Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19983


This item is only available as the following downloads:


Full Text
f
o iia i'mm
>
PU*S*/t CAPITAL B E.I7CAJUR O.lK AO *K PAUA POHTK
Por,tN8 mez^ij adiantados............... 6|$000
r sis ditos dem. ;........... ljtfOOO
Por dm anno dem................. 230000
Cada numero avulao, do mesmo dia. .......... r$100
**m.JllM.4Mi~..

mUfU*AH H SETIBRQ OS 1337
PAKA UOfRO B FOAA I*A PJKOVUCU
Por seis mezes adiantados............... 1350G
Por nove ditos idem........,-. *....... 200000
Por um anno idem................. 2701OG
Cada numero avulso, de dias anteriores........... #100
Proprtefrai* i>* ilaiwel Ji%vicvc6a i>* -torta $ J-Uijo*
O* ira. Amede S'rinee C
4c Pars, *I< os notaos agentes
exclusivos de aanunelos e pu-
bllcaciles na .""ranea e Ingla-
terra
TELEGRAMAS
aisvi;o :as::c7las do a.A3io
RIO DE JANEIRO, 12 de Setembro, s
10 auras da nou!e. (Recebido s 7 horas
da manha de 13, pela linha terrestre).
Va tjuiaia foir.a ullima nao honre
despacho por aer da feriado.
Foi uomea Jo presidente da provin-
cia de Hatto Uniio o coronel de en
genbeiros Francisco Bapbael de Bel
lo Bego.'
RIO DS JANEIRO, 13 de Setembro s
2 horas e 35 minutos da tarde. (Recebido
s 3 horas e 30 miautos, pela linha terres-
Xa Cmara don Depuiado fol boje
approvado ero. 3.a dUrunio o orca-
mento da receila eral do Imperio.
Inclusive o substituto < da commis-
a de espediente para o machloUma
de .tiaailos a* Industrias.
PARAHYBA, 13 de Setembro, s 4 ho-
ras e 50 minutos da tarde. (Recebido s
5 horas e 38 minutos).
Segulo boje a larde para o porto
do Becife o rapor nacional PARA'.
ISSTROCGiO POPULAR
(Extrado)
)A BIBLIOTHECA DO POYO E DAS ESCOLAS
CAPITULO I
PBI*'CIPIOW DE PniLOSOPHIA
DO DIREITO
AcCEPgOS DA PALAVB.l DtBKrTO. (2) 0 DIBEITO TEM
BM FEBIODO ESPOST.vNEO E OCTB) KEPLEXO.
(Continuara o)
1. P -moa tomar a palavra direito em varias
accep(
Como leiorgasica pdenos debnil-aa le rega-
ladora d actividade humana na r.aliaagaa hvre
activa do b'm.
Como aeuldade : a faculdade qae o home.n
tem di empregar a condigaea dependeutea da
hberdadee attinentes ao aeu in individual e so-
cial. ,
Coito s.-iencia : a que expo*, investiga e de-
iroiiatra, os principias oa lew reguladoras da acti-
vidade voluntaria do bomem, na realisago m
e1objeetiv daa c ndieee internas c externaa, de-
pendente dH liberdade c atline.-itfs ao fara indi-
vidual c social di li m Objetivamente : a qualidade da aeja exter-
na, hvre e racional.
Qian fallam 9 ra eondicoes internas, quere-
rau-eea referir que lio essenta.-s persooal-
r:-r seain externas, quer nt-roas,
q ios 03 externas queremos sgni-
n.. ,r n.h.im m pro > penoaali-
P,r exemp!',
09 -"r
: se ni born m por dous
: i flezae eep ntaaeasaeato.
PeVBOa di ii n :-; iaro, rteorwodo, quer ao tes
teinunb > da coaseieocia, quera cbs-rvago dos
fado* Si-ciae*. S .-nindo o primeiro critenu. em
, a a demonstroslo do principio que
avneamoi Moitas vezes. Vamos separar o justo
dj injusto, inmediataueste, sea a razo se ter
exercido convenientemente sobre o facto que ava-
ll Ma.j uinda. Vc-mo frequentem :nte o principio
de justici, manifestar-sena concepcio de rudes
campemos ; c nesfes decerto nao acuella r* aulla-
do de r. fl xi< anterior, mas sim um producto im
mediato espantano. IstJ o que a objervscaj
J.UI lOSjaii que p mos confirmar.
Effectivsmeote ha um principio geral fuadado
na experiencia que p ira nossd caso podamos appli-
cir ao direito e : qu as torcas psyebulogieas, ou
do espirito, se manitestam primuiramente de urna
fjrma esp nt e> e por fim de modo refiexo. No
emtanto, devemos dixer, que nao if a raxo que,
s bretudo na pratiea, deve domiuar es priucipioa
de direito bste tornar-se-hia demasiadamente
roso. Easjim quenas legisUco s das na-
ces caltas, vemos o suntimento, a tquidade. ter
urna grande appdcaco oastbeonas philosopbicfis,
que os cdigos modernos subordiuam quasi todas
na suas iinpjrtantes materias.
(Coriinua)
JARTE OFFICA
Bj
Tenente Joaquim Cordeiro FalcSo.Sim.
O ines>ao. Sim.
Jos Eieuterio de Azevedo.Certifiqnc-se.
Justino Pereira de Sousa. Ao Sr. Dr. jui de
direito da comarca de Catuar, para att nder, de-
vol vendo este requerimentj.
Luoguiobo. Informe o Sr. juiz de direito da
comarca de Iguarassu'.
Manoel Pereira dos SantosAo Sr. juiz de di-
reito da comarca de Palmares para attender, dc-
volvendo e3te requerimeuto.
Vicente Fcrreira de Paula.Declare o snpp-
cante a data de seu julgamento e a pena que Ihe
foi imposta.
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, 13
de Setembro de 1887.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartico da Polica
2a seeco. -N. 808. -Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 13 de Setembro de
1887Illro. eEam. Sr. -Participo a V.
Ezc. que foram bontem rebolludos Casa
do Detengao os seguiates individuos :
A' minhi ordem, Praucisco A'itonio d Salles,
por disturbios e S-verino da Silva Vlonteiro, vindo
do termo da Victoria remettido pelo respectivo
delegado, como criminoso de morte no teruoj de
Teixeira na provincia da P.irahybi.
A' ordem do subdelegado do 2o districto da fre-
guezia da li -i-Vista, Joaquim de tal, conhecido
per Joaquim Magrello, por disturbios.
A' ordem do do 1 distrieto da Graca, Joao
Vieira, por crime de furto.
Participou-me o delegado do termo da Pedra
de Baique, que no dia 28 do mez prximo finio,
prendeu o individuo de nomo Juvenai Velloso de
Albu^uerqur, alli morador, por ter di Airado a sua
propria tiiba de nome Anua Maria do Espirito
Santo, e tentado anda i. Airar a urna outra de
uomc Maria Apri^ia la Cincei^ao.
Sobre eotea factos procedeu-se nos termos da
lei
No dia 3 do corrente, no districto policial
de Tres Lideiras do termo de Ignara su, foi as-
assinado a go'pes de foice e faca, Jos Romo de
iiveira, por Jos Pereira de Sjuza, conhecido
por Jos lirosso, que evadio-so logo aps o crime.
q respectivo subielegado tez proceder a visto-
ria a abri o competente inquerito policial.
No (fia 21 1 j mez prximo fiado, no povotio
de Ribeiro do termo de (Jamelleira, Joaquim Ti-
burcio, capitaneando um grupo de homens todos
armados, dirigi se casa de Maria de tal, e ah
cucoiitr iiid 1 Joao Carlos e Flonano Correia, ze-
ram neste diversos fenmentos.
Sibre este facto, o respectivo subdelegado pro-
ceden nos termos da H.
No dia 27 do mesmu mez, das 6 pera 7 horas
da noite, o pret > velho de nome Salustiano, em
estado ae embriaguez, ao passar eobre urna bom-
ba que existe peno d.i estacao do Ribeiro, per-
deu o equilibrio e cabio bateudo com a cabeca
sobre os triihos do que resultou-lbe a morte quaai
que instantneamente.
Aque.le subdelegado tomou conhecimento do
facto, fez a competente vistoria e proceden a res-
peito de accordo com a lei.
Deus guarde a V. Eac.Illm. e Eira,
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, rouito
digno presidente da provincia. -O chefe
de polijia, Francisco Domingues Ribeiro
Vianna.
Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DIA 13 DE SETEMBRO
Pedro Jorge da Silva Rimas.Informe o con-
tencioso
Bellarmino Guodes Alcoforado e Martins Fiusa
& C.Iutorme o Sr. cantador.
Jouqaim Ferreira Seo. A R*eeb?doria Pro-
vincial p.ra cumprir o despa-'h) di j lata.
Aggeo Cesar de Andrade. Jertilique-se.
Agente fiscal Ha Keeife Urayaa^j Cnnpiuy.
Junte se copia das nformaco I.
Aana Cesar de Almeila KessOi. Facam-se as
notas da portara de liceoca.
Recebedorla proTincial
despachos do dia \2 de setembro
de 1887
Silva & Irmio, Pinto Oiiveira & C. Joao de
Aranjj C.-sar Sjbrinh), Fraucisco tturgel i Ir-
mSo, J0S0 GozeuJe 4 C D mingos J isfi Ferreii \
& C, Meadonc* P. imo At C A. Martius diC,
Jote ue Araujo V^iga Si C, Jos Braz da Cou-
ceicao Silva, Franciso Jo^ L^ite & C, Santos a
rmo, Eustaquio ic C- e Seixas Ci C.m.
- 13
Valeate Irmio m"rro Amelia Francisca da Csta.Ioforme a
1' scele.
Joaquim Ferreira Netto.Coaspra-W.
Gjucalvis Santos < C Iadeferido em vista
das ioformaC&eS'
Manoe> Joao Libato.")ef.-rido, fazendo-se nos
livros de lani;am.'iito as de vidas rcterenc as, para
os fins convenientes.
atviSTA DIARIA
overne da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DU 13 DE
SKTEMBEO DE 1887.
Antonio Feitosa de Souza.Drfendo com ofi-
cio de hoja ao brigadeiro coo-mandante das ar-
Aggea Cesar de Andrade Informe o Sr. juiz
municipal o de orpbos do termo do Bonito.
C mp -libia Pernambuc^naIalorme o Sr. in-
r do Thesouro Provincial.
F.-ancisc- Cadido Bezerra.-InfoTe o S-. Ur.
iuiz de direito do 2o districto criminal do Hecif .
O oi'nni.-Ao Sr. Dr. jaix de direito da comar-
ca de I-uarass para attenier. devolveudo este
requer.uiento. .
Fabio Velloso Fceire. Remei.tido ao Sr. ins-
pector do Tbeiuura Provincial para mandar
tuar o pagamento tolciudo, nos termos da sua
informacao, de 81 de Agosta ultimo n. 82o
Gara te de Londoa Braailian B.uk Limited.
Deferido com o oficio destt
Provincial.
data ao Th.aouro
k
A elelc:o de boje \ maniKstacio eleito-
ral de aoja tem a alta significacio poltica de fa-
zer mantcr na elevada puaty&o d" ministro de Es-
tado a um dos mais esforctdoB propugaadorea da
prospi ridade des'a provincia, o c nselheiro Manoel
do Nascimento Machado Portella.
Assim succeder para gloria desta provincia e
dos eleitores do 1." districto e ainda para justa
satiifucao dos amigos e correligionarios do distin-
cto couaelbtiro, M o e'ei'oraio coito tem frito em
pocas anteriores, sustentar e continuar a apoiar
a candidatura do eminente pernambucano que se
acha n\ governajo do Estado, cjmo ministro do
looperic.
Todo leva a crer, que assim ser.
O candidato de boje o inesmo que em 1881.
1884 e!886 foi destiuguido pela confianca e adhe.
sao dos eeus comprovincianos e agora nada se ve-
\* que obste ou impossibilite ao eleitorado ti r
c m toda diguidade e sobranceria o mesmo proce-
dimento.
Pelo contrario, motivos de maior alcance poli
tico e sj'.-ial eiUtem para que o 1. districto faga
triuinphar a Candidatura do minis'.ro pernambu-
cano.
Asaimocsperam os que ark'.mcnte se interes-
sam p. a traniuillidade ; bem esrar e melhora-
mentos dcsta provii
Os trabalhs eleituraes na fur.ua da iei devem
com-cae as 9 horas da maub e eatar concluidos
at G horas da tarde.
da eleiur antes de lancar a chapa na nrna
tem de apresentar o aeu titolo e depois assignar
me n'um livro especial. .
As chapas d. vem ser escriptas em papel bran-
co ou ailado atm aignaes que aa tornera conh ci-
d.a.
Nao precisamos dizer que e direito de voto
urna obrigaeio cvica da maior magnitude para
todo cidadao eleitor, e que deve ser exercitade
to calma e r. A metidamente quij neceaaario qno
o seja com toda a lib.'rdade.
Como em 1886, o que esperara-a que acontc;a
boje e fondamos essa esperanca no criterio do
eleitorado, no eeu senso moral e poltico e no pro-
prio interesse poltico que deve movel-o.
AntorldadeM pollclae* Por portara
da presidencia da provincia de 12 e propoata do
Dr. cheft de polica de 10 Jo corrente. foram no-
meados :
Para o lugar vago de 1 supplente da freguezia
da S, do termo de .inJa, o actual 2 supplente,
aiferes Minervino de Miranda da Rocha Pitta.
Para a vaga per este deixada o actual 3 sup
pente Joaquim Qmntino Goncalvea.
Para este ultimo cargo, o cidadao Liberato
Prisco Ribeiro.
Tribunal do Jury do BecifeHon-
tem compareceram neste tribunal 24 jurados, pelo
que nao bouve sesso. Feito o aorteio foram do-
signados pela sorte os segumtes jurados supplen-
tes:
Freguezia de Santo Antonio
Dr. Andr Das de Araujo.
Dr. Manoel P'nto Dmaso.
Freguesa da Boa-Vista
Dr. Alvaro Ucba Cavalcaote.
Beilarminu Goncalvea de Albuquerqae.
Dr. Gabriel rlennque da Silva.
Joao Baptiata do Nascimento.
Jos Tacares da Silva.
Dr. Jos Hygino Doarte Pereira.
Jlo Luiz ftibeiro.
Dr. Joao de S Cavalcante.
Joao Soares Pacheco.
Joaquim Francisco Collares.
J-'s Maria Breuk nfeld da Silva.
Dr. Jos Mauricio Torres Temporal.
Jeronyrao Pereira Mariz.
Dr. Man,el Cicero Peregrino da Silva.
Dr. Miguel Jos d'Almeida Pernamouco.
Manoel Jos Monteiro.
Sisenando Carlos d'Arce.
Freguezia da Graca
Francisco d'Assis Fouseca Banck
Freguez\a de S. Jos
Eugenio Goncalves Patojo,
Jos Antonio d'Oliveira e Silva.
Fregueziz de Afogados
Jos Francisco Machado.
Luiz da Conceicio Alb .qu-rque.
Foram multados em 20^'XIU diarios oa jurados
que nao compareceram.
Fresnezta de M. Jone-Por ter aahido
com erroa a nuticia de houtem acerca dos quartei-
oe8 de c ida urna das seecaes el. itoraes dcsta tre-
guezia, repetimol-a boje j correcta :
Na seeco da Matriz votam os quarteites ns.
37, 38, 39, 40, 41, e 42 do 1.* districto policial e
de 1 a 10 a> 2." districto.
Na seeco dos Martyrios votam 08 qaarteiroes
us. 25, 26, 27, 28, 29, 30, 31, 32, 33, 34, 35 e 36
do 1. districto policial.
Na seeco de Riba-Mar votam oa quarteires na.
15, 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22, 23 e 24 do i. dis-
tricto policial.
Na seeco do Tergo votam os quarteires na.
1, 2, 3, 4, 5, 6 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13 e 14 do L-
districto policial.
Vaporea do nuI Amaub devem ebegar
ao U0330 porto os paqu ites iugl- zes Galicia e Afn-
delo, que bontem sabiram do paito da Babia.
Depois da demora custumada seguirao para a
Europa.
Pal desnaturadoNo termo de pedra do
Buique habita o individuo Juvenai Velloso de Al-
(uqu rque, quedepo s de attentar esotra o pudor
de sua propria liiha Anna Mara do Espirito Sanco
teutoa fazer o mesmo a urna outra de nome Maria
Aprigia da ConueigaV).
P.ra contera esse desa'mado e punl-o do crime
comm->Uido o delegado prendeu-o no dia 28 du
mes pussado e contra elle procede nos termos da
lei.
Aamaaiainou e evadlo-aeNo da 3 do
cor. ente no districto policial de Tres Ladeiras, do
termo de Ioiiaraas, toi asaassnado a golpes de
touco e de faca Jos Romo de liveia por Jos
Pereira de Souza, conhecido por Jos Grosso, que
evadi se logo aps o crime.
O r speetivo a biel gado tes proceder a vistora
e abno o competente inquerito.
FerlmenloM No dia 21 do mez passado,
no povoado do Ribeiro do termo de Gaioelleira,
Joaquim Tiourcio, capitaneando cm grnpo de ho-
mens armados, dirigi-as a cuaa de Maria de t le
ah eneoatrindo Joi C>.rlos e Floriane Correia.
fez nest. diversos ferimen'os.
A autoridade local proceden como determina a
lei.
Connequcnrla* da embriaguez
No da '7 i prximo fiado mez das 6 para 7 h -
ras da uo't-', n preto vlho de nome Salustiano,
eoa estato de embriaguez, ao passar sobre urna
bomba que existe perto da estago de Ribeir ,
0a estrada de ferro de S. Fradcisco, perdeu o equj-
librio e cabio, bateado com a rabega sobre os tri-
ihos, do que resultou-lbe a moite quasi instaura
Di ui' u'e.
A autoiidade policial tomou conhecimento do
facto.
Imprudencia') 1." br. k;eta da compa
nbia ue tmh. a urbanca do Recite a Cnxang,
Fraucisco Alvea da Coata Basios, tendo saltado
im jrudrntemente do trem quundo este passava
p la ra F -rm aa, cahio de modo, que deixou so-
bre o triihos ambas as pernas. que ficuram es-
magadas ptias rolas dos ce.rros.
foi cooduzido para o husjilal Pedro II.
Prot Iden cIbmEscrevem.nos :
i- Pedim a a Vv. Sa. o obsequio de reclamar
por meio de tua conceituada Revista providencias
para uuia sucia de vadioa e des. rdeiros que se
reiin-m tojos osdis no pa-eo do Caruio, entra-
da da ra d. H rtas.
Eaoes individuos praticam ah quasi todos os
actos re, ro\a.ios pela decencia publica, j vncite
r.%n 10, ja au. agao-lo uus a>.s ontroa, nao levando
em coo.-i i.-ragao ob Tans untes e os hablantes.
AHij g-m c instan'emente pedagos de tijolos
om que ae esti cuati uindo nrna ca a, com risco
de occasioiarem inesperadamente um lamentavel
incidente
lonferencia abollrlonlajla em Olln-
ria__No prcxiiDU domingo e no tti- airo da M p i-
mene OliudeubO o C ub Abolicionista D. Jos m
uaara a 8." daa anas conferencias, s 61/2 horaa
d tarde
A tribuna aera eccr.p da pelo orador do mesmo
club o Sr. teuen'e Castro Vilella. A parte recrea-
tiva engatar d. urna comedia confiada a inteili-
geoM actriz D. Apolonia Silva, soca bem m. rila
a'.-sta i6'CiagSo e ana nistincios nmad. res da So-
ci.d^d- Dramtica M>i;i raeoe Onu'lense.
.\urleo ArliMlico AliollclonUla
Nesla capital alguna m< goa artistas fuudaram urna
Boci-dade Com o uouie cima, tendo por tiu auxi-
liar o movimeuto libertad r des infeiizes eacavi-
sades. A sua directora fieou assim nrg..nisada :
PierideutiSabino Jos doa Sanies Jnior.
Vice-dito Lmz Francisco daa Chagas.
1." secretarioDavid FranciBCo Gentil.
2 ditoMam-e da Matta M.uteiro L pea.
i ora .or -Feliciano Andr Gomes.
2 dito Profeseor Euthimio Mantel do Bom
fioj.
TbesoureroEleut"rio Jos des Santoa.
I'ioror.dor -Benedicto Augusto dos Santos.
.neunlve* aooclaeaj -Ha amaub a segua-
les :
Da Sociedade Minerva Progresso Pernambuca-
no, s 7 horas da noite, na sede social, em sesso
do conseibo supremo, para tratar de negacioa de
negocios de interesa .
Do Recreio Infantil Nove de Agosto, s 3 horas
da tarde, em sua sede, (Instituto Academio) em
sesso ordinaria do costura.'.
Do Club Carlos Gomea, na s le social, s 6 ho-
ras da tarde, para leitura do relatorio da directo
na e eleicao dos novos funeciouarios.
Do Comit Littcrario Acadmico, hora e lu-
gai do costume.
KNcola para crlancaw cga -O pro-
feaaor particular Julio Soares de Azevedo iostalU
no dia 25 do corrente, em s-u collegio sito ra
V-ilha n. 36, um instituto primar o para meninos
cgos, dirigido pelo professir do Imperial Iuati
tuto de Meniuos C'i; .s do Rio de Janeiro, o Sr.
Francisco Victor Co bo.
No dia da insallago haver urna aula dos c-
gos em exposigao no estabelecimento. afim de ser
visitada peln publico.
E' de certo urna idea louvavel, digna de ser
acolhida nesta capital, e qae muito houra as
dignos profesaores Julio Suarea de Azevedo e
Fianciaco Victor Colho.
Blo FormodO.D'esta cidade escrevem-noa
noticiando o seguate :
No dia 6 do correte, pelas 8 horas da noite, es-
tando illutniuada a frente do edificio, onde func -
ciona a Biolioth ca LiIterara Beneficente. para
selemnisago de seu 2 auuiversario, compareceu
alli o Sr. Joao da Matta, mestre da msica mar-
cial, tocando o bymuo nacional, sendo saudaio pelo
Rvd Banieira, director d* sociedade, e pelo nu-
meroso concurao de pt8soas, dando vivas Inde-
pendencia do Brazil, ao dia 7 de Setembro, e
Nago Brasleira, que foram carresp mudos, sol-
tsndo-se 2 balo .-a, e muito fogo do ar, e depois de
varias pegas de msicas retirou-se casa da C-
mara Municipal, percorrer as ras da cidade.
< Pelas 5 horas da madrugada, ao romper e
grandioso dia 7 da liberdade compareceu tambera
(Utra msica marcial do Sr. Jo> das Neves, tocan-
do a alvorada em frente do mesmo edificio lictera-
rio, e entoando o hymoo nacional, foi tambem sau-
dade e recebido pelo Rvd. I! tn ieira, dando vivas
ao patritico dia 7 de Setembro, Bibliotbeca de
Rio Formoso, e lir-erdade do Brasil, que foram
bem correspondidos. Depois de varias pegas de
msicas retirou-se a balda a percorrer as roas da
cidade com grande animaco e rigosijo, soltndo-
se muito fogo do ar.
. P.l ts 9 da noite compareceram aioda aa duaa
msicas marcaes, tocando o bymuo da liberdade
e maia pegas de msica, soltando-ae novos vivas
e subindo ao coreto, ahi preparado a msica do Sr.
Joo da Matta em frente da casa b 111 preparaia
e illuminada,esperou pelo principio da sesso mag-
na da sociedade no 2' .auuiversario de sua inst .1
lago; eis quando assumindo a presidencia o Rvd.
Bandeira, como director effectivo, e socio installa-
dor, presentes os Srs. Drs juiz de direito, promotor
publico da comarca, cidados conspicuos, e o bello
sexo em diversas familias distinctas d~n principio
ao acto, aontindo a falta de alguna aocios e de seus
inJeA'creiitis'.n a ao bem e iustrucgo da locali
dade, e que a despeito das contrariedades adrede
promovidas ainda tinha existencia a sociedade por
torga de vontade e sua dedicago, promovendo a
Boleinnisago do 2' anniversario.
" Dando a pxlavra ao. Dr. Diomedes Theoioro
da Costa, na falla e impedimento do orador, Dr.
Antonio Amazonas de Alueida, fallou sobre a li-
berdade, e o grandiiso da 7 de Setembro, e sobre
a lib.Tta;o de escravisadoa, sen'iudo que anda
aeno tivesse apagado essa nodoa mf a.uaut da es-
cravido no Brazil. Fiado o aeu discurso, foi mu
saudado pelo numeroso auditorio, aoltando-se dous
baloes, e muito fogo do ar, ao soin da msica mar-
cial.
Dando-se principio ao bazar de prendas em
beneficio de eseravisados pela pouca vontade, in-
diferentismo mesmo dos concurrente?,ni > cootl-
nuou, fin.lando.se pelas 11 horas da noite ao som
da msica, togo do ar, aerostat s etc. etc.
No seguate oa (8) natividade de Nosaa 80-
nhora, depois dos actos religiosos na ign-ja do Li-
vramento desta cidade, pelas 9 horas da noite com-
pareceram as duas msicas marcaes em continua-
gao do festejo anniversario, tocaram diversas pe
gas de msica, coma porfit, uica apOJ outra, com
geral a' plauso, em frente da casa toda lumuada,
com assisteacia de pessoas grada9, e familias dis-
tiuct'.s, e observando o Rvo. director, que oenhu-
idh iffliiicia bavia ao bazar depreudas.em briic
licio de eseravisados. .rescindi oaarrem .taga > de
prendas, prometiendo por si s coadjuvar a liber-
tago de albura escravisado, como ja tem feito, e
porocurar, a seus estorgos, que sejam por mota
proprio de seus seuhorea lioertadas do jugo infame
do captiveiro ; eis quando o Dr. Diomedes faz- u lo-
se ouvir, segunda vez, sobre a lib-'rdade, e o des
envolvimiento da libjrtaga de muit is eseravisados,
declarou que congialulava-se em ser o int.-rp -tre
eloqii'-ute do acto hu'nanit-.no e heroico da BXOM.
D. Fianci3ca, digna mi do Dr. em medicina Fran-
cisco Roxano de tritto Bastos qu-i em regosijodo
grande dia da liberdade, 7 de Setembro, tiuhi li-
bertado tambem ,/3 seus eseravisados em vista da
seguinte caria, que passava a l4r ;
1 ^ela presente por mira assignada declaro li-
vrea coro a uniea coodigo de ajudarem a tirar a
safra, qu 1 agora est colhendo-sc aoa eseravisados:
Dativu, Bruuo, F< I-amina, Jaciutha, Jos Grrande,
Dom nges Pedro e Gusm Declaro mai.i que os
meus eseravisados Gcraldo, M-rtmiano, Iauocen-
co, Benedicto, Julio, Eug- nio, Aut 0110 Goiabeira,
Jos Goiabeira, Maria Goiabeira, Inez, Antonia,
Emilia, M.ximaa Fl-.reocia, que se acbam (agidos
gooaro do inesmo favor em 3.- de Margide 1889.
se se me apresentarem m. preso de 40 dias, acon-
tar d'- sta. Rio Forrana > 7 de Setembro de 1887.
Francisca S S de Britto Bastos.
Eis como BOerau8ou o 2" Hnniversario da ins-
tallago da b bhotheca o Rvd. director ameute
s suas eap'naaa, bea vontade e prestago doa pro-
fessores Joo da Mana e Joo i?as Neves, cm
muito f'godo ar.aerstatos,aoaom da msica mar
cial. finalisanoo-se peas 11 horaa da noite.
Mortalidade loa artlntass munlcaea
__O .lusical Standard pnblicou receutemente a
statisiica das mortes que ae deram o anuo pas-
eado na r-.Ta musical.
A lista con'm 250 noraes, de todas as nacio-
nalidades. Hou.c quatro suicidios, todos entre
CaatOfVS. U.ua cantora foi assassinada, e outra
. p .tea la mone (('")
A media da idade atuugida pelos artistas musi
-os relativame-te elevadas : de 61 anuos.
Mor mexicanaNo isthraodeTehaautepeo.
no M Xioo, f i oescob. rta urna flor curwsissima, que
. de cor darante o da. Uresce u'umi arvore
Outra partiea aridade desta cameleo fl rae c n-
siste em .6 Beoe Be sentir o a.-u pertume ao meio
.lia. P.la uiai.n br..nca, ao meio da roa e
uoite azul.
Canal do BlticoA ceremonia inaugural
das obras do Canal do Bltico, r.-alisou-ae em Hel-
tenau, perto d.- Kiel, no mez de Juih.
O acto foi revestido de grande aolemnidade,
assistindo a elle o Imperador Guilherme, o pno-
cip imperial e os rom stios de estado Boetticher,
M. Kffereng o Pisdorf.
O ihrono f i assente sobre 9 casco de um navio
em construegao.
Depois do I operador ter collocado a primeira
pedra da obra do canal, pronunciou algumas pala
vras manifestando a fraude utilid.de d'aquelle
emprehendimento.
O canal cujas obrue inauguranioa, disse, te.n
carcter essencialmente pacifico e 1 onstroe-se em
honra do progreaao; ao meamo tempo porm no
servir de defeza em cso -l- guerra.
Em seguida h .uve revista naval em que entra-
ram 35 navios de guerra.
Fol buscar l... Perto de 1 hora da ma-
drugada de 30 de Julho passadi, aprosentou-se ao
cominandante da posto de vigilancia da ra Mar-
cadet, em Pariz, um tintureiro reclamando os are-
corros de um medico para um seu vizinho que
estava gravemente ftida, Immediatameute se
dirigiram ao domicilio indicado, ra de la F utaiue
du lint, um ebefe e dous guardas de seguranga, e
encontraran] effectiuameute um tal Coudray, alli
residente, perigosamente ferido com um profundo
golpe sob o 8eio eaquerdo.
A mulber contou do seguinte modo o aconte-
cido:
Meu marido e eu tivemos urna pequea qu'8-
to que se azedou a ponto d'elle pegar em urna
faca contra mim. Como eu lhe fugia elie perse-
guio me e esbarrando em urna cadeira cabio to
desastradamente, qu-i enterrou a faca no peit >.
Coadray, cujo estado de bastante gravidade,
confirmou vagamente a narrago do caso. Anda
assim a policia tomiu conta do negocio e proce-
der logo que a vida do ferido nao perigue.
Balrrinmo ramaO Irap-rador da Russia
manitasta-se to amante das tradico ia da sua pa-
tria, e de tal sorte refractario a tudo quanto
estrangeiro, que orJenou a todas as damas da Im-
peratriz se vistam cora o trajo nacional russo.
Tambem ordenou variar os ttulos dos digna-
tarios da corte, que ha duzentos annos erara desig-
nados com ttulos allemes, substituindo-os por
denominagoes rusaas.
l nadarNao para todos.
O Baro de Vaux. que se achava era Dieppe,
apostou que passaria a nado o espago de oito kilo
metros, e ganhou a aposta.
Foi seguido por um barca em que iam algons
amigos.
TourelroO matador de touro Raphael
Guerra (o Guerrita), foi contratado para 14 cor-
ridas na II .bina, durante o prximo invern, pela
insignificancia de dezoito mil duros! garautindo-
Ibe ao mesmo tempo a empreza em dez mil duros
o seu beneficio !
Neo ha qoe ver; ou s>r tourcro ou ca vallo.
Equivoco lelegrapblcoAcaba de se
paa.-ar um drama era urna cidade do oeste da
Frang 1, or imperdoavel leviandade de um em-
pregado do telegrapbo.
Um jornalsta de Saint-Malo, o Sr. Alberto 1! ,
rcebeu ha dias um telegramma lacnico, con -e
bida nestes termos: Votre bea>i frere est dcd
(Seu cunhado fallec mi). Sendo o cunhado offioial,
a secura do telegramma a a palavra administra-
tiva dcd, (fallecido), nao lhe deixavam a mnima
da vida. O cunhado tirina m irrido Para cumulo
de desgraga, foi a esposa do destinatario, em vs-
peros de dar luz, quem abri o telegramma e
cnhio immediataraente n'uraa crise terrivel. Teve
o parto, a criaoga veio mn-ta e a mii esteve tres
dias entre a vida e a morte, em seguida quell;
abalo.
Ora, o rmo da pobre senh ra nao morrera.
Tinha sido condecorado, o que nao c a mesma
cousa, e era isso o > j 1 se dizia no telegramma ex-
pedido ao marido, n'aquelle meara> dia, de Mor-
lax: Votre bea'i fr'tre est decor. (Seu cunhado
foi condecorado).
O fatal equvoco ou falta de attengio do tela-
graphist-i, que expedio ou esereveu dcil em vez
de decore produzo a grande desraga que acaba-
mos de narrar.
Directora daa obras ae conaerwa-
ca doa portoaBoletim meteorolgico do
du 12 de Setembro de t897:
a- =>
Soras 0 a -a 92
0 0 00
r'-
H
6 m. 2406
9 269
12 >-.9
3 t. 28 -8
6 2691
Barmetro
O
761<93
763ml.:
762*50
761>4
76lm.o
Ti-Hso
do vapor
18,88
18,42
19,24
19,2.0
19.53
81
70
68
66
7
Temperatura mxima29 ,75
Dita mnima24,50.
Evaporago em 24 horcaan sol: 6">,2 ; soin-
ora: 3,6.
Chuvanulla.
Direcgio do vento : SE de meia noite s 3 ho-
ras e 38 minutos da maub; ESE at 7 hiras e 23
minutos; E at 7 horas e 2 minuta da larde ;
ESE at 8 horas e 47 minutos ; SE at 9 horas
41 minatos ; ESE at 10 horas e 2a minutos ; SE
at uoea uv.it1.
Velocidace media do veuto : 2">,03 por aegundo.
Nebulosidade media: 0,4 J.
Boletim do porto
- 2 u
a
* a
3
- O
P M.
t vi.
P M.
li M.
Dis
12 de Set^mbre
>
13 .le Setembro
Horas
023 Ja tarda
652
1 7 da mann
7-38 .
Altura
l."i93
0.O1
2.'"03
,m6
taeiluei rjac.uar-au-uaio ;
A.-oauh :
Pelo ag.iit- Martins s 11 horas, raa da
Aurcia n. 45, de moVcs, um piano, etc.
Pelo agente Piulo, a., meio da, ra do M >r-
qoes de Olioda n. 52 de predios.
MU**** (uueurea -Scro celebradas ;
lioje :
A'a 7 titiras, ua igreja do Pilar, pela alma de
Jo. B.-ruardo HicblU Juuior.
A'iiauha :
A"a 7 horaa. na igreja do Tergo, pela al-na de
D. Al-xaudnna da Silva Pinto.
Sexta fera:
A's 7 ./2 horaa, na matriz de Santo Antonio,
pela alm-. de Jos A ves Machado Guimares.
Casa de Deteuc.ao.Vlovimeuto dus ore-
s is da Casa de D'teugo do Recite uo dia 12 de
setembro de 1S87 :
Exiaiiam 401 ; eutraram 4 ; aahiram 4 ; exia-
tem 401.
A saber :
Noiouaes367 ; raulh res 15 ; estrangeroa 12 ;
escravos senteuciadca 6 ; dem proceesado 1;
Tolal 401.
Air .g ados 377, sendo :
Boai 350; doeutea 27.Total 877.
Movimento da eufermana :
Tiveram oaixa :
Autouio B -ruardo da Silva.
Autooio Pedro Al.xandnuo.
joo R .tingues de Freilas.
laoteraa diwe>*>aaA ^asa F-liz, de A.
A. dos aailtJS PoCto, na praga da Iud.:pendencia
ua. 37 e 3.', tem a venda os bilhetcs das aeguiites
luteriaa :
Espirito-Santo : A 3 parte da 4" lotera,
cujo premio grande do iO:000V>00, pelo novo
plano, se extrahrno dia 16 de Setembro impre-
ian reamante.
Alagat: Al. parte da 20." lotera, pelo
u-vo plano, cujj premio graude de 4 :00l)4(XM),
ser extmhida manhi 15 de Setembro, as 3 ho-
ras da trde, impretenveimeute.
Proviucia : A a0 U en, pelo novo plano,
cuj premio grande 12:00i0i.0, se extrahir
quando for auuuuciada, s 2 h .ras da tarde em
oeneficio da Sauta Casa de Misericordia do Re-
cite.
Sauta-Catharinat A 1* parte da 2 otleria
cujo premio graude de 50:00t)|l ser extrabida
bievomeute.
Do Cear : com o premio grande de 10:033/
(novo plano) ser extralnda boje 14 do correa-
te (quirta-fei)ra.
Itil lieiei de lotera*Em mi do agen-
te Ueruardino Lipes Alheiro achara se a venda oa
bilhetes das seguales loteras:
Do Espirito-Santo : A 3' parte da 4a lote-
ra, cujo premio grande de 50:0005, pelo novo
plano, ser ext.ahida no dia 16 de Setembro, im-
^reterivelmente.
Uo Cear : com nra importante plano, cujo
premio grande da 40:000/000, sera exlrahida
boje 14 de Setembro.
Oo firo.Par : A 5'parte da 12> lotera,
pelo novo plano, cujo premio grande de 100:000/
ser extrahdaj boje 14 do corrate, impreteri-
vel mente. ,
De anta-Catbarlaa : A 1' parte da 2*
lotera com om importante plano, cujo premio
grande de 50:030/000, ser extrahida quando
for annunciada.
De alagoasi A 1.* parte da 20.a lotera,
pelo novo plano, cajo premio grande de........
40:000/000, ser extrahida manh 15 de Setem-
bro, (quinta-feira), s 3 horas da tarue impre-
terivelmeote.
Lotera do jiro-Par Al' parte da
13a lotera deata provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 100:000/000, aera extrahida
boje 14 do corrate (quarta-fera) impreterivel-
mente.
Oa bilhetcs acham-se venda na Caaa da For-
uaa ra Primeiro de Margo n. 23, de Martins
Fiuza 4 C.
botera do Espirito-SantoA 3- par-
to da 4a lotera deata provincia cujo premio gran-
de 50:000/000 ser extrahida no dia 16 de
Setembro.
Os bilhetcs acharase venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Margo n. 23 Martin Fiu-
za & C.
Lotera do CearEsta acreditada lote-
ra cujo premio maior de 40:000/000 aera ex-
trahida boje 14 de Setembro.
Oa bilhetes acbam-ae a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Margo n. 23 de Martins
Fiuza & C.
Lotera de .mlagoas A 1.* parte da 20*
I iteria, pelo novo plano, cujo prema grande de
40:000/1X10 ser extrahida ananh 15 de Setembro,
q(umta-teira) 4s 3 horas da tarde, impreterivel-
mentc.
Os bilhetc3 acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Margo n. 23, de Martins
Fiuza & C.
Lotera da provincia do Paran
A 27a lotera dcsta provincia,pelo novo plano, cu-
jo premio grande de 12:000/000, ae extrahir
no dia 20 le Setembro.
Bilhetes a venda na Casa da Fortuna, ra
c'rimeiro de Margo numero 23, de Martins Fiu-
za C.
Lotera de PauloEsta lotera cujo
premio grande de 9:000/000, sr extrahida m-
preterivelmente no dia 19 do corrente, (segoada-
feira).
Oa bilet"3acham-se venda na Casa da Fortu-sJ-
na ra Primeiro de Margo n. 23, Martins
Fiuza i C.
cvmiterlo publicoObituario do dia 12
de S tembro :
Joao Martins dos Pasaos, Rio Grande do Norte,
28 annos, solteiro, Boa-Vista ; acite.
Maria Benedicta da Coaceiga1, Pernambuco, 20
annos, solteiro, Boa-Vista ; taberculos pulmona-
res.
Izabel Mari do Rosario, Pernambuco, 55 an-
nos, solteira. Boa-Vista ; leso da aorta.
Joaquim Gomes, Pernambuco, 20 annos, solteiro,
Boa-Vista ; gastro interite.
Mara Joaquina da Conceigo, Pernambuco, 33
annos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmona-
res.
Posaidonio Manoel da H>m, Pernambaco, 28
anno?, siltciro, Boa Vista ; phtyjica polmonar.
Beuto Jos da Coata, Pernambuco, 47 annos,
solte.il., o i -Vista ; cacbexa.
luooceucia Maria da Conceigo, Pernambuco,
38 saraos, eoltaira, BViata; aeoesso p ruidoso.
Man --I, Pe. nambucS Boa-Vista : ao nascer.
Ira Mana da CodWeigo, Peruambno, 18 aa-
iio-, casada, 8. Jos; tubrcolos pulmonares.
Ju., P ruainbuco. 2 in.zea, S. Jos; coavul-
soes.
r~ HFBsVEl 1
f
\
CHRONiCA JIDICIARIA
Tribunal da Aelaco
SESSO ORDINARIA BM 13 DE SETEV1-
Btt DE 1887
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRC
QISTISO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
A'a horas do costume, presentes oa Srs. desem-
Dargadoree em uume o legal, toi aberta a sessio,
icpois de ida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidas e pasa ios o fonos deraai.se os
seguiutes
JULOAMENTOS
iiabeas corpus
Pacientes .
Lu, eeeravo 'Or a-^u carador. Negou-ac a
(jdi-m, uuaniuiem^nte.
Aiexanlnuo Gustavo daCista.Vlandou-se ou-
vir o juiz do direito da comarca de Oliula.
Joo 1 inio Lea). Maudou-oe ouvir o juiz da
direito do 2 listricti."
Phom loa P. reir.Negou-se a ordem, un-
nimemente.
Recursos crimea
De CimbreaBaerreote o jais rec>rrdo Fran-
cisco B- zerra do Nasci neuro. Relator o Sr. con-
selheiroQaeiroz Barros. Negj-se provimento,
e iBtra o voto do Sr. deserabargalor Tavares de
Ve.c nceiloa.
Do Catle do Rocha Recrrante o juizc, re-
corrido Alv.ro Jos de Aaia. R lator o Sr. dea-
emb .rgador i>eifioo Cavalcante. Negou-se pro-
vuoeuto, uiianinem"iile.
Ag^.ravo de instrumento
De Goyanua Aggravaute Jo^ Correia de
Oiiv- ira au irade Juuior, ag.Tavai L'ocadiode
Figu iredo. Relator o Sr. deaemoargadar Buar-
que Lima. Adjuntos os Srs. desembargadores
Monteiro de Audrade e Oliveira Vlaciel.Neou-
se provimento, unnimemente.
Aggravos de petigo
Do commercio do ReeifeAggravante Manoel
Ferrara, ..ggraVadn J as Vicente (J.nnh). Re-
lator o Sr. dc Adjuntos oa Sra. deotmbargadores Tav.ire8 de
Vaacjucellos c Qie.r.z Birros. -N.-gou-se pro-
vimento, ananimemente.
Do Recife==Agr*vaute Tneoloro Cbnstians;n,
ggravado Naseimitiaea N.uhman. Relator o Sr.
dcaembarg.dor Oiivoira Maciel. Adjuntos os
Srs de^emb^rgadores Toscauo Bnrr. ta e D-lfiao
Cavalcante. Njgou se provimento, uaauime-
mtnte.
Dj ReeifeAggravante o Dr procurador das
feitos da faaeada,' ag ravado Flor nci > Damin-
gu-8 da s Iva. Relator o Sr. dea -mbargalor Mon-
teiro de An irade. A Ijuntos oa frs. deaembar-
gador. sP.res Ferreira e Buarqae timjuNao ae
tomou c..iiti t-ioieulo do aggravo, |SD"n mente.
Di Re fe-Aggravaute Lid .vico G m -. da
iiva, aggravada L). Luna Fl'riuU Pelroea.
Kelntor o Sr. conselh-ro Q ifiroz B.rr .3 A ijun-
iSrs. der..mbaigadores Mouteirode Au irada
e Buaraae Lun. Oea-ee p.-.v mc.t >, contra o
voto ds Sr. deaemo rgador Buarqae Lima.
-


-,
I
2
Diario 4e ftfnambnfoQoarta-fcira 14 de Setembro de 1887
-
Appellacoes crimcs
De Bom OonseiboAppellante o jaiio, appel-
lado Antouio Leite de S'qoeira Cavalcante. Rela-
tor o Sr. desembargador Tavarea de Vascon-
celloa.Mandou-se a novo jury, unnimemente.
De Alaga do Monteiro Appellante o juiso,
appellado Jos Pedro Monteiro. Relator o Br.
desembargador Tavarea de Vasconcellee. Con-
firmou-ae a aentenca, contra os votos dos 8rs. des-
embargadores Pires Ferraira, Delfino Cavalcante
e conselheiro Queiroi Barros.
De Macei=App<-llante o juiso, appellado Brn-
no Lopes Ferreira. Relator o Br. desembarga-
dor Deifino Cavalcanta.Mandn -se a novo jury,
unnimemente.
De Bom ConseiboAppellante o juizo, apptl-
lado Antonio Luiz da Silva. Relator o Sr. des-
embargador Toacano Barrete. tfandn-se a no-
vo jury, unnimemente.
PA88AGEN8
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toacano Barrete :
Appellacoes Crimea
De Alaga do MonteiroAppellante o juizo,
appellado Antonio Ferreira Tavarea.
De TimbabaAppellante Antonio Francisco
Sorgos, appellada a justica.
De Pao d'AlboAppellante o promotor publi-
eo, appellado Joe Cavalcante de Alouqnerque.
Do Sr. desembargador Toacano Barrete ao Sr.
desembargador Delfino Cavalcanto :
Appellaco civel
Do Recie Appellante Felizarda Mara da
Coneeico, appellada Mana Rita da Coneeico.
Do Sr. desembargador Delfino Cavalcante ao
Sr. desembargador Oliveira Maciel :
Appellacoes civeis
Do RecifeAppellantea Moreira & C, appella-
da a companbia de seguros Amphitrite.
De Villa BellaAppellante Jeronymo Theoto-
nio da Silva Loureiro, appellado Joo Bezerra
Leite.
Appellaco cnme
Do RecifeAppellante o promotor publico, ap-
pelladoa Francisco Cordeiro Leal e eutros.
O 8r. desembargador Delfino Cavalcante como
procurador da coia ad hoc deu parecer na
Appellaco civel
Do RcifeAppeilanti Joaquim Monteiro Que-
des Gondim, appellado Virginio llorado de Frei-
Do Sr. desembargador Oliveira Maciel ao Sr.
desembargador Fir^s Ferreira :
Appellaco crime
De Pao d'AlhoAppellante o juizo, appellado
Rozendo de tal.
O Sr. desembargador Oliveira Mieiel como pro-
motor da juitict ad hoc deu parecer na seguinte
Appellaco crime
De Macei Appellante Bernardino Antonio
Bezerra, appellada a justica.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade ao
desembargador Alvca Ribeiro :
Appellaco civel
De Alagoa3=Appellaute3 a Baronesa de Gi-
qni e outros, appellado o commendador Miguel
Soares Palmeira.
^iDo Sr. desembargador Pires Goncalves ao Sr.
Sr. desembargador Alv^s Kibeiro :
Appellaco civel
Do RecifeAppellante Diinisio da 8ilva Gui-
narea, appellado Manoel Alves Gueira.
O Sr. desembargador Pires Goncalves, como pro-
curador da cora e promotor da justica, dea pa-
recer nos seguintes teitos :
Appellaco crime
De BezerrosAppellante Manoel Thomaz de
Aquino, appellada a justica.
Appellaco civel
Do RecileAppellante Joa Sjares do Amaral,
appeliados os herdeiros 'de Francisco do Reg
Pontea.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica :
Appellaco crime
Do Bre'o de AreiaAppellante o promotor pu-
blico, appellado Joo Jos Pereira.
Com vista as partes :
Appellaco civel
Do RecifeAppellante o bacharel Arthur de
Barios Falco de Lacerda, appeliados Bento Ma-
noel Carlos de Mello e outros.
DI8TRIBrjIc5E8
Recurso eleitorl
Ao Sr. desembargador Delfino Cava'cante :
De Bom JardimRecorrente o juizo, recorrido
Antonio Francisco do Reg.
Recursos crimes
AoSr. desembargador Alves Ribeiro :
De IguaraasRecrreme Theotonis Amancio
de Souza Cavalcante, recorrido o juizo.
Ao Sr. desembargador Tavares de Vasconcellos :
De Jaboatao Recorrente o juizo, recorrido
Francisco de Paula Lopes.
Appellacoes crimes
Ao Sr.deaembarador Tavarea de Vasjoncellos:
De uncuryAppellante Maximiano Jos Cle-
mente, appellada a justica.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
De PalmaresAppellante o juno, appellado
Sergio Siqueira Cimpos.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Do R-cifeAppellante o juizo, appellado Joa-
qnim Antonio de Araujo.
Ao Sr. desembargador Toscano Barrete :
De Traip Appellante o jfcizo, appellado Ma-
noel Jos ae Pana. \
Ao Sr. desembargador Delfino Cavalcante :
Dj Pilar de Alagas Appellante o juizo, ap-
pellado Manoel S^raphim da Silva.
Ao S-. desembargador Oliveira Maciel :
De Bom JardimAppellante o juizo, appellado
Bernardino Maria do Nascimeoto.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De OliodaAppellante o promotor publico, ap-
pellado Firmioo Manoel Ferreira do Nascimento.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De PalmaresAppellante o promotor publico,
appelladoa Othou Cicero de Andrade e outros;
Appellacoes civeis
Ao Sr. desembargador Delfino Cavalcante :
Do Recif.'App^Haute Audr Soares Quintas,
appellado Francisca Soares dos Sanios.
Ao Sr. desembargad >r Oliveira Maciel :
De CamaragibeAppellante o juiau, appellado
Justo, por seu curador.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
D Cabo-Appellante o commendador Manoel
Camilio Pires r'aleaoe outros, appeliados Joaquim
Custodio Ouarte de Azevedo e outros.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Embargos infriagentes
Do Recife- Embargantes Carvalho Jnior &
Leite, embargado Antouio de Souza Braz.
Eocerrou se a ecasao as 2 horas da tarde.
sao, para o que ser encontrado de 11 ho
ras d manb a 2 da tarde na ra do Ba-
rio da Victoria n. 32, 1. andar e em ou
tra qualquer hora ra da Princtza Isa-
bel n. 6.
o Dr. Barros boln>arae
Pode ser procurado no escriptorio deste
Diario das 11 horas da manb s 5 da
tarde, todos os das.
Bacharel Antonio Annes Jacome Pires'
praca de Pedro II n. 6.
bacharel Bonifacio de Aragao Faria
Rocha continua a encarregar se, mediante
previo contrato, de questSes perante os juj-
ees desta cidade e es das comarcas *ii-
nhas. Poder ser procurado em seu es-
criptorio ra do Duque de Caxias n. 50,
1. andar, das 10 horas da manhS s 3 da
tarde.
ColleRlo Spencer
Eatabelecimedto de educacSo primaria e
secundaria em Jaboatao, sob a direccSo de
Jos de Oliveira Cavalcante.
Drogara
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas 8 especialidades pbarma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cos e medicamento? homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por
atacado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
errarla a vapor
Serrara a vapor e officinas de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Cspibaribe n. 23. Neste grande estabele-
cimento. o primeiro da provincia neste ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim esorao se preparara-
obras de carapina por machinas e por pre-
(0 aem competencia Pernambuco.
i__________
INDICARES OTIS
Medico*
Dr. Barros Subrinho d consultas da
meio dia 1 /' na ra do Bario da Vic-
toria n. 25 por cima da Pnarmacia Fran-
ceza, e das 2 s 4 na ra do Vigario n. 4.
l.o andar
O Dr. Lobo Moscoso, de volta de sua
viagera ao Rio de Janeiro, conntia as
oxercicio de sua protisaao. Consltuas das
10 s 12 horas da manhS. Especialdades
eperacSes, parto e molestias de sen horas e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr, Barreta Sampalo d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. anaar da casa
a ra ti Baro da Victoria, n. 51. Resi
dencia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o aeu consul-
torio medico, ra do Boun-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Oama Lobo medico operador e par
teiro, residencia ra do B. de S.Borja n. 26.
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 A
Consultas das 11 horas da manb s 2 da
tarde. Especialidad*: molestias e opera-
ooes dos orgos genito-urinaros do hornea
s da mulhtr.
Dr. Joaquim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, Io
andar, de 12 s 2 da Urde residencia no
Monteiro'
Cllalra Medica
O Dr lalhtus Vat, de volta de sua via-
gem, contii-a no exercicio de sua prona-
PIBLICACOES A PEDIDO
A eleifo do i districto
Chegou afioal o dia 14, to anciosamenta espe-
rado.
Os acolytos do Sr. Joaquim Nabuco, ou por elles
a "Provincia, conscios da irremediavel derrota
do seu candidato, e falhoa de argumentos per-
suasivos a favor da referida candidatura, sentin-
do-se perdidos no labyrintho em que imprudente-
mente se aveuturaram, teem laucad > mo do su-
premo argumento das causas antipathicas, ser-
vindo-se do iuault > e ut da calumnia contra o
Sr. conaeht'iro Portella e seus distioctus filhoa.
O Sr. Joaquim Nabuco, a seu turno, dirigindo-
se ao eleitorado, cojos surlragioa deseja, fal-o, nao
como quem pede, porm cerno quem ordena e tem
direito de exigir obediencia.
Lgico cffeito de ftu desmarcado orgulho !
O eleitorado do 1. districto, porm, que, aem
distincco de cor pilitica, tem intelligencia e bom
senso mais que sutficientea para recoahecer que o
iusulto e a calumnia, alm de nao serem armas
dignas de quem se prCza, nao onvencein, serviu-
do aoenas para provar a carencia absoluta de on-
tros argumentos ; ease eleitorado, cuja bombrida-
de e independencia de carcter, ja infligiram por
duas vezes severa e justa lico descommunal
arrogancia do Sr. Joaquim Nabuco, oSo donar
por certo, agora que o mesmo do alto do pedestal
de soberba em que se collocou, o acabrunhe com o
seu impertinente orgulho, sem que scffra, como
merecido castigo, a derrota da sua candidatura,
alias irregular, eumo vamos demonstrar.
Com effeito ; quem o Sr. Joaquim Nabuco e
quem o apreseutou como candidato a deputado
pelo 1. districto !
O Sr. Joaquim Nabuco era, anda ha bem pen-
cos annos, um aimplea bacharel, pouco conbecido,
nao obsta ite o prestigio da seu nomc de fa-
milia.
A' forca, porm, de lbe ser repetido por alguns
desses individuos que tazem da lisonja sua norma
de conducta, que S- S era kbolicionista e estava
fodado para grandes causas, tornoa a serio taes
liBODJaa e ebegou a convencer-se da verdade de
to martelladas proposicoes, c a'ahi o aeu immen -
ao orgulho, ainda mais accentuado agora pela
convieco que o Sr. Jos Marianno, chamando-o
da Europa por um telegramma para trat r da
eleicao, incutio no aeu espirito, sempre propenso a
eleval-o a pretenciosas alturas, pela convieco,
disiamos, de ser elle um novo Msalas indiepensa-
vel redempeo da parte esuravisada do .enero
humano.
E'-ncs penoso destruir to risonha illuso de
S. S. e dissipar aquelle seu engao d'aliAa ledo e
ceg.
Essa illuso, poim, comquanto agradavel, nao
deixa de conter, como todos os praaeres mundanos,
agudos eapmboa, como no caso presente sao as se-
rias preoceupacoes que devem aaaaltar o espirite
do Sr. Joaquim Nabuco sobre o melbor modo de
levar a sua cruz ao calvario sem comtudo l mor-
rer por aquelles que preten le redemir.
Receiosos de que taes preoecupa^oes possam al-
terar a preci' sa sade de 8 S., julgamos de nosso
dever de christo concorrer para que tal calami-
dade nao venba perpetuar a escravidao no Brasil.
Desengae se o Sr. -Joaquim Nabuco; S. S. nao
neahum bomem neceesaro e nem est em trra
de cegos. A abolico da escravatara no Brazil
nao precisa de defensores, urna idea que j creeu
profundas raizes nos coraioes brazileiros, e inuito
maia do qne os estirados, empolados e indigestos
discursos de S. 8., trabalham pela rpida e com-
pleta realisaco dessa idea, as .ibtrtacoes que to-
dos os das se eato verificando.
Por quem f i S. S. presentado candidato de-
putacao pelo Io distrieto?
Pelo partido liberal nao foi, e perianto de duas
urna : ou S. S. apreseuta-se por si e isso em pol-
tica significa urna traico ao partido liberal a que
riiz peuencer e que nao deve deixal a Impune, eu
presentado pelo Sr. Jos Marianno que o chameu
da Europa e este, nao tendo competen.'ia para tal
apresent- cao, importa ella, alm de traico, o mais
completo menoscabo da disciplina partidaria.
Dir ae-hia haverem dcos partidos liberaes, um,
o crganisado, que, nao julgando acertada a candi-
datura do Sr. Joaquim Nabuco deixoa de apresen-
tal-o e outro, o indisciplinado, que, guiado palo
pseudo ebefe Jos Marianno pretende apoial-a.
E perguntamos? Ser o partido liberal de
Pernambuco to falto de bomena capazea de re-
presental-o no parlamento, e terao seus chetes re-
conbecidos to pouco prestigio, que honvesae ne-
cessidade de qne nm iotruso tomaase a sea cargo
faz-r vir da Europa, para este fim, o Sr. Joaquim
Nabuco, mostrando assim ser o nico naquellas
coodicoea 1
Esperamos que o eleitorado do 1 diatricto nao
confirmar, cem a elcicio do Sr. Joaquim Nabuco,
easa suppnsico.
Tal c nfirmuco importara um supremo insulto
aos bomers mais notaveis do partido liberal e que
os proprios tintrea ae fariam una aos outros.
Terminando, ou ha em Pernaubuco um partido
liberal regulara-ente constituido, tendo chefes re-
conhecidos, ou i.ao ba.
No primeiro caso devem todos seus membros es-
tar adstnctos a decisoes dos respectivos chefes,
e portento neste caso a candidatura do Sr. Joa-
quim Nabuco irregular e insidiosa.
No segundo caao esto habilitados a apresenta-
rem se candidatos todos aqoel'ta a qaem o subsidie
de deputado tentar, mas ent >, nao se falle mais
em partido liberal e baja pelo menos a roragem
das csusat feias, e nao se procure eneobrir com
falsas apparentius de dedicaeai ao paiz, asnillo
que nao passa de hid calcula mercantil baaeado
em ama remuneraco de cincoenta mil iis dia-
rios.
Eterna fe bula da gralba eofeitada com as pen-
gas do pavo.
Um liberal.
O conselheiro Manoel do Nascimento Machado
Portella est julgado pelos seus proprios adversa-
rios polticos, qne, no parlamento, aeabam de fa-
zer juetica aos seus altos merecimentos, e nunca
desmentido patriotismo !
Aquelle sesmo, de quem a Provincia\0 orgo
revolucionario e inconscientepublicon um tele-
gramma, recommendan*!o a candidatura do Sr.
Joaquim Nabnco, acaba de diser, no senadt, que
se Ihe fosse permittido organiaar um parlamento,
SDBCA O SB COKSELBEIBO rOBTBIXA DKIBIA DB
FAXEB PABTE DEI.LB!
U que poasivel diser mais em favor da sym
psthica e patritica candidatura do benemrito
pernambuesno, que, ainda urna vez, solicita os
voaaoe suffragioa ?
A's ornas, pois, cidadaos, e que o dia 14 de Se-
tembro seja mais urna pagina fulgente escripta
na hiatoria desta provincia, com a victoria do
conselheiro Manoel do Naicimento Machado Por-
tella !
Que o Sr. Joaquim Nabuco se convenca que o
independente eleitorado do 1* districto repelle,
como ante-patriotic8, e extravagante, a sua can-
didatura !
Procure, embora, revoltar es espirito, pertur-
bar a tranquilidade das familias, exacerbar as
paixoes, mandar que o povo desobedeca as ordens
l gaes, emquanto elle divertese e ri se de um
povo denegros e pobres,fr>mo elle a chama.
Ab .' lelizmeote passou o dominio liberal, per-
nsmbucanoa e, o cidado pode ter a certeza de
encontrar urna garanta para e seu vito, com a
tranquilidade que ba de ser mantida pelas autori-
dades 1
O pleito de hje em nada se parecer com o de
1881, em que enhiram victimas do punhal do si-
cario os noaaos comprovincianos, ae bem que a
nossa victoria de boje seja tao iufallivel quanto
aquella !
A's ornas, pernambucanos patriotas de todos
os partidos preciso saber compensar a virtu-
de, e punir o crime !
Que ao por do sol de hoj.i, possa esta provincia
entoar na hymnos de sua prusperiiade, de seu ci-
vismo, altivez, e de seu eograndecimento, teado
sido reeleito o conselh>-iro Portella. legitimo re-
presentante do nosso Pernambuco !
Pernambucanos .' em noine das nossas familias,
de nossas tradicoes gloriosas, de nosao patriotis-
mo, da prospendade de nossa abencoada trra,
que ser o de todo este altivo paiz, e, em memoria
daquelles pernambucanos qu- suecumbiram na
hecatombe de S. Jos, em 1884, e, que, boje mes-
mo se levantam de seus tmulos para encararen)
de frente a face impura de seui asaaaainos, ele-
gei o bomem qne acbou urna lagrima para hincar
sobre o tmulo respeitavel de seus amigos, e, que
hoj.' a pera; nificBco de todas ao glorias da Ve-
nca Americanao conselheiro Portella !
A's urnas s uroaa .'
Que seja punido o crime, e recompensada a vir
tude !
Que nenhum cidado se arreceie de perturba-
cues na ordero, porqua esta s^r garantida !
E viva o F.xm. Manoel do Nasc ment fachado
Portella.
Os hroes de Pernambuco.
lo Io districto
Briosos eleitores do Io circulo, boj travar-se-
ha uo mbito em que vive9,a pugna de que devem
resurgir triumphdntes a vossa dignidade e a vosaa
autonoma !
Hoje o espirito da ordem pairar sobre os ar-
raiaea inimig s e, como na legenda bellica, exter
minar a prepotencia, manejando o luzidio gladio
forjado em voasaa inmaculadas conscicncias.
Uiante da imperturbavel figura aasumida por
vos fugiro espavoridos os sectarios do falso pro-
pbeta, do novo Madhi.
E ap3 os cnticos harmoniosos da victoria e no
meio das mais cordiaes expansoes do jnsto gaudic
que vos deve eneber a aln>a, irradiar se-ha impo-
nente e fulgido o claro vivificante da regenerco
social que ha de tornar fulgurante o futuro da
nossa patria !
Reunindo em si todas as nossas gloriosas tra-
dicoes, eoncretisando todas aa nossas actuaes
aspiracoes e representando as esperancas de um
brilhaute futuro, a candidatura do honrado mi-
nistro do imperio deve ser acolbda no meio das
mais entbusiasticas ovacoea.
Pernambucoesea nobre provincia que se espre-
guca mollemente aos momos raios de um sel vi-
vificante, e cujo passado summamente honroso
para seus dilectos filaos,Pernambuco deve en-
viar ao Ministerio 20 dj Agosto o grande reforco
de sua adnesao, porquanto d'elle faz parte um ge-
nuino representante dos uo;soa interesses.
Eleitores da 1 circumscripco eletoral de Per-
nambuco! A patria com a fronte apoiada no tro
pbo immorredouro das nossas victorias espera
anciosamente de vos a consagraco de seus ideaes,
a consolidaco daa suas crencaa!
E assim como Napaleo em frente s gigantes-
cas pyramides egypciacis, no memoravel dia 21
de Julho de 1798, gritava aos seus heroicos e des-
temidos companbeiros que do alto deltas 40 s-
culos os contemplavam, na hora augusta do com-
bate a vossa consciencia gritar-vos-ha que 20 pro-
i vincias esperam o resultado dos voasos esforcos !
E se por um lance fatdico a corta vos atraicoar
(o qne nem de longc devemos temer) conservai a
sublime resignaco de Maria Stuart que em 18 de
Fevereiro de 1587 e apa 19 cruentos anuos de
prisao subi resignada c altiva ao cadafalso abra-
cando-ae com o symbolo do perloo crucifixo.
Knlacando-vus eom o sacrosanto lbaro de voa-
saa immaculadas coniciencias, passai sobranceira-
mente sobre os deetrocos da patria e esperai o dia
da justica social, que voltande-se para os trahido-
res gritar : o que fizeates deste circulo tao pu
jante e nobre ? da mesma torma porque o joven
j Herve do Monte Thabor perguntou ao directorio
: bumilbado pelos seas anarchicos sentimentos:
I Que baveis feito u'easa Franca que eu vos dei-
1 xei to brilhante ?
Themis.
Ao eleitorado do 1* districto
Pernambucanos Afioal raicn o dia 14 de
Setembro, qusl deve decidir da serte dos inte-
resses desta provincia, tempre n_bre e sempre al-
tiva !
Techamos confianca, pernambucanos porque a
Victoria ser nessa e certa !
Nio vos deiieis intimidar c ro aa ameacas doa
inimigus da ordem, que tambem to i a incaraica-
dos inimigo da prosperidade da patria *
- -
/
Sociedade Musical
Qual a razo porque a Sociedade que tocou no
domingo na ignja de N. S. do Livramento, na
tocou tambem antes e depois da festa, bem como
antes e depois do Te-Deum ?
Seria porque o mestre tem odio a confraria do
Livramento ?
Fti esse o meio mais licito, que achou para
exercer vinganca T
Nao haver nessa sociedade le que castigne
severamente a esse mestre e aos que serviram de
instrumentos ?
Estamos convencidos que a maiora dos mem-
bros deesa Sociedade tomar em consideraco o
acto praticado pelo mestre e alguns de seus
80C8.
Se for necessario voltamos.
Um inembro da commissao de Belm.
Ao Tribunal da Kela
Jos Barbosa de Barros Cavalcante fallecen oes-
te termo, em 1883, deixando filhoa orphos, 13 es-
cravos, 18 animaes de roda, 8 bois. 2 carro e di-
versos movis, e ama divida de 7.682300 Jos
Carneiro da Motta Silveira.
E tendo a vio va iu ventar iante D. Hermilinda
de Barres Cavalcante requerido de accordo com o
credor Jos Cameiro da Motta Silveira, e obtido
do juizo de orphaos sustar se o respectivo inven-
tario, comecado n'aqnelle tempo, assignon a mes-
ma inventariante um auto de deposito dos bens
deacnptoB, obrigou se, sob as p< n&s da le, a a pre-
sen tal oa em juizo, logo que foise txigido, afim de
ver se poda com o producto do trabalbo dos es-
cravos pagar o debito, que n'aqnelle tempo abaor-
via o espolio.
Mas, verificando-se hrje nao ser pago o debita,
e tendo-ee mudado a inventariante deste termo
para o de Jab.ato sem concluir o inventario, nem
dar satiafaco ao juizo, lmitou-ae a mandar traz r
sem torma de juizo, 9 animaes cavallares, 3 bois,
e 1 carro.
Informado o juizo de orphos deste termo do
oceurndo, expedio ama pncatoria citatoria, para o
de Jaboatao, assignando prazo de urna audiencia
para a inventariante apreeeotar ditos b'ns em
jmz ', sob as penas da lei afim de concluir-se o
inventario ; entretanto decorreu o prazo de duas
audiencias, s._m que a inventariante apresentasse
os rxns em jalao, nem comparecesse, nem reque-
re sse cousa alguma a reepeito, pelo que o juiz ex-
pedio carta pr< eatoria, requigitanda a pnso da
inventariante na forma da lei.
Apezar do exposto, da ordem de prisao recor-
reu a inventaran e e obteve de Tiibunal da Re-
lavan habeas-oorpus, ficando assim frustrada a or-
dem de pnso e a exteuco da lei, e continuando
a mesma inventariante no engenho Palmera, no
termo de Jaboatao i gosar o servido dos 13 os-
cravos, que b. m podum estar livrts, em vista do
protesto do credor Jos Carneiro, publicado no
jornal (Provincia de 18 de Azosto) de alforriar
ditos escravos no da, em que Ihe fossem dadas em
pagamento de sea debito e se a lei toase urna rea-
lidade.
Agora pergunta-se ao Tribunal da Relaco,
que concedeu o habeos-Corpus, qual o meio de fa-
ser a inventariante vir a juizo para se concluir o
iuventerb ?
Ser justo que nunca se termine esse inventario
m que sao iuteressados orphos ?
Ser possivel concluir-se ease inventario sem a
inventariante vir a juizo ?
Qual o meio de fazel-a vir a juizo ?
V eom vista ao Tribunal da Relaco, qae con-
cedeu habeas-eorpus.
Pao d'Albo, 11 de Setembro de 1887.
Verta*.
Supplica...
OFFERECIDO AO ME AMIGO, JOS L. PIBES
DE SOUZA RANGEL, 4 ANNISTA DE DIREITO
Mulher, en vi-te estrella peregrina,
Em xtasis cemtemplei-te a fulgida bellesa ;
As formas divinaes d'altiva Fornarina,
O porte de rainha, a magestosa alteza.
Eu vi-te delirante, anglica creanca
Viso celestial de nivea braucura !...
Sonhei nos teus olhares dourada espr'anca
Sonbei nos teus sorrisos um hymnode ventura !...
Ah quando te vejo, risonha, sempre bella,
E mado, to contemplo, deusa dos amores !
Quizera em tua fronte cingir urna capaila
Oe fljres de laranja, archaujo de primores.
Ah! si no piano, alegre, te diviso...
No espaco derramando torrentes d'harmooia
Sinto-me arrebatar alm do paraso
N'aza do tea canto, divinal meloda '....
Quem me dea beijar-te a mo divina;
(lu a mgica paatinha to gentil e seductora !...
Ou tua face tai mimiaa e purpurina
Ou tua bocea angelical, eucantadera !...
Amo-te mulher, dirs que nao me amas,
Filba dos meus aonhos, eiplendida viso ?!...
Que nao arder cm tea scio vivas chammas ?!
Qjo nao palpita por inim teu coracao ?!!...
Dirs ao co quando envolto em noite escura,
Que de estrellas s- recame e nao sciutille ?!...
Otras a aurora radiante bella e pura
Qu'escureca o mundo inteiro, que nao brilhe ?!...
Dirs as flores rescendentes de perfumes
Qu'emmurcbecam no bastil os seua primores?!!. .
Dirs a rola modulando os seus queixumes
Que fuja, que nao cauto oa seua amores ?!...
Nao !.. donzeila ) to meiga, s innocente,
E's to linda qual do co um cherubim!...
Has de ter um coracao doce e c emente
Tambem, virgem, has de ter pena de mim !...
Verteras o orvalho do teu pranto
No clice da fljr emmurcbecida !!!...
Aquecerias em teu seio com teu manto
A roliuh i, gemebunda, j sem vida !!!...
Recife, 261-1887.
Jos A. Cesar de Vasconeellos.
Um anno depois
AO COLLEGA AMARO RABELLO
Tudo se gasta e se afeia
Tudo desmata e se apaga
Como um nome sobie a areia
Quando cresce e corre a V8ga
Casimiro de Abren.
Outr'ora quando tarde o sol morria
Ddspedindo um adeas saudoso, afflicto
A' trra entrestecida.
Era em ti qu'abaorto eDto penaava,
Em ti por quem aonbava aurro futuro,
Pbro flor pendida!
Mas boje... tudo diz-me qu'esquecer-te,
Qae deixar de t'amar fura um alivio
A mim que o cu guiar !
Perjuraste*, mulher o juramento.
Profanastes um amor to puro e santo
Que a briza festejara !
Passastes de minb'alma ao esquecimento,
E debalde tentar, pois que me caneo
Buscando a tua imagam !
Morreu responde o echo do passado,
Morreu me diz um canto do presente,
Morreu me diz a aragem '.
E como foi veloz e passageiro
O peicurso d'amr ao odio intenso
Que vota-te minh'alma ? !
Como um mar revoltoso, audaz e torte,
Ondas d'amor e vagalhoes d'affectos
Se desfizeram em calma !
Oh tudo pode o tempo e tudo esmaga,
T mesmo a f mais viva, a doce crenca
E o mais ardente amor !
Ilontem vicosa, rescendendo aromas
Tu eras bella, mas s-'guindo a sina
Emmurcbecestes, flor!
Sirva-te o cu a conduzir-te os passos
Por entre as turbas que tacclamam hoje
Chamando-te formosa !
Porque mais tarde, j desteita a crenca,
Viro as rugas sombrear-te as faces
Descorada rosa.'
Sirvan) meus cantos de saudade eterna,
De lenitivo aos teus das tristes
Que cedo encontrars !
Mas, eu te juro, jue amor mais puro
Um santo affecto de um peito fido
Oh ta jamis ters !
Outr'ora quando tarde o aol morria
Despedindo um adeus saudoso, afilicto
A' trra dolorida,
Era em ti qu'absorto entio pensava,
Em ti por qaem sonhiva ureo futuro
Pobre Hjr pendida!
Agosto87.
Odlareg Midnal.
RJOBBK O TMULO
na
Minha chara tia
D. erlrudes anuo AiTonao
Hoje, setime da do aeu passamento, desfolho
mil saudades.
14 Setembro87.
Manoel de Souza GalvSo Filho.
Alerta!!
O Dr. Jjaqnim Nabuco, ao pedir o voto do elei
tor Antonio Ferreira da Silva Soares, perguntra
a um filho deste, por nome Pbantino Soares qual
a sua profisso, e tendo este lbe dito que era es-
tudante, o mesmo doutor aecnaelbra ao moco que
devia ser antes sapateiro.
Este conselho ser porque o moco negro na
expresso do illualre doutor?
Alerta, eleitores do Io distiieto.
Um indignado.
--------------- ?
o publico
Declaro que o final oa minha publicaco no
D ario de 11 do crrento, nao se refere ao Sr. Dr.
Manoel Martina Fiuza Jun'or.
Hermenegildo Coelho da Silva.
------------- ?
Dr. Mello Goiuon
MEDICO PARTEIRO
44 IIua Larga do Rosarlo -41
Onde tem consultorio e residencia, e pie ser
procurado a qualquer hora do lia e da aoite.
Eapecialidea : Pebres, molestias de senhoras e
do palmio, eyphilis e estreitamentos da urethra.
Consultas : 10 o meio dia.
Telephooe n. 374
Oleo puro medicinal de ligado de
bacalno, de Uoman SOO
Nenhum chimico tem podido at hoje diaer-nos
em que consiate os principaes curativos do oleo de
figado Ce bacaiho. Porm nao importa. Basta
que se saiba que nm remedio seguro e efficaz
pura os pulu oes debis e as gargautas enfermas,
para as glndulas escn-fulasiia o oa systemas exte-
nuados. Poim aqu deve fazer-ae urna reserva
distinctiva Dave ser puro e legitimo, pois qae do
contrario para nada presta. Se desojis ter neste
particular urna completa segaranca, confiai-vos,
nnicementeo que podis fazer com toda a sega-
raneado oleo puro medicinal de figado de bae.a-
Iho, de Lann.an & Kemp; extrahido de figados
frescaes, prova contra todas as mud ncas de cli-
mas, excellente a todos os respeitoe.
O agente balsmico pode ter iode, brome on qual
quer outra cousa. Perm isto tica sendo um segre-
do da natureza, sabemos comtudo, que o elemento
conservador da vida, seja elle qual for, n'elle exis-
te. Os doenl.es macilentos e paludos, martynsados
pela toase e extenuados pelos copiosos auores noc-
turnos, devero para desde j laucar mo deste es-
pecifico approvado, ee que do o menor apreco s
suas sades. Porm por amor de vos meamos, nao
percais tempo, toda a demora fatal.
Ene. ntra ae venda em todas as pharmacias e
drogaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ra do Commercio u. 8.
Can ata Municipal de Olinda
Pede se a Cau-ara Municipal de Olinda
que se digne dar a informaco pedida por S.
Exc. o Sr. Dr. presidente da provincia so-
br; tima petiyao dos herdeiros de Manoel
Luiz da Veigi, pois j iazem um mez e tres
dias que foi pedida essa informaco e nao ba
motivo que justifique tal demora a menos
que nao sja o des-jo de pr.juduarom aos
mesmos herdeiros, nao realisando o paga-
uento j autorisa.io por despacho de 6 de
Outubro do anno prximo fiado e de euj*
quantia a Cmara depositara era virtude
de p 'tiliora feita nos rendimentos do predio
^ito ao largo do Corpa Santo, neota cidade.
Bmb, 12 de Setembro de 1887.
Joao Demetrio Fernandes Vianna.
IIlia. Kr. pharmaceollco Uuiz Cario
de Arrmla Hrodes
S. Carlos do Piuhal, 27 d Maio de 1883.
Presadsimo senhor.Acerca de 8 m'zes que a
minha aenhora sotfria de horriveis dores nos ou/i-
sos acompanbadaa de corriaiento, deduz que ia
deixando a surda, e a'm disto siffria d feridaa
da garganta que j se via obrigada a alimentar,
ne a caldos; paseando noitca aem dormir, e dias
sem poder cuidar dos interesses da casa. Todo
esU ttmp> viveu ella sempre em dieta de rigoroso
tratamento, sem outer saudt.
Desanimada, comecou com os seus (santos) pre-
parados, o Licor Autipsorico junto com os Pa De-
purativos, e logo a saude veio chegando, c hoje
gracas Providencia, posso com todo o prazer
annuuciar a V. S. e a todo o mundo que minha se-
nbora acna-ae completamente boa doa ou vi dos e
da terrivel ferida de gargauta, e autoriso V. S. a
publicar esta a beneficio dos que soft'rem igual en-
fermidade.
Sou com estima. De V. 8. amigo, venerador e
obrigado.Eduardo da Siiva Tavares.
----------------^------------
Importante declarar (3)
As virtudes do PEITOBAL DE CAMBARA-
de J. Alvares de S. Soares, de Pelotas (Rio Gran-
de do Sul) vantajoaamente empregado em_ todas
aa molestias do apparelho respiratorio, nao sao
hoje postas em duvidu por muitoa illastrea filhoa
da sciencia.
O hbil medico Sr. Dr Carlos Marchand, de S
Gabriel, escreveu ha pouco o seguinte ao antor
do preparado :
a O seu xarope peitobal db cmbara' tem-me
leito muita falta, porque quasi nunca o encontr
no seu deposito d'aqui. Tenho-a aconselhado na
minha clnica e com elle tenho tirado resultados
importantea no tratamento das molestiaa ronco-
pulmonares.
Outras declaraces importantissimas de mui
tos distintos mdicos, comprovam valiosamente as
virtudes de to precioso medicamento.
O leitor poder sprecial-as no opsculo que
acompanha cada frasco e que vende-se na agen-
cia a cargo dos Srs. Francisco Manoel da Silva
& C ra Marque de Olinda n. 23.
Frasco 25500, meia duzia 13*000 e duzia 24
A agencia en via a quem pedir condieoes im-
pressas para as vendas por atacado.
Lyceu de Artes e
Offcios
Almpeiial Sociedade dos Artistas Meehanicos
e Lberaes de Pernambuco, que tem a seu cargo
o Lyceu de Arles e Offcios, no intuito de Ilustrar
as classes artsticas e manufactureras, mantm
como j bem conbecido em sea palacete, no
Campo das Princesas, aulas de diversas lingnas e
scieucias, as qoaes funecionam em todos os dias
uteis, das 6 as 9 horas da noite.
Com o mesmo utuita mantm ella ama pequea
e modesta bibliotheca, que com patriticos dona -
tivos, augmenta-se de dia para dia, e franquea-
da ao publico em geral diariamente, s mesmas
horas aeima, o assim como nm pequeo museu
artstico.
Assim, pois, com o mu applaudido intento de
tornar bem conbecid3 o progresao das artes e
offcios entre nos, a peifeico e utilidade de seus
productos, fazer conbecido seus autores, bem
como os lugares de seus estabelecimento, afim de
facilitar a aahida e o consumo delles, promove
todos os annos, para o dia de seu annivtrsario,
segundo dispe o 6 do art. 2 dos seus estatu-
tos, urna exp e manufacturas.
E' para a consecuco de to aperfeicoado quao
vantajoso fim, que a directora da Sociedade vem
palo presente solicitar de todas aquellas pessoas
que possuem por pergaminho o trabalno, sua effi-
caz concurrencia expoaico que em Novembro
deste anno se eftictuar em sua lde, Lyceu de
Artes e Offcios.
Cu mpre tambem a ella fazer conhecedores os
Ilustres seuhores e senhoras que oqoizerem hon
rar com seus productos, os seus direitos e
Deveres
1. Deverao at 15 do dito mes enviaren) as
amostras de seus vendaveis productos para o dito
Lycen.
2." Em todos os objectos devero acompanhar
o nome do autor, oa proprietario dos mesmos.
3. Ser imprescindivel em todo e qualquer
objec to a ieclaraco do preco e lugar de sua fa-
brica ou deposito.
4. Que os objectos para a *xpnsico devem sei
tal qual os costuma fazer e vender.
Ulrello
Art. 8o do regulameuto da Exposico Artsticos
Industrial :
Smente aos expositores permittido abrir aa
vitrinas para mostrarem aos visitantes os seus
productos.
A directora, conscia de que mnito se esforca-
rao para o faustoso resultado deste certamen to
proveiioso e lisongeiro a todas as classes iodns-
triaes, antecipa seus devidos agradeciment s.
Secre aria da Imperial Sociedade dos Ar'istas
Meehanicos e Lberaes de Pernambueo, em 30 de
Junbo de 1887.
O Io secretario,
Patermano Barroso.
Clnica medleo-drnrgica
DO
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr. Castro Jess, contaado mais de 12 annu
de escrupulosa observaco, reabre consultorio neat
ta cidade, ra do Bom Jess (antiga da Crui
a. 23, 1.a andar.
lloras de consultas
De dia : dail s 2 da tarde.
De noite : das 7 a 8.
as demais horss da noite ser encontrado no
litio i tayessa dos Remedios a. 7, primeiro por-
o esqujerda, alm lo porto da Dr. Cosme.
Dr, Alfredo
EspecialidadePartos, molestias de
enancas.
Residencia Ra do Conde da Boa-Visi
Telephone n. 412.
24 1.
Grinaura, modista
39-RA DUQUE DE CAXIAS-39
(|o andar)
Faz, por figurinas, vestidos para senhoras e me-
ninas, com promptido e precos mdicos.
Recebe mensamente da Europa jornaes da
modas.
Cal virgem de Jaguaribe
REGS
TRADA
Avisa-se aos senhores de engenho e
mais consumidores desta excellente cal,
que continua ser o seu deposito ge^al a
ra do Bom Jess n. 23. Perfeitamente
ebariicada e em pedras, como a que nos
vem do estrangeiro e em nada inferior a
esta, continua a st vendida pelo prego fizo
de 6^000 a barrica.
Alm do deposito geral j indicado, sao
tambem vendedores della os senhores :
Guimare8 & Valente6 Pateo do Cor
po Santo -6.
Lopes & Araujo38 Ra do Livramen-
to-38.
Bento de Freitas Gruimares &C
Ra do Visconde de Itaparica 51, Recife
Dr. Cerpira Lia
EDICO
Tem o seu escriptorio ra Duque de Caxias
n. 74, das 12 a 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Santa
Cruz n. 1.
Especialidadesmoestias de senhoras e crian-
cas.Tolephone a. 32t
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia a
3 horas da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setembro n.
34 Entrada pela ra da Saudade n. 25.
Clnica do Dr. SimSas Barbosa, Espe-
cialidades : partos, molestias de senhoras
e da mancas.
Consultorio ra do Mrquez de Olin-
da n. 64 consultas de 1 s 3 horas da
tarde.
Residencia ra da Soledade n. 73.
T-lohone n. 213.
:*
MEDICO HOMEOPATHA
Dr., Ballhazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
eriaacas, dos orgos respiratorios e das
senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
fon da capital.
AVISO

I

I
II
Clnica do Dr. Silva Ferreira
Especialidades; molestias de Senhoas e de
pelle.
Consultas de 1 s 3 horas.
Ra da Cadeia n. 53.
Residencia temporariaPonte d'Ucboa n. 55.
TELEPHONE417
Todos os chamados devem ser dirigi-
dos pharmacia do Dr. Sabino, ra da
Barao da Victoria n. 43, onde sa indicar
sua residencia.
ft
EXTERNATO
Para 19 meninas
21 RA DO HOSPICIO 21
Lscons particulires de trancis e |d'ang1ais
Laiiniaii k Kemp
Previnem o publico que existen) nesta praca
imitacies fraudulentasdo seu oleo pdbc de fi-
gado de Bacaluocontra as quaes se devem
acautelar os consumidores, por isso que o aso
d'esses leos falsos ser em prejuiso dos
doeutes.
Entre essas talsificacoes ha ana quealm da
differenca ua puresa do liquido que s pode apre-
ciar-se comparando o oleo verdadeiro com o falso,
engaa fcilmente os acantos, e por isso apresen-
tamos as differeuces qae existem nos frascos e in-
volucros :
a A circular que acompanha -id* frasco deve
ser aaaignnd porLanm.i Kemp^=a ni=o
Lenman & Kempcomo na falsificaco.
a Os noaaos frascosnos tres lados descobertos
trazem em relevo no rresmo vidro as seguintes
palavrHS : Cod liver oil Lanman 6t Kemp
New-York, em quanto que oa falsos vidres tem :
Refined Cod Liver Oil=New- York.
as nossas capsulas metallicas l-se :Lan-
man & Kemp, Droguistas, Nueva York, em quanto
as falsas se l :Cod Liver OU=te/ned=Nue-
va-York.
Recummeodamos, pois, aos doentes que quize-
rem osar do nosso oleo, e retirar os resultados
maraviibosos peloa quaes se tem acreditado em
todo o mundo, tenham todo o cuidado i-m exami-
nar os frascos que compraren), para nao serem
enganadus por infames ralsificacoes.
Tambem ba muitas falsificacoes da nossa aoda
FLORIDA DB HORBAT & LAHMAH, E TOHICO OBIBMTAL
de kemp, falsibcacdes essas preparada* feralmen-
te com substancias prejudiciaes pelle e ao ca-
bello ; exjim, pas, os consumidores os verda-
deros e nu recebam outros.
IIAi'EHDO BEGISTSADO HB8TB IMPERIO TODAS AS
H08SAS MASCAS IHD08TBIAES E BOTLOS, PPKTEHIMO
C8 IMITAUOBi' S E FALSIFICaDOBBS, QCK PB CBDBBEMOS
COICTBA ELLES SOS TB1BUNAES, BM PBOTBOC40 D
MOSSOS D'BEITOS.
Feruambucu, 28 J.-.nho 1887.
I.anmaa & Ucmp.
Dr- Lopes Pessoa
Medico e operador
Residencia Roa Larga do Rosario n.
38 Io andar.
ConsultorioRa do Bom Jess n. 37
1* andar.
ConsultasDaa 12 a 2 horas da tar-
de.
ChamadosA qualquer hora, por es-
cripto.

Y
1

L
1



Diario de PernambucoQuarta-feira 14 de Setembro de 1887
3
- -



llu munida de
Us desastres uecasionadoa pelos tri-
coeiros candiciros de vdro para kerosene, devein
despertar v fazendo acquieicn da cau-ieiros do metal, nicos
solidos a ioexp
A' venda na ra Duque de Casias n. 86, Far-
reira Guimare3 ce G.
Leonor Porto
Riia do Imperador a.
Primeiro andar
45
Contina a execatar os mais difficeia
figurinos retiiil'3 de Londres, Paris
Lisboa e Rio de Janeiro.
Pfis r'eieodec i bre-
vidade, m I em prec,o> e fino
gosto.
Olinda
A08 mfraiorP8 de Olinda a directora
do Club Io le Julho parti ipi que tendo
oon'rajtido cora a Companhia Ferro Car
ril, o transporta da pUMg iros do Re"if;
a Onda 13 v.:e-v na, a raestna coupanhia
do Io de Setembro em diante estabeleccr
um servico de diligencias, que partirao da
Varudouro em Olinda a se encoatrarej
com os bonds em Santo Amars, custaudo
cada viagem do Reeife a Ooda oa vii-e
versa 300 rs., inclusive o transporte no
bond, a para os meninos at a idade de 12
annos 2u0 rs.
Os bonds da linha de S.nio Amar
corresponden ia com as diligencias le
urna ban I ira azul-
CerUmente os pasadores i f ata e mo-
radoras ue Onda dar.'o preferencia as di-
ligencias nao s por economa coto tam-
bera por com moni :!ade, tendo alm disso
a vantag' m de saltar em qualquer ponto
at a la na do Brum.
Em outro lugar vai publicado o horario
das parti las dos bondfl e diligencias.
-----------------^-----------------
Godiittin 8 lita Ss Paris
Madama Olympi* Ferchault, recenteraeuV aba-
gad i i a honra de
Exmss. familias, que deaejam ter vstidos a
pos da ult:m abri o aea ateJier. Rus
da Aui ra n. 41 Io an.Ur.
As Exmas. senhoru que quizerem honral-a co;n
a sui coofianoa bao ce eoco.itrar o bom gosto, a
elegaue.a e en urn^; pilavra o verdad' ro thic pa-
risiense sob G -3 ni ais razoaveis.
A theaoora ecipregada por madama Ferchault
trbalo oa as pnmeiras casas de Pars e obteve uin
diploma de capaciiade na Expsito Universal
de 1
O ateher de Madame Ferchault, pertanto, pode
se e: carrejar da OOOteeoSo ds todo genero, endi-
reifir vestidos de ino gosto, e de quJquer modi-
ficarlo nos meamos.
Ra da Aurora n. 41
Primeiro andar
Elixir depurativo vegetal
Formula de
Angelino Jos dos santos Andrade
Approva o pela inspectora gerai de by-
gene publica do Rio de Janeiro, em 20 de
Julho do correute anno (1887).
Este depurativo de grande eficacia as
molestias syphiliticas e impureza do sangu^
e encontrado a venda, por ora, ra do
Barao da Victoria n. 37 o ra estreita do
Rosario n. 11.
Para provar a grando ;fBca"ia ou qitasi
proiigios, do preparado do Sr. Andrade,
basta aprese itar o crescido numero de
attestados espontneamente prestados por
muitos cavalheiros que tem eito uso de lia
do3 quaes publicamos alguna de pessoas
conhecidat. e residentes nesta cidade.
DoL-umento n. 11
111 ro. Sr. Angelino Jos dos Sant03 An-
drade.
Tendo eu sido atacado em diversos lu-
gares do corpo pelas escrfulas, e entra-
do no uso de diversos modioamentos taes
como, o vnho iodado de Jely, de que gas-
tei 28 frascos, assim como outros muitos
remedios externos, sera que resultado al-
gura tivesse obtido, e progredindo cada
vez mais o raen mal, nao alimentando
mais esperanja de conseguir melnoras
com os banhos salgados e o oleo de liga i o
de bacalhau, que j tinha usado, o que nao
evitava que viessem a suppuracao de taes es-
crfulas, resolv, desengaado comoestava,
da improficuidade <*o8 medicamentos que
usava, experimentar a Salsa de su\ com-
posicae. Depois do uso de tres garrafas
do seu medicamento, o effeito produzido
foi verdaderamente maravilhoso, visto que
o mal ceder completamente, e hoja consi-
dero-me inteiramente curado. Julgo do
meu dever dar-lhe este testemunho da efi-
cacia do seu preparado, e ;. ffiancar que a
elle s devo o meu completo res'.abeleci-
raento.
Outras pessoas a quem o tenho aconse-
lhado, e que soffriam o meu mal teem
igualmente sentido grandes melhoras, como
a seu te ropo lhe dirao.
Aulorizo-o, pois, a fazer deste o uso
que lhe convier.De V. S. amigo, atteoto
e obrigado, Jos Mara da Silva Fernn
des.Recife, 30 de Abril de 1886.
Estava sellado com urna estampilha de
duzentos ris. e inutiliaada da maneira se-
gninte : Recebedoria, 11 de Maio de
1886. Alfonso Beda.
Reconheco a firma retro,Recife, 11 de
Maio de 1886 Em testemunho de verda-
de (signal) o tabelliao publico, Apolinario
Florentino de Albuquerque Maranhao.
. 12
Attesto que o preparado do Sr. Angeli-
no Jos dos Santos Andrade, sem a me-
nor duvida de grande utilidade, porquanto
estando urna seohora de minha familia a
soffrer de feridas as pernas, ha cerca de
seis annos, e tendo esgotado todos os re-
medios de botica, j estava desacorocoada
de ficar boa, entretanto que com tres gar
rafas do dito preparado se acha completa
menta boa.
Re.ife, 28 de Agosto de 1883.
O ruaj jr Justino Rodrigues da Swira.
Estava sellado com urna estampilha de
duzentos ris a inu ilisada da maneira se-
garais : Recebedoria de Pernarobaco, 10
da Setembro de 1883. Uliysses F. de Al-
buquerque.
Recoubeco n firma supra.Recife, 12
de Setembro de 1883.Em teatemunho
de verdade aignal) o tabelliao publico in
terino, Jos Car.ot de S.
N. 13
Attoato que, soffrendo de ataques h-
morrboidaas, cujo peior effeito era grande
pes* de sangue, aaao-nio reaubelecido
com o uso do Elixir Depurativo, prepara-
do pelo Sr. Angelino Jos nos Santos An-
drade, e por ser vcrd.ide passo o presente,
autorisando o aeu uso como convier ao
meamo Sr. Andrade.
Recife, 30 de Abril da 1887.
'cisco da /Silva Miranda.
Estava sellada com urna estampilha de
20 rs. o nutilisada da maneira seguinta :
Recebedoria, 28 de Junho de 1^87.
Affu, teda. Recouheco a firma su-
pn. Recife, 10 de Agosto de 18*7. En.
testemunho da verdade (signal) o tabelliao
publico, Apolinario Florentino de Albu
querque Maranhao.
N. 14
Ulm. Sr. Angelino Jo^i dos Santos An
draJe. Eu abaixo assigaado declaro a
bem da verdade, que soffrendo um anno
e pouefs mezes de urnas escroful .-:, quv
tomar .ai oaraoter gr^va c & ri >, tendo es-
gotado a medicina e outros remedios, usei
o licor denominado Elixir Depurativo
-rag-.! > a com tab bo:n resultado,
que me acho c ..opiatamente curado, como
tambara do outros incomraolos que 8"f
fria.
Aproveitando aqui a occasilo fao io
Sr. Ange'ino Jos dos Sautos Andra ,
autor do til preparado, os mcus votos de
etorn? gratid&o, podendo leeta Cuer o uso
que quizer a convier.
fe, 13 de -zerabro de 1884.
Jo. Aff'onsods Santos Lima.
Estava devidaraenta sellado com urna
estampilha de 200 rs.
l c naa supra. Recife, 26 da
J raeiro do \S'->~>. Era testemunho de v r
e (signal) o tabelliao publico, Apolina-
rio FLreiitiuo de Albuquerque Maranhao.
N. 15
Illlra. Sr. Angelino.Recife, 1 de Mar-
co de 1884.A presente tem por fim pro-
clamar ainda mais o poder curativo do
seu valioso Elixir. Victima de una
infeccao syphilitica que se pronunciou com
o ;.ppare dm.tnto ,p'quanos can-
tros veneros, recorri aos ru< os aconso-
lhaios p a medica, e dentro em
pouiios das achava-ma livre de incoramo-
do. Durou piuco a minha illuso, visto
como, oomeoe a soffrer da engorgitamen-
tos glandulares sobre a orelha tsquerda
que tratei do contrariar com pre^cripyao
media.
M lliorei dos ncommodo3 glandulares,
porem, pan maior infelijidade minha
fui atacado de fortes dores nevralgi )aa,
sobre a parta superior da testa, dando lu-
gar ditas dores ao apparecimento de urna
ura exostose, que muito rae assustnu. Foi
neste estado que racorri ao seu Elixir
e grajas ao uso que fiz exclusivamente
delle, tomando tres garrafas, conforme
suas determin.yoes, acho-ma perfeitaraen-
te restabelecido, tendo a t-xostose cedido,
logo s priraeiras dses. E esta a pura
verdade, e em b*m da huraanidade pode
V. S fazer desta expo-icao o uso que en-
tender.
De V. S attento venerador o criado
Pedro Alves Barbosa,
Estava sell.do com urna estampilha do
200 ra. e nutilisada da maneira s-'guinte :
Re.ebadaria, 14 de Agosto de 1886. O
escrivo do sello, Affonso Beda. Reconhe-
50 a firma retro. Recife, 19 de Agosto de
1884. Em testemunho de verdade (-igoal)
o tabelliao publico interino, Jos Carlos
do S.
Qualquer pssa que tiver necessidade
de informaccoas relativas a este preparado
pode dirigirse ra do Barao da Victoria
n. 37 que encontrar quem d todas as
explicaccoes necessarias.
Cuidado com as fJsifiacoes.
da cidade do Reuife, ao 1 de Setembro de ^^H
Ea padre Valeriano de Alleluia Correia, escrivo
da Cmara Eucleaiastica, que o escrevi.
^ Jos, Bispo Diocetnno.
EDITES
Dora Jos Pereira da Silva Barros, por
Merc de Deus, e da Santa S Apost-
lica, Bispo do Olinda, do Conselho de S.
M. o Imperador etc.
Fazemos saber, que resolvemos por em concurso
as segnintes freguezias vagas deste Bispado : Saa-
tissimo Sacramento de Sauto Antonio do Recife,
Soasa Senbora dos Prazeres de Marangu 1 e, Nossa
Senhora da Uonceicaorleltamarac, Nossa Senhora
do Desterro de Itainb, Nossa Senhora da Luz,
Saut'Anna de Gravat, S. Miguel de Ipojnca,
Nossa Senhora do O' do Altinho, S. Jos do Rio
Formozo, Nossa Senbora da Coocei^ao de Alag*
de Baixo, Nossa Senbora da Sade de Tacarat,
S. Jo* de Belmonte, Bom Jess dos Remedios de
Atogados de Ingazeira, Nossa Senb jra da Concei-
co do Paje de Flores, Bom Jess dos Aflictos de
Fazenda Grande (Floresta), Santa viaria Rainha
dos Aojos de Pe'.rol ina, Nossa Senbcra da Assump-
cao e S. Goncalo de Cabrob, Santa Mara da Boa-
Vista (alto sertao), Nossa Senhora das Montanhas
de Cimbres, Sant'Anna de Leopoldina, Santo An-
tonio de Salgneiro, Nossa Senhora da Conceico
da Pedra, Bnm Josas dos Aflictos do Ex, Nossa
Senhora do Bom Conselho de Granito, Nossa Se-
nhora da ConceicSo do Bella Jardim, Nossa Seoho-
ra da Conceicao de Aguas Bellas, Jess Maria
Jos de Papacaca, e Nessa Senbora da Conceit;ao
de Correntes ; nesta provincia de Pernambuco:
Bom Jess do Passo de Camaragibe, S. Luiz de
Quitanda, Nossa Senbora da Conceicio de Matta
Grande, Sant'Anna de Ip>.nema, S. Bento de Por-
to Calvo (.Ylarapogy), Nossa Senhora da Apresen-
lacao de Porto Calvo, Nossa Senhora da ConceiQo
de Porto Keal do Coliegio, Bom Jess do Bom Fina
da As8>-mbla, Nossa Senbora do Bom Conselho da
Lago Fonda, S. Joao Baptista da Enreja Nova e
S. Francisco de Borja de Piassabuss, na provin-
cia das Alagas : Nossa Senhora da Conceicao
da Villa do Conde (Jacoc), S. Miguel da Babia da
Traica>, Nossa Senhora di Conceicao de Gnrinhem,
Nossa Senhora da Boa-Viagem de Alagoa Grande,
Nossa Senhora da Conceicao i'o Brejo de Areia.
Noss Seohora da Luz de Independencia (Guara-
bira), Nossa Senbora da Luz de Podra Lafrada,
Nossa Senhora da Guia de Patos, Nossa Senbora
des Milagrea do Brejo do Cruz. Nossa Senbora
dos Remi-dios do Catle do Rocha, Nossa Senbora
do Bom Suecesso de Pombal, Santo Antonio de
r'ianc, Nossa Senhora da Cpnceicio de Plane,
Nossa S nhura do Bm Conselho de Plane. Nossa
Senhora da Conceicao de Misericordia, S. Jos de
Piranhas, Bom Jess do B .m Fim Je Serra da
liaiz, Nossa Senhora da Conceico de Campiua
Grande, e S. Sebaotio de Picuby, na provincia
da Parahyba : Noss Senhora da Coneeica de
Macabyba (out'ora S. Goncalo de Amrantho),
Nossa Senh >ra da Conceicao de Macau, >ant'Anna
de Mattos, S. Joo Baptista do Aai, Noaaa Se-
nhora da Conceicao jo Azevedo (Jardiu)),S'>t'An-
ua, do Sendo (Priucip ), S. J> ao Baptista de Por
to Alegre, Noasa So hora da Conceicao de Pao dea
Ferros, S Miguel de Pao dos Ferros, S. Joo Bap-
tista de Ari-z, N sea Senhora da Conceicao de Nova
Cruz, e Sant'Anna de Curraes Novos, na provincia
do Rio Grande do Norte.
Todo o Reverendo Sacerdote oa Clrigo, qae
pretender alguma des tas fregue.iiag, dever apre-
entar o seu reqnerimeuto instruido com documen-
to, na forma de direit que comprovm as suas
habilitco<:a, vida, costame, e servioos; e na nos-
sa Cmara assignar termo dentro do praso de
60 das a contar desta data, findo o qul nenbum
documento ser mais recebido : e no da 30 do
mes de Novembr > deste anno se proceder ao con-
curso, no qnai ea concurrentes tarao um ezposi
cao oa homiiia sobre e texto do Evaugelho, qae
assigoarmos, e responderse a 9 casos de Moral e
Conseieocu. Feito o concurso, propoiemos oe mais
dignos dos approvadoa a 8. M. Imperial, oa fiss
do costusje. Daao, esa oesso Palacio da Boledado
2' seceo. Secretaria da Presidencia de
Pernambuco, em 13 de Setembro de 1887.
Por esta s cretaria te faz publico de c nformi-
dadeomoart. 157 do regulamento annexo ao
decreto n. Jl0 de 28 de Abril de 1885,o edital
abaixo toinscripto poud) em c.ncurso com o
praao de 60 dias os officios de 1 tabelliao de
notas e es tnva do oiwl eriin-, capillas e resi-
duos do termo de Garanhuns.
Pedro Francisco Correia de Oliveira.
EDITAL
O tenentecoro.i 1 J ,."> Correia Bnzil, jola mu-
nicipal s-giiu lo substituto do te mo ae G
nhuiis, comarca do inesino nomo, nomeado em vir
tuda da lei, e em pleno ejercicio, por estar no
goso de licenca o actual l)r. juiz municipal,
etc.
Faz saber aos que o presente edital vircm e
delle u-'ticia ti qu-in interessar posas,
que achindo-seo cartorij d primeiro tabelliao do
publico judicial e notas, e caerivaodo civel, enme,
c:pei.as e esiduos deste termo, creado em virtu-
de da lei proviosUl n. 22 de 6 de Janeiro de
1836, vago por falle ment do respectivo serven-
diario, al i- Ferreira da Silva Aze-
vedo, eoavida os pretendentes aos reapeetivoa offi-
ci 13 a apresentarem a us 1- querimentos dentro do
praso do 30 dias, como dispoe o urt. Io do decreto
-'-' e 14 de Julho do corrente anno, combi-
nado com o art. 11 da n. 817 do SO de
Agosto de 1851, e art. 7" do decreto u. 9344 de 16
de Dezembro de 18 4.
Outrosiin, faz maia s^ber t .mbju aos proten-
deutea que aeus requerimentoa devem vir instrui-
dos com exame de sufficiencm, de onfirini
com o diapo.-lo no decreto n. 8270 de 15 de Outu-
bro 1881, e mais formalidades exigidas no art. 14
do citado decreto n. 817 de 30 d Agosto 1861.
E para que cheque ao coubecimento do todos,
mandei passar o pieaontc, que ser affixado no
r mus publico e do costura1-, e delle se extra-
copia para ser remettida ao Exm. Sr. presi-
dente da proviaeta p ira o fi n indicado no art.
157dodecrt> n. 9420 de 28 Je Abril de 1885,
com declaradlo do dia da affixa^ao e publicayao
do presente edital, o que ser certificado pelo
p rieiro dos auditorios, como determina o art.
153 do citado decreto e 28 de Abril de 1885.
Dado e p :ssado nesta cidade de Garauhuns, aos
5 de Setembro de 1887.
Eu, Tb ophilo Ferreira da Silva Azevedo, es-
ciiv') interino o eser.;vi.Joao Correia Brazil.
E na Ja mais se contioba em dito edit. 1 aciin. co-
piado do proprio original ao qual me reporto e dou
te. Ea, Thuophilo Ferreira da Silva Azevedo,
eaerrviio interina o eserevi.
Certifico mais que pelo porteiro inteiino dos
auditorios rae foi entregue a c rtidao da alx-.cjaj
do edital retro, a qual do theor seguinte :
Jra.iuin Evaristo Bezerra dos Santos, ifEcial
di-justica e porteiro uterino dos auditorios de
Gnranhuns, im virtude da lei, etc.
Certifico que affixei na porta da casa da Cma-
ra Municipal dcata cidade, hje, o edital convi-
dando os pretendentes aos cffieiosde justica, vagos
por fali'eimento do serventuario, alteres Agosti-
nho Ferreira da Silva Azevedo. O referido
verdale. Dou f. Garanhuns, 5 de Setembro de
1887. O porteiro interino dos auditorios, Joaquim
Evaristo Bezerra dos Santos.
E nada mais se continha ern ditacertidao cima
transcripta do prnprio original, ao qual me re-
porto. Dou f. Escrevo e aasigno. Eu, Theo-
pbilo Frreira da Silva Azevedo, escrivo ute-
rino o eserevi. Conforme. O escrivo interino,
Tbeopbilo F. da Silva Azc ;edo.
que pordeli-
o rccolhim'nto
Club Garios u-on
_ De ordem do Sr. presidente, convido aos asso-
ciaios deste club, para reunidos em asseubla
geral no dia 15 do corrente, a 6 hora da tardo.
na sede do meamo, apreciarem a leitnra do rela-
torio da directora linda, e elegerem oa novoa
ianceiooarioa \jue teem de dirigir este elab.
Secretaria do Club Curios Gomes 12 de Setem-
>ro de 1887.O 1; secretario,
^^^^^ Pompeo C. Ca8aneva.
Coni^ahia^de Edifi-
cago
CoTimnni aos 'ra accionistas
beracoo da ciir torta foi resolvido
da oirava prestacio na raxao du 10 por cento aob
o valor das respectivas accoes, o qusl dever rei-
8 at o dia '29 de Setembro proxitno futuro.
It-cife, 29 de Agosto de 18S7.
Ricardo Menezes,
___' nte.
De od m do Ulm. Sr. Dr. inspector, faeo
publico que no dia 15 do errente ir praca,
perante a junta da fazenda provincial, o 1
da barreira de Timb i.t 3J de Junho do anno
prximo vindouro, servindo du base a quantia de
400*000.
Secretaria doThesouro Provincial de Pernam-
buco co 5 de Setembro de 1887.
Lindolfo Compeli.
Da ordem do Illm. Sr. Di. insp.ctor.faco pu-
blieoque no da 15 do crrante ir a pra^a, pran-
le a jonta de c mpras, o I
de oleado com ventila lores, pira a guarda cvica.
Os fiiliori's cincurrentes devora habilitar se na
sesso da jiuta da fazenda do menio dia e apre-
sentar ansa propotas em carta fechada por occa-
sio da respectiva junta, coinpanhadas de um
exemplar d'>s referidos keps.
Seeretaria o Thesouro Provincial de Pernam-
buco, em 5 de Set mbro de 18^7.
Lindolfo Compeli.
Monte de Soccorro de
Pernanihueo
S2o convidados os posHuidores das cn-
telas dos nmeros abaixo, a virem resgatar
as mestnas at o dia 17 do corrente, avi-
sando-se-lhes de que findo esta prazo se
rJo ellas improterivelmente levadas a lei-
13o publi
13533 13597 137G9 13835 13859 13914
13924 13925 13926 139J7 13929 13932
13939 13941 13942 13944 13915 13946
13149 13953 13960 13963 13968 13974
13975 13977 13980 13982 13984 13986
13994 14001 14004 14006 14007 14016
14017 1J018 14U21 14026 1402S 14036
14038 14010 14043 14045 1404>
14051 14052 14054
14062 140
BciiLKCOES
lieos
i-
Ci
Quinta-feira, 15 do correte, hora do cestume
haver aesso ordinaria.
Secretaria do Instituto Archeologico e Geogra-
phico Pernambucano, 13 de Setembro de 1887.
Baptista Regneira,
1 secretario.
Associafo dos Fanccionarios
Provinciaes de Pernambuco
De ordem do Illm. Sr. presidente desta asso-
ciacao, convido os senhores aasociadoe a compare-
cerem na sede social no dia 15 do corrente, s 5
1/2 horas da tarde, afim de assiatirem a sessae da
assembla geral do corrente mez, na qual ter de
proseguir-se na discnbso da reforma dos esta-
tutos.
Recife, 13 de Setembro de 1887.
O l- secretario,
Alfredo Rodrigues dos Anjoa.
Companhia dos Trllhos Urba
nos do Recife a Olinda e Be
berlbe.
De oredem do Exm. Sr. Dr. Preaidente da Aa-
aembla Geral, convido os Srs. accionistas a as-
siatirem, no dia 29 do corrente mez, no lugar e s
horas do coatame, i sesso da assembla geral or-
dinaria, na qual, segundo os nossos Estatutos,
sero apresentadas as coutas, lidos o relatorio da
directora e o parecer da comraissio fiscal o eleita
a nova commisso fiscal que fuaccionar por um
anno.
Secretaria da Assambia Geral da Companhia
de Trilbos Urbanos do Recife a Olinda e Bebe-
ribe, 13 de Setembro de 1887.
Jos Antonio de Almeida Cunha,
Secretario.
(2. praca)
De orden, do Ilm. Sr. inspector se faz publico
que a 11 horas do dia 15 do corrente mez serio
vendidas em praca porta desta repartico as se-
gaintea mercaduras :
Marca diamante C P em cima e V D em baixo.
Urna caixa, n. 1, vinda de Liverpool no vapor
inglez Aufier, entrado em 25 de Juuho do corrente
anno, contendo i.07 kilos, peso nos envoltorios de
annuncios impressos em mais de urna cor c 17 kilos
de annuncioa impressos em ama cor, abandonada
aos direitos'por Guimarea & Perman.
Marca diamante C P em cima e V D ero baixo.
urna dita, n. 2, dem dem, contendo 119 kilos,
peso liquido legal, de annuncioa impresaos em ama
cor, abandonadas aoa direitoa por Guimares & Per-
man.
Marca M S & C e T em baixo.Urna dita, n. 1,
idem idem no vapor inglez Merchant, idem em 27
de Maio idem, cantendo 27 kilos de catlogos, aban-
donada aos direitoa por Joaquim C. Ribeiro de
Brito.
3.* seccio da Alfandega de Pernambuco, 12 de
Setembro de 1887.
O chefe,
Cicero B. de Mello.
Companhia de Edifi-
carlo
Por ordem (la directora ede acord com o art.
8 dos estatutos, commnnico aos senhores a cio-
riataa posa o id o res das accoes de na. 1141 a 1155
e 183d a 1845, qae o ultimo prazo para o recolhi-
mento da stima pr corrente. Recife, 10.de ScteiLbro de 1887.
Iticard Menezes,
Gerente.
Alfandega de Pcrna biho
De ordem da inspectora se faz publ'co que no
dia 17 do correte, s 11 horas da unuba e as
orUs do trapiche Conceicao, sero arrematadas
em leilo as mereadorias abiixo d-claradas, con-
tidas em dous pacotes com a m-.rca H. Lundgren,
que foram apprebendidos a bordo do >gar noruc-
guenae Solcha, no dia 29 de Outuoro do anno
parsado, a 1 1/2 hora da tarde :
8 parea de meias de la p i' acabara.
12 ditos de ditas para homem.
1 gorro de borrachi.
6 eaixiohas com eolebetua.
2 pecas do aeda.
1 dita de cadarco de aeda.
2 ditas de linho.
3 seceo da Alfandega de Pernambuco, 10 de
Setcmbroo de _'887.O chefe,
Cicero B. de Mello.
Estrada de ferro de Ri-
beiro ao Bonito
Faco saber aoa senhores accionistas desta fm-
preza. que apenas r"alisaram a quarta entrada de
10 0/0 de suhs ns. 6, 10, 11, 29, 87, 109, 111 e 131, que em face
do que dispos o n. 1 do art. 9 dos estatutos, fica-
Ihes marcado o prazo de 30 dias, a contar de 15
deste mez, para realisarem a quinta entrada com
a multa de 20 0/0.
O accionista, que nao realisar suas entradas na
forma determinada, perder em beneficio da em-
presa as entradas que j tenba feito.
Recife, 10 de Setembro de 1887.
Jos Bellarmino ereira de Mello
Director secretario.
14033
14047
14061
14073
14085
140:)8
14114
14142
14KJ6
14192
11222
14240
14246
11258
14272
14297
14311
14325
14397
14448
14476
14074 14075
14087 14088
141U0 14102
14123 14125
14147
14186
14207
L4223
14241
14247
14260
42>i7
14273
142JS
14312
; 1326
11422
14455
14478
14490 14-191
14149
14187
14213
14242
14261
14268
14276
14300
14314
14331
14371
1 1424
14.60
14479
144.12
14080
140LI4
14103
i U36
14188
14214
14231
14243
14250
14263
L4269
14301
14315
14432
14464
14482
14496
14070
14081
14095
14110
14157
14190
14215
14233
14244
14251
14261
14060
14071
14034
L4097
14112
14139
I .165
14191
14217
1 4239
1425o
14265
14270 14271
14285 14286
14308
14319
14345
14377
'
11470
11481
14497
I 1 ;').i
14321
14316
14390
14439
14473
14487
14592
Estrada de ferro do Re-
cife Caruar
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico
que at o meio dia de 20 do corrente recjbem-se
propostas para a construccao de um armazem na
eatacao da Serra, nesta estrada de ferro, de con-
formidade com o plano e condicocs que oa propo-
o'ntes podero examinar no escriptorio do enge-
nheiro residente, em Jaboatao, onde sero recebi-
daa as propostas e abertas no dia e hora cima
indicados.
Secretaria do prolongara>-nro da estrada de fer-
ro do Recife ao S. Francisco e estrada de ferro do
Recita Caraai, em 9 de S-tcmbro de 1887.
Pelo secretario, o eacripturario
Victaliano P. Ribeiro de Souza.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenhairo director geral
daa Obras Publicas e de cooformidade com a or-
dem da presrieucia da provincia de hontern da-
tada, faco publico que no dia 22 de Setembro pr-
ximo vindouro, ao uieio da, na mesma repartico,
recebe-se propostas para execujo dos reparos pre-
cisos na Casa de Detengan, oreados em 11:5854100.
O orcamento e as clausulas especiaea para o
contracto acbam-se nesta secretaria e sero apre-
aontado a aquelles que pretenderen) arrematar a
mesma 8obra, de accordo com o que dispoe oa arta.
70 a 73, 89 e 90, 92. 97 a 101, 106, 115 e 116, do
regulamento de 20 de Junho do crrante aono.
Seeretaria la Repartico daa Obras Publica a
em 30 de Agoato de 1887.
O engenhairo aecretario,
Joaquim Gimes de Oliveira e Silva.
14503 14510 14d12 1:5:6 I45l8 14521
14531 14532 1453S 14512 14543 14547
14550 14553 14555 14558 14571
! ;->>2 14592 14593 14594 14597 14598
14602 14604 14609 14622 14624 14325
14626 14627 14629 14633 i4636 14650
14651 14 i 14338 14370 14673 1467.3 14677
14680 14683 14634 14639 14690 14693
14691 14695 14696 4707 14710 14713
14718 14719.147 i.0 14723 14725 14730
147.31 4732 14733 U742 14717 14752
14755 14753 14763 14770 14775 14773
14780 ..4783 14785 14787 14788 14789
14791 14793 14794 14803 14807 14814
14812 14818 14819 14822 .........
Kecife, 2 de Setembro de 1887.
O gerente,
Felino D. Ferreira Codho.
*acta 'asa de Misericordia do
Itecife
Por esta secretaria sao chamados es parentes
ou protectores das menores abaixo declaradas,
par.-., at o dia 30 do corrente, apresental-as no
coilegio das tirphas, afim ue serem abi aJmittidas.
visto acharem-se inscriptas em primeiro lugar, no
respectivo quadro.
Laura, filha de Miguel de Souza Galvo e Isa-
bol Maria da Silva Galvo.
Sydroma, filha de Cosme Damio Feiippe da
Silva e Constancia Maria do Carmo.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 16 de Julho de 1887.
O escrivo interino,
Prancisco Gomes Castellao
Estrada de ferro do Ribciro ao
Bonito
Pelo presente faco saber aoa Srs. accioniatas
desta empreza, que apenas realisaram a 3. en-
trada de 10 /. de suas accoes, conatantea das cau-
tellas ns. 19, 28, 29, 34 e 35, que em virtude do
diapoato no n. 1 do art. 9 dos estatutos, fica-lhes
marcado o praso de 30 dias, a contar de 16 do cor-
rete mez, pira realizaren) a 4.* entrada de anas
aegoes com a multa de 20 "/,.
Oatroaim, o accionista que nao realisar suas en-
tradas no praso determin>; i um beneficio
da empresa as entradas que j tenba feito.
Recife, II de Agosto de 1887.
Jos Bellarmino Pereira de Mello,
O director secretario.
DO
BRASIL
Capital 30,000:000*
Idem realisado 10,000:000^
A caixa filial d'es'-e Banco funccior.audo tem-
porariamente ra d) Commcrbio n. 38, saca,
vista ou apraz i, c;n(ra os 3 .-guintes correspoa-
dcnt;'s no astraxtgeira -.
Londres......... s/N. M. R ithsehil A Sons.
........... De Rothsehild Prrca.
;urgo.......
Berlim..........
:ire........
Frankfurt s,
ia.......
Boma...........
Gtonova........
1.........
mais 34rJ
ciJades de Ita-
lia............
Madrid..........
Barcelona.......
Uadiz...........
Malaga. ,.......
UM......
Valencia e oatras
les da lies
panba e ilhas
Canarias......
Lisboa.........\
Porto e mais ci- f
dales de Por-
I...J
tugal e ilhas.
Buenos-Ayrea... .)
Montevideo......)
Nova York......
Deutsche Bank."
Banq'je 'Anvera.
* Banc Genrale c saas
agencias.
Banco Hyp^ tecario de
.ua e auas agen-
cias.
Banco de Portugal
suas agencias.
Kemocao
Estrafla fle ferro flo RiliBrao
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr engeofceiro director ge
ral das obras publicas e de conformidade con a
autorisa^o de S. Exc. o*Sr. presidente da provin-
cia de 3 do corrente, fac 1 publico que ao dia 29,
ao meio dia, na referida repartico, recebe-se
propostas para a 1 xecufo da obra de reparos da
ponte doa Carvalhos, sobre o rio Jaboatao, orea-
dos em 4:489*485.
O orcameoto e as clausulas especiaea do con-
trato chara se nesta secretarla para serem exami-
nados por aquelles qae pretenderem arrematar a
mesma obra, de accordo com o qae dispoe os arts-
70 a 73, 89 e 90,92, 97 a 101, 106, 115 e 116 do
regulamento de 20 da Juuho do corrente anno.
Secretaria da repartico das obras publicas, em
9 de Setembro de 1887.O engeoheir secretario
Joaqmm Gomes de Oliveira e Silva.
O administrador da Recebedoria Provincial
fs publico, para c nbecimento dos interessados,
qae por portara n. 1141, expedida pelo Illm. Sr.
l)r. inspector do Thesouro e a 31 de Agosto ulti-
mo, fica proregado at o dia 15 do corrate o pra
ao da cbranos, livre de malta, das annuidadea e
mais servais do Recife Drainage Company rela-
tivos ao 8* sesowtre do exercicio de 1887.
Francisco 4. de Carvsitao Monra.
Por deliberado da directora sao chamados os
Srs. aecinistas desta empresa, para no praso de
60 dias a contar de 4 do crrente mez, realiaarem
a 7' entrada de 10 % de suas acedes nos termos
do nico do art. 4 dos estatutos.
Recife, 3 de Agosto de 1887.
Jos Bellarmino Pereira de Mello,
Director-secretario.
Diligencias de Olinda
Hora rio
o
a
*
04
6 25
7.25
8.25
9.25
10.25
12.25
2.20
3.20
4.20
5.20
6.20
7.40
8.40
9.40
< BJ <
j 4* u m CU
6.45 6.45
7.45 7.45
8 45 8.45
9.45 9.45
10.45 10.45
12.45 12.45
2.40 2.40
3.40 3.40
4.40 4.40
5.40 5.40
6.40 6.40
8.00 8 00
9.0J 9.00
10.00 10.00
a
ja
o

7.05
8.05
9.0
10.05
11.05
1.05
3.0<*
4.00
5.00
6.00
7.00
8.20
9 20
10.20
treyos
Recife Olinda e vice-vema iBclusive
obond......... 300 rs.
Meninos at 12 annos inclusive o bond. 200 rs.
De ordem do Sr. Dr. inspector geral, se declara
professora publica Cirdolina Amelia da Paz,
remavida por portara da presidencia da provincia
de 22 de Agosto findo, da cadeira de Vicencia
para a do Porto de Gallinbas, que lbe fica mar-
cado o prazo de 60 diaa, a contar da data da dita
remoco, afim de assumir o respectivo exercicio.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 2 de Setembro de 1887.O aecretario,
Pergoitino S. de Araujo Gaivo.
COMPAirriFlGlp
0 escriptorio (Testa
companhia acha-se
unecionando no largo
de Pedro II, n. 77, 1.
anda i.
lnicumbc-sc median-
te contrato e a paga-
mento em prestares,
de construqjocs c re-
construyes de pre-
dios, cujos projectos c
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No escriptorio se en-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquary, tendo sem-
pre venda: tijolos
massigos de al venara,
ditos para ladrilhos,
diversos formatos, te-
lhas romanas, francs
zas, de capote com en -
caixe, de crista; eano-
e curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e tijolos fun-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas e cn-
comendas, no escripto-
rio central.
h Bank of the Ri-
ver Pate, Limited.
G. Amsick & C.
Compra saques sobre qualquer praca do impe-
rio e do estrangeiro.
Recebe dinbeiro em conta corrente de movi-
mento com juros a iazo de 2% ao anno e por le-
tras a prazo a juros conveucionados.
O gerente,
William M. Webster
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. eng<'nhiiro director geral
das Obras Publicas e de conformidade com a an-
torisacao de S. txc. o Sr. presidente da provincia
de 13 e 20 do correte, fago publico que no dia 15
de Setembro, ao meio dia, na mesma repartico,
reeebe-se propostns para exeen^ao dos reparos da
cadera da cid .de de Nazareth, oreados em......
426800, do predio provincial que serve de escola
publica na villa de Barreiros, na importancia de
5J62000 e dos de que necessita a cadeia aa cidade
de Goyanna, no valor de 2:977806.
Os ornamentos e clausulas especiaes para os
respetivos contratos a-ham se nesta secretaria
para serem examinados por aquelles qae praten-
derem arrematar as raesaian obras, de accordo com
o que dispoe os artigas 70 73, 89, 90, 92, 97
101, 106,115 o 116 ao regulamento de 20 de Junho
do corrente anno.
Secretaria da repart,So das Obras Publicas d
Pernambuco, em 27 de Agosto de 1887.
O engenheiro secretario,
Joaquim Gomes de Oliveira e Silva.
^
Compuniia
DE
Fia$o e tecidos de
Pernambuco
A directora 1 -z sciente acs senhores subscrip-
tores da nova amiaso de accoes para o levanta-
ment da fabrica na Torre, que fica marcado o
praso de 30 dias, desta data, para o pagamento
da segunda prestaco de 25 0/0, e autoriaado o
Sr. thesoureiro Jos Joo de Amorim Jnior, para
o recebimento, ra do Bom Jess n. 3.
Recife, 23 di Agosto de 1887.
Os directores
Manoel Jos da Silva Guimaries.
Huerique Saraiva,
Secretario.
Jos Joo de Amor i m Jnior,
Thesoureiro.
EMPREZA DO (iAZ
Pede-se aos Senho-
res consummidores que
queiram fazer qualquer
comunicaco ou recla-
maco, seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ma do mperador n
29, oiide tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrad jres
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, equando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
iins Carvalho,
Todos os recibos
desta empreza devena
ser passado em taldes
carimbados e firmados
pelo gerente sem o que
nao tero valor alguai.
George Windsor,
Gerente

V
.A
iX-.
I


Diario de PeroambuwiHuarta-feira 14 de Setembro de 1387


anta Casa de Misericordia do
Heclfe
Na secretaria da SanU Casa arreada M M-
tffdTSSS*-" n. 13 3- andar.
dem dem n. 44, l' *"><* 'J-
dem do Vigario Thenono u. 22, 1 andar.
dem dem n. 25, sobrado.
dem do Marque de Olinda n. 53, 3- andar.
dem do Apollo n. 24, 1- andar.
Ideo da Moda n. A'.
Ipem idem n. 47.
dem idem n. 49.
dem idem n. 37.
dem da Liogoeta n. 14, 1- andar.
Becco do Abreu n. 2, 2- andar.
Secretaria da Santa Casa de Misercordia do
Becife, 25 de Maio de 1887.
____________ O eacrivo intrioo,
Eleic&ode una piofeninir par nem-
hro do comelbo Iliterario
De ordem do Dr. inspector gem, declaro aos
professores pblicos de eosino primario effectivos
e vitalicios, quer de u quer de outro sexo, que
tendo de proceder-se a eleicao de um pro esjor
para memoro do conselho Iliterario, drvrin na
forma do art. Io das instrucces de 15 de Maio de
1885 e art 18 17 do regulamento interno das
escolaB, remetterem a esta secretaria at o da 14
de Novembro vindouro, os seus olcios.
Secretaria da instruccao publica de Pern^mbu
co, 1 de Agosto de 1837.O secretario,
Pergentioo S. de Araujo Galvio.
De hoje por diante os ;>re$os
des materiaes da Olaria a Vapor,
sero regulados pela tabella se
guite, sem descont:
Tjoliis grossos formato cora-
mam, milheiro 18$ Ditos for-
mato pequeo 16$ Tellias, mi-
lheiro 55$, Ladriihos de diver-
sos formatos 30/000,
Recife, 1 de Agsoto de 1887.
iitoiio Y. Mascneito FsitBSi.
GERENTE INTERINO-
Mi BMTlll)
um
Capital do Banco....... 1.000,000
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,00C
A contar desta data e at ulterior reso-
lucSo, conceder-se-ha juros de dous por
cento ao anuo, sobre os saldos do dinheiro
depositado em conta correte de movimen-
to no mesmo Banco.
Recebe-se tambera dinheiro em deposito
a juros por periodos determinados, ou su-
jeito ao aviso ptvio de trinta das para ser
retirado, mediante as condicSe de que se
dar conbecimento aos interesaados.
Pemamcuco, 23 de Maio de 1887.
Henry K, Oregory,
Gerente.
TOMMERGIO
Retrospecto commercial do mez
de Agosto de 188 9
Vamos boje nos oceupar dos factos mercantis
referentes ao mea de Agosto lindo.
As entradas para o nosao mercado, no indicado
mea, foram de 7.869 saceos com assucar e 11.285
saceos com ulgodo.
Em nal mes de 1886 as entradas consUram
apenas de 5.329 saceos com assucar, oa 2.540
saceos menos do que.no mez fiado, e 8.285 saccas
com algodo, on menos 3.000 saccas o que no
mes uliimo.
Os preces dos assucares mantiversmse ainla,
com pequeas hlterace, aos algarismoa do mes
anterior, attiogindo a media a 1*765 pjr 15 kilos.
O Igdao de 1" sorte do sertao foi cotado des-
de 6*800 at 6*400 por 15 kilos, sendo que esta
ultima cifra teude anda a declinar no mes de Se-
letnbro, em vista da posico pouco vaoujosa em
que se sustenta aquelle producto no mercado de
Liverpool.
E'pose ve I, poim, que com a nova safra, que
comeca, melborein os preces desses dous artigo* .
rendimento das reparticoes publicas no mes
ie Agosto findo, foi este :
AU'andega
Agosto de 1887 895:723*018
6 1886 689:073*948
Mais cm
1887
Agosto
de 1887
. 1886
Reeebedoria geral
Menos em 1887
Agosto da 1887
. 1886
liis em 1887
206:649*070
28:537*837
38:797*485
10:260*048
Correio
13:265*760
13:727*815
Reeebedoria Prsvineial
Agosto de 1887 115:293*845
. 1886 111:605*731
M.no. eml887
3:688*114
Sob a responsabilidade das companhias de va-
psree, que servem praca do Recife, esta :
Recebeu em Agosto de 1887 102:173*030
. > 1886 184:625-5650
llenos em Agosto de 1887
Expedio em Agosto do 1887
1886
Mais em Agosto de 1887
82:452*620
742:874*650
329:443*822
413:430*828
(A nossa praca recebeu mais, alm da quantia
cima, t 2.000).
A expedicao em Agosto findo, foi para :
Rio de Janeiro 205:363*400
Babia 12:0d0*000
Sergipe 4:825*240
Alagas 30:179*700
Fernando 4:944*660
Parabyba 28:050*1100
Rio Grande do Norte 70:208*190
Cear 236:803*46.1
Para e Amazonas 150:500*000
*
Segundo as ndicaces officiaes d bolsa os des-
contos de lettras da praca, no mez de Agosto Su-
do, regularan) de 8 a 9 "\a.

Conforme os prazos, efi'ectuaram-se transaccoes
com as seguintes pracas do imperio :
Rio Grande do Sol, 1 3/4 '/o-
S. Paulo, I 1/4 /
Rio de Janeiro, 14 /
Babia, 1|2 (.
Para, de 1/2 1 3/4 /
Sobre as pracas esteangeiras, os precos extre-
mos do cambio, foram estes :
Londresde 22 3/4 22 d.
Parsde 418 431 rs. o franco.
Uamburgode 517 5)5 rs. o R. M.
Portugalde 134 a 142 /o.
Foram laceadas sobre Londres 240.000, sen-
do pei bancos i 95 000 por particulares f
145.000.
*
rio mercado de ttulos foram vendidas :
Apoliee* geraes: 46 do valor de 1:000*000, ju-
rel de 5 o, a 945*000, 950*000 e 955*0"O cada
(JOMPANHIA
iJmperiai
ECITROI contra FOCO
E8T: 1803
Edificio t meroadorias
Taxat baixat
Fromplo pagamento de prejuo*
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. ^Ra do Contraer ci N. 5
COXTRA POGO
ftorth Briiish k Hercantile
CAPITAL
t:OOO.OOo de libras sterlinas
AQEN 1 Et
A donison Howie & C.
em casa do
SR. JOHN H BOXWELL
Ra do Coinmerco n 26.
SEGUROS
CONTRA FOGO
Me Liverpool & London & Giobe
INSURANCE COMPANY
H.
(OHIMMIIA DE SEGURO
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESSN 7
Segaron maritinia* e serreatres
Nestes ltimos a nica eompanhia nesta praca
que concede aos Srs. segurados isempco de paga-
mento de premio em cada stimo ann, o que
equivale ao descont annual de cerca de 15 por
cento em favor dos segurados.
l. nIoa A Brasillan Bank
Limited
Ra do Commercii n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca-
sa do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglese.______________
N0RTHERX
de Londres* e Aberdeen
s*jlco ilnnnreira (Ueiembro I**3>
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,34ij
ttecella annual i
Da premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John. H- Boxwell
urna, 2 do valor de 500*. a 475* cada urna, e urna
do valor de 600*, por 567*000.
A plices provinciaes: 47 do valor de 1:000*,
ao par, e diversas miudas, na importancia de....
14:200*, tambi-in ao par.
Lettras bypothecarias : 630 do valor de 100*,
sendo 539, om juros, a 94*5C0 cada urna, 50 a
91*500 e 36 a 91*000.
Aceoes decompanbias : 271 da Cempanhia ds
Beberibe, valor de 1004, a 155* ; 2 do Banco d
brasil, valer da 200*. a 240* ; e 50 da Compa-
nbia de Eiifiocao, sendo 20 do v^lor de 100*, a
65* e 30 do valor realisado de 70$ a 35*000.
*
Em Agosto findo foi o segainte o moviinento de
nosso porto :
Entradas do Exterior
21 Vapores, lotando 30:834 toneladas.
21 Navios de vela, I otan de 6:287
Entradas dos portos do Imperio
28 Vapores, lotando 27:510 toneladas.
14 Navios ce vela, lotando 3:251
Total das entradas
49 Vapores, lotando 58:344 toneladas-
35 Navios de vela, lotando 9:538
Resumindo as entradas e comparando, tetn-se:
Agosto 87
84 embarcacoes, lotando 67:882 tons.
Agosto 86
79 embarcacoes, lotando 57:619 tons
Agosto 87----------
Mais 5 embarcacao, lotando mais 10:263 tons.
Saludas para o Exterior
23 Vapores.
20 Navios de vela.
Sahidas para os portos do Imperio
25 Vapores.
16 Navios de vela.
Tatal das sahidas
48 Vapores.
86 Navios de vela.
Resumindo as sahidas e comparando, tem-se:
Agosto de 87 84 embarcacoes.
de 86 frl
Agosto de 87Mais 24 embarcacoes.
*
0MJUSJM
O mercado exportador, foi anda regular no mez
de Agosto findo, manteodo-se os precos, com pe-
queas alteracoes, do mes anterior.
Eotraram para o mercado :
Assucar :
Agosto de 1887 7:869 saceos
, de 1886 5:329 .
Mais em 1887
Algod&o :
Agosto de 1887
> de 1886
Mais em 1887
\guardente :
Aguato de 1887
de 1886
Mais em 1887
Alcool:
Agosto de 1887
Couros:
Agosto de 1887, por mar
Regularan) as veodas:
Assucar (com capa)Por 15
Branco3 superior
3. boa
3.a regalar
'4.a sorte
Somenos
Mascavado purgado bom
* regular
americano
BrutoRegular
Do c-mal
AlgodoPor 15 kilos:
i. sorte
< Mediano
2. sorte
AgurdentePar pipa :
A
AlcoolPor pipa :
A
GourosPor kilo.
Espichados
-e.code
. Vrrdes
MelPor pipa :
2:540
11:285 saccas
8:285 .
3:000
380 pipas
363 .
17 .
18 pipas
3:031
kilos :
2*800
2*600
2*400
2*100
1*750
l*6u0
1*400
*
1*100
850
2*900
2*700
2J500
2*200
1*850
1*750
1*500
1*200
1*150
*950
6*400 a 6.00
5*400 5*8(10
4*400 4*800
50*000
06*000
650 res.
&i551t'ris
300ris
40*000
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia lheulx Per-
nambacana
Ra do Comraeruio u 8
Ull DO COMM BOCIO >'. 9b I\IIIU
. Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em 1 *S4
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
li 31 de dezembro de t8H4
tfariiiiios..... .,10:000S00()
rerreslres,. 3K>:000$000
4 ICua do ( ominreio -
MARTIMOS
Pacilic Sleaai NavigalionLompanj
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Galicia
Espcra-se dos portos do
sul at o dia 15 de Se-
tembro seguindo para
a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete eos que d'ora
em diante seguirem tocaro em
Plynouth, o que facilitar che-
garem os passageiros com mai
brevidade a Londres.
Para carga, passagens, encommendas e din-
Seiro a frete tracta -e coro os
AGENTES
v ilson Sons A V., Limited
N. 14 RA DO COMMERCIO N 14
DampfschilTfahrts-GeselIschalt
O vapor Rio
Esperase de UAMBURGO.
por LISBOA, at o dia 15 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para passageiros e carga a frete tratase com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RA DO COMMERCIO N. 5
1* andar
s{A exportacio pela Alfandega tei a seguintc :
AbsucarExterior 2:260:701 kilos
Interior 971:415
Total
Em Agosto de 1886
Mais em 1887
AlgodoExterior
Interior
Total
Em Agosto de 1886
Mais em 1887
AgurdenteExterior
Interior
Total
Em Agosto de 1886
Mais em 1887
AlcoolInterior
CourosExterior
MelExterior
BorrachaExterior
CafExteiior
Carolos d'algodoExt.
CarrapateExterior
Interior
Total
Car vio animalInt.
Cera de carnaubaExt.
Int.
Total
Cocos (fruets)Exterior
Interior
Total
ColaExterior
Courinboa e pellesExt.
DoceExteiior
Interior
Total
Expauadores Iuterior
Paiinba de mandioca
Exterior
Interior
Total
Ferro velboExterior
Pi de algodoInterior
Medicamentos e drogas
IoUrior
Metaes diversosExt.
OssosExterior
O uro velboExterior
PaBsaros seceosExterior
PiassavaExterior
PrauckesExterior
Interior
Total
Prata velhaExterior
Queijo do sertao Interior
HapInterior
SalInterior
TamancosInterior
TraposEx terior
Uohas de boiExterior
Vassouras de piassava
Ioterior

O valor dessa exportacio,
dias dos precos mensaes, o
Assucar
Algodo
Agurdente
Alcool
Couros
Mel
Borracha
Caf
Carocos de algodSo
Carrapato
Carvo animal
Cera de carnauba
Cocos (fructa)
Cola
Courinhoi e pelles
Doce
3:232:116
887:655
2:344:461 .
1:475:439 kilos
108:014
1:583:453
1:168:436 *
415:017
32:071 litros
488:980
521:051
138:940 .
382:111
9:600 litros
120:081 kilos
6:415 litros
4:133 kilos
122 kilos
511:275
153:880 kilos
5:500
159:380
_70 .
23:5654
540 >
24:105
10:000
32:000
*42:000
18 kilos
91:887
83 kilos
2:015
2:098 '
~~80
2 saccas
832
834
52 toneladas
10 saceos
321 volamos
12:430 kilos
020:770
368:788 graos
1:800
18 volumes
69
16
85
1:223:960 graos
170 kilos
327 1/2 kilos
15:000 litros
60 duzas
41:000 kilos
25:000
50 dusiaa
calculado pelas me-
seguinte:
380:312*669
591:157*280
54:262*550
1:920*000
47:001*791
527*000
4:412*800
114*100
6:817*000
8:500*000
11*&0
7:874*300
3:364*0)0
14*400
77:188*950
2:098*000
United States & Brasil 1- S. C
0 paquete Finance
E' esperado dos portos d"
sul at o dia 26 de Setembro
depois da demora necessari*
seguir para
Haraohao, Para, Barbados, M
Thomaz e .\ew-Vork
Para carga, paasagens.e id latoeftilaa jdinheir
* frete, tracta-se com ><
AGENTES
0 rajuT Alllaita
Espcra-se de ey-4*or
News, at odia 4 o Ontu-
bro o qual seguir >epo b d
t.-tcora necosai'a p*ia
Baha, Rio de Janeiro e Mantos
rara carga, pasaageua, e encoounenCUs tra>:ia
ie com os
AGENTES
Hcnrv torcer i C.
1 8 RIJA DO COMMERCIO -N. 8
1 audat
(ilUllin RS REUNS
Companhia Pranccza de .\Tavea,a
eo a Vapor
Linha quinzenal entre o H"vre, Lis
boa, Pernainbuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
0 rapr Villa le PAiica
Co'umanduute Cliancerel
E' esper>ido da Europh
at o dia 21 di Setembro, se-
guindo depois da indinpen
savel demora para a Ba-
bia. Rio de Janeiro
e Mamo.
Roga-se aos Srs. iir.portadores de carga p-'loi
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de t
dias a contar do da descarga das alvareng. i.-
quer reclamace concernente a volumes, qu) po
vfntu > tenham seguido para os portos do sul,anc
de se poderem dar a tempo as providencias aezea
carias.
Expirado o referido prase a companbioa n se
-esponsabilisa por extravos.
Para carga, pai sagons, eucommendas e dinheire
a frete : trata-se com o
O vapor Ville de Cear
Com mandante Simn t
Espera-se dos Dorios do
sul ateo dia 18 de Setembro
seguindo depois da indis
pensavel demora para o Uu
re.
Conduz medico a bordo, de marcH*. rpida
e offerece exccllentes commodos e ptimo passa-
dio.
As paseagens poderlo ser tomaaas de aiitiana"
Recebe carga encommendas e paesageiros par
js quaes tem excellentes accommodaces.
Para carga, paesagens, encommendas dinheir j
a frete: trata-se com o
AGENTE
Angoste Labilie
9-RA DO COMMERCIO-9
Espanadores
Panuba de mandioca
(Vrro velbo
Fio de algodo
Medicamentos e drogas
Metaes diversos
Ossos
Ouro velbo
Paesaros cocos
Piassava
Prancli S
Prata velba
(J'H'i j i do sertao
Rap
Sal
Tamancos
Tmpos
Cubas de boi
Vaascuras de piassava
Total approximado
80*000
2:126*700
520* 100*1)0'
4:815*0110
6*3244264
3:936*010
14:34.-*720
9H0*'K*t
73*116
85*(XX)
2:7l9891
17-'* 655*000
127*500
288* KK)
1:107*"(X)
500*000
51*'/00
1.224:493* .41
IMPOBTa*0
O mercado importador esteve bastante animado
no mez de Agosto tindo.
Na rubricaImportacaoo rendimento foi de
801:378*678, contra 625:859*488 em igual rae de
1886, ou mais 175:519*190.
Os preces dos diversos artigos, em seguida rea
donados, aalvoa es descontos oinuiuos, foram os
segoiotes :
Albosde 120 a 140 ris a maunca.
Arrozde 2*450 2*560 o r 15 kilos.
Azeite de oliveiraa 3*1' 0 ogalo.
Bacalhiode 17*000 lb*0lK) por barrica.
Bauha de porcode 893 a 915 ris por kilo.
Batatasde 3*000 3*b0d por meia cana da
portuguesa.
Caf-de 12*000 16*'100 por 15 kilos.
Caneliade 1*400 a 1*500 por kilo.
Ceblasdi- HlO '0 p caixa.
Cerveia de 6* 10*500 por duzia de garrafas
ou botijas.
Chede 3*500 a 6* por kilo.
Cominhosde 17* a 18*000 por 15 kilos.
Farinba de mandiocade 2*500 2*600 por
sacco.
Farinba de trigoamericana de 17* 4 18* por
barrica ; e de Trieste dn 21* 25* por barrica.
Feijode 4* 84000 por sacco.
Oomma de mandiocade 2*600 a 3*000 por
15 kilos.
Herva-doctde 16*000a 17*500 por 15 kilos.
Massas alimentaresde 6*: 00 7* por caixa
Mauteigada franceza, em lata, de 1*635
1*706 por kilo; diveroas, de 2*398 a 2*616
por kilo.
Milhode 60 a 65 ris por kilo.
Passasde 8*500 1 > por caixa.
Pimenta da India-de 1* (50 1 *400 por kilo.
Queijosde 3*00 3*600 cada um do fia-
mengos
Saldo nacional de 800 900 ris por 100 litros.
Sardinhas-de 310 a 320 ris por lata de quarto.
Toucinbode 10* 13*00 por 15 k-los.
Vinagredo de Lisboa de 160* 170* por
pipa ; e do nacional 80*000 por pipa.
Vinbodo de Lisboa, de &>* 235* por pipa ;
do de Figueira, de 235* 24U* por pipa ; do de
t'.c'.te, 250* por pipa; do nacional, de 125*00
160*000 por pipa.
Xarque-do Rio da Prata, de 6*400 a 7*000
por 15 kilos ; % do nacional, de 4J00 a 6*00
por 15 kilos. a

Alpistede 4*800 5*000 por 13 kilos.
Brende 12* 14*000 p r barrica.
Carvo de pedra de 16*000 por tonelada
bordo.
Cera de carnaubade 3*800 6*000 par 15
kilos.
Cimentode 6*000 4 8*000 por barrica.
Courinbos e pellesde 40*000 130*000 o
ceuto, conforme a quabdade.
Fumode 10* 4 22*000 por 15 kilos, conforme
a qualidade.
Oraixaa 4*500 por 15 kilos.
Kerosenede 3*650 3*700 por lata.
Loucade 80* 120*0) or gigo.
Papel de embrulboOe 600 1*500 a resma.
conforme a qualidade.
Sebode 5* por 15 kilos.
Velas de 280 ris um masso das nacio-
naes, e de 540 900 ris cada masso das estran-
geiras.

Foram importado os seguintes genero al:men-
ticios, bebida e condimento:
Absinthu2 caixa.
BIES flAlilTIME
LINHA MENSAL
O paquete
C'ommandante roa
E' esperado dos portos de
sul at o dit 18 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux
tacando em
Bakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de todat
as classes que ba hipares reservados para esti
agencia, que podem tomar em qualqoer tempo.
Faz-se abatimonto de 15 /o em favor das fa
mi lias composta de 4 pessoas ao met.os e que pa-
gar%n 4 pasMigeus inteiras.
Pur exccpcito os criados de familias que torna-
rem bilbetes de proa, gosam tambem U'este abati-
mento.
t/s vales postaes s se do at e dia 16 pa^os
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinbvir
a frete : tracta-se com o
AGENTE
4upsle Lallle
9-RA DO COM MURCIO-9
COMlt.\UI. lElt.\Alfs?rCA.\a
DE
.avegaco coNteira por vapor
r-ORTOS DO SUL
acei, Penedo, Aracaj e Babia
0 vapor Jacuhype
Commandante Esteves
Segu no dia 1 5 dr
Si-t- mbro s 5 horae
da tarde.
Recebe carga at c
dia 14.
Ene jinmemlas, passagens e diubeiros frete aM
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pemambucaiia
n. 12
compivii.'i pnirAnlcma
DE
Vavesaeo Costeira por Vapor
Fernando de Noronba
O vapor Giqui
Comandan te Lobo
Segu no dia 16 de
Setembro pelas 12 bo
ras da manb.
Kecebe carga at <
_ldia 15.
Passag^..s at s 10 .oras da manha do dia da
partida.
ESCRiiTORIO
i't i Companhia Pernambn
cana n. l
Rio Grande de Sul e Pelotas
Segu c- m bri-vidsde para a portos cima a
barca naciouil Marianinka ; para o resto da car-
ga que falta trata se c un Baltar Oliveira & C.
Albos 338 canastras.
Am.-ixas41 eaixas.
Arroz pilad i4iK) saceos.
Aceite de oliveira10 barris 399 caixas.
Bacalh. 9.-02 barricas, 1.844 meias, 297 cai
zase 1. J25 tinas.
Bigrer seceos500.
Banba de porco !() barris.
Batatas 1.4 19 Caixas.
Biscoutos -11 caixas.
Bittrl caiza.
Caf2.128 saceos.
Cmnellt15 volumes.
Carne conservad.. 10 volumes.
Ceblas660 caixas.
Ccrveja7-4 oa'xis e 25 barricas e barris.
Ovada10 barricas.
Cevadinha15 garrates.
Cn49 volumes.
Ch.inpagne 30 caixas.
Chocolate5 caixas.
Cidra50 caixas.
Cocos-8.900.
Cognac356 caixas e 1 barril.
Cinservas181 caixas.
Cravo 3 saceos.
Doces 6 caixas.
Farioha de trigo12 652 barrica.
Folhas de bur27 saceos.
FrucUs94 volumes.
Genebra250 caixas.
(omina d-- mandioca23 volumes.
Girims1.400.
II-rva-doceS saceos.
Legumes5 volumes.
Licores 4 caixas.
Maizeua 120 caizae.
Mauteiga507 barra, 775 meiose 476 caixas.
Massas alimentares310 caixas.
Milho1.000 saceos.
Mo.'tadellas2 caixas.
Mostaida2 caixas.
Peixe de conserva25 volumes e 6 barris.
Pimenta da India60 saceos.
Presuntos9 caixas.
Provisocs46 caixas.
Quijos367 caixas.
Sag15 garrafes.
Sal382.200 litros e 200 alqueires.
Salpicoes12 canas.
Sardinhas39 caixas.
Tapioca44 volumes.
Toucinbo165 barris.
Vinagre25 pipas, 25quin os e 42 barris.
Vnho23 p'p*s, 499 quintos, 267 decimos,
417 barris e 3.080 caixas.
Xrque 442.5v0 kilogrammas e mais 12.136
tardo-.
Ver.nutb1 caixa.
Wiskey50 caixas.
*
Entraram mais os artigos seguintes :
Agua ras1 caixa.
Alcatrio30 barris.
Alpiste100 voiuoes.
Azrite de palma20 barris.
Azeite de peixe14 Darris.
Rameas barris vasioa1.139 e mais 120
volumes desmanchados.
Barrilhi350 tambores.
Borracha288 yoiumes.
Breu1.671 barricas.
Cabos24 volumes.
Cal290 barricas.
Calcados36 c-tixo"8.
Carrapato147 volunes.
Carvo de pedra2.844 toneladas.
CavHllos5.
Ceras de carnauba525 volumes.
Chapeos38 fardo a.
Charutos16 caixas.
Chumbodo de muoicSo 160 barr.
Cimento1.750 barricas.
Cobre80 volumes.
Coke21 toneladas.
Crdas1 fardo e mais 300 avulsas.
Courinbos e pelles373 fardor.
Couros3.031.
Drogas e medicamentos28^ volumes.
Enxofre32 barricas.
Estaoho8 volumes.
Esteiras120 volumes.
Estopa 212 fardos.
Farello1.587 saceos.
Fenno14 saceos.
FerroEm ac, 50 cunhetea e 65 feixe; em
arcos, 550 tein's ; em narra, 1.718 e mais 836 fei-
ses ; em caonos, 23; em correntes, 15 barricas ;
em Diadas, 101 barricas ; em ferragens diversas,
470 volumes; em foges, fogareiros e chapas para
lies, 340 volumes e pecas ; em foi ha, 60 e mai*
16 volumes; em flaudre, 305 cunheies; gusa, 30
toneladas; em pas, 30 f. ixes; em prego, 361 vo-
fc-OYAL 1AIL STEAM PACBT
COMPANY
0 paquete Mondego
E esperado
do sul no dia 15 de
corrente seguindo
depois da demora
neceesaria para
0. 'cente, Lisboa, Vigo e Son
thainpton
Redcelo de passagem
Ida Ida c volta
A' 'outhampton 1 classe 28 42
Camarotes res rvados para os passigeiros de
Pernambnco.
r*am passagens, fretes, etc., tracta-se -ai os
Consignatarios
AniorimIrmos &C.
-. 3- RA DO BOM JESS N. 3
Companhia Uaiiana fue navega-
Co a Vs'por
PORTOS DO SUL
Mac-ii, Villa Nova, irenedo, Aracaj,
Estancia p Balda
0 vapor Sergipe
Ccmmandante Pedro Vigna
E' esperado dos oorroc aci -
na at o dia 15 de Setembro
e regressar para os mes-
mos, depois da demora do cos-
tume.
Para carga, pa8sagens,encominendas e dinhei'O
a frete tracta-se na agencia
PORTOS UO NORTE
Micft,Lfosor, AracatvcCear
o
T
Cammandante J. J. Codho
Este vapor sahi -
r para os portos
cima indicados,
no dia 14 do cor-
rente, s 2 horas
Ja tai de.
Recebe carira nicamente ate ao meio da do
referido da 14.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7tiua do Vigario7
Dominas Alves Matheas
Lelae
De um excelente bilhar e seus pertences (novo),
1 tapete de coco forro de urna sala graude.2 guar-
da-loucas novos, 2 mobilias e 2 pianos.
uinta feira, 15 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem da ra do Mrquez de Olindz
n. 52
Por occasiao do leillo de predios e ter-
renos
t.r
lumrs ; em tHXts, '0 ; e.n machinas, apparelbos,
etc, etc., 7.016 volumes e pecas.
Fio de linho e algodo274 volumes.
Fumo698 volumes.
Garrafas, b dijts e garrafes vasios 980 volu-
mes e mais 1.900 avnlaos.
Grana688 pipas e 7 caitas.
Jangadxs -105.
K-rosene3.587 caixas.
Linhas16l caixas.
Lona21 fardos.
Louca 421 volumes.
M->deiras14.500 acbas de lenha,368 eucha-
io, 105 pranci.js, 110 tr.ives, 9 taboas e 335.322
ps de diversas.
Marmrea e pedras5 volumes c mais 106 p-
dras de amollar.
Mercadorias diversas2.506 volumes.
Movis9 volumes.
Ocre21 volumes.
Oleo117 volumes.
Polka de carnauba1.550 mlbos.
Panno de algodo do pas-897 fardo.
Papel95 caixas e 2.260 fardos.
Perfumaras33 caixas.
Pennas de aves1 volume.
Pbosphoros359 caixes.
Pianos5 volumes.
Piassavai.. 59 mlbos.
Piche3 barris.
Pipas vasias291.
Plvora100 barris.
Potassa10 barris.
Salitre90 barricas.
Sesoentes1 volosse.
Sebo3.117 barris.
Soda101 tambores
Sola551 meios e mais 1 volume.
Tamancos4 lardos.
Tecidos2.293 volumes.
Telhas32 volumes.
Tmtas207 volumes.
Trapos1 fardo.
Typos1 caixa.
Velas171 caixa.
Vidros137 volumes.
Vimeem obras, 2 volume.
Zinco1 barrica.
REVISTA COMMERCIAL
Da emana de 5 a O de Wciemltro
de I88V
Cambio sobre Ro de Janeiro A 15 d/v 1/2
/o de descontr.
Cambio sebre Babia Nao hoove cotacao.
Cambio sobre Santos Idom idem.
Cambio sobre Rio Grande do Suldem idem.
Cambio sobre PortoAlegredem idem.
Combio sobre Pelotas A 90 d/v 2 '/o de des-
cont.
Cambio ssbre ParNao honve cotacao.
cont.
Cambio sobre S. Pao I jA 60 d/v 1 1/4 / de
descont.
Cambio sobre Londres A 90 d/v 22 3/4 e 22
15/16 s vista 22 9/16 d/s por 1*000 do Banco.
Cambio sobre Pars A' vista 421 rs. o franco.
Cambio sobre"Hamburgo Nao houve cotacao.
Cambio sobre Portugal e LisboaA' vista 136
"Ja de premio do Banco.
Cambio sobre PortoNao bou ve cotaoao.
Cambio sobre Montevideo dem idem.
Cambio sobr' Buenos AyresIiem idem.
Apolices da divida publica de 5%Venderam-
se 9 apolices geraes a 950i cada cont de ris.
Ditas provinciaes de 7 % Nao coustoa co;i-
cooffijial.
Companhia Segure Indemnisadoradem idem.
Companhia Phenixdem idem.
Companhia Seguro Anfthrite dem idem.
Companhia PernambucanaIiem idem.
Companhia Fiaco e Tecidosdem idem.
Companhia do Beberibe -dem idem.
Companhia de Santa Therezadem idem
Companhia de Oiinda a Beberibe dem idem.
Companhia de Edificaces Venderam-se 10
acedes de valor realisado de 70 a 354 cada urna.
Companhia Usina PintoNao constou cstacao
oficial.
Banco de Crdito Real de PernambncoVende-
ram-se 10 accSes do valor realisado de 60* a 80*
eada orna.
Descoutojde lettrasNada constou oficialmente.
Lettras bypothecarias Veoderam-se 11 d
actual semestre a 91*000 cada urna,
teeron naelooae
Agurdente As vendas foram de 49* a 50* a
pipa de 480 litros. ... .,
Alcool-dem idem de 93* a 95*, a pipa dem.
Assucar Inttanm 3620 saceos Venda,
branco de 1*800 a 2*300, wao de lm>
1*500, mascavado de 1*100 a 1**00, bruto <*^

I



Diario de PernambncoQuprta-feira 14 de Setembro de 1887
)



De boas movis, 1 piano de Pleyel, qui-
dros e 1 fog&o inglez
A saber :
Uma m b'li preta com cons >los de pedra, 1
di'a de juneo, com cadeiras de balauco e Cune-
los com pedra, I piano torte de Pleyel, 1 cad-ira
para o irn-smo, 1 capa para pian, 1 porta-mu>
Cas, de Jacaranda, 1 espelho oval, jarros d<-
alabastro, diversos jarros, 4 quadr s, 4 etageres,
tacfai e i us pertencea, 2 veneiiauaa, 2 escar-
radeims, l relotio deaperlador, 1 cima tran.-esa
de pao crga, 1 cabide de columna e 1 colxo para
cama.
Urna mea elstica de amarello, 2 aparadores
grandes de caixa, 1 sof de amarello. 2 consolos,
I lenas de faia, 2 cadeiras de btlanco de ama-
rello, 1 marquesa., 3 ve'o-ipeies, 1 rale de
ierro para poita, 1 uiaehiua de liinpar facas, 1
suban, 1 carriubo para crin.sca, 1 ei.vallo sobre
rodas, 1 pudra inane re para mesa, 1 galinheiro
di; Ierro a 1 fogo ingles.
Quintn fcira 1~> do corrente
As 11 horas
No 1* andar do sobrado n. 45 na ra da
Aurora
O agerro Martina fai leilo dna movis e mais
objectos cima deacriptoa, oa qoaea se athatn bem
conservados e sero vendidos ao correr do mar-
,ello.
AVISOS DIVERSOS
Na anemias
Caj pura .
nico reconstituate a Agua de
A.ugu-sc caaaa a 8*(H<0 no Recen duB Ce*
aos, junto de S. Goncallo : a tratar na na d>
Irnperatns n. 5fi.
Aluga se por 10000 a Casa n 21 na Var
sea, defionte da estaca >, com arinaci ; a tratar
na ra da Imp. ra'rii n. 56.
Leilo
a
De uma easa terrea ua do Coronel Suas-
sun i n. 57, a qual rende 240jJ.
Um sitio cm cbo proprio, em Beberibe
de Baixo ra da Rpgnnr -yao, cora 50
palmos de trente e 4i0 de fundo.
Quinta felra, 15 do corrente
A MEIO DA
Agente Pinto
No armazjirj ra do Mrquez de O'inda
n. 52
Por occasi) do IoiISj d' m 'Veis, qnadros, vidros
urna ca si com latas de manteiea.
Leilo
De um excedente bilhar e seus pjrtenccs (novo).
um tapete de c.-o fjrro de uina sala grande, dous
guarda-loucas, no vos, dous mobilias e dona pia-
U(S.
Quinta felra. IG do corrente
A'b 11 horas
FOX INTERVEN*'O DO AQENTE
Pinto
N armazem ra do Mrquez de Oliu da
n. 52.
Poi occasio do leilo de predios e terrenos.
Leilo
cria
uma c
de 15
ixa de
corrente
De uma vacca tourina, com
das, um motor pequeo e
msica.
Quinta felra, 15 do
A's 11 horas
Agente Pinto
Na ra do Mrquez de Olinda n. 52
Por occasio do leilo de movis, alcatifa e uma
casa terrea
a 1*000, rtame de 700 a800rs. por 15 kilos,
mercado frouzo.
AlgodoEntraran)7,351 saccas dem de
6*300 a 453 0 de 1 e 2 ajrte os 15 kilos, mer-
cado frouzo.
Arroz em cascaSe mantm o retalho de 4* a
ifiOJ o sacco
CafSe mantm o retalho de 13*000 a 16*500
os 15 kilos.
Ceblas do Rio Grande do SalSem existencia.
Cera de CarnaubaCotamos pjr lotes de 3*500
a 5*500 os 15 kilos.
Couros salgados seceosAs vendas forana de 505
rs, o kilo.
Couros verdes Cotamos ncminalinente a 300
rs. o kilo.
Cerveja nacionalO retalho de 6* a daxia de
1/2 e 5* a de 1/1 (embarncadaV
Fannba de mandiocaO retalho de 2*500 a
12*600 o sacco, fez-ie venda de um lote para ex-
portarlo a 2*250 o sacco.
FumoSe mantm o retalho de 6* s 15* os 15
s em tolha) e de 16* a 32*CDO (em corda)
Compra-ee uma casa terna na roa da As-
aumpcao ou Santa Cecilia ; a tratar na ra do
Mrquez de Oliodi n. 3, loja.
Nao ha quem nao aaioa que no tempo do caj
f millas uteiras acan,pam d-baixo dos caj iros
d'oode eabem nidios e anafadaa, nutrind .-s< ex-
ciuaivameuti' de producto doa meamos caju'-irns.
Aluga-se o ajorado n 81 ra de Maicillo
Dixs, e o 2o andar do aobrado n. 22 ra eat.eita
io Koaario ; a fallar com o Pinheiro ra da Paz
numero 42.
fuga ae por 16*50 a caga terrea u. 5 i
ra doa Peacadores, liuipa, com 2 calad, 2 qUKrtos,
cosiuha frn e quintal pequeo.
Aluea-se quartoa mubiliadps, ra de Joa-
quim Nabuo n. 9, C-puog; tambem se recebe
pi iirionistas.
Preciaa-8 (le uma perita cosinhi-ira qu>- v
eoaprar e que durma em casa ; ra de Joajuim
Nahuco n. 9, Capuana.
Preriaa-ae de uma cosinheira, na ra da Ma
ti ix da Bd Vista n. 9.______________________
s Eotre duas cstaces Cruz das Almas, alu*
ga-se uma casa propria para ratrangrire, com to*
.: a >.a a;commodaco4? em frente da chcara do
Sr. Thon : a tratar na ra 1 de Warc n. 25,
lija de joias.
A agua pura de Caj (o nome o diz) nao tein
droga nenhuma nociva, apias o sumo da me
dieiual frneta conservado.
= t ab'iizii assigoado, tend > de retirar-as
pura o cf nfro da provincia, ven le um grande s'tio
no Salga iinho com urna legoa de trra, com duas
rasas de pedra r cal e umi de taipa coberta de
t'lhaa ; aa c>-sas de pedra e cal, uma tem 2 silas,
4 quartos, despensa e eo-inba ; a outra tem 2
salas, 4 quartns, soto com 3 quartos e um miran-
te com 5janellus, concertadas, caiadas e pinta
das de novo, grande estribara, cacimba com duas
bombaa, um viveiro, grandes baixas para capim,
tres nos, grande quantidade de arvores fructfe-
ras, sendo sopotas, romeiras e outrs fructas.
O sitio principia dos tnibos urbanos de Olinda
C lida em Beberibe, rio do Peixinbo, o qual
pro:.rio para rlantaces, crincaj e soltas de gado,
e es' todo cercado.
O mesmo abaixo assignado vende um gruude
sitio n'Aua-Fria de Beberibe, com uma eas* de
pedra e cal e quatro ditas de taipa obertas de
re has, sendo tres acabadas de novo e anda nao
hibitadas ; a casa de pedra e cal tem 2 aalas, 1
gab'nef, 4 quartos, despensa, cosinhs, estribara,
cacimba com muito b >a agua de beber, riacho
orrrnt-* e bauheiro, grande baixa de capim, gran
de qnantdade de arvores fructferas, como laran-
jeiras, romeiras, sapotas, abacates e outra fruc-
tas, todo cercado, tendo na frente g'ad^amento
de ferro e pcr'.ao.
Vende uui gr..nie sitio na estrada dos Afflictos.
c despensa e cosioha, cacimba, um grande pomar
de laranjeiras e outroa mnites arvoredos de diver-
sas fructas : quem pretender ditos sitios, dirijam -
se ao sitio de Agua-Fra, a tratar cora o abaixo
assigoado.
Flavio Ferreira CatSo.
Quem deixar de convalescer crear appetite, e
engordar para evitar gastar alguna mil ris na
deliciosa bebida Agua de Caj pura.
Precisa-se de ussa ama para coaiuha e mais
serviejs, para casa de tres pessoas ; a tratar na
roa da Hraia o. 12.
15*000 menaaes o 1- andar da ra do Pa-
dre Flonaoo n. 69, dando fiador idneo, p.ra ver
as chaves na leja ; a tratar na ra do Pilar nu
mero 125.
- Criado ; prensa se (te um no largo da Pe-
nba n. 33, hotel.
Aluga se por 18* ICO menaaes a casa n. 11
da ra do Caiabouco, com 2 salas, 2 qiartos, cor-
redor independente : a tratar na ra das Trin-
cheiras n. 17, loj*. _____
Preei a se da uma pesaoa de idade para o
servico de uma casa de familia composta de inari
do o mulher ; a tratar na ru do Queimado n. 46,
' jj_________________________________________
Aluga-se pir 14*000 menaaes a casa n 13
do caes do Gasmetro, com 2 aalas, 2 quartos, co
suiha e quintal; a*tratar ua ra das Truich iras
n. 17, loja.
Precisa-se de criado para vender tabjleiro :
na ra da matriz da Boa-Vista n. 3
Quem precisar de uma senhora habilitada
para ensinar bem primeras lettraa, portugu z,
fr^ncez, msica, pino, flores tap'Ciri, dirja-
se A na do Mrquez do derval u 23, loja, que
chara cot qu-m tratar. Na mesma uasa venae
se cinco qnadros naito bonitos da historia roma-
na ; tambem se dir quem aluga a casa do pat^o
de S. Pedro, em Olinda n. 2, (Ma commodos para
grande famili, muito fr. sea, 000 gaz e agua, em
exceliente posicao. ^^^^^^^
Ao commercic
Declaro que co-npn i ao Sr. Manoel de Azevedo
Cruz a taverna sita ua de Qervaaio Pires n.
13H, livre e desembarazada de qu^lquer onus ou
deoito ; se alguem se julgar credor, queira appa-
recer nj prazo de tres das. Kecife, l de Setem-
bro do 1887.
Miguel Marcelino d* Ciata.
Costupeiras
No pateo do Livrameoto n. 27, andar, cose
se com perfeicii roupas de alfaiate, e assim como
vestidos por figurinor.
Agencia de cobranzas
So paieu to Mvramenlo a. %1
Ei Bi.rn ga-se de cobr-mcas.
t
>o llies Hacharlo Wuimaron
O pa (auaeute), a viuva, os irmi s e as cuoba-
das de Jos Alves Machado Quimares, agrade-
em sinceramente a todos os parentes e amigas
que acompanbaram os restos mirtaes do fallecido
ao cemiterio publico ; e de nevj os coovidam para
asaiatrtm a uma misaa qie p >r tu alma mandam
celebrar na matuz de -anta Antonio, s 7 \\
horas do oa 15 do corrente, stimo de seu falle
cim-n'o
'V'">
DE
WOLFF&
N. 4-BITA DO DABGA'--1.4
Antonio
Kranc- lina
va Maduro
Cardoso Maduro e
da CwNia *
Mara de Jess
suas fihaa, co ividam as pessoas de sua amizade
e parentea e aos amigoa de seu sempre lembrado
marido Antonio da C sta Silva Maduro, para as-
sistirem a missa que mand-im reaar por sua alma
no convento de i. Francisco, pelas 7 1/2 horas do
dia 16 do corrente mes, 1- anniversano de seu
laiircimento ; pelo que antecipam seus agradeci-
menr m
Ama
Precisa-se de uma ama para cosiohar
de Pedro Alfonso n. 58, antiga da Praia.
na ra
Ana
Precisa-se de duas amas, para comprar e cosi-
nbar ; na ra de Pedro Alfonso n 22, e na roa
do Rosario da Bia V'8fan. 53. 2' andar.
Ama
Precisa-se de nma rapariga para cuidar de
uma enanca ; na ra das Crioulas (Capunga) nu-
mero 2-B.
CASA A FORTUNA
Aos 12:(!00$000
III heles garantidos
23 RA PRIMUIRO DE MARQO -23
Da 9a lotera da provincia venderam
.Martina Fiuza & C. os seguintes premios
garantidos :
3725
2566
3101
2932
A haro-te venda os afortunados b
Ibetes garantidos da 10* lotera da provin-
cia em beae*icio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se extrahir quan
do for annuciada.
-
D. tnna Joaquina de Miranda
Brtlo
Maria das Neves de Miranda Oliveira, au .s fi-
lbas, seu irma.i, M iria Leopoldina de Miranda
Guimares, Leopoldina Maria de Miranda (Jui-
maraes e Geminian i Josquim de Miranda, convi-
dara a seus parenres e amigos para fazerem a
cari lade de ouvir uma missa na igreja do conven-
to de N. S do Carmo, no di- 16, s 7 1|2 horas,
por alma de sua mana, ta e irmS, Anna Joaqui-
na d- Mirind- Rnf i, falhc'da em Lisboa.
1:000,51000
500*000
2004O
50^000
os afortunados
cotirarme a quslidade e procedencia.
Gomina de mandiocaSe mantm o retalho de
2*200 a 2*400 os 15 kilos.
Graixa do Rio Grande do Sul Contina a co
tacto nominal de 3*800 a 4*000 os 15 kilos.
Gordara do Rio da Prata Contina a cotacSo
nominal do 4*200 os 15 kilos.
Genebra nacionalSe mantm o retalho de....
3*80( a 9*500 a caixa conforme a oaalidade.
Mel Bem existencia.
Milno Se mantm o retalho de 45 a 50 rs. o
kilo.
Pelles cortidasAs vendas feram de 40* a 80*
o cento.
dem em cabello As vendas foram de 125* o
cento das de cabra.
Sal do Ass e Mossor Chegaram 2 carrega-
rnentos, as vendas foram de 900 rs. (os 100 litros.
Sebo cusdoContinua a eotacao nominal de ...
4*400 a4*800 os 15 kilos.
TapiocaSe mantm o retalho de 3* a J300
os 15 kilos liquido.
Velas stearinas do Riodem de 280 rs. o mas-
to liquido.
dem idem da provincia dem de 200 rs. o
masso liquido.
Vinagre do Riodem de 8C a pipa.
Vinho do Rio dem de 125* a 160* a pipa.
Xarque do Rio Grande do SolDeposito 9,000
arrobas, que se retalha de 4*500 a 5*800 cada
uma.
(.eneros ealranteirn*
Alfazema Ainda o mercado pouco supprido o
retalho de 8*500 os 15 kilos.
Arroz da India O retalho de 2*500 os 15
KlOS.
AlpisteO retalho de 4*700 a 4*800 os 15
kilos.
Azeite de oliveira em barrisSem existencia.
Dito de dita em latas O retalho de 15*500
a 15*800 a lata.
BacalhoDeposito 13.000 barricas, que se re-
:alha de 19*500 a 20*000 cada urna.
i-.nha de porcoSe mantm o retalho de 110 a
420 rs. a libra.
Batatas portugnerasBaixou o retslho para..
3*400 a 1/2 caixa.
Ditas Inglesas Continua sem existencia no
mercado.
Ditas francezasSubi o retalho para 1*000 a
t/2 caixa.
BrenContinuamos a cotar de 12* a 14*000 a
larrica conforme a qoalidade.
C:.r<-o de pedraSe mautm o retalho de....
16* por tonelada.
Caadla dem de 1*450 a 1*500] os 16 kilos
nlorme a qnalidade.
CeblasI lem de 9* a 10* a caixa conforme a
qoalidade.
Cervejasdem de 6* a 10* a duzia conforme
a qnalidade e procedencia.
Cimentodem idem de 61 a 8* a barrica, con-
orme o fabricante e peso.
Cominhosdem idem de 17*503 os 15 kilos.
Cravo da Indiadem dem de 2i500o kilo.
Farinba de trigo Deposito 17,000 barricas, que
se retalha de 16*500 a 17*000 a americana e
19*500 a 22*000 pela de Triestre, cada barrica.
FeijaoContina o retalho de 4* a 9* o sacco
conforme a quaiidade e procedencia.
Garratoea vasiosSabio o retalho de 450 a ...
1*500 conforme a capacidade dellee.
Doces em calda Cmtinua o retalho a750 rs.
a lata.
Farello do Rio da PrataIdeo. dem de 4*200
o sacco. ^^^
Dito de Lisboadem, dem para 4*200 e ...
4*400 idem.
4ebra-0 retalho de 4*000 a 14fl00 a cai-
*tfonforme a qnalidade e procedencia.
Herva doceSem altesacao o retalho de ...
17*500 os 15 kilos.
Kerosene Deposito 4,000 cuixas o retalho nao
alterou |de 3*30 a 3*400 late liquido.
Louca ingleza ordinariadem, idem de 80* a
125* o gigo conforme a qualidade e sortimeoto.
Massa de tomite Mercado pouco supprido o
retalho nao alterou de 900 rs. a libra.
Manteiga francesa em barrilNao alterou o re-
talho de 790 a 8U0 rs. a libra.
Dita em latas dem, idem de 1*100 a 1*200
a libra.
Maasaa italianas I lem idem de 5* a 7*0 0 a
caixa conforme a qnalidade.
Oleo delinhacadem idem de 1*700 o galio
(em barril).
Passas communsdem idem de 8*500 a 9*000
a caixa conforme a qoalidade.
Ditas finas Id m idem de 10*000 a caixa.
fu pe de embrulbodem idem de 580 a 1*450
a resma conforme a qualidado e dimensio.
Pimecte da ludia dem dem de 1*350 a
1J40 o kilo.
Plvora inglezadem idem a 2<)* o barril.
Qu-ijos-dem idem de 3*200 a 3*400 um.
Sardinhasdem idem de 310 a 320 o 1|4 con-
forme a qualidade e procedencia.
Toucinbo de Lisboadem idem do 10* oa 15
kilos.
Dito americanodem idem de 12* a 12*500
os 15 kilos.
Velas stearinasdem idem de 550 a 900 rs. o
masso conforme os tamaitos e qualidade.
Vinagre de Lisboadem idem de 150* a ....
170* a pipa conforme a qualidade.
Vinho de Lisboadem idem de 220* a 230*
a dita conforme a qoalidade.
Dito francsSem existencia no mercado.
Dito Figueira O retalho de 225* a 240* a
dita conforme a qualidade.
Xarque do Rio da PrataDeposito 36.000 ar-
robas que se retalha de 5*000 a 6*600 cada uma. r
Boina ommerelai
IJOTAgKS OFFICIAK8 DA JUNTA DOS COR-
RECTORES
Reeife. 13 de Setmnbro de 1887
Cambio sobre Londres. 60 d|V. 22 3/4 d. por
1*, do banco, hontem.
Dito sobre dita, 90 d/v. 22 314 d. por 1*000, do
banco, boje.
Cambio sobre Pars vista, 421 tm. o franco, do
banco, hontem
Cambio sobre Hamboigo, vista, 522 rs. o R. M.,
do banco, bontea.
Cambio sobre o f orto, vista, 136 0/0 e premio,
di banco, hontem e bije
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
otlmealo banearlo
aaClTE, 13 DE SETEMBBO DB 1887
PRAGA DO R&CIFE
Hoja, pela maaha, ratebelecaram os bancos a
t.axa de 22 5/8 d. sobre Londres, dando, porm,
todos a 22 3/4 d.
A' tarde adoptaram de novo a mesma taxa de
22 3/4 d., que na oas tem vigorado cV-Ulmente.
Em papel particular fizeram negocio a 22 7/8 d.
PRAGA IX) RIO DE JANEIRO
Os bancos ingleses adoptaram h. je a taxa de
22 5 8 d. sobre Londres ; o Internacional mante-
re a de 22 3 4 d.
Nao constou ttansaccoes em papel particular.
As tabellas expostas aqu foram estas :
DO ISTBKSACIOHAL t
90 ajo vista
pondr........ 22 3/4 22 l/
Pars........ 418 422
Italia........ *2a
Hamburge...... 517 bi'
Lisboa e Porto..... 234 236
Prinripaes eidadei' de Portu-
gal......... 241
Sew-York...... 2*220
Do Lokdon Bajk :
9G djv vista
Londres....... 22 3/4 22 1/2
Paria........ 418 422
Italia.......... 422
amburgo...... 518 53
Portugal...... 234 2*6
Sew-York...... 2*220
Do EaoLiSH Ban :
90 dlv vista
Londres.......
Jans........
Italia........
lamburgo......
Lisboa e Porto.....
Principaes cidades de Portu-
g'........
;iha dos Acores ....
'Iha da Madeira ....
22 3/4
417
517
234
22 1/2
421
421
522
236
241
244
241
2*220
XAROPE
VINHO deJURUBEBA
BARTHOLOMEO & C
I'harm. Pernambnco
l'nlcos preparados de JURL'BEBA re-
commendados pelos Mdicos contra as
Soencas do Estomago, Flado Baoo
B Inte atino. Perd do Appetite. .
15 A iros de bom xito!
EXIGIR A ASSIGNATURA.
Vende-se
urna taverna na travessa do Pombal n. 16, bem
atreguesada, propria para principiante ; a tratar
na ra da Aurora n. 35.
Vate muito < onlieeiilo e*(itlielectmeii-
to encontrar o renpeitavel pubico o mtis
variado o coi&pleto sortimeuto de JOIAS
recebidas sempre dirretamente dos melno-
res fobrfcantes da Europa, e qu- primam
pelo apurado gosto do mundo elegante.
Ricos nderecos completos, lidas pulsel-
ras, alflnetes, voltas de ouro crav-jadas com
brilhantes, ou perolas, aunis, cazoletas,
botdes e outros multos artigos proprio
dea te generes.
ESPECAL1ADE
I-.m relogio de ouro, prata e nickelados,
para homens, senhoras e m< nios dos mals
acreditados fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todos os rticos desta casa garan-
tr-sfc a boa qualidade, asim como a inod ci-
dade nos preces que sao srm eompet&cfa.
H'csta casa tambem concerta-se qual-
quer ebra de ouro ou prata e tambem relo-
gios de qualquer qualidade que seja.
4-Rua do Cabug4
m
Colaran de assnear
rifara os agricultores)
Por 15 kilos
raneo, os melbores que
apparecem no mercado,
regulaos de ... .
3.' surte boa.....
3 regular.....
Hmidos e baixos
eumenos ......
Mascavado.....
Bruto.......
Uctame......
2*200 a 2*400
11900 a 2*100
1*700 a 1*8 KJ
1*500 a 1*700
1*300 a 1*400
1*040 a 1*100
*900 a 1*000
*700 a *300
Colarn de algod
A do de 1.* sorte do sertio regula a 6*350 por
15 kilos.
Entradas de assacar e aisodao
HEZ DE SETEMBBO
Asquear
Entradas Dias
Saccas
Barcacas...... 1
Via-ferrea de Caruar 1
Animaes ...... 1
Via-terrea de S. Francisco 1
Via-frrea de Limoeiro 1
* 12 3.278
12 92
4 13 324
4 10 3.087
4 10 397
So mma.
7.178
Entradas
Algoiio
Dias Saccas
Barcacas.....
Vaporea .....
Via-terrea de Caruar .
Animaes.....
Via-ienea de S. Francisco
Via-ferrea de Limoeiro .
4 12
4 10
4 12
4 13
4 10
4 10
Sorama.
1.611
3.309
92
2.376
218
681
8.287
Panto do tiraoiieta
SUSAHA DB 12 A 17 DE SETEMBRO DB 1887
(Vide o D.ario de il de Setembro
ftavlo* corsa
Barca nacional JfurianninAa, para o Rio Grande
do ;-ul-
Barca norueguense Union, par* Santos.
Patacno ingles Ttber. para os Estados-Unidos.
Vapor allemo BaunusiU, para Liverpool.
Vapor ingles Orator. para Liverpool.
Vapor nacional Giqai, para Fernando de Noro-
nh.i.
Vapor nacional Margues de Cax'.as, para os portos
do norte.
Navio* uearar;'a
Barca norueguense Nma, carv&o de pedra.
Barca noruegueuse i'etrus, madeira.
Barca uacioual Maria Angelina, gorduras.
Barca nacional Mar.nho XI, gorduras.
Barca norueguense tixped, varia gneros.
Barca norueguense Viva, car vio de pedra
Barca norueguense P. A. Muneh, carrao de po-
dra.
Brigue ingles Ephrutah, carvo de pedra.
Bngue noruegu use Hardi, carvu de pedra.
Escuna dinamarquesa Fides, xarque.
L^ar norueguense Sirus, varios gneros.
Lngar ingles V"lun a, bacalho.
L,'ar inglez Nely, bacalho.
Lgur iugles Wanderer, varios gneros.
L'igar iugles ilart, Ann, carvo de pedra.
Patacho iugles Neu iJum'n on, bacalho.
Patach) nacional Frannolin, xarque.
Vapor nacional Jucuhype, vanos generes.
Va^or nacional Mundana, varios gene oa.
Memorial
Em 23 do corrente, termiua o praso de 30 dita
conced lo aos subscriptores da nova emisso Je
acct-s para o levanta meuto da faorica na Torre,
perteuceute a Comi'ahbia db FucZo b Tbcidos ob
Periumbcco, para iragamento da segunda presta-
cao na rasao de 25 0/0.
At o dia 29 do corrente, devem os accionistas
da Companhia le EnincAQo entrar com a oitava
prestacao, na rara de 10 0/0 saOre o valor das
respectivas accoes.
Aos accionista^ da Estbada db Febeo do Ribei-
b2o ao Bonito foi marcado o praso de 60 dias, a
cootar de 4 de Agosto, para realisarem a 7. en-
trada de 10 0/0 de anas accoes.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setemb'o
vindooro, sero substituidas na Thesodbabia db
Fazenda as notes do valor de 2*000 da 5.* estam-
pa, 5*000 da 7.' e 10*000 da 6.a
I sai porta cao
' Brigue norueguense Hardi, entrado de Cardiff.
em 12 do corrente, e cousignado a Wilson Sons
& C. maniteston i
Carvo de pedra 420 toneladas 4 ordem.
Patacho nacional Francoln, entrado do Rio
Grande do Sul, em 13 do corrente, e consignado a
Amorim Irmos & C, manifestou :
Graxa 93 pipas e 3 barris, dita em bexigas
3,000 kilos.
Linguas 85 caixas.
Sebo 659 barricas.
Xarque 955 malas aos consignatarios.
Exportacfio
Bacn. 12 DB SETEMBRO DB 1887
tara o exterior
No vapor allemo Baimioall, carregaram :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 500 saccas com
37,298 kilos de algodSo ; Borstelman or. C. 1,000
saecas com 72.271 kilos de algodo ; S. Brothers
& C. 56 saccas com 4,186 kilos de algodo ; F.
Casco te Filho 480 saceos com 36,000 kilos de
assucar mascavado e 162 ditos com 2,150 ditos de
carolos de algodo.
No vapor inglez Orator, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater & C. 969 saccas com
78,310 kilos de algodo ; C P. de Lemos 40,000
kilos de carocos de algodo : J. A. C. Viaana
62,475 kilos de bagaeo de carocos de algodo ;
Eduardo Maranho 6,810 kilos de sement de
mamona.
Para o interior
tm No vapor all-mao Rio, carregaram :
Para Santos, Maia & Rezende 10 pipas e 30
barra com 7,t>80 litros de agurdente
_ Ha barca norueguense Union, carregaram :
Para Santos, J. S. Loyo ce Filho 247 saceos
com 18,525 kilos de assucar mascavado.
Na barca nacioual Maraninha, carrega-
ram :
Para Pelotas, Maia & Resende 60 pipas com
28,800 litros de agurdente ; 8. Guimares t C.
50 pipas com 24,000 litros de agurdente ; Moura
Borges & C. 22 pipas com 10,560 litros de aguar -
dente.
Para o Rio Grande do Sul, Maia 4 Rezende
20 pipas com 9,600 litros de agurdente.
Na vapor nacional Para, carregaram :
Para Babia, C. Burle 44 barricas com 5,130
kilos de assucar branco ; E. C Beltro & Irmo
50 barricas com 1,4^>3 kilos de assucar refinado.
No vapor nacional M. de Caxias, carre-
gou :
Para Maco, r\ de Sousa Martina 1 ba rica
com 37 kilos de assucar retinado.
No cter Geriquity, carregaram :
Para Maracaja, M. A. Srnna t C 3 barricas
com 317 kilos de assucar refinado ; J. S. da Costa
Moreira 0 barricas com 1,800 kilos de assucar
branca.
RendiiueutoM publico
MBS DB SETEMBBO
Vende-se
o bem sfiegnezado deposito sito ra do Vigario
n. 15 : a tratar na ra larga do Rosario n. 18.
DOENCASdoESJOMAGO
DIOESTOBS DIFFIOKIS
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, Diarrhes
Debihdade das Criangas
CURA SEOURA RPIDA PBLO
ELIXIR GREZ
TNICO-DIGESTIVO
com (Juina, Coca t I'epnina
Adoptado em todos os Hospitaea
MEOALHAS AS EXPOSigOES
PARS, r. La Brnjere,34, etm todas ajphirmacju.
Idm
Reeife Drminaqe
"e 1 a 12
dem at li
forrado Hnnlrlnal de
O movimento deste Mercado no dia 13 de Setem-
bro foi o seguicte:
Kniraram :
44 1/2 bois pesando 5,472 kilos, sendo de Oliveira
Castro, 29 ditos de 1* qualidade e 15 1/2 di-
tos particulares.
305 kilos de peize a 20 ris 6*100
142 cargas de farinha a 200 ris 28*400
16 ditas de fructas diversas a
300 rs. 4*800
10 taboleiros a 200 ris 2*000
10 Sumos a 200 ris 2*000
Foram oceupados :
24 columnas a 600 ris 14*400
22 compartimentos de farinha
500' ris. 11*006
22 ditos de comida a 500 ris 11*000
60 ditos de legumes a 400 ris 24*000
28 ditos de fasendas a 400 ris 11*200
19 ditos de suioo a 700 ris 13*300
11 ditos de tressuras a 600 ris 6*600
10 talhos a 2* 20*000
9 ditos a 1* t*000
A Oliveira Castro & C.:
54 talhos a 1* 54*000
Oeve ter sido arrecadada oestes din
a quantiade 217*800
Renda eral
O 1 a 12
dem ce 13
Aljandega
371:746*773
53:194*732
Renda provincial
Dla 12
dem de 13
Reoeb*4oria gerai
lie 1 a 12
dem de 13
35:8301523
3.9874703
19:388*104
264*085
423:241*510
39.863*226
465:109*736
19:652*189
Recebedoria p,vvtncitu
e 1 a 12
3:107*780
Rendimento dos dias 1 a 12
Foi arrecadado liquido at boje
Precos do dia :
Carne verde de 240 a 400 ris o kilo.
Cameiro de 720 a 800 ris idem.
Sumos de 560 a 640 ris idem.
farinha de 200 a 280 ris a cuia.
Milho de 240 a 320 ris idem
Feijo de 640 a 1*000 idem.
2:468*6C0
2:686*400
aiadonro PabSIeo
'Foram abatidas no Matadouro da Cabanga 92
rezes para o consumo do dia 14 de Setembro.
Sendo: 65 reses pertencente a Oliveira Castro,
t O, e27 a diversos.
Vapor Pora
A sahida deste vapor, para os portos do sul
toi transferida para amanh, s 4 horas da tarde
Emkarcactea aorta* no porto eso
S de Setembro
HACIOHAES
Francoliucoaaig. 4 Amorim Irmos 9c C.
Gi.iui44 Companhia Pernambucaua.
Jacuhype Companhia Pernambucana.
JaguariDe4 Companhia Pernambucaua.
Lamego(canhooeira de guerra).
Marianninhaconsig. Baltar Oliveira & C.
Marques de Caxias Domingos A. Matheus.
Marinho XI4 Jos da Silva Loyo & Filho.
Maria Angelina4 L->yo & Fi.ho.
Mandah4 Companhia Pernambucana.
Pirapama Companhia Pernambucana.
ESTRANOBIBAS
# Aune Charlotteconsig. ordem.
Anne Branschweig ordem.
Baumwall4 J. IL Bowzell.
Carte Bl.nche4 Hermn Lundgrin.
# Oito4 Niemeyer Cahu & C.
Darpa4 ordem.
Ezpedit4 Fonseca Irmos 4 C
Ephratah ordem
Erato Jobnston Pater & C.
Fides ordem.
Farsan ordem.
Girfield Niemeyer Cahu & C.
Hardi4 Wilson Sons t C.
Jorgen J. Iiots4 ordem.
# L'iuise ordem.
# Lindla4 ordem.
Uary Ann Baltar Oliveira C.
Nina ordem.
Nelly4 ordem.
New- Dominion4 ordem.
Orator4 L. S. Johnstoo.
P. A Muuch4 Henry Forsrer & C.
Petrus 4 Pereira Cameiro 4 C.
Sirios4 H -rmaun Lundgrin Tiber a Saunders Brothers 4 C.
Uuion4 H. Lundgrin 4 C.
Vibilia4 Hermn Lundgrin. 1
# Vernica ordem.
Ved ma Saunders Brothers 4 C.
Viva4 Wilson Sons 4 C.
Wanderer4 Fonseca Irmos & C.
O signal indica ter a emliarcaco sahido.
Vaporea 6 entrar
DOS PORTOS DO SU*
Sergipehoje.
Mendegoamanb.
Galiciaamanb.
Pernambncoa 16.
Portugsla 18.
Vi lie de Cear4a 18.
Marinho Viscondea 25.
Camillaa 27.
Taguaa 29.
DOS PORTOS DO HOBTB
Parahoje.
Espirito Santoa 23.
">A EUROPA
Villa de Pernambncoa 21.
Nevaa 24.
Aconcaguaa 25.
DE HAMBURSO POR LISBOA
Rioamanh.
DE LIVERPOOL
Authora 19.
Vaporea 6 aablr
Marques de Caxias hoje, s 2 horas da tarde,
para Cear4 e escala.
Mondegoamanh, ao meio dia, para Southarop-
ton e escala.
Jacuhype amanh, s 5 horas da tarde, para a
Baha e escala.
Galiciaamanh, ao meio dia, para Liverpool e
escala.
Rioa 16, s 4 oras da tarde, para Santo e es-
cala.
Giquia 16, ao meio dia, para Fernando de No-
ronha.
Xavloa a entrar
Antelopde Hamburgo.
Charityde Cardiff.
Concordiade New Castle.
Catberinede Cardiff.
Ceciliado Rio Grande do Sal.
Farwardde Liverpool.
Ibisde New-port.
Josvade Cardiff.
Kaffir Cbieffde Cardiff.
Lidadordo Rio Grande do Sal.
Maru-do Rio de Janeiro.
Marietta do Rio Grande de Sul.
Marinho Ido Rio Grande do Sul.
Maujanilla-de Montevideo.
Positivo -do Rio Grande do Sul.
Rose ot Devonde Cardiff.
Stellale Liverpool.
Temerariodo Porto.
Tatordado Rio Grande do Sul.
Vayagerde Cardiff.
Witheiininede Hamburgo.
Wild Rosede New-port.
wlovlinento do porto
Navios entrados no dia 13 de Setembro
Montevideo16 dias, barca norueguense Carte
Blanche, de 829 toneladas, capito C. Johamnf-
fon, equipag-'m 14, em lastro; a Hermann
Luodgren & C-
Rio Grande do Sul22 dias, patacho nacional
(Francoln, de 170 toneladas, capito Amara
Jos Ramos, equipagem !\ carga xarque e gor-
duras ; a Amorim Irmos 4C.
Rio de Janeiro-13 dias, barca ingleza Vibilia,
de 553 toneladas, capito Thomax Sutte, equi-
pagem 10, em lastro ; a H. Luodgren 4 C.
.Sahidos no mesmo dia
PelotasPatacbu dinamarqus Anne Charlotte,
capito H. *. Pedersen, carga sal.
S. Tbomaz Barca norueguense Verenica, ca-
pito N. C. Pettersen, em lastro.
BarbadosBarca norueguense Lindla, capito
A T. Lars- n, em lastro.
Barbados -Barca norueguense Louise. capito
Olaf D .hl. em lastro.
ParabybaB-rca norueguense Cito, capito H.
Pedersen, em las'ro.
Rio Grande do NorteHyate nacional Giri-
quuy, meatre Joaquina Honorio Canuto, carga
varios gneros.
*T


1



islario 6 fernanibiitiuHuarta-eira 14 4c Seciubro de 1887
cas
Sem competencia

Popelinas de seda de listras a 500 rs. o covado 1
Toalbas alcochoadas a 30500 a duzia I
Tecidos transparentes para soire a 500 rs. o covado.
ntremelos tapados e transparentes a 500 rs. a peca.
Fustoes braneosj icui tinos e largos, a 700 rs. o covado)
Lencos abainhados a 20000 a duzia 1
Crotones finos a 300 e 360 rs. o covado I
Setins largos a 10200 o covado !
Leques transparentes a 2)5500, um !
Bico8 de toros, cu ni 6 jardas, a 2(5000 a peca!
Lia de quadrinbes a 300 rs. o covado !
Atoalbado de linho adamascado a 30000 a vara !
Vestidos de cretones, em cart3o, a 80000 e 100000, nm
Gravatas pretas de gorgorlo e de setim 500 e a 600 rs., urna 1
C.'iisos de meia, alvas e mui finas, a 10000, ama 1
Agua Florida a 600 rs. a garrafa !
Brim pardo a 320 rs. o covado 1
Zephyro de un>a b ettt a 300 rs. o covado 1
Guardanapos do linho cora barra de c6r a 40500 a duzia !
Colchas de gorgoarilo de 13 para noiva a 280000, urna.
Cobertores de 13 a 30500, un, bem larges !
Sotinetas estampadas a 400 e SCO rs. o cavado !
Algodiio trancado de duas larguras a 10000 o metro I e muitos outros
que convm aproveitar a quadra
\ Ra 1. de Mareo n. 20 A (esquina)
\i:iv: II EL |
artigos
CEARA
LOTERA do
NOVO U\0
40:000*000
Com a diminuk quantia de 20400 habilitase a tirar 8:0000000 e cora
4:00000(0.
CORRE UIPRETERITBLNENTE
Quarta-feira 14 do corrente
10200
LOTERA
ESPIRITO-SANTO
50:000^000
Corre sexta feir, 16 do corrente
ESTA LOTERA NUNCA FOI
O portador de um Liihete est habilitado a tirar raaia de UM PREMIO I
Cada numero pode ser repetido duas ou tres vezes, prevalecendo todos premios
que
sabir.
U
r
a
Lotera da Provincia
A cha se a venda a 10.a lotera a bene-
ficio daS. ('asa de Misericordia do Recifc, que
ter lu^ar no consistorio daigrej de Nossa
Senhora da Conceico dos Militares, onde
estar expostas as espheras em orden? nu-
mrica, para seren examinadas.
CAMIJBEBA
PR4PERAD0 VIMIOSO OEPtRATlYO
APPBOYAO PE JUNTA DE HYGIEHE PUBLICA DA GOBTE
Aolorisado por decreto imperial de 20 de Jonho de 188,1
GiHiiposifo de Firmino Candido de Figueiredo
EMPEEGADO COM A MAIOK EFFICACIA VO RHEOMATISHO
DE QUALQUER TATUKEZA, EM TODAS A8 MOLESTIAS DA PELLE, AS
LECCORRUEAS OU FLORES BRANCAS, NA A8TBMA
BRoxcniTEs (molestias das vas respiratorias), nos soffrimentos
OCCASIONADOS PELA 1MPCREZA DO SANQCE E FINALMENTE
AS DIFFERENTES FORMaS DA STPHILIS
PropagadorA. P da Cunha
As importantes curas, que este importante medicamento tera produzido, attes-
tadas por pessoas de elevada posicao social, fazem com que de toda parte seja elle
procurado, como o melhor e raais enrgico depurativo do sangue.
Depurar o sangue, como ondicXo de urna circulacao benfica e cfficaz, eis em
que consiste principalmente o meio mais seguro de conservar a sade e de curar ss
molestias que a impureza do sangue occasiona.
O Cajrubba, pela sua accao tnica e enrgicamente depurativa, o medica-
mento que actualmente pode conseguir esse resultado sem prejudicar nem alterar as
funecoes do estomago e des intestinos, porque nao contera substancias nocivas, apesar
do vigor depurativo dos productos que constituem a base principal d'este medicamento.
As' muitas curas que tem feito, estao cornprovadas pelo testemunho dos dis
tinctos e conhecidos cavalleiros que firmara os attestados, que este jornal tem publica
do em sua seccSo ineditorial
Deposito central, Fabrica Apollo, ra Hospicio 79
^S3B.3NrJ^XWXBTjrGO
A* venda em muia pturm< ir* do Brasil e do eatransrelro
Ama
Preciaa-ae de ama ama psi.n engommar e faier
servicos de casa ; na typosraohi* do Diario, no
3- andar, n. 24, ra Duque di' Curias.
Ama
Precisa-se do urna ana para o servieo de casa
de familia c que tenba boa condacta ; a tratar na
ra do Bailo da Victoria n. 46. leja.
AMA
Precisase de urna ama para comprar e
cozinhar em casa de familia : na ra Du-
que de Casias n. 14 se dir.
Ama
Precisa-se do urna urna para todos os servicos
de casa de familia ; s tratar na ra do Bario da
Victoria o. 7. 2' andar.
%* *
Precisa se de orna ama para casa do pouca fa-
milia ; a tratar no beoeo do Peize Frito n. 9, se-
gundo andar.
AMA
Precisa-se de ama ama para cosinhar : iV
de Pedro Affonso n. 58, antiga da Praia.
ra
Aluga-se barato
Ra Yigconde de I tapar i ca n. 43, armazem.
Ra Ccr-nel Suassuua n. 141, quarto.
Ra do Tambi n. 5.
Largo do mercado cem agua n. 17.
Ra do Calabonco n. 4, loja.
iVata-sc na ra do Cotnmcrcio n. 5, Ia andar
escriptorio de Silva (iuirnarea & C.
A luga-se
a osa terrea da roa Lomas Valentinas n. 40'
frrguezia de Santo Antonio, com bons commodos.
quintal e cacimba s, e esta limpa ; a tratar na
roa velba de Sinta Rita n. 14, sobrade, das 8 ho-
ras da man ha a 1 da tarde.
Muta allencao
Na raa Sete de Setembro (outr'ora becco dos
Ferreiro6) n. 6, faz-se plises e recortase babados
largos e estreitos.
Attenco
Vende-se as partes dos engenhos Caehoeirir.ha
e Independente da comarca do Rio Formoso : quem
pretender dinja-se ao escriptori > da ra Duque
de Cazias n. 50, que achara com quem tratar.
Attenco
Offrece-se um typograpbo especialista em obras
avulsas, cemposieoes corridas, paginacoes e im-
iressoes, etc., etc. : tratar na ra do Vigario
cnorio n. 12.
T
Pillas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja preparacao purameute ve'
getal, teem sido por mais de 2 annos aproreitadas
com os melhores resaltados as seguintes moles-
tias : affeecoes da pelle e do figado, syphilis, boa
boes, escrfulas, chagas inveteradas, erysipelaa e
gonorrhas.
Modo de nial a
Como purgativas: tomr-se de 3 a 6 por dia, be-
Bendo-se apos cada dse um psuco d'agua adoca-
Ja, cha ou caldo.
Como reguladoras ; tome-se um pilula ae jantar
Estas pilulas, de invenci dos pharmaeenticos
Almeida Andrade ce Filhos, teem veridictum dot
rs. mdicos para sua melhor garanta, tornande-
je mais recommendaveis, por serem um segare
purgativo e de pouca dieta, pelo que podern ser
osadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
Ya drogara de Faria Kobrinho S
41 REA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Peitoral de canillar
g Agentes e depositarios geraes nesta provincia
FRANCISCO M DA SILVA & C.
No armazem de drogas raa do Mrquez de
01 inda n. 23.
Precos: Frasco 2*580, 1/2 duzia
13^000 e duzia 24/000
As Pilulas Catharticas
Do Dr. Ayer.
1
t'niilH*
i u or-
As Pilulas do Dr. Ayer
i Pelle,
Dores
e Clica. Doi
I II l.M' I
! \-.
DR. -T. C. AYER h CA.,
Lowell, Mass., E. U. A.
I
SEMOLINA
De Brons 4 C, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo processo
de trigo da melhor quilidjde, possoe es elemen-
tos necessarios para nutricio da criancis e di cu-
tes, c mnito se recommenda'por ser Je fcil di-
gcstSo c gosto muito agraavel ; tajaban f
faz'-r urna ixe 'lente papa, misturado em partes
iguaes com a maizena dos meamos fabricantes,
.adi iunaud ,-um leite. nicos agentes
nesfa iraca, Sannders lrothera C., la/go do
Corpo Santo n. 11, priuv-iio nnar.
Fumo carioca
Preparado pela r.creditada fabrica do Rio, de-
nominada Fonte Limpa ; vende W cm pac tinhos
em todos os estabelecimeutos e relalbo.. Uoico
deposito, na fabrica Vcneza, arco da Conceico
nuireros 4 e 6.
MzS-
S S-'s^8
3 n S ~,
* e g
sr n
- as v J
s p s Sa^
^ 3 as"2 s-

ss
5B
Cromos era relevo
e cartees para feliclfaces epre
sentes
Novo e esplendido sortitnento
Na livraria PARISIENSE
3 \ Ra l>riDiriro de Marco 5 A
Fabrica de chapeos
Antonio Jos Maia & G.
DEPOSITO
ra do Bunio da Victoria ns.
Os proprietaiios deste estabelecimento scienti-
eatn aos seas numerosos fregueses e ao respeitavel
publico, que centionam a ter grande sortimento
de chapeos de todas as qualidadea e formatos,
manufacturados com toda a perfeicao e por precoi
mais vantajosos que em nutra qualquer parte.
Criado c cosinheira
Preeisa-se de criado e cosiah 'ira ; a tratar no
terceiro aniar, par cima di typjgraphla deste
Diario.
VENDAS
i Farellohtmmaiii
Chegcti a primeira remessa d" precioso faxello
de caroco de algodSo, o mais barato de todos os
alimentos para animac-s de r(a cavallar, vaezum
iuin-i, etc. O careco de algi.dau dep.is de ez-
trahida a casca e todo o oleo, o mais rico ali-
mento que se pode dar aos anim es para os forta-
lecer e engordar com admiravl rapidez.
Nos Estado*-Unidos da Am-ria do Norte r- na
Inglaterra tile einnn gndo (com o mais feliz re-
sultado) de preferencia ao milho o outros farell?
que sao mui'o mais caro e nao tSo de tanta sus-
taucia.
4 iralar no Rrclft* com Fr..*Ito(-Ua
Antonio Duarte
recebeu directamente do Porto vinlio ver'c-. di"o
d.> I) uro, salpicos de fumeiro, ditos em calda, a
vende por preeo mdico in sea rtabelecimento,
ra da Uuio n. 54, eanfcoate i
ICUAi.tSSU' |1
Francisco Xavier Paes
Barreto
Advogado
Encarrega se do cobraccas, mediante
ajuste muito razoavel.
V povoado d Torre n. 2. eoso um terreno de cento e
taotoa p.'lmos de fronte e 300 ditoa de fundo, tca-
d divtrtas arvore fruct uba c bomba ;
a tratar ni mesma. ^__^
Veude-se o sobrado de d us andares o sotSe,
em bom estado, em chao proprio, ra le Aguas
Verdes n. 22 ; a tratar com o leiloeiro Mirtins.
Veiide-su a taverna hita no pati;o do Terco
i I ida ; a tratar na mesma.
= Vtnde-se am rieo santuario dejacar

dous frcn'xes b dados a ouro
ratriz n. 37, 1- andar.
na ra di Impe-
Vende-se
Quem quizer alug^r a casa n. 8 raa da Unio
com muitas accommodacoes, p dera entender-se
com os Srs. Negreiros ra do Imperador n. 24.
Scmentes de carrapato
Comprara se pequeas quantidades ; na droga-
ra de Francisco M. da Silva & O, ra do Mr-
quez de Olinda n. 23.
Lavadcira de brrela
Precisa-se de urna lav.ideira do bsrreU, que
d cenheeimento, para lavar para casa de fami-
lia ; na ra Augusta n. 274.
um bom cabriole, a tratar na eoeheba de Jos da
Silva Morats, ra de .Santo Amaro u. 3, esquina
da ra da Boda.
Para acabar
Os seguales avtigos:
Madi.pola p win ricano com um metro de largura,
Fustoes bruscos di 500 r a 210 rs.
Setioetas de qna ririhos d 500 rs., a 210 rs.
Lovas de lioho de 800 rs., a 30.
l'i Iones americios, superior quadide, de 400
rs., a 240.
Casemira ielpou para vestido, de 800 rs., a 240.
Cambraia victoria, do 4^500, a 25J0 a ppca.
Cortes de c>.mbraia branca, bordados e de co-
res, eom um peqneno toque de mofo, e 800 ), a
a 44500 c 5 00.
Atoalhados, bonitos deseohos, com pequeo to-
que de rn-io, de 8*000, a l'iOO.
Guardanapos de 4, a 200<).
Lin" n di- todas as eores, de '510 rs., a 210.
Toile do Vicby de 500 rs a 2!0.
Meias iogltzas para senhora de 1?J or C>j.
Toalbas ccolchoadas, de 3'r I 00.
Merina de todas as cores, de lj2QOpor 5i0.
Lene s com Larra de er, de 2f por l20
duzia.
Nanzuks lisos de 280 rs., a 160.
Lfques de eet;m de 80tl rs. e 1.
E muitos outros artigos q'ie deixam se de men-
cionar, assim como retalhus de diversas qualiJa-
des de fazei.da.
56Loja das estrellas56
Roa Huiue de Casia*
"! lepbone210.
BU
Precisa-se
numero 37.
Caixeiro
de um menino ; na ra da Pilma
Sitio
Alnga-se o sitio n. 22 no Chacn, rm que mo-
rou o Sr. engcnb-iro Makentosh e ltimamente o
Sr. Loror, com mano bons commodos, caiado e
pintado, jardim e muitos arvor^dos fructferos, pis-
ssndo o sitio do Sr. coronel Brilo ; a tratar na ra
Pedro Affonso n. 23.
IV ra passa a Testa
Aluga-se urna excellente casa cem agua e gaz,
com bastantes commodos para familia, na travessa
da ra de 5?. Bento n. 4, ou largo de S. Pedro no-
vo cm Olinda : a tratar na ra do Ccmmercio n
26 A, Recife.________________________
fladeoioiselle otinba
Rna do Imperador n. 55, segundo andar.
Modista
2O$O00
Aluga-se a casa terrea da ra de S. Francisco
n. 27, est limpa, no becco das Carvalhas n. 1.
Urgencia
Precisa-se de boas eos'ureiras para vestidos
na rna da Auroran. 3'.', 1' andar.
Criado
Precisa-se de nm criado de 14 a 16 annos ; na
roa Imperial n. 17.
Reslaurant Doria
O proprietario deste estabelecimento pede a
seas devedores qaeiram vir solver seas dbitos
com brevidade, porque do contrario vero seos
nomes publicados neste Diario.
Caxaog
Alnga-se quartos mobiliados a <5 mensaes,
com commodos para familia e cosinba ; no hotel
dr Farnfa.
Mllo
SOLUCAO COIRREitr
AO CHLORHYORO-FVOSPHATO DE CAL
i
ta&_GOIME_rt-, TI. iat >
adoptido por todos os Mdicos da
Ctcktxia, MlcrofHiM, ImtMtim,
tic, DytftftUu.
D. Alexandrina da Silva Pinto
Haximuno da Silva, sua esposa, filhos o gecros
msndam celebrar iniis.s por alma de sua presa-
dissima filha, irm e ennhada, D. Alezandnna da
Silva Pinto, na igreja de N. 8 do Tere >, pelas 7
horas da .nanh do dia quinta-feira 15 do corren-
te, trigsimo do seu fulleciment". para o que con-
vidara a todas os seus em'gos e pirentes para as-
sistirem a este acto de religiio e caridade, ante-
cipando seas agradecimentos.
s~a-aan~K|*^*peBaem_pnBBB~~
Jone Bernardo Micnlll* danlor
Varia Desideiia Hafra, suas filhas e netos,
agradeeem a todos qne acompanharam os restos
mortaes de sru genro, ennhado e pai, e de novo
convidam aos seas prente* e pessoas de amisade
para aasistirem a missa qne por sua alma man-
dam resar na igreja do Pilar, s 7 horas da ma-
nb do dia 14 do
o.
Sitio e casa para ah-
gar-se
Aluga se o grande sitio do Abrigo, em Olinda,
nos Arrombados, om grande casa terrea e sobra-
do, cocheira, quartos para criado, bps viveiros,
mais de 600 ps de eoqueiros, mnitcs cajueiros,
sap< tiseiros, mangueiras, com pasto para vaccas e
tendo muito fcil transporte por om lado pela
via-ferrea de Olinda, e por outro lado pelas dili-
gencias e bonds, arrenda-se por commodo preco :
trata-se na ra Primeiro de Mareo n. 17, primeiro
andar Alnga-se tambern a casa da ra do Prin-
cipe n. 4, no memo escriptorio.
Por 40000
Aluga-se o 1- andar do sobrado n 45 da roa
estreita do Rosario, cem bons commodos para fa-
milia, muito fresco, est pintado de novo, boa es-
cada, quintal e quarto para criado ; a tratar na
ra Duqne de Cazias n. 85, loja.
Ao coniniercio
Jos Joaquim Pereira da Luz, tendo do seguir
para Poitugal em 14 do corrente, declara nada
dever a pesso* alguma nesta prsca, e se porm
alguem se julgar credor do mesmo, aprsente seus
ttulos, que depois de conferidos serao pagos at o
da 12 do corrente. Aproveita a opporlunidade
para agradecer a boa confianza que esta praca
me dispensou, assim como a>8 meus bons amigos
e fregueses'
Para pequea familia
Alnga-se por c*0uO o soto do 1 andar n. 63
da ru do Vieconde de Itaparica, antiga do Apol-
le. No mesmo precisa-se de nm menino para azer
compras, d-se roupa e b m ordenado.
Cocheira Norle-Pernanibucana
Cem este titulo acaba de se iunaar na cidade de
G yanna, um grande estabelecimento de carros
de alugoel, pertencente a firma social Aranba,
Ucba & C-. que se propoe servir ao publico com
a maior regularidade, presteza e por procos mo-
dlC' s.
D'ora em dianfe partirao todas as quintas-feiras
de Goyanna, s 6 horas da man ha e Ss 3 da tarde
para Olinda, e de Olinaa para Goyanna aos sab-
bados, s 6 horas da tarde, o aos domingos s 7
horas da manha. Os carros nSo adonttirao na
mero de passageiros superior a sua lotaeao.
O prego de cada visgem de ida e volta ser
,12000.
Viagem de ida ou volta somente, ser 64000.
O passageiro tera direito a asento reservado,
pagando mais 24'00
Espera a empresa que nao lhe faltar o sazilio
do publico, com especialidad* do commercio de
Goyanna, auzlio que promover retribuir, esfor-
cando-se para que o servico se faga com a maior
regularizado possivel.
Logo que o tompo e as estradas melborarem,
sera reduaido o prego das passagens.
Sitie
Aluga-se o sitio da estrada de Joo de Barros
n, 27, com bom obrado, tende agua e gaz enca-
nados ; trata-se na loja Annel de Ouro.
Sitio para alugar
O sitio n. 9 da estrada do Rosarinho, com boa
casa para familia, bastantes commodos, boa agua
e pasto para gado, por prego cemmodo ; a tratar
enm Frederico Chaves, no pateo de Pedro II n.
75, andar, ou na estrada dos AfHctos n. 17.
4C.
PrNparado
DE
III KOI GUS WELLCOIIE
CHIMICOS DE LONDRES
Um poderoso agente digestivo e acimilativo; um
alimento nutritivo, especialmente adoptado para
os enfermos e nao; um grande succedaneo do
azeite de figado de baealho.
O Extracto de Malta de Kepier um alimento
perfeito em si mesmo e contem todos os principios
digestivos e nutritivos da cevada, isto pbospba-
tos, maltosa, destrina, albmina e o importante
quanto poderoso accesorio digestivo chamado
Diastase,podendo-se assim dizer que com a n
troduccao do Eztracto de Malta, como agente the-
rapeutico, se ha produzidc urna revolugo no trac-
tamento de certas enfermidades da nutricio, ope-
rando especialmente na dyspepsia, ulcerago do
estomago, cancres do estomago, debilidades, con-
valescencias de enfermidadea agudas, vomitas e
gastro-ententes das criaogas, marasmos, affsegoes
escrofulosas, tuberculosas, etc.
nico deponlto
34Ra 4o Rosario34
Pharmacia e Drogara
Industria nacional
Aleool de caona rectificado desinfectado, cog-
nac brasileiro (agurdente obtidos por A. M. Veras & C
Lsiai
lo corrente, stimo do seu fallec-
Pala para alugar
Aluga-se a sala do 1 andar do sobrado da roa
do Marqu z de Oliuda n. 52, a qual fresca, cla-
ra e est limpa ; a tratar no armasem do mesmo
sobrado.
Na rna du BsrSo da Victoria n. 2, primeiro an-
dar, preparara se capellas mortnarias de flores
naturaes e artificiaes, de diversos gostos e pregos,
e mais rticos desta prfissSo como sejam : bou
quets para casamnotos e ofFertas, eom disticos
bordados a ouro e pnta.
Fabrico de assucar
Apparelhoa econmicos para o cozimen-
ta e cura. Proprio para engenhos peque-
nos, sendo modictt em preco e c
lectivo em operaeo
t'ode-se ajuntar aos engenhos existentes
do syetema velbo, melhorando muito a
qualidade do assucar e augmentando a
quantidade.
OPERAgAO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos contrae,
ma;hinismo aperfeicoado, systema moder-
no. Plantas completas ou machinismo
separado.
Especificacoes e informales com
BrowDS C.
5RA DO COMMERCIO-5
Advogado
(Foro civil e ecclesiastico)
Bachare Antonio de L-llia e Souz Pontes, roa
> do Imperador n. 37,1- andar.
16Rna do Baro da Victoria16
Damiao L'ma das Extnas. familias pnra seus presos :
Pegas de bicos de corea a 35500.
Ditas de ditos brancos a 2500.
Ditas de ditrs a 1500. 180 o 2|r00.
Botoes de madreperola finos a 320, 400, 600 e
800 ri.
Bolsas para meninos, de 15500 a 55000.
La para bordar a 25800.
Dita meselada a 35800.
Meias para schora a 320, 4^0. 600 c 800 ris.
Ballas a 320 ris.
Arquinhos a 120, 160 e 200 ris.
Lecgcs de sia a 15000.
Fitas modernas a 5 0, 600 e 15000.
Passarinbos de teda a 500 ris.
Apparelhos para crianga a 15200e 15500.
Ditos de metal s 15500 e 25000.
Finos chapeusinhos a 55-
Sapatinhos de setim a 35 e 45000.
Modern s espartilhos a 65000.
Bonitos collannbos a 500 ris.
Punhis todos os nmeros a 900 e 15000.
Touquinhas a 25000.
Loques transparentes a 25500
Ditos de ella a 55000.
Ditos de setin ta 15500.
Ditos de papel h 4>0, 500, 600 e 800 ris.
Cairas com 3 sab.mutes a 500 ris.
Urna barra de sabao a 700, 900 e 15200.
Lu\as de -AJa a 25500.
Bonitos jarros a 55, 105 e 155000.
Invisiveis grandes a 320 ris.
L tibas 200 jardas a 80 ris.
16-Ro do Raro da Victoria-16
A~[FLORIDA
Raa naque de Caita* a. 103 .
Grande sorrirrento de objectos para pre-
sentes, sendo: carteiras, porta joias, l-
bum de madreperola para baile, dem de
raarfiro, estojos para agulhas, lapiseiras,
broches de madreperola, idem de marfios
desenbando em alto relevo flores e um mo-
lho de trigo.
Casacos bordados para senhoras a 5^000.
Leques transparentes pretos e de cores a
20000 e 2500.
dem dn setineta a 10500 e 20000, um.
dem de papel a 500 e 800 rs., um.
Agua Florida verdadeira em guarra-
nhas a 500 rs., urna.
Coutas lapidadas pretas e de cores.
Missacigas pretos e de cores.
Lindo sortimento de fitas e bicos bran-
cos e de cores.
Grande sortimento em bot5es de ma-
dreperola e phantasia.
Lva8 de pellica a 20500 o par.
dem de seda a 20000, 20500 e 30000.
Capellas, veos e ramos para noivas.
Suspensorios americanos a 20500.
Linha para machina 'a 800 rs. a duzia.
Meias de cores, escocia, para senhora
a 10500 i par.
Caizas de jogo para s-.lao a 50000.
Sabonetes a 120 200 e 500 rs.
Boleas de couro, de chagrn, de pellucia
s de pellica para senhoras e meninas.
Espartilhos a 30000, um.
Lindas pastas de couro, chagrn e pe-
lucia a 500, 10000, 20000, 30000 e 50000.
Carteiras para sedulas com os repsrti-
mentos de O^OOO a 1000000.
dem para letras com os repartimentos
dos mezos de Janeiro a D-zembro.
Estractos corylopsis do JapSo, nexis do
Japao, Bouquet de exposigo, Theodora,
Rita fcargally, Porte Veine, Ixora Briooe,
Roger, Glli-t, Briza da Serra, Paris-Bou-
quet, Estrado Dodeur, etc.
Luvas de seda bordada com missangas.
dem bordadas com vidrilho dourado,
bronzeado e granad.
dem com palmas da mesma seda,
dem arrendadas a xadrez.
Anquinhas a 10300, 10500 e 20000,
urna.
103-RA DUQUE DE CAXIAS10$
MM......MMMt
Medalha de Ouro na Expo&lcao universa! 1S7S ^*
PAKI3 a. _> __ I" ai _. pars "
ONDCOS (FH")
. ja todu uttadufl
fffeeeteee**t9*<
- OdMdtet tmtadn ^__ _"__*_ "
"


Mario le PernambucoQuarta-feira 14 de Setcmbro de 1887
4
I^MS DORES oe o^
POR HEIO DO HPlMOIK ^^^a^af >
Elixir, P e Pasta dentifricios a ,
RR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOXJI-.A.O (Gironde)
DOK riAOUELONNE, Prior
9 -Hetfaihat de Oitro : Bruxellas 1830 Londres 1884
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
INVENTADO
1373
Pelo Prio-
Pierre BOWKSATJ3
Elixir Dentifricio
RR PP. Benedictinos, cosa dos V
ii e en s
o tor-^
llflMlBIIMilIfl MUM
o, MBgna-l
lando o '' ntilU-
o melhor curativo o nico
preservativo Afiecc6e3 den-
tarias^
FlSulTU El 11(7 _*2 .% III M *ue Hugnerle, 3
Agente Geral : 3 & \St kaf I 1^ BORDEAUX
Acha-se em tod.13 as toas Perfumarlas, Pharmaelas a Drogara.
tHiMnemmun mmmimmwiwimmum iiw
Casa PINCT, fundada em 1862, PARS
EXPLOTADO GERALN CATCHC
POR HOYOS PROCESSOS APRFEICOADOS
ESPECIU!0>DErillSTRUMEIITCS di MEDICINA e CIRURGI* es GOMMA Elntiu w BORRMM
Urlnoea. Seringas, Boraohas-Peras para In)ecc8aa e Cl yetares, Injactoraa,
PulTeriaadores, Peesanoa, Fundas. Ventosas, Tobos, Bioosde Maiuadelras,
Almo'ada Boilas para InjeccSes para qualquer uso, ato., ato.
l5Dl^a O CATALOGO VftASCO
I. IARCASSIN A O, Cendre et Sncccuear, 34, roa Turbigo, 34, PARS
EsUbelecimento fabril a vapor: AUX LILAS, perto de Paria.
M. t. A grande toga, tmpre crescenle dos nosso productoa lando
a falatflcacbea, contar exigir a Marca B. M. C".
dado logar
9^^
Venda di sitio
Fio de algodao da fabrica Catlllua
v nutra, da Babia
, Vendem Machado & Pereira, roa do Impe-
Vende-se ou permuta-se por predio neata cida- rador n. 57, por commodo preco.
de om bom sitio coin boa casa, maitas fracteiras,-----------------------_r-------------
excclleute banbo do rio, boa agua de cacimba, PPTQ UPUfltP
cxteuao de terreno para baixa de capim, toio : fIQ T UilutJI
nr?d na f'en,e' com r_rta e gradeamento, com | Urna mobilia completamente nova, de ama fa-
a que se retira
na ra do Marques de Olinda n.
camiuho le ferro e cstacio junto ao dito sitio, do j milia estraDeeira que s
rorto da Madera, c mbecldo pelo sitio do Jlo para Europa ;



De urna grando parto de fazendas existentes na acreditada casa ra Duque
de Caxias n. 59: apresen taraos em seguida urna lista de alguna artigos que realmente
s?.o baratissiinos.
Esplendido sortimento de cachemiras para vestidos, de 400 rs. a 10000 o
covado.
Merinos de cores a 600 e 800 rs., duas larguras 1
dem prctos desde 800 rs. a 205GO o covado !
Setinetas Hndissimas a 280 rs. o ditol
Riscadiubos para ves'idos, corsa lindas, a 160 e 200 rs. o dito !
Cretones claros, superiores, a 240 e 280 rs. o dito !
Damascos de la, duas larguras, proprios para capa de piano a 20000 o dito
Camisas inglezas, branca, a 565000 a duzia !
dem de cretones finos a 240000 a dita !
Ceroolas de bramante, bordadas a 125000 e 145000 a dita !
Meias superiores a 25800 o 35800 a dita !
Cambraia Victoria com 10 jardas a 35000 a pega !
M idapolao pelle de ovo, 24 ardas, a 65500 a dita !
Dito americano, superior, a 55800 a dita I
Bramantes de linbo puro, 4 larguras, a 25000 o metro !
dem de algodao superior a 800 rs. o 15200 o dito!
Cortes de caseroiras e meia-casemiras a 25500, 35000, 50000 e 65000
Caaemiras diagonal para roupas de enancas a 800 rs. I
dem de duas larguras a 15*00, 25000, 25200 e 35200 o covado!
Brins de cores e pardos para todos os precos.
Guarnicoes crochets para cadeiras e sof a 850001
Cortinados de bordados a 75000 o par !
Col has e cobertores a 25000, 2550O e 35000 !
Sortimento de fichs, luvas, leques, enxovaes para Exmas noivas.
Deposito de fazendas e as vendas em grosso damos descont da pra;a.
SCCC.SSORES !,
ELIXIR DESOBSTlENTE
Eupeplico de Gervo
Preparado pelo pharmaeeudco
JOS' FRANCISCO BITTENC0URT
O GervZo tem urna aeco desobslruente extraordinaria para os incommodos
do figado, baco e estomago, conforme o desoreve Dr. Mello Moraes.
Um grande numero do pessoas qua tem usado delle consider.i-o infallivel.
Levados por estas informacScS e por muitas experiencias presenciadas por
nos mesmos apresenarnos aos clnicos e ao publico em geral, um Elixir desta planta
de um sabor delicioso e de ai efr'to verdadeiramonte beneficio para os pobres despep-
ticos, 8pleneticos e aquellos que soffrem do figado.
Os propietarios da Pha-raacia Ceutral
ITD ITA PHARMACIA CSITTRAL
N. 38 -Ra do Imperador-N. 38
PERNAMBUCO
U2PDS]
.
CARNEIRO DA CNHA & C.
orlina Duque de Caxias59
Licenciados pela Inspectora de Hygiene do Imperio do Brazil.
GOTTAS REGENERADORAS
do Doutor SAMUEL THOMPSON
Aa Cnru mais inesperadas sao deudas a este PBECIOSO MEDI-
CAMENTO, reparador por exeelleoeia de todas a< [r.la< experimentadas
pelo organismo consequente* a EXCESSOS de PRAZERES.
itsas Ootta du vigor aos orgaos semaes dos dous sexos : carao infallivelmente todas as affecces
denominadas ESGOTAMENTO, uos como Impotencia, Espermatorrhea, Pardas seminaea, etc.
O Frasco : 8 Francos lem Franca.) ^7 tnico farirania
Todo truco que nSo trouxer a Uan da Fabrica registrada a a atatnatura^4^^Lj"'m raorrean"
deve ser rigorosamente recusado. -^^"^ <',s's
PAJtTS, Pharmacia 00, ro Kochechouart, 8. *t*r Producto.
Depositarios em Pertiamburo: FBAKC" .W./la SU. I 1 b Cu,

',
<'
II
"I
li
<
i i
^^^^>g^^tf^g>^^^^^^^^Oj^?>j^^^^^^fc^^^^^^^^<
Selleiro, junto ao Dr. Erne-to de Aquino Ponae
ca : qnem pretender irija-se praoa da Inde-
pendencia n. 40, da 11 horas as 4 da tarde.
CEITI.IL
Diariamente debate-ae na mprensa a criae
aterradora porque esto passando as proviicias
do norte deste imperio ; saj innmeros os recia
mes de todas as classes, sem que sejam atteudido
os seua justos pedidos, de que se gloriam as na
ces civilisadas.
E para que se possa dar impulsos aos desejadoB
progresos que certamente traro o bem estar de
todos, resolveram Martina Pires 6t C. estabele-
cidos com armazem de molhados ra Es-
trena do Rosario ns. 1 e 2, a vender por precos
mdicos os artigos concernentes ao seu ramo
de negocio, que certamente constitue urna eco-
nomia diaria e onde se acha om completo sor-
timento dos seguintes artigos, que pela soa qua-
lidade e precos sao recommendaveis, oomo se-
jam :
Viuhos finos do Porto
Madeira
Sherry
Cbambertin
Bordeaux
Moscatel
Cellares e Bucalaa.
Completo sortimento de cervejas, cognac, bitter
licores, doces, bolacbinbas nacionaes e eatrangoi-'
ras.
Queijos frescos do serto, pralo, Minas e fla-
mengo.
Aceite de coco, mate do Paran, formicido ca-
panema.
Precos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosarioNs. 1 e 2
Martins Pires & (J.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Esta excellente Whisky Escossez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cojo nome e emblema sao registrados para
todo o Brasil.
________BROWNS C, gentes.
Livrament & C.
vendem cimento port'and, Jmarca Robins, de 1
qualidade ; no caes do Apollo a. 45.
59, I- andar.
Aliento
38Ra do Imperador38
NS?>

Nesti gri nde pharmacia aviase
solicitado e modiciJade.
receitas e pedidos com promptidao.

0 mais Simplea, o m- I u SkWa Eltlcaz dos REVULSIVAS
lIft-UIHTEITS A.-V-EZ. MF* MIT.IAB aoa TIAJ,
USADO NO INUNDO IMTKIRO
CIOOLLOT peda aoa Snr^e cntJOM compradores
VERDADEIRO PAPE HlfiOILOT
qw rm esda eattxm
* em cada falhu,
tr*\ tsenpta
m Tints, ncarnti*
I
B
FUNDICAO DE FERRO
**
CARDUZO tt IRMAO
Ra do RaraO do Triumpho ns. 100 a 104
Deposito a roa do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem sempre em deposito todos os machinismus e ferragens precisas agricul-
tura desta provincia, como sejam : vapores locomoveis, semi fixos, com caldeira
chornis ou para fogo de assentamento, moendas de todos os tamanhos, tachas batidas
e fundidas, etc.
Mandam vir por encommenda qualquer machinismo, encarregam-se de sental-os
e reBpnsabilisain pelo bom trabalho do mesmo.
Vendem a prazo ou a dinheiro com descont e a precos resumidos.
OPPRESSAO JTTO7T11 NEURALGIAS
IIIMlSTBiini y*TJgllUfl Pelo* CiGIBROS ESP1C
Asplra-se a fumara que penetra nu paito acalma o symptoma nervoso, taclUta
a cx'pcctoracao e lavorisa as funcroes dos orgaos respiratorios.
VenaVa <-m atacado es caa de S F.xMC. roa *^l.are. esa rara
Deposito em Pernamhuco : FRAN M. da SIL-VA t C*.


JKfl UII'SE &
Ra I de Narco n. 6.
Passii ipam ao respeitavel publico que, tendo augmentado seu
estabeljcimento de JOIAS com mais urna seccSo, no pavimento terreo,
com especialidades em artigos .de ELECTRO-PLATE, convidam as
Exmas. familias e seus numerosos freguezes para visitar seu estabele
cimento, onde en prata, perol .s. brilhantes e outras pedras preciosas, e relogios de aro.
prata e nikel.
Os artigos que recebem directamente por todos os vapor sao
executados pelos mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
Estados-Unidos.
A par das joias de subido valor acharSo urna grande variedade
3e objectos de ouro, prata e electro pate, proprios para presentes de
basamentos, baptisados e anniversaries.
Nem em relaco ao preo, e nem qualidade, os objectos cima
mencionados, encontrarlo concurrencia n'esta praca.
MWJtastJWMPsMWs*!^^
BRONCHITES, TOSSES, Catarros Pulmonares,
DEFLUXOS, Molestias do Peito, TSICA, Asmas
CUBA RPIDA B CERTA PELAS
Gottas Livoniennes
BU
TROETTE -I*BimBT
Com CREOSOTE de FAIA, ALCATRAO &e NORUEGA e BALSAMO ie TOLO
Ksle preparado, infallivel para curar radicalmente todas as Molestias das Vias
respiratorias, recommendado pelas Notabilidades medicas como o nico efflcai.
o nico medicamento que slem de nSo fatigar o estomago, o fortifica, reconstitue e desperta
o appetite : duas gottas pela majihi e tarde bastam para triumphar dos casos mais rebeldes.
DEVE-SE EXIGIR O SELLO DA UNIAQ DQ8 FABRICANTES.
Deposito prUcipal: TROUETTE-PERRET, 264. boilei*?!tiir. PARS
Depsitos em Pernomlmco : FRAN- M. da silva e t> e as prtndpaes pharmaelas.
As prescrip^es em linguas estrasgeiras sao flelmente
despachadas
O pharmaceutico pernambucano JOS FRANCISCO BETTENCOURT
convida os clnicos desta cidade que queiram honral-o com sua confianca
para qualquer trabalbo profissional o ao publico. Garante se a mais atten-
ciosa e conscienciosa execucao.
Esta casa recebe seus productos chimicos e drogas directamente
das melhores ca9ss da Europa, especialmente encommendadas para seu
receituario.
ESPEOALXMDE
larop i M, un e Balsomo e Tola
Preparado pelo pharmaceutico JOS FRANCISCO BETTENCOURT,
de urna eficacia verdadeiramente maravilbosa as molestias dos orgaos
respiratorios.
Bronchilcs, asthma tosse, convulsa, etc.
:o:
Es8encia depurativa. Formula do distincto clnico Dr. Ramos.
Depurativo por ex:ellencia para todas as molestias que tem a origem
na impureza do sangue.
Sfilis, inrite nlceras, ernpQOes ierplicas, ate-, ate.
Tinta preta para escreverinalteravel, fabricada com muito cuidado
por urna formula ingleza, especial para escripturaclo mercantil e repartijSes
publicas, secca de pressa, perfeitamente preta, nao corroe as pennas, nao
deposita e d iopia.
Sitio no Arraiai
Vende-se a casa terrea com 7 quartoe, 3 salas,
casinba, qui.rto com banbo de chavisco, depen-
dencias para criados, cacimba com mnito boa
agua e bomba, um lindo jardim, passa um riach >
pelo centro do sitio, tendo orna pequea ponte
com bancos para recreio, arvores fructferas, co-
queiros, laranji-iras, sapotiseiros, mangueiras, ja-
qneiras e outras diversas, roa da Harmona,
dividindo com o sitiu do Sr. Baduem : a tratar
com o Sr. Domingos Gomes Correia, na casa ama-
relia, ou na rna da Paz n. 42.
Yiiilios da Gansfeira
Finos
Carc. vellos.
Madeira.
Moscatel.
Uva Bastarda e de Pa3saa.
PARA MESA
Genuino do Lavradia a 500 rs. a garrafa.
Na mercearia de Manoel Correia & C.
Praca do Conde d'Ra n. 1S
FUNDICAO GERAL
ALL4N PATERSON fr C
N.44Rua do Brum--N. 44
UNTO A ES A(JA0 DOS BONDS
Tem para vender, por pra o mdicos, as segu t-s ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular
Gradeamento para iardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos,
Moendas de 10 a 40 pollcgadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se deconcertos, e assentamento de machinismo e exetfutaai vastt
rabalho com perfeicao e presteza.
Terreno
Vende-se um terreno confronte a estacSo di
Principe, estrada de Joo de Batros, eom 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e oem alioeroe*
para 3 casas; tratar na roa d'Apollo n. 30, pri
eiro andar.
Taverna
Vende-se urna taverna propria para principian-
te por ter poucoa fundos, na roa dn Capito An-
tonio Lima n. 68 : a tratar na mesma.
tWWWWWW ////////////-
NOVO
| THERMOMETRO MEDICO
de Lon BLOGH
; privilegiado)
Systema extreir-sensivisl
Que nao experimenta Tarlacio algsxma
de-rio!a a contraocsfo do vidro.
Adoptado pela Academia da Medicina da farii
t 22 de septembro da t88S.
TtSM m meis Iistruneitw trans -^* n*.t H
aioka luiHitira: *^5=^J>
Acbs^ae as [incipaes Casas de Tastrunaatos
de CirurgiA.
Vena en Grosso: 18, ruilWiy. m PARII
Deposito em reniaiae :
FRAN~ M. da SILVA & O
e as principaes Pharmaelas.
iiiiitnrttr \\\\\\\\\\\v
Papel para impresso
Vende-se papel para impresso, do formato Dia-
rio e Jornal do Recife ; na ra do Marques de
Olinda n. 31.
Vende se especial farinba de milho e de arroz,
feita vapor, e preparada para bolo, cangica,
cuscus e outras diversas especies de comedorias,
que aecessitem destes mesmos gneros, sendo a
240 rs. o kilo da de milho e a de arroz a 320 rs.,
*asim como farinha para tender o pao cerveja a
2/000 a arroba : na padaria da travesaa do
Pombal n. 1, pertencente a Pereira & Pinto.
Telephone2%.
4 Revoluto
48-Rua ia Dap fla Cais-48
Recebe as seguintes fazendas de novida-
de:
Cachemira de listrnha a 600 lis o co-
vado.
dem broche borda a 10500 o dito.
dem pretas 700, 800, 10000, 10200,
10400, 1600 e 20000 o dito.
dem de todas as cores a 800, 19000 e
10200 o dito.
Ricas guarnijSes de veludilho a 60000
urna.
Setins lisos a 800, 10000 e 10200 o co-
vado.
Seda escosseza a 640 rs. o covado.
Lindos metins com listrinhas a 400 ris
o dito.
Faile com palminhas a 400 rs. o dito.
Setinetas escossezas a 320 rs. a dito.
Ditas com listrinhas e paloiinhas a 320
o dito.
Lionay-se com palmichas de retroz a
140000 peca.
Organdir bordado a seda a 150000 a
dita
Etamine tecido transparente a 100000
a dita.
Cambraia bordada a 50000 50500 e 6tJ
a dita.
FustSes branco a 360, 400, 440. 500,
600 e 640 rs. o covado.
Lindas alpacas de cores a 32(5 o covado
Sintos de cbagrem a 10500 um.
Camisas inglezas a 360005 a duzia
Colarinhos e punbos para senbora.
Sabidas de baile 30500 urna.
Fechus de 1Z a 20, 20500 30 e a 80000
um.
GuarnicSes de crochet a 80 e 100000
urna-
Lencos de esguiao a 203CO e 30500 a
duzia.
Grande sortimento de madapolZode 40
a 100000 a peSa
Leques de papel 500 rs. um.
Cortes de cachemira para vestido a 200
um.
Toilet para baptisado a 90000 e 140000
um.
Veludilbos lisos, lavrados e bordados a
retroz a 10000 e 10800 o covado.
Anquinhas a 10800 urna
Colchas bordadas a 50, 60000 e 70000
urna.
Cobertas com dous pannos a 20800 urna.
Grande sortimento de case-niras, brins
brancoss e de cores, punhos, colarinhos,
grivatas, meias e lencos e artigos para
hornem a senbora.
S mi foja da Revoluto
Henriqne da Silva loreira
Barato
Bom negocio
Vende-se urna armado mnito boa para qual-
quer negocio, na roa Imperial n. 7 ; a tratar junto
minero 5.
Taverna
Vende-se a taverna sita ra de ChristovSo
Colombo n. 14, antigo becc* do Lobato, com pon-
eos fundos, bem afreguezada, propria para prin-
cipiante ; a tratar na travesa de S. Jos n 1.
Licenciado pela Inspectora Geral de Eyglne do Imperio do Brazil.
PREMIO NACIONAL
di 16,60Or.
Grande Medalha de OURO
na-Laroche
Encerrando todos os principios das
quinas
APERITIVO, TNICO
Agradabilissimo e de superioridade pro-
bada sobre Imlos os preparados de quina,
contra a DepressAo de Forcas, as AP-
FEcgEs del Estomago, as Febre re-
beldes, etc.
e FEBRFUGO
0mesmo FERRUGINOSO
Recommendado contri o DepaperamentO
do Sangue, a Cheoro Anemia, e as
CONSEQUENCIAS DO PARTO, etC *
Vende-se urna casa de taipa, coberta de telba,
na ra da Palba, freguezia do Poco da Panella,
esta edificada eui terreno propria, e qaal tem 47
calmos d frente e 150 de fondo, e com cacimba:
quem pretender dirija-se ra das Ftares n. 18.
Telhas de zinco
Vende-se telhas de zinco, usadas ; no caes 22
1 de Novembro, armasem da bola amarella n. 36.
Nenenles d caeo
Vende-se lementes de caca i ncas ; no caes 22
de Novembro, armazem da bola amare!1,, n. 36.
AS
Enfermidades Secretas
BLENORRHAGIAS
GONORRHEAS
PLORES BRANCAS
CORRIMIENTOS
recentes ou antigos sao curados em I
poucos chas em segredo, sem reg-1
men nem tisanas, sem cncer nem I
moles'ar os orgaos digestivos, pelas I
PILULAS
e injeccao de
KAVA
DO DOUTOR FOURNIER
Cada Ptuia tim gravado tima, jfentt,
mull. 6 n. ouicclo. 4 ra.
PARS, aa, Place de ia Madaleiga
lltialka OURO. Pars IS8S|
Barato
Vende-ee ou permnta-se pr pequeas casas em
ualquer das treguetias do R--cife, a casa n. 22
ladeira do Varadouro, com commodos para
grande familia, pois tem quatro salas, teis qoar-
tos, gabinete e boa cosinha, com grande quintal
todo murado, c cimoa e de muit > boa agua, e
sabida para o becco da Poera ; a tratar na roa
velha de Santa Bita n. 14, sobrado, das 8 horas
da manbi a 1 da tarde, ou das 4 6.
Fabrica d
PRODUCTOS EN0L0GIC0S
de ULYSSE ROY, em Poitiers (Franca)
EmllePROUST, Sucr- & Genro
Pars, 22, ra Drouot, e as principaes Pharmacias do Mundo.
I Perfume enantico dos Vinhoa oo sobra) __. .
deMeaoc................oslOOftascosi ao'*-
I. Rancio Casancia t> Csgnac, os 100 fraseos 600 fe.
J. Perfumea pan tod o. Licores os 100 frasco 300 fe.
4. EssanoiadeRhum.KincTafia, '* lOOtiaaoca OOfS,
ieosiT4tuoa aa Pernamhuco '
sFRAJif K DA SILVAA O
Falha de carnauba
Vndese em grosso e a retalho ; aa roa de
Hnrtas n 41, t na roa da Deteocao n. 9.


s




I


**
. >
8
Diario 1S87
ASSEHBLEA GERAL
!

man-
(E' sa-
PRMEIRAPARTE DAORDEM DO DA
PSNALIOADB PABA O OSO DE ARMAS PRO-
HIBIDAS B PAKA 08 VADIOS, VAGABUNDOS
E DKSOBDEIBOS.
SESSAO DE 27 DE AGOSTO
O Sr. Mac Dowell (ministro da
justica) :-Sr. presidente, V. Exj.
dar-me-ha o projecto e a emenda,
tisfeito o pedido.)
A diseusso com que neste momento s*
oceupa a Cmara dos Srs. Deputadoa de
samma importancia. O projecto offereci-
do na sessao do anno passado por dous il-
luBtrados membros desta Cmara, e que
tomeu o n. 49, tem man.festamente por
fim estabelecer medidas repressivas mais
enrgicas contra os capoeiras e gatunos,
denominado vulgar com que sao conheci
dos os doos grupos : o dos perversos des-
ordeiros e o dos audaciosos ladros e ca-
valheiros do industria ; mal este, seotido e
assignalado constantmente pela imprensa
desta capital e at no parlamento, em urna
e outra casa : j se chegou a dizer, e com
toda a razio, queisto envergonha a civiliaa-
clo da oapital do imperio. (Apoiados.)
OSr.Coelhode Rezende :E urna
verdade.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justica) :
O projecto do anno passado procurava
ferir essas duas clasBes de criminosos in-
directamente pela aggravaclo da pena do
uso de arma defozas.. .
O Sr. Ratisbona :Est o seu principal
defeito neate ponto.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justica) :
. .. e das que alo applicadas aoa que
infringem os termos de bem-viver a se
acham coroprehendidoa na disposicSo do
art. 12 do cdigo do processo criminal.
E tambem, alm da aggravaclo da pe-
na, buscar conseguir este resultado, tor-
nando mais prompta e efficaz a represslo
por meio de processo de alfada. (Apoia-
dw) ,
A emenda ha pouco lida na mesa,
igualmente conbida debaixo do mesino
pensamento, isto de indirectamente con
prehender estas duas classes perigosas
(apoiados), de que acabo de fallar, a sa-
ber : dos capoeiras e gatunos.
A emenda, com effeito, estabelecendo
urna derogado aos principios geraes do
direito, com a qual sinto nlo poder con-
cordar, passa classe dos crimes pblicos
as crime de natureza essenciulmente par-
ticular, como o de furto.
O Sr. Coelbo de Rezende d um aparte.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justas) :
__Perdoe-me o nobre deputado. Como V.
Exc. ver depois, eu entro neste debate
sem prevenclo, sem paxlo e at sem o
menor apego ao projecto substituto, que
usando do meu direito como deputado, vou
apresentar Cmara. Agora, como mi-
nistro, como, membro do governo, declaro
que so aceitarei urna medida efficaz e enr-
gica, que espero obter da sabedoria do
parlamento, anda quando sejam sacrifica
das aa ids coudas no meu projecto, aoj
qual, torno a dizer, nlo tenho apego ne-
nhum.
O Sr. Coelbo de Rezende d um aparte.
O Sr. Mac Dowell (ministro da justica) :
Mas a emenda do nobre deputado dero-
ga o principio g-ral do direito, alterando a
natureza do delicio ; nella trata se exacta-
mente de um crime, que est no Cdigo
sob a rubrica dos crimes particulares.
Eu sai a razio porque o nobre deputado
quiz attribuir a denuncia, ou acelo publi-
ca a este crime particular. S. Exc. o fez
no intuito de evitar um dos convenientes
mais graves, qual o que resulta da necea
sidade da queixa para poder ter lugar a
accao repreasiva contra oa delioquentes.
Mas, Sr. presidente, oomo ia dizendo,
tanto o projecto como ainda a emenda tn-
dem a coroprehender estes individuos por
um modo indirecto.
Eu p nso diversamente, e por isao for-
mulei um projecto substitutivo que vou
apresentar coosiieraclo da Cmara, no
qual directamente procuro comprehender
urna e outra classe de criminosos ; e com
as disposi^SS relativas ao processo e com-
petencia, fazer com que se ja prompta a
vin licta da lci.
Como j disae, outro entro neate debate
com a maior senclo de animo, e offerega
meu projecto para que seja emendado de
modo a sahir o melhor possivel. (Muito
bem.)
Todos nos temos igual interesse nesta
questV
O Sr. Coelbo de Rezende : E' urna
questo a berta, nSo ha duvida.
O Sr. Mae-Dowell (ministro da Justina) :
O que preciso que a medida attinja ao
fim desejado, que na > aeja fraca e fcil de
burlar, porque oeste caso pretervel que
o governo fique sem lei, como actualmente
eat. (Apoiados).
Nos sabemos, nao um facto novo, pois
aqui foi tratado em outra sessao, que o
governo j te ve necessidade de lanzar mo
do arbitrio, de sabir fra da lei para po-
der reprimir eases audaciosos desordeiros.
O Sr. Coelbo de Rezende : Mas si nos
podemos fazer a lei ?...
O Sr. Mac-DoweU, (ministro da justica):
Quera duvida disto ? E por este met
vo que estamos a discutir. (Apoiados.)
Apreseo-me a 1er o meu projecto para o
qual chamo a attenco da Cmara. (L
os arts, Io e 2o.)
At aqui o projecto contm disposic3s
excepcionaes que nao pretendo justificar
perante a cmara com principios geraes de
direito e formas ordinarias do processa.
Do art. 3 em dianta trata de dsposicBes
de carcter geral, mas que tem por fim
sanar defeitos reconheoidos na legislacJo
que impedem a acclo da autoridade poli-
cial. (Continua a 1er.)
Como ae v pela leitura que acabo de fa-
zer do projecto, que vou mandar mesa,
elle consta da duas partea distinctas ; na
primeira trata de punir e facilitar a puni-
lo de copoeiraa e gatunos; na segunda
de medidas de ordem geral de que preci-
samos sem demora, porque sao reconhe-
cidas urgentes e tem sido reclamadas de-
pois que foi posta em pratica a reforma ju-
diciaria de 1871, a qual neate ponto desar
mou a autoridade policial e era isso entlo
muito natural por causa da reacelo contra
as averigaacoas admittidas pela lei de 3 de
Dezembro de 1841.
Um Sr. Deputado :Pelo arrocho.
O Sr. Andrade Figueira : Nlo bavia
arrocho : foi urna mama, muitas vezas se
apodera dos espiritos.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justica):
Seja como for ; o que basta ao meu in-
tuito, que o mal esteja reconhecido como
reconhecida a urgencia de obvl-o.
Eu nao dissimulo a difficuldade que ha
em definir delictos, sobretudo delictos no-
vos e especiaes. Aqui nao se quer somon-
te punir o delicio connexo ou aquelle que
se commette por occasiao de exercicios de
capoeit-agem. Trata se de punir esses mea-
mos exercicios, quando tendera a um fim
Ilcito e condemnavel, qual o de provocar
desordena o offeoder a quem que seja
E' necessario, portanto, definir esses
exercicios condemnados pela opinilo publi-
ca, que sempre dio lugar pratica de
crimes s vezes gravea e a perturbabas da
da ordem publica.
A principio pareceu me que bastara de-
clarar : a pratica de actos de capoeiragem
para o fio de provocar desordena, etc.,
ser punida com a pena tal; maa depois,
estudando a materia, entend que a dispo-
sico do art. 1* como ae acha redigido,
ficaria mais explcita em definico. (Apar-
tes.)
O pojecto servir de base diacusslo e
podereu?os chegar a um aesordo ; o que
indispeasavel que fiquem comprehendi
dos sement aquelles que praticam os ex
er icios da capoeiragem para commetier
----------------------------1
crimes e promover desordena, e ni dei-
xem de ser coraprehendida todos aqueles
que pertenoarem a essa classe perigoaa.
O Sr. Oliveira Ribeiro: A capoeira-
gem um exeroicio de gyranastica.
O Sr. Mac-Djwell (ministro da justiga):
Por isso mesmo, si alguora o praticar
sem o fim de offander a outrara, sem a in-
tgrelo de oometter um crime, ou promo-
ver desordene, nlo criminoso
O Sr. Andrade Figueira:Na poltica
tambem ha capoeiras.
O Sr. Mac-Dowull (ministro da Justina):
Havia necessidade de definir esse d dic-
to, e parece-me que corresponden) a urna
boa definilo os elementos do art. Ia.
O Sr. Andrade Figueira:Ha de en
contrar dificuldades para definir; ellus j
sao bem ernbecidos. (Ha outros aparioi./
O Sr. Mac-Dowall (ministro da justir;-:)
Eu assignal-o a difficuldade que ba na
definilo, para que nai pareja que foi im-
F0LHET1M
VICTIMAS E ALGOZES
POR
EMILIO DE KICHEBOURG
PROLOGO
UALDlCin
prevista, confiando, entretanto, que a dia-
cusslo tudo esclarecer.
Distingu, como v se do projecto, as
differantes partes do art. 1, o modo des-
ses exercicios, por um s individuo, ou
agrupamentos, armados ou desarmados ;
porque, certameote, a graviiade do delicto
augmenta, segundo praticado por indivi-l
do salado ou em ajuntamento, com ou
sem "armas effansivas. O ajuntamento pro-
8upp3a ajuste previo, urna certa premedi-
tado, circumstanoias taes que aggravaiu
a natureza do delicto, e o uso de arma*
presuppj urna inienclo criminosa, mais
audaz, previ .mente concebida e assentada,
porque trazer essas armas manifestar o
animo de usar deas e, conseguidamente,
de offender a pessoa certa ou incert.a
O Sr. Andrade Figueira : MB as as
sociajoas que se formam para esse fim nao
ustaVcompreheodidaa na disposicSo.
O Sr. Mac-Dowdll (ministro dajusti;*):
Esto comprehendidas (l): os delnquentea se tiverem reunido em
malta, etc.
O Sr. Andrade Figueira:Ellea for-
mara urna especie de aociedade em conta
de participagao para o maleficio.
O Sr. Mac-Djwell (ministro da justica):
Eu julgo qus isto mais difficil de pu-
nir ; entretanto, os nebrea deputados indi-
carlo os meios.
Eu no projecto, s depois da intenco
manifesta por actos exteriores, que torno
possivel o delicto.
O Sr. Andrade Figueira:V. Exc. s
pune o effeito. Eu acbava melhor entrar
no antro, para ver ae arranca va a bydra.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justija):
- Eu nSo puno s o effeito, puno mesmo o
exercico desses actos tendentes a provo-
car desordena.
O Sr. Duarte de Aaevedo :Punidos
eases actos, a associagao malfica dissolve-
ge. (Ha um aparte.)
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justica) :
A lei de 1831, lei excepcional e dicta-
da por rao ti v >s que agora n&a subsistem,
foi que puni os juntamentos Ilcitos em
si mesmo ; o Cdigo, porm, nao havia es-
belecido penas para taes a juntamentos, que
elle defini o de pessoas que se reunem
com intencSo de praticar crimes, etc ;
liraitou-se a esta definilo : esta parte
puramente doutrinai.
O Sr. Andrade Figueira: O Cdigo
pune.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justica) :
Nao pune ; o Cdigo primoiramente de-
fine o que ajuntamento Ilcito e depois
vai aos seos effeitos.
O Sr. Andrade Figueira :Em artigo
anteriores a esse, o Cdigo trata de crimes
commettidoa em ajuntamedtos Ilcitos ; in-
juriar, pregar a insurreiclo.. .
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justica) :
--Aqui tenho o Cdigo ; vejamos.
O Sr. Andrade Eigueira: E' em que
se funda o edital da polica da Corte.
O Sr. Mao-Dowell (ministro da justica):
Tenha paciencia ; nao eat bem lembrado
O Cdigo no art. 285 diz o seguinte (l):
Julgar-se ba cominettido este crime,
reunioio-se tres ou mais pessoas com a
intenco de se jularera mutuamente para
uom'oetteram.algn delicto, ou para priva-
ran! illeg^lmeotH a alguem ao gozo ou
exercico de algura direitj ou dever. >
lato diz o Colig Agora pargunta-se :
Qu-il a pena ? O Coligo nilo eatabalece.
O Sr. Aodrade Figueira :laso a de-
fiuic&o do ajuntamento illicito ; quando esse
ajuntamento tem por fim commetter algu n
los delictos previsto nos artigos subse-
quentea ou anteriores a esse, puaivcl cora
as i as do meamos artigos.
j Sr. Mac-D.wJl (ministro da justi$a) :
V. Exc. est engauado. O art. 286
diz : Praticar em ajuatamauto illicito
algura dos actos declralos na artiga ante-
oed'-.ute. i
E' precisa a pratica ; oomeca a puoico
depois da pratica. Tanto isto assira que
a lei de 16 de Juolio de 1831 diz no art.
285, isto o daquelles qm em ajuntamen-
to illicito tinham inteoyla de commetter
delictos; lei que fui rehogada em 1860
pela de n. 1,000.
O Sr. Coelbo da Rezende d um aparte
O Sr. Mac-D wcll (ministro da juitica) :
V. Exc. est argumentando contra o
que eu acabo de 1er. O Cdigo contm
diversos artigos doutrinarios leo comrai
afio de pena. O art. 285 defina o que
erara ajuotamentos Ilcitos e pos subse-
quenteB punida a pratica dos crimes re-
sultantes de taes sjuntamentos. Isto
cousa diversa. A inteogao de commetter
crimes nao era punida pelo Cdigo. De
outra forma nao teri i significosla a lei de
6 de Junbo de 1831 -
Entreunto, iato nSo vem ao caso para a
minha argumentoslo.
O Sr Andrade Figueira : A nossa dis-
cordancia est em V. Exc. dizer que s
os artigos seguintes concretisavam os de-
lictos. (Ha outros apartes.)
mente maralisadora da prisSa com traba-
lho.
Desde que no caso de reincidan:a a pe-
na ha de se cumprir em urna colonia pe-
nal, quando exista, e antes d'iato em forte
ou oolonia militar as fronteiraB do impe-
rio, evidentemente o criminoso a tem de
cumprir fra do logar onde foi o the'tro
de seu crime, mas onde tem os comrao los
de residencia e relacSes.
Aggravada, por consequencia, psr essa
propria ausencia, que era o fim do projec-
to, mas nao de ve constituir degredo nos
termos do coJigo, mxime quando o de-
gredo assim ou seria a pena nica, e neate
caso nao preeneberia o fim de regenerar
essas in iividuos ociosos e perversos, que
so quer quo venham a ser cidadSos utais ;
ou entilo teria lug^r o accumuUrera-se
duas penas a um s lelicto o degredo e
a priso com trabalho.
Hasitei, senbores, confasso, se devia
d sde loga, na primeira infraejao da lei,
pelo coinmettimento do primeiro crime,
dar-se lugar ao cumprimento da sentenca
uessss colonias ou lugares de fronteiras. .
O Sr. Oliveira Ribeiro :Parece grave.
O Sr. M*c Dowall (ministro da Justina) :
... e me parece que urna excepcjlo
o liosa e vexatoria, como esta, s devia ter
log^r depois que o criminoso so mostrasse
recalcitrante na pratica do delicto, para
tornarse a pena ainda mais severa do que
ao primeiro caso.
Senhores, ebego ao art. 2 e confesso
que abordo a tile com difficuldade. Esf)
artigo destina-se a punir os gatunos. E'
outra exprsalo vulgar, de que nlo co-
nbeco a definilo. O que que so chama
gatuno T
o.
O Sr. MacDow.U : Nao insistamos so
bre este ponto, que nSo nos adianta nada
para a disctalo.
O nobre deputado pelo IIo districto do
Rio de Janeiro lembra, e lembra muito
bem, que nlo ha nada mais difficil do que
dafinir Has simplicas. De pert-ito aocor-
do: Idea simplicet ne definiantur, obs-
curantur euim. >
Mas tambara n2o podemos conseguir o
resultado que desejaraos sem procurarmos
estabelecer os elementos constitutivos des-
ee crime iui g$neris, que se trata de pu-
nir, de fazer desappardeer da sociedade
brazileira.
Nao ha outro meio e appello para o au-
xilio das luzes da Cmara. V- lhor redacelo possivel, concretise-se, como
mais conveniente seja, para que na exeeu-
glo na lai os magistrados nao enoontrem
duvidas eu obscuridades.
Eata p receu-me devia ser a redacelo.
Si, porm, outra for apreseotada, declaro
desde j que aceito, nSo tenho amor de
paternidae a este projecto ; nicamente
quero medidas erficazes e enrgicas. F-
ra disto, nada vale.
Nlo descenheco tambem as difnculdadea
com referencia puniclo dos crimes con-
nexos, quando sao graves e inaffi tncaveis,
e at por isso abri urna exeepelo a regra
do julgamento pelo juiz municipal ou aub
stituto, pra pasear ao juiz de direito com
appeltaclo para a Relacle, erabora esta
appellaco torne mais demorado o precesso
do que acontece, sendo o julgamento da
competencia do juiz municipal ou do juiz
substituto, conforme a comarca fr geral
ou especial, e o recurso para o juiz de di-
reito.
A disposicao do 3 sobre o cumpri
ment de penas, tem relaclo tambem com
as do projecto que est em dscusslo:
quando trata do degredo punido com di-
versas penas o mesmo crime; resultado
que se obtem sem lancar mo desse meio
SCcntinaaclo do n. 2 08)
VIII
Teria a moca suspeitado das iutencS-'S
de Darasse ?
O seu rosto calmo e fra tornava difficil
dizel-o.
Conservou se calada, mas nlo poda fur-
tar-se a uma VHga inqu^etacjlo. O instinc-
to de roulher d'zia-lhe que tinba acreditado
muito fcilmente na atrizade e no desiote
resse do marseltiez.
Como este n5o tratasse de se retirar, Oa-
briella levou a conversaco para assumptos
que nao se prestavam a expansSes ntimas
e o msrselbez tentn em vao trazel a para
o terreno que tioba a principio escolnido.
Tinha vindo note e faza j escuro ; a
moca allegou a necessidade de deitar a fi-
Ihs ; era uma despedida que fazia a Da-
rasse, e foi preciso que se decidisse a par-
tir.
Ainla desta vez havia sido dominado
por ella, deixava o campo de batalha sem
ter ousado travar a aejo. Censurava a
si mesmo a sua fraqueza e aecusava-se da
sua cobarda.
Que mulber 1 que roulher murmu-
rou elle.
Um relampsgo brilbou Ibe no olhar.
Decididamente, proouciin elle baixi-
nbo, nlo conseguirei nada ae nSo empre-
gar a violencia.
*

Na dia seguinte Gabriella sentia-se ex-
tremamente traca, era o mo estar produ-
zido pela fome. Perturbavam-se-lhe as
ideas e parecia Ihe que os objactot dansa-
vam era volta della. Se bem que o ar do
mar circulasse continuamente na cas, aba-
java.
De-idio-se a sabir.
Se fosse s, ti car a immovel e teria es-
perado a morte. Mas tinba sua filha. Por
ella era capaz de supportar todas as burai
IbacSes ; a idea de mendigar nSo a assus
tava.
Se encon'rasse alguem que lhe parecea-
se acceasivel piedade, estenderia-lhe a
mln e pedera po.
la palo camiuho que conduzia aos su
burbios, caminhava com difficuldade, tro-
peando as pedras e receiando a todo mo-
mento cahir, tanto lhe custava a suster-se
as pernas. Pe asa va que se cahisse nlo
poderia tornar a levantar-se, e apertava a
hlha de encontr ao peita, porque era so-
bretudo nella que pensava.
Nlo poderia dizer ba quanto tempo ca-
minhava, quando esgotada, oom as forjas
prdi18, camb-tteou.
Felizmente estava perto de uma arvore e
encostou-se a ella.
Passarara entlo duas pessoas. Era um
hornera, que parecia ter triota a trnta e
cinco annos de idade, e nma moja, que
nao tinha mais de vinte e cinco a vinte e
aeis annos.
Repararam para a pallidez da joven mli,
para a expressao do soffrimeato espalhada
os auas feicSes e dirigirara-lho a palavra
cem bondade,
G*bri-lU fi :ou impressionada com o tira
bre da voz do horneo ; parecialbe que j
o tinha ouvido. Elle mesmo examinava a
infeliz com cu.'iosa attencSo.
t)s dous esposos, porque eram marido e
mulber, nlo tiveram precisSo de longas ex
plicacSes, para coroprehender que se acha-
vam em face de uma dessas terriveis mi
serias, perante as quaes os corac&aa mais
duros nao podem fi;ar iodiffarentes.
Habitavam perto dalli ama dessas casas
de campo, em que os marselhezes e ainda
mais os estrangeiro, vio procurar um pou-
co de fresco.
Apoiada ao brago do mando, emquanto
a roulher sa encarregava da filha, Gabriella
deixou-se condazir casa delles.
Offereceram-lhe primeiro um caldo e vi-
nho ; em seguida pode tomar um alimento
mais substancial.
Como tvesae urna cuostituijao vigorosa,
em puco se achou mais forte. O seu ros
to tinba tomado um pouco de cor. Entilo
pode respouder, aero cansado, s perguntas
que lhe fiziam
A senbora cabria de beijos a menioa,
admirava a sua graca e belleza.
Tioba perdido algdns dias depois de as
mesma idade que aquella que tinha nos
bracos e que nao se cansava de beijar.
O cordial acolbimento que Gabriella ra-
cebia, na casa d^quella boa gente, contri-
bua para restituir-lbe as forjas e levantar
lhe a coragem. Agora poderia voltar para
casa.
Quando ella lhe diaae aonde morava, o
bomem exclamou :
O que 1 dissa elle, mora nessa caaa
solada, oude em outro tempo se passarara
cousas to extraordinarias ? E nlo tem
medo T
N5o, senbor, reapondeu ella.
Ah 1 nao era de ladros que ella podia
ter medo, tinha bastantes outras cousas
qde reoeiar.
E' o mesmo, dsse o sujeito a quem
a mulber chamava Carlos, faz mal em fi-
car nessa casa. Aquelle lugar nlo se
guro. Aqui estamos perto da cidade, en-
treunto iramos para ella, se nlo estives
sernos em vesperas de partir. Na penlti-
ma noite, escalaram o muro do jardim e
roubarara-rae div-raos objectos de valor.
Segundo me disseram, foi um patife ainda
moco, que vaga muito pela praia.
Paolo dissa Jabriella.
Nao sei como se chama, nSo o co-
nheco, porque nlo o vi senio de longo ;
mas parece que um patito que prometi
um futuro de gli. Anda oom geoe que
capaz de tudo.
Gabriella estremecen.
Seu marido tazia parte deesa gente de
que se fallava.
Levaotou se pira se ir erabora.
Vou acompanbal-a, disae o Sr. Car
los.
Tenho pena de me separar desta pe-
quena, disae a senhora, pondo a menina
uos bracos da mai. Ah I como eu gostari
della se f isse minha.
O Sr. Jarlos e Gabriella sabiram.
Quando estavam um tanto afastados da
casa:
Minha senhora, disse Carlos, nlo so-
mos inteiramente estranbos um ao outro ;
en -entramo nos no porto, em uma noite em
que a senhora e sua filha estavam expos-
tas ao sopro perigoso do mistral.
Teve a delicadeza de nao Iludir ten-
tativa de suicidio da infeliz.
Reconheoi-o, senbor, responJeu ella,
nesse dia como boje, o senhor foi rauiu
bom para mira. Tmba-me feito acreditar
que chegara ao fim das minbas provacSas
e..
Um soluco impedio-a de acabar. Mas,
o Sr. Carlos tinba coraprehendido.
cer,
uma menina que, se fosse viva, teria a
nicamente applicando a praa csseucial-
O Sr. Ratisbona :Um ladrla de pro-
fisBlo .
O Sr. Coelbo de Rezende :Um sujei-
to que tenta contra a propriedade alheia.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justi-
$a) : Nlo isto s. O gatuno ea geral
um ladro de profisso, um ladrlo ha
bitual ; mas elle pertence a tres classes
distinctas (os jornaes todos os dias nos
esto referindo os factos): ou se insina
no domicilio, na casa albeia, de dia ou de
noite, para, prevaleoendo-se do silencio,
do desapercebimento ou do somno, furtar
o que encontra na meama casa, e neate
caso commette o simples furto ; ou usa de
gazuas para abrir portas, de escadaa para
escalar janelias e amuradas, pratica ar-
rombamentos e i vezes a audacia chega
ao ponto de praticar violencia contra os
donos ca casa ou outras pessoas, e neste
case cabe perfeitamente na classificaglo
do roubo ; ou pertence a essa malta de
cavalheiros de industria, usa de fraude,
de simulado, de qualquer artificio fraudu-
lento para apropriar se do alheio, e ah
cabe a claasificaclo do eatellionato.
Ora, eu oom prebendo que, quanto ao
roubo e eatellionato, seria fcil exigir que
viesse acompanhaodo o mandado de prislo
uma informado official do processo ante-
rior e at da sentenca ; mas, com relajao
ao furto, sobre o qual, afora o caso de
flagrante, a pode tr lugar o procedimen-
to por queixa do offendido, isto impossi-
vel, porque as partes abandonam quasi
sempre, nlo procedem...
O Sr. Ratisbona :-N3o podem ; muitas
vezes alo pobres.
O Sr. Mac-Dowell (minstro da justi-
ca) :... e esses gatunos retiram-se, fa-
zendo uma co>-tezia autoridade policial
desarmada, porque nlo Ibes pode fazer
cousa alguma, em vista da lei.
Portanto, tive necessidade de redigir
como se acha este artigo, sem deBconhecer
que d lato arbitro autoridade. So por-
ventura entender-se que basta dar ao cri-
me de furto, sobre o que versa a princi-
pal difficuldade, aoclo publica por denun-
cia, do promotor e admittir tambem para
este crime a prislo preventiva, ento a
cmara melhor resolver.
O Sr. Coelbo di Rezende:Deve dar-
Be mais foroa a autoridade.
O Sr. Mac-Dowell (ministro da justi-
ca :-Eu quiz dar toda a comprebensSo
da idea.
Nlo diasimulo que em goral os crimes
comnettidas contra a propriadade pelos
gatunos sSo de pequeo valor, e que a
medida radical a ente respeito seria esta-
bel-!cermos entre nos os delictos de natu-
tureza policial, os pequeos delictos e jul-
gamento nos tribunaes correccionaes.
Maa 8to importuna urna reforma de na-
tureza geral na legialaclo penal o do pro-
cesso, que nlo pode ser feita como medi-
da de occasiao, qual a que proponho
agora.
Portanto, depais de considerar sobre
esta ponto, nada mais pareceu-me que pu-
desse fazer aeoao o que se acha redigido
no art 2.
Quanto ao art. 3o sao as suas dsposi
coes geralmente ac-itas, e era creio que
venham a ser impugnadas.
Davo, porem, dar cmara a razoa por
que, tratando no art. 3o 1 do reatabeleci-
meLto da prislo preventiva pela autorida-
de policial nos crimes inafianjaveis, tam-
bem trato disto no % 2o do art. 1." (Apoia-
dos.)
Quero tornar claro o meu pensamento
e mostrar que elle est coraprehendido in-
teiraraente na redaclo do projecto.
Para a priso preventiva nos casos es-
peciaes dos arts. 1# e 2o, o projecto abre
excepjao s condigSes ou requisitos exigi-
dos pela lei de 1871, sto torna ndis-
pensavel a prova de duas testemunhas
contestes, da contissilo do delinquente, ou
de documento donde resulte eviientemen-
temente a criminalidade ; entretanto, na
outra parte, art. 3o, admitto a prisao pre-
ventiva pela autoridade policial indepen-
dente de mandado ou requisiclo da auto-
ridade judciaria, as com aquelles requi-
sitos que sao seu complemento, porque
indispensavel, trataado-se de uma medida
ordinaria, como esta, em que a autorida-
ie competente tem de fiscalisar a legali-
dada, estejam mencionados os casos em
que a priso passa ser regularmente de-
cretada.
O Sr. Ratisbona :Nos crimes inafian.
cavis nao tenho duvida em dar o roen
apoio a V. Exc.
O Sr, Mac-Djwell (ministro da justi-
ca) : E' do que se trata.
S, entretanto, a Cmara entender que
neste ponto conveniente ainda alargar o
arbitrio, nlo serei eu, como ministro da
justica, quem venha fazer agora questlo
para restringir attribuicSas das autoridades
policiaes. (Ha alguna apartes).
E i j disse a Cmara qua me prevalec
desta opportuoidade para incluir as dispo-
sicSes do art. 3.. Sou o primeiro a coa-
fessar que nlo tem relagao immediata cora
aa outras ; mas, debaixo de certa ponto de
vista, desde que se arma melhor a autorida-
de policial, nSo deixam de ter sua analoga
com as d8po8ges dos arts. 1." e 2. do
projecto.
Assim, Sr. presidente, vou mandar
mesa o projecto substitutivo e, como j de-
clarei a Bamara, aceitarei todas as modifi-
cajoes no sentido de poder obter do parla-
mento a lei de que tanto necessitamos para
fazer cesssr estes factos "deploraveis, con-
tra os quaes se reclama diariameute cora
justiga.
Estimarei muito que a discusso se tor-
ne pertinente, versando sobre o sen exclu-
sivo objeeto e no intuito sincero de con-
feccionar se, no curto prazo que nos resta,
uma lei adequada a to importante fim.
Eram as palavras que tinha a dizer. (Mui-
to bem, muito bem.)
(Continuo)
briella foi sobria de informacSes. Repug-
na va-1 he criminar o marido Comtudo, o
Sr. Carlos nlo tendo difficuldade em des-
abrir uma destas chagaa intimas, que uma
mulber procura seropre occultar, entrou
com olla na casinha da praia.
Tudo naqaelle miseravel interior revela-
va um destes dramas dolorosos, que tantos
lares guardara sagrados.
O bomem fallava pouco, pensava na-
quella singular justica distributiva, que re
parte por uns a alegra a pr outros o sof-
frimento.
E murmurava :
Pobre mulber I pobre enanca I
Nao sabia nada, ou quasi nada, da
quella infeliz ; era uma desconbecida, e en-
tretanto inspirava-Ihe extraordinario inte-
resse. Aquella deagrac, que elle senta
ser imra<*recida, commovia-e extraordina-
nariaroente.
Uma svmpathia profunda detaha-o na
quella casa.
Por fim, levantou-se para se retirar.
Minha senhora, disse elle, nao sei ex-
primir-lhe quanto sua sorto me interesas.
Se pudnr alguma cousa pela senhora, ve
nba me procurar aem receio e tudo qnan-
to me pedir, nos lmites do possivel, fal-o-
hei. Unicaroante apresse-se, os meus ne-
gocios esto terminados em Marselha, e,
d'aqui a dous dias, eu e minha mulber par-
timos para Argel.
Antes de sahir pz tres luizes em cima
de um movel.
G.briella vio-os e nao se sentio humi-
Ihar.
A esmola offende ou consola, conforme a
mo que a d.
Tianam decorrido apenas vinte minutos
depois a sabida do bemfeitor, quando a
porta da casa se abri com violencia.
Gobrialla erapallideceu, vendo entrar o
marido, com a roupa em desordera, a gr-
vate desatada, os cabellos collados na tes-
ta alagada de suor. Os olh s deavairados
brilhavam-lhe como re'ampagas. Era fcil
ver que os vapores do abaintho perturba
v.im o cerebro < o desgragtdo.
Gabriella tinha a futa nos bracos e fina-
ra do p, immovel, esperando que o m.r-
do lhe dirigiese a palavra.
Aquella attitule calma exasperou O.
Un hornera sahe daqui, disse elle
com voz brutal.
- Sahe, e entlo ?
__Trabara me dito, mas eu nlo acredi-
tava que o confessasse com tanto descara-
men'o.
Fnud tinha conscienca da abjecelo do
I iterrogou a discretamente, mas G*- seu procadimento e aquelle miseravel, para
escapar s censuras, tratava de as dirigir
roulher.
Como se chama esse bomem ? per
guntou elle em tem imperioso.
Nao sei.
Ah 1 ah I nlo sabe ? E acredita que
me contentarei com essa reaopsta T quero
saber o nome dsse hornera.
Repito que sea nome me desconhe-
cido. E, alm disao, que lhe importa ?
Raceia que eu censurasen o sen odioso pro
cediraento, oomo lbe acontece, infelizmen-
te, muitaa vezes e procura uma querella
ridicula. Preoauclo intil, humilhei dema-
siadamente o meu argulbo I para o futuro
nlo proenrarei despertar no senhor senti-
mentos que esto de ha muito apagados.
Fraud tinha-se sentado e contemplava-a
com um sorriso sarcaslico, batendo o com-
paaso na mesa.
Falla muito bem, minha Gabriella
Saulieu ; como a senbora sua mli, tem gos-
to pelas rajadas de effeito ; mas o seu
triumpho depende do carcter do ndito
rio ; para mim de nada vale. Entretanto
nlo me diz o que vaio fazer aqui esse ho-
rnera, de quem me quer occultar o nome.
Gabriella deitou-lhe um olhar fri e en-
colheu os hombros.
N aquella occasiao, oa olbos do visconde
virara as moedas de ouro. Agarreu-ascora
urna especie de furor, levantou se pallido,
tremente, com o olbar carregado de relm-
pagos :
- Foi elle, nlo verdade, foi esse bo-
mem que lhe deu este dinheiro ? disse ello
com voz surda.
Foi, reapondeu ella.
O ssu nome t o seu nome ? Quero
ssber o nome de seu amante, minha se-
nhora I
O ultrage era horroroso.
A moca ticou por instantes como que
petrificada, depois levantou se, foi por a
menioa no berso e veio por se em frente
ao marido. O rubor da indignadlo cobria-
lbe a fronte.
Senhor, disse-lhe ella, com voz fro-
mento, o senhor ou est embriagado ou es-
t louco. Po8 que ousa-me insultar. Nlo
me faltava senlo isso. O copo est mais
do que cheio, transborda I Visconde de
Mrulle, o senhor um miseravel e um
cobarde e eu sou to miseravel e to co-
barda de o l' r amado. Mas sinto que j
o deaprso. O seabor inspira-me agora
horror e repugnancia.
Insulte-me, senbor, insulte a mli de sua
filha. Est na seu papel e preciso que
eu b Insulte, mas tenha ao menos o pudor de
respeitar o bomem generoso e bemfditor
que daixou em cima desta mesa o dinheiro
para comprar o po, que o senhor nlo d
era a sua mulher nem a sua filha.
Elle curvou-se, esmagado pelo olbar fui-
minador de Gabriella.
As moedaa de ouro cahiram-lhe da rolo
e rolaram pelo meio da casa.
Houve um momento de silencio lgu-
bre.
Da repente lavantou-se, fez ouvir uma
especie de gemido e sabio da casa a cor-
rer.
A infeliz Gabriella cahio sobre uma ca-
deira, como que inerte.
Est acabado I murmurou ella. Na
posso mais 1 nlo poseo mais I Oh I minha
mli I minha mli !
E desatou a solucar.
IX
A duzentos pasaos da casa, o visconde
encontrou Paolo, que lhe disse :
Sabe que esta noite que ebrga o
navio e que deve estar l, para o rece-
ber. ..
Pois bem, l estare.
Esse navio, cono sabemos, trazia de
Srayrna mercadorias de grande prejo.
Os contrabandistas esperavam lucros so-
barbos e o quinhlo do visconde devia ser
bastante consideravel para o p3r ao abriga
de necessidades, pelo menos, por algum
tempa.
Corotudo, nlo senta nenhuma alegra
com aso.
As terriveis palavras, que acabava dt
ouvir, tinham-lhe como que despedazado as
derradeiras molas de uma vont desde longo tempo, passava alternadamen-
te da prostraclo para a violencia.
Repentinamente curado da embriaguez,
encarava, agora, com sangue fri, a mons-
truosa raalidade da situaclo.
Tada a esperanza tinha-se desvanecido ;
via-se perdido.
Nao acreditava nos lucros que devaia
resultar do desembarque do navio levanti-
uo, como nlo acreditava em todos os mais
que proviessem de qualquer outra opera-
9I0 de contrabandista. J nlo acreditava
em nada.
Tinha procedido com Gabriella, por ma-
neira infame ; nlo procurava desculpar-se,
aecusava si, pelo contrario, com raplaca-
vel severiaade nlo acbando nanhuma ex-
prsalo bastante energioa para claasincar
os seus actos. ,_.
(Continuar se-Aa)
-;
-
i
Typ. do Diario ra Duque oe (Jaxiaa a. 42.


\
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETFVGZ9DA_PB9LN5 INGEST_TIME 2014-05-28T16:04:58Z PACKAGE AA00011611_19983
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES