Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19995


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r

*
un un nnum
PUM A CAPITAL E LICAHR OAWE SAO ME PAGA PORTE
Por tres mozos adiantaioB............... 6$000
Por seis ditos dem.......... ...... li'iJOOO
Por un anno dem................. 23000
Cada numero avulso, do mesmo dia. -. ........ ($100
^z^m**
QOim-JHA 28 Dri SETIBBfl BE 1381
PARA DEHTRO PORA DA PRO 'LICIA
Por seis mezes adiantados. ... *....... 130500
Por nove ditos idem................. 20)5000
Por um anno idem................. 27COC
Cada numero avulso, de das anteriores. '. .'V. #100
DE
Prpriefcafce ht J&anod fx&nck&a H* Jara 4 Silbos


O Sr. Amede Prlnee 4& C
c Pars, ft os nassos agentes
exclusivos de anuncios e pu-
blicacdes na Franca e Ingla-
terra

r

i
TELEGRAMMAS
SSB7IC9 PASTICUIiS SO SIASIO
RIO DE JANEIRO, 27 de Seterobro, s
1 Loras e 20 minutos da tarde. (Recebido
s 6 horas e 5 minutos da noite, pela li-
nba terrestre).
Honiem. o liaran de Coteglpe. pre-
sidente do eooielbo de mlnl(ro.
dlscnllndo no Senado o oramonio
da nuriiuliara, declaroa que. en
Tisis do Mllenclo da Cmara do* De-
pnlado* e da vularao taawlda no Se-
nado, entende asneo parlamento nao
tito do elemento servil.
PARS, 26 de Setembro, noite.
O Ktverno da repblica Mandn
proceder a am serlo inqncrtlo rela-
tivamente ao atintalo pratleada
contra a pessoa de um o tu el al fraa-
cci pelos suardas da tiran deas al-
loma.
Todos os Jornaes franceses oecu-
patn-se do Incidente e aconselbasa
a popularn a mesma calma de que
ja dea tantas pravas durante o Inci-
dente Scnonebel.
MESFINA, 26 de Setembro.
Ieram-se US casos de cbolera-
naorbas e 49 victimas durante as ul-
timas 2 1 Sur-.
LISBOA, 26 de Setembro.
H. M. El-Bel e sua familia deixa-
ram boje a capital para ama exeur-
sao as provincias do Douro e do
Minti.
PARS, 27 de Setembro.
S. Ese. o ministro dos negocios) es-
tranftelros Ja mandoa para Berllm
ao Sr. erbette. embalxador da re-
pblica, um relatorlo concernen!
ao attentado da frontelra franca-
alterna. 129
BERLIM, 27 de Setembro.
O cbanreller do Imperio allemao
Ja mandn proceder a um minarlo
so Inquerilo a respelto do Incidente
entre um ufllcinl francs e os guar-
das da airanuein allem.
Apitc'a lavaa, filial am Pernambaoo,
27 de St. m'ro de 1887.
ensinar-noa mala, como tamb-ra observa Ahren,
por que modo a liberdade pode nascer. ondo nao
existe, e como pide deaenvolver-ae, onde j existe.
' 5) Emfim, esta theoria tem manifestamente um
carcter egosta, como fcil de ver se. De tudo
qoe levamos dito, note-se que pode ser meo a consi
derada, como principio de juanea, que do como que
urna consequencia delle.
Devemos, nao obstante sto, ter justos, e reco-
ubecer que algumaa verdades se encontram nesto
systema, o qual foi, pira o seu tempo, um progres-
so noUvel.
THEORIA DE BENTHAM
Exp inicio
B'ntban, cora) Kan', desviou se das tbeorias at
ao seu tempo professadas, que, despresando aobser
vacio reflexa da natureza humana, se elevavam em
concepcoes esteris, indo cauir em aberraedes pu-
ramente ideaes. No emtanto deixou-se arrastar
pelas ideas sensualistas de Lo( ke e Hobbes. Se -
gando el)es, o hoxvem movido em todos os pseos
que d pelo intere.s\ O prazer e a dr sao os
dous pharoes, para que o horneen est sempre olban-
di e que lhe apontam o caminho qus deve seguir,
no tempestuoso mar da vida.
Segundo Bentham, urna aeco justa quandj
util (principio que para elle de primeira eviden-
cia, mas que reconh-ce nao ser universalmente
acceite). Apresenta tbeorias contrariai s que
vai refutando, taes como : 1) o svstema asctico
que qualifica como boas as accoes que causam
males, e como ms as qae produsem bens ; 2") o
aystem* de sympathia e antipathia que consiste
em dizer que as acedes sa; boas ou ms em si
mesma?, independentemente das eoos-quenciaj a
que do origen): 3) o systema religioso que resu-
me na vontadfde Deus, o elemento indicador da
bondade ou maldade das acedes humanas.
Em geral, refuta todas estas tbeorias, tazando-
as do arbitrarias, sem preciso nenhuma na expli-
cacao dos seas termos, sem base fundamental em
que assentem, sem applicacao social, etc., etc
Depois trata de nos indicar o medo pirque have-
mos de apreciar os diflerentes praseres e apenas
que considera debaixo de varios pontos de vista :
I"/ Enquanto intensidade, visto que ana ti >
mais intenso* que ontros e devem por isso prete-
rir-se ; 2) emquanto a duraco ; 3) emquanto
certeza ; 4) einquanto a proxiuiidaJe; 5) em
quanto fecandidade, visto que ha praseres que
produsem oatros, e ha tambem praz -res qae se
podem chamar esteries ; 6) finalmente emquanto
pureza, visto qae uns nao trazem penas e oatros
prudazem coosequeocias deaagrdaveia. E em
geral o que vimos dar-so a respeito da intensida-
de, saccede nos outros casos. Quer dizir, deve
preferir-ae o prazer duradouro ao passageiro, o
certo ao iocerto, prximo ao remoto, etc.
Em seguida, observa que ha circunstancias que
inflo -m poderosamente na diversidade de sensa-
coes e que fizara com que o que para o individuo
A seja prazer, para o indiviiuo B seja ir. Entre
estas circnmstancias, temos por exemplb : a saude
o grao de ferca, a finesa da alma, a perseverancia,
as uocoes de honra, de religio, os aeotimentos de
sympsthia e antipathia, e ainda outras mais. Be-
conbece Bentbam que eet s elementos, viado alte-
rar profundamente a aenaibilidade. tornam impos-
sivei o conhecimento das modificaces operadas
por aqaellas cousas externas, sobre essa aenaibili-
dade. Mas dis, que temos meio para as avaliar-
doi, se attendermos i* circumsUueias de tempe-
ramento, sexo, idade, claase, raoa, profissao reli-
giosa, etc. Note-se todava, que considera estes
indicios, como secan iarios, careceado de ser expli-
cados pelos primeiros.
Depois,prccurando faser a applicaoo d'ertes
principios, vai ver o modo de poder levar os b)-
mens a praticarem o maiir numero de accoes boas
e o menor numero de accoes ms. O meio esta-
belecendo as leis recompensas e castigos. E' a
sanecao a que Bentham d diferentes nomos coa-
forme as circunstancias.
Em resumo : segundo esta theoria a sensibi-
lidade a faculdade predominante, a que devenios
attender. E' nella, pois que devmos ir basear o
criterio do direito.
(Continua)
fARTi OFFlCis,
iHSTRHGCAO POFHLAR
PHLOSifHIA D0O8fi[T
(Extrahido)
D BIBLIOTHECA DO POVO K DA8 ESCOLAS
CAPITULO I
TOE OIII DA IIIVI OIII % MTIHIL
Exposlco e critica das prlnclpaes
tbeorias. que nao negando a exis-
tencia do direito. o adulleram em
sua natureza.
(Con tinuafa o)
TFIKOKIA DE kNT
Critica da theoria Kint
Este systeina foi innegavelmente um progresso
para o seu tempo. Foi um cenbate salutar aos prin-
cipios d'absoiutiamo poltico, que entao vigoravam
por toda a Eiropa. Pode dizr-se mais qae o phi-
losopho Kmt, ao passo que desenvolvea mui profi-
cientemente os principaes ramos de direito publi-
co, contnbuio at um certo ponto para a conquis-
ta das liberdades que boje disfrutamos. No em-
tanto se meditarmoa no systemo do grande phy-
loS"ph ', com o coohecimeoto antecipado do que
sobre elle tei-m escripto pensadores profundas, ver-
nss hemos na necessidade de o regeitarmos, como
principio fundamental de din ito e pelas seguintes
considei afo-'s :
1*) A libardade urna faculdade, que nao con-
cedida ao hora*m para este ee servir della arbitra-
riamente. Mas s-gundo K*nf, parece qae nio
assim, pois diz-se : a nmguem leses. Muito oem
at aqui. RestM, comtudo, urna pergunta : qae
deven os fazer ptra nao lesar os oatros ?
E' isto o que K int nos nao dis.
2") E' p iis a defiuicao deste escriptor m, como
negativa que Oevemos lembrar-nos de que nma
das c.oudii.o '9. que a lgica exige para u boa de-
finici", consiste em que esta seja positiva.
Alm d'isso limitativa, o que representa nm
erro.porque a limitacao da liberdade, s devia
apparecer depoia de se no darem regras, para o
desenvolvimiento dVlla. Saibamos primeiro o con
tendo da nosst rephera de aecio, e depois limite-
ge esta.
3, A theoris de Kant ainda inexacta em nos
nao indicar qual o fim individual e social da .liber-
dade, e d'aqu', pode resultar a transforma-cao desta
em licenca. gando observa Ahrens, este defei-
to ainda subsiste no nosso systema liberal actual.
4o) O neminem le nm principio restricto,
que na i pide applicar-se a todos os actos jurdi-
cos. O direito n3o deve limitar-se a regalar a li-
berdade do homem, como Kant o afrtenla. Deve
Cinverao da provincia
EXPKD1ETE DO DIA 9 DB aBrBMBBO DB 1887
Actos :
presidente da provincia attendendo ao que
requereram as professoras Anna Cesar de Almei-
da Peas :a e Camilla do Carmo Torres, esta da ca-
deira mixta da Imberibeira e aqjella ^a do sexo
feminino de Nazareth do Cabo e tendo em vista a
iuformacSo n. 237 de 30 da Agosto fiad) do ius
pector geral da Instruccio Publica, resolve provi-
aoriamente permittir que as peticionarias sem
acrescimo de ventagens permute ji as esdeiras em
qae 1. c.ionam Communicou-se ao inspector ge-
ral da luatruccao Publica.
presidente da provincia reaolve de confor-
midade com o diapesto no Bit. 5- 6- da le n.
38 de 3 de Outubro de 1831, nomear o phanna-
ceutico Bernardo Ploriano Uorreia de Britto para
exercer provisoriamente o lugar de pbarmaceutico
do presidio do Fernando da Noronba, em substi-
tu fio de Jos da Fonae*a e Silva que d'alli se
retirou para agu-rdar nesta capital como pedio,
sulucao do lequerimento que dirigi ao giverno
imperial solicitando sua exoneracao.Commini
cou-se ao inspector da Tbeaouraria da Fasenda e
ao director do presidio.
O presidenta da proviucia resolve de contor
a idade com o disoosto no art. 1' do de. n 3,322
de 14 de Julho ultimo, prover o cidadao Ernesto
de Oliveira Cavalcante na serventa vitalicia doa
oficios de tabelliao do publico judicial e notas e
eterivo do jury e rxecucoes enminaes do termo
do Lmoeiro. Fueram-se as devidas communi-
CBfcS.
O presidente da provincia resolve exonerar a
pedido o bacharel Lydio Mananno de Alboqaerqu
oo lugar de promotor publico da comarca de Ga-
ranhuna.Cimmunicou-se ao respectivo juii de
c ireito e ao inspector da Th aouraria de Fazenda.
O presidente da jrovincia resolve da confor
uiidade eom a proposta do De. chefe da polici i em
cfficio n. 793, de boje, nomear o cidadao Joao
Cancio Cavalcacte de Albaquerque para exeroer o
cargo de l supplente do subielegado do diatrc-
to de Tapacur do termo de Santo Anta o. em tuba
titnicao de Corbiniano da Silva Cavalcanti. que
tica xonerado.
O pre3idnt6 da provincia reaolve de con
l'ormidado cim a proposta do Dr chefa de polica
em ofcio do 7 do corrate mez demittir a JosV)
Flix de Deas do lagar de 1- supplente do sobie
legado do 2- dstricto do termo da Rio-Forme-so
Communicoa-so ao Dr. chefe de polica.
- O presidente da proviucia attendendo a que
requereu o alteres do 2- btalho de infantaria
M'guel Oancalves de Castro Mascarenhas e ipuJo
em vista o termo de inspecco a que foi subojetti-
Jo, do qual consta estar o peticionario soffrenio de
be'riberi de forma paralylica, resolve, de iceordo
eom a informaco do brigadeiro aommanisots das
armas n. 44H de 5 do corrente, concider Iho 3
meses de liceuva afim de tratar de sua siudc ra
da capital, nos termos do avito circular do Minis
terio da Guerra de 16 de Marco ultimo
O pretiiente da provincia attendendo noque
requereu o tenente do 5 companhia do 13- bata-
Iho de infantaria do servio) activo da guarda
naeionnl da comarca da Victoria, Caetano Beato
de Araujo Figu-iiedo e tendo em vista a infirma
cao do respact vo commandante superior, datada
de 22 de Agosto lindo, resolve transfcril-o jara a
Ia compaohia do 12' batalhio da mean c turca,
visto ter dcixado de solicitar a pitante no praso
legal o cidadao para ellanomeado Romualdo Cor-
rea de Mello.
Officios :
Ao brigadeiro eommandanto das armis.V
vista do que expde V. Eic. em offi.-io de hoja sib
n. 453, concedo-lhe a nut-risac) que pede para
fazer embarcar na primeira opportunida le, com
destino a corte, os cadetes de que trata o citado
offieio.
Ao administrador do thefctro Santa Isabel.
Nesta data concedo esso tbeatro ao Cougresso
Dramtico Beneficente para realisar no dia 25 do
corrento sssa, S contribuivo do eslylc um espect-
culo em* Favor do mesmo Congreaso.
Mutatis muandis aos membros da directora
e do inspector do Thesouro Provincial.
Ao garente da sociedado Auxiliadora da
Agricultura de Pernambuco Para camprimento
do telegramma do Exm. Sr. Mini tr da Agricul-
tura Cimmarcio e Obra Publicas, de 6 do corren-
te, airva-se V. S. de obter e enviar a Secretaria
desta Presidencia a porfi poasivel de gementes e
mudas de gramma, devdamente acondicionada
afim de ter o conveniente destino.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal da comarca de Panel las. Respondo o oflic'o
de V. S. de 28 de Agosto findo, declarando lhe
que por despacho de 4 de Fevereiro ultim, conee-
deu esta Presidencia ao capito da Ia companbia
do 5* batalho do servioo da reserva da guarda
nacional sob seu commando ssperior, 30 das de
prorogacSo do praso para tirar a patenta e ha-
vendo o referido officiol solicitado-a no dia 17 do
mesmo mes, cumpre que V. 8. a faca registrar
para o qae lhe foi apreseatado, segando consta de
seu citado offieio.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Atten-
d-ndo ao que solicitou o director geral das Obras
Publicas em offieio de 5 do corrente, sob n. 189,
recommendo a Vine, qae mande pagar a Rufino
Manoel da Cruz Coasseiro a quantia de 172^400,
a Jos Antonio de Sousa a de 22J6O0, a Vsente
Ferreira de Almeida Albuquerque Nascimonto a
de \"i XX) mediante os devidos dooumentos, pro-
venientes das obras da cadeia de Rio Formoso,
antorisadas em 17 de Marco, e concluidas, segan-
do ao dito director geral communicou o delegado
de polica.
A quantia total de 2034000 excede da de 200J,
recolhida a esse Tbosouro pelo ex thesoareiro da
dita repirticio, em virtade do accrescimo de 84,
resultante de despesa autorissda pelo referido de-
legado.Communicou-se ao director geral das
Obras ;Pablicss.
Ao coaamandante do carpo de polica.Ao
Dr. chefe de polica mande Vire, apresentar ama-
nh ao meio dia duas praeas. afim de eacoltarem
um criminoso que vai responder ao jury no terna
de Iguarass.Communiou se ao Dr. chefe de
polica.
Ao direciir do presidio de Fernando de No-
ronba.Providencie Vmc. no sentido de legressar
a esta capital o criminoso Jos Francisco de Vas-
concellos, coshecido por Joio Pereira, que para
ahi seguio no dia 1* de Outubro de 1883 doeate
do beriberi, afim de responder so jury no termo de
Garanhuns. Communicou-se ao Dr. chefe de po-
lica.
Ao jais de paz, presidente da junta de alis-
tameoto militar da paroebia de Nosaa Senhora da
Saude de TacaratKm,> 'oosta o.aeo iffliio
de 30 do paasado, decit- j .u; que, segando par-
ticipoa o Dr. chefe de polica m offieio de 6 do
corrente, sob n. 718, toram espedidas as conve-
nientes ordene no aenndo de serem apresentadas
junta de alistamento dessa parochia palas auto-
ridades competentes as listas de que trata o ani-
o do art. 14 ao regulam?nto de 27 de Fevereiro
de 1875.
Por essa oocasiSo datermioo a Vmc. que desig
as da para nova reuaio da junta, visto ser da
ana competencia, na forma do avis) do ministerio
da guerra de 21 de Aojte do mesmo snao, diri-
gido presidencia da Babia e se acha publicado
no Repertorio do Indica Alphobetco dos avisos
daquete ministerio para a execaco da nova lei do
recrutu ment.
Qaanto consulta qua fas Vmc. no final do ci-
tado offieio reepin lo lhe que deve faser parte da
junta o subdelegado do districto de Jatob, sede
da comarca.
Ao presidente da Cmara Municpil de S.
Joa do Ezypto.Respondo ao offieio de 24 de
Agosto findo, declarando a Vmc. qaa a falta de
eomparecimento de dous dos novos vereadores elei
tos nao i r motivo pira deixar de deferir juramen
te aos demais.
Apissn devia tei-ss dado ainda quando hou-
vease comparecido um s dos eleitos, que em taes
casos assumiria as fanecoos de presidente e pro-
cedera na forma da lei.
Cumpre por isbo que sem perda de tempo sejax
eraposa* ios os novos vereadores cabendo ao mais
velho doj que comparecre.-n a presidencia provi-
soria al a elrifio do i fi'activo nos termos do de-
creto n. 8716 de 21 de Outubro de 1882.
Portaras :
D.'claro a Cmara M loicipal de Caruar, em
rasposta ao oeu olfioio de 26 dn Julho ultimo, que
o art. 210 do rogulamento expodido cora o decreto
n. 8213 de 13 de Agesto de 1881, refere-se ao
caso de proceder-so apenas em urna parochia
eleieao de juizea da pas e nao aquella em que
tem lugar conjunctamente a eleico geral de va-
readores e juises de pis para servirem durante o
quatrieanio.
E' evidente, portanto, qae, tendo, em virtade da
disposicio dn art. 201 do citado regulamento, ti-
cado insubsistente a eleico geral de vereadores e
juizes de paz desee municipio, por nao baverera
oijo concluidas a tempo o trabalhos da paroehi
de Caruar cujo numero de eleitores excede a me
taie dos de todo o municipio, nao podem ser jura-
mentados os cidados eleitos juisas de paz de S.
Caetano da Raposa.
O motivo que determino a a nova eleic2o geral,
a que se referi a ordem desta presidencia de 6
de Outubro do anno passado, o mesmo em vista
do quil ficou insubsistente a segunda i-li icao pro
celida a 15 de Novembro de 1886. Portauto, ne-
ohuma daa turmas de ja izes de paz d qae trata
a Cmara valida.
Compre, pois, que a Cmara exprct ordena e
mais c.minunicacea do cstylo, afim de que no dia
31 de Outnboo viuiouro se proceda de novo
aesae municipio A eleiclo geral de vereadores e
juizes de paz para o quatriennio corrente.Re-
inetteu se copia ao Dr. jais de direito da co-
marca.
Determino Cmara Municipal de Barrei-
ros exoc^a orjeos e commuoicacoaa do esty'.o, afim
da ter lugar nease municipio no dia 31 de Outu-
bro viodoura a eleico para preenchimento da vaga
do vt re.idor bacharel Manoel Octaviano Guedes
No'ueira, que aceitn emprego publico retribuido.
Communicou se ao Dr. juz de direito da co-
marca.
BXPROIBKTB DO DB. SECBETARIO
Officios :
Ao Dr. cheta de polica.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, transmiti a V. S.
em respoata ao seu offieio n. 789 de 6 do corrente
mez, 2 tubos espillares esntendo lympba vacc-
nica.
Ao inspector do Thesouro Provincial. De
ordem do S. Exc o Sr. presidente da provincia,
commuaico a V. S. para os fias convenientes, que,
na petifo do recurss de Fre Jos de Santa Julia
Botelho, abbade do mosteiro de S. Bento, a que
allude o effico desee Tnesouro, de 30 Je Agosto
ultim >, n. 821, f i proferido boje n despacho se-
guiute :
Confirmo a decalo do Thesouro Provincial
por scus fundamentos.
Ao mesmo.O Exm Sr. presidente da pro-
vincia proferio hoje o seguinte despacho no reque
rimento do R>vd. abbade do mosteiro de S. Bento
de Olinda, sobre que V. 8. informou no offieio de
30 de Atristo ultimo, sob o. 822 :
Confirmo a decso do Thesouro Provincial
por seas fundamentos. -
Aos agentes da Gaixa Filial do London 4
Brazilian Bank Limited, nesta cidade.De ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia, aecus) o re-
cebimento do offieio de 6 do corrente, com o qual
Vv. 8s. enviaram copia anhentici do bataneo das
operaedea effeetnadas por esoa Caixa Filial du-
rante o cgz de Agosto ultimo.
Ao -.-ommaudante superior da guarda nacio-
nal da comarca da Victoria. Do ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, declaro a V.
8., para sea conhecimento e devidos fina, que per
portara desta data foi transferido para a 1. com
nhia do 12 batalho de infantaria do servico ac
tivo da guarda nacional sob sea commaado supa
rcr, o teaeate da 5.* Compinhia do 13. batalbc
do meamo servido, Caetano Bento de Araujo Fi-
gueiredn.
Aojis municipal e de orpbos do termo de
Barreiros.De ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia, devolvo a V. S., para ser asaignado, o
incluao offieio de 30 de Agosto fiado.
EXPESIENTE DO DIA 10 DE SETEMBRO DB 1887
Actos:
O presidente da provincia reaolve, de confor-
midade com a proposta do Dr. ebefa de pilicia,
em offieio de hontem, sob n. 797, nomear Jovinia-
no Irineu Paes Barreta para o lugar que est va-
go, da 1 supplente de subdelegado do 2 districto
do termo do Rio Formoao.
O presidente da provincia res)lve, de confor-
midade com a proposta do Dr, chefe de policia em
offieio de bontem, sob n. 795, demittir Pedro da
Rocha Wanderley do lugar de 1 supplente do de-
legado do termo de Barreiros, e nomear para
aubstituil-o, Joa) Marioho de Barros.
Officiss:
Ao mareehal docxercito.eonsalharo de guer-
ra Visconde da Gavea, ajudante general.Envo
a V. Exe. o incluso requerimanto em que Praden-
cio Albano Wanderley pede certido da f de offi-
eio de seu fallecido pai o capito Jos Albana
Wanderley.
Ao brigadeiro commandante das armas
Deferindo o requerimanto de Antonia Lina Barre-
t >, mulher do soldado do 14 batalho de infanta-
ria, Eugenio Risas de Barros Barreto, aatoriso V.
Exc, de accordo com a sua informadlo de bontem
datada, sob n. 452, a canea ier b na do servico do
exercito, mediante substituirlo referida prava.
Ao Visconde da Silva Loyo.Accuso rece-
bido o offieio n. 193 de 6 do correte, em qne o Sr
Visconde da Silva Lo} o me participa haver na
mesma data entregada a gerencia do consalado de
Portugal ao respectivo chaoceller, enearregado do
dito consulado o Sr. Vicente Nunea Tavares.
Em reaposta declaro ao Sr. Visconde da Silva
Loyo que fice inteirado de semelhante oceurren-
cia, da qual passo a dar sciencia s estaedes com-
petentes.
Renov ao Sr. Visconde da Silva Loyo os pro-
testos de mioha perfeita estima e consideradlo.
Fiseram-se hb devidas communicacSes.
Ao Dr. chefa de policia.Coavem qae V. S.
providencie no sentido de ser apresenUda na ae-
crotaria desta presidencia a petico qae o senten-
ciada Joo L ipes da Silva tamda mr. so poder
moderador, visto ter interposto re ^ *? de graga
da pena do .J.4 anno* de priso sim'."?'
foi imposta am 27 de Novembro -de raKV*"1 *
tudo de deeoo do Tribunal do Jury do tefiBC-de
Goyanna.
A' petics deve acompanbar informaco do ad-
ministrador da Casa de Derenco.
Ao mesmo.Para ser encamiohado o recur-
so de graca interposto por Manoel Joa de Olivei-
ra, que se acha na Casa de Detencli cumprinda a
pena de 14 annos de priso smplea, imposta em
31 de Agosto de 1886, pelo jury do termo do Bo-
nito, couvem que V. 8. providencie no sentido da
ser apresentada na secretaria desta presidencia a
pstico que tem elle de enierecar ao poder mode-
rador, acompinhada do informaoo do administra-
dor daquelle estabelecimento.
A inspector da Tnesouraria de Paseada.
C em 6 de Agosto Solo, Bellarmino da Costa Doa
rado assumio o exereicio do cargo do promotor pu-
blico interino da comarca de Garaahuns, para o
qual foi uornaado pelo respectivo juis de direito.
Ao commandante do Corpo de Policia. Man-
de Vate, reforcar o dtsUcamento de Rio Formoso
rom 3 praeas, tiradas do de Barreiros, afim de
poder o respectivo delegado prestar a forja preci-
sa para o servico da sesso do jury convocada para
o da 12 do corrente mes, devendo Vmc. expedir
as ordena necessariss por telegramma.Comrau-
nicou-seao Dr. chefo de polica.
Ai j m i ile pas mais votado da parochia da
S. Joa do Recife.Accuao o reeebiineato do offi-
eio de 6 do corrente mez ex qne Vine, consulta
si, em f ice dos arts. 131 e 133, combinados, do
regultmeato excedido com o decreto n. 8313 de
13 de Agosto de 1881, deve ser admiltida pela
ra -sa eleitoral a uomeacao de fiscaes, quando esta
fot dada eU-itores que nao facam part da res-
pectiva seceo eleitoral uinda quando pertencam
ao mesmo districto onde pr-oedar-se a eleigio.
Em reaposta declaro que, no caso proposti, o
fiscal pide ser aceito, porquinto os artigos cita-
dos nao fasem distincco.
A> juis de pas, presidente da junta de alis-
tamento militar da paroebia de S. Joa da Afo-
na do Agua Preta.R-so ndo o offieio de Vmc.
de 31 de Aaoato fiado, declaran io-lha que o facto
de nao terem sido recolhidas todas as listas, ni
obatava a que a junta do aiistameoto militar deasa
paroebia encetaase os sena trabalhos conforme de
terminaco expressa da lei, por iaai que poderia
oceupar-se segundo o disposto no aviso do minis-
terio da guerra de 3 de Agosto de 187), da apu-
raco das listas j entregues durante oa dez das
marcados no art. 18, em que tesn de fuaecunar,
exigii dos inspectores de quartairo a entrega daa
que ainda faltara, devendo no caso de nao ser
aatiseita s-inelbante exigencia no limite daquelle
praso dar couheciraento da oceurrencia a esta pre-
gidencia para u terior deliberar).
l'o-tarias :
OSr. ageotejda C mpsnhia Brazileira de Na
vei'aso Vapor taca transportar corte, por couta
dojminist rio di guerra,, o cipito Ernesto Alves
Pacheci', que por decreto de 7 de Julho ultim, foi
transferido do 2o batolho de infantera para o 3"
da mesma arma.
Ao rei.-rido fficial acompanham sua mulher D
Emilia de Souzo Pacheco e sua filha Radegandea
de Soasa Pacheco de 9 annos de idade. -Officiuu-
ae ao inspector da Tbesiuraria de Fazenda para
man lar justar c mus ao dito official e communi-
cou-se ao brigadeiro comman Jante das armas.
O Sr. ag-nto da Companhia Brasileira de
Navegaco a Vapor toca trasportar corte,
por cunta ds Ministerio daGuerra oalferes Sebas-
tio Das de Toledo que vai reunir-so ao 3 r gi-
mento de cavallara ligeira a que pertence.
Au ref.rido official acompanha sua mulher D.
Faustina Veriaaima Dias de Toledo. Offieiou-se
inspector ao daThesouraria deir'azeodapara man-
dar ajustir contas'ao dto.official. ee-mmnnicou-se
ao brigadeiro commandante das armas.
ESPEDIBRTB DO DK. S CRBTABIO
Officios : .
Ao secretario da Assembla Lgislativa rvo-
vincial.Da crdem da Exm. 8r. presidente da
provincia transmiti a V. S. afim deque se digne
da subnetter opportunamente cinsideraco d -asa
aaeembl i o offieio junto p-.r copja, da 16 de Agos-
to fiado em que a Cmara Muoicipal de Sennbem
insta pela spprovaco do projecto de posturas
pendente di delib.raco da mesma Assemola.
Communicou-se ao presidente e vereadores da
Cmara Municipal de Serinhem.
Ao nspector[de Saude do Poito.OExm.Sr.
presidenta da provincia manda communicar a V.
S< que, tendo a Rapartico das Obraa Geraes or
fado em 3184941 a pintura do edificio, sede dessa
inspecc", submefteu, o assumpto a deliberar) do
governo imperial por nao haver crdito, afim de
occorrer despezi, segundo informa a Tnesouraria
de Fazenda.
\o apente da Cjmpanhia Bahiana de Nave
gaco a Vapor.Do ordom do Etm. Sr. presidente
da .provincia, accuso o recebimento do cffio de
h.nte n, no qual V. pirticipoa ter chepudo uo
dia 8, de Araea'y, com escala por Mmn e Ma-
caa o vapor Murqwj de Caxiiu, e que regresaar
para oa mesmos portos, at Fortaleza, no da 14
a 2 horas da tarde.
Ao apete da Gaixa Filial do Englisb Bauk
of Rio da Janeiro Limited.Da ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia accuao o recebimento
do offieio em o qual o V. 8., remettea copia su-
das operacoaa th -ntica do balancote effectuadas por
essa Caixa Filial durante o mez de Agosto ultimo.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 26 DE
SETEMBRO DE 1337.
Dr. Antoni; Joaquim de Barros Sobrnbo-
D-se.
O mesmoDi se.
Bacharel Aaguto Cezar Pereira Caldas.Deso-
da teitaa as competentes notas na seceo do arcbs
vo, remetta-se a. Sr. inspector da Theaouraria de
Fasenda para os fins convenientes.
Antonio Geraldo dos Santos. Apresente-se ao
commandante do corpo para que este proceda nos
termos do regulamento.
Francisco Antonio Brandro Cavalcante.Ca-
rece de fundamento legal o recurso.
Os dous vereadores, casados om duas irma,
sao con -cunhados e nao cunhadoi.
Cunhada se diz cida urna daa irms em re'.agao
ao marido da outra. e reciprocamente. O cuuha-
dio que j affinidade, nao produz affinidade, e o
art. 23 da lei do 1 de Ouubro de 1823 s priva di
servico conjuncto na cmara, pai e fiho, irmis
ou cunhados emquauto durar o cunhadio. Nem ao
g 45 da ord. liv. 1 tit. 79 em qne se trata do pa-
rentesco dos tabellics Jo judicial, se pode ir bus-
car argument) em contrario, porquanto o tit. 67
da mesma ord. tratando da eleico dos vercado
res ou mambroa doa anticua couaelhi., o jue re
quer, para servirem uns com os outros que sejam
oa mais convenientes por nio serem prenles nem
cunhados, dentro do quarto gr >, contado segundo
o direito canonice, accrescendo que todas estas
dispisic'S sao aat>'rioics a citada le da 1828 que
expressa quanto aos casos de iricompatibilidade.
Tambam nao invalida o voto do vereador dado
pela demisso do erapregado a declaraco daquel-
le de que este exercia o lugar a contento e sem
queixa, ainda mesmo deaattendendo a explicaco
da cmara de ter sido pessoal e nio oficial essa
declaraco, e obtla na f de que nao era para
fundamentar este recurso.
E'unta qaeati de conscieocia e de moralidade
qae nao se comprebende nos impedimentos legaes.
Fielden Brothjra.Cinfirmo a deeiso do The-
souro Provincial. A epocha da cobranca fatal,
e nao podem aproveitar as contribuinte no exer
cicio financein de que se trata qaaesqaer irrega-
laridadcs fiscaes de anteriores exercicios nunca
trd>v para serem corregida* (irt.) 19 do regla-
me! to de 27 de Julho de 1883 e art. 45 do regu-
lamento de 28 de Maio do cirreote anno.
Francisco de Souza Cielho.Sellado o requer-
manto, volte quareodo.
Francisco, eseravo.Informe a junta classifics-
dora de escravos do mnnicipio de Panellas.
Joo Joa Bezerra Cavalcante. Informe o Sr.
inspector da Theaouraria de Fazenda.
Joaquim Ignacio Gomes.Informe o Sr. inspe
ctor da Tbesonraria de Fazend ..
Bacharel Jos Hirado Oosta.Informe o Sr.
inspector do Tbeaouro Provincial.
Alferes Laobaldo Augusto de Moraes.Sm.
Manoel Henriques da Miranda Accioly.Infor-
me o Sr. eiilect-r daa rendas geraea do municipio
de IgaaraiS' si vale 5004 ou meaos o eseravo de
que se trata, para si aatoriaar o pagamento, que-
rendo o supplicaote.
Marcioaillo da Cunha Machado Pedresa.lafjr-
me o Rvd. Sr. regador do Gymaaaio Pernambu-
cano.
Bacharel Sebaatiolldetonao di Reg Barros.
Depois de f-itas as competentes notaa na seceo
do archivo rcraetta-ae ao Sr. inspector da Toc-
aouraria da Fazenda para os Sus convenientes.
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, 27
de Setembro de 1887.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartirn da polica
2* seoc5>. -8. 359 -Secretaria do Pj-
licia de Pernambuco, 27 di Sotirabro de
1887 Illm. eExm. Sr. Part tipo a V.
Ere, que fir.uu boatem reoolhiios Casa
de Datan^il i os seguintes individuos :
A' ordem do subdelgalo do districto de Belm,
Antonio Francisco l>s Santos, Jos Vicira da Mel-
lo e Augusto Antonio do Riaario, como deaord- i-
ros e aso de armas deteca.
No dia 15 do correte fu asaaasinado em seu
ang< nho Tanque, do districto de Sartosinbo, do
termo de Agua-Preta, Martiniano Jos da Foose-
ca, pelo individuo de nome Caetano de tal, que da
poia da perpetradlo do crime, piz-se em fuga.
O subdelegado respectivo tomoa conhecimento
do facto, fez proceder a viatora o abri o compe-
tente ioquento policial.
Participou rae o delegado do termo do Bonito,
que no da 16 do corrente o menor Francisco Per
gentiuo, estando a brincar com urna espingarda,
com qae costumava cagar, suceedeu disparar-se
a mesma, empregando tast* a carga as costas de
um seu companbeiro de nome Joo Hmorato Mar-
tina Brayner.
O offendido foi vistonada pelo Dr. Joa Victo-
riano, que a isto se prestan e declarou leves os fe-
rimentos.
Acerca deste facto procedeu-se nos termos do
inquerito policial, quej4_teveo conveniente des-
tino.
Communicou me o cidadao A-it mi) Dias Alves
da Silva, ter no dia 24 do corren'e e na qualidade
de Io supplente assumido o cxerccio do cargo de
delegado do termo de Gamelleira.
Segundo informa o delegado de Munbeca. ouvi-
d* sobre a noticia que den o Jornal do Recife, de
18 do corrente, referindo-se a priso da Joo Au-
touio Pereira de Oliveira, conheeido por Joo Gor-
do, nao exacto, seguado attesta o vigario da fre-
guezia e mais seis cidad>s doa mais prestantes da
Ucalidade, que ee dase o facto.
O proprio Joo Ant.nio Pereira de Oliveira, ou
vido pelo delegado, deu urna declaraci de que na-
da soffrera absolutamente do subdelegado aecusa
do de violenti.
Deus guarde a V. Ero.Illm. e Erra.
Sr. Dr Pedro Vicente de Azevodo, milito
digno presidente da provincia. -O chefe
de polica, Francisco Domingues Ribeiro
Vianna.
Ihos Urbanos do Recife a Ctxang. Informe o
Sr. contador.
Francisco de Birros Cordeiro. Eotregae-se
pela porta.
Uenrique Ferreira Baltar Sobrinho.Ao Con-
tencioso pira cumprir o despacho.
Antonio Francisco da Lima e Flix Ferreira da
Silva. Certifique-se.
Offieio do Dr. procurador dos feitoa.- Informe
o Sr. Dr. administrador da Recebedoria Provin-
cial.
Agostinho Santos & C Cumpra-se precat)-
ria, realisando-so o arresto no direito do arresta-
do a quantia de 3:4614965, cajo levantamento s
poder cffactuar-se depois de votados recursos pe-
la assembla para pagamento.
Pedro Jorge da Silva Ramos Sntregne-ae as
apoliecs em deposito
Felippe Benicio Correa de Araujo e Emilia Be-
zerra Coelho.R'gjatro-se e f-:cira se os assen-
ta atentos).,
Vctor Marques Santiago.Indefirido, visto qua
das nformaco .-s consta nao ser o supplicante cre-
dor do que requer.
J. Raphael de Deas e irmanJaie de S. Pedro
Jesta cidade.Maja vista o Sr. Dr. procurador
fiscal.
Manoel J. Ferreira de Sousa e Maria Generosa
da Conceico. A Recebedoria Provincial para at-
tender.
Recebedoria provincial
despachos do dia 27 de setembbo
de 1387
Antonio Francisco Areias, Antonio Luiz < C.
Francisco doa Sautos Maced i, Jos Lopes Alhei-
ro, Lourenco 4 Primo, Antonio Paulo Botelho,
Gomes & C, Manoel Alves da Silva Maia, Miguel
Archanjo deS. Sant.s, Jos Flix de A'buquer-
que, Jos Joaquim de Souza Motta, Uenrique L
Ferreira & C, Antonio Francisco da Cruz, d) pro-
curador doa feitoa, Antonio Jos Morcira, Emilio
Soarea, Bartholomcu & C, 8uccassore.i, Riuquay-
rol Frere e Antonio Alves da Coata.Informe a
l*seceo.
Joaquim Jos Goaualves GuimaresSatiafaca
a exigencia da 1' seceo.
12 Petics de Manoel Patury, 7 de Francisco
Xivier da Cruz, Herculano Pereira d) Nascimen-
to, Juvencio de Miranda Cistro, Jo qmra Barbi-
sa de Oliveirs, Jos Antonioda Silva Mello, Fran-
cisco de Paula Ferreira Cara ira, Alexandrino dos
Praseres Cavalcante, Martiniano Xivier da Crus,
Candido Guedes Cavalcante, Birtholoram Jos
Pereira, Joa Francisco do Rago e Joo Francisco
Arantes. G^rtifique-se.
Antonio Francisco da Crus -Satisfaca a exigen-
cia da 1* seceo.
B-ntc Jos da Costa.I ifirme a 1* seceo.
Anna Senhorinba de Oliveira.Deferido, em
vista das informacoes.
Arthur Gomes de Mattis."ar:!i uc-sa.
INTERIOR
Thesouro provincial
DESPACHOS DO DIA 27 DE SETEMBRO
Anna Mana da Luz, Fabricio de Alboquerque
Cardoso, officios do Dr. procurador dos feitoa, the-
soareiro das loteras, Joo Beserra Vieira de M.l-
lo, Nicas da Silva Gusmo, Companhia dos Tri-
n. Magestade o Imperador
(Da Oazeta de Noticia)
BADES BADN, 2.1 DE AGOSTO-
A vida montona de Ba lea Badea, foi
durante a semana disportada por un novo
elemento de disttaccSo : as corridas de
Jffezgeirn.
O imperador, naturalmente farto de con-
veraaiiorihauss e de tanto Fledermantt (a
opereta que sem iaterrupcSo tem ido sce-
na no tbeatro de Badn), aceitn com as
mos ambas o novo divertimento qae se
lhe deparava e nSo tem faltado a urna s
das corridas.
A ciiade regorgita de viajantes, os bo-
tis elevam dous mirles diariamente aos
hospedes, como se estes fossem os culpa-
dos de nilo haver mais accomnodajSo
possivel; os trens, que fazem a carreira
entre Oos e Badn-Bailen, despejam cada
vez mais gente n'esta cidade, mais que
nunca accentua-se o movimento de carro
e bagagens-
E' que as corridas, que s duram oito
dias, attrahem grande concurrencia, at
de pessoas advindas de longioquas trras
expressameate para assistir ao grande pre-
mio.
Alias no se comprehende qual o gran-
de interesse por estas corridas. Iflezneim
di.-ta quatorz kilmetros de Badn Badea,
viagera para alli em extremo iocom-
moda,e enri3siraa era caleches, diligen-
geneias, paniers e mnibus, que nao abri-
gara o misero passageiro e o deixara en-
tregue acc*o do sol e a da poeira que
faz mular dn cor o fato e o passageiro ;
o prego da entrada no prado tarabea
muito elevado, o jogo na poide quasi
oenhura, os animaes no sao coohecidos,
n3o se toma o tempo das corridas, nada.
Ganhou o Pumpa.-.rckel f -Gauhon,
,\h bem. Ento nao ganhou o Nautiluit
Nilo Pois sin.
N'esta agua moma, pussa-se alli o tem-
po, que felizmente n3o grande : as corri-
das comee im s 2 horas em pooto e ter-
minara a 4 1/2 justas. Pago o tributo
d'essas duas horas corrida regressa o
p3Vo pora Biden-baden, muito cheio de
poeira e moido de calor e j prompto para
d'ahi a dous dias volver corrida.
Eitas sao era numero Jo quatro e tm
lu"ar em uma semana uniep. Com^jaram
domingo 21 e termiaara a domingo 28,
tendo sido a do grand prix a que se rea-
lisou a 24. Levantou o gremio de 30,000
marks o cavalb Bulgar, por Eberhard a
Princesi Beatria, de 3 annos de idade; e
corno tinha por si poums apeadores, a
estes coube o bello rateio d.e 73 marks
pelos dez que liaviam deixado na poule.
O tiro foi le 2,8r0 metros quo o Bulgar
perjorreu era... aqui nao se usa marcar
o tempo.
O Imperador tem sempre oceupado a
tribuna do gYo duque do Badn ; nos in-
t" r va los desee com o Sr. Visconde de
Nioac, pssieia democrticamente por entre
a multidao'' de amadores e amadoras, a
quaes se dirigie com amabilidade, e em
animada palestra vence o tempo asss
amolador,das aisbi-massantes corridas.
De B.vien-Bi.ien passarara em dias da
semana rinda um telegramma para a Rs
publique Prancaise, de Pariz, ;nnunjiando
que a mol^ti i do Imperador so aggrarara

-.





I WIHMI 1
I


I SSSB\>8a\\m"
Diario de ernambucoCoarta-feira 28 de Setcmbro de 1887




& que Sua Magestade acbava-Be era grare
estado. ,
Eu disse pauaram do Baden-Baden,
porque o telegramma appareoeu datado
d'est. cidade ; porm o que mau para
crer que ninguem tenha transroittido tal
telegramma, nao passando sso de des-
pacho forjado alli mesmo eio Pars e para
o fim de alcancar com to descarada men-
tira alguma cspeculacSo que nSo aei qual
possa ser.
Choverara te le granunas e cartas de toda
a parte, pedindo infonuacSes sobre o es
tado do Ioiperador aos Srs. Visoonde de
Motta Maia e de Nioao. E, como tambem
iguul noticia tioha sido transuiiltida para
Madrid, e diz-se que tambem por interesse
de especulatS s coromeroiaes, dcsta cidade
vieram cartas solicitando informac5es im-
mediatas acerca da molestia do Imperador
Echegar*y, que grande amigo de Sua
Magestade, toi dos primeiros a escrever,
interessando-se por noticias exactas.
Erafiu, o exeroplo do Sr. Lesseps fruc-
tificou; depois de expl ,rarem a pessoa do
Imperador rxplorram a sua molestia !
A.SSJ3 Dous os ajudo.
O Gaulois de ba quatro das annunciou
que era certa a ida de Sua Magestade a
Roma e que o Imperador at escrevera ao
Sr. Barao de Aguiar do Aadrade, minis-
tro braaileiro n'aquella cidae, participan-
do lhe a rsolucaio de ir festejar o jubileu
do Santo Papa.
Acudi o peridico o Brs, dizendo
que tudo aso 6 inexactae a comegir
pelo ministro brazileiro em Roma, que o
Sr. Arthur Correia e nao o Sr. BarSu An-
drade, que est ha mais de um anno no
Cbile. Ac rvscenta o Brsil que provavel-
mente o Imperador visitar o Summo Pon-
tfice, porm ulteriormente, em pocba que
at agora ainda nSo fo fixada.
Voto pelo Brsil e tanto mais quanto
voto com o Sr. Motta Maia, que se deca-
rou iuteiramente contrario a essa viagem
cidade eterna.
Afinal j mais que diffil encontrar
sssumpto para encher urna tira de pap 1
relativamei te estada de Sua Magestade
o Imperador era Badeu -Badn.
Estamos como no quartel-general de
Abrantes : tudo como d'antes.
O Imperador passeia, ouve msica, co
me, dorrae, conversa, continua DO rgimen
daa duchas e readquire torgas progreasiva-
mente. Isto j foi dito urna, duas, seis
vaos; entretanto, como noticia agrada-
vel, n3o me pesa repetil o.
itViSTA DIARIA
%H de Helenbro Completam-se boje 16
annos que 8. A. a Princesa Imperial, regente do
Imperio em nome de S. M. o Imperador, sanecio-
nou a lei que, libertando o ventre escravo, estn-
con a nica fonte em que a escravidao ainda eo-
lbia reuovoa no Brasil, e, tomando outras provi-
dencias, den impulso ao movimento abolicionista,
boje geral no paii.
Data deasa urea lei tuda quanto de bom se tem
eito em pi dos infelizea escravos, para os quaes
foi ella iocontestavelmente urna aurora de regene-
cao, como tambem o foi para o proprio pair, que
entilo comecou a lavar-se da negra mancha legada
pelos eua colonisadores, mancha que tantos sa-
crificies e lagrimas tem cuitado actual garafio.
Felizmentedizemol-o com eerto desvanecimen-
teesli prestes a terminar os das da escravidio.
Breve nao haver um s captivo no Braail ; e
nesso dia nio fulgir menos do que hoje o glorioso
da 28 de Setembro de 1871, nem aerio menos vi-
rentes oa louroa qae ciicumdam a fronte do im-
mortal Visconde do Bio Branco do que os que bao
de cingir as cabecas dos que desferirem os ltimos
golpes na maldicta arvore, que por tres seculoa
envenenou eom seua amargos fructos o povo bra
tileiro.
Saudamos sempre com jubillo o dia de hoje, e
reverentes esfolhamos urna saudade no tmulo do
grande estadista, cujas energas masculaa ao
vergaram ao peso dos obstculos oppogtos i. lei
de 28 de Setembro de 1871.
Baronesa de Muribeca Hontem, pe
las 6 horas da tarde, falleccu no engenhoS. Joio,
da Vanea, victima de enfraquecimento senil a
Barona de Muribeca, digna e virtuosa consorte
do Exm Sr. Barao do meemo titulo.
Tinba a lluatre finada cerca de 90 annoa de
idade, e desde algum tempo que se achaya doeiite
e Drostrada p lo mal que lhe reubou a vida.
Era irmado finado Gonie da Boa-Vista, de
aaudosa memoria, e tinba um carcter nobilissimo
de par com aciviladas virtules, que a tornaram
querida e respeitada de quantos a conheceram.
Caridoaa em extremo e sabendo cumpnr os prc-
ceitos da religio do Calvario, era a providencia
dos pobres e a conseladcra des aflictos.
O sea corpo est depositado na papella do ce-
miterio de S-n'o Amaro, ente aerio hoje rezados
pela sua alma os ltimos suffragios da igreja, s
4 horas da tarde, sendo depoia inhumado o ca-
dver.
Para as pessoae que quizerem assistir aquelles
actos llavera carros na ra do Imperador.
A'illuatre faailia da finada, e especialmente
su digno esposo, apreseutamos aossas condo
lencias. .
Aitampamento militar Como bavn-
mes noticiado, ua madrigada de domingo 25, o
Exm. Sr. general commanJaote das armas Jos
Clanndo de Queiroa marchou com a cavallaria e
0 2 batalbio de infantaria, formando brigada,
para Campo-Alegre local anteriormente escolhido
para acampar e tazer exercicios.
Alli chegando s 6 1| horas da manhi, foi aa-
sentaJo o abarracamento, ficando a cavallaria em
columna de div6es na direita e a infantari* em
linha de columna na esquerda, tendo os flancos
extremof, isto a cavallaria o direito e a infan-
taria o cequerdo/apoiadoa na mata que orla o cam-
po de r.m e entro lado do acampamento.
O Exm. Sr. general e seu estado maior acam-
pou recta-guarda da brigad.a orrespondendo
ao centro do abarracamento. Depoia de armadas
as barracas houve carn-aco, alm&cando aa pracas
s 8 horas.
Occnparam-ae aa prafis de 10 l|2 horas do ia
ao meio dia em trabalhos de guerra o faxinaa do
campo d is exercicios.
A's 5 1|2 boraa da tarde sabio urna partida de
cavallaria e infantaria para fazerern um reconhe-
timento, havendt) um ligeiro tiroteio, e regressa-
ram ao acaupamento s 6 1[2.
A'B 11 horas da noite ao toque de sentido tormou
toda forcB ; depois de p rcorrer o Exm. Sr. gene-
ral todo acampamento, toco descaucar.
N madrugada de 26 depoia do loque de alvo -
rada sabio a cavallaria a urna compaobis de in
tantaria para eip orar o campo e faier o reconhe
cimento da estrada at Campo Grande.
De 6 s 7 l\ da, ruaub irabalhou a infanta-
ria em c mpanliias de guerra e a cavallaria fea
exercici > a cavallo.
D.- 10 1|2 ao meio dia continuaran! oa trabalhos
de guerra. A' tarde houve exercicio geral de ba-
talhi paia a lufaiitana e de esqaadres para a
avallara, segu^mio-se depoii um importante
oniba'e simulado entre duas c impanbias de gutr-
ra, que com um nutrid fogo recibeu vivaa car-
ga* Ttnii ou o x^rocio com urna carga geral so-
bre o batxlho .ic quadrado.
O exerc-i.-io foi de um cffeito admiravel concor-
endo lm do Exm. Sr. presidente da provincia,
outras aotwdades e umitas familia, eerc i de
dea mil pessoa*.
A forca mostrou muita disciplina e adan tado
grao de mstrucclo. Todo o servioo foi feito con-
siderando-se o acampamento em territorio ni-
migo.
Aa refe9oea das pracas foram servidas ;i hc-
raa regimrntats e em abundancia, sendo os (ene-
roa de excellcnte qnalidade.
Hontem depois do toque de alvorada, s I bo-
tas da madrugada, tocou desarmar barracas e s
6 1|2 boras da man ti a retirsu-ae a iutantari i e a
evallaba cim o Exan. Sr. general commancante
das armas para esta cidade.
Nenbuma deepeaa fes o estado com este impor-
tante exercicio, tendo o Exm. Sr. general Clai ino
conseguido da Companhia de Trilhoa Urbanos do
Recife a Olinds e Beberibe todos os transpjrtes
do gneros e mattiiaes gratis, e, ainda mi.is, a
collocacao de um apparelbo telephonico em sua
barraca.
Tribunal dt Jarv do BeclfeHontem
com a preset.ca de 38 jurados funecionou esto tri-
bunal.
Apresentou-se para ser julgado o reo Agn.-ilo
da Cunha Sonto Maior, qne teve por advogido o
Sr. Dr. Materno.
O reo era acensado de ter com outros se ipoa-
sado, por meio de arrorabamento, na noite de 3 pa'.a
4 de Maio do anno passado, de diuheiro, joia), re-
volver e mais objectos perteacentes Andr An-
tonio Sirtata, residente ra de Thom de Sousa,
outr'ora Lingueta, freguezia do iecife.
Foi sorteado o conselbo de eentenoa, que se com-
pos dos se^uintes jurados :
Dr. Joaquim de Cerqueira Leite.
Fabio Faustino Fernandes da Silva.
Dr. Jet Mauricio Torrea Temporal.
Jovino da Silva Santiago.
Gedeao Forjas de Lacerda Jnior.
Manoel Alves Piuentel.
Francisco da Silva Miranda.
Jos Tavares da Silva.
Jos Maria Br kenfeld V. da Silva.
Joaquim Lucillo de Siqueira Varejio.
Jos Francisco Cardoao Ayres.
Dr. Jos Bandeira de Mello.
Seguio-se, depois de prestado o juramento pelo
conseibo o.iuterrogatorio do reo, que se disie vic-
tima de urna vinganca de um empregvde da po-
lica.
Seguio-se a liitura das picas do processo, e
bascado nestas o Sr. Dr. Oliveira Escorel d:scn
volveu a accusacSo, que findou pedindo a c=n-
d.mnaco do reo BaM penas do grao maniro do
art. 269 do cdigo criminal por se terem daclo aa
circumstancias aggravantes da noite, e do ajuste
A defeza baaeou-ae em negar a autora do acto
Ageito Doa autos, disse O defensor, nao consta
pro vas testemunhaea, e aim autos de pergunteB, ou
declara^oes fetas palos r;s. Se estas, sendo fa-
voraveia, nao lhes favorecem, muito menoa aendo-
Ihca prejudiciae*. Dada a hypotbese de qu; ae-
jam ellaa verdadeiras, e de valor juriiico, nao
prejudicam ao seu oliente, porque no procesno se
falla de Agnello de tal, mas oa outroa roa sendo
interrogados responderam, que Agnello de ta, nao
era Agnello da Cunha Souto Maior. Essan de-
claracoea foram arrancadas forca pela po cia.
Em visU da inculpabilidade do seu constituinte
podio ao conselho sua abselvicao.
Houve replica, e treplica, procurando ambas as
partes sustentarem a sua anterior argument co.
Pelo presidente do tribunal foi feito o reiumo
dos debates, e apreaentados oa queaitoa ao c nar-
lho. Becolbeu se este a sala aecreta, donde vi
tou passados viute minutos, trazendo a condemna
ci do reo quatro anuos e meio de gales e multa
de doae e meio por cento do valor roubade, medio
do|art. 269 do cdigo criminal
O reo appellou da sentenca.
Hoje entrara em julgamento os reos Sevenno
Jos de Sant'Anna, Antonio Marcelino de Souza,
Scbastio Jos de Sonza, e Benedicto Jos Oa
uto. _
Inallloto Arcneolosjlco Funcciona
amanhi, ao meio dia, o Instituto Archeologtco e
Geographico Peroambucano, discutindo-se o pare-
cer sobre os ossos encontrados n presumida ae-
pultura de Joo Feruandea Vieira, e sendo s pre-
sentado o parecer relativo proposta para enere-
ver-ae a historia da provincia de Pernambuco.
Compaabia Pernambueaoa- A d
do corrente, pelas 12 boras do dia, proceder-ee-
ba no escriptorio da Companhia Pernambucana
de Navegaco a Vapor ao sorteio de 263 obriga-
coes que devem aer resgatadas.
Companhia de Edlucac6e-Terioina
amanhi o praao para recolhimento da 8*preBt4cao
na razio de 10 / & 'alor das acco s da Compa-
nhia de Edificaces.
bra Publican-Amanhi, na Reparticio
de Obras Publicas Provncaea,recebem-se proVos-
tas para execucio doa reparos da ponte doa C^r-
valhoa, sobre o rio Jaboatio, oreados em------
4:189*485.
Companhia de Trllbou Jrbanosi de
Olinda Amarina, s horas e no lugar do coatu-
me, reunem-se em asaeinbla geral os accionistas da
Companhia dos Trilhos Urbanoa do Recite a Olin-
da e Beberibe, afim de tomarem conhecimento das
contas, relatorio e parecer da commissao fiscal, e
elegerem a nova commissao fisetl.
Asioclar&o dosj Bapreados do
(ommercio- Eacerramse a 30 do corrente
mes as matriculas para as aulas de Portugus.
Francs, Ingles, Anlhmetica o Escripturacio Mer
cantil mantidas pela Associacao dos Empregadoa
do Commercio de Pernambuco.
Vlasem ImperialEscreveram ao Jornal
do Commercio, da coi te :
Badn Badn, 25 ie Agosto.Sua Magostad < o
imperador contina a pasear bem, sempre no uso
de duchas e gymnastica. Nenhum incidente, fe-
lizmente, veio anda perturbar a convalescenca de
Sua Magestade que muito tem lucrad aqni a bem
da sua restauracao.
Grande eatranh-sa eausou um telegramma pu-
blicado na RpMique Frangat e daqui expedido
a 18 do corrente, no qual se affirma que Sua Ma-
gestade contina a padecer multe do figado, sendo
muito para duvidar que possa tornar ao Brasil
cujo clima quente teria de aei--lbe funesto. Parece
que a especulajoes de natureza commercial para
er attribuida essa falsa noticia, para a qual n
ha nem o mais leve fundamento.
S. M. a imperatriz, em razio do dores articula-
res, comecou o tratameuto de exercicios gymnas-
tieoa, por conselho di Visconde de Motta Maia, e
vai passando bem,a>m haver tido nenhum acceabo
asthmatico.
A 22 despediram-se de Suas Magestade para
vskarem a Paria a Condesa d'Aquila, seu filhj e
e u neto.
O principa D. Pedro Augusto acba- se anda em
Vienna na companhia de seu pai, o Duque de Saxe.
L vi- voltar para cqui no dia 28.
A 18 assiatiram Suaa MagesUdea, na Casa de
Conversaco, a um baile de criancaa que durou das
3 s *> da tarde ; e foi nesse mesmo dia que d'aqui
se annunciou para a RpMique Franfaise nio ha-
ver S. M. o imperador melborado e ser apenas
poasivel que a cura, a ser faliz, 1 jgre deter os pro
gressos do mal!
Tre8 dias depois, aqui cbogoo o re de aples,
Francisco II, que immedatamente visitoa Suas
Magestades. Nesse mesa dia Suaa Magestadea,
apesar do mo tempo que atugentou muitos emp-
eradores, aasistiram s grandes corridaa em Iffiz-
hcim, a asm bora de Baden-Baden em viagem de
carro.
A 23 assistiram a um concert dado son os hus-
picios da Duquesa de Hamilton por Felice Man
ci, tenor italiano, que cantou admirovelmento. to-
dos os trechos do programla, que baviam sido es-
cjlhtdos pelo proprio imperador. No diaimmediato
ouviram Suas Mage tadea no theatro urna opereta
d<: Johann Strauss.
Suas Magcstides teem recebido numerosas visi-
tas de pesBoas de alta gurarchia, tendo causado
aqui admiracao geral a etmplcidade e modestia
do imperador e da imperatriz, bim como a ame-
nidade do seu trato.
Suas Mgestades demorar se-bao em Badn Ba-
dn provavelmente al o fim de Se embro.
Tendo o Sr. Adolpbe Franck, do Inaitut >,
-.fferecido a S. M. o imperador um exemplar da
confer ncia ex qae tratoa da idea de Deua.e aoli-
citado de Sua Magestade que aedignaase de acei-
tar o titulo de memoro honorario daLiga nacio-
nal contra o atheismo, pubiicarain tolhas de Paria
orna carta na qual o Sr. Bario de Arinoe, de ordem
do imperador, declarou ao proteasor que Sua Ma-
gestade leria com vivo int-ri ase a cuferencia e
ac.eitava e agradeca com grande prazer o titulo,
contando que a aaaociacio demmpeubar no mundo
papel eminentemente til.
The Queen folha de Londres, La Ripubl'qtu B-
lustre e Pai IUtutr teem dado estampa re-
trat08 de Suaa Magestades, acompanhados de ar-
arttgos biographicoa nos quaes teem achado ichj
as sympatbias profundas e a admiracia que ceruam
o imperador do Brasil. '
Baden-Baden, 26 deAgosto-0 grio duqw de
Badn, que mostra aempre|o maior desejo de obae- -
q mar o imperador e a imperatriz, tinha posto t
d isposicio de Sus Magestades a sua tribuna para
os quatro diaa de corridas 31, 24, 26 e 28, de que
j fallei. O principe de W imar, presidente do
Clnb e do Sport, aeompanhou constantemente Snas
Mageatades, prcatiindo-lhea as honras que Ibes sao
de vidas.
Deas corridas entre todas foram muito disputa-
das. Em urna dellas o cavallo Malmaison, per-
teccente i exrainba de aples, ganbou o segun-
da premio de 500 marcos.
Na volts, apinbava ae mnito povo pelo caminho.
O nosso imperador, cuja pbysionomia sympathica
agora conhecida de tudet, recibe por toda a parte
onde apparecv os mais liscngeiros signaes de res-
peito e i cate ment.
... As ultimas corridas fon ni muito interessan-
tea. Havia muita gente, muitos carros e o tempo
estava apleiidido. O ttteple chast cfivr'ceu esta
particulatidade : alm das barreiras e obstculos
para saltar era preciso deacer urna montanha a
toda a brida. Ties cavalheiros tmente tcmaram
parte nesta corrida que foi bem succedid<.
Suas Magestades estiveram como das outras ve-
zes na tribuna do Duque de Badts. Nos inter-
vallos Sua Magestade desca para passeiar e con-
versar cem os seus amigea.
O imoamdor contina o teu tratameuto de du-
chas. Esta manha tomou o primeiro bauho na
piscina de natnfio.
Entre as pessoas que vieram ltimamente visi-
tar Suas Magestades citare o Sr. L.- Maitre, ex-
mnistro da Allemanha no Bio, que vai egora para
Alhenas, na meema qualidade, por motivo de sau-
de ; o Mrquez Alfien, senador italiano, e o llua-
tre escriptor rusao Tcb:katcbef, membro do Inati
tuto.
Entre oa innmeros artigoa e desenhos relativos
a Suas Magestades que estao na sala de leitura,
notei o fascculo de 10 diste m z, da IUutlrirles
llacU-Blalt (folba Ilustrada doa Bauhos), que se
publica todas as semanas em Vicnua. Pareceu-
mo aer a melhor Klha ntste genero, cem textimas
serio e boas gravuraa. Eate numero Iras os re
tratos de Suaa .Magestades c um artigo aaudando a
sua chegada a Badn : o plano do eatabelecimenlo
Friedrichsbad, e urna vista do hotel Stepbanie.
Este mesmo numero traz urna estatifica dos
lugares de banbos allemaes o austracos, pela q'ial
v se que at principios deste mez j tioham sido
frequsntados : Wiesbaden por 57.801 pessoas;
Baden-Baden, por 32 089; Cirisbad, 22.977;
Aix la-Chapelle, 17.451 ; Erna, 13.031 ; Mareu-
bid, 10.336, etc. '
Aa*tainaloNo dia 15 do corren'e e no
seu (ngenbo Tanque, do districto do Sertiosinho,
terso de Agua-Hre'.a, Martiniano Jos da Fouse-
ca, foi asaaaainado por Caetano de tal, que se pez
em fuga, apa a perpetracao do criioe.
A respectiva autoridade policial tomou conhaci-
mento do facto, mandou proceder viatiria a abri
o inquent* policial competente.
AccidenteNo dia 16 do corrente, em Bo-
nito, o menor Francisco P^rgeutino, estando a
brincar com urna espingarda, com que costumava
cacar,1 diaparou-ae ella, indo empregar-ae toda a
carga as co tas de um s?u companheiro de nome
Joao Honorato Martina Brayner, que ficou, feliz-
mente, levemente ferido.
Sobre este facto procedeu a respectiva autori-
dade nos termos do inquerito policial, aqueja
tora di do o cooveuiente di stino.
resalo aaecreatlvo Familiar Em
assembla geral reunem-se amanhi, s 6 horas da
tard, os membroa do Gremio liecretivo Familiar
pura o fim de elegerem a direccio da meima aa
sembla e tratar de outras assumptos. A reumao
no 1* andar do predio n. 19 da ra do Impera-
dor.
doalbelro lraune O estabelccmeoto
de joias dos Sra. J. Krause & C, i ra Io ds Mar-
co n. 6, conservar-se-ba boje fechado.
Moeledade Recreativa JoienilBea-
lisoa-se no dia 25 do corrente, nesta sociedade, a
eleicao para os novos funecionarios, que teem de
regel-a na annos de 1887 a 1888 e que ficou as
simgconstitnida :
PresidenteAntonio Teixeira Cerrj.
Vice presidente Manoel Coslbo de Miranda.
lo secretarioManoel do Carmo Almeida (ree-
leita).
2* ditoFrancisco Bodrigues da Cunb.
TbesoureiroJos Francisco Vieira de Magi-
Ihies.
Vice-thesooreiroAffonao Coeiho de Almeida.
Bibliothecario -Pedro Isidoro da Costa Morei
ra.
Commissao de exame de contas:
Josi Paulino de Castro Medeiros (reUtor j.
Francuieo Antonio Atis.
Joaquim nio Codeceira.
tiasstola im a seguinte carta recebemos a
quantia de i'.pOQO, que mandamos ao destino in-
dicado;
Srs. redactores do Diario de Pernanibucc
Dignaram ae Vv. Ss recommendando caridade
viuva da ra dos Guararapes ; nesse intuito,
pois. remctto-lbes a quantia de 10^000 para faae-
rem ehegar aa mioa da alludida viuva, e ella, acei-
tando-a, queira rezar, se nio um roaario, urna co-
rda ou terco na intencio da alma de Candida.
Um assignante do seu Diario.
Alasjoaa O paquete nacional Camilo, entra-
do hontem do sol, apenas adiantou datas de Ala
goas, de onde trouxe folhas at 16 do corrente.
Eia o que dellas consta.
Sio candidatos deputado geral p 'lo 3* dis-
tricto, o Dr. Jos Angelo Marcio da Silva (C), e
osDrs. Esperidiio Tenorio e Mariano (L).
No dia 21, o Dr. Caio Prado, presidente da
provinca, foi a villa do Pilar, acompanhado de
diversos amigos, sendo alli recebido com testas.
Suspenden sua publicacio o peridico Ala-
gSa.
ImprentaDe Pariz recebemos os ns. 14 e
15 da IlluslracSo, exceliente revista Ilstrala, de
Portugal e do Brasil, alli publicada pelo Sr. Ma-
riano Pnia.
Do Bio de Janeiro recebemos as seguintes
publicacoi'S :
Licoes de Franca, feitas de accordo com oa
pontos do programma para o exame de preparato-
rio de trancez, neste anno, livro escripto pelo Sr.
Dr. Alfredo Gomes e editado pelo Sr. B. L. Gar
nier.
Unido Medica, archivo quinaenario internacio-
nal de sciencias medicas, tasciculo 9* deste mez,
sendo este o seu sum nario :
Therapeutica das macosaa. La -raorcine daa
lea maladiea dea muqueuses, par M. le Dr. Justas
Andeer.
Clnica nevropathici. Notes pour servir l'-
tnde dea relations et de l'influence reciproque de
l'pilepsie ou de l'bypootiBme avec le rbumatisme
articulaire aigu, par M, le Dr. Soma Leite.
Clnica medica. Da uremia, pelo Sr. professor
E. Lioceraux.
Bevis'a daa clnicas. A molestia de Friedrech,
seu dUgoostico diferencia! cem a ataxia locomo-
tora progressiva e a esclorose em placas, pelo Sr.
professor Cbarcot. Diabetides genitaes gangreno-
sas, pelo Sr. professor Fournier. Nevrites peri-
phericaa no rheumatismo chronico, peloa Sra. pro-
fessores A. Pitres (de Bordeaux) e L. Vailiard, de
Paria. Algumas palavraa sobre o empreo do
iodoformio no tratamento da tuberculosa genito-
urinaria, pelo Sr. Dr. Henri Picard. Da nio on-
tagiosidade da tuberculose pulmonar, pelo Sr. Dr.
Tnomas Maya, de Pbiladelphia.
Cartas de Pars. Une nouvelle mthodo d'ana-
lyao du sang, par M. le Dr. Ch. Eloy.
Bevista dos livros. Fragmenta de chirurgie et
de gyneolo^ie opratoire contemooratns, par le
Dr. Brtasay. Manuel techoique de microbio-
logie, par le r. E. Van Ermengen. Lecons de
clinique chirurricale, par ie Dr. Andr Boursicr
Pelo Dr. Vieira de Mello
Revista das tlieses. Estudio de psicopatulogia,
these inaugural de Samuel Gach Pelo Dr. Viei-
ra de Mello.
Bevista doa jornaea. Prophylaxia individual
da diphtberia. Emprego do oleo de tbeiebeuti-
na na diphtberia. A aaaociacio dos medica-
mentos.
luJ.cacoes uteis.
Suppiemento. Eapecialidadea pharmaceuticas.
Revista do Observatorio, n. 8, de Agosto, cujo
summario este :
Tempestade dos diaa 11 e 12 de Julho. Mtho-
do para determinar a ascencio recta e a declina-
cao de um astro por meio de observaces feitas
com nm sextante e sua applieagio determinacio
Cb Imgitudedo ugar. Sobre o planeta Marte.
Di s annos de progresso da astronoma (1876-1886).
Bevista das publicado s. Aspecto do co para o
mes de Seti mbro. O eclipse total do sol em 19
de Agosto de 187. J..rnal meteorolgico do mez
de Julho de 1887. Besumo das observaces me-
teorolgicas feitas no imperial observatorio no mes
d Julho de 1887. Besumo das observaces me
teorologicas leitas em Santa-Cruz no mes de Julho
de 1887. Revista climatolgica do mea de Julho
de 1887. Noticias varias, Observaces simul-
taneas.
Navio encontrado---Communicou o capi-
tio da barca allemi Germauia, entrada hontem
do Memel, que no dia 20 de Agoato pr ximo pas-
eado encontrara com urna barea austraca, cujo
nome corresponda s iuieiaes J. N. K. D., na lat
88 N. e long. 22 W, a qual ia de Liverpool com
destino a Buenos Ayres, levando j 20 das de
boa viagem e m uovidade alguma a bordo.
Inirodudiio de ImmlgrantesjLemos
no Jornal do C mmercio da corte :
Declarou o Ministirio da Agricultura pre-
sidencia da provincia do Para que para a effecti
vidade da conceesao feita ao bacharel H. V. Fiock
Bomauo, dever ser celebrado com o introductor
contrato firmado naa bases seguutea :
Ia Serem oa immigrantes introdusidos do
norte da Italia, ou portugueses, quer do continen--.
te quer das ilhas, aadios, morigerados, robustos,
dados ao servido da lavoura e de idade nao maior
de 45 annos, salvo se foreiri chefes de familia ;
constituindo estas p lo menoa duas tercas partes
do numero total e obrigando-se o concessionaro a
reembarcar por sua conta ca individuos que nio ae
acbarem nestaa condifoea.
2. Ser o transporte dos immigrantes effe-
ctuado em navios de 1' claase que facam directa-
mente a viagem dos portos de procedencia at
capital da provincia, e tenham aa accomm (dacoea
convenientes, sendo observadas todas as regraa e
preecripfoea indicadas no regolainento approvado
pjr decreto n. 2,168 de 1 de Maio de 1858 para
garanta da hygieue, commodidade e boa alimen-
tario doa m' sinos 'inmigrantes, aasim cmoda ac-
guranca deatea a bordo.
3.* Nio ser exigido dos immigrantea m .is do
que duas tercas partes do custo das passageua di-
rectas do porto de embarque at o da cidade de
Be.lm. Tal preco dever Ber precisamente deter-
minado no contrato, tomando por base a tarifa vi-
gente as litihqs de naveacao que fazetn taes
visgens, e tendo vista aa reduecocs habituaes
relativamente hos menora de 8 a 15 ou 12 aunos,
e de 3 at 8.
4.* Sirem as quali ladea d s immigrantea, ea-
tab-'l-cidaa no art. 1 attestadas pelos cnsules
comp't.ent s, vista de documentos authentios.
Cada expedicao dever aer acompanhada de lista
em duplcala, firmada pelo cnsul que residir no
porto do embarque, aa quaes conterio o nooie, ida-
de, naturalidad, estado, protnsi) o reltgiio de
cada individuo. Urna das listas ficara na secre-
taria provincial para a conferencia o outra ser
enviada inspectora g ral de trras e colonisacao,
nesta o.-t", logo aps a chegada de cada expedi-
cio.
v 5 O pigamento da terc,i parte do cuaio das
passagens, p?la qual s<; obriga o governo irap.srial
comente se eftVctuar depjis que os immigrantes
estiverem conveuieutemente c illocados em eatabe-
lecimentoa agrcolas. Dever a presidencia pro-
videnciar para que, chegada doa inmigrantes,
encoitrem estes, nao s o preciso Hgasalho, mis
os mei'.'S necessa'ios para o aisu transoorte at
|uelles eetabelecimentoa, noa quaes ser onve
tiente que tenham alguna auxilios, como ran-.-ho
p*ra au abrigarem Ciio a familia, aementns, ferra-
mentas, etc.
Dos pagamento] q-ie fjrem acndo efiectuadea
dever ter immediato conhecimento o Ministerio
da Agricultura, ao qual ser enviada, com urna
daa viaj da conta paga, a ralacio dos lotea onde
furem estabelecidos os inmigrantes, com declara-
eao da localid-ide e dimensoes d>s mesmos lotes.
6." Terminar o contrae^} com o anuo de
1888, devendo sor sujeitado approvacao do Mi
mate rio da Agricultura com os additamentos que a
presidencia julgar CJQvenintes.
sVazenda naclonaeai no Plauliy=Le-
nos na citada folha :
Orden .u o Ministerio da Fazenda compe-
tente theaouraria do Piauhy que ponha disposi-
ci da presidencias *b fasendea nacionaea Cachoei-
ras, Cinnavieiraa e Cach, bem como a parte das
denominadas Grande c Boqueirio que for neces-
saria para completar as aeia leguas em quadro a
que se refere o art 16 da le n. 514 de 28 de
Outubro de 1848. Nos termos da lei de 20 de
Outubro de 1817, ser tirada das duaa ultimas a
rea precisa igreja de S. Joio do Piauhy, cuja
sede demora na extremidade daa mencionadas fa-
sendaa.
O prectadi art. 16 conceden a cada provin-
cia do imperio, na m.'Bina oa em diferentes locali-
dades do sen territorio, seis leguas em quadro de
trras devolutas para serem destinadas exclusiva
mente colonisacio. nao podendo ser roteadas por
bracos escravos. Taes trras nao poderio Ber
transteridas pelos colonos emquanto nio se acba
rom efectivamente cultivadas e utilisadas, e re
vertoio aa. d mioto fsanncial se dentro de cinco
annoi nio ti ven m Os colonos cumprido esta con-
dicao.
E' preciso faser just:js ao legislador de 1848,
reconbacendo nesta previoente disposioao, infeliz-
mente mallograda. intuitos elevados, no problema
da colonisacio. Nio menos para notar que j
entio ae procuraaae impor ao trabalho escravo a
restriccio que cima deixamos indicada.
A deapeito de taes disposicoas, foi tio semen-
t a provincia do Bio Grande do Sol qne logrn
tuodar colonias Decapadas por immigraotes. A
provincia de S. Paulo s nos ltimos tempos de-
dicou-se a igual empresa com a energa que coa-
turna por nos melhoramentos qaa emprehende. A
do Para, nio tendo sido feliz naa suas recentes
tentativas desta natureza, prosegue, todava, na
execucio do seu plano. Minas Geraes e o Bio do
Janeiro oceupam-se da tarefa.
O acto addiciooal (lei de 12 de Agosto de
1834) commettiu s provincias a attribuicio de
promoverem, cumulativamente com os poderes ge
raes, o estabelecimentode colonias. As circum-
stancias, que atraves8amo8, tornam est- preeeito
muito recommendavel. Colonias bem situadas, e
dirigidas cam discemimento, hi de sem duvida
constituir para as provincias centros utilissimos
de populacio e de actividade.
Criase acrllesjoO Correio dos Estados-
Unidos recebeu do Mxico os seguintes pormeno
res de um drama occorrido no dia do Corpo de
Deus, na cathedral da cidade de Moretta, sede do
Estado de Michoacan :
i A igreja estava litteralmente ch ia e o biapo
Cazares, que acabava de dizer a mise, achava se
ainda no altar quando um padre ae chegou a elle.
Sem se voltar e suppondo que era um dos ti -ia, o
prelado esteudeu-lhe a mi para que elle beijaase
o annel. O padre heaitou um momento; depoia, s-
bitamente, tirou debaixo da sotaina urna grande
faca e terio o bispo. Ouvio-se um clamor o um gn
to dado por um menino da coro, :iue, estando ao
lado do bispo, estendera o braco para desviar o
golpe. Mas a lamina da faca atravesaou-lhe o bra-
co e penetrou em seguida profundamente no corpo
do prelada.
Vendo o bispo cahir e o assassino romper por
entre a multidio, feriado para a direita e para a
eaquerda, oa fiis tomaran se de grande pnico.
Seguio se um tumulto espantoso, gracas ai qual o
assassino conaeguio sabir da igreja, sendo porm,
agarrado um p meo mais adiante por dous agentes
de polica.
O assassino chama-se Pablo Bojas e tem 65 an-
nos. E' um maniaco terrivel. Imagma-ae perse-
guido.
Poato grave, o feriavnto do prelado nio lhe poz
a vida em risco.
Canamento e divorcio. O caso que
vamos referir deu-se ltimamente em Francfort.
Um mancebo d'aqurlla cidade, depois de ter pro-
nunciado um solemneimmatrimonial dtante
da autoridade, pedo a esta para que em presenta
de todos o que assistiam ceremonia que Ibo iu-
dicasse quaes eram as formalidades necessanaa
para se conseguir o divorcio.
A autoridade a urna tio estranba peticio deu-
lhe as informado '8 pedidas. Ncate orneos o re-
cem-casado, ebrio de alegra, escreveu sem perda
de te i pj a petico para o divorcio.
Interrogado acerca das ra^oei que o levavam a
proceder assim, resp mdeu :
Os tribunaes condemnaram-me a[ casar com
esta mulher ou pagar 10,00) marcos. Casei-me
para cumprir sentenca, e agora uso do meu di-
reito de divureiar-me de roinha mulber.
LongevidadeO aomem m is velho do
muuJo i um preto ch mado Jemes-James, naaci-
do na Carolina do Sul (Estados-Uuidoa da Ameri-
ca), em 1752.
Em 1776 combatea contra os ingleses e contri-
buio om denodo para a independencia da sua pa-
tria.
Conheceu naturalmente La Fayette, e conta mi
nuciosamente oa pr menores dos t-st-jos que fo-
ram fetos em 1792, por occaaiio da eleicio de
Washington para prtsideute da repblica.
Contava 40 a .nos uYssa poca.
Beside actualmente nu Mexuo, fasend i a fortu
na d aldea, pus nio ha viajante que nio v ver
o pobre velho, que, pela robustez que ainda apr-
senla, parece na verdade inmortal.
Ntese que Jemes-James est em pleno aso
das suas laculdades intellectuaes e pbys cas e
passeia na povoacio com Unto desembarazo cuno
um re paz de vinte annos, quando o bom do preti-
nho se nao galga, conta 135 annos.
A divida dn* KatadoN Urt'ldosA di
vida nacional da Estadoe Uoidoe teve durante o
mez de Jnnho ul.imo urna diminuicio de......
33:000:0002 Durante todo o ann i econmico a
diminuicio foi de 201:000:000*000 ris.
A divida ascende actualmente a 3:336:000:000*
de capital e 25:000:000*000 de juros ; mas dedu-
zindo o numerario existente naa reas do the-
souro, vera a ficar reduzido a 2:500:000:000*000.
Ulrectorla dax otirai ae cvaierta-
rao do* portnBoletim mcteorclogico do
dia 26 d^ Setembro de 1887:
Hjraa g S Barmetro a 0* Tc-asao do vapor a 1 -o a 3 m
6 m. 24-9 761 "'90 17,81 76
9 26* 1 763*07 17,04 76
12 27'; 762-20 17,65 62
3 t. 27"-6 760*91 17,96 65
6 se*s 761">-10 18,11 73
Temperatura mxima28',50.
Dita mi-lima24",75.
Evaporado em 24 boras a<> sol: 7',2 ; som-
ora: 3-,9
Chuvanulla.
Direcco do vento : SE varia vel entre SSE e
ESE de meia noite at 5 horas e 5 minutos da
Urde; SEc ESE variaveia at meia noite.
Velocidad meda do vento : 3f,94 por segando.
Nebulosidad! modia: 0,56.
f!i letimj do porto
. 1
p.
B.
f.
ri.
H.
M.
H.
vi.
Da
t de Setembro
9
27 de Setembro
Huraa
1 0 da Urdo
720
127 da man ha
8 0
Altura
l.m93
0,m9
8,07
0,^75
i Hoje :
Pelo agento Peatam, ao meio dia, ra do Vi-
gario Tenorio n. 12, de predios.
Pelo ageute Pinto, s 11 horas, a ra do Max
qu.z de Oliuda u. 52, di variu3 g eros, o d cir-
ueiros, bizerroa, etc.
Pelo agente Uusmo, a 11 horas, ni ra do
Marqu z de Olinda n. 19, Jo movis, louoa e vi-
droa.
Pelo agevt Modesto Bapiista, s 11 horaa, no
trapieh; Biliar, de putrechos de navios.
Pelo agenta Martina s 11 boraa, ra de
Lomas Valentinas n. 46, da ar.nacio e genroa
abi exisleutea.
Amanbi:
Pole agente Pinto, ao maio dia, en Lirao.'ico
do predio silo no otao da matriz.
Pelo ageuta Britto, a 10 1/2 hora3, na ra
do Bom J.su n. 1"), dj movis, loucis, vidros,
etc.
Pelo agente Silveira, ao meio dia, uo largo do
Paraizo u. 41, de predio.
Pelo ag.aite Pestaa, j 11 horas, ra do Vi-
gario Tenorio h. 12, 1 predios e saofOM.
Sexta feira:
Pelo agente Stepple, s 11 h-.ras, ra do Im-
perador n. 2?, de predios.
Pelo agente Pinto, ao meio di*, ra do Mar
quez de Olinda n. 52, de um .eabriolet e um ca
vallo, de urna chcara, e de urna vacca tourina.
Pelo agente Britto, as 11 horas, ra Direita
n. 127, da araiacao e utencilios da padaria ah
sita.
Ma* a* fnebres -Sal) culebra i -a :
Hoje :
A's 7 horaa, na igreja de 5. Pedro Martyr de
Olinda, por alma de Miguel Pereira Giraldea ; a
7 horaa, na matriz de Palmarea, por alnada la
racl Aflonao Ferreira ; s 4 le4, no convento de
S Francisis*, por alma de D. Antonia de Paula
Mafra ; a 8 horaa, na capelia do eogenho Aran-
d, por alma de Feliz de Albuq lerque Mello.
amauhi :
A'a 7 horaa, na igreja da Soledade, por alma de
Iaabel Afibnso Ferreira.
Scxta-teira :
A'a 7 1(2 horaa, na matriz da Boa-Vista, f
alma de Joio Martina do Bio.
babbado:
A's 7 horas, na Penha, por alma de D. Anua
Amelia C- de Ar.ujo.
PaNatagelrosCbegadoa dos portos do sul
no vapor nacional Camdlo :
Augusto lioliin, Eduarao de Moraes, Bodrigo
de Moraes, Cari Hinsing, Olivio S. Vidigal, L>u-
renco 3. Cavaltante, Antonio Pinto, Jos s> Jnior, B. Barbosa, Jca da Ceata, Baymundo
da Silva Cunha, Jos E. da Silva, Jos Varella
Santiago, Joaquim Ferreira da Silva, Dr. Manoel
do Nascimento Pontea, Antonio Jeronymo de Oli-
veira, Silveiio F. de Araojo Jcrge Filho, Madame
Elixabeth, Dr S.vero G. Pirea, Joio aa Silva,
Manoel de A. Netto, Franciaco Pires Ibiapina.
sua senhora e 6 filbos.
__ Sabidos para o norte no vapor nacional
Camillo : .
Antonio P. Carneiro da Silva, Jeao Kibeiro
Maia, Gaiseppe Mangieri, Joio B. S. Gasman, San-
tiago Bernale, Francisco Ferreiro, Manoel A. Paes
Barbaaan, ex-cabo Antonio Fortunato da Silva e
sua senhora, Maria Carolina, Jos Varella San
tiago, Manoel M. Guimaraes, Victoroo Vinagro e
Luiz Antonio de Souza.
Proclamas de casamentoForam In-
dos no domingo 25 de Setembro na matriz da Boa
Viata oa aeguintes :
Pergentini Mendea de Souza Ferreira com An-
tonio* Baptiata Ferreira.
Apolonio Daniel de Figueiredo com Clotildes
Amelia Alvea de Carvalho.
tteunioen aoclaea -Ha amanhi a segua
te :
Do Becreio Infantil Nove de Agosto, s 3 horaa
da Urde, cm sua sede, (Institute Acadmico) em
aea sio ordinaria do costume.
- S- xta-feita ter lugar a seguinte :
Do Ncleo AitiBtico Abolicionista, em seaso
extraordinaria, s 6 horas da tarde, na ra do Co-
ronel Suassuna n. 190.
Hospital PolugaeiO movimento das
enfermaras deste hospital na semana finda, foi o
seguinte :
Exiatiam em tratamento...... lo
Entraram durante a semana.. 2
Sahiram curados............ J
Falleceu..................
Ficam em tratameuto......
plano, ser ext-ahida no dia 30 de Setembro, im-
,-ireterive'mente.
tio Cear : com nm importante plano, cuja
premio grande de 40:000*000, eer exlrahida
no t^ia 1 de Ontubro.
Do Gro-Par : A 7* p-.rte da 12 lotera,
pelo novo plano, cujo premio grande do 100:000#
ser extrahida hoje 28 do corrente, mpreteri-
velmente.
De AlagoaNt A 2.* parte da 20.> lotera,
pelo novo plano, cujo premio grande de........
40:000*000, ser extrahida amant 29 de Setem-
bro, (quinta-feira), s 3 horaa da tarde impre-
terivelmente.
Jboterla do Grao-Para A 7* parte da
12a lotera desta provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 100:000*000, aera extrahida
boje 28 do corrente (quarta-feira) impreterivcl-
mente.
Os bilhetcs acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23, de Martina
Fiara 4 C.
Lotera do Espirito Santo-A 4' par-
fe da 4 lotera desta provincia cujo premio gran-
de 50:000*000 acra extrahida no dia 30 de
Satembro.
Os bilhetea acbam-se veada na Caaa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 Martin Fia-
ra &C.
IiOteria do CearEsta acreditada lote
ria :ujo premio maior do 40:000*000 ser ex-
trahida no d>a 1 de Outubrc.
Os bhetea acbam-se a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 de Martina
Fiura & C.
[olera de tlaaroas A 3.* parte da 20*
I iteria, pelo novo plano, cujo preme grande de
40:000*000 ser extrahida amanha 29 de Setembro,
(quinta feira) a 3 horaa da tarde, mprettrivel-
Dteote.
Oj bilhetea acharase venda na Caaa da For.
tuna ra Primeiro de Marco n. 23, de Martin
Fmza & C.
Lotera da provincia do Paran-
A '1* lotera desta provincia,pelo novo plano, ca-
jo premio grande de 12:000*000, ae extrahir
no dia 4du Outubro.
Bilhtes a veuda na Caaa da Fortuna, roa
i'rimeiro de Marco numero 23, de Martina Fiu-
za & C.
IiOteria de Paulo Esta lotera cujo
premio grande Je 9:000*000, sri extrahi la tm-
prnterivelmente no dia 3 de Outubro (segnada-
feira).
Os bilnctesacham-ae venda na Casa da Porta,
na ra Primeiro de Mure) n. 23, de Martina
Pinza & C.
Cemlierlo publicoOb taario do dia 26
do corrente :
Mari*. Geraciaa da Concedi, Bio Grande ds)
Norte, 30 atnos, solteira. Boa-Vista ; tubrculo
pulmonares.
Ignacia Francisca da Conceicie Patricio, Per-
nambuco, 50 annos, viuva, Becife ; queiinadura.
Bcnidita Maria da Concecao, Pernambuco, 70
annoa, viuva, S. Jos; gaacro-interite.
Joanna Alves da Cunha Figneiwdo, Pernam-
buco, 75 aunoa, viuva, Boa-Vista; alienaci
mental.
Dsmiao, i mezes, Boa-Vista; convuUooa.
Hoaonna Maria da Conceici, Pernambuco, 11
anuos, silteira, Boa-Viata; feb.-o perncios5.
Jos Per. ira da Porciuacula, Pernambuco, 28
auno?, casado, Boa-Vis'a; mberculoa pulmo-
nares.
Joio Francisco de Almeida, Pernambuco, 50
annoa, viuvo, Boa Vala ; dyarrha.
Francisca Th^reza da Conceicio, Pernambueo,
15 annos, solteira, Boa-Vista ; bypoermia interato-
pical.
*
15
18
Entrou de eemana o Sr. mor Jomo Manoel Joa>
quim r'ereira.
Casa de DetencaoMovimento doa pre
sos da Casa de Deteueio do Beciie no da 26 de
Setembro de 1887 :
Exiatiam 377 ; entraram 3 ; sahram 4 ; ens
tem 376.
A saber :
Nacionaes 353 ; mulheres 7 ; estrangeiroa 9 ;
eacravos sentenciados 6 ; dem processado 1 ;
Total 376.
Arrabiados 357, sendo :
Bona 3 35 ; doentes 22.Total 357.
__ Nio houve al te fio na enfermara.
Loteras diversasA Casa Feliz, de A.
A. dos Santoo Porto, na praca da Independencia
ua. 37 e 3?, tem a venda os bilhetes das seguintes
loteras :
Espirito-Santo : A 4 parte da 4 lotera,
cujo premio grande de 5Q:0O0*0O0, pelo novo
plano, se extrahir no dia 30 de Setembro impre-
tenvelmente.
AlagSas: A 3. parte da 20. lotera, pelo
n-vo plano, cujo premio grande d9 4i :000*000,
ser extrahida amanbi 29 de Setembro, aa 3 ho-
ras da tarde, impreterivelmente.
__ Provincia : A 10 lo'eri, pelo novo plano,
cujo premio grande 12:000*000, se extrahir
quando for annunciada, s 2 h ras da tarde em
beneficio da Santa Casa de Misericordia do Be-
cife. ,
__ Do Cear : com o premio grande de.......
40:000* (novo plano) ser extrahida no dia 1 de
Outut-o.
Bilnetes de loterasEm mi do agen
te Beroardino L pea Alheiro acbam se a venda os
oilh.-tes das seguintes loteras:
Do Espirito-Manto : A l1 parte da 4* lote-
ra, cujo premio grande de 50:000*, pelo novo
CBR0N1CA JUDICIARIA
Tribunal da Rela$o
sESSO OBDINABIA EM 27 DE SETEM-
BBO DE 1887
PBR3IDESCIA DO EXM. SB. COSSELUEIBO
QUINTINO DE UIRAKDA
Secretario Dr. Virgilio Coeiho
A's boraa do coatame, preaentes oa Sra. desem-
bargadorea em numero legal, foi aborta a sessao,
depoia de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e pas9adoa os fetos deraa-ae os
seguintes
JDLOAMENT08
Habeas corpua
Pacientes :
Antonio da Cuuha Guimaries.Mandou-sc ou-
vir o reap ctivojuiz de direito.
Luiz Gadelha de Oliveira.Mandou-se ouvir o
juis de direito do 3' diatricto.
Genuino Alvea Bodriguea. Mandou-se ouvir o
juiz de direito do 2 diatricto.
Severiuo Aleixo de Vaaconcelloa. Mandou-ae
soltar, unnimemente, decretndole a responsa-
bilidad do escrivio de Caruar, Antonio Bodri-
gues Braaileiro Carvalhaes.
Be^araoa Crimea
De Villa BellaBecorrente o jaizo, recorrido
Clemeatino de Soaza iniz. Belator o Sr. dea-
embargador Delfino Cavalcante.Negou-se pro-
vimento, unnimemente.
De Ouricury Becorrente o juizo, recorrida
Apolonio Pedro da Silva. Belator o Sr. deaem-
bargador Oliveira Maciel Deu-ae provmento,
unnimemente, para ae annullar o processo.
Appellacoes Crimea
Do PeoedoAppellante Atexandre Francisco
Leite Machado, appellada a jaatifa. Belator o
Sr. conselheiro Queiroz Barros.Coufirmou-ae a
sentenfa, unnimemente.
Do CaboAppellante o juizo, appellado Anto-
nio Seraphim doa Santos. Belator o Sr. conselhei-
ro Queiroz Barros.Mandou-se a novo jury, un-
nimemente.
Do BrejoAppellante Caetano Jo3 de Olivei-
ra, appellada a juatica. Belator o Sr. couselheirs
Queiroz Barros.'Joifirmou ae a aentenca, un-
nimemente.
Da Palmeara doa Indios Appellante o juizo,
appellalo Manoel Limeira da Silva. Belator
Sr. desembargador Buarque LimaMandn-aa
a novo jury, unauinemente.
Do Beeif Appellantes o promotor publico,
Francisco Csrdoto Leal e outros, appellados Hen-
ri jue Ferreira Pontea e a juatifa. Belator o Sr.
desembargador Delfino Cavalcante. Coufir nou-sfl
a aentenfa, unnimemente, nio se tomanlo conhe-
cimento da appcllafio interposta pelo reo Leal,
nesta parte contra o voto do Sr. desembargador
Tavares de Vasconceilos. O Sr. desembargador
Oliveira Maciel dava provmento a appellacaj do
promotor publico.
De Iguaraas AppellanUs Manoel Vieira da
Silva, appellada a justifa. Belator e Sr. desem-
bargador Buarque Lima.Mandou-se a novo ju-
ry, unnimemente.
De Ingazeira Appellante o juio, appellado
Cypriano Jos da Bocha. Belator o Sr. desem-
bargador Buarque Lima.Mandou-se a novo ju-
ry, unnimemente.
De SerinhiemAppellante o juizo, appellada
J^ao Fagundes doa Santoa. Belator o Sr. desem-
bargador Toacano Barreto.Confirmou-ae a sen-
tenfa, contra oa votoa dos Srs. desembargadorea
Tavares de Vasconceilos, Oliveira Maciel e Del-
fino Cavalcante.
Appellacoes civeia
De Villa BellaAppellante Jeronymo Theoto-
uio da Silva Loureiro, appellado Joio Bezerra
Leite. Belator o Sr. desembargador Delfino Ca-
valcante. Be visores oa Srs. deoembargadorea
Oliveira Maciel e Pirea Ferreira.Foram despre-
zads os embargos, unnimemente.
De OlindaAppellante D. Olympia da Fon se-
ca Gomea, appellada D. Clara Joaquina doa Pra-
zerea. Belator o Sr. desembargador Toscano
Barreto. Beviaorea os Srs.. desembargadorea
Delfino Cavalcante e Oliveira Maciel.Coufirmoa-
so a sentenfa, nnanimemente.
Appcllafio commercial
De Bom JardimAppellante Autonio Bernarda
da Moura, appellad i Joo Alves Camello de Arau-
jo Pe'eira. Belator o Sr- d'aembargador Delfi-
uj Cavalcante. Beviaorea os Srs. desembargado-
rea Oiivcira Maciel e Pirea Ferreira.Foram dea-
prcradoa os embargos, unnimemente.
PASSAQEN8
De Sr. conselheiro Queiroz Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellacio commercial
Do BeeifeAopellantes Ferr ira Guimaries 06
C, appellados Niolo Larcipretes & C.
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toacano Barreto :
Appellacoes crimes
De Anadia Apollante o juizo, appellada
Luis Bodrigues de Meneses.
/

*

;
4
*
LJifllPJ



Diario de Pernaiubuco(luarta-feira 28 de Setembro de 1887




Dj Reeife Appallaate Augusto Moreira da
Silva, appellada a Justina.
D Jabaato Appellante o juixo, appellado
Lua, escraro de Liaren?-) B'iiba-i Coelho.
De Beaerros Appellante o juno, appellado
Eneas da Almeida Pedros a.
Dj Aguas Bullas Appellante Manoel Joo
Chrysostonno, appellada a juatica.
Do Sr. deeembargador Toscauo Barreto ao 8r.
desembargador Delfioo Cavslcauts :
Conflicto de juriadieco
Entre os juies de direito da provedoria e das
Jeitos da faaeuda do Kecife.
Dj Sr. de8embirgador Del fino Cavalcants ao
8r. desembargador Olireira Maciel :
Appellacps crimes
De Pa'miresAppellante Antonia Andr de
Barros, appjllada a justica.
De Garaohuna-Appellante ojuiso, appellada
Quitcria Virtuosa de Mello
Appellacao civel
Dj ReeifeAppellante o juiao dos feitos da f-
aenda, appelladoa Bernet & C.
Dj Sr. desembargador Oliveira Maciel ao Sr.
desembargador FirdS Ferreira :
Appellacoes commerciaes
De Camiragib;Appellante Antonio Jos Ro-
drigues, appellado Mame l Heleno Rodrigues dos
Santas.
Do ReeifeAppellante Francisco Manoal de
Siqueira Cavalcante, appellados Tarares de Mel-
lo Georo & C.
Do ReeifeAppellantes Ernesto & Leopoldo,
appellado o tenente-coronel J os de Oliveira Cas-
tro.
Appellacoes crimes
De PalmaresApp -liante Francisco Nun?a da
Silva, appellada a juatica.
De Ala {da Grande Appellaute ojuio, ap-
pellado Mau i-i Mendes da Silva.
O Sr. desembargador Pires Goncalves, como pro-
curador da corda e promotor da justica, deu pa-
recer nos seguintea teitos :
Appellacoes crimes
Do BonitoAppellante Francisco Mendes da
Silva, appellada a justica.
De Palmares Appellante o juiao, apptllado
Sergio de Siqueira Campos.
De MamanguapeAppellante Manoel Soaroa
de Oiivcira, appellada a justica.
Dj CimbreaAppellante Antonio Gamelleira,
appellada a juatica.
De Banau.-irasAppellante o juiao, appellado
Jos de Oliveira Mello.
Dd Bom Jardiui-AppelUnte o juir?, appellada
Bernardina Mara d) Nascimonto.
Do PilarAppellante o juizo, appellado Ma-
acel S raphim da Silva.
Do Sr. desembargador Al ves Ribeiro ao Sr.
desembargador Cavaras de Vasconcellos :
Appellacao crime
Dj LoueiroAppellante Fortunato Alves Pi-
aheirj, appellada a juatica.
Appellacao civel
Do ReeifeAppellante Luiz Pereira de Faria,
appellado Antonio da Silva Ferreira Jnior.
Ao Sr. conselheiro Queiroz ^Barros :
Appellacao crime
De TaquaretiagaAppellante o juizo, appella-
do Manoel Vicente Monteiro.
Dj Sr. desembargador Tararea de Vasconcellos
ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Appehacea cireis
Dj RjcifeAppellante Jos Sjares do Amaral,
app-'llads os hecdeiro3 de Francisco do Reg
Pontos.
Dj Re;ife Appellante Antonio Joaquim Mo-
rein Sampaio, appellada J oaquim Jos Alves
G ai maraes.
Appellacao crime
De PalmaresAppellante Jos Joaquim de Me-
deiros, appoilada a justica.
DILIGENCIAS
C.m vista ao Sr. desembargador promotor da
justica :
Appellacoes crimes
Do TimbabaAppellante o promotor, appella-
do Joo Francisco do Risario.
D- Gravat Appellante Jos Jaciutho da
Costa, appellada a justica.
De Beaerros Appellaute o juizo, a;'pailaio
Mano:! Vieira da Silva.
De Palmares -Appeiianle Joaquim Simo doa
Santoa, uppcilala a justica.
Do ReeifeA pi-llante o juis', appellalj Flo-
rencio da Silva Siqneira Varejo.
Mandou so a urna diligencia a
Appellacao crime
Do OndaApp liante o pro.ao'or publico,
appella Jj Firmino Manoel Fcrr ir i do Nascimonto.
distribuid-Oes
Recursos cleiioraes
Ao Sr. desemb irgad ir Oliveira Maciel :
Do ItarnbReorreote Mino-1 Cassiano de
Oliveira Vasco ocellos, recorrido Liureutiao Go-
mos K >zado.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De Itainb-R-corren' Mano'.l Caaaiano de
O.iveira Vasconcellos, recorr lo Manoel Cordciro
Leitai di Mello.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Do PambRteorrente Maaoel Cassianj de
Oliveira Vaacjnc. Iloa, recorrido Viriato de Paula
Bodri.'U s.
Ao Sr. desemiargador Pires Goncalves :
D: ItarabR corrente Maoiol C Olireira Vatcoueellos, recorrido Jos Mauricio de
Sant'Aiia P ==oa.
Recursos crimes
Ao Sr eooaelbeiro Q iciroz Barros :
Do Reeife -Recrreme Antonio UaeUno da
Silva K ; y. reeor. i lo o juizo do 2 districto.
Ao r. desembargador Bu arque Lima :
D CamaragibeRecorreate ojuixo, recorrido
Luiz Alves de M tara
Ao Sr. dea.'in'nrgador Toscano Barreto :
Dj Reeifo Recurrente o bacharel Arthur de
Barios Falcao do Lacerda, recorrido o j nao do
2' districto.
AppelLcea crimes
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De Taqnare'ingaAppellante Jos Constanti-
no de Mello, appellada a j'Mtic*.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De Timbaba Appellante Sebastio Correia
da Rocha, appellada a jnatica.
AoSr. desembargador Alves Ribeiro :
Do TeixeiraAppellante Manoel Victorino de
Oliveira, hppcllala a justica.
Ao Sr desembargador Tavares de Vasconcellos :
Do CondeArpillante o juizo, appellados Ma-
nofl Pedro da Silva e Jos Pedro da Silva.
Enccrrju se a se .-sao as 2 horas da tarde.
Clnica medica
O Dr. Matheus Vas, da volta de sua via
gem, contiat do exerciuio de sua profis-
s3o, para o que ser encontrado de 11 ho-
jas da manhS s 2 da tarde na ra do Ba
rao da Victoria n. 32, 1." arriar e era ou
tra qualquer hora ra da Princesa Isa-
bel n. 6.
O Dr Barro* tiuluarei
Pode ser procurado em seu esuriptorio a ra
I.* de Margo n. 4, 1. andar.
O hachar el Bonifacio de Arago Faria
Rocha continua a encarregur se, mediante
previo contrato, de queat3 aperante os jui-
zes desta cidade e os das comarcas \isi-
nh*s. Poder Ber procurado em seu es-
criptorio ra do Duque de Cazias n. 50,
1. andar, das 10 horas da manha s 3 da
tarde.
Cornac brafllelro
De A. M, Veras d C. grrafa 15000,
descont de 25 [, em duzia na fabrica.
Collexlo Spfacer
Estabeleoimedto de educado primaria e
secundaria em JaboatSo, sob a direc;3o de
Jos de Oliveira Gavalcante.
Broararla
Francisco Monoel da Silva d C, deposi-
tarios de todas ni especialidades pbarma-
ceutica8, tintas, drogas, productos chimi-
cos e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez do Onda n. 23.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por
atacado, ra do Marques de Oliada n. 41.
aterrarla a vapor
Serrana a vapor e officinas de carapina
de Francisco dos Sin tos Micedo, oaes do
Capibaribo n. 23. N-iste grande eatabela-
cimento. o primeiro da provincia neste ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como se preparam-
obras de carapina por machinas e por pre-
go 3'jm competencia Pernambujo.
e qoe, anido como se acha elle coja Joa Mariano,
eete neeessariamente preferc aoa ditames da pro-
pria oa da d'eile Nabuco.
Nao era neceasario isto para a maior parte do
poro liberal conhecer ter ceaaado a chefia de Luii
Pelipp?, desde que Nbuco vai ter um aisento na
Cmara; mas era isto neceasario para muitoa, como
Oleo paro medicinal de
kaeaibao. de Lamnaan <
ngado de
k ifmp
M
No curativo das enfermedades de qualqner que
aeja a ana natureza, qu'isi tado depende dos agen-
tea medicinaes que se ompregan. As molestias dos
pulmes, mortaes por natureza, sao diariamente
ama advertencia, um aviso. curadas com o oleo paro medicinal de fizado de
Nem poda ser lato diapenaado, pois, nao com- bacalho, de Ltnman' 4 K*mp- Isto nSo ama
prehendendo todo o alcance do procelimento leonino | mera aggg,.^ ma8 gj am UetJ eatl4bslecido.
sobre a eleicao de 11 de Setembro, pidoriam aiod* Perguot8.8e nos hospitaes aos mdicos, todos que
alguns do partido oavir os coneeitos do aenador .
PtBLICaGES A ?MM
INDICARES DTEIS
Medico*
Dr. Barros Sobrinho d consultas da
meio dia 1 / na ra do BarSo da Vic-
toria n. 25 por cima da Pharmacia F.-an-
cez-i, e das 2 s 4 na ra do Vigario n. 4.
1. andar*
O Dr. Lobo Moscoso, de volt?, de sua
fiagera ao Rio de Janeiro, conatia n>;
oxercicio de sua profissao. Consltuas das
10 s 12 horas da mauha. Especiald^des
eperajSes, parto e molestias de s^nboras e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr- Barreto Sampaio d consultas de
eio-dia s 3 horas no 1." andar da casa
a na h Barao da Victoria, n. 51. Resi
dencia ra Seta de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio medico, ra do B no-Jess n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par
teiro, reaidanoia ra do B. de S.Borja n. 26.
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 A
Consultas das 11 horas da manhS s 2 dB
tar Je. Espeuialidade : molestias e opera-
ntes dos orgaos genito-urinarios do horneen
da mulher.
Dr. Joaquim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, Io
andar, de 12 s 2 da ta.*e residencia no
Monteiro"
Taecloa
O Dr. Santa Rosa medico do Asylo de
Mcndicidade, vaccinar as pessoas que
para esse fim se appresentarem n'aquelle
stabeleciment de caridade, todas as ter-
as-feiras pelas 8 horas da manha.
A chefla do partido liberal per-
oambucano
{iinia)
J ae vio em parto alguma onde ha partido aerio,
de idea, questo desta ?
Mas por isto mesmo; porque aqu, desde
que formou-se'a liga, e ella erigio-se em governo,
nunca mais se levantou abindeira Ibiral, vencida
em Santa Lua, adiada no giverno da praia-luia,
enterradas p?lj eimagament da revolucio prai-
eira (de 48).
Os conserradores nao tioham mais o que faser
i i campo das ilas, qne -e resumiam ( resuin-.ii)
no principio da f irea autoridade, da iniciativa
de cima para biizo ; pois qu; tinham realisado to-
das as ideas a estes dous principios conduc-eut--s,
taes como:
A le da reforma judicaria, qu-i creou os delega-
dos e subjelegados cojo, poderes discrip.-ionaiio,
que extingui as attrbuico-'d policiaea dos j nz-a
de pas ;
As Ifis da i larii nacional, que eztm^uiram a
elei^So dos offisiaea e os n >m -avam com patente e
cim poderea sbreos guardassoldados, como os
de um seuhor sobre os sous escravos ;
A le que interpretou -o acto adlicional, o qu .1
dava todas as franqueis e muita independencia
&i proviiR-i:s. redus'ndj-as a tal interpretai;! > i
dependencia em que nos ach im s.
Tu lo isto j tiuhi conseguid) o part Jo conser-
vador, e p ir isso e oceupava em dar aos s us
os melhorca asa-nos na insa di b iuqu.ite orea
mentarlo, e de tal modo curoa oa d-scurou dacou-
si publica, que quem miis p 1) ou p la, aem com
batequof >3j- dado eaaiscatoria a so >elos qu ixu-
m-se choros do eatao ap-nas chama io.^lib 'raes,cha-
o iu o Mrquez de Oiia4a e f :z se a liga, qot n-Jo
a>q'i;rendo chamar liberal, denomiaou-sepro-
gretso.
Misuqu-.'era liga? Pelo qu loi chamado,
com ehat', a f Tinil a, b;m se v i qus era.
Marques de Olinda, esta gloria p;r tambula la,
supremo ch fe dos conservad >res, chamou de todas
as orjvnciaa os conservadores discntenles dos
outros que ni g irerno do c-ntro e das prjvincias
dspuubim da c iusa publica a favor d: eatreitoa
circu a de sua feij), despresando os outros da
gre ou com razao ou sem e.ia.
E u i centro e as provincias os cooiu frente
dos desgraCidos lib-raes que hara 18 annos s
tinham a triste roz de urna dirida, e, de canala,
fraea lamentaba >, do longo ostracismo a que estava
condernui.do.
Mas se de outras proviucias sabirnin dos con-
servad res homens superiores como Z icarias, Na-
buc >, Saraiva e D nitas pira cotnin-n lar Ob liberaes
na ligs.de Pernambuco aahiram loa conaervalorea
Paes Barreta e S Albuquerqu-', que, al o de es-
tar n loDge de alcancar em seas vos aquellas
aguas, morreram 1-g>, nao sei se pira bem.u
maior mal, um depoia do outro, e cada um poucos
das dcpoii de tomar asaeato no sena 11
Alm de Epaminondas aoffreiado at morte por
sua BUpenoridade e independencia, o que nos fi-
couV A praga dos L o-s,uma familia grande, n.:i,
qua.-i mtjira, com pretendo a fijalguia do sangiie
(palha vio) que tentou e ao sei ae conseguio
provar com documentos, piis qai es'as coasas e
pone o leu para um pouco rir-me e lameutar.
Bastara o tacto de ver ama familia to grande
e rica, obscura, como aequiosa de pr> tenorio de
mando e aenhorio, por-se frente de am partido
papular, para se julgar a desgrac fea.
Toda a oligarchia urna desgraca, todas ellas sao
det*ataveia.
Eata liga aobre tantas desgracaa deate trate e
to cri niuoso partido liberal, toi o que o aniquil-
lou ; foi a ana corda de espinhos.
Estes espinhoa ao os LeSaa qu; s: encravaram
nelle. e aio a-ahiram e lutam furiosos agarrando-se
nessa hora solemne em que Joaquim Nabuco oa ex-
pulsa, como ioimigoada liberdade e da patria,trai-
dores ao partido.
Desde o principio da lig, qae comecoa a brig
furiosa com os principaes liberaes nesta provincia,
ora entre genuinos e progressiatas, depoia entre his-
toreos e liberaos, depoia entro cachorras e lt5ea,
como agora entre os fiialgoa de palhi-vd. e os libe
raes adianladus.
Esaa liga que to altamente distinguio-se pela
immoralidade e pela infamia, coma a praia de
Chicborro por todas as violencias, (donde Ihe resul-
tou a extempornea reroluco e todas ae seguintea
desgranan) essa triste liga e se chamoupartido
liberal -depoia que cahio esborrachado aos apupoa
des conserradorea.
A to inslita quanto t por muita miseria sup-
portavel pretenc J-s L oos est em dizerem, como
esto dundo p.rsea orgo : -S irnos hberaes bm-
d> rad e,i: p r tanto deveis vos, que sois adiautados,
vos augeitar a u.-.
Quando fosse cousa que sem saogue de barata
ae podesse ouvir, tem insolencia se podease dizer,
onde eat o roe80 liberalsmo, que idea por mais
pequma de liberal j dstes ?
Na verdade ha nada mais triste e mais inaolit-i
do que destacar-ae do partido adverao ama facfo,
urna familia, nelle aempre d< sconaiderada, implan-
tar-se sobre um partido popular e dizer : Hng-|.
tai-voa a nos por que aom a moderados ? Quem
quizer leia o Jornal e veja aeno iato.
Eata prega de Ii5ea, p< ior que a de gafaobotia
do Egypto. nao trouxe n.nhuma forca ao partido
liberal; so Ihe tem trazido a diacordia e a des-
Ms,
Oa Hberaes ae lem ido ora rebelandi, ora au-
ieiundo-ae a ellea; maa iato era no lempo em que
viviam aem idea e 80 para receber, < mo do
leo que veo de arraiaea iuimigra, orna oa outra
migalha, de pao neg!, que aa fatiaa da Cmara e
do S -nado erm reservaaas aua propna oligarebia,
aoa trabalhadores que a aerrem. Maa agora sao
outras aa condiefie : oa liberaes j tem idea, tem
bandeira a que ao oppostoa oa que b de neme ae
chamam liberaes.
E' por isto que Joaqsm Nabuco, ora com ae-
aento na Cmara, e victoriado pelo Brasil inteiro,
para libertar o poro da aojeico leonina nao t'n-
vttte Jos Mariano da chefia, mas o aponta, como
tal, como um tacto qae segundo elle Nabuco ae
aappee sentido.
Bem sabe Joaquim Nabuco qae o cete a cafa
leonino, que o qae significa o prestigio de chefe,
para muitoa, como ama advertencia, um aviao.
E' poia urna puerilidade do Jornal eate eaforoo,
eata revolta para o pov> liberal aujeitar-ae a che-
fia da oligarebia leonina. E' v portanto a ex-
poai(o doa predicadoa qu i na chefd leonino dia
achar-ae para ser chefe do povo livre. No em
tanto entre esaea predicados nio tere o Jornal a
coragem de ap ontar a cabeca.
O chefe repito o cabaca; e ae a cabeca de seu
ebefe muito pesada de moderaco e prudencia,
muito leve de forca para todoa os grandes alean
cea.
Eu a trago iato para eaclarecer alguns qae de
esclarecimento carecem; e nao para disputar a
chefia de Luiz Pelippe para Nobaeo ; poia o jago
da chefia, quando de aentimento e da idea, e um
jugo doce, como o de Jess, segundo Elle proprio
dase, e a uinguem obriga.
Quem quiser pois, pode soffrer por Interesse oa
por gosto, o duro jugo di leonina ehefia ; e duro o
digo, por que na aua alma eat a friezi e a luaen-
aibilidade do marmore, no aeu eapirito a enrtesa de
aeu alcance. E no emtanto esse, entra oa leo i
dados as letras, o primeiro.
Muito bem advertio Nabuco nao estar mais a
chefia na oligarchia leonina, deade que o Brasil
inteiro (liberal) saudava a aua eleicao como um
grande 8ucceaso nacional; por que nao deria estar
maia no engao de aiguem a clwfit leonina ; por
quo eata nao pola ter sido maia odienta e fatal.
Odenla por que riogou ae de Aprigio at ma-
tal-o de desgosto, como de desgosta matoa (Joo
liaptiaca) Amaral e Mello a quem deria ser to
grata ; ring iu-3e de Qodoy guerreando-o em favor
de uuo conservador; ringou-se de Epamiaondas
para cuja morte o aeu deagosto por tal motivo tanto
ou quanto concorreu
Fatal parque aua pret-ncj de aenhorio e de
mande tem trazido em rjpturaa const intes o p ir-
tido liberal.
Finalmente diante de Nabuco, agigante da gera-
rado moderna, no scio do meamo partido, nao se
pergunta ae este ou Jos Mariano o ch ;fe.
O ch ira o cabeca, e o cabeca a cabera.
Pode o braco ser muito mais amtdo que a ca-
beca, o pivo todo prcipitar-sc para ondo o braco
apontar; mas todos sabom que, a: nao houver su-
perior cab'ci que dirija j b.-.ic), este nao pde-ae
mover seguro.
Nao pie dirigir nada a cabeca aem o braco
que exe:ute; nao ple miver nada o brafo, aem a
cabeca qae o dirija.
Na mesma tarefa Jos Mariano e Nabuco quem
a cab-9a quem o braco ?
A que veno poia eleifo oa es col ha I
E o que o Leo ?
A oligarchif. fazenlo em tola a parte e em todo
o tempo de tod is aeu instrumento; para iinpor-ss
como aeobor, ainla casta de todoa os sacrifi-
cios. .. nao propr.os, all .-ios cont a echatombe da
Victoria !
E' hora ie o partido livre do Pernambuco deixar
de ter um aenhor.
Q lem quiz r no emtanto ter o oligarchico Lo
como chele, quo ae sugeile
E d.-ixcmj-u.s miis dista discussi, se lhes
panes.
Recif-, 16 do Setembro d; 1887.
Affonso de Albuj'ierque Mello.
teem usado deata maravilhosa e superior prepara
co, e responder vos-ho aer a pura verdade. Nao
ba pois, egosmo em proclmalo, pirque o agente
curativo um dom da naturesa.
Tudo o qu 1 Laoman & R; np, fazem apresen
tal-o ao publieo n'am estado de elaborada perfei-
fo e pureza, tal qual ae eztrabe doa figadoa tira-
dos do peixe o maia freseal e ao, e dsbaixo d'ama
forma que desafia aa ricissstudea dos climas.
D aqui, p lia, que prorm a aaa extraordinaria
reputaco como antidoto no8 caaoa de tyaica, febre
pulmonar, anginas agudas e chronieas, asthma,
tosas heptica, dr das c-ataa o deblidade, acom-
panhada do grando emaciaco.
Encoatra ae em todaa aa partea do mundo.
Encentra ae renda em todas aa pharmaciaa e
drogaras.
Agentes em Pernambuco, flenry Foreter & C,
ra do Commercio n. 8.
Olinda
Aos moradores de Olinda a directora
do Club Io de Julho partioipa que tendo
oontractado cora a Companhia Perro Car-
ril, o transporta de passag^iros do Re-fe
a Olinda e rice-rersa, a mesma companhia
do 1 de Setembro em diante eatabelecer
um serrico de diligeuoias, que partirao do
Varadouro ora Olinda a se encentrare a
com os bonds em Santo Amaro, cusanlo
cada riagem do Reeife a Olinda ou vice-
versa 300 rs., io;lusire o transporte no
bond, e para os meninos at a idade de 12
annos 200 rs.
Os bonds da linha de Stnto Amaro em
corresponden ia com as diligencias levarao
urna bandeira azul-
Certameate os pasadores de fasta e mo-
radores de Olinda darlo preferencia as di-
ligencias nao s por economa como tara-
bem por commo:lidade, tendo alm dis30
a vantagem de saltar em qualquer ponto
at a estacao da ra do Bru a.
Em outro lugar vai publioado o horario
das part las dos bonds e diligencias.
Dr. Cerpir,] Lie
MEDICO
Tem o seu eacriptorio ra Duque de Caxias
11. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Sjnta
Cruz n. 1.
Especialidadesa lestias da seuhoras e crian-
cas.Tolephona 1. 326
PODEMOS ASSEGURAR (2)
Infeizmente bem comraum, nesta pro-
vincia, ama molestia terrivel, conhecida
pelos nomes de lysica, ConsumpcSLo Doen.
en do peito, etc.
Nao pretendemos affirmar qus o Peito.
ral de Cambar cure todas as tysicas, por-
que at boje tem sido impossirel curar a
tysica, quando chegada ao ultimo parilo;
porm, podemos assegurar que todos os do-
entes que usarem do Peitoral de Cambar
ne primeiro e segando periodo, logo acha-
rao, com toda a certeza, grande allivio
edepois a sua cura completa, por meio de
um tratamento prolongado e persistente.
O Peitoral de Cambar nao limita a
sua acclo benfica, s doencas de peite :
cura, tambem, muitos defluxos, bronchites
e toases que, as mais das vez -a, quando
despresadas sao a causa desaffeccoes pul-
monares.
O Peitoral di Cambara a';ha-se a venda
na agencia a cargo dos Srs. Franciso
Manoel da Silva & C. ru% Mrquez de
Olinda n 23.
Frasco 2 zia 249003.
A agencia envia qu3m pedir condicSes
impre*sas paraas vendas por atacedn.
MEDICO HOMEOPATHA
Dr- Balthazar da Silveira
Especialidadesfebrea, moleatiaa daa
eriancaa, dos orgoa respiratorios e daa
aenhoraa.
Presta-se a qualquer chamado para
da capital.
f *
iVIMf
Todoa ns chamadas devem ser dirigi-
dos pharmacia do Dr. Sabino, ra da
Bario da Victoria n. 43, onda ae indicar
aua residencia.
Programan 11 l'esl 1 do glorio-
so prloclpe S. Higuel em \io
s; tilos no corrate auno.
No da 25 do corrate (lom ngo) levantar-ae-ha
a bandeira em frente da capella d 1 S. Miguel. A'a
1 hiras da tarde dess; meamo dia, S. Exc. KvJma
o Sr. bispo diocesano s'. dignar de administrar o
s 1crane.1to do chramis p?sioas quo previamente
ae coof -bsarem e s crianzas quo ae apresentarem
para esa t fim Fiulo o chrama, oitenta meninas
1111 formerneute trajadas de b.-ane formando duas
.1 as e acompanbadas daa importantes masicaa de
polica e do 2 baUlho de iiifantaria, conluziro
proc -ssioualmente da casa da Exna. Sra. D. Fran-
cisca Thereza dos San'.os Arauj >, digna consorte
do I1I01. Sr. Manoel des Santos Arauj > e juiza
perp;tua, arica binlo'ra p >r ella olf-itada per-
correudo em boa crdein a extensa iui de S. M guel
at o largo da Paz, e d'abi voitar ao som das m-
sicas at a misma capella onde ao estrugir dos fo-
guetes e repiques ds ainis eub r ao mastro que
all se tcha decentemente preparado.
N>s das eeguintes 26, 27 e 23 baver um triduo
solemne que preceder afesta, terminan do se a -m-
pre com um hynno ad hoc cautado p.-lo inaigne
m.estro Sabm 1 de Lun Freir e alguns meninos
le ante-mio, por elle pr-parados.
Nj da 29 (juiuta-feira) em qua a igreja catho-
lica.cjmmemora o grande dia do principe da mili-
cia Celeste, ser celbrala a sua importante e
syinpathicu festa em aua tradicional capolla, can-
tando a miasa o vigario da freguezia e pregando
ao evangelbi (s 11 horas da manha) o joven e
t:-il nasi oralor padre Amereo do Nvaes, digno
vigario da Victori -,, e ao le-Deum (s 7 horas da
tarde) o Rvd padre me6ire L:ouardo Joo Qrego,
j4 vautaj isameute conhecido na tribuna sagrada.
A capella que acaba de aer calada e pintada por
habis artistas, ostentar nessea diaa fcativoa, de
modo encintador, oa adirqoj de que rai ser reves-
tida segu.ado o gosto e capricho do bem conhecido
armador Barthilomeu Valeriano da Silra.
A ra de S. Miguel apresentar pela raradade
da il uminaco, baodeiras, galhardetca, arcos de
fjlhagena, flores naturaea e outros enfeitea a maia
linda a agradavel p-rspectivu, pois para itao nao
poupar esforcoa a digna comtnisso encarregida
desse particular e honroso traba'ho. Depoia do
Te-Deum aera conduzda a meama bandeira de S.
M gaol para a casa da juiza perpetua e protectora
da capella, a Enn 1. Sra. D. Francisca Thereza
dos Santoa Arauj >, e ltimamente para distracco
do relig'oaj poro pernambucano, qu 'imir-se-h.a
um lindo e moderno fogo de artificio preparado
pelo babii prrotechnico Teixeira e tenders oa
aiea direraoa morteiros e baloea aerostticos. A
Companhia Ferro-Carril augmentar nesaes das o
numero de carros para satisfacer completamente
concurrencia pablica.
Afogadoa do Reeife, 22 de Setembro de 1837.
Vigario, Francisco Raymundj da Cunba Pe-
drusa.
-----------------^-----------------
Irmandde das Almas do Reeifo
Por delibera?Vo da actual mesa regedora, cele-
brar-se-ha no dia 29 do andante a festa do Glo-
rioso S. Miguel Archanjo nosso padroeiro constando
de miaaa cantada s 9 hor^a da manb, aendo cele-
brada pelo Rvdm. conego capito Manoel Jos
Martina Alves de Carvalho, e a orchestra ser
ex-culada pelo insigne profesa.r Lydio P. San-
tiago de Oliveira, e ladainba s 7 horas da noite
com bencao do Santiaaimo Saciamento, para o que
convido aoa ooaaos carissimos irmoa a compare
errem na matriz do C>rpo Santo, no dia e hora
cima indicados, afim de Incorporados aaaistirmoa
ao acto na conformidade do respectivo compro-
noisao.
Secretaria da Irmandade daa Almas da Matriz
do Corpo Santo do Recif-, 26 de Setembro de
188/.
O eacriro interino,
Joaquim Ribeiro da Gama.
Cal vireeio de Jauaribe
REGS
TRADA
George B. M
PROFESSOK
Inglec, Piano, Canto.
Ra do Progresso n. 23
Clnica do Dr. Silva Ferreira
Especialidades, molestias de Senboas e de
pe le.
Consulta* de l a 3 horaa.
Ra da Cadeia n. 53.
Reaidencia Ra do Conde da Boa-Visti
Telephone n. 412.
24 1
EXTERNATO
Para 1 t me ninas
21 RA DO HOSPICIO 21
Ljcons paticulires de trancis a |d'anglais
A vis -se aos sealioroa de engenho e
mais consumidores desta expeliente cal,
que continua s^r o seu deposito ge^al a
ru i do Bj n Jess a. 23. Perfitamente
e^>bariicada e em pelras, como a que n-3
v n do eatrangiro e em aada inferior a
esta, continua a s^r vendida pilo prego fiso
de 6$000 a barrica.
Alm do deposito g:r.1 j indicado, sao
tamb m vendedores delU 09 senhores :
Quimarajs & VlentJ6 Patoo do Cor
po Santo -6.
Lopes & Araujo38 Ra do Lirramen-
to-33.
Bento dd Freitas Gaimarss &
Ra do Vsonde da Itiparca 51, Racifa
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chce de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia a
3 horaa da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepto nos domingos e diaa a tntificadoa.
Residencia ra Sete de Setembro n.
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Mello Giimc.
MEDICO PARTEIRO
4 4 -Ra Larg* do Rosarlo -4 t
Onde tom consultorio e reaidencia, e ple aer
procurado a qualqu-r hora do lia e da noite.
Especialides : Pebres, mol.-stiaa de aenhoraa e
do palma 1, syphilise estreitamentos da urethra
Consultas : 10 ao meio iia.
Telephom n. 374
. ?-------------
Dr- Lopes Pessoa
Medico e operador
Residencia -Rui Lirga do Rosario n.
38 Pandar.
Consultorio Ra do Bom Jess n. 37
1* andar.
ConsultasDas 12 s 3 horas da tar-
de.
Chamados A qualquer hora.
Grinaura, modista
39-RA DUQUE DE CAXIAS -39
(1 andar)
Fac, por figurinas, restidos para sen'noras e me-
ninas, com proreptido e precos mdicos.
' Recebe mc-nsalmente da Europa jornaes de
modas.
?
Clinioa do Dr. Simots Barbosa, Esp!
oialidaies : partos, molestias de senhoras
e da cri angas.
Consultorio ra do Mrquez de Olin-
da n. 64- consultas de 1 s 3 horas da
tarde.
Residencia ra da Soledade n. 78.
TMobona n. 213.
Clnica metllco-clrurglca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EapecialidadePartos, moleatiaa de aenhoraa e
criancas.
ReaidenciaRa da Imperara n. 4, 2. andar
Telephone n. 526.
m
Dr,
MEDICO
daa 11 horaa da manb
Consaltas
2 da Urde.
Conanltorio : ra do Imperador
primeiro andar.
Reaidencia : ra da Aurora n
i
i Baro da Victoria n. 43, onda ae indicar l j
| j sua residencia. i\
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr. Castro Jess, contando mais de 12 anno
de escrupulosa observacao, reabre consultorio nea
(a cidade, ra do Bom Jess (antiga da Crui
n. 23, l.o andar.
Horas de consultas
De dia : das! s i la tarde.
De noite : daa 7 a 8.
Naa demais horas da noite ser encontrado no
?itio tavessa dos R.nidios O. 7, pruniiro por-
> esquer-Ja, alm lo porl-o do Dr. Cosme.
IGUAliVSS'
Or. Paes Barreto
PROVIOTOR PUBLICOE
Advocado
Emulso de Lanman
& Kemp
A Emul8?lo de oleo do ligado da baca-
lho com os hipopb.08pb.itos do cal, soda e
potassa, prep irada pela acreditada casa
de Lanman & Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, e a mais effijaz e
agradarel q io ai agir se tem offereciio
ao publico.
E' ura regenerador pideroso das consti-
tuiySes debis e um remedio certo para
todas as affeccoes do peito, da garganta e
dos pulm's.
sese s a Emulsao de Lanman &
Kemp nao confundindo-a cora as outras.
Vende-se em todas as drogaras e phar-
rn acias.
Lanman & kemp
Preriu.Tm o p iblico quo ezistem uesta praQa
imitafSes fraudulentas do seuoleo pubc de pi-
oado roa Bacalhocontra aa qu-ies se derem
acautelar 03 c-oneumidures, por isso que O USO
d'essos leos falsos ser em prejuiao dos
doeotes.
Entre casas talsificacJ.'s ha ura quealm da
differenca u pur-.-sa do liquido que s pode apre-
ciar-se comparando o oloo verdaieiro com o falso,
engaa fcilmente os incautos, e por isso apresen-
tamos aa diff--reuc s que ezistem eos fraseos e in-
volucros :
A. circular que acompanba -ada frasco dev<
ser assignada porLanm i Kemp~Q n=t
Lenman & Kemp -como na falsificacao.
Os nossos frascosnos tres lados descobertos
trazem em n levo no cesmo vidro aa seguintes
palavrv.s : -C'oo! Hver oil Lanman & Kemp
Neto-York, em quanto que oa falsos vidres tem :
Refined Cod Liver Oil=New-Yurk.
* Naa noasas capsulas metallicas l-se :Lan-
man & Kemp, Droguistas, Nueva York, em quanto
as falsas bu c ;Cod Liver Oil=Re[ined=N va York
Rjccmmendamos, poia, aos doentes que qaic-j-
ri'tn usar do nosso oleo, e retirar os resultados
maraviihosos pelos quaes se tem acreditado em
todo o mundo, tenham todo o cuidado em exami-
nar os frascos que cotnprarem, para nao serem
engaados por i mames falaificav'S.'B.
Tambem ha muitas fa'aificaco.s da nessa aoua
FLORIDA DS HUKBAY & LANMAN, E TNICO ORIENTAL
de kemp, falsiticacoLS casa; preparadas geralmeu-
te com Bubstanciai prejudiciaes pelle e ao ca-
bello ; ex-jaw, pjia, oa consumidores os v rda-
deiroa e nao ecebam outros.
HA.BNriO REOI8TRADO NESTB IMPERIO TODAS AS
H0S8AS MARCAS 1NOSTRIAES E ROTUL08, PFErENIMO
OS IMITADORES E FALSIFICADORES, QUE PR CEDEREMOS
CONTRA ELLES NOS TR1BCNAES, BU PROTEC^AO DE
NOSSOS DIRB1T08.
Peroambuco, 28 Jt.nho 1887.
Lanman \ Kemp.
ED1TAES
O Di. Joaquim Correia de Olireira Audra-
de, juz de orphaos d'esta cidade do Re-
eife, capital da proviccia de Pernambuco,
por S. M. o I. o Sr. D. Pedro II, a quera
Deus guarde, etc.
Paco saber ac que o presente edital rirem ou
dtlle liierfm noticia, que a relacao doa eacraroa
que tem de aer libertados pela 7 quota do fundo
rdeemancipaco, acha-ae afiual organiaada p-la
forma seguinte, depoia de julgodaa as reclamacoes
qae Ihe foram apiesentadas no praso legal. Es-
craraa caaalaa com b mem lirre.
1 Joaona, parda, 27 annos, casada, de D. Con8-
tantina Ferreira da 8ilra, por 40J#. tem 400/ de
peculio.
2 Antcnia, parda, 23 anona, caaada, de D. Mana
Joa de Jeaua Pirette, por 600/.
3 Erneatioa, preta, 21 annoa, caaada, de D. Lu-
dorina Ueha Cameiro Campello, por 6754.
4 Benedicta, prcta, 32 annoa, casad, de D.
Delmira Candida de Sant'Anna, por 600/.
6 Anta, parda, 48 annoa, casada, de Francisco
Antonio Correia Cardoao, por 400/.
6 Laica, parda, 34 annoa, casada, da tenente-
coronel Joa Duarte de Albuquerque Maranho.
por 600/.
Escravos casados com mulher lirre.
7 Silvestre, preto. 30 annos, cssido, do Dr.
Prancisco de Paula Correia da Arauj ', por 600/.
8 Emiliano, pard>, 3H annos, caaado, de D.
Francisca de Paula Cabra', por 600/.
9 Joo, preto, 31 annos, caaado, de Manoel Cor-
reia de Ar-njo, por 700/.
10 Tneodoro, preto, 38 annos, casado, de Silra
& Alvaro, por 800/.
11 Francolino, preto, 32 annos, casad}, do
Baro da Soledade, por 800/.
II Quintino, parto, 24 annos, casado, de D.
Mina do Carreo Carneiro Campello, por900/.
Conjagea de differentea aenhorea.
13 Herculana, parda, 54 annoa, caaada, d"D.
Joaquina Emilia da Silra Villaca, por 300/.
Mia rin vas oa Bollen aa com filhoa eaerar) me-
nora de 21 annos.
14 Rita, parda, 37 annoa, solteira, do Dr. Fran-
cisco de Paula Correia de Aran jo, por 500/, tem
100/ de peculio.
15 Mara, preta, 41 annos, solteira, de D.
Mara Militan* Monteiro, p >r 4.VJ/.
16 Franciaca, preta, 18 annoa, aolleira, da
mesma, por 675/.
17 Manoel, preto, 21 annos, soltcro, da mesma.
por 900/.
18 A.'cstinho, 20 annos, pardo, aolt,-iro, de D.
Anna Maria da Gonceico, por 800/.
Conjugea com filhoa menorea de 21 annoa.
19 Marcelino, pardo, 50 annoa, casado, de Fran-
cisco Antonio de Olireira, por 400/.
20 Maria, semi-branca, 55 annoa, casada, do
meamo, por 150/.
Mi8 viuvaa ou aolteiraa cem todoa oa filhoa
livrea.
21 Sibioa, parda, 31 annos, solteira, do Di] An-
tonio Joaquim de Moraes e Silra, por 640/, tem
200/ de peculio.
22 Sebastiana, preta, 26 annoa, aolteira, de
Ignacio Aivea Monteiro, por 600/, tem 200/- de
peculio.
23 Justina, 27 annos, preta, aolteira, de D.
Maria Clara Carneiro Machado Ros, por 675/
t-m 200/ de peculio.
24 Luiza, 34 annos, solteira, do Dr. Luis Sala-'
zar Moscoso da Veiga 1 eaaoa e Mell por 600/,
tem 10d/ de peculio.
25 Izabel, preta, 40 innoo, solteira, de D. Maria
Magdalena de Ari-llar, por 450/, tem 10 '/ de pe-
culio.
26 Joaona, parda, 21 aonoa, aolteira, de Anto-
nio Jo- Duarte, por 675/, tem 100 de peculio.
27 Silveria, parda, 31 annos, solteira, de D.
Mara Galaina da Silva Braga, por 600/, tem
100/ de peculio.
28 Leopjldina, preta, annoa, solteira, de D.
Francisca L-op Idina da Rocha, por 600/, tem
50/ de peculio.
29 Vicencia, preta, 37 annos, solteira, de Jos
de Souza Nunes Braga, por 6 X)/.
30 Au.-ua'i, pirda, 38 annos, viuvi, di Baro
de Muribeca, por 600/.
31 gueda, preta. 27 ann >s, solteira, de Jesuino
da Co.-ta d'Albuquerqu-t Mello, por 675/.
32 Delmira, parda, U7 annoo, aolteira, do mea-
mo, p >r 6^0/
33 Antcnia, preta, 49 annoa, aolteira, de I). Isa-
bel Emilia d'Oliveira Ferreira, por 450/.
Escraras aulieiras e sem filhoa.
34 Aitonia, parda, 21 annoa, aolteira, de Ma-
nel Joaquim Alve3 dos S.uto3, por 675/, tem
275/ de peculio.
35 Geralda, preta, 28 annoa, aolteira, de D. Ma-
na Clara Cirueiro Machado Rios, por 675/, tem
200/ de peculio.
36 Osminda, parla, 22 an .03, s .-lreira, de D.
Grnaoria de Mendonca Abrcu e Limi, por 600/,
tem 150/ d? peculio.
37 Silreria, preta, 23 anuos, solteira, de D. Jo-
sephiua Toemudo Lcssa, por 675/, tem 13 >/ de
peculio.
38 Justa, parda, 39 anuo*, selteira, de Ignacio
Ferreira Tuemuio L.'ssa, por 6X)/, tem 130/ de
peculio.
39 Felippi, preta, 27 annos, sol" ira, de D. Ma-
ria Eufrasia de Ateredo Mello, p:r 400/, ta
10;)/ de peculio.
40 Francisco., parda, 25 annoa, solteira, de D.
Auna A. Lius Vuclla, p-r 675/, lem 100 de pe-
culio.
41 Mara, parda, 30 annos, aolleira, de Manoel
Jos da Silva Oliveira, por 6J /, tem 10J/ le pe-
culio.
42 Q'illeria, preta, 35 annoa, aolteira, le D. Ma -
na Leopoldina Ferreira Leite, por 600/, t-m
100/ de pe.
43 Gertrudes, parda, 27 annos, solt-in, de D.
liara Coelbo da Silva, por 675, tem 100/ de pe-
culio.
41 Sabino, pardo, 17 annoa, soltero, do esp.o
de Francisco Vicente dos Smtos, por 800/, tem
10.'/ de peculio.
45 Lui-a, parda, 40 annos, soltsira, do mesmo,
por 450/, tem 50/ de peculio.
46 Maria, preta, 45 annoa, aolteira, de D. Miria
Coeiho da Silva, por 450/, tem 50/ de peculio.
47 Joanua, parda, 25 nuu.s, sold-ira, de D Isa-
bel Emilia de Olir ura F.-rreira, por 450.
48 H-.-Kudora, parda, 21 aoaus, solteira de Joo
Goncalves Turres, p>r 500/.
49 Luiza, parda, 17 annos, aolteira, de D. An-
na Marques Avila, por 60 >
50 Giinhermina, parda, 19 annos, solteira, de
Jos da Suva L y.', uor 601/.
51 Maria, par 11, 22 anuos, solteira, de D. Ma-
ria das Nevea de Miranda Oliveira, por 600/.
52 Vieeucia, preta, 24 annos, aolteira, de Joo
Je6 da Silva, por 600&
53 Felismiua, parda, 26 anuos, solteira, do ba-
cilar.:! Juveoliao de Mirauda Cabral de Vascon-
celioa, por 6t-0/.
54 Quiten, preta, 20 .unos, solteira, de Ma-
noel Corr ia de Araujo, por 675/.
55 Athanasia, preta, 22 anuos, aolteira, da
mesmo.
56 Genoveva, preta, 35 annos, solteira, da .Va-
noei Correia de Araujo, por 600/.
5? Ant nia, preta, 43 annoa, aolteira, de Fran-
cisco Jos d* Costa a Silva, por 300/.
58 Romana, preta, 45 annos, solteira, de D. Ma-
ia das Nevea de Miranda Oliveira, por 400/.
59 C. cilia, preta, 45 annos, a dteira, de JoSo
Jobo da Silva, por 400/.
60 Faustina, preta, 51 annos, solteira, de Ma-
ria de Alcntara de Azevedo Mello, por 300/.
61 gueda, parda, 20 annos, solteira, da mea-
ma, por 675/.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente, qus ser publicado pola
im prensa.
Dado e passado nsta cidade do Redfe, capital
da provincia de Pernambuco, aos 26 de Setembro
de 1887.
Subscrero c assigno. Eu, escrivo interino,
Tu miz Ferreira M*ciel Pinbeiro.
Joaquim Corrtia de Oliveira Andrade.
tLRAGOES
iufi t\iiii:
DO
Senhor Bom J -sus das Dores em S.
Gon ,allo
De nrdem do i mo provedor, convido aos nos-
aaa car88in,s irmoa para comparecrem em
noss" conaiatorio s 6 horas da tarde do dia 28
do corrente para em a sslo de asemMi geral
eleger-se oe fonecionarios em aubstituico a aquel-
lea que deixaram de aceitar os lagares para qae
foram eleitos.
Secretaria da irmandade do Senhor Bom Jeaua
ds D rea em S. Goncall >, 24 de Setembro de
18870 aecretari o interino,
Soaraa Roaaa.

Cu
Quinta feira, 29 do corrente, hora doccatume,
harer aesso ordinaria.
Depoia do expediente, entrar em discusso o
parecer, lido n3 8esao do l- do corrente, sobre
os oasoa encontrados na presumida sepultura de
Joo Fernandta Virira
Outroaim, aera apreaentado o parecer daa sec-
epea reunidas de hiatoria nacional e de historia
colonial, aobre a proposta do Exm. Sr. conselheire
Dr. Pinto Jnior, para ae escrerer a hiatoria da
prorincia de Pernambu-o.
Secretaria do Instituto Archeologico e Geogra-
phico Pernambacano, 26 de Setembro de 1887.
Baptista Regneira,
1* secretario.




I
Diario de PeroambucoQn^rta-feira 28 de Setembro de 1887


-:
Recebcdoria Provincial
Relaclo das differeocas para mais, encontradas no
valor locativo doa predioa urbanos aitoa na ir
guesa de Santo Antonio, que eatSo sujeitos ao
imposto da dcima, relativo ao exercicio de1888,
pelo lancador Jiaquim Tranquilino de Lemos
Dnarte.
Ra do Livramento
N. 36. Antooio Henrique Rodrigues 792*000
Major Agoatmho Bt ierra
N. 38. Brandina Rosa Bautista 2614000
1.* Secco da Reeebedoria Provincia1, 26 de Se-
tembro de 1887.
O chefe,
JefL-rson Mirabeau de Az^vedo Soarea.
Alteraco encontrada para maia nos predioa urba-
nos da tregueiia da B ja-Vista, relativo ao exer-
cicio de 1888, pelo lancador Pinho Borges.
Soledad e
N. 38. Manoel Ferreira Bartholo, um
sobrado de um andar e lija, em
ebra, para pagar do 2* semestre em
diante, avaliado p ir
N. 29. Francisco Antonio de Alba-
qaerque Mello, um chalet oceupado
pelo pioprietario, avaliado por
Conquista
N. 31 A. Antonio Fernandes dos San-
tos, urna casa terrea arrendada por
Viseonde de Goyanna
N. 66. Manoel de Oliveira Meno,
urna csa terrea arrendada por
N. 143. Desembargad** Manoel Ce-
mentino O'rneiro da Cunha, um so-
brado de um andar e loja por
1.a Secta) da R?cebsdoria Provincial, 26 do Se-
tembro de 1887.
O chefe,
Jcfferson Miiabeau de Aievedo Scares.
1:4' 0* 00
800*000
240/003
2404000
1.-000*00 J
Club Internacional de
Regatas
Os Srs. socios queiram procurar oa seus ingres-
ios para a regita de 2 de Outubro, na sede do
C ub, das 7 s 9 horas da noite, at o da 1 do
mes prximo vind uro.
Secretaria do Club Internacional de Regatus,
27 de Settmbrode 1887.
Alfredo B. R. Borges,
2 secretario.
Permuta
O f.r. Dr. inspector geral da instrueco publica
mauda faser cinstar s professoras publicas Ao-
na Cesar de Ameida Pessoa e Camilla do Carmo
Torres, esta da cadeira da Iinbjnbeira, e aquella
da de Nasareth do Cib), que Ibes fie marcad] o
praro de 30 das, a contar da data de su* remo-
cao, afim de assumirem o exercicio de suas ca-
deiras.
Secretaria da Instrueco Publica de Pernambu-
co.23de Setembro de 1887.
O secretario
Pergentino S. de Arauj > Galvo.
REVISTA COHHERCI.IL
Da emana de 19 a Sa Je Setembro
de 1869
Cambio sobre Rio de Janeiro Nao se fes
trausaocao official.
Cambio sobre Bahiadem.
Cambio sobre Santosdem.
Cambio sobre Rio Grande da Sul dem.
Cambia sobre Porto Alegre dem.
Cambio sibro Paradem.
Cambio sobre Londres Neg)cou-se o pap 1
do Banco a 90 d/v com 22 5/8 d. per 1*000.
Cambio sobre Pars dem idem a vista a 426
ri. c franco
Cambio sobre Himburgo-N> se fex transa -
cao official. O Banco fechou a 90 d/v 520 rs. c
4 vista 525 rs. o R. Vi. da Banco.
Cambio sobre Portugal e Lisboa Idm. O
Banco fech'.u a 90 d/v, 235 % e vista 237 % de
premio do Banco.
Cambio sobro Porto Foi passsdo vista o pa-
pel do Banco por 137 % de premio.
Cambio sobre MontevideoNao onstou transa-
ceo official.
Cambio sobr Buenos Ayresllm idem.
Apolices da divida publica de 5%Veoderam-
se 4 apolices do valor de 1:0 Ot a 950* e 2 do
valer de 600* a 570* cada urna.
Ditas provinciaea de 7 /,Vendeu-se 1 apoli-
ce do valor de 1:' 0 I* ao par.
Companh a Segur. Iudemoisadora Nao ons-
Uu vendas.
Companbia Phenix -dem idem.
Compaohia Seguro Anfithrite Ilem idem.
Companbia PernambucanaI !em idem.
Companbia Fiacao e Tecidosdem idem.
Companbia do Beberibe Venderam-se 125 ac-
coes do val >r de 100* a 155* cada ama.
Companbia de O.inda a Beberibe Nao houve
vendas.
Companbia de Santa Thereza--Idem idem.
C mpanhia de Edificicoes Venderam-se 60
accoes de valor realisado de 70* a 30* cada ama.
Banco de Crdito Real de Peroambuco Vec-
deram se 25 eccoes do valor realisado de 60* a
80* cada urna.
Descont*de lettrasNada se tes afEcialmedte.
Lcttras bypothecarias Ilem idem.
(ieneros naiunaei
AgurdenteNao h.uve alr coutmuaram de 49*000 a 50*000 a pipa de 480
litros.
A'coolNao houvc alteraco as vendas conti-
nuaran de 93*000 a 95*000 a pipa de 480 li-
tros.
Assncar Entraram 10059 vendas pelos velbos
B 1*70) a 1*900 S 1*400 M 1*100 MB 1*000
R 700 rs. a 800 rs. pelos novos B 2*200 a 2*100
S 1*500 M 14100 a 1*200 MB 1*200 os 15 kilos.
Algoda Entraram 4398 dem de 1* 6*400 me-
diano 5*400 2* 4*400 os 15 kilos.
Arros em cascaSem alteraco se mantm no
retalbo de 4*000 a 4*400 por 15 kilos.
CatEntraram 837 saceos o retalbo cem a!te
racio te mantm de 13*000 a 16*500 os 25 kilos.
C"bjUb do Rio Grande do SulContina sem
existencia no m-redo.
Cera de carnaubaC'ntinua a cotaco por lotes
de 3*000 a 5*000 os 15 kilos.
Couros salgados seceosSem alteraco as ven-
das foram de 510 ris o kilo.
Coaros salgados verdesContina a cotaco no
minal de 300 rs. o kilo.
Cerveja nacional O retalbo de 6*000 a dozia
de meias garrafas e 5*000 a de urna (embar-
neada.)
Farinba de manliocaSem alteraco se mantm
o ret-lho de 2*250 a 2*500 o sacco.
FumoNao alterou se mantm no retalbo de
6*000 a 13*0(0 os 15 kilos (em folhas) e de 16*
& 30,000 (em corda) conforme a qualidade e pro-
cedencia.
Gomma de mandiocaNao alterou te mantm
no retalho de 2*200 a 2*100 os 15 kilos.
Graxa do Ri > Grande do Sul -Contina a cota-
clo nominal de 3*800 a 4*000 os 15 kilos.
Gordura do Rio da PrataContiot a ectaeao
aominal de 4*200 os 15 kilos.
Genebra nacionalSem alteracio se mantm
no retalho de 3*800 a 9*500 a caixa conforme a
qualidade.
MelNao ba no mercado.
MilhoSem altersco se inan'm no retalho de
45 rs. a 50 rs. o kilo.
Pell-s cortidasNao alterca as vendas conti-
nuaran) de 40*000 a 80*000 o cento.
Pelles em cabelloBaixou as de cabra, as v.n-
das foram de 120*000 sem alteraco as de carnei-
ro continuaran) a 40*000 o cento.
Sal do Ass e Mossoi As vendas continuam a
900 rs. o alqueire.
Sebo cuadoContinuamos a cotar uominalmente
de 4*400 a 4*800 os 15 kilos.
Sebo em pellesCotamos nominalmente a 2*500
os 15 kilos.
TapiocaSem alteraco se mantm no retalho
de 3*000 a 3*30j os 15 kilos liquid>.
Vellas stearinasdo RioNao alterou se mantm
a 280 rs. o masso liquido.
Vellas tearias da provincia-Nao alterou se
mantm a 260 rs. o masso liqui Jo.
Vinagre do Rio Nj alterou so mantm a 80*
a pipa.
Vinho do RioNio altern se mantm de 125*
a 160*000 a pipa c informe a qualidade.
Xarque do Rio Grande do Sal19,000 arrobas
que se retalha de 4*O0J a 5*800 cada arroba.
Companbia do Bebe-
ribe
Previne se ao publico de que na semana pro-
xima.vindoura se comecar a faser o fornecimento
a'agua s casas pelo novo systema, na segunda
secca, entre Monteiro e Parnameirim. As anti-
gs peanas sero mudadas pela cempanhia at a
entrada da casa, onde se collocar o Dydrometro.
Aquellas pessoas que quierem obter penna
d'agua devem dirigir-se a esto escriptorio para
assignar o respectivo contrato.
Distribue-se o novo regulamento de pennas
d'agua.
Recite, 27 de Setembro do 1887.
Ceciano Mamede Alves Ferreira
Director gerente.__________
Consistorio da veaeravel Irtnanda-
de de .V 8. do Honorio, freela na
nmliiz do Corpo Santo, *6 de Se-
tembro ile 1889.
MESA GERAL
Da ordem do irmao juis, convido a todos os
nossos irmoj para coinparecerom no consistorio
cima no diajJO Jo corrente, afim de proceder-se
a eleico dos no's funecionarioa da administra-
cao da nossa irmandad no anno de 1887 1888.
O escrive,
Adolpbo Coelbo Pinbeiro.
Por deliberadlo da directora sao chamados es
Srs. accinistas desta empreza, para no praso de
60 das a contar de 4 do corrate rnez, realisarem
a 7* entrada de 10 o/o de suas accoes nos termos
do nico do art. 4o dos estatutos.
Recife, 3 de Agosto de 1887.
Jos Bellarmino Pereira de Mello,
Director secretario.
Estrada de ferro de Ri-
beiro ao Bonito
Faco saber sos seobores accionistas desta em-
presa, que apenas r-alis iram a quarta eutrada de
10 0/0 de su.s sccoes, constantes das eautcllas
ns. 6, 10, 11. 29, 87, 109, 111 e 131, que em face
do que dispoe o n. 1 de art. 9 dos estatuto', fica-
Ihes marcado o prazo de 30 das, a contar de 15
deste mes, para realisarem a quinta entrada ora
a multa de 20 0/0.
O accionista, que ni) realisar suas entradas na
fr-na determinada, perder em beneficio da em-
preza as entradas que j tenba feto.
Recife, 10 de Setembro de 1887.
Jos Bellarmino ereira de Mello
Director secretario.
enero* eolrangelros
AlfasemaSem lterac;ij ; contina o rtala)
de 8*500 a 9* os 15 kilos
Arros da IndiaSem alterac) coaiina o reta-
lbo de 2*50.) os 15 kilos.
AlpistaSem alteraco cootiuua o retalho de
4*7,0 a 4*800 as 15 k'los.
Aieite de oliveira em barris Continua sem
existencia no mercado.
Dito de dita em latasSem alteraco continua o
retalho de 15*500 a 154803 a lata.
1! icalbo D -psito 10,000 barricas que so re -
ta'ba de 19* a 20* cada urna.
Banha de porcoNao alt- rou o retalh) de 410
a 420 ris a libra.
Batatas portuguesas Nao alterou o retalbo de
3*400 a mcia cixa.
I Jilas iuglez is Nao ba no mercado.
Ditas francesasNao alterou o retalho de 4* a
meia caixa.
BreuContinuamos a cotar de 12* a 14* a
barrica conforme a qualidade.
Carvio de pedra Nio alterou o retalho de
16* por tonelada.
Canella---No alterou o retalho de 1*450 a
1*500 o kilo.
CeblasNi) alterou o retalho de 9* a 10* a
caixa conforme a qualiladc.
CervejasNao alterou o retalho de 6* a 10* a
daz a conforme a qualidade e procedencia.
CementoNao alterou o retalho de 6* a 8* a
barrica conforme a qualidade, fabricante e peso.
CominhoaNao alterou o retalho de 17* .00 os
13 kilos.
Cravo da India Nao alterou o retr.iho de
2*?00 o k lo.
Farinha de trigoDepxito de 17,000 barricas,
o retalho nio alterou pea americana de 16*500 a
17*. a de Trieste 20* a 22* a barrica.
Feijo.-'tm alterar > o retalbo de 4* a 9* o
sacco conforme a qualidade e procedencia.
Garra toes vasiosSem alteradlo o retalho de
45G a 1*500 conforme a capacidade d'elles.
Doces em calda Sem altcraclo o retalbo de
750 ris a lata.
Farello do Rio da PrataSubi, o retalho de
4*200 a 4*40J o sacco.
Dito de LisboaNao altern, contiaua o reta-
lbo de 4*200 a 4*400 s sacco.
GenebraNio alterou, continua o retalbo de
4* a 14* a caixa conforme a qualidade e proce-
dencia.
Herva doceNi) altern o retalbo de 17*500
os 15 kilos.
K 'rosene Deposito de 3,00) csixas, o retalho
con'inaa de 3*400 a 3*500 a lata, liquido.
Louca inglesa ordinariaNio alterou, continua
o retalho de 80* a 125* a giga conformo a qua-
lidade e sortimento.
Massa de tomateNao houve alteraco, o reta
lho de 90 ris a libra.
Man eiga em barrisNio houve alteraco, o
retalho de 780 a 800 ris a libra.
Dita em latasNio houve alteraci), o retalho
de 1*100 a 1*200 a libra.
Massas italianasNio houve alteraco, o reta-
lho de 5* a 7* a caixa coaforme a qualidade.
Oleo de linhacaNa houve alteraco, s reta-
lbo de 1*700 o galio (em barril).
Passas commansNi) houve alteraco, o reta
lho de 8*500 a 9* a caixa conforme a quali-
dade.
Ditas finasNio houve alteracl', o retalboj
de 10* a caixa.
Papel de embralhoNio houve alteracio, o re-
talbo de 580 a 1*450 a resma, conforme a qua-
lidade e dimeosio.
Pimeota da IndiaNao houve alteracs, o re-
talho de 1*350 a 1*400 o kilo.
Plvora inglesaNio hoave alteracio, reta
Ibo de 20* o ba-nl.
Qieijos Nio houve alteracio, o retalho de
3*2i. 0 a 3*400 um.
Sal estraogeiroSem existencia.
SardiahaConserva o retalbo de 310 a 320 ris
o quarto coaforme a qualidade e procedencia.
Toucioho de Lisboa Coaserva o retalho de
10* os 15 kilos.
Dita americanaConserva o retalho de 12*500
a 13* os 15 kilos.
Velas stearinaaConserva o retalho de 550 a
903 ris o masso.
Vinagre de Lisboa Conserva o retalho da 160*
t 165* a pipi conforme a qualidade.
Vinho de LisboaConserva o rettlh) de 220*
a 230* a pipa.
Dito francsSem existencia no mercado.
Dito FigueiraConserva o retalho de 230* a
40* a pipa.
Xarque do Rio da Prafa--- Deposito de 53,000
arrobas, que se retalha de 5* a 6*800 cada ar-
roba.
N. B. Os gneros de estiva tem 10 por cento
de descont, solvo os que forem declarados li-
qaido.
O procurador dos Feitos da Fszenda
Provincial tendo recebido do Tbesouro a
relacio sbaizo transcripta do devedores da
decima da freguezia de S. Fre Pedro Gon-
calves do exercicio de 1885 a 1SS6, que
deixaram de pagar no tempo devido, de-
clara aos meamos devedores que ibes fca
marcado o praso de 30 das a contar da
publicacSo do presente edital, para reco-
lherem a importancia de saus dbitos na
Recebcdoria Provincial com guia da sec-
c3o do Contencioso do raesmo Thesouro,
certos de que fiado aquello praso ae proce-
der cubranca executivamente.
Recife, 19 de Setembro de 1887.
O procurador dos feitos,
Miguel Jos de Almeida Pernamubco.
Relsco dos devedores da decima da treguesia de
S. Fre Pedro Goncalves do exercicio de 1885 a
1886 que deixaram de pagar.
Ra de 8. Jorge n. 53. Aielaide Ro-
za Rodrigues e cutros 12*360
Madre de Deus n. 30. Adolpho Fran-
cisco Lavra 41*202
Domingos J b Martios n. 36. Anna
Hciria de Mindon^a (parte) 26*661
Restouracio n. 24. Anna Joaquina
dos Praseres Costa 19J776
Tuyuty n. 4. Anna Joaquina de Saa-
t'Aunu ^ 33*991
Restaurscio n. 40 Anua Venancio
Das Martina 117*425
Guararapes n. 52. Adelaide Augusta
Alves Barbosa 2*003
D. Mar a Cesar n. 35. Antonio Diogo
da Silva 21*939
Cmpanhia Perua r.bncaoa n. 6. O
me.-ido 82*404
Mueca tes n. 9. O mesmo 14*^32
Dita n. 11. O mesmo 14*832
Dita o. 13. O miao 14*832
Becco Largo rr. 9. O mesmo 14J32
Dito n. 11. O mesmo 14**33
Dito n. 13. O u.esmo 14*83
Dito n. 15. O mesmo 14*832
Dito n. 17. O mesmo 17*301
Dtto n. 19. O mesmo 16*068
Dito n. 21. O mesmo 16*068
D.imiugos Jos Martina u. 120. O
mismo 561652
M I* n. 39. O mesmo 37*82
Mscales n. 15. O mermo 14*831
Becco da Pindoba n 3. Antonio Jero-
nymo Marques 12*360
Tuyuy n. 15. Antonio 41*202
Guararapes a. 9A. Aatoaio Jos Dan-
tas 19,0776
Becco do Paschoal n. 3. O mesmo 12*360
Moeda n. 23. Aotonio Jos Pereira 63*74S
Areal n. 24. Antonio Jos Pinhi 31*828
Guararapes n. 94. Antonio M- reir
Res 30*901
8. Jorge n. 7. Antonio dos Santos Lo
pea 9*270
Vibrio Tenorio n. 31. Bario de Bem-
fica 76*017
Cambio sobre Lisboa, 90 d(v. 132 0/0 de premio,
pirticular, hjntorn.
Caa'oio sobre o forto, 9J d| /. 132 0/J de prenio
pirticular, h >je.
y> resinen!-,
Antonio Leonardo Rodrigues.
V secretario,
Eduardo Dubeux.
Movltnenio banrarlo
RECITE, 27 DE SETEMBRO DB 1887
PRACA IX) RECIFE
Os bancos mantiversm firme a taza de 22 5/8
d. sobre Londres, dando, pjrin, a 22 11/16 e 22
3/4 a.
Fuerain transaccoes em papel particular a 22
7/8 d.
PRACA 1/0 RIO DE JANEIRO
Os bmeos adoptaram boje a taza de 22 11/16
i. sobre Liondres, menos o L;ndou, que atfixou a
tabella de 22 3/4 d.
Em papel particular houve trausaecojs de 2
13/16 a 22 7/8 escasso.
As tabellas expostas aqu foram estis :
Do Ihtbbxiciohal :
UO dju vista
L mires.......
'aria........
talla........
rlamburgo......
Lisb)a a Porto.....
Principaes eidades de Portu-
gal........
iew-York......
o LoNDoa Bisa :
L ;'aris.
Italia. .
amburgo
Portugal
Sew-York
22 5/8 '22 3/8
419 423
. . 423
52J 525
235 237
242
2*24')
.W dio oitta
22 5/8 22 3/8
419 423
. . 42)
620 525
235 337
2*240
Do Enqlish Bink :
Londres.......
Pars........
Italia........
amburgo......
Lisboa e Porto.....
Principaes eidades de Porta-
gal........
liba dos Acores ....
liba da Madeira ....
^Jew-York......
SO djv vista
22 5/8
419
520
235
22 3/8
423
423
525
237
242
245
242
2*240
Colara o de assncar
(Para ot agricultores)
Os assucares da nova safra regalaos aos precos
abaix), por 15 ki.'os, conforme o sortimento a a
qualidade :
Usioa Piuto..... 2*300 a 2*400
Turbina pulverizado. 2*100 a 2*00
Bisocos...... 1*900 a 2*Oj
Someoos...... 1*400 a 1*500
Mascavado..... 1*240 a 1*300
Bruto b)m..... 1*180 a 1*28)
Oa aasucares da safra velha, que ainla vio en-
trando para o mercado, sao comprados aos alga-
nsmcs seguintes :
Broncos...... 1*500 a 1*700
Semenos...... 1*300 a 1*400
Mascavado..... 1*200 a 1*240
Colaro de algodao
Mercado ainda frouxo cotando-se nominal o de
1.* corte do sertao a 6*300 por 15 kilos.
Entradas de assncar e alsodao
MEZ DE SBTBMBBO
Asrucar
Entradas
Bom Jesas n 6. Bario de Una 206*010
Bispo Sardinha n. 4. O mesmo 30*901
Companbia Pernambucana n. 24. O
mesmo 73*751
Becco Largo n 23. O mesmo 14*832
Dito n. 25. O mesmo 11*832
Dito n. 31. O metmo 14*832
Dito n. 33. O m suw> 14* 32
Dito n. 35. O memo 14*882
Mascates n. 3. O mesmo 71416
Dita n. 5. O mesmo 6*180
Dita n. 7. O mesmo 6*180
Restauracio n. 54. O mesmo 41*202
D. Maria Cezar c. 38. Bernardo da
Cunha Teixeira 74*781
Pharol n. 62 Bernardo da Silva 7*416
Travesa dos Guararapes n. 2. Can-
dida Senhonnba Vicira Lasseve 14*832
Domingos Jos Martins n 82. Candi-
do Alberto Sodr da Morta (partt) 26*775
Mrquez de Olinda d. 56. Capella des
Prastres de Guararapes 103*305
Bom Jesas n. 41. A mesma 15**50
Torres n. 56. A mesma 67/253
Dita n. 16. A mesma 46*3t>2
Travessa do Occidente n. 7. Carlos
Alves Barrosa 46*970
Dita n. 5. O mesmo 30*901
Bario de Triumpho n. 39 O mesmo 15*748
Viseonde de Itaparica n. 7. Carlota
Libania Lipes Pinto 74*163
D. Mana Cesar n. 3. Carolina Maria
de Camp.s 30*901
Pbarol n. 36 Celina Buptista dos
Santos 14*832
Becco do Triumtho u. 59 Liel^hiuo
i uarte Rodrigues (1/4) 7*0J8
Dito n. 66 O mismo (dem) 1(1*^0
Dito u. 64. Omi8mo(idim) 7*7:0
Guararupisn. 70. O inesmo (di m) 8*571
(Contini).
De o:d>u) do fc'r. Dr. Iotpectir face publico
que no da 13 de Outubro prximo ir a praca pe-
rete a Junta dcste Tbesouro a cobranza do dizi-
m> vaceura, cavallar e ruuar nos muuicipios de
Panells e Bonito, durante o tnennio de Julho
de 1887 a Junho d<* 1810, serv.ndo de base a
renda onuual de 590*"l0, alm de 6 [, do im-
posto addicional s bre esta quxnfia.
Os cmcurieuteB deverio habilitar se perante a
referida Jnnta na fema regulamentar.
Si creiaria do Tbesouro Provincial de I'crnam-
baco, tu, 13 de Setembro de 1887.
Lindolpho Compeli
Santa 4 asa de Misericordia do
Recibe
Por esta secretaria sio chamados es prenles
ou protectores das menores abaixo declaradas,
par.:, at o dia 30 do corrente, apresen tal-as no
collegio das erphis, afim e serem ahi admittidas.
visto acharcm-se inscriptas em primeiro lugar, no
respectivo quadro.
Laura, filba de Miguel de Souza Galvio e Isa-
bel Maria da Silva Galvio.
Sydronia, filba de Cosme Damiio Felippe da
Silva e Constancia Maria do Carmo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 16 de Julho de 1887.
O escrivio interino,
Prancisco Gomes Castellio
Para : 341 saceos ecm milbo, 4.000 caixas com
sabio, 150/2 barricas c 150/4 ditas com assucar,
45 pipas cem aguardeute e 2 caixas com doce.
New Ynk : 281 fardos de couros, 3.292 sac-
eos cim autucir mascavado e 38 barricas com
b rracha.
Carregaraia diversos.
.%avlon a cana
Barca norueguense Union, pan Saatos.
Barca naciuurl liarla ngel.na, para o lio Gran-
de do Sul.
Barca nacional Mir'.nho XI, pa;aL:sboa.
L^ar norueguense 1. i. Lolz, para oa Estados-
Unidos.
Patacbo ioglcz Tibfr, pira 03 Estados-Unidos
Vapor nauioa.il 8. Francisco, para Bhia e es-
Sala.
Vapor ing'ez Mcmnon, para Liverpool.
Vapor ingles Forluense, para o Para.
Mawlon aescarga
Barca norueguense Viua, carvio de pedra
Marca uoruegueose P. A. Siunch, carrio de pe-
dra.
Barca sueca Luda, fariuba de trig).
Barca norueguense Ib s, carvio de pedra.
Barca noraegaease losva, carvio de pedra.
Barca n.rueguense Kro/us, madtira de pinho.
Barca inglesa Char.ty, carvio de pedra.
Bngue nuruegu-nse Hxrdi, carvio de pedra.
Il.-igu-: ingles Ta'bot, bacalbo.
Brizne iuglez WUd-Rose, carvio de pedra.
Lg.r ingles Wanderer, varios gneros.
Lugar ingles Chitf, carvio de pedra.
Patacho nacional Franrolim, xarque.
Patacbo allemio Antelope, varios generoi.
Vapor ingles Carbis, vanos gener >s.
Vapor ingles Author, v.rios gneros.
Paula da Aifandega
SUtAMA DB 26 DE SETEMBRO A l UB OUTBEO
DI I.187
(Vide o D ario de 25 de Sotembro
Memorial
Est marcado smiubi, 29 da corro te, para ter
lugar a reuniio da assembla geral ordinaria da
companbia dos Tbilhos Urb.vnos do Rbcipb
Umhda Bbbbbibb, na qual aerio apresentadas as
contas, lidos o relatorio da directora e o parecer
da commissio fiscal eeleita a nova coxmissio fis-
cal que funecionar por um anuo.
Amanhi, 29 do correte, devem os accionistas
da Compabhia lb Edifica^o entrar com a oitava
prestacio, na razia de 10 0/0 sobre o valor das
respectivas accoes.
Aos accionistas da Estrada db Febbo do Rst-
alo ao Bobito foi marcado o prazo de 60 das, a
coatar de 4 de Agoato, para realisarem a 7.a eu-
trada de 10 0/0 de suas accoes.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setembro
viuioaro, serio substituidas na Thbsoobabia db
Fazbbda as notas do valor de 2*000 da 5.a estam-
pa, 5*000 da 7.a e 10*000 da 6.*
Diligencias de Olinda
Horario
o
a
m
O,
6.25
7.25
8.25
9.25
10.25
12.25
2.20
3.20
4.20
5.20
6.20
7.40
8.40
9.40
b ?

< <

E
-a 1
O
6.45 6.45
7.45 7.45
8 45 8.45
9.45 9.45
10.45 10.45
12.45 12.45
2.40 2.40
3.40 3.40
4.40 4.40
5.40 5.40
6.40 6.40
8.00 8 00
9.09 9.00
10.00 10.00
a
a

XI
a
7.05
8.05
9.05
10.05
11.05
1.05
3.0)
4.00
5.00
6.00
7.00
8.20
9.20
10.20

Recife Olinda e vice verta inclusive
o bond .........
Menincs at 12 annos inclusive o bond.
300 rs.
200 rs.
GompanliiaperuambucaDa
A companbia pernambucana d-: navegacio cos-
teira por vapor proceder ao sorteio liara resgate
de 263 das suas ohrigaco s garantidas, em seu
escriptorio, n) dia 30 d) csrreuti', s 12 tioras r'a
manbi, o qoe se faz scieute aos interessados.
Recife. 26 de Seten,bro de 1887,
Obras publicas
De ord. m do Illm. Sr engenbeiro director ge-
ral das obras publicas a de conforuudade cot a
aatoriaagSo de S- Ezc o Sr. presidente da provin-
cia de 3 do corrente, fie i publico que ao dia 39,
ao meii) d'?., na referida reparticao, receb--se
oropoatas para a >xecucio da obra de .reparos da
ponte dos Carvalhos, sobre o rio J.ib.atio orea-
dos em 4:48'J*48J.
O orcamento e as clausulas espaciara do con-
trato cham so nesta secretaria para serem elimi-
nados por aquelles que pretenderen) arrematar a
mesma obra, de aeeordo com o que dispoe es i,rts.
70 a 73, 89 e 90,92, 97 a 101, 10ri- "r o 116 do
regulamento do 20 de Junbo do < .ata anno.
Secretaria da reparticio das obrr r- '.'.icas, em
9 de Setembro de 887.O engeobeir's secretario
Joaquim Gj nes de Oliveira c Silva.
Fabrica de Fiarlo e Tecidos de
Peraambiico
A directora recebe nropjata pira o forne.-iinen
to de 200 milbeiros detij.los d'tlvcnaria grossa
de 12 pol-'gadas de compn-to, 6 de largo e 3 de
grossura : itescariegido no p.i to da Fabrica de
riaelo da Torre.
As prr.p -atas devem ser fechadas e dirigidas a
a ra do l m Jess n. 3, at o da 3 do corrente
Para Liverpool, 1-. Cirueiro & C. fiOD saccas
com 57,470 k-los de algodia ; M. J. da Rocha 185
saceos com 13,875 ki.os de as-.ucar mascavado.
No vapor americano Finance, carngaram :
Para New-Yo,k, II. Nueseb & C. 4,100 pelles
de cabra.
Para o interior
Ni barca noruegiicnsu Union, carrega-
ram :
Para Santos, J. S L>yo & Filho 261 saceos
com 6,311 kilos de assuear tmscavado.
No v-por ingles Portuense, cirregaram :
Para o Para, P. Pinto & U. 15 pipas com 7,20)
litros de agurdente.
No vap-r americano F,nance, carregaram :
Para o Para, Aiunm Irmao; & C. 45 pipas
com 21,600 litros de aguldente ; A. Olive-ra i
C. 2 caixas com 120 kilos de doce.
No vapor nacional Cantillo, carregaram :
Para o Par, T. de Ase vedo Sauzi 213 barricas
com )5,28 kilos de assucar branco ; V. T. Coiin-
bra 60 barricas com 4),766 kilos de Besucar
branco ; S. G. Brito 375 barricas com 24,65) kilos
de assucar branco ; Beato Alves 50 barricas com
1,674 kilos de aisucar mascavado; J. L. dos San-
tos Pereira 122 barricas com 6,997 kilos de assu-
car branco ; M. Senna & C. 40 barricas com
1,717 kilos de a.sucr branco e 25 ditas com 1,6 'A
kilos de assucar refiaado.
As 1,000 saccas com algodio que na folba de
bootem sahio como carregadas no vapor inglez
Merchant peitencem a carga do vap>r ingles
Manara.
Dlnbelro
BBCBBIDO
Pelo vapor nacional Camilo, procedente dos
portos do se', para :
Jos Candido de Moraes 160:000*000
Beroardioo Lopes Alheiro 4:000*000
Martins Piuza 6c C. 2:508*000
Manoel Teixeira < 0. 2:00L'*000
Rendaleatos pblicos
MSB DB SETEMBRO
Alfande^a
ia dii Eiicacoi)
Esta eompanhla compra terre-
nos, preferoslo os situados no
balrro da Boa vista, agdale
na, Fernandos vielra, AfQietos,
ra do Principe, amlnho Ko-
vo. Hondeso. Riachuelo, Ca-
punga e Manguinho.
4|uem os liver para vender,
quelra apresentar suas propos-
tas no escriptorio da mesma
cmpauhia alto ao largo de Pe-
d o 11 antigo do Collegio n. 3 5
1* and tr.
Recife, 22 de Seiembro de 1887.
Ricardo Menezes, gerente
Boililinf 1 de Janeiro
Linea
Capital do Banco....... 1.000,OCO
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,000
A contar desta data e at ulterior reso-
lugo, conceder-sc-ha juros de dous por
oento ao anuo, sobre oa saldos da dinheiro
depositado era conta corrente de raovimen-
to no mesmo Banco.
Recebe-se tambe.n dinheiro era deposito
i jarot por p-riodos determinados, ou su-
jeito ao aviso pivio de triota das para ser
retirado, mediante as eonde3s de que Be
dora coubecimento aos interessados.
Pernamcuco, 23 de Maia de 1887.
llenry K, Gregory,
Grente.
Beoda eeral
De 1 a 26
dem do 27
Renda provincial
Oe i a 26
dem de 27
Raoebtdoria geral
De 1 a 26
dem de 1
852:328*713
23:2224628
78.336*986
3:755* 7t6
;28:8U*365
60)*477
875:551/541
82.092*692
Barcacas.....
Vapj.-es.....
Via-ferrea de Carair .
Animaes .....
Via-ferrea de 8. Francisco
Via-ferrea de Limoeiro .
Dias
26
24
26
27
24
4 24
Entradas
Somma.
Algoiao
Diaa
Barcacas......1 i 26
Bolo ominertal
OOTAgKS OFFICIAK8 DA JONTA DOS COR-
RECTORES
Recife, 27 de Setembro de 1887
lambo sobre o Rio de Janeiro, 15 d|v. com 1)2
0/0 de descont.
Jambio sobre ixmdres. 90 d|V. 22 3/4 d. por
1*, particular, hioC'.m e boje
Dito sobre diu, 90 d/v. 22 11(16 d. por 1*000, do
banco.
Dito sobre dito, & vista, 22 7,16 d. por 1*000, do
banco.
amoio sobre Pars & vista, 422 rs. o franco, do
banco.
Vapores...... 1
Va-terrea de Caruar 1
Animaes...... 1
Via-feriea de S. Francisco 1
Via-ferrea de Limoeiro 1
Somma.
4 26
4 26
4 27
4 24
4 24
Sacas
8 811
2.356
495
1.330
9.017
3.926
25.985
Maceas
3.390
7.822
122
5.286
3*12
2.209
Heoebedoria p.voinciai
Oe 1 a 26 17:433.:72">
Id-ro de 27 115*736
19.211
Frelamentos
Foram techados hontem os seguinte :
Da barea ingleza Mary Ann, para carregar na
Parahyba, com destino ao Canal, 4 ordem, caro-
los de algodSo a 28/9.
Da barca norueguense Viva, para carregar
aqui, com destino aos Estados-Unidos, assncar a
20/ e 5 0/0.
Vapor despachado
Vapor americano Fnance, sabido hontem, le-
vou para:
laportaeo
Vapor naciooal Cantillo, ehegado ios portes do
sul, em 27 do corrente e consignado ao Viseonde
de Itaqui do Norte, manifestou :
Carga do Ro de Janeiro
Caf 50 saceos 4 ordem.
Couros 1 caixao a Frederico & C.
Ctrvtja 2 caixas a J. Mryer.
Chapeos 1 caizSo a Augusto Fernaudes, 1 a Af-
fonso Oliveira & C., 1 a Raphael Dias & C.
Drogas 2 volumes a Pereira Carneiro S C, 12
a Francisco Manoel da Silva & C.
Fumo 2 volumes a Costa Lima & C, 177 a Mou-
ra Borges & C.
Fugues de ferro 9 volumes 4 ordem.
Fasendas 3 caixas a Ma hado & Pereira, 2 a
Andrade Lopes t C 2 a Moura Borges & C.
Mercadorias diversas 3J volumes a presidencia,
2 a capitana, 2 a H. Lundgren, 6 4 ordem.
P anno de algodao 10 tardos a Ferreira ce Ir-
mao, 10 a Gobcalves IrmSo dt C, 15 a Andrade
Lopes C.
Pregos 2 caixas a Amorim Irmos & C.
X ir que 25 fardos a Manoel Maria II. Cava!-
esnte, 45 a Moura Borges & C.
Carga da Babia
Azeite de coco 2 barris a Marques & Silva.
Amostras 9 vo'umes a T. Jast.
Charutos 1 caiao a Manoel Antonio Pereira.
Chapeos do sol 1 eaiio a Oliveira Basto & C.
Chapeos 1 caixo a A. Dias 4C..U Antonio
P. C. da Silva.
Gordas de piassava 480 a Albino Jos da Silva,
300 a RomSo J. 8. Maiqaes.
Fio de algod4o 79 saceos a Machado & Perei s,
40 a Joao Francisco Leite.
Panno de algodao 60 fardos a Machado Pe-
reira, 9 a Gomes do Mattos Irmaos, 40 a Rodri-
gues Lima ce C, 30 a Lnis Antonio de Siqueira,
16 a Olinta Jardim ce C, 30 a Cramer Frey A C,
10 a Agostinho Santos < C, 25 a Ferreira 4 Ir-
mao, 10 a Andrade Lopes 6e C, 15 a Joaquim
Agostinho 4 C, 10 a I),mingos Alves Matbeus.
I'ellesde cabra 6 amarrados a H. Stolzeoback
& C 16 a H. Lundgren & C, 30 a Abe Stein
eC.
Hecife Drainage
Oe 1 a 26
dem d 27
41:923*232
2:585*580
957:614*233
29:414*842
17:549*461
44:508*812
Herrado Municipal de Joa
O movimento deste Mercado no dia 27 de Setem-
bro foi o seguate:
Entraram :
441/2 bois pesando 6,036 kilos, sendo de Oliveira
Castro, 29 ditos de Ia qualidade, 1 dito
de 2a e 14 1/2 ditos particulares.
418 kilos de peixe a 20 ris 8*360
78 cargas de farinha a 200 ris 15*600
20 ditas de fructas diversas a
300 rs. 6*000
9 taboleiros a 200 lis 1*800
11 Sumos a 200 ris 2*200
Foram oceupados :
24 columnas a 600 ris 14*400
19 compartimentos de farinha a
500 ris. 9*500
22 ditos de comida a 500 ris 1UCO0
59 ditos de legumes a 400 ris 29*500
28 ditos de fazendas a 400 res 11*200
18 ditos de suino a 700 ris 12*600
11 ditos de Iressuras a 600 ris 6*600
10 taihos a 2* 20*000
8 ditos al* 8*000
A Oliveira Castro &C:
E4 taihos a 1* 51*000
Deve ter sido arrecadada ueste s dis
a quantiade 210*760
Conipanhia dos Trllhos l'rba
no do itectfe a Olinda e Be-
beribe.
De oredeui doExm. Sr. Dr. Presidente da As-
scmb'ii G'-ral, convida os Srs. accionistas a as-
sistirym. i:o dia 29 do corrente I) t&s do costuinc, sessSo da r.sscmbit geral or-
dinaria, ua qial, syiulo os nossos Estatutos,
serlo p.pre.-.eutadas as contas, lidjs o relatorio da
directora e o parecer da commissao fiscal o eleita
a nova commssi) fiscal que funcionar por um
auno.
Secretaria da Assembi*. Grral da Companbia
de Trilhes Urban.s do Recite a Olinda e Bebe-
ribe, 13 de Seteinrn de 1837.
Jus Antonio de Almeida Cunha,
Secretario.
Sendo: 68 rezes pertenceutea Oliveira Castr ,
fe C, e27 u diversos.
Kutar<-a<;o"i sartas no porto eoa
'7 de. Kelembro
NACISAKS
Ceciliaconaiu. Pertim Cirneiro $ C.
Camillo10 Viscoudo Itaqui do Norte.
Francolim Amorim Inn.is 4 C.
* Ipojucaa Cumpsuhia Pernambucana.
Jaguaribe Companbia Pernambucana.
Lamego(canhoneira de guerra).
Mariano XIcoasig. 'i Jos da S. L)yo Se Filho.
Mura Augen* L->yo 4 Fi.ho.
* Mandab Compauhia Pernambucana.
Mrquez de C-xi^s om.ugcs Alves Uatheus.
S. Francisco Com/auhU Pernambucana.
ESTKANOBIBS
Antelopecousig. G Perinan.
Author Juhastou Pater 4 C.
Caridid ordem.
Ch^ry Heniy Forster & C.
Carbis Bay Wilsoo Soas 4 C.
* China Luis Duprat.
Cbristina U. Lundgrin <- C.
Darp ordem.
Germania4 Borstelman & C.
Hardi Wilson Sons de C.
Hoaten ordem
Ibis4 Wilson Sons S C.
Josva ordem.
Jorgen J. lotz ordem.
Justiue H. Iagesoll4 Hermn Luadgria 4 C.
Kronos- Hermn Lundgrin 4 C.
Kiffir Chief1 Compaahia do Beberibe.
Linda4 Henry Forster 4 C.
Mary Aon Baltar Oliveira 4 C.
Memaoni. Sauaders Brothers 4 C.
Nina ordem.
New Dominiu4 ordem.
P. A Muach Henry Forster 4 C.
Portuense4 Johnston Pat.-r 4 C.
Palios4 Johnston Pater 4 C.
Rusoer Wilson Sons < C.
Tiber4 Saunders Brothers 4 C.
Talbot Johnston Pater 's. C.
Uuion H. Luadgrin 4 C.
Vibilia4 Hermn Luadgria.
Viva Wilsoa Sons 4 C.
Wanderer 4 Fonscca Irmios & C.
Wild Rose4 Wilson Sons 4 C.
O signal indica ter a embarcacao sabido.
Vapores) a entrar
DOS PORTOS DO sur.
Marinho Viseondeboje.
Taguaamanhi.
ViUe de Babiaa 4 de Outubro.
Guahy a 4.
Par4a 7.
John Eidera 10.
Tamar-a 14.
Espirito SantoP 17.
Congoa 19.
Alliancna 22.
MaTanhJoa 26.
Neta-a 29.
DOS P0BTOS DO NOBTB
Manos4 3 de Outubro.
Pernarobucoa 13.
Camillo-a 23.
tX EDBOPA
Nigera 4 de Outubro.
Trcnta 10.
La Plata-a 24.
DO BAVBE
Ville de Santosa 5 de Outubro.
DE SEW yOBK
Allianeaa 4 de Outubro.
Advancea 25.
vapores a sabir
Tagusamanh, so meio dia, para Southampton e
escala.
S. Francisco amanh, 4s 5 horas da tarde, para
Bahia e escala.
Navios a entrar
Arcelina -do Rio de Janeiro.
Bine Birdde Darien.
Rendimento dos dias 1 a 26
Exportaco
26 DB SBTBMBBO DB 1887
Para o extertor
No vapor ingles Memnon, carregaram :
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos do dia :
Carne verde de 280 a 00 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sumos de 560 a 640 ris idem.
Farinba de 200 a 240 ris a cuia.
Milbo de 24) a 320 ris idem
Feijo de 640 a 1*000 idem.
5:271*800
5:482*560
asatadonro Publico'
Foram abatidas no Matadouro da Cabanga
reses para o consumo do dia 27 de Setembro.
95
Hiiilminlo do porto
Navios entrados no dia 27
Rio de Janeiro e escala- 7 dias, vapor nacional
Camilla, do 675 toneladas, commandaate
Frank Conditt, equpagem 41, carga varios g-
neros ; ao Viseonde de Itaqui do Norte.
Rio de Janeiro--10 dias, barca norueguense Pal-
Ios, de 600 toneladas, capito A Pederseo,
equpagem 12, cm lastro ; a Jobnston Pa'.er
4C.
Rio de Janeiro- -14 dias, barca sueca Cbristina.,
de 529 toneladas, capito F. E. Andersen, eqai-
pagem 12, em lastro ; a E'. Lundgren 4C.
Memel (na Allemanha)--79 das, barca allem
Germania, de 352 toneladas, capito Cail
Aire, equpagem 10, carga madeira de pinho ; a
Borstelman 4 C.
Sahidos no mesmo dia
Mo5sot---Vapor nacional Ipojaca, commandaa-
te Alfredo Monteiro, em lastro.
Par4 e escalaV por nacional Camillo, com-
mandante Frank Conditt, carga varios g-
neros.
Fernando de Norooha- -Barca noruegnense Chi-
na, capito O. Erikson, em lastro.
Rio Formoso e Tam.ndar Vapor nacional
Mandah, commandante Pedro Nolasco, em
lastro.
j

*

fp
t


Diario de Pernaiubuco---Quarta-feira 28 de Setembro de 1887
L
i!
DO
BRASIL
Capital 30,000:0006
dem realisado 10,000:0006
Acaixa filial d'es'e Banco fuaccionaado tem
amante ra do Coa.merc.io n. 38, taca,
vrata ou u prazi, contra os segmates curre spon-
3 do estraugeir.' :
L >.. -. .. /_N. M. Rjthscbil & Sons.
T? Rothachild FrCres.
euUcbc Bank.
Banquc d'Anvera.
Banex Genrale e suas
gelu
Pxris..........
Hamburgo.......'
Berliin..........I
Brmente........i
Fraukfurt s/ Main ]
Antuerpia.......
Boma...
Heno va.
Napol
lilao e osis 840i
enfades de Ita- |
lia.......
. .1......
Barcelona ...
Cdiz........
ga......
Tarragon?. .,
Valencia e entras (
(Jadea da Hm
pmtia i: ilbaa '
latiaa .
Lisboa.........\
Porto e ma8 ci- f
di
tugal
Baetios-Ayres... .)
video......)
Nova York......
NORTHERN
de Londres e berdeen
roalcao Onanrelra (Mezi'mbro IHH5
Capital'oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Hecelta aonnal i
Ds premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
John. H-
O AGESTE,
Boxwell
COMPANHIA
|'MPERIA J
DE
.U & I1IOIO ( I' I
ibas...J
Banco Hypteaario de
Eapana e mas agen-
cias.
Banco de Portugal e
suas agencias.
Bngtisfc Bank of the Ri-
ver Pate, Limited.
G. Amsirk & C.
Compra saquea sobre qualquer praca do mpe
:'. > B dj estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrento de m.ivi-
:. juros i asilo de 2% ao anni e por le-
tras :< praao a juros eunveuciouados.
O gerente,
William M Webster________
Obi^Publicas
De ordena do Illm. Sr. eogcnbeiro director geral
^ias obras publicis e de cooforrnidafe com a au-
torisaeao de S. Exe. o Sr. presidente da provin-
cia de 12 de .4 e^sto do orrente anno, faco pu-
beo que no dia 15 de Outubro proxiinc, ao meio
da, na meama repartie/i, receb.* se prepesta-j
pir.i a obra dos repiroa precisos no acud publi-
co da comarca de Pitres, orc/idoa em 3:781"i(r'.
O orcarn-'ntj a i IhUuIxs esp3::iacs do contra'o
aeham-se nes'a secretaria para serem examinados
por :n|uellea que pretenderen! arrematar a n
obra, de are >rdo c o o que dispo; os arts. 70
73, 89 e O, 92, !7 101, IOS, li e 110 do regu-
lameato de 20 de Junho do con ente anno.
Secretaria 1a repartici das obr*s publicas de
P. ruumbuco, em 23 de Agosto de 1887.
O eng.nbeiro secretario,
Joaquim Gnics de Oliveira e Silva.
EKIROi CONTRA FOtiO
EST: 1803
Edificios e mereadoria*
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizo
CAPITAL
fia. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. ^ Ra do Commercio N. 5
ARIIOS
Compaiihia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelcjda em *&
CAPITAL 1,000:000
SINISTROS PAGOS
*c 31 de dezembro de lN4
Martimos..... 1,H0:00$000
Terreslres,. 3I(:O0O&OOO
44Ra do rommrelo-
SEGUROS
MARTIMOS contra fogc
Companhia Phenli Per-
nainhucana
Ra do Commercio n. 8
BS'.a DOtOHHElttiO *. *A 1* A\III
f alinea de Fiaflo e Tecdos de
rernambnco
A directora recibe propoatas para fornecimento
de cal prefa e areia deectrregada no porto da Fa-
biiea da Torre.
As propottas devem s*r fechadas e dirigidas a
ra do Bom Jess B. 3 i.' o dia 30 do correte mes.
Companhia de Edifi-
ca^o
Conmnico aos Srs accionistas que pordeli-
beracao da directora foi resolvido o recolhimcnto
da Gitava prestaco na razio de 10 por cento sob
e valor das respectivas accoes, o qusl dever rea-
lisar-se at o dia 29 de Setembro prximo futuro.
K-cife, 29 de Agosto de 1887.
|Ricardo Menezes,
Gerente.
COMPANHIA DE EDIFICADO
O escriptorio d'esta
coinpanliia a cha- se
fuuceionando no largo
de Pedro II, n. 77, 1.
andar.
Imcumbe-se median-
te contrato e a paga-
mento em prestares,
de constrncfoes e re-
construcfdcs de pre-
dios, cujos projectos e
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No escriptorio se en-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica a vapor
do Taquary, tendo sem-
pre venda: tijolos
massiyos de alvenaria,
ditos para ladrilhos,
diversos formatos, te-
dias romanas, francs
zas, de capote comen
caixe, de crista; cano-
c curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e tijolos fora-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c en-
comendas, no escripto-
rio central.
i.nndoa A Brasillan Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca-
sa do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, roa dos Capellistas d. 75. No
Porto, roa dos Inglezes.
de Lista
AGENTE
Miguel Jos Altes
N. 7RA DO BOM JESS-N 7
segaros martlim lerre.tre*
Nestes ltimos a nica eompanbia nesta praga
que concede aos Srs. segurades iiempco de paga-
mento de premio em cada stimo ann, o que
equivale ao descont annual de cerca de 15 por
cento em favor dos segurados.
R0YAL1AILSTEAM PAGBT
C01PAKY
O paquete Tagus
E esperad<
do sul no dia 29 dt
corrente seguinl'
depois da aemorn
necessaria para
Lisboa e Sonthampton
ReducqUo de passageru
Ida Ida e volta
A' Sonthampton 1 clnsse 28 42
Camarotes reservados para os passgeiros de
Pernambnco.
fara passagens, fretes, etc., tracta-se con. o
Consignatarios
A moriin Irmos &C.
>J. 3- RA DO BOM JESS N. S
Companhia Bahlana le navega-
co a Vapor
POIiTOS DO NORTE
lacio, lossor c Aracaty
O mor lurguz is Caiias
Ctimmandante J. J. Coelho
Este vapor sahi -
r para os portos
cima indicados,
no dia 3 do cor-
rente, s 4 horas
da taide.
Receoe Barga nicamente at ao meio dia do
referido dia 30.
Para carga, passagens, encoramendas e dinhei -
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7Rxui do Vigario7
Domingos Atoes Matheos
Grande Ruido Sal
Segu com bn vidade para porto cima a bar-
ca nacional Mara Angelina : para o resto da car-
ga que Ihe falta traase cim Jos da Silva Loyo
A Piihj.
LBiLUES
Hoje, 28 continua o agente Pinto o leiUc de
couros, elsticos emais m>rcdrias do armasem da
ra do Mrquez de Oliuda n. 53, em liquidaco.
Quiata-feira 29 deve ter lugar o leilao de
dons rmaseos e urna casa de residencia na cidade
de Limoeiro, a ra da Matriz, na referida casa;
Sexti-feira 30 o de urna ezcellente chcara
as barreiras em Cazang : boa acquisicao para
qu. m precisar de urna propriedade.
Sezta-feira 30 o de 46 saceos com arroz, em
um ou mais lotes.
Leilao
De carneiros, bizerros casemira de seda pira
carros, marro (iiins, cordovSo, cadarc, camursa,
castuK'S, e'asticos. lont' rnas para carros, oleados,
pellicas, selhoes, vaquetas, argolas, pregos, rab-
cbos, Icroe, e cab Em conlnnaco
Urna ariracao e um eoup.
(O.vrili FOGO
Mih Brilish & Hercantile
CAPITAL
t:OOO.OOo de libras sterllnas
AGENTES
Adonis o ii lio w ie & C.
cm casa do
SR. JOHN H BOXWELL
Ra do Commercio n. 26.
SEGUROS
CONTRA FGGO
The Liverpool & London & Globe
INSIMNCE C01IPANY
Sffite Brota & G.
Manta Casa de Misericordia do
Recife
Na secretaria da Santa Caaa arrenda-se os se-
guintes predios :
Roa do Bom Jess n. 13, 3- andar.
dem dem n. 44, 1' andar e toja.
dem do Vigario Tbenorio u. 22, 1 andar.
dem idem n. 25, sobrado.
dem do Marques de Olinda n. 53, 3- andar.
dem do Apollo n. 24, 1- andar.
Iden da Moda n. 4'.
Ipem idem n. 47.
dem idem n. 49.
dem idem n. 37. *""
Secretaria da Santa Casa de Misercordia do
Recife, 25 de Maio de 1887.
O escrvad intirino,
THEATRO
COMPANHIA DRAMTICA
Brevemente
Esplendido espectculo em beneficio
DA
Celestial Coifrem da Santlssm a
os
FILMS III um
Drama original br&sileiro e nunca representado
nesta capital.
Anonncios e progrimmas as vesperas do eg-
p'ctacnlo. _________________^^^^^^^
Retratos Americanos
Con rlea* moldaras doaratfas na
lio relevo e coidAe*
com dato bolas de eda
Desde 2.S000
SEM MAI8 DESPESAS A FASER
Em exposiqao
1LOH das Liste A2D08
N. 61 Ra Duque de CaxiacN. 61
Para encommendas bastante um pequeo re-
trato, nao importa que seja antigo, disendo a cor
dos olhos e do cabe'lo, ebega nmjlindo retrato i>ara
presente ou pura sala de visitas.
Encommendas para o Natal sao feitas at 31) de
Setembro.
Jos Augusto Das
AGENTE GERAL
tOMI'WIII rKtt.V* Bl'CaNA
DE
.avegiico costelra po>" vapor
fORTOS DO SUL
Macci, Penedo, Aracaj e Bahia
O vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 29 de
Setembro s 5 horas
da tnrde.
Recebe carga at o
'dia 28.
Encjmmendas, passagens e dinheiros frete at<
4c 3 horas da tarde do dia 29.
ESCRD7T0RI0
Ao Cues da Companhia Pmambucana
n. 12
IniKMl Slales & Brasil )l S. C
O mur Alllanca
Espcra-se de le'*1 OH
News, at o dia 4 ic Outu-
bro o qoal seguir -lepots d
demora necoairia psra
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
te com os
AGENTES
Henry tost1 & C.
N 8 RA DO COMMERCIO -N. 8
1 anda
CHABAEIRS REUNS
Companhia Franceza de Navega-
ele a Vapor
Linha quinzenal entre o H^vre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio'de Janeiro e
Santos
O vapor Tille de Bahia
Commandante Sebire
Espera-se des oortos do
sul at o dia 3 de Outubro
seguindo depois da indis-
pensavel demora para o Ha-
vre
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentcs commodos e ptimo passa-
dio.
As passagens poderlo ser tomadas de antemao
Recebe carga encommendas e parsageiros para
os quaes tem excel lentes accommodacoes.
Para carga, passagens, encommendas dinheiro
a frete: trata-se com o
AGENTE
O vapor Me le Ms
Commandante Henry
E' esperado da Europa
at o dia 5 de Outubro, se-
guindo depois da indiapen
aavel demora para a Ba-
ha, nio de Janeiro
e Mantos.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p.'lot
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarengu.-. -jual-
quer reclamaco concernente a volumes, que po
ventura tenham seguido para os portos do sul.atii
de se poderem dar a tempo as previdencias neces-
saras.
Expirado o referido prase a companhiaoa n se
responaabilisa por extravos.
Para carga, pai sagons, encommendas e dinheire
a frete : trata-se com o
AGENTE
Augnsle Labille
9 -RA DO COMMERCIO-9
COHPAIU1E DES HENiAVe
IIIEN MARITIME9
LINHA MENSAL
O paquete Niger
Commandante Banle
Espera-se da Eu
ropa at o dia 4 dt
Outubro, seguin
do depois da de
mera de costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Rio de Janeiro e Monte
video
Lembra-se aos senhores passageiros de todat
as classes que na lugares reservados para ests
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se aos senhores recebedores de merca-
dorias que s se attender a reclam aces por fal-
tas nos volumes que forem reconhecidas na occa
siao da descarga,
Para carga, passagens, encommendas e dinlnir
a frete : tracta-se com o
AGENTE
Augustc Labille
9 RA DO COMMERCIO9
Porto por Lisboa
Com destino aos portos indicados setrne com
brevidade a barca nacional Mannh* XI; para
carga e passageiros, Irata-se com os consigoats-
lios Jos da Silva Loyo & Filbo.
Agente Pinto
amado Marquz de Olinda n S3
Agente Pestaa
Da boa casa terrea sita ra de Chrystovo Co-
lotnbo antigo becco do Lobato n. 7, freguezia
de S. Joc.
Quarta feira, 28 do corrente
A'a 12 horas em ponto
No armazeui da ra do Vigario Tenorio
n. 12
O agente Pestaa a' \ leilao por mandado e as-
sistencia do Exm. Sr. t)r. juiz de orpbos e au-
sentes da casa terrea cima mencionada perten-
cente a Januario Antonio de Lima e sua mulber.
De non caixa marca D A R & C n. 1143 con-
tendo pecas de borrachas para sapatos, avariadas,
viudo de Hamburgo no vapor allemo Rio, entrado
no corrente mes.
Quinta feira 29 do corrente
A's 10 horas
NA RA DO IMPERADOR N. 49
A.i;vr:
Modesto Baptista
Leilao
de abocetes finos, em ca toes, e caixinhas de ma
deini, contedo de 4 caitas grandes, diversas
miudezas e machinas de costura.
Quarta-feira 28 de Setembro
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 52
jente Pestaa
Leilao
ie predios)
Q liarla feira, .de Setembro
As 12 horas
No armazem ra do Vigaria Tenorio n. 12
O agente Pestaa autorisado vender o sobrado
sito ra de Vi al de Negreiros u. 91, de um su-
dar, teu lo os sezuintes commodos : 3 jaoellas de
frente, 1 p .ra, 2 salas, 2 quartos e o pavimento
terreo eccopado por estabdecimeato de uno.hados,
rendendo uensaluiente 36, edificado em solo pro-
prio.
Urna casa nos fundos d> mesmj sobrado, sita
no largo do Forte n. 56, vom 2 salas, 1 quarto e
quintal, rendendo 15 mensaes em terreno pro-
prio.
Um sobrado sito ao larga do Paraso n. 11, com
grandes commodos p r familia, em terreno pro-
prio, rendendo 400 annuaes.
O agente Pestaa vender no dia e hora men-
cionados cima, os predios alludidos que pelo bom
estado de conservaco e bons rendimentos cbamam
attencan dos Srs. compradores.
Quinta feira do eorrente
As II horas
Na Ra do Lvrameuto n. 33
O AGENTE MODESTO BAPTISTA, autori-
sado, fr leiiSo da armacao. 6 fi te iros sendo 4
para balro e 2 para portas, 2 balnncas, 1 candi-
eiro, 1 lampeao, 1 r 'partimento, cartoes, 3 cabides,
1 faeo, pacotes d seda, urup- mas e outros arti-
gos existentes noest belecimento cima declarado.
2* leilao
Agente Britto
Movis, espelhos, etc.
O agente beima, a mandado do Illm. Exm. Sr.
Dt. juiz de direito da jrovedaria, far leilao dos
objeetos ahaixo, pertencentcs a am espolio t
Duas mobilias de Jacaranda, 1 guarda-roupa, 1
gnarda- comida, 3 ct.rtciras, 2 espelhos, 3 quarti-
nheiras, 1 cufro de ferro, 5 aparadores, 1 cabide
de parede, 2 venecianas novia, 1 machina nova
pan amolar facas, 1 aparador decaixo, 5 bancos
para jardim, 4 cadeiras de bataneo, 2 camas de
ferro, 2 estantes de fai-i, 2 grades, 1 mesa de araa-
n II', 1 lavatorio com pedia, 3 bscias grandes de
ucet.l, 1 baniciro de madeira, 1 mesa redonda de
ferro, 1 candieiro de metal para gaz carbnico, 1
banquinba, 1 terno de medidas de systcma deci-
mal, 1 banco envernisado, 1 secretaria de mogno
e outros obj'ctos.
Quinta-feira 29 do corrente
A's 10 1 horas
Ra do Bom Jess n. 45
Agente Silveira
Leilao
Da casa terrea ra da Santa Cruz n. 44
cm terreno proprio
Quinta feira 9 do corrente
Ao meio dia em ponto
Leilao
De urna grande chcara no logar denomi-
nado Barreiras em C*xang, perto da
cstaQao com casa para grande familia,
cora dus cacimbas, b mbs, estribaras,
baixa de capim e muitas outras bemfei-
torias, be ii como urna pequea parte do
engenho Brum, em cujo terreno se acba
edificada dita casa, propriedade do Sr.
J. A. Thom.
(Em um t lote)
Sexta feira 30 do corrente
Ao meio dia
Agent Pinto
\o armazem da na do Mrquez
de Olinda n .
Os pretendentes podem examinar desde j dita
easa, entendendo-se com o msmo agente.
Agente Burlamaqni
Leilao
Sabbado, 1 de Outubro
A's 11 1/2 luras
No armazem ra do Imperador n. 22
D i importante predio ra do Apollo n.
10, hoje Barao ds Itaparica
O agente cima por mindadj e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito da proved-jna, ven-
der em leilao o predio cima, a requerim.-nto de
Joe Ferreira da Silva, iuventariante dos bens
deixados pela finada D. Carlota Joaquina du Car-
valho, para occorrer as despezas judiciaes e pagar
dividas passivns do eppolio e l'gado.
Os Srs. freten enti s podero desde j examinar
dito predio.
AVISOS MUtM
N"s anemias nico reconstituinte a Agua de
Caj pura .
Aluga-se casas a t500 no becen dos Coc-
hos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra d
Imperatriz n. M.
Alnga se por lOtO'JG a casa n. 21 na Var-
zea, defronte da estaca, com armacio ; a tratar
na ra da Imperatriz n. 56.
Ccoipra-se urna casa terrea na ra da As-
snmpco ou Santa Cecilia ; a tratar na ra do
Mrquez de Olinda n. 3, loja.
Nio ha quem nao saioa que no tempo do caj
familias inteias ucaii.p.un debaixo dos cajueiros
d'onde eabem nedios e anafades, nutrinda-se ex-
\ o armazrm do largo do Paraizo n. 26. elusivamente de producto dos mesmos cajueiros.
O agente Silveira, por mandado e com assisten- Precisa-se de urna perita cosinheira que l
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito da provedoria,
levar a leilao a referida casa (ccmfronte ao mer-
cado da Boa-Vista), a requerimento do invent-
bante de D. Luza Maria do Nascimento, tendo a
casa 2 portas de frente. 2 salas, 2 qaartcs, cozi-
nba tora, ptimo quintal murado e cacimba pro-
pria.
Os Srs. pretendentes podem examinar
Leilao
D' mobilias, pianos, quadros, jarros, molduras
douradas, relogios de parede, cofres, carteiras
prensa de e piar, balancas grandes e pepuenas,
1 silbao quasi novo, malas para viagens, copes,
chicaras, pratos e muitos outros movis que sero
vendidos ao correr do msrtello.
Quarta feira '* do corrente
A'S 11 HORAS
No armazem da ra do Marquz de Olin-
da n. 19
POR INTERVENQO DO AGENTE
______Gsmo______
Leilao
De velas de lona, vergas, mastaros de pinho,
pao de sobrecelente e 1 lote de cabos .de diversas
grossuras.
Quarta feira 28 do corrente
Ai If horas
No trapiche Baltar, caes da Companhia
Pernambucana
Agente Modesto Baptista
Leilao
Do deposito da ra de Lomas Valentinas
n. 46
Quarta feira 8 do eorrente
O agente Martins competentemente autorisado
pelos Srs. Ventura & O, tara leilao da armacao,
balco, balanca, pesos e medidas, candieiro e ge
eros do deposito cima ; bem como de mezas, fa-
llieres, toalbas e muitos outros objeetos tendentes
a hotel e casa de familia
A's 11 horas em ponto
Agente Pestaa
Leilao
DE MOVIS
Diversos guarda rcupes de amarello, novos e
usados, commodas de dito, mesas elsticas, mar-
quexes, aparadores, cabides, candieiros gaz e
muitos outros objeetos existentes ra do Viga-
rio Tenorio n. 12.
O agente Pestaa, autorisado far leilao dos
movis alludidos, os quaes pelo bom estado de
consarvacjto em que se acham chamam a attencao
dos Srs. concurrentes.
Quinta-jeira 29 do corrente
A's 11 horas
No armazem ra do Vigario Tenorio
n. 12
Leilao
Do grande predio edificado ra da Ma-
triz na cidade do Limoeiro, pertencente
ao expolio do fina lo Ouilherme Deffren.
tilinta feira, 99 do corrente
Ao meio dia
NA proprla casia no olto da Matriz
da cidade do sMtnoelro
O agente Piuto far leilao per autorisscao do
Sr. consol do imperio germnico, em presenca de
seu delegado e por conta c risco de quem perten-
cer.
Dos 2 grandes armasens que podem comportar
1.000 saccas de algodao, 1 grande casa de mo-
radia com grande quintal, todo murado, telbeiros,
cacimba e mais b mfeitorias, formando as tr z
casas um s predio pertencente ao eppolio do fina-
do snbdito allemao Ouilherme Deffren.
Os pretendentes podem desde j exminar dita
casa, coja chavo ser encontrada na casa visinha
dos Srs. Medeiros & Vareda, e cemparecerem ao
leilao no dia 29 do corrente.
-
Agente Pestaa
Da importante casa terroa a ilha do Bemfica n
10 A, na Passagesa da Magdalena, a margen) i
rio, com es commodos seguintes : 2 salas, 5 quar-
tos, cosinba lora con copiar, grande quintal fe-
chado, arvores fructferas, peona o'agua do Bebe-
ribe, porto que d para um terreno com diversos
coqueircs, e caes em frente a caaa para o rie.
Quinta reir. Z9 do corrente
A'S 12 HORAS
No armazem ra do Vigario Tenorio n. 12
Leilao
Agente Pestaa
Da casa terrea com excellente commodos para fa-
milia, boa agua de beber, quintal com diversas
arvores fructferas, ra de Costa no Arraial.
O agente Pestaa, far leilao por conta e ris-
co de quem pertencer da casa cima menciona-
da, livre e. desembarazada de qualquer onus,
achando-se as chaves em mo do mesmo agente
para os Srs. compradore. h examinaren!.
Quinta-feira 29 do c rrente
A's 12 horas
No armazem ra do Vigario Tenorio n. 12
Leilao
Agente Brit*o
Da armacao e todos os utencilios da padaria
sita ra Direita n. 127, em um ou mais K tes a
vontade dos Srs. licitantes.
Sexta feira 30 do corrente
A's 11 horas
Leilao
De urna vacca tourina
Nexia-feira 3O de etembro
Ao meio dia
Agente Pinto
Em frente ao armazem da ra do Mrquez
____________de Olinda n. 52
Leilao
De 16 saceos com arroz, descarregado de
bordo do navio Wanderer cora toque de
avara, o existente no armazem do Sr.
Jos Luiz, unto a guarda-mora da Al-
fandega.
Sexta feira, 3o do eorrente
A's 11 horas em ponto
Agente Pinto
No referido armazem
y
comprar e que durma em casa ; ra de Joaquim
Nabuco n. 9, Ca punga.
= Entre duas eetacoes Cruz das Almas, alu-
ga-se urna casa propria para estrangeiro, com to-
das as a:ei uiinjd^ees em frente da chcara do
Sr. Thon : a tratar na ra 1 de Marca n. 25,
leja de joias.
A agua pura de Caj (o nome o diz) nao tem
droga nenbuma neciva, apenas o sumo da me-
dicinal frocta conservado.
ALUGA-SE ama casa em Santo
Amaso, ra do Lima. n. 30, propria para
familia grande ou collegio. Tem 7 salas,
15 quartos, agua e gaz encanado, appare-
Iho e quintal: a tratar na lytographia de
J. E. Purcell, ra Mrquez de Olinda
n. 8._____________________________________
Quem deixar de convalescer crear appetite, e
engordar para evitar gastar alguna mil reta na
deliciosa bebida Agua de Caj pura.
Na engenhoca Bemfica ra Real da Torre
precisa-se de nm carroceiro entendido ; a tratar
na recerca.
Cestas de vime de todos os tamanhos, para
compras.
Ararnta a mais especial que vem ao nosso
mercado, propria para alimentaco de criancas.
= Abanos, teem grande porco e vender
mais barato que em outra qualquer parte ; no
armazem Confederacao da Norte, de Martins Pi-
res & O roa estreita do Rosario n. 1-
Aluge-se a bella casa do pateo de S. Pedro
>Tovo n. 2, muito fresca, toda murada, com muito
boas sapotas, gaz e muitos commodos a tratar
na ra do Mrquez do Herval, loja n. 23.
Precisa-se de criado para vender taboleiro :
na ra da matriz da Boa-Vista n. 3.
Aloga se o sobrado n. 24 ra Velba, tendo
agua, gas e perfeitamente limpo ; a tratar no
mesmo sobrado.
= Alaga-se o 2 andar n. 31 eo 1- andar e
arnjazero n. 39 ra do Imperador ; as chaves no
armasem do Guimaraes na esquina.
Precisa-se de ama sma :
cado n. 8.
no Largo do Mer-
= Vende-se um srmazem
ra do Mrquez do Heival
ra de 8. Francisco n. 70.
de materiaes sito
n. 31 : a tratar na
Precisa-se de urna ama para eosinhar para
pequea tamilia ; na ra da Aurora n. 155.______
AMA Precisa-se de urna qoe lave e en-
gorme para casa de pequea familia ; na ra do
Marques do Herval 107, entrada pelo oitao.
Precisa-se de um criado livre, para casa de
familia : a tratar na ruado Barao da Victoria n.
39, loja.
E' barato!
No escriptorio deste Diario se dir quem
vende a collecjSo das Fallas do Throno
desde o anno de 1823 at at 1872, acom-
panhadaa dos respectivos Votos de Qraqa.
leilao
Bom rmprego de capital
Sexta-teira 30 do corrente
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O agente Stepple c-mpetentemente autorisado
levar a leilao osse.nintes predios :
Um sobrado de 3 andares n 3 ra de Mar-
cilio Dias.
Dito dito de 3 ditos n. 5 dita
Dito dito de 3 ditos n. 7 dita. Estes 2 ltimos
teem a entrada pela ra da Penba.
Um dito de 3 andares roa do Bom-Jess n.
15.
Um dito de 1 dito e seto ra do Tuyty n. 5.
Um dito de 2 ditos ra de Maris Barros n. 9.
Urna casa terrea de pedra e cal n. 13 defronte
da estadio da Varsea, com 3 salas, 5 quartos, ga-
binete, cosinba fura, bauheiro, cacimba, murada
e com porto de ferro ao lado e grande sitio com
diversos arvoredos.
Um bom terreno arborisado ra da Rettaura-
cao em Beberibe de Baixo com 50 palmos de fren-
te e 470 de fundo.
Desde j podem examinar e para qualquer in-
formacao o mesmo agente dar.
Leilao
De um cabriolet americano, de 4 rodas com 4
aasentos, para um cavallo e lanca para dojs com
lauterna e tapete, um txcelleote cavallo para o
mesmo.
Sexta-feira, SO do corrente
Ao meio dia
Agente Pinto
Em frente o armazem ra do Mrquez dt
Olinda n. 52
Precisa-se de urna ama]para cozinbar; no
3 andar do predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typographia do Diario
de Pernambuco.
Ao commerc'o
A firma que nesta
pra^a gjrava sob a ra-
zo de Saunders Bro-
thers & C. entra hoje
em liquidaco. Re-
cele, 22 de Setembro
de 1887.___________
AMA
Precisa se de nma ama psra eosinhar e engom-
mar para tres pessoas ; na ra Duque do Caxias
n. 6, 2. andar.___________________________
Casa em Bebenbe
Aluga-ee a casa junto a estacio n. 16, est
timpa e tem commodos p*ra grande familia, tem
o rio no fundo ; a tratar na ra do Livramento
numero 19.
Ama
Precisa-se de urna tma que engcmme e fsca
mais ser vico de casa de tamilia ; na ra de S.
Francisco n. 10, 1- andar.

r
i


Diario ele Peranitoueolluarta--lcir& 28 de Sctenibro de 1887
Criado
Precisa-se de nm criado que aaiba 1er, eicrever |
e contar, calenda de opero e d fiador de ana
conducta ; a tratar na ma da Madre de Deni n.
5, armaiem, de 9 horas s 4 da tarde.
Ao publico cao com-
mercio
O abaixo asaignado, tendo de retirar-se para
{ira da provincia, dtelara que nao deve naia
Beata praca uem mesmo fra della, quer em tran-
lacces commerciaea ou mesmo partienlares ; se
alguem se julgar credor, queira apreaentar seas
ttulos, afim de terem conferidos e pagos, no praso
de tres das, a contar da data deste, na inercearia
a roa de Gervasio Piree n. 31. Recife, 24 de de-
tembro de 1887.
Jos Costa da Silva Haia.
Mufla illeiifafi
Na raa Sete de Setembro (outr'ora becao dos
Ferreiros) n. 6, fas-sa plua e recorta-ae babados
largos e eatreitos.______________________________
Compras por atacado
O Peiloraljdi* (ambsr*
tem precos especiaes para acuelles que compra -
rem grandes porcoes. Distribnem-se impressos a
quem os pedir, contendo as condicoes de vendas :
na ra do Mrquez de Olinda j. 3 drogara dos
nicos agentes e depositarios gomes
Francisco M. da Silva C-
Palha de carnauba
MAMADEIRA-BOMBA
MONCHOVAUT
JL nica com vlvula, ota qam nnno
o leite torna a deaoer
IILHA IE HTSTA1 CtM MA FUS I
Uedalhas
de Ouro
e
de Prata
Oplntao do D' BOUCHUT, lente
agregado di Facilitada de Medicina de Parn e
medico do Hospital dai crianca enferma, no en
liTro Mugir na da Xnfaneim '
a Urna Mamadelra bem aoondiclonnada
c deve ter ma vlvula onde o leite nunca
torne a desoer : este o prlnolplo da
c MAMAOEIRA MOf CHOVAUT. >
fMiiM ta Usu ai priiciaMi rkiraaclai i roairlil
Caixeiro
Prrcisa-se de um caixeiro de 12 annos de idada,
que d conhecimento de sna conducta ; a tratir
na ra da Roda n. il, taverna.
Industria nacional
Vmde-ae em grosso e a reUlho '.
Hortits n. 41, e roa da Detenclo n. 9.
Alcool de canoa rectificado desinfactado, coi;-
na rna de nac brasileiro (agnardeute Je canixa desinfectada)
obtidoi por A. M. Viras 4 C
Silio
Aloga-se nm sitio no principio da estrada do
Encanamento, no Paraaueirim, com boa casa de
mirada. O sitio tem grandes proporces para plan-
tacoes e diversas arvores fructferas, a casa tem
2 salas, 7 qaartos, cosioh. extern*, qoarto para
Criado ou teilor, casa de baoho de tij >lo coro cbo-
visco, agua encanada da companhia do 11 beribe,
agua na cosinha com pa para lavag. m de pratos.
O clima muiro ameno e s judavt I c a casa fica
muito prozima da cftaco dj Parnameirim; a
tratar no pateo do Colegio ou pr*c> de Pedro II
n. 6, 1 andar, com o Dr. Meira do Vascoocellos.
A luga-se
a loja do predio ra d > Marqu.'z do Herval, tra-
vesea do Pocioho d. 33, propria para qualquer
estabelecimento commercial por ser do esquina ; a
tratar no largo do Corpo Santo n. 4, 1- andar.
Ama
Precisa- Be de orna ama para tratar de crianzas
na roa da F'orentina o. 6.
t
Torre
Aluga-se um sitio oro casi, caala e pintada
de novo, que dispoe de bastantes commodos, ao
Jado da taverna do Sr. Antonio ; a tratar com o
Sr. Alfredo Leal, casa frooteira ao mesmo sitio,
oa no largo do Corpo Santo n 4.
I-rael 4 ffono Ferrol a
Celestina Fernandes Ferreira. seus filbos, ce
nba los e primos agradecen) s pessoas que accm
p^unaram ao cemiterio o scu muito presado ma-
rido, pai; irmao e primo ; e le novo convidam oa
seos parentes e amigos para assistirem as missi.s
que por seu eterno repouso mandam celebrar fia
7 1|2 boas da mina do dia 28 do andante, ra
igreja da Soladade.
GADET
CURA
em TRES DAS
[PtBDerii7]
F> A R I S
Depsitos as principaes Pharmacias.
Em Pernambueo :
FRANco M. da SILVA a C.
larael Afronto Ferreira
Fernando Affjnso Ferreira, sua mulher e filhos
convidam a todos seus parentes e amigos a assi.i-
tirem a miasa que por alma de seu presado irmS),
cunhado e to, Israel Ail'.ns. Ferreira, mandan
celebrar na matriz de Palmares, s 7 boras d dia
28 do corren:e, stimo do eeu psssamento, confeii-
sando-se desde j gratos por essa prova de ami-
zade, religiao e caridade.
._ _
2S>

Mliuel Pereira Clralde*
Francisca Candida G eira Gera'dcs, sua mulfeer e filbos, seu irnaSr,
suas irma. seu ennbado e sobriohos, onvidam a
t .d s os sous parentis e amigos e aos do su
nunca astas pranteado esposo, pai, av e sogra,
pam assi-tiren. as missas que p.ir sua alma serio
c -lebraaas na matriz de S. Fr. Pedro Martyr ein
Olinda, as 7 horas da manh do dia 28 do corren-
j te, 1 anniverssrio do seu passamentc, desde j
antecipam o seu eterno rec.nl.euirr nt, a todas ts
pesseas que se dignareis c acto.
Flix de tiliuqueiijiie Mello
Antonio Campelio Aibuquerquo convida asma
amigos e parentes para atoistinm a urna missa,
que pjr alma de seu seaapre lumbrada fio, manda
celeirar na Cipe11 do eogeabo Atmmk, no dia
28 do vigente, visto Extna. v.uv t. r <\-quecido
este dever, c desde j m coufessa eternamente
grato.
Aaaa Amella t de iranio
Manoel drico C. de Arauj), seus filhos, sobr -
ni o e cunhado, couvidam a todos es seus pareo-
tea o amibos assiaiirem a uiissa que por alma ce
sur prrsada irmS, ta l cuub..da, u:auJam cele-
brar no convento d- N S da Penha, s 6 boraa
do dia 1- de Outubro, setiini do seu passamento ;
cauf-tsando- se desde j gratos por essa prava de
amizade e religio.
Jiaii Harttn* do Klo
D. Ine?. Mirtius diRu e seus filbos convi-
dam a t->di o i-os parentes eamigts e aoa do
seu aempre lembrado o ch n-. la espiso e pai, Joao
Martina do Rio, para nesistire-n as missas que
mandam celebrar u> (Uatrif da liii Vi ta, pelas 7
1/2 horas da manhS d" sexta-tuira 30 do correte,
trigsimo dia d seu infausto paesamen'o, ficaudo
desd.' ji steraamente agradeeid is.
D. Anioalade .aula Marra
O tenente Francisco de P.uila Mafra, Mara
Chrispiniaoa Rodrigas de Miranda, D. Euthalia
R di iguea da Silva Valle, (/.natalicia Rodri-
gues da Silva Prxedes, Joao Baptista da Silva
Prxedes alferts Pedro Baptista Carneiro e Joto
R .dripues araiva, esposo, tia, irms, cunhaOas e
sobrinbo da finada D. AutODa de Paula Mafn,
eanvidam a sena amigos e parentes para Ihe fa-
zercm a caridade de assistir as missas e memento
de stimo dia de eeu passamento, que se celebra-
rlo s 4 1/4 da manh do dia quarta-ftira 28 do
correot-, no Ij spicio de N. S. da Penha, e s 8
horas n> convento de 8, Fraocieco, aotecipanco
desde j sena eternos reconhecimentos.
CAJURIBEBA
l'RAFEBADO VIMIOSO DEPURATIVO
PPfiOVADO PE JUNTA DE fllGIESE PUBLICA DA GOBTE
AutorlsHo por decreto imperial de 20 de Junlio de 1883
Composicao de Firraino Candido de Figueiredo
EMPBEGADO COM A MAIOE EFFICACIA NO BBEDMATISMO
DE QUALQUER TATUREZA, EM TODAS AS MOLESTIAS DA PELLE, AS
LEUCORBHEA8 OU FLORES BRANCAS, NA ASTHMA
bronchites {uiolfstlas da vas respiratorias), nos soffrimentos
OCCASIONADOS PELA IMPUREZA DO SANGUE K FINALMENTE
AS DIFFERENTE8 FORMaS DA 8YPHILIS
PropagadorA. P tia Cunha
As importantes curas, que este importante medicamento tem produzido, attes-
tadas por pessoas de elevada posicao social, faza^u com que de toda parte seja elle
procurado, como o melbor roais enrgico depurativo do sangue. .
Depurar o sanguo, como ondico de urna circulado benfica e efficaz, eis em
que consiste principalmente o meio mais seguro de conservar a sade e de curar i-
molestias que a impurizi r!o cingue occasiona.
O Cajrubba, pe i sus arelo tnica e enrgicamente depurativa, o medica
ment que actualmente pd<* conseguir esse resultado soro prejudicar nem alterar ai
funccSes do estoiosgo e dos intestinos, porque nao conten substancias nocivas, apesai
do vigor depurativo dos productos qu- conslituem a base principal d'este medicamento
As umitas curas que tem feito, estSo comprovadas pelo testemunho dos dis
tinctos e conhecidos cavalleiros que trmam os attestados, que este jornal tem publica
do em sua seccao ineditorial
Deposito central, Fabrica Apollo, ra Hospicio 79
AMA
Precisa-se de urna ama que eogomme com per-
feico e maia servicoa de casa de familia ; a tra -
tar na rna do Baro da Victoria o. 7, segnodo
andar.
Ama
Precisase da urna ama para o aervicj de casa
de familia e que tenha boa conducta ; a tratar
na ra do Bario da Victoria n. 46, loja.
AM4
Precisase de urna ama para comprar e
cozinbar em casa de familia : na ra Du-
que de Cax ias n. 14 se dir.
Precisa se de nma ama para casa de pouca fa-
milia ; a tratar no beco do Peize Frito n.
gundo andar.
Ama
Precisa-se de nma ana
Santo n. 17, 3- andar.
no largo do Corpo
Ama
Precisa-se de nma
na Imperial n. 43 .
ama para engommar ; na
il
Precisa-se de urna ama que compre e cosinhe,
bara casa de pouca familia ; oa rna do Baro da
Victoria n. 15, 2 andar.
Ama
Prccisa-se de urna ama para cosinba
da Matrir da Boa-Vista n. 28.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar
na rna do Livramento n. 21, loja.
a tratar
Ama de leite
Precieu-se de urna ama de hite ; na ra d> ra-
lo n. 35.
OPEITORALdeCEREJA
Do Dr. Ayer.
As rnformidadf-s mais dolorosAS e tataes da gar-
ganta e dos pulmoes, ordinariamente deienTolvein-
e, tendo por principio basee pequeas, eujos
resultados nao sao diraccU de curar se prompta-
inente se tratao com o remedio conveniente. I'orem
o progresso pode ser engaoso o a demora fatal,
us Keefrladoe e as ToKnes d&o reciprocamente o
resultado de Laringitis, Aatliina, Uronchitis,
AnV<-cSo Pulmonar e a Tsica.
Todas as familias que tem criaccaB devem ter
0 Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
em casa para o usar em caso de necessidade. A
perda de um so dia, pode en muitos casos acoarro-
tar serias consecuencias. Por tanto nao se deve
Serder tempo precioso, experimentando remedios
e efflca dade se apodera do systema e se arraiga profunda-
mente, entilo que se necessita tomar nesse instante,
o remedio maia certo e activo em seu eiTeito.'e este
remedio sem duvida alguma o Plitokal db
Cebeja do Db. Avek.
pbepakado pelo
J3B. J. C. AYER e CA.,
Lowcll, Mass., E. U. A.
V venda as principaes pbarmaciaa o drogara^
0
5
^^ ^av ^^ J
O! ^
es --
2 *
rx B9 as -a
O Sr. r.
Pereira do
Ama e criado
Precisa-se de urna boa cosinbeira e um criado
que entenda do servico de copeiro ; a tratar na
ra do Mrquez do Herval n. 37.
Ama de leite

Precisa-se de urna ama de Pite ; na ra do
Mrquez do Herval n. 163, defronte da fabrica
Venus.
Aluga-sc barato
riua Vizconde de Itaparica n. 4, armazem.
Ra Con nel Suaaanna n. 141, quarto
Becco da Bomba o. 8.
Cndor do Bispo > l
Baixa verde o. 1 C.
Largo do mercado com agua n. 1?.
Ra do Calabouco n 4, loja.
frata-se na ra do Cou.mercio o. 5, 1* andar
es riptorio de Silva (Juimaraee t C.
Pilulas pnrgaiivas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja preparaco purameiite ve'
jom os melbores resultados as seguintes moles-
tas : afi'eccoes da pelle e do figado, syphilis, bou
oes, escrfulas, chagas inveteradas, erysipelaa e
^onorrhas.
Modo de unl a
Com purgativas tome-se de 3 a 6 por dia, be-
sendo-se apos cada dse um pouco d'agua adoca-
la, cha ou caldo.
Como reguladoras 1 tome-se um pilula ao jantar.
Estas pilulas, de invencao dos pharmacenticos
Almeida Andrade ce Filhos, tecm veridietum dot
Sra. mdicos para sua melbor garanta, tornndo-
se mais recommendave8, por seren um seguro
purgativo e de pouoa dieta, pelo qne poden, ser
asadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
> drogara de Parla Sobrluho *
*l BA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
CASA DA FORT O
Aos 12:000$000
ni.heles garantidos
23 RA PRIMEIRO DE M ARQO -23
Da 9a lotjria da provincia venderam
Martina Fiuza & C. os seguintes premios
garantidos ;
3725
2566
3101
2932
Acham-se venda
Vicente
neg
Para i io LCimaiodiir-se, qu.ira ter a bondade
de euvim para a ra do Bar da Victoria u. 10,
a resposia da carta rcgUtruda sob o. 12, c que
foi a V. S eutregue no dia 14 do eorrente, pois o
portad Casa em Olinda
Alnga-se urna casa em Oiinda, ra de S.
Benton. 33, tem agua encanada, pintada de novo ;
a tratar no Varadouro ou na ra do Barao da
Vietona u. 60, armar.em de molhados.
r ra |.;t sar a Testa
Aluga se urna ex;rllei.to casa com agua e ga*>
com bastantes commodos para familia, na traves-
ea da ra de S Bento n. 4, ou largo de S. Pedro
Novo em Olinda ; a tratar na ra' do Commercio
n- 26,A, Recite.
Faino carioca
Preparado pela acreditada fabrica do Rio, de-
nominada Fonte Liropa ; vende so em pacstinbos
em todos os estabe!eciineutos de retalho.. nico
deposito, na fabrica Veneza, arco da Conceicao
nmeros 4 e U
Pao tcatcio
M' lie 4 Biset avisam ao respeitavcl pu buco
que tjdus as tere e e sextas teira* teein este sa-
boroEo pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Criado ecosinheira
Precisa-se de criado 1 cosinh ira ; a tratar no
terceiro andar, pjr cima da typographia deste
Diario.
Caxang
Alugam se quartos mobiliados por 15000 men-
saes, com commodo para familia e c.oii.ui : .
antigo hotel do Farifa.
SEMOLLW
De Brons C, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo proceaso
de trigo da melbor qualidade, possfie os elemen-
tos necessarios para nutricio de enancas e doep-
tes, e muito se recommenda *por ser de fcil d-
gesto e gosto muito agradavel ; tambem podc-se
facer urna eicellente papa, misturado em partes
iguaes com a maiseoa dos mesmo6 fabricantes,
addicionando-se-lba algum leite. nicos agentes
nesta praca, Saunders Brothers & C, la/go do
Corpo Santo n. 11, primeiro andar.
Cheguu a primeira remessa do precioso farello
de caroco de algodo, o mais barato de todos os
alimentes para animaes de raca cavallar, vaceum
uino, etc. O caroco de algodo depois de ex-
trahida a casca e todo o oleo, o mais rico ali-
mento que se pode dar aos animaes para oa forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Noa Estados-Unidos da America do Norte e oa
Inglaterra elle empregado (com o maia feliz re-
sultado) de preferencia ao milho e outros farellos
que sao muito mais caro e oto sao de tanta sus-
tancia.
* tratar no neelfe com Fr uaiioriia
Quem quier alugar a casa n. 8 ra da Uoiao
com muitas accommodacSes, poder entender-ae
com os Srs. Negreiros ra do Imperador n. 24.
Sementes de carrapato
Comprara se pequeas quantdades ; na droga-
ra de Francisco M. da Silva & C, ra do Mar-
ques de Olinda n. 23.
Mademoselle totinha
Ra do Imperador n. 55, segundo andar.
Modista____________
de assuear
Apparelboa econmicos para o coaimen-
te e cura. Froprio para engenhos peque-
os, sendo modic** em preeo e ef-
fcellvo em operaco.
Pode-se ajuntar aos engenhos existentes
do systema velbo, melhorando muito a
qualidado do assuear e augmentando a
quantidade.
OPERAgAO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos centraeB,
Pontos de francez
Estao venda na livraria Econmica o I II.
III. pontos de francez, segundo o progrmala de
1887.
maobinismo aperfeijoado, systema moder- ras^a^2ftO(Kl.
no. Plantas completas ou machinismo
separado.
Especifica$3es e informafes com
Browns v.
5RA DO COMMERO-5
Agencia de cobranzas
No paleo do l.ivramenio ti, S9
Encrrega-se de cobranzas.
i6-Roa do Baro da Victoria-I
DamiSo L'ina & C. chamam a atteajl*
das Exmas. familias para seus precos: \
Pecas de bicos de cores a 3J500. /
Ditas de ditos brancos a 2/500. /
Ditas de di tes a 1/500, 1/800 e 2/000.
Botoes de madreperola f 'Jim; -Co, bN
800 ria.
Bolsas para meninos, de 1/500 a 5/000.
La para bordar a 2/800.
Dita mesclada a 3/800.
Meias para senhora a 320, 400, 600 e 800 risa.
Baleias a 320 res.
Arquinhos a 120, 160 e 200 ris.
Lencos de t Ja a 1/000.
Fitas modernas a Si 0, 600 e 1/000.
Passarinhos de sda a 500 ria.
Apparelbos para crianc;* a 1/200 e 1/500.
Ditos de metal a 1/500 e 2/000.
Finos cbapeusinhos a 5/.
Sapatinhos de setim a 3/ e 4/000.
Modernos espartlbos a 6/000.
Bonitos collsrinhos a 500 ris.
Punhos todos oa nmeros a 900 e 1/000.
Tonquinhas a 2/000.
Leqnes transparentes a 2/500
Ditos do sda a 5/000.
Ditos de setineta 1/500.
Ditos de papel a 400, 500, 600 e 800 ris.
Caixas com 3 sabonetea a 500 ris.
Urna barra de sabo a 700, 900 e 1/200.
Lu\as de seda a 2/500.
Bonitos jarros a 5/, 10/ e 15/000.
Iuvisiveis grandes a 320 ris.
L Bbas 300 jardas a 80 ris.
6-Roa do jjtrtj da Victoriai<
[Boa localidade

Vende-se um deposito ra do Raogel o. 58 :
a tratar no mesmo.
Pcchinchas
Na Ioia lias Liste Azaes
61-RA DUQUE DE CAXIAS-6I
Telephone n. 211
Loques transparentes a 1$ e 2#000.
Luvas de seda de cores, pretas, de re
ou botSes a 20000.
Luvas de pellica para homens e seaks>-
Costureiras
No pateo do Livramento n. 27, 1- andar, cse-
se com perfeicao rounas de alfaiate, e assim como
vestidos por figurinor.
Para passar a fusta
Aluga-se e vende-se por barato urna casa pe-
quena, propria para passar o temp da f^sta, no
largo de Apipucoe n. 26, no correr d igreja.
Urna casa e sitio na estaclo dous irmS- s, em
Apipucos. Quem pretender dirija-se ao Camiobo
N-vo n. 79, que far negocio.
Poltica
Leia-se os impressos que se est di-tribuindo
na pharmacia americana.
Chroraos e cartocs d^
phantasia
Grande sortimento recebeu a
Livraria popular
Ra do Imperador Damero 9 9
Vaos da Garra eira
Finos
Carc vellos.
Madeira.
Moscatel.
Uva Bastarda e de Passas.
PARA MESA
Genuino do Lavradio a 500 rs. a garrafa.
Na mere aria de Manoel Correa & C.
Praca do Conde d'Ku n. 15
Caixeiro
Precisa so de um caixeiro com pratica de mo-
lhados ; na ra de Hortaa u. 17.
1:0004000
5006000
2000000
500000
os afortunados bi-
lletes garantidos da 10* lotera da provin-
cia em bnocHcio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se eztrabir quan
do fr annuciada.
3PEDR.aNTJ50CW:C3BXJGa
esa mullan Bbaraaacira do Brasil e do eairaogelro
\o commercio
Os abaixo assignados tendo justo e centractado
a compra da fabrica de leos Vegetaes ra da
Aurora n. 161, qne gira sob a firma de Martins &
Bastos Saccessores, pedem aos en dores da mearos
firma que apresentem seus ttulos no praeo de 8 das
na mesma fabrica do meio dia* s 3 horas da
tarde.
Recife, 19 de Sete.nbro de 1887.
Jos Gomes d'Amorim.
Thcmaz Antonio GuimarSea.
Ao commercio
A firma que nesta praca gyrava sob a raiSo de
Saunders ri'lhi-rs C, entre b dacao. Recife, il de Setembro de 1887.
Advocado
Praca
Na audiencia do Exm. Sr. Dr. joiz do civel do
dia 1 de Outubro a li horas da mauha, na res-
pectiva sala, vai praca per venda a parte do
sobrado n 31 ra da P< nba, avaliada por
1:460*560, sobre 4:000*. valor do predio, cora
abate de 10 0/0, cujo b^in va k pruca pjr execu-
oao da venera vel ordem tere-ira de N. S do Carino
contra Luis Antonio Pereira e ana nulhrr.
{Foro civil e ecclesiattico)
Bachare Antonio de Lilis e Souz Pontes, ra
do Impera for n. 37, andar.
Folliinlias de Laemmerl
PARA
/888
J cheg"araii para
Livraria Parisiense n.
7 A ra Primeiro de
Marc.0.
25:0)0
Aluga-se pelo prego cima urna grande casi
ra de Marcibo Oas n. 104, propria para qual-
quer genera,(Je negocio ; a tratar na loja da Es-
perance.
o publico
Os abaixo assignados, encarregad s de agenciar
donativos para a feata das Mercs em 8. Jos
de Riba-mar, veni respetosamente prevenir ao
publico, que eniregue as suas eamelaa com-
misso ab-ixo assignada, pcis eSo os un'coe com-
petentes, faaemoa isto sement para prevenir ao
publico, pois andam em nosso nome pessoas des-
conocidas ae diaendo de nossa dev< 5S0 com o
nico fim do se arromaren) I Fiquem prevenidos ?
Consistorio das Mtn, em 26 de Setembro de
1887.
"Piesidmte, Alexandre dos Santos Selva. -
Secretario, Manoel Dantae Bastos.
M-sario, Manoel Jukquim Baptista.
_____Theaonreiro, Manoel Gomes de Oliveira.
Reiogio furtado
Previne-se aos senborea relojoeiros c ourives,
que nao compretn o reiogio de ouro, coberto, n.
&'8, montado em 15 pedraa finas qne foi fartad.
hontem pelo criado Anisio do Brasil, ser recom-
penaado quem apprehend.l-.-i, podendo entregar
, .em casa dos Illma. Sra. Augusto Reg, Julio
1 Fuerstenberg, Juaeph Krause.
VENDAS
Vende se urna casa de taipa acabada de
novo, situada na estrada de Joo de Barros, de-
fronte do sitio do Dr. Diodoro
na mesma.
Catanho ; a tratar
Vende- se a casa da ra da Couceicao do
povoado da Torre n. 2. com um terreno de ceoto e
tantos palmos de frente e 300 dtua de fundo, ten-
do diversas arvorea fructferas, cacimba e bomba ;
a tratar na mesma.
Barato
Vende se ou permuta-ee por pequeas casas em
qualquer das fregueaias do Recife, a casa n. 22
ladeira do Varadouro, co n commodcs para nume-
rosa familia, a qual tem quatro salas, seis gran-
des quartos, gabinete e boa coaiuha, com quintal
grande, arborisado e todo murado, cacimba de
muito bja agua, e sahida para o b?cco da Poeira :
a tratar na ra velha de Santa Rita n. 14, sobra-
do, das 8 horas da manh a 1 da tarde, ou das 4
as 6, onde tambem se aluga barato a casa terrea
n. 40 roa de Lomas Valentinas, com bons com-
modos, bom qui tal, cacimba c, e est limpa.
Fabrica de chapeos
Antonio Jos Maia & Q.
DEPOSITO
ra do Baro da Victoria ns.
34eo6
Os proprietaiios deste estabelecimento scienti-
catn aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel
publico, que contiouam a ter grande sortimento
de chapeos de todas as qualidadea e formatos,
nianufactur-idca com toda a perfeieio e por precos
mais vantajesos que em outra qualquer parte.
Terreno
Veude-se um terreno confronte a estaco di
Principe, estrada de Joo de Batros, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e eom alicercet
para 3 casas; tratar na ra d'Apollo n. 30, pri
oiro andar.
AttenQo
Pranrbdrs de plabo da anecia
Vende-se pranchoea de Piuho da Sarcia le 3 x 9
pollegadas, em lotes de 20 dusiaa para cima, por
preco mdico ; a tratar na ra do Commercio nu-
mero 4.
Bom empreo > capital
Vende-se nma padaria bem montada, sita em
urna daa principara ras desta cidade ; a tratar
na raa da Imperatriz o. 66.
Baleias da melhor qualiJade a 300 rs
a duzia.
Extractos tinos com ioscripcSo para pre-
sentes a 2000.
Bicos de cores e brancos para vestido,
por todo o prego.
Babados e entre- ueios, tapados, trans-
parentes ou de fostlo, todo prego.
Longos fiaos a 15400 e 2.6000 a dus*,
em lindas caixas.
Erparthos bordados e de differento
modelos a 4-), 5,3 e 75000.
Contas para enfeites de vestidos, pretal
e de todas as cores a 800 rs. o mago.
Seda indiana, fazenda de fantasa
200 n
Renda da China, ultima moda, a 2
rs e muito fina a 240 rs.
Z tiros lisos e de quadrinhos a 100 a
120 rs., muito largos a 200 rs.
CbiUs finas, claras, raiu las, seguras,
240 rs.
Cortes de vestidos branos bordados
5!000, e bordados a cores 6$50O.
Las i hinezas com listras miudinhas a
400 rs.
Vcllu llios lisos, lavrados o com contaa
a 900, 1^000 e 2J00.
Seim Maco de todas as cores a 900
ris.
Sargelim francez preto e d e todas as
cores a 240 rs.
Batistas de linda3 cOr.^s a 160, 200
240 rs.
Renla hespanhola, preta, branca e cro-
me por todo o prego.
M rins enfestadus de todas as cr ;s a
800 15 e 1A200.
Euchovaea corroletos para cassmeotosl
desde 40(5000 at o prego que. se desejar.
Ditos para b^ptisados a 105, 125, 14 5.
165 e 185000.
Na loja de
JOS' AUGUSTO DAS
Mecame!!!
Nao deve haver contestacoes quanto precos d
urna grande parte de artigos, verdadeiras pecbia-
cbas, que se encontram oa antiga casa Carneiro
di. C'iuba ; neseos dignos leitores que aprecien, oa
que abaixo se seguem :
Brinsinbos de cores para roupas de criancas a 2^9
rs. o covado !
dem pardo ba a 320 e 360 rs. o dito !
dem branco de lioho, n. 6 a 14500 o metro!
Casimiras pretas diagenal, 2 larguras, a lG00e
U800 o covado!
Cheviots superiores, preto e asul, a 3 e 3/5(0 m
dito !
Bramantes, purolinho, 4 larguras a i 900 o nutro!
Atoalbado bordado, a l200odito 1
MadapolSo hmrricnno, com 24 jardas 5/800
peca!
Algodo largo muito encorpado 4 a peca !
Seroulas de bramante bordadas a 12/ e 16/000 a
dusia !
Lencos brancos e de cores, abanbados a 1/6C9 c
1/800 a dita 1
Camisas francesas e inglesas, de linbo a 36/000
dita!
Meias inglezis para homem a 4/500, 5/ e 6/090a
dita !
Toalbas felpuldas e alcochoadas a 3500 e 4/001
a dita!
C m as Esmss. stnhoras
RiquicairoBS guarnicoes de crochets a 8 /000 ?
Lindss grinaldas e vecs para noivas a 9/000 o
12(0:0!
Espartlbos americanos e franceses, a 4/, 5/509
8/00!
Fichs c entradas de bie a 3 e 4/000 !
Colchas francezaa e c b rtas, grandes a 3/ e4/ !
Camisas bordadla para aenbora a 3/ e 44000.'
Sargelins de todas as ties a 240 rs. o covado .?
Setius maco todas aa cores a 1/000 o dito f
Setinetas lavradas de cores a 280 rs. o covado! 0
Cachemires de listinbas para vestidas a 400 ts.
ditc?
Velludinhos lisos e bordados c 9( 0 rs. e 1/ o dito!
Pecas de ceguia para camisinbas 12 jardas por
4/0.0!
Linbcs de quadrinhos, muito largos, a 200 c240 ra.
o covado !
Mirins para vestidos urna largura 560 rs. o dte!
dem preto 2 larguras a 800 rs., 1/ J e l/50t
dito!
Fustoes brancos bordados, faos, a 400 rs. o dito!
Nansiks decores, (nao desbetam) 160o dito!
Faillea. ult'inu gosto cid padrdes, a 400 rs. o dito
Cambraa Vitoiia e transparentes lOjardas a3/
e 3/500 a peca!
Aoa Srs. Faseaderos
Algodo da Babia superior a 320 rs. o metro!
dem de cores, do Rio a 440 ra. o dito !
Vendas em ereeso damos descontos da praca.
09Ra Duque de Cara359
Pereira & Magalhes, saccessores re Carne w
da Cunha _\ C.
Caehets Limousn
Vendc-se a 400 rs. o cento qualquer quantida-
de : na roa Direita n. 89, 1- andar, ou na pbsar-
mscia imperial.
V
A
i
i



-'EMBBB^B
Diario de Pcrnainlmco^uarta-feira 28 de Setembr de 1887




lilVJUS
combate
COM
eicacia
ANEMIA, CHLOROSIS CORES PALUDAS
Aceonselhadocom ptimo xito ispasitos &MM e adoontadas prerf/sposfas aoempobrecimento do saagM. Tomn-sa
oom toso o olto a doze gottas cada n/ieio. Numerosas imitaces. Exigir a firma R. EEAVAIS,
imprimida vtrmtUUL Deposito na mor parte das Pharmacias. ___
I
LOTERA do ceara
\< VO IM,l\0
I
40:000*000
-. A-Cora a diminuta quantia de 20400 habilita-se a sta>r 8:0000000 e com
4:0000000. ____m
CORRE IMPRETERIVBLMEJTE
No dia 30 do corrente
1,5200
50:000$000
Corre no dia 30 do corrente
ESTA LOTERA NUNCA FOI TRANSFERIDA
O portador de um Lilhete est Labilitado a tirar roais de UM PREMIO I
Cada numero pode ser repetido duaa ou tres vezes, prevalecendo todos premios
sahir.
1
A LA REINE DES FUETJRS
Ramalbetes Hoyos
L. T. P/VEjm PARS
Mascotte
PERFUME PORTE-BONHEUR
Extracto d Corylopsis do Japo|
PERFUMES EXQUISITOS
Bouqaet Zamora Anona du Bengala
Cydonia de Chine
Stephania d'Australia
HelPotrope bl.inc Gardenia
Bouqnet de i'Amit.i -White Rose of Kezanlik Polyflor oriental
Brise de Nice Bouquet ce Reino des Pra. etc.
,--------------sc--------------
ESSENGIAS CONCENTRADAS i"UZZ?) QUALIDADE EXTRA
Lotera da Provincia
Ada se vcuda a 10.a lotera a bene-
ficio daS. Casa de Misericordia do Reeife, que
ter lugar no consistorio Jaigrej de Nossa
Senhora da Conceico dos Militares, onde
estonio expostns as espiieras em orden' nu-
mrica, para screm examinadas.
Perfumara- Oriza
i.. LEGRANP, PARS, ra Saint-Honor, 207
ESS. -ORIZA SOLIDIFICADA
PERFUMES CONCRETOS
INVENC O SCIBNTIFICA COM DIPLOMA DE INVENCXO EM FRANCA B NO ESTRANOEIRO
Os Ferfnmea solidos d* JB3ss.-Oriza
relindos por mel di um procissi novo, oouim un grao di concmtrajao i suavidad! at eutao dtitothicHo
Sao encerrados, debaixo da forma de lipia ou Pnatilha, dentro de frasquinhos du
vidrinhos faca de levar oomsigo. Esses Lipis-Perfumes nao se evapro e pdem ser
substituidos por outros, quando estiverem gastados.
Tm a enorme vantagem de communicar o cheiro aos objectos pstoi em contacto com ellas,
sen) OS molhar e sem OS estragar. BASU ESFREGAR LEVEMENTE PAR PERFUMAR INSTANTNEAMENTE
o**
X*
. V '-'.


^pasitos as principas Perfumaras, Pharmacias e Caballerearos a
-*-*

FUNDICO DE FER
CARDOZO 8- IRMAO
Ra do BaraO do Triunipho ns, 100 a 104
Deposito a roa do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem seropre em deposito todos os roachinismus e ferragens precisas agncul-
desta provincia, como sejam : vapores locomoveis, sem fiaos, com raldeira
is ou par fogo de aaaentamento, nioendas de todos ob tamanhos, tachas batidas
Bandidas, etc. ,
Mandato vir por encommenda qualqaar machinismo, encarregam se de sental-os
w responsabilisa jjelo boro trabalho do mesrao.
Vendem a praxo ou a dinheiro con descont e a precos resumidos.
58Ra de Imperador38
Nesta gr nde pharmacia aviase receitas e pedidos com proroptdao,
solicitude e modcilade.
As pre scrp?6es era linguas estrangeiras &o fielmente
despachadas
Opharmaceutico pernambucano JOS FRANCISCO BETTENCOURT
, convida os dioicos desta cidade que queiram honral-o com sua confianca
ciosa e conscienciosa execucSo.
Esta casa recebe seas productos cbimicos e drogas directamente
das melhores casas da Europa, especialmente encommeudadas para aeu
receituario.
ESPEOLDADE
Iiroio ie Gamaiu, Guaco
Preparado pelo pharmaceutico JOS FRANCISCO BETTENCOURT,
de urna eficacia verdadeiramente maravilhosa naa molestias dos orgaes
respiratorios.
Bronchites, asthma toss*-, convulsa, etc.
-:o: -
1^
Gotta, Rheumatismo, Dores
SoLugo do Doutor Clin
Laureado da Ficuldad de Mtditine de Para. Pramio Montyon.
--------p ?-'--------
AVerdadeira Solucao CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Affeccoes Rheumatiamaesj agudas e chronieas, o Rheumatismo gottoao,
as Dores articulares e Musculares, e todas as vezes que necessarlo calmar os
soffrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solucao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
{m Um explicaco detelhtdt acompanht cada fratoo.
Exigir a Verdadeira Solucao de CLIN & Cie, de PARS,
_______ caa dos Droguistas e Pharmaeeuticot.
que se encontra em

Essencia depurativ. Formula do distincto clnico Dr. Ramos.
Depurativo por ex-ellencia para todas as molestias que tem a origem
na impureza do saogue.
Slllis, flartirBS. nlcfias, m%m IbueIb, ele-, tc.
:o:
Tinta preta para escrcver-inalferavely fabricada com muito cuidado
por urna formula ingleza, espeeial psra escripturajilo mercantil e repartieres
publicas, seoca de pressa, perfeitamente preta, nSo corroe as peonas, nao
deposita e d i opia.
tiir t mlh
SLCO COIRRE
AO LOUVRE 4 REVOJCAO
Os proprietarios d'esse antigo estabelecimento sempre no intuito de corresoon- /" | ^ | J W \F JLi *J \^^ ^-^
i Aonfianca das Exnas Srss nao poupam esforcos fim de satisfazer a exigen ^
Os proprietarios d'esse antigo estabelecimento seropre no intuito de correspon-
j cenfiasa das Ex-nas Sras nao poupam esforcos fim de satisfazer a exigen
do bom gosto o para o que acha se actualmente em Pars um dos socios da casa,
b tai por todos os paquetes remetiendo o que o capricho da moda vai inventando, e
prova Bpresentamos o seguinte :
Lindissimos cortes de 12, montados em cartao, com guarnijao de contas oxy-
dadas I
Esplendida colleccSo de capotas e chapeos para senhora I
Guarniclo completa de vidrilho sui generis 1
Romeiras dolmana e visites em t.-cidos differentes I
Manthas andaluzas, espedialidado 1
Ditas de fil de seda primorosamente bordadas !
Rendas hespanholas chantilly era sortidas cores 1
Luvbs de seda bordadas em alto relevo !
Sedinhae e snhs, grande moda !
Colchas turcas a iroit*c3o de crochet!
Ptlitots de seda cra, pretos e cinzer.tos 1
E muitos outr. s artigos de moda.
fl
iiglr 9 mMo
MM
AO^HLORHYORO-FWOSPHATO DE CAL
n diw MoraMMdjatea adopuao por todos os Medlcosto,-
fMiwm atrai, A*emU, ouorosu, Tutee, CacMxia, Micro/Ms, KetMrtmt,
Seeus, Creseimnto ufec das enancas, Pattio, Dysftfsies.
, COIRRE, tv, 71, nt U Ctarit. I*. -
liitMlPl
COLLARES AOTEfi
Rletr*-Ka(mUoe
A d OONVULSBB
I MU tttkVfU i wmTi MI IMAIUS
\s COLLARES Rr"ER,o^iee* ha mais
I Je 26 asaos, aiu oa naico n I realmeaU ai craaafas 4aa OOM VUL80ES
'ajudeme o meemo lempo Jensi4o.
rm emttm te rnlrtHn aa^ imUaemm. eaia-fe wt m
^"^^^^^"^"^ erntamua IihA. tarea 4a fabrica t iwwiem t o tnritaOfrc 9gmf
>lillj,fjaitUHBn^KwMiHWiiiir "m r--^""*^
ELIXIR DESOBSTBBJiTE
Eupeptico de Gervo
Preparado pelo pharmaceiiiico
JOS' FRANCISCO BITTENCOURT
O Oervao tem urna a"c3o desobslruente extraordinaria par os incommodo
do figado, bijo e estomago, conforme o desereve, Dr. Mello Moraes.
Ura grande numero do pessoas que tem usado delle oonsidera-o infallivol.
Levados por estas informajSss e por muitas experiencias presenciadas por
nos mesmos apresentamos aos clnicos e ao publico em geral, ura Elixir desta planta
de um sabor delicioso e de un eFeito verdadeiramente benfico para os pabres despep-
ticos, splenetieos o aquellos que soffrem do figado.
Os proprietarios da Pharmacia Ceutral
DEPOSITO I'TA PHARMACIA CSITTB.AL
N. 38-Rus do Imperador-N. 38
PERNAMBUrO
MEDALHA DE HONRA
o olelTcvrier
4 desinfectado pelo Alcatro,
tnico e oa/ia/n/co, o qi/9 muito
ugmenti ai proprledtd* do
oleo.
0 OLEO de FIGADO
DE BACALAO FERRUGINOSO
| a untca preparacio qu* permita
tdm,niitrar e Ferro aem pro-
uztr Priado de Ventre, nem
Incoimmodo.
BRANCO.LOIRO
FERRUGINOSO
J^Lcaat '
^/EVRIER
oposito gff.i tita
JI rm do Fiai'-Iootautn. 11
^yfj''4r?aP*Moo de
DIPLOMA DE BOWA\
KXCP1TADO POB TODAS A
Celebridades Medicas |
AFIUSCAKDALBOPA
MOLESTIAS 00 PEITO,
AFFEt?0ES ESCROFULOSAt
CHLOROSIS,
ANEMIA, DEBILIDADE,
TSICA PULMONAR,
-rfT.*V BRONCHITES, RACHITISMO
Vinho de Coca
XJCENCIADOS PBLA INSPECTORA DE HYOIENE DO IMPERIO DO BRAZTL.
MMJMBB
om4is_
P CLERY
Vende- em toda a parta
Telhas de zinco
Venda d;\ sitio
Vndese oa permuta-ee por predia nesta cida-
de um bom sitio com boa casa, muitas fructeiras,
ezccllente banbo do rio, boa agua de cacimba,
eztensSo de terreno para baixa de capim, tolo Venda-se telhaa de ineo, uoadaa ; no caea a
murado na frente, com i ortSo e gradeamento, com de Novembro, armatem da bola amarella n. 36.
caminho 'le ferro e etacao junto ao dito sitio, ne
Porto da Madeira, conhecido pelo sitio do Joio
Selleiro, junto ao Dr. Ernesto de Aquino Fonse-
ca : quem pretender dirija-se praca da Inde-
pendencia n. 40, das 11 horas as 4 da tarde.
lo
Sementes d cacao
Vende-se sementes de cacao novaa ; no caes 22
de Novembro, armasen) da bola amarella n. 36.
Livramento & C.
vendem cimento port'and, marca Robins, de 1
ualidade ; no caes do Apollo n. 45.
Diariamente debate-se na imprensa a crise
aterradora poique estilo passando as proviicias
do norte deste imperio ; sao innmeros os recla-
mes de|todas as classes, sem que sejam atteodidos
os seus jastos pedidos, de que se gloram as na-
coes civilioadaa.
para que se poasa dar impulsos aos desejados
progresos que certamente traro o bem estar de
todos, resolveram Martina Pires & C. estabele-
cidos com armasem de molbados ra Es-
treita do Rosario ns. 1 e 2, a vender por precos : Ra Buque de Caslaa n. 1*
mdico* os artigos concernentea ao sen ramo Grande sortirrento de objectos para pre-
de negocio, que certamente cnnstitue urna eco-1 gente8 8end0: carteiras, porta ioias, al-
=toddosasegui StS que SfS^ d. madreperola para baile, dem.de
lidade e precou sao recommendavei, coma se- marfiro, estojos para agulhas, Iapiseiraa,
Papel para impresso
Vende-se papel para impresso, do formato Dia-
rio e Jornal do Reeife ; na roa do Mrquez de
Olioda n. 31.
A PIMIDA
jam .
Vinhos fios do Porto
Madeira
Sberry
Chamberiin
Bordea uz
Moscatel
Cellares e Buealas.
Completo sortimento de cervejaa, cognac, bitter,
licores, docts, bolachinhas nacionaea e eatrangei-
Queijos frescos do serto, prato, Minss e fla-
mengo.
Azeite de coco, mate do Paraoa, fortnieido ca-
panema.
Precos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosarioNs. 1 e 2
Martins Pires & C.
A Ra V de Marco d. 20 4 (esquina)
CASA DE CONFIANCA
?
PLUL AS iT GILLI
PrLULao d^cto (glixlr fnico nti-Catarrhal do fl GU1LLIE
Mo.'sstia
do Figado
(. do Esromajo
Aorta
Bhaumafisrra
PAUL QAGE
Phar-ds Velase. Vfrm Medicina de la Facultada de Parts
JICO PROPImRIO OESTE MED1CAJIEST0
PARS, 9. rui d* Grtntilt-St-6trmth PARS
. i Giiii.oqu! remedio 4 ctiobecido.
m dos mus econmicos como
ilisjo ----------------------
7!v IFill M F*iSiriCA'6S. i?r asLBITIMU PILLAS mUlt rtarasai sor PAUL 0A6.
Feores
Epidmica
Fluxoes do palto
Molestias
das Mulheres
e Has Crianco
4u--RnaB Dilu lCuliil-io
GRANDES NOVIDADEh
Esplendido sortimento de cambraia com salpicos, brancas e de cores a 50000,
50500, 60000 e 60500 a peca.
Metins escooezes e de hstras, combinacSo, a 440 rs. o covado.
Lindos cortes de cretona com barra, alta novidade, a 80000.
LenSos de seda, lindos gostos, a 10000, 10500, 20000
Lis de quadros, 0 que ba de mais novo no m. rcado, fazenda larga, a oU e
800 ts. o covado.
Cachemira anchoada, lindas cores, a 500 rs. o covado.
Colchas de c6res, esplendido sortimento, a 20000, 20000, 30000, d0oOU
e 40000. nnn
Ditas de crechet muito grandes a 60000 e 8000 urna.
Cortinados b-rdados & 60000, 70000, 80000, 0UCO e 100000, o par.
Ditos de crochet, completo, a 450000. \tanr
Lindas guamicSes de ero. bet p->r< catle.ra e soph a G0OOO, 80OUO e 1O0UUU.
Merino, lindas lrcs, a 700, 800 e ltf200 o covado.
Guarns3es de veludilho bordados a vidrilho para cnfeitej de veBhios a
60000 um
Cachemira broch ultima moda a 10500 o covado.
Ditas pretas, sor.i.nento completo, a 600, 10000, 10200, 10400, 10600, 10800,
e 20000 o covado.
Ditas 88S"tinada8 a 10500 e 10600 o covado.
WstuarLs para baptisado ricameote enfeiudos a 90000 e 130000.
Colarinhos e punhus para senhoras, ultima n^vid.d a 20500.
Camisas bordadas para senhora a 30000, 40000 e 40500 urna.
Sahidas de baile, lindos gostos, coa p-queno def-ito a 20000 e perieitas
a 30000.
Laques com lindas paisng-ns a 500 e 20oOO.
Bordados e entremeios de cambraia bar.ti8simo
Sintos de chagrin para sinhora o crianzas a 10000.
Madapoln Rvlucac, Lzenda muito boa com 20 v.rs a 60000 a pe?a.
Muits ootrat fazendas que b coca a prosenca das Exmas. famihas e respeta
vel publico se podero apreciar.
Heiirique d i Silva Mor ira
WHISKY
ROYAL BLEND marca VlADO
Este excellente Whisky Escossez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de oanna,
para fortificar o corpo
Vende-se a retalho nos melhores rma-
seos de molhados.
P,do ROYAL BLEND marea VIADO
cujo nome e emblema a3o registrados para
todo o Brasil.
BROWNS A 0., g otes.
Sitio no Arraiai
Veode-fe a casa terrea com 7 quartos, 3 salas,
jisinlia, naurto com bauhj de chuviaco, depen-
dencias p ra criados, cacimba cim muito boa
agua e boroVa, uoi lindo jaidiro, p-issa um riacta
pelo cintro do sitio, tendo urna pequea pente
com bai.cos pira recreio, urvores fructferas, co-
queiros, laranj^iras, eapotiseiros, mangueras, ja-
nueira e outras diversas, ra da Harmouia,
dividindo com o sitia do 8r. Baduem : a tratar
com o Se. Domingos Gome s Correia, na casa ama-
rella,',ou na ra da Paz n. 42._______________
Terrcnos^cm iteber.be
Vende-se terrenos cm Beberibe de Raizo, Agua
Fria, que pertenc^ram a D. -enhorinba a b. je aos
hcrdeiros do Dr. Burgos Ponce de Len, com ti-
tulo legal ; a tratar na ra do Imperador n. 01,
com o solicitad;r Luiz Machado B'telho._______^
Venda de t rreuos
Vende ee em grandes e pequeos lotes os ter
renos do sitio, que na estrada dos Aflictos, fieam
junto a capilla e defr.mte da estaco da linba
frrea do Arraiai : quem os quizer comprar dirl
ja-se ao Dr Portella em si u eteriptorio ra do
Imperador n 65, 1- andar, ou casa de sua re-
sidencia nos Afflictes._________________
broches de madreperola, dem de marfim
desenbando em alto relevo flores e um mo-
lho de trigo.
Casacos bordados para senhoras a 50000.
Leqoes transparentes pretos e de cores a
20000 e 20500.
dem de aetneta a 10500 e 20000, um
dem de papel a 500 e 800 rs., um.
Agua Florida verdadeira era guarrafi-
nhaa a 500 rs., urna.
Contas lapidadas pretas e de cores.
Missaogas pretos e de cores.
Lindo Bortimento de fitas e bicos bran-
cos e de edres.
Grande sort'mento em bot3es de ma-
dreperola e phantasia.
Luvas de pellica a 20500 o par.
dem de seda a 20000, 20500 e 30000.
Capellas, veos e ramos para noivas.
Suspensorios americanos a 20500.
Linha para machina "a 800 ra. a dozia.
Meias de cores, escocis, para senhoras
a 10500 ( par.
Csixaa de jogo para salao a 50000.
Sabonetes a 12U 200 e 500 rs.
Boleas de couro, de chagrin, de pnIlucia
e de pellica para senhoras e meninas.
Espaitilhjs a 30000, um.
Lindas pastea de couro, chagrn e pe-
luot a 500, 10000, 20000, 30000 e 50000.
Carteiras para aculas foro es reparti-
mentos de 100000 a 1000000.
dem pura letras com os repartimentos
doa mezes de Janeiro a Dezembro.
Estract>8 corylopsis do Japo, nexis do
Japao, B.uquet de exposigao, Theodera,
Rita bargally, Porte Veine, Ixora Brione,
Roger, G-llet, Biiza da Serra, Paris-Bou-
quet, Estracto Dodeur, etc.
Luvas de seda bordada com missaogas.
dem bordadas com vidrilho dourado,
bronzeado e granad.
dem com palmas da mearaa seda,
dem arrendadas a xadrez.
Anquinhas a 10000, 10500 e 20000,
urna.
103-RA DUQUE DE CAXIAS-103
AUeicao
Vende se esptcial firinha de milho e arr...
feita A vapor, e preparada para bolo, cang.c.
cuscus e cutras diversas especies de comedora
lue.i.Cbsitrm destes mesmos gneros, sendo
40 rs. o kil- da de roilho < a de arros a 3J0 rs.
assim como farinba para tender o p.io eerveja .
2i Pombal n. 1, pertencente a Pereira oz Pinto.
TVlephoiii898
3
Vinho do Or, Fostier
je esla nUMi e is Cascas de Lalas amaroa.
TNICO RECONSTITUINTF
"Remedio soberano
COMTHA *
CMLOPSE, NEWI. CABIC OOS OSSOS.
AFF rf70F.S DAS VAS DIBESTIVA,
OIARBHEAS CHBONICAS, RACHITISMO,
ESCRFULAS, DEBILIfJADE,
CO^VALESCENCAS DE FEBRE /ITPHOlDrAS
E DE MOLESTIAS GRA7ES, ETC.
Venda mgrosso: J. B. Bosredon
Samaeritle ea BRITlt (Correa). F!U(i.
Depsitos em Pemambnoo :
r RA.2ST" M. du SILVA & Z
m Icis I! ki ri:ri-.:'-.r li ft: i'1
%-meeeewmxemememeemmom
|pimi85.'euaiiamu
CAPSULAS TAETZP^
I
7St
nurrntss (PATSWTD8> o. d. a
OffcreoldM detall* d fonn* de Ddoes o Contettos d truotaa,
p.r,nitundo udm aos doente o mala deUoadou la crlanoas 00
tomar kk enjo tod e qoalqnar medloameoto.
DEPOSITO SEML, EM PARS. 36, ru iM la VrrM>Ml
fm P*mrrmM,rn fBAII- M. 00 SILVA C.
fxpoi/po d Unrpoel \






'-.

r




8
Diario e Fernanifincotyuaita--fcira 28 de Sctembro de 1


ASSEMBLEA GEBAL
*k*ado
SE8SAO EM 14 DE SETEMBRO
(ContinuagRo)
O Sr. BarSo d) Cotegipa (presidente.do
conselho) : -Neste terreno correu a discus-
sSo. Por aecrdo da maioria de ambos os
partidos, liberal e conservador, foi votada
, lei nos termos em que se aeha publioa-
E', portanto, a lei um producto de
urna IransacgSo entre os dous partidos.
Nao so podando conseguir tudo quanto um
e outro desejavs, chegou-se a um meio
termo que podess-, com a possivel tran-
quillidade, resolver o problema que a to
dos affectava.
Antes que essa lei aoffresse as p ovas da
diacusaSo no senado, o seu honrado autor
entendeu d-^ver deixar o poder. EntSo,
consultado eu como presidente do senado
e como tendo alguma influencia sobre os
meus amigas polticos para que dsse a
rainha opiniSo, se a lei poderia no senado
encontrar ou nSo obstculos nvencivea,
declarei que o nobre senador poderia con-
tinuar sem receio de que seu pr>jecto dei-
xasse de ser approvalo uo sanado.
Asim procedendo o vencendo o Ilustre
senador esta diffijuldade, o senado compre-
hende que cu nSo aspirava substituil-o
NSo obstante, o hourado sanador deu ra-
z8es taes que o poder moderador nao teve
recurso senSo conceder, a seu pezar, a de-
missSo pedida
Tambera ex:u3ado dar as rai3es de
assumir eu a responsabilidade da passa-
gem da mesma lei, confiado om que seria
coadjuvado por todos, ou grande numero dos
senhorea que assentaro-se na bancada libe
ral.
A minha confianza nSo foi Iludida. A
lei passou aqui sem a mnima emenda em
vista das declaragSes por mim feitas de
quj nSo aceitara neohuraa que fo3se pre-
sentada. Fiz questSo ou a le tal qual ou
sua reprovagSo.
O senado, apreciando as raz8ea que eu
havia dado, assentio e a lei foi votada tal
qual. Um corapromisso tomei nesta occa-
siSo e foi que eu exacutara a le com toda
alealdade, sem n-nhura sophisma, de ao-
c6rdo com os conselbos de minha razSo e
de minha consciencia.
Assim pratiquei e se errei como foi con
siderado por um voto do senedo, espero
que fa^am-me justiga de acreditar que1er
rei por Mta do compreheosSo a nSo por falta
de boa f.
Qaem fazia as largas concessS :s que o
nao
e
partido conservador fez na occasieo,
veris, por espago de um anno ou anno
meio, perder o sacrificio ou a gloria, como
quizerem chamar, de ter contribuido para
solver urna dirnjullade que a todos nos
aterrorisava.
estas circurastancias, qual o meu de-
ver T Sustentar a lei, nSo sophismal a,
dar todas as garantas que ella offereoe e
esforcar-me hei, mais que todos, para que
aeja urna lei de apaziguamento e nSo urna
lei de perturbagSo
Mas a propaganda, que eu nSo cen-
sura. .
O Sr. Dantas : -Apoiado
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
sonselho): porque da natureza
della nSo se contentar com pouco. .
O Sr. Escragnolle Taunay: -A propa-
gadda filba da lei de 28 de Setembro de
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : -... aproveitando-se das con-
cess5as da lei, quiz anda, dando nterpre-
tac3s errneas, servirse da mesma le
para fins que ella nSo tinha previsto. Da-
to nasceram as agitabas de que todos nos
temos sido testemunhas. Sam pretender
fazer urna censura a os meus honrados col-
legas, mas instado pela necessiiade de
defesa do governo, nSo poBSO occultar al
guns dos effaitos que tiveram origem aas
opiniSiS sustentadas neste recinto.
O Sr. Affonso Celso : -As previas ma-
nifestadas nesta recinto.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conaelh): Outras prevaleceram externa-
mas : .
mente e que forara expostas. Citare algu
1" As nullidades invocadas contra as ma-
triculad dos escravoB ;
2* Aa opiniS :s de que a deelaragSo de
filiagSo desconbecida era prova provada de
liberdade daquellea escravos que tinham
na matricula se nelhente deliberagSo.
Esta ultima opiniSo, esposada por alguna
magistrados, qua entendem que o poder
judiciario julga das .lea e nSo julga con-
forme ellas, libertando em massa escravoa
que haviam sido matriculados em 1872 de
conformidade com a lei de 1871 e que ha
viam sido matriculados as mesraaa con-
dig3ea em 1836, tem dado origem a agi-
tanes e consequente falta de garantas
dos propietarios.
Continuou, portanto, a propaganda e
contiouou nSo se dirigindo s convicgSas,
e praticando outros meios dentro da rbita
legal, mas transgredido a lei e provocan-
do verdadeira perturbagSo em todas as fa
zendas.
O S.\ Dantas:-NSo apoiado; havemos
de apurar este ponto urna vez por todas o
assigoalar a verdadeira causa.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : -Nao se pode deixar de consi-
derar como um effeito dest propaganda
Ilegal, o faeto de fuga em roassa dos es
cravoa daa fazendas e crimea que em qual-
quer cir :uraatancia seriara reprovadoa,.e
que por 8so passam como .que deaperee-
dos
A lei muito severa sobre este assum-
pto...
O Sr. Candido de liveira : -E dahi a
diffijuldade da exe;ugSo della ; eu denun-
ciei isto na cmara.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho):... girante a propriedade, e,
garantindo-a, nSo faz mais do que repetir
o que a Constituido determina.
Ora por insinuaos, ora por provocacao
porque outro motivo nSo pote ha ver para
% retirada desses escravos daa fazendas,
retiram-se elles en massa ou ndiviiual-
mente e vSo firmar reuni5es perigosas
tranquillidade don habitantes, ou procurar
nteseaqucllcs que sSo considirados
chefes da propaganda, como so elles as
fazendas soubessem dir;ctamenta quem os
devia proteger 1
Qual era o dever maia comeainho de um
governo qualquer, a nSo ser cumplice ds
les sa reproduzissem, restituir a proprieda-
de ao verdadeiro dono, emfim garant!' a
tranquillidade de cidadSos quo nao pod >m
ser assim abandonados s vmgan.as de
homens ignorantes e sem educaeao, p do
tacto de se terom confiado as leis que llies
garsntiam essa propriedade.
O Sr F. Octaviano d um aparte.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho): Nlo sa trata da saber s a
prspriedda de direito natural ou s)
de direito civil. Seja ou nao, o ct-rtj
que a lei civil constitua a garanta de pro-
priedades embira n3o sajara de direito na-
tural. Algans mesmo opinam que nito ha
propriedade de direito natural, entend im
que as trras deveai ser divididas e nSo
constituir propriedade exclusiva de poucos
ou de muitoa.
Oa actos praticados petas autoridades
sao malsinados por urna iroprensa activ.v e
constante, porque emprega os recursos que
sao naturaea e qua eu nao estranbo...
O Sr. Dantas : Apoiado ; triste de nos
se nao fossa assim.
O Sr. B irSo de Cotegipe {presidente do
conselho):... o agrado, as cortzias a
una, as censuras, as ameajas e at as in-
jurias a outros Estes raeija aterrara a
muitas autoridades e como qua as levam a
fechar os olbos, ou coadjuvar esta ten-
dencia, para que nSo spjam vi-timas de
censura, ou para que tenham essa glorilo
de um elogio nos jornaea.
O Fr. Octaviano: NSo por iss3
pela consciencia innata.
O Sr. Dantas : O motivo mais no
bre. .. .
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidenta do
conselho) :E', Sr. presidente um acto
censuravel no governo e as autoridades o
propugnar pelo exacto cumprmento das
lea? lato nao pode aer censurad por ain
gera.
O primeiro dever da todos os goveraos
o fiel cumprmento da lei.
Vozes : -Sem duvids.
O Sr. Dantas : Dentro da 1?.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : Quando digo o fiel cumpr-
mento da lei, cortamente dentro della.
O Sr. F. Octaviano:O governo nao
5de fazer o favor nem a um nem a outro
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) :Se ella contraria aos inte-
ressaB pblicos, o meio de remediar de-
pende do parlamento.
Se, porm, ella nilo contraria aos in
teresses pblicos, o deixar desmoralisal-a
um crime do goveroo.
Antes venha propor a sua revogaclo,
raas nao consinta que ella se desmoralice.
O Sr. Dantas: -Apoiado, para isso
que sa est trabalhando.
O Sr BarSo de Cotgipo (presdante do
conselho) : NSo censuro que trabalhem,
mas reprovem tambem esses meios e esses
xcessos..
O Sr. Dantas :NSo tem duvida.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidente do
conselho) : ... quepodemdffi:ultar gran-
demente os intuitos dos nobres senadores.
O Sr. Aflfonso Celao d um aparte.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidenta do
conseibo) : -Nada desacredita tanto a qual-
quer causa como os excessos dos mais exal-
tados, ou dos que, sob a capa da causa,
procuram cortos interesses que nSo sSo con-
fessaveis.
O Sr. Dantas : Mas isso tambem um
meio de condemnar todas as grandes ideas.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : NSo repito aqui senSo um lu-
gar commum da historia. Nada prejud
cou tanto a revolucSo franceza como os ex-
cessos do terror. Ainda i o argumento
para se combater todas as ideas verdadei-
ramente livres.
Um Sr. Senador :At os governoa em
os dcixem mnrrer tranquillos, que nSo Ibes
apressem os das, qtle j esta prximos.
Elles nSo se envolvem ni poltica, vi-
vera em suas fazendas, no seio da familia
sem outras garantas al n da forja moral,
que le n sobre os fmulos ; perdida essa
torga, a seguranoa iodividuil est arrisca-
dissima. Elles nSo leu estas leis, que nos
aqui decretamos, interpretando a opiniSo
publica, e nSo ousam nem ao menos quei-
xar-se.
Sa Bolt.m alguna abafado gemido um
escravocrata, um deshumano, um ty-
ranuo qua s quor viver do suor da 89U as-
raelhante II...
Nao admiro, portanto, Sr. presidente,
qua elles nSo saibam que ten um meio,
pelo qual podein sabir desaa diffijuldada,
de eatar allomando oa eacravoa por um,
por doua annoa, e at por urna colheita,
sem a garanta, de que continuem por esse
tempo os servicos exigidos ; o 3' do
art. 3- da le de 28 de Seteiabro. lato
apreasa a libertacSo e parece que pSa pa
radeiro tendencia, que eu co isidero mui-
to prejudicial e perignaa, para o abandono
da fazendas.
$ 3 que pode levar a epigraphe Con-
selho aos lavradoroa (lendo) : tOa eacra-
vos empregados nos estabelecimentos agr-
colas serSo lib;rtados pelo fundo de eman
cipacSo, indicado no art. 2* 4* e 2' par-
p :
pregam estes meios.
O Sr. BarSo da Cotegipe (presidente do
-Oa actos praticados pelo
conselho) : -Oa actos praticados pelo go-
verno e pelas autoridades qua queiram ar
rostar com esse perigo.
CapitSes de mato o menos que sa diz
daquelles qua pretendem restituir escravos
fgidos s faaenlas. Cumprindo com o que
a lei manda, casas autoridades marecem
elogios em vez de censuras.
Pela disposicSo da lei os proprios liber-
tos, que se retirara das fazendas, tendo
contratado os aeus servigos por um certo
numero de annos, aSo aprisionados pela
polica.
Ora, se o horaem que j livre, e que
apenas est sujeito prestagSo de servigos
por alguna annoa, apprahendido pela po-
lica e entregue quelle que tem direito de
usufruir esses servigos, como que o ea-
cravo nSo poder ser apprehendido t
Hoje, Sr. presidenta, censura-se a ap
prehensSo dos escravos, amanhS cenaurar-
ae-ha da mesma forma o cora mais razSo a
captura dos libertos obrigados prestacSo
do aervigo
O Sr. Affoaao Clao : -lato prova qua a
lei nio correspondeu s exigencias da opi-
niSo.
O Sr. BarS de Cotegipe (presidente do
conselho): Portanto, aquelles que enten-
dem que pacificamente passarSo os annos
necesaarios para transformar o trabalbo es-
cravo era livre, contando cam o servig
desses libertos, illudem-se completamente.
Oa exemplos, se eu os quizesse citar to-
dos, seriara numerosos e significativos, nSo
em S. Paulo, nSo no Rio de Janeiro, nSo
na Baha, nSo em Pernambuco, mas em
todas as provincias em que os senhores, le-
vados pela humanidade ou por outra cir-
cum8tancia qualquer, tm alforriado os seua
escravos, contrat >n lo servigos, demonstra-
riaui que nSo enuncio urna propoaigSo ar-
riscada.
Pego licenga para citar um s facto, e
deate aprandam tolos, e cito porque tenho
urna te8temunba presente.
Um importantisaimo fazendeiro de Per-
nambuco libertou mais da lO eacravoa
(140 ou 150) sob conligSo de prestagSo de
aervigoa por poucos annos. lato ha um
aano, o quer V. Exc. sab-T, Sr. presiden
t-, quaotos existem na fazenda ? oito ; to-
dos os outros o abandonaran!.
O Sr Luiz Felippa : E' exacto.
O Sr. Dantas : .Mas ha exemplos era
contrario, e eu em terap os apresentrei.
O Sr. BarSo d* Ootcgips (presidente do
conselho) : -Isto o qui ha de acontecer,
e o que tera acontecido em outros lugares ;
e, para que nao soffram semelhante damno,
que tambem reiuiia em prejuio do Es
tado, p'-la falta do produ jgSo nessas fazen-
das, eu dara um conselho aos fazendeiros :
elles resignados, tgonisaotee, veudo conta-
te, se seus senhorea sa propuzerem a sub
atituir nos mesmos eatabelecimentoa o tra-
balbo es;ravo pelo trabalho livre, observa-
das as seguintes dispoaigSjs:
a) A libertagSo de todos os escravos
existentes nos mesmos estabelecimentos e
obrigagio da nao admittir outros, sob pena
de serena esses declarado libertos ;
c 6) IndemnisagSo pelo Estado da me
tada do valor dos escravos assim libertados
em ttulos de 5 por cento, preferidos os
senhores que reduzirem mais a indemnisa-
gSo.
t c) A u8ufruigSo do3 servigos dos liber-
tos polo tempo de cinco annos.
Ora, se os lavradores tm este paragra-
pbo para receberem a metade do valor dos
escravos e usufruirem os seus servicos por
cioco annos, porque bao de esta..' libertan-
do-08 por um, por dous annos, sem nenhu-
raa ndemnisagSo ?
O Sr. Saraiva : Esta parte foi inutili
sada por causa do regulamento.
O Sr. Silveira Martina : Pie-se alt
rar o regulamento.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
coaselbo) : Mas isto vantajoso. Trata
va-se da fazer o menor mal possivel, e ve-
ja, Sr. presidente, a garanta.
4." Oa libertos obrigados a servi-
rem nos termos do paragrapho anterior,
serSo alimentados, vestidos e tratados pe-
loa seus ex senhores e gozarSo de urna
gratifisagSo pecuniaria por dia de servigo,
que ser arbitrada pelos ex senhores, com
approvagSo do juiz de orpbSos. Essa gra
tificagSo, etc.
Agora diz aqui E' domicilio obrigado
por tempo de cinco annos, cantados da da
ta da libertagSo pelo fundo de emancipagSo,
o municipio onde tiverem sido alforriados
os escravos. E a lei manda que quando
algum desaes libertos saiam da respectiva
circumscripgSo, sejam apprehendidos e pa-
ra all remettidos.
Ora, estas sSo as diaposigBss providentes
da lei de 28 de Setembro.
O Sr. Saraiva :Ha ainda outra proi
deacia mais eficaz para garantir os aervj-
gos a execugSo das colonias que o mi-
nisterio nSo organisou ainda.
O Sr. Affonso Celso: Como se ba de
obrigar o liberto a trabalhar por cinco an-
nos ?
O Sr. Escragnolle Taunay : E' melhor
censurar a generosidade dos propietarios.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : Sr. presidente, as observa-
gSes que tenho feito nSo incluo, nem poda
incluir a liberalidade dos proprietarios.
O Sr. JoJo Alfredo :A qual tem dado
magnficos resultados : bom animal-a.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) :- Sem duvida nenhums, e por
esses resultados qua eu nSo vejo necessiia-
de de medida urgente para que se apresse
ou se precipite a solugSo desse problema.
O Sr. Dantas : Davo tirar as coose-
em outra occasiSo, mas hoje quero
cooclusSes.
T:nho muito qua dizer, ainda preciso
hoja tirar aa minhaa conclugfcs. Permit
ta-me V. Exc. qua eu apresent; as duas
a que quera chegar.
Ia, a minha si'uagSo presente manter
fielmente a lei de 28 da Sitembro ;
2l, a minha situagSo futura j declarei
na cmara dos deputados, que conBidera-
va essa lei como solugSo ; que outros po
deriaui fazer mais, eu nSo.
SSo estas as coqcIcsojs. Entendo que
devo ser franco...
O Sr. Dantas : -Apoiado.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidente do
conselho) :... qua nSo devo lludir nem
a oppoaigSo era aos meus amigos. Assu-
mi a responsabilidade do poder na persua
sSo de que faria algu.n beneficio. O dia
em que o deixar ser para mim o de im-
menso e indizivel prazer.
Racolbendome aos lares domsticos, Sr.
presidente, como um vclbo navegante des-
tes procelloso3 maris polticos, smente te-
rei urna consolagSo : do ficar em paz aom
a minha consciencia, repetindo :
Inv.'ni portum Spea et fortuna vlete !
Sat me ludistis, ludite dudc lias !
O Sr. Dantas (pila ordem) requer ur-
gencia para que a discussSo continu na
sessSo seguinte.
Consultado o senado concede a Srgencia
dedida.
tirar O Sr Jagurib) : -A intervengSo par-
ticular ioflue g'raniemente para isto.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidenta do
conselho) :Com este servigo temos des
pendido soramas, qua ereio nSo ser exage-
rado, avahando em 50 ou 60 mil contoa.
Para o norte nenhuma ou una centesi-
ma parte.
O Sr. Meira de Vasjoncellos :Quasi
nada.
O Sr. Jaguariba : Urna millonsima.
O Sr. Silveira Martios :No norte a co-
lonisagSo morrena de fome, E' urna in-
dustria assentar praga.
O Sr. Dantas : -E' outra a razSo. Oa
que l vivera, vivem muito bem.
O Sr, Silveira Martins : -Mas nSo ha
alimentagSo para grande quantidade do
emigrantes.
O Sr. Affonso Celso : O europeu come
marisco e cara...
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : A contestagSo motivada pelo
aparte do nobra aenador pelo Rio Qrande
do Sul nSo serve senSo para demonstrar a
exactidSo da proposigSo qua enunciei ; isto
, para o norte nSo tira concorrido o Es-
tado.
O Sr. Viriato de Madeiros .Cora di-
nheiro algum.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : ... com dinheiro algum...
O Sr. Jaguaribe : No quo tera 'feito
muito mal.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho): -... para promover, aind que
taes attentados ? Procurar evitar qua el- oa 08 das, nada mais pedem senSo que
quenciaa.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) : Digo isto por causa dos apar-
tes relativos liberdade, porque nSo con-
sidero esta como um cffeito de lei.
Diz-se que estas libertactos sSo prova
de que nSo ha coaccSo para alguna fazen-
deiros. Nfto posso concordar com sema-
thante opiniSo. Sem a menor duvida, mui
tos delles, grande numero, te* procedido
de accordo com os seus principios huma-
nitarios ou em consideragSo de seus inte-
resses, assim muito natural que um pro-
pretario, cuja industria pode j ser explo-
rada por bragoa livres, nSo tenba necessi
dade de conservar escravos contra a sua
consciencia de christao...
OSr. JoS Alfredo:-O desinteresse
dos fazendeiroa eat demonstrado desde
que renunciaram ao pagamento dos inge-
nuos.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conselho) ', J por mais de urna vez rcen-
cionei essa prova de desinteresse, nSo de
um, nem de mil, mas de todos os fazen-
deiros do Brasil.
O Sr. Dantas:-Isso devido forga
da idea.
O Sr. BarSo do Cotegipe (presidente do
conselho) : D idea tambern, e urna
prova de qua esses nossos concdadSos
nSo sSo oque alguns figuram, isto ho
mons Darbaros, ignorantes, capizes de
crimea atrozaa. .Apoiadoe.)
O Sr. Meira de Vaacondelloa : O fa-
zendeiro o primeiro emancipador.
O Sr. Dantas :NSo recuso a 63868 o
louvores quo merecem.
O Sr. acragnollo Taunay :Mas a Eu-
ropa nunca ha de consentir que os imrai-
grantes sejam os substitutos dos escravos.
O Sr. Presidente : A hora dos requeri-
mientos est esgotada.
O Sr. Dantas : Em materia desta or-
dem ?
O Sr. Presidente : NSo ple continuar
sem prejuizo de muitas outras que cstSo na
ordem do dia.'
O Sr. Silveira da Motta : NSo se p la
interromper o orador.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
co-seibo) : NSo interrompe.
O Sr. Presidente : E' do meu dever
fazer esaa observagSo.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidenta do
conselho) : Vou Sntar me ; fallarei ainda
SESSO DE 10 DE SETEMBRO
PBESlDENCIA DO SB. CASS\SAO DE SINIMB
Prosegue a discussSo, adiada na aessSo
anterior, do requerimento do Sr. Antonio
Prado, pedindo ioformagSea aobre as pro-
videncias tomadas pelo presidenta da pro-
vincia de S. Paulo para manter a ordem
publica por occasiSo das fugas em massa
de escravos de fazendas do municipio de
Campias.
O Sr. Iluro de Cotegipe (pre-
sidente do conselho) :-NSo posao deixar
encerrar a diacusaSo deste requerimento,
sem fazer ainda sobre ella e especialmente
sobre os discursos aqui proferidos, algu-
nas obaorvagoaa.
Rectificarei o sentido da proposigSes mi
nhas, que nSo forana bem apreciadas eu
compreben lidas, sem duvida por falta de
clareza.
Estas palavras me justificarlo do pouco
methodo ou ligagSo que terei de guardar
Mas, Sr. presidente, nSo venho e nunca
vim aqui pronuniiar pegas oratarias, e apa-
as dar a razao do meu dito, ou refutar,
quando entendo que devo fazer alguma
das propoaigSss qua nSo me soam bem.
Comegarei pelas roctificag3es :
O meu hourado collega, qua hontem o>
cupou a tribuna na hora destinada a esta
discussSo, entendeu que eu havia malaina-
do a propaganda lora de8te recinto ; e so-
bra este thema discorreu de um modo bn-
Ihante, mas, infelizmente sem razSo de ser.
Nao malsinei a propaganda ; ao contra
rio disse quo nSo a canaurava ; destingui,
porm, a propaganda feita no parlamento,
a propaganda legal, da propaganda com
visos com certeza de perturbigSo da
ordem.
Nesta classa eat comprehendida aquella
que provoca fuga dos trabajadores, esora
vos das fazendaa, excita insurreig3as, e
torna muito procaria a sorte e a seguranga
daquelles que poBsuem esta especie de pro
priedade.
Aqui mesmo nesta capital, eu poda ci-
tar exemplos de faetos abusivos, no sent
do que acabo de expressar.
Por consequenoia nSo censurei e menos
malsinei a propaganda qua tem por fim
convencer e persuadir, a propaganda que
tem por fim, por meio de sacrificios ou re-
cursos collectivos ou individuaes, levar a
effeito a libertagSo de escravos : essa pro
paganda nSo pode ser levada a mal.
Para que, pois, citar noraes deste ou
daquelle, se eu nennum nome citei T
V.iEx j. ter notado que eu jamis, a
nSo ser por excepgSo e forgado trato de
individualidades, principalmente quando te
nho de censurar actos que podem referir-
se a esta ou aquella ; porquanto mu f-
cil a poaigSo de quem elogia as bellas qua-
lidad a passoaes dos que defendem ; quan-
do ob que censurara aotos ou illegaes ou ir-
regulares e mesmo vergonhosos, nSo podem
nem deven vir citar nomes proprios, a nSo
ser era ura caso muito particular.
Tambem eu disse que muitas fibertagojs
condicionaos ou nSo, dadas por alguns la-
vraaores eram effeito de coacgSo, por te-
rem de esoolber dos males o menor. Tara
bem fui contestado. Nao digo que a todos
tenba succedido o mesmo ; mas evidente,
irrecusavel a minha proposigSo de que
muitos lavradores estSo na situagSo que
descrev.
Bastava-me um testemunho para que eu
assim roe pronunciasse. NSo quero, e na
occasiSo em que fallei, assim declarei,
apresentar muitos exemplos.
Mas, Sr. presidente, quando a lei geran-
io urna propriedade ou qualquer direito do
cidadSo, basta que um delles seja contrangi-
do por meios illegaas para abrir mSo des
se direito, para quo seja obngagSo, seuSo
dever do governo vir em seu auxilio.
Tambem di a perceb'-r qua a situagSo
de algumas provincias do sal nSo era ar-
gumento procedente para que julgasaem.a
desta qaestSo m sua generalidade. Urna,
duas ou tres provincias podem estar habi-
litadas para transformagao ma8 rpida do
trabalbo; podem meamo tirar maior lucro
desta transformagSo.
Figuro urna bypothese. Supponha-se que
urna provincia produz gneros similares
de outras. Urna nSo nacesaita do brago
escravo nem mais um da ; outra precisa
algum tempo para preparar-se para esta
mudanga.
A primeira lucrar ou nada perder,
ainda mesmo que a sua producgSo diminua;
porque dimiouindo muito a producgSo das
outras, o prego dos prpduJtos compensar
qualquer differenga
Para que, portanto, a questSo po3sa ser
encarada debaixo da su verdadeiro ponto
de vista de rigor, imprescindivel qua
lancemos os cilios sobre toda a exteusSo
deste Imperio ; preciso que eatuderaos e
apreciemos a situagSo de cada urna daa
provincias, o roior ou menor damno qua a
cada urna deltas podar provir.
a iramigragSo tem corr lo por diversas
circunstancia, prin palmenta .attribuida
ao clima, para algumas provincias do sul.
em ponto pequeo, a immigracSo ou a co-
lonisagSo do trabalhadores nacionaes.
Sr. Meira da Vasconcello3 : Apoia-
do ; ao menos essa.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
conseibo) :Compara se, portanto, a situa-
gSo de urna daquellas, com a destis pro-
vincias : o meio de apreciar e resolver
o problema do modo menos gravoso para
todas ellas.
O honrado senador pela minha pro/in
ca, que hontem, na segunda parte da or-
dem do dia, oceupou a attengSo do senado,
disse que o agricultor da provincia da Ba-
ha esta va sendo prejudicado, porque o
producto da lavoura nSo compensava os
gastos da producgSo. (Sa nSo usou destas
expressSss, esta o sentido.)
Ora, urna provincia no estado descripto
pelo nobre senador, que o roal, acha-se
de alguma forma desprevenida para puder
supportar o golp3 rpido da extinegao do
elemento servil.
O Sr. Antonio Prado : -Os bragos nSo
desapparecem, ficara no paiz.
O Sr. BarSo de Cotegipe (presidente do
copselho :NSo s nSo desapparecem, co-
mo tambem isto pode servir de argumento
para que sa acabe desda j a escravidSo ;
pois, se nao tiris vantagans dos trabalha-
dores que tendee, para que os quer -is
O *r. Affonsj Celso : Obrigando-se
ainda alimental-os.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidente do
conselho) :... obrigaudo-se ainda a ali-
mentar ? NSo forana essas as promessas
que fizeram oa poderes do Estado quando,
em 1871 e 188., oxigiram os grandes sa-
crificios que tm sido feitos pelos agriculto-
res e com o maior desinteresse. Elles, con-
fia ios na lei ou por espirito de humanida-
de, incumbiram-se da sorte de todos os
ingenuos, como rocordou o nobre senador
pela provincia de Pernambuco. O numero
destes ingenuos tSo avultado que seria
impossivel ao Estado dar-Ibes destino con-
forme a lei havia promettido, nam o tha-
souro publico teria recursos para pagar os
juros dos ttulos qua offerea na entrega
dos ingenuos ; nem para austental os e
educal-os.
Supponho, nSo eatou certo nesta momen-
to, que muito mais da 300,000 ingenuos
acham se neste caso. Ttnham os proprie-
tarios a proraessa de qua eases ingenuos aa-
riam obrigadoa a ser vil-os at 21 annos ;
veio a lei de 1885 e disse : a nossa pro-
priedade taxada em tantos annos,
em
cada um sonrereis urna reducgSo do valor,
poca em que a lei declare que cesaa a
escravidSo no Brasil.
l.oa consequencia de extinogSo da es-
oravidSo no Brazil o direito que adqui-
rem os ingenuos de nSo mais prestarem
servigos.
O Sr. Affonso Celso :A lei o declara.
O Sr. Antonio Prado : E' da lei.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidente do
conselho):Alen do sustento e da educa-
gSo que lhes derara, ficara privadas da
compensacSo que a lei lhes proraettia.
Tambem os agricultores resignaram-se
lei de 1885, resignaram se a esta reduc-
gSo ou extinogSo do valor da propriedade
em um prazo dado.
Trata-se agora de extinguir desde logo
em praz> curto, sem indemnisagSo, a es-
cravidSo, illudindo a espactativa que ti-
nham eases proprietarios de poder ainda
ver como se sabirara deasas diffijuldades.
Tanho por vezes declarado que este mo-
do de legislar urna especie da communis-
mo, o Estado absoluto dspondo como
lhe convem do direito alheio, e de mais a
mais com urna especie... nSosei se a exprs-
sSa bem cabida... urna especie de cilada,
promettendo aquillo que nSo tem intengSo
ou nSo poda cumprir ou nSo tem a preci-
sa torga para fazer cumprir.
Ora, iato pode convir aquelles qua que-
rera os fins sem olhar para os meios, mas
nSo aos que entendem que as promesaaa
devera ser cumpridaa, que os interesaes de-
vem ser respaila los tanto quanto possi-
vel, ou, ao menoa, aquelles que a lai ga-
ranti.
De todos os meios empregados pela lei
de 27 de Setembro de 1885, tem o gover-
no procurado impedir a sua realizagSo?
A' excepgSo daquillo qua foi censurado
pelo Sr. senador Saraiva, nSo ha urna s
voi que se levante e que posaa accuaar o
governo de ter propositalmente po8to ob
Btaculos, nem a essas muitas liberdades
nas.idas do3 espirftos pbilosspbico dos bra-
aileiroa, nam i realiaadas por outro qual-
quer ayatema, de associaggSo, do fundo de
emancipagSo, etc.
O meu esforgo, segundo a promessa que
fiz, quando no senado defondi esta lei, tem
sido garantir oa proprietarioa contra as vio-
ien.ias, que j entSo soft'riara, e contra
aquellas que, era muito natural, contnuas-
seni a soffrer.
Tanto quanto tira cabi lo as forg>3 do
goverpo, ha este deaampanhaio a 8ua pro-
ra asa.
Nao mistar, Sr. presidente, para que
sa cjntenham aqudlej qua provocara illa-
galmente a pcrturbag'o aas fiz?nlas, man-
dar para cada urna dellas um destacamento;
seria isso impossivel ; basta que as autori-
dades cumpram os seus deveres, basta que
ellas, quando apparega qualquer acto me-
nos legal ou perturbador da ordem, prorap-
tamenta o reprimam, e neste ponto o autor
do requerimento foi o primeiro a fazer jus-
tiga ao governo, a quem elle sompra coad-
juvou com suas luzes.
Cumprindo uraajproroessa, porque enten-
do que todo o governo serio deve cumprir
aquillo a quo se obrigpu, nSo fazemoa mais
do que o nosso dever.
Defendendo, como au tenho defendido a
lei de 28 de Setembro de 1885, conserv-
me em urna posigSo que os nobres senado-
res apr^ciarSo de urna maneira honrosa
para mim.
Estou, Sr. presidente, na situagSo de
um militar que defende urna fortaleza as-
aediada por grande forga. So disser
guarnigSo quo o coadjuva na defsza da
praga que a derrota certa, que, em pou-
co mais de oito ou dez dias, se render
immediatamen'e, enfraquece toiis oa seus
defensores, Pois se d'aqui a oito ou dez
dias a um mez, emfin em um prazo certo,
tsta praga se devo render discrigSo, que
necessidade temos na de combater pela
sua defeza ? Entregando-sa desde j, ao
menos pouparemos as vidas.
E', mutalis mutandis, o qua acontece
as questSes poltica? e as questSjs so-
ciaes.
Defender urna lei e declarar desde logo
que ella ha de ser revogada ou emendada
radicalmente entregar a praga antes do
primeiro asaalto.
Curapro, portanto um dever defendendo
o ponto que me eomproraetti defeoder.
Radargua-ae-ma que o homaro de eatado,
o poltico nSo ura marco, termo que se
rae tem applicado, que deve ostudar, que
deve observar e, convencendo se de que
chegou a occasiSo de ceder das suas opi-
niSis, fazel o, e, em vaz de ser censura-
vel por isso, merece aer elogiado.
Para fortalecer esta pansamento, que
pode passir por axioma, o meu nobre coi-
lga Pe'a provincia da Bahia citou exem-
plos dignos de ser i sitados; faltn, po-
rm, a S. Exc. urna circumstanca para
que os exemplos citados me pudessem ser
applcados, e que esses estadistas que
assim mudaram da opiniSo, quando at en-
tSo haviam reaiatHo tanazm mte e com
todos os recursos ds seu talento, causa
da qual dopois se tornaram defensores, ti-
nham a convicgSo de que havia chegado o
momento, para assim dizer psycbologico,
de ser a questSo resol vid a.
Sa licito comparar as cousas paquenja
coro as grandes, direi qua em miro mesmo
eu acharei mais de um examplo. Tenho
mudado nSo urna vez ameote, por n mais
de urna.
Mas taes mudangas, constantes, repeti-
das, pelo menos enfraquecem muito e au-
toridade moral daquelles qua as praticam.
Roberto Peel, cujo nome, nSo s mente
urna gloria ingleza, o raconheceu e disse ;
NSo censuro os mes antigos amigos
pelo castigo que ma infliogem hoje, por
telos abandonado as ideas que juntos de-
fendemos. E' mesmo justo qua aquellas
que assim procedem soffram essa correc-
cSo moral.
Eu correra o risco desta correcgSo palo
partido a que me filiei. Mis sa a minba
convicgSo tSo profunda a re;paito doa
males qua urna medida precipitada neste
assumpto pode trazar, como mudar T Para
saraelhantes diffijuldades ha muitas vezas
as tranaacgSas, mas mudanga radical nun-
ca : o hornero nSo pode afSrmar urna pro-
posigSo e iraroediatamente negal-a.
Quando em 1885 as discutamos eaja
lei com o espirito o mais isento de odios,
araizade ou iateresses de partidos, eu, jus-
tificando o ter sido oontrario s propostaa
do honrado senador que fallou em primei-
ro lugar, disse que as circurastancias eram
taes qua nSo era mais possivel adiar a so-
lugSo que pareeesse a mais favoravel para
que a extincgSo da escravidSo 8a realizas-
8e no Brazil antes do fim do esculo. Nes-
ta ponto, eu estava de accSrdo com parte
do partido liberal e com a maioria doa
membros conservadores da Cmara dos
Srs. Deputados, ou, por outra, foram os
centros doa dous partidos que unidos vota-
ram e fizeram paasar a lei qua tomou a
data da outra, de 1871.
A'quelles que ma oensuravam por haver
mudado de opiniSo, citei as palavras do
mesmo estadista Robert Peel, cujo exem-
po foi aqui allegado pelo honrado sanador :
fui procurar o qua entSo havia dito, por
que nSo collecciono os meus discursas, e>
em ura delles, entre eutros periodos, I
8eguints :
c Estas minhas palavras nSo sSo mais
do que urna copia daquellas que profera
Sir Roberto Peel quando o aecusavara de
contradictorio, por occasiSo da exancipa-
'So dos catholicos. Ciiou ella esta trecha
eloquentissimo de Cicero : -O que apreu-
di, o qm vi, o que li, era esorptos cele-
bres, o que ma ensinaram os bomens mais
preclaros e mais sabios, que nSo convrn
que as mesmas pessoas sustentera sempre
as mes mas opini3:s, o aira aquellas que
sSo impostas pelo estado dos negocios, a
disposigSo dos tempos e o ioteresse da paz
publica. >
Nio terii eu, portanto, pejo de confessar
o meu erro, ou, nSo o confessaaio, de sar
obrigado, pala forga das oircumstancias, a
aceitar ideas qua at entSo havia repallido.
O Sr. Sdveira Martins : Isto quant ao
presente, mas faz mal em definir-ae quanto
ao futuro
O Sr. Franco de S : Oa escriptores
ministeraes j o elogiaran como novo R>-
berto Pell : tomarara a nuven por Juno.
O Sr. BarSo de Cotegipa (presidente da
conselho) : Do qua se trata presentemen-
te ? Em dis.'uasSo nada ha ; 9 requeri-
mento do nobre senador pela provincia de
S. Paulo nSo era senSo urna roclamagSo
contra una iojustiga indirecta qm era fei-
ta em urna representagSo.
OSr. Dantas: -Mas V. Exc. mesmo
foi quem quiz definir sui posigSo no pra-
s mte e no futuro.
O Sr. Affonso Celso : -Mas o Sr. Sa-
raiva propz uantero urna transacgSo qua
fcil realizarse no orgamento da agricul-
tura.
^Continua)
Typ. do Diario ra Duqa'
de Oaxiat a. t.

i

'\
7
QyD


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7BT9PHZV_SKIYNO INGEST_TIME 2014-05-28T14:46:27Z PACKAGE AA00011611_19995
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES