Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19976


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* -


.AJ8 IIIT HUMO


P\H.% A C1PITAL, K L.V4SX&XSM OSDE SAO K PH.A PORTS
Por tres mezes adiantados.............. 60000
Por acia ditos idem.......... ...... I'iJOOO
Por um ddo idem. ............... 23<$0rX)
Cada numero avulso, do mesmo da............ 100
mm i DE SEMBR BE W
\
PARA DEITRO FORA DA PIlOVIiCIA
Por seis mezes adiantados............... 130500
Por nove ditos idem................. 20)0000
Por um anno idem................. 27fiLOG
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 100
NAMBUGO

Prprieirafc* Ift Manca f\$awfa te Jara -UIjos
*
TELEGRAMAS
57.50 mimu do suan
lilO DE JANEIRO, 3 de Setembro, s3
s e 35 minutos da tarde. (Reeebirio
s 1 horas e ib minutos, pela liaha terres-
Fv>! eiontrad do ln;ar de Juia
c'ii;(lluii da capital da provincia
do Para > Machares Jone Brlrlo da
tama t tiren.
Pvrarn nomeado* julze* muairi-
I>a'eo e de orpbaoi i
l> termo de Viga, na provincia do
Para o bacharel Joo lacome Mar
lias Pereira :
Do termo de Boa Vi*ta da provin-
cia de Pcrnambro obacbauel Bene-
vide Moreira do Prado Jnior.
l'iiri,-i nomeado coronel com-
nianilaaie aaperlorea da guarda
nacionul :
l>a comnrcade Alafda. na provin-
cia do memo nomc o Bardo de *.
Higurl de Compon :
f>a comarca de Cabrob. rm Per-
iiambnco. Fortunato Francisco do
Sanios.
Iloutem na Caanara don Depuiado*
o Ur. llosa e Mita, tratando doa ar-
ttgoai Rdditlioi ao orcamcnto da re-
colta ge ral do Imperio, pronaarioo
ii--i importante discurso, declarou
que tlnba bnvido autorisacao para
a creaco da estrada de ferro do He-
cire a t'aruarn. e defended energl-
cainenle o additivo. que tinba apre-
aentado acerca desista entrada e qae
era Impugnado pela commin*o de
orcamcnto.
o hoave boje ich&o em ambla
a caa do parlamento.
CEAR.V 3 de Setembro, aos 45 minu-
tos da tariu. (Reeebido s 5 horas e 25
minutos).
Hoje a provincia do Cear conclu o
> ate de snas apol Ice* p atad
amia dewe.
I
c-tmos. Nein admira que asim succedesse. Os
fictos sociaes sito mais complexo, o sen esto la de-
m.rvia m.ior desenvoivimeata de ntelligeuia.
Os problemas, a que elle do lugar, nao tero a ai
haju prompta e certa doa theoremm mitl:
coa, par exemplo. A sus resolano depende de
ml circunstancias, d muitas daa quaes o hornero
nem ehega a ter conhecimento, ou se o obtem
mutus vezes tao limitado, qae p:r dernasiadamen-
to restricto se torna intil. Esta diffexenca pro-
tunda entre os phenomnos naturacs e sociaes, ha
do S'-mpre subsistir. Teem una e ouiras qualida-
des essenciaes diversas, para cujo esfudo, portan-
lo, (leve o homem da sciencia ir preparado de mudo
uifTerente. Scmpre que ae trate ia> natureza, esta
fornece-lhe elementos bastantes para que as thao
asa, que formam a respeito d'ella, tenham urna
b.iae mais ou menos segura. Purm qusnlo o e*
0 procura applicar-se resolucao das factos
sociaes, cuta i crescem as diflieu'dades. 0 caini-
nho a seguir muito mais escabroso.
Sao tudo hypotheses, e estas incsrtissitnaa. -
Nao admira, repetimos, qne uos primeiros tempos
tisse objecto da sciencia o muudo pbysic i, -e que
depois, com o progrese> e desenvolvimento do espi-
rito, humano, este se elevasse entao explisacOes
das grandes ideas de be.n, immortalidade, D.-.ua,
justica, etc., isto, que, despraadendo-s'? do mundo
material, procurasse no itcmateria! resolucao de
muitns cousas, que ihe appareciamcomo nryaterios
jigucando-lhe a curiosidade. A historia do esfor-
c < mtellectual applicado comprehensivo das ideas
de direito, justica, desde os mais remotos tempos
at hoje, consiitue a historia da philosophia do
direito.
Sobre este assumpto, ir um escriptor abalisa-
do : Em todas as epochas da historia houve es-
pirites superiores qae, elevando se sobre os dados
la experiencia e da organisae 10 mais ou menos
ireperfeita da sociedade, procuraran! descobrir
principios mais largos mais conformes natureza
racional do homem.
A idea da justica, tao importante em toda as-
ratapooj socaies, devia tornar-se em breve, objecto
de investigado.s philosophicas. Csmtndo a iotel-
ligeccia nao poda elevar -se senao devagar e suc-
cessivamente a urna noc^o exacta sobre o direito
como principio regulador daa rclac '9 sociaes entre
i bomena. Esta idea existe primitivamente no
espirito do todos os horneas mas preciso urna
longa cultura e investigado continuada para que
se manifest claramente i consciencia e se repro-
duc na linguagem.
As investigacoes methodies sobre a idea de di-
reito t comecaram na epoeba em que se observou
que na philosophia todas as cousas sepodem reducir
a principioa simples e certos, e que, assim como
na ordem phyiica ha leis geraes, existem tambero
na ordem moral e social principios e leis, quu lon-
ga de serem urna crea^ao arbitraria da voutaie,
resultam da natureza humana, e sao as regrat
justase salutares com que o bomem deve harmo-
nisar todos os seus aetos.
Portaato, elevando-se cima dos fact s da exoe-
rieocia, aos principios geraes, que o espirito hu-
mano poda estabeleeer uata distnocao entro as leis
pitvas e variaveis da sociedade e os principios
constantes, eternos, da natureza humana conceb
dos pela razio,c ver se reformava as leis positivas
toda a vida social segundo o principio da justica
establecido pe* razio.
Kste trecho de urna auf.oridade respeitavel, vem
corroborar oais de urna idea que atraz expende-
mos.
Vamcs Xgora u'am i aptJoebOfo (em hurmouia
B;rli.a para a da Italia o addido de Ia
dasso Dr. Abilio Cesar Borg^s, e desta
p ira aqufclla legacao o addido da Ia cla83J
Jos Pereira da Costj Motta.
Foi eoniirmado no lugar de addido de
2* classa legaySo e.-n Pariz o ba^harel
rlermano Cardoso da Si!*.- Ramos.
"oinnanlanto do patacho
que naufragou ulti.namente.
Ministerio da M-trioha
Foi comedida a corte por raenagern ao
1Q tente Rayinuado Frederieo Kiapp >. .la
C 'sta 'tubioi
Piraparna,
Apreaenton-ae ao quartel general o 2o
cirurgi^O do corpa de saude da armada
Guilht-rraq Pereira da Silva Belmonte, vin-
do de Santa Catharina.
Tiveram ordem do embarcar : no vapor
Purs o capitio-tenente A. Francisco
Velho Jnior, no ensourajado Javary o
1" t.mente Bernardina Jos Mor-ira.
Tiveram orlam de passar : do encoura-
rado Sti de Setembro para a canho-
nira Affonso Celso o 2o tenente Manoel
Floriano Correia de Brito, do cruzador
Guanabaras para a mesma canhoneira o
guarda marinha Adolpho Ferreira Cauinha,
do encouracado Javary para o encoura
gado Aquidaban um official, do encoura-
jado oBahia para o Riachuelo o p'afi
canta de machina Robsrto de Oliveira Bor-
g s, c do cncoaragado Soidois para a
corveta Nitheroy o machinista de 4a
classo Melehiades Gongalves da Senna.
Tiveram ordem de desembarcar : da ca
nhoneira < Alfonso Celso, o 2o tenente Jo-
s Birges L;it3o ; e do encouragado So-
liaoe, o 2o tenente RuI Augusto Fernan-
des.
Foi desligado do corpo do imperiaos ma
rinheiro o 1 tenente Bernardino Jos Mo
reiri, e noraeado para sub3tituiI-o o2- te-
nente Ral Augusto Fernandes.
Tove orde.a o coramandante do encou-
racado Soliino'-'SB de .nandar para o cor-
po de imperiaes marioheiro um machinista,
devendo regiessar para o seu navio o ma-
chinista de 4* classe MeK-hades Gongal
ves de Senna.
=2"
R;
Spartivo da Polica
2a seejpo. N. 777.-Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 3 de Setimbro de
lS87-Blm.eEx:n. 8r. ~_
Exc. qut for ,m hontera resolhiios Casa
de Det'*g4o os seguintes itidividu is :
^^rdem, Jero-iymo Gomes da silvei-a,
iBo d" Timbauja, como alienado, at
O^onvcaiint) destino.
n'dor. d 'legado do I- diatricto da
jfeverino de Oiivei a, por cr ir. i d
irme, Praneisoo de mut'Aaoa c
Jli Ribeiro d.-s lautas, por distur-
A' mi
vndo do
A ord^
capital,
furto, Joi
rVaaeiaB
bi a.
A' ordem do aubdelegto d.i fregaeaia la San-
to Aitnuia. ifi$'; L
:icio, por disturbios.-
A" ordem do do i- distrieto da tre-rnzia de S.
Jos, Juila Amero Ferreira da Costa, Maaocl Jo.i-
quim Pelippe e Sojra'jiano Edgenio de Mello, por
oiatnrbicat
A' ordem do do 1- distrieto da freguezia da Boa
V9ta, Bekairo Luis dos Sant)3,_ pjr embriaguez
e offecsaa.'n moral publica.
A' ordem do do 2- aistiieto, Manojl do3 Seis
Suit'Anna, por disturbios.
Commuaicou-me o alteres Tiourcio Jos de Oli-
veira, ter em d ti de hontem asaumido o exerci
ci Uo cargo de subdelegado i*o distrieto da Boa-
Vista.
Deus guarde a V. Exj. Illra. e Exm.
Sr. Dr. redro Vicente de Azevedo, omito
digno presidente da provincia. O ch-fe
de polia, Francisco Domingues Ribeiro
Vianna.
?3 para a 3' oompanhia do 20* ; e
-jeera os lioakes.desie ii^riBhflr"apreaBntar.a idaa ph*i Tobas, do 0' para a 8a companhia
diversas que'do direito faziam os eseriptores anti aq JO"o
l*Md <
7!:: u 4SS-:: s7:s
**
FORTALEZA. 3 de Setembro, s 12
iioi.3 e 40 minutos da tarde.
0 Kxm. Sr. presidente da provincia
niamlou pasar boje an altima* apu-
Itcen da divida da provincia do Cea-
r. licando awnlna a provincia com-
pletamente vre de dividas
' RO DE JANEIRO, 3 de Se'.embro, s
i 3uras e 10 acuUs da tarde.
t'oram uomeadOM :
Jult municipal da comarca de Boa
ViJ em Per amnaco o Dr. Morei-
ra d- Pra >
< .irtiticl oa .to nacional cmCa-
ln<;i6 o *. PrauarfSMMJ amo.
S< >PHIA. 2 cm S-tembro.
1 in novo minlfiterio eal consiiinl-
de Mr. laiabunlon qne licon en-
rarregado do Ministerio do* nego-
cias do lulerlor.
BfiHA, 3 de Setembro.
cbolera-morbas desapparecen
completamente o asi a cldade. e esl
iiisl a desapparecer Inelramenie
da Sicilia.
VXENNA, 2 de Setembro.
O soveroo blgaro decidi resit>tir
a fiiisajo do general Ebrnroolb
Aesnolu Havas, filial em Fernambaco,
I d* Setembro de 1B7.
IHSTROCCiO POPULAR
IA DO DIREITO
(Ejctrahido)
OA B1BLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
PREI.IMI\Rt:,
J' PJJ1'.080PHIA DO Dtail "O SAHISTOKia.-J, rHILO-
01UIJA DO DIMITO E DntITO SATOBAl. SEKO ST80-
NTM08?3) DEFOICO OK PnlLOSOPHIA DO DiH.ITO.
__4) rAKTKSftKSE CISTWOCE1I NA l'HIl.oso?nIA DO
DIBEITO5) IMPOBTAKCIA d'eSTA SCJBSriAti) ME-
THODO A SEOOIK SC E9TODO----"l RF.LA(,A0 DA
rHILOSOPHIA DO DBEtTO COM A^HIS'nBU DO DIBEITO
a A POLTICA.
(Co Inuacao)
Assim, philoaophia orienUl doa egypcics, chal-
deus, persa, hebreos e a philosophia grega noa
seos primeiroalperiodM, sfio exemplo do qoe *v*b-
gos. medievaes e os modernos. Principiaremos na
idade antiga em pythagoras.
Este philosoDho disssrtuu sobre ootolo'ia, co
mologia, theodica, etc. Sobre direito porm, que
o que nos importa, f ji o que. primeiro asscntou
o principio dodireito na igualdade. Sei,'oudo este
philosopho, a grande base que se devia ter em
vista, tanto na ordem pbysica, como na moral, era
a barmenia a orgnniaacjto de todas as torcas e
de todas as relaco'd sociaes.
Platao o celebre philosopho de quero um escrip-
tor contemporneo diz :a doutrina de Plalao
urna pbiloaphia chela de razaoe de sabedoria, que
enterra erros (verdade), mas contem anda mais
verdades, e que, longe de perder-se no ideal, tem
as suas raizes na natureza humana.Plato coo-
siderava a joatica para o himem. quaodo todas as
suas facoltadades e virtudes nelle se en contra varo
em relac^o tal, que cada ama ae satisfazla aero
contrariar as outras, e qu todos p idiym sob a
dire'to da realisar o seu bero supremo de modo
que cada um lava por sua parte o que deve con-
duzir ao b m, semelhanca com a diviudade.
Aristteles que, contra o idealismo de PlatSo,
segu" em suas doutrinas o sensualismo manifest,
aprcs'-ntou como conscqocncia immediata da sua
philosophia experimental urna idea mais positiva
da justica.
[Coriiua)
URTE OFFICIli
Ministerio da lastiea
Foi nomeado procurador da coroi, sobe-
rana e fazenda nacional da Relacao de
Porto Alegre, o desembargador da mesma
Salustiano Orlando de Araujo Costa.
Foi declarado sera envite o decreto de
14 de Jalho aase nomeou o desembargador
da mesm> ReTa(ao, Augusto Cesar de Me-
deiros, para o referido lugar, visto nSo ter
aceitado a nomeac3o.
Por decreto de 22 do passado, foi exo-
nerado, a seu pedido, do cargo de uhefe
de polica da provincia do Amazonas o ba-
charel Arthur Annes e nomeado para subs-
tituido o juiz de direito da comarca de
Grajah, provincia do Maranho, bacha-
rel Sebastiao Braga.
Foram nomeados juizes munioipaes e de
orphSos: do termo de S. Luiz de Cace-
res, na provincia de Matto-Grosso, o ba-
ebsrel Candido Jos de Lemos.
Dos reunidos de Diamantina e Rosario,
na mesma provincia, o bacharel Diomedes
Tbeodoro da Costa.
Do de Santa Cruz, na provincia de S.
Paulo, o bacharel Pphiladelphio Barroso
da Silva.
Do d ItapavA da Faxina, na provincia
de S. l'aulo, o bacharel Cesar Nogueir
Torres.
Do de S SebastiSo de Tijuco Preto, na
mesma provincia, o baeharel Jos Teixeira
Machado.
Do de Caldas, na provincia de Minas-
Geraes, o bacharel Antonio Augusto de
Oliveira.
Do de Porto de Pedras, na das Alagoas,
e bacharel Luiz de Franca Castro Borroca.
Foi nomeado teneoto-oor'hel comman
danto do 22.* batalblo de infantaria da
comarca de Oury ;ury e B6a-Vista, Anto
nio Manoel de Amorim.
Miaisterl de Kntraogelro
Foi removido da legaefio imperial de
Iliaisterlo da Guerra
Por decretos de 25 do paseado eoncedeu-
se demissio do servic,) do exercito ao 2'
tenente ag^regado arma de artilbaria,
Lourenco Ferreira Valente do Cont.
Foram transferidos os capitales Joao Al-
cino de Furias, do 12 bafalhao para a 6'
companhia do 6 : Jos Correia Telles do
Ra-
1U' jo
do 12.
Por portaras da mesma data foram tran-
sferidos os alferes : Antonio Nunes de Sal-
les, do 17 para o 8o ; Getulio SimSes dos
Reis, da companhia batalho ; Alfredo Carlos de Iracema Go
mes, do 8o batalho para o 17 ; Ildefonso
Coimbra, do 12 batalho para o 18 eMar
cellino Jos Jorge, do 9o batalho para a
companhia de Sergipe.
Concedcu-so troca de corpos aos segn
dos teiv-nt-8 Lindolpho Libanio Moreira
Sarra e Pedro de Almcida Godinho, este
do 2 bataluao de artilbaria e aquee do
Io da mesma arma.
Foi nomeado para servir no arsenal de
guerra de Matto-Grosso o 2o cirurgiao do
corpo de saude do exercito Dr. Aprigio
Antero da Costa Andrade.
Expedio-se ordem para qne se recolha
corte o Io tenente do 2o batalbSo de ar-
tilbaria Era.stu Victorino Jeols, que deve
ficar addido ao 1 batalho da mesma ar
ma at que se abra urna vaga em que seja
incluido.
Foi transferido para o 3" batalho de ar-
tilbaria o 2 sargento do batalho do enge-
nheiros Abel Nogueira.
Para a companhia de infantaria de Ser-
gipe foi transferido o anspecada do 10 Jo
s Francico de Paula ; para o 2o ba
de infantaria o soldado do 7 Ignacii
tista dlaca.
Maudou-se averbar na f de officio do
eapito reformado do exercito Luiz Anto-
nio de Miranda F-reitas, o que consta do
attestado que Ihe foi passado pelo finado
Conde de Porte Alegre, quando commun-
dante do 2 corpo do ex -rcito em opera
c5e8 na repblica do Paraguay.
Permittio-se ao tenente-coronel ebmman-
dante do 21 batalho de infantaria Manoel
de Azevedo do Nascimento, distribuir
exemplares impressos da deieza que apre-
sentou ao conselho de investigado a que
ltimamente foi submettido em Pernambu
co como commandante do 2o batalho de
infantaria.
Passou a servir de director da escola re-
gimental do 1" regiment de cavallaria o
Ifere Tertulianj Jos da Silva Tinoco.
Determinou-se ao presidente da 'provin-
cia da Baha que para o comtr-ando de des
t .'.amentos sejaro somonte nomeados subal
temos, visto ser prejudicial ao servico dis-
trahir capites do com mando de suas com-
panhias.
Foi approvada a proposta que fez o te-
nente-ooronel inspector da companhia de
infantaria de Sergipe do tenente do 7* ba-
talho de infMtari* Joaquim Melchior Car
n?iro de Meodonca e do alferes alumno Jo-
s Calasans e Silva, este para secretario e
aquelle para ajudante de ordena.
Foi approvada a proposta, qae o capel
lio mor fez, do capello-teneute do corpo
ecclesiastico do exercito padre Benedi to
Conii, para servir na provincia de Matto
Grosso.
Permittio-se que o alferes reformado do
exercito Innocencio Antonio de Lemos re
sida na provincia do Rio Grande do Sul.
Secretaria da polica de Pernambuco, em 3 de
Setembro de 1887.O cheje de polica, de accordo
com a doutrina do art. 129 do Kugulamento n.
120 de 31 de Janeiro de 1842, resol ve, para evitar
pretexto e occabies de perturbar} da ordem pu-
blica, qae fiquem prohibidos, at segunda ordem,
quaesquer ajuutamenf .3 naa ras e pracas desta
cidade seu municipio, podendo smente cerero
elles lagar no recinto dos Ihi-atros.
E assim convida aos cdadaos pacficos, para
qae se abstenham de taca ajuntamentos, afiro de
que a aceto da torca publica, que ser convenien-
temente enpregada, nao recaa seno sobre os tur-
bulentos e amotiuadores.
secretario publique, registre e archive o pre-
sente.
0 chefe de polica,
Ftam'aco Domingues Ribeiro Vianna.
DIARIO DS PERHAMBCC
RECIFE, 4 DE SETEMBRO DE 1887
Notieias do A o re
O paquete nacional Gamillo trouxo as seguintes
noticias :
Anaaaonaa)
Datas at 18 de Agosto.
liefena e peridico Rio Branco, da capital.
Constando nos que desappareceu o inquerito
policial teito i respeito da aecusayio teita ao Sr.
Taciano M. Torres de ser tambem autor do bar-
bv.rj ertaaa.de latroci.iio platicado oa pessa e
bens do rente-coronel Antonio Nicolao Sopeda,
lenbramos i S. Exc. o Sr. Dr. chefe
de p '[liWppih providencie, antes de retirar-se, no
sentido deVao le>ar a fama ou aasumir a pater-
oidade daquelle deaappareeimeuto.
Cautella e alio de gallinha, nunca fez mal a
oingaem.
O presidente da provincia suspenden o ba-
charel Manoel Agaptto Pereira do exercicio de
juiz municipal e de orphioa de Muuicore, por
ha ver-se ausentado do termo aero licenca, nao
tendo passado a jurisdicfao ao supplente.
Com o titulo a epidemia em Mauacapur
escrevea o seguate o Commercio do Amat-
nos :
Graves noticia recebemos dessa localidade,
dadas pelo Sr. tenente coronel Juvencio Alvos da
Silva.
Tratara-se de urna doenca desconhecida, qae
aUcou a populago, em numero de 200 peasoas.
So em poucos dias houve 1J mortes.
Os symptomas qae adoenca apresenta sao
estes : febre, fro, dar de cabeci, caimbra e v-
mitos.
A penuria di pop ilacao extrema. u
__ As ftb.-es de mo carcter esto reinando
no Anama.
Falleeeram Antonio Jos de Moura e o ne
^ociante Manoel Joaquim Correia de Preitas.
rara
DaUs at 26 de Agosto.
A Provincia do Para de 17, descreve assim
os festejos havidos ltimamente :
Nos dous peoultm.-s dias, 14 e 15 do correa-
te, esteve esta capital como que exclusivamente
consagiada a solemnisacao do auniversario da
adhee." j da provincia causa da independencia e
do imperio.
Ao alvorecer do da 14, bastas gyrandolas de
foguetes subiram aoa ares de diversos po_ tos da
cidade.
As bandas marciaes tocavam o hymuo da inde-
pendencia, emquanto a popalacj despertavs to-
mada de alegra e enthusiamo.
Os estabeiecimeutos pblicos, grande numero
de casas csmmerciaes e particulares, os consala-
dos estraogeiros, os navios ancorados no porto
embanderar m.
A praca da Independencia estava regularmente
decorada. j
Na praca de Pedro II fora erguido cm simula-
cro de fwrtileza.
No largo do Rosario ama pyramide encimada
pelo busto de Antonio Soares Carneiro.
A roa das Flores, entro a da Trindade e a tra
veasa Primeiro de Marfo, achava-se vistosamente
embandairada.
O bairro do Reducto, em grande extenso,
apresentava um bello aspecto, devido ao gosto
com que ra diaposta a oruamentacao.
Ao cahir da uoit houve illuminaco geral, to
caodn, nos pontos ia litados, exceptuando o largo
da Rosario, em pavilbo. s expresamente prepara
do, banda de msica marciaes e orchestras par-
ticulares.
Os eatu Jantes do Iyceu parense reunirn) pela
manba do da 14. em sesso solemne, no edificio
do mesmo Iyceu, aficn de celebraren o anuiversa
rio da independencia.
A Bato acto, alero de diversa pessoas gradas,
eoucorreu o Sr. conselheiro presidente da provn
ca, qae julgou ueceasario intervir, quando alguna
joven eatudaotes maniteatavam a enthuiiastas
das ideas democrticas.
A' 5 1/2 hora da tarde desfilou da praca de
PJro II o eaquadro patritico, composto de di-
versos clnb ; infelizmente, poiro, a chuvm tor-
rencial que cabio, nao prroittu-lb percorier o iti-
nerario que ettava marcado.
Ao baile d#jciedade recreativa Atitmb'a Pa
reme, com o firo de aolemnisar o anniversano de
aua iutallaci'i e da adbeao da provincia inOe-
pondencia, coacorra o que de mais elegante
posaue a sociedade paraense.
Ao esplandor com qae foram prediapostas os
saioea correpoodera n aa riqueza iaafloiltttu e
a profoao de uro survic< rigorosissiuio.
D'Sde 7 horas at muito tarde da noita as
liobaa de bunds, especialmi ote aa da Companhin
de bondinhoi, l raro percorridas em toda as di-
recto por consideravel nuo-ero de pessoa, cluos
aaauciavoe diversas em bond* expresaos, rica-
mente adorn id- s com sanefas, fearo-s e bandeiraa,
e illominados san laaternas venecianas e tran-
sparentes alegricos.
Er a'gun higar-s queiaavaa-se fogos cam-
Parti'jipo a V. biantua, levautavam-ao vivas, p'onaaciavam-sa
discursos, sendj n itavel o enthuaiasroo e aa ex
pau oes ao ebegarem aqudl a clubs e sociedades
no Redacto, quo toruou-se o centro do f-:stejos
pela maa-jira porquo para alli atliiia a concur-
rencia.
A'a vezes fieavam as linhas A", bmds interrom-
pidas por muito tempo, devido agglomeracao d>
liintiro, todos os bo:ids das duas Coropanhias,
posto ao servico publico, foram insuffiji'ntja p-ir?
a populaca).
A's 10 hora3 da mito, o Sr. eonae)hjir> presi-
dente da proviucia. coj boul cxprcisi, v3itou o
bairro do Reductos
Ao amanhecer do da 15 djran'e tod) o da c
at alta noit-, reproliziram-se os m-'smos festej >a
davespera; continuou o movimeuto popular; ae
mesroas expanso.-j e alegras em todos os ngulos
da cidade.
A's 9 horas da manba houve Te-Deum na igr .j i
de Santo Ah xandre, presidido pelo Revdm. Sr.
arcediago Jos Gregorio.
Foi esse acto regularmente conuorrido.
Na cmara municipal o Sr. Alvaro Pontos dis-
tribuid 16 cartas de liberdade, ootidas cm &rM)j.
proveniente do fundo da e.vancipacao municipal e
tSOOl de urna subscripci aberta para eaau firo,
A' easa ceremonia, na cmara municipal, asis.
tiram o Sr. coneelheiro presidente da provincia-
arcediago Jos Gregorio e outras pessoas.
O Sr. Alvaro Pontea lamentou que toase elle o
nico vercador que alli comparecen.
A'a 9 horas do dia. realisou o club EiUerpe
Reductoense urna se?sao solemne, que esteve milito
concurrida.
A--!in tambem, estiveram esplendidas as parti-
das do mesmo club, em a nyite de 15, e a da so-
ciedade Bella Harmona, na de 14.
Houve anda no .dia 15 sesaoes solemne? das
sociedades Protectoras dos Caixeiros e Mechatic*
Paraense.
Promove-se urna esplendida testa na capital cm
favor da lbertacao dos captivos.
Tomou essa iniciativa a Sociedade Bene/ieerUc
Harmona e Praternidnde, no intuito de eMamc-
inorar a data da le que libertou o ventra da mu-
Iher cscravisada.
Para esse firo promover-soba sabsx:ripcoes>pn-
blicas, bem aasim urna kermesse e tmbola, cujo
producto ser applicada manumissao ae,acra-
viaados.
O Icilao dos objectos oSerecdos ter lugar no*
das 25, 2o e 2? e a testa da liberdade na dia 28
de Setembro proairoo.
O Sr. Dionisio. A. Bentes restiluio liber-
dade, no dia 11, jeuvbnus algum, o seu escravisado
de nome Pbilomeno.
Em iguaes coadicoes, no dia 15, a Exma. Sra.
D* Felippa Ouarte Bentes !ib rtin a sua escra-
viaada de nome Eusebia, -e o Sr. Francisco Au-
gusto de Oliveira a de nome Sebastiana.
Lemci nq Diario do Grao Para de 17:
No sabbado uoite na o casiao em que tinba
de seguir para Soure o vapor Para e Amazona*,
foram todos que ae acbavam a bordo aorprebeu-
didos por um grande deaarranjo que houve na ma-
china, devido tmente perversidade de alguem
que collocoa um calco de madera na vlvula de
corredica ib cylindro de baiza presao.
A' ra-ia uoite, quaodo o Sr. commandante do
vapor mandou suspender o ierro e por em movi-
mento a machi na? sta de modo algum poda satis-
fazer o effeito, desejado, em virtude da causa que
j expozemos; em vez de camiobar para a frente,
o vapor ia vertiginosamente para traz levado pela
correDteza.
c Nao toase a pericia do commandante e o va-
por teria ido de encontr canheneira Gwira.iy,
que se acha fundeada em frente ao Arsenal de
Marinha.
O primeiro machinista, que segundo nos dize>n
muito bom mechanico, lutou com grande dtli -
culdade para descubrir qual o desarraojo eso con-
seguio s 11 horas da manba de domingo.
Logo depoia de retirado o calco a machina
trabalhoa; ao meio dia o vapor levantou o ferro e
s 6 horas chegou a Soure sem mais incidente.
> A'a 6 hora da roa ubi de domingo, quando j
reina /a grande anciedade entre os passageiros, o
commandante officiou ao gerente da Companbia,
que iromediatamrnte tol para bordo e deu todas
as providencias que o caso exiga.
S. S., que seguio at Siure, abri o inquerito
que f ji assignado por alguns passageiros e os ma-
cbiniataa de bordo.
Este facto, bastante grave, nao deve dj modo
algum passar desapvrce bi lo, prncipemente, ha
vendo suspeitas de que o autor d ate antentado
um machinista que foi ha pouco despedido da Com-
panhia.
Chamamis, pois, para elle toda a attenco do
Sr. inspector ds arseual de marinha e da capitana
do poriu.
Um pequeo incidente deu se tambera a bordo
do mesmo vaiior, na occasio em que regresaava a
esta capital.
< A vela que servia em um dos camarotes de
bombordo gastoa-so tanto que o fogo j se estava
commuoicaodo ao tabique que separa os baliches,
quando toi visto por um passageiro e inmediata-
mente abitado.
Diz a Provincia do Para de 25 :
A's 9 horns da noite de 21, o Sr. major Fran-
cisco Bezerra, tendo ida ao hotel de Londres, ah
tirara o paletot, pendarando-o em um cabida.
Meia hora depois, vealindo de novo o paletot,
que tiaha no bolso a quaotia de 12:0)0l)J ris,
sabio, am cocotudo verificar se o dinheiro estava
no bolso.
Ri'colbendo-se casa, s no dia seguate pela
mauh. ao procurar o dinheiro eacoatrou-o sub
si-itaido por am embralho de papel sem impor-
tancia.
O Sr. major Bezerra dirigio-se ao Sr. Dr. chefe
de polica a quem expoz o facto ; mandando esta
aatoridude chamar o 2." delegado ladaleacio L--
mos, qua ficou encarregado da descoberta do cri-
me.
O Sr. 2 delegado, sem perda de tempo, proce-
deu a diversas diligencias, que se prolongaram at
hontem tolo o da, providencias que deram o me-
Ihor resaltada, pois acham-se presos j os iodiv"-
duo Marianno O valle, qne se diz bacharel, e
Cunhecido porChileno ; o italiano Fernando Li-
nan e o hespauhol Jos Gonzlez, todos membros
i* quadrilha que tem por chefe e cabeca o celebre
Chileno.
Fa de que se trata, um fraoc;s, qae consta ter-se re
tupiado em Beuevides.
A pmeia, porro, eat-Ibe ao encalco.
Em p- der do 2* delegado ji exist-m algomas no-
U do Jintjeiro furtad >.
A inefna fo ba ero 26 accrescentou o segur-
le :
A respeito do facto de que h.mtem nos occa-
paroos 8 f rmaedea seguiutes, obtidaa da propria vict.ma
ooa ladi -s.
No ai 22 do correare o major Bezerra tendo de
J.,r a S o Sin(rl':hurat Br ikehurst & C. a quiti-
na de 12:OiH)*V)O, mandou pedir ao s-a irroo
i'oileto B ten. 9:0001. qae ihc havia dalo pata
gUKi'dm ; e, Ciro. ateativeaae pra o curro, re-
c b u io o recado ja, depois da* 5 Dorar da tarde,
to. peoooalroeute levai-lb- aquella qua-ta, e noo
vavoulran lo em caaa, dirig i-ae ao botei de Lio -
drr*, uiiie 'ailuu coro elle, aa 7 horas dan e-, ea-
11 gando Ib -. illi aqueda quautia, t-m pr.-seuca dos
S;s J. Keuua, Caste lio, Emiio L 'rente Fernan-
do de la), ca|pautt)ro deate.
O majar Bezarra, que havia sahido do casa com
p luco mais de 509000, reo 'bu nease dia 5 coa-
tos de ris no Binco Coinroercal, dos quaes pagoa
2 coiitis ai Sr. Amelio Figueiredo; recbenlo no
hotel os 9 montos, que seu irroao Ihs levara, juntn-
os aoa que arla tiulii uo bolso dentro de am en-
velopps.
Este facto, naturalmente, foi presenciado por
Emilio e Fernando, que estavam jantando na rasz
prxima, e aquelle, acabaulo de jairar convdou
o ro->j >r Bjz ;rra, sim qaem j su havia easootrado
muit .s vezes no hote1, a irern.. tomir fresco no pa-
teo ou terrado.
O major Bezerra, acesdeado ao convite, acom-
i Emido.
='e entabilou conversa aobr.? negocios de com-
pra de irado fra da provincia, e disa.'-lbe qua pro-
fera aas iciar-se a ell nesae negscio a m.ntar
urna fabrica de ^c!i, eonf n-ne teaataimv. ai
Continuando a fallar sobre este ass'impto, coa-
vidon o major B;zerr a entrar para a sala, qaa>
fica junto do terraco, e onde ell morava. .
Alli contimaram a cnVersar, e Emilio, tirando
o paletot, convdou o in ; mo e tomar um copo d; cerveja.
Tendo ambos tirado o paletot, sabiram para o
tetnre i e aasentaram 83 junto de urna meza para
tornar cerveja.
Servida a cervej i, Emilio offerecu Ihe cigarros
e foi buseal-os na sala, timando mom-'ntos depois.
O major Bezerra retirndose d'alli s H h iras
da noite, f >i para Nazaretb, cas de umi fimi-
lia, regressmi saa resileacia depois das 11
Dpras, perteitamente tranquillo, sappando ter o
dinheiro no bjlsi, porqae apalpava e senta o vo-
lume.
No dia segurte pela manha precisando ella do
dinheiro para levar casa dos Sra. Brocklehnrat,
aehou no bolso apenas uis j iroaes dobradoa, e
lembrando-su de que havia despido o palitot no ho-
tel de Londres, l f i procurar Emilio e nao cncon-
trando-o esperou o at a hora do almona, por ver
sua mala na mesma sla em qu elle morava.
Vendo o major Bezerra, queeile nio apparecia
para almoc-ir, pedio noticia ao dono do hotel,o qual
Ihe diase ter eile partido para Soure, s 11 hars '
da noite, mais que voltaria breve.
Foi depois disto que o major Bezerra commani-
coa o facto ao Dr. chefe de polica, e em virtud X
de provideacias acertadas e proroptas, tomadaa
pelo 2- delegado, acharo se. presos Emilio, qae j
ia alin do Apehu, ero viagem para Bragranca, e
mais os tres individuos cujoa nomea hontem pu-
blicamos, estando provado, que s) todos mem-
bros d'uma quadrilha, da qual ebefe o celebre
chilea Marianno Ovalle, qus se intitula Dr.
Em p'der de Emilio foi eocontradoa qaantia de
2:3544000, e em poder de Jos Gonzlez 900al'l00.
Foram dous boleeiros qv deram a ponta da mea-
da, indicando ao activo 2" delegado a casa de Jos
Gonzlez, ravess 25 de Marco, onde na noite
do facto ?e reuni a qnsdrilba para fazer a part* JA
Iha.
Jos Gonzlez rdicoa o destino que tomara
Emilio, e o major Bez T.-a, seguindo en trero ex- C
preaso na manhj de 24, consegaio alcaaoal-o s 2
horas da tarde, muito alm do Apebi, fugando em
um ce.vallo que alugara era Santa Isabel.
Continuara as diligencias, esperaodo-se encon-
trar grande parte do dubeiro furtado. *
O Monte A'egrenae, peridico da Monte-
Alegre, trazia esta niticia em 14 d) currante :
ir A m.'rtandade do gado vaceum e cavallar (em
sido aasustadora. Calcula-se o piejuizo entre di-
versos lazeadeiros, *m mil e tantas cabeca.
Marann&i
Datas at 27 de Aapsto.
J se acbavsm subicriptas tres mil acedas
da fabrica de fiacao, que se pretende estabeleeer
neata cidade.
Em breve ter lugar a inauguracao da socie-
dade.
Falleceu na capital a 19 o artista Joo Evan-
gelista do Livramcnto, antigo mostr de violo.
Cear
Datas at 30 de Agosto
Puacciours*a Assemol* Legislativa Pro-
viucial.
Fallecera] : na povoaco da Cano i, o eapito
Fabricio Corii de Souzi ; n> Aracaty, o neg- *
ciante Bonifacio Poreira da Costa Qoeiroz ; en
Maranguap--, o coronel Jos Manoel Cavalcante ;
no Camosam, D. Hermeliuda Pereira da Motta
Pesa ia ; < ro S. Pedro de lbiapina, Joaquim Go-
mes Colho.
As demais noticias c.ree'm de interesse.
Kii> Grandedo \orte
Datas at I deSetembro.
As noticias desta provincia constara da car-
ta do nosso correspondente, sob a rubrica Inte-
rior .
ParabyUa
Datas at 2 de Setembro.
Nada consta, que merec meocSo.
noticias do Su!
O paquete allemo Corrientes foi portador dar
eguintes noticias, alm das offi"iaes que publica-
mo< na aeecao cimpefentu :
Pacific e un da Prata
Folhaa at 19 de Agosto :
Na sessao do senado urugaayo de 1S, o presi-
dente d'aquella cmara, consultoa-a se, estando
sem representaco o departamento de Flores, poda
ae prolongar por maia tempo esse estado de cousas
e ao mesmo tempo se seria conveniente tomar
alguma r'solacao a sem-lhant' respeito.
Ouvida a respectiva commissao, apreaentoa esta
a seguate rformacio :
A resolucao da honrada asaembla geral re-
fereote ao desterro, por tempo indeterminado, do-
Sr. eapito general L>. Mximo Santos, senador
pelo departamento de Flores, o deixou sem repre
aentaate nesta honrada cmara, o que incons-
titucional, injusto e inconveniente, porque esae-
facto quebra a igualdade que deve existir na re-
preeentacao departamental e Ihe tira o direito qae
Ibe cabe e de que nao pode ser privado na dis-
cusso e resolucao de todos os assuraptosqje com-
petem a este honrado senado por le.
Por eso aconselba a commissao que 68 adopte
o seguate projecto :
Art. l. Declara se vaga a represeatafio do
departameq/o de Flores.
Art. 2." Convide-se o respectivo supplente.
Este projecto foi adoptado, em escrutinio nomi-
nal, cintra o voto apenas do senador Bauza.
O Jornal do Commercio da corte publicoa o re- i
gaintes telegrammas :
Montevideo, 25 de Agosto :
Correm esplendidos os fesejoa para eommemorar
o sexagsimo auniversario da odependeocia da
Repblica Oriental. De dia houve grande parada
das tropBS d^ gnarnicSo, Te-Deum solemne, recep-
co no palacio do gi.verno, jogos, etc., etc.
V noite ba illominacoe e espectculo de gala
no Theatro Solia.
Montevideo, 25 de Agosto: _
O ex dictador general Mximo Santos ro pri-
vado do sea posto no exarcito.
A Razn diz que o Dr. Goncalo Bimirea apre
aentou a sua demissao. O poder executivo recosa
aceitsl-a. O importante jornal El-Siglo reprova
inteiramente a decisao tomada pe'o Dr. Ramrez.
25 de Agosto (9 horas da noite): X
O aniversario da independencia tvi festejado
este anuo com pompa e antroaco extraordinarias.
A's 6 horas da madrugada salvaran todas aa
fortalezas e os navio onentaes e estraogeiros, a*
quaes embanderaran! em arco.
A' 1 'hora da tarde foi cantado aa cathedral, por
m.maenbor Inuoceneio Mara Yeregoi, biapo de
Uruguay, e grande numero de clrigo, am so-
iemue Te-Deum, ao qual assistiram o presidesita
I

B*BanHBl




Diario de ferBambucoDontfaRgo 4 de Setembro de 1887
Be fcgjublica, generul O





Taximo Maje, os mi-
, delegaeoes do senado e da cmara dos de-
o corpo dipomatico. representantes des
la.....i ii e das adminstralo :s, e delegaeoes de
os corpos do SSjMtto. eps desta cere-
& religiosa, foi tentado pelos alumnos das es-
_? aanicipaes o hyosao nacional
i 2 horas o presidente di repblica, acompa-
de um brilhante estado-maior, passou re-
i toda a tropa da guarnilo, que desfilou
mr' em perfeita orden).
Atibada a revista, o presidente da repblica
em audiencia solemne, no palucio do go-
todo o corpo diplomtico, offerecendo-lhe
i copo d'agua, durante o qual foram levan-
rtb> varios brindes, prosperidade da Repblica
Hntal, entre outros usa pelo ministro do Brasil,
aaelbeiro J. da Ponte Ribeiro.
' JV tarde houve no l'heatro Cibils 111 grande
Aascpete, ifferecido direetoriado Banco Naci
aafi ?cr ama cominissl > do eommerco ; assistiram
a s\t presidente da repblica, ministros, sena-
Enrose varios membros do corpo diplomtico.
Smate o jantar tocaram diversas bandas de
Mata. A esta hora ha representado de gala no
fcml Solis.
-* UMynacgj esto magnificas, sobretahiudo,
toraiaitas, as dos largos da Independencia, da
Illitiuoao e da Liberdade, onde fui erguido, em
irme i columna da Liberdade in magnifico arco
ir Saasapbo do estylo corynthio.
multida que circula as ras e pracas im-
Jieioa grande alegra a animacao. Con-
1 os festejos amanhi.
os-Ayres, 25 de Agosto :
*' ministro dos negocios esti angeiros, o Dr. Qu-
m. Costa, tencin presentar brevemente ao
aptj|l novos projectos tendentes a fomentar a
Pimela qne o ministro da fazenda autorisar od
muco a effectuar livres emissSes, as quaes serio
jaaaaii-Jss pelo Estado.
Staeooa-Ayres, 215 de Agosto.
&tumpanhia lyrica do empresario Ferrari em
amata no dia 5 de Setembro prximo para o Rio
26- de Agosto (a noite).
Oamprezario Ferrari firmou com o governo ar-
ortmi uso contracto para prxima estacio thea-
i yeareseotevoes terio lugar notheatro Colon,
^.aemtHrtra.p*ras, ser representado o celebre
ati. de Verdi.
. Issrto, 26 de Agosto.
rsJsiin Jatem no tbeatro S. Jos a companhia
anitilirilii de zarzuela com a opera cmica Mas-
> sjKStajiulo foi concorrido e a companhia
MStdMBIIlU.
***e?id, 26 de Agosto.
? presidente da Repblica e varios personagens
p&tot t< n instado com o Dr. Gonzalo Ramrez
jas* ajea retire a sua demissao.
tintina hvje a testa da independencia, haven-
> .1 diversos jopos populares e a uoite illu
tsataaaea bniiamVa e fogos.de artificio.
BbnesiAyres, 2o de Agosto.
A jrcvincia de Cetemarcs, prepara um empres-
or- e vis mil bao de pasos.
f-sfcm presos os bandidos qne em 11 de Junho,
m-rtf) dia, Hssaltaram o Banco Nacional em Ba-
j na e -ram repellidos pelos empregados.
Okant abundante ebuvas na provincia de afea-
Asii i tu recesos de ioundaclo.
.-aaiago, 26 de Agosto.
/^negao wanJou concertar e augmentar as
Jk Vilagint do littoral.
I:bstotoso maendio destruio parte da cidade
.Ae*i2ules.
Klotraode do Sal
3MM at l de Agosto :
jlaJIiio Grande, o geguiote :
Soda til do mes passado fui assassinado em
am jas tilii. ao Paipasso, Belmiro Custodio Alves.
s-s-sjiadjD de Feliciano Jos de Menezes.
t) Jacto assim narrado pela esposa do astas-
jraee .1
iie ao anoitecer do referido dia chegarara A
3>b> satsseiaoo iodivtdJ8 a cavallo, e apendose
yngeatmrtm se sili uo morava Belisario ; ao
1 r marido respondes que alli s morava elle
Ijaiao um dos individuos, o que pareca ser
*** dase:
< a vot mesrao que procuramos.
,-Jlanlo se para os seua compaabeiros, or
dnci-lbes :
totlMclada, pjnbam-lbe os maoeadores.
Xasiin esecutando, e disendo que iro le
WVi, presenca do delegado de Sant'Anoa, ata-
jato-xo a puseram-no sobre um cavalto.
M skh marido, presentindo talvez que era
wm astsito para asdassiDArem no mais adiante,
SnaB eaeapar-.-e atirando-se do cavallo abaixo ;
-acres ata uesss mouajoto rocebeu diversos tiros
jSUnlliloV que o riMstaram sem vida.
. ento o aliudido ebefe dase a um dos
jaw^npanqeirojB :
* Cibo, j fizeram o servico ; monteen a ca-
^. < vino uoa embora.
E p.artiram.
Pala verbasocoorroj pblicosfoi aberto
t>;*ssidente da provincia um crdito extraor
-le 2;Ulu, para soccorrer as despezas
la tratamento dos enfermos de varila, na
jo-atsi*&auto Angelo, onic grassa de maucira
aarvijejoBa.
jia ciiiade 4 Rio-Grp.nda Jas Guilbarme
isSf^wa prava W 17' baXaloij de infantaria,
rw.3tia teiapjs da mulber com quem era ca-
Sst amancb>u-3C com o soldado Raymnndo
DaSiuiri 11 Suva, tamb-'m do 17* batalbao, Jos
Bdberae continuva, entretanto, irequeotando a
3aas> a mulher.
i jwjikIs, teudv pedido licenca sabio honteaa
t "raa da adeia e ebegando casa e encou-
'1 alli o nmiio de sua amante, desfech ju-
3ke xna punhalada, quu o matou instantanea-
r:..
C>aseassino foi preso e diz que a mulber que
sanadon assasai.uiir o mrida.
enheaheiro Nicolao Viriato Chaves Bar-
TSTi 1 1I1 11,i 1 ao vice-presidente da provincia o se-
a-aaSMABi^tt
' #> BjaU da represantacl) que diriga a V .
jt ;.' data da /j Jaiba lllata. Cunta-a ilu
srsaaJ
do vap--r 8. Pedro, do calado de oito palmos,
]e para l navegou por muito mais tempo do que
eu julgava poBSsivel sem a limpeza dos canaes ;
facto esse que se fosse tomado na devida conside-
ran ao pela I Urna. Cmara Municipal, me teria
poupado de cecupar a esclarecida attenco de
V. Exc. sobre este assumpto, pedindo se digne
mandar examinar por profiosional o estado actual
dos canaes, certo de qu tem elle por causa nica
a falta de conservado por mim julgada indis-
pensavel.
Fallecen no Rio-Grande o capitao Anselmo
Gon^alves Chaves.
H. Pauto
Dttaa at 25 de Agosto.
No bairro dos Marios, ea Piracieaba, foi en-
contrado morto o italiano Victorio Salvatore, en-
tre dous pius e junto a um machado com que tra-
baloava. Vietorio era um velbo da 70 annos e
nij linha inimi ;os.
Em Campias fai espancado Jos E. dos
Res, que alli Be acoa h piucos dias.
Fallec -rim : em l', n> colle5o da S. Luis,
o exudante Diarte Vieira ; eos Jundiahy, 0 ca-
pitao Francisco Damasio dos Santos ; na capital,
Easjwio Fiimii, (Sustancio Jos das Drese o
italiano Jlo T.ieoloio.
Rio de laneiro
Datas at 26 de Agosto.
Eis a resenha dos fraballiis parlamentares :
No dia 24, no Senado, o Sr. Ignacio Nart.iu
fes urna raclainacao mostrando nao ser exacto o
resumo que na acta da sessa 1 anterior se fizera
de c.ffi io em qu* o delgalo de pilicia de Canta-
gallo prestan iuf irmacas sobre o acoutamento de
escravos nesse municipio.
O Sr. L-'io Velloso justificou um reqnerimento
pedinio iut rm ico;s sobre occuprencias na cidade
il Santo Amaro. Orou o Sr. Bario da Cotegipe,
e o requerimeuto foi approvado.
Justificou o Sr. Viriato de Medeiros outro re-
querimento, pedindo copia de pap-is concernentas
a navios da armada. Sem debate foi este requ:-
riraento approvado.
Prortguinlo a discusso adiada do requeri-
meuto do Sr. Leio Velloso relativamente ao per-
dio de um criminoso, rou o Sr. Leo Velloso, e
foi tambein approvado o requerimeuto.
Na ordem do dia continuou a 2.* discusslo io
orcameuto da marinha. raram 03 Srs. Candido
de O.iveira, Castrioto (ministro da marinhi), Vi-
riato de Medeiros e Silveira da Motta. A discus-
sao ficou adiada p -la hora. Foi retirada a era-Mi-
da do Sr. Affjnso Celso, que o requerra na ses-
aio anterior.
Na Cmara, depois de lida e approvada a acta
antecedente, te ve segunda leitura, foi julgado ob
jecto de dalibeacao e remettido commissao de
fazenda, o pnjecto hontem apreseutado pelo Sr
Eufrasio Corris.
Foram lidos e ficaram adiados dous requerimen-
tos do Sr. Ationso Celso Jnior pedindo iuterma-
(et at> governo.
O Sr. Paulino Chives requer-u e obteve urgen
ca para ser dada opp irtunamente para ordem do
dia o projeoto scb- a navegado de cobotagem.
Preencheram a hora os Srs. Pedro Beltro e
Clarindo Chaves.
Niordm do dia, continuou a 2 discussao do
ornamento da faienJa. Foram lijas e remettidus
commissao de orcacnento vanas emendas impor-
tando em novas dospesas e duaa da commissao
que entraram conjuntamente em discussao.
Oraram os Srs. Canto, B-lisario (ministro da
fasenda), AnJrade Figueira e Alves de Araujo.
A discussao ficou adiada pela hora.
No dia 25, no Saaado, depois de haver o Sr.
Dantas reclamado contru alguns apartes, o Sr.
Viriato de Medeiros justificou um requerimento,
pedindo inforraaee-s sobre a estrada de ferro da
Leopoldina. O Sr. Taunay requer'ea verbalment-'
a publicaoSo de um p-ojacto- aprsenla lo em 1829
pelo senador Vergueiro. Ambas os requerimentos
foram approvados.
Na orden do dia rncerron-se a discusaSo e pro-
eedeu-so a votacao do erc*mento da marinha.
Orou em seguida o Sr. Saraiva sobre o prjjsct>
do Senado relativo navega;ao do* rios Tocan-
tins, Araguay* e Vermelho. liaarraaV o deba-
te, foi approvado o projecto, com emenda da
cournissao, e rejeitada a emenda substitutiva do
Sr. Saraiva.
Na 1 discussao di projeeto do Senado, dero-
gando a le de 9 de Oatubro da 188'J, na parte em
que inclue eatre os motivos da aposentacao obri-
gatoria dos maeistrados da idade da 75 annos,
oraran os Srs Dantas, Soares Urandao e Jagua-
nbe. O debate ficou adiado pela ora.
Na Cmara, depois de lida e approvada a acta
antecedente, foram lidos dous requerimentos do
Sr. Alfonso Cilso Jnior, pedindo iuformacioes ao
governo, os quaes fiaaram adiados p ir ter pedido
a palavra o Sr. Cbristiaoo Ljs.
Foi approvado .um requerimento do Sr. Bdtrio,
tamo-m de informaeoes ao governo.
Te ve primeira leitura um projecto do Sr. Jo&o
Caetano, creando um novo bispada na provincia
de Minas Geraes.
Fsi requerida urgencia, requerida pelo Sr. Be-
camat, para aerem dados opportunamente para
a ordem do da os projectos ns. 63 e 77 do corioote
anno.
Preencheram a hora do expeliente os Srs. Af-
fonss Celso Jnior e Mac-Dow.'ll ministro da
justica).
Foi encerrada a 2." discussao do oroameato da
tazeoia, a reqoerimenlo do Sr. Bezamat.
O ur?>neBto fo approvado, oom as einsadas '
aiditivos offarecidos, pausando a 3 discussao.
Na 2.* discussao do ornamento da recaita, ora-
ram os Srs. Montandon, Uelisario (ministro da fa-
zeodi.), Alves de Araujo, Almeida Nogneira, Pe-
nido e por nltim 1 o Sr. F. Belisario.
A discus-'io ficou Hdiada pela hora.
No dia 26, no senado, depois da haver o Sr. Vi-
riato de Medeiros enviado mesa varias informa-
coas qne requerra sobre a nomeaoo de um fiscal
dos relogios da illuminacao publica esabr; obras
do ministerio do imperio, o Sr. Lsao Vellso, pe-
dindo c.nas de documentos e outras informaeoes
relativas ao concurso para adjunto de bistoiogia
na faculdade de malicio* da crti, justifieon um
requerimento sobre o qual orou o Sr. Bara da Co
tegipa, S que foi approvado.
Xa ordem do dia entrn ea 3" disou so, na
presenta do Sr. Portella, ministro da repartici, o
or;inapto da despaaa do ministerio do imperio.
Ocoj o Sr. Pollino, rolnlor d* cjmwiaaio de oroa
1881. Em todo o caso, porm, tem lugar a apura-
cao dentro de 60 dias i 1 data da eleicao, segundo
estatu o referido do artigo citado.
Faltam ainda 3 authenticas do municipio neu-
tro e 11 da provincia.
A' competente directora em Londres remet-
teu o superintendente da ferro-via de Santos a
Jundiahy, a 7 do corrente, por conta do anido do
trafego,"a quantia de 107:26257O, ao cambio de
22 3/6.
A aoBaa.compatriota, Sra. D. Othilia Pinto,
filba do Sr. cnmmeodador Jcaquim Caetano Pinto
Juoior, acaba de ser creada Dama da ordem do
SasUo Seputcbro de Jerusalm pelo patriarcal da
anas ordem.
fom a aasistencia de S. A. a Regente e seu
augusto espaaa na presenca dos Srs. presidente
do oonselho, sainistroa de imperio, da jusrioa e ma-
rinha, wnadaaas, deputadus, membros do corpo di-
plomasa e aBaul >r4 magintrados, ofBiiues da ar-
mada e do exercitj, coinmtssoes de 87 associaces,
representantes '.c ou'.ras classes sociaes e da im-
prensa e crescido numero de senhoras, realisou-se
no dia 24 a nuite a sessao magna coinmemorativa
do 19^ anniversario da fundaco do Lyceu Litte
rario Portugu^z :
Su*-8 Altezas foram recebidas porta do edificio
pola directora e mambros do ministerio ao sera do
hymno nacisnal, executado pelas bandas de msi-
ca do Io batalho >io iufantaria e di corpo polica
da provincia do Rio de Janeiro.
Teudo Suas Altezas tomado assento sob o docel
preparado no salao de honra, pronunciou o presi-
dente, o Sr. commendador Mar'tins de Pinho, um
discurso no qual depois de recordar a data da fun-
dacao do lyceu, que tambera gloriosa para a
naco portuguesa, de mencionar os ames de di-
versos cidados quo prestaiam ao iyeeu durante o
anno findo importantes servicos e de asnignalar
que desdo a tuudacao do lyceu mais de 11,001 in-
dividuos de todas as nacionalidad :s lesa ido all
procurar inat.ruc(ao, sendo a matricula do ultimo
anno de 1,012, agradeceu as pessoas presente e a
Suas Altezas a horra do sen comparecimento
aquella festa, concluindo por inauifestar os votos
do lyceu pelo prorapto esrabolecimento dafS. M. o
Imperador e pela tua volca ao Brasil.
Declarando, com deviia venia de S. A. a Re-
gente, aberra a sessi), couviiou para presidil-a o
Sr. ministro do imperio, que tumou assento ua
mesa, entre o presidente corasaendador Pinho e o
inspector geral da instruccao publica Dr. Vieto-
rio da Costa.
O Sr. presidente communica que p:r doontes,
nao compareceram os Srs. ministro portugus e
Conde de S. Salvador de Mattosinhos, presidente
honorario io lycu.
O Sr. L'jiz de Faro, secretario, fez a chamada
dos alumnos premiados, recebando os premios das
maos de Suas Altezas.
Terminada a distribuid> des premios, o alum-
no A'varo Fernando Das, sbralo tribuna,
agradeceu, em breve discurso, por si o pelos seus
collegas, o zelo com que as aulas desta associa-
oo Ins ministrado o casino.
Seguio-Je-lhe o professor Dr. Ctala), que, fa-
zendo a apologa da instrueco desde os mais re-
motos tampos at os nossis dias, concluio a^rade-
cendo directora as provas d consideradlo que
ha serapre dispensado ao professorado da associa-
cao era cujo norae saia o Lyceu Litterario Por-
taga z.
Por permissao de SS. AA. imperiaes foi suspen-
sa a sesso por dez minutos.
Suas Altezas visitaram o esubalecimeno, acom-
panhadas pelos seus camaristas e damas, pelo
ministerio, pela directora e umitas pessoas
gradas.
Reaberta a sessao, constan e segunda parta do
gpguinte concert org misado pelo Sr. Josepb
White.
Programma do concert. Io solo de piano,
Chopin, pelo Sr. Nepomuceno : 2o, solo de flauta,
Popp, pelo Sr. Duque-Estrada Meyer; 3, L'Esule,
romanza, Gurjao, pelo Sr. Rossi ; 4*, (a) Friere,
Nepomuceno, (b) Gavotte, para violoncello, Pop-
per, pelo Sr. Nascimento ; 5*, Esperanza, romanza
Bollo, para soprano e vialino, pela Sxraa. Sra. D.
Antonietta Sal Jaoba da Gama e o Sr. White ; 6,
solo de violino pelo Sr. White.
A execuclo foi vivamente applaudida.
Findo o concerti retiraram-se SS. A A. Imperiaes,
sendo acompanbadas at porta de^stabelecimeuto
pelo ministerio e pela directora da assocacjlo-
Aps curto intervallo come^ou a terceira c iiltna
parte da sessao, oraram os rapraaaatantes de algu-
mas associacoase carporaclo.
O Sr. ministro d" imperio, ao delxar a cadeira
presidencial, pronunciou urna ailocucao na qual,
por si peasoalmente e p-lo g>verno do seu pas,
agradeceu ai Lyceo os servicos que tej prestado
4 causa la I os trcela Publica. ,
Aeonc'irrencia fui enorme. O vasto ediffiatjera
pequano paraconter tantos espectadores d festa brilhante Ni ra tambera a agglomerav j do
pavo era immens, mal podando transitar o* veh-
culos que cooduziam os convidados.
Tanto entrada com sahda foram Suas Al-
tezas sau lajas pelo pavo que enchia a praca e os
arredores do edificio.
Em um elegante coreto no largo, tocou urna ban-
da de msica militar escolhidas pecas. O edificio,
a praca e as ras prximas estavam vistosamente
enfeitadas e Iluminadas.
E' digno dos maiores louvores o empeoho da di-
rectora e dos professores do Lycu Litterario Por-
tuguez na propagacao da instrueco, sendo incon-
testaveJ os servicos que tem prestado, e por isso
as suas fastas anniversarias sempre grande o
concurso de representantes de todas as classes so-
ciaes, que deste modo demonstrara o grande apreco
em que tem a dedicacao dos que dirigem taa til e
imprtante estabalecimento.
Fallaceu no dia 21 em Theresopolis o enge-
nheiro Antonio Luiz da Cunha Bahiana.
\oti Pelp paquete Gironde, que hontem chegou dgs
partos da Europa recebemos as teguntes noticias
alera das que c nstam da carta do nosao corres-
pondente de Lisboa, que vai publicada sob a ru-
brica Exterior.
Deapaoba
A-crea deste reino escreve o nossa correspon-
dente
poda aproveitar aog defensores das novas iuati-
taicoes.
O partido repnblicano forte, numeroso, e dia-
poe da mawna parlamentar, lina fracglo dtsse
partido entendou par diversas vezea combater os
ministerios, e o seu combate era licito, as suas
observacoes perfeitamente legitimas ; mas a pala-
vra era secundada pelo voto, e nesse ponto cohe-
rente, o certo era que os ministerios nao podiam
assistir e tinham de retrar-se, nlo pelo voto dos
republicanos, mas porque juntando-se a estes os
votos da direita, a maioria parlamentar ficava
constituida pela direita e por urna fracelo da es-
querda. Nunca esta fracelo podo de accordocam
a direita formar governo, o qu.: poda accatar se
em obediencia as regras do rgimen purlamaotar.
As cousas, parra mudaram ; o a direita que
acompanhara urna das fracces republicanas para
derrubar tantos ministerios, mudou de tctica o
inelmou so para outras fraccoas nlo para derru-
bar, mas para manter o mnistario. O governo
do Sr. Rouvier deva a sua existencia a esto facto.
Esta situacao pode prolongar-sa ?
Nao o sabemas, e mal podo assegurar-sa sem
raceio de errar o quo succeder. Mas cm todo o
caso, em quanto durar a actual legislatura, em
quanto o voto universal na constituir a cmara
dos deputados de outra firma, pic dizer-se que
as cousaa variaram muita pouco, era quanto a
fraecao republicana opposta ao ministerio nao va-
riar de tctica tambem pela sua parte.
Descoahecer as condces da lata, os que na
sabem aproveitar as forcas que nella se euipenham.
O bom emprego das forcas da que 30 dispe pro-
dus resultados admiravois ; as toreas mais pode-
rosas sao completamente esteris emquanto nao
slo bem aproveitadas. lato simples e evidente.
Mas por isso mesmo que talve dcixa de ser f-
cilmente comprebendido.
A paixlo pretenda quis sempre sobrepujar u
razio, mas um empenlio baldado.
0 mundo nao se govenia por caprichos, uij.3 por
leu.
Descoahecer estas, e pretender substituil-as
por aquellos, um erro era que incorrem muitos
espiritos, e o paior que ni> sa conv^ncem desse
err#, embora elle se manifest caa a evidencia da
luz da sol. E'e3ta urna das CsaSm do espirito
humano, e malbor reconoced-a do que nogal-a.
StliNntt.
O consalho felaral ds Saissa autnrisoa o mi-
nistro du fazonda a emittir ura crapreetimo de dooi
mlhoos de francos para cobrir as desoezas para
por emexacuclo o monopolio do alcoal.
Blgica
O recenta discurso do rci di; belgas, com que
censurando a decalo da Cmara dos Deontado*
por ter rejeitado a propusta de le qua c lasign iv 1
o s-rvi^o militar obrgatorio, tem sijo diveraaoMSl-
ta commentada, abrindo campo a varas eoajee-
turas.
Evidentemento Leopoldo !I vio qual o peffi effaito que este voto tinha feito sobre o publie >,
que vio nella mais urna amaostra Ksio de quanto
acta sobre a cmara a influtiicia clerical, q e pi-
de, para salvar um certo nura ra se ainaristai
da farda, prejudcar a iadapaod icia da naeil 1.
Os terapo3 vio mos, para as simples imp isieoiis
do direito; torna se cada vez mais necessario qu-'
aforra o torne efiiaaz o portauto, hija era dia, ca-
da pavo s pode cantar comsigo, cora os seus ele-
mentos de resistencia, e cem a quantidade de
energa que possa dispender para fazer respeitar
a sua justica, que, geralra 'ute, vem sempre em
segunda luan.
Huspeitou-se par algum tempo qua o presidente
do conselho belga, o Sr. Beernaest, fosse contra-
rio a medida presentada, e que fosse por sua in
rl i uicia par datraz da cortina qua a caraira a re-
jeitasse.
Hoja parece provado a sinceridade daquello ho-
mem de estada, e a homageoedade de vistas, nes-
te assumpto, com as do monarcha.
Ora estando de accardo a nacao, o monarcha e
o presidenta do cansellio, fcil ser vencer a re-
sistencia da cmara.
O governo belga ordeuou ao socialista ioglez
Headiogiy, delegado dos socialistas da Londres.
Halla
O Sr. Crisp ficou definitivamente frente do
governo e conserva a uiernidjtda do ministerio
dos negocios estrangeiros. S no parlamento
qua se poder! conhecer se aquclle lastre estadis-
ta pode ou nio contar com a maioria dos deputa-
dos da naci.
O jornal romano Fanfalla, diz que o ministro
da fazenda da Italia est en negacacoee para en-
tregar novamente o arrendamento dos tabacos a
urna gociedade do capitalistas, mediante urna
somma superior que pagava a anterior socieda-
de arrendataria. Em Millo tem-se trabalhado
para constituir um syuiicato entre os bancos que
se mostravam diepastos a entrar nesta empreza.
A priaeipsl difEculdadanjem que lucta o projec-
to nao querer o ministro que no syuiicato en-
trera mais do que capitalistas italianos. Espera-
va-se, porm, poder remover essa difficuldad?, ex-
cluindo os estrangeiros da cambinacio.
Estuda-se agora o modo do fazer figurar como
italianos os capitaea que, sem o serem, estiveram
j comprometidos.
Na Sicilia continuava a grassar o cholera com
grande intensidade, especialmente cm Messina,
Paletina, Bianca.'illa e Paterna.
EXTERIOR
Inglaterra
O gabinete do Mrquez de Salisbury contina
consolndose c m o resultado das negociacoes por
causa do E ypto, e com a concesslo para marcar
os limites do dominio inglez na Asia. Por sua
parte a Russia parece mostrarse satsfeita por
ter chegado a um accordo sobre a delimitadlo
daquellas fronteiras.
O partido liberal dirigido pelo Sr. Gladstcoe
acaba de alcancar um novo succeaso el-toral na
eleicao de um membro para a cmara dos communs,
vaga pela morte de Verdn, liberal unionista, qua
representa a circumscripcla de Northenuicb, em
Cheshire. Foi eleito Bruns, candidato liberal
gladstoniano, par 5,112 votos contra 3,983, obtidos
pelo lord Gransvenor, ministro. O mais notavel
nao o ser alcanzada esas
servadores, mas o ser cbtida custa das liberaes
unionistas. No campo liberal que a urna deu
razio ao Sr. QAadatone.
O Marques de Salisbury annuociou ao dia'J:' i
_ O general Salamanca ch,oa no dia 15 do
, corrate a San Sebastian para combinar com oSr. Ritmara do Lorda, que a Liga nacioni', irlandeza
lad^ie. Jaguaria sobre o estado do, menta, justificando emendas que foram^apeadas e M J da P ^% proclamada assocaclo perigosa, e em se-
> io x'\o dase nomc c 4o san^iouto ojv \awbvnattvdas conjuntam^nta a dxscuasio.^ Waoa
Correspoadencla do Diario de
Per a tabuco
PORTUGAL Lisboa, 23 de Agosto do
1887
A 18 deste m?z reauo-se a cmara dos pares
constituida cm tribunal de juatica pira o julga-
raento do Sr. Farreira do Almeida, dnputado da
afio, que na sesslo da 7 de Mao ag^redira o Sr.
consoheiro Henrique de Macedo, entao ministro
da marinha, em cousequencia de cortas palavras
qui o meamo Sr. Macedo fra dirigir ao S.-. Perrei-
ra de Almeida ao seu lugar, no recinto da sala
das scasoes, e que este ultimo tanou ora provo-
caba), como lh3 tenho narrado circumstanciaia-
mente as mnhas au lssiva*.
Depois da jalgameato,que foi no lia 18, que o
Diario do Governo publicou o de: lindo
convocar a cmara dos pares para r.quelle fia, o
que, dga-se a verdade, nao foi muito curial; .1;,
tudo mais ou ramos era ts 10 86 reaento da
mesmo cunho de rregulariJ
A andieaeia foi aborta ao meii dia p-!a Sr. cou-
selheira Barros e S, que subititu.o na presiden-
cia o Sr. conaalh''iro Joio Chrysostomo do Abreu
e Souza. A' direita da presidencia sentara-se o
ir, 1*0 digao par Jo Pcreira, e esquerda o
Sr. consclheiro Siqoeira Pinto, director geral da
cmara dos pares. Era representado o mni.
publico pelo procurador gn'al da cora, na pessoa
da Sr. Dr. Anuibal Maitrns. O Sr. Luciana M n
toits, ura mogo advogado, nascido em Pars, n
da viuva Ailland, e qua tem j 1 adquirido grande
reputaelo n'outras cansas import -u".cj era o de-
fensor do Sr. Fcrreira de Alm ti
O reo, de casaca e gravata hran a, 3entara-sc
no lujar oade castuma.; icadas dos
ministros.
A multidl) qne invada aagaleriaa era emr
musraa, apesar da nnjuein 1 .r.ij li
sdlfieio aesa r rauaido de nm bi admiatia.
S ridm 90 approximadamentu os dignos pares
que oesupavara as respectivas cad ana com
odtea fardas, outros de boca. 03 mili
cora os seus grandes unform 1 bastantes
de casaca o facha.
Era imponente e migejtoso 1 'a sala,
enj 1 arcJritectnra j i de si uait, 11 vera, sin 1 > a
11/. tola de cmi e escassa para a grandeza dalla
Desenova pares faltaran audiencia, sam ra
justificado; dous preUd >s mani .r m a daslara-
oi 1 < qu: era incompativel o seu carcter sacer-
i >( il com as funeces datjuizes. Tiveram razaie
miis ainda a teriam os prelados a quem ca:ii
o pariato, se por u.i todos que
entre o tea ministerio coma p grejae
o exereicio das funecoes legs a>anife*ta
incarapatibldad. O ?r |ue esses pro
lados teem direita nao se o '.. realmente cora
as luas e parearas polticas a ;i dentro da c-
mara esto sujeiro3, por me 'ja a sua
1;.
i asoa-se tambem o Sr.
Pinto.
Abe-ta que foi a sessao, o ,. .1,1
ao Sr. Ferreira de Al.ne: 1 a com-
petencia da ca:n ;ri para j _,-1- A. reSDOsta foi
affirmativa. A mean 1 pargu la pelo
pre3ld.';iti ao r>>;
da corda e ao advogado da d : a .. .\
1 wtas.
Sr. Siqoeira Piuto lo 1 ent3 .'.5 do pro
cesso. que termina pelo aegointe ptfreeei do cau-
selho :
Estar provada a aggrcaj"; ^orp:: .!.
Eifar i ua mente provado 1 r .'. a-iimiiade)
que essa aggrcssla nao foi eommetti a em a^to de
s Tvica. mas. pel> contrario, era sezuida a ama
dscussa de canctor poltico, ocoorrida durante a
sessao desse da, en* qual o achatado tomn parte
na sua qualidade de deputado da na,
Estar filialmente provado {por unanimidad;)
qua as expressojs dirigidas p;lo acensado ao ag-
gredido, podiam ser tomadas como ama provoca
irlo se pravand3 comtudo que : j ariosas.
O libello aecusatoro consta d -etc provari,
ios quaes o ultimo reaa assira :
P. Qua uestes termos dave 3 rci ser candem-
nado na pana do Io dos artigas de gnerra da ar-
mada de 15 de Outubro de 1799, approvada por
alvar de 26 de Abril de 180, para o que se offe-
rece o presente libello com 03 protestos necessa-
rios.
Tem 1S clausulas a conte3ta;ao de defesa con-
cluindo deste modo:
180 P. nestes termos deve a acccsacao ser jul-
gada improcedente e o reo absalvdo.
Sdguio-ae o depoimento das tastamunhas, Srs.
Joio Pinto dos Santos, Antoma de Asevedi* Cas-
talio Branco e Luiz Jos Das.
Ligo, depoi das pergudtaa do costuras, o relator
dirigio-se 10 Sr. Ferreira de Almoida :
Faz favor de dizer o que tem a apresentar em
sua defesa ?
Raporto-me ao que j est dito, e mantenha
o qun declaro.
Entlo entendeu qua o Sr. Heanone da Ma-
cedo o tinha ido provocar ?
Entend; porque nao passo percebsr que o
ministro, para outra cousa e par aquella forma
viesse aa mea lugar.
Muito bem ; visto manter tuda quanto j de-
ciarau, nada mais tenho a perguntar.
O presidente entlo dea a palavra ao procurador
gcral da cora.
O Sr. Dr. Anuibal Martina fez a historia da
sesslo em que o confl'Cto se deu o procurou de-
monstrar que o Sr. Ferreira de Almeida interpre-
tara mal as nteucoes do Sr. Henrique de Ma-
cedo.
Foi dada a palavra ao Sr. Lugano Maatelra,
advogado do reo.
O discureo que o talentoso jurisconsulto fez,con-
seguir imprcs8iouar o auditorio sem distinccla en-
tre meros espectadores, ou membros do tribunal.
laia falha de Lisboa que detidaminte narra
tudo quanto se refere aquella notavel audiencia,
escrevia no dia seguate;
Historiando o processo, d333 (o Sr. Dr. Lu<
jn ciano Monteiro) que a priaaa do Sr. Ferreira de
Almeida foi um attentado coloss :1 contra as im-
munidudfes parlamentares e contra a iiberdade.
Moitrou com qus odio feroz 9 governo perseguio
o aecusado, taantenlo-o incammunicavel como se
tora um ficcinora, emquanto, pir esse paiz tora, I
matxitz aeara vi paWicarto no i.E'uo do Sal
yep>**&tii a V. Exc, para apresentar algunas
VTrtTiHa"'-' saore os trabalbos execatados na-
ajB*la> ># de cuja scalaaiao fui encairegado
yo go^tiuo-iuipcria!, cabendo-me inteua a res-
ynaabilidade daquellas obras cuja deacripcla se
iek,s luciuao rcla'orio para o qual pey tam-
ttm. i. esclarecida attcn^ilo de V. Eic.
Neote ,'irab Abo expuz com a maior clareza o
-jsCcq Js obras trxccutadas, pedindo para ellas a
.ioisaeMavcl conservacao pela dragagem, feita
an.-'oUrojiotii exa cada anua, sam a qual nao ple
-orr ;jiti4tic*l 1 um ni lioramanta peruaan ute,
Lk'.ajudo esperar que a uaturasa se cucar-
y ^ wi^u repuiavi) dos ex.ecutoriS dalias a cuja
jbb ^ ;tlm :ute lancada aquella falta.
SsaajsauM firesentimcnto ficau confirmado pela
Bal 11 ulnr* da Illioa. Cmara Municipal de Ja-
naniii qite altribue m execa^ao das obras,
ojat tive a honra de dirigir, o sea estado ac-
txau.jkx rtun previsto, de areamenU por fl(a de
Bjmaerva;
Dwiaicu ainda ; Assim tem acontecido qu
ajar. -ine barias de S. (jmcalo, cojas abras cus-
iaria to grandes sacrificio pecuniarios, nada se
ten ieite para conserval-as, sendo para notar que
estado do canal do Sangradouro, concluido ha
mais de tres annos, nao accue grandes altera-
liot]Sanr"f do sea completo abandono, nio de-
itadsl por iado algum a rvir isso de exemplo
u os eaaaei do rio Jaguario, onde actan
JUliuuimun e sinuosas correnteaas coniuzindo
nande quantidade de aicts.
c sHaoniace, porm, agora qne a barra de S.
analo, canal recto, de 88 metros de largura, j
a dragado, e sem esse aervico repetido o canal
s aMBieiaria de *xir em pouco tempe ;
iml, portento, comprehendr-se que o no Jagua-
rio, oame dase, onde actuam tortissimas e sinuo-
sa aurenteaas, coaduzinio grande quantidade da
aiint. iiinniin. rl' elosa conservacao, para as
avaaaU eeatada, ujo cuatd (167;836#109j
aA foi exagerado como consta da referia repre-
amiacaq, pois que nessa quaatia importeram mais
a Uea kikometros de canal, tros moralbaa impor-
Mn in caes de alveaaria de 220 metros de
xtasu>, tascado -t tanos alera da praia dando
aeidade rea de 12,100 metros quadrados.
a aa obras ttaojuelle rio ficaram por tal modo
azeeatedaa, ta. Sr.ique devendo ter oa canaes
aaevados csutorme a projeeto, l,7t (oito pal-
jM)DisteisaWidiaaiie, a praca de Jagaaro nui-
aacaezei depois dellaa terminadas fez acqusicao
O Sr. Ignacio Martina requeren e itl> o adia-
manto da discussao at que as emendas fossem
iinpri.'ssas. Depois de algnoias observacoes dos
Srs. Correia e presidente, indo proceder-se a vo-
tacao do requer meato vetificoa-se nao haver nu-
mero, razio pe quel fioou reservada a votacao
para a sesslo ssguinte e cansideroa-se adiada a
discessia da materia principal.
Proseguio a discussl 1 do projecto do senado
que deroga a le de 9 de Outubro da 1836 na par-
ta relativa a apasen'aclo ibrigatoria das majis-
trados de 75 annos de iiaie. Oraram os Srs. Vs-
enle do Paranago, Nuos G calves e Correia,
e fionu o debate adiado pela har.
Na cmara, depois de lida e approvada a acta
antecedente, teve segunda leitura, oi .julgado ob
jecto de deliberadlo o remettido a comoiisslo de
aegicios ecclesiastipos, o projectodo Sr. Jlo Cae-
tano creando ura novo bispado da Minas-Oaraes.
Foram lilas e ficaram adiados, par terem ped
do a'palavra as Srs. Almeida Nogiuira e Cbtis-
tiano Luz, dous requerimentos do Sr. ATouso
Celso Jnior peiindo mtjrmicos ao governo.
O 3r. C'jelho CtmpOB lequereu, e foi an^rovada
a inversao da ordem do da de aoje para continuar
a dis.'U3slo dos orcamentos da. roccita c despeza
do miaisterio da fazenda.
O Sr. Araujo Prano fe consideracoes sobre urna
noticia dada pe/a (iaseta de Noticias em re-
faci aos trabbaos parlamentares, orando aluda
sobre o mesmo assumpto o Sr. Maciel.
O Sr. Silva Tavares apreseotou urna represen-
tec4o dos colonos estabelecidos no Rio-Grande do
Sol, pedindo xelevacio da multa que contrahiram
par com o estado.
Preencheu n hora do expedante o Sr. A|res de
Araujo, que tratou de negocios da Paran.
Na primeira parte da ordem do da, na 3> dls-
onsslo do ornamento da fasenda, orou o Sr. Fer-
'n-ira Vann, ficanio a discussao adiada pe hora.
Na segunda parte continuou a z' discussio da
receita goral do Imperio.
Oraxain oa Srs. Bario dje Gluhy o Coelho de Al-
meida.
A discussao ficou adiada pela hora.
Ei-icao da senadorA Illm. amara municipal
offiou hontem ao Exao. Sr, ministro do imperio
reclamando diversas authenticas eleitoraes, qw
nao forasn ainda recebidas, afim de ter lugar a
apuracao geral dos votos para i lista senatorial
do Rio de Janeiro.
Sendo hontem o 40- dia depois da eleicao, foi
tate a reqmsicao nos termos do rL I55J.1-, 2
parte do decreto regnlamentar de 13 de Jslgoetode
cuson acvtvtat o ptocaao veroaV eio\\cai\4o 08 mo- \ goVoa V'u. & ptoc\amae,a.o.
ti vos da sua recusa de encontr com o Sr. Abas-
cal, e convjcon um tribunal de honra presidido
pelo seu ami go o marechal Campos, e composto de
oito generaos, que se limitaram, depois de ter ou
vido as lestemunhas do Sr. Abascal, a dedarar
que o general Salamanca devia adiar o onconfro
at epocha de terminarem as suas funecoes offi-
ciaea.
O general Lpez Domnguez geralmente
applaudida por ter respondido com reserva s pro-
vocarnos que o general Salamanca lha dirigi em
cartas, as quaes procarava evidentemente provo-
car nm iovj confl cta.
Por inti-rvencao do procurador geral de Ma-
lri 1 foi dada ord'm d prnio contra o filho mais
velbo do general Salamanca e contra o Sr. Fi-
gueiroa, redactor da Resumen e contra as teste-
munhas do sea d^flo. '
Tambem se falla n'um desafia entre o filho se-
gando do general Salamanca-o o Sr. Olivier.
Ai rainha regente parti no dia 13 deste mez
com seus filhos para San Sebastian, aonde o ge-
neral Coroet a foi expressamente felicitar em nome
da presidenta da repblica francesa.
Tranca
Encerrada o parlamento s pode seguir-se 0
movjenent> da opino, afim de conhecer ou prever
o quo pader succedor na prxima rcuuiio das ca-
mama.
O ministerio Rouvier rompen por sobre todas as
difeuldades que se levantaram sua marcha e
oade muito* suppunham que elle encontraste a
ruina, se nio teve o triumphb, esteve longe de
perder forcas.
qitimamente o Sr. R mvier no banquete que lhe
foi offerecido pelos commerciantes parsie.)ses
pronunciou um discaso que era esperado com in-
terease".
O Sr. Rouvier declaren que nio obedeca a in-
fluohcias de nenhuma oriem, e nlo'hesrtin cm di-
zer que era Inexacto o que se assegarava comres-
peito ingerencia doB monarchistas ni direccio
dos negocios.
O presidente do conselho do governo francez
resumi a sua poltica nestos termos : o governo
de benevolencia e nio de combate.
Os governog de combate foram ob que se forma-
ran) com o IhTnito de prejudcar a repblica, e os
homens que se associaram nestes governos, hoje
bem sabido n3,o tiveram outro intuito, sena difi-
cultar a implantaclo das institacSst republicanas.
I joa de Fretas com respeito crdem dos quesi-
tos, a qual foi esta :
1- Se o crmc civil on militar ;
2- Se o processo tem ou nio nullidades insana-
veis ;
3 Se ha circumstancias aggravantcs oa ate-
nuantes :
4- Qual a pena que se deve applcar.
Votarara 51 dos pares presentes que o crmeera
militar, e 31 que o crime era civil.
Neste numero de 31 entraram alguna pares af-
fectos ao governo, como os Srs. conde de Valen-
fas e Scqueira Pinto.
E-ira neis horas e meia quanio se reabri a
sesslo.
O Sr. Dr. Jos Perera lew o seguinta acior-
dio :
Aczordio os do tribunal dot pares, quo aen-
do da saa exclusiva attribuicSo Ponheoer deste/
processo, em que Jos Bento Ferreira d'Almeida,
primeiro fenece da armada e deputado da naci,
aecusado pelo ministerio publico de ter aggre-
di io corpo.-alujnte o conselheiro Henrique de Ma-
cedo Pereira Cautinho, entlo ministro e 3-cretario
i: untado dos aegoeioa da marinha e ultramar no
da 7 de Maio dest? auno, na sala das sessoos da
cmara do3 deputaia-i, em s-'guidaao.eocnrramvjn-
to da sesslo, crime este previsto e prevenido palo
artigo Io dos de guerra da armada ;
E verificando-s; polas provas constantes dos au-
tos e prodaaidaa na audiencia do julgamento, que
este ctiun existi e sendo delle autor o acensado,
iue incorreu ua praa da lai citada, que lhe
applicavel por Ber pessoa militar e ter offandido
com a referida aggreetio seu superior legitimo,
ou ibrantaadt por esta forma as leis da disciplina
militar ;
Crasiderando, porm, qua na :mp)3clo da
paaa 1 deve atten ler r. que a ag^r.-sso nio foi
conraattiia em acto da servifo, uem em razio do
mesma servco e, qu?. comquauto o offenido nao
dinjiate ao acensa 1 > expressaa algnma injuriosa
e offensiva da sua dignidade pessaal, proferio com-
tuoj algurnis que era razia da acalorada discus-
si>de earaetw poltico, qua precedeu 6 conflicto,
foram tamidas como provocaclo pelo a^gressor ;
a que o aecusado, coma official da armada, tem
amatado bou terviQas ao paz ;
Em vista deitas circumstaucias e nos termos
expistjs, jut^tm procedente a aecusacao e con-
deaiuam o mcncioaado Jos Bnto Ferreira de Al-
meida ua pena de. quatro mezes de prisao. militan
levando-ae-lbfl era canta, para o cumprim .Mita des-
ta pen 1, o tempa de prisao soffrida desde 7 de
Maio deste ana>. Lisb>aesala das sessoes do
tribunal do justica dos pares, em 18 de Agosto
de 1887. ^
Fa j 19 ias de prisao ao Sr. Ferrei-
ra da A mej 11 p ir 1 n.-aprir a pa ia.
Pela le de 1802, era vista da coni-mnaeaa, ha
. temporaria dot direitea poltica c portento
o Sr. Vi -.-;ira de A 1 la parde o seu lu-ar da
. id 1.
O parlameito, q'i; -.1; s* tornar a abrir tem de
'). o circulo-aleitiral de Fa-
ro e p oceder se-ha nelle a navas elei^oes.
Ui. to avia ni imprenta e f.-a dda quem na
le eom nasa i.;terpreta<;ii da le, e par
polemi a mansa catre varios jor-
saportanteff.
0 |ue toda a ira p"".3_, que se o
* ae .. oo voteram 51 pares da reino,
a .31, 'i pon. !... Ilusoria.
'- pen "oaunclada contra urna
praca d pMt, lo t > ou da armada que dsse
ama bofetada n'um pri.neiro-teneate, uo Sr. Fer-
Almsida por exemplo?
P rarenica entre o soldado ou
o marini tro B o Ur.eute tanta por assim dizer
coma a que vae do tenante ao ministerio da marinha.
Se o criin' tivess ido considerado civil cono
opinavam os 38.pares do reino eontra os .ol, o caso
raudava de figura. Estava dada a satisfaca
sociedada oft.'ndida, representada palo tainisterio
publico ; mas assira nio fica reparada a affronta
que soffreu a disciplina visto que o crime fai consi-
derado militar.
Para quaiquer potito da cidade onde a gente
se volteas", nesse dia e nos dous seguintes, ou-
via diacusso^s acceleradas a tal respeito, cujo
fun lo eram etPt argumentos principalmente.
A eensacio da novidades nio dura porem mais
de 3 daj.
Daooia de enmprida a pen* que mais ha ver *
O Sr. Henrique de Macedo, que ala agora mi-
nistro e anteg que seja reconduzido como so diz
sua pasta, mandar desafiar o Sr. Ferreira de Al-
meida, para se lavar da affronta corporal, ou ser
reintegrado no seu nntigo logar de ministro an-
tes dessa... f irm lidade, nao legal seja sssim,
mais exiirivel pelos nsot e costantes que regulam
as relacoet rociaes era todos o* paizes cultos ?
bit aqai ontro aspecto da questao, com que
talvaz os tanha occipado largamente, apesar de
os ter poupado tranacripcao de um liballo econ-
stestacau na sua integra e de Ibes ter aqu resu-
mido o assumpto o mais que me foi poasivel.
Vaa tomando incremente o centro poltico d
largo das Ditas Igretis, o que tem por chefe o Sr.
conselneiro Baijona de Freitas, ouj) orgao prin-
cipal na imprensa a Revolueao de Setembro.
O Diario Popular, orgao progressista de que
era director poltico o actual ministro da fazenda,
Sr. Manao.no de Carvalha, dava ha poucos das
noticia da inaugaracao deste centro nos termos
aegnntes :
Inauguran-sena sagnnda feira 15o centro po-
ltico das amigos do Sr. Barjona de Fretas esta-
belecido no Chiadi, defronte da Ca=a Havaneza.
Apezar de esterera ausentes de Lisboa os Srs.
conde de Cabral, Fuschini, Wenceslao de Lima,
Marheus de Azavedo, Ferreira Freir e outros
amigos dos maia dedicados do Sr Barjona, foi nu-
merosa a concurrencia da pessoas inauguracao
do centro.
Estiveram, entre os cavalheros os Srs:
Vsconde de Mcreira de Rey, visconde de
Ouguella, Silveira da Mst'a, Jayma Muniz, Jos
Mara dos Santos, Vhconde da Rbera Brava,
Sant'Anna e Vascaacellos, Pereira dos Santos,
Alfredo Barjona, Cune Beiem, Guilherrae Enne3,
Quintino de Macada, S uto Rodrigues, Lobo Li-
mare, Pimental Pinto, Rodrgaos da Costa, Al-
meida Piuheire, Alberto de Oliveira, Manoei An-
tonio Vicente, Jalo Pies de Vasconceilos, Cons-
tantino Aboim, Laiz Carlos Mardel, 1 aventura
Prosts da Fons:ca, Ricardo de S, Ewygdio Jor-
Na
dte
plom
pedia
ring, d
do Egyp
discussao
pas britan!
O Sr. J:
um erro o
de negoci
respoudeu
diminuir
tende ant
51 do ten it'
ao nfimo de
mar dos Communs, par occasiao de se
orcamento das despezas do servco di
Sr. Campbell spresenteu urna moclo
ducQlo do ordenado do Sir Evely lia-
otesto contra a administraclo inglesa
sta proposta do Sr. Campbaii traz
uestao da completa retirada das tro-
8 do Egypte.
Bryce, gladstoniano, disse qne foi
rno negociar com o sultao cm vez
m a Franca. Sir James Fergusson
o goveruo tomar providencias para
cargos da divida di E,'ypto, mas
retardar que a accelerar a evaca-
o ; quanto neutralisae.lo do canal
Suez est pjrfeitamente de accordo
ui-jue seja livre, e dentro de pouco tempo haver
a esse respeito um convenio internacional. Foi
adiada esta discussao.
De vera partir brevemente de Poatomouth 11,008
homens da tropas britanmeas para irem reforcar o
exercito das Indias.
Fallou-se em Junho do correte anno, na prisao
Ilegal de Alias Cass levada a effiito por um agen-
te de polica em Londres, aecusando da um crime
que nao praicou e que a atacava na sua repu
taoao.
Este fasto deu occasiao a urna interpellaclo na
Cmara dos Cern.nuns e corren com bastante insis-
tencia que o ministro do interior, Hanry Malthe-
ves, seria demittido. Para se apurar a verdade da
aecnaaco foi ordenado pelo chefe de polica muni-
cipal um inquento rigoroso que den em resaltado
estabelecer a culpabilidade do agente de polica.
tiste agente, chamado Eudacott, actualmente
perteglido por Miss Cass, que o acensa de perjuro,
por elle ter afirmado sob juramento que tiolouyis-
tdmais.de urna vez Miss Cass recebar alguna bo-
rneas da Regente Street O thesoaro publicoWmau
a stu ea^go as despezas do processo slMentado por
Mas Ca>, e os olliciaes da polica abrtam por seu
'lado uma aubscrp(io afim de Eudacott poder to-
mar um defensor.
0 processo compon no da 17.
O Conde de Ooslcw, tnb-secretario de Este-
do palas colonias inglesas ; deciaroa na Cmara
UoS Larda quei o governo tem p'ocurado chegar a
um accordo iuferuacioual para impedir a venda de
bebidas, wmat e mnniceet aot indgenas daa ilhas
do Ocano Pacifico, mas que este projecto tem sido
posto do paute'por os Estados-Unidos se terem re-
im-
os caciques eleitoraes, de trabuca ara punho, pra-[ge Freiro, Joio Augusto Scorcio, Luiz Augusto
t'icivam voa.A a casta de vi Acucias, sem (\m& o mi-\eaat dotis, L'iii fc'-i-p^e Leile, M&i nisterio pensasse em Ibes coarct-..r a liberdads.
Apreeiou sob o ponto de vista jurdico as cerc-
brinas toconas penaes estsbelecidas pelos mem-
bros do gabinete e as nullidades do processo, mos-
trando cama todo ella comprometta a aecusacao e
oa perseguidores da aecusado.
Reterindo-se ao duello qu: Boartanger teve,
quando, senda ministro da guerra, oi apadaio de
eovarde por um deputado, mostrou n'nm formoso
impeto oratorio quanto foi grande a differenca no
modo de proceder l e c, em casos, no funde, pa-
recidos.
O general a quem cama deputado cbamou eo-
varde, na expedio ordem nenhuma para que fos-
se preao quem o iujuriou.
Bateu-se e assim que proceiem 03 homens de
tempera rija que nio teem medo.
C, nm ministro aggradido em consequencia de
um insulto grave, desee a assignar urna ordem de
prisao e elle e os seus collegas mandam prender
o offsndido, que sa desforcou com bro e coragem.
Escolheram para isso a meia noite.
Fizeram bem, accrescantou o Sr. Luciano Mon-
teiro, porqu 1 a essa hora que comecara as gran-
des orgias e, por va de regra, se praticam os at-
tentades-mais repugnantes.
Proaeguindo nesta ordem de idag e faseudo
urna larga analyse dos factas, em viste das disao-
sif oes expresaas as leis, mostrou do um modo ir-
refutavcl que o Sr. Ferreira de Almeida niopadia
ser perseguido como o foi, nem poda ser condem-
nado.
Depois de curta replica do Sr. Anuibal Martina
o presidente interroga :
O Sr. Ferreira de Almeida tem mais algn-
ma cousa a dizer em sua defeca.
Nada mais.
Contina o presidente :
Nio sei se a cmara estar fatigada e pre-
ferir que o julgameoto contina amanbi.
Peco-lbe que se manifest.
aluitas vozes :
Continuemos hoje.
O presidente:
Nessa caao convido a cmara a reunir-se em
oonf eren jal secreta-para pronunciar a sua deci-
sio.
Eram quasi tres horas da tarde.
Os dignos pares sahiram da sala das aessSaa
para a das conferencias.
Na conferencia, consta que houve divergencias
e debates acerca da maneira como devia formu
Todos etses governos cahiram, e ot que 'se lhe] rasado, a tomar jparte as negociaedas. Promette, _
auccederam nao podiam mitel-os. i porm. que na"o despresar nenhoma occasiio de lar-je o vred ctum, resolvendo-ae afiual que fosse
O que prejudioara oainimfgos da repblica, mal'emprenndei- novamente a raaliaeclo do projecto. Ipar quetitot, e provalecendo a opiniio do Sr. Bar-,
etc.
O Sr. cooselbeiro Pinto de Carvolb), qu: adne-
rio plenamente ao jrupo do Sr. Barjona, nao
assistio iouiguraela do gremio, por c echar
incommoiado.
Eliectivamcnte as adhesoes augmentara em
mero e qualidade da dia para da.
S:va Pinto, o'vahcmente escriptor das Cmbale*
f Criticas o palemist enrgico cuja reputaco de
intransigente Ibe mircou desde a sua opposico
as luctas da imprensa democrtica um dot pri-
meiros lugares as phalanges republicanas, acaba
de filiarse na agrupamentc, poltico de que
. Sr. Barjona de Freitas.
E' certo que as fiUiras republicanas se esto es-
terelisattdo muitos rapazes da mrito neantestavel
e provavel que o paaso que deu ltimamente a Sr.
Silva Pinto importar a adhesao de alguns d03
seus amgis petsoses e polticas ao novo ncleo
partidario. ,
No domingo (21) o Sr. Latino, que era memore
da directora republicana publicava ua Revolueao
de Setemsro, de que tora em tempo am das mais
astiduotc enrgicos roiactores, umartfeo, tiiendo
que intil e absurdo persistir em ser republi-
cano num paiz monar chico, equea mona-rchia
poie satisfazar a todas as aapiracas democr-
ticas.
Este artigo foi o acontecimento poltico dcses
diss.
Sendo a Reoolucao ce Setembro orgip do uovo
partido, o facto da pnbcacao desse notavel artigo
faz crer que o Sr. Latino Coolho se decidi a volta
ao seu antigo campo
Falla-se tambem na prxima entrada do Sr. Jos
Elias Garca para o partido que o Sr. Barjona
est organisindo.
0 Sr. Jos Elias Garca, antigo membro do di-
rectorio republicano, parlamentar dos mais dis-
tnctos e sabedores o proprietario e redator da
Democracia Portuguesa, folna semanal que em
tempo se publicava todos os dias.
C'rre tambem que o erudito professor do Curso
Superior de Lettras c antigo deputado da naci o
Sr. Consiguen Pedroso s filiar no gremio poli-
tiso do largo das Duas Igrejas, apezar de ter sido
membro do directorio republicano.
Estas adtieso.'s trario comsigo outras anlogas.
O mais curioso, porm," dizer-se que o Sr. Ma-
rianno de Carvalho (ministro da fasenda) e mui-
tos dos seus amigos pessoaes a polticos, mas tar-
de on mais .cedo se desligarlo do actual partido
progressista, fazendo nma junecao com o novo
partid*. Quanto a isto nada Ibes potso affirmar
r
1
mu

'

1
*L.
'

BaW


r



Diario de PernambucoBomngo 4 de Setembro de 1887
* 3
de pisitivo, sea&> que estes boatos vio tomando
; v. z mais coexistencia.
Valsando porm ao novo rcviramsnta poltico do
Asigne slyiista e eindito acadmico Latino
Iho, deve accresceatar que a aprensa monarahtca
o tein saudado pela ana recente resoluco, M
mos d < in lis lisong' iro acolhimento.
O Comi da Noite (progrcsaata) escrevia hon-
tem o seguime a tal respei'.o :
, o Vo.ti agora ao gremio mouarehco um dos
seus mais distinctjs mombros que, ha acnoa^uMIe
ae tioba destacado para seguir urna evolueaa po-
ltica que, vista nicamente pelo prisma do sea
elevado espirito, se lhe aAgaroa sor o ideal das
aspiracoj3 sociaes.
L." u Oolho, ccm aquella isencio que sem-
pre presidio a todos os actos da sua vida fot pira
onde a tnirsgem o chamou ; luctoo, soffreu, l
ganou-se e voltou finalmente.
k E t bracos aMftaa u campo tn>-
narchico, onde aempre,]fji considerad) como um
amigo ausente que, mais tarde ou mais ceJ
va de voltar.
avindo aejo, pois. *;
Eis a^uns trechos do brilhante artiga do Lit -
no C-cilio publicado na Revoluto de domingo :
* Preferimos caminhar om a mooarehia, se olla
se mover para o progresso, a ter de estacionar na
contemplarlo estril de um futuro remoto. Ama-
mos o dogma democrtico ; mas o nosso fanatismo
nao nos lucita a desprezar os bons terrenos, para
nos cstregarmus de alma c coraco ao mysticismo
republicano.
A democracia nao va. sobe, e para subir pre-
cisa de apoiar-se no qne existe, ede firmara plan-
ta no terreno seguro para se nao despenbar u'um
arrojo mu calculado e imprudente. A historia
nao nos aprsenla um exeraplo nico de nm.i re-
formaca i social que procedesae por um1* sabstitut-
cao total e prompta das tradicoes abusivas do
passado p?las radiosas professias do futuro. Nuo-
ca si vio um reformador delinear a traca da nova
udificaco, arrasar a velh* fabrica social, e sobre o
campo deserto e revolto, laucar es cimento de
urna nova sociedade. A humanidade regenera ee
como os aeres vivos, nao pea subst'tuicio prompta
e instantnea de antigoa por novos elementos, se-
nao pela elaboraco continua e pela assimilacao iui-
perceptive! de uovaa e vivificantes substan-
cias.
E' por isso que ni, sem renegar a crenca de
mocratica admittimos a monarebia come constitu-
cao, e a rege tamos solemnemente como dogma. E'
por isso que nao estranbamos que se eonssgrem
realeza os acatamentos de que ella presentemen-
te objectu. por isso que nao nos cobrimos de
um pudor bypocrita, e que nao voltamos a face
para nao ver n'um excesso de fanatismo democr-
tico as ovacois que o povo acclama na magestade,
nao um tymbolo de oppressao, mas um penhor de
Marques, como nos deixou perder Cabo-Fri,
margem esqaerda do Cunene, um zona vastisaiina
do valle de Oubango e urna gran Je parti do nosso
antigo e gloriosisstmo padroado do Oriente *
Chcgon a Lisboa Sua Alteza o .S ufante
D. Augusto, que trouxe para seu irmao pacemos
tormosiuam liza), tr.izeiido taraaem alguns pecegueiros da mes-
ina quadade para mandar plantar na su quinta
da Aurora.
J reappareeeu no palco da Tindide a
actriz h'spaubjl; Dorinda a quem lhe tinham as
sassinado ;o marido, seis diaiantes no Hojco, a
; como Ibes coutti.
O publico fez lhe urna ovauao que inu.to a com
mo7eu, ouvindo logo depois em silencio reapeitos)
a parte que ella desempenbava.
Agora um incidente curioso : a adin.uio'.
do lcspital de S. Jos, onde expirou I>. Jos Ka-
drigus, poucis horas depois di: ter all entrado,
nao quiz entregar os valores, diubeiro e joias que
se encontraran] ao muribuudo, sem provas autben
tcaa de que a reclamaute era a legtima herdeira
do morto, ato na couformidade dua regulamentos
d'.iquella casa.
Muito bom : a legitima viuva do fallecido, ato
aiUonnda, mas outra, que elle abandonara ua
(Jalliza com uus piucos do filbcs e que a todo o
momento eaperava por eile.
lia portanto duas mulheres que choram o iufehz
artista, com iual ar talvez, mas com diversos di-
raitoa
O assaji.uo contina preso.
E' bestial.
Nao tem remoraos do quo fez e apreseuta urna
iidifTiireucu de lira.
A imprensa oeenpa-se agora muito com a ex-
aeglo da vadagem.
Algumas prises se teem feto pelo porta d3 ar-
mas prohibidas, aobre tuda pelo de navalhas de
ponta e molla, caracterstico do fadata, quo o
rj p i mais repugnante desta capital.
Eutr. tanto, querem aaber urna cousa ?
Na feira de Belm, que este anuo M transferida
para o Ityppdrontu de Pcdroucos, ha urna barraca
de pun-pam pim.
Em lagar Uus bonifrates a que se atire com
bailas de la, joga-se com urnas argollas a uns ca-
bos de navalba que al estao expostoa. (j-iem
acerta enfiar a argolla no'cabo, ganha a m.valha.
A barraca nao consta seuo deste innocent eom-
mercio de navalhas de ponta e mella, e a polica...
acba bom, e a soldadesca aquartellada ua calcada
da Ajada, que dextra no no tal joguinbo, leva
todas as noites para as casernas um bello aorti-
mento de cuchillos mais ou menos catalana !
INTERIOR
liberdade. E' por isso que nos nao vemos em
cada arco triumphal, que se levanta approxima- I {'oi*rCS>OSI(len:'la *lo Hiarlo
cao da rainha, um attentado contra os foros e ga- j PernamhlH'n
de
rantias populares; por isso gue na ne cons.-, MQ GRANf DQ JORTE-NATAL, 31
deramos em cada punhado de flores que se espar
gem sobre as cabecas reaes, urna violieao fla-
grante aus principios da verdadeira democra
ca.
Aduiittamos a monarebia, mas queremol-a pro- .
greasivs e erviliaadora. E' com esta condcSo es-. "">, acompanhado do r. chele de polica
sencial que ni derogamos apparentemeule ai
de Agosto do 1887
No dia 14 do corrente, o Exm.
dent da provincia Dr. Pereira de
presi-
Carva-
e diversos outros amigos, 3eguiram a pp.s-
seio at a cidado do Cear-Mirim, aece-
denJo a um convite que llie fora feito pelo
Rvni. Sr. padre Antonio de liveira An-
tunes.
S. Eso. ainda nao tinha tido occasiio
nossa3 creacas populares.
E diz'.a o Secuto que por occasiao da ultima rea*
uiilo do coagresso republicano se nao tinham ma-
nifestado profundissimas dissidencias quando all
se fez urna proposta no sentido de ptestar-se adhe-
sivo a um partido qae symbolisasse a esquerd dy-'
nastica. e vsitar bem aquelle lugar e como devia
Pelo que fica exposto, ve-se cae eran baldados .. -- ,
os esforcos do jornal do Sr. Magalhaes Lima para realizar-ae a 1&, a bencSo de urna imagem
occnltar que no partido republicano lavrava gran- qa3 viera para a matriz daqueila ciaade,
de scisao. resolveu S. Ezc, pernnitar com outros
E o mais qae muitoa aieda esperam ver o pro- aaji em caga do RvaJ. Vigario Frede-
piio Magalhaes Lima, filiar se no centro poltico
do Largo das Uuas Igrejas. n:o Cmara. ...
Acaba de fallecer na sun casa em Aveiro o Grande numero de pessoas das mais m-
consciheiro ManoelJos Mendes Leite, esse grande portantes do Cear-Mirim o toram esperar
vulto poltico, antigo compan^iro de Antonio Bo- ; & cerU distancia do Caminho, acompanhan-
dngues baiiipiio. de Jos Estevao Cielho do Ala- | j u f_
galbaos e Anselmo Jos Braancamp. do a,c Ponto de 8eu destino. S. Exa.
Escondido atraz da sua grande modestia, dizia i assistio a festividade religiosa, que foi ce-
hontem um aos seus biographoa, so appareeia quan- lebrada com muita pompa, e visitn a rua-
do a ana palavra, a ana penna ou a sua espada ; trz U|n dog maores templos da pro-
eram preeisis a patria e a liberdade. I j j u ir r j
. Mas entao sargia um here. \ cia> admirando as obras, all realisadas
Her-- foi quando por du-.a vezes fez parte do i em tao pouco tempo e sobretudo os alta-
glorioso batalbao acadmico, quando em 832 duaa reg. sobresabindo o altar-mr que ara
vezes desembarca no Porto. verdadeiro primor d'arte, construido sob
Debaixo da metralha da forcas absolutistaa; i r r j wu* _.
ua Serra do Pilax, na expedcao do Algarve, na j P^no do engenheiro David Williams, que
jnnta do Porto, principalmente elle e Aoaelmo se tem prestado com a roelhor boa vonta-
Braancamp, que na quadade de delegados da de auxiliar os esorcos da populara e
junta, aeompanharam a expedicio commandaHa do 2ios0 vicario Frederico Cmara.
por S da Bandeira e mais tarde redigiram asi ., -_4.i
condieOes da amnista depois da aeco do Alto do | Fez-se ouv.r na tribuna sagrada, o intel-
Vso. Here anda quando foi aprisionado pela ligente sacerdote i rancisco Constancio, que
esquadra
parte da e ,
em 1848 deu entrada no Limoeiro em corapaubi
de Manoel de Jess Coeiho e de outro. lberae. de espirito da todos a melhor impresso.
igual tempera. pois de ter aceitado, um magnifico
Here tamb-m, qu.ndo fundiu a HtvoliiQciode jantar que lhe foi offerecido polo Rvm.
.-itlembro com Antonio Rodnguea Sampai >, quando p.ar0 seguio S. Exc. para o engenho
em 1331, deputado s cortes, propoz sustentare : o, 0 _j_5 \ ,.._
lez votar c artigo do acto addieionai qne diz : E" Emburanas do Rvm .padre Antunes, on-
abolida a pena Je morte por crimea polticos. de no dia segumte (Ib) teve lugar, um es-
E hroe, quando em 18o3 ge assentoa no plendido banquete, a que assistiram as
salodeS. Beatona cadeira que tnha occapado e pessoaiJ ja cidade, e em que S.
o seu patricio amigo e comoauneiro de armas, oC, < --ij -i_
grande tribuno Jos Estevao. Exc- ^i alvo principal de mu honrosas
Tres vezes emigrou. Estando foragido em In- raanifesta^os, de todos quantos aasistirans
glaterra, e com a cabeca a preco, chegon-lhe a aquella testa.
noticia de terem encarcerado sea "tremor pai q Rvm- re Antunes, para dar maior
para se vingarem do patriotismo do blbo. K que r ',r w
lm de hroe, foi talnbem um martyr da lber- i alee ao banquete, reservara aquelle da,
dade. I que era tarabem o do anniversano de
E nao foi dos captulos menos duros do seu i aua primeira missa, para fazer entrega das
marfyrologo a estacao que fe nos calaboacos do ^^ de liberdade, que conceder a seus
orte de S. Juliao d Birra t .
. Alm oestes grandes actos de dedicado e pa- avisados, acto de que tivemos ocaa-
triotism^, prestou ainda mnitos relevantes serv- silo de dar noticia.
orce a'noa quanao 101 aprisiuu&uu pe* u^ uw g\,*.iu^,i.i it.u.ios.v w hmhi hj ^w
inglesa fra da barra do Porto, fazendo j mais urna vez revelou os recursos que dis-
expedicao dr Conde das Antas ; e quando g? prendendo a attenc3o e deixando no
deu en'rada no Limoeiro em compannia r f ,,* -
eos patria no exeicicio de diversos e importan-
tes cargos pblicos, que deaempenhou sempre cam
exemplarissima r^ctidao e criterio.
Manoel Jote Mendes Lete nasceu a 18 de
Maio de 1803; contava, pois, "8 annss e tres
mezes.
QovernoT varas vezes o districto de Aveiro.
Dentro em poucos diaa vo as pessoas rea^s
para as provincias do norte, mas ser esta jornada | tes obsequios que devera ter penhorado a
quando tiverem regreaaado a Portugal Sua Alteza S. Exc, como a seus companheiros de
Regente o principe D. Carlos e sua esposa a Sra.
Durante o jantar, urna banda de msica
tocava escolbidas pegas de seu repertorio.
S. Exc. permaneceu no engenho do
Rvm. padre Antunes, o resto dos dias
que" se demorn no Cear-Mirim, receben-
do daqueila distiacto cavalheiro, constan-
Duqueza de Braganca.
he Porto, que Suaa Altezas Reaea tencionam
visitar e onde a Sra. I). Amelia ainda a> foi,
preparam--e grandes festeps.
Em seguida Suas Magestades e Altezas illa
para o Bom Jess de Braga,'onde oceuparao o me-
lhor hotel d'.s que all se acbam estabelecidoa.
O Noticias da Noite, de domingo (21) dia
que a imprensa inglesa revela planos gravissinus
qae pos em perigo a nossa Lfljencia e podero em
UMNBOO Mrquea.
Palla se de unrtratado aecreto entro a Allema
nbaje o Transvaal, negociado ha doas en tr
aanos.
Por e3; tratado o prncipe de Bismarek obriga-
ze a collocar quella importante repblica afn
cana sob o prot- etoraio do imperio, com a condi-
-io i (03 baers adquirirem a fronteira
martima qne nao teem.
Affirma-se que conhecido cm Berm um pro-
jecto de caminho de ferro de Pretoria cosa,
o qual deveria enlatar mais tarde com a pla-
neada I aba frrea transcontinental 'Otre a co-
lonia alleina de Angra Pequ-na, que o actual mi-
nistr jioj eatrang^iros deixou ampliar
at ni irgcm eaquerda do Cunene, e a floreacente
repub iea africana.
Mais ainda :Q Transvaal contrtiiio nm em
prestimo importante na AllemsAha, e ba bastante
tempo que os vap>rea da carreira do Cabo da Boa
Eaperaaca teem transportado valioaissmo mate
rial de guerra, quasi tjdo al lema o para aquelle
estado all< i >
Em du'.s semanas recebeu o Transvaal tres mi-
lhoea e meio la car .ucli >a enviados da Europa.
Oj ing .-zea aapjo-m que a iiosa colonia de
Lourenc > M .rques est em risco imminente de sa i
viagem.
No dia 17 teve S. Exc. de aceitar, um
esplendido jantar que lhe foi offerecido pelo
honrado Sr. major Manoel Leopoldo Cma-
ra, senhor do engenho Paraizo e onde ainda
foi S. Exc, alvo das mais significativas e
expressivas manifestacoes.
\ hospitalidade e cavalbeirismo da fa-
milia Leopoldo Cmara, sao muito conhe
I cidas na provincia e mais urna vez, aquella
Ilustra familia, soube captivar a S. Exc.
e seus amigos, pelo trato ameno e delicado
que Ibes dispensou. .
S. Exc, regressou a esta cidade na
noute de 19, trazen:io segundo somos in-
formados, as mais gratas impressoes dos
obsequios recebidos e da maravilhosa uber-
dade do importante valle do Cear-Mirim,
que teve occasiao de observar.
O obscuro mi8sivista que esjreve estas
linhas, que considera a cultura da trra,
nomo a aurora e o berjo da socisdade e
que ha de ser sempre a oompanhsira inse-
paravel do trabalho e do progresso, como
a mais bella expresslo da libardade, da
for9 e da riquesa nacional, nSo podo iei-
xar de ext^siar-se, sempre que visita a
queile importante valle, onde a activdada
do hornera, encontra tao valioso auxili ir
na uberdade da trra.
- Temos agora occasiao de dar noticia,
perder oa de so annadar, eli-'s propnod reemm n ni u -* Aaf\nB
Lito v los seu3.nteres.es e dreitos dea oberan.a nstalLcao de um Club que a estoroos
na Afriea lo Sal. de alguns distinotos eavalheiros desta capi-
K Djo qu fazemoa? prosegne a mesmafolba. 11,^ 8S orauisou, dando a sua pti neira
hmoa em L.urenco U mhado da lpartda nodia 27 do correte.
Estire bastante eoncorrido e animado o
mos soldadus negros, aetn disciplina e sem
, e* ama duza se tente, de veihoa ca-
nhoes, on nao lograran intimidar urna tiiba de
zulas qaant j mii easea i itrepidos e aguerridos
soldados boera, que tao doloroaasjderrotas. iuflgi-
ram ji a tropas inglesas.
E conelue
r. Birroa (Jomes, Sr. ministro Interino d,D*ra sua duracao.
marinas, olhe qae se no dxa perder Loar
T
soir, que lurou at 3 horas da madruga-
do, notando-se em todos, verdadeira e:tpan
sSe e Ibbretudj muita simplicidade no i toi
letes, o que aem duvida, un elemento
EsU asf.oaajio que conta as pnncipaes
m
pessoas d'aqui nao se limita a dar somente
urna partida mensal. Est toda a noite
aborta a casa alugada para tal fitn, e all
se renen, Ilustres oavalheiros, que con-
versara, jogam e passam assim agradavel-
mente urna part da noute.
E' urna d8trarao tao innocente, como
necessaria, mxime nesta nossa ierra, bal-
da inteiramente de distracSas e assim, de-
sejaoios ao Club Natalenso, a mais longa
duracao e qae se n3o desvie, do caminho
que sa tem tragado.
Na lugar Cruzeiro do termo de Can-
guaretaraa, Benedicto Cordeiro, vulgo Be-
nedicto Caboclo, no dia 1 do correte, fez
em Vicente Pereira, diversos feriraentos de
faca e ccete, que foram considerados gra
ves no carpo do defacto a qus procedeu o
respectivo delegada, conseguindo evadirse.
No raesrao termo e no lugar Cana
fstula, Francisco Lopes, no dia 8, feriu
com urna faca a Maria Ignacia da Con-
ceicao, mulhcr de Manoel Borges.
A autoridado local tomou conhecimen-
to do facto, procedendo a corpo de delicto
e demais diligencias legaes.
Era Larangeiras, da cidade de S.
Jos do Mipib, Manoel Clemente no dia
4, espancou a Jos Gomes, sendo estas of-
fensas phisicas, consideradas graves, no
corpo de delicto a que procedeu o respectivo
delegado que fez o inquerito e remetteu a
autorio'ade juliciaria.
Nesta cidade, a bordo da barcada
Greriquiti 2*, talleceu repentinamente
no dia 23, o tripulante de nome Cosme
Cabral de Maclo.
Da viatoria a que procedeu o Dr. Paula
Alvelos, venficou-se ter sido a causa da
morte congesto pulmonar.
Pelo delegado de Goianninha foi cap-
turado no lugar Pina, no dia 20, o crimi-
noso Pedro Vianna, pronunciado no termo
de Mamanguape da provincia da Parabyba
no art. 193 do cdigo criminal.
Pelo subdelegado do termo de Nova
Cruz, foi capturado o individuo do nome
Jos Fernandes, pronunciado em Pedras de
Fogo, da provincia da Parabyba, no art.
22do Cod. Crim.
OExm. presidente da provincia, aca-
ba de marcar o dia 20 de Desembro para
ter lugar a eleico para Deputados provin-
ciaes, que tem de servir no biennio de
1883 a 1889.
aiiiSTA DIARIA
tjuilanle de (irorurailar doa Feito
Por portara da Presidencia de 2 do corrente foi
nomeado, de accordo com a proposta do inspector
do l'hesouro, o promotor publico, bacbarel Helve-
cio de Carvalho Gomes Guimaraes para exercer o
cargo de ajudante do procurador doa Feito da Fa-
zenda l'ioviuci..! no districto da collectoria de Ca-
brob, vago por ter sido nomeado juic municipal
e de orphaos o bacharel Lidio Alerano Bandeira
de Mello.
Provlndencia policialNa respectiva
seccao publicamos a resoluco pela qual o Dr.
chele de polica, de accordo com a dontrina do
art. 129 do regulamento n. 120, de 31 de Janeiro
de 1842, e para evitar pretextos e occasioej de
perturbares da ordem publica, prohibi at se-
gunda ordem quaesquer njuntamentos as mas e
oraros deita ci.lad: e seu moaieipio, podendo so-
meute terem elles lugar no recinto dos theatros.
O r. befe de polica convida aos cidados
pacficos para que se abstenham de taea ajunta-
mentoa, afim de que a accao da torca publica, que
ser convenientemente empregada, nao recaa sc-
naoa obre oa turbulentos e amutinadores.
rPralleasein do porto do Recite
Couata-no que o Eim. Sr. Ministro {da Marinha
acaba de resolver a queatao dos praticos do porto
desta provincia na parte coaeemente ao fundo de
soccorroa e applcaco a renda, tendo augmenta-
do na razio do dobro o ordenado doa praticos.
Ale n destas foram expedidas outraa providencias.
" Os avisos ebegaro brevemente.
Encola do ceg* no twyloDe ordem
do Exm. Sr. Ministro do Imperio, o Sr. director do
Imperial Instituto dos meninas cegos do Rio de
Janeiro, remetteu ao Sr. capito Justino Campos
director do Aaylo de Mcndicidade, um caixao con-
teni materia .-s de ensino destinados a aula dos
cegos que funeciona no meamo Aaylo, constando
de diversos livroi para o ensino de portugus,
francs e msica, papel colombier, chapas para
clculos arithmethod e 4 machinas de escrever, do
systema Brall.
Havendo falta de taes objeetos, foi um valioso
auxilio para o melhor desenvolvimento do ensino,
e convin que as pessoas privadas da vista apro-
veitem aa vantagens resultantes do mesmo ensino,
o qual all dado diariamente das 3 s 5 horas da
tarde.
\avio encontrado!Pelo capito do la-
gar inglez Mary Aun, precedente de New Port
N<-wa e ebegado bontem foram dadas as seguintes
informacoes : Entrcu no dia 26 de Agosto um lu
gar americano, cujas iniciaes correspondan] J W.
X I!, em viagem de New-York para Buenos Ayres,
na lat. t! 40 norte e longitude 22.3T oeste. Tracen-
de 43 dias de bo i viagem.
Encontrou tambem a galera ingleza Astromene
procedente de Calculta e com destino a Londres
com 80 dias de viagem. Na latitude 9.39 norte e
loogitude 25 44 oeste.
Tu do a bem a bordo.
VaporeaHontem chegaram ao porto desta
cidade os paquetes franeez Gironde, brazlero Ca-
mdlo e allemo Corriente, o primeiro vindo da Eu-
ropa, o segando de norte e o ultimo do sul.
T enajnela para OllndComgpon an-
te-hontem o dovo servico da de ._' oicia para
Qlinda, em correspondencia com os b to Amaro (Asylo).
As viagens vo sendo feitas regularmente par-
tindo quasi sempre as delgencias completas.
Parece-nos pois que sendo reparada convenien-
temente a estrada e augmentando-se o numero
das deligencias, sempre que for neoessjario, o mo-
vimento dos passageiros ir em augmento, pela
commodidade qae offerece o transporta no bond
at o Recite, a par da modicidade do ptece.
"fannmlino-No mez prximo fi.dofi ca-
pito Jos Fortunato de Miranda conceden liber-
dade, aem condicao alguma, aua escravsad i Ro-
sara de 26 anuos de ;.lade.
E' muito luavavel este acto.
Ue torna wlaijemLemos a seguate noti-
cia no Comitercio do Amazonas de 18 do mez pas-
sado :
< Consta em Belem que, a pedido de D. Anto-
nio, a prine.za r- gente vira ao Para assstir
benco da S, no mez da Fevereiro, do vndsuro
anno.
Arvore enormeNo lugar Cabor, da
Iba das Caldeiras, districto da capital do Espirito
Santo, existe urna frondosa e vetusta jaqueira,
cuj i tronco mede na circumfarencia seis metros.
A copa da arvore oceupa um espaco de 100 me-
troa em circamtirencia.
no mez de Agosto ultimo os seguintes casos de
loogevidade:
No dia 10 fui sepultada na cidade de Obidos
D. Cesara Maria de Jess, qae havia completado
ilO aonos.
Foi senhora mu rcspeitavel pelas virtudes que
praticaVa, e d-sae caminho nao se arredouat des-
ear ao tmulo.
Na avanzada idade de 108 anaos, falleceu no
dia 23, estrada do conselheiro Fui lado, a africa-
na Maris Magdalena.
Pela lbenla le. vira! Lomos na su-
pra:ita la fulha de 20 do passado
No dia 10 do crrente, p-1,3 11 horas do dia,
apresentoa-se ao Sr. capito Ivo, digno comman-
dante da coinpauliia da bombeiros, um individuo
de nome Adriano, negro como azeviche, de 23 an-
uos de idade, olFere.-eiiJj-je para assentar praca
naquella compaufa'.i.
Depois de aigumta syndicaneaa, com o fim de
conhecer daa eo la Adriano, o commandan-
te accedeu ao desejo do voluntario, visto diversas
p-ssoi-s que o coahD>M(M^he terem garantido qae
era livre o mei
Mais tarde, s 3 horas, apreaenta-se no quar-
tel o Sr. Joaqaim Das doa Santoa, reclamando a
1 daquelle individuo, por ser seu eicravisa-
do, conforme oa documento qae exhibi.
< O capito Ivo declarou-Ihe eatao qae nao pu-
nha duvida alguma na entrega do escraviaado,
sob a nica condicao da assim o consentir a com-
panhia.
Formada a companhia o consultada a respeito,
respondea esta com um brado ao seubor do escra-
viaado :
Di preco liberdade de Adri
Foi obra de um momento.
Adriano, resgatado mmediatamente do capti-
veiro por seus brioaos camaradas, deu entrada na
communbo social, eutre enthusiasticas acclama-
Soes daquelles com quon poucaa horas havia esta-
va ligado pelo rgimen militar da companhia.
Releva dizer que o Sr. Joaquim Das doa San-
tos prtou-se com muito cavalheirismo, exgiudo
aponas 200000 pela liberdade.
Bravo 1
Viva a companhia de bombeiros!
AwaoclAco Medico Pbarmaceatlca
Pernambucana Iliuve sesso aute-bon-
tem, sob a presidencia do Sr. Dr. Vellosa.
Lida a acta da sesso precedente foi approvada.
O Sr. Dr. Carneiro da (lunha communcou um
fac'o de sua clnica civil em urna menina de 10
annos que soffreu de febro renitente palustre, em
que a temperatura subi a 42 graos, sem ter havi-
do, entretanto, nenhuma desordem para o syste-
roa nervosa, e cuja doente raanifeatou absoluta to-
lercncia para daes, relativamente altas de aul-
phato de quinino, tendo a doente se reatabelecido
no fim de 15 dias de molestia.
Uaou da palavra o Sr. Dr. B. Carneiro, que se
havia iuseripto para disaertar sobre o ponto n. 2
cbilaria intertropical e tratou da historia des-
ta molestia; ref rindo-se geograpbia medica,
disse Bcr urna molestia endmica dos pases quen-
tes, nada havendo de pistivo em qnanto a aua
etiologa, considerando todas as racas sujeitas a
lia. commum em todas as idades; porm mais
commum entre os adultos, atacando todos os se-
xos, porm mais na mulher do que no homem, cuj t
diagnostico se impoa pelo exame da urina; tra-
tando da pathogenia dividi as muitas tb:orias
existentes em 4 gtupos : 1 a theorica do kilo, 2<> o
da bematose, 3a a bympbora^ica, 4 verminosa.
Mostrou qao todas estas tbeorias eram fcilmente
combatidas e depois de expor cada urna deltas,
enunciou as objecce que se Ihes apresentam,
cenccluindo por mostrarse propauso theoria da
hematose, a qual disse qus era mais sustentada
pelo tratamento empregado, o que nao se dava
com a theoria qae admittia a filai-ia de Wueherer,
theoria entretanto que pareca ao orador ser a
mais aceita pela casa. Aceitando a theoria da
hematose qne fazia consistir a molestia em per-
turbares das funecoes asimiladoras e das func-
coes dos rins, tracendo vicio de natricao, dava
como tratamento os tnicos e a mudanza de clima.
O orador foi cumprimeatado pelos collegas pre-
sentes e encerroa-se a sesbo, fcanio marcada
para ordem do dia da sesso seguinte, que ter lu-
gar no dia 9, a contiuua^ao da antecedente, cujo
ponto : Qual o valor do tratamento bydrothe-
rapico as febres e snas indicaces?
Keunie* aoclaea H boje as segua-
tes:
Da Sociedade Minerva Progresso Pernambuca-
no, s 10 hora da manh, em aua sede, para cm
sesso de assembla geral ordinaria tratar de ne-
gocios diversos e argentes.
Do Monte-Pio dos Typographos de Pernambuco,
s 11 horas da manh, na Praca de Pedro II n.
75, 2o andar, para a eleico do 2 orador. Pede-
se o comparecimento dos aasociados.
Do Instituto Luterano Olindense, s 10 horas
do da, na sede social, em assembla geral, para
prestaco de contas.
Da Sociedade Umo Commercial Beneficente
dos Mercieiros, em assembla geral, ra Eatrei-
ta do Rosario, s 11 horas do da, afim de eleger
alguns membros da administraco.
Da Irmandade do Santissmo Sacramento da
matriz da Santo Antonio, no respectivo consisto-
rio, s 10 horas da manh, para elecio de alguns
cargos.
Club Iliterario Pinto JniorNo da
1 do cadente, conf jrmo foi annunciado, houve sea-
sao em que foi empossada a niva directora sob a
presidencia do socio honorario, o Exm. Sr. conse-
lheiro Jlo Jos Pinto Jnior, qae manifestando a
saa gratdo a ocias, animou-aa proaeguirem
com aasiduidade noa trabalhos sociaea.
A nova directora agradeeendo a prova da, coo-
aiderac] e confianca que m^recea de suas conso-
cias pos a disposico do club seus servicos.
'Paasando se aos trabalhoa ordinarios designa-
dos para aquella sesso, foi sorteiada a aocia D.
Mana da Conceicao Ferreira Santos para apreaen-
tar na ultima sesso do corrente mez um juizo his-
trico sobre o personagem fre Joaquim do Amor
Divino Caneca, 8cndo igualmente uesigaadas por
sorteio as socias DD. Maria Eugenia de Araujo,
Maria do Rosario e Silva, Maria da Ascenao
Souza Laudim e Adelina da Cnnba Cabral para
diacutirem as theaes, que j tinham sido sorteadas
n'uma daa sessoes passadas.
Foi informado o club de urna offerta e convite
que fez o club Ayres Gama; e o presidente no-
meon a commisaorespectiva, que tem de represen-
tar aquella sociedade na sesso commemorativa
do segundo anniveraario desta.
D p is da algumas palavraa attinentes a boa
direecao do club, por parte de algumas consocias
da directora pasaada, e de ser marcado o dia 8
do corrente para sesso ordinaria, s 10 1/2 horas
da manh na sede do supra mencionado club, o
Exm. Sr. presidente honorario, agradeceu o con-
vite com que obsequiaram para preaidir posse da
nova directora e deu por encerrada a sesso.
Mena reiteilora Proeedeu-se ante bontem
a eleico da mesa regadora da irmandade dos Pas-
aos do Recife para o anuo compromissal de 1888,
cujo resultado foi o seguinte :
Provedor, Carlos Lourenco Gomes-
Procurador geral, Aureliano doa Santos Coim-
bra.
Eaerivo, Manoel Pereira Bartholo Jnior.
Thesoureiro, Manoel Joaqaim de Miranda.
Procuradores :
Joa Miguel dos Santos.
Luiz Jos Rodrigues Pinheiro.
Alberto Maximiano de Azevedo Maa.
Enea Joaquim^Lacas.
Mesarlos :
Commendador Francisco Antonio Correia Car-
doso;
Francisco Jos dos Pasaos Gumare.
Manoel Moreira Campos Jnior.
Joa Antonio Moreira.
Manoel Estanalau da Costa.
Provedora, Extna Sra. D. Amalia Baphaela Oli-
veira Coimbra.
Escriv Exm. Sra. D, Candido Baptista de
Azevedo Maa.
Provedora por devecio, Exm. Baronesa de Na-
zareth.
Escriv por devoco, Ex.na. Sra. D. Anua Co-
rolina da Cuuha Fonseca.
Audiencia do Jalao de pamSendo o
da de quarta-feira 8 santificado, fiea transferida
a audieucia do jaizo de paz da fregueza da Graca
para seguada-feira 6, s hora do coatume.
lieiioeaEttctuar-se-ho:
Asianh :
Pelo a5ente Modesto Baptiata, s 11 horas, no
largo do Araenal de Marnhs, de 4 cavallos e 1
burro ; e na ra do Vigano Tenirio n. 10, das
mercadorias e nt ;acilioa de armazem ah aito.
Pelo agente Pinto, s 10 1/2 horas, na ra do
Rangel n. 25, de movis, I01191 e vidros.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Mrquez ae 01 inda n. 19, do predios.
Tersa-feira :
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, $ roa do
Imperador n. 22, de predios e terrenos.
Pelo ageut' Martina, s 11 hora, i ra do
300.de d'Ea u. 8, de bons mov.'ia e om cofre fran-
eez.
Pelo agente Brito, s 10 1(2 horas, travessa
doPrata n. 20, da armaco e gneroa ahi exis-
tentes em lotea.
Quarta-feira :
Pelo agente Pestaa, ao meio dia, i roa do Vi-
gario n. 12, de urna casa terrea.
aflaman, faucDres-S Amaoh :
A'a 8 horas, uaardem terceira de S. Francisco,
pela alma de Victoriao de Alneida Ribeiro.
Terca feira :
A's 3 horas, na matriz do Corpa Santo, pela al-
ma de D Maria Pclippe Monteiro da Franca; s
8 horas, na igreja da" Ordem Terceira do Carmo,
pela alma de Antonio Jos Rodrigues de Soasa
Paasaielr Chegadn dos porto do norte
no vapor aacion il Canillo 1
Joaquim E. de Souza Gouvea, Antonio Garca
de Castro, D. Luiza Troclo, Luiz Jasme, D. Phi-
1 omena Araete o 4 ttlha, Manoel Rodrigues Lima,
Joto i# Moreira e saa senhora, Jos L. de Fi-
gueiredo, Angelo Geraldo Rodrigues Pinto, Dr J
Lfoneo Barreto, Manoel Dumingues, Joa Braz"
da Silva Olveira, Gamillo J. Ludman, Frederick
8. Kinor, Jaao Martiniano, .'ympio, padre Ame-
rico Brazilo Si I vado, Carlos MondcnQa Mans,
Manoel Thomaz de Menionc 1, Antonio da Silva \'.
Sobrnho e Joo.
Sabidos pa.-a o sal no m"s.no vapor :
Dr. Domingos Felippe de Siuta Leo, Domin-
gos da Silva Torrea, sua aenhora e 2 criados, W.
B. Coeke, G. I.'iekmn, G. Watsm, Antonio Au-
gusto Costa, Maneel C. Lobo e *ua senhora, Dr.
Francisco A Lina e sua senhora, Cadete Joo Leo-
poldo Montenegro da Cuuha, Ladislao Jos Pei-
xoto, Joaquim Bamjs, Julio Cesar Aranba, Joa-
qaim Ceaario Nebro Gnsm1, Simio da Costa,
Antonio J. Coaves, RobertoWellasgues, Tbeotono
L. de Mello, Maria S. Chaves, Simplicio A. Mala-
quias, Jos Dias dos Santes, Raymundo Seixas,
Marcolioo R. da Silva, Raphael A. Vaz e Silva,
D. Maria A. do Gusmo e Eichabacum.
Chegados da Europa no vapor franeez Gi-
ronde :
Francisco de Brito Lyra, Ilenrique Burle, Jos
Beja, Victorino Domingues, Jos da Silva Ro-
drigues, Antonio Fernandes B irges, Alfredo dos
Santos Almeida, Antonio A. de Souza Aguiar, Vi-
cente Nunes Tavares, Ilerculina Martina, Joa-
quim Garca de Castro o sua senhora, D. Ernes-
tina, Queiroz Rodrigues, Luiz Pinto Saraiva, Luiz
Ferreira dos Santoa, Antonio Rodrigues, Gastn
liichau, Dellenf Mavel, Camill Cuhn, Hermn
Niem-ycr, Mme. Reviere, Rencoly e sua sanhora.
Sabidos para o sul no mesmo vapor :
J. II. Kblet, Joaeph Klepsch, Joaquim Olveira
Maa e Lavoisey.
Chegado do sul no vapor allemo Corrientes :
Eduardo Cose.
Sabidos para a Europa no mesmo vapor :
G. Sahr e sua sehora
Os bilbetes n?ham-se & venda lasfifisaa aa 7-^
tana ra Primeiro de Mar jo n. Ua, ,4gtMmtim.
Fiuza & C.
Iioteria da provlacladao Ba wiaft
A 25 lotera desta provincia,pelo mlvaip&cc
jo premio grande de 12:000JUUOy se ob-Ssuuijj.*
no da 13 de Setembro. t*
Bilhptcs a venda na Casa da Fursmaj)| tu
Primeiro de Marp numero 2?-, de'MasapV J&v
sa & C. .!.
Directora daa obra de eonnerva-
cao doa porto*Boletim meteorolgico do
di* 2 de Setembro de 1887 :
9 a- 0
doras r> a -a 82
OKI
-3
s*
6 m. 23o_6
9 270li
12 28 -21
3 t. 27'71
6 2571
Barmetro a
0
760-186
762'9I
7'12'M"!
7612i
76t>31
Teaso
do vapor
18,58
19,22
18,45
20,02
18.73
-o
m
a
85
71
61
73
76
Temperatura mxima29 ,00
Dita mnima23,75.
Evaporacao em 24 horasan sol: 5, 9; som-
bra: 2,9.
Chuvanulla.
Direceoo do vento: SE de mea noite at 28 mi-
da tarde; SE e SSE alternados at 3 horas e 18
minutos ; SE at 8 horas e 1 minuto ; ESE at 8
e 23 minutos ; SE at 9 horas e 9 minutos: E at
9 horas e 31 minntos ; ESE at 9 horas e 4> mi-
nutos ; E at 10 horas e 27 minutos ; ESE at 11
horas e 23 minutos ; SE at meta noite.
Velocidade media do vento : 2m,35 por segando.
Nebulosidade media: 0,58.
Boletim do porto
Ifi Dia Horas Altara
i 3
B. M. 2 de Set<'mbro 10 49 da manha 0,">35
P. M. > 450 da tarde 2,">35
B. M. * 11 1 0,41
P. M. } de Setembro 457 da manh 2,45
Cana de MetenciioMovimento dos pre-
sos da Casa de Deteuco do Recite no dia 2 de
Setembro de 1S87 :
Exialiam 395 ; entraran] 11 ; aahiram 4 ; exis-
tan 402.
A aaber :
Nacionaea 361 ; mulheres 21 ; estrangeiros 5 ;
cscravos sentenciadas 5 ; dem processado 1;
idem de correecio 1Total 402.
Arracoadoa 363, sendo :
Bona 334 ; doentes 29.Total 363.
Movimento da enfermara :
Tiveram aita :
Francisco Nunes da Silva.
Jos Mxinho do Nascimento.
Joaquim Manoel da Si'va.
Romana, eacrava sentenciada.
randa lotera do Para Eis os nn
meros premiados da serie da 12' lotera ex-
trahida em 3 de Setembro :
466 I00:000000
3414 I5:030000
4330 6:0004000
3083 2:000<000
371U 2:000*000
3319 1:0004000
4154 1:000*000
4824 1:000*000
Esto premiados cora 5003 :
4 124 359 452 603 1551 2678 3180 4230 4691
Approximacaoes
465 1:000*000
467 1:000*000
3443 300*000
3435 300*000
Os nmeros de 461 a 470 esto premiados
com 200*.
Os nmeros de 3141 a 3450 esto premiados
com 100*.
Os nmeros de 4321 a 4330 esto premiados
com 100*.
Os nmeros terminados em 66 esto premiados
com 100*.
Os nmeros terminados em 41 esto premiados
com 100*.
Todos oa nmeros terminado em 6 esto pre-
miados com 60* excepto oa terminados em 66.
Todos os nmeros terminados em 4 esto pre-
miados com 50* exeepto os terminados em 44.
A seguinte lotera corre no dia 10 do corrente
com o plano de 120:000*.
IiOterlaa diversa*A Casa Feliz, de A.
A. dos Santos Porto, na praga da Independencia
na. 37 e 39, tem a venda os bilhetes das seguintes
loteras :
Espirito-Santo : A 2a parte da 4 lotera,
cujo premio grande de 5:000*XX), pelo novo
plano, se extrahir no dia 9 de Setembro impre-
terivelmente.
Cear: premio grande 250:000*000 se ex-
trahir no da 7 de Sentembro.
Hilbete* de lotera*Em mo do agen-
te Bernardino Lipes Albeiro acham se a venda os
bilhetes das seguintes loteras :
Do Espirito-Manto : A 2'parte da 4* lote-
ra, cujo premio grande de 50:000*, pelo novo
plano, aera axt.ahida no dia9 de Setembro, im-
preterive mante.
Do Cear : com nm importante plano, cujo
premio grande de 250:000*000, ser exlra hida
no dia 7 de Setembro.
Do ttro-Para : A 1' parte da 13 lotera,
pelo novo plano, cujo premio grande de 120:000*
ser extrahida no da 10 do corrente, impreteri
velmente.
De Santa-Catbarlna : A Ia parte da 2
lotera com um importante plano, cujo premio
grande de 50:0JO*00O, ser extrahida quando
for annunciada.
De aiasoaai A 5.'parte da 19. lotera,
pelo novo plauo, eujo premio grande de........
40:000*000, ser extrahida no da 8 de Setem-
bro, (quitita-feira), a 12 horas da manh impre
terivclmente.
botera do Cro-Para Al* parte da
13* lotera desta proviocia, pelo novo plano, cajo
premio grande 120:000*000, ser extrahida
nojdia 10 do corrente (sabbado) impreteri velmen-
te."
Oa biletcs acham-se venda na Casa da For-
man ra Prneira,de Marco n. 23, de Martina
Fiuza.4 C.
botera do Enplrlto Santo A 2* par-
te da 4* lotera desta provincia cujo premio gran-
de 50:000*000 sata extrahida no dia 9 de
Setembro. I
Os bilhetes acharase venda na Casa d For
tana ra Primeiro de Marco n. 23 Martn Piu-
sa & C.
Lotera do CearEsta acreditada lote
ria cujo premio maior de 250:000*000 ser ex-
trahida no da 7 de Setembro.
Os bilhetes" acbam-se a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 de Martina
Fiuaa & C.
Lotera de Maffoa-A 5.* parte da 20
lotera, polo novo plano, cujo premo grande de
40:000*000 era extrahida no dia 8 de Setembro
(quinta feira) s 12 ftoras da manh, impreterivel-
mente.
INDICACES uTEii
Medico*
Dr. Barros Sobrnho d constar* &
meio dia 1 1/2 na ra do Baro
toria n. 25 por cima da Piarm^.c* 'jam..
ceza, o das 2 s 4 na ra do Vigarto*
1. andar-
O Dr. Lobo Hoscoso, do volta 4 mt.
viagem ao Rio de Janeiro, connfciif. a
oxercicio de sua prossao. Consltitai hjl
10 s 12 horas da manha. Espeotaieaiar
dperagSes, parto e molestias de seBbortai.
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr, Barrete Sampaio d consuiat, 4e
meio-dia s 3 horas no 1. andar da orne.
a ra ti Barao da Victoria, n. 51. aav
dencia ra Se te de Setembro n. ?4 aa-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o sea omm-
torio medico, ra do Bom-Jess c ,
s'jbrado.
Dr. Grama Lobo medico operador <; y*
tetro, residencia roa do B. de S. Borja a..
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 i.
Consultas das 11 hora3 da manha a ix
tarde. Espccialidade : molestias e kca
c3es dos orgSo3 genito-urinarios de fc
o da mulher.
Dr. Joaquim Loureiro medico e
Consultorio na ra do Cabug n. 1L,
V
andar, de 12 s 2 da tarde residencia Monteiro'
O Dr. Barro* Cialnsarea
Pode ser procurado no escriptorio uto.
Diario das 11 horas da manha s t
tarde, todos os dias.
Bacharel Antonio Annes Jacome Pm:
praca de Pedro II n. 6.
O bacharel Bonifacio de Aragao Fark:
Rocha continua a encarregar se, medfui
previo contrito, de questo3S perante o--
zes desta cidade e os das comarcas v_-
nhas. Poder ser procurado em e-at --
criptorio ra do Duque de Casias a. j^
1. andar, das 10 horas da manh e i
tarde.
Colieglo Spencer
Estabelecimedto de educacao priosactac
secundaria em Jaboatao, sob a direcaSaaE
Jos de Oliveira Cavalcaote.
Drogara
Francisco Monoel da Silva & C, de* go-
tarios de todas as especialidades phansa-
ceuticas, tintas, drogas, productos efeax-
cos e medicamentos homeopticos, re* 4a.
Mrquez de Olinda n. 23.
Drogara
Faria Sobrnho & C, droguista fc
atacado, ra do Mrquez de Olinda 4L-
Herrarla a vapor
Serrara a vapor e officinas de canfm:
de Francisco dos Santos Macedo, caea *.
Capibaribe n. 23. Neste grande estabaW-
cimento. o primeiro da provincia neste ga-
nen), compra-ae e vende-se m&erat
de todas as qualidades, serra-se raadseai
de conta alheia, assim como se pregaran
obras de carapina por machinas e por poc-
So som competencia Pernambuco.
PLBL1CAC0ES A PEDIDO
.1 eleico t|e t i de Hetembr*
O pleito que se tem de travar a 11 de SeC so-
bro prozimo realmente serio .'
Neste ponto estamos de perfeito accorde ~*
Sr. Joaqaim X .'.j.i >.
O eleitorado do 1* districto nao se deveeo8-
cer que nao se trata da eleico do Sr. Ktzft
Portelia, mas da eleico de uin ministro, qae as-
presenta os interesses desta provincia no eaase-
Ihos da eora ; que representa as suas notaetas-
pra;oes ; e, que, desejaodo e trabalhauio fett
prospenJade de sua provincia, nao paetaa coa c
que a querem arrastar para o abyamo da miaea
e da drgradaco.
K' admiravel o molo aitivo e sobranceirc eiax
o Sr. Jjaquim Nabuco se dirige ao indepecdcae
eleitorado do 1" districto, nos artigjj que eust-
veu na Prefnela, com a sua assiguatura.
squeceu-8e ja, queessa mesmo eleitorado at-
ibe duas prove tosas libos ; e, que, estamos eat-
veocido dar a terceira ; mostrando, assim, %tt
nao intilmente ; que se insulta os seas bric<
a sua dignidade.
Em nome de que principio, em favor de em
causa se apresenta o Sr. Joaqaim Nabuco aoei-
torado do Io districto ?
Em nome da idea abolicionista ; em favor t
sorte do eseravos ? !
Pois bem ; essa idea nao e nem nunca feiex-
clusiva de nenhum partido ; de nenhum indivie-
Ella j ba muito assoberbou todos os espitM
idea de todos os brazileiros ; vemol-a eae^it
em toda as bandeiras.
E' pois ama questio marta ; a cztincco do ele-
mento servil est se operando sem abalo, sea
commoces, dirigida haDilmeote, pelo partido ec
est no poder.
Ornis urna exploracao, que certamentej sa-
ri sido bem comprebendida pelo eleitorado da H*
districto.
Nao contestamos ao Sr. Nabuco talento osa
habilitaeoes ; mas o que nao podemos sapportac
sem protesto, que se affirme dever er elle a ce-
presentante do 1 d8tncto d'esta heroica provin-
cia, com pretenco d'aquelle que se tem Meotn?-
cado com os vitaes interesses de la, tem aconuta-
nbado snas quedas, trabalhando incessanteaeotc
durante nma larga e perigosa existencia pela mu
prosperidade e se esforcado denodadamente pace
o seu engrandecimento.
O Sr. Mano'l Portelia nao um homem neve,
um pernambucano quo tem vivido sempre entre
nos, prestando reaes servicos a causa de sea par-
tido, e, ainda mais, de saa provincia, a ^nee
mais de urna vez tem dado exhuberaates provas de
que a estremece.
Nioelle um reaccionario, como se afiguron xa
Sr. Joaquim Sabuco ; pelo contraro, tem provai
pelo aeu procedimi-nto e em sena discursos prje- .
ridos no parlamento, que est sempre prompta t
cooperar com os seus esforco3 e com as suaa te-
ses, para o engrandecimento desta trra.
Nao um e3cravocrata ; n", lodos os aete* t
sua vida publica, e que, ja longa, demonstra*
a contrario; e, talvez, antes que o Sr. Joaqun
Nabaeo se lembrasse de acompanhar o movimeate
libertador do paz, e qae tambem nao novo, j
elle como presidente de provincia mostrara c
sena a.'ntimontoa de abolicionista, mas de alnlt-
cionista que a par da libeitaco doa eseravoc
quer a prosperidade das industrias, que se tea,
ntrenos, alimentada e vivido a casta do trabalat
escravo. ...
A Bciencia e o patriotismo nao esto em di*>
truir ; mas sim em saber se construir.
O revolucionarios t visam a destui^io ; e
neste numero est o Sr. Na abolicionistas querem, que a proporco que se fot
deatruindo ae v tam'i.m levantando sobre as rui
as um novo edifi io.
O illuutre.e ntelligente eleitorado da 1* distrie--
to qao tscolha, pois, entre o Sr. Nabaeo e o Se.
Portelia ; ambos muito dignos, mas este, coa aras
vida inteira consagrada e e s ao servico do pas,
e especialmente desta provincia que deve orgu-
Ibar-se de coutal-o no numero de seas filho.
O Sr. Nabuco quando pretende voto mestra
demasiado e exagerado desejo de cancorrer par*
o engrandecimento da provincia ; porm d^pais .
^r-
?
WT\


mmmm.....
(Mpvnvpwvn
Diario de PernambacoDomiogo 4 de Setembro de 1S87



i
os sesi desei-s do puiiDi de aspiracdeo, de so-
naos, e, elle, rinde se vai em trra estrangeira
fortalecer o pulmoa gastos com 01 eeoe discur-
mao ar livre. .
O modo inconveniente como a Provincia preten-
de ostentar a eleicao do Sr. Nabuco, moetra bem
a fr'ta de ttulos neste, para pretender ui suffra
giof du eleitorado do 1' diatricto.
Que o orgo revolucionario, procorasse, com sen
sates, sem injuriar ao adversario, defender a elei-
cao do Sr. Naboco, eslava no seo direito ; e, se-
melbante procedimento seria digno de loovor ;
mas, qae na deficiencia de iactos e aervicoa reaes
de aen candidato a esta provincia, procure enxo-
valbar e calumniar o Sr. Manoel Portella, o que
deveria repognar a escriptores qoe se apresentam
como defensores de ideas nobres e generosas.
Em vei de estar empentado na tarefa ingloria
de deicompor o Sr. Portella, trate a Provincia de
mostrar qoaes os beneficios e os melboi amentos
que, a eatorcos, do Sr. Joaquim Naboco, j ad-
vieram esta provincia ; qoe t patritica, 1-
loatrada e independente em poca eleitoraes !
Feliimente nao serio aa injurias irrogadas pela
Provincia ao digno Ministro do Imperio, que aba-
lario oa seus crditos e merecimeutos, reconheci-
dos, at pelos proprioa adveraarioa, como ter vis-
to o eleitorado, pelos telegrficas ltimamente
publicados.
O orgio revolucionario, que falla tanto em pa-
triotismo que se moatra avsso a este quan io
pretende ( verdade que debalde) manchar a re-
putacio de um dua mais Ilustres pernambucaDoa,
o actual Ministro do Imperio.
Brevemente o eleitorado ser-lhe ba, estamos
convencidos, um desmentido solemne ; confiamos,
e, esperamos.
Aristidcs.
^-~
Os telegrammas of Qeiaes
A Provincia queixa se da ioexactido de um te-
legramma do Sr. presidente da provincia, expedi-
da) para a corte a 24 de Agosto lindo, porque di*
ella, nao toi preferido nem naquelle dia, na man
festacio de pesar pelo desterro do deaembargador
Preitas, nem na vespera, por occatio da chegada
do Dr. Nabueo, discurso algom virolento contra
as principaes autoridades.
Contra quem foi eotio ?
A Provincia nao dis ; mas a verdade conh cida
de todoa que n'aqoellas reunioes fjram ataaaa-
Ihadas de modo descommonal o carcter, a honra,
pessoa emfim, nao o do Sr. Bario de Cotegipe,
como do Sr. consclheiro Manoel Portella, do pre-
sidente da. provincia, do ebefe de polica, e mesmo
de particulares, que tambem foram envolvidos as
DJurias e calumnias que constituem o principal
objecto das reunioes dessa ordem, sob pretexto
eleitoral e outros. Nem oa que aa promovem,
tem outra cousa em vista.
Como se obseqoeia o Dr. Nabuco ? O qoe se
foi faxer casa do desembargador Freitas ? O
que que se fas quasi diariamente no Tbeatro
daa Variedades, perantn um auditorio esco'.bido
p ra applaudir os oradores ?
Disem-ee amabilidades, nos responder a Pro-
vincia.
E tem razao ; mas sao essas mesmas palavras,
esees meemos gestes considerados alli amabilida-
des, recfbidas pe los ouvintes is gargalhadas, aos
vivas, hurrahs e mirras, que oa demaia cidadio
pacficos desta trra sabem que sie iusoltns bai-
xob e vis, provocacoes a desordens c o crimes, que
collocam esta cidade sob ameaca de pertorbacio
da pas, em receio de perigo da seguranca indi-
vidual.
O passado, confirma estes assertos. O annon-
cio de urna manife.-saco caso de sobresalto para
aa familias.
Fei manis/estando-sc que a grande inassa de
ouvintes atacou o Collegic dos Jeiuitaa, asaaaainou
em S. Jos, destruio urna typograpbia, etc. etc.,
e populacio do Recite anda nio se esqueceu de
todas essas calamidades.
Outra queixa da Provncia que oa man es-
tantes do desembargador 'Freitas nio foram Bo-
rnate seis centos, porem mil bares.
Com effeito, vimos aquella gente, mas nio < ou
tamos o aen numero.
Todava, nio levamos a mal que Be accretcente,
ai o quiserem orna ou duaa cifras, e se tentara,
em lugar de seiscentos, seis mil oa sessenta nil.
0 Ilustre desembargador, porem, deviatei-se
viato tonto eom tio grande mauifestacio. Sendo
a casa pequea, provavelmente teve amigos at
pelo tt'bado, e, se todoa cboravam pelo sen des-
terro, que orchestra horrivel de manitestanteB nio
seria aquella .'
Entretanto, nnsso informante, que nio mente,
contou-noa nio ter visto lagrimas, nem ouvido la-
mentaces, mas visto e|ouvido descompostura! a
granel e ameacas de toda a especie contra auto-
ridades e pesssas ausentes !
E nio ha oecessidade, assegura a Provincia de
desconfiar, nem d providenciar !
Se das injurias, se das ameacas, es amotint do-
ros passarem aos factos ; se nos quizerem espan-
car ou estaquear, digamos muito abrigado ou Deus
Ikes pague, emquantex anda estivermos vivos !
Bonito conselho, nio tem duvida !
As autoridades que o nio podem aceitar.
f.0MIERCI0
-hleghahuis
Servico da Agencia Havas
LIVERPOOL, 2 de Setembro.
ASSUCAR: Heicado Orine, preco
lenlado.
O de Pcrnambuco xt. 9, vndese ;"
I 1,9 por quintal.
ALGODO: Mercado uti-utado.
O FAIR de Peroambnco rende e
m 5 MO d. por libra.
VenJeram-ae lioje dnrante o dia
cerca de 10:000 fardos.
NEW-YORK, 2 de Setembro.
ASSUCAR:Traosacre* regalare*,
precos anateniadoa.
O FAIH REFIN1NG de Pernambaco
vende e a 15* cen, por libra.
Agencia Havas lial em Pernambuuo'
3 de Setembro do 1887.
Mercado do Rio de Janeiro
ULTIMA DATA6 DE A0STO DE 1887
CAFE'
Est a chegar de Brdeos o Portugal, novo pa-
quete da companha Mestagerie SSaritimes. Medc
este vapor 140>,20 de compriinento e 14 metros
de larguia mxima, tendo 11 metros no9 vios da
quilha. Destoca quando arregado, 7,720 tone-
lilil
O apparelbo motor de trplice expansao e com
78 rotacoes deaenvolve 4,800 cavalloa de 75 kilo-
metras que as experiencias deram ao navio um
impulso de 16 a 17 ns.Jsto urna velocidade n-
dia de 14 milbas em marcha ordinaria. A pres-
sio normal as caldeiraa de 7k 3/4. O hlice
le ps de bronze foi construido por um ioo>lelu
novo aperfeicoadu pelo primeiro engenheiro dos
estaleirus da companha.
Iateiramente v&nte ha uns turcos de ferro qoe
oscillam de bombordo a estibordo para man ora
das ancoras, e depoia um talba-mar muito alto.
Os turcos para os escaierea sio de eystema novo.
Por rneio de um parafuzo e roelas dentadas um t
hotnein basta para a manobra de arrear urna i m-
barcacao ao mar ou recolbel-a sobre oconvex, v n-
tagem ineatimavcl em momentos de piesaa ou de
pergo.
O Portugal tem 937 belicbea numerados para
passageiros, sendo cerca de 300 de Ia classe, que
tomam toda a r e centro da nao A venttlaco
cbtem-ae por meio de largja e numerosos corre-
dores e portilllas grandes, munidas de vicias
movis, que em muitos casos podem ficar abertas
anda qoe o estado do mar exija as portinbulas
fechadas.
as salas de banho as banheiras tem doaa tor-
neiras, orna de agua fria, ouira de agua queate,
o qoe dispensa o incommodj de esquentar o banho
por meio do vapor.
Em cada camarote ba por cima de cada bel che
um boto que corresponde a urna campaiuha elc-
trica para chamar, e outro que pcrmitte apagar
ou accender urna lampada elctrica uo uieauo ea
marote, que rene todas us commodidadcs adequa-
daa vida de bordo.
A' r, em cima do con vez e9t a aala de jantar
para aa duaa primeiras nlasses. Do interior sbe-
se a ella por lergas escadas de mogno com ba-
laustres esculpturados- O tecto da sala branco
e ouro com esculpturas finas, de que pendem 76
lampadas elctricas. Os lados sio divididos em
quadros ricam.-ute emmoldurados ; as pinturas sao
de Cordonan e Th. Rousseau, doua pintores de
nomeada.
Aa mesas de jantar aio para qnatro e cinco ta-
Iheres, com poltronas gyrantes e podem dat.dr-se
para 10 e 15" talheres segundo a conveniencia dos
passageiros.
Por cima desta asa ha urna saleta de msica,
ornada e pintada no estylo Lua XIII.
Tem o l'rtugil tambem a aoa cmara frigor-
fica, eystema Hall, para prodoccio de gelo e con-
servaco de alguus eomestiveis. A' prda reser-
von-se lugar para accummodar.es de gado e de
todos of animaes vivos que tem de servir de ali-
mento no correr da viagem,
A illuminacio elctrica obtem-se com doua dy
namos trplices, cada qual movido por umi ma-
chinasinba de vapor Compoond. O movmento
normal de 290 a 300 rotacies, prodHzndo assim
cada dynamo ama corrate de 66 voltas. O nu-
mero total das lampadas, systema Edison, de
cerca de 500.
Os phares de bordo tambem sio Iluminados
por lampadas Edison de 40 velas.
(Do Jornal do Commetcto.)
m^j^^M?j&^.
Urna lagrima sobre o tmulo de meupai,
Manoel Joaquim Cafalcanle de Albu-
querque, no 12. anniversario de seu
passamento.
A perda de ti, oh pai.
A doze unnos que eu lamento !
Minhaliiia cnvolta-se em jiranto.
Enluta-se de sent ment.
Monica Jorge Cavalaniir
#<>#o#o<><>
Ao publico
O abaixo assignado commuoica que retira a?
temporariamente da cidade d Olinda para a co-
marca de Nazaretb. por grave incjmmodo de sa-
de de pessoa du sua familia.
Olinda, 31 de Agosto de 1887.
Herculano Cavalcante de Albuquerque.
As tabellas expostaa aqu foram estaa
Do Intbmaciomal :
90 djv vista
_iondres.......
Pana. .......
Italia........
clamburgo......
Lisboa e Porto.....
Principaes eidaaes de Porta-
gal........
Scw-York......
Do Lo.ido Bank :
Londres .
Pars. .
Italia. .
amburgo
l'ortugal
Sew-York
22 3/4
418
517
34
22 1/2
433
422
b
236
241
2.5*20
90 djv vista
22 3/4 22 1/2
418 422
422
518 >io
234 236
2*220
Do EaoLisa Bamk :
UO dlv vista
Suecas
Deposito no da 1 de Agosto 269 577
Entradas de 1 a 24. 136.960
6.247 143.207
41_'.7S4
Vendas de 1 a 24 . 54.176
Dia 25 :
Estados Unidos .... 3.574 07.750
Deposito no dia 25. tarde. 355.034
Cotava-se pir 10 kilos :
Lavado....... $1370 a 9*400
Superior e tino..... Sie ha.
1.' boa....... 34850 a 1 regular...... a 84720
1 ordinaria..... SJ300 a *i440
3." boa....... 7970 a Si17o
2.a ordinaria..... 7560 a 74830
22 3/4 22 1/2
?ans........ 417 421
Italia........ . . 421
amburgo...... 517 522
il 236
Principaes cidadea de Portu-
gal........ . . 241
liba dos Acores .... . . 241
llha da Madeira .... . 241
\ew-York...... 2*220
A miaba doada Ue
Recordar-se, consolar-so.
A. Hercolano.
Miaba Mi, > miaba Me,onde repousaa ?
Em que zona qu'ests, que j nao ousas
Meas gemidos ouvir ? ..
Por ti, cnoraudo seuipre em soledade,
Partido de tristes* e de saudade,
E ta semprc i dormir
Hoje, triste,vergo a fronte ma :erada
Ao peao do aoffrer,oh mi doada !...
Carpiodo mina dor!___
Banbado em mudas lagrimas are entes,
Guardo dentro d'alma os ai; plangcntes.
Curvado ao dissabor .' !..,
Setembro, 6 de 1887.
Manoel Jos Monteiro da Franca.
-TBQOCigg-
Oleo paro medicinal de Osado de
bacalbao, de Lanman 4k Leuip
sea
as molestias que conduxem fysica nao ha
tempo perder-se com expericointa^oes inuteia.
Ellas sio rpidas u as mais das vezes fitaes. A
toase que hoje se despreza, pode converter-se urna
semana depois cm urna pneumona brouchites ou
tysica. S existe um remedio para os casos agu-
dos de molestia pulmonar, quer ella seja chronica
ou recente Tabe assirj o proclama toda a fa-
culdade medicao oleo extrahido do figado de ba-
calbao. Porm mister que o doente esteja perfei-
tamente seguro e certo que possue o remedio ver-
dadeiro. Se o mesmo for o oleo puro medicinal di
figado de bacalbao, de Lanman & Kemp o doente
nesse caso ter a melhor preparaco possivel do
pulmcoico o mais seguro e etticaz que se coobece.
Lauman & Keuip empiegam acentos peritos qoe
residem as pescaras, os qoaea os colhem para
ejte fim, os figados ios do peixe mais fino que se
colhe noa bancos da Terra-Nova, d'eltes se extrahe
o oleo emquanto estilo anda perfeitamente fres-
cos, e depois do concluida esta operacio, torna se
ta j transparente como mbar ou crystal.
E' o mclbcr especifico moderno no seu estado
mais efficax e nio tem igual nos casos de tese,
resfriamentos, asthma, anginas, inflaminafoes dos
pulmdes e brenchios, debilidade, emmagreeimento
e todas as mais enfermidades que terminara em
tyaica ou na aVccao tuberculosa confirmada do
bofe.
Encontra-ae venda em todd3 as pharmacias a
drogaras.
Agentes em Pernambuco, fie ry Forater ce C.
ra do Commercio n. 8.
Eras tu, mnba Mae,meu aanto amor !...
Meu aorriso, mt*u confort) em minha dor..
Mnba nica ambicao !.,.
Eras tu, eras tu, que me ufagavas.
Quem u'infancia com cantigas m'embalavas,
Meu prazer, -onsola^io !...
Colar de socar
i,Paro os agricultores)
Por 15 kilos
ranco, oa melhores que
apparecem no mercado,
regulara de ....
i.' surte boa.....
o regular.....
Hmidos e baixos .
Smenos......
Mascavado.....
Bruto.......
lietarae......
2*200 a 2*400
U9U0 a 2*100
1*700 a 1*8 iO
1*500 a 1*700
1*300 a 1*400
1*040 a 1*100
*90J a 1*000
*700 a *80'.i
TELEGRAMMA
DA ASSOCIAC-VO COVMECUI, PARA SOVA- V0EK
(Expedido em 26 de Agosto de 18S7, de manha)
Caf
Existencia verificada 3o'5.000 laceas
Entradas no da 25 7.000
Entradas em Suatos ... JOO >
Vendas para, os EatadosUni-
dos....... 4.000 .
Estado do mercado Firme.
Cambio sobre Londres, parti-
cular .......23 7/8
Frete por vapor 25 c. e '> 0 0
Precoa :
1. regular, 8*701 por 10 ki-
lo desperas e frete por
vapor.......2113/16 c. por b.
2. boa, 8*100 por 10 kiios,
di'spezas e rete por vapor 20 1/2 c. por Ib.
OoUa commerclai
COTAyKS OmSSUM UA JCSTA DOS COB-
HECTORES
Redfe. 3 de clembro de 1S&7
Algodo de ilossor 1* sorte, 6*500 por 15 kilos,
fesa tem.
Dito de dito mediano, 5*500 por 15 kilos, h .n-
tem.
Dito de dito 2 sorte, 4*500 por 15 kilos, hontem.
Cambio sobre Para, 60 d/v. com 1 1)4 0|0 de des-
cont.
raneMC,
Antoaio LtcuirJo Kolriguea.
.irdo DuO
(fovlmento bancarlo
kBClPE, | '.(ERO DB' 1
PKAQA L>0 KECIFE
O mercado d cambia mioteve-as b j: firme
tax omcial de 22 3/4 d. sebra Lood.-es.
Em papel particular aa trauaacedes foram 22
15/16 d.
PBAQA DO RIO DE JANEIRO
Os bancos maotiveram firme a taxa de 22 3/4
d. sobre Londres, constando iranaacyoes sobre
faixa-matnz a 2 13/16 d.
Nio houve negocio em rapel particu'ar.
Coia: Uo de algodu>
Em vista da posicao do algodio uo mercado de
Liverpool, declinou a cotacao em nosaa praca, ha-
veudo offertas na ultima hora de 6*350 a 6*400
por 15 kilos para o -, 1.* sorte do sertio.
Entrada de asacar e alsjodo
HEZ DE AGOSTO
Assucar
Entradas Das Saceos
tlarcacaa...... 1 31 2.47.">
Via-terrea de Garuar 1 a 31 336
Ananaes...... 1 i 31 318
Via-terrea de S. Francisco 1 30 3.85
Via-fcrrea de Limoeiro 1 31 316
Juenos-Ayres : 100 a-iccos eoin cocos (fructa).
Carregou J. L. Barros.
Vapor nacional Gamillo, aahido hontem, ltvou
para :
Macei : 50 fardos cem urque.
Bania : 50/4 de barrica* cora assucar branca
Rio de Janeiro : 560 saccas com algodio, 95
aceos com cocos (fructa) e 30 eaixas com vinho
de j uiubeba.
nvl.ia carga
Brigue portuguez Armando, para o Porto.
Patacho ingles Tiber, para ob Eatados^Undos.
Vapoi nacional Ipujuca, para Cear e osala.
%avo A aeacarja
Barca nacional Mar'tanninha, xarque.
Barca norneguensc Nina, carvao de pedra.
Barca dinamarquesa Jorgen J. Lott, carvao de
pedra.
Birca norueguense Pelrus, maieira.
Barca norue>ruense Verouica, madeira.
Barca nacional Maria Angelina, gorduras.
Barca nacional Marinho XI, gorduras.
Barca norueguense Expedit, varis gneros.
Brigue infles Ephratak. carvao d.i pedra.
Escuna dinamarqueza F\des, xarque.
l.iar noroegueus Sirtus, varios giueros.
Lugar ingles CaUdunia, varios gneros.
Ligar ioglez Vedun.a, bacalho.
Patacho din marques .-/in Charlotte, sal.
Patacho portuguez lenta*iva, gorduras.
Vapor nacional Giqui, varios gneros.
Pauta da Airandesa
SUMABA DE 3 A 10 DE BETEUBBO OB 1887
Assucar refinado (kilo) .... 175
Asquear branco (kilo) .... 126
Asaocar mascavado (kilc) ... 66
Alcool (litro)....... 155
Arroz com casca (kilo) .... 65
Algodio (kilo)...... 3b3
Borracba (kilo)...... 1*066
Couros seceos salgados (kilc) 460
Couros seceos espionados (kilo) 52
Couros verdes (kilo)..... 260
Cacao (kilo)....... 400
Caf bom (kilol...... &0
Caf rcstolho (kilo)..... 600
Cachaca (iitro)...... 00
Carnauba (kilo;...... 333
Car. v-' de alrodao (kilo) ... 14
Carvao de pedia de Cardift (toa.) 16*000
Kannha de mandioca (litro) 1B0
F libas de jaboraudy..... i 0
Genebra (litro)...... 200
Mel (Utro)........ 40
Miino (kilo)....... 40
l'aboados de amarcllo (dusia) 100*000
O vinlio de extracto de flxado de
bacalbao^ de Cbevrler. com. osto de tal
modo que urna coiher du vinho corresponde exac-
tamente a urna coiher de oleo de figado de baca-
lbao.
Aa dses do vinho nio devem exceler s do oleo,
ellas variam segundo a idade e a com ti uicao do
individuo, entre urna (?) e quatro (?) colberus por
dia.
E' de grande importancia nio exceder cstn dos",
um medicamento nio preenebeu ta seus tius I lapi
depois de ter pisando a bocea; ebegando no esto-
mago deve ser dig-riio para Uiruar-se til; ora as
dses excessivus nao se dgerem, ellas acarreram
pelo contrario perturbarles gstricas de natureza
'liverea, como o profeasor DwrergM to utilmente
assigualou. Eis porque chamamos a attene^ao d s
doeates sobre um ponto muito digno de cooside-
racao: nio ha exag^-racao faUa no rotulo do vi-
nho de extracto de figalo de bacalbi, da Cbe-
vrier, nio p ie haver exagerocie imprudente na
aua adminBtracio.
(Rtwte Medcale).
PROGRiMMA
DA
Festa de \ossa Senbora da Penha
Anda este anno a excelsa virgem Senbora da
Penha recebar do catbolico povo de Pernambuco
as mais significativas provea do sua nunca des-
mentida devocio e amor.
A's 4 horas da madrugada do dia 4 do crrente,
domingo prximo, o vaatiasimo templo da Penba
reger jitar de fitis que pressurosos rao prestao
homenugem a vrgem santa, assistindo ao Santo
Sacrificio da Missa, que ser celebrada em teucao
dos bemfeitores que contribuiram com seu obulo
ao respleudor da festa ; imme liatamente depois
dce.'a entrar outra missa rezada.
A's 7 hars da manbi haver urna miesa acompa-
nbada do orgio e distribuicio da Stgrada Eucha-
rista em communhio geral aos fiis quj para este
acto mminente de nossa religiao se apresentarem
trazenio aa devidas disposicoes da alma e do
corpo.
Tocar nos ntervallos a msica marcial do 2o
de linba lindas pecas ; em s-'guid i a communhio
geral rozar-se-ba oitra missa era accao de gracas.
A missa solemae entrar depois de cantado as
tercias, s 11 horas d dia, e executarse-ba sob
a regencia do distincto professor Rosas a grande
orchestra do celebre Conti, com credo do immortal
Merc%daote.
A tribuna sagrada ser oceupada pelo misio-
nario capuchinho Fre Celeatino de I'edavoli ;
antes do sermao a orebestra executar urna linda
symphonia intituladaRepresalia.
Fiada a missa cantada ter lugar ainda no al-
tar de Nossa Senbora da Penha urna missa rezada
para ommolo daqjelles que nao tivesaem podido
assistir solemne.
A tarde, s 6 horas, depois do sermao que ser
proferido pelo digno orefeiCo da Penha, entoar-
ae-ha solemne TeDeum com a bella msica do
maestro Lasany, e findar-se-ha o acto com a ben-
cio d > Ss,otiasimo Sacramento.
S. Exc. Rovuia. o Sr. Hispo diocesano se digna-
[ r :tKciar neste aeto. Tanto na missa como no
1 Te-Ucum, assstirio as prime ras autoridades da
provincia com suas Exmas familias ; prestar as
continencias do estylo a guarda de honra do 14
de linba ; diversas msicas marciacs, postudas em
vanos pontos d> pateo da Peuha, tocando alter-
nadamente as melhores pecas da seus respectivos
repertorios, manterio 4 altura do enthusiasino o
bnlhantismo da solemnidade.
as n lites de vespera e dia da festa a frente
do magestoeo templo de Nossa S-nhira da Penba
ser Iluminado a giorno, apresentando assim a
linda e sBSombrosa vista apreciada j em outros
annos.
Uina muihee* T.Austria
Perto da sida de ZilliDgderf, na Aus-
tria Baixa, vive Mara llaaa, urna oiuller
intelligentc e iudustriosa, cuja histeria de
aoffrimeato pliysio e ulterior alivio, conta-
da por elia em pessa, de iuter. sse s
muloer-ts. Eu era empreada, diz ella, ras
l les de urna lavoura. Trabalho exjessivo
deu origoin a tiOrea de cabera acompanha
das de deamaios e vmitos, at que por ul-
timo nao polia reter no estomago alimento
ou bibida. Vi me na necessidade do tiuar
do cama por algumaa semanas. Achando-
me um oouco melbor com o (escando e
socego, tratei de mo dedicar ao trabalho,
porm cedo fui atacada por urna dr no
Azeiti de oliveira 40 cairas a Gronc & Fernnndes.
Amostras 7 volumes a Eugenio Chaline.
Cognac 25 eaixas a R .inos d C-
Couros 1 caixo a C airad Wsckstnaix.
Joia 2 eaixas a Eu.;eaie Groet^chel.
Livros e papis 2 eaixas a Joa Xoguoirade'
Sousa.
Livros 23 eaixas a Ramis & C-
Massas alimenticias 16 eaixas a Frineisc Guf-
des de Aruujo, 5 a G;ncalves Rjs & Foraandes,
10 a Guimaraes Rit-ba It 0
Mustarda 5 eaixas a Francisco Guedcs de
Arauj.
Mercadoriaa diversas 2 volomes a II. Nuesch &
C, 1 a Antonio Jk, Matta Gumaries.
Papel 1 caixa a Coorad VVavhsman, 1 a G.
Lapoit & C, 4 a Azevedo at C, 5 a Jos Ta vares
Carreira, dito para embrulbo 40 lardos a Souza
Basto Amorim z C, 56 a ordera.
Queijos 121 eaixas a C. Playa & C, 2 tiaaa a
Ramos & C.
Relogioa 1 caixa a Pierre Barutaal, 1 a J.
Krause & C.
Salames 1 vulume a R.mos & C
Sardinhas 10 eaixas a Gjofalves Rosa & Fer-
uandes.
Tecldoa diversos 2 eaixas a Bcrnet & C, 1 a
Ferreira *& O.
Vinho 10 barricas a Sulzr Kauff oann & C,
1 a Prente Vianna &. C, la orden. 1 a Ramos
t C-. 2 a J .s Goacalves Piao, 30 c-ixasaor-
du. 40 a Ramiis & C, 51 a Sulzer Kauffmann
S (j., 2 a Bernet & C.
Hiate nacional Flor do Jardim, ebegado de
Maco em 3 do crrente e eoasguido a oriein
uo.mifestou :
Sui 64 OOL litros a ordem.
e i a 2
dem do 3
R,iceb*doria geral
De 1 a 2
dem de 3
9:324461
2:314-1.7
1:191*359
l:30*67
11:6381655
tiecehedoria piomnda
De 1 a 2 329013
ld--m de 3 325*925
Somma.
Algodo
Entradas
llarsacas......
Vapores......
Via-ferrea de Caruard
Aaimaes......
Via-teriea de S. Francisco .
Via-frrea de Limoeiro .
Somma.
XEZ DE lBISVBBO
Aitucar
Entra daa
Dias
Barcacas ....
Via-ferrea de Caruir
Animaes ....
1
o 2
3
Entradas
Barcacas ....
Via-turrea de Garuar
Animaes ....
Via-ferrea de Limoeiro
Somma.
Algo i3o
11.591
452
14
96
562
Memorial
Em -3 lo corr. alo, termina o prazo de 30 diis
ooncedido aos subscriptores da nova emiasao de
accoes para o le van r .meato da fabrica na Torre,
pertencente a Companha du Fuglo e Tecidos de
1'brhambdco, para i agameuto da segunda presta-
cao na razio de 25 0/0.
At o dia 29 do correte, devem os accionistas
da Companha le Edipicacao entrar com a oitava
prestaco. na razx de 10 0/0 sobre o valor das
respectivas actes.
Aos accionista: da Estrada de Feoho do Rbbi-
io ao Bomito foi marcado o prazo de 60 dias, a
contar de 4 de Agosto, para reaizarcm a 7." eu-
trada de 10 0/0 de suas achoca.
Com o descont do 4 0/0 e at 30 de Setemb-o
vindooro, serio substituidas na Thesocbabia db
Fazbnda as notas d valor de 2*OJ oa 5.' estam-
pa, 5*000 da 7.* e 10*UOO da 6.*
Kxpoi'iDco
kcnra. 2 de setembro db 13S7
Para o exterior
No vapor ingles Orator, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater & C. 2,294 saceos com
172,050 kilos de assucar mascavado.
No vapor trances Vilte de Mado, carre-
gou :
Para o Havre, A. Labilie 43 saccas com 3,550
kilos de algodo e 6'J coures salgados com 10
kilos.
No brigue portuguez Armando, earrejou
Para Lisboa, S. 3t. Brito 534 coaros salgados
com 6,480 kilos.
Para o interior
No vapor francs Vilk de Bahia, carre-
gou : (
Para Santos, D. A. Matheus 2 I pipas com
9,600 litros de alcool.
Mo vapor nacional Camiilo, carregaram :
Para o Rio de Janeiro, 11. Burle A C. 560 sac-
cas com 43,720 kilos de algodi L. A. da Coeta
'*,U00 cocos, fructa ; A. F. dos Santos 9 eaixas
com cajurubeba ; b\ de Moraes 8 volumes com
i chapeos de carnauba.
=* No vapor americano Advancc, :arregaram :
I Para o Para, F. de Muraes 51 eaixas com ca-
l juub^ba ; P. C. de Alcaotara 285 barricas com
21,092 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Ipojnca, carregaram
Para Maco, P. Alv.'S & C. 6 barricas com 450
kilos de aaaucar refinado.
No hiate nacional D. Julia, carregaram :
Para Araeaty, P. Al ves t. C. 2 barricas com
140 kilos de aaaucar branco.
Na barcaca Flor do Pasto, carregaram :
Para o Natal, P. Alves & C. 20 barricas com
1,210 kilos du assucar refinado c 20 ditas com
1,188 ditos de dito branco.
Recife Drainage
Osla 2 5:421*343
Iden de 3 1:808*877
1-------------
121:213*618
2:501*029
651*938
7:230*240
lado, a qual dentro de pouco tempo pareca
que se eapalhava por todo e mea corpo e
palpitava em todos os membros. A isto se-
guiose urna tosse e falta de respiragao at
que por fim n2o podia cozer, tive portan-
to de pela segunda vez me retirar cama
e segundo julgu?i, pela ultima vea. As pes-
soas de minha amieade disseram-me que a
mnba vez se estava aproximando e que eu
n2o viveria senao at epocha da as arvo-
res se revestirem outra vez do verde. Por
essa occabiSo aconteceu que um dos folhe-
tos da MSi Seigel me veio s mitos, Lio
e minha cara mai comprou-me urna gar-
rafa do xarope curativo da MSi Seigel que
tom^i de accordo com a preseripeo, e
mal tinha acabado de tomar urna garrafa
quando comecei a sentir me melhor. A
minha ultima doenga priucipiou em 3 de
Junho de 1883 e continuou at o dia 9 de
Agoato, dia em que comecei a tomar o xa-
rope. Cedo comecei a trabalhar um pouco.
A tosse abandonou-me, e dSd experimen-
tei mais difficuldades na reapirgio. Acho-
iqo agora completamente curada. E ahi
quaui feliz bou No tenho expret&3es bas-
taates para mostrar a minha gratid'uj ao
xaropa curativo da MSi Seigel. Devo
aqui dizer agora que os doutores do nos-
so districto mandaram distribuir annuncios
prevenindo o puolico contra esta medicina,
dizende que nenhura alivio produz e muia
gente foi iuduzida a destruir os folbetos Sei-
gel; roas agora, quando se pode apanhar
um d'elles. guarda-so como urna reliquia.
Os poucos que escaparam sao pedidos em-
prestados para 1er, e o meu teoho-o ere-
prestado a distancias r'e seis milhas vo!-
ta do nosso districto. Tem vindo gente de
desfaja milhas dictantes d'aqui a pedir me
que lhes compre a medicina para ellos, isto
por sabereta que foi ella que me curou e
por se quererem afirmar de que comprara
o artigo ver.ladeiro. Maria Haas.
Acha se venda em todas as botijas
e lojas ds medicina ora toda a parte do
mundo, e era casa dos proprietarios, A. J.
Whit, Limited, Londres.
Deposiiarius na provincia de Pernambu-
co por atacado : Francisco M. da Silva
& C, na eidada ne Pernambuco.
Vendedores por retalho, na cidade de
Pernambuco, Bartholoraeu & C, J. C.
Levy & C, A. M. Veras & C, Rouqur. -
rol Frres. Faria Sobrinbo & C, e T. 8.
Silva : ero Paimires, A. C. d'Aguiar ; a
em S. JoZo di Igreja Nova, J. A. da Cos-
ta e Silva.
ZSS~>**~
EXTERNATO
Para C8 meninas
21 RA DO HOSPICIO 21
Ljf jas particurea de trancis et d'anglais
Vaporea A entrar
DOS POKTOS DO SDL
Guuby-..
Drydnnaraanh.i.
Advanceamanba.
Manosa <>.
Thalesa 11.
Galiciaa 12.
Mondegoa 14.
Pernambucoa 16.
Portugala Id.
Marinho Viscondea 25.
Camiiloa 27.
Taguaa 29.
DOS POKTOS DO ROQTBI
Paraa 13.
Epirito Santoa 23.
DA EUROPA
Ville de Bfchiaa 6.
Tamara 10.
Nevaa 2i
ereado Hautclpal de 9. Jos
O movmento de3te Mercado no dia 3 de Setem-
bro foi o aequinte :
Bntraram
Author i
Fiuance
DE LIVERPOOL
DE NEW-FORT
DE TBIESTE
Tibor- h -y?.
Vapores & nabir
41 1/2 bois pesando 6,018 kilos, seado de Oliveira I ap
Castro, 23 1/2 ditos de 1 qualidade, 2 de 2 I Orator hoje. s 2 horas da tarde, para Mae 6.
I
Das Saccas
1
e 2
3
1
72
68
924
Somme.
1.066
Vapores despachados
Vapor francs Ville de Macei, sahido hontem,
levos para :
Havre : 4.605 coaros verdea, 60 ditos salgados
e 148 sachas com algodo.
Carregou Auguale Labill, menos 265 couros
verdes, que foram carregados p-r^l. Burle it C.
Vapor francs Gironde, sahido hontem, coadu-
aio para :
Importaco
Lugre ingles Vid na, ebegado Je Trra No-
va em 2 de (Setembro e consignado u Saunders
Brutbers Se C, maufest u :
Bacalho 2,825 barricas e 010 meias aos consig-
natarios.
Paquete nacional .Camilla, chegado dos por-
tos do norte em 3 do crreme e consignado no
Visconde de Itaqui do Norte, manifcati'u :
Ale
& C.
e 16 ditos pi.rticalares.
610 kilos de peixe a 20 ris 124*00
120 cargas de farinha a 200 ris 244000
25 ditas de fructas diversas a
30U rs. 74500
10 taboleiros a 200 ris 24000
25 Sumos a 200 ris 54000
Foram oceupados :
24 coiuranaa a 600 ris 114400
22 eomnartiincaos do ariaba s
5(K)"rii. 114000
24 ditos de comida a 500 ris 124000
60 ditos de legumes a 400 ris 24*000
38 ditos de fasendaa a 400 ris 114200
19 ditos de auiuo a 700 ris 134300
11 ditos de tressuras a 600 ris 64600
10 talhoa a 24 20/000
8 ditos a 14 8JO00
A O i i veira Castro & C.:
54 talhos a 14 5**000
Ocve ter sido arrecadada neeUa iiss
a quautia de 2254200
Rendimento do dia 1 4244200
Foi arrecadado liquido at heje 649/i'JO
Precoa do dia :
Carne verde de 200 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris dem.
Smuoa de 560 a 640 ria dem,
t'unnba de 200 a 240 ris a cuia.
Milbo de 210 a 320 ris dem
Feijo de 640 a 1/000 idem.
atatloaro Fabuco
Foram abatidas ntatadouro da Cabanga 73
reses para o consumo do dia 2 de Setembro.
Sendo: 46 rezes pertencente a Oliveira Castro,
& C, e27 a diversos.
Os 46 rezes pertencentes aos Srs. Oliveira Cas-
tro & C, 1 foi para a caldeira.
Alcool 5 eaixas a Antonio Kodrifujs de Souza
lesteu :
--'Jo a I
Barrio vaoios 100 a Manoel Marques de Oli-
veira.
C-f 570 saceos a ordem, 100 aPereira Carnei-
ro ii C. 00 a Fraga Kocba ce C.
Pipis vasias 20 a A itonio do Rsgo Lima, 21 a
Manoel Marques de UliVtira.
Tapioca 49 encapados a M-.ura Borgea St C-
Vinho 6 barra a Cardubo LOrenco Gom-s
O.
Paquete francs Gironde, chegado dos portos
da Europa em 3 do cnente e consignado a Au-
gu-t.- L.bille, uaufcst"i :
Ilinbelro
RECEBIDO
Pelo veper nacional Ipoji.ca, procedente do nor-
te, para :
Du-rte & C. 3:0004000
Gomes de Mattos A Irmaos 2:0004000
Martius Fuiza & C 2:000/000
M a cha do 4 Pcreira 1.050/000
Pelo vapor naciorml Camiilo, procedente doa
portea do norte, para :
Jos Candido de Moraes 1:500/000
Francisco Gtncalves Torres 1:000/000
EXPEDIDO
Pelo vapor francs Gironde, para :
Rio de Janeiro 4:000/000
Pilo vapor nacional Camiilo, para :
Macei 1:000/000
Rio de Janeiro 9:000/000
Rendinientos pblicos
MBS DB SETEXBBO
Aljandeya
Renda eeral
1)1.2
Iii.m i o 3
94:356*203
25:<518;.783
Senda provincial t
EmbArcacaeat surcos no porto
3 de Seiembro
NCIOHAES
Armandoconsig. Loyo [ Filho.
# Camillaao Visconde Itaque do Norte.
Giqui Companha Puroambucana.
Ipojuca Companha Pernumbucana.
Jaguaribe Companbia PcruamDUCana.
Lamego(cauhoneira de guerra).
Marianninhaconsig. Baitar Oliveira & C.
Marinh> XI Jos da Silva Loyo & Filho.
Maria Angelina Loyo & Fi'ho.
Pirapama Companbia Pernambucana.
ESTRANQEIBAS
Anne CharlottecooBig. ordem.
* Corrientes terstelmann & C.
Caledonia Livramento & C.
Expedit Fonseca Irinoa C.
Ephratah ordem
FideB ordem.
FritB H. Lnudgrin & C.
* Freidig ordem.
# Gironde Auguate Labille.
Jorgen J. Iiotsa ordem.
Nina ordem.
Orator 8. L. Jobos ton.
Petrus Pereira Carneiro & C.
Sirius H>rmann Lundgrin db C.
* Silvia Saunders Brothers & C.
Tentativa Amorim Irmos & O,
Tibcr-- Saunders Brothers & C.
Union 11. Luadgrin & C.
Vernica ordem.
# Ville de Macei Auguste Labille.
H9:574,for0| Vedonia baundera Brothers A C.
1 O signa! indica ter a embarcacao sabido.
em
Advance a 6, s 5 horas da tarde, para N;w-
Yo. k e escala.
Ipojuca a >, s 5 horas da tarde, para Cear e
escala.
Ville de Bahia a 7, a horas da tarde, para
Santos e escala.
Manos a 7. s 5 horas da tarde, para os p:r:os
do norte.
Jaguaribe a 9, a 5 horas da tardo, para Bahia
e escala.
Financea 10, s 9 horas, para Rio de Janeiro e
escala.
Tamtr a 10, 1 hora da tarde, para Buenos-
Ayres e ecala.
\aio entrar
Antelopde Hamburgo.
Ch-irity de Cardiff.
Citodo Rio de Janeiro.
Faiwardde Liverpool.
Hardi-de Cardiff.
Ibisde Sew-port.
Josvade Cardiff.
Kaffir Chkffde Cardiff.
LidaJordo Rio Grande do Sul.
Mariedo Rio de Jansiro.
Marietta do Rio Grande de Sul.
Marinho Ido Ro Grande do Sul.
r'ositivo do Rio Grande do Sul.
P. A. Munch -de New-port.
Mellale Liverpool.
Temerariolo Porto.
Withelir.ineie Hamburgo.
Wild Rosede Xew-port.
Wander^rde Liverpool.
Movlmeuo do porte
Navios ,io dia 3
Para e escala 7 12 dias, Vapor naciouai Ci-
millo, de 675 toneladas, commandante Fr-i i
Condilt, equipagem 111. carga varios gneros ;
ao Visconde de Itaqui do Norte.
Maco- 12 das, hiate nacional Flor do Jardim,
de 75 toneladas, mesre Jos Joaquim dos San-
tos, equipagem 5, careta sal; a Viuva Lages.
Bordeaux e escala -lias, vapor (ra
Girond,' de 2,034 toneladas, commanJ
M. Rene, equipagem 124, carga varios gene. *;
b Angusto Labille.
Santos e escala; 7 di-s. vapor allemao Corrim-
tcs. de 1.459 tonel.'*ias. commandante II. .
cbmao, equipagem 39, carga varios generj,-, i
Boratelrcan & C
Rio GraDde do or':"i dias, h!ate nacion.il i
ruuityl, de 45 toueladas, mestre Joa;
Ilnorio ta 9Pveir ,-em 4, carga varios
gneros ; a Man.-cl Joaqaua Pessoa.
New-Port40 dias. lugar nglez Mary Ann, da
241 toneladas, cao::.'.; Joha Godfree,oquipige
8, carga car\ a Bailar, Olivsira
& C.
S'iii'. MOHO dia
Bueaos-Ayres e e?;a!aVapor trances Gr
commandante M. 'ga varioB gene:
' Havre e escala- z Ville de- Haeo
commandante E. i, carga varios
eros.
Hamburgo V. Corrientes,. -
mandante H. .;a vinos geuer.H.
Rio de Janeiro e Vapor nacional Camii-
lo, commandante *> carSB va
gneros. .
Rio Grande do X. ln8lez Siwia,
casita i Albert Boa r'-
MacoHiate naci:: Vmbresio, m -
Victorino R. dos S g varios gencr-s.
Rio Grande do H ..raeguensa Pl
Ldi:,acapitao J. B 3o.
L^D


Diario de Pernambuco---Domingo 4 de Setembro de 1887








EDITAES
Dom Jos Pereira da Silva Barros, por
Men de Deus, e da Santa S Aposto-
lic Hispo de Oliada, do Conselho de S.
M. o Imperador eto.
Fazeuioa saber, que resolvemos por em eoncnrso
as seguales freguezias vagas desee Bispado : Si.n-
tissimo Sucrain.nto de Sauto Antonio do Recife,
Nossa Stnbor dos Prazeres de Marangut e. Nosaa
Senhora da Conetieorieltamarac, Nossa Senhora
do Desterro de Itainb, Nossa Senhora da Lu,
Sant'Ai-na de Grravat. S. Miguel de Ipojuca,
Nossa Senhora do O' do Alfinho, 8. Jos do Rio
Formozo, Nossa Senhora da Conceico de Alago
de Baixo, Nossa Senbora da Sade de Tacarat,
S. Jos de Belmonte, Bom Jess dos Remedios de
Aiogados de Inaeira, Nossa S;nh ira da Concei-
co do Paj. Je Flores, Bom Jess des Aflictos de
Fazenda (rande (Floresta), Sania Mara Rain ha
dos Anjos de Pe:rolua,Ncasa Senhora da Assomp-
cio e ti. Q.'nfal i de Cabro b, Santa Maria d Boa
Vista (alto serfo), Nussa Seuhora das Montauh'is
de Bastares, Snut'Anna de Leopoldina, Santo An-
tonio de Salgueiro, Nossa Senhora da Conceico
da Fedra, Bom Jrsus dos Aflictos do Ex, Nossa
Senhora do B in Conseibo de Granito, Nossa Se-
nhora da Conceico do Bello Jardim, Nossa Senho-
ra da Conceic.au de Agu>s Bellas, Jess Mara
Jos de Papacara, e Nossa Senhora da Conceico
de Correa tes ; nesta provincia de Pernambuco:
Bom Jess do Passo de Camaragibe, S. Luiz de
Quitunde, Nossa Senhora da Conceico de Matta
Grande, Sai.'Anua e Ip^nema, S. Bento de Por-
to Calvo (Vlaragogy), Njs* Souhora da Apresen-
taoSs e Porto Calvo, Nossa Si-nh-ira da Conceico
de PortJ Real Jo Ccilegio, Bom Jess do Bom Fim
da Aesembin, Nossa Sentaos* do Bom Couae.ho da
Laga Fonda, S. Joo Baptista da Egreja Nova e
S. Francisco do Borj de Piaesabuee, aa provin-
cia das Al igas : Nossa Senhora da Conceico
da Villa do Conde (Jacoc), S. Miguel da Baha da !
Trc Nosaa St-nliota d;i Conceicode Gurinhem,
Xoasa S ahora da Boa-Viagem de Alagoa Grande,
N asa Senhor t da Couceico N'oss.i Senhora da Luz da Iudependeocia (Guara-
bira), Nossa Senhora da Luz de Pidra Lavrada,
Nossa Senhora da Guia de Pitos, Nossa Senhora
des Milagres do Btejo do Cruz, Nossa Senhora
dos Remedios do Citle do Rocha, Nossa Senhora
do Bcm Successo de Pombal, Santo Anunio de
' ianc, Nossa Senhora da C-nceico de Pianc,
Nossa Senhora do Bom Conselho de Pianc, Noss
Seubora da Conceico de Misericordia, S. Jos de
Firaobas, Uum Jess do B-m Fim de Serra da
Ra, Nossa Senhora da Couceici de Campia
Grande, c S. Sebaetio de Picuby, na provincia
dn Parabyba : Noss Seohira da Conceica i de
Macahyba (out'ora S. Goncalo de Amarantbo),
Ncssa Senhora da Cioceit;o de Mac-iu, hant'Anue
de Jfattos, S. Joo B .p'.iota do Asa, Noasa Se-
nhora da C'iiceicao au Az.ved o (Jardim), Sot'An-
na do Sendo (Priueip.-), S. J>"o Baptista de Por
t. Alegre, Noasa Senhora da Conceico de Pao dos
Firros, S Miguel de Pao dos Ferros, S. JcSo Bap-
tista de Arez, N. asa Senhora da Conceico de Nova
Cruz, e Saut'Anna d? Curraes Novos, na provincia
do Rio Grande do Norte.
Todo o Reverendo Sacerdote ou Clrigo, que
pretend r alguiua destas freguezias, dever apre-
sentar o seu requerimento instruido com documen-
tos, na forma de direit que comprovm as auas
habiliti-co. s, niia, costume, e servic-s ; e na noa-
sa Cmara assignar termo dentro do prazo de
'i I Oas a contar desta data, findo o qual nenhum
documento sei mais recebido : c no da 30 do
mez de Novembrj drste anno se proceder ao con-
curso, no qual os concurrentes taro um exposi
.,-) ou homila sobre o texto do Evangelho, que
assignaraus, e resp-nderao a 9 caaos do Moral e
' Consciencia. Feito o concurso, propoiemos os mais
dignos dos appruvados a S. M. Imperial, na frm*
do costume. Dado, em noaso Palacio da Soledade
da cidade do Recife, ao Io de Setembro de 1887.
Eu padre Valeriano de Alleluia Correia, escrivo
da Cmara Eclesistica, que o eacrevi.
Jos, Bispo Diocesano,
O Dr. Touiaz Qareez Prannos Montene-
gro, commendador da Imperial Ordem
da Rosa e juiz de direito especial do c-om-
raereio dost cidade do Rcife, capital
da proviuoia de Pernambuco, por S. Ma-
mstadfl o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
.~0Faz ar.br aos que o presente edital viem ou
a'elle noticia tiverem, que por parte de Paiva Va-
>ente it O lhe foi dirigida a pftico do theor se-
guate :
Illm e Exm. Sr. Dr. jai do commereio.
PaV3 Valente & C, sao creiorea de Jos de Suuza
Amida, pela quantia de 1:2574480, importaucia
ie gneros de estiva que lhe forneceram para re-
vender no eatabelecimeuto qiie teve em Atogados.
como o supplicado nao teuha querido pagar-lhe,
tea mesmo peraote o juizo conciliatorio, documen-
10 junto, veem os aupplicantes requerer a V. Eic,
n se digne mandar cital-o por editaes, por iaao
que se arha em lugar iueerto e naj sabido, o que
se justificar no dia e hora por V. Exe. marcados,
itirn de que na primeira audiencia, fiado o prazo
ttos lujamos editaes, venha responder aos termos
de urna accaj ordinaria em que se Ihi peieo pa-
gamento da referida quantia, juros da mora e cus-
tas, sob pena de revelia. Os supplcantes protes-
am pelo depomento de testemunhas e pe!o dn
reo. Nestes termos pedem defer monto. E. B. M !.
iiecite, 31 de Agosto de 18o7. Souza Pinto.
(Eslava sellada com urna estampilha co valor de
OO rs., legalmeote inutilisada).
E mais se nao contiuha em dita p'ticlo aqu
fielmente sopiada, depois via se na mesaa o des-
cacho do theor seguiute :
Distribuida.'Jomo pedem. O escrvao deaig-
iia. Recie, Io de Setembro de 1887. Monte-
negro. *
E mais si. nao ejotinba em dito despacho aqoi
fielmente c> piado, depois do que via-se que tendo
os autores justificado auseucia do reo, com toe-
"crr.uhis que deposeram conveuieottmente sobre o
allegado na peticao aqni copiada, o respectivo es-
rivao fazeudo sellar e preparares autos me os fez
a lusoa ''m 2 de Setembro de 1887, que o'elles
.a-s a senten^a do theor seguinte :
c Vistos. H-^i pjr ja^tifioada s ausencia em lu-
gar neerto do ro, e mando que seja o mesmo loti-
Dado por eJunes com o prazo de 30 das do con-
Hiija da Dcticaj a fl. 2. Recife, 2 de Set mbro de
887, Tuomat Garcez Paraiih & Montenegro.
l~. mais se nao continha e.n dita s--ntenca aqu
elmente tupiada, em virtude da qual o respectivo
vai U passar o presunto edital, pelo theor do
qual chamo, cito e hei par citad) Jos de Souza
\;meida, para vir responder aos ternvis de urna
aceito ordinaria na pnmera audiencia que se s-
rair depois de findo o referido prazo.
E p*a que chegue ao conhecimout) de tidos,
i i\assar o presente edital, que sera publica-
do pela imprensa e affixado nos lugares do costume.
Dado a passado netta cidade do Recife, aos 3
das dj mez de Setembro de 1887.
SehaerevO e aasigno. Recite, 3 do Setembro de
1887. -O escrivo interino, Eaas do Reg Barros
ftiaaV.
Thomos Garcez Paranhos Montenegro.
Aaaorlaralo don rancelonarloa pro
viciae* de Peraanabnea
Eleieao para o conetlho deliberativo
De ordem do Illm. Sr. presidente desta aasocia-
cSo, convido os senhores associados a comparece-
nm no da 7 do correte, pelaa 10 horas da ma-
nca, Di sede social, roa de Imperador n. 71, 1'
andar, para de cooiormidade com o disposto no
art. 11 do acto da reforma dos estatutos, proce-
der-ae a eleico do conselho deliberativo que tem
de dirigir a mesma associaco no anno de 1887
188S. Recife, 2 de Setembro de 1887.
O 1* secretario,
Alfredo Rodrigues des Anjos.
Matriz de Santo Antonio
Veneran-i Iraandade do SS, Sacra-
mento
De conformdade com aa dispoaicoes do compro-
msso, convido aos irmos deata veneravel irman-
dade a comparecer^m no respectivo consistorio, s
10 horas da manb do dia 4 do corrente, afim de
proceder-se a eleieao dos irmacs que preenchsm
as vagas existentes na actual mesa regedora.
Consistorio, 1 de Setembro de 1887.
O eacrivao,
Das Quintal.
I
De hojepor diante os presos
dos materiaes da Olaria a Vapor,
sero regulados pela tabella se
guinte, sen. descont:
fijlos grossos formato coin-
iHin, Diilheiro 18$ Ditos for-
mato pequeo 16$. Telhas, mi-
Iheiro 33$, Ladrhos de diver-
sos formatos 30^000,
Recife, 1 de Agsoto de 1887.
Antonio 7. Nascmeuto Feitosa.
GERENTE INTERINO-
Socledade Unalo Comtnerclal Bene-
flcenie dea Herclelroa ,
Assembla Geral
Pelo preaente sSo convidados todos os aenhores
socios a comparecerem na sede ra Estreita do
Rosario, domingo 4 do corrente, s 1J horas da
manh, afim 4e eleger se alguna membros para
cargos da administracao de 1887 a 1888, em vista
de recusas bavidas na eleico de 14 de Agosto
prximo passado.
Secretaria da Assembla Geral, 1 de Seter: >iro
de 1887.
O secretario.
M. CapitSo.
Companhia de Edif-
Cago
Communieo aos -'rs accionistas que pordeli-
beraco da directora foi resolvido o recolhimento
da oitava prestaco na raiao de 10 por cento sob
o valor das respectivas actoes, o qual dever rea-
Bar-se at o dia 29 de Setembro prximo futuro.
Recife, 29 de Agosto de 1887.
Ricardo Menezea,
Gerente.
Enslis M o iiin e Jaioi
Lii'leu
Capital do Banco....... 1.000,000
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,00 A contar desta data e at ulterior reso-
Iuqo, conceder-se-ha juros de deus por
cento ao anno, sobre os saldos de dinheiro
depositado em conta corrente de taovimen-
to no mesmo Banco.
Receb?-se tambem dinheiro em deposito
a juros por penlos determinados, ou su-
jeito ao aviso ptvio de trinta das para ser
retirado, mediante as condicss de que se
dar conhecimento aos interessados.
Pernamcuco, 23 de Maio de 1887.
Henry K, Oregory,
Qe rente.
TIIEAIU0
DO
BRASIL
Capital 0.000:000*
dem realisado 10,000.-0004
A caixa filial d'esle Banco fuoccionando tem-
porariamente ra do Commereio n. 38, saca,
vista ou a prazo, contra os seguintes correspon-
dentes no estrangeirs :
Londres......... a/N. M. Rothschil & Sons.
Pars...........
Hamburgo.......
Berlim..........
Bremente........
Prankfurt s/ Main
Antuerpia.......
Roma...........
jen)va.........
aples.........
Miln e mais 340
cidades de Ita
lia............
Madrid..........
Barcelona.......
Cdiz...........
Malaga.........
Tarragonp......
Valencia e outras
cidades da Hes
panba e i i has
Canarias......
Lisboa.........\
Porto e mais ci-f
dades de Por-
lugal e ilhaa... /
Buenos-Ayrea... .)
Montevideo......j)
Nova York
De Rothschld Frres.
Deutsche Bank.
> Banque d'Anvers.
Banca Genrale '
agencias.
Banco Hypoteeario de
Espaa e suas agen-
cias.
Banco de Portugal
suas agencias.
English Bsok of the Ri-
ver Pate. Limited.
G. Amsirk & C.
Compra saques sobre qualquer praca do impe-
rio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em canta correte de movi-
mento com juros a razao de 2% ao anno e por le-
tras a prazo a juros conveaciouados.
O gerente,
William M Webster
Diligencias de Oliada
Horario
< <
o 4* -3 O,
6.45 6.45
7.45 7.45
8 45 8.45
9.45 9.45
10.45 10.45
12.45 2.45
2.40 2.40
3.40 3.40
4.40 4.40
5.40 5.40
6.40 6.40
8.00 8 00
9.0J 9.00
10.00 10.00 1
u a
S-2P
I
Ter$a-feira, 6 do corrente
BENEFICIO DOS ARTISTAS
Vieira Villas
ttDepois que a orchestra dirigida pelo profesaor
Antonio Martina houver executado urna escolhida
ouvertura, subir scena pela primeira vez n'e^te
tbeatro, a peca dividida em 3 actos, que tem por
A SANTINHA
DE PAO CARUNCHOSO
Sendo a protogonista desempenbada pela pri-
meira actriz llasa Mnnnonra.
Segne-se a secna cmica pelo artitta Affonso de
Oliveira:
viam rofla jo manilo i ie
Terminar o espectculo com a comedia em um
acto, ornada de mutica e que tem por titulo :
OS TRINTA BOTOES
Desempachada pelos artistas Lyra, Affonso e
D. Felismina Cmara.
Principiara! a 8 I hora*.
Haver trem pela linha prneipal at Apipucos,
tocando em todos oa pootos.
Bonds para Magdalena, Fernaudes Vieira e
Afogados.
martimos
M
U
7.05
8.05:
9.05
10.05
11.05
1.05
3.0*
4.00
5.00
6.00
7.00
8.20
9 20
10.20
55
IidLLARACOES
Da ordem Jo Sr. Dr. inspector gera', se declara
i profeascra publica Cordolina Amelia da Paz,
removida por portara da presidencia da provmea
!2 de Agosto findo, da eadeira de Viceneia
para a do Porto de Gallinhae. que lhe fica mar-
;ado o prazo de 60 dias, a contar da dat.. da dita
remocao, afim de asaumir o respectivo exercicio.
S-eretaria da lus'rusco publica de Pern .rabu-
eo, 2 de Sitemhro de 1887.O secretario,
Pergntno S. de Araujo Ga'ivlo.
Gabinete Porluguez de
Leitura
De ordem do Exm. Sr. Viecondc da Silva Loyo,
presidente da commisaao execntiva, encarregada
de orisir o novo edificio para o Gabinete,
Tocada urna reunilo dos senhores subscriptores do
-mprestimo cnntrahido pra easc fim, a qual ter
lugar em nossa sede, peas 11 boraa da manh de
luinta-feira 8 do correte, para tra".ar-se de as-
aumptoa e ncernentes ao mesrao edificio.
retara do Gabinete Portuguez de Leitura
fia Pernambuco, 1 de Stembn de 1887.
Francist.j Cuusseiro,
S rvna de 2- secretario.
frenos
Recife i Olmda e vice Trrea inclusive
o bond......... 300 rs.
Meninos at 12 annoa inclusive o bond.____200 rs.
Eleirande mn piofexiiir para mem-
*nro do connelho Iliterario
De ordem do Dr. inapector geral, declaro aos
professores pblicos de ensioo primario effectivos
e vitalicios, quer de u quer de outro sexo, que
tendo de proceder se a eleico de um profeswr
para membro do conaelbo Iliterario, devini na
frm do art. Io das iustru-coes de 15 de Maio de
1885 e art 18 17 do regulamento interno daa
escolas, remetterem a esta secretaria at o dia 14
de Noveinbro vindouro, os seos otlicioa.
Secretaria da instrucc publica de Pernambu-
co, 1 de Agosto de 1857.O secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvo.
Companhia de Edifica-
fo
Tendo assumido boje a gerencia desta compa-
nhia, assim o faco coustsr para os flus convenien-
tes.
Recife, 29 de Agosto de 1887.
Ricardo Menezes,
Gerente.
tsmoclaco dos funcriooarlon pro-
t'lurlae* de Prraamburii
Ri f Tm i de estatutos
De ordem do Illm. Sr. presidente d sta aasocia-
co, convido todoa oa seuhorea socios effectivos a
comparecerem na sede xsial, no dia 10 do corren-
te, pelas 5 1|2 horas da tarde, afim de asaistirem
a sesso da assenbla geral eitraordinariamente
convocada a requeriinento da coaioria dos meamos
senhores sssoeiados para trata-se da reforma dos
estatutos. Recife, 2 d^ Setimbrj de 1887.
O I" secretario,
Alfredo R drigoes des Anjos.
A. P. B.
Henea
Anaeciaco porlnineaa de
cenca esa Pcraainbore
A directora desta baaociaco communica a to-
dos os senhores bojos e a queui nter ssar P"f>
que as suas seseosa or linarias ts-ro lugr na sede
sscial roa estreita do R .sario, nos lias uteis, de
quiuta-feira de todas as semanas, s 8 horas da
noite. Secretaria da directora, 1 de Setembro
de 1887|
O 1- secretario,
Ern*sto da Si'va Araujo Guimaiies.
HOYAL MAIL STEA1 FACKET
COIPAMV
0 paquete Tamar
E' esperado da Europa no dia
9 do corrente, segninds
depois da demora necessaa
ria para
Macci, Babia, Rio de Janeiro, Santos,
e Rio da Prata
0 paquete Mondego
eaperade
do sul no dia 14 de
corrente seguinic
depois da demora
necesaaria para
*. Vicente. Lisboa, Vlgo e Sou
thamptoa
Reducqao de passagens
Ida Ida e volta
A' Southampton 1 ciasse 28 t 42
Camarotes reservados para os passigeiros de
Pernambnco.
Par paasagens, fretes, etc., tracta-se ixn oa
Consignatarios
Amorini Irmos &C.
S 3- RA DO BOM JESS N. 3
Unued Slates Brasil S. S- C
O vapor Advance
E' esperado dos portos di
sul at o dia 5 de Setembro
depois da demora necessaria
seguir para
Haraaho, Para. Barbado, N
Thomaz e \cw York
Para carga, passagens, e ie m^iendas ed'.nbeir
treta, tracta-se com DI
0 paquete Finance
Espera-se de Rew-
Newa, at odia 9 e Setem-
bro o qoal seguir lepoia d
d.raora nec.osaria psra
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, e encommeudas tracta-
ie com os
AGENTES
Henry wser & C.
f 8 RA DO COMMERCIO -N. 8
1 ct> idea
Segu para o porto cima o hyate Deus te
Guarde no d a 6 do corrente, por j tor parte do
carngamento extractado, para o reato, trata-se
na ra da Madre de Deaa n. 8 ou no caes do Loyo
brd
COMPi\uit PEK.V4MBIC.4**
DE
\a*-egaco eostelra por vapor
fORTOS DO SUL
Macei. Penede, Aracaj e Baha
O vapor Jaguaribe
Commandante Baptista
Segu no dia 9 de
Setembro s 5 horas
da tarde.
Recebe carga at e
_'dia 6.
Encommendas, passagens c dinheiros frete ate
i 3 horas da tarde do dia 9.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Parnambucana
n. 12
JEIRSRELUS
Compauhia Fraaceza de Navega
* cao a Vapor
Linha quinzenal entre o H.Qvre, Lis-
boa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
0 vapor Ville de Baha
Commandante Sebire
E' eaperado da Europa
^l /la at^ dia 6 de Setembro, se -
guindo depois da iudispen
savel demora para a Ba-
tata. Bto de Janeiro
e Mantos.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvareng...
quer reclamaco concernente a volumes, que po-
ventu a tenham seguido para os portos do sul,aun
de ae poderem dar a tempo aa providencias nczes-
sariaa.
Espirado o referido prase a companhoa n se
rusponsabilisa por extravos.
Para carga, pat sagena, encommendas e dinheire
a frete : trata-se com o
AGENTE
Auuste Labille
9-RA DO COMMERCIO-9
COMPANHIA PEHIXAMBUCaNA
DE
HavegacSo Costeira or Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
taty e Cear
0 vapor Ipojua
Commandante Costa
Segu no dia 6 de
Setembro, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 5.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
4s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Periambucana
n. 12
Pacific Steam ftavigaon lompany
STRAITS OF MAQELLAN LINE
Paquete Galicia
Espera-se dos portos do
sul at o dia 12 de Se-
tembro seguindo para
a Europa depois da
[demora do costumo.
Este paquete eos que dora
em diante seguirem locarao em
Plymoulh, o que facilitar che-
garem os passageiros com mai
brevidade a Londres.
Para carga, passagens, encommendas e din-
Seiro a frete tracta-aecom os
AGENTES
Wllson Son t V., lAmlted
N. 14 RA DO COMMERCIO-N 14
Companhia Bahlana de uaveua-
co a Vapor
PORTOS DO SUL
Macci, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Babia
O vapor Guahy
Commandante Martins
E' esperado dos oortoe ci-
ma at o dia 4 de Setembro
e regressar para os mes-
mos, depois da demora do cos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
Segu impreterivel-
mente para os porto?
cima no dia 9 di Se-
terebra, as 4 horas di
tarde. Recebe carga
nicamente at ao 1)2
dia do dia 9.
Para carga, passafens,encommendas e dinheiro
a frete tracta-se na agencia
7liua do Vigario 7
Domingos Alves Matas
COWPIXIIIK DES HENttAUK-
RIES HAKITiUI *
IJNHA MENSAL
O paquete
riiuifiu
Commandante Cirou
E' esperado dos portos de
sul at o dis 18 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordcaui
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de todat
aa claasea que ha lugares reservados para csts
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Fas-se batimento de 15 % em favor das fa
milias composta de 4 pessoas ao mcM>s e que pa-
garen) 4 pasagens inteiras.
Por excepeo os criados de familias que torna-
rem bilhetes de proa, gosom tambem d'este a bati-
mento.
Os vales postaes s se dao at a dia 16 pagoa
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinhor
a frete : tracta-se com o
AGENTE
Angoste Labiilt
9- RA DO COMMERCIO-9
Av so martimo
No da 11 do corrate ir a leilao no porto de
Macei, onde est presentemente aucorada, a bar-
ca norueguense Aforsart, de 302 toneladas, forra-
da de cobre e construida vm i868, a qual ser
vendida por conta e risco de quem pertencer, no
estado em que se acha, com todo o seu apparclho,
veame, ancoras, botes, inatrumentaa nuticos e
mais pertencas.
Porto pr Lisboa
Para os portos cima indic dos seguir breve-
mente o brigue portugus Armando.
Para carga e passagei'os trata-se com oa con-
signatarios Jos da Silva L >yo & Filho
Rio Grande do Sol e Pelotas
Segu com brevidade para as portas cima a
barca nacional Maaninha ; para o resto da car-
ga que falta tratase com Saltar Oliveira & C.
LELOf
Segunda-feira 5, deve ter lugar o eilo de boos
movis, piano, quadros, jarros, crystaes e mais
cbjectos da casa em que residi o Sr. Alvaro Jos
Pereira, ra do Rangel n. 25.
Terca- teira 6, o de movis, piano e mais objec-
tos de easa de familia existentes no 1. andar do
sobrado da ra Direita n. 31.
Leilao
De movis, lonca, vidros, crystaes, objec-
tos de electro pate, jarros, quadros e
outros objectos
A saber
Sila de visita
Um piano de Erard forta e novOi 1 eadeira para
0 meamo, 1 mobilia de jacarand com i aot, 2 ca-
deiras de bracos e 12 de guarnlcio, 2 conslos e
1 jardineira com pedra, 2 cadeiras de balancoV'ti
jarros para ires, 1 lustre de crystal com 3 bcos
para gas carbonieo, 1 tapete grande de sof, G di-
tos de porta, 3 lancas e 3 pares de cortinados de
ebrochet, 3 transparentes, 2 escarradeiras, pan-
nos de ehrechet para cadeiras, 1 espelho oval dou-
rsdo grande, 4 quadros dourados, jarres para flo-
res e arandellas gaz.
Alcva
Urna cema francesa de Jacaranda, I cpula e
cortinado, 1 guarda-vestido, 1 lavatorio e 1 toilet
de Jacaranda, guarnicoes de porcelana, 1 bidet, 4
jarros, 4 caaticacs com mangas, 1 mesa de cama,
1 tapete de cama enleites de mesa e 6 cadeiras.
Sala de jantar
Urna mesa elstica com 5 taboaa, 1 gu&rda-Iou-
ca envidr&cado, 2 aparadores torneados, 1 quarti-
nheiro e quartinhas, 1 filtro, 12 cadeiras de junco,
1 relogio, apparelhos de porcellana para cha e
jantar, copos, clices, garrafta, compoteiraa, fruc-
teiras, galbeteiro, bandeijas, tallieres, colberes,
objectos de electro psete, salvas e cutros objectos
de casa de familia, existentes no
i* andar do sobrado da ra do Rangel
n. 25
Segunda-feira 5 de Setembro
Alvaro Jos Pereira, tendo de fazer urna va-
gem Europa com sua familia, faz leilo, por in-
terveneo do agent Pinto, dos movis e mais ob
jectos existentes em casa de sua residencia ra
do Rangel n. 25.
Os referidos movis acham se em bom estado
de conservaco por ter silo montada dita casa
ha poneos meses.
O leilao principiar s 10 1/2 horas.
Leilao
De 4 cavallos e 1 burro preprio
para sella
SEGUNDA-FEIRA, 5 DO CORRENTE
A' 11 horas
No Largo do Arsenal de Marinha
Em frente a coehelra do
Baltazar
Le'lo
Segunda felra. 5 do corrente
A'S 11 HORAS
Na ra do Vigario Tenorio n. 10
O agente Modesto Baptista por mandado e com
assistencia do Exm. Sr. Or. juiz do commereio,
far leilao das mercadoriaa e utenclics existentes
no armazetn cima declarado pertencentes a masss
fallida de Alberto Rodrigues Branco, e de 350 cai-
ras com vinbo do Porto e 13 barra com viobo
brinco existentes no armazem alfandegado da
Companhia Pernambucaca, pertencentes a mesma
massa fallida.
2' leilao
Da casa terrea n. 166, sita ra Imperial, fre-
gnezia de S. Jos, junto taverna do Sr. Joa-
quim Netto e defronte do sobrado da viuva do
Valdevino, nova e edificada em solo toreiro i
marinha, com frente de azulrjo, tendo porta e
janella de frente, 3 quarlos, 2 salas, cozinha
externa, cacimba e grande qnintal murado at
a mar, onde, exist" um solido caes.
Meganda-feira, A de Setembro
Ais 11 horas
Nc armazem da ra do-Marquez de Olmda
n. 19
Em continna^o
De mobilias, camas, pianos, espelbos, quadros,
marquezoes, cadeiras avulsas, relogios, malas para
viagens, estantes, commodas, guarda vestidos,
guarta-'ouci8. mesas elsticas, ceiveja, vinhos,
genebras, loucas, copos, talberes, clices e mu!:
outros o ojelos.
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmo
Leilao
De um sobiado d<- um andar e sotan praca do
Conde d'Eu n. 8, em solo foreiro ; orna casa ter-
rea ra da Conceico do Boa Vista n. 45, em
solo proprio; urna casa terrea ra Jo Rosario
da o ja Vista n, 34, em solo foreiro; urna casa
terrea ra do Berofica na Passagem da Magda-
lena n. '>, solo proprio ; um teireno rea do Ria-
chuelo freguezia da Boa-Vista, com 22 palmos,
Hmitando-se pelo fundo com o quartel do Hospicio
e tendo direito a meiaco da oitao da casa terrea
que com elle imita-ae.
Terca-feira de Setembro
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 22
0 agenie S'epph1 por mandado e assistencia do
Exm. Sr, Dr. juiz de direito privativo de orphos
e ausentes a i< queriroento de D. Francisco da
Silva Lima Beiriz inventariarte dos bens que fi-
caram por all. cimento de seu marido Domingos
Antonio da Silva Beiriz, levar a leilao as casas
aeima, podenco desde j os Srs. pretendentes exa-
minaren) as ditas C'.bs e para qualquer esclarec
i o mesmo agente dar.
Leilao
Agente Brito
Do estabeleciireato de molhados sito traveasa
do Prata n. 20, antieo neceo do Marisco, constan-
do de urna armacao do looro envernizada e enui-
dragada e de todos os gederos novos e dos melho-
res, em 180 lites ou retalhadamente, vontade
dos Srs. licitantes.
Garante-se a easa
Terca feir 6 de Setembro
A's 10 1|2 horas
Agente Burlamnqui
Leilao
Da predios e terrenos em Apipucos e Nossa
Senhora das Grsjas
re rea feira, O do corrente
A's 11 horas
No armazem rtu do Imperador n. 22
O agente cima autonsado levar a leilao urna
csaa com soto e bous commodei sob n 11, tra-
vessa daa Pernambucanas na freguezia das Grecas,
' e eom esa terreuo contiguo margem do rio. '
Urna parte da casa n. 13, no valor de 1:312/823'
sob avaliaco de 8.-00OJOOO a ladeira' de Apipucos,
a casa n. 32 na povoaco do mesmo lugsr, a casa
de taipa ai m numero margem do acude, 3 di-as
de taipa no mesmo lugar, a parte da casa n. 16 na
povoaco, 1 terreno no Zungui, 1 dito que fas
frente para a ladeira Dondon, 1 dito denominado
Manoel Gomes, 1 dito arrendado aos herdeiros de
Claudio Dubeux, 2 famosas casas de pedra e cal
na levada rendendo cada urna 20200C menaaes.
De bons movis e 1 cofre francez
SENDO:
Urna forte ucblia de Jacaranda com consoloa
de pedra, 1 candelabro de crystal, 4 casticaes de
vidro, 4 ditca de metal, 2 pares de jarros finos,
camas francesas, 3 marquezoes, 1 santuario, 1 ca-
bide de colomna, 1 lavatorio de amareilo, 1 grande
mesa de amareilo, 1 guarda-louca, 2 grandes
aparadorea de armara, 1 qusrtinheiro de parede,
4 bahs de couro, 1 malla de viagem, 1 espregui-
gadeira, 2 apanha moscas, louca, 12 cadeiras de
faia e outroa muitos movis.
Terca felra, u do eorrente
A's 11 horas
No sobrado n. 8 da Praca do Conde d'Eu
O agente Martins, far leilao por ordem de urna
familia que mudou de residencia dos movis e mais
objectos existentes no dito sobrado praca do
Cunde d'Eu.
Leilao
DE MOVIS
A saber :
Urna mobilia de Jacaranda massi'co com 1 sof,
2 mesas, 2 cadeiras de bracos e 10 de guarnico,
1 espreguicadeira e 1 de bataneo, 1 piano de Blon-
del, 1 met redonda, 4 quadros, 2 estantes para
livroa e escarradeiras.
Urna mesa elstica, 2 aparadores, 12 caieiras,
1 relogio, copos, clices, bandejas e loucas.
Dous guarda- vestidos, 1 commoda, 1 toilet,
lavatorio de vcbatico, cadeiras e mais objectos d
casa de familia.
Terca feira, 6 do corrente
A's 11 horas
Na ra Direita n. 31
O agente Pinto, levar a leilao por conta de
urna familia que retira-se para o sul, os movis e
mais objectos existentes n. Io andar do sobrado da
roa Direita n. 31.
Arente Pestaa
Das duas partas da casa terrea sita ra
do Tuity n. 7 pertencente ao inventario
de E. Josepha da Coaceijo Vianna.
Quarta feira 7 do corrente
AO MEIO DIA EM PONTO
No armazem da ra do Vigario Tenorio
n. 12
O agente Pestaa por mandado do Exm. Sr.
Dr. juiz de orphaoa, vender no dia e hora acim
mencionados 33 dnsa partes da casa terrea sita
ra do Tuity n. 7. a qu(.m msior lance off'reeer.
Agente Pestaa
Da"~casa terrea sita ao becco do Quiabo n.
74 na freguezia do3 Afogados pertencen-
te ao aventario de Bernardino Francisco
dos Santos Oliveira.
Quarta feira, 9 do corrente
Ao meio dia em pinto
No armazem ra do Vigario n. 12
O agente Pestaa, autorisado pelo Exm. Sr. Dr.
juiz da provedora, residuos e capellas, vendeja
no dia e hora cima mencionados e com assisten-
cia do mesmo Sr. Dr.juiz:
Urna casa terrea com portn e janella de frente,
2 salas, 2 quartos, cozinha, cacimbt e quintal cer-
cado, a qual ser vendida a quem mais der.
3. leilao
De casas terreas e um terreno
Qnarta feira, 9 do corrente
A's 11 h-ras
Ra do Imperador n. 22
O agente Stepple por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. jui* de orphoa a requerimento do
inventbante dos bens deixados pelo finado Jca-
quim Pernandes da Silva Manta, levar a leilao
as casas segointes : 1 casa terrea ra do Fogo
n. 3 em solo proprio; 1 dita ra de Vidal de
Negreiros n. 73, em solo proprio; 1 meia agua na
travesaa do Peixoto n. 20, cm solo foreiro ; 1 ter-
reno estrada de Joo de Barros.
Os Srs pretendentea desde j pedem examinar
as ditas casas.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 000 no becco dos Cee-
hos junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
(mperatriz n. o.
Alnga se por 10*000 a casa n. 21 na Var-
zea, defronte da estaco, com arinacao ; a tratar
na ra da Imperatriz n. 56.
Compra-se urna casa terrea na ra da As-
sumpclo ou Santa Cecilia ; a tratar na ra do
Mrquez de Olioda n. 3, loja.
Precisa se de urna ama que eaiba engoma .r
para casa de pouca familia e bem assim fazer j-
tro qualquer servico de cosa, na ra das Calcadas,
hoje Dcmicgos Theotonio n. 2.
Precsa-se de urna ama que lave e cosiabe,
e qce durma em casa de stus patroes ; ra da
Matiiz da Boa-Vista n. 3.
= Precisa se t1 urna ama de meia idade p./a
ti do servici de urna casa estrangeirs, assim com?
de um menino de 10 a 12 anuos, para criado ; a
tratar na ra de Joaquiui Nabuco n. 9, Capuoga.
Precisa-se de urna ama para engommsr e
fazer serviecs domsticos ; na ra da Auror* nu-
mero 155.
Alugam-e as casas ra do Pogo numeras
5 e I itar na ra da Aurora n. 85, mar-
ceara.
Precisa-se de perfeitas costureiras ; no aTe-
ier de rr ..:ar.e Fauuy Silva, ra Nova n. 15, Tr-
metro andar.
= Pre-;isa-se de urna cosiatuia ; na roa
Matriz da Boa Vista n. 9.
Para cscriptoro, aluga-se a sal da frente
do 1- andar n. 73, entrada pelo pateo de F
II ; a tratar na loja.
Aluga-se por 25* a casa terrea n 127 da
ra das Cinco Pootas, com 3 quartos e gra
quintal, a da ra do Apollo n. 71 por 12C00 a
tratar na ra de S. Jcrge (Pilar) n. 5i.
Vende-so urna taverna bem afn gaezada,
propria par principiante, com poneos fundos, na
freguezia da Boa-Vista ; a tratar na ra de G
vaaio Pires c. 139.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
kfamsd hi m-.is de nm serolo; excede toat
. per'nrce delicado e exquisito.
Tn 1 DE 'li.i]io
PAR
lldad*.
ESSE5 -'
numrOB ^6
La
1GB1 DE COL MU 1
sopenor joi |
sob o TLf^z'.o Dome.
baakvK ; ..- : .,
J. A 1. ATKiajso*
24, Od Bond 3treat. Londres.
Marcada I'\ Uotabranca"
obro mu Ljra do Ouro."







f


.'



Diario ae feruoiliuiMiDomingo 4 de Sctembro de 1887




!^2
Attenco
Offawce-seomrypographo especialietaem obras
avnlsas, compoaicoes corridas, paginacoese m-
preasfaf, etc.; etc. r i tratar no ra do Vigario
Tenorio n. 12.
Lavadira de brrela
precisa-se de ama lavadeira do brrela, que
d6 conbeciment, para lavar para casa de fami-
lia ; na ra Augusta n. 274.
Poltica
Leia-se os impressos que se est dlstribaindo na
Pharmacia Americana.__________________________
Caixeiro
Precisa-se de um menino, na ra da Palma
n. 37.
Caixeiro
Peecisa-se de um menino para caixeiro, com
pratica de molhados ; a tratar no becco do Poci-
ubo a. 24.
Modista Franceza
Mine. Fanny Silva de volta de fus via-
gem a Europa, seientifica as Exraas. fa-
milias e as suas freguezas, que reabri o
seu atelier de modas e costuras a ra do
Baro da Victoria n. 15, 1. andar. Par-
tipa tambem que trouxe de Paris completo
sortimento de artigos de modas, e novida-
des, etamines, moscovitas, corsades plas-
trars, guarniyoes de vidrilho e seda, etc.
Espera que as suas antigs freguezas con-
tinuem a dispensar-lhe sua generosa pro-
teec2o e pede as mesmas visitar seu ate-
lier, onle encontrarao tambem um lindo
sortimento de chapeos. (Alta novidade de
Paris.)
15-RA BARAO DA VICTORIA15
1. andar
XAROPE
VINHOdeJURUBEBA
BARTHOLOMEO ft C
Pharnt. Pernambnco
nicos preparados do JT.'RCBEBA re-
eommendarios pelos Mediros contra as
Ztoencaa do Iilomo, rl C Intestino*, Perda do A.ppetlte,i te.
15 Annos de bom xito I
EXIGIR A ASSIONATDR/-
Aluga-se barato
Rna Viscondc de Itaparica n. 43, armazem.
Ra Coronel Suassuna n. 141, quarto.
Ra do Tambi n. 5.
Largo do mercado com agua n. 17.
Ra do Calabouco n. 4, luja.
frata-se na ra do Cornmercio n. 5, 1* andar
esiriptorio de Silva Guimares & C.
Pomada Anti-Oplitalmica
daViuvA FARNIER
CMa pomada. cottiMeU i
adquirir trra eonwwio o pnmeiro logr na Therip-'ii-
. tica oeall B relatono da E*col
' ..rizada a venda p-)r um Uecrelo
Mpecial 1807.
! t'm Si rieoeu hTorarau Um confina
. ffflca.-ia l'Iiril! P( lll'll
\ das Crpin. as. o,hf-imi favt'*'-' '' Osea
bom xito in ilrcl as Opali~lu. 'l'-.
Dere-se exigir gt3!f~77/> P
Assignatura ^^b^-^^t^^rf^^^S
em frente <." ??^* | ^^ Q
I Deposito gera! em THIVIERS nyrdogne), Franca,
em casa de THEOIlER.
En Hmmum Fran BU. da Silva & O" a
l*l rRlSCIPA*" I'HAIIMA IAS
MOMeMOMOMOMOMOMOMOMO*
Alu
ga-se
a casa terrea da ra Lomas Valentinas n. 40'
fregueza de Santo Antonio, com bons commodos.
quintal e cacimba s, a est lirrpa ; a tratar na
ra velha de Santa Rita n. 14, sobrade, das 8 ho-
ras da manh a 1 da tarde.
Aluga-se
o sobrado de um andar e soto, com 7 qaartos e
quintal, com agua, gas, caiado e pintado, ra
dos Guararapes n. 90 : o 2 andar e soto do so-
brado ra de Domingos Jos Martina n 54,
caiado e pintado ; a tratar na ra de Domingos
Jos Martina n. 50.
Aluga-se
urna casa multo fresca em Olinda, na entrada da
ra do Carmo, fica muito perto dos banhos e da
estseto, tem 4 quartos, 2 salas, cosinha lora,
3uintal cercado e gaz encanado : a tratar na ra
o Imperador n. 31, armazem do gas ; aa chaves
acham-se na taverna jauto a estaco do Carmo,
para quem a quizer ver.
Alogoel barato
16$000
Aluga-se a casa terrea n. 8 travesea do Frei-
tas, em S. Jos, com 2 salas, 3 quartos, corredor
separado, csinha, quintal murado, cacimba, e est
limpa : a de n. 6 junto, 14*00? ; a de n. 4, com 2
salas, 2 qaartos, cosinba, um soto, cacimba, quin-
tal murado, l*O0O, est limpa ; a chave no mes-
mo correr n. 26 para ver, e trata-se na ra da
Guia n. 62.
Quem quizer alagar a casa n. 8 ra da Unio
com murtas accoinmodacoeB, poder entender-se
com os Srs. Negreros ra do Imperador n. 24.
Sementes de carrapato
Compram se pequeas quantidades ; na droga-
ra de Francisco M. da Silva & C, ra do Mr-
quez de Olinda n. 23.__________^^
ft
a?
2.a s
gi o o a < qooi
*=:S STSLB E_ 5B
S.w? 5 S-l^- I-e--
5 i o S* "
'S5.og!
c B B<">o c-
o g "b o.
lB"
s 4 I' s''
b e-

o 5
2 o
o _
AMA
Precisa-se de urna ama para comprar e
cozinhar em casa de familia : na ra u-
qne de Casias n. 14 se dir.
Ana de leite
Precisa-se de ama ama que tenha bom e abun-
dante leite : a tratar na ra do Marque' de Olinda
n. 12, 3- andar.
Para a Testa de tesa Senhora da
tafea
II C S II II) o
Muito bonitas luvas de sea bordadas a retroz e
missangas douradas, a' ndo de corea e preUs, con-
tas pretiis e de cores para eufeites de vestidos,
bonitas litas de todas as cores e larguras ; e anda
mais um esplendido sortimento de giiarnicoes pre-
tal para vestidos, lindos lequ.'s diapban s de ele-
gantes cores ; e muitos oiitros srtigos que ulti-
ma bora semf re sao lembrados para um elegante
toilete. 3*ropre h bm i 1ro Antuues & C, ra
Duque ci Caxiaa n. fi i, N vi Esperanc.
Criado
Precisa-se de um qu< cntenda de sitio e mais
servicos do mesmo. trhtar na ra d'Apollo o. 51.
Caixeiro
.a ra Imperial n 164 tem um moco chegado
ha pouco da Europa, Com pratica de taverna :
quem precisar, dinj&-se a meamo pira tratar.
Taverna
Vendc-se urna taveana proprin para principian-
te por ter poucos fundos, na ra dn Capitao An-
tonio Lima n. 68 ; a tratar na mesos.

Alaga-se'o segundo andar roa da Roda n. 17,
com excellentes commodos ; a tratar no largo do
Mercado n. 12.
Para banhos salgados
e ares salitrosos
Aluga-se em Olinda, ra de S. Francisco,
! urna casa eom 4 quartos, cosinba (ora e gaz enca-
nado, murta f.esca e tem bonita vista para o
mar, fica perto dos banhos e do trem : a tratar
na ra do Imperador n. 31, armazem do gaz. As
chaves acham-se na taverna junto a estaco do
Carmo para quem quizer ver.
Aviso ao commercio
A firma de tdamon Rowie A C. entra
hoje em liquiduco.
A cempanhn de Seguros >'orlh Brilla!) &
Herranille contina a funecionar sob o car-
go do Sr. Janes B. WraettiarM (o antigo
guarda livroa) em ea do Sr. Jobo H. Bowcll.
O mesmo Sr. -Imun-n E. Sraolliiirsl fica
encarregado da cobranza das contas e letras an-
da de vidas a firma de Adamscn Howie 4c. C.
As seguintes agencias e eonsignacoes ficam
transferidas para oslrs. lamnelPower
Johnalon 4 C.
Os remedios e medicamentos de Ayer.
Vinbos do Porto em garrafas e quintos.
Whik y irlands de Duwille.
Aguas mneraec.
Tinta de impreewio.
leos vegetaea para mael.inlsmo.
Agencia de linhas de W. Waller & C, Msnches-
ter.
Agencia de drogas de Burgcyne Burbidger.
Cyriax e Farries.
Para o Sr. Lua Antonio de Siqueira ;
Os brins broncos de linbo do fabricante Marso
hall.
Reeife. 31 de Agosto de 1887.
/'tillasX
JURBEBA\
BAHTKOL0ME0 & Ca
ftiarm Pernambuco. l
. Cur&o a Anemia, inore brancas, /'
a Falta de Menatroaco, /'
V; PeMssdatle f fobreaa de saarneA'
*V XBacigix a assignatura/'
9^9Q
Sfl
2- D
iMAMADEIRA-BOMBAS
IIOINiCHOVAUT
A nnrfoii cojo TJvuJa, em que nunca
o leite torna a descer
SBUM IE Cl'CTW CIM FAUFUSI TOMEUO
Uedalha:-
de Ouro
e
de Pra'.
OainlFc I ajrrep.-i le Medicina de Paris e 1
mediro dn Noipil.il da erranras enlerma, noten
I livre f/|/yiVxti *m Infancia :
a Urna aKtun&deara bem acondicionnada 1
a deve ter ama -al vola onde o leite nunca 1
I torne a det.ci i tete o principio da I
MAMAOCmA DOMCHOVAUT. t
ttrntlK MtlM taastafaM Pbanasciai e Drajiriai
Padaria
Antonio Dnarte de Fjgueiredo participa ao pu
blico qie nes'a data comproa ao Sr. Ismael de Oli
veira Gcimaraoe a sua padaria sita ra Estreita
do Rosario n. 5 o 7. livre e desembarazada de
todo ou^cscpier ouoe.
Recii"--. 27 de Agosto de 1887.
Antonio Duarle de Figueredo.
Inn
Na re i i' Bnr-lo Jn Victoria o. 2, primeiro an-
dar, preparara ae uapellas mnrtuarias de flores
naturae? Tr'ifloiaeo de diversos gostos e precos,
e mais artigOa deito pj.>fissa> como sejam : bea
quet? pan casamnotoe e offertas, com disticos
bordad':- j oaro e prsto.
Ihencia
Precisa-"^ de bc:H ?oatureiras para vestidos :
na rus ir. *.urcro n, B9 1 andar.
Hotel Db^ Nadies em (Sf"
ibais
'F.'"'' Mol. dispjndo de um pessoal
habilitr.! ? em roic reapeJto arte culina-
lia, convidaos aoe jem nunterosos amigos e fie-
gueies "i r.ma visita oc '.>ea esabelecimeato, Sin-
ceridade e modioid.\ n absoluta em preco nosse prograuuaa.
redara mediante previo justo
A alir Imperador.
0
.'flr.d'
O
\>
\'
/('/
V X"

/
fp
mr

Ama
Precisa-se de urna ama paia engommar e tazer
servicos de casa ; na typographia do Diario, no
3- andar, n. 24, ra Duque de Cazias.
Ama
Precisa-se de urna aaa para o servico de casa
de familia e que tenha boa conducta ; a tratar na
roa do BarSo da Victoria n. 46. toja.
Precisa-so de urna para cosinhar, no Pateo do
Paraizo n. 16, venda.
Ama
Precisa-se de urna que saiba cosinhar bem, para
casa de heraem solteiro, tratar na rna d'Apollo
n. 51.
f
Antonio
de
Jone Rodrigue*
Soma
Mara Joanna Fiuza de Soaza, seus filhos e
genro convidara a todos os seus parentes e amigos
do sen mui presado esposo, pai e sogro, Antonio
Jos Rodrigues de Souza, para assistirem as mis-
sas que mandam celebrar por sua alma no dia 6
do corrente, s 8 horas da manbS, na ordem ter-
ceira de N. S. do Carmo, 1 anniversario do seu
paagamento.
A. P. B.
Bernardo loa Crrela
A directora da Associaco Portugueza de Be-
neficencia convida a todos os socios, familia, pa-
rentes e amigos do finado consocio, Bernardo Jos
Corris, para assistirem a urna missa, que por
alma do mesmo manda resar no dia 7 do corrente,
pelas 8 horas da manb, na igreja do Divino Es-
pirito Santo, antecipando seu reconhecimento
todos que comparecerem.
Secretaria da directora, 3 de Setembro de 1887.
O i" secretario,
Ernesto da Silva Araujo (iuimares.
D. Mara Fellppa Hontelro da
Franca
Manoel Jos Monteiro da Franca, JoSo Bento
Monteiro da Franca, Francisco Xavier Monteiro
da Franca e seos filbos, Candida Lima Monteiro
da Franca, Candida Soares Monteiro da Franca,
Jeronyma Monteiro da Franca, sentidos da mais
cruel dor pelo passamento de sua chorada mi e
sosra, D. Mara Felippa Monteiro da Franca, con-
vidara a todas a pessoas que se dignaran) aeom-
panhar os restos mortaes sua ultima morada,
para assistirem as missas de stimo dia, na ma-
triz do Corpo Santo, s 8 horas da manh;I, na
terca-feira 6 do corrente, que Acaremos eterna-
mente gratos.
ConeIbelro Cuaiiodlo Hanoel
da Silva GnlmaraeN
Manoel Joaqaim Silveira e sua mulher, filhos e
genres, convidam seas parentes c amigos a assis-
tirem a missa de stimo dia qae pela alma de seu
sogro, pai e av, oconselbeiro Custodio Manoel da
Silva Guimares, fallecidi na corte, mandam ce-
lebrar na matriz da Boa-Vista, pelas 8 horas da
manb de segunda feira 5 do corrente, protestan-
do-lhes o maior reconhecimento. ______
t
Mara Felippa Monteiro da franco
Joo Bento Monteiro da FrsDca e seus rmos,
padrasto, netos e genros, agradecen) de intimo da
alma s pessoas e sociedades, que comparecern)
ao enterro de sua presada mi, mulher, av e ora,
e de novo ss convidam e aoa parentes e amigos a
sss'stirem as missas que no stimo dia de sen pas-
samento mandam celebrar na matriz do Corpo-
Santo, s 8 horas da manh de terca-feira, 6 do
corrente, e desde j se confessam gratos por esse
seto de religio raridade.

Victorino melda Rabello
Jos de Almeida Rab-llo, Augusta de Almeida
Rabello e Julia de Almeida Rbello, tendo rece-
bido a dolor(sa noticia de haver fallecido em Por-
tugal o seu prezadissimo irmio e tio, Victorino de
Almeida Rabello, convidam a todos os amigos e
parentes para assistirem a urna missa qae pelo
eterno rf-pouso de sua alma mandam celebrar na
egunda feira 5 do corrente. As 8 horas da mi-
li h, na Ordem Terceira de S Francisco.
Desae j agradecen) a todos que comparecerem
a este rti.
loao Marilnn do Blo
Y) Ignes Martina do Rio, Joo Martina do Rio
Jnior, Mara Amelia Martins do Rio, Amelia
Mara Martins do Rio e Julia Augusta Martins do
Rio, agradecen) a todos rs seus pirentes e ami-
gos, que se dignaram acomp-inhHr ultima mora-
da os restos mortaes do seu sempre lembrsdo e
chorado espos. e pai, Joo Martina lo Rio ; e de
novo os convidam para assistirem aa missas que
mandam celebrar pelo eterno repouso de sua alma,
segunaa-feira 5 do corrente, na m trii da Boa-
Vista, pelas 7 1|2 oras da manh, stimo do seu
fallecimento.

0 Remedio do Dr. Ayer
CONTRA KB
E' i : paramente
is eB'i'i-
\ka.\ iii"i i omo n ') para
sus ortgem a um veneno miasmtico
i no sangne pelos palmees, altera
por Terciarias e
g.tatrenariae, Internas, de Fri,
alienas, IntermittenteB, Remit-
ientes, Biliosas, e Typhoido.
0 Rxmemo ) Dr. Ara: neutral
i qntnlna nem tagrediente al-
iriiiii mineral; <: seguro e Inoflens
nanea (alha se se usa segando as dlreccoes.
PBBPABAPO rer.o
DR. J. C. AYER e CA.,
Lowell, Mass., K. U. A.
A' renda as princtpaes pharmacias e
droga:
Fumo carioca
r Preparado pela acreditada fabrica do Rio, de-
nominada Fonte Limpa ; vende se em pacetinhos
em todos os estabelecimeatos de retalho.. nico
deposito, na fabrica Veneza, arco da Conceicao
nmeros 4 e 6.
Cromos era relevo
e cartees para fellcitacoes e pre-
sentes
Novo e esplendido sortimento
Na lvraria PARISIENSE
J-:l -Ba Primeiro de arce= A
. GASA DA FORTUNA
Aos 12:000^000
Bllhetes garantidos
23-RA PRIMEIRO DE MARgO-23
Da 9a lotera da provincia venderam
Martins Fiuza & C. os seguintes premios
garantidos ;
3725 1:000*000
2566 500*000
3101 200*000
2932 50*000
Acham-se venda os afortunados bi-
l.etes garantidos da 10a lotera da provin-
cia em beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Reeife, que se extrahir quan-
do fr annuciada.
Fabrico de assucar
Apparelhob econmicos para o cozimen-
te e cura. Proprio para engenhos peque-
nos, sendo modict em preco e ef-
fectlvo em operaco.
Pode-se ajuntar aos engenhos existentes
do systema velho, melhorando muito a
qualidade do assucar e augmentando a
quantidade.
OPERA^AO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos centraos,
machin8mo aperfeicoado, systema moder-
no. Plantas completas ou machinismo
separado.
EspecificacSes e informales com
Browns C.
5RA DO COMMERCIO5
Mademoiselle Cotinha
Roa do Imperador n. 55, segundo andar.
Modista
Criado
Precisa-se de um criado ; no largo da Penba n
33, hotel.
Aviso
Emilio Rillion, Engenbeiro Mecnico, engarre-
ga-se de montar novos apparelhos, dos melhores
fabricantes franceses, e os mais apperfeicoados,
pelas eondi^oi a e precos seguintes :
O assucar ser fabricado pelo eystcma Bro-
cheton e Bllion igual ao da Usina Pinto.
- Garante-seno mnimo 9 >/ de assucar cris-
tallisado de todos os jactos, e 10 "/. ctm moenda
de represso, augmentando os precos abaixo de-
clarados.
O trabalho dos apparelhos ser por 24 ho-
ras, se aproveitarao os edificios existentes, com
pequeas reformas; os propietarios darao todo
material, como : tijulos, cemento, cal, area, ma-
deira, etc. ficando por conta do empreitorio todo
mais trabalbo.
Preco das llna

as
w
"3 3
si
Q a
H 9
100 tonnel.
125
150
2t.O
9.000 k
11.260 .
13.500
18000.
S 9
110
140
168
225
< a
"1
s
110:000*000
130:0OH00O
160:000000
ilbO.OOOiOOO
SEMOLUi
De Brons 4 C, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo processo
de trigo da melhor qualidade, possue os elemen-
tos necessarios para nutricao d : crianzas e doen-
tes, e muito ae recommeodarpor ser de fcil di-
gestao e gosto muito agradavel ; tambem pode-Be
fazer urna excellcnte papa, misturado em partes
iguaes com a maicena dos meamos fabricantes,
addicionando-se-lhe algum leite. nicos agentes
nesta praca, Saunders Brothers ic C, la/go do
Corpo Santo n. 11, primeiro andar.
19
VENDAS"
Chegcu a primeira remessa do precioso farello
de caroco de algodao, o mais barato de todos os
alimentes para animaes de raca cavallar. vac:um
suino, etc. O caroco de algodao depois de ex-
trahida a casca e todo o oleo, o mais rico ali-
mento que se pode dar aos anim-.es para os forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Unidos da Amrica do Norte e na
Inglaterra elle empregado (com o mais feliz re-
sultado) de preferencia ao milho e outros farellos
que sao muito mais caro e nSo sao de tanta sus-
tancia.
A tratar no Recite rom Fraealturha
Fabrica de chapeos
Antonio Jos Maia & C*
DEPOSITO
ra do Bardo da Victoria ns.
Os proprietai ios deste estabelecimento scienti-
cain aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel
publico, que contiouam a ter grande sortimento
de chapeos de todas as qualidades e formatos,
manufacturados com toda a perfeico e por precos
mais vantajosos que em outra qaalquer parte.
E' barato
Aluga-se na Boa iagem urna casa com i as-
tantes commodos, perto da estacao da va-forrea e
dos bonds ; a tratar na ra larga do Rosario nu-
mero n. 34.
Antonio Dnarte
receben directamente do Porto vinho verde, dito
do Douro, salpicoes de fumeiro, ditos em calda, e
vende por preco mdico em seu estabelecimento,
ra da Unio n. 54, confronte a estaco.
Fabrica de
PRODUCTOS EN0L0G1C0S
de ULYSSE ROY, em Poitiers (Franga)
EmllePROUST. Sucr- & Genro
l. Perfume enantico dos Vinhos ou sobra) nnnt
deMedoc...............oslOOffascos 200i
S. Rancio r o Essencia de Cognac, os 100 frascos 500 fe
3. Perfumea para todos es Licores os 100 frascos 300 fr.
4. EaeenciadeRhumoudeTafia,osIOOfrasooa 600fx.
tiF.posiTAiuofi em PcrnamhttfQ -
FS.AJZ" M. DA SILVA. &
IGUAASSI}9
Francisco Xavier l'aes
Brrelo
Advogado
Encarrcga-se de cobrancas, mediante
ajuste muito razoavel.
Vendc-se o sobrado de deus andares c sotie,
em boto estado, em chito proprio, ra de Aguas
Verdes n. 22 ; a tratar com o leiloeiro Martins.
4 Revoluto
48--BU IB DHIII'. II GBXln-48
Recebe as seguintes tazendas de novida-
de :
Cachemira de listrinha a 600 is o ca-
vado,
dem broche borda a 1500 o dito,
dem preUs 700,800, 10000, 10200,
10400, 1600 e 2$000 o dito.
dem de todas as cores a SOO, 15000 e
10200 o dito.
Ricas guarnijSes de veludilho a 60000
urna.
Setins lisos a 800, 10000 e 10200 o co-
vado.
Seda escosseza a 640 rs. o covado.
LindoB metins com listrinhas a 400 ria
o dito.
Faile com palminhas a 400 rs. o dito.
Setinetas escossezas a 320 rs. o dito.
Ditas com listrinhas e palminhas a 320
O dito.
Lionay-se com palminhas de retroz a
140000 pe$a.
Organdir bordado a seda a 150000 a
dita
Etamine tecido transparente a 100000
a dita.
Cambraia bordada a 50000 50500 e 60
a dita.
Fust5es branco a 360, 400, 440. 500,
600 e 640 rs. o covado.
Lindas alpacas de cores a 320 o covado
Sintos de chagrem a 10500 um.
Camisas inglezas a 360005 a duzia
Colarinhos e punhos para senhora.
Sabidas de baile 30500 urna.
Fechas de la a 20, 20500 30 e a 80000
um.
GuarnijSes de crochet a 80 e 100008
urna-
Lencos de esguio a 203CO e 30500 a
duzia.
Grande sortimento de madapolSode 40
a 100000 a pe5a
Leques de papel 500 rs. um.
Cortes de cachemira para vestido a 200
um.
Toilet para baptisado a 90000 e 140009
um.
Veludilhos lisos, lavrados e bordados a
retroz a 10000 e 108CO o covado.
Anquinhas a 10800 urna
Colchas bordadas a 50, 60000 e 70000
urna.
Coberas cora dous pannos a 20800 urna.
Grande sortimento de case miras, brins
^rancoss e de cores, punhos, colarinhos,
gravatas, meiaa e lengos e artigos para
| homem e senhora.
S na loja da Revoliico
Henriqae da Silva More-ira
Terreno
Vende-se um terreno confronte a estaco do
Principe, estrada de Joao de Batros, com 90 pal-
' mos de frente e bastantes fundos, e cam alicercee
para 3 casas; tratar na rna d'Apollo n. 30, pri-
airo andar.
Pura qualquer explieacao, dirigir-se na praca
' Aripib a Usina Bosque.
Attenco
Na engenhoca Bemfica, rna Real da Torre
procisa-se de um bem carroceiro.
Na mesma engenhoca se uegeciam, per troca,
boas vaccas turinas, por vaccas da trra, sendo
boas leiteiraa.
Ao commercio
O abaixo assignado scientifica ao corpo com-
mercial d?sta praca, que nesta data oomprou
Sra D. Mara Umbelina da Conceicao o estabe-
lecimento de molhados sito estrada do Maduro
n 6-A, livre e desembarazado de todo e qualquer
onus. Se alguem sejulgar com direito a protes-
tar, queira fazel-o no praso de tres diaa, a contar
desta data : podendo entender-se com Franco
Ferreira & C, no pateo do Paraizo n. 16, esqnina
da ra de S. Francisco. Reeife, 31 de Agosto de
J887.
Bento Jos Ferreira.
S MES DE FAMILIA
Para remediar fraqueza das criancas, des-
ilver suas forras, seu crescimento e pressr-
v&l-os das molestias comrnuns idade tenra,
os principaes Mdicos e Membros da Academia
de Medicina receitao, com grande xito, o verda-
deiro Racahout dm rabes de Delangrenier,
ae Pariz. Este alimento muito agradavel com-
posto de substancias vegetaes nutritivas e
fortificantes, se espalha e cm vista de suas propriedades analpticas,
melhora a composirao do leite das senhoraa
3ue crio, e restaura as forcas enfraquecidaa
o estomago.
Depoiitoi em todas a> CWades do Bramil e do Pftujetl.
Cavallo roubado
Appareceu no dia 26 de Agosto, no engenho
Riacho do 2 districto do termo da Escada, um
cavallo ruQo pedrea : qaej se julgar c m direito
ao dito cavallo, poder apresentar-se ai delegado
no engenho Refrigerante, que ser entregue
Feltp
Precisa-se de um feitor que entenda de jardim
e plantaco^a de capim, preferindo-ae estrangeiro :
a tratar ns ra de Pedro Affonso n. 58, antga
ra da Praia.
Aprovcitem
Cortes de casimira indiana ; na ra Ouque de
Caxias a 80, L'ina Coutinbo fc C.
tt Cala lerrtjliioso e de cascas de Lamias amaruas.
TNICO RECONSTITUINTF
Hemedio soberano
CONTRA A
CHLOPnsE, ANEMIA. CARIE DOS OSSOS.
*PF.w DIARRHEAS CHRONICAS, R4CHITSMO,
ESCRFULAS, DEBILUJADE,
CONVALESCENQAS DE FEEREi TYPHOIDIAS
C DE MOLESTIAS GRA'/ES, ETO.
Venda tmgrosso: >T. B. Jtosredot
namacettico ea BRITQ (Corrszi), FBAICi.
Depsitos em Pernambnco :
35'R.A.35T- Ta. da SILVA & C
-. ?* Wu ts bii Pliraifiu it Br^ii'
Barato
Vende-se urna casa de taipa, coberta de telha.
na ra da Palha, freguezia do Poco da Panella.
esta edificada em terreno proprio, o qual tem 4?
palmos de frente e 150 de fundo, e cem cacimba:
quem pretender drija-se ra das Fbres n. 18.
mm,
~w Medalha de Ouro na Exposico universal 1878 w"
e
-
JT. FAU
BRDEOS -FRANCA)
H Depsitos em toda* aa tenda de Comestibles. C*
tfftttfttfffefteeef-
Na ra da Uui) n. 13, precisa-se de urna co-
sinheira.____________________
Tcitora 1 de Cambar
O)
PRECOS
as agencias : frasco 2500, 12 duzia 13 e
duzia S4000.
as sub agencias : frasco 2800, 1(2 duzia
15*000 e duzia 28*000.
Agentes e depositarios geraes em toda a pro-
vincia Francisco M. da Silva & C, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Attenditc
Bouquets de diversos modelos para casamento,
etc., e tambem capellas mortnarias de perpetuas,
fabricados por Jos Samuel Botelho ; proclamas
para casamento ; a tratar na ra Nova, loja n. 20,
e na roa da Cadeia do Reeife, leja n. 43.
IS-lu do Baro da Victoria16
Dami3o L das Exmas. familias para seus precos :
Pecas de bicos de cores a 3*500.
Ditas de ditos brancos a 2*500.
Ditas de ditos a 1*500. 1*800 e 2*C00.
Botoes de madreperola finos a 320, 400, 600 e
800 ria.
Bolsas para meninos, de 1*500 a 5*000.
1,5 para bordar a 2*800.
Dita mesclada a 3*800.
Meias para senhora a 320, 4C0, 600 e 800 ris.
Baleiasa320ris.
Arquinhos al20, 160 e 200 ris.
Lencos de tia a 1*000.
Fitas modernas a 5 0, 600 e 1*000.
Passarinhos de sda a 500 res.
Apparelhos para enanca a 1*200 e 1*500.
Ditos de metal a 1*500 e 2*000.
Finos cbapeusinhos a 5*.
Sapatinhos de setim a 3* e 4*000.
Modern .s rspartilhos a 6*000
Bonitos collarinbos a 500 ris.
Punhos todos os nmeros a 900 e 1*000.
Touquinhas a 2*000.
Laques transparentes a 2*500
Ditoa de teda a 5*000.
Ditos desetinta 1*500.
Ditos de papel a. 4U), 500, 600 o 800 ris.
Caixas com 3 sab n ti 3 a 500 ris.
Urna barra de sabao a 700, 900 e 1*200.
Lu\ as de teda a 2*500.
Benitos jarros a 5*, 10* e 15*000.
Invisiveis grandes a 320 ri*.
L ahas 200 jardas a 80 ris.
6-te doRaroda Ticlorii-lt
NMMKU
P CLERY

-
vende-se en toda a parte


nmmVLflhi

S
Diario de PernambucoDomingo 4 de Setembro de IS87
)

*
SS'ly'MH*uiai ; -"'**:****=**" >***************
**

*
o
vfcfcOPEraFOI.^,.
A** SiropaeCMcralFollet ^ '
E o ce.: cor excelencia que supprime a dor e procura
o somno tranquillo e natural nos casos de
NEYRALG1AS GOTTA KHEUMA
TSICA FEBRES ^
Fabrica casa FRERE, 19, ra Jacob, PARIZ

CAJURUBEBA
rWEMBO VIMOSO EPIRATIVO
APPB0YAD0 HM JONTA DE HYGIEHE PUBLICA DA GOEE
Aulorisado por docreto imperial de 20 de Junho de 1885
Composicft de Firmino Candido de Figueiredo
EMPKEGADO COM A MAIOB EFFICACIA NO KHEOMATISMO
DE QUALQUES TATDBEZA, EM TODAS AS MOLESTIAS DA PELLE, AS
LEUCORKHKAS OD FLORES BRANCAS, NA ASTHMA
3B0NCHITES (molestias das vias respiratorias), nos soffrimentos
OCCASIONADOS PELA 1MPCREZA DO SANGUE F. FINALMENTE
XAS DIFFERENTES FORMaS DA SYPHILIS
PropagadorA. P da Cunlia
As importantes curas, que este importante medicamento tem produzido, attes-
tadas por pessoas de elevada posicao social, fazcui eom que de toda parte seja elle
procurado, como o melhor o mais enrgico depurativo do sangue.
Depurar o sangue, como condicao de una circulacSo benfica e efficaz, eis em
que consiste principalmente o meio mais seguro de conservar a sade e de curar as
molestias que a impureza do Eangue occasiona.
O Cajrubba, pela sua aceita tnica e enrgicamente depurativa, o medica-
mento que actualmente pode conseguir esse resultado sera prejudicar nem alterar as
funceos do estomago e dos intestinos, porque nao contm substancias nocivas, apesar
do vigor depurativo dos productos que constituem a base principal d'esto medicamento.
As muitas curas que tem feito, estao comprovadas pelo testemunho dos dis-
tinctos e conhecidos cavalleiros que firm'ain os attestados, que este jornal tem publica
do em sua seccao ineditorial
Deposilo central, Fabrica Apollo, ra Hospicio 79
3p^3aaNrjk.avxBXJGa
A' venda em mulla* ptarmacirn do Brazil e do eairangetro
** Non PERFUMARA Extm-na m
COPYtOfSSBojAPACl
, m eWTH PSlS .t JAP0 \fi MU... a CORYLOPSIS M JAPll
. m CORYLOPSIS iiJUlO j uuimbv.. m C0RYL0PSIS di JiP
UMiaSRYLOPSISfl JArlO | K........aCIRTLOPSISd JAPll
L9TM.......CBYLOFSiSm JAPO piiau......CIRYLIPSiSiJAPlB
FUNDICO DE FERRO
CARDUZO ft IRMAO
Ra do Bara do Triumpho ns. 100 a 104
Deposito a roa do Apollo ns. 2 e 2 8
Tem sempre em deposito todos os macbiaismos e ferragens precisas agricul-
tura desti provincia, como sejam : vapores locomoveis, semi fixos, com caldeir.i
chornis ou para fogo de assentamento, moendas de todos os tamanhos, tachas batidas
e fundidas, etc.
Mandam vir por encommenda qualquer macbinismo, encarregam-se de sental-o.i
se re spnsabilisam pelo bom trabalho do mesrao.
Vendem a prazo ou a dinheiro com descont e a pregos resumidos.
grageas de Ferro Rabuteau
Latinado do Instituto de Franca. Premio de Therapeutiot
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Fero Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorose,Anemia,Plidas Cores, Cofrimentos,Debilidade,Esgotamento, Convalescencia,
Fraqueza das criancas, Depauperamento e Alteragao do sangue em consequencia de
fatigas vigillias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 C grageas dor da.
Nem Constipando nem Diarrhea, Assimilacao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulr as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as criansas.
Uii Urna explicado detalhada acompanha ca.da frasco.
Exigir o Verdadeiro Perra Rabuteau de CLIN & C!a, da PARS, que H
encontra em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos.
Casa PINET, fundada em 1852, PARS
EXPLOTADO 6ERA CATCHG
POR HOYOS PKOCESSOS APEKFEICOAOOt
ESPECItUDADEriKTRaMEHTS3HMEDICINAeCIRUR6IAMlORRItCliitlc*NSORRUN
Vrlmosa, Seringas. Boraohas-Peras para InfeocSaa a Qystares. In| octsrjs,
FnlTerisadores. Pescarlos, Fundas. Ventosas, Tubos. Bicos de Maniadsrras,
Almoadat Bollas para In]ec?8es para qualquer oro, ato., ato.
* mEOSrSS O C4T4LOOO fSAJTOO
E. IARCASSIN C Cenan et Sacceaenr, 34, rea Turbigo, 34, PARS
EsUbeleclmento fabril vapor: AUX LILAS, perto de Parig.
H. i. A imite toga, atmpre cnsoente dos nosioe producto tendo dado
a faltiilcacoei, cont exigir Harca T- M. A C".
logar
Na roa 1/ de Marfo n. 20 (Junto ao Louvre)
APROVEITEM!
Alta novidade em cambraias de cores com salpicos a 50000 a peca.
Ditas brancas a 5)5500 a pega. ^
Merinos de cores com duas larguras a 750 rs. o covado.
Cachemira de listras, ultima novidade, a 400 rs. o covado.
Gorgorinas com palmas de cores a 440 rs. o covado.
Metas de cores, liadissimos desenbos, a 220 e 300 o covado.
Renda branca da India a 240 rs. o covado, aproveitem 1
FustSo branco a 400 e 700 rs. o covado.
Zephires de cores a 240 rs. o covado; pecLincba !
EsguiSes pardo de nho a 3G0 rs. o covado.
Percales de cores a 240 rs. o covado.
Grande sortimento de cretones a 280, 320 e 360 rs. o cavado.
Completo sortimento de las para vestido.
Creps d cores, do prefo de 800 rs. por 360 o covado, pechiucha I
Bramante de linho, com 10 palmos, a #300 o metro.
Dito de algodo, com 4 larguras, a 800 e 1J000 o metro.
Panno da Costa de listras a 1(5000 o covado.
Dito de tito de quadros a 1(5200 o covado.
Atoalhado branco, muito largo, a 1(5300 o metro.
Guardanapos do linho para cha a 25800 a duzia.
Ditos de dito para juntar a 5#000 e 6i5t)00 a duzia.
MadapolSes a 40000, 40500, 50000, 50500, 60000 e 70000 a paja.
AlgodSes de 30OO, 40000, 40500 e 50000 a peca.
Espartilhos finissimos e muito comandos, a 50000 o 70000, um.
Leques transparentes a 20500, um.
Fichs de linho rendados a 20000 e 20500, um.
Bordados tapados e transparentes a 500 rs. a 20000 a peca.
Cortinados bordados a 70500 e 80000 o par.
Lences de bramante de linho, muito encorpado, a 30000, um.
Cobertas de gangas com dous pannos a 20800, urna.
Ditas de chita com dous pannos a 30000, urna.
Chambres para hornera a 50OOO_, 6000 e 70000, um.
Toalhas felpudas pira bauhos 10500, urna.
Ditas ditas para rosto a 50000 a duzia.
ARriGOS PARA HOMENS
Palitots de seda-palha a 80500 um.
Lindissimos cortes de casemiras para costumes a 190000.
Ditos de casemiras com mselas de Beda, para caiga, a 6#, 9# e 100000.
Grande sortimento de cheviots, casemiras, pannos pretos e de cores para costu-
mes, por precos sem competencia.
E muitos outros artigos como sejam : camisas de linho, de flanella, collarinhcs,
punios, gravatas, meias, ceroulas de linho e de algodao por pregos razoaveis.
Para banhos de mar
Costumes para senioras a 100000, um.
Ditos para honens a 80000, um.
Ditos para meninos 50000. um.
Sapatos e boleas para o mesmo fi'ii.
AMAHAL & C.
1NJEGTI0N CADET
Dora certa em 3 das sem outro medicamento
y, BoHiixmi*
9-JPAMMM
FNDICAO GERAL
ALUN PATEUSOIS & C
N.44--Rua do Brum-N. 44
"BOTO A ES fAfAO DOS BONDS
Tem para vender, por pra o mdicos, as segu tM ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Criva^os de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra cireular
Gradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modeles
Portasd fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertes, e assentamento de macbinismo e execatam onaJ
trabado com perfeicSo e presteza.
Licenciados pela Inspectora e Hygiene do Imperio do Brazil.
Curm rapidm e certa pelo
iARSENIATO de ORO DYNAMISADO
f do SOUtor AIDDieOIV
' da Chlorose, Anemia, torio* &b Molestias do Systema nervoso, mesmo as
ais rebsUat, Molestias chronlcas dos Pulmoes, etc., sto.
Aj malores illastTSeMs msdlcss tem stftcstado o poder ouratiTo deste mediesmeato S declanm-a'O
o pritmeiro e o mais enrgico los reconitituinU*.
De urna grande parte de fazendas existentes na acreditada casa ra Duque
de Caxias n. 59: apresentamos em seguida urna lista de alguns artigos que realmente
sao barat88roos.
Esplendido sortimento [de cachemiras para vestidos, de 400 rs. a 10000 o
covado.
Merinos de cores a 600 e 800 rs., duas larguras I
dem pretos desde 800 rs. a 20GO o covado !
Setinetas lindissimas a 280 rs. o ditol
Riscadinhos para vestidos, core lindas, a 160 e 200 rs. o dito !
Cretones claros, superiores, a 240 e 280 rs. o dito 1
Damascos de la, duas larguras, proprios para capa de piano a 20000 o dito 1
Camisas inglezas, branca, a 360000 a duzia !
dem de cretones finos a 240000 a dita !
Ceroulas de bramante, bordadas a 120000 e 140000 a dita !
Meias superiores a 20800 o 30800 a dita I
Cambraia Victoria com 10 jardas r 30000 a pega I
Madapolao pella de ovo, 24 jardas, a 60500 a dita 1
Dito ameri -ano, superior, a 50800 a dita I
Bramantes de linbo puro, 4 larguras, a 20iOO o metro !
dem de algodao superior a 800 rs. o 10200 o dito!
Cortes de casemiras e meia-casemiras a 20500, 30000, 50000 e 60000!
Casemiras diagonal para roupas de criancas a 800 rs. 1
dem de duaB larguras a 10800, 20000, 20200 e 30200 o coiado!
Brius de cOies e pardos para todos os pregos.
GuarnigSes crochets para cadeiras e sof a 800001
Cortinados de bordados a 70000 o par !
Col has e cobertores a 20000, 20500 e 30000 I
Sortimento de fichs, Iuvas, leques, enxovaes para Exmas noivaa.
Deposito de fazendas e as vendas em grosso damos descont da pra$a.
O fBABCO : O FRANCOS (E PTCAJ5A.) yO .
ea MigHttirth-ZU-
Todo frasco que nao trouxer a Marca de Fabrica registrada
dore ser rigorosamente recusado.
fAUI, MansMla OBUM, raa Socneebooart, 3a.
JHpOiilarios em Ferttatisbtteo : WKAXC" M. ftm SIL VA
nico Fabrlmnt
desle
Producto
C*.

SICCESSORKS DE
CARNEIRO DA CUNHA & C.
S9--Rua Duque de Caxias59
*i$ir mllo
frenen
SOLUCO COIRRE
Eligir o Mifo
Frermt.
AO CHLORHYDRO-r**!OSPHATO DE CAL
I rseonatltalates adoptado por todos os Mdicos da
PMtueu feral, nemsa, CMwotu, risica, Cachexia, Bicroruias, BaeUtisme,
iw teso, Creseimenle MrncU mas enancas, Pastio, Dispepsias.
_>MaJ_COIRRE1_>~;jt, tetUft^ijiu2^*jj!!L!MJJ!gggL^;
Lotera da Provincia
A cha se venda a 10.a lotera a bene-
ficio daS. Casa de Misericordia do Recite, que
ter lugar no consistorio daigreja de Nossa
Senhora da Concei^ao dos Militares, onde
estarao expostas as espheras em ordem nu-
mrica, para seren examinadas.
Venda de sitio
Vende-ae ou permuta-se por predio nesta cida-
de um bom sitio com boa casa, muitas fructeiraa,
excillente banho do rio, boa agua de cacimba,
extenao de terreno para baixa de capim, to io
murado na frente, com orto e gradeamento, com
caminbo de ferro e estacao junto ao dito sitio, no
Porto da Madura, cjnheeido pelo sitio do JoSo
Solleiro, junto ao Dr. Ernesto de Aquino Fon se-
ca : quem pretender dirija-se praca da Inde-
pendencia n. 40, das 11 horas a 4 da tarde.
lo
Diariamente debate-so na imprensa a crise
aterradora porque estao passando as provincias
do norte deste imperio ; sao innmeros os recla-
mes de todas as classes, sem que sejam atteodidts
os seus justos pedidos, de que se gloriara as na-
coes civilisadas.
para que se possa dar impulsos aos desejados
progresos que certamente trarao o bem estar de
todos, resulveram Martina Pires & C. estabele-
cidos com armazem de molhados ra Es-
treita do Rosario ns. 1 e 2, a vender por presos
mdicos os artigos conceruentes ao seu ramo
de negocio, que certamente cnnstitue urna eco-
noma diaria e onde se acba um completo sor-
timento dos seguimos artigos, que pela sua qua-
lidade e presos sao recommendaveis, como se-
jam :
Vanos finos do Porto
Madeira
Sberry
Cbamberiin
Bordesux
Moscatel
Cellares e Bucalas.
Completo sortimento de cervejas, cognac, bitter,
licores, doces, bolacbinbas nacion&es e estrangoi-
ras.
Queijos frescos do serto, prato, Minas e fla-
menco.
Aseito de coco, mate do Paran, formicido ca-
panema.
Precos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ba Estreita do RosarioNs. 1 e 2
Marlins Pires & (J.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Este excellente Wbieky Escossez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cujo nomo e emblema sS registrados para
todo o Brasil.
BROWNS & C.f agentes.
Cobrado a vender-se
Vende-se o sobrado n. 87 ra da Aurora, em
frente a ponte do Santa Isabel ; quem pretender,
pode enender-ae com o corrector Pedro Joa Pin-
to, na praca do Cimmercio.
Livramento & C.
vendem cimento port'and, marca Robins, de l1
qaalidade ; no caes do Apollo n. 45.
Sitio no Arraiai
Vende-se a casa terrea com 7 quartos, 3 salas,
cosinba, qo&rto com banho de ebuvisco, depen-
dencias para criados, cacimba com muito boa
agua e bomba, um lindo jardim, passa um riach >
pelo centro do sitio, tendo orna pequea ponte
com bancos para recreio, arvores fructferas, co-
queiros, laranjeiraa, sapotiseiros, mangueiras, ja-
queiras e outraa diversas, ra da Harmona,
dividindo com o sitio do Sr. Baduem : a tratar
com o Sr. Demingos Oomes Correia, na casa ama-
relia, ou na ra da Paz n. 42.
Yinhos da Ganafeira
Fio de alKodio da fabrica CaillM
t nuera, da Babia
Vendem Machado & Pereira, raa do Impe-
rador n. 57, por commodo preco.
A FLORIDA
Ba Duque de Cavia n. IOS
AOMIREM!
Cintos modernos a 1|>000.
Luvas de pellica a 25500 o par.
dem de seda a 20000, 2#5O0 e 3,5000 n.
o par.
! Fitas de velludo a n. 9 a 6000 v. 5 a
400 rs. metro.
' Albuns de 3,5000 at 8*000.
Ramos de flores finas a 10500.
Luvas de escocia para menino, lisas, e bor-
dadas a 800 rs. e 10000 o par.
Porta retrato a 500 rs. 10000 10500 e
, 2#000.
Anquinhas de 10500, 20500, e 30000 urna.
Plisseis de 2 a 3 ordem a 400 rs. 500 rs.
e 600 rs. o metro,
i Pentes para cc com inscripcSo.
Enchovaes para baptisados a 80, 90, e
120000.
1 Caixa papel e 100 envelopes por 800
reis.
Capellas e veos para noivas.
Suspensorios americanos a 20500*
L para bordara 20800 a libra.
Estojos para crochet a 10000.
Bicos de cores coic 2, 3, 4 dedos de lar-
gura a 30000 40000 e 50000 a peca.
Lindes broches a 30000 10000 e 500 rs.
Leques para menina a 200 rs.
Linbas para m&cbina a 800 rs. a duzia.
Garrafa agua florida a 800 rs.
Leques com borlota a 800 rs. um.
Bicos braneos para setineta, cretone e chi-
ta para correr babados a 10000 10500
a pega com 10 varas, e barato,
Albuns de chagrn, velludo e velbotina
para 50 e 60 retratos a 60 70, e
80000 um.
Meias de escocia para senhoras 10500 o
par*
Lengos de linho em lindas caixas.
: Bicos dos ilhas muito fino proprio para toa-
lhas e saias.
dem braneos com 5 dedos de largura
30000 a pega com 10 varas.
Caixas com sortes de jogo de mgica pro-
prios para s-tlao a 50000.
Sabonetes de diversas qualidades a 120
200 e 500 rs.
Boleas de couro para menina de escola.
Grande pechincha em espartilhos de linho
30000 um.
Lindas pastas de 500 rs. 10000 20000
30000 e 60000.
Carteiras para guardar sedulas de 100000
a cem.
Ditas letras com os repartimentos de Ja-
neiro a Dezembro.
BARBOZA & SANTOS
Finos
Cara vlica.
Madeira.
Moscatel.
Uva Bastarda e de Passas.
PARA MESA
Genuino do Lavradio a 500 rs. a garrafa.
Na mercearia de Manoel Correia & C.
Praca do Conde d'Ra n. 15
Vende-se
o bem afreguezado deposito, sita ra Augusta
n. 180 ; a tratar na iua larga do Rosario n. 18,
taverna.
. Urna mobilia completamente nova, de urna fa-
milia estraneeira qne se retira no primeiro vapor
para Europa ; na ra do Marques de Olinda n.
59, 1* andar.
Aliento
Vende-se especial /arinha de milbo e de arroi,
feita vapor, e preparada para bolo, cangica,
cuscus e outras diversas especies de comedorias,
que aecessitem deses mesmos gneros, sendo a
240 rs. c kilo da de milho e a de arroz a 320 rs.,
assim como farinha para tender o pao cerveja a
24000 a arroba : na padaria da traveasa do
P.imbal n. 1, pertencente a Pereira te Pinto.
Telephone296.
LIQUTDAQO
1\
P
Vende-se por todo prego, a retalho, todas as fazendas existentes na loja ra
do Rangel n. 53, para acabar
WOLFF& C.
N. 4BIJA DO
-JL 4
Teste muito ronhecide estabelecimeB-
to encantrs r o respeitavel publica o mais
variado e completo sortimento de JO IA S
reeebidas sempre directamente dos melko-
res fabricantes da feCuropa. e que primam
pelo apurado gosto do mundo elegante*
Ricos adereces completos, lindas pulsea-
ras, al filete, voltas de ouro cravjadas com
brilhantes, ou perolas, aunis, eaeoletas.
botes e outros muitos artigos proprio
deste generes.
ESPECALIDADE
Em reloglo de ouro. prata e niekelados,
para homc-ns, senhoras e meninos dos mais
acreditados fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todos os rticos desta casa garan-
te-**, a boa qualidade, a- -iu como a modiei-
dade nos precos que sao sem competencia.
Vrsta casa tamli ni concerta-se qual-
quer abra de ouro ou prata e tambem relo-
gias de qualquer qualidade que seja.
4--i.ua doCabug--4












I



t
T '
i
8
Diario de Pernambnco-Doniingo 4 de Setembro de 1S87
TI46BH
filias magentae Impcrlae*
PiBIZ, 30 DE JUNHO.
(Correspondencia da Qazeta de Noticia
v da C6rte)
Denuncic-o desdo j : o Imperador do
Brasil a moda actual em Pariz. E, ora
vamos sabir da anouymia minscula e
iuapprehensivcl a que se ve reduzi io todo
o qualquer mortal que de passagam se en-
contra nesta cidade tao vasta quao noovi-
mentada, e sam a menor duvida possuir
mus do que ra Te cimento e prestigio,
urna honra para nlo ser despiezada, va-
lar algama cousa, ser. Mais do que
notoriedad?, e mais do que valer, ainla
preciso alguem ter torte para chegar a
emergir como individualidade de dentro
desta enorma masse de gente, e constituir
o objecto daa eonversaci -s s mesas dos
cafs dos BouUvards, e o assurapto dos jor-
nalistas as columnas dos saus reputados
peridicos.
Os jornaes tm se preoecupado tanto de
Sua Magestade, como dogeoeral Boulan-
ger. Existe aqui agora urna grave ques-
tSo, originada da publicagao de urnas car-
tas na Fran e, asignadas XX, as quaes
cartas dizia-se que 94 generaes e varios
epatados tinham ido particularmente "a
Boulanger, quando ministro da guerra,
favoneado pela fortuna, fazer lhe urna pro
posta relativa a um golpe de Estado, que
dsse em resultado baquear o actual go-
Tcrno.
Paulo de Cassagnac negou o facto, c
disse, pelo seu jornal, que aquelle articu-
lista menta ; terminava pedindo-lhe os no-
mes dos diputados e dos generaes que ti-
veram a triste idea de propr um golpe de
outras intei'auKidte iuacaitaveis. A des-
cripgab das visitas que o Imperador fas
e das visitas quo o I np-rador reco
be, as suas palavras, os seus gestos, o
seu traga, constituem o assnmpto obrig-
do desses jomaos, os quaes, cada um por
sua vez, tm publicado artigos litterarios,
tendo por objecto o Sr. D. Padro II.
Assim, o Iraperidor concorra nesta mo-
mento com o general Boulanger a ser o
exclusivo alimento curiosidafle voraz e
insaciavel do povo p*riziense; e nlo ha
negar que Clarmont Farrand, a residencia
do ex-ministro tilo discutido, preoocupo.
tanto o espirito publico como Royat e Vi-
cby, as estagSes de aguas que se discu-
tem e que afina'... foram ultima hora
postos fra da discussao.
O Imperador parte d"pois d'amanh,
tarde para Baden-Baden, a ultima combi-
nado que no denadeiro momento surgi,
como a estagSo de aguas mais apropiiada
ao seu estado ; e s e otilo deixar o campo
livre ao general Boulanger, o seu rival na 9-
tualidade. E tica bem, o general Boulanger,
mettido em cangonetas, em marchas, vene i-
doem retratos, em caricaturas, distribuido
em folhetos biographicos, em paraphletos
de deseoaipusturas, discutido em mil ea-
gtes de todos os feitios e de todos os ton
e em todos os jornaes, elle acaba de en
viar suas testemunhas ao ex-presidente do
conselho, Sr. Julio Ferry, que no seu dis-
curso pronunciado em Epinal chimara
aquelle general O Saint Arnaud dos
cates con yertos As testemunhas do ge-
neral Boulanger so o general Faverot le
K. rbrech e Conda Dillon, aotigo official ;
e por emquanto nao se sabe se o Sr. Ju
lio Ferry est oa n5o disputo a prestar o
seu contingente notoriedada que cada
vez mais consegue o celebra ex-ministro
freQte ^O Imperador tem continuado a passeir.r
a divertir-se, a visitar e a ser visitado, co-
do inimigo e na espectativa do urna guer
ra provavel, quasi inevitavel. O articu-
lista descobrio se : era o deputado Fran-
cisco Laur, que mandou desaliar o Sr-
Paulo daj Cassagnac, para um duello.
Casagnac que estava fra de Pariz, respon.
deu por urna carta, dizando que nao se
batia com o deputado Laur, que s mere-
ca o desprez publico.
O Sr. Laur retorquia pelo seu jornal,
pedindo desenlpa aos aeus amigos de os
haver incommodado para lvalos a trata-
rea com um homem tito mal educado, tao
pouco pratico das regras da boa socieda-
de, e teaminou dizendo que j lhe haviara
prophetisado quo Cassagnac fugir-lhe-hia,
gando que fugir oi o cjstume que lha fi-
cou, desda o-da em qua ella Cassagaac,
durante a bat .ha, esconda sa dentro das
adegas de Sian.
Quanto aos nomes do3 generaes e dos
deputados, enviara-os aos seus amigos era
carta fechada, e s os daria ao conhec-
manto do Sr Cassagnac, no momento em
que com este se encontrasse am duello e
mesmo sobre o tersen*!
Cassagnac voltou de novo imprensa
para desmentir a cecusagao de covarde,
enviou urna serie de insultos ao Sr. L*ur.
e, iiegando-se ainda lima vez a bater-se
com elle, conclua :Mente mente 1 Os
nomes 1 Os nomes 1
Pois bem ; esta questao que a da mo-
da, tem sido at certo ponto posta da par-
te pelo objecto que vcio oom ella concor
rer : o Imperador. E oa jornaes mal sa-
bsm a que dar maior attengaa: se aquella
testa coraada, se a esta duello que tarda a
ellectu&r-se.
O Fgaro tea um redactor attach a
Sua Magestade ; o Gaulois, que se preza
de ser imperialista e jornal bem informado,
tea um outro ; o Gil Blas, tambem ; tam-
oem o Evenement e o Soir. Publicara to-
dos esses, e todos os dias, tudo quanto
ua Magestade fez e quanto Sua Mages-
tade pretende faaer e, quando nada con-
seguirn! saber do proprio Imperador ou
de alguem de sua comitiva, aventurara hy
potheses, algumas em extremo curiosas,
mo um homem que nao tivesse vindo Eu-
ropa para outro fim senao esse.
De entre as visitas que tem recebido,
tornou-le notvel a da filba e neta de Vc-
tor Hugo e genro do grande poeta, o Sr.
Lackroy. A neta de Victor Hugo, miis
conversadora e talvez mais desembarace a,
foi quera fez as honras da conversado.
Disse que vinhara visitar com certo en-
pressement o Imperador, porque lembra-
vam-se quanto o poeta o distingui, nao s
com a sua amisade, que ficara estabeleci-
da vendo a celebre visita espontanea que
do Imperador recebera em sua casa, co no
tambem com admiragao, visto recbnhe :er
no Sr. D. Patro II o mais liberal e o mais
sabio de todos os monarchas.
Estou certo de que o Imperador deve
estar farto e talvez cangado de ouvir elo-
gios idnticos, que para elle j sao banaas;
mas tambem certo estou de que deve ter
recebido este como verdadeira no vi Ja de,
por terem partido dos labios de urna gen-
til mocinha, que nada menos qua a ado-
rada do grande Mestre. (
Tambem o Imperador rocebeu, alm dos
sabios todos que constituem a sociedade
dos immortaes, de que elle faz parta, a
visita dos Srs. Amado i Princa e seu cu
nhado Gabriel Ferm, que lhe foram offe-
recer um exempiar da obra por esta es-
cripta e por aquelle mandada verter para
o portuguez, intituladaO Brazil e o Pro-
jecto da Uuiao Aduaneira Americana.
Esta publicaba > traz no frentespicio a de-
dicatoria ao Sr. D. Pedro II, e nada
menos que um bers sorvico prestado es
pontaeeamenta por aquelle senhores; o Im-
perador, recebando-a e examinando a r-
pidamente, disse aos offertantes que ia
proceder a urna loi:ura cuidada e escrupu-
losa, como convinha a um trabalho de tal
valor.
Os delicados e distinctes cavall iros of-
fertantes deixram a sala de Grande Ho-
tel impressionados, como todos os que pro-
curis e sao recebidos pelo Imperador :
contentiasimos, atiafaitissimos por encon-
F0LHETI1B
trarem'a maiop affblidade e *implicidade.preparou-a
de maneiras, como nao julgavara, ser pos-
sivel encontrar em um soberano. Da onde
concluo que aqui acreditavam que o nosso
rei era na molhor hypothese de boa educa-
c3o um brbaro ; e que dos aeus hbitos
oa8eiros o menos pernicioso era aothro-
pophagia.
A mesraa impressagagradabilissima teve
o professor Petor, ao terminar a sua visita
a exame na passoa do imperador: este
perguntando-lhe por i o mais vivo dqsejo do apresantal-a a im-
peratriz.
Isto equival'Ht a urna ordena, e no di*
seguinte l esta va no Grande H)tel o casal
Peter, retirando se Mae. Peter penhora-
dissima pelo acolbimento benvolo e am-
vel que lhe fizara a nossa virtuosa sobe-
rana.
Hjuve no Grande Hotil um momento
em quo se suppoz qua a sala fosse abaix >
com o peso das psssoas que all sa acha-
vam e qua j se esparramaban pelos cor-
re lores adjacentes era a Sociedade Fran-
ceza de Hygiene, que vinha em corarais-
sao de duas duzias de membros compri-
mentar o sau presidente honorario, D.
Pedro de Alcntara. a!i estavam Davy,
Pean, Bonnafont, Peter, Blacka, Tietra
santa, M> ynet, Monyn, Bromond, Vigcn
roux, e mais muitos, cuja re(agao nominal
ocecuparia outras tantas linhas.
Das visitas feitas pelo imperador, nestes
tres dias, uestacando-sa as do monumento
Courbet, a do seu prente Montpensier,
e Flammarion.
Em Juvisy tem esta sabio o seu
bem montado obsarvatorio astronmico.
Isto s bjstava para attrahir todos os de-
sejos de Sua Magestade, que, como se
sabe, tem pela astronoma urna verdadeira
paixao, ardente e jamis insaciada. Sua
Magestade parti de Paris no trem rapid
do meio dia, e vinte minutos depoia j es-
tava era Juvisy, em doco eolloquio oom a
estrella Venus, qua da todos os planetas
o da sua maior venerag&odiz-se.
Era 1881, um grande amador de astro
no nia, e admirador do Flammariou, fez
presente a este de urna propriedale, casa
e terreno, situada em Juvisy, para alli ser
construido un observatorio.
Flammarion j tem realisado parta das
obras, edificando una cupola e duas salas
adjacentes, com equitorial de 24 centme-
tros de abertura. Conta-se que dentro de
dous annos estar tudo acabado, faltando
apenas collocar um instrumento meridia
no.
Sua Magestade o imprader, acompa-
nhado do Viseando de Nioac e do Sr.
Cruls, percorreu todo o observatorio, mos-
trando* grande interesse em ver o que a
iniciativa particular p61e realisar, quando
ella alimentada por um gesto tao pro-
fundo como por parte do Sr. Flamma-
rion.
As autoridades de Juvisy e a populajao,
logo que souberam da visita imparial, era-
bandeiraram os edificios e casas particu-
lares, e algumas ao lado da bandeira fran-
ceza mostraran! a bandeira auri verde.
Deram vivas e nzeratn outras manifesta-
c5as, a que s faltou o hymoo nacional.
O poeta portuguez Guerra Junqueiro
voltou a visitar o imperador, e desta vez
com elle conversou por largo terapo.
Eis a sua impressao e resumida em duas
phrases :
1 Sais co
VICTIMAS E ALGOZES
POR
EMILIO DE RICHEBOUHG
PROLOGO
(Coa tina a
III
d o n. 2
am sabar, estava perturbada
ta.
e .n
Maria Joanna, disse ella criada,' Tl era interrompel.
las que crio conhacem iienhuna dos amar-
gores da vida, que e3tSu constantemente
cercr.das da homenajeas e caminham por
veredas eemeadas de flores.
Com que eatli 3 tu, Gabriella tu
disse cus. Que graade satisfajo qun te,
nho em ver-ta Estou, ha quinze dia om
Luchan, como c qce te nao tenho ainda
encon'.riao ?
No conrento, tu eras de am carcter um
lauto reirahido, coniinuas a ser o mesmo
E' por o, aem du?ide, que te conservas
afastada, fugindo do sociedade, das festas,
dos pras.res. E pr -o?, entretanto, que
te apresante s pessoa? da minha amiza
de 333 amanba mesmo.
TeaMM urna excellente msica de Cassi
To !03 os di nio para ouvir
oa concer.os. J organicei diversas es^-ur
sCjs, ta montanha, ha de ser encantador,
virt comnosao.
A brilbante condessa linha talla lo com
volubiliiKiie, nao deixundo dizer um. pa-
labra a^Gabrie!:.. E' verdade que a mo-
i mnito peu.,ativa, nao cuida-
Voces tm ainda imperador ahi para
uns dez annos. Digo-lhes que um esprii-
to bam equilibrado.
O principe D. Pedro, a quera o Dr
Eduardo Prado e Guerra Junqueiro offe-
receram um opparo banqueta foi visitar o
Sr. Ferdinand Dnis.
Para mostrar como estes imperialistas
sabem respetar as formulas e nada olvi-
dara era casos como estes, basta dizer que,
esperando em sua casa o joven pracipe,
edMs, dependu-.
rou do -paito asVas eondeoor^caOis, e,
grave, teso, correcto, iraperturoavel, des-
een at^a estrada da sua habitaba onde
demo^JJi se durante alguns quartos de hora
- fardado e conitecoradoa passoiar de
um lado pira outro, raspetoso e solemne,
esper% da monarchia, qua ia vsl-o na
pessoa do Sr. D. Pedro Augusto.
J t
A 30, Suas Magestades c toda a sua co-
mitiva dirigiram-se gruja da Saint Au-
gustin, onda se devia celebrar, ao meio-
dia em ponto, o casamento do Sr. Dr. Al-
berto de Nioac com a Exma. Sra. D. Ma-
ra Eugenia Montero d.^ Barros.
A igreja, que, como sa sabe, aquella
onde os imperialistas celebrara as suas
rueniSes religiosas, achava-se ricamente or-
nada ; a oseada da fachada principal fra
transformada em corredor da folhagens e
flores artsticamente airanj ido. Ao cen
tro do templo, junto ao altur-rar, festS-s
do flGras( dispostos com arta e gosto, eir-
cumdavam os assentos especiaes, desti-
nados aos convidados. Tolos os lustres
accesos, urna concurren<"ii enorme, e
na qual via-se por assim dizer toda a
colonia biazileira, da vara ao interior do
bello templo um aspecto verdaderamente
festivo. As senhoras ostantavam ricas toi-
lettes e a maioria dos cavalheiros exh-
biara-si". era grande tenue, reluzindo sobre
as fardas e casacos as condacorac5e3 e as
vistosas fitas.
Ao entrarem na igreja os noivosa j
a esse tempo era ditfiail alli o ingressoo
orgonista exeautou no coro., o Hymno
Nacional brazileiro.
Eu nao podia contar cora essa; mas
tambem digo con franqueza quo o Hymno
Nacional, variado como o servirm, nao
vai intuir nente mal no orgao
A principio bouve at-un engao, muito
natural, ao ser ouvido o Ilymuo : cuida-
vam muitos que era o Imperador quein
entrava, levando a essa engao o tio e pa-
drinho da noiva, que a esta da va o braco,
Sr. Dr. Martinho Prado, cujas barbas
brancas e porte severo at -certo ponto dao
lhe alguma semelhanja com o Sr. D. Pe-
dro U.
Disse-sa missa aps a colebrac2o do
acto, e, durante ella, artistas celebres can-
tarara msicas sacras, no coro collocado
por detraz do alta-mor, o qua proiuzio
um effeito extraordinario, inteiramenta
novo para os que pela primeira vez assis-
tiara a um casamento assim celebrado.
Nos intervallos, o orgao do coro da entra-
da repisava o Hy^ono Nacional em va-
riajo-s discricionarias com qua o artista
saciava a sua mana hyirmal.
Terminada a missa, foram os convida-
dos camprimentar os noivos e seus pais, na
sacrista, onde se assignava o auto, indo
frente de todos Suas Magestades Impe-
riaes.
Sua Miiga8tade o Impprador, acompa-
nhado dos Viscondes de Nioac e de Motta
Maia, toi no dia 25 visitar o observatorio
de Paris, onde foi recebido pelo almirante
Mouchez, director, e deraais erapregados,
entre outros Wolf, Parigault, Paul e Pros-
per Henry, Fraissinet, alli tambem se
acbava o Sr. Cruls.
Sua Magestade percorreu todo o edificio
a examinou em detalhe os instrumentos e
apparelhos. Alguns destes ainda nlo eram
condecidos de Sua Magostada, por ainda
n3o existirem quando alli esteva na sua ul-
tima viagem. (Jitaremosjo equatorial coud,
que consiste em urna loneta com eixo pti-
co quebrado a ngulo recto, por meio de
um prisma da refl xao total. Diante da
objectiva acha-sa collocado outro prisma
suseeptivel de mover-se.
Parte do risco ptico acha-se situado no
plano meridiano, inclinado na latitude do
lugar, achando-se a ocular do lado do pulo
norte.
torno desta parte do eixo ptico; e este des-
lacameuto combinado com o do prisma coi-
locado diante da objactiva, permitte ao ob
servador apoatar para qmlquer ponto do
co.
Todo o lado do instrumento onda est
situada a ocular acha-se debaixo da urna
salinha, qua abriga o observador, e nisto
que coasiste a grande vantagara do ins-
trumento, porqua o observador nao t>st
obrigado a deslocar sa com o instrumenta
Tambera Sua Magostada examinou o
granda telescopio de 90 eentimetr-ts de
dimetro. A escada por onde sobe o ob-
servador para observar muito engenho-
sa e susceptivel da todos os movimentos
dirigidos polo proprio observador,
Em seguida vio o imperador a luneta
photograpbica com quo 03 rraaos Henry
tm feito suas magnificas photographias.
(Continua.)
L!TTRATM
0 U/TIMO BAXDIDO
POR
EHH1XIEL AllliXJ
VH
(Conclut)

A's vezes a agonia suba lha garganta,
abafa va a terrivolraenta, opprioiida era urna
contraegao violenta ; cerrava os labios, pe
dia para beber.
Entilo os dous levantavam-se, ao mesmo
tempo, com infinitas precauyoes, segura-
vam-a, oabragos enlayavam-sc, as raaos de
arabos encontravam-se; o velho dava-lhe
da beber, emquanto o bandido espiava,
com anciedade, a morta c'aqualles olhosj
embaciidos e, por instantes, as tres cabe-
cas sa approximavam tanto, qua se toca-
vam 1
La fra, as horas corriam curta3 e r-
dentes, no esplendor d'aquella noitc do ve-
rao.
Sob o admiravel co d'Ajaccio, via sa
uma'noite cheia de vida, chela da estrel-
lasy de perfumes e de cantos.
Todos os ruidos da ra subiam lvremen-
te, n'aquelle ar puro, misturados com a
fina poeira do dia e, no mar, as vozes dos
pescadores vibravam, lanzando ao vento,
o echo de algumas serenada :
Com' gentil'
La not.e a mezzo april'...
E l em cima, a agonia tinha coraegado
colma, e serena, como se a propria morte
quizesse merecer perd&o!
Magdalena agonisava dbilmente, inva-
dida j pelo fri supremo.
O eoraclo palpitava-lhe ainda, impercep-
tivelmente tinha fgido para longe e os
olhos velados, pureciam cheiosj de cou
sas desconhecidas.
A la acabava de na?cer, magnifica; um
grande rastro de luz branca entrou repen-
tinamente no quarto; pareca que era o
dia.
Ao mesmo tempo, o ruido da ra aug-
menta confusamente; ouviam-se muitas
voz 's, dominadas pelo sino, cujas notas so-
noras vibravam pesadamente, por cima da
cidade.
Tinha-se sabido quo o bandido se eva
dir. Havia-se dado o signal de alarma.
A ra tinha-sa novamente enebido de gen-
te, as calgadas ouvia-se o paseo das pa-
trulhas, emquanto l embaixo no porto os
paseadores, sempre indiferentes, continua-
vam a sua canelo:
E' azurro il ciel'
La luna senza vel ...
Todo o instrumento poda mover-se em
(orne sonta
?a uotou, oor fim, o trajar mo-
desto e a .ttitude Mmbtij da Sra. de M-
EntSa, co me dizes nada, nao me
respondes ?
Agradado as tai '>Mt intengeSjmas
minha f lha.
casada ?
vou dar um peqi'.-tio passeio ;
menina.
Sim, reluja senhor.i.
Sabio a porta da casa o poz se a- caoii-
thar lentamente.
O tempo eatav* soberbo, urna liguira bri-
sa refrescara c ar ; o so!, ao longe, picav i, M8a aceitar,
com estrelLs brilhantcs, a nev dos tDc
i Pyrineus. I Devo-mo inteiram
De repente, ao ruido da urna caru fiJba | Eaulo a
qua ridava atrs dtila,. Gabrieiiaru as: :- t.\ -.., 0 5_l'J,
*e ao fosso da estrada, para dar passag m __ x^!,-,o'iutament o estou muito admira-
a urna victoria puxada por um cavallo mag-(u SntSo o.Uu calamento foi secreto ?
a. : estava <--ru nm suppliiio.
Na victoia, urna mulher m- M inaou a oondessa,
laiite, eal SUntemente estei na a teu marido,
Ella reeoebaceu Gabriell; .
Pare Joil'gritou alia ao oac
E qu-ndo a carruageni parju, a senhora Heim '. E Morulla? Ouvi
^hamou : do me diaieram ti
Gabriella I Gabri lo; entre ou-
EntaoaSra.de reooukec -%.n-.n :' um processo, que
ntiga carapanbeira de colb'gio, alg grcde n 'Utro tempo, a
'os mais vflha do que ella. Nii lansarins. E tua mai
leixar de se approximar a apartar a e .amonto "
tila lhe este jrabriella, mui-
A condessa de Poefly, que eocontravJtt
i inopinadamaute a Sra. de Mrulle, iiorqua te casaste
".ma das m-'gas inais em vega da grande tasa a Sia. de
riziensa. ', -,4 iter ooat^Bta. Ah mi-
A sua easa era muito equ-ntada e as.fljja te lastimo.
as fesas iiiziam barulho. etlou erros, o meu
s prava, que falLvam! X1- por elles, res-
jogo sempre m e particularmente pe-
rigosa para aquejes que tm pretencSo de
fazer figura na sociedade, sem ter a fortu
na que permitte sustentar esse papel.
Tenho pena em te dizer, Gabriella o Sr.
Ernesto de Mrulle nao tem melhor repu
tacao do quo seu p.
E' mou marido, replicou a moga,
com digniiade e fazendo sentir que estava
offendila.
Sim, respondeu a condessa e tanto
peior para ti. J te nSo peco, que me
aprsente ao Sr. Vsconde de Mrulle. Em
quanto a ti...
Eu, minha senhora, disse Gabriella,
com voz opprimida, tomo parte nos ultra-
ges que se dirigen a meu marido.
Entao, adeus, minha querida e s fe-
liz. Desejo qua nunca tenhas que lamen-
tar urna allianca, de que pareces tao orgu-
lhosa.
E a victoria parti como um raio.
Um solujo escapou do paito da infeliz
Gabriella
Nao, ella nao tinha orgulho do nomo que
usava, mas podia ella nao protestar contra
as palavras que o infamavam ?
Se, apezar da opposigao ae sua mai, ti
nha persistido em casar com o} visconde,
nao devia senao a si mesma e guardar pa-
ra si s o segrado das suas dores.
Foi para casa, certificou se que a filba
dorroa ainda e veio sentarse disnte da
porta da easa para esperar o maride que
tardava a chegar.
Assaltaram a amargas relaxoaa.
A' hora de jantar tinha passado, ha via
muito tempo e ella continuava a esperar.
Eaiao, porqua nao voltava elle ? O qua
fazia elle ?
A inquietacao devorava-a.
Que terrivel oousa para urna mulher, nao
poder per9er de vista o marido, sam ter
que receiar desvos no seu procadimento,
cujas cosequencias sao muitas vezes irre-
paraveis
mente. Por infelicdade, pelo Cassino, en-
contrei um amigo, de outro tempo. NSo
pude recusar lhe entrar, com elle no Cas-
siuo ; disse-me que joras66.
Davia ter respondido que nao ; mas
continu.
A principio, a sorte foi ma favoravel,
depois voltou-se sbitamente contra mim.
A partida cessou, porque o meu parceiro
nSo quera continuar a jogar sob palavra.
Que fatalidade, Be eu tivesse continuado a
jogar, teria ganho o dobro, do que tinha
perdido, porqua a carta do meu palpite as-
hio oito vezes de seguida.
A moga teve um aorriso pungente.
O jogador assim, disse ella com
amargura, acredita sempre que a fortuna
lhe deve urna desforra. Quanto perdeu ?
Primeiro, o dinheiro que tinha cont-
raigo.
E depois ?
Heaitou por momentos e respondeu :
Tres mil francos I
A pobre moya suspirou, passou a man
pela testa e disse :
Pagar. Agora escute me bem : nSo
tenho qua lhe fazer censuras, porque se-
riara inuteis, mas trata-se de saber o que
ser de nos. Dos cem mil francos, que
teimou em aceitar de minba mai, j nao
restara seno quinze. A miseria espera-
nos o, nao quero oscultar-lhe, que o futuro
assutta-me.
c Tenho sido indulgente e fraca e o se
nbor tem abusado. Mas nao posso mais
continuar a ser, o que
tenho sido ; sou
da socii-
aUllocra'.^;'., '
en-ontn ore a s-u n;
Tiuha a pbysiooomia alagr*, era d


ir at ella res-
A paixao do
mai e o meu dever, davur imperioso, or-
dena que ma arme de energia contra o se-
abor.c
Da Mrulle curvou a cabega, sentindo
perfeitamente que nada tinha a responder.
D'pois que deixamos Pariz, conti-
nuou ella, sa teaho sido sobria de censu
rs, uio llie tenho poupado es conselbos.
)a que servram ellas ? Da nada. Nao
fesoutai oa segredos de minha mai, escolhi
Pensava na filba, essa pobre crianga, p meu destino ; soffro a pena da minha
cgueira, porque sou a primeira culpada.
Mas diga, tinha o senhor o direito de me
inflingir os mais crueis soffrimentos ?
O visconde quiz intarrompal-a.
A mulher deteve-o com um olhar severo
naaaida sob tao tristes auspicios.
Erafira, vio apparecer o visconde. Ca
minha va lentamente baixando a cabega,
como se quizesse retardar o momento, em
quo estara na preaenga da mulher.
Approximou se della comtudo, e Ga-
briella estrameaeu impressionada ; com o
r acabrunbado com a expressao faros do
seu olhar.
-* O senhor ogou, disse ella framente.
Como o sabe T
A aua perguota urna confissao.
Dasgragado 1 Desgragado 1
Gatriella, joro lhe, qua aahindo, ti-
Depois as nuvens passaram pelo co,
oceultando a lu por momentos e de novo
o quartoznho tornou-sa escuro.
O sluncio pareceu entlo mais terrivel;
entretanto nenbum dos doos sa lembrou de
acender a lampada.
Ambos elles se sentiram contrafetos com
a presenga do outro e nao fallavam, n3o se
mechiam; retinhara at a respirago e nao
trahiodo a sua prjsenga senao por algum
solugo que lhes escapa va.
A noitc tinha readquirido a sua graade
serenidade e *era agora urna noite setne-
Ihante a todas as mais ; guindo o seu
curso tranquillo, na immutavel reuovagSo
das cousas.
Ouvia-se perto da sua casa o uivo de
um cao partido; e>*a Palluccio que toda a
noite tinha rondado em volta da prisao e
que, farejanlo o dono, tinha-lha seguido o
rastro e quera subir.
Mas tinham o enchotado brutalmente e
fi-ra alli, encostado porta, uivandp com
tristeza.
L era cima, no quart)zn!io, os doua
e.*cutavam aquelles quaixumvs que lhes
dava a impresslo da vi la ; o silencio nao
lhes pareca tao pesado, julg .vam-se me-
nos sos I
L palo meio da noita, bateram devaga-
rinho porta.
Negroni fez um mov ment para sa le-
vantar ; mas accomettido di urna idea s-
bita, n5o se mecheu. Sa Magdalena mor-
resse, n'aquelle minuto de ausencia |. .Qu -
ra estar alli, para recebar o seu drrradei
ro sopro, quaria conservar at o fim, a
mao da filua na* sua, aquella pobra mo
toda galada e que repentinamente eraagre-
ccra tanto, que o annelzinbo da moga ti-
tinha-lba cabido do dedo.
Senta como que cium^s em daixar,
mesmo que fesso per um segundo, o ban-
dido s, junto d'aquelle laito.
Comegava-lhe agora a subir cabega
urna colera surda. Emquanto havia, entre
elles, o olhar supplice, o contacto ou sim-
pleimente a fraca respirag.ao de Magdale-
na, o velho nao tiuha tido outro pensamen-
to nem ella teria mesmo coragera da pen-
sar em outra cansa I Mas agora que sua
filba estava como morta c quasi sa nao lhe
ouvia a espiragao, entrevia todas as mi-
serias que esperavam seus velaos dias;
via-se s, no dia seguate, na sua casiuha
vazia, estremeca com a idea das langas
noites solitarias, que passaria junto da
mesa abandonada
E tudo aquillo, por causa d'aquelle ho-
rnera, qu estava alli dianta delle, que lhe
sentia quasi o contacto, por causa d'aquelle
bandido 1
Bateram de novo e, desta vez, com mais
forga.
Bateram!... disse o velho Negroni,
com voz secca.
Entao, Tito levantou-se e, na escuridao,
s apalpadellas, foi at porta e entrea-
brio-a. Duas sombras contusas agitavam-
sa no patamar.
E' o senhor, Negroni? perguntou
urna voz.
Nao, mas diga o que quer. Sou p-
rente. Negroni est no quarto junto da
filha.
Sim, sim, disse a voz. J sabemos.
Estamos todos muito tristes no quartel, di-
ga-lhe que mao o incoramodariamos, se nlo
fosse um negocio urgente. E' por causa do
bandido, qua fugio hontem noite. Tnbo
urna ordem, para o meu cabo, urna carta.
D-m'a, disse Tito.
E, recebendo a carta, fechou a porta e
voltou para o quarto. A' entrada, branco
como o marmore, com os labios lvidos,
encontrou Negroni, que, com os dous bra-
gos abertos, o nao deixou paasar.
Morreu !... balbuciou elle, com voz
surda.
Depois, retezando-se e com gesto impe-
rioso e mao vigorosa, agarrou o bandido:
Em nome da le !... disse elle.
FIM
e proaegmo :
O senhor tem fachado os ouvidos s
queixas da esposa, mas preciso pa es-
cute os gritos da mai. Nao quero que a
no.a filba seja sua victima.
c O aenbor tinha-me dito : tenho amigos
poderosos, protectores altamente collocados
qne se erapenharo por roira. Onde esto
osees amigos, esses prote torea ? A' decap-
aba teBgio da voltar para cas immediata 'caj da vesper, aaccadoii se a do da se-
guinte. As suas bellas esporangas que co-
tnha feito partilbar, desvaaeceram-se me
mo fumo.
Tinha-me dito tambem : a sua mi fe-
cha-lhe os bragos, a minha familia lhe
abrir os seus.
Onde encontrei eu, nos seus impulsos
da coragao o testemunho de affeigao ou
8mple3mente de banal sympatha ?
c Os seus prenles nao pordam fiiha
da rica marqueza de Saulieu, o ter-lhe tra-
zido apenas um miseravel dote, Li a hos-
tilidada em todos as ro3tos,.baixava a ca-
bega s allus3es offensivas, a retioencias
insultantes.
c Ah I sei perfeitamente o que elles
queriam e o senbor tambem ; mas isso j
lh'o disse, nunca! nunca -' nunca
f Pedir qualquer cousa a mi lha mai,
eu I Reclamar-lhe o que c'izem que me
devido, atacal-a judicialmente Mas prefe-
r, para vi ver, cavar a tarra com as
unhas, prefera ver morrer miaba filha de
miseria e depois cravar um punhal no co-
ragao para que o meu cadver cahisse so-
bra o seu.
E deteve-se arquejanto ; a comraogao
abafava-a.
Sabe perfeitamente, respondeu elle,
que eu tomei constantemente a sua defeza
contra os raeus.
Nao podia fazer de outro modo ; e seu
silenaio teria sido urna cobarda, replicou
ella. Mas, deixamos isto, quero ainda os-
quecer. Viemos para esse lugar, onde, de-
pois de profundo desanimo, comegou a re-
naaoer era mira uro pouco de confianga.
Sa de vez era quando vinhara assaltar-me
recordagSes dolorosas, fazia esborgos para
as afastar.
< Pois bem sim, quera esperar; acre-
ditava que o senhor tinha, emfira, compra-
hendido os de veres impenosos, quo se m-
yem ao homem, ao pai, ao esposo !
o E fique sabendo, quando, ha algumas
horas, o vi inclinado sobra a cabega da
nassa filha, eu divisava o futuro sobre ri-
souhas cr8. Infelizmente, o senhor em-
penhou-sa em trazer-me ao santimento da
triste realidade.
Por debaixo do vestidt-, via-se lhe as pal-
pitg5as do coragao ; os olhos brilhavam-
Ihe febris. Passou a mao pelo olhos e
pela testa ardente.
A sai familia, continuou ella, quei-
xa-se de o senhor ter unido a sua sorte
minha. "Pola bem, quer saber o que me
dissaram, anda agora : decUraram-me que
eu estav:-, para sempre, infamada, porque
tinha cas Concedern me ama piedade insultante
fizeram-me comprehender que o desprezo
estava unido aquella que usa o seu nome.
O visconde levantou repentinamente a
cabega e tomou urna attitude ameagadora.
O qua exclamou elle. Alguem ou-
sou fazer lhe seraelhanta nltrage Juro lhe
que nao ficar impune.
Procurarla, em vao, vingar-se; res-
ponderiam s suas provocagSes, dizendo-
he que era indigno de crusar o farro com
um homem de bem. Alm disso, a gente
bate-se com um adversario, mas nao com
urna legiao. Comtudo, agraeegolhe esse
bom impulso.
t O senhor valente, vera sem empal-
lidecer, a ponta de urna espada ameagar-
lhe o peito; "mas outra valenta, outra
bravura, outra forga, que preciso ter. In-
felizmente, o senhor daquelles, a qaem
a fraqueza entrega a todos os desregra-
mentos funestos, daquelles, a quem falta a
forga e a energa, para lutar contra as pai-
xas e que se tornam culpados de urna se-
rie de pequeas cobardas, que conduzam
fatalmente s grandes infamias.
A estas palavras severa, pronunciadas
framente, o visconde comprehendeu que
sua mulher. agora n5o acreditara seno em
actos.
Levantou-se e passeou tantamente, som-
bro e pensativo.
Nassa occasiao a menina deixou ouvir
um grito.
Ah disse a mai, o senhor faz me
esqueaer minha filha
Gabriella correu para o bergo, agarrou
a crtanga nos bragos o deu-lhe o Bi-io.
O infeliz coatemplava com enterneci-
mento que nao era fingido, a innocente
creatura, que sugava vidamente o leite
materno.
Gabriella, disse elle, tem razo. Sou
um miseravel e que merece todas as suas
censuras. Ah, preciso que baja, no no-
me de Mrulle, que aprendeu a detestar,
urna fatalidade, qua a prenda a mim e pa-
ralysa as minhas melhores inteng -s.
Ah esse nome, essa nome, en :adeia-me
record g3as dolorosas, p5e obstculos mi-
nha recordagao e por sua cauBa, que
Gabriella me julga incuraVel.
Pois bem, parece me que se o abando-
na8S0, para tomar um outro, compnria mais
fcilmente os meua deveres, para com i-
nha esposa e minba filha.
Gabriela ficou por um mouento penia-
tiva, reflctindo.
^Continuar se ha)
K
I
Typ. do Diario roa Duque ue
Caxiu n. 4*.
I
I am i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5KTCGZS7_WFUNRP INGEST_TIME 2014-05-28T17:11:20Z PACKAGE AA00011611_19976
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES