.
como I^^^K pa-toral de V. Exc, datada do 29
de setembr ite anno, fazer 1 de-
seus memheos em ses4o de
hontem 1.' .' > wJm juramisatoe raosoaicus,
e, erentes e conviclos da santidado delles, Jassim
como da iiijusli'ia das decioes de' V. Exc. remm-
ciiir ao prazo de um anno, qua foes foi concedi-
do para abjnrar, sob as pewMt excowuuha ..
perns que aceitam desde ja com o rccurso para
o friveriiG imperial Catholicos e' respeitoeos 6-
Ihos de V. kxc, os membros da lojst Houra e Ha-
manidadc, incapaws de abjnrar e resolvidos 2
nao faze-10, solieitam com instaocia que V. Exc. -
Ihes concoda a gr.iea de tomar em considera^ao a
sua renuncia e protesto de viva adhesao as. rnsti -
tuicoes ma^onicas.
Uma actriz de nome Elisi, lentara suiciaar s--
em Uage, tomanJu uma porcao de venono.
Falleceram : em Porlo Alegre 0 negoeiaate Jo^-
Wollmaun, da iiuportanto casa \V. Frab; e em
Pelotas a Sra. I). Maria Joaquma Espiodola.
0 celebre propheta Maurer, apezar dotermu & bem-vivor que assignou, cntinuava a perturtar
a ordem pullica no municipio deS. Lerpoldi'
Cum referenda aos facto- ultimamenu-
corriJos no Padre Elerno, dizem commoniw.
de S. Leopoll), reeebidas pelo Hk> Granitmr.
folha que se publica em Porto \legre ;
t 0 inspector do quarteirao, Jacob fceftD, enc.r-
regadopelo subdelegado Sphider dl velar pe:
cuwpriuicalo dos tennos de bem viviic, assignad ~
por Maurer c seus adeptos, exerca wastante vi-
gilancia e por isso era sobremodo odiado pelos da-
nova e exdrtixula seita.
c N'uma noite cscura vieram diver-as pessoas
hater a porta do inspector, e este abrindoa. re-
cebeu uma carga de bala e chtunbo, d'Bparadr.
qneima roupa, que 0 prostnu banhado cm satigur
estando boje ainda em perigo de fin,, Jac
Lebn conheceu pela vozdiversos adopbis e Ma :-
rer no grnpo dos que tcntaram coaira sua exis-
tencia, e a voz publica designou desde logo Mau-
rer como mandante do cruel e cobarde-j assas-i-
nalo.
Fazendo irrupcao a indignar;ao geral, estava
a ordem seriamente pei lurbada a !?* risco de
correr sangue de parte a parte, porqite a popo-
lacao irritada por lao horrivel altentado, Iratou dfr
cercar Maurer e sens adeptos, paraimpedir a sua
(uaa. Const indo isto ao delegado de policia de
S. Loopoldo, dirigio-se e41e immediatameftle aoo:n-
paahado da fi.rca policial as snas ordens, para
higar do delicto'e lev.m para S. LeopoWo forge
Maurer e 3J dos seus adeptos que achou reu-
nidos.
Essa medida foi tomada pelo Sr. Schreanei.
nao so para ieseobrir s autores da tenlsuva a<-
morle, commeitida na pessoa do Jacob Lehsy eom *
ainda-e sobrctado para sublralii-los a exaJtacir
do resio da pupulacfto, justamente indigoada.
Sendo cendnsidos presos para S. Leupoldo
19 da nova seita. a ordem se restabeleoen.
Jorge Maurer, que quehrou 0 termo de-kem
viver aqui a tambem assiguara termo, serao procesados e %tru <
de cumprir os seus 30 dias de cadeia, e os outros
adeptos serao obrigados a assignar taasbem ternio
de bem viver. Cinco d'elle*, pwera, que eslao na
idade conveniente e srio solteiros, vieram de S
LeopeWo remeltidos como recrntai pava a mar:
nha. Sao elles.: Cliiisliano Maurer tirmaoidopro
pheta)com 20 aniws ; Frederico B*rth, .82; Ni-
eolao Seanell. 18 -Martins Selin.-W; o Heariji:-
Guiiherme Gvelzer, 2>.
. Todos elle* sin adeptos de-Maurer e qoebra-
ram 0 termo de bem viver. '
Einquajito Maurer e sua nuilber aio lorem
depoiladosnao havera medidas policies quo con-
sigm 0 leetabaleciioeiilo da ordem e do soeefo
publieo no padre Eteruo, oado a cada awoer.;'
podem darrs.i coiiilictos mais graves, .iwrqoe a
excitagao da populacao e grande. Ij6gjes>aridi
.para 0 Pen a-Braz os iiidividuos. hoje presos em >
Leipoldo, recomeoara Jacubina Muurer as suas
praticas, e gramlcs dosgragas podem acontecer.
0 delegado de policia de S. LeopoWo conb-
nua nas indagaeTies sobre a lentativia ilo que foi
vielima Jacob belin, e, segundo nos aflirnwm, ja
,faa iudieios que da vein conduzir a deseoberia, & criminosos. Os cinco recrutaa chsgaram hontem
a esta capital; os outros iraplicados ficaram em
S. Leopoldo.
Do Porto de Guiiuaraus escreveram sobre 0
mesmo assumplo :
App-.uvcpii aqm o celebre Jacob Fucks (omesmi
que ja honrou a cadeia civil com -ua ama.xel.pre-
senca acompanhado le Jorge Fucks, que tem uii
lilho e um genre que moram aqui. Encontra:i
do se elles com um genro do uliimo, do Dpme
Christiano Null, este contou-lhe qpe vendera -u
terras qne possuia aqui para comprar outras em
logar mais convenieqle. Jaqob Fuacks disse-Ihe-
que nao nzesso tal, que tratasse de recover fl di-
uheiro, porem quo njio cotnprasse lerras e.sim
fazendas, cafe e sal, por U"do 0 dinheiru, porqur
no lim de 3 mc/.es nem terras nem dinheiro terao
valor algum, porqueo mundo deya infallivelmenie
acabar-se por meio do um diluvie universal, do
qual so cscaparao aquelles que leip fe no pro-
pheta Maurer, os quaes naquelle tempo dever:..
estar refngiados no novo templo que construir.V
no Padre Eter,no.
A respeito de?se edilicio, disso Qlle, one Mtyf
oljra podia ver se claraaiente a map do OoiQipi)-
teple; porqpe so por um milagre podiam el
ubh]eps acabar tamanho edjflcio em Go p
tempo I
Entre oairos r.bsurd-s disse, que na sua Jcii-
giao a bigamia e 0 adulten'o sap permittidos.e
mesmo 0 assassin*to nao e pec:ado, logo que seja
em proveito d.. ivlieiao. E assim parece, pm
em S. Jo nome Joao Selbarl cujos parentes quasi todos
adherentes d:- Maurer; elle, porem nao so n;.
como lem zombadode todos constanteraente. "EeU
zombaria, porem, ta|vez llie custe caro porque :i
levou u 11 tiro lia pouco tempo, nao se sabe d..--
parado por quern, e lem sido esperado por diyer-
sas \ezns no m;;ito. Apezar de ser hoipei.
reeonhacida coragem, elle so in medo qne um di..
ma tem.
c Nap se po4e dizer i|uaes,,sejam cs seqs p,;--
seguidoros, porque elles sempre ten) 0 cuidado de
oeeultar se bem, mas a maior suspeita ro<
sobre 0 mencidiado Jacob.FuqM> ^4 tem-se '
nado 0 lerxfar das familias da,,'colonia, porquj? tem
endado em casas de pessoas que nunca 0 viran),
sob pretexlos fttieis e sempre aprovei'audo a an-
sencia do-- chefes de familia, nao sesai.e per era
eom que tencao
Ellp aada "seaipre arinadp comnis|ola 0 facso .
que por conyensoncia pnbtica lhe devia ser prohi-
bido.
Ha p iucu- dias fallecru 0 velho Fucks, !,;
linba'do Hortcnci 1, que foi um fervoroso crente
J'esta seita.
Dizem que antes de morrer pedira que
enterrassem na sua roca e nao no cerhlterto, 01..
lizeram. 0 que, porem, flcou baslante mvslerioso
foi a causa de sna morte. Dimtiqaa Hespetar.t
iste


-^
.'; 101
J :|' n'um tronco de arvore na sua roca, e-qne
ferimento lhe resullou a morte em.seguiJa.
A autoridade do nosso lugar, que devia

rignar esse facto, tondo sonheclmenio nada fi
corpo foi enlerrado sem a menor indaga<;ao |u-
ciai;
.O-Sr. Pedro Ely (que foi intimo amiga de kiija
a familia) indo liar os pczamea viuva, foi por
assim diz^r corrido. porta fcra
M1NAS-0KBAKS.
A assemblea provincial concedeu previlogio pw
50 annos, em uma zona de 30 kuometros de 1
la.do, a ea)pre?a. d.. estrada dn ferro do qu.
conqessipnariosos Lachareis Jose de RezenleTi
xeira Guimaries e Luiz Augusto de Oliveira, con-
forme 0 eontralo c.'cbrado corn a presidenci;
Minas. Esta esjrada ligara 0 alt.) ser tao com a
estrada dc ferro D. Pedro II, parlindo das in
liaco^s das'verfentes do Ricd-.s Morte;, vai al
Bio-Grande, no ponto em qne se -lonna nive-
gavel.
Conforme nolieia 0 Monitor Sul-ilin
lecera no inurycipio de f'assos 0 jaiz .
Dr. J-aquim Antonio do Mesquita.
Noticiam as folhas da capital haverem falfe-
cido alii o sepluagenario Jose Pereira Ribeiro, offi-
cial-maior aposenUido da thesouraria d-i fazenda,.
0 1 official da secretaria do governo, Caetano )p
Augusio lie Menu***.
Havia to 1 caplW 0 capilio R
dia li 0 septuagsnai
Deviaoi
estrada de ferro que tem de uoir -i
raaaguaao mjjoicqjlo do Mori
SANTA CATHATV
I!
v


Xonso Goef
iAb*

ILI^H I
IR


Safebatio 2=0 de Bemmro de HJ7&
da pas
ptn a serrst 4 >
etttra; p,-
0 iir.'jIltQle d .
*- Tl-
voltara no dia 20,
do Itaj .liy e j
para Tharesopoles.
raueisBaj-e eo'diaSa partira ......
* Santa l&ahtil, d'ondo regressara a
be-se na Retfeneran
Era vina Je um telegram n.i g.-uJ.-, do s.
Francisco, na quart* feint passada, oarticipaado
qae aii vespera os bugros baviam atacado na es-
trada da S;rra a rasa de urn cclono, fazendo tres
morses, maliiari-m.irido o liiba, po'a prasidenjia
Cm mindada |Kiraajuelle lugar uma for-.;* J,; tro-
*a de Una* sommandada por urn tenants, a qual
wgiuo ante hontem a larde na iliirim
A eate respeito as jornae; da capital dizera o
seguinte
Secretarit de policia da proving d.> Santa
Cathamw.CftM^-Desterro. eni 28 de novem-
bro de 1873. -1 Hid. e Ex. Sr. -Acabo de receber
urn teiegramiiw do drfegado.de policia de Joinville
em que nw eoninmiua qu? os bugres quo assal-
taram e exterriiinaram a fanilia do urn nolono, mo
" cou
a iJuvi la
I qirc por v
Sftgundo diz a Gazeta de Campinas de "It, o; f conirario
nao
ominarcial
&m dfrigidas : ao
is pesadas taxas de
presto-[ram maioria abjoluta dc votos W. Srs. (jot.-{WW e 4S29 -fooa Seada nm
* feitas|se(heiP08 Joaijuim- Saldeuha Mariaho para Uk'S** !3i;>- '*, 8071, 2
rador ao pe na serra, facto do quo ja d.-i eonheci-
mento a V. E*j., se acham nm grand- numero
na erra do Rio-Negro, e ameaqaudo atacar os mo-
radores daquellas localidados, alguns di< quaw,
aterradoe ja, abaudonaram suas ca*as. De aniiao
'"'til, cm t*gre,< ja nnni.se occaHa-n, c as. ospjas
foram vistas pelo referidn rtelegado, .nanii no in-
*ar do extorminio do colono e sua familia proce-
dia as diligeAuas por mini nrdeuadas. Em vista
do exposto, von rogar a V. Exc. que se digue com
a raaior urijtitoia por a minlia disposicaa uma
fore* de 20 prahas, commandadas por urn official,
afim de serein batidos e expellidos da vizinkanca
do> moradorfts e colonos de Joinville os bugres, os
quaes, a nao .serem uuauti. antes enerjiicainente
repellidos, de-oerto poderao fazer mwfas vic-
uma<.
InteirameictOjSelvageiu, oomo sio elles, nao ha
outro meio de prtveniro-' seusassaltfls, deterriveis
e desasiraias eonsequenrias para os p-)t)ros nabi-
(antes do interior, senao repelli-los coin forca. -
Deus guarde i V. Exc.-Illm. c Exm. Sr. Dr. pre-
sidenteda provinpia. Herminio Fran-usco do Es-
pirilo Smti.
a Tolegr;irninado delegado de poiieia da villa
do ioiaviljii ao Exm. Sr. Dr. chefe de policia da
l>rvincia.-Pr-jsadente daestacao de S. Fraocisoo.
lAceuso o resebimento do tetegrarama de V.
Bic A sitnafio e ainda a mesma. Mais de trin-
u familias daquella localiaade sao expostas aos as-
Os bugres, em grande numero, agora se auliam
nj immediau visinhanca das casas, e ainda hon-
lem a tardo alguns sahirain para a e;trada. Or-
ganisaram-se juardas, mas precisa afugentar os
hugres do mato visinho. Todos os bugres, al6 os
can;pos de cima, estao em movimento. Provoca-
?io nao taouve. pois dosde a fuodayao da colonia
D. Francisca, aqui nunca apparecia nm bugre.
Tajvez os irritou a funda^ao da nova colonia alem
da serra, receiando elles seiem despojados dos
(errenHS ate agora occupados. Villa de Joinville,
aos 28denovembro de 1*73.Carlos Jul'O Paru-
radeer
Tlegramnia. Do dclegado do policia do
termo de J >inville ao Exm. Sr. chefe de policia.
Procedente de S. Francisco. Accuso o recebi-
inento dos tres ultimos telegrammas e do offlcio
:- V. Kxc. Hontacn, as 4 liuras da tarde, aqui
chegou a for.;a;tlo liolia, e povo Tii-ou cnthnsias-
mailo com sua chegada, agradecendo ao governo
proviacial esto soccorro. A's 6 horas da tarde
-Jgui com a for?* para a Podroira, onde clla per-
noitoa, e esta maaha cedo seguio para a casa de
estacao no alt-i da serra, alii tomou quartel para
entrar nos malos amauna ou depois de aman a
;.i;n U:ii yaqueavi e inais gento coaheeedora da
serra. Polom-se osperar os nelhores resultados.
HoBtetu ja duas pariidas do colonos entrar iin
run iiiurros, uicm a direila-outra a esquerda da
i-sirada, de qne a prinieiia voltou na none para a
pedreira, rucVinlj-mo quo os bugres, como pare
-: segun lo as .p.igadas. no dia auteeedente tinham
tieixa ameaoavam i inoradoi-es daqnella paragem e que
so tiiiiiam roiiriio na direcgao austral para a
-rra do rio Jo Piraliy, ameagando assiin outros
;tremos da Colonia.A parlida dos colonos que
-eguio nesta direccSo atraz delle ainda nao vol
u.0 numerode bugres que lizeram u assalto
-> moi'i dia do i era de quarenta homen< pouco
mats .)u menos.O culooo Lenscnju foi aggredid.
is bugrea doniro daoasa, ja fe.ido mortalmente
> por uma portinhola e foi morto a quinze
, 'ia^.os da casa na valleta da estrada, monina de
^lunos fugio gritando na estrada para baixo ate
na roca de uiilho em qne trabalhava sua mai,
oolliendo feijijes. Mataram a menina na estrada
a vista da mai c depois malaram a mai na roca ;
i-.oista occasiao salvou-se urn rapaz de 12 anuos,
andi cjinsigo duas irmis, uma do 4 annos o
uutra de anno e meio, que esea.iou por entre o
mijho para o mato. A i mesmo tempo js bugres
;j.zoram assattar a casa do visinlio Honorato,
jtta eslava jantando com sua familia, mas este
pereebendo pelu barulho na estrada e na roca
froateira os bugres, quo ja linliara aproximado a
casa a-e a distrnda de vinie passos, apresentou-se
na porta com uma espingarda e deu urn tiro con-
ira dies. Immediatamonte voltiram e desappa-
reeeram. E.te unico tiro salvou as vidas de mais
;res familias vi*inbas. Da casa de Lenschou os
:sugres roubaratn as ferramentas, o trem de co-
mha, parte dos vestidos e os cobertores e col-
Jwes das caauH cujas pnas e palnas esva-iadas
no dia segumte f.iram eneontrados no morro fron
iro. Procodi tKKhasubsec|ueiue lo assalto a visto-
ria da &isa e dos arredoros e a aut-ipsia dos cada-
ia e a inqEirifSj de quatro testemoahas de
i da maUnca da menina e da mother. Man-
larei relatorln minucio-o plo proximo correio.
i de Joinville. aos 30 dus-do mez de novom
i>ro de 1873. Cwlos Julio Parucher. -0 estaoio-
njrio, M. J. M. Briggs.
s. PAUI.O.
O Rvd. bispn diocesano pnblicara, em Lore-
.. coin data de 24 do passado, uma pastoral ma >-
-. ando cinnprir o breve pontilicio de"29 de maio
nlra a maconar a.
A impreina da proviocia considera a a longa
mora do prolado era publicar essa pastoral com.)
-.gnal da hesitaeaa de seu espirito eai dar execu
i a ordom da curia romana.
iVo egara o mesmo prelado a Guaratingueta no
a 28.
- Organisara-se na capital a sociedade Propa-
tdora da s!nstruc>.-ao pnhlica, destinada como o
,eu titulo o indica, a diffundir a instruccao pelo
i\'0.
Os consellieiros Silva Carrao e Martim Fran-
-co, Drs. Americo de Camp is, Leuncio de Cir-
iihe, C.rre"a de .^a e Benevidc, Antonio Carlos,
Kodrigo Silva, desejando concorrcr para o desen
vclvimeot) das e-cilas noturnas que a Propaga-
Jorasepropoe a abrir, tinham resnivido fazer uma
uria de confereucias popularos sobre vnos as-
inptos.
A loja maconica-America-offerecora a
ima sociedade uma livraria qne possuia, e quo
constava de 3,000 volumes.
No dia 3 del'cndfira these peraute a congre-
to da academia, e fora approvado, o bacharel
:'ta direito Joao do Souza Roi-
Fallei-era na Limeira o cidadao Jose de Cam-'
i a Penteal.., alii geralmen'.e e-timado.
i) Limein**, era data de 30 do passado,
r-fereo seguinte :
< So dia 18 do corrente, pelas 7 horas da nolle,
.jr. J.iao Jo^e le Barnis, negeoiante desta cida-
de, prineipiava a depositae kerosene em um lam-
peao, ao pe do ([iial acftaya-so u:n seu innocente
.nao do norae lnii, la 3 annog deidade, e
nites que tivesse Ci)ncluido com esse trabalhp,, foi
-irprendiJo pela explosao que esse kerosene jyo
lo, o istn devido ao conlacto da chamma de
iiqia vela de seho qae se actiava proxima a mesa
lade estava cnJIucado o lampeao, e taes fpram os
litwitos da explosao, que a innocente criancinha,
noterceiro dia dipois deste triste aconiecimento,
falleceu na mais cruel affli'ecao.
Tmham sida cjpturado* na freguezia de San
U Cruz do Rio Pan lo, terrao do Lencoet, os crimi-
aosos Fortunato Jos^ QoacaWes e Pedro Fortu-
aaio, pronupeiados couw catnyiiees na atotie pm-
tcada na terrao da Faxina cm uma familia de in-
.am segnir para o district:) da culpa.
Referindo-sa a inqualificavel,
id'is ultfraanrnto p ir divers.n s
i>aa ''tuo, de Mogyi
iiin
. Na vii
slebroii no din 18 do coi
iji'j^ga! u) Fr-- Tneodull
au
-.aiaai, "
-v>bm:
portasse para Santos.
Ain la hontem, aayescetrta- elUt, forao os ar-
mazeas fochados, por nao pod'erem receber mais
carga t
Concebe-se facilinente o enorcpe transtorno
'me com isso soffrem a lavoura e o coramereio.
Coasta-nos quo da linha ingleza e que nao v^m os
carros para o trafego necessario.
a On, senda assren, os nossos pedidos se de-
vem dirigir ao Sr. p.-esidente da provincia, alini
de que 66 as providencias inlispensaveis para a
regularisar.io do servico, detercninando suas or-
dens ao empregado do governo junto aqoella em-
preta.
Gomecara-se a pnblicar na cidade de Sitvei
ras uma folha agricola, litteraria o commercial,
denoraiaada A Aurora, de que e redactor o Sr.
Vicente Felix de Castro.
W-se no Municipio, de Itapetininga :
Choveu Ita poucos dias, mas nao foi sufli
ciento senao para apagar o fogo que devastavu os
matt-i* e para humedecer a superlicie da terra.
Tom haviJo preces todas as noiles. desde o
dia da chegada do Sonhor Rom Jesus do Alamba-
ry, ate hoje, e a secca-conlinua / A pouca chuva,
porem, uue lein cahido foi bastante para animar
as lavradores e desentorpecor o commercio.
Na cadeia do Rio Ciaro, segundo assevera a
Eilrelh de Qfile, de 6 do corrente, acha- preso cliamado loao Raptista dos Santa*, qtie res-
pondeu ao jury em maw de i860. Sendo appel-
lada a senlenea, remotieram -so os auios para a
relacao, oode se acham ate agora.
Nio dia 20 do passado, diz uma caeta vinda
do Srtveiras, o teneotecoronel Pedro Ferreira Pin-
to de Abt'u. fazendeiru daquelle termo, ten do ida
examinar o seu novo eagenho de soar cate e
quenmdo tirar algous graos de cafe i|ue se tinha n
adlteiido a am do lades dos piloes, a mao do en-
gonho caliio c decepou-lae ired dedos da mao di-
reita.
Refere o Mosquito de Areas :
No principle da opideiuia da variola nesta ci-
dade a camara muuicipjl nomeou utna cominis-
sao entre seus zpeuibros para promover codas as
medidas neces.-ari.is, aCcn de soccorrer os infeli-
zes accommettidos por esta epidemia.
Com a intanMdado do mal, qne se foi deson
volvendo pouco a pouco, foram-se retirando al-
guns dos habitantes desta cidade, entre oi quaes
tres dos membros da commissao, tendo um ido a
forte, a negocios, de onde, de certo, nio voltara
emquanto elles se nSo realisarem.
Nesteestado,eurgindotomar-seas maisstriccas
providencias, doliberou o Sr.Dr. Joaquim Francisco
Ribeiro Continho, delegado de policia deste termo,
unica autoridade effectiva que existe entre nos,
nomeara outra commissao, de accordo com o Sr.
vereador tcnente Jnlio Cesar da Costa Sarapaio,
membro da primeira.
Snicidira so no dia 6, em Campinas, enfor-
cando se com um simp'.es barbante, o vetho fran-
cez Antonio Bentot, qne pouco antes se estabelecera
alii com armarinho c casa de concertar chapeos
de sol.
Na madrugada do mesmo dia ardora naquella
cidade o sobrado que o Sr. Jose Joaquim Duarte
de Rezende, estava constraendo, contiguo a casa
de sua residencia, na rua do general Ozorio, es-
quina da do Comn>ercio.
Descrevendo o incendio, assira se exprime a
Gazela de 7 :
As caammas assenhorcaram-so com uma ra-
pidez espact isa do edifleio, e deutro em pouco
apenas estavam separadas e ameacando os predios
contigaos, sendo que em um delles, ainda do
mesmo senhor, um perigo imminente um grande
deposito de aguardonte o vinhos, de mnitas pipas,
inquietava todos, pela facilidade da explosao,
inevitavel, por certo, se nao fossem a excepcional
calma da attnospnera, e as paredes serein de
tijolos.
0 fogo comecara n'um armazera debaixo por
um lampeao de kerosene, que tendo sido deixado
aceso pelo caixeiro, ao voltar do espectaculo, arre-
bentara-se, passando a communicar o liquido in-
flammado ao balcao. E o Sr. Duarte de Rezende
achava-se no andar superior com sua familia,
entre a qual sua senbora, enferma de parto, de
poueos dias !
a 0. caixeiro teria porecido, se o Sr. Rezende,
nao desse pelo caso sentindo o color e o fumo, de
sorte que veto arrombar a porta no pavimento
terreo.
0 incendio havia tornado proporeSes assusta-
contraban'lo, flojos ouitados depositos tern
ugmentado pa& frgnteira Oriental, quo
supprein dc f.izenJ.is c vinos outros artigos
toda a nossa campanba.a prec/M tdo modi-
cos que afasta os<;intipradores de procura-
rrfii os raediens do Rio-Grande, Pelotas c
Porto-Alegre, e de satisl'azerem seus com-
pmmissos mercados de t.vultados copitaes do
que se achair. em debito.
So ainda neste mercado se ve algum
movimento nas transac^des mercantins, e
devido a' prpcura que consorvam os geueros
de estiva, porque aos coturabandistas nao
Itios e facil, por ernquanto, o seu pesado
transporte, iaa$ qo qua. diz respeito a fa-
zendas e negocio cert^>kraente perdiJ t
k NSo sao m^ras declamacfles o que ex-
pendemos, vantos variacar cora argarismo,
a diiniciuicto sensivel ijue'tem ti&amm seus
rendimentos de impottajao a importante
alftiadega desta cidade noparido de 4 aanps
e o que tem a espwar, no corrente, ja-mes-
mo incluindo a exporta^ao que com a per-
oiuta de inercadorias coutrabaudidas muitos
de nossos productos bovianos, sobretudo
couros seccos, seguem lioje para oEstado
Onantal.
A.N.N'e l-'INANCKIil i IMPJUT.VgVJ
1*69-1870 3,236:u79*8ao
1W0 -1871 3,160:9{*65
1871--1874 2*19:6*7* m
Mt1873 i&ft.ms'ttl
Kos quatro qaezfio d>-eorridos do oar
reate anno linanoeiro tem produzido a irn-
portacap S-^.SaipiSSi -e a exp'ortajio
167:9379711, podeudo-se calcular para o
anno toda a temja do -2,4 46:6029392 da
imporcfjao e 502:7639i33 da exportagao,
eoncedido quo. nao decresca mais nds oito
mezes restantes ; ainda assira ve-se que se
darn utua diiTeren^a ptH"* ineuos na ienpor
tagao dD cinconta e tantos corrtos, e na
exporiacao de trezeotoi e taulos coa-
tos.
Estd demonstrtdo com a presenteexpo-
sicio a nossa complela docadencia, equando
se eonte com a estra la dc ferro para me-
Ihorar c^ste estado de cousas, tarde-nos virift
os beneiicios que se almejam coin trio im-
portante melhoracnenlo.
Rio de Janeiro, 12 de dezembro.
Nao houve hoje cotacoes ofliciaes.
Mostrou-se o meroado do cambio pou-
co activo, mas firtne. EUectuaH-se- pe-
quecias transaccoes fobrs Londres a 26 d.
papel bancario, 26 148, 26 3(16 c 26
1[V d. particular.
Nogociou-se um lote insigniiicante do
soberanos a 99330 adinheiro.
No mercado de acrjoes avultou 0 mo-
BXPORTAflAO
867:09056
563:0381890
Mi: 406*318
8S7:7gS99
rao-mestre eteonselbeiro Antortio F.aix Mar-
tins para grao-raestreadjuncto .
0 tribunal da RelacSo absolveu, em
secvio de hontem, (13) 0 baobarel Felippe
Daltro e Castro, juiz de direito interino da
comarca das' Lavras Dtamantinas, e que ti-
nha sido pelo mesmo tribunal prouuncLdo,
por crime de responsabtlida le .
Ante-hontera (15) foi apresentado ao
thesoureiro do Banco Mercanlil nm chequo
de quatro contos de reis, que se dizia as-
signado pelo negociauto Sr. Demetrio Jose
da Costa e Abreu.
0 thesoureiro, desconliando da assig-
natura do mesmo cheque, foi ter a tlirecgao
equando voltou .ja nao enoontreu .1 porta-
dor delle. o quai nao fora infebzmente re-
conhecido.
Adirecao, em vista doocconidu, mau-
dou chainar ao Sr. Demetrio e entau acabou;
de copvencer-se de quo era falsa a lirma do
dito negociante, a quern entregou o cheque
referido, que se acha na delegacia do ldis-
tricto, para server de base is averiguar;6es
a que a poiieia estd ppocedando..
Foram libertados, por occaeiio de pre-
ceder-se ao invenlario do barao de Vianna,
os escravos do respectivo casalSofano,
Gratu,. Matbeus, Jacob, Acacio e Pompeu.
Esse acto de philantrophia 4 devido ao Sr.
Dr. Joao Vicente Vianna, cidadao distincto
pelas cacas qualidades que possue, e digno
herdeiro das virtudes de seu sernpre lembra-
do pae.
Jd no dia do fallecimento d > barao de
Manna, 0 Sr. Dr. J080 Vianpa, de accordo
com seu irm.io, 0 Sr. Dr. Francisco Vicente
fiauua, bajvia libertado 0 escravo Fernando,
em altencao aos relevantes'servicos quo elle
prestara a seu sonhor, nos ultimos dias de
sua fatal enfermidaOe.
Ofir- Op. Jo^oViapni, alomdisso, to-
mou em seu quinhao a quarta parte do va-
Ipr de um outr.o.escravo, quo promove a sua
ljiirrJade, f.-ujultaudo-lbe, dq mais. a.acqui-
siyao de. meips. para quo, satisfazendo aos
outros berdeiras astpaates quu lbe sao rela-
-tivas, podesso ofater a sua em ucipagao
sendo a*ompiura.ado n'ossa louva.vel resolu-
oao pelo seu jd referido irmao Sr. Dr. Pi an-
oisco V. Vianna, quauto a parte que no die-
to escravo Hie tocou.
Regisirando esses aclos, que se recom-
mendam por si mesraos. uao podemos dei-
xar com tudo de manifestar 0 praser que
elles nos causam, e de applaudir 0 exemplo,
que merece com certeza ser imitado .
0 cambio regulava sobre Londres 26
:ti4 d.
107 2'J*8 ^394
*?ii9' ll\L' I717- 8^; 290$; 3J44,' 3868, 4226;
;V'* S^^S^si983 e 5988-100* a oada
.Jt- ?!?i 37?U383^. 407i 565, 676,
S' \33 [VI F9' ,68- *. *w
i89i, 1996, foi?; 2 9, &%, 86 2590 277(^
29>'9, 300i, :W09, 3034, 3233, 3335, 33*1, 3417,
3506, 3603, .1624, 3628, 3635, 3733, 376i, 3771,
3857, 4312, 4317, 4120, 4434, loll, 4839, 5064,
ol69, 5311, 5336, 5127, oi8o, 5378, 5599, 5661,
5703, 5727, 5788 e 580640* a cada um.
fGrimento srave. -Em terra* do engo-
nno Larangeiras, do 2 districto do termo de Naza-
r.'th, pelas_6 horas da manha do 22 de novembro
ultimo, Joao Francisco Maciel, conhecido por Joao
Vicente, ferie gravemente a Antonio Jos6 de Mount
Barba, conseguindo evadir-se. 0 inmierito moti-
vado pelo facto teve 0 conveuienle destino.
Iaiueritu Pela subdelegacja do 1 dtsiriclo
do termo de Nazareth foi remettido ao re$pi>ctivo
jurz Crimiaal 0 quo efleetuara contra dous indivi-
duos desconhocidos que, em dias de novembro ul-
timo, feriram gravemente a Luciano Jose de Lima,
e* terras do engenoo Junco, daqaetlo distrxto,
evadindo se depois de commettido o delicto.
Prisao.-Em 29 do mez ultimo a delegacia
do Bom Oonselho, alii prendeu om flagrante, por
crime defurlo de cwallos, a Lourenco Cosme Al-
tes.
E.-ta gente dove ser bem conbecida.
Attriitrtdn.No Jngar deoominado Estiva,
do termo de Santo Antao, am escravo de nome
Toeotonio. esfaquecw 0 sea parceiro Pedro, dei-
tagd.
lado
xaa^oo asportas da morle. Oioquerito, ocasio-
Carruagens
doras, como dissemos, e sem duvida tivera ardido
uma grande parte da cidado por aquelle lado, at
teuta a accuamlacao de combustivel que por alii
existe em tantos e tao notaveis estabeleeiinentos,
se cwuvesse vento : pois mesmo sem elle, ja a ba-
bitanao do Sr. Francisco Pompso de Amaral, ia
senao concammada, de sorte que foi preciso cui-
lar della e de outras ao mesmo tempo. Felizmen-
te acudio muita gente e individuos que prestaram
um verdadeiro e heroico servico. Muitos foram
os que se distinguiram e a quern se deve nao so
a circumscripcao do fogo, como ainda e princl-
palment 0 nao ter bavido victimas. Podenam
ter-33 dado muitos successos fataos e lameutaveis,
se esse facto e conjuncto Je circumstancias van-
tajosas nao tivesse vindo a favorecer 0 trabalho.
Entre as pessoas que mais se prestaram os-
tentando admiravel coragem, arrojo e dedicacao,
moniMonaremos os Srs. Jose M. Villaronga, qne su-
tiialo ao telhado, fez cortar a cumieira, tendo
trazido cscadas, etc., de sorte que dividio 0 ma
deiramealo das casas, evilando 0 cotuagio ; Joao
Autonio 0 Joao Miguel Bierrembach, trazendo
boiubas de seu estabelecimento e lidando com
ellas; Francisco Krug, trazendo uma bomba
igualmente e tarabein lidando com ellas; o fran-
cez L- Coutan, capitio Beato de Almeida Bicudo,
A. B. de erqu ira Leite, 0 francez E Idor 1 Hass.
Dr. Jorge de Miranda, varies Irabalhauorus Ja.
raatriz nova e de outras obras, Jose Henri lies do
Poutes, M. IN'eger, Joaquim F. de Camaruo An-
drade e 3eus escravo*, Joao M, do Oliveua Fer-
nandes, que prestou os seus escravos, e 0 car-
pi nteiro Joaquim.
Qtrou pro iigios de valor 0 preti Jose, do Sr.
Villaronga, correndo pela platibanda e della te
debrufaod > a atirar agua.
Aoacnanhecer foi de todo dominado c pavo-
rose iacendio, coatinuando, todavia, alo finar-se
de todo bra7ido a uma liora da tarde. 0 Sr.
d-"legado de policia esteve presenta. A casa flcou
reduzida a cinzas, permanecendo so as paredes de
tijolos. Gonsta-nos que estava segura na Uniao
Paultsta, com inscripijao que durava s6 por mais
oito dias. 0 prejuizo, ontretanto, foi grande, pois
a loja di esqnina teve de ser dospejada das fa-
zmdas, qne estragaram-se muito, alem de terem
sido saqueadas pel03 malfeitores, que abundam em
taes oeeasioes. Era seu proprietario 0 Sr. Jose
Daarte Pinto de Carvalho.
RIO DE JANEIHO
Falleceu, no dia 11 do corrente, no
Andaraby, 0 marquez do Bomlira.
Era 0 finado o decano dos negociantes
desta praca, e 0 unico membro da primiti-
va junta administrativa da caixa da amor-
tisa^o : era veador de S. M. a Imperatriz,
dignitario da ordem da Rosa, official da
vimento das do Banco Industrial e Marcan-
til a 6^300 cada 11ms a diubeiro ao par,
ex-dividendo para o dia to de Janeiro, e a
615? para 0 tim do rues no mez. Negociou-
se igualmente tun lote regular de accoes da
companhia de Seguros Previdente a t3^ a
dinheiro e da Companhia de
Fluminense a 178^000.
As vendas de cafe foram pequenas e as
de assucar insignificantespara consumo.
Nao houve sahidas de carne secca em
consequencta do mdo tempo, assim como
nao nos const u fretajrinnto algum.
Sahiram para^ffcrnambuco: a 8 bri-
guc portuguez Florinda ; a 11, barca in-
gleza Eiisu ; e a 12, barcas inglezas Kil-
vey q Ardour.
ESPIRITO-SANTO
0 corpo commercial ceiebrara uma reu-
niao em quo so resolvera representar ao
governo geral contra 0 acto da presidencia
da provincia, pelo qual foi sanccionado 0
projecto do orgamHiit'i provincial, qua na
opiiii.au dos negociantes rnunidos. contem
varias disposigoes inconstitucionaes e sobre
carrega a lavoura e commercio da provin-
cia com impostcoes onerosissimas e voxa-
torias.
bah 1A
Achava-se no exi-rcicio iuteiiuo de
chefe de policia 0 Dr. Ignacio Accioli de
Almeida,
Na capital conhecia-se 0 resultado fi-
nal da .jl.)n;ao lo deputa'tos provinciaes nos
seguinies districtos :
3." districto.
Dr. Arthur Cezar Rios 411
Dr. Joaquim Simoes Dnltro e Silva 409
Dr. Ha.uiro Affonso .Moiueiro 399
Dr. Agostintio de Carvalho Dias Lima 386
Dr. Felisberto Antonio da Silva Hurta 36
Comm. Bernardo do Canto Brum 300
Dr. Amphi'ophio B. Freire de Carvalho 297
Dr. Ant >nio Joaquim C. de Araujo 282
Dr. Gustavo Auiceto do Souza 232
4." districto
Dr. Luiz Accioli P. Erauco 788
Capitao Joaquim da Costa Pinto 758
Dr. Tito Antonio da Cunha 756
Dr. D >mingos G. Ferreira Velloso 749
Dr. Cypriano de A. Sebrao 687
Capitao tenente Ernesto Franca 673
Dr. Luiz Miami 666
Dr. Jose Oly.npio de Azevedo 590
Dr. J. F. de Araujo Pinna. 588
5 districto.
Dr. Bartholomew T. Palha 60 7
Dr. Oiympio M dos S. Vital 59ff
Vigario J. Paranhos da Silva 56-4
Coronel Clemente Tanajura 560
Benedicto M. Rio Grande 557
Dr. J. M. Rodngues Li ma 544
Dr, Ciementino Canabrava 508
Dr. Marcolino .Moum 506
Dr. A. C. Espinola Zama 487
Foram nomeados promotores publi-
REV^TA DIARIA.
TriMios uiltunos de OUnda.-Atten
dendo as lasias reclamacoes dos passageiros de
Oiinda e Beberibe, a gerencia desta empreza resol-
veu auguien' .r provisoriamente. de hoie em dian-
te, mais um trem diario as 9 1/2 horas da noite
para Beberibe, bem eomo outro para Oiinda, aos
dias de sabbado e de domingo as 10 1/2 boras da
noite.
!\"ono bataIln\o de linha. No dia 22
do corrente contrata u conselbo economico deste
batalhao 0 fornecimento dos generos necessarios
ao r.uicno dai rospt-ciivas pracas, nos mezes do Ja-
neiro a jQliho de 1871.
Vapntvs esperados-A 22 do corrente,
francez VUle de Santos e ioglez Cotopaxi ou Luzi-
tuniti. d. jBtiropa; brasileiru Cruzeiro do Sal, do
Rio de Jaftciio e escalas.
ViH'i'<^ a s;lir A 27 do corrente, 0
Cururipe para Mamanguape ; a 31, 0 Mwiialtu
para Ponedo e escalas,. e 0 Ipoiuca para 0 Acaracii
e esc.ilas.
Passamento. -Ante-hontem a tarde deu a
alma ao Creador, victima de padeciraentos chro
nicns, 0 Sr. Autonio Joie Pires, com 78 annos de
Idade.
0 unado foi outr'ora negociante de nossa prafa,
e era drndecorado coin 0 habito de Christo.
A seu digno til-no, o Sr. bacharel Luiz Antonio
Pirns, nossos sinceros pezames.
Vapor Hixtiter Sahio da Bahia para 0
sul do Imperio, iuimergindo 0 cabo submarino,
no dia 16 do corn-nte.
Vital de Ollveira Achava-se no p rto
da Bahia, em viagem pira o de Pernambuoo, esta
eorveta brasileira, do commando do Sr. capitao de Assii no hi ate nacional Leonilia da Cruz .
fragata Piquet. i j0<4 Lopes de Rips, Felippe .Madeira da Rocha
nado por esta occurreacia criminos'a, foi logo re-
meuido a autoridade competente.
Missivu itKiielosa. aecommeodam *
aos witofes a do nossa corpespopdeote de Buenos-
Ayres, interessaale por mais de um titulo.
Gazeta luridtea 0 numero 49 deste
jornal, chegado hontem, contem :
Gazeta juridica : Difflculdades iiopristas, oc-
corridas na sala secreta eotre 0* jurados e das
quaes resultam os mais absurdos julgamebtos.
Jurisdicg&o civil : I.' Ppsje deve provar-se
nos embargo* de terceiro; 2." Publica forma quan-
doyaje;*.* Autos de inveatario sao remeltidos
do juizo raupicipal ao de orpliaos, logo que se eo-
nhace a existencia de herdeiros orphaos, sem fiea-
item nullos os actos praticadqs ; i. Nulliuade nao
ba nos embargos de terceiro ; ( a) peta falta de
replica etreplcaj (b) pela falta de citacao do em
bargado para a prova no triduo ; 5. Nulla nio
e a sentenca'dada em 2i horas, nem a aai*llacao
recebida por juiz municipal. 1.* Perja coaven-
cional adjacta a contrato de Jocarao por tem^o de-
terminado, nao deve exceder ao aluguel de um
anno ; 2." Pode ser pedida com perdas e damnos.
-Accordaos nao fundamentades. Appellajio nao
oatoe do despacbo qne ordena 0 processo. -1. juiz
oompetonte do invenlario e 0 do domicilio do de-
funto ; 2\ Inventirio de qualquer dos conjuges
corre pelo mesmo juizo por ond* se procedeu ao
do conjoge predefunto.Jurisdiccdo Commercial :
1.* Segurador que tem de reedificar ou indemni-
sar predio incendiado, deve manifesta la logo de-
pois do smistro; 2.' Demora do segurador em'
manifestar sua opcao, nao devolve esta ao segu-
rado que deve citar aquelle para tal fun ; 3.*
Prova, era accao de seguro, fiea a descripcao
do juiz aao bavendo a lei prescripto nenlio-
ma especial ; !. Venda do terreno em que
0 segurado tem de reedificar predio incndiado,
exonera-o desta obrigacao pela novacao que
se da. 1." Carta de in(|uiricao para fora da terra
so e suspensiva quando as paries nisto convein,
ou quando 0 juiz julga indispeusavel essa diligen-
cia para decisao da causa. 2.' Dopoimento : a par-
te nao e obrigada ? presta-lo quando versa sobre
ma teria de direito ou de facto impertinente a cau-
sa. [.' Appellacao interposla do soulenca sobre
jireferencia tem um so effeito. 2." Concurso de
preferoncia nao se abr segundo sobre 0 produc-
lo dos mesmos bens, que foi objecto do primeiro.
Jurisdiccdo criminal: Protesto por novo julgamen-
to nio tem lugar quando o crime e dos' previstos
pela lei de 10 de juuho do 1835. Appellacao so
duixa de caber da seotenca c-m le.-naat jria nos cri
mes previstos pela lei de 10 de juuho ds 183a.
Nullo 6 o processo polos crimes do art. 12 7
do codigo do processo, por nao ser feito nas an-
diencias ordinarias. t. Nullo nao eojuUamenlo
por nao constar que fosse jurauientada uma teste-
munha. 2 Defeza propria serve coma attonuAnte
quando Ihe faltam os requisilos precisos para Jos-
tificativa. Autoridade que conhece de habeas-cor-
pus pode exigir, alum dos esclarecimemos do art.
335 do codigo do processo, as prova pelas quaes a
autoridade inferior decretou a prisao.
I.oteria. -A quo se acha a venda 6 a 80" a
benelicio da igreja da Santa Cruz, a qual corre
no dia 23.
Casa de detencao.Movimento do dia
18 de dezembro de 1873:
Existiam presos, 311, entraram 3, sahiarm 3
existem 311.
A saber :
Nacionaes 237, mulheres 10, estrangeiros 22,
ewravos 36, escravas 6.Total 311.
Alimentados a custa dos cofres Dublicos 248.
Movimento da enfermana do dia 18 de dezem-
bro de 1873.
Tiveram alia :
Joa.i Luia Neppmucceno.
Jose Marques da Silva.
I'ussajjeiros. Sahirain para Mossoro e
Ha-
= e
0 de
imperial do Cruzeiro, commendador da or- cos das commarcas : de Canavieiras, bacba-
cavalleiro da LegiSo de
dem de Cliristo e
Honra de Franca.
Eis a* noticias commerciaes das ulti-
mas datas.
Ria-G'rande do Sul 2 de dezembro.0
mercado de cambio fechou hontem a 26 d.
papel bancario' 26 Ij8 d. particular sobre
Londres; 362 a 367 rs. por franco sobre
Franca e 2 tea e 3 0[0 sobre as pracas do
impwio. 0 total dre operacoes reali*adas
foi-de 5 \0 0 ; frs. 75,000 e de rs.... .
120:00'#>00.
Coiajaos hoje as on<;as a 309590 e os
soberatKjs a 9400 a dinheiro.
ftelatiramenle ao estad) de nossa pra-
ca 0 Comnwxial, am seu boletim, diz 0
segqiete:
* If Jjern deploravela actual situa^ao da
praca do Rio Grande e as desastrosas fl-
iencias que ukicnaraentc occorreram, ain la
;^ra?ar mais o seu estado praca-
rio. oii uiri ian >-a para uina terrivol e
be.n s(^ivul criso.
' {ill se vai fazendo sentirl
ra iai>lmat a deeadencia do nosso com-
i.nportacao, e, previsto este es-
rel Aiitonio Soares de Queiroz Azevedo,
de Itapicarn, bacbarel Franciaco Carvalho
dos Passos.; e de Nazareth, bacharel Luiz
Accioli Pereira Franco.
Lemos no Gorroio da Bahia :
Falleceu, no dia 13 do corrente, e foi
ante-hontem sepultado no cemiterio da Quin-
ta dos lazaros, Manuel Antonio de Maga-
lhfis, q ue dias antes havia ingerido voluu-
tariamsnte uma grande dose de veaeno.
S3ccorrtdo em tempo, 0 infeltz nfio'
sueeurabio aos effeitos immadiatos do toxi-
00; mas sendo luge depois assaltado por
uma febre typhiwt, pagou bem depress*
com a vida 0 acto de- Ibucara.' que harta"
praticado
Con lav a apenas 21 anaoe de
Erafilbo do Sr. Joao Jose de Mag
importante negoeiatita desta praca, a quo!
die caixeiro.
na pakao anaeresa fo!i a naosa ideT_
desgraija ,
! Ainaj-bontorn, fit) reuniram-Ml^H
jas in^;eni6w do -Gmada^waDXj jffMn^ara
procadarwo 4 elfli^o do grati-towtre *!'*-
dem e do gr4f,-roestre. adjuncto, e
DiulitMi-o. 0 vapor Aconcagua trouxe para:
Rabe >i-hmmetiau & C. 120: 0--i$0 '0
Oliveira Filhos Para a Kurapa. Com 3 recebidos em
nossu p ii'in laviiii n AconCagua 36 pasageiros.
'I'ele^rapliit submai'lii* ea^teiru.
Seguwiu lolegramuia da Baliia o Ho-per havia
immerpido a Us ao meio dia de 17 do corrente, 190
millias de cabo
AiriMicasua. K-i- vapor levou para a Eu-
ropa 48,122 volumes cmn carga.
Vapor l.upei'itdor Este vapor brasilei
ro voltou hoiitem do Goyanna, trazendo a ceboquo
a b rca na 1'hi ilis I,-1 > ii.i rio.
Rua d"Aurora. Passageiros da via ferrea
do Oiinda, que custuraam partir da estacao da rua
d'Aurora a- 9 ^ Imras da noice, pedem-uos para
lembrar ao unc^rregado do varrer a parte 0s rua front-ira ai|uellu eslacao, a conveniencia de
mandar faz-r 0 servico em hora mais adiamada,
pois que Beam alh asphixiados, durante 0 tempo
em quo enwram a oartida do trem.
Club lttterariu. Hu;e havera sessao no
lugar do aistiune, d;is i as 7 horas da larde.
Cxauies. Em 6 do corrente, houve exames
na esjola do Taoaratu, reindaoelo professor lono
cencio Mendes Li.pes de Mendonca, e foram ap-
provados : don Ji-iinccao, o< alumnos Jose Go-
mes de Sa Araujo, G.ibriel Ignacio de Souza, Ma-
twel Joaquiui Cavalcante 0 Jo-Uno Marques de
Sa ; plenamente, alutnm.s Josd Baddr de Arau
jo, Joaquim de Syll s Barroso, Pirmiao Slarques
ue Sa 0 Trajann Tarainin "into RanJeira.
Na da Ena-uzithaia do Rosarinko, regida pelo
professor Maehado, em 5 ito corrente, os segaintes
alumnos : Podio Luiz de Burros, qua foi approve*
do com-distmecao ; e Jn4 Tlberio Capiscrano, Se-
gismundo Pipto de Qieiroz e Krnesto Bandeira de
Mello, que 0 foram plenamente.
Eneerramento. -Km 13 do corrente, ef-
fecraou-se o dos trabalhos loctivos da aula noc-
turna da En-ruzilhada de Belem, creada ptla so-
ciedade Propagadora da Imtrucgao Publioa, e re-
giiia pelo profess ir p.iblico Manoel Antonio de Al-
buquerque laehadi.
L.tteria do Rio de Janeiro. Besu
mo da j^ loteria para conclusao das obras da ma-
trix do Sacramento da corte, extrahida em 9 do
corrente :
N. 4636...................... 2);O0T
N. 2014...................... 10:00
N. 4083.................. .... 4:000j
N. 1427..................... 2:000*080
Ns. 2329 e 3125 1:00 a cada am.
Ns. 30, 3228. 36i8 e 5227 -80Q a cada am.
Ns. 126, HW, 211, 2H 6, 2362, 3372, 3961, 4281,
5804 e 5827 200* a cada 1101.
Of. 434. 3, 106,-1036. i443, 1272, tW7, 1932,
2237, 2466, 2643, 2726. 3111, 3178, 3430, 40*2,
4436, 4tt&, 4Sa6 eoVS3WQJ a oada um.
Ns. 29, 531 '0'*, ;i9, *3, 430, 494, 571, *%.
13*01 1308, Mitt, 4714 *7*1, 1862. 2010, *>$,
089, 2168, 2263, 2410, 2439. a<$2, *718, MM,
1799, 2908, 1074, 311-4, 3ti9, 338, 3398, 3i8i,
35J0, 37W, 327, 3844, 3 W. 3fi6, 3941, 3943,
i7, 4179, ^4, iSi, 4 87. 4387. 494*, -490*,
4, 5155, 5t7',i4 B317, 5374 Sill, 5518, 3618,
-unto da* ^^Br^ as ohras da ma-
il-.rla, ed^^^B do earrci
twi..... .......
..................
. .....................
(J't..................... 2:00fJ
'Ss.^JI e 3)1H-l-.n00s a cada um.
Ns. 1152, 4141.5466 e 5808 800* a cada <
Ns 47, 8il, OS, R06, 19o9, 20U, .031, 23
Reaorra, Joiio Raptista Rosa
Rocha Rezcrra.
e Manocl Felippe da
'Ml ilWlilill III,
PARTE POLITIGA
! RTIlMa < JV>i:it V \lOlt
RECIFE, 20 DE DEZKMBRO DE 1873.
Nao convein deixar sem contestacao 0 artigo
de redaccao da Provincia a. 173. E' preciso n*o
consentir que a mentira repetida adqaira os foros
de verdade.
A genie da Provincii, procurando rehabilitar-
se no conceito publics, ante 0 qual esta coodem-
nada pelos erros, abusos e desacertos commetti
dos uos seis annos do sen ominoso domioio ;
entende que deve adultgrar tudo, mystiflcar e en
redar os factos. Quer fazer fortuna com 0 aleive,
e armalams a sympalhias por meio de apre-
ciai;i5es inffeis e cavilosas.
Neste seu proposito, uma vez por outra, atirase
ao estudo do estado Qoanceiro da provincia,
campo vasto dos seus improvisos !
De3ta vez,,porem, nao se'houve com tino, fez
nma apreciayao muito grosseira das cifras, compoz
um quadro que nada prova era seu favor, colheu
as cifras que encontroa' nas leis do orjamento
de 1864 ate 0 prosente, omittindo os creditos es-
peeiaes dos emprestimos decretados para obras
publicas.
Se nao eslivesse fora da provincia 0 cifrao, isto
6, 0 bomem das cifras do direetorio, se nao es-
livesse na corte tomando ares, aa rua do Ouvi-
dor. 0 financeiro da grei ; a Provincia, torca e
confessar, teria dado um artigo mais enredado e
om memores apparencias. Aquelle fmanceiro
envernisa melhor as cifras, vende melhor a sua
pomada. 0 seu subelituto 6 mais deiasado.
Nao obstante, pois, nao o deixaremos sem con-
testa.-ao.
Conio o sen mestre, 0 aprendiz de Bnancas,
esta receioso da banearrota. E para dar razao
de ser ao seavao receio, refere -se aos artigos iofleis
e cavilosos que- ha mezes passadoe esereveu o
seu mestre, e allega que foram respendidos com
impunt desabrimento, ficando d mirgem a questao
financeira I
Corno sao corajoso3 os escriptore3 da Provincia!
Com effeito f Nem por termos nos demons-
trado com os palancos da thasouraria provin-
cial, com os relatorios da administracao, inclusive
os do Sr. Villa Bella, as falsidades dos argumen-
103, e os erros no emprego das eifras ; atreve-
se a g?ntalha da Provincia a dizer qae nao dis-
ctitinios a questao financeira I
Ma's, nSo percamos tempo em apredar 0 pro-
ceder dos provincianos ; tralemos da questao fi-
nanceira, embora mais daqni ba dias, venham
de novo allegar qae deixamos a cnargem.
VHlta a Provincia ao seu padrio de gloria, ao
seu granite servico publieo, de haver dado gran-
de imputso a instror^cla pablica em seas seis
annos de dominio, ao passo quo os oonservadores
em oito aijiarigrBS to havram ereado-dpas escolas
p'or a&no.'e exotanja :
t E os homen? g,oe assim nrocedem, slo os
qu#, escarnecendo da consciencia pablica, so
am era prizes dos seus adversaries
pira decidir contra estes e cintra a evi
a |ui p mderar qua nos quatro annos
} qne gireraar-
Bntrelanto, aos oito annos do rio'minio (to*
sempre se cuiJou desse rama do
iservifo publieo, e ate eTaou-se 0 rurso com
a liga suppnmi.i pani ccaraesopi*
normal. Esse enrsg tinlia sera du7ida am tim
muito util, qu;,l o de preparar a kaailitar 0*
mocua que se di-dicassem a vida do commercio;
mas nito tralaremos J%lefenJer os oonserva-
dores dos oito annos, das arguijUea qae Hies faz
a Provincia, notaremos apena* que nassas c
annjs era n pessoas preponderances of Srs. Villa-
Bella, E|)amiiMiil..s de Meilo, Sotua Carvalba,
Luiz Pi-lippe, Aprikii), Riiarpie. Silvelra do Soar 1.
Luiz d- Garvaliw, Pereira de Brito eoutroa cDailos
Ora, se eites Srs., un membros da assembles
provincial uos 0110 annos, e outros eiuadaos inr-
portantes, accilos 0 .ujiyid :onservado-
res livessem nneri in fazer q epntrano do q ip
se fei, em rel.icao a insj|dR0 publica, corta-
mento 0 toria:i| conscgalJo.'
E assim, e vislo que a ProviHcim^ no seu empe-
nno d-; censurar os sues.ulversarios, e contra elles
crear preven;3es do puMicn, nto pouj)am nomos
seus proprios amigos ; levantacn accusacSea
que a elles devem fenr mais tfo quo a n5s f
Conf^ssem os proviwyanos, a sua politica *
desasada.
Vejamos, porem, que mereeimeuto tem 0 bem
que produzio 0 prurido de crear eadejras de pri-
meiras Icitras que mosfrou a a- irovinna)'
progressista.
Crearam escolas a torto e a *'rltu, mais para
terem empregos para com elles taiercm partido-,
do qne por amor da instruccao pabti-a. E taato-
isto foi assim, que nao tratararp de'ifrormir a ler
da instruccao publica, de tornar mais viaurosa
inspeccao do ensino. e melhorar a esc-olln an pus-
soal habilitado, de sorte que 0 angnvnfo Jas r las ooeasionassemo angmunto do en mamento da instruccao no sew di t>
Quaoto as consignajoes que a assemUea pro-
vincial dos 6 anuos progressistas votavain para
obras publicas, e ainda mesmo a prevalecer a-qua-
dro itainonstrativo quo apresentda a Pwiucia,
nao podem servir para atiestaro #eu zelj 0 leai-
cacao aos interesses anblicosT
Em 1864 quando a renda annual da provincia
era de 1,600:000*, a despeza com a cyirpo de po-
licia na.; execdia d 200:0"j\)*, a da iastruac-ao pa-
blica era tauibem muito meuor que a de boje,
por conscguinte havia maw espaco para tornar
maior a verba de obras puWicas.
Hoje as cou.-as uiod do face, a despeza du-
plicou, 0 corpo dc policia onsonie wals e 400
contos, e, as-ini por dianie, muitos outros rainos
do servico publieo. Em 1660 a. Ufi raeebea
provincia >em divida, e entregou a em. 1868 com
uma divida de mais de 700 c-mios.
Nio obstante isio, a situa^ao- domioarUe htm das.
pendido, em quatro annos, com obras onblicas nada
menos de 2,8iH):723iOcjO, ao passo que a liga en 6
annos daspendeu 3,094:356*0 0: A diaureaca en-
tre estes 6 annos e aquelles i, e apenaside.......
233:6304000.
Cumpre agora perguntar era qne os prcgressu-
tas, em 6 annos, desueaderam mais de tres mil
contos a pretexto de obras publicas 1
Que obras deixaram quo correspondent a tao
avullada somma ?
Deixaram algum.v mi!h is de estradas de roda-
gera que 0 illustrado Sr. Dr. Manuel Ciementino,-
para dar aos dinlieiros publicos boa appticaoio,
mandou as contratar.
Quanto ao mais, concluiram as obras do gym-
nasio e da casa do deten;to,
Afora isl), so vcmos 0 jardira d'j p-ilaeio, que
custou dczenas de contos, e 0 mmte cafe ou mon-
tank 1 russa.
Nao aconceee 0 mesmo com a srtnacao domi-
n:\nte.
Ahi estao os ediflcios em conslrucraoi as estra-
dos e p mtes execuiadas e em exeeucio, e outros
melhoranieotos que atiestam a boa aiiplicacao dos
dinheiros publicos, e o empenho 0 patrioianio da as-
semblea provincial em conceder a adraiaistracao
os precisos meios para dar unpulso ao engeandeei-
raento dsta import inie provincia.
Se nos 4 annos a que so mferio a Provincia,
as leis do nrcamento votar.un quotas na impor-
laucia de <.">>> conlos para obras publicas, ncssas
mesmas leis encontrara o arliculista creditos e
providoncios agcfraurdiuarias na iuiportancta de 4
mil contos desiiiKtdos ao mesmo lim.
E a Pro-vinci 1 que os quo constautemenU) a
assemblea argiie provinowl de acto? escanda-
losos, sem iadicar quaes sejam esses aclos, nao
tera remorse da iuju>in;a que fez mesma assem-
blea, a que mats dedicada so in istrou em auxiliar
e contrib.iir para 0 eograndeci.neca* d>!sta aboa-
goado torrau ?
Coo vein nao descror do- lioraens da Provincia ;
mai- tarde fara aos seus atvorsarips a justic* que,
levado pela paixao parti laria, lioje Hies nega.
..-
APUHOS KliN'AXCBlROS.
E' aiuda a opigrphe. son a qual volt a a Pro-
vinci- de hoje ao assurapto do eropresiimo de
quatro rail contos, tentaJo com 0 Ranco do Rrasil,
pela presidencia do provincia.
Nes-a replica dize 11 o< famigerad'os provincia-
nos qua em nos-a contostac.io hontem publicada
neste jornal, nao toeamos n 1 p.mto principal das
inexaciidoVs por ellos piblicadas, 0 qual e Ur
sido reciuudu a propjsta do Banco do Brazil
como detvuntapsa e d-pois pedida ao bunco pelo
Sr. I.ucena gomo saloadora, alientos os-apuros do
thesouro.
Se de facto nao t >camos nesse ponto, e que se-
melh'iute iuexactidao'6-fiii refeeida, pelo menos
ciarameme, na replica dos provincinios. Ainda
que asnm nao fo*se, n-i im >s certo de que mais
um di 1 nio faz de nma mentira umn verdade.
Podemos assewerar com lo la a-t onergia one e a
maior das falsidades disei se, como die a Provincia
que 0 tixm. Sr. Dr. Lucena ten-l'i recosado a pro-
p isia d 1 Buicu do Brasil rogod depois a esse i-sta-
belocimento que In fosse feila a mesma proposta,
alim de ser aeeita.
A Provincia nao se peja de mentir, trate se do
que -se traiar, cora lanlo i|ue satisfaci a sua mes-
quinlia paixao partidari i contra 0 Exm. Sr.Dr.
Lucena, cuja brilhante admnistracao 5 sempre in-
ju--taraeute julgada pelos atralwliario- provincia-
nos.
0 Exm. Sr. Dr. Lucena nunca padio ao Banco
do Rrasil para reoovar a proposta, que Ihe tendo
sido feita pelo mesmo banco fdra-recusada, 0111
promessa de ser aceita.
0 qne a tal respeito so passou foi cousa muito
differente da quo narrara os obcocado* provincia-
nos.
Depois de ja ter sido despresada. a primeira ten-
tativa de-emprestimo ao banco, 0 Exm Sr. Dr.
Lucena, lenlo sido autori-ado a,fazer eniprestiino
a lavoura, leinbrou se do p ira esse lim fazer n v,i
proposta ao mesmo banc ., na qual estava incluilo
c imo con li^i) o juro do 6 [>>r cento, taxacolu que
devia >er tambem feilo o ernpretltmo laavoura
Disso para o que affirm 11 a ProetnciO vai umi
imraensa differenca. Mas i |ue a opposicSo sys-
teraatica c como 0 cego amor as ntiaas, quo no
dizer de um poela f.iz de pretas braocas as forral-
gas.
Coutestando-no.-. dizem ainda hoje os pravincia-
nos 0 seguinte :
a. E' falso que a prop.nta do banco contivesse
como uma de saas condicoes e-prazo de dez annos
para amortisacao. Esse prazo era do viote anuos.
ttoje e que o banco, uma vea que 0 Sr. fcuceaa
recusou aceilar a nrimoira proposta, estabeleee
imperiosamente o prazo de dez annos para amor-
tisacao.
De tcdo 0 ponto falsa e a asseveracao contida
no trecho qae acabaraos de traascrever.
Eslamos conven:idos de que ain la desta vez
briosamente desmenamos aas Srs. provincia
susteniando 0 qne dissemos, isto e, qua a proposta
do Banco do Brasil continlia como uma de suas
condicoes 0 prazo de dez annos para amortisa-
cao.
E nao precisamis, para conseguir 0 nosso
to, de gastar palavras, Hmllamo-nos a dizer,
medo de sermos seriaraaate eontostaab pela Pro
vtneta, que 0 Banco do Brasil noasa estabeleeeu
como condicao do einui-estiino, qutj oSsm. Sr. Di.
Lucena procurou roalisar, p ppazo do vialu a;
para a amottisacao 0 qae p^lo eoqirario forraulovi
como tal 0 praao de doz annos, a qua juptou algn-
mas clausulas. que ainda mats onerosa tornavam
uma semaltianU) condicjui.
Ja vem os propiaci'inos qae nao aos foi dijBdl
descnenti-los e que polo contrario' Oteraos briosa-
mente.
Conclumdo, teraos aneoas 1 drier qae se tal
respeito quisenm os provinciino* masalgutii
osclareeirpeatos, que todu tetIerii
a veriade da qae deixamos dito, dirija
gociador do emprest mo em 1
ainia mais
0 aegocii^
C6 I'M
fkrta
fiiiO
n mm
\ MITIUIO
i
*> *--
-*fc '
*
*^
'!'


Diario de Peimmbuoo Sabbado 20 de Dezembro do 1873.
j>ara fallar das peripecias do emprestimo. NJo
aereditamos em somelhante pe>a. So quizerera
seguir o verdadeiio caminho, lomem o conselho
que Ihes dames e que muito lhes p6de aproveitar
para o casa, v.sto eoao o negociador do empres-
Umo sabe dt> ludo quanto se passou a respeiio do
mesmo ejapor isso, ja por ontras consideracfies
Ihes dew merger todo o credUo (mais do qae a
celebre carUi .1 que se referem)
Firme, po\s, na verdade do que dizetnos, provo-
eatnos seriatnonte ^^^^Jhinciaws e ao sea
infonnaite iiotori para que farm prova di
ia de serein tidos por im-
pudeotes meotir.
se se achiu-em ora coragfin de faze lo facam-no
certas de que entao teremos o prazer de confundi-
los para senpre sobre tal materia.

"UBL10AC0ES A PEOIPH
Declaraytlo.
0 abaixo J.ssignado declara muito de sua hvre
vontade e sein o menor' 'constrangimnnto que re-
sol veu d'ora em dianta nao perlencer inais a so
ciedade majanica; -servindu assim esla sua decla-
racao a loja da qual e membro, para que o faea
desapparecer do numero de seus socios.
Esta sua declaracao, e preciso dizer, nenhum ou-
tro motivo teve, se nao as serias reflexoes de sua
consciencii que sein o menor esforco Ihe persua-
dirara, que bainilde ministro da igreja de Jesus
Chnsto, e acbando-se d'ella separado infelizmente
por ser inajcn, nao devia por mais tempo perma-
aecer em tim tal estado, e sim voltar-se para a
igreja a uoici sociedade a que somente deve per-
teneer, e que somente, seguado Ihe diz a fe, lhe
pode asseffitrir os solidos meios de poder encon-
irar beuefioai e suaves consolacoei, quer nesta
vida, quer na. future .
.Assim, tendo definilivaraente resolvido, dirigio-
se ao seu niui digno prelado, que, o acolhendo com
uio aj&cto verJadeiramenle paternal, e fazendo
Joe ouvir, cow a caridade que Ihe e tao peculiar,
suas admoestacoes com as quaes perdoasse as
!;randes faltas que para com elle corametteu, deu-
he a absolvicao das censuras em que tinha incor-
rido, como ma?on, visto corao pesa sobre tod-is
aquelles que seguem a raaconaria o anathema da
igreja caluoHea, apostolica, roinana.
Recife, 16 de dezembro de 1873.
Padro Manoel Cavalcante de Assis B.de Menezes.
Srs. reductive*. -Tendo sido victima da perver-
sidade de tuna ama de mlnba casa, a qual trai-
coeira e premediladamenle me preduzio ires
graves fer.mentos, na manba do dia 15 do corren-
te ; faltaria ao mais sagrado de todos os deveres
a gratidao, se hoje que me acho melhorado dos
sotfrimentos que trouxeram aquelles ferimentos,
nao riesse do alto da imprensa testemunhar aos
zneus parentes, amigos e as sociedades, as visi
las e cuidados que me pro'Jigalisaram nos mo
mentos em que minha saflde corria perigo.
Outro unto devo agradecer aos Srs. Drs Af
fonso Arthur Cysneiro de Albuquerque, Antonio
lose Ferreira Alves e outros, os carinbos, zelos
e pericia com que prestaram-rae os services me-
dicos de que necessitava.
Aceitein todos os meus agradecimentos e po-
dem contar que nao sou daquclles que esquecem
os ubzequios como os que me prestaram e que
^aijerei eouwrw.- n)eu c.r--- r fpa -
todos e a cada um de per si tern direito.
Recife 19 de dezembro de 1873.
* r *-%. An. Tit a
son & C. CarvSo de pedr 165 toneladas
onsignat ito 100 barncas
a Tasso, lrmfio & C.
Estanho 100 caixas a Parente Vianna C. Enxcfre 6 barrtcas a Joaquim A. Araujo
AC.
Ferragens 5 barricas a Samuel Power
Johnston & C, 6 a Pa rente Vianna C, 1
e 1 caixa a Shaw Hpwks AC," volumes
a Joaquim Antonio de Aranjo & C, 1 bar-
rica a M. Ualliday & C Fogareiro de ferro
399 a Samuel Power Johnston & C, Md a
Shnw Hawks & C.
Garrafas 1 gigo a P. I'erreir.t & C.
Lou^a 31 gigos a Antonio Jo,n|uim Pe-
reira, 20 a ordem, 50 a Johnston Pater A
C, 73 aos consignatarios, 85 a Simpson
& C. Linhacja 10 barricas a Beltrao &
Filho, 10 a M. Halliday & C.
Machinismo 4 caixas a Samuel Power
Johnston & C, 9 volumes a Cordoso
Irmao.
Obras de ferro 1 pega a Samuel Power
Johnston & C. Obras de vidro 1 barrica a
M. Halliday & C, 4 a Joaquim Antonio Rosa
& C. Obiectos diversos 4 volumes a M.
Halliday & C, 2 caixas a R. C. Batherbee,
60 amarrados a Simpson & C.
Pasde ferro 130 foixes a Samuel Power
Johnston & 0. Pregos 10 saccos a Shaw
Hawkes & G., 24 a Simpson A G. Pertencas
para obras 1 caixa a Simpson A C. Pedras
d'amollar 50 caixas a Parente Vianna A C.
Retortas ovaes 25 e 5 ditas redondas a
Simpson AC.
Tijolos preparados 4,742 a Simpson AC.,
100 caixas a Th. Christiansen. Telhas 36
a Simpson A C. Tubos de ferro para gaz
17 feixes a Shaw Hawkes A C. Taxas de
ferro 2 a Cardoso A Irmao. Tecidos 2
furdos a Phipps Bro.hers A C, 2 a Otto
Bohres, 25 a E. C. Frieud A G.
Vellas stearinas 50 caixas a Tbomaz
Aquino Fonseca A C.
carregou : A S. Santos Moraes I pipa cod^H
iitros de aguardente ; para Mossoro, HJM^
4 ditas com 1,930 dltos de dfto; J. C. Figoeira 8
ditas com 3,840 ditos de dito.
CaPATAZIA
Keadimento di> dia 1
de DK AI-FA.VDROA
a 18 13:339
13:728;3o5
No Jia 1 a 18
VOLUMES SAHIPO?
No dia lit
Illm.
cial,
mend
correnio,
thesonraria
t proviu-
to do acto do Exm. Sr. com-
[te da provincia, de 4 do met
____fazer publico nue, na mesma
acba se aberU a inseripsao de apoli-
'nmeira port*
>eganda porta .
Ttrceira porta .
Quarla pnru -
rr-tpiche CcncelC*o
SERVIf^) MARITIMO
tlvarengas descarregadas no trapicn*
alfandega do dia 1 a 17 .
No dia 19
RnM atracados no trap, da allandega
Alvarengas........
Ho trapiche Goneeic^o
?6,689
36
4i
i:W
2
2*3
27,^.4
41
2
2
Bt de -
de 7 por cenio ao anno, atd a importancia de mil
contos de'rtis.
SecreUria da thesouraria provincial MPetnam-
buco, em 13 de dezembro de 1873.
Victoridno J M. Palhares,
Offlcial-maior IWIerino
Editaln.109
45
GB
rtEGEBEDORIA DB RENDAS 1NTB1UNAS
RAES DB PBRNAMBOOO
Rendimento do dia 1 a 18. *f^*59o
44:457*982
Pela inspectnria -ia alfan-lega se faz sciente pa*
ra os davidos elleitos, aos interessados, de 19 vo-
lumes appreuendidos em uma canoi de sal, uo dia
17 do mez passado, que por dc'islo da mesma
inspeclnria le 16 d > corrente, f-i julgada proce-
dente a ap[irehen^ao dos mermos v.ilumes.
Alfandega de Pernauibuco, 17 de deiembro de
1873.
0 inspector
Paftio A. de Caitalho Reis.
criptorio temporario na barra, e nao estar ainda
completa a linha d'alli para o centro da <*
dade.
Em poucos dias, porem, estara esaa hnna com-
pleta, cessando assim a causa do Ul demora.
Recife, 16 de dezembro ,\e 1RT3.
Pearson.
*
5ECLARAC0ES.
Imperial Sociedade dos Ar-
tistes Mechanicos e FJqe-
raes.
Esta sociedade tendo de solc-mi-ir u seu 22-
anniversario do dia 21 do corr.ai-. con vida aos
seus irmaos a assistirem a mi>s.i i|iM s ha de
eelebrar na igreja do recolliimem- -ia Ulurw, i e-
las 10 horas da manba, e apos > i. reli|nV)W a
comparecerem na sede da son-1 on 1- lera
lugar a se?sao magna.
Outro sim, scientiuca aos seus ii-ni > e a lodos
os convidados, que se dignarem Imnra la com suas
presencas, que em virtude do di po-io no regu
lamento interno, e prohibido ilis-m-os que tra-
tem contra a polilica a v o 2." mcrvianp,
F. Paulo dos >autos.
inscfipto no respeclivo livre a matricD/a de ios
Ruflno Climaco da Silva, cidadJo brasileiro, de 34
annos de idade, commerciante esUbelecido com
sua casa de commercio de madeiras nesta pra^a.
i tribnna! do commercio de m-
de 1873.
0 official-maior
Julio Guiroarie?.
fill
CONSULADO PROVINCIAL
aendimento do dia 1 a II
Idem do dia 19. .
121:104*938
7:785*127
128:890*065
de
Leowdut Tito Loureiro.
A. easpa e outros males que affli-
oem o craneo inevitavelmente destroem a vitahda-
de dos cabellos. 0 remedio soberano contra estes
flaeeilos e o Tonico Oriental, o qual, como por en-
canto, promptamente os faz desapparecer. Porem,
isto amda nao e tudo, vigorisa e da. torn a cuti-
cula por tal forma, que uao e possivel poder-se
reproduzir, a nao ser que o seu uso seja conti-
A transipiraQao obstruida causada pelo entorpe-
cimento de membrana exterior, e a origem de
muitas das affeca5es s enfermidades dos cabellos,
e estc entorpecimento nao pode existir, quando os
vasos superficiaes reccbem sua maior fecundida-
de mediante a poderosa accao e auxilio deste raro
vigoradot- vegetal.
Cotuoesta Viuc. da sua tosse ?
E"ta pergunta e feita diariamente com beneli-
ca solicitude a milhares de pessoas, e no emtanto
muito melhor seria se os perguntantes mdicasein
meio de conseguir um allivio immediate e se-
suro, reeommendando aos seus amigos enfermos,
o Peitoral de Anacahuita, porque ainda mesmo e
embora que o padecente houvesse estado soffrendo
durante semanas inteiras de uma .tosse violenta
ou de urna constipacio fortissima, este soberano
remedio para todas as enfermidades pulraonares,
os alliviaria o curaria dentro do enrto espa^o de
24 horas. Os nativos do Mexico conheciam per-
feiumenle as extraordinarias virtudes medicmaes
da arvore da qual se extrahe esta maravilhosa pre-
paracao, e era o seu grande remedio favonto em
todas as, enfermidades da garganta o dos pulmoes.
0 Peitoral de Anacahuita, nao tem seu igual en
tre todos os pulmonicos da materia medica e por
isso pode-se-lhe chamar com toda propnedade e
razao,- o unico remedio digno do nome.
Para todos.
A casa mortuaria de Paula A Mafra con-
tintia i\ bem servir ao publico, em quantos
seus proprietaries ou sao deferidos no re-
curso que interpdem ao conselho d'estado
contra o monopolio concedido a outrem, ou
sSo a contento indemnisados pelos monopo-
listas. E para que ninguem se illuda a res-
peito, scientificam ao respeitavel publico que
se acham providos do material necessario e
com carros novos.
Patacho alleraaa Active, entrado de llamburgo
eui 18 do corrente e consignado a Joaquim Jose
Goncalves Beltrao 4 Filho, manifesto :
Alvaiade de chumbo 20 barris a A. Uors.. dito
de nnco 10 barris ao mesmo, 10 a Otto Bohres &
G, 20 a Manoel da S. Farias. Agua Florida 6 cai-
xas a Sa Leitao & Coirabra, dila de Selte 1 barri-
ca a Manoel da Silva Farias. Agulhas 1 caixa a
Cuntaa & Manta. Amostras 1 caixa a Magalhaes
Irmao, 1 a Fernandes da Costa A G, e 1 a ordem.
Bacalhao 100 caixas a Jose Maria Palmeira. Ba-
lances 2 caixas a Otto Bohres & C. Bolachinha 1
caixa a Jose Maria Palmeira. Botoes 1 caixa a
Souza Sa & C, 1 a ordem. Brinquedos 4 caixas
a Bastos Oliveira k. C, 2 a T. T. Bastos & G, 1 a
Otto Bohres & G, 1 a Souza e Sa & L., e la Ber-
nardiiw .Puario Campos AC,
Ganclla 4 caixas a Barros Filho; & C. Cadar-
co I caixa a Sa Leitao & Goimbra Cartas para
jogar 1 caixa a Silva Neves & C. Caryao de pe-
dra 19 tou-jladas aos consignatarios Gimento )0
barricas a Joao lose de Carvalho Moraes, oO a
RECIFE DRAINAGE,
ftendiracnto do dia 1 a 18. .
Idem do dia 19. ....
6:746*524
360*488
"7~106*982
im."
MDVIMENT9 DO PORTO
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife 4 Olinda.
E Beberibe.
Attendendo is recla-
raacdes dos Srs. pas-
geiros de Olinda e Be-
beribe, deliberou a ge-
renciadesta companhia
augmentar provisoria-
mente, do dia 20 do corrente em diante,
mats um tren diario is 9 1/2 horas da noite
para Beberibe, bem como outro para Olin-
da, nos dias de sabbado e doming^
10 1/2, horas do noite.
0 gerente,
Laurentino Josi de Miranda.
= 0 adtntnistrador da recebe l-iria de rendas
internas geraes faz sciente aos contnbuiides da
decima addicional. que e no correute mez de de-
zembro que tem de ser pago, se meiro semestre do exercicio de 1873-74, e com a
multa de 6 0|0 depois do referido mez.
Recebedoria de Pernambuco, 5 de dezembro de
1873.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
as
7 a or0
V.
PRACA DO RECIFB 19 DE DEZEMBRO
DE 1873.
AS 3 I/* HORAS DA TARDK.
Cotacdes offictaes.
Algouao-de Macao I* sorte 8*100 por 15 kilos,
hontem. .
Desconto ae letras 11 e 12 OiO ao anno, hoje
Leal Seve
Pelo prtsidente.
B. de Vasconcellos
Pelo secretario.
50 aos consignatarios, 40 a ordem, 50 e 2o meias
a Barros Filhos & C, 23 a Antonio Francisco Cor-
ga, 20 a Jose Maria Palmeira, 20 a Jos6 Francisco
de Paula Ramos, e 10 a Alfredo P. Barbosa. Ge-
vaJa 20 barricas a H. Leiden & G. Cigarros l
caixa a Bourgard & C. Cha 1 caixa a ordem.
Ciiapeosllcaixasa Theodoro Ghnst.a^en, 1 a
Sa oeitao & Coimbra, 1 a Silva Neves & G, la
Monteiro & Silva. Cachimbos de madeira 1 caixa
a Ott j Bo-res & G. Conservas 7 caixas a Rorstel-
maun & G, 4 a Jose Francisco Paula Ramos. Cou-
ro 3 caixas a Moreiri Halliday & G
Espelho 3 caixas a Otto Bohres, 2 a Bastos Oli-
veira & G, 3 a Souza e Sa & C. Epok-t* cai-
xas a S. P. Iohnston & C, 1 a Moreira Holiday &
C, 1 a Souza e^fi & C. '
Fazendas 4 caixas a Otto Bohres & G, 3 a Kel-
ler & C. Fitas 3 caixa? a Parente Vianna \ G, l
a Bastps Oliveira & G, 1 a Silva Neves & U to-
lhas Je ehumbo 23 caixas a Mouron & u.
r.-nebra 200 frasqueir a Joaquim Jose Leitao
& c, 500 e 50 caixas a Joao Jose R. Mcndos, 200
e ISO a M. Joe Tinoeo de Souza, 500 e 100 caixas
a Autonio Francisco Corga, 209 a Luiz Jos6 da
Costa Amorim & G., 130 e 100 caixas a Fernan-
des da Costa & G, 50 caixas a lose F. dos Santos
a 20 a Jose Francisco Paula Ramos.
La para bordar 1 caixa a Sa Leitao &Coimbra.
Licores 10 caixas a Tueodoro Christiansen,
dem. Louca 8 caixas a ordem.
Macluuismo de costura 7 caixas a Parente
& C, 2 a Victor Preale. Manteiga 1 caixa a or-
dem. Meias 4 caixas a Silva Neves & G, 1 a Otto
Bohres & G, 1 a A. Vieira C t a Basto, Oli-
veira &C.,e 2 a ordem. Miudczas 2 caixasi a
Otto Bohres & G, 1 a Parente Vianna &.0., Mo-
bilia 2 caixas a Ramos & Machado, 6 a Theodoro
Christiansen, 12 a Pacheco A Azevedo.
Obiectos diversos 4 caixas a Ramos 4 Machado,
25 a Parente Vianna &C, 3 a Otto Bohres & C,
4 a Sa Leitao 4 Coimbra, 1 a von Sochsten & G.
Palhinha 2 fardos a Parente Vianna & G-, i a
Pereira Stories & C. Papel 3 volumes a Silva Me-
ves & G, 1 caixa a P, Maurer A C., dito de, em-
brulho 500 fardos a ordem, 20 a Barros rilhos &
C. Papelao tO volumes a ordem e 10 raraos a
Monhard Mettlnr & C. Perfumarias l"1***^*
Leitao k Coimbra Pianos 4 caixas a F. Lembeck,
Phrosphoro 20 caixas a L. J. da Costa Amorim A
G, 10 a Joaquim Jose Leitao & C, 6 a ordem, 10
a Jose SI. Rosa & Filho, 3 a Parente Vianna & C.
25 a Jose F, dos Santos, 5 a Carvalho Guimaraes
& C, 3 a Ramos 4 Machado, 5 a Jose Francisco
Paula Ramos e 5 a Jose Maria Palmeira.
Sabao 1 caixa a Sa Leitao & Coimbra.
Taboas de pinbo 30 aos consignatarios. ltntas
20 caixas a Otto Bohres 4 C. Tesouras 1 caixa a
Sa Leitao & Coimbra. w
Velas stearinas 201 caixas a Joao JosC B. Men-
des, 100 a Fernandes da Costa & C, 100 a Anto-
nio Francisco Corga, 50 a ordem, 40 a Jose M.
Rosa&Filho. Vidros 2 caixas a Otto Bohres 4
C, 3 a R. Duarte Campos & C, 1 a Sa Leitao &
Coimbra, 6 a Costa So) res, 4 a Ferreira Maia &
C. e 5 a Jose Maria Palmeira. dito para vidraca
70 caixas a Parente Vianna & C, 50 a S. P. Jonns-
Navio entrado no dia 19.
alhao e portos intermedios39 dias, sen-
do do ultimo porto 1 1/2 dias, vapor in-
glez Aconcagua, de 3,379 toneladas,
commandanto C. J. Hewesson, equipagem
113, carga varios generos; a Wilson
Rowe A C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Liverpool e portos intermediosVaporinglez
Aconcagua, commandants Hewesson,
com a mesma carga que trouxe dos portos
do sul. ., .
Mossor6 pelo AssuHiate brasileiro Leo-
nilia do Cruzeiro, capitfio Campos, carga
varios generos.
CanalBarca franceza Sphere, capitaoJosse,
carga assucar e algodao.
LiverpoolBarca franceza Ville de Frank*-
guam, capitao Roux, carga assucar e al-
Observacao.
godao.
Suspendeudo lamarao para a Bahia a bar-
ca ingleza Petchlee, cspitao Burns, carga a
mesma que tronxe de Liverpool.
Idem idem a sumaca hespauhola Paula,
capitao Maristany, carga a mesma que
trouxe de Barcelona.
9." batalhao de infantaria. -
0 conselho economico deste batalhao, contrata
com quern maiores vantagens offerecer, para o
oruecimeuto das pracas arranchadas durante e
primeiro semestre de 1874, os generos abaixo de-
clarados, reduzidos pelo systema inetrico decimal
francez, e postos no quartel por conta do arrema-
tante ; a saber :
Arroz, kilogrammos.
Assucar mascavado rofinado, idem.
Azeite diice, Iitros.
Bacalhao, kilogrammos.
Cafe" um grao, Idem.
Carne verde, idem.
Carne secca, idem.
Farinha de mandioca, decalitres.
Feijao mulatinho, idem.
Leulia, achas.
Manteiga franceza, kilogrammos.
Manteiga ingleza, idem.
Piles de 172 grammos.
Paes de 114 gramroos.
Toucinho, kilogrammos.
Yinagre, Iitros. _
As propostas serao apreseutadas em caru fecha-
da na secretaria do respeclivo batalhao ate as 11
horas do dia 22 do corrente.
Secretaria do commando do 9 batalhao de in-
fantaria, no Hospicio, em 18 de dezembro de 187J.
0 alferes secretario,
Odilon Fiock Romano
ED1TAES.'
de AHiU'TOcr
0 Dr. Delfino Augusto Cavalcante de Alb\vir-
que, official da ordem da Rosa, e juiz de direito,
orpaos e ausentes da comarca de Olinda por b.
M. I. a qaem Deos guatde etc. / j
Faco saber que tendo-se PJoceaiaVa.-.. ?L.*'
Anto
cao"doespoYio"do Exm. fioa'do conselheiro
v- .u a~ haverem feito abs
berdeiros, sao
' Acha-se legalmente depositado por esta sub-
deleaacia um cavallo alasao. apprehendido como
furtado em poder de Manoel Ferreira de Mello :
auem for seu legitimo dono compare^ perante
esta mesma subdelegacia que, provando lhe sera
entregue.
Subdelegacia de policia da
18 de dezembro de 1873.\
x 0 subdelegado,
Manoel Cavalcante de Albuquerque.
freguezia da Varzea
ALFANDEGA
naodiraento do dia 1 a 18.
Idem do dii 19......
713:044*315
19:761*001
732:805*316
Descarregam hoje 20 de dezembro.
Barca ingleza Fuztiier diversas mercadorias
para alfandega.
Vapor inglez -Cordova -fesperado) diversas mer-
cadorias para alfandega.
Patacho allemao -Actismercadorias para alian-
dega.
Barca ingleza Doro diversos generos para
airandega e carvao ja despachado para
o caes do Apollo.
Barca franceza Mauricien sal ja despacha-
do para terra e vinho para alfandega.
ton 4 C. e 7 a A. Henschel 4 G Vinho
xas a Jose Ferreira dos Santos, 5 a J. J.
des, 200 a Theodoro Christiansen.
50 cai-
R. Men-
DE
DESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 18
DEZEMBRO DE 1873.
Para os vortot do exterior.
Na barca ingleza Olinda, para Liverpool
F. da Costa & G 10 saccas com 736
1 mpor t ao fto.
Barca ingleza Fusilier, entrada de Liver-
pool em 18 do corrente e consignada a
Saunders, Brothers A C, manifestou :
Arroz 40 saccos a Souza Bastos A C, 100
a Antonio Francisco Corga, 100 & ordem.
Areos de ferro .102 feixes a Shaw Hawkes
& C. Aco 5 feixes a Samuel Power Johns-
ton A C. Amostras 1 barrica a Johnston
Pater A C 4 i volumos aos consignatarios,
1 fi Simpson A C.
Bum de ferro 1 em 1 caixa a Shaw Haw-
kes A C. Barrilha 50 barricas a Santos A
Arau;|o. Barro preparado 25 barricas a
Simpson A C. Barras de ferro 4 a Simp
son AC.
Cerveja 81 caixas aos consignatarios, 60
a Magalhaer A Irmao, 9 barricas a J. J
Alves A C, 70 a Fernandes da Costa Ci C,
47 a Santos A Araujo, 30 a Rosa A Irnao,
30 a Tito Livid* Soares, 50 a Antonio Fran-
on A C. Chum! s a Simp-!
carregou:
de algodao ,. .
- No vapor inglez Olinda, para Liverpool, car-
reaou : Patrick Ragan 300 abacachis.
Na galera portugueza Audacia, para Liver-
pool, carregou : M. Latban 4 G 1,730 saccos com
117,750 kilos de assucar mascavado.
Na barca franceza Ville de brontingnau, pa-
ra e Canal carregou : E. A. Burle & C. 50 saccos
com 3,730 kilos de assucar mascavado.
Na barca franceza Fidehle, para o Havre,
carregou : E. A. Burle & C. 33 couros salgados
com 296 kilos e 2 sawas com 140 ditos de algodao;
Keller & C. 400 ditas com 29.877 ditos de dito.
No brigue portuguez Cotete, para Lisiioa,
carregou : Ferreira Cascao & Filho 40 saccas
ccm 3,838 1[2 kilos ae algodao.
Na galera portugueza Lisboa, para o Porto,
carregou : H J. Gunba Sobrinho 25 pranchoes de
amarello.
No patacho nacional Jaboatao, para New-
york, carregou : V. Bastos 900 saccos com 67,500
kilos de assucar mascavado.
Para os portos do interior.
Para o Rio Grande do Sul, no brigue bra-
leiro Piovuiencia, carregon: Amorim Irmaos 4
G 500 barricas com 36,167 lj2 kilos de assucar
branco. .
Para o Rio Grande do Sul, na barca nacio.
nal Deolinda, carregou L Duprat 2o0 barricas
com 3S,25i li2 kilos de assucar branco.
Para o Rio Grande do Sul, no navio nacio-
nal Rio Branco, carregonk*. M. Machadei Ju-
nior 450 barricas com 24,549 kdos de assucar
branco. ., .
Para o Rio de Janeiro, no patacho brasileiro
Arthur, carregou : J. F. M. Guimaraes 1,000 ac-
ii 73,000 kilos de assucar branco.
Para o Rio de Janeiro, no patacho nacional
Riv il, carregon : A.-.Loyo 1,000 saccos com 7.1,000
kilos de assucar branco
- p ira Macao, no Imte brasileiro *>> <,
nio Ignacio de Azevedo, por
tencao da hcranca os respectivos
nelo presente edital chamados os credores e mais
interessados no rererido espolio a virera habilitar-
se na f6rma do regulamento de lo de junho de
lOfCQ
Dado e passado nesta cidade de Olinda, aos 10
de novembro de 1573.-E eu o bacharel Francisco
Lins Caldas, escrivio o escrevi.
Delfino Augusto Cavalcante de Albuquerque.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juiz de direito especial do commercio nes-
ta cidade do Recife de Pernambuco, por
S. M. olmperador, a quem Deus guarde,
etc.
Faco saberique a 20 de dezembro do corrente
anno, as 11 horas da manha, na sala das audien-
cia-, devera ler lugar a reuniao dos credores da
massa fallida de Joaquim Ferreira Lobo para se
veriQcarem os creditos, formar-se o contrato de
oniao e nomear-se administradores a dita massa,
certos os credores de que nao serao admittidos
nor procuradar sera que este exhiba procura?ao
especial, a qual nao podera ser confenda a deve:
dor dos fallidos, nao podendo, outro sun, um so
individuo representar por dous diversos credo-
res, e que sera havido o credor que nao compa-
recer como adherentes as resoluc/ies que tomar a
maioria de votes dos credores que comparecerem.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei passar o presente edital, que
serd affixado nos lugares do costume e pu-
blicado pelos jornaes.
Dado e passado nesta cidade do Recife de
Pernambuco, aos 19 dias do mez de novem-
bro de 1873. .
Eu Ernesto Machado Fretre Pereira da Sil-
va, escrivao, o subscrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
A camara municipal desta cidade faz pu-
blico para cenhecimento de quem interessar possa.
o artigo de postura abaixo transenpto.
Art 8" Nos primeiros oito dias do njez de Janei-
ro de cada anno, todos os medicos, cirurgioes,
pharmaceuticos, droguistas, parteiras, sangrado-
res, dentistas e veterinarios, mandarao a camara
municipal a declaracao de seus nomes, naturali-
dades e moradas, aflm de que ella possa mandar
publicar a lista de toda* estas pessoas ; os lnfrac-
tores serao multados em 10*.
Paco da camara municipal do Recite, is ae
dezembro de 1873. .,.,
Theodoro M. F. Pereira da Silva
Pro-presidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secretario.
"SANTA CASA DA MISER1CORD1A DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da sanU casa da
Misericordia do Recife, raanda fazer publico que
na sala de suas sess5es, no dia 11 de dezembro
oelas 3 horas da tarde, tem de ser arreraatadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as reudas dos predios em seguida
deClaESTABELECIMENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobradon. 41.....306^000
Rua da Virago
Casa teorea n. 7 (fechada) 312*000
Travessa de S. Jose. ^.nnr,
Casaterrean.il.......- *
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado. n. 14 (fechadt) .1:000*090
Rua da-Guia
Casa terrea n. 25. ... 200*000
Ruo -do Pilar.
Casa terrea n. 98. ... 241*000
Casa tereea n. 99 (fechada) .... 35*000
Idem n. 100.........24*000
Idem n. 102........241*000
Idem n. 108........207*000
Rua do Rosario da Boa Vista
Cass terrea n. 58.......245*000
Rua da Moeda.
Armazem n. 37 (fechado) 890*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, ou comparecerem
icompauhados dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estaboleci-
mento commercial, assim como o servico da lira-
peza e precos dos apparelhos.
SecreUria da santa casa da misericordia do He-
cife, 5 de novembro de 1873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
tnspecao do arsenal de
marinha
Esta inspeccao contrata. em vista de propostas
recebidas no dia 20 do corrente mez ate as 11 ho
ras da manha, a construccto em qualquer das offl-
cinas particulares desta cidade, que melhores con-
dicSes offerees, de dnas boias para balisamento do
porto e barra da provincia da Parahyba, tendo as
seguintes dimensoes : uma 2 e 43 de dlametro,
1- e 7 de allura ; e a outra 1 e 82 de diametro
e 2- 50 de altura ; ambas tendo haste com mesa,
podendo ser a armacao para o sino e guarnicao
do espelho de 4". ah
Inspeccao do arseHaide marinha de Pernambus
eo, 16 de dezembro 8e 1873.
0 secretario,
_________Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da SanU Casa de Mise
ricordia do Recife, a mpetentemente autorisada
pela presidencia, em data de 3 de setembro do
anno proximo findo, e de conformidade com o que
dispoo o | 9.* art. 52 do seu com romisso. per-
muta por apolices da divida publica a fazenda de
criar gados que possue o patrimonio dos esta-
belecimentos de caridade a seu cargo denoniiua-
da Carnauba siu ne termo de Flores desta
provincia, com terrenos para criar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaccum.
Recebe para isto propostas nesU secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 10 de outubro de 1873.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza. _
- 0 a iministrador da recebedoria de ren-
das internas geral faz publico que, em virtu-
de da disposicao do art. 12 eda ultima parte
do art. 22 da lei do orgamento vigente n.
2,348 de 25 de agosto ultimo, a multa de
que trata o art. 30 da lei n. 1,507 de 26 de
setembro de 1867, quo e de 6 % a que es-
tao sujeitos os seguintes impostos, a saber:
deciina addicional, imposto pessoal, dito
sobre industrias e profissoes e taxa de es-
cravos, serd elevada a 10 %, do dia 21 do
corrente em diante, pelo que previne a to
dos os contribuintos dos-referidos impostos,
relativos ao exercicio de 1872 a 1873, em
liquidacao, que s6mente ate ao dia 20 des-
te mez e que podem e devem realis r o pa-
gamento ou em mao dos cobradores ou nes-
ta recebedoria, certos de que se nfio fizerem
ate ao referido dia 20, serao obrigados a
pagar judicialoiente os supraditos impostos
com a multa de 10 iQ.
Recebedoria de Pernambuco, 1 de dezem-
bro de 1873.
Manoel CarneirO de Souza Lacerda.
Doming''> 21 do dezembro.
Ultimo cspeetacalo este anno-
IMiii r.-iwi-i;i*nio para rir !
Cornedia em 1 acto :
I'm marido do algodao
Cornedia em 1 acto ornada de musica :
Diseordia de concordia.
A muito aceita scena comica do actor Camara.
Pedro Guerreiro Recife
a qual terminara com o engracado
Angti musical
Terminara o espectaculo com
dia em I acto
a chistosa come-
OS IRM&0S drs almas
0 beneficiado sendo esu a primeira vez que
recorre a protecSo do publico, ousa esperar
melhor acolhirnento.
Aos artistas da companhia roanifesta-lhe a sua
gratidao pela expontaneidade do vahoso eoncurso
qne lhe prestaram.
Principiara as 5 1|2 horas da tarde.
IVISOS MARIT1M0S,
Companhia Franceza de Na\ega-
0o a \apor
Linha mensal entire o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Rio de
Janeiro, (Santos, somente na vol-
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeaeao para oRosario).
STEAMER
1TULLE !>, S\^TOS
Coinmandante Leftvre.
E' esperado da Europa, ate 12 do corrente, se-
guindo depois da indispensavel demora para os
portos do sul de sua escala.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tem excellentes acommodarces
por precos reduzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA & C.
i2Rua do CommercioEntrada pela -!-^j-"1
do Torres.
No dia 10 do corrente mez, depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz direito substituto dasegunda vara,
tem de ir em praca uma casa terrea meia-agua
n. 210, na rua Vital de Negreiros, com duas por-
tas na frente, 20 palmos de largura e 30 ditos
de fundo, repartida por taboas, em mao estado,
chao foreiro e avaliada por 700i.
Outra dita de n. 229, na rua do Coronel buas-
suna, a qual faz fundo para a casa acima, com
duas portas de frente, 22 palmos de largura e -A)
de fundo, tambem repartida por taboas e cm cliao
foreiro, avaliada por 600*. as quaes foram penho-
radas a Joao Rodrigues Lima e sua raulher por
execucao que contra os mesraos encaminha Fran-
cisco Felix Goncalvea. Escrivao o Sr. Baptista.
Aferitfo de Olinda
0 arrematante daafericao do municipio de Olin-
da scientifica aos Srs. commerciantes ao mesmo
municipio, e aquelles que vendem liquidos em an-
coras, assim como I'azendas, miudezas, feijao,
milho e outros generos que sejam necessario pe-
sar e medir, que de conformidade com as postu
ras municipaes e instrucgoes de 18 de setembro
de 1872 <* -*inisterio do commercio e agncullu-
ra, nao sera mais tolerado fazer afericoes depois do
tempo raarcado, o qual flnalisar se ha em o ulti-
mo do corrente mez.
Olinda, 16 de dezembro de 1873.
0 arrematante,
Francisco Pedro Avincula.
Real companhia depaqueiea
inglezes a vapor.
Ate o dia 27 do corrente, espera-se da Eurof..i o
vapor inglez Boyne, commandante F. Reeks oqual
depois da demora do costume seguira para Bi:e-
nos-Ayres, tocando no- portos da Bahia, Rio de Ja-
neiro e Montevideo.
No dia 30 do corrente, espera-se dos portos do
sul o vapor inglez Neva, commandante H. Bax,
o qual depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente e Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agencia,
rua do Commercio n. 40. _^_______.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que no dia 30 do cor-
rente mez, perante a junta da fazenda da mesma
thesouraria, se ha de arremaUr a quem por me-
nos fizer o fornecimento de alimentacao e dietas
aos presos pobres da casa de detencao, no trimes-
tre de Janeiro a marco vindouro, servindo de base
a Arrematacao os precos da tabella abaixo trans-
CriPla: DIETAS
Numero 1-380 rs.
. 2-400rs.
3-640 rs.
a 4-460 rs.
a o-400rs.
Sera tambem fornecida aos presos ceit na im-
portancia de 120 rs., em quanto esta orcado o al-
moso e na mesma proporcio. E para constar se
mandou fazer publico por este jornal.
Secreteria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 19 de dezembro de 1873.
0 offlcial-maior
Miguel Agonso Ferreira.
Mui n. 108
P- la inspr
faz publico. 'i 11
se ha de ari
porcao de i
tes da dem> I
algodao p
Alfandega de Pernambuco, 17 de dezembro de
1873.
0 inspwtcr
Fabio A. ae C. Reis
de Pernambuco se
Sia 19 do corrente
<& reparticao uma
>rados, provenien-
intigo armazem de
CONSKLHO DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA.
0 conselho promove no dia 23 do corrente mez,
a vista de propostas recebidas ate as II horas da
manha a compra sob as condicoes do estylo dos
objecios do material da armada segnintes :
25 almotolias de folha de flandres, 60 kilos de
agoa raz, 4 barris de bren, 60 pecis de brinzao
ou meia lona, 60 kilos de estanho em verga, 700
kilos de estopa de algodao, 300 kilos de estopa de
linbo, 70 metros de encerado para pavimento, com
12 de largo, 30 Iitros de espirito de vinho, 40 ki-
los de fio de algodao, 100 vartes de ferro redondo
de 9,m007 de grossura, 60 varSes de ferro redon-
do de 0,m027 de grossura, 60 vardes de ferro qua-
drado de 0,m023 de grossura, 60 varoes de ferro
quadrado de O.raOOi de grossura, 60 vartes de
ferro quadrado de 0,m041 de grossura, 100 bar-
ras de ferro proprio para grelha, 700 kilos de
graxa do Rio Grande, 15 kilos de gomma-lacca,
30 Iitros de kerozene, 400 folhas de lixa de vidro
n. 5, 100 navalhas de marinheiros, 600 kilos ae
ocre, 3,000 kilos de oleo de linhaca, 6 panellas de
ferro, 12 pelles preparadas pra caixa de guerra,
200 metros de tubos de ferro para agua com
0,m082 de diametro, 15 kilos de taebas de cobre,
114 kilos de tachss de cobre de *6/0, 3 barris de
verniz collar, 2 vergonteas de pinho com 16 me-
tros de comprimento, 0,33 em uma ponta e 0,28
em outra, 2 vergonteas de pinho com 16 metros
de comprimento, 0,28 em uma ponta e 0,19 em
outra.
Tambem o conselho de igual forma contrata no
mencionado dia 23 do correute mez o forneci-
mento no trimestre proximo vindouro de Janeiro a
marco, de camisas e calcas de flanella azul fer-
rete para impenaes marinheiros e aprendizes
ditos. ,
Sala das sessSes do conselho de compras ae
marinha de Pernambuco, 19 de dezembro de 1873.
0 secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
No dia 20 do corrente, fmda a audieneia do
Sr. Dr. juiz substituto da segunda vara, vai a pra-
ca a renda annual do sobrado meiagua de 2 an-
dares e sotao, da rua estreita do Rosario n. *,
servindo de base para dita arremaugao 90O*uou,
por quanto actualmente se acha alugado, sendo
abrigado o arrematante a dar fiador aos alugueis;
assim come fazer os concertos de que precisar o
mesmo predio ; ditos alugueis vao a praca a re-
querimento de Fructuoso Martius Gomes, conse-
nhor do referido predio. e que do mesmo sao
consenhores Apolinario Pereira Badaeraesua mu-
lher. ___________________
Pela administracao dos correios desta pro-
vincia se faz publico que esta marcado o prazo de
60 dias, a contar da presente data, para o concur-
so dos lugares de praticantes, que tera lugar na
mesma para provimento de duas vagas.
Os candidatos deverio agresentar certidao de
baptismo em que provem nao ter menos de 18
annos de idade nem mais de 30, e attestados da
autoridade do lugar em que residirem, de uas
conducta civil e moral, e medico.de boa saude.
0 eoncurso constara de exercicios de caligra-
hia e orthographia, arithmetica, comprehenden-
o o uso do systema metrico e nocdes geraes de
geographia, de conformidade com o art. 98
regulamento dos correios de 12 de abnl de 18t5
0 conhecimento das linguas eUrangeiras dara
direito a preferencia.
Correio de Pernambuco, lo de dezembro de
'873. m ....
0 aduimstrador
Affonso do Rego Barros.
COSPAMHA BABARA
DE
PJ_Q13_H-S Al v\poiv
LIIITADA
Haceio, Penedo, Aracajii
e Bahia.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 22 do
corrente o vapor Penedo, o qual seguira para
portos acima no dia gada.
Recebe carga, encommendas, passageiros <
nheiro a frete.
# AGENTE3
Vntonio I.uu de Oliveira Azevedo '
37Rua do Bora Jesus57 ____
che-
A 22
Western and Brasiliau Tele-
graph Company Limited.
Telegraminas para a Bahia
Receb-sm se telegcammas para a Bahia a ta-
xa de um mil reis por palavra, mas have
ra alguma demora na entrega, devido a ser o es-
Obras militares.
do corrente, pelas 11 horas da manna,
tera* lugar na reparticao dos obras publicas a ar-
rematacao das obras necessarias para a reniosao
da capella do hospital militar, de um comparti-
mento para outro, orcadas era 278*080 : quem
se quizer encarregar deste servico, apresente
suas propostas em carta fechada, no dia, bora e
lugar acima designados.
Pernambuco, 17 de dezembro de 1873.
0 engenheiro das obras militares,
Chryssolito F. de Castro Chaves
TRIBUNAL DO COMMERCIO DE FER-
NAMBUCO.
EsU secretaria fas publico que foi archivado o
cmtrato de sociedade de Jose da Um ^olU e
Manoel Guncalves de Barros, sob afirOa deste 4
G, com o capiul de 2:8604 para o ceto;
generos solidos e liquidos, nacionaes oe-
ros em a tav. rna sita no pateo doCarir
Esta seerataria fax constar que uesla d
(OMI'tMlll IHl \SII I III t
DE
NAVEGAC^OAVAPOR
Portos do liorle.
CAV-ZFAliO BO SV1,
E' esperado dos portos do sul ate o dia 22 do
corrente, seguira para cs norte depois da demora
do costume.
Para carga, encomn -ndas, valores, passageiros
a mais infofma:5c% dirt|^H^
n. 7, escriptorio de
-A rna do Vigario
Pereira Vianna k. G
Agentes.
COMPANHIA EERNAMBUCANA
DE
Kavega?So costeiraa vapor.
MAXANGDAPE.
0 vapor Coruripe, com-
mandante Santos, seguira para
o porto acima HO dia 27 do
ute, as 5 horas da tarot.
Recebe. carga, encommec-
jgeiros e dinhe.
fr.te at* as 2 horas d
escriptorm '. Forte
da .--ahio-:
12
Rio Grande da Sul
ra o R'o Grando
idade o pat a
ilguma car,
os consir.
^^de seguir
t* Corria, por
^k falta trai
^bae Goncalves
ra


I"*
ek.
it
I
i

A
Diano de Pernambucu Sabbado 20 de Dezembro de 1873.
Lisboa e Porto
Sogne vlanem mnito breve a galert portugueza
TJsboa, par ji se aohar com quasi todo o ceu car-
regamento tratado" Para a pouca carge que Ihe
falta e pas:ageiro, aos quae- muito bom
eommodo : irati-^ io Soares, rua
do Vigario b. 17___________________
USliUA
Para, o referido |orto pretende seguir com a pos-
sivel brevidaleo brigne portuguez D. Anna, por
ter ja alguma carga engajada ; e para a que Ihe
alta, que recebe aJrete eommodo, trata-se com
os consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
& Filho, a rua do Commercio n. "i.
COMPANHIA 1'KKNAMBUCANA
DE
IVavega^So coeteira m. vapor.
MACE.6, ESCALAS E PENEDO.
0 vapor Mandahu,
commandante Julio.
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente, encom-
mendas ate 0 dia 30, passagens e dinbeiro a frete
ate as 2 boras da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no Forte do Mattos n. 11.______________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
IVveg?So oosteirw a vapor.
WLRAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA-
TT, CFARA, MANDAHU e acaracu'.
0 vapor Ipojuca,
commandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as S
boras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 29 do corrente, encom-
mendas ate 0 dia 30, passageiros e dinbeiro a fre-
tarde do dia da sahida :
do Mattos n. 12.
.e ate- as 2 horas da
escriptorio no Forte
Para Lisboa.
Seguira em poucos dias a barca portngueza
Qrattdao. Para alguma pouca carga que Ihe falta,
trata-se com E. R. Rabello & C, a rua do Com-
mercio n. 48.
Pacific Steam Navigation Company
Linha quiuzeual
0 PAQUETE
COTOPAXI
ou
LUSITANIA
espera-se aqui da Europa ate 0 dia 22 do corrente,
e aepois da demora do costume seguira para 0 sul
do imperio, Rio da Prata e costa do Pacifico, para
onde recebera passageiros, encommendas e dinbei-
ro a frete.
OS AGENTES
Wilson Howe A C.
14 RUA DO COMMERCIO-----14
LETLAO
DA .
antiga confer. rua HominailA Braro de our.', uo siiiW i>frtcr.
vw.i \ -\ l K1HA 12 f'f. tir/T.MRUO
* 8 li na mesnia coiifeilana
Por intervenyio do agente Pinto.
AVISO
todas as
Grande
LEILAO
Avi-n-M'
que sera a
os Sr.
mtu ('0:11(11 .
Iicnlnm r, ilii
Itonfe, 151 de dezeinbro

DE
Joao Antonio de Amorim.
* f ?
lonca e diversos artigos de gosto
SENDO:
Urn piano, 1 mobilia de jacaranda a I.uiz NV,
com 12 cadeiras de guarnicao, 2 de bracos, 2 de
balanco, 1 sofa, 2 consolos e jardineira com tampo
de pedra, 1 dita de amarello com 12 cadeiras de
guarnicao, 2 dilas de balanco, 2 de braces, 1 so
Fa. 2 consoles e jardineira com lampo de pedra, 1
toilette de jacaranda, 1 lavatorio, 1 guarda-vesti-
dos, 1 mesa elastica, 1 secretaria, 1 carteira, 1
costnreira, commodas, cadeiras avulsas, camas
francezas, marquezdes, capachos, escarradeiras,
jarros, lonca para almoco, dita para jantar, vasos
para flores, espelhos dourados e muitos outros
objectos de pbantazia que estarao patentes no dia
do leilao ; assim como um variado sortimento de
joias, como sejam pnlceiras, anneis, allinetes de
peito e tambem algumas cbras de brilhante
SEGUNDA-FEIRA 22 DO CORRENTE
as 11 horas da manba
Por intervene** do apente PInho
Borges
a ma do Marquez de Olinda n. 2\._______
LEILAO
Em liquidagao
tavema 87 da rua do Conde da Boa-\ ista,
antiga Caminho Noyo
SEGUNDA-FEIRA 22 DO CORRENTE
0 agente Martins fara leilao da taveina da ma
do Conde da Boa-Vista, em um ou niais lutes a
vontade dos comprad&res, tendo grande quantida-
de de vinhos, cuja taverna se torna recommenda-
vel por ser bem localisada e ter comraodos para
moradia.
A's 11 horas de dia acima.
Grande
?
0
Aracaty
com escalas por Macao sane nestes dias 0 novo e
superior palhabate nacional Leonillo da Cruz, ca-
pitao e pratico Manoel Caetaco da Costa tern
parte de seu caregamento prompto ; para 0 resto
trata-se com 0 consignatario Antonio Alberto de
Souza Agniar, a rua.do Amorim n. 60, ou com 0
capitao a bordo do mesmo palliaboie fundeado
confronte ao trapiche da companhia.________!
Para o Rio Grande do Sul.
Sahira muito breve a barca nacional Deolinda.
Recebe ainda alguma ponca carga, para 0 que
trata-se com E. R. Rabello & C, a rua do Com-
mercio n. 48. ______________
Manon! Albino de Amorim e sna
mullier Pmbehna Rosa de Amorim,
Irndo recrbidn a iwtitiadtf ler fal-
lecido cm l^i-in.a sea prezado ir-
mao e cunhado Joao Antonio de
Amorim, oonvidam aos seas paren-
ts e amii;os e do fallecido, para
assistirem a uma missa de requiem que mandain
celebrar por alma do mesmo. no dia 20 do cor-
rente na igreja de S. Francisco, pe'a 6 horas da
manba, pelo qae desde ja se confessara samma-
inente gratos.' _
Gabriel Antonio.
Josepha Maria dos Prazerfs e
Silva, tost- Henrique da Silva Gui-
oaarae< e Glaudino Francisco da
Silva Guimaraes, convidam as pes-
soas de sua amisade, para assisti-
rem as missas do setimo dia que por
alma de seu genro e ennbado Ga-
Antonio, fallecido em seu engenho Ilhetas,
na freguezia de Una, no dia 16 do corrente, man-
da celebrar na capelliuba da Conceicao dos Co-
queiros da Boa Vista no dia 22 do corrente as
7 horas da manhi. ^_^_

briel
Alvaro Augusto de Almeida
Maria de Castro Almeida, seus
filhos e genros mandam celebrar
algumas missas por alma do seu
pre; ado marido, pai e sogro Alvaro
Augusto de Almeida, na igreja de
S. Francisco, as 7 Ij2 horas da ma-
nha do dia 22 do corrente, aoni-
versario do sou passamento ; para assistir a esse
acto convidam aos parentes e amigos do mesmo.

!eFi!
Na rua do Barao da Victoria, outr'ora rua
Nova, segundo andar do sobrado n. 58.
A saber:
Mobilias de jacaranda e de faia, secrelarias de
mogno, guarda-vestidas de raogno, com espelhos,
ditos de amarello, espelhos grandes com pes, mesa
elanica, aparadores, sendo todos estes meveis
completamente novos.
Uma mobilia de jacaranda (obra do Remigio),
composta de um soft, 18 cadeiras de guarnicao,
1 de bracos e 2 de balango, uma outra mobilia de
mogno, 2 camas para casado, sendo uma de ja-
caranda e outra de amarello. Todos estes moveis
com quanto tenham algum uso, acham-se perfei
tamente conservados.
Espelhos grandes para sala, 4 quadros ricos, 3
ditos representando scenas naraes, 12 vistas da
Italia, 1 cesta de electro plate para pao, jarros
para flores, garrafas finas para vinho, bancas para
costura e outros muitos artigos que fora enfado-
nho ennumerar. .
Na terca-feira 23 do corrente, as 10 1|2 horas
da manha, em a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora rua Nova, segundo andar do sobrado de
azulejo n. 58, em cujo primeiro andar reside 0
Sr. dentista americano Numa Pompilio ; tera lu-
gar esse importante leilao, por intervencao do
agente Dia?, competentemente autorisado por
uma familia nn opnemq de residencia.
PAKA
Pretende segnir com brevidade para 0 Para, 0
hiate Olinda, por ter parte de sua carga, e para
a que Ihe falta, trata-se com os consignatarios Joa-
quim Jose Goncalvos Beltrao & Filho, a rua do
Commercio a. o.
Antonio Jose Pires
0 bacharel Luiz Antonio Pires e
seus irmaos convidam a sens pa-
rentes e amigos e os de seu linado
pai Antonio Jose Pires para assis-
tirem as missas que mandam cele-
brar por alma do mesmo, no dia
24 do corrente, as 7 It* horas da
manha, setimo de seu fallecimento. no recolhi-
mento de N. S. da Gloria da freguezia da Boa-Vis
la e na capella da Poute de rchua.
OHSi-. Antonio Pereira da Rocha, morador
em Serinhaein, e rogado para vir ou raandar rea-
lizar 0 quo nao ignora, no escriptorio de Tasso Ir-
maos A C.________
VELOUTINE
ft UMA ESPECIK DB
PO8 de FLOR de ARROZ
EspecialmentepreparadoBCom BISMUTH
le por consegninte d'uma accao saudavel
180bre a pelle. ^^
K' ADHERENTK e totalmente rSVI.
[SIVEI-, dando a pelle uma freecura <
I aveludado natoraeu.
Preco da Caixinha com borla 6 fr., em I
casa deCh.* FAT, 9,raedelaPalx, PARiz.
Deposito em Pernambueo, A. RltOORD. |
PECHIKCHAS'
>6 o n. '20
RUA DO CRESPO
ion m j p
Hki .-. \( iht< r iiuiiio baratu [inia .ipu-ar
muito diuhuiro.
CASSA LA
Chegoa esta fazenda.seiulolindospadrops.eveu-
de se pelo diminuto preco de 2(X) rs. 0 covado, e
pechincha 11 I riao-se amostcas.
METINS
Proprio para vestidos 0 que ha de mail gosto,
padrdes novos, pelo preco de 400 rs. 0 covado, 6
pecnincba t 1 I doa-se amostras.
LA5 ESCOCEZAS
Lasinhas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. 0
covado.
Ditas com listras, padroes modernos, a 280 rs. 0
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. 0
covade, e pechincha I I I dio-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
il000 a 400 0 covado, e pechincha 1 I 1 dao-se
amostras.
CRETONE
Cretone em pe^as pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto preco de 400 rs. 0 covado, e
pechincha 11 I dio-se amostras.
Cortes de casemira ii cores, a 5^(00 cada nm.
Cambraia de linho de cores, a 360 ri 0 covado.
Ditas pretas para Into, a 240 rs. 0 covado.
FusUo branco para roupa de meninos, a 560 rs
0 covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. 0 co-
vado.
Cobertas de chila adamascada, a 3*500 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3/300
e 4/000.
Lencoes de bramante, a 2/000.
Dites de algodao, a 1/400.
Toalbas alcocboadas, a;6/000 a dnzia.
Ditas felpudas, a 6/500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1/000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados, a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiao finos, a 3/500 a duzia.
Cambria lisa transparente a 3/000 e 4/500 a
peca.
Cambraia Victoriaa a 3/800.
Atoalhado adamascado, a 2/000 a vara.
Dito trancado, a 1/400 a vara.
Fustdee de cores, a 1/000 0 corte.
Chales de merino liso, a 2/000.
Ditos estampados, a 3/500,4/000 e 4/500.
Ditos com listras muito finos, a 8/800 e 6/000
Esguiao mnito lino, a 2/000 a vara.
Brim preto trancado, a 2/000 a vara.
Bramante de algodao, a 1/600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2/500 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, a 5/000 a peca. .
Dito domestico, a 3/000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. 0 covado.
Nanzue cambraia de cores muito tina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. 0 covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
Loja de
Guilherme & C.
ATTEKfJAO

ABRK
IMPERIAL
ARROS
A | <\\%
premio sob liypotlieca em bens de raiz, appareca
rua do Hospicio n. i$, das 4 horas da tarde cm
dianle
Alaga se o armazeui e o primeirj andar do
sobrado da rua do Bom Jesns, outr'ora da Cruz,
n. 20, proprios para estabelecimento commercial :
a tratar na rua do Marquez de Olinda n. 32.
Aluga-se o 1* andar do sobrado da rua
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo.
Aluga-se a casa da rua de S. Jorge, outr'ora
rua do Pilar n. 12, tendo sotea assobradada para
grande familia : a ver e tratar na rua dos Guara-
rapes n. 14, taverna.
Escravo fugido
300#000 degratificaqao
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredo, represent! tor de 30 a 40
annos de idade, e perfei to coziuheiro, alto bastante,
e bem magro, pouca barba, olhos grandes, e mnito
ladino, consta que tern pai no engenho do Sr. Lulu
de Caiara, em S. Lourengo da Malta. Este preto
foi cozinheiro dos negociantes Adriano 4 Castro e
Sr. Jos6 Joaquim Goncalves Bastos, e julgase
qne esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
cular nesta c idade, como forro : pede-se a todas
as autoridades e capitSes de campo, que o desco-
brindo, o tragam a rua Duque de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival sem segundo, que serao gra-
tificados com a quantia acima._________________
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-si
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo i'e-
eira, a negocio de seu interesse.
C4SA.
Aluga-se metade de uma casa no paleo do Ter
co a pequena familia : a tratar no paleo do Pa
raizo n. 26.
0. U
Rtn
(J:llr!.in'J0 ao
nesta piov'mcia, da
de S. Jimjo de Nictb
existe no mercado
fabricados em dita
etiquela em que vem

HdREimr
lafiriru
uoico agcuie
.de cigar.
Bnerro, que
Tttdos como
para isso a
elles eovoUpp. apressa-se a
prevenir a todos os tuus fregnetcs qe os unicos e
verdadeiros cigarros do exposicao de dita fa!
?6 sao vendidos nos armazens cos Srs. Fran'
Guedes dp Araujo, Manoel de Souza Cordeiro Si-
m5es Junior e Faria & Filhos.unico dei.o?ito9 de
diia fabrira. Recife, it de novembro e 1873.
Domingo? Alves Matheus.
Quern precisar alugar um escravo, com tan
to que n5o seja para survigo do peso, dirija-se a
rua do Hospicio n. 61, que encontrara om bastan-
te intelligeuto, e tapaz de enca/regar se do traba-
Iho de jardim ou de liortalicas.__________________
"IfOFINA.
Esta. encouraqado!! !
Agiiii mole om pedra dura
Tantu da ate que a lura.
Roga-se ao Illm. Sr. Iguacio Vieira de Hello
dscrivao na cidade de Nazareth desta provincia. >
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a on-
eluir aquelie negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
6ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e hada cumprlo;
e por este motivo e de novo chamado para dito
fim, pois S. S. se deve lembrar que este negocio &
ie mais de oito annos, e qnando o Sr. sen filho w
ichava nesta cidade
CHAMADO
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim
Clemente de Lemos Duarte, sao chamados a
rna do Coronel Suassuna n. 282, a negocio do
particular interesse.
iSOOKKKKKK! iiXSQOOSSCS
Z
AVISOS DUEBSOS
Para o referido porto pretende seg^uir com pouca
demora o brigne portuguez Ltgeiro III, de 1"
classe, ca pitao Nobre, por ter a maior parte de
seu carregamento engajado, e para o resto que Ihe
falta trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Commercio
n.5.____________________________________________
Rio Grande, do Sul
Para aquelie porto recebe o patacho nacionai
Leopoldina carga a frete, devendo seguir viagem
em poucos dias : para tratar, no escriptorio de
Silva A Cascao, a rua do Marquez de Olinda n.
60,1 andar.
Sociedade Propagadora da
Instruccao Publica.
Consellko parochial da Boa-
Vista.
Sao convidados todos os socios residetttes nesta
freguezia a comparecerem a rua da Uaiao n. 23,
as 6 horas da tarde do dia 22 do corrente, afirn
de elegerse o novo contelho, na forma dos esta-
Secretaria do consellio parochial da Boa Vista,
18 de dezembro de 1871.
Tolentino de Carvalho,
Seirelario.
LEILOES.
Criado
AGUA DIVINA
E.COUDRAY
DITTA AGUA DE SAUDE
PreconlMd. ptf o tM(d, como ^MtrrnM
comUotemente^ bellu e6rM d mooWttt, o fimtr-
Tndo di peats e do cbolon morbo.
1DTERTEHCI1 IMPORTiUTE
TJmas imitacJes fUiflcacs frndalenU,
is mais vezes 'damnosas a sand*,, excitadu pej
fama ISo iusUmente adquinda pela 1M 01-
Tina, obrig5o-me a recommendar aos coiisnnu-
dores de reconhecer unicamenU como legiumas
as garrafas no gargalo das quaes acha-se uma
Sequenna fdxa con a minha
rma e marca de fabric*.
PARIS, f, rue 'EMlile
Encontr-e em cue de todoe M prl ndpeee Pertomlitu,
% Phermtcentlcoe e Cebellerelroi de AmeTeee,

Consultorio medico
DO
Dr. Murillo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres
Sttde ser procurado a qualquer hora do
la ou da noute para objecto de sua pro-
fl- riss5-
JJj Consultas do meio dia as duas horas
.*, di^arde.

/4-jjAjratis aos pobres.
\ Z 7speciaiidade.=Molestiis da pelle, de
w^rianca e de raulher.
I
AttenQao
Francisco de Paula Cavalcante Wanderley faz
sciente ao respeitavel publico em geral e parti-
colarmente ao corpo commercial desta provin-
cia, que attendendo a coincidencia da haver duas
pessoas de igual nome, asiignar-se-ha desta data
em diante :
Francisco de Paula Wanderley
Recife, 4 de dezembro de 1873.
"'DESOOBERTAS MED1CLNAES a%
PELO BACHABEL "<9
Manoel de Siqueira &
Cavalcanti.
1" o Preservativo da cry- ***
sipela : para curar com certeza, e 'S
em pouee tempo, qualquer ataque de g
ery sipela, e prevenir o seu reappare ''BF
cimento. A
Este medicamento tambem e muito "53?
poderoso para o rheum.itismo. -^
*' o Regulad truacao : para falta, irregularida- *
de, suppressao repentina da meustrua- w
cao, e dos lochios, assim como para ^
todof os soffrimentos devidos aquellas 'W
affecr,oes. Ambos estes medkamentos g%
ja sao mnito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e na do Rio de
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 9 horas do dia as 3 da
tarde, e a qualquer hora em casos ur-
gentes.
GRATIS AOS POBRES
Rua da Imperatriz n. 14, 2 andar._
ALUGA-SE
uma casa na Capnnga, rua das Pernambncana-,
com coxpira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31. _______ _________
NDVAS PUBL1CAG0ES HUSIUES.
k. J. tl'Axcvedolliiallovan. 11.

m
Araham de publicar-se, e acham-se a
renda as s eguintbs music8S : PIANO SO'.
Danse espa>'uola, por Ascher 2$000
Arabella, MAZURKA, por G. Wer-
theimer 1^500
Valsa do Fausto, por Croyzes 1^000
Sonho DE UMA VIRGEM, por \lber-
tazzi 1$000
Anna la Prie, cavatina 1?M)00
m
\
'> <'
Agente Dias
LEILAO
DOS
bens pertencentes a massa fallida de Anto-
nio Jose" dos Reis
HOJE
as 11 horas
0 agenle DIAS, levara pela ultima vez a leilao,
por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, os referidos bens, constando de algu-
mas joia:', moveis, um cofre de ferro, prova de logo,
fazendas e armacio existentes na loja n. 60 do
caes do Passeio Publico, servindo de base a ulti-
ma ofTena. Para qualquer informagio, a rua do
Marque* de Olinda n. 37, primeiro andar, escrip-
torio do agente.
Em seguida vender-se-ha,a porta do mesmo es-
tabelecimento, dous cavallos pertencentes aos bens
da referida massa. ________________"
Precisase de um criado para
tratar no hotel de Apipncos.
todo servico: a

Fngio do abaixo assignado no dia 1 do cor-
rente rasz, uma cabrocha de nome Joanna Ger-
trudes, com os signaes seguintes : cabrocha, com
os cabellos soltos, olhos grandes e espantados,
tem um signal preto no bracp esquerdo, levou,
comsigo toda roupa; pede-se as autoridades po-
liciaes, com especiahdade aos capitaes de cjmpo,
a sua apprehensio e levaremna no caminho novo,
junto da esttcjto da Soledade n. 8, que receberao a
sua gratifica^ao.
Henrique da Costa Fianro.
Casa em Olinda
Aluga-se por mezes uma casa em Olinda, com
a mobilia necessaria e illuminada a gaz, perto
da estacao da via terrea, perto do banho do mar,
(a ponto de poder-se ir da casa para o banho)
sendo dita casa muito fresca e com boa vista
os pretendentes poderao obter qualquer infornia
cao na rua do Bom Jesus n. 43, primeiro andar.
FBTBI^P, rifttO -c TRIGUE1R0
BECIIEX'BIEB
Car, 'Uiruth- f."/Wo ite n-nra. Official do
tiriijiilie I', n nu >ul <,n!em O'lza-
lu:l n fallmlica.
o!.o i-Ch->rler doveoseuaroma
a suhtani ias 1-al-.i-i.icas oue a'inda aug-
inci.irv i-- s\v- profffiwlades thorapenti-
rr< no mesmo t"mpo \il ao trinar <'.
O sr-nlior Otwvriw rompletou
O sr-nlmr (itipvner cinipieum
j dcscubcrl i a i mdoolwlw^ ^%"p
;> iii'lncillMi ftnri
ln .-is nroniflteda
ft de t'.i'-il I'igoPtao

fovp'.ia;lno-
(!o oleo
e nunca
Emprega no trataroento das molestias
de sua especiahdade as duchas frias e
banhos a vapor, para os quaes trouxe
os apparelhos mais modernamente em-
pregados na Europa.
Tambem applica com grande proveito
no trataroento das molestias do utero a
electricidade, pelo processo do Dr. Tre-
pier. Cura por um processo inteiramente
rJ novo as blennorrhagias e sobre tudo a
Q (gotta militar) dispensando as injeccoes.
CASA
Aluga-se o 2, 3*, 4 andares e solao do sobrado
n. li da rua do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, eommodo para residencia de familias e es-
criptorio de negociantes: a tratar na rua
perador n. 57 primeiro andar.____________
m
tr,
K")
'^tf'
do Im-
Casa de caoipo
Offerecese a qucm quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguns annos, de
graca, da excellente casa sita na PurU d'Agua,
que foi do finado Dr. Joaquim Pires Carneiro Mon-
teiro, passandcse escriptura para maior seguran-
ca. A localidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua doce em
frente, e e muito eommodo visto que o trem passa
defronte : quern pretender pode dirigir-se ao Sr.
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipncos, ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bora Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do 'omraereio n. 40.
DE
trancas avariadas, botinas para hotuns ee
senboras, bezerro e cordovSo
Hoje
as 10 4 [-2 boras em ponto
0 agente Pinto, levara a leilao por autorisagao
do gerenie do consulado de Franca, em presenca
Ue sen chanceller e por centa e risco de quem
nertencer, de uma caixa marca P V e R em bai
xo n. 10,030, com canoes de tranga, avariados <
bordo do vapor francez
do
Ville do Rio de Janeiro :
. 5era effectuado as 10 1A boras do dia
acima dito, no escriptorio do referido agente, a
rua do Bom Jesus n. *3. ^^____^__
A 2>800
cada um queijo o mais fresco e do melhor
que se p6de desejar : na rua Duque de
Caxias n. AO, junto & typographia
Diario.
Assim
como e corto que neste armazem se fornece
a despensa a satisfagao de qualquer chefe
de familia, com toda a sinceridade e econo-
mia. 0 tempo 6 proprio, pois aproxima-se
a fesla do Natal. ________
air< so pORSm1 It
o do t-rm.
causa in is'odo ventre. _
Tod i- a< r.rtpbrnlad mcrticas o pre-
rerem as uutras im-pamcnps fcrrugino-
as Corrvem em todoa nscaso opmnrira n forro : Tiilca pulmonar,
Broncl.in. 21...Ui::*..-..<'. E.crofulM,
Kinplx* ">. Uotn, Itli-in:'-aliBmo, D>
pcpnin. C'oil'--riiciaii driuoradBS e
Frai|ii<-/.a de coiisHlnicao.
KKH rfl 9 k ''.....CKEVRIF.ft
21, VmiW.hH Vw tin ''''
Na r..f-n a i harmacia f>".b|B ^c n Vimio
e Elixir do Coca, excellentes prepara-
coet tonicas. Os pranulos deUismim
compostus contra as diarrheas, '!>> '-
tprinn. ilorpc "''i1"""". "' ____
Escravo fugido.
100^000 de gratificacao
Desappareceu de novo, de bordo da barca bra
ileira S. Jose, o escravo Joaquim, preto de na-
;io, o qual anda bem vestido e calcade, deixan-
Jo crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
Marcellino da Silva, que o havia comprado na
provincia de Minas fem S. Joao d'El-rei ou Ouro-
Preto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendido alii a Justino Epaminondas Ne-
ves, a quem o compraram os abaixo essignados.
Sabe cozinliar, ocenpacao a que estava dedicado,
e conhece se pela falla que e afneano.
Offerece-se a gratificacao acima a quem o ap-
prehender e roga-se a todas as autoridades a sua
captura.
Recife, 6 de outubro de 1873.
Jos6 da Silva Loyo & Filho.
SOBRADO PAKA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para familia : a ratar na rua do Mar-
quez de Olinda n. 52,____________________________
Garanhuns.
AoClair de i.a Lu.tE, por Bussmeyer 15500
ESTRELLA DO XORTE ( p0lka brilhailtO 1000
Saudac.\o ao Bahia (
Cricket, por Soixas, offereci-la aos
chrickots club pernambucano e
babiano H?000
PIANO E CANTO.
Desespero, muito Undo romauce
por I. Smoltz 3*000
Non m'amava, romance por Guercia 15000
Tambem recebeu.da Europa grande sjr-
menide musioa para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc. ________
Escravo fugido
Desappareceu ao amanheccr do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna. >
escravo de nome J"s6 Borges. mestre de assnrar,
tendo os signaes seguintes: cabra, idade 30 annos
pouco mais ou menos, boa figura, um tanto gross i
e espadaiido, sendo o signal mais visivel uim
gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a todas
as autoridades e capitaes de campo queiram ap-
prehender dito e?cravo e leva lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19 que serao generosamenie
recomppnsados.
Recife, 19 de novembro de 1873._____________
Na rua
rallar aos
>ose Paes
esse.
do Barao da Victoria n. 36, precisa-se
Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
da Silva, a negocio de particular inte
Precisa-se
de um mor;o que tenha muita pratira de
servir a" mesa nos hotcis: a tratar no hotel
de Bordeaux._________. _____________
I. andar.
Aluga-se o 1.' andar a rua do Padre
Floriano : a tratar na rua larga do Rosano
n.2i.
Carros de luxo.
inquestionavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e a
qne tern as melhores berlindas, calecas, meias ca-
lecas e victorias de luxo, proprias para qualquer
noivado, visitas de eliqueta, bailes e actos da aca-
demia, sendo os rnesmos ajaezados de excellentes
parelhas de animaes, arreios luxuosos e boleeiros
com fardamentos do ultimo gosto, para o que se
convida ao publico a vir por si mesmo scienUfi-
car-se da verdade do que deixamos dito, cerios de
lue nao eucuiitrarao pomada.H* sim realidade >i
commodos precos.________.________________
Primeiro andar paraalugar.
\luga-se o primeiro andar do sobrado da ru i
dc Marcilio Dias n. 137, pintado e caiado de nov,.:
quem pretender dirija-se a pllarmacia Torres que.
achara com quem tratan_______0&-____________
IOfSltOl 0 tSTaOOfR-NCtl
Leilao
AVISO
caleados avariados
Hoje
A's 10 lj2 horas em ponto.
0 agente Pinto far* leiiio, por autorisacao do
gerento do consulado de Franca, em presen^H
si chineeller c p^r eonta e risco de qoemper-
da caixa marca A 4 M A F, diamante, aw-
bordo do vapor Oberon, as 10 Ip horas do
ateu escriptorio, rna
Previne-so a quem qner que seja que nao faca
transaccao alguma com Jose Gomes de Freitas, a
respeito do estobelecimento de confeitoria denomi-
nado Braso de Onro a rua do lmperador des-
u cidade, visto como soi.re elle esta imminente
uma exeeucao. ______ ^________
LteuarU'tntnto
.-Di DO tST
_jnwiSTrAO: PARIZ, M, ortvBn McnmcitTiii.
ESTAQAO DOS BAHH08.
NoestabelcumcHioilc Vichy, uni dot, melho-
res da Europa, aJiar-te-ha Itanhos eEm'ir.va-
cBet de tnd't a sortc /wra a cura 'Ins doenc"' to
enlORiago. do n_ad, da fcf H. rel,
dlalx-iia S<>**> eoocrcfoes clculo'o,
on ncra* n urln, ate. ____
Cada DiA,bMO15 D Maio ATI 1 d8^t*hk,:
Te.tro e Coneer.o. 1,0 Cl..o. Mnricano "'I''"-
Sallo leltom. S-lo r-rr_o p_r SecborM.
SAlOendeJogoA, .-onverA?aoKbllhr.
TOMS OS UIIN'.OS D__ttSaO t-fcUfclt VICK___
|D^o.!to caPmato, TlSStT l~:-*..
Precisa-se de uma ama
que engomme e faca outros
servicos domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Precisa-se
de uma mulher }& idosa para andar com uma
menina de 2 annos: a tratar ne botel de
Bordeaux^______________________________
Precisa-se
de um criado para o servico
a tratar no botel de Bordeaux,
Contmua a estar fugida
a escrava Felippa, c6r fula, alta, secca,
beicos salientes, cara secca, olhos amorte-
cidos, falla raansa ; e cosinheira, postoque
do servico de enxada : foi vista era Bebe-
ribe em uma casa, que a acoita.
Esta escrava fugio com o filbo, escravo
do Sr. Jose" Antonio de Souza Magalhaes,
naturalraente dari seus pasesios do Recife a
Beberibe, estd-se espreitando provas para se
proceder contra quem a ocoita ; entretanto
roga-se is autoridades policies e capitaes
de campo a sua captura e conduced ao en-
genho da Sapucaia em Beberibe.____________
Aluga-se um sitio com casa nova noAr-
raial perto da estacao da casa Amarella, com bas
tantes fructeiras e agua de beber : quem preten-
de-Ia dirija-se a taverna funto a mesma estacao
que acbara com quem tratar.__________________
Precisa-se de uma mulher para servico de
casa de homem solteiro, sendo muito flel e dando
fiador a sna conducU : na rua Augusta n. 258,
taverna.__________________
A luga-se
o sitio da Ponte de Uchua n. 35 : a tratar no mes-
mo silio, ou na rua do Rangel a. 7, l on 2"
andar.___________
de cosinha
' Aluga-su lima pe-ijeua c,>a mnito fresca,
com sala, 2 qi zinln f r -.. om um ter-
reno e algujnas arv.n fructif. r.i-. ui.u por 165
mensaes: a traiai a i a d.i Lima u. 10,
ivraraento n. 2,1 ja.________ .,
ou Li
- Furtaram n i corrente da casa n.
83 da rua Imperial, um relogio de prata coberto,
n- 32131, sem o aro qne prende o vidro : a quem
for offerecido pede-se o fa ver de leva-lo a policia,
que se reepmpensara querendo.
DOENCAS
SECRETAS
Gh. ALBERT,
OUKA BAIIICA1, TWUTTA B IMITB r*U>
TOTHO M HiM-y-Iin.B* : Imptgv^l
lalporcM, boranlhafl, ulcerM, vjojos
Mmgne, debOiclade, tnmoraa.
BOLOI ARHSHH : Oorrtmentoi weenMl
I on autigo*; Ben* taraoca*, odre* palbfla*
rarit, U, r. ]ttB-sU. toUwto gratis-
Dqmdto om Pm~Umoo, A. aKOORn.
Exmas. Sras.
\ Rosa Brri"a pede t-da n vossa %V.^t para
as la* e sedas do listras dc nmi s6 cd-. como e
nllima inoda, e que acaba de receber esta ven
d.-ndo qaasl por mctadc do seu jral >:, por estar
prei in o o balanco. A ellas auies que se acabem.
Ii..)--. iuuii-i> ci.m peubor e maudam-se levar
; na rua da Imperatriz n. ."ni, loja da
H'.-tnca.________________________________
,crWi Dias da Silva Gu.iuiara.-s, em. vista
Offerece-se para caixeiro de qualquer esta
belecimento nesta cidade ou fora della, um moco
nacional, dando garantia de sua condncta : a tratar
na rua do Fogo, na loja n. 18.
ALlli
em drcl
lor Jose Gomes da Sil
vender o sen estabeleci-
o em Frecheiras, apressa-se
eio deu seu consenlimento e
sua execuclo sobre o mesmo es-
uao etetanle a sua venda.
0 quarto andar da rua do Marquez de Olinda
do
Banhos eares sai\ .< vcis
Monteiro.
alii duas p, mesa"
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na. rua do Apollo
n. 20, accam sobre o Banco- Commercial
de Vianna e suas agencias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, & vista e a prazo
por todos os paquetes._______________________
- Precisa se de uma escravi para cozinhai
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. %i
oja. __________________ '______________
Cavallos furtados
No dia 3 do corrente, a noile, fortaram da o'lri-
baria do engenho Piuma da freguezia de S Lou-
renco, dous cavallos com os signaes segui lies
um k mellado algemado, criuas e cauda bai tante
alvas, grande e gordo, castrado e andador b.'so ;
o outro e russo com pintas anurellas, crin
cauda pretas, intnro e bom andador; e de muo e
esta bastante gordo, e tem os denies qoebrad
uma reladura namao esqnerda; ambos esta.. i[.a-
dosdennvo. GratiQca-fe generosamente a .piera
os levar ao referidoengtnho, ou delles-der n.ticia
exact?.______________________________________.
Preci>a>e de uma mulher estrangeira
cuidar de uma crianca da tres mezes, \>. $' se
bem : na_rua_do Imperad r n. 63, 2 andar
i-ecebe-se "eiu'omn-endas de pasleis pai a .
fe ta : na rua do fmnerad.T n. 2, sobrado.
ileucao.
de bolos, da i
de Ner
__________
J
Alaga-se
s muito em
conU"para quem precisar de boni a'^s e banhos
frescos : a tratar a ma do Barao .'a Viei.ria, ou
tr'ora Xova n. 7.-_________
Aluga-se 0 3 an 1 .i : da I n-. (i u;<
Guia a. 62 : na rua da "
Prpi
100 rs?W
niiga ''in

I. ilar
on n
Pi
ii!'

deS.
;axia>
mdar__
ue .-aioa '
and
MDTIIUO

\\\\\\\\\\\\\\\W^*


6
Jiario de Femanibuce SaLbado 20 de Dezembro de It 7 3.
a&
Na travessa da rua
dasCru^es n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobrc pc-
nhores de ouro, pra-
te e brilbantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compile os mes-
mos metaesepedras.
Engenho Caiape no termo de
Iguarassu
Na rua do Marqiiez de Olinda n S3, precisa-se
fallar com o Sr. Lniz: Antonio da Silva a negocio
de seu particular mterosse.
******-*$$*&
5g Consultorio horneopa- $
8 thico $
*
0
Criado
Precisa se de am criado one tenha praiica de
c peiro e que seja de boa eouducta : na rua da
Imperatriz n. 37, I.* andar.
Da casa do abaixo asaignado, a rua Augus-
ta n. 288, fugio u preto Benedicto, perteneente ao
Sr. Manoel de Sauza Tavares, o qual estava de-
positado por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de di-
'ti reito da primeira vara, o abaixo assignado pelo
i presente protests com todo o rigor da lei contra
quem (pier que o tenha acoitad); assim como,
recommenda a sua urisao ; o preto tera os sig-
naes s guiules : representa ter 2i annos, altura
e Ci.rpo regular, esta bucando, parecs africano
quando anda, nao assenta bem o pe direito, pro-
veuiente de soffrer de cravos, foi ve?tido de pale-
tot branco c cbapeo de feltro prtto, c sapalos
de casemira tambem preto.
Recife, 17 de dezembro de 4872.
Joao Jovino de Almeida.
*
m
*
lo Dir. Santos Mello
41-------Roa do Imperaior-------41
Consul us todos os dias das 11 a 1 da
tarde. g>
Gratis aos pobres. w
Residencia a ma Nova n. 7, segundo
andar, onde da consultas das 6 as 9 da
manna e das 3 as 5 da tarde. gi
Chamados a qualquer hora.
chamani-se
a loja de fazendas c ronpa feita a rua do Marquez
de Ol.nda n. 40, os senhores abaixo mencinnados
a negocio de interest reciproco:
Adolpho Rober Kooper.
Bento Magal?ia-s:
Hi nnogenes Nunes da Silva.
J 4 i Marlins Nogucira Santos.
Miguel Lopes Guimaraes.
Jos6 AITonsQ.
Miguel Ferreira Pinto.
Migufl Azcvedo.
Manoel Theodore do Nasciraento.
Bernardino Lopes dos Anjo?.
Domingos Mafra.
Antonio BeruarJo Rodrigues Sette.
Antonio Sen-*,
Jose do Rego Araujo.
Jo 6 da Cunha Freila;;.
Jose Ignacio Porto
Antonio Mnreira Camard.
Zeferioo Domingues Moreira Junior.
Joao Rapnso de Bonis.
Paulino Jose Anilines.
Manoel Bacellar Pereira de Moraes.
Anton o Aquilino da Costi.
Arnaud d>- Hollands Caval<*ante.
:anga
Aluga-se por commodo preen nma boa casa na
povi-a'.ao do Caxanga, prineipio da estrada do
Ambole* : a tratar a rua do Imperador n. 5i, loja
de livros.
Engommadeira
Para casa de peauena familia precisa-se de nma
que seja pcrfeita engommadeira, paga-se bem pre-
fenndo se eserava ; em S. Jo>e do Maaguinho
sitio n. 2, antes de ohegar a igreja.
Precisa-se de om criado
do Paflre n. 28 '
no hotel do becco
FEiTiR mm
Para tratar de nm peqneno sitio precisa se de
urn bom feitor e que entenda de jardim e am cria-
do de 12 a 14 annos, para service de casa paga-
se bem. Caes do Apollo n. 69, ou em S.Jose do
Manguinlio, sitio n. 2, antes da igreja.
Bernardino Duarte Campos & C. em sen
estabelecimente a rua Primeiro de Marco n. 40,
pagam do dia 1." de Janeiro em diante a todos os
credores da massa fallida de Joao Maria CcTderro
Lima, que de prompto quizerem Teietoer de can-
formidade com a concordata obtida em juizo ; de
vendo os mesmos credores apresentarem seus ti-
tui s ate o dia 24 do eorrente para serein conlV-
rida*.
Recife 18 de dezembro de 1873.
^
k flM.9
Precisa-se aiagar nma casa com bastiinles com-
niodos para fainilis. com sitio ou quintal murado,
mas que seja perto da cidade, ou na proiimidade
da liana dos bondes : a tratar na rua do Bom Je-
sus n. 4, arma^em.______________^^^
Irmandadc k !\. S. da Coneeiclo
dos Wiliiaivs. 17 ik i\mm-
dro de 1875.
De cocfsrim la4) com o di^posto no art 40 das
estatutos de.-la irmandade, sao coiw'jdades todos
os nossos innaos a reaatrem-se no consistorio dfl
r83pectiva igreja, nenJOHiiiiBntl doicorrente mez,
pelas to hcras da man hi. atim do ter lagar a elei
0o da mesa regedora quo deve func:ionar bo
aano de 1874.
0 secretario interino
____________________K. Tambofim._________
Precisa ee-'te-tfc&HtMO, danHo-so por hy^-
potheca uma propriedade dnas ieguas distante
d4sM aMaAa, e p*r maior-garanlia da-se tambem
7 ensavos inofo SA-Iios, liwres todos de qual-
qer onus : a pessoaqae quizer fazer este nego-
cio, dirija-se em carta-wctiada a taverna da roa
do %uqw d CaKias n. 41, coin as inmeiaes T,
r.t.
Precisa-se de seiscentos mil
dando-sc hypotheca em am pred'o nesta praca
quem quizer fazer este negocio, anouncie para
ser prrcurado.
Escra,vo fiigido.
Do engenho Jose da Costa, freguezia de Agua-
Preta, fugio urn escravo perlencente ao abaixo as-
signado, com os signaes seguintes : Ceaario, cabra,
cabellos earapinhados, porem aim, quasi caxiado,
tern urn lobinho do lado csquerdo da testa acima
do olho, sobrancclhas espessas, vista espaotada,
nariz grosso, bocea grande. falta de denies do lado
de cima, cara cbupada, tern os peitos nm tantu ca-
belludos, varias marcas de oarbunculoa nas per-
nas, 6 baixo e de pouco corpo, |)e pequeno, andar
apressado, quer titubiar quando falla-se com elle :
e carreiro, cambiteiro e purgndor. Esteve no en-
genho Diamante, de Ipojuca, trabalhandn como
form com o nome de Mano-I Joaqniin, dondeeva-
dira-se logo qne foi conhe.-ido : roga-se as autori
dades policiaes e as pessnas, que delle souberem
(segundo os signaes indicados) a captnra, e fazer
entrega na praca aos Srs. Cunha Innaos 4 C, ou
no dito engenho ao sen senhor, qnesara pago com
generosida ie.
Felix de Valosis e Oliveira.
Aos 4:000?000
Bilfeetes g*aHtido&
Mua do Bardo da Vncionia (outr'ora Pi-ova
*i. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignade acaba de vender nos sens
cnuito felizes bilhetes a- sorte 4* 7> em urn
bilhete inteirode n. 3774, a sorte de Mtf em um
mpio de n. 1W,oasewe 1002 am bilhete iateiro
den. 1119, e um meio dn 34P7 cos a sorte de
lOOi, alem de ouiras sortes menores de 4Ot09
e 20^000 'da- loieria -que se aoaoou de extrahir
rets a premio, f7B'j ; contida aes'pwj'suidores a vir wceber,
qme promptamente sera n pagos na forma do cos-
tume.
0 mesmo abaixo assifraado convida ao roepeiu
vel publico para vrr -ao- seu eatabeleoimeato com
Erar os muito felizee-bflhetesyqae aao doisario de
rar qualquer iremie, como pro-va peios raeanx j
aanuncios.
Acham-se a vend* os muito feliies Mhetes -
antidos da 9' parte da loteria a beneflcio da
igreja da Sonta Cruz, que se exlrahira no dia 23
do eorrente mea.
**-
a ecw
Itltetro 4X000
Meio tfODO
De 100$OOf para ctuiu.
Iuteiro 32500
Meio U750
Recife, 16 de dezembro de 1873.
Joao Joaqrum da. Costa Leite.
LIQUIDACAO DE FAZENDAS
M
Rua da "Imperatriz n.,60
_. .___. __; *t
Vende fazendas para liquidar, por baratissimopreco como
abaixo se ve:
Pewira dn va A tiaiatartes teno em ser Qiri'graiirft depozhi *6 ftzendas
tern resolvido faaer uniia li|ui(l8cao dw mesrnas com.gfande abaiimemo nos precos.
oom o unicoTim du sportr^dinheir para o treguezes, como OTospoitavel publico, a var suriir-se demiH4* fazendas, boas cbarU*
no seu esttbelecimentodenommado oPatS^-a rao da Imperatriz 60.
BAZAR .
Ruadolarao da Morian.22.
DE
Careeiro Viaona.
Aos Srs. advogados.
Mediante algumas bemleitouas, aluga-se uma
grande sala e dcus quartos, tndo forrado de pa-
pel e com asaeio, propria para escriptorio : na rua
do Ifflprrodor n. 81, primeiro andar : a tratar no
armazun do mesmo sobrado.
50^
Achase fugida desde o dia 1'J de novembrc a
eiCrava Su aut*. com os signaes seguintes : cor
parda, idade 30 annos, pouco mais ou menus, ca-
beilo corredio c curto, pucha por uma penia em
lueii-ia de um defeilo n'um jnellio, seen
ufttei roj< ilfdos dus pes.de cstatura baixa, levou
i-igo [o.i.i ronpa do seu oso, e a quantia de
tOO* que siibtraino de sen scnlior ; presunese
i r !tiii 11 para Goyanna em companhi i de un.
a Flonneio: roga-
.^.a(Hta,M do caraMj^nj awrehHnsao, entr-
ludo irt fiH Tir"Slarcilio Dias n. 21, ou a sen
-<;,!, ir a rua di Senzala nova n. 7, que sen gra
tifica lo coin a juautia acima.
Precisa se 'Ie um menino do 10 a 12 ann-'s,
m nouca iiralica d^ taverna : a tratar na mes
.. aria ite S Mignd n. 68, nos Afogalos,
Pede se aos Srs. ouriveis. on a quem por
casn for i fr.-rei'ido um botao com trilhante. de
0 appro e:"1er e annnnciar por e-ie jirnal, por-
foi rouhad i no ilia it do eorrente da casa n.
H, na pstrali do Cajneiro ; qualquer dospeza do
annoncio sera paga pelo interessado.
- Preeisa-se de nm caixeiro com pratica de
pataria, nao se olfia a ordeuado : na rua do Li-
BU n. 72.
Offjreee-se um mo^i para feit>r ou admini^-
'. lor ile engenlhi, torn baataalc pratica por ser
- i |i:iiiisss-Ai. juem pre&sar annua<*ie.
Aluga se nma excelli'iit". oana na povoa;a<>
lie Duarte Coelho, era OlinJa, cum l>on< cunmo
das p ira familia ; a tratar c un Jorge Tasso, rua
An Tim, h. 37.
- Aluga sc metade de. uma casa de familia,
mulher e marido, sem filhos. so a casal : a rna do
caes da Oettencao n. 11.
Oirc.rece-se para caixeiro de qualquer esta-
belecimento nesta cidade ou fora delta, um moco
nacional de 18 annos ; offerece garanti a a sua
condiK-ia : a tratar na rua da- Trincheiras n. 66.
Aluga-se a olaria n. 03. na rua do Visconde
de Goyanna : a tratar a rua do Rosario da Boa-
Vista n. ")0.____________ ________
Pr cisa-se de uma criada ou criado para
c mprar e oinhar : na rua do Marquez de Olin-
da a.40, l. andar.
Precisa-se alngar uma ama boa cozinheira,
forra ou escrava : a tratar na rua da Imperatrfz,
casa n. 16, segundo andar
Padaria.
Aluga-se a da rua dos Pescadores as. 1 e 3 :
a tratar com Tasso IrmSos, rua do Amortm n. 37.
Attencao
OSr. PYancieo Agostlntio Madeira, e rogado
vir a rua do Duifae de Cexias n. e*0-A.
Precisa-se de uma ama para criar, quo te-
nlia bom leite : a rua Sclc de Setembro, outr'o-
ra dosv^erreiros n. 24, paga-se bem.
Precisa-se de um criado que enUnda de co-
peiro e seja de bo eondu^ta : na rua da Impera-
triaji. 37, 1 andar.
CGMPBJUL
Trast
Armada.
- Aluga se u na boa casa para itrande ramilii,
com muitos ramiaodos, na rua das Pernambuca-
nas n. 44, na Capunga : a tratar no Chora Me
nino, com J -e Antonio Marques.
Coinp:inhla ferro Curril de Per
nambu <* (tiutr'ora Pernambuco
Street .'Suilwny
Convid'i a tdos os possuid ires de bilhetes de
nassagem n is carros desta companhia, aiuda exi-
.ent's em circula^ao com a assignalura de II
H. Swift, A-st Tr-dsr, a iraze-los ao troco por di
nh-iro m esTiptoiia-da companhia a mail
Hrum, em tod-* os d as nteis, das 10 horas da ma-
nha as 3 da tarde, ate 31 d> dezembro proximo
vindouro ; prevenindo, outro sim, que os ditos bi
ihetesserai reputados sem mais valor para qual
3uer effeito, a parHV do t. de Janeiro de 1874 em
lannte, os termos do aviso do mini-iterio da fa-
'.enda de 6 de a gusto iroximo passado e da por-
wria da presldencia desta provincia de 6 de ou-
lubri' eorrente.
Rcife, em 7 deoutitbro de l73.
0 gere nte,
Gustavo Adoipho Schmdit.
Casas de aluuuel.
Aluga se o primeiro andar e sotao do sobrado
.. 3i, sito a rua da- Trinehiirae, e tambem 8 ca
^inhas, na rua Imperial, tudo por commodo pre
i : a tratar na roa de Saata Cecilia n. 18, casa
nova.
Ama
Na rua do Barao da Victoria n 36, precisa-se
fallar ao Sr. 2. tenente Jose" Maria Pestana, a ne-
gario dc sen Interesse.
Pieeisa-se de uma ama para cozi-
uhar para rapaz solteiro na rua do
I'respo d. 2u.
Precisa-se de uma ama pa-
ra eozinaar : na raa do Mar-
quez de Olinda n. it, antiga
o Recife.
4MA
rua da Cad'
\ M A
I'rrci.-a se de uma ama qne
saiba perfeitamente cozinhar : a
rua do Queimaio n. 92, loja.
VM
Precisa-se de nma ama para
cozinhar : a iratar a rua do Im-
perador n. 14.
Ama de leile
Precisa se de uma ama de leite e paga-se bem :
a tratar na rua do Queimado, loja da Roa Fama,
lu na rua do Crespo, loja da Passo, junto ao arco
ae Santo Antonio
. Precisa-se de uma cuzinheira ;
A a tratar na rua Nova, loja nu-
1 mero 7.
Precise de uma ama que tenha pratica
de andar com menin s e para fazer mais
algum servico de casa de ponca famHta : na rna
da Iiniieratriz n 37, primeiro andar.
V
rrecisa-se
alagar uma escrannha de 12 a 14 annos, para
trabalho dunestico : na rua do Vigario n. 2, ou a
rua do Hrum n. 22.
Os monidores da rua de iwita There-
za, vismhos do Sr. Br...a, pmiero the o favor
de nao ns defumar com tao putrida agua to:
dos is dias a tarde, a sa casa torn um ap-
pareJho onde deveni ser lancadas as aguas
servidase para Tedartstaobstinagao, rogam
ao Sr. fiical um passeio a dita rua.
Os visinhos incommodados.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
1 rua Primeiro dc Marco (outr'ora rua d<
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidu.-
la 8 parte das loterias a beneueio da igreja da
Santa Cruz (8u), que se extralnra ua Urra-fcira
23 do eorrente mez.
PRECOS
Bilhete inteiro 4JW00
Meio bilhete 2*000
EM POll^AOOE tOO^lOOO F'AHA CM*.
Bilhete inteiro 3^oO0
Meio bilhete 1*750
M rnoel Martins Fima
Compra se e vende-se trastes Bevo?
usados no armazem da rua do Im" V.,'
Wbrm *g. -- #,
&v
- Compra-s> uma escrava parda de seu- :i0
annos, que seja de nisito boa conducts e saiba la
var, engommar e cozinhar, tendo boa saade : no
Corredor do Bispo n. 73, a tratar a qualquer hora.
rmk%.
Criado
Precise de um de 12 a 14 annos de idade, para
couipras e mais servico domestico de uttia casa
de pouca familia, prefewndo-se escravo : a tralar
na travessa do Vigario n. i, escriptorio, das 9 as 3
horas da tarde.
Perdido
Por barato prejo vende-se uma porcao de
traves e travetas de tedos os tamaahos e de qua-
lidade, tambem tern portas de loaro novas de to-
dos os taaianlvie : no C'tora Menino, com Jose An-
tonio Marques.
Farinlia de araruta
Vende-se superior farinha de araruta, tanto em
porcdescomo aretalhj, por preco que admiia,
visto sua qa ill Jade ; tfgpasiios nos sogointes lu-
gares: rua do Vijjaiiio a. 2i>, ma do Amorim n
58, e travessa da rua das Cruzes n 4, a 500 rs. a
1 ibra aretailio. __________________
trelooes escuros
E' a primeira vez que vem a ete mercado ; a
Rosa Branca tern e vende barato, e da amoslras
com penhor : na rua da Imperatriz n. 56.
CJiitas de xadrez.
A Rosa branca tera e vende a 440 rs. o covado.
na rua da Imperatriz n. 56.
C4RVA0 CAHillPK
DE
Saperior qualidade e gar,an-
tido
Na rua do Commercio n. 4, escriptorio de Lids-
tooe Robilliard 4 C, veade-e per precos commo-
dos o carvao acima, Walo em grandes como em
pequenas pureiies.
Vende-se uma exeeReate escrava, de 22 an-
nos, qve cuzinba, la,va e engomma, e de optima
conducta : a tratar na rua dO-Baraode S. Borja
n.58.
A* tete graude eetabelecffnento tern che-
gado um eom sortimento de machines papa
costura, de todos os autores maUacredita-
dos ultimamerrtena Europe, cujas machines
sio garantidas por um anno, e-4eodo um
perleito artista par* ensinar as mesmas, em
qualquer parte desla cidade, como bem as-
sim coneerta-las pok> tempo tambem d'um
aano sem despendfo algnm do comprador.
Neate eetaMecimeiilo t oibem ha perteuQas
para as nwsmqs1 maebinas e se suppre quad-
quer peca que seja necessario. i^tas ma-
chinas trabalham com toda n perfeicao de
umedous pospontos, franze e" horda toda
qualquer costura por fina que seja, seus
precos sfio da seguinte qualidade : para tra-
balhar a mao de 303JOOO, 40COO0 i59090
e 50*008, para trabalbar com o p 8OJNM>0, 000000, 1000000, 1100000,
1200000, 1300000, 1500000, 2000000 e
2500000, emquauto aos aotores nao ha al-
taraeao de preoos, eos compradoros poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedade de objectos que
hajWJiupie pifra'ieiiffei .-corrro-sffrm: cadei-
ra^para viagem, malag para viagem, ca*i-
raara salas, ditas dfe balanco, ditas para
crjuca (atij*), dias pane esqpraa, castuati-
raannqefesirnia% ifprt *therav daspnsais
paaa cfian^as, SeTod8s as quaudaJes, caas
de ferro para hamem e criansas, capaebjas,
es#lhos dourados para sala, grandes e |e-
qiaaios, appopetties de matal peata^ha, ta-
qiaairos'ewn eabodemetal e demarSm,
dis avuhos, comeres de metalfino, condjei-
rorpas* saia., jan-.06 gayda-eormdas de
aratae, tewpas para eebcir pratos, esteiras
paia forra r. salas, lavatwios corapletos, ditos
singles, nbjectosjiaratoiletje, e-autros nui-
to* artif08 qae -muko deveruagradar a todos
qua >iiMM esie frande eatebeteetnufflito
que iaavalaraaMaaftfie-de 6 6 horas da ma-
nha ate as laorae in noutea
Ru*4BS^dk-Vtetoria n.
CAMBRAUS A 40, 4aO, oO, 60 7.
0 Fario vende tim magnifjeo sortimento
das mais flnas cambraias hrawcas tragaspa-
rentes, tendo to jardas cad*: jj^a, pelo ba-
rato preco de 40, 4O500, 50, 9, tendo tam-
bem das mais ftnas que custumam vir ao
mercado, assi-n como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de 4
ata^aaoilo fazenda que valle muito mats
dinheiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
0 PavSo recebeu um elegante sortimento
de eambtaws-brancas oom bomtos srfpiqui-
ilhos miudinhos de cores, tendo. \Q jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
preco de 50, pr>ser peebiactoa, ditas com
salpicos todo bpaaorrsendQ fajsenda flnissima
a 70500 c ditas a 50000.
22.
VESTIDOS A USO DA CORTEil20
0 PavSo vende um boiiito sortimento de, .
cortes de vestidos a uso da oerte, trazendo) do a 30 e 50
cada c6rte todos os enfeites neeessarioscomo
sejam : babadinhos, entre-meios, rendas,
requefifes, e vende pelo barato preco de 120
cada um, asskn como, di os a 2 de julbo
com todos os enfeites a 100. cortes de oacr.-
braias braocas abertas, com listras e lavores
a 60, ditos fniissimos a 80, djtos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 30500, 6 pechmeba.
francez muito fino a-3o000, apenas precis*
1, V1 metro para um,lecel.
CHALKS BARATOS
a 9^ 2W,.4^
0 Pavao venda chales.a matafao dame-
rind a 20, ditos de merih6 lisos de todas as
cores a **0, ditos de merinoestampado*
muito faiosa 40, iditea tras desada a-6f 500, ditos muito ftuos de
prapooM rA M.
AIsolA< en feat ado % l{MO
0 Pavao vende algo&to oufestado cam 8
palmos de lapawa, paoprjo para leacaei
sendo do mais encorpado que tem vindo tx
mercado, lise a 10 a vara eti-aneadoa.,,.
vpm.
0 Pavao venite-atoribado Irancado com 8
palmosde largura.a l-2t0 e i&MB, djw
adamaseado a 20/, dito de Uabo adamaeoa
CORTES BORDADOS A 200 E 350.
0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 200 e 350.
CASSAS FRAHCEZAS
a 300 rs, ocovado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas eom delicados padroes e
cores fixes, qae vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadriuhos a 640 rs. a vara fi-
aissimo 616 branco liso e de salpicos, e tanla-
tanas de todas a6 cores.
B0RN0US A 0.
0 Pavio vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous com bonitas lietras e
vende pelo barato preco de 120 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales de merin6 e com listras de seda.
LAZINUAiS A 320
0 Pavao vende boni
SEDA PARA VESTIDOS
a 1OG00C2O.
0 Pavao vende um bonito sortimento dt
sedas com listrinhas proprias para vesti-
dos de meniaasede seubora a 10600 o co-
vado, ditas la vradinhas a 20, os padroes sac
muito bonitos e vende-se por este preco pan
acabar.
Botinas a 55000
0 Pavao tem maaftiJete aettitaento de
botinas muito bem enfefcadas para senhoras
e vende pelo bauAtopreea Je 30,artigo qu<
em outra quarqflerpartecasta 00 e 70.
LE!tQ0S,BRAS a 2000.
0 Pavao vende-lenees branees absinln-
dos, tflmto parahomensoomo para senhoras,
a 20 e 20500 a duzia, ditqs de esgniSo
cambraia de Unho t-mbem abainbados a
3C500, 40, 50, d tos francezes escuros, pare
rape a 60,.a duzia.
CAMISAS BUBA DOMEM.
0 Pavao veade ricas camtsas com peitc
de linho bord^idas, proprias pira notvo
10^1 e 120 cada uma, ditas.de linho sen se-
rem bori-das 40, OS00 e 50, ditas cort
peito de algodao muito finas a 20, 20500 e
30, ditas dechita fina miudinba a^O, 20500,
e 30, assim como grando sortimento de ce-
roulas francezes tanto de hnho como deal
nde sortimentc
Nfto ba IMS cabellos
r brant'tts.
mm mm.
Sf e unicaapprtwada pelas academias de
scieaciaa. aaaanhecida superior a toda que
temiappareeida ate-hoje- Depesito prinei-
pal K raa que| de OTinda, n. 51, 1^ andar, e em
todas as beticas e casas de cabellei-
r6iraw
I serrdo vorde e cor de lyrio, pe o b*rato preco
de 320 reis o covado, assim como delicadas
lazinbas de quadcinhos a 280 leis, e pe-
cbincba.
Ciranndinea uOlO
n'tas lazinbas |jsac godao de 10600 at^ 30, gr
in rinh,Fmn,J mcrs era singlezas de
inglezas de 40 ate" 8O000 a
duzia
\ F*ZBDAS*tRALU4t).
0 Pavao torn uia aade sortimento dt
fazendas pret s para h*to como sejam : cs-
0 Pavao vende um elegante sortimento s s' ,HS>,0U 'az>nhe *s que vende a 40T
das mais bouitas granadines ou gazes de e ? r6is covado. bombazinas de 1060C
seda para vestidos. tendo de todas as cores ate -2*. c?vaJo. cantao a to e 10200,
e vende polo barato preco de 640 r&s o co- 8raadjtie lisa com listras, cassas e chita<
vado c granadinc preta com listras de seda l .^ Pretos com fctraae salpicos, 'Jp cas
a 10800. t0'las ptas e lavradas branco, merin6s
'outrasmuitas fazendas apropri das, que si
LAZINBAS A 360 0 COVADO. j veutle por menos do que cm outra qualquer
0 Pavflo vende bonitas lazinhas transpa- parte.
rentes com palminhas a 360 Teis o covado, MADAPOLOES ENFESTADQS
ditas ditas indianas com lindos dezenhos, a 30006
tanto em listras como em quadros a 280 rs. pdv5 vende pecasde madapelao enfee-
o covado, e grande sortimento dealpacase tado com 12 jardas a 30, dito a 30500, Ate
lazinhas de 40o a 800 re"is. j com 20 jardas a 50, 50500 e 6O0O0, dito
loom 24 jardas de50 ate80 e 100, sendo ot
CIIITAS DE CORES mais finos que tem vindo ao mere do.
a 20", 240, 28u e 320 rs. '
0 Pavao vende um grande sortimento de' Algd*toa;ijaJi.o 4UZ bonitas chitas tanto claras cono escuras
De forca de d ms a seis cavallos : a venda no
annazem de Joaquim U>|>us Machado & C, tr-a
vesa do 'orpo Santo n. 2o.
Vende-se um t casa terrea em terrono pro-
prio na ruajdo Carcereiro n. 6 : na rua do Duque
de Caxiaj. loja n. 60 se dira quem vende.
Wii on Rowe & L. vendom no seu armazem
a roa de Commercio n. li :
0 veriadeiro panao de algodao azul amencano.
Exaellente do de vela.
Cognac de 1* qualidade
Viqho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade*
Vende-se
Perdeu-se uma cambadioha de chaves, soodo*
chaves em uma argoltaha : ijaem attver aebado,
faca o fav.ir drt leva-|a a rua PrimMro'd^ Warco
u II, qne se gratificara.
Preeisa-td .ile rBa cntdher de meia idade,
pa'a fa?er aliruai serti^o *wir conta de casa
de pt-quenafemiliijia qoal aja deboa conducta e
de fiadjr : oa roa di imperatriz o. 37, primeiro
PTtdor.
no largo da Paz,.nes Atigadc. uma casa terrea
n. 90, i umtd&fSes para grande ii.i ;
ten>!
ciiiiia. fi
portii
rua d.i Li
(|uarto. cizinh"
I par.i at
".is Caxiag, loja
i, ca-
tr.'il.i;
Allencao.
0 Sr. Canlido G. R. Lima.faga e favor vir a rua
do Duque de Caxfas n. 60 A. _______
*. al t- 4 Jji
Na .tedicaa de (Who itaao,
Veade-se m seguintes ob-
jectos, por precos
commodos:
VARANDAS francezas de ferro fundido de diver-
^^ e bonitos go.'tos.
FOGOES francezes grandes e pequenos.
DITO dito para trabalbar eom ga?.
BOMBAS francezas de repuxo.
PANCOS com pea de fe.ro, com molla e sem
ella.
PES de ferro para mesa.
3ARR0S de ferro para jardim, grandes e peaue
nas.
MACHLXAftrarafelar agua e faair gelo ; gelam
asaa am 10 minutQr izm gelo em
20 ditos.
noiestado em que se acha <> sitio existcnte no
lugar dos Remedios, freguezia dos Afogados n.
2l, hojj becco da travessa dos Remedios n. 18,
em chao pmprio, quem o pretender entenda-se
com o seu proprietario na rua de S. Francisco,
como quem vai para a rua Bella, sobrado n. 10,
que sc fara todo negocio
vende de 2'iti ate 32w rs*. assim como ditas
com listras aolado muito Sims a 360 e 400
rs., finissimas percales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 reis, garantindo
serem todas de Cures flxas.
COBKRTAS A 20, 2f 500, 30, 40.
0 Pavao vendo bonitas cobertas do chita
0 Pavao vende peeas de algoiiaozinhc
muito encorpado a 40, dito a 50 e 60-
TAPETES
CORTES DE CASEMIRA A 50.
0 Pavao veBde um grande sortimento de
com ramagem grauda, pelos baratos precos cortes de casemira para calcas, com bonitos
de 20,2050", 30 e 40, ditas encarnadas gostos, claros e escuros a 50, ditos de 60,
ftirradas a 50, ditas defustao branco e de cor' 7#, 80, ate 180, superiores casemiras fran-
com barras a 40 e 50, ditas de creche" para Icez se inglezas, para covado, de 30500 ate^
oama de noivo a 60, ditas muito rlcas a 160,! 60, paunos.pretos e de c ires dos mais bara-
ditas de damasco a emitacao de seda a 400 tos e mais finos que tem vin lo ao mercado.
e 140. por precos muito razo iveis.
Roupa feita
0 Pavao, tem censtanieBiente um grande
FustSes
0 Pavao vendefustoesbrancosede cores,
sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao sortimento de roupas feitaspara homem, que
mercado, tanto para roupa de eriancas como! vende por preco muito em conta, como se
para vestidos e roupas de homem, e vende jam
Farinha de mandioca nova
Teem para vendor Joaquim lose Goncalyes Bal-
tran Fllho, ajberdodo paiacao Sapho, chef ado
de Santa atharina, fundtado dafronte do trapiche
Barao do Livramento ; e para tfatar a bordo, ou
no seu esofiptorioa raa da Commercio n. B.'
e-se
fes.de sapotis. abacates, Toraeiras, parreira?,
frueta-pao, roseiras de varia> quatidades e outras
flnres : na Boa-vista, rua do Visconde de Goyanaa
n. 101, oatr'ora Moodego.
pelo barato preco de 56o atd 10, o covado.
BRAMANTES
a 10600, 2*200 e2O500.
0 PavSo vende bramantes de algodao com
10 palmos de largut* para lencdes^pelo ba-
rato preco-de JJJ600, dito de liujio com a
mesma largura a 20, 20200 e 20500, dito
ortes tie chita a *? So&OO e
3>000
0 Pavao vende cortes de chitas ascuras e
claras com 10 covadoscada cdrte, pelo ba-
natismo pre^o de 20. 20500 e 30000.
CORTES DE BRIM A 10400.
0 Pavao vende cortes de*brim pardo para
calca, a 10400 Ditos deedr, faaepdamui- Lad'roes miudinhos "corn Tindas cores, tendo
M> >0- 15 covados cada eorte, pelobarato preco d<-
Galcas de brim de cores de 29500 ate 69.
Ditas de casemira escura a 30500
Paljtots da mesma fazenda a 40500.
Calcas de brim pardo de 20 ate 50.
Dit Dit^s de casemira preta de 70 ate -140.
Palitats de panno pret) de 40 ate 123.
Fraques depanno preto fino de 200 ate
350000.
Cals^s brancas delinho de 40 ate70-
Colletes de casemira do cor de 30000 ate
5O0Q0.
Ditos de dita preta de 40 ate 70.
Cortes de lit 1MMM>
0 Pavao vende bonitos cortes de lasinhas,
hWAV
Aneenton se desde n iiir
7-1, da propried e. '.' ihpol
..^Jfalta, 'u -:;. ii Itii.i. dc ti an-
Pre
if XT
na
i ,. ., j, .
qnen.
.i In a dita inn
(Ih dereiihro de
ii'l^uc/ia de S.

Asunicas verdacleiras
ttehas hambuTgaezas one vem a este mere-ado-
Py'Wtr Marquez de ulinda n. 51
Vende-se barato a arma^io da taverna d. 60, si-
a A rua Direita tos Afogados : a tratar na pada
ria uliiiia^'B # ___________________
[atrieuJa para cavallos.
i uaHrraria dasiea, irua dolraaara-
Stmi ^life
rAasarai Siabuoo, A C vendem w mais cott
aoa*oimuaiHi aum vistas
Bazar Victoria,-ru do Raraodai
lianas ckjaeliiias
Espartilhos a He 4#000.
0 Pavao vende os mais modernos esparti-
lhos, proprios para senhoras e meninas,
pelos baratissimos preco6 da 30 e 40000.
Ditos muito supaos, brancos e de c6r, a
50 e 60000.
49000.
CORTES DE ORGANDY A 99000 e 39500.
0 Pavao vende c6rte de organdy branco,
com listras e quadnnhos, sendo fazenda mui-
to fina, pelos baratissimos precos de 39 e
30500 o corte.
Ceroulasfranoejas de.fcijho a*]gpdaQ, para todos oipre^as:e qualid^ies, assim
coain graBde sortimento ie taeias eruas, aamisas, colennhos, ^ae turjrjvaevende por
preeos tnuit r zoaveis.
as*Wflr*iarSTta a..
tWlpliafia/*,'*emarre(f0eza"1a ;
dfr,'(WiljMe a'HWMaa, qae acha -mnrtiora*. '*s ti
I tratar. i milt anmarrtia pnaiiaii
Vetlde-se nma tyimirraphia bem nioai.ida, com
omanuohioa e L a c-tado e
dirija-ee a
r RDADOtBE-B-tUlU'AS *3
(KtuimKlfea.Hmii liadaschaaeli-' por pfKf mudi,
iMpeos para mhow, 'Mpfrwres o-4b"- rua-dw*rie9 a. t2. s
f| lirajfra-, .
os I -Vanae-se uma ..- ,va mu:atAv qua
' oorinha: na rua de Mawltio Di;
lava e
.
tem para ve i r"
Cogaae aaHdteaaesev-, *>-,nor e -ventaMairt-.
VSaho Xeres da* motborea qoaHaades.
ters da Aagostura.
Wiiaky*^
Cba pratoem latus de 10 libras.
is as preparayi|siab(mka ' anaaaam da rua do Commercio a. *9.
MUTI1AD0

uM3
<
j


H II



Diao de Pernambitto SaGG&ao 20 de Daaauhro m J&ffc.
7

j]
C0STORA DE HOWE

LEITE, IRMAOS
UNIGOS AGENTES
Rua do Barao da Victoria n. 28
Fazendas finas
NA
Rna \. k Hircoo. 7 A.
DE
Cordeiro Simoes dt 0.
;
I E' esta casa, sem duvida, uma. das ejue hoje,
pode com primazia apresentar aos sens frcguezes
um variadissimo soruirrairto de fazendas finas pa-
ra grande toilette ; a.ssim como, para o uso ordi-
, nano do todas as classes, c por presos.vanlajo-
sos para os cempradores, de eujas fazem um pe-
queno resumo.
I Mandara fazendas as casas dos preteodentes,
para o que tem o pessoal necessai io e dao aroos-
; tras mcdiante penhor.
la mats simples, as maisbaratas e as melh-ves domundo! ^*,5& *"'
Na expose de Paris, em 1867, foi concedido g^^^^**
Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora- j*et,m1 Ma"a P10 eJe c0res'
' Grosdenaples idem idem.
cao da Legiao de Honra, por serem as mammas mais per. Velado preto.
laUae An m,-,,ir. Granadine, eda prcta e colismasn de cores lin-
teixas oe raunao. ( dlssimas padroes e fazenda da ulUma moda.
. ... .. Popelinas de liodos padr-fcs.
A medalha de ouro, confenda a E. Howe Junior, nos FH6 de scda braneo c pre to.
.,,,. ,, ,. Rieas basquinas de seda.
Estados-Untdos por ser o inventor da raachma de cos- Mamas brnsileiras.
Cok has de seda para noivos.
Cortes de cambraia branca com lindos bordados.
A medalha de ouro n. exposicao de Londres acreditam SB^TSS^*fti ii<.ras de seda.
estas machinas. Cambraia* de eOrfti
/-* /^ rfk /rv *\ /-v i Ditas maripozas, brancas e de cores.
V Ml I \ I II II I Nansuck de liudos padiSos.
X~^_ %y\f(Uj\/\J\j Baptista de padroes raui delicados.
*^ Per.-a.'inas de quadros prctos e brancos, de lis-
^rk^^rnPc!so0ndev!rtdea,niITiar q.nvcs0T^ifd-asmacohiDa5 dJHo*.e de ^ b5?3?W de <***,**&*!**&
tot%, estabeleccu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agenoia Cl \mr;i t feua*.
tura.
Agua floTida, de Guislain,
parafazei os cabeilospre-
tos.
A aguia branca, a rua Duqne de Caxias n. 50,
acaba de receber nova retoessa da apreeiavel agua
ftorida para fazcr os cabeUos pretos. 0 bom re-
snltado colhido por quem tem felto uso dessa
inolrensiva preparaeau a tem altamente coneeifua-
do, e por isso apeaas e faz lembrar a quern no-
vainente deila precise e queira se aproveitar de
sua utilidade. J*nibem veio agua de topasio e
oieo fiorido par* o mesmo u o e Uo acreditados
como aqnella.
Vfoltas e brincos de grossos
aljofares de cores.
A agaia branca, a rua do Duqne dj Caxias n.
50, recebeu noras e bonitas voltas e brmcos de
grosses nljofares de cores, e como sempre cooti-
nua a veude-las por preco commodo.
Novos diademas dourados e
com pedras.
A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
30, recebeu novo sortimento de bonitos diade-
mas dourados e com pedras, tanto para meninas
como para senhoras.
CollecQoes de traslados ou
fral, pra em PernambDco e mais provinciasse venderem as afamadas machinas de cos- Ptatia de iiivlas cores.
-i do Howe. Estas macmnas sao justamente apreciadas pela perfei^So de sen trabalho, C.va*|iiinhos de la e de todas as
apregando uma agulha mais curta com a mesma qualidade deliuhaque qualquer outra, SalS''^rdadas para senhora.
**" ititroauccao dos mav aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a Camisasidem idem
**?eGer u> exame publico as melhores machinas do mundo. Vestnnrios para mr
As vanfo-gens desias machinas sdo as segumtes:
rrlaioira.0 publico sake que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
^^coairtaHcia de nunca terent anoarecido no mercado machinas d Howe em segun-
mio.
SGfronda.f.ivrtera o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nollas menor fricr;io entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
ne nis outras.
Ouarta.Formam o ponto como se fora'fetto i m8o.
Qainta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se no oonsegn
at Jttras.
scrte.Pazera ponto raiudo em casernira, atravessando o fio de um i ootro
envps, para se^
'ra.
seg
{A 4
lado,
M modaficr-ae a tensio da linha, cozem a faxenda' main
mrninos.
Ditos para baptisados.
Chnpeos para ditos.
Toalhas o gnardanapos aOama$cados de linho de
cores para mesa.
Colchas de 1'.
Cortinados bordalos.
rami?as bordadas para hametn.
Meuos de cores para homens e meninos.
Completo sortimento de cliapeos de sol para ho-
mens e seohoras, com cabo de marfim.
Merino de cores para vestldos.
Dito preto.
Atoalhado de iinlio e algod&o para toalbas.
Atcalbado pardx
Brins de linho branco, preto e de cores.
Setim de lindas cores e com listras.
('hales de merino de cores e pietos.
Setima.0 compressor 6 levsntado com a maior faeflidade, anando se tem de mudar 5ilos de ca,semira- .
. ttk */ ^m^o ^i.,.. Ditos do seda preta e de cores.
Dito de touquim.
n ?p!ha ao come^ar nova coslura.
. j compai._.
-ptsndo a opmlSo de Elias Howe, mestre em artemecbanieas, tem
ripvntado o seu fabrico, e hoje n3o attende a'prooura, postoque 'faca
'a-la marhina acompanha livretos com mstrucjoes em portagne*.
~ A 90^000
SOARES LEITE, IMiOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
Ceroulas de brim e algodao.
^"*wme?me Damasco de la de cures.
6tiO macbiBM Pannos de crechet para cadeira, sofa e-cbiwJMqs.
Colchas ile dito.
iTarlaiana de todas as cores,
r^ Espartilhos lisos e bordado.-.
'Foulard' de scda.
li i Casacos a tricot.
Riios cortcs de vejtidos da liiun para sephurp,
de di ersas cores, com os competentes eqfei-'
tes, ultima moda.
'j.-emiras prelas c de cores, chitas, maAapolics
csq|bra<9. pauiio lino preto e azul, cpllariphos,
punhos, gravatas, luvas de pellica, djlas d lio
de Escccia, branca* e de dores, tapetesde todos
os tamanhos, holsaa de viagem, etc. M.
.Va Ittja do I'asso, rua Primeiro de Marco n
.A. .uitipado Crosiic
normaspara escrever-se.
A aguia bvanea, a rea Duqne de Ca\ias n. 30,
recebeu novas colleccoes ou nonuas para as crian-
cas aprenderema escrever.por si mesmo, hoje ta;)
usadas nas aulas e collegios; e como sempre veu-
de-as por pre?o commodo.
Meias cruas finas para meni-
nas esenhoras
A loja d'agnia branca, a rna Duqne de r\tia
n. SO, rcehtibovo sortimetrto daqnerlas'Ulo-^Ko-
curadas meias cruas para senhora, vindo- iptic^
loeiitcpara meoina-s e continua a venda-bvj per
pregos coiniuodos.
V6os ou mantiahas pretas,
A l-ija .da-ai-'Bia branca, a rua do Dnquet de Ca-
xias a. -30, rcCi'i.'uu bonitos vei-s ou mauluiha>
pj-eias dc seda com (lores, e outras a imitacao de
erotaw. e M-nde as pelos ^nr:ltos prcos ne 3S.
'if e 6*000. A feienda ba e esta empe"rft>i
estado, pelo qoe contmda a ter'prompts extra-:-
Perfeita novidadc.
(irampos com borboletas, bezouros 'e gala-
nhrrtos dourydos c coloridos.
A loja aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. ftO, reeeben idotos grampos own bor-
boletas, bezonros e galanhotos, o quo de cerlo i
perfeita novid de. A ,quant;dade e pepnena, e
por isso em breve se atabara.
Novas gollinhas ornadascom
pelucra ou arminho
A loja d'aguia branca area Duque de Caxias
- 30: recebeu nma pc<;eeria quaniidnde de bfti-
se navas golMntias, trabamo de la-e-sada, en-
neitadas om armiutto, ofcras esias d<; inuitO'gosto
e inteiraroente novas.
Grarapoe, brincos e rozetas
dourados.
A loja da aguia branca, a rua do Duaue
Ktafiaai I n. rfc'*,-*ei*eu-'nov*inle' twwtosvgraai'
pos, hitncfis <> so:kas d*arai) ; asaim um
ncvMg'diadsuifts. de ?c*v tpre conti-
nda a vcnda-loS por jifents razpavejs
Caixinhaa com pos dourados
e- prateados^pai-a eabcllos.
Vi-iuie-se na loja,da AftDJa. Branca a rqa do l)
(tie ofc t axias n. no.
P
^ -
'*
lT
MCHINAS PARA C0S1URA
A 30.^000 e 30^000.
D0US PQ8P0NTW
Nalojade Soarcs Leite Irmaos, 4rua.. do Barao da
Victoria n. 28.
pellica
/vas de pellica com pequeno toque, Kspelhos de moldura duixada, de todos
' 200 u. OS tarpanhps c prcr^ys.
Abytoaduras para c-llete, grande sorti-
xi I i a '20 rs.
'auja, de liuhade raarca, a 20.0 rs.
PEKFUMARIAS E MILDEZAS.
r-.
Lnrr.parir.as a gaz, dan do uma luz muito WtOOO.
Frasco,com oleo Orua verdadeiro, a
00.
e pe;.as
de cordSo imnerial, a
de bptj^s d,e osso para calja, a
a 19000
a 100 e
, aipo
Ouzta Jf
**0 rs,.
Gaixa
*00 rs.
1 'Sum docarrcjeis de linha, 200 iardas, a
600 rs.
Idem idem 60 jft?d,a_s, a,-24P,rs.
Hajo dc fila chineza, a 80O rs.
Caiia de linha com i0 noyellos, a 500 rs.
Zero's adf.-rer;os com camafeu.'a 50,0. rs.
'Tarrafa de tjnta ro.xa extra-.fina -
Potes com Tita ingTeza, preta,
ltO rs.
Caixa do pennas Perry, muito boas, a
?000.
idem idem, a ^09.^5.
lawa de enveloppes tarjados, a 500 r.
n idem forrad.os, a 700 rs.
tS^xa.;ief#am^e' boira dourflda.
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de tslheres cabc branco, 2 B., a
KfOOO
Resma de
e stm.
papcl pautado, a 4J[000
Idena com tonico de Kemp, verdadeiro, a
UJOftO.
Garrafa de agua florida vordadeira a 19200
Garraia d'agua japoneza, a 19000.
Idem idem divina, a 19000.
Idem idem Magdalena (noviiade) a
19200.
Caixa de tyftg para denies, a, 200 rs.
Idem idem de pijs chinez, mm\p bom, a
500 rs. e 19000.
Pole com opiata de Riegar, Rimel e Gros-
nel, UKJftO-
Duiia de sabone,les de amendoa, a
39600.
Duzia de sabonctes de aniicho transparen-
tes, a 29200.
Idem, idem com fl6rcs, a 195QO.
Sationetes Glycerino transpareptes, a
19P00.
Caixa com sapo.n,etes, fprma,to de fructas,
a 1^00,0, e 19300.
Cosmelicos, graudes e peftueoos, a 10$ e
8Qp rs.
Frasco comagnade colagne, a 200, 320,
500 rs. e 1.J0OO.
Dn
Lu\ras -de pcllie^pr&as.e de
utras cores.
A loja da Aguia Branca, a rua Duqne-de Ca-
-Jii*ft%i(V1ecD WW* -sprtjBwtta^e Juv- de
pehje^pr^tas, e..,cJ9,piitras. por- -
nma casa na villa de Baneiros, na rua do Com-
tnercio, por preco modico : a tralar cow Tagso
Irrnaos i C.
T
pi
Km seus armazens a rua do Amofim
n. 37 e caes do Apoihxn. 43,
tem para vender por precos commodoi
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Caoos de barro para esgoto.
Cimento Poriiaud,
Ciinento Hydr'auhcc.
Machinas de descaroijar algodao.
Macl.inas de pad'aria.
Potassa da Russia em barriL
Phosphoros dc tcra.
Sagu em gar rabies.
Sevadinha era garrafSes.
Leiitiihas em garrafoes.
Rhom da aJmaica.
(ado
Crheou 0 verdadeiro de Portland
ggaudes de iflfl-kUvS : no. armazem
maos & C caes do Apollo.
V'inho de Scherry.
Yiuho da Uadeiral
CoAes. com iinguas e dobr&das inglu*.
Lkeres linos sor-lidos.
Cognac Gauihi('r.Freres.
Lala'S de toucinlio inglet.
Barrjs com re.polbo ert'saJreonra
esh"migeif.
Extracts muito finps dos melhore* au:
Idem, idem liso, a 29800, 39800 e 59000. 'tores.
'oques n:c*dtrnos, a39000. Lindas eejegantes cA^iph7>feerrjperhun|i-
D'uzias de pe^as de trangas do caracol ria,s, proprias para presqnles, dos autores
branca, a +00 rs. IE. Codray, Rieger, Gell6 Preres,etc.
Idem idam.ljsas, a 200 rs. Quadros com santos e estampas separa-
LraJHA 4ecssra e sandalo, a 29000, i^f i das.
9000. j Entremeios e babados transparence e ta-
Fty.^'le wdlwdo.de todv cores e largo- pados.
r*B. j Ikna.grande taboleta proprU, pwa qual-
Microscopios eom, 13 istasJai690OO- quer loja.
Fiasco com oleo paramachinaa400rs.
Rua do Oarao da Victoria n. 28.
----------- 1
w .'
,'T
ve
lima, excelk-nte cafA.fom nm peaueno
>:ta no Arraial junto a casa do $r- Auseimo


a tralar
junto
na mosma
4 irui..r na mosma casa e para in/o
'averna .10 <: Wb, t* aWrfp'
" *v """" ^'------1
ara "fti/o'fiBac5es M
isftfi, malas indispansa-
veis
Aiaar^h.Njvtoco & Gr*|W>ftirfiprteUu!or-,
umento ife b-dcas, mala* e m>lisiians,aj^tt4
ro, madeira 0 chagrin : ven
{ Vinhos de Bourgpgn^
das ntarens
Amoral NabUco & C. vendem costumes de urim
br4nco e.de
meninos.
alpaca e de case...
misas bordadas e lisr.s para senhora. hoiufcm, me-
nino e menina : no Bazar Victoria, a rua dfl.Ba-
r,3o da Victoria n. 2.


licadas que e pWsivel imagftiar sf,' desde'tlnais
singello ramalhete a mais elegante rosla, (inuiir
noyiibide) : ao btjllo s^xp, compete, quaoW.aBWs,
v\rem colbedas emqj^nlo esyap vitfma<
fc^.^mas vpftra assuoar.
t^lvanisad.^s e plpradas, por preco coujmpdo.
giudem Cui*. (SitMama, a raa doMarquei de
^04*nn.ol*
maos tS; (', cae
Venders
qdefsb m f^cu^q SMjlatThg^ de
A' rua do Caboga n. 1 A.
Os pronriela: intuito de
conservar 0 bom c> n merecido do
respeitan-l pnblico, distingmndo 0 seu estabeleci-
mento dos mais quo negodam no mesrr.o genero,
veem sciemiticar aos seus bons (reguezesque pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
kas d'Europa para Ihes enviarem por todes os pa
qnetes os objecto: de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bera accitos pelas sociedades elegantes
daqueites paii.es, visto aproximar e 0 tempo de
Testa, em que 0 bello sexo desta linda veneza
mais ostenia a riqueza de suas toillettes ; e co
mo ja recebessera pete paquele francez diversos
afligos da ultima moda, vetm patentcar aluuns
d'entre elles que se tornam mais recomm'endaveis,
e.perando do respeitavel publico a costumada
concurrencia
Aderecos de tartaruga os mais lindos qne teem
vindoao mercado.
Albuns coo ricas capas de raadreperola e de
velludo, sendo diversos tamanhos e baralos pre-
509.
4 ihrecos completos de borracha pr.priospara
Itto, tamhem se vendem meios adereros muito bo-
nilos.
Bot5es de setim preto e de cores para ornato de
vestidos do ser.hora ; tambem tem para collete e
palitot.
Bolsas para senhora?, ex^te nm bello sortimen-
to do seda, de palha, do chagriro. etc, etc, por
barato pxe^o.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de ccra, de borracha e de massa ; chama-
raos a atlencao das Exmas. Sras. para este arligo,
pots as vezes tornam-se as criancas um poaco im-
pertincatcs por falia de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem -so por preco commodo.
Ceroujat de linho e de algodiir, de diversos pre-
cos.
^gaixinhas com musica, 0 que ha de mais lindo,
c-nn disticos nas tampas e proprios para prcsen
Ws.
Coijues os mais modernos e do diversos forma-
tos,
Chapeospara sr-uhora. Rcceberam um sortimento
da ultima moda, tan'.o para senhora, como para
HMeMM.
Capellas simples e com veo para noivas.
'.uicas bi i.ladas para meninas.
Knireineios estampad.s e bordados, de lindos
dVscohos.
K*oTas floclricas para dentes, lem a proprie-
dade dc uvitar a carie dos denies.
Frajijas de seda prelas e de cores, exiite am
grande sortiincuto dc divcrcas larguras e barato
preco.
FMM do sarja, dc gorgnrao, de setim e de cha-
malote, de diversas larguras e bonitas cores.
Facbas do gorgurao muito lindas.
Flares atlificiaes. A Predilccta prima cm con-
servar sempre um bello 0 gFande sortimento des-
tas fto es; nao so para enfeito dos cbellos, como
tamfcem para ornato da ve.-tido de noivas.
GakJesde alpodao, de 14 e de seda, brances, pre-
tos e'de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Laeos de cambraia e de seda do diversas cores
para senhora.
Ligas de seda dc cores c brancas bordadas para
noiva.
Ltwrris ptua ouvir missa, com eapas de madre-
peroia, niarfun, 6s 0 e velludo, tudo que- ha de
bom.
I'entes detaiiarnga e marfim para alisar os ca-
bel os ; teem tambem para tinr caspas.
Port bmnioel. Um bello sortimento de niadre-
iperula, marliin, osso e dourados por barato preco.
Rerfupjarias. .\estc artigo e^ta a Predilecta bem
provida, nao so em extraclos, conn- em oleos e
bunhas-dos reelhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Louuin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudra;., Gosnel 0 Rimel ; .-ao indi^pensaveis para
a festi
Saftrs bordadas para senhora, por commodo
pn-co.
: S.apaUi)ics do la c de setim bordados .para bap-
tisados.
iTapetes. Recebeu a Predilecta nm bonito sorti-
HwntO'de diversos tamanhos, tauto para sofa co-
OV> paia uurirtU .de-salas.
:Vfisyuientas +ara, baptisado 0 que ha. de melhor
gosto e os mais modernos. recebeu a Predilecta e
tendc-'por bartto preco, para Bear ao alcance de
qnalquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
4 |>roposilo da testa
0 qc dfem p;r alii.
r
E sempre assira.
Quando parece ter-se esgolado o repeito?o da
modas.pda iramensidade de artigos de n dade
' _^arric^s /me- tem apparecido, eis que os velhos e i ansa-
!r veis eefresf^ndentes da Nova Esperanca, a rna
Snque de Caxjas n. 63, descobrem outros no
undo elegante, aonde se conservam escogitando
minnciosamente a9 novas invenjdes ; remettem
muito bonita fignra. sAd,io e. da b0a Pon-fptia x ,>fa Esperan-a. e autorisam na a dizer
ducta., de.juado,^ (^.aiu^ps, prppr4o:para aos seus freguezes e especialmeute ao bello sexo
pagem e eppenfo, E' yeniJidiOiporiqueo seu
serinor vai doente para a Europa : a. Jratar
W run de ^p.r'a^ n,, yi,0._____________'
\h\
Ctyas a 2W,rs. o^oieado.
A ^i0 rs. o coyado.
So na rua Duqne de Caxias h. CO A, loj'a da
eaquina. ________
Rmw& .yenda
J. Deiro avisa a ^us,/regp,ezft qu.e. qsta em
viagem para as provmcias de Alagoas e Pernaui-
buco, conduzindo excellente tropa dA.bnfrns
passara'po! Pefledo.'Paiir.'Castanffa-Grande, Porr
to Calvo.-Barreiros. Rio^graioso, Eseada, Cabo e
Jaboaiip f
ou encon-
Larangeiras; 90 de. ontubro de 1873
H
Para. aca,b(ar-;I
Ricos chap*os para seappra : s6 na rua Duqne
VenJe-s.e aarm.arao ^ ufcasilios
pate'd doTerco ri. If, barato. e prO^rfa'para quem
eslabelecer riaqileHe lugar': a tralsrna
se quizer
mepia.

i,_rayejna.do
"m
n

t i
wrVic-
$
loria, rua do V.sr:-.\> ila V
(irantle ^chiBdia a M is
(ovado.
tla, i adio. s n'ivjj, o de mais g
tem -6 na rua do Queimad
^ 13, l"j i i & F:Tnaaiiej pelo diminu-
. lo 1
. ,so acaba.
Chambertin
Bonwaard
Virits
VpliWiy,
Beanne
lHontbelie
Bito Bordeaux em quartollas.
VcB*i-sc por knk) pre^o
PARA LIQUIDACAO.DE CONTAS
NA
^Harga do Rosurio 34.
Botica.
Rua da Mad re de^Deus n. 10 A.
Jose Domingues do Garmo e Sijva pwlicip* aos
seus fiegueifis e amigos que no seu, armazem j
rua da Mailre jle'Deus n. 10 A, se. acba um,com-
pletb rormhento de famo'em fardos de piiente I.".
*. e 3," sortes, doi nieUwres fabricaptea-da^tnft.
e bem atssim a Gor de todos os furnos de ceitta
em rolos, pacott.-, l.iias graudes e pequenaSj,tam-
bem dos mm acreditados fabricantes Torre's A
Aranjo, LizaUr, Adolpho Sohmdt A C, Li'zanr
Schmidt A C, Vrigas it Araujo, Trindade 4eTV9-
lar, Teuceira Pinto 4 Portelm (p.irautido' pelo.-
mesmos) e de qutr.,s ainde nao conhecidos. pele
publico dfesta capitaF. O aiinunciante deelaraun*
todq fumo que for vendido em sua casa senojero
seu justo valor, e qua dbando garantir a rwpScti-
va qualidade,
com as
pois.paxa,
PfliP*-,e'neKTff,Art0(!(ii tem o annnnciante "- ,,. .....,
alonea Dratica fl"e 15 annos deste c.'mrnetSo"" excetl"nt eommoilos.
---------------,---------------------____________i________;______ '--------!-----_-__,_:_
IP
A Predilecta acaba de receber um Undo sorti-
raealo de fitte escOceka'fe !ac*_fcatbt_-_,':proBH_s
uaca lacjias ; assioi Mmo nut lindo sortiuiaato de
tepes.,dfl madreperoia;]* 6^30^8,^^^,.^ ,a:
bcm.^ffl^dflCjppga^i^ .. ,
MaeWnas-dpc^rtff'tamo:' '' ,{|
(Atacbinas de desdarsfar 'Mgodio.
Machinas a vapor de forc;a'd & Wr dde ca-
'Balaficasae diversas' qu'alidades.
Pesos e medidas de diversos padroes.
ebattoUdi ferra pt*} jardto
)Fp*taa%^paJ>snc.;
Arados apftricajfla; .__________ _
0 .. fi

.
c para prova evidence
vejam 0 que abaixo se
que nao cream em tal
do que acaba qb ex por,
descreve :
MAMlAHS para missa, com capa de madreperola
ou tartaruga, tendo no cenlro da capa
um pequeno relogio perfeito regula
dor.
CARTEWAS\ pot cbarutos, port cigarros e ports
moneys no mesmo gosto.
,^AR1# dreperola, e lartaruga, com 0 dislico
Lembrancji,
BOLSAS para senhora, 0 melhor que.tem vindo a
este mercado, de diversos tamanhos,
j.ualidades e modelos de nova inven-
? ao.
PORT BOUQUETS de lindos gostos e U>manhoa
especialidades para as noivas.
UA^-KHAS com musicas e sem ellas, proprias
p;ira presentes.
.E^ut/os de inteira aovidade,
E com os meninos.
A .*s>v.i Esperanca, a rua Duque de Caxias u.
63, recebemps boaecos dc borracha de formatos
inteirainente.novps': os meninos mpito apreciarao
' 'esleHwlnqnedo.
E verdade,
Ouaiquer senhora de bom gosio, parece que
nao pode completar e sua toillette, sem dar nm
passeio a Nova Esperan{ai rua do Duque do Ca-
xias. n. 63, porque e a loja de raiudezas que, mais
completo esta em sortimerit], e que mais novida-
de.'-prssenu ao publico em geral.
15 com as floristaSf
'A Nova Esperanca, a rua do Poque, do Caxias
n. 63, recebeu pelo. ultimo vapor, um inteiro, sor-
limenlo de papeis para llores I a clles.
Para crianga.
. A Np;^ E^peraqea, a rna do Duque de Caxias
la.'63,''recebeu um.sortimento de ves(pariqs de
casemira e alpaca para criancas: modernos e bo-
oiMs.
Las mescladas.
Um bonito sorljrpento de las mescladas em co-
res, recebeu a'Nova esperanfa, a rua Duque de
CaxteMi. 83.
A verdade vou drzer-.
Sem embargo do m4_Jtf mpo ;
Nao e grac;a, MB cuntarvos
O quediiem... por exemplo>
Que a BARRIGA e* a mai da humanidada e que
esta como filha obediente deve tralar cum regain-
lado desvelo de sua dilectMtta e infallive
Que para isto e 'ndflB_-Vtj| que os |
mos hahitantes de-la Leila cidade c seus
bios, como parte intograule da humanidade, deveni
nr ao muito mil e t-onbecido aroiftzi in do Cam-
pos, a rua do Imperador n. 28, cmprari-m os
novos saborosissiiuos presumes Bpra Oarabres ; os
goslosos paios, os saborosos sirlne
veis Inmhos de p.irco; as deljcadas lingui^as
salcbicnas, cs digesiivos peixes cm latas, a finis-
sima .nanleiga ingleza 0 franceza, os deleitgsos
biseoilos, as excitantes cousarvas. _s dtliciesas
ameixas, passas, amendoas e nv.es, as ajrecia-
veis fructas i-m calda, os floxiveis doces, 0 mag-
nilico qneijo flamengo e prato, 0 embriagante cha
per. la, aljofra e preto, os subslanciaes chocolate e
cacao em po, os retrig.'rantes. licurcs, as calman-
tes cervejas, os corr, borantes hitlers, us inspiran-
tes vinhos do Porto, Madeira, Bordeaux, Figuei-
ra, Lisboa, Chorry, > oilares 0 outras muilas qua-
lidades, a curruscanlecliampggDe, cidra e um tein
numero de raros e ;.rrobatadores acipipes, que
da for^a, vida e pr&zer, ;.f\ai de reclicarem dia-
riamentc 0 receptaculo de snas idolatradissimas
Barngas ;
Que, quem (|uizcr fazer um Apcado lunch, fa-
inar um prinuro.-u cliarulo da Bahia e buber um
copo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao arma-
zem do Campos, unico que torn demonstr..ido a!!i
a evidencia a influencia da rainha do mundo a
-barriga
.Mesmo porque
Ora esta 6 boa.
Quem quizer ser ditoso. s/r fcliz
Deve ao Campos s meule ir compraialo,
Evitando assiin de ir mal passando,
Deleitando a barriga e 0 nariz.
Alem do- que dem muilas cousas : por
exouiplo que o Ciimpas e so quem vende bum e
barato, que so e 0 unico que da amostras do gene-
rts ; que so elle, e quem capricha em d r bom
peso, que e elle so quem manda lear gratis
em casa do comprador os generos comprados (a
diblieiro) em seu armaien), quer dentro da cida-
de, quer nos seus adjaeeules; que nnicamente
so e no armazem do Campos, a rua do Iraperador
n. 2fi, nnde se mantra um completo e eeplendi-
do sortimento, verdadeiro Cenlro Oe peregri-
Biis e i'\i|ue.-iias viciualhas, onde lodos (magons
Jesuit;.s) deveni vir satisfazer esta obra de mise-
ricordia (ja se sabc, trazendo dinheiro) dar i
comer a barriga attendendo a que :
Do dia a queslao ja nao existe,
Que 0 Campos fez eessar toda esta briga,
Do-fcchando este Kolpe philosophico :
Tratem todos primeiro da barriga.
t-'inalmente qua, as interessa tos meninas di-
em que, so gostam de doces do armaem do
Campos ; as se-lucturas e espirituosas mocas qu-,
so tomam nm calico de bitter estomaea! se (>r
do armazem do 1/imrns ; as respCftosas matrons
qUys6 se renoidam do p:issado quando saboreiam
algups acipii.es do armazoui do Campos; os oie-
gantes 0 amaveis rapazes qto, so Fumam charu-
tos do Campos ; os velhos que, s6 sentr-rn "; '".-
can quando comem certas iguarkw dn ramp s ,
e ale os forasleiros so procuram.o Caii pos, -o
qui-rem oCamprs r de... vejam ;
Do Campos a fa ma como voa
Nos baiies, thealros e cafe* ;
llaxambombas, hands e jardins,
Retroand do muudo nos c-onfins,
Dci^a a todos uma -nova fe!i7, .
E vai passarwlo des anncs atrave; I
Hombretras.
(!apileis.
Soleira-.
A' venda no armazem n. 2o, a travessa do Corps
Santo.
Las para vestidos de gente
sinha.
Fazenda dc 800 rs., vende-sc a 500 rs. na Rosa
Rrancae dio-se amostras: a roa da lmperotriz n.
66^_______________
Lindas las escocezas.
De varios padrSes, e inteiramente modcrnas, a
360 rs 0 covado : u^ ra Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das colwiinas, de An-
tonio Correia de Va BanhosemOlinda
Camisas e calcas dc fazenda de- boa qu.lidade,
proprias para os bachos em Ollnda : na loja dos
arcos a rua Primeiro de Marco (antiga do Crespe
n. 20 A, deGurgcl do Ainaral a C.
Rua do Brum n. 76
Vende se zbicp puro do superior qualidade,
proprio para cobertas de casas, medindo 11 pal -
mos de comprjdo e i de largo, por prejo mm'to
em conta.
*'Wl(#iWiW^*,:* l"pW;ff Ci6S'
barrica- das mrribres quem 'ap 'mer/cidoe por
preco mais comrriodftusflde^ehl oafra fjotftiUeVj
' Vende^e Sa^fBde-'- do* "^dbra^o"'(]
lo de,
4oms an<4ares e sottO _a rue-de Vbko- Ah\
fonso. outr'ora rua da Praie tPf&B I 3'*fatar,
n.f wsrrft rua, arma'aem i. 20 A. L^Van-
Jidade, sera iieero, mni particularmenK taiosa a compra, pelo impertflirte predial,
tpeflsaas.q^.pouco^tendamdf matena, hem ronstnndrv ,L <*-uvfo rpmlimontn a
ra hem sernr a todes, tem o annnnciante oem ct struiao, .w gr.tn re /emiKnenio e
-
do ma
Lotion vege
que se cunnece
te, e ftimo ingli
Jchimbos : vendem no
! 1S0 da Victoria n. 2.
, ell;! e fumo
'-- eabel
10 SO
'tadjj que
estdpa pa
Amorim.
Apas ilealiflo-tasas das Pe
dp?as Salgadas.
ralla Rouca de Agniar.
BICARBONATAD ASr- SCDIC A S
Ani)SfS do Dr. Jose Julio Rodrl-
' tfumk, l-*e d escola, Poljte-
cluiiea de Lisboa.
Esta^flxceJIeple agua usada com vaptagem np
padeclmentos ijas vfas digestivas, unpar,ia, d(
estomago etc.', etc.
Yede-se
NA
P_nr_ia.cia e drogaria
DA
Raa larga do Rosario n. 3i.
Vende-se

eiicie-^e
rua da Penha n. 6, bem afregue-
zada tanto para a terra como para o mato ;a tratar
na mesma
- Vende so um porcn ir. a fbsta, e
rua Jojem grandezi nao ha egai i "xtraordina"
rio: *tra..ar na rua J
1 hapeos de sol de 12 ha? teas
a 8$00Q.
'Boa seda e bonitos cabos, valem lit : e gran-
de pecliineha. apmveitem : na rua da lo
n. 06, loja da Itot-a Branca.
\inlhis linos
! do K
w
ede di-
rua dn
Pivprios para preseote- ^prfesla
versus qualidadus ; vendem se na
Commercio n. 48, 1 andar.
LS,s finas a 500 rs.
A rosa branca recebeulanzinhas do lindos.gos-
tos a 50Q rs., sao lis de 800 rs. quem qprzer'cfK-
gue. Rua da Imperatriz n. 5fl. mo-se amqstra'
crm penhor.
JACA1IAN
Tem para vender Joaquim Jose" Goncalves Pr-
8o Filho : a tratar no seu ascriptorio- a
do Commereio n. 5.
lli)ralissiw
rLan ziQhas. comiislra& estampadas pelo diminci,
eco de 400 rs. o covado..
Dilas com listras assetinadas a 1^000, o co-
vado.
Granadinas pretas com listras de cores a 500 r*.
o cQvade.
Metins tranc^dos proprwa para vestido, a 320 -m.
o covado.
Alpacas de quadros, proprias para vestidos, .-.
U0 rs. o covado.
Brim branco, lona, paeatfuljieAWSOO a vara
Dito traocado a lAUQO a vara.
Dito de cores, linho puro, a 4<100 i .ara.
Chapeos de sol de seda, cabo de c
cada um, isto tud ry
loja das 3 noi las. de -Guiljicrrae ^
Solla e cordc
47-Rua da Moed;-
Casiauha verd*1 t
47r-Raa da S\
irios da

'di no armazem
n. n.
I
m n


jsl;

-


8
Diario de Pernambueo Sabbado 20 de Dezembro do 1873.
JURISPRUDENCE.
Relatoria
K RESPEITO DO NVCOC10 DO MARECIIA1. BAZAINE
EXCOMMANDANTE EM CHEFE DO EXERCITO
DO RHESO.
CAPlTll.O IV
CONSEI.llO DE 26 DE AfiOSTO
[Continuacdo]
Segundo as disposigdes que o ini nigo
pode ter feito na aossa frento, devemos con-
tinuar a C'peragao emprehendida hontem,
ijie deve: 1., con luzii-nos a occupar
Santa Barbara, e -2., facililar a nossa mar-
cba para Belhenville. No caso conlrario,
sera qeccssa"i* conservarmo-nos nas nossas
posigdes, furtificar nellas, esta noite vollare-
mos para S. Juliao e Queulen. Mandai-me
dizrtr na volta do official que lova esta uota
< que se passa na vossa frente.
Esta ordera nao deixava de ser significati-
va, o nao podia produzir senao urn
movimento de retirada. Foi o que teve
logar; efl'ectuou-se em boa ordem, e de
tarde, o exercito tinba reganbado os seus
quarteis.
Nes no momento suecumbia. sob
ti> esforgq^Bfc exercitos reunidos, o mare-
chal MacjWfcon, que marchava atravoz do
tod i> os perigos em auxilio do suu chefe.
RESUMO DA PRIMF.IRA PAR IE.
As opjragdes activas do exercito de Metz
tin ram terroo no i. de sclembro.
A derrola dp Forbacb, como vimos, foi
unica jaente caused a pla falta do direccao
em (|ue o marechal deixou o general
deixar o marechal livre nas 1 provisadas pelos russos em frente de Sebas-,reductos de que acaba de se fazer mencao, j las pela defeza das progs mo despresadas
e 0 seu proprio corpo de
Fros
oxcr-
sar<\
cito.
0 oxeroito, uma vez concentrado sob as
inuralhas de Metz, devia retirar sobre
Chalons. Era esta a ordem formal do im-
perador. E>ta meJida era exigida pela
nete^-idade de conservar em commumcagao
com s reservas, o exercito ilo Kheno, que
com rebendia a maior parte dos quadros do
eie- ito francez.
L.n vez de cumprir de prompto esta
orde.ii, o marechal tomou medidas que
produziam forgosamente a demora da mar-
cba do exercito. deixaudo ao inimigo
loda a facilidade para se adiantar na pla
idcie.
Depois da batalba de 1G, quando as
i tr- las d'Etani e de Briey estavam ainda
i *r o marechal suspondeu a sua marcha.
vuitou .SsaDtigas p'>si<;oes, sob pr.;texti de
municiar. A 17, 4 noite, manda o c >m-
ote Magnan assegurar ao imperador que
itinuai conformar-se com sua ordem
. retirada; depois, na manna de 18,
pr^pTa um novo movimento rotrogralo.
tancia, que la
suas resolugdes.
A24,umdespachoannunciandoachegada
proxima do exercito d'auxilio, forga-o a
tomaruma resolucjio. Em vezde empregar
todos os esforgos para.ir na frente de Mac-
Mahon por Montmedy, como tinba sempro
annunciado, o marechal Bazaine voltou as
costas aquella direcgao, dirigia as suas tropas
para a marjem direita, e limita assim o seu
concurso a uma simples demonstragao, re-
solvido como esta a nao abandonar o campo
intrincheirado de Metz sob a protecgao do
qual conta esperar o desfecho da crise mili-
tar c politica que se preparava.
Ainda nao e tudo expondo na conferencia
(irimont, aos seus logares tenentes, a situa-
gao do exercito debaixo de um falso ponto
de vista, callando se a respeito do marechal
Mac-Mahon, declarando que nao tern muni-
gdes senao para uma unica batalha, quando
o sou provimento de municoes estava intei-
ramente reconstituido, provoca uma decla-
ragao, em virtude da qual o exercito deve
permanecor em Met/., e renunciar a ganhar
o interior da Franca.
No mesmo dia annuncia ao ministro da
guerra que e impossivel atravessar as linhas
de ataque. Ao mesmo tempo escreve ao
marechal Mac Mahon que estacercado, mas
fracamentu ; que atravessard quando quizer
B quo o espera
Km presenga de um novo aviso do mare-
chal Mac-Mahon, o marechal Bazaine faz no
lia 31 d'agosto uma nova demonstrarao,
que estava antecipadamente condemnada a
um -ibortament >, segundo as disposigdes
que elle ordenara.
Tal foi o p-ocedimento do marechal Ba-
zaime durante o periodo das operagoes acti-
vas. 0 aensamento de subtrahji^o seu
exercito, aos choques, que stornavam
inevitaveis, dictou as suas resolugdes. Estas
mnsmas preoccupagdes egoistas vao ainda
dominar durant-.-.o bloqueio.
A revolugao que elle pre\ia, rebentou, e
surgio um novo governo. Contra toda a
esp"ctativa Paris vai manter; organisa-se a
defeza nieional. Diante de uma resistencia
duracao excedera certamente & das
Mas
bat
Itopol, e cuia tomada nos custou tantos els acampamentos do exercito estavam pro-
forgos e sacrificios. HUos por linhas do batenas que tinham o
Os fortes de Plappe ville e de S. Quintino ;^poio nos fortes o nos reductos. e que,
tinham os seus fossos aberjps'na rocha; as tfo caso de sitio regular, toriam pemittido
escarpas e contra-escarpas estavam conple- a guamigio prolongar a defeza externa.
tas; os alojamentos esitavam occupados des-,Mas, se aquellas linhas estavam bem conbi-
de o inverno de 186-1870. As muralhas nadas para este fim, nao corresponham pelo
estavam promptas, sssim como as esplana- contrary dscondigoes de uma defeza activa
das; so faltava recobrir da terra vegetal a e proldngada, unica digna de un* grande
superficie dos fossos e os parapeitos. 0 ar- exercito.
mamento em baterias elevava-se no 1 do A occupagao na marg raesquerdada on-
setembro a 75 boccas de fogo no forte de gem do contraforto de S. Oumtino, pela
Plapeville, e a 42 do forte de S. -Quiii- parte de cima do bosque de Saulny c de
{jn0# f Feves, e sobre a margem direita da linha
o'fortedeS. Quintino e um grande pen- quo se e-ten le do Mercy (por l.aquenexy)
tagono composto de quatro faces principal *& B.'llecroix, ter-se hia projectado alem
de 250 metiosde comprimento em um dos- das linhas de investida, e subtrahido o in-
filadeiro de 500 meiros; as escarpas esta- terior do acampanento a$ vistas, do immi-
vam quasi completamente concluilas i.as go ; mas o campo em que se estabeleceu
quatro faces da frente e na metade do foi tao restricto, que se tivesse entrado na
desfiladeiro. As partes que nao estavam re- idea do immigo bombardear os campos,
vestidas, achavam-se pahssadas. Uma bre- nada o poderia ter impelido.
cha consideravel que existia no bastiao da Esta situagao, que nao podia escapar k
esquerla proximo do desfiladeiro tinha sido penpifeiciado marecKal, foi om parte, ongi-
guamei-ida por um palanque. n.ida peh mcerteza que pesou desdo o prin-
Os fossos estavam quasi na sua profun- cipio nos destines do exercito. Tambem
dura, mas nao estavam na sua largura se-'quando em 24 de agosto. o general Coffi-
nao na frente dos bastioes de tres faces da nieYcs, que era ao mesmo tempo comman-
frente; nao haviacontra-escarpa. Foiblin- dante superior de Metz c commandante de
dado. Dous grandes pai6es de polvora, 300 ongenheiros do ex-rcito, de^i as suas indica-
metros seguides de arcos, e grandes e vastas' goes a respj ito do systema portas falsas apresentavam preciosos recur- tar, era muito natiual que restnngisse 0
sos para abrigar homens e material. Os pa-'(desonvolvimento a forga da Futon guarni-
rapeitos do corpo da praga estavam quasi gao. Como commandante de engenheiros
guaroecidos. Mas existia uma lacuna no' do exercito, deveria ter indicado oulra so-
meio do cavalco. 0 armamentoem bateria1 lugao ; mas como commandante superior
Lelovava-se a 73 b-ccas defogo na data do l|de Metz, e podendo, se o exercito se reliras-
de setembro. !se ser chamado i defender a praga, eram
Em frente deS. Juliao tinham-se organi-[as linhis da guarnigao que elle devia na-
sado fortes reductos sobre as posigdes de turalmento mdicar.Je n3o as linhas do exer-
Chatillon e de Grimont. cito.
O forte de Quelen e um grande penta- A praga, os fortescas linhas constituiam,
gono da mesma forma do de S. Juliio, mas como se ve, um cor.juncto respeitavel, que
com faces de 350 metros, e um desfiladei
:.sssa occasiao empenha-so a batalba,
a inutil, por isso que o marechal ja
resolvido a voltar ao campo intrin-
ido de Metz. A maneira porque
/ as suas tropas no campo, e as urdens
leu ao marechal Canrobert, provam n'o
letamente.
.atalha de Saint Privat pcrdeu-se por
to commandante em chefe, que confiou
iveda posigao a um corpo incompleto,
:to enfraquecido, e que permacendo
do campo de batalha, mostrou-se si-
>so aos pedidos instantes e reiterados do
igar-tenente. O exercito retirou para
aguarda da planicie, e nao poderia de-
franquea lase nao acusta de um grande
70. Todavia, na manha de 19 0 ma-
reci. d Bazaine escrevia ao imperador que
contava ainda marchar na direcgao do
1 ir'o
\ 18. a noite, regressava de Chalons 0
con' naniante Magnan, levando a noticia da
forrnagao de um segundo exercito, destinado
a ir em auxilio do de Metz. Nao obstante
os camiidios estarem livres, 0 commandante
Magnan no passou. Mysteriosa circums-
F0LHETIM.
LUCEECIA BISJIA
MEMQRIAS DE SATAKAZ
POR
I>. llHsioel Fernandez y Gonzalez
SEGUNDA PARTE
SAVONAROLA.
(Coutinuagao do n. 288)
I
EM QUE APPARECE DE NOVO PEDRO DE NA-
POLES
No dia 20 de setembro de 1497 entrava
pela porta Romana de Florenga um bomem
montado n'um cavallo de ma estampa, po-
rem forte e andador.
Cobria-lhe acabega um grande chape"o
por baixo do qual sc via um semblante
averroelhado, guarnecendo uma barba preta
e espessa.
O resto do trajo era um gibao pardo, so-
bre o gibao um cabegao curto com mangos
largas, calgas de la azul, botas altas, esporas,
e, pendente de um cinturiio de Cuuro crti,
uma coraprida espada.
O cavallo levava na garupa uma maleta
volumosa.
Fez i:;to com que um dos guardas da
porta detivesse 0 cavalleiro e lhe pergun-
tasse :
Leva alguma cousa que pague direi-
tos?
Se a roupa branca e usada paga, levo,
K-p'-ndeu 0 cavalleiro com mdo humor ; se
r.So paga deixe-me passar, porque tudo
consi guird sem fazer-me perder 0 tempo.
Passe, disse, nao sabemos porque, o
-uar'ia.
Certamente, 0 viajante inspirara-lhe con-
fianga pela sua franqueza rude.
O cavalleiro passou.
A' pequena distanciada porta, perguntou
0 outro cavalleiro que sahia.
Tom a bondade de me dizer como se
chi ;na estarua ?
Via Romana, respondeu 0 interrro-
gado.
A via Romana occapava 0 lugar que
occupa hoje a rua de Guiaciardeni,
C desconhecido continuou caminhando
e pa'oa a porta da loja de um espadeiro,
nn qua! havia uma rapariga muito bonita.
Quer ter a bondade de me dizer onde
esta rua rai dar? perguntou elle.
Em primeiro luar a Ponte-Velha, res-
pondeo ajoven.
E da Ponte-velba vai-se bera para a
praga do S. Marcos ?
Sim senhor ; parkin S Marcos fica
do outro* lado da cidade nova, ha que atra-
vecsar 0 rio e percorrer muitas ruas.
E diga-me, onde encontrarei uma
hospedaria t
cuja
suas previsoes, 0 marechal vai procurar
pre-ipitar o desfecho da situagao, nao com-
batendo, mas iratando com 0 inimigo.
Como arrastou elle nesto caminho, que
nao era 0 d*o dover os seus logares-tenentes
e o seu valente exercito, cuja lealdade nao
pdde acreditar em semelhantes tramas
senSo no dia do desnstre ? E' isto quo nos
resta expor agora.
2/ PARTE
PERIODO DO CERCO ATE 7 DE OUTUBRO
CAPITUI.O III
Condicoes de resistencia da praga de
Metz.
/ Continuagao.)
Eslado das obras de defeza e de arma-
mento dos fortes no dia 1" de setembro.
A contar do 1 de setembro, o marechal
renunciou a toda a operagao importante.
A sorte do exercito achava-se pois ligada de
futuro & da praga de Metz.
Chegon o momento de examinar qual era
a situagOo d'aquella praga e a das suas con-
digoes de resistencia.
Em 1865 tinham-se ernprehendido im-
portantes trabalhos para estabelecer em per-
feito estado de defeza as fortificagdes do cor-
po da praga. Em 1868 decidio-se alargar
o raio de acgio das f rtalezas, construindo
cinco fortes destinados a proteger a cidade
contra um bombardoamento, e a construir
um campo eutrincheirado que podesse ser-
vir ao mesruo tempo de abrigo e de susten-
tagiio para os nossos exercitos. Estes for-
ti'S estavam ainda longe de se acharem con-
cluidos quan lo rebentou a guerra ; mas,
nao obstante estarem por acabar, apresenta-
vam condigoes de resistencia das obras im-
Muito perto d'aqui, na Ponte-Velha
a hospedaria de la Yita-Bnona.
O titulo e" bom o vou ver se e raere-
cido ; adeus, minha senhora, quoira des-
culpar.
Adeus, meu senhor.
O viajante ,-eguio pela via Romana, e
chegou a Ponte-Velha, que nao pode reco-
nhecer senao por uma abortura quedescen-
do para a ribeira, deixava ver a mansa cor-
rtntedo Amo.
A Ponte-Velha era flanqueda por duas
fileiras de casas, tornando-se, por assim
dizer, o ponto de uniSo das ruas que hoje
se chamam de duiciardeni ede Santa Maria.
Apezar de ter visto o Amo, o viajante
perguntou a um transeunte :
E' esta a Ponte-Velha 1
Sim, seuhor, respondeu o interrogado;
a distancia que vai d'aqui aquella porta,
que e a de Santa Maria, e tudo a Ponte-
Velha.
E, diga-me, insistio o viajante ; onde
e a hospedaria da Vita-Buona ?
Fica mesmo na frente, respondeu o
transeunte.
Obrigado e adeus.
A taboleta lhe dira onde e a hospe-
daria. Va com Deus.
Comegava a escurecer.
O viajante metteu o cavallo pelo meio da
ponte e caminhou ate metade da sua exten-
sao, onde parou vendo uma taboleta que
gyrava no seu eixo de ferro impellida por
um vento rijo.
A tarde estava tempestuosa.
Na taboleta lia-se cm letras encarnadas ;
La Vita-Buona.
N'aquella casa entendiam por boa vida
fcomer bem e beber melhor.
O viajante dirigiq o cavallo para a hos-
pedaria, e transpoz o portao.
Imraediatamente apparoceu um criado
que pegou na redea da cavallo.
Tenciona parar aqui, re
perguntou elle.
Certamente, visto que entrei aqui,
respondeu o viajante apeiando-so e tirando
a maleta da garupa do cavallo : leve o meu
cavallo para a estribaria e de-me um quar-
to, luz e a competente ceia.
Giuseppi, disse o criado que segura-
va o cavallo, a outro que sahia da habita-
gao, leve este senhor... mas, e precise sa-
ber se quer aposento de grande prego.
Pelo contrario, o mais barato que ti-
verem.
Quarto, u. 24, disse jd com muito
menos respeito o rso$o que segurava o ca-
vallo, apezar de que havia notado que a
maleta quo o viajante segurava debaixo do
brago, era pesada.
Para medir o respeito, nao bastava adivi-
nhsr pelo peso que a maleta eiicorrava di-
nheiro, era : que o viajante o gas-
tasse.
Giuseppe c metteq por
uma escada estfcit?, seguido do viajante, fS-
ro de 700 metros de extensao. As escar
pas concluidas em tres face* o meia, estavam
a ponto de o ser em uma grande parte do
desfiladeiro. Faltavam ainda uns 450 me-
tros para construir.
Os fossos estavam na sua profundidade e
largura em duas faces, e n'uma profundi-
dade media de sete metros no restante, me-
nos na face lateral da esquerda, e.n que a
profundidade nao, excedia a quatro ou cin-
co metros. A caserna sobre o cavalco esta-
va ultimada, e podia conter mil homens. O
grande cavalco estava inteiramente prepare-
do. O armamento e.n bateria elevava-se no
1 de setembro a95 boccas de fogo bem pre-
paradas e munidas de abrigos. 0 maior
numero de boccas de fogo eram de calibre 24
curto.
Tinha-se construido uma obra avangada
nas posigoes dos Bordes, em frente do forte
Bellecroix.
Quanto ao forte de Saint-Privat, estava
apenas revestido, e nao possuia abrigo. Mas
pela parte de traz d'elle desenvolvia-se a li-
nha do caminho de ferro, cuja parte cen-
tral em excavagao era inabordavel. Esta li-
nha guarnecida de espaldas bem armadas,
e sustentadas por tres reductos, constituia
uma avangada muito solida, que o inimigo
teria tido grandes difficuldades em veneer,
e onde nSo teria podido sustentar-se de-
baixo dos fogos cruzados de S. Quintino e
le Quelen.
Em resumo, na data do 1 d seTnbro,
os fortes da margem esquerda f' .mem
perfeito estado de defeza. Qi. aos da
margem direita, estavam certamente ao
abrigo de um ataque a viva forga, e em
condigoes de resistir a um sitio regular,
gragas aos aperfeigoamentos que todos os
dias se faziam na sua organisagao.
Estabelecimento de linhas de defeza.
Alem das defezas perraanentes, e dos fortes
teria p^rmitti lo a uma guarnigao valente
bem secunda la por uma populagao viril e
patricti'ia, mantela itidefinidamente. A du-
ragao da resistencia n is condigoes ordina-
rias da defeza estava pois unicamente su-
bordina la A dos municiamentos.
Posirdo activu que devia tomar o exerci-
to retido no campo intrincheirado.A pro-
irincia do exercito sob a muralha de Metz,
mudava totalmeute estas con lig5es.
Ja nao podia ser quottao de resistencia,
nao passava de luta vagarosa. Er3 neces-
sario, como se havia dito na conferencia de
26 de agosto emprehonder grandes sortiias,
umas sobre outras, fatigar sem descango o
inimigo, tirarem-lhe todo o socego por
meio de ataques nocturnos ou simulados,
em summa provocar-lhe de tal maneira a
fadiga que a conservagao do cerco se tornas-
se impossivel.
A posigao da praga nas immediagdes da
unica communicagao ferrea que o exercito
invasor encontraria para a Allemanha, crea-
va ao inimigo um perigo imminente; era
necessario aproveita-lo para destruir a sua
linha de operagoes principal.
E' assim que devia ser comprehendida a
defeza de Metz na sua situagao das cousas, e
assim se deveria ter util is.ido o exercito de
150,000 homens reunidos no campo intrin-
cheirado.
O marechal, em vez de cahir no ador-
mecimento em consequencia dos successos
de Sedau e de Paris, redobrando de ener-
gia a proporgao que engtyindecia o perigo,
poderia ter-so tornado desse modo o Sal-
vador do sou paiz emquwto que foi incon-
testavelmente um dos instrumeutos mais
activos da sua perda.
Mas nada fez com que elle organisasse a
defeza activa ; as precaugoes mais elementa-
res prescriptas pela defeza das simples pra-
gas, foram todas esquecidas.
As disposigoes regulainentares prescrip-
meu senhor ?
lo andar e subir nao sei quanto tempo, e
deixou-o afinal no ultimo andar da casa,
n'um pequeno aposento.
O viajante nlo pdde logo fazer uma idea
exacta do logar para onde o tinham le-
vado.
Comegava a escurecer e pela janella en-
trava apenas uma luz indecisa.
O viajante chegou a janella e vio o Arno
em cuja superficie lisa se reflectiao ceo.
Duas extensas fileiras de casas flanquea-
vam o rio ate & ponte de Alle Gracie, e mui-
tas d'essas casas eram palacios.
Giuseppe tardou em voltar com uma luz.
A cara do viajante e o pedido de um
quarto barato, bavia inspirado pouca con-
fianga aos raocos da hospedaria da Vtta-,
Buona.
Nao estranhe que lbe perguntemos
d'onde vem, quern e e como se chama,
disse Giuseppe ; a senhoria de Florenga or-
denou aos donos das bospedarias que se in-
formem do nome e da procedenciadoshos-
pedes.
Sim ? E para que quer saber isso a
nobre senhoria de Florenga ?
Por duas razoes muito graves : em
primeiro lugar sabe-se que o patife do Pe-
dro Medicis, que pozemos fora d'aqui a
pontapes, ha dous annos, porque era um
despota, conspira e envia emissarios seus
afim de tomar a impor-nos a sua tyrannia;
todavia engana-se, temos os olhos abertos ;
nao queremos mais Me"dicis, estamos can-
gados d'elles e servem tao somente para
conspirar contra a liberdade da republics.
E esta uma das razoes porque e necessario
saber quern o senhor e, d'onde vem e o
que traz a Florenga.
E qual e a outra razio ? perguntou o
viajante.
A outra razao e que, em virtude das
preMicas do padre Jeronymo Savonarola, a
republica foi exommungada pelo papa.
Roma e Florenga nao se entendem, e dizem escurissima e chovia
que de Roma vem gente mal intencionada
para matar Savonarola.
E que me importa a mim isso T disse
encolhendo os hombros o viajante. 0 meu
nome 6* Marcello Porta, sou siciliano e occu-
po-me no commercio de sedas. Quando ti
em Metz. O artigo 245* do regulamento
de 13 de outubro de f863, sobre o servigo
das pragis, especifica as mediias que o
ministro da guerra, ou o geaeral comman-
dante do exercit), ordenam ao commandan-
te do uma praga ja" em estado de guerra, e
que julgam amoagada de um sitio.
Quando em 8 de agosto, o general Coffi-
nieres tinha sido nomeado commandante
superior de Metz, o commando em chefe do
exercito pertoncia ao imperador ; s6 elle
tinha, por esse titulo, a qualidade para or-
denar. Mas comprehendou-se que & Talta
de ordens que cmanass>;m da iniciativa pro-
pria e directa do commandante, era ao offi-
cial general encarregado da defeza da pra-
ga, que competia provocar as medidas des-
tinadas a assegura-la. Era isto de tal ma-
neira verdade, que uma parte das medidas
determinadas pelo decreto, tinham sido to-
madas espontaueamente pelo commandante
superior,
Este facto demonstra que elle se havia en-
carregado dcassegurara execugao daspres-
cripgoes do decreto. Nao poderia por con-
sequencia desculpar-se do nao ter tornado
todas as medidas, indicadas, allegando a
ausencia deordens posilivas.
No decurso desta exposigao, se procurard
determinar om que a responsabilidade do
marechal Bazaine se acha a este respeito
envolvida.
O esquecimento das medidas elementares
levia exercer uma influencia funesta na
defeza do Matz, e na sorte do exercito. No
capitulo seguinte, veremos a mesma ne-
gligencia presidir a formagao dos provi-
mentos ; e n6s estabeleceremos como suc-
cedeu que a populagao civil da p-aga, p6
de, com a tolerancia da autoridade militar,
augmentar em 20,000 almas na occasiao
do sitio, enquanto que os regula i.entos
prescrevem que se fagam sahir as boccas
inuteis. Esta tolerancia creava um perigo
real, mesmo alem d questSo dos viveres
uma praga sitiada esta sempre exposta i
ser bombardeada ; deve pois cuidadosamen
te evitar-se tudo quanto for populagao og-
glomerada, afim de atenuar as consequen-
cias do tiro do inimigo.
ESTADO DE SITIO NA PRAgA DE METZ, 7 DE
AGOSTO
Ordem rclativa aos estrangeiros.As
autoridades militares tern o dever, nos ter-
mosdos regulamentos, de fazer sahir de to-
da a praga ameagada de um sitio. as pes-
soas de nacionalidade estrangeira ; a deter-
minagao que a este respeito promulgou o
general Coffinieres foi completamente insuf-
ficiento O commandante superior de Metz,
obrigou os estrangeiros ongmarios do paiz
com que se estava em guerra a pedir uma
licenga de residencia, sem a qual deviara
abandonar o territorio, sob pena de serem
presos. A propria f6rraa dessa ordem de
eipulsSo, na qual estd primeiro que tudo
consignado o meio de se subtrairem a ella,
da a medida do cuidado com que foi appli-
cada.
Um consideravel numero de allemaes re-
cebeu por condescendencia Ucenga de resi-
dencia. Nisto se encontra a explicagSo do
extraordinario desenvolvimento que tomou
a espionagem durante o sitio.
CAPITULO II
FORMACAO DAS PROVISOES.
As provisoes de sitio para a praga de
Metz nao se formaram ao romper da
guerra.O exercito e a praga do Metz re-
sistiram ate ao ultimo bocado de pao. Esta
circumstancia da uma importancia capital a
questao das subsistencias. Tomaram-se por-
ventura a tempo as medidas necessarias pa-
ra reunir provisoes sufficientes f Uma vez
investida a praga, foi o consumo regulado
de maneira a assegurar o maximo da dura-
gao da resistencia ?
Estas duas questoes foram esUUadas sem
detalhe na quarts parte da exposrgao ; nao
apresentamos aqui senao am resumo succin-
to in lispensavel,* para que se possa prose-
guir na narragao dos acoetecimentos.
Vejamos em primeiro lugar as medidas
que se tomaram para reunir as provi-
soes.
Quando sedocidio a guerra a praga de Metz
assim como todas as outras pragas da fron-
teira do nordeste, nao continbam senao pro-
visoes para o servigo corrente. Nao estava
pois em circumstaucins de servir de base de
operagoes, e de dep^sito para o exercito; era
necessario preparar tudo. Apezar dos es-
forgos da admtnistragaw, a falta de prepa-
rat rios teve por consequencia inevitavel
a desordem, a accumulagao eaconfusSo.
A intenga) do commando em tomar a
olTensiva. Neste pensamento concentrou
uma parte das provisoes nas cidades frontei-
ras destinadas a servir de base de operagoes,
Forbacb e Sirreguemenes. Organisaram-
se, cm segunda linha, grandos depositos
em Metz e em Strasburgo. Formando as-
sim depositos nas cidades abertas, corria-so
o risci) de perder tudo, ao monor movimen-
to de rotirada ; foi o que se reconheceu,
mas muito tarde, quando a derrota de
Forbach obrigou o exercito a concentrar-se.
A retirada do exercito sobre Chalons, 6r-
denada desde 7 de agosto, ia ter por con-
sequencia immediata o sitio ou pelo menos
o bloqueio de Metz. As medidas iiopos-
tas nestas cir.mmstancias ao commandante
da praga pelos regulamentos militares, tor-
navam-se de uma urgencia necessaria.
No que diz respeito ao servigo das sub-
sistencias ao primoiro ordenar essas medi-
das, e ao segundo p61-as em execugao. Nos
tarmos do decreto do 1863, era necessario
formar provisoes de sitio, fazer sahir as
boccas inuteis, convidar a autoridade eivil
a activar as medidas necessarias para asse-
gurar a subsistencia dos habitantes, e a reu-
niao dos recursos que o paiz podia fornecer
para as necessidades da guarnigao, fazer en-
trar na praga as colheitas, e os gados, e for-
mar a commissao de vigilancia de provisoes.
0 ministro da guerra tinha prescripto, a
7 de agosto, a reuniao das provisdes de
sitio da praga, mas nao se deu andamentq
a esta ordem. S6 mais tarde se jfermou
um fundo de provisoes para Metz com os
recursos consideraveis em fariuha e em vi-
veres de campanha que a administragao
tinha reunido, para o servigo do exercito
propriamente dito.
f
/
S
=
Os recursos do paiz nas immediacies de
Metz nao foram recolhidos. O exercito
retirando-se, abandonava ao inimigo paizes
ferteis. A colbeita de 1870 acabava de ser
recolhida e em todas as povoagoes existiam
immensos recursos de cereaes, forragens,
sem contar nnmerosos gados, Tudo exigia
quese procedesse sem demora, quer por meio
de compras, quer por meio dc requisites,
a entrada dessas provisdes. Havia nisto um
duplo interesse; procurar recursos uteis e
privar delles o inimigo. Desgracadamente
nenhuma ordem se deu a este respeito, nem
por parte do commandante do exercito, nem
por parte do commandante superior da
praga.
Desde que chegou a" praga a ordem de
reunir provisoes de sitio, isto e, a 8 de agos-
to, deveria o general Coffinieres proceder a
reuniao de provisoes de sitio, e formar uma
commissao de vigilancia, como prescrevejb
art. 260 do decreto de 1863.
A sua invencao na presenga de semelhante
situagao 6 inexpli cavel.

Traga-me de ceiar.
O que quer ?
Um pedago de carne assada, um pao
e um copo de vinho.
O criado olhou com muito menos respei-
to para Marcello Porta, sahio e tardou meia
bora em voltar com a ceia.
Entretanto, o Sr. Marcello teve tempo de
examinar a habitagao.
A arte em Florenga e um babito, e por
tanto, o tecto do pequeno aposento era de
madeira singelamente esculpturada, mas
com gosto e elegancia.
N'um angulo havia um leito de forma
antiga, e o resto da mobil a compunha-se
de uma mesa antiquissima, algumas cadei-
ras velhas, e um lava maos de estanbo.
Os vidros da janella eram verdes, encar^
nados e azues.
O viajante prestou pouca attengao ao in-
terior do aposento, e oque examinou com
mais cuidado foi a altura da janella para
o rio, altura que media, pelo menos, quin-
ze varas.
Por baixo la janella, cm linha perpendi-
cular, havia outras duas janellas.
Bom e" saber, que em Florenga ha
grande vigilancia sobre os estrangeiros sus-
peitos, dizia o Sr. Marcello medindo com
a vista a altura da janella sobre o rio, por
isso, para sahir a certas horas, e necessario
procurar uma porta que no seja vigiada
por pessoa alguma. Dominico deve estar
esperando-me esta noite na praga de S.
Marcos ; ate que ao toque do cobre-foge
pode a gente andar por fdra sem que se
torne suspeito, depois, veremos por onde e
como sahirei eu d'aqui.
Marcello sahio da hospedaria e, pergun-
tando a um e a outro, chegou afinal a praga
de S. Mareos, e a portaria do convento dos
dorainicos que dd nome & praga.
Esta estava deserta.
A noite tornara-se mais tempestuosa,
com abundancia.
Marcello recolheu-se debaixo de um dos
arcos do portico para se resguardar da
chuva.
Decorreu algum tempo sem que uenhum
dos transeuntes que passavam apressados,
se recolhesse no portico. Afinal, subio as
ver terminado as minhas transacgOes em'escadas um homem, parou e esperou
Dominico, disse o primeiro que se re-
colhera.
0 homem, que viera depois, encaminhou-
se para o lugar d'onde partira a voz.
Ah I o senhor ? disse elle.
Sim, sou eu, Dominico, respondeu
Floronca, voltarei para Syracusa, minha
patria, d'onde venho.
Muito bem, e bom sera que lhe nao
pecam um fiador.
Pois que I A senhoria de Florenga
tern tanto medo, que exija um fiador a todos
que vem hospedar-se dentro dos muros da Marcello, e j4 me impacientava
sua cidade ? Q'la quer venho da cathedral ede
0 caso 6 grave, muito grave, como' ouvir u sermao do mestre ; magnifico ser-
saber quern e" um individuo, que chega e.mao, e quizera queo papa o tivesse ouvido.
que se nSo conhece ? Se vem com mis Excommungado mestre herege o mestre
intencdes, peior para elle, porque a caber.a Isto nao pode continuar assim ; o cardeat
lhe nfto durara muito tempo sobre os hum- de S. Pedro Adviucula e os outros cardeaes
bros. seus amigos, acabaram de con veneer Aie-
Marcello Porta tornou aencolher osseus xandre VI de simonia.
e djsso : Estas ahi palrando como se nao ca-
hisse agua a cantaros, replicou Marcello
Porta. JA voltou para o convento Savona-
rola t
Deve ter voltado, eu live de esperar
que se fossem evacuando as naves que esta-
vam cheias de gente. Excoramunguem-nos
muito embora porque como a nossa causa e
a causa de Deus, Deus nos protegerd.
Fallaste de mim ao padre Savonarola ?
perguntou Marcello.
Sim, senhor ; disse-Ihe que um meu
parente afastado, siciliano,* de Syracusa,
chamado Marcello Porta tinha que vir a
Florenga commerciar em sedas e necessita-
ria de um fiador para que o deixassem per-
manecer na cidade. O mestre respondeu-
me. Serei eu seu fiador so me parecer
conveniente : quando elle chegar traze-m'o
cd.
Que qualidade de homem e" esse tal
Savonarola ?
Um apostolo, um santo respondeu
Dominico com entbusiasmo.
NSo pergunto isso ; o seu caracter ?
Severo, muito severo.
Esse homem, murmurou Marcello co-
mo que fallando comsigo mesmo, e* urn
sabio e deve ter uma grande perspicacia.
Nao receias que elle reconhega o meu dis-
farce, Dominico ? .
*- Que importa isso ? Eu n8o lhe quiz
dizer a verdade ; preferi que lh'o dissesse o
senhor, convindo-lhe. A melhor recom-
mendagao quetem para Jeronymo Savona-
rola 6" ser inimgo mortal dos Borgias.
Pois se te parece que e" occasiao pro-
pria para me apresentar ao teu mestre, va-
mos W.
Eu posso fallar-lhe a todas as horas ;
tenho uma chave do postigo que deita para
a rua del Maglio ; venha.
A rua del Maglio comegava na praga de
S. Marcos e seguia pelo lado esquerdo do
convento.
Dominico e o chamado Marcello Porta
deslisaram por junto do portico, penetra-
rara na rua del Maglio, e, no fim do con-
vento, Dominico abrio um pequeno pos-
tigo. %
- Muita confianga deve ter era u o mes-
tre Savonarola, deixandocm tuas maos uma
chave do seu convento.
Conhece em Italia algum persona-
gem que n8o ten ha bravi ao seu servigo ?
replicou Dominico fechando por dentro o
postigo.
-* Ah I com que entao o apostolo, o
santo necessita ter tambem ao seu servigo
um punhal ? disse acremente o Sr. Mar-
cello.
Nao, replicou Dominico, pordm aquel-
le que tern grandes e poderosos inimigos,
quando esses inimigos se chamam. os Bor-
gias, tem nocfssidade de audar acompa-
nhado dc dia e de noite, por gente que o
defanda ; dove saber que nem todos se ser-
vem dos bravi para assassinar, mas sim para
naosorem as&assinados. Porem, ealluda,
W

(Continmr-se-ha)
que em breve penetramos no grande claus-
tro ; a communidade e numerosa pois que
passam de duzentos os filhos de S. Domin-
gos que vivem conventualmente em S. Mar-
cos.
E pensam todos como o reformists
Savonarola ?
Pois e possivol ouvir o mestre sera
ficar convencido ? Sc desde o primeiro ate1
ao ultimo dos religiosos de S. Marcos nao
pensasse como frei Jeronymo, nao seria este
seu prior; p~>rem, silencio, entramos no
claustro ; curve a cabega em signal de re-
colhimento, porque estes religiosos s8o mui-
to asceticos, por isso que o seu superior e
um apostolo. Siga atraz de mim.
Depois de atravessarem um passadigo es-
treito, illuminado por alguns phardes de luz
opaca, entraram em um magnifico claustro,
sombrio, severo e grandioso, um maravi-
lhoso monumento da escola romana.
Em seguida chegaram a*s espagosas esca-
darias de marmore, subirarn,- e no claustro
alto, a direita, Dominico abrio uma porta e
penetrou com Marcello, n'um bello apo-
sento, porque em Florenga ate* o ascetismo
era artistico.
Espereaqui, disse Dominico a Mar-
cello.
F, abrindo uma outra porta, penetrou
n'uma sala.
Era alii a cella do reformista inimigo de
Alexandre VI, do excommungado, do he-
rege protegido pela republica de Florenga,
do celebre Jeronymo Savonarola.
N'aquella sala havia um verdadeiro luxo,
mas luxo de arte : estatuas, quadros, gran-
des estantes de carvalho lavrado, rico pavi-
mento de marmore e tecto de magnifica
obra de talha ; em contraposigao a isto, mo-
veis humildes e leito pobre.
Sentado junto i mesa, escrevendo com
grande attengao e depressa, uma carta em
latimfacil, correcto e elegante, carta que
era dirigida ao papa, estava Jeronvioo Sa-
vonarola com a cabega inclinada sdbre o
papel. A mio descarnada agitava-se, es-
crevendo, era uma 1 geira convuls8o nerT
vosa, e tio absorto estava, que nao sentio
os passos do Dominico.
Este aproximou-se da mesa e disse com
voz respeitosa :
Veneravel mestre.
Savonarola ergueu a cabega, olhou fixa-
mente para Dominico e disse sera largar a
penna :
Que temos ?
Ja chegou, respondeu Dominico.
Quem T
Aquelle que se esperava.
Podro de Napoles ?
-Sim.
/
>
(Continuar-se-Jia.)
"TYP.D0 DURI0.-R,UA DU(jL 3 DE CAXIaS.
L




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EB5ECEHNG_FF1UXS INGEST_TIME 2014-05-23T23:10:39Z PACKAGE AA00011611_20014
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES