Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19993


This item is only available as the following downloads:


Full Text


AHO Mil lOIJiXO ,219
PARA A CAPITAL. LUCAiUSd O^ MAO HH FAt PORTE
Por tres mezcs adiantado............... 6(J000
Por seis ditos idem.......... ...... i2(J000
Por um anno idem................. 23)5000
Cada numero avulso, do mesmo da............ 100
DOMINGO 25 I SETIB1 BE 1387
PARA DESTRO JM FORA DA PRO VIA CA
Por seis meses adiantadoa..............
Por nove ditos idem..............* .
Por um anno idem................
Cada numero avulso, d dias anteriores........j_.
130500
20,0000
270COC
10U
Pr0prtel>a>e ir* Jttantul Jifluctra be aria 4 Sfyos
TELEGRAIIAS
ES7T
s
-im.,
22 SltilS
MO DE JANEIRO, 24 de Siembra, s
4 horas e 17 minutos da tarlo. (Recebido
s 8 borase 55 minutos da noite, pela li-
nba terrestre).
ACamara tlun Deputadu* nao fuoc-
clooon boje.
!a- lendo a mena do Senado ac-
celtado Bonlem o additiio olTerecIdo
ao orramenio da agricultura pelo
senador Uodoj, o*le apreneniou-o
boje irn< formad; en projeclo dla-
llarlu.runKignando a mesma idea.
TpinbeiB o Menador T.niaay apre-
eulDii hoje outro projeclo, mar
caado o ia 25 ae Deiembru de 1 *s
para a cumplefa eatluceo da escra-
widao.
Ambo on projectos flearam aoBre
a mena, aflni de aegoirem o ira
mices reuiuienlaes.
l'oi rejilla 3a por *8 contra *J> vo-
l* a urgencia que requereao itena
dor Silveira da Molla para er dado
para discussao o projeclo de *5 de
Juili Stst trrenle anno. reculando
a esttucto do elemento nervil.
Fui aupravado en *. discussao o
orruiuenlo do Ministerio da Ciaerra.
Fol uomeadn jui aianlcipal e de
orpoM do termo de Floresta, na
provincia de Pernambuco, o bacba-
rel Amonio Candido Correa de rau
Jo.
v se obrigado a fazer oxcepco em favor de urna
deixaodo de eumprir a outra. Este coocarso de
circunstancias, que eollocam o hotnem, sujeito a
diversas obrige.;ea, na impusaibilidaae de as cum-
prir a todas e na necessidade de preferir algumas,
o que se chama collisao.
Seguimos h theoria de Kraose, como fundamento
explicativo dos phenonienos jurdicos que estuda-
mos. Seguudo ella, us direitos desenvolvem-se,
orno vereui js, em planas parallelos e juxtapostos.
Nanea se encontrara. Km tbeoria, pois, n'io h i
onllissTo
(Continua)
ARTE OrFlClfii
Governo
da Provincia
6 DE SETEMBRO DE 18S7.
...
. &
a-?*s
RIO DE JANEIRO, 24 de Setembro, s
6 horas e 15 minutos da tarde.
Os ronsclbelros Florlano da toduj.
tlaeira da Molla e o Dr. Bscragoolle
Taynay. apresentasraas Senado
roa proposicuo de le abre o ele-
mento servil.
O Senado rcpellio urgencia.
BUENOS AYRES, 24 de Satembro.
Corre o boato que acabam de aer
entaboladas nezoclaees diplomti-
cas enlre as repblicas Argentina,
do Uruguay e o imperio do Brasil.
con o flu de estabelecer-ne urna
ronveneao sanitaria.
MESfflNA, 23 de Setembro.
O citolera marbus fe durante as
ultimas 21 horas 1** cano e 0*
victimas.
BERLIM, 23 de Setembro.
O estado de sade de H. A. o Princi-
pe imperial esta se aggrawando.
Exm. Sr. presidente da provincia, transmiti a
V S. copia do tetagramma de bontem, e."o que o
E ii. Sr. cmiselh oro ministro dos negocios da
justica consulta se poder ser dispensado por V.
o depoimentj dos officiaea de que trata o eitadj
teleramna.
Ao Dr. Prxedes Gomes de Souza Pitanga,
secretario supplente da Assembla Legislativa
Provincial.De ordem de S. Exe. o Sr. presidente
da provincia, communico .-i V. S. que no offieio de
31 de Agosto ultimo, n. 1, a que veio anoexo o
punto du empreados da secretaria dessa Assem-
bla, foi proferido boje o despacho s< guinte :
Remet ido ao Br. inspector do Tbesouro Pro-
vincial para os devidoa fias. *
A) Dr. juiz municipal e de orphaos do termo
de Barre iros.S. Etc. o ir. presidente da provin-
cia, sciente do asaumpto do seu offieio de 31 de
Agosta findo, recommenda Ihe que transmita a
e-rtido do seu exercicio.
VIENUA, 23 de Setembro.
Ktaboleccu-- un accordo entre o
Principe de Itiainarclc e o Conde de
alii'iUy contra a oceupaco pela
anula na Cuitarla.
Sea lav.46, al em Pernamba 4 de Setembro da 1887.
iNSTEOCCiO POPULAR
FflILOSQFBlA DO DlftBITO
D\
(Extrahido)
BIBLI0T3KCA DO POVO
E DAS ESCOLAS
CAPITULO I
Til E <> KI i DA HISTORIA N A TI. B ti-
(6) PONTOS DE COUTACTO E DE DlrPEBESgA BSTSE A
MOEAL E O D1BEITO (7) COLLI8BS (8) THEOBIAS
PBIECIPAES BOBEE O PBIHCIPIO FDMDAMBBTAL
DO DIKEITO
Ponto* de dlATerei-ca entre moral
e o direlto
(Continuagao)
Os publicistas dos ultimes seculos, e sobretodo
os all< mes, entregaram se seriamente a esta dis-
criminac i, como de importancia luionediaU para
zouitos problemas aociaes e em especial do dirlto
publico.
Assim (como observa o escriptor que atraz ci-
tamos), e moderadamente se nao tivease asseot-
do, como verdadeira, a distincoia das duas scieu-
cias. nada impedira que o estado, o regulador
das relac^s soacies, eoipregasae a coaccao para
obter a ra ralidade dos homens. E aasim teriames
violado a lib-rdade de csnscieneia. E com isto,
muitos sutros factos sociaes teriam resclucij erra-
da e perniciosa.
VII. Culnsao, no sentido vulgar, o choque
entre dous corpos, que, e-guindo direccoe oppo-
tsa, e encontram, destraindo seus movinentoa
respectivos.
No sentido jurdico podemos definir colliso : o
eb que tatre os direitos e as obngacoes quer estas
sejam moraes, quer jurdicas. Isto : d-e col-
liso quando o homern. tendo de determinar-se por
um lado, nao sabf qual dos direius cppostos ha
de seguir, eu se deve abracar estes ou os devere*
moraes. .
> Muitas vezes acontece que o hornero, si.jeito
EXPEDIENTA DO DIA
Actos :
O presidente da provincia, attendendo o que
requeren Eloy Nabum de Souza Landim, guarda
da inspec{j de Sade do Porto, e lendo em vista
a informacao do respectivo inspector, resolve con-
ceder ao peticionario, nos termos do artigo 183 di
reglame uto expedido com o decreto n. n,554 de 3
d* Fevereiro de 1886, 3 meses de licenca com or-
denado para tratar de su i sade, onde lhe cou-
vier.
O presidente di provincia, attendendo a" qne
requer^'U Amelia de Mello Pires Galvo, professora
de ensino primirio na freguezia do Santis-imo Sa
cramento da Boa-Vista, e tendo em vista a infor-
macao n. 242 do inspector geral da Iastrucf lo Pu-
blica, resolve conceder peticionaria 3 m-zes de
liceufa com ordenad > para tratar de sua sade, onde
lhe convier.
O presidente da provincia resolve, de confor-
midade com a proposta do Dr. ebefe de polica em
officio de hootem sob n. 783, nomear Jo4o Geraldo
de Carvalho Sobriubo para o lugar de ^ supplent
do delegado do termo do Ei, em substituico de
Jos Dus Prente, que no aceitn a nomeacSo.
O presidente da provincia resolve, de con-
forinidade com a propista do Dr. chefe de polica
em i'SL'io de 3 di correte mez, sob n. 778, nomear
o alferes .los Antonio de Moraes para o lugar,
que est vao, da subdelegado do distncto de r'al-
meira di termo de Garanbus.
') presidente da provincia resolve, de confor-
midade com a proposta do Dr. chefe de polica em
offieio de bontem sob n 784, nomear Sima> Geraldo
de Carvalho Filho para o lugar de subdelegado
do 1 districto do termo do Sx, em substituido
de Miguel de S Brrelo, que fie* exonerado, por
ter se mudado para a provincia do Cear.
OfEcios :
Ao Dr ebefe, de polica.Declaro a V S.,
para os devidos eff^itos, e em solucao dos seusof-
ficioa oe 14 de Julho ultimo e Io do eorreute mez,
que deixti do approvir o contracto de lucacio da
casa, sobre que informara us meamos ofiicios, para
servir de cadeiano povoado de 8. Jos da Bft Es-
peranca, por ser excessivo o preco esfipulad i de
15OJi> mensaes de aluguel. -Itemetteu-se copia do
inspector do Tbesouro Provincial.
Ao mciii.Sciente do assumpto de seu of-
fieio n. 780 bis,' dt J8o de 3 do corrente mes, de-
clar a V. S- que approyo o acto pelo qual prohibi
j.iutamentis as ras e pracao, fuudido no art
lo regu lamento o. 120 de 31
lb42, attendendo aos fundamentos que leve para
assim proceder.
Ao inspector da Thesouraria de Faxeuda.
Communico a V. S., para os fina convenientes, que
em 31 d Agosto fiudo o bacharel Manoel Octa-
viauo Guedes Nogueira assumio o exercicio do
cargo de municipal e de orpbos do termo de Bar-
r.-iros para i qual foi nomeado por decreta de 28
de Julho ultimo.
Ao mismo Communico a V. S., para os
fina convenientes, que o bacbarel Feliciano do
Kego Barros Araujo no 1* do corrente mez deixou
o exercicio do cargo de juis municipal ede orphaos
do termo Je lpojuea, por haver terminado seu
quatrienoio.
Ao inspector ds saude do porto.Para os
devidos effeitos, communico a V. S. que no reque-
risseato de J D. Piatt de qae trata a sua infor
maci) de 30 de Agosto findo, profer hoje o se-
guiuie despache : Relevado em vista das infor-
mac.'s. >
Ao agente da Compauhia Brazleira de N*-
vegaco a Vapor.Declaro a V. 8., em resposta
ao seu offieio de hoje, que, por conveniencia do
serv?) publica, a sabida do vapor Mandos para
os portos do norte deve ser transferida para ama-
nhi < 5 horas da tarde.
Ao director do Arsenal de Guerra.Constan-
do de offieio da intendencia da guerra de 29 de:
agosto findo sob n. 729, terem s'.do embarcados no
vapor Xanot, precedente dos portos do sal 54
volumes, coutendo 3l barracas com as emp-
tenles a macoes, mencionadas no incluso coube-
cimento, mandados tornecer a eaae Arsenal, afim
de ser m i-ntregues ao commandaoto das armas,
para exercicio e evoiue,oea da trop aqoi existen-
te ; assim o d> claio a Vmc. para seu couhecimeo-
to e devdo fina. Commuuicou se ao D.-'gadetro
command ote das armas.
Ao mesmo.Remetto a Vmc., o in^lusJ re
quenmentodo 1" cirurgiao do corpo de saude do
exercito Dr. Luiz Vctor Himem de Carvalho, diri-
gido ao Exm. Sr. Ministro da Guerra, afim de que,
seja pas>ada, conforme, determina o mesmo Exm
senbes, em aviso de 9 de Agosto fiado, a certido
que pede o referido cirurgiio. da ordem do da d
directora degse A-senai de 17 de Agioto de 1885
sob o. 1515.
- Ao director do presidio de Fernando de No-
ronha.Remeti a Vme. o incluso requeriuv-nt i
do 1' cirurgiio do corpo de saude do exercito, Dr.
Luis Vctor H rneus de Carvalho, dirigido ao Mi-
nisterio da Guerra, afim de que seja passada, con-
forme determina o aviso do meamo Ministerio de
29 de Agosto findo, a eertidio, que cede o referido
ciru-gio, da ordem do da da directora desse
presidio n. 9 de 7 de Aonl de 1878.
Ao Dr. juis de direito da comarca do Brejo
Para cumprimento do aviso junto, por cop .,
couvem que Vme. providencie no sentido d.) er
apresentada na secretaria desea presidencia a cer-
tido do procesa) do rj Mauoel Vicente Mootei-
ro, que foi condemnado a 7 auoos de prisa) pelo
jury do termo do tirejo.
A' certido deve acompanbar informaca do
juis da condemnacio, ou daquelle que o eubstituio
no satse.
__ Ao juis municipal e de orphaos do termo do
Cabo Coust udo de inf rmaeo prestada a esta
preiideucia que o escravo Braziliano, pertencente
so tenente-ceronel Jos sa Suva Cysneiro Guima-
riee ceg de um olho e nao tem o braco direito,
e nao podendo por isso ser libertado pelo fundo de
emancip.co, recummendo a Vme. proceda a res.-
peito d- mesmo eseravo nos termos do g f ao art.
5 e n. 2 do art. 8 do decreto u. 9602 de 12 de
Jnnho do anno paasado. Commuoicou-se ao col-
lector das Rendas Geraes do municipio.
XXPZDIESTB DO DS. S1CSBTASIO
Officics :
__ Ao brigadeiro eommandante das armas.
De ordem do Exm. 8r. presidente da provincia,
declaro a V. Exc, em resposta ao seu oficio de
bontem, sib o. 448, que directora do Arsenal
de Guerra est autonsada a atisfaser o ped do
anoexo ao citado offieio.
Ao inspector da Thesouraria de Faseoda. -
O Exm. 8r presidente da provincia manda re-
metter a V. 8. inclusas ordtns, sendo una n.
115 do Tbesouro Nacional, e outra do Ministerio
DESPACHOS DA PKESIDESClA, DO DIA 2 3 DE
SETEMBRO DE 1887.
Affonso Moreira Temporal.Sim, satisteitos os
direitos fiscaes e foros em divida.
Arlhur Naziazeno Ferreira dos Santos.- -Infor-
me o Sr. inspector do Thesojro Provincial.
C natiinca Amelia Couto Alcntara.Nao tem
lagar.
Flix Pereira e Souza.Informe o Sr. inspec-
tor da Thesouraria de Fazenda.
O mesmi.Sim, mediante recibo.
Francisco Nery.Informe o Sr. inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Francisco Jos de Araujo.Nao tem lugar.
Fielden Brothers.Reinettido ao Sr. inspector
do Thesouro Provincial para mandar pagar, nos
termos de sua informacao de 20 deste mez, n.
856.
Francisco Jos de Arauj >.Nao tem lugar.
Irmaodade de S. Pedro dos Clrigos desta ci-
dade.Remettido ao Sr. inspector do Tbesouro
Provincial para atteoder nos termos de sua iufor-
nagu de 19 deste mez, n. 855.
Joaquina das Mercs Ferreira Landin.Infor-
me o Sr. inspector geral da Instruc^Jo Publica.
Leocadia Julia de Castro.Sim, com m.'tade
do ordenado.
Miranda s Sauz*Deferido, com o offieio des-
ta data a Thesouraria de Fazenda.
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, 24
de Setembro de 1887.
O porteiro,
F. Chacn.
R.ta dos Saatos Leal, professora publica.En-
caminbe-se.
- 21
dos Aujos Cbac.m, professora
liuhe-se-
23
lo Pereira da Luz, professor pu-
1 em virtude de autonsaco da
jvincia de 21 do corrente com
ao Tbesouro Provincial.
lastos, p'ofessora publica.Jus-
_ de autorisaQo da presidencia
da provincia de 21 do corrents com olficio desta
data ao Thsojsjp Provincial.
Ignacio I ta Cunta, profeisor interino.
Informe o delegado litterario.
Secretaria da Instrucco Publica de Pernambu-
co, 23 de Setembro de 1887.
O porteiro.
J. Augusto de Helio.
Rita Francia!
publica.Encassii
Cosme Au_
blico. Deferi
presidencia da
offieio desta d
Rita de Jes
tfico, em vir
Itepartico da polica
2* seesSo. -N. 832. -Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 24 de Setembro de
1887 Ilira. o Exm. Sr. -Participo a V.
Exc, que fjram hontem reuoluiios a Casa
de L>.:t-ugii i os seguintca individuos :
A' ord m do subdelegado da freguesis de Santo
Antonio, Vicente Fe. reir ios Santos, por distur-
bios, a diaposico do Dr. delegado do 1 districto
da capital.
A' ordem do do 2 districto da freguezia de S.
Jos, Joao Silvino da Silva, por disturbios.
A' ordem do do 1 districto do Poco da Panella,
Augusto Ch .gao, por'disturbios.
SeguQlo informa c subdelegado do 1 distri-
do Jaoeirade >;., dt Boa-Vista, que proeedeu as precisas inda-
gacoes, nao exacto o que diz aGazetilhado
Jornal do Recife de 21 do c .rrente, sobre o soo
trato que ae diz praticar certa mi desnaturada
contra um 8>U filho.
Communicou-me o cidadSo Jos Goncalves
Torres, que por neommodo de saude, passou o
ezercicio do cargo de delegado do termo de Flo-
resta, o 2 supplent Jos C/priano de S.
Particip iu-me tambem o delegado do termo
de Petrolina, em offieio datado de 4 do corrente,
ter uaquella data passado o exercicio daque le
cargo, ao 2- supplent, Joaquim Cypriauo Rodri-
gues Coelho.
Participou-me o Dr. delegado do l* distri-
cto da capital, que fr-i preso em flagrante o in-
dividuo de nome Galdmo Joa da Silva, quando
turtava um sacco de algodo contendo 35*140,
perteucente ao almocreve Jos Marcello da CostB.
Sobe este facto abrio-se o competente inquento
policial.
O sacco foi restituido so acu dono.
Ao amanhecer do dia de hoje, os ladroes
aproveitaulo-ae do facto de terem deixado aberta
a porta d > predio n. 7, ra do Visconde de Ita-
parica da freguezia do Recife, arrombaram com
pi a qu d para o pavimento terreo, onde tem
esenptorio a Ciinpanhla Locomotora l'ernambu-
cana e abi penetraran sem que, entretanto, tives-
sem conduzdo ousa alguma.
O respectivo subdelegado tomou conhecimento
do faeto e procede a respeito eos termos da lei.
Deus guar.ie a V. Exe.Illm. e Exm.
Sr. Dr Podro Vicente de Azevedo, omito
digno presi leute da provincia. -O chefe
de polijia, Francisco Domingues Ribtiro
Vianna.
Recebedorla ProTioeial
despachos do dia 23 de setembro
de 1887
Diarte & C, Vicente Ferreira de Albuquerqne
do Nascimento, Jeroetrio BranOao, Antonio Au-
gusto de Vascouceilos, A'.exandre Laberty, Ferreira
Casca Filho,Caetano Cyriaeo da Costa Moreira,
Jos Soares Lapa, Leal Irmo, Airedo da Costa
Moreira, Tiburcio de Olveira Co-ta, Manoel da
Motla, Bastos Suva & C, Torree & Iroio, Maia
de Resende, Baro do Nazareth, Vctor Net-sen,
Beael David. Manoel Vieira das Neves, Albin
Moreira de Souza, Jos Joaquim de Carvalho &
CSim.
Joaquim Jos Goncalves GuimarSes, Barbosa
Ramos 4 C Franc seo Ferreira Tav-res, Guarin.
de SouskPeixe, Niemeyer Cabn 4 C, Bastos 4 C,
Alfonso Ferreira Baltar, J. A. Maia e Silva Jnior
4 C-, A'i^uat > L'i>iui'-k, Miguis 4 C Director da
(Jompanbia de Seguros Iodemuisadora.Informe
al* secc.
Manoel Joaquim dos Santos Ferreira, Amelia A.
Adelaide Ribeiro.A 1* secc. psra os devidbs
fins.
Lima Coutiuho.Iudeferido em vista das infor-
inac5es.
24
Papou'a 4 C, Antonio Lasalvio. Andr Affonso
& Filho, Alheiro 4 C. Seb.stio Jos Beserra Ca-
vslcante, Jos de S Leitao e Gemiuiauo Infante
Lumacbi Migoei.Informe 1" seceo.
Francisco Ribeiro Pinto Guimaries.Certifi-
qense
Costa 6t CIndeferido em vista das informa-
(5es.
Jos da Silva Moraes.A 1* seceo para infor-
mar.
Jos Lopes Alheiro.A 1* seeco para os devi-
ios fins.
\ilARi DE PERBAMCO
RECIFE, 25 DE SETEMBRO DE 1897
Molidas da Europa
O paquete ioglez Neva, entrado hontem ia Eu-
ropa, trouxe datas que, de Lisboa, alcancam 13
do corrente, adiantando ecis dias s trazidas pelo
VUle de Pernambuco.
A m das de Portugal, constahtes da carta do
nos8o correspondente publicada na rubrica Exte-
rior, eis as noticias de que foi elle portador :
Hespsnba
Escreve o nosso alludido corrospondente sobre
este paiz em 13 do corrente :
Retere um correspondente de Vigo que n'uma
conversaco que leve ltimamente com D. Nicolao
Salmern naquella cidaie, sobre quatro pontos
versou a apreciado do Ilustre estadista : sobre
a posicjlo do governo beapanhol,acerca de Cas-
tellar, sobre as dissidencias com Roiz Zorrilla,
e o paiecer individual de Salmern.
Quauto ao primeiro p.-.nto, juliia que a situaedo
est fe ida de inoi te pelos erros que tem com-
mettido; mas parece-lhe que principalmente o pe
rigo da situayo consiste uaa immoralidades dep-
cohertss e denunciadas, e que criara urna atmos-
phera letbal para os goverous, e intoleravel para
o p ive.
Tem em tal conta o eserndalo prsduzido, que
de opinio que Sagasta deie corrigir essas iiiuno-
ralidades com toda a energa, reunilo inmedia-
tamente as cortes para adoptar medidas severas
e averiguar o que ha de verdade as aecusacoes,
por meii de urna ampia informacao parlamentar,
em ves de acudir, como agora, a inuleis expedien-
tes.
Julga difficil um accordo entre Sagasta e Li-
pes Domingues. porque este perdera a sua signi-
ficeo radical e avancada se se cunfaudisse com
os fusionistaa.
Parece-lhe que o general Lope< Domingues, de-
pois de esperar em vo durante algum tesapo, sem
conseguir da mooarcbia o poder, continuar por
outro caminho, convencido da incompatibilidade
entre a monarebsae a democracia.
Referindo-se ao ostado dos partidos repblica
nos, tas notar as diffarencaa fundamentaes que o
separam de Castellar.
ConsMte principalmente na maneira de faser
oppSajM^p" flabinetes monarchicos.
aai&eiSenvende que devem ser combatidos
pelos repablioaoos sempre e com tenacidade, sem
pessimismos que perturben] os interesses geraes
da naci, mas sem benevolencias que despresti-
giis os que as tiveram.
Considera utpica e fra de toda a realidade a
idea de se ebegar a repblica par meio da uui-
ficaco dos varios partidos republicanos, pelo_ con-
trario, tem couzo nica maneira de conseguir um
tnumpbo productivo o encaminhar-se para urna
repblica racional com matises da direita, centro
e esquerda.
Sobre a maneira de constituir a repblica, en
tende que deve constituirse como eff ito de urna
resoluco poltica e social; aquella rapids, esta
lenta, sem ferir interesses fundados na razo ou
na justica.
Concorda com Zirrilla as aspiracoes ; separa-
se delle simplesmente no proceaso.
Contini a ser, dis'e elle, to revolucionario
como sempre, to revolucionario como Zorrilla.
Mas antes de qnalquer intento decisivo, deve
constituir-se-a opinio qae legitime o ficto e Ibe
d futas e insisto niato tanto mais quanto o con-
sidero como o caminho maia curto para o trium
pbo da revoluco.
Esperando que o futaro lhe d rasao, vive por
ease tacto encerrado na sua attitude pas6iva.
Porguutaodo se lhe a opinio que formava do
manifest) de Py y Margall com o rompimento da
colligaco, disse que o manifest dos federaes es-
tova eleuamente justificado, porque Zorrilla nao
sa tinha submeiticlo junta ceutral da colliga-
co.
Contina a acre litar, ap zar do ultimo inciden
te, que a poltica republicana est encerrada as
bases da colligac, que. entende Do eaiar com
pletamente reta, mas sim temporariamente sus
pensa. .
Essas bases conlmuarao sendo o uoico princi-
pio qne facilite a anio de todos os republicanos,
por satisfazer a<-'S mais radicaes e tranquillisar ss
classes conservadora.
O seu modo de ver esti explcito n* proposta
apresentada, na assembii republicana, pelos seus
amigos Cerveirs, Sicilia e Avila.
fara defender etta poltica fundar um jornal,
que principiar a publicar-se em Outubro.
__8t4 fixado o dia 4 do prximo mes de Outubro
para a ioangoraoo do coogresso Iliterario inter-
nacional, que deve celebrar-se este aono em Ma-
drid.
O inspirado poeta D. Gaspar Nunez de Arce,
na sua qualidade de presidente da Assoeiaco de
Escriptores e Artistas, envin j as cartas de con-
vites aos littecatoa "
di Gu-rra, de 27 do mes fiado,
duas ou mais obrigaces, sao pode satis aser a | *, Dr. juis de direito do 1. districto cri-
toda, em virtude de circusastancias especiaes ; e BiBal da comarca do Recife. De ordem do
Inspectora Cteral da instrucco
1 nblica
DESPACHOS DO DIA 17 DE SETEMBRO
Joae Augusto Porto Carreiro, professor publico.
Encamiobe-se.
Rufina Oualia Freir de Alboquerque, profes-
sora publica. Encaminbe-se.
Ancbses Acciuli. Deferido.
0
Innocencio Mendes L ipe de Mendooca, profes-
sor publico.Justifico as faltas de txercicio da-
das pelo supplicante de 1 a 6 de Agosto findo.
mais afamados de todos us
pases.
As sestee? do congresso venticar-se-hao pro
vavelmente na ala do senado, resolvido o gover-
no a dar a este acto a devida importancia
Q)iao os accordos do congresss ho de con ver-
ter se em protocollo diplomtico, que esnstituir
logo um tratado obrigatorio para todo os paizes
que o ace tem, assistiro s sesaoes representantes
de varias naedes, encarregados de dar logo forma
diplomtica as sese-s do congresse.
Sao varios os festejos em que se penea para ob-
sequiar os illuatres hospedes, figurando entre el-
les, exprdicoes s eidades de Salamanca # Tole-
do ; visitas ao Escorial e Araujuez; um acto me-
tade mus cal e metade litterario no Tbeatra Beal;
urna fuuccao de gala no Theatro Hespanhol, no
qual se represante urna das ^nelhores obras da
rte autiga, e 0; tras.
Adheriram ao congresso os primeiros litteratos
bespai'h res, ufferecendo-se a susteatar ss theses
marcadas 3e pragramma.
Tudo fas esperar, que o congresso litterario in-
ternacional seja urna verdadeira solemnidade.
Entrou no hospital provincial o intelis presbi
tero Galeote, afim de ser examinado pela commis-
so que, a reqoiscao do tribunal, e para o effeito,
foi nomeada pela Academia de Medccioa.
Foi inaugurada no da 8 com grande solemni-
dade, na praca de Isabel Catbolica, em Orense, a
estatua do padre Fejo, o grande escripter gal
lego, utor do celebre Iheatre CritUo H .uve
procissJo cvica e miasa campal, a que a asistiram
as tropas da guarnico e enorme multido de ovo.
O jornal Tima demoerat refere que um pe-
queo bando de gente armada sob o commando de
um tal Beribeu partir para Caibari n, na ilha da
Coba, onde se deve ajuotar a outra forca mais nu-
merosa com o fin do fazerem guerra de gnerrilhas
contra a autoridade bespmhnla ; o bando, qne vai
munido de armas o municeB, inclusa dynamite,
parti a bordo de urna pequea erabarcacao que se
emprega no eommercio de esponjas de Cayo Hueso.
Em 7 do corrente telegrapharam de Madrid para
Pariz que se affirmava nos cireulos politisos, que
o governo tinba ntencao de conceder amnista
plena e inteira aos presos e emigrados politicos, e
ajuntava-se iniis que, no primeiro conselho de mi-
nistros, a que presidir o Sr. Sagasta, se tratara
d'este importante assainoto
franca
A experiencia de inobilisacao de um eorpo do
exercito prende multo a attenc > pu'ooc-i, i lle-
gando, at, a propalar se que o governo francez
pensa n'uma guerra com a Italia. Tal iaa to
desastrada e to destituida de fundamento, que
i mal se eomprehende como ch gou, mesmo, a for-
mular-Be.
Nao do lado da Italia que a Franca espera
ini.-nigos, neo da parte da Franca que a Italia
pode esp-rar aggresscs.
Quaesquer que sejam as apparencias, por muitti
qu se queira envenenar as relac s entre a Italia
e a Franca, os borneas eminentes, que dirigem os
dous paizes, nao podein se quer alimentar a sus-
peita de que entre as du.. naedes se levante a
lucia armada.
Italia e Franca nao pidem ser inimigas no es-
tado actual da Europa ; que una e outra se apres-
tem para a guerra, se armero, se defeadam, coro-
prehende-se perf-itamuute, porque o mesmo que
augmentar a resistencia aos propsitos invasores
e dominadores das potencias que mais teem de
obedecer a essa tendencia.
Nj eataio actual da Europa, so a Franca e a
Italia estivessem emtraquecidas, bem se poderia
dizer que o occidente europeu havia de aceitar a
oppresso e o predominio que lhe quizessem impor
os que, n'essas condicoes, bem desejariam decla-
rar-se os seubores da Europa.
O thema da mobilisaco, que foi publica io pelo
Fgaro soffreu modificaos importantes, deixan-
do se a mais ampia liberdade a- s generaos de di-
viso.
A senha dada s sen'inellas era de nao dcixar
approximar ninguem s estaco a do caminho de
ferro.
O certo que tem sido g^ral a satisfaco em
Franca pelo Uom resultado da expenensia de mi-
bili,.cai do exercito, a qual tem corrido na melbor
ordem, tanto pelo que respeita 'ao movimento daB
tropas, como ao modo de serera estas recebidas e
aquarteladas as Lcalidades por onda vo pas-
sando.
PrelenJcm os homens competentes que ha, sem
duvida, grande melhora no systema a admiuis-
tr'.co militar, e graudissimo progresso em todo o
exurcito francez, hoje em estado de m dir-ae com
qualquer outra, no caso do urna guer.a. Circuin-
stancias ha, porro, que aimpedem de oceupar a
situcao que lhe compete na poltica, tendo inne-
gavel que a Fraoft contina n'um estado de
isolamento que nao a deiza levantar se at o sea
autigo auge de preponderancia.
As ms tioaue, i=, a falta de prestigio militar,
as iufeZ'S av otaras da ana poltica colonial,
teeui coutnbaido muitissimo para o abatimento
deste pas ; as divergencias dos partidor, as exi-
gencias dos radicaes socialistas, e, principalmen-
te a instabilidade da forma de g iveroo, contri-
buem igualmente para que elle nao poasa contar
com ao sdliancaa que dssejaria coutrabir.
Tudo leva assim a erar t-tcil Franca sahir
desta situac'iO perigosa,nao porque sejam ge-
raes e ai ragalas as C-iuvicces republicinas,
mas p ;r falta de quero tenha valor e autoridade
para lhe dar a monarchia.
O presidente da repblica regressa a Pars no
fien do mez de Setembro J teem voltado militas
familias que tiubam sabido duran'e os mez-a de
caler, e r'aris principia a apresentir a sua bab
tual auimafo. Abrem-se os tbeatros, fecbam se
os cafs cantantes no ar livre, nos Campos C y -
seos, e as primeiras chuvas e neroeiros do outouo
parecen voltar mais cedo este anuo, dando j a
Pars um aspecto da estaclo invernosa.
Quasi todos os embaixadores traucezes se acharo
actuainentj em Pars e proximidades. Do modo
que os emiaeutes poston diplomticos esto...
espera dos seus encarregados, exactamente no mo
ment em que as mais graves questoes agitam e
aquietan a Europa.
Diz o f'igaro a este respeito :
E accrescente ae que o nosso cnsul em Sofia
acaba de deixar a Bulgaria com licenc* "limi-
tada !
Pode-se, portauto, faz-r urna idea c >mpleta da
actual represeatafao diplomtica da Frauca.
Blgica
Est chaman lo a at eneo pabilo o grande
concurso internacional d-,s suleuciaa e da iu-
dustria de Bruxellas em 1878. -
A deiermin'ojo que acaba de tomar a Hun^ria
de partieipr, com a proteccao e adh-so do seu
ministerio, n grande concurso do B mellas, cau-
bou logo na Austria grande excit-.ca>. A com-
miaso j formada de Vienna activoii aind mais
ii sua propaganda, e as ultimas n:ticias que a
commiaso executiva de Bruxellas recebeu, indi-
cam que a secca> austraca seri particularmente
nutavel a respeito do que trata de porcelanas e
vidros, de rendas c fazeudas, joalheria, m bilia e
ferragens.
As numerosas sympathias das quaes, em Aus-
tria gozam us b> Igas, asseguram ao grande con-
curso o apoio de tuios os industraes das margeos
do Danubio ; e a exoosico destes iudutnaes
pelos seus brilhantes recursos e nutaveis riquezas,
poesuir um attractivo excepciioal e dar grande
impulso ao z-lo das na$oes competid iras. 0 cou-
curso realixa-secom a protecci do rei, e sob a
presidencia Oo principe ieal o conde de Flan
dres.
O congresso catbolico de Lige votou por ac-
clamaco, entre num>rotas resolucoes, um protesto
u favor do poder temparal do Papa.
talla
Desde o conreo da epidemia d) cholhra at 10
de Setembro, tem havido na S'ciiia 334 bitos.
SS. MM. o Imperador e a Imperatns d Brasil
decidiram passar urna aeroan em Roma no proxi
mo Ou'ubro.
8. M. o Imperador, quando se retirar de Baden-
Btnden, ir visitar a expoaico de Venesa,
== Terminaran! no dia 5 de Setembro as Brandes
mauobras do exere'o italiano pola r*vistpasa-
da nos campos daK ibiera pelo r- Hu oberto.
No dia 5 te.ve lugar a defeza da hntia do Sechia
pelas tropas do partid i sul e o ataque destas
liabas peas foreas do partido norte.
Durante o desfilar das tropas, o rei conservon-se
em frente da tribuna da ranina seguido por tod o
eu rstado-maio- o com os offieiaes eitringeiros
em primeira linha.
A tropas vesfiam o uniforme de campanha.
86 eatavam de grande uniforme os officiae estran-
gt-iros, cerno demonsiraco rep-itosa pelo soberano
e pelo exercito da nacolo italiana.
No di* 7 as m sso's militares teriam deixado
Modena ficando inda Ipunt iffi:iaes em I alia
para visitar os estabeleimentos militares, que ihes
toram indicados pelos s-us regpectivos governos,
e para a visita das quaes tenbam obtido as oe-
cesaarias autorisaco -a do governo intiiiano,
Inglaterra
O governo ingles vai tomar effectiva a dissolu-
co da Liga Nac taal.
Attribuen-s -ibe este pripositos e assegurs-se
que uio est disposto a aff^star-se delles. Pode
ser que assim stja. Mas o gabinete do mrque
de "Salisbury nao a primeira v dis estar resolvido a tounrcom prumptidio dflibe-
racoes enrgicas, obstrvando-se depois que a pru-
dencia nao dcixa de o aconselhsp.
A rainha Victoria assistiu no dia 9 de Setembro
ao enterro d'uma filha d'um tendeiro chamad)
Leys, que mora em Bridge-Eud, na Ese >c!i. Sua
Magostada depoz alfrumas fljres sob o tmulo da
joven, que era urna prima de John BroWi.
Diz o Figaro ue se]falle muito deste enterro em
Londres.
Foi pissid) m-indido de captura contra o depu-
tado iriandez O' Brien por se nao haver apreaen-
tado em Mitchelstown dando cumprimento a ama
ordem judicial de 25 de Ag-sto. Apesar disto
sempre ae effectuou o anuunciado comicio nacio-
nalista.
Sessenta agentes de polica que rodeavam o es-
teuographo offieial firaro atacados pela pipulaco
a pedradas e a pauladas, ficando alguna grave-
mente ftido.
A polica em retirada ttve de fazer fogo matan-
do dous populares.
Aasevera-se que o deputado irlands O' Brien
seria preso no dia 12 em Dubliu.
Apriso foi retardada com receio de novos
motivos.
Na seBso do dia 10 na cmara dos esmmuas O
Sr. Tbeos Sextoa, deputado nacionalista, chamoa
aattencao paraos ac nteeimento8 de Mitehelgtowo ,
tornando o governo respousavel pelo sangue der-
ramado.
O Sr. Arthur James Balf urt, secretario em
ebefe para a Irlanda, responden que a polica nao
fizera mais que defender-so pois teve 29 feridos
3 dos quaes.gravcmeete ; d.'clarou que a ressonsa-
bilidade de taes factos perteace aoa agitadores
irlandezes.
Sir EdwarJ Raed, deputa io glaiatouiano de
Cardiff. insista cm que as infomaeo.'s recebidas
pelo governo preciaam ser bem averiguadas, por-
que dimanam da polica; declarou que o povo
ioglez pede ampia liberdade de reuns,}, e uo fi-
cara tranquillo se o governo proseguir n'uma
poltica que supprime as reunies publicas na
Irlauda. Depois de 2 horas de discuaso foi app-o-
vada a le financeira, em segaoda leitura, por 82
votos contra 25.
Ardeu o theatro Exeter, era Londres, pereceado
has ch iiaroas cerca de 200 p-=s m.
O incendio foi to espantoso como o da Opera
Comique de Pars Entra as victimas contam-se
57 mulheres; mas no estado a que foram reduxi-
dos os cadveres difficil reunir os m^mbros tritu-
rados e coatal-oa Avalia-se ter biccjjju.o a
qu^.rta parte dos expectadores.
Se n'esta catastrophe houve actos de dedeaclo
houve tambem dramas terriveis.
Os ingleses abnram caminho a marro e a faeca I
correu sangue, e deste se tncontraram vestigios
nos soalhos que escaparan >.3 cbammas.
Ap-ontam-se como directamente reaponsaveis pe-
lo desustro as autoridades encarregadas de exa-
minar o theatro. Nao so as sahidas eatavam mal
preparadas, como bastoa o desm'ironamento de um
balco para obstruir completamente u na pasaa-
gem. O panno de bocea nio tinha preparo ne- '
nhuin que o tornass; ncombustivel, e os meios de
soecorro, que havia no interior do theatro, nao
funecionavam. Tudo estava preparado para ali-
mentar o fogo. Nada pura ocombater !
O governo ia fazer votar pir le as precauces
que devem ser tomadas as casas de espectculo.
Ilemantia
As folhas allems tratam de raett'T a ridiculo o
ens'.io de mobilisaco que se est operando no
exercito fraucez. Ora o qae mais curioso que
neubum reprter allemo p p no terreno da
moDilisafo. E' evidente que o Sr. de Bismarcg
tero todooempenhi em fazer acreditar aos povos
da Allemanha que a Franca anda nao est orga-
nisala militarmente. Os resultados e a opinio
unnime sao um perfeito desmentid) ao chaaceller
de fe.-ro.
tustria Uangrla
A Austria ora tende a inclinar se poltica des
dous imperios da Allemanha e da Rissia, ora tem
de afiastar-se.
A Auslr:a apprendeu nos desastres a governar-
ee bem. De mais recoubeceu que a liberdade,
longe de. lhe quebrar as forcas, Ih'as accrescenta-
va muito, o assim, tendo d attender s neeessi-
liades int mas e situaco exterior, pir mais que
ae queira, nao nem pode ser um instrumenta
as mos dos seus visinhos imperadores.
EstA longe da Franc i, bngs da lagla'erra, loa-
ge da Ilalia; mas, com sup-nor habilidade dple-
matica, sabe CBCurtar as distancias.
Pases Balsos
C-jrrem boat ;s assustadores a re3peto da saudf
do re da H dlanda.
Realiaaram-jo as elecoes da seiruada cmara,
na Hollauda. Ficaram eleitos 39 liberaos, 19 ca-
th (lieos e 16 protestantes orthoaoxos.
Bussia
Osjomaea rassr.s constatan a uctiidade des-
envolvida nos trabalh s de uooatracume d) cami-
nho de f rro entre Techardjoni e Sormarcands
(A-a C-'ntral>. Esta linha offerecer sob o ponto
devisti teehnico, a particulariiade que em ves
de lancar um-i ponte sobre o Aone-Dario, estabele-
cer ah um 6ac para trausporte d.- trene, ma-
neira do qoe j se praticou na America.
A Turq lia aceitou a pnposta da Russia, para
que se mandasse para a Bulgaria o general Erurdt.
ministerio, ao constar-lhe officia'meote esas,
aeeitaca, reunise immeiiatamen'e aob a presi-
dencia do principe Fernando de C burgo, para ac-
.ordarem na attitude que devam tomar.
Se o governo blgaro Beopposer entrada de
eeoeral, muito para receisr um graviasimo con
fl cto, e talves a nvasi da Buigtria pelos russos.
Turqua
A Sublimo Porta, para acudir momeataneamea.
te peouria do thesouro publico, decidi reter
um mez de ordenado a todos os funecionarios, io-
chindo os embaixadores. O sulto den o ezess-
plo, abandonado seis semanas da sua lista civil.
Bulgaria
Nada adisntam s^bre a situacao precedente aa
imticias recebidas ltimamente da Balgaria, a
.,' se alimentarem mais as duvidas a respeito da
existeucia de boa harmona entra o priucip: Fer-
nanio e os seua sublitos.
O principe para conseguir formar o mimsterW)
teve, 8gundo dzem de Sofia, do recorrer amen-
cia de formar u r. mlni^terlo militar ou abandonar
o paiz, to.nacdo esponsnveis pe i qu podeass
acontecer aquelles que o convidaram a ir Bulga-
ria ; por outro lado o ministerio s aceitou o le-
vantamento do estado de sitie, em vita de dous dos
seus membroB, os Srs Natchevitch St.ilof te-
rem pedido a Ba demiseo.
A respeito do pedido de mediac) feito pela
Porta Al'em-nha, o gabinete de Berlim nao
deu anda nenhum passo aeaae sentido, nao se
considerando comtudo eaaa reserva nos centro di-
plomticos como urna recusa tacita de acceitar a
proposta turca.
Sao tas contradictorios e to confusos o* tele-
grammas chegados da Bulgaria que se torna dif-
ficil cuohecer, ni meio d'este ci.hos de b >at *, ee
pr. jecto da misso do general Erusotb Sra aban-
donada.
E' p rn certo, que a Porta propozsra 4 Al e-
manba s rvir de medianeira ju ito da Inglaterm,
Auatra e de Italia para obter o seu assentimento
A proposta russa, accrescentando que logo que to-
das as po encas estivesaem de accordo, procedera
de concert com ellas para regular pacificamente a
ques' blgara.
A' A lemanba nao responden ainda; mas sa-
guudu mtormaiies seguras, acceitar a propoatn
da mediac i, pms que ella metan anteceder
pedido da Porta.
Efiectivamente a Al'eannha c meca a salar
a Austria, mas o Conde de Ktlnoky reapsaska
V-


-
? -


\
I lUM I
I


Diario de ft-rnambiicoDomingo 25 de Setembro de 1887

oh a oppcsic&o dos blgaros partida do commis-
aario ro8o provocara de oerto um conflicto que
oavia de arrascar a Roesia a urna accio militar;
qae cata accio se repercutira no exterior e por
seBsequencia, a Austria raousava-se a adherir
jsoposta rassa.
Kalnoky er dever-ae persistir em seguir urna
olitica de reserva e continuar as experiencias
ama o principe Cobourgo.
Nos circuios ottomaaog acredita-se que a Alle-
oaba a conseguir urna approximacao com a
Bossia, mediante o concurso da Franca.
Espera-se, por conaequemeia, nma accio diplo-
jaJica cuniiim da Franca, Uussia e Allemaoha
jara regular a questio bulgar..
A imprensa viennense contina, no entanto, a
aaostrar se muito preoecupada.
A Preste emitte a opiniio de que se a proposta
rosta fosse real e nao bypothetica, os gabinetes
everiam examina! a com a mxima attencio, e
as eaegaasem a dar, aob qualquer forma, o seu as-
Katimeotoo que nao est ainda decididonio
poderiam medir o alcance das declaraeoes ds mi-
nisterio blgaro, declarares que attestam. facto
m euragem dos ministros do principe Fernando,
saos que para este momento, sao prematuras pelo
aseos.
A Notelle Preste accrescenta : visto que a Por-
ta solieitou os bons oficios de Bismarck, deve-se
BOcluir que acolhera sem reserva a propost
7W8*a
deja como for, os blgaros mostram-se decidaos
repellir mesmo pelas armas o general Eruroth se
aste se dirigir ao principado.
E' de suppor que as potencias se recnsario em
euBBcntir a'esta missao, afim de evitar um confli-
cto armado.
Na verdade, ae a luta ae travaase em qualquer
aonto do sal do Danubio, a paz da Europa, que
eom tanta ditnsuldade se tem mantido, podara
B'nma s noite, achar-se gravemeata compromet-
ida.
O Exlrablalt diz que a esta hora, Bismarc k
aere ter abandonado ja a esperan?* de acalmar a
efervescencia das massas ua Uussia e recenduar
a espiritos no caminho pacifico que seguem os
ovos que tendem ao seu desenvolvimento nar-
s a ordem que teein seguido as ultimas neg-
a. Oes a respeito do envi d'um commissario espe-
cial que reslabeleoa a ordem e a pas no prinei-
*Quando a Eussia propoz Porta enviar simul-
iaoeaueute Bulgaria um commissario ottomauo e
wm general russo, devendo exercer este ultimo to-
&. i poderes de regente, a Porta, antes de res-
ponder, pedio que o deixassem consultar a Franca
a Alleunanha.
Esta ultima patencia snbscreveu a idea.
A Franca recommendou Turqua que se eon-
aervasse sirictamente dentro das elaosulaa do tra-
tado de Berlim, e de se por completamente de ac-
uerdo com a Rusaia.
Depois de ter transmittido Russia o resaludo
des suas primeiras negocacpss, a Porta sjuutou
e ia pedir a opiniio daa ontras poteoeiae.
lucerta do assentimanto da Austria, da Ingla-
terra e da Italia, resolvea cutio a Porta recorrer
proteccio do chanciller, na sua qualidade de
residente do oongresao de Berlim, para decidir
calas tres potencias a consentir a as propjsUs
O principe de Bismarck respondeu que aceitava
missao com todo o gosto. com a eoodicio, que a
fterta nao se contentara s de traosmittir a pro-
acata russa, mas que bava de aproprial-a.
Harrocos
O imperador de Marrucos percarre a dons meses
sen imperio para submetter as tribua, inaorre-
eksadai. No fim de Maio parti test de um
carpe do erercito compoeto de duas divisse, ca-
fas de improviso sobre Eutifa, capital de urna das
ais ricas provincias do imperio, que tnha sempre
censado recooheccr a sua autoridade e obedecerea
asa goveraadores que tinha nomsado.
Apu um curto e vivo combate, os rebeldi s sao
aneldos; a maior parte foram decapitados oacar-
aagados de ferros, e o imperador fea derrocar as
ssoralhas ds cidade e fortes.
Oe seberifea que bavm solicitado o perdi fo-
san arrastad os escravido, e as eabeeas djs che-
fia revoltosos enviadas, para serv rem de exemplo,
mLamal fenar, Mequinet e Fez Rabat, de qua o go-
venador tinha sido aa.tasi.inad .
O jornal rabe Maghreb Al-Airea annuncia que
oaltio toi ltimamente castigar a tribu dos Zair
ame tiuha assassinado o g iveruador 11 penal; de-
-jsa em seguida voltar a Rabat.
Noticias d Tnger aecusam o re da Marrocos
da aetoa de ferocidade pratioados contra a tnbi
Os sollados do sultio entregam-se a actos sel
vagras contra os kalibos que se defendem heroica
lie, mas que suoeumbcm esraagados pelo nu-
O exercito entrega se ao saque ao morticinio,
devastando e qu imando tudo na sua paosagem.
Alguns insurgentes que conaeguem escapar da
avsrtandaoe, sio perseguidos, acorrentados e con-
asiilos pancada para as prises de Meqainez
* de Fez. ____
As tribus de Barab e de Dagvia teem a mesma
As raulheres eas enancas sao cruelmente assas-
ssaadss
Apelar de tudo, as insurreicoes continuara cerno
se a m >rte mais horrorosa nao fosse o castigo
ofcHns. ,
ltiaimeafe. por oriem do sultai, toram deca-
jtadoi S5 priionuiros, senda as eabec-s aalgadaa
dividida em lotes. .
O aoltao cootiouava a sua sangoinoleuU viagem
mra M quine e Fes.
Exypio
A qaesta.1 do Eirypt est 2ra tora da discus-
jo. O que pareca to instante, passou para o
fpgnndo plano.
Ilbum lf sandwich
Alguna joruaea francesa truiem a noticia das
aasequencia da revoluci- que ha tempos reben-
1oa em H-^wai contra o re Kdakana.
Este monarch* qu- dispunba do um poder quasi
absoot > indispnsera urna parte dos s-us subdito.
Mo-io.lmxnta M llllllirw J H.uolulu, c m
as drl'-ns man vrx*torias e com despeas tao in-
saasatas. que faiiam com que o pas correase o
*o d* urna prxima bcarroU. Os descouten-
, eomman iidos p r um tal Grisse, actoalmeate
ra-ir.. ministro ficaram viatonosoa.
O re KiUkana ti ve de eac.lher entre a aboli-
tacao ou a carta, optando por eata, na vendo p>is
aawi soberana parUm-ntar dj mundo.
Pela carU, j proclamada jure.da, o re nao
ttm o dircitj directo ns leis votadas pelas cotes,
Toando estes obtenbam mais de dous tercas dos
vaiss da cmara.
Nao pode declarar a guerra, nem decretar u-
oslos, n-m receber do tbeaooro qualquer impor-
tancia srm u'onsacio da cmara.
N i oode demittir os s^ns ministros sem o con-
lOBtimento d'elies, e a organisaco do exercito de
rra e mar da competeucia da cmara.
Finalmente o re Kalakaoa fiea someote com o
caminando das foreas nacin-tes.
A 'mprensa e a tribum livres.
Ooovo minisUri i s^m tugir s responsabilida-
aas financeiras contrahidaa p-lo anterior, fica com
aireito de examinar as cooUs que este apre-
EXTERIOR



Correspootieacia do Diarla de
PernaMbuco
PORTUGAL -Libboa, 13 de Setembro de
de 1887
A nda mais una vez me ocenparei com acele-
kridade que atsumio n'es'e limitado meio em que
vr?. moa o cobflicto occorrido na teaso da cmara
dos diputados de 7 de Maio ultimo entre os Urs
Beorique de M acedo, entio ministro da marinha
deputado Ferreira de Almeida 1 tenente da
armada.
Hakido que foi da prisao militar onde o segundo
umprira a pena a que fra condemu.do pela ca
awra dos pares, coustitmda em tribunal de jas-
tifa, o Si. conseibeiro Heuriqne de Mactdo, ex
inUlro da mar i ha e ultramar dirigi aos Srs.
general Vasco Gnedea de C-rvalho e Meneies
par do reine (elei'o) Frrdenco Bessano Garca
a secuinte carta, dauda de 9 de Maio :
U as cara* amigos.No da 7 do corrente
alas S huras da tarde, o br. depurado da naci e
V un Mida desacaten profundamente a autoridade e
Ktigio do cargo de ministro da marinha e al-
iar em qu entio en me acbava investido,
lAMnmdn simultanea e nao mee s gravemente
mea deeuro p-ss' al, em ciremnatanciaf, por
ima e eom immediataa consequencias que me
eximirei a narrar aqu por serem hoje para Vv.
Exea., cerno para o publico, notorias.
D-sembarajado agora das obrigacoes e res-
ponsabilidades do cargo de ministro de Est'td.',
de que, em acto continuo ao do aggravo, impotrei
exoneracio, ouso esperar de Vv. Exea., aeus imi-
iros, que se digoem tomar sobre si o encargo <
promoverem, na occasiio que julgarem opportuna,
ii resolucao desta pendencia de honra.
Escasado s-'r diser a V*. Exea, que par. re-
gular as condicoa* desaa solucio doa a Vv. llxcs
u mais ampia procuraoao, segara, como esto, e
<'tio todas os qne teem a honra de conhecsr a
Vv. Exea., dos elevados seoiimentos de orie,
pundonor edigmdade qne sao o dUtinctivodo ca-
rcter de eada um de Vv Exea.
De Vv. Excs. amigo certo e dedicado e res-
peitador obrigado.Henriqut de Macedo.
A 9 do correte, aquelies cavalheiros rospon
diam ao asa committente, o conaolheiro Henrique
de Maceda, o seguate :
Nosso caro amigo Recebida a carta de V.
Exc. de 9 de Maio ultimo, procuramos desde logo
a V. Exc. para Iha expor que, perteitaueoto in
teradss de todas as circumataucias occorridas,
reconheciamos em V. Exc. odireito e o devor de
pedir ajusta reparacao do aggravo que soffrvra
no seu decoro pesaoal, e entendamos que a op-
portaninade para tal as dara qaando cessasse o
impedimento ds sea aggressor.
N'essa, contermidade eaipregamos toda as
diligencias no da 4 do corrente para saber qual
a casa em qae o Sr. Ferreira de Al neida ira
residir, ao sahir do quartel dos marinbeiros
militares, para ah o proauramoa no da segua-
te Nao tendo porin, logrado obter eese escla-
recimeoto, deixamos no inferido qasrtei meia
uoite desee dia urna carta dirigida a este cava-
Ibeiro (documento n. 1), em que ihe pedimos nos
iadicasse o local e iiora cin que po liamos saeaa-
trar S. Exc. para tratar de negocio importante e
urgente.
Da correspondencia que se segno a esta pri-
meira caria dio oonta os documentos us. 2 a 6.
Tendo o Sr. Ferreira du Almeida accoitadu,
em principio, a reparaeao pelas armas, nica ad-
missiveJ, no caso aujaito, julgou-se ainda assim,
com e direito de estabelecer desde logo, como con-
dicio tine qua non, as bases principaes do com-
bate.
Pelas actas jautas ver V. Exc. que em seu
[nome e usando dos plenoj poderes que V. Exc.
J uos tinha conferido, aecedemos a tudo quanto jul-
faraos compativel com os briosos sentimentos de
. Exc, antepondo aos direitoe i ucou tes turis de
V. Exc. como aggredido, o desujo de terminar de
um modo digno para todos esta peudeacia de
honra.
Nio podemos, porm, sasmetter-nos a urna
ultima irapoaicao que consideramos absolutamen-
te iaaeeitavel pelas rases que constara da segun-
da acta, e na tendo conseguido, apezar das mi-
sas instancias, qae essa ca sala fosse retirada,
ua, pelo menos, sabmettida a arbitragera, demos
par linda a honrosa missao de qae V. Exc. se
digaou incumbir-nos, convencidos de que V.
Exc. pela sua parte fez tudo quanto a dignidade
ufiondida do mais pundonoroso homem de bem po-
da acooselbar, parase desaggravar honrosamente
da oflensa reeebida.
Do V. Exc. amigos certos dedicados e resoei-
ta dores. Vatto Guedes de Carvalho e Menetet.
Freierieo Renn? Garca.
Nao me parece destituida de interesse, para
qaesn ti ver acompanhado a narracio das ditferen-
tes peripecias dosta cpndeucia, a leitura das actas
a que os padrinhos dos dous contendores dorara,
pela imprensa, a maior pablicidade :
ACTAS
Acs 7 dias do mez de Setembro de 1887, pela
oito horas da usite, reuniram-ae na ra Capeo,
n. 5, 1- andar, cuno representautea do Exm. Sr.
Henrique de Macado Poroira Coutinho :Frederi-
ca Ressano Garca e Vasco Guedes de Carvalho e
.Veuezes, -e como representantes do Sr. Jos
liento Ferrtira de Almeida :Luciano Cordeiro e
Pedro Cerris ia Silva.
Pelos primeiros foi dito :
1'qae, na conformidade da declaraeai qne
anteriormente baviam enviado por escripto ao Sr.
Ferreira de Almeida, eatavam eacarregadoa pelo
seu coostitoiute de pedir reparaaao, na parte me
ramente pessoa!, do aggravo que por aquello f*i
feito a este, em sete de Mio ultimo, dentro do
edificio das cortes, reparacio qua nep>dia liei-
xar.de verificarse pelas armas, visto com bou-
vera vas de facto.
2- qae, no caso do Sr. Ferreira de Almeida
acaeitar o du. lio, competia-lhe, segundo as pra-
xes por qne se regulara estas questoes, nomoar,
ac:o continuo, as suas testamuabas, para que
con as da parte contraria ae enteadesaem ce.-e*
das condicoes do encontr, e no caso de recusar
bater se, poderia quando muito motivar suai hi-
tamente esta recusa, sem discussaj alguma.
3-Que todava o Sr. Ferreira de Almeida,
ao mesmo tempo que nomeara as suas testera j-
nhas, enviara aos representantes do seu adversa-
rio urna exposico (Documento n. 6), em que as
suraindo o papel de jais na questio que debate,
declara qua a reparavao a dar por combate ama
uoncesso que faz, e aligando a desegualdada d*s
consequencias sociaes e outrai em que o caso se
aprsenla para os dous advrsanos, reclama para
ai eomo questio previa o direito da restabelecer
as bases principaes do combate, at a pont-o de
exigir que esto s se verifique depois de publica
do no Diario do Governo, o decreto da sua demis-
sao de offioial da armada.
4' que. eu? taes circumstancias era mister que
os repreentantes Jo Sr. Ferreira de Almeida du
clarassem, a timham mandato imperativo pan
sustentar a questio previa nos termos em qae
f.-a posta pelo seu constitninte, oa se dispunh im
de inteira lioerdad- do accio para discutir e apre-
ciar as c.rcumstancias da pendencia, de modo a
resolvel-a nos termos que foicm julgados mais
jubtos e correctos.
Pelos representantes do Sr. Ferreira d'Almeida
foi dito que aceitara e fasem interamente sua a
questao previa apresentada pelo seu constituate,
nao porque tenham ou aceitassem mandato impe-
rativo, mas pelas seguiotes razoee :
1 porque as pMM que fazem lei nio per-
raittera duas rep-.raeoea pelo mesmo aggravo, e
tendo o Sr. H nnqae de Macado firmado a ordem
de priaio, devia fiaar enteudido qua optava por es
te iceio de desufronta.
2* que estando nest.es termos convencidos de
que o desaggravo se dera ja, aceitando o Sr. Fer-
reira d'Almeida o duelo por um excesso de delica-
deza pai a com o Sr. Henrique de Macedo e as
suas tea eoiunhas, consideravam o seu constitua-
te no dir.ito de poder exigir a escoiba das armas
e tanto mais que a arma escolhida era aquella
qae melhor iguala em todos os casos as ondicoos
dos combateutes.
3* que tendo o Sr. Ferreira d'Almeida soffrido
urna prisio rigoros pelo es paco da quatro meses,
prisio qae lhe tinha naturalmente inutliaado os
movimentjs c quebrado as forcas, nio podiam
prescindir da questio previa qne Ibe da va o direi-
to da escoiba das armas, tanto mais que durante
squelle periodo o eeu contendor poderia ter ad-
quirido um grande exereicio no manejo de armas
brancas, o que constituira ama desigualdad-: m-
uifetta.
Pelos representantes do Sr. Henrique de Mace-
do foi dito qae aos tres pontos qae acabavam de
ser considerados palas teetsmuubis do Sr. Ferrei-
ra d'A.meida e que ja baviam sido tratados por
este cavalheiro na sua carta de 7 (docameato n.
6), Ibes cumpria responder pelo modo segninte :
1* qne quando o Sr. Ferreira d'Almeida em 7
d. Maio pro.z, como dis ao Sr. Henrique de Ma-
cedo que nomeasse as suas testemunbas, nio ha-
va logar para tal, visto que sendo essa pruposta
feta a. tes da aggressio corporal, ainda este ulti-
mo nio poda considerar se aggravado.
2* que nao est averiguado que por parte do seu
constituate sa tenba proferido qaalquer replica
menos correcta aquella propesta.
3" qae pela declaracio formal feta pelo gover-
no peraate o parlamento, sabido que o sea cons-
tituate em acto continuo ao da atiranta pedir a
demiasio do cargo de ministro da marraba, no in-
tuito de obter a reparacio que lhe era de vida,
mas que nio aodendo esse pedido surtir effeitos
immediatos, !ra impoisivel se sea constitaiate
eximir-se as obrigac- s, eabora penosas, do car-
go que contra sua vontade continuos a destmpa-
uhar por ponco tmpo.
4* que qaando obteve do competente a demia-
sio qae solicitara, j nio havia opportaoidade p >ra
pid r a reparacio, sendo p r isso naeeasario espe-
rar para tal effeito qne ceamsie o impedimento do
aggressor.
5* qae demais, tem-se sustentado e eom boas
rssdes, qne quando o mesmo acto uffende a digai-
dude da pessoa e a dignidade do cargo, primeiro
so deve deaaffruntar esta da que aquella.
6* que ai pretendem pedir dupla reparacio de
ama mema l f nsa, mas sim d< sag jravar a dig
nidade peisual do tea constituate, sem entrar na
apreciacao do modo porque foi julgado pelos podo-
ras pblicos o aoto praticado pelo Sr. Ferreira de
Almeida.
7* que consideram a reparacio do aggravo feito
ao ana constitninte oomo um dever por parte do
aggressor e nio cama um simples acto de corte-
sa, sendo todava para agradecer as delicadas
iutenco-s do Sr Perraira d'Almeida.
8o que este cavalheiro, aceitando o duelo, aera
por isao pe dea a qualidade de aggressor, nem o
Sr. Henrique de Macedo, como aggredido, pode ser
eioibado do direito qae lbe assiste de escolher li-
vretaente as armas e Ciar outras coodicoes do en-
cantnx.
Paita* estas declaracoes por ama e outra parte,
e depoisda larga diseassio em que nio pode che-
gar-se a accordo, propeaeram os representantes
do Sr. Henrique de Macedo qae se correase a
uaii arbsttagem para resolver qual das duas par-
tes traba o direito de coasidarar-se offaniida, pro-
posta qae oio pede ser aceita pelos representantes
do Sr. Ferreira d'Almeida porque prejudicava a
questio previa.
Obscrvaram entio as testamuuhas do Sr. Henii-
que de Macedo qua o qae mais as preoecupava era
a imposicio di questao previa como um direito do
Sr. Ferreira d'Almeida, nio tendo ellas duvida,
apeaar do sen constituate baver escolbido a es-
pada, como arma que de ataque e defeza, em
aceitar o duele pistola, as condicoes propostas
pala parta contraria, se esta detarminacio resul-
tasae d* um accordo das quatro testamaooas e nio
do xercicio da um direito bue nio reeonbecem no
aggressor.
Em virtude desta observaoio e nio podendo os
representantes d> Sr. Ferreira d'Almeida tomar
sobre si o retirar interamente a questao previa,
resdveu-se adiar a deliberaelo definitiva para no-
va conferencia qne devera realisar-se amanba
pelas cinao horae da tarde. E para constar, se
necessario fr se lavrou a presente acta em dupli-
cad! que vai ser asaignada pelas qaatro te*temu-
nhas.
Peio Sr. Henrique da Macedo Ferreira CJUtl-
nbo:
Vatco Guedes de Caroalho t Menezes.
Frederico Restao Garca.
Pelo Sr. Jos Bento Ferreir* d'Almeida:
Luciano Cordeiro.
Pedro Correia da Silva.
Eis a secunda acta :
Aos oito das do raer de Setembro de mil oito-
ceiitoa e oitenta e sete, pelas cinco horas da tarde,
reuniram-se no meemo local designado na acta
anterior. Frederico RessAno Garca e Vasco Gue-
des de Carvalho e Menezes, por urna parte, e Lu-
ciano Cordeiro e Pedro Correia da Silva, por ou-
tra.
Por estes ltimos foi dito qae, segando a carta
que pissaram a 1er, o seu couatituinte, t-md* es-
tabelecido a questi previa a qae se allude na
correspondencia e acta anterior, pelas eonsidera-
coes que entio expozera, entenda p.-ejudieada es-
sa questio como apresentada por dio, desde qae
os seus delegados e os do Sr. Henrique de Maceds,
aceordavam em que as condicoes do duello tassem
de resolucao coll-etiva, insstiodo apenas em que
a data do combate ficasse subordinada 4 da sua
demissao publicada no Diaria do Governj, para
se encontrar com o sen competidor em igualdade
de circumstancias petante o direito aommum e ao
abrigo le proceasos obsoletos.
Declararam mais os meemos delegados que
coma j bontenr-tinham faito, apresentavam o re-
qaerimento em que o Sr. Ferreira de Almeida pede
a baixa completa no servico d? armada, e que o
offereciain aos representantes do Sr. Henrique Je
Macedo para que estes podes aera fazar dar-lhe o
mais|prompto despach9, ou que se obrigavam elles
praprios a promover este com toda a instaucia e
rapidez, realisando-se immediamente depois o en-
contr as condiy,oe* que contera ficaram aceor-
dadas.
Os representantes de Sr. Henrique de Macedo
disseram qua asim como haviaoi transigido sem a
menor difficuldade na escoiba das armas e candi-
eles do duello, acceitando como se por elles pro-
prioa fussem propostas ou de sua ineitiva as indi-
cacoea da parte contraria, assim tambera deelara-
vam do modo mais terminante e cathegorico que
nao podiam accetar em nome do seu constituirte
clausula de fiaar o duello dependente da demis-
sao que o Sr. Ferreira de Almeida pretende pedir
do sea posto de crucial da armada :
1* porque a resoluclo d'uma ponencia desta
ordem nio pode protelar-se nem estar subordinada
a consideracoes de interesse pessoal.
2" porque a haver crime oa deliotode que os po-
deres pao lieos hoavessem de tomar contas, esse
crime ou delicto seria de urna naturesa oommnm,
pun vel pelo cdigo penal, e ambos os advera i
teram de ser julgados pela Cmara dqi ** ^
um na qualidade de deputado que tem, outro Com 1
par do reino sendo portanto o f6ro, o processo e o
tribunal os meamos para ambos, de modo que nio
xiste entre os adversarios a desigualdade qae se
apona.
3o porque nio pode n'um conflicto pessoal envol-
ver-se terceira pessoa muito menos a entidsde do
governo e do poder modarador.
Acreecentaram mais que de modo algam accei-
tavam a incumbencia de solicitar o despacho do
reqaerimento de que se trata, porque consideram
a solucio da pendencia como nteitamente iodepen-
dente de quaesquer actos on pessoas que lhe sio
astranbos.
Pelos rapresentantes do Sr. Ferreira de Almei-
da foi dito :
1* que a demora regular seria apenas de alguns
das que nio seria dama ie para urna questio que
se tem protelado por alguns meses.
2 que a8tuacao dos dous contendores e aquella
em qua fi^ariam depois do encontr, nio de modo
neubum semalhante.
Depois de larga discassao, e mautendo eada
ama das partes o sea modo de apreciar oa tactos
e as razo's apreseotadas, reconheceram unnime-
mente qua nao era possivel chegar a um accordo
no ponto em discassio ; e sendo novamente regei
tada pelos representantes do Sr. Ferreira de AI
meida a proposta de arbitragem que pela parte
contraria foi apresentada de novo com relacio
aquelle ponto, deram todos por finda e terminada
a sua missao, autoraaudo a publicacio das actas
e correspondencia ha vida, e separndose s tres
horas da mauhi depois de lavrada e asaignada em
duplcala a presente acta.
Pelo Sr. Henrique de Macedo Pereira Coutinho
Vasco Guedes de Oarvalbo e Menezes.
Frederico Ressano Garca.
Pelo Sr. Jos Bente Ferreira de Almoida :
Luciano C rdt iro.
Pedrs Correia da Silva.
Omitto a trans:ripco das cartas que se troca-
ram e a que u'estas setas se alindo.
O que se acaba de ler o sufEaieote parase v
que, uio tendo podido ou representantes ou padri-
uhos dos contendores, chegar a um accordo, todos
asseataram em dar a questio por terminada.
Abortou p cedo, segundo a opiniaogeral, podar a aceitar sem
desaire, a reintagracio do logar do ministro da
cora de qae se tinha exonerado log) em seguida
aggressio do Sr. Ferreira de Almeida. Esta ca-
valheiro assim que obtiver a soa demissao de of-
cial da armada portuguesa ir alistar sa segundo
se diz, na marinha inglesa ou norte-americana. E'
possivel, mas d- positivo nada sai. E' certo que
a prisio que soffreu orginou-lhe pretericio e pre-
juizo grave por tanto na sua oarreira.
Estar tudo liquidado ou ter a impieasa da
voltar ao assumpto T
Eis o qae Ibes nio posso iizer neste momento.
Excusado ser, tamb-ra accreseentar que os do-
cumentos qae ficam transcriptos e os mas que Ibes
dizetn respeito, sio anda ubj-cto de vivos e opp.s-
tos commentarios nos crculos polticos. Entre-
tanto a verdade que os jornaes de Lisboa inse-
rindo-os nao Ibes fiseram commentos e deuaram a
cada qual dos seas leitores a livre interoretacao
dalles. f y-
O mesmo farei.
Suas Altezas Beses os Duques de Bragaoca
eatraram no dia II no porto de Vigo a bordo do va-
por Nevi da Mala Real Inglesa s 7 horas da
tarde, trasendo felis viagem. Sahiram no da 12
s 9 horas e 1/4 da mauhi em direccio a Lisboa
a onde acabam de chegar de perfeita saude.
No dia 6 Suas Altezas tinbam chegado a Loa-
dles, idos da Escossia onde tinbam estado com os
Srs. Condes de Paria.
Segundo referem do Porto, trabalha-se
naqaella cidade com grande azafama nos prepara-
tivos de fasta para celebrar a prxima visita da
familia real.
Haver illuminacoes explendidas, organizando
se para isso commissa* em muitos pontos da ci-
dade. As roas contraes serio profusamente or
namentadas e aluminadas, devendo apresen tar ma
ravilhoso aspecto. Na rna de Santa Catharina e
outras, multas casas particulares osteotario illa-
miaaces veneaianas. A frontaria do Grande
Hotel do Porto ser soberbamente illaminada.
Todo o itioarario da familia real, desda a esta-
cio do Pinheiro at ao palacio da ra do Trium-
pho, apresan tar a grande aspecto de gala.
No campo 24 de Agoato vio ser construidos um
pavilhio e um coreto destinados ceremonia da
fundacio da escola industrial Paria Gaimarles.
As estacoes de Campaobi e da Povoa serio or-
namentadas brilbantemente.
Maitas outras mauifestacoee se projectam : bai-
les, seeades solemnes, etc., assigoalario por um
modo festivo a visita de sua* magestades.
= Fallecen ha poucos dias a ara. D. Ma-ian-
na Otlolini, irmi do Sr. visconde de Octolini e do
Sr. Francisco Ottolini.
Acha-se vaga a diocese do Portalegre.
Com 78 annos de idade e victima de um typha,
gaceumbio, qoasi que inesperadamente, o veneran-
do bispo D. Manoel Bernardo de Soua* Eauas.
O finado exercia as saas altas tonecoes desde os
fina de Dezembro de 1886.
O illust.ro prelado, que fra lente da universi-
dade de Coimbra, foi sagrado bispo na igraja da
Magdalena de Lisboa, e a primeira diocese que
govecoon foi a de Macau, oode se demorou alguns
annos. Depois vio transferido para o rain i, e
foi governar a diocese de Braganca. Por ultimo
foi mandado .para Portalegrc, onda termiuou os
seus das.
__ Foram agraciados com o titulo de visconde
da Aurora em vida o Sr. Joio de S Coutinho, e
com o titulo de visconde da Regua em vida, o ba-
cfaarel Manoel Guedes Le te de Gouveia propria-
tario no eonselho do Peso da nVgua.
A' Sra viscondessa de Carapebs, dama de S.
M. a imperatriz do Brasil, foi cenferido o titulo
da dama da ordem de Saota Isabel.
O ministre dos negocios estrangeiros da rep-
blica francesa, Mr. Floarons, foi tambera agracia-
do ltimamente com a gri-cruz da ordem militar
de Nossa Senhora da Conccicao.
Ao Sr. Faleio, abastado lavrador do Ribafejo
foi concedido o titulo de visconde de Alpinrca.
Na folha oficial de hontem vinha publicada
a carta de lei relevando o governo da responsabi-
lidade em qae incorreu, assumindo o exereicio de
funccPS legislativas, e confirmando para terem
forca de lei as providencias de natureza legisla-
tiva promulgadas dasde 17 da Julho da 1886 at
81 de Marco de 1887, substituindo, addiccionando
e estabeleoendo outras diaposicoes.
O Sr. Bessano Garava, par do reino e enge-
nheiro em chafe da cmara municipal de Cisbsa
parti hontem para Milio, onde vai representar
Portugal no coogreaso dos caminaos da ferro.
Tambem para all psrtiram ha dias os Srs. An-
tonio de Soasa Vasconceilos, secretario do eonse-
lho de administracio da companhia dos caminhos
de ferro aortuguezes e o Sr. Fontes Ganbado ad-
ministrador delegado da mesma companhia .
Segando se lia hontem no Economista, folha
de que redactor principal o Sr. cooselheiro An-
tonio Mara Pereira Carrilho, o governo continua
a applicbr toda a sua atl Lourenco Marques (frica oriental).
Tem-se tomado todas as providencias e dado ao
governador geral e ao engedheiro Jonquim Jo-
Machado todas as autorisaces, que sao necsaa-
rios para que pogaatn executar-se eom rapidez to-
dos oa ineiboramentos indispensaveis.
A mnaina talha lamenta que, ao paso que estao
affluindo a Lourenco Mnrq:i-.-, em grande quanti
dade os estrangeiros, para all se estabeleeerem,
nao haja em Lisboa um negociante, ou capita-
lista abastado, que se lembre da fuudar u'aquella
colonia urna casa de oommercio importante.
E' urna vergonba para Portugal, diz, que dei-
xemos nicamente aos estrangeiros explorar to
das essas condicoes vantajoaas, qua circunstan-
cias excepciooass estao reunindo actualmente em
Lourenco Marques.
Arden na noite de 6 para 7 do crrante a fa-
brica de tabacos Luatania na ra do Arco de S.
Mamede, em Lisboa, e de que eram directores os
Srs. Henrique Bornay, Carlos Jos de Oliveira e
Eugenio de Mendia.
A violencia do incendio foi espantosa e os pre-
juisoa foram quasi absolutos.
O Sr. Burnay ainda, ha dias, soffreu perdaa con-
sideraveis no incendio da fabrica Uniio Fabril.
A fabrica Lusitania estava fechada quando se
espalhon o projecto do governo a respeito da nova
organisaco dos tabacos.
O* cavalheiros mencionados, com um fim espe-
culativo, compraram esta fabrica, pozeram-n'a a
funecionar e, depois de varias peripecias, conse-
guirn] entrar no numero das fabricas de tabacos
e com a existencia reconhecida para a intervencio
no nova rgimen.
Tudo isto tio conhecido do poblico, observa o
jornal As Novidadet, fez com que se espathassem
boatos, que a mesma folha auppe absurdos, sobre
as origens do incendio e da sua .violencia. Cada
qual formava apposicao diversa.
A pohciajabno um inquerito para averiguar o
que pode haver de verdade nessaa insinuaces e
boatos, e este facto deu pasto a diveisos commen-
tarios. Nio eremos, diz o citado jornal, que Be-
ja este inquerito exoepcio para o presente caso.
Em todos os incendios de importancia se abre um
inquerito. A excepcio seria nio se fazer agora .
De resto, o* materiaes fcilmente iaflammaveis
da fabrica e a sua velha cunstrucelo, de sobejo
explicam a rapidez e importancia qae o incendio
adquiri.
E prosegne :
Com todo, para que se desvanecam os boatos
que suppmos maledicentes, preciso qae esto in-
querito sejs absolutamente rigoroso, e muito esta-
dado e cautelosamente f oito. As campanhias de
seguros, pelos seus representantes, nio devem
abaodonal-o.
E nos, com todos os elementos de informacao de
que podermos dispor, farcinos o mesmo.
Apurar toda a verdade indispansavel e con-
veniente para todos
O incendio principiou cerca das duas horas da
aoute. Os primeiros que o notarara foram um
guarda nocturna e um empregado da fabrica de
moagena do Sr. Paul Bernard, que fica contigua a
fabrica incendiada. O clario qua se levantava da
fabrica, rpidamente em chammas, era enorme e
assustador.
A violencia do fogo era tio excepcional que lo-
go faz prever que seri itn inuteis todos os meios
einpregados para o combater, por mais activos que
fossem e por maior que fosse o zelo empregado pa-
ra dominar aquello grande brazeiro.
As chammas levanta vam-se em enorme altura
e em groasas espiraes rubras, espalbando at gran
de distancia um clario deslumbrador, mas pavo-
roso,
Urna qnantida'e enorme de faiscas, produzias
pe. s materiaes fcilmente iufl immaveis que o fo-
go consuma, espalhavam-se u'uma chava cad-
denta qua cahia sobre mutas casas em volts,
amcacando de propagar o incendio n'uma grande
rea e muito povoada, como a desta parte da
cidade.
O* dous horneas que deram peio fogo e fizeram
o signal de alarme, foram em seguida chamar as
machinas das estacoaa mais prximas.
Du pouco servio, p>r/m, esta diligencia, porque
o inspector geral dos incendio* tem feito affixar
as casas das bombas ama ordem pr hibiodo qae
saia nenhuma machina da estac&o sem ser reqm -
sitada superiormente, embora o pessoal veja
qualqner clario de fogo qua lbe aoouaoie ter-
se este manifestado no sea districto >.
Esta ordem tem sido speramente commentada
por tolos oa qaasi todos os jornaes de Lisboa, em
desfavor do Sr. Carlos Barreiros, caja energa e
valor nmguem alias d acontece.
A fabrica foi completamente devorada em pou-
co, mais de urna hora. Aqaillo nem pareca um
edificio, observa um jornal de Lisboa. Dir-se hi.
antes urna casa de cartio besuutado de petr-
leo !
A fabrica occapava urna rea de 600 metros
quadrados e era assim construida : dous grandes
andares subterrneos onde fica va tambem o nscrip-
tono. Seguiam-se na parte superior as officiuas
de empapeiar, da escoiba de charutos, moagem de
rap, Casa de segredo, ama casa chamada doa
paioes e armssem de tabaco em rama.
Tudo isto fica va para o lado direito e foi com-
pletamente destruido. Do lado esquerdo era a of-
tk-ma de picar, a casa das machinas e um deposi-
to de tabaco em rama.
O primeiro pavimento do lado direito era a of
ficiua da fabricacio do tabaco chamado em oncas,
da tabricacio de cigarros e cigarrilhas. Denomi-
na va-se a oficina daa raulheres.
No primeiro pavimento de lado esquerdo estava
a officiaa de charutos fiaos e estofa de seccar os
tabaco as aguas tortadas eatavam as oficinas
de charutos ordinaria, charutos cortados, tabri-
cacio de caixas, etc.
Tudo isto e fogo destroio, ficando apenas as pa-
redes e um montio de einaaa donde se levanta
va um fumo aapbixiante.
E" total 0 prejuizo.
A fabrica estava segura em 87:100J fortes
vididoa por diversas companbias,
O predio perteneia ae eommendador Perrei
dos Santos e estava seguro em 12 contos de res
fortes na comoanhia Norwieh.
Alguus estabaiecimentos e casas da visinhanca
tambem soffraram prejuizos, mas leves.
Trabalhavam na fabrica Luzitania 350 opera-
rios de arabos os sexos. Ain^a ba poucos dias en-
trara all um retorco de tabaco avaliado em 48
contos da tis fortes.
Foi ha dias expulso do reino D. Isidro Vil-
lana/), redactor da W Gailaica ond een-
tratinha a descompor o governo hespanhol e o por-
tugus.
Na associacio Frateraidade ., que a colonia
heapanhola tem em Lisboa, disseram Iha taes coi-
sas, tio gravas para o sea carcter e probidade
qae o defermiparam a aoreaeutar contra esses
seas compatriotas am requerimento de querella
na Boa-Hira.
E'esperado Coquelin, o celebre actor fran-
cs em Lisboa no dia 24 do mez prximo. Parece
qae vira dar aqu urnas vinte representacoes.
Ha orimeira vez que se fez aplaudir nesta ca-
pital, toi muito fastejado e assaz coacorridas fo-
ram as suas recitas, apezar de sa terem elevado
absurdamente os precos.
L.
KEViSTA DIARI
ai-
eral
\olara>INO^aoPor portara da presiden-
cia da provincia de 16 do corrente, foi nsturalisa-
do o subdito portugus Joio Fernandes Lopes.
Urmaaiiio,Peraambaoano-.V partir
de hoje, em todos us domingos e das santifica-
dos, haver missa na capella do Gymnasio Per-
nambucano, s 7 1|2 horas da manba.
VotlioNufruiarara-uoi moradoras das ras
da Ilha de Carvalho, Joao do Reg e visinhas que,
todas as tioitcs, alguna vadios sa divertem em
aoagar os combustores da illurainocio publica
u'alli, para, ocenitus naa trevaa, praticar a seu
bel-pruzer toda sorte de tropelas.
Recomnendamos easee vadlos a solicita atten-
co do Sr. subdelegado da parochia de Santo An-
touio.
Trtbanal do Jury do Recife Hon
tem teudo sa reunido 38 jurados neate tribunal
houve sessao.
Foram aubraettidos a julgamento os reos Vi-
cente de Assis Tavares, Sebastiio Canguss, Al-
fredo Eugenio Crespo e Antouio Mathias do Nas-
a! ni "uto por terem em Feru.au i j ds Norouha no
dia 19 de Agosto de 1835 assassiuado a Joaquim
Muniz Falcao conhecido por Mumbebo.
Cimo defensor de As3<8 apreseatou-se o Sr. Dr.
Luiz Druraujoud, que pelo presid nte do Tribunal
toi dado como defensor aos demais reos, que se
acbavaio ara defensor.
Do conseibo z rain parte os seobores :
Antonio Vicente da Silva.
Joviuu da Silva Santiago.
Gedaao Forjas de Licerda Jnior.
Jos Mara iii.'k iit'eld V da Silva.
Vl.iuoel Alves Pimeutel.
Jesuino Barroso de Mello.
Augusto G mea!ves de Barros.
Joaquim Lucilo de Siquaira Varejio.
Fab.u^auatiuo F. da ni I va.
Fobio Austricliauo M. Temporal.
Francisco da Sil'a Iianks.
SalvaJor Barhalho bjaboa Cavalcante.
Depois doa interrogatorios dos reos e lritura do
processo luiciare.m-se oa debate*.
Findoa estes toi feito o resumo dos debates pelo
presidente do Tribunal o formulados os quesitos
que foram entregues -.o eonselho. Ilecolheu-se
este sala secreta, donde pasaados 50 minutos
voltou trnzeado a condemnacao de Assis a 7 an-
uos da prisao simples e a aoeolvicio dos demais
reos.
O presidenta do Tribunal appellou Jas tres sen-
tencas absolutorias.
Exereicio de fogo Entre oa ejercicios
qua terie lugar amanhi no acampamento da Be-
lm, fario o 2 bataluio de iufantaria e a compa-
nhia de cavallarta o de fogo por companbias de
guerra.
Para quem gosta dosse genero de espectculos,
essa urna boa occasiio de aprecial-os, tanto mais
quanto os citados corpas estao devdamente pre-
parados para o caso.
Corpo de polica. O Sr. coronel Jos
Tbomaz Goncalves, nomeado para inspeccionar o
corpo da polica, den por fiado essa incumbencia,
dingiodo ao Sr. tenenta-coronel commandanta d'a-
quelle corpo o offieio abano publicado.
Esse documento muito honroso para o Sr. te-
nente-coronel Manoel Goncalves Pereira Lima, e
lisougeiro para a provincia quem reverte o bem
que ae diz do seu corpo de polica.
Eil-o:
Inspectora do corpo de polica de Pernamba-
co, 17 de Setembro de 1887. N. 9. Jim. Sr.
Para os fios convenientes scientfico a V. S., que te-
nho nesta data encerrado a inspecca > do corpo sob
seu digno commando. E' tio lisongeiro juizo que
formo do estado actual de todos os ramos do servico
administrativo d'esse corpo, qae nio posao e nem
devo p< rder o ensejo de tacer a V. S. os maiores
encomios de qne digno.
Nada disto para mira novo, porqaanto j em
outras commissoes que tem V. S sido distinguido
pelo governo, dera, como presentemente est dan-
do ao corpo que em tio boa hora lhe fora confiado,
as mais inequvocas provas de sua honestidade,
inteligencia, selo infatigavel e completa dedica-
cao. Congratulo-me, pois, com o corpo policial, por
ter a sua frente um chafe que pelos seus predica-
dos muito honra o referido corpo.
Tambem digno de urna menea) honrosa o
seu digno mmediato o distiocto e intelligente Sr.
major Cleomenes Lopes de Siqaeira, pelo interesse
que toma nos deveres inherentes a seu cargo. Fi-
nalmente sao dignos de m rarlo os Srs. tenantes quartel-mestreJAotomo Jo-
s da Soasa e Silva, e ajadante Sevenano Vieira
da Paz e alferes secretario interino Sebastiio Fio
ro do Reg, pela modo satisfactorio parque des-
empachara suaa fuoecoes, e os demais Srs. efficiaes
agiadec.'-lhes a coadjuvacio que me prestaram
para o oom desempenho de minha commissio.
Deas guarde a V. 8.Illm. Sr. tenente-coro-
nel Manoel G me il ves Pereira Lima, muito digno
conmaodante do corpo do polica. Jos Thoma*
Gonqalve, coronel.
Secretaria do commando do corpo de policia de
Pernambuco, 24 da Setembro de 1887.Confcrme.
Floro do Reg, secretario interno. >
Pesia* rellsrlooaoNa igre,a de S. Jos
de Riba-Mar festeja-ee hoje e Seohor Bom Jess
dos Aflictos, coostaodo de missa solemne, s 11
horas, prtgando o Rvd conego Antonio Eustaquio
Al vea da Silva ; e Te-Deum s 7 horas da noite,
precedido de aermio pelo Kvd. Leonardo Joio
Grego.
A' t >rde tocarao no atrio da igreja as bandas
marciaes da polica e dos menores do Arsenal de
Guerra, e noite haver illuminacio, seado larga-
dos diversos aeorostatos.
Na respectiva capella de \B gados tere la-
gar boje o levantameoto da bandeira da fasta de
S. Miguel, precedendo o acte a administracio do
Sacramento do Curiara pelo Exm. bispo dioce-
sano.
Nos tres dias subsequentes haver triduo, tendo
lugar a feata do Santo no dia 29, com missa so-
lemne s 11 horas da manba. pregando o Bvd.
padre Americo de Novaes, e Te Dean s 7 horas
da noite com predica pelo Bvd. padre Leonardo
Joao Grego.
Tocario nos actos, partir de boje, as bandas
de msica da polica e 2* batalaio de infantera,
e no dia 29 serio largados diversos baloes e
noite queimado am grande fogo de artificio.
Club loternaclodsl de BegataaNo
dia 2 de Ojtubro prximo, domingo vindouro, o
Club Internacional de Regatas, fas ama regala na
baca de gasom tro, rio Capibaribe. Dave ser
urna boaita fasta.
Tiieiro Santa IsabelAoje, no theatro
-anta Isabel, o Congresso Dramtico Beneficate
d am espectculo com o drama em 5 actosO
Espido Fida'go oa O Conde de tlontdeone.
Depois do espectculo haver bondt para Afo-
gados Magialeoa e Fernandos Vieira.
Conferencio aballeioaioCa H>je 1
hora da tarde, no theatro das Variedades, reali-
sam as sociedades Uniio Federal Abolicionista e
Pe. oambucana contra a Eacravidao a 19* confe-
rencia das qae teem sido por ellas promovidas em
beneficio da idea da redempcio dos captivos.
Incumbio-se deesa conferencia a Exma. Sra.
D. Mara Amelia de Queiroz Sodr da Motta, j
couhecida ao mundo das lattras pelos seus bonitos
versos.
Depois dt conferencia haver ama festa artsti-
ca, parte dramtica, parte musical.
7 de esperar grande concarrencia de eapeota-
E"
dsras, j pelos fias humanitarios da festa, j pela
attraheute novidade da oecepaeao da tribuna por
ama Ilustre Senhora, e o que mais poetisa per-
nambucana.
Inotltuto para enanca* Cgao
Pelas 7 horas da noite de hje," no predio a. 36
da roa Velha, parochia da Boa-Vista, ser instal-
lado o Instituto Primario paraJCrianc is Cgas,
ideado e levado pratica pelos Srs. Julio Soares
de Azevedo, director de Collegio, e Francisco V.
Coelho, hbil protessor, discpulo do Imperial In-
stituto dos Meninos Cgos da Corte.
A festa inaugural constar de duas partes : ex-
posico dos apparelhos e instrumentos apropriados
ao ensino, explicando-Ibes o uso e emprego o pro-
fessor Coelho; e sessao litteraria presidida pelo
conseibeiro Pinto Jnior, proferindo discursos va-
rias senhoras e cavalheiros.
litbertaeeeoPor intermedio da cartas re-
cibidas de diversos pontos desta diocese sabemos
Sue em Goyannioha (Rio Grande do Norte) o
eyd. Joio Alipio da Cuaba, em regosiio pelo ju-
bilen sacerdotal do Saoto Padre Leao XIII, con-
ceden liberdade a todos os seus escravisados em
numero de ciuee ; em Canguaretama, na mesma
proviucia, o Rsvd. vigario Manoel Januario Be-
zerra Cavalcante, pelo musmo motivo, aiforriou o
nico escravo que pqssuia ; no Jardira, na mesma
provincia, e ainda por motivo idntico os Srs. ca-
pito Manoel Norberto de Bittencourt e capitio
Antonio Basilio Leopoldo Bezerra, couaederam
liberdade as suas escravas, nicas que possaiam ;
a de Oabrob sabemos ainda que, por occasiio de
ler o Revd. vigario a pastoral de S. Exe. Revma.
sobre o jubileu do Santo Padre, foram passadas
por diversos cavalheiros nada me ios de nove car-
tas de liberdade.
Conoelbo de (aerraAmanhi, as 11 ho-
ras do dia, no Arsenal de Marinha, reunc-se o
eonselho de guerra que em de julgar o orficial de
atenda da 3* elasae, da armada, Marciouilo Ole-
gario Rodrigues Vaz.
O mesmo conseibo assim se compoo :
PresidenteIo tenente L-jopoido Bandeira de
Gouveia.
Vogaes2 tenantes Aphrodizio Fernandes de
liarros, Americo Hazilio Silvado, Earico Lif;yot-
te Das Lopes, Francitco de Souza Pinta e Narci-
so do fradn Carvalho.
Xovlo arribadoProcedente de Cartage-
na aelas ilhas Canarias, arribou hontem ao porto
do Recife, abm de coacertar diversas pecas do
respectivo machinismo, o vapor heapauhol Cari-
dad, da companhia Mrquez de Ocampo
Faltos os reparos proseguir em sua viagem
para S. Fraueisco da California por Montevideo.
l.araplo Xa madrugada de bontem estes
industriosos, aproveitaudo a circumataucia do ter
ficado aberta >> porta da ra do predio n. 7 da ra
do Visconde de Itaparici, e.rrombaram com pa
urna outra porta que do corredor da escada d pa-
ra pavimento terreo, onda tem seu esariptorio a
Companhia L>comotora Peruambucaua, e, pene-
trando no interior do escriptorio, deram busca,
qne todava foi infructuosa, pois nada levaram,
sem duvida porque nada acharam qae Ihes agra-
daste.
A autoridade da parochia de S. Frei Pedro
Gongalves proceden nos termos da lei.
FarioHioteui, s 9 1/2 horas da manba, es-
tasMM um alinoareve a comprar gaueros am urna
casa A ruada Pedro Alfonso, tenio n'um sacas a
quautia da 29 em cdulas e cerca de 7 em co-
bre, o crioulo de nome Galdino Jos da Silva,
aproveuando um descuido do tabaro e mais rpi-
damente do qua u faria um prestidigitador, pas-
sou-lbe a mo no saeco e deitou a correr.
Perseguido pelo roubado e pessoas do po70, foi
preso em fligrtnte u'um sobrado ra Eatreita do
Rosario, acude acosaado ae recoihara, jugando an-
tes no corredor o saaco cara de seu perseguidor,
o qual muito contante flou com seui'taaate des-
feita.
Galdino qae apreciador de ren'.c de msica e
dos exercicios marciaes, inteucionava ir paiaar
estes tree dias em Beltn, mas sabio-lha o trumpho
s aveasas.
Club Ijlterarlo Blgaen dualor.
A's 3 horas da tarde do da 23 do correte, sob a
presidencia do Sr. Alberto Cavalcante d'Albuquer-
que Wanderley, teva lugar aso-asao extraordinaria
para eleicao da nova directora, ficando :-im
compostn :
Presidente.Alberto C. de A. Wanderley.
Vice-presidenteArtbur Pinto.
L* SecretarioThodora Braga.
2.* SecretarioJoio Machado Primo.
AdjuntoGraciliaao Martms.
OradorJos Francisco Martin*.
Vice-oradorIsmael Marques.
Biblietbecario Virginio Braga.
AdjuntoJoio Paulo Carneiro Leao.
TbesoareiraD. .Mana O. Pire3 Ferreira.
Commissio de legislacao Leopoldo Pires Fer-
reira (relator), D. Mara P.res Ferreira, Joaquim
Raphael, Joaquim Tbiago e Bernardo Jos da Ga-
ma Lins.
Commissio de revisio de theses Joio Paulo
(relator), Joio Machado e Ismael Marques.
Commissio de avaacaoJoao Machado (rela-
tor), Thoodoro e Virginio Braga.
Commissao de contasJoaqaim Raphael (rela-
tor), Leopoldo Pires e 15 maulo Lin*.
Commissio de peritosD. Mana Pires Ferreira
(relatora), Jos Martina e Joao Machado.
Beunldeo orine -Ha hoje as sega a-
tes:
Da Sociedade Minerva Progresso t-ernambuca-
no, s 10 horas da mauhi, em sua sede, para em
sessao de uasembla geral ordinaria tratar de ne-
gocios diversos e argentes.
Do Monte-Pi dos Typographos de Pernambuco,
s 10 horas da manhi, na Fraca de Pedro II n.
75, 2 andar.
Do Club Internacional de Raga'as, s 11 horas
do da, na respectiva sede.
Da Portuguesa de Beneficencia, s 4 1/2 horas
da tarde, para eleicao de um director.
Do Ncleo Artstico Abolicionista, s 4 horas
da tarde, na ra do Coronel Suassuaa n. 190.
Da Italiana de Beneficencia, s horas do costa-
nte, para eleicao da nova directora.
Da Recreativa Juvenil, a 4 horas da tarde,
para ele-cao da aova directora.
Araauha ter lugar a seguate :
Do Comit Litteraria Acadmica, 4s horas de
costme, para eleicao da respectiva directora.
O Dr. Tllete e u eotnda* sobre
O berl-berl Lamas uo Libertador, do Cear,
de 19 de Setembro :
Nio cooheoo em sua intagra um trabalba so-
bra bar ben publicado ha pouco Sr. Dr. Villette, mas no nura-ro de 23 de Aonl ul-
timo do British Medie d Journal deparei cora a
noticia do haver ellu fei:o invastigacao sobre o
assumpto, e li igualmente as concluses a que che-
gara.
O Dr. ViUetto nio teva infelizmente terreno
suficiente a explorar, os casas por ella observa-
dos nio foram senio em numero demasiadamente
pequeo e s isso explica a fraqueza scientifica da
mor parte da suas concluses.
A primeira deltas que o beri beri mais
commum entre os presos ou pessoas em condicoes
idnticas est logo a desafiar ama coateatacio,
oa antes rectificacio.
Nio me estranbo qua as prisoes, quarteis,
c lli gios de educacio se ba registrado muitos casos
de tal euermidade, e eu meamo qaando na Baha
frequentava a Faculdade e aqu em 1884 tive de
conbecar da apparecn uto do bari-bari nos res-
pectivos quarteis, sendo que em ambas as occa-
b.oes essa como epidemia entre os soldados coinci-
di com movimentoa d < trra e ruina condicoes de
hygieae; sei anda q"e em 1871 os prasos da ca-
deia de Pernambuco foram por ella accommetti-
dos; mas coiciuir destes e outros acou.eci raen tas
salados por modo tio absoluto avancar am cjb-
ceito, que nio tem a seu favor o testrmuabo dos
tactos.
Si houvesse de formular urna propositas
quanto a esse tpico, ver-me-hia nio pouco emba-
ncado diante das estatisticas. Nio ma querends
referir aos 112 beiibricos, 104 homens e 8 ma-
'heres, que se recolberam ao hospital da Santa
Casa durante os ltimos quatro anuos (segundo os
meus atssntam ratos) basta que eu estude a esta-
tistica dos 36 individuos do Pare Maraobio, 21
homens e 13 m jlh-res, que no anuo prximo pas-
sado estiveram sob mea cuidados e na qual en-
contr aoenai dous noues, qae nao perteacem
boa sociedade daquellas provincias.
c Essas obsjrvacoas contrariam ainda a canela-
sao a qae ebegoa o Dr. Villette qae < o beri-beri,
molestia cuntagiosa e eadema-epidemica, depen-
de da insufBciencia ou falta le alimentario.
Vou ao encontr de ama objeccio. Bir-se-
ha qae s podenam vir ao Cear aquelles a quera
a fortuna permittia tal madanoa, e pais estatiz-
eos formuladas eom os paraenses e maranheases
aqu entrados peccam pela base.
Resp indere que o numero dos qae me teem
consultado e aos muitos collegas, qae aqu clini-
cam, demonstra, e contra a opiaiio oppoeta qua
me rebello, qae tedas s elasses sociaes, em quaes^
1
]
I aStVE |
v


\
Diario de PeniiimbucoDomingo 25 de Setembro de 1887




qaer condicoes em que se aehem, sao igualmente
snseeptiveis de contratar o beriberi.
En lugar de afirmar que o beri-ber mais
eommum entre os habitantes das priaoes, seria
muito mais verdadeiro dizer que o ser vivo, qne
produs os syuptomas verificadas no beri-beri,
encontra eJcmuntos para erupco e propagsco nos
individuas aes quaes a taita de hygiene (o que se
acontecer com os preso,) a m ou insuficiente
alimentscio, cansas deprimentes do svstema ner-
voso, h morrhagias, molestias mais ou menos pro-
longadas etc., teem diminuido as forcas de resis-
tencia.
Com a 3. das conclusoes estou, todava, de
pleno aocordo e creio mesmo que nao ba boje aator
jne nao divida o beriberi em paralytico, edema-
toso e mixto, classificaco devida ao Dr. Silva
Lima, da Babia.
* A primeira dessas formas predomina muito
sobre as outras, posso mesmo diser que apresen-
tam a 70 /. dos beribericos.
Dos 36 nortistas, a que cima referi-me, o
beriberi affectava em 25 a forma paral/tica, 6 a
formafedematosa e 5 a forma mixta. Os doas falle-
cidos perteuciam aos segundos.
Nanea vi o beriberi atacar meninos, e alm
dos 50 annos s conheco 2 casos, um sendo o de
om lavrador paraense de 55 annos. Abaixo de 19
annos conheco om caso apenas, sendo esse em um
meu mano de 17 annos, estudante da Academia
entae.
A 4.a conclusao do Dr. Villette se affastu
igualmente dea dados experiinentaes.
Aceita elle que o beriberi depende de ama
myelite, e o que mais, de una myelite aguda.
Que o beriberi tem sido confundido com as
inrl-macoes medullarea sabamos pelos trabalbos
de Vison, Hegel, Uayman e outroa; bastam nos,
porm, os exames cadavricos, os derrames naa
formas beribericas edematosa e mixta, o trocado
thermometrico, os dados fornecidos pela geegra-
pbia medica, a naturesa e ade e peculiaridades
da dor em urna e outra molestia para derrocar tal
* opiuio, que nao est igualmente de accordo com
as propnedades que ao beriberi empresta o Dr.
Villette em sua 2 conclusao. .
O tpico sobre therapeutica de urna defi-
ciencia merecedora de reparo.
Que elle acoDselho medidas hygienicaa como
um pr ventivo e um auxiliar para cura applaudo,
mas propor o isolamento e nem mai8 ama medida
aalutar confessar que desconhece a historia da
entidade mrbida em questao.
No Brasil, quando alguem cometa a mani-
festar symptomaa beribericos, lhe prescrevemoa os
tnicos, ri'commendamos passeios constantes, os
banboa salgados, inudanca de resideucix, ascenso
s serraa, retirada para oatra provincia e assim
por diante, nunca porm o isolamento.
Os Bahianos possuem um bom sanatorium, a
ilha de Itaparica, fronteira capital, para onde se
retiram os accommettidos e onde logo restabele-
cein-se. Cnamam-a a Europa dos pobres.
Na provincia do Cear pjssuimcs as serras,
aobresahmdo as de Baturit, para onde removemos
os doeotes e serapre com o desejado resultado.
A mxima attitude da serra de Baturit de
850 metros sobre o nivel do mar.
< Seria um magnifico emprego de capitaes e a
satisfazlo de urna urgente necessidade a construc-
cao alli de urna boa casa da sade.Dr. G. >tu-
dart.
>etlMMiEfieatuar-ae-no:
Amanh:
Feb agente Pestaa, s 11 horas, jrua ;do Vi-
gario Tenor n. 15, da armacao, gneros e uten-
silios da taverna ahi sita.
Pelo agente P.n'o, a 10 horas, na ra do Mar-
que de Olinda n. 53, desoas, couros, peles, ar-
tgos para loja de aapateiro e sellero, etc., etc.
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, na ra
Pedrj Affjnso n. 43, de movis, loucas e vidros,
etc.
Pelo asente Gusmo, s 11 horas, na ra do
Marques de Oli.id* n. 19, d-i movs e piano.
Terca-feira :
Pelo agente Piuto, s 11 horas, ra do Mar-
ques de linia n. 52, de um cofre, etc.
pPelo agente Martius, s 11 horas, ra de Do-
mingas Jos Martina n. 12, de vinho e vinagre em
pipas.
Quarta feira :
Pelo g.-ute Peatana, ao meio ia, ra do Vi-
gario Tenorio n. 12, de predios.
Pelo agente P uto, s 11 horas, ra do Mar
ques de linaa u. 52, do varios g. eros.
lasan a"Hnei>re Serio celebradas :
Amaubi :
A's 8 oras, na ordem terceirt de S. Francisco,
por alma de D. Emilia Vieira Nunes ; s 8 boras,
na igreja dos Marfyrios, por alma de Tbemoteo
Marcolina da Silva; s 7 1/2 boras, na Ordem
Terc?ira do Carmo, por alma de Jos Pi Cesar ;
s 8 oras, na matris da Boa-Vista, por alma de
D. Anna Mari Kaeip; s 7 horas, na igreja da
Conceico do Per<-s, por alma de Tbemoteo Mar-
colino da Silva ; as 8 horas, na matris do Corpo
Saato, oor alma de Francisco Dua:te Rodrigues.
Quarta-feira :
A's 7 horas, na igreja de S. Pedro Martyr de
Olinda, por alma de Miguel Pereira Giraldes ; s
7 horas na matriz de Palmares, por alma de Is-
rael Alfonso Ferreira.
Quinla-teira :
A's 7 huras, na igreja da Saledade, por alma de
Isabel Alfonso Ferreira.
Pax^aselros-Chegadis da Europa no va-
por ingles Ifeva :
Adoipho Pohlman, Hewand Helcker, 'August
Neaaon e ana s-nh-ira, John A. Bercwell, A. B.
Cose Jack Harauagh, William Berril, Thomas
W. Jpachrnan, Jos Carlos Vieira, Albaoo de Al-
meida, Joaquim da Silva, Jos Marques Pisco,
Manoel Amiral Marques, Pedro Gomes Mala,
Marcelino Gomes Maia e Manoel Lourence Gomes.
Sahidos para o sul no mesmo vapor :
Dr. Joio Pinto Machado Portella, Manoel Taeo
tonio, Alfredo Duprat e Dr. Joaquim Aurelio Na-
buco de Araujo.
Sabidos para o sul no vapor francs 1
de Prnambueo :
Augusto E. de Castro Fonseca, Pelix Antonio
Dantas e sua aenbora, Theodorico Custodio Ma-
chado, Manoel S. Nanea Machado, Francisco Pas
J. Q. de Figueiredo, Emilio Wanderley o Caeta-
no Pedro Pereira.
Ca de BeteneoMovimento dos pre-
sos da Casa de D-teuco do Recite no dia 28 de
Setembro de 1387
Existiam 377 ; eotraram 4 ; aahirasa 6 ; exis-
tem 375.
A saber :
Nacionaes 350 ; mulherea 9 ; estrangeiros 9 ;
eecravos sentenciados t ; dem processado 1
Total 375.
Arrayados 355, sendo :
Bons 333 ; doentes 22.Total 355.
Movimento da enfermara :
Teve baixa :
Mara Evangelista dos Santos.
Lotera de Alasoaa-A Casa Felis de
Santos Porto, venden da 2 parte da 20* lotera,
extrahida hoje, 24 do correte, a sotte de 40:0004
no n. 12944, a sorte de 100*000 e nos ns. 5431 e 8937
Tendea as approximacoes da sorte grande de
HOfooa
Lotera do Espirito SantaEis os
nameros premiados da 3a parte da 4a lotera, em
beneficio da instraccao primaria, extrahida eos. 23
do corrate:
5998 50:(10)i000
1251 10:000*000
6628 4:000*000
8783 2:000*000
5^90 l:u00JO09
90*0 1:000*000
Estao premiados eom 500* :
2019 3481 8588 9402
Eatio premiadas i-tn 2004 :
|1102 1720 1749 307 3130 3668 6194 6618
7451 9234
Estao premiados com '00* :
118 638 813 825 925 1506 1729 2063 2627 2668
2919 3231 3981 4961 5>91 5576 6709 7411
7538 7789 8207 8791 8866 9082 9106 9350
Appruximacdea
oom 100* excepto o premio de 2:000* e as appro-
8 e 1 estio
5997 1:000*000
59'9 1:000*000
1250 500*000
1 52 &O"*O00
6627 300*000
6629 300*000
8782 230*000
8784 2O*000
Ot nmeros d 5991 a 6jO estao
premiados
tem 100* exeepto o premio de .10:000* e as ap-
proximacVs.
Os nmeros de 1S51 a 1260 ato premiados
eom 100* exeepte premie de 10:000* a as ap
proximaces
Os nomeroe de 6621 a 6680 estao prami
100* excepto o premw de 4;00O*
giles.
Os nasteros de 8781 a 8700 esli premiados
oom
asproxi-
ximaooes.
Todos os nmeros terminados em
premi ados com 20*.
Extraccoes instraoaferiveis todas as sextas
friras.
Lnieria do ro-ParEia os premios
da 2a parte da 13a lotera do Gro-Par, extrahida
em 24 de Setembro:
15449 120:000*000
18U9 30:000*000
14319 12:000*000
2050 6:001*000
1465 3:000*000
Eatio premiados com 1:500*000 os seguintes
aumeros:
6780 11164 15034
Estio premiados com 600*000 .* seguintes:
4162 5548 6069 6260 7253 10244
Estio premiados com 300*000 os seguintes :
898 4737 14279 15171 17080
2204 10452 14817 15794 19310
Approximasoes
15448 1:500*000
15450 1:500*000
18828 600*000
18830 600*000
14318 150*000
14320 150*000
Os nmeros de 15441 a 15450 estio premiados
com 150*000 inclusive o da sorte grande.
Os Dameros de 18821 a 18830 esto premiados
com 90*000 inclusive o da sorte de 30 con os.
Os nmeros de 15401 a 15500 estio premiados
eom 90*C00.
Os nmeros de 18801 a 18900 estio premiados
com 6U*0iX>.
Os nmeros terminados em 49 estio premiados
com 60*000.
Os nmeros terminados em 29 estio premiados
eom 60*000.
Todos os nmeros terminados em 9 c 0 estio
premiados com 30*000 excepto os terminados em
49 e 29.
A seguinte lotera corre no dia 28 do corrente,
com plano de 100:000*000.
Loterlaa diversas-A Casa Felis, de A.
A. dos Santos Porto, na praca da Independencia
ns. 37 e 39, tem a venda os bilhetea das seguintes
loteras :
Espirito-Santo : A 4a parte da 4a lotera,
cujo premio grande de 50:000*000, pelo novo
plano, se extrahir no dia 30 de Setembro impre-
terivelmente.
Alagas: A 3.a parte da 20.a lotera, pelo
novo plano, cajo premio grande de 40:000*000,
ser extrahida no dia 29 de Setembro, as 3 ho-
ras da tarde, impreterivelmente.
Provincia : A 10a lotera, pelo novo plano,
cujo premio graade 12:000*000, se extrahir
quando for auuuuciada, s 2 horas da tarde em
beneficio da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife.
Do Cear : com o premio grande de.......
40:000* (novo plano) ser extrahida bojo 25 do
corrente.
Bilhetea de loteras)Em mi do agen-
te Bernardino Lopes Alheiro acham-ae a venda oa
bilhetea daa seguintes loteras:
Do Bapirlto-Saato : A 4* parte da 4a lote-
ra, cujo premio grande de 50:000*, pelo novo
plano, ser ext. ahida no da 30 de Setembro, im-
preterivelmente.
Do Cear : com nm importante plano, cujo
premio grande de 40:000*000, ser extrahida
boje 25 de Setembro.
o Oro-Para : A 7' parte da 12a lotera,
pelo novo plano, cujo premio grande de 100:000*
ser extrahida no da 24 do corrente, impreteri-
velmente.
De tlaioasi A 2.a parte da 20.a lotera,
pelo novo plano, cuja premio grande de........
40:000*000, ser extrahida no dia 29 de Setem-
bro, (quinta-feira), s 3 horas da tarue impre
terivelmente.
IiOteriadojfiro-Para A 7* parte da
12a lotera deata provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 10hOO*000, ser extrahida
na da 24 do corrente (quarta-feira) impreterivel-
mente.
Os bilhetos achuin-se i. venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Morco n. 23, de Martina
Fiusa 4 C.
Lotera do Eaplrlto Slanlo A 4* par-
te da 4a lotera desta provincia cujo premio grao-
de 50:000*000 ser extrahida no dia 30 de
Setembro.
Os bilhetea acharase veuda na Casa da For
tana roa Primeiro de Marco n. 23 Martin Fiu-
ss&C.
Lotera do CearEsta acreditada lote-
ra enjo premio ma'or de 40:000*000 ser ex-
trahida hoje 25 de Setembro.
Os biihetes acham-se a venda na Casa da For-
tuna roa Primeiro de Marco n. 23 de Martina
Fiusa & C.
Lwlerla de *lagua-A 3.* parte da 20a
lotera, pelo novo plano, cujo premo grande de
40:O00*O 10 ser extrahida no dia 29 de Setembro,
(quinta feira) s 3 horas da tarde, impreterivel-
mente.
Os biihetes acham-sc venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23, de Martina
Fiusa & C.
Lotera da provincia do Paran
A 27a lotera desta provincia,pelo nove plano, cu
jo premio grande de 12:000*000, se extrahir
no dia 4 de Outubro.
Bilhtea a venda na Casa da Fortuna, rus
Primeiro de Marco numero 23, de Martina Fiu-
sa & C.
Lotera de *. PauloEsta lotera cujo
premio grande de 9:000*000, sr extrahida m-
pretsrivalmente amanhi 26 do corrente segunda-
fn.ira).
Os bilbetesacham-se venda na Casa da Fortu
na ra Primeiro de Marca n. 23, de Martins
Fiusa & C.
Crmllerlo publicoObitaario do dia 23
do corrente :
Manoel Tavares de Mello, Pernambuco, 50 an-
cos, casado, S. Josa ; leaio cardiaca.
Joio, Pernambuco, 8 annos, Recife ; hemorrha-
gia cerebral.
Manoel Mana Ferreira Leio, Pernambuco, 25
annos, solteira, Boa-Vista; anemia.
Joio Jos Vieira, Pernambuco, 52 annos, casa-
do, Boa-Vista; cacbexia cancerosa.
Joio Francisco da Silva, Pernambuco, 22 an-
nos, solteiro, Boa-Vista; erysipella.
Mara, Pernambnco, 7 horas, Boa-Vista ; as-
phyxia ao nascer.
Deocleciano, Pernambuco, 19 meses, Boa-Vista;
anemia.
eatabeleciment de oaridade, todas as ter-
gas-feiras pelas 8 horas da manha.
Clnica medica
O Dr. Matheus Voz, de volta de sua via-
gem, contina no ezercicio de sua proas-
sao, para o> que ser encontrado de 11 ho-
jas da manha s 2 da Urde na roa do Ba
rao da Victoria n. 32, 1." andar e em ou
tra qualquer hora ra da Prinoeza Isa-
bel n. 6.
O Dr. Barros tiuluarei
Pode ser procurado em bou escriptorio a ra
1. de Margo n. 4, 1. andar.
O baeharel Bonifacio de Arago Faria
Rocha continua a encarregar se, mediante
previo contrate, de questSes parante os jui-
ses desta cidade e os das comarcas visi-
nhas. Poder ser procurado em seu es-
criptorio ra do Duque de Caxias n. 50,
1. andar, das LO horas da manha s 3 da
tarde.
(odiar braallelro
De A. M, Veras & C. garrafa 19000,
descont de ib [. em duzia na fabrica.
Coliea;lo Speneer
Estabeleuimedto de eduuagao primaria e
secundaria em Jaboat&o, sob a direceo de
Jos de Oliveira Cavalcante.
Ds-ogarla
Francisco Monoel a Silva & C, deposi-
tarios de todas :-s especialidades pharma-
ceuticas, tiotas, drogas, productos chimi-
cos e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
D roparla
Faria Sobrinho & C, droguista por
atacado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Herrara a vapor
Serrara a vapor e officinas de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Neste grande eatabele-
cimento. o primeiro da provincia neate ge-
aos
ero, comprase e vende-Be madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de oonta alheia, astiim como se preparam-
obras de carapina por machinas e por pre-
go sem competenciaPernambuco.

PUBLIACOES A PEDIDO
INDICARES DTEIS
tedeos
Dr. Barros Sobrinho d consultas da
meio dia 1 1/2 na ra do Bario da Vic-
toria n. 25 por cima da Pharmacia Fran-
ceza, e das 2 s 4 na ra do Vigario n. 4.
l.e andar-
O Dr. Lobo Hoscoso, de volta de sua
viagem ao Rio de Janeiro, conntia ne
oxercicio de sua profissSo. Consltuas das
10 s 12 boras da manha. Especialdadee
eperagoes, parto e molestias de sen horas t
meninos. Roa da Gloria n. 39.
Dr. Barreta Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra O Barao da Victoria, n. 51. Resi
dencia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Catiro Jenu tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia roa do B. de S.Borj a n. 26.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A
Consultos das 11 horas da manha s 2 da
tarde. Especialidade: molestias e opera
u6es dos orgaos genito-urinarios de homem
e da mulher.
Dr. Joaquim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, Io
andar, de 12 s 2 da tarde retidancia no
Monteiro*
O Dr. Santa Rota medico o Arrio de
Pao dMho
ASSASSINATO DO TENESTE MANOEL IGNACIO
CAVALCANTE DE ALBOQOERQE.
IV
O habeas-corpus
O publico imparcial, que nos l e escu-
ta, coroprehende nossa intengSo, quando
publicamos os depoimentos ouvido no in-
querito policial e no juiza da formagio da
culpa, no intuito de ser descoborta e ca-
racteris .d a autoria do brbaro assassina-
to do infeliz teaent-j Manoel Ignacio, e de
verifioarsa a imputabilidade argida ao
mandante -Joio Carneiro da Motta Sil-
veira.
E sobre taes actos, o espirito mais es-
crupuloso j elimiuou a ultima pa celia de
duvida, que, porventara, o dominaase.
A verdade se fez, e impoz-se na lgica
irresistivel de factos, que, provados, attes-
taram logo suas causas offi dientas e gara
doma.
Pois bem ; quando a sociedade indigna-
da espera a reparagSo de un crime, quan-
do a Id quer e insta por seu desaggravo,
a figura sombria de um velho magistrado
parece, zombar de tudo, at mesmo da
propria couscien .-ia, perante o hercleo es-
forgo e desembarago da evitar a punig&o
ao culpado Joio Carniro. chamando o,
at, innocente, quando reo de atroz as-
sassinato, e viruoso, quando reo de per-
jurio e falsidade !
E' incrivel, mas est escripto; e a eon-
seieneia publica o atiesta.
D'ahi, s, se nos affigara que o velho
magistrado, sentindo o desequilibrio das
faculdades mentaes, victima inconsciente
desse desatranjo em provito do advogado
do criminoso, que, calgando alto cothurno,
esmaga a lei, arrastando na via da mais
dolorosa proteegao a justiga e outras insti-
tuiyS S SOciaes I
S assim se poder explicar tamanhas
calamidades p lo procedimanto da um juiz,
que declara, em altas vozes, as ras, na
imprensa, e nos estabolecimentos, que Joo
Carneiro, mandante do assassinato de Ma-
noel Ignacio, um innocente, e lhe conce-
de habeos corpas preventiro com o privi-
legia (?) de somonte ser preso depois de
pronuncia, ou sentenga condemnatoria!
Ainda nao sabamos de tanto : aprende-
mos, porm, mais esta novidade jurdica
com o Dr. Amorim, que, na qualidade de
juiz de direito desta comarca, parece-nos
querer reformar a organisagao jurdica.
S assim poder se-ha comprehender o
extravagante habaos-corpus, que acea a
liberdade do scelerado JoSo Carneiro.
E porque nao comprehender por seme-
lhante meio, se a luz dos factos sao nos
conduz ?
Eatude se o crime, attendendo-se chro-
nologia dos termos do processo criminal,
e comprehenda-84 a organisagSo jurdica,
que nos rege, dar-se-nos-ha, corsamente,
razSo e muita razSo no modo de pensar,
que levamos.
Nos nada pedimos, o espirito publico nos
dar razao sobeja : tponte sua.
E por certo.
Dado, a 26 de Julho do corrente anno,
o assasBinato do infeliz Manoel Ignacio, e
quando ainda se abservava as agonas da
victima as mais dolorosas convulso" -a ;
iodignagao publica, que se levantou de
plorando urna desgragada vinganga, indigi-
tou, logo, Jco Carneiro, como mandante
do assassinato.
Entao a pJicia veio cumprir o seu de-
ver : viatoriou o cadver, e iostaurou o
inquerito.
Ahi foram ouvidas oito testemunhas, e
a consciencia publica sabe os depoio.en-
tos.
Cada um delles prova bastante, que
Jo&o Carneiro, uni-o inimigo do subdele-
gado Manoel Ignacio, o mandara assassi
nar pelo escravo Joaquim, quera dra ar-
mas, e prometteu dinheiro e alforria.
Pois bem : concluido o inquerito, se li-
sera a remessa para o honrado Dr. juiz
municipal, que mandara dar vista ao mes-
mo inquerito ao illui-tre Dr. promotor pu
blico, para se requerer o que fosse bem
dos interesses da justiga.
O seloso funoeiuaario, porm, depois de
pesar os depoimentos e de estudar as dili
g-ncias do inquerito, viatoriou circumstan-
ciadamente o facto, e deouncieu, em data
de 5 de Agosto do corrente anno, a Jo&c
Carneiro da Motta Silveira, como i ocurso
na disposijlo de art. 193 do Cdigo Cri-
timagSo do denunuiado para assistir
termos da culpa, que sa ia formar.
A' procedimento tle correcto, na qual se
descortina a-verdadeira orientogo juridica-
criminal a par de prudente applicagao das
leis do prooesso, Jo3g Carneiro, apavoran-
do-se com o espectro do orime e sentindo
mordar-lhe a estragada ooosciencia, bus-
cou um salvaterio no hbil recurso de ha-
beas-corpus, talvez resoivido, em conselha,
por seu advogado, e madiaute o fiat da
pretecgSo, quo lhe dispensa o Dr. juiz de
direito.
Ent3o, j denunciado perante o juiz mu-
nisipal, o acelerado Joao Carneiro derige
a seu protector, o juiz de direito, urna pe-
tigSo, na qual, contando ser perseguido por
inquerito olandeatino acerca do assassinato
do infeliz Manoel Ignacio, solicita um sal-
vo-conducto, um habeas-corpus preventivo,
um bil de. impuoidade I
E para isso tornou se necessarioo sa-
crificio dadisposigao do artigo 18 1 da lei
de 20 de Setembro de 1871.
Mas o juiz de direito n3o recusa va, a,
fingindo cubrir-se com o veo da mais te-
nue honestidade, despachou a petigSo.t O
impetrante comparega hoja a urna hora da
tarde para ser interrogado afira de ser at
tendido no que for de direito. O esen-
v&o cumpra o seu regiment. Pao d'Alo,
14 de Agoste de 1887. Amorim
Era o principio do escndalo.
E Jo3o Carneiro, acceitando o convite
de seu protector, compareoeu na hora
marcada.
Reunidos o valido criminoso, e o protec-
tor, juiz de direito, seguio caminbo o es-
condalo, jurando Joo Carneiro, o qua al-
legara em sua petigao.
Era mais um escarnio s leis divinas e
humanas; era mais um insulto Divio
dade 1
Depois do juramento, o juiz de direito
qnalificou o seu protegido, perguntando-lbe
pelo nome, naturalidade, estado, profissao,
etc.; e depois interrogaalo-o sobre o fac-
to, Joao Carneiro diase ser innocente na
morte do tem rite Manoel Ignacio, que fora
assassinado por Joquim Anselmo e final-
mente que era victima da urna perseguiedo,
que travara a polica, por via de clandes-
tino (Il inquerito, como em prova de hon-
rada palaora, offerecia o testemunuo da
doua amigos I
Magnifico !
Foram ouvidas os amigos,que saoj:
Ia testemunba.
Joao ribeiro Pessoa de Oliveira.......
disse que conhece o paciente (Joao Carnei-
ro) como homem de bons costumes (!! ) e
incapaz de cammeer qualquer acto sensivel
quanto mais o crime de que a traa, em
que conviccd.0 delle testemunha nao ter
paciente parte alguma directa tnem in
directamente, porquanto a morte do tenente
Manoel Ignacio teve por nico motivo a pri
sao do escravo Anselmo, como i publico e
notorio nesta cidade.
2a testemunba.
Jeronymo Olimpio Cavalcante da Albu-
querque .. dissa qua conhece o pa
ciento (Joao Carneiro) que homem de
bons costumes e in -apaz de praticar (pas
vras j proferidas pela 1* testemunba, pa-
reoa que hou^e couaoioagao) o crime de
que se Irata ou outro qualquer, e que sabe
n3o ter ella tido parte na morte do tenante
Manod Ignacio, sendo esta deviia a pri-
so que tizer i a mesmo Manoel Ignacio
ao escravo Aaaelmo. >
Taes foram os depoimentos, que en
abono do sua palavra e allegagScs, offere-
cera Joao Carneiro, no intuito Je facilitar
os meios prra o haheae-eorpus.
E juiz de direito, que tudo preparara,
aceitan os meio como honestos e legaes,
concedendo afiaal o habeas-corpus na impa-
gavel sentenga, quo traosureveremos para
attestar o escarneo da lei, e servir de pas-
mo aos doutos.
Eis a sentenga :
c Em vista do que allega o impetrante
Jo3o Carneiro da Motta Silveira em sua
petigao de folhas 2, de habeas-eorpus pre-
ventivo, nao s pelo interrogatorio de fo
Ihas como pelo depoimento das testemu-
nhas de folhas e folhas, e inquerito feito
pela polica (onde est o inquerito ? No
processo de habeas-corpus n3o consta < v-
se que soffre prisao em sua liberdade e a
ameaga que se lhe tam feito de ser preso
pela iraputagao vaga de um crime imagina-
do, isto de ser o impetrante mandante
do assassinato do subdelegado Manoel
Ignacio Cavalcante de Albuquerque, pra-
ticado pelo escravo Anselmo, em occasiao
que o referido subd elngado o prenda em
urna venda, e sendo eata bypothase (a da
venda ?) prevista pela lei de 20 de Setem-
bro de 1871, em que no art. 18 Io par-
mitta o pedido e conuessio de ordem de
habeos corpus ainda quando o impetrante
nao tenha ebegado a soffrer constrangi-
mento corporal, mas se v ameagado delle,
e considerando que as declaragoes sao
verdadeiras (poder nao) e bem fundadas ;
considerando qua a favor da liberdade do
cidadao n3o se deve recusar nanhuma ga-
ranta tanto mais quanto o impetrante
i allega (e basta?) n3o haver comettdo
crime algum e nenhuma prova ka em
.ootrario : concedo a pedida ordem de
habeos corpus e em virtude della mando
que seja mantido o impetrante em plena
liberdade e que p -lo facto, que sa lhe im
puta nSo posaa ser preso seno em virtude
de pronuncia, ou sentenga condemnato-
ria : pagas as custas pelo mesmo impe-
trante O escrivo oupra seu regiment.
Pao a'Albo, 15 de Agosto de 1887. -Anto-
nio Jos de Amorim.
munhas, em grande numero, tanecionando
o promotor
Toda esta verdade, porm, se calla para
conceder sa um habeas-corpus Ilegal, sob
falsa iriterpretaglo do $ 1 do art. 10 da lei
citada.
Abi, certo, que o legislador sreou o
habeos cor pu preventivo pira quem ae
a cha ameagado da constrangimento illegal.
Mas sena Ilegal constrangimento a pri-
sio, que, por ventura, decretas-; o juiz
formador da culpa, depois de ouvir duaa
ou mais testemunhas, em processo de cri-
me inafiangavel ?
Nao, cortamente : a priao era legal, por-
quanto ahi est a disposiyao do art. 175
do cdigo do processo, a qual, estabelecen-
do os elementas para a prio preventiva,
nao foi rev-gada pelo art. 18 da lei de 20
de Setembro.
Essa a verdadeira intelligencia das
leis que regulam a espacie.
Do contrario qualquer criminoso, por
mais brbaro que fosse o delicio e por me-
nor seguranga que offerecesse, poda ser
solt por habeas-corpus ou mantido em sua
liberdade pele mesmo recurso, simplesraen
te concedido par alta recreagao do juiz,
hierarchicamente superior ao juiz proces-
sante.
O Supremo Tribunal da Ralaclo, por
exemplo, poda mandar soltar por habeos
9 Dr. Tito Celso Crrela Cesar
Embarcara asottm no Espirito Santo* essa
destino ao termo de Palmeira, no Rio (irraieia
Sal, o Dr. Tito Celso.
A comarca de Palmeira ir ter o modela da
magistratura do pais ; ir coohecer de prts saa
carcter invfjavel e respeitado; ir finaltseacs
raeeber em seo seio o Ilustre jais que pelo sea
talento e elevados dotes tem sabido eonqaistsrre-
ral sympathia de todos.
Na Academia a ana passagem, qne Mr asa
pagiaa luminosa, ebegara ao apogi de glorias.
as comarcas de TaoMrat, Ouricury Granito,
termo reunido, o seu nome acha-se nielevelausAs
gravado no cotacao de tudas.
A justica sempre triurophoD, em represalia ds
braco armado ds sicario ; e ahi est a celesta
tragedia de Jat jo, onde, se nao rsra a intrpidos
s o braco possante d Dr. Celso na vindicta da
justica, maior teria sido certamente o numero das
victimas. A honrades, o criterio e a justiga era
sempre os principaes motores para a nansa as
seu proeedimento.
Como amigo e como pai extremara, ahi est a
opmio pnblica d'aqu.-lles que com elle coat
viam.
Ao seu embarque comparecern! diversos asti-
gos que foram render ainda as mais deinoastrati-
vas provas de apreco e elevada cooaideracJU asi
que tido o Sr. Dr. Tito Celso.
r elizes ventos o cuuduzam ao porta do sea des-
tino ; e que i, entre seos jurisdiccionados, seja
sea nome sempre respeitado e moiortiilisado para
gloria da felis ad'ninistrucSo do E:m. Sr. coate-
Ihoiro Mac-Dowell.
Que cal^amento
O lastro de pedra da ponte da Boa-Vista, que a
des dias se acabou de faser, j tem muitas po-
dras fra dos seas lagares, e outras muitas friaxas
quasi fra do ladrilbo. Se em des dias ja se d
isto, quando tiver um mez de servico o que naa
estar ?
E' vergonhoso ver como se gasta o dinbeirs da
provincia ou do Estado em obras percas coatt
aquella.
Senao houver providencias a cousa vai a pasto
de ser preciso novo concert em meaos de dsaz
meses.
Um obiervador.
O que fsu
o oleo de osado de
ralbu 1
corpus, ou concedel o preventivamente, a
todos sammariados sob a jurisdegao dos
juizes de direito.
O mesmo faria o Supremo Tribunal de
Justiga.
Que absurdo I
A' isso, porm, conduz n habeas corpus
preventivo, que ao summarado Joio Car-
neiro conceden o Dr. juiz de direito, reti-
rando as attribuig5es legaes ao juiz muni-
cipal e ao promotor, e extinguiado as leis
da organisagao judiuiaria-
Dellas, sabido, que o legislador creou
as comarcas geraes, e concedeu aos juizes A resposta depende da qualidade do genero. <
municipaes as attribuigS-is de cenhecer do (oleo pur> mediciual de figndo de batalho, de
preparo dos crimes communs, at a pro-
nuncia, inclusive.
Pois bem ; aemelhantea attribuig3es fo-
ram usurpadas polo Dr. juiz de direito,
quando dez dias depois de denunciado, e
proseguindo os termos da formagao da cul-
pa ante o juiz municipal, conceder ha-
beas-corpus preventivo a Joio Carneiro,
para o juiz formador da culpa sentir em
baragos no ezercicio do nobres e augustas
funcg5c8.
E por isso foi dado o habeas-corpus Ile-
gal, e viute e um dias depois de sua con-
uessao o juiz de direito recorreu para o
Superior Tribunal, usando porm de data
atrazada, pela qual se verifica alm de pro-
teegao a um criminoso, o crime de falsida-
de, que commettera esse juiz sem escr-
pulos de ver em perigo a digoidade do ho
mem particular.
A prova de mais esse crime, nos possui
mos em urna certidao, datada de 16 de
Agosto, e na qual acbaado-se o tbeor ver-
bumad verbum do processo de habeas-cor-
pus, n3o consta o rocurao neceaaario da
sentenga do mesmo habeas-corpus concedi-
do a 15 de Agosto, como veritcou o leitor
na seotenga, que cima transcrevemos.
Mas o Dr. juiz de direito, que proclama
Jo3o Carneiro innocente o j Ibe deu ha
beas-corpus, pouco se vexa com os crimes
que commette.
< A' sua alma, sua palma.
E basta por hoje.
Pj d'Alho, 22 de Setembro de 1887.
Themis.
Consurnmou se o escndalo !
E a sentenga que acabamos de tranaere
ver, a prova mais eloquento do nosso
avango, pois que, a parte a redagSo e con
fusio a principio de soffrer pri$&o em tua
liberdade, e aneacr uue se lhe tem fto de ter
preso (que embroglio!) o uiz de direito
deixa ver claramente o internase pela im
punidade do taccinora Jo2o Carneiro !
Mas nem os fundamentos da petig&o de
habeas-corpus, e nem a lei invocada ampa-
ran) a ezdruzula seotenga.
Joo Carneiro nunca foi preso, e nunca
fo pers-guido, quando, alias, o illuatre de-
legado de polica, ouvindo duaa testemu-
nhas, no inquerito de crime inafiangavel,
poda requi-itar-lhe a prisS, como precei-
ta a dispoaiglo do art. 175 do eodigo do
processo criminal.
Mas isso que era legal oto se fea, asmo
Mondicidade, vacciaar as peesoas que Iminal combinada com a disposiclo "do art. I como nlo se fas clandestinamente o inqne-
para esse fia a appresoatarem n'aqaeMe '4 do mesmo Cdigo: requerendo afinal in-'rito policial, no qual foram ouvidas tests-
Cal Virgem de Jaguaribe
ATTESTADOS
Attesto que tendo feito uso da Cal Virgem de
Jaguaribe no fabrico do assucar tenho me dado
bem, e por isso a considero to boa como a estran-
geira.
Egenho Moricoea, 3 de Mtio de 1887.
Christovao Jos da Silva Lina.
Attesto que tenho feito uzo da Cal Virgem de
Jaguaribe no fabrico do assucar tendo m? dade
muito bem, fazendo bom assucar, pelo qua consi-
dero a superior a de Lisboa, e deve ser preferida
nao s pelo seu mdico e fin preco como por ser
genero nacional.
Engenho ibir Orande, 3 de Maio de 1887.
Manoel Ferreira da Silva Lina.
Attesto que na cclhei'.a di safra passada, por
mim feita nu engenho Oriental, fiz uso da Cal de
Jaguaribe e ohtive excellente resultado nao s
na qualidade do assucar fabricado, como tambem
no nnmero de paes, pois cum urna s barrica de
cal ebegaei a faser mais de 600; sendo portante
para mim de grande vantagem o sea azo.
Engenho Oriental, 10 de Maio de 1887.
Jos Cavalcsnte Paes Barreto.
Attesto que fazendo uzo da Cal de Jaguaribe
no fabrico do assucar, dei-me sempre muito bem,
pelo qne considero-a to boa quanto a de Lisboa.
Engenho Piabas de Cima, 27 de Junho de 1887.
Francisco Lopes da Fonseca Lima.
Refiro-me ao attestado infra.
Engenho Bom Desiino, 27 de Junho de 1887.
Antonio Lopes da Fonseca Lima.
Attesto que tenho feito aso da Cal Vigem de
Jaguaribe no fabrico do assucar e me tenho
dado bem pelo que considero-a to boa quanto
a de Lisboa, havendo mais a favor o preco fixo e
a vantagem no frete da estrada de ferro.
Engenho Cimorim, 18 de Junho de 1887.
Jos Antonio de Mello.
Attesto qne tenho asado da Cal de Jaguari-
be no fabrico do assucar, tendo tirado excellente
resaltado, pelo que considero-a superior a de Lis-
boa nao s pelo seu baixo preco, que est em rea
ci com a baixa do assucar, como por ser um pro-
ducto nacional, que deve ser protegido.
Engenho Pa> Amarelln, 4 de Agosto de 1887.
Joio de Hollanda Cavalcante.
man & Kemp, extrahido dos figados frescos de pa-
xe acabado de colher, t-m verificado taes curas de
tysica, complicada,com escrfulas, que seria asi
rtiffioil encontrar iguats nos annaes da medittas.
Tanto nos hospitars -:oino na pratica privada,
dss mdicos os mais distiactos, os doentes exte-
nuados e apparentemente desengaados em coase-
queacia de se V rem atacados dos casos maia aja-
dos das enfermidade* du pulmo ou da garganta
restabeleceram-se cum o seu uso, com urna rapides
tal, que os profess res de medicina coafcssain qsc
nao tem parallelo em sua experiencia. So o essass
nos permiUisse apresentar aqu os casos de curas
transcriptas par dicos mdicos e extrahidos desase
memorias, assombrariam os leitores. Nil d nprris
dum. Nunca desesperis emquauto tiverdes as
este remedio puro o incomparavei as caras das
affeccoes pulmonares. E no entanto elle se Ssfcs
sempre ao vosso alcance.
Enei/ntra-se venda em tod^a as pharmacisss
drogaras.
Agentes em Pernambuco, I?ary Forster t C.
ra do Commercio n. 8.
I'ourumina da Osla du fteatior Bssst
lesas dos \IIIicioi, na Isr.-ja de .
(os de Hlba-Har nu dlaCSdo eer-
rrnle.
i ), 24, ao meio dia, ser annunclada com osas
salra diversas gyraudolas de fogos do ar, tocas-
do nessa ocaasio a iubigae baoda marcial 4a
Carpo de Poiicia. A's 7 boras da noite, terjlsgar*
ultimo setenario.
A's 4 1|2 horas da' madrugada de 25,ser rosa-
da urna uiissa no altar du Bom Jess em teofo
dos irmos e devotos que coocorreram com o sos
bolo para a testa, depois du que ser annuncias
tai faustoso dia com urna salva e diversas gyraa-
dolas de fogos do ar, tocando a oiesma banda.
A's 9 horas da manha ter lugar a misaa reta-
da do Arsenal de Guerra com asaistencia des ase-
ores.
A's 11 horis, depois das tercias entrar' a testa,
sendo a msica da missa a denominada 8aatissi-
ma Trindade, a cargo do no^so illusUe irmo Jas
Tavares de M- deiros, sendo cantado o solo Doasi-
ne Deas pe u Illm. Sr. Aotonio Teixeira Carvauw
Lisboa, e os melbores profesores, no Evangelko;
Ocnpar a tribuna sagrada o insigue pregador
Revm. coaego Antonio Eustaquio a ves da Silva.
que far o panegrico do nosso Divino Padroeira,
A tarde tucarao no pateo da igreja que se acfcs
ornamentado cem bandeiraa| as bandas marcieses
do Carpo de Polica e menores do Arsenal it
Guerra, soltando-se nessa occasio diversos balos
aerostticos.
A's 7 horas da noite subir a tribuna o pregador
da capella imperial o capello capito o Bevaa,
dre Leonardo J o Grog.-, em seguida entrar
o Te-Dcumcom a musir d -n mina !a Rio de Js-
oeiro.
A igreja acba-se ornada a capricho pelo as
digno artista e nosso irmii Bartholomeu Valects-
uj da S Iva.
A' noite, ra e.'pateo da igreja, sero i Iluminadas
com ama bonita a vistosa illuminaco a (iotas
feita a cepriebo por prestrnosos irmos e devotos;
depois do Te Deum soliar-se-ha um balo aeros-
ttico com o qual dar fim a festa.
Consistorio, 23 de Setembro de 1887.
9 escrivo,
Miguel dos Santos Costa Juoigr.
Attesto que usando da Cal virgem de Jagaa-
tibe so fabrico do assucar, encontrei resultado
satufatcrio.
Engenho Mangaioho, 26 de Agosto de 1887.
Antonio Santiago Paes de Moli.
Tendo feito uso da Cal de Jaguaribe, duran-
te a safra prxima passada. declaro que nao fas a
menor difierenoa da de Lisbsa, o deve ser preteri-
da pelo sea baixo proe >.
Engenho Araruo, 37 de Agosto de 1887.
Manoel Joaqnim da Pas.
Attesto que usei da Cal de Jagseribe, no fa-
brico do assucar, e acbei qae ella de muito boa
qualidade ; nao notando difi' renca alguma para
peior compaj-ntivamedte eom a de Lisboa.
Eugenbo Boa Lugar, 3>l de Agosto de 1887.
Joaquim Francisco Pereira.
Attesto qae fis aso da Cal de Jaguaribe so
fabrico do assucar e me dei muito bem ; acho qae
deve ser preferida por ser genero nacional o de
preco fixo.
Engenho S. Miguel, 30 do Agosto ds 1187.
Aotonio Jos Martina da Silva.
Festa da installa^o do Instituto
Primarlo para crianzas cgas
Bl't VE MI i V 36
Ter lagar, domingo 25 do corrente, pelas 7
horas, da noite, Solemne ustallacao deste Insti-
tuto, dirigido pelo hbil protessor do Imperial
Instituto de meninos cgos da ctte, o 8r. Fran-
cisco V. Coelho, e administrado p -lo director da
collegio o Sr. Julio Soares de Azevedo.
Constar a installacao de urna exposico dos
spparelbos, pelos quaes os cgos lto e esorevea,
com a presenca do respectivo profesor, mostran-
do e explicando a forma pela qual os cgos ap-
prendem. 3
Depois entrar nma sesso litteraria, sob a pre-
sidencia do um. Sr. ccns^lheiro Ur. r'into Jnior,
na qual tomam parte diversas oradoras e orada-
res i ilustrados desta capital.
Sao convidadas todas as sociedades litteranss
e scientificas desta prsv:ncia, e as Exmas. fasst-
lias para aseistirem esta festa de lettras, e de es-
grandecimento para a nossa querida patria.
S ter entrada as familias, e cavalheiros de-
centemente vestidos.
Domingo, 25 do corrente, pelas 7 boras da noi-
te, ra Velha n. 36.
Director do collegio,
Julio Soaret de Asevedo.
Protessor dos cgos,
Francisco V. Coelht.
EXTERNATO
Para 19 Meninas
21 RA DO HOSPICIO 21
Looont paticulires de frsocsis o |d'aaglaii
Tosse rom escarros de sanease
Um honrado negociante do Cerro Pellada, sai
eipio de Pelotas (Rio Grande do Sal), achmdo
gravemente atacado de urna enfermidade pala
nar. tossindo constantemente e algumaa vezas r
escarros de sangue, vio sua si.de recuperada i
o ose de alguna frascos do Parmaj, os Caira ns*.
Esta maravilhosa cura assim at testada peto
exenf. rmo, que boje eoaa a maia lavejavel aaide:
Illm. Sr. Jos Alvares de Sonsa Soares.
Matas
Soffrendo h.% tres annos de urna toase pssxssss
com escarros de sangue, com carcter de umasas-
lestia pulmonar, e depois de todo o mando asjsi
julgar-pie p-rdido, resolv tonar o sea grande re-
medio Peitoral de Cambar, e logo a toase fot de-
clinando, deixando de d itar maia sangue, as for-
cas foram revigoraodo se e hoje, gracas a Deas,
acho-me perfeitamente carado.
P le faser o aso qae qaisor desta miaa tras-
ca declaraco e creia-me, etc., te.datos* Las*
de Oliveira.
O referido medicamento acha-se vasas as
sgencia a cargo doa Sra Pranctaes
da Silva ft C, roa Marqu-z d'Olinda a. %
Frasee SdoOO, meia dasia 13* e dasia 94d.
A agencia rrmette a quem pedir, eondicoot M
presaos para aa vendas por atacado.
*

t
od


A
Diario de Pernambueo-"Domingo 25 de Setembro de IS87


Pede-se ao honrad* magistrado Sr. Dr. Vicenta
Pereira do Eego, ae digoe responder a presente
""'pedindo sigeos, por bilhete, botina em con-
ganca para eseolher e comprar, e fieandc-se com
m pbr, tora on nao se aproptriado do calcado
alheio contra a vontade de seu dono por meio ar-
tificioso ?
Recife, 24 de Setembro de 1887.
Despedida
Nao podendo ir p-ssoalmente despedir me de to-
do* 'S meas amigos desta capital, e das comarcas
de Tacarat e Ouncury, o faco pelo presente offe
recendo-lhes no termo de Palmeira do Rio Grand-
do 8ul onde irei desempenhar as fuoccoea de juii
municipal e de orphos, meas sinceros e dimiuutos
vestimos
Rtcife. 25 de Setembro de 1887.
Tito Celso Corris, Cesar.
Conferencia abolicionista
A 19* conferencia, das promovidas pelas socie-
dades Unio Federal Abolicionista e Pernambu-
eana Contra a Escravido, ter legar no domin-
go, 25 do c irrente, 1 hora da tarde, na theatro
das Variedades.
Com a maior gentileza eocarregou-se dessa
onf rencia a Exma. Sra. D. Mara Amelia de
Queiroz Sodr da Mofa.
Enunciar daqui o sympathico nome da gentil
seiborH, de certo bastante para que o resultado
da conferencia, mais do que o de todas as outras.
seja traducido em um inmenso beneficio raca
escravisada ; tanto mais quanto para honra desta
provincia ser primeira vea que urna senhora
brasileira. respeitavel sob todos os ttulos, ha de
transmittir-nos da tribuna as mais delicadas eno-
oes da alma feminina em prol de urna raca que
tora 300 annos de inartyrio nj proprio solo da
patria !
E' do dever porm das sociedades promotoras
da c'inferencia, appellar para os elevados sent -
mentos de humaudade e espirito de eivilisaco e
progreeso deste publico generoso, e especialmente
da parte feminina da nossa sociedade, afim de que
todos se congreguen! em urna rcuuio imponente
digna a todos oa respeitos da Ilustre senhora a
intelligente poetisa pernambucana encarrilada
da conferencia.
Haver a parte recreativa do costume a cargo
de distinctos artistas dramatices e prefessores de
msica.
Secretaria da Sociedade Pernambucana Cintra
a Escravido, 21 de Setembro de 1887.
Adolpho Guedes Alcoforado.
secretario.
?
I ma muiher d'Austria
Perto da tata de Zilhngderf, na Aus-
tria Baixa, vive Maria Haas, uaia muiher
mtelligento e industriosa, cuja historia ie
soffrimento physico e ulterior alivio, conta-
da por fila em pessi, de interesse s
mulberes. u era empregada, diz ella, as
lides de urna lavoura. Trabalho excessivo
deu origom a dures de cabeja acompanha
das de desmaios e vmitos, at que por ul-
timo nilo poda reter no estomago alimento
on bebida. Vi me na necessidade do ficar
de cama por algumas semanas. Achaodo-
me um pouco inelbor com o descanco e
pcego, tratei de me dedicar ao trabalho,
porm cedo fui atacada por urna dOr no
lado, a qual dentro de pouco tempo pareca
que se espalhava por todo e meu corpo e
palpitava em todos os membros. A isto se-
guiose urna tosse e falta de respirarlo at
que por firn nao podia cozer, tive portan-
te de pela segunda vez me retirar canoa
e aegundo julgusi, pela ultima vea. As pes-
aoas de miuha amigada disseram-rne que a
roinha vez se estava aproximando e que eu
nao viveria senao at epouha de. as arvo-
rea se revestirem outra vea de verde. Por
eaaa occaeio aconteceu que um dos folhe-
tos da MSi Seigel ,ue veio s maos, Li-o
e minha cara mSi comprou-me urna gar-
rafa do xarope curativo da MSi Seigel que
tomei de aocordo com a prescripcSo, e
TELEHAHM1S
Servido da Agencia Havaa
LIVERPOOL, 23 de Setembro.
ASSUCAR:Meieado raimo, preeoa
tfndendo a balsar*
O de Pernambaeo n. 9. vende te A
ii r, por qulalal.
ALGODO .Mercado Orine.
FAJS de Pernambuco vende-ae
5 9/1 o d. por libra.
NEW-YORK, 23 de Setembro.
ASSUCAR.Mercado calmo.
FAIR REFIN1NG de Pernambaeo
vende ae a 4 13 i G cent, por libra
Agencia Havaa filial em Pernambuno,
24 de Setembro de 1887.
Bolita rvmfficrt ial
JOTACE8 OFFICIAKS DA JUNTA DOS COR-
RECTORES
Recife. 24 de Setembro de 1887
Acopes do banco de crdito real de Pernambuco,
valor realizado de JOJOMO a 80000 cada urna.
Acedes da companhia do Beberibe, valor de 100 f
a 1504 cada urna.
Na hora da bolsa
Vendrram-se :
25 acees do banco de crdito real de Pernam-
baeo.
17 accoes da Companhia do Beberibe.
3 ditas idem.
O presiaente,;
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeuz.
utimrniii nanearlo
BC1FE, 21 lie 9KTE1IBRO DE 1887
PRAQA DO RECIFE
Os bancos mantiveram firme a taza de 22 5/8 d.
sobre Londres.
Em papel particular fiseram transacepes a 22
11716 d.
PRAQA IX) RIO DE JANEIRO
Em todos os bancos a taza toi de 22 11/16 d
obre Londres.
Fiseram transseco-'s em papel particular a 22
7/8 d.
Ai tabellas expostas aqu foram estas :
Do Imuicioan.:
mal tinha acabado de tomar urna garrafa
quando comcoei a sentir me melhor. A
micha ultima doeoca principiou em 3 de
Junho de 1883 e continuou at o da 9 de
Agosto, da em que comecei a tomar o xa-
rope. Cedo comecei a trabalhar um pouco.
A tosse abandonou-me, e na experimea
tei mais difficuldades na respiracao. Acbo-
me agora completamente curada. E abi
quam feliz sou NSo tenho expretsSss bas-
tantes para mostrar a minha gratidao ao
xarope curativo da MSi Seigel. Devo
aqu dizer agora que os doutores do nos-
so districto mandarara distribuir annuncios
prevenindo o puolico contra esta medicina,
dizende que nenbum alivio produz e muita
gente foi iuduzida a destruir os folhetos Sei-
gel ; roas agora, quando se pode apanhar
um d'elles, guarda-so como urna reliquia.
Os poucos que escaparam sao pedidos em-
prestados para 1er, e o meu teoho-o em-
prestado a distancias de seis milbas vol-
ta do nosso districto. Tem vindo gente de
desusis milbas distantes d'aqui a pedir me
que lhea compre a medi ;ina para elles, isto
por saberem que foi ella que me curou e
por se quererem afirmar de que compram
o artiga verdadeiro. Maria Haas.
Acha se venda em todas as boticas
e lojas da medicina ora toda a parto do
mundo, e em casa dos proprietarios, A. J.
Whita, Limited, LondreB.
Depositarios na provincia de Pernambu-
co por atacado: Francisco M. da Silva
& C, na cidads ne Pernambuco.
Vendedores por retalho, na cidade do
Pernambuco, Bartholomeu & C, J. C.
Levy A L'., A. M. Veras & C, Rouquao-
rol Frras, Faria Sobrinho & C, e T. S.
Silva ; em Palmares, A. C. d'Aguiar ; e
em S. J>S.o da Igreju Nova, J. A. da Cos-
ta e Silva.
EDITIS
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Monte-
negro, commendaddr da Imperial Ordem
da Rosa, juiz de direito especial do com-
mercio desta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco par Sua
Magastade o Imperador a quera Deu9
guarde etc.
Faco saber aos que o pesen'e edital virem ou
delle noticia tiverem que se h* de arrematar por
venda a quem mais der em praca publica deste
juno de direito especial do coraraiTcio, depois da
respectiva audiencia do da 20 de Outnbro do cor-
rente anuo, o seguate:
Urna cas i terrea de peJra e cal em bom estado
sob n. 44 sita a ra da Amigada da freguesia da
(iraca dest cidade, com 5 metros de vo e 12 me-
tros 50 centimetro< de tundo tundo urna porta c
janella de frente, 2 salas, 2 quartos, corredor ao
lado e consinba externa com um pequeo sitio todo
murado e arborisado mediado 31 metros de frente
e nesgado para o fundo avaliado por um c- uto de
ris.
Urna oatra casa terrea de pedra e cal em mo
estado sob n. 47 ra das Pernambucanas da
mesma freguezia com 7 metros de vo e 11 metros
i 40 centmetros de f uudo, tendo 1 porta e 2 ja-
nellas em constraccao na frente e 2 salas e repar-
timent.) Cabido que a-rviu a 2 quartos. corredor
no cdnrro, cosioha interna ; a casa edificada no
centro de am terreno que meJj 14 metros de lar-
gura e cerca de 60 metros de frente ao fundo, todo
murado com grande cacimba de boa agua, tolo
proprio, avallado tudo por um cont de ris.
Vo a praca por execucjlo que move Antonio da
Silva Parias contra Jos Nuaes de Oliveira ou-
tro. E ni.) baveudo laceador que cubra o apree. <
da avaliac^o, a arrematacao ser feita pelo preco
da adjudicado com abatimeato da lei.
E para que chegua ao coabecimento de todos
mandei pasaar o presente edital que ser publicado
pela imprensa e aluzado no lugar do costume.
Dado e pasaado nesta cidade do Recife capital
da provincia de Pernambueo aos 22 de Setembro
de 1887.Sabscrevo e assigdo Recife 23 da tic-
tembro jje 1887.O escrifo interino, Euuaa do
Reg Barros FalcSo.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
Pars.....
Italia.....
Hamburgs .
Portugal
Sew-York .
Do Eaousa Bahk
lioadres.......
Pars. .......
Italia........
Uamburgo......
Lisboa e Porto.....
Principaes cidadas de Portu-
gal........
Uba dos Acores ....
liba da Madeira ....
N'ew-York......
419
520
235
SO djv vitta
22 5/8
419
520
235
O Dr. Thomaa Garcez Paranhos Monte-
negro, juiz de direito mais antigo da co-
marca do Recife e presidente da junta
apuradora do 1" districto eleitoral, ex-vi
do disposto no art 18 { 1* da lei n. 3029,
de 9 de Janeiro de 1881.
Faco saber a quem ioteressar possa, que tenbo
designado o da 1" de Outubro, pelas 10 horas da
manh, no paco da Cmara Municipal afim do se
proceder a apuraco dos votos da elcicao que para
am deputado Assembla Geral te ve lugar no da
14 do corrate mes.
O presente ser affixado no lagar do costume e
publicado pela impreoaa.
Recite, 24 de Setembro de 1887.
'Ihjinaz Grarcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Monte-
negro, coraraendador da Imperial Ordem
da Rosa, juiz de direito especial do com
mercio da cidade do R-tcife por Sua Ma-
gestrde o Imperador etc.
^Fa saber aos quejo presente elital virem ou
delle noticia tiverem que por parte de Francisco
Guedes de Araujo me foi dirigida a petico do
tbeor seguinte :
Illm. Sr. Or. juiz de direito do commercio.
Os Francisca Que'es de Araujo negociante
matriculado d'esta praca que sendo portador
das lettras juntas a primeira ds importancia
de 1:1604000, asegunda de 1: 38*000, a tercera
de 688J**', a qnarta de 990<780 e a quinta de
99040OU, todas 1 i vencidas em diversas dats do
anno de 1882 protestadas e nao pagas pelos res-
pectiva aceitantes a excepeo dos da segunda e
tercera Ignacio Bezerra & C. e Luis Filho & C ,
das quaes o supolcante reeebeudo prmeirc 20 /o
e do segundo 10 /, por conta, quer o supplicante
fazer citar o saccador Alfredo Henriqao Garca
para iaterromper apreacripci) das mesmas pilo que
protesta e comoosupplicado se acbe preseut>'inente
segundo consta na provincia do Cear, mas em
lugr lacerto, pede a V. S. que tomando por ter-
mo seu protesto e procedendo-se necessaria justi
ticaco se sirva mandar passar os editos na fum 1
da lei para intimaco do supplicado. E. R. M.
Recife, 21 de Setembro de 1887.Aivogaio, Dr.
Joo Slveira de Soasa.
Nada mais se confiaba em dita petifo na qual
prcif.ri o despacho do theor segrate :
Distribuida.Como pede. O iscrivo designe
da. Recife, 21 de Setembro da 1887.Monte
negro.
Em virtade deste meu despacho o respectivo
distribuidor a quem f ii a mesma peticio em torro 1
presentada a distribu i ao escrvo do primeiro
otliciu que fez Uvrar o termo de protesto do theor
segrate :
Ao 21 de Setembro de 1887 nesta cidade do
Recif em mea cartorio compareceu o solicitador
Joo da Slveira Borges Tevora e disse auto mim
e as testemuahas iafra assguadas que por parte
do supplicante Francisco Guedes de Araujo seu
coustituinte teduzia a termo de protesto para in-
terrupuo da prescripeo o enitouJj da petiza} re-
tro que fica fazendo parta integrante do presente
afim de ser intimado ao supplicado para os devi-
dt s eftetos.
K de como assim o d6se e protestou lavro este
termo em que assigna com as teatcavinhas resen-
ciaes depois ie hdo por min. Manoel Lopes de
Carvalbo Chaves, escrevente juramentado que o
cscrevi. E eu Jos Praiiklin de Alencar Lima,
tscrvo fiz escrever suoscrevo e dou f.Joo
da Slveira Borges Favor*. Matheus Eugenio
Peizoto.Jovino Francisco de Mello Tavares.
Era o qua se continua um dito termo de protesto
aqu mui bem e fielmente copiado depois d> que
se va e mostrava que tendo u justificante produ-
cido suas tcstemoahus acerca do allegado em sua
petico aqu transcripta o respectivo escrivo me
fez os 11 utos couclusos e n'ellcs profer a seuteuct do
theor seguinte :
Vistos,Julgando procedente a justficaco
mando que seja o justificado intimado por edifces
cora o praso de 30 das do protesto de foihas.
Custas ez-causa.
Em vrtude desta minha seutenca o respectivo
escrivo f.z passar e presente edital pjr ejo th.'.ir
chamo, cito e hei por intimado o justificado Al-
fredo enrique Garca para que no praso de 40
das compareca ante este jnizo afim de allegar o
que ir a bem de seu direito.
E para qua chegue ao conhncimento de todos se
passou o preseute que ser pablicsdo pela iu-
prensa e afiizado no lagar do costura-'.
Dado e paseado nesta cidade do Recife, aos 24
de Setembro de 1887.
No impedimenta do escrivo eompanheiro. Sob-
screvo e aesif.Tio. O escrivio interino, B.ias da
R'go Barros Falco.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
423 fama da aifan 42 i SkMA>A DK 26 DE SCTSHBKO l DE 0UTS3B0
\h na 1387
til Assucar refinado (kilo) ". .
24240 Assucar branco (kilo) ....
Assucar mascavado (kilo) .
Aicool (litro).......
Arroz com casca (kilo) ....
i Algodo (kilo)......
22 3/8 Borracha (kilo)......
423 Coaros seceos salgados (kilo) .
ili Couros seceos etpichados (kilo) .
525
237
242
245
242
24210
Colara de assucar
yPara os agricultores)
Por 15 kilos
Branco, os melhorea que
apparecem no mercado,
regulam de .... 24200 a 24400
14900 a 24100
3.* regular..... 14700 a 148M
Hmidos e baizos 14500 a 14700
14300 a 14400
14040 a 14100
#900 a 14000
4700 a 480U
Couros verdes (kilo)
Cacao (kilo)......
Caf bom (kilo).....
Caf restolho (kilo) ....
Cachaca (litro).....
Carnauba (kilo).....
Carneas de alrodo (kilo) .
Carvo de pedra de CardiS (toa.)
Farinba de mandioca (litro) .
Folbat de jaborandy ....
Genebra (litro).....
Mel (litro).......
Mho (kilo)......
Taboudos de amurallo (dusia) .
175
130
73
I5
65
366
14066
461
522
270
400
800
600
CU
33*
14
164000
30
400
200
40
40
1'-04000
O Di. Joaquim Curreia de Oliveira Andra
de, juiz de orphSos d'esta cidade do Ra-
die, capital da proviccu de Pernambuco,
por S. M. o I. o Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tivorem, que corre por este meu juizo
e ca torio do scrivo Thomaz Ferreira Maciei Pi-
nheiro, uns autos de penhora executiva entre par-
tes, como autor Salvador J s Fereira Guimar-s
e reo Augusto Pinto de Queiroz, inveutariante dos
bens de D. Calixta Francisca de Queir z, e que
tendo se feito penhora na quxntia de 1:50040 rt),
existente em poder do leiloeiro Joaquim Maximia-
no Pestaa, producto da venda de uiaa casa, fui
dita penhora acensada em audiencia de 13 do cor-
rente, designando se 6 das ao executaoo e l aos
credores incertos ; pelo que, pelo presente, h i por
cita lo os meamos credores lcenos para no prazo
de 10 das opporem quaeaquer artigos da prefereu
cia que porvpntura tenham em dito dinheiro, sob
p-na de ser elle levautado.
Dado epassado n'esta cidade dj Rcife, aos 21
de Setembro de 1887.
Subacrevoe assigno. Recife, 21 de Setembro d
1887. O escrivo interiu.i, Thomaz Ferreira Ha-
ciel Piuh-iro.
Joaquim Correia de Oliveira Andrade.
O Dr. Th&maz Garcez Prannos Montene-
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
cio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
t. M. o Imperador a quem Deus guar
de, etc.
Fac i saber aos que o presente ed'al virem, 0:1
delle noticia tiverem, que por parte de Izidoro
Bastos de Oliveira, ma foi dirigid* a petico que
do theor seguir, te :
Pet ci.Um. e Exra Sr. Dr. juiz de direito do
direito do commercioLidoro Bastos de Olivei-
ra, testamenteiro e mv ntaruui" dos bans deix-t
dos por seu irmo Joo Carlos Bastos de Oliveira,
sendo o espolio do finad j credor de Miguel lloares
Raposo da Cmara, pur quatro lettras, trez da im-
portancia da 1:1 U04000 cada urna e a qnarta le
854600, tolas veucuas em5 de Outubro Jo 1837 ;
de Autonio Bento de 8ouza Lima e Ablms Emi-
lias Pereira di L.gj por du-ts de 504400:) cada
urna, ambas vencidas em 22 da N>veinbro de
i887 ; de Antonio Pedro Teixeira e o dito Abdias
E'ili uo Pereira do Lago p ir urna de 4044, ven-
cida timbera em 2i de NiVembro de 1877 ; de
Antonio Barros Reg por uio> do 2114280, v>-uei-
da em 12 de Setembro de 1877; u Boalmeote de
J^s Antonio Aive de Brito por urna de 174451').
Vencida em 20 de Dezeinoro do referido anuo, uou-
tra cuja prescripuo j urna vez pr.itestou, quer
agora, quando se acha a coinpU tar o novo qum-
quennio, reproduzr o seu protesto afim da que taas
dbitos nao presuravam.
E como quer que os mencionados devedoies se
acbem ausentes em lunar iucerto e nao sabidi) o
supplicante requer a V. Exc. digne-te osaadar
tomar por termo o seu protesto admittil o ajus-
tificar no da e hora que torera desiguados ossa
ausencia afim de que a intiraa() se faca por edi-
tos na forma da le.
O supplicante junta as letras a que a!lude ein
sua perico e peda que Ihe *ejim entregues as
melisas ficando copia. Peda deterimeuto. E R.
Mee.
Recite, 21 de Setembro de 1337.Costa Ri-
buire.
E' o que se continha em dita peticij na qua
de o despacho do thaor seguint :
O- Como pede, dcsignaudo o escrivo da.
Recife, 22 de Setembro de 1887.Montenegro.
E' o que se coatiuba era dito d-spacbo aqu co-
piado, em virtade do qual tora a petico distribui-
da n Ernesto Silva ; em seguida vase o termo
de p:otesto do thaor seguinte :
Aos 22 de Setembro de 1887, em mu cartorio,
peraute mim a as testemuuhas inra assguadas,
C3mpareceu, por seu procurador J"-o Caetano de
Aoreu, Izidoro Bastus de Oliveira e por esta fu
dito que reduzia a termo o protest) eonatants da
p-guo co.n as test -muulias.
H. que fis este.
E-i, Euas do Reg Barros Falco, escrivo o-
(Tiuo.Joo Ca.-tano 1# Abren.Antouio Bar-
bosa Cordeiro.Franuioco Mauoel de Almaida J-
nior.
E' o que se ooa'.nba em dito iermo d : protesto
aqui copiado.
t'-udo o supplicante produzdo suas testemu-
thas que dep i-.-rau acerca do allegado na petico
aqui transcripta, o respectivo escrivo faieudo
(Mellar e preparar os -.utos me os tes csuelusos uos
-"o/eses profer a senteaca do iheor seguinte *
Vistos. Hei |K>r justificada a ausencia dos sup
plcaos em lugar incerto u man i > iio- aejam os
Colar* de alsoila
Mercado frouio, cotando-se o de 1.* sorte do ser-
tio a 64100 por 15 kilos.
Entradas de aaaocar c
HEZ Dl SKTEuaa*
Aitucar
Entradas
iiiioir.ii
Das
Barcacas...... 1 23
Vapores...... 1 21
Via-ferrea de Carusr 1 3
Animaes...... 1 4 24
Via-ferrea de S. Francisco 1 21
Via-ferrea de Limoeiro 1 22
Saccas
8 345
2.356
419
1.198
8.476
3.607
Entradas
Somms.
Algoia
24.401
Das Saccas
90 djv vista
22 5/8
419
520
235
Lmdres.......
Pars........
Italia........
amburge......
Lisboa e Porto.....
Principaes eidades de Porto-
gal..........
New-York......
Do Lon>oa Bamk :
Ws>
Liendres....... 22 6/8
22 3/8
423
423
525
237
242
24240
vista
/8
Barcacas...... 14
Vaporea...... 14
Via-ferrea de Carnar 14
Animaes...... 14
Via-teriea de S. Francisco 1 4 21
Via-ferrea de Limoeiro 1 22
Somma. .
23
21
II
24
3.147
4.221
12-'
5.272
382
2.076
15.220
fretameato
Foi feito o da barca neruegueuse Rmsoer, par*
carregar em Natal, com destino a Liverpool, al-
godo a 3/8 e 5 0/0.
Vapores dsapaebadoa
Vapor ingles Neva, sahido hontem, levou para :
Montevideo : 505 oarncae, 115/3 e 115/4 ditas
com assucar oranco.
Carregaram Amorirn Irmos 4 C.
Vapor francs ViUe de Pernambuco, sahido bon-
tem, levou para :
Baha : 30 caixas com cajurubeba e 2 ditas com
oleo de ricino.
Rio de Janeiro : 96 saccas com algodo, 8 far-
dos com chapeos de palha de carnauba e 69 sac-
eos com semeates de gergelim.
Santos : 30 pipas com aicool, 50 ditas e 100
oarris de quinto com agurdente, 884 saecos com
assucar e 4 Caixas com dace.
Carregaram diversos.
Navios a carca
Barca norueguense Union, para Santos.
Barca naciuurl Mana Angelina, para o Rio Gran
de do Sul.
Barca nacional dir'.nho XI, par a Lisboa.
Lugar norueguense i. J. Lots, para oa Estados-
Unidos.
Patacho ingles Tiber, para os Estados-Unidos
Vapor nacisnal S. Francisco, para Babia e es-
cala.
Kawtos 6 descarta
Barca norueguense Viva, carvo de pedra
Barca norueguense f. A. liunch, carvo de pe-
dra.
Barca sueca Linda, farinba de trigo.
Barca norueguense Ibis, carvo de pedra.
Barca norueguense iosva, carvo de pedra.
Barca norueguense Russer, carvo de pedra.
Barca norueguense Kronas, madtira de pnbo.
Barca inglesa Chardy, carvo de pedra.
Bngue norueguense Uardi, carvo de pedra.
Brigue inglez Ta'bot, bacalho.
Brizne ingles WiW-ose, carvo de pedra.
Lugar ingles Wanderer, varios gneros.
Lugar iuglez Mary Ann, carvo de pedra.
Lugar inglez Chief, carvo de pedra.
Patacho nacional Francolim, xarqua.
Patacho allems Antelope, varios gneros.
Vapor ingles Carbis, vanos gneros.
Vapor iuglez Author, varios gneros.
Memorial
Est marcado o da 29 do corrate para ter lu-
gar a reunio da assembla geral ordinaria da
companhia dos Tkilhos Urbanos do Rseira L
Olibda a Bbbbbibb, na qual sero apreseuUdas as
contas, lidos o relatorio da directora e o parecer
da commisso fiscal e eleita a nova commiaeo fis-
cal que funecionar por nm anno.
At o dia 29 do corrente, devem os accionistas
da Cokpahhia ta EoificApo entrar com a oitava
prestaco. na razas de 10 0/0 soora o valor das
respectivas accoes.
_Aos accionista da Estbada db Fbbbo do Ribei-
bo ao Boito foi marcado o prazo de 60 das a
contar de 4 de Agosto, para realzarem a 7." 'en-
trada de 10 0/0 de suas accGes.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setemb'o
vindouro, aeran substituidas na Tubsodbabla db
Fazbsda as notas do valor de 24000 da 5. estam-
pa, 54000 da 7.' e 104000 da 6.a
Importaco
Vapor ingles Neva, eatrado dos portos da Ea-
ropa em 24 do corrento |e consignado a Amorim
limaos & C, maniestou :
Amostras 45 volumes a diversos.
Cabos 30 rolos 4 ordem.
Cb 10 caixas a Luiz Antonio Sequ ira.
Chapeos 1 caixo 4 ordem.
Drogas 6 volumes a Manoel Alvea Birbssa
Succesaor, l a Harmes de Souza Pereira & C-
Estopa 17 fardos a Julio & Irrao. 22 a Olinto
Jardira & C, 7 a Parete Viaoua 61 C.
Fio 1 fardo 4 ordem
Lio 7 fardos 4 ordem.
Llvros 1 caixo a Guim&res & Porman, 1 a
Weils Hood.
Mercaderas diversas 1 volurae a Abe Stein
& C, 1 a A. Lisboa, 1 a II. R Gregory, 3 a Luiz
de M. Goms Fereirs, 15 a Companhia de Bebe-
ribe, 2 4 ordem. 1 a Luiz Antonio Seqneira.
Papel 1 caixa a J. Reglei.
Tecidos diversos 295 volumes 4 ordem, 3 a
Narciso Maia 4 C, 1 a Manoel V. Neves, 8 a Al-
bino Amorim a C, 148 a Luiz Antonio Seqaeira,
49 a Machado tk Pereira, 6 a Rodrigo de Carvalbo
di C, 2 Couto Santos 6z C, 4 a Goncalves Irmo
2 a Agostiobo Santos or C, 2 a Audrade Lopes
C, 3 a A. Vieira C, 16 a M. D. da Silva
Guiaares, 5 a A. L. Guimares, 4 a A- Maia |
* C, 29 a Joaquim Agostmho & C, 1 a Monbard
Haber & C.
Exporta*-
aaciFa. 23 db sbtsmbbo db 1887
Fara o exterior
Nao houve despacho.
Para o interior
= No vapor ingles Neva, carregaram :
Para Uruguayana, P. Cameiro 4 0. 40 pipas
com 19,200 litros de gurdente ; Amorim Irmos
oc C. 735 barricas com 74,322 kilos de assucar
branco.
No patacho iogle Tioor, carregaram :
Para "Santos, Julio & Irmo 2,000 saceos com
150,000 kilos de assucar mascavado,
No vapor francs V de Pernambueo, car-
regaram :
Para Santos, Maia & Resende 41 saceos com
2,460 kilos da assucar branco a 343 ditos com
20,580 kilos de assucar mascavado.
Para o Rio de Janeiro, A. Labille 96 saccas com
7,373 kilos de algodo ; S. Nogueira a C. 59
saceos com 3,540 kilos de gergelira.
No vapor nacional Espirito Santo, carrega-
ram :
Para o Rio de Janeiro, M. J. Ramos 1 caixa
com 60 kilos de doce ; V. da Silva Paranhos 2,300
abacaxis ; R. de Dr usina 4 C. 5 Caixas Com 180
kilos de oleo vegetal ; P. Cameiro & C. 1 barri-
ca com 40 kilos de capim gramma.
Para Babia, J. G. da Cunha Penna 1 barrica
com 80 k los de doce ; M. Lopes de Si & C. 20
barricas com 1,200 kilos de assucar retinado.
fara Victoria, H. de S. Pereira 4 C. Succasso
res 3 caixas com elixir de cabeca de negro.
No vapor oaconal Pirapama, carregaram :
Para Camoosim, P. Al ve 4 C. 5 barricas com
300 kilos de assucar refinado.
mesmos intimados por editses com o praso de 30
das do protesto de fl. 3. Custas ex-cansa.
Recife, 23 de Setembro da 1887.Thomas Gar-
es Parauhis Mo itenegro.
E o que se cootinha em dita sentenca aqui
fielmente, copiada ; em vrtule desta sentenca
o resp ctvo escrivo fes passar o presente
edital pelo qual chamo os justificados Miguel
Soares Raposo 'da Cmara, A itooio Bento de
Souza Lima, Abdias Emiliano Pereira do Ligo,
Anromo Pedro Teixeira, Antonio BirrosRegoe
Jos Antonio Alves d Brito, par 1 que no praso de
30 das alleguem o que for a bem da seus direitos
e justica.
E para que chegue ao couh- cira uto de todos
mandei passar o presente edital que ser publicado
pela impreusa e afiliado nos lugares do costume.
Dado e passadn nesta cidade do Recife de Per
nambuco, aos 23 de Setembro de 1887. Subscrevo
a assigno.
R-eife, 24 de Sstembro da 1887.
O escrivo iateron, Eneas do R-'go Barros Fal-
co.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Montenegro,
ammend/idorda Imperial Ordem da Rosa,
juiz de direito especial do commercio desta
cidaie do Rec'fe, capital da provincia de
Pernambuco, por tu% Magestade Impe-
rial e Constitucional, o Sr. D. Pedro II,
a quem Deus guarde, etc.
Kaco aaoer aos que o presente edital virem, ou
d'elle noticia tiverem, que por este juiz da direito
especial do commerei j, pendein uos autos de exe-
cuu > de sentenca entre partes, exeqoentet a Com-
panhia de Placo e Tecidoa de Pern-mbauo, exe-
eutada a Companhia Toe Central Sugar Faetones
of B'iiz:! Limitad, e taudo-se feito penhora era di-
nheiro perteaceote a ementado, foi em audiencia
do da 22 do corrate mas e anno, pelo solcita l;r
{icario II nrique da Suva, acensada dita jeoh) 1
como se v do requ rira.-n o de audiencia que do
theor seguinte :
-ios 22 de Setembro de 1887, era audiencia do
Dr. juiz de direito especial do commercio, o solici-
tador Uieardo Hinrij,ue da Silva, por parte da
Companhia de Piac/ao e lecidos de Pernai.buco,
necuaou a penhora f;iia em dinh.-iri a Compaahia
Central Bogar Faetones of Urazil Limited, e he
nssigiiou 6 das da lei bein cono 10 ais credores
incertos, para d qan requereu que se p is 1
devidos elitaes sao pen.a de lancraento o qu.- foi
deferid.: pelo jqiz precedid o pregio do estvlo.
Do que tiz este. Eu, Eu.is do Rogo Brros
Palca), escrivo interino.
E' o que se continha em dito requerimento aqu
copiado ti- lraent-', era seguida via-e o termo de
penh ira i|ii<: do thfnr seguinte :
Aos 21 das do ni z de Setembro de 1837,
n-ata cidade do Recife onde foi vindo eommigo
otficial Hh.,110 assiguado.
Em Vrtude do present.' mandado retro 11 M
dirig nos a fregaezia do R eife 4 ra do ijorainir-
cu escriptorio no 1.a an.iai- di s-.ibrado u. 10, per-
ienc"nte ao supplieat) P.iiilman 4 C, ahi pro -
demos penhora e sppKheosao na quantia de .':0d')4
era poder do mesino Pohiinan, e perteoeente a
(^mpaiiba The Central ->ug.r Paetoriea of Brazii
Limited, o I go os ditos ofileiaOS houveram por
boa) penborado a referida qu tntia e depositara- s
em mie pod-r do inesm > P-ihlmau (Si C que se
uonstituio fiel dupo^itario na forma da le, piro
constar lavruraos este termo no qu*l nos ussig-
namos c m o uito depositara P.rlinan c C Eu
Hermenegildo Savenaoo Goncxlvui, olEeial do
juiz.Por proeurayo Pohlman 6c C.W. Gil-
deraeisher. Oficial do juizj Prn-icisco Rodrigues
des Santos.
E' o qua se continha em dito termo de penhora
aqu copiado.
Em vrtude do requerimento aqui copiado, o
r-spuctivo scrivo fez passar o presente edital,
pelo qual e s u th'-or chamo todos os credores au-
seutes da czacutada, para allegaran seus direit .s
jastica.
E para qua chegue ao conhecmento de todos
mandei passar o presente edital que ser publi-
cado pela uipreusit e aullado nos lugares do cos-
tume.
Dado e passado nesta cidade d> Recifa de Per-
uaiubuub, aa 22 de Setembro de 1887.
Eu, Euas do Rogo Barros Palco, subscrevo e
assigno.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
bCCLAMCOES
Venrate! IrnamliiKe do Menlior
Bom Jfiis dos Pasaos, da tuairls
do Corpo Santo.
A mesa regedora desta venerael irmaodade,
repr?seotada pe'os abaixo assignados, faz constar
IQ""aaaaBaaBBiaaaaaaaaaaaBBBBaaaBaaaBaaaaai
tt&xbrrtoria
e I a 23
dem de 21
Kiccbedoria
De 1 a 23
Id ra de 21
p.vstnszat
14:320-223
606440
Reoitr Drsnage
Vi 1 a 23
dem 4 H
que a festividade de sen divino padroeiro, ter
lugar no da 9 d- Outubro vindouro. Oatrosim:
Como tenoa andado pelas raas desta cidade nina
commisso dizendo se encarregada e solicitando
donativos para a festa do Senhor Bim Jess dos
Passos, faz-se constar pelo presente aas nossos
charos jrmos e fiis devotos que tal commisso
toda estrsnha :: nossa veneravel irmandade.
Recife, i3 de Setembro de 1887.
Aurelio dos Santos Coimbra.
Provedor
Francisco Antonio 6. Cardoso.
Escrivo
Manoel M. Campos Janior.
Thesoureiro.
2* sec$o.Secretara da Prenideneia do
Pemaiiibuco, em 24 de Setembro de 1887.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
fa^o publico, para os devidoe efteito-, que no pro-
vimeato dos inicios de escrivo de orphos, au-
sentes, da prevedoria de capellas e residuos do
termo d Brejo, coocorreram no praso legal ,s Srs.
Thomas de Aquino de Almeida Maciei, Elias Fran-
cisco Bastos Filho e teuentes Belmiro Alves de
Carvalbo Atevedo e Joaquim Cordeiro Falco;
ficando por esta forma rectificado o edital de 15
do correte moz no qual, por equvoco, se decla-
r u que os dous ltimos concurrentes haviam pre-
sentado aeus rcquerimeutos tora do citado praso.
O secretario,
Pedro Francisca Corr-ia de OveirS.
= De ordemdo I lu. Sr. iuspector se faz publi-
co que, achando-se as mercadorias contidas nos
volumes abaixo declarados, no caso de serem ar-
rematadas pira consumo, nos termos do cap. 6*
tit. 3 do regu'amento de 19 de Setembro de 1860,
(tit. 5o cap. 5 da coiisolidaco) e art 18 do de-
creto de 31 de ezembro de 1863, os seus donos
ou consignatarios devern despachal-aseretral-a3
no prazo de 30 das, sob pona de, udo elle, se-
rem vendidas por sua conta. sem que lhes fique
direito aigum de allegar coutra os efieitos desta
ve oda :
Artaazem n. 9
Maca DARS e contramarca TH, 1 caxa n.
489, vinda da Hamburg 1 na vap tino, Piitrado em 25 de Maio de 1836, consignado
a Transathantische
Ar nazora n. 5
Marca diamante, JJtJ no centro e T ao lado, 1
paeote sem Damero, den de Liverpool no vapor
inglez Sculptor, idem um 24 de Agosto idem, nao
coaita do inanitesro.
Armazem n 7
Marea RC, 1 evta n. 17, id"m do Havre no
vapor frasca VUle de Macelo, id.-m em 19 de
Jan n-o de 1885
Letreiro provincia do Rio Grande do Norte, 1
caixa sem Damero, dem dos portos do sul no va-
por nacional Ceird, i iem em 25 de Maio do 1886.
Marca din ctrcnloa i it TCalad>s com as iniciaes
RiF, 4 caixas ns 1/4, idem do Havre no vapor
franc s Belgoano, dem em 19 de Setembrj de
1883.
Marea FGA, 1 caixa sem numero, idem de Li-
verpool no vapor inglez Warrior, idem em 6 de
N-ivembro idem.
Marca diamante, S&C no centro, 1 caixa sem
numiro. idem idem idem.
Marca diamante, II S'J no centro, l eaixs.
Sera marca, 4 barra.
3 sec?io da Alf.indega da Pernambuco, 23 de
Setembro de 1887.O chefe,
Cicero &. de Mello.
Permuta
O Cr. Dr. inspector geral da instraccjlo publica
manda fazer c instar s profesaoras publicas An-
ua Cesar de Aim'da Pessoa e Camilla do Carms
Torras, esta da cadeira da Irnbjrib-'ira, e aquella
dada Naiareth do Cbi, que Ibes fiza marcado o
pra'o de 30 das, a contar da data de sua remo-
fio, afira de assuaiircm o txercicio de suas ca-
deirns.
Secretaria da InstrucQan Publica de Pernambu-
co, 23 de Setembro de 1887.
U secretario
Per gen ti no S. de Araujo GalvSo.
S. II f.
Sociedade Recreativa Juvenil
Assembla gen.1
D- eonf irmidade com os estatutos desta Socie-
dade, sao convidados todos os socios a comparecer
domingo 25 do correte, palas 4 horas da tardes
na t le social, afim de proceder-so ele icio doa
funecionerios que teem de compor a directora
para o anno social de 1887 a 1888, e assistirem a
leitura do relatorio da presente administraco.
Socretaria da Sociedade Recreativa Juvenil, 2
de Setembro de 1887
M. C. Almeida,
1 secretario.
aBBaaaaaaaBaSBaBBBBBB^BBBBBBBBBBSSBSBBBaBBBBBB
geral Kronos Hermn Lundgrin 4 C.
27:3574751 Kaffir Chiefi Companhia do Baberbe.
1:2904564 Linda Henry Forater 4 C.
Mary Ann Bsltar Oliveira 4 C.
28:6184315 Neva -4 Amorim Irmos 4 C.
Nina ordem.
New-Dominion ordem.
P. A Mancb Henry Forster 4 C.
Pstmos Hermn Lundgrin & C.
14:9264680 Rusoer Wilson Sons & C.
Tiber- Saunders Brothers 4 C.
39:8!)74066 Talbot 4 Johnston Pater %, C.
1784890 Union H. Lundgrin 4 C.
Villa de Pernambuco Augusto Labille.
40:0754956 Vibilia4 Hermn Lundgrin.
Viva4 Wilson Sons 4 C.
Wanderer4 Fon seca Irmos V. C.
Wild Rosei Wilson Sons 4 C.
O signal indica ter a erabarcacio sahido.
Mercado anicipal de O. O movimento deste Mercado 00 dia 24 de Setem-
bro foi o seguate:
En rrarara :
41 bois pesando 6,152 kilos, seudo de Oliveira
Castro, 25 1/2 ditos de Ia qualidade, 1 dito
de 2' e 14 1/2 ditos particulares.
303 kilos de pene a 20 ris
76 cargas de farinba a 200 ris
22 ditas de fructas diversas a
300 ra.
10 taboleiros a 200 ris
24 Sumos a 200 ris
Foram oceupados :
24 columnas a 600 ris
19 compartimentos de farinba a
500 ris.
22 ditos de comida a 500 rea
60 ditos de legumes a 400 ris
28 ditos de fasendas a 400 ris
18 ditos de suino a 700 ris
11 ditos de tressuras a 600 ris
10 talbos a 24
8 ditos a 14
A Oliveira Castro 4 C.:
54 talhos a 14
Deve ter sido arrecadada nest.es diss
a quantia de
64060
15*200
64600
24000
44800
144400
94503
114000
244000
114200
J24600
64600
2O4000
84000
544001
2054960
4:6884o00
4:8944760
Hend mritos publico
SBZ DB 8BTEUBB0
Alfandega
Renda geral
L> 1 a 23
dem e 24
Renda orovincial
De la 23
dem de 24
766:9844999
43.461*434
70:4441421
4.445*075
810:446J433
74.8894496
Rendimento dos das 1 a 23
Foi arrecadado liquido at boje
Precos do dia :
Carne verde de 320 a 400 ris o kilo.
Cameiro de 720 a 800 ris idem.
Sainos de 560 a 640 ris dem.
Fariuua de 160 a 240 ris a cuia.
Milho de 200 a 240 ris idem
Feijo de 640 a 14000 idem.
Watadoaro Pabilc
Foram abatidas no Matadouro da Cabanga 112
reses para o consumo do dia 25 de Setembro.
Sendo: 85 rezes per tunente a Oliveira Castr ,
de C., e27 a diversos.
Km barca roes sartas ao parto esa
941 de Selenabra
BACIOBABS
Ceciliaconsig. Perora Carneiro & C.
Francoln) -4 Amorim Irmos 4 C.
Jaguaribe4 Companhia Pernambucana.
Lainego(canhoneira de guerra).
Manuho XIconsig. 4 Jos da S. Loyo c Filho.
Mara Angelina4 Loyo 4 Fi.ho.
Maudab4 Companhia Pernambucana.
S. Francisco Companhia Pernamtucana.
BSTRANQSIKAS
Antelopeconsig. G. Perman.
Author4 Johnston Pater 4 C.
Caridad4 ordem.
Chanty4 Henry Forster 4 C.
Carbis Bay4 Wilson Sons 4 C.
Darpa4 ordem.
Garfield4 Niemeyer Cabo 4 C.
Hardi 4 Wilson Sons 6c C
Ibis4 Wilson Sons ot C.
Josva4 ordem.
Jorgen J. Lota 4 ordem.'
85:335*92'Justiue H. Iogesoll- Hernn Lundgrin 4,C.
Vaporea a entrar
DOS POBTOS DO SUL
Marinbo Viscondeboje.
Financeamanb.
Gamilloa 27.
Tagusa 29.
DOS POBTOS DO BOBTB
Marques de Caxia*amanb.
1A EUROPA
Aconcaguaboje.
Nigera 4 de Outubro.
DO HJ.TBB
Ville de Santosa 5 de Outubro.
DB BBW-rOBT
Alliancaa 4 de Outubro.
DB KBW T3BK
Portuenseamacha.
Vaporea a sabir
Aconcagua boje, s 2 horas da tarde, para Val-
paraso e escala.
Tagusa 29, so meio dia, para Southampton e es-
cala.
S. Franciscoa 29, 4* 5 horas da tarde, para Ba-
bia e escala.
Navios a entrar
Arcelina -do Rio de Janeiro.
Bine Birdde Darien.
Concordiade New-Castle.
Catberinede Carditf.
Germaniade Memel.
H. Ingersel Justinedo Rio de Janeiro.
Loyodo Rio Grande do Sal.
Manedo Rio de Janeiro.
Marietta do Ro Grande ds Sol.
Marioho Ido Rio Graude do Sal.
Manzanillade Montevideo.
Pallasdo Rio de Janeiro.
Presidentedo Rio da Janeiro.
Rose ot Devonde Cardiff.
Stellade Liverpool.
Temerariado Porto.
Tabordado Rio Grande do Sal.
Movlmento do porto
Navios entrados no dia 24 de tetembr
Southampton e escala14 1(2 das, vapor ingles
Ntvu, de 1774 toneladas, commandante L. Di-
kinson, equipagem 104, carga varios gneros ;
a Amorim Irmos 4 C.
Cartagena pelas llhas Canarias14 das, vapor
hespanhol Caridad, da 491 toneladas, comman-
dante Antonio Prez, equipagem 44, em lastro ;
4 ordem.
Sahidos no mesmo dia
Buenos Ayres e escalaVapor ingles jVeua, com-
mandante L. DikinsoD, carga vanos gneros.
Santos e escalaVapor francs VUle de Pernam-
buco, commandunte A- Chancerel, carga varios
gneros.
West IodiesPatacho agles New Donunxu, espi-
to F. Lemenix, em lastro.
MacoHiato nacional Flor do Jariim, mestre
Joaquim Jos dos Santos, em lastro.
' V
I






K


Diario de PeruambucoDomingo 25 de Setembro de 1887

De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
no din 28 do correte aera entregue so tratego a
estafan de Garanhuns, nVste prolongamento, co-
mecando ti 29 a vigorar o horario seguate :
Kil-6e
fabrica de Fiafo e Tecdos
Pernambcco
A directora reo be propobtas para fornccimento
de cal prta e areia descorregida oo porto da Fa-
brica da Torre.
As propobtas devem sr fechadas o dirigidas a
ra do Bom Jess n. 3 at o dia 30 do crrente icei.
A. P. B.
Obras publicas
Ida
(Tarde)
Una
Boa Sorte
Calende
Jaqne>ra
Colonia
Marayal
Burra
S. Benedicto
Quipap
Agua Branca
Caahotiuho
Angelina
t>. Joa i.
Garanln.ns
Chegada
Partida
1.45
2.lo
1.15
1.48
2.17
2.30 2.32
2.55 2.57
3.15 3.17
3.45 3.50
4 18 4.20
4 55 5.00
r>.55 5.37
6.10 6.12
7.01
De ordem do Illm. Sr. engenbeiro d'rector ge-
ral, face publico que no da 26 do con eate, ao
meio dia, na mesma repartceo, n cebe-se propos-
tas para execu^o dos reparo ala cadeia da cidade
de N-.iartth, oreados em 426*800. e dos do pre-
dio provincial que serve de osela publica na villa
de Ba'reros, orejaos em 506*000.
Os ornamentos e clausuiab eapeciaes para os
respectivos contrato* acam-ae nesta secretaria
para serena examiuadus por aquelles pue prelen
derem arrematai as meninas ibraa, d accordo
xom o qu" dispe os arta. 70 a 73, 89 e 90, 92, 97
a 101, 106, 115 p 116 do regulamento de 20 de
Junbo do corrente anuo.
.-lecretaria da reparticao das obras publicas de
Purnainbuco, eus 16 de Setembrj d 1887.
O engnbeiro secretario
Jiaqnim Gomes de Oliveira Silva.
Obras publicas
i;lac6e*
Garan^uns
S. Joao
Angelim
Unnhc ticib.i
Agua Branca
Quipap
o. Benedicto
Barra
Marayal
Colouia
Jaqneira
Calende
Boa Sorte
Una
Volta
(Mauha)
Chegada Partida
_ 6.30
7.05 7.07
7.40 7.42
8.10 8.16
8.45 8.47
9.15 9.20
9.45 9.47
10 5 JO 07 "
10.30 10.35
De ord. m do Illm. Sr engenbeiro director ge-
ral das libras puolicas e de cotitorinidade con a
autoritario de S. Exc. o Sr. p-e*ideute da provin-
cia de 3 do correute, ff > publico que no dia 29,
ao meio dia, na referida repsr'icao, recebe-se
proponas para a t-xecuco da obra de reparos da
ponte dos Carvalhos, sobre o rio Jabjato, orea-
dos em 4:48**483.
O orcameuto e as clausulas espi-ciaes do con-
trato acham se nesta secretaria para serem elimi-
nados por aquelles que pretenderem arrematar a
mesma obra, de accordo cotn o que dispde os arts.
70 73, 89 e 90.92, 97 a 101, 11* "r- e 116 do
regulamento de 20 di Junbo doc ...?.: auno.
secretaria da repartieao das obrr- ..cas, em
9 de Setembro do 1887.O engenicir1 secretario
Joaqunn Goaies de Oliveira e Silva.
tnurlsnio Portocoea de BenefJ-
crncla
Assembla geral extraordinaria
Convido oa sr-ubores socios a comparecercm na
sede social domingo 25 do correte, as 4 1(2 horas
da tarde, afiua de eleg rem nm associado para o
Cargo de directer, vista ter r. cusado o eleito em
14 de Agosto filelo.
Kecife, 22 a i Setembro de 1887.
O 1." ti-cretari da aesemb geral,
B. n'o de Aguiar______
anta Casa de Misericordia do
Hecife
Na secretaria da Santa Casa arrenda-se os se-
guintes predios :
Ra di Bom Jess n. 13, 3' andar.
dem dem u. 44, 1- andar e toja.
dem do Vigario Thenono n. 22, 1 andar.
dem dem n. 25. sobrado.
dem do Marques de Olinda n. 53, 3- andar.
dem do Apollo n. 24. 1- andar.
Ide n da M-ida u. V.
Ipe-m idem n 47.
dem idem n. 4H.
dem idem n. 37.
dem da Liogoeta n. 14, l ai-Jar.
Becco do Anreu n. 2, 2- andar.
Secretaria da Santa Casa de Misercordia
Recife, 25 de Maio de 1817.
O escrivo intrino,
United States & Brasil M S. I C
0 paquete Finance
E' esperado dos portos di
sul at o dia 26 de Setembro
depois da demora necessaria
seguir para
VaraohSo, Para, Barbados, M
Thomaz e New-York
Para carga, passagena.ouc" inmundas Cidnber
* frete, tracta-se com os
AGENTES
0 Bjor Allianca
j.,
' L E. (]. P.
B,
DO
BRASIL
Capital 0,000:000*
dem realisado 10,000:000*
aaoclaru do* emiireandoM no ciini
ini-rr lo de Pe roas buco
MaThMCULAb*
('ommunico ai s eenhores sicios que acharo-se
abertas at o da 30 do correute, as matriculas das
aulas de portugu-'z, trances, ingles, aritbmetict e
scripturac.V m rcautil.
S'cietaria da AssociaySo 1 >h Empegados no
Coronv rcio de Peruambuco, 20 de Setembro de
1887.O 1" secretario,
Ildet.mso de Freitas Pinheiro.
Espera-se de S
News, at odia 4
bro o qual seguir
Ontu-
ep i -i
e
d.-moru nec 'asara para
Baha, Rio de Janeiro e dantos
Cara carga, paasageus, e encommendas tracta-
io cem os
AGENTES
lcflrv fforster & C.
-18- RIJA DO COMMERCIO-N.
1- aiida
8
10.4S
11.12
11.45
10.50
11.15
Secretaria do Prolongaoiento da Estrada d3 Fer-
ro do Recife ao S. Francisco c Estrada de Ferro
do Recife a Caruai, em 22 de Setembro de io87.
O Secretario,
Man'el Juvenc de Sabrya
A caixa filial d'ese Banco funcciouaodo tem
porariamonte ra do Cou.men.iu n. 38, saca, 4
vista ou a pruzo, centra os segrales correspon-
dentes no estrangeirw :
Du oidem do Sr. Dr. Inspector taco publico
que no da 13 de ut'ib-o prximo ira a praca pe-
rmite a Junta dcste Thesouro a cobranca do disi-
ij vaceum, cavallar e muir nos municipios de
Panellas e Bonito, durante o triennio de Julbo
de 1887 a Junbo de 1890, servindo de base a
renda annual de 590U(0. alera de 6 *|, do im-
posto addicioual s Os concurrentes devero habilitar se perante a
referida Junta na firma regularaentar.
Secretaria do Thesouro Provincial de Peruano-
buco, em 13 de Setembro de 1887.
Lindolpho Compeli
Diligencias de Olinda
llorarlo
"3-
a
6.25
7.25
8.25
9.25
10.25
12.25
2.20
3.20
4.20
5.20
6.20
7.40
8.40
9.40
*. o a
< 3 O
de ^j QO
E O
X M
U O, 6.45 o
6.45 7.05
7.45 7.45 8.05
8.45 8.45 .05
9.45 9.45 10.05
10.45 10.45 11.05
12.45 t2.45 1.05
2.40 2.40 3.00
3.40 3.40 4.00
4.40 4.40 5.00
5.40 5.40 6.00
6.40 6.40 7.00
8.00 8 00 8.20
9.00 9.00 9.20
10.00 10.00 10.20
*0 os
51
S.SP
freeos
Becife a Olinda e viceversa iaclnsiire
o bond .........
Meninos at 12 annos inclusive o bond.
300 rs.
200 rs.
11
Esta eompanhla compra terre-
nos, preferindo os situados no
bairro da Boa Vista, Magdale
na, Fernandes vlclra. AfOletos,
raa do Principe, camlnho i\o
?o, Mondejo. Blachaelo, Ca-
panga e Manguinho.
Qaem os tlver para vender,
qoeira apresentar snas propos-
tas no escriptorio da mesma
compauhla sito ao largo de Pe-
dro II antlgo do Colleglo n. 99
1" andar.
Recife, 22 de Setembro de 1887.
Ricardo Menezes, gerente
Companhia de Edifi-
Cago
Conirannico aos Srs accionistas que por deli-
beracao da directora foi resolvido o recolhimento
aa oitava prestaco na ras&o de 10 por cento sob
s valor das respectivas actes, o qual dever rea-
hsar-se at o dia 29 de Setembro prximo futuro.
Kfciff, 29 de Agosto de 1887.
(Ricardo Menezes,
Gerente.
Club Concordia
Sarao doeante.
Terca feira 27 de Setembro.
Convites permittidos.
A directora.
Obras Publicas
f De ordem do Illm. Sr. engenbeiro director geral
iaa obras publicas e de conformidade com a au-
torisacao de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia de 12 de Agosto do corrente anno, faco pu-
blico que no dia 15 de Outubro prximo, ao meio
dia, na mesma reparticio, recebe se proposta
para a obra dos reparos precisos do acodo publi-
co da comarca de Flores, oreados em 3:7814200.
O orcameuto e clausulas especiaes do contrato
a 'bam-se nesta secretaria para serem examinados
por aquelles que pretenderem arrematar a mesma
obra, de accordo com o q-ie dispoe os arts. 70
73. 89 e 90, 92, 97 101, 106, 115 e J16 do regu-
lamento de 20 de Junbo do corrente anuo.
Seeretaria la reparticio das obras publicas de
Pernamboco, em 23 de Agosto de 1887.
O engenbeiro secretario,
Joaquim Gomes de Oliveira e Silva.
Fabrica de Placi e Tecldos de
Peruambuco
A directora recebe proposta para o foroe.'imeo-
to de 200 milbeiros detijilos d'alvcnaria grossa
e 12 polegada de comprido, 6 de largo e 3 du
groasora : descarregado no parta da Pabrica d)
Fiacao da Torre. .
f2As prp.postas devem ser fechadas e dirigidas a
a ru do Bom Jess d. 3, at o da 30 do correte
Londres.
Pars...........
Hamburgo.......
Berlim..........
Bremente........
Frankfurt s/ Main
Antuerpia.......
Boma...........
Genova.........
aples.........
Milao e nsaia 340
cidades de Ita-
lia............
Madrid..........
Barcelona.......
Cdiz...........
Malaga.........
Tarragonp......
Valencia e outrae
cidades da Hes
panba e ilbas
Canarias......
Lisboa.........\
Porto e nais ci-f
dades de Por-?
tugal e ilbas... ;
Bueiios-Ayree... .)
Montevideo......)
Nova York.
s/ N. M. Rotbschil ti Sons.
. De Kotbschild Prres.
* Deutsche Bank.
* Banque d'Anvers.
* Banca Genrale e
agencias.
Banco Hypcleeario de
Espaa e suaa agen-
cias.
Banoa de Pcrtugal i
snas aajeaciae.
Ri
Enj^ish Bank of the
ve* Pate, Limited.
. G. Amsick & C.
Compra eaqut: sobre qualquer praca do impe-
rio e do estrangeiro.
Recebe diiibsro esa costa correte 4e movi-
mento com juros a aaio da 9*/s ao aano e por le-
tras a praso a jaros conveo^iooados.
O gerente,
________ Irmiliam M Webtter__________
Companhia di Beberibe
Achando-se j4 approvado pelo Exm. Sr. presi-
dente da provincia, o regulamento das peonas
d'agua, vai esta companhia faier o fornecimento
d'agua a alta presso, como se obrigou com a pro-
vincia, pelo que convida aquellas pessoas que
quiserem sgua em suas casas, na primeira seccao,
entre Doas Irmios e Apipucos, a virem se iuscre-
ver neste escriptorio.
Ao mesme tempo esta companhia mudar a sua
costa os eocanamentos das sntigas peonas d'agua,
al a porta da rasa, tari a transforjoaco do
lystema, n terme* das disposiedes do novo re-
gulamento.
Logo que fique saclnido o traba I ho da primei-
ra secelo, na semana aegointe passar-se-ha para
a segunda at M< nteiro.
Neste escriptorio distribue-se aos interessados
o reeulameoto de penoas d'agna.
Recite, 16 de Setembro de 1887.
Ccciliauo Mamede Al vea Ferreira
Director gerente.
Club Internacional de
Regatas
Regata em 2 de Outubeo na bacia do gasmetro
Acha-se a berta at o dia 28 do corrente, na
sede des.e club, das 7 s 9 horas da noite de
todos os das uteis, a insc.-ipcao para as embar-
cares que queiram tomar parte nesta regata.
Secretaria do Cllub Internacional de Regatas,
21 de Setembro de J887.
Alfredo B. R. Borges,
2- secretario.
SncieCatclc Italiana de
Beneficencia
Sao crnvidadi.s todo os socios ase reunirem,
domingo 25 do correte, em sua sede, para proce-
der-se & nova i leico ila directora.
Recite, 23 de Setemoro de 1887.
O secretario,
A-gelo R-tFi-'l- PHegrin.
IS. JU. J.
Socledade Rerreniita 'aventade
Sarao bimestral a 9 de Outubro
Os socios que quizerem tir,r convites para este
sarc, poderao deixar snas notas nesta s"cretaria
e pr icural os as segundas, quartas e sabbados,
das i s 10 horas da noite, e nos domingos das 5
s 9 horas da noite.
Os socios podero procurar seas ingrseos em
mao do tbesoureiro, i ra do Rangel n. 7.
Aos senhores convidados pede-se que nao levem
aggregados.
fc Pede-se aos senhores socios e convidadoe a fiel
dbservancia do legulamento interno.
Secretaria da sociedade Recreativa Juventude,
24 de Setembro de 1887.0 1- secretario,
Maooel Joaquim Baptista.
Olinda
Cariarlo do eacrivo Dr. Caldos
No dia 39 do corrente vai praca, perante o
Dr. juis de Direito de orphos da comarca de
Olinda, urna parte da casa n. 13 4 rna do Vara-
douro da mesma cidade, no valor de 4864300,
sendo todo o predio do valor de 1:200/. Olinda,
22 de Setembro de 1887
Retratos Americanos
Com rilan moldura douradaa em
alto relevo e cerdees
eons linas bolea de seda
Desde SSOOO
SEM MAIS ESPESAS A FASER
Em expoic5o
Na Loj flas Lsras zoes
N. 61 Ra Duque de Caxiac N. 61
Para encommendaa bastante nm pequeo re-
trato, nSo importa que seja antigo, disendo a cor
dos olbos e do cabello, ebega umjlindo retrato para
presente ou para sala de visitas.
Encammendas para o Natal sSo feitas at 30 de
Setembro.
Jos Augusto Dias
AGENTE GERAL
Cempankla o* Trllhos Urba
nos do Reelfe a Olinda e Be-
beribe.
De oredem do Exm. Sr. Dr. Presidente da As-
sembla Geral, convido os Srs. accionistas a as-
sistirem, no dia 29 do correte mes, no lugar e as
horas do costume, 4 sessio da assembla geral or-
dinaria, oa qual, segundo os nossos Estatutos,
serio apresentadas as contas, lidos o relatorio da
directora e o parecer da commissio fiscal o eleita
a nova comosisso fiscal que fuaccionara por um
anno.
Secretaria da Assembla Geral da Companhia
de Trilhos Urbanos do Recife a Olinda e Bebe-
ribe, 13 de Setembro ie 1887.
Jote Antonio de Almeida Cunha,
Secretario.
EbsIsd But of i Ib Janeiro
LiileJ
Cptal do Banco....... 1.000,000
Capital realiaado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,000
A contar desta data e at ulterior reao-
luyao, conceder-se-ha juroa de deus por
cento ao anno, sobre oa saldos di dinbeiro
depositado em conta corrente de movimen-
to no inesmo Banco.
Kecebe-se tarabem dinbeiro em deposito
a uros por periodos determinados, ou su-
jeito ao aviso previo de trinta dias para ser
retirado, mediante as condieuas de que se
dar conhecimento aos iateressados.
Pernamcuco, 23 de Maio de 1887.
Henry K, Oregory,
Gerente.
Santa Casa, de Misericordia do
Recife
Por esta secretaria sao cbamadoe os parentes
ou protectores das menores abaixo declaradas,
par;, at o da 30 do corrente, aprsenla! -as no
collegio das srphas, afim e serem ahi admittidaa,
visto acharem-se inscriptas em primeiro lugar, no
respectivo quadro.
Laura, filba de Miguel de Seusa Galvao e Isa-
bel Mara da Silva Galvao.
Sydrouia, filba de Cosme Damiao Fel ppe da
Silva e Constancia Mara da Carmo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, IS de Julbo de 1887.
O escrivo interino,
Prancisco Gomes Castellao
RiHOS
BOYAL MAILSTEA1 PACKET
COMPANY
0 paquete Tagns
esperado
do sul no dia 29 de
corrente seguinir,
depois da demora
necessaria para
Lisboa e Soulhamplon
Reducqao de passagens
Ida Ida e volta
A' Soutbampton 1> classe 28 t 12
Camarotes reservados para os passigeiros de
Pernambnco.
Para passagens, fretes, etc., tracta-se com os
Consignatarios
Aiuoriin Irmaos &C.
S. 3- RTJA DO BOM JESS N. 3
COHP Wllli: DEN nUNAtiK-
IIIKN HflAHITlHE
LINHA MENSAL
0 paquete Niger
Commandante Itaiilc
Espera-se da Eu
ropa ateo dia 4 de
Outubro, seguin
do depois da de
mera d coetume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Babia, Rio de laneiro e Monte-
video
Lembra-se aos senhores passageiros de toda
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualqner tempo.
Previnc-se aos senhores recebedores de merca
dorias que s se attender a reclam acoes por fal-
tas nos volumes que forem reconh&cidas na occa
sio da descarga,
Para carga, passagens, encommendaa e dtnheir
a frete : tracta-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
DB
Vavegaco Costeira por Vapor
Rio Forme so e Tamandar
0 vapor Mandahu
Segu no dia 27 de
Setembro pelas 4 ho
-ras da manha.
Recebe carga at o
Idia 26.
Encommendaa, passagens e dinheiros a frete
at s 4 horas da tarde do da 26.
ESCWTORIO
'aes da Companhia Pernambo
cana n. 1>
CilARGEIRS IItIMS
Companhia Franceza de "aveg
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o H.vre, Lis-
boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
0 vapor Mi Je Sais
Commandante Henry
E' esperado da Europa
at o dia 5 de Outubro, se-
guindo depois da indispen
savel demora para a Ba-
bia, nio tle Janeiro
e Mantoa.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarenga. qaal-
quer reclamace concernente a volumes, que po-
ventui a tenham seguido para os portos do su'.au.
de se poderem dar a tempo as previdencias neces-
sarias.
Expirado o referido prase a companhiSoa n se
responsabilisa por extravos.
Para carga, pat sageos, encommendas e dinheirc
a frete : trata-se com o
AGENTE
A'usif Labille
9 -RA DO COMMCRCIO-9
COHI'lMIIt PBBNAMi'CANA
DE
Savegaeo coeteira por vapor
r/ORTOS DO SUL
Nacei, Penedo, Aracaj e Bahia
0 vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 29 de
Setembro s 5 horas
-da tarde.
Recebe canga at c
Idia 28.
Encommendas, passagens e dinheiros a frete att
i 3 horas da tarde do dia 29.
ESCREPTORIO
Ao Com da Companhia Pmambucana
n. 12
arreios, argolas, colleiras, guias de sola inglesa e
chioiies para montara.
Quarenta pelles de pirco Biynet, 10 dusias
bezerro l Suser, beserro de diversos fabricantes,
elsticos de seda e de algodo, cordavo e man-
as franceses, marroques de lores, tapetes para
t patos, castores para forro de carro, cadarcus,
presilhas, enfiadores, ilhozes, satin Poliscb.
Tapetes aveludados, sola do Rio, becerros cor-
nellies, solas preparadas para correias, e bombas,
pellica, malas de mo, oleado para forro de es-
cada, capas de borracha.
Silhes, sellas, mantas, couros e mais per-
te nces.
SEGUNDA FEIRA 26 DE SETEMBRO
No armazem ra do Mrquez de Olinda
n. 53
Mendos 4 Pereira fazem leilo por intervencSo
do agente Piuto de um variado e completo sorti-
mento de artigos para loja de eapateros, stlleiros,
corrieiros e artigos pra carros existentes em seu
estabelecimento na ra do Marques de Olinda n.
53, em liquidaco.
Em continua^o
vender o mesmo sgente urna armacao inglesa, 3
riteiro envernisados e niviciraeados, 1 armario
grande, mezas, carteiras, estrados e repartimentos
para escriptorio e outros movis.
Principiar s 10 horas.
Agente Silveira
Leilo
Da oasa terrea ra da Santa Cruz n. 44
em terreno proprio
Quinta feira 3 do corrente
Ao meio dia em ponto
No armazrm do largo do Paraizo n. 2S
0 agente Silveira, por mandado e com aesisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito da provedoria,
levar a leilo a referida casa (comfronte ao mer-
cado da Boa-Vista), a requerimento do inventa-
rante de D. Lana Mara.do Nascimento, tendo a
casa 2 portas de frente, 2 salas, 2 qsartos, cosi-
nba lora, ptimo quintal murado e cacimba pro-
pria.
Os Srs. pretendentes podem examinar.
Leilo
De urna excedente e gorda vacca tourina
Segunda-feira, 26' do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 19
Ciii continuaco
De mobias, pianos, mesas naiticas, guarda-
IcuQas, guarda-vestidos, sotas, C;mn;0aas, latas
com sardiuhas, latas com minteiga ingleza, pra
tos, cbiearas, copos, clices, apparelhos para toi-
lets e muitos outros artigos que serao vendidos sem
limites.
POH INTERVENGO DO AGENTE
(jusmao
Leilo
De urna grande chcara no lugar denomi-
nado Barreiras em C-xang perto da
estarlo com casa para grande familia,
com u-'S cacimbas, b mb.is, estribaras,
baixa de capim e umitas outras bemfei-
torias, be.n como urna pequea parte do
eng-nho Brum, em cu jo terreno se acha
editicada dita casa, propriedade do Sr.
J. A. Thom.
(Em um t.'i lote)
Sexta-fera 30 do corrente
Ao meio dia
Agente Pinto
\o armazem da ra do arqnez
de Olinda n h'l
Os pretendentes podem examinar desde j dita
ea9a, entendendo-so com o mi smo agente.
Le'lo
Leilo
De um cofre inglez, novo
Terca feira, 27 do correle
A's 11 horas
No armazem a ra do Mrquez de Olinda
n. S3, {deposo de couros preparados)
i Por occasio do leilo de cabecadas, rabichos,
loros e mais ebjectos para selleiros e sapateiros.
De urna grande chcara no lugar denominado
Barreiras em Galanga p rto da estacao, cem casa
para grande familia, com 2 cacimbas b. mbas, estri-
baras. 1 baixa de capim e maitas outras bemfeite-
rias ; bem como urna p- quena parte do eogenho
lirum em cojo terreno se acha edificada a dita casa
propriedade de J. A Thon.
(Em um t lete)
Sexta feira 30 de S-tembro
\o meio dia
Ag-ente Pinto
No armazem da ra do Mrquez de Olind*
n. 52
Os pretendentes podem examinar desde j a dita
casa, entendendo-ae com o mesmo agente.
De 2 pipas com vinho branco e 2 ditas "
com vinagre
Terca fe i ra 2 7 de Netembro
VT t-.A** lV,rf \, ,~i Precisa-se de urna rapariga para andar com
Na ra de Uoroingos Jos Martina n. 1 urna crianca : a tratar na ra Augusta n. 280.
O agente Martina far leila por mandado do Ns anemias-
Illm. Sr. Dr. juiz substituto do civel, das pipas de q&m DUra
AVISOS DIVERSOS
nico reconstituinle a Agua de
vinba e vinagre cima, pertencentes a Libanio
Costa, e sao vendidas para pagamento da execu- |
cao que move Antonio Joaquim Casco contra o '
referido Libanio Costa.
Pacilic SleB Navigaoniionpany
STRAITS OP MAGELLAN LINE
Paquete Aconcagua
' esperado da Euro-
pa at odia25deSe
tembro, e seguir de-
pois da demora do cos-
tume para Valparao
eom escala por
Baha, Rio de Janeiro e Monte
video
Para carga, passagens, encommendas e din-
beiro a frete tracta *e com os
AGENTES
Vllson Sons t *'., Limited
N. 14 -RA DO COMMERCIO-N 14
Grande Bledo Sal
Segu com brevidade para j porto cima a bar-
ca nacional Mara Angelina : para o resto da car-
ga que Ihe falta trata- se com Jos da Silva Loro
A FHhj._______________________________________
Porto por Lisboa
Com destino aos portos indicadas seeoe com
brevidade a barca nacional MarinA* XI; para
carga e passageiros, trata-se cora os consigoata
i ios Jos da Silva Loyo &. Filbo.
Leilo
de jabonetes finos, em cartoes, e caixinkas de raa-
deira, contedo de 4 caixas grbndes, diversas
miudesas e machinas de costura.
Quarta-feira 28 de Setembro
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 52
Agente Pestaa
Leilu
Da boa casa terrea sita ra de Chrystovo Co-
lombo antigo becco do Lobato n. 7, fregoesia
de S. Jos.
Quarta-feira, 28 do corrente
A's 12 horas em ponto
No armazem da ra no Vigario Tenorio
n. 12
QO agente Pestaa far leilo por mandado e as-
sistencia do Exm. Sr. Dr. juis de orpbos e au-
sentes da casa terrea cima mencionada perten-
cente a Januario Antonio de Lima e ana mulher.
i asente Pestaa
_Aluga-se casas a SUOO no becco dos Coe-
ihos, junto de S. Gooc,allo : a tratar na rna da
Imperatris o. 56.
Alnga se por 10*000 a casa n. 21 na Var-
sea, defroote da estafo, com armacao ; a tratar
na ra da Imperatris n. 56.
Compra-ee urna casa terrea na ra da As-
sumpcao ou Santa Cecilia ; a tratar na ra do
Marques de Olinda n. 3, loja.
NSo ha quem nao saina que no tempo doeaj
familias inteiras acampam debaixo dos cajueiros
d'onde sahem nedios e anafades, nutrindo-ae ex-
clusivamente de producto dos meamoa cajueiros.
Precisa-a* (le utna perita cosinheira que y
comprar e que durma em casa ; ra de Joaquim
Nabuco n. 9, Capunga.
= Entre duas eata^Ses Cruz daa Almas, alo*
ga-ae ama casa propria para estrangeiro, eom to-
das as ascommadacSes em frente da chcara do
Sr. Thon : a tratar na ra Io de Marco n. 25,
loja de jotas.
A agua pura
droga Denhuma
dicioal fructa conservado.
de Gaj (o nome o dii) nao tem
nociva, apeBas o sumo da me-
Prscisa-se de criado para vender tabsleirc :
na ra da matriz da Boa-Vista n. 3.
ALUGA-SE urna casa em Santo
Amaso, ra do Lima. n. 30, propria para
familia grande ou collegio. Tem 7 salas,
15 quartos, agua e gaz encanado, appare-
Iho e quintal: a tratar na lytographia do
J. E. Purcell, ra Mrquez de Olinda
n. 8.
Quem deixar de convalescer crear appetite, e
engordar para evitar gastar alguna mil ris Da
deliciosa bebida Agua de Caj pura.
i>e predios)
luarta feira, de Setembro
As 12 horas
No armasem ra do Vigaria Tenorio n. 12
0 agente Pestaa autorisado vender o sobrado
sito ra de Vi Jal de Negreiros o. 91, de um an- Na eogenboca Bemfica ra Keai da Torre
dar, tendo os sezuintes commodoa : 3 janellas de precisa-se de om carroceiro entendido ; a tratar
frente, 1 porta, 2 salas, 2 quartos e o pavimento | ns mrsma.
terreo eccupado por estabelecimenco de moibados,
Aluga-ta barato o 1 e !! andar do sobrada
da roa do Pogo n. 18 ; a tratar na ra de Marei-
lio Dias n. 31, arinasem.
1840 0 mensaes, dando fiador idneo, a casa
da travessa da Bjmba n. 4 ; trata-se roa do
Pilar n. 125.
rendendo mensalmente 364, edificado em solo pro-
prio.
Urna casa nos fundos do mesma sobrado, sita
no largo do Forte n. 56, com 2 salas, 1 qaarto e
quintal, rendendo 154 mensaes em terreno pro-
prio.
Um sobrado sito ao larga do Paraso n. 11, com
grandes commodoa para familia, em terreno pro-
prio, rendendo 4004 annuaes.
O agente Pestaa vender no dia e hora men-
cionados cima, os predios alludidos que pelo bom
estado de conservaco e bous rendimentos chamara
atienta'i dos Srs. compradores.
LLES
Segunda-feira, 26, o de objectos de selleiros,
sapateiros, eorrieiros, e ai tigoa para carros, exis-
tentes no armasem dos Sra. Meude: & Pereira da
ruado Marques de Olinda n. 53, em liquidaco,
bem como a armacao, fiteiros e carteiras.
Quiota-feira 29 deve ter lugar o leilo de
dona armazena e urna casa de residencia na cidade
de Limoeiro, a ra da Matris, ua referida casa;
Sexta-feira 30 o de urna excedente chcara
as barreiras em Caxang : boa acquisicao para
quem precisar de urna propriedade.
Leilo
De 1 piano quasi novo, 1 mobilia de mogno,
1 guarda-roupa, 1 guarde louca, 1 cama francesa
de Jacaranda, 1 mesa elstica de 6 tabeas, 1 mesa
com estante, 2 carteiras, 2 bercos, 2 malas, 4 me-
sas para jautar, 1 lavatorio com pedra, 2 mar-
qu> zo-6, 1 guarda-comida novo, candieiros para
kerosene e gas carbnico, quadros, louca, jarros,
mouxoa de palinha, aparadores, grande quantida
de de livros e outros objectos.
Segunda-feira 27 do corrente.
A's lo li* horas
Ra de Pedro Alfonso n. 43
Agente Britto
Grande e variado leilo
de vaquetas da Rueaia Extra, e de cores para
carros, sola de lustro-liso inglesa, lindas lanternas
para carros, casemira de seda azul e gales para
carros, botoes de metal, chaves, armellas e pregos,
oleados pretos e palhinha para carros, fivellaspara
Do grande predio edificado raa da Ma-
triz na cidade do Limoeiro, pertencente
ao expolio do finado Guilherme Deffren.
Uuiita-feira, 29 do correte
Ao meio dia
Ns propria ca no oitiiw da Matriz
da cidade du Limoeiro
O agente Piuto far leilo per autorisaco do
Sr. cnsul do imperio germnico, em presenca de
seu delegado e por conta e naco de quem perten-
cer.
Dos 2 grandes armazena que podem comportar
1.000 aaccas de algodo, 1 grande casa de mo-
radia com grande quintal, todo murado, telheiroa,
cacimba o mais bt mfeitoriaa, formando as tres
casas nm s predio pertencente ao eppolio do fina-
do subdito allemo Guilherme Deffr- n.
Os pretendentes podem desde j examinar dita
casa, cuja chavo ser encontrada na casa vismha
dos Srs. Medeiros c Vereda, e cemparecerein ao I
leilo no dia 29 do corrente. Aluga-se pelo preco ac-ma urna grande casa
ra de Marcilio Das n. 104, propria para qual-
Aluga-se urna pequea caLV de carreira
propria para pescara ou para paasagem no rio :
quem quizer trate no armazem de maUriaes roa
do Marques do H-rval n 35.
Precisa se de Bata ama que saiba coainnar e
comprar, para casa de pouca familia ; a tratar no
Monteiro, junto a casa do Dr. Loureiro.
Cestas de vime de todos os tamanbos, para
compras.
Arruts a mais especial que vem ao nosso
mercado, propria para alimentaco de crancas.
= Abanos, teem grande porco e venden
mais barato que em outra qualquer parte ; na
armasem Confederaco da Norte, de Martina Pi-
res & C. ra estreita do Rosario n. 1-
Precisa-se de urna awa que cosinbe com
porfeicao. para casa de hornera selteiro : ra da
Uoio n. 54.
Aluga-se a bella casa do pateo de S. Pedro
Novo n. 2, muito treeca, toda murada, com muit*
ooas sapotas, gaz e muitos commodoa a tratar
na ra do Marques do Herval, loja n. 23.
Precisa-ee de uina ama para coaiohar ; a
tratar na ra Duque de Caxiaa n. 60-A.
Vende se urna casa de taipa acabada a
novo, situada na estrada de Joo de Barros, de-
fronte do sitio do Dr. Dio Joro Catanho ; a tratar
na meema.
Ama
Precisa-sc de urna ama : na ra daa Cruzes nu-
mero 36.
25.000
2* leilo
Agente Britto
Movis, espelhos, etc.
O agente cima, a mandado do Illm. Exm. Sr.
Dr. juis de direito da orovedoria, far leilo dos
objectos ahaixo, pertencentes a nm espolio i
Duas mobilias de Jacaranda, l guarda-roupa, 1
guarda-comida, 3 Carteiras. 2 espelhos, 3 quarti-
nbeir.ia, 1 cofre de ferro, 5 aparadores, 1 cabide
de parede, 2 venesiaoas novee, 1 machina nova
par amolar facaa, 1 aparador de caixo, 5 bancoa
para jardim, 4 cadeiraa de balanco, 2 camaa de
ferro, 2 estantes de faia, 2 gradea, 1 mesa de ama-
relio, 1 lavatorio com pedra, 3 bacas grandes de
metal, 1 banheiro de madeira, 1 mesa redonda de
ferro, 1 candieiro de metal para gas carbnico, 1
banquinba, 1 temo de medidas de systema deci-
mal, 1 banco envernisado, 1 secretaria de mogno
e outros objectos.
Quinta-feira 29 do correnta
A's 10 i|2 Aoros
Raa do Bom Jess n. 45
quer genero de negocio
peranc*.
a tratar na loja da Es-
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira
perador n. 51, 2- andar.
na ra do Im-
Cnado
Preciaa-se de um criado que saiba 1er, escrever
e contar, entenda de opeiro e d fiador e saa
conducta ; a tratar na ra da Madre de Deus n.
5, armasem, de 9 horas s 4 da tarde.
Ao commerco
O abaixo assignado, gerente e socio da firma
Moreira 4 Irmio, retirando se temporariamente
para a Eur pa, para tratar de sua saude, deixa
como seus cantantes procuradores os 8rs. Fran-
cisco Jos Lopna Braga e Jos Paulo Botelbo.
Recife 23 de .-.tembro de 1887.
Antonio Francisco Moreira.






V



V
7



OD


*
waaP|MMpi
e
liario
cz
Aviso
Emilio Billion, Engenbeiro Mecnico, engarre-
ga-se de montar novo* apparelhos, dea melhores
fabricantes fraaoeaes, o mai apperfeicoadoa,
pelas condicS. s e precos seguintes :
O assacar ser fabricado pelo systema Bro-
eheton e Billion igual ao da Usina Pinto.
Garante-e no mnimo 9 % de asacar cris-
taliisado de todos os jactos, e 10 de repressao, augmentando os precos abaixo de-
clarados.
O trabalbo dos apparelhos ser por 24 ho-
ras, se aproveitaro os edificios existentes, com
pequeas reformas ; os propnetarios daro todo
material, como : tijolos, cemento, cal, rea, ma-
deira, etc. fioando por oonta do empreitorio todo
mais trabalbo.
Pren da* Ualnaa
09
g
- Q
a 2
88
100 tonnel.
125
150
aoo
=
<
B
5
9.000 k
11.250 <
13.500.
18000 .

no
140
168
225
sae.
a
110:000*000
130:00<><000
150:000*000
180:000*000
Para qnalquer explicaco, dirigir se ni Usina
AripibfU Usina Bosque.
AMA
Precisa-se da urna ama que engomme com per-
feico e maia aervicos de casa de familia ; a tra -
tar na ra do Baro da Victoria n. 7, segn Jo
andar.
Precisa-se
de um homem e de nma mulher para vendagem
a tratar na ruado Vigario n. 9, 1 andar.
Ao
commercic
Os abaixo aaaignados declaram ao respeitavel
corpo comine rcial desta praca, que nesta data dia-
solveram amigavelmente a sociedade que tinharr
no estabelecimento de mclhados sito ra do
Visconde de lnhama r. 55, aob afirma Dian
Guimaries & C, retirando se o sacio Antonio
Goncalvs Diaa pago e satisfeito de seo capital i
lucros, e ficando respensavel pelo activo e passivo
o socio Ernesto da Silva Araujo Gnimaree, conti
Bando a meema Sm ate o tim do anno.
Kecife, 20 de Setembro de 1887.
Antonio Goucalves Dias.
Ernesto da Silva Araujj Guimaraes.
4 *r. Ur. Vrenle Pero Ira da
Me aro
Para nao incommodar-ee, qneira ter a bondadn
de enviar para a rna do Bara da Victoria n. 10,
a res posta da carta registrada aob n. 12, e que
foi a V. S. entregue no dia 14 do correte, pois o
portador ahi espera.
Casa em Ulinda
Alaga-se urna casa em O linda, ra de S.
Bento n. 33, tem agua encanada, pintada de novo ;
a tratar no Varadouro ou na ra do Bario da
Vietona n. 60, armasen) de molhados.
Para passar a testa
Aluga ae urna excellente casa com agua e gar-
com bastantes commodos para familia, na traves-
ea da ra de 8. Bento n. 4, ou largo de 8. Pedro
Novo em Olinda ; a tratar na ra do C mmercio
n- 26, A, Recite.
Caixeiro
tjsJPrPcisa-so de um caixeiro de 12 aonos de idade,
que d conhecimento de sua conducta ; a tratar
aa ra da Roda n. 11, taverna.
lieclame!
Nao deve haver contestacoes quanto precoa de
nma grande parte de artigue, verdadeiras pecbin-
chas, que se encontram na antiga casa Carneiro
da Cunha ; nossos dignos leitores que aprecien], os
que abaixo se seguem :
Brinsinhos de cores para rcnpae de enancas a 280
rs. o covado !
dem pardo boa a 320 e 360 ra. o dito !
dem branco de liobo, n. 6 a 1*500 o metro !
Casimiras pretas diagonal, 2 larguras, a 1*600 e
1*800 o covado!
Cheviots superiores, pretoe aaul, a 3* e 3*5(0 o
' dito !
Bramantes, puro linho, 4 larguras a 1*900 o metro!
Atoalhado bordado, a 14200 o dito !
Madapolao americano, com 24 jardas 5*800 a
peca!
Algodao largo muito encorpado a 4* a pf ca !
Seroulaa de bramante bordadaa a 12* e 16*000 a
dusia !
Leocrs brancos e de cores, abaohados a 1*600 e
1*800 a dito !
Camisas francesas e inglesas, de linho a 36*000 a
dita!
Meias inglezas para homem a 4*580, 5* e 6*000 a
dita!
Toalbas felpuldas e alcoehoadas a 3*500 e 4*000
a dita!
Com as Exmas. s. nhoras
Riquidsimas goarnicoea de crocheta a 8 *000 !
Lindas grinaldas e veos para noivas a 9*00C e
121030!
Eapartilbos americanos e franceses, a 4*, 5*500 a
8*00!
Ficbs e entradas de baile a 3* e 4*000 !
Colchas fraocezaa e c b- rts, grandes a 3* r 4* !
Camisas bcrdadi-a para st-nbora a 3* e 4*000!
Sargelina de todaa aa (rea a 240 rs. o covado !
Setins m .cao todas aa corea a 1*000 o dito !
Setiuetas lavradaa de corea a 280 ra. o covado!
Cachemires de listinhaa para veatidoa a 400 rs. o
dito?
Velludinhos lisos e bordados e 9(0 rs. e 1* o dito!
Pecas da esguio para camisinbas ltfjardas por
4JKMM
Linhca de quadrinhos, muito largos, a 200 e240 ra.
o covado !
Mirina para veslidoa orna largura 560 ra. o dito!
dem preto 2 larguras a 800 ra., 1*' 0J e 1*501) o
dito!
Fustoes brancos bordados, fiuos, a 400 rs. o dito !
Nansks de cores, (nao deabetam) 160o dito!
Faillea, ultimo gosto cm padroes, a 400 ra. o ditol
Cambraia Vitoria e transparentes iOjardas a 3*
e 3*500 a peca!
Aos Srs. Fasendeiros
Algodao da Baha superior a 320 ra, o metro !
dem de corea, do Rio a 440 re. o dito !
Vendas em greeio damos deacontoa da praca.
59Ra Duque de Carias59
Pereira & Magalhaes, aaccessores de Caru iro
da Cunha & C.
~i
I
Sein dieta e sem modi.-
cafoes de eostumes
Laboratorio central, ra do Visconde
Rio BrEnco n. 14
Esquina a ra do RegenteRio de
Janeiro
Especficos preparados peio pilar-
maeeotico Eugenio Marques
de Hollanda
Ap pro vado s pelas juntas de bygiene da
Corte, Repblicas do Prata e Academia de
Industria de Pars.
Elixir de imblrlblna
Restabelece es dyapepticoa, facilita aa digea-
tee e promove as ejeecoea difScea.
Vlnbo de ananas ferrusinoao e
quinado
Para os chloro-anemicoa, debella a bjpoemia
intertropical, reconstitue os hidrpicos e beribe
ricoa.
Xarope de flor de arucira e mu
tasaba
Muito recommendado na bronchite, na hemop-
tys"! e as toases agudas ou chronicas.
leo de tealudua fi-rruslnonu e raa-
eaa de laranjaa amaran
E' o primeiro reparador da iraquexa do orga-
nismo, na fysica.
Plala aaie-perleaieaa. preparadaa
com pererloa, qulnn e JanornnUv
Cura radicalmente ae iebres intermitientes, *e
utientes e perniciosas.
?"lobo de Jarabeba Imple* e lam
em ferrasrlnoao, preparados
em vlnho de eaj
Efficazes as iuflamaces do figado e baco agu-
das ou chronicas.
Vinbo loi.lc de rapilarla e qalna
Applicado as convalescencas das parturientes,
retico ante febril.
Francisco Mam da Silva & G.
RA DO MRQUEZ DE OLINDA
Emilia Vleira Kanes
Clemente Nunes Pacheco e Herminia Vieira
Braga de Lteerda agradecem s pessoas que
acompanbaram ao cemiterio os restos mortaes
de sua presada esposa e fi'ha, Emilia Vieira Nu-
nes ; e convidam seus parantes e amigos para
assistirem aa miasaa que, pelo descaneo eterno da
alma da finada, serio c- lebradas na igreja da or-
dem terceira de 8. Francisco, no dia 26 do cor-
rente, as 8 horas, do que ficarao cordialmente
Rgr- dprid'"K.
CUIDADO COM
AS FALSIFICACOES!
PARA
O LNfO O TOUCADO
E O BANHO.
AMA
Preoisa-se de urna ama para cemprar e
cozinfaar em casa de familia : na ra Du-
que de Caxiaa n. 14 se dir.
A NfMT
rrecisa se de urna ama para casa de pouca fa-
milia ; a tratar no becco do Peixe Frito n. 9, se-
gundo andar.
Ama
Preciaa-se de urna ama :
Santo n. 17, 3- andar.
no largo do Corpo
Ana e criado
Precisa-se de urna boa cosinbeira e um criado
que entenda do servico de copeiro ; a tratar na
ra do Marquaz do Herval n. 37.
I
O EXTRACTO COMPOSTO DE
Salsaparrilha
do Dr. Ayer,
E' nm l SM QM extirpa completa-
tH 'lo systrina a Ksfrofu'ft Hf reditaria, as
affeccGcs que tem amidae com as enfermulades
contagiosas, e as occasiuDadas pelo mercurio. Ao
ruesnio tempo vitalisa e enriquece o sanguo com-
mullicando urna aoco saodarel ao organismo e
rejuvenescemlo o syslema Inte'ro. Esta grande
Medecina Regeneradora,
composta com a verdadeira Salsaparrilha de
Honduras, doa IimIos de Potasato e de Ferro, e
outrof ingre I :iude potencia e virtudes
tur ittTM, cutladosa e sclcntiftcamente preparados.
A formula geralinenie t-onhecida da proisso
medica, o os melbores medloof rcceto a Salsa-
PAKRILIIA IH> iH AVUt t'OIDO Ulll
Remedio Absoluto
para as enfermidades occasiouadas pelo atado
vicioso do nancne.
Kst concentrrulo ao grao roais alio pract icnvi-.l.
iniiilo mais qw qurilqner ontra preparacSo da sua
que pretaside proporcionar iguaes_ eff'.'itns. o
por tanto a mederina nmis barata, assim como a
inelhor para purificar o sangue.
PHEVARADO PELO
DR. J. C. AYER k CA.,
Lowell, Mass., E. A.
A' venda as principacR phsirmacia-s e drogarais.
SEM0LIXA
De Brons k C, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo processo
de trigo da melbor qualidade, possue os elemen-
tos necessarios para nutricio de criancas e doen-
tes, e muito se recommenda^por ser de fcil di-
geatao e gosto muito agradavel ; tambem pode-se
faxer urna excellente papa, misturado em partes
iguaes com a maizena dos mesmos fabricantes,
addicionandoae-lh* algum loite. nicos agentes
neata oraca, Saundera Brothers & C, la/go do
Corpo Santo n. 11, primeiro andar.
VENDAS
Vende- ae a casa da ra da Conceicao do
povoado da Torre n. 2. com um terreno de cento e
tantos palmos de frente e 300 ditas de fundo, ten-
de diversas arvores fructferas, eacimba e bomba;
a tratar na mesan.
Mello to carite fle a
Cbegou a primeira remeasa do precioao farelle
de caroco de algodao, o mais barato de todos os
alimentos para animaes de raca cavallar, vaceum
suino, etc. O caroco de algodao depois de ex-
trabida a casca e todo o oleo, o mais rico ali-
mento que se pode dar aos animaes para os forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Unidos da America do Norte e na
Inglaterra elle emoregado (com o mais ielii re-
sultado) de preferencia ao milho e outros farelloa
que sao muito mais caro e nao sao de tanta sus-
tancia.
A tratar no Recito rom FragaBurba
Quero qnizer alugar a casa n. 8 ra da UniSo
com muitas accommodacoes, poder entender-se
com os Srs. Negreiros ra do Imperador n. 24.
t
lrael Afroamo Fcrrel a
Celestina Fernandea Ferreira. aeua filos, cu*
nba ios e primos agradecem s pessoas que acero-
panharam ao cemiterio o seu muito presado ma-
rido, pB. irmio e primo ; e de novo convidam os
seus paren'ea e araigoa para assistirem as missas
?oe por seu eterno repjuso mandam celebrar as
1|2 horas da mnihi do dia 28 do andante, na
igreja da Solidada.
iBr -*-- -i-: t____
tranrlxiu Uuarlr Hudrlicaea
1 tenente Jeronymo Uuarie Kodriguea, sua
seuhora e filhos, e aeua ironJio Eduardo Duarte
Kodriguea e Delfino Dnarie Kodriguea (auaente),
convidam aoa parentes c amigos do aeu aempra
lembrado irmSo, cuohado e tia, Francisco Uarte
Rodrigla, p-.ra asaiatirem a urna miaaa que man-
dam resar no stimo dia de seu paasamento, na
matriz do Corpo Santo, no di 26 do corrate, s
H horas da maoha, pelo que aam gratos par eate acto de religio e caridade.
AMA
Precisa-se de urna cri-da para engommar roopa
lisa e outros aervicos leves em casa de familia :
na loja de fazendas ra Duque de Caxias nu-
mero 44.
Ama
Precisa-se de urna
ra Imperial n. 42.
ama para engommar ; na
Ama de leite
Precisa-se
Mrquez do
Venus.
de urna ama de leite; na ra do
Herval n. 163, defronte da fabrica
Tbeaaolea Has-colino da Silva
amigos e correligijuara do finado Themoteo
Marcolino da Silva mxniam reaar urna missa por
sua alma na igreja de N. S. da Conceicao do Pe-
res, s 7 boras da msnba do dia 26 do corrate,
convidam os parentes e amigos do mesmo fi-
nado.
VBtaVar *mZBBMKUSt, ->
arael affonao I irrelra
Fernando AsTuaso Ferreira, sua mulher e filhoa
convidam a todas seas parentes e amigos a assis-
tirem a miaaa que por alma de aeu preaado irmao,
cunhado e to, Israel Affmsj Ferreira, mandam
celebra- nasaataie de Palmares, a 7 horas di dia
28 do correne, stimo do aeu paeaamento, confes-
aaudo-ae desde J gratos por easa prova de nmi-
zade. religio e aridade.
Tatemles alarcollno da Silva
J/artinho Marcolino da Silva, Eustaquio Marco-
lino da Silva, Joaaoa Marcolina da Silva, Catha-
rna Mara da Paixio, agradecem cordialmente
todos oa parantes s amigos que acorapanharam ao
cemilcrio publica oa restos mortaes do seu falle
cido pai e eunaado, rhemoteo Marcolino da Silva,
e de novo convidam assistirem a miaaa que
mandam celebrar sm da 26, pelaa 8 horas da ma
nb, na iereja dos Martyries, stimo dia de seu
tallecimento, e asde j ae conteasam agradecidos
a aqoellea que se digoarem asistir a eaae acto de
relirio e caridade.
Alaga-se barato
Sua Viaconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra Coronel Suasauna n. 141, quarto.
Becco da Bomba n. 8.
Coredor do Biapo 1 .
Baixa verde n. 1 C.
Largo do mercado com agua n. 17.
Ra do Calabouco n. 4, loja.
frata-se na ra do Commercio n. 5, 1' andar
eseriptoro de Silva GuimarSes & C.
Plalas porga-uvas e depurativas
de Canipanha
Estas pilulas, cuja preparac&o puramente ve?
/etal, teem sido por mais de 2 annos aproreitadae
com os melhores resultados as seguintes moles-
tias : affeecoes da pelle e do figado, sypbilis, bou
boes, escrfulas, chagas inveteradas, erysipelaa e
gonorrhas.
Modo de aiaal-aa
Como purgativas tome-se de 3 a 6 por dia, be-
sendo-se apos cada dse um pouco d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : torae-se um pilula ae jantar.
Estas pilulas, de invenc&o dos pharmaceutieus
Almeida Andrade & Filhos, teem veridietum do*
Srs. mdicos para sua melbor garanta, tornande-
je mais recommendaveis, por serem um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
osadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
' *lBBA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
CASA DA FORTUNA
Aos m OSOOO
RI i heles garantidos
23-RA PRIMEIRO DE MARgO-23
Da 9a lotera da provincia venderam
Martins Fiuza & C. os seguintes premios
garantidos .-
3725 1:0000000
2566 500000
3101 200*000
2932 50*000
Acham-se venda os afortunados bi
Ihetes garantidos da 10* lotera da provin-
cia em beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se eztrahir quan
do for annuoiada.
HKINSON
>ERFUMARIA INGLEZA
afamsda ha uwii de um :.eculo excede todas
AS outraspelomqperfumedeli^aloe-iqu>nto.
TREZ MkDALHAS Ifc OURO
PARIZ 1878. CALCUTTA 1884
pala extra-fina <*x-ellrnria de sja qualidads.
SfRIfi FLOWERS
JOCKEY CLDB I J.MIM
HEUOTrtOPIO NABN0L1A
* Agua afamada de
LAVANDA INGLEZA DE ATKINSON
outrosi muilos cuuh'-cidos pe.-f;.m'*^ y*, soa
qualidade e odor deleita*vl e exqunito-
PASTA IIIEHTAL FAIA OtUTS M ATIINSIN
sem rival para al vejar e embelecar us deatss
S preservar as geogiv is.
tMNtn m Cu e t4n ts Se ea -laiin e fasrieut*]
J. V E ATKINSON
34, Od Bond Street. Londres.
Marca de FabricaUrna" Rosabranca" ,
sobre aras Lyr de Ooro.
Sementes de carrapato
Compram se pequeas quantidades ; na droga
ria de Francisco M. da Silva & C, ra do Mar-
ques de Olinda n. 23.
HademoLselle (olinha
Ra do Imperador n. 55, segundo andar.
Modista
de assucar
Terreno
Vende-so um torreno confronte a estaco do
Principe, eatrda de Joo de Bitroi, com 90 pal-
mos de freute e bastantes fundn, e c-m alicercet
para 3 casaa; tratar oa rna d'Apollo n. 30, pri-
oiro andar.
Barato
(el Pereira Cilraldea
Francisca Candida Geraldes, Jo&o babino Pe-
reira Geraldcs, ina mulber e filhos, st-u irmS-,
s Mas irmaa, sea canhado e sobrinhos, convidan a
t idos os seus aarentt-s e amigos e os do sea
nunca asnas f/anfe'sdc esposo, pai, sv e sogro,
para assistirem as missas que por sua alma nerio
clebraaas na matris de 8. Fr. Pedro Martyr em
Olinda, as 7 boras da manha do dia 28 do r-orren-
te, 1 annivarsario do seu passamento, n desde j
antecipam o sea eterno reconhecimento a todas as
peflsoas qae se dignarem comparecer ao referido
neto.
Asm alaria. Keelp
Carolina Luisa Spieler, Anoa Carneiro da Cu-
nba, Guilherme Spieler e Joo Silreira Carneiro
da Canas, sinceramente reconheeidos a todos
sqoellrs que ss digaaram comparecer ao enterra
mento de saa preandissima mi e sogro D. Auna
Mara Koeip, os eoavidin, de novo, 4 sssisttr as
missas qae pelo repens eterno de masut finada,
mandam rosar na matris da Roa-Vista as 8 boras
da maon de segunda-f. ira 26 do corrate.
por mais esta prova de estima e apreco a to-
dos profstni a sos grHtiddo.
Ao commercio
Os abaixo asignados tendo justo e contraetsdo
a compra da fabrica de leos Vegetaes ra da
Aurora n. 161, que gira aob a firma de Martins i
Kastos Saccessores, pedem aos credores da mesma
firma que apresentem seus ttulos no praso de 8 dias
na mesma fabrica do meio dia s 3 boras da
tarde.
Recife, 19 de Setembro de 1887.
Jos Gomes d'Amorim.
Tbomaz Antooio Guimaries.
FolliiDhas de Laemmert
PARA
.1888
J che^aram para
Livraria Parisiense n.
7 A ra Primeiro de
Marc.o.
Poltica
Lease os impressos qae se est distnbuindo
oa pbarmacia americana.
slasi
, -*-Hmentaoto raotonal
i sec. cai*acs, asnas a cotrv*Lircrirrt
Ptrmod! PMHr>ilAnSA WatUrtm.
PARO, S, twac VUlorli. PsJQX.
pasriUriti sa rtr/umtoee : rtlAM- a. da SU.va tf\
<*oe r <> tenar
Cossy Javeaal do Keg i e soa mulhtr Claadna
Fraocieca Guimaries Reg mandam resa-urna
missa na orden) tere- ira do Carmo, s 7 1/9 boras
do dia 26 do correte mes, pela arma de sei pri-
i mo e afildado, Jos Pi C< sar. e eeavidam ns aa-
rentes e smig s do sm' fisadn.
A o publico cao com-
mercio
O abaixo Mignado, tendo de retirar-so para
fsra da provincia, declara que nao deve nada
nesta praca nees mesmo fra della, quer em tran-
scc9es commerciaes oa mesmo partieulares ; te
alguem se jolgar eredor, queira apresentar stus
ttulos, ala de nretn conferidos e pagos, no praso
de tres das, a contar da dura d*ste, na mercearia
roa de Gervesio Pires n. 31. Itecife. 24 da in-
toabro de 1187.
Jos Costa da Suva Maia.
Coche-ira Norle-Pernambacana
Com este titulo acaba de se fundar na cidade de
Goyanna, um grande estabelecimeoto de carros
de alugoel, pertencente a firma social Aranha,
Ucha & C, que se prnpoe servir ao publico com
a maior regularidade presteza e por precoa m-
dicos.
'ora em diante partirao todas ss quintas-feiras
de Goyanna, s 6 horas da maob e Ss 3 da tarde
para Olinda, e de Olinda para Goyanna aos sab-
bados, s 6 boras da tarde, e aoa domingos s 7
horas da manda. Os carros nao admittiro nu-
mero de passageiros superior a sua lotacao.
O preQ,> de cada viagem de ida e vulta ser
124000.
Viagem de ida ou volts sement, ser ti000.
O passsgeiro tera direito a assento reservado,
pagando mais 2 .0,.>
Espera a empresa qae nao Ihe faltar o auxilio
do publico, com especialidade do commercio de
Goyanna, auxilio que promover retribuir, esfor-
candi-'ie para que o servico se faca com a maior
regularidade possivel.
Logo que o tempo e as estradas melborarem,
sera reducido o preco das passagena.
Fumo carioca
Preparado pela acreditada fabrica do Rio, de-
nominada Fonte Limpa ; vende se em pacetinhos
em todos os estabelecimeutos ci retalho.. nico
deposito, na fabrica Venexa, arco da Conceicao
nmeros 4 e 6
rende tita te oa aoffrela pe so : 4
Usai o melhor remedio, que o PEITORAL DE
CAMBARA', e veris coao vosso soffnmento des-
apparece. Vende-se na drogara dos nicos agen-
tes e depositarios geraes na provincia, Francisco
Manoel da Silva & C, ra do Marques de Olinda
a. 28.____________________
Attem;o
Manoel Carpinteiro e Souza previne a seus de-
vedores de virem satisfaser seus dbitos no En-
trooeamento (Manguinho) no praso de 15 dias, a
contar d dicialmente. Recite, 23 de Setembro de 1887.
Manoel Carpiteiro e Souza.
Apparelhos econmicos para o cozimen-
te e cura. Proprio para engenho peque-
os, sendo mdico em preco e ef-
fectivo em operaco.
Pode-se ajuntar aos engenbos existentes
do systema velho, melborando muito a
qualidade do assucar e augmentando a
qu&ntidade.
OPERAgO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenbos contraes,
ma hinismo aperfeiyoado, systema moder-
no. Plantas completas ou macbinisojo
separado.
Especifcales e informales com
Browns C.
5RA DO COMMERCIO-5
Agencia de cobranzas
No paleo do Ltwramento n. 99
Eocfarrega-se de cobranzas.
Costurciras
No pateo do Livramento n. 27, 1- andar, cose
se com perfeici roupas de alfaiate, e assim como
vestidos por figurinop.
Caxang
Alugam-se quartos mobiliados por 15^000 men-
saes, com commodor para familia e cosinba : no
antigo hotel do Far jfa.
Para passar a Testa
Aluga-se e vende-se por barato nma casa pe-
quena, propria para passar o tempo da festa, no
largo de Apipucos n. 26, no eorrer da igreja.
Urna casa e sitio na estacao doua irmYs, em
Apipucos. Quem pretender dirija-se ao Camiaho I
Nevo n. 79, que far negocio.
Mufla allencao
Na raa Sete de Setpmbro (outr'ora becco dos
Ferreiros) n. 6, faz-se plises e recorta-se babados
largos e estreitos.
Vndese ou permuta-se por pequeas casas em
qualquer d>>8 freguezias do Recife, a casa n. 22
ladcira do V-rdoaro, cj o commod s para nume
rosa familia, a qual tem quatro salad, seis gran-
des quartos, gabicete e boa cosinba, com quintal
grandi-, arborisado e todo murado, cacimba de
muit > biH agua, e aahida para o b -ce > da Pooira :
a tratar na ra velba de Santa Rita u. 14, sobra-
do, das 8 boras da manha a 1 da tarde, ou das 4
as 6, onde tambem se a!og barato a casa terrea
n. 40 ra de Lomas Valentinas, com bous com-
modos, bom qui tal, cacimba a, e est limpi.
Fabrica de chapeos
Antonio Jos Maia & Q.
DEPOSITO
roa do Baro da Victoria os.
Me 31
Os proprietai ios deste estabelecimento s^inti-
cain aos sena numerosos fregueses e ao respeitavel
publico, que conti ouam a ter grande sortimento
de chapeos de todas as qualidades e formatos,
manufacturados com toda a perfeico e por precos
mais vantajosos que em outra qualquer parte.
Pontos de francez
Estao venda na livraria Econmica o I II.
III. pantos de frunces, segundo o programma de
1887.
EMCIO CENT8AL
tcoim
nomns,_
P CLERV
Vtnde-se em toda i jarte
Casas em Jaboato
Alugam-se boas casas novas, prximas do rio e
da estafa j do caminbo de ferro : tratar no Caes
do Apollo n. 47.
Criado
Caixeiro
Precisa-se de urna ama para o servico
Precisa so de nm caixeiro com nratica de mo-1 de fsmilia e qoe tenha boa conducta ;
Hades ; ns ra de Hortas n. 17. na ra d> Bario da Victoria n. 46, loja.
Precisa-se de um rapas de 12 a 14 annos de
idade ; na travessa do Corpo Santo n. 27.
Central Silgar Faetones
O escrptono desta companbia de engenbos cen-
traos mudou-se para a roa da Use da n. 5, pri-
meiro andar.
Pao tenteio
Melle & Biset avisan as respeitavel publico
que todas as tercas e sextas teiras teem este sa-
boroio pi ;^ roa larga do Rosario n. 40.
Criado e eosinheira
Preeisa-se de criado e cosinh ira ; a traf.xr n o
terceiro andar, per ciaa Diaris.
KilArtiSSr
Dr. Paes Barreto
PROMOTOR PUBLIGOE
Advogado
Pedido
Pede-se ao Sr. Or. engenheiro e ebefe da estra-
da de Caruar, o obsequio de prestar attenco ao
engenbeiro residente no trecho de Gamelleira
Beserros, pois que dito engenheiro a se oceupa
em urna sociedade de daes, e manda pessoas
pouco habilitadas para o local nivellar obras d'ar-
to, visto que manda por lambaios que s tem
pratica de cavar mandioca. Se as obras esto
bem construidas, isto ao bom desempenho do
Sr. empreiteiro, que presta toda attenco em dito
servico.
O eapiao.
Para evitar duvidas
16Ra do Baro da Victoria16
Daaitao L'ma & C. chamara a atteacSo
das Exmas. familias para seus prcjos :
Pecas de bicos de cores a 3*300.
Ditas de ditos brancos a 24500.
Ditas de ditrs a 14500. 14800 e 24^00.
Botoes de madreperola finos a 320, 400, 600
800 rea.
Bolsas para meninos, de 14500 a 54000.
La para bordar a 24800.
Dita meaclada a 34800.
Meias para senhora a 320, 400, 600 e 800 res.
Baleis a S90 rea.
Arquinhos a 120, 160 e 200 ris.
Lencos de sida a 14000.
Fitas modernas a b< 0, 600 o 14000.
Passarinbos de sida a 500 ris.
Apparelhos para enanca a 14200 e 14500.
Ditos de metal a 14500 e 24000.
Finos chapeusinhos a 54-
Sapatinbos de setim a 34 e 44000.
Moderos eapartilbos a 64000.
Bonitos collarinhos a 500 ris.
Punhos todos os nmeros a 900 e 14000.
Touquinhas a 240C0.
Leques transparentes a 24500
Ditos de sida a 54000.
Ditos desetin-ta 14500.
Ditos de papel a 4U), 500, 600 e 800 ris.
Caixas com 3 sab netes a 500 ris.
Urna barra de sabo a 700, 900 e 14200.
Lu\as de ceda a 24500.
Bonitos jarros a 54, 104 e 154000.
Invisives grandes a 320 ris.
L nbas 200 jardas a 80 ris.
16 -Bu* do Baro da Victoria ~tt
Boa localidade
Vendu-sc um deposito ra do Ra?gel n. 58 :
a tratar no meamo.
Terrenos em Bcberibe
" Vende-se terrenos em Beberibe de Baiso, Agua
Fria, qae pertenceram a D. Senhorinha e bije aos
herdeiros do Dr. Burgos Ponce do Len, cim ti-
tulo legal ; a tratar na ra do Imperador a. 81,
com o solicitador Luiz Machado Botelho.
Pecbinchas
Na loja das Lstras Aznrs
Como tenham e andem eamolando e dirigiodo-
se oficios a diversas pessoss firmados por um Sr.
Manoel da Costa Pereira, que se diz secretario de
urna commissio, e ennarregada da festa do Senhor
Bom Jess dos Passos, sem declaraco da igreja
sonde tem de ser celebrada tal festividade, para
evitar duvidas, declara-se qu-j nao se entinde
com a irmandade do Seobor Bom Jess dos Pas-
sos da matiiz do Corpo r-'aoto, a qual tem de ce-
lebrar a festa de seu Divino Padroeiro no dia 9
de Outubro viodouro.
As afamadas
Pastlbas vermlfagas e Henil
nico deposito err- casa de
Paria Mobrlnho & C
ilRua do Marques de Olinda- 41
de
a tratar
Grandesortimeoto reeebeu a
Amas
Precisa-se de duas amas, sendo urna boa cosi-
nbeira e outra engommadeira ; na ra Primeiro
de Marco n. 16.
Chromos e eartoes de
phantasia
ment receben a
Livraria popolar
na o laaeraaor ero 11
Viflhos da tiarr.feira
Fins
Carc* vellos.
Madeirs.
Moscatel.
Uva Bastarda e de Paisas.
PARA MESA
Genuino do Lsvradi a 500 rs. a garrafa.
a mercearia de Maswel Corris 4 C
Praca Sst Coade d'Ra a. 16
61-RA DUQUE DE CAXIAS61
Telephone n. 211
Leques transparentes a 1)5 e 20000.
Luvas de s Ja de cores, pretas, de renda
ou botSes a 2(5000.
Luvas de pellica para bomens e senbo-
ras a 2^500.
Baleias da melhor qualiJade a 300 rs.
a duzia.
Extractos fious com nscripyao para pre-
sentes a 2^000.
Bicos de cores e brancos para vestidos,
por todo o prego.
Babados e entre-ooeios, tapados, trans-
parentes ou de fostao, todo prego.
Lencos finos a 15400 e 20000 a duzia,
em lindas caixas.
Espartilbos bordados e de differentes
modelos a 4#, 55 e 70000.
Contas para eofeites de vestidos, pretas
e de todas as cores a 800 rs. o mseo.
Seda indiana, faaenda de fantasa a
200 rs
Renda da China, ultima moda, a 200
rs e muito fina a 240 rs.
i tiros lisos e de quadrinuos a 100 e
120 rs., muito largos a 200 rs.
Chitas finas, claras, miudas, segaras, a
240 rs.
Cortes de vestidos branoos bordados a
50000, e bordados a cores 60500.
LSs cbinezas com listras miudinhas a
400 rs.
Velludilhos lisos, lavrados e com contas
a 900, 10000 e 20000. \
Setim Maco de todas as cores a 909
ris.
Sargelirn francez preto e d e todas
cores a 240 rs.
Batistas de lindas cores a 160, 200
240 rs.
Renda bespanhols, preta, branca e
me por todo o prego.
M-Tins enfuetados de todas as cores a
800 10 e 10200.
Euchovaeg completos para casamentes
desde 400000 at o prego que se desojar.
Ditos para baptieados a 100, 120, 140,
160 e 180000.
Na loja de
JOS' AUGUSTO DIAS
Yelde k 1 rreaos
Vndese em grandes e pequeos lotes os ter-
renos do sitio, que na estrada dos Aflictos, fieaa
junto a capella e defronte da estacao da linba
frrea do Arraial : quem os qnirer comprar dirl-
js-se ao Dr Portella em seu escriptorio i roa ds
Imperador n. 66, 1- andar, ou i casa de sos re-
I tid*ncia nos Aflictos.
as
ere-
.
I
T


Diario de PemambncoDomingo 25 de Setembro de 1887
a. ^.A A A ^ a, ^.a.
grava ws '&ruoa.6M}s ep pnA[ioa 'os 'avrosoaa 'seaia *h ,3
319 'apvpniqact T*"* smbia Jirasj ap zajqo
'saraiimni sep opnvs oemaua ojtre onb 'tosuo mu 'ix*ioo *i|Aiooaarr
iojomo 'imaiiv 'tnio op mam ven 'soesaoxo 'scnsaiom Jod opcninjjB omsputio o
lajauaSaa a jpuiMBoaaa eJBd 001110 oeiissooou anb sosco sou oa-oapaotmBoaa^a;
ojiudsoudodH a qujbq dp oiobjjxj 'booq 'B//>ft
.winoa
oa
Wf WU< VM t-# VWft M *-* WWHW. va.
ONNVHOP
aoava3N303a
OHNIA
09njlU93J OOINOJL
LOTERA do geara
\OV PL.IXO
40:000*000
^ V Com a diminuta quantia
4:000*000.
He 25400 hbilita-se a tirar 8:000*000 e com 1 $200
CORRE D1PRETERIVELMENTE
No dia 25 do corrente
Lotera da Provincia
Acha-sc yenda a 10.a lotera a bene-
ficio daS. Casa de Misericordia do Recife, qne
ter lugar no consistorio aigrejn de Nossa
Senhora da Conceifao dos Militares, onde
estaro expostas as espheras em orden? mi
merica, para serem examti
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO H0LL0WAY
LINIMENTO GENEAU
Cavallos
I Empregado com
Para os
, maior xito as oavalhoricas reaes do SS. MM. o Imperador do Brazil, o Rei da I
Blgica, o Rei doa Paixea-Baixos e o Rei da Saxonia.
SuppresJao do gogo
E DA QUEDA I 'O PELLO
p* PABBJQI
5O:00O$000
Corre no dia 30 do corrente
ESTA LOrERIA NUNCA FOI TRANSFERIDA
O portador o'c um Lhcte est habilitado a tirar roaia de UM PREMIO I
Cada numero pode ser repetido dua ou tres vezes, prevalecido todos premios
que sahir.
vena nas cesas 9q cost
-,. VI f* f"'0 DO 3MPBMSO DO HW'fc^
HpbO Elixir, P e Pasta dentifrioios **i*|
RR. PP. BENEDICTINOS
ll%B|M Pelo Palor
O / PiemBOURSAUD
da Abbadia de SOTJLAC Gironde)
DOM MAGUELONNE, Prior
2 MEIDA.UEIA.S IDE OTXRO
Kruiellas 1881 Landre 1184
As iiioiM eteeailns recompensan.
INVENTADO,
NO AN5H1
11 uso cuotidiano do atUxir
Deutilrlcio doa SX. PP. Be-
nedictinos, com dose de algu-
mas gotlas rom agua, p.ovem
e cura a carie dos lentirs, em-/
b-anqueceos.fortalecendoe tor-l
rnndo as gengivas perfeita-|
mente sadias.
Prestamos um verdadeiro
I -o.assignalando aos nossos
liiloresestcantigo e utillssimo
pre arado, o tnetKor cura-
tivo e 0 Mira preservativo contra as
Affeeces dentaria. >
Casada fundada em 1807 ^^
Agente 45 sa*_fa| 11 WkM 3. ICE HC6CERU,3
Geral : 9 CU Ulll BORDE AUX
Aeha-je em toda aa coas Perfumera, Phrmaciat
e Drogaras.
iaaaaaaaaaaaaaaaa^a^a^aaaaaaBBBBaaa*aaaamr*^aBmaaaaai
SO este precioso Top.co o nico que
' suawlilueocausilcoecura radicalmente
| em poneos dias as manqnciras, novas
' e antigs, as Torcedoras, Contusdes,
I Tunore e Inchacoer da pernal.
I EsparaTao. Sobre-Cannas, rraqoea e En-
i sorcitamento das pernos dos potros, etc., sem
' occasionar nenbuma cluiga, duiu queda do pello
l mesmo uuranto o tralameat
l aa Paria
35 (Anuos de (xito
k. i -v A.L
S E -VE
Os resultados extraordinarios que lera'
obtldo nas diversas Afleecoe do i
Pelto, OS C-tarrhos, Broncnitia,'
Moles-lar la (largante, Opbtal-1
ma, etc., nao do logar a concurrencia.
A cura faz-se com a mi em 3 minuto*-, sem '
uor e sem cortar, nem raspar o peiio.
Pnanrucia G&TVHATJ. Fna St-Honore. 275, e ee telas as Pbarmicias.
f<5l

FUNDICO DE FERRO
CAKZ tt IRMA
Hu) do Sarao do Triunipho os. 100 a 104
Deposito a roa do Apollo ns. e 2 It
Tem senipre em deposito tndos os machinisaius e ferragens precisas agricul-
tura desta provincia, como sejam : vapores locomoveis, semi fzos, com caldeira
chomis ou para togo de asseotumento, ruoeodas de todos os tamauhos, tachas batidas
3 fundiras, etc.
Mandam vir por encommeuda qualquer machinismo, erjearregam-se de sental-os
r rcrib: bilifa c pelo bom trabalho do mesmo.
Vendern a pr>so ou a dinheiro com descont e a prejos resumidos.
CAPSULAS
Mathey-Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgao de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Proessores das Faculdades de Medena e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres a New-Ycrk, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgaos genito urinarios.
Uj4 Um* txplictcSo dettlhada acompanha cada Frasco.
Exigir as Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cle, de PARS,
que se achao em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos. _
AO LOVRE
Os proprietarios d'esse antigo estabeleeimento sempre no intuito de correspon-
der c^ufianQa das Exmas Sras nSo poupam esfor^oP fim de satisfazer a exigen
eia do bom gosto e para o que acha so actualmente em Paris um dos socios da casa,
qmc vai por todos os paquetes remetiendo o que o capricho da moda vi inventando, e
para prova apresentamos o seguinte :
Lindsimos cortes de 12, montados em carto, ooni guarnigae de oontas oxy-
dadas!
Esplendida Cullecgao de capotas e chapeos para eeuhora I
Oasmifjlo completa de vidrilbo sui gen ris 1
Romeiras dolmans e visites ero teeidM Aferentes 1
Mantilhas ariditluzas, espedialiua c !
Ditas de fil de seda primorosamente bordadas 1
Rendas hespanbolas chantilly em sortidas cores !
Luvus de seda bordadas em alto relevo !
Sedinhas e srahs, grande mo-la !
Colabas turcas a imita^So de crochet!
Plitots de seda cra, pretos e cinsentos !
E rouitos outr< s artigos de moda. _
DMELI
\ Ra 1." de Narco n. 20 4 (esquina)
CASA DE C0NFIANCA
Hoce, Pk
Me*, B, rum Otutlmtitmm, TAMWB
OLEO FIGADO BACALHAO H0GG
Sem chelro nem gesto dos leos de Flgado de Bncnlbe.0 ordinarios.
Uto Oleo natural e nuro e de orna efflcacidade curta, coaira a H*i**taaa aa P*ito, l
a Tlaa**, faaaatH, Oaaa*apaale*. Taaaaa laifalraa, Taowr Handatarfai I
Hialina eaucau para tavttaaar aa Orlaaaaa trttemm e dallaadaa. ______
Dttt-ti eaiatr tstm U MOtJ, de mala o cerUflcado do ar lesueob, Ckefsdos
rrtVtalAOS CUmfm U FmcuUtU tt HHictn* t PmrH, qu* tal Soprea no rotulo coledo
em oadra Idre trtaaaalar.-OatMsaHH vaataMMflaa todas aa prlnclpaM Pbvmaclas. <
ATMmT\-
.18lua de Imperador38
Nesta gnnde pharmacia avia se receitas e pedidos com promptidao^
solicitude e modiciJade.
As prescrp^es em linguas estrangeiras sao fielmente
despachadas
O pharmaceutico pernambucano JOS FRANCISCO BETTENCOURT
convida os clnicos desta cidade que queiram honral-o com sua confianca
para qualquer trabalho profissional e ao publico. Garante se a ruis atten-
ciosa e conscienciosa execucSo.
Esta casa recebe seas productos chimicos o drogas directamente
das melhores casas da Europa, especialmente enoommendadas para seu
receituario.
ESPEOALDADE
U
Preparado pelo pharmaceutico JOS FRANCISCO BETTENCOURT,
de urna efficacia verdadeiramente maravilhosa nas molestias dos orgaas
respiratorios.
Broflcltites, asthma losse, convulsa, etc.
Essencia depurativa. Formula do distincto clnico Dr. Ramos.
Depurativo por excellencia para todas as molestias que tem a origem
na impureza do sangue.
S,
, BlC-, OtC.
:o:-
Tinta preta para escreverinalteravel, fabricada com muito cuidado
por uraa formula inglesa, especial para escriptura$3o mercantil e repart95es
publicas, secca de presea, perfeitamente preta, nao corroe as peonas, nao
deposita e d topia.
ANEMIA
AS VBRDADEIRAS
CHLROSE
PILULAS DE VALLET
NAO SAO PRATEADAS
O nomo VALLET 6 impresso em preto sobre oada pilla.
A maior parte dos mdicos concordSo cea a Academia de medecina era que,
ellas merecem a preferencia que se Ibes d sobre os outros ferruujcinosMts.
C"5N. Existem numerosas imitaces das
PILULAS DE VALLET
Exigir em cada exiremidade do fras-
co um sillo impresso em quato cSbes.
HIlilK A
DEVE-SB
ASSIGNATA
19, rae Jacob, Pari.
Venda na maior parte das pharmacias
|iiiH|iiiiii^iiniiimnmnniiii......iiiiiiiiiiiiiiiiiiiniiiiiiiiiiMmmiii.....iiiimimiii.....iiiiliiiiiiiiiimJI
fJV
A REVOLLCAO
GRANDES NOVIDADEh
Esplendido sortimento de cambraia com salpicos, brancas e de cores a 5/1000,
5,5500, 65000 e 6,91500 a pega.
Mritins escecezes e de hstras, combincao, a 440 ra. o covado.
Lindos cortes de cretone com barra, alta novidade, a 8,5000.
Lencos de seda, lindos gustos, a 1<$000, 1,5500, 25000.
Las de quadros, 0 que ba Je mais novo no m rcado, azenda larga, a 600 e
800 rs. o covado.
Cachemira auolchoada, lindas cores, a 500 rs. o covado.
Colcha, de corea, esplendido sortimento, a 20000, 2t5500, 3*000, 3*500
e 4*000.
Ditas de crochet muito grandes a 6*000 e 8^000 urna.
Cortiuadoa b-rdadoa a 6*000, 7*000. 8*000, U*0l0 e 10*000, o par.
Ditos de crochet, completo, a 45*000.
Lindas guarnicSes de crochet p ra caleira e soph a 6^000, 8*000 e 10*000.
Merino, lindas torea, a 700, 800 e 1*200 o covado.
GuarnicSes de veludilho bordados a vidrilho para enfeites de veatiios al
6*000 um
Cachemira broch ultima moda a 1*500 o covado.
Ditas pretaa, sortimento completo, a 600, 1*000, 1*200, 1*400, 1*600, 1*800,
e 2*000 o covado. -
Ditas asaeteadas a 1*500 e 1*600 o covado.
Vestuarios para baptisado ric.am.ote enfeitadoa a 9*000 e 13*000.
Coiarinhos e punhoa para aenboraa, ultima novid-.d- a 2*500.
Camisas bordadaa para senhora a 3*000, 4*000 e 4*500 urna.
Sahidas de baile, lindos goatos, com pequeo defeito 2*000 e perfeitas
a 3*000.
Leques com lindaa paiaagens a 500 e 2*500.
Bordados p ntremelos ne cambraia baratiasimo
Siotoa de chagrn para sonhora e enancas a 1*000.
MadapolSo Rivolucito, fazenda muito boa oom 20 varas a 6*000 a pega.
Muitas outras fazepdas que so com a presenca das Exmas. familiaa e respeita
vel publico se poderlo apreciar.
Henrique A\ Silva or ira
O Upguento de Melloway um remedio nfallivel para, os males de pernas e do peito '_ tambem ptra
as fendas antigs chagas e ulceras. E famoto para a gota e o rheumatismo e para todas as enferaii-
dades de peito ni* se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfrlamentos e tosses.
Tumores nas glndulas e todas as molestias da pelle nao teem semelhante e para os membroe
contrahidos e juncturas recias, obra .orno por encanto.
Casas medicinas sao preparadas smente no Estabdecimento do Professor Holuww,
78, NEW 0XF0ED STBEET (ante* S33, Oxford Street), LONLitES,
vendenue em todas as jiliiinif iw do universo.
tT Os compitadoraaB slo coovidaataW respeitosameMe a examinar os rotaros de cada caxa e Pote, M n*o tesan a
direccao, 533, Oxford StfWL slo ialsicagoes.
I
Venda d; sitio
AI.enc.lo
Vndese ou permuta-se por predio nesta cida- Vende se especial fuaba de milbo e de arroz,
de um bom sitio com boa casa, muitas fructeiras, feita vapor, e preparada para bolo, cangica,
excclleute baobo do rio, boa agua de cacimba, cuscos e outras diversas especies de comedorias,
extenao de terreno para baixa de capim, tolo que accasitem destes meamos gneros, sendo a
murado na frente, com porto e gradeamento, com 240 rs. c kilo da de milbo e a de arros a 320 rs.,
caminbo Je ferro e eatacao junto ao dito sitio, no assim como farinha para tender o pao cerveja a
Porto da Madeira, e-onecido pelo sitio do Joo 24000 a arroba : na padaria da travesea do
Selleiro, junto ao Dr. Ernesto de Aquino Fonse- Pjmbal n. 1, pertencent a Pereira de Pinto,
ca : quem pretender dirija-se praca da Inde- | Telephone296.
pendencia n. 40, das H horas a 4 da tarde. I
Diariamente debate-ae na imprnsa a crise
aterradora poique eatao paseando as provincias
do norte deate imperio ; silo innmeros os recla-
mes de|todas as classes, sem que aejam attendidos
os seus justos pedidos, de que se gloriam as na-
coes civilisada8.
E para que se possa dar impulsos aos desojados
progresos que certamente trarao o bem estar de
tedos, resolveram Martins Pires Se C. estabele-
cidos com armarem de molhadcs ra Es-
treita do Ros-iro ns. 1 e 2, a vender por precos
mdicos os artigos concernentes ao sen ramo
de negocio, que certamente ennatitue nma eco-
noma diaria e onde se acba um completo sor-
timento dos seguintes artigos, que pela sua qua-
lidade e precos sao recommendaveis, como se-
jam :
Vinhoa fios do Porto
Madeira
Sherry
Cbambertin
Burdeaux
Moscatel
Callares e Buealas.
Completo sortimento de cervejaa, cognac, bitter,
licores, docta, bolachinbas nacionaes e estrangei-
ras.
Queijos frescos do sertao, prato, Minas e fla-
mengo.
Azeite de coco, mate do Paran, formicido ca-
panema.
Presos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosaraNs. 1 e 2
Martins Pires & C.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Este excellente Whisky Escossez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende-se a retlho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cojo nome e emblema sao registrados para
todo o BraBl.
BROWNS & C, agentes._______
Sitio no Arraiai
Vende-se a casa terrea com 7 quartos, 3 salas,
cosinha, qnarto com banho de chuvisco, depen-
dencias para criados, cacimba com muito boa
agua e bomba, um lindo jardn), passa um riaeh i
pelo centro do aitio, tendo urna pequea ponte
com bancos para recreio, arvores fructferas, co-
qaeiros, laranjeiras, sapotiseiros, mangueiraa, ja-
queiraa e outras diversas, ra da Harmona,
dividindo com o sitio do Sr. Baduem : a tratar
com o Sr. Domingos Qomes Correia, na casa ama-
rells, ou aa rna da Paz n. 42.
Bom piano
Vende-se nm bom piano muito pouco usado, por
prego mdico ; a tratar no pateo de 8 Pedro n.
4, 1- andar. __________
CURA CERTA
de todas s Affeoces pulmonares
Todos aqueJles que sofirem
do peito, devem experimentar
as Capsulas do Dr. Fournier.
Depositarlos em Pe.-namoi/co :
FRANCISCO M. d? SILVA OV
Telhas de zinco
Vende-se tenas de zineo, usadas ; no caes 22
de Novembro, armazem da bola amarella n. 36.
Sementes d cacao
Vende-se sementes de cacao novas ; no caes 22
de Novembro, armaiem da bola amarek. n. 36.
Ligamento & C.
vendem cimento port'and, marca Robins, de 1*
na lidade ; no caes, do Apollo n. 45.
Papel para inipresso
Vende-se papel para impresso, do formato Dia-
rio e Jornal do Recife : na ra do Marques de
Olinda n. 31.
A^LORIM
na Da que de Caxta*. n. IOS
Grande sortirrento de objectos para pre-
sentes, sendo: carteiras, porta joias, l-
bum de madreperola para baile, idem de
marfim, estojos para agulhas, lapiseiras,
broches de madreperola, idem de marfim
desechando em alto relevo flores e um am-
ibo de trigo.
Casacos bordados para senhoras a 5$000.
Leques transparentes pretos e de cores a
2*000 e 2*500.
dem de setineta a 1*500 e 2*000, um
dem de papel a 500 e 800 rs., um.
Agua Florida verdadeira em guarrafi-
nhas a 500 rs., urna.
Contas lapidadas pretas e de cores.
Missaogas pretos e de cores.
Lindo sortimento de fitas e bicos bran-
coe e de cores.
Grande sortimento em botoeB de ma-
dreperola e phantasia.
Luvas de pellica a 2*00 o par.
dem de seda a 2*000, 2*500 e 3*000.
Capellas, veos e ramos para noivas.
Suspensorios americanos a 2*500.
Liona para machina a 800 rs. a duzia.
Meias de cores, escocia, para senhoras
a 1*500 i par.
Caixaa de jogo para salZo a 5*000.
Sabonetes a 120 200 e 500 rs.
Boleas de couro, de chagrn, de pIlucia
e de pellica para senhoras e meninas.
Espartilhos a 3*000, um.
Lindas pastas de couro, chagrn e pe -
lucia a 500, 1*000, 2*000, 3*000 e 5*000.
Carteiras para sedulas com os reparti-
mentos de 10*000 a 100*000.
dem para letras com os repartimentos
doa mezes de Janeiro a Dezembro.
Estrados corylopsis do JapSo, nexis de
Japao, Bouquet de exposic&o, Tbeodera,
Rita Sangally, Porte Veine, Ixora Brione,
Roger, Gallet, Briza da Serra, Paris-Boa-
quet, Estrado Dodeur, etc.
Luvas de seda bordada com missangas.
dem bordadas com vidrilho dourado,
bronzeado e granad.
dem com palmas da mesma seda.
dem arrendadas a xsdrez.
Anquinhas a 1*D00, 1*500 e 2*000,
urna.
103-RA DUQUE DE CAXIAS103
Vende-se
urna taverna na travessa do Pombal n. 16, bem
atreguezada, propria para principlante ; a tratar
na ra da Aurora n. 35.
Attenco
PrancbeN de ploko da Snecfa
Vende-se pranchoes de Pin rio da Sui-cia ie 3 x 9
poll^gadas, em ufes de M duziai para cima, par
pr. c j mdico ; a tratar na ra do Comtnercio a-
me ro 4.
Chlorose, Anemia, Catharro pulmonar, Bronchite chronica,
Mtharro da Bexiga, Phtlsica, Tosse conoulsa, Dyspepsia, Palldit
Pardas seminaes, Catharros antigos e complicados, etc.
Maulevaxd Dcnaln, 1, em PAJUZ, e nas priacipaos Pnarmaolaa.
ELIXIR DES0BSTRUE3TE
Eupeptico de Gervo
Preparado pelo pkarnacentlco
JOS' FRANCISCO BITTENC0URT
* O Gervao tem urna a'-cao desobstrueate extraordinaria para os incommode
do figado, bco e estomago, conforme o desoreve Dr. Mello Morara.
Um grande numero de pessoas que tem usado delle conaidera-o inTallivw.
Levados por estas infcrmacSea e por muitas experieaoias presenciadaa par
nos mesroo8 apresentamos aos cainoa e ao publico esa geral, um Elixir desta planta
de um sabor delicioso e de un effeito verdadeiramente benfico para os pobres deapep-
licos, splenetieos e aqoelles qoe soffrem do flgado.
Os prorrietarios.l. Pha-macia Ceuiral
nEPsiTC ha pharmacia gsitthal
N. 38 Ru do Iu.p-r.lor N. 38
rERNAMBUrO
CONSTIPAgES e MOLESTIAS do 1
X ARO PE *NT,PHL0G,ST,C0
PARS, Pharmacia BMANT, 150, ni- de mli, PARS.
BRIANT
Aa celebridades medicas de Parts i*mmedao lurmals a^aaanaaa *
XABOPE BRIANT como o medicamento pelto al tjt snost asradavet a
de emenda mota certa contra os Daflasoa. ConaUpaeCss, Cataarroa. etc.
s*> Xarope nunca fermenta.ero-te taitpt Broefeun es ore
com asslgualura Dem llsivel do uiMntarT
DBPOSITOS BU TUDAS SS PHIMMPkKS PB*RalAOIAa
r uavn l
f


T




Diario de fcroambucoDomingo 25 de Setenibro de 1887
VIAGEH

Sua Magesade o Imperador
(Correspondencia da Gazeta de Noticias da
Corte)
Badn- -Badn, 16 do agosto
Nlo sei se o imperador desenbou o que
ae offereceu sua vista deslumbrada;
mas de crer que sim, porque o impera-
dor vive constantemente a desenhar, de-
secha sempre, o todos os pontos de vista
que se Iba deparam. Estou mesrao em
apostar que as longas horas em que o
imperador se detra en frente do visconde,
seu inseprravel veador, Sua Magestade
nao faz outra cousa senlo desenhar-lhe o
sympathico perfil. Da volta do castello
Sua Magestade declarou que all voltaria
por vezes, pois acbou lindissimo o passeio.
Esta opinilo, entretanto, supponho que
nao de ver ser hoja partilhada pelo Sr.
conselheiro Silva Paranbos.
S. Exo. quando esteve em Badn Ba-
dn, realisou urna tarde a bella excuralo
ao Velho Castello, sen companhia do Dr.
Eduardo Prado e nees portuguezas, que faz coneomittanto o
servigo para um des jornaes do Rio de Ja-
neiro, diz elle.
A ascenglo fez se sem maiores cuida-
dos, e o alegre conselheiro s te ve motivos
para contntamentos ida.
A' volta, porem, suceedeu-lhe um ver-
dadeiro desastre : ao descer as esjadas do
Velho Casteilo, prendeu-se-lLe o taclo da
bota em um degro, e,' falseando-lhe o p,
elle vio-se escorregar pela escada abaixo,
batendo por todos os degros e realisando
de tal arte a decida por processo bem di-
verso do habitud.
Felizmente, alem do susto, S Exc,
apenas soffreu u>ua dr verdadeira : a de
ver as suas calcas rasgadas, abertas, e to
singularmente, que pareciam ter as duas
percas interaraenta separadas. .. Mal tito
incidente, qu*> em situagao tao critica dei-
xou naquelle momeoto o consulado geral
do Brasil em Liverpool!
Ainda assim, devanaos daa gragas a
Deus por maior prejuizo nlo ter soffrido
aquella amavel cavalheiro.
Como j disse, nos iutervallos do alno-
co e jantar S. M. o I operador l um pou
co, e j agora prati.-.a o seu hebraico o de-
cifra hierogliphos em companhia do Dr.
Seybold, que e.iteve ausente quinze dias.
Durante as suas duas horas de ligio o Im-
perador pratica o grego e o rabe, e pro
segu na comparaclo da verslo alleml
dos Labiadas com o texto portuguez.
Este trbalho vai atrazado, pois profes-
sor e discpulo ainda nao venceram meta-
de do poema.
Tambera agora Sua Magestade est a
Ier versos.
O volurae que neste mompnto rnanuseia,
o que tem por tituloA la mmoire,
18S5 Le deuil d'une lyre. O poeta oc-
culta se sob o modesto manto do anonymo
e DBcreve no frontespicio do seu elegante
livro de capa negra seguinte interessan-
to epigraphe : ,
Tu dis : tLumire
Et nous voyons,
Tu dis : tj'espere*
Et nous croyons...
Avisos aos amadores.
A8sist a ura dos exercicios 'de gyranas-
tica de Sua Magestade no Friedricbsba-
der.
Este estabelecimento, afjfirmam n'o os
profissionaes, os touristes, os mais reputa-
dos viajantes, o mais completo no gene-
ro de toda a Europa.
Nem se pode imaginar o que se encon-
tra all, a perfeiglo a que conseguiram le-
var aquella magnifica casa de banhos.
E' ura verdadeiro palacio. O governo
de Badn Badn gaatou douB milhSes e
meio de marcos para montal o, na persua-
sivo antecipada de que as despezas jamis
seriara cobertas pela receita, pois seria dif-
ficil encontrar concurrencia de banhistas
suffieiente para isso.
O governo enganou-se no sua previslo ;
o estabelecimento, hoje, contando urna tro-
quen ;ia regular de 700 pessoas diariamen-
I te, fas mais do que oobrir a despoza : d
lucros
E' que por si mesmo impoz-ae o Friedri-
chsbader como urna casa de priueira or-
dem, a mais completa e aperfeigoada no
seu genero.
Enormes tanques de nataglo, duchas de
lodos os systemas, banhos turcos, estufas,
banhos de electricidade, apparelhca para
inhallaglo, banhos de areia, banhos rus-
sos,
etc, tu do all se encontra, em urna dis-
posiclo intelligente, cuidada, scientifica.
Slo em grande numero os quartos para os
banhistas, os leitos para os que se compra
zem de se ver assar no banho turco, os
tanques pequeos para as diferentes du-
chas, oa compartimentos para os banhos
de vapor, de electricidade e de areia, e
para as inhallacSes de agua, a diferentes,
temperaturas, executadas por meio de ap-
parelhos modernos e aperfeicoados ; pois
ainda assim torna-se preciso dividir em
turmas os concurrentes que tffli-ra em
massa facultando-se por menor prego o ba-
nbo depois do meio dia.
Quer isso dizer que at s 5 e 6 horas
da tarde, paralyticos das pernas ou dos
bracos, rheumaticos, individuos presos de
tremor e su jeitos que nada soffrem, p9ra
alli se dirigem em procisslo, por seu pro-
prio p, de carro ou transportados em ca-
teiras de rodas, afim de se utilisarem do
meio therapeutico a que devem a imnu-
tenglo da sua saude ou as raelhoraa para
seu estado mrbido.
A's 5 da tarde, alli esteve antehontem :
nao grandes estufas do banho turco, meia
duzia de sujetos us deixavam se tostar
st ii ament (ha gostos pira tudo neste
mundo !) aloirando o corpo, n'nmas attitu-
des de leit3s que V>o ao forno e n'uuoa
temperatura de 65 gaos centgrados (! I)
antes de se paasaram para as grandes pis
cansa d'agua de 23 graos, e de se irem es-
ten 1er a fio comprido sobre compridas me-
sas, semelhantes s de autopsia, immoveis
quaes verdadeiros cadveres, e deixando
se friccionar violentamente por enormes la-
tag5es, us como elles, e armados de es
covas de duros e rijos cabellos)
Outros, terminadada a brutd operaglo
(e a maior parte frequenta aqnillo por gosto
ou luxo!) achavam-sa estirados em cama9,
dispostas como n'um hospital, envolvidos
os corpos em grossos cobertores, e urna
grande carapug* enterrada na cabera.
as salas de inhallacoes individuos sen-
tados junto s pias de pedra marmore bai
xavam a cabega e pacientemente conserva-
vam introduzido na bocea, durante muito
tempo, o tubo de prata por onda a agua se
desprende em vaporisaglo.
as duchas, senhoros rubicundas e da-
mas Sarah Bernhardt envolviam se em
ampios robes de chambre de linho branco,
terminados em largo capuz.
N'um dos tanques de areia, seis enor-
mes aleteles, alguna de oculos, outros bar-
bados e respirando saude, deitavam-se ns
e a fio comprido, descansando a cabega no
rebordo da pa, e batendo cora regularida-
de de urna pndula o asseoto e as costas
sobre o tapete de areia do tanque.. Um
d'-ll-s, muito parecido oom o Sr. Tarqn nio
de Souza, exeoutava aquella movimento
com a mesma solemnidade com que pela
manlia lera no pulpito evanglico a predi-
ca do dia: outro julgamos ser o Sr Malvi-
no Reis, que, desesperado de suas candi
daturas mallogradas, vi-ra fazer penitencia
e castigar a carne, introduzindo no tanque
d'agua e batendo vehementemente com o
posterior no incomroodo leito do areia fina.
Deste engao libertou-nos para logo o col-
lega Elysio Mandes, que, autoridade em
ragas, declarou peremptoriamente tratar-Be
da um chim, pobre expatriado do Celeste
Imperio, que vinha talvez a Baden-Baden
curar-se dos resultados de algura terrivel
supplicio a que o euj itara o seu impira-
dor, delle chim.
Emfim, por toda a parte o m"smo mo-
vimento, quo comegar* s 6 horas da ma
nha e estandia-sajpela n.>ite" adianto.
i'OLHETIffl
A sala gymnaatioa de Fnedrichsbader
a secglo mais oompleta e digna de nota de
todo o estabelecimento. Seria longa a enu-
meraglo do todos oa apparelhos que alli se
encontram e dos differentes fias a que alo
destinados. Desde a rais delicada e sub-
til tricglo a qual fossj secuta la por macios
dedos de gentil senhora, at o mais va lente
murro, a levado effeito por possante goddam;
desde o movimento mais simples de um
msculo o exercicio mais desordenado de
todos os msculos, at tudo alli se encontra
executado por apparelhos com modos, ele-
gantes, completos.
Essas machinas, assentadas em toda a
ala da frente do edificio, no primeiro an
dar, dSo aquellas salas, primeira vista, a
apparencia de um grande offina mecnica
para o cultivo de varias artes, e onde a
meis modesta machina de costura toma lu-
gar ao lado da mais complicada machina
de tornear.
As salas de gymimtica estao divididas
em quatro seccSes, duas de cada lado, se-
paradas pela sala de espera, onde sofs,
mezas, poltronas, grande aquarium, jor-
naes, etc., offerecem commodo o distrac-
gilo aos que aguardam a sua vez, e que
dalli assistem aos oxerccios dos que os
precederam.
Cerca de setenta apparelhos acham-se
assentados naquellas vastas salas, dispos
tos em linha de um e outro lado, deixando
no centro ampia passagem e espago para
larga onversadeira circular, onde os en-
fermos repousam nos iutervallos dos seus
exercicios.
Todos os exercicios imaginaveis, e at
alguos que se nSo imaginava pudassem ser
imprimidos ao msculo, sito alli exe uta-
jos com a precisaj, a seriedad-, a corroc-
go, o meth d > e o regularidade caracte-
rsticas do allerailo. A cada um dos app i
relbos acha-se adaptada urna bussola, ou
um regulador, que marca com a maior
exactid&o o tempo despendido no exerci-
cio ou registra o grao de forja que pode
empregar progressivamente o enfermo.
Ha, por exemplo, um apparelho que
fricciona doce menta a espinba, pela ap-
plicaglo de urna placa circular maciamen-
te acolcboada o forrada de peilica ; ha ou-
tro, prximo, formado da dissos de madei
ra polida, que exerca fric5es ao longo de
toda a colu nna vertebral, mas com a n
jeza e a violencia que exiga urna verda
deira massagem.
Ha ainda este, que funeciona produzin-
do eff'itos de el ctricidade sobro a9aigoa-
lado ponto da espinba ; aquelle, que exer-
ce sua accao sobre a cabega, ou sobre os
rins, ou sobre designados msculos, da
perna, do brago, do tronco. Em grandes
apparelhos os doentes exercitam as forgas
musculares dos bragos, levantando bastes
de ferro em cujas extremidades se encon
trara pesos, que sa graduam como na ba-
langa romana ; ou abrndo-os coa: esforgo
ou executando os movimentos de dixo,
de abduegao, etc. Pouco adiante, outros
exercitam os membros inferiores, impri-
mindo-Ihes todos os movimentos, separan-
do as pernas, levantando-as, dobrando-as,
tudo por machina e com a maior regula-
ridade.
Cavalgando sellins, vm-se c*valheiros
e damas imprimindo ao corpo curioso mo-
vimento, forgados pelo machioisroo, que
os obriga a todo o momento a procurarem
o equilibrio e a exercerem rithmijamento
o movimento circulatorio do tronco sobre
as cadeiras, isto n'uma cadencia regulari
sada, medida, que faz calor o riso no labio
do visitante, que primeira vista no pode
deixar curieso aquelle estranho exercicio.
E' alli naquellas vastas salas, que os pa-
ralticos recuperam a locomogo, os rheu
mancos encontram o livre movimento ;
sao aquellas machinas que espancam as ne-
uralgias, desterran as affeegSes da espicha,
dao combate s congestSes dos diff rentes
orgJos, chamando vida o ervo decahi-
do e restituindo ao msculo a primitiva ri-
jeza.
E' alli quo o imperador, terminada a
saa, ducha, e era co n num com os outros
doentes, faz os seus exercicios de gymoas-
tica acomponhado pelo director do hospi
tal, que, junto de cada apparelho oceupa-
VII
A cldade dan Cabanas
do por Sua Magstaie, registra diariamen-
te o grao de forga ou de mov ment dea
pendido pelo seu augusto enfermo.
O primeiro exercicio que Sua Magesta-
de executa o dos bragos, segurando as
algas de couro quo pendem das extremi-
dades das du.-.s bastes de ferro ; tirando-as
para baixo, eleva o p^so correspondente
do outro lado exereitando por esse modo,
e gradualmente, os msculos do anta-bru-
go, do brago e da espadu >.
Depois da dirigia-se para outro appare-
lho : urna cadeira de velludo verde (todos
os apparelhos, sobre serem completos, s3o
ricos e el gantes), plantada sobre ura eixo
movel. Sentado, e repousando os ps sobre
um estrado tambera movel, d -s>l que o
apparolho entra a funecionar, como se fora
urna cadeira de balang desprovida de en
costo, o imperador obrgado, para ra..n-
ter o oquilibrio, a sustectar-sa suecessiva-
mente sobre oa ps, sobre as pornas, sobra
as coxas, sobra os q 11 Iris, fazendo assiu
funecionar gradualmente os differentes
tau8'.ulo3 daquelles oreaos e regiSts.
Em s'guida vai ao fundo da sala rece-
bar a fricgSo (massage) ao Ioago da espi-
nba, e, principalmente na sua porgo cer-
vical ; volve aos apptrelhos da sala ante-
rior, e, sentan lo em alto estrado, estende
os seus bragos sobre dous bragos movis
de raadeira, quo repe idamente abro e fe
cha, deslocando os pesos correspondentes
at onde Ihe permitten as suas forgts, e
tazendo de tal sorte funecionarera regular-
mente os msculos peitoraes e dorsaes.
Finalmente, assenta-sa sobre outre ap-
parelho, onde Iba passam pela frente do
tronco largos tiras de couro, que o pren-
den cadeira ; es'.a, entrando em mov-
meato ritbmico de tras para diante e vice-
versa, obrigi-o a deslouacojs successivas,
arrastado pelo paso eolio jado s costas do
apparelho, e o que o conduz a ejercitar
os msculos peitoraes e abiomicaes.
Assim batido e escovado pela ducha,
e resolvido e despeitado pela massage,
remexido e repuxido poi tintos appare-
lhos, o imperador desea as oseadas o mais
apressadamaate que le possiv -l, afim
de chegar ao hotel e contactar o estomago
ancioso por tambara entrar por sua vez
em exercicio.
Aos domingos e dias santificados Suas
M .gesta ies ouvam missa na bella igreja
catbolica de Btden-B >de:i, acompanbados
por toda as pessoas de su i comitiva.
No dia 15 de Agosto, o de iossa Se-
nhora da Gloria, aquella igreja encheu-se
da fiis ; e Suas Magestades, ainda mais
fiis tradigo e aos seus hbitos, fizeram
a roraaria do costume pois tarabem o
templo catholico de Baden-Bid-.-n cons
fruido sobre urna ominen -ia, como a linda
capellinha da Gloria do Rio da Janeiro.
Todas as pessoas que a:oropnhara o
imperador, assistiram a essa mi-sa, ex-
cepgao do Sr. visconde da Motta Mata,
que, attingido por urna feroz torticohs ni-'
tem poiido sabir dos seus aposentos. S.
Exo. mata as horas, que tilo longas lhe
devem parecer, estudando um volurae,
cujo titulo Maladiesde la mmoire.
Fica dito 0 que tem feito o imperador.
Digamos o que Sua Magestade pretende
fazer, segundo as rnelhores vers3:s : em
fias de Seterabro deix r Baden-Baden,
voltar a Pars, ir a Bruxellas, em se-
guida a Nii-o, pugnar o invoi-no na Alga-
ria, far urna excursSo ao Cairo, emfira
grande e largo programma, qua de futuro
poder ser modificado e radicalmente.
Ou esse nao pertencesse especie mais
notavel que ha : qullo que feito expres-
samente para n3o ser cumprido em poli-
tica como em tudo mais o progranraa.
VCTIMAS E ALGOZES
POR
EMILIO DE RICHEBOURG
PRIMEIRA PARTE
A FAMILIA LIOTInTET
. ((Jsntnuagio do n. 218)
VI
ade a proposito de um ae falla
de outro
Era um segredo da mais alta importan-
cia, que possuia o italiano e tanto mais im-
portante quanto era elle s que o possuia.
Veremos mais tarde que interesas tinha
elle em o guardar.
Depois do primeiro encontr, os dous
tinham-so tornado a ver diversas vezes.
Era DaraBsn que pedia as entrevistas,
para apoqueptar o seu Paolosinho com pe
didos de dinheiro.
Um dia em que conversavam, mais fami-
liarmente do que de costnme, Paolo, que
era sempre to reservado, ia quasi deseo-
brindo o seu precioso segredo. Distrahida
mente, tinba deixado escapar estas pala-
Tras imprudentes:
t A pobre Sra. Fraud roorreu, mas a
filha k viva e eu sei onde ella est.
E morder logo os labios. Darasse, por
mais perguntas que lhe fizesae, nlo obtiV8-
ra de Paolo nenhuraa palavra.
Ab I ab I elle sabe-o, pensou o antigo
contrabandista; muito bem, sabe-o, mas
aada mais De que lhe pode servir esse
segredo qua descobrio T De nada, visto
que ignora tudo quanto eu sei. Veremos I
O annaario Diuot tinha dado a Darasse
a morada da marquesa de Saulieu e era
pelas simples palavras sabidas da bocea de
Paolo, que ella se tinha posto em campo.
Era em todas estas cousas e as aventu-
ras da sua vida accidentada que Darasse
pensava, saboreando o seu londres e via
abrirem-se diante de si vastos horizontes
luminosos.
Com certeza, Paolo confiar-lhe-ha o seu
segredo, visto que sem o seu velho amigo
Darasse, nSo podia tirar nenhum partido
delle.
E' verdade que Paolo j se havia recu-
sado a satisfazer-lhe a curiosidade ; mas
quando elle lhe fallasae em ciocoenta mil
trancos, em cem mil francos, se fosse pre-
ciso, Paolo havia de dar lingua, do boa
vontade.
Darasse so via urna cousa : Paolo pos-
suia um segredo e elle possuia outro, e es-
ees dous segredos nao podiam ter valor se-
no soldados um ao utro.
Sempre seguido pelo mogo de recados,
que cao o perda d vis a, Darasse atra-
Vassou o Seca, subi a ra do Templo e,
chegado ao mercado do Templo, metteu-se
por urna daquellas estrenas e escuras gale
rias atopetad .3 de mercadorias, mais ou
menos novaa, dos adelos.
Darasse entrou n'una loja que mais lhe
agradou e sabio de l, matamorphoseado,
ao cabo de vinte minutos.
Tinha dado a guardar os farrapos, os
sapatos acalcanhados, 0 chapeo ch no de
buracos, dizendo que iria buscar tudo
aqullo no dia seguinte, e sabio complata-
mente vestido de novo, o que Iha dava
quasi o aspecto de ura homem honrado
Tinha comprado at camisa e gravata.
Tudo aqullo, em massa, por quarenta fran
eos I
Todo orguihoso de se ver assim enca-
dernado, Darasse entrou n'uma casa de
pasto e mandou servir um almogo. Tinha
bastante precalo de comar, porque era
quasi urna hora.
O mogo de recados pinsou que tambal
tinba o direito de comer entrou primeiro
n'um padeiro, em seguida n'um salcb ro e almogou na ra, de p, oom os olbos
fixos na porta da casa de pasto.
Darasse sabio do restaurante, depois de
ter feito copiosa refeigao, regada com urna
garrafa de vinho sup rior. Mas nlo tinba
tomado caf ; entrou, pe s, n'um caf do
boulavard, sentou-se a urna mesa de mar
more braceo, pedio cafe, urna garrafa de
agurdente e o necessario para escrever.
Quando acabou de beber o moka, des-
pejando pouco a pou 'o o garraflo : escre-
veu urna carta com a sua melbor letra,
roetteu-a n'um euvelopp>, no qual tracou
este sobrescripto :
Senhor
Estevlo Eris, empregado,
Hotel de Lille,
Ra dn So-Denis
A quera escreve elle ? perguntou de
si pira si o mogo da recados.
O garrafao estava despejado. Darasse
acendeu o seu segundo charuto, pagou a
despeza e deu vinte cntimos de gratifica-
glo ao empregado do caf qua agraeceu
com deferencia.
O nosso hornera tornou a por os ps no
asphalto e, recomagaodo tranquillamente o
curso das suas r-fl ;x3 -s, foi eotregar a car-
ta ao escriptorio do hotel de Lille.
Disseram-lbe :
II oito dias, que alo vemos o Sr.
Eris, logo que volte, eatregar-lhe -hemos a
sua carta.
E' preciso que eu saiba quera a
pessoa que mora neste hotel e que lie co-
choce, pensava o mogo de recados.
O leitor compreheodeu que Paolo, por
expelientes razies, dizia que se cbamava
Estevlo Eris, no hotel de Lille.
Darasse afastoj-s do interior da cidade
e chegou nos boulevards exteriores pela
ra do biirro Siict Martin.
Achava-8e no bairro qua lhe era fami-
liar, em pleno paiz do seu conheoimento ;
mas, se bem qua j nlo estivesse muito
loDge da sua casa, nlo pensou em entrar.
Fo: successivamente a differentes tabernas ;
quera ver os amigos, apertar-lhea a mo.
Bebeu com una e com outros, quando
sabio da sua ultima estaglo, era j note,
e conseguio com difficuliade manter-se em
equilibrio has suas pernas carabaleantes.
Os bcos de g-z estavam acosos, j dos
bailes da barreira chegava o eco de urna
orchestra desafinada, voz'3 esganigadas na
meio das dansas desordenadas. As taber-
nas e cervt-j arias equivocas projectavam a
sua paluda luz na calgada.
Os transentes erara raros ; os que se
cruzavam com Darasse paravam por ins-
tantes par oluar para aquelle sujeito que
ARCIIEOLOGIA
lustiliitc Archeologico e <-e --
graphlca Peroambacano
RESTOS MORTAKS DE JOAO FERNANDES
VIE1BA
Parecer da Commistao
A commissao abaixo aasignadu, tendo
presentes o auto de exhumaglo e exame
medico dos ossos presumidos de Jlo Fer-
tinha o passo incerto e o olbar jehamme-
jacte.
Darasse tinha comprado e fumava ter-
ceiro charuto.
Debiixo de um candieiro degaz, um ga-
nan les Vieira, a analyse das substancias
calcreas contilas na sepultura e o reco-
nheciraento da. raadeira carbonisads do
atade, dos pi -gos oxydados e carcomidos
pala diuturnidade dos terapos, vera apre-
santar cocsderaglo do Instituto o seu
parecer a sernelhante respeito.
O Instituto desde muito investiga, mas
sempre de balde, o local da jazida do cha
fe ostensivo da restauraglo pernambu:ana.
Alguraas phrases soltasse lam em escriptos
biographiios mais ou menos modernos,
t'onde veio naturalraenta a tradiglo de ter
si lo ella sepultado na igreja da .Mis t 'ordia
de Olinia, onde fallaceu a 10 de Jaoei
ro de 1681, em vista da disposigao da
clausult 7.a do seu tastamaoto na qual
Vieir determina qua seu corpo ser la-
vado na turabi da Santa Casa de Miseri-
cordia, acompanhado por todos os ralos,
a que i pada por pedade lhe rezara ura
Padre-Stosso por sua alma ^, fez para alli
S'-g lir urna omoiissao persuadida da exae-
tido do facto.
Depois de omitas duvdas e opiciSas en-
contradas entre os membros da coraraisslo,
convenceu-se o Instituto da que nlo sa ti-
nba real sado a inburaaglo da Vieira n'a-
quella igreja.
Mais tardo conjecturou que o cadver
tossa transportado para a ilha da M*d-ira,
segundo a disposigao da clasula 6.* d'a-
qualle tastaraecto e encerrado em ura tu
mulo que pretenda construir na Miseri-
cordia d'aqualle lugar para si, sua mulher
e lb is. Pedir o Instituto a passo >s gra
das all residen:es iuformagos a respeito,
a estas cora toda a gentileza respondern,
depois da aturadas pesquisas no antigo local
la Misericordia, nos livros e asseotos do
secuto XVII nada terera deseoberto, era
desse facto haver alli a raais leve tradiglo.
Nio se verifica va por t.nto, a disposigao
da clausula 6.1
O Instituto nada mais tiaha a fazer de-
pois d'aquellas diligmeias, uo intuito de
honrar a memoria do Ilustre lucideno o
registrar a historia o lugar onle descin-
yam os seus restos mortaes.
A commissao encarregada pelo governo
da provincia de arrecadar das bibliothecas
ab*ndooada3 dos raosteiro da S. Beato e
convento franciscano d) Olinda os livros
aproveitaveis, encootrou as Memorias His
toricas dos Illustrissimos Arcebisp s. Bis
pos e Escriotores Portuguezes di Ordem de
Nossa Senhora do Carino, escripias por
Fr. Mnoal da S, carmelitano, e impres-
sas em Lisboa no anno de 1724.
Na leitura que fez da dita obra desco-
brio o nosso distinato consocio Sr. Fran
cisco AugU3to Pereira da Cost-, qua f .za
parte d'aquella commissao pagina 33 a
seguinte noticia, em relaglo ao convento
do Carmo da Olinda :
Na capella-mr da sna igreja, da parta
do Evangelho, descangam era humilde se-
pult ira as cinzas d'aquella graode beroa
kestaurauor do mesmo estado (Peraara
buco), Jlo Fernandos Vieira, e ainda que
Iha faltaram os raarmores para o mausoleo
a nlo tanha epitaphio que declare o heroico
de suas aegoes, tiveram estas a fortuna de
serem escripias pela elevada penna do
Esra. D. Luiz de Menezes, conde de Eri-
ceyra.
O nosso Ilustre consocio coramnicou im-
raediatamento ao Instituto, era offido de 29
de Abril rio anno passado, a indicagio de
Fr. Mauoel de Si, e ca primeira sesslo
apresectou-se com as Memorias Histricas,
para que todos a lessem e resolvesseic o
que cumpria fazer, sendo elle de opinilo
que se proeedesse s nejessariss nvesti-
gagies no interesse da verdade.
Resolveu o Instituto qu sa nomeasse
urna coramisslo e alli fosse, obtida a li-
cenga do Exra. Diocesano, proceder rigo-
roso exame sobre o que se lia na obra do
escrptor carmelitano, visto nlo haverera
marmrea, mausoleu nem epitaphio, mas
simplesmonte urna sepultura humilde onde
descansaran em paz as cinzas do R:sta-
rador.
VARIEDADES

naufragio do Bahia
(Conina)
Qoaata ferocidade impia na
naufragio! que insulta i
providencia !(V. Hugo)
Os Humeas do Mar.
Era noita seren; fis ondas r O brilho festival dos astros que se erguan
No vasto firinunr'ntj;
Ao longe, l ua costa agreste c alvacenta,
Morria mansamente a vaga somnolenta
Aj sussurrar do vent).
Pa no co c no mar... a eis que de repente
No eseuro do h risonte assoma um vulto iagent,
Em meio soledade...
Semelba uegro espectro errante do ocano,
Ou d'amplido marinha esqualo tyrauno
Kon laudo a immensidade...
E' do Bahia a quilha aligera e possante
Qua vem cortando altiva a face cambiante
Dos mares de (oydnna ;
Cumiaba para o sul em marcha magestoss,
Buscando parto amigo alm, na papulosa
Veneza americana...
Era noite serena ; em seu macio leito
Dorma o viajante sent e satisfeito
Sobre o profundo abysma...
Ni proa o marinheiro olhava cuidadoso,
Mi3 nao previa o clief--, em somno descados,
Medoub'o cataclysmo.
E l no xtreino snl outro vulto apparece,
Q te do piloto vista a cada instante cresce
Com> um n'i" i-.m horread)!
Eil o qa: se approzima, inconscio da ousadia,
Segoindo em mircoa Inversa o rami di Bahia
Qoe o riseo vai temendo.. .
E cresce... eereacemais !.. J parto vem rancaada
Como um monstro f-it! p'r* mirce camiahiodj
em desviar-se um passo !..
Entao de cala lado um gnu le brado estrondi,
Qu; vai rep reii'.ir alm de onda em onda
U blando no espteo!
Em vio !.. D) Pirapama a cortadora proa
Se embebe no Bahia .'. o choque ao longe si
Descimtnu tal, sombru !!..
E pelo rombo en irme as vagas vo entrando
Uomo urna cadupa atroz espadaando
No boj o do navio !
Mas sua direecao muJ^u logo o primeiro
E veudo-SH perdido, afasta-se ligeiro
S busenndo salvar-se...
No iugar do sinistro o outro permanece,
Quul bom 'm que latido em sucias esmorece
J prestes a fiaar-ae !
VIedonho era de ver!.. Gritando horrorisados.
Os nufragos em vai procuram desvairados
Uai meio silvador !..
Confuso pavorosa!., horrsono concert...
Que clama supplicando anre o abysm i aberto
N'aquella immenso horror !!..
E ao lgubre clam >r das vicrtmis da morta
Responde mais horrendo um brado grosso e forte
Debaixo de seus ps!
E' o mar que invadalo aa ampias cavdsdes
Estoura do poro l nis profundidades,
Sob o largo Bonves! .
Mas j ceiendo em fim s aguis vencedoras
Que ragem ao redor, crueis, devoradlas,
Sobre aquella aS.*;ai,
Desee a pique o eolosso ao fuodi do ocesn,
Deizaodo aos iofelizea duro desengao
Que paoge o coracao!!..
Entlo comca a lacta: aquuti deagfacado
Em vio busea um abrig- -. e mirra *baaionado,
S'/in mais p All ama meuias, ardendo de coragem,
Arranca um infeliz hrrida voragein
Qje o procura tragar!..
Alm,sobre ama prsncha, eusado marinbeiro
Sasteado urna mulher, repelle um passageiro
Que implora salvadlo...
E dominando a sceaa horrenda e pavorosa,
De um sacerdote a voz ae eleva mageatoaa
Em frvida oracao...
Caneados de nadar, alguna loga esmarecem
E do barathro ao fuudo agomaando deacem,
Culhidos pela morte I..
Outros salvam-9e alm, em barcoae jangadas
Que logo pira alli dirigem-se aprcaaidas,
Tvngidaa pelo norte.
E quando, ao romper d'alva, a lus do sol nascante,
Tragindo de verntlho as portas do oriente,
Allumiou o mar,
Mostrou aubr e9e palco um quadra b;n aombriod..
Acim da flor d'agua oa mastroa da aia navio.-.
E corpas a boiar!!...
Manoel Cavaleante de Mello Fdh.
Maio de 1887.
losas da Ville'te, e depois de ter c&rainha-
do ainda por longo tempo, penetrou por
urna grande abertura, nunca fachada, n'um
recinto que se chamava a Cidade daa Ca-
banas, um nome como ostro qualquer, mas
roto coll>cou-89 diante do bebado e com um o nico decente que lhe puderam dar.
deesas movimentos que s pertencera aos
gavroc es parzienses, deitou o bon p >ra
tras, poz as mos na cintura e, barr.bo
loando se, exclaraou com urna iuflexlo sar-
castica inimitavel.
Ola I Sr. apanbador de charutos !
Canalba I grunho Darasse, ameagan
do com um murro o garoto, que deitou a
correr e desappareceu, rindo s gargalha-
das.
A colera do antigo contrabandista de-
pressa se apaziguou e ella procurou rebor-
dar na memoria os promenores da sua en-
trevista com a marqueza de Saulieu.
Nlo I com ura milhlo de diabos, di-
zia elle de si para si: nlo I eu nlo sonhe
isto !
E fallando comsigo mesmo, Darasse re
citou o seguinte monologo :
f A. velha disse que me dara urna for-
tuna ; sim, sira, meu caro Darasse, urna
fortuna para ti, ouro como tu nunca pos-
suiste, senlo nos teas soahos ambiciosos.
Comprehendes tu, amigo Darasse, compre
tiendes ; e ntra vais poder dormir era urna
boa cama, viver na alegra, sem fazer na-
da, sera fazer mesmo nada.
Todos os dias refeie 's suceulentas,
como n'outro tempo, cora vinhos fiaos, caf
de primeira qualidade, agurdente e lico-
res. .. nio te digo senlo isto.
t Mais atteoglo, meu velho Darasse,
nlo te ileixes embrulhar pelo pequeo ; elle
um espertalhlo. Nlo somos nennuns to
loa, havemos de obrigalo a dizer onde es-
t a moga. Porque urna moga hoje, urna
moga bonita, com certeza aquella peque-
nina que eu vi junto ao see da rali.
c Com um milhlo de diaboS a mli ti
nha urna garganta soberb, a tal viscon-
condessa; s em pmsar nisso anda tenbo
oalafrios. Oh I seu velho, olhe que estas
cousas j nlo slo da sua idade.
t Aioda urna vez, Darasse, attenglo : a
fortuna vem ter comtigo, nlo sajas to es-
tpido que a deixes escapar.
O ar tinha-lhe feito bem, estava um pou-
co menos embriagado e caminhava mais
em equilibrio.
M -tieu-se por urna da* ras mais popu-
Imaginera um grande terreno, muito
poeirento no verao, borrivelmente lamacen-
to no invern e nos dias de chuva e nesse
terreno, por aqu e por alli espoliados uns
barracSes construidos com taboas velbas,
provenientes de demoligSes e cora arga-
massa de barro e construidas com tela b-
tuminada.
Quera via urna cabana, via todas as
mais ; o mesmo aspecto miseravel. Dous
quartosinbos [Iluminados pela ujesraa ja-
nella e nada mais. Nem um pouco de cal
branca pintando as paredes. A trra cal
cada a masso era o soalho. Nlo havia fal-
ta de ar, porque quaado nao entrava pela
porta ou pela janella, penetra va atravs
das taboas no lugar em que a argamassa
tinba cabido.
Cousa inaudita, lgubre irrislo, toleima
de ura proprietario ridiculo a estupido, ca
da cabana tinba o seu jardi nzinho, onde
o vento qua vinha do campo semeava e que
queria, cardos e papoulas.
Quando Darasse eutrou era ama das ca-
banis, a sua, O mogo de recados estava
apenas a alguos pasaos dalla
Emfira, murmurou elle, aqu que
elle mora.
Darasse tinba fechado a porta e o mogo
de recados ia .'etrar-se, quando vi quedo
interior da cabana os raios da luz filtra-
vam atravs a frgil construcglo, ao mes
rao tempo que ouvio muito distinctamente
urna voz de mulher que dizia:
De onde vens T Eutlo, que fizeste
durante o dia ?
Darasse respondeu :
Fique socegada, Sra. Darasse, se for
boasinha, conversaremos.
Come se v, podia-se parfeitamente ou-
vir-se tudo quanto se dizia naquelle mise-
ravel pardu-iro
Por fim de contas, porque nlo ? pen-
sou o mogo de recados.
E salto j .por cima do muro do jardi ra,
approximando se da cabana, acocorou-se e
applicou o ouvido.
A morada do antigo contrabandista ti-
nba apenas por mobilia um rao laita ou
antes um gravato, tres cadeiras, quasi sem
quands
palhinha, urna mesa 'cosa de raadeira de
pinho e urna especia de commoda desloca-
da.
A Sra. Darasse, que era quasi da mes-
ma idade do marido, estava oceupada esa
dar pontos ca roupa.
A roupa da iufeliz era daquallts que se
deitam no cesto do trapeiro ; verdade
que tinha urna roupa mais decente, mas
essa nunca a envergava senlo as grandes
occasiSes.
As feigSes estragadas, o corpo disfarma-
do, a expresslo de desanimo espalhada pele
rosto, tudo era tostemunho dos longos aa-
uos de miseria.
Levactou a cabega e olhou para o ma-
rido espantada :
Onde encontraste esta ronpa ? par-
guntou-lhe ella. i
Ora, na loja.
Tu compraste isto Tu T
Sim.
Com que?
Ora, que toleima, Paulina ;
se compra com dinheiro.
Onde aptniato este dinheiro *
Ora esta, ganbei-o.
Fazendo o que ?
Trabalhando. Mas ests me aborra-
cendo com as tuas perguntas.
Tu vs que eu sei que mentes, eis
ah porque te aborreces com as minhaspsr-
gudtas. Tu mentes, Pedro, o desde qua
estamos em Pariz, tees-rae constantemente
mentido Ha alguna mezas disseate:
Achei trabalho em Omp-lla as tanos*
dos Srs. Journeux, pai e filbo, constructo-
res de machinas.
E entlo ?
Era mentira.
Quem t'o disse ?
Hoje a minha patroa do iavadoars
mandou-me dar um recado a Cnapelle;
era justamente em frente das offiemas daa
Srs. Journeux ; entre l pedindo para la
fallar. Responderam-me que nunca tinbas
sido empregado na casa e que nem meso
conheciam o ten nome.
Fosta punida pela tua cariosidade, *
bem feito.


(Continuar $8**j
Typ. do Diario ra Owja ae Uaxias 4*.
sf

:^*fc


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWI62EK8Y_J2L9NW INGEST_TIME 2014-05-28T14:59:30Z PACKAGE AA00011611_19993
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES