Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19919


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXV -NUMERO. 217
PARA CAPITAL B LlCARfiH 9NDE MAO B PACA PORTE
Por tres raezes adiantados....... ...... tfSOO
Por seis ditos idem................ i2000
Por um anuo idem .... ........? 23?$000
Cada numero avalao, do mesiao da..... ...... 0100
OAKTA-FEXRA 25 DE SETEMBRO DE 1889

PARA DENTRO
DA .pftOTVCIA
Por seis meses adiantadoi .
Por nove ditos dem- .....
Por um anno idem...... .
Cada numero avulso, de dics anteriores
..; .
1355T/-
203000
26(5000
100
V


Tropriedade de Mancel 3agueirm de 9nra # Mtycs

AVISO
Ainda urna vez pedimos


i
aos
nossos assignantes, em
atrazo,o obsequio dernanda-
rem abonar suas assignatu-
ras at o da 30 do cor rente,
para que nao seja interrom-
pida a remessa do Diario no
da l.'deOutubro.
TELEGRAMAS
ssan;: mmlLi so asi
NATAL, 24 de Setembro, s 3 horas e
40 minutos da tarde.
Aqui tocou hoje o paquete nacional
Para, que seguio para o sul hoje niesmo.
RIO DE JANEIRO, 24 de Setembro,
s horas e 40 minutos da tarde.
As juntas aparadoras expedirara diplo-
mas de deputados geraes;
Pelo 4. districto do Para, ao Bario de
uajar (L);
Pelo ." districto do Para, ao Dr. Geral-
do de Souza Paes de Andrade (L);
No Mararao foi eleito pelo 6." dis-
tricto, o Dr. ('arlos Fernandos Vianna Ri-
keiro.
Foi no aeado 3.' escripturario da Al-
fandega do Rio Grande do Norte, Jos
Luiz Ordenes Goncalves.
Ri DE JANEIRO, 24 de Setembro, s
8 horas e 30 minutos da noite.
Tendo sido accommettido de urna syn-
eepe, hoje pela manhS, acaba de fallecer o
Benador do Imperio Francwco Belisario
Saores de Souza.
32371:: 24 323CA SA7AS
BERLIM, 23 de Setembro.
S8. MM. o Imperador e a Imperatriz de
rem partir para a Italia no dia 14 de Ou
tubro prximo.
() PARS, 23 de Setembro.
O Sr. Sadi Carnot inaugurar hoje o
monumento erigido em honra do triumpho
da repblica.
A populacao de Pars est anciosa, as
ras, as pravas, estSo apinhadas pelo povo
impaciente de conhecer os resultados das
eleicScs.
Os cafs e estabelecimentos regorgitam
de curiosos.
as ras milhares de pessoas vendem as
novas ediccoes dos jornaes, annunciando os
resultados.
O general Boulanger est eleito por
Montmartre.
PARS, 23 de Setembro, s 2 horas e
30 minutos da tarde.
Pelas eleieoes legislativas geraes que
acabam de ter logar, os resnltados conhe-
idos at agora do : \
Republicanos (reunidos) eleitos 217
Boulangistas, idem 166
Conservadores, idem 153
Os Sre. Jules Ferry, Rene Goblet e Mar
tia-Feuille (ex-deputados) toram derrota-
dos.
Os Srs. Constant (ministro do interior^
Floquet, Edouard Lockroj-, Clemenceau,
Ives-Guyot e Raynal (todos ex deputados),
rio a segundo escrutinio (Ballotage).
O Sr. Conde Dillou foi eleito pelo de-
partamento de Morbihan.
Seis deputados smante estilo eleitos em
Paris, que sSo: Henri Brisson (ex-deputa-
de) e cinco boulangistas, entre os quaes o
general Boulanger e Georges Laguerre.
AgeDcia Havas, filial em Pernambuco,
24 de Setembro de 1889.
(*) Estes telegrammas de Paris, com data
anterior, nos for m entregues hoje pela ma-
nbJ, razio porque nao publicamos em
tempo.
Nota da Agencia.
INSTRUCClO popular
L LITIE3AISA SX.A3ILSISA
K08
TKM-P0S COLONIAKS
.4 L literatura llraxilelra do nci-uIo
XVI ao coimero do XIX
EPBOCO HISTRICO
(Coatinuagao)
De (Jarcia de Rezende basta esto Ireelio ;
Si queris cinlim vestir
Habito coui seu cordao,
Nao haris nun~a de vir
Nc mosteiro, nem bolir,
Que o na! da devogao.
Diurnal e breviario,
Coalas pretas e rosario
Trazci de cote na too,
Sern rezardes orago
O santo do Kalendario.
Si atii bouver disciplina,
Com a maior devocao,
Com ella o corpo almina
A's escuras, a acoilar.
Rijo, mas seja no chao ;
A iniudo suspirar,
Que lodos possam cuidar
Que andaes marlyrisudo ;"
S assiu seris poupado
Sem vos da regra tirar.
Falla iudubiltavclmcnte a esses podas do se-
culo XV, como bem observa um Ilustre critico,
raetriticagao mais perfeila, raais harmona nos
versos e sobretudo mais gosto artstico em suas
coraposiges : mas essa lacuna nao tardou a
preencher Reroardim Ribeiro, sobrepojaodo a
lodos os eus contemporneos, como bem prova
urna composigo sua intitulada Menina e Mo$a,
legenda romntica escripia em prosa e Terso de
um iyrismo encantador. A posteridade appelli
deu-o com raz'io o poeta das reeordages e me-
lancbolia e nenhuiu dos coevos o excedeu no
sentimentalismo e suavidade da Iraguagein.
Quanta soooridade, quanto mimo c quanta tris-
teza nestas prcciosasjendeixas !
Ao longo du urna ribeira
Que vai peto pe da serra.
Onde m&* rim fez fcoerra
Muito teaipo o doce amor,
Me levou aminha dor.
Ja era tarde do dia,
E aa.uu del le corria
Por entre um alto arvoredo.
Onde as vezes ia, e quedo
O rio, outras vezes nao.
Entrada era de verao
Quando coroegam as aves
Com seus cantares suaves
Fazer ludo gracioso.
Ao arruido saudoso
Das aguas cantavain ellas :
Todas as minbas quarcllas
Si me puzeram diante.
Alli inorror quizera antes
Que ver por onde passei :
Mas eu que digoPassei !
Antes inda bei de passar.
As aguas que de correr
Nao cessavam um momento,
Me trouxeram ao pensamento
Que assiin eram miabas magoas.
Com o despontar do novo seculo, diz o Dr.
Fernandes Pinheiro, soara a derradeira hora da
escola hespanhala : a luz yjnha agora de Italia,
que gosava do singular privilegio de fazer pas-
sar pelas torcas caudinas da civilisac&o os rudes
soldados de Carlos VIII e de Francisco I e os to-
rnea lantquentte* e os feilres de Carlos V e do
condestavel de Bourboo. Ja nos ltimos jnnos
do reinado de oGo bruxuleava a renascenca
italiana as margeos do Teje, e o severo monar-
cha, emulo de Luiz XI. enlretinha epistolar es-
cambo com o famoso Angelo Poliziano, a quem
prodigalisava os mais carinhosos epithetos, inci-
tandoo a escrever a historia de Portugal.
Da estrada de Navagero coi Hespanha, como
embaixador de Venez'a. quas tanto como das
frequentes relacoes entre os dous paizes, resul-
tou a introduccao da htteratura italiana e a sua
influencia sobre a litleratura hespanhola. Fcil
foi ao amigo de Bembo convencer Boscan da in-
ferioridade tos metros usados em sua patria,
convectendo a nova escola esse extrenuo paladi-
no de Mena e Santilliaoa. que no ardor do scu
proselvtismo arrastou o vigoroso engenho de
GarcilO de la Vega. Quasi pela mesina epocha
recolhia t de Miranda de suas peregrinagOes na
Italia, vivamente impressionado das intimas e
doutas praticas. que tivera com Lactuocio Tolo-
mei e JoSo Ruccllai, e bastante resolvido a tentar
urna revoluco litteraria, du que esperava ser
porypbeu. E' portanto evidente que a influen-
cia italiana seguio no-i dous da pennsula ibri-
ca dirtecao paialela e syuhouica. As mesmas
causas produziram os mesmos effeitos,.
(ConttuaJ
Cioverao da provincia
BIPKDIENTE PO DIA 7 DE AGOSTO DB 1889
Actos : .
O CU solve considerar de nenhum efi'eito a nomeaco
do capito do 2' batalhaa de iofaotaria Leoncio
Luiz Piulo Uii'Piro para o cargo de delegado de
policia de Jatob. CORJarca de lacaraf.Fixe-
ran-se as uecessarias cuininuaicages.
0 cou^elheiro presidenle da provincia re-
solve considerar sem oftVito* portar de 31 de
Junho lindi que removeu as profesoras Tliere
za Emiliana ie Suuza Gomes da cadeira da ra
de S. Jopo ^estacidaile. paiaa mixta de Jato-
b, em TuCaialu, e Carolui.i Militana de Carva
too, da do exo ieniiii'io da cidade do Cabo pa-
ra a da ra de S. Joo. Coinmuaicou se ao
inspecbr jeral da Instrucco Publica.
O conseeiro presidente da provincia, at-
tendendo ao que requeren Loureuco Guedes Al-
coforado. professor puolico de ensino primarlo
de Barreiros e tendo em vista a informacao n
166, d.' 15 de Jj".bo 'iidc e o attestado a(
exHbico, resolve conceder ao peticionario tres
mezes de licenca, com ordenado, para tratar de
sua saude onde Ihc convjer.
O conselheiro presidente da provincia, de
ronformidade com a proposta do administrador
dos correios em ofticio de 89 de Junho lindo,
sob no 811 resolve. nos tetraos d* Iei n. 2791
de 20 dcOutubro de 1877 nomuar Antonio Cor-
deico de Mendonca para exTcer o cargo ie
agente do correiu da cidade, de Pesqueira, em
suos'tituicao asl'edro Clemeniino I.cite, que tica
ejUflcr4iio.
- O wnselheiro presidenya daprovincia, de
Wwrmidadc com a proposta do admistrador dos
correios contula em officio n. 831, de hontcm
datado, resolve, nos termos da lei o 2794 de
20 de Outubro de (877, nomear Cypriano Al ves
de Castro para exercer o cargo- de agente do
correio de uricurY, em substituicao de Carlota
Maria de Siqueira. que tica exonerada. Com-
municou-se ao administrador dos corrsios.
Oflicios :
Ao coronel coramandante das armas interi-
no.-Sirva-se V. S. de ordenar o acondiciona-
mento de que traa a relaco que acompanhn o
seu oflicio de honlem, sob n 1650.
Nesta data recoramende ao inspector da The-
souraria de Fazenda que receba da pharma-
cia militar os referidos medicamentos, atira de
en vial-os para o presidio de Fernando de No
Ao mesmo. Conforme determna o Kxm
Sr. ministro da Guerra em telegramma de hon-
tem, faca V. S. regressar para o destacameoto
da provincia do Rio Grande do Norte onde de-
vora licar sprvindo o cadete Nstor da Suva
Britto
Ao mesmo A vista da informacao de V.
S. de honlem datada sob n. l,6oa, autoriso-o a
conceder baixa do servigo do exercito ao ans-
peejada do 2 batalhSo de infantaria Jofio Dco-
dato da Silva, urna vez que o substituto aprc
sentado esteja as condices da lei.
Ao inspector da Theeouraria de Fazenda.
Providencie V. S. para que, mediante arremata-
cao, sejam fomecidos & pharmicia do presidio
de Fernando de Noronha os medicamentos e ar
tigos de que trata a nota junta.
Ao mesmo.Mande V. S. receber da phar-
raacia da Enfermara Militar os medicamentos
que pode ella fornecer a do presidio de Fernan-
do de Noronha segundo a relacao junta por
copia.
- Ao mesmo.Communico a V*. S. para os
fins convenientes, que o bacharel Liberato Vil-
lar Brrelo C rele o exercicio do cargo de juiz de direito da
comarca de Aguas-Bellus, para a qual foi desi-
gnado por decreto de 6 de Julho findo.
Ao mesmo.Communico a V. S para os
lina convenientes, que no dia Io do corrente mez
o bacharel Jos Evangelista da Silva assumio o
exercicio do cargo de promotor publico da co-
marca de Aguas-Bellas, para o qual foi nomea-
doem 15 de Julho lindo.
Ao mesmo. Attendendo ao exposto pelo
Dr. Euclides Al ves Requio, 2o cirurgiao do cor-
po de sade do exercito e tendo em vista a in-
formacao junta por copia, prestada pelo com
mandante das armas em 6 do correte, o. 1.647,
aulorisft^f. S. a mandar abooar ao referido 2
.rorgiao trez mezes de soWo que ser desconta-
do na forma da lei.
Ao teneote-corooel Jorge Diniz de-Santia-
go director do Arsenal de Guerra. Pelo oflicio
de bootem. sob o. i, leo ioteirado de haver V
S. assumido na raesma data o exercicio do car-
go de director do Arsenal de Guerra desta pro-
vincia, para o qual foi nomeado por decreto de
20 de Julho tindo.Communicou-se ao inspector
da Thesouraria de Fazenda.
Ao mesmoEm resposta ao oflicio dessa
directora de 6 de Julho rindo, sob n. 832, auto-
riso V. S., de conformidade com as ordens do
Ministerio da Guerra comidas em telegramma
de 3 do corrente, a promover a compra de du
zentos kilos de plvora para o servigo das sal-
vas da fortaleza doBrum.Fizeram-seas neces-
sarias communicac6es.
Ao Sr. capito do exercito Leoncio Luiz
Pinto Ribeiro,Por portara de hoje datada con-
siderei de nenhum effeito a nomeaco de V. S.
par. o cargo de delegado de policia de Jatob-
Dando-lhe conhecimento desse nieu acto decla-
ro llie que tica V S. encarregado da forca n'a-
quella localidade e em Tacarat, distribuindo-a
conforme as necessidades do servigo.
Ao, inspector do Thesouro Provincial. De-
ferindo o requerimento de Fredenco Ramos so-
bre que versa a informacao desse Tliesouro de
23 de Julho nudo o. 232', autoriso Vine, a man
dar pagar Ihe, as proximidades de sua partida
a quantia de 600J relativa ao semestre de Jaoei
ro a Junho do corrente annq da pen^ao que Ihe
foi concedida pela lei n. 1,983 de 12 de Abril
prximo passado, para proseguir na Europa os
seus estudos de pintura.
Quanto ao pagamento das demais prestagOes
devero preceder as provas de sua frequcncia
as respectivas aulas.
Ao mesmo. A' vista do que solicitou o
commandante do corpo de policia era oflicios
juntos por copia ni. 19 e 22 de N nembro e 10
de Julho lindo, sobre os quaes informou esse
Thesouro nos de 23 fe. 26 lis 230 e 260, recora-
mendo a Vine, que maulle abonar, de harmona
com a respectiva tabella, ajudas de cusi aos of-
liciaes constantes dos priineros dos citados of-
licios.'lommunicou-seao coramandante do cor-
po de policia.
Ao mesmo.-Declaro a Vrac para os devi-
dos lias, que a-.-ta data lusliiiquei as fallas de
exercicio dadas nos das 1, 3,6 e 10 a 26 do mez
de Junhe lindo pelo porleiro desse Thesonro Sal-
vador Barbalho Uelioa Cavalcante, de quem se
oceupou essa inspectora m oflicio de 12 de Ju-
lho n. *i\.
Ao gerente da Companhia Pernambucana
A requisigSj do inspector da Thesouraria de Fa-
zenda traiislira Vmc. para o dia 10 do corrente a
viagem do vapor ao presidio de Fernando de No-
ronha, Fizeram se as necessarias communka-
gOes.
- Ao Dr. Sophronio E. da Paz Portella, presi-
dente da junta de alislameoto militar da paro
chia de Santo Amaro de Jaboato.Inteirado do
que expe Vine, i-in uflicio de 1 do corrente mez,
declaro-lhe que approvo a deliberago de que
trata o citado, designando o dia 13 para reumas
da junta de aist.uneiito militar dessa paroebia;
certo de que ao Dr. thefe de polica me dirijo
no sentido de seren presentadas as list s de
3ue traa o s, um -o do art. 14 do regulameulo de
7 de Fevereno Je 1873.- Ofliciou-se ao Dr. che-
fe de policia.
Ao presidente da junta de alisamenlo o
lar da paroclua de Nossa Seuhora da Coflcalgao
da Pedra. Sciuute do que expoe Vmo. em ofii
co de i du Brrente mez, redora nendo-lhe que,
de conformida le coji o aviso do Ministerio du
Guerra de 21 de .gvlo de 1873, dirigido a pre
sidensia da provincia da Babia d3lgne HOTO da
para reunio da respectiva junta e d coineco
a>)s irabatlios, ati.n de .--er cumpridoo art. 8' o
regulnnuit'i-.ie 27 de Fevereno de 873 ; certo
de que uo D-. ihefe Je p ilicia me dirijo no sen
Udo le tunta apresentadaa as listas de que ira
ta o nico d.) art. 14 do citado r.gulamento
Ofiieiou-se .i i l)r. ib fe de p >ncu.
Ao Sr. M.tuoel Ro Iribes Porio, i* juiz d
paz, presidente d.i junta de alistamenlo mi
da paroclua de .So-sa Senltora das Dores de C-i-
ruai ioteirado pelo oflicio de Vmi! de 3 do
corrente dos luotivoii porque deixaram Au con
tinuar os trabadlos a cargo da junta de.alisia-
raento militar d'essa paroclifi, recommendo-tie
ae reuaiado aovaoiente Junta, na fur
na Jd. no Ministerio da Guerra de 21 de
Agosto'j 4tif dirii:ido ao presidente d*Babia.
pruvidMWttara que seja feta A-respectiva es-
i- ipturt Bfc cadernos de papel, em logar do
Iito do que Ihe ser remettido quando hou-
ver 1
Porteras .<
fl r. gerente da Conpanhia Pernambuca-
na fafl tranuporla*-, por eonta d.i Ministerio da
GuerrtrT io presidio de Fernando de Noronha,
para OW Hfcftm o lente Francisco Teixei-
ra lu d ^^K o oz" cadete 2" sargento Olvm-
pirrS b da Silva, ambos do 2o baialbo
de infantaria
Ao referido tennnte jfeompanba um criado de
pome Manoel.Expedlo se ordem ao inspector
da Thesouria de Fazenda para mandar ajustar
cnihtas e communicou-se ao commandante das
armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na de Navesaco a vapor mande transportar, a
re, da Ilha de Fernando de Noronha para esta
capitnl a Manoel Coellio de Miranda.
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na de Navegaco a Vapor mande aar passagem
gratuita de ida e volta, a re, at o presidio de
Fernando de Noranha no primetro vapor a Jos
Francisco de Souza, qne alli vae buscar urna r-
ni.-Comnunicou-se ao director do presidio.
O Sr. gerente da Companhia Pernarabuca-
oi de Navegaco. faga traosportar para o presi-
dio de Fernando de Noronha, por coota de Al
bino Fernandos 4 C. e cora destino ao gerente
ds empresa de exploracao de phosphato de cal
na ilha Rata, os gneros alimenticios de que
trata a relago aqui junta, assignada pelo secre-
tario desta presidedeia.
v- O Sr. superintm lente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco mande dar passagem
de ida e volta, em carro de.l classe, por coala
da provincia, da estaco das Ci.ico Pontas a de
Palmares, ao engenheiro da reparticao das obras
pablicaj provinciaes Franrelino Americo de Al
buquerque Mello, qne para alli se destina, a ser-
vigo publico.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao Limoeiro mande dar passagem de
ida e volta, em carro de i* classe, por conta da
provincia, da eslago do Brutn de Tiuma ao
engenheiro secretario da reparticao das obras
publicas provinciacs Luiz Antonio Cavalcante de
Albuquerque que para alli segu a servico.
'"omraunicou-se ao director geral de obras pu-
blicas.
KIPCDIENTK DO DR. SECRETARIO
Oflicios :
. Ao Io secretario da Assambla Legislativa
Provincial.O Exm Sr. conselheiro presidente
da provincia manda reraetter a V S. o officio do
inspector do Thesouro Provincial n. 223 de 10 de
Julho lindo, acompaando de outros papis, re-
lativos ao pedido de pagamento da quantia de
1034780 que faz o superintendente da estrada
de ferro do Recife ao S. Francisco pelas passagens
concedidas em Maio ultimo nos carros da mesma
estrada atofciaes e pragas do corpo de policia e
a diversos criminosos, ainde que essa assembla
opportunament digne se de decretar o predito
crdito.Comniunicou se ao superintendente.
-"AT'gTrentclda Companhia Pernambucana.
Deor^m do xm. Sr conselheiro presidente
da provimfe declaro a V. 8. para os Hns couve-
nientes que o capilo Leoncio Luiz Pjnto Ribeiro
e as dez pragas de linha de que trata-a relacao
que acompanhou a portara de honlem datada
terSo transporte do porto desta capital ao de Pe-
nedo.Communicou-se ao commandante das ar-
mas.
Ao Dr. promotor publico da- comarca de
Aguas-Bellas.O Exm. Sr. conseeiro presiden-
te da provincia recommenda a V. S. que envi a
esta secretaria a certidao de seu exercicio.
Ao superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco De ordem do Exm. Sr.
conselhiro presidente da provincia transmiti a
V. S., para os Hns convenientes e em addita-
raento portara de 2 do correte mez a relago
.ominul, junta por copia, dos presos que vieram
do termo de Garanhuns, escoltados por doze pra-
gas do corpo de policia sob o coinmaudo do ale-
se Francisco de Oliveira Valenga.
Kepartifo da Polica
2.2 scelo.N. 1157 Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 24 de Setembro de
1889.Illm. eExm. Sr.Participo a V.
Exc. que loran recolhidos hontem Casa
de Detencao, os seguintes individuos :
A' minha ord>3m, Jos Francisco da Sil-
va do Espirito-Santo, remettido pelo Dr.
juiz municipal do termo de Bezerros, com
destino ao asylo da Tamarinoirs.
A', orieniJ d6 subdelegado do Recife,
Eduardo Al ves Carioso, per embriaguez
e desturbios.
A' ordem do de Santo Antonio, Afra
Maria da Conceijao, por crime de feri-
raentos; Ansberto Pereira do Nascimento,
Luiz de Almeida Araujo, Florismundo
Vianna Caparosa, Manoel Alexandre Pe-
reira da Silva c Candido Jos de Sant'An-
na, por disturbios.
A' ordem do do 2." districtos de S.
Jos, Arcelina de Souza Beltrao ; por dis-
turbios.
Ante hontem, s 5 horas da tarde,
foi encontrada em urna olaria margeiu
da estrada- que se ost coustruindo em di-
reccSo colonia Suassuna, o cadver de
um individuo de norae Manoel Ferr ira.
O delegado do termo de Jaboato man-
dou vistoriar o cadver, verificando os pe-
ritos ter sido a raorte proveniente de t-
tano.
Communicou-me o delegado do ter-
mo do Cabo, que na inanhii de 17 do cor-
rente, Antonio Pereira, morador em tr-
ras do engenho Bora-Jardim, assassinra,
a golpes de fouce, a sua propria mulher
Olympia Maria da ConceiQao.
A autoridade competente fez as dili-
gencias da lei e procede contra o deliu-
quento, que foi preso e recolhido A ca-
dma.
Communicou-me igualmente o Dr.
delegado do 1." districto desta capital, ter
hontem concluido c remettido ao Dr. juiz
de direito do 2. districto criminal, o in-
querito procedido sobre o cssassinato do in-
feliz Ricardo Guimaraes, sendo indigitado
pelas testemunhas como autor do crime o
individuo conhecido por Paula Nery ou
Neves, guarda municipal, que se evadir
aps a prepetragSo do crime, pelo corre-
dor da typographia da Provincia, que d
sahida pelo fundo para o caes Vinte e
Dous de Novembro.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm.
6r. conselheiro Manoel Alves de Araujo,
mui digno presidente d'esta provincia.
O chefe de policia, Geroncio Dias de Ar-
ruda Fakuo.
DE8PACH03 DA PRESIDENCIA DO DA 21 DE
SETEMBRO DE 1889
Antonio Joaquina de Souto Lima.In-
formo o Sr. Inspector do Thesouro Pro-
vincial-
Antonio Soares de Carvalho.Informe
o Sr. Dr. inspector da Instrucgito Publica.
Antonio Jos de Andrade.Infirme o
Sr. engenheiro Gregorio Thaumaturgo de
Azevedo.
Bernardo Floriano Correia de Brito.
Renove-ae o contracto e faca-se as commu-
nicasSes do estylo. .
Bacharel Clemerio Jacintlio de Sm
paio.Encarainhe-se.
Demetrio Carneiro Rodrigues Campello.
Informe o Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda sobre a substituido da garan-
ta.
Eduardo de Moraes Gomes Ferreira.
Lavre-se edital com o prazo de 50 dias.
Francisco Lins avalcante de Albuquer-
que. Encarainhe-se, devendo ser pago
na reparticao dos Correios o competente
Porte- r n O
Joao Bernardo Lanstte.Informe o br.
engenheiro GregorioThaunaturgo de Aze-
vedo.
Jos Bernardino de Bourbon Arantes.
Informe o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Januario Nunes de Ohveira.Como re-
quer.
Isaal Esnaty.-Indeferido em vista da
diqwsifSo do art. 9. da nnovac3o do con-
tracto cm a Companhia Recife Drainage.
JuliSo Lumacke de Hollanda Cavalcan-
te da Albuquerque.Como requer.
IJ icharel Zeterino Peres de Lyra. Dc-
feri lo com officio do hoje Thesouraria
de Fazenda.
JoSo Ignacio Ribeiro Roma.Deferido
eoin officio de hoje Thesouraria de Fa-
zenda.
Capito Jos da. Costa Rogo Lima.
Como requer.
Mara Emyglia de Almeida Mintoiro.
orlera Foi la la ao Tuesoaro Provincial,
recommendando-se que nenhuraa excepcao
fosse ieita que a contrari.
Bacharel xSunphronio Euticliniano da
Paz Portulla. -luforme o Sr. Dr. enge-
nheiro Gregorio Tiaumaturgo de Azevedo.
Secretaria da Presidencia do Pernara-
>, 24 de Setembro de 1889.
O portoiro,
F. Chacn.
Thesouro Proviacial
DESPACHOS DO DIA 21 D SETEMBRO
DE 1889
Marcolino Pedro de Souza Braga.A'
Recebedoria.
_ 23
Oficios da Presidencia e Obras Publi-
cas, Manoel Moreira da Gama, Theo
lindo Augusto do Reg, Maria Eugenia
de Carvalho e Silva, Joao Flix da Rosa
e Companhia de Caxang. A' Conta-
doria.
Empreados-do Thesouro, Joo Alfre-
do de Figueiredo Braga, Joaquina Ma ia
da Conceicao, Rodolpho Clpiano da Ca-
ma/a Pinentel, Paulino Antonio de Souza
Ayres.Entregue se.
Antonio Valcntim da Silva Barroca.
A' Recebedoria.
Dr. Estevao Cavalcante de Albuquer-
que, Francisco Iguacio Pinto, JoSo Sil-
veira Boa-Vista, Augusto Ricardo Caval-
cante, Manoel Figueira do Nascimento,
Corpo de Policia e Bibliothca Provincial.
Ao Contencioso.
Dionizio Pacheco da Silva e Antonio
Duarte Machado. Satisfacain a exigencia
da Contadora.
Anna Ursulina Buarquo de Nazareth,
Jos ElesbSo Borges chOa e Jos de
Almeida Rabello.Certifique-se.
Reeebedoria Provincial
DESPACHOS DO DIA 23 Dt SETEMBRO DE
1889
Joaquim Francisco das Chagas e Silva
(4), Pedro Paula Pereira (3), Silvestre
Baptista de Santa Rosa, Manoel Vicente
do Reg Vaienca, Silverio Domingos Ri-
beiro e Silva, Antonio Barbosa Xavier
da Silva, Deodato Torres & C." o Jorge
do Reg Baptista.Certiriquc-se.
Herdeiros de Francisco Antonio Durao,
Emilia Harnna de Castro Reis e'Gabriel
Cesar Pinto de Dliveira. Informe 1.a
secejo.
Domingos Jos Ferreira C. e No-
gueira e Santos. A 1.a secc-io para os
devid'8 fins.
Antonio Martina de Lima. Informe a
i.* seccao.
M noel Gomes de S. Certifique-so.
Mejor Luiz Augusto Coelho Cintra.
A 1.a seccao para attender.
24
Jos ndate da Cosa, Antonio Pinto
da unha, Joao Gomes Paz de Almeida
Antonio Ildefonso Vianna, Rodolpho Pires
de Carvalho, Oyrillo de Oliveira (2 peti;
c3es) Sergio Lo>-eto, Manoel Muaz Fal-
ca e Joaquim Enyglio Carneiro de Al-
buquerque. Certinquc-se.
Jos Felicio da Cuuha Souto Maior.
Informe a Ia secgao.
Manoel Martina Campos c Genovina
Izidora Paz de Souza. Deferido, de ac-
cordo com as informacoes.
Izabel Maria Baptista Fragoso. Defe-
rido, em vista das informac5e3.
JoSo Francisco Ramos da Slva.= A'
1' secc3o para os devidos fins.

-o*3s^
luslrncco Publica
DESPAIIIOS I O DIA 21 DE SETEMBRO DE
1889
Dulmiro Sergio de Ferias'. Indeferido.
Joanna Carolina de Araujo Figueiredo.
Encaminhc se
23
Custodio Jos da Silva Pessoa. Enea
rainhe se.
Dr. Manoel Franoisco de Barros Reg.
Cumpra-se c regstrese.
EXTERIOR
Siiacia da Siufooa
Alleninailia
Os progressos do socialismo csto produzindo
viva ioquictagfio em toda a Allcmanha. Nao
s a chancellara imperial que se preoecupa
com o facto, preparando nova lei repressiva da
propaganda e da agitag&o socialista. Nos diffe-
rentes estados que"c:um)em a grande confede-
racao, so serias as apprehensOes.
O grao-duque-de Badn pronunciou agora um
discurso perante 33 associages de veteranos
em Ueberliogen, as margens do lago de Cons-
tanga. Esse discurso foi ootavel pelas pre-
ocu-upages que traduzio. Invocando o jura-
mento militar, outr'ora prestado pelos que o ou-
viani.o gro-duque julgou deve- exhrtalos a
cumplir os seus deveres, e a Iransmittir s no-
vas geragoes o respeito da bandeira, e a lutar
na.i ; contra o inimigo exterior, mas tambem
contra o inimigo interior, que est minando sur-
damente as bases da sociedade.
Esta linguagera prova os receios crescentes a
respeito do socialismo, e mostra ao mesmo tem-
io urna desconflanga ni prolicuiJade das armas,
de que o governo allcmo nos ltimos lempos
se tem munido para a defeza social.
0 imperador uilherme I, no seu manifest
de 1881, tracou um plano de reformas sociaes,
que ditTereutes leis depois reahsaram. Naquel'.e
documento prometleu ao povo allemo que a se-
guranc i interior do Estado (icaria assegurada
por aquellas leis, contra as quaes se indignaran
os economistas da velha escola. Agora, quando
aquella reforma estava completa, e quando os
seus resultados deviara apparecer. um chefe do
Estado allemo solta um grito de alarme em
momento lio solemne. Os receios nos outros
estados nao sao menores, e justilica-os perfeita-
aiente o progresso do socialismo. Para se for-
mar idea da gravidade do perigo, basta saber
juea somraa uos votos socialistas, naseleigOes
para o reich.-tag, se elevou desde 1871 at a
1887, de 10 i.OOO a 800.000.
O governo allemo est Lastante preoecu-
pado com a actividade eleitoral, que esto mos-
trando os socialistas, que por teda a parte apre-
sentam candidaturas, e isto quando est anda
remota a poca da eleigo para o reichstag.
Tendo corrido o boato de que os membro3 do
partido revolucionario haviam celebrado lti-
mamente urna assembla secreta perto de Ham-
burgo, levou a policia a fazer D'essa cidade
grande numero de buscas domiciliarias, para
ver se consegua apannar algn) dos escriptos,
que se suppe se esto dislribuindo clandesti-
namente. Nada foi encontrado.
Durante o mez de Julho ultimo emigra-
raui da Allemaoha 0.239 pessoas. Desde o prin-
cipio do anno at ao tira daquelle mez emigra-
ran 37.2.5.
Vai grande discusf o na Allemanha entre
a Gazeta de Colonia e a Gazeta da Allemanha da
Norte, a proposito da questo colonial.
O segundo daquelle- jornaes, que o orgo
principal da poltica do chanceller, combate por
inopportuna a expanso colonial. A Gazeta de
Colunia sustenta que o governo deve ligar par-
ticular interesse aos estabelecimentos allemes
que se tm fundado no ultramar, e advoga a
doutriua de que esses estabelecimentos dargam
a sua rea e a sua aego.
ltimamente este mesmo jornal publieou um
artigo muito enrgico sobre o assumpto da posse
da Ilha Lamou, na costa oriental da frica, as-
sumpto pendente entre a Allemanha e a Ingla-
terra, que foi-submettido -arbiiragem do Baro
de Lamoamout, e que nao est ainda resolvido.
Diz elle, entre outras cousas: Se perdermos
Lamou, era urna vez toda a uossa colonia de
V\"iion, e preciso que recebamos urna compen-
saeo. Videant cnsules. Nao se trata somente
da posse du Limou, e da sorte da nossa coionia
de Wilon ; urna questo mais importante se im-
pde : a de saber-se se, mesmo em tempo de
guerra, nos vemos as circumstancias de defen-
der as ossas colonias. A esao proposito, a
Gazeta de Colonia ataca fortemente os inglezes,
cujos intentos e intrigas, diz ella, convergiram
sempre para a regiao de Wilon. Accrescenta
que os inglezes ambicionan! a posse da costa
dos Semsl'is, e ro descansarlo emquanto nao
a obliverem. Diz ainda qne quem connece o ca-
rcter biitauoico d fficilnu.nte cahir na lluso
de soppor que qualquer concesso da parte da
Ailemanlia poder conquistar para esta as sym-
patbias inglezaa. E ainda a mesma folha volta
a tratar da expedas do Sr. Peters, a cujo res-
peito exnrooa ao governo outra vez a sua con-
demnave'l udifferenga perante os acto.s das au-
toridades i ritannicas.
Cansa vcivr.deira sorpreza esta campan ha de
umi parte da imprensa ordeiosa allema. Tem-
se como certo que nao o verdadeiro interesse
pelos "stabeleeimei.tos coloniaes 0 nico inovel
que assim faz f.liar a Gazeta de Colona, bem
como outros jornaes leyando-OS a desatieiide-
rem as advertencias qm' Mes dirige o orgo es-
p, cil do priueme da chmcellaria imperial.
Sera que a ln^lairn n io se mostr, al o ponto
.i se deseja complacente com a trplice alian-
r,i Espera-98 eecgil >' rom o emprego deste
an-io? Intenu-s cn-ar nu.a corrente de opi-
uio lavoruvel us mpreaas coloniaes, para com
ella se abrigar a acefl i M parlamento f Seja
como for. o"certo q ie nesa *cepa de ndisci-
nlina de ama parte imurlaut#daimprensao-
ciosa, ha o quer que seja res tni, "Pf0 a0
pr u.linvnio de. de.-ig^ios. Uive ainda de re-
mota rea'.isugo.
Aaotrii ungr'
Varios jornaes hngaros annunciam a pos-
sivel retirada do Sr. Ti,/..', da cenara.
i)arcfti-rtuadeC*rliicLui, irmao do impera
rlor Francisco J >-. ao vi-lar o matenal.da
sociedadeda Cni/. V mh'Im., de larou que ti-
uhu a lirme esperanyu que se nao apresenta-
ra tao cedo a ne> cssi.la.ie .** ntilisar este ma-
terial.
Ramia
A imprensa all i a esta *e mostrando mui-
to alvorga la cmn um ori-ide que foi pronun-
ciado por nm gen-ral iusso. cninmandante de
urna divisan ii'ura banquete de ofticiaes qua
hou ve em Kischnef.
Os teraaos do Brinde foram os seguint


- i
. .1

I




""a*
Diario de Pernambuco-Qi trta-eira 25 de Setembro de I 9
400 ho rea
A' cavallaria, no rao- O soberauo vestido mento actual, nrambe una papel importante oo j deado por quatro funeeiooarios do palacio.
axercito. I'enni ti -me que chante a musa atten- O arreos do corcel erara riquissiraos. Er
alo para a experiencia feita por un oiial
e
^Tallara russa, que, cjhi sab-is, transpoz a
'cavallo a distancia entre Ey Itkmhuia e Paris
eom grande rapidez. Esse oual dmonstrou
assira que a oossa cavallaria, se houvesse de
atravesar toda a Alleraaaha, al a Lorena, po
eria fazel-o ora oito dias.
Assim, naqaelle periodo, p-jaritraos ir IwfK vstava a cavaU*
apertar a mao de ajeos trmoa, 03 Bi ;i
franeezes Sim, Instara a sj 11 das (tatas da*
animaes montados pelos nosso cossacos p.ra
fazer tremer a Europa, coma o predi-;*; fh|m-
leao I. .
E tas parases foraa a;illiidas m aaftiau-os
entbusiastieos. A irapreu a alienta repetra as
eomo uina pro*a de que a Ros ;ia est aaaada.
- A viagein do (aperad ir da Ru quissiraos.
seguido por 31) pessoa- da corte.
Foi sau lado por viv; s acelara igOes.
Os riquissiraos tragi-s, os cavallos com aeus
faem de combate, os uniformes, etc. forraavara
um quadro pitloresco e originalissira de cor
local.
A corle i 11 penal desfillou por defronte do sul-
i'io a praca
tfMMriha
A* porta Besliaar do palacio, foi Ihe offereei
d > hjite e:n am jarro deoaro. O suUo liugie)<
beber e eutrou no palacio.
Parece qoe S. M. sheriliana partira para
T ligar de 20 a 30 de Setembro.
Lea se all am prego ordenando que todos os
mouno* a otos para pegaresa em armas, se diri-
-issoa a-i acampamento imperial, soto pena e
eoatina a oecupat imito os jornaes oarop-us ;iarea queimada* as cliogas aos do campo, qoe
comtudo, nao se sabe ainda se tal viagem se rea-
Hsar, ou nao ; e, no caso aflinnalivo, quando se
fluctuar.
Entretanto, curioso verseco.no a imprensa
allema est convidando para urna visita ac
paiz o soberano le urna nago amiga.
Desde I11 al*,-**s das, vanos joraaes
tue obedecendo a un a ordcm de servigo, nao
eessam de atacara Russia, s vezes violentamen-
te. As follias oficiosas dtstingaem se nesta cam
A-siUi a Gnzela de Colonia declara que o prin-
cipal perico nfio est no Sena, que diz ser a
cal leira de todas as revolucoes; mas que vera
do norte, lo Se va, dos conseibos do autcrata
russo O PoH, que nao -. 6 orgo do partido
conservador livre, mas que tambera a gaz 'ti
diplomtica por excellencia era Berlira, esse
sustenta que. se nao existase a Russia, a Fran
ja nao Soria irreconciliavel; era quanto que,
mesmo que nao exist-sse a Franca, a-Russia se
ria utc irrecinciliavel iniraigo.
E' original este molo de convidar hospedes !
Elle, tuou-se no dia 28 de Agosto em Pe-
terbof, na Russia. o casamento do duque Jorge
de Luchi-nberg cora a priuc-za Anastacia de
Montenegro. Apenas assisliram ceremonia
imperial os pareatei e amigos ntimos das duas
brailias. O- sfeos partirara era seguida para
as suas propricdades.
Servia
-r- Q jorarn" servio deu instrucgoes ao sen
delegado consular em Sophia para tranquillisar
ministerio bul-raro com respeilo aos armamen-
tos e s providencias militares lomadas era Bel-
frado. Essas providencias, no dizer daqueile
foverno. foram consequencia da execogo dos
novos regulameitos para as manobras, e lam
bem dieladas pela situicao inle_na do paiz.
O meamo governo couvidou os jornaes servios
a raoJerarcra o tora aggrcssivo de que eslavara
sando para com a Bulgaria.
Aanuocia-se delnitivaraente a prxima ida
da rainha Natlialia Servia. Oiz se que aquel-
la senhora fez constar aos regentes que acceilava
as condifiOes que Ihe irapunnara para elle poder
fazer aquella visita.
O governo di Servia est em ajustes com
a casa Krupp fiara o forneciinento de oito bale-
ras de pecas de grande calibre.
Bulgaria.
De vez era quando, f illa-se co.n certa in
listencia das velleidades da Bulgaria, de se lor
ar de toilo independente e de se erigir era rei-
nos. Taes boatos sao sempre desmentidos, mas
pouco depois tornam a apparecer cora a mest
insistencia.
Tinha-se dito que no dia do segundo anniver-
ario da pro< lamaco do principe Fernando de
Saxe Ceburgo, taes fados passariam a ser urna
realidade. Aquelle da, porin. passou, sem que
a prophecia tivesse conlirraago.
Agora o orgo oficial do ministerio do prin-
cipado, o Swubuda, publi">)U um artigo que le
vaotou novamente a questSo do reconhetiraento
i" tntu qwi l>ulg;:ro da Europa. Declara que.
se as potencias se obstinareui, em nfto dar
aquella salisfagflo ao principado, este poder
muito bera perder a paciencia, e resolver-ae a
por a qucsto da sua independencia e da sua
erecsio em reino.
A Xiva Imprenta Livre de Tienna impres-
ionou se co 11 este anonado n'ura jornal que
recebe in-piraco oficial, e declarou qoe a Bul-
5aria uio p)dara praticar raais perigoo acto
e loucura.
Se verdade. escreve ella, que o principado,
ob o seu rgimen actual t< tn realisado tantos
progre~sos para que mudar de situado T
Levantar a qucsto do reconheciraenlo sena
forneeer Russia urna legitima ratSo de^ioeixa
seria pflr em perigo a paz da Europa, por um
simples capricho (ora de todo o proposito.
Turqua
Oembaixador da tr liretanlia junto do
sulto Abdul Ha'iiid dirigi Sublime Porta urna
representar* a favor dos cn-tenses, e pedio Ihe
que lome u Bccatsarias providencias para ira-
pedir conplicacOcj susceptiveis de ameagarera
a pas geral.
As noticias de Creta sao cada rez raais in-
quietadora*.
O boato da prxima partida da esqoadra grcga
para as c 1- daquclla ilba linba se propalado
cora tal insistencia, que levou a Porta a telegra-
ph.i r para Aibeas a pedir explicacdes.
Segu ido ura telegrarama de onstantino
pa, para o Ttmet o grao sullo mandn estudar
a silnacao da Armenia, e dar satisfaco legitima
aos aggravos provados, sem conceder privilegios
especiaos a nennuma elassiM m particular, esem
parecer ceder a pressao estrangeira.
A Sublime Porta responder s reclaraacOes
de certas potencias cora respeiio i Armenia que.
enibora tomando as medidas necessarias para
atsegurar a tranqiiillida le pu6lica, nao ple.
todava, inaugurar urna legisla^ao excepcional
so para urna parte de seu imperio.
\olir!a da Asia
Prrtla
Inranna a Gnzeta de Mtsco que o ehah da
Persia, por oc<^tsiao da sua rece astada era
Londres, cedeu Inglaterra urna praca 00 Khor-
rassan, muito importante sob o ponto de vista
estratgico ; e que fez inais a esta potencia nu-
merosas co< cesados, especialmente de dir.iios
lie cava, loteras e regn de tabacos.
\otlclas da frica
arninn
O snfto chegou a Teman ha poucos dias.
A sua entrada foi apparalosa, Grandes prepa
rativos se tinliam feito para recelnr o soberano
marroquino.
Sote 11 I e quinhentos soldados, que formara a
divisc cominand ida por Sid Moharaed Esgher.
generaliaimo e ministro da guerra de S. M.
sheriliana chegurara all poucos dias antes.
Entre os soldados erara conduxidos diversos
prisioneiros com cadeias ao pescoco.
Esles soldados entrar.im na cidade com ura
tropel confuso, alguna descalfios cara a bayo-
Beta a cintura. As espingardas sao de diversos
sjHtemas Martiui, Berdu, Wiuchcsler e Pea-
bodj.
O general issiino eatrou rodeado do seu estado
maior, e ordeuou que as tropas fosse acampar
na irameiat's de Tetuaa. alia tle evitar a
confusa o que a sua passagem produzia e os pre
juizos aos donos das hortas do rio Martin.
Na manh& de 4 de Setembro que o sulto en
srou em Tetuan.
Havia muitos anuos que os sul'6ea nao riaita-
vain aquella lila e, e por isso, a ida \\ do
actual imperador altingio as proporc^es dum
importante aconte^iraetito na nistna de_Mar-
rcK.os.
A multido era mraensa ; aa janellas das ca-
tas eslava n ornadas de riquissimas colgaduras.
Bandos de judeus com suas pandeiretas entoa-
?ara canacas pelas ras era honra do sulto.
Os estabeleciracntos pblicos esta vara fecha-
dos em homenagera visita do soberano.
A's 6 da manh tres importantes seccOes de
montanhezes sahiram ao encOBtro do sulto, dis
parindo tiros e fazendo urna inferaeira e alarido
e (nsunlecer.
Levavam as Danleiras dos kabilas.
O ministro de Italia Si. GanUgalli com o pes-
soal da le^igo, por convite especial, sanio ao
encontr do soberano marroquio. Gomprimen-
tou-o cordealoiente
A's 6 da manh entro 1 o filno osis novo do
imperador, precedido por ura pelielo de infan-
ten-i cora uniformes verdes.
Aa tropas ucaram fra da cidade.
A's 7 da manh ouvirsm-se salvas de arlilha-
ria. Eutrou o sulto na cidade.
Dtp*rarara-se ao mesmo tempe centenares de
tiroti.
A mullidlo atropellava-se para ver cortejo
do inperador.
rto cu.nprirera aquella ordera.
Kgyplo
No paiz prximo de uakin, oa derviches ven
ceiam ura grande numero de rabes que esta-
vaui desde ha muito lempo em relacoes de aini-
zade cora a guarnigo d'aquella praca.
O eeneik rabe foi ao campo dos derviches tn
ajtitule araigavel, e estes, com todos os rabes
que se Ibes adheriram, depois da sua victoria,
amcacara actualmente Suakin.
Ittyvninia
A imprensa italiana est se oceupando muito
da situaco do seu paiz, cora referencia Abys-
ainia.
- Est actualmente em Roma urna emba
xada, que foi portadora de um tratado em terapo
elabralo pido Sr. Crisp e modificado por Me-
nelik, que- depois toi elevado a re da Abyssinia.
A proporito d'esle Iratado. que le amizade e
atlianca, alguna jornaes italianos advogam a
idea de se rstabelecer ura protectorado da Italia
sobre o imperio etiopico. farece muito arro
jado O intento da parte de urna potencia, que
cora tantas difi<;ul la es luclou pura poder fir-
mar o seu dominio n'ura territorio to acaudado
come o de Maponah, e que s ltimamente con
seguirara alargal o para o interior.
Estas ideas, imriu, parece oo en oatrareui
echo as regiOes governiraeutaes. A Itilia, que
orgo oficioso do governo, d era lodo o caso
a enteuder que, no caso de vir a estabelecer sr
um prot clore do, e.ste consista apenas n"am
apoio moral, porque a [taha nao poderla obri
garse a sustentar Menelick, pelas armas contra
os seua numerosos imraigos, salvo se estes vies
.-em a aracacar as posi^-des e os interesses dos
italianos.
Sao se percebe bera porque s runa ura pro
tectorado lo anodyno. As nufl posigOes e m-
teresses ter em todo o c.i-o a Italia que tlefan-
der, se forera a'ac los.
Seja como for, 6 ceno que ura tratado de ami
zade cora o novo negus um eleraeato de bas-
tante valor para a Italia, e que, em compensaco,
osla potencia pode garantir grandes vaniagens a
Menelik.
O trata.lo que se est negociando, estabelecer
sem duvida delictivamente as boas relacoes en
tre os indgenas e os colonos ostabeleuidos na
margem do mar Ver n-llio E' urna vantagem
de grande alcance, tanto para a Italia como para
a Abysinia.
/iiuiibnr
Tem causado viva erao^ao era cortos circuios
alleraes a noticias das ultimas concessOes Mas
pelo sulto de Zanzbar Companhiu Ingleza da
frica Oriental.
Segundo afirma o uily-.\>nn, a cesso dt
Laura 'oinpauhia Ingleza da frica Oriental
pelo sulto de Zanzbar, fui objecto de um accordo
entre o imperador Guilherme e a rainha Victoria
na eutre- isla de Osborne.
O sullo de Zanzbar resol veu mandar uina
misso 1 Berlira para felicitar o imperador da
Allemanha no anniversario da sua acclamaco.
bllelas da A morir
Mrxioo
Ha grandes innunda^o<'s em diversos pontos
do Mxico. Os estragos sao consideraveis. Es
to interrumpidas a- cooiinunicacoes. A miseria
6 immensa. Os habitantes dis r?giOes Innun
dadas imploram soccorros.
|:h(m-! 11 iiloa
Dizein do Nova Orleans que a J de Setembro
muitos brancos izeram fogo sobre una excur-
sionistas pretos as vizinhancas d'essa cidade,
deixando lendos varios d'elles.
Receia-se um conflicto de racas Theilmount.
no Quipipipi
O governado1, do Estado prntio j para aquello
ponto cora um furto destacamento de tropas.
FiYnMJlS E lalMIHERCI)
perial d'Allemanha, fechado e
Agosto rag,atamos urna dimiq^^H m...
l6i.S'iyJX)i marcos na reservo me
clin refarencia anterior seraan
so q^ae as autras contas houve augmento
notiveis.
Em F.'p.nya, a situadlo financeira carac
tensa ao por urna notavol v;iOIiaoSo. ou
de antes oonervafio de fardas, ootjo oonse
ouencia da plethora ao etsr.a qjae est
jpertraphianio a sua roula^ai.
A' Hespanha nXo natiioi^a sua situado
nem o emprestirao de 50 mi litos de fran
eos do Banco de Paris pude attingir a ieao,
p?orogandosim>lei'uea* as cNiseqjnencias
da or so.
A sitmcao nwnetari* 4n **rn<% 4e Lis-
boa contina desifogaia, ainda quecos es-
tabelecimentos bancarios aug raeitqpom al
guna tanto as taxaa para o desconW"
O juro para bom pipel a 3 mases regu-
iou atre 4 q[ e 4 3j-4 OjO.
Para reportes sobre o p ipel do gove n>
contin o preco de 3 lj2 e 3> 3(4 0(0,
regulando para os outros valorea entre
-i 0(o e 4 1(2.
, de Lisboa,
financeira de
Diz o Jornal do Coiiv,v>rco
era sua revista commercial e
7 do corrate, que as pracas estrangeiras
foram relativamente retrahidas as opera-
c3e8 monetarias com o intuito por certo de
reparar foreas e equilibrar movimentos, que
haviam sido bruscamente agitados com a
elevacSo da tarado descont em Londres.
X j entretanto, a despeito da perploxidade e
agitacao febril que se manifestaran! nos
mercados inglezes e alie mies, a liquida
9X0 ni -ns.'il qoe se effectaou ltimamente
toi terminada as mais favoraveis condi
edes, azendo-se reportes com nra juro re-
lativamente mdico.
A subida do preyo do dinheiro preocu-
pa todos os que se-applicam s operares
monetarias, fazendo com que n'ellas Be
note um notavel retrahimeato que parece
ser influenciado pelas regras da prudencia ;
mas orno os enthusiastas e especuladores
da alta ainda nao esmoreceram Aos seus
intentos, ainda conseguiram animar e mo-
vimentar as cota^es neste periodo de re-
pomo, consequente das excit8es nervosa
da antecedente semana.
Anarysando os diverais tactores e a
desenvolucilo de circumstanciaf que pode-
rain actuar na taxa do descont, que re-
presenta a justa rea cao das necessidades
monetarias com a h (fluencia on depressilo
do numerario, parece que sSo infundados
os receios e apprehensSes de que o pre
90 do aluguer do dinheiro ainda attioja
brevemente em Londres, a taxa offidai de
qjO, a nSo ser que aebrovenha qualquer
acontecraento poltico ou com|>lica$t fi-
nanceira; e isso parece porque as reser-
vas maullicas do Banco de,Inglaterra teem
considerave I metate augmentado, e a dre-
nagem de o uro das sosa a i xas pura as
pracas nontineataea vae ser substituida
pela iraportacJU) de onro, como eonse
q icncia da subida de cambioi.
Os supprimentos complementares de
ouro para ste imperio do Urazil van di-
rectamente Je Melbonrae omalugarrde
Londres, afim do evitar despezs.
As letras a tres meses foram negociar
dits a 3 5(8, e a seis mezes a 3 3(4, po-
ro ;n os correctores estilo recusando des-
cont a mais de 3 1(4. Papel a doze mo-
zes de prazo foi descontado a 3 1(16.
As necessidades de dinheiro para patra
ment de encargos durante o mea de
teinbro s|o inferiores em cerca de 40 0(0
das exigncias em igual periodo do anno
passado ; ecoineidindoisto coma importa-
de
HDliSTRlAS E \KTIS
Ha poucos das te ve lugar a fasta industrial le
Inauguraco da frbrica de phosplioros to sega-
ranga Cruzeiro, de J Staoke A C, ^ituadu 110
Rio de Janeiro, ao Engenho Novo, ra Miguel
Angelo.
E' ura iraportanliishno estabeleciraento e urna
industria que se levanta no paiz e ooratca a dar
/nietos.
A fabrica tem por objecto, como j ndica
nis, a manufactura dos phospboros chamados
de seguranza, parafiaados. N'essa fabricacto hu
a ditingoir tres priucipaes operacoes :fabn
Cago dos palitos preparoslo da substancia in-
Qainavel e a fabncayio, propriamente dita, dos
phosphoros ou lixaco da massa no palitos e
operucOos subsequeule.
Todas essas operacoes se de decopoem em
pequeuos trabalhoe ao-essorios.
O preparo dos palitos corneta pelo corte da
madeira nos frisos dos quaes sero destacados
os mencionados palitos ; estes servicos 86 fazera
era duas machinas que, como e natural, se
achara prximas. A madeira erapregada toda
nacional e nos varaos ver que a contextura
muito rija e cerrada de grande maioria de aes-
sas uiadwas apresenta inconvenientes para o
liui a que sao destinadas ne*ta industria, incon-
veiiientes aue sao fcilmente removidos, por
isso que dis pomos de grande variedad de os
pecies dendrologicas e por outro lado as raa
chinas de eu trabalbo poiero ser molificadas
de accordo coa os paos de que dispemos, des
condecidos na mxima parle da Europa, xlte onde
provm os iiiachinisinos.
Cortados os palitos, que esli hmidos, por
quanto humedecida que a madeira 6 levada s
machinas de corle, passam elles a ser litupos
era machina apropriada e d'ahi seguen a una
machina, onde sao escolhidos e dispostos era or
dein, indo seccar a ora calorfero.
Foitas essas operacoes sao os palitos levados
s machinas da collocacSo as grades, as qu.ies
in fiara
mavel a sou terapo.
ellos irio receber a paralina e a massa
que a taxa do descont ainda experimen-
te alteratjoes para a..ta.
Na praja de Berlim o flesconto particu
lar elevou-te a 2 58, e natural que ain
da suba, por serem deveras intensivas as
necessidades da proca e haver importan-
tes diminuicSes as reservas metallicas do
banco officiai.
.* Segundo o ultime balanjo do Banco Im-
Essas machinas de que o estafeeleeiraento pos
sue doz para o seu ser-ico, sao bastante nteres
sanies em seu fuuccionamento, e aqui que se
nota o inconveniente da contextura das noMM
madeiras, que nao sendo libr isas quebrara se
tauto ou lascara se dando graode prejuizo de
pah.os, quaudo o crivo meiaico os distribue
lelos inlervallos das grados, que os vio levar
operagan da lixaco da paralina e da massa in-
llarainuvel.
E est terminada a preparacao dos palitos.
Collocados os palitos oas grades, estas sao
postas as uasleas verticaes de ferro, de peque-
nos ca radios que vilo lvalas iiicisao na pa-
ralina, apsa qual se faz a lixaco da caWca,
isto da massa inilammavei queja foi prepara-
da em ora Laboratorio especial.
Fizada a massa entrara os phosphoro* paVa as
cdulas de seccar, que sao era numero d nove,
construidas de (erro e alvenaria de lijlo a pro
va de fogo.
Esto fabricados 03 phosphoros que vo para
as caixiiibas, sendo .iepois empacotadas estas e
eucaixotadas para aexpedico.
A tabncacio das cauiabas, lixaco dos papis
que as cobrem e ooiraOebimeut das paredes la
teraes da ca xa com a substancia de ie.co, phos-
pboro araorpho, fai-se por raeio de mactiinas,
sendo o acoocioBadimeulo das caixinbas por em
quanto raauual, at que augmente a produocao,
quiriu viraraaoliinismo apropnado esso. Jim.
O enipacotaraeu'o e o eucaixotameotoso tara
bera aianuae.s. exigiudo esta ultima fabricuco
grande numero de dispositivos, cuja descripeo
serta impossivel fazer aqui.
Alera das machinas que pertenecen ao fabrico
dos phosphoios e de suas caixinbas, na tambem
as accessorias destinadas amolar as ferramen-
tas, aos trabalhosdc serragrm de madeiras, e ao
concert de pee .s dos machtnisraos que soffre-
rem avahas, bem corao para hdugrapbia de r-
tulos e cpno desles.
Os raachioisraos esto distribuidos por 13 sa
las de grande edilicio de alvenaria oe tijolo e
naquellas era que sao feilus operacoes Dengosas
ha forros melailicos que solara o madeiraraento
o qual, alem disso, nao cowide para todo o
edilicio, de modo que os perigos de incendio fo-
r-ui evita los"c,ora u loo cuiddo.
Alm das salas, era que esto os apparelhos
da fabricaco, ha duas outras em que so achara
o motor, que 6 urna machina a vapor, de expan
sao, do autor Meyer, com a forja de 30 cavallos
e a aldeira tubular que a alimenta, Tornece o
vapor neeessario a raanter a elcvao da tem
peratura dos seccadores e dos baaos proprios
ao tibnco dos phosplioros.
s phosphoros nacionaes da fabrica Cnueiro
podem competir com os similares eslrangeiros,
aos quaes este excediera na lixaco das cabreas
eaia persistencia e belleza da chamina que pro-
duzora.
O estabeleciment se corape dos. segointes
eJificios, segundo o Diario do Commercio de
quera cotheraos estes dados :
fabrica propriamdM di'.a, oceupando uma
rea de 4,900 metros quaJrados ; ura armasem,
que. mede S!' metros quadrados e outro quelem
a rea de i i 7 metros quadrados; casa de resi
dencia do inestre : oficiua de ferreiro, era um
telbeiro ; dous galp's para deposito de madeira
nocessaia fabrica com 200 metros quadrados
de rea ; ura escriptorio provisorio (pequeo te-
Iheiro); urna estribara* um estabulo, em te-
Iheiros distinctos; duas casas para operarios
concluidas e dezeseis em constra^co disposlas
m grupos de aspecto agradavel hygienicamen-
te construidas ; uraarmazem para ofornecimen-
to dos operarios, era construeco; e nra reser-
vatorio para a d;stribui<;o d'agua com a capa-
cidade de 43,000 litros.
Todas essas edi>aces se distribuera por m
largo terrewo, cujo nivel superior ao da ra
Miguel Angelo e !j pial se descortina ura bello
panorama.
%
A constmeco tem a siraplicidade propria da
architeciura industrial, sendo nesse carcter ueui
ordenada. .
TABCR1P0ES

A revelarn
(&a$ao, da corte)
Nem todos os republicanos cooibatem o rainls-
cao de ouro que cornaca a alfluir s caU*''0 aet,ual 5 "JS9 "sPpra !ni"lo de
*^ n i t 1 1 tica,.outros ate o lo;
xas do Banco de Inglaterra, nao de crer recoiiiiecer n. lie o 1
vinculado por suas tradicoes raonarchia e seu m pala felicidade de ver-se acabrunha lo 'cora o
defnnsor n>s das di tucis. novo encargo, que deve orear por cento o dez
Oestes tactos ooneluera os publicisUs de maior rail contos. Esqueccra todava, giverno e tha I
aatorrdade que a repblica vai era catninho da riferarios, de instruir-nos sobre
vicwm, nao lendo que temer do actual -gabine-
te e antes tudo a espe ar. E' elle
a espe-ar. Kr elle o precursor
da santa revolugo democrtica, que se realisa-
rl pacificamente entre palmas e hosannas como
se realtsou a exiincco do captiveiro !
Os republicanos que assira (aliara, sen duvida
conheoem melhor de. seus recursos vantagens
do que nos conservadores dunpaarecidni da su-
perllce polHica, seno exterminados pelo gover-
no eoipeiihado na salvaco da moorcliia.
esus owdssas n') provacadas e expansi-
vas, lo proprias da virlude democratioa, for-
zoso concluir que ura dos-\>o* esta ewtfaialo
o goverao e a deuiocraeia. para nao Usurar
terceira hypotliese, que repulaiaos nnprovavel.
Era qualquer caso nao fcil presumir tanta
habilila-le no governo ou tanta ingonuidade na
deuiocraci ao ponto de confuedirem a guerra
com o auxilio ou este com aquella.
Sem o proposito do inquietar to singular se-
uuranea cutre adversarios extremse irreconci-
liaveis arriscaremos o nosso parecer, que nao
de.ixa de ser iuleressado, porque se o iiiadido
o governo. maior o risco que correm as iusti-
tuicOes eslabelecidas.
Do prograraraa do partido liberal aspiraco
democrtica ha apenas a-distancia entre a rep-
blica imraediala e repblica adiada; da n-pu-
blica pro-lamada para se organisar e da ropa
blica organisada para st proclamar; nada raais
Consagradas as reformas prometidas:
1." dealargameoto do voto, ou antes su*ragio
nniversul.
2 Teuiporariodade do Senado.
3.* Liberdade dos cultos cora todos os seus
consectarios.
4." Autonoraiado governo provincial.
Estara consnuimada a revolucao democrtica,
restando p throno varillante e sem apoio. Derro-
cadas todos os principios conservadores da uni
dade nacional p\da victoria absoluta, sem correc-
tivos do principado popular no Senado, na reli
yio e no governo local -a nonaiciiia seria a cu-
pula suspensa nos ares; cairia por si, indepen-
dente de esforjo deraolidor, entre palmase hosan-
nas I
Repblica boje ou araanh ; mas repblica e.n
lira 1
Se ha .epublicanos crdulos, nao faltara sus-
penosos. Estes, por serem raais urdeutes, nao s&o
menos prevideotes. A lgica do3 ho.oens nao go-
verua o mundo. O progrmala do partido liberal
.ser mutilado, adiado e archivado.
Ainda bom !
a cjramissao
prqmettida aoj bancos que as seripeo do emprstito e sobre a iniralidade
I com que aos meamos bancos foi deixada 1 f ;-
cuidado de Iludir a concurrencia publ ca lici-
tando sobre as olI-Ttas, que s elles cmlie-
ciara.
A comraisso, ai-gnudo corresga pragi. :i.o foi
para despro/.ar-se : elevou-se *l 3,'i. Cot ella
a despeza deve orear por mil+e oitoe^aios con
tos, os qtries reun lo dd.fenca entre a sora-
01a aparada p4as olferta-s e a importancia li-
quida de cen aail contos autorisada pelo de-
jeroto, deven elevar o oanpresiimo ao valor no
aniri.il de cerca de o uto e i-siad cootos !
processo da subscripeo est sabido que
egociq que s poda e aevia correr por iata
do ministro e dos bancos asseguradores : o se-
gredo e a sua alma. Ao contribuidle restar pa-
gar e nao bufar: a sua torta
-
avatn e todos concn!
preparador raais idneo da
por propria vontade ou in
futura democracia,
n tmente.
Dous orgos importantes desla corte, cujos
scutimenti s republicanos sao conhecidos, seraa-
Bifestaram esta semana no sentido expo
A repblica nao foi vencida na ultima eleicio
Hi raonarchia, diz um; e o outro ajuntao
ido republicano provou maior torca di
linb 1 apresentado.-
O vencido, destruido e desapparecido
percie polticafoi o partido conser-
O emprstito cleitoral
(Sa Bem sabemos que cora ser capital a qnestoda
legalidade do eiiiiiresli 111 nao p ide ocuupar a al-
te uta o do raiuisterio 7 de Junho, que sj propoz a
exercer a raais desbragada dictadura liuaiceira
A ura tal governo s preoeeupam e aproveitara
as curaplicidades iuteressadas, que elle fcilmen-
te angaria na razo do esparramo dos diuaeiros
pblicos.
Entrctauto a questo da legalidade iuteressa
profundamente a massa dos contribuintes e a for-
ma do governo monarebico, do qual a legalidade
sempre em Ihese a torga, o mrito e a gloria.
Sabe Oeus seno para anda raais eompromet
telo peranle o puiz que o ministerio nos prepara
o carnaval financeiro, a que vamos assistir fra
da estaco I Em verdade, depois deter prscurado
compromettel-o cora o seu prograraraa de suffra-
gio universal directo, da eleclividade dos pivsi
dentes de provincia, da separago da igreja do
Estado, de reformas no senado e 11 > conselho de
Esta -lo, n'uina palavra do desrnaiitciaraento do
imperio, o ministerio deliciase com o grande
gaudio que produzio uas leiras republicanas
aniquilando pela corrupeo e pela violencia o par
do conservador, que sempre tea si lo o apoio
liruie da uionarchia. S Ihe reatava a desordera
financeira, que cora os actos j conhecidos do
ministerio uao se lar esperar.
Se carece de legalidade a operaeo realisada,
porque nao Ihe aju oveilara as atitorisagoes da le
urca mentara invocadas pelo governo era suaex-
posigo de motivos, conforme deixraos demon
slrado um artigo ante rio.. nao menos notoria
que Ihe l'aita o sttguudo icqaesito que pode jus-
tilicar to oneroso eucargo, a s.-ber, sua necessi
dade.
A exposteo de aHtivoi que precede o decre-
to d por fundamentos ao emprestiuo 03 soccor-
ros s provincias do norte agelladas pela scc-
ca, os auxilios lavoura, a despeza com a ira
migraco, o sanearaento da capital do imperio e
o resgate do papel raooda.
Seguramente que para occorrer a te variados
e ingentes servicos a quautia de cera mil contos
era absoluto nao seria demasiada seno in-ulli
cente; oas o etnprego dos recursos necessarios
est subordinado a circuraslancias de que nao
dado prescindir, anda com o melhor proposito
de espalhar dinheiro.
Os raesmo actos do governo^ que com razo
ningueru acensar de novo, estao demonstrando,
que elle nao careca dos recursos pedidos- ao
crdito para occorrer aos dillereates servicos a
que allude a exposic&o de motivos.
Assim que:
Com relacoaos soccorros s provincias do
norte, o propno governo calculou o accreseirao
das despeaos a fazer-se na quantia de sote mil
contos, pula qual abri crdito extraordinario
por ura recente decreto e cora audiencia do Con-
sol lio de Estado.
Cora relaco aos pretendidos auxilios lavou-
ra, nao se sabe ao certo a soraraa que o governo
lera j distribuido nao so aos diferentes bancos
favorecidos, mas as casas particulares, que em-
bora respeitaveis nao sao obrigadas a publicar
seus balancos. Conhece-se porem pela pubUca-
Vo ollicial que ogoverno acaba de mandar tran-
screver em todos os jornaes desla capital, qoe
os auxilios prestados at esta dala, isto depois
de tres meses de aturdidora celeuraa. nao pas-.
sam da ridicula quantia de 1:9.)V.000*0001 .
Somraa era verdade mesquinha pura is clamo-
rosas necessidades da lavoura de cinco das mais
importante.- provincias do imperio, que- alias
anda turnara sua disposico no Banco do Ora
zil quantia superior a seis luil contos, em virtu
de do accordo celebrado cora o governo conser
vador.
Com relaco a immigrago, a; conhecidas
ideas acanbadas do ministerio nao permitiera
suppor honestamente que ella- pos-a olspender
ate o lira do anno, o saldo de seta mil contos
que achou disponivel no exercicio da veffta or-
dinaria de dez mil contos votada na lei do orga-
raenlo.
Accresce que para esta despeza consignou a
loi recursos ordinarios mais que sullicientes, que
certa rae nte dispensara os extraordinarios do ein-
preslirao onde nao poda ligurar
Cora relago ao servigo do sanearaento d'esta
capital, sua laboriosa aopulago nao tem pre
sondado-a execugao de outros que nao sejaui os
ordinarios contemplados era varias disposiges
da le do orgamento vigente, e no crdito extra-
ordinario aborto por decreto de 5 de Fevereiro
ultimo, que foi levado a doze rail coitos com
os soccorros'da socca : para todas nao eram de
mister os recursos extraordinarios do erapresti-
uiii. Nem ao menos aproveitou-se a boa estaco
de Junlio a esta parte para proceder-se lavagem
dos eacanamentos I
Resta o resgate do papel raoeda. Mas para
leva! o a eUeito o rerate decreto n. 10.386 de %
do corrente luc.z ui consigna, soturna superior
a seis mil contos a despender no prazo de seis
mezes, islo trez 111 /.es aim do exercicio cor
rente e quatro mezes depois da abertura do par-
lamento convocado para O de Novetubro pro
xiiuo.
Era concluso, p goverao nao careca de -re-
cursos seno na importancia de i;i.OO,:000000
para os dilTerentei ini.=tras que elle allegou e
exage-rou em sua exposigo de motivos. Ora,
somma inulto superior a esta achou a nova ei-
tuago uo saldo de mais de quarenla mil contos
que Ihe lgou a poltica conservadora.
Cu.-da a utiii aossa o ministerio de
Junho tor disp -ndido nao j lo avallado saldo.
masaron dada que tera continuado a
>-ar se superior oreada,' no curto periodo
x.es I
noa argumentado na supposigo de ser li*
I legitimo o dispendio exigido pelas fanta-
iw: e eremos ter deixado da-
e'.o que nao era necessaria a quantia de
cem mil contos podidos ao crdito.
Quanto s condiges cora que a operagao loi
verno e a-cohorte numerosa
- intaressados nao cessaoi de con-
^Herazileiro a render gragas aos deu-
atite-hon
Aor actos
tera :
Foi removida n professora publica Joseplia de
Godoy e \Lis:oacellos da cadeira de ensiuo pri
inario de-Lasa He B.ixo pira a mixta de Alo-
gados de Bfpazoira.
Foi -crea-hj oais un distric'o de subdelegada
na froguozia de Cabrob. cora a denominaco de
Orec,*o qual compor se-ha de tmlo o territorio
que Bear ao poeot i 1 Riacho da Brgida, e res-
jtaurado o da Serra de S. Luiz Gonzag do termo
de"'Oar,)iiliuas.
Foraiq c.p.'rvdidoa*ao 1." escrivao de capellas
residms e a o entes Luiz da Veiga P.-s-ia, trs mozos de licenga para
tratar do sua sade, devendo ontiar no gso da
mesma I cenca no prazo le lo dias.
Rj ex mera lo. i pedido, do cargo de drogado
do 2.- districlo liierario da Gruya o bacila vi
Jos Oini/. Brrelo e nomeado para substituii 00
bacharol Ayres de Albuqueique Gama.
Obteve Julin Luraaciii de Hiillaiida Cav,.lcan-
tede Albiquerqao, continuo da Kecobe loria Pro
vincial, a Coucesso de 60 dias de iicenga com
Btdenado, 11a trina da lei, pira tratar de sui
sale.
I'or portara da mesma ilata determinou-se C-
mara Municipal de S. Bento que expe lisse cora-
municaeao aos jutzes da paz e dsse as deraais
paovidenciRS do e-tylo afim deque so proceda no
da 28 de Oulubro vin lo-ro eloieo para ura
vereador em suistiluigo .#u fos Bento de Ol
veira, que a ceitou epmgo publico retri-
buido.
CunNellieiro Fritucitico Belinario
II ratera, s 10 e 1/2 Inris da noite, sorpreben
deu-nos aduloroaa noticia do irospas-odocoo
selbeiro Francisco Bolisario Soares de Sou/.i.
senador do imperio polo Bio de Janeiro e mera
bro extraordinario do cr.nsolio de Estado.
Nascido n.i provincia do Ura de Janeiro, ocon-
selheiro Belisario era amis de cerca de 50 au-
no: de idade. FonnoU-se em scioncias jurdicas
sociaes pela Kaculdado de Oireilo de. S. Paulo
e dedicon-se lovonra de caf, tomando tambera
parte activa na poliica.
Foi ora diversas legislaturas roenibro da As
sembla Provincial do Kio de Janeiro, doputado
geral n s ultimas legisl duras o escolhido sona-
dor do imperio ora 7 de Maio de l8-<7.
Fez parle di ministerio de 20 de Agosto, oc-
eupando a pistada foseada, que gerio cora mui-
to tino e criterio.
Era o tinado bastante inlelgenle a illustrado,
orador parlamentar correcto e bom estadista.
A sua per.la bera seusivel para o paiz, que
ainda espera va mudo dos seus talentos.
Os ifui-tn-ixia* taenpnnboen It 1
lisou so aate-iiontein noite no grande sulo do
Club Internacional, pe rao te numeroso auditorio,
0 priraeiro conceno dado pelos distinctos gui
tari istus hespanhoes, Srs. professores Jos Mar-
tnez Toboso e Prxedes Gil Orosco.
0 prograraraa oxecutado Tigra lou rauilo e o<
oxceiloutes pr dessoros roceberara calorosos ap-
plausos, devidos nicamente ao inerecimento in-
contestavel de arabos.
Por vezes irromperam os bravos moia voz.
S ouvindn os celebres artistas se podera fazer
di-a do que elles sao, dos sene sorprendentes
que tiram das guitarras, ca qoe imitara nflexes
da voz huraana, tirara sons idnticos aos de
harpa, corneta, pistn, flauta. Urna verdadeira
maravilha omlira.
A wala Dolores executada com uraa delica-
deza de arrebatar. Foi bisada.
A Rodalla Hespanhola, executada sraente pelo
Sr. Toboso, causou a maior sensugo, O eximio
artista fez prodigios taes, que nao exageramos
dizendo, que impossivel a outro fazer mais do
que 1 lie.
Xa prxima segunda-feira haver o segundo
conceno, cujo programla este :
Pritueira parte :
i.*SimphoDia da opera Juana d'rcVerdi.
i.* Tema alemn, com variaooesHomel.
3.* Tuya, mazutka-Peoella.
Segunda parte:
!.Phantasia da opera Batto i masthera-
Verdi.
t*Tris Jolie, walsa-E. Waldleafel.
3.*Tango, danga hespanhola h. y Valverde.
Terceira parte:,
1 .Phantasia da opera TrotadorVerdi.
!MtnuetteBolzoni. r
S-'-Polka, (Rizicatto)-Straus.
FinalRondalla Hespanhola.
Cupin-iiinti!!) Analeca Ordinis Cappue-
oinoriim publica a seguidle estaslica da Ordera
dos Capucbinhos, oade se v corao floresce- este
ramo da grande familia do Patriarcha de Asis.
"s capm hinhos contara, actualmente : pro-
vincias 32, conventos 536, residencias 10, esco-
las serapbicas ou colfegios 30, cora 719 alumoos
que sao educados e instruidos para a Ordem-;
religiosos 7,85, dos quaes 1,317 clrigos..3,718
sacerdotes,. 2,818 leigos, sendo 420 addidos s
missoes estrangeiras.
Paitan os dados das provincias polaca e russa.
Os te'ceiros, dependentes dos capuchinhos,
ascendetn a 498,883, perienceotes a 41 provin-
cias.
Faltara os dados das provincias dos Abrazos,
Piernn te, Toscaaa (Italia), Tolosa e Saboya
(Franja).
Do referido numero, 4,800 pertencera aos Es-
tados Unidos, 4,000 Inglaterra, 1,036 Irlanda
e 69 tOO ao Tyrel.
Os capuchinhos imprimem peridicos francis-
canos em lat ni italiano, francs, ingtez, hes-
pauhol. etc., etc.
orlfiudc lili (erarla nfaliri
ol*-Araanh pelas 11 horas do diafazsesso
essa sociedade, tendo na meanta lugar o jury do
personager histrico Fernandes Reir, e em se
guinda encorrando-se os trabamos do corrate
anno.
Vapores) de sul Segundo telegrawma
vindo da Bahia para BepartijSo dos Telegra-
phos, d'alli partirara honlom tarde'os paquetes
ingle: Aconcagua-i brasileiro Espirito Santo.
0 priraeiro deve tocar era Feroambuco ama-
nh, e o segundo a 27 do corren te mez.
Para ac render fogo -Os proprietarios
da Rainha das Flores, ra do Barao da Victo
ria n. 41, enviaram nos quatro caixiahas conten-
do pastilhaapara accender fogo fcilmente.
Prestara se perfeitamente ao tira a que 30 des
tinam e nao inodoras, nfc> fazem furaaga, evitara o
ftido que gas casas de familia ha quando pela
manh se accende fogo com kerosene.
Urna caixa contendo 20 paslrtbas vnnde-sc por
OOris.
' .tuMMinnio -S raanh de ^, do correa-
te, An'onio Pt reir, morador em trras do en-
genho Bom Jirdjm doCaoo,-assasstnou.a golpes
de fon :e, a sua propria raulher Olympia Mariada
' onceigo.
O cnuiinoso foi preso e recomido cadeia. *
Cadaverino da 22do correte, polas 5
horas da larde, era urna ola ria sita margera da
estrada que se est construindo para o engenho
Soassuna, no tormo de Jaboaiao. foi encontrado
o cadver de um individuo, que se recoso-'ceu
chamar-se Manoel Ferreira.
Da visloria a que se procede u no dito cadver,
verificou-se tor sido a morte de Manoel Fen-eira
proveniente de ttano, segundo resa a patU po-
licialn'outra seocaVirasta folna publicada.
Nao diz. porem, a referida parte qu
de telan/) fi esse, se thraumatu o: se espontaneo.
1 iraeiro caso, pode elle ter proviodo de fe-
rimentos, e Manoel Ferreira ter sido victima de
ura crime.
Pensou nisso a polica T
E'caso para retectir, e agir em consequencia.
Ca! Cario* ameNo dia 21 do cor-
rete procedeu esse club eleico da respectiva
directora, qae tem de funecioaar no exercicio do
1889 a 1890; e era resultado da votago Hcoa
assira cera posta a mesma directora :
1 Presidente e vice presidenteGabriel das Xe-
v.-s Cardoso (reeletto) e Joaquim Jos de Amo-
rra; .
i o, 2 secretariosAlvaro Pinto Alves e An-
dr Ferreira da Costa;
Thesoureiro e ajndante do mesmoAlberto
Dias Feraandes e Arlhur Augusto de Almeida ;
Fiscal -Jos Joaquim Dias Fernindes ;
VogalAdalberto Paiva ;
Bibliotbecario -Gastn Bego;
(fttasetor de concertosCiarllni Ciro.
A co-nraisso de contas ficou constituida do-
Srs. Jos Ciemontino H. da Silva (relator), Jos
Ferreira Marques e Jos Machado Dias.
Ubi st 'uida foram conferidos titulo? de sodas
honorarias s Exmas. Sras. DD. Celicina* Rolim.
Paula Boderloin e Edwg Stelzle, por servigo
prestados ao club.':
A nova directora tomar posse no sabbado
prximo.
Circulo Calkolico do Berife -Te.-
boje lugaraassembla geral extraordinaria d'es-
se Circulo'flo lugar o ho -a3 do costurae.
Senlo o tim d'essa rounio a deliberaco fobrt
assuraptos de urgente importancia para o mesmo
Circulo de esperar o comparecimcnlo de todos
os socios.
Unio e ljettraaReune-sc essa socia-
latfe 0111 sesso ordinaria anianh pelas 10 ho-
ras do da. na respectiva sede, deveudo na mes-
ma sesso ter lugar o concurso litlerario.
Tribunal do Jury do BeclfeFunc-
eooou houlera este tribunal em sesso prepara-
toria, sob a presidencia do Dr. FranciscoDorain-
guos Bibeira Vianna. juiz de direito do 4. dis-
triclo criminal.
inuipareccram Id juisos de facto, sendo sor-
teados os seaiuiDtes supplentes :
Freguezia do Recife
Antonio Luiz Vieira.
Luiz Bndeira de Gouveia.
Freguezia de Santo Antonio
Tiioraaz Ferreira de Carvalho-
utomo Lins Caldas.
Joaquim Collago Dias.
aniel AntOfM Leite.
Joo Chrisostomo de Lima.
Domingos Jos Ferreira.
A-jtonio Francisco da Costa.
Mano d Leite Peroira Bastos.
Fnguezia de S. Jos
J >se ouiingucs odeceira.
Freguezia da Boa- Vista
1 lo Birhosa de Souza.
Joo Joaquim. ia Costa Leite.
Dr. Brrairo Cesar t'.outinho.
Aiidionieo Itodrigues do PasdO.
Antonio Jos de Moraes Sarniento.
Thomiz Teixeira Bastos.
Augusto Pereira Bamalbo Jnior.
Jos de Ajuino Fonsoca.
Jo Monteiro de Castro Araaral.
Luiz Ferreira da Costa Porto Carreiro.
A lolpio Teixeira Lopes.
Jaqujra guaci de Siqueira.
Amonto Fernandes de Albuquerque.
Freguezia da Graca
ite||jr.iiii!o Francisco de Paula Midureira.
Jrony no Gomes da Fonsoca.
Vctor Horacio Dias de Toledo.
Antonio Arcovorde de Mello.
Joo Carlos Ferreira.
Luiz de oraos Gomes Ferreira.
Freguezia de Afogados
Luiz da Conceigao Albuquerque.
Jos de Albuquerque Mello Loyolla.
Freguezia do Poco
Bento Manoel de Lastro Mello.
Arlhur Cysne;ros|de Albuquerque Mello.
Joaquim do Reg Harros Pessoa.
Foram mult.dos era 20J todos os jurados no-
tificados que deixarara de comparecer, constantes
da relaco hontem publicada, e mais os segra-
les do l.'sorteio .-uppleraeuiar:
Aoguslo Jos Gongalvos Lessa.
Adolpbo Estanislao da Costa.
Antonio Valentira da Silva Barroca,
autillo Lellis da Silva.
Custodio Narciso Dias.
Felippo N'ery frongalves Ferreira da Costa.
Dr. Joo Bastos te Mello Gomes.
Dr. Jos Berardo Carneiro da Cunta.
Jos Salvador Pereira Braga.
Dr. Luiz Eraygdio Rodrigues Vianna.
Luiz Epiphanio Maunca.
A sesso foi adiada para hoje s 10 horas.
1 lillMlma lenabranca Escreveram-
uos hontem de Beberiie o seguinte :
Acha-se agora a Corapanhia Santa Theresa a
co'locar o seu novo encaoamento, sendo os nvos
cannos de maior dimetro, para melhor e mais
abundantemente abastecer de agua potavel ci-
dade de Olmda.
Corao j o seu Diari disse, ha dias, a nova
caixa d'agua fica a dous kilmetros deste oovoa-
do de Beberibe, no sitio denominado do onego.
A purissima agua do Beberibe, aproveitada
em tal distancia, e de que se desvien at un
riacho de aguas impuras, o_que foi mais um ex-
cellentc servigo prestado por aquella companhia,
que vai, era boa bera. ser utilisada pelos habi-
tantes da antiga capital, que icar tao bem oa
melhor servida do que essa capital.
Nos, porra, os de Beberibe e do Porto da
Madeira continuamos, parece-nos, a ticar, como
vulgarmente dixem, cora o bico n'agaa e mor-
reado sede 1 E dizemos isto porque o asseit
do rio Beberibe, que nos passa to pertinho, tai,
que nao se presta razoavel mente seno para ca-
ntos. Immundicics de toda a especie, animaes
morios, foltias apodrecidas o que nos traz o
refrigerante Beberibe da caixa d'agua para baixo.
Como beberse, como aproveilar-se para usos
culinarios seraelhante agua ?
Porque razo, agora que to fcil, pois o
encanamento veltio ainda n&o foi retirado e os
vatios se acham abertos, nao se ha de dotar esta
povoagSo e a do Porto da Madeira, cada uraa
eom o seu chfariz de agua pura r
Pego-lhes lembrem isto na sua folha, oertos
de que concorreto para- um grande mclhora
ment aos habitantes das duas localidades.
Ao Extn. Sr. conslheiro presidente da pro-
vincia lembramos que se digne raaadar estudar
o assurapto com urgencia, providenciando como
no caso caiba
Ah lica'a justa reclatnaco. Para ella, por
nossa vez, chamamos a attenco dequem com-
petir.. Esliramos que ser altendida.
enico militar Entra hoje de superior
do da o Sr. major Alves e de ronda menor un
lSr. officiai de cavallaria.
0 2u batalho dar as guardas da Detengao,
Alfandega, Brum e Thesouraria de Fazenda, e
14 as da Enfermara Militar, Theseuro Provincial
e o officiai para a da Titesouraria de Fazenda a
o destacamento de cavalhana a de Palacio.
Foram Horneados os Srs. major Justino Ro-
drigues di Silveira, caiito -Francisco Jos da
Silva, Dr. N'elson Tavares da Cunta e Mello, l-
ente Manoel Mauricio Lopes Lima. Joaquina
Candido de Oliveira Marques, alteres Victoriano
da Silva Costa Pedro Nolasco de Souza para pre-
sidente, interrogante, auditor e vogaes de consa
Iho de guerra a que vai responder o soldado do
14" batalho Manoel Matbias Nogueira do JJosci-
mento.
Existem em tratamerato 15 pracas na enfer-
mara militar
Passou a prompto de ordenanga empregadt
no coramando das armas o cabo de esquadra da
2* batalho Francisco Solano de Mello Coaei.
Foram devolvidos ao 14 batalho devidamen-
terubricadosospretcs e as sertides de assen-
lamentos que servindo de escua pertencente at
solda-lo do 14* batalho Manoel Lopes da Foise
ca, Porfiro Jos Pereira e Julio I'rocopio Millar.
1,1-1 MeEffectuar-se ho os segurte* :
Hoje :
Pelo agente Modesto Baptista, s II horas,
ra Nova n. 59. de ura piano, diversos movis a
fazendas.
Pelo agente Alfredo Guimares,. s II horas,
ra do Bora Jess n. 49. de cinco casas ter-
reas.
Pelo agente Martins, s 10 1/2 horas, ra Es-
treita do Rosario n. 34, de movis, lougas e ou-
tros gneros.
Polo agente Brito, s 10 t/2 horas, no patee
do Tergo n. i9, de urna armago, perfumarlas,
etc.
Quinta-feira .
Pelo agente tnlto, s 10 i/2 horas, mi dt
Palma n. 99, de movis e outros objectos.
Misaa raaebroaSero celebradas :
Hoje:
A's 7 horas, na igreja do Paraso, pela alma
de D. Candida Machado Carneiro.
il
1
,1
fc

J
i
4


r-
I E


!



.

> %- w
i >*?) JH
Diario de PernambucoQuarla-icira 25 de Setembro de 1889
3
Amanhi:
As 8 horas,na igrtja do Pogo da Panella, pela
alma de D Hereulaoa Duarte de Miranda Henri-
3oe; s 7 1,2 horas, na mesma igreja pela alma
o coronel Joo Baplisla Pereira Lobo ; s 8 I
ras, na igreja da Soledade, pela alma de D. Ma
a Joanna Balbina Curainba.
PawwKPlroN (negados de Triesle no va-
por austraco Meduza:
Demetrio Lanos. Dicordi Redica, Emilio Flion,
Punca Demetrio, Margarita Gomes. Daniel Dimi
tro, Candora Laoo3, Demetrio Lanos, Teodora Me-
clos, Luizia Bidica, Giorgio Meclos, Eliza Gomes,
Pepe Demtlrto Gmez, Tereza Gmez, Juan Ba-
lista, Teodoro Gmez, Boloehoc Gmez, Selomia
Meci Maria, Fraacluza Fresco, Jos Gmez, Glo-
zo Clinohbool, Rozalia Gmez, Grancbo Gom x,
Bjica Bool, Joaquim Demetrio, Teodoro Gmez e
ito menores.
Sahidos para os portos do sul no vapor na
eional Jaculiype:
Fedro Rocha, sua senhora e urna criada, Dr.
Term no F. da Morada, Antonio Feliciano Silva.
Bireciorls das obran de eunnrn a
fo lo Portoe de Pernambure-H
f' 23 de Setembro de 1889.
___________Boletiin meteorolgico
Prado Pernaaabueauo
R>alisou-se honteiti aHiaeriogao P*a a 4"
nda, a realisar-se a 29 do corrente :
cor-
iora.i
?3?

j.
6 m.
9
12
37*.
6
25" -4
27-4
27'-8
27 -8
26 2!
barmetro a O Tenso do vapor
762-84 764-33 763-87 "761-63 761-55 18,42 17.96 18,43 17.80 1888
Temperatura mxima9,U0.
Dita mnima 25,00.
Evaporagao em 24 horasao sol: 9*.3 ; a
lira: 4-.0
Chuvaoulla
DireccSo do venlo : SE com interrupges de
ESE e E durante todo o dia.
Velocidade media do vento: 3",09 por
gurdo.
Nebulc si lade media: 0,36.
Bleiim do porto
n
I"3 X
b 3
!
A M
P. M
R M.
P M
Dias "
23 de 24 de Setemb. Setemb.
Horas
9-18 da manh5
3 47 da tarde
9-40.
357 da manh
Altura
0'32
2'46
0-48
2- 63
Caa de UelencoMovimeuio uos fri-
sos da Cusa de Detengo do dia 23 de Setembro
de 1889
Existiam 444 ;entraraml0; sahiram 11; exi*-
tem 443.
A saber:
Nacionaes 386 ; mulbcres 26 estn:rg";ro8 31
-Total 443
*rragoados393
Bcns 377.
Doentes 12
Loucos 4. -Total 393
Movimento da enferman
Teve baixa :
Izidoro de Souza Lima.
Maria Emilia da Silva Braga.
Howpit. estabeleciraento de caridade, no dia 22 de Setem
ro foi o quinte :
5
1
3
582
as respectivas enferman :-
Entrarara
Sahiram
h ileceram
Existem
Foram visitadas
pelos Drs.:
Moscoso s 8 1|4, Cysneiro s 7, Barros Soti-
erra s 6 1|2, l'outual s 10 horas.
NSo compareceramosDrs.:
Malaquias.
Berardo.
Estevo Cavalcante.
Simes Harbosa.
O cirurgio deDtista Nuina Pompilio do com-
areceu.
O pharmaceutico entrou s 8 112 da* marina .
ahio s 3 da tarde.
O ajudaite do pharmaceutico entrou a* 7 1|2
11 mnnhS .. la 1 4 hn.~J da Jard"
Coteria do Grana-ParaA 5* parte >l.
29' lotera, dessa provincia, cujo premio grande e
12o.000,:0 0, rer extrahida boje 25 do Setem-
bro.
A 4* parte, da dd 250:000000, ser i xtra
bida no da .. docorrenle.
Ciraade lotera do Maraa o. A 7-
serie da 1 lotera dessa provincia, cujo prem'-
grande e300:n00000 s rextrahila do dia 30
le Setembro.
1 pareo Incentiva800 metros- Animaes da
trovincia que au tenham ganhe premio nos
prados do Recife. Gremios : 200J ao pnmeiro,
40 ao segundo e 201 ao terceiro.
Cauby, Beilim, Sans souci, J.iguaro, Muran-
guape, Papacacciro ex Barra, Rio da rata II,
Humilde, Hamss, Palatino, Transclave, Anyeli-
no, Pao-Brasil, Lord Byron e Belga.
2 pareoIo de Julho1 500 metros -Ani-
mes pclludqs do pa z. Pn mios: 3004 ao pri-
uo-ir. (k) ao segundo e 30. ao tereeko.
Parahyba, Favoriti, Cometa, Galludo Aymo-
l, Recife e Vdlcalio
3 pareo Internacional -1,200 metrosAni-
maes estrangt iros que nao teuham ganho em
1889 em maior disiancia. Premios : 4003 ao
primeiro, 80 ao seguuilo e 40* ao terceiro.
Tolte, Helena ex-Stephaoie, Feullage ex Jose-
phus, Vanda e Biaiil.
4"pareofonsolacu850 metros nimaes
da provincia que nao tenham anho premios
em 1889 em maior distancia. Premios: 20W
ao primeiro, 40 ai segundo e 20J ao ter-
ceiro
Corsario, Esqui'oo, Tury, Lucifer, Pinta Sil-
fio, Phanseu, Caim. Cndor, Piraraon e Hu-
milde.
3 pareo-GRANDE PREMIO IMrRE.NSA PER
NAMBUCANA Animaes inscriptos
6" pareoPrado Pernambucano -1.700 metros
-Animaes de qualquer paiz. Premios: 40M
ao primeiro, 2004 ao segundo e 40* ao ter
ceiro.
Gladiador ex-Derby, Ircume ex-Aspasia. E#-
n3ni, Africana, Apollo e Vesper.
7" pareoAnimaco -1,200 metros -Animaes
da provincia nao inscriptos no grande premio.
Premios : 200J ao primeiro, 40.1 ao segundo e
20i ao terceiro.
Village, Cupido, Cajirubba, Tupy, Aiheu e
Good mbrning.
Ilippodromo do Campo tirande
Foram multados pela directora do mesmo
prado osjoikeys : Ma;.oel Ar hanjo e Jos Mar-
celino em 30a cada uin, e JoSo Carlos em 20,-
pelo starter o jockey Alex in !re Sampal
Appellago civel
Do Recife Appellante Francisco Gaspar i
Pinho, appellado Francisco Pacheco Gomes.
O Sr. desembargador Pires Goncalves como
procurador da cora e promotor da justica den
parecer as -
AppeacOes crimes
De" Caruar Appellante o promotor puWicor
app-llado Francisco Joaquina Bezorra de An-
drade.
De Nazareth Appellante ojuiz), appellado
Marianno Francisco de Albuqueiqae.
Du 'aboAppellante aelano Soares da Silva,
appellaa a justica.
Appellaco civel
e OlindaAfipeilante o bacharel Manoel An-
tonio dos Passos e hilva, appellada aBaroneza;
de Taca runa.
Conflicto de jurisdiccao
Entre os juizeg municipal e de orphos do ter-
mo do Triumpho e o da provedoria de Bom Con-
selho.
Apresentou embargos ao accordSo proferido
no processo de responsabilidade do juiz de di-
reito interino de Anadia bacharel Tiburcio Ray-
mundo da Silva Tavares.
Do Si. desembargador Tavares de Vasconce-
los ao Sr. desembargador Oliveira Andrade :
Appellago enme
De Barreiros Appellante o juizo, appellado
Jos dos Santos Malta.
Do Sr. desembargador Oliveira Andrade ao
Sr. desenibagador Silva Reg :
Appellages crimes
De Alaga do Monteiro Appellante Antonio
Francisco Tavares, appellada a jusliga.
De Nazareth Appellante o juizo, appellado
Jos Ezequiel da Silva.
De Nazareth Appellante Joaqun* Lopes de
lada i
CHRONICA JDICIARIA
Tribunal da Kc!a?ao
SESAO ORDENARA EM 24 DE SETEMBRO
DE 1889
PBESIDtSXCIA DO EXM. SR. CONSELEIR
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario, Dr Virgilio Coelho
As horas do costu.ne, presentes os Srs. aes-
enibargadores em numero legal, foi aberta a
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
os seguintes
JLGAMENTOS
Habeas-corpus
Pacientes :
Antonio Francisco l'ereira FilhoMandou-se
ouvir o Dr. juiz de direito do 3 districto.
Jos Mansinlio do Nascimento SegundoMan-
dou se soltar, unnimemente.
Recursos crimes
De CamaracibeRecurrente o juizo, recorrido
Joto Antonio Mauricio. Relator o Sr. desembar-
gador Tavares de Vaseoneellos. -Negou se gro
vimento unnimemente.
Da Victoria Recrrante o juizo, recorrido Ma-
noe! Guedes dos Santos. Relator o Sr. desem-
bargador Oliveira Andrade. Negou se provi
ment, unnimemente.
De Jaboalo Recorrente o juizo, recorrido
Jo;io Evangelista dos Santos. Relator o Sr. des-
embargadur Silva Reg. Deu-se provimento
para se pronunciar o recorrido no art. i* do co-
dito criminal, contra o voto do Sr. desembarga-
dor Del tino Cavalcante.
Aggravos de pet^cfio
Do Recite- Aggravante Jos Perera de Ama-
res. aggravada.o juizo. Relator o ScJtsembar-
^-ailor Dellino tavalirante. Adjutos osSrs. des
embargadoius Monteiro de Andrade e Silva Re-
g.Di-u se prumnoai.3. uarntimemente.
Recife Aggravante Severino Saraiva de
Andrade. aggravado Jos Ventura dos Santos
Pis. Relator o Sr. desenibargailor Silva Reg,
djuntos os Srs. desembargadores Alves Ribei-
ro e Oliveira Andrade. Negou-se provimento,
unnimemente.
Prorogaco de inventario
Inventariante Juo la Suva Faiias. Conce-
deu se o praso pedido
AppellacOes crimes
I e PiranhasApp.dlaiite o juizo, appellados
Manoel Alves da Srlva Bir e ouro. Relator o
Sr. desembargador Deliino Cavalante Man lou-
se a novo jury, unnimemente.
De AlagVi do MonteiroAppollante Claudino
., ,. .-'... .. Antonio de Oliveira, appellada a justica. Rela-
No parep^eJ^w SlakM i ritioru de Afrsk,re ,r 0 Sr dvaeatinrjgaoT l^lfino Cavalcante. -
Mandou-se
Souza Frazo, appellada a justica.
DILIGENCIAS
Cora vista ao Sr.. desembargador promotor da
justica: i
AppellacOes crimes
De Pao d'Alho Appellante o promotor publi-
co, appellado Alolpho Francisco de Almeida.
Do Conde -Appellante o juizo, appellado Ma
noel Claudino.
Em diligencia no juizo a qu :
Appellaco criine
De TacaratAppellante o promotor publico,
appellado Jovino Pereira de S.
DISTRlBUiyOES
Aggravos de petico
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Do Recife Aggravante D. Laura Emilia de
Almeida Seve, aggravado Antonio Gjmes de Mi
randa Leal.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade:
Do Recife -Aggravante D Anua Unbeiina Go-
mes da Costa, aggravado o juizo de orphos.
Appellaco crirae
Ao Sr. desembargador Tavares de Vaseon-
eellos :
De l'esqueira Appellante Francisco Jos da
Silva Leite, appellada a justica.
Enceirou-se a sesso i 1/2 hora da tarde.
Hto S. S. j bein condecido, e eu at
^^-me dispensado de responder-lhe
i accusacSo traz a sua assignatura.
Ao pleiteaJo diversas eleicOes, e, posso
; fronte erguida provocar a que declinem urna
lude ou um acto menos digno, qae eu tenha
Bsclhado ou aproveitado sequer, afim de oc-
cupar urna cadeira de rl-pjtado. Appellopara
os mius niais apaixonados alversarios.
o t88i, pleiteei Can o Sr. Dr. Ulysses Vian-
nn, que n> suspeito; foi a eleigo mas re-
nhida queja tive. Correu o boato de que seria
iitUsadi a eleicodo Aitioho, onde o partido
liberal entao tinlia maioria. ntendi-me com
leus amigos e declarei liles que fazia ques-
to da maior regularidade no pleito. Fui alm :
p-di ao meu amigo, Dr, Miroira Alves, quo me
havia a^oinpanliado ao districto, o favor de ir
assistir eleiejo no Altinho, aflm de evitar que,
por qualquer incidente, deixasse de ser apura
a aquella eleicao.
O caso-i hrispim
edieos
Dr. Castro Jasus medico
Platica a lavagem do utero
ao aconselhda. Consultas
i da tarde em sua risidencin
e operador,
quando e co-
Tive oV-asa oocaiiao quarenta votos de mino
ria no Altinho, c sera aquelle coegio o Sr. Dr.
UlyssesViannano teria sido reconhecido, pois
a difirela em todo o districto foi apenas de
vinte voto.
Anda n'essa eleigo de 1884, urna influencia
liberal de Ci. Caelano da Raposa, quj j all nao
reaide, exponuncamenteprocurou rae, e, sem in-
teresse algum, offereceu me auxilio, como prova
de gratidao servicos que anteriormente eu Ihe
havia prestado. Depois, recejando que o seu pro
cedimento fosse mal interpretado, propoz-me a
inutiliiago da ekigo e por modo tal que ja-
mais *e poderia atlribuir me a responsabilida-
de. Recuse! ppreraptoriamente.
Quem assim procede, nSo teme as aggressOes
de quem quer que seja, muito menos as do Sr.
Dr. Loureuco de S.
Em 1885, tive por competidor o conselheiro
Lean 1ro Godoy, de saudosa memoria. 0 pleito
correu calmo e livreraente em todo o 10J distric
to, c eu fui eleito por miis de duzentos votos de
maioria.
Este anno, tratando-3e deminha reeleicao, que
veriflcou se a 4 de Marco, emquanto durou o
pleito, nao houve nem um decreto do ministerio
de que eu fazia parte para o 10 districto, e lias
eu sabia que douipi'r" de direito, que eu pode
ria retirar, achavam se empenhados na lucta
contra a reeleigo do ministro da justica.
Um dellcs, o Dr. Luiz da Silva Gusmo, che-
gou ao ponto de querer inutilisar urai e'eigao,
Volando corromper por.350000 o presidente da
mesa eleitoral de Santa Cruz, conforme icou tro-
vado por carta do seu proprio punho, que est
em meu poder.
Estes-so ntegros e puros como o Sr. Dr. Lou
rengo de S. 0 Dr. Cunha Teix'-ira, porin, um
das 11 s
ra do encr-ul*no e prevaricador
SPORT
R alisou se noite de 24 de Agosto uUimo em
Buenos-Ayres, Calle Maip 232. a inaugurago
o Novo i'lub do Hippodromo Naeional.
ievou a 52,681 libras esterlinas a quanlia ganha
em premios no corrente anno pelo duque de P-or
tland.
*
Nos 8 mezes lindos do corretne ajino o mvr
ment sportivo fluminense assignala os seguin-
tes algarismoa, no que respeila aos 57"nniiiiaes
denotninados que ganharam de l.OOJOOO para
cima nos seus nippodromos.
Huguenotte
Sottea
My-Boy
Troya
Suavila
Feuiana
Phligeton
Daybreaek
Claretto
Rene
Tenor
Vivaz
Cleopatra
Duc
Zig
Therehopolis
Muner
Tessalia
Toreador
Duchesse
Elle
Philistiua
Tenorino
Bread Winner
Paladino
General
Pbariseu
Correcto
Ouvidor
Odalisca
Contralto
D. Quixote
Famalico
Breas
Thunderbolt
Alberto
Ttie-Muney
Cupidon
Medon
Sidonia
Houblon
ruzeiro
Monitor
Sjenle 11
Boulanger
GaDg Awa
ero
Tramoia
Improver
Tenebrosa
Alpha
Setta
Remiso
Gaulez
Pierrot
Fada
Argentino



r-
4i:400iOiK)
2fr9i4>U
11:060*000
10:220*1 Hl:
10:JO*liO
9.600WiO
8-8.10*000
8:49060'J . 7:9804000
6:120*UOO
8:920 *(iO
3:900*000
5:9005000
3:770*000
5:360*000
5:200>000
4:760*tKJO
4:680*0 O-
4:200'00-
4:200 *W)
4:030*000
3:88U*OOu
3:43040011
3:190*000
3:16*0'J0
3:090*000
3:0iu(h)fi
::03o*000
2:3:|)000
2:870*000
2:750OtlO
5:600*000
2:44(l*00i
2:4004000
2:2 iO 4000
t:10fl*00>
t:020*00i)
2:000*00
trOOOiOOO
1:9404000
1:860*000
1:850*000
1:730*000
1:720000
l:700i000
:G9 000
1:680*000
1:640*000
1:530*000
1:530*000
1:300*000
1-.42O4KJ0
1:400*000
1:390*000
1340*000
1:2504000
1:120*000
1:090*000
Acaba de morrer em Darlngton, rm conie-
quencia da ruptura de ma varo sanguneo, o ga-
ranho Rouleur Bonrbatt. pai do producto Roya I
Dncbesse e de Rojal Otan.
t Este foi vendido por 2.000 fuinus (13:200*).
a nofii 9n. uinnimemente.
De Nazareth -Appellanta Antonie Joaquim da
Silva, appellada a |*tica. Relator o Sr. desem-
bargador Delfi'io Cavalcante. Reformou se a
senteoga para o minirao do art. 193 do cdigo
criminal.
Do InaAppellante o juizo, appellado Anto-
nio da Costa Asrra. Relator o Sr. desembarga-
(IHr. M,onteiro de Andrade. Mandou-se a novo
krry unnimemente.
D'a Vniona Appellante o juizo, appellado
Joaquim Francisco Querido. Relator o Sr. des-
euibargador Dellino Cavbante. Mandou se a
novoJH.y. unnimemente.
Do Mecife ^ppfllan'i; o juiao, appellados An-
tonio Mathias do Nasc nen'o e ontro. Relator o
Sr. desembargador tavares de Vaseoneellos.
Mandou>se a novo iurj, unnimemente.
Do PilarAppellaiite o juizo, appellado Fran
cisco Alves de Aranjo. R'-'alor o Sr. desembar
gad >r Alvos-Ribeiro. Mandou-se a novo jury,
n arflmeoente.
De Garanhun? Arppellante o juizo, appellado
fllufljo Jos de Aiaujo. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Ftrreia. Mandou 3e a novo
jury, unnimemente.
Da G'oria de Goit Appellante Manoel Joa-
quim de Saot'Anoa, appellada a-jusca. Rela-
tor o Sr. tlt'seinbaiga'lor Alves Ribeiro.Refor
meu-se a sentenga pira o nini no do art 193 do
eodiso criminal contra o voto do Sr. desembar-
iraior Tavares de Vaseoneellos.
*ppllae6es civeis
. De Cama-aiibe Appellante Jos Crrela de
Arajo Barros, appellados Vas/ncellos Guima-
rfies v i Relator o Sr. desembarga Jor-Dellino
Cavalcante. Ri-visore- os Srs. desembargadores
?res Feereira e Monteiro de Andrade. Conlir
mou-se a sentenga, un niiniemente.
Do Hfe.ifeAppellan'e J'io Gualberto de An-
drade L'tna. appellado Joao Oongalves de Souza
Beirfio. Relirtdr o Sr desembargador Dellinol
Ca i aleante. Betores os Srs. deaembargado-
res Pires Ferreira c Monteiro de Andrade.
Coolirmou se a seetMiga, unanime^uiente.
Appellaco commercial
Do Recite Appellante Thomaz Jos de Gus-
rrrfio, appelladoa Ernesto 4 Leo|K>ldo. Relator o
Sr. desembargador Dellino Cavalcante. Reviso-
res os Srs. desembargddores Pires Ferretra e
Vonfeiro de Andrade. F.rlm recebidos os em-
argos em parte, unanineniente. ^
PASSAGEN8
- Do Sr. (Iesediburg<}tjr Dellino "avalcante ao
Sr desembargador Pires Ferreira :
Appeagjes crimes
De Souza Appellante o juizo, appellado Ri-
Lorrdo Marinbo Falro d Normandir
De Camaragibe Aipellante o promotor pu-
blii-o, appellados JosButino Marques e outro.
D Sr. desembargad' r Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Mcrritwto de AodradeT
Appellaco civel
De S. Miguel App- lantes D. Rosa de Moura
Castro e outros, appeliado Traocisco Ignacio de
Araujo Jatobi.
Do Sr. dwear'urgaMr Monteiro de Andrade
ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
ApMHerae crhne
De Ge'inHMsAppellante Joaqam Ignacio de
Souza or*to, appel'aila a j*Ml.
Do Sr. derfenbwgadofftrt* Gottttmt ao 8r.
deseartKirgador Alves R'iwiro": *
Bom Jess (antiga da "ruz) n. 23, l.'
andar. Telephone n. 389
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o seu
escriptorio a ra do Bario da Victoria
a. 51, 1." andar, onde d consultas d
meio-dia s 2 horas da tar ic. Reside i
ra de Gervasio Pires n 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhas.
Telephone n. 427.
.^0 tJr. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades : molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27. 1. andar. Consultas das 11
a 2 hras e na Casa Forte (Poco da Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manha e i
tarde. Teleshone n. 392
r. Ribeiro de BrMo d consultas de
nei'o dia s 3 horai da farde
dar a ra Duque de : 'axias
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Joaquim Louieiro medico e parte i-
ro, consultorio ra do Oabug u. 14,
1." andar de 12 s 2 da larde; residencia
no Monteiro.
Di: Cerqueira Leite, teca o seu escripto-
rio na ra Nova a. 32, do meio dia s 2
horas e desta hora em diante ra Barao
do t. Borja, ri: 22. Especialidades
molestias de crianca senkoras e parto.
Telephone n. 32ti. da casa de residencia.
Occullsta
Dr. Ferreira. com pratica nos princi
paes hospitaes e clnica de Pars e Lon
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e reai
dinca i ra I Advogados
O bacharel Bonifacio de Aragao Fario,
Rocha contina a advogar. Escriptorio
ra do Imperador n. 46., 1.* andar.
O bacharel Witruvio Pinto Bandeiru,
pode ser procurado ra d< Imprad'oi
a. 71, 1.* andar.
Silveira, advogado. Escriptorio ra
d*. Imperador n. 69.
J. A. de Magalhae* Batios. Duque df
Caxias n. 66, 1. andar..
O Dr~ H. Milet contina com cu es
criptorio de advocacia, a ra do Impera
dor n. 46, onde tambem poder -ser pro
curado sobre negocios concernentea 1.'
promotoria publica d'esta capital.
. O conseUieiro Portella contina a advo-
gar. Escriptorio ra d > Imperador
n 65. -^Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Albuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista). Telephoiie n. 362.
Drogara
Faria tiobrinho & C, droguista por ata
jado, ra do Mrquez de Olmda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C-, dcpoai
tarios de todas as especialidades pharm
euticas, tintas, drogas, productos, chimi
:as.e medicamentos homeopticos, roa do
Marques de Olinda n. 23.
Tinta de eserever
A melhor a tinta Victoria, rende-se a
500,rs. meia garrafa e a 800 rs. urna gar-
rafa inteira na Livraria Comtempornea
de Ramiro M. Costa, ra Io. de Maro n.
2, -loja de ierragens de Albino da Silva
& O., ra da cadeia n. 42; loja de ierra-
gens de BrandSo & C.,Tua Duque de Ca-
xias n. 46.
PlBLifflES 4 PEDIDO
A MiMirac do lo > dltrl4
A liatritre publicada pelo Sr. Dr. Lonrcngo d latMOto oho-tem o valor que otrt> dao-Ihe.
S, no Jornal do Recife dhoje, constitue um vet
dad'eiro corpo de delicio. -Aoi se. rerela, til
qual o eslellionatano palilico que tive
competidor na ultima leigo.
Julgando me por si, ousou eserever o 9f. ftr.
Lourengo de 3a que aeabo de revelarme nwam
bicoso vulgar, capaz de todas as fraudes clei-
toraes e at mesmo de aceitar um diploma
naos de um jui prevaricador I
xeira foi votowencido-; apenas opinou contra a
apuraeajda*Bplica'a da. Pedra^Timada e da
am. Hfaptifletano da Raposa, por"'SoUerera
sido a#*fe!.vas raeras org.rajiadas de accof-
do coiu I tg, conforme o art. 177 da regulamen
to de la ilc Agosto de 1881. Esse distincto ma
gistradj Ievou a sua itiparcialidadjao ponto de
volar jsfla apurago da acta falsa de Jatob eda
eeigifjyjciada do Altinho.
O ie mais poderia fazer ? A duplcala da Pe-
dra TRda e-a acta da Raposa nem mesmo a
u.urMamara, apezar d sua quasi unanimida-
de libtral, as poderapprovar, pois sao por de iteu pder '.
mais-MCandalosas evidentemente nulla. h. 14-desti
Tr*jqaillise-e, porin, o meu competidor. A -
aputaolo do 10* districto traduz siraplesmente
gos sabrm que para mira urna cadeira no pir-
Teuha paciewcta o 8r. Dr. LonTeaco de S.
Da ntegra forma que cdfHidera-se bem eleito
por pelas bayonetas, espere que a Cmara o detigne
para' oceupar a cadeira de depotado peto 10"
districto.
*o Ufe basta e a mira nao seduz.
14 U Setembro de IS88.
Dr. Francisco 'Atsis Rot t Silva.
da e desrabando O.D.-
quo-
Agor vejamos qual tem sido o procedimento
eleitoral do ra m competidor.
O Sr. Dr. Lourengo de S foi candidato a de-
outagito'geral, pela primeira vez, no pleito de 4
go das fraudes e falstlicagOes de actas, no 10"
districto.
K ii as dua nicas secges, em que o partido
liberal tinha as mesas, empregou-se a fraude e
a falsilcagSo na eleigao de i de Margo, e repetio-
st na eleigo Je 31 de Agosto, era proveito dj
ueu competidor 1
Isto por si so muito eloqutnte!
O que foi a farga de 31 de Agosto, eu j des-
i revi: Intimidagao pela forga publica, araeagas,
isuiias a* vlo\ei^ornp^QJI^oQ**^[tigtH, afa'fwiPqae-con-liseSefrYi
'n. T,r-:;: ^s^-Swnss^ri* ^s^t^zj
de eluilores, capangas armados nos colleg03
eleitoraes promiscuamente com a forga publica,
igrejajl cercadas, fraudes e falsilicagOes; tudo
emprtgouo meu corapetiilorl
Depiis de assim proceder, Iryalmnte, o Sr. Dr.
Lourengo de Si enfurece-se e insulta, so por
que..qs juizes de paz, legtimos representantes
do eltilorado do 10 districto, nao quizeram ex-
pedir-lhe diploma)
Majs calma meu Ilustre con petidor.
Et( niio promov a expedigo do diploma que
acab de receber; mas aceito a responsabilida-
de du acto do junta apuradora.
E' cerUt que a junta apuradora s tem compe
teseii para soraraar votos, mas o que houve no
10*-disti icto foi por ventura una eleigo t *
A Ipi (irt. 15 Io) prohibe a'presenga e a in
tervungao da forga publica no pleito eleitoral, e
a forga publica esteve presente e interveio na
eleigio dj 3J de Agosto I
L A k-i prohiba e pune a privago do direito le
voto, as fraudes e as falficagO>is, e tudo isso
fe-se i^V districto d'esta provincia.
domo, pois, estranhar qu; os presidentes das
mesas, qujsfcram tcstemunhas de taes escndalos
ecstiverara ameagados em suas vidas, nao tendo
havido conffictos, gragas prudencii dosmras
araKOS,'tenham obedecido antes aos impulsos
de uas eonsciencias revoltadas, do que letra
da lei, fra raen tu calcada aos ps por aquelle
mesmo que a invoca ?f
Em materia eleitoral, serapre sustentei e sus-
tento que anima das formulas est a moralidade
do pleito e a vonjade manifestada do eleitoraao.
O intivi'luoque constranu'er ou impedir a ma
nifctacao dessa vo:it.i-le, poder ser Je facto o
represeuiaute da districto. mas n-j selo-ha de
direito.
Mal injuta ai.id.i a ceasura feita ao digno
juiz de drrWto, de Caruar. O^fr". Cuoha Tei-
Ja que- sooa hora das expeagoes sobre o
easaUtrispim e oSr. Dr. JusMariu em comrau-
nicala Aoshomens de ben -estampado na tro
viuda de luje, vem i imprpiisa cora osle in-
tuito, corre-rae o dever de explicar me, cleiinin-
do tiiiuha attitude a respeito e lirniando a por-
gode responsabilidade, que cabe-raj em par i
Iba e que nao recuso assurair.
A opporluoidade accenta se anda mais. por
isso que no coraiuuiiicado aqu< alludo, o Dr.
Jos Maria faz referencia iniibu pessoa.
Eu acliava-ine, era a noite de 13 do corrente no
Restaura ni Gomes sito na antiga ra dos Q larlei-
em corapanliia do Dr. Draga, 4o annisla de ilirei
to quan lo ehcgoorme s mos um bihe:e du An-
tonio Clirisniui, ciiiviiuni -ando a un cotnmer
ciante portugus, ><|ue se achava p^eso noqnar-
tel do 14* batalhoe que no dia seguinte pela
manh forgal o-biam a assentar praga.
Por essa occasio o Dr. Gabriel de Araujo con
vidou-me, instou mesmo comraigo, para que en
prestasse me a ser patrono de Antonio Cliris
pim.
Recusei me, e achando-se prsenle o Dr. Co
doaldo Lapsa, iudiiui'i o ao I). Gabriel de Arau
jo ; mas o Dr. Clodoaldo, por sua vez, lajibem
recusou se, declarando que se eu acceilasse a
causa, elle nao dnvld iria en ser solidario.
Ho da segu me pela manda proesroo-iD no
varaenle o Dr. Gabriel de Arauj i.declaranJo-me
ter a quantia de um cont-de reis para faser a
substituigo de Antonio Chrispiui e rontinuou a
instar comraigo par que eu advogasse a causa.
Nao s rci-usei-m,', ain la p) essi ve, son
aconelhei o a que nao te itasse .-e uelliante al
vitre, accresceulando, que depon que Antonio
Chrispira embircasse elle enlo procura-se con-
seguir a baixa.
Era, portanto, proposito meu nao envolvcr-rae
na questo.
C.necei a irrilar-me, quando Uve conheci-
mento de que Antonio Chrispim, praca volunta
ra, havia passado pelas ras da cidade, cotn es-
pecialidad*; pela ra do Baro da ViCorin, pesa
daraente equipado, em narchi forrada e escol-
tado.
Alera da violencia, era a ostentago, luxo da
violcucia, como qu desafiando os bros daqu !-
lesquoesto sempre vio lado d: oJos os oppn-
raidos e reyoltam-se contra todos os oppresso
res!!!
O que sinli. sentiram-n'o tambera lodos
aquelles, que teera oinpaixo e enlo coraegou
o moviineuto syir.pathico e generoso do povo per-
namiiucano.
Na terca-Caira, 17 do corete, ao jantar em
companbia do Dr. Gabriel de A'aujo k capito
Xapoleao Duarte raanifestei-lhes des -jo de n-que
rer h'beas corpas em favor de Antn o Chrispim.
O Dr. Gaoriel de Araujo pe lio-me que nao o
liaesse declarando mo esperava obler a baixa
de C irispim, pois j Ib'a li .viain promettido e a
realisagao Ja promessa era quesio de lempo
Piquei, entao, sabeuflu que meios esta va m
-en 11 empregados, para depois da violencia
consegu r-se u reparacao
Ao despedir-rae, fui convidado pelo capitio
Napoleao Duarte para juntos irmes at o largo
de Pedro 11, local de ura meeting annunciado.
Accedi e fui, meramente porespiritode curra
idade, mas dispjsto i demorar rae pouco, por
isso que tinha de ir ao enterro de um arai^o
Ao chegar ;;o largo de Pedro II vi, que cor
riam diversas pessoas do povo em direegj ao
jardira approxiraei-rae na occasio em que o
Dr. Barros Kego dava voz da priso a ura mogo
que pretenda fallar ao povo.
-J era una arbitrariedade, ura alternado li
vre inanifestago do pensaiuento, privar que o
cidado fallase ao povo, que esta va em attitude
pacilica.
Mas, a aitoridade nao pareca satisfazer-;e
com isto, pois dera-lhe voz d priso.
Inlervira, ento. fazeodo sentir que j era cri-
rae a tentativa de fallar, a simples tentativa-por
isso que o mogo a quera refiro me apenas, lo
mar a attitude de qu in pretenda fallar.
0 Dr. Barros Reg inostrou se prudente ce
leudo de effectuar a priso, era obediencia lei
e respeito ao pove.
Qu.z retirarme mas nao consentirn as pes-
soas que cercavaio-rae e pediam rae que fosse
at palacio aflra de reclamar contra o acto e as-
sim fui levado ra do Imperador por grande
raultido, e nao grupo de pessoas, como disse o
Dr. Jos Maria.
Ao approximar-rae da tjpographia da Proiin
ivolvi-to oo acn
tasse o povo em
O Sr. Dr. Jos Maria indicou-me um meio,
exacta'ni'nte-iKtoelle que S L ao adoptara--
fugir entrando-pelas ofltctnas da Provincia e sa-
hindo peta pars de detraz.
Bu na o era ura criminoso para fu^ir -o quou
do pi'di'ao B?. Jos Maria que wat? I tes se a difti
culd.de, em'qu* achava-mi* natJbftljF'tnonieiitj.
era esperau-td que S. S,. acfve^*!* do povo e
amigo do pova,jioceiU3se deb-tta gsaio a defa-
za dos direitos do^iovo -
Mas S.S. acooselliou rae que.futase nao con-
tando talvez cotn a minhTormal fecu-a.
Declarei Ihe que nSo futira, "e vftRundo me
para a raultido disse que nao poderia ventar a'
acurabencia do povo, por isso que enera um
advogado suspeito para aquella causa, -l.Onser
vador, pertencendo a um partido em ostracismo,
ininha intervenga poderia ser tr.iduzida como
uraa explorago poltica.
Se o povo quera, nSo ura advogado qu i tu-
multuarse, mas que garantisse o" xito du ques-
io, ne ihii'ii raelhor, nem raais competente, que
o Dr. Jos Maria.
Este meu appello ao Dr. Jos Maria foi mal re-
cetado por S. S. que expressou-se era termos as-
pero, provocando manifestages de desagrado
Fez-se grande vozeria e eu vi rae de repente
em meio dasabres desoldados e punhaes, que
reluziam.
N i fugi e tratei de pacificar a mullido.
Isto feto. di'ii-ine com o povo a palacio ufin
de pedir a S. Exc. o Sr presidente da provincia
cessago e reparago violencia, de que havia
sido victima Antonio Chrispira, no que fui aten-
dido. W
Por hoje limito me a este histrico deixando
para era outro artigo fazer as devidas aprecia-
g6es.
Rcie, 24 de Setembro de 1889.
Gaspar de Drummond,
Compaahia do Beberibe
O doctinaento do Dr. Viremoat
Muia razo tive em quahficar de misera vel
iUwiactidoa declaragiio do Dr Viremont sobre
a transferencia deacgOes desta Companbia por-
que os fados viera m confirmar.
Um horaem brioso fazendo urna declar.igo
qualquer e sendo contestado do modo porque o
tu, dando aj to incisivo qualificajivo, immedia
taraente vem trazer as provas, raa5 oDr. Vire-
mont excntrico
O Dr. Viremont aoioira'lor.do capitao.JO*,
por.eile citado, e taivez" de-eje imital o, emoora
de nm modo car calo, e jwocjrou dar ao docu
ment umlaspecto ae segreao du Una musTeriosa I
Em 18 de Agosto disse o Dr. Viremont que
provaria con documentos a promocao dt- cota-
caes falsas por meto de vendas simuladas e cima
das cotactSf uaet, ao que conteste] euj minba
primeira resposta, desafiando a provar a mise-
rav(] ioexactflfo.
ReproddZio d Dr. Viremont a aceusigao em 10
di Setembro; ccrescentando j ter a prova em
pago imposto de 7 acgOes, conclue elle ter sido
simulada a venda de 93 aeges I
E o imbcil nao reparn as out.as acgei
que pagaram imposto na mesma proporgo de
prego em datas posteriores.
E' preciso acatar por urna vez com o protesto,
pura lenya-lenga especulativa do Dr. Vtremont.
I. 0 Dr. Viremont disse que as acgOes tinhaa
sido vendidas por menos da cotago.
Paca demonstrar a falsidade da denuncia oflfe-
reco ao publico o seguinte : Io certido das co-
tagoes na Rolsa cora descriminagfio da numera-
gao das acgOes a'li vendidas e pregos ; certidis
da Retebedoria Provincial mostrando porque va-
lor a-- aeges pagaram o imposto de transferen-
cia, cooi a indicagaoda numerago das acjOes,
e pela qual se v que nenhuina acgio pagou im-
pj.-do por preco inierinr ao da cotago 3o cer-
Ud.) i xtraliida dos livros desla Companbia por
ura tabellio pub'ico, declarando o prego pelo
:|iial foram lavrados os termos de venda das
aeces. mencionando se a respectiva iiuraerago,
sen haver a menor divergencia entre os prego
das colugOes, dos impo-tos e da venda.
Esl evidentemente provada a lalsidade da
Dr. Viremont que foi una miseravvl nexactidao
dclfe o iQirinar que asvenda.-das acgOes rea-
lisarara se por menos da cotago.
Os documentos e.-to expostos .o exame de
que n quizer no escriplono desta cotnpanhia.
2." -Allegou m ;is oDr. Viremont que tinha ha-
viJo orcultagao na venda das acgOes, pois, nem
todas tinhara sido coladas.
A resposta simples.
Xo ha lei que obrigue a cotago nem deter-
mine a venda das acgOes na Bolsa, fazendo
exce,yo a retida poresse meio.
Bu geni s mandara vcn-ier acgOes na Bolsa
os cominerciaiites, pela experiencia fleque assim
obteem raelhor prego ; os particulares esquivam-
se da Bolsa para nao pagarem pce-eentayein aos
correteros, sera lembrar-se do prejuizo que
solTrem no prego.
E fcil de notar o pequeo numero que ha
de cotagOes de acg6es das diversas companhias.
no entretanto ha vendas em larga escala duran-
te o anno.
A oceultago >d houve na cabega do Dr. Vire-
moni, pois. estando vasia de seno permute qne
nolla se esconda raua cousa.
3." -Siiiijlagio de vendas : porque allega s-
mente hoje foram vendidas na Bolsa 1 0 acgOes
no dia 28 de Juuho, no entretanto nesse dia s
foi pago o imposto de 7 acgOes, o que r> faz con-
cluir ter havido simulago de venda de 93
acge3 I
Primeiramenle recordare! mais urna vez que
iR'iiliunia intervengo tenho, nem responsabili-
dade me cabe pelas tran-acgOes da Bolsa ; cum-
prudo-me declarar que os corretorc-s sao m-
apazes do acto que Ibes altribuido pelo Dr.
Vnemont.
Pelos documentos juntos v-s.- que as accOeg
que pagaram imposto no dia 28 de Juuho e cuja
venda realisou se a 1 de Julho sao de ns. *-26l a
8267, e era as 100 aeces cotadas no referido
dia 2 de Junho era as posteriormente cotadas a
preco de I'53000, tcem aquella numerago.
Foi raais urna aleivosia do Dr. Viremont para
mostrar discordancia entre qnantidades de
aeges.
Das 100 aeges cotadas era 2S de Juuho, j
dous dos compradore.- vieran) reali-ar a trans-
acgo, era 8 de Julho de 24 aeges de ns. 693 a
716, em 29 de Julho de 26 aeges de ns. 717,
9038 a 9082 vide os documentos faltando s-
menle virera os das 30 restantes, sabeiido eu 0
motivo, da demora, mas nao revelo porque
nao tenho o direito de fazer, porque trata se de
interesse de terceiro. Onde a simulago de vettr
da ou vendas ?
Quauto a demora na realisago de ven las de
aeges ura facto muito commum, s vezes a
propria demora faz parle do ajuste entre os con-
traclwtPi ; e sera ir alem temos uraa prova : o
corretor Augusto P. de Lemos vendeu na Bolsa,
a ISOiOOO, as aeges de ns 944 e945 3036 a 3058,
no priucipio doraez de Junho, forera pagos os im-
postes de transferencia na Becebedoria Provin-
cial, das arg-s de ns. 944 e 945, 3036 a 3053 e
no entretanto at esta dala anda nao foi lavrada
o termo de transferencia.
Sorprehende-se o Dr. Viremont. (o que nao
admira porque falla do que nao entende) da de-
mora na realisago de transferencia de acgOes,
quando bastava S. S. 1er as colages da Bolsa do
Rio de Janeiro para ver que as transacgOes a di-
nlieiro, inmediatas, con>tituem a cxcepgo. Se
ler o Diario Official do dia 7 de Setembro ver
aje- ver nuneae iw *.' nor, cutre oraras vendase fi^-im
Diadas : 1300 aeges da Nivegagao para Novmbro ; 200 aeges da ora.
panhia de Macali e Campos para SI de Outubro ;
ID 0 do Banco Umo do Credi'o para 30 de Ito-
e> feray,ete. .. ._______
Aquiuao ha o costumeda lapULifieuno.
Explicando eu que as vezes ara ajuste eiW
para venda de aeges, devidamoBte co a das.
deisara de realisar se por mctivos divers,
citei o que ltimamente orcerrer a respeito de
falta de poderes de um procurador -que ae ame-
drontav com iuforraagos do jiiejf.das do Dr.
Viremont, transaego que nao fura approvada
pelo dono das acedes apenas din-i 'que se nao
devo ser indiscreto para langar os nomes ne
Jornal, po.-.-o fazel-o a quem dilles qoizer saber
e \ier inquirir me.
Sr. Viremont espantase de que o procura-
dor rro tivesse prviameide consultado pelo te-
grapho a seu committer.ie, quando elleachava-
se convencido de ter poderes para a transaego,
e t ultima hora foi que teou certo do con- >
irurio.
Se entro em tantas particularidades e dou esta
resposta, por dema:s. para mostrar que todos
os negocios da Compauhia do Beberibe sao cor-
rectos por qualquer lado que se encare, anda
mesmo os pratieados por terceiros : rainha res-
pousabilidade iimila se gesio dos negocios
da Companhia. aos actos que praticp
O Banco do Brasil, a companhia de mai- im-
portancia no paiz, vio suas aeges baixarera
de prego no mercado, dimfhuio o dividendo, e
em nada soffreu era sua-reptago, neohuma al-
terago teve e u seu crdito.
Por hoje lico aqui.
Becife, 24 de Setembro de 1889.
Ceciliano latnede.
mez insist do modo o mais vigo
s a Dr. Viremont apreseotasse a tal
ptova"; e elle disse i, que no dia 16 publica-
ra o tal documento qat exista emseupoier ; e
para animal o anda vim a imprens-i no dia 17
urapfotestodeconsciencias sus contra il.egali, j^JK ? b"5rto*rS5nSo do.-
dadef # Imraoralidades sem nome. Meus ami- ajenio-!
A prova consistalos, duas certide- da Recebe-
dona Provirw-ial, urna dellas com data de 18
DEtrt Miz, de' mudo 'qTcr ODr. Viremont, como de
costume, todas as vezes que se refera a prova
existente em seu poder mentia porque' urna das
certidUes anda Bao eslava passada pela Rurebe
doria I N admira porque de grande Jacun-
didade irrremlwL ^
VelWtos o osoda dvgrortar dnD. Viremont
Deisao4*teparto as accnagfles qne fez de
aegoes vendidas cima da cotago, de vendas
oceultas. m*tktm4*Ah, nnjita-s*lMje simples-
mente a notar opa tsttd sido cotadas lW
ujhs a 28 deWm,tf tus*t di* t tendo
IIun. Sr. presidente da junta commercial.
Ceciliano Mamede Ferreira requer a V. S. que
(Ugde-se de mandar que a junta dps corretores
Ihe certifique o numero de acgOes vendidas da
Corapaohia Jo Beberibe na Bolsa, desde o 1 de
Junho do corrente anno at esta data, com a de-
clarago dos pregos das colages e a data das
transacgOes, descrimlnadamenle, assimeomo que
os corretores que cffectuaram as transacgOes
digara qual a numerago das mesmas aeges.
Nestas-termos pede aV. S. deferimento. E
D U
Becife, 16 de Setembro de 1889.
Ceciliano Mam de Aves Ferreira.
Salisfaga se. Recife, 18 de Setembro de 1889.
Miranda Lal. *
i ~
km virtude d rjapeitavel despacho-eopTa, .
certifico que gnicainnle seis IraoseacOes tive-
fip logar, uo periodo a que tojsfere o suppli-
oapte, tendo a primeira em 7 de Junho de 30
acg.-s a seguwia em 12 de Junho, de 'SB acgOes.
a tereeira e 13 do mesmo mez, de 26 acgOes a
prego de 1504000 cada uraa, a quarta de 100 ac-
gOes em 28 Ue Junho. a quinta- de 16 acgOes em
6 de Julho e a ultima as) 10 acgOes no dia 21
do Agosto prximo passado a prego de 155*000
cada urna,- como se verifica do protocollo desta
junta, de'fls: \29 v. a 134 verso.
Quanto, pprem.a nltinia parle, a que se refe-.
}-re o supplicante, somt-nte os corretores Augus-
to Pinto de^LemoV, Antonio Leonardo Rodrigues
a Pedro J is Pinto podem dar a nutneragfio daf
acgOes que venderara.
T o que constado archivo desta Junta, O re-
ferido verdade.
Bolsa Commercial de Pernambuco, 18 de Se-
tembro de 1889. O secreterio.-darifo Du
beux.
i
Era obediencia ao despacho sapea, certifico
que em dala de 7 e 13 de Junho ntrente, vend
56 aeces da Companhia do Beberibe de ns. 9U
e 943, 2,501 ,*09, 3,030 a 3,038, 4,039, 13,583
a 13,602 ao prego Je 130*000 cada urna
Recife, 18 de Setembro de iSW.
Augvuto P. de Lemos.
Certifico, eei virtude de despacho snpra, que
em 12 de Junho prximo passado vend na Bol
sa 20 aeces da Companhia do Beberibe de ns.
4.065 a 4 79, e 13,072 a l.\07o do valor de.. -
OO#We a i5o\W00. *





.
.



Ito

i






ano de Pernambuco-Quarta-feira 25 de Setembro de 1889
0 referido verdad;; dou f.
Recife, 18 de Setembro de
Leonardo Rodoigues, corretor geral.
Certifico em cumprimento do respeitavel des-
pacho do presidente da meretissima junta com-
mereial, que a numeracao das It6 accoes da
Companhia do Bebcribe, negociadas por meu in-
termedio-na Uotsadurante o periodo que pede
o supplicanle sao as de ns. 693 a 717, 9058
908*. 13834 a 13883, 5900, 8476, 8796 a 8809,
3I9 a 3J27 c 6101 tedas ao prego de 153*000
cada urna.
O referido verdade. P. i. Pinto, .corretor
geral.
as. 3219 i 3227 e 6101 ao preco de 1550*00 cada
1389. -Antonio urna.
Hlm. Sr. administrador do Consulado Provin-
cial. -Ceciliano Mamede -'Ivs Ferreira requer
a V. S. que digne se mandar passar por cerlidao
a nuroeracio das accOes da Companhia do be-
beribe vendidas do Io de Junbo do correte anno
at esta data, com a declaragao dos respectivos
procos das transferencias e datas, como deve
constar do livro de talo do imposto existe nte
para as mencionadas transacc5ej.
O supplicanle desoja que na cerlido nao haja
omi'sao de accao alguraa. Nestes termos pede
a V. S. deferimento. E. R. M. Recife. 16 de
Setembro de 1889.Ceciliano Mamede Altes Fer-
reira.
2917-Certifiqucse. -flecebedoria Provincial,
16 de Setembro de 1889.Cesarlo do Reg.
Certifico que a contar do 1 de Junho a 16 de
Setembro do correnlo, teern sido pagos nosla re-
particSo os impostas devidos sobre a transferen-
cia de 188 acedes da Compaabia do Bebcribe,
sendo 30 de ns. 2501 a 2509, 4059 e 13583 a 13602
no dia 8 de Junho, ao preco de 150*000,20 de n?.
944 e 945, 3036 a 3053 no dia 13 de Junho. ao
preco de 150*000. 20 de ns. 4065 a 4079,13072 a
13076 no dia 14 de Junho. a 150*000, 18 de ns.
3054 a 3058,8426 e 8427, 840.> o 8i 16 a 8425 no
dia 17 de Junbo, a 150*000 cada urna, 2 de ns
6673 e 6674 no dia 21 de Junho e 2 de ns. 6675
e 6676 no da 25 de Junho, estas do dia 25 pelo
preco de loOiOOO e aquellas do dia 21 a 120*0u0
cada urna, 7 de ns. 8261 a 8267 no dia 28 de Ju-
nho ao prego de 150* JOO, 24 de ns. 693 a 716 no
dia 8 de Julho a 153100). cada urna, 42 de ns.
5900. 8276, 8800 a 8809, 8796 a 8799 717 e 9058
a 9082 no dia 26 do Julho, a 155*000, 5 de ns.
11318 a 11322 no dia 29 de Julho a 155*000, 10
de ns. 3219 a 3227 e 6101 no dia 22 de Agosto, a
155*000 cada urna, 2 de n=. 6670 c 6671 no dia
28 de Agosto, a 150*000 cada urna, linalmente 6
de ns. 14222 a 14226 e *2i9 no dia 14 de Setem
ru. tamboril a 150*000 cada urna.
O referido verdade e consta doi respectivos
documentos de receita.
Pagou de emolumento e respectivos addiccio-
naes 2*401, com o conhecimento 10'.
Recebedoria Provincial, 18 de Setembro de
1889. Eu, Manoel Silvino de Barros Falcao,
escrivao da receita, o escrevi
Conforme. O chefe, /. X. C. de Barros Com-
peli.
lllm. Exm. Sr. Dr. juiz de direito do civel.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira, director ge
rente da Companhia do Beberibo, requer a V. Exc.
que digne-se de mandar que o tabollio publico
a quem for aprestado o presente rcquerimenlo
e o livro de transferencias de accOes da mesma
Companhia, certifique qual a numeracao das
accoes vendidas do 1 de Junho ale esta data,
com declaracao dos pregos e data das IransacOes.
Nestes termos. Me a V. Exc. deferimento. E.
R. M. Recife, 16 de Setembro de 1889. Ceci-
liano Mamede Alces Ferreira
Em 28 de Agosto forera vendidas 2 accOes de
ns. 6670 e 6671 ao prego de 150*000 cada urna.
Em 16 de Setenib-o foram vendidas 6 accOes
de ns. 14222 a 14226 e 8249 ao prego de 150*000
cada urna.
Todas estas transferencias foram elfectuadas
durante o anno corrale. Dou f. Escrevi e as-
signo.
Recife, 17 de Seletabro de 1889. -Em tes te -
munho de verdade. O tabelliio publico inlcri-
no, Joo Presciliano la Costa.
Sim.
heiro.
Recife, 16 de Setembro de 1880 Ri
Em cumplimento do despacho do Exm. Sr.
Dr. joiz do civel para certificar em vista do livro
Je transferencia dns accOes da Companhia do
Beberibe quantas foram transferidas e porque
prego, e sendo me prsenle o referido livro d"elle
estrahi as cerlidOes seguimos :
Em 10 de Junho aegoes de ns. 13583 o 13602, ao prego de......
150*000 cada urna.
Na mesma data foram vendidas 10 accOes de
ns. 2501 a 2509 e 4059 ao prego do 150*000 cada
ama.
Em 15 de Junho foram vendidas 20 accOes de
as. 4065 a 4079 e 13072 a 13076 ao prego de .
150*000 cada urna.
Em 22 de Junho foram vendidas 2 aegoe de
os. 6673 e G674 ao prego de 120; 000 cada urna.
Em 25 de Junho foram vendidas 2 accOes de
os. 6675 c 6676 ao prego de 150* 00 cada urna.
Em 1 de Julho foram vendidas 7 aegoes de ns.
8261 a 8267 ao prego de 150*000 cada urna.
Em 8 de Julho foram vendidas 24 accOes de
ns. 693 a 716 ao prpgo de 155OO0 cada urna.
Em 26 de Julho foram vendidas 16 aegoes de
ns. 5900 e 8276. 8800 a 8809 e 8796 a 8799 ao
prego de 155*000 cada urna.
Em 29 de Julho foram vendidas 26 accOes de
ns. 717 e 9058 a 9082 ao prego de 155*000 cada
urna.
Em 29 de Julho foram vendidas 5 aegoes de
ns. 11318 a 11322 ao prego de 135000 cada urna.
Em 22 de Agosto foram vendidas 10 aegoes de
COMERCIO
Revista do Mercado
Rbcifb. 24 DE STEUURO DK 1889.
Fui quasi nullo o noviuieu'.o ua praga, regis-
trando se apenas a venda de alguns lotes de al
godao.
1 *------
Os bancos mauliveram no bako a laxa de
27 5/8 d., sem acharem tomadores.
Nao houve negocio em papel particular, exi-
giudo os bancos, pelo manos, 27 U/16.
No
tacOes _
27 13/16 particular.
Rio, o mercado estove firme s ultimas co
3 de 27 5.8 e 27 11. l(i bancario e 27 3/4 e
TABT.L1.AS A1TIXADA8
a M > J
| f I
L I I I I
2.
o
-_
h
>. j
...
1
s
Bolsa
COTAV'fcS OF11 1AE* DA JUSTA DOS COB-
BBtTOUES
Recife, 24 de de 1889
AccOes da Companbtn doficbefbe, do valor de
100* a 150* eada urna.
Descont de tetras, 8 o.f no anno, hontem.
Rio-Grande do Norte
A conflagafo do districto
A lucta eleitoral que vai travar-se no
2. districto do Rio-Grande do Norte
urna verdadeira conflagracao, um assalto
a mao armada ou urna especulagao indigna
que pretender fazer ao eleitorado o Dr.
Amaro Beaerra, figura saliente e hoje ne-
cessaria engrenagem politica do Vieconde
de Ouro-Preto, e o presidente da provin-
cia, Fausto Barreto, que parece j ter
perdido toda consciencia do alto cargo que
em m ora lhe foi confiado e obrio, o pu-
dor e a dignidade amdinistrativa que ca-
racterisa um homem serio.
Se o pleito tosse correr no terreno das
ideias e dos principios ou da sympathia e
forja pessoal dos candidatos, a eleigao do
Dr Miguel Castro seria um facto consum-
inado, porque S. Exc. rene a brilhantc
votagao que obteve o auxilio do partido
conservador, que, nao quererendo se abs-
ter das urnas, suffraga aqueile candidato,
que apegar da pressao contra elle exercida
por um governo pouco escrupuloso, tevo
urna maioria de mais 400 votos.
Duvidanios, porm, que a liberdade e a
garanta do voto nejara mantidas, porque o
Dr. Amaro, homem affeito a totos os ex-
pedientes por mais baixos e indignos que
sejam e que no trepida de erapregar
qualquer meio para cliegar a um fim, e o
presidente da provincia, que se mostra
inuito accoinmodavel ao papel de instru-
mento, quando virem a caasa perdida,
como de facto est, hao de lancar raio
da forga e da violencia, como tem pro-
vado sem rebugo e sem mysterio.
Entretanto ser." ^s :to ditficil a esses
dous couveiros da ^.ra provinciana aba-
ter por meio da violencia a dignidade e
altivez do eleitorado do 2. districto, onde
predomina o elemento sertanejo. Quando
a questao passar lucta armada, o serta-
nejo, que encara com intrepidez a crise
da secca, que affronta a propria morte as
inconstancias do tempo, defender com as
armas na mao o seu direito violado, e en-
tilo teremos urna lucta de vida ou morte,
um verdadeiro cataclysnio, cujas conse-
quencias nSo podemos prever, porque um
povo que sempre deu mostras de espirito
ordeiro e manso, quando se vir empenha-
do n'uma lucta onde suecumba talvez, ser
cmo a avalanchc que se despenba do alto
da montanha, tudo destruindo, tudo esraa-
gando at tombar no abysmo.
Nao estamos phantasiando, nem carre-
gando as cores de um quadro, que somos
os primeiros a fazer votos para nSo ver
realizado. Estudamos siraplesmente os
factos, analysamos a marcha geral dos
acontecimentos para d'clles tirar as conse-
quencias naturaes.
O Dr. Amaro faz todo empenho, em-
pregar todos es esforgos na eleic&O do 2.
districto porque, se conseguir tambera ser
por elle eleito, pretende por o 1. em
hasta publica, offerecendo-o a quem mais
der, sendo presentemente o lance mais
avultado o do Dr. Gama Rosa actual pre-
sidente da Parahyba, que precisa ser pre-
miado pela, maneira brilhante porque fez
as elcicSes n'aquella provincia.
A occasiSo opportuna para o Dr.
Amaro realisar urna bonita operacao par-
ticular e poltica e mostrar a sua. forga e
omnipotencia no Rio Grande do Norte
dando ao mesmo tempo uina ligao de
raeatre aos rebeldes e trado,
ram a audacia de collocar o
ral da provincia cima do interec
soal de S Exc, e demonstrando' coro o
factos quo aquella provincia, digna de
melhor sorte, s serve para feudo bou, s
tem brio, s tem dignidade, b tem inde-
pendencia, s pode pensar livremente em
quanto nao offender, erabora de leve, os
direitos logrados do sulfilo norte rio-gran-
dense.
Nada na provincia falta ao Dr. Amaro
para chegar ao desidertum de seus planos
patriticos.
O presidente s pensa, s diz e s faz
o que quer S. Exc.; os cofres pblicos
sato propriedade sua, pode nelleB entrar
quando quizer, embora fiquem os empre-
gados prejudicados; os soccorros pblicos
que ha quem entenda que forsm creados
para matar a foine do povo indigente,
s3o urna ficgSo ou antes um erre da lei
que esqueceu-se de denominal-os "antes
commissoes eleitoraes servigo de S.
Exc.; a forga publica est sua dispo-
sigao para escoltal-o e auxilial-o nos
grandes commettimentos ; todos os elemen-
tos officiae8 da provnola silo sen e de
todos tem S. Exc. i'oito uso em larga
escala.
Apeza da forcea desses tlciticnto, quer
nos parecer que ha niaito sertanojo cabe-
cudo que preferir morrer, ver arrancado
o pao da bocea de seiu rtlhos, parase ve-
nalisar na praga publica a consciencia do
cidadilo, antes do que deixar de depositar
na urna o voto, filho legitimo de tuas
crengas. Entao chegar o ultimo recurso
a forga publica, convertida na actuali-
dade cm persuasfto eleitoral, para eleger o
Dr. Amaro ponta de bayoneta.
Fique mas de uin lar enlutado, circule
o dipolma de S. Exc. una aureola de
sangue, sepulte-se no lodo a dignidade de
um presidente insensato, o que importa ?
O Dr. Amaro foi eleito. presentcou o 1."
districto a quem reuni mdfiorcs elementos
e ... viva la patria !
Nos que nao estamos por isso e como
parte daquelle torran que nos deu o burgo,
vendo no Dr. Migue! Castro um represen-
tante digno de uossas aspiragSes pelo seu
carcter iramaculudo e por suas virtudes
c'vicas, protestamos contra a prepotencia
e cxplorayao do Dr. Amaro B.;zerra e le-
vantamos um brado de indignagSo contr
a violencia com que se ameaga os nossos
conterrneos.
Um norte riograndense.
Recife, 23 de Setembro de 1889.
rido de Jeanninha, professora de AlagSa
de Cavadlos; primo de Leontino, pro-
fesspr de S. I'cdro e de Ritinha, professora
da Villa de Ouricury; finalmente prur>
afim de Gesnol, professor de Taboca, e
de Canuto de Pontes, do Carrancudo,
que cunbado de seu irmo Raymundo
Florengo, ao todo 10 professoros, irmaos,
tios, primos e cunhados do chefe liberal
do Granito !
Chefw liberaos dos outros collegios do
13." districto, mrcn-se nesto espelbo 1
Aproveitem o Sr. de aiar e raatem
a fome de seusparentca pobres e analphi
be tos, n3o sejam tolos !
Em quanto venta agua na vola.
O edho Costa.
Na Bolsa venderam-se
5 acroes da Comoanhia ao Beberibe.
O presidente,
Candido C. G. AlcoEpnado.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
.llgodo
Foi cotado o de l* sorle do sertao a 6/300 por
15 kilos.
A exportaglo, feita pela alfandega neste mez
at o da 21, attingio a 351.184 1/2 kilos, .sendo
213.270 1/2 para o exterior e 1W.914 para o inte-
rior.
As entradas verificadas ncsle mez al a data
de hoje, sobem a 4.401 saccas, sendo por:
Sarcagas..... 53i Saccas
Vapores..... 173
Animaos..... 1 428
ia-ferrea de Caruar. 122
/ia-ferrea de S. Francisco. -60
Via-ferrea deLimoeiro 2.086
Soicma.
Assncar
4.401 Saccas
Os procos paos ao agricultor, por 15 kl!03, se-
gundo a Associaofo Commerciaf Agrcola, foram
>s seguintes:
Sranco..... 4*00 a 5*000
Somenos..... 3*700 a 4*600
aseavado purgado 2*800 a 3*000
bruto especial. 2*400 a 2*8M)
bruto baixo 1*300 a l*6i.O
ftetame..... UOOO a 1*200
A exportago, feita pela alfandega neste mez
al o dia 21, conslou dt 688.951 kilos, sendo...
4o0.00O para o exterior e 238.951 para o iate
rir.
As entradas vo ilic idas neste mez at a data
de boje, sobem a 12.518 saceos, sendo por:
Barcagas
Vapores.....
Animaes....
Via-ferrea-de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeira .
3-327 Saceos
i 376
398
6.094
13i3
12.518 Saceos
Scmma.
Mel
Cou-se a 60*0)0 por pipa de 480 litros.
Couros
Cooros salgado?, 350 ris, c os verdes a 210
ris.
Agurdente
Cota-se a 112*000, por pipa de 480 liros.
lie o o
CoU-se a 220*000 por pipa de 480 litros.
Pant da Alfandega
SBMANA &% 2.' A 28 Dg SSTBMBEO DK 889
Vide o Tiario de 23 de Setembro
Vivios S descarga
Barca norueguerse Solid, carvSo.
Barca noroeguense Spes, ferragens.
Barca uoruegueise N. P. uten, carvao.
Fernando de Noronia
Alto l...
Veio muito enfurecido o Sr. Dr. Joao
Augusto porque denunciamos que o seu
amigo promotor de Bom Conselho, chico
te ira o seu amigo juiz municipal,- e, o
menos quo nos chaniou foi de vis espe-
culadores.
Tonha paciencia o lustre Dr. Nunca
pretendemoe especular com asurrado Dr.
Aojos Barros, que o primeiro a attri
buil-a h Lourengo Ypyranga.
Ser tambera um especulador o juiz
municipal ?
O Dr. Joao Augusto si como nos
eremos, um homem serio, deve estar con
vencido do que impossivel que Ypyran-
ga continu como promotor de qualquer
comarca e principalmente do Aguas-
Bellas.
Nao fosse presidente o Sr. de Caiar e
tal noineagilo nunca se faria.
Estamos certoa de que o Dr. JoSo Au
gusto pensa comnosco.
A scntindla.
dt-
m-
A noraeago do celebrrimo coronel para
rector d'esle presidio, o um dos actos mais
moraes d'esta sitnag.no.
('om certeza o ministro fl'ie o nomeiou noco-
nhece as faganhas d'ete here que devia estar l
desde sua raocidade, cumpriudo as penas de suas
proezas.
E' pena o governo nao aproveitar tambem sea
collega decholia o vigario Joao Galope para ca-
pellao e a sua amasia para irraa de cirid-ade do
mesm presidio.
Os abaixo assignados congratulonj-M com os
habitantes de 8. ento pela ausencia d'eitcentc.
.4 commate da secca.
Ouricury, 10 de Setembro
de 1889
P.v.-a o Sr. de.Cv
e apreciar a geneal
sews prot'esaores vi
reintreg es de stias.
ras or acto seu de 10 de
r i! 4
Jullio.
Joao Silverio, professor do Granito,
irmao de Juventud^, ;rofcssora de Jos
Go.mes, e sobrinho ^: Siciuta, profesora
do Granito B de Antonio Peixoto, (pro
fessor de Bodoc ; cimbado de Francis-
co Moreira, professor do Ex, que na-
Barca njruegueose Byfog-J Chrislense, carM'io.
Barca nacional Mara Angelina, xarque.
Lugar nacional Loy>, xariue.
Patachoallcmo FreUrick. xmiue.
Patacho sueco Aluuni. xarque.
Patacho norueguense EJram, xarque.
Sumaca nespaolMl Annia, xarqne.
''Imjioi-laco
Vapor austraco Mlnza, Mitrado de Trieste e
escala-em 24 do andante e cousignado a .. na-
nifostou :
Ago 60 cunhatos od ;i
Agua mineral 2i i!aixasa Prealle C.
Cerveja 30 caixas a Cramar Frey 4 C.
Farinha de trigo 1,981 barricas ordom, (,!6i
a Machado Lopes C 8)G a Lopes fnnaog,
2,075 a Hjfiry Forster di C.
Papel 2 caisos ordem.
'fcidos diversos 2 caixas ordem.
Exportado
RECtFa, 23 DK SKTuMBiO DB 1889
Para u exterwr
Nao houv-a exporta..-1 >.
rara o interior
Na vapor nacin;'' l'nr, carrogaram :
Para Rio de Janeiro. S.'luinaraes C. 10 >
saceos cora 6,000 kilos do assucar branco o UO
ditos com 54,000 ditos de ditJ mascavado ; A.
de Oliveira Mata 25,50) caco?, fructa.
No vapor fraa z Vdle de S. N-colas, car-
regou :
Para Rio de Janeiro, A. Luille 30 pipas cjm
14.400 litros de agua Oto.
No vapor nocional J Para Cear. ,F. da Cudia Galvio 203 sacos
com 11,000 kilos de fe
ParaAraca'y, F. M. de toura 23 barris com
1,920 litros d rael.
I'ma Nati, )1. i. (11 R) -a 1W sacco* coai u
rioha de. mandioca.
Na barcaga ', dttknrina, carregotl:
Para Paranvba A. LniiM 0 garrafOds com
450 litros de genebra
Rendfnieaatos pnbllcos
MZ D SETEJOO
Alfandega
Renda geral :
Do dia 2a 23 oOS:917;733
dem de 24 50 352*439
Rehda provine.al :
Do dia 2 a 21 68:08
dem de 2 3:87:
049:47
71:937*729
Souniitital 721:427*891
Segunda secgo da d; Pernambuco,
24 do Setctnjio de 1889.
O tfiesoureiro Fu.v;i -.io Domingue3.
O ebefe da sccoi)-Cicero B. d Mello-
Reeel
Do dia 2 a 23
dem de 24*.'
loki; geral
15:547
26:3075801
Perguiita-se....
Pode um agento de leiloaa d'osta praga
contractar qualq icr cousa para as obras da
t'aculdade i
Diz o art. 32 do dec. n. 853 de 10 de
de Novcrabro de 1851, mandado vigorar
pelo dec. n. 939 de 20 de Margo de 18>2:
E'prohibido aos agentes de leilSts : l.-
TODA A ESPBC1E de ncgoruicao c trafico
directo ou indirecto debaixo do seu ou
tdheio noma. &
Como, pois, aceitou-se urna propesta
para tornecimento de maeriaes, assignad.i,
por um ageute de ^eil5os ?
S a convescote ds Dms Irmilos pode
justificar esse flagrante abuso dalci.
T/icmis.
Pedido
Roga-sc ao escriptor das Quotidiauatdo
Joma1, que d umapalavra ao menos soifre
o fiasco que fea a respeito da questao da
renuncia era que citou auetores quo aitula
no ha va litio attentaraente.
Oscur.
Caso-Chrlsplsii
Nao est dclinitivamoute reshlria atf- agora !
quolo Chrispim, porque o Nipoleio da Cosa
Moreira aiuda no veio imprensa ditera ultima
palavra sobre ella. Sem olio nao so faz nadan
ijuo annareea o homem o verio o bonito !
Aquillo, siE. '5 quo orculo, tudo mais o pu-
lt.
Basta dizor que 6 u:n li)ine:ii que por ter o
nariz meitido wu toda a parle anda SPOJprG
AmaicUo.
Reecbedoria 'irovluclaf
Do dia 2 a 23 18:8933981'
1 lera de 24 3225392
-------------- J9:418*573
Auxilios lavoura
Poreira Carneiro & f. continuam, autorisados
pelo Banco do Brasil, a con-oder emprostimos
a lavoura das proviniras de Alagoss, Paralivlm
lo Giaade do Norte, mediante a-; condie>k'S
de queos ioteressados serao informados no es-
criptorio ra do Commerci n. 5, das II iiorcs
da manila s 2 oa la
RccJfs nralaage
Do dia 2 a-23 34:0748!5
Idorn de 4:494*259
38 324134
Merindo Nunivipnl l> R). Jun
'"O roovimenR) desie mercado no rfn 23 de :e
tombro foi o suguiute :
Entraram :
40 bois pesando 5.218 kilos.
601 kilos de peixe a SOrij 12*020
14 caraas com farinha a 200 rttfs 2*xO0
0 ditasdefructas diversas SOUiis 3000
7 laboleiros a 200 niis liOO
13 suinos a z(X) reis 2600
23 matulos com legurass a 200 ris i'000
Foram oceopados :
27 columnas a (X: ris ItitiO'i
i escriptorio a 300 ris 30u
29 compariinonios de farinaaaSOO
vis 11^500
22 dit03 de comidas a 590 r i3 U4000
75 dilosdelegumes e laxondas a
4tK> ris 3030
16 ditos de suidos a 700 r.'iis l\M '
8 ditos de fressuraa a 600 ris 4S8>.
40- buhos a H 80iX>
193820
Rendimento do da 1 a 22} > cor-
rete i 61"600
?oi arrecadado liquido ule 10,0 't:SHf i20
Presos do dia:
Carne verde de 320 a 400 ris o tilo.
Carneiro de 720 a If ris dem.
Suinos de 300 a Od ris dem,
Farinha de 400 a 6 0 ris a cuia
Milho de 360 a 400 ris 1
ie 1/000 a 15200iti.ro
laladftii'o publico
Neste estane'rcimeto foram ltatidas pira o
consumo de boje 89 reos poitouceales a di
sos marchan tes.
Vapores a entrar
mez d:: SF.Vipao
Norte......... Sacona.......... 23
Norte......... Para............. 2i
Europa :..... VUle de S. Nicolao io
Sul........... Espirito Santo..... 27
Europa*...... Trent............. 2>1
Sul.......... Don............. 23
_ "Vapores a sabir
JIKZ DK STEA1BBO
Baliiao esc .. Sergips......... 2:"> as 3 h
Sul.......... Para.......i..... 26 aj 5 h
Cear e esc... Jagaaribe ..... ... 26 as 3 h
Rio Formo80 Pirapama......... 26 as 5 h
Santos e esc VUle de j. NU:olo.. 26 a 4 h
Norte........ Esp Uo Santo..... 28 as 5- h
Movlmenlo do porto
Navio entrado no dia 24
Trieste e escalas24 dias vapor austraco Me-
iuza, de 1,775 toneladas, commandanie Gio-
vani Mettel, equipagem 55, carga varios gene-
ros ; a Henry forster & C.
Navio sabido no mesmo dia
Babia e escalas Vapor nacional Jncuhype.com-
rrandante Joaquim lose Estoves iunior, carga
varios gneros.
Procramma da renta lo Principe la
Milicia Celeste o Arcnanjo **. Hi-
Kuol. em sua capeii-i ce troica
(toa.
Na quarta feira 25 do oriente lera logar a
baiideira a qual sahira da casa da juiza a Exraa.
Sra. D. Amalia Miranhao do Mura, acompanha-
da por duas alas de meninas vestidas de branco;
ua vanguarda ira um batalho (>o. meninos e na
retaguarda a hunda musical Club Afogadeose.
Nos dias 26, 27 e 28 tora logar um triduo so-
lemne as 6 1/2 horas datorde.
No sahbado ao meio dia subir aos ares urna
salva ilo 21 uros, procedida de alguma sgiraodo-
Ijs do fgu"tos, ainunciando quo a vcsiera do
dia em quo a igreja coinincmora o nascimento do
juiz das almas.
No dia 29 (domingo) pelas i l horas da ma-
nha ter logar una missa rosada 0.11 tenco de
todo; os devotos de S. M'gtn. I.
A's 5 horas. depoi< da missa tocar alvorada
o incansavid Club Afogadeuse, rompendo os aros
urna salva de 21 (tros, seguida do muilas girn-
dolas do foguotos, alertando ao povo catholico
que A chegado o dia do nclito Miguel.
A's 11 horas da manila entrara a lesla,_ cons-
tando de roisa eolemue a grando-orchesira cui-
tada por mocos amadores ; ocupar a tribuna
sagrada o distiacto pregador padre Podro da Pu-
riricago de Paes e Paiva.
A's 7 horas da tarde entrar o Tc-Dcum deno-
minado de Do, cantad) tambero polas (Betunas
mocas ; llavera serrao ames do Te-Deum, lindo
olio dosccr a bmdoira acorapanhada do mesmo
cortejo soguindo para t deposiUda em casa da
futura juiza da bandeira a Exma. Sra. Uenn -
linda Moreira Chacn.
O templo estar ricamente rnalo, cuj arm>
cao confiada ao hbil arti.-ti Agostinho.
A ra do S. Miguel ni > deixa a desojar; sera
bera einbanie:ra.!a e Iluminada a giorno coro
corra de 500 balO: s ; e se os moradores d'oa
infeitaretn as facludai de suas casas ser urna
vista doslumbranie.
Finda 1 fosla quoimar-sc hi uro lindo o varia-
do fugo de arlilicio, Rato a capricho pelo dislin-
cto arli'.la o Sr. Toixeira.
Para mais abrilhiniar a testa, sahir do Recife
om bund oxprosso, locando ni trajelo .-tris me-
lodiosas pecas do seas vasos renertorhw, as (lis-
t i netas bandas raaroiao.-; Club Eutcrpe e Juv .-.}-
lude, qu! graciosamente acoedoratn ao convite
'a commis-o as quaes a mos.i u oumo.iisso an-
ticipa seus sinceros agr !o rooiilss ; tarobom
tocor lardee nos dias de triduo a nossa uroave!
banda Club Alugadonso.
A conimisso agradece a lodos que coacorre-
ram para abrilianlaretti a (sta do nclito Miguel
c pane a lodos os aerles quo F'essn grande ttia
rosoin urna Ave Marta em teny'j a'aquolle quo
roslituio ao cuito ralltaltco aqnclia cupelllnlia
que a qua'ro annos achava-so om ruinan, RVdoi.
vigano Francisco Bavinuodo da Cnnha Pedrosa,
oiito vigario d'esta froguezia.
Argados, 24 do Siembro de 1889.
i.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creaccas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratrz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da marihS.
Chamados (por escripto) A qualquer hora.
TELEPHONE N. 22(j
Ao eleitorado liberal do 12.
districto
Acbandosc; designado o dia 12 de Do-
zembro prximo futuro, para ter lugar a
ele^ao, nesta. provincia, do deputadoa
Assemb'a Prorincial; declaro a uieus a-
migos que son candidato a um lugar na
mesma assembla por este li1.0 districto.
Os servieos que hoi prestado ao partido
a que pertenco. me d direito a exigir
de meus correligionarios esta prova de
contanca. Xa comarca de Cimbres onde
resido, cont com amigos fZo dedicados
qtvu quasi posso garantir ser bem snecedido
nesta minha pretencao.
Aos 8r. 'eloitores, que se dignarem
amparar-ine minha eterna gratidlo.
Pe8qiiira, 13 do Setembro de 1889.
Manoel Cordeiro de arvalho.
Mi t
Ero vista dos nmerosis dosojos manir.'1"*"
por inuitos do nossos commitlcntos do diilercn-
los mercados de qo'* ollerocos-cmos ao publico
urna Kmulso de inconteslvel cxccllonoia, feita
tit oloj -i Purado do Baealno mais lino e puro
que exista, nos tetim trlWl decidido a acceder
aos desejo dos nossos amibos, c para isso tiernas
preparado, B temos boje o p azor de oTerecer o
publico rcchnlaaomais porHota que pode prodn-
zir a soioncia, Hila do Oleo de l'igado de Baca-
Iho mais nuro e oscoltiido, importado expres-
samente da' Noruega por nos meamos e dos hy-
pophospnitos de ral, soda o poiassa da maior
pureza ; ludo combinado segunio a formula chi-
nioa mais correcta, hasoadani celebreeomDi-
nacao do Dr. Churchill.-Lannian & Kemp.
La Rosa Alemana
E' o nomc de urna qualidade de cerveja
braica que pela prinieira vez vcio a esta
provincia. A cerveja La Rosa Alemana
no contm cidos ou prodnetos chimicos.
A preparadlo da cerveja La Rosa Ale-
mana, chegou ao mais alto grao de per
fei(3o. E' sublime, muitissimo agiada-
vel ao paladar, finalmente una conbina-
}3o de sabstancias poderosas para a boa
aliuacntacao. As mais afamadas cervejas
n3o trazem o nome do fabricante. Entre-
tanto o proprietario da cerveja La Rosa
Alemana tendo conquistedo o segredo da
sua saudAvel ceeveja registrou a mar-
ca com a sua firma no rotulo.
E como tev% a honra de requestar a
sympathia publica, c para que a canga
La Rosa Alemaaa continuo a gozar do con-
coito do respeitavel publico, amindadas
vezes manda examinar a sua cerveja pelas
celebridades chimicas.
Diversos attestados de chimicos c dou-
tores em medicina justificara que a cerveja
Li Rosa Alemana muito saudavel e um
soberano "alimento, cujoe documentos t
cam disposit^io o respeitavel publico.
Diz o Dr. Vernier: Tenho por muitas
vezes examinado no laboratorio publico a
cerveja La Rosa Alemana e nao encontr
materia chimica e sim urna, gigantesca pre-
paraco de. substancias quo representam
uina valiosa riqueza para alimenta;2o.
A cerveja La Rosa Alemana goza de gran
de conceito na Europa, e um alustre ca-
valheiro desta praca, a pouco ebegado do
estrangeiro, animou o fabricante a expor-
tal-a convencido de ter -grande accet:t3o
aqui.
Est a venda em grosso e a rotalho,
Machado & C, ra do Vigario' n. 19;
Albino Azevedo & C, roa Mrquez de
Olinda n 2; Jos da Costa Caseiro & <\,
ra da *'ruz n- 13; Lopes i Araujo, ra
do Livramento n. 38; Vasconcellos So-
brinbo & C, ra da Aurora n. 81; Ra-
mos Ferreira &. C, ra Mrquez de On-
d* n. 50.
Advogado
Bacharel loo Ferreira l>c-
raingnes Carneiro
Ra Estreita do Rosario n. 10, i." andar
Eucarrega-se de quaesquer causas
nesta cidade e uas comarcas prximas,
especialmente as de I o d'Alho e Tim-
baba, para ende viaja frequeutemenie.
Em virtude do que dispoe o art. 66 do
regulamento que baixon com o decreto n.
9554 de 3 de Fevereiro de 1886, a Ins-
pectora Geral de Hygicne faz publico,
pelo prazo de oito das, que o cidadSo
Angelo Vieira Safnpaio, !he dirigi a se-
guinte petijao com documentos que satis-
l'azem as exigencias do art. G5 do citado
regulamento.
Angelo Vieira Saropa'o, cidadao bra-
sileiro, casado e residente na villa de Boa-
Vista da provincia de Pernambuco, deso-
jando continuar a ter pharraacia nesta
mesma villa, attento ao eotado insalubre
c o crescido numero ulo eus habitantes,
onde nao ha outra dirigida por pratico ou
pliarinaciutico formachi, e julgando o sup-
ocante ter satisfeito a exigencia do art.
O do decreto n. 9554 de de Fevereiro
de lt8'j, com os seis documentos juntos,
pede a V. Exc. para que se digne conce-
dtr-lhe a precisa liceoca, Nestes termos
espera benigno despacho. E. R. M.
Villa da Boa-Vista, 14 de Fevereiro de
1889.Angelo Vieira Sampaio.t Sobre
urna estampilha ce duzentos ris.
E declava que, si nesss prazo nenhum
pharmaceutic" formado lhe communicar
ou a Inspectora de Hygicne da provincia
de l'ernambuco, a resohicao do estabele-
cer pharraacia na citada localidade, conce-
der ao pratico a cenca requerida.
Inspectora Geral do Hygicne, 1 de
Jfaio de 1889. Dr. Pedro Afonso de
Carvalho, secretario.
tYluilU-se
Joaquina Adelia dos Santos Costa,
nssis'enie examinada, participa que
mudou-se do paleo do Carmo para a
ra do Caideireiro n. 20, presla-se a
chamados a qualquer hora do -in ou da
noiie para exeicicio de sua profissio.
U i'oii-.'iiie aguda o;i chronca
O Peitoral de Cambar o melhor re-
medio.
k ADVOfiADO Ir
\ O baebarel Salostiano Jos de
/ Oliveira pode ser procurado para
3 os mistures de sua prolisso. a
^ ra Ksiroita do Rosario n. 10,1." >
\d andar. fI
Tuberculose pulmonar
Cura garantida pelo Peitoral de Cam-
bar.
Y

11
{}
Leonor Porto
iRua Larga do Rosario nu-l

SEGUNDO ANDAR
Contina a executar os mais difficeis
,lit'urinos recebidos de Londres, Pariz,
| i Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfoicao de costuras, em
em brevidade, raoasicidae em piejos e
fino gosto.
PHOSPHATIHA FALIERES.AlimentoasCriancas
y i
S:cx
Oculista
Dr. Barreto Sumpaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio da s 3 horasj da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto no3
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
audade n. 25.
Tosse convulsa! coqueluche!]
NSo deis enanca senao o Peitoral de
Cambar.

)
Via3 urinarias, molestias das se-
nhoras, operacoes elctricas
SU. CALOS SITSHCOWT
MEDICO E OPERADOR
com pratica de pars e Londres
Eslreitaraento da urethra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dr;
hydroceles sem imecco (cura radical);
feridas e ulceras chronicas, cora garan-
ta de cura rpida ; pedras da bexiga,
flstulas e hemorrhoidas ; syphilis, go-
norrhas, pelo methodo das ostillasoes;
molestias da garganta c do peito pelas
athmospheras medicamentosas. Con-
sultas e operarles das 12 as 3 horas da
tarde. <
RA DO MRQUEZ DE OLLNDA N. 3i, (
2 ANDAR j
ralis ao pobres.
O Vinho do Doutor Cabanes tnico,
estomachico, nutritivo. Nao esquecer-se de
tomar um copinho delle antes do cada re-
fei2o.
! Dr. Mello Gomes
i Medico operador parteiro
i 46Ra do Bar .lo da Victoria40
(DEFROXTE DA PHAK1UCIA PINHO)
i Onde tera consultorio e rcsl-
| denciai podendo ser encontrado e
j receberftro chamados qualquer hora
i do dia e da noite.
\ Especialidades: partos, febres, moles-
I tias de senhoras e dos pulmdes, syphilis
i cm geral, cura rpida e completa e ope-
\ rafoes de cstreitamentos e mais sofm-
) menlos da uretra.
\ Acode de prompto a chamados para
i)


Hfra, a qualquer distancia.
Telcphone n.
394
(


i

Diario de PeniambucoQuart
inn \j
\i<
(j(j&
Elixir cabread negro to Dr. K'niKn
uta, anaijNiido -o l'ariz e agi-
provada pelu luapelorlu tiral
lo Hjjmiiv
(Premiado na ExposicSo)
Continuamos a prevenir o publico que o ver-
dadeiro elixir cabera de negro o da formula
do Dr. Sania Rosa, que como garaniia lem em
seu favor os attestados passados pelos maisdis-
tinctos medico*, desta e domis provincias do
imperio, por pharmaceutico-^desombarg lircs,
advogadoa, en;enhei-os, eommereianles, empre-
ados pblicos, lentes da Facultado, artistas,
etc.
Fiqoe, portanto, o publico sabendo que o eli-
xir fabricado na rmi da Cade-a, pliaruiaeia de
Hermes Souza Penara, Succcssores, utnahiita
So do nosso.
psito do verdadeiro ru i do lidii-ni; i.
Dr. Coelho Leite
Medico
Declara para conheciuenro de todos os
interessados que nao bc entende comaigo
mas com o acadmico J C. Coelho Leite,
proprietario do animal Piranion o que
est escripto em varios jurases do hoje.
19 de Sotembro de 1S9.
W='V mMK
m^



O Dr. Brmirio Coiitisilto, de
volta de sua viagem Eu. opa. onde
se dedicou especialmente ao Mia-
do das molestias do systoma ner-
voso, tea seu consultorio Praca
do Corno Santo n. o, defrontodo Te-
kyrapno Nacional
Consultas de urna as tres horas da
tarde.
ti

*sm
Advogado
Migue.1 Jos de Almeida Pernambuco tem o sen
escriptorio de advocada ra tio Imperador n.
el. onde ser encontrado todos os das uteis, das
licrts da 9 mauli as 4 da tarde.
MEDICO HOMEPATA
jjk. BaKiu... da Silveira
Ir Especialidadefebres, molesti& U
{ } das enancas, dos orgOs respirato- < >
11 rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
t f ora da capital.
] { AVISO
\ Todos os chamados devera ser di-
J [ rgidos pharnmcia do Dr. Sabino,
'. ) ra do Barao da Victoria n. 43,
f 1 onde se indicar sua residencia.
Cirurgo Dentista
DR..ROBERT P. RAWL1NSON, for-
mado pela Universidp.de de Maryland nos
Estados-Unidos, ten aberto o sen consui-
E para constar mandei passar o presen-
te que ser publicado pela iiuprensa c
affixado no lugar do costume.
Dado e ptissado nesta cidade do Recife,
19 de Setembro de 1889.
Eu, Olavo Antonio Ferreira, escrivao o
subscrevi.
Jo quim Correia de Oliveira Andrade.
Secretar a da Presidencia de Pernambuco,
em 23 de Setembro de 1889.5.' secgao.Por
esta Secretaria, se faz publico, de ordem do Exm.
Sr. conselheiro presidente da provincia e de ac-
cordo com a lei provincial n. 1974 de 26 de Mur-
ro ultimo, qie, a requerioeolo de Eduardo de
Montea Gomes Ferroira, ac'ia se aberta a concur-
rencia, como praz? de 5'idias, a contar de li e,
para apresenliicao de pr.mostas em carta reliada.
a fundacao de um moinho, nesla provincia, des
tinado a moer o grao de trigo e preparar a fari-
nna de conformidade com a le infra transcripta.
Osi'Crelario,
Franctsco L. Marinho de Souza.
LEI N. 1974
Innocencio Marques de Araujo Ges. bai
em scienciasjuridicase Bocines pola Faculdjd >.
do Recife, deputado i Awouiula 6m pela
provincia da Babia e presiden!;: da de IV;
nambuco:
Fuco saber a tolos os seus habitantes que -,
Asscjibia Lcfialaiiva Provincial decretou c eu
sanecio lei a v-c-Iucd *'cuinte :
Arlsi i." Fren u ire-idenie da praviana au-
lorisado euiiiia?tar wm E laardo de oraea
Gomes Ferr;:--:, ou ce.i; qu ;n BelBOrffl \;.nta-
gen- ofiorecoi, a fundir j i (wagilo do um nioi-
nnu a vapor tu q;i:!i>|u<~r oulro motor.-desliuado
a moer y rao tic trigo r preparar a larina, com
a capacidade de moer diariamente, pelo menos,
7.500 kilogrcmmas.
1.* Para a explorado c uso da iodu.-tria de
que trata este trago, cooecdor-se lia privilegio
por iOannos.
2. Dcnlro de dous annos o contractante
obrigado a montar os estabelecimentos precisos
e a dar principio aos trabalbos da fabrica, em
cujo servigo ser obrigadoa admittir at 15 or
phSos, para Ibes ministrar o ensino da industria
alimentando os, e dous annos depois dando-lhes
salario equivalente ao que trabalharem.
Art. 2. Fieam revogadas as disposigoes em
contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades, a
quem o conhecimento e execugo da presente
esolugao perlencer, que a cumpram e facam
cumprir to inteiramente como nella se contm.
0 secretario da Presidencia desta Provincia a
faca imprim'-, publicar e correr.
Palacio da Ppresidencia de Pernambuco, em
26 de Margo de 1889, 68.* da Independencia e do
Imperio.
L. S. Iy.Noc.KKC.io Marques db Abaujo Gobs.
Sellada e publicada a prsenle resolugo nesta
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, aos
26 de Margo de 1889
0 secretario interino,
Manoel Joaquim Stlceira.
intuito de garantir a boa execucao do
tracto, quer com relaco a illumincllo
blica, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante tero de pagar actual em.
prez, conforme o 7o cima citado, a
quantia de 994:9170528, de accordo co*
a avaliacSo feita pelo arbitro desempata-
dor em 18 de Marco ultimo, visto dedusir-
3c da de 998:777(5628, total da avaac&o,
a importancia de 3:860|5000 paga em-
presa em 1860, proveniente de 202 cano
de ferro, 5 columnas e 5 bracos com lara/
peSes, collocados fra do permetro do
contrete. O secretario interino,
Mnv.ocl ioayui.n Silveira.
torio, na na Barao do
Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas dab l as 4 horas da tarde.
ED1TES
O Dr. Francisco Domingues Ribeiro Vian-
na, juiz de direito da provedina de ca-
pellas e residuos, da comarca do Recife
e seu termo, em Pernambuco, por Sua
Magestade o Imperador o Sr. D. Pedro
11, a quem i>.... e..~,-j^, *.., ..
Fago saber que a requerimento de Tbeopoin-
po Magno de Oliveira Quintellr, testamenteiro
invenlariantc dos bens da finada D fesaioa Di
niz e Silva, vai praca por venda, em tres pra
cas deste juo. a cootar de II do corrale mez,
urna parte que possuia a inventariada u i sitio e
casa de vivenda na estrada dos Adictos, demar-
cando ao sul com o sitio de Freueri;o Chaves,
ao norte com o dos berdeiro3 de Joaodo Reg
Barros Falcao, ao nascente com a estrada dos
AfTlictos, ao poente com o sitio de Joo Caroll,
com arvore de. fructo, avaliada.toJa a proprieda
de em 4.000*000, sendo a parte da inven ana.a
do valor de 1:5015000.
E para que chegue ao coahecimento de quem
iDteressar possa mandei passar esle edita! que
ser aflixado no lugar do costume e publicado
pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 6
de Setembro de 18*9.
Eu, Francisco de Siqueira Cavalcante, escri-
vao, subscrevi.
Francisco Domingues Ribeiro Vianna.
O Dr. Joaquim Correia .de Oliveira An
drade, juiz de direito privativo de
orphaos e ausentes n'esta comarca do
Recife, por Sua Magestade Imperial a
quem Deus guaade etc.
Faz saber aos que o presente odital
virem ou delle tiverem noticia que estan-
do se procedendo por este juizo o inven-
tario do major Laureatino Jos de Miran-
da c sua mulher D. Maria Scverina Lins
de Miranda, tendo o desembargador Quin-
tino Jos de Miranda inventariante testa-
menteiro declarado que residiam na In-
glaterra os herdeiros Emilia, Edith, Berth,
Reignatd e Aatonio filhos do tinado Diogo
Maddison Genn, mandei que fosse expe-
dida carta precatoria para as justigas
daquelle Reino, afim de serem alli citados
i s reforidos herdeiros, sendo o inventa-
riante testamenteiro intimado deste meu
despacho, o seu advogado Dr. Antonio
Estevao de Oveira me derigio a petigao
do theor seguint:
Illin. Sr. Dr. juiz de direito do orphaos.
O conselheiro Quintn.) Jos de Miranda,
testamenteiro e inventariante do major
Laurentino Jos de Miranda, vera reque
rer a V. S. que se digne de mandat que
a citacao da herdeira Emilia Oenn, se
faca, nao por precatoria, como V. S. or-
denou, para a cidade da Columbia Brit-
nica, porem aira por editaes, com o prazo
de 30 dias, urna vez que nao certo que
a referida herdeira alli resida, e apenas
o supplicante presume, cm razao de car
tas muito anteriores ao fallecimento do
inventariado, que ella tenha, com seus
irmaos, para alli se encaminhado.
Nao havendo, pois, certeza oade a refe-
rida herdeira resida hoje, com seus irmaos
menores, razoavel e consentaneo cora
direito que a citacao so effectue por
editos.
Por esse modo fica rectificada a decla-
raclo feita nos autos a respeito da sup-
plicada.
Pede a V. S. deferiinento. Espera re-
ceber merce.Recife, 10 de Setembro de
1889.Ettev&o de Oliveira.
Estava com tima estampilla de 200 ris
inutilisada na forma da lei.
Despacho.Sim. Recife, 12 de Se-
tembro de 1889.Oliveira Andrade.
Nada mais se continha em dita petigao
e despacho fielmente copiados dos proprios
autos.
5.* secgao.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 29 de Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
>rdem do Exm. Sr. Dr. vicepresidente
da provincia e nos termos do 2o do art.
Io da lei n. 1,901 de 4 de Juuho do 1887,
3ue, rendo-se concluido por mefo de laudo
e arbitro desempatado!-, a questo de ava-
iacao do material da empreza de iliumi-
aagao gaz_ desta cidade, tica aberta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
tes, contados da data do pi esente edital,
para contracto da dita illuminagAo, me-
diante as seguintes clausulas da citada le:
3. Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:000$
em dinheiro ou apohees da divida publi-
ca, para garantir a aceitagao do contracto
no caso de ser preferida a sua proposta
4." O deposito, a que se refere o pa.
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo contractante senao lindo o contracto e
servir ele cau^Sv ym* un pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipulada* no memo.
| 5." O contracto s poder ser feito
com quem melhores vantagens ofierecer
na concurrencia.
| 6." A nao ser no caso do paragrapho
antecedente, a actual oipresa nao ter
preferencia a qualquer outro proponente.
7. O novo contractante sera obriga-
do indemniaaco, a que a provincia
sujeita por forga da clausula decima ter-
ceira do contracto em vigor, devendo dita
indemnisagao ter lugar de accordo com
essa mesina clausula, e ficando o materila
e obras da empreza hypothecadoa pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
sagi5o ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
8. O prazo do contracto nao poder
exceder a 30 annos.
| 9. O prego da illuminagao, quer publi-
ca, quer particular, nao poder exceder de
260 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
*e urna redcelo de mais de 30 [, para
os estabelecimentos de caridade e benefi-
cencia, e repartieres publicas.
| 10. O systema mtrico, si fr mais
conveniente, ser adoptado para a niedi-
cSo do gaz.
| 11." A luz ser elara, brilhante e senta
de substancias estranhas, que possam pre-
judicar a illuminagao e a hj'giene publica.
12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete,
das que queimain sete grammas por hora,
correspondentes a 120 graos inglezes.
13. As horas de illumigao publica
serao fixadas pelo presidente da provincia
ao principio de cada aftno, nao podendo
ser em numero menor de seis, nein malor
de dez, devendo neste caso haver urna
reduccao no prego do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
| 14." O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questSes que
se suscitarem, quer cm o governo,
quer com os particulares, ficando sujeitos
todos os seus actos a leis e regulamen-
tos e jurisdiegao dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos do paiz.
15. O contractante ser obrigado a
collocar c construir sua custa um ou
mais gazometros, se honvc necessidade,
nos lugares qne o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os melho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna voz adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
16. O pagamento da illuminagao p-
blica e particular ser feito em mpeda do
paiz, sem ittengao osci'laeao do cambio.
| 17." O contractante poder organisar
companhia, a qual ficari subrogada em to-
dos os direitos e obrigagSes do contracto.
18." Para as despezai com a fiscali-
saclo do servico de illuminacao Jo contrac-
tante concorrer annualmente com a quan-
tia de 3KKK))J000, que serlo recolhidos ao
Thesouro Provincia!.
g. 19. O presidente da provincia esta-
belecer a multas e mais condico'es, no
Empreza do Gaz
AIMO
A empreza do illuminagao a gaz deste!
cidade por sen gerente, tendo visto
Diario de Pernambuco de hoje a publica^
;3o do udital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacao mediante as clau-
sulas u<> mesmo enunciadas e servindo de
base para a udenmisacao da empreza
actual a quantia de 98:777$,28, por
qianto foram avahadas pela arbitro desem
|iat:idor as obras da tuesma empreza,
quantia es3a que devora ser paga polo
novo contractante, vem polo presente
aviso, o para evitar duvidas futirs, de-
clarar que dita avaagio nilo podo servir
de base para tal indeninisagao, por ter
sido illegal e irrcgidarm'nte feita, bem
como que contia ella j protea ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feitos da
fazenda, tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr. procurador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da ropvincia.
E como quer que deva era tompo op
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, delibercu fazer a
presente publicacao para scieneia dos in-
teressados.
Recife, 1 de Maio de 1889.
Gerente.
George Windsor,
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Montenegro,
commendador da Imoerial Ordem da Rosa e
juiz d direito especial do commercio desta ci
dode do Recife capital de Pernambuco, por S.
M. Imperial e Constitucional o Sr. D. Pedro
II, a quem Deus guarde, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem,
ou delle noticia liverem que, por parle de D. Ma-
na Veuancia da Sdva me foi dirigida a petigao
que do modo, forma, tnaneira c theor seguin-
t :
PetigoUlm. Exm. Sr. Dr. juiz de direito do
commercio.Diz D. Maria Venancla da Sil-
va, inventariante dos bens de seu finado ma
rido Joo Jos da Silva, que sendo o espolio do
mesmo finado credor de Miguel da Malta Morei-
ra da importancia de 1:108140, de Alfonso de
Andrade Pessoa da de 1:896X360, de Francisco
Tixeira & C. da de 1:131X940 c le Manoel Joa-
qnim Gucrreiro & Irmo da de 1:000X000. cons-
tantes das letras juntas aceitas pelos supplica-
dos e saccauas pelo fallecido marido da suppli-
cante na qualidade de socio da lirma conimer-
cial Silv >v Alvos, extincia ; e como as men-
cionadas letras estejam apiescrever, vem nos
termos do art. 453, n. 3 do Cdigo Commercial,
peJir a V. Exc. se digne mandar tomar por ter-
mo o seu protesto para uiterromper a prescrip-
ci, depois do que sejam as lelras deseutranha-
das e entregues ao advogado da supplicante,
o nliaixo assignado, ficando copia.
K porque os supplicados se achem em lugar
incerto e nao sabido, requer que as citagOes se-
jam feitas por editos, justificada a ausencia pela
supplicante. Pede a V. Exc. deferimenlo.
u-r... 17 ilo Setpmhro de 188,9 -Bihoirn Ma-
chado.
Estiva legalmente sellada com urna estampi-
Ihu do valor do 200 r., d^viduiuenle inutilisada
na f'nna da lei.
E mais se nao continha em dita e mencionada
petigao aqui muito bem c fielmente, copiada e
transcripta, depois do que via-se e mostrava se
o despacho que 6 do modo, forma, tnaneira e
theor seguint :
Despacho D. Como requer. O escrivSo de-
signe dia.
Recife, 19 de Setembro de 1889- Monlene-
gro.
E mais se nao continha em dito e menciona-
do despacho aqui muito bem e fielmente copia-
do e transcripto depois do que via-se e mostra-
va se a dislribuigao que 6 do modo, forma, ma-
ne ira e theor seguint:
Dislribuigao -A Ernesto Silva.-Oliveira.
E mais se nao continha cm dita e mencionada
dislribuigao, aqui omito bem e fielmente copia-
da c transeripta, depois do que vase e mostra-
va-se o termo e protesto que do modo, for-
ma, maneira e theor seguint :
Teroio de protesto-Aos 19 de Setembro de
1889, em meu cartorio, peanle mim, compare-
ceu a-supplicante por seu advogado Dr. Jos-
Francisco Ribeiro Machado e por esle foi dito
que pelo presente reduzia a termo o protesto
constante da petigao retro, que offerecia como
parte deste cm que depois de lido assigna. Eo,
Ernesto Machado Freir Percha da Silva, Jos
Francisco Ribeiro Machado, Innocencio Garcia
Chaves, Jovino Rodoljiho de Oliveira.
E mais se nSo continua em dito e menciona-
do termo de protesto aqui muito bem e fielmente
copiado e transcripto, depois do que via-se e
raostrava-se que, tendo a justificante prodnzido
suas testemunnas, que depuzeram conveniente-
mente, o respectivo esciivao fez sellar, e prepa-
rar os autos e m'os fez conclusos, nos quaes
profer a sentenga que do modo, forma, ma-
neira ejlieor seguint :
SentengaVistos. Procede a juslificago. Pas-
sem-se os editaes pedidos com o prazo de 30
dias. Cnstas ex-causa.
Recife, 20 de Setembro de 1889.-Thomaz
Garcez Paranhos Montenegro.
E mais se nao continua em dita c mencionada
sentenga aqui muito bem e fielmente copiada e
transcripta, em virtude da qual o respectivo es-
crivau fez passar o prsenle edital, pelo qual e
seu tiiPor chamo, cito e hei por intimados os
justificados ausentes em lugar incerto e nao sa-
bido para que, deotro do prazo de 30 dias com
parceain ante esle juizo, para allegar e provar
o que fr a bem de seu direito e justiga.
. E para qu chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente edital que ser publi-
cado pela imprensa e aflixado nos lugares do
costume.
Daeo e passado nesta cidade do Recife capital
da provincia de Pernambuco, aos 20 de Siem-
bro de 1889.
Subureyo e assigno-Ernesto Machado Freir
a da-Silva.
iterifo, 2$ de Setembro de 1889.
Viomnz Garcez Paranhos Montenegro.
3.' Secgao Secretaria da presidencia de Pef-"
nambucoEm 3 de Setembro de 88D
Por esta secretaria se faz publico que flfifc
aberto o praso de 50 dias, a contar desta data,
para o roceoiinento de propostas em carta fecha-
da dos concurrentes consfruegao de urna fe
Irada de Ierro de que trahPn lei provincial infra
n. 2.033 de 8 do Agosto prximo Iludo.
O *
Francisco L. Skiriitlto de Souza.
LEI N. 2.036
Manoel Alvcs de Araujo, do consclho de Sua
Magestade o Imperador, bacharel formado em
scienciag sociaes e jurdicas pela Faculdade de
S. Paulo, commendador da Imperial Ordem da
Rosa e presidente da provincia de Pernambuco
Fago saber a todos os seus habitantes que a
As3emblea Legislativa Provincial decretou e eu
Sanccionei a resolugao seguint:.
Artigo 1." Fica concedido >o engenln
ton Cesar Burlamaqui ou a quera melhores van-
tagens offerecer privilegio por 60 annos para a
construccao, uso e goso de urna estrada de fe
de bHola estrella, trae partitwlo da Serra Dous
ha extrema desta provincia cora a do
iva terminar na villa de Petrolina, pon-
Jinal do Rio S. Francisco
A sona privilegiada' ter 10 leguas para
^^Hadodoeixo da linha, sem que seja sso,
i lempo algum empecilbo a que a qualquer
Ira estrada de ferro, parallela ou nao a de que
igita a presente concessito, possa a provincia
ter concessSo de zona privilegiada. No caso
de futuras concessOes, se a zona privilegiada da
estrada a que refere se a actual le for invadida
pela de qualquer outra estrada de Ierro conco
dida n:in tarde pela provincia, ser o espigo
de trra que entre as duas estradas mediar divi-
dido ao meio, (cando urna motado delle como
privilegiada de cada urna das referidas es-
trada
| *." Em igual Jado de condiges o concesaio-
nario lera preferencia para onslruceo, uso e
goso de futuros ramaes convergentes.
} 3." Ficam isentos fr direitos e imposto.;
pivinciaes e municipaos oseuilicios, as maclii-
nase materiaes neces-saios par a ronstruego e
exploragao da linha p.-incipal e dos ramaes que
forem construidos.
I 4." O roncessionario srr obrigado a cons-
r linha telegruphica para uso publico e par-
Cular da referida estrada o ramaes, gosando de
isencao de direiios impos'os.
| 5." Fica concedida a garaulia de juros de
, sol>re o rapjial que t';>r empreado effecti
Vaincntc nn- obras, calculado o prego mximo
do kilmetro, em -Jj'.OJO e p^lo praso da dura-
go do privilegio, lindo o qual reverter para a
provincia a estrada com todas as suas obras,
niiichinismos, materiaes e lionas tclegraphicas,
e bem assiiu cada um ios ramaes que tenham
sido construidos, logo que tenham sido oxplora-
dos por igual lompo,
_S o. A garanta de juros s se tornar effec-
lita no caso de sor levada a effeito a concesso
da estrada de ferio de Amarante na provincia do
Piauny a Sorra Dous limaos, qual se prende a
presonte concesso, pord ndoo roncessionario o
direito referida garanta se obtiver o governo
geral, subvengo kilomtrica, quantia de juros
oii qualquer ootro favor equivalente.
J 7." A provincia ter o direito de embarcar
gratuitamente a sua forga publica, autoridades c
respectivas cargas.
8." O coticessionnrio poder transferir aera-
presa ou companhia, que organisar o presente
privilegio com todos as seus favores e obriga-
ges.
% 9. Dentro de 3 annos da data do contracto
deverao sor aprescnlados os respectivos e definitivos e os respectivos orgamentos detalha-
dos e ter comego de execugo as obras, cadu-
cando a concesso, se dendro desse praso nao
forem ditas obras comoc.a-.las, salvo caso de for-
ga maior, devidamente provado.
Art. 2." Ficam revogadas as disposigoes em
contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a
quem o conhecimento e execugio da presente
resolugao pertencer, qne a cumpram e fagam
cumprir to inteira."nente como nella se coin-
tm.
O secretario da presidencia da provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernanbuco, 8 de
Agosto de 1889, 68* da Independencia e do Im-
perio.
L. S. M. Altes de Araujo.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta
secretaria da presidencia de Pernambuco, aos 8
de Agosto de 1889.
O secretario
Francisco L Marinho de Souza
GRE1T WESTERN OF BRAZIL R4ILWAY C. LIMITED
AVISO
Do dia 1 de Outubrb em diante vigorar at segunda
ordem nesta ferro-viao seguint horario:
PARA O I-N TEMOR
ESTAQUES
Recifo......
Encrzilhada.
Arraial".. .
Macaco 8. .
Camaragibe ..
S. Lourengo..
Tiraa......
Santa Rita...
I'o d'Alho...
i.arpia......
Tracunhaem..
Nazareth..
Laga Secca.
Barana.....
Allianga.....
Pureza......
Timbaba....
Carpina---------
L. do Carro..
O. Grande...
Limoeiro.....
DIAS CTEIS
DIAS 8AST.
MinlHI
7.30
7.38
7.46
8.02
8.14
8.33
8.44
9.05
9.32
10.02
10 17
10.32
11.02
11.20
11.40
11.02
12-22
Tarde
3.04
3.12
3.20
.3.35
3.47
4.07
4.17
4.40
5.0G
5.35
5.51
6.10
6.30
Manhd
7.30
7.38
7.46
8.02
8.14
8.33
8.44
9.05
9.32
10.02
10.17
10.32
11.02
11.20
11.40
12.02
12.22
10.05
10.20
10.37
10.56
Tarde
DO INTERIOR
ESTACES
3.48
4.04
4.21
4.41
Limoeiro.....
15. Grande...
L. do Carro..
Carpina......
Timbaba. ...
Pureza......
Allianga.....
Barana-....
Laga Secca.
Nazaretb....
Tracunhaem..
Carpina......
rao d'Alho...
Santa Rita...
Tiuma......
S. Lourenco..
Camaragibe ..
Macacos. .
Arraial.....
Encruzilhada .
Recife.......
DIAS UTEIS
Manha
6.12
6.33
6.48
7.09
Tarde
7.37
8.03
8.21
8.36
8.52
9.04
!>.18
9.26
9.33
1.10
1.38
2.03
2.19
2.38
3.11
3.25
3.46
4.0
4.36
4.54
5.09
5.24
5.37
5.52
5.59
6.06
DIAS SANT.
Manh
9.03
9.24
9.39
9.50
Tarde
2.32
2.54
3.11
3.34
l70
1.38
2.03
2.19
2.38
3.11
3.25
3.46
4.10
4.36
4.54
5.09
5.24
5.37
5.52
5.59
6.06
Escriptorio geral, 22 de Setembro de 1839.
Jason Rgiley,
Superintendente'.
Thesouraria de Fazenda
WuliMitiiirao de nota*
De org-ni do Illm. Sr. inspector, fago publico
que, na fOrmado odital desla Thesouraria de 17
ie Junho ultimo, no dia 30 do corrente mez
que termina a prorogago do praso marcado para
a substituigo sem descont das olas de 20
da o." estampa.
Vencido esse praso, comecar o descont de
accordo com o preceituado pelo art. 13 da lei
3313 de 16 de Outubro de 1886, isto : dorante
os tfes primeiros mezes 2 UO; at o 6. mez 4
0/0 ; at o 9. mez 6 < /O ; at o 18 mez 8 0,0;
duraute o 13. mez 10 0/0, e mais 5 0/0 mensaes
u'ahi por diante at que as notas perclo de todo
o vnlnr
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 9
de Setembro de 1889.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna
Derliy
Club de
nambuco
Per
Previno aos Illms. Srs. proprietarios depe-
quiras que quizerem inscrevel-os para a
91.a eorrlda a reallsar-se cm 1
de Ou'uhi o de 1889
EU
PAREO DE PEQUIRAS DA. PROVINCIA, at 1
metro e J8 centmetro* de altura, contar da li
nha de trra, que poderao apresental os para se-
rem examinados e medidosSEXTA-FEIRA, 27
DO CORRENTE das 3 s 3 horas da tarde, no en-
silhamcnto do PRADO DA ESTANMA.
Os animaes que nao forem medidos antes de
realisada a inscripgao. nao podero ser inscri-
ptos.
Recife, 2i de Setembro de 1889.
O gerente,
lenrique Schulel.
Colonia Orphanolo-
gica Isabel
De ordem desta Directo-
ra aviso aos parentes, tu-
tores ou protectores de me-
nores despachados at apr-
sente data para serem reco-
lhidos a esta Colonia, de os
apresentar at o dia 20 do
mez vindouro, julgando-se
cedido o direito adquirido
pelos despachos da Presi-
dencia, se o nao fizerem at
o referido dia,
Secretaria da Colonia Or-
phanologica Isabel, 20 de
Setembro ce 1889. O se-
cretario. Francisco Gon-
calves de Siqueira.
Estrada de ferro de Ribeirao
a Bonito no Recife
Asscmbla geral extraordinaria
Sendo insuficiente o capital subscripto desla
empreza. para proseguir com suas obras, alin
do 22a kilmetros, que s^hcham abertos ao tra-
fego publico sao convidados os Srs. accionistas,
nos termos dos arts. 39 e 40 do decreto n.8821
de 30 de Dezembro de 1882, a compareerem
em assemblea RerM no dia 26 do corrente mez.
no escriptorio da ermVeza n. 7i ra Duque de
Caxias. alim de delibervwn sobre o augmento
de capital que fr necessarhj & conclusao da es-
rada em construego.
Recife, 12 do Setembro de 1889.
Francisco Lopes Guimaraes,
Director secretario.
Gonselhode compras da re-
partic,ao de marinha
Supprimento de vveres aos navios de
guerra tundeados no porto desta cidade
e as dependencias deste Arsenal, duran-
te o futuro exercicio de 1890.
De ordem do Illm. Sr. capito tenente Manoel
Augusto de Castro Menezes, inspector deste Ar-
senal e capilao do porto desla provincia, faco
publico, que de accordo com o decreto 10,066 de
20 de Outubro de 1888, recbese propostas no
dia 30 do corrate, as 11 horas da manha, em
urna das sallas da secretaria desla inspeegao
para o fornecimento dos artigos abaixo declara-
dos, nao podendo ser acceita proposta algama
que nao contenha todos o" artigos annunciados,
com excepgao de pao e i e que serao propos-
tas distinclas.
A proposta de carne v,. de devera conter a de-
clarago de ser o genero fornecido nao tendo
mais de um quinto de pesoem osso, para as di-
versas dependencias e sem osso para a enferma
ria de marinha.
VtfMM
Agurdente, prego por litro.
Arroz, dem por kilo,
Assucar branco, dem por kilo,
Assucar refluado de 1* qualidade, idem por kilo.
Azeite doce para comida, idem por litro.
Azeite para luz, idem.
Azeite doce para machina, idem.
Aletria, idem por kilo.
Aramia idem.
Boi vivo inclusive o pasto nm.
Haladla iogloaSS. dem pOT kilo.
Bolacha, dem.
Bacalho ou peixe salgado, idem.
Bolachinhas inglezas, dem.
Biscootos de araruta, idem.
Ceblas seccas, kilo.
Caf em grao, idem.
Carne secca, idem.
Carne de conserva, idem.
Carne verde, idem. .
Conservas picantes nacionaes (pikles), idem.
Caf moido, idem.
Cha verde, idem.
Cha preto, idem.
Cangica, idem por kilo.
Cerveja Guies, litro.
Chocolate, kilo.
Cogoac, litro.
Conservas de gallinhas, de carne de carneiro, de
carne de vacca, kilo.
Extracto de carne, idem.
Farinha de mandioca, idem por litro.
Feijo preto ou mulatinho, idem por litro.
Lcgumes conservados ou julianas, idem por kilo
Gallinba, urna. <
Glea de marmullo, kils.
Goiabada, idem.
Leite condensado, litro.
Manteiga ingieza, idem por kilo.
Miljio, dem.
Pao, idem.
Pentona Catillou ou outra, idem.
Sal, prego por litro.
Sabao, prego por kilo.
Toucinbo de Lisboa, ou Santos, idem.
Tapioca, idem.
Vinagre de Lisboa, idem por litro.
Vinho de Lisboa e Bordeaux ou anlogo, idem.
Vinlio velho do Alto Douro, idem.
Vinho Figueira, idem.
Dieta* extraordinaria**
Cerveja preta ou branca, nacional ouestrangeira,
litro.
Carne de vitello, idem.
Dita de Carneiro, idem.
Frango, um.
Filhote de pombo, um.
Geia (fructas e gallinha), kilo.
Leite, litro.
Marmelada, kilo.
Cevadinha, kilo.
Ovos, duzia.
Po-de lot, kilo.
Pao secco, idem.
Fcula de batata, idem.
Sag, idem.
Vinho do Porto, garrafa.
Vinho Madeira, garrafa.
Onwervaoet
SSo deveres dos proponetes
1.
A indicacao da casa commercial do concar-
rente;
A assignatura do proponente, ou se fr firma
social, do socio ou socios que possam usar da
mesma lirma, salvo autorisagao concedida por
instrumenlo de procuragao;
Entregar, por si ou por seus legtimos repre-
sentantes, directamente ao conselho, no lugar,
dia e hora marcados, nao s as suas propostas,
como as amostras correspondentes ;
Exhibir, no acto de entrega, alm da certido
do respectivo contracto social, quando nao se
tratar de firma individual, documentos que com-
pro vem ;
Haver pago como negociante eslabelecido o
imposto de casa commeraial relativo ao ultimo
semestre vencido;
Ser negociante matriculado. Todos esse;- do-
cumentos serao restituidos a quem os apresen-
tar, logo que se haja de proceder leitura da
respectiva proposta.
Assistir, na sala das sesscs, leitura expres-
sa no numero antecedente.
As fabricas ou estabelecimentos industriaos
do imperio serao dispensados da condicao de
matricula na Junta Commercial, e, em igualdade
de circunstancias, tero preferencias sobre os
outros concurrentes.
as localidades, onde nao houver junta com-
mercial, sero admillidos concurrencia os ne-
gociantes de maior crdito, indopendentemente
da prova de matricula ; devendo as tirinas so-
ciaes exhibir a certido de seu contracto, con-
forme preceita o art. 13, n. 3
Recommenda-se aos proponentes que organi-
sem as propostas de accordo com o annuncio
Dos contractos
Todos os contractos celebrados em virtude da
preferencia do conselho de compras serao an-
ouo3 e tenninarao com o exercicio do anoo fi-
nanceiro em que tiverem sido effectuados, salvo
se se referirem a certo numero de artigos cujo
fabrico bu feilura demande maior tempo.
Quando fr necessario aos interesses do ser-
vigo serao os fornecedores ohrigados a conti-
nuar o supprimento mediante os pregos e con-
diges estabelecidos em seos contractos por
mais 60 dias, sera que d'ahi resulte direito
prorogago dos ditos contractos.
Todas as minutas dos contractos lavrados em
razo da preferencia do conselho de compras li-
caro sujeitas approvago da Secretaria de
Estado dos Negocios da Marinha.
As amostras dos artigos correspondentes s
proposlas preferidas (carao depositadas na re-
partigao onde o conselho tiver celebrado as suas
sessoes; ao passo que as dos artigos corres-
pondentes s demais propostas, se nao forem
retiradas deotro de 48 horas, sero dadas a con-
sumo nos termos, do regulsmento da intentoz-
ca.
A concurrencia ser annullada ;
Quando nao forera observadas as disposigoes
do presente regulamento ;
Quando comparecer um s proponente, salvo
se tratar de supprimento especial;
Quando por motivos poderosos acreditar-se
que hoja conluio entre os proponenles.
Secretaria da Inspeegao do Arsenal de Mari-
nha de Pernambuco, 23 de Setembro de 1889.
0 secretario,
Antomo da Silca Azevedo.______
Instituto Beneicenle dos Ofliciaes
da Guarda nacional
De ordem do Illm. Sr. tenente-coronel, pre-
sidente da assembia geral, convido aos senho-
res socios a comparecerem em uo3sa sede no
dia 26 s fi 1,2 horas da tarde, alim de tratar-se
de diversos assumptos de interesse social.
Secretaria da assemblea fe-eral, 23 de Agosto
de 1889.-O 1- secretario,
Joaquim de Medeiros Raposo.
Companhia Locomo-
t ra --ernambucana
AMNomblca geral
De conformidade com o art. 14 dos estatutos
desta companhia, convido aos seohores accio-
nistas a reunirem se em assemblea geral no dia
8 do prximo mez de Outubro, ao meio dia, no
pateo do Carmo n. 1, escriptorio, para lhes ser
Orff-m sir i< nronnitj i aPreiei,ta<1 balango e rads documentos refe-
companhia.
Becife, 21 de Setembro de 1889.
Andr M. Pinheiro,
Secretario adhoc.
wn
em papel forle c com dous centmetros de mar-
gem, pelo menos, do lado da junegao, fechadas,
isentas de sello, referentesj especie de artigos
dos negocios dos contractantes, devero conter:
O nome do proponente no alto da pagina e os
artigos classificados de conformidade com o edi-
tal de chamada; os nmeros c marcas desses ar
ligos, si i sua natureza o determinar:
O prazo impiorogavel da entrega total ou par
cial, si tratar-se de artigo que dependa de fabri-'
co ou tenha de ser adquiriuoem grande escala e j
de urgente necessidade;
A declaragao ex-pressa de que o proponentc Yavegttco costeira por Vapor
HA
COHPANHIA
PERKAUBi; CASA
DE
sujeita-se s condicoes geraes dos contractos, es-
tatuidas no aviso circular n. 1,087 de 29 de Julho,
de 1882 e modificadas tanto pelo novo regulamen-
to do sello, como pelo aviso circular n. 172 de
28 de Janeiro de 1884,e bem assim a mulla de o %
da importancia a que mootarem os artigos que
Ihe forem acceitos, se deixar de,comparecer para
asslgnar o respectivo contracto ou de assistir
discusso c leitura da minuta delle, isto dentro
do prazo que fr notificado pelo diario oflicial, e
que nunca ser maior de tres dias.
A enumeracSo dos artigos, qualidades, pregos,
etc., por extenso, sem rasuras, eraeudas ou en-
trelinhas ;
Um nico prego por cada artigo;
Para Femando de Noroulia
O vapor S.Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 28 de Setembro s 13
'horas-damanM. Recebe Passagen8 at s 10 horas do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
Ao cae da Companhia Pernambucanei
n. 12
:


i


-





fc

uu
Ja \>iiianiiiui-u
x^f lldl lu
ira 25 de Setei
J889
COl*HI-V PKMIM1ICAM4
de
Navega?o coslelra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco Mostor, Araca-
ty e Ceard
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteiro
Segu no da 26 de Setembro s 8
horas da tarde. Recebe carga ato o
,dia 25
Encomtnendas, passagens e dinbeiro frete,
at as 3 horas Ja tarde do dia 26.
ESCRIPTORIO
4o Caes da Companhia Pemambucanu
n. 12
COIPOHII
JJiTegarS
PORTOS
rRTtMarcviA
DE
costelra por vapor
DO SOL
Rio Foraoso e Tamandar
O vapor Pirapama
Commandsnte Carvalho
Companhia Bahiana de Na-
vegac,ao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Babia
O vapor Sergipe
'mniandante Re bello
Seguir para os
portas cima
indicados no dia
|25do correle s
'i horas da tarde.
Para carga. passagens, encommendas e dinliei-
ro a frete trata-se cono o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Rna do Vigario 17
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Equateur
Commandante Moreau
E' esperado da Europa no
dia 4 de Outunro e se-
guir depois da demora
necessaria para
Baha, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres e
\ Montevideo
Lembra-se a* Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reseados para esta
agencia, que podem tomar era quatquer lempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
rias que s se attender a reclamages por fal-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasio da descarga, assim como deverao den-
tro de 4* horas a contar do dia da descirga das
alvarengas, faserem quatquer reclamacao con-
cernentes a volumes que porventura tenbam se-
guido para os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necessariaa.
Ente paquete illuniinntlo u lux
elctrica. *
Para carga, passagens, encommendas e di-
nbeiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Augiste Labille
9 Ra do Commercio 9
Segu no dia 26 do corren-
te 8 5 horas da manh Re
cebe carga at o dia ..
Ptssaaeoa at s 3 heras da tarde da vfespera
da sahida.
ESCRITORIO
o Cae da Companhia Pernambucana
n. 12
LEILOES
Leilao
De movis loucas, bebidas, cigarros e
c rutos
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 34
Qnarta-feira 3 do correte
A't 10 e 1\2 horas .
Agente Marti ns
Ao bater do atarello
\o commercio
O abaixo assiguado declara que
ta data ao r. Demetrio Carneiro Rodrigue! I
pos a artnagao ra larga do Rosario n. i7, li
vre e desembaracada. Recife, 2t de Setembro
de 1889.
_____________Jos Vieira A C.
Gasa para atusar
Terrea, fresca, com agua, ra do Paysand
(passando a ponto do Chora menino) n. il ; a
tratar na mesma ra n. 9.
Caxang
Aluga-se a casa amarella sita no Ambel : a
ratar na mesma casa.
Companhia Brasileira de
Navegacao a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferrcira da Silva
E' esperado dos portos do norte BU
o ili:| 26 de Setembro e depois da ue-
'mora indispensuve! ngoin para of
"portos do sul.
As encommendas sero reeebidas no trapirln
Barbosa ate i hora da tarde d-- dia da saluda
Para carta, passagens, encommendas i
restrata-ec enm os GENTES
PORTOS DO BQfliNE
Vapor Espirito-Santo
Commandante < arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do sul att o
,dia >h de Setembro e seguindo depo-
da demora iiiJispensavel para o
portos do norte al Mandos.
As encommendas so sero recebidas na;.'"
cia al 1 hora da larde do dia da sahida.
Para carga, encommendas. passagens e vale
*es trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro &. C.
fjRua do Com mereif>=*^'
lo andar
Agente Britto
Leilao
En eontlntiaeo
De una armago enviJragala. i li te i r o para
balco, 1 carriolio, miudezas, perfumaras, 1 ma-
china de costura e outros objectos que nao se
venderam no 1." leilao.
Qnarla-felra, SS do corrate
A's 10 112 horas
No pateo do Terco n. 19
Leilao
Ao correr do'martello
De movis de diversas qualidades, novos e
usados, um piano, 1 relogio grande, diversos ob-
jectos de electro pate, perfumaras, copos, jar
ros, espelhos. quadros relogios, candieiros, fou-
a, cortes de calcas, de colletes. fichus e garra-
as d champagne e cerveja e diversas outras e
muilos artigos que estarlo vista dos concur
rentes.
Quarta-felra, *. do corrate
A's 11 horas
Na na Nova n. 59
Agente Modesto Baptista
Leilao
De 3 casas terreas edificadas moderna, n. 38,
40, 42, 44 e 46, travesea de S. Miguel (Afbga-
dos).
Lma dita n. 62, do Largo dos Remedios.
Um sobrado de um andar n. 101, ra dos Mar
lyrios.
Um sobrado de dous andares e sotao, ao Becco
da Lingueta n. 5.
Qnarta-feira, 95 de Setembro
AS 11 HORAS
O agente Alfredo Guimares, legalmente auto-
nsado, levar a leilao os referidos predios.
No armazem ra do Bom Jess n. 49
Ao correr do martello
Agente Sveira
Leilao
Royal Mail Steara Packei
Company
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
Espera-se da Europa at o dia 27 de
'Setembro, seguiudo depois da demo
ra do costume para
Baha, Rio de Janeiro Monievl
do e Buenos-.tyrcs
Para passagens, fretese encommenda s trata
seoom os Ai.ENTES.
O vapor Don
E' esperado do sul no dia 29 de Se-
tembro, seguindo depois dademora
necessaria par?.
Lisboa, Vigo, Santhampton e Antuerpia
Retiuccao de passagens
Ida da e volt o
A* Lisboa 1 classe l 20 l 30
A'Sonthamplonl'classe l 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para pasfiagens fretes. encommendas, trata-se
com os
\GENTES
Amorim irmos & C.
N. 3Ra do Bom JosuN. ?,
CHARGERS REUNS
Compnnfel* Franreta
DE
Navegado a vapor
..anba quinzenai entre o Havre, L3boa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos.
O vapor
VilledeSan Nicols
Commandante Voisin
E' esperado da Europa at o dia 25
de Setembro, seguindo depois dain-
dispensavel demora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores destn linba, q.'eiramapreseatw dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer recamac.ao concernentea volumes que
porventura tenlum seguido para os portos do
sol am de se podei dar a tcmgo. as provi-
4encias necessaras.
Expirado o referido prazo a c-juipaobia nSo se
responsaiiiiisa por extrav
Para carga, passagens- encoiameoda? e di-
iiheiro a frete : trata-se com c
AGENTE
Aignste Labille
9 -BA DO COMOSCIOe
F. J. da G. F.
Pede-se a este Sr. q'ue veoa restituir a conl
que recebeu para ser entregue ______
Gneros italianos
Vermoutb de Torino.
Fernet Branca (verdadeiro).
Manteiga (em latas).
Aieite doce, 1. qualidade.
Mortadella de Bolonha.
Anisette (licor).
Qaeiios, parmejano e reggiano, etc., etc.
Ra do Bom Jess n. 61
Quarenta por cento
Pechincha sem igual
Vende se a'lojd de louga pa da Imperatriz
n. 13, dndose ao conpnidor o abate de qua-
renta por cento ; a pesso que quicr dirjase
a wesma._________________________
Est para alugar
a casa assobradada da ra Joaquim Nabuco n.
22 (Capunga) muito fresca, com agua, ga, bom
quintal, e todos os commodos para grande fami
lia. Na mesma dir-se ha com quem se trata.
Chapreto superior
me'lior que lia no mercado
2SOOO a libra
Carlos Sinden esta vendendo por este prego
para liquidago de facturas.
Tem tarnbem um grande
sortimento de camisas, colla-
rinhos, gravatas, meias, ca-
misas e seroulas de la e de
algodao, que vendem-se por
precos sem competencia.
US
Ra do Barao da Vic-
toria .
INFALLIVEL e RADICAL
no curativo de todas as affoccoes bronchiaes :
Mal de Garganta, Tosse o Tsica
o
PEITORAX
1 ______
^K
" ^j&xmmmB"**
De AN AC AHUIT A
Remedio Vegetal da Naturezo. para o all-
vio e cura de todas as molestias
Do Peito o do3 PulrnSes.
Campanha Abolicio-
nista
Sao convidadas todas as pessoas que se jul-
garera com direito medalna commemorativa
dessa campanha, a comparecereui at o dia 25
do corrente (quarta feira), na praja da Indepen-
dencia n. 14, ou na ra do Vigario n. 4, prime-
ro andar, das 2 s 4 da tarde.
Da casa terrea sita ;
Boa Vista n. 36,
Quinl.t-feira. i
s I 1
No armazem ra
ra do Conde da
terreno proprio
i do eorreale
horas
Estrella do Rosario
n. 8
O agente Silveira, por a vara do Exm. Sr Dr.
juia de direito do civel econ asB-'stenpi* do urea-
mo e a requerimento do inventariante dos bens
ddxados por eraldo Monira da Silva, levar a
leilao a referida casa, com 1 porta, 1 janea de
freute, 2 salas, 2 quarloa, cosinha fra, quintal
murado e cacimba meieira. .
Os Srs. pretendenles podem ir examinar.
Leil
ao
Agente Britto
De urna mobilia de Jacaranda, i cama france-
sa, 1 toilette, 1 lavatorio, 1 sof, 2 consolos. 1 es-
pelho e 6 cadeiras de pao carga, 1 mesa -elstica
de4laboas, 1 aparador grande, 2 menores,!
mesa de amarello com ps torneados, 1 uanqui-
nlia. 2 marquezoes, 1 commoda, 1 meia dita, ca
deiras avusas, 1 cahide, 1 quariinheira, jarros,
louca para almoco c jantar, copos, clices, cotn-
poteiras, 1 espingarila fogo central, 1 dita de re-
pctieo, bandejas linas, bacas, facas, colheres, 1
mesa de louro, 1 jarra e outros objectos que sero
vendidos ao correr do martello.
Uuln;a Ira 86 do corrate
AS 10 1/2 HORAS
Ra da Palma n.
Leilao
De grande variedade de mercadorias, constan-
do de loufa, vidros, jarros, fazcodas e movis
existentes no armazem n. 4ft da ra do Mrquez
de Olinda.
Seita-feira. do corrate
A's 10 1 \2 horas
Pelo agente Gusmao
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se o 1 e2- .indares ra da Roda
.1.17, com grandes comwodus, em bom estado
de conservacio ; a tratar na ra do Rangel nu-
mero 6o.
Aluga-se o sobrado rna do Coronel Su-
aMina n. 278, todo ou em separado, tem boas
accommodaes, agua, gaz e esgoio pelo novo
yatema, a tratar ra do Imperador n. 5o, al
as 3 horas da tarde, e depois a qualquer hora
no i'aysand n. 12 sobrado junto capilla,
Por nao se poder encoi.trar Dr. Argemiro
Aroxa. pede-se a esle senhor que appareja no
paleo do Collegio.
- Deseja se saber nolicia do Dr. Lydio Ma
rianno de Aibuquerque, no Paco da Patria nu-
mero 50.
Lavase e engomma-se roupa de senhora
por proco multo em canta ; no Cuminho Novo n.
128. Na mesma tasa faten-se bandeijas de bo
los para casamento e baplisados. e lambem fa-
zera se ramos de rosas para enfeites de salas,
toilettes e bandeijas. As encommendas, no caso
de querer, deixa se escripto o nome da pessoa
e morada.
Mr, Fraacisco Jone C. Ferreira
Pede-se a este senhor, empregado do Correio
(pralicante) que venha restituir o n. 56-392
1.* serie do Thesouro Geral, sob pena de &e pu
blicar este negocio.
Concurso de belleza
Termina boje s 2 horas da tarde o rraso
marcado para a votacio do concurso de belleza
a que est procedendo a redargSo do O Bin-
culo. Arnanh comeca a apuraejk) e a publica-
cfto ser feta no alfudido peridico, sabbado
vindotjro.
Vaccin^.
Veodo-se da aelhor, na
Rouqnaroy Frres, ra da
Mica francesa de
rus n. 22, Recife.
CAPSULAS li GRIMAULT & C"
TICO
laonta ali Juu mtrtl 4*
ihmm rOUH a mal
OaMMfto i Butmt
i aui u (
Remedio TqlIIIt! para caa
Para engenhos
Lopes & Araujo, venden)
a presos sem competencia,
garantindo a boa qualidade.
os artigos abaixo mencio-
nados.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carra pato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixa>
de 10 e 25 kilos.
Cimento Portt> nd.
Graxa em bexigas.
Ra do Luiih'iiIo n. 38
Telephone 316
l-AJU* '
ORIMAOLT a W, m 1
Para a rura Molestias provenientes de im-
6 pureza do Sanffue.
E' urna looenra andar a ftzer expe-
riencias com mistaras Inferiores com-
postas de drogas ordinarias ou de plantas
indgenas cuja emeacia nao confirmada
pela setnela, eraquanto que a molestia
cada vez val ganhando terreno.
Lancem mo, sem denjort de um re-
medio garantido cuja effleada seja facto
assignalado e inquestionavel 1
O Extracto Composto Cocbstrado
de Sai-sai-amtiLiia de Ayer 6 conhecido
e recommendado pelos mdicos mais in-
telligentes dos palzes adiantados, j
durante 40 annos,
Centenas de milharea de doentes
tfim colhido beneficios do seu emprego e
sao outras tantas testemunhas da sua
eficacia positiva e lncomparaveL
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
T.owell, Mass., Est.-Unldos.
detosito ^""*
rnWHI
*r&.
A' caridade publica
Marianna de S.Jos Cavalcante. .'obrecarrega-,
da de tres netos
dade pela luorte _.
Silva Cavalcante, orpaios de pai e mi, ntf
idade avancada em que ne acha,. lhe < iumma-,
mnto ptsead procurar-lhes ineio de subsisten-
cia ; vem implorar iaquetles que, pesando a
fu situaco. Ine possam vir em soccorro com o
pouco que qut-iraiu dispensar, cerlos de que
Deus os abengoarao. A supplicante reside ra
da Concordia n 231.
Capito Jone Itodnpianu ili
M anin
Columba Emilia da Silva Santos, Jos Rodo-
piano dos Santos Filho. Maiia do Carino da Ro-
cha Santos '.-lmira Encella dos Santos Ramos,
' Franklm Moivira da Silva, pungidos do mais
doloroso sentimenio pula morto do seo pre-
sado marido, pai, sogro e cunhado Jos Rodo
piano dos Santos, agrade.em a todas as pessoas,
que se dignaram acompanhar ate o cemilerio os
eeus restos morae?. e convidam novamente a
todos os seus prenles e amigos e aos do tinado
para assistirem as missasque se m de celebrar
na matriz da Boa-Vista, quarta feira 25 do cor
rente s 8 horas da manba, sptimo dia do seu
fallecimento.
Antecipam o seu reconhecimento por esse
acto de religiao e caridade.
aHK&aM0fc& < ---i -:':': .-: -'..-"...:. -
MA.N
Cunha Carneiro
C. mu-
daran] o seu escriptorio da
travessa do Corpo Santo,
n. 23, para a ra Mrquez de
Olinda (antiga da Cadeia)
n. 36, 1. andar.
AlimentoiCriangas
Para remediar a fraqueza Jas crtancas, desenvolver
as suas forcas e preserouLos las ioeiicis da idade
tenra, os princlpaes Mdicos do-pails. m.-mbros
da Academia de Medicina de Parls.rccitao-com
ptimo xito o vuridciro
aacahout E^teagr.idarelaliraeDto.coinpaslo com substancia
vegetaes nutritivas efortali.'ce noma luda.e, polas suas propriedades analpticas,
ax-l hora a composl.-ao do lei le das senhoras uue ama-
menlao, e acorda s Torcas lnguidas do estomaga
SI, ra fileme. Para. Deposito its Pkarariu do loado eiteln.
CARII- Z() i IRNiO
A RA BAKO DO TRIUMPHO
N. 100 A 104
Tem para vender tri-su'phi-
to de cal, que nao s faz al ve-
jar muito mais o assucar, co-
mo evita o grande gasto de
cal no fabrico do mesmo.
AVISO"
0 abaixo assignado, propnetario da fabriaa a
vapor, de leos vegetaes, sita ra da Aurera n
163, avisa aos seus amigos e fregueses, que for
gado pelo enorme acresstmo de preco e escassez
da materia prima para o fabrico do oleo para
lampannas. tem resolvido de hora em diante,
at segundo aviso, retirar o descont queotTere
cea ao respeilavel publico, pelos cariases dis-
tribuidos no mez de Agosto do corrente anno.
Recife, 15 de Setembro de 1889.
^^______Jos Gomes de Amorim.
Muleas d Monte de Seceorn
Coaipra-se carrielra* do Monte n Socrorro f
ualquer Joia, brilbantes e relogios; paga-bi
Utbi na Praga i independencia n. 22, lma di
felpjoeiroi
Mara Joaquina llalliiua t'aml-
nba
Coronel Guilhtrme Pereira de Azevedo e sua
familia convidam aoa seus prenles e auiigos
para assistirem a mista do lelimo dia que man
dam rezar quinta feira 26 do corrente, s 8 ho
ras da manh, na igreja da Soledade, por alma
de sna prezada sogra Mara Joaona Balbina Ca-
minha, pelo que se confessam summamente
gratos________________________________
f
Coronel Joiio UapliNla Percim
IiODO
A veneravel irmadade de N. S. da Sade da
freguezia do P050 da Paoella manda celebrar
urna missa+elo descanso eterno de seu ex-irmo
e thesouriiro, coronel Juo Baptis;a 1 ereira
Lobo, e para esse arlo de caridade e religiSo,
que ter lugar na referida igreja s 7 1,2 horas
damanha de 26 do ctenle, 30. dia do falle
cnenlo do mesmo .oronel, convida para assis-
lil a, a todos seus iruiSos, os prenles e amigos
do finado, pelo que se aiitecipaem protestar-Ibes
o seu mais cordial ayadecimento. ^^^^^^
t
lranda
B. Ut-rrulimn liiiarlc de
Henrlque*
Os filhos dessa il lustre tinada, anda sob a
presso da mais acerba dor pilo fllecimenlo de
sua mi, D. Herculana Duarte de Miranda Hiri
rlques, mandum celebrar na igreja de N. S. da
Sade do Poco da l'anella, a H> do andaule, s 8
botas da manh, urna missa por sua alma, e
pedem aos seus parates e amigos o 1 aridoso
obsequio d" assistirem a esse acto de gcatidao
filial, e pelo que desde j agradecem o seu eom-
recimenlo.
t
Antonio abhn de Hendonra
lliut-i o
Libanio Candido Ribeiro. sut esposa e filhos.
lendo de mandar celebrar urna missa pelo re
pooso eterno do eu sempre lembrado lilho e
irmao Antonio Sahbas de Mend inen Ribeiro, na
matriz da (.-ya, srxia fita z7 do corrente s
7 1/2 horas da inanm, 1 anniversano de seu
passsmento, convidan] a ) seus p-irentes e a mi
gos e os do tinado"para ouvtl a antecipando-lhes
^^^fcagradecimiiilos.
de S. Vicente de
:iedadt
Faulo
O coiwettio central de: la soeiedin.'e eonvidaa
todoi os r!:eabros dai divoraam oot.fireocws
'acidirde a assitirem a uioaaim que por
alma de sua faJieeida bemfilRu* Candida
Maebado Carneir- manda ceH-brar na qnarta-
feira 25 do corrente,. s 7 horas da manoi na
igj
AZULEJOS
Para frentes de casas, cor-
redores, banheiros, cozinhas,
acougues, etc.
De valor de I00|000omi-
Iheiro a 54^000.
Ra do Bar' da Yicloriai.Ji
Ama
P-ra cosinhar. precisase na ra Velha nume-
ro 137. ____________
Ama
Precisa se de urna ama para cosihar e com-
prar para pequea familia ; a tratar na ra Di-
reita n. 64, 2- andar
Para (ozinliar
No 3. andar do predio n. 42 da _
Duque de Casias, por cima do Diario dr
! Pernambuco, precisa se de urna ama jo
i Baiba cozinbar bim.
Ama e criada
Precisase de urna ama para cosinhar e dr
|' raa menina ou mocinha para servico domesi-
i (0 ; na ra Rario da Victoria n 46. primeira
'instantnea
(MARCA Ki:CI*tTK.tn.i)
Tiiiii de copiar sem prensa
52Ra do Amorim52
ESNATY ROBMGUS & G.a
Esla maravilhosa tinta de copiar a Hatf
TIL deset berta americana, impreMcindlTCt
; luaaNRM peMNoaa que ixrcitne
que sem uso da classica c Iradicional prensa
le copiar, dettcjan guardar copla nl-
lida. inillHiiiici de teui tnibalno*
manuNcrlplo*.
A ista.ma.M5A ( o mais prompto auxi
liar material para a Correspondencia Com-
mercial ou particular, porque simplificando
irabalho diminue-lhe lempo: oescripturarionS
necessita sabir da sua rarleira ou mesa para le-
var o ruanu cripto prensa de copiar, reliral-&
da mesma, voliar carleira, etc., ele.
Os Srs. negociantes, usando da iMSTA^Ta-
HEA para a sua escripluraco do Diario, Caixa,
(kmtas Torrentes, Facturas, Contas de Venda*,
i'recos Correles, etc., podem obler duplicatr
authenlica, d'esses livros em papel de seda.
A i.\sta>tasiK depois de dar copia
conserva se tnalteral, preta fixa nao s no origi-
nal como na copia.
A i >uta\ti*E.* nao oxida abslulame
te asjj nnas, assim como nao demanda pen
especial para com ella escrever se.
Ama
Precisa se de uiua ama para cosinhar ; na ra
da Matriz Ja Bia Vista o. 28, 2- sndar.
Ama
M^i-Q 2 EMPREAR
Com una esponja, ou pincel embebido n'agua, hu-
medece se ligeiramcnte o papel de seda proprw-
para copiar, e enxullo cen qualquer mata-bor-
ro, colloca-se o manuscripto em baixo do pape
de oeda e mesmo sem fazer presso corre-se
mao rpidamente em todas as direcgOes, e a ca-
pia admiravel; nitida, h*sta:ta*ea.
Tarnbem d copia, correcta, sem molharopnpet
de seda
Precos de venda a dinheiro
Um frasco.................... 150#
VICTORIA
Especial tinla, garrafas a 800 ri?, meias dtaa,
a 500 ris.
Attenqo
Precisase du uina ama que cqinhe bem, para
casa de familia ; a tratar na rna" do Hospicio
numero 41._______________
Ama
Precisase de urna ama para co3nbar ; a tra-
tar na ra dos Guararapi's n. 88.
Aluga-
se
urna casa com commodos pira familia, caiada e
pintada de novo, perlo do sobrado graBde (Pas-
sa emi ; as chaves para ver esln em casa do
Telinho, no hotel.
Al
uga-se
a rasa terrea da ra Coron-1 Suassua - ra Augusta) n. ira. com solo interno, caiada
e piulada de novo ; a iraiar no larg do Corpo
Snnlo D. A, I andar.
Alugue' barato
Becco da Bomba n. 8 loia
. Ra da Roda ns. 58 e 60-.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armazem
Largo do Mercado toja n. 11.
Becco do Campello n. 1, Io. andar.
Visconde de Goyanni n. 167, com agua e gaz.
Loja do sobrado do becco do Calabougo n. 4.
A tratar ra do Commercio n. 5, anda
escnp'.orio de Silva Guimares A C.
O grande e importante estabelecimento de
l'ocas Mendes A C, silo ra estreita do Rosa-
rio n. 9, cor.tiguo a igreja, acaba de rec ebe
urna grande remessa do credilado e e.-pecial
Vinho Maduro
0 nico que, sem a mnima confeceo, im-
portado nesle mercado, e s se vende no referi-
do eslabelecimento. Esle precioso nctar se
loftia cada vez mais procurado aqu. Quererc
saber porque ? Vejam : o vinho Maduro, sendo
como e, fito nicamente da uva madura, tem
as seguidles vanlagens que as outias qualidades
le vinho nao tem ; facilita- sem a menor pertur
bacio a3 digestes do estomago, ainda mesmo
o mais enfraqoecido, dando-lhe vigor, pois nutre
aolhos vistos as pessoas debilitadas, ed forcas
s que as tiver arruinadas pelo uso de bebida.-
viciadas.
Recebemos tarnbem
Reqi
uerjao
em lalas, de procedencia de engenhos, cujo*
propriitarios capricham em bem trabilliar neste
artigo, nfim.de terem's primazia sobre tanto
outros similares, cuja composifo duvidosa.
Ein outros artigos como senientes de hortalifo
e flores, Hngiias seccas do Rio Grande, objectos dt
time,e ti mancos do torio para homens e senho.
ras, para isio lo pouco temos competidor.
aosaa casa especialista, e as pessoas que diste
se qneiram certificar podem comparecer, com
o que muilo nos honraran. Aps urna infini
dade de artigos de primeira ordem, que acliaru
se em exposigao, acresce a amenidade do trate
com que timbramos tratar todos os que nw
honram com a sua presenca, junto a modicidade
(te precos sem rival.
Uuu atreita do Romirio n. O, Junto
a Igreja
Po^as Mendes & C.
Cal de Lisboa
Vendem Lopes & Araujo
Ra do Livramento
n. 38.
Em presumo
Um profuseer pnblreo precisa descontar qna-
Iro mezes de ordenado na razfto de cinco por
ceoto : alguem querendo fazer esse negocio,
den arta fechada nesta tyigrapia com as
in cites H. C.
Aluga-se urna casa propria para eslabefec-
menio, com arrancad, em um dos m.lhores pon-
tos da freguezia de Afogados, a qual acaba d*
passar por urna grande reclificaco ; a tratar oe
pateo da Paz n. 96.
Cosrabeiro
Precisase de um cosinheiro ; a tratar na raa
de Paysand n. 19 (Passagem (a Magdalena).
DE
JAGUARIBE
a 4$> a barrica
com o abate do 10 0i* em porc3es naia de
10 bw-rjeas.^ DOBOJTJTESUS K. 23
Mofina
Francisco Rapozo Falcao empregado do Cor-
reio venha restituir os movis ou o alugnel
d"estes vislo j fazer 9 annos.
Gar.inho
Vende se o excellente animal Coupon, pnre
sangue francez, com 6 annos. alaso, filho de
Flageolet e La Cariseuse, e nelo de Plutns e La
Favorita e de Weathei bounde StockvieU. E' Dina
boa acquisicc por ser um dos animaes de ne-
Ihor flliagao que aqui temos, pois os seos avt
sao todos d nielhor raga de Inglaterra e Frarca;
a tratar na travessa do Corrimboque, fregnezi
da Graga n. 53. _______________
Sement de carrapato
Compra se em grandes e pequeas quantda-
dea e pelo naior prego possivel ; no aupasen
de mercearia de Gomes Alves A C, ra Vidal
de Negreiros n. 86, antigo pateo do Tergo, om
na fabrica de leos vegetaes ra da Aurora
numero i63.___________________________
Pataces
Compra-se na praga da Indi pendencia nurae-
ro 22.
Visto nao correr a lerceira lotera de s. Paulo*
de 24:0004 no mez Je Setembro. a rifa de joia
(para amigos) correr com a primeira lotera de
Outubro (*." da 14.*).
Attenfo
Na engenhoca de BemhYa, ra Real da Torre
n. 21, vndese um grande alambique de cobra
com todos os pertences, taxas de ferro batido e
fundido de differentes lamanhos. agrandes cubo
de louro para fermenbgOes vinosa; rodas e ro-
detes de ferro de tngrenagnn, etc.. ele.; a tra-
tar na mesma.
A'liigam-se as seguintes
Ra
casas
do Rangel n. 73, 2- andar.
com bous
commodos, muito fresco e perto do mercada ;
ra do Fogo n. 50. com duas salas mujlo boas, i
quarlos e cosinha fra ; ra da Roda n. 46, loja,
propria para pequea familia : a tratar na rua-
do Cabuga n. 16-A Venturosa
Vinho Collares
genuino
jEm ancortas
Genero superior, remeltdo para consuma-
particular, por prego sem competencia. Vnde-
se no trapiche da Companhia, largo do Corpa-
Santo n. 19

Cosinheira
Precisa se de urna cosinheira para casa de pe-
quea familia ; a tratar na rna Duque de Ca-
xias n. 77-A, loja.
Ao
commercio
Os abaixo assignados declaram que faltauda
apenas oito dias para fase-se a nova aferico,
uo lhe sendo converriente, deixam pnr aMi
soa casa commercial, sita praca' do Conde
d'Eu n. 17, no prximo mez de Outubro, onde
sempre eetarao as ordena dos sena amigos e~fre-
gueses, lano da praga como os de fra.
Recife, 23 de 'Setembro d& 1989:
Alm;ida A Silva.




l A

f;


"Mi
MP1
li'ario de PeraambucoQuarta-feira 25 de Seterabro de 1888

j
i
i
.
A NOTRE DAME DE PARS
Os proprietarios (leste novo estabelecimento pr^vinem s
Exmas. familias e ao respeitavel publico, que acabam de receber
rnn grande e variado sortiment de novidades do melhor g*osto
parisiense, que sero, em vista do estado favorave! do cambio, ven-
didas por presos excepcionaes.
Todos os dias das 8 horas da manh s 8 da noite.
iPOPATB
UCCO DE PRECOS
21-
Tig'pi
Conmanlino de Barrrto
Convidase a este senlior i comparecer ra
do Bom Jess n. S3, para prestar coritas da.
cobranzas que fez no termo de Agua Preta, em
Margo prximo passado.
Ao clero
O culto catboliro com solemnidade sem minis-
tros sagrados, pelo bispo il'A'igra, i vol. 51000.
i'om este livro lieam habilitados os reverendos
garios e curas capellies a celebraren! em suas
igrejas, por mui pobres quesajam, as principis
festividades se nao com pompa, com simplicida-
de attrahente. Vendem Ramiro M. Costa &C,
Da livraria Contempornea, ra 1- de Marco nu-
mero 2
ll
UAII0CHESP0-21
OLIVfiBA CAMPOS & fl. tendode receber bre-
veniente um sortimento e artigos novos de alta novidade, resolveram
fazer urna grande reduec.o nos presos dos artigos abaixo menciona-
dos, para os quaes chamam a attengo das suas Exmas. freguezas.
aphnos ravestido padrSes modernos a 160 rs. c covado.
Cretones francezes, cores claras, a 260 rs. o dito.
Merinos de cores, duas larguras, a 500 rs,. o dito.
Ditos de cores, lavrados, de 2*000 a 1(5000 o dito.
iJLs de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 re. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito.
S*stao branco de 400 e 500 rs. o dito.
Muraolina branca para casaeos & 500 rs. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 re. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Etamines arrendados, de cores, de 800 a 500 re. o dito.
Flor do Italia em quadrinhos, a 500 re. de 900 rs.
Marsolinas de cor, de listas, a 4U0 re. o dito.
Cort'iS de cainbraia bardados transparente e tapado, de 15^000
e 20#>X) por 9)5000 e 12fJ000 cada um.
Inao, padrSes em quadros, a 440 re. o covado.
lianzukes padroes mimosos, de 280 re. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 2(5000 a 1(5000 o aovado.
Betn Maco de todas cores, a .HX) rs. o dito.
Brim fino pardo para vestido, a 400 re. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 30000 a peca.
3^000 urna.
de 40000, 5000,
60000
Mantas hespnholas, de seda preta
Esparfilhos, ao que ha de melhor,
70000 um.
Fichs de cor arrendados, de 10000 um.
Capinhs hespanholas de cor a 20000 urna.
Ficli'sde soda, muito luidos, a 30000 um.
Sargeli m diagonal, todas as cores, a 240 re. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 30000 e 4000 o par
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 20000 a 30000 um.
Lences de linho do Porto, a 40000 um.
Ditos grandes para cama franceza, a 60000 um.
Colchas de cor, de 20000 a 50000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 20000 a 60000 um.
Lencos de linho com barrinha a 20000 urna duzia.
Camisas francezas, de 240000 c 360000 a duzia.
Meias cras para homen, de 40000, 50000 e 60000 a duzia.
Ditas brancas cras e de cores para senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para enancas.
Chambres de ere tone, de 50000 e 60000 um.
Cortes de casemira de cor, de 60000 a 80000 um.
Cortes de fusilo para collete, de 10000, 10500 e 20000 um.
Camisas inglesas de franella, la pura, a 50000 urna.
Alm de outros artigos que deixamos de mencionar.
Boa Viagem
Aluga-se urna casa de construeco moderna e
bera asseiada, com bastantes commodos e mo
bilbada, sitio' murado e Dein arborizado, com
porto de ferro, e situada na meltior localida le
da mencionada povoagao ; a tratar no largo do
Corpo Santo n. 4, i- andar._______________
Professora de piano
Urna senhora perfeitamente habilitada e com
pratica dt ensino. offerece s Exmas. familias
os seos servicos como pianista : pode ser pro
curada ra do Queimado n. 74.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
Excede todas u o o tras pelo sen
perfume c\.quiatiio.
LOQAO de QINIHO de ATKINSON
sem rival par fortalecer e embeltzKr
oa cabellos.
Garantida inoffensira.
AGUA FLORIDA DE ATglHSOM
perfume oepcion*! para o !(.,*; O-
tillido dajnai exquisita em l,1.;.
EncortrM-te m Cata rfe tolos 08 Ntgc-
c tinte Fabnc*r.t:s
J. ATKINSON
34, OH Bond Street. Londres
JUim rV Fab-iea m" B a irnuui"
Pobre nma Ljra. ic Oum "
com enderezo oa u>'-alidada.
Hotel do Mastro
Estabelecimento montado com todo asscio 8
commodos para os viajantes, como seja : boa
dormida, bom Ira lamento, e cocheira para o*
am:naes que o frepuez levar, existente na Kussi-
nha junio estacau, para o qual chamamos a
atienes do publico.
r
PAUL JULLIEN
Tenhoa honra de participar bo respei-
tavel publico e especiamenle aosnieus fre-
guezes. que mudei a alfaiataria da ra da
nperiitriz para a lo Baro da Victoria n. 50,
onde cora mu ta satisfacao espero suas or*
dens.
IndispensavcJ erntoda aclassedevivendas
PAHA
Familias, bospitaes, Iavadcira6, hoteis, n CHINA AMERI< ANA AUTHOMATICA para lavara roupa branca.
Preco franco de porte e alfandega 4 atrancos
Garantida por 5 annos como soli ez e funecionamento perfeito.
Grande diploma de honra de Pariz, 1883. Expos93o Universal da Pariz, classe 51
A machina americana authomatica para lavar a roupa branca adapta se a qual-
quer forno em tr-^s pos e se aquece com qualquer combustivel. "om meio arratel
s de sabio se lavam em urna hora 80 pegas de roupa de t >do o genero, ficando
branca como a nev, sem esfregacao nem ingredientes nocivos. Sobre pedido psos-
pectos franco. nica casa
22, ru d'Arraailic Kichard rhacldcr 22, rae d'Armaill
abix Inventor e fabricante P1BIK
No anno de 1888 venderam-se em Franca e no estrangeiro 8,859 machinas (com
certificados)
MEDALHAS DE OURO, PRATA E BRONZE
Pedem-screpresentantes, depositarios, gerentes, podendo dispr umi garanta. (2248)
21-Rua do Crespo-21
A Pa>t Mark u-m nno-a riti.-antiasii:: ,b HoS'
UuioiBbail ( nm hoto c ro-raviliAao tm.nrs propoieiuiuiuiln :i;n l'inhn ildiriom e hn,-h e nina rtrrltratr n;::n dr tourailor. |
Ksta Past Uaek ,v5za do taran nr.ivcrsal, oror-!
moaesm\lo a 'ull,, todo quaato coahpce ci hoje.
Vende em todas ss ultarniacias, dregoas. I
a du procipaes perfnmanas do mundo. I
Onicu f.liricante-lnTei:tor: H. HACK. Clm a,T> V
FEROLAS de PEPSINA PURA DYALISADA
de CHAPOTEATJT, Pharmaceutico.
Foi o ttr Chapotkaut o primeiro ohimico que conseguio preparar e forneoer ao
mdico e aoe doentes, em perolas redondas, urna pepsina pura, nao con tendo, oea
amido,netn a stuc figura na ultima edicao da Pharmacopeafrancesa e digere 100 vezes seu pezo de carne.
8ua aog&o da maior fficacia; duas prelas tomadas depois da comida baaW>
para favorecer e activar a digestao, e fazem deaapparecer no fim de um quarta da
hora aa enxaqneoaa, as dores de cabooa, oa boosJos e a somnolencia, que
slo a oonsequeneia de nasa st digestio.
Cada pemla leva impresso em negro o nome CHAPOTEAUT.
PARS, 8, Itae Tlrlsauss. t tm ttdu w Crottrht t ttrmmt.
Scpoaiiario-' eui ftrn mcuca Mili S*3MiIiv*C".
E J0NT9 AO LODfBE! FDNIIIGAO (ERAL
ALLNPoTERSDNSC.
20Ra I. de Mar Beoda licspanhola, todas as cores a 20000.
Cachemiras lisas, duas larguras, a 1(5000
o covado.
Etamine lisa a 500 rs. o coyado.
Sargelins, todas as cores a 200 rs. o
covado.
Lencos braceos a 1*200 e 1,5800 a duz.a.
Ditos de seda com a Torre Eiffel.
Tapetes grandes a .13*000 um.
G'iarnicSo de crochet a 7)5000 urna.
Vlerin preto a 800, 1*000 1*200, 1*400
1*800 o covado.
Leques transparentes a 2*500 um.
Cortinado bordado a 6*500 opar.
FustSo de cor para roupa, a 800 'rs. o
covado.
Bicos braneos e do cores a 1 *800 e 2*500
Colchas de fustao a 4*000 urna.
Cretones a Derby Club a 240 e 280 rs.
o covado.
Fustao branco a 360 e 600 rs. o dito.
Grinalda para noiva a 7*000 urna.
Collarinhos e puncos de celluloid.
Setins, todas as cores a 800 rs. o^covado.
Las amazonas a 400 re o covado.
Palitots de seda palha a 8*000 um.
Palitots de alpaca preta a 4*500 um.
Palitots de toe p,.rdo a 4*500 um.
Palitots de alpaca de cor a 4*500.
Ceroulas de bramaste a 15*000 a duzia.
Pe5as de esguiSo de algodSo a 3*500.
Guardanapos de linho a 2*200 a duzia.
Chambres para homem a 5*000 ej|6*000
Meias fio da Escocia a 1*500 o par.)
Brim pardo a 280, 320,400 e 500 re. o cov.
Cachemira de quadro a 280 rs. o dito,
inris de eres a 440 re., duas larguras. Bramante de linho e de algodSo.
Para banhos salgados
Costumt parafsenhora a 10*000. I Costumes para meninos a 5*000.
Ditos paia homens 8*000. | Boleas de pa'ha para o mesmo fim.
ESPECIALIDADES
Cruarda p para senhora 10*000. I Guarda-p para horneas 6*000.
Bieos cortes de casemira para calcas. | Lindos cortes de casemira paia costumes
Extratos, meias, entre-meios bordados, baleias, aspas, Babonetes,'collarinhos/
ponhos, regatas, principe de Galles, cretones para cobertas e outros mui tos artigos.
D-se amostras sem penhor e manda-se levar 'quassquer amostras em casa
Cachemira de listras, Jduaa larguras, a
s 1*000 o dito.
Fich* de l bordada a 1*000 um.
Cambraia Victoria a 2*800 a peca.
Cambraia com salpicos a 3*800 a peca.
Cacas com lencos, para presentes, a
3*000.
Lavas de seda a 2*000 e 2*500.
Huellas de cores para camisas a 280 rs.
o covado.
Colchas de cores a 2*000 e 2*500 urna.
Eapartilho c uraca a 4*000 e 5*000 um.
Casaisas brancas a 2*000 urna.
Madapolao americano a 6*000.
IWlhas para banho a 1*500 urna.
Camisas de flanella a 3*500, 4* e 5*000.
fcrtrato Rita Sangal a 2*000 um.
Dito Port-Veine a 1*500 um.
Vslbutina preta a 700 re. o covado.
Alpaca branca a 400 re. o dito.
Dita preta a 300, 500 e 700 re. o dito.
Panno da Costa para nvza.
jAsalhado bordado a 1*009-o metro.
Gases arrendada a 400 e 440 rs. o covado.
Laaccs de bramante a 1*8 0 e 2*000 um.
Cobertores escuroB de la a 1*700 um.
Toalhas para rosto a 3*5" 0 a duaia.
Csrtes de seda para collete a 5*000 um.
Cortes de fustao para collete a 2*500 um.
Baptista de cores a 120 re. o covado.
Exmas. familias.
CASA DE CONFANCA
:
AMARAL & C
HISTERIA
CONVLSES
I
I MOLESTIAS
NERVOSAS

epoattartaf tu rmamtnu;*
Cuta qu* $*>&&*>
Alfai* B$mT*?
I&royeisie
'Idib, 5, Stu'ararfl 3aMit, i, nxt
flAHKACA tlKL
w m. a s.-a a <".
Um Um 110 THWHIM4
Machinas a vapor
Moendas.
Redas d'agua.
Taixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravaco
Arados.
SADB
---- I "" 1 M ^| i ^ -- [,- i. .
1-
i&r-. i:>-^^-^^^^^*^^^^alJSjMmM
f
I
TJr.gcentn ds Ho'low^y um remedio mfallwel pan os males de pamas e do peito ; tembem pas
- erida.' aniuj.is cl.i^.-:; e ulceras. E famoso para a^ofae rheumatismo e para todas as enfernav ,
iCx-ies de peitc nlo se reconhece egual I
rs es mus* de Wmta, bronchites resfriamentos e tossss. -
i.. :...! !i: q t*da* i: molctiis da pelle nao tcem smelhante e para m membros ,
"vmtiahlas ?uijotur.-.s recias, obra como por encanta j
'.
' >-
:ias, i
! >-*i;>*tc tm FAiabe2*cimtn'.o :ST anwn S, u*!ord Sroot^LoSOR,
n todM a: -har.aMcias do uaiverso.
"z n *.:.. s rr-9f-towmeri* a ennCnu: o nifrtos de cada caia e Poce, se ftotffm ff |
. xfr-d Street, ro Calsiiicaoes. >
FUNDCAO DE JUNSE BRONZE
LU1Z DA CRZ ME8QUITA
66ra do Baro do Triumpho(?6
fexi para vender o seguinte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Aiaaafelqaes de cobre do antigo e novo systema com esquenta gn.-apa.
Serpentlaas de cobre e de estanho.
Carapucas de cobre.
Taixas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continua*.
Toraeiras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Caaos de cobre, de chumbo e de ferro.
Reparlldeiras, passadeiras e escuraadeiras de cobre e de ferro, estanhado
Cobre em lencol e rmelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadlobos patente e de lapis.
Rilaos de 1 libra at lid arrobas.
E muitos outros objeetee
ENCARREGAM-8E de qnalquer concert e obras de encommenda, gara
iindo presteza, perfeicio e pre9o mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
^''IDE a praso ou dinheiro com descont.
MEDALHA DE kWT
o oleoIhevrier
deatnl^ctado & lo Alcatrio,
ton ce Oa/Mmco, o Que muito
lugment ti ropWetfdM tfo j
0 OLEO de FIGADO
DE 11MU0 FERRUGINOSO
i i uah:$prtMrtclo r,ue ptrmdle
tdmlrtttrir o ferro sem pn-
dutir PnUo de Veatra, nim
iBcommodo.
oiwsm l < MIS
II, ni Fiii'-Iutaurtr. 21
DIPLOMA DE HOltRA
E FERRUGINOSOS


Xttl Ordim i
'Tu
KECB1TADO POR TODAS Aa
Celebridades Medicas
D\ T1UN?A E DA SLBOPA
DU
MOLESTIAS DO PEITO,
1FFEL55ES ESCROFULOSAS
CHLOROSIS,
ANEMIA. 0EBILI0A0E,
TSICA PULMONAR,
UONCHITES, RACHITISMO
Vinho de Coca
UCBSCIADOS PBI.A rWSPBCTOBlA DB HTOltSK DO IMPERIO DO BBAZIL.


19
NEVRALGIAS
Pilulas do Docteur Moussette
As Verdadeiras Pillas Moussette acaimao e corso as
Neoralgia mais rebeldes a Enxaqueea, a Gastralgia, a Sciatiea,- as A/fecffcs
rheumalismae agudas e dolorosas que resistirlo a qualquer outro remedio
As Verdadeiras Pilulas Moussette deven ser tomadas aa
refeiedes. No primeiro da tomar-se-ha tres pilulas; pela nxmlia, ao rlmoeo eao
janiar. Si nao se tiver experimentado allivio tome-se oualro pilulas no segundo
dia, duas pela manh, urna no almoco e outra no juntar. E' preciso n3o tomar mais
de quatro pilulas Moussette por dia.
Exija-st a* Verdadeiras I ilulas Moussette de CLIN A C", de Pajuz
que se compro em toda ae drogara e pharmaciat.
S& \i Bir
i
Curados pelos CIGARROS ESPIC
'iv _$*"-/ Onnretffioeft Tose. Defluartm Aevr UCCKCIAbOa PEL/. .Stil'i-^li -:IA ni: BYCIEJfB L'O MPETU > :
Aspir^-se a fumara |i'e pen.-tra no pello, acalma o systema nerrose,
facili... a expectorurio < fevcrlsa s rtincv&csdosorpos respiratorios.
Vena- em at-.carlo, i. E6PIC, CO, ru Gt-Lnznre, em Paria. Exjase eua asugn'
tai t-wrnimbuso : i'Bj^Mcm 1. ta SILVA c. !!** i*rmc.im ItaanaaiHB v.vt*w-
EnEKi\A(jAo mam
39-RUA DUQUE M CAHAS-39
Este antigo estabelecimento, hoje completamente reformado com machinaa
mais aperfeioadas e movidas a vapor, acha se em cond95es de executar qualquer
trabalho em
Cartas, memoranduns, re ibos, circulares, memoriaes, despachos, cartSes re
mdica93e8, mappas, precos corren tes, acc3es, bilhetes de loteras e rotulas de todas
aa qualidades em preto, ouro ou cores.
mtmm
Brochura8, cartonados, encaderna95es, -livros em branco para o commercio e
repartieses, tendo para este fim urna excelleate anchltl le paular.
ART0ES OE VISITAS
Variado sortimento em cartSes para visitas, participacSes e convites de casa-
mento, bailes, menas, felicitacSes, etc., etc.
Livros de recibos de aluguel de casa, papel de impressao, tintas, vernizes e
mais rtigos para tvpograaphla e lithographJa.
Manoel J. de Miranda
Telephone i94
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das seo outro medicamento
PARS 7, Bouleitird Itennin. 7 1'AlIS
Depsitos em todas as principaes Fharmacias e Oroaariaa.
oiBinirasraB
? UCBSCIADOS PELA INSPECTOHIA r.EAL PB HYGrENB DO IMPKBIO DO BRA2^_
[ Aperient?3, Estomachicos, Purgativos, Depurativo*
*;ontra a ralta de appettte, a Obi!mo?"io, n rKTiiquPoa, as Verts-eras
as congrestSs, etc. /< te '.idimrtc '. a 3 graot
2 Desconfiaras falslllcnci xi:;ir o rc:uo (mito 'inprlmldoem MmsB
f e com letras do 4 cV>r. >. mo Q g?)0 j, rjjjj ,J0S fa|>rcaQtea.
***#"
cada urna letra de urna eOr di: crete e
San AEII, Fbaimacta J.EUOT
geit" ii-iaiajt-iKHauajrBla.
0 PO DE BOG
ipouofs hoc
legitimo s'Hado
com um rotulo
inpressb .
aUATRO CORES
Nao ha Purgante
algi que tenha
sabor mais agradvel
PABRTOAi
Casa i.. FRENE
19, n> Jaco, MJU2
Zf&PTZnpF
i
i
I






I
i

i






8
Diario de PernambucoQu^pfai-feira 25 de Setembro de 1889

K '

VENDAS
Vende se un "terreno em solo proprio, com
28 palmo3 de largura e 120 palmo* de fundo,
cootendo duns meias agus sob n 28 o, sitas a
roa do l'rlncir,?, da frefiu<:iia da Boa Vista, com
meiaeaonootiSoemuro, rendendo nvnsulroente
deaiuguel a qtiantia de 11*000 : qunn preten-
der dirija-se ra Itarreto Menezes n. i. arma-
jem de fu mos, on d o a r I i] uem tratar.
TTojaliS Listras Ames
Est venciendo fazendas muito baratas
Com descont
$, qaem comprar de 200000 para cima.
E VENDE PELOS SEGCIKTES PBEfOB :
Hadapolo lavado com um metro
de largura a 6$800 a peca,
Morlm das Lustras Aznes com
20 vara, a 60000, a poca.
Chitas percales finas, corea seguras a
180 e 200 rs.
Cassas do urna s cor a 100 o 120 rs.
com palminhas.
Lanzitthas de quadros a 60, 200 e
240 rs.
Cortes de linhos com 16 1/2 co-
lados, tecido phantasia, a 40000
Bordados finos com 3 metros a
500 rs.
Blcos brancos a 600 rs., a peca
com 9 metros.
Sargclim diagonal, todas as corea,
a 180 e 200 rs.
Crinolina de cores para vestidos a
360 rs. o metro.
Luvas de seda, lisas e bordadas a 10.
Leques transparentes lindas cores, a
2*000.
Grinaldas com veos para noiva a
70000.
Setim de Maco branco, e do todas
as corea a 750 e 800 rs.
Cortinados bordados para cama ou
janella a 60000.
Fich* pbntasfa a 800 rs.
Lencos de seda a av'v, rs.
E militas fazendas que se vende por
qualquer preco.
^Trocase a fazenda vendida se nao fr
de muito agrado para quera for comprada.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Grande r ovidade
48 -Ra Duque de Caxlas4
Tendo recebido um grande e variado
sortimento de fazendas resolveu vender
por menos 30 /0 do que em outra qual
quer parte, como seja :
Madapolao americano com 1 metro de lar-
gura a 60000 a pega.
AlgodSozinbo muito largo a 40 a 50000 a
peca.
as cretones, modernas, a 200, 240,
230 e 320 o covado,
Zephir de quadros, padrSes modernos, a
120, 150 e 200 rs. o covado. '
Cretones modernos, ultima moda, a 320 rs.
o eovado.
Atoalhado com flores a 10000 o metro.
Brim pardo trancado para roupa de ho-
mem a 500 rs. me*jo.
Dito de c5r e fustao a 500 e 600 rs. o co-
vado.
Dito de linho para calca de 40000 a vara
por 20500.
Casimira preta e de cor para costumes a
10200 e 20000 o covado.
Cortes de fustao paira collete a 500 rs.
um.
Ditos de velludo bordado a seda a 20000
1W1MCMS!!!
Svrpr$23 agradml
UM RETRATO.
Que so offerece a um amigo no dia do
seu anniversario
De 238000 al 1008000
btcm-se um lindo retrato pela quantia
cima, com linda moldura fina dourada
em alto relevo, e com cordes de IX e
seda ; trabalho feito nos Estados-Unidos
da America
POR FRED. PLATT
Qualquer familia que desejar um per-
feito retrato, bastante mandar um pe-
queo retrato em tartlo de visita, nao im-
porta que seja antigo, baila" diser a cor
dos olhos e do cabello, para chegar um re
trato perfeito, c muito lindo para um pre-
sente, ou sala de visita. ,
Os retratos de Fred. Platt^
Estio expostos ao publico na
AGENCIA GERAL
Loja das Listras Azies
RA''DUQUE DE CAXIA8 N. 61
Para as Exmas. familias verern o quanto
sSo lindos, e muito fcil fazer encommenda.
MJALQUER ENCOMMENDA
Por maior que seja se aprompta em me
nos de 90 dias, e restitue se a importan-
cia reeebida, se nao chegar um retrato de
muito agrado.
Para encommendas da cidade e de ou-
tras provincias devem dirigir seus pedidos
ao agente geral n'esta cidade.
JOS AUGUSTO DAS
l'lltN \Mltl lO
um.
Camisas brancas para homem a 20000
urna.
Toalhas brancas para crianca a 120 e
200 urna.
Colchas adamascadas de 20000, 30000,
40000 e 50000 urna.
Cobertas forradas para casal a 20500 e
20800 urna.
Lencol de bramante com urna largura a
10800 urna.
Cortinados bordados para cama a 60000 o
par.
Pannos de crochet paia cadeiras a 500 rs.
um.
Cobertores brancos de la com pequeos
defeito a 20000 um.
Cortes bordados para vestidos, ultima mo-
da, a 80000, ,90000, 100 e 120000 um.
Lindas 18s com listras do seda a 400 rs. o
covado.
Ditas lisas e de quadros a 200 e 240 rs.
vado.
Lindos fichs de retroz, prateado e'dou-
rados a 10000, 10500 e 20000 um.
Luvas de seda, todas as cores, para senho-
ra a 10000, 10500 e 20000 o par.
CaRncos de Jersey para senhora, borda-
dos, o 60000 um.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 annos a 70000 um.
Cachenez para homem e senhora a 10500
n 20000 um.
Bicos brancos e de cores a 10800 e 20000
a peca.
Saias bordadas para sonhora a 30000 urna.
Renda hespanhola com um metro de lar-
gura a 20000 o covado.
Bordados e entre-meios a 500, 600, 700 e
800 rs. a peca.
Grinaldas com veo de seda a 80000 urna.
Coarinhos e punhog da borracha, a 10800
_a par.
Lencos de linho, especialdade, a 20000,
30000 e 40000 a duzia.
Ditos de^eda com a exposicSo de Pars a
-{J|0JPrrum.
Legues de papel com bonitas estampas a
w^rs. um.
Lindas mantas e grav&tas de todas as qua-
lidades de 500 a 20000.
Espartilhos de couracas a 40000, 50000 e
6*0000 um.
Coarinhos e punhos de senhora, para aca-
bar, a 500 rs.
Cambraia de salpicos a 40000 a peca.
E muito outros argos que s com a
vista,"assim como roupa por medida em
sua officina, para istotem peritos, afficiaes.
S na Revoluto
A s-na Duque de Caxlas n. 418
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
5Ra Ducue de (axlas5
Cassinetas de ceras para roupas de meni-
nos a 200 rs. o covado.
Meias casemiras pretas e de odres idem
a 400 e 500 rs. o dito.
Hollanda parda para vestidos a 280 rs. o
dito.
Setinetas modernas idem a 200 e 280 rs.
o dito.
Linhos de quadrinhos a 100, 160 e
200 rs. o dito.
Percales filias a 200 e 240 rs. o dte.
Atoalhado bordado, quasi 2 metros de lar-
gura, a 10000 e 10200 o metro.
Bramantes, 4 larguras, superior a 8
e 10000 o dito,
dem do puro linho a 10600 o dito.
Riquissima guarnieres de crochets a 60 e
8000.
Toalhas para maos a 10200, 30500 e
40000 a duzia.
Meias inglezas para homens a 20500 e
30000 a dita.
Camisas superiores idem a 240 e 300000
a dita.
Seroulas bordadas a 120000 e 180000 a
dita.
Cambraia Victoria e traneparente a 20800
e 3)5000, com 10 jardas,
dem bordadas chics a 40000.
Superiores algodoes da corte a 30000 e
30500.
MadapolSo americano a 60000, com 24
jardas.
Fian ella do cores para camisas a 280 rs.
o covado.
dem americana, azul, para palitots a
10200 o dito.
Casemiras de todas as qualidades a 10400
10800 e 20000 o dito.
Para as Exmas. uolvas
Lindissimas grinaldas e veo para 80000 e
140000.
Ricas colchas de crochets e fustao a 80000
e 60000.
Bonitos cortinados bordados a 50500,
70000 e 80000.
Linons branco bordados a 460 rs. o covado.
AO
. 55
Pedo-se ao respeitavel publico que at-
ienda aos precos abaixo mencionados :
Setim. da China, fazenda de phantasia,
alta novidade, a 240 rs.
Amor da China, a 200 rs.
Zefiros arrendados, o que ha de mais no-
vo, a 800 rs.
Vestuarios jersey, ultimo gosto, a 100
c 120000
Renda oriental a 500 rs. o covado.
Cretones para coberta, 500 rs. o covado.
Pannos do crochet, todos os tamanhos.
Madapolao largo a 60000.
Flanella azul, muito lisa, a 10200 o co-
vado.
Fichs de phantasia a 10000.
Luvas de seda a 20000 e 30000 o par.
Guardanapos a 10600 a duzia.
Sargolins de qualquer c3r a200 rs. o co-
vado.
Grinaldas para noivas, [cousa chic e ba-
rata
Nunzucks, grande sortimento.
Cambraia Victoria e transparente a 20800
a peca.
Cortinados bordados a 60000.
Flanellas para camisa a 320 rs. o covado.
Setins, qualquer c6r, a 800 rs.
Renda da China a 200 rs. o covado.
FustSes bra eos a 320, 400 e 500 rs. ,
Vestuarios para baptizados, o que ha de
mais novo.
Camisas francezas,
20000!
Grande sortimento
100-0 o covado.
Crinolines a 400 rs.
com collarinho, por
de setins lavrados a
Libras sterlinas
Vende-se libras sterlinas
mercio, armazem n.5.
na rna do Com-
It-.iJUBtSTl
o mus,
P*5 *LERY
Yecs-ss ex. ttdj sirS
FOLFTIM
unt
POR
JCLES MAKY
SEGUNDA PARTE
AK0:?AS2UUJ!S
Con t inu ac 3o
VI
do
n.
216)
Nlo, respondeu ella, seria perder tu-
do, se nos prendessem. Seria demons-
trar urna cumplicidadc e provar que eu
nao estou Iouca. Deixa me soffrer. Vai,
en sou forte. O pensamento de que me
amas me sustenta. Entilo, deixaremos
este paiz que nos lembra tao craeis re-
cordaeftes e iremos para onde quizeres.
Pouco me importa. Entretanto...
Ella teve urna hesitacao, abai.Tou a ca-
beca, depois continuou no iim de um ins-
taate :
Jon forte, mas no ultimo momento
pos8o enfraquecer, posso ter medo... nao
sou eu mulher ?... Quando sentir que mi-
nha energa me abandona e que nao po-
derei mais resistir, en to far-te-hei com-
prehender... e tu procurars tirar-me
deste hospital maldito. .. At essa occa-
silo nao temas nada. Sers prevenido,
anda que nao seja sen3o por urna pala-
vra, por um gesto, por um olhar. Tu me
adivinhars c te poras em accSo..
Francisco esperara, mas Magnabat nao
se apressava e ia methodicamente de um
meio a outro, paulatinamente, combinan-
do e preparando os resultados.
Setim branco, superior, a 800 e 10000 o
dito.
Popelinas de seda a 800 10000 o dito.
Setins Maco, todas as c8res, a 800 rs. o
dito.
Lenyos de seda e de linho para 20800,
em lindas caixinhas.
Lenses de bramante a 10800.
Cobertas de ganga, forradas, com pannos,
a 20500 e 20800 urna.
Colchas de cores a 20000 e 30000. .
Tapetes para portas a 30500 e 50000-
Pannos rara mesas, de cores modernas a,
10000 10200 e 10600.
PARA BAPTISADOS
Ricas toalhas de labyrintho de 300 a
350.
FustSes bordados brancos a 400 e 500 rs.
o covado.
Casemiras pretas e de cores de todos os
precos, cheviots, merinos, damascos para
pianno, cobertores, redes a 40000 urna, e
urna infinidade de artigos que serfto lem-
brados na prebenca dos dignos leitores.
LOJA DE
PEREIRA & M'AfiALHAKS
Para oseslivaes
A' ra da soledade n. 56, preparam-rfe,
com lim pesa, mes tria e commodidade em
precos: bolo, pao-de-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides de doces d'ovos, vatap,
bandeijas para casa meatos e baptisados, etc.
Recebem-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
Cofres de ferro
carlos Siaden tem para vender cofres de su-
perior qualidade. mais barato do que em outra
qualquer parte. Rna Baio da Victoria n. 48
Pao centeio
Bfrllo & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este ss
boroso pSo; ra larga do Rosario n. 40.
Ha vi a chegado s amea$as. -
Um dia, que visitara Magdalena e nao
podra obter della urna s palavra, diss-
ra, ao retirarse, dirigindo-se aos enfer-
me iros :
A manir vel-a hei; se continuar a
calarse, se nao obedecer, prepararlo um
ferro em braza e, quando eu der signal,
applical-o hao entre os dous hombros.
Elle fallara de modo a ser ouvido por
Magdalena, esperando que essa ameaa
bastara e produziria eflfoito.
Mas a Sra. Gonssolin sabia por seu
amante que essas provas dolorosas nao de-
viam anda comecar e assim nenhum caso
fez da ameaca.
Magnabat recorreu depois s sorpresas.
Eram ellas: quando ella dormia, a chega-
da brusca dos enfermeiros, tiros de pis-
tola, tiros de espingarda, quedas inespe-
radas n'uma baca cheia d'agua, duchas
laucadas de improviso, tudo que a imagi-
nacJo do medico poda inspirar-lhe.
Algumas vezes, Magnabat tentara em-
briagar Magdalena com vinho; ma3 a mo-
9a nao beba ordinariamente senlo agua c
nao podia deixar-se apanhar por um estra-
tagema tSo grosseiro.
Para substituir-lhe o vinho, Magnabat
teve a idea de dar-lhe opio em alta dse,
afira de obter mais decisivo resultado.
Por conseguinte fez misturar certa na-
nh.1 em seus alimentos seis graos de opio
em p, representando cerca de trintacen-
tigrarama8.
Magdalena comen c
nifestou.
Algum tempo depois,
vci a experiencia.
A' noite os enfermeiros no tarara, na Iou-
ca urna certa agitac&o.
Ella teve augmento do febre, pesade-
los; acordou frecuentes vezes, profeno
palavra3 sera nexo, exclaraacoes nter
rompidas de supplicas.
Os enfermeiros mane! aram prevenir Mag-
nabat, que chegou logo.
Mus subitaraento s Sra. Gonssol'iB se
acalmara.
O medico achou-a tranquilla, um pouco
fatigada, queixaodo se de ura embaraco
no estomago, mas nao m -'.festando ne-
nenhum etfeito ma-
Magnabat reno-
1 temor, nem
escapar
la-
FarelJo superior .
21700 o sacco
Vende-se no armazem de Arcelino Lima C,;
Caes d'Assembla n. 24, garantindo-se 4 ki|0-
grammas cada sacco.
E' vender barato
TeijSo a UIOO a cuia
Farinha a 5 0 rs. idem
Milno novo a 320 rs. idem
Dito velno a 280 rs. idem
o nico que pode vender mais barato, no
largo do mercado n. 12, Gomes Ferreira 4 C.
Successores.
o metro.
Zefiros a 160 e 200 rs. o covado.
Merinos, sortimento grande, a 500 e 800
rs. o covado.
Cambraia suissa, a 70000 a peca.
Cambraia com salpicos brancos e de cores
a 40000 a peca.
Babados c ntremelos a 600, 800 e 10OOO
a peca.
Longos de seda, muito bonitos e baratos.
Cachemira combinaco com listas de seda
a 10400 o covado.
Bromante de quatro larguras a 800 rs.
a vara.
Mantil as pretas a 40500.
Atoalhado, lindros padr3es a 10 o metro.
Espartilhos com couraca a 40000, 50000 e
60000.
Colchas brancas e de cores a 20, 30000,
40000, 50000 e 60000.
Grande sortimento de fichs de cores para
todo prejo.
Cassa baptista a 120 rs. o covado.
Chitas brancas e escuras a 240 rs., s se
vendo a boa qualidade.
Cretones muito bonitas a 320 e 400 rs. o
covado.
Meias para homens, senhoras e criancas,
grande sortimento.
Comisas de meias a 10000.
Grande sortimento em merinos pretos.
Cortes !de fustao para colete, alta novida-
de, a 10000.
Camisas de flanella franceza a 30000 urna.
Brim de linho de cor a 500 e 600 rs. o
covado.
Tapetes para cama, sof e porta; barato !
Velbutnas, qualquer c6r, a 800 rs.
Cassinetas, muito bonitas, a 400 rs. o co-
vado.
Cortes de cachemiras, em cartao, cousa
chic.
Ditos de cretone muito bonitos a 80000.
Ditos de casemira de c6r a 40000, 60000
e 80OQ .
Alm de outras muitas fazendas que
impossivel mencionar.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pessoa.
4. Ra Duque de Caxlas 55
Fernandes Azevedo &C.
A LOJA MAS BAMTS8U.
PARIZ /aMERIC&J
AZEVEDO, IRMaO & O.
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephone200
Tendo recebido direptamentc da Euror
grande sortimento de* fazefeUis o modas
que ha de mais ovo c preces 3em com-
petencia.
A saber ;
Cnpas de surah, senda e merino.
Renda preta, diverep,s qualidades.
Etamines, pretos, de 15 e la seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 1020.
Crinoline preta e branca s 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante do linho a 10500, com 1
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10501
Chachemiras com 2 larguras a 800 n
Ditas de l e seda 2 larguras a 10OOf
Madapolao tranado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Dito BOa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de 13 e seda 10000.
Brins de liaho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraca a 40000 e 50OO<,
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado
60000.
Toalhas de efires para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 105(X
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira estera para forro de sal
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarni$5es, pretas, de vidrhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite*
Grande sortimento de chapeos de so.
Setlneta para coberta a 600 ra.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de c6res.
TELEPHONE 200
mentacao alguma, nem dando signaes de
desfallec ment.
Desde entS) Magnabat renuncien a
opio.
O que Francisco Hormais previra acon-
tecer. Esse remedi nSo tivera influen-
cia no temperamento da Sra. Gonssolin.
Magnabat nao perdeu a cpragem.
Recorreu ao haschich.
A introduccSo do haschich em Franja
fez nascer a esperanca |de que se tinha
descoberto um agente til em medicina
legal.
. O sabio expermentou, bem que nao g-
norasse que anlogas experiencias' haviant
sido tentadas em Pariz por eminentes col-
legas, sem que tivessem dado o resultado
esperado.
Magdalena foi adormecida.
Teve delirio, illusoes, hallucinaeoes, mas
ficou senhora de si, apesar das desordens
que o haschich produsia na esphera de
sua intelligencia.
As hallucinacBes nenhuraa relaclo 11 ve-
ram com os seus pensamentos que ella
forraulava, com suas paixoes secretas, com
seus terrores.
E, entretanto, o doutor tomara suas pre-
causSes.
Tinha procurado impressionar o espirito
de Magdalena, durante o dia, descreven-
do-lhe com brutal minuciosidade o assassi-
nato do marido.
Esperava, desse modo, conservar
ridado sobre ella, adormecendo a moca
quando seu espirito estivesse agitado por
taes narracoes.
Ainda urna vez a forja de von
Magdalena e sua doscoalianca
tnumphado contra a astucia do medioo,
cuja influencia havia sido aniquilad 1.
Essa luta singular e dramtica coi
nuou.
Magnabat trazia para as suas oxj
riendas urna aspereza que era quasi
lera.
or mais de urna vez a justica so diri-
gir aos dous mdicos, pcdiudo-lhes que
apresentassem o seu liiu lo.
E sempre o sabio ancio fra fcg^H
dizer que dada adiantava aos seu
cimeutos do primeiro dia.
Na cidade de Saint-Claude, c
auto-
Superior vinho de Al-
coba O acreditado e anligo armazem do Lima par-
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especial
vinho, escolbido propriamente pelo chefe desta
casa, tornando se recommendado por ser puro
e de boa qualidade. Jos Fernaiides Lima & C,
ra Bario da Victoria numero 3, Telephone323.
a preoecupar-se com esse negocio e com a
inutilidade das' tentativas para arrancar
confissSes Sra. Gonssolin.
Muitas pessoas diziam :
Mas, emfim, talvez esteja louca essa
senhora e nesse caso com que fim tortu-
raba? Nao se pode esperar della o menor
esclarecimento. Por outro lado se ella
nao est louca, quasi impossivel que
possa fingir loucura sem despertar sus-
peitas de um medico de tanta pratica co-
mo o Dr. Magnabat, assim a opiuiao deste
devia estar firmada ha muito tempo...
Magnabat nao ignorava os boatos que
corr am que lhe eram felizmente narrados
por amigos.
Isso augmentava-lhe o desejo de che-
gar ao fim o mais depressa possivel.
Se s escutasse sua opiniao, teria logo,
sem hesitacao, submettido a Sra. Gonsso-
lin s crueis torturas em que j havia pen-
sado ; mas a presenja de Francisco o de-
tinha ainda, e antea de chegar a isso, va-
se na necessidade de usar em relajao
moja de todos os meios que podiam, ener-
vando-a, ter aejao sobre a sua vontade e
sobre a sua intelligencia.
Depois do opio, depois do haschich, foi
a etherisajao que elle empregou.
A ethensac&o traz urna superexcitacio
da memoria, urna falta de recto juizo, de
reflexao, de coordenagao as ideas, hallu-
oinaedes e illusoes visuaes.
Na maior parte dos dementes, s3o ac-
ce8so8 de loucura melanclicos, ao contra-
rio, sao m-mt'estacSes de tristeza.
Magdalena, ether3ada, teve hallucina-
eoes, nao pode fugir a dizer grande abun-
dancia de palavras ; mas, apezar das ha-
bis perguntas do medico, que a interro-
gava acerca da siuiulacao da loucura e das
circumBtancias du morte do marido, a mo-
ca teve bastante poder sobre si mesraa
paf.i nao deixar arrancar o seu sogredo.
Delirou durante vinte minutos, mas nao
disso urna s palavra que podesse com
piomcttel-a, nem tez allusao que, mesrao
de loiige, podesse revelar as relaepes cul-
is quo haviam existido entre ella e
Francisco.
Bra que haja exeraplos em que o em-
prego da etherisajito nos loucos tenha fi-
u resultadoexerrplos que o sa-.
Assucar
da usina Pinto
Vende-se na ra da Imperatriz n. 26, pequeo
armazem.________________________
Vinho puro de Santarem
Da quinta de Barral
Os proprietarios do Armazem Central, ra
do Cabug n. 11, avisam aos seus distinctos fre-
guezes e ao respeitavel publico que receberam
nova remessa ueste especial vinho, o qual se
recommenda por ser puro da uva, e s se reta-
Iba em seu armazem.
Joaquim Christov2o & C.
Telephone 447
Galoea, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodSo com sea
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda cornee; sem vidrilho.
Renda hespinhoh
Collariiihos paiw homem a 30000 e 40OOC
a duzia.
Bordado; cambraia tapada a 400 500*
600 e 800rs.a p>c .
dem com 3 e 1]2 metros, de qual que
argura a 10200.
Lencos de linho em caixinhas a 30000 *
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Lindos loques transparentes de gaze '
30000 um.
Grande sortimento de porta-retractos ds
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 40, 60 s
80000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
20500 a 30000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama
120000, 170000 e 190000 o par, algn*
de cores.
Ditos para anellas a 7000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 s
10000.
Ditos para sof a 20000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimento
a 40000.
Capellas com veo para noiva a 60000
0000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100
120000.
Toucas de setim para baptisado a 30, 40
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha ds
melhor. -
Renda hespanhola de diversas efiros.
Bicos brancos e de cores a 20000 a pee
Ditos de seda braceos e de cores.
Lindos ramos de flores a 40000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantes,
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car*
ritel.
Pastas a 10000 e 20000.
Porta-lettras e porta-aedulas a 20000.
Arquetes para chapeos e chapelinas a
10500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 20 9 par.
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanja a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000
60000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 a
10500 um.
Estojo com faca, gario e colher, propris
para creanca.
Bengailas com flauta a 10500.
Meias de 12 para homens e senhoras.
Liabas dourada para fazer crochet.
Lindas fitas para facha a 20, 30 e 40006
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim s
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 20000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeira de 10. 3|,
3 e 30500 urna.
Roa Dupe de Cavias n. IOS
Rojal Blend marea YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melkores arma-
zens de molhados.
Pede Rojal Blend marca Vlado,
cujo nome e emblema sSo registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
bio medico conhecia,foi, entretanto a in-
utilidade dessa ultima experiencia que
augracntou suas duvidas.
Magdalena, sem que tivera tido con-
sciencia exceder ao alvo.
Eis o que havia acontecido.
A excitocao facticia produzida pelo
ether devia produzir manifestares de de-
lirio em relaco com as preoecupacoes pa-
thologicas da Sra. Gonssolin.
Ora, as expansSes de tristeza notadas
na louca durante a accSo da etherisacao
nem mencionaram nem a morte de Gons-
solin, nem circumstancia algumo dramti-
ca que houvesse precedido ou seguido a
elle ; nao tudo : sem intervencao de urna
vontade de ferro, a etherisac,2o devia pro-
duzir em Magdalena a confidencia dos
pensamentos penosos que opprimiam a sua
alma, emquanto que seu delirio foi ama
especie de divagajao, detendo-se em mil
pormenores, que nunca, fra desse ener-
vamento artificial, tinham impressionado a
sua attencSo. .
Magnabat reconheceu por esse indicio a
intervenjo de urna vontade determinante
e victoriosa.
Certamente o velho sabio hesitava em
dar plena confianca a urna observacSo to
subtil e contra a qual a experiencia o pre-
vena, pois que ella era produzida por
urna superexcita$ao artificial, cujas diver-
sas manifestaoes podem differir, confor-
me o temperamento dos doentes ; mas,
junta a outros resultados obtidos pelo exa-
me directo, esta observajao permitta che-
gar a um conheeimento bastante certc do
estado meutal d.i Sra. Gonssolin.
Quando elle comraunicou esta deseo-
berta a Francisco Horniais, este compre-
hendeu logo a gravidade do caso, e, como
nao podia levantar-se ainda urna vez con-
tra a opiniao de Magnabat, apoiada sobre
um facto medico, sem excitar suspeitas do
sabio, ou sem ser pelo menos taxado de
exageracSo, iuclinou-se, contentando-so
com dizer:
Nao estou ainda convencido, e creio
que o senhor raesmo ter de esperar ou-
tras provas, antes de fazer o seu laudo...
Sim. disse Magnabat, esperarei ain-
da; mas estou persuadido de que era bre-
ve a Sra. n se trahir.
Leite puro
Na estrada de Jo Fernandes Vieira, sitio lo-
go depois das casas novas da direita, vende-ss
todos os das leite puro de vacras tourinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite._______
Taverna
Vende-se urna pequea taverna bem locajia-
da, com poucos fundos, propria para princi-
piante, tem com molos para pequea familia :
para informacoes, ra da Concordia n. 165.
Porque ?
Sua fraqueza extrema. Nao re-
sistir s provas do ferro em brasa e dos
moxas.
Oh! disse Francisco com urna excla-
maeso, em um accesso" de rava sbita, an-
tes de chegar l...
Mas deteve-se, mordeu os labios at fa-
zer sangue, emquanto que Magnabat, ad-
mirado, perguntava-lhe:
--O que tem ? Porque esta colera?
A sorte dessa louca interessa-o a esse pon-
to?...
Nao, disse rancisco, a Sra. Gons-
solin me indifferente.
Entao nlo comprehendo...
Quiz dizer que antes de chegar l o
senhor reflctir ainda, para nossa com-
mum honra, para honra da Faculdade de
Medicina...
Magnabat replicn com tom secco: ^"S
Est bem. J sei tudo quanto po-
dia dzer-me a tal respe to. Por favor,
fallemos de oitra cousa.
Assim, nao posso esperar fazer o se-
ahor mudar de resolugao ?
O ferro em braza, as canterisaefes,
os moxas, experimentarei tudo.
Francisco nao respondeu, mas temends
de nao poder oceultar por mais tempo sua
angustia, deixou-o bruscamente.
Magnabat vio-o affastar-se e murmurou :
E' singular. O que tem elle ?
E ficou pensativo.
Nos dias que se seguiram, Magnabat
nao deixou Magdalena repousar um s in-
stante.
Depois do opio, do haschich, da etheri-
sacao, lanjou mao do chloro'ormio.
Esse agente acta maneira do ether
provoca os mesmos phenoraenos.
Magnabat teve occasiao de fazer urna
nova observacSo, que confirmou a pri-
meira.
Elle nao 'ignorava as verdadeiras no-
coes medicas para que baseasse um ar-
gumento nos discursos de Magdalena du-
rante a embriaguez do chloroform io.
( Continuar-te -ha)
T;p. to Dtario roa Duque de Casias n. 42
f
v
\
"TE
X
<' v
\
- %i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED9UIUDLF_MWW40D INGEST_TIME 2014-05-28T16:56:41Z PACKAGE AA00011611_19919
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES