Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19999


This item is only available as the following downloads:


Full Text
*

ANNO XLIX. JVUMERO 277



'
r
PARA A CAPITAL' B IXGABES OXDE S.lO 8E PAGA POBTB.
Por tres mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos idem.................. 125000
Por urn anno idem.................. 14$000
ada numero avulso.................. ISO
--------
TERCA FE1M 2 DE DEZEMBR0 DE 1873
PABA DESTBO E FOB A BA PRO VISCI A.
* _
Por tres mezes adiantados............ HBf^
Por seis ditos idem. ................
Por nore ditos idem...................
Por am anno idem................. 17#00v
DIARIO DE PERMMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIR0A DE FARIA & FILH0S.
(J* Sr$. Gerardo Antonio Alvesd Filhos.no Pari; Gonoalves 4 Pinto, no Maranhao; Joaqnim Josi de Oliveira & Filho, no Ceara; Antonio de Lemus firaga, no Aracatv ; Joio aria Julio ChaTes, no Assd; Antonio Marques da Silva, no Satai; Jos< Juit
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, aa Parahyba ; Antonio Jose* Gomes, na Villa d Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
. Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas ; Aires d C, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no RioJde Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Miuisterio d justi^a.
IKCIlKTO N. 5,167 DE 12 DE NOVEMBRO DE 1873
Ifei por bem, usando da altribuir;ao quo me cod
f- o art. 102, 12 da constituicao do imperio, e
para execacao da lei n. 2.033 de 20 de setembro
de 1871 e decreto n. 2,312 de 6 de agosto do cor-
r>a!e anno, decretar oseguute :
CAPITULO 1.
PW JUIZES COMPEI^tVTBS PARA O JULRVMEMTO DOS
AGllHAVOS K APPELUGOES.
Ait. I.* Aos tribunaes da relaeio compete c>-
uliecer dos aggravos e appellaeoes interpostas do9
itespMhoa e sentenca* dos juizes de direito.
Art. 2." Aos juizes de direito compete conhecer
d I'hos e sentencas dos juizes inferiores.
Art. 3. lnterp5e-se a aggravo:
S 1. Para a relac4o d > districto: I", das d*ci-
>* proferidas pelos juizes de direito das comar-
i\ij especiaes, no processo das causas de valor
fxcedente ao da sua alcada se o aggravo nao for
snore iucompeteneia do joixo; 2', das decisoos
proferida* pi'lovj;ii/.a.s de direito das omarcas
eraes no processo das causas que Hies pertence
julgar, quando o despactio for sobre incorapeten-
eia do Juizo, ou de natureza tal, que ponha term>
ao feito em primeira instancia.
S 2. Para o juiz do direito da comarca espe-
cial, da decisao do juiz de paz sobre ineompeten-
ria do juizo, ou prisao.
5 3." Para o juiz de direitu da comarca geral :
1\ das decisoe* do juiz de paz tios casos do para-
graph!) antecedente ; 2", da? deoisoes do juiz mu-
nicipal ou de orphaos no processo da< causas que
-lues compete preparar e julgar ; 3, das decisoej
do juiz municipal a de orphaos no preparo das
causas que ao juiz de direito incumba julgar,
quando essas decisGes nao foremdas mencionadas
no 1, n. 2 deste artigo.
Art. i. Pertencem a ordem das decisSes, que
I- 'in termo ao feito e devem ser proferidas pelos
juizes de direito das comarcas geraes nas cau-
sas que lhes compete julgar, as sentences se-
parates, qucr della caiba aggravo, quer appella-
cao :
1.* De absolvicao da instancia, se com ella jul-
4a se perempta a accio.
2." De rojeicao in limine de embargos do exe-
cuiado ou do 3* embargante.
'i. De recebimentos do embargos com condem-
nacao, naassignac&o de 10 dias.
'. De denegac.ao do recebimento da aprjellacao
ou do recebimento della em um effeito somente.
->.' De desercao da appellacao.
0.# De concessio ou deoegacio de licenca para
c.'.-amento do manor
". D? liquidicaj, exhibi;ao ehabilitacao. Re-
; iameuto n. 737 de25 de novembro de 1850, art.
i'i S^ 12. 13 e 11).
8. De julgamento sobre a procelencia ou im-
l.iocedeneia do embargo. i,l\eg. cit. art. 669
18).
Art. & Sempra qua for possivel proferir-se de-
risao t-trmioativa do feit<> em primeira instancia,
o despacho sera do juiz de direito, ainda- que na
tenha-se de proferir simples interlocu-
terpuzerem para a relacao do distncto serao jul-
gaioa na forma indicada no regulamcnto das re-
la CO.'S.
CAPITULO III.
DO PltAZO PARA A APRESENTACAO DAS APPELLA(0ES.
Art. 20. 0 prazo dentro do qual devem snbir os
autus a instancia superior, para o julgamento da
appellacao, sera :'
l.* Da 10 a 30 dias, conforme a distancia da pa-
rochia, se a appellacao for interposta de sentenca
do juiz de paz ;
2. I); 30 dias, se a appellacao for interposta de
sentenca proferida pelo juiz municipal do termo
reito de comarca especial;
3. De 2 mezes, se a sentenca for proferida por
juiz municipal de outro termo da comarca ;
4. De 3 mezes, so a sentenca for de juiz de di-
reito de qualquer comarja geral da provmcia em
que a relacSo estiver, excepto as de Goyaz e Mat
to-Grosso ;
5.* De 4 mezes, se a sentenca for de juiz de di-
reito de qnal^uer comarca geral de Goyaz a de
Matto-Grosso, ou de provincia era que nio estiver
a relacao.
Art. 21. Estes prazos decorrem da data da pu-
blicacao do despacho pelo qual fdr recebida a ap-
pellacao ; sao communs a ambas as paries, nao se
podem prorogar ou restringir, nem se interrom-
pem pela superveniencia das fenas.
CAPITULO IV.
DA DESKRCAO DA APPELLACAO.
Art. 22. Se dentro do prazo assigoado pelo juiz
de paz, na appellacao da sentenca por elle proferi
da, nSo se tiverem expedido os autos para a ins-
tancia superior, sera citado o appellante para dizer
em 2' horas, que correram em cartorio, aobre o
impedimonto que teve para o seguimento da ap-
pellajao.
Art. 23. Com a resposta d) appellante e provas
inronhnentt produzidas, ou sem ellas, o juiz de
paz proferira sua sentenca, julgando deserta a ap-
pellacao, ou assignando novo prazo para a expedi-
cao dos autos.
Art. 24. Na desercao da appdla^ao interposta
das sentences do juiz municipal ou de orphaos para
o juiz de direito, ou do juiz de direito para a rela-
cAo, observar-se-ha o disposto nos arts. 657 a 660
do regulamcnto n. 737 de 25 de novembro de
1850.
Art. 25. Concederam-se impedimentos attendi-
veis, para ser o appellante relevado da desercao da
appellacao, os casos fortuitos, doenca grave ou
prisSo do .ippellante, embaraco do juizo ou obsta-
culo judicial opposto pela parte contraria.
Art. 26. Compete ass juizes municipaes o pro-
cess da desercao da appellacao nas causas do jul-
gamento do juiz de direito ate a sentenca da de-
sercao exclusivamente.
Art. 27. Fica abolido o instramento do dia de
apparecer.
CAPITULO V. ^ -]
BISPOSigOES DIVERSAS. fl
Art. 28. A' excepcao das causas fiscaes^.
que versarem sobre bens de raiz, comprehendem- L^ conta, que veio annexa ao
se na competencia dos juizes dp psz todas as cau- agosto ultimo sob n. 1522, e
de sua fe de officio |e inforraacao do commandante
superior, em offleio n. 693 de 10 do corrente. re-
solve transferil-o para o servico de reserva, Gcaodo
aggregado ao 3 batalbaa respectivo.
0 presideate da provinsia, a vista do officio
do Dr. cnefe de pohcia, n. 1621 de 15 do corrente,
resolve exonerar, a seu pedido, o capitao Simao
Ferreira Braga do cargo de subdelegado do dis-
tricto de S Benedicto, do termo de Panellas, a
por nao ter prestado juramento, do de 3 supplente
do dito subdelegado, o cidadao Jose Pedro Macam-
bin.
0 prosidente da provincia, de conformidade
em que o juiz de direito residir, ou pelo juiz de di- com a proposta do Dr. chefe de policia em offleio
n. IG24 do 15 do corrente. resolve nomear para o
cargo dc subdelegado do districto de S. Benedicto,
do termo de Panellas, o cidadao Joaquim Ferreira
de Lima, e para o de 2* supplente do dito subde-
legado o cidadao Joao Jose da Silva.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o capitao do 9* batalhao da guarda na-
cional do municipio de Olinda, Joao Bap'ista da
Silva Manguinlio, e a vista da sua fe de officio, do
que se evidencia ter elle mais de 2-1 annos de ser-
vico, 70 de i Jade, e informacao do commandante
superior respectivo, resolve transferil o para o
servico de reserva, ficando aggregado ao 7" Data-
lliao do dito municipio.
0 presidente da provincia, a vista da proposta
do Dr. cliefe dt poiicia em officio n. 1625 de 15
do corrente, resolve exonerar o alferes docorpo
de policia, Joaquim Pereira da Silva Guimaraes, do
cargo de subdelegado do districto de Cruangy, do
termo de Itambe.
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em officio
n 1628 de 15 do corrente, resolve nomear aara o
cargo de subdelegado do districto de Cruangy, do
termo de Itambe, o alferes do corpo de policia, Fran-
cisco Ignacio de Moura Gondim.
0 presidente da provin.-ia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em oilicio
n. 1624 de 15 do corrente, resolve nomear para o
cargo de subdelegado do districto de Queimadas,
do termo de Panellas, o alferes Antonio M.mteiro
dos Santos, actual 2* supplente do dito subdelega-
do, e para preencher osse lugar e o de 3 supplen-
te os cidadaos seguintes na ordem de sua colloca-
(ao : Joaquim Goncalves dos Santos, Antonio Ja-
cintho de Mello.
0 presidente da provincia, a vista do officio
do Dr. chefe de policia, n. 1623 de 15 do corrente,
resolve exonerar, a seu pedido, do cargo de 1 sup-
plente do subdelegado do 1 districto de Gameleira
o cidadao Thomaz Alexandre de Carvalho
O.Ucios :
Ao Exm. presidente da relacao. Commit-
nico a V. Exc, em resposta ao seu officio de lion-
tem datado, que hoje expedi ordem ao gerente da
companhia pernambucana, afim de seguirem para
a provincia do Ceara, donde vieram por ordem
d'essa relacao, os individuos de nomes Francisco
Leonardo da Costa e Jacintho Pereira de Mattos.
Ao Dr. chefe de policia.-Devolvendo a V. S.
sen officio de 30 de
agosio ultimo sob n. \szt, e na itnportancia de
specie
wria;
Art. 6." Alem dos casos detinidos no decreto de
to de mar^o de 1842, e mais disposicoes em vigor,
d;-se aggravo da p-ticao e inslrumento, nos feitos
civeis da sentenca que julga ou nao deserta a ap-
I iuii-ao (Decreto a. 2,3iide 6 de agosto de 1873,
art 18).
\xt. 7. Os aggravos par iaeompetencia do jui
7. ou prisao (uao do despacho que concede a
n .embro de 1830, art. 669 17) terao effeito sus-
i> msivo, ainla que intcrpostos sejam por instru-
inentft,
Art. 8." Interpoe-se a appellacao :
s 1. Para a relaclo do districto, das sentenjas
proferidas pelos juizes de direito de quaesquer ca-
i n ireas nas causas de valor excedente a 500J.
S 2 Para o juiz de direito da comarca espe-
das sentences dos juizes de paz no julgamen
t. .inal das causas de valor ate tOO ou sobre
In \no de servicos de colonos.
; 3. Para o juiz de direito do comarca geral
>:is moucionadas no paiagrapho antecedente, e
juizes municipaes e de orphaos nas causas de
a de 1004 alii 500*.
Art. 9." Nas causas que aos juizes de paz, muni-
ripaes ou de orphaos, e aos juizes de direito das
< ...uarcas geraes compete julgar admitte-se o ag
gi;ao ou appellaQio, por manor que seja o valor
<:: ilenuncia.
CAPITULO II.
IHJ PaOCBSSO DJS aOORATOS E APPEI.LAQOES.
.:!. 10. Os aggravos de peticio e instrumeuto
i interpostas, processados e apresentados na
i i- aneik superior da maneira e no tempo determi-
li no decreto de 13 de inar;o de 1842.
Art. 11. Nao depende d2 despacho do juiz o ag
gravo que for interposto no cartorio do escrivao
. termo nos autos.
Ait. 12. Assim na intorposijaa do aggravo de
' in-irumento, como na da appellacao, e dispensavel
;. ratificacao em audiencia.
Art. 13. A appellacio que se interpuzer das
(iiteueas dos juizes de paz sera processada na
foi .na 'do art. 63 6' do decreto n. 4,824 de 22 de
it vemhro de 1871.
Art. 14 I'ode ser interposta perante os juize3
ii, iMicipaes, ou peranle os juizes de direito a ap-
.|n-llacio das senleucas proferidas por estes
<-,.marcas garaes. (Lei de 20 d'
;.i. 23 3'-).
Nos mais casos a app-iili;aa dove ser interpos-
ta peraaie o juiz que bouver preferido a sen-
''!-. ,. .
Ktk 15. Interposta a appella;a> e avaliada a
oausa, o juiz quo tiver proierido a sentenca rece-
liera a appellacao, se for de receber, declarando se
*m ambos 03 effeitos ou -no devolutivo somente ;
c a.) mesmo despaclia assignari o prazo em que
o? aatoa devom ser apreseutados na instancia su-
j'--iior. _
\r! 16. Nao e necessana a avahacao :
]. Nis ccusas atu 10)* b50)J, julgadas pelos
jdizes le paz o juizes mauicipaes ;
i' Qiando a iuiasa canUver pedido cerlo, do
< ija e->ti;nus5a dau-se prova, ou nao houve impug-
Art. 17. A expedicio dos autos se fara indepen
d'-nle de traslado:
1 Na appellaeao Uas suotenjas proferidas pelos
juizos de paz, sco juiz de direito residir ai mes-
m Uigar ; ....
! Na appellacao das sectencas dos juizes muni-
cipaes, se o juiz de direito residir no mesmo ter-
m: salvo se por favor d;. causa estiver expres-a-
i, -:ii-- >!.- 'o a app"I!a;Vi jpja
recebida uo .iT'itu ae*ola'.ivo someQle;
3.* Na appelU direito das comarcas especiaas, salva a excepcao
do paragrapho anterior.
Eii todo caso, nSo se extraliira traslado dos au-
tos se aspartes nisso eonvierem.
Art. 1(*. Nas appellacdes interpostas das seatea-
^a- dos juizes municipaes, apresentados os autos
nc cartorio, o escriv}o que tiver de servir perante
o jiz de direito lavrara terma de racebirasnto del-
]s. e os fara conolusos ao juiz que dara vista as
parte* por oito dias, e julgara em segunda ins-
tancia.
sas civeis ate o valor de 100*000.
Art. 29. Nas causas de competencia do juiz de
paz, sao jnadmissiveis embargos a sentenca.
Art. 30. Julgada era segunda instancia a causa
intentada no juiz de paz devem ao jnizo inferior
descer os proprios autos para nelle expedir-se o
mandado de execucao.
Art. 31. Do mesmo modo sc procedera nas cau-
sas julgadas pelos juizes municipaes, quando a sen-
tenc for de absolvieao do pedido e so houver con-
demnagao de custas para executar (regulamento
n. 737 de 25 de novembro de 1850, art. 244).
Art. 32. 0 processo suramario estabelecido no
art. 27 da lei de 20 de setembro de 1871 para as
causas de mais de 100* ate 500*, que nao forem
intentadas sobre bens de raiz, e exlensivo a todas
as accoes de3se valor, civeis, commerciaes, da pro-
vedoria, orphanologicas ou de ausentes, quer per-
tencentes a alcada dos juizes de direito das comar-
cas espeeiaes, quer da competencia dos juizes mu-
nicipaes e de orphaos.
Art. 33, Exceptuam-se desta regra os processos
executivos, de assignacao de 10 dias, e os mais
que teem por direito forma peculiar denvada da
natureza da accao.
Art. 34. Ficam revogadas as disposipoes em con-
trario.
0 Dr. Manoel Antonio Duarte dc Azevedo, do
men conselho, rainistro e secretano de estado dos
negocios dajustica, assim o tenha entendido e faca
executar. Palacio do Rio de Janeiro, em 12 de
novembro de 1873, quinquagesiuio segundo da in-
dependencia e do iraperio.
Com a rubrica de S. M. o Imperador.- Manoel
Antonio Duarte de Azevedo.

aggravos e appellacocs,
CSoverno da provincia.
EXPEDIENCE DO DIA 17 DK SETEMBRO DE 1873.
1.' seccao.
Oflicios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
nms. Visto ter provado isen^Jo legal o recruta
Antonio Francisco Gomes, providencie V. Exc.
para que seja elle posto em liberdade.
Ao director do arsenal de guerra. Mande
Vme. satisfazer por esse arsenal o incluso pedido
que faz o commandante do forte do Buraco, de ar-
tigos de vestuario para o calceta Calixto Alves da
Silva, empregado no servico da fachina do mesmo
forte enjo pedido para esse 6m me foi remettido
pelo Exm. brigadeiro commandante das armascom
offleio de 15 do corrente sob n. 923.
Ao consul de S. M. fidelissima. Accuso a
recepcao do offleio datado de 28 de julho ultimo,
set-mbra de 1871, em 1ue Sr- Or. Claudino de Araujo Guimaraes,
consul de S. H. fidelissima nesta provincia trouxe
ao meu conhecimento copia do nrotesto que o res-
pectivo agente consular na cidade de Goyanna
apresontou ao juiz municipal e de orphaos do ter-
mo d'aquelle nome, em conseqaencia de haver este
se recusado a reconhecer a competencia do dito
agente para intervir no inventario de espolio dei-
xado por D. Felisraina Maria da Conceicao, viuva
do subdito portuguez Diogo Jose da Silva Co6lho,
o qual ali fallecera. Em resposta cabe-rae dizer
ao mesmo Sr. consul que, a vista da informacao do
referido jui'. e do parecer do desembargador pro-
curador da corda, sobcrania e fazenda nacional,
constantes das copias juntas, o procedimento d'a-
quelle funccionario foi regular, por estar de acor-
do com os principios juridicos; pelo que carece de
fundamento o alludido protesto. Restitna os seis
documentor que vieram annexos ao citado offleio,
como solicita o Sr. consul, a quera reiter j as segu-
rancas de tninha pcrfeita estima e distincta consi
deracai.
2* sectfio.
Acto1 :
0 pre-idente di provincia, a vista do offleio
da Dr. chefe de policia, n 1624 de 18 do corrente,
r>)nlrfl nvonerar do cariro de 2' supplente do sub-
deu'ado do districto de Queimadas, do termo de Pa
r.ellas, o cidadio Joio Theotonio Pereira da Costa,
risto nao ter prestado juramento.
0 presidente da provincia, a vista do offleio
do Dr. chefe de policia, n. 1620 de 15 do corrente,
resolve exonerar, a seu pedido, do cargo de 3 sup-
plente do subdelegado do districto do Riacho de S.
Domingos, do termo de Villa Bella, o cidadio Ma-
noel Alexandre da Silva.
0 presidente da provincia, attendendo aoque
requereu o capltSo Esnesto Vieira d'Araujo, do 3
batalhio de infantaria da guarda nacional d'este
rrunicipio, e a vista do parecer da junta fcstrede,
> dito official irmpa: do scrvlj^activo,
117*094, despendida com os recrutas e desertores
viudos do Brejo, tenho a dizer que, pela infor-
macao da contadoria da thesouraria de fazenda,
esiripta no verso da sobredita conta, veriBcouse
que a despeza de que se trata e de 116*380, e nao
de 117*094, como foi calculado, e bem assim que
a referida conta, involvendo despezas de dous
exercicios, so pode ser paga a quantia de 774280,
pertencente ao exercicio corrente, e nio a de
39*100, do exercicio de 1872-1873, por falta de
credito : convindo, para que isso tenha lugar, que
a dita conta seja substituida por outra, em que se
extremem os vonciraentos a pagar, conforme os
exercicios a que correspondera : segundogexige o
inspector daquella thesouraria em officio de 13 do
andante, sob n. 135 seria E.
Ao juiz de direito de Caruan'i. Transmitlo
a V. S, para os devidos fins, copia do acordao do
tribunal da relacao do districto, decidindo o con*
Dicto de jurisdicao havido entre os juizes munici-
paes de Caruarii e S. Bento.
Ao promoter publico do Bom Conselho.
Informe vine, circumstanciadamente sobre o que
trata o juiz municipal supplente em exercicio dessa
termo era officio, junto em original, de 19 de julho
proximo passado, que devolvera com sua irafor-
magao.
Ao commandante do corpo de policia. De-
volvo a Vmc. o processo jnnto, do cabo Policarpo
Rarbosa da Silva, afim de que tenha cumpriniento
a decisao do conselho de julgamento.
Ao mesmo. Tiansmitto a Vmc, paraos de-
vidos fins, o officio em orignal, que ao Dr. chefe
de policia dirigio o delegado do Itambe, relativa-
mente ao facto de insubordinacao das pracas de-se
corpo, alii destacadas, e bem assim os autos de per-
guntas, que a respeito foram feitas.
3.' secguo.
Actos .
0 presidente da provincia resolve exonerar
Joaquim Ramos da Silva Moreira do cargo de es-
crivao da collectoria do municipio do Brejo, por
nao ter prestado juramento e tornado posse do re-
ferido cargo.
0 presidente da provincia resolve nomear
Manoel Tavares de Oliveira Bastos para o cargo
de escrivao da collectoria provincial do municipio
do Brejo.
0 presidente da provincia, attendendo a in-
formacao do inspector da thesouraria de fazenda,
datada de 16 do corrente sob n. 221, serie E, re-
solve abrir, sob sua responsabilidade, o credito de
200* a verba soccorros publicos do ministerio
do imperio, para occorrer aos indigentes accom-
mettioos da variola no termo do Cabo, na confor-
midade do decreto de 1 de fevcreiro de 1862
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico a V. S. para os devidos fins, que a 11
do corrente entrou o bacharel Francisco G'ames
Pinto de Campos, iuiz substitute da 1* vara civel
do termo de Pao d'Alho, no gozo da licenca que
Hie foi concedida por esta presidencia.
Ao mesmo. Comraunico a V. S., para os
devidos fins, que a 8 do corrente entrou o bacha-
rel Ansterliano Correia de Crasto, juiz de direito
interino da comarca de Limoeiio, no gozo da li-
cenca de 90 dias que lhe foi concedida pelo pre-
sidente da relacao,
Ao raescDO. Communico a V. S., para 03
devilos fins, que a 9 do corrente assunwo o ba
chare! Joaquim Francisco de Arruda o cargo da
vara de direito da comarca de Serinhaem, como
2* substituto.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que a 1 do corrente reassumio o ba-
charel Manoel Lopes da Cunha Maciel o exercicio
do cargo de juiz municipal e de orphaos do termo
de Garanhuas.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar ao capitao
Firmino Pompeo de Mello Falcao a importancia
consume dos prets inclusos, relativa aos venci-
mentos das pracas do batalhao n. 39 da guarda
nacional destacadas na villa do Cabo durante o
raez de agosto ultimo, c bem assim a da conta de
forneeimento d'agua e luz para o quartel do men-
cionado destacamento, segundo solicitou o com-
mandante superior em sea offleie de II do cor-
rente.
- Ao mesmo. Transmitto a V. S., para os
fins eonvenientes, o incluso pret especial em du-
plicate, tirando a gratiflcacao de voluntario para
o 1' sargento Jose Jeronvmo de Carvalho que nao
lhe foi paga, eonforme aeclarou me o brigadeiro
comaiandaate das armas cm efficio de !>' 4V1 tor-
ren* sob n. 926.
-f Ao mesmo. Transmitto a]V. S., para os
tins eonvenientes, a inclusa copia da portaria des-
ita pela qual resolvi abrir, sob minna respon-
idade, o credito de 200* a "verba soc-orros
do~ ministerio do imperio, afim de oc-
r aos indigentes accommeltidos da variola
jrmo do Cabo.
- Ao mesmo. Na conformidade do que so-
licitou o commandante superior do Brejo, em offl-
eio de 7 do corrente, laande V. S. pagar a quem
se nibstrar competentemente antorisalo, a quan-
tia fljnstante dos prets que inclusos remetto rela-
tiva-kos vonciraentos das pracas destacadas na-
quefla villa durante o niez de agosto ultimo.
Ao mesmo. Attendendo a sua informacao
de 25 de agosto ultimo, sob n. 959 serie D, e a da
illuslrissima camara municipal de 15 do corrente
acerea dos terrenos de marinha occupados por
Antonio Pinto de Barros, sites no lugar Caboco na
fregiezia do P050 da Panella, e aos quaes so refe-
re 0 capitao do norto em seu olflcio de 16 daquel-
le toriat dos ditos terrenos para reconhecer-se a sua
natureza e ser delles lane-ado e detento 0 individuo,
se, wrificado 0 doninio da fazenda nio suje'.tar-se
a tomal-os por aforamento, excluidos os que de-
vem ser reervados para logradouro publico e que
come taes sao inaforaveis
I Ao mesmo. Dou solucao a reprcsen'-aeao
do ctutador dessa thesouraria que veio annexa ao
seu eolcio de hontem datado sob n. 226 serie E,
declarando que a mobilia de jacaranda a que al
lude, foi mandada fornecer a secretaria do com-
mando das armas, em virtude de ordem do minis-
terio da guerra expressa no aviso de 29 de maio
ultimo junto por copia, pelo que mande V. S. pa-
gar a Antonio Fonceca e Silva a vista do conhe-
cimento em duplicata que incluso devolvo, a quan-
tia de 900* por que vendeu elle a dita mobilia ao
director do arsenal de guerra para ter aquelle des-
tino.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Inteirado de quanto expoe V. S. era seu officio de
12 do corrente sob n. 392, relativaraente ao cs-
crivao da collectoria do municipio do Brejo Joa
quim Ramos da Silva Moreira, tenho a dizer que
nesta data exonerei-o desse cargo, por nao ter
prestado juramento e entrado era exercicio, e
bem assim nomeei Manoel Tavares de Oliveira Bas-
tos tara substituil-o ; 0 que communico a V. S.
para seu conhecimento e devidos fins.
Ao mesmo. Annuiodo ao que solicitou 0
0 Dr. chefe de policia em officio de 21 de agosto
ultimo sob n. 1.476 a que se refere sua informa-
cao le 13 do corrente n. 398, autortso V. S. a
inandar fazer pela collectoria do municipio de Bom
Jardlm 0 fo.-necimento para 0 sastento dos pre-
sos pobres da respectiva cadeia.
Ao mesmo. Em resposta ao seu officio de
12 do corrente sab n. 395, acerea da nomeacao de
cobnodor para a collectoria do mnnicipio de Igua-
rai, tenho a dizer a V. S que proponha pessoa
iKa afim de ter lugar a dita nomeacao.
4.' secq&o.
Offieios :
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Autoriso V. S. nos termos de sua informacao
proceder as necessarias vistorias nos terrenos de
marinha sitos no lugarCabocoda fregaezia do
Poco da Panella, afim de que, reconhecida a sua
natureza, seja d'ellis lane,ado 0 detentor indeVldo,
si, verificado 0 dominio da fazenda, nao sujeitar-
sc a tomal-os por aforamento, excluidos os luga-
res reservados para logradouro publico, que como
taes sAo inaforaveis.
2.' tecqao.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc. 0 Sr. pre-
sidente da provincia manda coramunicar a V. S.
que nesta data' expedio ordem a thesouraria pro-
vincial, no sentido de ser feito pela collectoria de
Bora Jardira 0 forneeimento para 0 sustento dos
presos pobres da respectiva cadeia, conforme soli-
citou cm seu officio de 21 de agosto ultimo sob
n. 1476.
Ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que, de confonnida-
do com as suas propostas em offlcios ns. 1620
e 1623, de 15 do corrente, foram exoaerados, a
seu pedido, do cargo de 3." supplente do subde-
legado do districto do Riacho de S. Domingos 0
cididao Manoel Alexandre da Silva, e do de 1."
supplente do de Gamelleira 0 cidadao Thomaz
Alexandre de Carvalho.-'
Ao mesmo.-De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, transmitto a V. S. os titulos
juntos de nomeacao do subdelegado do districto
de Cruangy, do subdelegado do districto de S. Be-
nedicto e da resoeetivo 2.* supplente, e finalmente
do subdelegado do districto de Queimadas e dos
respecti'vos 2." e 3.' supplentes, de conformidade
com as propostas de V. s. em officios ns. 1624 e
1625, de 15 do corrente.
Ao commandante superior do Recife.0
Exm Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., para os devidos fins, que por portaria
desta date, e segundo seu officio n. 693 de 10 do
corrente, foi iransferido para 0 servico da reser-
va, ficando aggregado ao 3. b telhao respectivo,
0 capitao do 3.* de infantaria da guarda nacional
sob 0 seu commando superior, Ernesto Vieira de
Araujo.
4' secgao.
Officio :
Ao Dr. director geral interino da instruccao pu-
blica.Deordera do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, communico a V. S., para seu conhecimento e fins
eonvenientes, que nesta data se mandoupdr em li-
berdade o* recruta Antonio Francisco Gomes, a
que allude 0 seu officio de hoje datado sob n.
282.
DESPACHOS DA PRSIDENDECIA DE 27 DE NOVEM-
BRO DE 1873.
Abaixo assignados, propietarios e residentes na
freguezia de Timbadb i. Aguardem os supplican-
tes a decisao da assemblea legislativa provincial,
a cujo conhecimento sera submettida a matcria
constante desta represenlacao.
Alexandre Jose da Sliva Alves.Indeferido.
Antonio Heraclio da Silva Paula.Infarme e
Sr. Dr. chefe de policia, ouvindo o subdelegado do
S. Caetano da Raposa.
Francisco de Figueiroa Faria.Passe portaria
concedendo a licenca 'pedida, na forma da lei, a
de 12 do corrente sob n. 560, a mandar admittir eontar*> dia l. de outubro proximo pas?ado.
bos collegios de orphaos, quando houver vagas,
os menores Antonio, Manoel o Maria sobrinhos de
AuWMfci Maria da Silva e de que tratam as certi-
does juntas.
Portarias :
A' Illm. camara municipal doJRecife.Remet-
to a Illm. camara municipal da Recife os inclusos
papeis do coronel Agostinho Bezerra da Silva Ca-
valcanti, que mc serao devolvidos, afim de que,
ouvido o engenhciro cordeador, me informe essa
Illm. camara sobre a contradic;ao que se note no
parecer desse empregado, confroniando-o cem o
que dcu na qualidade de agrimensor dos terrenos
de marinha.
A' camara municipal da villa de Flores.
Communicando-me o inspector da thesouraria de
fazenda em officio de 15 do corrente, haver remet
tido ao presidente da camara municipal da villa
de Flores nma tabella explicativa dos padrOes de
pesos e medidas do systema metrico decimal, as-
sim o declaro a mesma camara para seu conhe-
cimento e fins eonvenientes.
5" seccao.
Offlcios :
Ao presidente da junta de emancipacao dc
escravos do municipio de Goyanna.Em re3po3ta
a sua consulta em officio de 12 do corrente, tenho
a diier a Vmc. que, quanto ao primeiro ponto,
devem ser computados na disposicao do art. 32
1 os escravos alforriados com quaesquer con-
dicoes : e quanto ao 2., que sao livres e como
taes devem sei considerados os filhos das escra-
vas alforriadas com a clausula de servicos du-
rante certo espaco de tempo, de conformidade com
a expressa doutrina do aviso de 22 de setembro
de 1857, qne declarou perfeite a liberdade com
o onus de servico por algum tempo.
A' do municipio do Bonito.A approvacao
pelo poder corapetenle do desmerabramento do
territ rio de um municipio para outro sd e ne^s-
saria aos actos politicos e nunca aos civu ; por
isso procedeu regolarmente a junta emancipadora
de Agaa-Prete, fazendo a classificacao dos escra-
vos residentes naquella parte do districto de Ver-
de, que flcou pertencendo ao districto do Mon
tes. Nao marcando o regulamento vembro de 1872 emolumento algura ao^ escrivaes
de juiz de paz, pelo seu trabalho nas juntas eraan-
cipadoras, nenhuma gratiflcacao compete ao que
serve perante a junta desse municipio. E' o que
tenho a dizer a Vmc, em resposta a sua consulta
de 3 do corrente.
Portarias :
. Os Srs. agentes da companhia de navegacao
bra conta do ministerio dajustica, a Jose Joaquim de
Andrade, que, tendo concluido o tempo de sua
sentenca no presidio de Fernando de Noronha, re-
gressa para a provincia de Minas-Geraes, d'onde e
natural.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar passagem para a provincia do Ceara,
Sor conta da mesma, a Francisco Leonardo da
osta e Jacintho Pereira de Mattos, os quaes d'alli
vieram por ordem da relacSo desta provincia ; o
primeiro comodetenter do segundo.
EXPEDIENTB DO SBCRETARIO
/.* teccao.
Offlcios :
Ao brigadeiro commandante das armas.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. Exc, para seu conhecimento, que
por despacho de hojeconceden 15 dias para provar
isencao legal ao reeruta Manoel Jose Olympio Bap-
tista.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
Srt.vincia manda declarar a V. Exc. que nesta
ata se remetteu ao arsenal de guerra, afim de
ser salisfeito, o pedido que veio annexo ao seu
officio de 15 do corrente sob n. 925.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda communicar a V. Exe., que nesta
data remetteu a thesouraria de fazend3, para os
fins eonvenientes, o pret especial em duplicata,
que veio annexo ao seu officio de 15 deste mez
sob n. 926.
Ao capitao do porto. S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. que,
a vista das informacSes da thesouraria de fazenda
e da camara municipal desta cidade, acerea da
materia do sea offleio de 16 de agosto ultimo, au-
torison nosta data aquella theeouraiir a man'
clo n. 15 de Serinhaem, Bazilio G lines Pereira Mo-
drigues.
De 19, transferindo para a reserva, ficand) ag-
gregado ao 2 bitalhlo" della, o Sr. capitao do 8
batalhao de infantaria, Joao Francisco. Hemeterio
Portella, que fora inspeccionado e julgado incapaz
do servico activo.
De 20, mindando ajgregar o Sr. eapitao do I"
batalhao do servico da reserva da guarda nacio lal
da provincia do Ceara, Firmiao Candido de Fi-
gueiredo, ao 3* batalhao desse servico, desta ca-
pital.
E de 26, mandando dar guia de passagem, nos
termos do art. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de
marco de 1853, para o municipio de Olinda, ao Sr.
alferes do 8' batalhao de infantaria, Antonio de Al-
buquerque Pa^s Barreto.
Outro sim. declaro para os dm eonvenientes.
que no dia 18 do andante mez, re entrou no exer
cicio do commando do 8* batalhao, que iaterrotn-
pera por motive de molestia, o Sr. teneule-coro-
nel Francisco Antonio t'ereira da Silva.
Acha-se de servico durante o mez de dezembro
viudouro o Sr. capitao ajudante dc or Jens interi-
no, Manoel da Silva Faria.
Rudolph o Joao Ra rata de Almeida,
Coronel commandante superior interino.
EXTERIOR.
Fielden Brothers. Deferido com offleio desta
data a thesouraria provincial.
Felix Pacheco U* Menezes Certifique.
Francisca Maria da Conceicao. -0 marido da
suppli ante, Joao'Percira Damceno, ja foi posto em
liberdade.
Isabel Maria Brandao. Requeira a suppMcante
ao governo imperial.
Joao dos Santos Ferreira Barros e Galdino Jose
Pires Campello.Informe o Sr. director das obra3
publicas.
Jose Fernandes Monteiro.Deferido com offleio
desta data a thesouraria de fazenda.
Joaquim Tiburcio Falcao.Informe o Sr. briga-
deiro commandante das armas.
Jose Ricardo Coelho Junior.Nao sendoosup-
plicante quem fez a offerta com a exclusio de ex:
trahir barro do silio dos Remedios, Jpertencente a
fazenda provincial, e sim o seu competidor, se-
gundo informacao da thesouraria provincial, nao
tem lugar o que requer.
Manoel Antonio de Jesus. Nesta data solicita-
se do governo imperial o necessario credito para
pagamente do supplicante.
Mariana Athanazia Moreira. Satisfaca a exi-
gencia da thesouraria.
Manoel Vieira Bernardo. Entregue-se, era ter-
mos.
Manoel Francisco Alves.Indeferido, a vista da
informacao do brigadeiro commandante das armas.
Manoel Soares do Amaral.Informe o Br. ins-
pector da thesouraria provincial.
Pedro Ferreira dos Santos.Indeferido.
Dr. Praxedes Gomes deSouza Pitanga.J-Sim,
pagos os direitos provinciaes.
Severiano Vieira da Paz.Indeferido.
- 28
Anna Bezerra Cavalcante da Silva Costa.Inde-
ferido, em vista da informacao da directoria da
instruccao publica.
Francisca Seraphica de Assis Carvalho. Passe
portaria na forma requerida.
Joaqnim Elias de Carvalho MouraInforme o
Sr. engenheiro das obras militares.
Jos6 Macario dos Prazeres.Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Jose Francisco de Menezes Amorim.Encami-
nhe-se.
Maria dc Carmo.Entregue-se, em termos.
Raymundo Rodiigues dos Santos.Concedo 30
dias, com vencimentos na forma da lei.
Thomaz de Carvalho Soares Brandao Sobrinho.
Informe o Sr. director das obras publicas.
William Otto e Guilherme Nayle.Concedo.
29
Angelo da Costa Mello Rosal.Passe portaria,
concedendo a licenca pedida nos termos da lei.
Antonio Victor de Sa Barreto. -Deferido, com
offleio desta date dirigido ao Sr. inspector da tne-
souraria provincial.
Florencio Domingues da Silva.-Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Florinda Maria dos Anjos. -Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Joaquim Pereira da Silva.Passe portaria, con-
cedendo a licenca requerida.
Justino Jose de Souza Campos,Deierido com
offleio deste data ao Sr. inspector da thesooraria
provincial.
Joaquim Cavalcante de Albuquerque.Passe
portaria na fdrma requerida.
Joaquina Maria do Espirito Santo.Indeferido.
Joaquim Tranquilino de Lemos Duarte.Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial.
Tehente coronel Jose de Moraes Gomes Ferreira.
- Informe o Sr. inspector da thesouraria provin-
cial.
Bacharel Manoel Annes Jacome Pires.-Passe
portaria, concedendo a licenca pedida.
4 omiiiauilo superior.
QUARTEL DO C0MS1AXD0. SUPERIOR INTERINO DA
GUARDA NACIO.NAJ. DO MUNICIPIO DO RECIFE,
29 DE NOVEMBRO DK 1873.
Ordem do dia n. 137.
Para que teniiarn a devida execucao, publico. os
seguintes acto* do Exm. Sr. comapndador presi-
dente da provincia:
De 15 do corrente, mandandfi. aggregar ao i*
bateMo ijo servico d
Corresponitencia do Diario de Per-
nambuco.
BLKXOS-AYRES, 14 DE NOVEMBRO DE 1873-
I
Um dos grandes diarios desta capital a Repu-
Mica, torn publicado ultimamente alguns artigos
discntindo os dous principios governamenlaes, o
hereditario e o electivo, e coraparando as van
tagens e desvautagens de um e de outro princi-
pio, conclne inclinando a preferencia para o he-
reditario, verdade para no* incontestavel, mas
que nos causou sorpreza, por ser escripta em um
orgao republicano, porem, e qne, assim como a
boa arvore raedra em toda e qualquer terra, a
verdade tambem transparece em toda e qualquer
parte, e muitas vazes aquelles que mais della se
afastam, sao os que melhar lhes sabera fazer jus-
tica.
0 mesmo jorn.il, ante-hontem, muite contradi-
toriamente, em um artuo eom a epigraphe -.t
constitnicao brnsileira, ataca a monarchia, critica
principios da nossa sabia constitnicao, a diz que
so poderemos ser uma naijio de africanos, etc.,
etc. Mas, e que para elles aqui, o Brasll, esse
espectro que lhes atetnorisa tanto, por causa da sua
excel lente forma deeoverno, fazsempre a excep-
cio em todos os principios estabel -ciJos e aceitos.
Seja-nos permitttdo conteslar ligeiramento al-
guns dos pontos desse artigo, que mais devem
raerecer a nossa attenclo.
Diz um dos priraeiros periodos :
Nao convem aos interesses do imperio que as
republican visinhas entrem definitivamente na
via do progresso e da prosperidade, porqua o
contagio d i bom exemplo se faria sentir em suas
propnai populates, induzindo-as a adopter a?
mesmas rnstituicJes livres e dospertando a Icm-
branca de independencia que ja se raanifestou
em algomas provincias. Nao o convem, e por isso
ha de dirigir contra as republicas do Prata um
systema de hostilidades mais ou roenos encobcrts.
porem cootinuo, incossante.
0 Brasil, que pos3iie uma das constituicdes mais
iiberaes do raundo inteiro, que felizmente goza
das vantagens do systema hereditario, tao pre-
conisado ultimamente pela propria RepuMiea,
que caminha a pasios agigantados pela via d-
progresso e da civilisacao, poderaos garantir que
nao tem a manor inveja, nem receio do progres-
so e prosperidade da republica Argentina e de
modo nenhum o de-eja impedir,
0 contagio do bom exemplo de uma republics
com f6rma aristocratica em sua propria consti-
tui'.-.ao, governada porum ciur appellidado presi-
dente, como ja di.-se mui sensatamente um jornal
desta cidade, e que vive em continuas agita^oes.
nao tendo forga sufflciente, ja nao diremos para
veneer a Lopez Jordan, mas para bater os indios
que de vez em quando invadem as fronteiras ar-
gantinas, nao pode de certo se fazer senttr na
indolc paciQca e laboriosa da populaglo brasileira,
induzindo-a a trocar as suas iostituigoes gover-
namenlaes pelas deste paiz, porque enteo seria
trocar a liberdade pelo despotismo, a ordem pela
anarchia, a forca pela fraqueza, finalmente o
bom governo pelo mao.
Quando foi que, depois de 1821 se manifestou
em aiguma provincia do iraperio a lerabranca de
independencia ?
Quera assim ignora a historia do Brasil, nao
deve ser tao facil em a.entar proposicftes falsas.
Felizmente nao teraos entre nos Corrientes, Santa *
Fe e Entre Rios, e os brasileiros nao sao camo os
argentinos que gostam de se estrangularem nns
aos outro? continuadamente.
Quando foi que dirigimos contra a republica do
Prate um systema continuo e incessant! de hosti
lidade? Seria, quando viemos liberter o povo
argentino das algemas do tyranoo Rosas ? Seria,
3uando flzemos na Republica Oriental o cenvenio
e 20 de fevereiro para evitarraos o bomb< rdea-
mento da cidade de Montevideo? Seria, quando
aceitamos a allianca das duas nacSes do Praia
para fazermos a guerra do dictedor da Paraguay "
Seria, quando por causa d'essa guerra enriqoe-
cemos a Republica Argentina com o nosso ouro,
e tizemo-la vencedora com as nossas armas ? Nao.
E' porque o aristnerata imperio do Brasil nao
quer coosenlir qne a democratka Republica Ar-
gentina, invocendo o direito de victoria, se aposse.
sem titulos legitimos, do ter ri to rio do uma sua ir-
ma fraca e desvalida. E' qorque nao hayemos a
nem devemos consentir, ainda que para isto seja
necessario derraraar o nosso precioso sangoe, que
ella despoie vergonhosamente para o Paraguay
dos seus ufliraos andrajos de miseria.
Outros diversos periodes do artigo dizem :
a 0 clima da zona torrida nao admitte a emi-
gracao europea, qne 6 a que deve dar vida, rique-
za e poder aos iminensos desertos do contineDte
Sul-Americano....
t A emigracao europea nSo vai ao Brasil por-
3ue o clima a rcieiia, e porque os colonos que se
ingiram para alii tiveram que arreopender-se...*
t 0 que nao se pode remediar sao os ardores.
do sol tropical, que parecem "kaver destinado ex -
clusivamente essa zona para os nossos lrmaos 'do
Congo, para os dessendentes de Cham....
t Qoem sabe se o vasto territorio que coatem (
imperio do Brasil, nao este destinado igoalmentft
a ser o panto de oaegada das nacoes airieanas?
Todas essas amabilidades sao agora dirigidas,
nao ao imperio, nao ao principio monarchico, mas
sim a terra abencoaaa e querida dos brasileiros,
a terra da Santa Cruz.
Dos pobres de espirito a o roiao do. ceo 1
Pois nao sabe a redacoao da Republic^ que & "
Brasil, desde o Araazonas ate aoTfate, ex"-
menta em seu. vasto territorio todos os "" ^n'
riados do inundo ? Pnsa, por -aiuas va-
=,il seja. um podAcito, de ** .^aso, qaeoSii.
Argentina, cujp cii -ra como a Republic*
sur*extn^ r o quasi o mesmo em toda a
Riadefe'"' ignora, que a nassa capital, o
ato>- -eiro e uma cidade de mais de 400,000
- ~>, sendo a niaior parte da populaclo estran-
.geira? Desconhece, que-em S. Paulo, Huns-Ge*
iraes, Rio-Graudc do Sul, e Santa Catha-in-i,.
*%
ec
] WTIUDO
( llffilVEl !


_>jEasu
?feflfc) It Pemambuco Terqa feira 2 de Dezeiubro de 187S.
Smigracao allema tem auginetuado admiravelnv li-
te, ;i panto ds tennos n'estas duas ultimas pro-
vincial rtcas e hiip.trtontes colonias? Na> saba
a dita redaccilo, que o rtslo da raca africana quo
temos, esta quasi loda no interior, cntregue ao
trabalho d a agricullura, licando as nussas mais
importantes cidadc's porraladas por genie brssilei-
ra, portugueza, franco a, allema e ingleza ? Como
entao que diz, com todo o displaata, que a eini-
gca;ao europea *.io va! ao Brasil, qae so poJeinos
ser colonisados pela raca africana ?
A unica explicacab qne eacjntramos para esse
modo dc foliar da Republic*, c o sentimonlo de
ambicao e de inveja que ddacora os argentinas,
srn> so reeordarcm qoe a-i Brasil devem essa prns-
peridade que tern eentrafcsada em Buenos-Ay res.
Ingrafa condicab I Igrata gerrte !
Em eulro pcrfodo 4a artigo It; se :
A monarchic brashcira 6 uina animal no
eontinente aincricano.
Porque ? Sera asomalia a repaWioa da Snissa
no raeio da Suropa monarchiea r Nao, sem It-
vida.
Cada povo tem a liberdade de fazer-so dirigk-
po system* governamental que 6em Ihe apron-
ver. E se 116$, os brasileiros, qacreraos 0 da mo-
narchia hereditaria, porqne sera esta nma ano-
malia no e>tUeente aiuorieano ?
Neste caso, cntao paderiamos tanmem diztr que
a Bepublica Argentina .' anomalia 110 Rio da Praia,
porque descende ella do refna Ic Caste! la e tie
llespauba e por<|ue liivadavia, grano e outros li.-r ellase nrtfClamou, qucriam a forma monarchiea
a nao a republic-ana, pan cirtffiHiirm safiiamente
que so ella poderia hur a fetieidadc do povo desle
continents
0 artigo conchie fallando da ntssa emstiinirao,
dizpndo que nao foi ella -ntjra do povo. mas sun
de um partido, que ella, encerra 0 amalgama dos
dous prmMpros, que nao -e podem errtendor, 0 do
Jrreitc divrno e 0 do direrto popular, sendo f.ir
<;oso que urn prevalent sobre 0 oatro, e final -
inonto que os monarchistas e itristoeratas brasi-
lefrtft bnscnm os mete de prolongar a existencia
de ua fls.-So constitneional com emprezas extc-
riores, com intervencSes nos negocios (Ids p ijzes
vi.-imios, porque, quando se nega a liberdadc a
urn povo, sc pretcnifi! allucina-lo com a gloria
H-almente ha muita tolicc e ignorancia nessas
palavras.
A nossa sabia e tftieral constitui<;a''>, admimda
.He Da cuita Kurcpa, 6 accusada deter-sido obra
de um partido e aie do povn, como se os parti
los nan naacesserN do povo, como sc as maioria>
legi-lativas nao prrtvlesseiB dos partidos, c c-imo
se esSaa mafnfiis ns) fossem as obreiras de todas
as leu de^ qualqs e mstituicao argontiHa, qucm clogs o seu presi-
dente, sfeflio a maloria dealgum partido, rcprcsen-
(ante doj>ovo *
A coDstitui.-ao brasiloira diz qflfrb soberano e
irnperador por gr.ica de D^is, coitlb u:;i preilo
ri lul'i a n js S.mt 1 H^Jiaiao, di inesm.i inod.i
porque se iovoca-o Home da Saiiiissima Trindade
11 os tr.iladis iRi'Tflaeionaes,
Mas, so a rcla^'i da kefiSilirA enc.na esta
formats enmo pulrtica, cntao dirnmo-, quo a con-
.li;i;.i'i d >s duns prineipiu-;, 0 do direilo papular, e a base das monarehias
con-titocionaes como a da Ingla'erra e a da Bel-
l';.-.i. Um art ;cipio MTve de esteio a 1 outro, e,
sent haver cbvqae eMra ajlas, como ate ag ira na
tem liavido, caininna desassombiadameoie no nmo
I js p !V s 0 vysieiua 111 marcbico coiirtilucioual,
i.ii I i-w ilas 'jiivulsij''s da ultra li bur Jade e cha-
in. l> duregimen republican i, que hoje como
h intciii e amanhi enceira em si a desgraca de
loia 11 qualquer nariio, que le.11 a loucura dc se
governar por eUe.
ijit'-re 11 um exemplo, a!ii taem a Franr.!, quo
a inesiriiB s.; prxpara para rcjeiiar ainua nmo
va a firiM* republicaqa".
M, lirasile ro-, pjrqie enlrc nis todos sao
iguaes, e b:io lia uiinarciiisias e arisiocr.itas,
uanca peiisaraiii em emprozas exienores, senio
paia viugareiH a soa b mra ultraja la, 0 que sem-
pre c-iiisegiiira n, nio s-.nlia'H so pier, cm iaftei-
vir nos aegoekfci | paiie^ visi 1110s, qua p 1 si
mestn 1 -c jKacojaw : 0 que, pore ajuraui e
exigent, e o respwlii a (pie teem direilo. >' que
Uina repu-bliqucia quai pur na 1 pivlenla humi-
1 ha los peranie as naeyes civilisalas, couseguindo
apossar-se de um patz vencido, com 0 fill) oc-
cult 1, poreia, sabido, de aiaw tarde nos poder
lazer inaL
Ms Urasiieiros iiueceru smiente que os sens
visiulioa vivam en-ammlialos pclas regras da
raza > e da justica, para c|ue no futuro nao te-
nbam d; lur.tr com elles pela falla dessas regras,
quo s.'iupre devem exislir na vida dos povos-
ooau lei invarijvcl do tjdas as rulacoes inlcrna-
sioaaea.
>e fosse oulra a politica dos brasileiros, enla 1
tcriainoe aproveitado 0 desejo que tiuba Solano
l.opez. antes da gucrra, de estabelecer, por meio
i.i cenquisU, unia naaarchta no io da I'rata e na
Bolivia, da quail ejle I isseo cbefe, e, protegendo-o,
cm vez de natrlo, hoje cstaria isto consumado.
tittiio mais i! is dcveriainos alongar para bem
co.it' si ir esse artigo, mas em uma corresp mden-
cia wm esta u.ii e po-sivd faze lo ; e, portanto,
- .ii-l i,:.':iio n is c 1:11 cstas ligeiras Cicisidcragojs,
lillias wiwuite di iiossj arrelgado pariotismo.
Os di it, -is d 1 sen tail passida annunciaiMin
M te sc rc,iiis)..ic:i L)iilc;s 0 cinp.-csti.i) 1 do dez
million d' ;i iMius, d i| 1,! i) Sr. A^'uirra se
ac wva encirreg"iii, q 1: lorn, pir obj-j';t > appli-
car-sc a obras jiulilicas d 1 cidado de BuenosAyres.
O i->\.r.-s:i 111 fn i;iu ,;j.n a casi It irntg & C,
'CJtalo a 91 0/J.
Cr.n ares do impirUacia dea ini jonnl ul-
linamcute a seguini-; n iticia :
0 general Mitre, 0 Dr Al-ini e a Dr. Avella
ue la s.; reuniram na cis.i do prcsidenie da repu-
hlica para ciitgar a u k a-orio settre c;.ndid nu-
ras.
D.;p iis do u:na Ur#& discitisao, onveaciaaa-
ram o ser'uinte p into :
k o Br. It :\v-oa sera pcesidente a > proxim 1
perio lo, p ir ilecisS < u-iauim s dos Drs. Av I Ian Ida
-. Alsina e do general Mitre.
Isto, pore 11, nio tem fuudi neato algum, e foi
desmeutit-j sem demura por outros joniaes, quo
uisseram ser tal noticia um ctnanl para divortir
0 publico.
A qaestiio Wilde parece-nos quo esta con-
cluida, por ter 0 governo da provincia resolvido
aoeitar a raaancia di Br. Eluardo Wilde, quo na
msistencia que fez, declarou ser a soa presenca
na faculdade incjinpativel com 0 director Dr.
iturrios.
Outras medidas acertadis foram igualmeii'c lo-
madas pelo governo com relagao a essa questao.
(; msta-nos que o? estudantes dcram-se por s-
i;-feitos com seiuelbante resolujao.
0 seaador Or.mo, au-cnte agora desta capi-
tal, foi citado por editacs para comparecer no es-
paco de 9 dias, peraote o juiz federal de Buetns-
Ayiet alim de depor na causa quo segue sobre
sedicao e robelliao.
Biz uma follia que ha sem duvida em tal modo
de proceder 0 proposito de forir lastimosamente a
um membro coaspicuodo senalo, a um cavalheiro
di-tincio, a um porsienagem politico, cuja flgura
nao passa desapereebida na republR.a.
E nos accresceatamo* quo ha aele modo de
proceder para corn 0 senador Oroan uma vingan-
c 1 do presidente da republica e nada mais.
Sao as grandes vautagens do systenea electivo !
Sao os bollos effeitis dos governos que so dizem
ultrahberaes!
Foi resolvido j*elo .presideate da repnblica
que se lurme um euadelho de guerra ao ommaa-
dante da guarnicao de La Baz-, Bicardo llendez.
que dizem ter fugido vergonhosamente daquella
cidade por occasiao da ultimo f ito de armas que
alUileve luar. e cujas eoasoquencias foram con
trarias as forcis nacioaaes.
No dia 10, as 5 horas da 1arde, se maaifestou
ineendio em uoia perfomaria, situada. na rua da
Biedade, outre as de Cerrito e LiSordade,
0 fogo foi aba/ado, depoin de produzir algum
estragp, bavendo-a lamealar-se ama victiraa e fei
uma rauiher ja ido*sa que (icou jirena das chammas
e morreu depots per causa das barriveis queiraa-
duraj que teve em tedo 0 corpo.
Ba revo.ucao da Entre Bios eaosta que a
exercito deX'jpez iorlan, que ja eaata mais de
8,00) himeos, depois da victoria de La Par, nao
tem.paradeiro fixo, e se prepara para atacar ou-
tr^.ppntn importante.
Ogoveruo rijeeia que seja a provincia de Santa
Fe e por isto orjenou quo tolas as tropas do in-
terior so diriginera para alii immediatameate.
-Do Estad. Oriental temos data*-ate haatenx
?oi noncad) 0 miniitro da relacojs exw-
noresaarasubstituir.ao Sr. Aurelio iJ;rro .na
oofflavssaa do empresjimo.
OSr. cMiselheiro'Araufo Go.udim, ex-minis-
tro do.Brasil junto ao governo Oriental, apre-pn
toa ao pre iJeateda rcpobliea a sua cr|a revo-
gatoria e acreclitou como encarregado da negocios
interiao ao seerelario da legagao o Sr. Almeida
Vasconcfcllos.
' Wo dia 8 pela manna occorreu urn successo
lament ivel no caminba da forro
guay.
Eiscoma o ralau 0 Telegiapko Uiritim :
Vinh do interior 0 trem quo cjrrcgava h>iro
para a via fertea, trazia uas i'J trabalnaJaros c a
uma distincia de C leg^uas d'a jui, 0 dilo trem tro-
pecpu cm um obstarulo de pedras e madeiras pas-
tas intencionilmente sobre os trilhos, causaado es-
te imperdoawl damnoo descarrilhameulo dos wa-
goal, que como vinham para balistrem traziam
as portas aberUs, e com a forca do descarril \-
menlo foram lanciJas fora com rapidez tolas as
pessoas quo riaham nos wagoas. Sabe se ao cer-
Vt que as mcnoTfidesgraras que temos a lamcn-
tai sao 5 nurtes c 13 farimaatos.
III
Bj Paraguay as ultinns datas sao de 7 do cor-
rente.
DesvaMciam se os rccetos de nova revolu-
cao, por julgr.r se que os autores delta desejavam
chegar a um accordo com 0 governo do Sr. Jovel-
lanos, sen4o 0 uaico enbtraca que encontravam 0
ministro da guerra Perreir*. quo e candidmo ;i
presideucia, com mira detornar se mais tarde dic-
tator, eassim desieja quer lulo sub.ugar a sua
vontade.
Acerca da questao dc limiies, disse a Repu
blica, da Assmnpc.io, que cironloa naquella cida-
do a noticia de que 0 governo argentino passou
uma uota ao presidente da rep iblica, em qie par-
ticipa nio haver aceilado os tratados ad referen-
dum, que fez 0 general Mitre.
No inesmo sentido le-se 0 seguinte do Impartial,
periodico gnveratsta.
:< Dizem que a negicincao Mitre com 0 Para-
guay, qua havia ficidosnspensa, esta rompi la.
BmSora uio .*eja isto um verd.tieiro rompi-
raento interaaoieaai, comtudo lameutatnos 0 suc-
cesso.
Deos sibe se disto two resaltara a guerra en-
iro 0 Brasil e 0 Paraguay contra a Bcptiblica Ar-
gentina.
Neste caso extremo Entre Bios se unira ao
Paraguay e ao Brasil, sogundo se diz.
IV
Das republican do Pacifio nenhuma noticia nos
consta digna de meucao.
Cmtraldi Ura Transportavam se a regioos tvat itas, wlranivs, quo mais on mm is 0 public 1 osla erlet'ido pel is
INTERIOR.
RIO MM: J tMMIO
CAftTAS DE UM VKItDADEIRO LIBiRAI. SOBUF.
AS ORDENS RF.MGIOSAS.
CABTA IV.
Amigo. Trataroi agora do ponto principal da
questao que nos occupa. Avaliarei quaes os ser-
vicos quo as or.leas monasticas tem prestado e po--
sam prcstar ; e depois apreciarei os tuconveniea-
lea que dellas acaso seja dado tomer.
Aqot, te snpplico ergas 0 espirito a regiojs cle-
vadas; encares a questao na lia altuta, se.n a
mi.-turaros com miserias aoaix uialas, nam perso-
nalidades descabidas. E se a imp ircialiJade te
pormitte ossa disposicab do animo, pondera 0 que
se tem dito, escripto e p/ovado, cm tal raateria.
Pregar d nitrinas, instruir, :!i)Jitar, caatar lou-
vores ao Aliissimo, ervir aos pr prios irmaos, at-
tender aos diversos mysteres da protis-ao, ja tudo
isso 6 nai genera do vida mais I ihonoso qua 0 da
maioria dos centres que 0 desapprjvam
A mor parle daS'ordens religiosas foram insti-
tuidas p >r motivos dc utilidaJe pulilica, e n is va-
rios seculos orestaram realmcnte os servicos que
I lies eram impostos.
Os reliqiosos hospitalarios, os destinados as mis-
sites os famosos por sa^edoria,.os religiosos da re-
danipgao dos csrravos, os qtw sc applicant a ins-
trti"cai, as quo auxiliam os past ires nos lucres
nude o clcro e pouco numeroso, sera) acaso inuli-
lidad-.- f
II ispitie<. casas de correccao. a-ylo do velhos e
orp'iit is, oollegios e somlnari ts, sai sobretu lo cons-
lante e utilmeute servidos por honens que vivem
cm commnni lade e animalus d> impulso da cari-
d.idc e d 1 religiai.
Q>i.il tem side a missito dis fradas ? Diversa, sc-
gnn 1> os seculos, as ideas, e as nc'essidales, tan
to da religia 1 como da pebtiea.
Na primitiva, ts.-naram os ascelas S. J tao Btp
lista por m ulclo, e ainda inocularam nas'ordens,
depois de creadas, a regra contemplativa. Esses
sblilarios levavant a vida a COQfafW a fi, cujas
obras praticavam com hafoiHy zclo. Viviani na
inaioi pobrcz'i 0 perpetua continencia Jcjuns ri-
gttrosos, 1-ingas vigilias, mortilicacoes austeras, lei-
tura, orajao, trabalbu.
Esta ascatismo, moraiante nos vcibos tempos
em quo prevaleceu, contribuio poderosamente pa-
ra lixacao dos principios da lei da graca. Teulia
elle a suburdiuar a uatureza ao espirin, vanceado
o cgoismo c as paixoes; debihuva ai ni.is tenden-
cias animaes ; gerava a voutado energica, por
meio da privacao de todas as commoJidades ordi-
darias; e em seguida exaltando so a um grao su-
perior, com a mortitica;ao da came, ja entao su
bia facilmente as grandes alturas f spirituacs;
pralicava a liumildade, reprimia oanitr proprio, o
orgulho, as paixSes que d'alii denvam. a ira, a ma
lelirencia, a calumnia, acoitand i as posicoes mais
rasteiius, submeltendo-se nao so aos superiores
mas a is proprios iguaes, supportaudo padtenle1
mente injurias e ultrajes.
A leitura das escripturas sagridas, do; livros
edilicantes, meditaeio, contemplaclo, assidua pre-
ce, frequeules exames lb coasciencia, zdlo ua de-
leza da Jnstica c da inoocencia, tado isso aproxi-
mava 0 liomcm da perfeicab 0 se compen liava nos
doas grandes amores, de Deus e do proximo.
N":i) foram^ inuteis, nio, estes tvpos do piedade
cltrista. Nao se ocenpando scnao da Deus e dos
sens irmaos, no curso d 1 sua tcrrestre carreira,
ale. quandd em idade avaucada cessavam de ope-
rar a fallar, a sua vida era ainda activa e fecuoda,
pelo exemplo que davam, pell resp;ito que infun
diam, pela aimospbera divina quo os circum-
lava.
Depuis dtsso, por mil 1110 los aprovoita>ara os
convcatos a sociodade, em cujo seio se erguiam,
e isto tanto na ordem tempir.il cimi na espiri-
lilal.
Muitosmosteii-03 ropresentam padroes de gloria;
nao sao pedras alterusas, nao; sao p iginas de o'i-
ro nas bistorias dos povos; demoli-las, mudar-
Ihos 0 deslino, seria ama nacao rasgar seus mais
brilhant-s pergaminhos nobiliarios.
As igrejas de ca la uma dessas casas estavam sem
pre abertas aos fieis. Todos osolucios do cullo divt-
nu ahi se celebravam com poiipi ou'com decencia
0 grande numero do membros da ordem permitlia
aba a todos os sagrados mysteres se applicassem
sem desfalquo para snas occupacocs. A tao dese-
javcl e iraporUnte uniformidade da liturgi.i assim
se alcancava naturabneute, purque 0 nuvitj) de 18
annos era companbeiro do anciao de 9), qus tarn-
bem aos 18 fora nivico, e assim fora reeebendo e
iraasmittiiido a tradicao viva.
Todos os dias os cbrisUos alii encontravam aban-
dantemmte quern Ihe administ.-asse a petineneia
e a commnnhao; quem os diutrinasse no cathe-
cismo ; quern os eucaminhasse do alto da cadeira
sagrada.
Djs claustros sahiam esc3 heroicos bureis e es-
lamenha, ou por impulso nativo, ou por obediea-
cia humildc, a catech sar, em regioes longinquas,
homens desconheeidos, mas hnmens.
Depois eram os filhas de S. Joii do Deus, ins'.i-
tuindo a ordem da caridade, por excellen'.ia ; os
Cimillossustendo a vela namao do moribundo, c
recolhendolho o ultimo saspiro; oatras, cujo
mister era levar 0 jantar e o c inforto a presos,
sem perguntar se innocentes ou facinorosos, ou-
tros buscando abrir a porta do pariizo a as nil-
miaados da justica humana, e aeomoinhan-io-oj
ate os degraos da forca.
Sob essas veaerahdas abnhidas se preparavani
os maiores theologos, philosophos, sahios, littera-
tos e sradores. E pot quanta especialmente ahi
secursa/am as scieacias ecclesiasti.-as. era esse
um natural viveiro de minutr-ts do culto.em todas
as jerarchia? ; 0 spiscopado sobretudo alii reeru-
tavaoseus primeiros ornamento;, os satis mais
dignos membros. Em Mdos os lugares oada os
parochos a.io po iiam satiafxzer a seus devercs, 0
JVado se eonsideron seu coadjutor espontanea-
raente.
Aigumasdes.*as congregacoos possuiam terras;
ounea houve quem melltor as arroteasse, quem
corao cllas traaafarmasse solos ineultos em mosses
produetivas ; qaem assim desse exemplo util aos
proprietzrios roraes, trabalho e alimento aos seus
operarios pobres. Accresee qua d'esses prodactos
agricolas resultaram vantagens. quo eram desti-
nadas a obras graadiosas, as necessidades do cul-
iiumigis, selva^jft*. C en a palavra, 0 <:xempla, o-
suor,o sangue.mtl'vbzcs inns quo 0 sildadu con
a eapada; ftsleadiani .1 religiaj, cateclMs.tv.Twi u tvs
0 pivos, tra;.um-nos para o gceati > da civilisica):
ou iH'.ftyres, quasi sa.upra heroicauante ddfei'
nheoi'fos, pagavarn com a vida sua dodicacio a
haaianidade.
Fm todas as casas religiosas se en-imva a mo-
eidade, ou na moral, oa aas disiiplmas print arias,
sec indarias e ate superiores, seado esse ensino
gratuito, desvelado, excellente ; assim se prepara-
vani para ser distiaetas servidores do estado mi
lliares de homens, que sem esse atxilio iioaveram
jazido emobsenridadc. A engenhosa caridade do;
Trades nao peaiiava moias de lazer junear de flo
res 0 eaainiho da iastruec.i >; o aluitno achava
nos claustros a direcpio amiga, a educjyjao illus
trada, 0 ensino ainsao, 0 livro gratuito.
A'quella estaila da al na, quanta* esmolas de
cuiisolacao, deoaselho, de aiupa-o, de valimeoiJ,
a*) junlavain s moages ? E tamttem os soccor
ro aos eavergenlwlo*, os dwiatlvos as faiailias
necessitadas, a mesa posta a indigeates hanestos,
0 caldo oflferecido nas port irias a qualquer esfai
ma lo, a quem a inao dadtvosa se estoadia, sem llie
pedir certificado do origem.
Levanto a taao, porque a simples eaumeracao
dosmobres alvos a que visava fasuuicao nnnas-
lica oncheria maitas mais pagiaas do que as quo
ao assuinplo devo consagrar.
Craio norcui Gear Jem mstralo i|iae uma orga-
iiisacao prodactora de resultados taes, era um be-
ncfico aaxiliar de todo a govarna probo, um pode-
roso elemento dc ordem e crvilisi;,i > ; quo final
meate 0 monacbismo, cmti.ia im limitas di sua
utilisstma iBissao, e alu.uoate pr.aicuo as socie-
dades.
Um cerdideiro libiral.
(Na$fio.)
diariodepernaMbuoo
HECIFE. 2 DE DEZKMBBO DE I873.
\li<'iis do sal do liuperio.
Amanheceu hontem em aos so porto 0 vapor
americano Merit nock, trazeado datas : do Hit da
Praia 2J, do Rio Grande do Sul (8, de Sanui Ca-
tharina 20, do Parana 13, do Bio de Janeiro 25
0 da -Bilua 29 do c irreate.
Eis 0 que coliioih is das j >ruaes :
PAcn-aco.
De Valjjaraisa anauaaia 0 lalegrapbo em
data do 15 :
As suinenleiras do sul promMtcm abun-Jauta
collicita. Q cui,'i'esso appravati .0 project) de
transfoi'macio d: Stntiago. Os bispos dirigiram
ao g iverua uma rapreientacio c mtra algumas dis-
posi..-d-:s do 0 ivo cadig0 penal. alleocu 0 general
de divisSo Jose Manoel Pinto. 1
- lima follia cfiilerta atllima que 0 ministro ar
gentiuo em Santiago apresentara um prolesto for
mil contra a cullo-s.-a) de um pharol ao cabo
Vlrgem, a eutrad.i do estreito de uagilhaes.
HIO 0\ P.UTA.
A mais importante n iticia e a saltida repautioa
do presidente Sarmiento para 0 Parana, sem dele
gicao do poder, item (a crer no A' icional) conboci-
mento dos miaistros. X mismo ilia en que par-
tio 0 presidente, puldicavam os jornaes um tele-
gramma .pie lie fOra rometttd) pelo ministro da
guerra, ctracebl lo nostes termas :
Tenho dez mil cavaliis. De tiovo paco a V.
Exc. para ir a essa capital ; precijo e e mui ne-
cessario conforenciir cam V. "Exc, assim quo vol-
tar Ayala irei .10 Parani, dbixabdi tudo arraniado
aqui.
Varies boat is corriam cm Buenos-Avros a:erca
liavbgadi do presidente, crsnda unsque se tra-
lava do algum desa-tre das forcas uacioiitos; sas,
pcitando outros que- bivia nccessilade de couciliar
rivalid ides de cliefo- superiores do cxercil).
Antes da paitir 0 Sr. Siraiiento, oxpoJira um
dcc.reto abrinda um credit 1 sup.domentar da um
milh 10 da pes. is fortes para as despezas da gucrra.
As nol'bias de Entre Rios re'oram mais um re-
vez pin as arm is nacionaes. Apovoa?.io de Gua-
leguay, de oude pnuco antes 0 miuistro Gainzi
ordinarios em tempade paz, extraordin'arios no da
goerra. Vunei hoa9 crise 9ejal a que as Or-
dens nao a'udissem promptas, espontaneas e ge-
nero*as.
Alem d'queHft (adizas, em oatras se emprega-
ram de analoga natureza : abriram attadas. fun-
daram povoagea, erigiram roaaumentos, fizeram
bavia raliralo aguarnicai da tropa de liiida, fai
timila polos rebeid'is. Coinq tanto nio seja um
feito dc itnpornacia igual ao deLa Paz, nao deixou
duaroduzir impressao penisa. 0 comnaadante
da praca Marline's, e algans offlciaes e solda-
dos foram mortos, 0 rest) da gu trtiioio cahio pair
sioneira. -
A imm dnlidade do exercito de G linzi expln
va-se pela facto de ser elle apoais d: occupa;at/e
encarrcgalo de manler a (ranquillidada no cWj
e ao sul, einquanto 0 exercito do general Vedia
era propriamente 0 le operates, tendo p ir missio
perseguir Lopez Jordan Entretanto Gaaleguay
esta nos departamentos pjlos quaes 0 ministro
Gainza respondia om 0 poder das suas arma-.
0 general Vcdia, segnn lo umas noticias, eatova
em Forttiria, segutido outras em Quebracho, espe-
rau lo carretas para augm-mtar a sua bagagem.
era omtulo esta que tornava morosos os seus
raovimejitos, a ponto de 0 general Ciraballo vir a
todo 0 momenlo Tazer lie negacas, histilisa-1 > im
punemente e acimpar ;i sua vista. Lopjz Jordan
dizia-se andar pelas eabeceiras do Ortiz a leste do
Gualcguay.
Afflrmava-se que 0 exercito nacional eslava na
impossibilidale de mover-so pir falla de cavallos,
e com a infaotaria quasi naa e descalca. Em todo
0 caso as causa* p .r Eutre-Rios uao andavam boas,
pais era pir ellas qua todos cxplicavara a rape 11 i-
na partida do presidente Sarmiento para 0 Parana,
sem inesmo passar apresidencia ao vice presiden-
te, e deixando assim acepbalo 0 governo em Bue
nos-Ayres, onda flcaram os ininistros sem saber
que f izer. Apenas teve tempo para assignar ura
decreta abrindo novo credit.) dc mais um milli.io
de pesos fortes para despezis da guerra. A im
prensa publicou o seguinte telegramma, dirigido
pel ministro da guerra em campanha ao presi-
dente da repablica, e qua se dizia ter siJo causa
da viagam doste ultimo :
^ Tenho dez mil cavallos. Torno a pedir a V.
Exc. licenca para ir ahi, pois necessito urgente-
m-mle ter uma .xniferencia com V Eve. Apenas
regrcsse Ayala, partirei para 0 Parana, deixando
aqui tud) arraajado.
0 general Ivaooscaki, vinda das proviocias do
oeste, tiulia cbegalo ao Rosa ie com 1,230 homeas
lis tres armas.
Ignnrava-.se aiiida se devia reforQar-se os exer-
citos em Entre-Bios ou Gear de reserva em San-
ta Fe.
No douiingo 16, por occasiao das inscripcoes nos
registros eleitnMes, houve em Buenos-Ayres grave
desordam cm uma das pirocltias, entre mitristas e
alsimstas. Iutervelo a policia, a o barulh 1 parece
nao ter passaJodo algumas coatusoes eolre vivas
la morras ; comtudo os,mitristas acc.usa.vam os
alsimshis de terem assassinado um dos seus.
A 29dave iarar-so a nova constituicao da pro-
vincia de Buenos-Ayres, dissolvendo-se a eonven-
cio, cujos trabalhos duraram, tres annos.
No dia 29 do correale, deve ser jurada a refor-
tin da coastituiiao de Buenos Ayras.
Comecaram no dia 9 as missoes do arcebispo de
Buenos-Ayres entre os indios, tendo ja S. Exc.
Bvaia: dito'missa em presenca dos subditos do ca
cique Gatriel, e sendo visitado por esta na casa do
general Bivas, ai fntnteira, onde seaGhava 0 pre-
'ada. Cotriel pr^paraya grandes festas para race
lo no me:o da sua tribu.
Noticias telegraphicas de Valparaiso dizem que
os bi-pos chilenos represeatar.itn ao governo contra
algumas disposicbas lo novo couigo penal. Falle-
cerao general de divisac D. Jose Manoel Pinto.
BIO ORAN01 DO SUL.
Na dia 14 o desembargador cbefe do policia
de S Pedro do Sol aeguio viagam para Bage, afim
de syndicar do alguas factos que alii se deram.
Na escuna nglez 1 Formed, procedente de
Hartlepool, eatrou ao dia 13 do corrente, 0 mate-
rial para a companhia do gaz daquella provincia.
Bsperavam-se ainda dous navios com 0 reatn. do
material, e, sogundo se dizia, em mutlo pouco tem-
po as ,lres prmcipaes cidades da provincia seriam
illuminadas a gaz.
A' sahida do Colderm, inforjaa nos urn dos
pasiageiros, o carrocoiros qua faziam 0 servieo
da dislritui;5o de agtia pelas casas particulares,
da capital coluiaram-se, aegando se, por motivos
igaorados, a ooatiauar tal sarvi^o. A policia in-
terview ao ea8o, mas ate a ultima bora nab con-
seguira obtar rosaltado algum favoraval.
Os immigraduf orientaas coronals Palmer e
Vergara haviam sahido de Porto Alegre, dirigindo-
se a Pelotas, onde pretendem residir.
Um jornal de S Laopollo noticia :
Depois da ch-sgada do e nprazario Smith, ca-
minham os trabalhos rapidamenle. Os dirraaates
e os rails ja se achara colloea los em regalar ex
tenwo, senno p/pvavel que a sejcao de Portq Ale-
gre a S. Leopaido aossa ser eairegue ao transits
publioo no dia t de Janeiro da auoo v.ndouro.
Lemos no Diario d> Rio Grande : ,1
a O consul de S. Magf.stad-2 Bruannioa,, para
annan:ios feitas nas jtrnaas da tarra, rcuuio en
si>--a 1 di-os a rospcito.
-K vilis aqui contrabilas, nointeress#e di navio, pelo
seu comtnandante, para entio pSder 0 Beautiful
Star seguir viagem, sealo despedido 0 capilio,
como auar 0 arnndor. d
Ate 0 dia 17 haviam arrecaddlo :
\ alfandega 117:8,-i;)*i62
A mesa da rendas 21:0US093
Bio DcjwEiaa,
Por decreto n. 5,46J de li d nove:abro fo-
ram approvadts varlas clauttui additivasao con-
trato paraMivegacao do Hi) Araguiva, de 9 de
setembro de 1870,
Palo mujlsterio da Jasti.a foi iadeferido 0 re-
1 querimento d teuente Ruling lose da Guana, ta-
belliao a escrivao do termo de Ouricury, em Per-
aambuco, em que pedia rema.-aa para iguaes^1H -
Aios no termo d) led, no Ceara, .par nilt aavcr
iogA- a MBiiaao em olii.jdc jastK.a.
Nao foram agraciados os seguintes reos :
flanoel Francisco do Jesus, conlemnalo em 2a
de seJltibro da 1862 a peua de li annos dc prisao
si nptes, cm virtule db declsco do jury do termo
de Valan ;a, na pfovincia do Kjo do Jaueiro, por
crime de himicilio com netlido em i de Janeiro
de 186J.
Oaofre, escrava, conlemnalo em 19 de njvem-
bro da 1837, a peua de galas perpetu ts, em vii tu-
de de decisao A) jury da ter.no de 5. Sebastiio,
ua provjaeii de S. Paulo pela compli.cidade dos
crimes dc liinicidio perp^traljs a 33 do setem-
bro d 1 inesraa anno.
Agosiiuhi Jo-e do Xisc.mmio, oonleaimda em
5 de abril da 1373 a paiu da 20 ann is do prisao
com trabalhi, em virlude da dacsat do jury de
termo d) Turvo, na prsviaiia de Miuas-Garaes,
por crime de hamicidM ca n nittido am novembro
de 1893.
Jeao Soares Taixaira, can la anil) eai2i ds ou-
lubro de 18 i:l a peaa de galas pjrpotuas, om vir-
lude de decisao di jury da villa do Binito, na
provineia.de Peraam'iaco. |i ir criat: d: homici-Jio
commattidb a 2"> de dezembro de 1832.
Clodoaljo Jose da Cuaha, coadamuado em 13 dc
setembro ultimo a pan a da 3 mezas di prisao, por
senteuca do juiz d> direito diomirca das Ala-
goas, pel i crim d! olfansis physicas p jrpe rado a
d da igjslodijste anuo.
Lents id Jjrmldj-p-.tuweh da carte :
t Em present de S3. MM. I nperiaes e do ura
numeroso e brilhante aulitorio iaaugjrou hon-
tem (23) 0 Sr. Miaod FranMsc) Gorraia, no cdi-
lieio d 'slinalo a servir d: esc ila public 1 di fre
guezia da Gloria a sari 1 da coaferencias qiia alii
se (aria aos daaiingos, coaforms no.iiiamos.
Em ImgaagoiR aprapriada ao assu npto, orna
da as ve'.es on imageas a compira^ojs paclicis,
disoirreu 0 Sr. causeiheiro Correia por espajo de
uma bora apraximi lamoate sa'are 0 direito rpj t
assiste ao estalo da tornar 0 ensino prim ir'u obri-
gattrio.
Depois da breves palavras de siulajao a S3.
Magestades, ao minislerio, reprasenlaJo alii par 3
le seus membros, e as soith >ras e eavalboiros
presents, 0 orator entraa na miteria d 1 seu dis-
curso, lameatandi 11 alrasi cm quo se ami a
instruccao public;! entre nos, dam instraada co a
iain estatisticos que muito amJ.i temos da ftz ;r
para aproximar-nos dos paizes que marelum
na vanguarda da civilisaaao.
i< Considerandoa instruc-ii) om elemmto al
tamente miralisalor, opini.io aaoiada en exc.n
plos de vari.ij najojs on la a cstatistica criminal
tem diminaiJo sensivolm :nte a moJila que s-. torn
disseminulo a instruc;*', ilia ninanl) com sea bn-
Iho as cama'lis infiriirasdi sociedala, 0 oralar
conclato qus aa> se poJa caatastar ao estado o
direito dcrnpir a obrigrpi do ea-ino. Bspro-
duzio a' ohjeeeb is, qua valgir nmt; sa^ fazirn ao
principio do crisini obrigitorio e cimbutou-a-,
mostranlo que a5) atica elle 0 pitrio podar,
nao perturui as rcla;i;s nj".ass:rias dis dtvarsas
classes da socielade, nem daemtra fclizmeatc. en-
tre n is 0 orjstaculo d 1 gratuid ida oir isso q 1 0
l"
tru .
dadios brasileiros.
Antes da ooiUu'r lem'irou qa-. 0 dia em jab
se inciaran as conferoicia- era ajiaT ver sari 1 d.i
crea;a> da mm asso;ia;ao dcsliiiaia a propagir
a iosiruecSi 0 q 1 ton >.ad la nt >.l sta 11 mte, tem
ido crascanl 1 d; dia para dia,. c aprasca! 1 nojc,
com ju,sto orjjulbo, cam) briliunte resultil) d;
seus esforeos,. o L^wi de Aries e Offcios, q 10 li-
beralisa a instru-o.u acerca de niil alumaos.
A pcror.15.io foi um appello as psssias pre-
seates em favor d) principio di ensin) obrigiti
,11; 11 ?i u ifuaifivuiu 11 Riaui-**^v j#^i iw* .| v
egfeladir coastituinte sabiame.iledjspji que a ins
ru'-cao priniria seria dala graiflitaineate aasci-
pr.vc d> destar'ainenia p tiiciat flcaram icvomen-
ta feridas. mas um om>grante recebeu serial con-
(t8bs.
t Vencen par fin a forca- public.i 1 m caitSflftKl
prcivicr 12 das desitrleiros in:lasie itgu na- ma-
iheres, q ic empregavam, alem de outros rceios Je
ataque, os denies, como arma contra os soldado3.
0 emigrante ftrido foi transparta la para 0 hospital
da Santa 'asa. 0 Dr. l delegado, a quem foram
apresentados oa desordciras, trata dc proceder na
forma da lei.
< A' noticia fue hontem (iJ)publicamos sob esta
titnl 1 temos de accrescentar:
c As vietimas de Jose RuHno de Souza, pra;a do
1 batalhao da infantaria, foram Seraflm Pinto Bi
bciro, guarda trbaao, que failaceu hontem aos fe-
rimentos que recebera; March) Gomes Yiveiros,
tambem guarda urban 1, que, indo em soccorro
de seu compaahajro, receban uma estocadp, da
qual falleceu momentos depois ; Domingos Jose de
Oliveira, guarda da casa de correccao, que cahio
insuatanoamente morto eom uma estocada que l-.e
varbn 0 corar^so, e 0 gnafda urban a ,11S0 Horges
da Cruz, que, apezar de graves tarimaataa que ro
cebeu, consoguto subjugar e prender aquella fera,
que, conforme dissemos, foi conduzida para a esta
rjao da urbanos a rua de Santa itosa.
Hontem (23) foi Buftno transferido para 0
quartel onde se acha 0 seu batalhjo. >
OSr. commendador Jose Gancalves de Moraes,
fazendeiro e proprietario, residante na freguezia
de Ipiabas, municipio de Valeaca, acaba de otfere-
cer gratuitamente a provincia do Rio de Janeiro 0
terreno que for julgado necessaiio para um cemi
terio publico, con a respecliva capella, naquella
freguezia, visto como 0 pie alii cxista, alem de oab
estur eoaduido e da acanliadas proporcoes e acha-
se inconvenientemente colloea lo.
r Mo-
raos 0 de 2:(3O0l em diaheiro e 0 de toda a ma-
deia precisa jii appirelhada
a Estas otl'crtas recommendariam digaammte 0
nome da Sr. commendador Jose Gonc.ilves de Mo-
raes, se nio tivesso elle ja direito a gratidab da
freguezia da Ipiabas e da provincia por numerases
0 relevantes servicos prestados ajaeila !-ali-
dade.
0 resultado dos exames da hontem (Ji) ni Fa-
culdade de Madicina, foi ., seguinte :
3* anno medico.Approvadosplenameate : Car-
los Pereira de Sa Fortes, Cesario Alvcs da 9B*a
Ram .s, t-Vancisco de Salles Cardoso, Joao dc Frei-
tas Redrigues Braga, Pedro Jose da Silva.
c i" anno Approvados pienamente : Francisco de
Paula Fraga, Arthur Jeronymo de Souza Azevedo,
Jose da Cunha Ferreira Junior e Ernesto do Frei
las Crissium 1. Approvaios siniplesmente : Fran
cisct LuizTavares e Luiz Mario daSa Freire.
j' anao.Approvado com dbtinccao : Fran-
cisco de Salles Alei.xo Franco ; approvados piena-
mente i Lucas Tavares de Lacerda; ajtprovadas
simplesmente : Octavio Elleae, Ed 11 trd) Henrique
I'aretra de Mello.
6- ami). Approval.) com disiinceao : J0S0
H.'tinqueda Silva Ctutinho: approvados piena-
mente : Antonio de Mello Mom's M.tia, Leocadio Jo-
se Correa, Miguel Zicarias d) Alvareaga e Cirgi-
lio Horaeio de Oliveira.
Os exames Ja haotem (Si) ni Escola de Ma-
rinha, ullt 11s deram 0 seguinte :
3' anno. -Egnma; aspirantes: Francis;) Mar-
ques Pereira e Sauza, simplesm nte grae 2 ; Jose
Marlins da Toledo, distinccaa graa 4 ; Franci-co
de Paula Duarte e Sauza, simplesmente grao 2 ;
Lucidio Auguslo Pereira do Lago, pienamente grao
3 ; Fredarico Garret da Cainara, idem graa 3 : Ma-
ntel Ignauio Bell'ort Vieira, distinc^io grao 4 ; Joao
Pereira Laite, simplesmente grao I ; Manoel Jacin-
tho Pinheiro, idem grao 1 ; Liurinlo Victor Pauli
ni Junior, di-linccio gni 4 ; August) GrJS)e4e
Cirvalho, simplesmente grai 2 ; Antonio JoseGtm-
.;alvcs Junior, idem grao 1 ; Antonio Candida do
AnHral, dlstincgaa grao 4 ; Arisli les Manleiro de
cinlia, pienamente gr.'io 3 ; Join Antonio 5 tare*
Dttra, simplesmente grao 1 ; Arthur da Serpa
Piat.t, idem grao 1 ; Clarinlo Hmriques Siares,
i 1 cm grao I ; Manoel lnnocencio l'ire- Cimargo,
idem grao I ; Virglio Aagusto da CistaeSa,
idem grao I ; Alexandre B iptista Franco, distinc-
ca) gra> 4; Francisco Cardeiro Torres 0 Alvim Ja-
niar, simplasmenla grao I; Antoniti Malaga Shaw,
distiuccio gra> 4 ; Ray.nuado Frederic) Kiippada
Costa Bubim, simplcsnicnto grao 2
cuvergir pars" utilidade social mil va'oyes, enjaidecidir ama questao que se da antra 0 prapneta-
creacab Ihes foi devida \ rio e capitab do navio ioglez Beau 'iful Star, e de
rio ; e dirigiad >-se espacialm mt3 .is scalioras qua
ornavam aiadia reaniaa, a oralir lem'aroa que
a mallier coaliara Deus a sagrad 1 missaa da en-
tre c tricias, educar os homeas, a descnvolver em
sua< alms os'tolfes BeiUmantos a as gran las
virtudas.
Sam a prataacao do dar tinn idea s>.tuer
aproximada do bells disenrs) ja Sr. onsclheiro
Correia, quizemis aoenn inticiar comi foia.u
iniciadas esta* confereacias qae tjuiois cert is sc-
rao coatinuadascom 0 raasm) brillio con que fj-
ram abertas >'
A questao do lixo assamb uliimamcnte pro-
Eorcoes. que bem pi Ian onsiderar se graves.
, Intandeu a camara manicipil qae a remicao do
i..o das casas particulares devii ser f-sita cxclu
sivaraente par uni em|iraza ; maitos miradores,
e mcsin) tantos e uua pole dizer-se 0 povo em
geral, entenderaai que deviam coatiouir a en pre
gar neste mister os carroceiros q ie a seu, canton
to os esta vail servin It. A cimira manicipal cas-
sou as liceacas aqaellas carrocoiros e apprehon-
deu Ihcs as carroijas.
Teimaram os imradoras e, nao podcudo con-
servar 0 lixoomcasi, comacaram a laicilooe
rua. Est reeurso, quo ate certopmto era justi
licado pelo facto avcriguad) de nao dispor a res-
pectiva e.npreza da ratios su.Tlcijiitei para 0 ser-
vieo, se iesde logo produzio 0 incoavenienta d; em
pestar a cidade, nio tarJ.ni a ser tambem causa
de deploiaveis conllictos entra 0 povo e a Torca
publics.
Nastn circu uUaacias in lispepsaved era algu-
mi proviJencia do giveriio e elTeclivatnanta in
tervaio elle
, Varialissiinis, 11:1111 simplasaiiate divertidas,
outras lamantavelinaote "ioleatis,. foram as see
nas da noke de ante-hontem. D'entre ellas des-
UcareaiH as seguintes, na espcranca da qua nio
teremas da registrar outras :
< A's 11 horas da noitej na rua de Gancalves
Dias, 0 guarda urbano que alii rondava, prendeu
cm tligtante um preto qae,langara lixo ;i rua.
Besistindo 0 preto a prisao, 0 urban) apitou e
am sea soccorro vierara outros guardas di mesmo
corpo. ...
Entre as pracas e varias pessoas que se agglo
meraram no lugar, lravou-se grande alt rcaoao,
e em seguida sario copflicto, do qual algumas
pessias do povo e o urbano Francisco Teixcira
de Magalhaes sahiram teridos. 0 feriraanto deste
foi produzido por um faudo de garrafa, que con-
tra elle arremessarom.
Com a presenca do subdelegado do 1* distric-
to do Sacramanlo e do major Moreira acalmou-
se a contenda
Ao conhecimenlo das mesmas autoridades
chegou pouco depois a noticia de qae na rua do
Rosario diversos grupos de individuosperturbavam
a tranqui'llidada publica.
n Para alii dirigiram-se ; mas ao cltegarem a
raferida rua, foram recebi las com grande assua-
da, e aggredilas violentsinente, arremessando se-
ines das janellas fundos de garrafas e outros
prejectis. 1
Depois de longo trabalho foram dispersos os
gropos e sereuou aquella tempestide.
A's 9 ,' boras da mesma ooita varias pra-
cas do corpo de urbanos foram rfommunicar ao Sr.
capitao Marques S 'briobo qae alguns morado
res das ruas Thoophil Ottooi, Ounves, Quitanda,
Alfandega e Primeiro do Marco, twndo advertidoi
a nao lancar lixo a rua, ameacavam aggradi-
los.
Lpgo qua alii chegou o Sr. capitab Marques
Sobrinho. foi recebilo coin \-aias, fundos de gar-
rafas, etc.
a Havanlo dilBcnldade em.dispersar os grupos
empregou se um piquete de cavallaria para aquel-
le effeito.
< Foram presas 27 inlividnos..
< As 7 f/2 horas da noite do hontem (23) tra-
vou-se serio conflicto entre os emigrantes, alojados
na fiospedaria da mono da Saude e 0 respectivo
administradar. A guarda do corpo militar de
Solicia ali destacala intervaio na desordem, aGm
eapaziguala; os emigrantes, porem, excitaram
se a tal ponjtp que for$f,sp foi ao referido admj-
aistrador recorrer ao eommandante da 7' esta?ao
da guarda urbana. Foi enviada logo daquella es
"p uma forca commandada pelo sargento Joao
rino Carneiro da Cunha, a qua), logo qae che-
at lugar do conflicto, foi violentaraente ag-
lida pelos snblevado*, com pedradas e tiros
le rewolver.
A lata tornou-se encarnicada e violenta. Dua?
.11 aim \\\-
tonio Faraaules di Assumpca binior, idem grao
2 ; Jose August 1 Damisio, idem graa I; I tin Fran-
cisco di Mello Cirvalh), idem grao I ; Jose Joa-
ci-' -i-oiiali Ja Cidba, idemjjrao I ; Arthur Ja-
Lisbit, idem gnd 2 : Ignaci i Gibriel
.. >te '! mi 1 en; 1. distinc;,lo gra) 4 Miguel
jAntoaio Fiuza Junior, simplesmente graa 1 ; Jose
Amalio Gmcalves, i lam grao I ; J ise Joaqtt'rm da
Ponseca Lessa, idem grai I; Godifrelo Siiveira da
Molta, paisana, pleaunmie grao I.
Nataijio. aspirantes: Francisco Mantes Pe-
reira e Siaa, distiuccio graa 4 ; Jase Martins ie
Tole It, ilo.n gra i 4 : Francise 0 d i Paula Daarlo
e Sauza, i le 11 got-) i ; Laaidii August) Pereira
in Lag), pleai'iiaa'e grai 3 ; Frederic) C rfdJ da
Camara, distincclo grat 4 ; Mtnael Igm.-.o RjI-
fort Vieira, idem grio 4 ; Joao Pereira Leite, idem
graa 4 ; Manoel Jaciutha Pinheiro, ideal gra) 4 ;
Laurindi Victor Paulino Juni >r. si npSeimente
grin 2; August 1 Gielcs da Cirvalh), distia'can
grao 4 ; Antmio Jase Gucalves lunior, il;n rrao
4 ; Antonio CmdiJo Amiral, iJjm grao 4 ; Aristi
dos M inteiro do Pin'.t), idem graa 4 : Ja.it Anto-
nio S >ares D lira, sim.ilesm rate gra t 2 ; Arthur da
Srrra Pinto, distiucgao grao 4 ; Chrindi Henrique
5 lares, idem grao 4 ; Manoel Innocencti P.res Ca
mirg), simplesmonte graa 2 ; Virgilio Augasto da
Cxta e Sa,idsngra) 2 ; Alexandra Daatis'.i Fraa-
c), distinceio grao 4; Francisco Ctrdn'ro Torres
e Alvim Junior, simplesmente grio 2; Antoai Ma-
deira Shaw, idom grao 1; Bayuiund > rrednieo
Kiappe da Costa Bubim. >dem grao 2 ; Jaaquiai
Antonio Farnandes de Assumpcio Junior, idem
grao 1; Jose August.) Daraasio, distinccab grao 4 ;
Joat Fraaciso de Mello Carvalho, pienamente
grao 3 ; Jose Joaquim Macha.lo da Cunha, simples
mente gran 1; Arthur Jose dos Beis Lisbui, idem
grat I ; Ignacio Gabriel Mooteirt de M^ndonca,
pienamente grao 3 ; Miguel Anlouio Fiuza Junior,
simplesmante grao I ; Jose Amelio Goncalves, dis
linccao grao 4 ; Jose Joaquim da Fonseca Lessa,
simplesmeuto grao 1 ; Godbfredo Siiveira da Malta,
idem grao I.
Nos exames que tiveram lugar na escola geral
de tiro do Camp] Grande, na dia 14 a 22 dc cor-
rente para instructors dos differcntcs corpojl do
exercito, feitos de conforraidade com 0 art. 48 do
respectiv. regulamento, 0 resultado foi 0 seguinte:
Aprovados pienamente com grao 9, os Srs. :
capit.io Claudio do Amaral Savaget, tenente Aus-
trecline Villari.m, ln cadeto \rthur Cavalcante do.
Livramento, alferes Trajano de Menezes Cirdoso,
0 Baymundo Fernandes Monteiro, i' tenente Joa
qaim Pedro da Costa, 2" sargento Thoinaz Ferrei-
ra de Mello i approvados pienamente com grao 8:
1 cadete 2- sargento Joao Baptisiu Pereira. parti-
cular Alfredo Ferreira Muniz, 1* leaente gradua
do Antonio Seraphim de Oliveira Mello, tenente
Jose Lourenco da Silva klilancz; approvados pie-
namente com grao 7; teneates Luiz Joaquim de
Almeida Arnizant, Joao Evangelista Leal e Nor-
barto Jose de Sauza ; approvados pienamente com
grao 6 ; t" cadetes 1"* sargentos Jaciniho Carneiro
de Oliveira, Guilherme Fernandas da Silva, parti-
cular 2.* sargento Joaquim Juslmiano da Silva
Cirvalho, 2. cadete l. sargento Luiz Antonio
Cardoso; approvados simplesmente com grao 5:
alferes Serafim Jose Ferreira, particular 2 sargen-
to Jose Carlos Ferreira Campinho; aporovadosjsim-
plesmente eom 0 grao 4; alferes Luiz Felippe Far-
nandes Cuiabano, 1* cadete Laapoldo de P.arros
Vasconcellos, sargento quartel cneslre Francisco
Pedro Vieira, 2 cadete 2" sargento Ivo Rodrigues
da Rocha; aprovados simplesmente com grao 3 :
2" teoeate Jose Moreira de Q'ueiroz, 2. sargento
Silvino Muniz de Lemos, 2." sargento Joviniano
Jose de Araojo-Franco, 2 cadete Firmian t Asce-
lino Toscano Damascene; approvados simplesmen-
te com grao 2: tenente Minervindo Thome Ro
drigues, alferes Joao Jose da Luz, Elias leite de
Alexandria. Leandio Jose da Costa, sargentos aju-
dantes Alfonso Augusta de Albuquerque Mello,
Anftmio Francisco Xavier.
c Foram reprovados 26 alumnos, neste numeral
estlo incluidos 13 que se negaram a fazer exa-
me.
c Suspeitava-se lia muito tempo a existencia,
nesta cidale de uma sociedade, cujo onicc empe-
nbo era charaar a si, por meio de suppostos titalos
de dividas, as heraueas arrecadaias pelo juico de
ausentes.
Essa suspeita acaba de transformar-se cm
certeza a vista da importanle diligencia p :i:ial
feita hontem (24) 1
< Tendo fallecido Joao Youds, e sendo arreca
dado 0 seu aspolio pelo jolzo de ausentes, tci-iaq
aherta a fallancia pelo juiz 1 do aamnwr'io da 3
vara, a requerimento de Jose Martiniano Malheirns
^aldanha, sacador de duas leiras acei'.as por
Youas, na i.nportaacia de ISifJOi. Mas essas
leiras, aegundo averiguou 0 Dr. ^.' deiegado,
foram feitas pela dita sneiedade, que jantouj pe]0 Garonne.
procuracao nos autos, em que os suppostos 1
credores flzerara-se representar pur procuradores, j
tim' Jos quaes assignou 0 termo de deposilario rnr
ser 0 seu sapji*t: elieali" uomeado leposiUrio.
0 inc.-nio Dr. I." deiegado averiguou mi
seguinte :
t O dmheiro oldilo foi cntregue a tun dr-s
membros da sociodade, Manoel Anton o da Fi-
gueiredo Coimbra, que 0 dividip pelos demais-
socios.
Para a iustificacao jofaram testemunbas fal-
sal, jaijueridas pelo liac.larel Jose Alves Pereira
de Carfalha. e sendo ama dessas testemunhas 0
eiapretado do seu escriptorio, de nome Francisco
Aaloaio de Moraes, qae jurou sob fal-o nome,
tendo 0 dito bacharel a cautella de nao assignar
os depoiraentos, nem aceHar itrocuracao antes de
realisar a fallencia e feita partilba.
Adoeeendo 0 rcspoasavel pelo depositafio,
tralaram de substituir a procurafao que tinha,
constittiindo advogado 0 inesmo Dicharel Carva-
lho, que aceitou a procuracao, na qual 0 sen re-
ferido empregado Francisco Antonio de Moraes
assignou-se cam 0 nome de Alfonso Pimesta de
Moraes (deposilario).
Qscal, e nao havendo item 0 depasitario nem sea
advogado entrado com 0 deposito para 0 banc,
apezar da intimacao que lln-s foi feita, 0 Dr. i de-
iegado dlrigio-se ao escriptorio da mencionaia
sociedado. na rua da Alfandega n. 141 ( escrip: -
rio do Coimbra e do bacharel Carvalho;, onde ap-
prehendeu nao so papeis da massa, como tambem
titulos, joias, umas uovas leiras falsas com qae
elles pretendiam legitimar os suppostos credores.
t N'essa mesroa occasiao 0 Dr. deiegado tirou
da algibeira da Francisco Aaloaio ,de Moraes >
relogio e corrente que pertenccraai ao fiuado
Youds.
Ficou tambem averiguado que 0 dmheiro da
massa foi posto em um banco, em nome de Coim-
bra, no dia em qne foi recehiob, e new mesn .
dta foi dislribuida a pr*meira quota de'f:800l.
tocando l.OOOi a Joao liraulio Muuiz, que pass- a
recibo, por eonta de maior qnantia, em nome do
depositario. Este recibo loi entregue a autoridade
por Coimbra.
t Na busca dala no escriptorio do bacharel
Jose Alves Pereira de Carvalho encontrou-se Din
telegramma de Youds com sua assignatura, pela
qual se imilou a firrna com que foram accitas as
Jelras; e, a vista do mais que occorreu e consta.
foi esse telegramma fornccido a sociedade p. 1
escrivao da arrecadarao, Joio Branlio Muniz.
t Findo 0 inquerito pelos factos que Roam e\-
pendidbs e remettido ao juiz respectivo, foram
hontem presos Joao Braulio Muniz, Manoel Anto-
nio de Figueiredo Coimbra e Jose Martiuiano Ma-
Ibeiros Saldanha, nao se tendo effectuado lambem
a prisao do bacharel Carval 0, por nao ser rile
encontrado em casa, segundo nos informaram.
Acham se tambem envolvidos neste process
de esteflionato e falsidade : Francisco Fernandas
Pedrozo, Joiquim Marinbo Alves, Manuel Ferreira
Marques e Francisco Pinheiro, por perjurio; Tr. -
m.iz Barbasa e Antonio Barbosa, por eoropliciqadc
em falsidade.
Alem deste, proeedeu tambem 0 Dr. 1" deie-
gado a inquerito sobre outros factos, e ja averi-
Kiion qua a referida tirma, empregando os niosmcs
niei.xs, canseguira levanlar 8:000i do espolie de
Joaquim Domingucs Correa Pegas e tcntara levan-
lar 10:0 OS no espolio da Antonio Cassimiro fie
Moraes Mesquita, 0 outras quautias avultadas (
outros cspolios, ligurando sempre os mesmos ptr-
sonagens ou seus propostos.
Tal era a perfeiciio dos titulos exhibidos, qua
alguns delles foram reconhecidos por tabelliaes,
tal a nusadia dos membros da sociedade que 0
Or. Carneiro de Campos, teudo destituido Mallivi-
ros Saldanha da curadoria liscal, foi por elle re--
poiisabil'sada perante a relacao; oulra prova de
ousadia esta em que tendo Joao Denebeh, air. _
da Youds, ditu quo as letras eram falsas, Malheirus
Saldanha processuu-o, apre^entando como lase-
miiultas os sens socios bacharel Jas6 Alves Pereira
de Carv. Iho e Manoel Antonio de Figueiredo Coim-
bra.
A policia prosegue era diligoncias e, segor.li
nos itifarmam, ha mais Ires processos qno vao !
instaHrados contra os mencionados reos.
Nao pcdeinos deixar de louvar a intelligencia
e actividMc dc que deu provas a nossa pofeia,
com cspecialidade 0 deiegado, Dr. Sa 0 BeO' -
vidos. Continue S. S. a empregar os seus esforca-
para chegar ao conhecimenlo de toda a vardai-.
tanto n'esle como em outros factos sobre que tar.;
beai correin boatos, ctun 0 que prestara relevant^
.-ro'vii;o a causa da moralidade e da juslica.
Falleceu ante-hontem (23) as 11 horas 4a
noiie, em Inhauma, 0 vigario d^sta freguezia, pa-
dre Vicente Ferreira do Bego, lilho lagitimo de
Euzebio Games do Bego, ja fallecido, e Anna Joa-
qoiaa do Sacramanto, presbytero do babito de S. '
Pedro, natural de Pernambucu, com 54 annos de
idade.
Nomeou seus loMamentciros, era primeiro
lugar. Maria Felicia Freire ; em segundo, Frede-
rico Julio da Siiva, e em terceiro. 0 padre David
Simeao de Oliveira Mascarenhas, bean Jo sen en-
tcrro a vontaie dos teslaaienteirus, que mandari
dizer Ires missas por sua alma, de esmola de 20<;
caso haja algum impedimento, dir se-bao no s.-
timo dia, uma pela de D. Joao da Purificacao Mar-
ques Perdigao, o bispe queordenouo, do esm.da
dc 10.
f Declarou que os trasles de uso particular per-
tencem a l" tesiamenteira ; que se seus cscrn-
vos Jose, Jeremias, Manoel e Jacob na avaliac.-.
apresentarera a respecliva importancia, serao li-
vres, dando se a cada um dos dous primeiros a
quantia da 203* ; no contrario servirao a soa
herdeira, depois de concluir 0 usufructo de sua
priraeira tesiamenteira.
t E' sua herdeira sua mai, e, se for faliecida
ao tempo do seu fallecimento, sera herdeira enUio
Maria Philomena da Conceicao, em cujo favor re
verlera 0 usufructo que liver a testameuteira
por morte desta.
a Marcoa 0 prazo de 8 annos para cumprimen.
deste testament. 1, teilo a 1 da maio ao corrcir
anno, apresentado pelo 2' lestamenteiro e abe-:
bontem pel) Dr. juiz da provedoria.>
Eis as noticias commerciaes da ultima data :
t 0 mercado de cambio conservou-se hoje pouoj
actiyo, mas firme. Apenasinos constaram peque-
nas transaccoes realisadas sobre Londres a 20 e
1/4 d., papal bancario.
< Negociou se um pequeno lote de soberanos a
9J350 a dinheiro.
As apolices geraes da 6 0,0 mostraram-sa
pouco activas a 1:074* e 1:075* precos a que fo-
ram vendidos alguBS lotes, e a que 0 mercado fe-
Chou muito firme. Das do empreslimo naciocal
dc 1868 negociaram se algumas partidas a 1:0755.
a diaheiro.
No mercado de accoes so temos a noticiar a
venda da diversos lutes das da Companhia da Es-
trada de Ferro de Leopoldina, a 36* cada ums. a
dinheiro.
Nada se fez hoje em cafe. Desde 0 dia 26 do
passado, data da fahida do paquete uorte-amen-
caao Ontario, ate hoje venderam-se 178,800 sac-
cos, sendo :
t Para os Esudos-L'aidos" 106,800
Para 0 canal e norte da Euiopa 43,800
Pa a 0 Mediterraneo 20,500
Para 0 cabo da Boa Esperanca 2,500
Para varios portos K,2(0
< As entradas nos uliimos 30 dias regaiaram,
termo medio, cerca de 4,300 saccos diarios, fi-
cando hoje em ser cerca (le 220*000 ditos
Cotamos hoje por uma arroba :
Lavado....... nominal.
Superior e lino.....11*906 a Hi*'
la boa,.......11*300 a U*70<>
1" regular......11*000 a 11*201!
1* ordinaria......104600 a 10*80"
2- boa "......9*700 a 9#0 0
i'ordinaria......9*000 a 9*40 As vendas de assucar foram pequenas para
eonsumo.
n Sahiram tambem para eonsumo cerca de S
mil arrobas de carae secca.
Apenas 3e fretou ura navio para carregar as-
sucar em saccos era Peraambueo a ordem, eo:.a
destioo a Hampton Beads a ordem, a 32 s. 6 d. oa
para 0 Canal a ordem a 40 8., ou para os Estados-
Cnidos directamente a 30 s., com 50/0 de papa.
Sahio para Pernambnco, a 24, o pa'tacho di-
namarquez J. P. Lauen.
BAHIA
No dia 28 fizeram acto, na Fa. uldade de
Medicina, os seguintes estcdaatee :
1." anno phnrmaceutico. -Alfonso da Rocha, a,-
Srovado pienamente ; Ant onto Theodore Borg-
e Barrose Pedro Sombra, simpiesmeate. Foitm
feprovado.
Nessedia defeadarara theses, na FaduWaai
le Medicina, e foram pienamente approvados, os
rs. : Gabriel Gomes de Brito, Maaoel Ladgero
de Oliveira Campos, Tito Bodrigues Vaz, Paqiin
Francisco de 0Kv,;ira e Li 0 vapor nespanhol Rosita &. flene, qua. 1
arribado, com 0 machinismo desarranjada, fnr
no dia 11 a tarde para 0 R^o de Janeiro,
i
V
t
* >

i
,
. \
]
v
/
L unn I
I MillUM )


Diario de PcnsuaouGO Tarqa tejia 2 de Dezeouno da lft-id.
=
BfiVlSTA -DIARU.
Vutiirldnde policial.------Por portaria
iij presidencia da proviiieia, de 29 de novembro,
foi nonieado Jos6 Francisco da Silva Castro pri-
meiro supplente do delegado do teruio de Santo
Antlo."
Secretarla do jjoveriio Por porta-
ria da presidencia da provincia de 29 de novem-
bro, foi desigaado o bacharei Manoel Pessoa de
Siijueira Clitjpos, p.ua exercer interinamente o
liigardo official da commissao de recenseamento
d^sla provincia.
Oouii anaos d; idade S. M. I. o Sr. D. Pedro II.
I'or e.-isc motivo estarlo embandeiradas as esta-
gi>es pnMeas e os navios de guerra, taverao sal-
vas as 6 horas da ruanha, a I e 6 horas da tarde,
oortejo uo palacio da presidencia as 5 horas da
tarde.
A' iiiii no theatro Santo Antonio, havera urn
ijpoctaculo gala, com o drama Diuhi das Came-
Uas, pracojido jo hyuiuo nacicnal cantado pela
'"inpanhia dramatica, comegaudo as 8 horas da
ii'..io em pool".
PaocnldiMlo tic direito. Inscreveram-
- para o exame de .lingua national 281 oitudan-
desies coinparecer.im a exame 263, dos quaes
foram approvados plenamenle i 1, approvados 118
- reprov.idos HO, deixan.lo d) fazer exame oral
.
Inscreveram-se para o exame de latim 158 es-
tudantes ; comparaceram ao exame 123, dos quaes
i i aptirovado com distincc&o I, approvados ple-
namenle II, approvados 30 e reprovados 71. Dei-
\iram de'fazer exame oral.ll
Inscreveram se para o exame de francez 217 ;
i.^ram exame 124, dos quaes foram approvados
com distincgao 3, approvados plenamenle 16, ap-
provados 101, e reprovados 102, deixando do fa-
zer exame oral i.
Insereveram-se para o exame de inglez lot as-
tutantcs : destes compareeeram a exame Ii6, dos
quaes foram approvals com distincgao 2, plena-
menle 11, approvados 30 e 78 reprovad03, deixan-
d) de fa::er exame oral 2.
Vapor Cearfc.Este navio da companlua
brasileira devia sabir do porio do Rio de Janeiro
. para o nosso, pela. Bahia e Maceio, no dia 1 do
corrente.
Intcirposicao de si^ravus c ap-
pellacoes. Sob a rubrica Parte Official, pu-
blicamos hoje o decreto n. 5.467, de 12 de aovem-
lii'o, sobre este assumplo.
iiiipostos sreraes. Em virtude da dis-
{ao do art. 12 da ultima parte do art. 22 da
KI do orgamento vigente n. 2,348 de 23 da agoslo
ultimo, (.assa a ser de dez por cento a multa a
qae estau sujjitos os devedores atrazados dos im-
posios da decima addieional, pessoal, sobre indus-
iria? o prolis oes, e Taxa de escravos, a comegar
de 21 do correnle ; pudenda ale esse dia os deve-
l res does impostos no exercieio de 1872
1873 satisfazerem seus debitos sera aquella multa.
CiMifrai'ia da Sle:laile. No doinin-
go 17 da corrente) deve reunir-se a mesa ge-
ral ileata coaf'aria, para proceder a eleigao da
mesa re^edora para o anno Mimpromissal de
18ft.
Ciado eavnllar. -Xa col I jcloria provincial
de Serwhaem, duranle o prazo dado para a matri-
.tila do gado-cavallar, quo tern por lim legalisar a
propneda Je de modo qae torne efl'eclivo o iinpos-
to ullimamente crcado sobre a venda ou permuta
desses anitnaes, foram matriculados 1828 caval-
lo;. pertencentes aJ867 pes-oas.
Smciedade patriotiea Daze de Sc
teinbroEra sessao de hontem nomeou esta
soeiedado as seguintes commiso"es para a expo-
sigio:
. Commissao de rocegeSo.
Dr. I.amenlia I.ius.
reneate-onnnel Efneslo Silva.
i. iramendador Luiz Gmealves da Silva Dias dos
Sant -is.
Dr. Paulo de Oliveira. v
I'ara dor relatorio sobre os producto*. asse
i-'iiintes:
!Minerals.
Dr. Panlo de Oliveira.
Dr. Felippe dePigoeirda.
Dr. Gervasio Campello.
2 -Vegetae-.
Thomaz Citrneiro.
Dr. Cbrisolito Chaves.
Augusto E.ras.
3. Productos agricotas.
S nad ir Barros Barreto.
Dr. Iguaeio JoajuiraHe Souza Lefio.
Dr. Barros de La'-erda.
4.0-Ptorica!tur;i.
I'acilico do Ainaral.
Carlos Ryeler.
I.TonvmJ Fiusa
5. -Productos de pesca.
Dr. Belfo-t.
Dr. Tiburcio do Magalhies.
Oscar Deslibaux.
6.*Machinas-e utensilios agricolas.
i apiiao de fragata Stopple Ja Silva.
Dr. Manoel de Barros Barreto.
F.Qgenf'>iro Blocurt.
Ministrels. As9imsedenominamalgunscan-
tores amerieanos que, formando uma companhia
lyrica, devem chegar brevemente a esta provin-
cia, com o lim de otTerecerem ao publico alguns
-ne,:taeulos. A crer-mos no que xlelles dizem 03
jorna^s dj sul do imperid devemos noticiar que
sao dfl^ios de aprecia';Ao.
Asseiaeao medica.Con>ta-nos que no
ilia 26 do mez proximo undo, reuuio nao peque-
uo numero da medicos estafcelejidos nesta cidade,
e;n um -1 w sal$es da soeiedade Luso Brasileira
com o lim rlo f.indarem uma associajao destinada,
nao so a curar dos intere-ses da classe, mas lam-
hem a estudar os meios de meihorar o estado de-
pi travel da liysiene da provincia.
Prorosacs'*0 ** prazo.0 que devia ter-
minar agora, "para rejebimento, independente de
mvilta, da confribuigSo aixecadada pelo consulado
provincial, provenieat; da collocagao de appare-
Ihos e servie.o dos rnesmos, pertencentes a coinpa-
luln Draiaage, M prorogado por mais trinta dias,
a contarda data da dedaracao feitapela reparti-
cao competente e publieada na secgao propria.
Festlvidade relislosa.Com a pompa
> decencia devida, effectuar-se ha na igreja de
Xossa Senhora do Carmo, no dia 8 deste mez, a
festa qne alii o de devocao f izer-so a Virgara se-
nhora aa Conceigio. Tera vesperas com ladai-
uha; ao Evangelho e ao Te-Deum pregara o Ilvd.
Sr. Grego, e uma guarda do 9: batalhao de infan-
taria fara as honras mililares a festa da excelsa
padroeira.
I elegrapho elcctrieo.Abre-se ao pu-
tilico hole (2 do orrenie) uma edacao telegraphi-
:, naviBa de Barreitros.
(iitguerl'tos prtliciaes.Pelo delegado do
I rmode Nazareth foi remoUldo ao respectivo iuiz
inimicipal o inquerito policial a que procedera
contra Jose Pereira de Souza, por crime de estel-
lionato; e pelo delegado do termo de Pac d'Alho
foi rem^itido ao juiz municipal do termo o inque-
rito a que procedeir contra JoJo Jose de Souza
ianario,por crime do morte.
Captura de erlmlnoso. Pelo subdelc-
ado deSini-i Anno foi captarado e recolfido a
reflpaetin cadeia, o criminosb Estevio Jose dos
Santos, pronnnciado na^uelle termo como incurso
nas perns do art. 193 do codig* criminal.
Cadaver.No dia 13 do corrente, no sitio S.
lose, de terras do ertgenho S. Jmo Baptista, do
i* dMrietode Tracunhaefti, foi encontrado, jarein
lado ije plo^c^, o cadaver do Manoel de
KarrsPL|c*rftj, dedlarando os petite ter slflo a
morte natural.
Ilesastre. -No 1." districto de Tracunhaem,
uo dia 17 do -p- menor, Who da viuva
Ignacia Mafia *afi#i*i;5o, estando com uma es-
pingarda carregada, dispawn-se esta casualmente,
result^ndo o faiimen'o grave de ambas as maos
do dito menor.
Reiiiniao oeIttI-')miing) i7jdevexea-
bsar-sia assemblAa geral dot accionistas de hos-
pital Portuguez de Banetiqqnoia, as 11 horas do
di3, a&fedea proce-iM- a elei'-ao da jua,i|dmi-
nislrtk\Wi qan^lseii je'eontas queiwnde
fuh^80H3r ne tMsnfmk.
Canaara municipal do Recife.-
Esta corporapao comeaafca sua sessio ordinaria
ralif}WP e'ai fMinila. -A eom-
'KiSfflM ThereA, alleaden ainh a ufnlw
dade dti Oliuda. jMlabaJeoendo alii, a rua dos Mi-
ragtils, uma.casa d> jue tern deser servi-
da flora a Bsc'elirite" agua a'o rio Be'beribe.
lisada ,3el^, moraa companhia para o aoa
\netiXo ( (JHpttT.irj.1'1 daqueiLi ciaadB.
.iriianhiwem diaste sra franqn^ado r>ji p'Q-
> o estabeJacimsnt), ffripBwto com a eom-
:*-e assaio fc> illumi-
0 preco estipulalo para w bMhos 6 o mats
nwdkw pessivel (MOreis cada um), achaudo se a
casa aberta todos os diae das-8 as 9 da manna e
das 6 da tarde as 9 da noile, e nos dias sanlifka-
dos das 5 da rnanha as 9 da noite, segundo a an-
nun.cio da companhia, que damos hoje publicid'a-
de no lugaf competente.
Arreeda^o.~Com o prazo6) dias, adia-
se do dovo aberio no consulado proWneial, o ro-
cebimento dos debitos provenieiites doe appare-
lhos e servico dos mesraos, pertencentes a com-
panhia Drainage, sujeitos ja a multa de 9 por
cento, por ter se findado, ha muito o tempo deter-
minalo para sua arrecadaoao, mas ainda indepen-
dente de guia da seccao do contencioso da the-
souraria provincial, pelo que nao deixa de ser
favoravel aos contribuintes.
iMarinha aniericana.A'bordo do ?a-
por Merrimack passou hontem para os Estados
L'nidos o almtraate W. R. Taylor, ex-comraandan-
te em chefe da esquadrilha amoricana nas mares
do Rio da Praia e Brasil, o o seu secrelario.
ninliciro 0 vapor Merrimack levoade nossa
praca 2:00d4000 para o Para.
Thesourarla de fazenda. -Nesta es-
tagao pagam-se hoje as seguintes folhas: tribunal
do commercio, peisoal da policia, coasignajao dos
offlciaes do exercitoe ouiros, juizo dos feilos, ma-
riohagem e guardas da alfandega.
Os funccionarios que deixarem de receber neste
dia, so poderao fazel-o do oitavo dia util em diante.
Hospital Portugaes de Benelleen-
ela. Movimenta das enfermarias desde o dia 83
a 19 de novembro :
Ficaram em trataraento 41 doentes.
Entraram durante a senaana 15, sahiram cura-
los 13. fallecou I, licam existindo 42.
Esta de seaiana o Sr. mardomo Cezaiio Accnr-
cio Papoula.
Villa do Cab"o.- Enviam-nos o segniatc :
o No dia sabbado (29) esta viila loi testemanha
de dous facto? importantes :
Ao retirar-so um fraco e pobre moco da feira
montado em seu cavallo e me intimaodo um sol-
dado de policia que parasse, correu amedronlado,
e o policia perseguio-o com tabicadas, c dao satis-
feito, arremecou-The a espada que milagrosamen
te o nao apaoltou.
i Xo mm dia e oicasiio, em seguida, uma
inullier conduzia sua raiii, que lem por costume
embrjagar-se. e, como h;uvesse alguma resisten-
cia, oulro aoldado dirigio-se para ellas, empurrou
a lilha era lugar de ajadal-a, e, com achegada
d'um oilega, f>i arrastala a velha barbaramente
e lanrjada na prisao ; em que entraria se ao estar
prestes a isso, n;o fosse soccorrida pelo digno e
intelligente promotor, que, indiguado, soube mau-
ler aordem ja hem alterada.
0 Sr. subdelegado tem-se tornado digno de lou
vores pelos servicos, que tem prestado ; mas com
o actual destacainento, composlo em grande parte
de maos homens, ve-se" em verdadeiros apuros .
Proclamas. Foram lidos na igreja do Ro-
sario, que serve de matriz da freguezia de Santo
Antonio, no d >mingo 30 de novembro, os se-
guintes :
I.* denunciacio.
Pedro Lopes de Saut'Anna, C()in Iguez Gongal-
ves dos Santos,
Luiz Francisco Jorge, com Franeisca Maria da
Conceicao.
Francisco Ciiuinato da Annuncia^io, com llosa
Amelia Conceicao.
Joao Gualberto Somes de 3a, com D. Julia Fran-
cisca Bezerra Ca^alcante.
Tiburcio dos Santos Portugal, com D. Marianna
Athanasia Moreiia.
Dr. Manoel Enedino do Rego Valene-*, com Ma-
ria Margarida da Cruz Lobo.
Joao Francisco Ferreira de Araujo. com Julia
Maria dos Passos.
Jose Mareira da Silva ^Pacheco, com Carolina
Albuquerque Lacerda.
Antonio Luiz Ferreira, com Maria Leopoldina de
Carvalho.
Guilherme Bessoue de Almeida, ^com D. Anna
Senhuriuha Ferreira.
2* denunciacio.
Francisco Manoel de Sa I'egado, com Henri quo-
ta Maria de Barros.
Jacintho Jose da Silva, com luliajMaria da Con-
cei ao.
Dr. Samuel dos Santos P.*ntual, com Lydia Eu
genia dos Santos.
Jolo Peres Rodovalho, com Leopoldina Lydia
Corrta.
Anlonio Meudes da Silva, com Bellarmina Olin-
dina da Silva.
Guilherme Francisco Oaorio, com Eugenia Cla-
rinda Ferreira.
Manoel Sezino de Albuquerque Maranhao, com
Jesuina Aiexandrina de Carvalho Pedroso.
Ermiuo Rodrigoes de Siqueira, com Maria do
Carmc da Silva Mania.
3." denunciacao.
Jose Francisco Nune- Soarcs Falcao, com Hen-
riqufta Fran riaca I'ereira SiiiiSes.
Miguel Goacalres da Silva, com Francisca Ma-
ria da Coneeieao.
Joi" lu'.aleranio de Almeida Cavalcante, com
Genuina Marianna da Motta.
Oroncio Vicente doJ31ivtira Antunes, com Ame-
lia Maria da Conceicao.
Trajano loio Rjiendo, com Tbedtonla Genoveva
Maria de Jet :-.
Jose Felippe da Fanceca, com Maria da Concei-
cao Jardim.
Gailhermino Lopes da Paixao, com Candida Lu-
zia do Espirito Santo.
Jose Luiz de .Velio, com Honoria Carneiro de
Oliveira.
Francelino Alves do Souza, coraj Josepha Maia
de Souza.
Antonio Jose Ferreira, com Brilhandina Ger-
trudes Waaderley.
Francisco Pereira de Miranda, com Maria do
Rosario dos Reis.
Bernardo Jose de Medeiros, com Julia Maria
da Siha.
Antonio Ribeiro de Castro Fonceca, com Um-
belina Cai'tana de Jesus Basto.
Ben to Alves Machado Guimaraes, com Amelia
Augusta G >n.'alves de Barros.
Hilarino Juliao dos Santos, comldalina Maria dos
Prazeres.
Joio Jose de Lima, com Elisya L6.
AMJhio Joao de Amorim, com D. Philomena
Adelaide Leal I.oyo.
Fructuoso Thofflaz de Aquino, com Romana
Francisca do Rosario.
Luiz Walfrido de Carvalho, com Paulina Gon-
{alves de Macedo.
Celerino do Rego Baptista, com Anna Lins Paes
Barreto.
Joaquim Jose Lopes de Albuquerque, com Aie-
xandrina Beuicia do Rosario.
Francisco Irineu de Carvalho, com Bernardino
Maria da Conceicio.
Jose Augusto Rodrigues, com Maria Luiza da
Silva Oliveira.
Loteria.A que seacha a venda e a 77.*
a beneficio da matriz do Bom-Jardlm, a qnal corre
no dia 3 de dezembro
Gasa de detencao.Movimento do dia
30 de novembro de- !$73 :
Existisra presos 303, entraram 2, sahiram 2, exis-
tem 303.
A saber :
frwionaes 233, rnolhetes 8, estrangeiros 23.
p'/T->--^ 32, escravas 7.Total 303.
A'imentados a ensta dos cofre3 pnblicos 249.
Movimento da enfermafia do dia 30 de novem-
bro de 1873 :
Tlveram baixa :
Thomaz Alves de Qliveira.
Joaquim Pereira da Sim.
Hospital Pedro II. 0 movimento deste
eslabelecimento, de 24 ao dia 30 de novembro do
1873 foi o seguinte: existiam 358, entraram 69,
sahiram 39 falleceram 9, existem 379, sendo :
238 hornens e 141 mulheres.
Advertencia.
Foram visjlaaas as enfermarias uesles dias : as
7 lr2,8 D2, 8 li2,8 112,9,8,8.'1|2 polo Dr. Beltrao;
as I, l|2, 11 Ii2, 12, 1,12, peTo Dr.. Sarmento ;
aa $, 8 1 '2, 8 1[2, 9, 9, 8, 8 i|2,' peto Dr. Maia-
quias ; as 9. 8 1|2 pelo Or. R. Vianna.
Fallecidos. k
Tfcepdpra Maria1 do Isfirflo Ssmto, lubftculos
Jose AntotiioServindo, variolas heraorhagicas.
Kindre Ange Marie, febre amarella.
Francisco Lino da Cogta, pleuro pneamonla da-
pla.
Ignacia Maria das Cahdeias, tnbercillos pttl-
fnonates.
Aniortio Jose Gomes Blniz, tubercalos pulmo
nares.
Joae, variolas cOnfluentes.
Sebasliab, variolas.
Albina, hemorrtiagia intercraneo.
Passa/jfelfos.' mdos dos portos dosul no
r araericano Meri'-iiick:
arneiro, rali I'uestoijbiig, Joaquirn de
MlroMun^ L. Veliase
m U i'.oraes Guerra, Jacintho
laria Carolina.
Sahld)3 para a Eurnpa no vaporflortnguer
Julia Diniz:
fosephin:. Angela Rodrignes e sua sohrinha,
Ubaldo Marlins, MaaoeJ teftoiCA Xanes, Luiz Pe
reira da Silva Antonio Luiz Alves Dias.
DE
Trii>uual do ooiuiuercli;.
ACTA DA SRSSAO ADMINISTRATIVA DE 24
NOVEMBRO DE 1873.
PRESIDENCIA DO BXU. SI. CONSBLHBIRO AXSELUf-
CHAXC1SCJ PBIIETTI.
A's 10 horas- da mannS, presenles os Srs. de-
putados secrelario Olinto Bastos, Lopes Machado
e suppleutes Sa Leitao e Alves Guerra, S. Exc.
o Sr. conseltwirb prestdenle declarou aberta a
sessao.
Foi lida e approvada a acta da precedente
sessao.
EXPSDIK-XTE.
Ollicio do presidenle o secrelario da junta dos
eorretores, remetteodo o boletira das cot^ues offi-
eiaesna semana de 17 a 22 de noverabrj.Para
o arcravo.
Assignou-se e foi expedi la a Cjirla de rehabili-
lacAo passada a favor do eommereiante Josii M*ri
Palinsira.
Distribuiram-se os seguintes livros :
Uiano ue Ferreira & Velloso e copiador de
Mauricio Jose dos Santos Ribeiro.
DESPACHOS.
Requeiimontos:
De Migud Ferreira da Costa, para regislrar-se
o documento junto.Como pede.
De Vianna Castro <&-, para ordenar-se o re-
gisiro da nomeacio inclusa de seus caixeiros.
De Joao Ferreira Ramos, pa-ra procedei -se ao
registro do documeuto anueio. Como requer.
De AntonLi Martins Moreira, para que se regis-
tre a nomearao de Caetano Estellifa Cavatcaofi
Pessoa Junior.Deferido.
De Antonio Clementino Ribeiro, pedinio o re-,
gistro do documento incluso. Xa forma reque
rida
De Melquiades Manoel dos Santos Lima, sujei-
tando- a registro a nomeacao de llermeuegildo.
Victor de Almeida Portella.Ren;islre se.
De Joaj Facundo de Castro Menezes, apresen-.
tando o documento junto, para registrar-se. Na
forma pedida.
De Dionizio Hilario Lopes, solicitando o registro
da nomeacao de Leopofdo Lopes. Seja regis
trada.
De H. M. da Silva & C, pedindo o registro do
documento junto. -Coma reijuerem.
De Manoel & Maestrali, registro d? nomeacao
de Manoel Avelino Pereira de Lyra.Sim.
Dos mesraos, registro da nomeacao que derara
a Joao Baptista Ferreira.Na forma pedida.
De Manoel Pereira Raposo. sujeilando a registro
o documento quo junta. Deferido.
De Guilherme Jose de Souza, offerecendo a re
gistro a nomeacSo que concedeu a Antonio Fran-
cisco Liberato.Proceda-se ao registro podido.
De Jose da Cosla Bispo, para que se mande re-
gistrar a nomearSo que junta offerece. Como
pede.
De Joao Walfredo de Medeiros & C, submet-
teodi a registro o documento anuexo.Seja re
gistrado.
De Vaz Junior & C, trazendo a registro a no-
meacao de seus caixefros Jose Faustino Porto,
Joao Cardoso Ayres e Joao Teixeira de Souza. -
Faca-se o registro pedido.
De Man iel Jose da C imara, requerendo o re-
gi stro do documento que apresenta. Xa forma
re'querida.
De Mello & Macedo, para mandarse inscrever
como seu caix*eiro Francisco Antonio de Albu-
querque.Como requerem.
De Silva & Manta, pedindo que se registre a
inclusa'nomeacao de caixeiro.Registre-se.
De Manoel da Cunha Saldanha & C, registro
da nomeacao que deram a Manoel da Cunha Sal-
danha Fiiho.Seja registrada.
De Manoel Cardoso Ayres, tambem roquerendo
o registro da nomeacao de seus tres caixeiros.
Sim.
De Moreira & Irmao, igualmente apresentando
para ser registrada a norneaQio de Celestino Alves
Muuiz.Sim.
De Silva & Santos, registro do documento junto.
Como requerem.
De Nicolao Tolentino de Carvalho, registro da
njunoapao de Francisco Alves de Carvalho. Defo-
pldo.
j De Jose Nogueira de Souza, apresentando a re-
jrislro a nomeacao quo Junta de auus caixeiros.
Sim.
l)e Frencisco Augusto de Araujo, pedindo o re-
gistro da inclusa nomeacao de seus caixeiros.Na
forma requerida.
De Felicidade Rosa Saldanha, registro da e3-
criptura e proeuracSo anue.xa. Procoda-se ao
registro pedido.
De Antonio Jose Pereira Bastos e Jose Pedro
Borges, requerendo que se registre o contrato so-
cial cujos exemplares junlam. Vista ao Sr. des-
embargador fiscd.
De Domingos Ramos de Araujo Pereira e Ma
noel Cesar Bezerra, satisfazendo o despacho do
tribunal proferido em peticao quo requereu o re-
Sistro do seu contrato.-Vista ao Sr. desembarga-
or fiscal.
De Parente Vianna & C, para certificar-se-lh3s
se D. Joanna Victoria de Brito Cunha tera contra-
to registra lo.-Certifique-se.
COM 0 PABECBR FISCAL.
Peti^oes:
De Joviniano Manta, malricula de wramer-
ciante.Como requer.
De Bernardino Duarte Campos, Joaquim Fer-
nandas da Silva Campos, Joa |uim Duarte Cnmpo3
e Antonio Duarle Campos Junior, registro da al-
terajao de seu contrato.Proceda-se ao registro,
nos termos do decreto n. 4,394.
De Francisco Jose de Oliveira Rodrigues, pedin-
do ser nomeado cofretor gcral desta praca.0 tri-
bunal resolveu que ficassc adiado o despacho ate
terminar-si) o prazo convocado para o provlmento
do officio pretenlido.
Autos de moratoria de Bastos 4 Silva.0 tri
bunal resolveu que se convidassem os Srs. Her-
raino Egydio de Figueiredo e commendador Joao
Ignacio de Medeiros Rego, afim de decidirem o
pedido dos supplicantes na sessao de 27 do corren-
te, sendo lambem convidado o Sr. desembarcador
fiscal interino. Nesta conformidade despacliaram
se os autos, sendo secrelario ad hoc o Sr. S;ii
Lei tao.
Ao meio dia, nio havendo mais o que despachar,
S. Exc. o Sr. conselheiro presidettte encerrou a
sessao.
CAMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 19 DE NOVEM-
BRO'DE 1873.
PRESIDENCIA DO SR. REGO K A'LBVQl'BRQl E.
Depois do meio dia, presontesos Srs. vereadores
Rego Albuquerque, Neves, Theodpro Silva, Cesaria
de Mello, e Cunha Guimaraes, o Sr. presidente abrio
a sessao, e lida a acta da antecedente, foi appro-
vada.
0 Sr. presidente-den parte a caraara que no dia
13 do corrente, conforme fora marcad1, teve lugar
a installaeao da nova villa.de Santo Amaro de Ja-
boatao e posse dos voreadbres da respectiva caraa-
ra municipal, e que por occasiao de dar a posse,
felicitou a nora caraara em nora'e desta.- A cama-
ra recebeu esta coraniunicacao cheia de jubilo,
congra'.ulando-se com sua irraa por uma nova era
de prosperidade que nesse dia despontou para os
habitants do novo muaicipio ; e ordenbu que se
communicasse a contadoria para os devidos fins,
qua os erapregados desta municipalidade nas fre-
guezias de Jaboaiao e Muribeca deixavam de o ser
desde esse dia 13, por fazerera parie de ura novo
municipio aquellas duas freguezias.
Depois do que se passou a leitnra do seguinte
EXPEDIENTS .
Offlcio do administradir do cemiterio publico,
de 17 do corrente, pedindo providencias contra o
abuso de serem conduWdos cafaateres pefas casa*
mortnarlas de Agra 4 G. e Paula & Mafra, sem
acompanharetn logb ,as corapete'nies guiis. as rjtKB
s5o remettiaas pbuco dfepois Hq reeebihfeBtt dos
mesm'os eadVeri.-A eaWaVa'flcou rMefrad*'.
Outro de igual data informando, segundwdbb Tifl
ordemdo nelo fiiewftrfie ddta tfamaMj. amanuense do ceraitenef fewv^sHv Pfres Feweir*,
raui poncas ve*eis; dsd4 que para alii fora remo-
vidb, lem ierxaaod cfiMwrtoer ; e fessas poucas
falias tem scuftre iao totiifedjpcoin rhotivos va-
liosos.A cattanr-BeofRnl
Offlcio do solicttadot dKamara, JDWMljMitlj oma
.districto frimiual desta cidarj*.
*r.
Offlcio do procurador, pedindo -para que se Ifae
levo emcoota a quantia de 9**00. dada >para sello
de um livro qm> um de aervir fa secreiaria desta
caraara para registro das ccrtidoes dos casamon
tos acatlioiicos. -Mandw-se.
Oulro para o mesmo fira, a respeito da qnantia
de 328/iQU. despnndida com a compra do terre-
ne da rua da Assampcao a Antonio da Costa e Sa.
-Mandou se.
Outro, dixendo quo na l-i do orcamento nao foi
consignada verba alguma para a arborlsacao desta
cidade, com a qual ja liavia despendiio a quantia
de 62 JIOO. Resolveu a comara pedir ao Exm.
presidente da provincia autorisa.ao para despender
pela verbaeventuaesa quantia de 1:0003000
com a reforida arborisacSo.
Outro, communicando que, tendo )dn reeeber
na thesouraria 4 farenda a quantia ^oncedida
pelo governo geral para auxiliar a despcza com
a limpeza geral desta cidade, nao effectuou esse
reeebimento por nao ter vindo-asiHgna' a pelo ni-
nistro a respectiva autorisaijao a thesouraria, como
Ihe declarou o Sr. inspector.-Inteirada.
Informacao do nscal da frcguezla de S. Fr. Pe-
dro Goncalves, native a pelijio da Bellrio Oliveira
4 C. Foi indeferid* a pellcao, wsto ser o eslabe-
lecimento dos mesraos, da naturexa dos que, pelo
art. 1*7 i* pane das posiuras de 26 de junho do
oorreote anoo, devera tecbar-se nos dias saotrfica-
dos as 2 horas da tarde.
Outra do fiscal de Nossa Senhora da 'Grata obre
petioao de Jose Maria de Mollo Foi iodoferiJa
o por ser a casa jjoJe o peticion&rio pi eieade abrlr
acongue, de morarlia, e nao tor proparcoes, segun-
do as posiuras para a pieUe
dm. iwiaeajes das
multasimposias pelos fncaes do.Recife,.Boa-Vista,
S. Jose e Nossa senhora da Graca.de 12 a 19 do
i.earreiite; a primeira ua ii-.i|>oriaiicia de 4diU00,
asegunda da 70iO(X), a leiceira de WiOOOea
quatu do 7iAO00.A caraara ficou inteirada e
mmdou remetter ao procurador para os devidos
fins os dous termos que acompanharam a relaca
do Bscal da segunda daqoellas freguezias.
Foram a contadoria para infonnar as petkoes
de-Floreocio Rodrigues de'Miranda Franco, Jose
Joaquim Pereira de Oliveira o Paulino Hereolino
de Figueiredo, ao respectivo fiscal; para igual fun
a de Jose Maria de Mello ; foram inaeferidas as de
Antonio Climacj Moreira Temporal e Jose" Lucio
Lins, votando contra o indeferiinenlo da primeira o
Sr. vereador Neves; foram deleridas as de Anto-
nio Ferreira Ramos, Antonio Coelho Lins, Antonio
da Silva Proa, Bernardino de Senna Santos, Brau-
lio dos Santos Lima, Braga & Pimentel, Candido
Pedro de Almeida, Dulio de llollanda Cavalcante,
Enedino Goncalves Ferreira da Luz, Francisco Pe-
reira de Meirelles, Francisco Guedes de Araujo,
Gervazio Pires Ferreira, Henriques Praxedes de
Barren, Jose Augusto G. Araujo (2), Joaquim Ma-
chado da Silva, Jusiiniano Antonio Alves S ares,
Joao Manoel Pires, D. Joaquina Candida de 0Ii7eira
Borges, D. Joanna Baptista Feitosa, D. Leonor Ma-
ria de Souza. Lailhacar & >'., D. Maria Jaaqnina da
Conceicao, Miguel Muscarelle, Manoel Jos6 de Oli-
veira Lima, Oliveira & Irmao, Olympio Afra de
Mendonica, Pedro Jose Paes Barreto, Dr. Quintino
Jose de Miranda, Vicente Ferreira da Costa e um
abaixo assignado de talhadores.
Nada mais houve a tratar, e o Sr. presidente le-
vantou a sessao as 2 1/2 noras da tarde.
En, Pedro de Albuquerque Autran, secrelario,
a escrevi.
Manoel Joaquim do Rego Albuquerque, presiden-
te. Jose1 da Siloa l/jy-> Junior. -Jose Pedro das
Neves.-Theodoro Machado Freire Pereira da Sil-
va Jose Cesar io de Mello. Jero ay mo de Souza
Leuo.Joao da Cunha So ires Guimaraes. Dr.
Pedro de A. Lobo Moscaso.
Balanco do Banco Comniercial
le Peruanbnco, em 99 de no-
vembro le ft$93.
ACT1VO.
Accionistas................... 4,200:0003000
rifeaioa>M pi- como saWo-jreto nHsrho Sf. Madnho PaTcSo qde
a redaecan d'aquelle offlcio foi devida ao Sr. major
Antonio Kayrauado Brigido dos Santos, advogado
provisionado, hoje morto, quo a flzera sem duvlda
a pedido do presidenle da camara e male verea-
dores.
Da nenhuma interferencia do Exm. Sr Dr. Lu-
cena nos ofBcios, dequejalla Marinho Falcio. po-
dera dar testemunho o vigario Francisco Pedro da
Silva, se 6 que presa a soa dignidade, e o Sr. Agos-
tinho Correia de Mello.
A tudo quanto fica dito em refulacad das falsida-
des, a que eatenderam poder dar corpo os dous
signatarios dos documentos publicados na Proein-
cia, poJer-se hiam accrescentar muitas outras
considerscoes, alem das qne fleam expendidas;
mas attendendo que e por demais o que ja foi dito
nesie artigo, liraitar-nos-heraos a dizer apenas
mais duas plavras a respeito.
Em attencao ao quod abundat non nocet, dire-
mos ainda que uma das provas de que nenhuma
pressao exerceu o Exm. Sr. Dr. Lucena, como de-
legado, no jury do Ouricury, e que forara entao
absolvidos diversos criminosos d'entre os que fo-
ram proccssados naquella epoca, appellando o in-
tegro Dr. juiz de direita, que presidia aos julga-
mentos, das respeclivas senten^as.
Ora, se fosse verdade que pressao liresse havido
e que ella livesse produzido os effeitos desejados,
enfio todos os criminosos perseguidos pelo ex-de-
legado do Ouricury, actual presidente desta pro-
vincia, teriam Ada condemnados o que nio
se deu.
A Provincia & incansavel em sna ingrata tarefa
de dardejar apodos, iosnllos e calumnias.
Mas felizmente nao se podo dizer a sen respeito
o que disse Horacio de Jupiter Fulrainante : tet-
ruit urbein.
0 Exm. Sr. Dr. Lucena sera sempre da mesma
estatura, a despetto do? esforcos dos provincianos,
que fazendo o papel de ridicules cyciopes, procu-
rani em sua ternnm diminuir Ihe s proporrocs
por meio de seus raios impotentes
.....
.........
Letras descontadas..
Letras Caucioiiadas .
Letras a receber ...
Valores depositados.
Despezas goraes............
Deapezas de installaeao......
Movcis....................
Diversas contas.............
Oaixai...............'.

1,966:4481461
23:8313338
3i:'i3336t3
67:8023700
10:1493947
6:I17>I7:J
6:6125332
200:2293941
434:2974142
"JBUDACOES A PEDIDO.
No seu receiluark) o nso iimnodei
elies fazem das substancias veieooMs. oomooar-
senico, a digitalis, o esiricbinrae e putros, Jem
revella que elles sao uns tratantes, que prccisam
de ir a cadeia. Ja tem havido pharmaceutico rjae
se tem reensado a aviar seus reeeitoarios.
Sao estes os dous celebres especialislas qae
vao ae Ceara arranjar dinbeiro paw 4e para o
sacrislio do cemiterio !
0 Dr. Sarmento ja os esta alropellando com
um processo que inienlou peraate os. tribniiacs,
o existe ja uma queixa muito bem fundameatacla
de Dr. Aquino, qne se lan;a com indiguacao, si
gundo nos consta, contra o Dr. inspector da saiil
public.-*, por sua incuria e condescendencia cn-
minosa. E'de esperar que no Ceara o'Dr. ins-
pector de saiido publiea nao Hies dd gaarida.
Dizem quo o primeiro protector d'elles e p Lu-
cena ; ja lardava que a causa de mais esse imii
(ue opprime Pernambuco, nJo fosse o celebre e.- -
palJeirad'ir do dia M' de maio.
< Chame a attencao do- pablieo para esso facto :
veja que alii nao caiara rwHW.-iHa armadilha.
u AIDnno Ihe que sib dous cavaiheiros de i!-
dustria, audazes e inhabeis.
(Do Fuluro.)
Ao publico.
Constando-me que a Provincia se encarregou de
coutestar a legitimidade de minba oleicSo de de-
puiado provincial por este districto, allegnndo quo
estou processado e pronunciado no termo de Santo
Aniao, dou-rae pressa em desmentir tal asseve-
racio.
Em 1870, como advogado, veio a meu poder
esses aut03, Ijue de meu poder foram extraviados.
Enlio o juii municipal respectivo, enten leu de-
ver processar rae e pronunciar-mc por esie facto,
em vez de obrigar-me a renovar o processo, enja
oopia existia no cartorio.
A' vista disto, interpuz o rcc-urso que no caso ca-
bia, e este recurso foi attendido e julgada impro-
cedente a pronuncia, como so ve do despacho Ian-
cado em data de 13 de outiriro de 1871.
Fique, portanto, inteirado o publico de que nio
estou sob \ pressao de uma pronuncia, nem |ue
a tivesse soffrido por facto que me deslustre. 0
que me aconleeeu, pode dar-se com qualquer ad-
vogado, sem qaebra da sua oignidade.
Bom Japdim, 23 da novembro de 1873.
Manoel Terluliano Travasso de .irruda.
Tribtito ao ituerito.
Nao podenios passar desapercebido ter
o autor da publicncSo hontem feita neste
Diario, coberto da lou vores ao Sr. Dr. Mo-
rses ; ao pa:SO quo o proprietario da botica
o Sr. Manoel Tho oaz Pereira do Ilego, onde
o infeliz suicida foi pensado, jazera no olvi-
ilo. M6s, porem, que saberaos bom aquila-
tar os sorvigos do Sr. Rego, que te^nos sido
testernunhaspor mais deuma vez da manei-
ra por que se tem prestado nestas occasioes,
vimos, corrigiiulo a t'altn acima dita, talvez
involuntaria, trazer ao dominio do publico
os sous seulimeutos bumauit3rios, para que
sejam tidos na devida consideragao.
Nao queremos com est.as palavras offender
a modestia do Sr. Rego, o se assim o fazemos,
pede mil desculpas
OjusIiceiTO.
6,958:5473899
PASSIVO.
Capital.......................
Fundo de rnserva............
Contas correntes por dinheiro a
juros......................
Contas correntes simple;........
Letras por dinheiro a juros.....
Depositos da dire*toria.........
Calicoes.....................
Dividendos...................
Descontos.....................
Diversas contas...............
Lucros e perdas...............
6,000:0003000
4:5003000
151:4363360
61:8393700
6:1973820
36:000*000
31:802*700
52:2733000
124:8763737
488:4493536
1:1303006
6,958:5473899
S. E. & 0. ----------------
0 guarda livros,
Francisco Jiiaauim Pereira Pinto.
PAHTIDO COIWHViUOR
RECIFE, t DE DEZEMBRO DE 1873.
E' sob esta epigraphe que annuncia a Provincia
de hcje a publicaijao em suas columnas de dous
documentos assignados, um por II >mem Bum da
Silva Magalhaes e oulro por Joao Mirinho Falcao
de Albuquerque.
Dizenuo os provincianos que taes documentos
eram publicados para satisfazer a solicitagao que
Hies dirigiram, tiveram em vista dous Gns : 1" dis-
farcar e occultar o verdadeiro movel de seu acto,
que nenbura outro e senao o exercieio da mesqui-
nha vingaaga, o desabafo do odio do Sr. barao do
Villa-Bella ao illustrado Sr. Dr. Lucfena; 2 enca-
par o modo porque tem lugar a acquisiciio de se-
inelharites documentos e sua publicacao.
Eslamos inieirados de que as duas nolaveis pe-
cas aceusjttorias, ie cuja publicagao fez cabedal a
Provincia, foram organisadas em casa do Sr. ba-
rao de Villa-Bella, para onde foram levados seus
respectivos signatarios, os quaes pelas suggastdes
conviocentes do mesmo barao, se prestaram a as-
severar o quo Mies foi proposto e consta da3 pu-
blicagSes, para as quaes charaou a Provincia a
attencao de.seus ldltores.
E nao basta fazer paienle a origem do? celebres
documentos para faze-los cabir.da importan:ia.
que sc Ihes attrlbue ? Por certo que sum.
Mas, felizmenle, para se caubeeer o nenham
apre:o, de que sao dignas as dedaracSes dos dous
instriimentos da colera do Sr. Villa Bella, nem se
quer 6 preciso inquerir-se-lhes a origem, e sira
basta soraenle Id-las e aprocia-las, tendo-se em
considerai/ao os noraes daqueltes que as firma-
ram.
De facto, nm Homera Bom da Silva Magalhaes,
a parente de nraa das crlminosas pruooasadas ou
presas no tempo, em qae o Exm Sr. Dr. Lucena
foi delegado no Ouricury, e ouho, Joao Marinho,
e, como elL' proprio confossa, compadre de uma
grande erirainosa, Isabel Granja.
Ora, homens em taes condicoes, afflrraando fac-
108 do ordem dos que afflrmaram em suas extor-
quidas delarap6e?, cam relabao a um homem que
Hies Caliio em devagrado por ter ido levar i jus-
tiga a seus dominios. podetn merecer a minima
fmpbrfancia, o minimo eredito f
Si n, dizera os provincianos; sao elles que nos
merecem todo o credJW, fponissa que sao pot sua
tb*- s instrumentos de nossos rancorosos desig-
nios.
E assim dizendo, paem de ,tarte os praoUci/in/ts
os teslemunbos Ae U(rreeo loaver, que mereceu
O'Exm. Sr. Dr. Lweai; na quaWada de delegado
8b Ouncurv, de muitas jessoas aitaraente culloca-
llas:eaDaze5 de inspirar crenca nas soa* aaseva-
i*6&s; taes eomo Paes Barreto, Thomaz Porapea,
Paula Pessoa e outtosv /A'ajuen' ura railbao de Ho-
mens Bons e Marinnos Fafcdas niio podo conjnba-
al
nota de dospmg; feita*com oosAas j
causas des*a. camara^dA Si dotmw.de
umo ate estaoVa, u ae^inio fjaeae llae .
tregar 2003000 para: oocorNir A. o*trs,/ diwpaws-
-Acumara ttuid* ojdenoe iiue w ^ wje;em;WH e abonaaaaias e-
feridas dup. as e jje Ihe eatregasse a qoantia pe-
dida.
Iuform- -!o coatador aabre 'j|iafamen|e de
cu^tas /siiel# Or.Jttft al*lfcili> do
OOHpKa que fazer ? teenj^twrfc, 0. jterlivet.p*-
der do odio-aesseal nwneonwMjaado: ce paftxlo
(fWtfttca ? I Quantum pectoramo'rtalia cogisj!
Quanto a inversomil hjewia coouda'peto se-
es ajflfldo dos dous, isto e, Marinho Falcao, qoasique
nao merece ella mna so palavra da- contestagao.
lasode offlcio. qua no* hi flsa^oadofrfoe fei
krmUpwdo por engano ao mesmo tempo, esta na
yrarode ao gosio da Pjmincia, No eotraianto 6
bom dizer que a-But Sr. Dr. i.oceoa, quando de-
legado do Owrteury n^wma;|Mir*e towM nt4w-t
do offlcio que foi asaignado pelo Sr.HaT';
Aos Illms. Srs. uioradores do bairro
de Santo Antonio <* todos os mais
senhores que coinpiireceram ao
espeetacalo no theatro de Santo
Antooio cm bcncflclo do ajardi-
naincnto da praca de O. Pedro II,
no dia 30 de naveinbro.
Faltana a um dever de civilidade e gratidao se
nio viesse publicameuto prestar uma sincera ho-
menagera a todos os senhores que se dignarara
aceitar bilhetes para com o producto daquelle e>-
pectaculo comegar-se o trabalho coacernentc ao
ajardinamento le uma praga tao importante como
a da D. Pedro II, collocada no centre do maior
movimento desta cidade e qae ate" o presenle tem
estado a servir de depisito do immundicia.
0 concurso imrtlensb quo houve no dia 30 no
theatro 6 a prova mais"evidentc de crae todos
apreciara os melhoramentos e que todos compre
hendem que o asseio e a limpeza e uraa cousa es-
sencial a saude e iudi-pensavel ao cmforto da
vida.
Quando em pouco tempo, so Deus nos ajudar,
a praga de D. Pedro II estiver cercada de uma
gra !e de ferro, coin algumas arvores verdejantes
e algiris taboleiros de verdura, e bancos corramo-
dos para se gozar do ar puro ou de ura pouco de
fresco, como hoje se acha a praga do Condo d'Eu,
para a qual ninguem deixou de concorrer mais
ou menos, ou brasilciro ou esirangeiro, a quern
eu pedi uma quantia pfta coadjuvagao, esses que
lao promptamenle se prestaram a aceitar os bi-
lhetes que lhes offered, ficarao satisfeitos de te-
re ), cada um com uma pequena esportula, con-
tribuido para tao importanie melhoraraento, que
servira de recreio e prazer para todos, ao mesmo
tempo que attestara ao viajante que nos acompa-
nharaos o progresso : carregar uma pedra para
uii monumento deste e fazer um beneficio a si e
seus desccfites.
Agradego cdrdlalmente a todos que fueram a
noite de 30 de novembro.uma das mais brilhan-
les do theatro de Santo Antonio, e pegolhes em
nome do paiz, era que nascemos, que nio esmo-
recam em ajudar iiquolles que tomam sobre seus
hombros a ardua e difficil tarere de promoverera
taes melhoramoatos.
Para as innumeras contrariedades, decepcoes e
desgostos quo perseguera aquelles quo se incum-
bem de promo ver alguma cousa em prol dos me-
Ihoramentoi publicos, ha apenas uma conpensa-
cao, e 6 ve_-los realisados, apezar da mi vontade
de uns e-iaerf?fa de outros.
Nada posso fazer sem o cottcurso dos homens
bone condo ioteirameute nelles.
Benfe, 1 de dezembro de 1873.
Dr. fabo Moseoso.
Dous cavallieii'ow de industria.
Do Becife, escrem-nos o seguinte :
Consta-nos que alii se mandarara annunciar
dous curandeiros muito onlinarios, que aqui eslao
explorando a cradulfdado dos pobres doentes, que
ainda se deixam lesar por annuncios no gosto dos
cartazes americauos.
Beliro-me a dous cavalaciros da industna cua-
mados Mascaro e Domiaguez, hespaqhoes de norao
e de profissao, e que se inlitulando protissionaes e
especialislas, Dada'caram, m'ettendo-se entretanlo
a curar tudo.
a Ate boje ainda nao e:thibirara tilulo passado
por algupaa uuiversidade conhecida, apezar de
jji rereni sido intimados para isso. Pediram prazo
para .maddar vir seus diplomas, sem nunca dize-
rem de que escola ou acaderaia de*cendim.
i Ullimamente no lnluHo de propagarem mais
e mais" sua pomadii, metteram-se a discutir um
delicadissime caso de operacao praticado no utero
ue uma enfersaa do hospital Pedro II, pelo habil
professor Dr. Sarmento. Este sahio-ines ao en-
contro, e com' o testemonho de dezenas de colle-
gas declarou, que tendo convidado os intitulados
esculapios para assistirem a operacao, quizera ou-
vir os ditQS dolorSj e que estes nem conheciara
aoaiureza esede do mai, nem se.desenvolveram
come medicos, revefland mesmo jgnorarem aquel-
las causas elementares ooia que os charlalaes vao
engedando os paaalvoa. .
a Por e?s occasiao o to. Sanseato let chegar
ao enneeeiiaeuio do puWiio, variasmortes de que
elles torn sido auteres. noudaiaenla a de up do-
ente de Afogados (Recife), que. aoffreado de by-
droeele, leve de ser operado pelos eapeeiahstas, e
estoe bouverarase com lai habiUdade-e perfura-
ram o testieulo do doeme, o qual Wpeu logo
.dBpois.
Ha varios casus c mhecidaa de eegaem, porque
4MBO. occuiistus, iguoxam todos os processes mo
Icao, ua
ipai, constaado
pete eoatrarn e seadft ao
^pnaideoie da camera idetnos, e aiada resam pelos process:s anti
aoaderanados pela r-t.
I'rojoclo de eonstitnieiio
acuado na distancia que mediia entre si a
redacgao da Palavra e a redacgio do
Direito escripto em papel azul coot
tinta vermelha.
Depois de feito o signal da cruz e dita*
as oracoes do estylo para que Deus .\. S. tc-
nha sob sua santa guarda, aquelle qiif mm
diaserdrei dos Portugueses, e api/raoada
a acta da sessao antecedente, limou apalc-
vra oirntdo relator Fr. Domingos deGiiu-
mdo, gueprincipiou a leitnra das bases da
Nova Coitslituicdo pela forma seguinte :
Em presenga de Deus Nosso Senhor, qne
isscreve direito por linbas tortas, e do povo
portuguez, que sempre escreveu torto, mes-
mo pr linhas direitas,
As cortcs approvam e proclamam a cods-
tituigao seguinte:
Art. 1."D. Miguel Maria Carlos Egydio
Constantino Gabriel Raphael Gonzaga Fran-
cisco de Paula e d'Assis Januario, filho de
seu pai D. Mignel Maria do k'atrociuio Joao
Carlos Fraucisco d'Assis Xavierde Paula Pe-
dro d'Alcantara Antonio Raphael Gabriel Joa-
quim Jose Gonzaga Evaristo, occupara o
.throno de D. AtTonso Henriques e de D. Joa
I, sob o nome de D. Miguel IF, o esperan-
goso.
Art. 2.Na t'alta de lilho varSo, El-Rei
poderd designar para Ihe succo hr no sceptro
e nos exemplos, qualquer niembro do sua
familia.
Nao serd preciso que o successor cohve-
nha ci nagao ; pelo contrario
Art. 3.Apenas acclamado, e sem mes-
mo ter tempo de lavar a cara e mudar de
colleirinho, El-Rei Nosso Senhor, de cmbi-
nagao com El-Rei D. Carlos VII de llesp.i-
nhae Henrique V de Franga, declarard guer-
ra a Victor Mauoel para este deixar ao papa
os movimeutos livres e dar-lhe de novo o
poder temporal.
Art. i.Restabelece-se a lei dos mor-
gados.
Os filhos segundos terao a liberdacle
de assentar praga ou de estudar para padre.
segundu a sua vocagao, isto para nao mor-
rerem de fome.
Art. oSerao fundadas novaraente as
rtrdens nligiosas extinctas, apossando-se dos
seus antigos conventos a bacamarto, se nao
poder ser d'outra forma.
Todos os vendedores de phosphoros e ie
jornaes entrarao para novigos dos conven-
tos;
Art. (i.Todos os cidadaos podem ex-
prlinir livremente as suas opinioes,
Quer em reunioes publicas, que nao po-
derao erjnstar de mais de dous iivlivi-
duos,
Quer nos jornaes, para cuja publicagiio
se exigiri uma ftanca de duzeutos contos cle
rels.
Art. 7."Serao de novo restabelecidas a
censura previa e as licengas do desembargo
do Pago para qaesquer publicagoes, haven-
do'tudo o rigor para as obras d'uns certo.-
herejes, que por nome nao percam.
Art. 8.Voltarao a occupar os seus res-
pectivos logares os capitaes-mores, os almo- .
taceis, os juizes do povo, os corregedores,
os inetrinhos e o carrasco.
Art. 9.Sera" escusado dizer que a for-
ca reassumira o sou antigo lustre.
Nao poderd, todavia, funccionar sem sen-
tenga, a menos que a reclame algum tidal-
go contra qualquer vilao ruim.
Art. 10.-Tanto o Limoeiro da capital
como as cadeias da relagao do Porto, serao
accrescentadas para recolherem os pres.s,
que na. pensaremabsolutamente como pea-
sa o autor desta constituigao.
Art. II." A bandeira azul e vermelha
sera a bandeira uacioual.
Para provar que as cousas mudaram in-
teiramente de face'e para que os portuj:
zes nao se digam victimas da sua falta de ate-
moria, caso Ihes escorregue a lingua, a dka
bandeira iluctuara de noite e de dia ern to-
dos os edilicios |-.ublicos e particulares.
Se os edificios tiverem mis de 30 pal-
mosde frente, dcverSoter duas.
Art. 12.Kestabelecem-se de novo o-
antigos pesos e medidas,quintaes, arrobos.
alqueiros e quartilhos,e ficam abolidos os
metros e os litros.
Art. 13.Fiea decretada era toda a SU-
perQcie destes reinos e senhoribs a ignora;.
cia gratuita e obrigatorm.
Todos os fidalgos que souberem 8SS)gi
oseu.noAre deverSo esqoecer a prenda :
espago de tres mezes.
Art. 14.Seii restabelecida a inquisi
para obrigar os redactore3 do Diwiod?
Tarde a accreditarem na infallibilidade do
papa.
Art. IS.0Serao langadas tres deci.nas,
alem dos demais impostos, para o dinheir-a
de S. Pedro.
Art. 16.8--0 jejum e de rigor i $t
feira, nao se podeodo comer senao peixe.
Serd estabelecida uma policia secreta par*
rigiar sobre a observaocia deste preceito.
Nao obstante a compra da build obriga-
tor ia.
M. B. Ser* considerado peixe para
effeitos convenientes o presunto, ou a .canjw
de boi qiie tenhs transposto os umbraas d..
porta de qualquer ecclesiasttco.
Art. 17."0 desoango ao domingo i
lei. .
Tudo o que for feito bo domingo seia
conliscado o vendidoem leilao, era prov-'ito
da igreja.
Art. 18.Os hareres dos iudividuos fal-
lecidos sem os sacrameotos, ficarao perten-
cendo ipse facto ao abbade da suafre(
zia.
Art. 19.'As mulheres de idad
rioi 30 annos deterdo coofesf
zes ,K,r semaua.
de 30 a %t> uma vez pelo meno3.
, dtspensadaa deste sertigo d^
ro cima,

?&
fj
rar



V
.iA*

Diario de Pemambuoo Terca feira 2 de Dezembro de 1873.
r
4rt. SO.8Haver* procissoes religiosas
duas veies~por dia.
Na sua passem os treseuntes cahirao de
brucos do macadam ou nos parallelepipedos
de Cinellas, murmurando orafdes apropria-
Art. 21.*Os caminbos de ferro, o tele-
grapho electrico, o gaz da illuminacao o a
photographia fleam abolidos.
Arl. 22." 0 rei-ckegou voltard a ser o
hytnno n.icional, comexclusao de qualquer
outro.
Exceptua-se nas festividades religiosss, em
que sa poderi locar tambem o fado laza-
rista.
Art. 23.Serao queimadas na prac,a
mais publica do Porto todas as collecgdes de
umafolha impia intitulada Diario da Tarde,
e reduzida a ruinas a antiga casa da redac-
;.Jo, sendo tudo no fim espargido com agua
benta.
Os redactores e coltaborad ires da dita fo-
Iba serao enforcados interinamente, podendo
dizer de sua justica por ties mezes, a con-
tar do dia da execuoao.
Os sous corpos licarao pendentes das for-
cas como aviso a futuros herejes.
Art. 24.A .\agdo, papel, 6 declarada
folba official, para todos os effeitos e publi-
ca cOes.
Mas, como sera" desnecessario dar conta
ao piiz do que resolve o govemo de elroi
Nosso Senhor, apenas sc publicard para pro-
venlr o povo da necessidade de lhe extorquir
mais alguiu tostd3S.
Art. 25.Sera" declarado orgSo semi-
official do govemo a Palavra, visto terem
<;essado todas as razees para occultar a sua
politica.
Art. 26."Far-se-ha) as seguintes no-
meacoes:
0 redactor do Bern Pablico, esmo-
ier-m6r do Pac,o :
Padre Coato, confessor da real familia,
i). D. (1.
Moreira Bella, mestre regio de meninos
e menestrel da real camara, para as horas do
somno.
Frei Francisco das Chagas;
Padre Martinho de Braga ;
Padre Serrano;
Padre Beiruo;
E padre (irainha, membros da real mesa
censoria.
E o mais quo occorrer, em satisfacjio de
services posteriores.
Art. 27.Sera" dissolvida a policia ci-
vil, e nomeada em seu logar a companhia
dos esbirros d'El-Rei.
Para chefe e direcc3o desta companhia
sera" proposto o chamado Adriano Jose de
Carvalho e Mello.
Art. Ultimo. Fica revogada toda a lc-
gislac,ao em contrario.
0 relator Frei Domingos de Gusmao.
Esta" conforme.Urbano Locreiro.
(Do Diario da Tarde.)
Para todos.
A casa raortuaria de Paula & Mafra con-
tinua a bem servir ao publico, em quautos
seus proprietaries ou sao deferidos no re-
curso que intcrpoem ao conselho d'estado
contra o monopolio concedido a outrem, ou
sao a contento indemnisados pelos monopo-
. listas. E para quo ninguem se illuda a res-
peito, scientiticam ao respeitavel publico que
se acham providos do material nccessario e
com carros novos.
4LPANDBGA
.'.endimenio do dia 1 .
^4:266*926
Descarregam hoje 3 de dezembro.
Vapor inglez Student (atracado) raercadorias
para alfandega.
Brigae portuguezSofwauo-generos para o tra-
piche Conceicao, para despachar.
Patacho Inglez Malaga breu ja despachado
para o caes do Apollo.
Brigue ingiez Cognac nltrato de soda para o
armazem alfandegado do Barao do Livra-
mento.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA DwPERNAM-
CUCO, RELATIVO AO MEZ DE NOVEMBRO DE
1873, COMPARADO COM 0 DE NOVEMBRO DE
1872.
Verbas de receita 2 2
Taxa de embarque
Dita de desenibarque
Dita de arinazenagem
Oita de embarcacoes
Dita de alvarengas
Dita de bagagens
Dita de diversos
871*570 5:625*939 8:1144111 5114150 7714300 1144500 1:5514453 17:5604043 23*560 3:4364851 11:5344021 5424000 6554800 3964000 1:1644800 17:775*932
Total
Thesonraria da empreza das obras e capatazia
da alfandega de Pernambuco, 1 de dezembro de
1873.
Antonio Jose Leal Reis Filho
Fiel do thesoureiro.
Conforme.Francisco Jose Galvlo
Agente auxiliar interino.
llltpOI'lUCHO.
Brigue portuguez Soberano, entrado da
JLisboa em 29 de novembro, consignado a
Amorim Irmaos & C, manifestou :
Alpiste 25 barricas a Luiz Jose" da Costa
Amorim Franco da Cunha. Azeite deoliveira25
barris a J. F. Lima & C, 25 a M. Cardoso
v. C, 16 a Monteiro Junior 10 A ordem, 1 a Amorim Irmaos & C. Azei-
tonas 30 ancoretas a" ordem. Azulejos 85
caixotes a Costa Soares.
Cal 200 barris a Rodrigues & Martins,
100 a E. R. Rabello & C, 100 a Jose P.
Fonceca, 50 a Oliveira & Filbos.
Cantaria 79 volumes a Thomaz A. Fonce-
ca Successores. Cebolas 24 caixas a Jose F.
Lima & C, 25 d ordem. Cera em grumo
3 barricas a Thomaz A. Fonceca Successo-
rs. .
Drogas 5 volumes a A. Barbosa, 3 a Fer-
reira Maia & C.
Farello 590 saccos a Joaquim Jose Gon-
calves Beltrio A Filho, 100 a Antonio A.
Jacome, 25 a Tasso Irmaos.
Loufa 8 caixas a S. Guimaraes, 1 barrica
a Ferreira Maia & C.
Objectos diversos 7 volumes a S. Guima-
raes.
Sevada 50 saccas a Amorim Irmaos, 20
a Manoel Soares de Amaral AC.
Toucinho 40 barris a Luiz
Amorim & C, 25 a Thomaz
Successores.
Velss 80 caixas a E. R.
Vinagre 10 pipas e 5 barris
Joao Jose R. Mendes, 5 e 25 a A. Fran-
cisco Corga, 2e 15 a Monteiro Junior & Fer-
jiandei, 2 e 10 a Jose Fernandes Lima & C,
1 8 Amorim Irmaos & C. Vinbo 16 pipas
e 10 barris de quinto a Joaquim Jose* Gon-
calvw BeltrSo & Filho, 7 e 5 a Cunha Ir-
maos & C, 38 e 10 a S. is, 21 e 5
a L. Jos^ da Costa Amorim & ',. 21 e 5 a
Jose da Costa
A. Fonceca
Rabello & C.
de quinto a
Cunha &C. Sa-
a Ualliday & C.
a C. R. Rabello
Filho,
Rosa Filhos, 15 e 2 a J. R. Nogueira, 12 a
E. R. Rabello & C, 1 a B. M. C. Faria, 1
ancoreta a Julio M. Farias, 12 caixas a Amo-
rim Irmdos Escuna bespanhola Traoiala, entrada de
Montevideo na mesma data, e consignada a
Loyo & Filho, manifestou :
Couros salgados 20.
Xar juo 111,300 kilos, d ordem.
Vapor inglez Student, entrado d<>s portos
da Buropa e consigna lo a Saun lers Bro-
thers & C, manifestou :
Carga do Lisboa.
Alfdzema 4 fardos e G caixas a Domiugos
J. Ferreira Cruz, 2 fardos a Antonio Duarto
Simdos. Azulejos 53 caixas a L. Guncalves
da Silva & Pinto. Azeitona 100 ancoretas
a J. Joaquim Alves, 100 a Silva Guimaraes
& C. Amendoas 4 golpetas a Lima & Gui-
maraes.
Batatas GO caixas a E. R. Rabello & C,
150/2 a P. Vianna & C, 100/2 a Jose Maria
Palmeira, 50/2 a Domingos Francisco Ra-
malho, 2 0/2 a Francisco Jose da Silva
Guimaraes, 50[2 a Bastos e Sd, 100|2 a C.
R. Mendes.
Cebolas 20 caixas a Alfredo Prisco B.,
50 a Lebre & Reis, 25 a D. F. Ramalho, 50
a Francisco Jose da Silva Guimaraes, 25 a
F. G. Bastos e Sd, 50 a Rosa & Irmao, 30 a
Cardoso Martins dC, 25 a J. F. Ferreira,
50 a Silva Guimardos & C. Conservas 15
caixas a Lima & Silva, 16 a Beltraj & Fi-
lho. Cordavdes 1 caixa a Francisco da Cu-
nha & C. Cera em grumo 12 barricas a C.
Jose da Silva. Dita em velas 30 caixas a
Rabello & C. Carne em latas 7 caixas a
Silva Guimaraes em C, 6 a F. G. Bastos e
Sd, 2 a Francisco da Cunha &C. Castanbas
4 caixas a Albino Jose Ferreira da Cunha,
79 a Francisco da C. & C. 10 a A. Duarte &
Irmdos. Chourigas 60 ancoretas a F. Guedes
d'Araujo. Chapeos para senhora 1 caixa a
Ualliday & C, Chiuellos d'ourellas 1 caixa
a Antonio Paiva Ferreira.
Doce secco 1 caixa a J. F. Lima & C, 5
a Antonio Duarte Sirnoes.
Erva-d6ce 10 saccos a Beltrdo & Filho.
Ervas medicinaes 3 caixas e 1 fardo a F. Ma-
noel da Silva, & C.
Fructas &4 caixas a Lima & Silva. Dit.ts
seccas 1 caixa a Jese Ferreira Lima & C.
Figos 10 grades a Franco da Cunha & C,
10 a Jose Ferreira Limi AC, 3 a Monteiro
Junior & Fernandes.
Livros 2 caixas a Jose Nogueira de Sotiza,
1 a Walfredo & Souza, 1 a Lailhacar & C.
Massas 20 caixas a Beltrdo & Filho.
Pregos 1 barril a M. A. da Silva Villar.
Papel 1 caixa a Ualliday & C, 1 fardo a
Jose Nogueira de Souza.
Solla I cadal a F. da
patos de tranga 1 caixa
Sardinha 122(2 barricas
AC.
Toucinho 50 barricas a Beltrdo A
20 a Rabello AC.
Vinbo 12 caixas a Jose F. Lima A C.
Carga de Liverpool.
Arroz 50 saccos a Magalhaes & Irmao, 100 a D.
J. F. Cruz, 50 a Marcelino Monteiro, 100 a Manoel
da Silva Faria & C, 100 a Tasso Irmao, 28) a F.
da Costa & C. Anneis de chumbo 1 caixa a G.
Ncesen & C. Amostras 1 caixa a Mettler & C, 1
a Duarte A Irmaos.
Barrilha 25 barricas a F. da Costa & C.
Cerveja 25 b.irrica9 a F. G. Basto e Sa, 120 a M
Ualliday & C, 30 a J. F. de P. Ramos, 110 a M.
da Silva Faria & C, 50 ao Barao de Bemllca, 50
a K. da Costa & Kilho, 25 a a. Marcelino Monteiro,
10 a Lebre & Reis. Chales de Algodao 2 caixas a
Keller & C. Cevada preparada 10 barricas a or-
dem. Conservas 11 caixas a ardem. Cutilaria 1
caixa a Otto Bohres, 5 a P. Vianna & C. Cha 32/2
caixas a Souza Basto & C, 5 a Amaral Naboco &
(',., 10 a Joio Martins de B. Filhos A C, 27 a Le-
bre & Reis, 20/2 a MagaMes & Irmao, "<) a Car-
dozo 4 Martins. Chapeos 1 caixa a Otto Bohres,
3 a Mendes Azevedo & C, 1 a A. Gibson, 2 a M.
Ferreira Pinto, 1 a M. Mettler & C, 3 a Cuaha &
Mania, ( a T Christiani C, 1 a Rodrigues Ir-
mao & Guimarae*, 4 a Cunha A C. Cadargo 1
caixa a C. Guimaraes & C. Calvado 2 caixas a D.
P. Wild 4C.,la J. Pereira Arantes, 1 a Beis &
Filho, 1 a Lyra & Vianna.
Fitas elasticas de seda e algodao 1 caixa a D.
T. Bastos. Ferragem 2 volumes e 8 caixas a Pa-
rente Vianna &('.., 1 a F. R. Pinto Guimaraes, 2 a
Almeida A Vianna, 5 a Shaw Hawkes & C.
Generos de estiva 12 barris a ordem. Gigos 1
caixa a Souza C. & Almeida.
Lapes 1 caixa a J. N. de Souza. Ditos e livros
3 a Walfredo & Souza. Lona 2 fardos a M. Met-
tler A C.
Meias de algodao I caixa a D. P. Will k C, 1 a
Almeida & C. Miudezas 2 caixas a Silva Barroca
&. C, 2 a Mendes Azevado 4C, I a Francisco Ra-
mos, 1 a Joao Ramos & Machado, 2 pacotes a Arau-
jo & C. Modas 1 caixa a D. Manoel Martins.
Manteiga 10 barris a Magalhaes Irmao, 5 a Braga
Son & C, 10 a Marcelino Monteiro, 20 a ordem,
12 a Lebre & Reis, 5 caixas a J. M. da Roza & Fi-
lhos, 25 a Cardozo & Martins, 25 a Thomaz de
Aquino, 6 caixas a Antonio Ferreira de Carvalho,
12 a Leao Rocha & C, 6 a J. da Silva Guima-
raes.
Obras de vidros 1 caixa a Otto Bohres. Obras
de ferro 2 a S. Castro & Almeida. Objectos de
escriptorio 2 caixas a Francisco Ramos. Objectos
diversos 20 a Simpson A C, 3 a Admson Howie
& C, 1 ao hospital portuguez, 18 volumes a com-
panhia dos trilhos urbanos, 10 caixas a R. Irmaos
& Guimaraes, 3 a estrada de ferro de S. Fran-
cisco.
Perfumarias 2 caixas a Vaz Junior
Costa Irmaos A C, 1 a ordem. Pelles
Cunha 4 Manta. Pimenta 20 libras
Mendes. Pianos 1 em 2 cai.xas a J.
a Ualliday 4 C.
Presuntos 7 caixas a Braga Son 4 C, 2 a Car-
doso A Martins. Papel 1 caixa a Otto Bohres.
Queijo 42 caixas a F. G. Basto e Sa, 25 a ordem"
Roupa de linbo 1 caixa a T. Christiani 4 C.
Saccos vazios 6 fardos a Braga Son A C. Ditos
de papel 1 caixa a A. Nabuco & C. Solla 1 caixa
a ordem.
Tapetes 1 caixa a A. Keller 4 C. Tijolos 500
a companhia do gaz.
Tecidos 38 caixas a Cramer Frey & C, 11 a
Linden & C, 16 a D. P. Wild & C, la Mesquita
Cardoso, 1 a C Sirnoes 4 C, 2 a Amaral 4 Mot
ta, 2 a Franco Ramos, 12 e 16 fardos a ordem, 35
a Basto OKveira \C, la Duarte Irmaos, 48 e 3
fardos a Keller A C. 2 e 3 fardos a Carneijo A
Nogueira, 1 a Rodrigues Irmao A Guimaraes, 15
fardos a Alcoforado, Vieira 4 C, 16 caixas a L.
A. Siqueira, 26 a E. A. Burle AC, 2 a Faria &
Irmaos, 2 a Papoula 4 C, 2 a Mendes Azevedo A
C, 10 a Silva Barroca, A Filho, 10 a L. T. Basto,
5 a M. Mettler 4 C, 15 fardos a Simpson A C, 32
e 5 fardos a Phipps Brothers A C, 1 a Otto Bo-
hres, I a Perdigao Oliveira & C, 100 a Silva Gui-
maraes, 11 aOkell Buidloss A C, 1 a Rodrigues,
2 a Guimaraes, 5 a Monteiro Gregorio A C, 24 aos
consignatarios.
Vinho 27 caixas a C. C. SimpsoB, 30 a Moreira
Monteiro & C
A C, 1 a
1 caixa a
a J. J. R.
Dhibaut, 1
de Amorim 1 dita com 22 abacachis ; M. Jorge A
C. 200 saccas com 13,335 dit de algodao ; F. da
Costa 4 (1 459 ditas com 15,413 ditos de dito.
Na barea iogleza Paragero, para o Canal,
carregaram: J. Pater 4 C. 1,500 saccos com
78,750 kilos de assacar mascavado.
Na escuna inglesa Maragette, 1,250 sascos
com 93,750 kilos de assucar mascavado.
Na barea portugueza Gratiduo^ para Lisboa,
earregaram : Adolpho Cordeiro 150 coaros sal-
gados com 306 kilos; 1*. Vianna & C 29] ditos
com 327 ditos ; P- Carreiro A C. 102 ditos coin
14,240 ditos.
No navio inglez Bdclntha, para Liverpo)!,
carregaram : M. Lalban 4 C 43 saccas com 3,601
kilos do alg'xJao.
No briguo hespanhoMna-ii<>i, para B:ircello
na, carregaram : J. S. Loyo 4 Filhos 201 aaceas
turn 14,748 kilos de algoJao. Para o Rio da Pra-
ta, A. Loyo 106 barricas com 6,242 kilos de asi'i-
car braoco.
No aavio italiano Vereziulla, para o ''anal,
carregou : J. L. G. Vianna 1,000 sa:cos com
75,000 kilos de assucar mascavado. I
No brigae portuguez B Figtteirense. pira
Lisboa, carregaram : F. Cascao A Filhos 2 K) con-
ros seccos salgados com 2,171 kilos.
Para ot portot do interior.
Para o Para, na barea portugueza Becife,
carregaram : P. Vianna 4 C. 10 pipas com 4,800
litros de aguardente ; A. Cordeiro 130 barricas
com 7,389 kilos de assucar brinco.
Para Mamanguape, na barcaca Fler de Ma
na, carregaram: B. F. Guimaraes 1 pipas com
960 litros de aguardente ; Antonio M. 1 barrica
com 65 kilos de assacar refinado.
Para Pjrto Cairo, na barcaca Jacaralinga,
carregaram : B. Gjmes 4 C. 1 barrica com 30
kilos de assacar refloado.
Para o Rio Grande do Sul, na escuna por-
tugueza Aguia, carregaram : Amorim Irmaos 4
C 150 barricas com 16,060 kilos de assacar
branco.
CAPATAZIA
Read men'o do dia 1
DA ALFANDEGA
. 1:177*651
VOLUMES SAHIDOS NO DIA 1.
Primeira porta.....
Segunda poru.....
rveeira porta ....
Quarta porta......
fnpiche Conceicao .
SERVICO MARITIMO
\J>arei\(sas descarregadas no trapiche
alfandega do dia 1
s'avus alracadosno trap, da altan lo trapiche Conceiglo.....
N'avio atracado .....
39
81
172
16
196
504
aECEBEDORIA DE
RAES DE
lendimento do dia 1
GE-
RBNDAS INTERNAS
PERNAMBUCO
. 1:074*500
CONSCLADO PROVINCIAL
Aeadimeato do dia 1 10:272*051
RECIFE
rtendimento do dia I .
DRAINAGE.
3:294*793
MCVIMEHTO DO PQBTO
.Vavws entrados no dia 30.
Macdo, Bataviae S. Diniz da Reunido 66
dias, sendodo ultimo porto 29, vapor
italiano Glensannox, de 730 toneladas,
commandante Domingos Capello, equt-
pagem 57, em lastro, ao mesmocapitdo ;
veio refrescar e traz 730 colonos chins
para Havana.
Rio de Janeiro pela Bahia16 dias, galera
portugueza Audacia, de 652 toneladas,
capitao Jose Antonio dos Sautos, eqoipa-
gem 15, com lastro; a Thomaz & A.
Fonceca AC. i
Rio de Janeiro 8 dias, escuna il\gleza
Fleetwin de 251 toneladas, capitab F.
Monley, equipagera 8, em^lastro; d or-
dem.
Rio de Janeiro 8 dias, barea hollandeza
Sphynx, de 269 toneladas, capitao H.
Smit, equipagem 9, em lastro ; a Keller
A C.
Navios sahidos no mesmo dia:
Canal patacho italiano, Venesuela, capi-
tao Jose Gazolo, carga assucar.
Lisboa por S. Vicente vapor portuguez
Julio Diniz, commandante Contente,
carga assucar, algodao e outros generos.
Navios entrados no dia 1.
Rio de Janeiro e Bahia6 dias, vapor ame-
ricano Merriinack, de 2,000 toneladas,
commandante W. Wier, equipagem 87,
carga varios generos; a Henry Forster
A C-
Rio de Janeiro 11 dias, brigue inglez
Somer Ville, de 322 toneladas, capitao
T. Eynon, equipagem 9, em lastro; a
ordem.
Liverpool por Lisboa 22 dias, vapor in-
glez Student, de 461 toneladas, com-
mandante William Jackson, equipagem
25, carga fazendas e outros generos; a
Jobnston Pater A C.
Navios sahidos no mesmo dia.
New-York por S. Thomaz e Pard vapor
americano Merrimack, commandante
W. Wier, carga a- mesma que trouxe dos
portos do sul.
Canal barea ingleza Paragero, capitao
Dandson, carga assucar.
ED1TAES.
ESPACHOS DE EXPORTACAO NO DIA 29 DH
NOVEMBRO DE1873.
Para os portos do exterior.
No vapor portuguez Julio Diniz, para o Por-
to, calregarara : Carvalho Nogueira 600 sacces
com 45,090 kilos de assacar branco e 400 ditos
com 30,000 ditos de dito mascavado ; Correia &
C 4[2 barricas com 223 ditos ee cafe ; 6|2 ditas
com 800 li8 ditos de assucar branco e I0j4 de
ditas com 82 ditos de dito ; F. da Costa Maia 4
Darricas eera 80 abacachls, 1 caixa cam 38 ditos
de gommade mandioca, 10 ancoretas som 2 litros
de aguardente, 1 barrica com 20 abacachis, 10
ditas com 349 kilos de assucar branco ; F. C E.
Branco 1 dita com 46 ditos de dito, 1 dita com 70
ditos de farinba de mandioca, 1 dita com 285 di-
tos de cafe ; J. N. Silva A C, 5 ditas com 300 di|os
de farinha da terra; A. dos Santos Coimbra 1
dita enn 92 ditos de farinha do mandioca : M. A.
0 procurador fiscal da thesouraria provin
cial de Pernambuco declara aos contribuintes do
imposoto sobre passeio desta cidade, que Ihes fica
marcado o praso iraprorogavel de 30 dias, a con-
tar da pablicacao deste, na conformidade da lei
n. 891 art 53, para solicitarem da seccao do con-
tencioso as respectivas guias, afim de recolherem
seus debitos provenientes do mesmo imposto, cer-
tos de que se nao o lizerem dentro deste prazo se
procedera a cobranca judicialmente, publicando-se
para isto a relacao dos devedores abaixo trancrip-
Seccdo do contencioso provincial de Pernambu-
co, 1 de dezembro de 1873.
0 procurador fiscal interino,
Miguel Josi de Almeida Peruambuco Filho.
Bua da Penha
N. 8. Jose Francisco de Andrade Ju-
nior 46*800
Rua da Assumpcao
N. 48. Antonio de Azevedo Villarouco 21*120
Rua das Calcadas
N. 48. Joanna Maria da Trindade 21*120
N. 52. Geraldo dos Santos Mendon^a 21*120
N. 36. Jose Virissimo dos Anjos e Mo-
reira Duarte 28*320
Rua do Padre Floriano
N. 5. Jose Antoaio Fradique 32*640
Tra vessa de S. Jose
N. 8. Serafim Clemente de Souza e Silva 21*600
N. 14. Miguel Francisco de Souza Rego 19*920
N. 16. 0 mesmo 19*440
N. 18. 0 mesmo 19*440
Caes do Apollo
N. 29. Viuva de Paulo Pereira de Si-
rnoes 72*000
N. 53. Joaquim Luiz Vieira 129*600
N. 63. Rosa Goncalves de Jesas e oa-
tros 88*800
N. 63. Manoel Luiz Goncalves 78*480
N. 67. 0 mesmo 167*520
Rua Duque de Caxias
N. 29. Ordem Terceira do Carrao 96*960
N. 31. Francisca Maria Cftrte 52*560
N 37. Joao Rodrigoes Lima 51*360
Rna Vitil de Negreiros
N 41. Rosa Candida Googalves Fer-
reira 48*800
N. 47. Manoel dos Anjos Ferreira 36*000
N. 48. Anna Lourenca Real 46*800
N. 32. Ordem Terceira do Carmo 48*480
N. 64. Irmandade do Santissimo Sacra-
mento de Santo Antonio 46*800
N. 53. Joaquim Francisco Lavra 63*360
N. 58. Bento Eleutoria de Souza Castro 46*800
N. 59. Os menores Mariano, Maria e
Candida 50*400
N. 61. Maria Theodora da Assunopclo 72*000
N. 62. Jose Joaqnhn Pereira de Men-
donca 48*960
N. 63. Maria Theodora da Assumpcio 39*520
N. 64. Antonio Joaquim de Soaza Ri-
beiro 190*800
N. 66. Antonio Jose da Silva Brasil- 50*400
N. 67. A menor Maria, lilha de Jose
Francisco Brandao 57*120
N. 68. Antonio Joa |uim dos Santos An-
drade 48*000
N. 69. Julio Serafim da Costa 66*480
N. 7 J. Francisco Jose Dias da CoMa 37*920
N. 74. Jrio Jii?e de Carvalho e filhos
du R)sa Thereza Maenad) Costa 30*400
N. 73. Luiz Ferreira de Almeida 32*160
If. 76. Maria Egyptian Real 47*040
N. 77 Joao Barbosa Maciel 37*920
N. 78. Filhos de Manoel Josd Baptista 45*600
N. 81. Custodio Antonio Soares 38*160
N. 83. Jose do Couto Guimaraes 38*400
N. 84. Benedicto Jose" Duarte Sedrira 45*600
N. 83. Custodio Antonio Soares 57*840
N. 93. Filhos de Jo5o Rodrigues de
Moura 52*800
N. 96. Manoel Felix Alexandre da Cruz 45*600
N. 98. Tiburcio Valeriano Baptista 39*120
N. 104. Maria Luiza da Puritlcacio 41*520
N. 106. Filhos de Jose Francisco Bran-
dio 41*520
N. 110. Anna Ursula de Oliveira 43*680
N. 116. Dyonisio Goncalves Maia 56*640
N. 134. Manoel Joaquim da Motta 56J640
N. 142. Maria Venancia de Abreu Lima
Bastos 56*640
N. 150. Jovino Bandeira de Melio 55*440
N. 134. Antonio Joaquim do Souza Ri-
beiro 78*030
N. 136. 0 mesmo 49*920
Rua da Madre de Deus
N. I. Irmandade do Senhor Bom Je-
sus das Portas 82*800
N. 5. Dr. Ludgero Goncalves da Silva 30*720
N. 7. Antonio da Silva Pontes Guima-
raes 22*560
N. 28. Galdino dos Sautos Muniz de
Oliveira 25*440
\*. 32. lose dos Santos Xuues de Oli-
veira 19*680
Rua do Duque de Caxias
N. 39. Antonio Jose de Magalhaes Bas-
tos 65*040
N. 52. Capella dos Prazeres dos Guara-
rapes 151*680
N. 27. Guilherme Augusto Rodrigues
Sette e outros 155*520
N. 29. Antonio Jose de Magelhaes Bas-
tos 67*200
N. 31. 0 mesmo 83*440
Ilha dos Carvalhos.
N. 8. Custodio Maria Cardoso Vieira 19*920
N. 14. Maria Francisca de Almeida
Gomes 19*680
N. 16. Manoel Goncalves Ferreira e
Silva e Jose da Costa Dourado 20*640
N. 39. Pedro Jose Christiani 23*760
N. 45. 0 mesmo 160*560
Ns. 42 a 48. Manoel Ferreira da Silva
Ramos 143*520
Travessa da rua Bella.
N. i. Tiburcio Valeriano Baptista 38*880
N. 6. 0 mesmo 182*400
Caes da Rua do Brum.
Ns. 91 a 93. Viuva e herdeiros de Joao
Fernandes Parente Vianna 290*160
Rua da Aurora.
N. 85, 87 e 89. Tiburcio Valeriano
Baptista 278*400
Caes Vinte e Dous de Novembro.
N. 2. Barao do Livramento 110*400
N. 6. Francisca Thomazia da Concei-
cao Cunha 96*000
N. 10. A mesma 72*000
N. 12. Rita Maria Francisca de Almei-
da 73*200
N. 16. Herdeiros de Domingos Antonio
Gomes Guimaraes 71*520
N. 18. Bento Antonio Gomes Guima-
raes 70*800
N. 20. Albino da Silva Leal 70*320
N. 24. Francisca Thomazia da Concei-
cao Cunha. 1325000
N. 34. Joaquim Jose da Costa Pinhei-
ro 06*000
N. 36. oaquim da Silva Castro 76*080
N. 38. Hermenegilda Candida da Fon-
ceca Soares 31*920
N. 40. A mesma ;50*400
N. 42. Isabel Maria da Fonceca Soa-
res 115*200
Rua da Senzalla Nova.
N. 2. Santa Cruz dos Canoeiros do Re-
cife 38*640
Alfandega Velha.
N. 2. Dr. Pedro Bezerra Beltrao de
Araujo Pereira. 116*600
N. 4. Antonio de Azevedo Pereira 55*920
N. 6. Antonio de Azevedo Villarouco 55*200
Forte do Mattos.
N. 6. Marcelino Jose Goncalves Fontes 34*000
N. 8. Luiz Goncalves dasilva 38*160
N. 10. Viuva de Manoel Goncalves da
^ Silva 39*600
Rua da Guia.
N. 6. Viuva de Joao Antonio da Silva 24*000
N. 12. Luiz A. Deburque 40*480
N. 14. Domingos Jose Macbado 36*880
N. 16. Francisco de Pinho Borges 33*600
Travessa do Serigado.
N. I. Joao Jos6 da Silveira 153*600
Largo do Paraizo
N. 1. Irmandade de Nossa Senhora da
Soledade 15*840
N. 18. Manoal Rodrigues de Mendon-
ca 15*120
N. 20. Herdeiros de Jose da Fonceca
Telles 164800
N. 52. Manoel Ferreira da Costa 14*400
Rua do Imperador.
N. 12. Barao de Aracagy 378*240
Rua de Santo Amaro.
N. 8. Francisco Alves da Veiga 211*200
Raa de S. Francisco.
N. 45. Herdeiros de Henrique Gibson 31*200
N. 47. Os mesmos 31*200
N. 49. Os mesmos 31*200
N. 51. Os mesmos 118*560
Rua do Nogueira.
N. 46. Irmandade de S. Pedro 92*160
Seccio do eonsulado provincial de.Pernambaco,
1, de dezembro de 1873.
0 1* official,
Horacio Walfri&o Peregrino da Silva.
regada em 24 de abril de corrente anno, e consig-
nada a Francisco Gomes de Oliveira Sobrinbo,
contendo 203 kilos de brim pardo de linbo, peso
liquido, avaiiada por 541*333.
Idem n. 4011 caixa idem idem, contendo 201
kiios debriiu pardo de linlio, peso liquido, avaiia-
da nor 536*000.
Marca HPB n. 273 -1 cajxa idem idem, contendo
222 pares de chinellas de tecido de la ale 22 cent,
e 1,046 pares de ditos de mais de 22 cent., ava-
iiada por 776*600.
Idem n. 275 -1 caixa idem idem, contendo 602
pares de chinellas de la, de mais de 22 cent, e 307
ditos ditos ate 22 cent., avaiiada por 509*200.
Alfandega de Pernambuco, 29 de novembro de
1873.
0 inspector
FiiWo A. deC. Reis.
eEClARACOES.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise
ricordia do Recife, e mpetentemente autorisada
pela presidencia, em data de 3 de setembro do
anno proximo findo, e de conformidade com o que
dispoe o g 9.* art. 52 do seu cora^romisso. per-
nuta por apohces da divida publica a fazenda de
criar gados que possue o patrimonio dos esta-
belecimentos de caridade a sea cargo denomina-
da Carniuba sita no termo de Fleres desta
provincia, com terrenos para criar e plantar, e
com algura gado cavallar e vaccura.
Recebe para isto propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 10 de outubro de 1873.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A lllma. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
na sala de suas sessSes, no dia 4 de dezembro
pelas 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tr.*s annos, as rendas dos predios era seguida
declarados.
ESTABELECIMENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....306*000
Rua da Yiracao
Casa teorea n. 7 (fecbada) 312*000
Travessa de S. Jose.
Casa terrea n. 11.......201*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18 ....... 421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechada) .... 1:000*090
Rua da Guia
Casa terrea n. 25.......200*000
Ruo do Pilar.
Casa terrea n. 98.......241*000
Casa tereea rv. 99 (fechada) .... 351*000
Idem n. 100.........241*000
Idem n. 102........241*0011
Idem n. 108........207*000
Rua do Rosario da Boa Vista
CasB terrea n. 58. ..... 243*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as snas fiancas, ou comparecerem
acompannados dos respeclivos (iadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lim-
peza e precps dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 3 de novembro de 1873.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
Sociedade Palriotiea Doze de
Setembro.
10 v posies!o do dia 9 de dezembro
Roga-so encarecidameute ds pessoas que
quizerem mandar productos d exposicdo
que o facam logo, afim de ndo haver atro-
pello nos ultimos dias, que faltam para a
inaiiguraQao.
Os productos devem ser remettidos para
o palacete da ordem terceira do Carmo, das
9 boras da manhd ds 4 da tarde.
De ordem do Ilim. Sr. inspector da thesou
raria de fazenda desta provincia se faz publico
para conhecimento dos interessados, que o tribu
nal do thesouro autorisou o pagamento de dividas
de exercicios, cujos credores sao os seguintes :
Agostinho Moreira Guerra 440*839 ; Amalia Ju-
\iana de Albuquerque Lessa 728*337 ; Dr. Este-
vao Cavalcante de Albuquerque 78*159 ; Eugenio
Jose Martins 256*530 ; Fausto Ferreira de Carva-
lho 200* ; Felix Amado da Silva 175*290 ; Fran-
celina Perpetua da Fonse^a 216* ; Hilario Carme-
litano da Porciuncnla 644*434; Josd Pedro dos
Passos 458*730 ; Manoel Caetano Nunes Pinto
62* ; Manoel Joaquim do Naseimento 43*500 ;
Maria Suzana Cavalcaute de Albuquerque 600* ;
Vicente Raymundo de Siqueira 82*080; Victori-
no da Silva Azevedo 168*310.
Secretaria da theseuraria de fazenda de Per-
nambuco, em 29 de novembro de 1873.
0 secretario da junta
Jezuino Rodrigues Cardoso.
Pelo presente se faz sciente aos professores
publicos de inslruccao primaria, que nao estando
ainda em vigor a lei n. 1124 de 17 de junho deste
anno, campre-lhes observar o disposto no art 24
do respectivo regulamento interno, organisado em
virtude do 8 T do art 3* da lei n. 369 de 14 de
maio de 1865, sob as penas que esta mesma lei
estabelece.
Secretaria da instruccao publica de Peraamba-
co, 28 de novembro de 1873.
0 secretario '
________Joaquim Pereira da Silva Guimaraes.
Edital n. 101
Pela inspectoria da alfandega se faz pablico que
as 11 horas da manha do dia 4 do mez vindouro,
se ha de arrematar, a porta desta reparticSo, livres
de direitos de consomo, e snjeitas ao imposto da
capatazia, as mercadoriag abaixo declaradas, an-
nunciadas para consumo por edital n 88, e que
deixaram de ser nespacnadas dentro do prazo
marcado.
Armazem n. 6.
Marca POLO n. 400 1 caixa vinda do Havre
no vapor franeez Ville de Rio de Janeiro, descar-
De ordem do presidente d'assemblea geral
da mencionada companhia, faz-se sciente aos
accionistas, que, e t>a mesma conformidade
do art. 11 dos estatutos, visto proceder-se
em continuac,do da sessdoadiada, no dia 10
do corrente inez, pelas 4 horas da tarde, no
lugar do costume, proseguird a assemble
geral nos trabalhos adiados da sessao orJi-
naria, que Wra convocada parao dia 31 de
outubro proximo passado.
Recife, 1 de dezembro de 1873.
0 secretario,
Luiz Lopes Caslelto Branco.
0 aiministrador da recebedoria de ren-
das internas geral faz publico que, em virtu-
de da disposii,-aodo art. 12 eda ultima parta
do art. 22 da lei do orcamento vigente n.
2,348 de 25 de agosto ultimo, a multa de
que trata o art. 30 da lei n. 1,507 de 26 de
setembro de 1867, quo e" de 6 % d que es-
tao sujeitos os seguintes impostos, a saber:
dechna addicional, imposto pessoal, dito
sobre industrias e proflssoes e taxa de es-
cravos, serd elevada a 10 %, do dia 21 do
corrente em diante, pelo que previne a to-
dos os contribuintes dos referidos impostos,
relativos ao exercicio de 1872 a 1873, em
liquida^do, que s6mente ate" ao dia 20 des-
te mez e que podem e devem realisar o pa-
gamento ou em mdo dos cobradores ou nes-
ta recebedoria, certos de que se nao fizerem
ate" ao referido dia 20, serdo obrigados a
pagar judicialmente os supraditos impostos
com a multa de 10 /0.
Recebedoria de Pernambuco, 1 de dezem-
bro de 1873.
Manoel CarneirO de Souza Lacerda.
alagado eujapmca e requerida por Fructioso
Martins Gomes, como consennor do referido sobra-
do, e deste tambem sfto comenhores Apolioario
Pereira Badaem e sua mulber.
Santa casa de misericordia
do Recife
De ordem da Illija. junla admiuistrativa da
santa casa da m^ericordia do Recife se faz pu-
blico. que a mesma ja.ita, autorisada pela lei pro-
vincial n. 1121 de 15 de junho deste anno, acaba
de contratar com Manoel Goncalves Agra, majores
Miguel Bernardo Quinteiro e Antonio Bernardo
Quinteiro, sob a firma social de Agra A C. o ser-
vico mortuario e d? carros funebres desta cidade,
a contar do de dezembro proxim) vindouro,
e que por cunseguinte dessa data por diante fo-
mente os coutratames poderao fazer semelbanie
servico.
Secretaria da santa casa de nusericerdia do
Recife 24 de novembro de 1873
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
CONSULA00. PROVINCIAL.
Pela administracio do eonsulado provincial faz-
se publico aos respeclivos contribuintes, que do
1 do dezembro vindouro comeca a correr o prazo
dos 30 dias uteis, marcado no art. St do regula-
mento de 16 de abril de 1842, para a cobranc.3 do
primeiro semestre dos impostos da decima uiba-
na e o 0|0 sobre a renda dos bens de ralz perten-
centes as corporacues de mao nnrta, no corrente
exercicio de 1873 a 1874, incorrendo na multa de
6 OjO atjuelles dos contribuintes qae nao os satis-
fizerem neste prazo
Cansulado provincial de Pernambuco, 28 de
novembro, do 1873.
0 adminislrador,
________________A. Carneiro Machado Rios.
9. batalhao de infantaria.
0 conselho economico deste batalhio eompra I
burro manso para tirar a carroca destinada para
a conduccao do rancho as pracas de servico na
guarnicao ; devendo os pretendentes se dirigi-
rem a secretaria do respectivo qoartel, das 9 ha-
ras da manha as 2 da tarde.
Secretaria do commando do 9.* batalhao de D
fantaria no Hospicio, em 2S de novemb:. m
1873.
Odllon Fiocks Romano,
Alferes secretario.
Sociedade Fropagadora da
Instrucqao Publica.
Sao novameute convidados os membros dessa
socidade, que pertencem a parochio de Santo An-
tonio do Recife para no dia 3 de dezembro as 6
l|2 horas da tarde, comparecerem no primeiro an-
dar do sobrado n. 45 da rua do Imperador, afim
de eleger-se o conselho director de parocbia, que
tem de dirigir os trabalho* durante o anno finaa-
ceiro futuro. Nessa reaniao, havende necessida-
de sera execntado o disposto no segundo mem-
bro do artigo 24 dos e.-tatutos da sociedade.
ig Recife, 30 de novembro de 1873.
Olympio Marques,
Presidente.
Ferreira Villela,
Secretario.
Pela secretaria da camara municipal dosia
cidade se faz publico que a mesma camara priici-
pia a sua 4' sessao ordioaria em o dia 3 do cor-
rente.
Secretaria da camara municipal do Recife, 1" do
dezembro de 1873.
0 secretario
____________Pedro de Albuquerque Autran.
Hospital portuguez de bene-
ficencia era Pernambuco
De conformidade com o que dispoe a primeira
parte do art 48 dos estatutos, sao convidados os
socioa elfectivos a reunir-se em assembled geral,
no domingo 7 do corrente, as 11 horas do dia, na
secretaria do hospital, afim de se proceder a elei-
cao da junta administrativa e da commissao do
contas quo tem de funccionar no proximo anno-
de 1874.
Hospital portuguez de benefieencia em Pern.;-.i-
buco, 2 de dezembro de 1873.
Luiz Duprat
___________________________Secretario.
Pela secretaria da camara municipal de Olin-
da se faz publico para conhecimento dos interes-
sados, que nao tendo-se effectuado a arremaUcao
dos impostos annunciada para o dia de hoje, fci
transferida para o dia 4 pe dezembro proximo vin-
douro.
Secretaria da camara municipal de Olinda, it
de novembro de 1873.
0 secretario,
Marcolmo Dias de Araujc
Santo Antonio
EMPREZA
Quinta-feira, 4 de dezembro proximo vindou-
ro, depois da audieucia do Dr. juiz sabstituto do
de direito da provedoria de capellas e residuos,
irao a praca para serem arrematados diversos
objectos pertencentes ao espolio do finado Dr. An-
tonio de Assumpcao Cabral, os quaes se acham
avaliados pelos precos seguintes : Uma banqui-
nba deamarello 4*000, 1 chapeo de pasta 2*000 ;
1 par de escarradeiras 3*000 ; 1 jarra 2*000; 1
mesa de cosinha, ordioaria 1*000; 1 fogareiro e
uma chaleira de ferro 2*000; 1 lavatorio de ferro
1*000 ; 1 mappa velho 1*000 ; 1 estante de pinho
3*000; 1 caixa de amarello para serventia secre
ta 2*000; 1 trancelim e uma medalha de ouro,
pesando 33 oitavas a 3*000, 99*000; 1 trancelim
lino com nma cnave de relogio, pesando 7 oitavas
a 3*0C0, 21*000 ; 1 par de bo toes de punho, um
alfinete de peito e am botao de abertura, ;ude
com 4 oitavas a 3*C00, 12*000 ; 1 relogio com
caixa de ouro por 70*000; 22 colheres de prata,
sendo uma de tirar arroz e as demais para sopa
e cha, pesando todas 225 oitavas a 240 reis, 54*.
Para essa arrematacao convidamse os preten-
dentes, afim de que comparecara no referido dia
e hora na sala das audiencias, onde tera ella de
ser effectuada.________
Arrematacao
No dia 3 de dezembro do corrente anno, qnar-
ta-feira, depois da audiencia do Dr. juiz de direito
da 2' vara, deve ser arrematada a arma^Jo e suas
pertencas da loja n. 13 da raa da Imperatriz,
assim como alguns chapeos, penhorados por exe-
cucao doconselheiro Francisco Xavier Pinto Lima,
contra Joao Benigno Pereira do Lago : os preten-
dentes podem examinar o eseripto que se acha em
poder do porteiro dos auditonos ; sendo a arre-
mataclo effectuada no proprio eitebelecimento.
I Kiuia seiiiana de trabalho da
companhia.
Terca-feira 2 de dezembro
Espectaculo em grande gala
para festejar o fehz auniversario de
S. M. 0 IMPERADOR
Pro;iiiiiiiiia.
A' chegada de S. Exc o Sr. commendador pre-
sidente da provincia, sera cantado por toda com
panhia o
HYMNO NAQONAL
perante a augusta efflgie de
S. M. IMPERIAL.
Seguir-se-ha, depois de uma escolbida ouverta-
ra a
ULTIMA REPRESENTAGiO
do magnifico drama em 5 actos, original fraa-
cez do escriptor
A DUMAS FILHO
Quarta-feira, 3 de deiembro, flnda a audien-
cia do Ilim. Sr. Dr. juiz substitute da 2.* vara do
civel, ira deflnitivaraente a praca, por arrenda-
mento annual, o sobrado n. 4 da raa estreita do
Rosario, servindj de base para a arrematacao o
projo de 900*, pnt qaanto se acha actualmenta
DAN4 DAS CAMELIAS
Principiara as 8 1|2 horas.
Os bilhetes eslSo desde ja a disposicao do pu-
blico.
Aviso.
A empreza convida as pessoas que se jolgarem
suas credoras, a apresentar as suas contas no es-
criptorio do tbeatro.
THIATRO
Santo Antonio
EMPREZA^VICEHTE.
Penultimo espectaculo neste
tbeatro.
Quinta-feira 4 de dezembro.
BliNEHCHkDE _
Subira a scena o drama de grande espectacola
em 5 actos :
GRACA DE DEUS
Desempenham os principaes papeis a Sra. D.
Manuela, Bahia, ( o de Loustalot) Vicente e D.
Olyrapia Valladas.
0 Sr. Bahia camara por obzequio, no 1." acto,
am romance qae se intitala :
Amor paternal
Doesia do illustrado Sr. Dr. Celso MagaMes,
musica do beDaflcis.do.
>
Pi

1


'.c.V*
T-*-
Diario de Fernambuco Terca feira 2 de Dezembro de 1873.
i
Terminara o espectaculo com a scena comica
dosempenhada pelo artisu Camara:
redro G-uerrefro Recife
eonclurado com o kpplaudidissimo
\ngii musical
A bands do corpo de policia exoculari nos in-
iervallos, as melhoros pi^as &<> seu repertorio.
N'um dos intcrvallos o beneficiado ira agrade-
Cr as familias que mj Uiguareni obsequiaslo.
N. II.A numeracao das eadeiras de I.* classe
sobe ate 118, todas as mais sio avulsas.
Principiara as 8 lj2.
AVISOS MARITIMOS
COHI'WHIA BAHI.4YI
DE
L1MTADA
M acei*, Penedo, Arncajd
e Bahia.
E' esperado dos portos do sol ate o dia 9 do
corrente o vapor Goncalves Martins, o qual segui-
ra para os portos acima no dia seguinte ao de
-i) a chegada.
Recebe carga, eu:ooimendas, passageiros e di-
nheiro a frete.
AGENTBS
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
57Ruado Bom Jesus57
'1
-L
Wr-ifsw
COHPA\UIl
MESSAGERIES IMARITIMES
I.inha mensal
MENDOZA
Espera-se dos poi tos do sal ate o dia 6 do co r
rente, seguindo depois da demora do costu
me para Bordeos, tocando em Dakar (Goree) e
Lisboa.
Para condicSes, fretes e passagens, trata-se con
OS AGENTES
Harismendy A I.ahille
9 Rua do Commercio 9
JBKIC4UE
Ligeiro III
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com a
possivel brevidade o brigue Ligeiro III, de 1'
classe, por ter partc da carga engajada, e para a
quim Jose Goncalves Beltrao & Filbo, a rua do
Commercio n. 5.
COMPANHIA
MESSAGERIES MARITIMES.
Linha mensal
MO GRANDE
Espera-se da Europa ate o dia 8 do corrente,
seguindo depois da demora do costume para Bue-
nos-Ay res, tocando na Babia, Rio de Janeiro e
Montevideo.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratar
corn
OSAGENTES
Harismendy A L-abille
9 Rua do Commercio 9
Para Lisboa
scgnira.com brcvijade o hrijroe portngBft Bella
Figueivense; para carga e passageiros traU se
oiamE. R. RabeiJo & C, rua do Commercio ou-
ujod 48.
LISIIU4
Para o relcii.Jc porto pretenlc seguir coin a pus
sivel brevidadeo brigue portuguez I). Anna, por
ter ja alguma carga engajada ; e para a <)ue lbe
alta, que recebe a frete cominodo, trata-se com
os consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
4 Filho, a rua do Commercio n. 5.
Por intervencao do agente Pinto, em sen es-
criptorio a rua do Bom Jesns n. 43.__________
=
LEILOES.
Agencia de leiloes.
Rl'A DO MAKQUEZ DE 0LINDA N. 37, 1 A.NDAR.
0 abaixo assignado tern a bonra de scientiflcar
ao respeitavel publico, com especialidade ao corpo
commercial desta praca, que acaba de ser nomea
do agente de leildes, em cnjo exercicio, promette,
se esforcara para bem merecer a confianca de to-
das aquellas pessoas que se dignarem honra-lo,
encarregando-Ihe de negocios tendentes a sna
proflssao.
Desde ja o abaixo assignado antecipa os sens
agradecimentos para com aquelles que o procnra-
rem: o que poderao faxer dirigindo-se a rua do
Marquez de Olinda n. 37, *. andar.
Recife, 7 de novembro de 1873
Joaquim Dias dos Santos._____
LEILAO
DE
12 quartos com vinho Bordeaux de supe-
rior qualidade
TERCA-FEIRA 2 DO CORRENTE
A'S II 1|2 HORAS DA MANHA -
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 12 quartos
com vinho Bordeaux, de superir qualidade, des-
embarcados ultimamente, ao correr do martello,
a vontado dos compradores, em urn ou mais .lotes
As 11 1[2 horas'da manha.
Noarmazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
>
roupa, louc,a de cozinha, 228 libras de mas-
sa de tomate, 9 latas com paios e hervi-
lhas e uma bengala de unicorne.
Espolio de Joaquim Simao dos
Santos
HOJE
0 agente Martins fara leilao, por autorisajao do
111m. Sr. consul portuguez, de 1 mobilia de ama-
rello, 1 caraa franceza d? dito, 1 marquezao pe-
queno, 1 commoda com formato de carteira, ca-
bides, bahus de conro, 1 carteira de amarello, 1
prensa de copiar cartas, 1 candieiro, 1 tinteiro, 4
escarradeiras, 1 mesa de amarello para sala de
jantar, 3 bacias de Flandres, ferro de engommar,
1 caldeirio, cassarolas, frigideiras, trinchante, ta-
lheres e colheres.
Palitots de casemira, calcas, coletes, chapeo9,
chapeirat camisas de meias, seroalas, camisas de
madapolao, toalhas, guardanapos e uma bengala
de unicorne, 38 latas com 228 libras de massa de
tomate e 9 latas com paios e hervilhas.
No segundo andar do sobrado n. 42 do pateo do
Terco, s 11 horas do dia acima.
LEILAO
MESSAGERIES MARITIMES
Linha mensal
ERYMANTHE
Espera-se doe portos do sul no dia 10 do cor-
rente, seguindo depois da demora do costume pa-
ra Bordeaux, tocando em Dakar (Goree e Lisboa.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratar
com
OS AGENTES
Harismendy A I.ahille
9 Rua do Commercio 9
DE
7 barris de quinto e 38 ditos de decimo
com vinho branco, marca J S S '
Quarta-f 0 agente Martins fara leilao, por ordem do Htm.
Sr. consul portuguez, de 7 barris de quinto e 38
ditos de decimo, com vinho branco, pertencentes
ao espolio de Joaquim Simao dos Santos.
0 leilao tera lugar no trapiche Cunha, as 11 ho-
ras do dia.____________________________
LEILAO
DE
10 duzias do camisas bordadas e lisas para
homens
Quarta feira 3 de dezembro
ASH HORAS EM PONTO.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 10 duzias
de camisas bordadas e lisas, muito Unas, para ho-
mens
QUARTA-FEIRA 3 DO CORRENTE
is i 1 horas em ponto
No arraazem da rua do Vigario n. 11.
A. Lindemam, capitao do patacho al-
lemSo Avarice vindo do Rio de Janeiro com
carga deassucar, com destino para Falmouth
para receherordens, entrado neste porto com
agua aberta, precisa para occorrer as despe-
zas do concerto do mesmo navio, a risco
maritimo, da quantia de dezoito contos de
re'is,- pouco mais ou menos, sobreo casco,
frete e carregamento do dito navio.
Offertas em cartas fechadas serSo recebi-
das no consulado do imperio germanico,
aonde a carta do fretamento pode ser exa-
minada pelos interessados, ate o dia 3 do
mez de dezembro ao meio dia.
lojn do fjzpndiis sita A rua da Imporatriz n.
48, perteiiccnle & massa fallida de l'uulo
1'cniandes de MelloCuimaraes.
Quinta-feira 4 do corrente
as 11 ho-as da manha
0 agente Pinho Borges levara a leilao, por man-
dado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio,
a arrnacfto enviJracada e envcrni-ada, espelhos,
fazcnda', roupa feita, calgas, colletes, palitots, Cd-
roulas, camisas, moveis, 1 mobilia de jacrranda,
constando de 12 eadeiras de guarni>^io, 1 sofa, 2
consolos, 1 jardineira, 2 eadeiras de braco, 2 ditas
de balan..-o, lanlernas, figuras, copos, aparadores,
commoda, mesa para jantar, cabides, cama, ban-
cos, 1 cofre de ferro, 1 piano, candieiro a gaz, e
muitos outros artigos que se acham pateates no
dia do leilao.
Os pretendentes poderao desde ja examinar e
tratar com o agente; no sea escriptcrio, a rua do
Bom Jesus n. 53, primeiro andar.
AVISOS DVERSOS
Precisa-se de uma ama
que engomme e fa^a outros
services domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
- Preeisa se de uma escrava para cozinhar
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
loja. __________
Aos senhores negociantes.
Contimia-se a fornecer comedorUs para fora
por precos commodos ; algum senhor negociante
que tenha de retirar suas familias para ir passar
a festa e qnizerem deixar os seus caixeiros bem
servidos, quanto ao fornecimento de eomida, diri-
ja-se a rna estreita do Rosario n. 35, primeiro an-
dar.

f
n
Feitor.
Precisa se de um portugQez que entenda de ar-
voredo e jardim, que tenha boa conducta.preferin-
dose casado sem familia : na rua das Cruzes n.
34, primeiro andar.
9 @ #@ # # 9-9
DESCOBERTAS MEDIGINAES ~"
PEI.O BACHABEL
Manoel de Siqueira
(avalcanti.
l o Preservativo da ery
sipela : para curar com certeza, e
en. ponee tempo, qualquer ataque de
erysipela, e prevenir o seu reappare
cimento.
Este medicameoto tambem e muito
poderoso para o rneumatismo.
'i' o Regulador da mens-
truacao : para falta, irregularida-
de, suppressao repentina da menstrna-
cao, e dos lochios, assim como para
todo? os soffrimentos devidos aquellas
affecQoes. Ambos estes medieamentos
ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e na do Rio de
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 9 horas do dia as 3 da
tarde, e a qualquer hora em case* ur-
gentes.
GRATIS AOS POURES
Rua da Impeiairlz u. 14, 5" auJai.
H. J. Cannan, gerente da casa commercial de
Adamson Howie k C., avisa qne tendo de fazer
viagem a Europa deixa encar.'egado dos negocios
da dita casa, em I* lugar o Sr. Wiliam M. Wibs-
ter e em 2' o Sr. Thomaz J. Harding. Recife, 29
de aovembro de 1873.
i-
m
w
m
8
E' lr e aproveitar
0 inverno nao quer deixar-nos. Muito papel
albnminado em risco de perder-se. Se ha de ha-
ver prejuizo de um, haja pmvvito para todos.
APROVEITEM.
61000 por titnn ilrzcun dt rttvntns an rnrloex.'
-Avisa si; a qneiii se qui/.T irtiaiar em c.irloes
i|e \\<\\.\l i|ii>> ii. imperial phou.gi-nplii'i, a r.ua do
Uimpa n. 18. a.i v.liar para .i'|.aii'i da matiiz.
tiram-Mj iitraios em carlOis de vi.-ia a QdOU
cada dezena.
APROVEHEU I
0 que 6 bom dura pouco...
Todos os dias uteis ou santifTcadon, cbova ou
faca sol, das. 9 boras da manha as 4 da tarde li-
ra m se relratos.
iilnga-se a casa n. 77 da rna de S. Joao : a
tratar na rna Duque de Caxias n. 44, ou na rna
do Range! n. 41, andar.
B6a acquisi^ao.
Vende-se a casa terrea sita a rua do Padre Flo-
riano n. 59 : a tratar na rua do Marquez do Her-
val n. U8._____________________ ________
I. Porto
participa aos sens amlgos e antigos freguezes qne
tern aberto um novo etabelecimento de fazenuas
e roupas feitas, a rua do Barao da Victoria n. 14,
aonde encontrarao um optimo sortimento, a precos
muito commodos; e no mesmo tern roontado nma
completa ofllcina de alfaiate sob a direccSo do Sr.
Souza Lobo, habil artista e excellente tesoura I o
qua! executa qualquer obra a gosto do freguez e
com pontualidade.________________________
Roga-se
A um certo Dr. que alugou o sotSo do sobrado
n. 35 da rua estreita do Rosario, o obsequio de
vir ou mandar receber unj trastes one a mais de
seis mezes existem no primeiro andar do mesmo
sobrado; assim como satisfazer o pagamento do
aluguel do mesmo, isto no prazo de 3 dias tindo,
os quaes serao vendidos ds mesmos trastes para
pagamento dos alugaeis.
Manoel Francisco do Reis, tendo justo e con-
tratado com Manoel Jose Damasio a compra da
taverna n. 88 da rua de S. Jorge, declara pelo
presente qne quem se jnlgar com direito a mes-
ma apresente-se no prazo de tres dias, a contar
de boje ; Gndo o qual nao se attendera a recla-
ma^ao alguma.
Recife, 28 de novembro de 1873.
CRUDO
Precisa-se de um : no largo da matriz de San-
to Antonio n. 2,1" andar. _____
A1uga-se
uma casa terrea com sotau o trepeira, bastante
fresca e com commodos para grande familia no
largo do Pilar n. 12, com sabida para a rua do
Brum ; assim como, o primeiro andar da rua do
Coronel Suassuna n. 146, outr'ora rua de Hortas,
muito fresca e com bastante commodos para gran-
de familia, com sahida para 4 rna do Caldereiro.
quem pretender d-'rija-se ao segnndo andar do
mesmo sobrado das 3 as 6 da tarde.
Silio
Fresco e saudavel.
Vende-se o mais bem tratado e melhor collo-
cado, pequeno sitio da Torre; rua da Torre n. 4,
perto da igreja, e o rio nos funios, com muitos
alvoredos e bastantes commodos, a vista a quem
faz fe : a tratar com o proprietario no mesmo
sitlo.
ATTENCAO
0 abaixo assignado participa ao respeitavel pu-
blico que tem grande cfcposito de vinhos de fruc-
(as do paiz, como seja o de cajii, em quatro quali-
dades, os quaes vende por precos razoaveis, e ou-
>s mais de diversas fruclas, que a vista fara fe.
proprietario deste estabelecimento pede aos do-
i ou rendeiros de sitios a" livprom as fmet3
cajo, gtsuipapo e abacaxi, e as queiram vender,
comparecam a rua Vidal de Negreiros n. 144, ou-
tr'ora Cinco Pontas, alim de se tratar dos precos.
Joao do Amaral Raposo.
CASA M0RTUAR1A
DE
PAULA &MAFRA
NO
LARGO DO PARAIZO NB. 10 E 12
Continua ate que sejam indemnisa-
dos pelos contratantes.
Enterros, carrus Tnaelirese arsnacoes, elf., elc. g
% Cnisuit(H'io mcdico-cirurgico g
Q DE ^J
% A. B. da Silva Maia.
|M Rua do Visconde de Albuquerque n.
m 11, outr'ora rua da matriz da Boa-\ista
Q n. II.
V Chamados : a quaiquer hora.
I4.....
Gonsullas: Aos pobres gratis, das 2 as
horas da tarde.
Muita attenqao.
Exposirao de figuras de cera admittidns na
exposifao de Vienna d'Austria.
0 proprietario desta exposicao tem a honra de
participar ao respeitavel publico pernambucano,
Jue semelhante trabalbo nunca foi exposto a vista
o publico em parte nenhuma da America.
Para semelhante prima d'obra chamo a atten-
i;ao dos amantes das artes, principalmente dos ar-
tistas pintores, esculptores e poetas, no qual en-
contrarao dados para eatudos profundos, como os
homens scientificos para uma recordacao de tra-
balhos anatomicos.
Um dos grupos representa a natividade d9 Nos-
so Senhor Jesas Christo, bem como a adorac,ao
dos tres reis magos, Gaspar, Belchior e Bal-
thazar.
Formam um outro grnpo, o iilho de Deus, a
Santissima Virgem, S. Jose, Santa Isabel, S. Joao
Baptista, um pastor e os tres reis magos.
Em am outro grupo de cera mascica represen-
ta se o nascimento de Cairn.
Temos alem disto, Adio, como o primeiro ho-
mem, seduzido e attrahido pela encantadora bel-
leza de sna mulher, esquecendo-se um momento
da prohibi.ao de Deus, e peccando, por ter comi-
do a fructa prohibida, d'onde Ihe resultou a terri
vel senlen^a de ser expulso do
tornar sujeito aos vai-vens desta yida e obrigado Aluga-se a easa da rna de S. Jorge, outr'ora
a procurar o meio de sub.-istencia. rua j0 p,|ar n. u) tendo solea assobradada para
Ve'r-se-ha tambem Adio smtado n'nm rochedo, grande familia : a ver e tratar na rua dos Guara-
pedindo a Deus proteccjio para o sen primeiro li- rapes n. 14 taverna.
Iho, Caim, e Eva descancada de parte, olhando -------^-^------;----------------------:-------------
cheia de prazer e de amor para seu filho tao que- JTrOpi'lO p3Tfl nOlVO.
"Tambem sera exp.slo um trabalho mechanico Aluga-se o 1 andar d i sobrado da rua la Ita-
extraordinario que constara de um cloun, fazen- K = *VH^! a mnT
do no trapezio os exercicios mais difficeis, e um como. csteirado e forrado a
zuavo, rufando tambor, fumando e convursando
com o publico.
Havera nos iotervallos e durante a estada do
publico um magnilico oruio realejo, tccando as
ouverturas completas de Guilherme Tell, de Hos-
sini, Diamantes da Corda d'Auber, Stabat Mater,
de Rossini,, noel de Adao, Domino noir d'Auber e
varias oulras pecas.
Umasenhora perfeila engomadeira offerece-
se para esse servicp, incumbindo-se de mandar
buscar e levar a roupa em casa de seus donos ;
a tratar a rua das Calcadas n. 1._____________
Refinacjio.
Xa rua do Rangel n. 43, precisa se de batedo-
res de assucar, bons.______________________
Aluga-se
o terceiro andar e sotao da rua Duque de Caxias
Paraizo e de se n. 57.
assim
tendo agua e
gaz, a quem indemnisar algumas despezas que fo-
ram feitas : a tratar na ihesouraria das loterias.
Criado
H. J. Cannan, testamenteiro do fmado C.
Starr, avisa que tendo de fazer via*em a Europa
deixa encarregado dos negocios do dito fallecido o
Sr. William M. Wibster. Recife, 29 de novembro
de 1873._________
Aluga-se um moleque de 13 annos : a tra-
tar na rua Duque de Caxias n. 44._______^^^^
Cavanga
LEILAO
DE
PATACHO
D. FKAMISCA.
Pan o Rio de Janeiro pretende seguir com
pouca demora por ter dona tergos de sea carre-
gamento engajado, e para o resto que lhe falta,
trata-se com os consignatarios Joaquim Jose Gon-
calves Beltrio Filho^niadoCoinnierciouS^^
louQas, 1 piano de jacarandd, 1 dito de
mogno, de mesa, proprio para aprender,
1 excellente cofre inglez, prova de logo,
e cerca de 200 1(2 caixas com charutos.
QUARTA-FEIRA 3 DO CORRENTE
4s 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 1 mobilia de
jacaranda com tampos de pedra, 1 dita de junco
nas mesmas condigoes, 1 dita de amarello sem pe-
dra, 1 dita de oiticica, mesas elasticas de 6 taboas,
guarda-lougas, guarda roupas, guarda-comidas,
aparadores, mesas redondas, consolos, sofas, mar-
Suezoes, marqaezas, camas francezas para casal,
piano de jacaranda, com excellentes vozes, 1
dito de mesa, proprio para quem qnizer aprender,
1 excellente cofre inglez, prova de fogo, candiei-
ros a gaz, qaadros, cabides, quartinheiras, toilet-
tes de mogno, dito de jacaranda, eadeiras de ba-
lance de amarello, ditas de jacaranda, e cerca de
200 1|2 caixas com charutos exposicao, tado
ao correr do martello '
QUARTA-FEIRA 3 DO CORRENTE.
Am 11 horas em ponto.
A'RUA DO VIGARIO N. 11, ARMAZEM.
Para
Para o referido porto pretende seguir com pou-
ca demora o brigue portuguez Recife por ter a
maior parte do carregamento tratado: para o
resto qne lhe falta trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose Goncalves Beltrao 4 Filho, a rua do
Commercio n. 5.
Rio de Janeiro
0 patacho portngu Rival segue para o Rio de
Janeiro por tar ja parte do sea carregamento en-
Iijado, e para o resto da carga davem os preten-
entes entender-se com Silva & Cascao, escripto-
rio a rpa do Marqnez de Olinda n. 60, 1* andar.
Para Lisboa
efulra brevemente a barca pottogueza Graaddo ,
Kira carga e passageiros trata se torn E. R. Ra
flto & C, rua do commwcio n. 48._______^^
Para o Porto.
Segue com brevidade a barca portugueza S.
Umoel II. Reoebe carga e passageiros : a tra-
t*r com Tito Livio Soares, a rua do Vigario n.
17.
Aluga-se uma casa na povoacao do Caxanga, no
principio da estrada do Ambole : a tratar na rua
do Imperador n. 54, loja de livros.________
Aluga-se a casa n. 77 da rua de S. Joao e a
loja do sobrado n. 25 da rua nova de Santa Rita :
a tratar na rua Duque de Caxias n. 44, ou na rua
do Rangel n. 41, 2 andar. ______________
Casa de banhos em Olinda
A companhia Santa Thereza abre no dia 3 do
corrente uma casa de banhos que acaba de cons
truir defronte da igreja dos Milagres, na cidade de
Olinda. 0 estabelecimento acharse ha adisposi-
cao do publico durante o verJo, diariamente, das
5 as 9 horas da manha, e das 6 da tarde as 9 da
noite, e nos domingos e dias santificados desde o
horas da mauba 4s 9 da noite
PREgO DOS BANHOS
Um banho (stm toalha) rs. 200
Dito (com toalha) rs. 300
Assignatnra mensal (30 banhos) tera um abati-
mento de 29 0(0 ; pagamentos adiantados. Olinda,
1 de dezembro de 1873.
0 gerente
Justino I. de S. Campos
Fugio a 10 de setembro proximo passado, a
escrava Maria, crioula, idade de 35 a 40 annos,
cdr fula, olhos grandes, rosto comprido, quando
anda envergapara traz : quem a pegar, leva-a ao
Caes do Ramos n. 42, que sera generosamente re-
compensado.
Lrge
Deia
por dous
Precisa-se alugar por dous mezes um
piano de armario, de bom autor ; quem ti-
ver annuncie.
''<&>
Marcelino Antonio Poreira e seus
filhos agradecem do fundo de sua
alma a todas as pessoas que acom-
panharam ao cemiterio publico os
restos mortaes de sua sempre lem-
^brada e chorada esposa e mai D.
Maria Canstanca Vieira Pereira ; e
as convida, bem como a todos os seus parentes e
amigos para ouvirem no setimo dia, terca-feira 2
de dezembro, as 7 horas da manha, ama missa e
memento iue mandam celebrar por sua alma, na
igreja do Carmo ; e por esse acto de piedade se
conies3am eternamente gratos a todos os que to-
marem parte na sua dor.________________^^
DE
ferragens
QUINTA-FEIRA 4 DO CORRENTE
as 11 1|2 da manhi
Por intervencao do agente Pinto, rua do Bom
Jesas n. 43.
Leilao
DE
um completo e variado sortimento de cha-
peos do Chile e feltro
QUINTA-FEIRA 4 DO CORRENTE
A's 11 horas.
Por intervencio do agente Pinto.
Rua do Bom-Jesus n. 43.
Leilao
DE
fazendas variadas
CONSTANDO DE:
madapoloes, algoddes e chitas
QUINTA-Ft.iflA 4 DO CORRENTE
A's S i i|* -horas.
IIBWCI4.
Pr< cisa-se de uma metade de casa para um ra-
Enz solteiro, em ruas pnblicas, na freguezia de
anto Antonio : quein tiver para alugar, dirija-se
a raa do Fogo n. 20, taverna. _________
Confraria deN. S. daSoledade da freguezia
da Boa-Vista.
De ordem da mesa regedora desta confraria con-
vido a todos os irmaos a comparecerem no consis-
torio da respectiva igreja, no domingo 7 do cor-
rente mez. pelas 10 horas da manha, aQm de pro-
ceder-se a eleijSo da mesa regedora que tem de
fuccionar no anno compromissal de 1874.
0 irmao secretario
E. Tamborim.
Precisa-se de um caixeiro de 16 a 18 annos
de idade, que tenha pratica de taverna, dando
conhecimento de sua conducta : no Recife, rua do
Bom Jesas n. 29.
AVISO
0 secret. da Aug. loj. capit. Uniao e
Benef. fill .. ao sap.. gr. Oriente Uuido do
Bras. ., avisa a todos os seus ch *. iir.'., a com-
parecerem a sess. *. especial de eleicfies, do sab...
grao-mest.. grande comm.*. e do sob.*, grao-
mest. *. adj. *. lugar tenente comm. *., no dia 10
do corrente, as 6 boras da tarde, em o nosso
aug.*. tempi.'., a rna de Marsilio Dias n. 31,
como determina o art 2." do regulamento especial,
com referenda ao decreto n. 9 de 23 de setembro
de 1873.
Sociedade medica.
Os medicos, cirurgk5es e pharmaceuticos exis-
tentes nesta capital, que qaizerem pertencer a so-
ciedade medica que se esta organisando, devem
comparecer no dia 3 do corrente, as 7 horas da
noite, na rua do Imperador n. 3; sala onde func-
ciona a sociedade Laso-Brasileira.
Recife, 1 de dezembro de 1873.
Dr. Sa Pereira.
Piloto.
0 capitao da Anita, precisa de am para a sna
viagem deste porto a Barcelona : trata-se com o
mesmo a bordo ou a rua do Commercio n. 6,
r -jgm
Guilherme Frederico de Sou-
za Carvalho.
Maria Carolina da Silva Carva-
lho convida aos parentes e amigos
de sea prezado marido Guilherme
Frederico de Sonza Carvalho, falle-
cido em Baenas-Ayres a 4 de oa-
tabro passado, para assistirem as
missas qne manda celebrar no con-
vento da Gloria, no dia 4 do corrente, pelas 7 1|2
horas da manha.
Casa em Olinda
Aluga-se ama casa na raa de S. Pedro, com
commodos para familia : a tratar na raa do Hos-
picio n. 17.______________________________
Confeiteiros e
culinarios e conserveiros
Nem todos estao na altura de visar qual a mis-
sSo desses quatro artistas que podem estar cen-
trificados em uma so pessoa.
E se nao vede :
0 nosso celebre lexicographo P. Bluteau, ere
mos que foi um grande guloso.
E se davidals, leitor ou leitura, tambem aini-
5a do doce, que nos estais lendo, abri o" tomo 2.'
n siipnlftmaD(f> ao granrfn vncabulario, e ahi no
vocabulano dos synonymos e phrases, a pagina
108,encontrareis a proposito da palavra confeitet*os,
nao menos de 22 columnas, ou 11 paginas dc fo-
lio, em elogio dos esmerados artistas, que a cada
Sasso nos seduzem com as suas famozas golus
ices.
Senao vejamos : chama-lhes entre outras desig-
nagoes que nos levariam muito longe se as qui
zessemos enumerar :
Artifices de comestiveis do eura.
Administradores da snavidade.
Engenheiros saborosos.
Philosophos naturaes.
Antipoaas da amargura.
Illustres propagadores do imperio Pomana.
Dnlcissimos ministros da suav'dade.
Amabilissimos senhores do imperio da docura.
Pacificos moradores e bons vtsinhos.
Nobilissimos artifices, cujas obras nao sao para
a bocca do valgo.
Homens que no mundo se dao a conhecer miis
suavemente que todos os mais.
Benignos hospedeiros que das suas lojas fazem
asvlo.
Exterminadores dos corpnsculos heterogeneos,
e peritos collectores das partes liomogeneas da mais
pura sobstancia do assucar.
Jael
Ja se ve quando dissemos acima que os quatro
artista3 podiam estar cenlrificados em uma so pes-
soa, e porqae podemos dizer por experieacia pro-
pria e se quizerdes verificar ide
A CONFEITARIA DO CAMPOS
Encommendai por exemplo :
1 flambre.
1 rovast beeff.
1 empada.
1 pndim.
1 bolo inglez fino. I
1 pao-de-lo.
1 torta de fructa.
pasteis, bolinhos, amehdoas, doces e eonfeitos.
Que tado I I I tado alii se prepara a contento.
Carlos Pinto de Lemos, administrador da
massa fallida de Joaquim Silverio de Souza 4 C,
roga aos devedores da referida massa, queiram
quanto antes saMar seus debitos a rua do Mar-
quez de Oliada n. 1, sob pena de recorrer-se aos
meios judiciaes. Recife, 21 de de novembro de
1873. ______
Precisa-se de um que tenha pratica de todo o
scrvico de casa de familia c qne seja de boa c-on-
" ducta, preferindo-se escravo : na rua da Imper.i-
paSteleil'OS triz n. la, 1 andar.________________________
Hotel duas nacoes alliadas.
No becco do Padre n/28 faz-se comedorias com
todo o asseio e perfeicSo, e Sb manda levar em
casa de qualquer pessoa que quizer ser assignau-
te por mez ou mesmo avuUo, pelo preco muito
commodo de :lOi e 35| por mez p*ra uma pes-oa:
os Srs. qne se dicnarem obzequiar-me lirijam-se ao
mescmo hotel qi-; achara-com quem tratar. Tam
bem havera no mesmo hotel, papa de leite todos
os dias as 5 i|3 hora-'._______ -__________
ALUGA-SE
o segnndo e terceiro audares do sobrado da rua
da Moeda n. 11 : quem os pretender dirija-se ao
caes da Companhia Pernambucana, armazem nu-
mero i. __________________________
Aluga-se a casa n. 11 da rua da Ponte, na
povoacao do Monteiro, muito propria para pas-
sar a testa : a tratar na rua do Duque de Ca-
xias n. 71.___________________________ .
Toma-se a quantia de 5:00i)i000 a juros,
com garantia sobre escravos: a tratar na rua do
Imperador n. 48, 1." andar.
Aluga-se o 2
Hortas n. 48, com
no 1* andar.
andar do sobrado da raa de
sotao e cinco quartos: a tratar
AilENCAO
Precisa-se alugar uma ama de meia idade, po-
rem que seja preta, one nao tenha vicios nem
achaques, e que affiance sua conducta, para com-
prar e cozinhar para uma familia de 3 pessoas :
a tratar na cidade de Olinda, sitio do Amparo, ca-
sa terrea grande, com portao ao lado.
CHAMADO
0 Sr. Jovino Fernandes da Cruz e charaado a
rna do Coronel Soassuna n. 282, a negocio do
particular interesse.________________
C4SA.
Aluga-se metade de uma casa no pateo do Rr
co a pequena familia : a tratar- no pateo do P..
raizo n. 26._____________________________
0 quarto andar da ma do Marquez de-Olinda
n. 4. _____________________f________
Joriiacs da Europa.
Assignaturas para 1874.
Acham-se ahertas conforme o respectivo cat.v-
logo.
ENSIXO I
de m
m PHILOSOPHIA, GEOGRA- )8f
Matrieula dos cavatlos.
Acham-se a venda era toda3 as livrarias map-
pas impressos para matrieula dos cavallos con-
forme determina a lei provincial de 17 de junho
de 1873.
Precisa-se de uma ama que saiba
la'var e engommar para duas pes-
soas : na rua do Hospicio nume-
ro 50.
AMA
0
i
*
*
0
PHIA. e HISTORIA
Durante as ferias
POR
El.iZEU MARTINS
Rua da Imperatriz n. 6
0
m
0
0
I
Aluga se uma grande casa na povoagao
do Monteiro, em estado de asseio, que tem
excellentes commodos para grande familia :
a tratar na rua !. de Marco loja n. 18, ou
no Monteiro com o Sr. Nicolao, com esta-
belecimento fronteiro & dita casa.
SOBRADO PARA ALUGAR.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado da rua
do Marquei do Herval n. 31, com muito bon9
commodos para familia : a tratar na rua do Mar-
quez dt Olinda n. 82, ^^^^
CASA DE CAMPO
Aluga-se por festa, ou por anno, ama easa com
bastantes eommoodot para nma familia regular,
com sitio bastante grande e arborlsado com agua
de beber na estrada do Monteiro, perto do esta-
cao do Caldereiro: a tratar no mesmo.
Ama de leite.
Prscisa-se de uma ama de leite, sadia e moca:e
na rua do Hospicio n. 27, pagando-se bem.
Antonio Domingos Pinto, querendo resumir j
o seu negocio de morilia, tem resolvido fazer um;
abatimento de 25 por cento nos precos de suas
mobilias, as quaes sao : ricas mobilias de jaca-1
randa a Luiz XV, fabricadas em Franca, ditas de
nogueira e de anable, guardas-ronpa de jacaran-
da de mogno e de anable com espelho, ricos
guardas vestidos de amarello, rieos gnardas-lou-
a, totllettes de jacar .nda e de mogno, aparadores
e mogno com tampo de pedra, ditos de amarello e a disposicao do pnblico, na livrana universal,, a
com armario, mesas eJasiica- para jantar, dito rua d iniperado. n. 54. Na mesma livraria po-
11
Quem quizer taihar came va para a Boa-Vista,
que alii todos cortam carne, quer tennam ou nao
hcenca, qner seja ou nao escravo, quer corte com
machado ou sem elle. Quem da essa ordem 6 o
poderose
Dunga da travessa.
Pnbiicacfto lilteraria
0 F1M DOS TEMPOS
su
A PROXIMA VINDA DO B.EINO
DE DEOS,
tudo mostrado pelos f?ctos qua' se estao passando
no mundo, e que se acham claramente annuncia-
dos na propheria de Daniel, Ezeqniel, no apoca-
lypse de S. Joao, e nas epistolas de S. Pedro e de
S. Paulo Acha-se prompta esta interessante obra
de mogno com abas para almoco, mesinhas de
mogno para costura, e uma infinidade de objec-
tos que seria enfadonho mencionar ; tem um
grande sortimento de eadeiras de muitas qualida-
des : a rua do Barao da Victoria a. 57 e 58.
dem os senhores assignantes
plares que subscreverara.
procurar os exem-
Aluga-se um excellente sooradinho com bolas
de vidro, na rua de S. Pedro Novo n.... com com-
modos para grande familia, o melhor lugar para
quem ^ahet fazer uso dos banhos salgados : a
tratar na praca doJCorpo Santo n. 17, andar.
^anhos eares saudavcis do
Monteiro.
Aluga-se alii dnas pequenas casas muito
conta para quem precisar de bons ares e banhos
frescos : a tratar a raa do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7.
Escra
iVO
t asa para aiugar.
Aluga- e a casa n. 63 da rua d > lli*picio, com
bastantes commodos e gna, vn,pria para uma
grande familia :_f* pr-undenies que queiram | Ac!u.j, r,ipil(, desde o ^H
examinaja, acharao a chvv. u mesma rua n. 55, \m,^,t Greg-iio, crionlo, cor 'uU, ba'r teado
collegw de Santa Geimv.va.__________________Juna ^ d(.,. j.ulegares .m oori'do : qnwn
Xluea-se o 1* anda-- dosD'ora'^ d^ rua 1 lc, i .ir? dirigir-so a |>;iteo do r,
Imperatriz n. 53: a tratar na rna do Barao ua O'^-ta, r-bud > u. 1, que sdra'gewrotai
Victoria n. 57, loja. i


'.oW
---------.


6
Oiarife'8* Rtotoiifewo Terga feira 2 de D&zemfero tie* K7S

Boa casa para a festa.
AiagS-setunaexcellonte casa no Mouteiro, tra-
sssa do Xisto, a qual se acha em muito bom es-
2*4a 4e ttmpjza : a traiar aa rua Primeiro de
Mara, antica o Crespo a. *) A, loja de Gurgel
& Amaral A C._______________^__
Acreditarao vendo
Retaiha-so um vasto e bcllo terreno &
gem do rio, nos fuados- da povoagio de
Seberibe, ainda n&o visto pela mator parte
i popula^ao, por tir si lo hapouco derru-
jAdo os mattes que cobriam dito terreno, o
ifoal constade uma grande ptanicie, pro-
.ria para edificagao, e distancia de 3 minu
os <'a ultima estate da via'ferrea, achan-
So-seja" dividido em ruas, com approvagao
iacamara de Olinda.
Quern pretender p6de ir ver que sem du-
ida ficard agradndo, e entender-se com o
:Sr. Jose Honorato Modeiros (Zumba), en-
earregodo, ou com o proprietorio, junto a
?oate da dita povoacao.
.;$ Consultorio homeopa- 0
thico
m o Or. Santos Hello &
IK 41------Rua do Imperalor------H &
cS Consultas todos os dias das 11 a 1 da X
' urde. 0
:&L Gratis aos pobres. jq
2 Residencia a rua Nova n. 7, segundo S
*K auJar, oudj da consultas das 6 as 9 da 0
,& niauna e das 3 as o da tarde. jgf
^ Chamados a qualquer hora. ?
Aluffa-sc
primeiro andar do sobrado da rua do Duque de
-axias n. 44, proprio para escriptorio, ou rapaz
- olteiro : a tratar no m'esrao, loja.
WISO
0 Sr. Joaquira Cleracnte de Lemos Duarle tenha
ndade de vir ou mandar a rua do Coronel
aassnna n. 282 a negocio de seu interesse.
Para can\:ceir Aiuga-se um terreno murado, na rua da Sau-
lade, que tem com palmos de frente e 300 de
com poquena casa e telheiro para ani
, proprio para plantacoes : a tratar a rua
- rimciro de Marco n. 33, loja.
CH1AD0
Precisa-se de un criade, que seja bom copeiro
isseiado : nna rua da Uniao n. 17.
Atfencao
jTende-se barato a arma;.ao da taverna n. GO, si-
a rua Direila Ios Afogados : a tratar na pada-
de junto n. 66. .
A pessoa q:~e annunniou prectsar de 5( a
premio sob hypotuera em lions de raiz, apparega a
rua do Hjspicio n. 15, das 4 horas da tarde era
diantc
ATTENCAQ.
Denovo pede-se aos credurcs da massa fallida
Je Joio Hyginn de Souza, que apresentera seus
tiiulos a rua do Vigario n. 19, Is andar, a fun de
serem conferidos.
Quern precisar alugar um escravo, com tan
to que nao seja para service de peso, dirija-se a
rua do Hospicio n. 61, qua encontrara um bastan-
te intelligento, e capaz de cnoarregar se do traba
Itio de jardim on de hortaligas.______________
Aluga-se um sitio em Beberibe, com easa
propria para familia, com mobilia ou sem ella :
* rua do Marqncz de Olinda n. 36. ________
Precisa-se de dous retinadores para o Para :
a tratar no escriptorio deJoaqiim Jose Goncalve3
Beltrao & Filhos, a rua do Commercio n. 5.
presifa-se de um em 3. Joi6
io iManguinho, sit;> n. 2, uiu-
ro citizen, to antes OITerece se uma mulher de boa condncta
para cozer cm casa de alguma familia ou mesmo
em casa de madame : na travessa do Forte n. 6.
MOFINA
Esta encouracado I! !
Roga-se ao film. Sr. Ignacio Vieira de Hello
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, i con-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fevereiro e ahril de 1872,e nada cumprio;
e por este motivo 6 de noyo chamado para dito
9m, pois S. S. se deve lembrar que este negocio e"
de mais de oito annos, e quando o Sr. seu fllho se
lehava Desta cidade.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-si
fallar ao Sr vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
reira, a negucio de seu interesse.
COMPRAS
1
Tem para vender Joaquim Jo^ Goncalves Be-I
I o Filbo : a tratar no seu ascriptorio a rua
do Commercio n. 5._______________________
Leques, luvas e sahidas de
bailes.
Ania-al, Nabuco 4 C. receberam um completo
sortimento de lenues de madeira mosaico cou-
ro da Russia, marfim, madreperola de diversas
cores e tartaruga, luvas de pellica fresca, e peuux
de sued, e sahidas de bailes ou capas de casemi-
r para preservar quaesquer incommodos nas sa-
hidas de reuoioes : vendem no Baar Victoria, a
rua do Barao da Victoria n. f.
Amar.il, Nabiieo 4 C. vendem -magniftcas
colchas de soda, fii.is>imas aberturas de cam-
braia de liuho bordadas, para camisas de senho-
ras, e meia? de algndao, fio dc Eseocia e de seda,
para homens, senhoras, meniiws e meninas: no
Bazar Victoria, a rua do Barao da Victoria n. 2.

,^U Compra se e vende-se trastes novos
vB e u.-ados no armazem da rua do
tX* perador n. 48.
98
lm-
@

Compra-se
Amga-se o 2 andar e solao, com todos os
nodos para grande familia, do sobrado n. 12,
:' :. rua de Hurtas : i tratar na rua do Trapiche
!3, armazem de assucar. Tambem se vende
;,: ^'u!''^ Fortes do mesmo "brado.
Corapanhia do Gaz.
mproza do gaz tem a hunra de nnnunciar
quo reeebeu ultimente um espleu-
sortimento de lustres de video, candiei-
arandelas o globos, cujas nmostras estao
iptorio a rua do Imperador n. 31,
ven li ios aos seua freguezes pelo
! ic/i mais r.i/oavel possivel.
iga-se o segundo andar do sobrado a rua
Barao da Victoria n. 31, com eommados para
ii : a traiar na loja do mesmo.
- LTma pessoa sujeita, com muito ponca idade,
l ganba 2s por dia,preeiaa de 4005 para sua
"dado, obrigando se a d.ir liador. e a c-ntrar
os mezes com 40J rs. ate realisar o paga-
. do principal, juros e todas as mais dospezas
>pectivas, e tudo isso por meio d>' uma escriptu-
." Quern etivcr em circumstancias de fazer
uegocio, annnncie.
Banhos teinperados.
Aloga-se pcir ." la ou nor anno, uma casa
-.ommodos para grande familia e muito fres-
. situada na pitore.-ca illia do R>*lir) (Magdale-
a margem do saudavel rio Capibaribe : a tra-
na ma do Visconde de Peotas, outr'ora do
' ragao n. 12^______
Uma parda eserava. boa c istureira, precisa
'. .tiiloa para sua liber iade, otlereeendo em
desta quanlia os seus sorvigos pelo temp >
16 conveneiOQar : cio, dirija-se a rua da [roperatriz n 30, segundo
idar.
Atten<;ao
s ahaixo assignados fazem sciente ao respoita-
corpo do commercio que dissolveram nesla
aniigavelmrnte a sociedade que tinham no
'"tel da rua larga do Hosario n 3*, ficf.nd > a oar-
i do socio Francisco eis todo o aedvo e passivo,
ocio Manoel Carpinteiro pago e satisfeito de
>ea capital e lucros. Recife, 20 de novembro de
1873.
Francisco Reis.
Manoel Caruinteiro.


rp
Servi^o mortuario
aixo assignados tendo contratado com a
sa da misericordia o servico mortuario e
is funebres desta cidade,- de conformidade
lei proviueial n. 1121 de 17 de julho do
; anno, declaram que come^a a ter execu-
:smo contrato, a contar do 1 de dezembro
: futnro, pelo que so com os abaixo assig
;iodera o publico entender-se para aquelle
>; encontrando o seu eslabelecimento a rua
perador ns. 9 e il. provido do necessarioje
io melhor gosto. Garantem os abaixo asignados
".)do zello e promptidao para' hem servir, e n5o
iesmerecr da cemfianca com que at6 hoje teem
Jo honrados ; assim como convidam aos senho-
<=* armadores para que quanto antes compare$am
^m seu eslabelecimento para re;eberem a antoi i-
?acao, aflm de continuar em sua industria, inde-
>mdente de paga. Recife, 29 de novembro de
Agra & G.
um siiio nos arrabaldes desta cidade. onde passe
linha Je brads : a t.-atar na rua do Imperador n.
48, armazem.
Compia se em uma da tres freguezias, San-
to Antonio, 5. Jose' ou Boa- Vista, um sobrado de
um andar ou uma casa terrea que esteja em-bom
estado : a pessoa que quizer vender dirija-se a
esta typographic que se Ihe dira quern pretende
compar.
T
^OAS-
Bom negocio
Vende-se muito baralo uma ca?a de taipa, com
2 salas, 2 quartos e cozinha lora. cum um terreno
de 72 pilmoi de frente e 900 do fundo, com algn-
mas fi ucteiras em ponto pequeno, sito no lugar
das Areias, freguezia dos Aft>gados : a iratar no
pateo do Carmo n. 8.
As unicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem a e.-te mercado-
ua rur Marquez deulindan. 31
J. 0. C. Dovle.
4
Tem para ve i < :
Cognac de Henuessy, superior e verdadeiro.
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacdes chimicas do Dr. Aver : m
armazem da rua do Commereio n 38.
Vende-se uma taverna na cidade de Olinda,
a rua de Malhias Ferreiri n. 39 : qurm pretender;
dirija-se a mesina, ime achara com quern tratar'
Mobilia
Na rua do Barao da Victoria n. 36 vende-se uma
mobilia de jacaranda, nova e de gosto, por preco
commodo.
AVISO.
Moraes & Motta, proprietarios do armazem Fi-
didade, a rua do Imperador n. 14, convidam
peli presenie aos seus devedores que tem debitos
atigos na mesma easa, de virem sa.da log ate o
fimao corrente anno, cerlos deque se assim o
aio fizerem, obrigam nos a proceder a cobranca
.dicialmente, sem excepcao de pessoas.
fteeife, 19 de aovembro de 1873.___________
ATTENCM
Precisa-ee de um homem portoguez recente -
tfl chegado, ime tenha boa conducta e pratica
i.ra feitor de engeoho : quern estiver nestas con-
*j?5es, queira ajiparueor no largo1 do Corpo Sanlo
a. 19, escciptoric.
' C/ttixeiro
;jrecisa-se de tim tafnino de 14 a 16 annos, com
i tica de taverna : 'm rua do Amorim n. 62.
Garanhuns.
a raa 4 BarirxJa Victoria n. m-u
illar aos Srs. Padio do Rego Chav,
. Md- Paw daSilva, a c
UA DIYINA
E.COUDRAY
DIT-TA AGUA DE SAODtl
Preconlsada para o toucador, como conserrando
conatantemente aa bellaa cores da mocldade, pruer-
Tando da peate e do cholera morbo.
ADTERTEIICU 1BP0RTAI1TE
Unas imitacces e faUiGcac6ea frjudulenUs,
is mais veies damnosas & saiide, excitadas pela
fama lao ju-lamente adquirida pela Agua di-
vina, obrigSo-me a recommendar aos consumi-
dores de reconhecer onicameDte come legitimas
as garrafas no gargalo das quae* acha-se uma
Eequeona faxa cod a minha
rma e marca de fabrica.
Z&&
v*o
PARIS, IS, rue d'Eacfclca.
Encootra-se em casa de todos OS pri nclpaes Perf umistas,
Pliarmaccutlcos a Cabelltreiros de Amelsc*. A
VELOUTINE
It UMA. ESPECIE SE
POS de FLOR de ARROZ
epi
2 por conseguinte d'uma accto audav
Especialraentepreparadoecom Bismot
or conseg
toDre a pelle.
3
E' ADHERENTE e toUlmente IK VI-
SIVEL, dando 4 pelle uma freecura e
aveludado naturaes.
Preoo da- Caixinha com borla ft r., em
casa deCh. FAT, 9, rue del* Pa"
Depositoem Pernambuco, A.
PREDHECiA
A' rua I<> Caltu^a ii 1 A.
Os proyrietarlos da rrcdilecta, no Intuito de
cooeervar o bum conceito que teem mereeido do
respeitavel publico, di.-iuoguindo o seu estabeleci
meulo dos mais que negociam no mesmo genero,
veem seientifloar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspoodentes nas diversas par-
cas d'Europa para fhes enviarem or lodosospa-
quetes os objectos de ftixo e iwm gosto, quo se-
jim mais bem aceiles pelas seoiedades elegantes
iaquelles paizes, visto aproximar se o tempo de
fesia, em que o belld sexo desta Hnda Veneza
mais ostenta a riqueza de sdas tdillettes ; e co-
mo ja recebessem pele paquete francez diversos
artigos da uhlma mdda, veem patentear alguns
d'entre etle? que. se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costnmada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lifldos que teem
vindo ao mprcido.
Albuns com n>as capas de madreperola e de
velludoy sendo difersos famanhos e baratos pre-
cos.
Aderecos eompletos deborracha pr prios para
Icto, tambem se rendem toeies aderecos muito bo-
nitos.
Botoes de setim preto e de cores para ornato de
yestidos de ser.hora ; tambem tern para collete e
palitot.
Bolsas para senhoras, existo am bello sortimen-
to de seda, de pllha, de chagrim. etc, etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, taato de louca
como de eera, de borracha e de massa ; chama-
mos a atten>. So das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falia de uta obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho iisas e com peitoa bordados
para homem, vendem-se por preco eommodo.
Ceroulai de linho e de algodao, de dwersos pro-
cos.
Caixinhas com musiea, o que ha de mais lindo,
com dlsticos nas lampas e proprios para presen
tes.
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeosparasenhora.Receberam um sortimento
da ultima moda, tanta para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
' :alcas bofdadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de iiodos
desenhos.
Escovas eleclricas para dentes, lem a proprie-
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas de seda prelas e de cores, exLte um
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de sarja, de gorgurao, de setim e de cha-
malote, de diversas larguras e bonilas cores;
l-'achas de gorgurao muito lindas.
Flores artificiaes. A Predilecta prima em eon-
serrar seropre um bello e grande sortimento des-
la> flo es, nao so para enfeite dos c^bflios, como
tambem para ornato dc vestido de noivas.
Galc'ies dealgodjo, de la e de seda, brancos, pre-
to* a de diversas- cores.
Gravatas de seda para homem e nh.,r,r.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para senhora.
Li gas de seda de cores e brancas bordadas para
noivg.
Lwros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marlim, ds^o e velludo, tudo que ha de
bom.
Penles de tartaruga e marfim para alisar os, ca-
bal'os ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marlim, osso e dourados pur barato preco.
Perfumarias. Nesto artigo esta a Preddecta bem
provida, nao so em extractos, com banbas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Pi ver, Sociedade Hygieniea,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapalinhis de la e de setim bordados,para bap-
tisados.
Tapetes. Rereben a PredHecla um bonito sorti-
mento. de diversos tacnanbos, tanlo para sofa co-
mo para enlrada de salas.
Ye-timen'.as para, haptisado o que ha de melhor
gosto e os mais modernos. recebeu a Predilecta e
vende por barato prejo, para dear ao alcance de
qualquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
Amaral Nabuco & C.; vend m por bxrato
prego, cortes de vestidos de li, de chaly de seda e
do gase de cores, vcsiiraenta de casemira, fustio
e brim para menin f, no Bazar da Moda n. 2
rua do Barao da Victoria.

DE
I.H! iia P.'il'l.i At X'lpltwU n 99 fat0 Pres de ** **H>t). 59, W, tendo tam-
Ddl .bem das mais finas que custuraam vir ao
mercado, assiii como um grande sortimento
de ditas tapadas e victoria* qne-vende de 4$
ate 8-3, serroo fawnda que'fallo rauito mais
dinbeiro.
COM SALPICOS DE CORES A .
0 PavSo recebeu u-m elegante sortimento
u
LIOUIDAGAO DE
MA
Rua d: liiiperatriz n. 60
|/;>i/
Vende fazendas pars iiquidar,por barntissimopre(jocomo
abaixo se ve:
Pereira da Silva" ^ <.iitmsraes tendo ern sfr tm f tem resoltido fazer uma liquMr,io das mesm.-is com i^mmJo abatiaieoto flflB pregos,
j com o unico fim dj i.purar dihiVir parao que conyio*a'n uao s^ cs seus naraercs(s
m freguezes, camo o respeitavel publtco, a vir surtir so clen*its fczeidas, bwn tfborat's
no seu estabelecimentoderrominailo o Paviio a rua da Imperatriz n. 60.
CAWBRAIAS A 4fl, 4?0O, 5, 69 79.
0 Pavao vende um magnifico sortimento
das mais finas cambraias brancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas oada pe^a, pelo ba-
Cameiro Viaiina.
A' este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de machinas para
oostura, de todos os autores mais d|lta- de cambraias brancas com bonitos salphtui-
dos ultimarnentena Europa, cujas machifias nbos mjudinhos de cores tendo 10 gJJ
sao^garant.das por um anno, e tendo um cada corte de ve9lido e vende pelo barato
perfeito artis a .para ens.nar as mesmas, em pre50 de ^ ^ pechinch8fdita8 com
qualquer parte deata cidade, como bem as- 9alpicos todo brancosen(}o fazenda finissiina
am concerta-las peto tempo tambem dam a 7^500e dit8S a $mo
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabelecimento tjmbem ha purtenijas
para as mesmas maebmas e se tappre qual-
quer peija que seja necessario. Estas ma-
VESTIDOS A USO DA CORTE t2}J
0 Pavao vende um bonito sortimento de
eortes de vestidos a uso da corte, trazendo
cbmas trabalham com toda a perfeigSo de eada c6rte todos os enfeiles necessarios como
um e dous pospontos, fraiue e burda toda | sejam : babadinhos, entre-meios, rendas,
qualquer costura por fina que seja, seus requefifes,e vende pelo barato prego de 12
precossSo da seguinteqoalidade : naaa tra- cada um, assim como, di os a 2 de iulho
balhar a mao de 30U00O, 405JOOO. I5#000'com todos osenfeites a 10, eortes de cam-
e 50^000, para trabalhar com o je sao de braias- brancas ahertas, com listras e lavores
80^000, 909000,
1209000, 1309000,
230900O, emquanto aos autores nao ha al-
teragSo da precos, e os comppadores poderao
visitar este estabelecimento, qu rnuito de-
verSo gostar pela variedade de objecto? que
ha sempre para vender, como sejam: cadei-
ras para viagem, malas para viagem, eadei-
ras para sa'.as, ditas.de balaneo, ditas para
erianf a (alias) r ditas para escolas, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criancas, capaehos,
1009000, 1109000,; a 69, ditos ftnissimos a 89, ditos de cam-
1509000, 2009000 e braia branca com listras de cores, para aea-
bar 39500, e pechincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pavao vende ricos cortes de oambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359.
GASSAS- FRANCEZAS
a 300 rs,ocovado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
espelhos dourados para sa!a, grandes e pe- cores fixas, que vende pelo barato prego de
quenos, apparelhos de metal para cha", fa-: j 300 rs, o covado, organdy branco e lis-
queiros com cabo de metal e de marfim, tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
ditosavulsos, coiheres de metal fino, condiei- nissimo fil6 branco liso frde salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores;
Hill
0
ill '- 1 UM.I
CUitas a 210 rs. o covado.
A 240 r; o covado.
A 210 rs. o oovado.
So na rua Duque de Caxias n. 60 A, loja da
esquina.
A 280rs. o covado!
Lazinhas de c6^es para vestidos : so na rua do
Duque de Laxias u. bO A, loja da esquina,
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tarn pas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios eompletos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros raui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto de-de as 6 horas da ma-
ti at^ as 9 horas da noute &
ua do Barao da Victoria n.
(___________2^.____________
Nao ha mais cabellos
brancos.
MOMMA JAPONEZA,
S6e unicaapprovada pelas academias de
seiencias, reconhecida superior a toda que
tarn apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal d rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1, andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
BORNOUSA 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernosbornous-combonitas listras e
peratnz u.,i
francez muito fino a 39000, apenas'ptecisa
1, '/' metro para om lengoi.
CJiaLES fBAJUTOS ,W
a SJMk *
0 Pavao vende chales a, ainiuigattdeaie-
rimi a 2, ditos do- merino Hsos do todas as
cores a 2^500, diios-de-merin6estampados.
muito finos a 49. Vilos finissimos com lis-
tras deseJa "a 695OO, ditos muito fiuos de
orepom a 109 e 129.
Al-udau onfestaak I?el 8SO
0 Pavao vende algodSo eufestado com 8
palmos delargura, proprio para lenses
sendo do mais encorpado que tem vindo ao
mercado, liso a 19 a vara e trengadoa.....
19280.
ATOAEHADO A 19600, 29, 59.
0 Pavao vende atoalhado trangado com 8
palmos de larguras 10200 e 19600, dito
adamascado a!J9Yclno do linho adaraasca-
do a 39 e So.
SEUAPAIU YESTIDOS
a !9029.
0 Pavao ende um aonito sortiaento de>
sedas com lislrinhas proprias para vesti-
dos de meninas e de aeuhora a 19*60 0 co-
vado, ditas lavradinhasa 29,0spadr5cs sao
muito bonitos e vende-se por esta prego para
acabar.
llolina a iV<0OO
0 Pavao tem um completo, sortimentod*1
botinas muito bem enfeitddas para senhoras
e vende pelo barato prego Je 59, artigo que
em outra qualquer parte custa t9 e 79.
I.ENCOS BRANf OS
a 29000.
0 P,-;vao vende lengos brancos ab inhs-
dos, tan to para homens como para senhoras.
a 29e 29300 a duzia, ditos de esgoiao e
oambraia de linho t-inbcm ab^inhados a
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, para
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas camisas com peito
de linho bordadas, proprias pra noivo a
105 e 129 cada uma, ditas de linboscn se-
. rem bor j das s 4?, 49^00 e 59, ditas com
LliiS FT r ^ ^ Um' 'peitodealgodao muito -finas a 29, 29500 ,
h ^ nhS^ gani6 sort"".e?t d,0Sm?IS i 39. d^s de chita fina miudinh. a 29, 25J50O,
bonitos chales de mer.no-e com l.stras de seda. g ^ ^n tomo gpa|)de sorrimen<; de ce[
LAZI.MIAS A 320
0 Pavao vende bonitas laxinhas
sendo verdee cor de lyrio, pe'o barato prego
de 320 reis 0 covado, assim como delicadas
lazinhas de quadrinhos a 280 reis, o* oe-
ehiucha.
G>s*annli ue a 6AO
0 Pavao vendo um elegante sortimento
das mais bonitas granadines ou gazes de
seda para vestidos, tendo de todas as cores
e vende pelo barato prego de 640 reis 0 co-
vado e granadine prela com listras de seda
a 19800.
roulas francezas tanto do linho como deal
lisas qoa'io dc 19600 ate 39, gr nde sortimentc
VAP01S LOdOPIfS.
De forga de dins a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquim Lopes Machado & C, tr-a
vessa do Corpo Santo n. 25.
CaixOes
-
Vende-se quaffo caixSes proprios para estabo-
lectmentos dft molhados. a ras de MaTcilie > ia?
n. 76.
Rara prcsepes.
Caixas coiap'etas com flguras paa presepes de
ii a 5*000 cada unto : a venda no Basar da rua
Direita n.51.
Bolsas7 malas indisponsa-
veis
AraaraJ, Nabuco & C. receberam completo sor-
timento de bolcas, malas e ladispensevais de cou-
ro, madeira e chgrin : wdUe-se no Bazar Vic-
toria, rua do Barao da Victoria n. f.
Para acabar!
Pticos ohapeos plira seaWora : sona rna Duqna
de Gaxias n. 60 A, loja da esquina.
Matricuia para oatallos.
A' venda na iivrai ia elasfloa, a rua do Impera-
4or n. 73. fftc'*'*^ ri. ***
CosfflOfaiHas.
-Amaral Nahuco *Sc C'vendem os mais commo-
dos eoenjorama^ ooia vistas actualmente novas :
Bazar Victoi ia, rna do Ba'rao da Victoria n. 2.
Vende-se Saf do; Assd" a bordo do hiate Joao
Alcaciana
A 400 RS. 0 COVADO.
Fazenda inleiramente nova e propria para a pre-
senie estacao, pelo baratis-dmo preco de 400 rs 0
covado, a loja, dos arcos de Gurgel do Amaral &
C, a rua 1. da Marco, antiiia do Crespo rt. 20 A.
Hadapoldo francez
a 6^500 a peca!!
Madapolao francez fino corn pouco snjoa 6W0
a peca ; 6 pechincha na rua du Qaeimado nu-
mero 43.______________________________
Sal do Cabo Verde.
Tem para vender Joaquim Jose Gongal-
ves Beltrao & Filho, a bordo do b-igue por-
luguez D. Anna, fundeado defrente do tra-
piche Alfandega VeHia : a tratar a bordo o\
no seu escriptorio a rua do Commerci
a. 5.
le me* s era 6 ingleaas de 49*ate-8900 a
duzia
FAZENDAS PARA I.LTO.
0 Pavao tem uin, grande sortimento de
fazendas pret s para Into como sejam : cs
s s, las, 011 lazinhas lisas que vende a IOC
a 500 rvfc 0 covado, bombazinasde 19600
ate 29 0 covado, eantao a .19 e 19200.
granadine lisa com fcstrss, cassas 0 chita-
tolas pretascom listroscsalpicos* sdp'cas
todas pretas e Iavradas de branco, merinds e
outrasmuitas fazendas npropri das, que se
LAZI.MIAS A 360 0 COVADO. v"ude por monos dque om otUra qu 0 Pavao vendo bonitas lazinhas transpa- parte.
rentes com palminhas a 360 reis 0 covad<\ MADAPOLOES ENFESTADOS
ditas ditas indianas com lindos dezenhos, a 39000
tanto em listras como em quadros a 280 rs, 0 Pa*ao vendo pegasde madapolao enfes
o covado, 0 grande sortimento de alpacas tado com 12 jard. s a 39, ditoa-39500, rlitc
lazinhas de 40li a 80U reis. com 20 jardas a 59, 59500 e-69000, dito
com 24 jardas de 59 ate 89 e 19,< sendo os
CHITAS DE GORES mais finos que tem vindo 00 mere do.
a20;, 240, 28Me 320 rs. I
0 Pavao veode um grande sortimento de i A%odiXaalnlio a 4r4MM.
bonilas chitas tanto claras como escuras e
vende de2i>0 ate 32n rs., aasim
com listras ao lado muito finas a
rs., finissimas percales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 0 400 re"is, garantindo
serem lodas de Cures fixas.
COBERTAS A 29, 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas do chita
omitditas' ,,rtlva0 vende pegas de algodaozinlu
360e4OO,:nuita",corPado a 4^, dito a59 e69.
TAPETES
CORTES BE CASEMIRA A 59-
O PavSo vende um grande sortimento il
com ramagem grauda, pelos baratos pregos cortes do casemira para calgas, com bonitos
de 29.2950U, 39 a 49, dUas encarnadas gostos, claros e escuros a 59, ditos de 69,
forradasa 59, ditas defustao branco e de cor j 79, 89, ate 109, superiores casemiras frin-
com bsrras a 49 e59, ditas de creche" para.|cez=ise inglezas, para covado, de 39500 ate
camade noivo a 69; ditas muito ricas a 169,;6i{l, paunos pretosede c ires dos mais bara-
ditas de damasco a emitagao de seda a 109' tos e mais fines que tem vindo o' rnertado.
e 149- ,'por pregos rnuito razoiveis.
VustiioH Itoupa IV Un
0 Pav3o vendefustfles brancos ode cores, j 0 Pavao, tem constahtemente um grande
sendo as mais bonitas cores que tem viudo ao. sortimento de roupas feitaspata homem, que
mercado, tanto para roupa de criangss como vende por prego muito em corrta, como se-
para vestidos e roupas de homem,^e vende: jam :
Banhos em Olinda
Camisa3 e calcas de fazenda de boa qualidnde,
froprias para os kjanhos em Olinda : na loja dus
pelo barato prego de 560 ate* 19, 0 covado.
BRAMANTES
a 19CO0, 2412U0 e 29500.
0 Pavao vende bramantes dealgodao com
tO palmos de largura para lengoes, pelo ba-
rato prego dc 196(0, dito de liuho com a
mesma largura a 2ft,'-3$200e 29500, dito
Cortes do chita a 99, rSOO e
3>000.
0 Pavao ve*de cortes dei ehjtaa *curas e
claras com 10 covadescada cdrte, pelo ba-
ratismo prego de 29. 29500 e 39000.
CORTES DE BRIM A 19400.
0 Parao vende eortes de brim pardo para
arcos a rua Primeiro de Marco (antiga do Crespe) Calga, a 19400. Ditos de cor, fazenda fntli-
I. fO A, de Gurgel do Amaral \ C. to boa, a 19600.
~ VettSSe a'tfririaAo e -Utenslllbs da taverna do EspartilllOS 3, 3B e 4^000.
jate' do Terc6 n. If, barato, e propria para quern rt*n ... ,
^r'JfiihAtopisF n,rtMoii0 t,y,r i mjr ns l 0 Pavao vende os mais modernos esDarti-
ae. ^rrSier estshetecer naqheKe lugar: a iratar na
.------------------- *
lhos, proprios para senhoras e
esparti
meninas,
, pelos batatissifhos pregos da 39 e 49000. com listras e quadrinhos, sendo fa^enda.a.ui-
to fina,. pelos baratisswios. preQs de 39 e
Calgas de brim du cores de i9aC0 ate ti?
Ditas de casfmira eScura a 39500.
I'alitotsda mesma fezonJd a 4Jo00.
<'.algas.de brim psrdo de JJkate5;J.
Dft s de casemira 'de c6r de 7(5 ate
Dit?s de casemira >preta de 79 ate" 145.
Patitols de paono preto de 49 ate 139.
Fraques de panu preto fino de 269 atft
359000.
Caig-s brancas,de linhf tie 49 ate79.
Colletes de cauerflifa' de ct>r de 39000 ate
59000.
Ditos de dita preta de 49 ate 79.
Cortes de IA a 4f00
0 Pavao vende bottltos -bortes de l***has,
padroes miudinhos com lindas cores, 'tendo
15 covadoscada corte, pelo barato prego d-
49000.
CORTES. DE 0
0' 1'avao Ven
dKS>|f de^Pw/ftSIo;
C, rua da Madre de Deos name-
^riao~(5oFkra
139WM) o corte.
x OtaSSa |>itos muito superiors, brsnebs e de cor, a
Nova em mWos barris a 500 rs, o Kilo: veodera jjj e 69000.
Curiha Irmaos A C, rua da Madre de Deos nuine-
Ceroulas francezas de liaho eatJgod5i>, para todos o proofs e qoaJid|(ds, assim
| como grande sortinaenlo etotrieiaseruas, caniisas, eolennhos, que* tudo se vende por
precos muito r>zoaveis.
Xarope
Antigoe eoneeituado medicarrienlo para
mestraa bordo. vcotttda1 mitysica, broncnites, asthma, etc.,
ValU, confftftte ao traplenei do Cftnha, caes da
Coapanhia Pernambuea, a
da Cunh* Lges ou com a-
fio im
i am put -vnadafem 'sett sBori^rto l
Jc*8oHaJ(ni8:Beltraei*'fillltH WMl*
o&S.
Btoplt'c'ad%'aWifif com opfihios resutlados no
'escorbuto.
i i, i ,f, ... ,,, ,------------------------------------
Rua do Brum n. 76
Vende-se xinco puro de* superior qualidade,
^rlofpJWi'cWertJrs' de- bksts, medlndo ftpat-
'|^'PdM|M -- : --
Panno &b algdf3So da
Bahia,
Ha paraverid^rais*s'^-.uat9lTal>rI(fas :
S Salvador.
Conceicao.
Vaieuca.
Modelo.
No esc iplorip de T" rua $'j C.
aiercion 34/l^ajyRir.*
I jazusma-s
0scoceza^?J|^|C|B;r^lt)vado.
Rua ,; Qneituado n. 43
tni rh riW^ieWmWutW pffco
deists. -#:Hn Qaeimade c 43.



__JL*
fciario Je PernanifcueQ Iferga feka& de D_&ta) de l^Tb.
;'
r
i
>
>
!
i
i.....r immMI
COSTOA DE HOWE
N. 4Rua do CabugSN. 4
JOSEPH RRAUSE & C.
LEIIE, IRMAOS
UNIGOS AGENTES
A'
Rua do Barao da Victoria a. 28
\s mais simples, as roais baratas e as melhores do mundo!
Na exposicio de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalba de ouro e a condecora-
580 da LegiSo de Honra, por serem as macbinas mais per-
feilas do mundo.
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
Estados-Unidos por ser o-inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na exposi^So de Londres acreditam
estas machinas.
BE
GOMES DG MATTOS k IflHAO
Avisam 00 respeitavel publico desta cidade que-o sortimento de joias, de subido va
lor, que existia em sea estabelecimento, eslA eompletamente reforcado com 0 mais le
gante sortimento de novas joias, que receberam directamenle pelo ultimo vapor da Eu
ropa, constando elle do mais variado sbrtiftwirUo de aderecos 6* Bbutevard, pulseiras dt
ultimo gosto com pedras preciosas e sem ellas, brincoB d'argbla', agraffe para rologic dt
senhoras, delicados adereoos para meninas, meios aderecos de camafeu lindissimos, volta*
de nogordios para senhoras, cdrrentes inglezas de ouro e de platinay variada quarrtidedi
de botOes para punhos e peito^ com embleausmaconicos; 'dfe'cmtxyweid'o feu, etc., brilhantes monstros de rarissimas agoas, em aon&is, rowias, pulseiras, alfiie-
tes e botoes, e outros muitos objfeotos de ouro de rrrelhores>fabrtoafltes. do Paris, que s*
venderao com grande reducc8o de'precos-, por serem ellcs recebidosi'directamente de sett*
commiltentes.
Os proprietarios do acreditado MUZEU DE JOIASs, tendo sew eSt&beleeiwiento 8bert
ate" 8 horas da noute, convidam as families que se-quraerumprover de lindas joias, *
virem escolbe-las d vontade, para 0 que efli emexposi^So nos mislradorea.
-r*
-----
908000
DE
Fazendas finas
Catte-nos 0 deter de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
'ork., eatabeledeu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agenda
p^a em Penjamb'jcrt e mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
1 de Bowe. Esto* maeamas sao justamente apreciadas pela perfeiclo de seu trabalho.
oipregando uma agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra,
n&'a introduecfto dos m*>* aperfeicoados apparelhos, estamos actualment* habilitados a
*.reeer ao eiwBC publico as melhores machinas do mundo.
As vmtagens destas mackinas sao as segwrties:
Priraefra.0 publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
trcarnstanria de nurrca terem apparecido no mercado machinas d Howe em segun-
mSo.
Soffunda.Contem 0 material preciso para reparar qUalquer desarranjo.
Terreira.Ha nellas menor fric^ao entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
< que nee cutras.
Quarta.forraam o ponto cotao se fora feito i mao.
>atnia.Permitte que se examine o trabalho de ambos os Cos, 0 que se nao consegn
i on tras.
Scfxta.Pazem ponto miudo em casemira, atravessando 0 fio de um a outro lado,
Ujgo em seguida, sem moditicar-so a tensio da linha, cozcra a fazenda mais
'0.
Setima.O compressor e* levantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar
igulha ao comecar nor eostura.
Ortava*Muitas companbias de machinas de costura, tem lido e"pocas de grandeza e
radencia. Machinas oulr'ora populares, sSo boje quasi descoi.h<>cidas, outras soffreram
idarnjas radicals para poderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
?^ptarido a opiniao'de Eto* Howe, mestre em artes mechanicas, tem constantemerrto
fMuuMu'O seu fobrieo, eboje nio attende a proenra, posto que fa^a 600 machinas
o' f*da machina acompanha livretos com instrucgdes em portuguez.
A 90^000
SCARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
Rua 1. lie
NA
n. 7 A.
DE
Agtra fforida, de Guislain,
para fazer os cabellos pre-
tos.
A aguia branca, a rua Duque de Caxiaa a. 30,
acaba de receber- nova reincssa da apreciavel agua
I n.>rida para fazer os cabeltoS pretos. Obomre-
! solado cnlhl*o pot quem lem feHo as* dessa
l inoitemiva prepara^ao a tera altamento couceilaar
do, e por iso a puna* se fax lembrar a queia ao-
' v&iuaak! delta "
Cordeiro 8imoes < 0.
E' esta casa, sem duvida, uma das qne ho;e,
pode eom primazia apreaentar aos sem freguezes Vrltaa p lirinPOQ fip o-rrtlVlS
, um variadissimo soriimento de fazendas finas pa-, Ulldb ,e U1lu^u <, &n
ireci^e e quena se aproveitar de
sia utiliilade. Tambem veio agna dc topasio e
olea Huridi> para o mesmo xao, e tio acreairauos
cotao aquclla.
pretcndenlej,
e dao amos-
aljofares de cores.
A afDia branfa, a rua do Diufue As Guias n.
5H, reeeban nevas e bonitas vultas e briatosdf
grossor >l>ofares de cures, e como sempru conti-
nna a vende-las por prejo commodo.
Novos diademas dou'rados <
coin pedras.
A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
50, >recebEU> ncr-o sortimento ae bonitos diade-
'maa dourados e com pedras, tauto para meninas
ccmo para seaboras.
JJJ GolJeccoes de traslados on
normaapara escrever-se.
A af oia branca; a rca Duque-de Gaxi9 m.. BO,
reeebeu novas colkMicoes .ou.norn^ts para as cran-
gas.aprenderem a escrever por si mesino, hoje tao
nsadas tias aulas e collegros; e como sempre ven-
de-as por preyo commodo.
! SKCovffiir'de ]l*coni li?!r"de seda" i Mieias cruas fiwas;para meni-
ra grande toilette; assim como, para o uso ordi- j
nano de todas as classes, e por precos vantajo-'
so* para os comprador**, de cujas fazem um pe '
' queno rfsumo,
i Mandara fazendas as casas do-<
para o que tern o pes^oal neces.-ario
; tras mediantc penhor.
[ Cortes de seda de lindas cores.
Ditos de gorgurao de cores.
. Grosdenaple de todas as cures.
\ Gorgurio branco e preto.
; Setim Macau preto e de cures.
Grosdenaples idem idem.
Veludo preto.
Granadine, eda preta e calismajrt de cores
dissimas padroes e fazenda da ultima nioda.
Popelinas de lindos padroes.
: Filo de seda branco e preto.
1 Rieas basqninas de seda.
I Manias brasileiras.
; Cuichas de soda para ooivos.
. Cortes de cambraia branca com lindos bordados.
Capellas e mantos para n ivas.
E' sempre assim.
Quando parece terse esgotudo o reperto^o das
inoda>, pela immensidade de artigos de noi dade
(jue lem apparecido, eis que os vethos e in ansa-
veis correspi.ndi'utes da Nova Eperan(a, a rua
Duque de Caxias n. 63. descobrom outros no
mundo elegante, aonde se const rvam esmgitando
minueiosamenle as novas inventoes ; remeltem
para a. .Nova Esperaoi.-a. e auu risam na a dizer
aos sens freguezes e especialmenle ao bello .^cxo
3lie nao ere am cm tal : e para prova evidente
o qne acaba da expor, vejam o que abaixo se
descreve :
MANUaES para missa, com capa de madreperola
en tartaruga, tendo no centro da capa
um pequt.'iiu relujjio pcrfeito regula
dbr.
CAHTB'.RA?, po t cliarutos, port ciga-ros e ports
moneys no mesmo gosto.
CABTEIRAS para nolas com oapa de marfiin, ma-
drepefiila a tartaruga, cum o distico
Lembranca.
BOLSAS para senhora, o melhor qne tem vindo a
este mercado, de diversos -tnmanhus,
qualidades e niedejos de nova iuven-
cao.
PORT BOUQUETS de lindos gostos e tpmanhos
especialidades para as noivas.
CA1X1N1IAS com musicas e sem ellas, proprtas
para preientes.
E outros de inleira novidade.,
E com os meninos.
A Nova Eitperanca, a roa Duque de Caxias n.
63, recebemos bonccos de borracha de forraatos
inteiramente novos : os meninos mnilo apreciarao
este brinquedo. -
E verdade.
Qualquer senhoia de bom gosto, parece que
nao. pode complttar e sua loilletle, tern dar um
passeio a Nova Espcranca a rua do Du^ue de Ca
xiaj n. 63, porque 6 a loja dc miudezas que mais
cowpleto esta un sirlimentj, e que maisnovida-
iet apre>puta ao publico em gerai.
E com as floristas.
A Nova E-peraiira, a rua do Duque de Caxias
n. 63, recebeu pela uttiino \apor, um inteiro sor-
tunento de pain-is para II >res 1 a elles.
Para crianoa.
A nova Esperanc^i, a rua do Duque de Caxias
n. 63, recebeu um sortimento de vestaarios de
casemira e alpaca, para erkiocas : modernos e bo-
nttes.
Las mesctadas.
Umbonito sortimento de las mescladas em co
reavreceben a Nuva t^peranca, a rua Duque de
(jjxiasn. o.'i.
Calfailo eslrangeiro.
Aproxima se o mez de duzembro, tempo em
tat-oParis na America, a rua Duque de Caxias n
89, fsrtKlar, tem d-i dar o seu balanco, por este
metivo, osproprietarios 4este estabelecimento es-
lao resolvidos a venderem sens calfdos pelo cua-
to, afim de minorarem o trabalho ; assim pois os
apreciadores do bom, e com especialidade o sexo
amatfel, para quem o Paris na America coustrva
com a devida decencia) o seu gabinele reserva-
do, para a eswtba de calcado, aproveitem e ve-
nham munirenise do que precisareni.
MCHINAS PARA COSTURA
A 30#000 e 30^000.
BOUS POSPONTOS
Nalojade Soares Leite Irmaos, a rua do Barao da
Victoria n. 28.
Lavas de pellica com pequeno toque, Espelbos demoldura dourada, de todos
200 rs. 'os tamanhos e prcos.
..eo^altoTs. Par* Cltete' grandC SOrU"l PE?IFUMARIAS E MIUDEZAS.
Caixa de linha de marca, a 200 rs. Frasco com oleo Onza verdadeiro, a
Lamparinas a g&z, dando uma luz muito 1C000.
ooa, a 19000. Idem comtunico de Kemp, verdadeiro, a
Duzia de pocas de cordio imperial, a lj?000.
iiO rs. Garrafadeaguafloridaverdadeira aiJ8200
Caixa de botoes de osso para calc,a, a (iarrafa d'agua japoneza, a 15000.
200 rs. Idem idem divina, a 1C000.
Duzia decarreteisde linha, 200 jardas, a. Idem idem Magdalena (novidade) a
R00 rs.
Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
tfaco de Ota chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com iO novellos, & 500 rs.
Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
Iarrafa de tinta roxa extra-fina a 19000
Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
160 rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
Idem idem, a 406 rs.
Caixa de enreloppes tarjados, a 500 r.
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa depapel amisade, beira donrada,
800 rs
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Dunadetalheres cabc branco, 2 B., a
&C060 i
19200.
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pote com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
nel, 19000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
3960O.
Duzia de sabonetes de anjinho transpa ren-
tes, a 29200.
Idem idem com (lores, a 19500.
Sabonetes Glycerino transparentea. a
19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 19000 e19500.
Cosmeticos, graudes e pequeoos, a 100 e
800 rs
Frasco com agua do colagne, a 200, 320,
Ditas maripozas, brancas e de cOros.
Nansuck de lindos padroes.
Baptista de padroes mui delicados.
Per^alinas de qnadros pretos e branct*. de ris-
tras, etc.
Brins de liitbo do cifes, proprios para vestidoe
com barra e listras.
Fustao de lindas cdres.
Casaquinbus de la e de toda* a^ eeVec; para se-
nboras.
Saias bordadas para senhoras
Camisas idem idem
Vestuarios para meninos.
Ditos para baptisados.
Chapeos para ditos.
Toalhas a fuardanopos adamascad de lu!u> / cores para mesa.
(jolrhas de l.i.
Oirtinados bordaios.
Camisas bordadas para homem.
Meias dc cures para bomens e meninos.
Completo sortintento de chapeos de sol para bo-
mens e senhdras, com cabo dc marfini.
Merin6 de cores para vesttdos.
Dito preto.
Atoalhada de liulio e algodjo para tualhas.
Atoalhado pardo.
Brins de linho branco, prelo e de cores.
Setim de lindas cores e com listras
Chales de merino de cores e p;et>s.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e de cures.
Dito de touquim.
Camisas de linho.
Ditas de ehita.
Ditas de flanella.
Ceroulas de brim e algodao.
Damasco dc la de c6res.
Pannos de crochet para cadeira, sofa e cousolles.
Colcha3 de dito.
Tarlatana de todas as cores.
Espartilhos licos' c bordados.
Foulard' de seda.
nas eseiibotas
A loja d'aguia branca, >rn-'DtMpie deGaKias
n. SO, recebeunovo sor'.iOM:Uo --d;M|iM;lla.s-6o pro-
cutaias uieia? ci ua* Una cuhura, \indo ignal-
mente para nicniuas, e contihua a vende-las por
precos' cottiinodos
v 60s ou mantirihas.pretas.
A Uja da aguia branca, .i rua do-bu,que,'deCa-
xias n. 50, recebeu' bonitos veos ou mantinliaii
pretas de seda com ffflres, e ootras a imitacJo dc
croche, evende'as pelos Iraratas prefos de IV,
it e 6*000. A fazenda *ea e esta em per feito
cstado, pohj.que cottia: a-ter provjia extrac-
I fia
L Perfeita novidade.
1 Grw^fts cem borboleras, bezouros c gafa-
nho'tos douradrjsW coloridos.
A loja-da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias. n. 80, recebeu novos grampos com bor-
boietae, bezooros e gafanhotos, 0 que de certe 6
perfeiU' novld.de. A quahtidade e pepaena, e
por isso cm beeve se acabara.
NovasgolJidiha8 oraadftsjcom
peiucia ou artniiiho
A loja d'aguia branca a re a Du<(tie de Caxias
- SO; recebeu uma,.p'equena quantidade de booi-
s e novas goih'nhas," trabalho ae lie seda, en-
nciladas com armlnno,' wbrasejtas-demuito gosto
e inteiramente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da afuia branca, a nw do Duque
Caxias n. d'O, rocebcu sovanteat^ bonitos gram-
pos, brincos e rozetas donfados. ;, assim como
novos diademas de aco, e como-sempre conti-
1 ntia a vetide-tos 'por pretas- rSraavelS
Resma de papel pflutado, a 49000 500 rs. e 1^00.
- 59600. Eitra*los muito finos dos melhores au-
Idem idem liso, a29800, 89800e59000.' tores.
Coques modernos, a 390OO. | lindas e elegantes caixinhaseomperfuma-
Duzias de pecas de trancas de caracol rias, proprias para presantes, dos autores
Nranca, a 400 rs. E. Codray, Riegfff, Gelle" Freres, etc.
Idem idemiisas, a 200 rs. Quadros com santos e estampas separa-
Leques de osso e sahdalo, a 29000, 49 das.
69000. ( Entremeios e babados transparentes e ta-
rlu'de telmdd de todas as cores e!ar^u- pados.
r.9. I Um* grande taljoleta propria para qual-
Microscopros com 12vistas,|a 09000. qaer lejaj
Fraeca' com ol"BO para machina a 400 rs.
Rua do Barao da Victoria 28.
>_____________

Bocc fiito*de iloialrt
na vemla I.apa
Vende-se no pateW"ao": Mcb B8JI e-6; dbce?
iaos de todas as oor atacado : uniea casa HU6 meHior pode servir
*os eompradores. A's tercas e sextas feiras ha
requei)'.io.
Os verdadeiros
Viahos de Bourgogne
Extraordinauiapechincha.
mm
Cokhas da-algd? *^anuoa4as para cama
peh baraiiwimp *recp de 2W0O "na loja dos
..rcos, de GnCfel do Amaral it, 4 rua Primeiro
de Marco (anflga do Crespo) n."S0 '-k.
'---------------------------------------1------------------------------------------------1
Vende-se uma excellente casa com um pequeno
eitio, sita oo Arraial junto a casa do Sr. Anselmo :
. tratar na mesma casa, e para tn&rmacoes nn
' averua do Queiraado n. 3, I* aadar
wmm
CbamberUn
Pomniard
Virits
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quartojlas.
Vende-se por hmk preco
PARA UQUIDAgAO DE CONTAS
NA
Rna Lnrga do Rosarlo 34.
Botica.
Vend
e^se'
.
nm sltto no largo da CasrForte, com'BW palmos
de frente e S70 de fundaiwoeo nw,8 on menos,
com east de'pedra e'eat, 7quarW8, 3 ^avco-
zinfaa fora, 4 cacimbas diversos arvoredos 4.
ifruetos ; assim corap, um eutro menor' na tra-
vessa da mesma, voltando para a estrada que vai
para o Arraial, com easa de pedra e cal, com 4
quartos, co^inha fora, cacimba e alfuna aivoredes
de fructo : no pateo do Carmo n. 3, ou na rua
'das Trincheiras n. 1.
e prateados, para cabellos.
Vend-se na loja da' Agtrfa 'Branca a rua dd Dn-
outras cores.
A loja da'Agtita Brenea, a na>Duque-'de Ca
xiaa n. 60,rece*eu pellica, pre"tas e de outras cores.
Riuiscortes de vestidos de linha pana sanhora, CaixilihaS COtll V^'S doUradOS
de di ersas cures, com os compeientes enlel-
tes, ultima moda.
Casemiras preUs.e de cdres, chitas, madapoKies,
cambraias. panno fiao preto e azul, collarinhos,
r.bos, gravatas, luN-as de pellica, ditas d fl0,qe de Caxiasu.-N).
Escocia, brancas e de dores, Upotes de todos Luvag Qe 0^11 K}apretaS e u6
os tamanhos, bolsas de viagem, etc. eco.
Na loja do Passo, rua 'Primeiro de Marc.o. n.
A, antiga do Crespo._______________
SouzaeSa&C.
Rua do Bom Jesus n. 23
Neste estabelecimento tem para :vender,
commodos precos, o seguitrte :
Tacos muito leves para bilher. i
Carrinhos de 3 rodas para conduzir crian-
r;as.
Tornetras de buxo de system* mo-
demo.
Malas para viagora.
Espelhos com moldura dourada e vidro
depriroeire qualidade, com 1 do peUegft-
da de espessura, envennisado parii evitar
o mOfo no aco.
Bandejas Unas e ordinarias.
Relogios francczes, boos reguladoees^pro-
prics para pendurar, com corda .para lo
dias. ,i
Cadeiras de lone cone sem encoslo,-io-
bilia ligeira, propria para casas de eampo*
em tempo de festa,.pela commo fecharera, sereaa baratas o fortes.
Completo sortimento de feohaduras.i'ran-
cezas para gevetas, carteiras e pi*no. ><
Machinas para-costura, o saais'bem ei
bado que tem viado a este meroado* pro-
prias pare trabalhar com a n>o, trabalho
feito. sobrea direcclo do* Srs'. W. F. Ihor
mas & C, de Londres.
Sabonetes de akatrao do fabricaoteA,
N. Castro, os melhores e mais madioinaefl
que tem vindo a este mercado. i
Em. seus armazens a rua do-Asaojum
n<7 eoaei do-A|Uo. 47,
tem. para vender, por precos comrpodoi
Tyolos encssriiados gexuvosparaladfiihe-
Canos de barro para esfcpto.
Clmerifo Portrana.
Cfmerfto BWnraltoc.
i MapMUas) at- Macbiaaade padaria.
Potassa da Russia' em Jbarri)
Thosphoros de 6ra
,|.a|'WB''gartarees.
Sevadiuha entfSffrtBes.
UoWJias am, garra/oae.
"Vlnno d^'PMd \eHoJ
'?ItfW'de'fbrto-s .
Viahff'dia Bordeaux, dito.
Viaao da Srfiereyi
p/cScSS^iSf 6 dotr>tfa* WTliiM.
Lkes firfW swttdbs.c
GopmcOatahletrlFVeaes.
hbalaK da toueiph fah.
Barris com repolho em salmonra
"IS
^T-
Vende-se
A tvaerna da rua da Penha n. 6, bem aftegnew
zada tanto para a terra como para Jo mato ;a> tratat
na mesma.
umos, esp^oia^
para o fabrico dos melhores cigarros finos.darsada
* IJi*^ ? ?*-? ffl&fy* W^W:
0 veMaaVfro fffmo ae DanieT.
Idem do Rio Novo destiado.
Idem cabello-'epicatl
. MaftKde ^aepandy.
Idem de Goya*. >a
Idem SeWttBa.
Idem do Mineiro. *'
WeM>Ue;iatl1o.
Idem,*! Minna
No armazem de fumo a rua da Madra de Qcm.
n. 10 A, de Joe Dwrningne? do Carmo e. Silvi.1
0 proprietario deste esttbeledmenlb tem tido o
maler caprieho possivel erat)btf'* neiro'as qualidades de fumos mats .especiaee,
alguraas ate meroio n^o caahecidas.neste merca-
do ; porem maito apreciado em outras nrovin-.
cias do twperio, como os fnmos que ataba ad re-"
ceber peh* vspi^ national Buhia, entrado em 6
to corrette e 'per iaso conviaa a u dps sous fre
guaxe* a amigo* para-aerem a exanjjuarem as;
rrelbores qnafidafles Jutbo>. fiaos,. e pnjofiiie
ConserVar sempre em sen vtitazeiit'-o qtfe houvef
demethbr neste a^goi/deaW'ttt'arfobl *\&9f a
libra ; trtdo-a eonteatd'ffai aeus nnmerosos fre-
guezes e amigos,
Armazem do fumo
Rua da Madre-de Dcus n. 10 A.
Jots Domiiigues do Carmo c Silva parlici^a ao:
sens ireguezes e amigoa que no seu armazem a
rna da Madre de Deus n. 10 A, se acha um com
plcto sortimento de fumo em Cardosde patente t.'.
Si* e 3.*-sort69, dos ntolbores fabricantes da ?abia
e bem assim. a flor de todos os fumos de cord*
em rolos, pacotes, latas grandes e pequenas, tarn-
bem dos mui acrcditadbs fabricantes Torre* &
Araujo, Luaur, Adolplio Sohmdt & C, Lizam
Schmidt 4c C.'Veigas k Araujo, Trindade 4 Ave
lar, Teixeira Pinto & Portella (garantido pelos
mesmos) e de outros ainde nao conhecidos pek
publico desta capital. 0 annunclante declara que
todo fumo que for vendido em sua casa sera pelc
seu justo valor, e qua quando garantir a respecti
va qualidade, sera sincero, mui particularmentt
com as pessoas que pouco ratendani da materia ,
pois para beia servir a todos, tem o annuueianu
Jobk3 pratica de 15 annos deste eooiuercio.
Vende-se
no estado em que se acha o sitio exi.-tente no
lugar dos Remedios. fregnezla dos Afogados n.
21, hojo becco da travessa dos Remcdios a. 18,
em-ohao proprio, quem o pretender entenda-se
com o seq proprietario na rua de S. Francisco,
como quem vai para a rua Bella, sobrado n. 10,
qne se fara todo negoclo
*'' _
Ao bom torn
Chegaram a rua do Queimado n. i.'i, grande*
sorlimenios do las Qinas com lindas listras de se-
da a 1*200 o covado, ditas dc quadros padroes
muito chiques a 480 rs. o covado : s6 na rua de
Queimado n. 43, junto a praeinha, loja de Guerra
& Fernandeg.______________________________
-4- Vemjesseduas casas
rooel Suassuna : a tratar
rGocao.
terrea* na rua do Co-
na rua Di eita a. 10,
A Predilecla acaba de receber um Undo sorti-
mento de titas e^cocezas achanalotadas, proprias
para facliai; *sim como um lindo sortimento de
leques de madreperola; a elle* antos que se aca-
bem, a rua dp Cabnga n. 1 A.________________^
Baralissimo
rl.ajuiolias com lisUas estampadas pelo dimiouto
eco de 400 rs. o covado.
Ditas com listras assetlnadas a 11000 o co-
vado.
Granadinas pretas com listras de cores a 500 rs.
o covado.
Metins traucados proprios para vestido, a 320 rs.
o covado.
Atpaea* d^uadres, proprtat para vestidos, a
440 rs. o covado.
Bri bvaaco, lww, para cl;as a UoOO a vara.
Dito.lranc>do a 1*600 a vara.
Dito'dc cores, linho puro, a tfVX) a vara.
PefhJBcha
Ghapeos de sol de seda, cabo de canna, a 84aO0
cada a,isU) tudo so uoo. 20 da rua do U'^so,
|pja das 3 portas. de GUilherme A C.
Wil-on Rowe & C vendem no seu armaeem
a.rua de Commercio n. 14 :
0 verfladciro pnnoo de algodao aznl amencano.
BxceUeate fio Revets.
Cognac de 1* qnalidade g
Vinbo de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade*
De c\satmetttos
dos
lie soirees- )(
Paiiaasjaia
Be todo de todo
S* onearrega a confeil-i ria do Campos. t
Ealemdisso (r
A.eoofeitaria do Campos
Esta sempre pravida
De tjjdo qaaoto ^preoiso para
Uma boa mesa.
Rua do Imperador n. 24
- Vende-se uma escrava, preta, sadia de SO
annos mais ou menos de idade, a qual sabe la-
var, engommar e cozinhar com perleicao, e e mui-
to fiel: na roa do Marques de Olinda n. I, 86-
gundo andar. ^^____
Burros a venda
J. Deiro avisa a ?eus freguezes qua esta las-
viagem para as provincias da Alagoas e Peasaia-
buco, conduzindo excellente troua de barret-
passara por Pcnedo, Pilar, Castanha-Granda,!**-
to Calvo. Barreiros, Rio-R-rmoeo, Escada, Gafco a
provavelmcnte por Santo Amaro de Jaboanfe
Nazareth ; por isso pode ser avisade oueuowfc
trado em qualquer destes lugares
Larangeiras, 20 de ontub'o de 18?3>______
VENDE-SE.
uma casa na villa do Ban eiros, na rna do Cult
mercio, por preQO modico: a tratar eom Ta*n
Irmaos & C.
FLOBES
0 jardim da Nova Esperanca, a rua Duque *..
Caxias n. 63, esta j eplecto de flores if mais- iie-
licadas que e |X)ssivef imaginar se, desde -o suk
sinpello ramalhetc a mais elfgante rosa, (inte:
novidade) : ao hello sexo compete, quanto -aal,
virem cothe las emquanto estao vigosas._______
Ao bello sexo.
Gusmao i Leal receberam ricos cortes de aasT-
de seda, fazeada mteiramente nova, e veaaew
pelo barato preca de 4$000 o edrte : a elles, ana*:
qne se acabom: s6 na loja da raa Pr'oaeiio I?
Mar.o n. 14.
Omlaria de Lislma
Hombreiras.
Capiteis.
Soleiras.
A' venda no armazem n. 23, a travessa do dip
Santo.
Las para vestidos de gen t
sinha.
Fazenda de 800 rs., vende-se a 500 rs. na Rc^.
Branca e dao-se amostras: a rua da In>perolriz B
56;______________________________________
Vende-se
Uma casa terrea na rua de S. Miguel n 64,
cooiiuodo prc^o : a tratar na rua do ImparaJ-.;
n. 75.
I iuiiiziiibs e |>unhos
Amaral Nabuco & C, vendem camiiinhas e j
nhos para senhoras, brancos de algodao, de Ik
hordadi'S e do o ires, no Ba ar Victoria rua *-
Barao Victo i* n. 2.____________________^__ _
Vende-se na rua do Vjgario n. 19 :
Cipnac da melhor qualidade.
Reiroz do Porto.
Vellas de ccra.
Vinho do Porto engarrafado em duzias.
Farinha de mandioca nova ,
T^em para vendor Joaqaim Jose Guncalves Bit
trao & Filho, a bord) do pataeho Sapho, cheg
de Santa a'harina, rundiado defioute do trapi
Barao do I.ivramento ; e para tratar a bordo,
no seu cscriptorio .a rua do Gomnicrcio n. fi.
Alcatifas ou tape es de linho adamasca*>-
proprios para salas : a venda nt) armazem de '
O. C. Dqjle, rua do Commercio n. ^8. __
Varandas de ferro
Na fundieio de Cardoso & Irmao, a rua do Da-
rao do Triamplio, oulr'ora do Rrum n. 100 a If*,
vende-se varaudas de ferro fundklas, de boati.
modcl'is e preco commodo. __
P_CIHS_?AS ~
>6 o ti. _0
R\]A DO- <:uESPO
m m s mm
coniinua a vender muito barato para ape'
muito dinbeiro.
OASSA LA
Chegou esta fazenda,sendo lindos padroes, a~a-
de ge pelo diminuto preo de 200 rs. o covadc.
pechinrha 11 I dao-se amqstras.
METINS
Proprio para vestidos o qua ha de-mais hbJ
padroes novos, pelo preco de 400 rs. o covado,
pechlncha I I dea-se amostra*.
LA3 E5COCEZAS
Lasinhas escoeezas, padrSes bonitos, a 240 rs.
covado.
Ditas com liBiras, padroes modernos, a 280 rs.
covado.
Ditas la e seda, padrSes modernos, a 640 rs
eovado, e pechincha I I dao-se amoslras.
ALPACAS DE-CORES
Alpacas de cores, padroes Ixtoitos, fazenda _
UOOO a 400 o covado, 6 pechiucha I 1 dao-se.
amostras.
CRETONE
Cretone em peoas pequenas, com bonitos pa
droes, pelo dimiouto preco do 400 rs. o covad: i
pechincha I I dio-se amostras.
Cortes de casemira di cores, a S*: 00 cada nn.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o cova_>.
Ditas pretas para luto, a 240 rs. o covado.
Fustao branco para roupa de _9ninos, a 3C0 ;-
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o t
vado.
Cotertasde otiila adamascada, a 3*oOO r.
Culcbas brancas e cora barra de cores, a 3*5'>i'
e 4*090,
Lenjoes de bramante, a S|00f>."
DitHS de algodao, a 1*400.
Toalhas alcochoadas, a;6*000 a duzia.
Ditas felpudas, a tijSOO a duzia.
Lencos da cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhado*. a 2*00ti a duzia.
Ditos de esguiao nnos, a 3*SO0 a duzia.
Cambria lisa u-aasparanti a 3*000 e 4*30o ...
peca.
Cambraia Victorjaa a 3*800.
Atoalhado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito tranfado, a 14409 a ?ara.
Fustdes de cores, a U090 o corte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampidos, a-8*0e; 4*000 e 4*500:
Ditos cora listras muito Unos, a 5*800 e. 6*00.
Esgniio mnijo flno* a -2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara
Bramante.de algodao,a. 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e.IO palmos de largura, ^
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 3*000 a pega.
DJto domestico, a 3*000 a peca.
Brim de algodlo com listras proprio para aatui-
sas, a 400 a. covado.
Nanzuc. cambrai* de cores, muito lina, peh>'l-
minntb gre^o da 400 rs. o covado.
86 na rua do Crespo n. 20
Loja de
Guilherme & C.
t
k$m hk\i\m4m\m das I1
dras Salgadas.
Villa Bouca dte Agtiiar.
BI(laRB0NAT^AS-S0lfiCA8
Analyses do Or Jos* Julio Rodr
_iirs, lent* da scoi Folyte
lmie- de-ta-o-.
jj^ta excellente agua usada com vautagom re i
padecimentos das vias digastiyas, unaanas, _
lestomagp etc., etc.
Vendfe-se
Pharmacia c poaaaria
DA
Rua larga do Rosario n. 34.
PARA
!>
120 BS. A LIBRA
Do 1.* de dezembro em
rora n. 104.
diente : aa rua da
J ILEGNEL
MUTILADO I
ife


t:
.l
JiD
Diario de Pernambuco Ter

:t
VARIEDADE
List a dos iIoualarioN niinilmco. e governadores seus
procuradores.
Aolllm. Sr. Dr.
Ioao Baptista Rigueira
Costa.

*
1." Donatario. Duarte Coelho, Glho
de Googalo Pires, Senhor de Filgueiras.
Tevc doacio por D. Joao III de Portugal,
assignada em Erora, aos 10 do marco de
1334, e foral do 2i de setembro do mesmo
anno.
Govcrnou de#1632 ate 7 de agosto de
1554, quando falleceu.
Fundou a villa de Iguarassii em 1530, &
qual lho deu o titulo deLeal e a cidade
de Olinda em 1532, e aos "12 de marco de
1537, recebeu b foral de posse dado pela
carnara do seuadu de Olinda, para ser sub-
mettido i approvacio regia.
2.D. Brites de Albuquerque, viuva de
Duarte Coelho, dama do paco, filba de fco-
po de Albuquerque, e de sua mulher D.
Joanna Bulboes. Governou por parte de seu
Mho primogenito, que estava em Portugal,
de 1554 a 1560.
3.Duarte de Albuquerque, segundo
donatario, lilho de Duarte Coelho e D. Bri-
tes de Albuquerque : era natural de Olinda.
Governou <'e 1560 a 1572, epoca em que
so retirou para Portugal e de la com o rei
J). Sabastiao para Africa, onde morreu glo-
tiiosamentc na grando batalha do Alcacer-
Kibir, quando obrava prodigios de valor.
4. D. Brites de Albuquerque. Gover-
ii. ou do novopor procura^ao de seu se-
gi. ndo filho Jorge de Albuquerque Coelbo
do 1572 a 1573. Este documento acha-se
regi'strado no archivo do mosteiro de Sio
Bent o em Olinda.
D. Brites de Albuquerque falleceu em
Olinda no nno de 1575.
5.n_: -Jorge de Albuquerque Coelbo, ter-
ceiro u'onatario, filho de Duarte Coelbo,
uasceu e ni Olinda aos 23 de abril de 1539,
tomou p osse (Jo lugar em Janeiro de
1573, e governou a capitania ate 1576,
quando sefe^uio para Lisboa.
Fez parte- da celebre guerra da Africa,
em compan'hia do rei D. Sebastiao, e Id
occupou o lugar de enferraeiro-mdr do
exercito, o s endo ferido e prisioneiro, foi
conduzido a c.'dade de Fez, onde recuperou
a liberdade e a vida.
Por intervene 3o e instancias dosto terceiro
donatario, fund wam-se 03 conventos em
Olinda, de S. Bento em 1592 ou 1595, de
S. Francisco em 1.385, e o dos jesuitas, no
1. de Janeiro de li>56.
6." Jeronymo dfc Albuquerque, irm3o
de D. Brites de Albuquerque, mulher do
primeiro'donatario Duarte Coelbo,
Governou em nome do seu sobrinho Jor-
ge de Albuquerque Coe'tho, de 5 de marco
de 1576 a 1580. e falleceu em Olinda, em
1594, sendo sepultado na capella do seu en-
genho, Nossa Senhora da Ajuda, no lugar
que-hoje e conhecido por Fdrno da Caf.
7. Sim5o Kodrigues Cardozo, licen-
ciado, constituido lugar-teneote, por ter
adoecido Jeronymo de Albuquerque.
Governou de 1580 a 1592.
Foi duranto a administracAo deste gover-
uador, (1585) que se construio a autiga e
elegante ponte de pedra do Yaradouro de
Olinda.
8.Podro Homem de Castro.
Governou de 1592 a 1593.
9. D. Felippe de Moura, por provi-
mento do terceiro donatario, Jorge de Al-
buquerque Coelho, e por elle constituido
lugar-tenente.
Governou de 1593 a 1596.
10Manoel Mascarenhas Homem.
Governou por ordem do governador ge-
ral do estado do Brasil, D. Francisco de
.Souza, de 2 de raaio de 1596 a 1597.
1112 D. Antonio Barreiros, terceiro
bispo do Brasil, que estava de visits em
Olinda, e vereador mais velho da carnara
do senado de Olinda, Duarte de Si, substi-
tuiram a Manoel Mascarenhas Homem, em
1597.
13Manoel Mascarenhas Homem.
Yoltando da expedicao do Rio Grande do
Norte, tomou posse do governo em 1602,
e governou ate 1610.
14Alexandre de Moura.
Governou de 1610 a 1613, epoca em que
o governador geral do Brasil, Caspar de
Souza, veio residir em Pernambuco, afim
de preparar uma expedicao para a conquis-
ta do Maranhio, e aqui esteve ate 1615.
15Vasco de Souza Anno e Pacheco. goroso exame e do accrescitno de um mem,
'Governou de 1615 a 1619. omittido no copiar, verifiquei forma rem as
16Fidalgo JoSo Paes Barretto. duas palavras: juntos annos, e porque 4
Foi este o ultimo governador noraeado feicdo acertei de fallar neste facto veri V.,
pelo terceiro donatario, Jorge do Albu- que so elle basta para provar que a inscrip-
querque Coelho. q&o phenicia de que tratam a Reforma a a
17Mathias de Albuquerque, natural de Republica e que se diz ter sido achada no
Pernambuco. Peru 6 nada menos que a nossa propria
Governou por parte de seu irmio, o inscripcSo, a qual tendo sido reproduzidas
quarto donatario, Duarte de Albuquerque em centenas de jornaes americanos com este
Coelho, filho do terceiro donatario, e de meu agora providencial o felicissirao equi-
sua mulher D. Anna do Menezes, de 1620 voco muito natural 6 que fosse pela Ameri-
a 1626. ca de Bogota", e porque quern conta um
Duarte de Albuquerque Coelho, era gen- conto lhe accrescenta um ponto, entendeu
til-homem da carnara de Felippe IV de aquelle jornal outro donde houve elle a
Hcspanha, Marquez de Basto, conde e se- noticia, augmentar-lhe alguma cousa e ar-
nhor de Albuquerque, e do conselho de terar-lhe a procedencia do descobnmento
Sua Magestade. que diz ser o porto de Guayaqnil. no
Foi este donatario o fundador da vill Peru,
de Serinhaem, & qual lhe deu o titulo de Se com este irrespondivel esclareci-
Villa Formosa de Serinhaem, sendo feito o mento dou um alegrao ao lllustrado inlor-
auto de creagao no 1. de Janeiro de 1627, mante da Reforma, maior crew que lb o
pelo Dr. Diogo Bernardes Pimenta, ouvidor darei agora partecipando-lbe que o Sr. Er-
geral de Pernambuco. inesto Renan e corapletamente estranho a
18Andre* Dias da Franca, Gdalgo da transcripcjto, no Journal des Debats da no-
casa real, commendador de Vimioso e Frei- ticia do periodico de Bogota, e que o nio
xadas da ordem de Christo. .fosse; tranquilhse-se S. S. pelo que diz
Governou de 1626 a 1629, mais ou' respeito ao duplo caracter official de dete-
menos. gdo do museu e do Institute Histonco
Foi este o ultimo capitao-m6r, que go-' Geographico Brasileiro que represento nesta
vernou a capitania de Pernambuco, por questao. Em toda ella nem usei
parte dos donatarios. asserto pereraptorio, contrario ao appareci
? mento mysterioso do propno manusenpto
D'aqui em diante principiam,osgoverna- nem me servi de phrase alguma que des-
doresasere.n nomoados por patente regia, Uoassa da apparent* gravidade do '
as
sendo primeiro, Mathias de Albuquerque,
o qual foi man-tado pela cdrte de Madrid,
afim de fortificar a capitania e preparal-a
para resistir & invasao hollandeza, que ja
era sabida.
Mathias de Albuquerque chpgou a Per-
nambuco no dia 19 de outubro de 1629,
e tomou posse do governo das maos do
governador Andre Dias da Franca.
Empossado do governo, Mathias de Al-
buquerque, n3o tratou do dar execucao &
missao de que fora incumbido pela cOrte de
Madrid, mas sim preparar grandes festas,
sumpto.
Dosdous professores francezes Renan
e Barges 6 certo que live '}& resposta is car-
tes que lho escrevi, mas como o fiz n3o lhes
remettendo o on ,'inal phenicio e s6mente al-
guns trechos mais difliceiscom a discussao de
versao acima transcripta, nada me puderam
affirmar sobre a authenticidade do mesmo
original.
Lastimando hoje nao haver enviado
dosde logo dquelles sabios a integra da
inscripcao, affian^o-lhe, entretanto, que nao
usei de reservas nas cartas que lbes escrevi,
asquaes nunca foram vistas com tanta so- pois quo 6 sobre a discussao deminha ins
iemnidado em Pernambuco, pelo nasci-
mento de um principn hespanhol, o que
deu lugar a Mathias de Albuquerque acei-
tar em 1630, a luva ao inimigo, mas como
cavalheiro, do que como soldado.
Depois passou a capitania de Pernambu-
co a ser bem da corda, porque D. Joio IV,
tendo despendido grandes sommas para
restaural-a do poder dos hollandezes, usur-
pou esse direito dos donatarios.
Existindo, porem, uma filba do quarto
donatario, Duarte de Albuquerque Coelho,
casada com o conde de Vimioso, D. Miguel
de Portugal, este se oppdz e reclamando os
sens direitbs, sustentou uma questao por
muitos annos, mas sem vantagem alguma
de sua parte
Finalmente por uma convenc,8o e ajuste
do conde de Vinicioso com o procurador da
corda, e com o beneplacito de D. Jo8o V,
obteve o conde em 1716 a troco de Per-
namboco, o marqoezado de Valenca para
elle e seu filho, e oitenta mil cruzados-,
pagos do rendimento d'aqueila capitania
em dez annns, a pagamentos iguaes.
Pernambuco, setembro de 1873.
Francisco Augusta Pereira da Costa.
crip^io que julgo basear-se a benevola es-
tima que me demonstram e que so
manifesta n8S seguintes palavras do Re-
nan : on sent dans votrt lettre
tin homme fort instruit e qui a fort
serieusement Uudii la question des monu-
ments pheniciens e nestas outras de Bar-
g<5s, mais versado do que o primeiro no es-
tudo das linguas semiticas ; Je tiens a
votre disposition tnes faibtes lumi&res et je
serais toujours heureux de recevoir vos
communications et d'entretenir des rela-
tions avec un savant qui cherche a faire
honneur a son pay*.
Desculpe-me a transcrip^ao destas phra-
ses, que sinto me nao caberem e que o fio
deste communicado me trouxe naturalmen-
te agora & lembranca.
Qaanto & falta em que me achei com
os dous illustros professores, foi ella jd re-
parada ba cousa de um roez e era tenc8o
minha nada publicar sem ter antes recebi-
do o parecer daquelles distinetos exegotas.
A' ri9ta, porem, das pubtieacdes a que
respondo, creio que se me perdoara a ante-
cipac,ao destas desconcertadas liohas.
MUSEU NACIOML,
(Conclusao )
Fecho aqui, porem. estas indaga^oes por
lhe nao roubar mais tempo, o porque "tam-
bem algum me sobre para a minha pro-
metlida versao que ahi vai com todas as
duvidas inherentes 4s interpreta6es de uma
lingua antiquissima, duvidas maiores e cer-jfecundidade da kaprensa ; como 6 q^e tan-
to mais graves em razao de minha imcom-1 tas cabe^as sobre as qoaes a natureza Precia
petencia. Eis a versSo : Foi erigida j ter deixado cair a maMicao da esterilidade,
esta pedra pelos cananeus sydoaianos que j dao & luz, apesar dwso, enormes in folios ;
A ARTE DE FAZER LIVROS.
ESBO^O
Par Washington Irving.
Se e jusu e rigorosa seataa-
ca de Synesius : An^es
roubar a um morfo os. ,acu
vestidos do que o fructo de seas
trahalhos que- sera da
maioria dos escriplores t
burton, Anatomia da
melancolia.
Maita vez me tenho admirado da extrema
da cidade real a commercio sahiram sem
mim, pela remota terra elevadae ainda, es-
mas a medida que- o- homem caminha' oesta
viagem da vida, os sssumptos de espantos
colhi'da dos deuses e deusas no anno nono diminuem a mais e- mais para elle, e oonti-
e decimo de Hiram, rei poderoso, e parti-
ram de Aziongabar, no Mar Vermelho, e
embarcavam gente em navios dez, e anda-
vam no mar, juntos, annos dous, ao redor
da terra lo Egypto (Africa), e separaram-
so do chefe principal (da capitania], e des-
ligaram-se de seus corapanheiros, e chega-
ram duas vezes (?j dez homens- e tres mu-
Iheres nesta costa iguota que eu, servo de
Astharte poderosa, tomei em penhor para
os deuses e deusas que tenham de mim
piedade.
Na presente interpretagao devera V. ob-
servar uma altera^ao exigida pelo proprio
manuscripto nas lettras que eu havia tradu-
zido por novilunios, as quaes depois de ri-
nuameute descobre alguma causa bem sim-
ples ao que se lhe affigurava prodigio.
Foi assim que me aconteceu, durante as
minhas peregnnaciJes por esta grande metro -
pole ; assisti sera quecer a uma scena que
me desvendou alguns dos mysterios da in-
dustria que tern por objecto o fabricode
livros, e poz finalmente termo a minha ad-
miraQao.
Andava eu, n'um dia de verfio, ptas
grandes salas do museu britannico, com essa
indolencia com que se anda em um museu
quando faz Galor, ora encostando-me com
todo peso is- vidragas que cobriam os raine-
raes, era estudando os hieroglyphos de uma
raumia egypcia, ora tentando, quasi que
F0LHETIM.
LUCRECIA BQB&ZA
MEMORlnS DE SftTAM&Z
POR
com o mesmo resultado, comprehender as
pmturas allegoricas dos tectos. J.angava
assim, para um e outro lado os meus olha-
res preguifosos, quando de repente me foi
ehamada a attencko para uma porta distante
que havia no fim de uma enfiada de salas.
Estava fechada ; mas de tempos a tempos
abria-se o d'ava passagem a nlgum sugoito
estranhamente- favorecido, em geral vestido
de preto, que se escoava silenciosamente ao
longo das casss, sem relancear os olhos para
nenhum dos objectos por que p:issava Ha-
via em tudo isto um .ar de mysterio que
excitou a minha curiosidale amortectda ;
resolvi emprehender a passagem deste des-
filadeiro, explorar as regions descorihecidas
situadas alem delle. A porta cedeu & pres-
s&o do meu dodo tao facilmente como as
portas dos castellos encantados se abrem
diante dos cavalleiros in lanies que procuram
aventuras. Achei-me n'uma espagosa ca-
rnara. rodeada de estantos grandes cheias de
livros venerandos.
Por cima das estantes e mesmo por baixo
da cornija estavam muitos nUratos ennegre-
cidos de autores antigos. A' roda da casa
havia grandes mesas para lere oscrever. Es-
tavam sentndos a ellas muitos personagens
estudiosos e pallidos, com os olhos pregados
em volumos chcios de p6, proc lrando o seu
sustento nos manuscriptos em ruina, e to-
mando a larga apontamentos delles. O si-
lencio mais profundo era o quo havia nesse
quarto mysterioso, a n3o ser que se podes-
sem ouvir as pennas corror no papcl, ou
entao de esparto a espaco, o suspiro nrolon-
gado d'um dosses sabios quando mudava de
posi^ao para voltar a pagina de um velho
in folio, suspiro causado sem duvida por esse
trabalho subterraneo e pelns flatulencias in-
separaveis de toda a investigagao sabia.
De rez em quando um destes personagens
escrevia alguma cousa n'uma tirinha de pa-
pel e tocava a campainha. Entao apparecia
um genio familiar que pegava no papel com
profundo silencio, sabia mysteriosamente da
saU e voltava pouco depois carregado de pe-
sados volumes, sobre os quaes o outro se
deitava vorazmonte, com fome, unguibus et
rostro.
ii nao duvidava de quo tinha cahido no
mei do uma rouniao de magos profunda-
mente absortos no estudo das sciencias oc-
cultas.
Recordou-me a scena aquelle philosopho
de um velho conto arabe, caotiyo no seio de
um raonte, em uma bibliotfteca encantada
que se abria s6 uma vez por anno, onde os/
espiritos do logar executavain todos as suas
ordens, e iam buscar-lhe os livros que tra-
tavam de todas as sciencias tenebrosas: de
modo que no fim do anno, quando a porta
magica gyrou em seus gonzos mais uma vez
e se abrio, elle sabio tao rico de conhecimen-
tos illicitos que pode pairar acima do vulgo
e dar leis as potencias da natureza
Fiquei com a curiosidade irrteiramente
desperta. Pallet baixo ao ouvido de um des-
ses demonios familiares quando elle in sabir
da sala, e pedi-lhe a explicacao do quadro
estranho que tinha as minhas vistas. Basta-
ram algumas palavras para este effeito. Efoi
o caso que estes personagens raysteriosos,
que eu tomara por magicos, eram na maior
parte autores, precisamente na sua occupa-
qSo de fazer livros. De faeto, onde ei* estava
era na sala de leitura da grande biW-iotheca
britannica immensa collecgSo de volumes
de todos os tempos e do todas as liaguas,
muitos dos quaes estao boje esqueeidos,
sendo a maior porte delles raras vezes lidos :
uma desses fontes abandonadas de velba
litteratura onde muitos aatores modernos
vao buscar, como-se fosse agoa aos baldest
scieneia- de outro tempo, uma provisfto
de inglez pw sang com que possam en
grossar o- magro regato de seus pensamentos.
Uma vez na posse do segredo, sentei-me a
um canto' para sorprehender os- processes
empregados nesta manufactura de livros.
Prendeu-me a aUen^ao um individuo magro,
de olhar bili6so^ que nao procurava senao
os livros mais coraidos-da tra^a, e irapressos
com lettras gothicas. Era evidente que elle
construia uma obra de erudigao profunda,
que seria comprada per todos os- homens
avidos de passarem por instruidos, collocada
nas suas bibliotecas bem a vista, ou desti-
nada a ficar aberta em- cima da mesa e a
nunca ser 'lkla. Reparei que de vez em
quando tirava da algifceira um biscoito e
comia-o.
Seria aquelle o seu jantar, ou uma tenta-
tiva para afastar a fraqpeza do estomago
produzida pelas longas meditaQoes sobre as
obras cobertas de poeira?'Decidam-no outros
mais sabiosdo que eu.
Vi la um sugeitinho muito vivo, eom fato
de cores vistosas, eara cbeia de satisfac,ao e
O. Manoel Fernandeiy Gonzalez
. PRIMEIRA PARTE
O GRAN-CAPITAO.
XIX
DC COMO SE HOCVERAM DM COM O OUTRO
LUCRECIA BORGIA. E CONZALO DE CORDOBA.
(Continuagdo do n. 273)
Era seguida queimou o lenr,o que^ ficara
envenenado em parte pelo contacto d'aquel-
1c verniz terrivel.
O fogo purifica tudo, disse Lucrecia
em quanto se entregava aquella operagao
lulizmente o retrato e um mosaico de mar-
mores duros e o fogo n8o o pode destruir.
De-me o seu len?o, Gonzalo, e dentro em
am momento, debaixo d'essa densa caraada
negra, vera apparecer uma imagem mais bri-
Ihante do que a que vio antes.
Nao lhe parece singular, senhora, disse
Gonzalo dando o seu lenco a Lucrecia, que
para que eu veja brilhante e pura a sua
imagem, tenha sido necessario faze-la pas-
sar pelo fogo e tirar de sobre ella uma ne-
gra sombra de luto T
Como esta agoureiro, replicou Lucre-
cia sorrindo ; pore'm ha o quer que seja de
terrivel n'esta casualidade ; parece isto um
symbolo do que me succede ; ern si, Gon-
zalo, encontrei o fogo que me purificou,
que tirou de sobre a minha alma a negra
sombra de do que a envolvia.
Machiavelo diz que Fernando de AragAo,
rei das Duas Secilias, e o seu raestre eque
n'elle tera estudado o seu livro de priaoipe.
Sera o duque, como Fernando V, um ho-
mem impenetravel ? Aproveitara para a
politica, o amor de ama pobre mulher T
O mesmo lhe podia eu dizer, Lucre-
cia : quer fascinar eom os seus encantos,
com a sua sagacidade, com a sua astucia,
com a sua experiencia em assumptos poli-
ticos, um homem que quer esraagar, por
bonhomia, dando ares de um aT'tor em boas
relates com o seu livreiro.
Depois de o ter analysado com atten^Jo, j
reconnect nelle um iufatigavel productor de
raiscellaneas que se vendiam razoavelmente.
Tive curiosidade de ver como elle manipu-
lava os seus productos.
Fazia mais barulho e pirecia mais occu-
pado do que qualquer outro ; porcorrendo
ligeiramente uma immensa quantidade do
livros, valteando por cima das folhas dos
manuscriptos, tirando um pedaco a um, um
peda^o a outro, linha por linha, nreceito
por preceito, bocadinho aqui, bocadinho
acoia. 0 conteiVlo do seu livro parecia
formado do elementos tao hecterogeneos
como o da caldeira das feiticeiras no Mac
beth. A mfto aqui, ale'm um dedo ; aqui
um artelho de r3, alii o esporao de uralacrau;
com a sua parolice propria deitada para alii
como sangue de macaco para tornar a
mistura viscosa e boa
Por fim, pensei eu, esta disposiijSo dos
autores para a velhacaria til vez lhes fosse
posta no corac.3o com sabio intento 1 N3o
sera o meio empregado pela Providencia
para que as sementes da sabedoria sejam
transmittidas do seculo a seculo a despeito
do inevitavel declinar das obras onde se mos-
traram primeiro ? Veraos a natureza sabia,
ainla que caprichosa, enearregar do trans-
porte das sementes de clima para clima o
peito de certas aves : de modo que, animaes
que por si s6 nao valem nadi e nao sao ap-
parentemente, senao descarados roubadores
do pomares e trigaes, sao de facto os men-
sagoiros de que a natureza se serve para
dispersar e eternisar os seus beneficios.
Assim, estes bandos de escriptores ladroes
fazera limpeza geral nas bellezas e nos gran-
des pansainentos que a poeira sepultou ; e
estes tornam a ver a luz para florescerem e
fructificarem no porvir.
Muitas destas obras, soffrem, na verdade,
uma csDecie de metempsycose e renascem
com forma nova. O que era, na primitiva,
uma historia soporifica, revive com a figura
de um romance ; uma legenda velha trans-
forma-se n'uma petja nova ; um tratado de
philosophia bem austero da assumpto para
uma serie completa de ensaios, scintillantes
e ruidosos.
Assim acontece quando so faz penelrar
a luz do dia nos nossos bosques america-
nos : onde queimamos uma floresta de pi-
nheiros magostosos, rebenta uma geracjio
nova de carvalhos anoes, e nunca sa ve ja-
zendo em terra e apodrecendo ao tempo
tronco de arvore abandonado, que se nao
veja tambem nascerd'elle uma tribu inteira
de cogumellos. J& J3 _
Nao nos lamentainos pois, om excesso,
pelo silencio e pelo esquecimento a que
descom os velbos autores ; nao fazera mais
do que obedecer a grande lei da natureza,
a qual manda que todas as forraas que a
materra reveste sejam neste mundo Rraita-
das na sua durac*), sem que por isso os
elementos morram nunca. No mundo ani-
mal, como no vegetal, as geracoes passam e
seguem se para o nada ; mas a posterida-
de recolhe o priucipio de vida e a especie
nao morre por isso. Db' mesmo modo,
tambem, o autores geram ,os autores.
Depois de terem reproduzidO' uma familia
numerosa, vopgados pela velhice, dormem
com seus pais, isto e, com os autores que
os precederam,. e que elles roubaram.
Emquanto me entregava a estas imagina-
gdes vagabundas, encustei a oabe pilha de respuitaveis in-folios. Era isto de-
vfderar euiauai;6es soporificas quese exhala-
vam destas obras, ou ao profundo silencio
que reinava na sala, ou ao cansaco prove-
nientede um longopasseio? ou devo antes
attribui-lo ao habito funesto que desgraca-
damente tenha de adormecer em lugares e a
horas pouco convenientes ? O que e* certo
e que adormeci.
E comtudo a imaginagao nfio deixava de
caminoar, e sempre a mesma scena ficava
diantj dos olhos do meu espirito, depois
de ter soffrido leves modificaQoes em alguns
dos seus pormenores.
Sonhet que o aposento ainda estava or-
nado com os retratos dos autores antigos,
mas que o numero delles tinha crescido
muito. As compridas mesas tinham des-
apparecido; em vez dos magicos reveren-
dos, vi aidrajos ; uma turba esfarrapada
cemo a que se p6de ver transilar em volta
do grande deposito de-vestidos velbos, na
rua de Monmouth. Todas as vezes quepega-
vam n'um volume, por um desses absurdos
tao vulgares nos sonhosrparecia-ma que elle
se convertia em um vestuario de moda estran-
geira ou antiga, com o qual procediam
paramentar-se. Todavia observei que ne-
nhum se esforcava por tomar um trajo par-
accrescentou ella collocando de novo o
mosaico no medalhao ; embora lhe passem
os labios, n3o raatara ninguem como succe-
deu a Orsini.
Masenvenena a alma, minha senhora,
disse o gran-capitao.
Considera, pois, o meu amor como um
veneno ?
Sim, como um veneno que mata a
vontade, a razeo, a consciencia ; acredite-
me, minha senhora, antes de a ver estava,
prevenido a seu rospeito. Tinham-me dito que o reputa termel ?
que me acautelasse, que era uma mulher, Quer isso dizer que desconaamos um
terrivel a maior inimiga que encontraria do outro, e com tudo attrahimo-nos ; pois
em Roma. Com tudo, conheci-a hontem 4 bem, trate o duque da politica que iraporta
noite, e nao a posso esquecer. aos reis de Hespanba e eu tratarei da qua
E apezar d'isso, enamorou-se de importa a Roma ; deixemos em paz ogover-
Aneiolina Cnspi, e fez de Isabel de Gonza- no do mundo, porque serf o que Deus
ga a sua amante. Iw que seja, e occuperao-nos de n6s
Como, senhora... poU, sabe?... Imesmos. D.ga-me, para que se mostrou
murmurou o gran-capit5o corando como enamorado d essas duas mulneres T
um rapaz d'escola. | Porque a terao, porque pretendi ena-
Nao sabe que me chamam a rainha morar-rae d eUas, para me nio enamorar
de Roma ? replicou sorrindo Lucrecia. Po- de si.
bre rainha seria eu se nao soubesse tudo E' necessario confessar que a resposta
quanto rae importa saber; se nio tivesse e engenhosa, e talvez a melhor ^ue poderia
receios. n8o o amaria, e por isso man- dar-me. ... ...
S-o espiar ; sei, pois. que se enamorou de Acred.ta na n>mha hoora ? disse o
4nKiolina, sei que Isabel de Gonzaga fez de gran-capitSo.
si o seu instrumento, e que o duque se Como acredito em Deus.
deixouenganar por ella de boa fe. Nio Pois bem, empenho a minha palavra
diga, poU, que me ama ; se me Uvesse de hoora que ounca mais tornarei aver
amor, nio seteria enamorado deAogiolioa, Isabel de Gonzaga.
nem Isabel o teria embriagado. A rainha E nio empenha do mesmo modo a
imTgera venceria tudo. sua palavra relativamente i Aogiohna Cres-
Nao sabe que foi a primeira pessoa pi T
que me fez conhecer o medo ? Nio sabe de -
quanto valor, de quanta for5a necessitoi eu senhora, porque a n
_-__-__...Mia /In mmho m rnnnoil. a^_
roubei-o & essa im-
ticular, mas que lomavim a manga dq um,
a gqta de outro, as abas de um terceiro,
formando cada um um fato de retalhos e
ocados, emquanto os andrajos primitivos se
deixavam ver debaixo dos ornatos de era-
prestimo.
Achava-se alii um padre de eara verme-
Iha, de porte masgestoso, de barriga proe-
rrinente; notei que elle observara com lu-
neta alguns escriptores poleraistas bastante
empoados.
Imaginou logo envergar rapidamente o
man to pesado de um desses velhotes ed}
pois, tirando a outro a barba grisalha, fez
um exforco para se tornar excessivamente
grave ; mas a sua eara risonha e commura
destoava dessa Ubre de sabedoria
Urn gentleman com ar raorbido entreti-
nha-se era bordar uma roupa muito insig-
nificante com fio de ouro tirado a alguns
velhos fatos de cdrte do tempo da rainha
Elisabeth.
Outro enfeitara-se maguificamente com
manuscripto illuminado, puzera na abotoa-
dura um ramo colhido no aParaizo dos
emblemas delicadosn, e depois de ter posto
a banda o chapeo do Sir Philip Sidney pi-
voneava se com ares de rara elegancia vul-
8ar- .
Outro ainda, de dimensoes rainguadas
apossara-se com bravura dos despojos de
muitos tratados de philosophia bastaote
obscuros, de modo que por diante era ira-
ponente j mas estava lamentavelmente es-
farrapado por detraz, e vi que tinha arre-
mendado os cah;6es com pedagos de perga-
minho fur.ados a um autor latino.
Havia la alguns gentlemans convenienie-
mente vestidos, e* verdade, e que so de lon-
gealongose apropriavam de algum dia-
mante, cujo brilho se ligava ao de seus or-
natos pessoaes sem o eclipsar. Alguns pa-
reciam ta-nbem n8o contemplar os babi';os
dos velhos esc-iptores senio para se
penetrarera de seus principios de gos-
to para tomarem o seu aspecto fe o
seu espirito ; mas, digo-o a custo, a griw-
de maioria o que desajava era ajaezar-se da
cabeca aos p6s pelo systema dos remen de que fallei ba pouco.
Nao posso deixar de fazer menQio de um
genio de calcdes cor de castanha, polainas e
chape"o de pastor da Arcadia ; o qual tinha
uma violenta inclinagio para a pastoral,
mas cujas excursoes campestres tinham sido
limitadas as sombras classicas da collina de
Primerose e as soliddes do Regent's Park.
Enfeitara-so com grinaldas o fitas t'rradas a
todos os velb poetas que cantarara o cam-
po, e. com a cabeca inclinada sobre ohem-
bra, peudia para un e outro lado, com os
modos mais ricficulos e menos pastoraes do
mundo palrandonos prados verdejantes.)j
Porem, o parsonagem que sobretudo at-
trahio a rainha observacio foi um velho
gentleman trapalhSo, com habttos ecrfe-
siastieos, cabega larga e quadradar mas cal-
va. Entrou nasah* respirando aHoeasso-
prando, abrio com os cotoyellos o seu ca
rainhopor raeio da- multidao, parecendo
ter robusta confianca em si mesmo. e dei-
taodo a* uahas a um autor grego, am- es-
pesso in quarto, ajustoa"-o i cabeca e levou-
o magestesamente transfigurado n'uma I or-
midavel cabelleirade caoudos.
De repenle, no seio desta raascarada litte-
raria, soou de todos os lados um grito :
Ladr6es I Ladroes !olhoe vejo anima-
ram-se os reatos que guarneciam as pire-
des. Os vemos aitores deitara fdra da
teto-, primeiro a cabega, depois os hombros:
passeiam durafitejim momento olhares cu-
riosos por aqueHTmultidao sarapintada que
se remeche em-baixo, e em seguida deseerr.
inflamraadosem justa cholera; para rehave-
rem os seus bens daquelles traiantes.
A scena de tumulto e os gritos de : Fu-
jam f'fujam que se seguiram exeedem toda
a descripeJlo. 0 infeliaes culpados tentam
fugir em vao com a sua presa.
Ria-se a um lado miea duzia de monges
velhos despindo um professor moderno ; a
outro lado era grande a desordem nas fllei-
ras dos-novos escriptores dramatieos. Beau-
mont e Fletcherr bOrabro coia bombro, ti-
verara que fazer no carapo de bfttaltia, co-
mo Castor e Pollus> e o vigorose Ben John-
son tez mais proezas do que quando servio
como voUintario no exercito .da Flandres.
Emquanto ao peqoeno compilador ladino
tao forte era cosinbados de varies cousas,
de que fallamos acima, tinha-se aconchega-
lo com tantos trapiohos e tantas eeVes co-
mo arlequim e em volta delle era 8o en-
carni^ada a luta dos-pretendeBtes eomo o foi
i roda do cadaver de Pafrocto.
(Conlintiar-st-ha.}
do
te i
necessidade d'isso, minha
posso ver, porque
esta noite para me nio esquecer de minha m'a roubou.
esDosa dos meus reis e de mim mesmo, e Sim, nio o nego,
Snir-lho aoT p6s dizendo; amo-a, arae- becil e isso deve prorar-lhe o quanto o
amo ; Angiolina metlia-me medo ; e dema-
_ Ha muitos annos quo viva ao lado de siadoformosa e deraasiado pura. Ah os
cuju^mblautc homens sao terrivws. I
E lirapou com o lenco do gran-capitao o
mosaico que apparoceu mai^^lto e;na,s Fern^nd^, J'^^-1 osa^TIsIuto. ra5ioTpertence isso iemulhere.; w
brilhante, do que anteriormente-o tinha vis-
tas vezes o roi mais formosura, a mate^% aWahe os a pwezi,
nio quero negvlo, falsifiquei uma. carta
que ocoraprometti*, que lhe grangeou um
inimigo terrivel em Alfonso Crespi, que
voltou contra si um detaonio, Jeronymo Sa-
vonarola, ofanatico de Florence, o protes-
tante, o herege ; mas nio importa, eu des-
truirei esses inimigos que lhe crieu
__ Nioy deixe isso ao meu cuidado ; pela
minha parte agrade$o-lhe o ter-rae procu-
rado dous inimigos mais, e dous grandes
inimigos. Pelo que diz- respeito a Angio-
lina prometti a seu pai. procura-las e procu-
ra-la-hei, o que nio impediri que sejamos
amigos, Lucrecia.
Sem deixar de ser sua amiga, juro-Ihe
que farei tudo quanto estiver ao meu alcan-
ce para que nio encontre nunca Angio-
lina.
E' uma luta sue travamos amigavel-
raente; prometta-me, porem, quenemdes-
honrard, nem matariAngtolioa.
Que jurzo forma de aaim, Gonzalo T
Julgo-a capaadetudo^se for arrastada
pelas suas paixoes t perdoe-me se sou sia*
cero. Esta noite tratei-a severaraente por-
que havia pouco tempo que a conhecia.
Hofe nio posso trata-la com severidade,
venceu-me; nao sei see" amor isto queeu
sinto, mas posso assegurar-lbe que estou
louco. Embriagou-me, aturdio-me y_dasde
hontem i noite que nio *c|0 senao crimes e
infaraias, e siuto *abec eovolvida n'um
vapor imparo ; duwdo de mim mesmo, te-
mo-a, attwha-aw, dtevora-me. Nunca vi nada
tio fbrmniff, nem que pare^a tao bom e tio
puro. OU I apesar de que a rodeia o hor-
ror, amo-a, Lucrecia, arao-a.
Ah I Gonzalo I exclamou Lucrecia, e
este o primeiro momento de feficidade que
tenho gczado na terra. Ouca, vou appare-
cer mais horrivel ainda aos seus olhos. Dis-
se-lhe que esse retrato f6ra um presnte de
meu irmio Cezar, e que elle o haria errfe-
aenado, pensaodo que eu o daria em pren-
da a meu irmio Giovani; pois bem, menu
para nio o horrorisar ; esse retrato man-
deioeu fazer, envenenei-o eu paraooffe-
recer a Carlos Orsini a-quern odeiodesde
que o conheco, e conbeeo-o desde que fui
a Hespanba com o meu primeiro marido,
e desde entao que o amo, Gonzalo.
Ah. I Lucrecia, para que me atormen-
ta T Para que me obriga a ver em si um
deraonio, quando eu nSo quero ver mais do
que um anjo?
Quero saber se me ama, e para Ih'o
provar chego ao horrivel. Ah 1 o amor &
um tyranno, contra o. qual nos rebellamos
inutilmente. Que iraporta que uma mulher
seja um demonio se-earaada ? 0> homem
que ama, morre sorrindo aos pes da-imilher
que o assassinou ; mas, sao poucos os ho-
mens que a mam assim, e eu quero saber se
me ama desse modo.
Ah 1 Lucrecia,.se me ama, tenha corn-
paixlo de mim ; afoste se de mim, doixe-
mo passar, defenda-me de mim mesmo ;
n8o me faga perder a honra, nifo me ani-
qoille, nao me cobra de infamia. i& que
me onlouqueceu,defenda-me I
Nio lhe proporei um crime ; nio exi-
girei que falte aque lhe impoe a honra,
nio ; ale'm disso, seria inutil j o duque nio
pode chegac ato i loucura da iufamia, a sua
soberba 6 msior que o seu amor.
A minha soberba 1 excUmou o Graa-
capitio r dgaantes a rainha honra.
Seja como dir; a soberba da sua hon-
ra o impediri sempre de a manchar com
um crime, com uma traigao; e, como eu
nSo quero que deixe de amar-rae, nio o ex-
perimenUrei, antes pelo oontrario, ajuda-
lo-hei para que estime o meu* amor.
E n8o julga que 6 ji bastante mancha
para mim, o ter amoresque offendem mi-
nha esposa, e quo a offendent a si, Lucre-
cia ?
Nio ; homens como o duque nio sio-
casados nunea, sio heroes e os heroes estao
sobranceitos & vulgaridade a que estio sa-
jeitos os outros homens. Eu, pela rainha
parte, n3o roe envorgmharei de que sesai-
pelo contrario, sentiria orgulho eom isso
Comtudo, respeitarei os soas^serapulos, e
sd nos veremos, Gonzalo, com omais pro-
fundo mysterio.
nsto e um soaho, um sonbo terrivel !
murmurou o Graa-capitiO oooipletattentfc
fascinado.
Sim, um soaho de aeaor, replicou Lu-
crecia y de um amor imraeuso, que nada
pode coatrariar. S^iamoa daqui, esta casa
causa-me espant* ; A \vH destas Taztlhas
e destas figuras, pareeejia que estoc ro-
deada de bruxedoa e Sff feitiijarias, saia-
mos.
Mas, disse GonzaWdft ordoba, :jena
bom, visto quo esse t*#BOnvinetto, e um
miseravel que nos atraicoau. recouhecermos
o que ha em casa delfov Nesta area esta
gravado um escudo cora^ corda ducal, e eu
farei com que a rei de aflpas de AragSc que
me acompanha,. examine este brasio e me
diga a que familia pertence,
Ma casa: nao. ficari abandpnada.
Gonzalo, replicou Lucrecia ; apenaS tiver-
mos sabido delta, seri oocupadapor aiguns
;esbirros meus. Eu nunca estou. sd ; agra-
dego-lhe o ter-me salvo esta node, mas na
sua falta teria sido protegida do mesmo modo
Saiamos que ia e tempo; e paasivel que
rae raandem buscar do Vaticano ou de casa,
demiaha rali, epareceri* estranho que me
nio encontrassem em casa, n'uma situaeft*>
tio terrivel para a nosaa familia.
Peuco depois, Lucreeia e o Gran-capitao
caminharam para a porta Pinciana.
O Gran-eapitao tevava cnidadosamentp
eovolvida no leoco a estauia de cera da Lu-
creeie, eo reUatow aiitfiaira.
A porta Knoiana ahno-se toa qua Lu-
oreda pronuncton as seguintes pahrw,s:
Abrara, i Santa Madona de la Farfa-
rea*
Meia hora depois penetravam r.'ama
spmptuosa carnara do patacio Borgia, e Lu-
crecia. despojava-se da capa e do chapeo.
naque Lucrecia *Jrgia e a amante" do Gran-_______________%g?tt
capita) Gonzalo Fernandez do Cordoba; TYP^O DIARIO -RUA DUQL-B DB.CAMS
j

*
X
*
{
1
2


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZAJ01145_GT3QIN INGEST_TIME 2014-05-28T16:20:28Z PACKAGE AA00011611_19999
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES