Diario de Pernambuco

leclarados.
ESTABELECI ENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. vt.....306^000
Rua da ViraQio
Casa teorea n. 7 (fechada) 312*000
Travessa do S. Jose.
Casaterrean.il.......2015000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......42U000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechada) .... 1:0005090
Rua da Guia
Casa terrea n. 25. ...... 2001000
Ruo do Pilar.
Casa terrea n. 98.......241=5000
Casa tereea n. 99 (fpchada) .... 35.4000
Idemn. 10i).........241 iKK)
Idem n. 102........24l*00i)
Idem n. 108 .......207,5000
Rua do Rosario da Boa Vista
Casu terrea n. 58. .......245*000
Una da Moeda.
Armazem n. 37 (feehado) 8P050QO
Os prelendentes dever 0 apresentar no arto da
jrrematacao as suas Bancas, ou compareoerem
www panhados dos respectivos Hadorcs. dewndo
pagar alem da renda, 0 premio da quantia em
iue for seguro 0 predio que contiver estabeleci-
nento commercial, assim como 0 servieo da lim-
peza e preeos dos apparelhos.
Secretaru da santa casa da misericordia do Re
;ife, 5 de novembro de '873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
CONSKLUO DE CO.VIPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA. .
0 conselho conirata no dia 16 do corrente mez,
a vista de propo-tas r -cebidas ate as 11 h iras da
maaha, 0 forneci^ento ao arsenal de marinln. por
tres mezes, tin Ins em inargo do anuo proximo
v.ndouro. de carvao de ferreiro, cimento, 0 de
carvao coke, assim corto tambem conirata 0 for-
neciraento pelo raeimo tempo, dos segumies objec-
tos de fardamento.
Para aprendixes artifices.
Bonets de uniformo, bonets do servico, blnsas de
brim nranco, hlusas de algodao azul, blusas de
panno azul. caleas de brim branco, calcas de algo-
dao azul, camisas de algodaozinho, cofiertore- de
la, cobertores de algodao, cintos de couro branco
inveriiisado, calgas de panno azul, eolchoe; de
linho cheios de |ialha, f run his de algodSnduho.
lencjs deseda preta para gravatas, lencoes de al-
godaozinho. sapatSes, saccos de guardar roupa e
travesseiros de linho cheios de pallia.
Para artifices avulsos.
Blusas de panno azul. blnsas de algodao AzqI.
calcas de brim brmco, calcas de panno azul. ca-
misas de algodaozinho e cintos de'eouro branr.o
invernisado
Para imperiaes marraheims, aprendizos ditos
0 marinhagem.
Bonets de panno aiul ferrote, calcas do panno
azul ferreta, cimisas de brim branco, calcas de
flaneHa azul ferrule, camisas de Sanella azol fcr-
rete, camisas de panno azul ferrtte, calcas de
awn
Ull


__.'
Diario de Pernambuco Terca feira 16 de Dezembro de 1873.

brim branco, cole wes de linho cheios de palha,
cobertores de la, fardas de panao azul ferreto,
lencos de seda pret.i para gravala, sapatfies e sac-
cos de lona de maiintiagem.
Sala das sessSe;. do cnnselho de compras de
marinha de Pernambuco, 10 de dezembro de 1873.
0 secretario
Alexandre Rodrigues dos Anjos.
= 0 administrador da recebedoria de rendas
inlernas geraes fa/, sciente aos eontribuintrts da
ileeinw addicmnal, (|uc e no correnle moc de de-
zembro 'me tem de ser pago, sen multa, o pri
meiro semcsire do exercicio de 1873-74, e com a
multa de 0 ()|0 depute do referido inez.
Ueeebedori i do Pernambuco, 5 de dezembro de
1873.
Manoel Carneiro de Smiza Lacerda.
Santa Oasa da Misericordia
do Recife.
A junta adminislrativa da Santa Casa de Hise
ricordia do Recife, c mpetenlemente aulorisada
pela presideneia, em data de 3 de setembro do
anno proximo Qndo, e de conformidade com o qne
lispSe o 9.* art i>2 do sen compromisso. per-
mota por apolices da divida publica a fazenda de
mar gados que possae o patrimonio do? ''-ta-
belecimentos de caridade a sen cargo deno;;>iua-
da Carnauba sita no termo de Flores Jta
provincia, com terrenos para criar e plantar, *
com algura gado cavallar e vaccnra.
Recebe para isto propostas nesta secretaria att
o dia 10 de dezeint ro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 10 de outubro de 1873.
0 escrivao,
__________________Pedro Rodrigues de Souza.
O a lministiador da recebedoria do ren-
das internas geral faz publicoque, em virtu-
dedadisposicaodo art. 12 eda ultims parte
do art. 22 da lei do orcamento vigente n.
2,348 de 25 de agosto ultimo, a multa de
que trata o art. 30 da lei n. 1,507 de 26 de
setembro de 1867, que e" de 6 % 4 1ue es"
tao snjeitos os seguintes impostos, a saber:
decima additional, imposto pessoal, dito
sobro industrias e profiss6es e taxa de es-
cravos, sera elevada a 10 %. do dia 21 do
corrente em diante, pelo que previne a to
dos os contribuintes dos referidos impostos,
relativos ao exercicio de 1872 a 1873, em
liquidacao, que sdmente ate ao dia 20 des-
te mez 6" que podem e devem realisrr o pa-
gamento ou em mao dos cobradores ou nes-
ta recebedoria, certos de que se nao fizerem
ate ao referido dia 20, serao obrigados a
pagar judicialmente os supraditos impostos
com a multa de 10 %
Recebedoria de Pernambuco, i de dezem-
bro de 1873.
Manoel CarneirO de Souza Lacerda.
"J^-^Jo dia 20 do corrente mez, depois da audiencia
do Sr. Dr. juiz direito substitute daseganda vara,
. jein a* jr g_ jjfc^ __| #& (cfrea ffleia-agSa
jj. 210, oa rua Vital de Ncgreiros, coin duas ncr"
' las na frente, 20 palmos de largura o ..30 ditos
de fund, rcpartida por taboas, em mao eslado,
chao foreiro e avaliada por 700i.
Outra dita de n. 220, na rua do Coronel Suas-
suoa, a quai faz findo para a casa acima, com
daas porta* de frente, 22 palmos de largora e 30
de fundo, tamhem repartida por taboas e em chao
loreiro, avaliada por 600, as quaes foram penho-
radas a loao Rodrigues Lima e sua mulher por
exeeucao que contra os mesmos encaminha Fran-
cisco Felix Goncalv.-*. Escrivao o Sr. Baptista.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A junta administrativa da sinta casa da mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to dos generos abaixo declarados, qne tem de con-
sumir os estabelecimeutos pios a seu cargo, ex-
ceptuando o hospital Pedro II, no trimestre de Ja-
neiro a marc/) do proximo anno de 1874. Recebe
propostas na' sala de suas sessoes, pel as 3 horas
da tarde do dia 18 do corrente.
Aletria, kilogrammo.
Aguardente, litro.
Azelte doce, idem.
Arroz do Maranhac, idem.
Bacalhao, kilugrammo.
Banf-a ae porco, idem.
Batatas, idem
Cfi;i hyssoD, idem.
Cafe em graV, Idem.
Cirne geeca, idum
Cebolas, c nto.
Farinha de mandioca da terra, litro,
Feijao mnlatinho, idem.
Farello, sacco.
Fumo do Rio, kilogrammo.
Gaz, lata.
Milho, sacco.
Manteiga franceza, kilogrammo.
Potassa. idem.
Rape, idem.
Sabao, idem.
Tapioca, idem.
Toucinho, idem.
Velas do carnauba. kilogrammo.
Vinagre, litro.
Vinho tinto de Lisboa, idem.
Vinhu branco, idem.
Velas stearina3, kilogrammo.
Sal, litro.
A junta administrativa da sauta casa da mise-
ricordia do Recife precisa contratar o fornecimen-
to de pao e bolacha que tem de consumir todos os
estabelecimentos pios a seu cargo, no trimestre de
Janeiro a marco do proximo anno do 1874. Rece-
be propostas na sala de suas sessoes, pelas 3 ho-
ras da tarde do dia 18 do corrente.
A junta administrativa da santa casa da miscri-
eordia do Recife precisa contratar o fomecimento
de assucar refinado quo tem de consumir todos os
estabelecimentos pios a seu cargo, no trimestre de
Janeiro a marco do proximo anno de 1874. Rece-
be propostas na sala de suas sessoes, pelas 3 horas
da tarde do dia 18 do corrente.
A junta administrativa da santa casa da miseri-
cordia do Recife precisa contratar o fornecimento
de carne verde que tem de consumir todos os es-
tabelecimentos pios a sea cargo, no trimestre de
jaueiro a marco do proximo anno de 1374. Re-
cebe propostas na sala de suas sessoes, pelas 3
horas da tarde do dia 18 do corrente.
Secretaria da santa casa da misericordia do
Recife, 10 de dezembro de 1873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
Hospital militar
Precisa-se contratar para as dietas dos doentes,
e racSes dos empregados do mesmo hospital o for-
necimento dos generos abaixo declarados, durante
o trimestre de Janeiro a marco de 1874, a saber :
Aletria.
Araruta.
Arroz pilado.
Assusar reGnado
Batatas inglezas.
Bolachas.
Bolachas inglezss.
Bananas.
Biscoutos.
Carne de vacca.
Canie secca.
Carne de porco.
Cba hysson.
Cafe moido.
Doce de goiaba.
Farinha de mandioca.
Feijao mulatinho ou preto.
Gallinhas.
Lenha, achas.
Laranjas.
Manteiga ingleza,
Manteiga franceza.
Marmellada.
JMaearrao.
esde 114,763 grammas.
Paes de 12b' grammas.
Sal
Tapioca.
Toucinho de Lisboa.
Vinagre de Lisboa.
Vinho do Porto.
Ovos.
Todos Mtesg.ueros devem ser da 1' qualidade
a carne verde cao deve conter no peso que se
igedir mats d>> quinto em ossos. e todos sao medi-
dos e pf..idns pelo *yjtrra nltlmamente adoptado.
Cmtrata amdji j me t.j hospital e para o re-
ferido trimestr*;
Sanguesugas de Harabnrgo.
Lavagem e concerto de roupa.
Contrata se igualmente o fornecimento dos ob-
jectos abaixo declarados, para o expediente da
reparticao, a sab, r :
Penas d'aco Perry, caixas.
Lapis.
I'antftas.
Canivetes.
Papel greve paulado.
Papel li?o.
Papel Jcsri.
Obreias, paes.
Tinta violela da verdadeiri.
Gomm'arabica, Irasco.
Envelope para offlcios, cento.
Papel inaUa-borrio, cadern'i.
As peuoa-) qne <|uizerein forn'c^r os objectos
acima mencionados, aprc-ioatein iia secrotaria do
mesmo hospital, no dia 16 do correute mex, pelas
10 horas oa manha, suas propostas em cartas fe-
chadas, e as respectivas amostras.
Hospital militelde Pernambuco, 11 de dezembro
de 1873.
0 escrivao
______________ Avelino Pereira da Cunha.
Western and Brazilian Tele-
graph Company Limited.
0 vapor Hooper, agora ancorado neste
porto, vai immergtr a segunda sec^ao do
abo quo ha de ligar Pernambuco "d Bahia e
Rio de Janeiro, e espora-se que a commu-
nicacSo por toda a estensao do cabo, desde
o Rio de Janeiro ao Pard serd aberta ao
publico no proximo mez de Janeiro.
As taxas pelos telegrammas expedidos de
Pernambuco serao as seguintes ;
Para o Pard..........15JO00 cada palavra
a Bahia ........ 18000
o Rio de Janeiro. .1&500
Os nomes e o endereco dos destinatarios
e remettentes serao incluidos no numero d3S
palavras a pagar.
Telegrammas para lugares dentro do pe-
rimetro d'um kilomelro da cstacao tele-
graphica serao entregues livres de despezas,
mas os que execderem pagarao 500 rs. por
cada kilometro ou fracc,ao.
Quando qualquer telegramma for entregue
por meios especiaes, a despeza feita correrd
por conta do recebedor.
A somma de 200 rs. serd cobrada para
portes do correio nos telegrammas destina-
dos aos portos do Brasil e a de 500 rs. na-
quelles destinados ao estrangeiro.
0 remetiente do telegramma tem a esco-
Iha de pagar a resposta que desejar seja
dada pelo seu corre'pondente, se este quizer
que a resposta s6 conste de 10 palavras, as
palavras (resposta paga) serao inseridas no
telegramma e cobradas, mas se elle desejar
que conste de maior ou menor numero, entfio
6 numero de palavras serd declarado em se-
guida ds palivras resposta paga, porexem-
dlo : resposta paga, quatro palavras e estas
serao igualmente cobradas; se o remetteute
para maior seguranca quizer queo seu tele-
gramma seja repetido o poderd faze", pagan-
do a metade do custo do mesmo.
Estao feitos accordos em virtude dos quaes
podem expedir-se telegrammas para todas as
partes do mundo: do Pard pelo vapor ame-
ricano que sabe daquelle porto para S. Tho-
maz a 5 de cada mez e dalli serao telegra-
phados ao seu destino, os precis para taes
telegrammas que agora podem ser pagos
adiantados ate ao seu destino, podem ser ob-
tidos, procurando-so nas respectivas estagoes
telegraphicas.
Por accordo feito entre duas companhias,
a linha da Platiuo Brasileira Telegraph
Company[serd trabalhada por esta empreza, e
no complemento das linlias, o que se espera
dentro em poucos mezes havora. cotimuni-
ca^ao telegraphica directa entra as principaes
cidades do Brasil, Montevideo, Buenos-Ayres
e costa do Pacifico.
Pernambuco, 6 de dezembro do 1873.
Roberto H. Hyde,
Gerente do trafego.
Arrematagao.
Por despacho do Exm. Sr desembargador juiz
privaiivo de orphaos tera lugar sexta-feira, 19 do
cor:ente, depois de sua audiencia, ao meio dia, e
perante elle no 1 andar do sobrado n. 40 da rua
da Imperatriz, a raquerimento do inventariante dos
bens do finadd Leopoldo Ferreira Martins Ribeiro,
a arrematacao por venda das joias, ouro, prata,
moveis e louca, constando as obras de ouro e joias
em pulceiras de ouro com brilhantes, de rubins e
perolas, e de ouro de diversos gostos, de annel de
brilhante, de esraeralda, de brilhante e esmeralda,
e de ouro, de uraa volta de ouro com cassoleta,
correntao, trancelins. cadeia para relogio, adere^os
de mosaico, de camapheu, de coral, pares de brin-
cos .e diversos gostos, botons para abertura e pu-
nhos, relogio; as de prata em sete salvas, seis ou-
tras.pequenas para garrafas, diversos pares de cas-
ticaes, cafeteira, paliteircs, assucareiro, copos de
prata, bandeja com thesoura para espavitar velas,
escrivaninha, maraca, colheres para tirar arroz,
conchas para repartir soupa, trinta e seis colheres
para soupa, trinta e cinco para cha, conchas para
tirar assucar, disticos para garrafas., campainnha ;
con3tando os moveis cm urn santuario de jacaran-
da com diversas imagens ornadas de ouro, nma se-
cretaria de madeira prela, cadeiras de jacaranda,
cadeiras de amarelio, qaartinheira, marquezio, ca-
deiras de balanco, lavatorio de amarelio com pedra,
cama para casal, de jacaranda, marqueza de ama-
relio, cadeiras de palha, urn relegio de pedra para
cima de mesa ; constando a louca em aparelho de
porcelana para jantar, fructeiras de cristal para
queijo, copos, calices para vinho e champagne, de
cristal, garrafas para vinho, compoteiras, galhe-
teira para mesa, um apparelho de louga de porce-
lana para cha, vaso para aquecer leite, urn appare-
lho de vidro lino, complete edecor verde para toi-
let le, outro de louca, (ambem para toilette, mangas
de vidro, jarros grandes e pequenos, frascos, figu-
ras; todos estes bens se acham descriminados com
03 seus respectivos precos no escripto existente
em mao do porteiro do juizo Francisco Manoel do
Almeida.___________'________________________
Pela administracao dos correios desta pro-
vincia se faz publico que esta marcado o prazo de
60 dias, a contar da presenle data, para o concur-
so dos lugares de praticantes, que tera lugar na
mesma para provimento de duas vagas.
Os candidates deverao agresentar certidao de
baptismo em qne provem nao ter menos de 18
annos de idade, nem mais de 30, c attestados da
autoridade do lugar em qne residirem, de sua
conducta civil e moral, e medico,do boa saude.
0 concorso constara de exercicios de caligra-
phia*e orthographia, arithmetica, comprehenden-
do ouso do systema metrico e noc^es geraes de
geographia, de conformidade com o art. 38 do
regulamento dos correios de 12 de abril de 1865.
0 conhecimento das linguas e-trangeiras dara
direito a preferencia.
Correio de Pernambuco, 13 de dezembro de
1873.
0 aduinistrador
Affonso do Rego Barros.
Olinda, 16 de dezembro de 1873.
0 arrematante,
Francisco Pedro Avincula.
4VIS0S- MJKTIMOS
OlABfiEDRS ttOW.
Coiiijiattliiu Francoza k Aivega
cilo a vapor
IAriha rnensal entre o
Havre, Lisboa, Pernambucu, Rio d-
Janeiro, (Santos, somente na vol-
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com buldeacao para o Rosario)
yiijl&w sWros
Commandaute Lefevre.
E' esperado da Europa, ate 12 do corrente, se-
guindo depois da indispensavel demora para os
portos do sul de sna escala.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tem exceuentes acommodacoes
por precos reduzidos : trata-se com
OS CONS1GNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
42Rua doCommercioEntrada pela rua
do Torres.
o hiate inglez Game Cock, de 91 toneladas ingle-
zas, segnndo a lotacSo, mas negando 130 de car-
ga, demandanuo 8 1|2 pes d agua, forrado de co-
Ere, e prompto para seguir qualquer destino
Este navio que se torna recommendavel pelas
condicdes de solidez com que foi couslruido, e
por ser de 1' classe, e vendido pur inotivos de or-
dem particular, e por ter de retirar se immedia-
lumenie para a Eurnpa oseu propneurio.
Os Srs. jueteiidentes podem desde ja pxaminnr
i iiaviit, e cntender-se a respeito de .|ualqner in-
iinnaQao de que prccisarem com o mosino agen-
to, a rua do Marqucz de Olinda n. 7, primeiro
aodur
Lisboa e Porto
Sogue viagem muito breve a galera portugueza
Ltsboa, por ja se achar coin quasi todo o ceu car-
regamento tratado- Para a ponca carge qne lhe
falta e passageiros, aos quaes olferece muito bom
co^modo : trat?-sc com Tito Livio Soares, rua
do Vigario n. 17._______________________________
LISBOA
Para o referido porto pretende seguir com a pos-
sivel brevidade o brigue portuguez D. Anna, por
ter ja alguma carga engajada ; e para a que lhe
alta, que recebe a freto commodo, trata-se com
os consignatanos Joaquim Jose* ijoncalves Beltrao
ic Filho, a rua do Commercio n. 5._______________
Para Lisboa.
Seguira em poucos dias a barca portugueza
Gratidao. Para alguma ponca carga que lhe falta,
trata se com E. R. Rahello k C, i rua do Com-
mercio n. iS. _
DAS
livi l,is da m;,s>a fallida de Am^riia, Krago-
se>, Santos & C.
HOJE
\'m It lioras.
0 agente Pinto, enmpriudo o mandado do Him.
Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara a leilao
o resto das dividas da massa fallida de Amoi im,
Fragoso, Santos & C, aqnellas qnenao foram ven-
didas no leilao do dia 27 de novembro proximo
passado. 0 leilao tera lugar as 11 boras do dia
acima dito, no escriptorie do referido agente, rua
do Bom Jesus n. 43, onde os pretendentes poderao
obter qualquer informacao.
Leilao
Por esta reparlicao te declara, de ordem do
Illn). Sr. Dr. chefe de'policia, para conhecimento de
todos, que nenbam boleeiro dos carros de conduc-
cao de cadaveres para o cemiterio publico, pode-
ra fazer tal servico sem que tenlia a competente
guia da camara municipal.
0 sccretario,
Eduardo de Barros Falcao de Lacerda.
AferiCuU de Olinda
0 arrematante da afericao do mnnicipio de Olin-
da scientifica aos Srs. commerci antes do mesmo
municlpio, e aquelles que vendem iiquidos emiii-
coras, assim como fazendas, miudezas, feijao,
milho e outros generos qne sejam necessario pe
ear e medir. qne de conformidade com as postu
ras municipaes e instrnccdes de 18 de setembro
de 1872 do ministerk) do commercio e agricultu
ra, nio sera mais tolerado fazer afericoes depois do
tempo marcado. o qual flnalisar-se-na em o ulti-
mo do corrente mez.
0
Aracaty
com escalas por Macao sahc. oestes dias o novo e
superior palhab^te naclonal l.c nillo dn Cruz, ca-
pitao e pratico Manoel Caetaco da Costa tem
parto de seu caregamento prompto ; para o resto
trata st com o cousignatario Antonio Alberto de
Souza Aguiar, a rua do Amorim n. 60, ou com o
capitao a bordo do mesmo palhabote fundeado
confronte ao trapichc da compnnhia.
Para o Rio Grande do Sul.
Sahira muito breve a barca nacional Deolinda.
Recebe ainda alguma pouca carga, para o qne
trata-se com E. R. Rabello & C, a rua do Com-
mercio n. 48.
4
SA

PaCinc
dnl
STEAM NAVIGATION
PANT '
lyinha quinzwnal
0 PAQUETE
AC0NCAGU4
espera se aqni dos portos do sul ate o dia 19 le de-
zembro, e depois da demora do costume, seguira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, encommendas ecarga a frete.
OS AGENT1.S
Wilson Howe A C.
14RUA DO COMMERCIO14 .
Risco maritimo
I. Wulff capitao do brigue allcmao Collmar, vin-
do fretado do Rio de Janeiro, cm lastro, para car-
regar em um porto entre Maceio e Ceara, e depois
seguir para Falmouth a ordem, e entrado neste
porto com agua aberta, precisa, para occorrer as
despezas do concerto do mesmo .navio, a risco ma-
ritimo, a quantia de 6:0;i0i pouco mais ou menos,
sobre o casco e frete do dito navio. Offertas em
cartas fechadas serao recebidas no consulado do
imperio germanico (oude a carta de fretamente
pode ser exammada), pelos interessados ate o
meiodia, do dia 19 do corrente mez de dezembro.
PA RAT
Pretende seguir com brevidade para o Para, o
hiate Olindn, por ter parte de sna carga, e para
a que lhe falta, trata-se com os consignatarios Joa-
Suim Jose Goncalvcs Beltrao Filho, a rua do
ommercio n. o.
DE
um variado sortimento de chapeos do Chile,
massa, castor, palha, quer para homens,
quer para seohoras e meninas
QUARTA-FE1RA 17 DO CORRENTE
A's f O 11 horas.
No primeiro andar do sobrado da rua do
Marqucz do Recife n. 55.
0 agente Pinto fara leilao, por conta e risco de
qoem pertencer, de differentes qualidades de cba-
peos para hamens e senhoras, no primeiro andar
do sobrado da rua da Cadeia n. 55, por cima do
armazem dos Srs. Alcoforado, Vieira & C
LINHAS
DE
RETROZEDEALGO-
DAO

DE
TODAS
. Am
CORES
LGIL10
DE
moveis e louca
Quarta feira 17 de dezembro
0 agente Martins fara leilao de diversas mobi-
lias de jacaranda, de faia e de amarelio, marque-
zoes, raarquezas, camas francezas, novas e usa-
das, cadeiras avulsas de diversas qualidades, re-
logios, e muitos outros objectos que serao vendi-
dos ao correr do martello.
No armazem da rua do Imperador n. 48, as 11
horas do dia. __________ v
LEILAO
DA
armagao, goneros e mais pertencas da ta-
verna da rua da Penha n. 6
Quinta-feira 18 do corrente
0 agente Martins fara leilao, por conta e risco
de quern pertencer, 1'armaQio, generos e mais
pertencas da taverna"acima, em um ou mais lotes,
conforme convier aos compradores, cuja taverna
se acha muito bem localisada e propria para
qualquer principtante, por ter poucos fundos.
A's 11 horas do dia, na mesma';taverna.
s
Lisboa
Para o referido porto pretende seguir com pouca
demora o brigue porttigiez r.>.geiro III, de 1*
classe, capitao Nobre, por ter a maior parte de
seu carregaraento engajado, e fara o resto que lhe
falta trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Commercio
n. 5.
Rio Grande do Sul
Para o Rio Grando do Sul pretende seguir com
brevidade o patach i portugue;; Joven Correa, por
ter alguma carga; e para a que lhe falta trata-se
com cs consignatarios Joaquim Jose Goncalves
Beltrao, a rua do Commercio n. 5.
LEILOES.
Agencia de leiloes.
RUA DO MARQCEZ DE OLINDA N. 37, 1 ANDAR.
0 abaixo assignado tem Munra de scientificar
ao respeitavel publico, com especialidade ao corpo
commercial desta praja, que acaba de ser nomea-
do agente de leiloes, em cujo exercicio, promette,
se esforcara para bem merecer a confianca de to-
das aqnellas nessoas que se dignarem honra-lo,
encarregando-lbe do negocios tendentes a sua
proBssao.
Desde ja o abaixo assignado antecipa os seus
agradecimentos para com aqueiles que o procura-
rem : o que poderao fazer diiigindo-se a rua do
Marquez de Olinda n. 37, l. sndar.
Recife, 7 de novembro de 1(73
Joaquim .Dias ios Santos.
Agente Dias
LEILAO
DO
hiate de 1* classe Game Cock, com bote e
sobresalentes, ancorado no quadro dos
navios de dame secca em frente a esca-
dinha ____
as 11 horas
Na Mia da Associagao Commercial
0 azente WAS, coflaoetentemente autoriiado,
levara a loitSo, no dia e bora acima menclonados,
Grande e sortida feira
DE
objectos de ouro, prata e bri
lhante, muitos trastes
avulsos, loucja, vidros
crystaes, e immensos ob-
jectos do uso domestico
Pechinchas para a Testa
ao correr do marteUo
Qninta-feira 18 do corrente
as 11 horas da manha
No armazem da
FEIRA SEMLANAL
I6-Bua do Imperador-III
pelo agente Martins.
LEILAO
DE
um bom carro americano de 4 rodas e nma por
cao de livros novos de direito
l^u nta-feira 18 do corrente
16 Kua do Imperador16.
c=s>
Um piano forte, I mobilia dc jacaranda com 1
sofa, 1 jardineira, 2 cohsolos com pedras, 4 ca-
deiras de bracos e 18 de guarnicao (perfeitas) 2
grandes espelhos dourados, quadros com Unas
gravuras, jarros e vasos finos para flores, can-
dieiros a gaz, casticaes e mangas, escarradeiras,
tapetes e 1 relogio de mesa.
Oma mobilia de faia, 1 piano de mesa, 2 porta
joias, 2 tinteiros, fructeiras de madeira, figuras,
cadeiras de balanco, 1 sofa de mogno e 1 lavate
no com .narmore.
Um selim, 1 machina de costura, dita de limpar
facas, dita de ferver agua, um Undo presepio, 1
gaiola de arame, lingindo um palacete, uma linda
caixa de charao, com tentos para voltarete, 1 me-
sa de jogo, quartinhas, 1 relogio de parede, cadei-
ras, espreguicadeiras e 2 columnas para jarros.
Uma mobilia de amarelio, 1 cama franceza, ca-
bides, commodas, 1 guarda-vestidos, 2 lavatorios,
tapetes e cabides torneados.
Uma mesa de jantar, 1 aparador, quartinheiras,
louca para cbac jantar, copos, calices, garrafas,
compoteiras, macbinas de Tlimpar facas, potes.
Flandres. e trem de eozinha
Sexta-feira 1.9 do corrente.
POR INTERVENQAO DO AGENTE PINTO
No armazem da rua do Bom Jesus n. 20
EM TEMPO
0 leilao princiniara as 10 I|2 horas em ponto,
e a enlrega se enectnara nas 24 horas precisas.
Grande e variado
LEILAO
DE
raobilias, pianos, bons moveis, ricos espe-
lhos, quadros, finos jarros, louca, vidros,
e obras de prata do Porto
SEXTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
Por intervene* do agente Pinto
No armazem do sobrado da rua do Bom Jesus
n. 20.
O leilao princtpiar& as 10 l|2
horas.
AVISOS PiKSfi-
Aluga so metade de uma. casa de familia,
mulher e marido, seat fittos, so & casal : a rna do
caes da Dettencto a. 11.
UL1AS
E
.kcessorios
PARA
QUALQUER
PARTE
DA
Machina
Com as falsificac,des que tem apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTURA
DE
SINGEB
rue?
o
00
X
11
C3
o
Nenhuma ma-
china Singer elegi-
tima se nao levar
Porqi
g esta marca fixa no
braqo da machina.
Para evitar falsi ^
ficacoes notem-se g
be m todos os deta-
3
Ihes tls- marca. 3
!A dinheiro e a prazo!
A. contento das Exmas. familias
lilli DE Mi
u
Sao as mais baratas
Sao de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
Sao duradouras
MACHINA DE SINGES
DOUS POSPONTOS
Abainham
Franzem
Pregam tranca
Marcam pr-?j35
BorJain de linha de soda
Alcolchoam
E pregam cordaos.
UNICA AGENCIA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 4u
ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
Querendo definitivamente liqnilar p*to negocio, vende todos os que tem," novus 0
asados, pelo pre^o do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos .lesenhos de 11 a 33 palmos
de largura 0 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala porgrande qu
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovacs para omamentos de snlas.
ANNEIS electricos para curar dores de rabeca. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadras de sala.
GRAMPOS para segurar roupa esteniida nas cordas, a 200 is. a du'ti.-
TALAGARCA e papel picado para bordar corn la ou suda.
VERDADEfRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por muito bsrato preijo.
FABRICAeLAB0RATORI0,5.",CITE OES FLEURS.BATIGNOLLES PARIS
VINHOBORDEAUXQUINADO.ECHEVRIER
nma riqueia iDcomparavct em principios.actives, tonico, fortiUcante: empregt-se nas febres rebeldts, iai
iTalescencias tardiu, nw diarrheas cbronicat e em todos os casos d'atonia.
De
coDTalescenciu
VINHOpeMALAGAOUINADOoeCHEVRIER
Pomm u mesmas propriedadei do one 0 anterior, mat emprega-s* com preferencia para at mnlherei,
erianeu e as peisoas enjo eetomago { debilitado.
VINHO,OUINAFERRUGINOSOECHEVRIER
fine renne oe dous agente* mail poderotee datherapentica. soberano m efaloroM, u anemia, leucorrhea,
pyimenorrbea, nos meninoe dnranteseo crescimento e nas donxellas no memento da poberdade.
VINHO.PEPSINAeDIASTASE:sCHEVRIER
0 digeatir0 mail heroico que k conhece, favereM a assimilacSo reslabelece instantaaeunenU as ftueoBts
do apparate digeetito.
VINHOaoPHOSPHATOdeCALdeCHEVRIER
Ha tiaica yalmenar, tecka ai caagu it polmie atteeada, eura ai alporeai, 0 nauitUaw refUbotece a
daf imi*m OTbiMtu ntite rigiUas peloi iiimw,mtartto WMmi btiooa no* fcotauaM.
VINHO DEPURATIVO DO DR. CALVO, SOBRINHO E
DrSCIPULO DO CELEBP.E PROFESSOR RICORD
Elf HlfiCO totoHMMtJ ftn a*Mrar a can radicalLfc?*_"! _J TI11WM aHptt ott IMMW>
I ILEGIffH.
1


Diario de
k.i
erca
tezembro de 1873.
FUNDICAO DO BOWMAN
'. RUA'DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS aenhorea de engenho e outros sgncuuurts, eeuipregadorea de m
*uinismo o favor de oma visita a sea estabelecimento, para verem o bovo aortimeDto
omplet) qae abi tem; sendo tado superior em qaalidade e fortidao; o qae coma ins
9Cfio pesnoal pode-se veriQcar.
ESPECIAL ATTENgAOAONUMEROE LuGAR DE SUA FUNDICAO
(Tfl.YimrAft A rOflftft rl'flO-nft dos mais modernos systemas eem u
t ayuk oa o luuaa U agutt rnaobos convenientes para as diversas
liTcamstaniwas do* lenhorea proprietaries e para descarocar algodao.
fifOfind&S dfi PftTlTia de lodos os lamaQhos> a8[meluores qoe aqui
Rodaia dentadas para **m'agoa e vapor-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fdndos de alambiques.
HfftpTl iniRTTinfl par* maDdioca 6 algodao,I PodendoJ todos
OLCftviLiuiOilivP e pin ,errar madeira. I ser movidos a m5o
Rnmhna |Pr ?*a, vaPr
jvwucw de patente, garanlidaa........ |oa animaes.
Todafili a8 mflflHfflfttf epe*aidqneaecostaiM precisar.
Pas qualquer concerto dfl mcmmo>a preco mDi reamid0-
FormJ18 de feWO tem melborea e mais bar,tas existentes qo mer-
^nnnrnmanrloa Incambe-se de mandar vir qaalqaer macbinismo i von-
auvuiuiuouutM! ude dos clientes, lembrando-lbes a vantagem de faierem
mas compris por intermedio de pessoa enteDdida, e qoe em qaalqaer Decessidade p6de
bes prestar aaxilio.
Arados americanos e in,l^0Inenl0, aricolM
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Criado
Precisa se de am criado para todd ?crvi.;o: a
tratar no hutd de Apipncos.
mmm.
FUNDigAO DE FERRO
4' roa do Bariio do Trinmpho (rna do Brain) ns. 100 a 104
CARDOSO RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modernas e melborobra quetem vindo ao raercSdo.
VaporeS de forca de 4, 6, 8e 10 cavallos.
L/alQGiraS de sobresalente para vapores.
M.06nClaS lDl6ira8 e meias moendas, obra como aunca aqui veio.
I aiXaS tuncliaas e batidas, dos raelhores fabricantes.
tlOClaS til aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOQlaS CleiltadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
oOIllDaS de ferro, de repucho.
AradOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes a pequenas.
OoncertoS concertam com promptidiio qualquer obra ou macbina, para o que teem
sua fabrica bera montada, com grande e bom pessoal.
F,'n0OTTlT"flPI\daa n1811^81111 '"" Pr encommenda da Europa, qualquer raacbimsmo,
CilivAmiiAic o p&ra Q ^ae ^ gorrespondem com uma respeitavel casa de Londres
r, com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bram) ns. 100 a 104
PUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
H OC, pbarmacenUco, t, wu de Catsllne. J'arit, opte proprleterlo.
HOGG
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALIIAO
Tietcft, ajfecijeea escrofulosns, tosse chronics, rheumati3mo3, fraqueza
doa ToembroB, eotha, debilidR.l.> geral (engorda e fortalece), doce e facil
At tomar. M-v.i;So hourosa.
ETigir a marca de fabrica abaixo iudicada encobriudo acajisi'la de
inn frasco do forma triangular.
r-i.; cm P rnambuco, A. REGORD, e nas principaes pharmaciaa.
****r it..--1
56 aRua do Marquez de Olinda 56 a
(outr'ora rna da Cadeia)
LOJA DE MACHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal e recommen-
dado pelos grandes depositos e bons sortimentos com que sempre prima em ter das
melbores, mais acreditadas e verdadeiras machinas americanas para algo>
dSo, desda 10 a" 60 serras, e bavendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
rnas e melbpramentos para perfeito e rapido descarogamento ; tornam-se dignas de
*erein vistas e apreciadas pelos Srs. agncultores; os quaes, ale*m disto, encontrario
:ambem mais :
r'ii<.i.i ilo i!;:i.\o a-.-^naJu uo dia I" do cor
rente mn, uuia cabrocha de norue Joanna Ger-
iruil'.'s, com os signaes seguintes : cabrocba. com
os cabelloa solto?, olhos grandes e espantiidos,
tem um signal preto no brsco esqucrdo, levou,
uimsigo toda r.upa ; pcde-o
liciaes, com especialidadaaos'capitAes de umpo,
a sua appreheusao elevaremon nn caminho novo,
junto d;i esiarao da Sole Jade o. 8, que receberiio a
.sua graliiica(;ao.
Henrique da Costa Fianro.
Para o ainanbecer di dia IS de corrente for-
t train de um sitio junto ao jardim botanico em
Olinda, nm cavallo alazac com este ferro a mar-
gem direita T, de tamatho regular, calcado em
croz, com o olho esquerdo coberto de u-na belide,
tendo uma ferida do ladD direito proveniente da
c.mgalha com a sarneia um pouco pelada ; em
vista do que pede-se por 1'avor as estacdes encar-
regadas das respectivas matriculas a apprehensao
de dito cavallo, bem como a qaalqaer pessoa qae
o eacoutrar, o qua) sera levado em Olinda, a rna
do. Bom Saccesso n. 25, qae se recompensara.
A pessoa qne annunciou precisar de 1:500^
a premio com hypotheca em bens de rair, dirija-
se a roa do Hospicio n. 25, das 4 horas da tarde
em diante. |___________
Nock'dade Kecreatha Bella Har-
monia.
Em virtude de nao se ter reonido numero suf-
liciente de socios para fanccionar a assemblea
geral, convocada para o dia 4 deste mez, de novo
convilo aos Srs. socios a comparecerem para o
mesmo um, quarta-feira 18 do corrente, as 7 ho-
ras da noite, flcando certos de qae, a sessao da
assemblea sera aberta com o numero de socios
que comparecerem. de conformidade com o art.
17 dos nossos estatutos.
Secrctaria da sociedade Recrcativa Bella Har-
monia, 16 de dezembro de 1873.
Rego Santos,
!. secret a rio.
Claudio Dubeux faz sciente que se nao res-
ponsabilisa nor qualquer quantia que sea filho
Jo.-ii Claudio Dubeux pedir a alguem em seu no-
me, nem mesmo por qual |uer compra de gene-
ros qae Gzer em alguina casa.
Recife, 15 de dezembro de 1873.
Casa em Olinda
Aluga-so por mezes uma casa em Olinda, com
a mol'ilia necessaria e illuminada a gaz, perto
(l:ie>-t:ieao da via terrea, perto do banho do mar,
(a ponto de poder se ir da casa para o banho)
sendo dita casa muito fresca e com boa visti ;
os pretendentes poderao obter qualquer informa-
cao na rua do Bom Jesus n. 43, prineiro aadar.
Precisa-se
de uma pessoa escra a para cozinbar e iorapjar i
na rua D. Maria Cesar (out'rora da Senzala-nova)
n. 30.
A 2800
cada um queijo o mais fresco e do melhor
que se p6do desejar : na rua Duque, de
Caxias n. 40, junto & typographia do
Diario.
\ssim
como e" certo que neste armazem se fornece
a despensa & satisfa^ao de qualquer chefe
de familia, com toda a sinceridade e econo-
mia. O tempo e proprio, pois aproxima-se
a fes'a do Natal.
MMsa
Jose dos Santos Neves
D. Joanna Maria do Rego
Moves, sous fllhos e genros,
convidam aos parentes e ami-
gos de seu presado filho,
irmao e cunhado, Jose" dos
Santos Neves, a assistirem a"s missas que por
alma do mesrao mandam celebrar no con-
vento de S. Francisco pelas 8 horas da
manha do dia 17 do corrente, anniversario
do seu fallecimeiito, pelo que se confessam
summamente gratos.
Amalia Carolina de Sampaio Mi-
randa, viava do Dr. Manoel Izidro
de Miranda, convida aos amigos de
seu flnado marido para assistirem
a missa que pela alma do mesmo
manda resar no dia 20 do corrente,
anniversario do seu passamento,
pelas 8 horas da manha, na matriz do Poco da
l'anella.
Qompanhia do Gaz.
A empreza do gaz tem a honra de annunciar
ao publico que recebeu ultimente um esplen-
dido sortimento de lustres de vidro, candiei-
ros, arandelas e globos, cujas amostras estao
no escriptorio & rua do Imperador n. 31,
e serao vendidos aos seus freguezes pelo
prego mais razoavel possivel.
AlteilfSu.
Pergunta se a junta administrativa da Santa
Casa de Misericordia do Recife, em que ticou o
aforamento do sitio da mesina, no lugar da Ta-
marineira, se se realisa ou nao, pois que ja fazem
o mezes que la estao as propostas.
Alguns requerentes.
Precisa-se
de um criado para o servico do cosinba :
a tratar no hotel de Bordeaux.
Precisa-se de 600$ a juros por pouco tempo
daudo-se garantia : a pessoa que quizer dar, an-
nuncie para ser procurado. ______
Aluga-se a casa terrea n. 42 da rua da ma
ti'z da Boa-Vista, i4 da rua do Nascente, ao pe
da matriz de S. Jose, casa feita a moderna e com
bastantes commodos por 2240O0 mensaes, e a
cazinha pequena n. 19, do becco do Diquc por
124000 : a tratar na rua da Madre de Dens n. 16.
Apurados vapores locomqveis, defor^a
de tll% e 3'/ cavallos com todos perten^as
precisos para trabalharem 4 machinas para
tlgodio, oupara outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Garros do mfto para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditosde ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
App-arelhoa para jardins.
Gurds-iX)B>das.
Tanapas par* cobrir pratoa.
Tarrach?iS para fazer parafuzos de ferro.
Dita dit? ditos de madeiras.
Ternos de bandeijas finas.
Correntes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Pertenjas avulsos para machinas.
Salitre refinado.
Breo superior.
Moinhos de diversos fabricantes para mi-
lho e cafe*.
Debulhadores para milho.
Azeite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferreirod.
Trens p jra cozinha.
Enifim muitos outros arugus, que soavieta e neste eetabeleomoderSoentp s i
HVMM'lQi.
Ama o criado.
Na rna da Ponte-Velha n. 1, precisa-se de um*
ama que saiba cozinhar e comprar para casa de
familia de duas pessoas e de um criado para
raandados e outros services domesticos.
I CQNSULTQRIO
I MEDIC0-CIRLRGIC0
DO *
Dr. Santa Rosa. $
Rna de Barao da Victoria n. 46, 1.* W
andar, outr'ora rua Nova.
j$ Consultas das 10 boras da manha ao 9
meio dia. m
Chamados por escripto a qnalguer hora '
K Especialidades. Partos, molestias de JP
mm olhos e do apparelho re^piratorio. ^
Aluga-se a casa n. 11 da rua da Posts, na
povoacao do Monteiro, muito proprla para pas-
sar a festa : a tratar na ma do Duque de Ca-
xias n. 71.
PECHINCHAS
>6 o n. 20
RU.V DO CRESF0
LOJA das ;i mm
coutinna a \< u I-t muiin baratu paia apuror
muito dinbeiro.
C.VSSA LA
Chegon osta fazenda, sendo lindos padr5cs, e ven-
de se pelo diminuto preco de 200 rs. o covado, e
pechincha J1 I daose amostras.
UKTLHS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padroes novos, pelo preco die 400 rs. o covado, 6
pechincha I I doi-se amostras.
LASESCOCEZAS
Lasinbas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com listras, padrSes modernos, a 280"rs. o
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
covade, e pechincha I I I dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1*000 a 400 o covado, 6 pechincha I I I dao-se
amostras.
CRETONE '
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, 6
pechincha 11 I dao-se amostras.
Cortes de casemira Ai cores, a 5JC0O cada um.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para luto, a 240 rs. o covado.
Fustao branco para roupa de meninos, a 560 rs
ocovado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chila adamascada, a 3*500 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3f 500
e 4*000. '
Lencoes de bramante, a 2*000.
Dites de algodao, a 1*400.
Toalbas alcochoadas, a;6*000 a duzia.
Ditas felpadas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados, a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiao linos, a 3*500 a dona.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500 a
pec*.
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalbado adamascado, a 2*000 a van.
Dito trancado, a 1*400 a van.
Fustdes de cores, a 1*000 o corte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampados, a 3*500,4*000 e 4*500.
Ditos com listras muito linos, a 5*800 e 6*000
Esguiao muito fino, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a van.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca.
Dito domestico, a 3*000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. o covado.
Nanzue cambraia de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
Loja de
Guilherme & C.
.HAMADO
Os ?rs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim
Cleraente de Lemos Duarte, sio cnamados a
rna do Coronel Suassuna n. 281, a negocio dc
particular interest.

?j Consultorio medico
B DO
Dr. Mm ill...
RUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres
gpode ser procurado a qualquer hora do
1 dia ou da noute para objecto de sua pro-
r) fissao.
m\ Consultas do meio dia as duas horas
>jya tarde.
'*.* Gratis aos pobres.
w, Especia lidudes.^Molestif.s da pelle, de
5( crianca e de mulher.
Emprega no tratamento das molestias
de sua especialidade as duchas frias e
banhos a vapor, para os quaes trouxe
os apparelhos mais modernamente em
pregados na Europa.
Tambem applica com grande proveito jH
no tratamento das molestias do utero a M.
'I electricidade, pelo processo do Dr. Tre-
V pier. Cufa por um processo inteiramente rg
FJ novo as blennorrhagias e sobre tudo a (V
Q (gotta militar) dispensando asinjecfSes. Q
G4S4
Aluga-se o 2, 3*, 4 andares e solao do sobrado
n. 14 da rua do Torres, perto da praca do Corpo
Santo, commodo para residencia de lamilias e es-
criptorio de negociantes : a tratar na rua do Im-
perador n. 57 primeiro andar.____________
Aluga-se uma excellente casa na povoacjto
de Duarte Coellio, em Olinda, com bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso. rua
Amorim, b. 37.________________________
Escravo fugido.
100$000 de gratificacao
Desappareceu de novo, de bordo da barca bra-
jileira S. Jose, o escravo Joaquim, preto de na-
cSo, o qual anda bem veslido e calcado, deixan-
do crescer os cabellos a modo de meia cabellein.
Esse escravo pertenceu ao fallecido Dr. Olym
Marcellino da Silva, que o havia comprado na
provincia de Minas fern S. Joao d'El rei ou Oaro-
Preto), e com elle seguio para o Rio de Janeiro e
d'alli para esta provincia, donde foi para Maceio,
tendo o vendido afli a Justino Epaminondas Ne-
ves, a qaem o compraram os abaixo essignados.
Sabe cozinbar, occupacao a qae estava dedicado,
e conhece se pela falla que e afneano.
Offerece-se a graUficacao acima a quern o ap-
ptehender e roga-se a todas as autoridades a sua
captura.
Recife, 6 de outubro de 1873.
Jose da Silva Loyo & Filho. ____
Cozitthiira
Precisa-se de uma ama que saiba bem cozinbar
e para comprar: na rua da Iraperatriz n. 37, 1*
andar.
Precisa-se de uma ama
que engomme e faga outros
servicos domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Baixa de capim.
Arrendase uma grande baixa de capim em Be-
beribe, no lugar do Fundao : a tntar com Poty-
carpo Jose Layme, no caes 22 de Novembro n. 26.
Precisa-se
de uma mulher ja" idosa para andar com uma
menina de 2 annos: a tratar ne hotel de
Bordeaux.
- Ainda esta por se alugar um sitio na Torre,
com excellente casa de moradia para grande fa-
milia, quuartos fora para escravos s e magnifies
agua de beber: trata se na rua estreita do Rosa-
rio sobrado n. 10 terceiro andar.
Roga-se as pessoas que eitio a never a ta-
verna da rua do Duqui de Caxias n. 41 A, o fa-
vor de pagarem o que devem, sob pena de se pu-
tlicar os nomes por esta folha, se o nao fize. em
no prazo de 15 dlas.
CKIADII
ATTEKCAO
Precisa-se alngar uma ama de meia idade, po
rem qne spja preta. one nao t. nha vjiios nem
arhaqiuM, 1: yu> ,.% ,-:,.. jtar.i row
prar t e zinJiiH para :.. -. f; n 'Ala >! :' i.......>-
a trat-ir na eMa w "; i"i.i. -n- to itijis.f, m
?3 lil r.: si.ir,i!i'. r A |NA$aa q:.e lliUUUciuU ,..c :-..: "> ()i
premio sob hypotheca em bens ue rjtiz, apparent
rna do Hospicio n. 15, Jas 1 horas da tarde \-m
diante ___________
Aluga se o armazem e o primeiro andar do
sobrado da rua do Bom Jesus outr'ora da Cruz,
n. 20, proprios para estabelecimento commercial :
a tratar na rna do Marquez de olinda n. 52.
Aluga-se o andar do sobrado da rua
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo.
Aluga-se a caga da rna de S. Jorge, outr'ora
rua do Pilar n. 12, tendo sotea assobradada para
grande familia : a ver e tratar na rua dos fiuara-
rapes n. 14, taverna.
Banhos eares saudavcis do
Monteiro.
Aluga so a'H duas pe-iuenas c.isas muito f-^i
conla para qflwn precisar de Imns aros e bai
: :i iriiar a rna do H.-.r."i> da Vi -i.ri... on-
'T i i .' -. u. 7.
Escravo fugido
300#000 de gratificacao
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredc, representa ter de 30 a 40
annos de idade, e perfeito cozinheiro, alto bastante,
e bem magro, pouca barba, olhos grandes, e muito
ladino, consta que tem pai no engeoho do Sr. Lulii
de Caiara, em S. Lourenco da Malta. Este preto
foi cozinheiro dos negociantes Adriano 4 Castro e
Sr. Jos6 Joaquim Goncalves Bastos, e julgase
qne esteja alugado em algura hotel ou casa parti-
cular nesta cidade, como forro : pede-se a todas
as autoridades e capitaes de campo. que o desco-
brindo, o tragam a rua Duque de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival se m segundo, que serao gra
tificados com a quantia acima.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-s-
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
eira, a negocio de sea interesse.
CASA
Aluga-se raetade de uma rasa no pateo do Ter
CO a pequena familia : a tratar no pateo do Pa
raizo n. 26.
Attencao
Fnncisco de Paula Cavaicante Wanderley faz
sciente ao respeitavel imhlicn em geral e parti-
cularmente ao corpo commercial desta provin-
cia, que attendendo a coincidencia da haver duas
pessoas de igual nome. asjignar-se-ha desta data
em diante :
Francisco de Paula Wanderley
Recife, 4 de dezembro de 1873. .
DESCOBERTAS
\ :* # I
MEDICINAES

I

PEI.0 BACH A R EL
Manoel de Siqueira
Cavalcanti.
1" o Presep*atlvo da ery-
sipela : para curar com eertexa, e
en. pouse tempo, qualquer ataqne de
erysipela, e prevenir o seu reappare
cimento.
Este medicamento tambem e muito
poderoso para o'rheum-itismn.
%' o Regulador da inens
trua^ao : para falta, irregularida-
de, suppressao repentina da menstrua-
^ao, e dos lochios, as-im .como para
todo^ os sotlrimentos devidos aquellas
affecQ5es. Ambns esle> niedii-amentos
ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincin, e na do Rio de
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 9 h<>ras do dia as 3 da
tarde, e a qualquer hora em casos ur-
gentes.
GRATIS AOS POttRES
Rna da Imperatriz n. 14, 2 andar.
IMPERIAL
FABRICA UE (IGARROS
DE
S. JOAO DE WCTHEROr
Rio lit- Janeiro
Constando ao abaixo assignado, unico s.fr.ni^
nesta provincia, da imierial fabrica de ci; "os
de S. Jooo de Nictheroy, no Rio de Janeir-., jue
exisle no mercado rigarros qne >ao vindoa co'OO
fabricados em dita fabnea, imitando -|iara i^- a
etiqueta em que vem tiles envoltos, apivs-a-. a
prevenir a todos os verdadeiros cigarros de exposi^ao so sao vendidos nos armazens dos Srs. Fnncisco
Guedes de Araujo, Manoel de Sonsa Cordei" Si-
mdes Junior e Faria A Filho.*, unicos deLoi ie
dita fabrica. Recife, 22 do novembro de ifi
_______________Domingos Alves Matbeu .
Quern precisar alugar um escravo, co > ta
to que nJo seja para servico de pe.o, diri se
rua do Hospicio n. *>l, que encontrara um b stan-
te inleUigento, e capaz de encarregar se d'- traba-
lho de jardim ou de horlaligas.
MOFINA"
Esta encouracado 1 !
*
Agua iule eui pedra dura
Taiito da at que a fui-a.
Roga-se ao lllm. Sr. Ignacio Vicira de L -V. >
-scrivao na cidade de Nazareth desta provit <, 3
favor de vir a rua Duque de Caxias n. :;6, ton-
^luir aquelle negocio que S. S. se compromt :?u a
realisar, pela terceira chamada deste jorn.. i,. a
tins de dezembro de 1871, e depois pan j? -i. ,
passou a fovereiw e abril de 1872,e uada cur or:.,
e por este motivo e de novo charaado para dito
im, pois S. S. se deve lembrar que este negc >c e
Ie mais de nito annos, e quando o S:-. sen till se
ichava m-sta cidade


Wg/ Rna da Imperatriz n. in, 2 andar. xjv
mmmm*#*
Casa de campo
Offerece-se a qnem qui.er fazei us concertos
necessarios, o arrendamentn por alguns anno, de
graca, da excellente casa nils na Porta d'Agua,
que foi do flnado Dr. Joaquim Pires Cameiro M >n-
teiro, passando-se escriptura iiara maior seguran-
ca. A localidade e muito salubre, e a casa muitn
fresca, tem magnifico banlm de agua doce em
frente, e 6 muito commodo vi>to que o trem passa
lefronte : quern pretender pode dingir-se ao Sr
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos. an
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rna do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do ommercio n. 40.
Casa.
Aluga-se o primeiro andar da casa n. 61 da
rua do Apollo : a tntar na rua da Cadeia n. 3.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro audar do sobrado da rua
do Marquez do Herval n. 31, com muito bons
commodos para familia : a tratar na rua do Mar-
quez de Olinda n. 52,
Ao publico.
Eu abaixo assignado dedaro qne o facto quo
se deu na loja dos Srs. Moreira Reis & C. a rua
Primeiro de Marco n. 10, cntre mini e seu cai
xeiro Joao Antonio Gozende Junior.foi uma levian
dade de minha parte para com o mesmo Sr. o
nao com tim nem pmposito de injuria lo em
attribuir-lhe o desapparecimenlo de minha car
teira, que sem duvida ja tena perdido antes de
ter ahi entrado, pelo que e pelo presenle Iho peco
a devida desculpa de mdo quanto alii dis-e.
Recife, 12 de dezembro de 1873.
Manoel Marques Avila.
Precisa-se de am criado : no cafe i operatriz.
LaiXeiro
Para taverna de seccos e molhados fora desta
cidade, se ofTerece um mogo brasileiro bastante
habilitado : quern quizor utilisar-se de seu presti-
mo, dirija-se a rua da Florentlna n. 28, ou declare
por esta folha para ser procurado o tratar do
ajuste._________________________________
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-s*
iallar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
iii6 Paes da Silva, a negocio de particular inte
sse.
Prerisa-se
de um mogo que tenha muita pratira de
servir a" mesa nos hotcis: a tratar no hotel
de Bordeaux.________________________
.. andar.
Aluga-se o 1. andar & rua do Padre
Floriano : a tratar na rua larga do Rosario
D. 2%.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Peroambaeana?,
com cox'ira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. .11.________
Prerisa-se de l.iiOOjOOO a juros, dand i-se
por hypotheca um predio : quem quizer aumn-
cie para sr procurado.
l-STRtLLA DO NOUTE 1
Saudai;ao ao
Continua a estar fugida
a escrava Felippa, cdr fula, aha, sccca,
beicos salientes, cara seoca, olhos arnorte-
cidos, falla mansa ; e" cosinheira, p6stoque
do servico de euxada : foi vista em Bebe-
ribe em uma casa, que a acoita.
Esta escrava fugio com o lilbo, escravo
do Sr. Jose" Antonio de houza Magaihfles,
naturalmente dara* seus pasesios do Recife a
Beberibe, estd-se espreiuu-lo provas pra se
uroceder cumra qu> in a 'coita eiitretanto
roga-se is autoridades p iicifs e capitaes
de campo a sua i-aptiini > conduc<;ao ao en-
genbo aa Sapucaia em Beberibe.
.-.v.
NOVAS PUBLICAGDES MUSICAES.
A. J. d Azevcilolluaft'ovan Jl.
Aca:i.iin de publicar-se, e acham-.' a"
venda as seguintbs musicas :
PIANO SO'.
Danse espa.miola, porAscher 2", >0
Arabella, mazurka, por G. Wrr-
theinnr ljoOfl
Valsa do Falsto, por Croyzes 15J000
SoNno DE UMA VTRGEM, por Alb-jr-
tazzi 1 000
Anna la Prie, cavatina irnoO
voClair dk la I.i.ne, por Bussuie_yjr lioOO
IUhIa IFolka brilhallt0 1*t00
Cricket, por Seizes, olTerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiauo 1-rUL.I
PIANO E CANTO.
Desespero, muito Undo romance
por I. Smoltz 2*000
IS'on m'amava, romance por Guercia 15000
Tambem recebeu da Europa grande sor-
menide mosioa para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.
Escravo fugido
Desappareceu ao amauhecer do dia 4 do cor-
rente, do engen o Serigi. coinarca de Goyanna, o
escravo de uouie J se Boigi-s mestre de a near,
tendo os signaes seguintes: cahra, idade 30 annos
pouco mais ou u.enos, bi-a ligura, um tant> ^rr e espadaudo, sendo o signal mais visiv^i ma
gomma na junta do pe" esqnerdo : roga-se todas
as autoridades e capitaes de campo queir.ai ap-
prcheuder dito escravo e leva lo ao refen lo en-
geuho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C lar-
go do Corpo Santo n. 19que serao generosati. ale
recompensados.
Recife, Ifl de noveiiibro de 1873.
Garros de luxo.
inquestionavel que a cocheira da rua do^.m
Jesus n. 15, de Joai|nim Paes Perein'da Silva, e a
que tem as melhores berlindas, calecas, meias ca-
lecas e victorias de luxo, proprias para qualqr -r
noivado, visitas de eliqueta, bailes c actos da ica-
lemia, sendo os mesmos ajaezados de excelli Ttes
parelhas de animaes, arreios luxuosos e boleuros
com fardanientos do ultimo gosto, pan o que =e
convida ao publico a vir por si mesmo scientifi-
car-se da verdade do que deixamos dito, certos que nao encontrarao pomada, e sim realidade e
commodos precos.
Primeiro andar para alugar.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
de Marcil:o Dias n 137, pintado e caiado de novo:
quern pretender diria-se a pharmacia Torres qua
achara com quem tratar.
/* iuga-se
o sitio da Ponte de Uchoa n. 35 : a tratar no mes -
mo sitio, ou na rua do Range! n. 7, ou 2
andar.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
n. 20, a cram sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a vista e a prazo
por todos os paquetes.
- Precisa se de uma escravi pan cozinhar
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
oiSj_______________________________________
Na rna do Barao de S Borja n. 25, precisa-
se de dons pretos escravos ou livres, pan servirn
externo de uma padaria.
Cavallos furtados
No dia 3 do corrente, a noite, furlara n da eslri-
baria do engenho Piuma da freguezia de S. Lou-
renco, dons cavallos com os sigoaes seguintes
um e mellado algemado, crinas e cauda bastante
alvas, grande e gordo, castndo e andador baixo ;
o ontro e russo com pintas araarellas, crinas e
canda pretas, int iro e bom andador ; e de meio e
esta bastante gorJo, e tem os dentes quebrados e
uma reladura na m.io esqnerda; ambos estao ripa-
do.- de novo. Gratitiea-e generosamente a quem
1 os Invar ao reiendo emc-nho, on delles der noticia
exact?. ________________________
i Precisa?- de um meoiaode IS a 14 annos
< de idade e que tenha pratica dehaos > nmodal
u-d. daoem UaVelban. OS.
\
L

m
_Z3L


r*
^
3
Oiarie de Periianibtieo jfefga felra 16 dc Dozembio de 173.
>
;^rw>|io a.
fv I'rocij* so de uma ama para cozi-
"" nli: r para rapai soltuiro : na rua do

A M 4
Precisa M de an a boa cozi-
nheira, eserava on forra. paga-
se beni : na rua do Imperador
n. 17.
AM A Precisa -so de uma araa que
JVI \ saiua perfeitamenle cozinhar : a
IT I "x rua do Queimado n. 92, loja.
Precisa se de uma ama para
r i-recisa se ae uma ama para
\\ \ cozinhar : a tratar na praca da
A m A ag*encia "39> '"ja da
A A I A Precisa-se de uma ama forra
\ ft I \ ou eserava, para cozinhar : a
- i'A tratar na ma Nova, loja n. 7.
W.
Precisa-se de uma ama para
izinhar : a
perador n. li.
cozinhar : a tratar a rua do Im-
km de leile
?o le uma ama de leite e pagase bem :
a tratar na rua do Queimado, loja da Boa Fama,
* aa rua do Crespo, loja da Passo, junto ao arco
3e Santo Anlonio.
'4 CoBSidtoifa ineilico-cirumco j
DE %
quaiqner hora.
Consnltas : Aos pobres gratis, das 2 as
.Ql 4 horas ila tarde.

Aluga-se
0 primeim andar do sobrado da rua dj Duque de
Caxias n. 4i, pr.iprio para escriplorio, ou rapaz
.wlteiro : a tratar ho mesmo, loja.
Mil

Na travessa da rua ||{
i das Crazes n. 2, pri- jfe
meiro andar, da-se
dkiheiro sobre pe-
nnores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-Se os mes-
mos metaesepedras.
!i*( ililarao' vendo
ilhase urn vaslo e hello terreno a
i' im do no, nos fundos da povoagao de
ribe, .mi'la nao vista pela inainr parte
1 ;*, P'.rt'-rsiio ha pou;o derru-
'n '. ; i;i..i D> rjue cobriam dito terreno, o
i-ousta .ma pran le plarricie, pro-
I lie 0o, e distaaciaae 3 minu
n uitimi t'Stfl^So da via firrca, arhnn-
lu em ruaSj com approvsgao
fra 'I" ulinda
.. pivtisii er p64a ir ver qne sern du-
lioaia h^c.i la.'o, oentender-se com o
: 'i He leiros (Zumba), e&-
l". im o prof-rietorie, junto a*
.! .in .iviiar.'i'.i
refill > i 5aiape qo fcernio de
Igu irassd
. i i de Oliada n "'!. precisa-se
ei i a r Liiz Vntonij da Silvi a nt-gicio
i .!". iulorcsse.

rjisultorio homeopa-
rhic?
. Or. Santos Sletlo
' ------Itu.i dd l ipera or------M
! to In- os dias dus it a da
ii
nos pobres.
i. -i Iw .-.Li a rua Nova a. 7. eegunda
ilar, 11!.- da eowultas das i: ... d,is ."I as > da larde.
' .a iinadog a qnalqner hora.

-
. m f m
Olinda.

v.-
'. >nloeomprado a I da '.rnz Es-
ui i i rna ta a raa da linir>i n. l7,ennio
ar :rlp. da 1 bttOS, ;i'i-:i a qiit>m
PBtmM r j'llj.-:' c"i dor d.i r'smi para
inp '.i t na prazo de 8 di is. ;ifim d>' >?r
. :in <|'i il n in sara attaadkfu
1 f:
>m do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituiclo de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
Vioob i>o Cabello 6 uma preparacJto ao
mo tempo agradavel, saudavel o efficax para
;ir o i^bello. Por meto do seu DM o
life, ^i-isalho, e enfraqnecido, dentro de
u tempo revolve a cor que Hie 6 natural e
iit.iva, p sidqujre o brillio e a frescura do
Go da, juventude; o cabello ralo se torna
e a calvicie muitas vezes, posto quo nao
'ok 06 casos 6 neutralizada.
Sao ha nada que pode reformar o cabflllo
is do8 loiliculos estarem destruidos, e an
,-.'Atides cansailas e idas, mais se ainda-restarem
um podinn ser salvadas e utilizadas pela
:a<-ao do Vigor. Libre de essas substancias
.-j iaa que tornam muitaa preparacoes de este
,i no. ivas c destructivas ao cabello, o
'Sigar somente lho e beneficial. Em ves de
t o cabello e o fazer pegajoao, o conserva
r-9 1U90, e por conaequinte previne a
ra .130 da toilette nao ha nada mais a dese-
jtr- aSo confcendo oleo nera tintura, nao pode
.nesmo o mais alvo lenyo de cambraia;
10 i Joilo, Ihe da um lustre luxurioso,
" uau muito agradavel.
ra tefoiuiar a cor da barba, 6 necesswio
!* que com o cabello, porcin &3 pode
te, envolrendo a barba de noite
iu len.;o molnadont>'Vigor.
TRnrAMam ton
. v. C AYER & CA., L,pweU, Mass^
r.^tmOmm-XJniaoB.
Vhim'te* r.nrHeoi < .Htulj/tino:
C11
Aluga se por commodo prego uma boa casa na
povcacao do Caxanga, principio da cstrada do
Ambole" : a tratar a rua do Imperador n. 54, loja
de hvros.________ '
Off-rece-se um moco para feitor ou adminis-
trador de engenho, com bastante pratica por ser
sua prolisssao: quern precisar annuueie. |
Precisa-se
de um horaem portuguez, bom trabalhador, para
servicp de cafe : : na rua Direita n. 30.________
Casa para alugar
Aluga-se a casa da rua do Coronel Snassuna n.
147, com grande quintal e cocheira para bois, com
poriao para 0 becco do Dique : a iratar na mes
ma rua n. 149.
Escravo lugldo.
Desappareceu no dia 7 do corrente, do engenho
Pimentel, comarca do Cabo, 0 escraro Isaac, ten-
do os signaea seguintes : cabra claro, multo pou-
ca barba, altura e grossura regulares, idade 25
annos, tem em um dos dedos poilegares da mao
dna- unhas, suppoe-se andar pela capital, aonde
ja Wra preso duas vezes : roga-se a todas as an-
toridades e capitaes de campo a captara do refe-
rido escr-vo, e tra -lo a este engenho, on na ca-
pital no escriptorio do Sr. Barao de Nazareth, qne
serao generosamente recompensados.
- Aluga-se 0 primeiro andar a rua da Impe-
ratriz n. 24, com commodos Dara familia, esta em
muito bom estado: qnem pretender, dirija se ao
cafe imperatriz que achara com quern Iratar.
Criado
Preeisa-se de um criado que tenha pratica de
c peiro e que seja de boa conducta : na raa da
Imperatriz n. 37, 1. andar.
AVISO
Jose Claudio Dubcux participa ao publieo que
dcixa de ser caixeiro de seu pai desta data em
dhnte
CO^PRAS,
& 999 *- ft#
f Trastes. 1
-j>i Compra se e vende-se trastes novos
w e u.-ados no armazem da rua do Ira-
^U perador u. 48.
C impra-so uma escrava parda de seus 30
annos, que seja de muito boa conducta e saiba la-
var, ungommar e cozinhar, tendo boa saudc : no
Gorredor do Bispo n. 71, a tratar a qaalquer hora.
' linn n um
V
hi
I
WAS.
Vende-se on -.rrenilase, altos e baixo*, o
sobraJo do um an lai sito a rua Imperial, canto
da traves-a dj Lima n. 1. proximo ao chafariz,
em localidade muito propria para ne^ocio, e por
omle passam os bonds : quern o pretender va a
rua dj Hospicio u. 35, que achara com quem
tratar, das 7 as 9 manlia, e das i as 6 da tarde.
Armacoes para camas.
Na rua do Duque de Caxias n. 76, tem para
vender armacoes de amarello para camas, obra
bra, pre.;o avista da fazenda.
VENDE-SE
um sobrado de dous andares c s tao, na trrvessa
da Madre de Deus n. 10, o qnal rendc dous contos
de rs. annualmente : a tratar na mesmo lugar
eom os seus proprietarios todos dias uteis desde
as 11 hom da manha at6 as duas troras da
tarde.
As uiiicas verdadeiras
Bichas hamburuuezas qne vem a este mercado-
ia rue Margnez de'uliuda n. 51
Armazem do fnmo
Llua da Madre de Deus n. 10 A.
J.jsi'- Domingues do Car-mo e Silva participa ao:
*eus freguezes e amigos que no seu armazem a
mi da Madre de Deus n. 10 A, se aeha um com-
ideto sortimento de fumoem ftffdos ue patente t.*.
t." e 3.' sortes, dos melhores fabrirantes da 3ahia.
o hem asim a flor de todos os fmnns de corda
m rulo>, pacotes, latas grandes e pequenas, tarn-
hem dos' mui acreditados fal)ricanies Torres 4
kraujo. Lizaur, Adolpho Schmdt & C, Lizaur
-ehmiilt 4 C, Veigas 4 Araujo, Trindade 4 Ave-
lar, Teixeira Pinto 4 Portella (garantido pelo>
mesmos) e de outrns aindf nao conhecidos pelc
publieo desta capital. 0 annnnciante declara que
Mdo fumo que for vendido em sua casa sera pelo
-en justo valor, e que quaado garantir a respecti
va qualidade, sera siBcero, mui particulaTmenu
.oin as pessoas i|ue*puaeo entendam da materia .
pois para bem servir a todos. tern o annuncianu
onga pratica de 15 annos deste eummeteib.
Vende-se
iim silio em Agua-Fria na rua de Santo Antonio,
i ilito silio tem de frente 100 pahnos e 47i de
Hindus e a casa ainda esta por acabar : a tratar
na rua do Oitovello n. 8.________________
Vende se nm pon-o proprio para a festa, e
em grandeza nan ha segjndo, 6 um extraordina-
no: a tra ar na rua do Cotoveilo u. 25.
Vende-se
A tvaerna da rua da Penha n. 6, bem afregue-
zada tauio para a terra como para o mate;a tratar
n i mesma.
M[\\V, HaWKKS 4 C, A" -UA DA CRUZ N
4, VENDEM:
Machinas de cortar fumo.
4acbMas de di'icar^ijar algidao.
M.ichina? a vapor de forca do 2 l\i, e de \ ca-
vallos.
Balan.;asde diversas qnalidades.
Pesos e mediil.t* de diversos padrdea.
ihaiariz d.: fwrro para janiim.
Forma* para a-sucar
.iados ainericanns.
Alien-Qao
Vende-se baralo a arma.;ao da taverna n. 60, si-
t a ma Direita ins Afogados : a tr..tar na pada-
ia d^ junto n. 66.
A proposilo da fesla
0 cjtie dizfiii par ahi.
A verdade vou dizervos,
Seni embargo do mao tempo ;
Nao e graga, vou contarvos
0 qu'dizem... porexeinplo:
Que a BARRIGA e a mai da humanidade e qne
esta como lilha obediente deve tratar com requin-
tado desvelo de sua dilectissima e infaliivel mai
Que para isto 6 indispensavel que os gastrono-
mes habitantes desta bella cidade e seus subnr-
bios, como parte integrante da humanidade, devem
vir ao muito utit e conhecido armazem do Cam-
pos, a rua do Imperador n. 28, comprarem os
novos saborosissimos presunlos para fiambres ; os
gostosos paios, os saborosos salames, os appeteti- j
veis lorabos de porco; as delicadas linguicas e I
salcliictlas, oa digestivos peixes em latas. a finis-
sima .nanleiga ingleza e franceza. os deleitosos
biscoitos, as excitantes conservas. as deliciosas
ameixas, passas, amendoas e nozes, as aprecia-!
veis fruclas em calda, os flexiveis doces, o mag-
nifioo queijo flamengo e prato, o embriagante cha'
perola, aljofra' e preto, os substanciaes chocolate e |
cacao em p6, os refrigerantes licores, as caiman-,
tes cervejas, os corroborantes bitters, os inspiran- i
let vinhos do Porto, Madeira, Bordeaux, Figuei-
ra, Lisbfla; Cborry, '.'oilares o outras moitas qua-
lidades, a corruscante champagne, eidra e um jem
nnmero de raroa e arrebatadores aetjipes, que
da forcat, vida e prazer, aflm de recheareri* dia-
riaraente o receptaculo de suas idohlradlssimas
Barngis ;
Que, quem quizer fazer um delicado lunch, fu-
mar um primoroso charuto da Bhia e bebernm
copo d'agua fria (gratis a agua) deve vir ao anna-
zem do Campos, unieo quetem demonstratlo alii
a evidencia a influeneia da rainha do mondo a
barriga
Mesmo porque
Ora esta 6 boa.
Quem quizer ser ditoso. serfeliz
Deve ao- Campos s jmente ir comprando,
EvitandO assim de ir mai passando,
Deleitaodo a barriga e o nariz.
Alem ;do que dizem muitas cousas ; por
exemplo que o Campos e so qnem vende bom e
barato, que so e" onnieo que da amostras de gene
res ; que so elle, 6 quem capricha em d>r bom
peso, que 6 elle s6 quem manda lerar gratis
em ca^a do comprador os generos comprados (a
dinheiro)" em seu armazem. quer dentro da cida-
de, quer nos seus adjaeentes ; que unicamente
sd 6 no armazem do Campus, a rua do Imperador
n. 28, onde se enennfra lim enmpieto e eeplendi-
do sortimento,'verdadeiro Centro-de |ieregri-
nas e exqoe-itas victuallm onde mdns (mai.-ons
jesuitas) devem vir satisfazer esia obra de mise-
ricordia (ja se sabe, irazeiili dinh^irn) dar de
eomer a -barriga atfcndenio a que-:
Do dia a questao ja nao exlste,
Que o Campos fez eeasar toda esta briga,
De.-fechando este /olpe philiflnpliieo:
Tralem todos primeiro da barriga.
Finalmente que, ai interessa tes meninas di-
zem que, so gostam do doces do arma'.em do
Campos ; as seduct'ira< e espirituosas mmjas que,
?6 tomam um calice de bitter estomacal so for
do armazem do Campos ; as rvspeilo-,as iiiativnas
que, s6 se recordam do iiassado ipiando saboream
alguns acipipes do armazem do Campos'; os ele-
gantes e amaveis rapazes que, so fumam charu-
tos do Catopos ; o. velhes, que, so sentem ex -ita
cao quando coniem certas iguarias do Campos,
e ate os forasteiro* so procuram o Campos, s
querem o Campos e so gostam do Campos, a ponto
de... vejam:
Do Campos a fama como voa
Nes bailes, theatros e caKs ;
Maxambombas, lionds e jardins,
Retroand do mundo nos confins,
Deixa a todos uma nova feliz, boa
E vai passando dts anncs atravez I
Formas para assucar.
galvanisadas c piniadas, por preco commodo.
Vendem Cunha & Manta, a rua doMarquez de
Ulinda, n. 23.______________________________
Aiobos finos engarrrfad^
Pr prios para preseute de festa o de di-
versas qoahdades ; vcnde"n-se na rua do
Commercio n. 48, 1 andar.
Aniaral, N. buco i C, vendem inagmficas
colchas do seJa, linissimas aberturas de cambraia
de linho bordada- p*ra camisa< de meninas e de
de senhoras e meias dalgndao. Go d'Eseocia e de
seda para homens, senhoras, meninns, e meninas:
no Bazar Victoria, arm do Barao da Victoria
numero 2.
Ja chegou
o verladeiro madanulao fr.mcez a 6$ a peQa
rna do Queimado n. 4).
A elle antes que se acabe.
Bellosgostos em foulardina.
A rnsa branca tem os mais ricos g. stos em
foulardina, e uma ri<*a fazenda para vestido com
as core- azul, cor de pinhao, bronze, e cor de
lyrio, tudo com listr^s Im ncas, *ao estas as co-
res mais modemas e mma uadas nas principaes
cidadas da Enropa. Dao-so amo-tras e manda so
levar nas casas : na Inja da rnsa branca, a rua
da Imperatriz, n. 5S.
Las finas a 500 rs.
A rosa branca receben lanzinhas de lindos gos-
tos a 500 rs, sao 14s 4n 8lM rs. quem quizer die
gue. Rua da Imperatriz n. 56. Dao-se amostras
am penhor.
i ambraia para forro.
Muito encorpada e tapaa, o que o rarissimo
encomrar, a 2 000 a peca e em vara a 401 r*.
a rua da Imperatriz n. 56, loja da rosa' branca.
V^nde-se
Pes de sa|Hiti. abacates, romeiras, parreiraa,
'ructa-pao, ro-eiras de variai i|U.ii'dades_a.oulras
lures : na Boa-vi>ta, rua d Viscuude de Goyanna
. 101, uuti'oia Mund'gD.
Vende-se
a taverna cita & run do Bariio do Triumpho
0.65: quern pretender dirija-s l-mesoia,
que achara* com quem tratar.
- Veti'le-se a melmii; do sobrado de
oiis andares e smUio na rua Je Pedco Af-
tVmso, outr'>r rua da l':,;- 35 : aitrtar
na masiM rii'. arm ::-.:v. :.. 2 A. 6' van-
lAJosa a coropra, prl nuportante predk>t
h.'in I'onstrnido, de irrande rondimento .e
\' II- ntfs fonimot!o
-*- Vende so um escravo v. ulatirrho, do
nmiio horiita tipnra, sadu1 < de "Mtl enn-
, de ida !< .le IS snnos, propriw pwrft
n e o..,i-i. .. E' vendido pirqaeosee
senn^r vai nWiito pra a Kuropa : 4itratar
na ruade Horfos n. 110,
P tRA ACABAR
A' rua da Imperatriz nume-
ro 16:.
Cambraia? tranaparevte* muito Anas, pega,
*8(X), ditas ditas vicioria a M,.Si e 6*, chitas
francezas finas a 2fc0, 280, 300 e iJO rs. o covado,
cambraias finas dttcoreae a 310 n..o covado, ca-
misinhas para senhora, ricamente enfeitadas a
i&&m cada. uma, pouebnas de-cores a 1J2O0 o
covado, sedas de listras a U60, o que ha de
meUmr, chap^os de pa!na paraseub' ra, o hub ha
d" mais modernoa 83, :0 s. 144 a 16* cada um,
fl.-tiaia.de croebet all oa4ajnjni.maEUpolao.fino
a 54400 a peca. ve-tidps de. cambraia bordados a
\U, ditusdt Imbo a 2Ql, 23a e ^6*, 0 qu* pode
haver de melhor, e outras muitas fazeodas que so
a visu.da-corrtpradur!, oomo sejant cortas de seda,
tunicas, etc. etc X. B. Vejam que se estao
acabando.
\& fnii(ilfnrfe GutilosD A'lrniio,
a ru.-i dd Ikuiii ns. .l^aWa
Vende-se os seguintes ob-
jectos, por preijos
oommodos.:
TARANDAS fram-ezas de ferro fundido-da diver-
e boui;os.g((.-s,
FOIiOESfiancexcs graticks e pecjnaiM**,..
DEW dito para trabad*r cvm gaz.
B MBciS trzucnt&i d renujp.
rBAN OS com pes &$r ie,xo^coii njolla.esem
ett*.
Pl-Sde. ferro para m-j
JAHR^jS'de f^rro par* jardimt jrandes e pequ*
nm.
wACrHN-Atliiara gflaf agorefitwr'*; felam
agua em 10 minuto/ arenft>wec]
1 dit-s.
Rua de Bar&tf da Victoria n. 22.
DE
Carnciro Yianna.
A' este gfande estabelecimento tefn che-
ga'do urdbotn sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos ultimamentena Europa, cujas machinas
sao garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qaalquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambera d'um
aano sem despendio algura do comprador.
Neste estabelecimento t mbem ha pertencas
para as mesmas machinas e se atmpie qual-
quet pe^a qne seja necessario. Estas ma-
chinas trahnlham com toda a pcrfei^So de
um e dous pospontos, franie e borda to qualquer costura por Una que sqja, seus
precos sBo da seguihte qualidade : pafa tra-
balhar a mao de 3O3W00, 4Q&O0i>", 45-5000
e 509000', para trabalhar com o j>e sao de
808000, 903000, 1005000, I10000,
1203000, 1809000, 1505000, 2005000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teraQao de preens e os comp'radores potierao
visilar este estabelecimento, que muito de-
verao gostar pela variedado de objector que
ha semppe para vender, como sejam : cadei-
ras para ri'agera, malas para viagera, cadei-
ras para salas, ditas de balanco, ditas para
crianga (altdS;, ditas para escolas, costurei-
ras riq'iissimiis, para senhora, despensaveis
para crianeas, do todas as qualidades, camas
de feiro para homem e crianeas, capachos,
espelhos douriKlns para sala, grandes e pe-
queuos, appnndhos do metal para cha", fa-
queiros com cabo de metal e de marfim,
clitosavulsns, colheres de metal iln >, condiei-
ros para sala. jarros,- goarda-comidas de
ararne, tautpas para cobrtr pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outrns mut-
tos artigos que muito devem agradar a todos
que visitarem estegrande estabelecimento
que se acha aberto dede as 6 horas da ma-
nha atti as 9 horas da noute a
Rua do Barao da Victoria n.
22.
l\a ha muis eabellos
brancos.
TiNTURARlA- JAPONEZA.
Sd e unica approvada polas academias de
soiencias, rccotiheirida sujierior a toda que
torn apparecido ate boje. Itoposito princi-
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quz de Olinda, n. 51, I andar, e em
todas as boticas e casas de cabeilei-
rs-?o.
Do forra de d >us a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquira Lopes Macbado 4 C, tr-a
vessa do '.orpo Santo n. 23.
Vende-se a armarao e atewillos da taverna do
pate doTerco n. II, barato, e propria para qu-mi
se quizer estabcleeor n.iquelle lugar : a tratar na
mesma,
Xarope d'agriao do Para
Antigo e conceituado medicamento para
cura das molestias. dos orgaos respiratorios,
como a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
applicado ainda com optimos resultados no
escorhiito.
Wil on Rrwe5i t. vendem no seu armazem
a rua de Comnvrcio n. 14 :
0 vertadeiro pinno de algodSo azul araencano.
Bxcellente flu de vela.
Cognac de 1' qualidade
VinUo de Bordeaux.
Carvio de Pedra de t 'das as qualidadeii
LIQUIDACAO DE FAZENDAS
^A
Rua da imperatriz n. 60
Vende fazendas para liquidar, por baratissimo preco como
abaixo se ve:
Pereira da Silva & GuimarSes tendo em ser um grtride depozito de fazendas,
tem resolyido fazer uma liquidacSo das mesmas com grande abatiraento nos precos,
com o unico fim di apurar dinheir1, para o que convidafin nSo s6 cs seus numerosos
freguezes, como o respeitavel publieo, a vir surlir se de muitas fazendas, boas ebaratas
no seu estabelecinrento denommado oPavaoa rua da Imperatriz n. 80.
CAMBRAIAS A 49, 49500, 59, 69 79-
0 Pavao vende um magnifico sortimento
das mais finas eambraias brancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas cada peca, pelo ba-
rato preco de 49, 49500, 59, 69, tendo tam-
bem das mais finas que custumam vir ao
mcrcado, assim como um grande sortimento
de ditas t8padas e victorias que vende de 49
ate 89,sendo fazenda quo valle muito mais
dinheiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento
do cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
preco de 59, por ser pecbincha, ditas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOS A USO DA CORTE 129
0 Pavao vende um bonito sortimento de
cortes de vestidos a uso da eorte, trazendo
cada c6rte todos os enfeites necessarios como
sejam : babadinhos, entre-meios, rendas,
requeftfes, e vonde pelo barato prego de 129
cada um, assim como, di os a 2 de julho
com todos os enfeites a 109, cortes de cam-
braias brancas aberlas, com listras e lav res
a 69, ditos finissimos a 89, ditos'de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e" pechincba.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o covado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padrdes e
cores fixas, que vende polo barato precjo de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BORNOL'S A 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listras o
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales de merin6 e com listras de seda.
francez muito-fino a 390M, apenas precise
1, Y4 metro para um lencal,
CHALES B^RATOS
a 29, 29500, 49.
0 Pavao vende ehales a emitacio de me-
riu6 a 29, ditos de merino Usos de todas as
cores a 29500, dit6demerinAestampados.
muito finos a 49, .ditos finissimos com lis-
tras de seda a 69500, ditos muito finos' d*
crepom a 109 e 129.
Algoclflo enfestado a 19 e 199SO.
O Pavao vende algodio eufestddo com 8
palmos delargura, proprio para lenc6es
sendo do mais encorpado que tem viodo ao
mercado, liso a 19 a vara e trancadoa.....
19280.
ATOALHADO A 19600, 29, 59.
0 Pa vao vende atoalhado trm^ado coir. 8
palmos de largura a l9200f e 19600, dito
adamascado a 29, dito do linho adamasca-
do a 39 e 59.
SEDA PARA VESTIDOS
a 196O0e29.
0 Pavao-vende um bonito sortimento df
sedas com listrinhas proprias- para vesti
dos de meninas e"do seuhorAa 19600 o" co-
vado, ditas lavradirrtma 29v-ospadr6es" sao
muito bonitos e-vendVife pot1 este precopar
acabar.
Itotimt* a .> SOOO
0 Pavao tem um completo, sortimento de
botinas muito bem enfeitadas para sennoras
e vendo pelo barato preco le 59, artigo que
em'outra qualqurr'parte custa o9e 79.
LEMCOS BRANf-OS
'a 2900!i.
0 Pavao vende lencos brancos ab-inha-
dos, tanto p'rahomeus como para senhoras
a 29 e 295'0 a duzia, dftos de esguiao f-
cambraia de linho t mbeni ab inhados a
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, p;ir*
rap^a 69,duzia.
CAMTSAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas- crtttisas com petto
de linho bord 'das, propirios- p ra noivo a
10i$e 129 cadauma, ditas de'linho sen se-
rem borl das 4?, 49d01e 59., ditas corr
peito de algodao muito finas 29, 29500 t
39, ditas dectiita fina miudirthn a 29', 29300,
e 39, "SSira como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto do linho como deal
godao de 19600 ate 39, ge nde sortimentc
le mei.s cru:s inglezas do 49 ate 89000 >
duzia
FAZENDAS PARA 1.LT0.
O Pavao tem um grande sortimento d(
fazendas prct s para luto como sejam : cas-
S'S, las, ou lazinli.is lisas que vende a 4 00
ou gazes de e 5 todas as cores at^ "^ c?vai!o canluo a 19 e 1*200,
LAZINHAS A 320
0 Pavao vende bonitas lazinhas lisas,
sendo verde e cor do lyrio, pe o barato prego
de 320 reis o covado, assim como. delicadas
la.zinha"s de quadrinhos a 280 reis, pc-
chincha.
Granat!i.!<* a GIO
0 Pavao vende um elegante sortimento
das mais bonitas granadines
seda para vestidos. tendo de ..
e vende pelo "barato preco de 6't0 reisoco- 8FJMame lisa comi listras, cassas e chitas
vado e granadine preta com listras de^seda t0, pretas cm 'f1^ e salpicos, ,lp-cas
a 1>800. lot,as Pretas e lavradas de branco, merin6s
outras muitas fazend s apropri-das, que se
LAZINHAS A 360 0 C0\ ADO. vcude P01' msoas do que em outra qu- Ique.
0 PavSo vendo bonitas lazinhas transpa- Prte.
rentes com palminhas a 360 rdis o covad -,' MADAPOI.OES ENFESTADOS
ditas ditas indianas com lindos dezenhos-,' a 39000
tanto em listras como em quadros a 280 rs. ^ Pavao vende pecasde maupolao enfes-
o covado, e grande siwtimento de alpacas e tado com 12 jard sa39, dito a 39500, ditc
lazinhas de 40U a 80D reis. com 20 jardas a 59; 59500 e 69000, ditc
\ com 24 jardas de 59 ate 89 e 10^>, sendo c)
CHITAS DE CORES mais finos que tem vindo ao mere do.
a 20", 24(., 280 e 320 rs.
0 Pavao vende um grande sortimento de
bonitas chitas tanto claras como eseuras c
vende deS'in at 32 rs., assim como ditas
com listras ao lado muito finas a 360e4 rs., finissimas percales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 re'is, garantindo
serein 'o las de cores fixas.
COBK.RTAS A 29, 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
com ramagemgrauda, pidos baratos precos
Algoriaoziuho a 49000.
0 Pavio vende pegas de algodaoziuho
muito mcorpado a 49, dito a 59 o 69.
TAPETES
CORTES DK GASEM1RA A 59-
0 Pavao vende um grande sortimeoto dc
cortes de casemira para calgas, com bonitos
de 29,2950i, 39 49, ditas encarnadas j gostos, claros e escuros a 59, ditos de 6?.
forradas a 59* ditas defustao branco e de cor 79, 89, aid 109, superiores casemiras fran-
Vende-se
no estado em que se acha < sitio existente no
lugar doe Benudioe, freguezia dos Afogados n.
2l,.hojo becco da travessa dos h>m.-dius n. 18,
em cha pruprio, quem o pretender entenda-se
com o seu pmprietario na rua de S. Francisco,
como quem vai para a rua Bella, sobrado n. 10,
que se fara todn negocio
Farinha de mandioca nova
Teem para vender Joaquira Jose Goncalyvs Bel.
trio k Filho, a bordo do patacho Sapho, chegado
die Santa 'atharina, fosdnado.defroute do trapiche
Barao do Livramento ; e para tratar a bordo, oa
no seu escriptorio a rua do Commercio n. S.
Casas para vender
com barms a 49" e 59. ditas de crochet pra
cama de noivo a 69, ditas muito rlcas a 169,
ditas de damasco a emitacAo de seda a 109
e 149.
Fustdes
0 Pavao veiwfc fustdes brancos e de cores,
sendo as mais bonitas cores que tem viiido ao
mercado, tanto para roupa de crianeas como
par* vestidos e roupas de homem, e vende
pelo barato preco de 560 ate 19, o covado.
BRAMANTES
a 1:9600, 252'i0 e 29500.
0 Pavao vende bramantes de algodao com
10 palmos de largura para lingoes, pelo ba-
rato prego de 196 0, ''ito de liuho com a
mesma largura a 29. 2-200 e 29500, dito
Cortes decliitaa tf, *C51M> e
0 Pavao vende cortes de chitas ascurase
claras.com 10 covadnscada c6rte, pelo ba-
ratismo preen de 29 2coOU e 39000.
CORTES DE BRIM A 19400.
O Pavao vende c6rtes de brim pardo para
e to boa, a 196D0.
Espartilhos a 3| e 4$000.
0 Pavao veflde.o* mais modernos esparti-
lhos, proprk>6 para st-uhoras e. meninas.
pelos barati.tsimos pivgtis dn 39 c 49000.
Ditos muito superiores, brancos e de cdr, a
59 e 69080.
cez se inglezas, pura covado, de 39500 ate
63, paunos pretos ede ores dos mais bara-
tos e innis finos-que tern vindo ao mercado,
por precos muito razo veis.
Uoupa feita
0 Pavao, tem coustantemente um grande
sortimento de roupas feitospara homem, que
vende por preeo muito em conta, como se-
jam :
Calgasde brim de cores de 29500 ate^ 69-
Ditas de casemira escura a 39500
Palitots da mesma fazend-i a 49500.
Calcas de brim pardo de 29 ate '6&.
Dit s de casemir-t da cdr de 7i5 ate 12|J.
Dit-s do casemira preta de 79 te" 14$.
Palitots de panno preto da 49 ate" 129-
Fraques de paun> preto fiuo de 209 ate
359000.
Calc s brancas de linho de 49 ate?9.
Colletes dc casemira de cor de 39000 at*
59000
Ditos de dita preta de 49 ate 79.
Cortes de 1ft a 4900*.
0 Pavao vende bonitos cortes de lSsinhas,
padrdes miudinhos com lindas cores, tendo
15 covados cada c6rte, pelo barato prego de
49000._
CORTES.DJi OAGANCY A,3jp>0 e 3j*0fl.
0 Pavan vende cdrte da osgandv branco,
com listras e quadrinhos, seudo fazenda mui-
to fina. pelos baratissimos pregos de 39 e
3950U 0 corte.
Vendem^e. a* e*>as seguintes. por precos mo-
dicos : casas terreas a rua da Bestanracao ns, 2s
e 47, sobr*do a rua do morira n. 43, caias ten>
ivaa rwa,d^ton^a> Valeutinas ns. 7e 11,aobra- como grnnilesortimeuto de meias cru^s, camisas, culennhos, que tudo se vende por
*_* dou* and^e^.na mesma. rua. <>> 66, sitjo do pregos muito r zoaveis.
------------------*.
Ceroulasfr'ncezas de linho e algodao, para todos os preens e quaiidades, assim
Ri^io, na Passajem da Magdalena, com caa de
morada a.marg<^adu rio Opibanbo .- os ^reten-
dentes dirijam s8 a rua Primeiro de Mar^o n. 8,
esquina da ma dalmperaion, qne acbarao com
quem-trauq
' ws\
VfiNM-wE
Vende -e ua ca
prio na rualdo Caveern.
'de C*t\n*-,H^,"miao
Itegrea er
terreno pro-
do Duque
Dous zavallos muito boa n^adores : a tratar
na rua das Flores-Od^^B W*Sr. Firmino, op
na padarta sita a rna de Hareilio Dias n. 6%; taro-
bem se vende uma- armaeao de tavoroa muito
barato.
Panno de algodao da
Bahia.
Ha para vender das seguintes fabricas :
S Salvador.'
Conceicai.
Valenca.
Modelo.
No escriptorio de Lniz Duprat, a rua do On-
fimercio n. 34,1* andar.

Lazinhas
escoeezaR a^80-i*, q,oqwshSOi.
Rua da Qaaeiaaada a> 4*
Lazinhas escoi-ezas, padrd#tanio ba^oa, uJti-
m. ifttda de Vfii* d>,wi^ M^iauaato. preco
de 280 rs. 0 covado ; dao-se amostras : na rua do
Qneimado n. A3.
] ILEBIVEL


-JL>


If
. *
-V

t
I
Diario de Pernambuco Terea feira 16 de -Itezmihw de IMo.
4Rua do CabugaN. 4
JOSEPH KRAUSE & C.
. IRMAOS
UNIGOS AGENTES
A'
Rua do Barao da Victoria r. 28
U mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
"Na exposisSo de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora-
$io da Legiio de Honra, por serem as machinas mais per.
feitas do mundo.
A medalha de ouro, conferida
Estados-Unidos por ser o inventor
tura.
a E. Howe Junior, nos
da machina de cos-
A medalha de ouro na exposicao de Londres acreditaro
estas machinas.
A 908000
Cabe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Sova-
crk, estabeleceu nesta cidade a rua {ral, para em Pernambpno e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
ra de He we. Estas macninas sao justamente apreciadas pela perfeicao de seu trabalho,
-mpregando uraa agulha mais curta com a mesma qualidade delinhaque qualquer outra,
' **h introduce^ dos mav aperfeijoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
erecer ?> iiarac publico as melhores machinas do mundo.
As vemtagens deslas machinas sao as segmntes:
Fruaeint.0 publico sake que ellas sio duradouras, para isto prova incontestavel, a
vcumstancia de nunca tereni w>arecido no mercado machinas d Howe em segun-
! snao.
Stgunda.Cmtervo1 material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Tercehf*.Haueflas menor friccio entre as diversas pogas, e menos rapido estrago
ae n outrats.
Quarta.Formam o pottto corao se fdra fe'tto a/mio.
*>Rinte.---Permitte quese examine o tfabalho de ambos os fios, o que se nioconsegn
* f rmtras.
Sexla.Faiem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um a outro lado,
logo em seguida, sem modificar-so a tensSo da linha, cozem a fazenda mais
Satin.0 compressor dlevantado com a maior facilidade, quando se tern de mudar
m igulha fto comeoar neva costura.
Oitirya.Muitas companhiasde macbinas de costura, tem tido epocas de grandeza e
cadenoia. Maeferaas oulr'dra populates, sSo hoje quasi descochecidas, outras soflVeram
adan$as radicals patapoderem substiluir : errtretanto a companhia das machinas de Howe
aoptando a opmiao de Elias Hewe; wtestre em artes mechanicas, tern constanteraente
agnvn'ado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto que faca 600 machinas
!*dia.
Cadainaohina aoompanha
DE
GOMES W MATT0S k IRMAO
Avisam ao respeitavel piiblico des'ta cidade que o sortimeiiio de joins, de subido va
lor, que existia em seu estabelecimento, esla completamento reforcado com o mais ele
gante sortimento de novas joias, que reccberam directamente pelo ultimo vapor da Eu
ropa, constando elie do mais variado sortimento de aderecos a* Boulevard, pulseiras dc
ultimo gosto com pedras preciosas e scm ellas, brincos d'argola, agraffes para rclogio de
senhoras, delicados aderecos para meninas, meios aderecos de camafeu lindissimos, voltaf
de nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quantidade
de botdes para punhos e peito, com emblemas magonicos, de onix, tecido.de ouro, catta-
feu, etc., brilhantes monstros de rarissimas agoas, em anneis, rozetas, pulseiras, alfire-
tes e botdes, e outros muitos ohjectos de ouro de melhores fabricantes de Paris, que se
venderao com grande reducjao de precos, por serem elles recebidos directamente de seu
committentes.
Os proprietaries do acreditado MUZEU DE JOIAS, tendo seu estabelecimento abertc
ate" 8 horas da noute, convidam as familias quese quizerem prover de lindas joias,
virem escolhe-las & vontade, para o que csi? em exposigao nos mostradores.
0LE0
DE FIGAD0 DE BACALHAU
IODQ-FERREO
COM QU1NA
E CASGA DE LARANJA AMARA
do Doutor DUCOUX, 13, galerit d'Orleans {Paco Beat), Paris.
Efs medicamento a facil de tomar, lem resaibo, e de cbeiro agradavel. Pela soa composielo,
pMM* lodas as quahdades qie lhe permetlem subslituir com vantagem todai serie de medicament*!,
corao pilulai ferruginosai, vinho de quina, oleo de figado de bacalhau, xarope de casca de
laranja amara, empregados para combaler a anemia, achlorose, as Hfftoetes do peito, a bronchite.
o catarrhot, a tinea, k diothese esfrumoia, etcraphulosa, etc., etc
Per motivo do tea emprego facil, da sua accao maltiplice e segura, da economia para o doentea.
os medicos presererem n o por preferencia a qualquer outro medicamento similar.
Deposit* ea Pernambuco, A. REGORD.
j]
E' seiapre
assmi.
tvretos com instructs em portuguei.
~~" A90^000
LEITE, IRMAOS
do Barao
A*
da
Victoria n. 28.
Agua florida, de Guislain,;
para fazer os oabellos pre-!
tos.
A aguia hranca, a rua Duque da Caxias n. SO,
acaba de rccuber nova remessa da apreciavel agua
florida para fazer os cabellos pretos. 0 boui re- j
sultado colhido por quem tern feito uso dessa'
inolfcnsiva preparacao a tem allamente coneeitea- j
do, e por isto apenas se faz lembrar a qnem.no- ]
vamente deila pYucise e queira se aproveitar de i
sua utilidade. Tauibem veio agua dc topasio e
oleo florido para o mesmo a ( e tao acreditados
como aquella.
UK
Fazendas fmas
V de
NA
n. 7 A.
DE
Cordeiro ISimoes < C.
J'eta esa, scm dttvida, nma das que haja,
Voltas e brincos de n;rossos i)(Ul0e.m''r'maiia;*iWMP,"ar ^^^ freguew
... A um variodtssimo sorijiuetilo .k$ fazendas Unas pa-
aljoiares de cores.
A aguia branca, a rua do Duque dj Caxiaa n.
50, reeef*u novas e bonitas valtas e brincos de
grossoj Jiljofarcs de cores, e como seiupre cooti-
oua a wtulc-ias por prego commodo.
- pa
ra grande toilette jassirn como, para o, osp ordi-
nario de toda's as'classes, e p i soe-p-Tra os cflmprartmrs, (fe- eojas fazi'm um pe-
; qrif no< resnmo.
Mandarn I'azntMlas as cjikis do< pinHendentes,
para o que. tem o pesoaJ necessario fc dao amos-
com
Novos diademas dourados e !^mT"W,lL.
Cortes-de seda Je I Mas cores.
Dims dognrgurSo de cores.
Grosdenaple dfl lod.is a 6res.
A aguia branca, a rua do Duque de Caxtas n. Gorpurab branco e preto
50, recebeu novo sortimento de bonitos dfade- Seiim Macau preto e de cores
mas dourados e com pedras, tanio para meoioas GrosdejiaplosMdsm idem.
pedras.
como para senhoras.
Colleccdes de traslados
-4
A 30#000 e 30*000.
SOUS POSPQNT0S
Na lojade Soares Leite Irmaos, a rua do Barao da
Victoria n. 28.
pellica com peaueno toaue. Esnelhos de rnoldura dourada, de todos
i.nvas de
500 rs.
Aibotoadtiras
mento at 2D rs.
Caiia de linha de marca, a 200 rs.
Lamparirtas a gaz, daudo uma luz muito
va, a -t|KKi0.
Duzia de pecas de cordfio imperial, a
iOrs.
Can a de botdes de osso para calja, a
*09-rs.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
"00 rs.
idem idem 60 jardas, a 240 rs.
tfaco de tita chineza, a 900 rs.
Caixa de linha com 40 aovellos, a 500 rs.
Meios adcrecjos com camafeu, a S00 rs.
iarrafa de tinta roxa extra-flna a 19000
Poles com dita ingleza, preta, a 100 e
160 rs. :
Caixa de pennas Perrj, muito boas, a
5000.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa deenveloppes tarjados, a 500 r.
Idem idem forrados, aTOOrs.
Caixa de papel amisade, beira dourada,
800 rs.
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de talheres cabo branco, 2 B., a
W000
Resma de papel pautado, a 49000
8 59800.
Idem idem liso, a29800, 39800e 5*000.
Coques modernos, a 39000.
Duzias de pec,as de tran^as de caracol
branca, a 400 rs.
Idem idem lisas, a 200 rs.
loques de osso e saodalo, a 29000, 49
69000.
com pequeno toque, j Espelhos de rnoldura dourada,
' os tamanhos e projos.
T*ra collete, grande wrfi-| PERFLMARIAS E MIUDEZAS.
Frasco com oleo Oriza verdadeiro, a
19000.
Idem com tonico de Kemp, verdadeiro, a
19000.
Garrafa de agua florida verdadoira a 19200
Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
Idem idem divina, a 19000.
Idem idem Magdalena (noviiade) a
19200.
Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pote com opiata de Rieger, 'Rimel e Gros-
nel, 19000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39600.
Duzia de sabonetes de anjinho transpa ren-
tes, a 29200.
Idem idem com fldres, a i9500.
Sabonetes Glycerino transparentes, a
19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a J9000 o 19500.
Cosmeticos, graudes e pequenos, a 100 e
800 rs.
Frasco com agua de col8gne, a 200, 320,
500 rs. e ljjfoOO.
Extractos muito finos dos melhores au-
tores.
Lindas e elegantes caixinhas com perfuma-
rias, proprias para presentes, dos autores
E. Codray, Rieger, Gelle* Freres, etc.
Quadros com santos e estaropas sepaxa-
das.
Eatromeios e babados transparentes e ta-
VelviQ3jpceto.
Q,rj Granadme, seda 'preta e cojismasri de cuccs lin-
dissfmas ftadrOes d fazimda d uttima moda.
IVipefinas ile lindos padrw's.
Filode soda branco preto.
Bioas lias'itunas ila >;i>ila.
Mariras brasileiras.
trhas de scda para nofvos.
"tips-ili' rambraia branca m liiidos hordados.
CapeUat e mantos par* n ivas.
Meias cruas finas para meni- Ri.nio spruoNBio **** com iisuas de sja.
. r tambraias de cores
nor mas para escrever-se.
A aguia branca, a rua Dmjue ^ Cuia; n. SO,
recebeu novas colleccdes ou norinas para as crian-
cas aprenderem a escrever por si mesmo, hide tao
iisadas nas aul.is e cotlegioe ; e como sempre ven-
de-as \m pre;o commodo.
nas e senhoras
A loja d'aguia branca, a rua Duque de Casias
n. 50, recebeu novo sortimento daquellas tao pro-
curadas ineias cruas para senhora, vindo igual-
mente para menina, e contintia a vende-las por
precos eomiuodos.
V6os ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de Ca-
zias n. 50, recebeu bonitos v6os ou mantinhas
pretas de seda com (lores, e ontras a imitaoi* de
croche, e vende-as peloa baratos precos de 34,
it e 6*000. A fazeuda e boa e esla em pcrfeito
estadc. pelo que contintia a ter prompta extrac-
i;ao
Perfeita novidade.
Grampos com borboletas, bezounos e gafa-
nhotos dourados e coloridos.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. 50, recebeu hovos grampos com bor-
boletas, bezouros e gafanhotos, o quo de certo 6
perfeita novid de. A qruntidadd e pepuena, e
breve se aoabara.
Ii-
cores, para se^
Ditas mariprtza^, trratjeas e de*cores.
Nansuck- de-Hndos pdrSes.
UapliKta de pa-Itoes mui delicados.
Perlina de quadros pretos e br*ncps> de
tras, etc.
Brins de linho de cores, proprios para vestidos
com harm alisiras.
Fustao d iindas cores.
Casaquiuhos de la e de todas as
nboras.
Saias bordadas para senhoras
Gamisas idem idem
Vertmrios para.meiaos.
Diios para baptisados.
Cbapeos para ditos.
Toatons o guardaoapos adamascados de
eflres para mem.
Cotohas de h.
Cortiaados -borikdot.
Camtsns bordadas para homem.
Sleias de cdres para homens e meninos.
Complete sortimento de chapews-' de-8ol para ho-
mens e senhoras, com cabo de marflra.
Merino de core* para veatidos.
Dito preto.
Atoalbado de linho e ahjodao para toalhas.
nor isso em
vr Aioamaao ue um
Novas.gollmhas ornadascom A**ihado pardo.
i i Brins de linho branco, preto e de core?.
pelucia ou arminho
A loja d'aguia bracca area Duque de Caxias
- 50, recebeu uma pequena quantidade de boni:
s e novas gulltnhas, trabalho de la e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e inteiraraente novas.
Setim de.lin.las cores e com listras
Chalcs de merino de cores e p: etos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta c de cores.
Dito tfe touquim.
Camisas de linho.
Fita. de velludo de todas as cores e largu- pados.
ras. I Uma grande taboleta propria para qual
Wicroscopios com 12 vistasja 69000. quer loja.
Fiasco com ofeo para machina a 400 rs.
Rua do Barao da Victoria t. 28.

ffiM
V-nile-se uma etf:e1!eftte ca?a com um pequeno
aitio, siu no Arraial junto a casa do Si. Anselmo :
atratnr.ua mesma casa, e para iDforknacoes na
laverna do Qaeimedo n. 3, andar
Os verdadeiros
Vinhos de Bourgogne
das fiiarc^s
Chambertiu
Pommard
Virits
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Vcndi'-sc |hip hmU) prec-o
PARA EIQlilDACAO DE CONTAS
Araaral, N.ibuco & C receberara complete sor- NA
timeoto de b.)lcas, malas e mdispensaveis de eon-1 Rua Larga do Rosorio 34,
ro, madeira fc chagrin : vende-se no Bazar Vic-, "Rrvtlno
toria, raa do Baxlo da Victoria n. 1 XUtlO.
Ma^olao francez
a6jJ500a pc^a!!
Hadapolao franeez. /too com pouco sujo a 6^30
a pe^a ; 6 peehindha na rua do Queimaflo nn-
wiero 4a
Bolsas, malas indispensa-
veis
/^ i Ditaa de cbita.
Urampos, brincos e rozetas Dita do nancua.
j j Ceroulas de brim e a!f6<8o.
ClOUraaOS. Damasco de la de cotes.
Pannos de woehel Colehagcde dito.
A loja da aguia branca, a rua do Duque
Caxias n. 50, recebeu novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetes dourados ; aseim cwo TarlaUna de tndas a ewes,
novos diademas de aco, e como^empre coati- E WS08.!!!?8 e bordados-
nda a vende-los por precos razoaveis rouiara ae _seaa.
baiXinnaS COm pOS aOUradOS Ruos cor*e* de iwidos. de Unhapar* sanhora,
i l cxi de di ersas cores, com os conu>etentes enXei-
e prateados, para cabeuos. tes, ultima moda.
Vende-se na loja da Aguia Branca a rua do Dn- *** ^" e ^Sh ^''i ^SJw
E> drarias ntn camtrBia, panno OoO'fPeta e azul, coHarmaoB,
I da c axias n. 50 pwhos-waVflBn, lavas d pellica, ditto d *
UVaS Ue pelllCa mmaS e Ue de.EscocTa, brancas e de dores, tapetes de tod^s
a 08 tamanhos, bolsas de viagem, etc. etc.
OUtraS COreS. Na loja do Passo, ma Pritneiro
A loja da Aguia Branca, a raa Duque fle Ca-' A< anMgade Crespo. _______________(
jias n. 30, reccben nrrwo sortimento de lnvi>id; -Vk\ 1*
pellica, pretas e de outras (tores KilPitllSSIMO
Ami jmbas eo liettae eetampadas fete dimiaato
i^>> de.4CO rs. ocowdo.
Ditas com lisiras assejiaadas a .1(000 o
vado.
Granadinas pretas em hstras de cores a JiOd -rs.
o cawdo.
Metias ^an.sadafl.CTOprioa para veslido, a 3*0 *s.
o covado.
'Aliracas de qnadros, proprias para vestidos, a
Wd rs. eeevada.
Bran bunco, Jona, paraflleas a.l#500a-vara.
Dito irawado a i*60O a. vara.
Dito.fle cores. Jiaho juro, a, liiOO a vara.
hi Madia
Chapeds de sol de seda, qabo de oanoa, a 8S00
cada um, isiotu*,*)? n. *> da raa do Crespo,
loja das i jwrias. d (itUUienne A C
---------------------------:-------------.-------------------------------_-------------------------------------------. ^---------------" '--------------- >----------------
Banhos emOlinda
Camisas e caleas d" fazenda de boa qmlidade,
proprias pata os barih-n fm Oliada : na loja dus
arc>s a rua Primeiro dB Mweo (anliga do Crespe)
n. 80 A. db Gurgel do Aaaaral a C.
A' rua do Cabuga n. 1 A.
Os proprietaries da Predilecta, no intuito de
conservar o bom conceito que teem merecido do
respeitavel publico, distinguindo o seu estabeleci-
mento dot mais que negociam no mesmo genera,
veem scientificar aos sens bons freguczes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
cas d'Europa para ihes enviarem por todos ospa-
quetes os objeclo; de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquettes paLes, visto aproxiraar se o tempo de
festa, em que o hello sexo desta linda Veneza
mais ostcnia a riqueza de suas toillettes ; -e co-
mo ja recebessem pelo paqnete franeez diversos
arriges da ultima moda, veem patentear alguns 1
d'entre elles que se tornam mais recoramendaveis,
e-'perando do respeitavel publico a eoslumada
concurrencia
Aderecos de tarlaruga os mais lindos que teem
viodo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e de
veMudo, sendo diversos tamanbos e baratos pre-
{03.
Aderecos completos de borracha pr:prios para
It to, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
llotoes de setim preto e de cores para oraato de
vestidos de sechora; lambem tem para collete e
palitot
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
to de seda, do palha, de chagrim, etc, etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de cfira, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas c com peitos bordados
para homem, vendem se por preco commodo.
Cerouiae de linho e de algodar, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
com disticos uas tampas e proprios para presen
tes.
Coques os mais modernos e dc diversos forma-
tos.
Chaptfosparasenhora.Iteceberam um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Cspellas Fimples e com red para noivas.
Caleas bordadas para meninas.
Entremcios eslampados c bordados, de lindos
desenhos.
fcscovas e'cclricas para dentes, tem a proprie-
dado de eviiar a carie dos dentes.
Pranjas de seda pretas e de cores, exi.te am
grande sortimento de divercas larguras e barato
pre^o.
Fitas de sarja, de gorgurao, de setim e de cfca-
malote, de diversas.larguras o bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Floras artilioiaes. A Predilecta prima em con-
servar sempre um bello c grande sortimento des-
taj flo es, nao sd para enfeite dos cbellos, corao
lambem para ornato de vestido do noivas.
Giloes da algodao, de la e de seda, brancos, pre
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda do diversas cores
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marflm, 6s-o e velludo, tudo que ha de
bdm.
Pentes do tartaruga e marfim para ahsar os ca-
behos ; teem tamhem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, osso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bera
provida, nao so em extractos, comu em oleos e
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
pciigo.
Sapattnhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento da diversos tamanhos, tanto para sofa co-
ma para entrada de salas.
Ve>t intent is para, baptisado o que ha de melhor
posto eos mais modernos. recebeu a Predilecta e
vende por barato proco, para fkar ao alcance de
qualquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
VENDE-SE
uma casa na villa de Barrein.-, na rua do Com-
mercio, por preco modico : a tratar com Tassc
IrmSos A C.________________________________
Ao bello sexo.
Gusmao & Leal receberam ricos cortes de gaze
de scda, fazenda inteiraraente nova, e vendem
pelo barato preco do 40*000 o cone : a elles, antes
que se aoabem : so na loja du ror. Pr-meiro de
Mari.-o n. li.
TASSO IRMAOS & C.
Em seus armazens & rua do Amoriro
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodoa
Tijolos enearnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimanto Portland.
Cimento Hydraulieo.
Machinas de descarocar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril
Phosphoroe de c^ra.
SagU em garrafSes.
Sevadinha em garrafoes.
Lentilhas em garrafSes.
Rbum da aJmaica.
Vinho dk) Porto velho engarrafado
Viaho^do Porto superior, dito.
Viuho de. Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da.Madeira'.
Potes com Iinguas e dohradas inglatat.
Lieares- inos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Barris com repolho em salmonra____________
Tinta, cini e funio
Amaral N'abuco k C. vendem tintas orisaline
Louorj.vegetale para tingir de pretes cabellos, e
que se canbece de mais util 6 conunodo, nao so
no uiodo de emprega-lo, como no resultado que
se obtem. Cha verde e preto chegado ullimameno
de'Marco n. te, elumo inglez e franeez, para cigarros e ca-
chimbos : vendem no Basar Victoria, rua do Ba-
jao da Victoria n. 2.
Quando parece ter-se esgolado o repeifc>;
modas, pela immensidade de artigos de b "
que tem apparecido, eis qua os velhos e i
da Nova
.a m
4aa
veis correspcndenles da Nova Esjierauta, a rna
Duque de Caxias n. 63, descobrcm outros m.
mundo elegante, aonde se conservain Cfc^gitaadi:
minuciosamente as novas inven.ocb ; remttn&
para a Nova Esperanca. e aut-risam na a dfam
aos seus freguezes e especialmente ao- bello sat
que nao creiam em tal : e para prova evidepte
do que acaba ao expor, vejam o que abaiso-s*.
desereve :
MANUAES para missa, com capa de madrepweSiE-
ou tartaruga, tendo no centra da ease
um pequeno relogio perfeito reffut.'
dor.
CARTE'RaS, po t charutos, port cigarros pa-
moneys no mesmo gosto.
CARTEIRAS para notas com capa de marfita, a&
dreperola e tartaruga, com o dtiat>
Lembranca.
BOLSAS para senhora, o melhor qne tem TOtfatr
este mercado, de diversos tamaate**
qualidades e modelos de novaiawa>
eaqj
PORT BOUQUETS de lindos gostos e tpmasste-
especialidades para as noivas.
CAIXINHAS com musicas e sem ellas, preptf*1 -
para presentes.
E ontros de inteira novidade.
E com os meninos.
A Nova E^peranga, a rua Duque de C;ixii:
63, recebemos bonecos de borracha de foralM
inteiramente novos: os meninos uiuito apreeiaxai:-
este brinquedo.
E verdade.
Qualquer senhora de bom gosto, parece qzar
nao pode completar e sua toillelte, >em da? zuz-
passeio a Nova Esperanca a rua do Du me da s^
xias n. 63, porqne e a loja de miudezas que- ai>
completo esta em sortimenu, e que mnii -B&
des apresenta ao publico em geral.
com as floristas.
a Nova Esperanca, a rua di> Duque de Cs%
n. 63, recebeu peto ultimo vapor, um intei> >-.
timento de papnis paca fl-ires I a elles.
Para crianca.
A Nova Esperanca, a rua do Duque de fSUMH
n. 63, recebeu um sortimento de vestnariaa du-
casemira e alpaca para criancas : modernos-1
nitos.
Las mescladas.
Um bonito sortimento dc las mescladas er2
res, recebeu a Nova esperanca, a rua Duqp.s-d*
Caxias n. 6&
Calcado
ttnho de

Chitas a 240 rs. o covado.
A 240 rs o covado.
A 2i0 rs. o tevado.
So na rua Duque de Caxias n. .60 A, loja da
esquina.
eslrawgeiro.
Aproxima se o mez de dezembro, tempo m
juc o Paris na America, a rua Duque de Caxias- m-
39, 1." andar, tem de dar o seu balance, poj e M
motivo, os proprietarios deste est;ibelecimenr as
tao rcsolvidos a vendereci seus calcdos pel :r.;-
to, afim de minorarem o trabalho ; assim po :
apreciadores do bom, e com especialidade o sMa
amavel, para qnem o Parh na America tOMWttt
com a devida decencia) o seu g;binete reser^.i
do, para a escolha de calcado, aproveitem *-
nharo munirem-se do qne precisarem.
CHiilaiia de Lisbon
Hombreiras.
Capiteis.
Soleiras.
A' venda no armazem n. 25, a iravessa de-1
Santo.
Las para vestidos de gent*-
emtoa.
Fazenda de 800 rs., vende-se a 500 rs. na R-1
Branca e dao-se amostras: a rua da Imperotriz
5U__________________________________
ILumiziiilias c punhos
Amaral Nabuco & C, vendem enmizinhas e t.
nlios para s-enhoras, brancos de algodao, de Knfce
bordados e de cores, no Ra ar Victoria raa
Barao Vicloia n. 2.
Matricula para cavailoa.
A' venda na fivraria oiasica, a rua do Impr.:-r-
dor n, 73. Pi ego 40 rs.
ri\
Ciheou o verdadeiro de Portland ; barr
ggandes de 400 kilos : no armazem dc Tas:-_
maos & C, cae9 do Apollo.
J. 0. C. Doyle.
Tem para ve i r"
Cognac de Hennessy, superior e verdadelr
Vinho Xeres das melhores qnalid ,-.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacSes chimicas do Dr. Ajw .
armazem da rua do Commercio n 33.
Canarios da Allemardia

Roupa eslrangeira.
Amaral Nabuco & C. vendem costumes de brim
0- branco e de cores (a marujo e a puritanos) para
mtninos, paletots e colletes paa homem, ditos de
alpaca e de casemira para homem e meninos, ca-
BJisas aordadas e lisas para senhora, homem, me-
ainoe.avana : no Bazar Victoria,a rua do Ba-
rao da Victoria n. 2.
nas Alcalino-Gazdsas das Pt
dras Salgadas.
Villa Rouca de Aguiar.
BICARBONATADAS-SODICAS
Analyses do Dr. Jose Julio Rorfi*
5jiios, lente da eseola Polyt^-
chniea de Lisboa.
Esta exeellente agua usada com vantagem
padecimentos das vias digestivas, orinanas, f%
estbrnago etc., etc.
Yende-se
NA
iMiarinacia c drusarix
DA *
Rua larga do Rosario n. 34.
Lindas las escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modern..
360 rs o covado : na rua Primeiro de Bar
antiga do Crespo n. 13, loja das columnas, do A:
tonio Correia de Vaiconcefios.
NOVIDADE
A Predilecta acaba de receber um hndo c
mento de fitas escocezas achamalotada*, pr onrik.
para fachas ; assim como am lindo sortimento cV
lequcs de madreperola; a elles antes quo se aCu
bem, a raa do Cabuga n. i A.
<

Chegaram pelo ultimo vapor da Europa, per-
feitos ca.madores ode.cdres muito Ifnjhs : acham-
so a venUt no armazem Frdelidado. A raa do Im-
perador n. 14.
---------------- ---------1 i '
jvi;iiuM>4'.
Tem para vender Joaquira I Joae Goncalves' Be-1
jo Filho : a tratar no sea ewripxarb -a rua
do Commercio n. 3.___________________ .
Burros a venda
J. Deir6 avisa a seus freguezes que esta em
viagem para as provincias de Alagoas e Pernam-
buco, conduzindo exceJIente trupa -de burros
p^ssara por f'.-nedo. idar, Ca^tanba Grand", Por-
to Cslvo. Hair iroa, Ri.> Fwrrmiso, Escada, Cabo e
provavelmento por Santo Amaro do Jaboatao a
Nazaret'i ; por issnpnUR ser avisado ou encon-
trado cm qualquer deatet hjgares
Larangeiras, SO de outubro de 1873.
Gimeoto
Para acabar!
Ros cbapeos para senhora so na rua Duqne
de Ga\ias n. 60 A. 1.>ja da esqniaa.____________
I'jiivuou 0 veriadeiro Portl.. id ?6 se oncontra no caos
WHVfr> ja alfandei-a n annem de bacaihao, em
Vende-se quatro eHiHm -proprios para estabe- barrica* da maior.-? qn vera ao mercado e por
lecimentos de mrdbados, iraa da Marcilio at preco raais commodo lo que em outra qualquer
n. 76. 'parte.
FLORES
0 jardim da Nova Esperanca, a rua Duqne de
Caxias n. 63, esla repleclo de flores as mais de-
1 maoas quo e posaivel imajiin^r se, desJe o mais
singello ramalhete a mais elepante rosa, (inteir
novidade) : ao bello sexo compete, quanto antes,
virem eOfhe las emquanto esUo vicosas.
Rua do Bruin n. 76
Vencle s> zinco jinro de superior qualidade,
propriopara cobeitas ile casas, medinao II pal -
mos de eoniprido e 4 de largo, pur preco muito
em cpnta.
Venderrse
lenros de lahyrint'-o mwtaiiBos e bem tra.' alh<-
dos, ehegados do Ceara ateja de mlnievs d,
Gailo Vigilante, de Cardoso & Freitas, ca riia Pi.'
meiro de Marco junto ao area de Santo Antcaio
(iraiMlo irtchiseha a '2U it: t
Cassa la, padroes novoa. e de mais'gostr
tem viodo ao mercado. sAsarua d; n- ;
n 43, loja de Guerra & Fananaes, pal> rJ'ri
to preco de 200 rs. o covado 1
Cheguem freguczes que se acaba.
I
Amaral Nabueo & C, vendem s -t
dos cosmoramas own vistas aotualtuj:ir o -
Baaar Victoria, raa do Barao da '-'i."'a ;.. 9
Vende-se dnas eKoaHeat*
con, solidas e recentemente ooastruida .
tos commodos e no lugaar mai< I, '.'.
daquelle arrabalde. Sio muito i- .
piu-a quem quizer passar o vera
campo gozando ao mesmo tempi
e os commodos da praca; e a i
cam muito proximas da osuc^
cado da Casa Forte. Quanto a
daqui aquelle arrabalde qaum L'
denies dirijam so a rua do Viseo..
qne, outr'ora i\ Gloria a. 17a, c
vends.
'
I
nuBTi
Vi^^


-'. ,, .,_
8
JURISPRUDENCE.
Relatorta
A RESPEITO DO NEGOCIO DO MARECflAL BAZAINE
EXCOMMAISDANTK EM CHEFE DO EXERCITO
DO R1IKNO.
(Continuagao)
T mbem esta eoramunicac&o passou desa-
percibid.i palos commandante* do corpos,
coraos veremas quango sc tratar da confe-
rencia quo houve no dia 2G Je agosto.
A 25, no momanto em que so fazia pas-
sar > ultimo -l lu Ii uos; piv;i; rava o marechal u na sorti-
da para 26. (,} ial foi a causa qua dcter-
minou essas\ri.ida, para melhor dizer, essa
demonstragdo ? E' necessario para dar uma
conta exacta, ontrar om pormonores dos
project's coinbiuados pelas oporacoes do
exercito de Chalons e de Metz, e das cora-
nunicagdes que foram troeadas por essa oc-
cosiao.
Este oxame vai fazer objecto do seguinte
apitulo.
Communic to.nz.(in ccrto numero de despachos ex-
nedidos de Metz, durante o periodo de 17
a 26 de agosto, foram citados no capitulo
preced-ita ; >> oonjuucto das comnunica-
goes 11; ttv ?.ram lugar eotre o comraau
dante n civ fo do eiercito do Rlieno, e o
ulterior, apresenta urn tal interesse, quo. pa-
race necessario fazer um estudo coinpleto
u'um Rfipexo especial.
ft, i- sumharsgada dos detalhes quo teem
.sido apr-sentad os, esta quesliio deve tomar
o se.u lugar no corpo desta exposigdo. No
present enpitulu, consgraado ao exame das
movimento podia comegar no dia 21. 0 sera deraora, naquello raesmo dia o seu
piano do general Palikdo, ao qual se ligava exercito, sob a proteccdo dos fortes da mar-
uma importancia capital, aquella poderosa gem esmerda, era natural que empregasse,
diversdo quo elle tinha em vista, consistia nocaso de'exito favoravel, os meios de tirar
em fazer subir, por um acto arrojado, o partido pora se pdr itnmediatamente em
exercito de Chalons em quatro dias d altura marcha para o norte. Era este o fim da
de Verdun. missdo do inteudente De Proval.
Sc nesta ordem de ideas, o exercito se Assim como o commandante Magnan es-
pozesie em marcha a 21 de agosto, devia tava encarregado'deannunciar em Chalons
ostar a 25 nas immediagdes de Verdun, que o exercito se dirigia
combater a 26, e operar a sua juncgdo
Diario de Pernambueo Terqa feira 16 de Dezembro do 1873.
relacdes .mtf-iores a 26 do agosto, osuin-
mario expora os seguintes factos :
Miss To conftada pelo marechal Bazaineao
intendente do Prevat, e ao commandante
Mag !].
Concor tancla do projecto indicado polo
marechal dead dirigir sobre Monimely, com
proj'':io do ininislro o do conselho da ro-
jncja.
tnflnencia quo as noticias vindas de Metz
e .ert'M i n n i dtcisao que ulteriormente se
d via t-i-oar para o exercito do Chalons.
Rpsolu^do do movimento do marechal
ac-Ma ion para Este, tomada em conse-
quent i da chegada de um despac 10 do ma-
reclw Bazaine, data'o de 19 de agosto
Yo-'a do commandante Magnan; facilida-
(.' i qi.) aquell't otlicial teve para commu-
mcar com Metz
Preparativos feitos em Montmedy para a
jtlDOCdo dos dous exercitos.
Suppressdo do despacho de 20 de agosto,
dirigido pelo marechal Bazaine ao mare-
cbal Mac-Mahon.
Che'/ada a Metz, a 23 de agosto, de um
' spa< io que umunciava a marcha do
i :rc i para Chalo s.
Res^ >sla do marechal Bazaine dada a
essa co'iimunicacao.
Logo dcpois dos nossos proximos reve-
res, tratou se de reunir novas forgas no
cam oo de Chalons
As guardas moveis do Seina tinharn sido
manda em grande parto de regimentos ligeiros, es-
tava sendo orgatiisado ; emfiin, o 1, 5 e
7" f-orp is reccberam ordem para se reconsti-
tui -it Na idea do micistro da guerra,
gen'-r Palikao, nquellas tropas eram des-
tinadfl a ir reforgar oexer-ito de Metz, e a
format com ell uma rnassa capaz de sus-
pender u movimento offensivo do inimigo.
Mas, a 17 de agosto, foi decidido no conse-
Ibo de guerra quo se rounio junto do im-
[xsrador, que o general Trochu, comman-
dante do 12* corpo, vnltasse para P^ris na
qualidade de governador, e que o marechal
Mac-Mihon, nomeado commandante em
r-hofe daquclle uovo exercito, o couduzisse
paia Paris.
0 ministro da guerra, sabendo desta no-
ticia, expedio nessa mesma noite (10 h.
27), ao imperador o seguinte telegram-
ma :
(( Supplico ao imperador que renuncie a
esta idea, quo pareceria o abandono do
ev^rcito do Metz, o qual nao p6de neste
r mento fazer a sua junccao em Ver-
dun. 0 exercito de Chalons tera dentro
v em tres dias 85,000 homen*, sem contaro
.< corpo deDonay, que so juntaraemtresdias,
(i equee de 18,00(1 homens. Nao pode-
remos entao fazer um p.ideroso movi-
mento sobre os corpos inimigos, ja exaus-
(i tos por muitos comb3tes ? A imperatriz
parlilha esta rainha opiniao.
Deste modo, a 17 de agosto, annunciava
o min tro ao imperador que a formac&o do
exercito estaria terminada em tres dias ; o
FOLHETIM.
L7CSBCIA BOSSIA
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
O. II Aiioel Feruandezy Gonzalez
PRIMEIRA PARTE
0 GRAN-CAPITAO.
XXIV
EM HUE SE VE DO QUE MJCRECIA ERA OAVAZ.
(Continuacao do n. 284)
Ah 1 sim, os teus sicariossao te lfaaes.
('enaro, disse Li.crccia, mas nao servem os
itiortos, porque esses nada podem dar : Os
teus esbirros voltar-se-hao para mim que
Ihes estendorei as maos cheias de ouro. In-
sonsato I podeste acreditar que eu viria en-
tregar-me no teu poder, que te faria senhor
de Roma 1 Ah I cegou-te a ambicAo, e
em vao tern cabido diante dos Borgiis um
e outro Orsini ; julgam-se poderosos ainda,
nao importa 1 continuem nassuas robellioes
porque em breve nao haverd um s6 Orsini
que,possa rebellar-se. E essa mulher, essa
Isabel, quantotarda Ah I ate" que final-
meate,
Haviam rosoado passos.
A porta por onde sahira Orsini abrio-se e
entrou Isabel deGonzaga.
A poucos passos da porta parou e lancou
para Lucrecta um olbar ultivo e irritado.
Ah 1 6 a senhora, disse ella, nao se
oproxime, nem me toque ; receio que esteja
envenenado o a' d'este aposento.
Entao para que mo buscou, minha
boa amiga ? replicou Lucrecia. Para que
sahio ap6s de mim do Roma e meataeiu ?
Porque a odeio, porquo queria mata-
la respondeu Isabel de Gonza^a.
Pois eu nao a odeio, nao lhe desejo
a raorte ; tenha a certeza de que nao a ma
tarei porqae a di!spre"so.
com o marechal Bazaine.
0 imp3rador respondeu ao ministro a 18
pela rnanha (9 h. ii) : Sou da vossa
opiniao.
Missao do commandante Magnan.Nes-
sa mesma nanha, pelas uovo horas, chega-
va a Melzo commandante Magnan, manda-
do pelo marechal Bazaine ao imperador pa-
ra lhe cntrogar despachos e dar-lhe conta
de viva voz da situa^So do exercito.
0 caracter da missai do commandante
Magnan, sobresaho nos telegrammas seguin-
tes, trocados entre o marechal Bazaine e o
imperador.
0 imperador ao marechal Bazaine ;
Fallai-me a verdade a respeito da uas-
sa situagao, afim de regular aqui a minha
maneira de procodor. Respondei-me em
cifn
0 marechal Bazaine ao imperador v
N) momento em que recebo o vosso
despacho, escrevo a V. M. 0 commandan-
te Magnan parto esta noite para lhe entre-
gar uma carla, e dar lhe de viva voz por-
inenores quo ella con to n.
Interragado sobre informacoos que leva-
va ao imperador e a reepeito dos projectos
do marechal, o commandante Magnan de-
poz nestes termos :
a 0 pensimento do marechal era sempre
o mesmo ; tuitava effectuar a sua retirada
s;bre Verdun, por rmisperigosa que pa-
recesse aquella opcracAi.. ,
0 marechal i.ao me encarregou de
in Ikar do uma maneira absoluta ao impe-
rador o caminho qua seguiria ; ainda n3o
tinha idea fixa a esse respeito ; mas tinha-
mo encarregado, assim como ao intendente
Do Prevat, da fazer avanQar tanto quanto
fosse possivel, para a pra$a da fronteira
(Montmedy), todos os Irons que podessem
encont-ar se na linha dos Ardennes, com
destino ao exercito.
Estas declaracfios faltam-lhe pormenoros
rnais precisos no depoimento do intendente
De Prevat, que a ^ompauhou o commandan-
te Magnan e que recebeu do marechal Ba-
zaine, em presence deste ultimo, instruc-
coes geraes. 0 marechal fallou-rae do
projecto que tinha de s"guir para o norte ;
ordenou -me que fossea Chalons por ThionvH-
le, expedir a toda a press., por Metz tudo
quanto encontrasse de pao e biscoito, de
maneira que provesse o exercito sem des-
guarnecnr a praga de Metz.
Inlicou-me ai mesmo tempa Lon-
guyon como centro de fornecimento e pres-
creven-me que desse ordens para alii fazer
reunir os aprovisionamentos.
Como se ve, nao se fez nenhuma raen^ao
de Ver lun como objectivo de marcha do
exercito ; era em Longuyon que se deviam
preparar os viveres. Era pois aquelle pon-
toquese havia de dirigir o general Bazai-
ne. A hesitacio indicada pelo comman-
dante Magnan acerca do caminho a seguir,
ndo existia portanto no animo do marechal;
e se elle pensasse entao seriamente em
abanilnnar o campo entriucheirado de Motz,
ndo podia ser senao pala estrada de Mont-
medy
Vemos uas instrucgoes dadas ao inten-
deoUa De Preval a prova de que o annuii-
cio do projecto de marcha sobre Montme-
dy foi levado ao campo de Chalons pelo
commandante Magnan.
Esta aflirmativa sobresahe ainda dospro-
prios termos do despacho, dirigido a la
do agosto ao imperador pelo marechal Ba-
zaine :
Conto ainda tomar a direccSo do nor-
que o exercito se dirigia para Montmedy,
o intendente De Preval devia forraar no ca-
minho daquella praca um centro de provi-
mentos. Deve sem duvida ver-se nas pres-
cripcties dadas ao inteudente De Preval uma
medida de prevengao antes que o indicio
de um projecto bem combinado de romper,
custasse o que custasse. Seja como for, as
circumstancias iam dar a missao de cada
um delles uma importancia igualmente se-
ria.
Sobre a linha dos Ardennes, nao se coo-
tentara do assegujar o fornecimento das
tropas de Metz, tudo alii estard preparado
para a juncgao dos dous exercitos france-
zes.
0 commandante Magnan partird nova-
mente para Metz com um exercito novo.
Eis pois as informacdes que elle levava a
respeito da situagao do exercito do Rheuo,
e quo haviam de pesar nas resoluc/ias que
o commandante em chefe do exercito de
Chalons devia de tomar.
Vimos o ajudante de campo do marechal
Bazaine chegar ao campo no momento om
que o imperador, cedendo ds instancias do
ministro da guerra, se decidia a eiupregar
o exercito de Chalons em auxilio do mare-
chal Bazaine.
Depois de uma looga conferencia com o
imperador, rolo nou o caminho de Metz : anuanciou como se segue, a
te e retirar para Montmedy.
Ora, e a primeira vez quo o correspon-
donte do marechal Bazaine menciona o no-
me do Montmely. Esta palavra ainda in-
dica portanto que o projecto de marcha
naquella direecdo jd linha sido annunciado
ao imperador. 0 commandante Magnan
estava habilitado a fazer-Ihe aquella commu-
nicated .
Quando a 17 d noite o intendente De
Preval deixou o exercito com o comman-
dante Magnan, estava elle formado nas al-
turas do vallo de Montvaux, prompto a dar
uma batalha defonsiva. Comquanto o ma-
rechal nao tivesse uma firme esperanca,
por isso que o vimos preoccupado de retirar
Isabel empallideceu e tromeu de colera.
I^espreza-me. I exclamou ella. Ah I
sim, deve terfeitolum pacto com o diabo,
pois que" a protege o inferno ; a minha
gente era mais em numero do que a sua, e
com tudo foi vencida.
E vence-la hei sempre ; estd sentencia-
da a enganar-se. Julgou que elle a amava
e servio lhe apenas de zombaria. Sale
quern o duque de Sessa ama ?
Nem a si nem a mim, respondeu Isa-
bel ; se a elle araasse, nao estava a senhora
aqui em poder de Orsini, e nao me teria
sahido ao encontro esta noite no campo. A
sua presence n'estes lugares, prova-me que
a snnbura sabia que elle devia vir salvar a
mulher que ama, Angiolina Crespi, e veio
parao impedir.
bngana-se, replicou Lucrecia ; vim
aqui para impedir que o gran-capitao caia
n'uma emboscada infame ; vim matar o ho-
mem que lhe armava uma emboscada, por
meio de um outro home n que tinha a cer-
teza do que farU o que eu quizesse, por
moi i de Genaro nrsiui.
E quem 6 esse outro, disse com sar-
casmo Isabel, que armoa uma emboscada
ao gran-enpitao ?
Nao conhece em Roma um poeta, um
musicn, um cigano que se chama Julio Bon-
vinetto ? Nao foi nuuca d casa d'elle, nas
Termas de Deocleciauo para que lhe lesse a
buena dicha ?
Quo dama ha em Roma que ndo co-
nhega Bonvinetto ? replicou Isabel.
E, diga-me, accrescentou Lucrecia, (
ndo ouvio fallar de um terrivel coudotiuro,
que ha p mcos dins appareceu no campo,
eiia -iiado <> capita) Roberto Roberti ?
Contain se d'esso homem cousas hor-
nvcis.
- Sentemo nos, disse Lucrecia, collo-
que so d listancia que quizer de mimse 6
qun roceii que o com.icto dns uiuhasrou-'
pas a I'livi-neii:' ; pj le acrodiUtr 0 quo qui-
Mr ; poro.n, pir quo cm servia inata-la t
11 !'ri) ii' t" n feif 1 Fascmou a por
onto o hoiuem a que admire, e de.
partindo immediatamente aquelle official
superior, levava evidentemeote o segredo
das novas resolucoes do sobarauo, e as suas
instruccdes p3ra o marechal. Estas ins
trucjoes limitavam-se, no dizer do com-
mandante Magnan no seu depoimento, a
dar plenos podores ao marechal para alte-
ragoes do alto pessoal do exercito.
Mas esto depoimento content um gratide
numero de enos que se deve concluir que
as recordagoes do commandante Magnan
sdo as mais confusas. Nesta situagao serin
mais certo indagar nas medidas que se vdo
tomar em consequencia da sua missao o
indicio das instrucgdes que elle tinha rece-
bido do que refererir-mo-nos ds assergoes da-
quella testeraunha.
A maneira porque o regrosso do comman-
dante foi annunciado ao marechal, mostra
seguramente toda a importancia que se li-
gava d missdo que havia recebido do impe-
rador.
0 commandante Magnan parte para
Thionville. e ha de chegar nessa noite...-*
telegraphia em cifra ao marechal, o secre-
tariodo imperador, Mr. Pietri.
Antes de retoraar o caminho de Metz, o
commandante Magnan. teva uma conversa
com o marechal Mac-Mahon ; o seu depoi-
mento faz conhecer que elle expoz ao mare-
chal que as condigdes do exercito de Metz
para marchar ate1 Verdun, ficariam muito
alliviadas, se o exercito de Chalons so lhe
podesse juntar.
Resuita do depoimento de Mr. Rouher,
perante a comnissao de inquerito de 4 de
setembre, que, a 21 de agosto, o marechal
Mac-Mahon lhe fez saber que o marechal
Bazaine ndo tinha viveres, nem municoes,
e que ia ser obrigado a oopitutar, e qitaj)
exercito de Chalons chegaria muito tardcr
Estas apreciagoes que confirmam os u%-
pachos assustadores transmittidos pelo ma-
rechal ndo pediam vir sendo do comman-
dant Magnan que o summario encontra
alguns dias depois em Montmedy, queixan-
do-se ao tenento do fragata Nogues da pe-
nuria extrema de Metz. Na sua opinido, o
pfio faltava completamente ; nao havia, co-
mo unico recurso sendo carne de cavallo e
batatas, o que deveria estar rapidamente
consumido.
Partida do marechal Mac-Mahon para
Reims, e depois para Montmedy.--Com-
prehende-se qual deve ter sido a influencia
de semelhantes iuformagoes para decidir a
marcha do exercito de Chalons. A 19 de
agosto o marechal Mac-Mahon aceitou ,o
projecto do conselho de regencia, do mes-
mo modo que o tinha feito o imperadoi- a
18, e dirigio ao ministro da guerra, o se-
guinte telegramma:
Dignai-vos dizer ao conselho de minis
tros quo farei tudo quanto* poder para me
reunir a Bazaine.
Mas esta seguranga dada pelo marechal
Mac-Mahon ndo pot ainda um termo ds
suas perplexidades. Continuou a permane-
quem me julga apaixonada ; cegaram-n'a
oszelos, minha boa duqueza. Ndo sabe
que grande personagem 6 em Roma o du-
que de Sessa ? Ndo chegeu a comprehender
que o santo padre ndo pode trata-lo de um
modo tal, por seu augusto caracter, que
desse a entender completamente as inten-
cQfiS com que os reis de Hespanha enviaram
a Italia esse gran-capitdo coroado pela vic-
toria ? Ndo acredita que eu, era quem o
santo padre confia tanto que mais de uma
vez tem posto nas minhas mdos o governo
de Roma, sou a pessoa mais competente
para explorar as intengoes do duque de
Sessa ? Para que tem sido tdo cega ? Para
que se enganou d'esse modo ? Para que
vio amor onde ndo havia sendo astucia,
uma astucia necossaria para a deteza da nos-
sa formosa Italia ? Ndo sabe que estou ha-
bituada a sacriGcar-me pela minha segunda
patria e pelo interesse do sumrao pontiGce ?
Quem mais a proposito do que eu para des-
cobrir o.que o gran-capitdo faz entre n6s ?
fallamos a mesma lingua, ambos soraus hes
panhoes; se elle nasceu sob o ardenle sol
da Andaluzia, eu nasci dobaixo do sol ar-
dente de Valencia. Conhecemo-nos ha
muito tempo, e temos estado ambas do car-
te d'esse astuto coroado, que se chama Fer-
nando V, e dessa nobre e grande mulher
que se chama a rainha Isabel. Porque ndo
pensou uisso, duqueza? Para que deu oc-
casido a que tenhamos aqui, n'uma casa
isolada de Veletri, prisioneiras desse infame
Genaro Orsini, esta entrevista singular? Que
me importa d mim que a duqueza ama o
grau-capitdo, ou que este a ame a si ? Nao
s ibe quo estou promettida ao formoso, ao
joven principe de Tarrento, Affonso te Na-
poles, que um dia ou outro seroi sua es-
posa ? Provavelmente a duqueza dua:
v Mas para que sahio para os campos in-
festados pelo bando de Orsini, d frente de
um esquadrdo de langas, como uma dama
errantc do um livro de cavallaria ? Jd Ih'o
disse : armavara um lago ao Kran-capitdo,
sorprendendo a sua generosidade ; 6 valen-
ie, e & quasi impossivel que Orsim o ven-
eer durante tres dias victims daquella cruel
hesitagdo.
Abandonar o marechal Bazaine, que
acredi'ava ver chegar de um momento para
o outrof ao Meuse, causava-me um verda-
deiro pezar, declarou elle perante a comrais-
sdo de inquerito de 4 de setembro. Mas
por outro lado parecia-mo urgente cobrir
Paris, e consorvar a Franga o unho exerci-
to que ainda linha a sua disposigdo. Man-
dei entdo ao marechal Bazaine o seguinte
despacho :
Se, como croio, for Jes forgado a reti-
rar proximameute, nao sei a que distancia
me encontrarei ; como hei do ir em vosso
auxilio, se n descobrir Paris ? Se compre-
henderdes as cousas do oulro modo, fa-
zei-m'o conhecer.
A 2 escrevia o marechal Mac-Mahon ao
ministro da guerra o lospacho seguinte, da-
tado das 8 horas e 45 minutos da raa-
nhd :
As informagoischegadasparecem indi-
car quo os tres exercitos inimigos ostao
co'llo.-a losdo maneira a interceptar ao ma-
re dial Bazaine os caminhos de Buey. de
Verdun e de Saint Mihiel.
Nao sabendo a di-ecgao da relirada do
Bazaine com quanto eu esleja hoje promp-
to a marchar, julgo que devo esperar no
campo ate que c mhega a direcgao toraa la
por Bazaine, quer para o norte, quer para
o sul.
Pelo meio dia, chegou a noticia de que
os exploradores do exercito allemao esta-
vam apenas a dez kilometrosdo campo- 0
marechal, julgando quo elle na manha se-
guinte podia estar en contacto com o ini-
migo, de:idio-se a partir para Reims, e
horas e
sua resolugdo
4 minutos da
ao ministro d-
tarde:
Partirei amanbd para Reims ; se Ba-
zaine segue para o norte, estaroi em con di-
gues de o auxiliar. Se segue para o sul,
estard a uma tal dislaunia, que ndo pjdo-
rei de mo to nenhum ser-lhe util.
0 exercito poz-se effectivamente em mo-
vimento, na manhdde2l, para Reims.
A 21, dopoz o marechal Mac-Mahon,
e tomava o eiercito pi sigoes em Reims. A'
noite, depois de ter visitado o acampa oeu-
to das tropas, entrei no meu quartel gene-
ral, em Cuorcelles; encontrei alii Mr. Rou-
her, prosidonte do senado. Dirigi-me d ro-
sidencia do imperador corn Mr. Rouher.
Elle explicou as razdss que lhe faziara
pensar que o exercito de Chalon? devia
marchar em auxilio de Bazaine. Expuz,
quando me tocou, que ndo julg.iva oexer
cito de Chalons em estado de se co pro-
metter no meio de muitos exercitos inimi-
gos ; que o exercito opposto ao mareehal
Bazaine junto de Metz devia compor-se de
mais de 200,000 homens ; qua um exerci-
to commandado pelo principe da Saxonia,
calculadoem 80,''00 homens se encaminha-
va na direcgao de Verdun. EmGra, que o
firincipe real da Prussia chegara a Vary d
rente do 150,000 homens; que marehan
do para E'ste, podia soffrer um desastre.
0 exercito de Bazaine podia ser batido ; por
consequencia era da raeis alta importancia
conservar em Franga o exercito de Chalons,
que tinha ainda um sufficiente quadro para
organisar um exercito de 250,000 a .
S 0,001 homens. Concluindo, declarei da
maneira mais positiva que se ndo recebesse
na manhd de 22 instrucgdes do marechal
ftasainu, que marcharia sobre Paris.
"" 0 imperador, que partilhava creio eu,
esta opinido, mas que me deixaria livre na
maneira de proceder como julgasse conve-
niente, nao me fez nenhuma objecgdo. Mr.
Ronher redigio entdo um projecto de de-
creto, e de proclamagdo que mdicava a
chegada proxima do exercito de Chalons a
Paris. Mr. B.ouher partto do Chalons as
onze horas da noite com as suas instruc-
gdes.
No dia 22, tinha eu mandado ordens
de movimento sobre Paris quando pelas dez
horas da manha o imperador me comrau-
nicou o seguinte despacho do marechal Ba-
zaine, datado de Ban-Saint-Martin a 19
(que acabava de chegar ao quartel-impe-
rial ds9 h. e 25 :n.) :
, 0 exercito bateu-se todo o dia nas
posigoes de Saint Privat a Rozerieulles, e
conservou-as. Fiz deseer de novo pela
manha sobre a margem esquerda de Moselle.
Coutinuo o contar que tomarei a direcgao
do norte, e a retirar por Montmedy sobre
a estrada de Saint-Mahehould a Chalons,
se ella ndo estiver muito obstruida. No
caso contrarib, continuarei sobre Sedan,
ou mesmo sobre Mezieres para ganhar
Chalons
cesse de um modo leal; ao mesmo tempo,
pore'ra, e temerario, quando entra om bata-
lha, arrisca-se por tal modo que um arcabuz
traidor pole assassinal-o. Em Italia abuu-
dam os bons atiradores, morto o gran-ca-
pitdo, de noite, ds portas de Roma, n'uma
empreza aventureira, podiam os reis acre-
ditar que o lago Wra arraado pelos Borgias,
seria uma imprudencia dar lugar a que se
suppozesse isso, porque as consequencias
seriam incalculaveis. Para evitar essa trai-
gdo urdida pelo capitao Roberto Roberti,
era nccessario que eu viosse aqui, que me
encontrasse com Genaro Orsini: por isso
estou aqui. Se a duqueza tivesse sido mais
prudente, raenos louca, ndo me acompanha-
ria d casa de Genaro Orsini. Dei-lhe uma
ligdo e folgo com isso ; aclarei-lhe cousas
3ue eu ndo quero que se creiam c alem
isso, serve-me para que me impaciente me-
nos esperando a resolugdo do lance em quo
nos encontramos, resolugdo que se ndo fard
esperar muito. Fallemos alguma cousa,
Isabel, seja o assumpto o Sr. Bonvinetto ou
e capitdo Roberto Roberti, o traidor por
causa de quem nos encontramos aqui. Ne-
nhum desses nomes lhe pertence; sabe a
duqueza como sc chama esse homem ?
Nao, respondeu seccamente Isabel.
Pois creio que o conheceu muito, ha
cinco annos, porque era grande amigo da
desditosa Helena Corsini, que ndo tinha se-
gredos para si, segundo dizem.
Pobre amiga I exclamou Isabel.
Sabe o nome de quem a matou ?
0 sou araante, o homem que ella ado-
rava, o terrivel Pedro Napoles.
E sabe o que foi feito de Pedro ?
Julga-se que desosperado, sabendo
que o sen crime era conbecido porque um
esbirro do Cesar Borgia estava na taverns
onde a matou, o ouvio as supplicas da des-
ditosa que amava o seu assassino, julga-se
que Pedro se lancou no Tiber.
Ndo, Pedro nao langou no rio senao o
cadaver de Helena Corsini, conduzido n'uma
area, na qual sabio de sua casa, julgando
fugir com o seu amante. Oh quem e que
Quando. recebi este despacho dei or-
dens para marchar na manhd seguinte ds di-
recgdo d'Este .
Como se vfi foi o despscho do msrecbal
Bazaine, datado de 19 de agosto, que Gxou
a resolugdo do merechal Mac-Mahon.
As 10 b. 45 m. da manhd, menos de uma
hora depois da chegada d'este despacho, o
commandante do exercito de Chalons tele-
graphou ao ministro:
0 marechal Bazaine escrevia a 19, que
continuava ainda a operar o seu movimento
de retirada por Montmedy. Vou, por con-
sequencia, tomar as minhas disposigoes para
me dirigir sobre Aisne .
A' I hora e 45 minutos dirigio o con-
de de Palikdo o seguinte telegramma ao im-
perador :
0 scntimento unanime do conselho,
em presenga das noticiss do marechal Ba-
zaine, e mais energico do que nunca. As
resolugoes tomadas hontem a noite deviam
S8r abandonadas. Nem decreto nem carta,
nem proclamagdo deviam ser publicados.
Ndo soccorrcr Bazaine teria era Paris as mais
deploraveis consequencias. Em presenga
d'este desastre, seria necessario receiar que a
capital se ndo defendesse 0 vosso despa-
cho d imperatriz dd a convicgdo do que se
partilha a nossa opinido. Esperamos uma
resposta pelo telegrapho .
0 imperador respondeu, logo depois, ds
quatro horas :
Recebi o vosso despacho. Partiraosarua-
uhd para Montmedy.
Mas este dia nefasto, 22 de agosto, nao
terminou. 0 despacho recebido pela ma-
nha, ainda que datado de 19, nao tinha par-
lido do Metz sendo a 20, mandado a Thion-
ville por emissarios tres despachos : para o
imperador, para o ministro, para o mare-
chal Mac-Mahon ; uma carta do general
Coll'mii'-res tinha sido expedida ao mesmo
tempo. Um pouco mais adiante tornamos
a occupar-nos d'estes despachos ; mas, antes
retomaremos a narragdo no momento em
que o commandante Magnan sahio do cam-
po de Chalons depois de uma entrevista com
o imperador.
Reyresso do commandante Magnan.
Sahido de Chalons a 18, ao meio diaequa-
renta e cinco minutos, aquelle official su-
perior chegou a Hayange, a sete kilometros
de Thionville, pelas novo horas da noite.
Soube alii quo o caminho ndo estava segu-
ro ; estava dada ordem para so suspende-
rem n'aquelle ponto todos os trens descen-
dentes. 0 commandante mudou de cami-
nho ate* Cbarleville, a 132 kilometros a re-
taguar la, e chegou so ds 9 horas e 5 minu-
tos ; ndo partio de novo d'aquella cidade
sendo ds onze da manhd com o intendente
De Preval, que o tinha deixado na vespe-
ra, e chegou a Thionville ds 2 boras e 40
ninutos.
Alii soube que depois de ter estado des-
embaragado toda a manhd, o caminho de
ferro de Thionville a Metz acabava de ser
cortado em Mezidres les Metz, depois de
uma hora da tarde. 0 commandante da
praga, o coronel Tournier, conversou com
elle, e voltou a Montmedy ds 6 hoaas e 20
minutos.
No meio destas idas e vindas conseguiria
o commandante Magnan fazer chegar ao ma-
rechal as instrucgdes que trazia do campo de
Cha'ons I
Interrogado sobre este ponto : se tinha
feito entrega dos despachos ao coronel Tour-
nier para os fazer pnssar Meta, di*so que
6 a 21 ou 22 6 que elle entrdra em corres-
pondents com o coronel Tournier para fa-
zer chegar os despachos ao marechal e para
lhe dar comrnunicagdo das noticias que re-
cebia de Metz.
Chamado a depdrsobre estas diversas cir-
cumstancias, o coronel Tournier declarou
que ndo podia affirmar se o commandante
Magnan lhe entregdra ou nao os despachos
para o marechal.
Em todo o caso, o summario p6de mos-
trar que ndo faltaram occasions para isso.
0 Sr. Mercier, partio a 19, ds oito ho-
ras da manha, e voltou ds quatro e meia
da tarde, depois de ter levado para Metz os
despachos de que se tinha encarregado.
Oguarda rural Dechu, partio dj Thion-
ville, a 20, ds oito horas da"manhd, chegou
a Metz ds duas horas sem terem encontra-
do ninguem. Na manha seguinte, 21, vol-
tou a Thionville, fugindo d perseguigdo de
alguns uhlans.
No mesmo dia, a mulher Imbert fez sem
embarago no seu carro, o caminho de Metz
a Thionville.
EmGm o Sr. Renon, partio de Montmedy
ds nove horas e 20 min-itos da manhd, che-
gou a' Metz em carruagem d tarde.
guarda uma pobro mulher fascinada, louca,
perdida pelo amor ? Como havia do acre-
ditar o velho Corsini que uma area saia
de sua casa, na qual julgavam que iam
presontes e prendas para Prospero Calonna,
conduzia sua filha, d quem haviam favore-
cido na fuga alguns criados traidores com-
prados pelo ouro de Pedro de Napoles ? A
verdade e que se um esbirro de meu irmdo
Cesar ndo estivesse na taverna dos Quatro
sanlos coroados, se ndo" seguisse os que
conduziam dentro da mesma area onde ha-
via sido levada viva para a taverna, Helena
Corsini raorta, ninguem teria sabido o que
fdra feito della, o Tiber teria guardado se-
gredo. Emquanto a Pedro de Napoles se se
langou ao Tiber, sahiu delle transformado,
convertidos em negros os louros cabellos,
com a voz rouca, o aspecto envilecido, trans-
formado n'uma palavra em Julio Bonvi-
netto.
Ah t Julio Bonvinetto era Pedro de
Napoles ? exclamou Isabel.
Sim, o Glho de um adulterio vergo-
nhoso. Sabe a bistona do nascimento de
Pedro de Napoles?
Nao. Helena Corsini tinha-me dito
que era Glho natural do principe Frederico,
hoje rei de Napoles.
E' verdade ; um dia Paolo Vizconti,
pr6fugo por traigao d republica dos estados
de Veneza, chegou a Napoles com sua esposa
Giovanna Monti, formosissima veneziana,
na flor da juventude. Paolo perdera tudo ;
o rei de Napoles entregou-lhe uma protec-
cao mesquinha, deu-lhe uma quinta nas
faldas do Vesuvio, e uma pequena renda.
0 principe Frederico augmentou esta renda
por uma razdo infame'; tinha-se enamorado
de Giovanna Monti, esposa de Paolo, que
foi bastante prudente para comprehender a
sua situagao e para a soffrer. Comtudo a
senhona de Veneza e terrivel, e os que ella
sentenceia, morrenu Seis mezes dopois da
chegada do Paulo Vizconti a Napoles, ma-
tou-o em pleno dia, na rua de Toledo, um
homem que quando pretenderam prenlel-o.l
abrio o gibdo e deixou ver sobre o peito[
Deste modo, era 18 i noite, sntes de re-
cusr d'Hsysnge sobre Charieville, o cora-
mandante Magnan poderia ter mandado d
estagdo telegraphica de Thionville, com a
qual se communicava, um telegramma que
o Sr. Mercier poderia ter levado.
A 19 o commandante Magnan voltava d
Thionville para conferenciar na gare com o
coronel Tournier.
Depois d'esta entrevista, foram expo.li-
dos dous agentes para Metz. Poderd por
ventura admittir-se razoavelmente que elles
ndo levassem nenhum despacho para o ma-
rechal? 0 commandante Magnan afiir-
mao ; mas affirma tambem que, na noite de
18 para 19, se fez a barreira em torno de
Metz, e que era absolutaraente impossivel
atravessar os postos prussianos, ainda mes-
mo que fosse o homem mais valente;
acabamos de ver qual e o valor d'esta as-
sorgdo.
Pareceu necessario tratar de novo, ua sec-
gao relativa ds communicacdes dos erros ex-
traordiuarios contidos no depoimento do
commandante Magnan. Trataremos pois
d'elles novamente. ^~~
Quanto ao coronel Tournier, que se
intrincbeira atraz da falta de memoria,
apreciaremos igualmente n'.este annexe .a
attitude que toraou em presenga do summa-
rio.
Agora serd admissivel que o marechal,
preveni lo a 18, do regresso do comman-
dante Magnan por Mr. Pietri, e informado a
20 por uma carti do coronel Tournier ao
general Coffinieres, que o seu ajudante de
campo esperava instrucgdes em Montmedy,
ndo lhe tivesse dalo noticias suas, des-
de 18 a 21, pelos diversas emissarios
que levavam os sous proprios despa-
chos?
Em faco de uma semelhante situagao, o
summario ndo podia admittir que o mare-
chal Bazaine e o commandante Magnan ndo
tivessem estado em comrnunicagdo. Ha raes-
mo motivo para estar autorisado a afiirmar
que se o commandante. Magnan, cuja bra-
vura e intelligencia ninguem pode por em
duvida, nao pdde alcangar o seu posto,
quando tinha tants facilidade para o fazer,
foi porque ndo quiz.
Julgaria o ajudante de campo do mare-
chal a sua presenga mais util em Montme-
dy, onde se faziam grandes preparativos
em presenga da juncgdu dos dous exerci-
tos?
Ou ter-lhe-hia o marechal ordenado que
se ndo juntasse ?
Esta segunda explicagdo parece tanto
mais provavel quanto uma deierminagac
deste genera dava ao marechal a faculdade
de se entrincheirar, se mais tarde disso
necessi tasse, atraz da ignorancia das instruc-
gdes que lhe eraoa mandadas, ficando assim
seuhor das suas resolugoes.
Fortalecemo-nos nesta apreciagdo, quando
se ve mais tarde o msrecbsl negsr com
obstinagao a chegada do despacho de 23. 0
cuidado, que nos, no seguimento, vemos
que o marechal tomou de se cobrir atraz da
impossibilidade de communicar com o
interior da Franga e com o novo governo,
den ola clara mento um system a complete de
procediraento, que parece revelar-se na cit-
cumstancia que nos occupa.
A hypothese quo acabamos do formular,
s6 por si dd a chave dos manejos, sem isto
inexplicaveis, por meio dos qaaes se fez a
obscuritlade a respeito das communicacdes
entre Metz e Thionville durante os priuieiros
dias do bloqueio -, manejos que continuaram
ate d capitulagao.
Este ponto e' tratado circumstanciadamente
no annexo relativo ds comraunicagoes.
0 summario teria talvez recuado diante
do annuncio de uma semelhante hypothese,
se, no decurso das suas investigagoes, ndo
tivesse tido que demonstrar no marechal
Bazaine um habito evidente de se abrigar
no subterfugio para escapar as responsabili-
dades do commando.
Preparativos para a juncf&o dos exer-
citos de Chalons e de Metz em Montmedy.
Recordemo nos que o commandante Magnan
veio a 19 d noite a Montmedy. Na noite
de 19 para 20, chegava alii, vindo de Ver-
dun, o intendente Wooff o o general Dejean,
nomeado commandante de engenheiroi do
exercito de Metz, que procurava entrar no
exercicio do seu posto. Ambos deixaram
Verdun, que coraegava a ser occupada pela
cavallaria inimiga.
(Continuar-se-ha)
estas tres letras roxas : C D X (Conselho
dos Dez) e mostrou um salvo-conducto da
serenissima republica, que continha uma
sentenga por traigdo contra Paolo Vizconti.
A republica de Veneza e* altameute respei-
tada : Paolo Vizconti foi enterrado, e o seu
verdugo sahio livrcmente de Napoles. Algum
tempo depois disto nasceu Pedro, e, cres-
cendo, lornou-se tdo parecido com seu pai,
o principe Frederico, que este nao pdde
deixar de o reconhecer como seu filho. To-
davia, Pedro herdara, tdo sdmente, a quinta
onde nascera e uma pequena renda que lhe
concedeu por decoro e ndo por amor, seu
pai, que o odeia com sobeja razao, porque
Pedro tem sido sempre um miseravel, um
infame, um ser terrivel que tem vivido na
impunidade ate* que se atreveu a attentar
contra os Borgias. Morrerd esta noite, e
para isso vim eu aqui. Veja como se enga-
nava, Isabel, veja como inutilmente sahio
de Roma, attentando por esse equivoco fu-
uesto, contra mim.
Callou-so Lucrecia e Isabel permaneceu
contrariada, sombria, com a cabeca incli-
nada para o peito.
Pois bem, disse afinal Isabel quebran-
do aquelle silencio, a senhora que soube
tudo, poder-me-ha dizer o que foi feito da
minha dams de honor, Angiolina Crespi 1
Que posso eu saber de Angiolina ?
Dizem que a roubou e a occultou
com ciuraes do gran-capitdo.
Cslumnis, csluraoia infame que servio
p'ra arraar o lago do qual livrei Gonzalo
de Cordoba.
E sabe jd se o livrou ? disse coot
desespero Isabel ; sabe se o duque de Sessa
viverd neste momento?
Ouvio-se entap um grande tumulto fora
da casa, tinir d'armas, tropear de cavallos,
vozes de homens, uma confusdo tal que pare- '
cia indicar uma grande desgraga ou um
grande pengo.
Vejamos o que dava motivo a isso.
(Continuar-se-fM.)
TYP.DO DIARIO.-RUA DUQUE DECAXIaS.
*

?
mm i
I___IIIBIVEL
<


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:20010

Full Text
AMO XL1X. MJUEBO 288
'
\
V

PARA A CAPITAL E LUGABES OXDE NAO SB PAGA POBTB.
For tres meies adiantados.......... fisooo
Por seis dilos idem.............'.'.]'.'. t^OOO
Por urn anno idem.................. ^QQ
rulso
120
TERCA FEIRA 16 DE DEZEMBRO DE 1873
PABA WESTRO E FOB! DA PBOVIXCIA.
Por tret mezes adiantados................
Por seis ditos idem..................
Por note ditos idem...............
Por am anno idem...............
69760
1S9600
309360
i7000
DE PEMAMBIM
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS.
Os fa. Gerardo Antonio Alves d Filhos, no Para; Geneves 4 Pinto, no Maranhao; Joaquim Josd de Oliveira &Filno, no Ceara"; Antonio de Leruus Braga, no Aracaty ; Joio ria Julio Chaves, no Ass6; Antonio Marques da Silra, no Katal; Jorf Jwt
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Domingos Jose" da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas; Alves d C., na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Riojde Janeiro.
.JM^mCIAL
Governo da proviucia.
BKPEDIBNTE DO DIA 29 DE iBTE.MliliO DE 1873.
/. seccao.
t '.ikios :
Ao Exm. brigaleiro coran radanle dis nr-
mas. Sirva-se V. Exc do fazer con-tar ao sen-
tenciado milllar, ex-praea do i. Latalhao de in-
t'autariv Manoel do ;Sacramenlo, que, segundo
oasta de aviso do minisierio da guerra, de 16 do
corrente, S. M. o Imperador houve por bem inie-
lerir o reqoerimento inforraado por V. Exc em
offlcio de 26 de julho proximo Undo sob h. 756, do
qual o mesrno sentenciad j pedia perdao da pena
de gales perpetuas em que ja foi commutada a de
morte a que fora coiidemuado.
Ao mesmo.-Para cumprimento do aviso do
ministerio da guerra, de 7 do corrente, sirva -so
V. Ekc. de ouviro commandante do 0. batalhao
de infantaria e emittir o seu^parocer acerca do
incluso requerimento, que me sera devolvido, era
que Anlonia Rosa Pariz pedo a trausfereucia para
;i companhia de operarios militares do arsenal do
saerra da norte sou sobrinlio, o soldado do
9. batalhao Jose de Siqueira Lapa, allegan-
do ser elle earpinteiro do obra braaca ; couvindo
que com o seu parecor remetta a oerlidao do as-
sentamentc da referida praca.
Ao mesmo.-Deferindo o rcqneriineolo do
soldado reformado Joao da Cruz dos Santos, sobre
que versa a sua infonnacao de 27 do corrente sob
n. 939, autoriso V. Ex3. a permittir que a referi-
da praca va esperar na cidade de Nazareth pela
i-emassa da carta de pensao quo Ibe foi concedida,
coil a obrigacao, porem, do comparecer mensal-
rnenle as revistas de mostra nesta capital.
Ao raesmo.Transmitto a V. Exc, para os
lias conveniences, a Inelusa copia da circular do
rninisterio da guerra, declarando ter sido proroga-
do ate o fira deste anno o prazo concedido para
a adopcao nos estabelociraeutos a cargo d'aquelle
ministerio, do 3ystema decimal franco/,, em substi-
ttjicSo do actual padriio do pesos e medidas e
determinando ojmodo por que se deve proceder,
depots de findo o referi Jo prazo.
Ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de dar-me
o scu parecer acerca do que pede o alferes hono-
rario do exercito Geroncio dos Santos Teixeira no
incluso requerimento, que me sera devolvido.
Ao mesmo.Tranmitto a V. Exc. as inclu-
saa copias dos pareceres do contador e procurador
fiscal da thesouraria de fazenda, rulativamente as
ob3ervac5es feitas pela junta militar de saude,
raw de julho ultimo, afim de que V. Exc, dando
dellas sciencia ao respectivo director, recommende-
lli-i que nao poupe esforcos em ordem a regulari-
sar-se o servieo com a mais rigorosa flscalisacao e
econoniia.
Ao capitao do porto.Para cumprimento do
aviso do ministerio da marinha, de 16 do corrente,
informe V. S. com urgencia si ja se deu execu-
i.:ilo ao aviso circular do mesmo ministerio, de 18
de dezembro do anno passado, mandamlo obser-
var as indicates do eugeaheiro Zozimo Barroso,
constantes da copia romcttida a essa capitania em
9 do Janeiro deste anno, relativamente a pintura
exterior dos pbarocs e casas de gaardas existentes
tiosta proviucia.
Ao director do arsenal de guerra. Mande
Vmc. fornecer ao adramistrador da casa de deten-
(,-io, mediante indemnisacao, os objectos constan-
U3 do pedido junto por copia, que veio annexo
ao officio do Dr. chefe de policia, n. 1679 de 26 do
corrente.
Ao commandaBte interiuo do presidio de
Fernando de Noronha. Receba Vmc. opportuna-
ciente nesse presidio, coino determina o aviso do
ministerio da guerra, de 20 do corrente, as pracas
sentenciadas do exercito, Jose Leandro de Souza,
Filippe Nery de Santiago, Lucio Antonio de Faria
ficsa, Francisco Pereira de Salles, Ricardo Cardoso
da Silva, Miguel Ferrrira da Costa e Feliciano Jose
i Nascimento.
2* $ec<;u9.
Actos :
0 presidente di provincia, de acordo com
a propo?ta do Dr. ehoie de policia em ofHcio n.
1669, de 2t do corrente, resolve nomear para os
cargos de 1, 2 e 3' supplontes do subdelegado do
1 aistricto de Gameleira os cidadaos se^uiutes, na
ordem de collocaQio : Antonio Rodriguos Tavares
Luna, Ludgero de Paula Mcira Lima e Manoel An-
I ->aio Ramos.
0 presidente da proviueia, a vista do officio
do Dr. chefe de policia, n. 1686, de 27 do corrente,
resolve exonerar do cargo de subdelegado do i
districto ae Gamelleira o cidadao Matheus Antonio
do Rego Barros.
0 presidente da proviucia, a vista do officio
do Dr chefe de policia, n. 1688, de 27 do corrente,
resolve conceder ao cidadao Jose Mendes Vieira a
exoneracao que podio, do cargo de subdelegado da
freguezia da Varzea,do termo desta capital.
0 presidente da provincia, a vista do ofricio
do Dr. chefe de policia* n. 1687, de 27 do corrente,
resolve nomear o tenentu Manoel Candido de Al
L jquerquc snbdelegado da Varzea desta capital.
0 presidente da provincia, de conformidade
(torn a proposta do Dr. chefe de policia em officio
l. 1688, do 27 do corrente, resolve nomear o te-
nente Flavio Jos6 dos Santos e-Silva delegado do
f-OTio do Bom Ginselho.
Offlcios: .
Ao Exm. conselheiro presidente do tribunalda
i ?!acao. TransmiUo a V. Exc. o aviso do ministerio
*ia justica, de 13 do corrente, junto por copia, de-
clarando nao se dever fazer passagem de autos a
um desembargador, quando estlver na presidencia
do tribunal do jury.
Ao Dr. chefe do policia. 1'ara salisfazer o
aviso do ministerio da justica, de 17 do corrente,
ouvie V. S. a esta provincia um quadro dos ear-
cereiros das cadeas desta provincia, com declarajao
circumstanciada do ordenado que Ihes dove ser
abonado, de modo que ncuhum tenha menos de
JiOAOOO, nom mais de 303^'XK), sugundo a irapor-
tr.ucia e riqueza dos lugarcs era que servem.
Ao juiz de direito da I" vara.-Enviando a
V. S. a guia junta de Joaquim Mozambique, qnc
por decreto de 11 de abrii ultimo foi indultado
por S. M. o Imperador, liie recommendo que, caso
o dito reo est;ja afnda preto, o faga por logo em
liberdadi?. pedindo o seu transporle pnra a provin-
cia de S. Paulo, d'onda veio.
3.' secgao.
OtBcios :
Ao inspector da thesouraria dajazeuda. At-
tendendo a disposicio do art. 37 do decreto n.
1332 de 18 de fevereiro de 18oi, e de conformida-
de com a infonnacao do Dr. procurador fi?cal des-
3a thesouraria, relativa a ropreseutacao do com-
m&ndante =uierinr do mumcipio desla capital,
lecotnmond, a V. S. 1c pssrar a quartrl-
meslr: "."il,nn visia dj prot gerafqu? alii exisle,
o soldo e gratiflcajao dos'coraetas, clarion e tam-
liores ties corpos da guardi nacioual.
Ao mesmi.Na conformidade do quo soli
citou o Dr. chefe de policia em officio datado de
27 do corrente, sob n. 1685, mande V. S. indemni-
aar o ccfre da repartiQao da policia da quantia de
94600, o.nstaale da coala e recibo aaUexos, abo-
nada a tre9 criminosos que no dia 27 de agosto
ultimo seguirara para o termo de Buique, aflm de
< esponderem ao jury.
Ao mesmo. Mando V. S. pagar a quem se
uiostrar competentemente autorbado a impcrtancia
coustantc dos' prets inclusos, relalivo- acs veni-i-
mentos das pra;as da guarda nacional destacadaa
na villa de Flores durante o mez de agosto, segun-
do sulicitou o respectivo commandante superior
em offleo de 2 do corrente.
Ao mesmo.Transmitto a V. S., para seu
conhecimftnt >, copia da circular do ministerio da
guerra, datada de 12 do corrente, declarando ter
sido prorogado ate o fim desto anna o praso para
a adopejio, nos esubelecimento- a cargo do m -smo
ministerio, do systema metrico decimal francez, em
substitaicao do actual padrao de pesos e medidas,
e declarando o m )do por quo se deve proceder, de-
pois do lindo o referido praso.
Ao mesmo.Transmitto a V. S., para os de-
vidos eireitos, as inclusas contas documentadas da
rece ta e despesa do hospital militar, relativas ao
mez de agosto proximo Ondo, e com ellas o pare
cer da junta de inspeccao que as examinou, na
forma das disposicoes em vigor.
Ao mesmo.Inteirado de quanto V. S. expoz
em suas informacues de 22, 23 e 25 do corrente
rnez, ns. 28S. 307 e 336, acerca da falta de credito
que ha nas respectivas verbas para pagar-se os
venciraeritos do alferes commandanto do destaca-
mento da guarda nacional estacionada na villa de
Garanhuns, de que trata a ioclusa folha em du-
plicata, e bem assim as diarias fornecidas aos re-
crutas vindos dos termos de Salguelro e Ouricnry
com destmo ao servijo do exercito ; tenho a dizer
que mande cITectuar esses pagamentos sob a res-
ponsabilidade da presidencia, visto acharem se
comprehendidos na letra do decreto 2,884 do 1 de
fevereiro de 1862.
Ao mesmo -Reraetto a V. S. para os devidos
fins a inclusa nrdera do thesouro nacional, sob
n. 151.
Ao inspector da thesouraria provincial. -To-
mando em consideragao o que expoz o tenente-co-
ronel Pedro Pessoa de Siqueira Campos no incluso
requerimento a que allude sua informacao de 26
do eorrenn sob n. 430, resolvi que ao supplicante
seja paga a quantia de 73*800. proveniente da des-
peza feita com o sustenlo dos presos pobrcs da ca-
deia de Flores.
Ao mesrao. -Recommendo a V. S. que man-
de ahonar 2 mezes de vencimentos a 1 official do
corpo de policia que vai destacar na Vicencia; e
bem assim a quantia de 40*000 como ajuda de
custo de ida e volta, devendo o referido abano ser
contado do 1 de outubro vindouro. conforms soli-
citou o respectivo commandante em offlcio de 26
corrente, sob n. 553.
A > mesmo.Devolvendo a V. S. a conta a
este appensa, na importancia de 997*307, despen-
dida com o sustento dos presos pobres nella men-
cionados, tenho a dizer que mande tirar ontra
conta para o ministerio da ju tencer semelhante despeza; convtndo que d'ora em
dlante todas as contas provenientes de sustento dado
aos presos sentenciados recolhidos a casa de deten-
cao nesta capital, vindos de outras protincias com
rtestino ao presidio de Fernando de Noronha, sejara
tiralas para cada ministerio a que pertencer a na-
tureza da despeza.Os presos de que e trata n5o
vieram da provincia do Rio de Janeiro, conforme
daclara o Exm. presidente em offlcio de 12 do cor-
rente, junto por copia.
.4' secgao.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao qua
propoz o director geral iuterino da instruceao pu-
blica em offlcio de 24 de corrente sob n. 289, re-
solve nomear Anacleto Puiilio de Moraes Carva-
Iho para regcr interinamente a 5' cadeira de ins-
truccio priraaria da freguezia da Bo.i-Vista desta
cidade, durante o impedimento do respectivo pro-
fessor.
Offlcios :
Ao Exm. Sr. presidente da provincia das
Alagoas.Dei os convenientes destinos aos offlcios
a que se refere o de V. Exc, do 27 do corrente,
que assim lie a respondido.
Ao 1-juiz de paz da freguezia de Taquare-
linga.Em resposla ao offlcio de Vmc, de 26 do
corrente, tenho a dizer-lhe que, tendo sido adiada
para a 3* dominga de novembro vindouro a elei-
cao de vereadores c juizes de paz dessc municipio,
em occasiao opportuua providenciarei a respeito
do que expende em seu allodido officio.
5.* secrfio.
Offlcios :
Ao Exm. director da secretaria da estatistica
na cdrle. Accuso recebido o offlcio de V. Exc,
datalo do 16 do corrente, sob n. 2358, no qual me
communica haver naquelle dia roassuraido as func-
coes de director geral dessa reparticao; e em res-
posta tenho a dizer a V. Exc. que node contar com
o auxilio desta presidencia, semprc que dclle bou-
ver mister.
Ao gerente da companhia pernambucana.
Representando-me o fiscal des-a companhia em
offlcio de 25 do corrente sobre a conveniencia de
mudarse para dous dias antes ou depois da lua
cheia de cada mez a sahida do vapor deste porto
para o de Goyanna, em rasao das condicoes es-
peciaes do ultimo dos referldos portos, autoriso
Vmc. a fazer a alteracaoalludida, aid que seja con-
feccionrda e posta em execucaoa label I a qua deve
regular deQnitivamente esse service Oulrosim
fica marcado o praso de trinta dias para Vmc.
organisar e submelter a approvaQio desta presi-
dencia as tabellas das saludas dos vapores para o
mencionado porto, bem como para o de Taman-
dare e Rio Formoso, segundoasclausulas5.a c 11*
do contracto de 17 de julho de 1868.
EXPEDIENTS DO SECRETARIO.
2' seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, transmitto a V. S. os
titufos juntos de nomeacao do 1, 2* e 3 supplen-
tes do subdelegado do districto de Gamelleira,
de conformidade com a proposta de V. S. em offl
cio n. 1668, de 24 do corrente.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda transmiltir a V. S. os titulos juntos
de nomeacao do delegado do termo de Bom Conse-
Iho e subdelegado do districto da Varzea, desta
cidade, de conformidade com as propostas de V. S.
em offlcios ns. 1687 e 1888, do 27 do corrente.
5." seccao.
Offlcios :
Ao fiscal da companhia pernambucana.-S-
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla.
rar a V. S., era resposta ao seu offlcio de 25 do
corrente, que nesta data foram expedidas as con-
venientes ordens ao gerente dessa companhia, no
sentido de ser feita a alteracao" a que allude em
seu citado officio relativamente as sahidas do vapor
costeiro deste para o porto de Goyanna; bem
como haver marcado ao mesrao gerente o praso
de trinta dias para cumprimento das clausulas 5.'
e 11.' do contracto feito em 17 de julho de
1868
Ac engenheiro fiscal da estrada dc ferro do
Recife ao S. Franciscj. -S. Exc. o Sr. presidente
da provincia rmmdn acr.isir a recrpoSo do offl:io
dc V. S., de 20 d.i correute, communicando ja ha-
ver dadu sciencia ao snperintendente dessa es-
trada de ferro da decisao proferida pelo mesrao
Exm. Sr.. relativamente ao sello dos livros dessa
companhia.
Aos aaentes da companhia de navega^ao bra-
sileira.0 Exm. Sr. presidente da provincia man-
da accusar a recepcao do offlcio de Vv. Ss., datado
de hontem, no qual communicam que partira hoje
as 5 horas da tarde para os portos do norte o vapor
Pard, cr.egado naquella data dos do sul.
Edital:
Por esta secretaria se faz publico, para conhe-
cinentr de quem possa interessar, quo o praso
marcado no edital de 30 de julho ultimo, para a
apresentacao e abertura das propostas relativas ao
estabelecimento de carris de ferro, que liguem esta
cidade com os arrabaldes indicados no referido
edital, 6ca prorogado ate o dia 10 de outubro
vindouro ; com exclnsao do arrabalde Capunga
em vista do proteslo anresentado pela companhia
da estrada de ferro do Recife ao Caxanga.
DURI0DEPERN/LM13UU0
RECIFE, 1G DE DEZEMBRO DE 1873.
Vapor americano.
Chegou hontem ao meio dia o vapor americano
South America, trazendo datas : New-York 24,
do Amazonas 28 do passado, e do Para 10 do cor-
rente.
Nada adiantain os jornaes dosEstados I'nidos
as noticias desse paiz que recebemos por via de
Lisboa.
AMAZONAS.
Declinava a variola na capital. 0 Diario do
Amazonas annunciou em 24 que apenas existiam
tres variolosos na enfermaria de S. Sebastiao.
0 barao de Maua offereceu em Manaos a
presidencia daquella proviucia 5:000* para atui-
liar o desenvolvimento da instrucfSo publica e
2:000* para distribuir pelos inligentcs da cidade.
0 commendador M. A. Pimenta Bueno offereceu
1:000* para a instruceao publica.
Em 21 de novembro comecou-se a publicar
em Manaos mais uraa folha, denomioada Liberal
do Amazonas, destinada a advogar os interesscs
do partido politico do mesmo nome.
Os empregados do estabelecimento de edu-
candos artifices resolveram offerecer em 30 do
passado um baile ao presidente da provincia para
commemorar o anniversario natalicio de sua Exma.
consorte*.
PARA.
Era 10 escreve nosso correspondente da ca-
pital :
a Tenho-me dispensado de enviar-lhe as minhas
missivas pelos paquetes dos fias dos mezes ; e isto
razoavel. a vista da pontualidade e rapidez dos va
pores norte americanos que alii chegam quasi no
mesmo dia e ao mesmo tempo que os nasionaes, e
aqueties com o avance de 5 a 7 dias.
cripto pelo Pard, passo as noticias desta pro-
vincia.
c Cahi em grave falta annnnciando a chegada
do Dr. Franklin Tavora e de haver tornado posse
do seu lugar de secretario da presidencia.
< Nao foi exacto; porem, se commetti seme-
lhante enexactidao, foi devido aos jornaes desta ci
dade, qae inclusivamente publicaram na lista dos
passagetros entra<*-j do sul a 17 de novembro ul-
timo, o nome do Dr. Tavora.
Entretanto esta falta e remediada hojo, com a
iirecisa exactidio, porque o referido Dr. aqoi ef-
ectivamente chegou a 30 do precedente mez, o
esta no exercijio do sen cargo, desde 1 do cor-
rente.
< 0 Dr. Antonio dos Passos Miranda, que como
ahi ja sabem, foi nomeado presidente de Sergipe,
somente pretende d'aqui partir para aquella pro-
vincia an vapor proximo, de 15 do corrente.
Continua na presidencia do Para, o Exm. Dr.
Domingos Jose da Cunha Junior, apesar das noti-
cias e anhelos que correrara de que S. Exc era
transfendo para S. Paulo ou Minas Geraes, como
ja Die noticiei.
c A harmonia entre os partidarios da situacao,
e o actual presidente 6 toda superficial ; ou para
melhor dizer, sem esperanca3 de melhor rcsul-
tado.
Nao ha duvida que o administrador da pro-
vineia, tem-se distanciado de certas aspiracoes e
preteuc5es da poljtica dominante. Nao sei se com
semelhante proceder S. Ex 3. secunda as vistas go-
vernativas do'gabinete, que se acha a frento dos
negocios do paiz; o que vejo e que o eoverno cen
tral, por um lado vai satisfazendo desejos dos con
servadores, nao dissidentes desta provincia, ao
passo que por outro, a presidencia demonstra, por
actos bem significativos, quanto se afasta delles
Perguntarme-bao agora os seus leitores, qual
o norte, qual a politica do delegado imperial, na
provincia do Para ?
a Com sinceridade, nao lhe posso dizer, qual
seja. Effctivamente S. Exc. nao 6 liberal, nem
vejo fazer a menor concessao aos liberaes; nao e
conservator da situacao dominante, porque, como
digo, distanciase delles ; dissidente, nao sei se o e,
pois que se uns actos sao o preludio de que a
presidencia os ouve no caminho da adrainistra-
cao, outros dembnstram quo o Sr. Domingos Jos6
da Cunha Junior nao se deixa abalar pelo can-
tico dc certas sereias.
t 0 que me parece e que S. Exc. procura ir
contemporisando com os partidos, ate que o go
verno imperial lhe d6 deftino, como ha tempos se
annuncia ; e embora a presidencia nao tenna op-
posigao absoluta dos principaes orgJos na ira-
prensa, comtulo 6 decisivamente aggredido por
differentes periodicos de menor circnlagao que
mais ou menos denunciam quo, entre osjpartidos,
ha raotivos de desconQanqa a este estado d'indeci-
sao da supreraa adrainistracao do Para.
Deixando de parte os negocios de no.-sa po-
litica local, passo a outra ordem de cousas.
Felizmonte varaos melnorando, quanto ao es-
tado da saude publica pelo menos no que respei-
ta a esta cidade, onde a variola tem diminuido
consideravelmente d'intensidade.
a Mas, apezar disto, temos ainda outros males
que nos affligem e tendem ao declinio do com-
mercio.
Ultimamente denunciam os jornaes a encuen-
tc do Amazonas e seus affluentes, em cuja demo-
ra tem prejtidicado grandemente, as fazendas dt
gado e a agricultnra, com graves prejuizos, para
a populacto desses centros criadores e produc-
tores.
< Alem disto a safra da suinga e de outros ge-
neros em que o Para abundava, nio ha muitos
annoj, annucia-se pequena, no actaal, sem con-
tar ainda uraa certa desconflanca que lavra entre
todas as classes, o que tern aggravado seriamente
a situacio commercial.
Emfim o Para vai com exforco atravessando
uma crisc, em que todos s3o participe3, e quan-
do o raal e geral maior e a resignacao.
Fallando em comraercio, nao me devo csquc-
cer delhe noticiar que entre nos ja se acha de
volta do Amazonas, o Barao de Maua onde pouco
tempo se demorou.
t Lancando as suas vistas pcrscrutadoras sobre
os destinos futures desta parte do Brasil, acaba
S. Exc. de conseguir a uniao e encorporacao da
companhia fluvial do Alta .Amazonas a actual
companhia ingleza do commercio e navegaao do
Amazonas limitada. Era a consequencia natural
das cousas e no estado em que esta o commorci'>
desla prac.i, logo que ja tiuha sido encorporada
a companhia fl iviat P raense a do Amazonas ;
pois a for<;a maiur attrahe a m-nor.
t Conseguio, pois, os seus ultimos anhelos a
Companhia do Amazonas limitada. lundindo em
si por meio da compra, aquellas duas emprezas.
A negociagao foi effectuada por mil c trinta
contas d- reis, mediante um anno de prazo, com
a facul lade dos accionistas da companhia fluvial
do Alto Amazonas, ou receberem os seus capitaes
ao par, com o joro de seis por cento pela demora,
do refenJo auuo, ou entSo trocarem as respecti-
vas aecojs por outras da limitada.
0 acto desta negeciar-ao foi submettido a
uma reunigao da asserablea geral da companhia
fluvial do Alto Amazonas, em que houvo larga
discussao e mesma seria opposicao por parte de
varios accionistas, fazendo ver a inconveniencia
para o commercio e mesrao para os seus imeres-
sados, acerca do prejuizo a que so expunham com
semelhante encorporacio ; mas estava escripto
no livro do destino, que o dia 6 de dezembro de
1873, era o ultimo da autonomia daquella mal-
fadada companhia, a qual havendo nascido tao aus-
pieiosa e com tanto applanso do commercio do
Para e do Amazonas, sempre em sua existencia e
direccao, foi tao mal succedida e raesmo desas-
trosa com o naufragio do vapor Purus, era que
alem da perda de capitaes avultados, pereceram
tantas vidas preciosas !
Enfira estao hoje o Para e Amazonas cir-
cumscriptos a uraa unica companhia fluvial, que
e como fica dito, a limitada da navegacSo e com-
mercio do Amazonas, e de mais a mais, nas mSos
dos inglezes, que ja se acham a frcnte da sua
dircccio.
Entretanto, o comraercio e as influencias mo-
netarias e politicas desta provincia festejara c es-
perara tudo da viagem do bar5> de Maua, a estas
regioes ; e Deus sabe, qual sera no futuro a re-
verso da raedalha !
E ja que fallo nisto, devo dizer Ihe que o
Miranda, um retrato circundado com os collegas
com quem aqui servio como secretario.
< E um i bella homeuagem de eslima e reco-
nhecimento pelo seu chefe.
A alfaudega rendende 1 a 6 do corrente
3:968^270.
illustre barao tem sido mui bem recebido ; e
as festas que se Ihe tem feito o devem ter lison-
geado ba*tante, embora houvesse uma divida de
reconhecimenlo e gratidao, pelos progressos a
que attingio o commercio com a iniciacAo e des-
envolvimento das differentes iinhas de vapores
que sulcam o grande rio do Amazonas e seus aflu-
entes, desde 1850, quando aqui estabeleceu se a
antiga Companhia da Navegacao e Comraercio,
com o nome daquelle rio-mar.
t A 2 de dezembro corrente, o conego Manoel
Jose de Si'iueira Mendes, chefe da situacao do-
minante, deu um cha ; a 5 houve um jantar of-
ferecido pelo visconde de Arary ; a 6 um baile
pelos principaes summidades do commercio desta
praca, a cujas festas compareceram os princi-
paes influentes e caracteres, quer politicos, quer
commerciaes.
0 baile sobretudo esteve bastante concorrido
e o service feito com profusao e riqueza. De
certo que o nobre barao deve ir muito penhorado
do Para, tanto mais quanto ainda Ihe preparam
novas e ultimas manifestacoes no momento do
ultimo bota-fora, para bordo do vapor americano
que o deve cond'izir ao Rio de Janeiro, e a todos
irntantes e esperado neste porto.
* Que o barao de Maua realise quanto por
aqui se diz, em referenda a sua visita ao Para e
Amazjnas, sobre novos o avantajados commetti-
inenti)s em favor dos destin is destas provincias,
sao os votes que todos devemos fazer e nao per-
mittam os cl(os fiquem em mera espectativa I.:.
Outras festas tarabem houveram no principio
do corrente mez ; por6m, de outro earacter.
Tiveram ellas lugar na Real Socledade Portu -
guea -Beneficcntc e no Gremio Litteraroi Portu-
gaez, nesta cidade ; uma nanoitedo I.* de dezem-
bro e outra na de 2.
A soeiedade beueficente aproveitando o ense-
Jo do anniversario da restauracao de Portugal,
maugurou, nas salas das suas sessoes, em frente
ao docel onde figura a efflgie de S. M. o rei de
Portugal, o relrato de Francisco Goocalves de Me
deiros Branco, um d is seus principaes fundadorei
e socio benemerito. Medeiros Branco, foi um par-
tugucz de alma elevada, illustrado commerciante,
cultar das rausas e de genio pertioaz. Durante o
sen estadio neste mundo, pois e ja fallecido sem-
pre soccorreu o desgracado, defendeu as grandes
ideas e fomentou o progresso da soeiedade que ins-
tiluira com o concurso de outros atnigos compa-
triotas. Nestas poucas Iinhas nao digo de Msdei-
ros Brano senao aquillo que e real e verdadeiro,
os seus dedicados atnigos e consoci >s na beneficen-
cla, nao fizcram mais do que pagirllie uma ho-
mmagem hor.rosa, a que elle ha muito tinha di-
reito.
0 Gremio Portuguez festejou igualmente o an-
niversario natalicio de S. M. o Imperador, abrindo
a solamnidade dessa noile de festa com uma ses-
sao magna, e frauqucando a sua biblioteca a con-
currencia publica.
Nao houveram oonviles especiaes neste esta-
belecimento, como succedeu naquelfa associa-
eao.
Na Beneficeaic Portugueza, a festa foi espe-
cialmsnte portugueza e entre us respectivos asso-
ciados ; no Grernio l.itterario, a concurrenjia fei
de todos.
Em ambas as unites (1 e 2 de dezembro) esti-
veram esses ostabekcimenlos brilhantemente illu-
minados, e nas solemui tales tocou a musica mar-
cial do Club Phlarmonico, composta na maioria
de moQos empregados no commercio.
o No dia 7 do corrente reunio-se na cathedral o
collegio eleitoral para a nomeacao dos novos de-
putados proviaciae3 que ao biennio de 1874 e 1875
tem de legislar sobre o; destino 5 do Para.
Achapa apresentada pelo pariido conservador
dominante, e que segundo consla naoofferece con-
testacao do governo da provincia, nem dos demais
partidos em opposirao. portanto aquelle como es-
tes deixam correr a eleicao a vontade do conego
Manoel Jose de Siqueira Meudes, 6 a seguinte :
Dr. Joao Lonrengo Paes de Souza.
c Dr. Miguel Lucio de Albu juerque Meilo.
Dr. Carlos Hypolito de Santa Helena Magno.
Dr. loee Ferreira Cantao.
Dr. Joaquim Pedro Correia de Freitas.
Dr. Marcello Lobato de Castro.
Dr. Augusto Thiago Pinto.
Dr. GuHherme franciscp Cruz,
t Dr. Juliao Honorato Correia de Miranda.
a Dr. Franeisco Pereira de Souza.
i Padre Qenedicto Thome da Cunha e Mello.
Major BernarJino de Senna Lameira.
Major Antonio Gentil Augusto da Silva.
Capitao Delphim Haro Portugal.
Manoel Roqne Jorge Ribeiro
a Candido Cicero da Silva Penna.
Dr. Ambrozio Philo Creiao.
a Capitao Joaquim Felippe de Siqueira Mendes.
Major Joao Evangelista Correia Chaves.
Tenente-coronel Joio Baptist* de Novaes.
Tenente-coronel Antonio Jose Correia de Seixas.
t Tenente-coronel lose do 0' de Almeida.
Tenente-coronel Cu?lodio Pedro de Mello Frei-
re Barata.
a Tenente Antonio Carlos de Souza Trovao.
o Tenente-coronel Joao Antonio Lopes Pereira Ju-
nior.
a Tenente-coronel Luiz Maximiano de Miranda,
a Major Jos6 Joaquim de Lima.
t Capitao Joao Victor Goncalves Campos,
c Capitao Aureliano Rodrigues Coelho.
a Lauriano Antonio Gil dc Souza.
a Os negocios ecclesiasticos vio aqui tomando
outra v,v. vnhc, com a noticia do processo do
bi^po dio;esano.
a Na igreia de Santo Antonio, acaba de levan-
tar-se questac. coir, o padre Dacia, o qual man-
doufechar a porta principal da igreja, quando uma
das irmandados qna alii funcciona, fazia cantar
uma ladainhs.
0 Diario do Griic Pard de hoje, conta o facto
corao elle foi, ;l cujr, fonte podera recorrer-se, pois,
alii conta o offlcio que pela irmandade interdicta
foi dirigido ao Dr. juiz de dirto da vara des-
ta capital. Segundo o mesmo Diario 03 empre-
gados da secretaria do gjverno, offerecerara em
F.-mbranca e desppdldi, ao Dr. Antonio dos Passos
Moticias da Europa
Hontera, as 3 horas e meia da tarde, fundeou no
lamarao 0 vapor inglez Araucania, da linha do Pa-
cifico, trazendo da',as de Lisboa ate 3 do corrente.
Dos ornaes e cartas recebidos extrahiraos 0 quo
segue :
FBANQA
A asserablea nacional adoptou em principio, de -
pois de larga discussao, a proposta do Sr. Des-
peyre, prorogando os poderes do inarechal Ifas-
Mahoa por um espaco de seta annos, sem outras
garantias que as que podem piovir da sua per.-o-
nalidade e dc um voto eventual das leis constitu-
cionaes pela asserablea Esta votacao foi obtida
por escrutinio secreto por 381 votos contra 317 ;
e depois no seu conjunct) por 378 votos contra
310.
Entre estes votos, a asserablea rejeitou por 386
votos contra 321 ami proposta do Sr. Waiding-
ton, dispondo que os poderes prorogados nao
leriam earacter constituinte, se nao depois do voto
das leis constituintes ; 0 que era em outros termos
a reproduccao do artigo 3." da maioria da com-
raissao.
0 artigo 2." do projectodo Despeyre que estabe-
lece que aommissao encarregada de elaborar as
leis constitucionaes sera noraeada, nao pelas com-
raissoes, mas em escrutinio secreto em plena as-
semblea, fot adoptado por 370 votos contra 330.
Esta resolucao lirou a maioria ate as garantias
que 0 accaso lhe poderia ter dado.
Uma eraeoda que tinha por fim roservar os di-
reiios do paiz. cstipulaudo que a assemblea, antes
da proceder a votacao das leis contitucionaes se
renovaria por umaterca parte dos seus membros,
foi rejeitada sem escrutinio, por simples sentados
e leva 11 tad os.
0 disrurso do duque da Broglie foi uma glori-
ficacao do earacter do inarechal Mac-Manhon, e
um ardente appello a connanca dos conservadores
em favor, nao do ministerio que se nao quer abri-
gar a somb ra do presidente, e que se justificara
em tempo util das accusacoes dirigidas contra elle,
mas do homem que deve ser 0 Salvador da Fran-
ca 0 seu ultimo entrincheiramento contra a invasao
da demagogia.
Um eloqnente discurso do Sr. Grevy encerrou
a sessaov 0 antigo president.' demonstrou que a
assemble* oxcedia 0 seu man lato, e editicava so-
bre as areias, julgando estabelecer um governo es-
tavel e definitive, e que bem depressa se vera que
ficam todas a portas abertas a toda a easts de
revolucoes.
Logo depois da votacao os ministros apresen-
tarara a sua demissao collectiva ao marechal Mac-
Malion. Parece porem que o daqae de Broglie
conservara a sua pasta, ou pelo menos uma pnsi-
cao prcponderante na nova administracao ; e quo
ate mesmo sera encarregado da organisagao do
novo gabineta.
0 presilente da assemblea 0 Sr, Buffet, a 1 rente
da mesa da mesma assemblea, depois da votacao,
foi procurar o presidente da repubhea para Hie
dar parte da decisao, ultimamente lomada pela
qual conferindo-lhe 0 poder executivo por sete an
nos, a assemble* lhe havia testemunhado a sua
conlianca absoluta, pela sua dedicacao ao bem do
paiz.
0 marechal Mac-Mahon respondeu que ficava
muito penhorado pelos sentimentosque ihe sxpii-
miam, e rogou ao presidente que dicesse a assem-
blea nacional, quanto estava reconhecido pela alta
prova de confianca que acabava de lhe concuder.
= 0 paiz acotheu 0 resultado desta luta entre
os monarchistas e os republicanos com a maior
indifferenca. A ordem e tranquilidade mais abso
In las remain tanto em Paris corao nas provin-
cias.
Os jornaes sao sobrios em reflexoes. 0* da es-
querda recommendam paciencia, anlmo, e cspe-
ranga; fazera anteve uma victoria breve, que
compensara a derrota actual: quando as proxiuias
eleicoes tiverem modificado a composicao na ca
mara, sejam imaes forem as medidas que se to-
mem para impedir a nnnifesia;V) da vontade
dos eleitores.
Os v-nee lores e.-lebran Jo a derrota da coal -
lisao revolucionaria do Sr. Thiers a do radicalismo
mas nao mostram extrema alegria, antes convi-
dam seus partidarios a vigilancia e ao espirito de
lucta; dot isso que sentem que 0 voto de proro-
gate, no fuudo, nao iez rnais d < que comphcar a
situacao.
- Ja ha alguraas inforraaeoes sobre a politica
que seguira 0 novo gabinete reform*Jo ; ou antes
0 homem que esta encarregado de 0 constituir :
0 Fraaqais e 0 Journal de Pans nao deixam duvi
das algumas sobre este assumpto.
Vai-se travar uma luta a todo transe coutra os
instinctos e as vontados do paiz : Priraeirameutc
a assemblea tera entre maos um projecto do lei
urgente, sobre as reelei.oes parclaes. 0 governo
pedira que se nao proceda as eleicoes se nao na-
quelles departaraentos em que arepresentacao este-
ja diminuida de um* quarta parte. Posta esta
mordaca ao direito da representacao, atacar-se-h a
0 regimen municipal : os poderes dos maiores
serao redozidos em provcito da omnipotencia dos
prefeitos, e a sua nomeacao sera transferida dos
cidadaos para 0 governo ; e por fim em ultimo
lugar : um regimen uniforme, danlo garantias
a suffl^ientes de reprossao, fara desapparecer a
bisararia do regimen da imprensa submeuida ao
< estado de sitio em 49 departaraentos, em quau-
to nos lestantes e ella livre ate a licenca.
Tal e 0 proximo futuro da Franca.
Dizcm as ultimas noticias que a modificagao mi-
nisterial se effectua sahindo so 0 Sr. Beu 6, e fiean-
do 0 duque de Broglie com a pasta do interior, e
0 Sr. Decades com a dos negocios estrangeiros.
Pedio sua demissao 0 jr. Fournier, ministro da
Franca em Italia, sera substituido pelo Sr. de
Goulard.
0 Sr. de Biron voltou para Berlim e 0 Sr. de le
FI6 para S. Petersburgo,
- I'm grande nnmere de parochias dos tcrrito
rios da Lorena ccdid^s a Allemanha, sao hoje ain-
da sujeitos ecclesiasticamente a jurisdicgJo do bis-
pado francez de Nancy.
Numa carta pastoral lida a 3 de agosto, em todas
as igrejas da sua diocese, o bispo pedia a todos os
fieis, sem distinccao de nacionalidade, que orassem
pela prompta restituicao de Metz e de Strasbourgo
a Franja.
0 governo alleraJo vio neste facto uma provoca-
Sao publica a desobediencia as leis, e a ruptura
os tratados. Nao podendo chegar ao autor da car-
ta pastoral, ordenou que se procedesse contra os
padres lorenos quo haviam feito a leitura daquella
carta; e alem disso dirigio-se ao governo francez,
pediudo-lhe satisfacao pelo procediraento do bispo
de Nancy.
A Gaseta da Allemanha do Norte ajunta que
este passo offerecera ao governo francez uraa ex-
cellente occasiao para raostrar 0 apreco que da as
boat relates entre os dous estados; pela desap
provaeao, reprossao das exs'tacoes e ameagas pas-
toraes.
Uma nota offlciosa de Versailles dirigida aos jor-
naes estrangeiros pela Agencta Haras quer tirar a
este incidento toda .a importancia. >otaqueos
fa :to denunciados datam do tres mezos c que de-
pois djsso ja 0 bispo do Nancy reconhec?r.i a re-
serva que lhe 6 imposta pelo pitriotismo, em fune-
Soes que 0 obrigam a fallar simultaneamente a
eis qua residem em Franca e no territorio anne-
xado a Allemanha.
SUISSA.
0 Vaticano dirigio ao conselho federal soisso,-
Eor intermedio do nuncio Mr. Agnozzi, reclamacpes
astanle vivas por causa das transformac5es que
tem tido lugar na situacao do clero catholico em
frente dos governos cantonaes e dos parocbiaes.
0 governo helvetico limitouse a dar ao nuncio
a resposta qae 0 conselho do estado de Genebra ja
Ihe havia dado sobre este assumpto; resposta que
refutava com tanta energia, corao logica as preten-
coes da curia roraaoa.
0 governo do cantao de Genebra intimou todas
as casa3 catholicas a que prestem 0 juramento as
leis do paiz, sob pena de serem demettidos de snas
parochias, e estas providas por meio de eleicao.
ITALIA.
0 rei da Italia no discurso da abertura do par-
la nento, insistio muito nanecessidadedaproseguir
com energia na reorganisaeao intern* do estado,
e de assegurar a nianutencio da ordem, e seguran-
ca ppblica, que sao 03 elementos indispensaveis
do trabalho e do progresso nacional.
A questSo das relacoes entre a Santa Se e 0 no-
verno foi tratada com muito vigor e clareza. A
Italia proven que podia tomar posse da sua capital
sera altentar contra a independencia religiosa do
chefe do catholicisrno. A Italia continuara a res-
peitar esta independencia, mas nao permittira que-
se attcnte contra as lets e instituicSes nacio-
naes.
Diversaraento do discurso do throno do impera-
dor Francisco Jose, que so de passagem alludio as
suas relacoes coin as potencias estraugeiras, e
nera mesrao fez aikisao especial a visita do rei da
Italia; o discuno da coroa Italian* e muito expli-
cit^ neste ponto : faz sobresabir as excellentes re-
lacoes que a Italia enlretem com a Austria e a Ar-
lemanba, e a comraunidade de interesses. 0 isola-
mento da Franca e posto em evidencia, ate mesmo
pelo silencio que se guarda a respeito desta ultima
potencia.
0 discurso recommenda depois os di versos pro-
jectosde lei de me o parl.imento tera de so occu-
par na actual sessao, e particularmente aquelles
que dizem respeito ao exercito e a marinha 0 tor-
mina por um caloroso appello ao patriotisms s
confianca da nacao.
A camara ja elegeu a mesa.
0 Sr. Bianchini foi reeleito por 189 votos sobre
228 votantes.
BELGICA.
Nos ultimos tempos depois da abertura do par-
lamento, a quest*.) mais palpilaute na Belgica, e
especialmente em Bruxellas foi a eleicao commu-
nal que devia realisar-se era Bruxellas no dia 19
de novembro.
_ Estavam em carapo a associacao liberal, a sci-
sao liberal 0 0 partido clerical. A eleicao fii das
mais ren'iidas"
No priraeiro escrutinio nenhum dos candidate
obteve maioria absoluta.
No segundo escrutinio entraram so os tres can-
didatos da associacio liberal, 0 candidato do par
lido ultramontano, e dous candidatos da scisie li-
beral.
Sahiram, por grande maioria, eleitos conselhci-
rm municipaes os tres candidatos da associac.u
liberal.
A resposta ao discurso da coroa volada pela ca-
mara e uma verdadeira paraphrase do discurso
real, seguiudoo sem mais intrincados meandros.
tanto das insignificantes rcformas uliimamente
realisadas, corao das pouco interessantes que se
preparam para a actual legislatura.
Ji foi apresentado ao parlaincnto 0 relaloriu da
comraissao especial encarregada de examinar o
projecto de lei eucarregando 0 governo a suspen-
der a fabricacao de raoeJa de prata.
O relatorio i|ue foi apresentado pelo Sr. Jacobs,
e favoravel ao projecto do governo.
mOLATBKBA.
0 banco de Inglaterra baixou a taxa do descou-
to a 6 % i e espera se que mui breve continue a
baixar.
Os mercados monetarios da Europa apresea-
tara-se era melhor situacao.
Telegrammas dirigidos aos jornaes inglezes, an
nunciara que 0 embaixador de Inglaterra em Ber-
lim, 0 Sr. Odo Rupell. entregara ao governo alle-
raao uraa nota ou despacho do ministro dos ncgo>
cios estrangeiros em Inglaterra lord GranviTle.
agradecendo c recusando a offeria do governo al
lemao de vir em auxilio do banco de Inglaterra,
por meio de uma parte do ouro desponivel nos co-
fres do banco da Prussia.
Este facto nao e inteiramente exacto.
0 embaixador da Allemanha em Londras, 0 conde
do Mvvester, tinha tido a este respeito uma con-
versa com lord Granvillc, a proposito da elevac.fi..
da taxa de d -sconto que ja era esperado.
0 ministro inglez por essa occasiao agradeceu a
lembrauci, mas disse que 0 banco de Londres es
perava remessas de ouro do differentes paries, e
por esse motivo nao podia utilisar as offertas do
governo allemao.
Nao houve cousa alguma de official e lord OJo
Rupell, por consequencia nao tinha que transmil-
tir communicacao alguma 'nem verbal, nem por
escripto.
Acham-se aclualmante reunidos em congres-
so cm Dubliu os partidarios dc homerule, para
combinarera os priucipios'da sua organisacio.
Proclamaram a necessidade de um selfgover-
nement para a Irlanda, mas aceitam um laVo fe-
deral com a Inglaterra que dcixasse ao poder
central 0 direito ae legislar sobre todas as mate-
rias dc iateressc geral c da representacao da
conraunidadc nas potencias estrangeira<.
Seguulo as suas reselucoes, que nao serio mui-
to do agrado do clero catholico, iriam ate dar a
federacaj garantias relativas ao respeito dos di-
reilos politicos e rcligiosos de todos os iriandczes.
Nao parece, porem, que apezar de todas estas
reservas, ou talvez mesmo por causa dellas o rao-
vimento tenha provocado um vivo enthusiasmc
na Irlanda
As eleieSes que tiveram Ingar em Birraighan
para 0 conselho de edncacao deram a victoria ao
partido liberal.
Fez passar por uma maioria consideravel o
seus 8 jandidatos. 0 resultado e tanto mais ira-
portante que os 8 eleitos sao os representantos das
ideas da liga de ensin\ fundada com 0 fim da
dar a Inglaterra um systema dc educacao nacio-
nal, civil e obrigatoria.
0 partido chamado da biblia soffiroa uma der-
rota completa.
Confirma-se que os inglezes surprenderam
os ashantees perto da Don^uah no dia 27 de ou-
tubro- c queimarara 0 acampamento.
N'nm reconhecimento perto de Alracampre,
muitos ashantees foram feitos pri?imciros
As gessoes do parlamento britannlco devem
comecar a 25 de fevereiro.
0 Sr. Disraeli na sua ins!allaca<> como lorJ
reUor da universidade de Glascovv, pronunciou
ura discurso em ique fallou largamente acerca da
igualdade civil, isto e, a igualdade perante a lei,
a unica capaz de assegurar a prosperidade da na-
cao, n ordem. a liberdade e a justica ; e regeitan-
do a liberdade social, alludio a Franja dizer.ao'que
entre os grandes servi<;os que e=ta grands nac$o
lem preslado a Europa, um dos maiores e ter
mostrado que 0 principio da igualdade social nSo
6 principio sobro que um povo pjssa apoiar-s^
com confianca na bora do pcrigo.
?BO


jiatiouta Pernambuco Tei^a tclra 16 de Deaetubro de 1873.
.j-m
k^
HOLLAND \.
Urn telegramma de Singapore com a data de 20
dentvo;i bro annuncia quo a frota htillanneza da
expedicao, deixou nesse dia a cneada da Ua
tavia, dirigindo se para Attain.
0 governo necrlandex conta esta. vez com urn
successo certo, e Ja desconta a victoria esperada,
ou como se diz em Portugal, vende a ptlle do h>so
antes dt cacado.
N'uma carta dirigida pelo miaislro das colonias
a segunda camara dos estados geraes, dedara
oste que a Neei landa nao depora as armas senao
depois de ter redozide o sullao de Atchio ao esta-
do de vassallo iflnw todos os estados e chefes dos
territorios stibmetMes a Sumatra.
E' inuito duvidosa, comtudo, quo os subditos e
alliados da Hollanda na grande Una, estejam tao
iranquillos e tao neutraes como 0 pr cten- m os
jornaes do governo,
Segundo 0 Sumatra Coumnt, os distr" a do
norte nao sao ontidos senao pela Torca; no sul as
pcrlurbacecs que ahi se produzem, parccem ter
causas mais gc raes que os incidentes locaes a que
sao attribuidas.
DUAMADGa.
Acaibam de se veriflcar as -eleirdes para 0 fol-
kelhing. 0 resultado nao corresponleu as espe-
rancas do miiii.ierio; a arstiga opposieao, salvo
alguns votos, foi reeleita tao compacta e numero-
sa Em 102 meirbros de que a camara se compoe,
a esqnerda con'a 51 votos. E' uma fraca maio-
ria, e verdade, mas insoff ida e que csta muito
pouco disposla a recunr, mesmo diante dos meios
exlremos, por isso mesmo que 0 corpo tleitoral
acaba de coulir;.;.r ft sua attitude anterior.
Todos os chefes da opposieao foram eleitos. 0
ministerio, polo coatrano, perdeu urn uos seus
membros na luta eleitoral: 0 ministro do in-
terim-.
0 folkething csta convocado para 0 dia t de
dezemoro.
As esquerda- rcunidas quo aspiram a concen-
trar e a lixar no folkething o poder publico que
a censtituicao divide cntre os duus ramos do
poder legislative e a coroa conlinuarao a ter em
cheque 0 governo.
Este apresonta se naturalmente como 0 defea-
sor do espiri'.o e dotexto da lei fundamental.
0 paiz alem disso nao esta menos dividido
que 0 parlaniento
lima analyse dos uKi.nos escrutinios affian.:a que
nas cidades e nos cmtoes em que a populaclo e
mais densa, a maioria pertense ao governo, em -
quanto que a opposieao vence nas povoirees ru-
racs.
Sobre dezenove deputados a opposite nao con-
aeguio aleger ura so em Copenhague e uos bollia-
dos proximo*.
Nas outras paries da Seelandia, nas ilhas de
Bonihohm, Lollaud e Solster as eleicoes deram 23
votos ae governo e 17 a opposieao. A Piouia ele-
geu 6 deputados ministeriaes e 8 da opposieao.
Einltni na Jutla idia a opposieao veneeu 28 con-
Ira 17.
Uma astotistica de todas as eleicoes deniou?tra
quo 73,0)0 eleiloros se pronunciaram contra o go
verno e a favor das esqnerdas rcunida--. emqnauto
so 71,000 se pronuueiaram a favor do governo.
nrssi \.
A Russia cui prio a promessa que 0 conde
Scriiouw.il >ir tiulia I'eiiO ao g tirull '-'s suas trjfias'dc Khiva e.os ikver.-os d<*sta-
caiiii-Mtos quo ti'iiJjaiii cc:icorndoi a expedicao ja
rulirarain para os seus anligo* acantonainentos.
Mas palo tra'ado de pas, COjas condieSes sao
aiii.11 iipperfeiiiuaenle desconhccirtaB, ella reser-
vou-se a pos.se sjberana. OU a protetcuu de todos
.).- lerriUTios da margeni dircita do Oxus.
Nas margens d"este rio. a pouoa disXadma da.ci
dale khiviana le Schourackhan, n'unn xe^lao
liCiU cultivad.t e povoada, man iou constn'iir c
arniar de iima auarnirai e de am material const-
deravel o fjirte de ivtru Alexandrov.vk, destraado
a toruar-se o centro do uma grand.; linrja de
oaorarios do mar do Aral ao Turkestan.
Desta posirao. os russos conlerfto sempre sob
iiriia pre.-sao directa 0 K liana to. e poderSo tambem
consegair i iiinpir os steppes ae norte do Oxus,
las Inims uomadas e roubadoras que as iulas-
tain, obrigaiido-as a nma vida sedenlaria.
Sobeste porrto de vista, a piJ.tica rassa lax um
imrnmenso seTvico a estas regioes tsBghiqnas, undo'
os raros cimtros do civilisact > poderao para 0 fu-
taro (I ^enviilvi-rsi' e este'nder--e ,i suafvontade.
A consolidaclo de um estado de cousas regular
e estavel ua bacia do Oxus era alem disso uma
necQaidade abiOlala para a segaran;a da* posses-
s9bs russas no centro da A>ia.
ALI.EMANHA.
Na camar* dos deputadM da Prussia 0 mini-tro
das liii.inca.s dejinz as eotttis do exereicio de 1872.
GooBrmam tun Cesaltado que jatftais so havia
iwnsegnid)i, e qno jamais se reprodnzira ; 0 pro.
ducto das rtccilas exe'deu cbi 2:387,000 thalers
as re.vfas or.adas. 0 ministro exprime a con-
Danr'a que n est refcio de (873, sem chtgar a um
resnltado tao pio.,r-ro, offercoera lodavia um ex-
cedentc.
\ 1 ornament) dr. '871, que devia SCT distribui-
do brevemeote, anntfncioa 0 niMstro que se havia
de pedirum eredltu rxtraordinario de :)3:36o,00<)
lalln-rs para ser repartido pelos diver-os capita-
, !os do or^amento.
0 orcanieiito ualau-a cm receita e despeza por
cm total de &1.099,000 thalcrs.
A exposicao do Sv GaiHpliaeisoo, foi acolhida
pela cauiata coinXreqaeoles mostras de appro-
varao.
0 orcameiH i sera provavelmon'e SrscutidO em
lessao plena, sem Icr sido primetro examinado
pelas cotnmissdcL Exceptuara se. porem, os ca-
pitulos em que b.mver differoncas sobre 0 rela-
tivo a is aim is a iteiiorcs, e que exigent um exa.ne
mais profund 1. Os or^amentos do ministerio dos
cultos e da insiraccio pablica serai sujeitos a
csta prova. Bsto erciiueato tcm um aogmento
coasideravel, de mais do am railfcao da maters
em favor da iii'liucciopnblioa ; nns uma gran-
de parte desto credito c absorvi^o pelas nec-:ssi-
i3'\a da admiriistra^ao, e des cstabeiecimen'os
espeeiats. A parte reservada ao pessoal docenle
para 0 tnelnorainento de sua sarte c insignifi-
eaote. 0 orfamenW dos rnlius traz um titoto
novo: DotacAo do alt > tribunal ecclesiastico. e
do bispo dos rcllios calhoiiCM. 0 sabsidio pedido
par> Mr. Rernkens e de Iti mil flnflers ; esw
subsidio e pedido a litulo temporari0 Alem disto
0 estado cuncedera as communidades dos velhjs
catholicos subsidios deduzidos do capitulo:Ho
norarios e subsidios a> elero e as igrejas cathj-
licas.
Mr. Hi'inkcns pre-tou juramento entre as nwvs
do gran-dnqne do Bade: e pois nr-ivavel que 0
orcameuto do Bade, contenlta tambem sul.ven-
c5es tanlo para n bispo coino para os sacerdotes
dos velbos catholicos.
A Corinpn-.rtencii provincial confirm.! que a
chancellaria do imperio allemao submetteu as
jeliberacfies do corrselho federal 0 proje:to de lei
sobre a orgarcsacao judicial ia unifonne para
todos os panes allemaes. Esle. projecto, dividido
hende toda a jurisdiccao desde os tribunaes
civis e curreccionaes ate 0 supremo tribunal, cuja
sede, ainda nlio esta determinada.
0 partido ullramonlano que aiquirio novas
forcas nas ultimas eleicoes na camara dos dapa-
lados da Prussia, parece querer mudar de tactica,
m tomar a iriciativa das reformas iib?raes.
Um dos seus chefes, 0 Sr. Windthorst, anligo
ministro do rei do Haaover, acaba de apresen-
lar uma propo.iLi temtente a subsiltuir 0 sysfema
ehitoral prussiano em dous graos e ires classes,
condemhado como astiquario e illiberal, pela
opiniao publi-a, -pelo suttTragio univerr^!, e scru-
iinio secreto, .-q(!aema em vigor para as eieicoes
-do parlainento-aUemao.
Os ultramontanos apresentaram ainda outra
proposla no smlido liberal, anteeipando-se aos
partidos liheraes, e to\ a da abolicao do iinposto
do st-Uo sobre os jomaes.
Espera ss quo o pnicipe do Bismark se n5> op
nora a esta ulti iia medida, so pur cousa da sua
orig rp; quanto a primeira, dizem de Oerlim que
B2u e uui 1 qoe;tio iierfoilaoiente madura, e pa
isso irrealisavel nas actuae* circumsiancias.
As Jiversus frao;3:s liberaos ja se comb naram
sobre 0 ineio do conu-aoalan^arom 0 effeito das
pro|io-tas apreseutaias pelos deputados uMramnn-
tanos. Os liberies jiaeimaes unidos ao* consei-
vadores'deeidirara opporlhes a votacao da crdem
do din pura c simpies; os progressistas, uwa or-
Jcm do dn mo! iodda.
A subida .11 thro 0 dj principe Alberto do
Sax-, trouxe ni'.ce>sanamoi>ta uma mudonea no
eommando dj I21 corpo deexereit>, allemao do
aual opi-iacii-e real era chefe. 0 irnperaaor deu-
JUd por snece-s-;r u pnocipe Georges de Saxe. her-
doin pre>u:nptivo ua c.,r.>a ; 0 roi Alberto conser-
yar piorein 0 1 Mto do feld-marechal allemao e de
inspoiH./r g^ral df>primeiro exercito do imperio.
-Suu rei da Bavmra adora. omo 6 natural,
a band in. la sua caa, amarella e ^zul, a ponto
de iwj quer.r ver outra; 0 povo bavaro, pelo
confrano, tern r/ijjpatliias pelo estandarte allemao,
^uo A baldo lenjariam n>j9 proscrover da Ba-
tiera.
Estesenllmcnto *a sdiilirieJad^ detodos os pi
vos allemafis, rohetita cm tola a parte, sobre tudo
cm presenrv d--a manifestacoes partiealarislis.
Por occasiao Ua inaugura;ao lie um. caminho
de.ferro bavaro 0 presidonte do governo da pro-
vincia da Sonabia, 0 Sr. Hormann levantou um
toast a unidade allema, e declarou que era com
extrema alegria que via felizmeate treinular reu-
nidas as cores da Baviera co:n as do imperio
Os mesmos sentimentos se encontram no dis-
curso pronunciado pelo ministro da justica da 8a
viera na camara dos deputados, quando Ihes re-
commendava a adopcao de um me9mo direito ci-
vil para toda a Allemanlia.
0 gra-duquo de Bade' abno a sessao das ca-
msras deste paiz. No discurso da coroa, 0 prin-
cipe alludinio as relacoes entre 0 imperio e os
estados allemaes dedara qne 0 seu governo se
csfon.ara em ajudar 0 desenvolvimento natural dos
negoclos communs a toda a Alleraanha, salvaguar
dando todavia os direitos e interesses particula-
rs do gra-ducado.
0 gra-duque rostra 0 bom estado das flnancas
0 annuncia um orcamento perfeitamente em equi-
librio, sem gravame dos encargos publicos nem
se recorrer a meios cxtraordinarios.
A caixa de amortisaca) para a extiucgao da di
vidapublica recebera uma dotacao consideravel
da indemnisacao da guerra
AUSTRO HUNIIRIA.
0 orcamento de 1874 que 0 ministro das
linariQas apresentou ao reichsrath nustria-
co, apresenta, pela prirnefra vez, nao so um
equi librio entre a receita e a despeza, mas
tambem um ?xccdente de muitos milboes.
E' verdade, porerti, que este excdetite e
obtido por um verdaJeiro subterfugio de
contabilidade.
As receitassao avaftadas em 389 milhoese
meto de florins, mas nesta somma sao com-
preiien lidos 0 firoducto do uma emissao de
titulos de renda, c o saldo em caixa
na caixa centra', que reune grande numero
de valores de que 0 governo e deposi-
tario.
A camara dos deputados votou sem dis-
cussao um credito de 80 milhoes para later
face a crise financeira.
Na Hungria a siluac3o pcrturba-se, e
js mais esclarecidos patriotas nao se podem
defender de uma profunda desanimacao.
Tal foi o caso do colebre chefe da esquer-
da moderada 0 Sr. koloman Ghyczy, cuja
autoridado moral e integridado politica sao
jeconhecidas em todos os parlidjs, tanto
como 0 imperio que o Sr. Desk exerce sobre
0 gran le partido nacional.
0 Sr. Gnfczy, como ja 'dissemos, vendo a
decomp3si(,ao do partido e nao querendo
pirtillnr a respoiisabililadeque asaspiracoes
Jo centre csquerdo po liam arrastar, depoz.
0 seu mandato de deputado.
N'uma carta aos seus eleitores, explica os
motivos da sua rctirada, trncando 0 quadro
desconsolador das desgra(;3s que as ins<>Rsa
tas rivalidadcs dos partidos, c a sua cxtrema
divisao em parcerias ambiciosas e irrecon-
i.'iliaveis duvum atlrabir s >bre a patria.
Espera-se ainda que 0 districto do kotnour
reclegcrd novamonto o Sr. Ghiczy co.no
membro da lu'eta. A profuuda commngao
com que o publico. sem distimcao de opi-
nioes, ncolheu a noticia da sua retirada, faz
prever quo a sua reeleicao seria saudada por
acclamagoes unaniincs.
0 partido nacional ve no Sr. Gbyczv o
successor mais dignn do seu illustre cliele 0
Sr Deak, ciija saude comeja a enfraquecer.
A elevai;ao de um miuisterio ghyczy, for-
mado dos melhores elemontos do actual
gabinete e de f'uvas inais juvenis escolbidas
no soio do parti lo progressista, e conside-
rada na Hungria como uma eventualidade
(eliz c possivel.
0 Sr. Ghyczy s6 estd soparado - .tntigos ainigos da esquerda pela sua rcctisa
de fiedir a abrogacao do pacto do 1867 e a
utiiao pessoal; lica-lhesassociado em todas
as reformas de organisa^ao interior de ad-
mini5traca> de justica e de fiiianc,as, refor-
mas que prosegue a esquerda moderada, e
que sos podem salvar a Uungria da ruins
que a ameaca.
E' cerlo que se 0 Sr. Ghyczy aceita um
novo man lato, ser.i levado pela fcrca das
cousas e com 0 a|>oio de todos os partidos
a presidencia do ministerio. A sua eleva-
c.3o seria o signal de um novo ogrupatnento
de partidos, e de uma politica mais logica c
mais resoluta; eis pelo meuos as esperancas
quese ligam a sua proxima reeleir;ao.
Telegrammas de IS de novembro M-
nunciam quo a doen^a do Sr. Doak inspita
serios cuidados, e receia-se muito pela sua
vida.
CHISA.
Dizora as cartns c jornaes da China do 8
de outubni, que 0 governo do Celeste Im-
perio acaba de prohibir a eutrada nas aguas
daquelle imperio aos navios que fazem 0
trailco dos coolies.
Juucos de guerra cruzam e.n frente de
Macau, com o fun de irrterceptar na sua
tiassagem todes os navios chins carregados
d i coolies.
Nao se diz so esta medida sera applicada
tgual-noitie aos navios que navegarem mm
qualquer bandeira europea. Os jornaes du
Curopa fazem, poren, votos para que os
goveruos das nacdes civilisadas, juntom ssns
esforgos ao de Pekin, para secundar as me-
di.las protectoras que elle julga dever tomar
em favor dos seus subditos.
Fumo 33 rolos a ordem.
Gomrna do mandioca 133 saccos a Davin
it Fernnndes, 30 a Antonio Alberto Souza
Aguiar.
Talh;. dc carnnuba 120 molbos a ordem.
Sal'111 alqueires d-ordem Solla 278
meios a ordem, 180 a Parunte Vinnna &('..,
looadomesde Mattos & lrmao, 51 a An-
tonio Alberto Souza Aguiar.
Vassoura de palha de carriauba 500 a
ordem. Velas de carnauba 18 caixas a
Gomes do Mattos lrmao
HESPANHA.
Acerea deste paiz escrevc nosso corresp m-
.len'.e de Lisboa :
1 E:n Cartagena, depois d'uma desanimacao in
cris-el, c produzida por uma cjinpleta divisioen-
tra as auliriJades civis e niilitares, come-.'ou 0
bombardeamento Os sitiantes repelliram c m 0
maior valor, e efBuaz resnltado, tres suriidas,
nas quaes morreram muitos soHados e alguns
dos sargeatos que os com nandavam. Uma das
surtidas era commandada pelo proprio Galvez, que
dias antes linha sidoeleita prostdente da junta
suprema.
A esqaadra allema, composta de set's navios,
sendo quatro courajados, apresentou se no dia 23
em frente da praea, e preparou-so para bouibar
dear a cidide, se Ihes nio fossem entregues logo,
23,000 fcetas tomadas a asbdltos allemaes. 0-
iosurgentes offerecerampagai' em duroscanlonaes,
recusando-se os allem e3 a tal especie, recebe
ram tudo em ouro hespanhul. Oi uavios italianos
lomaram conta de uma grande porcao do eobre
velho para serem indemnisados.
Desc brio se uma coaspira^i) dentra da pra-
fa, em cunsequencia ia qu.d foram tresos todos
os chefes militare*, ajcepto Coatreras. Este .;
Galvez sJo uoa-se que a 1'orca mtlitar quiz dar Iib?rdade ao>
corainandanles presos. Q< cistellos ouvindo 0 ti-
roteio dentio da praca, creram que os sitiaotes
haviam enirado e comecaram a fazer fogo Wbr
0 recinto. Calaalamse em 2!K> as baixas que '1
veram os tebeldes em cunsequencia desta clli-
si). Diz-so que Galvoj, expondo se muito, cjU
segio dominar 0 conflicto.
0 bomba-denmcriW .'.a prae, i pelos sitiaotcs,
CODlec-ou as ti -\y\ da maah.1 do d'a 17 da n>vem-
bro, cooelaiii Io.;i3sso dia pelas '! horns da Lirdo,
coinrosiihalos maitos favoraveis para as tropas
d.i g iverno. So dia soguinte rceomec m com
maior vigor, cessando cuinpletanicnto os fegos d
guarnicao aa praca pelas 10 horas. No dia 29
continued com igual intensidade, 0 troto de bom-
has n projeoiis iaecn liarios entre o acampimen-
to da Palma e a praca, rauHiplicando-se nesta, ex-
traordlnariamente os incendios e desmoronamentos
dos mincipaes edi lido's. governador do forte
de S. Joao foi raorto pela explosao de uma peca.
Algumas casas da praca foram saqueadas pe|os
insurgentes, desespererados da sorte qae os es-
pera. A carnilicina tern sido tal que foram sus-
pensas as hostilidades por 6 horas para sahirem
da praca os velbos, mulheres e criancas; mas, lo-
go ao amauhecer, os proprtos sitiados comecaram
a percutir com os seus projectis os alvos dos
sitiantes, determinados pelas suas baterias deata-
que. Ent'io o bombardeamento tornou se raedo
nho e parecia que a praca ficaria oompletamente
arrazada. 0 almirante italiano pedio uma nova
suspensao d'armas com pretexto de que a da
noite anterior aio tinha sido sufJIcinto ; mas
entio, 0 general era chefe do exerclto sitiame reCu
sou-se a anauir a propista ; par isso que ora pre
judicial as operacoes do aUqne, favorecendo 0
inimigo, as treguaspedida;.
0 governo approvou 0 procedimento de ge-
neral em chefe.
Hontem a noite chegou a Lisboa tins despa-
chos telegraphicos do mesmo dia dizendo qne Car-
tagena ainda so defendia.
Os eaatooMB construiram um telegrapho de
palhetas em Monte Bojio para se corresponde
rem com 0 seu quartcl general.
c< Corre 0 boato que a esquadra hespaiihola
(|ue compoe 0 bloqueio de Cartagena, aprisionou
dous navios quosahiam da pra^i, carregados de
mercaiorias, inclusive um barril cheio de di-
nheiro.
A questao de Cuba tem dado brado em Ma-
ilrid. Nao ha outro assumpto mais importante
em tod.is os pcnlos de reuniao. Nos cireulos
politicos entao debate se com bastanto energia.
Toda a imjircnsa se oecupa do um agHauissimo
eonsclho de ministros, que n'um destes dias pro-
ximos, durou aid de madrugada. A questao prin
cinal fai Cuba, e lanto so esforcou o presidente
Casteliar, para defender os ados do governo, que
logo em. scguida ao terminar a sessao, se vio
obrigado a recolher a casa e tratar se por algu
mas horas. E' fa.:to que 0 governo luta com gra
ves difuculdades. Tudo 0 inqoieta e nada tem
conseguido para 0 reslabelecimento da ordem
t Ja se diz em cireulos de muito credito, que,
depois da rondicao de I'actagena, 0 governo de
Madrid fari um manifesto a todos os.goveruos da
Europa, allm do ser reconhecida a republica.
Gs fundos hespaahoes comecam a subir.
Voltemos a importante questao do Vhgiiuui.
-Todos elogiam 0 procedimento do govorno inglez
neste cenflieto e pSemcm relevo sebretudo, a pru
deowa e elevacao de >pie dcu p/ovas o seu repro
sentanle em Madrid Mr. Layard Parece, com
effeito que o ministro inglez prote-tando, como
julgou do seu dever, contra qualquer off-nsa feita
a sua nacao, pelo fuzilamento de alguns subditos
inglezes da trqiolacao do bareo refrido, dado o
caso de nao terem respeilado asgarantiasdo poder
judicial, nao queria sinniflcar 0 aesejo do seu go
verm) de suscitar eamplicacSo de qualquer genero,
nem adoptar re^olucoas a que so o cjnhecimeuto
exacto Jos factos poderia dar o caracter de justica
0 reclidao em que sempre se inspiram os aetos do
sen governo.
Quasi todas as pessoas sensatas aconsclham scve
ridpde e energia ao governo^ de Madrid, e Hie
asseguram que a seu (ado esura) todos os naciouaes.
mesmo adversos cm political internas. Os depu-
udos de minorias quizerain pedir ja a convoeacao
das eamaras; mas 0 presidente Salineron, demo
veu-os daquelle empenho ; alim de que c governo
tivesse loiia a liberdade d'ac^ao. A inaioria ente:ide
que a leiimao deve ser quartdo 0 governo assim 0
entender. 1. Emilio Castollar consultou os presi-
denies dos tribunaes superiores, e os honiens mais
importante? na politica 0 no foro, acerea do Vir-
ginias.
Fallou se em que Figuciras partira para Lon
dres para allonuar 0 mais possivel a quesUo, mas
sundo ultimamenle adiada a partula, julga se que
esta em caminho d'aceordo uma coin,>osi-.'.ao. En
trctanto, em algumas pracas de Madrid leom ha
vido donunslracoos elarissLnas couti'a Sickles,
ministro da America. Islo deve, sem duvida com-
pliear a <|iioftiau. Ocerto c, (fue os jornaof '''
Havana moslram-se liostis a qualquer cirfuiosi-
caa ; ainda que em Nova-York, a unprensa'esia
djseorde neste senlido. A populacao da Havana
recebeu Soler ruuito bom.
Os principaes jornaes |liticos de Madrid, decla-
ram que as redauiacSes feitas atii ao pre;ente,
pelo apresameuio do Vtrgmius, c pelos graves
sucivssos (pie se seguiram aquelle facto, uao sc
apre-entam com caracter grave, 0, principalmente,
nao tendiam a meno-cabar 0 decoro nacional.
Dizem mais, que o governo sabendo manter a
sua dignidade, consei vando-se respeitoso e pruJen
te, esperando que as notieias offioiaei Ihe propor
cimem arguuuntos com quo possa sus eutar os
direitos da Hespanha, ou repellir quajquer inge
rencia equivuca ou offlciosa nos negocios internos,
0 resultado deve ser 0 mais favoravel possivel
para a-nacao.
Os habilantoi de Vora de Ebro, particular-
menie os volunt rios, cujo numero excede a 40:),
empregam, ha alguns dias, uma activa vigilancia;
pois com fundados motivos, temem que os oarlistas
do Valles e Segazza, intentem apoderarse daqu"lla
importante povoariio
Teem entrado em Franca varios chefes carlistas.
Parece que, reunidos em Borreda, formaram gru
pos. 0 primeiro, em que iain P. Joao Bourbon,
seu filho D. Alfonso, a esposa deste 1). Branca, um
dos filhos do marqnez de la Branca, 0 aj dante de
D. Alfonso, escoltados por alguns zuavos, dirigiram-
se a Franca polo Zol\ do Lladres, deixando Puigcerx
d.i a esqnerda.
0 segundo grnpo compunha-se dos ex-chefes e
officiaes do cxereito da rainha Isabel, Plana, Prei-
sa, Casanova e Adel tiitado, que escoltados por
alguns mocos da esquadra dos formados pelos
carlistas, tounram a direc.ao de Casteliar de Nach,
e eutraram em Fian;.a pelos lados do Camprodon.
0 Sin Santa Coloma de Formes tambem os ha-
bitantes receiam ser atacados pelos carlistas,
principiando nma defeza energicae vigorosa.
Os carlistas andam re:rntando gente para 0
cxereito de 0. Carlos em todas as provincias da
Allemanlia.
Foi preso em.Murcia, um sejretario do Py, com
documentos quo comprometl in este, altamonte.
Falla se rio uma viagem mysteriosa de Roqua
Baicia.
Coasta quo Pi y Margall esta escrevendo uma
Oisloria politica e social de Hespanha, desde 183u
3 te 1823.
< 0 governo irabalha por angmentar 0 exerci-
to. Os commandantes da milicia declararam que
os voluntaries nao se oppoem a sna reorganisaijao
e so assim annnirao aeulrega das armas.
t Grande parte das forcas carlistas que estavam
tambem fortiflcadas em Estella, tiveram de tva
cuar esta cidade, em consequencia de se terem
manifestado enlre ellas frequentes casos de cho
lera ou de desynteria, pelo menns
0 exercito carlista tem 30 batalhoes de infan-
taria, formados de navarros, biseainhos, guipuz
coanos, alavezes, aragonezes e castellanos. Para
t-sta totalidade a Navarra cuntribue com 12,000
homons. Os corpos aragonezes e castellanos com-
poem-se pela maior parte de guerrilhas.quasi seni
armas nem uniformed A escolta de D. Carlos e
formada de com horoens eseolhidos, dando Svpa
ra cada uma das 4 provincias. A cavallaria esta
avahada em 400 lanceiros, sob 0 commaudo de
Perpla. A artilheria tem 8 pec.as. Isto c, pelo
que diz respeito ao exercito do norte.
Corre quo 0 carlista ^abafls, a fnmte de gran
des forcas, amaca atacar a capital de Gerona.
Parece quoecadjuvado por Tristany.
t Os carlistas iprowitando se da "coneentragao
de forcas em Cartagena, onde 0 governo tem Cxa
a allenc-ao, ontmuaiu fazeralo correriasnelo resto
de Hespanha. Gimmendi chegou a Ajeca cova
1,300 homons, 2 pejas de montaoha e 10:) caval
los, c irtando a eomniuoicaciio cntre Madrid e Sa-
raROfa, nao sabendo [Kir ora se tntorrompeu ja a
linha ferrea
Os carlistas de Aragao estao tambem opeiau-
do um movimento de reeoncentracio, com 0 lira
do tiarero um alaque importante, p.irpin 0 capilao
genera! Santa I'.iu, quo conhecc perfeitamente 0
uaiz, e~!a prcvenido, Jev/ado casligar a audacia
dos pariidarios in absoKitismo
As faceoes carlistas de Maestrargo, sob os
commandos de Cacala, Vallos, Leg*rra e outros
foram batidas, desalojadas das montanoas proxi
mas de \ro<, o completamunte diepersas Jepois
de G horas de combate. Tudo emlim se vai.pre-
pardU(L> para o dual da coiuenda.
a 0 H<- Marcoartd, ex-deputado as cones em
Hespanh 1 olfersceu goaeresjmente por ihlermedio i
da asjociacSo nacional para 0 pr^gresso da asso|
ciar-a.j (social, a som na de 300 libra*, ao antar da
nielbor mem iria sobre n seguinle thema :
* Da qne modi devera constituir-so uma as-
semble.! International para a redaceai de 11m co
diiro il.j direito public.) inteni-.cioiiil e sobre quo
Wises, principalmente devera 6mmar so 0 codigo.
A memoria deve ser apresentada antes do 1 dc
junho de I87i, para ser escripta em fraicez, in
glez ou allemao.
a Eis aqui os mais curiosos artigos do decreto,
qne os defomoic- Cartagena fizeram pubhear
sobre o queelles eut-.ti lerem por direito dc pro
priedade.
< Art. 1: Proceder-so ha desde ja e com a
brevidade possivel pelos poderos revolacionarios,
a dclimitacao absoluta d.i propried tie lecjitima e
da propriidade UUgUiaia.
Art. 2 Ficam conftecados e declarados pro-
priedado cellectiva do eantao todos os bens des-
fructidos por seus actuaes proprietaries, por he-
rj)ici, ou ten lo por oi-igem graca ou doaeio real.
t Art 3.* Ficaiu confiicados como propriedade
coileetiva do eantio os bens adqntridos por com-
pra feit'i ao estado desde a primeira desaraortisa-
5.10 ecclesiastica, por menos da terca parte de seu
valor, seudo roWtm por autoridades revoluciona-
rias os ^ssumptos, expedientes e titulos que exis-
fcim sobre rendas de bens nacionaes, para se re-
solver conforme for de justica e direito sobre a le-
gitimidade da posse. >
A G izela publica um decreto admittindo em
piigaraento da metado da primeira prestacao do
emprestini) todos os valores vencidos, e parte pa-
gavel cm especies e coupons vencidos da divida
rrrterior e csterior.
Proccdeu-sc aclivamenlo cm todas as provin-
cias a org misacao da milicia nacional.
Estao em grove os iraballndores de Malaga.
Eis os ultimo* telegrammas aqui reeebidos :
Madrid, 1 as l2eiSda larde. Continua 0
bombarde;imento de Cartagona, dizendo so ter
cansaUD grandes estragos na cidade. Os insur
geiites nao deram parte aos habitantes que iam
hombardear a cidade. Hojo de tarde, em conse-
1 0, a ministro dos negocios estrangeiros disse ter
recebido a ratificacao das bases de concordancia
no assum|to Virginius. 0 Biario Hespanhol diz
que todas as negociacSes seriam directamente tra-
ladas c >m 0 governo de Washington com oxclu-
sao de Sickles. Pica cm Pamplona por dous ou
tres dias 0 general Mormnes, que clMgou hontem
a Tafalla, d'oii.le partira immediatainente para
aquelle ponto, acompanhando um comboio de vi
veres e municSes'.
Madrid, 1 as 12 e 30 m da manha.0 bom-
bardVamento de- Cartagena contimia. 0 fcgodi-
minuio de inteosidade. Nas ultimas 2i boras os
sitiantes lancarain na praca 1,651 projectis e os
sitiados 1,322. Um coronel do estado-maior che-
gou a Madrid com despachos do general Ceballos
para 0 ministerio da guerra, Muitos chefes dos
insurgentes fugiram de liurtageaa durante 0 ar-
misticio, mas firara presos pelos sitiantes.
Madrid, 1 de dozembro as i 0, e 51 da tarde.
Lioi telegrairuna publicado na Gazeta annuncia
quo os insurgentes de Crrihagena linham de n vo
animado os seus fogos, mas com tiros curios, sal-
vo os das fragatas que teem canhoes Armstong.
A' uma bora da tarde os insurgentes tentaram uma
sorlida pela esquerda, mas foram brilliantemenle
repellidos pelos batalhoes de Fig ;eras e da Galliza
e pela artilheria de Niches. Annuncia de Ferin o
general Primo de Rivera quo lendo asm leiras de
Ega recusado fornecer-lhe farinha ao passo que a
davam aos carlistas, liaera destruh* tres unin'ios,
to^Bastrara farinha,- tngo e 3,000 cabecas de gad >,
apos uma liseira escaramuca com forcas carlistas,
compostas de quatro b daluoes e 200 cavallos.
< Madrid 2Telegrammas do Cuba alliancam
que a restituicao do Virginius nao offerecera dilli-
culdades. Cmtinua o b >inbardoamuut > de Carta
gen a. Us insurgentes susp-adoraui 0 fogo hoje as
2 boras. Gutierrez, antigo prosideulc da junta,
fugio veslido de muiher. O ministro d 1 fazenda
resolveu que os estruuii'iiros nao fossem obrigados
a suoscrever para -o einjire>ui.io nacional.
poiiTur,\L.
Foi celebrado com grauile enUiusiasmo em
todo 0 rein) 0 dia I" do correntj.
A divida lluctiiante ;iclia-se rcduzida a. .
7,303:809*281, isb c, tem dimimiido 8,800 centos
de reis d^isdo 'M do agosto para^a
Ao depois dare nos a missiva do no;so cor-
respondente.
Votifius Por via de Lisboa recebemosas seguintes :
ESTAOOS-UXIOOS.
1) y.-ibini-te do Madrid deutara-se prompio a km
peitan e a manter os princi; ios do direiia internal
'cional ; 1 nas diz coin mail 1 razao que nao pod6
conceder reparagoes pediJas pelo governo ame-
riefllo antes de conhecer todt os pormeoorcs dos
laclos.
O presidente Grant reconheceu a justica desta
observacao e coneedeu 0 adiamento pedido.
Os jornaes hespanhoes alBrmam que a expadi-
cao do Virginius se preparara publieamenlo em
New-York, e negam que a presa tenha sido feita
em alto mar.
Diz-se ainda que cm consequencia de vivas ex -
plica.oes em Madrid entre 0 ministro dos negoc os
estranseires e 0 Sr. Sickles ministro da America
do Norte, c das demonstrates violentas a que
a populacao daquella cidade se teria entregado
contra a legacio dos Estados Unidos, as ncgooia-
coos so haviam azedado, e ate mesmo se tinham
rompido complelamentc.
Dizem rte Havana que continnam alii os prepa-
ratives de defeza, e que a iiopuUcao'de Havana se
oppoe a que se la jam concessoes aos Estados-
Unidos.
As ultimas nolicias officiaes reeebidas pelo mi-
nistro de Hespanha em Lisboa asseveram tpie os
governo- da Hespanha e dos Estados-Unidos eslao
de accordo sobre as basos do arraujo da questao
Virginius. Embareacao e Iripolacao sobrevivonte
serao devolvidas aos Estados-Uniuos que se com-
proniettem a juigar a questao segundo as leis e
tratados. Os Estados Unidos reuunciam a satis-
faijoes peremptorias. Os outrns pormenores serao
discntidos ainigavelmeute.
REVISTA DIARIA.
Guarda uaeiouul.Por portaiias da pre
sidencia daproviocia, de.13 do corrente, foram
nomeaJos parao 16" batalhao de infantaria, do
mumcipto do Pao d'Albo: alferes porta-i'slan-
darte 0 guarda Jose Praxedes dos Santos Caval-
caate; 1/ companhia, alferes 0 guarda Manuel
Joso de Sant'Anna Reis ; 4.' campanhia, capilao
0 tenente Jesuino Domingues Carnairo, tenente
o alferes Urbano Carvalho dos Santos, e alferes o
guarda Jose Joaquim Gomes do Egypto ; 6.a com-
panhia, tenente 0 alferes Josii Lino .Marques Baca-
Ihao, e alferes 0 guarda lose Zeferino ao Espirito
Santo.
Auioriilade polksial. Por portaria da
presidencia da pruvincia, de 13 do corrente, foi
nomeado 0 capilao do corpo de policia Fernaulo
Paciflco de Aguiar Montarroyos delegado do ter-
1110 do Triumpho.
Para a cdrtc.A bordo do S rica passeu hontem 0 Exm. Sr barao de Maua. S.
Exc. veio a terra e visitou diversos esubelecimen-
tos, entre os quaes a eslacao do telegrapho subma-
rine, expediado d ahi telegrammas para 0 Para e
para a Bahia.
Vapor Hooper.-Deve sahir hojo da Bahia
para a immersao da 3.a sec(ao do cabo subma-
rinn.
Jury do Recife.Nao pode ainda hontem
instaflar-se a sessao de-te tribunal, por so terem
icomparecid 26 juizos de facto, pelo que foram
sorteados mais os seguintes :
Dr. Jose Osorio de Cerqueira.
Dr. Joaquim Ayres de Almeida Freitas.
Augusto Cesar Porcira de Mendonca.
Jose Franci.sc.i da Fonceca Galvao.
Ismael Cezar Duarte Ribeiro.
Joao AnUaio da Silva Pereira.
Dr. Jose Maria de Albuquerque Lima.
Antonio Jose Moieira.
Bruno Alves Harbor a da Silva.
Giroiniano de Aquino Fonceca.
Ca-tano Cyriaco da Costa Moreira.
JoseCarneiro da Cunba.
Jose Francisco do Souza Lima.
Caetanu da Silveira Amaral.
Jose" Cavaleante hlxaeira de Mcnezes.
Cu>lodio Moreira Dias.
Joaquiin Jose do Rego Rangel.
Dr. Jose Francisco Ribeiro Machado.
Dr. Estev&u Cavaleahte de Mboquerqcs.
Manoel das Santos Villaca.
Decio de Aquino Fonceca.
E >trada de ferro do Recife ao S
Fraaeiseo. -Esta via de coinmunicaoio, no
proximo find) mez do novembro :
Rendeu 79.0235160
uospendeu 33:782^863
Dan lo de snldo cm prol da garantia
dejuros (Sitnim
A r.dacio cntre a despeza e a receiu (or de
,7i0.0'
No mesmo periodo transitaram na linha 16:7 >S
l/j passageiroe; 0 foram transportados 61:151
kflogrammoslde bagageas, 5,839:5il kilogrammos
dc mercad>rias e 353 animaes.
Nas mcrcadorias estao c imprehen lidas : 1:420
saccas de algodao, pesando 109,833 kilogrammos,
e 47:833 saccos de assucar, pesando 3,630. Ii9 kilo-
grammos.
Dinhelro0 vapor South America trouxe
para :
Rodrigues & Martins 13.944*000
Joaquim Jose Goncalvcs Bellrao &
Filho 12:833*000
Antonio Joao FurtaJo 4 C. 10:121*400
A. llyvernat & C :i:(V;0*0:iO
L. Duprat 1:330*000
Tasao Irmaos I 320*010
AmDrim & Cardoso 1:010*000
Os vapores Mandahue Pirapama levaram
de nossa praca para :
Maceio 10:00040 H)
Parah\ba 19:343*110
Acaracu 8:488*400
Graoji 6i0*0 Feriiucnto grave. Hontem, pouco de-
pots do meio dia, 0 Sr. Lconi las Tito Louretro, ne-
gociante estabelecido a rua de Marcilio Dias, e
morador na do Coronel Suassuna, foi vicliraa da
inlole perversa de uma sua criada, de nome Maria
Isabel dos Santos, que. ten lo prcmeditado feri-la
cm consequencia da uma reprehencjio que soffrera
pelo seu ma 1 comp )rtamento, executou 0 siu fu-
nesto intento na occasiao em que 0 refciilo Sr.
Loureiro fora a casa tratar de ob;ecto particular.
Para a realisagao do crime serrio se a parda
Maria de uma tesoura, com a qual descarregou
tres golp s, que, apanhando todos 0 Sr. Leonidas,
deixaram-uo 'enido no peace 10, e na mao a coeha
direilas.
Commettido o dclicto, buscou adelinquenle eva-
dir-se ; mas, sendo perseguida, foi presa e cindu-
zida a presenca do subdelegado de S. Jose, e re-
colhtda a detengao, licando sob a accao da lei.
Os ferimonlos do Sr. Leonidas Loureiro foram
considerados graves, segundo nos informam, e 0
seu estado e melindroso.
VssasKinatos No dia 4 'do corrente, no
disiricto policial do Allinho, do termo de Carmrii,
Miguel Beaicio desfechou um tiro sobre Joao Alves
C dia lo, do qual tiro rosullou a morte instaulanea
para este ultimo.
Deu causa a esle asaassinato 0 terem i lo, aqnel
le Callado coin um inspector de quarteirao e va-
rias outras pessoas, cercar para prender a Beni
cio a a Pedro Alves do Oliveira, que nvuneutos
antes haviam ronbado dous cavalios pertencentes
a) assassinado.
Posto o cerco aos dous larapios e dad a a fat de
prisao, [Kartio 0 tiro, do qne foi victima Cilia 1 >; e,
00 meio do atari Jo produzido por esse facto, ev.i-
diram-se Renicio e 0 seu co-roo.
A auturidada local proeedeu, n'essa emergimcia
e suas consequencias, de c^nformidade :om a
lei.
N) mesmo dia 4 do corrente, no termo do
Boni'.o, lose Mororo, Manoel de tal e MaTColiuQ de
tal, assaltaram a ^asa de Antonio Ignacio, mora-
dor no cngeutio Illia, do districto da Mia das Fin-
res, com 0 propasito de raptarem uma m:ilher que
alii se achava ; c, como quer que esta nao quiz-vse
acompanha-los, Jose Mororo desfechou-lhe um tiro
de p.tolla, de qua resultoj a morte instantanea da
desgracada mulber.
A auturidada respecliva proeedeu de a:ordo
com a lei.
Cadaver. Appareceu no lugar Eajo da
Paoulla, a uiargem do Capibaribe, 0 cadavnr do
subdito portuguiz Antanio Carreiro de Mello,
cujo de.sap,taracimeMo Hontem noiiciamos.
Atogado Assim iwreceu, no dmiiHgo ul-
timo, a noite, 14 do corrente, 0 subdito pinjguez
J<*aqaim Francisco da Silveira, oiierario na fuull-
gao dos Srs. Cardoso & Irm.lo, na occasii i em qua
so baubava no porto da fabric* dc flacao e le:id is
da Magdalena.
0 seu cadaver foi hontem rulirad) do rio Capi-
baribe, nas proximidades doreferiJo lugar, 0 man-
dado iiihumar pela policia da Magdalena, que pro-
eedeu as indagagyes da lei.
Sobre conduecao de cada veres. -
Pela reparticao de policia, -e por ordem do ^r.
Dr. chefe de policia. e declaraio em edital, pu-
blicado na scocao conipelente, que nenhum -bo-
loeiro dos eirros einiiregados na condu'-cio dos
cadaveres para 0 eemiterio publico, pode fa^ir
esse service sem que tenha a competente guia da
camara municipal.
K x antes. A' 10 do corrente, na aala. p.i
b'ica da Capunga, sob a presidencia do respective
delegado btterario, perantea coinmissao exami-
nadora, e em preseuca de grande numero de
espectadores, (izerani exaines das materias que
c-onstituem a instrucQ.ao primaria, as seguintes
aluranas, que obtiveram as not> de approvadas :
com di*tinccao Guilhormina Luiza de Franca, e
plenaintsate Joaquina Francisco Alves \uuina,
llarmezinda Sandalo Arantes, Amelia Demvinda
d Rego Barros, Olympia Franco do Rego e Ade-
lina Ferreira Pinto.'
Drainage Company. -Alguns meraJo-
res da rua de Sania Therata uos pedem para que
soliciteinos desta companhia a retirada de suas
casinbaa de zinco quo alii se acham ha muitos
luezes, e qua, alem de embaragarem 0 transito",
servom de escondrijopara a pralicade aclos im-
raoraes.
Achamos justo 0 pedido, e aqui 0 deixamos
consignado, recommendando entrelanto a policia
que vigio aquelle local.
Vapores transatlautieos. Em i-is-
boa eram esperados, com deslino ao nosso potto :
a 2 ou 3 do corrente, 0 inglez Cordova a 0 ou
6, o francez Vdle de Santos ; a 9 ou 10, 0 hglez
Violet, procedente de Glasgow ; a 13, 0 icslez
Boyne ; a 10, 0 inglez Luzitama ; e a 2'., Otto,
de Bordeos.
Praca dc Londres.0 lesconto J. -
de 8 a 6 0/0 ao anno.
rMaufra^io. No dia 23 de novembrOj diz 0
nosso correspondente de Lisboa, foi a pique no
canal da Mancha, 0 vapor francez Villc da Ha-
vre, da 3,000 toneladas, pertencente a companhia
ge al transatlantica que faz 0 servico entre c Ha-
vre e New-York, por ler abalroado com o vapor
inglez Lockearn perecondo 220 pessoas.
Adininistrarao do correio. Coin 0
prazo de 60 dias, a contar de It do corrente,
acna-se a conenrso 0 provimento de dous ,ogaras
de pralicantos da administracao dos correios desta
provincia, mediante as condicues men-ionadas
no respectivo edital, que vae publicado no lugar
compeienle.
lllustracsto liespanbola e akeri
caaa.Acabam de chega' os ns. 41, 42 a 43
deste inleressante jornal madrileno.
Entre as gravuras desses ns. acham-se os retra
tos dos Srs. D. D.uningos Moriones, general era
chefe do exercito do norte, de D. A. de los Rios y
Rosas, de D. Santiago y Pla, ministro do ultrawar,
de 0. Eduardo Rosales, do poeta D. Manoel d 3
los JJerreros.
Das outras sao mais notaveis : vista da praca
Marina na Martiuiea, do porto Galante no estreiio
de Magalhaes, do interior de uma casa de jogo em
1 Macao, da estacio do caminho de ferro em Lis-
boa, do embarque em Gidiz do ministro do ultra-
mar, do interior dejima'fabrica de macarrao era
Nap.Hes, da collocacao do eabo submariuo ua iliia
da madeira, do aprisionamento do vapor Virgi-
nius, do enlerro da D.Antonio de Rios Rosas.
Contimia a asstignar-se esse apreciavel joroal
na rua do Comraercio.n 18, primeiro andar.
Clarinetist:!. Em relacai ao artist;* Eus-
taquio Rehtucas, de quem se occupou bonlam
nossa Revista, leinos no Paiz de 28 de outubro, 0
seguinte :
Seguiram-se as variacSes de clarineto pelo br.
Reboucas, que na verdade cstiveram arrebatado
ras.
< Durante a execucao reinouo mais profundo
silencio, as respiracoes estavam compriouda3, oio
senlia-se nem siquer 0 arfar dos seios das danias
alii presentes; parecia que mais algumas, ooben-
do os doces sons desse magico instrumentj, eata-
vam como que em extasis.
1 0 Sr. Reboucas foi victoriosamehle saudado.
E, na verdade, S. S. 6 um psrfetto arlisla e
podemos dizer, sem raedo de errar, que as lionras
dessa unite pertenceram-lhe. 0
Gainelleira Escrevem-nos desta villa :
a No dia 6 do corrente encerraram-se os traba-
Ihos da escnla publica desta villa, regida pelo pro-
f ssor Adolp'.io Astolfo Lins de Albuquerque.
t Vsll noras da manha dirigiram-se 0 pro-
f.s- ir e seus alumnus, 0 delegado litterario oom-
uel Francisco Manoel Wanlerley Lins, e mils
pes-oas para iss, conviladis. a matriz da mesuja
villa, alim do assislirem a raissa que mandaiam
os aluiiin is celebrar em accao de gragas p ir t-1-
rem com felicidade concluido os seus ir.ibaJnos
escolares do anno lectivo, e, na occasiao da 4wi-
sagtagao entoarara 0 Tantum ergo os alumnos Jose
Santino, Araujo Lima e Pedro Alexandrine. Finda.
a mhsa voltatnm a sala d'aule, que so achava
simples, mas decentemeute preparada, e 0 profes-
sor deu por encjcrrados os Irabalhos e.-clares d>>
pre sen te anno, dirigindo ncja occasiao algumas
palawas de animicao a seus alumnos. Respon-
derain-llie os alamuos, |m .Nerberto com uma
poesia e Manoel de Athayde com um discurso.
c No mesmo dia, as 2 horas da tarde, prucedeu-
se aos exaines dos alumnos da referida escola, sob
a presidencia do delegado litterario. Depois da
provas escriptas e oraes foram approvados : Mar-
noel Carneiro Baptista do Athayde, comdistinccao.
Juvencio Ignacio da Cunha Mello 0 Enplu asio M.
F. Wanderlev, plenamenle. o
Revisao da ciualiflea^ao.No 3' do-
mingo de Janeiro proximo ( 18) devein reunir se
em todas as raatnzes das freguezias da provincia
as juntas revisoras da qualilicacao de votantes.
Vapores esperados. A 19. 0 mgiez
Aconcagua de Calhao e escalas ; de 21 a 22 0 fran-
cez Fawi de Santos, da Europ3, e um brasileiro 00
Rio de Janeiro e escalas.
Miscclanea. 0 valor dos wagons de ea-
miiihos de ferro exoortados de Ingtaterra durante
os nove pri.neirus mezes de 1872, f.i de 26,166 li-
bras sterlinas ; em tjentico periodo do corrente
anno subio a 103,444 libras sterlinas, 0 que repro-
senta um augmento de cerca de 400 por cento.
No dia 31 de outubro leu-se em Cnebra 1
informacao official do conselho administrative d 1
municipalidade, relativa a heranca do finado duque
de Brunswick. 0 active actual e de francos-----
20,370.0 0. Os creditos ascendem'a uns 2 mi-
lhoes. 0 valor real e effect! vo desta heranca e,
pois, de 18,6:10:0 iO, frs ao qual ha a accrescentai 1
[lalacio de Beajon, situad9 em Paris, e os valores
que 0 duque possuia em acc5es dos ciminhos de
ferro da America. Continua 0 pleito sobre as pro-
pnedides que 0 duque possuia na Alleuiaulia.
0 governo hespanhol recebeu uma proposla
de uma casa iugleza, que se propoe construir t
palacio da exposicjio nacional sem subvencao al-
guma e com a unica cendicao de que 0 estado 1 >
ceda os lerrenos sobre os quaos se levantar 0 eli-
ficio.
No dia 2 de novembro fechou-se a eaposicao
universal de Vienna, sem ceremonia alguma, pore.n
com a presencade 100,0 K) pessoas que tinham id
fazer a ultima visita aquelle grandioso cerlame.
Segundo raferc a Correspoudencia de Hespa-
nha, em Molina de Aragon, penetrou uma facja
carlista, a qual obrigon todos os habitantes a resa-
rem um rosario na praca publica. Disserara q .
iam em perseguirAo de Villalaio, 0 qual Ihe tinha
mubado os fundos. Em quanto os habitantes re
savam, os devotis carlistas cobraram um trim.-
ire de contribuicoes.
Falleceu em Lj,_io 0 Sr. Anselmo Peletin, di
.lector da iinprcnsa imperial e conselheiro de es-
tado.
Em Trieste vai inaugurarse urevemente um
monuniento em honra do imperador Maximiliai,..
0 conselln municipal do Paris volou ttuia
somma de 200,0(10 francos daslioada ao seivi-i
das Ik'll.is-ait'.'S da referida cidade para 1874.
Com eSsa somma pintar-se-bao bovoj quadros em
diversos templos, ie?taurar-se-hao outros e far-se-
bio mais outras obras de pinlnra, esculplura e
ornainentacao em mais alguns templos.
0 imperador da Austria acaba de reconhec;i
os direitos da sobrinha de Beeliieven, e, a seu pe-
dido, o imperador da Allomanha acaba tambem d'
couceler a referida senhora os direitos de auior
de 5 por cento sobre a receita bruta de cada re-
presenlaoao do Fidelia.
Falleceu cm Paris 0 Sr. Amedee Guyot, j
decano dos imprcssores typojr^phicos. Tiuha 7*i
annos de idade.
Em Marselha a Sra Chabanier, joven arti-lt
do 21 aanos, tendo entrado no seu cimarim par 4
se vostir air.es de ent.ar em scena, leve a irapra-
denc.ia de laiif^r para 0 chao umbocado da pape!
inflammalo com qua accundera 0 gaz, e, eommu-
nicando-se-lhe 0 fogo aos veslidos, licou cobert 1
do feridas, 111 inendo no dia seguiute no meio das
uiaioros torturas.
Na igreja de Val-de-Grace, do Paris, foi can -
tada uma missa pelos arlistas, euros o musicos d >
tbealro da 0|ra para .-ulfragar a alma-de um in-
feliz bombeiro ahamado Be!tet, quo fora encontra-
do morto entre as rukias do theatre ultimamente
incendiado.
Dizem os periodicos dc Bilbao queos carlis-
tas cmseguiraui funJir 0 priiaeiro canhao na ofli-
eiiia de Ugarle ( Arratia ), porem que sahira bas-
lante defeituoso no interior, motive pelo qual se
ere que os projectis alcaucera pouco e soffiair.
granac desvio.
O ouro extrabido das minas da .Nova Zelan-
du at6 Tins de 1872, subio a 6,718:218 oneas ou a
2,384 milhoes de Males.
- Foi votauo em lnglateira urn projecto para
se poder importar para aquella nacao gado do sn-
doeste da America, projecto quo ja estava oooce-
bido ha muito tempo, m3s quo nao se tiuha podi-11
levar ao fun com vautagem.
No dia 13 dc novembro celebrou se na igreja
de Santo Ageslinho, em Paris, uma missa p)r ser
essa dia 0 d 1 anniversario natalieio da que foi im-
pcrairiz de Franca. A igreja oncheu se de gent*
muito antes da bora lixada, ficando muitas pessoas
sem poderem entrar.
Dizem de Berlitn, quo 0 facto de u;to ter o
principe Alfredo da Inglaiarra iJo visitar sua ir-
mi, a princez 1 imperial da Allemanlia, por occa-
siao da sua ultima viagem, causara grande sens.i-
c5o. Como 6 sabida o principe Alfredo e seu pri-
me 0 duque de Cambridge sao adversaries da Prus-
sia. Acorte prussiana mostrou-se muito irritada
por esse esqueciinento voluutario e diz-se que 0
imperador Guilherme uao occultara 0 seu descon-
tentamento por essa manifestar;ao do ho>tilidade
A dieta de Brunswich dirigio ao imperadoi
Guilherme uma carta de adhesao, pela resposta
que deu a communicacao do papa.
0 casamento do duque dc Edimburgo com a
gra-duqueza Maria celebrar-se-ha em S. Prtersbur
go em Janeiro proximo, primeiro segundo os ritos
da igreja orthodoxa grega e depois segundo -
ritos da igreja anglicana.
Vai ser empregada uma iuaovacab na raari-
nha franceza. Ate agora os uavios de guerra eram
providos de escaleres que uao podiam navegar se-
nao a remos ou a vela ; porem, dentro era poucj
terao uma chalupa a vapor. Ultiraamente foram
construidas nos estaleiros do Sena quatro dessa:
embarcacoes, as quaes tem 10 metros de corapn-
mento cada uma, devendo receber uma raaohina a
vapor da foroa de 13 a 20 cavallos.
A circulaeao das notas.de Banco em Franca,
que antes da guerra era do 800 milhoes de fran-
cos, asceude hoje a 3,000 milhoes e 0 mais notavel
e quo as notas obteem premio sobre 0 metaUico.
0 biape allemao de Treveuis deu collocacao
a sessenta clerigo.s, contravindo por este raodo as
leis ecclesiasticas votadas pelo pariamento. 0 go
verno dispSe se casligailo severamente.
- Segundo a estalistica official, desde abril at.
C de outubro f.ram acomraeltidos de cholera era
Vienna 4,32i individuos, compreheiidendo 2,641
que entraram n)S hospltaes. Falleccrara mais de
2,700.
Bateram se ultimameote a espada no camp)
das corridas de Verinet, os Srs. Roulet e Fergu-
zoo, recebendo e.-te ultimo um paqueno ferimen
lo no braco, com 0 que terrainou 0 combate.
0 exhibidor && muiher d-.is duos cabecas, i
3ual se mostra actualmente cm Paris, convidou ha
ias a iroprenia e diveraes medicos para Irerr.
examinar 0 phenomeno. Segundo 0 lestemunh
occular de era dos assisteotes. a muiher tem cer-
ca de 1 metro e 20 cenliroctros do.altura, e tri-
gueira, tem duas cabecas, dous peseocos, dou-
peitos, quatro bracos e quatro pernas. Os bu-
Ds sao perfeitamente distinctos ate ao meio da-
costa<, sendo neste sitio que os dom corpos se fu-
sioaam para so separarem de novo, onde comega-.
as pernas. 0 exhibidor fe-la executar priiaeire
sobre dous pes 0 depois sobre os quatro uma wai-
sa, qua ella .executou com fackidade, parem 0 qp<
mais aimirou foi 0 ter ella caatado a duas voze-
uma romanza ingleza cum uma pericia e um ta-
lento notaveis.
Por uir.a coiucidencia estranlia, no dia em
que leva lug .r a inauguracao em Turim do nio
nu.nento de Cavour, a velha criala deste celebre
rjomera de estado foi assassinada na rnesma cid.
io, rua de rielvelere. A nobre muiher, cbamada
Joanna Te-sier, deperto do 80 annos, vivia econo-
mic;! nerrte la p: ns.ii que Ilia deixara seu ama.
Eoc.intrararaa tmrta com doza f icaias, era rui
casa. 0 assassinate foi -"ommetlid*) para a roti a-
rem, tendo sida ja preso um individao por sus-
peito.
Monsenlior Lii)chow.-ki, arcebispo da P >se.i
acaba de escrewr ao presidente-da commissaVi das
obra* poutiflcias naBelgica, informand-o de que
aceita a ho-pitalidade que os catholicos belgas
offereeeram Este prelado rcpreseotara outt'om
a Santa 3e em Bruxellas.
- 0 libreiro W.iorleau, estahelecido em !tu-
remberg, f.i ultiraamente conderanado a 3 im-z
e meio de |irisaopor terchamalo em uma reu-
niai publica ao imperador Guiiherme e aO seu
eh mreiler. o Sr. Guitherino llohehzollern e i-eu
curasseiro llisjnark.
Era onsequi neia das experienctas feitas em
t/r
-!
-
1
t
1
f
j
J
nr


*. I
Durio dePemamDtiS6 Iterqtb feirfc ltf de Dezemort) de 167*.
^
*
Togel novos canhSes Krupp, de l2$k|o
gram isfeves quoos antig
do uma carga da polvoramaior que a emprega-
da precedmtemente, o imperador GuilhWnfe en-
coramendou 380 ,jecas deste systems. Devem ser
entregues sm raaio do proximo anno e formarao
60 baterias deartilluria hgeira. Qianto as outras
pecas da maior calibre, parece quo se esta com
ideas de aJoptar a dimensao uniforme de 8 centi-
metre*.
0 governo prussiano acaba do eomprar para
orauseudo Berlin) o thesouro da cidade de La-
nebourg, c qual consiste em rauilas obras de
prata, a maior parte das quaes sao obra do cinze
lador Alb-rto So?rt (183Gj e do oariVes Joao de
(.assert (1444,). Enlre essas obras aeh'a-se um lelo
de prala q le tern nm metro de coniprimento. Foi
ludo venliio por 230,000 lhalers.
Sera brevemento assignado uni tratado de
cxtradicao enlre a Allemanlia e a Saissa.
0 Sr. de la Booilleiie, minislro da agricul-
lura e dotoimmorcioem Fran, acaba de ser agra
ciado pelo governo austnaco coril a cruz d* 1J
classe da ordem da Coroa de Ferro, em reftoropftnsa
dos servicos por elle prestados por parte da adroi-
nislracao franceza para orgauisacao da exposicflo
universal ile Vienna. A referida medallia, que e
da aniiga ordem do reino da Lombardia. confere
ao agraeiado o titulo de batao do imperio aus-
triaco.
A policia de Paris prcndeu uma mullier qne
se entregava a induslria da venda de bilheles de
admissao ao conselho de guerra do Trianon. De-
clarou no eommissariado que um eavalheiro e uma
senhora, cujos nomes se recusou revetar, lbe von-,{
diam purcoes dos referidos bilnetas a razao de 10
Irancos, os quaes tornava a vender aos amadores
com um iucro de 3 a 3 francos. Fazem-se dilli-
gencias para descobrir os complices.
0 Sr. Page, syndico dos agentos de cambio
de Lyon. fugio ultimamente, deixando um passivo
consideravel. Tratava se de eaptura-lo.
O terrivel flagello da forao devasia actual -
mente a Groelandia. Como a pesca das.phocas
nada produzio este anno, os incligenas acham se
coraplelamente desprovidos do seu utiico alimento
na estaao invernosa. Em Naparoe teem ja raor-
ndo de fome 1J0 dessoas.
As nolicias a respeito do cholera pareeem
indicar que este mal se extingue,ou desappireee,
pelo menos nos pontos onde tern feilo maiores
estragos, parecendo nao haver pcrigo de que se
propague por emquanto.
I^otcriii.A que se acha "a venda 6 a 79"
a bonelicio da malriz do Cabrobo, a qual corre
hole.
Leiloes.-Hoje (16) deve ter lugar, por in-
t-rvene-io do agente Pinto, o leilao do resto das
dividas da massa fallida de Amorim, Fragoso
Sands AC, conforme estaaflnuociado.
Amanlii (17) eflcclua 0 mesmo agente o
leiUode fazendas avarbdas e chapeos, annunciado
para o 1' anlar do sobrado da rua da Calcia n.
So.
Sexti-feira (19 do corrent<) vender.i o mes-
mj agente maitos e diffiren'.e* moveis, existentes
no anaazem d) sobradj da rua do Bim Jesus
n. 20.
Cam tie detenfao.Movimento do dia
li de dezembho de 1873 :
Exi^tiam preso?, 307. oxis'.em 307.
A saber
Nacionaes 236, mulheres 10. estrangairos 23,
eicravos 33, escravas o.Total 307. ^
Alimentaios a custa dos cofre> publicos 24a.
Passa;;eiros. Vindos no vapor inglez
Araucania :
Kab Johnson, I. Ledstone, Mi Francisco Piingi, A. Alves, R. Gannita, J. N Ro-
zeado, S S. Figueircdo, J. de Souza Brothers,
S. J. Qtmpos, J. N. Aguiar, Jose C. da Foneeca,
I. C. da Silva, J. A. D. Larangfira, A. D. Sabio,
J. I). Cascao, J. P. Fiaueire.lo, M. da Silva Aie-
redo Brother, B. da Costa, v. A. P. \ inagre, S.
Arcenio, J F. de Lima, 5 B. Rodrigoes, A. P.
Martins, \ Ferreira, A. M Ja Guulia, A. J. de
Medeims e ocuza, S. A. Vascoucellos, J. L. S.
Maehado
Sahidos para o sul no vapor ^.americano
i uili A nurica :
Carl UaChoam, J. Fialho e Joao da Silva Bar-
cellos.
Sahidos para o none no vapor braslleiro
Pirupnmi :
Agostinno Ro?ha Lima, Joao Antonio de Mcllo,
Cksim ro de Paiva, Henrique Jose de Maura,
Maria Yemmcia Ferreira Lima e 1 menor, Antonio
fazilio RiLeiro Dantas e 2 Qlhos menores, Fabricio
lioaro B. Maranhao, 2 lilhos menores e 1 criado,
,?e Ferreira de Miramia, Theopbilo 0. C. Souto
Maior, Irmea B. C e Silva, sua senhora, sogi a e
i escravos, H. J. Urneger e 2 criados Tlieuiistocles
Bandeira, J<>se Pereira do Val, Fortunato Gomes
de FiguHivdo, Revoredo Barms, Jose da Silva
Neves, VirgilioXsvier de Miranda, Justino Minoel
Sa Ramos Antonio Pereira de Freitas Miguel
SoaroB R.ipozo da Camara. Jjsi Carlos Figueiredo
i'.e Saboia, Jose Cavaleante do Albuquerque, Jo?6
Oias J da Costa, Mauoel Ribeiro 0. Gabuelo.
Sahidos para o sul no vapor brasileiro Man-
/at:
Antonio Bdizario Pereira Leopoldino, Thereza de
icsu^, Francisco Ciandino do Barros, Pedro Xavier
Carneiro da c.uuha, Uomingos da Silva Torres.
.i. South America :
Jose L"iigmann.
Cemiteriu publico.Obitnario do dia 12
ilj eorreuto :
Candido Thomaz Amaro, preto, Rio de Janeiro,
'.'. annos, solteiro, militar, Boa-Vista ; hepatite.
Jose Marinlio de Sou/.a, pardo, Pernambuco,
\% aiiii'is. sulteire, Boa Vista ; hepatite.
Melchia les, pardo, Permmbaco, 10 dias, S. An-
tonio ; espa-mo.
Joanna, parda, Pernambuco, 3 annos, S. Jose ;
besigas.
Mauoel Jose dos Prazeres, pardo, Pernambuco,
ii annos, solteiro, Boa-Vista ; variolas.
Jo-c, branco, Pornambuco, 2 mezes, S. Anto-
nio ; espa*mo.
Maria Fraucisca das Oiigas, paria, Pernam-
!;aco, 33 annos, solteira,' Boa-Visia ; bexigas.
Claodina Maria da Cori-eigao, parla, Alagoas,
ij annos, solteira, Boa Tista, hospital Pedro II ;
umona.
Joaquim Felippe Ferreira, pardo, Pernambuco,
')"> annos, casado, Boa-Vista, ho-pital Pedro II ;
ilas.
Jose Pairicio da Luz, pardo, Pernambuco, 18
annos. viavo, S. Jos6 ; bexigas.
Antonio de tal, pardo, Parnambuco, 23 annos,
'asado, Recife ; bexigas.
- 13
Maria, parda, ignora-se a naturaliJade, 30 me-
zes, S. Antonio ; bexigas.
Alexandre, branco, t'ernambaco, 18 mezes, S.
Jose ; variolas.
Francisco Jose do3 Reis, pardo, Pernambuco, 20
annos, solteiro, Recife ; variolas.
Marii do Mello Falcao, branca, Pernambuco, 98i
annos, viuva, Boa-Vista;, veihice.
Amelia, paria, ReniaiBbaao, annos, 5. Jos6 ;\
bexigas
Roqae. paid j, igaora so a naturaliJade, h annos-,
s. Antoni' ; thvsica meseoterira.
Jose G.jm Tavares, brauco, Pernambuco, 60
annos, ca:;alo, S. Jose : apoplexia cerebral.
Autoai.) Francisco do Nascuuento, prdo, Per-
nibucti, 43 annos, casido, Uoa-VisU ; anazarca.
Paulma Malta da Coneeicao, uarda. iguora se a
naturalidaie, 18 aonos, solleira, S. Autouio ; eon-
vulsoesi
Maria, branoa, Peraambuco, 9 mezes, S. JJose ;
variolas.
14
JoaquianNila de Saot'Anna, branca, Pernam-
Iiqco, M annos, casada, S. Jose ; oirferite.
Maria* branca, Pernarflboco, anno, S. Antonio ;
ddnticjufc
Joaqoina, branca, Pernambuco, 10 mezes, Boa
Vista; liosiga*.
Joseph*, escrava, parda, Pernambuco, 32 annos,
, ilcira, Bia-Vlita ; asthma.
Loopoldina, branca, Bernambuco, 3 raezeg.
Grata"; imazarea.
Maooel Francisco Cahral, psrdo. Pernambuco,
46 a mas, viuvo, S. Jo-'e ; variolas.
J>e, pard, Psraambare, 18 mezes. S. Aoteaie ;
variolas
Joaqiirr Krwieiseo dfl.Silv*. Ramon, braneo^,
r rtiiiful, Wtmhi, aoUrini, Boa-Vista ; bexigas:
Abel **) da.Sdva.bfanei*. P-.rtngal, 13 aones,
.,it"in', Toa-Vistt; febre amaella.
PARTE POLITICA
IMRTIDO O0.WERV.4DOR
RECIFE, IS DE WSZEMBRO DE 1873.
Reform i ot% reOolnrCu, concluio o manifesto
do ceniro hbcrak
Os procincianos nos declaram hoje que a revo-
Iu;ao, de qae trata o seu manifesto, nao e a revo-
lu^io armada ; mas entao qual 6 e de que natu-
rezi essa rerolftcao ? Sera a revolucao das Ideas,
Jos principles? Se esta revoluclo e que consti-
lue exaetaniaaWa reforma quo ambicionam, por
que eutao ease dilema ?
Qua'ndo s etfnncia uma tal proposi^ao, nao se
quer signiflear seuao exactamento nm dos dous
extremes.
Por mats que queiram disfarcar o alcance do
pensament) que essas palavras traduzem, todo
mundo coMpVeaVinde que a revolucao, de que fal-
lam os proVtodianos, e a revolucao das armas,
0 desafio,- laocado a face do paiz nao podia ser
inais posftivo e solemne.
0 que resta sahar e a quern, particularmente foi
eHe dirigldo.
Se n5o foi ao imperanle que atirastes a luva, e
rorca conlessar que a-arremessastes ao partido
conservador.
Quem !(' com atten.-ao os vossos escriptos, com-
preticnde perleitamente quo o poder pessoal e o
alvo de todas as vossas invectivas e increpacoes,
porque esse poder pessoal, que imaginaes, e, em
vosso contfeifo, o que mantem no poder o partido
conservador.
Com o vosso motu reforma ou revolucao
cntendeis forcar o imperador a entregar-vos o po-
der; entrelanto o vosso engano nao pode ser inais
deploravel.
0 imperador nao pode chamar a governacao do
paiz lumens que estao condemnados ou despresti-
giados da sua estima e conflanca.
Nao teftios cessado de aconselhar-vos que vo?
esforceis para conijuistar a publica opiniao e o po-
der vos vira entao as maos facil e naturalmente :
mas vos, sempre refractarios as suggestoes da cons-
ciencia e da razao social, quereis, em vossa ce-
guoira, subir pela escalada e condemnais o impe-
rador, porque nao pode elle tornar-se o executor
de uma politica bastarda e ante-constitucional.
Suppondo, porem, qao o paiz se achasse hoje
entre as pontas do dilema que figurais de refor-
ma ou revolucao nao serieis vos os homens
apropriados para salva-lo; pois que sempre vos
mostrastes impotentes para a realisajao dos gran-
des commettiment >s.
Nao sabemos porque os pretensos liberaes pro-
tincianos se po^sam inculcar como os unicos ca-
pazes do reabsar as reformas, quando os factos
proteslam eloquentemeute contra elles em lodos
os tempos.
Se as refjrmas de que fallam (nos a ignoramos)
dependessem pcssoalmente do imperador, peusam
os provincianos que seria indispensavol chama-los
ao poder para realisa-las somentc porqje amea-
5am 0 paiz com a revolucao ?
Desenganem se por uma vez os pra-incianos
quo nio enganam a ninguem inais nesto paiz, on-
de estao beiu conhecidos 0 c mdemnados.
Por mnis que involvam nastrevas 0 seu pen-
samenlo, beam sempre a deseoberto.
Vos nunca quizestes e nem quereis reformas so
nao em vossa ban leira de papel branco ara*be;a-
da as cegas; a realidade que visais e 0 poder com
0 timdo vossas ambicoes pessoaes e nunca, junais,
como meio de fazer 0 bem e propuunar pelo pro-
gresso da patria.
So os vossos anhelns fossjm patri'dicos, pouco
vos importaria que as reformas fos-em realisadas
por qualquer partido. 0 bem 6 sempre aprecia-
vel, venha d'onde vier.
A vossa bandeira, pois, cobre carga inimiga.
L precise d r cafa ad corsario e mostrar que
a palavra reforma, que a bandeira annuncia,
sigmfica ua realidade uma nega^a.
0 dilema & 0 seguinte : ou os liberaes no poder
ou a revolucao.
Reforma 6 0 pretexto,- a illusao; 0 porf.fr e a
realidade, a ambicao.
Ameagavam 0 imperador, dizendo que se os con-
servadores realisassem as suas reformas elles
sabenam ir alem.
Os conservadores apanharam a luva, satisfazen-
do as a-piracfies do paiz, quo elles sempre olvida-
ram e derara golpe de morie a anuunciada revolu
5*0.
Perderam, pois, os discolos liberaes a sua razao
de ser, a sua autonomia e ei-lcs deseoncerlados,
raivosos, allucinados, mvestindo contra 0 governo
0 contra 0 imperador. \
Mudaram agora do tactica, (aaeudo a apologln
ao pnncipio republicano que vai iflirm'md-i-se
ma's e mats, a como pnra propaganda para um
fuluro que ninguem pode prelixar ; mas <|uo po-
de adiantar-se pelas imprudencias do poder pes-
so'il de nao chamar os liberaes ao pode quando
elles e que podera conjnrar esse futuro. des.le que
0 podei- pessoal liver a prudencia de entregar Ihes
0 Ietnc do esjado.
0 paiz, dizem elles, nao esta preparado para es-
sa forma de governo; mas se as cousas forem
assim (liberaes fora do poder) lambem o paiz nao
supportara a volta dos tempos d'el rei nosso so -
nhor.
Se nos chegar 0 desengano, se repetirem-se
essrs pa-sos furtados que tao fonegtos nos tern si-
do e a liberdade da patria, 0 que nao podera se-
guir se f
Eis aqui o tnedonlto prognostico dos liberaes
provinciati'S, secontiDuaren fora ao poder.
Se 0 imperador quizer evitar a revolucao, que
se adianta, cbame ja e ja os Iiberdadeiros da Pro
vmcia e a patria sera salva.
0 paiz nao esta preparado para a republica ;
mas, emlim, desde que os liberaes quizerem, 6
cousa que se arranja logo.
E eom taes subierfugios, cavillacoos e argucias
julgam fazer 1119 lo ao imperador !
Quaudo a lula estr itar-se entre os homens do
poler pessoal e os homens da republica, grandes
acontecimentos vereraos, graude sera a revolu-
cao. 1
Os homens do pider pessoal sao os conservado-
res, os homens da republica sao os republica-
ns.
E os homens da Pi
sera o seu partido ?
Sao muitos espertos esses provincianos I
Tudo i-to ha de acntecer, quando vier 0 desen-
gano, que ainda nao ciiegou, porque e cedo, mas
pode chegar.
Entre os republicanos e absolulistas, maldito
0 brasiieiro que julgar possivel a morte da arvore
da liber lade...
Se a republica e para os prooinci da liberdade, a monarehia e a arvore do absolu-
tismo.
Os homens da Provincia sao republicanos em
these, monarchistas em hypoihese ; isto 6, com a
condicao de galgarem asposicoes sneiaes pela man
do p^der pessoal, ou ja e ja, on em um futuro
inuitoprjxiiiio. K>ta e a sua idea, esse 6 o seu
prmcipio politico-constitueional ; e nessa especta-
itva dizem :
Continuemos a jornada, nos liberaes mooar
ohistas, que ainda nio temos de todo perdida a f6 :
seria um crime cruzarja usi>ra<;
Liberaes m-narcAistas, hypncrilas, qne ainda
nao perderam de toilo a fe do poder pelo podtrpes-
swl ; homens do_ m-io termo, qne so vivem para
a Iristona, mas nao para guvernarem; porque as
im o quer 0 poder pessonl, qae 0* Vent comfcm-
nado, quando elles lh sao tao dedicados e fieis
qne hio de guardar a sua fi at6 a ultima ho-
re!
Creancinhas da Provineii, lomai omtro mmc,
cutre norte, que nao se1^ a nos ontros que naveis
de illudir eom as vossas labias.
Tuneo Danaas el dona ferent**.
' Nesta* auras aiat ieauas em qm os hyrnnos
da liberdade -ao tangidos ate p-las brisa% bsdou-
fande as ramada? da> nrata a luta ontre 0 dra dV hontem e 0 dia d'amaoha
anem p6de duvidar de qual teja e trktmpha-
dort
. Para 0 bom entendedor poucas palavras bastam
t v&s teodes dito de mais.
: Pwdets o vosso serin'o.
febro
Eluarl,(ltwtBixr,bTanc.., Portugal, 14 ^ ^.H**** da fr>ftu-si*
mnos, solteinj, Ba*. Vista ; febre amareita.
MauoeL bfaa**) Pemambutfo, Iihiw, *. Ante-
Fe'lo-iaia Maria Rita,.parda, PeroaaibuC'i. 9ft
inn is, viiIVS,
l.iii;
27 annc
M./.a,
ra-se 0
VtlVke.
isonra-sa u.
I molMtuu
vincia 0 que serao elles, qual
a tenettt*)
rh, 9*
rinhOm
: Vicenl*.
A.ewrrespoiJ'lanciapubJicada no Oi'ari'o d<<3 do
corret*i/ rbrig.i me a vir a iiaereana reakalnteaer
dos faefaftt iiraii-adws iw dia 3h de no
tenent'-e "Hi Vlceate MM's, ja
em o-eaMtirfos patlt, le.n viojin enal* de potto* pat* di-
adqM* baeiidt' oiganes q* aptore-
fj-egeaii
!la ordem' me foi iransmiffida peta defegado
e policia do termo.
Sabendo- que na praia deGameHa hatia ctte-
gad,a um baudo de cigattos, tratei de reunii" uma
patrulha para dingir-me a aquelle lugar.
Nio havendo destacamento de guarda naciooal,
e apenas qualro pracas do corpo de policia, resi-
dindo 0 tenente coronel Vicente Mendes, a quatro
leguas de dislancia da sede do termo, dirigi-me ao
comraandante da primeira companhia do batalhaoj
n. 42 da guarda uacional, e Ihe requisite! dez pra-
cas, para 0 flm ja dito. A resposta que obtive foi
a repulsa formal ao men pedido, e isto em termos
menos decentes.
Nesta emergencia, sem obter auxilio da guarda
nacional, tendo de fazer a diligencia que se me
havia ordenado, mandei notiHear diversos morado-
res da villa e seus arrabaldes, e dirigi-me ao
lugar indicado, e dispersei 0 bando de ciganos.
Era minha volta a villa, soube que por ordem
do tenente coronel Vicente Mendes, se tinha de
prender a todos aquelles cidadaos que me tinham
acompanhado na dirige'nfcla Official.
E com effeito, poaoos monlentos depois de mi-
nha ehegada, foram elles presos e raeolbidos ou
enviados para a fortaleza do Tamandare.
Ab-irabindo da legalidalc da prisao e da forma
porque foi feila, 6 de facil conhecerse que 0 pro
cedimento do tenente coronel Vicente Mendes,
tendia a desmoralisar me e que por minha pirte
nao devi* Hear impassive! ante semellunte acto.
Dei commnnieapao do oocorrido ao delegado do
termo, e tendo ja de ha mutlo ordem para
fazer 0 recrutamento, mandei prender a tres oa
quatro mocos solteiros, ojue me pareciam nao ter
isen^Ses legaes para 0 service de exercito.
E de feito minha ordem foi cumprida, e a prisao
se realisou em quatro gnardas nacionaes do bata-
lhao, do tenenteeorond Vicente Meades.
EITectuado 0 recrutamento, immediatamente se
deu communicacao as tenente cordnel Vicente
Mendes, 0 qual ordenoa ao tenente Jose" Theotonio,
que reunisse a primeira companhia do sea bata-
lhao que no dia iraraedialo mai cedo estaria na
villa.
A ordem foi cumprida e 0 tenente coronel Vi-
cente Mendes nao se for esperar.
Chegando a villa, recolhen se 0 tenente coronel
Vtceote Mendes, a casado vigario Genuino Go-
mes Pereira, e Ordenoil-ao tenente Jes6 Theotonio,
qae me inlimasse a soltara dos recrutas, sob pena
de ir elle solial-oj a for^a d'armas.
0 tenente Jose Theotonio foi a casa de minha
resideucia e transmittio me a ordem do tenente
coronel Vicente Mendes.
Era na occasiao em qne eu interrogava os re-
crutas e facia os oflicios para remeltel os ao dele-
gado do termo.
Respondi sobrancciro a esse acto de loucura e
procurei meios de faz<;r respeitar minha autori-
dade, tao descommunalmente aineapada.
Pouco tempo depois, voltw 0 tenente Jose Theo-
tonio, com um grupo de 30 ou60 pessoas, soldados
da guarda nacional de sua companhia, armadosde
cacetes e faew de ponta e em vozes alias trans-
mittio me de novo a ordem, declarando-me que o
tenente coronel Vicente Mendes. viria execatal-a,
se ainda desta ez nao Ihe ob^deeesse
Nao o quiz attender e or lenei as pracas de po-
licia quo guardavam os recrutas, que repellisse
quidiuer ousado que tenta-se tiral-os a forca; mi
una ordem foi cumprida e a altitude das pracas
de policia, fez estremecer os isbirros do tenente
coronel Vicente ienJes, a quem mandei diz- r que
viesse pessoalmente executar a araeaca que me
mandava fazer.
Consla-me queo tenente coronel.Vicente Men
des, prelendera com forija da:guarda nacional,
vir soil r os recrutas e que 0 nao lizera, por tel 0
acon^elhado e pedido 0 Rvin. vigario Genuino, e
que a in-tanciis suas retirara se para sea en-
geuho.
Eiso facto omi se pas--on ; 0 Exm. prcsidente
da proviucia mande >yudicar por pessoa insus-
peita e lera a cei teza de que lado esla a verdade.
Nunca receiei que n ten -ate coronel Vicente
Meude-. viesse pessoalineute -oltar os recrutas,
nao .mrque nao tivesse dkoejos, mas sim porque
Ihe falta o que e capaz de con luzir 0 hornem a
onsados cominuMimoutos.
E' ainda fal-o que tentasse obrigar a Manoel de
Araujo Barooza, a servir le escrivao no inquerito,
porque a tal inquerito nao procedi.
ltesumo 0 que tenho dilo.
0 teneuie coronel Vicente Mendes mandou-me
ia'imar pelo teuente Jose Theotonio, que snlta&e
os recrutas, soli pena de 0 fazer a forca d'armas.
0 tenente coronel Vicente Mendes inandou 0
tenente Jose Theotonio, coin 30 ou 60 soldados da
primeira companhia para realgar a sua ordem.
() tenente corumd Vicente endes nao foi pes-,
soablleiile dar ex cui;u.j ao quu tinha ordenido,
porque leve receio das coinequencias, ou pela
prudencia que 0 distingue.
Decida o publico qual de nos desceu 0 nao
tem hoje forca moral e se desnunalisou! !! quem
sahi 1 da orliita dos seus devercs ial'riugio as re-
gras da edticaiao e da lei.
E' para laineiitar tudo isto e com n defen3or do
tenente Coron. I Vicente vlendes, direi que so em
epocas auonnaes podena ser njmeado Vicente
Mendes, connnandaute de um batalhao de guarda
nacional.
Sou pobre. vivo do meu trabalho, tenho uma
olaria de que tiro a subsistence para mm ha fa-
inilia; desallo, porem, ao tenente coronel Vicenf
Mendes, para que declare quaes os gnardas na*
ctouaes destacados, que tenho empregado em
meu proveito, com detrimenlo do servico, a me-
nos que nao seja um :alumniador.
Nat tenho forluna, porque ate hoje nao adqueri
heran^a e tnu'to menos lancei na escravidao a in-
felizes, para fiver a custa de seu trabalho.
Sirva de resposta somente 0 que tenho dito ao
teneuie coronel Vicente Mendes. certo do que 0
aeonipanharei como a sombra, ate convencer ao
publico, qual de n6s nao esla oa altura d<> cargo,
qual ue nos tem infringido seus deveres, a quem
pirtence a d smoralisa;ao, emlim,quem e incapaz
do lugar para que foi noiueado.
Assim Ihe proinetto.
Sei inhaem, 13 de dezemiiro de 1873.
Antonio Pereira da Rocha.
E^.'rivaes pof efef^IJa,
Os lllms. Srs. :
Dr. Domingos Soriano F. Soares.
JW|tiMn Alves da Silva.
Antonio Jos6 de Oliveira Braga.
Jose Alves Fernandas.
Escrivas por eleieao.
As Exmas. Sras. :
Esposa do Sr. Antonio Angusto dos Santos Porto.
Es|>o3a 4/^r. Jose Joaquim da Costa Leite.
EsposaA er. Corbioiauo de Aquino Fonceca.
Filha do Sr. commendador C. Guodes Alcoforado.
Escnvaas por devocao.
Os lilms. Srs. :
Alexandre Jose da Silva.
Jose de Sa Lei tao Junior.
Manoel Joaquim da C03U Carvalho.
Traiano Felippe Nery de Barcellos.
Escrivis por devocao.
As Exma<. Sras. :
Esposa do 5r. Dr. Francisco Lins Caldas.
D. Anna, (llha do Sr. Dr. Jansen.
Filha do Sr. Dr. Jose CarJozo de Qaeiroz Fon-
ceca.
Esposa do Sr. Jorge Tasso.
Thesoureiro.
0 Film. Sr. Dr. Manoel Francisco de Barros Rego.
Procnradores.
Os lllms. Srs.
Intioee'rteio Rodngnes de Miranda.
Jose Pedro Alexandrian da's Chtrgas.
Antouite 'Fa us to Jose ftodrtguts. "
Mordomos.^
Todos os devotos e moradnr.^s na cidade de
Olindft.
Fret Joao de S. Jose Paica.
D. Abbade.
0 Exm. Sr. B. Abbade do mosteiro de S Bento
da cidade de Olinda, scientiiica ao respertavel pu-
blico que a festa da excetsa Senhora do Monte
sera celebrada no dia 4 de janairo do anno pro-
ximo fuluro, sendo precedida de novonas. Scien-
tiiica mais que siio encarregados de receber os
obolos dos devotos os Srs. Jose Francisco de Sa
Leilao e Manoel Francisco de Barros Rego.
Olinda, 13 de dezembro de 1873.
0 escrivao, Domtngos Sori:ino Fernandes Soa-
res.
lnslrtic particular elcmentar.
No dia 10 do corrente, pelas 3 hcras da tarde,
me aebando a rua d'A-sumpQio n. 58, onde 0 pro-
fessor Fernando Barbosa de Carvalho tem aula
de instrucgao priibarfe, foram submettidos aexa-
me 9 al.inm 'S, send 1 nomeaJ 1 para examinador 0
digno professor d. Jacii Luiz Felippe de*Carvalho.
Os alumnus responderam satisfactoriamente as
perguhtas que f.e Ihes fatia, nas diversas materias
que fazem parte do ensino primario ; assim c imo
analysararn logica e grammaticalmente por escrip-
ta um trecho como que muito satisfizeram aos exa-
minadores.
Acabado 0 ac'.of >i juigado 0 exame pelo delega-
do lilterari > (0 conego Ribeiro), 0 professor nomea-
do, e 0 professor Franeiseo Silverio de Farias, a
que resultou sahirem 7 approvados coin dislinc-
cao e 2 plenamente.
0 regosijo foi grande, nao so dos alumaos, como
de seus pais. Ponanto, ocumprimenlo de um dever
tao sagrado, qno 6 0 cuidado i|ue um professor
toma de seus alumos, nao poderia Hear sepuitado
no tumulo do esquecimento, e beo votos para que
continue em sua brilhaute carreua, e sirva sem-
pre de modulo para aquelles que nao 0 procuram
iraitar.
Via enjicctador.
Aaraizade desinteressada que votamis ao nobre
0 nonrado capitao honorario do exercito, Mauoel
Lourencodi Silva, hoje major da prara do pre-
sidio de Fernando de Noronha, e 0 proprio mere
cimento d'este nffl -.ial e o que nos traz a dirigir-
Ihe por este Diario um b:ado de louvor pelo modo
ponuetem se pmado naqaelle presidio.
E Paraguay a< 1.- batalhao da guarda nacional (de-
po'so'l) feztoda acamjana daquella republiia,
voltando depois a sua patria cheio de gloria, e por
i.s-o duas wzes me^ecetor de nossis elogios; e
foi de certo esqaeeimento de quem tendo por este
mesmo Diario fallado na pessoa do ajtual e illus-
tre commandante daqudle presidio, nao tratasse
tambem do seu digno major.
A elle, pois. agora nos dirigimos e Ihe pedimos
licen^a para 0 cumprtm-nlar.
Recife, 12 de dezembro de 1873.
_____ A. H. V.
Wgun Ploriila de .Hurray A Lttu*
II1UU.
Se 0 simples prec.o de um gen^ro qualquer, fos-
se sempre repuiado como a mediJa de seu exacto
valor, nos supporiamos que este exquisito e de-
head" perfume e cosmetico era inferior a algumas
perfuniari3s e=trangeiras, as quaes sao vendidas
p ir um preco quitro vezes miis diquelle outro,
emquauto qne, sua quantidide nao chega a prefa-
ze.r uma quarta parte contida n'uma das garra-
fas la Agua Florida Po suimo- uma maneira livre e independente de for-
mar juizos produzidos das evidencias dos nossos
liropnos sentidoa ; a nossa cooclu-ao, e pois, nes-
te paiticular, umainteiramente mui dilferente. T-.-
mos por varias formas examinado esta rara pre-
paraya), e sem 0 mais leve escrunalo ou hesita-
cao, protiunciamos a sua fr igraocia nao so inex-
tinguivel, com0 tambem fresca e suave como a
das proprias fl >res. e em todo3 respeitos tao agra-
lave! em seu delicado aroma como qualquer oa-
tra esseaei 1 que jamais nos tentia sido fornecida,
quer da Colonia, I'aris onLmdres.
Esta e, p is, a sentenea pa^sada por toda Ame-
rica Hespanhola, e nos de todoc bom grade aeon-
firma os.
Francisco Jose da 'losta e Silva, ja nao existe
sobre a terra qne habitamos I
Apartou se de nos esse 00m amigo, bom parente,
bom lilho. bom pai e extremado esposo, tao cedo
nao o veremos mats ; realidade dura para a com-
prelien-ao humaiia I
A ampulheta que marcava seus dias, esgatou-se
ao -oar a ultima hora do dia 12 do correaie. Se-
n.elhante a um meteoro, que de vez em quando
brilhaudo muiio nos apparece e logo apo* se some.
na imni n-iJade do espaco, assim foi aquelle bom
amigo, que tendo vm lo ajustadamonie na terra e
onde hnlhou em verdade.
Foi arrebaiade d'entre nos esse servo de Deus.
Francisco Jose da Costa e Silva, nao ora de gran
de fortona; mas lega a sua nobre familia, paren-
tes e amigos, um nome invejado e ama reputacao
sem n ta : piuveram us ceus que todos aquelles
que foram seus amigos imitein tambem em tudo
e por tudo, para ser-m glonficados e digoos de
adniiracao, com foi aquelle justo, qae ja descan-
pa na inansao celeste.
Aeitii, viuva mcons ilavel, mai allliclisscna, or-
phiiog inMizes, amigos desvelados estas simples ex-
presseos sahidas do eoracas magoado de um amigo.
quesentiia eternamenle a irreparavel per^a d'a-
quelle ci ladao modelo.
Requiem mternam dona eis Domine.
Et lux perpetua Inciat eis.
Ipojuca, 14 de dezembro de i873.
Antonio Jttvencio Ptres Falcao
Eleit/ao dos devotos que deverao
ooadjuvar a festa da cxcelsa Vir
^ein \'nssa Senhora da Monte, em
:tl de de/enibrode IS>93.
Juizes por eleiijao.
Os lllms. Srs. :
Antonio Valentim da &ilra Barroca.
Brigadeiro Hygiao Josd Coeloo.
Negociante Francisco Gonoalves Netto.
Negociante Antonio Marlins do Couto Vianna.
Juizas por eleicto.
As Exms. Sra. :
Esposa do Or. Quutttrnt Jose de Mirandat
Esposa do tenene-ceionel Man Passos e Silva.
Kpo do Sr. Demetrio Accaclo de Araujo Bastos.
Esposa do Sr. Francisco de Paula Goncavesda
Sllta.
Juizes por devocao.
Os lltas. Srs. :
Jos6 Francisco de Sa LeitSo.
Joaquim de Almeida Lopes.
Antonio Gomes de mda Leal,
ilo-e da Silva Loyo.
Juizas por devocSo.
As Exmas. Sras. :
Esposa do Sr. Jose Antonio Moreira DiM.
Bsposa do Sr. cordnel Dvniofns Aires- MSUfflb,
Hs>a do Sr. major AntrniioBernarftciljrirBWoV Urai*1
Esposa do Sr. Amaro Jose dds Mterw.
Cm-at assoinbrasai de phtyslea.
As disseecdes fedas recentemente nos hospitaes
de Paris, provara que os tuberculin dos pulmoes
podeio >er cicatrizados do um mod) permanent*,
curando-se a plitysica. Os c.isos referidos foram
de pessoas qu-) aanos antes haviain padecido de
enfermidades dos iiulmoes, e-que a> depois inorre-
rain por outras causas. Os bulntins offlciaes di
zem que foram curados de ulceracao dos pulmoes
medianle 0 uso consiante do ole<> puro do flgado
de bacalhao I'orem toda a difflc.uldade consiste
em poder se alcanear e-te inapr-ciavel especidco.
Turna-se pois da maior importancia, qae 0 doeote
saiba qae o ol'o pur medicinal de flgado de ba-
calhao de Lanmaa& Kemp, se acha isento de im-
pdrezas, conforme 0 mdica seu nome. Comp5e->e
elle do principle salutifero e vital, qae se encon-
tra nos llgados sios do bacalhao que acaba de ser
pescado.
Na sua composicao nao entra a mais leve par
ticula de materia e acha se Isento de raaco, que giralmente carac-
terisa aquelle que immerecidampnle se apellida
oleo de ttgado de bacalhao. 0 nome da casa qae
0 prepara e uma garantia mais que suffloente da
sua excellencia, e taato 0 commercio como 0 pu
blico podem conflar nelle com toda a seguranca, e
por kso sumente se acha a venda nas principaes
Ljas de drugas.
Para todos.
A casa tnortuaria de Paula & Mafra con
tiniio a bem servir ao publico, era quantos
seus proprietaries ou sao deferidos no re-
cursti que interpoem ao conselho d'estado
contra 0 inonopolio concedido a outrem, ou
sao a con ten to indemnisados pelos monopo-
listas. E para que ninguem se illoda a res
peito, scietitificainao rcspeitavel publico que
se acham providos do material necessario e
com carros novos.
Hi are nacionalDeos te Cm>generos naeionae3
para 0 caes Barao do Livramento.
Barca ingleza Dora raercadorias para alfan-
dega e carv5o ja despachado para 0 caes
do Apollo.
Palacbo nacional Jaboatao kerozene para 0
trapicbe Conceicac, para despachar.
Barca portugueza Arabella pedras para 0
trapiche Conceicao, para despachar.
Brigue inglez -Janes Stieart bacalhao ja despa-
chado para 0 trapiche Conceicao.
Barca ingleza -Cildubanhbacalhao ja despacha-
do para 0 trapiche Conceicao.
Patacho inglez -Dritania -bacalhao ja despacha-
do para o trapiche Conceicao.
Barca fran^cza Miuricten vinho para alfan
dega.
Iiiiportactlo
Patacho inglez Brilamia, entrado de Terra
Nova, em 14 do corrente e consignado a
Johnston Pater & C, manifestou :
Bacalhao 1,782 barricas, 99 moias 0 64
caixas aos consignatarios.
Barca ingleza Calderbanck, entrada na
mesnaa data e cotisignada a Johnstou Pater
& C, manifestou:
Bacalhao 3,000 barricas aos consignata-
rios.
Lugre alletnao liong T'ong, entrado de
Cardiff na raesma data, e consignado a \V.
G. Femely, manifestou :
Carvao de pedra 317 toneladas a estrada
de ferro de S. Francisco.
Hialo nacional Deus te Guie, entrado do
Aracnty em 13 do corrente e consignado a
Bartholomeu Louren^o, manifestou :
Algodao 96 saccas a Alfredo Garcia Irmao,
138 & ordem.
Esteiras 5id a Antouio Alberto de Souza
Aguiar, 950 a Davin < Ferdandos, 200 a
Cosme J. dos Santos Calado.
Hiate nacional Joao Valle, entrado de
Macau na mesma data e consignado a Joao
da Cunha Lnges, manifestou :
Algodao 130 saccas a ordem, 7G a Gui-
maraes Irmao & C, 12 a Jos6 Luiz Goncal-
ves Ferreira & C, 6 a Bernardo Jose Ferreira
I'inao.
Pallia do carnauba 50 molhos d ordem.
Sal 13 J alqueires & ordem.
Vapor amerioano South-America, entra-
do de New-York na mesma data e consig-
nado a Henry Forster & C, manifestou :
Carga de New-York.
Cevada 10 barricas a ordem.
Object js di versos 4 pacoles a De Lailhacar
& C.
Roupa para senhora 1 caixa aos consig-
natarios.
Carga do Para.
Salsaparrilha 49 rolos a Amorim Irmiios
& C, 80 a Pereira Vianna & C.
)8SPA":H0S DE EXPOBTv AO NO DIA 13 Dfc
HEZEMUBO DE 1873.
Para os portos di exterior.
Na barca francez Sphere, ?ara Liverpool,
carregaram: G. Noesen & C. 145 saccas com
26,311 kilos de algodao.
No lugar inglez Constanta, para 0 Canal,
carregaram: Simpson k C. 3,500 saccos com
2b2,500 kilos de assucar mascavado.
Na polaca hespanhola Izidra, para Baice
lona, carregaram : P. Carneiro A C. 50 saccas
com 3,698 kilos de algodao ; A. Cordeiro 267
ditas com 18,08i duos de dilo.
No navio portuguez I). Annu, para Lisboa,
carregou : A. C rdeiro 664 courts salgados com
7,968 kilos.
Na galera portugueza Lisbon, para o Porto,
earregarara : Gomes Kiltio & 6. 3i prauctioes de
amarello.
No brigue americano Galino, para S. Mi-
guel, carregaram : J. P. da ilva 20 barricas cm
2,918 kilos de assucar mascavado e 5 dilas com
554 1|2 ditos de dito branco ; A. V. da SiUa 4
ditas com 24 va 56 volumes com 5,461 ditos de assucar branco,
124 ditos com 12,139 ditos de dito mascavado, e
200 coros(fructa).
Na barca brasileira S. Jose, para 0 Rio da
Prata. carrego 1: A. Loyo 400 barricas com 40,187
kilos de assucar branco e- 48 ditas com 5,890
ditos de dilo mascavado.
Para os portos do interior.
Para 0 Ilio Grande do Sul, no brigue bra-
siViro Cysne, carregaram : Amorim Irmao* & C.
700 sac;os com 52,500 kilos de assucar branco.
Na barca brasileira Deolmda, para 0 Rio
Grande do Sul, carregou : A. I'.ordeiro 345 bar
ricas com 27,244 kilos de a>sucar branco.
Para 0 Rio Grande do Sul, na barca brasi-
leira Andrade Neves, carregaram : Carvalho &
Nogueira 890 saccos com 60,750 Kilos de assucar
branco e UO ditos com *,280 ditos de dito mas-
cavado ; J. R. Ferreira 200 ditos com 15,000 ditos
de dito branco ; P. Barbosa & C. 300 barricas
com 22.500 dims de dito.
= Para 0 Ceara. no vapor nacional Pimpama,
carregaram : J. Bruno 30 barricas cjm 1,394 l|2
kilos de assucar branco ; J. A. C Siqueira 30
dita* com 1,165 dins de dito ; J. F Santos Bas-
tos 28 ditas com 1,568 dito* de dito refinado; nara
Granja, A. F. Barros 30 volumes Com 2,181 ditos
le dito branco e 16 ditos com 1,158 ditos de dito
refinado ; para 0 Acaiactl, F. de Almeida & C. I
barrica com 110 ditos de dito branco.
Para Mamanguape, no vapor brasiieiro Cu
ruripe. carregaram : B. Gomes 18 kiios de iLce, e 2 barricas com 130 kilos
de assucar branco ; M. J. G. Fonte 1 caixa com
45 kilos de doce.
- Para Macao, no hi&te brasiieiro Lemilla.
carregaram : B J Pereira & Irmao 2 barricas
com 120 kilos de assucar branco.
Para Alagoas, na barcaija Rom Successo,
carregou : C. J. vfataa Junior 2 barricas com
itS kilos de assucar branco.
Para Moss^ro na barcaca F. Jardim, carre-
Saram : B. Gomes Si 4 barricas com 260 kilos
e eassucar branco..
Para 0 Natal, na bareaca Silvina, carrega-
ram : A. Oliveira C. 2 barricas com 180 kilos
de assucar branco.
'- '
matv
PrtACA UUttKGlEK'lS OB DEiWVltMU
DE 1873.
AS 3 1/2B0BXS DA TABDE
Cott7es olBciaes.
Cambio sobre boadres a> 90 djv. 21 3|8 d. por
ttooi
Leslie
Pelo prrsidente.
Antouio Leonard-) It idrigues.
Pelo secretario. -
ALFANDROA
.tendimento'fdo dia 1 a 13. .
Idem do dH_jr. Jl.^-MML
562 304*117
42 313 >039
604 6371476

-$6wq* nktSonsos
woviMEWTg 00 pgirra
Navios entradot no dia 15.
New-York por S. Thomaz 0 Para 31
dias, sendo do ultimo porto 6, vapor
americano Soutli-America, de 2,150tone-
ladas, commandante Tcnklepangh, equi-
pagem 69, carga varios generos ; a Henry
Forster & C.
Liverpool e portos intermedios 19 dias,
vapor inglez Araucania, de 1,806 tone-
ladas, commandante Lecky, equmagem
93, carga varios generos; a Wilson
Rowe & C.
A-%!aty 5 dias, hiate hrasileiro Deus te
Huarde, de 156 toneladas, capitdo Ma-
noel F. Salles, equipagem 6, carga algo-
dao e outros generos ; a B. LoureiMjo.
Assii 6 dias, hiate brasiieiro Jado Valle,
de 105 toneladas, capitao Antonio B. de
Andrade, equipagem 6, carga algodao e
mais generos ; a Joao da G. Lages.
Navios sahidos no mesmo dia.
Barcelona Polaca hespanhola Mercelild,
capitao Francisco Fabregos, carga al-
godao.
Barcelona Brigue hespanbol Salvador,
capitao Jodo Ortas, carga algodao.
Falmowlu Brigue inglez Uonagc, capi'ifio
.Metcaf, carga salitre.
Rio Grande do "Sul Brigue SSciina uacio-
nal Cysne, capitao Jose Monteiro de Al-
meida, carga assucar.
Portos do sul Vapor inglez Araucania,
commandante Lecky, carga a mesma que
trouxe dos portos da Europa.
Idem Vapor americano South-America,
commandante Tenklepungh, carga a mes-
ma que trouxe dos portos do norte.
Gran'a 0 portos intermedios Vapor bra-
siieiro Pirapama, commandante Silva.
carga varios geueros.
Aracaju e portos intermedios Vapor bra-
siieiro Mamiuhu', commandante Silva,
carga varios generos.
E.litnl n. 103
Pela inspnetoria da alfandega ae Pernambuco
se faz 1 ublico que ach mdo-se as mercadorias
contidas nos volumes abaixo men -ionados no caso
de serem arrematadas para cu isuma, nos termos
do 3* do art. 300 do r gulamento de 19 de se-
tembro de I860, os sei$ aonos ou consignatarios
deverlo despacha-las no prazo de 10 dias, sob
pena do. fi do elle, serem vendilas por sua ccnta,
sem que Ihes li pie competindo allegar contra os
elleitos desta venda :
Marca JJGB-1 caixa cont'ndo fructas, vindas
de Lisboa no vapor inglez Valparaiso
Idem MJP"C 100 barririrs com cal. vindas de
Lisboa na barca portuiueza Nova Sympathta, en-
trada em 12 de agosto pasado.
Ufandega de Pernambuco, 12 de dezembro de
1873.
0 insi>ector,
___________ Faofo A. de Carvallto Reis.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial, em cumprimenlo do acto do Exm. Sr. com-
menda lor presidente da provincia, de 4 do met
corrente, manda fazer publico que, na mesma
thesouraria, acha se abeila a inscripcao de apoli-
ces de divi'la provincial, ao par, vencendo 0 juro
de 7 por cento ao anno, ate a impoFtancia de mil
contos de ri'is.
Scretaria da thesouraria provincial dePernaai-
buco, em 13 de dezembro Je 1873.
Vicloriano J it. Palliares,
Oilicial-maior in'.erino
A cauiara municipal desta cidade. tendo
de douiolir 0 trapiche denominndo Pelou-
rinho 0 vendar a quein mais vantageus
bff-recer, sob a base de SoOflOOO totos os
materiaes do mesmo trapiche, convi ;a pelo
prusi'iite aos pretendentes a compnooeroin*
uo dia 17do corrente. pelas 12 lioras do din,
no paco das suas sessoes, correudu dita de-
moliyao por conta do arremataiite.
l'ajo da camera municipal do Recife, 13
do dezembro e 1873.
Manoel J. do Ilejo e Albuquerque,
Presidente.
Pedro de Albuquerque Aulran,
Secretario.
CAPATAZIA DA ALFANDKGA
Readimento do dia 1 a 13 10.
(de 4604081
745*593
VOLUMES SAHIDOS
N, dia la 13. .
No dia 15
Primoira porta .....
iegunda porta .....
Tbrceira porta.....
Quarta porta......
"i-apiche Conceicao .
11:205*785
17,131
605
199
118
184
18,137
SERVICO MARITIMO
uvarengas descarregadas no trapieh*
alfandega do dia I a 13 .
No dia 15
-m is atracadoano trap, da alfandega
Alvarengas........
>o trapiche Conceicao.....
22
4
1
"27
t^r.EBEnORIA DB RENDAS INTBRNAS OR
RAES DE PERNAMBUCO
tendimento do dia 1 a 13. 20 988*560
demdodttlS...... 6:944*380
37:932*940
CONSULAR) PROVINCIAL
memo do (*a t a 13. 9:3J0HW
.... 0:476*297
co dia 15.
*40
MllTIMDO
I I^B
,u
U "'I'M
SANTA CASA DA MlSLRICOKDlA DO
RECIFE.
A lilina. junta administrativa da santa casa da
isericonlia do Recife, manda fazer publico que
la sala de suas pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quem mais vantagens ollerecer, pelo tempo de um