Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20013


This item is only available as the following downloads:


Full Text
w
N|M
ANNO MX. MJMERO 291
I':
PARA A CAPITAL B It G ABES OMMR SAO SB PAG A POBTB.
Por trt? mezes adiantados........ ........ 00000
Por seis ditos idem.................. 13*000
Por am anno idem.................. 949900
Cada nuraero avulso.................. M0
SEXTA FEIRA 19 DE DEZEPRO DE 1873
PARA DFVTRO E FOBA BA PBOTUfCIA.
Por tret mezes adiantados................
Por seis ditos idem...........
Por note ditos idem..........
Por um anno idem. ..........
r

697&0
1S9500
109S50
179000

\
DIARIO DE PEMAMBUCO.
PR0PRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA D5 FARIA A FILHOS.
I
Os Sre. Gerardo Antonio Alros A Filhos.no Parfj Gongalyes A Pinto, no MaranhJo; Joaquim Jose" de Oliveira d Filho, no Geari; Antonio de Leo** Braga, no Aracaty ; Joao *ria Jnlio Chares, no Assd; Antonio Marques da Stta, no Ratal; Jos* Ju*
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da Penha; BeJarmino dos Santos Bulcao, em Santo AnUo Domingos Jose da Costa Brags, em Nazareth :
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das AlagOas ; Alves 4 C., na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio |de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Govemio da provincia.
1973.
KtPBDIBNTE DO niA 2 DK OUTUBRO DE
1.' seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, tendo em vista o
officio do brigadeiro commandante das annas, da-
tado de 30 de setembro ultimo sob n. 955, resol-
ve approvar a nomeacao, sob proposta do delegado"
mlerino do cirurgiao mor do exercito, do 2" ca-
fete 2* sargento do 9'' batalhao de infantaria, Mi
guel GoncaWes de Castro Mascareahas, para servir
interinameute o lugar de amanuense do mesmo
delegado, em substituiQao de Joao Pinto Bandeira
Arcioly de Vasconcollos, que foi exonerado a sou
pedido.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. Fii-am approvados os contractos quo, se-
gundo declara o director do hospital mililar no
officio annexo ao de V. Exc, de 2(i de setembro
nltmo, sob n. 956, celebrou para a lavagem e con-
certo das ruapa* do mosmo hospital, fornecimen-
to dos objecios precises a escriptiuacao e de san-
guesugas, a) trimestre do 1* do cor route a 31 de
dezembro proximo vindouro. Quaato ao ferneci-
mento de generos alimenticios, excedemlo os pre-
Cos da proposta, que inclusa devolvo, de Beltrao,
Oliveira & C, aos do trimestre findo, convem que
sejant estes tornados por base e acceitos si os rc-
feridoa proponeates se sujeitarem- ao abalimento
dft del por cento ; no caso conlrario, devem as
ivmpras ser feitas a dinheiro pelo empregado com-
petente, a quern se adiantara a quantia precisa
para esse fim.
Ao mesmo.Approve a nomeacao do 2 ca-
uete 2' sargento do 9s batalhao de infan'.aria, Mi-
guel Goncalves do Castro Mascarenhas, para ser-
vir ioterinamente o lugar de amanuense do dele-
gado interior do cirurgiao mor do exercito, con-
forme propox este, em substituijao de Joao Pinto
Banleira Aceioly de Vasconcellos, que pedio e ob-
4eve demissao. Fica assim respondid) o officio" de
V. Exc, de 30 de setembro ullhno, sob n. 963.
Ao mesmo. Mande V. Exc. apresentar
manna as 7 horas do dia na casa de delencao
um inferior e oito praeas de la linha, atim do con-
diuirera com seguranca ao termo do Triumpho
tres criminosos que vao alii responder aojury.
Ao mesmo. Sirva se V. Exc. de mandar
por em liberdade os recrutas, Alexan Ire Jose do
Espirito Santo e Manoel Antonio de Sou/, i, visto
serem ineapazes para o servigo militar, segundo
os termos do inspeccao annexos aos seus offlcios
de 30 de setembro ultimo, sob ns. 963 e 970.
Ao director do arsenal de guerra. Defe-
.nit o requerimento do soldado reformado, Jose
Leao Cardoso, autoriso V. S. a mandar fornecer-
Ihe uma perna de pao de que tern precisao para
o seu U90, visto haver perdido em combate uma
da? pernas.
2* seccao.
Aetos :
0 presidente da provincia, attendendo a que
o batalhao n. 57 da guarda nacional do municipio
do Palraares se acha em organisagio, resolve, de
conformidade com o disposto no artigo 48 da lei
n. 602 de 19 de setembro de 1830 e aviso n. 81
de 15 de fevoreiro de 1860, nomear para o dito ba-
talhao os offlciaes seguintes :
Kstaio-maior.Tenenie quarlel-meslre, o alfe-
res aggregado Antonio Francisco dj Assis Paiva ;
tenente cirurgiao, o guarda Joao Joaquim Ribeiro
Campos ; alferes secretario, Eleusippo da Silva
Santos.
| companhia. Capitrlo, o tenenie Saiustiano
Pereira Quaresma ; tenente, o guirda Manoel Flo-;
rentino dos Santos; alferes, os guardas Francisco
Antonio dos cantos e Egydio Jose Ferreira.
* companhia.-Tenente, o alferes Cesario de
Renevides Falcao ; alferes, o guarda Wenceslao
Florentino dos Santos.
3* companhia. Alferes, os guardas Cristiano
Florentino dos Santos e Joaquim Jose de Rarros.
V companhia. Capital o tenente quarlel-mos-
tre Antonio Joaquim de Siquetra; alferes, os guar-
das Manoel Jos6 da Silva e Jose Ferreira do Lima.
5 companhia. -Alferes, os guardas Baldoino
Paz de Souzti a Jose Pedro Coelho da Silva.
6' companhia. Capitao, o guarda Claudia < Jose
de Mello ; tenente. o dito Diogo Henriques do Sou-
za; alferes, ds ditos Caetano PesUna 'da Costa e
Francisco Alves Leite.
7 companhia.Capitlo, o tenenie da i* Thomas
Ferreira da l^osta ; tenente, o guarda Severo Jose
de Azevedo ; alferes, os ditos Joaquim Felippe Ri-
beiro e Jo6 Rodrigues de Lima.
8* companhia.Alferes, os guardas Arsenio Cor-
deiro Ribeiro de Campos e Guadencio de Benevi-
des Falcao.
0 presidente da provincia resolve, a vista do
officio do Dr. chefe de palicia, n. 1701 de 30 do
mez proximo passado, conceder a Bento Americo
d Albuquerque Cavalcante a exoneracSo por elle
pedida do cargo de subdelegado da freguezia do
Rom Conselho, do tetmo desse nome.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em offi-
cio n. 1,701 do 30 do mez proximo passado, re-
solve nomear para o cargo de subdelegado da
freguezia do Bom Conselho, do terrao de igual
nome, o cidadao Joao Cavalcante de Albuquerque.
0 presidente da provincia, a vista do officio
&: Dr. chefe de policia, n. 1,701 de 30 do mez
froximo passado, resolve exonerar do cargo de
> supplente do subdelegado da freguezia do Bom
ilonsfllho, do termo de igual nome, o cidadao Pe-
dro Cavalcante de Albuquerque, por ser supplente
'. juiz municipal.
__0 presidente da provincia, do conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em offlcio
n. 1,701 do 3') do mez proximo passado, resolve
nomear para o cargo de 1 supplente do suhde-
Ugado da freguezia do Bom Conselho, de termo
di* igual nc me, o cidadao Paul") Tenorio Luna.
0 pri>sidente da provincia, a vista do offlcio
do Dr. chefo de policia, n. 1,702 de 30 do mez
proximo paisado, resolve conceit r ao tenente
Ar.tonio Francisco Cerdeiro de Melb a exoneracao
r:e pedi > do cargo de subdelegado do districto
do Vieencia, do termo de Nazareth.
0 presidente da provincia, da conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia' em offl-
cio n. 1,702 de 30 do mez proximo passado, re-
solve nomear o alferes Pergentlno da Miranda
Piraentel para o cargo de subdelegado do dis-
tricto de Vieencia, do termo de Nazareth.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.Aehando-se preso
na casa de detencao desde 1871 Francisco Anto-
nio da Silva, que veio de Garanhuns. oo.de, se-
gnndo informa o respectivo juii de direito, nao
consta ter elle coauaeltido cri'tii*, reeomraendo a
V S. que, verifleandoso eot.tra um indivi-luo
io haver lgama outra (maataci). providcucic
de modo a >er elle posto em liberdade.
Ao mesmo. loforme V. s. com urgencia
o spit ha coatra o recrau Miguel da Silveira
TaTora.
Ao mesmo.Providencie ?. S. sgbre o que
rearesenta o promotor publi:o da comarca do
Rom Conselho no offlcio junto, por copia de 22
do mez proximo passado. t
Ao mesmo. Nesta data fleam dadas as pre-
eisa3 ordeiis para serem remettidas a V. S. as
laminas de ous vacciotco, solleiladas om sea of-
ficio de hotitem datado sob a 1,708, quo flea ai-
r im respaat'ido.
Ao mesmo.Transmittindo a V. S. copia do
officio que me dirigio a 20 do mez proximo pas-
sado o juiz de direito da comarca do Buique,
chamo a sua atteneSo para o facto consume do
dito offlcio, esperando quo providence aflm'de
serem capturados e puniaos aquelles quo nesse
crime estiverem indiciados.
Ao mesmo. Informe V. S, ouvindo o dele-
gado do termo de Ingazeira, si na occasiao em
que evadiram-se os presos de que trata o seu
offlcio n. 1,710 de I do corrente, se aehavara pre-
senter todas ai praeas que corapoem o destaea-
mento d'ali.
Ao mesmo.Transmitto a V. S. a informacao
por copia do inspector da thesouraria de fazenda,
com a qual respondo ao seu offlcio de 15 do cor-
rente sob n. 1,H8.
Ao commandante superior da guarda na-
cional do Recife. Designo V. S. ires offlciaes su-
periors para fazerem parte da junta, que a 6 do
corrente ao meio dia devem julgar em ultima
instancia, neste palacio, a varias praeas do corpo
de policia.
Ao commandante superior de ftambe.Ex-
pee.1 V. S. as suas ordens afim de que o desta-
camento dessa villa fique commandada por um in-
ferior.
Ao commandante superior da guarda na-
cional de Serinhaein. Expeca V. S--as suas or-
dens afim de que seja dissolvido o destacaraento
da guarda nacional, existente na Gamelleira.
Ao juiz de direito da 2' vara. Designo V.
S. para fazer parte da junta, que era ultima ins-
tancia tern de julgar o cabo do corpo de policia
Remigio Jose da silva e soldados Manoel Aure-
liano Cavalcante, Henrique Cardoso da Cruz e
Crescendo Ladislao do Espirito Santo, a qual deve
rcunir-se neste palacio a 6 do corrente, ao meio
dia, mandando Ihe o processo junto, afim de que
apresente nessa occasiao o relatorio do estylo.
- Ao commandante do corpo de policia.
Raitero a Vmc a ordera que lhe foi expedida
a 24 do mez proximo passido, para fazer recolner
ao quartel as praeas que se acham destacadas
ua estacao das Cinco Ponlas.
Ao mesmo Pode Vine, excluir do corpo
sob o seu commando as praeas Angelo Coriolano
da Motta, Francisco dos Santos Lias, Raphael Ar-
chanjo do Espirito Santo, Marcolino Pereira d'Oli
veira, Joao Evangelista da Silva, Raphael Pereira
de Paiva, Mm iel Ludgero de Souza Cavalcante e
Estanislao Ferreira de Souza, mandando apresen-
tar os dous ultimos ao general commandante das
irmas para o servico do exercito.
3' secfSx
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Na conformidade do que solicitou o capitao do
porto em offleio datado de 30 de setembro ultimo,
man le V. S pigar a Manoel Figueiroa d-j Paria
& Filhos a importancia de 31^000, constante de
annuncies publicados no Diario de Pernam-
buco.
Ao mesmo. Expeca V. S. suas ordens no
se.ntido de ser pago ao the^ourefnf da Saula Casa
de Misericonlia, major Laurentino Jos6 de Miran-
da, a vista da inclu-a conta que mo foi remettida
Selo respectivo provedor interino com offlcio de
ontera, sob n. 586, a quantia de 301000, despen-
dida durante o mez de setembro ultima com o
tratamento do solda lo do 2 batalhio de infanta-
ria de linha, Can lido Pereira do Rego, no hospicio
de alienados, comi se ve da referida conta.
Ao mesmo. -Commnnico a V S., para os
devidos fins, quo ne mento de Itamoe seja commandado por am infe-
rior, sendo dispensado o alferes que o comman-
dava.
Ao mesmo. Inteirado de tudo quanto expoz
V. S. em sua informacao de 30 de setembro ulti-
mo sob n. 396, srie E, acerea da reclam*;aodo
commandinte interino do presidio de Fernando de
Noronha, coatida era offlcio de 9 do mesmo mez,
tenho a dizer qtu o autoriso a remetter para
aquelle presidio pelo primeiro vapor a quantia
precisa, afim do occorrer-se as competentes des-
pezas.
Ao mesmi. -Conformindo-me com o que ex-
poz V. S. em seu offlcio de 27 de setembro ulti-
mo sob n. 3!i6, serie E, relativamente ao pagamen-
to dos vencimeutos constantes das folhas e prels
que acompanharara a ordem desla presidencia, de
23 de agosto desle anno, tenho a dizer que man-
de effect ua-lo sob a responsabilidade da presidencia,
visto uii haver ere tito na respectiva verba para o
Sagameoto da quantia de 79^U0 pelo motive no
ito offlcio dcclarado.
Ao mesmo.Dando provimanto aos recursos
intorpostos por Jcse Francisco da Silva, Pedro Jose
da Silva e Quirino Bruno da Silva nos requeri-
mentos quo Ihe devolvo, a que se refero sua infor-
macao de h. >ntem datada sob n. iOO, serie E, au-
toriso V. S. a mandar releva-los das multas em
que incorreram por infraccio.do regulamonto de
1 de dezemb o de 1871.
Aj mesmoNesta data approve! os contrac-
tos celebrados pelodirector do hospital militar para
a lavagem e concerto das roupas daquelle esta-
belecimento, o fornecimento de objectos de expe-
dients e de sanguesugas no trimestre de outubro
a dezembro deste anno. Quanto ao fornecimento
de generos alimenticiss no referido trimestre re-
sol vi que so.procedesse de acordo com o parecer
da contaloria dessa thesouraria, a que se refere
a sua informacao de 30 de setembro ultimo sob
n. 399, serie E ; o que communico a V. S para os
fins conveniences.
Ao mesmo. Tendo approvado a nomeacao,
feita sob a proposta do delegado interino do cirur-
giao mor do exercito, do 2* cadete 2' sargento Mi-
guel Gongalves de Castro Mascarenhas para ser-
vir interinatnentc o lugar de amanuense do mes-
mo delegado, em substituicao de Joao Pinto Ban
deira Accioli de Vrsconcellos, quo foi exonerado a
seu pedido ; assim o communico a V. S. para os
Gns convenientes.
Ao mesmo.Ao tenente do 8* batalhao de
infantaria Pedro ignacio de Almeida Guedes, que
segue para a eorte a reuuir-se ao seu corpo, man-
de V. S. a jut tar contas c passar guia de soccorri-
mento.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar ajus-
tar contas e pasjar guia de soccorriraento ao te-
nente coronei Antonio de Campos Mello, que vai
seguir para a corto era comprimento das ordens
imperiaes.
Ao mesmo.Transmitto a V. S. a inclusa no-
ta falsa n. 1,297 ,qne me foi remettida pelo juiz de
direito do termo do Buique com o officio junto por
copia, afira do que veriuque si e somelhante as
que feratp apprehendidas nesta capital.
Ao tr.esmo. -ComrnuDico a v. S., para os de-
vidos fins, que a 26 do mez proximo passado assa-
mio o cargo de promotor publico da comarca da
Victoria o bacharel Geroncio Bias de Arruda Fal-
cao.
A-- inspe'eor da !fc .'sauraria provincial.A'
vista da inclusa conta que veio appensa ao offlcio
do provedor interino da Santa Casa de Misericor-
dia, de hontem datado sob n. 583, mande V. S. pa-
gar ao thesoureiro daquella Santa Casa, major
Laurentino Jose de Miranda, a importancia de
466/, provenientc do tratamento dos filhos de vo-
luntaries da patria, recolhidos aos collegios dos or-
phios no trimestre do julho a setembro ultimo,
segundo indica a mencionada conta.
4.' $ecfSo.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereit Maria Herraina Jardim dos Passos,
profe?sora de instrnc^ao primaria da povoa;So da
Alagoa Secca, e tendo em vista a informacao do
director geral interino da Instruccao publica, de 20
do corrente, em offlcio sob n. 28i, resolve concc-
der-lhe dous mezes do licenca com vencimeotos
na forma da lei, a contar do dia 16 do mez findo,
para tratar de sua saude onde lhe convier.
Offlcio :
- Ao provedor da Santt Casa de Miscricor-
dia. Em resposta ao offlcio de V. S., de 8 de agos-
to ultimo sob n. 519, tenlio a dizer lhe que, para
poderem ser nomealas professons publican as
expjstas, de qne trata o seu dito officio, se fazpro-
ciso que ellas se inscrevam no concurs) que bre-
vcmente (era lugar perante a direetoria da ins-
truccao publica.
Ao meinvi.-Com o officio, p>r copia inclu*
so, do tehsoureiro das toterias flea respondido o de
V. S., de 26 de setembro findo sob n. 57V.
Ao comraissario vaccinador provincial Re-
metta Vmc. com a possivel brovidale ao Dr. che-
fe de policia algumas laminas de pus vaccinico,
com deslino ao delegado de S. Loarenco da
Matta.
Ao pro-presidente da camara municipal do
Bonito.Accuso recobido o offlcio de Vmc, de 23
de setembro findo, e ft.:o inteirado de ter side
adiada a apuracao da eloicio de vereadores e jui -
zo de paz desse municipio para o dia 1" do cor-
rente.
Ao professor publico interino de Aguas-Bel-
las.Accusando recebido o offlcio de Vmc, data-
do de 20 de setembro pmiai) Undo, pelo qual
poe a disposicao desta presidencia doze por cento
de seus vencimentos para serem applicad is a cons-
trucc.io do edilieio destinado para 3 asylo de alie-
nados, a eintar do I* do referido mez ale a con-
clusio do mencionado edificio, tenho a dizer-lhe
em resposta que agradego esse offerecimento ; e
louvo-o pelos sentimentos humanitarios que elle
exDrime certo de que nesta data me dirijo a the
souraria provincial para proceder a i devido des
conto.
5." secfa \
Offlcio :
Ao engenheiro fiscal da estra la de ferro do
Recife ao Caxanga. Inteirado do seu offlcio data-
do de 22 de setembro ultimo, no sentido de dimi-
nuir-se a responsabilidade que pesa sobre essa
companhii pela guarda de objectos conservados
em al mmas de suas estai;oes, cabe-rae responder
a Vmc. qus essa modificacao nao pode ser outor-
gada ; cumprindo a mesma companhia encarre-
gar a pessoas de sua confianca de vigiar sobre
taes objectos ou providenciar por outra qualquer
forma.
Portarias :
Os Srs. agentes da companhia de navegacao
brasileira mandar dar passagem para a corte por
conta do rainisterio da guerra, no vapor Bahia,
esperado do norte, ao teuente-coronel Antonio do
Campos Mello, que segue para alii em oumpriraen-
to de ordens imperiaes, e bem assim a familia
desse official, composta de sua seuhora e de ucea
Giha de dez annos de idade.
Os Srs. agentes da companhia do navegacao
brasileira raandem dar passagem para a eorte por
conta do ministerio da guerra, no vapor Bahia,
esperado do norte, ao tenente do 8e batalhao do
infantaria Pedro Ignacio de Almeida Guedes, que
vai reunir-se ao seu corpo, e bem assim a seuho-
ra desse official D. Lucina Araalia Ribeiro Guedes.
EXPEDIENTS DO SBCBBTARIO
1.' secgao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandants das ar-
ma*.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da communicar a V. Exc, para os devidog effeitos,
Jue por despaeho desta data concedeu ao recruta
fiaquira Bento Freire de Araujo o prazo de oito
dias para provar isencSo legal.
Ao mesmo. -S. Exc. oSr. presidente da pro-
vincia. tendo dado as necessarias ordens relativas
ao embarque para a corto do tenente coronei An-
tonio de Campos Mello o do tenente do 8* bata
Ibid de infantaria Pedro Ignacio de Almeida Gue-
des ; assim o mania communicar a V. Exc. em
resposta aos seus offlcios de hontem datados, son
ns. 968 e 969.
Ao capitao do porto. S. Exc. o Sr. presiden-
te da provincia manda declarar a V. S, que por
officio desta data expedio as necessarias ordens a
thesouraria de fazenda no seniido seu officio n. 133 datado la 3) de setembro ul-
timo.
2" secQoo.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de polcia.0 Exm. Sr- presi-
dente da provincia manda declarar a V. S., que
fleam expedidas as ordem convenientes no senti-
do de qne trata o seu offlcio n. 1,697 de 30 do
mez proximo passado.
Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda transmittir a V. S. para os devidos
fins, o titulo junto de nomeacao Jo subdelegado do
districto de Vieencia, do termo de Nazareth.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a Jr. S. para os devidos fins,
[ue nesta data manda disselver o destacaraento
a guarda nacional existente om Gamelleira.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda transmittir a V. S., os titulos juntos
de nomeacao do subdelegado da freguezia do Bom
Conselho e do respectivo I* supplente, de confor-
midade com a proposta de V. S. era offlcio n. 1,701,
de 30 do raez proximo passado.
Ao bacharel Geroncio Dias de Arruda Fal-
cao.0 Exm. Sr. presidente da provincia raaula
accusar o recebiraento do officio de V. S., de 26 do
mez proximo passado, em que comraunica ter ties
sa data assumido o exercicio do cargo de promo-
tor publico da comarca da Victoria.
PEENAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Hospicio de alienados.Damos era se-
guida mais donativos para as obras deste noro es-
tabelecimento:
Maroim, 4 de dezembro de 187). Illms. Srs.
Em resposta a earta em quo Vv. Ss. me pedera
mn auxilio em favor do asylo de alienados que o
Exm. Sr. presidente pretende fazer edificar nesta
provincia, tenho a maior satisfacao em declarar a
Vv. Ss., qne offereco ao mesmo Exm. Sr. presi-
dente, ciacoenta barricas de cal preta, postas na
obra logo que ella comopar, on desde ja no lngar
que me for dd.signado. Illms. Srs. Drs. Oelnuo
Augusto Cavalcante de Albuquerque, Jose Domin-
gues da Silva e Braz Florentino Henriques de Sou-
za. Sou de Vv. Ss. -Muito respeitor criado-.W'-
noel Caoalcmle de Albuquerque Gudelha. >
t Maranguape, 3 de dezembro de 1873.-Illms.
Srs.- Tive a honra de rec;ber a carta com que Vv.
Ss., em nome do Exm. &r. presidente pedera um
auxilio para o hospicio d; alienauos, com que S.
Exc pretende dotar a provincia. Nao posso dar
nuito, mas desde ja pun 10 a disposicao do mes-
mo Exm. Sr. etneoenta barricas do cal preta pos-
tas na ebra, logo que ella der princlpio, ou antes
no lngar que me for designado. Illms. Srs. Drs.
Delfino Augusto Cavalcante de Albuquerque, Jose
Domingues da Silva e Br:u Florentino Henriques
de Souza. Sou de Vv. Ss. Venerador e obrigado
servo. -Francisco Camello Pessda Cavalcante. o
a Illm. e Exm. Sr. commendador Henrique Pe-
reira de Lucena. Tendo V. Exe.' se dignado do
escrever a cada um de nos para que agenciasso-
rnos aqui alguns donativos para o asylo de aliena-
dos, que V. Exc. tem em vista mandar construir,
com o Cm de satisfazermos do melhor modo os bons
desejos do V. Exc, resolvarao-nos constituir em
coraraissao porque isoladaraente pouco conscguiria-
rao*, consid ;rando que alem do ser esta conarca
nimlaraente pobre, ja algumas pessoas, das quo
mais podiam dar, se haviam dirigido directanenle
a V. Exc. Ainda assim nao fizemos mtiito. In-
cluso achara V. Exc, aao sd a quantia de :J0IJ,
imprrtancia das assignaturas con.-tantes da rela-
^io junta, mas tarabem duas cartas, nas quaos os
srs. Francisco Camello Pess6a Cavalcan'e e Ma -
Cavalcante de Albuquerque Gadelha, se corapro-
raettem a mandar pOr na obra, logo que ella co-
me;ar, com barricas de cal preta. Pedimos a V.
Exc. desculpi de nao havermos correspondido,
embora contra a nossa vontade, a confianca eom
quo nos honrou, o fazemos votos para quo V. Exe.
realise o seu grandiose pensamento de crear o
men#i>inado asylo. Somos com a mais distincta
eoaside ajao. Olinli, 13 de dezembro de 1873.-De
V. Exc. 1migoso re/erentes servos. Delfino
Augusto Cavalcante de Albuquerque.Jose Do-
mingues da SilO'i. -Braz Florentino Henriques de
Snuza. .
Dr. Delfino Augusto Cavalcante da Albu-
querque 204000
Dr. Jose Domingues da Silva 20*'X)0
Dr. Braz Florentino Henriques de Souza 20,5000
Dr. monsonhor Gregono Lipparoni 20^00'J
Chantre Jose Joaquim Camello de An-
drade 20i000
Conego Firmino de Mello Azedo 204(XK)
Francisco Antonio da Silva 20if)00
Um anonymo 20*000
Dr. Jos6 Cardoso de Queiroz Fonceca 104000
Luiz Jose" Pinto da Costa lOiOOO
Francisco das Chagas Salgueir l 10*000
Jose Nunes de Oliveira lOiOOO
Um anonymo 10*000
Dr. Manoel Antonio dos Passosc Silva 5*030
Or. Bernardino de Sena Dias 5*000
Demetrio de Azevedo Amorim 5*000
Major Tnomaz de Almeida Antune3 5*000
Joaquira Rabello Pessoa de Brito 5*000
Candido Eustaquio Cesar de Mello 5*000
Luiz do Rego Harms 5*001
Manoel Ignacio da Silva Braga 5*000
Joao Theodomiro da Costa Monteiro 5*00"
Tlwmaz Jose de Gnsmao 5*000
Manoel Joaquim Botelho oJOOO
Um anonymo 5*' 00
Jose Alves Fernandes 4*000
Conego Marcelino Antonio Dornellas 2*000
Joao Soares Raposo 25000
Joao Francisco da Lapa 2*000
I.atirinn de Sena Leite 2*000
Manoel Duarte Ferreira Junior 2*000
Romao Carpinteiro 2*000
Jose Hygino Monteiro 2*000
Belmiro Pereira 2*'>O0
Manoel Claudio Bezerra 2*000
Joac Coelho 2*0:0
Clemente Antonio da Silva Araujo 1*000
Lneto lose Monteiro 1*000
Franci*"o Pedro Advincala 1400')
Jos* Francisco do Nascimento 1*000
Joaquim Qainteiro Goncalves 1*000
Joaquim Barbosa do Souza 1*000
I'm anonymo 1*)00
a Gabinete da presidencia da provincia de Per-
nambuco, em 16 de dezembro de 1873. Illms. Srs,
Drs. Delfino Augusto Cavalcante de Albuquerque,
Jose" Domingues da Silva e Braz Florentino Hen-
riques do Souza Da carta que Vv. Ss. me diri-
giram em data de 13 do corrente, com a quantia
de trezentos e um rail reis ( 301*000 ) para abra
do asylo de alienados, e a relacao dos respectivos
contribuintes, vcjo assim a benevolencia com que
se dignaram de dar desompenho ao mcu pedido
como o satisfalorio resultado, que obteve o presti-
moso intermedio de Vv. S. sjunto aos habitantes
dessa cidade. Desvaneco me em significr-lhes os
meus protestos de agradecimento em vista de t i i
valioso auxilio louvando. ao mesmo tempo o pen-
samento humanitario, que' deu impulso aos sous
esforcos, no sentido de promoverem clernentos
para a realisaea i daquelle estabelecinto de cari-
dade. Resta-me pedir a Vv. Ss que de minha
parte agradecam e louvera a ^enerjsidade dos as-
signantes constantes da relacao alludida, asscgu-
rando iguaes manifestago^s aos Srs. Manoel Ca-
valcante de Albuquerque Gadellu e Francisco
Camello Pessoa Cavalcante, cujos offereciraentos
em tempo serao utilisados. Tenho prazer em subs-
crever-me. -De Vv. Ss. collega, amigo attencisso e
obrigado. Henrique Pereira de Lucena.
lurdim do Coiiile d'Eu.-Em segaida
damos dous offlcios sobre a concessao gratuita
d'agna para a irrigaclo deste jardim publico :
Escriptorio da companhia do Beberibe, em
16 de dezembro de 1873. -Illm. Sr.A' adminis-
tracio desta companhia, em sua sessao de 13 des-
mei, foi presente o requerirmnto de V. S, como
encarregado do ajardinamento da Praga do Conde
d Eu : em resposta tenho a declarar a V. S. que
a mesma administracSo dehberou que se conce-
desse gratuitamente 15 .oaldes d'agua, diarios,
para consume da irrigaclo do mesmo jardim, e
em luanto for elle exclusivamentc considerado pu-
blico ; nao poJenlo actualmente esta companhia
conceder o nnmero de 30 baldes, solicitados por
V. S., visto a delflcieacia d'agua de qne se resen-
te o seu manancial, queira portanto dirigirse ao
escriptorio da companhia do Beberibe, rua do Ca-
buga n. 16, afim de assignar o respectivo contrato
da supracitada concessao gratis. Dous guarde a
V. S. Illm. Sr. Dr. Pedro de Athayde Lobo Mos-
coso, digno encarregado do ajardiaamento da
Praca do Conde d'En. Assigoado. 0 director,
Luiz Gonc'ilcesda Silva.
tRecife, 18 de dezembro do 1873. -Illms. Srs.
Accuso a recepijJo do officio de Vv. Ss., do 16 do
corrente mez, em que me communicam que a ad-
minisiracao da companhia do Beberibe se dig-
nou acceder ao men pedido, mandando "dar
15 baldes d'agua diaria gratuitamente, para Irri-
gaeao do jardim da Praca da Conde d'Eu, emquan-
to "for elle considerado exclusivamente publico.
Em nome de todos aquelles que se tem interessa-
do pela realisagao do primeiro melhoramento pu-
blico, de iniciativa particular, agradeco a illustra-
da e patriotica administracao da companhia do
Beberibe, a prova exuberante de civismo que aca-
ba de manifestar, e por minha parte falta-me ex-
pressoes para signitlcar a Vv. Ss a minha grati-
dao por t.io sublime ado de attencao e condes-
cendencia. QueiramVv. Ss. aceitar 03 meus pro-
testos de verdadoira estima e coasideracao. Deus
guarde a V. Ss. Illms. Srs. directoros e mais
membros da administracao da companhia do Be-
beribe.
Jury do Recife.Paraservirem na ses;ao
deste tribunal, adiada para amaoha, foram sortea-
dos da urna geral os seguintes juizes de facto :
Antonio Rodrigues do Albuquerque.
Dr. Antonio de V. Menezes de Druraraoad.
Beriiardino do Senna Pontual.
Carlos Augusto Lins de Souza.
Demetrio de Gusinao Coelho.
Dr. Francisco de Paula Sales.
Francisco Affonso Ferreira.
Jose Luiz Innocencio Poggi.
Jose PeretU Sere.
Joao Marquee Corroia.
Joao da Cunha Soares Guimaraes.
Joao Xavior dFmceca i'apibaribe.
Joao Pedro de Jesus da Matta.
Manoel Ant mio Ribeiro.
Manoel Antonio Cardoso.
Raytnvnlo da Silva Maia.
Passamentos. -No dia 17 do corrente deu
alma ao Creador, apos padecimentos chronicos, a
Exma. Sra. D. Catharina Simdes da Silva, mai do
Exm. Sr. chefe de divisao Maraede Simdes da Sil-
va, com oitenta e oito annos de idade.
A' seu distinct i filho nossos sinceros pezames.
Tarabera acaba de fallecer, n'um dos enge-
nhos de sua propriedade, o Sr. Gabriel Antonio,
abastado agricultor na comarca do Rio Formoso.
Santa Casa de Miserieordia. Por
deliberacao da junta administrativa, om sessio de
h intern, foram designados os dias de ter^a-feira
das suas senunas pr iximas, para uellos se cele-
brarem as duas sessdes que deviara ter lugar nas
quintas-feiras respectivas, por serem estes dias
sanlificado'.
Sessao ma;$na. -A Imperial Sociedade dos
Artistas Meehanicos e Libcraes soleranisara o 32'
anniyersario do sua installacao com sessao magna,
no dia 21 do corrente, pelas dez horas da manha,
depois da missa do costume, que sera desta vez
celebrada do recolhimento da Gloria.
Propa^adora da instruecao pu
bllea. Em li do corrento procedeu-se a elei-
?ao do novo conselho na freguezia de S. Jose e fo-
ram escolhidos por votos dos associados reunidos
em assemblea geral i para presidente, o professor
Liberato Tiburlino de Miranda Maciel ; para vi
ce president", o Dr. Francis "o do Rego Baptista ;
para secretario, Livino Augusto do Hillanda Cha
con ; para thesoureiro, o commendador Jose Joa
quim de Lima Riirao ; para conselhciros, o pro-
fessor Antonio Falcao, o Dr. Jose Baodeira de Mel-
lo e o Sr. Anacleto Publio de Moraes Carvalho.
Con?agrou-se aa occasiao um voto unanime de
lonvor ao Sr. capitao Joaquim Lopes Machalo,
pelos importantei services por S. S. prestados a
causa da in-truccilo public i ; sendo tambem ex-
tensivaessa manifestijao de apreco aos Srs. Dr.
Manoel Francisco de Barros Rego o Anacleto Pu-
blio de Moraes Carvalho por identicos motivos.
Um segundo voto de lottvor, proposto pelo Sr.
Dr. Jose Bandeira de Mello, foi pronunciado em
favor do Sr. Dr. Joao Jose Pinto Junior por ter
sldo o iniciador da idea de creacao da sociedade
propagadora da instrticgao publica.
Exames. Em II do corrente deram-se os
exames das alumnas habililatas pela cadeira da
Encruzithadi, da qual e professofa '>. Fran*.eli
na Maurina da Silva Albuquerque, com o seguin
te resultado : alumna*, Alexaodrina de Salles Du-
tra e Rosalina da Silva Peros, que foram approva
das plenamente.
Era 6 do corrente os havidos na escola da En
cruzilhada de BeUm, regida pela professora D.
Josephina Amalia de Albuquerque Machad<, teve
o resultado seguinte : alumnas. Elvira Olympia de
Albn querque Machado, Theodorica Clementina de
Hollanla Lyra e Maria Angelica dos Santo.*, que
foram approvadas plenamente.
Na escola da fregnezia de Nossa Senh ira da
Lu*, comarca de Pao d'Alho. regida pelo profes-
sor Jose Muniz Teixeira Guimaraes, foi em 3 do
corrente, examinsdi'Ve plenamente approvado o
alumno Manoel Fulgemio da Costa Lyra.
Na do sexo feminmo dessa mesma freguezia,
regida pela professora D. Hermilfa Lydia Guedes
Alcoforado, foram em 5, tamoem do corrente,
examinadas as alumnas Anna Leopoldina de iou-
za Guimaraes, que foi approvada com distinccao e
Joanna Aquilina da Soiedade, que o foi plena-1
mente
_ Em 6 deste mez .foram examinadas e ap-
provadas com distinccao na escola do po^oado de
Sanharo, regida pela professora Ephigenia Maria
de Almeida Gomes, as seguintes lumuas : Anna
Jannaria Leite e Adelaide Leopoldina Leite.
.\avios eneontrados. Pelo capitao da
barca ingleza Faziiler, chegada hoje de Liverpool,
nos foi eommunicalo hiver encontrado os se-
guintes :
A 2 do corrente, na lat. 10' 55' N., long. 26
20' de W. com a barca ingleza Anaw, quo con-
tava 20 dias de viagem do Londrcs e seu destino
era Neva Zelandia.
A do mesmo, na lat. 7. 19' N., long. 25, 5V
de W. com a galera ingleza Wiflufwr Castre, que
navegava no rumo do n^rte.
Presente ao Sr. Tliiers.-Uma deputa-
5I0 dos habitantes de Besanjon acaba de offerecer
ao Sr. Thiers um magnifico relogio de ouro do an-
cora e de repetica^ mesmo para para os minutos.
Em uma das tampas le-se a seguinte inscripijio :
Homenngein ao Sr. Thiers, Ubertidtr, os franc-
condenses reconhecidosJ\ 0 todo 6 adornado de
pedras finas ricamento incrustadas e de ceres va-
riadas. Na outra tampa ve-se a firma do Sr.
Thiers A. T.,- artisticamente gravada. As duas
letras estao reunidas e c.igrinaldadas com um ru-
bim de rre3 cores bemldistinctas. 0 T 6 de um
lindissimo azul, 0 A de (uma magaifica edr rdxa
granada e 0 restante do A, mais alonga lo, de um
branco extra flno.
A. qnestao rellgiosa na Allema-
nha.Dizera de Berlim que em consequencia
de nao tercra sldo provilas alguraas centenasde
parochias catholicas com sacerdotes que tenham
os titulos exigidos pela nova legislacJo, 0 irapcra-
dor, depois de muito vacillar, consentio em que se
apresente 0 projecto de lei que sancciona 0 casa-
raento civil e 0 registro civil dos nascimentos e
obitos. 0 projecto 6 considerado como do grande
transcendencia em um paiz no qual, pertencendo
as classes illustradas a igreja catholica e a prq-
testante, estao muito habituadas as suas respecti-
vas denomiaacoes, cspecialmente pelas leis que
ordenara 0 observar-se as praticas ecclesiasticas
nos casos de nasciraento, matrimonio ou failed-
mento.
O vice almirante Cecille. Morreu
ha dias em Saint-Malo, na idade de 85 annos, 0
vice-almirante Cecille. Nascera em Rouen em
16 do outubro de 1787, deixando esta cidade
quando tinha apenas 13 annos. Aos 17 foi no-
meado aspirante, 2.* tenente seis annos depois, e
tomou parte em todas as companhas maritimas do
imperio. No tempo da r^stauracao foi nomeado
tenente e capitao de fragata em 30 ee outubro de
1829. No reinado de Luiz Felippe obteve succes-
sivamente 0 posto de capitao de navio, 0 comman
do de rauitas expedicocs maritimas e finalmente
a graduacao de vice-almirante em 23 de" dezembro
do 1847. Depoi3 da revolucao de fevereiro os
seus compatnotas de Rouen e do Sena-Inferior
man/Viram 0 a assemblea constituinte. Membro
da commissao da marinha, votou com a direita em
todas as questdes politicas. Recleilo membro da
assemblea legislativa, foi nomeado grande offi
cial da legiao de honra em 5 de raaio do 18i9 e
escolhido para 0 conselho do alrairadtado em 6
de novembro de 1852. Em 1853 foi nomeado se
nadnr.
Marinha de gcerra franceaa. Lo-
se 0 seguinte na France :
a Contiaiia com grande actividade a construe-
cao de navios de guerra. Em Toulon 0 navio en-
conracado Richelieu nao tardara a ser langado
a agua. Esta embarcafae tera nma machina de
1,000 cavallos e sera a.ma da com uma bateria de
15 canhdes, dos quaes 10 de 17 centimetres.
0 navio typo Mareng* 1 Suffren sera arm.ido
com 0 maior cuiJado, orc:ebera tola* as iaaova
c3c e aperfeijoameotoi mais Bt veis. Tinham
tido ao moimo tempo larjcadai n > Jtoleln as qui-'
lhas de quatro encouracados do u esm) moJeio :
o Colbert, que so esta conslruindoem Rrest; 0
Friedland, lan;ado ha pouco a agua em Lorient;
0 Richeli'u, quo vai ser lancado a agua em Tou-
bm, eo Trident, tambem um via de construccao
neste me.>mo estaleiro. Ha, alem llsso, tres cor
vetas encoura.aiic di for.a de SCO cavallos, 10
pegas e 310 homens dc tripolacSo. A Galissonie-
re esta armando-se em Brest, a Triumphante em
construc;ao em Rochefort e a Victoria tambem
em construccao em Toulon.
< Quanto aos dous cruzadores a vapor de gran-
de velocidade, cujas machmas terao a forca de
7,000 cavallos, estao a construir-se : 0 Thourville
eo Duguag Trmin nos estaleiros do Sena ado
Havre.
Munumeiilo a Cavour. -Por occasiao
da inauguraeto que ulttmamente teve lugar, do
monuraento erguido ii raemoria d) conde de Ca-
vour, 0 syndlco do Turim, quo recitou um dis-
curso aualogo ao acto, terminou 0 com as seguin-
tes palavras:
Vede a Italia, rainha, sentada no Capitolio,
-ob a egido do melhor dos reis, rodeada pela
affeifao de todos os seus filhos, e tendo a fronte
aureolada por uma coroa immortal.
* Italianos, quando conduzirdes vossos filhos
perante esta eslatua, dizei Ihes mostrando-lb'a :
E.da represeola 0 homem que tornou a nacao in-
dopendente e unila. Pelos seus esfor^os a estrella
de Saboya tornou-se 0 sol da Italia. Aprendei.
attentando nella, como os italianos devem amar a
patria. t
Obras Ineditas de Mozart. A biblisa
theca real de Berlin) acaba de fazer uma precioe,
actjiiisicie. 0 conselheiro aulico, Antonio Andro-
de Offembach, tinha comprado a viuva de Mozart,
pouco depois da morte do grande compositor, to-
dos os seus maouscriptos, quo se elevavam a 280
numeros. Os irmaos Andre", filhos do precedeate,
possuiam ainda 131 destes manuscriptos, tambem
ineditos, nos quaes se achara 10 operas, entre ou-
tras Idomeneo, Cosi fantuttl, I oratoria, 5 missas,
15 symphonias, etc., etc., ao todo 531 composicdes
diversas. Estes manuscriptos acabam de ser com-
prados por 45,000 francos pelo governo prussiano
e depositades na bibliotheca de Berlim.
Projecto curloso. 0 Sr. Cheezebroug,
de Nova^York, acaba de submetter a commissao
de transportes do senado dos Estados-Unidos, um
projecto curioso. com 0 tim do sustentar a navega-
cao pelo canal de Erio, durante 0 mez de inverno.
Eite projecto consiste em dispor ao longo das duas
margens do canal dous grossos canos fun lidos
eheios de agua quente fornecida por caldeiras col-
locadas a distancia de meia milha ingleza.
Estes canos collocar-se-iara um pouco abaixo da
superficie da agua, e impediriam a congelacao do
I ago. 0 autor do projecto pretende que uma to-
nelada de carvao bastara, em condicdes convenien-
tes, para aquecer durante 24 horas e n'uma dis-
tancia de meia milha, um canal de 70 pos de largo.
Ora, no estado de Nova-York, durante 0 inver-
no, contam se para mais de 60 dias duranUi os
quae* a temperatura desce abaixo de zero.
Segundo esta observacao, ocanal de Erie, de
3~0 inilhas do extensao, demandaria urn cousum.
de 40,0 0 toneladas de carvao por anno. Mesmo
duplicando esta somma, a grandeza dos resultados
produzidis compensaria largamente a despeza da
installacao e as despezas annuaes.
Esto projecto pole servir de-companheiro ao da
primavera eterna, submettido ha tempo a acadeinia
da* scie cias.
Residencia hlstorica. I.e se 0 seguin-
te no Morning Post, de L-.m Ires:
< Vai ser destruida, para a abertura de uma
rua, a velha residencia hlstorica dos Pereies, du-
ques do Northumberland. Um grande numero da
earros transportarara para Stone-House, residencia
ducal de Isleworth, di versos objectos de arte muito
preciosos quo estavam em Northumberland House,
e principalmente os vasos de Sevres, avaliados em
10,000 libras sterlinas, dados a Hugo, duqua de
N irlhumberland nor Carlos X, quando aquelle fdra
nomeado embaixador exlraordioario por occasiao
do coroamento deste monarcha. >
Condemnacao a morte.Na Belgica
foi condemnado a morte um contrabandista, por
ter morto a qucima roupa um tecelao.
As desavencas provieram do contrabandista ter
emprestado ao tecelao tres francos 1 oil) rs.); e o
devedor quando Ih'os pedio 0 credor rospondeu
brincando.
Ate onde pode chogar a malvadez!
Desailo. Conta o Figaro que na fronteira da
Helgica se bateram ao florete 0 marquez de... e
outro cavalheiro, flcando ferido acima do peiio
direito 0 marquez, depois de um combate re
nhido.
A causa deste encontro foi 0 jogo.
N'uma partida do jogo de parar, 0 marquez
de___depois de ter perdido uma somma valiosa
em njraerario, pordeu mais, sob palavra, quatorze
contos de reis.
A' sahida do tal club onde costuraatn arruinar-
se muito- individuos, suscitou-se aspera disputa
entre 0 ganhador e a victima.o de tal forma que
um sopapo fez parte dos argumentos. Um desatio
era a consequencia inevitavel ; e assim aocce-
deu.
Tanto os combaientes corao as testemunhas
eram pessoas da primeira sociedade parisiense.
Bonlta aposta. Um jornal de Lexingten
(Mississipe) 0 Caucasian, publicou uma carta, quo
so um doudo ou um homem de caracter singula-
rissimo poderia escrever.
Sao assim os termos delta :
c Saint-Lewi*, 1 de outubro.
* Sirva-se publicar 0 segumte : Proponhq;
apostar 5 mil dollars em como 0 presidente U-L.
Grant, a menos que primeiro nao morra de morte
natural, sera assassinado antes de 10 abril de
1874.
. Se a aposta for acceita, o dinheirj deve
ser dopositado antes do de 10 de novorabro pro-
ximo.
< Aquelles que queiram apostar sominas mais
fortes poderao escrever-me para S. Luiz, ou per
intermedio do vosso jornal.
E' provavel que nao encontrasse pareeiro 0 Sr.
Clay Harper, que era 0 proponente.
Morte de um espirltualista B-n-
jaraia Hasakes, orandoera uma renniao em Bir-
mingham sobre os espintualisraos, morreu repen-
liuaraente.
Do exame a que se proc deu post mortam, pro-
vou-se que fallc:era de asphyxia, resultante do"
congestao pulmonar, e 0 jury lavrou ado de
morte em consequencia de ter sido visitaio pv
Deus.t
U01 segundo caso Murillo. -Dizem os
jornaes ingl-'zes que no domingo 16 do novembro,
de noite, hotive um abalroamento no canal, enire
0 navio hollandez Kanagawa 0 nm vapor, cujo no-
me se ignorava. '0 navio procedia de Browersha-
ven para Java com um carregamento de carvao.-e
navegava entre a ilha de Wight e Portland, na oc-
casiao em que 0 vapor veio de encontro a elle com
forca tal, que nor pouco 0 nlo metteu no fundo.
Faltam tres tripolantes do navio, que se snppdu
recolhidos pelo vapor. Esto estevo algura tempo
sem se poder dosembaracar do navio e logo quo
0 pude fazer, safoit-se a toda a forca de vapor,
sem se importar com o de-tino do navio, que fe-
lizmente pode ser conduzido a Plymouth, onde es-
la a reparar. Tencionavase offerecer uma grande
recompensa a quem descobriase o vapor.
0 Kaganawa e da lotacao de 1,200 tonela-
das.
Ciisrsiooopos. Nuticia nma folha de Ma-
drid, quo 0 Sr. Arc6, inevntou um instrument,
denominado pelo sou autor Cosniocopos, 0 qual
pjr meio de um ecgenhoso mechanismo poe ao
alcance la mais humilde intelligencia as obscuras
tsxplica^des thooricai nuo ale hoje se teem dado
arerca do movimento uos astros. '
Nelie vO-se clarameutc a murcha da terra e sea
\
MimuEZII
.



t
Dilito ife Pernainbuco Sexta, feira 19 de Dezembro de 1875.
\


**r
m.<
^
satellite, a Ids, ao rodor do sol, a explicacao Sft-|
Vie.-* ii matt riatmeuto vista da mudanca d.is i ta-
cdes, us eclyoscs i? a divisio do tempo ; cmflm, o
systema aslfJBwmioo complete ilo Coporuieo, que
dava oa sea explicacae, origem aos mais vulgares
xeniplo, r*-s n'um simples golpe de vista, no
ref rido iu'trumento.
Ittonuitneiiio clcvadu & memoria
de um ruo! Pot ha pouco erecta mna fonts
inonumentd ua exlremiaade meridiaaal da ponte
de Jorge IV, cm Bdimlrargo, am mamoria de um
'ao de coelho, ehapiado Grey Wars Bobby. A fonte,
de granite, lorn sete pel de ilto, e cords a estatua
dc Bobby, nm bronze. No pedestal li5-e a seguiate
inscripcAo :
E' esta um tribute delidade de Greylriars Bobby. Em 18">8, esto cao
fiel -oguio os restos mortaes do seu dono ale ao
emiterio de Greylriars, c sni permaneceu junto
da eainpa ate que morreu, em 187s.
Este monumente singular foi fcito ? expes*as
de uma dama, lady Burtelt Coutts, quo par sta
forma bein nimceu da lociedade protectora dos
animaes.
\ontlc tfwi fwrar! Refere a -Daily
News que na cosia oriental d'Africa, cm Porto
Natal, se achou enleado nos ramns de nma arvore,
um objeclo inform?, que depois do necessario
exame, se reeonheoeu serem os restos de um balao
dos qua M expediram de Paris dnrante o Cargo.
As cartns que atada estavam dentro foram remet-
tidas ao giverno francez.
O Dr. I i-viiijj.^toiuv As ultimas noticias
de Africa occidental dan Levjngst.me a 20u inilhas
da embucadu-ra do Congo, jariivre do captiveiro em
que o five ram os indigeuasX
Adiniravcl prodwe^no Citi uma ft
Ihi fiance:a o facto de ama batata, que, semeada
cm 16 de-ioireo, prvdune 14JJ tuberctilos, pesando
8 kilogranmas. A calhoita fez-se em b de no-
vembro.
I.irte-ria A quo se acha a veuda ea 8C'a
bfi8HHv.:io da igrcja da Santa Cruz, a qual eorre
no dia 23.
Leilito.Ho.ie effeetna o agentc Martins as 11
horns do dia o leili >. da teverua a. 6 da. rua da
Penha e.n um ou maislotos a vontade dos com-
pradorcs.
Hoje( 19) do cor.retjte effcelua o ageiitte
Pint) o explendido leilao de moveis, louca, vidros
mais obi tet/t* existetfte no araazem da rua do
Bom Jesus, n. 20
Cemiterio p*iHco.Obituaiio do dia 17
do correnle.
Anna, liranca, Pernambuco, i>7 dias, S. Jeac;
variolas.
Joaquim, p truVi, Irz annos, Santo Antonio ;
variolas.
Quinlina Maria da Silva, preta, Pernambuco,
40anos, solteira, S. Jo-e; inanii;ao.
Bazilio Ferroi'a (la Costa, pardo, Pernambuco,
'0 anno*, loUrn, S.'Juse ; hepatite.
Idaliiia, aarda. S oqnos, Santo Antonio; variolas.
Dionizio. esrravo, preio, 11 ajinpi, BoaoVu-U ;
bt-xigas.
Liherata,cscra\ Anionio; eariilits.
lioiino det;il. pir'lo, IVrnambuco, -S annos,
soliciro, B'ia-Visu-; broneliitc aguJa.
Maria, panla Saute Antouio ; cxoostatio COO-
vento do Carmo.
Jeremfas, escravo, preto, IVrnambuco, 20 an
nos, s.ilieiro, "Boa^'isM ; boxigas
Angela Maria daConcei-;ao, par.la, AUgoas, 30
anrms, Ksttttra, Boa-V'i-t.i, boapital IViro II; va
riolas.
IiToaym i Fi'iTK-r.!, pret>, PTnambitcn, 42 an-
u is, ea|i, Bo.i-Vstd, bospiial I'edrn II; ca-
chi'xi.t.
f.uiza. proia, Pern imbneo, Vti annos, gulfeira,
llvi-V-ia, li!;s{:ii;fl-Pedro II; syphilis.
tgnec, papl.i, Pernambuco, JSb amtos, casada,
Bon-V':r?ia, hospitHlVnlro II ; variolas.
Cartiarina Sn.oe do Olivelra, bFanci. <*S annos,
vimi, SeaVisla; h Joa^mtn, t:rm;i:o, IVrnambaro, ttt-rlfo ; ento-
rite.
Anna Maria i!.i F.-i'.c-'i- bVaBCa, V.'rnambuco,
1 aiip.o, 0raca i variolas.
Maria das ''itT>o:-. par.la, l'ornambu-'o, 10 an-
nos, vinva. Afot.-ad'; tuberculos palmonares.
Jose Feiippe -de A'Puqurrque, branco, IVrnain-
huco, J9 annos, s n>imi MUNICIPAL.
EM 18 DE
- '
I
:;.- sesdAO c.v v. obdinakia
OEZEUBHO OE 187:1.
PP.KSIDKKCIA \tf, S!(. HEfiO E AI.BC<}RERQDK.
A'nill 1(2 horas, prescntes os Srs. ver.ea.lores
Rego AKm |U"rqup, presMeote, Theodore Silva,
r. Howiso, Gameiro, Cunha Guimaraes, e Loyo
Junior,-oSr. presidrtrto abrin a sessSo elida a aeta
da anteoedeotc, foi approvada.
Lia-e v srguint"
KX9EIUK.NTE :
Um offlrio do K\m pr.'-idi-nte da previncia, de
13 do QMTOnte, eoinmunieando a camara, a qual
compete elir m iwsoil, eon*ervacao -e reparos
dis'l-itrinx imblieHs, que se acham em cstaJo do
fu-nivionar i|iiairo ilcr.-as lalrinas nossefcinfes lu-
gnrf- : Ctco'Pirtilas,-caes de Dviencao, i?o Ramos
e IMgoHla arsi-iKiloIi- marioha. A camara licou
inteiraiia
Ofliefoid) sci-reiario da presidencia, reiaettendo
per idem da in- sma. ipiatro exemplares da col-
lec'-fti da^iktis promulgadaft pela AssemM^a Pro-
vim-iM!. i:a -c-sao di*fe anno.- A arcbivar.
t)lfi'"is do pro-iiraihir da camara. pedindo para
que se levc em cunla a quantia de SMI-;jCOO, dos
quo em ciiu.jirimciito gOU ao v!*roiide dc Suassuna, bem cotno a de....
dl^^O despendi la omn diversas queslocs cm
joieo. Ajcamara inaa feridas ijuinlias, e neste sentido e fizosseir; as de-
vidas commni*icaH'*i" acontadori a.
fflciodivfl^ral da frege-'zia tie Muribeca, remel-
tendo d'Mis iiros cxisteBrtcs em seu puder. A"
coirtadoria para examinados.
Fui apnisenladi) o seguw'.i; reqnorimento :
Aeqoeiro que na act\ sedeclarem os iionws
dos indiviJuuS'Siiuba lo-, a-razao porqne e a qur.n-
tia.
Pac^> da-CJHBara mtHMipnt, cm Vi de 4^tmt>
Ixo de 1813. Dr. Lobo Koscoso. fAxanaBi-
tnpmnate s.ppfiivfiili).
Poi dido o se^uinte parecer:
A comirwsao encarr- gadx de velar pela consr
truccao do mereado publico, -eujas dbras estio cuj
andamenVi, -tendo examinado a peticao doarre:
uiatante, -em que pede o proiongamento por um anno^para ti-rmina-lM, vom aprefoatar
sua opimao a respeito e aprwiar as razo>s .que
"Jle adduz pata ju>liflcar a eua prctrnc&i, e a
uinii'.i-si'i i tratata de c da uina dellas siuvita-
mente, ponjm, com a preeisa clareza para que eeta
camara posaa reselvar com fuadamento e segu-
ranca.
Allega o supplt-.ote que logo que assignou o coo-
trato partio .paw .a Eopora, deixfli'.o seu irmao o;
major ton& M*noel de Araujo, carregado de
constrnir as obra- qoeaqul erapossivel fazcr.
A comnd^san tem de scientiflear a Vv. Ss. qae
todas essas obrasde queJalla o supplicante, con-
: isiirain ua funda^7w -dos abcerces que tinham de
scpporlar a ^olusruias de ferro, e qae tendo o
supplicant3 de cuuttruir dous pequecea torrioes
m frente ilo tuercado, os rservatorins para agua,
.e.toda a canalisacao para o asgoto asflfet eomo os
.sjiccrcc< que eireundam o principal edific.io pelos
.lados, atd hoje aio den principle a essa obras, e
acoiKtruccao dos Mbeenses para as ctdwenas e
.uma cousa'tio insitru'lii-aule, pinclpalraee sen
Ao soroentei a metade detlan, qufl podia ser realisa-
-da, a ch^gada ia-> p->eas de-fecro pouco mais mo*..em eu.nto stas eram desembarcadas ecmi-
duzidas d i thcatro de Canta Isabel par da ribeira, portanto, o supplicante om isso o2o
adianton cuasa alituma.
Allega o svjpplicante em segdndo lugar qpc.ea-1
rontrou sernut cmbara.os na Ktropa, para obter a
coDslruccao du e-|iii'leto do merado, que dove wa-
todo ie.ferri.-, e que na Inglaterra, era .cnn/equen-
cia da* preve< e ;iltas do preeo do ferrq, uao pod
alcanjar prazo men r de um" aono, sendo o'ri-
gado a dirjgir-se jaira & Franga, onde obteve pra-
o menor. > que fui d.-vido em parte a serem
aprowitad. *s moltM* do mercadc de Grenolle em
I'.o is. quo so aJi'ptoa come typo para o de S.
Jose.
a coinm -siuoai quer a venturar-sc a alfirmar
je em obras do ferro, aqaillo que nSo se poder
obwr -.nil facihdade em fpgjalerra, tambeni gio
.e (uHtera c m-.'guir mtU depressa era Franca, ou
era out'o ijaal'iuftF paiz da Europa, porque na-
rju"!!'' pr;n ciro paiz osisteio as majores e mais
i.muif"-as r.iirica- do muudo ; liraitar-e ha, no
i-.'ii, -t f!l c-tir que -e na Ingjaterra ou na Relgi
<'a, que etitaMiii em psrlslta paz, o suprHtcante
uaua pudesie ivu-eguir, wenoa facjl.lho seria'ob-
ter in Fran;a. quo apenas bavla deixido de ser
de ..-ta la |>nr uma gu>-rra C"m paiz estrangeiro, a
mat- wrrivel que coDtd a historia, e segiiida logo
pcl-j gut-rra civil em proporc,$es nnnca vistas aid
enta-i -pud,o a conseque'ncia dosses horrnres a,
re--a -5 i do todo n trahilho, dc loda iadustria ej
i.i|vpji uiesino de toda lavoura.
A fttbriea* timsbdat e cstiitgsdas pela gucrra
ojtrangeira c pela civil ao masiuo tempo, nao po-
"(Mam e?tr mais diJpv-tas a raceher uma enrom-
nionla do ^alT da Jo mereado do quo as do In-
glaterra ou Belgica |U0 cstavaui ciu pa', durahtc
o tempo em quo a Franca se estorcia nos lameu
taveis effeitos de uma completa deStrni^io : issO 6
de simples intuicao.
A razao principal e verdadeira, desa preferen-
cia e que, coroo o supplicante allega e eonfessa
em sua petifao ea commwao ja o declarou no wo
auteccdente parecer, a plaota do mercadc do S.
Jose, apreseouda pelo supplicante e a pelo nos9o
engcnlieiro lamaram por typo a mereado de Gre-
iiellc em Paris, pelo qual fa haviam sido construi-
dos, creio que mais dons nas republican do sul,
se na i me falha a memoria, e havendo alii os
raoldcs e talvez algumas pe^as que houvossera so-
brad daqnellas enconunendas, fosse mais facil
obter por pre.;o mais cominodo a ferragem neces-
saria para o nosso, o na Inglaterra ou Belgica,
unde nao exisiian moldes, seria mais cafo e soih
duvida mais demorado o trabalho, porque eomo sc
sabe, era necessario primeiro que tudo fabrica-
E' precise, poitanto, que Gque bem determinado
o valor do cada uma das razoes.
A 3.* razao allegada pelo supplicante o uma
r."iisequi'ooia forcosa da antecedente, e que com
ILa se acha de tal forma identificada que a com
^nissAo nao pode deixar de contesta-la. _
Se o supplicante eonfessa no i. periodo de sua
p-iieao que o mereado de GreneHe em Paris foi
tornado por typo para o de Pernambuco, eomo e
que vein ajtegar eomo causa que concareu para
a ili'm tra da execuqao d i ol>r os importantes e
difficris estudos e desenhus de cwtstrwac&o que os
engenheiios tiveram de fazer em Paris para se
potkr levar a effeito com a perfeici e commodi-
dnde para opublico e seguranga necessario-, por
qu nlo as quefvram aqui fornecidas ao snpplioan-
t", s6 sere/ram para fazer uma idea geral da
mesma obra. e tiveram de ser completodas pelo
itabil e bem conhecido engenknro Wautier ?
Se o mereado de GreneHe foi tornado eomo typo
para o de Pernambuco, e copiado pelo engenheim
do supplicante e pelo nosso em todas as suas par-
ies, pois que elle vein minuckisamente descripto
e pintado nos Nouceiles amahs de roust met ions e
talvez em ontros llvros que tratam de semethantes
(ronslruecffes, o que havia Speoan a riht era
aproveitar algumas ideas posteriormenlo adipuri-
das e execntadas em enftros Mercdba mais mo-
dernos, eomo declara b engcnlieiro Wauiier, mas
o principal era o mesmo, c send) a grande difll-
culdade a veneer a dos mold s, esta dosapparecia
achando-se aquelles pelos qnacs foram fundidos os
de llilles cent rales e ontros mercadus de Paris.
Alem disso na dnscripcao e oroamento do nosso
merca-K) foram dulinead.is as divisoes eentraes,
mi-sas e outros pequen.'S objectos para srrem fei-
tos de madeira, e o su(iplicanle de seu motu pro-
prio, sem convencAo nem autin'isagao de.-ta cama-
ra, mandou .abricar tudo de lerro sem dar Pie a
menor satisfacao, eomo so clla nai Ihe fosse devi-
da, auymentaiido as dilliculdades e prolonga^ao.
dos Irabalbos na Eurofia, coin receio talvez de
que aqui o trabalho de madeira Ihe sahisse mais
caro : do forma que o supplicante de seu motu
propriu complies o conirato, augmoiita as dilllcul
lades de so resolverem as eomplicacpes: resume
as dcspi-zas a que esta obngado, e ainJa assim
faz eelentagio dc diroiti s que nao t< m '.
Turna o suiqilicante a alb'gar no sctimo perittdo
de sua pi-iicao que mand ui logo proceder aqiiiu
faciura das obras que erapossivel construir, e a
commissao ja declarnu que uao passaraoi ellas dos
alicen-es das coluiima-, os quaes furam feilos com
sulidez liasianU:, RiKsmisso nao faz o supplicante
mais do que ciwnprir o que esla bem elaramctile
especilicaJo no >eu coniralo : para saberse da
quaiidade e soWdez de um terrene, nao carece
cavalo: a sciuncia possue outros mi ios, e aqui
nao ha pfdreuo ya i:oii>truclor qne nao saiba que
os lugares de pi'aia que foram atterrados oun
ciseo uao lem a jirccisa sobd'-z, e por conscgniute
os alicerces devem ser mais rel'oieados e o nosso
engcnlieiro uao podia igcorar iso e preveuir essas
liypotneses nos arts. 18 e s"guintes do orcaiuentu,
em que esUiMi-ccu que lodas as obras dcvi.nn
ser execuladas-coin toda a perfeigao.
0 supplicante enipregou, o verdadc, ciiaenb*
bydraulico, porem muito Li in se podia despensa lo
se usasse de feoni tijolos de alvenama, novos e
uao de peda^os de tijolos tirados das panedes de-
molidas do (hi-airo de Santa isabi-l, e peda^os ir-
rcgulares de pedras do calcamento que foi levan-
(ado da praca da iiiboira, coiim ainila podem ser
ob-ervados.
A boa argama';ade c..!/miii fortes e bem feilos
lijolos de alvenana di-li xo da twra em pouco
tempo adquiremtal sili.ez, que nao e sem gran-
de trabalho que se desmancha um alicerce : por
tanto aiuda nisso uviiuni favor fez o supplicante
a camara, porque j-ara aproveitar os pedacosde
tij dos velhos e pedacus de pedra e que vein o ci-
iiii'iiio que tem a propriedade desoliihlicar-semais
de pressa.
N i 8. periodo de sua peticao allega o suppli-
cante que a demora ua con.-trutvao das ubras:nao
foi por culpa i u vegligeBcia sua, e sini prove-
nii-nte ante> de seu oavavel eiupeuho em faze-los
co a toda perfeicao, ode casos forlmtot oade litrfa
maiar, que Ihe diio diyeilv a uma pii ray ig&o de
praso para paler lermina las.
A eommissao ve-seobrigada a coulestar as pro-
posi.oes emittidas no dito periodo, porque o uup-
plicante nao apresenluii nciibuiu caso de ior;i
maior em sua poii.-ao, e nem cases d> f uea maior
sao esses de que o supplicante faz mencao.
Se o suppbeante dcixou dous grandes pa zes in-
rlusiriaes em perfeita paz, para se uirigir a um que
li'iiha sido assolado pur uma medonha catastrophe
duranie pcrto de tresannos, u que allegaria se,
tendo ajustado a obra em Inglaterra o uqulro qual
quer paiz depiis della principiar a fabriear se,
sobrevicsse uma coinmorao eeral igual a de que
foi vietima > imporio iiaih'w'
Seria justannraie q easo imprevjsto e de for^a
maior, o nao de ir de pruposiio para aquelle que
In pouco fdra vietima ili- tao lastimavcis desolu-
go-s.
Sera lambem caso -imprevisto e de lorija maior
a muJanea lotal que f"Z o susiplicairte de toJo o
interior do mereado, em suas madeiras, e o mas-
que Ihe aprouve ? E que mais allega o suppli-
eante que nao se^a de igual jaez t Vajamos o
rcsto.
No periodo '' de sua petioa > allega o supplican-
te que c in pratica qu.. lem a 1 lurilo nesta ntale-
ria, tem a observar quo o prazo marcuda iw con-
trato para obra tdo grnndmsa,.e que depende toda
do.eslrangeiro fa sufficient/:
Alii tennis mais uiu caso imprevMo e de Ccrca
maior de nova especie: o prazo de 18 mezes raar-
cadu bo coutrat) era iusufheieute : o supplicante
seju que ninguem o eenstrangisse, acceitou-o, e
vein ajpra allega-l i coiuo imprevisto : melhor se.
*ia ime-a camara enearreganje aaliiuem de fazer-
4he mn mereado, quandi e coiuodbe conviesse,
fecebcudo o seu valor a praporcao que quizesse
sem mafs condi.ao aiguma ; desta fnna o era-
.prezario, qje tal ajuste fizesse, pi dia e^tar cert >
de can euccrrer em eensura de quaiidade aiguma,
uem tor o menor sebresaito a respeilo do eumpri-
ineii'.o das tbri^a.oes contrahiUas, e turnaya-S''
dispeusavel toda e qualquer especmca'cao de.cop
divots, urinos, fian^is, e tudo mais que se costu-
ioa taer em um contra to, na perauasao oa espe-
rao.a que elle ?eni in ser eu.nprido de.prte a
partd com fideiidade. e sem que w compromcila
oa tatenesfies do outre, fa I ta:i-Jo ao ruinprimsnto
de eus deveres.
No W: ptriodo de sua peticao aHega o sunpli-
eanl qne .iienticas rjzSes tend-t motivadQ o retv-
damento das obras dt theatro de Santa lzabal,fm-
Die cotvedido um anna de prorogog&o para serem
ellas ancUUips.
A commissao tem a declarar a esta camara em
primeiro fugar.que etla nada tem que vr com a^
otiras J.j tbeairo-de Santa Izabel, porque ao con
itralo que a supplieantejfi'z cm e.-ta eiHUra. nao
especilicou-se condieao aiguma a respeiUi deslas e
a camara apeiias sane que o supplicante contratou
o mercaJo.
.Ctn scgondo lugar qoe e raust> d'tTorente a res-
iwusanil:Jade que lento presidents da pri.vi'neia,
que na.)6 obrigado a eotrar para bs corres publi-
cos flttip o i.upurte das deappzas, que foaem c qsi-
deradan mal feftas da que (em os voreadores que
sau pri* lei do I.* de o'utubro respoosaveia pelas
oS'spi'za? iqalleitas e obrigado* a enlrar para o*
co/rej da municipalidado coin a uoportaocia
delta.
Alem disso o supplicante pnderla, a.respeHq
das ebras do lheairo, ter projpzijo razde- da
tanto peso, que actando_ no ammo'do director
das oliraa pullie:M, u obfigai" era a uer-lhe eiu
tudo faviravyl.e apoiar todas as sua* rechma
i;6es de manenra. a serem dereridas favoravi-lmentv; a I
commissao, porem, nao e~ia obrigada a dar a
mesmo ?a|or as aticgacoes do supplicante a res-
peito do mereado contratadu com a eamafa, pina
|Ue nella foram previstas oo oreatnenlo o con-
irato todaa as condn/di-s, sobre quo o 'upplicanti
faz i^pugnataea, exeeptp a Je ter preciirado um
pajz, que acabava de ser devastado pela guerra
civil e estrangeira : esla certamciite ninguem po-
dia prcver.
>o li peri d> de sua-.pelican lecUma o sup
plicante a atlen-.-au da camara sobre o relatorio
!- I'li/Jtnheiro Wauticr, a respcito Ua dcliKirn
das ooiai e Jj empenlio que lez o snpt'Ifcanfc!
para que dlas fbsssm fei'as com perfeicao.
A commissao julga ler apreciado sulBc'iente-
meuie a- iliU* raz6e-, e r.iauUi a segunda narte,
ja dec la ran ttrnbem qfie crflMtralo foi celebrado
sobre a base de serein todas as obras feitas cos
a maior pen.'ifao e aegurao^a.
Quaildi e eumprem obrigacoos centrahtdas e
retrlbuidas, nlo ha lugar para altegaeao de fa-
vor*,
Termina o suppHcante inv^cando a indefettiiel
jasliga e equiiade desta camara, e prescindimlo
dc allegar uulras razoes para mostrar que Ihe
ussitte 0 dircito a um prazo para conclusdo da
obra .'.' c peJe um anno para tormina la com a
perfeicao c seguranca que Ihe sao indispensa-
veis 1
Direito a am. prvzoj ctrlrmentc ou esta palavra
nao lem a signi'icacao que toJos Ihe cotiliecem,
on o sopplicaflle nao eewprehende quo faltando
as condiro 's eslipuladas no seu conirato, e nao
tendo apresentado razoes sullicientes para provar
que Ihe fora impossivel eumpri-las, nao lem di
reito de oxigir eousa algoma desla camara, e que
tudo quanto esta Ihe fizer e favor cm graca, e
nao obrigcao.
0 supulicanie obrigou-se a construir o mer-
eado em duas parte*, e entregar uma para se
passar para clla o agougue, para a camara nao
ser prejudicada em suas rendas. 0 supplicante
vein allegar que uao pode executar o que con
tratou : a eamara conhecendo que nao ha im
pissibiiidade aiguma na execujao da obra, mas
m:s qui! Hie (5 mais conviuiienlo receber o mer-
eado prompto de tudo. sujeila-sc a dar ao sup-
plicate 3.0 os, corao se costnma dizer, de man
beijada !
A maior parte do fono chegou aqui de tal
forma cnfurrajadi), qae ora impossivel pioia-lo
sem se"ra*par com todo caidado O supplicante
inanda raspar o lerro, e verdade, porem, em vee
ue dar a mao de oteo qnente, canto esta especi-
ficado n) art. 20 do orcamento, manda logo ap-
plii-ar o izarcao.
A commissao impugna este facto, o engenheiro
Sroeura c-ihonestar essa falta Jo supplicante,
i/i-ndo que essa m io de olco
na fabrica : nas de quo servid
gem ohegoa aqui a inaiir parte delta cheia de
ferruzem, e e isso mesmo quo esta prevenido n orcatnento, porquo nao ba quem ignore que o
fcrro oa-> resiste ;i ac;io d'agna salgada sem
oxid*r-se ? aaa economia >eria a favor da camara.
ou a favor do supplicant-; ?
A hw) fo pode r*poniter a nosso engenheiro.
Send) qOatro as maos de liuta, e avaliadas em
8:8H0i, tem mois o supplicante a seu favor
2:2' 0*, que nao gastob, e por conseguinte lu-
orouos.
Ha via olirlgaeao da ser assistida a construcipo
do mereado, de um engenheiro : o supplicante
nao o tem tide, o nosso engenheiro parece qne
lem acbado desu-cessario o cumprimento da 4-
codtficuo do eoulcato, e a commissao conhecendo
que as obras vao-se censtruindo regnlarmenle
com assistencia do irmao Jo supplicante o major
Jose Manuel de Araujo, n.V. tem feito impugnacao
aiguma a lal respeito.
Mais um artigo Je economia para o supplican-
te. Em quanto a eoraissao assim pnicede, o suppli
cante soppi^O sempre nella ma vontade.
A camara pelo conirato devia estar de posse
do mereado no dia 4 do correnle mez, e so daqui
a um anno 6 que ieve recebel-ti, se o supplicante
aiuda qtiizer fazer-lha ^f podo bvrar quo elie aiuda venba allegar casos am-
prtvistos e de form maior eomo os qne estao espe-
cilicad is nos or.,ameutos e conirato, e coma a son
ida proposital a Kranya, assolada pelagoena,para
aproveitar os m< Id s que serviram para o nier-
ea to dc GreneHe e outros, a que elk nao os en-
eentrou na Inglaterra nem na IteJgica.
A camara ni-i tendo capital para fazer o mer-
eado, toma d.'nheiro a i'.iros, que continda a pa-
gar, entrega ao supplicante II2.-OO0|iO0O e vai
breve entregar Ihe mais ot>':00G090 ; tica pagan-
do os juros por mais um anno, tica privada dooso
do seu eslabolecimento pa esse tempo, e profun-
daficnte prejudicada em suas rendas, e o suppli-
cante julga-se com direito a prorogarao de prazo.
A que nao tera direito aquelle que faz um con-
iralo e nao cumpre, causando graves prejuiaos a
outra parte contratanle ?
) artigo o0 do eontrato celebrado ealre o sup-
pli'ante e esia camara resa o seguinte; 6' u
coulratante e sens soeios, se os liver, nao podera
em tempo alguni allegar perdas o daiimos, uem
usar de encampseo<-s altrunias, para o que reuun-
eiam a todos os casos forUiitos.o
:* se faz um conirato sob mes condicoes, e de-
piis vem-se allegar aqaillo quo este estipujado,
pie nao se devo allegar, melhor sera nao fazer con
trains, eomo ja pouderuu a comiasao.
Para nao cau.-ar aborrecimento aos illustres
coKegas, a commissao passara a coiicluir o seu pa-
recer.
A" vista das razoes cxpenJidas pelo supplicante,
qne esta exuberantemente deraonstrado que ne-
ii um vajir lem para justifiear as suas faliaa:
piimeiro, porque, nao podem ser consideradas
eomo casos imprevistos : aijuoHes qne foram dan
o di-tinijiiicnt-- espeeificalos no conirato, e que o
.supplicante aceitoti de sua livrc vontade. Segun-
da, porque nao podera ser aoeitas conio caso de
forca maior o augmenfo do preco de fcrro, e
muiti inepos a prumra de um paiz devastado
pela guerra someate por que alii teriam encon-
trado moldes que haviam servido para outras
obras de igual quaiidade : terceiro, porque de
uenbum valor e a allegacao que faz o suppli
cante dc ter ido iincumbido da construccao do
tlnalro de Santa l-abel, com o que a camara do
cerio nad* tera que ver, mas someate o suppli-
cante que, se akida se encarregasse de muitas
outras obras, fallana ao oumprimento de todas,
sem que oodesse ser admittida essa circuraslancia
eomo razao para se oximir da puni^ao, era que
jn-tamentc Hieorrcfse; e eonsidecando a cemmis-
*io jne este camara i qua esta mfelizmeate sob a
pcessao de easos foi tuiios e de foroa maior, pois
e i camara podesse suppor queo supplicante fal-
aasso tio injuslairente as condieoes eslipuladas, e
altera*s- de mais.a mais opiano das obras, eomo
allerou de seu motu proprio, e sem consentimento
della, o.qne ha de'lrazrr certameate grandes com-
plicacoos, a camara certainente, por maneira ai-
guma, faria s'emilhante conirato : conaideraado
aiuda que o meio de eviur maiores prejuizos e
eertamerste reconhecer, a forja das ciroamstancias,
o dineilo que tem o supplicante a prorogayao do
prazo, pars nao.se ver a camara na collisao, sem
duvila desagradavel aos vereadores e prejudicial
aos scus iiinnjcipes, de encampar a obra, on res-
cindir o eontrato, ou ter otilro qualquer procedi-
niento, a que Ihe da direito a falta de curapr
memo do supplicante pjr moti'vos que nao foram
justificados, e a ebtnraissjo de parecer:
I.* JJue se c iticeda o prazo de um anno ao
supplicante para, a coudusao das obras.
2. '<3ne se rccebaa luulta de dez conlos de reis
(iP:0wi000 ), a que esta obrigado o supplicante
pelo art. 2. do eontrato na primeira presUi;.io
que nouver de ser. eairegae, deeontando-se delle
a quadlja de dous. contos do r6is nue se. Ihe dere
darpeia mudanejj do telbado de ferro para telba
de barro, eomo foi convencionado.eni aessao de
23 de outuhro de i&i e a de 3:0004000 que esta
camara mandou dar-lh.e eomo ajuda do telneiro.
3." Qiw se acaulell-s convepienlemente a falta
de Cxecu.cao eoihpleta las obras no prazo agora
concedido, impoudo ao supplicante a obrigacao de
pagar os juros de todo o eapital que liver recebido
ate linalisai;ao in obras.
A co mini f sao deixa para outra occasiio a ana-
lyse do pareeer do engenheiro Wauticr e das mu-
dancas qiie (i 6 supplieaate aos pianos do mer-
eado sem a compeiehie aii^orisacao da caraara
Paco da eainflra mu'vcinal do Recife em 26 de
nov<>inbro de I87J. l)r. Pedro de Alhayde IjAo
Mows', Jose Pedro das Wilts, Josi da Silva Loyo
fUBiur.
- Poi approvalo o parecer eoncedendo-se o
prazo de um anno de proti ga.ao, mahdando rece-
ber a muitade d^z contos dreis:< 18;000rt )
a que esta ulirigada pelo a t i. do conirato e
mandando acatitellar a falta Je i xecacao complcU
das obras no prazo prp/oga lo, imp.i>nde-se ad arre-
inatantea nfarigacao de pag.tr os juros de todo o
capital que hoover recebido ate fiaaiisaeao das
obras.
0 senhor vercador Loyo Junior votou contra o
parecer .-oai'flte na pai le que manda cobrar ou
rec-ber a milta de dez cantos de re.ja.
Fram deferidas as petiodes de Joauaa Maria da
GonOMyao, Jose de Moracs R imes Ferreira 'ose,
Aagusto de \raujo, Jose Joa^ijii", ''a Costa ikaga,"
Joanna J laqoina d.e-Freitas e \lanoe| J se IVr.ora.
iVada mais hou've e o.Sr.,pres.ileo'te levanfm. a
iaessao as dias horas d^ta^rdi},. En., Pe.Jn. d'Al-
'buqu-rq-.i > Antran, secretarw a
fkeodoro Mai-hadoFreirePne.pl d'i "';, pre-
'sidems. Josi Maria Friire J se" da.
Si/p-7 f.073 Junior. Jose Pedro St* &*. I da
di Cunha Spares Guim-irQti. Dr. I'edro le A.
hibo Mosaiso. Jose Cesano de Hello.
n i
*.Bf..ieMOEs:"i p^o'ot!
e sanccionala
I o articu-
QncMttto Paula rt: lluf'ru
nntiian'as o propasito da nea ama
palavtt ascreveroi.is subre essa queatao qae ora
se agila no foro do-la i-idadp, provementj de n:r,
mandado de manuieneao ceneelida ao Sr. Pan I a
k Mafra pelo Dr. juiz soii-fftnlo da I." var.
Man grade nosso, somos alira losa discussao por
um aiHtgoque lemos na Jornal do Recife de 16
do correnle, sob o titulo ucimn.
Nad aeompanbarenos o artiealista em tadas as
suas eonsidsraeoes, porque >aa achamos inateis, e
consegaintemente sao tambam inuleis quaesqner
refutacoes feitas a ella de nossa parte : a nossa dis-
cussao. sera encamiuhada no terreno, era qua ella
deve Tersar: oquequeramos a apanas o rastabe
I -imento da verdade a nada mais.
Permiita-nos, porem, oarticulista que parodian-
do a sua exclamacao Ihe digamos : ainda nao vi-
mos artigo ea qua mais sa tenha-n barulhado as
ideas nas grniidts e nas mlnimasjcousas I
Convem, pois, coilocar a queslao em sens ver-
dadeiros term os : lira la desse sipoal antes disto,
nada poderemns coaseguir ; navegaremos sum
bussola, e jamais chegaremos ao termo da dis-
cussao.
Onus foram os pnsmas sob os quaes oarticulis-
ta encarou a questao: sob o prisraa do direito
publico e sob o do direito privado.
Debaixo desses dous poutos de vista, o ailiculis-
ta longe do destruir as razoes juxiJicas que foram
publicadas no Diario de II do correute a pro-
posito desta inie.-lao, e que provaram evideiite-
mente que o aiandado de manutenrao concedido
pelo juiz substitute da I.* vara em favor do Paula
& Mafra su-teve a lei provincial em sua execugao,
so fez abund.ir em coitsideracoes vagas que pouco
vein ao easo, porque sao mais proprias de jure
constituendo.
< Qual ofimnn alcanae da manuteneao .'
Eis ahi a chave com quo o articulisla entrou
na discussao de uma queslao, que antes que tudo
devera ser posla em outros tenons.
A queslao assim exposta nao pode obler uma
jo suppiicaiiie, ^yiu^u venladeira, pois o quese procara saber ii
nawa smo aaua se o juiz pode conceder mandado de manuteneao
%.:* ? ,' para tjarantir ajguein no gezi do commercio e in-
dusiria. contra uma lei decretada
pelos poderes competentes.
0 que para nos e incomiirehensivol, fi
lista uegar que o mandado su>tenha a execuiao
da lei provincial, e ao mesmo tempo confes.-ar qne
o lim do mandado f"i garanlir os que se achavam
no gozo do commercio e industria!
Mas cumo poder se ba classilicar esso man lado
em lavorde Paula & Mafra, desde que elle manu-
tenindo esses senhores no gozo do commercio ou
inlnstria coulraria a lei n 1121 '
E' o que faltava-nos ver em iiossos dias ; am
juiz concedendo mandado contra a lei etpressa,
E quanilo a lei esia assim paralysada pelo poder
judiclario ainda se diz quo oajccrelo judicial nao
se insHrge contra a lei provincial n. 1121, mas
resulta della, nella so firfria e em seu apofo vein !
0 que n.is resta Coino' cidaitao ao contemplar,
assim invertida a ordem legal ?
Repetir as proprias palavras do articulista :
Bem triste futuro aguarda o povo a onja face
sc tem o desembaraco de applaudir um juiz que
avauca por semelhante modo I d
Mas abstenhamo-nos de outras quaesquer con-
sideraciles e cinjamo nos rigorosamente a mate-
ria.
Diz nos o articulista quo a execucao da lei de-
pende so da indemnisagao, condicao ilae qua non,
nos termos darns e expre-sos da mesma lei; e
que antes de feita a indemnisaca >, Paula i Mafra
tim o direito de serem manntenidus no gozo do
commercio e indnstria de eittepr.tr defuntos.
Partrndo com effeito deste ponto, a ontras con
sequeneias nao podia ehegar o artieulista senio a?
que lemos cm seu artigo.
Primeiro qne tudo devia o articuii-ia provar que
a indemiiisavao. no easo, e condr;ao priuiaria, pois,
a lei 1,121 guards gilenciO sobre isbi, e uma 1ei qun
e silenciosa nsto pode ser igual a que declara ex-
pressamente condipio primaria a indenmisscao
pievia.
A lei provincial n. 1,121, da aos coiitrat.intes do
servico morloario e de carrtis funebres de-ta ci-
dade, a obrigacao de indemnisar aos demais esta-
b-lecimentos de carros fanebres existenies nesta
cidade, mas nao diz qne esta obrigacao deva ser
CUinjiriJa ante.-, para o contratanle poder golar do
privilegio :
Ora do-de que a lei nao disse expressamentc
que a inilemnisa(ao deve ser effeetnvla ant---, dei-
xa livre a qualquer que liver obrigacao de faze-
n e toma la etfeetiva anterior ou po>ieriornv nte
a execucao do conirato.
Niio 6 prooedente dizer-se quo nao era jireriso
que a lei dechtrasse que fosse i.revia a iudomni-
saf.ao porque se na fosse preeisa essa declara
cao expressa, o governo geral nao le-lo lua diio
expre-samente no decreto h. 813 ile 18 de outubro
de 1851 qae eommetto a fondaeao e admini.>iracao
dos cemrtet ios publicos dos stiburbios do Bio de
Janeirj e o fornecimciito dos objectos relativos ao
servico dos eiilerros a innandade da" Santa Casa
de Mi-enrordia.
. Este decreto esiabelece diversas condijoes para
a Santa Casa do Miseiieoruia gozar Jo privilege!
exclusive que o decreto n 381 de 5 de setembro
de 1850 Ihe eoufere, e na sexta condicao expressa-
se elara e positivamente assim :
A mesma Santa Casa de MtearksonTa fica
obrigada a indemnisar aos armadores e fornece-
dores de carros e seges de enterro, o valor dos
objectos que possuirem proprios ueste servigo pelas
aV'ih icoVa dos mesmos objectos |ior elles a^-igna-
das, a que jd se procedeu na imporlancia total J
08:070 i"i 70, met tendo em deposit i as quantias
peiiencenles aos que nao quizo'rem receber : e em
qu into naa fizer effectioa essa inilemnisagiio (nao
ha remedio senao abrir este parenthesis, paia clia-
mar a atteu^au do articulista sobre essas ultiiu is
palavras); nao p deal g>zar do privilegio e.vctusi-
to qae o decreto n. 683 de 5 sitembro de l#dO, the
confer*
Ora, se a indemoiwea' J?s"3 sempre previa
quer o declare a lei e quer niq, eomo inculca o ar
liculista, appellando para a c iusiituicao, eomo se
se iratasMi de pnvar alguem do uso desua proprie-
dade e para o que fosse riecessana adesapr >priacao,
fazendo se antes a indemuisacao, u governo nio
declararia no final dt sexta condicao < e em-
quanta nip fizer effect iva esta iudomm-a-
(,-ao nao pedera gozar do privilegio cxelusivo
que q decreto n. 583 de 5 de setembro de 1830
Ihe confer-, bastava declarar que a Santa Casa de
Misericordia licaria obrigada a indemnisar, pois, a
constiluicao di lo, quando garantludo o direito de
propriedade, estabefece a excepgaone caso de des
apropriac;lo por utilidade pubfiea >
V^, pois, o articulista. que se para o caso bas-
tasse o artigo coostitucioiial, pa a a indeinnisacao
aer sempre. previa, o gjverhn geral nao teria ne-
eesnidade de expres que o fez, a porque reconheceu cjne em taes casos
convem antes de nido nao eonfundir a indemnisa-
gio de objectos indispensaveis ao exer icio de uma
mdusiru, eon a desapropriacao.
0 eidadao tem o direito da aer mantido na pos-
se de seu direito, mas isto e coma inteirameule
differente do direito de inJemniSacao, da objectos
destinados ao oxercicio de um direito, qne por
uma lei eoinpetenteinente decretada tornou se pri-
vilegiado.
No artigo seguinte di^cutiremos meHior essa
auestao, e acoinpauhareines o articulista, para on-
e quer que elle for.
C.
Joanna VibarHna da S3ra fcin.
Mariana da Silva de Jesus.
Philomena ('uilhermina do Sampaii.
ielUrmiaa Franscisea L-dio.
IVrpetua FeliciJade de Albuquerque Ferreira.
Maria Christina de Laorda.
Francisca Adolphina de Assls.
Maria Hosana Paebect.
Liber.ta .Varta da Co leaicao. -|gr
luventina Amela Car iro Menteiro.
Amelia Joaepbiaa Ser da Fonceca.
Maria Rosa do Esm>it i Saute.
Eugenia Maria Figaei da.
Maria LaepldinaPire!' Ferreira.
Joanna Olympia dc Ciiveira Paz.
Elisa Marioho Faleao.
Guilhermiaa Pi res Dj Delias.
Julia Candida doRegt Barrette.
Justina Anna da Silva Santos.
Anna Zulmira de Sou a Pimentel.
Maria Amelia da Silva Braga.
Maria Joaepbiaa Alvei de Brit).
An'onia Ferreira da isfa Braga.
Philomena dos Santo- Silva.
Rita do? Santos Leal.
Maria Beliza de Gusm j Lobo.
N. B. Muitas das alumnas que adlieriram a
idea, deixaram de a signar, por nao serem en-
contradas-
Itoa policia.
ConsUtnos que o Sr. alferes Camello, subdelc-
gado de Ponta do Pedras, e meansavel em policiar
de onde Ihe compete o terrao de sua jurisJiccao,
sem ler cores potiticas a fazer jusliga, estcja eHa
a onde estivcr; tanto que Ihe cunilaado quo por
Itamarai.a (termo difierente de sua al^ala ) pud a
obter iiifuruiaroos de um horrivel crime (\ae antes
de sua eslada no lugar fora conunetlido, uao exitou
ser termo estranho, para aili parlio ua dia 7 do
correnle, e regressou ua noite. do dia 8 sem obter
proveito algum de suas pesquizas; porem prose-
gue si in dascanso a tal dm, ate ver se coas> gue tal
intenlo. Continue portanto senhor alferes Camello
ua tarefa que tao dignamente Ihe foi connada pel*
Exm. Sr. commenJador presideute da provincia,
para trauquillidade dos habitentes de Pouta de Pe-
dras, viveudo estes descancaJos em suas proprie-
dades, o no seio de suas familtas garanlidos.
V Meaatitla ttioi-te de iomt1 I'"eli|-
po dc tlhuquerqiae.
No dia 17 do correnle, morreu nesta cidade, vie-
tima do crueis suflriraenios da variola Jose Felip-
pe de Albu pierque. lilh > do t ?neirte coronel Pedro
Pranoisco de AlbiiHuer pie, iillhor do engenho
Barra de Crassuipe !
Bem moeo ainda, na primavera da vida, qnando
.tpenas coulava 2d annos de idade, dispondo da
mais vigorosa saiide, com a alma cheia de aspi-
racdes altivas, prestos a receber todos os bons in-
fluxes e sempre promato a c brir os que nao ti-
nham prpteceao... quem pode despenha-lo no an-
Iro negro de um lumulo?..
O destine I
Tendo chegado n*sta cidade em principio de no-
'vembri pr>>xiino passado, em eompanhta de seu
nai, a lim de tratar de nogo>:ios de seu particular
interesse.os nan |M'ide, apezar de taota robustez, es-
eapar das garFas de tao terrivel molestia I
Cahindo logo no mais deploravel e grave es
tado dp saude. e nao the sendo absoluiamente
possivel voltar ao seio de sua familia, em Agua
Preta. Id entao conduzido por alguns ami
gos ao hospital Portuguez, onde nao obstanle o
bom traiamenlo quo elle alii reeebeu, morreu pri-
vado do que ha dc utd e necossano em semelhan-
te C7ndiccan rs cuidados de um pai e o interesse
earinhoso de uma mai !...
Sua satide peiigaaM, nao era jiossivel resisdr;
e quem diria qne aquelle adeus desua ultima par-
tida do engealio para e.-ta capital, seria a ultimo
relampago de su'alma, que prestos eslava de ser
arrebatada pelo rigiiln tufao de uma fatabdade tre-
menda 11
Morreu !
A noticia de su i morto, foi par cert i mn golpe
fatal descarrcgado sobre o tamtflo de sous pa is,
que contavam por dias anjustiados >sinstantesque
delle se separavam !...
Sua familia ehora essa enornie desvenlnra, e
nos a perda de um aimg i pjreaiinwsa e dedicado !
No coraeao de sens amigos e de sua lamilia li-
can gravada uma eteroa rtcordacao !
Neste muudo cumprio se a sua missao, acaban-
do-se-lhe pam sempre a luz a o espaco!...
Respciteiius, poitanto, essa dura e >uprema lei
da ProviJeneia.
Sua alma cheia de tantas virtudes nesta vida,
nao ileixara do.merecer o prerrvo da feliei4ade.no
seio do r.reador I
Conaolemos-aos!... e possam ostas nossas pou-
eas, porem, iniimas cxpressoijs, servirem tambem
de leniiivo as lagrimas de su* inennsolavel fa-
milia.
Recife, 18 de dezembro de 1873.
h'roiicisco J. Ilibtiro de Carcalbo.
1
D^scarrrgsm Hofe 19 de dezembro. ,
i!:uva itigleza Doru dlwrMS generos para
alfanJeja q cirvSo ja despecbado prfra
o caes1 dc Apclto. 7
llacca ir^leaa litrnntrit rfnrtfio jaUespachaito
paro^crtdo Ai-ulo.
Barca portugueza Arabella pedras para o
trapiche Conceicao. para despachor. /
Wtecho ingter Ouet > despaatiadopara a eempanlna pernara-
hucaaa.
Barca rranceta Mturicln sal ja despacha-
do para terra e viaho para alfanda^a.
Barca inglezaC linbanh -baaalhao ja despactu
do para a trapiche Conceicao.
Pitacho allamio Actor-raereadorias para altan-
dega.
Barca ingles* Jane iloria mereadVias para
alfandega. '
IllipUI'lUtMIO
Barca ingleza Mennie Gray, entrada de Cardiff,
em 18 do correute e consignada a Saundcrs Bro-
thers & C, manifestou:
Carvao de pedra-598 toncladas ao; consignata-
rios.
Barca ingleza James Daridson, entrada dcTricst
na mesma data, c consignada a Henry Forster A
G, manifestou :
Farinha de trigo, 2.229 barricas aos consigna-
tarios.
lESPACHOSBE EXPOBTACAO NO DIA 1? DH
!-K/.KMIlitO 1>E 1873..
Para os tortos do exterior.
.la barca hudeza Otinda, para Liverpool,
carregaram: A. F. S. Beiris 776 saccoa com
58,200 kilos dc assnear masoavado ; P. da Costa
4 C 282 saccas com 25,333 l|2 ditos de algodao.
No navio inf lez James Stnart, para o Canal,
carregaram : S Brothers ft C. 1,000 saccos com
76',00d kilos de a*sucar mascavado.
No lugar inalez Constanta, para o Canal,
carregaram : G. Neesen 4 C. 20 saccas com 2,30?
Hilos de algodao.
No lugar teina> dlemitnia, para o CanaL
carregaram : Simpson & C 100 saccos cn 7,^10
iiios de assucar mascavado.
Na barca franceza Ftdelile, para o Havre,
carregaram : Keller 4 C. 2,000 sacca' en
30,000 kilos Oe algndfu).
No patacho nacinnal Jaboatao, nara New-
york, carregaram : H. Farster 4 C 2,009 jaocos
com 150,000 kilos de assucar mascavado.
Na polaca bespanhola fzidra, para Barce-
lona, ear'regou : A. Cordeiro 175 saccas com
13,fi56 kilos de algodao.
No brigue pirtoguez 'oteff, para Lis! i.
carregou : Ferreira Cascao & Filho 237 eonrjs
salgados cctn 2,8H kilos.
Na barca porlugueza Gratiddo, para Lisboa,
carregou : A. Cordeiro 100 saccos com *jW>
kilos de assuear mascavado.
No navio portuguez D. Anna, para Iii.bca,
carregou : A. C rdeiro ICO saccos com TMn
kilos Se assnear mascavado a 496 ditos com 37,*K>
d tos de dito branco a 68 saccas com #-,09 ditos
de'nUoilao ; L. J. S. Guimaraes 80 saccos com
3,750 ditos de assucar branco e 350 ditos dam
22,650 ditos do dito mascavado
Pira os portos do interior.
Parao Bio Grando do Sul, na barca naci <-
nai Deolinda, carregou L Duprat 300 bameas
com 32,6i5 kilos de assucar. braoco.
Para o Bio Grande do Sul, no navio naci j -
nai Rio Branca, carregou L. I. 8. Gaimare<
450 barricas com :p>.-819 l|2 kilos do assnear
branco.
- Para o Araeaty, no hiate brasiteiro he -niHa,
carregou: J. Bruno 26 barrica* com 1,011 l|2
kilos 'le asucar branco ; M J. G. Font s 6 dita*
com 363 ditos de dito, para Maoio, A. Oh'veira &
C. G ditas com 360 ditos de dito a 2'pipas comSt'o
litros de aguardertte.
Para o Rio de Janeiro, no patacho brasiloin
Arthur, earretwn : J. P. M. Guimartps LSuO sac-
cas com 90,000 kilos de assucar branoo.
Para Villa da Penha. na Imreaca flWJioVIo.
carregou : A. de Mesquita 1 volume com 10k:! is
de doce.
Nds ahaixo assicnadas, alumnas da escola nor-
mal das senboras, faliariamos ao cumprimento de
s^rio dever, se deixassemos abafados em nossos
esoiritos os seijliuiantos de graiidao, de que sao
credares o>dlgn^s prof&s&ores .quo duranta o anno
Jeclivo, di-tp-'iiderara para cuainosm lo tha-ouro,
que, pjisauein, de conhecimenlos, que forraam
idijecto le ensino nas respectivas aula*, os quaes
com summa urban idade a polidez lt-ceioirirani-nos;
por isso aqui vi-nps para solemneuieriio, bem .qua
com r-uitielaHCxpiessoes, manif*- tar a tao dienos e
neaignos prifes>ore*, os votes de nosso agradeci-
mento : auppUcain-'is ao mesmo tempo ao Altissiran
C"'needa-!hes, e as pessnas que Ihes sejam mais
queridas, eomo tambem aos illustres cavalheiros,
qne conipenetradns do sentido a trato, em que lica-
vj> jieasino litterariopara.com n sexo feminino.
estabeleceram a |uefla escola. largos e felizes dias;
aos quaes fributa-emos nnffios respeitos; e jamais
sc apagarao de ^sa rnsmoria os noraea dos dis-
lincfos Dts.,^ vica'pr*>id"*nii) do dmseirio superior
e o dirertor da escofa, nui digao- prevldento da
con'ejbo pamroial e da commi-sao "xaminaddra.
Jtecire, 18 de novenjbro de 147-1
Amelia Jlma de Lemos.
Anna Cabdida Firmina Vonteiro.
Erneslioa V. i. Beranger.
CAPATAZIA
ftendimento do dia 1
d^.-u do dia '.8
BA ALFANBBGa,
a 17 li.65*/,vV7
. 480* w;
13:3*i*i,' :
.Y.iia I a 17.
'rimoira porta .
legouda ponta .
'Tbr^ira porta .
Qnarta porta
fTapicha Codeeicae
VOLUMES SAHIDOS
No dia 18
(Men puria ine:liinml bacalli;t< u A ke-mp, ga-
raitido p'ir sua marca commercial conserva-se
inalteravel e innimilavnl -eomo um artigo de pri
meira ordem da maior pureza e elBcacia possivel.
Cmno prova autbeutica de noincs dos affamados
medicos, os quaes nos remetterani certitieados e
atletad'>s voluntarios de curas de ditferemes mo-
lestias desespera las. Dr. Henito J. Biera, Igo de
y Anto, Ulmo Muanza, Cuba; Dr. Miguel dc Zaias,
Wo. Ppl., Cuba; Dr. Bafa-1 Trcraols, Trindade.
Ksla lista poder se-hia encher de alto abaixo com
os nomes dos medicos cujos te-tivnunli >-' se acham
archivados em nosso poder. Todos >s priocipaes
droguisias teem a venda esta admiravai prepara-
cao.
V^ua de Floryda de Murray e I.an
man.- a verdale 6 cmsa mais que ag.radarel
o podermos cnntriouir oa athar nm jyjvo a deli-
cado meio de dtleitavel prazer para a gentibe bel-
1o sexo. l.anman e Kemp p ir sem duviJa aigu-
ma, eonsegurram esse desejado !im, iplroduzindo
a Agua d* Fl'iriJa de Murray e Lanman, teujo ar-
tigo ha mais de vinte anaos tem 'iii jcoAstaiite
favorito para o toucador em toia America Hespa-
nholh) ao coiiheciuieiito das sinnoras deste paiz.
Nao sap pois so as senboras quo se s-ntera reco-
nhecidas e nbrjgadas para :o*u iquejh iir;na em-
preheudeJora, pois qne, se o irtigi er.i qnpslao
onthorga e da ao lento de Una canjbraia uma fra-
grancia deliciosa e summamente refrigiraote, e as
faces uma alvura doce e jovem ella igualinente
possue a rara efflcacia e virtnde de fazej remover
a ardencia cansada depois do fazer da barba assim
Conio dis-ipa o mao gosjo depois ds se haver go-
sad i as bellas fumagas de nm eharuto. Dissolvj-
da em agua, serve ella de grand: pr iveito para a
conserva^io dos denies c gengivas, dando as pa-
ladar um Bosio sqave e.agradayel. A!i;n pois de
se pnler conseguir o ilisfructo de VrU$ esta's van
tagens. Indispensayel se torna o p^ssuif-se a rea
e preciosa Agua de Florida de M array ? l.auman
-e n'-nliuma outra mais.
mais.
SEBVtGO MAHITIMC
tl\reng desearregadas no trapicbt
alfandejta do dia I a 17
No dia 18
Ma\ias atracadog no trap, da altandaga
Alvarengas ........
lo trapiche Conceicao ...
a,ts\
109
107
lift
IJJPI
U0S9
M
,s
?
tECEBEDORIA DE RENBAS INTERNAS
RAES DE PERNAMBUCO
tendimento do dia 1 a 17. iM4i/.b~V
dem do dia 15. ... 1:55J/.0!1
M.698?!Wi
CONSIXADO PROVINCIAL
sendimento do dia 1 a 17. llK:84t#o
Idem do dia 18 KfMJM-'l
l?I:10i*!
RECIFE DRAINAGE,
.iendimcnlp do dia laO 6:13838-'-
'dera do dia 10...... 287^.7
Tn#5il
Para todos.
A casa raortuaria de Paula & Mafra coa-
Unud a bem servir ao publico, em quantoe
curso que interpoern ao oonselho d'estado
contra o inonopolio concedido a outram., ou
sao a contento indemnisa Jos peips moDopo-
listas. E para que ningumn se iiluda a res-
peito, scien till ca mao respuitavel publico que
se aeliain providos do material necessario e
com carros itovos.
I -i.iJ.Ui.
COMMERCrO.
PKACA DO RECIPE 18 DE; OEZeYfBRO
DE 1873. \
AS 3 l/i HORAS DA TADB.
Cot.tt.cite* ofi'Icias.'
;aiubio sobre Londres a 'JO djv. 25 3i&.d. por
1/000, hontem.
Dito sobre dito a 90 djv. 26 1,2 e 26 5j8, e do
banco 6 3|8 d. por lio^o
Cambio sobri Lisboa e Por.) a 90 d|v. 103 OiO
de preinio.
I'^mbio -rsobre Lisboa a vista 103 0|Q de premia
Couros -salgados verdes 157 rs. 0 kii^ bonte'm.
Conrds salgados seeeos .'i77 rs. 0 BJIq.
LaaJifieyp
Peidprisidanta.
P. J. Pinto
Pelo secretario.
.LMW>E \endt mento do dia 1 a 17. ,
(dam, do dia 18 ,
688 4ia>030
24:598*285
7i3 044*315
wfflMiNra m mia
Navio saludo no [dia 17,
IlhadeS. Miguel -Hiate americano Galena, Cipi-
tao Jose da Silva, carga assqear e met.
Nacios entridos no dia 18.
Tries!-61 dias, barca ingleza, James DariSsc-u.
da 198 toneladas, capitao J. Dairynple, eqpipa-
gem 6, carga 2,224 baTrlcas com farinrfa b>
trigo ; a ordem.
Hatnburg'o43 dias, patacho allemao Aclip, de
264,'loueladas, cap'tao II, Lendmann, eq.ujpa-
gem 9, carga differentes generos ; a J. J
Beltrao Fifbo.:
Cardiff-SO dias, barca ingleza Mennie Gray, de
349 touekdas, eapitio Alexander Mc. Auiav,
oiraujwgem 10, carga carvao ; a Saunders bro-
ther* A C
Borgao60 dias, brigue russo Alexandor, da'280
toneladas, eapitio J. A. Svensson, ei)Uipage;n
li, carga. madeira ; a ofdein.
Liverpool-4i dii.\ barca ingleza Fusilier, d 404
lonela-Jas, capitao John Chambers, equipageiu
15, carga varios generos ; a Saunders Brothprti
AC.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio Grande 00Sul Barca brasllt-lra Andrade iss-
ues, capiiao Jose A. RJbeiro, carga varios ge-
neros.
Rio da Prata Brigue brasileiro Infeliz, capita*
Santos Pereira, carga assucar.
MacaoHiate naclonal Joao Vile, eapitio Aot?-
nio Barbosa de Anlrade, em lastro.
HamburgoEdgar allemao Allrmannia, capjlSo
Grot, carga assucar.
LisboaBarca portugueza Gratidao, eapitio Bor-
ges Pesiana, carga assucar a outras g.-nera*.
0 capiiao Antonio da Rocha Acrioly Lius, a.'-ju*,
da paz em .exercleio e presi leitte da janta de
q.u'ifisncao difragaa ao Poqo da Pa^rfla,
em virtude da lei, etc., etc.
< F.ic 1 sabt-r- a fidas 0$ elauores e supplent s
gueieu>i virtuda da ,laa regyiV*enlar das -'ric^s
e ordera ,^a eainara .mnnieipal. em oiilcio d* 2CJe
novenbro proximo yassado. enni lo os eleit
a suplevs desta. (egae/.ia, que vaa abaixxi
de-igoad!>- por sausnomes, pira quo r',mMM"
...am oa 3 dimiagMa jaaeir pr .xmi 1 fii'uro;(W)
pelas 'Jborasda maobn. atfm '.,' "i-ar
junta juali8cadora que tem dar imawfc-
1 iinmii I
. .*
)

s


."T
. mm
DLum dhemAmoaea Sexla feira 1$ de Dm*mto 4c i$rt&t

tt

LaBfe1-
ao antecedentc e qualificar novos votant
wient".* ifpleatea a bait
ds, que "jBlflj a multa de 40*000 j
sf nao compareccrem, C se tendo compai
tssignajem a respectiva actt,
Caateio Jose Cesario do Hello, major Joao Fran-
cisco 4o Ik'go Maia, capTtio Antonio da Rocua!
Ayteli l,ms, Dr. Antonio Jtaonini de Moraes o1ur
Sifta, fj dro Vicente Maria Ferref de All>UM>r!guir
que, leneol) Sebastiao Aflim* de.Rego Bii^fc caB^aail
propncrano Manoel Jose de Paiva W Dr'sH SndtoBa 3
Bernardo GjIvSo Alcoterado, tcoe-2
de Azoveda Melio, escrivao Jose
Pereira d.i Silva,]
ro rfe L'/c's "air. I

de Almeida, tenento Antonio
Barros, al feres Juse Cesario de Mi
(regado publico Joio Cesario d
Jose Antonio de Oliveira, tenente
poleao do R"go Barros, Dr. JoAo
alferes Antonio Lins I'aldas, tene;
nesto Machado Freire Pereira da.
noronel SelAaaflo Antonio do Rego L,
gado puiilico Juse Felippe Nerv da Silva e FraA-
eisco de Hollanda Cliacou.
. Supplenles.
Just Paulino l'.ipeiru do Mello,. Francisco Ce-
sario do ftfcjlo tffjgfs Gervazio Pi res Ferreira, Jose
Antonio do Oliveira c Silva, Jose Cypriano do
Araujo, Francisco de Paula do Rego Barros, Ma-
noel da Costa Pereira, Francisco de Paula Ma-
chado, Joao Ignacio Ribeiro Koina, Manoel I/nt|o
Figueira, Bernardo Dainiao Ribeiro de Meflo, An-
tonio Francisco iiibeiro de Hello, Antonio de
Paula Ribeiro de Mello, Rozcudo Maxiraiano dos
Santos, Joao do Moura Araujo, Miguel Xtines de
Freitas, Jose Maria de Mello Junior, Mathias
Kreawer o Vitmaz Aaastacio da Costa Pioieutet.
F. para coaster, ujandei passar o presente, quo
guezia, e purilicarJo pela imprensa.
Freguczii do Poco Paoella, 16 de dezembro de
1873
Eu, Manoel Francisco Coelho Junior, eseritao
que o escrevj.
__ Antonio da Rock a Acciolt Lint.
5.* secc&o.Secrcjaria da presidejicia de
Pernambuco, em 17 de dezenbro do 1872.
EKITAL.
I'or csta secretaria se faz publico, pau
...uheciirieiito de quern interessar possa, a
v-;.tenga abaixo transcripts, do Exm. Sr.
presidenle da provincia, negando confiroio-
;ao a que lo; proferida pelo respectivo juiz
coaimissario, dos autos de medicAo e k>gi-
ti.nacao Tapicirica pertenceirte aos herd Jros de
Pedro Juse da Cost i Cnstello Bratico.
0 secretario interino,
Adnlpho Larnenha bins.
SK.NTOCA.
Vistos esb.'S autos de mcdi(aoe log iuma-
fa ) da posse d > terreno dciiominad >Tapi-
ciiic.i, rnqueri la por Manoel Antonio de
Az.'.vedo Moreira, corao procuradordos her-
deiros do finaflq i'e Iro .! ise da C std CaSteHo
Branco, e voiilicai.do-se da peti^So inicfal
a fl. S, haver fallecido o referido Pedro Jose,;
s de requerida a demarcatao allu lida,
si->'ii que- dos autos consto tor o requereuie
cxbibi io pro'-urai;ao bastante dos berdeiros
do ineiiciouado Castellj Brauco ; veriQcan-
do-se mais allegar o mosmo reipierenle ter
siJi a posse Invida do primeiro nccupante,
emqtianto quo d i escriptora de fl. 0, v6-se,
quu o vendedor sediz senhor possuidordclla
pur litulo lgal, o que prova claramente
nao ter si lo a rofcrida pojse havida do pos-
suiilor primitivo, c como lal nao p ider ier
li-gi iuiada, por aidmr-se f6ra das trcs hjpo-
tli-ses doartigb4 do regulamento de 30
d jad iro >le 185*; e resultaudo do tttdo
issu nullidade do processo havido, ja por
ler sido promovido svm procuragao dos in-
teressados, jS por ineompetencia do iaizo;
nego conlirrnacao & sentenga de 11. 20, ti
i an lo. porem, salvo aos mesmos mteressa-
dos o direiio de requerer a respoctiva rne-
dic^o no loro i:ominum para, habihtados
com sent'-nya passada emjulgado, solicits'
i n dp governo o titulo, de quo falla o ami-
^o (ii .1 citado rogularnent >, paga a rnulta
do ailign 95, visto nao constar dos mesmos
autos o regislro exigido pelo artigo 91 e se-
'_-j:rius do predicto regulamento.
Palacio .la presi lenciadc PeruambuLO,
!7 de deze-nbro de 1873.
(Assigna lo) HenriquePei-eirci duLucenti.
Publica la n.i secretaria do governo da
provincia de IVrnatubuco, aos 17 de ic-
zerobrn de 1873.
(AssigualoJ IdolplioLamnnha Ltnf, I
Secrotapio interitio.
3.' seevso.Secretaria da presidencta de
Poruaiubuco, em 17 de dezembro de;J873.
I-IHTAL.
Por esta seci etaria se faz publica,: para
:onhecimento de quern interessar possa, a
- >Dtenya de conlirmac,ao abaixo transcripto,
do Fx ii. Sr. pmeiJbntei da provioei-', pro-
1' .ida nos autusde inodigao elegiti a(;ao da
possH do silio denoininBdo Cacimbas,
rtencente a Joaquim Paes do i\asci-
8 Fclicisatoo J7i grammas,
rnff!l1' I Lisboa e m
d ti,, IWgi diu fornecii
WI'J.om-.tiimpBUfeJ
Ho, alf*^: depoafto uo q
aKicianoJta'
c da Stfya,
or one! ^r-
ilva, [':eie
irrfls, emptfe-
ErnestoMact.adjFroire Pereira d.i Silva,'
*"i, o subscrivi.
', 18 de dezembro &i 18'.,
'bastiao do Rngo liarro
lJ o wsclw das pramJ^jpR e do dito deposilo
em ori; sewsvc do anno vindouro os generos li-
leaiwws abiixu deA-ados, os quaes deveraj ser
^^^BLu^ah.lad* a saber : arroz piiado, as-
oado, azeite doce, bacalhao,
e secea, diu verde, farinha de
ia, maDteiga franceza, paes de
de li grammas, b.ucioho de
As pessoas que pretenderem
apresentario suas propostas
a secretaria do meocionado
da Soledadc, no dia 27 do cor-
rerrfe, pelas io boras da manha
Quartel.do o>pito de recrutas de Pernambu-
co, 18 do tneefflfcro de 1873.
| Feliciano de Lyra,
Alferes secretario.
r^-^s~
209/000
4214000
1:000*090
200i000
2414000
!J00*
1H^F>
n. 104. /
Pela iiwpeeXoria da alfandega do Pe/nambuco se
faz publico que as II h-jras da manha do dia 20
do cflrrente, a poru desta repartigao, se ha de
arramaUr liwes de direitps e sujeitas ao imposto
da capatazia, ai mercalurias abaixo declaradas,
annnnciadasa consumo por edital a. 96, e que dei-
iaranj.de ser despacuadas deuiro do prazo mar-
HO.
Trapiehe Concei.ao.
Marca estrella 4f7 canastras com alhos com
prinpipio de avaria'pesando 2.149 kilos, vindas do
Porto na barca portagueza Vencedora, descarre-
gadas em 16 dejulbo do correate anno, e avalia-
das por 36/800.
Idem I M difas idem idem, pesando 637*1-
los, avaliadas por 43iS0U.
Idem JCS 35' ditas idem idem, pesando 700
kilos, avaliadas por 46*666.
Idem ACS 6'1 ditas idem idem, pesando 1,049
kilos, avaliadas por 69<933.
Idaai X 30 ditas idem, na barca portngneza
Suva Sympatlua, descarregadas em 12 de jgos'.o
passado, peaaotfo 58.' kilos, avaliadas por 727oU
Seoi marea 116 dita-; idem idam, pesando
1,604 kilos, avaliadas por 200i-"X).
. Marca SN130 ditas idem no vapor portuguez
'Julio Diniz, descarregadas em 23 de agosto pas-
sado, pesando 3,000 kil >s, e avaliadas por 4 Os.
TJetn'T 116 ditas idem idam, pesando 2,668
kilos, avaliadas por 333*733.
Idem JM 50 ditas idem idem, pesando 1,100
kilos, avaliadas por 146*666.
Idem C 197 ditas idem idem, pesando 4,2SX
kilns, avaliadas por 567*.
Alfandega de Pernambuco, 13 de dezembro de
1873.
0 inspector,
Fabio A. do C leis
BOS flRPEAOS.
jaWilKilfc vafht
!is u JL Bewo da? Boias.
Hcbgift) n. 18.......
RuadaCruz
Sobrldo fl li (fec*aaa> .
Rua 4a Guia
Casa larrea a 2* .
Ruo do Filar.
Casa irrrea a. 98k.....
C; sa ttiec x n. 99 (Teefaidl) *. .
Id-mo. 100. ,. .
W-mJPlM.......
ldem>a> 108........407*000
Rua do Rosario da Boa Vista
Case errea n. 88.......245*000
Rua da Moeda.
Armajcm n. 37 (fecbado) 8*0*000
Os pretendentes dever.io apresentar ao *cto da
irremajacao as snas tancas, ou comparecerem
inaanados dos respect ivos fiadores, devendo
* :m da renda, o premio da quaaua em
eguro o predio que contiver estabeleei-
mento commercial, assira cjoio o servjeo da litn-
uoza e precog dos apparelkjU1-
Secretaria da senta casa db mlsericotaja io Re-
cife, I do novembro de 1873.
0 escriviio
P(4>v Bodrigues de Sauza. .
Hospital Milifcai-.
a se cflfitratar para as dietas dos doentcs,
do- ompregados do mesmo hospital o for-
to dia^p^os abaixo declaiaaVM, duranle
tre de ja^eiro a marco de 1874 a saber :

/{
0 Illin. Sr. inspector da Ihesonraria provinJ
ci.il, em cumprimento do acto do Exm. Sr. com-
mendador presidente da provincia, do 4 do m z
corrente, manda faaer publico <|iir. na mesma
thesouraria, acha se aherla a in-criprao de apoli-
ces de divi la provincial, ao par, vencendo o juro
do 7 por cento ao anno, ate a importaneia do mil
contos de re is.
Secretaria da tlie buco, em 13 de dezembro d> 87.1.
Vicloriano J M. Palhnret,
____________Offli-ial-maior interino
Editaln. 109
Pela iuspecioria da alf ind'-g.i se faz scienie pa-
ra os devidos effoito, aos iutere->ad -s, de 19 vo-
lumes appreMen lidos eat uma c-iaoi desal, no dia
17 do mjz pass ad ), qu po de isan da mesma
inspectoria de iC d i eomnte, foi iu'gala proce-
deote a apprehen-St dos me Alfandega de Pernambuco, 17 de d.-zembro de
1873.
0 ingpecinr
vabw A. de Cnrralho lisis.
Edital n. 108
P<-la inspectoria da alfandega de IVrnambuco se
fa! publico, que as II boras lo dia la do corrente
se ha de arrematar a jorta de^ta n-particao uma
por^ao de tij"! is inteiros e quebrados, provenien-
tes da dem< lica i iiue so f<)Z do antigo annazem ile
algodao p-rtencente a fazenla.
Alfandega de Pernambuco, 17 de dezembro dc
1873.
0 inspeclrr
Fabio A. de C. Reis
^MiUCQES.
DOS
T1ULH0S URI5AN0S
DO
Recife a Olinda.
E feherite.
Pi
e ra
neci
o tri
Alet
ArarQla.
Arroipilado.
Assusar r-1nado.
liaiatas in^lezas.
Rolachas.
Rolachai inglczas.
Rananas.
Bisc litos.
Carrie de vacca.
Carne secca.
Carne de porco.
Cha byson.
Cafe moido.
Duce de goiaba.
Fariiha de mandieca.
Feijao mulatinho ou preto.
Gahnhas.
Lenlia, achas.
Laranjas.
Manteiga ingleza.
Maiifeiga franceza.
MirnielUda.
Mae.irrao.
Paes do 114,762 grammas.
Piles de lz5 grammas.
Sal.
Tapioca
Touutnho de Lisboa.
Vinagrd de Lisboa.
Vinh > do Porto.
Ov,.s.
Iiidas es'es generos devem ser da 1.' qualidade,
a rarne verde nao dove conter no peso que se
pedlr Mini (I qulnto em o-.-os, e todos sao medi-
ilos e pesados pelo sysiemanliiinameitte adoptado.
A= pesMias i|ue qoizerem focneccr os objectos
ai'iina m-iei inadu">, apn'sentem na secretaria do
mi'sm lio-|iiui, no dia 19 do corr(*te mez, pelas
10 h ras da niaulia, suas pr>posla$ L>m cartas fe-
cha las.
II isoit.-.l militar do Pernambuco, 16 de dezembro
do 1873.
0 escriviio
Avejino Pereira da Cunha.
Wetitofii and Brasiliau Tele-
grapli loinp^ay Limited.
T;-l.-ir<-uui nas para a Itahia
R ceb-m se lel-grammas para a Baliia a ta-
xa de nra mil reis por palavra, mas have-
ra aJguioa denidri na entrega, devi lo a ^e^ o es
cri|itorio ti'mjiorario na barra, c nao estar ainda
Conalata a linha d'alli para o centra da ci-
lade.
Km poucos dias purem, esta/a essa linha com
[>l 11. c-sand > assim a causa de tal demora.
Recife. 16 do dezembro de 1873
Arthur Pearson.
Ni> dia 19 doc.rrente mez linda a audiencia do
Exm Sr deseiobargadnr juiz de nrpbaos vai em
WQ 6p*ancc oq I." de jwiro p/d,
Pe^o licenrja'portanto a arisar, que pe4
M^ugao hoje passada, os directores teal
tefando o pagatnenlo da ultima cbamada de
3? i par ac^ao, ate 3i do marco de
1874.
Os directores antecipam- quetanto a se-
gunda olerceiras secedes do'Mfeo serfio em
abril proximo e o reparo da primeira secga*,
procedera ao mesmo tempo, assim que tod*
a linha possa estar em ordem para trabalhar
ate* o cstio do anno proximo.
Por ordem do Richard Collett,
______Secretario.
= 0 adainistrador da reL-ebedaria de reuda*
internas geraes faz science aos coftribuintes da
decima addicional. quo e no correute mez de d*j
zembro que tern do jer pago, se n multa, o pii-'
meiro semestre do exercicio do 1873-74, e com*
multa d 6 |0 depojs do refendft mez.
Recebedoria de Pcrnambaco, 3 do dezembro de
________Manoel Carneiro de Souza Lacerda:
luminhn 4-
Fsta inspeccao contrata. cm vista de proposUI
iaWrTu'cdVreffte
rajs da nlanha, a cuffltrtjreso em.
cinas particufares desta cidade <
d??ies ofterera, *rdnas boias parl
,porto e barra da qrovjucia da .Para
seguintes dimensoes : bma r e '
1- e 7 e 2* 30 de altura ; ambas tendo'-'
: 'ill.
0 secretario interino,
Adolpho Larnenha Lin;;.
SEETENCA.
\ isti s ustes autos de medicao e legitimo-
. i da posse d sitio, denominadoCaniiD-
bas .
iinonto. pi-tigao inicial a" fl. ternios
: mediyao de fl. 12 v. a fl. 14, pelos quaes
forain respeitados todos os diroitos >ius em-
ir .-.mantes, conttr.no a senton7a de fl. 16, e
approTaado como approvo a medico fdta,
hei por legitimada a posse do requeronte, e
man lo que se Hie passe ocornpetento titulo,
iifnitos os direiles do artigo !1 da !. a'.
601 do 18 do setefflbro do 18o0, e pig is os
' vidos emolumentos.
Palaeio di prosidencia de Pernambuco,
8 do dezembro de 1873.
(Assignadoj Hsnrir/ueP. de Lucena.
Publicada na secretaria do goveroda1
j;coviiicia de Perns rnbuco, aos 15 de de-
' ibro de 1873.
(Assignado) Adolpho Larnenha L\
Secretario interino.
Attendendo as recla -
macoes dos Srs. pasvi-
geiros de Olinda e Be-
be ine, deliberou a ge-
renciadosta companliia
augmentar provisoria-'
miiiite, do dia 0 do corrente em dia-ite,
mais urn'tren diario as 9 1/2 boras da noite
para Boberibj, bnin como outro para Olin-
da. nos dias de sabbado e dumingo, as
10 1/2 horas do noite.
0 gerente.
_______Laurent inn -Josi de Miro da.
Sabbado 2 i
prara para ser anematndu p0r ipiem mais der o*
ben- gegoinles : I .-..tinii-da avah.iitu por 2ii5<>Oii
Uma marqneia d aoian-llu p..r 304(K.O, dez ca'
di-iras di' guarnioao cun assento df palhiuha por
20i000, duas ditas de hraeo p.,r 6i000, uma mesa
r donla ns.idi p .r 20i 00, tres banquinhas de
amar.llo |H)r 6 V Oil, onze quadr- s com diver-as
estampas por 1,76', e uma morada de casa sob
D. 93, Mia a rua do Matquez do H-rval uutr'uia
Cotoeordia, mm 2 portas e meio de van, dez.ilo ditos de fuo lo. 2 salas tres
qoartos, co>inha exteroa. quintal mnrado. rarimba
inoeira, em solo fureiro, avallada em J:000i 00,
ddos b"ns vao a praca a lequerimeiitu do c>mmnn-
dador Manoel Alws Gnerra. tostamenteiro da fi-
nada Maria Ant ...ia de Sanaa.
as 11 H
dascaV
res com
BoentoV
tendo'to
e diameUjK
la diameftb
.-'Com mesa,
:podeiU0- ser.k arnt l>ara o slno e giwrnicio
do e>peUio do 4.
Wspecvjao do-arsenal de marinba Ue Pernambus
co, 16 de dezembro de 1873.
0 secretario,
________ Alexandre Hixlri^ues dos Anjus.
Santa Gasa da Misericordia
do Recife.
A jimta -ajdminiitrativa da Santa Casa de Mjse
ricordia do Recife,' : njpe'.entenieote autorisada
pela pre*ideacia, em daia de 3 de setembro do
anno proximo Cndo e de conforraidade Com o qut
dispoe o '9. art. 32 do sen com fomissb. per-
nuta por apoliees da divida pnblioa a fazenda de
eriar pados que possue o patrimotaio dos esu-
belecimeTitos de earidade a sea Cargo denomina-
da Carnauba sita no termu de Elores desta
provincia, com terrenos para criar e plantar, e
com algum gado eavallar e vacenm.
Recebe para isto propostas nesla secretaria ate
o dia 10 de dezeinliro do corrente anno.
Secretaria da.ganta casa da misuri-ordia do Re
:ife, 10 de outubro de 1873. '
0 escrivlo,
___________Pedro Rodrioues jp Souza
-0 a Iministralor da rdcebedoria aWerT-
djas internas goral faz publico que, em virtn-
dedadisposiraodo art. 12eda ultimi parts
d^o art. 22 da lei do orcflmento vigente n.
2,348 de 25 do agosto ultimo, n multa dp
ojue trata o art. 30 ;a lei n. 1,507 de 26 de
setembro de 1867, que e de G % & quo es-
tuo sujeitos os seguintes impostos. a saber:
decima addicional, imposto pe^oal, dito
solife industrias e profigsoes e taxa de es-
cravos, scri elevada a 10 "/., dn dia 21 do
corrente em diante, pelo que previne a to
pdas os contribuintes dos rt'feridos impostos,
relativos ao exercicio de 1872 a 1873, em
liquidacSo, que s6mente ate" ao dia 20 des-
te mez e que podem e devem realis r o pa-
gamento ou em mao dos cobradores ou nes
ta recebe.loria, certos de que se nao fizerem
ate ao ref riao dia 20, serao obrigadus a
pagar judiciabnente s supraditos impostos
com a multa de l"/0.
Recebi'doria bro de 1873.
Manuel Carneiro de Souza Lacerda.
auiorldade dd tognr cm qaa aa>idirfi, de nas
cflatlr.ta civil e moral, e medieo.de boasaude.
0 codctirso tonstara de exereiaV* de caligra-
pbia e orlhographia, arilhnien>, omprehenden-
do o uso do systema metrko e nocdes geraes de
geographia, de conforo idade com o art 3* do
regulamento dos eorreios de 12 de abril de 186".
O conhecimento das linguas eitrangeiras dara
direito a preferencia.
Correio de Pernambuco, IS de dezembro de
1873.
0 adBinistrador
_^^^^^^^^ Affonso do Rego Barros.
Obras militares.
A 22 do corrente, pelas H horas da maohii,
tera lugar na reparticao dos obras publicasaar-
rematacao das obras necessaria9 para a remo^ao
da capella do hospital militar.de urn comparti-
mento para outro, or^adas em 278*080 : quem
se quizer encarregar deste servico, aprcsente
suas propostas em carta fediada, no dia. hora e
lugar acima de.-ignados.
Pernambuco, 17 de dezembro de 1873.
0 engenheiro das obras militares,
____________Chryssolito F. de Castro Chaves
Western and Brazilian Tele-
graph Company Limited.
0 vapor Hooper, agora ancorado neste
porto, vai immergir a segunda sec$ao do
cabo'que ha de ligir Pernambuco & Bahia e
Bio de Janeiro, e espera-so que a commu-
njcaclo por tola a estensao do cabo, desde
o:Bio de Janeiro ao Para serd aborta ao
publico no proximo mez de Janeiro.
As taxas pelos telegrammas expedidus de
Pernambuco serSo as seguintes ;
Para b Para...... ... 1J5000 cada palavra
a .Bahia.......lttOOO
o Bio dc Janeiro. 1^500 r>
Os nomes e o endereco dos destinatarios
e remettentes serao incluidos no numero das
palavras a pagar.
Telegrammas para lugnres dentro do pe-
rimetro d'um kilometro da estacAo tele-
graphica serao enttegues livres de despezas,
mas os quo excederem pagarao 500 rs. por
cada kilometre ou fraccao.
Quando qualquer telegramma forentregue
por meios especiaes, a despeza feita correra
por conta do recebedor.
A somma de 200 rs. sera" cobrada para
portes do cornuo nos telegrammas destina-
dos aos portos do Brosil e a de 500 rs. ua- I TaUM com E. R7 Rabellu & C.,"a rua do Com-
quelles destmados ao estrangeiro. I Tn'1'e' ** ______________"
0 remet.eute do telegramma tern a esco
Iba de pagar a resposta que desejar seja
Companliia FraHccza de Navefa-
01) a vapor
Ltnka mensafenire o
Havre, Lisboa, Pernambueo, Rio de
Janeiru, (Santos, somente na vol
ta ) Montr video, BuenosAy res,
(com baldeac&o para oRosario)
STEAMER
Commandante I,ef^*re.
E' esperado da Euittpa, ate *2 do Correote, ae-
guindo depois da indispenavel demora para os
portos do sul de saa escala.
Relativameute a fretes, enommeadas, passagei-
ros.paraos quaes tern excellentea acoratnodajoes
por pre^os reduzidos : tratase com
OS CU.NS1GNATAR10S
AUGt7J?TO F. D-OLTVEffiA J
12Uua doCommercinEiitrada pol rua
d > Torres.
Lisboa e Porto
Sogue viagem muito breve a galen purtugueza
Ltsbaa, por j.-i se achar com qna*|.4odo o con car-
regamento tratado- Para a nouca targe que lhe
falta e passagelros, aos quaes ulT'reee lauito bom
commodo : traM-se com Tito Livio Soarcs, ro*
do Vigario n. 17.
L
\
Para o referido porto pretenle seguir com a pos-
ivel brevidadeo brigue portuguez D. An**, per
ter ja alguma carga engajada ; e para a-Vjna life
alta, crae recebe-a frete commodo, trata-se ee*
js consignatanos Joaquim Jose G->u{aTve Beltrio
it Filho, a ma do Commercio n. Ti. Mnif m.
Para Lisboa.


Seguira em poucos dias a barca portiigueza
Gratidao. Para alguma puuca carga que lhe falta.
Tendo-se de rinitr de capim, fandlo, mol emilhnpara a cava-
Ihadii da cornpanbia de cavallaria desta
provincia no primoiro semestre do anm.
vindouro, convido aos Srs. qu.- so quizerem
propOr a fornecerem os g<-n.-ros acima men-
cionados, a comparecerem na secretaria da
mesma companliia no di 19 do corjwnte
mez, as In horas da manha, com suas pro-
postas fechadas ; alvcrtindo que ..capim
o preco de cada kilogramme, e o
sfra-
,r"-'i -o.. a ,i.,
dicncia d sr. )r. juiz sob-tituio d.i Ta-. ia\
a praca, com abatimento d^S' parte, a asa tj'irea
n. 17 do l.irgo da matriz de Santo Am.....o ava
i no ^^^L^TimmSX&^
1 no dos Santos .Vun -s do Oliveira e sua mulher.
9." b it iJhilo de inrantariaT
O conselh er momico deste baulhio, contrata
com qaem moores vantageos ortVe.-.er, para o
inieoi:nento dis pra;as arranchadas duraute e
prrneiro semestre .le 1874, os generos abaixo de-
.larad.is, reduzid(S pelo systema metrico decimal
Irancez, e po-t >s no quartel por conta do arreina
tante ; a saber :
Arroz. kilogrammes.
Assucar inascavado refiaado, idem.
Azeite do.;e, litros.
Racalnai, (ilugraata) is!
H.ife oin grai, idem
Carne verde, idem.
Carne seeca, idem.
Farinha de raandioca, decalitros.
Fejai molaiinb i, idem.
Lenba, aclas.
Manteiga frauceza. ki'jjrammos.
Manteiga iogleza, idem
P5es de |72 grim or,.
Paes de Hi grarcmos.
T'lucinho, kilogrammes.
"laagre, litros.
As prupustas stIo ariresentida
da aasecretaria .to nS? i^Stt&t**!:
horas do dia ti do corre--' J ba,alhao al6 as
B '* no M)HH<\o, em 18 do dezembro de 1873.
0 alferes secretario,
Oddon Fiock Romano
milho mel e fareHo decada iitro.
Quartel no Cnmpo das Prinezas, 17 de
dezembro de 1873.
Josi Joaquim Collho,
______ Capitao commandante.
- Soxta f^ira, 19 do corrente, finda a audien-
cia do Dr juiz da .. vara civel, ira a praca de
venda a casa de taipa no Cab., avaliada em 90i
a qual 6 sita a rua dos Vobintarios da Patria
n. 21.
0 escrivaii,
______. Bam-to d Alnipjda.
0 Dr. Sebasttao do ttego Barros do Laoer-
i, juz do direito especial do commer-
cio, nesta cid.i lo do Recife o seu termo
capital da provincia de Pernambuco,
i-or S. M. L. o Sr. D. Pedro H, a quem
Oous guarde, etc.
i.) saber peh orosmte, aue no dia 12 d^ fe.
i.oproxino futun., depois da audiencia res-
;. :tiva, se lia de arrematar por venda em prida
pnhlica deste iaizo a quem mais der, o sesuinte?
ITma letra do IM^iOH), pertencento ao ;
d Manoel Martins de Santiago, boie rep1" cas,a'
IHla ro.pectiva viuva e herdeiros, i senudo
d -r Krancisoo das Chagas Moir'" ^aa' deve"
tou, vencida em 10 de fev^' sdes, qae a aeei-
Sr->mio de 2 0/>,. la^' "oiro <,, *N7l, Ajm o
ro ultimo pr<4az .. conta lo ato 27 de rijV,"ii-
E uma iiv" qn-intia de 91 MHO.
mas ber^- aa d* ^04O0O, pertencente aas mes-
.Ma<"- '.',r;,s; P:ira "ja quaotia 03 d:vedores
.,SaiJrit,i V s;T?' e saa mallier Ma
iiSerafirfa da Concilc^,%pothecarain urn siHd
de terras Mat co me r. e oitros arvored..! ae
slgdnao a t
cia de 2-.il'
recidas pela mesma v uva Apdlmari. 1
uro0SmParwpa,Ba n0!il" da e"^8 q'' eoutra
ella e mais BSrli.ru wanwita Bj.aano, Lui/de
rrjitas,pjr q,r-m f.rara ^-,- .1.mI.* pSai?
radas, e a cu o ieq i I'm-nto tera ^igar a praca
K para que a loiica cuegao ao cunli.>aiiaefila
de quem mr.;.e-sar;,,.-; passju.se eSi-
t3 na forma J. ha.
Acha-se iegalmente d^pasitaao por esu sub-
ae.egacia am cavallo alasao. appretien ddo como
furtado em poder de Manuel Ferreira de Mel|.
qutm for seu legitimo done comparega perante
esta mesma subdel.-gaeia qae, provando lhe tera
entreghe.
Sulj.l K-gacia depolicia da freguezia da Varzea,
18 de dezemorc de 1873.
0 sabde!ogndo.
Man^l Cavaieaale da Albugae que
u cuiuaros e ojtros arvored/.s ae
I ,l,rt,''a"l'),"s,d''iJklli "fm:,!Q hole,
11, ,'!,I"'3,i,lir,|ll--nn uru'q'
'S.iliJJJU, m^nive osjiir,s f.-u offe-
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
Hjserirnrdia do Recife, maada ftuer publico que
aa sala de suas sessoes, no dia 11 de dezembro
pelas J horas da tarde, lem de sir arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, polo tempo de am
a tr.s annos, as rendas dos prodios em seguida
leelarados.
8StABELECl\lENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
toja dp sobradon. 41.....3O6JI0OO
Rna da Viragao
312*000

Caaa tbrea n, 7 (fecbada)
l*avessa de S. Jos6.
IGWterreait.fi.......201/000
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas Mechanicos e Liqe-
raes.
E-ta sociedade teodo de solemoisar o sen 22
anniv,-rs;ino do dia 21 do corrente, convida a..s
>-eus irmao* a a.sistirem a imssa qae se ha de
celebrar na igreja do recolhimeuto da Gloria, oe-
las to boras da ininha, e apos u acto religiosq a
(omi.arecerem na side d.i so.-ieda ie, on de
lugar a se-sao magna. 'era
Outro *i;n, scientific* a&< ~-
os c-uividados, que < *?n, ,r|nais e a todos
preseneas. !"gnarem honra la com suas
]nt*- 4U0 em vinuda do ai po-to no recu
. ..onto laterno,. a prutnb>do discursos que tra-
tern contra a polit.ua o re'igia. do estado.
< 2." Micretario,
F. Paulo dos Saoios.
Brdsilian Siilrnarine Telegraph
Company, Lu;i!ed
Avisa-seao public que a abertura do cabo
telegrapbico deste companiiia entre Lisboa e
Mad-ira, esta transfer! U ate-ulterior notili-
cacao.
Por ordem de Rimard Collett,
__. Secretario.
BBASILIAN SUBMARINE TELI GRAPH
COMI'AiNY
7 i 8 Great Wiarh.tfw.Street
Buildings.
Novembro 10 de 1873
Srs.En tenho de infnrmar que em con
sequencia de muito mio temp que tam im-
pedido a tibertura da primeira sr-cao do
caio destp. co npanbia entre Lisboa o Ma-
deira, os directors tern achado melbor
acceitar a proposta dos conlratadores para
deraorar a expedicao da seguuda seccSo
para o mar ate" 0 verio de 18T4.
Os termos deste arranju.stw-Ao^ o direc-
tores considHrarem, sa tisiactoriaa aos *.Wro/
No dia .0 do corrente mez, depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz direito substitute da segunda vara,
lem de ir em pra^a uma casa terrea meia-agua
u. 3IO,tia(rua Vital de Negreiros, com duas p..r-
tas na fn-nti', 20 palmos de largura e 30 ditos
de fund 1, repartida por taboas, em mao estado,
fctrao for iro e avaliada por 700*.
Outra dits do n. 229, na raa do Coronel Suas-
-uua,. a qua faz fundo para a casa acima, com
duas portal de frente, 22 palmos de iargura e 30
do fundo, tamliem repartida por taboas e em cha*
fureiro, av diada por 600i, as quaes foram penho-
radas a luao Rodrigues Lima e sua mulher por
execucao que contra os mesmos encaminha Fran-
eiseo Felix Gonpalv.-s. Escrivao 0 Sr. Baptista.
Arrematac.ao.
Pur dospachn do Exm. Sr desembnrgador juiz
prisaiivo de orphans tera looar se.Ma-feira. 19 do
cur-ente. depois de sua audiencia, ao meio' dia, e
perante .die no 1' andar do sobrado n. 40 da rua
da Imperat.iz, a requerimentodoinventariante dos
bens do linado Leopollo Ferreira Martins Ribeiro,
a arrematacao por venda das joias, ouro, prata,
moveis e lonc, Con.Mando as obras de onro 0 joias
em imlceiras de ooro com brilhantes, de ruPins e
perdas, b de ouro de diversos gostos, de annel de
Drdhante, d.- esmfralda, de brilbante e esmeralda
e de ouro, de uma vulta de ouro com cassoleta
& rrenta., trancelins, cadeia para reJ.igii.,ad*recos
de mnsaieo, de cainaphdu, de coral, pares de brin-
es e diversos gostes, botens para abertura e pu
ntios. relogi..; as de prala em sete savas. -ei> mi-
tras pequenas para garrafas, diversos pares decas
ticaes, cafrti'ira. paliteircs, assucareiro, cop.ts de
prata,-bandeja com thesoura para espavitar velas,
escrivanmha, maraca, colheres para tirar arroz,
conchas para repartir soupa, trinta e >eis colheres
para soupa, trinta e cinco para cha, conchas para
tirar assucar, disticos para garrafas, campamnba ;
coiKlando os moveis em urn sautuario de jacaran-
da com diversas imagens ornadasde ouro, uma so-
cretana de madeira preta, cideiras de jacaranda
cad^irasde amarel 0, qaartmheira, marqa-zno, ea-
deir.s de balance, lavatorio de amarellocom pedra,
eama para Casal, de jacaranda, marqueza do ama-
retio.cad.iras de palha, umrelugio de pedra para
cima de mesa ; constando a l..uca Pin aparelho de
P-.rcelana para jantar, frueteiras do cristal para
dada pelo seu corre-poudente, se este quizer
que a rsposta srt conste de 10 palavras, as
palavras (resposta paga) serdo ioseridas no
telegram ma e c.rbradas, mas se elle desejar
que co'nste de maior ou menornumero, entSo
0 numero de palavras sera declurado em se-
guida is pal vras resposta pags, por exera-
dlo : resposta paga, quatro palavras e estas
serao igualu-eul-j cohradas; se 0 remettentc
para mnior seguranya quizer queo seu tele
gramma seja rqieti io 0 porfera fazo", pagan-
do a meta :e .1 cu.-to do mesmo.
stao feitos accordus em virtude dos quaes
poduin expeiir-so toleyainmas para to las as
paries do mini lo : do Para pelo vapor aine-
ricinn qu.- sabe daquclle porto para S. Tho-
rn az a 5 de ca>ln mez e dalli serao bdi'Kra-
pliados ao seu dostiuo, os pre<;os pa'ra Ues
telegraminas que agora p aHiantadus ate ao seu destino, podem si-r'ob-
tidos, proi'UMD'lo se nas respectivas est^es
telograpbiras.
Por accuido leito entre duascompaiiliias,
a linha da I'latino Brasileira Telegrapii
Corppany'sera tr.ibalha'ta p.iresta empreza, e
no coiripli-iiiento nas linlias, o que se esjera
dentro em poucos mezes hnverd communi
cagfio telegraplijca din eta entra as principles
cidades do Brasil, Montevideo, Buenos Ayres
e costa do Pacmco.
Pernambuco. 6 de dezembro de 1873.
Roberto .V. Hyde,
Gurente do tr.dego.
IilEAi'KO
IIAVATICO
queijii, cop..8, ralices para vinho e champagne, de
cnsiai, garrafas para vinho, compoteiras, galhe-
ira para mesa, um apparelho .de Jpuca d r
lana para cba, vaso para aauiw- i -. p
Iho de vidro fin oX? >r!eite- "m ai'P^re-
ie|le I'Utio ..ipleto edecor verde para ti-
faV- e louca, lambem para tuilette, maugas
. vidro, jarros grandos e | equenos, frasco*, Hgu-
ras; todos estes bens seacham deicrirqinados com
03 sous respectiwos precos no esrripto esistente
em mao do porteiro do jiiizo Fran'eisro Manoel de
Almeida.
Domingo 21 de dezembro.
Ultimo especiaeuio cute anito
BflfciVio do fiscal di iheatro.
Kspcctaculo para rlr ?
Comedia em 1 a<-to :
I in marido no algodao
Comedia em 1 acto ornada de musica :
Discorriia de cihor
COMPAMilA PERNAMBUCAN4
PE
\ave^ncmi cotoirn u vapor.
MAJIANGl'APE.
0 vapor Corutipt, com-
mandante Santos, seatara para
oporto acuna no dia 27 dc
corrente, as ."i horas da tarde.
Recebe carga, encommen-
das, passageiroB e dinbeiroa
fr.'te :it''a- 2 horas da tarde do dia dai sahida .
escriptorio no Forte dn Mattes n. 12.
COMPAMilA PElliNAMBLCANA
DE
\avesiu'ao c.tesra a vapor.
MAt:El6, ESC.VLAS F. PESEDO
O vapor ManSahu.
conn11 mdante Jalio,
^egllira para os par-
t aeima no'dia' 3t
do corrente, as h6-
ra d.i tarde,
Recebe carga atd .. dia 2H do corrente. w--
nendas ate o dia 30, nas-ac. n- --"-
ii6 as hirw -- umheiro a frete
tw*ji|acM M ,arfIp lodia da sahia:es-
...^-rio no Forifl "
- laroe !o !i;i
dc M ID
COMPA.NI11A PJtUXAMBUCANA
DE
.\avjs;ai*Jlo cosd-ir.i a vapor.
CARAIIYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACa-
TY, CF.ARA, MANDAIIU F. ACAKACU'.
0 vapur Ipojuca,
commandante Moura,
segnira pan os por-
tOS acima no dia 31
do I'orrente, as 5
horas .la tarde.
Recebe carga ate o dia 29 do corrente. encom-
mendis ate o dia 30, passageiros" edinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
sscriptorio do Porte to Haitiis n. 12.
COIIPA^UIA EtIS \HII R |K V
DE
VAVEGAfjAO/UAPOR
Porto* do iiorte.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 22 do
corrente, seguira para os noite depois da demora
do costume.
Para carga, enrommenda*. valnrcs, passageiros
e mais informacoes, dirijam-se a rua do Vigario
n. 7, escriptorio de
Pereira Vianna 4 C.
Agentes.
A muito aceita seona comica do actor Caraara.
Pedro Guerreiro Recife
a qual terminara com o engracado
Angii liiiisiral
AlVrjfa^ de Oliitla
0 arrematante daaferii-ao do munjeipio do Olin-
da sciennfica aos Srs. commerciantes ao mesmo
munieipm, e aquelles qne'vendem liquidos em in-
cora^, assiln como fazehdas, rniudezas, feijao,'
rmlbo e entros generos qoer se/am necessariu po
ear e medir,.que de confprmidade com as p..sta
a^iW^" .e5stc?oes de 18 de setembro
ae i72 -vinisterio do commercio e agricultu
ra, n5o sera mais tolerado fazer afericoes depois do
tempo marcado, o qual finalisar se ha em o ulti-
mo do corrente mez.
Olinda, 16 de dezembro de 1873.
0 arrematanle,
:________Francisco Pedro Avinenla.
a"nNo- d-ia 22 du COfrtalp. finda a audien-ia do
sr. ur. juiz substitute da tegunda vara, vai a pra
^a a renda annual dares e sotio, da. rua eslreita do Rosario o 4,
jervmdo de base para dita arrematacao 900*000,
por_ quanta actualmente se acha alugado, sendo
abngado o arrematante a dar'fiador aos alugueis:
assim como razer os concertos de que prccisar o
mc-mopredio'; diteS'witfgueis vao a praca a re-
queniilento i FroeWbso Martius Gomes, conse-
Bher do referido predio. e que do mesmo s*o
eonsennores Apohnario Pereira Uadaeraesaa n,u-
In6r.
Terminara o especlaculo com a chistosa come-
dia em acto :
OS IliiOS DAS ALMAS
0 beneficiado sendo esu a primeira vez que
recorre a protecfto do publico, ousa esperar o
melhor acolhimento.
Aos arti6las da comjiaohia manifesU-Ihe a sia
gratidao pela expontaneidada do valioso cuncurso
que lhe preslaram.
Prlncipiara as S 1|2 horas da tarde.

mm MiRiTiMo*
Pela
admihistiacao dos eorreios desta Dr tlncia se faz publico que eta marcado o nraz,, de
60 dias a con tar da-pmcBla- data, para ofJar
so dos lugares de pjaBcanle*. que tera'tumrna
mesina para provinjebto de dua vsgas.
Risco maritimo
I. Wnlff capitao do brigue allnmao Collmar, vin-
do fretado do Rio de Janeiro, em lastro, para car-
regar em um porto entre Macei6 e Ceara, e depois
seguir para Falmoath a ordem, e entrado neste
porto com agna aberta, precisa, para ocenrrer as
nespezas do oncerto dn mesmo navio, a risco ma-
ritimo, a quantia de 6:0.-04 pouco majs uu nv>as,
sobre o casco e frete do dito navio. Offtrtas em
cartas fecbadas serae reeebidas no consnlado d
imperio grrmanico (onde a carta du freta.nen
pod e ser examinada), pplos iateressados ate
meio dia d, dia 19 do corrente mez dedezemb
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM-
PANY
Linha qui>iKMiai
0 PAQDKTk
ACONs AGfU
ispera se aqui dos portes do -ul ate o dia 19 ie de-
zembro, e depois da demora do costume, seguira
para Liverpool, via S. Vicente e l.isboa. para onde
recebera passageiros, encommpn la.- carga a frete.
OS AC.KMKS
Wilson Row.- A C.
liRUA HO COMMER' IO14

Aracaty
com escalAg por Macao sabe nestes dias o noTo e
anpenor palhabote nacirmal U ni(k d% Cruz, Ca-
pitao e pratico Manoel CaetaMo da Costa tem
parte de sen caregamento uwmtft-. nara o reste
IraU-aa com o consigns" H "?.', *? -'
Souza Aguiar, a v ,,r'" Aatpow Alberto de
capiuo a bA** z* ''" A,"rtr,m1 60, on com -o
confrop'- ., :^ni:' n';^ Plnabote fundeado
-3 ao trapiehe da c numnhta.
PaciDc Sleajy Naii^di ji (ioiiijKiny
Liuha quiai/ienal
OPAQUKTE
f
^ara o Rio Grande do Sul.
oistasediracv*aV) assiui sao c,pcla^ Z^M] '^^ *^o aperealar' certidiu lnaSaKrt ^'to b.reve* barc* Mctonal Deolinda'
deraorremopaameitod(i!thna7chawS ^f ^q(,e pWvem oSo t6r menos ^ S fiefebe a,Ddar, aJPma P arga, parVo due
r o ? wiun cnaraade I annos de idade, nem mais de 3Q, e ai- Jje !8 trata 8e cm E. R. Rabello & C a fuado r
' .ostados dalmercio n. 48. ",u"av M^m-
COTMWXl
ou
LUSIIANIA
espera-seaqui daEaropaate.idia 22 do corren-
e defwis da demora do costume *gu*r
do imperio, Rio da Prata ., ,,ara 0",*uj
onde receber* >- ^o>ta d.. i-aciiico, para
" tssageu-os, eneommeuda* e diubei-
- a liclo*
OS AGENTKS
Mk'ilKon Row** A C.
14 ----RUA DO COMM'-TtOIO. i\
?/
Rio Grande do Suf~
k-f^i* Ri Grandl <*> Sul pntiwibi sPBiiiroom
Wevidade o palach pnrtugi-z l,.r,n Con-fa, par
ter alguma carg; e par* a qiie.lhe.*ra trata-se
com os consignatariiia J..aquim> A,s3 Gjncalve*
Beltrao, a ma do Commercio u. S.


iL*
\
u
Diario de Pernambuco Sexta teira 19 de Dezembro de 1873.
< c

PARA
Preteude seguir coin brevidade para o Para, o'
biate (Hind*, por ter pane de sua carga, e para
1 a que the falta, trata-se com os eonsignatarios Joa
mum Jose Goncalve9 Beltrao & Filho, a rua do
Commercio n. o.____________
I
: (
Tisboa
-"rtngeBuir com ponca
Para o rclorido porto pro... """ "- *
demora o brigue potlugucz Ugeiro m, .
classe, capitao Sobre. porter a sea carregamento engajado, a V**^,V!$.
falia traia-.e com cs ronsignatanos Joaqulm lose
OonVrvcsBoltrao&F.lho^rua do Cominercio
a. 5-________.______________------------------
Rio Grande do Sul
Para aquelle porto recebe o patacho nacionai
Leovoldina carga a frete, devendo seguir viagern
em poucos dias : para tratar, no ejmptono de
Silva & Cascao, a rua do Marquez de Olinda n.
60, andar.__________________
LEtLAO
DA
antiga confeitaria da rua do Impcrador de-
nominada Braco de ouro, com todas as
suas pertencas.
SEflUNDA-PElRA 22 DE DrZF.MBRO
us 1ft hornN em potato
na
viftsnia ccmfoilaria
pot iicrvmto do ;?* *>
AVISOS DVFRSOS
LINHAS
DE
Attend.).
Para Lisboa
Soberano
Esle brigue portuguez recebe carga a frete
para o referido porto : a tratar com Amorim lr
maos & C.
Precisa-se de vendedoras de bolos, dando-se
100 rs. por pataca : na rua Vital de Ncgreiros, |
antiga Cin;o-Ponta9 n. 59.___________________
Aluga-se a casa n. 77 da rua de S. Joao : a
tratar na loja da rua do Duqae de Caxias i 4*,
ou na rua do Rangel n. 41, I* andar
IEIL0ES.
Precisa se alugar uma aina boa cozinheira,
forra ou escrava : a traUr na rua da Imperatr.-z,
casa n. 16, segnndo andar._____________________
Precia se de uma criada que saioa cozinhar
e engommar para casa de pouca familia : a tratar
na rua do Commercio n 38, pnmeiro andi-r, das
9 da manha ai 4 da tarde.______________________
LEILAO
E
XAH0P8 PBITORAL JAMBS
OPTIMO REMEDIO CONTRA
TOSSES, MATHS k PEITO e PHTYSICAS
ensaiado e approvado nos hospitaes de Lisboa,
legalmente auctorisado pelo Conselho de Sadde Publica
auctoriaa$ao que se acha reconhecida pelo
Consul geral do Imperio do Brazil.
RETROZEDEALGO-
DAO
DE
TODAS
Am
IA>I\Y,S
Para tratar de urn pequeno sitio precisa se de
um bom feitor e que entenda de jarditn e nm cna-
do de 12 a 14 annos, para servico de casa paga-
se bem. Caes do Apollo n. 69, ou em S. Jose do
Manguinho, sitio n.. 8, antes da igreja.
No pateodoTerqon. 38, as 11
boras do ilia
De uma excellente machina nova, a vapor,
que traballia com o calor de uma luz de
gaz carbonico, forca de 2 cavallos, pro-
pria para qualquer estabelecimeuto.
O agente Martins fara leilao, por ecnta e risco
de qoem poruncer, de uma excellente machina a
vapor, nova, de forca de 2 cavallos, propria para
typography* e lytographias, ou outros estabeleci-
mentes. ..,.. .
Nopateo doTerco, casa n. 38, as 11 nora? do
dia acima,
t
- Precisa-se d 1:0001 a 1:500*, dando-se by-
potheca em uma casa terrea : quern poder crqur
zcr, deixe nesta typographia em carta fechada
com as iniciaes C. J. M. -
CNICO DEI'OSITO EM
Boa larga *
FERNAMBUCO
Bozario
Accfssorios..
I
PAIlA
PARTE
DA
Machina
Com as falsificacoes quo tem apparecido
US MACHINAS PARA COSTDBA
Um piano forte,
sofa, 1 iardineira,
deiras de brac-os
DE
1 mobilia de jacaranda com 1
2 coasolos com pedras, 4 ca-
e 18 de guarn.cao (perfeitas) 2
crandes espel'hos dourados, quadros com finas
Sravuras, jarros e vasos r.nos para flores, can-
dieirosagaz, castifaes e mangas, escarradeiras,
Upetes e 1 relogio de mesa.
Uma mobilia de faia, 1 piano de mesa, 2 poria
ioia 2 tinteiros, fructeiras de madeira, nguras, i
cade'ras de balanco, 1 sofa de mogno e 1 lavato-
no com marniore. ..
Um selim, I machina de costura, dita de limpar
faeas. dita de ferver agua, um Undo presepio, l
caiola de arame, fingindo um palacete, uma linda
caixa de charao, c m tenlos para voltarete, i me-
sa dejogo, quartinhas, 1 relogio de pareae, cadei-
raa. espreguicadeiras e 2 columnas para jarros.
Uma mobilia de amarello, 1 cama franceza, ca-
bides, commodas, t guarda-vestidos, 2 lavalonos,
tapetes e cabides torneados. ___
Uma mesa de iantar, 1 aparador, quartmheiras,
lonca para cha e jantar, copos, calices, gunas.
compoieiras, macoinas de limpar facas, potes
Flandres e trem de cozinha
Hoje
POR 1STERVEKCA0 DO AGENTE PINTO
No armezem da rua do Bom Jesus n. 20
EM TEMPO
0 leilao principiara as 10 li2 horas em ponto,
e a enlrega se effecloara nas 24 horas precisas.
Gi-ande e variado
Bernardino Duarte Campos & C. em seu
cstabelecimentt) a rua Primeiro de Marco n. 10,
pagamdodia l. do Janeiro em din rue a tpdosos
credores da mas>a fallida de Joao Maria Lordeiro
Lima, que de prompto quizerem re^eber de cob-
formidade com a concordats obtida em juizo ; ae
vendo os mesmos credores apresentarem seus ti-
tuios ate o dia 24 do corrente tiara serem confe-
ridas.
Recife 18 de dezembro de 1873._______________
" ^ Precisa-se de seiscentos mil reis a premio,
dando-se hypotheca em um pred>o nesu praca :
quern qulzor fazor este negocio, anouncie para
?er pf'curado^_____________________________
~AluKa-so o primeiro andar a rua da Impe-
ratriz n. ft. com commodos owa femilia, asta em
muito bom estado: quern pretender, d nja se ao
cafe imperatriz que achara com qnom traUr
AtmsBTHSIo : PAR1Z. locLCTiw Mo*nam.
PA8TILHA8 DIGE8TIVA8 fbriedla Vichy
wmoiSaMextrhido das Fontes. Sfio de gorto
apdiTel e a om accio eU contra a Ana
e at digesUfes difficeis.
8AJ DE VICHY PARA BAHHOS. Um rolo
por nm banho, para as pessoai qne nlo podem
E a Viehy. _____
Para evitar at imi ta{8*t
eziair em todat at produclos a marea do
mnrnn m Sum rawca.
LEILAO
DE
mobilias, pianos, bons moveis, ncos espe-
lbos, quadros, linos jarros, lou o obras de prata do Porto
HOJE
Por inlcncn^ao dn agente Pinto
No armazem do sobrado da rua do Bom Jesus
O ieilao principiara as 10 1]2
horas.
Os prodoctos de acima achlo-so :
Em Pernambuco.TOSBt l-;-k. RECORD.
DOENCAS SECRETAS
Gh. ALBERT
era* radical, naurtA a aiTmA pilo
TIKHO DC BaLllifiUn.Hi : Imi^,. ,
alporcaa, borbulhas, ulccras, 1 I
I Mngne, debilidade, tumorea. t
1 BOLOI AUtBXIOS : Oommantoa recentosl
ou antigoa; flowa brancaa, corea palUdaa.
Parts, 1, r. MootorgneO. IWheto gratis-1
Depodto em Ptrnambuod. A. REOOBD.|
Hoje
da taverua da rua dal'enha n. 6, em lotes.
O agente Martins fara leilao, p
em um ou mais lotes,
Principiara as 11 horas do dia.
ior conta e rijco
la rua da Penha,
a vontade dos comprado-
Agente Dias
LE1L40
DOS
bens pei-tenccutes a massa fallida do Anto-
nio Jose dos Reis
Sabbado 20 do corrente
as 11 horas
0 agente DIAS, levara pela ultima vex a leilao,
Dor despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio, os referidos bens, constando de algu-
mas joia?, moveis, um cofre de ferro, prova de fogo,
fazendas. e arma?ao existentes na loja n W) do
caes do Passeio Publico, servindo de base a ulti
ma offerta. Para qualquer informacao, a rua do
Marquez de Olinda n. 37, primeiro andar, escrip-
torio do ngente.
Em ssguida vender-se-ha, a porU domesmi es-
tabelecimento, dons cavallos pertencentes aos bens
da referida massa. .____________
DE
trancas avariadas, botinas para homns ee
senhors, bezerro e cordovao
SABBADO 20 DO CORRENTE
as 10 1|2 horas em ponto
0 agente Pinto, levara a leilao por autorisacao
do cereme do consulado de Franca, em presenca
de sen chanceller e por cenU e risco de quern
pertencer, de uma caixa marca P V e R em Dai
so n. 10,030, com cartoes de tranca, avanados a
bordo do vapor francez Vilie do Rio de Janeiro :
o leilao sera effrctuado as 10 \\i boras do dia
acima dito, no e^criptorio do referido agente, a
rua do Bom Jesus n. 43.
Leilao
PILULAS
VEGETAES
DE
BRISTOL
Uns l)ofes sadios e saos
Uma digestaovigorosa,
Um excellente appetite,
sao alguns dos beneftcios que se podem de-
rivar, fazendo se um uso regular das
Pilulas vegetacs de Bristol.
Uma cura certa e efficaz dos intestinos,
Um remedio admiravel para os rins,
Um tonico poderoso para oestomago,
Sao as inapreciaveis qualidades medicas
quese podem encontrar, usando-se das
Pllulas vegetaes de Bristol.
Umamedicina que nao produz ddres nero
colicas.
Um purgante quo nao debihta nem en-
fraquece.
Um laxante que nao causa a rnenor
nausea. .
Formam uma ds amuitas virtudes que
possuem as ;_.-
Pilulas vegetaes de Bristol.
Um medicamento suave e favoravel para
o bello sexo.
Um correctivo seguro dos desarranjos do
systema.
Um remedio completo e seguro para as n
regularidades.
Sao os effeitos sem falta, resultantes di
usO e emprego das
Pilulas vegetaes de Bristol.
Uma compleicao clara, alva e transparent*
Uma pelle macia e delicada e um
Hafito doce e agradavel.
SSo os resultados certos e infalliveis, de-
pois dese
haver tornado algumas doses desu
mclhor dos
Remedios as
Pilulas vegetaes de Bristol.
Em todos os casos de molestias d'uma na
tureza escrofulosa, ulcerosa ou syphilitica
ou quan nado turva ou viciada pelo uso de ferro
mercurio, ou por outra qualquer substancii
mineral a
Salsaparrilha de Bristol.
devera ser usada de conjuncto com as pilu
lag, e assim obrarido-se, em restricta coo
'ormidade com as direcc&es inscriptas n
8nvolto; os doentcs podom near certos que
uma vez usada conjunciamente uma com *
outra, nenhuma enfermidade ou molestia,
por mais swer ou arraigada que se ache,
ulu podoi a resistir ao combiuado po -.rotoriu sanitario desU* dous
CASA DA F0RT11M.
AOS 4:000#000.
B1LBETES GARANTIDOS
f rua Primeiro de Mary) (outr'ora rua At
Cresvo) n.iSe casas do costume.
Acham-seVvenda os felizes bilhetes gBtido*
la 8' parve das loteriaa a beneflcio da igrejai da
Santa Cruz (80), que se extrahira na terca-feira
23 do corrente met.
PREgOS
Bilhete Inteiro 4*000
MeiobUhete 2*000
KM PORClOD* 100*000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*600
Meio bilhete t#7W
Manoel Martini Fiuia
CASA DO OURO
Aos 4:0003000
Bilhetes garaatidos
rtua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
notoT felizes btlhetes a sorte de 700* em um
bilhete inteiro de n. 3774, a sorte de 200* em nm
meio de n. 113, e a sorte 100* em bilhete inteiro
del, 1119, e um meio de n 3.77 com a sorle de
100*. alem de outras sortes menores de 40*000
e 20*000 da loteria que se acabou de extrahir
(79-, convida aos possuidores a vu-em receber,
que promptamente serai pagos na forma do cos-
O'mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesuK i
anuuncios. ,. .... ,_ __
Acham-se a venda os muito felires bilhetes ga-
-antidos da 8- parte da loteria a beneflcio da
igreja da Sonta Cruz, que se extrahira no dia 23
do corrente mez.
Precos
Inteiro 4*000
Mei0 2*000
Be lOOjOOO para clsat*.
Inteiro 3*600 .
Meio i*W j
Recife, 16 de dezembro de W; .
Joao Joaaum da Cotta woe.
Escravo fugido.
Do engenho Jose da Costa, freguezia de Agua-
Preu fugio um escravo pertencente ao abaixo as-
'So com os signaes segutntes : Cesario, cabra,
c bellos earapinha'do, porem alto, qu^sl id*
tern um lobinho do lado esquerdo da testo acima
do olho, sobrancelhas ftm^^mffjj*
nariz grosso, bocca grande. falta des denies.do, lado
de cima cara chupada, tem os peitos um tanto ca
bettS variasmarcas de carbunculos nas per-
nas 6 baixo e de pouco corpo, pe pequeno, andar
apressado quer titubiar quand, falla-se^com, elk.:
e carreiro cambileiro e purgador Esteve no en-
aenho Diamante, de Ipojuca, trabalhando como
?o, ro com o nomo de Mano^l Joaquim, dor.de eva-
dira-se lugo que bi conherido : roga-se as autori
dades policiaes e as pessoas, que del e souberem
( segundo os signaes indicados) a captura, e faze
enlrega na praca aos Srs. Cunbalrmaos & C, ou
no dito engenhS ao seu senhor, que sora pago com
generosidade. Fftr,x de Valosi3 e 0|iveira.
Aos Srs. advogados.
Mediante algumas bemfeitorias, aluga-se unu
grande sala e dous quartos, tudo forrado de pa-
pel e com aweio, propria para escriptono: na rua
do Impcrador n. 81, primeiro andar : a tratar no
armazem do mesmo sobrado.___________________
- Aluga-se meUde de uma easa de familia,
mulher emarido, sem filhos, so a casal : a rua do
caes da Dettenfoo n. 11._______________._______
uo largo da Paz, nos Afogados, uma casa terrea
a. 90, com accommodac5es para grande familia ,
tendo 4 salas,8 quartos, cozinha fora; senzalla, ca-
cimba, grande quintal murado, com arvoreuos e
nortao qua deita para a estrada dos Remedios ,
hara v6-la ao sacrisiao da main/, o a tratar na
rua do Duque de Caxias, loja da ver
Criado
Precise de um de 12 a 14 annos de idade, para
compras e mais servico domestico de uma casa
de pouca familia, prefenndo-se escravo : a tratar
na travessa do Vigario n. 1, escriptorio, das 9 as 3
horas da tarde. _______^__
Casa.
Aluga-se uma excellente casa terrea, sita a rua
de S. Joao, defronte do gazomeu-o com seis quar
tos, cosinha fora e grande quintal:
de Pedro Affonso n. 8.
a tratar a rua
o
QO
C3
H
c3
O
Nenhuma ma-
china Singer 6 legi-
tima se nao levar
SINGER
Porque?
Perdido
Perdeu-se uma eambadinha de chaves, tendo 4
chaves em uma argolinha : quem a tiver aCL'ado,
faca o favor de leva-la a rua Primeiro de Marco
n H, que sa gratificara.
0 abaixo assignado tem justo e contraudo
vender ao Sr. Oliveira Junior o seu estabeleci-
mento de molhados, sito em Frecheiras, por tanto
faz d'uto sciente a todos os seus credores, afim
de em tempo algum allegarem ignorancia.
Frecheiras, 16 de dezembro de 1874.
Jose Gomos da Silva. ____
g esta marca fixa no
braco da machina.
Para evitar falsi
fica^oes notem-se
bem todos os deta-
lhe? dp marca.
\n>
es
X
*S
c
B
c
Precisa-se de uma ama para criar, que te-
nha bom leite a rua Sele de Setembro, outr o-
ra dos Ferreiros n. 24, paga-se bem.____________
Criada
Precisa-se de uma livre ou escrava, que saiba
comprar e cosinbar para casa de familia de duas
pessoas, preferindo se escrava, paga-se muito]bem:
a tratar na rua do Barao da Victoria n. 48 A,
loja.
Aluga-se o segundo andar do sobrado da
rua de Hortas n. 48, com sotao muito fresco e o
qnartos : trata-se no primeiro andar.____________
Precisa-se de um criado que entenda de co-
peiro e seja de bo conduita : na rua da Impera-
triz n. 37, 1 andar.
!A dinheiro e a prazo.
A contento das Exmas. familias
iiiiiii
Sao as mais baratas
Sao de dous pospontos
S8o mais simples e rapidas
SSo duradouras
Padaria.
Aluga-se a da rua dos Pescadores ns. 1 e3
a tratar com Tasso Irmaos, rua do Amorim n. 37.
Attencao
O Sr. FrancUco Agostinho Madeira, e rogado
vir a rua do Duque de Caxias n. 60 A.
Atten^o.
MACHINA DE SINGER
DOUS POSPONTOS
Abainham
Franzem
Pregam tranca
Marcam pregas N
Bordam de linha de seda
Alcolchoam
E pregam cordaos.
UNIGA AQENL1A
EM
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca e favor vir a rua
do Duque de Caxias n. 60 A.
7 Conswllorio medico-cirurgico g
W) DE 4
A. B. da Silva Maia.

i05i*O |iXSC?S5SX>*
Rua do Visconde de Albuquerque n.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. If. -
Chamados : a quaiquer bora.
Consultas: Aos pobres gratis, das 2 is
4 horas da tarde.
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR
Ausentou-se desde o dio de dezembro de
1873 da propriedade Besouro, freguezia de i>.
Lourenco da MatU, o escravo Daniel, de 14 an-
nos de Wade, cor preta, cstatura baixa e olhos
craades ; levando cala e camisa branca da algo-
dao roga-se, portanto, a quem delle souber, ou
anprehendc lo levalo a diu propriedade, ou nes-
ta cidade a rua do General Ceara n. 20, outr ora
rua do Jasmim, que sera bem recompensado.
uma criada ou criado para
na rua do Marquez de Olin-
Precisa-se de
comprar e coiinhar
da n. 40, I.* andar.________________________
Offerece-se para caixeiro de qualquer esta
belecimento nesta cidade ou fora della, um rnojo
nacionai de 18 annos ; offerece garant. a a sua
cooducta : a traUr na rua das Tnncheiras n. 66.
Aluga-se a olaria n. 63, na rua do Visconde
de Goyanna : a tratar a rua do Rosano da Boa-
Vista n. 50._______________________________
CASA.
calcados avariauGS
SABBADO 20 DO CORRENTE
A's 10 1]2 horas em ponto.
0 agente Pinio fara leilao, pW aulorisacar do
gerenu. do cons-ulado do Fian-, .m presen; de
son chanceller e por c iva e riw de qntm per-
lencer, da ea.xa marea A sA V, diamante, ava
rada a bord.. do va| ^- l" l|^ a"
dia acima d^-, cm teu eaaalptono, rua
Jesus n. 49. <
f
\
do Bom
I
vini.is cstas niHlicftias achan>i? venil
cm to la- as principaes bottcas 6
I js .ii^drogai.
A.h -- a rVn.H en todas as bottcas.
II. Forster & C.
AGtvNTES.
Precisa-se alugar uma casa com bastantes com-
modos para familia. com sitio ou quintal murado,
mas que seja perlo da cidade, ou na proximidade
da liBba dos bondes : a tratar na rua do Bom Je-
sns n. 4, arma7eui.___________________
Irmandade de R. S. da Concei^o
dos Mum, U de dezem-
dio de 1875.
De conformilad^ com o disposto no art. 40 des
estatulos desU irmandade, sao convidados todos
os nosos irmaos a reunirem-se no consistono da
respectiva igreja, no dou.ingo 21 do corrente mez,
pelas 10 horas da manha, atim de ter lugar a etet-
550 da mesa re^ed.-ra que devo funcmonar ao
anno de 1874. ....
0 secretano intenno
E. Tmuborinr________
~ precisa ee d- l":0!iO*000, dando-so por hy-
pothecs uma pr,.|Hu-i:.de dua. leguas disttnle
deata eidaJe, c i.ar.. amt garanua da se tambem
7 escrav.,s inoco- e sa-ma, b-r^s todus de qual-
uueronus: a pessoaquH quizer fa cio, dir.ja-e.-iu earla f*ha'h a uverna da rua
do Duque de Oxias n. 'it, '-om as mmcaes T,
F. T. .
Acredilar&o vendo
Retalha-se um vasto e bello terreno &
margem do rio, nos fundos da povoacfio de
Beberibe, ainda nSo visto pela mator parte
da populagao, por ter sido ha pouco derru-
bado os mattos que cobriam dito terreno, o
qual consta do uma grande planicie, pro-
pria para edificacao, e distanciade 3 minu-
tos ''a ultima estacSo da via ferrea, achan-
do-se ji dividido em ruas, com approvacSo
da camera de Olinda.
Quem pretender pdde ir ver que sem du-
vida ficara agradado, e entender-se com o
Sr. Jose Honorato Medeiros (Zumba), en-
carregodo, ou com o proprietors, junto &
ponte da ditapovoagio.
Ama
ANTONIO JOSfi DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PMOS.
Qaerendo deGniUvamente liouidar este negocio, vc-nde todos os que tem, .novos e
usados, peloprecn docusto do factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLKADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11la 331 paimo*
de largurao 100 do comprido, podendo forrar-se uma sala .por grande que
seja com oleado inteiro.
M.VGN1FIC0S espelhos ovaes para ornamentos de salas.
ANNEIS electricos para curar dores de cabeca. nevralgtas e t.ervoso.
MLTTO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala. .
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, & 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com 14 ou soda.
\ F.RDADE1RA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, o por muito barato preco^
Precisa-se do uma ama para cozi-
nhar para rapaz solteiro : na ma do
Urespo n. 80.
Precisa-se do uma ama pa-
ra cozinhar : na roa do Mar-
quez de Olinda n. 22, antiga
rua da Cad" do Recife. ^________
AMA
PARA
AMA
""jT, Precisa se de uma ama que
1 II A saiba perfeitamente cozinhar : a
iTL i*I ii- rua do Oneimado n. 92, loja.
Precisa-se de uma ama para
cozinhar : a tratar a rua do 1m-
perador n. 14.
\ui;i de leite
Precisa-se de uma ama de leite e paga-se bem :
a traUr na rua d- Queimado, loja da-Boa Fama,
du na rua do Crespu, loja da Passo, junto ao arco
e Santo Antonio__________________________. _
Precisa-se de uma cozinheira ;
a tratar na rua Nova, loja nu-
raero 7. ^__
AMA
Armada.
Na rua d.. Barao Ja Vlct..rra*n 36, p*e>isa se
laliar Sr tenent0 i0i<> Maria pes,ana> a ne*
gacio de SSO iuteresse.
Preiisa-se de uma
e paga-se b^n.
Ana de bite.
na rua do Hospicio n
Preci>e )e uma ama que tenha pratic\
Alud ^e aod.ir com men.ii c para (s
algum servico d" casa de \< ica faraili
da Imperatrii n 37, primeiro andar.
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos,lencos,
meias e todo genero de roupas
COHt T.IHBKH
Cartoes de visila, livros, envelopes e loda a palidadt de
naneis. clara e exaclamente mm o nmt eompelenle da pesm
Garante-se dar urna cbapa tao boa como poderia wweguir-^ cm Undres ou Nova
York, o affianca-se igualmonte. que a tinta sera mdelevel.
You can bet your bottom dollar mi mat
rada cbapa como nomc da pessoa 6 acompahada de dou* frasquinhosdet.ota, um
pincelumrdKosobreamanKdeempregar a chapa u.n. rece.ta para lazer
tinta, custando todo 3^1000
Precp fixo :uboo;)
Em letra de mao e (totbioa_______ _, c
PARA CHAVES
Sao muito commodas c possuem asseguint-s vantagens:
Servem para ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo chatas, ba logar ..ara o
n0meSaoTceL%tatirctechar, de,am entrar a maior cuave sem offender a
8r80lS8o feitas de prata al em e nfio sTO sujeitas a enferrujar, quobrar ou abrir ; como r;
argoU de ego s^mutto fortes e bonitaS. JCada afgola amoncana. com o nome.e mora-
dia do dooo, sberta na mesma, cusu : <>mo
Preco fim J*
, 1>. LMIHJU MACPHPSON
m HOTEL ESTAMINET
Rua do Iwipiiraiior n. 32
TODOS OS DIAS I'TEIS DAS J HORAS AO MEIO
t
I
32,
DIA.


Diano de Jfernambuuu Sexta feira 19 de Dezembro ae 18
.:WNDICA0 DO BOWMAN
RUA DO BRUIH H. $2
(Passando o chafartz)
PEDEM AOS senborea de engeDho f oauoa gncal.<.'ii.a, t eiupiegus.,ic de ui
ininismo o favor de uma visjU a sect eatabelecimerjto, para verem o iiovo tnrtitneoto
wmpleti qoe abitem; aeado todo soperior em qbalidade e (orlidSo; o qne cam a ins
Mccio pess )\ pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENQAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
ITflnAI*Aa A vA^ofl iftoffno d08 mais molemos eyaloom eem u
Vt&purOS O rUUttS U Ogua maotios convenientea para as diversai
circamstancias doa senhores proprietaries e para deaoarofar algodlo.
Moendas de canna X^ ol umaDh08' as-melbore8 e '*"
Rodas dentadas pm ^e'p<>'
Taixas de ferro fundido, batido e de oobre.
Alambiqnes e fundos de alambiques.
WTnolliniamna Pr nuodioca e algodao,! Podendo; todoa
flLlliVlllliloIUUo e para terrar madeira, f aer mosidoa a m3o
RATflhas |Pr ?gaa* vapor'
uuuiuno de patent*, garantidai........ loaanimae*.
Todau as machinas e **"de qae M C06lama precim-
Fas qualquer concerto de michldi8,no'a pr6* moi rMainid0-
FormaR (1a fflrro tem as nMU>orel e mai> bar,las Mfotontw bo mer-
12f) A Amman A a a Incambe-ie de maadar vir qaalqner macbinismo i von-
<3lUI/VlIiUiPUUaD* tade dot clientea, lembraodo-Ihea a vantagem de faierem
aoat eompras por intermedio de peisoa entendida, e qae em qaalqaer necesiidade pdde
thai prestar aoxilio.
Arados americanos e mlrD,Denlo, aricoIa*
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFAR1Z
FUNDICAO DE FERRO
4 raa do Barao do Trinmpho (roa do Bruin) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modernas e melhorobra qae tem vindo ao mercSdo.
VapOreS de fore* de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
L/alQGiraS de sobresalente para vapores.
MOCndaS lnteiraS e meias moendas, obra como iiunca aqai veio.
iaiXilS IUIlCllClaS e batidas, dos raelhores fabricantes.
RodaS d aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
Rodas dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
BombaS de ferro, de repucho.
AraQOS de diversas qualidades.
Formas para assucar gran(je*. e p^quenas.
OonPPftoS concertam com promptidao qualquer obra oumacbiiu, para o que teem
vu w sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
I?T/rTrimf>nr1fll mandam vir por encommenda da Europa, qualquer machinismo,
EJU^AJiiiiiicixuoia p^.^ Q que M correspondem com uma respeitaveU casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas macbinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Criado
Prefix ?e il um criado para
Irat.ii no h.'iel lie A;ii;jin-.j.
loilo .crr\iv>: a
\TTE\(!\(I.
Patio do j-iaiv a signadw uo dia I* do cur
iculu ui.-z, uma cabrocha de norae Joanna Ger-
trades, coin os signaes segniutes : cabrocha. com
os eabellos soltos, olhos grandes e espantados,
tern did signal preto no braco esquerdo, levou,
comsigo toda r.mpa ; pede-se as autoridades po
liciaes, cum esperialidaue ao? capilAes dc umpo,
a sua apprehe nsao e levarcmn a no caminhn novo,
junto da Mttcio da Solcdaden. 8, quo receberao a
sua gratiiica^'ao.
_______ Henrique da Costa Fianro.
A pessoa que annunciou precisar de 4:300/
a premio com hypotheca em bens de rait, dirija-
se a rua do Hospicio n. 25, das 4 horas da tarae
em diante._________________________________
Gasa em Olinda
Aluga se por mezes uma casa em Olinda, com
a mobilia necessaria e illuminada a gaz, perto
da estacao da via terrea, perlo do banho do mar,
(a ponto de poder se ir da casa para o baobo)
seudo dita casa muito fresca e com boa visit;
os pretendentes poderao obler qualquer iufornia-
c;ao na rua do Bom Jesus n. 43, prineiro andar.
Precisa-se
de uma pessoa escra -a para cozinhar e zompjar j
na rua D. Maria Cesar (out'rora da Senzala nova)
n. 30.______________________________________
A 2>800
cada um queijo o mais fresco e do melhor
que se p6de desejar : na rua Duque de
Caxias n. 40, junto 6 typographia
Diario.
do
Vssim
como 6 certo que ueste armazem se fornece
a despensa & satisfaQao de qualquer chefe
de famiiia, com toda a sinceridade e econo-
mia. O tempo 6 proprio, pois aproxima-se
a fes'a do Natal.
^aJ
pelas 8 horas
I'a nella.
Amalia Carolina de Sampaio Mi-
randa, viuva do Dr. Manoel Izidro
de Miranda, convida aos amigos de
seu finado inarido para assistirem
a ini-.-a que pela alma do mesmo
manda resar no dia 20 do corrente,
anniversarii) do sea passameuto,
da nianlia, na matriz do Poco da
Joao Antonio de Amorim.
Manoei Albino de Amorim e sua
mulber Umbelma Rosa de Amorim,
tendo recehido a nol lecido em Lisboa seu prezado ir-
inao e runhado Joao Antonio de
Amorim, couvidam ao; sens paren
tes e amigos e do fallucido, para
assistirem a uma missa de requiem que mandam
eclebrar por alma do mesmo. no dia 20 do cor-
rente na igreja de S. Francisco, pe'at 6 horas da
maaha, pelo que desdc ja se confessam summa-
mente gratos. ____ .....
UlMi*i' "ii'mi.KijWM i| ^BWi
Gabriel Antonio.
Josepha Maria dos Prazeres e
Silva, Jose Henrique da Silva Gui-
maraos e Glaudmo Francisco da
Silva Guimaraes, convidain as pes-
soas de sua amisade, para assisti-
rem as missas do setimo dia que por
alma de seu g^nro e cun^'ado Ga-
briel Antonio, fallecido em seu engenho Ilhetas,
na freguezia de Una, no dia 16 do corrente, man-
da celebrar na ctpellinha da Conceicao dos Co-
queiros da Boa Vista no dia 22 do corrente as
7 horas da manhft.
K^W
P"?v
56 aRua do Marquez de Olinda 56 a
(outr'ora rua da Cadeia)
LOJA DE MACHINi
Sendo este antigo estabelecimento assaz conbecido como principal e recommon-
ii&o pelos grandes depositos e bons sortimentos com que sempre prima cm tor das
melbores, mais acreditadas e verdadeiras machiuas amerioauaa para algo-
dSo, desde 10 & 60 serras, e bavendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
ms e melhoramentos para perfeito e rapido descarogamento ; tornam-se dignas de
erem vistas e apreciadas pelos Srs. agncultores; os quaes, ale"m disto, encontrarfio
tambem mais :
Alvaro Augusto de Almeida
Maria de Castro Almeida, sens
filhos e genres mandam celebrar
algumas missas por alma do seu
prezado marido, pai e sogro Alvaro
Augusto de Almeida, na igreja de
S. Francisco, as 7 1|2 horas da ma-
nha do dia 22 do corrente, anni-
versario do seu passamento ; para assistir a esse
aclo convidam aos parentes e amigos ao mesmo.
mcmmmmmmmmmmBmammmmmm
Companhia do Gaz.
A empreza do gsz tem a honra de annunciar
ao publico quo receboo ultimente um esplon-
dido sortimento de lustres de vidro, candiet-
ros, araudelas e globos, cujas amostras ostfio
no escriptor'io a rua do Imperador n. 31,
e serao vendidos aos seus freguezes
preco mais razoavel possivel.
PEGHINCHAS
ao o n. 20
RUA DO CKESPO
LOJA \m i mm
coat in ii.i u W'tjiti-r iiiiiiiu b.n.i'o) |i3ia apurar
muito dinlioiro.
CASSA LA
Chegon esla fazenda,seudu liiidospadroes,even-
de se pelo diminuto preco de 200 rs. o covado, &
pechincha I I I dao-se amostras.
MKT1NS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padr5es novos, pelo preco de 400 rs. o covado, e
pechincha 1 I I doi-se amostras.
LA5 ESCOCEZAS
Lasinhas escbeezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com lisiras, padroes moderno?, a 280 rs. o
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
covado, e pechincha I I t dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1*000 a 400 o covado, 6 pechincha I t t dao-se
amostras.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa
dr5es, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, e
pechincha I I I dao-se amostras.
Cortes de casemira d) cores, a 6*(00 cada nm.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para Iuto. a 240 rs. o covado.
Fustao branco para roupa de meninos, a 560 rs
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chila adamascada, a 3*300 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3*500
e 4*000.
Lencoes de bramante, a 2*000.
Ditas de algodao, a 1*400.
Toalbas alcochoadas, a;6*000 a duzia.
Ditas felpudas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados, a 2*00u a duzia.
Ditos de esguiao finos, a 3*500 a duzia.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500 a
pet*.
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalhado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito trancado, a 1*400 a vara.
FustSes de cores, a 1*000 o corte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampados, a 3*500,4*000 e 4*500.
Ditos com listras muito finos, a K*800 e 6*000
Esguiao muito fino, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca.
Dito dome.-tico, a 3*000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. o covado.
Nanzuc cambraia de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Cresp;) n. 20
L.ojtt de
Guilherme & C.
IMAM AW)
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim
Cleraente de Lemos Duarte, sao cnamados a
ma do Coronel Suassuna n. 282, a negocio do
particular interesse.
% Consullorio medico
O Dr. llui-illo.
M RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres
Sode ser procurado a qualquer hora do
la on da noute para objecto do sua pro-
fissao.
Consultas do meio dia as duas horas
da tarde.
V Gratis aos pobres.
m Especialid"des.=tioleXii.s da pelle, de
y criaii'.-a e de mulher.
rJ Emprega no tratameuto das molestias CJ
de sua especialidade as duchas frias e G
ri fcannoi a vapor, para os quaes trouxe Q
jf< os apparelhos mais modernamente em- Qi
Mi pregados na Europa. W\
M, Tambem applica com grande proveito 'M,
jr no trataraento das molestias do utero a JF,
electricidade, pelo processo do Dr. Tre- J
V pier. Cura por um processo inteiramente w
y novo as blennorrhagias e sobre tudo a Q (gotta mililar) dispensando as injeccSes. v
1
ATTENCAO
Preeisa-se alugar uma ama~de meia idad
remqoereia preta. aue d> t-nha vWos r.
,i':li;.ijt!i--, k |in' nlfljl
U *niiia'- i':o i i il.ii ill '! | -.-!.
la (i |.| >:-. ; i '.-u'l-.-iro. i-;.
;ii t.ira !.i;.y:.i ,'...
A j.es>oa q e aiiliulnii L j>re.-:-i '. 'i .0*
premio sob hypotheca em bens dc raiz, sfiparcja
rua do H ispicio n. Jo, das 4 boras da tarlu cm
diante
Banhos cares saudavcis do
Monteiro.
Aluga-?r !'li duas peqarfnas ea-as muito em
i-otiia para .uem preci>rr (!e
r i rn.'i iiH:i ."iria. "
: : : II. '..
Aluga se o armazem e o pruuoifii audar do
sobrado da rua do Bom Jesus, outr'ora da Cruz,
n. 20, proprios para estabelecimento commercial:
a tratar na rua do Marquez de Olinda n. 52.
Alaga-se o 1* andar do sobrado da rua
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo.
Aluga se a casa da rua de S. Jorge, outrora
rua do Pilar n. 12, tendo sotea assobradada para
grande famiiia : a ver e tratar na rua dos Guara-
rapes n. 14, taverna.
Escravo fugido
300^000 degratificacao
AuaeBtou-se desde o dia M de maio de 1872 o
preto de nome Alfredo, represeula ter de 30 a 40
annos de idade, e perfeito coziaheiro, alto bastante,
e bem magro, pouca barba, olhos grande-, e muito
ladino, consta que tem pai n engenho do Sr. I.ulii
de Caiara, em S. Lourenco da Malta. Este preto
foi cozinheiro dos negociantes Adriano & Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e julga-se
que esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
cular nesta cidade, como forro : pede-se a toda?
as autoridades e capitaes de camp >, que o desco-
brindo, o tragam a rua Duque de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival scm segundo, que serao gra
tificados com a quantia acima.
Na rua do Baraoda Victoria n. 36 precisa-s.
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
eira, a negocio de seu interesse.
CASA.
Aluga-se raetade de uma casa no pateo do Ter
co a pequena famiiia : a tratar no pateo do Pa
raizo n. 26.
Attencao
Francisco de Paula Cavalcante Wanderley faz
scienle ao respeitavel publico em geral e parti
cularmente ao corpo commercial desta provin-
cia, que attendendo a coincidencia da haver duas
pessoas de igual nome, as>ignar-seha desta data
em diante :
Francisco de Paula Wanderley
Recife, 4 de dezembro de 1873.
' DESCOBERTAS MEDICINAES &>
nU BACH ABEL VV
% Manoel de Siqueira
% Oavalcanti.
>ff sipela : para curar com certeza, e
a. em pouee tempo, qualquer ata Wf erysipela, e prevemr o seu reappare
cimento.
Este medicamento tambem e muito
poderoso para o rheumatismo.
X' o Keguladur da mens-
truacao : para falta, irregularida-
de, suppressao repentina da menstrua-
cat?, e dos lochios, assim como para
todor os soffrimentox devidos aquellas
affecgSes. Ambos estes medicamentos
ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e na do Rio de
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do anlor, das 9 boras do dia as 3 da
ijt tarde, e a qualquer hora em casos ur-
l? gentes.
Si GRATIS AOS POBRES
8^ Rua da Imperatriz n. 14, 2 andar.
mm
IMPERIAL
FABRICA DE CIGARR0B
DE
S. JOAO DE NIGTHEBOY
llw de Janeiro
Ginstando ao abaixo assignado, unica agente
nesta provincia, da imperial fabrica dePcigarro-
de S. Jisdo de Nictheroy, no Rio de Janeiro, que
existe no mercado cigarros que sao vindos como
fabricados cm dita Tabuca, imitando para i.-so a
etiqueta em que vena tiles envolios, apressa se a
pre v. nir a todos os >eus freguezes que os unicos e
ierladeiros cigarros de exposic
de dita fabrica
so sao vendidos nos armazehs dos Srs. Francisco
Guedes de Araujo, Manoel de Sonia Cordeiro Si-
moes Junior e Faria 4 Filhos, unicos de| osi'.os de
dita fabrica. Recife, 22 de novembro de i873.
Domingos Alves Uatheus.
Quein precisar alugar um escravo, com tan
to que nao seja para scrvico de peso, dirija-se a
run do Hospicio n. 61, que enconlrara um bastan-
te intelligent, c rapaz de encairegar se dj traba-
lho de jardim ou de hortalicas.
M0F1NA
Esta encouracado !!!
Agua mole eni pedra dura
'1'anto da ate que a fun..
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Hello
^scrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a coc-
iluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada desto jornal, em
6ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada eumprio;
& por este molivo e de novo cbamado para dito
1m, pois S. S. se deve lembrar que este negocio e
ie mais de oito annos, e quando o Sr. sen fllho v
whava nesta eidadt*

ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucana^.
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenori. n. :![.
Precisa-se de l.-o0*)*tJ00 a juros, dando-se
por hypotheca um predio : quem quizer anuun-
cie para-ser procurado.
ft
m
pelo
CRIADO
Preeisa-se de um criado para todo o servico,
quer seja livre ou escravo : na rua do Commercio
numero 7.
Apurados vapores locomoveis, deforca
4e 2'/ e 3(/i cavallos com todos pertencas
precisos para trabalharem 4 machinas para
algodlo, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Carres de mJo para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldos de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para eompras.
Apparelhos parajardins.
. Guards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Trens para cozinha.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertenoas avulsos para machinas.
Salitre reQnado.
Breu superior.
Moinhos de diversos fabricanlcs para mi-
lho e cafe.
Debulhadores para milho.
Azoite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanbado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferreiros.
s 1
MEDIC0-CIRUKGIC0 i
DO
Dr. Santa Rosa. fr
Rua do Barao da Victoria n. 46, !. sg
0
i
i
m
0
ft
andar, outr'ora rua Nova.
Consultas das 10 horas da manha ao
meio dia.
Chamados por eseripto a qualqui-r hora
Especialidades. Partos, molestias de
olhos e do apparelho re>piratorio.
m
Emfim muitos outros artigos, que s6avif to e neste estabeleoraoderaoentp
xaminados.
VEL0UTINE
- ft UMA ESPEOIB DE
P08 dc FLOR dc ARROZ
Eepecialmenteprepsrtdoscom BISMUTH
|e por consegninte d'nma sccao Madavel
oDre a pelle.
K' ADHERENTE e totklmente INVI-
I SIVEL, dando 4 pelle uma freecura e
1 aveladado naturae*.
Preco da Caixinha com borla 6 fr., em
|oaaa deCh. FAT, 9,ruedelaPix, park.
Depositoem Pernamtmoo, A.REGORD
Aluga-se o 2, 3*, 4 andares e soiao do sobrado
n. 11 da rua do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, commodo para residencia de tamilias e es-
criptorio de negociantes: a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar._________________
Escravo fugido.
100#000 de gratificacao
Desappareceu de novo, do bordo da barca bra-
jileira S. Josi, o escravo Joaquim, preto de na-
$40, o qual anda bem veslido e calcade, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabelleira.
Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
Warcellino da Silva, que o havia comprado na
provincia de Minas fern S. Joao d'EI rei ou Ouro-
Preto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendido alii a Juslino Epaminondas Ne-
ves, a quem o compraram os abaixo essignados.
Sabe cozinhar, occupacao a que cstava dedicado,
lls
e conhe^e se peh falla-que e afneano.
Offerece-se a gratificacao acima a quem o ap-
prehender e roga-se a todas as autoridades a sua
captura.
Recife, 6 de outufcro de 1873
Jos6 da Silva Loyo & Filho._____
m

m
m
m
Casa decampo
0(Terece-se a quem qnt-er fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguns annos, do
graca, da excellente casa sita na Porta d'Agua,
que foi do finado Dr. Joaquim Pires Carneiro Mm-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua doce em
frente, e e muito commodo visto que o trem passa
iefronte : quem pretender pode dirigir-se ao Sr.
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos. ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Horn Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do Commercio u. 40.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para famiiia : a tratar na rua do Mar-
quez de Olmda n. 52, _______________^__
Ao puhlico.
Eu abaixo assignado declaro que o facto que
se deu n 11 :>ja dos Srs. Morelra Reis & C. a rua
Primeiro de Marco n. 10, entre miin e seu cai
xeiro Joao AntonioGozende Junior.foi uma levian-
dade de minha parte para com o mesmo Sr. e
nao com iim nem proposito de injuria lo em
attribuir- lhe o desapparecimento de minha car
teira, que sem duvida ja tena perdido antes de
ter ahi entrado, pelo que e pelo presente lhe peco
a devida desculpa de tudo quanto alii di- e.
Recife, 12 de dezembro de 873
Manoel Marques Avila.
I
',m
in

VINdeQUINOUINA
FERRUGINEUXdeMOITIER
Malaga r PyraahMaaala 4e
frr. Rite Tinh* Ui preeonizaa* pot toda
bomdu BMdical camViendo aau paderoco
loniro empregado para curar a Cawaosii.
A"IU EXBABSTACaO K5 JiMCII.
Depoift peril em Paris. 14, rat del Lm
bird'
Pemanib* o, A
p phirnacran.
MASSA ptiTUKAi. a ZAROPE
de NAF& de DELANGRENIE
Paris, 36, roe Richelieu.
U Medicos An*. Hoipltae* de Paria eoniUrtm j
I B*rlrld3(leobrtodoimlpitor
II k>% pndenta tjieaeia < loaaca, asthmm, j
grinrnt. coquiluckc (lout eonvului), Inflam- .
maoio a>ronefclo. irrii(ttt do ptilo <
a-o orata, f tc. (CauUla contra at /aUifiea-
aj^ JiMpotiluuvhtrmmtU'oentMtaMmi^
AGUA DIVINA
E.COUDRAY
DITTA AGUA DE SAUDE
Fretonlaada para o tooeadar, coma csoMrvuoo
tomuaaUmenu at bellai csrea da aeoUad*. e pcettr
| vaado da patte da cholera norbo.
ABIBtTBlGIA IIPMTA1TB
Unas imiUc&e. faUificiij6e (raidoleibu,
as mais tczw dsmoosas a smide, axehaJai pet*
fama Uo ju>umento adquirida pela Agna di
vina, obrigao-me a recoromendar aos consumi-
dores de reconhecer aaieaiueata como logilimas
a? garrafas no gargalo das qaaas acka-se uma
tequenna (axa cob a mintta
rma e marca de fabric*.
)RD. e
princi
PARIS, t, me 4'Basfcte*.
I Eaeootra->acm caaa da todot oi prladtaeiFertuialtm,
rharaiacaatlou e CaballtreiiM AaiCUc. A
Precisa-se de uma ama
que engomme e faca outros
servicos domesticos, em casa
de pequena famiiia: ua rua
do Capibaribe numero 40.
Precisa-sc
de uma mulher ja" idosa para andar com uma
meniiia de 2 ami s: a tratar ne hotel de
Bordeaux. '__________________
Precisa-se
de um criado para o service
a tratar no h.''"' '->rlp- v,
UaiXfcirq
Para taverna de seccos e molhados f6ra desta
cidade, se oderece um moco brasileiro bastante
habilitado : quem quizer uiilisar-se de seu presti-
mo, dirija-se a rua da Florentina n 28, ou declare
por esta folha para ser procurado u tratar do
ajuste. ____________^.^____
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-sc
tallar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
ose Paes da Silva, a negocio de particular inte
esse. _____________,
Precisa-se
de um mojo que tenha muita pratira de
servir a mesa nos hotcis: a tratar no hotel
de Bordeaux.________________________
1 andar.
Aluga-se o i." andar & rua do Fadre
Floriano : a tratar na rua larga do Rosano
n.22.
NOVAS PUBLICAGDES MUS1CAES.
A. J. d'Azevedollu \ova n. It.
Acabam de puhlicar-se, e acham-se a"
venda as seguinlos musicas :
PIANO so*.
Danse espanhola, por Ascher 25000
Arabella, mazirka, por G. WrW-
theimer 15500
Valsa do Faisto, por Croyzes lJpOOO
Sosuo de uma virgem, por Alber-
tazzi MT000
Anna la Prie, cavatina 15000
AoClair de la Lore, por Bussmoyei 11500
ESTRELLA DO NORTElp ,k brijh te ^qq
SACDAgAO AO Baiiia I
Cricket, por Seixas, offerecida cos
chrickets club pcrnambucano e
bahiano 15000
PIANO E CANTO.
Desespero, rnuito Undo romance
por I. Smoltz 25000
Non m'amava, romance por Guercia 1J5000
T.imbem rcocbeu da Europa graode sor-
monide musiia para piano, piaoo e
antoudos, methodos, etc. etc.
Escravo fugido
Desappareeeu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do en^'en' o Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome J so Borges mestre de assucar,
tondo os siguaes si^guintes: cabra, idado 30 annos
pouco mais on menos, boa figura, um tanto grosso
e espadaudo, sendo o signal mais visivel umi
gumma m junta do p6 esquerdo : roga-se a tolas
as autoridades e capitaes de campo queiram ap-
prehender dito escravo e leva lo ao referido en-
geaho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19 que serao gonerosamente
recompensados.
Recife, 19 de novemhro de 1873.____________
Garros de luxo.
inqueslicnavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joajuim Paes Pereira da Silva, e a
que tem as melhores bcrlindas, calegas, meias ca -
lecas e victorias de luxo, proprias para qualquer
aoivado, visilas de etiqueta, baiies e aclos da aca-
demia, sendo os mesmos ajaezados de excellentes
parelhas de animaes, arreios luxuosos e boleeiros
com fardamentos do ultimo gosto, para o qne se
convida ao publioo a vir por si mesmo scientifi-
car-se da verdade do que d^ixamos dito, certos de
iue nao encontrarao pomada, e siin realidade e
commodos precos.___________________________
Primeiro andar para alugar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
dc Marcilio Dias n 137, pintado e caiado de novo.
quem pretender dirija-se a pharmacia Torres que
acbara com qnem tratar. ___
de cosinha
GRAHULOS AHTIMOHIAES
dr. PAPILLAUD
Nova BOdicaeto coatra as molestias do cora-
cle, a*tkm*.catarrko,coqueluchc, tisica, etc.
osunulos aHTiatOHiaea febbubi-
NOSOS eootra raemia. Moron, amenor-
rhea. nevralgia, iiereoto mtltttitu escro-
phulosa*.
ornulos aNTiMONiaes febbusi-
Noaoa coat bisamtb, coatra as moluliv
fterviotat, an fiao diMelrras. .
Pharmacia E. MOOSHIKRoa Saujoo. (Cba-
reoie-tuferieurej, Fraacia. _______
Depo-ilo em Peniambuco : A. RKGORD;
MAURER, pfcarmaceotieo.
Continua a estar fu^ida
a escrava Felippa, cOr fula, alta. sccca,
beicos salientes, cara secca, olhos amorte
cidos, falla mansa ; e cosinheira, postoque
do servico de enxada : foi vista era Bebe-
ribe em uma casa, que a acoita.
Esta escrava fugio com o filbo, escravo
do Sr. Jose1 Antonio de Souza Mngalhaes.
naturalmente dara" seus pasesios d> Itetife a
Beberibe, est4-se espreitando provas para se
proceder contra quem a coit entrotanto
roga-se as autoridades policipes e capitae*
de campo a sua captura e conducQao ao en-
genho da Sapucaia em Betx-ribe___________
Aluga s um sit o com casa n< vs n.i Ar
raial perto da estacao da ca-a Amarella. com has
I tastes 4*raeteira8 eagu* de t elu-r : qu.-m preten-
, ue U dinja-se a taverna junto a nit-Mna estacao
I que hc; ara com qnem tratar.
- Preeisa se de uma mum>" pat i -ei vi -o de
caca ^e I'ouieta aolteir send imih < ii-i i dando
tiador a sua eoaducta : na riu Augu*u n. 258,
! taverna.
> iuga-se
o sitio da Ponte de Uchoa n. 35 : a tratar no mes-
mo sitio, ou na rua do Rangel n. 7, i* ou 2*
andar.______________________
SAQUES
Carvalho & Nogutira, na rua do Apollo
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Viauna e suas agencias em todas as ci-
dadts e villas de Portugal, 4 vistaea prazo
por todos os paquetes. ___________
- Preeisa se de uma escravj para crtinhar
a comprar: na rua Primeiro de Marco n. 2 <
oja.___________________________________
Cavallos furtados
No dia 3 d^> corrente, a noite, furtaran da e-tri
baria do engenho Piuma da fn-guexU de S. Lou-
renco, dnus cavallos com os signaes segaint.-.-.
ain e mellado algemado, crinas e canda bant ante
alvas, grande e gordo, castrado e andd6Vr haixo ;
o uutro e russo com pintas amarellas. orinas e
cauda pi etas, int iro e bom andalor ; 6 d m-io e
p.-la bastante gordo, e tem os dentes qnnbiad-s e
uma i eladura na mil esquerda; ambos esta i ta-
dos de n ivo. Graufica-se generosaroeute a |uem
os l.var ao refei ido engenho, ou delles der n ticia
exact?.

E
O quarto andar da ma do Mar muz do
D. 4.
'. r
m, --
------
I



ambuee Sexia feira It) do Dezembio
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
nieiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nkores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os ines-
mosmetaesepedras.
Engenho Caiape no termo de
Iguarassu
Na rua do Marqriez de Olinda n 53, precisase
fallar com o 9r. LHiz Antonio da Silva a negocio
dc seu particular iiUeresse.
^ Consultorio horaeopa- $
thico $
Do Bi\ Santos Hello 0
-Raa do Impera lor-------41 q
i
m
< Criado
Preeisa se de ait criado qu-i ten ha pialle
c peiro n qup seja de boa conducts
l( oeratriz n. 37, l. andar.
a de
lia rHa da

*
41
Consallas todos osdias das il a 1 da
turtle.
Gratis aos pDbres.
Resilenoia a rua Nova n. 7, geguodo ^
andar, onde d;k consiritas das 6 as 9 da w
manna e das 3 as S da tarde. XK
Chamadus a qnalquer hora. H
Qiamaur-sc
a loja de fazendas e roopa fefta a nu do Marquez
dc Oluula n. 40, os ^enhores abaixo mencir-nados
a n< ci i ,,;- iu'.eres.-c reciproco:
Adol; i..< Rob '. Kuoper.
I: iii i Magal'tl s.
II.-I, itijienrtj Nunesda Silva.
Joao Martins Xogneira Santas.
Miguel Ij.ipes liuimaraes.
Jo-c kfTdua
Migui I Pw-rpira Pinto.
Mig i 'I 'zevpdo.
M: noil Theodoro do Nascimento.
bin.anliiK) Lopes cos Anjos.
D<-n..ug.a Mafia.
Ann Bernardo Rodrigucs Sclte.
Antonio Serra.
Jo.*e do ttego Araujo.
Jo e da Canba rYeitas.
Jose Iguacio Porto
Antonio Moreira Camara.
ZtTerino Duumpnes Moreira Junior.
Joa Itaposo de Souzi.
Paulino J'>.*fi Aniunes.
Man-iel Bac liar Poreira de Moras*.
Am hi o Aquilin i da C.isti.
1 Il'.llam'a Cavakante.
Da casa do abaixo assignado, a rua Augus-
ta n. 288, fugio o preto Bonedicto, perteucente ao
Sr. Mano positado por raandado do Illra. Sr. Dr. juiz de di-
reito da primeira vara, o abaixo assignado pelo
presente prolesta com todo o rigor da lei contra
quern quer que o tenba aeoitad); assim corao,
recommenda a sua orisao ; o preto tern os sig-
aaes s-gniules : represent ter 24 annos, altura
e corpo regular, esta bucando, parece africano
quando anda, nao assenta bem o pe direito, pro-
veniente de soffrer de cravos, foi vesrfdo de pale-
tot branco e ehapeo de feltro preto, e sapatos
de casemira tambem preto.
Recife, 17 de dezembro de 1872.
__________________Jcao Jovino de Almeida.
Engommadeira
Para casa de pequena familia precisa-e fi mna
que seja perfeita engommadeira, paga-se ben pre-
fenndo se eserara ; era S. Jo#e do Haiiguinhu
sitio n. 2, antes de elwgar a igreja.
Precisa-se de um criado
do Padre1 n. 28.
no hotel do beoco
COMPRAS.
I Trastes.
Compra se e vende-se trast*s novos
e nsados no armazetn da rna do Im-
/"Oj perador n. 48.
Compra-se nma eserava parda de seas 30
annos, que seja de muito boa cendncta e jaiba la-
var, engommar e cozinhar, tendo boa sautfe : no
Corredor do Bispo n. 73, a tratar a qaalqner Hora.
A proposito da fcsla
0 que (lizc!) | >r alii.
A verdade vou dizef-vc,
Sent embargo do mio tempo ;
Nao e gra^a, v*>a eontar-vw
O qn diiem... nor exemplo:
Que a BARRrGA 6 a mai da b\manidade e quo.
esta como filha obedUnte deve trilar com requin-
tado desvelo df sua dileclissiuia 3 infaliirel mii
Que para isto e" indi. mes habi tames de-ta bella ciJade e sous subur-
bios, coma parte-infegranle da bumanidade, devem
vir ao muito utii e coaliecido aroaatem do Cam-
pos, a rua do Imnerador n. 28, eomprarem os
povos saborosisfimos presiinios para fiambres ; os
gosiosoa palos, os saborosos salaroes, os apptteti-
veis lombos deparco; as delicadas linguijas'e
salchich*}, os digestives pewfe em latas, a finis-
siraa Hianteiga ingleza e franceza, os deleitosos
htscbitos, as eicitantes conservasv as deiiciosas
ameixas, passas, ameadoas e nozes, as aprecia-
veis fructas em calda, os fltxiveis dot*s, o mag-
nifies qumju flamengo e prato, o embriagaMe cha
perola, al^slra e preto, os substaaciaes choeobte e
cacao em po, os refrigerante3 licores, as caiman-
tes eervejas, os eorroboraozes bitters, os inspiran-
tes tinhes d: Porto, Madeira, Bordeaux, Figuei-
ra, Lisboa, Chorry, roMares o outras muitas (fia-
Bdedes, a corruscanteclwmpagae, cidr e nm em
rtucuere do races e ajrrebatalores aeipipes, qoe
da forgav da e praaer, alim de recbeafem dia-
riamente o recept:icuk> do suaa Idolatradissimas
Sarrtg&a-t- ;
Que, quem quizer fazer um delicado lunch, fa-
mar um pritftoroso eliarnto da Be liia e beber um
copo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao arma-
zem do Carapoa, unico qoe tern domeastrado alii'
a evidencia a influencia da rainha do muodo a
fearriga
Mestno poiyjue
Ora esta e boa.
VNBAS.
Vende se um porco proprio para a fe?ta,|e
em grandeza nao ha segundo, 6 am extraordina-
rio: a traiar na rua do Coloveilo n. S>.
Cbitas a 240 rs. o covado.
A 240 r o covado.
A 240 rs* o.covado.
So na rua Duque de Caxias n. 60 A, loja da
esquina.
Burros d venda
J. Deiro avisa' a eus fr<'guezes qae esta em
viagem para as provincias d.^ Al.igoas e Pernam-
baco, couduzindo excellente tropa de burros
passara por Penedo, Pilar, Castaiiri-r.raudi-, P6r
to Calvo. Barrdros, Rio Pormoso, iStca'di, Cab<> e
provavelmunte por SanU) Amaro de Jaboatao a
Nazareta ; por isao pode ser avisado ou encon-
trado cm i|uatqurtr riestes lugares
Larane 'iras, 20 de outubrn.de 18/3.
Aui?ase por eommodo preco uma boa casa na
p'jv- a.-ui do Caxanga, principio da estrada do
\ nu 'le a trauir a rua do Imperador n. 54, loja
' livros.
Para acabar!
Ricos ahapros |ra senhora : so na rua Duqne
de Qaxias n. 6't A, loja da esquina.
m
Ac .-c fugila di-sde o dia i! d'- novembro a
an* com os siimies gegniaies/: r6r
Ml- ai ann is, pouco mais ou menos, ca-
-'! nm -di'i L-urto, nucha nor uma pern a em
. jiien-ia ill- i ni di'f^ilo n'um j iclho, sem
n il.-iio .],.. |i.w, de cslalura baixa, levou
ii r-mpa do seu u*-., e a quantia de
, ->-it> .-;.- de sen scnlior ; presnaie-se
' id > |i an Giivuina I'm compannii de um
!,ii i-'i" !i:'in p'i;.i e as auteridaoos ojliciaos e
lam ild i u|iii a sui apprebensao, entre-
I .i a rua di- Hareiliu Dias n. 21, oa a seu
ilmr a mi do S -nzala nova n. 7, quo sera gra
Jcl.'-alo coma (n.intia acima.
N0VID4DE
A Predilecla acaba de receber am Undo sorti
meato de fitas escocezas achamalotadas, prnprias
para fachas ; assim eonto um lindo sortimento de
leqaes de madreperola; a elles antes que se. aca-
bera, a rua do Cabuga n. 1 A. |*
SHAWTllAWKES & C, A' -iUA DA CRUZ N
4, VENDEM:
Machinas dc cortar famo.
Machinas do descarocar algodao.
Machinas a vapor de forca de 2 Ij2; e de 4 ca-
vallos.
Balancas de diversas qualiilades.
Pesos e medidas de diversos padrBes
Chafariz de ferro para jardim.
FOrmas para assucar.
Arados americanos.
) I
AJH)
tlmeiilo
i' ife um criado : no cafe i npcratrix.
"r > se 'l" um menino do 10 a 12 anaos,
< : iiiilica di^ taverna : a tratar Da mes
; i Uigu i n. 68,003 Afogidos,
i se am Brs. i ariyeia on a quem pr
' fur il n-.-jil. um bolSo com brilhante, de
i ler annun.'i.ir pur esle jornal, por
qu i i !>ado '.w ilia i4 do corrente da c,i-a n.
a do *'. ijueim : qualqacr despeza do
r paga polo interossado.
- I*rec e 'le uai caieiri com pratica de
i e olha a or Ieii.il'> : n a rua do Li-
ma n "?
'ommodo preco.
Al'i-i--'1 "ii vr-nde-se uma nova e excelleute
asa d -i ir h oal, com armaeao nova e eavMra
ra'la. i, ia qti Iq or negufii i, ilia em bom local
a i ii umecciii Bd jnv acfi'i de S.
Lmz iln Quiiu'nleir.is.iirovincia das Alagoas: a tra
tar m iims .a .iv.ia.ao com o Sr. Manoel Luiz
do VI>-Ilo Jii.iiu; ^ nesta praja com Jose Antunio
Mai(| ; > i "tin Ch-ira M nin-.
IT i'.-.-e-se um moco para feitor ou admiuis-
trador engenhn, com baslante pratica por ser
sua pr > i-xi i: quem precisar anpuajie.
- M .'/a te nm excellento Ssi m povoa^io
de Daarti'Cnslbo, eai Olinia, com Dons coramo-
dos para i-iimlia; a tratar cum Jorge Tasso. ru.i
Am ir i *'. 37.
- Al'iga -e uma boa c sa para ^randc familia,
m muitos fommodos, na rua da: Pernambuca
nas n. 4i. ua Caaumja : a tratar no Chora Me-
nino, com J.-si'- Anomio Marques.
CompunMa ferro Carril le Per
nanlrani (ontr'ora Pernanihuco
Sireet Railwaj-.
Coiividn .1 bMlo-t os possaid-res de billn-i* de
, lss; gum o"*.icarro desta cumpanhia, aiada exis
\fv.\.' em ciruulajlo com a assignalura do H
41 Swift, \-si frv.sr, a trazc-los ao troco por di
nheiro no es-.riptono da ompanhia a rua dc
lirnm, em '-dos os dias oleis, das 10 horas da raa-
nba as 3 da tarde, at6 31 de di-zombro prixiiao
viodoaro ; i-revenindo, outro sim, quii os dilos bi
Ihel-'-seriV'renatadossem mais valorparaqu.il
-iucr i-ffeito, a partir do l.* de Janeiro de 1874 em
dianntu, on termos do avisn do ministerio da fa-
i de 6 de ago'lo proximo passado e da por-
tana ii.1*pr-sidencia desta provincia de G de ou-
tubro corrente.
Reoife, em-7 de outubro de 1873.
0 gerente,
Gustavo Adolpho Schmdtl.
Casas de uluguel.
Alugi.se o primeiro andar e sotao do sobrado
u. 34, sito a ruz das Triih:h<-irae, e tambem 8 ca
zinhas, na rua Imperial, tmlo por cornmodo pre
?t : a tratar na rua de Santa Cecilia n. 18, casa
nova.
4u< I recisa-hC
alugar uma escmvinha de 12 a 14 annos, para
.-'.ice : na run do Vigario n. 2, oua
rna .!o Hi ia.o n. 811.
Os oal-n-es da run rle santa Thero-
/,i, vis n:.'^. Id Sir. Br...a. pi-dem Ihon fa or
furriar com i i putrid" | dos is uiisfi urire, a 3".i i-asa torn um up-
, \>" id rfftvem sei aguas
;nra vednresla o.itinarft ., rig. u
an Sr liiicil um pn-sem a t'itii run.
Os vitwho* inciiiiiifidati
0 verdadeiro Portland so se encontra. no cacs
da alfandega n. 5. armazem de baralhao, em
barrios das maiores que vem ao mercado e por
preQO mai?. eommodo do que em cutra qualquer
pane.
- Vende-se a metatlo do sobrado de
lous andares e sotSo na rua de Pedro Af-
fiuiso, outr'ora rua da Praia n. 35 : a tralar
ua nicsmb rus, armexeni n. 26 A. E' van-
tajosa a compra, pelo importante predio,
bem construido, de grande reudimento e
cxcelk'tites cominodos.
a ta^erna da rua do Padre Nabrega n. 84 : a tra-
tar na mesma. 0 motivo da venda se dira a quem
q uizer comprar._____________________________
Vende-se
estopa para calafetar navios e barcacas : a rua do
4mortm, armazem n. 31.
- Por baraM pre;o v.ndc-se un>a porjao de
traves e travetas de tudos ns tamauhos e de qua-
lidade, tambem t in portas de iuuro novas de to-
dos os tamanhos : no C.ora Menino.com Jos6 An-
tonio Marques.______________________________
Farinha de araruta
^'ende-se superior f.irinha de araruta, tanto em
porcSes c-mo arelalhs por preco que admiia,
visto sua qualidade ; deposHos nos seguintes lu-
gares: rua do vigario D. 2'i, rua do Anwrim n
58, e travessa 1a rua das Crazes n 4, a. 500 rs. a
libra a retalho. _________ ________
E' a primeira vz que vem a Bate mcfbado ; a
Rosa Branca tern e vftnde harato, e daamostras
com penhor : na rua da Iroperainz n. 86.
Ohitas ck xadrez.
A Rosa brauca '. ii e vcudea 440 rs. r, covado.
na rua da Imperatriz n. -6.
Vende-se
um piano de mesa, si-udo dejacaranla. por preco
modico : a tratar na rna de Ihas Swdoso n. 14
DE
Superior qualidade o garaiv
tido
Na rua dn Cbmm-Tcto n. 4, efcrip'orlo de I.ids-
toQo Robibiard 4 ''.., vende se por prefes eomnw
dos o carvao acima, t ni en ajraadea como eta
pequenas por^oes.
II Eil
91'
Solia e cordovaofl
47 Una da M,.i-la-47
47- itna da M i7
Vj-r |!
que cozinba lavi e .cat
a.de 28 an-
il ni e do optima
ir-o de S. borja
c Pi......-'j-dii iura ni-tiiiT du towa Made.
S1: "ii '-rvico .-i ir coni.i '! n-a
"lii, a" qual i tc boa cm loc
deiiai r : na raa da Imp*"-.-,- \t u. 37, primeiro |se quiter He Ingar : s Mtar tta
l m..
c
- tr.i.ir na rna il
i.. .8. __________
l' iri-n-iliosdatawertia'do
nt dnTerni n, II", barato. e prupria pan ajaem
por
Quem quizer ser ditoso. serfeiis
Deyeao'Campoe smienta ir compraado,
Evitando assim de ir mal passando,
Deleiiando a barrigve o narii.
Afem do qoe dizem muitas ccusas ;
exemplo que o Campos 6 so quem vende bom e
barato, que so e o umooqao-da-amostras du geae
rrs ; que s6 elle, p qivem capneha;em dir born^
pesoi que e elle so quem- rnanda levar grabs
em easa do compradon o^ goneros comprados (a
dinheiro) em-seu ainua/am. quer deotro da cida-
de, quer nos sous adjaeentes ; que unicamente
s6 no armazem do Caintn-s, a rua do Imperador
n. 29, onde sc en>iUra um-eoinpleto e eeplendi-
do sortimento, verdadeiro -Ceutro de pere^ri-
nas e exque.4ls victualbas. endr li>dos (maiwns
jesoitas) devem vir saflsfazer esta obra de mise-
ricordia (ja se sabe, trazendo dmltfiro) dar de
cooler a barriga aCtenlendo a que :
Do dia a dueslfco ja nao existe,
Que o Campos fez cessar toda esta briga,
Desfeebando este golpe philosoph'ico :
Tiatem todus primeiro da barriga.
LI0UIDAC10 DE FAZB8DAS
j
NA
Rua da Imperatriz n. 60
Rua do Barao tfe fMMa d. 22.
DE
Carucire Viiiiina,.
A' este grjfcle et*Wlecimento vim ehe-
gadto um bom sortimento de machinas- pera
coStoM, de tdrlfts os arttores mais acredita-
dos trttinvaiHeme na Euro^a, cujas machinas
jao a/afrartlidas pttf um atmo, e tendV) um
perfeito artista para ensiraar as mesmas, em
qualquer parte dosta cidafle, aomo bem as-
sim coneerta-las pelo leaipo tambem d'um
anno sera despendio algutn do comprador.
Neste estafcfelecimentot-rrtberH ha pcrtenjas
para as niesnWs- mathinas e se supprr; qual-
duerpepr' que seja1 nOcesSaffd. Eslas rrra-
oiiinaS traWrfham com toda # perfeigao de
um e dous pospontos, franze e borda toda
qualquer castora por fina qo >ja, seus
pregossao dseguinte qualidade : ,-.ra tra-
balhar a mao de 30^000, 40*^0^ 45J>000
e 50JM>00, pora trabaliiar com o ; j so de
80ch>oo, 9^itmo, toogwoo, 1 io^ooo,
1-2U5000, 13(W00, 1508000, 2 3500000, emquanto aos autores v.iio ba al-
teragao de precos eos compradorespoderao
visitar este estabelecimonte, que noito de-
verao gostar pola rarieddde de obj^Mot; que
ha sempre par3 vender, como sejam : cadei-
Wlmenteque, a; interossa tea- meninas di- "s para viagem malas para viagerpt eadei-
znm.que, s6 gosum de doces-do armazem do' ras Para sa'as' (,l^as de balango, dit6 para
Csmpos ; as seduetoras, e eepirituosas moc/as que,
so tomam um cause de Litter estomacal se for
do armazem do Cunuus ; as .-sj>eitiisas matronas
que, so se rpwrdaoi do pas-ado qa^nd saboreiam
al/uus acipii-es do aonaaem -da Caanposs; o ela
gaiib>s ii amaveis. rapaie.s qae, so fiunaBi charu-
t do Campus; Qj velnos que, so sentem exi-ita-
cao iiuamlo comem certas ignarias do Camp.os,
aie os forasteiro- so procu'am o' Camnos. s6
cnanca (alias), ditas para escolas, costurei-
ras rtqnissimas, para senhora, despeosaveis
para criain;as, detoUasas qualidades, eamas
de ferro p.ira hoiuem e r.riangas, capachos,
ospelhos doiirinliis para sala, grandes-e pe-
quonos, apparolhns de m^tal para cha-, fa-
quoims coin ca bo-de metal e de maxfim,
e ateos roraste.-ros so procu'am o Campos, ,- ,. .
querem oCampos e so gostam do Campos, apouto "t"savtitoos, cnllieresde metal fin ..condiei-
de...vejara: ros para sala, jarros,, guarda-comidas de
Do Campos a fama como v6a
Kos bailee, iheatrns e cafes ;
alaxambambas, tionds e jardlns,
Betroand do mundo nos i-onfms,
Dei a a tolos uma -nova feliz, boa
E vai passando dis ann'.s atravez I
Ainbos fiiras engarrrfados
Pr prios p^ra presentu de fest.i e de di-
versas quali lades ; vendem-se na rua do
Commercio n. 48, 1 andar.
Bellos ostos em foulardina.
A rsa tir.-mca li-m os mais ricos g< stos em
foulardina, 6 uma rn-a fazonda para veslido com
as core- azul. cor de pinhao, bronze, e cor de
lyrio, tudo cum listr.is brancas, -ao eslas as co
res mais modi'rnas e ninis usadas nas principaes
cidades da Europa. Dan-se amo-tras e manda-so
levar nas casas : ua loja da r.isa branea, a rua
da Imperatriz n. 56.
Las finis a 500 rs.
A.rosa branea reeebeu lanziuhas tie lindos gos-
tos a 500 rs, sao las dn 8(10 rs. quem quizer che-
gue. Rua da Imper.lriz n. 56. Dao-se amostras
ciai penhor.
Tern para vender Joaqaim lose Gon-alves Bo-1
ao Pi I ho : a tratar uo seu escriptorio a rna
do Comraercio n. 5.
Bskralissimo
rLan zinhis com listras estnmpad..s pelo dimianto
oqo de 400 rs. o covado.
Ditas com listras assetinadas a 1*000 o co-
vado.
Granadinas pretas com listras de cores a 500 rs.
o covado.
toetins (raucados proprios para vestido, a 320 rs.
o covado.
Alpacas dp quadros, proprias para vestidos, a
440 rs. o covado.
Urim hranc i, lona, para ealcas a la500a vara.
Dito trancado a U600 a vara.
Dito de cores linho puro, a U400 a vara.
Chapeos do sol de scda, cabo dp cauna, a 8/500
cada um, isto tudo <6 no n. 20 da rna do Crespo,
loja das 3 portas. de Goilberinp ii C.
A rna (h Brians. .00 a. (Ki
Vende-se os aeguintes ob-
jectos, por preoos
COUXlfi
VARANDAS /fanfeza^s djj; e bonitos pr*\m:
FOfiUES f. ancezes. grand.es e pequenos.
DITO dito para traaalhar emugaz.
B*1BaS francezas de repuxo.
BAN O?. com pes do fe.ro, com molla e sem
ella.
PES de ferro para mesa.
JARROS de ferro para jardim, graades e peque
nas.
MACHINAS para gdar agua e fazer gelo ; gelam
agua em 10 minuto>-
20 ditos.
azem gelo em
As unicaa verdadeiras
Bichas baraburguezas qne vem a este mercado
oa nu Marquez de Ulinda n Si
Caaarioada Alk
Chegfiram nplo ultiipo vajior
feitos efct^as.. d. ayajntii
sa a vefllt no armazem Fidelid:
peradoi
14.
Vm
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios cotnpletos, ditos
simples, objects para toilette, e outros mui-
tos artigos quo muito devem agradar a todos
que visitarcm este grande est-sbelecimento
qoe soacha ab>-rlo de-de as 6 horas da ma-
nha ate as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
22.
Nao ha mais cabellos*
braiicos.
TIHTURIBU JAPQI4EZA.
So e unicaapprovada pelas academies de
soimacias, rHCOiiheuida superior a toda que
tern apparecido ate hoje. -Deposito princi-
pal & rua da C.mitia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1 andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
retro.
Vende fazendas para liquidar, por baratissimo preco como
abaixo se ve:
Pereira da Silva & 'rurnHraes tendo em ser aaifranJe dapozit, 4e fefeendas,
tern resolvido fazer uma liquidacjto das mesmas com g/iiiidc abatioaenlo nos promos,
com o unico fim dj spurar diubeir para o que convida'n nio s6 *a seus namerosos
freguezes, e jmo o reapeitavel publioo, a vir surtir sc de rsuit .s fazendas, boas e baratai
no seu estabelecimerHodenomiiiadt) r>*av*oa ma da Imperatriz n. 60.
Wc muito firro a 30O0, apenas precis,
1, */4 metro para um Jencel.
CHALES 8>RAT0S
a 29,2#50O, 49. ,
0 Pav&o vende chales a emita^lo de me-
rino^ a W, ditos de merino lisos de todas as
cores a 2!W0, ditos demerinr5estampatft>s,
CAMBRAIA9 A 49, 498W, 35, 69 79.
0 Pavao vende um magnifico sortimento
das mais finas carabraias brancas transpa--
rerttes, tendo 10 jardds cada p^a, pdlo ba-
rato preco de 49, 4&500, 59, 69, tendo tam-
bem das mais finas que custarnam vir ao
mercado, assim como um grande sortimento
d ditas lapadas e victorias que vende de 49! muittr 6nos a 49, ditos fiuisstmos com lis-
otS 89, sendo fazenda que valle muito mais'tras ^ *^8 a 69300, ditds muito H46s d(-
crepom a 109 e 129.
dinheiro.
C0M9ALPIC0S DE CORES A 59.
0 Pavao reeebeu um elegante sortimento
do cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos mindinhos de cores, ten*o fO prdas
cada corte de vestido e vende pelo barato
preco de 59, por ser pechincha, dilaS eom
salpicos todo branco sendo fazenda fiuisshna
a "JPoOOe ditas a 59000.
VESTIDOS A CSf) DA COftTE 129
0 Pavao vende um bonito sortimento de
cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
cada eorte todos oS'enfeiWs necessaries como
sejam: babadiuhos, entro-meio rendes,
reqpefifes, e vende pek) barato pre$o de 129
cada um, assim cemo, di os a 2 de julho
com todos osenfeiteaa 109, cortes dp oan>
braias brancas abertas, com listras e lawres
a 69, ditos finissimosa 89, ditos de cam-
braia branea com listras de cores, para aca-
bar 39^00, e pechineha.
CORTES BORDADOS A 205? E 359-
0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
brancas delieadamento bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359:
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o covado
0 Pavao reeebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delica Ios padrfiese
cores fixas, que vende pelo barato pre^o de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrintios a 640 rs. a vara fi-
nissimofilo branco liso ede salpicos, e tdrla-
tanas de todas as cores.
Algod** enfstad a lr c lr* SO
0 Pavao vende algodaw eufestado com b
palmos de largura, proprio para leoctSes
sendo do mais encorpado que tern vkido ao
mercado, hsoa 19 a vara etrancadoa.....
19280.
ATOALHADO A 19600 r 29, 59.
BORNOUS A 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernosboruous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerin6 e com listras de seda.
felfarao v^datoalhido9traiMado cam 9
, mode l*frjra a 19M0,o- WBOO, dito
aifeMawado a 3,dilo da Imbb adamasca-
palmoade la
aifcmase^i
do a 39 e 59.
al9BO0e'29t
0 Pavao vende um bonito sortimento d-
sedas com listrinhas proprias para vesti-
dos de meiMuas- de' seuUora a 19090 o co-
vado, ditas lavradiuhwa 29, os padrOes sio
muito botutbse vende-so por este'pre^o para
acabar.
Uottim* a 50
OPavSo tt-m um completo sortimetrto de
botiuas umito bem enfeitadas para senhora!
e vernlff prtohafHto prego '.e 59, artigo quf
em outrw qutilqurr parteehsta o9 e 79.
LENCOS BRANTOS
'? 290W'.
0 P vao vende lenertS-bPancos ab inh?-
dos, tanto p. a 29" 29i> 0 a duzia, ditos de esguiao
cainbraia de linho t mbeui ali-inhadosa
39500, 49. 59, d tos franefzes escurus, para
rape a G9, a dtrzfa.
CAMISAS PARA HOMEV.
O Paiao vende ricas camisas com peiti
de liubo bord das, pmprias p ra noivo s
lOde 129 cad- uma, ditas de linliosi.m se-
rein borl das 49, 49a00.e 59. dilas core
peito de algodao muito Unas i 29, 29300 e
39. ditas de cbita fiua miudinb:- a 29, 29500,
e 3P, ssim como grandu sortimento de ce
LAZINHVS A '% roulas francezas tanto de linho comodeal-
0 Pavao vende bonitas lazinhas lisas, g'15" .de 19G00-ate 39, gr n.le sortimento
sendo verde e ear do lyrio, pe o barato preco je mei s cru s '"S'^s du *>*> lu 8Cy0 a
de 320 reis o covado, assim como, delicadas dum B-.7pmi t,,r, tt-T/l
lazinhas de quadrinhus a 4WO rms. e.pe- n /^KMUS I AHA P.L TO.
chincha. O Pavao tern nm grande sortimento d.
' tninuiliie^iieiO fazendas pret s para Into ennao sejam : cas-
OPavSo vende um elegante sortimento s s'J*s\?a l3zi'!,,:,s )is^i'l"t' vende a 40C
das mais bonitas grunadines ou gazes de e *0 rei* C"T b",nUMinns de ^G0C
seda nara vestidos. tendo do todas a*rnrn= a^e 2^ 9#Ai caiitao u IS- e 19200,
bi) iimxmjivi un
De forija de d-us a scis cavallos : a venda no
armazem de Joaqaim Lopes Macliado A C, tra
vessa do 'orpo Santo n. 23.___________________
Vende-se um i easa terrea era terreno pro-
Srio na ruajdo Care'erelro It. 6 : na rua do Duque
e Caxias loja n 60 ?o dira quem vende.
Wil on Bo we &X. vendem no seu armazem
a ruade Corom^rcio n. 14 :
0 verladeiro pmno de algodao azul amencano.
Exeellente flo da \ela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade*
Veade-se
no estaij
lugar dj
21, hoj
em cha
com o |
aonao
due se
seda para vestidos. tendo de todas as cores
e vende pelo barato preco de 640 rdis o co-
vado e granadine preta com listras de seda
a 19800.
LAZINHAS A 300 0 COVADO.
0 Pavao vende bonitas lazinhas transpa-
rentes com palminhas a 360 reis o covad.,
ditas ditas-indianas com lindos dezenhos,
tanto emlistnas como em quadros a 280 rs.
o covado, e grande sortimento de alpacas e
lazinhasde40ii a 8UU reis.
CHITAS DE CORES
a 20.', 24t., 28-1 e 3i 0 Pa#o vende um grande sortimento de
bonitas cbitas tanto claraj como escuras e
vende de200 ate 32 rs.,-assim como ditas
com listras aolado muito finas a 360e4 rs., finissimas percales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 3G0 e 4-00 reis, garantindo
serein todas de cores fixas.
COBERTAS A 29j 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
granadine lisa com listras, cassas e chita?
todas pretas eom listras e salpicos, Ip'icas
todas pretase lavradas di-linuuo, merin6s
outras muit/is fazend s npropri das, que se
veude por menos do que emoutra qu Iquer
parte.
MADAPOLOKS EN F ESTA DOS
a 3i?0(.0
0 Pavao vende pec^sde madapolao enfes-
tado com 12 jard s a 39. dito a 39500, d|t( .
coin 20 jardas a 59, 59500 e 69OOO, ditr
com 24 jardas de 59 ate 89'e 109, sendo os
mais finos que tem vindo ao mere do.
AlgodtEozinho a 4-rOOO.
0 Pavao vende pegas de algodaozinho
muito encorpado a 49, dito a 59 e 09.
TAPETES
CORTES DE CASEMIRA A 59.
0 Pavao vende um grande sortimento dt
em qne se acha n sitio existente no
1 Reinedios, freguez/B dos Afogados n.
jecco da travessa dos Remedios n. 18,
a iodo negocio
Farina de. maudiopa aoya
Teem^ara veui'i: Joaqaim Joftfi G .ugahvs Bl-
trauA Who, abyrdodo patacho SapliQ, chegado ,
de SantA aihanna, fundearlo defronle do tripiplje' *
Barao de Livraimmto ; e para tratar a. burdo, 011 clai
no seu tscriptorio a rua do Cpmyercio n. X, rati
com ramagi'ingrauda, pelos baratos prejos cortes de casemira para calcas, com benitos
de 29,2950 39 e 49, ditas snearuadas giistos, claros eescuros a 59. ditos.de 69,
forradas a 59, ditas defustao branco e de cor "9, 89, ate 109, superiores casemiras fran-
com barras a 49 e 59, ditas de croche" para 'cez se inglezas, para covado, de 39500 ate
cama de noivo a 09, ditas muito rlcas a 169, 6J, paunos pretos e do c res dos mais bara-
ditos de damasco a emitacAo de seda a 109 tos e mais finos que t^rtl vindo ao mercado,
e 149* por precos muito razo veis.
I'*u*l*es Houpa Telia
0 Pavao vendefustoes brances ede cores,' O Pavao, tem constxiitemcnte um grand"-
sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao sortimento de roupss feitaspara hnmem, que
mercado, tanto para roupa de crianc^s como' vende por preco muito em conta, como se-
para vestidos e roupas de horaem, e vende jam :
Calcas de brim de cores de 2954)0 ate 6?.
Ditas de casemira scars a 3&&00.
l'alitots da mesm fazend a 49500.
Pes de sipptis. a_
fructa-pfc, reetMraii
cats, romeiras, parreiras,
jfelo barato preco da 560 ate" 19, 0 covado
BIUMANTES
a 19600, 2,42 0 e 29500.
0 PavSo ven-le bramantes de-dgodao com
palmos de largura para l.:u$6e>, pelo.ba-
to pre^o de 196' 0, cito de liubo cum a
esma largura a 29, 29200 0 29500, dito
fortes deehitua *-r, r500 e
. ttUO
0 Pavao vende cortes dn cbitas ^uras e
aras com 10 covados cada odfte, pelo ba-
flatismo prnco de 29. 2950.0 e W'O.
COKTES DE BRIM A 19400.
0 Pavao vende cdrtesd'jbrim pardo para
ealQa, a 1400. Ditos de c6r, fazenda mui-
ft> boa, a l600.
^^^^^^^^l^^^^f a 3* e 4*000.
n. 101, uuti 0 Pavao vende os mais moderuos esparti
Atien^ao
Calcas de brim p.-rdo de 2d ate 5^.
Dit s de casemir.. de cdr de 7^ at^ 124-.
Dit-is de casemira preta de 79 te 14(5.
Palitots do panno prct. de 49 ate 129
Fraques de pann 1 preto fino de 209 at^
359000,
Calg s brancas de linho de 49 ate 79-
Colletes de casemira de cor de 39000 ati'
59000.
Ditos de dita preta de 49 ate 79.
Cortes de la a 4302M.
0 Pavao vende bonitos cortes de lasinhas
padroes miudinhos com lin las cores, tendi
15 covados cada c6rte, pelo barato preco d.
4000.
CORTES DE ORGANDY A 39000 e 39500.
0 Pavao vende c6rte de organdy branco,
ssb^a^A.arma.:
ireita ios Afogai
nto n. fig.
ii&'-tiaca cuvailos.
A' veada na livraj-ia' cias ica, b rua do irapera-
ujm sitio em Agu-irFri* m cu* d* .Saato, AuMiio dor n. 71.
0 dito Stw lm>a>r(MU {00 poJioos A7icd. ------z
esparti-
Ihps, pr-iprios para senhoras e meninas,
"os barati>simos precos di 39 e 49000.|com listras equadrmbos,sendo fazenda mui-
itos muito superiores, brancos e de cor, a to fina. pelos baratissimos pregos de 39 e
19 e 69000. 39500 o cdrte.
da .tay.erna n. 60, si- j "^
: a batax oa pada-. Ceroulasfr ncezas de linho e algodao, para todos os precos e qualidades, assin.
eomo grande sortimento de meias cruas, camisas, culermlios, que tudo so vende por
precos jouit r zoaveis.
tundos-c acaea aiiida'eatApor acaljar : a tralar
ff ruaJn Cr.to^lp B^._____________________

Am,
dosco
ftuar

I.V*taeo'&-C, suafem asaicomino
oramas com vistai actualQMiae ndVas
1 iinimmnr JE QftJ
Aaguito F01I5 tw-fheu aXflfefe Hadas ehrtpeli-
nas e cljapeos p.ir'a widwra*. "T&jVfH^s p-ilone-
zas de aorgnrao 'Wa ^MS*er rl&ls (abisjaiara era
: vaus oYaen: ^ftctis M*
imaii corpwiini imewi
J.
yiiograpaia bem
11 pr.-lo, tudo em
: mi-tn a preteo'
3, s.ibradu, Is andar
#.
*Sem pan vp >?
Cognac de IMtnaW
J.
j&tzstjss^^m
uperior e vanUdeirc.
.lauajld--*
:
e 10 libras.
h.micas do'Dr.
Comajercio .'!.
1
/
.1
. *^r


V"5"

>
V
-

Diarfo de P<*nairiu<* Sex4a iw*s 19 dittwuiftto.-fe->lt.1&.
fe-
at
T
am

fc
* 0
------.__Bnir .
V
DE
MB MM!
LEITE, IRMAOS
UWGOS AGENTES
Run do Bario da Victoria o. 28
N.
(P.-
4Rua do CabugaN.
KRAUSE A C.
IDE
GOMES Dfi 1UTTOS k IRHAO
l Avisam no respeitavel putdico desta cidado que o sertrmcrrto de joins, de subidb va
lor, que existia em sou estabclccimento, osid completamctile retM-car o com o mais ele
| gante sortimento de novas |oias, que receberam directamente pelo ultimo vapor da* Eu
'ropa, constando elle do mais variado sortimento de aderejo's 4 Bbolevard, pulseirW d(
I ultimo gosto com pcdras preciosas e sent ellas, brincos d'argoto, agraffes para retogfc de
senhoras, delicados udere$os para men'mas, meios aderecos d* cnafe lindissimos, aolta*
j de nogordios para senhoras, cDrrentcs ingtezas de oUro e de plafitla, variada quantidade
, de bot&es para parmos e peito, cons cntrbletD'as macom'cos, d oftrvtbeido de ouro, earta
V8 maiS SimpleS, aS mais barataS e as mplhrtros rln mnnA\l .' ltC:i brilhanifs n">nsirosde rarissfmas agoas, em anneis, reaetas, puiseiras, aflfir*
^ ^pw, m wjo-io hfHHMU C d llietliuros UO munUOI tes e botdes, e outros muitos objeetos de ouro de memores fabricates de Paris que st
Na exposicio de Paris, era 1867, foi concedido a vendcrao com grande reducc,So de precos, per serem eHes reeebidos directamente de sen?
^dTZl^i^^^^ V Cmi*'\CsCX cio da Legtao de Bom*, por serem as macbtnas raws per- ate? 8 horas da noute. convidam as familias que se qoizereav prover de rrndaTjoias
feitas do raundo.
A medalha de ouro, conferida
Esta dos-Unidos por ser o inventor
E. Howe Junior, nos
da machina de cos-
tura.
virem escolbe-las i vontade, para o que e?'l> cm exptoicio nos nv>stradores.
f
I
DE
A medalia de ouro na exposi^io de Londres acreditora
cstas macbinas.
A 908000
Fazendas fmas
XA
Cabe^os o dever de awmnciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-j
'.otkt aaabeleceu nesta cidade.A rua do Barao da Victoria n. 28, urn deposito e agencia1
Rua f, dc Marco n. 7 .L
OR
Cordeiro. Simdes < C.
P ; -'. ~----"-----------""" a fsta casa sfni duviOa, tuna das que
re. tsta&BBacBinassao jUBtamente apreciadas pela perfeicAo de swr trabalbo, pode com primazia apresontar- 30s sens
hoje,
frpguezes
defaiondns fiwas p-
Bjpregando unsa agulha maiscurta 00m a mesma qualidade de liiraa que qualquer otrtra, nm ^riadksimo *-rtimontt _
art* wtroducgio dos mav ,perfeioados apparclhos, estatnos actualmente babilhados a "^"u 1l0,'(>,, ^ asf'm c,mo< Para uw-orJi-
a^ecer WBU. publico as molbom machinas do mundo. S^^dSeTde6 W^ZT$
mmura.u publico sa^que ellassao dufadouras, para isto prova mcoatestaTel, a para 0 que tern o pcsnial nocessario e daoamos-
Irtnmstancia de nunca tereni aucarecido no mercado machinaa d Howe em segun- tras n**aate pertior.
< 5QlO. Cortes de seda de liudas cores.
^unda.-Contem 0 material preciso par. rep.Mrqalquer deaarranjo. gSSS?S^ JJSas
rerceira.Ha nellas ruenor fnc^So entre as diTcrsas pegas, e raenos rapido estfago Grirgunao branco e preto.
* %ie ncs cutras. Seiiin Macau proto e de cores.
Quarta,Formam 0 ponto como se fOra feito a" m2o. 1 firusdenapies idem idem,
^^MrPemitte^eS0eiamiMOtralWlhOde*mbOSOS fi9' 1aese*ocsegn 'SadinT^fapreiaecoliwnasr;
Sexta.Pazem ponto raiudo em casemira, atravessando o fio de am i outro
!o?o era seguida, sem modificar-se a teasao da Unha, cozem a fazenda
'a*
'-- i\. .t .... Manias bra*ileiras.
>etima.O compressor 6 levantado com a raaior facilrdadc, quendo se tem de modar Coichas de seda para noivos.
fl Jgalha ao comegar nova costura. Gorteade cambraia. braooa com lindos boidades.
OitiTa.-Muitas companhiaS de macbinas de costura, tem tido epocas de grandeia e K't?ma ",a',* pa,ra,n }*: ,. .
kattfa. Machinas oatr;ora pppulares, sao hoje quasi dascor.hccidalToutras^oflreram gSBft <$* ^ **" "^
lado,
mais
dissimas padroes e fazenda
Popelinaa de lindos padroos.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basijninas de seda.
eaderieia.
jidan^as radicacsparapodcrem^ubstituir: entretaato a oompaohia das maohinade Howe DHas maripozas, brancas e de cOres.
*^sntlo a opimao de Efias How, mestreem artes mocbaoieas, tem
ogmr ntado 0 Sea fabrico, e hoje nao attende a proora posto que' faga
*?a.
?
constantemente
600 machinas
Agua -florida, de Guislain,
papa fazer os cabettos prc-
tos.
A agnia brani-a, a a Tuque de Capias n. 30,
acaba de reeebero\a remewa da apreciavet ague
iijnda pasa fuzcr o ualjelloa pr.;U^ 0 bom r-
sultatlo colhido por quern tent Teito uso dessa
inuffensiva preparayao a tem altamente eonceitua-
j do, e por fcso apenas s fz lembrar a qaem uo-
i vainente dMla pueciee e qlinn s* aproveitar de
i sui utilidade. Twubem wio agua de topa^io e
oieo florido para o mesmo-u ( e Uo aerediudos
corno aqnella.
Voltas e brincos de grosses
aljofares-de cOres.
_ Aaguia BrJtWa, a rua rJoTTuqne d'j Caxias d.
jO, -reeelieu novas e bonitas voltas e brfnws de
gros50 Ijofares de cores 0 wnw t-inprs cun'J-
nua a- vande-las por. pre^o eomimdo.
Novos diadenaas dourados e
com pedras.
A- aguia branca, a rua do Dunne de Caxias n.
. 50, reoebeu novo soxtimnto de l>oiiitoSi diade-
mas dourados e com pedras; tanto p3ra menina*
como ,ra spoboras-.
ou
normas para escrever-se
A aguia brancai a rta Duquo de Caxias a. :&,
. recebeu, novas colleccfies ou.iivrmas paraas criaa-
cas aprendercm aescrever por si me-nio, hoje tao
nsadas nas'akllas -c eorlpgitej; e como empre ven:
, do-as por pre^o oomawd*.
Meias craasfinasparamenr-|
nas. eseiikoras
AJ ia Colleccoes de traslados
"ada machina acom
A
it
do
>anha livretos com instructors em portuguea.
A
i
ppr
A*
Barao d,a Viotori.a n. 28.
Espelbos demoldura dourada^
os tamanhos e precos.
A 30^000 e SOfOOO.
r mm pespoNTOs
Xalojade Soares LeiteIrmos, diraa-do Barao da
Victorian. 28.
bms de pallica com pequcno toque, Espelbos demoldura dourada, de todos
200 rs.
Abotoai tras para cirfTete, arande sorti-
rr^ntoalSO rs.
""aita ilc !iuha de marca, a 200 rs,
L&.mpajmas a* gaz, datjdo uma 1 muito
Va, a lj?l)iJ0.
^uria de pecas de coydfio imperial, a
li 0 rs.
Caixa de botdes de osso para calca, a
tOO rs.
'Juzia decarreteis de linha, 200 iardas, a
600 rs.
Idem idem 60 jardas, a 249 rs.
Hac/) de lita chineza, a 800 rs.
laiia do linha com 40 novellas, a .500 rs.
Mcios aderecos com camafeu, a 500 rs.
'-arrafa de tinta roxa extra-fiua a llrttoo
Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
iCOrs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
2000.
Idem-idem, a loo rs.
"nxa de enveloppas tarjados, a 500 rr.
1 iem idem forrados, a 700 rs.
-3aica de papel- amisade, beira dourada^
i 80* rs.
Mem idem idem lisa, a 600 rs.
Duria-idetalbwes' cabo branco, 2 B., a
c>?000
Aesraa de papel paulado,
BiSMMta
PEIUX'MVRIAS E MtUDEZAS.
Fiasoo-com oleo Oriza verdadeife, a
12W00.
Idem com tonico de Kemp, verdbdeiro, a
19000.
Gorrafade agua ftorida verdadeiraa If 200
Carrata d'agun japoneza, a 1*000.
idemideraiiivina, a l|>0O#.
Mem* idem Magdalena (novidadeV a
19200.
Caixa de pos para det>tes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinei, muito bom, a
500 rs. 6 19000.
Pote com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
nel, 19LO0,
Duzia de sabonetes de ameadoa, a
, 39*00.
Duzia .de sabonetes de aniinbo trsnsparen-
tes, a 29200.
Idem idem com fldres, a 19500.
Sabonetes Glycerine tfansparentea; a
19000.
Caixa com sabonetes, formate dc-frectos*
a 19000 e 19500.
Cosmeticos, graudea e pequenos, a 100 e
800 rs.
Frasco com agua d colagne, a 200, 820,
49000 BOO-re. e l0OO.
Extractos muito finos doa mdhoresan
Nansuck de lindos padroes.
Baptista de pailrQes mtti delicados.
Perralinas de quadros preios e brancox, de h- %*f.ro^ihu)m4oi-tTme^o";>Uvfiiiaia pro
o 'r*"' ?e', u curailas inei^i oruas pa^ca. seiihym, viaxlo. igtial
Bnns de linho de a"res, propcios/paraiveftldos menie para rheniOa?, e continua a vcnde-his
I coin barra e listras. pttco* coirtndo.
Fustao de lindas cores. j
Casaquinhos de la e de todas as core, para se..
nhoras.
Sai$ bordadas para senhoras
; Camisas idem idem
I W-tuarios para meninos.
Dttos para baptisados.
i OMMaa tara ditos.
Toajbasj-o gAiardaaapoaatiaiuagcailijs de
cores para inesa.
I.'ulctias de l.i.
Corttnados bonlalos.
Caim-ag bordadas para hainein.
item da cores paaa horaens e meniaos.
(V.nijjlfiu s.n liuivnlo de cliap^os de s^l ]j;u:a.Jio
Weiis e seuboras, com cabo; de marllm.
Merino de cores para vesiido*.
Dito preto.
Atoalhado do liulio e algod&j ,parai toalbta.
Atealhado pardj.
Brins de linho branco, preto e de cores.
Setira de ilndas cores e com Bstras
Chales do raerind .de cares e ptetos.
D.tes.de casemira.
Dito9 de seda preta e de cores.
Dito de touijuim.
Camisas de linho.
Dilas de chita.
Djtas de flauella.
Ceroutas de brim e algodao.
Oaniaseo do II de cores.
Pannos de crochet para cadeira, sofa e cooJottos.
Coichas de dito.
Tarlatana de todas as cores.
Espartilhiis lisos e bordados.
Poulard' de seda.
(toacos a tricot.
Wcos eortas de. veslklos de linlu para seithora,
de di ersas cores, com os competences enfci-
t Casemiras pretas e de cores, cMtas, madapeioes
cambraias, panno fiuo preto e atu^ coUarinhes,
punhos, gravatas, luvas de pellica, dilas d lio
de Escocia, brancas e de doresj tapetes de. todos
6s tamanhos, bolsas de viagem, etc, etc.
Na loja do Passo, rua Pnmfeiro de Marco n:
A, awigado Grespo.
Vdoa ou. mautiuJias pretas.
j'i:!A.U.ja.da aguia. branca, a n>a,dg Uuque.de Ca.
xias.n, L recobeu bonltos veos. ou. majitwhas
prejas St s*da tern.'fibres, c datras- a imifaijSo de
cMob** o^nda'as-peloB bMTMos- pre'0' de- 31,
i la"tii/006. A fazeadb tvhoa.e ** em- perfeito
I ostado, palo *jue, ctmMuua a lei- ftroraaU eitrac-
linho de rao
j, Perfeita noddade.
!(ramp8' Com borboJetas, becoaros e gafa-
betes/doiirdes*e eoinrwins.
A-loja ihiagEia branca, a roa; do. Drque de
Casas;n.,50,;reeabefi mvo$ giaip>j,cQiB.bor-
boletas, liezouros e gafamiotos. o qne.de certo > 4.
pe'rteita noVld de. A quantwade d pepuena, e
porisso en bwve seeabttra.
Novas goltinhasornadascom
p^hieia ou aiiniaho
V{
A!oja cPaguia-bfancAi-a rra1 Dn.iue' tbJ'Caxia!
- 30',i recebeu omafie s e aowas .gu^iahas,' iwbalbo de. la e eaa,< ea-
ntitadas com, anninho, obras estas' do muito gosto
e inteframente novas.
Grampos, briheos e- rozetas
donradoa.
A Irtja da aguia branca, a ma do fiuqne,
Caxias n. 56,'recebeu mtvsmente bnukos gram-
po, brincos e rozetas doueados ; assjm ccno
Dftvos-diadereaB de. aco, o a.>mo>mpre coati-!
nua a vende-los .por .precos razoaveis
Caixinhasscoffli p6s dourados
epratead6s,^ara caMlos.
Vende-se.na loja.da Aguia Drauoa a rua do Dn
Ee de Caxias n; 50.
uyaa de pellica pretas e de
outras cOres.
A loja da Aguia Branca, a roa Puqae de Ca-
xhw a SO, rewfteu nvtr sowiiftfflto 8 taw &
p*Uic% preta* e da outras ewa*
PREDILECi'A
A'rii 4o Cabatgai a. 1 A.
. *. PTpr*'61** da rredileeia, ao intoito de
conservar o bom ebneeito que teem merecido do
respeitavel publico, di>tinguindo o sen estabeleci-
nwaao ibs mais que ncgoc'um no mesmo genero,
veeny sciewificar aos sens bons fregneiee. que pre-
veniraja aosseus correspondente* Has diversaspar-
?as (TEnropa para Ihes enviarem por todos o pa-
qnetes os objectfts de lurco e bom gosto, que se-
jam maii hem aceitos pelas sociedades elegantes
oa^naHes paiaes, vislo aproxiraar se o tempo de
fe>ta, em que o bello sexo desta linda Venera
mais ostenia a riqueza de suas toilleltes ; e co-
rbo }a reedbessem pele paquete francez diversos
artiges da ultima moda, veem patentear alguns
'***' les aoe se tomam mais reeommendaveis,
foperando- do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
A*re^os de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado. *.
Alaans com ri*as capas de madreperola e de
velludoy sendo diversos tamanhos e baratos pre-
cos.
.'derecos completes de borracha pr.prios para
cto^tamnem se veadem meios aderecos muito bo-
mtos.
Bdes da setim preto e de cores para ornato de
vestidos de sei.hora ; tambem tem para collete e
patriot
Botea* pnra senhoras, existe urn Mb sniimen-
to de seila, de palha, de chagrim. etc, etc., por
barato pweft
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
emit de cfl-a, de borracha e de massa ; chama-
mo* a aMfncao das Exmas. Sras. para-este artigo,
ptits as vezes tomam-se as criancas urn pouco im-
peitmentea por falta de urn obiecto que as en-
tretenham.
<.'am;a8 de linho lisas e com peiros bnrdados
parahomem, vendem se por preco commodo.
Ceroatet de linho e de algodac, de diverse* pre-
cos.
Caixinhas com musica, o qae ha de mais Undo,
com disticos nas tampas o proprios para presen
taa>,
toques os mais modernos e de diverses forma-
to..
(Jhapeos para s>nbora. Beccberam nm sortimento
u ultiana moda, tanto para seuhora, como para
meninas.
Caoellaa simples e com veo para noivas.
Calfas Bordadas para meninas.
RhtfPnJeios estampados e bordados, de lindos
desenhos.
i:-coVi,s elaatljeaa para denies, tem a preprie-
daJtf de evilar a carie'dos denies.
Prarrjas de seda pretas e de cores, exi.-te nm
graiHiasnriimeato de divercas largnras e barato
preco.
Pitas de sarja, de gorgurao, de setim e de c^a-
maluUv de diversos larguras e bonitas cores.
Pachas de giirgurao muito Ilndas.
Fle*e- arKficiws: A Predllecta prlvna cm con-
servar sempre urn bello e grande sortimento des-
taa ila cs,.nao so para enfeite dos oa>ello, como
tanibpmrpara oraato do vestido de noivas.
(5aJoes de algodao, de la e de seda, braneos, pre-
te*ede dinrw* coresi
flwwwn* de:seda para hornem e senhoras.
Ci.eos de cambraia e de seda de divcrsas cores
para senbora.
Cigas de seda de cores e brancas bordadas para
HoPea.
Livros para ouvir missa, ocm capas de madre-
en)Jar,niarljBi, 6o e veUudo, tudo que ha de
am.
Perrtes dfe tartaruga e marfim para alisar os ca-
bf+V)s ; teem tamhem para tirar caspas.
i Prrt ianii|uet. Urn bello sortimento de madre-
perola, juarliiii, osso e dourados pr^- barato preco.
. Perfuroarias. Neste artigo esta a Predllecta bem
provida, nao so em extractos, como em oleos e
baobas dw-rrwllwres odores, dos mais afamados
fabjieaBteitj, Loniria, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudfay, .Oosnel e Rimel ; sao indispensaTeis para
a /esta.
Saias-brjrdadas para senhcra, per commodo
precoi
Saeeakibea de I* e de setim bordados,para hap-
iisado.<.
Tapetes. Beceheu a Predllecta um bonito. sorti-
ment.dfe jr'.-ersos tamanhos, tanto para sofa co-
m'|iMPMra*i de salas.
Vastiasentos para,baptisadoo que ha de melhor
gosto e-.o* mais inodernoe, recebeu a Predilecta e
veade'p^r bardo prcfo, para Hear ao alcance de
(joal.juer iM.lsa^
Rua do Cabuga\ n. 1
f sempre
jmmiEiTo
E
M E I) ICIN A
>
E
Preparado por
Lanmantfe Kemd
para ihiaieca
toda a qualidade
de doenr;as, quer
seja na garganto,
peito ou boles.
Expressamento
escoliuilodnsme-
Ihofesfigadosdos
quaes so exfrahe
o oleo no banco
da Terra Nova
purificadochimi-
calmento, e suas
Yaluaveis;)ropri-
edades cr-serva-
das coii\ toilo o
cuidado.emtodo
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tern
sido submettido
a umexame mui-
to severo, pelo
chimico de mais
talcnto, do go-
verno hespanbol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MA10R PORCAO P'lODlNA
t que outro qnalquer Ofeo, que elle tem
exsminado
100IN0 E GfllPeWTR SALVADOR.
Km todo o oleo de flgaoo de bacalhtfo, e na-
quelle uo qual contetn a maior p^Ttfo desta
invaluavel propriedade, 6 o Unico meio para
curar todas as dcencasdb
GARGANTA, PEITO; BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriarnentos, etc.
Ins poucos frascos da carnes ao muito
ma^ro que seja, clarea a vista, a da"vigor
a todo o corpo. Ifenhum outro artigo co-
ubecido na medieino OU sciencia, AA tonto
nutimentoaosystema eMcoromodandoquasi
nuda o estomago.
As pessoas cuja organisagao tem sido-des-
truida pelas affeccdes das
FSCROFLLAS OD RHEUMAT1SM0
e todas aquellus, cuja digestoo se acbacoin-
pletamente desarranjada, devem tomar
' 0 OLEO DE FIGADO DE BACAI.HAO
DE
L ANSI AN 4 KEMP
Se eque desojam ver-se livros e ise'ntas de
enfermidades.
Ai'ha-se a" venda em todas as botictis
Irogariae. H. Fo'rster 0 1NEKT1NG0IVEL
PERFUME
Idcm-idenaliso, a28IOO, 39800e 59000. tores.
Coque., modemcM, B 39000.- I Lindas e elegantes caiainbaa em perfuma^
Juzta* de! pecas- do toanoas de caracol rias, proprias para preseates, doe autores
b-aaoa, a 400-n. R -Codfay,- Rieger, OelW Prfree* ete.
Quadros
a 29000, 49 daa.
cora santos e estompas separa-
'dem Mem lisas, a 200 rs.
Leques dp osso e sahddlo,
6**10*'-' .... Entoemeios- e babados transparentei eta-'
Ftto de veliudo de todas aixores e larga- pad^a.
"MM^ii. is!w>4iw- I m%?ogmiM*H' w*ri" *'"""'
Fiasco., com oleapara machinaa 400 rs.
Rtia do Barao da Victoria n. 28.
' nle-se pma exceilente ca coin Oto
sitio, ska ne-Arrttbrt ^nMa***dW--Afcelh*-7
a uater na rrm>ma caa,.e para iotonuajieettJi
averna do.'ifji^HWgdo n. .\ f njat ;
Bolsas, mafa^indisjpsa- ]Qilupimkll'
Veijfr Pommard
Ataaralj ^fabaeo'dt C. reoauertia-flottphta-iBor- 'tyfo
t meutQ de-l>ebjaa, maia* e.ind^,eMv*s 4i*m-', ValuM?
- madeira e chagrin : veade-sj aa.iiazar, \ir
rua da. Barao ila Victoria iLz!
1 ., "
Os venladeiros
Yinhos de ^Oflrgog^ie
dtt tmarcas
n
tori a
tatle j)p cov4o.
Crsssa 15, padros navo<, e de mais gwsto que.
tem vmdo ao mnrcado, *6 na rua do QaeftteOo
n, 43, loja da Guorra & P^fnandes, polo dimiau-!
;o de :0O rs. o covado I
Cheguetn fieguezes qae se aeaba.
r
Baaane
1 Moamelie
Dit(vBprcleaui era qaartollas.
Yendese per barairf yrtw
PARA I.TQLIDACAO DE COSTAS
NA
Rua Larga do- Rosarlo 34.
Botica.
uma tasa na villa de Barreiros, na rua do Com-
mereirt, por preca medico: a tMrtar-eom Tass
IrmaosiC.
TASSO: tMAOSAC
Em seus armazens A .rua 4o. Araorim .
n. 37 e caes do Apollo n. 4J,
tem para vender por. precis cemmodos
lljolos encarnados gextavos para ladrltto.
Canos de barro para esgolo.
Cimento Portland. '
Ckneo to Hydra ulicc.
Machinas do descarocar alfodio.
Machinas de padaria.
Potassa da Russiaera battil.
PWe^ho*os- Sagii em garrafoeaL '
Sevadinha em garrafSes.
Lentil has em garrafoas.
Rfitun da aSiaica.
Vinho do Perto veW* eagarrafiMft
Vinho doiPortapn-k>^diui.
Vinho de Bordeaax, dita.
Vinho de Scherrjr,
Vlnfia da Wafe1raf
Potes com linguas e dotradas inetens.
LKfTBi finos sortidos.
Cognac Gaoibior Freres.
Latas de toncuiho. ingki.
Ban is com repoWo em salmonra
bm sobrado de dons andares e sstao, na trrvessa
4a Madre4e Dfcus n. 10/n nul retide di centos
de rs. anniMlmonto.'. a )ratar a* n*t^ugar
com .os seus proprietaries -todds idiaa^leis desde
as II horas d'a manha ate as doas'Dora3 da
OHM
Aniiazem da fiinio
Rua -da Madre de Deus -m 10 A.
Joso Domaaifaes -do Carmo-arOetpaaof
m* frgua8eamig8 ^qao -anaaaeoB-.a
plew sortimento de funK7%m fardos depatentA I,*.
8*e-3> Srtrtestb3S n*!rhVife*TAr1^*-aa*ibk
e beaikMim'aOor!ide>'t m rok>% paa>e,-taa'firau ^rtlia?"
htrv.T8iideira''>* P*eW (jMferfMo
W8Bjr.a.Tdailis ainiw*nbechlos aatc
deciara
.
Roupa esirangeira.
Amaral N^bbco A C venflerrt ceslrimes de
Btthto e^evortir^-^ittfrtje e a rinrtliraea)'
meninos, paletots e^olletes para homem, dKc
alpaca d d> fa*mi| pra horwm e meaiaeH ca
Ktsa*
no e W*i'ha : ao'_
ran diVr.-ioriai. t:

rmaM^^'sera'i^M^,i#i.parttorjlariil
we/laafMnaap quofbuoo eauodaia driimatcrla.
pois para bem servir a todos^, (ea> a aaBpRaiaat^
^loajta arapca de 15 aanoa destt oin$)eno.
, cha e fuittu
I in 11 Ara*M.1'i9buoo.&a.veit|e#i mtHnoristrnm -
Trn^drt^rnfWci^
te, e fumo inglez e fraaceo,-ijjWb ca|fcrros **-
chimbos : vwdaai a>Baa*nWcWK,vha tW Ba-
j y 0> Victoria, n,^. ,
Qiianio barece terse esgotado o repeito^o da
modas, ptia immensidado de arligos de n dade
He temiaapaiwdo, eis que os velhos e i ansa-
vis cotrefpendeutes da Nova Esperanga, a rua
Otique. do Caxias n. 63, descobrem outros no
mundo elegante, aondo se constrvam escogitando
arfnwtowmente as r:ovas invent des ; remettem
parata .*na Eperaaca. e autorisam na a diier
aog'sens'iftippuezes.e especialmeute ao bello -exo
Sue aaojjre-am em Lai : e para prova evident*
o que aeaba at expor, vejam o. que abaixo se
desereve :
^HMP|pwa missa, com capa de madreperola
ou tartaruga,-tendo no centre da capa
um pequeno relogio perfeito regula
dor.
CMrTBTlAS, pot charutos, port cigarros e ports
moneys no mesmo gosto.
CAftTEHtAarpara .notas com capa de marfim, ma-
dreperola e tartaruga, com o distico
Lfcnibranca.
B0t;SAS pare senhora, o melhor qne tem vindo a
eMe ; mercado, de diversos tamanhos,
quulidades e modelos de nova inven-
rORPlMHi(jLHlS de lindos gostos e'trmanhos
. efpeeraliOadewpani ao noivao.
CAIXLNHAS com musieas e seai eHtS\ proprias
para presentes.
B outros de inteira ncvidade.
B^com os meninos.
' A N&Va'JNperanca, a rua Dttqne de Caxias n.
63, recebemoa benecos de borracha de formatos
iplehjaraoate-novos : os meninos muito apreciara
este briaqoedo.
fi verdade.
QuakAjersiDhora de bom gosto, parece que
nie poaa-temaietar e sna wHIette, sem darum
ptntynr-A Jfcwa BBp*r*aoa a rua do Duqaa de Ca-
xias-n.AVp^que 6 a loja de miudezas que mais
cptnalek) -esta em strtimenta, e one mais novida-
des apreswjito. ao publico end gerar.
E com as floristas.
Ajra E^peraica, a ma do Duque de-Caxias
o-rfia^ *ecl liroePto. -A* papaio para (lores I a elles.
rara crianca.-
A Nova Esperanca, a rua do Duque de Caxia)
p 6f,' reWKeu' h nf sortimento de ve9tdarios de
>iallifiTl ^littWrHta erianeaa; modernos e bo
Laa- mescladas.
Utaibdrttte sortimento de 15s mescladas em cd
Wsy MMHea a -'!** esperaaca, 4 rua Duque de
____ DE
Uma pura distilIa<;ao d;is mais tarns fli-
rts dos tropjeos. Content, pnra assim ut-
zer, quasi o odor odorifcro das floros oo
tropico da.America, esua fragaucia 6 quasi
iiiexhausta atDda mesmo por continuada
<./aporacSo e diffusflo. N'este respeito 6
t icomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de venda para :
UES.MAI0S, ATAQL'LS NEIUOSOS, DOR
DE CABECA, DEBlLIDADE E
HY^TEKICOS.
. Eum certo e ligeiro allivio. Com o'bbm
>n, tem conservado sua influeuda para
cima de vinte e -cinco annos sobre todos os
Kerfumes, nas Indies Occidentaes, Cuba,
.dexico, America Cental,' e do Sul e nos
^ova toda a conGanca. o recommendamos
v.orao um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, jiqueza de odor eperman-noia, nao
pode ser igualado. Tambbm faz remover
da pelle:
ASPEREZ.4S, EMPOUS,
QL'EIMADURAS DO SOL,
SARDAS E BORBLUIAS.
Sendo rediizida com agua, se ternu uma
excelleote mistara^ para bawhar a pelle,
dando um aroseado e eor clara a cotnplei-
5S0 nublada, sendd applicada depots de
barbear, evita a irritacSo que gerabnente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, 0 cheire dbcigeta^-desappar.ee, e me-
lhora a condic&e dos denies e gengivas.
Como ba rauitas imitaoaes, as qaaes nao
possuem nonhumas d'eatas proprioUdes,
deve-se tomar cuidadoe^oiHar so.neute o
0 famoso perfume u oosnaetico do sul da
America, cham
DE
HIURW It LWHAV
Sj acba i veada >era/ todos odroguistosg
pirfumarias da moda.
1
, 0 jardiut;, da, ^s*>pr.nn?8ira' rua
p.xm a. ^^4uica)lec|o.de,ilQres as mais
hfartns qne fppisrvel itrtnrbar sp, desde 0 mais
so'telio ranralhfe^a-iiw^efeganletoso, finteir
'"ii-) : aoMleiaexo compete,"panto antes,
vjito /'"tba-ja'a emqtiaatn estao vi^waa.
Forma^^fcra assuear.
nisada< e pin^.'ias, 'pTr-pxecp corfim'od'd.
5 rua do atarqaez1-da.
' pa
Cnnha & Wan hi,
23.
Crheou 0 wrdadeiro de Pprtjand barricas
ggaudes de 400 kiln : no -arataasiH-de'iHSfle h*
nifos& <:., ca.#s./|Q Apollo.
Agns- Alriilioo-fiaziisas das h
dras Salgndas.
VAft Ruca de A^uiar.
OUSAfWGKATADAS-SOWC AS
* <*9tW- jlwaife Julio Rodrt
; l*ale da escola PVilyte
eUMea dte l.isl.-.a.
11 sltMMBaileoie padaaiavetOB daa.vias.difestiaas, arinama-s i<
ostontafu etc,-, etc,
Yende-se
NA
Pharmacia e drogaria
Gi4lft0ftrgS',do'!tnMrio n. :t'.
vaanhtao- um
Vende^-p ,1 tiverna da estrada I >s
de*'e umaf^Wca imoiaudo: atrai.r na
' aMtrtawro 11 "
Sietos
mes-
snmV> bomto dlgara^aaliikavaler'ttdt tot*
dux4a, de i&ywd<*|l*b*v.ptoprio.para Vptkip-qp
P^'BcOaaopc^a^iiV^nrfidep-Hawiao sad ^A ?""? a
*' ^nOsilMira. a -Eitamaa tMtat *?f |f*ua ...a da Penba n.6, bem af-
mV7MdrJAn--Tn7\Tn 9m*m* a lww zatJa tanto#ara a ttira corno para
u ruauc.rWKm rv ttOV na mesma.
Canfaria de List) a
Horabreiras.
Capitals.
Soleiras.
A' venda no armaaamm l& a travessa do Corpo >
Santo.
Las-para vestidos de gente
Fazenda de 800 rs., vendese a 500/s. na Aosa'
Branca e dao-se amostras:>a rua da Imperotnz n.
t-------------.....1----------1---------------------------
Lindas las escocezas..
De varios padroes, e inteirJMpote mnjc'ilk, a
360 rs o cewtdo : n raa Hrimeiro ae VUrco
aotigado Crespo a. 13, loja d:e- .< lutaaas,^
tonio Correia do Va.'conceflos.
Banho8em(>>lrda
Camisas e calcas de fazenda
propria* para os baoh n 0
arcos iraaPrimeTTn da Mar?o (v i
n, 30 A^dttGurgel dn ^marai
0 trato;a :r-* -
, Rua do Brim
Vende se zioco puro de si
prnprio para cobertas de cn*:<-
raos de comprido 0 4 de larfo
em conta._____
hapeos de sol de
a 8*00.
in p bonit.i** c.'.bo*, val
rha. apr-'feitem 1 n.
'! i Rosa Branca.
.41 l,
I-
,s

SB
-'.iiio-m no*
+*
Ma
t


^^

.'.
8
f
u
/.
Diario de Pernambueo Sexta feira 19 de Dezeaibro do 1873.
j
\

t-r
JDRISPRUDEWG'A. '
Itflatorio
k RESPEtTO DO NI-X.OCIO DO MARECHAL RAZAINK
EX-COMMAN'DANTE EM CHEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
CAPITULO IV
COSSELIIO DE 26 DE AGOSTO
(Conlinuacdo}
Actualmente o coruunjto d'oste piano 6
muito exequivol Paris osld provida tie
uma duple linha le fortes destacados, oou-
trasobrasdedefeza; e a presenga do excrri-
to do Rheno, soli as muralhas de Melz, na
froutoira, so pdde dizer, preeisametito an
alcanco das coramunicagdes do exercito
prtissiano, devo -singularmeute inquietar o
inimigo.
0 exercito do Rheno tern uma raissdo
immensa a desempenhar, e essa missao
militar pode odeve certaraente tornar-se po
litica.
Metz e, elfectivamente, nao sd uma pra
ga de guerra, mas tambcm o especialmen:
te a capital da Lorraine. Admittindo uma
serie de revezes para o nosso exercito, e a
obrigagdo que o governo tem de tratar com
a Prussia, a posse d Met/., a presenga do
exercito no acampanaento intrincheirado
qua occupanios, serao de urn peso immen-
so nas deoisdes quo occorrercm, e salva-
guar larao visivelmeute A Franca a posse da
l.orena.
Ndo se devo dissimular tambem que o
exercito nao tem munigdes do artillioria se-
nd > para uma batalha, e quo e impossivel
fornccel-o de novo s6 co.h os reenrsos da
praca. Arriscar urn cum bate para romper
as linbas inimigas, o ernprehender uma
rnarcba para refazr Paris ou qualquer ou-
tro ponto, seria expdr-se a fazer uso das mu
nigocs, e encont ar-se desannado no meio
dos exercitos prussianos, que correriam para
n6s como uma rnatilha de caes para junto
de urn veado, e a comprometter a sorte d'es-
se exercito.
Permanecendo, pelo contrario, nas'inhas
queoccuj>amos, mantereuios o exercito in-
tacto cob todos os seus ineios do acgdo,
ameagamos consttntomente as coraraonica-
rdesdo exercito inimigo, quo pdde solfrer
um cheque, e ver se obrigado a bater em
retirada, ou a concentrar-se na sua linha de
operacdes.
Podemos mudar em desastre urn movi-
mento retrogrado dos prussianos, e conser-
vamos ao paiz uma garantia poderosa em to-
do o cam.
0 exercito nao permanecerd inactivo por
isso ; podera fazer frequentos sortidas sobre
os perimetros das linhas inimigas, que ndo
teem menos de cincoenta i sessenta kilome-
tros : dard golpcs sensiveis, inquietando-os,
e podera" mesmo inutilisar os seus trabalhos,
cortar os seus comboios, e interceptar as suas
communicago-s.
Estes movimentos conservarao a moral,
mantnrdo enthusiasmo, serao mesmo fa-
voraveis ao ostado sanitario,
Opinido do geveral Frossard 0 gene-
ral Frossard foi absolutamente da mesma
opiniao do general Soleille. Accrescentou
que o exercito do Rheno, em consequencia
dos acontecimentos realisados, e elle ndo
queriacommunicaresta opinido a todooexer-
cito, estava mais proprio para defensiva do
que para a offensive.
Reina n'este exercito um certo abatimeu-
to para nao dizer deanimacao, que e facil
reconhecer. Se o poem em marcha ao aca-
so ndo se poderd contar com elle sendo de-
pois dos prineiros rombates, se forum feli-
zes. Se a eventuatidade das annas uos fo-
rem desfavoraveis, seria impossivel man-
tel-o, seria um exercicio disst.lvido e o
prestigio que ainda o aconpanha se desva-
neceria complota.nente ; seria uma derrota,
cujas consequencias sdo incalculaveis.
Como contraposigao a este esta lo, o gene-
ral Frossard exprtz, que estando o exercito
prussiano retirado, o caractor proprio do
soldado se mamfestariade uma maneira on-
thusiastica, e mudaria, sem contestagao, em
desastre para o inimigo um moviniento re-
trogrado da sua parto.
Opiniao do marechal Canmbert. -0 ma-
rechal Canrobert inclinou-se absolutamente
d opiniao do general Soleille, e do general
Frossard, no que diz rcspeito a necessidade
de ndo compromettcr o exercito em umrao-
vimento offensive ; mas poz-lhe uma restric-
gao. A moral do exercito, disse elle, nao
se mantera ; o exercito nao viverd, nem
mesmo moralmente, sendo com a condigdo
de nSo ficar inerto. E' preciso dar por to-
dos os modos, e dar por toda a parte, e in-
cessantemente.
Sahir de Metz para se alongar no interior
do paiz, com as columnas immensas de ba-
FOLHETIM.
LUCBBCIa BQB&U
MEMQRI&S DE S&TANAZ
POR
D. Hauoel Peraandezy Gonzalez
PRIMEIRA PARTE
0 GRAN-CAPITlO.
XXVI
WB COMO 0 GRAN-^.APITAO SE VIO L1VRE DE
TRES FORMOSOS IMMIGOS COM SAIAS.
' (ContinuacSo do n. 287)
Confio, disse Lucrecia, que a sua re-
conciliaQSo com a Santa Se servird de
exemplo aos outros vigarios da igreja e se
acabem por uma vez estas turbulencias
que tanto nos debilitam ; vd com Deus, Sr.
UenaroOrsini. -
Outra vez adeus, minhas senhoras ;
adeus, Sr. Gonzalo de Cordoba, disse Or-
sir'.
E ia para sahir.
F.spere um momento, disse Lucrecia.
.08'ia-me uma das condi^oes que lhu
iin'iuz, isto d, a entrega do bastardo Pedro
do f*t.ipol(!S. Onde e^td esse horaem ?
Tinhi-o prendido, respondeu Orsini,
porem h'esse momento fui accommuitido
pelo -^r. Gonzalo de Cordoba, e Pedro de
Napoles fagio. A culpa ndo foi minha ;
po prendi.
Poisbom, se desta nos escapou Pi-dro
de Napolts, para a outra vezseremos mais
felizes. Vrd com Deus Sr. Genaro.
Adeus, disse aquelle.
E shio.
Gonzalo de Cordoba ficou s4 e um tanto
fTmbaragfdo com as duns duquezas.
Isjbel, sombria e indifferent % permane-
gagens de artilheria que levamos atraz de
n6s, e n'uma so linha, e uma cousa impos-
sivel. A conclusdo e, que e necessario vol-
tar para Metz, fatigar o inimigo, e atacal-o
Eor toda a parto, e se nos deci lirmos a sa-
ir, abandooar tudo quanto nos servir de
embaraijo.
Opini&odo general de LidmirauU.E'
imposiivel ernprehender obra degrande du-
racjio, porque o primeiro ataque seria arris-
cado, por falta cfe municdes.
Opiniao do marechal Le Boeuf. 0
fiarechnl expoz, em primeiro logar, eon
t'^rmos muito onergic-s, que ndo era res-
pmsavel da situagao creada ao exercito do
llheno. Tinha suppnrtado ate t-ntaoo peso
das accusados lancadas contra a sua admi-
nistra<;do, mas declatoo que ndo tinha sido
consuitado nem ouvido, quando dizia quo
um campo entrincheirado como Metz se fi-
zera unicamente para permittir, que, ao seu
abrigo, se formasse um exercito forte e,
pro-mpto a satisfuz^r as exigencias de uma
situarao que a iniciativa do inimigo podia
crear ; ndo o consultirarn, nao o ouviram, \
e a dissiminaijdo do oxercito na fronteira
ndo era obra sua. Quoria c ncentral-o desde
o principio da campanha em vez de o divi-
dir como estava na fronteira.
Conservar o exercito do Rheno intacto, e
0 maior e melhor servigo que se p6de prestar
ao paiz, mas como o havemos de fazer
existir 1
Opiniao do general Bourbaki. 0 meu
mais vivo desejo, disse o general tem sido |
ro.nper por Chateau-Salins, e procurar cam-
po *berto. Mas se ndo temos munigSes, 6
claro que ndo podemos fazer cousa ne-
nhuma.
Opiniao do general Coflimeres. 0 ge-
neral Coffinieres partilna da opinido do ge- j
neral Soleille. e declara que a praca o os
seus for.tes nao estao em sufficiente estado
defensivo, e nao poderao supportar um ata- {
que regular senao em numero de dias muito,
emit^do ; que o. exercito devo permanecer.
dm Metz.
Indica as linhas que deve occupar nas,
duas inargens do Moselle, e as obras quoj
devo executar para alii estar soiidamentej
estabeleciilo.
0 marechal Bazaine resume da maneira
seguin'.e na sua memoria justificativa, as,
resolucoes que su tomaram naquella confe-
rencia :
a 0 exercito devia permanecer em Metz,
porque tem actualmente diante de si mais
de 20^,000 homens ; porque dd assim tem-
po d Franca para organisar a rcsistencia, aos
exercitos que se formam de se constituirom,
e porque em caso de rotirada do inimigo,
elle o cortard se nao poder causar-lhe uma
derrota detinitiva.
Eslabelece-se por outro lado pela acta
desta conferencia, e pelos depoimentos, que
o exercito deveria permanecer em Metz, por-
que ndo tinha raunigdes senio para uma ba-
talha, e que emprehen lendo uma marcha
para o interior, se expunha a encontrar-se
desannado no meio dos inimigos ; porque
linalmente a praga de Metz, nio podia, se-
gundo as ideas do seu proprio comman-
dante superior, manter-se por mais de quin-
ze dias sem a protecgdo do exercito.
Aproximando estas resolucdes das obser-
vagoes apresentadas ao marechal, apresen-
tadas nessa mesma manhd pelos generaes
Soleille e Collinieres, sorprehendendo logo o
profundo silencio que conserva a respeito
do marechal Mac-Mahon, e a respeito da
possibidlade da sua rnarcba sobre Metz.
Ndo so o marechal se calou ; masos genraos
Soleille e Coffinieres gu-;rdam um silencio
absoluto a respeito deste facto capital. Todos
os outros membros da oonferenciadeclararara
unanimementequese ndo fez mencdo dia te
dells do marechal Mac-Mahon, e do seu
exercito.
Foi na conferencia de Grimont que surgio
pela primeira vez o pensamonto, de que o
exercito ndo devia abandonar Metz. Ea-
contramos o germen dissQ nacommunicagdo
d imprensa de 20 de agosto. Mas, perante
o exercito e o paiz, s6 havia ate entdo a
questao de reabrir as. communicacoes do
exercito com o interior do paiz. Ainda a
23, o marechal entretinha o imperador com
os seus projectos de sahida.
Permanecendo era frente de Metz, diz
o marechal, o exercito neutralisava 200,000
homens.
Como se uma posigdo puraraente especta-
tiva conviesse ao unico exercito fortemente
constituido que possuia a Franca, ou se ndo
podessem levantarcontra semelhante theoria,
que, no futuro, ligitimava a inercia dos go-
vernos, e deixasso aos que eram verdadeiros
soldados o cuidado de ma liter a campanha
e de o baterem.
Permanecendo em frente de Metz, dava-se
segndo se diz, o tempo necessario i Franca
para organisar a resistencia ; e com jjne-ele-
raentos, uma vex que aquelle exercito coo-
tinha quasi todos os quadros do exercito
activo?
No caso de retirada do inimigo, elle o
cortaria, se, ndo podesse causar-Ibe uma
derrota degnkiva. Beste modo, era aos
novos recrutamentos, formed os d pressa,
quo competia repellir o inimigo para fdra dp
territorio.
Reconhecendo-se, como se veri nos cpf*!
tulos seguintes do relatorio, que o marechal
Bazaine, depois do desastre de Sedan, podo-
ria ter concorrido, da maneira mais officaz,
para a defeza co paiz por meio do operates
activas de MeU, udose poderd desculpar ter
([ueri lo restringir a simples formgons a po-
si^do do seu exercito, emquanto o marechal
Mac-Mahon marchava para elle, julgando
encontral-o no caminho.
Examine nos agora os deUlhes do valor
das noticias que determinaram a resolucao
de 26 do agosto.
A pra<;a de Melz nao podia manter-se por
mais de quinze dias sem a protecgdodo exer-
cito. O general Coffinieres, co dizer dos
membros da conferencia, avancou esta opi-
nido ; negase actualmente, e caracterist-se
mesmo severamente; mas para que foi que
elle seexpressou de maneira, que d sahida
da conferencia os seus membros levaram
uma impressdo tdo desanimadora ? Stras-
burgo que era apenas protegido por um
reciute fortifioado, manteve se quarenta o
cinco dias, e Metz cercado de fortes cahiria
era quinze dias!
Esta simples aproximacdo basta para es-
clarecer a situacdo ; accrescentaremos que
as observnQdes do general Coffinieres eram
tanto mais mal fundadas, quanto elle obti-
vera para a guarnicdo de Metz o effectivo pe-
dido por elle a 1V .le agosto. Desde aquella
data, as defezas da pra^atinham sido nota-
velmente melhoradas, e aguarnicdo^chava-
se duplicada, por isso que se devia deixar a
divi>do Castagny alem da divisdo Lavancou-
pet jd designada. O commandante soperior
de Metz nao deveria ter esquecido, que
conservacdo do exercito ia reduzir de uma
maneira mais perigosa os fornecimentos da
praja, e apressar a bora da rendicdo for-
gads. Em vez de provocar semelhante re-
solu^do, deveria fazer tudo para impedir que
fosse admittido.
O marechal Le Bceuf caracterisou muito
francamente a situa^do no seu depoimento.
Declarou que no momento em que renun-
ciava as suas funccdes de major general,
pedio ao general Coffinieres que consentisse
em retomar o commando dos engenheiros
do exercito, e em ceder-lhe o logar de
governador de Metz. Depois de ter exposto
em detalhe os recursos que os fortes offere-
ciam d defeza, o marechal Le Bceuf accres-
centou, que 6 f6ra de duvida que renovando
a questao d >s viveres, poderiara manter-se
perto de tres mezes contra ataques regula-
res.
Emfim, o exercito ndo tinha municdes de
artilharia sendo para uma unica batalha.
Esta assercdo parece mais que extraordinaria
na bocca do general Soleille, que acaba de
annunciar quatro dias antes ao marechal
Bazaine, que o> fornecimentos do exercito
estavam completamente reconstituidos, e
que possuia tantas municdes, como no prin-
cipio da guerra. Se, com os fornecimentos
existentes a 5 d'agosto, o exercito pode dar
os combatesde 6, IV, 16 e 18, sem esgotar
os depositos, e muito longe disso, cotno e
quo um novo provimento completo nSo se-
ria sufficiente sendo para uma batalha ?
E' impossivel tomar conta exacta desta
declara^do; bem culpado 6 aquelle que,
pela sua posicdo especial, vai dar a um se-
melhante erro a apparencia de verdade.
Muito mais culpado e ainda o marechal
Bazaine, que, informado sobre tudo, e
conhecendo pela carta de 22 d'agosto a
reconstituicdo completa dos provimentos do
exercito, deixa passar esta assercdo, e con-
sagra a exactiddo com o seu silencio.
A conferencia de 26 foi o ponto decisivo
do bloqueio de Metz. Foi nesse momento
que oseu chefe traceu ao exercito a posicdo
mo lhe reservava, e, para levar os seus
logaros-tenentes a associarem-se aos seus
novos intentos, occulta lhes a verdade.
Em Chalons foi improvisado um exercito;
a sua organisacdo era incompleta. 0 ma-
rechal Mac-Mahon, que o commanda, sabe-o,
e todavia n'um sentimento de generos a ab-
negac&o, poz-se em marcha para ir em au-
xilio do exercito de Metz.
O marechal Bazaine sabe-o no caminho.
Nao seria o seu primeiro dever expor-lbe a
situacao, informar os seus logares-tenentes
de tudo quanto sabia a este respeito, e das
informaQoes que elle proprio tinha transmit-
tido a respeito dos seus projectos de marcha
para o interior T
Que se ha de dizer do seu silencio a res-
peit) do ponto capital da situagdo? Seria
occultando a que esperaria obter avisos
uteis? Ndo seria evideote que avisos obti-
dos deste modo nao lhe podiam servir de
nenhum-aoxilio? Quad pode ter entdo sido
o seu fun provocando os, sendo tentar fazer
recahir sobre os seus subordinados u;na
parte da responsabilidade quo elle sente
pesar sobro si ?
Mas nao foi sufficiente que guardasse o
sileucio a respeito do marechal Mac-Mahon.
Deixou que o marechal Soleille dissesso que
ndo havia municocs sendo para uma bata-
lha. quando a carta de 22 de agosto, que
elle guardou s6 para si, declara que o
exercito estd completamente provido do
novo, e de modo a sustentar rauitos com-
bates.
Deixou dizer que a praca de Motz se ndo
podia manter mais quinze dias sem o auxilio
do exercito.
Mas so era necessario protoger Melz, se
era perigoso ir manobrar e combater em
campo a'jerlo, qual era a posicdo quedes-
tinava ao eiercito ? Encarrega o general
Soleille de a expdr, declarando autecipada-
mente quo se inclina para a sua opinido.
Poder-se-hia acreditar na sinceridade das
considerables estrategicas que so desenvol-
veram, se o marechal Bazaine nunca tivesse
tentado seriamente operar, tomando Metz
como ccntro de manobras, por isso quo
jdmais o fez, eonservando na illu'do os seus
logares-tenentes e o seu exercito, que enga-
nou.
Diante deste novo piano que se accorda,
nasce immediatamente uma grande necessi-
dade, um grande perigo. Como se ha de
sustentar o exercito sem consumir as provi-
soes da praca, e comprometter a duracdo da
resistencia 1 0 marechal Bazaine calla-se a
este respeito. S6 o marechal Lo Bteuf
exclama : Como viveremos n6s?
Todas estas reflexoes, todos estes projec-
tos sao agitados no meio de uma discussdo
confusa, que ninguem p6de resumir. Mas
no extremo da sala obscura em que se faz a
conferencia, estd ocoronel Boyer, ajudante
de campo do marechal Bazaine, que toma
aporitamentos.
Estes apontament )s sdo transformados era
um processo verbal, e foi s6 quando appa-
receu, muito tempo depois da guerra, a obra
do marechal, que os membros da conferen-
cia souberam quo existia um processo verbal
formado, sem terem sido chamados para
examinar a sua exactiddo.
A responsabilidade das suas resolucdes,
que a 26 de agosto, o marechal fez recahir
sobre os seus logares-tenentes aos olhos do
exercito, quiz mais tarde impor-lh'a perante
a opiniao publica.
Foi com esse flm manifesto que o general
Boyer levou de Metz, quando se dirigio a
Inglaterra, e entregou, em 2 de novembro,
a Mr. Tacoard, o siogular processo verbal,
que tinha redigido.
Este documento devia ser communicado d
delegacdo de Tours. 0 marechal jd pre-
parava a sua defeza, compromettendo os seus
subordinados, depois de os ter enganado.
O summario mostra tambem que antes de
reunir os commandantes dos corpos, jd a sua
resolucdo estava tomada. Na sua ordem de
movimento para 26, ndo indica nenbuma
disposicdo acerea das equipagens de ponte,
s antes da sua chegada ao castello de Gri-
mont, jd tinha suspendido o movimento da
guarda imperial. O general Bourbaki depoz
a rcspeito deste ultimo facto, e o marechal
reconheceu-o no seu interrogatorio:
Para evitar to lo o accumulamento, e
a ter tambem gente na margem esquerda
a disse elle, a guarda o artilharia de reser-
va deviam seguir pelo valle no caso de
marcha sobre Thionville.
Deste modo o marechal, que, seguindo a
margem direita de Moselle, ha de ser cons-
trangido a repassar aquelle rio, priva-se
voluntariamente dos raeios de o fazer ; ndo
terd d sua disposicdo senao a unica ponte de
Thionvillo. Pensa deixar a guarda e arti-
lharia de reserva na margem esquerda, e
ndo conduzird as pontes que lhe davam o
meio de pdr em communieacdo as duas
fraccdes do seu exercito accumulado sobre
o Moselle.
0 marechal, para explicar estas dispo-
sicdes, diz, e verdade quocontava, no caso
de exito, tirar vantagem das pontes do ini-
migo ; mas ndo seria isto contar com. um
recurso muito eventual ?
No seu depoimento, indica o general So-
leille, quanto d decisio relatiya ds equipa-
gens de ponte, um raotivo mais serio ; d ar-
tilharia, em consequencia das perdas de
cavallos que tinha soffrido nas batalhas pre-
cera n'uma cadeira, o como viraos, ndo
pronunciara uma unica palavra. -i
Queira-n explicar-me, minhas senho-
ras, como 6 que as encontro aqui, disse
Gonzalo.
Esta noite foi prod:ga em aventura,
Sr. Gonalo de Cdrdoba, respondeu Lucre-
cia ; Isabel o ou explicamo-nos reciproca-
mento, a nossa inimizade terminou, e vie-
mos juntas buscar Genaro Orsini. Quero
crer que se nao tornard a quebrar a nossa
amizado.
Mas para que vieram entender-se com
Orsini ? proseguio Gonzalo ; para isso bas-
taya que man-Jasse o meu bom amigo Hago
de Moncada com algumas tancas.
Tive raedo, Gonzalo, francamente Ih'o
digo ; necessitava apoderar-mo, por meio de
Orsini, de um homem terrivel, do qual,
por sua culpa involuntaria, nio consegui
apoderar-me. Esse homem que julgam
morto ha cinco anuos, resuscitou para con-
verter-se n'um terrivel inimigo men, n'nm
inimig occulto, que fere d traicdo, que se
encobre, que se transforraar de quern nos
ndo podemos defender porque e invisivel ;
e jd queencetamos o capitutodasperguntas,
quer dizer-me a razdo porque sabio de Ro-
ma com a suo gente de guerra ?
Porque as minhas atalaias viram sahir
para o campo, um apds o outro, dous es-
quadrdes, e em havendo gente armada por
onde eu ando, tenho por costume averiguar
\ razdo porque se armou, para onde vai e
que p.etende fazer. Julguei que pratican-
do aswim, servia lealmente fl sua santi.
dade.
Obrigado em tt.-HM 4 SMlO PufC,
disse Lucrecia.
^ E veja, minha senbora, prosegulo
Gonzalo, Heus ajuda os bons propositos.
Ha de creditar. Isabel, que em consequen-
cia d'esta excursdo nocturna, descobri 0 es-
conderijo onde tinnam prisioneira uma das
suas damas, que dosopparcceu iW fltos, e
cujo pai teve o atrevimento de accusar-me
de ter sido eu quern a raptara ?
Angtolina Crespi 1 exclamou Isabel
com alegria, levantando-se porque sabia que
aquelle sra um golpe rude para- Lucrecia ;
pois, encontrou Angiolina Crespi ?
Sim, por um feliz acaso, replicou
(ionzalo. I magi nem, minhas senhoras, que
alguos dos meus soldados penetraram nas
ruin as de um convento. proximo de Vele-
tri, perseguindo a gente de Orsini que se
refugiara n'ellas quando lhes appareceram
alguns frades franciscanos com Uchas ; os
taes frades eram simplesmente bravi dis-
l'argados, que para imporem medo ou es-
pauto, pretendiam passar por almas pana-
das ; em vez da aterrarem a minha gente,
tiveram medo d'ella, e confessarara que es-
tavam de guarda a uma da ma que conserva-}
vam encerrada n'um subterraaeo das rui-
nas. Avisaram-me d'isto, e vi com assonv
bro e alegria que a dama prisioneira era
j Angiolina Crespi.
E que fez d'ella ? perguntou Lucrecia
sombriamente.
- Trouxe-a comigo, estl coofiada aos
meus capitaes, e jd que nos entendemos,
vou manda-la subir eentregar i senbora
duqueza de Urbino para que a leve a FIo-
' renca e a entregue a seu pai, por pedido
'meu. Old, alferes Majuefo I
I Aquelle nio tardoo era appareoer.
Diga ao capitdo Illeacas que traga a
) dama que lhe conflei, disse Gonzalo, liig
cedentes, faltavam na sua opinido, parelhas
em numero sufficiente e levava-se de prefe-
rencia a reserva das munifdes.
Para que esta razdo fosse valiosa, seria
necessario que houvesse existido realtnente a
obrigagao de escolher eatro a reserve de
cartuchoa e a equipagem de pontes.
Ora, havia nesse momento uns 13,000
cavallos de comboios dentro da prac,a. Ndo
se poderiam encontrar entre elles as pare-
lhas-necessarias, quando se ndo qufzesse
recorrer aos gados de comboios civis, como
foz o proprio general SoleiHe para a reserva ?
A parte do relatorio que diz respeito ao ser-
vice de artilharia mostra igualmente, que
aquella medida nao era indispensavel, e que
poderia ter encontrado no recurso do proprio
exercito sufficientes parelhas para tirar a
equipagem de pontes. Se o marechal o nao
fez, foi porque ndo quiz sabir.
Em presenca de todos estes factos que
acabam ds se referir, que podia produzir-se
do projecto da sahida do marechal ?
Adiou a opcra^do ; o tempo, disse elle,
estava mao. Como e que ndo estava igual-
mente mdo para o inimigo I E as tropas,
no meio de uma confusao inexplicavel, vol-
taram aos seus acampamentos.
No dia immediato, 27 de agosto, estava o
marechal Mac-Mahon em Chene-Populeuse.
Ndo recebendo nenhuma noticia do Metz,
hesitou ; depois partio novamento para ir
era auxilio do exercito do Rheno.
O marechal Bazaine indica no seu registro
de correspondencia, que no mesmo dia 26
escreveu ao ministro da guerra :
Continiioera Metz, com as municdes de
artilharia unicamente para um combate E'
impossivel forcar as linhas inimigas, nestas
condicdes, atraz das suas posigdes entrinchei-
radas.
Nenhuma noticia de Paris, nem do es-
pirito nacional; ha urgencia do a* ter;
operarei efficazraente, se um movimento of-
fensivo no interior forgar o inimigo a bater
em retirada.
Neste despacho, declara o general, para
justilicar a conservacdo do exercito em Metz,
que e impossivel forgar as linhas do inimigo,
atraz das suas posigdes entrinchciradas.
Esta opinido ninguem a tinha eraittido
em conselho. Os commandantes dos corpos
perguntados a este respeito, declararam ter
tido uma opiniao contraria.
O momento em que o mirechal escrevia
qua era impossivel sahir de Metz, era effec-
tivamente aquelle em que o exorcito pode-
ria ter atravessado com mais facilidade as
linhas inimigas. Dous corpos do exercito
tinham sido destacados das tropas de ataque
para apoiar os exercitos allemaes que opera-
vam contra o marechal Mac-Mahon. 0 ma-
rechal Bazaine tinha sido prevenido disto
pelos seus emissarios, e se tivesse podido
acerditar, a 26, na impossibilidade da sahi-
da do bloqueio, nao teria deixado de invo-
car perante os seus logares-tenentes este mo-
tivo da sua inaccdo ; o que o teria dispen-
sado de produzir outros.
No processo verbal da conferencia, disse
elle proprio que o inimigo naquelle dia
tinha mostrado poucas tropas, e que ndo
aceitara o co.nbate que lhe havia offerecido.
O despacho ao ministro ndo foi o unico
expedido naquella occasido pelo comman-
dante era chefe do exercito do Rheno.
Deveraos lembrar-nos que a 27 de agosto,
o coronet Tournier fazia passar por meio do
procurador imperial Lallemant um despacho
do marechal Bazaine para o marechal Mac-
Mahon, que era concebido nestes termos :
As vossas communicacoes estdo cortadas,
mas fracamente : podemos atravessar quando
quizermos ; esperamo-vos.
Este despacho deve ter partido de Metz a
26 de agosto.
Desta modo, eraquanto o marechal escre-
via ao ministro que era impossivel forgar
as linhas inimigas, annunciava ao marechal
Mac-Mahon que passard, se quizer, e que o
espera.
Seria superflua toda e qualquer reflexdo,
diante do contradicdes tdo formaes.
Os dias 27 e 28 passaram-se sem inci-
dente.
A 29 chegou ao marechal Bazaine um
despacho de Thionville, que dizia assim r
c General Ducrot cammanda o corpo Mac-
Mahon ; deve encontrar se boje 27 em
Stenay, d esquerda do exercito; o general
Douay d direita sobre o Meuse. Esteja
prompto a marchar ao primeiro tiro de
canhao. ( Assiguado) Tournier.
Este despacho t.nha sido expedido por
Thionville pelo general Ducrot, do seu cam-
po d'Alligny.
Tinha alii sido levado com risco de vida
pelo corajoso cidaddo, Mr. Lagosse, indus-
trial e maire de Mongton. O coronel Tour-
nier fei-o passar logo ao; marechal pelo
sahida de dous esquadrdes pela porta Latina
e peta porta de S. Lourenco.
Ha, pofe, que dar graces d sua previ-
sdo, replicou com despeito Lucrecia que
adivinhava quaes podiam ser as intengdes
do gran-capitao trazendo alii Angiolina.
N'aquelle momento. entrou ajoven ej>a-
rou ^ssombrada, irresoluta, vendo Lucrecia
e Isabel.
As tres mulheres mais formosas da Italia
achavam-so reunidas alii, diante de um
grande homem amado pelas tres.
A situagdo ndo podia ser mais difficil, e
Gonzalo deu-se pressa era evitar um escan-
dalo.
Lucrecia dava mostras de que em breve
rebentaria a tempestade.
Isabel continha-se a muito custo.
Angiolina, passado o primeiro momento
de sorpresa, comprehendera a situagdo e
^wparara-se para tudo,
Angiolina, disse o gran-capitao, deve
a sua liberdade tanto A duqueza dela Rou-
mania como d de Urbino, como a raira, e
mais do que a mim a estas senhoras, por
quesemellas nio teria podido liberta-la.
- Si a, wages a estas boas senhoras,
replicou Angtolina com sarcasmo, esobre-
tudo gragas a si, Gonzalo, de quem espero
tudo.
Estas palavras forara pronunciadas com
uma inilexto tal, o olbar de Angiolina &-
xou-se de um tal modo no gran-capitao, que
este. temeu um escandalo.
Lucrecia mordeu os labios despeitada,
agente de policia Fahlbt, que jd tinha feif.
outra Jornada a Metz. )
No mesmo dia, 29, deram-se ordew pa;a
recomecar no dia immediato, 30, afcperagao
projectada para 26. Era effectivamente ur-
gente reparar o maif breve possivel, o temy,
perdido a marchar em auxilio do mrfechal
Mac-Mahon. Todavia essas ordens Tbram.
contr*roandadas, nesse mesmo dia, sem que
se possa encontrar um motivo seiio do se-
meniante adiamento.
A 30 chegou a Metz, por via de Verdun,
o despacho expedido a 21, de Reims, pelo
marechal Mac-Mahon, concebido assim :
Recebi o vosso despacho de 19, em
Reims; encaminho-me na direcgdo de Mont-
medy ; cstarei depois de amanhd no Aisue,
donue operarei, segunlo as circurastancias,
para ir em vosso auxilio.
Este despacho tinha sido igualmente ex-
pedido a 22 por via de Thionville, e acha-
va-se desde 23 nas mdos nier. 0 tc-xto cifrado deste despacho era
precedido das seguintes palavras :
Mandai ao marechal Bazaine o despa-
cho junto, muito importante. Fazei com
que lhe cheque por meio de cinco ou seis
emissarios dilferentes, aos quaes pagareis as
sommas necessarias pelo deseiapenho da
sua missao. .
Apesar desta reeommendagdo instante,
Flahaut ndo o levou a 29, e o summario
tera direito de concluir que se o coronel
Tournier ndo aproveitou aquella oecasido,
e porque sabia que o despacho jd tinha che-
gado tarnhe<'u ao seu destino.
Estas palavras esperamo-vus no des-
pacho entregue a 27 pelo coronel Tournier
a Mr. Lallemant, mostra por outro lado, que
o marecbal Bazaine conhecia a 26 a marcha
do seu logar-tenente.
Couparando o despacho do marechal Mac-
Mahon com o do general Ducrot, transmit-
tido pelo coronel Tournier, o marechal de-
via presumir. como elle proprio escreveu,
que o exercito de Chalons se uchava prova-
velmente, a 30, a umas vinle leguas de
Metz, ou taloez a quinse. Por consequen-
cia a 31 de manhd, renovando as ordens
dadas na vespera, e indicando como objec-
tivo a tomada do castello de Santa Barbara,
desenvolveu o seu exercito na frente dos
fortes Quenleu e S. Julido.
Desgragadaraente nao se fez nenbuma
modificagao esseucial na ordem de marcha
de 26, e se fosso construida uma terceira
ponte ao po da uuica rampa de S. Julido,
ndo se utilisaria de nenhuma das duas
pontes da cidade.
Quanto ds equipagens do ponte, ndo se
prescreveu que fossera conduzidas ; o exer-
cito ndo tinha pois para repassar para a
margem sendo a ponte de Thionville. Emfim,
todas as disposigdes, de que a experieocia
da demonstracdo de 26, tinha feito reco-
nhecer os inconvenienles e perigos, forara
de novo prescriptas, e produziram os mesraos
resultados.
Eram duas boras pouco mais ou menos
quando o exercito estava todo reunido na
planicie. De toda a parte apparecia o ini-
migo. 0 posto de observagdo da cathedral
advertia a cada instante o marecbal dos
movimentos de coucentracdo que se opera-
van). Nada mais instante do que a leitura
dos despachos, que se succediam de uma
maneira continua, mas que todos encontra-
vam o marechal imperturbavel.
Uma vez reunido o exercito, chamou os
commandantes de corpos, deu-lhes as suas
instrucgdes, mas depois oceorreu-lhe a idea
de fazer collocar no caminho de Santa Bar-
bara uma bateria de grosso calibre para
contrrbater a artilharia iniraiga. Foram se
buscar as pegas do forte de S. Julido, e
construio-so tdo rapido quanto era possivel,
uma espalda para as cobrir.
Neste meio tempo, reforga-se o inimigo ;
em massa, occupa as posigdes que desde 26,
esclarecido pela demonstracdo que se fez
naquelle dia, tinha fortiQcado e poderosa-
mente arraado. Emiim, ds quatro horas,
dd-se o signal, e o combate empenha-se.
Sabe-se que esforgos exigia a tomada das
posigdes de Noui.lly e de Noisseville, que as
avangadas do 3. corpo tinham occupado,
sera pelejar no dia 26, e como ainda se ndo
tinha alcangado sendo a povoacio de
Servigny, quando a noite veio forgadamente
pdr termo ao combate.
As nossas tropas estenderam no terreno
que acaba vam do con pjistar. No 1." de
setembro, ao romper da manhd, expedio o
marechal aos commandantes do 3.*, 4. e
6. corpos,
cial:
Rouraania, e o capitdo da tropa da senbora
(' dnqueza de Urbino.
Majueiu iaclirou-so e sabio.
, Senaofoaaacu, disse Gonzalo, sabe
Deus o qoe iimmlmj. One iaprudencia
' a sua, Lucrecia Isabel, viatlo ntregar-se
[lequena guarda qua tenha an oadt tmt
das portas de Roma qoe mo twwram eta
tambem que se aproxinjeiR o capitao da, Isabel empalKdaceu mortalroente.
f;%te ue acmaa ua senKora iuqueza-tle la Graces a Deus, proseguio o gran-ca-
pitlo, asoa houra padeceu cousa algama
com" CStas aventuras* esul completamente a
salvo. A senhorar duqueza de Urbino pro-
metteu-me leva-la para Florenga, onde s-n
pai se enontra Actualmente, e entrega-la a
elle. A senhon duqueza de la Roumania
itas mios d'estw banaHoif faatt-rri5 fari quanto estiverao sen alcance, para que
s^tt pai, reennhecendo o
serperd'oido pelo santo
seft erro, posw
padre, e river It*
vremente em Roma, ndo 6 assim, minhas
senhoras ?
E', responderam as doas duquezas
vendo que o gran -capitdo se separava vo-
luntariamente de Angiolina.
Esta poz-se a chorar.
Sahio do poder de Lucrecia para catair de-
baixo do dominio de seu pai, e da terrivel
vinganga de Savonarola.
Gonzalo apressou-se em terminar aquella
situagdo difficil, convidando as tres senhoras
para que o seguissem.
Pouco tempo depois afastavam-se de Vo-
le tri tres esquadrdes.
O primeiro era odo gran-capitdo, ose-
gundo o de Luc ecia que ia a cavalto junto
de Francesco Buotti; o terceiro o da du-
queza de Urbino que com Angiolina ia
tambem a cavallo na frente do sea esqae-
drio.
Ao chegar junto da lagoa de Veletri, os
exploradores do ^squadrio do granr-capitao
pararam.
Tinham vislo o brilho de arnezes junto
da lagoa.
Depois de se fazer o competcnta recpnhe-
cimento, vio^e que- era gente da Orsini.
Porque razdo pararam aqui 1 pergun-
tou o gran-capitio.
O nosso chefe acaba de raorrer, res-
pondeu somb amenta Sebastiao.
Dia bo I murmurou o capitdo Dlescas,
n'este paiz morre a gente sem saber como
nem porque. # _
Com tudo, restara ainda Orsinisque
vinguem os Orsiois assassinados, proia-
gnio Sebastido. Ah I se tivessemos morto
essa rerpente, em lugar de a deixar fa liar
com o nosso chefe, teria sido meihor. I
olbar doa Borgias envenenaw -
Arrangsffl-se como poderem, disse o
capitdo llloscas ; taaso melhot qja^nodem,
fazer e sahir dos estados romanos,. porque
oaanjeaea de to,los la^os tot*-
E, voltando o cawlte, foi darpartor ao
a seguinte ordem confiden-
(Continuar-se-ha)
gran-capitio do que Sebastido lhe bavia
dito.
Oh exclamou Gonzalo, que nos im-
porta isso ? avante; 6 um bandido de
menos.
E, pondo-se era marcha, disse com si go
mesmo :
E necessario confessar que ha mulhe-
res que parecem anios e sdo demonios ; fe-
lizmente esta noite li vrei-me das tres e aca-
ba ram-so para mim estas aventuras.
E o gran-capitdo i frente do esquadrdo,
continuou a passo para o seu caminho.
As duas horas da noite entrava em Ro-
ma-pela porta deS. Sebastido.
Isabel pela porta Latina, e Lucrecia pela
da S. Loureogo.
Quando o gran capitao entrou no Vatica-
no, encontrou esperando-o um correio que
chegara de Hespanha.
O correio era portador de uma mensa-
gem em que os re is catbolicos lbe di-
ziam :
Saia de Roma, e o papa que arrange
os seus negocios como poder. Passa com o
exercito para Na poles a esteja da atalaia ;
isso quanto antes t
Foi na melhor occasido I exclamou
com alegria o gran-capitao. Bom e que
os rois nossos senbores fagam collocar entre
mim e Locrecia todo o espacp que va* do
Roma a Napolcs. Apezar de que essa mu-
Iher maeaoca h rror e despreso, domina-
me, ea*tiaga-rae, e e necessario fugir'
d'ella como do proprio satanaz.
E, sera perder um instante, Gonzalo deu
ordem 4 sua gente qua Jestivesse prompta
para marchar.
Lucrecia racebeu tambem ordem do papa
para majchar incogpitamento para fto-
renga.
A duqueza de Uebino partio dous dias
depoispita Florence, levando comsigo An-
giolina.
?~TY?DO D1ARW.-RUA DUQUE DE (JAMaS.
'
I
r
(
4
V----,------***---------------------------- m

c
H
f
' N <


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQWJ9VVTM_TZDS2F INGEST_TIME 2014-05-23T21:55:32Z PACKAGE AA00011611_20013
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES