Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19917


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AN-N LXV NMBRO 215
PARA A CAPITAL E LI(iARE% OXDE SA PACA PORTU
Por tres meses adiantados.
Por seis ditos idcm .....
Por um auno dem ....
Cada numero avuiso, do metmo dia.
60000
12*000
235000
100
DOMINGO 22 DE SETEMBRO DE 1889
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantados ....
Por nove dito dem- .....
Porum annoidem.......
Cada numero avuiso, de dias anteriores
1W6C0
20,5000
265000
5100
DIARIO DE PERNAMBUGO
.
Trcpriedade de Manoel Svgueiroa de 3
TELEGRAMAS
~
i.

%
2

:SB75fl FABTIC7LA5 20 SJASIO
NATAL, 21 de Setembro, s 11 horas e
10 minutos da nianha.
Hontem, noite, o^ retirantes, acoasa-
off pela fomfe,' era consequenelaaa reduc-
to dos soccorros, atacaram a casa da ven-
da da farinha do geverno.
Receiam-se outros'disturbios. Os ni-
mos estilo exaltados.
(*) RIO DE JANEIRO, 21 de Setembro,
s 5 loras da tarde.
Foi nomcado juiz municipal c de or-
phSos do termo deBOa-vieta do Tocantins,
ua provincia de Goyaz, o bacharel Teles-
phoro de Araujo.
V3o 2. escrutinio pelo 9. distri-
cto de S. Paulo, os Drs. Delfino R. de
Ulha Cintra (G) e Francisco Glicerio (R).
Foram expedidos diplomas de depu-
tados pelas juntas apuradoras :
Do 2." diatricto da Corto, ao Dr. Hen-
rique Alves de Carvalbo (L);
Do 1.* districto do Espirito-Santo, ao
Ur. Jos de Mello Carvalho Muniz Fre.
re(L);
Do 1- districto de S. Paulo, aoDr. An-
tonio de Souxa Queiroz (L) ;
Do 16. districto de Minas Oeraes, ao
Dr. Bernardo Pinto Monteiro (L);
Do 3. districto do Para, ao Dr. Manoel
de Moraes Bittenconrt (L).
Falleceu o escriv&o da 1.a vara
vel da Corte, Vicente de Paula Bastos.
O uve, v e cala.
Viveras vida folgada.
Tua porta cerraras,
Toas visinhos louvars.
Quanto podes nao faras
Quanto vales nao dirs,
Quanto ooves nao creras,
Se queres viver en paz
Seis cousas cump-e ^ttender,
Quando fallares -te mando :
De quem fallas, onde e que"
E a quein e como e quando.
PARTE ornciAL
A' ordem do Dr. delegado do lr dis-
tricto da capital, Manoel Jos da Silva,
| por disturbios.
A' ordem do subdelegado da freguezia
| de Santo Antonio, Isidro ElesbSo da Silva
e Maria Josepha da Annunciacao, por dis-
turbios.
A' ordem do do 1. districto de S. Jos,
Mara do Rosario, Demetrio Jos de Lima
le
dea do
bliease
em fuo
3ue a
izes 6j
oflicial
0 5*
funer
to as a'
"*
i que se feehasscm as reparlices pu-
^^pervasem as armas c bandeiras
1 por espaco de tres dias ; mandou
obassem o earerro os menores upren
os remadores, commandados pelo
jteruo da noticia e pelo guarda-mr.
'illio acompunhou com as armas em
ando at naprocisso doScohor moV
vao ao hombro direito, perfiladas,
segundojM novas ordenanzas.
chanos aue todas as honras deveriam ser
i-1,rajan!, eclle bem as (here-
do Imperio sem esgolar o producto do mesmo
eraprestimo que em boa parte conservou in-
tacto.
Gracas a esta situacao da fazenda do Brazil,
diz a folha berlinense. manifesta a tendencia
do capital europeu para collocar-se no Imperio-
Pondera a mesaa folha que, depois de haver
oaugurado uovaera de prosperidade econmica,
o Brazil ipiciaf de certo nos outros ramo3 da
vida pubrtcarefonnas que coolribuaro para asse-
gurarao pau evoluco civilisadora mais rpida
do que at agora.
ci-
(*) No telegramma de hontem cumpre
eorrigir o equivoco que se deu sob/3 o 5.
districto de Minas Ge raes. Deve ler-se
assim o respectivo tpico :
c A junta apuradora do 5. districto de
Minas Geraes reconheccu que foram mais
rotados, pelo que vio 2. escrutinio, os
Drs. Antonio Joaquim Barbosa da Sil
ra (L) e Souza Vianna (C).
INSTRUCCO POPULAR
A URIBATVBA SSAZILSKA
NOS
TEMPQS GOLONAES
POK
WSVfc'M %%%%
A Lilirrniura Brailleira do eeulo
XVI ao rourro do XIV
EBO;0 HISTOKICO
CCoatinuacS>)
Naquella brilhaotissima epoclia da monarchia
portugueza a lingua nao poda licar postergada ;
assim que ella floresceu e enriqueceu se dia
a dia, gracas aos poetas e prosadores do terapo,
que formaram, porque assim digamos, a aurora
esplendente da tteratura lusitana.
Entre os escriptores uais nolaveisde3se perio-
do, citam-se Vasco da Lobeira. o autor de Amadu
4e Gaula primorosa novella cavalleiresca, que
antes de apparecer publicada no patrio idioma j
o andava em francez, ingles e bespanbol. Era
Amcidis de (aula um cavalleiro andante, e suas
romanescas aventuras formam o intrincado laby-
nn:ho d'aquclla novella, que mereceu ser poupa
4a no auto de f que fez o.Cura do D. Qaichote,
que bem prova o apreco em que a tinha Miguel
e Cervantes.
Prosador de incontestavel merecimento foi
tambem Ferno Lopes de Castanheda. erudito
ehronista, de D. Joo I, e guarda do primeiro ar
chivo fundado por el-re D. Duarte.
o N3o Pernio Lopes, diz juiz competenlissi-
bos, um simples ehronista, nao. E' nm histo-
riador de valia, um poeta e um philosopbo esli-
nadissimo ; espanta nos a reuniao de tantas
realidades em epocha ainda to carrogada de
ignorancia e barbaria. Ha as suas chronicas
ma linguagem singela, expressiva, infantil
anda ; mas brilham rasgos poticos, admiram-se
cenas dramticas, pintain se ao'vivo caracteres
dt sen vol vera-?e i'escripcOes admiraveis, ligam-
se e interessem os tactos referidos e nota-se a
photographia lid e exacta de toda a sociedade
de seo tirapo."
Os poetas portuguezes do secuto XV, obede-
eeudo ao brilliaute adiantamento relativo da sua
pocha, libertara se igualmente das coplas infan
is e das endeixas amorosas, explorando e en
oaiando outros gneros, como sao o descriptivo,
satyrico e o conceituoso. D. Joo Manoe!, filho
do Bispo da Guarda. Cfaristovao Fauno, Joo de
enees, Alfonso Valenle,Jorge de Aguiar e D.
Pedro, Duque de Coimbra, formam a iUustre
pleade da pruneira raelade do,seculo XV, digno
roemio de Garca de Rezende. Bernardim Ri-
bero e Gil Vicente, trindade augusta ua segn
a metade do mesmo seculo, precursores da
oesia pica, c por conse^uihte do grande Ca-
moes De D. Joao de Menezes, ainda boje, tanto
n Portugal como no Brazil, popularssima a
odcixa lio graciosa como profunda :
Terno da provincia
DESPACHOS DA PEK8IDENCIA DO DA 19 DE
SETEMHE'i DE 1889
Abaixo assigaados moradores dos arra-
baldes da Torre, Ponte de Uch6a, Par-
nameirim, Sanl'Anna, P050 e Monteiro.
Sej oavida a Illma. Cmara Munici-
pal do Recife depois de informado pelo
Engonheiro Fiscal.
Coronel Augusto Octaviano de Souza.
Limitando o art. 2. a amplitude do
1. n3o prejudica ao supplicante a dispo-
s'cHo deste artigo, que manda respeitar
os contractos existentes/ de outra forma
seria ociosa restriccSo c bastara a dis-
posico do art. Ia.
Angelo Custodio de Sampaio.Acha-s
completo o estado efectivo do Corpo.de
Polica.
Antonio Jovencio da Fonseca. Como
requer.
Amaro Francisco Ribeiro.Informe o
Sr. Director da Colonia Isabel.
Amalia Durvalina de Barros Marnho.
Sim, juntando procuracao.
Augusto Xavier Carneiro da Cunha.
Informe o Sr. Engenheiro Gregorio Tbau-
maturgo de Azeveclo.
Carbs Adour.Sendo menor o suppli-
cante, nacessario se faz requerimento ou
autorisacio paterna.
Demetrio Oarneiro Rodrigues Cam-
pello.Aguarde que rinde o prazo do
contracto.
Euthalia Froes de Olveira.Informe
o Sr. administrador do Theatro de Santa
Isabe!.
Fiel Jen Brothers. Sim, dednzida a
importancia de 108/5070 por nXo haver
a lei n. 2007 em seu art. 2. g 159 se
referido a differenca de cambio.
Flavio Jos Bezerra Cavalcante.In-
forme o-Sr. ongonievfb Gregorio Thau-
maturgo de Azevedo.
Francisco Pereira de Lyra.Informe o
Sr. engenheiro Gregorio Thaumaturgo de
Azevedo.
Idalina da ConceicJlo de Miranda.
Informo o Sr. Provedor da Santa Casa
dd Misericordia do Recife.
Joao Baptista Gomes Pereira.Informe
o Sr. engenheiro Gregorio Thaumaturgo
de Azevedo.
Jos Bezerra de Barros Cavalcante.
Informe o Sr. engenheiro Gregorio Thau-
maturgo de Azevedo.
Jo&o Ferreira Vilella de Araujo.
Tendo determinado em 5 do corrente que
sejam attendidos em primeiro logar os que
se acham mais atrasados, a fim de equi-
parar a situacao dos funecionarios que
tein direito a receber o que se lhes deve,
aguarde o supplicante a devida opportu-
nidade.
Jeronymo Gomes da Fonseca.Defe-
rido com officio de hoje Thesouraria de
Fazenda.
Padre JoSo.Carlos de Moura. -Prove o
exercicio de coadjuctor.
O mesmo.Informe o Sr. Iuspector do
Thesouro Provincial.
Luiz Deodato Monteiro. Sen9o menor
o supplicante, necessario se faz requeri-
mento ou autorisacSo paterna.
Dr. Matheus Vaz de Oliveira. Sim,
pela verba do 11, art. 2." da lei n. 2009
do 1. de Junho ultimo.
Thomaz Jos de Souza.Informe o Sr.
engenheiro Gregorio Thaumaturgo de
Azevedo.
Bacharel Joaquim Maria Carneiro Vi-
lella.Sim, sem prejuizo das concess5es
anteriores, e nao sendo o prazo inferior
a 40 dias, podando no dito perodo ter
logar outras concessoes, convindo que as
vistas e pannos novos, sejam entregues ao
administrador do Theatro, que farJo parte
do mesmo, e nao devendo ser alterado
qmaesquer do pannos e objectos pertencen-
tes ao Theatro que o supplicante fizer re-
presentar em beneficio das obras do Thea-
tro de Santa Isabel.
Companhia Ferro Carril de Pernambu-
co.Seja ouvida a Illma. Cmara Muni-
cipal do Recife e o Thesouro Provincial,
remettendo-se Illma. Cmara as plantas
^ue a companhia aprsente peticSo.
Companhia da Estrada de Ferro do
Recife a Caxang. Informe a Illma. C-
mara Municipal do Recife e o engenheiro
Fiscal e o Dr. Inspector do Thesouro Pro-
vincial
Guilbermina Francisca do Araujo Lins.
- Sim, mediante recibo.
Francisco Accioli Lina.Encaminhe-se.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 21 de Setembro de 1889. .
O portero,
F. Chacn.
'arzea,
faximiano
JoSo dos Santos, como indiciado em crime
de morte.
Hontem, s 6 e 1[2 horas da tarde
e na estrada de Belm, prximo ao edifi-
cio do Hippodromo do Campo Grande, o
individuo de nome Silvestre Jos do Nas-
cimento ferio mortalmente ao subdito por-
tugus Domingos de Souza Monteiro, que
veio a morrer momentos depois.
O delinquen te foi preso em flagrante e
o subdelegado do distri Ho, tomando conhe
cimento do facto, procedeu s diligencias
da lei.
Communicou-me o delegado do tor-
mo da Escada, que no dia 15 do corrente
e no engenho Aripib, travando-se de ra-
z5es J?2o Carlos de Oliveira com Sebas-
tian Ignacio da Silva e apresentando-se ou-
tros individuos para contel-os, deu em re-
sultado trovaren um conflicto, no qual fo-
ram feridos Manoel Ignacio da Silva, JoSo
Carlos do Oliveira e Jos Acacio Gomes,
sendo o ferimento deste ultimo considera-
do grave.
A tal respeito procedeu-se nos termos
da lei.
Assumiram o exercicio das delega-
gacias do termo de Limoeiro e do 2." dis-
tricto da Escada, os cidados Christov3o
de Paula Cavalcante Wanderley c Arthur
de Siqueira Cavalcante.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm.
Sr. conselheiro Manoel Alves de Araujo,
mui diguo presidente d'esta provincia.
O chefe de policia, Oeroncio Dios de Ar-
rttda Falcfto.
B^-P
DE
Repartirn da Polica
2.*fleccae.N. 1148Secretaria de Po-
licia de Pernumbuco, 21 de Setembro de
1889. Illm. e Ejcm. Sr. Participo a V.
Exc. quo toraw hontem recolhido Casa
do Detengo, os loguites individuos :
Reccbedoria Prnvlnclal
DESPACHOS DO DIA 20 DE SETEMBBO
1889
Domingos da Cunha Siqucira, Jos Tar-
gino da Costa, Joao Chrisostomo de Quei-
roz, Jlo Chrisostomo de Azevedo Villas-
las, Manoel Baptiata Rodrigues, Henri
que Carneiro de Almeida Bastos (2 peti-
c3es), Manoel Joao Diaa, Jos Castor de
Azevedo Souza, Laurindo L'laudino das
Chagas e Florencio Hermino do Carmo.
Certifique-6e,
21 -
Joaquim Eugenio Ribeiro Cato, Jos
Tavares de Menezes, Carlos Leitio de A.
Pedrosa, Luiz Lourengo dos Anjos, D-
maso J. Antunes, Manoel Gomes Pereira,
Francisco de Assis Ferreira Magalhles,
Ernesto Barbosa de Oliveira, Antonio Q.
da i osta, Jos Vieira de S. Fen-az, Jo-
ventino Cezar de Albuquerquc Mello, Ci-
millo Gouveia de Andrade, JoSo da Pieda-
de Gonsaga Xavier, Jos de Moura Cou-
tinho, Maximiano Francisco Neves, Fran-
cisco AfFonso de Oliveira, Antonio Pinto
da Cunha (4 peticSes) e Izidro da Costa
Gadelha.ortifique-se.
truecan Publica
DESPACHOS DO DIA 20 DE SETEMBBO DE
1889
Julia Maria Caldas Bocha.-Encaraiuhe-sc.
Auna Klysa de Oliveira Barro?."orno re-
quer.
Sebaslio Antonio de Albuquerque Mello.
Eiic.amiulie se.
Francisco Amancio da Silva Jus'.ifico-
Jos Francisco Cavalcante de Albuquerque. -
Cumpra-se e registre-se a apostilla constante da
certidao retro.
COKKESI'OAEUIAS
Dn Dlarln de Pernambuen
MARANHAO, 18 de Setembro de 1889.
Pouco tenho a dizer Ihe desta vez. O Sr. Dr.
Pedro Beltrao, presidente desta provincia, rev
lou-se um cabalista dos mais tem veis, seguin-
do o principio de que quem nao por mim con-
Ira min, S. Exe. tez a mais estranha prvsso
sobre os eleitores, que sao empregados pblicos.
Crei que nao erro animando que nenhum
fu accionario iteixou de votar com o governo-
Do G* districto ainda se nao coahece o resul-
tado ; em 4 foram eleilos, a ferro e fogo. os can
didatos olliciae3. i) Sr. Gomes de Castro con
seguio romper as mallas, elegendo se, oquedes-
gostou muito ao presidente e aos seus agos,
porque a ordem do Sr. de Ouro Preto era, dizem
de que nao deixase:n escapar nenhum conser-
vador.
Entretanto afrmain que lia actas falsas na
eleicao do Ilustre conselheiro c allegacio ideu
tica se faz em relaco ao 4o districto, por onde
foi candidato o Sr. Costa Rodrigues.
Os libanes, se curaprirem a promessa feila ao
eleitorado para fisgar os votos, devem, como o
Sr. Gomes de Castro, fazer opposicao ao gover-
no, que ja ieclarou nao aeccilar a indemnisac&o,
pela qual elles se comprommetteram pugnar! ..
No dia 10 do correle falleceu o illustre
mannhense Dr. Carlos Fernando Ribeiro, Baro
deGrajali
S. Exc. foi diputado gcral e provincial, vice-
presidente da provincia e presiimoso chefe do
partido liberal, em cujas lilciraa militou tmpfe.
Tendo poisuido bens de foitu-ia tinou se po-
bre.
0 seu enterro fji muito conco.-iido, pois, em-
bora poltico extremado, gozava o Barao de Gra-
jah de multas .-yoipalhias, mesmo entre os seus.
arios.
0 presidente da provincia, embora estivesse
te a familia du illas* que fez os
convites para o enterro, tomau para si csaa in
cumbeucia, provavelmeute para mostrar oquan
to llic fi penoso o trespass do Baro de Gra -
jah.
Ordeuoutambem o Sr. Pedro Beltrao,
jorns
Casimiro Vieira Jnior e Paula Duarte. E' bem
escripto e inteiramente neutro em poltica.' Veio
supprir ama lacuna qu^ havia no joroalismo da
trra. Payo votos para que techa lonfa vida.
FaUaceu o negociante portuguez Jos Cae
tao Pcfeira dos Santos, estabelecido, desde
nuiilos annos, 4 ra do Sol d'esta cidade.
O tftegraphp annunciou ter sido nomeado
apjunclo da cadeira de clnica medica, diz a Pa-
cotithn, f> nosso cstincto comprovinciano Dr.
Kayinuimo Mira Rodrigues.
E4 Irabalhando n'esta cidade a cempanhia
equestra dirigida pelo Dr. JoSo Gomes Kibeiro.
vap comecar breve as celebres novenas dos
Remedios. Deus as traga, pois s quando se
vi.e ura ppuco n'este velho Maranho.
Tiana es^uecido dizer-lhes que. mesmo
antes da. morte do B. de Grajab estava scindi
do o partido liberal d'aqui, para o que concor
reo niu+to a acintosa exclusao do Dr. Vianna
Vaz da chapa para depotado geral.
O Dr. Sardinha, ura carcter serio, agrade
cendo 03 votos que obteve para deputado pro-
vincial pelo i* districto, diz, entre outras coisas :
Nao deganimem os meus amigos, 6 ephemero
o triurapho da gente que anda vestida com libr
do-governo, ha muitas coosciencias revolladas e
mais cedo do que se espera soar a hora das
reparacOes, e a bandeira liberal, redusida a far
rapos para cobrir a cabeca desmascarada de n-
dividuoeem pudor, ser, mais tarde, sustentada
por raaos lirapas e patriticas e continuar a gui-
ar os nossoa concidadfios a conquista do verda-
deiro progresso.
0 Dr. Antonio Xavier de Carvalho, liberal foi
deinettido do cargo de promotor de Caxias, sob
pretexto de estar Creando difliculdades ao can-
didato official I
Viudo imprensa e provando com documen-
tos a sem razo do acto praticado pelo Dr. Bel-
trao, dia o Dr. Carvalho :
0 pnblico que leia e aprecie os documentos
que abaixo transcrevo e faca urna idea de quanto
sao capaza esses polticos governtstas, que dpeem
de um presidente violento, sempre doal aos seus
mais insignificantes caprichos.
Um pouco forte, nao acham ?
Pelo S districto, a que pertence Caxias, foi
eleito deputado provincial o paedo Dr. Carvalho.
Boa resposta ao governo.
Com a morte do B. de Grajab mais se vae
accenluar a lucia, pois ha diversos pretendentes
chelia, d'entrc os quaes os Drs. Fernandes.de-
putado pelo Io districto e Costa Rodrigues, pelo 4o.
QuoTuveneer ?
.ifii- h/4UP| na a4eia U'u.u
capii*HJJ*flHO ije monios. O (ie*
no. a qu'CRjattavam apenas 9 niezos para cuta"
prir a pena-, aoe Ihe Cira imposta, fez cousas do
arco da velfta.
Muito pode a estupidez t...
'iffltSTliRy t v
?
**
ip
IS E GOMEBCIO
O co.iselbo administrativo da Sociedade Pro-
pagadora das Bellas Artes, em sessao de 10 des-
te mez, e por proposta do secretario perpetuo,
Sr. Bittencourt da Silva, unnimemente appro-
vada, resolveu, considerando a alta convenien-
cia e grande ulilidade do seu objectivo e de ac
cordo com as prescripcOes dos seus estatutos,
abrir urna expo.-ico arlitisca, para a qual sao
rogados a concorrer todos os industriaes.
Ser inaugurada esta exposico no Lyceu de
Arles e Ornaos, no dia 23 de Novembro do auno
de 1890, 34 anniversario commemorativo da
fundaco da Sociedade Propagadora das Bellas
Aries,' e ter por fim mostrar o progresso da in
dustria artistica no Brasil, em suaa diversas ma
nifestacoes, podendo tambem ser exhibidos pro-
ductos de arte retrospectiva c de photographia
artstica.
Para facilitar o transporte dos produetos dos
que desejem concorrer a esse tornera sero no-
meadas comraisses de propagan Ja e de jury de
recompensas.

A Companhia Progresso Agrcola foi fundada
e lera a sua sede na provincia do Maranho, ten-
do por objecto a construccio e o custeio do en-
genho central de S Pedro que levou a effeito
com capitaes nacionaes, e sem garanta de juros
nem oulro auxilio pecuniario dos poderes p-
blicos.
este rgimen raanteve se a empreza al que,
reconhecendo a conveniencia de converter a sua
divida em empre9timo a lonao praso e juro m-
dico, solicitou e obteve garanta de 6 % sobre o
capital de 750:00")* que Ihe foi concedida por
decreto de 22 de ezembro de 1888.
l'ltimou o engenho central a sua o' safra, na
qual trabalhu 16,171,670 kilog. de caimas que
produziram, 1,127,169 de asscar de todas as
cryslallisacOes, ou 6,970 % Levando em conia
o assucar convertido era aguardeute, o rendi-
inento 9eria maior de 7 0. Produzio a referida
safra o liquido de 60:8734>9, posto que a des-
peza da fabricacao hoavesse augmentado em ra-
zo de secca^aue tornou escasso o supprimeoto
de materia Mna a ponto de mal bastar meia
moageni em mais de metade da safra.
A 6" safra, comecada a 16 de Julho, offerece
aspecto muito animador, calculando a empreza
que o rendimento liquido exceder de 180:000*.
A inauguraco do engenho ^cntral de S. Pe
dro coincidi com a grande depresso por que
tura passado, de cinco annos a esta parte, os
preces do assucar, c esta imprevista
nem o cbim nem o coolie convm agricultor
brazileira.
O Sr. Vtsconde de Taunay, presidente da so-
ciedade, agradeceu em nome d*ella o grande
servico prestado pelo Sr. Dr. Castilho em escla-
recer o paiz ; tendo as euas informagoes tanto
maior valia, quanto provm de teslemuna oca-
lar, de observador emrito.
As palavras do Sr. presidente encontraran! as-
plauso unnime na assembla.
culTuri
, e esla imprevista circums-
.Mi necessidatfe que"feVc a c npro
de uomonics_. _0 n.etento Mol*-; 53 jfc. sugmer por mcio de onerosa divida a da^
fif4RcM^o seu capital, acari*tou-Ihe oillicalda-
es a (\0C o j,oveioo irjijierial procurou dar al
gura lenitivo pela sobreditu garanta. Tem no
em tanto a intelligente empreza, depois de haver
iuudado ura engeulio central Lera apparelhado,
conseguido melharar de muito varios servicos,
como, por exemplo, reduzindo de J para 4J"09
o prego da tonslada de canna, e alcajieando no
trarisporles Je assucar e agurdenle para o mor'
ca lo de S. Lniz abalimento de 5 reafi^em kilo-
gramaia de**assucar, e de 43000 ec-pipa de
agurdente.
A fabrica de S. Pedro representa na provincia
do Maranho e em todo o norte do imperio a
tentativa mais corajosa da iniciativa ia Iivi.dual
Ao lempo em que foi projectad^, bouve-se boCi
temeridade tenia- congregar niaraga de S. L
capital destinado, sem nenhutt^Mgtnlia do Es-'
tado, nem da proyincia, fundaead*de emprez -
que, em nenhuma outra do BraSi, achava inceii
tivo de lucros realisados era nroporcao satisfac-
toria. C
a^jutaros exeraplos que ento podiam ser in
WMSados nao crain para estimular capitaes, mas
Jtaro induzil os a absoluto retraliiinenlo.
Apezar disto fundou se a grande fabrica, tem
sttv mantida, e os seus accionistas nao perde-
r m a conlianca na bom xito do seu arrojo.
Pelo aspecto do interesse nacional, o engenho
c<:ntrat de S. Pedro cotstitue elemento eca;
de progresso.
E agradavel reproduzir estas lintr.s coai que
a directora fechou o seu recente relatorio :
No auno de 1882, em que chegaram as pri-
meiras machinas e pecas para o engenho cen-
tral S. Pedro, o local onde se acba a fabrica nao
passava de urna ex colonia de indios, otena-
mente abandonada, coberta de malo, com urnas
quatro cabanas de palha e urca antiquissima
casa de morada, cabrado aos pedacoa Hoje <
No Banco Commercial do Rio de Janeiro ec-
cerrou-e a iDscnjigo das acgOes relativas a um
terco do capital de 12,000:000000 do anco Co
Ionizador 9Agrcola, sendo cada aeco de 200/, e
devt'ndoapnffleira entrada, de 20^000, ser lojm
realizada.
Este estbe4eC!nicnto de crdito destinado,
segn loaergraiiima, a alargar a.despeza do
paiz earjirai; promover a seguranra e es.la
bilidade doitrabalho agrcola; a polycultura, de
tanta neceafcidade no B azil; o povoamento do
i inmenso territorio nacional, centuplicando d'ssa
sorie o sea valor.
Para Jewr a effeito taes dcsiderata, conta obter
reacs auxilios de Estado, entre os quaes o .do
4,000:000jf. pelo prazo de 15 annos, sem pre-
mio, para apresta'- lavoura (a 6 % sob .#1*
rantia de ptohor agrcola, cauco e hypollu-
e igualmerHe moa subvencao de 250000 por fa-
milia de iminigrantes, depois de colrocados, e de
200*000, ttas mermas candigoe, por familia de
colonos nacionaes, al ao numero de 10,000 fa-
milias.
A subscripto foi coberta qcatro vezes e d'este
modo os sufaecript&res tero apenas um quiulo do
subscripto, isto 20 '0.
E' a Dtimeira vez que assignahimos I&q franco
successo no lancamento do capital de moa so-
ciedade anonyaa.
Em Agosto ultimo foi laucado e logo coberto
na praca de Berlim o eraprestimo de 22,930,000
marcos de 5 '/ e 8, contractado pela co
Estrada de Ferro Oeste de Minas com ui
dicalo d'aquplla praca allem.
-
Os empr%3limos realizados pelo Banco d
lito Real db S. Paulo em virtude do ac
28 de Jurio de 1889, celebrado com o
impcrial.JSai sido na importancia de 3
hia
ya-
re-
de
no
:000*
coi gIbli* dbeos avahados em 3li:50u000,
sendo; #
Cauces de trtnlos a prazo de o
-rant :0:00OiC0O,
um novado floresoenle, com populaco de mnis
de duas mil almas, tendo casas de tenas confor-
tavfis e muita vida e inovimenlo.
HodeseraDre merecer-nos palavras de ani-
magf .as ol>ras de iniciativa individual que,
como esta, contribuirem para o progresso geral
do Brasil.
Assim pudessem ellas multiplicar-se, e, pros-
perando, desaliar cada vez mai3 o espirito de
empreza. '
Urna amostra do priniwro papel, producto da
importante fabrica dos rs-^Melchert c C, no
naos:
empre
Hypotb
annos
empre
a prazo de 13
nlia 444:500.5000,
56:
194:030*000
20:000,5000
No sala do Banco Industrial e Mercantil do
Rio de Janeiro tevo lugar a assembla consti-
tuinti" do Banco di L'woura e do Comnurcio do
BrazU capital 20,0()i):00<000, dividido em
O.Utio acefles de 2000O. tolas subscriptas, e
coja primeira preetico acha se j reaiiada nos
lalefnacional do Brazil e da InduJtrfa
O novo banco, que foi declarado constituido,
trr duas carteiras, scnlo uina agrcola, c para
a qual re
\ ni
de IJHios auxilios do
rial.
no, e
a Companhia Industrial
Berlim n. 228, de 17 de
situacao
ui! poni era relevo
retudo as pro-
iu |irova de que a ex-
. etou as funestas
Otocr-sr.
para a q :
acervo de ci-
Salto de Il, foi apresentadj^-nprecisco era
S. Paulo.
Tiolia a amestra 72 poj.ejadas' de4argura, o
que mo?tra que a fabrica pOrfe produzir pai>el
Ue dimensOes sufficientes para a itflpressao das
maiores folhas que 3e publicam no Bragi!.
Em pap-.l de irapresso e muito con-
e igual.
Primeiro papel fabricado no Brasil e in
nada inferior no esfPSngeiro, realmente libtf-
geiro para a iodusiria oaciona

Em reunto da Soffedade C-ntral
Sr. Dr. L-iiz tic Castilho leu

di' Immtgra
urna interes-
ante memoria sobre as obsen-acGes por
jirio follas 8a viagetD qu- receiiteniftitr
irehendeu A b c a qualidaile
los trabilhad'ires esi .ticos, com referencia in-
trpduccjio d'eiles '^bo aux-ilires de lavoura en
nosso paiz; e
ao patriotismo di S tntral e >
presidente, entrn em m
pecialidade a Guyana In
suas aprc"
cou : ; '.i-^ue o cnni'fo*:
porqi
regar ao peque:
rio-sorie qu? quera o ir.
Ihador rural
Qu ralo aog da In
de coolics iraba-
ou

O Mlnlaitcrlu da Agriclttira e
fompaania entrada de Cerra de
Santo* a dundiany.
(Naco da Cortc^
No otario Offkial de 3 do corrente mez foi pe-
blicado o aviso seguate :
Ministerio dos Negocios da Agricultura Com-
raercio e Obras Publicas.Directora das obras
publicas.1. 8ecs'.o. Bio de Janeiro, 30 de
Agosto de 1889.
Illm. e Exm. Sr.-Communico a V. Exc, para,
sua intelligcncia e devides eQettos, que o gover-
no imperial, tendo em vista a interpretaco dada
por imperial resoloco de 21 do corrente mez,
tomada sobie consulta de 10 do mesmo mez. das
secces do imperio e justiya, do conselho de es-
tado, a clausula 23.' do accordo approvado pelo
decreto n. 3323 de 7 de Janeiro de 1874, que es-
tabeleceu prazo para, na forujaco do juizo arbi-
tral, cada urna das partes responder ao aviso da
outra, decidi que a ourigaco imposta compa-
nhia da estrada de ferro de Santos a Jundiahy,
pela clausula 33.* do decreto a. 1597 de 26 de
Abril de 1836, ao sentido de partilhar com o go-
verno a importancia dos seus dividendos que
exceder de 8 /., subsiste emquanto permanecer
a garanta de juros do estado; si, porm, a com-
panhia em virtude da clausula 23.* renunciar
essa garanta, cessar semelliantc partilha desde
a data em que fizer a companhia intimaco ao
governo sem que seja ainda devida a restituicao-
de quaolias por este dispeadidas, visto jase
adiar completamente embolsado dos juros pagos.
Deus guarde a V. ExcImreny> Cavalcank
de Albuquerque.A S. Exc. o Sr. euviado extraor-
dinario e ministro plenipotenciario do Brazil em
Londres. *
E' sabido que o governo imperial reclamava
da companhia estrada de ferro de Santos a ua-
diahy o comprimento da clausula do contracto
por ella celebrado com o mesmo governo e ap-
provado pelo decreto o. 1597 de 26 de Abril de
1836, pela qual teria de partilhar com o governo
o rendiraerlo que excedesse de 8 % em com-
pensago da responsabilidade que elle assumia
pela garanlia de juros Tal diviso de lucros s
deveria cessar cora a renuncia por parte da com-
panhia da precitada garanta de juros.
Tralando-se de urna empresa nova no paiz,
cujo resultado econmico era incerto, acoiupen-
saco estipulada pela alludida clausula 33.' do
decreto de 1836 era muito justa em vista da
grave responsabilidade que o governo brazieiro
assumia pela garanta ue juros de um capital
eley^ite.peU lac^o priuw.ax 90 annos.
' Puibera, ag*-maitos annos de trfego
gratas posteridaue sempre crescente da pro-
vincia de S. Paulo a companhia ingleza de San-
tos a Jundiahy conseguio successivamente dis-
pensar a garanta do eslado, reembolsa! o dos
juros pagos por conta da dita ga antia, em quanto
sussistio e por ultimo distribuir dividendos ex-
cedentes de 8 /., sem cogitar de partilhar com o
governo o excesso deste limite. Pelo contrario,
por motivos que ignoramos con testa va ao governo
direito a essa, divisao de renda, confuudindo a
Tfc-com o direito muito distincto de reembol-
das qun'ias pagas em virtude da garaa-

5 reclamaco do governo imperial res-
a compohia no auno liado provocando
arbitral estipulado no decreto o. 5,528
% Janeiro de 1874 como competente para
r as questOes suscitadas entre ella e o
o governo.
Acceitou este o aviso para a instituicio do
juizo arbitral, em lempo til e forma regular no-
raeou o seu arbitrio e nao acceitou o nome indi-
cado pela companhia iagleza para arbitrio des-
empatad o r.
A companhia indicon dous nomes e entre el-
les o do honrado ministro da agricultura, o Sr.
conselheiro Lourenco Cavalcanti de Albuquer-
que. '.- P
Com a delOga4)i-.ca3op.ada-pela diligencia de
rliegar-sc.ruinaccordo paru coaipleiar-se O
juizo arbitralla escolha do arbitrio desempa-
tador, a compania susciiou urna queslo inci-
dente a respeito da qual o governo scrvio-se do
ouvir o parecer da seccOes reunidas do imperio
e da juslica do conselho de estado, as qaaespor
qnatro votos contra dous opinaram contra a pre-
tenso da companhia.
Q.ialquer que teulia sido a resolucao tomada
pelo governo sobre a consulta do conselho de
estado, nao podia ella versar seno sobre o in-
cidente suscitado a proposito da form-ico do
juizo arbitral, para dar-se ou nSo por excedido
o prazo designado para sua instituicao e de ac-
cordo cora a deciso sobre este incidente dar-se
ou nao por prejudicado o juizo arbitral provoca-
do e pe adquirido para a companhia que o pro-
vocou o vencimento de sua preteoso, que era
nao dividir com o governo o excesso de renda
d> 8 % ao anno.
Entretanto no-foi isto o que decidi o aviso
ministerial transcripto, o qua^ suppouiio pwju-
dkada a queslao incidtc' e-coni ella ojutzoar-
Jjilfal cm v de loWBiao, a'miiquilou o direito
iicrfci'.o do governo ais i sao da renda exceden-
iWe 8*|o ja veritlcan.-i pela^ompanhia nos ul-
jlsrras anuos, conforme elle, redairava. Para isto :<
o-irtiso reincide no erro Je eo'.mmdir coasas en-
tre si mui distinctas como sejam a diviso da
rend. excedente de 8 p|,como comnensgo pela
sabilidade da garanta que-o. estado pres- ,
ton e o reembolso j iirecluado pela companhia
d juros pagos peto governo em virtude da ga-
ranta.
Se a immorali:!ade administrativa, contra a qua{
tanto clainou a situacao liberal, u5o ti ves je sido
sepultarla cora a situacao conservadora, seria ,
caso de interrogar o ministro refcrenJano do
aviso se como pessoa indicada pela companhia
para servir" do arbitro i.'esempatadop.podja tomar
como governo a deciso que o juizo arbiirai nao
c!i-'goua.tom:ir..
rj.iio do nobre ministro nao
"acucia deste na escolad
va do linado Souza Car-
% 4,lae;iacoiJI'ao
la corle)
Pe msito D" lribua de Prov,dea-
.linist os da fazenda antecessores
ii nao acredite que se
raen de circulacSt
ndesse smenteda
,.Xpt 'lo hontem. desdo
muitod idos dosel
verrio disueusa Jado
o probl'iii
ver-
nis-
voto
! esdo
nira



. %


Diario de Pernambuco--Domingo 22 de Setenibro de I ^9
emissao, e so
om circunrastan as < sis un
entretanto e crescu ao po oto de tornar-se nica
e exclusiva, naj distan le o varios expedientes
iu-'eridos e decreta los para a gal abaltcSo ra-
dual, como se propoa agora reilizar o .'overno.
Releva notar qui por urai coincidencia capri-
chosa ou incxplicavel, a eraissao Q laclara eres-
teoimu'diatara ;Me depois dis raiis vehemea
lf npnstroBhes contra a sua minatenclo e de-
sastrosos cfeitoi I
Neste sentida ch goo-se a wrpret de m
sar-se nova enusso concurrentemente coort div
eretaco ila. qaeioia de urna poreo poodo-se assin cm pratica oj doas procesaos
graduaes-o de suppresso e o de aug moto !
Tudo quinto poda seria lie dj Coi coito pira
xtrahir u canoro Huancar >, \ e continuon a di-
latarse ccnseguiud i familiarisar se coa o en
ferino, a pon di unten! dren alguns prall>3
que sena elle seria impossivid i cara.
Pfomessas, protestse rt juramentos de so-
beranos e governos, nio faltara na historia flnan-
eeira dos pavos de reduzir, de nao augmen.ar
ou de resgatar grada'mente o pap;:l ra ieda.
Nao somos os aicos reos de seaulhjnte iofi-
ielidade, que por usual doixa de impressi-onar
a coDseiencia dos contrbuioles coodemnados a
earregar com as culpas albeias.
Bem feizes seriamos nos se o decreto publica-
do hontem fosse a ultima proinessa desfeita ''on-
Ira a irresistivel finja de outros elementos nao
considerados.
O qtO lia de real e eff-ctivo o empre3timo,
anta iiieineraciVdas olas parece mais pru-
dente esperar que se ateie o fogo da fornalba.
Temos razio para duvidar diante de meio se-
clo de promessas e protestos vaos.
Nao so a experiencia como arada o conheci-
nento 'la situac&o presente, insinuara em nosso
espirito a conviecao da ini-xequibilidade do de
treto de hontem.
Tudo o que se tem fcito com tanta ditigeiaa,
o que'est apparelhado, nao basta para ani-
arse o IIm t3o desejado -Taita o principal e o
fficil-ocrjuilibrio real da receita com a des
peza-,poni obligado e de segnranca da organi
sacao do crdito publico.
Seja como fr, e raelbor seri apurado, o go-
rerno <-ncetoa urna fmpreza impossivel a seus
antecessores por cireumstaacias de torga maior.
Em 1884 dizia o conselheiro Lafayette :
Esta reforma (a do meio circo-
lantei nos imporia sacrificios, que ae
nossascireumslancias linanceiras, por
emqiranto nao admitiera. Teremos,
pois, de viver anda por algunr, annos
sob o rgimen do papel-raoeda.
As cirrurastancias ftnanceiras mudaram tanto
ora a administraco do partido conservador,
sao obstante a le de 13 Je Maio, aonunciada
orno o principio da nossa bancarrota, que no
mizo do governo actual admiltem-se os sacrili
cios impostos p> la reforma do meio circulante.
E' esta a primeira conflssao do ministerio de
7 de Junho e que temos o prazer de registrar.
de costume n'essa f.-sta de caridade, que dever
mais ama vez as*igniar-3e pelo brilli osmo que
REVISTA DIARIA
SU
ti
3
est
amm ofUci. o-Por actos da presidencia
da provincia de antcboulem :
Parara uo.iieadoi Manoel Theophilo da Silva
6unnaraes e Alfredo de Azevedo Campos para
os postas de lenles da 5* e 6' companliias do
! carpo de cavallaria da gurda nacional da
eoniorca da Escada, na ordem de sua collocacao,
em sulwtituico de Jos L jz de Franca Caldas e
Ignacio Cae'ho da Silva Vieira, que nao solcila-
ram as respectivas piteot*-s no prazo legal.
Declarouse, em addi'amento portara de
19 do correte, que o prazo de 23 de O tubro
prximo vindouro para o recebi'Qento de pro
postas a fundacao de II engenbos centris
abrange os de que tratam os editaes de 10 de
falli e i3 de Ago=to ltimos, requeridos por
Jos Bernardino de Bourbon Arantes e Manoel
Antonio dos Santos Das.
Foi prologado por tres mezes. sendo dous
eom vencuoentos na forma da le e ura proviso-
riamente e sera vencimentos, a licenca com que
se ada o ajudante do director do presidio de
Fernando de Noronlia, lenle Jos dos Paasos
Queiroz.
dem por mais 20 dias, a coaUr daquella
data, o prazo par. recebimeiito de propostas, em
arta fechada, para a fundago de urna fabrica
de cemento, preparado com materia do paix, a
ne uilude o cdiial de 16 de Julho ultimo.
Colwula uaMuna Foi dirigido pelo
presideo'e da provincia o segamte officio do Sr.
inspector de trras e colonisagao nesta provin-
cia :
5 lCfo 'alacio da presidencia de Pernam-
imc,20 de S-lembro de 1889.
Em addiiaraento ao meu officio de hoje re-
cominendo a V. S. nue as concessOes dos lotes
de trras da colonia Suassuna nao disponlia dos
que se achara prximos da cidade deJaboatao.
Outrosim, remeti I he as |>otig6es sobre as
fuaes nfonuoo me em officio de 17 do crreme
sob n. 17, para que llie irva dedirecgo na dis-
IribuicSo dos lotes de trras.
Deus guarde a V. S. (Assignado).tianotl
JJtes de A'aujo. Sr. engeotieiro Gregorio
Thaunwturgo de Azevedo. >
1 *. inico collfgio que fallava do 13.* districio.
Foi-esga volaoto :
Br. Antonio de Siqueira *)
Dr. Moreira Al ves 8
Resultado final :
Dr. Anionio Mauoel de Siqueira Caval-
cante (L)
Dr. Jo Moreira Al ves (C)
Capitao Catiro e Silva
Dr. Martins Jnior
E sendo a niaioria absoluta de 4*3 votos,
ekito em !. eserutinio o 1.' votado.
J universa rioNa prxima- "ter^a feira.
14 do corrate, fazem 55 anuos que falleceu o Io
jmp'radoi do Brazil, B. Pedro de Alcntara.
Por es se motivo haveri sa'vas as 6 horas da
maoli," i e 6 horas da larde, dando as fortale-
zas nos nlervallos um tiro de tO em 10 un-
KAos. ,. ., .
Tambem Cizen no m 'smo da Si do corren
te, 60aiinos que foi errado o Supremo Tribunal
de Jiutica.
Club Cari* Sonaew Amanha, As 7 ho
ras da noite, deresa rennr se em assenbla ge
ral os socios do Club Carlos Gomes, para o lira
de dareui cumprimenlo ao disposlo no g 1* do
art 18 dos respedivos estatuios.
IU*am 4eu< to* Afllictos Hoje. na
igreia de S. .os de Biba Mar, celebrase f<-sta
do Seubor Bom Jesoa dos AlTlictos, constando de
mBsa-eoleinni' s 11 hoias do da com sermo
peloRevd. J.iao Ausu-to Pereira do Nascimento,
e de Te Dew Ss 7 li iras da poite. precedido de.
sermao pelo Kevd. fre Augusto dalmmaculada
Conceico Al ves
A' larde no largo 1a igreja, que estar embaa*
ieirado, tocar a banda de msica do 2* bata-
Ibau de lofanlaria.
I-aprcnoa A Livraria Quintas, ra de
Margo n. i, obsequiou nos cora um excmplar de
sada um dos sraaiatea nvros :
O Sato Verde, romance de Julio Verne, que
fu part da grande edicSo popular emprehendi-
da e levada a effeilo pela casa David Carazzi, de
Lisboa.
A mdi e o fho. verso do italiano, da Bibliotne
m das Man de Familia, livro til as donas de
rasa e mais de familia pelos bons conselhos que
Ihes d em relagao aos cuidados com a prole.
Agradecemos o minio.
Concert de utiarra Italiana E'
amanha, que. no salao do < lub Inlernacwnul
realisam os Sis Jos Martnez Tucuso e Prxedes
il Ovozeo o seu 1* concert de guitarra hespa-
abola.
Os distincios artistas que, em reunio selecta,
eram as raelhores provas do seu talento, mere-
rao de cerlo do publico desta cidade os applau
sos qu" conqoistaram naquella occasiao
Elies luereeem ser ouvidos, e nos liamos que
ser bem concorrido o seu concert
A Septentrional Hoje tarde deve in-
Mlar-se, na freguezia de S. Fre Pedro Gongil-
ves do Kecfe, urna soe.iedade recreativa sob
aquella danominacao, cujofim proporcionar aos
esfiectivos associalos e seus convidados um re-
treta dansante aos domingos e dias sanctilica
dos.
oapttal' Portusjuea Hoje solemnisa
essa fcniieiiierita iustituicin o 3i. anniversario
de san inslallagao, estando franqueado o res
hv mlill i a visita publica das 9 horas da ma-
mb s U) da noite.
Durante esse espago serao celebrados os actos
tem-n'a distinguido nos annos. precedentes.
lubatllulcao de nutiu-Como este mez
lermina a proro'gagao do prazo nara a substituigo
sera descont das olas de 209*000 da 5." estam-
ia ; e aps ella entrara as mesmas notas a sof-
rer o descont proporcional, eslabelecido na lei
n. 3,313 de 10 de Oulubro de 1886.
O dem 3 de N. Fraaoiaeo Hontem
proceden cssa, veneravel contraria eeigo do
sena diffliatios, sahindopleitos ministro e vice-
ministra os Srs. :
Ariur d-! -daza Carvalom e Ciemoatino da
Faria Tavares.
Secretario 0 Sr. Joao Googalres Perete-
ico-O Sr. Antonio Joaquim da Cesta.
yigarioO Sr. Jos Carlos do Reg VsJenga
Mestre0 Sr.'S.-verino Martins.
Visitadores os Srs.:
Di Becife Maooel Collago Dias.
D" Sant-o Antonio -Antonio Pinto da Silva.
I) S. Jos -Jos Soires de Siixas.
Da Boa Vista Joaquim de Souza Monteiro.
Procuradores os $t$. :
Dj hospital Jos Ferreira Pinto de Magalhaes.
Do Recife-Tiburcio Adelino de Oliveira.
De Sanio AntonioM*o*el Lopes Vieira.
Da S. Jos.1 -Jos Ferreira Lopes.
Di Boa Vista -Joao Ferreira de Oliveira.
Definidores discretos os Srs.:
Joa.iCarJoso Apea.
Jos Candi lo de Moraes,
Franciscj Jos da Silva Guiuiares.
Mauoel Joaquim dos Pasaos Guiuiares.
Barao de Casa Forte.
Francisco Jos dos Passos Guimaraes.
Definidores Novo* os Srs. :
Francisco de Paula Couceiro.
Joao Januario Pin'o de Azevedo.
Manoel dos Sanios Araujo.
Manoel jngajves Esteliav 4.
Joao \fres de Preit.
los Jlo <** vAmorim
Re iMla Siportlta Recebemos o n. 8
dessa publicagao do nosso turf, que contina a
manter a reputagao, que ja obteve.
Agradecidos pelo visita.
Caso Cnrlopim fnforraara-nos que se
ada completa a quanlia que. por subscripgao po-
pular, foi levantada para fritar um vapor nim
de trazer de Fernando de Xoronha a ex-pr.iga
Anionio Cbrispim de Oliveira.
Informam-nos mais que o Sr. Dr. Gaspar de
Drommond ja requereu a S. Exc. o Sr. conse
llieivo presidente da provincia a iodispensavel
licenga para me o referido vapor possa fazer
aquella exjnrsio; e que S. Ex mandara ouvir
a respeilo o Sr. Dr. ehefe de polica e o Eitm. Sr.
comrnandante das arana.
Club Itinerario Olfuuet Jnior
Ni quinta-feira, funecionoa esta sociedade em
sesmo ordinaria, entre os alumnos do Instituto
9 de Abril.
Lida e apurovada a acta da anterior, foi em
seguida lina a chronicr. primaria e anal appro
vada.
Depois de agradecerem os cargos para que fo-
ram sorteados os e 2 secretarios, adjunto,
orador, vice orador e thesoureiro, foram sortea-
dos o? Srs. Alberto Pinto, que discuti -a La
cahira alguma vez na Ierra -; o Sr. Jos Jorge
sobre abiographia de D. Vilal; Jos Ferrci
ra, sobre adescripgao da America ; Olyrapio
Gal vio, sobre a-melhor clussilicago das sci n-
cias e Virgilio Almeida sobre aHistoria de Por-
tugal.
Encerrada a primeira parte da ordem da ses-
sao, foi aberla a segunda, na qual o Sr. Jos Jor
ge apreseotou um parecer dos debales sobre o
personapem Anco Marcio.
Depois de alguns requeriraenios forara sortea
dos clironistas, primario o Sr. Muximiino Bote-
tito e secuivlario o Sr. Luiz Estevao.
E nada mais navendo a trafar, o Sr. presiden-
te enceirou a sesso.
lurr de (inmellelra Sob a presiden-
cia do Dr. juiz de direito Jos Mara Moscoso da
Veiga Pessoa funcciooou es'e tribunal, oceupan
do a cadeira da justica o Dr. promotar publico
Sergio Dioiz de Moura Mallos e a dev^derivao o
respectivo serventuario Herculaoo Guimaraes
No da 17 foi suhinetlido a juramento o reo
Joaquim Jos Ta vares j/onunciado no artigo 193
do codiao criminal.
Tevo por patrono aprofessor Sebastio Bran-
do e foi unnimemente absolvido, appellando o
Dr. juiz de direito para o superior Tribuual da
Reiagao.
Nodia 18 foi subuiettido a julgaraento o reo
Antonio Ferreira Luna pronunciado no artigo
201 do mesmo codiyo.
Teve por advogado o cida lo Argerniro Lo-
d.-gario de Senna Santo3 c foi unnimemente ab-
solvido.
datan nudasHontem a 1 horada tarde
foi preso no Paleo do Paraizo o individuo de nome
Francisco das Cbagas, em cuja perseguigao iam
diversas pessoas do povo.
Chagas havia no *'fS ti de Novembro passado
as raaos em urna barrica com farinha de trigo,
do armazem dos Srs. Henry Foreler 4 CT, e ia ra-
laudo a pela rna de S. Frubcisco quando, tendo
se dado pelo furto, correram em perseguigao do
gatuno.
A ordcoanga do Sr. subdelegado da fregucm
de Santo Antonio fo| quein elTectuou a prisao.
A barrica, que ticasa abandonada na ra, tor-
nou para o armazem.
Cnmpanha abolicionista Vimos non
tem as medalhas qne brevemente serao distri-
buidas aos abolicionistas desta provincia, qne
tanto se dislingairom na gloriosa campan ha Ira
vada contra o escravismo
Sai de nikel e foram fabricadas nos Estados-
Unidos. O lr3balho o mais perfeito que se
pode desejar.
N'uma das faces existe em relevo a celebrada
baara, emblema da abolicSo cm Pernambuco,
e os seguinles di te res :
Libertes qua sera tamea.
Lei u. 3353. .
N'oolra :
Gampanha Abolicionista de 1880 o 1888 em Per-
nnmbwo
Patrimonio Tobiun Brrelo -Por in-
dicagao da commis'ao de sennoras incumbida
de axcociar donativos para o patrimonio Tobas
Barrlo, remellemos lionten, sob envoltorio diri-
gido & mesiiia commissao para a Paarmacia
Francesa a quantia de 15000, que nos foramen -
viada cofa aquelle lim pelo Sr. aspitao Arrfajjse
G. de Giismo Lobo, e de que lizeraos raencao ha
dias passados.
Aa*aasinato-Aote hontem s 6 horas da
tarde, no Campo Grande, 2 dislricto da fra
guezia da Graca, Silvestre Jos do Nascimenio,
ferio incrtalmente com urna facada no neio es-
qaerdo. ao subdito portuguez Domingos de Sou-
za Monteiro. que pouca momentos depois suc-
cumbio.
Foi preso era flagrante delicio o criminoso, o
respectivo subdelegado, toawndo conhecimento
do fado, procedeu as diligencias da lei.
ConOieto e CerltnentoNo dia lo do
corrente, no engenio Aripib, da Bocada, trava-
rara-sc de razes Joao-Garlos de Oliveira e Se-
basiiao Lmacioda Silva.
Apre-entando-se outros individuos para con-
tcl-os, travou-se um conflicto, sendo feridos gra-
veini nle Jos Acacio Gomes e levemente Manoel
Ignacio da Silva e Jo%o Carlos de Oliveira.
Preccdeu a ta: respetto a respectiva autoridade
policial nos termos da lei.
Manireniaeao -Amanha, as ll|2 horas
da tarde, os presidentes das mesas elei'.oraes do
1* districto e diversos amigos do Sr. Dr. Joa-
quim Nabuso prelendem ir levar Ihe o diploma
de depulado gera! pelo Humo dislricto
D-vem elles reunir-se na ra do Bru, de
onde partirlo, era carros da Cornpanhia Ferro
Carril, para a casa do Derby Club, onde se acha
Hospedado o illusire deputado.
Club liitieraurlo 4ye CamaTem
lugar hoje, pelas 10 horas da raanha, em untadas
salas di Escola Normal a 13.a conferencia pu
blica d'esle club.
Occupara a tribuna o orador do club, Sr. Ar
thunio Vieira, que fallar sobre a Urgente re-
forma da Escola l'ri.naria.
Consla-nos que mijitos convites forara feilos,
para assistencia couterenc a, sendo de esperar
graude concurren'ia, tienta a inagnilude do as-
sampio, e a sympalhia de que gosa o club.
Tribunal do Jury do Becife Deve
se- abeita amanha a 5* se. gao ordinaria de3le
Tribuual, para a qual forara sorteados os jurados
segrales
Freguezia do Heeife
Prancelioo Domingus de Moura.
Antonio Joaquim Ferreira.
Joao Francisco dos Smlos N-ves.
Tueod Christiansen-

Freguezia de Santo Antonio
Dedo Augusto Rodrigues da Silva.
Joaquim Jos da Costa Valente.
Fenclou Piuiciro de Mondo?ca.
Luiz Gomes da Silva Jnior.
(darlos Jos do Me leiros.
Antonio-Venancio da Silveira
Antonio Berardo de Lima Mendes
Dr. Mno'l Clemenllno do Barros Carnero.
Jos lldi-fjuso Birbosa de Miraola.
auguslo Cazar Couceiro de Mallos.
SeLasiio Lopes oimiraea.
Frranezia dt S. I9U
Liudelino de Luoa Freir.
Freguezia da Boa Pista
Jorge Clemente ue Barba Cavalcante.
Francisco Marcelino de Aoural.
Antonio Cavbanle de Alouquerqoe Pimentel.
Fioriano KodrigU'S do Pasao.
Antonio de Mude i ros Mafra.
Eroslo Jos Fe!ippe Santiago.
Fellppe Benicio Cavalcante de Albuquerquc.
Telemaco Cavalcante de Mello.
Rodrigo Jaonie Martins Pereira.
Dr. Lindolplu Olimpio dos Reis Cara pello.
Dr. Antonio Jos de Almeida Pernambuco.
Fraucisco Pereira Vianna.
Tnoaaas Caiwiro da Cunba..
Dr. Julio Tenorio de Albuquerque.
TeuenteFrmcisco Evaristo de Souza.
Antonio Jos da S.lva.
Joao ViCior Alves Matheus.
Dr Feliciano Placido Ponlual.
Freguezia da Graca
Dr. Joo Rodrigues de Moura.
Arthur Augusto de Almeida.
Dr Ignai 10 Joaquim de Souza Leao.
Joo Brindsley Fox.
Joao Ricardo da Silva.
Francisco Goncalves Ferreira.
Freguezia de Afogados
Candido Goocalvea Torres.
Antonio Caldas da Silva.
Dr. Jos Ozono de Cerqueira
Antonio Mach.do Gomes da Silva.
L-oncio Quinlino de Castro Lelo.
Freguezia do Poco
Jovino Banal da Fonseca.
Jos Burle.
Freguezia de S. Lovrengo
Juliao Ferraz Daltro.
ssecliinaaco Aqui inserimos a que nos
dirigem sobre b servigo de que trata a mesma
reclaraago :
Srs. Redactores. Nos passageros dos trens
da via ferret do Recfe ao S. Francisco rogamos
a Vv., se dignera de chamar a atteoco da em-
presa Ferro Carril para o contracto que esta
uiantem cora a estrada de f 'rro aun de bavjr
bonds as horas dos trens no desvio, para esse
lim mandado fazer.
-Nesles temposde veraoem que o calor ex-
cessivo, nos os passageros que chegamfia no
Recife s 10 lloras c 20 minutos da manhS, es
peramos encontrar um bond para conduzir nos
mas debalde esperamos sera mais resultado do
que a peda do lempo. Al ha prejuizo para a
mesma empresa Ferro Carril. Mas o que fazer ?
Nesla lena s se cumprem os contractos onero-
sos para o Estado Recife, 21 de Seterabro de
1889. .
Servico astillar-Entra hoje de superior
do dia o S*r. major Alves e d*. ronda de vuila i
oficial de cavallaria e araah o Sr. capito
Silva e de ronda 1 oficial de cavallaria.
O 2' batalhao dar as guardas daDetengo.
Alfandega e Palacio, e o ofiicial para a da The
souraria de Fazeoda que ser dada pela compa-
nbia de operarios miliUres e o 14 as da Enfer
maria, Tbesouro Provincial e Bmra.
Existem na enfermara 17 pragas en trata
ment.
Entra de semana hoje na eufermaria o Sr.
capello conego Martins.
Seguem boje para o Hippodroino do Campo
Grande, duas torgas uraa de cavallaria coraposla
de 1 inferior e 8 soldados e outra de infamara
composta de 1 inferior e 10 soldados disposi-
co do Dr. delegado do 2o dislricto.
Directora da obra de conserva
cti loo Porto de i*ernanucoReci-
f--.. 20 de Setembro de 1889.
Boletim meteorolgico
lloras ** 1!
0 0 ao
e^
6 m. J2-5
9 28'-0
12 28-3
371. 28-4
6 27 3l
Barmetro a
0
761'76
763-03
762-47
760-47
761-09
Tensa
do vapor
g
S
17 87
20.70,-
20,3 J|
20,73
20.18
87
74
71
71
78
Temperatura mxima29,50.
Dita mnima 22,O0
Evanorago em 24 horasao sol: 7c.O; soa-
ora: 3" 8
Chuva nulla
Direcgo do vento : ENE de meia noite s 3
horas da larde i SE com interrupgoes de ESE
at meia nove"
Velocidad; media do vento: 2-,14 por se
Nebulosidade media: 0.36.
Boletim do porto
de Setemb.

de Setemb.
Horas
2 04 1a Urde
803
222 da manh
Altor.
i-,97
0-.80
J-,03
LetibcaEffectuar-se ho os segrales :
Terga-feira :
Pelo agente Gusmo, s II horas, roa Mar
quez de Ofinda n. 5, de fazendas linas, e de lei.
lasan fnebresSerao celebradas ;
Amanha:
A's 8 horas na igreja de Apiparos, pela alma
de los da Silva Neves ; s 7 1/2 horaa na matriz
la Boa-Vista, pela alma de Antonio Maria Mar
ques Perrelra.
Terca-feira:
A's 7 vBB- na igreja de S. Francisco pela
alma desJPFnardino de Souza Duarte.
sassaeiros-Chegadosdo norte no vapor
nacional Jaouinoe :
Dr. Joo D'.ooiaio FigUMredo, Dr. Elpidto de
Medeiros, l'aschoal Cariello, Manoel Virgoltoo,
Sledonio A. da Costa. Marcello Urabellno e sna
senhora, Luiz da Costa, sua senhora e & filbos.
Sahidos para o sul no vapor americaDO Af-
lianca
L. asmonet, Len Atlalinard, Augusto, Joo Se-
ralira oe P. Serra e I lilho.
Casa de WetencaoMovirnento aos pre-
sos da Casa de Detengao do dia 20 de Setemb re
de 1889.
Existiam 430 ; entraram 9; sahiram 17; exis-
tem 442.
A saber: N
Nacipnaes 383 mulberes 23 ; estrangelros 31.
-Total 442
Armcoados 396
Bons 368
Doentes 24.
Loncos 4.Total 396
Movimento aa enfermarla
Tiveram alta :
Joaquira Ignacio de Souza Cordeiro.
Joaquim Domingos de Lira i.
Francisco Bekrao Gom^s Silverio.
Jos Dominyues dos Santos.
Manoel Valentim da Silva.
Joo Campello Bandeira.
Hospital Pedro II O movimento deste
Btabelecimento do cari.lade, no dia 19 de Selem
bro foi o seguinte :
Entraram 18
Sahiram 17
Frileo
;tem' 592
Foram \isitada as respectivas enermarla^
oelos I
Moscoso s 8 1|4, Cyflneiro s 10, Barros Sobri-
nho s 7 Ii2, Ueiardo slO, Mnlaquiascft, Pon-
tual as 9, SiraOes Karboaa as 11 horas.
O Dr. Bstevo Cavalcante nao compareceu.
O cirnrgio dentista Numa forapilio as 8 1|1
horas.
0 pharmaceutico entrou s 8 14 da manh .
abiosS da tarde.
O ajudante do pharmaceQtico entrn s 7 i|4
ia manh e sabio as 6 horas da tarde.
w2?!!Z ",am"!Papa-A Parle d.; muiher bavAra, tendo ido menina para
29* lotera, desea provincia, cujo premio grande 1 .; (om 97 x 1?
120:000,0 0, era extrahida no dia 23 do Selem- & A,ner,ca; tem 27 annos e niulher
bro. 1 vigorosa na extensSo da palavra^
erando lotera do Sflarauhao A Quatro das seis creangas veram ao
2S-a?/iJffliVim48afPOTn^ CUJ0 Premjo-mundo no spa5o de 12 minutos, e as ou
grande e.100.iWOiOOO s.rextrahida no da 30 j 1 1
de Setembro. t,ras durante urna hora ; e mal nasceram,
Cemiierio Publico Obtuario do da 19 foram as creangas como que confundidas,
de Setembro de 1889 : de modo que agora nlo se podj mais
cuto?f1I'PernaiDbUC0,8an3O3'SJ',S6;tUber"Mb.er aoeerUj q*l a que nesceu pr-
Joo Pereira de Brillo, Pernambuco, 28 annos, me'ro .
casado, Boa-Vista ; febre typhie 1. rara evitar mnior confusao, cada um
Joseplia, Nrnm&uco, 1 mez, S. Jos; ana- dos 6 recemnascidoa traz um signal com
BaT'n., j,f,. o-,_ 1. > ..- 8eu nomo: b2o quatro rapazes e duas
Antonia. Abica, 9o annos, salteira, 11 a V-sla;' ; ^ r
senilidaile. (meninas.
Mara Vicloiia da Conceico, Pernnnbuco, 2i ^al ^os maninos chaioa-se F#ederioo,
ABOS, solteira, Boa-Vista ; tubercBtose em honra do nanea esqaocido imperador
u^t^^Z;?1^ Pera*mbaco' 28 anoos. fcHomo Frederioo, o noore : outr.> eb*-
Jos Alexandre, Pernambuco, 40 annos, casa- ma"se Uy<>* Cle!',land i o terceiro tem
do, Boa-Visia epilepsia. o nome de Alleu G. Tliurman ; o quarto
Amia Margarida, Pernambuco. 80 annos, sol- chama-se Rog^ro O. Mills, em honra do
icira, S Jos; heraorrhagia cerebral. deputado do Texas, que n'esse estado
Maria Serrhorinln da Gooeeigao, Alagnas, 23 ^to-aiiaericaM tem a gloria de sor o
ainos, solteira, Boa-Vista ; varilas. chele festejado dos adversarios da pro-
Manoel Severino dos Santos, i'ernambuco, 16 hibic2o.
annos, solteira, Boa-Vista varilas Das meninas, uraa chama-se Victoria,
Launndo Jos de Sanl'Anua, Pernambuco,' l-_ a a j i? 1
Graca ; paralysia. jem honra a vuiva d imperador Fredenco
Josepha Maria da Conceigo Pernambuco, S0,e a outra Luiza, em honra da graa-duque-
annos, solleira, B>ra Vi,-ia ; lubercalose. za de Haden.
As seis crean9-as silo todas mu'to pe
Antonio, Pernambuco, 6 mezes, Afogados; en-
'eMaria Joaquina da Conceico. Pernambuco, 25 quenas ; aonascorem, nada
de anormal : tem bellos
apresentavam
anees, Jos ; tubevculose". de anormal; tSm bellos olhos claros,
Manoel, Pernambuco,30 minutos, Boa Vista; unhas nos dedqa; as meninas nasceram
as'i'^ j t. ,> ^.^ ... com bem ba porcao de cabellos na ca-
Jos Jlodopiano dos Scntos, I'ernarflbueo, 59 "v ,a _..j-. j a *
amos, casad'., Boa Vista : dUataeSo artica. baya aotando-ae ajienaa dois deteifa:
Ricardo Guimaraes, Portugal, 33 annos, sol-
leiro, Santo Antonio ; feriment penetrante.
M POCO DE TUDO
Sob o tituloAinda um escravo no Bra-
zill-se no Jornal do Commercio o se
guinte:
Escreve-nos o Sr. Dr. Castro Lopes :
* Quera tal acreditar ?.. Entretanto
urna verdade, que por ninguem ser con-
testada, depois de ser lida esta noticia.
t Uin brasileiro, cujo noore por ora ca-
larei, a quem a nutureza dotou cora eleva-
do talento; viajante, que por experiencia
propria sabe que emnenhum paix culto do
mundo existe o menor vestigio de escravi-
dSo, contra todos os sentimentos de huma-
nidade, e por urna idaudita crueza, da
qual ninguem ser capaz de accusal-o, por
que o seu trato social ameno e caval-
leiresco, conserva ainda hoje sob sen do-
minio um ente, a quem orgulhosamente
chama seu escravo!
c To extraordinario o procedimento
de tal senhor, que esse ser, sujeito ao seu
capricho, em tudo o por tudo he obedece
cega e passivameute, perind, ac cadver.
Esse ente, assiui snbjugado, soffre
com resigna-, ao e sem queixumes toda a
sorte de torturas; tem o corpo inteiro co-
berto de notas e signos, indicios manifes-
toa no da sevicia, mas do quanto capaz
o genio singular de um tal senhor.
Vive cnclausurado sob duas chaves;
e a tal ponto chega a barbaria do seu al-
goz, que proclamando por toda a parte
n.lo haver quem mais do que elle ame esse
escravo, obriga o, por effeito desse genio
singular, aos mais variados moviraentos.
t Uraa! vezes fal-o tubir e elevarse a
grandes alturas; outras mnndff-o que des-
ea ; ora quer que elle ande a passs regu-
lar ; ora apressado ; ora em vivissimo
exercicio; a quando lhe apra, l porque
sua imaginacao o reclama, ordena-lhe um
andar vagAroso, e at vagarosissimo...
Ainda n&o tudo ; por urna zomba-
ria incrivel, denomina-o seu filho; e ao
mesmo tempo se contradiz, quando asee-
gura que taes e tantas sSo as habilidades
do seu servo, que n5o ha dinheiro algum
que o possa comprar, e d'elle tiro todo o
proveito que pode, allegando seus servi-
yos !... A
Para mostrar que entre elle e este fi-
lho ha urna mutua sympathia, afirma o
prova que essa creaitra reproduz fielmen-
te os sentimentos e"pe.nsamentos paternos.
t Tudo isto se pasa na capital do Im-
perio brasileiro, face dos altissimos po-
deres do estado, e da fina flor da nossa so-
ciedade, por quem esse brbaro de nova
especie com todas as attenocs e defe-
rencias tratado !...
t Por cuntis do irrisSo, escolneu esse
escravisador do eu semefhante, para sua
residencia, a roo, cujo nome allusivo
data da lei que aboli no Brazil a escravi-
d3o. 1
Um cacador muito temente a Deus, mas
inuito mo atirador, consultou o vigario da
freguezia sob o remedio para a sua falte-
de sorte na caca.
Olhe, dssse-lhe o reverendo, ape-
gue-se com Santo Antonio e offereca s
almas urna de cada duas pecas de 039a
que matar.
O hornera assim fez, e dalli a dias, indo
caca com o mesmj rlgario, vio lovanta-
rem-se de repente a pouca distancia duas
formidaveis pres. s^
Metteu a espinguarda cara e disparou
dous tiros. Urna pre caio morta, a outra
safou-se de purfeita sade.
O hornera correu a apanhar a pre morta
e disse apressademente para o padre :
O' Sr. vigario, olhe a das almas come
foge!
.*
Na idade de 56 annos, falleceu em Pa-
riz, ne estado de completa miseria o il-
lustre asoriptor Conde A. M. de Yillieres
de I'lsle Adam.
As seis ereancas, que, ha pouco tempo,
uoticiaraos haverem nascido em Navarro
-Jounty, na parte nordeste do Texas me-
dio, nos Estados-Unidos, promettem todas
continuar a viver, diz ura jornal allemEo
A brava mSe tem agora o prazer de
crear, de urna vez, a seis ereancas e,
propriamente fallando, poderiarms dizer,
a nove, porque os seus 3 filhos mais ve-
lhos mal coraecaram a andar.
A morada da familia, depois do nasci-
mento das seis cranlas, tem sido nume-
rosamente visitada, principalmente por I
homens de sciencia e pelos reporters, de
niodo que o Sr. Hirsch, o pai d'ellas,
quasi que nao faz outra oousa a nSo ser
mostrar a uns e outros os seus seis filhos.
Hirsch descende deallemaes, residentes
na Pcnsy'.vania, e tem 37 annos ; admi-
nistra uraa propnedade territorial, de cor-
ta importancia, que se acha em boas con-
diyoes, e passa, apezar de morar em urna
casa construida do tronco* de arvores
(chamada loa-houit star bem ; sua
tima das meninas falta a ponta da orclha
e um dos nsenmos tena a perna direiu uro
punco retorcida.
Quatro dos meninos pegoram lego na
mantel ira 5 horas depois do nasciraento
e crescem a olhos vistos ; dois sSa ama-
ra Se,
mas apezar
mentados pela propria
disso sai fraquinhos.
A mSe passa perfeitamente, apezar de
nunca cesear o barulho do choro no qui.rto;
das ereancas, urnas fazem sempre barulho;
quando urnas adormecen], coraecain as
outras a gritar.

OJlareg Midnal remettu-nos a seguinte
poesa:
Scmpcr
Hei de chorar te sempre. a todo instante,
llei de ch-irar-te sempre a toda hora,
Quer morra o dia, quer disponte a aurora
Terei annuviad; o meu semblante !
Pur raais que tente t'olvidar, distante,
Tenho-te dentro do.meu peito triste;
A' funda magua, ao meu pozar resiste
Esta ininlia paixao h" Ja e constante !
Mudado d'este mundo de miserias
Jamis encontrarlo paixSes tao serias
Como a que nos ligou eternamente 1
Hei de chorar por ti de I do Empyrio,
Me lerahrando de ti, mimoso lyrio,
Que na trra ficaste tristemente!
Situaco critica emum theatrinho parti-
cular :
No momento em que o gala deve beber
veneno, repara que fra esquecido o fras .
co.
O ty rano aponta-lhe disfaryadamente urna
faca de cortar papel, que se acha sobre a
mesa ; porm, o gala nao percebe.
O tyrano a euar fri ^ querendo salvar a
peya, applica-lhe ura pontap, fulminando-o
com esta phrase:
Vai-te d'aqui, covarde !
O galil entSo, caindo, exclama em ancias
o que eslava no papel:
Veja, senhor... Est satisfeito ? Mor-
ro envenenado!
Si o gal morreu envenenado a pontap,
bem oloroso devera este ser !
Ah est um retalho de folha franceza
que d urna noticia til para nos, e prin-
5" pareo1* Village, 2o Phariseu. Azar, Pira-
raon
6* pareo1 Gallileu, 2' Aymor. Azar, Favo-
rita.
*
Por raelhor combinada que seja, porm, essa
futurico, cima della est a sciencia turfica, a
que mais acimialludimos.
Essa a omnipotencia real.
Dj natureza occulla, sem principios estaveis
determinan lo se de occasiao, nao nos pode pro-
porcionar elementos, nem entra em oossos pal-
pites
Mas pode prejudical-os; exeraplo fresquinho:
a Minerva do Deroy, onde, como a nythologia,
sabio tola prompta da cabec inventora para
xito que teve, adiarrtada sempre, nunca alionada
e sem competencia dos parelheiros.
Coosas dos prados !
Sabedoria do turf!
> #
Disse um nosso estadista, que a frica civili-
sarn o Brazil.
Nio lhe pre3crutarcraos o sentido o-j alcance
da proposicao ; mas con o facto lli; opp J: o
Derby qu: o Brazil domesticou a Africana.
*
Xi cidade da EscaJa trata-se de estabelecer
um hippoiromo.
Ter a denominar) de Prado Escadense.
#
Como dados inleressanles damos em seguida
os (otos dos premios entregues ao vencedor do
Derby Inglez, desde o anno de 1885.
Como se ver, este premio soffreu urna notavel
diminuico o anno passado :
Libras
1883-Melln 4.S33
18Hri -Ormonde 4.70t
1887 Meny Bampton 4.S33
188dAyrshire ~-. 367S
1889-Donovan 4 03
Era 1886 a victoria de Lord Lyon proluzio as
seu proprielario 7.350 libras.
A partir de 18'JO licam garantidas 5.030 libras
ao vencedor. 500 aj criador, 300 ao segundo e
200 ao terceiro.
#
Mr. Jacquemira, sportsnnn francez.offereceu a
Mr. >'.. 1. I,ofvre, importante criador de Franca,
350.000 francos pelo cavallo Tristan, o celebre
lilho de" Hermit.
0 criador francez recusou a ollera.
#
Chegaram Inglaterra dous potros enviados da
Australia, para tomar parte as corridas classi-
cas do anno prximo.
Chamase ura Mare'lan e o outro Kirkhara, e
saoacompanhado, para que ibes sirva de leader,
pelo cavallo Pintaren.
Do 1. de Jineiro ao lira de Agosto ultima-
mente Ando as coudelarias fluminenses ganha-
lain as sommas seguinles :
l'roglvsso 53:4i00
Cruzeiro 30:2*)000t
F. Scy.midt 28.04500t
Itiazileira 20:7100O
Oliveira Jnior 18:23oOO
Joo de Souza 17:02 OOf
Excelsior 14:i9000
M. L-itao Schmidt !0:700J00t
S. Vilialba 10^6000t
F. Goncalves Guanabara 10:580 5t 10
9:390500t
T. Bocha 8:840/00
Lemgruber 8:500500t
I) Seara 7:06000
Caulista Tattersal Camp. 6:4300
6:310100
H.moveriana 6:300,500
Nacional 5:230500
F. Moreira 5:180f00
Agnia (ex Hughs) 3:900500
logenuidade 2:820 00
Audrade C. 2:530500
Machado (J) 1.-78040QI
Souza Piulo l:73OfO0J
Avila & Porto 1:660*00
F. % Mello 1:5:10*00
Correia & C. l:420i00
C. Coutinho 1:400*00
Porvir IT320J00
AWanga 1:120*00
INDICARES UTEIS
cipaliuente i gtuysjg^acional.
Os officies d-JCrcito francez estavam
indecisos acerca do modo como deviam
comprimentar as damas, se tirando o bonet
como os paizanos tiram o chapeo, se fa-
zendo a continencia militar.
O general-chefe do 18." corpo do exer-
cito resolveu a questo n'uma ordem do
dia, determinando que todos os militares
sob as suas ordena facam a continencia
militar em todos os casos e sem excepc&o
alguma.
Na Allemanha desde muito se pratica
assim, nSo sendo permittido ao militar que
se descubra seno entrada nos templos
ou as casas particulares.
SPORT
Hoje realisa o Hippodromo a sua 3.* corrida,
cuja inscnpi'o efectivamente magmtica.
A directora bem inspirou se no projecto da
mesma inserpeo.
Nella sobreleva um elomen'o -aniraaes da pro-
vincia -menos susceptiveldo tribofe
Nao muito fcil a^sombinaco entre tantos e
diversos propnetarios"na pturalidade de animaes
queconcorrem, dos quaes tfto poneos lustre* des-
conhecidos, que sao factores do fura tribofe.
Em taes condicOes nem possivel a pralica da
sabedor ia turfica representada na sua deusa Mi-
nen t.
Os pareos de cavallos de sangue s de urna
tnsle tradiccSo nos nossos prados.
A evidencia do facto exelue a demonstracao ;
nao a impe a quem o articula.
E' por isso que nesses pareos a casa das apos-
tas nao se anima : o seu resultado negativo,
assigna'ando um retratoraento, queso se explica
pela desconQanca nutrida no espirito dos fre-
queniadores.
E para deplorar esse effeito, quando oulro
devera elle ser, pela qualidade dos animaes e
condicOes dos seus donos, que deverao satisfa
zer se o ra o premio licito para nao descerem a
coiuhavos mprobos, que alienara a cooflanca e
gerara essa situago, real eu presumida, que af-
fecla a todas as relaees.
D'ahi, prejuizo para os proprios prados, que a
seu turno soilrem a reperusso d'esse receio
que domina e acta em todos.
E' natural, pois, fugir a esse escolho.
E por isso nissemos, que bem se inspira a di
rectora, ampliando o numero de pareos de ani
mans da provincia, era reslricgo dos de sangue.
Nao isto, 00 entretanto, urna condemnaco
forma', mas ser porventura ura meio de provo-
car a melhor proceder.
Isto pensamos nos, sem offensa a quera quer
que seja
#
Depois do que lica dito. os palpites.
EiI os -a inspiniQo a sciencia do xito :
1* pareo-lstella, i' Coruja. Azar, Marina.
2* pareo-l'Pombo-preto, 2" Esquimo. Azar,
Corsario.
3* pareo- 1* Templar, 2* Monitor. Azar. Aru
mary.
4* pareo 1* Good-morning, 2o Florete. Azar,
Flautista.
r


[\

Mdicos __^^_
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do utero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.*
andar. Telephone n. 380
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o sen
escriptorio a ra do BarSo da Victoria
a. 51, 1. andar, onde d consultas d
me i o-dia s 2 horas da tar.ic. Reside
ra de Gervasio Pires n. 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhss.
Telephone n. 427.
Dr. Jiarretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
roa do liaran da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
/ r. Ribeiro de Britto d consultas do
meio dia s 3 horas da tarde, no poden-
dar a ra Duque de Uaxias n. 46, 1. an-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
jJ5 andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteirp.
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rip nfrua Nova n. 32, do meio dia s 2
homs e.de8ta hora em diante ra Barao
Je S. Borja, n. 22. Especialidades
molestias de ccianea senhoras e parto.
Telephone n. 326, da casa de residencia.
Dr Alvares Guimaraes, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, o
eom especialidade s molestias do cora-
c2o, pulmoes, figado, estomago e intesti-
nos e tambem s affeccoes das enancas.
Reside praca do Conde d'Eu, n. 28, o
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. ^45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
O Br. Simplicio Mavignier.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades : molestias
Sulmonares e partos. Ra do Marquen de
'linda n. 27, 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (P090 da Pa-
nella) das 6 s 9 horas da manhS e
tarde. Teleshone n. 392
oculista
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Paris e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio o resi-
dencia- i ra Larga do Rosario n. 20
Advogado
O bacharel Bonifacio de AragSo Farim
Rocha contina a advogar. Escriptorio
ra do Imperador n. 46., 1." andar.
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
Silveira, advogado. Escriptorio ma
do Imperador n. 69.
J. A. de Magalhaes Bastos. Duque do
Caxias n. 66, 1. andar..
O Dr- H. Milet contina com sea es-
criptorio de advocacia, a roa do Impera-
dor n. 46, onds tambem poder ser pro-
curado sobre negocios concernentes 1.*
promotoria publica d'esta capital.
?.!
1


Diario de PemambucoDoaikftgQ 22 de Setembro de 1889
3

i:
1
I
O contelheiro Portea contina a advo-
gar. Escriptorio ra do Imperador
n. 65. Residencia, casa n. 11 da ra
Visconde de Aibuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista). Telephone n. 362.
Drogara
Faria SobrinAo cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chiini-
cas e medicamentos homeopticos, ra d<
Mrquez de Olinda n. 23.
Tinta de eserever
A melhor a tinta Victoria, vende-se a
500 rs. meia garrafa e a 800 rs. urna gar-
rafa inteira na Livraria Comtemporanea
de Ramiro M. Costa, >ua Io. de Marco n.
2, loja de erragens de Albino da Silva
C, ra da cadeia n.42; lja de ferra-
gens de Brandao & C, ra. Duque de Ca-
sias n. 46.
riBLiGicois 4 mim
f
Q A tragedia
Vamos atravesando urna crisc realinonte as
sustudora Nao In garantas para ninguem. Em
pleno dia, em urna das ras ma publicas des
ta cidade, commettese um assassinuto, o sru
auctor conhecido, o povo persegue o, elle lio
misia-se era urna lypographia e as ordenanzas
do delegado de polica, impedem que seja
preso pelas pessoas que seguiam em seu en*-al-
jo tomando a porta por onde elle desappare-
cera!
Honlem a violencia, hoje o assassiuato c ama
nha o que ser '...
0 crime de que foi victima o lutoso Ricardo
Guimarues lem cansados maior impics-ao no
animo da populacao. Elle no nm faci vul
Rr, que deva passar desappercebido.
0 que poJia ter movido o braco homicida '
Haes de ordem particular ? Rixas antigs :'
. Temos sobejos motivos para nao acredital o.
A victima era um hornera popular, tinha se
posto frente dos mretings convocados para re-
clamar providencias contra o atteutado Clin?
Sim, e, aiite-lioniem, fra preso, pelo delegado
e polica, por.qui-rer fallar ao povo. Nao ti-
nha inimisade com o assassino pois houve quem
os vissga ambos, era colloquio arnigavel, na oc
casio mesmo em que o golpe fra vibrado I
0 assassino cumpna uma'orJem. A converja
foi u ir pretexto para se aproximar da victima !
Tudo o" indica.
Mas enlao a quem poda aproveitar o enme ?
Aos populares que 'inliara na victima um auxi-
liar dedicado Nao o eremos, mesmo porque,
nesta hypolhese, nao o povo, mas os agentes da
autoridale seriamos perseguidores do assassino
As ordenancas do Dr. delegado teriam cumpri-
do o seu dever...
A morte de Ricardo Guimaraes nao seria em
falla de coisa melhor, o mejo de que laocaram
mao para derramar o terror i;o animo da popu
laco e acabar, de urna vez por tudas, com esse
movimento popular que j ia iacommodan lo ?
Realmente como se explicar o fado de nao
ter o assassino se podido evadir em quanto a ty-
pograpliia da Provmaa eslava cercada pelo po
vo, e consegu I-o logo que esse cerco foi subs-
tituto pelo da forra publica ? O povo nio o
deix-m .-.ihi;'; tiris o Sr. Dr. chefe de polica, i
acreditamos na boa f de S. S.. j nao o encon
trou naligeira busca que deu I .
O honrado magistrado demorou se effi diva-
mente pouco tempo no lugar em que entrara o
assassino ; mas porque tinha coisa mais seria
em que Cuidaroovir, em palacio, os guitarris-
tas hespanhes, que eslao fazendo as delicias da
lite da sociedade pernambucaua
Entretanto muilo pode fazer ainda o Ilustre
Dr. chefe de polica. O assassino conhecido,
esforce-se por prenlel o. Nao atienda s soli-
i tac, oes dos seus protectores, que os lera pode-
rosos, e a prova esta ao que hontem occorreu.
Cremcs que o Sr. Dr. Jos Maria seja incapaz
de, a sangue fri matar urna mosca; pode, por-
tante, nao ter mmliuraa responsabilidad no la
aientabilissirao facto de que nos temos oceupado ;
mas o que exacto 6 que a opiniao putilica audu
aprehensiva.
Como quer que seja, si o assassino nao fosse
um bom cabo de eleico um hornero que j Ihe
tivesse prestado e aos seus amigos asstgnatadoH
sei vicos, nao s<-rw <>-** u--po|)u^ir o pntneiro
ciitregal-o acco da jostica ?
O Sr. Dr. Geroncio de Arruta precisa de tnui-
ta energia para levar ao cun a sua ardua ta
refa. O atleutado da ra do Crespo nao de ve
ficar impune, sob pena de provocar as man se-
rias desconianeas de que n nao foi insinuado,
foi pelo ra^nos tolerado por parte d'aquelles mes
mos que devem ser garanta a tod -s os direito>
dos cidados.
Equando, justa ou injustamente, tal convircii i
se formar, qual -ierodesf'Ch) da tragedia ante-
Montera co negada ?
Nao no3 guia a pnnna na presente occasio,
nenhum sentimento de hostilidade pira com ;;s
primeiras autoridades da provincia, era nos
serviremos jamis de um cadver para object o
de especulagao ; m is temos o direito. ou antes u
dever de encaminhar a autoridude, de iiedir-!hc
que nao se desvie dj recto caminho que Ihe cura
pre trilhar.
En tudo quantoescrevemos nao hi nem so;n
bras de nsinnapte. Iimitamo nos a dar copo ao
pensaiento de toda a populacho d'osta cidade,
que lem justos motivos de sobresalto, e se arre-
ceia, sem fundamento tal vez, de que seja lenta,
senao nul& a aceft da polica
Nossos intuitos sao os mais puros. Queremos
a punigao do a-sassino si ja elle quem for, teora
obrado por si, ou a mandado de outrem ; nao e
possivel que os habitantesd'esta canital, estejan
a merc do punhal do scelerado, que cunta, de
ant -ruo cora a ira mnidade, si dispe de certis
protec5es -
Quem ignora que ha aqui, s portas da cidade,
acoitadores de utas-sinos, que vivem era do e
aconchego com as p.imeiras autoridades t*..
Garantas, Sr. Dr. chefe de polica O crrae
da na do Crespo deve ter convencido a S. 5.
qne tempo de cuidar 'r.ais seriamente de cois s
serias. O Recife precisa de ser policiado...
lAjcnrgo.
Recite, 20 de Setembro de 1889.
(") Este artigo nao foi publicado houteai per
falta de espado.
nhas presenciaes do facto e ifWignadas verbera-
ram-n'o.- como as de que d notieia o Diario e
muitas nutras ; entretanto, o Sr. Dr. chefe de po-
lica nao jolgou conveniente refertr-se a to ex-
pressivo, quo espontaneo testemunho, para aven-
turar sequer, a saa sospeita quanto ao nome do
ino !
E' multo I f
Lcmbre-se S. S que' veste urna toga e com
3uanto a tenha sabido honrar at agora, pode
eixaodo se arraslar como vae -adquirir hbitos
que facam perder os estmulos com que ha pro-
'em sua cadeira de juiz.
Holva so -ou a arirar a carga-ou -o que
mais nobrea cu nprir o seu dever inteiro, nao
Iransigindo cora o crime, nem com os seus auto
res, por mais ousados que sejam os protectores
des.
H-licta que a oda (5 lempo de salvar a sua
reputaco.
Um seu exjurisdiccionaio.
Anda bem!
Sinceramente aoplaudimos a captura do pro-
nunciado Jos da Benta que, como outros, pas
seiava, s barbas das autoridades policiaes, sem
que Ihe fbsM embargauo o passo.
Eabora a diligencia para a sua captura nao
fosse determinada pelo nobre empenho de cum-
prir um dever, todava, desde que fji preso, el!e
que est pronunciado*, s nos cabe bater palmas
ao facto.
Que importa para o resultado a circumslaocia
de sO ter sido preso por haver Jos da Benta in-
corndo no desagrado dos seus protectores ?
Que importa que Jos da Benta se tivesse im-
pressionado contri o Sr. Jos Marianno por cau-
sa do altentadoChrispim e s por causa de
suas manifestagoes consoanle com a sua impres
8io, tenha perdido a alta proteceo de que at
ento dispunha, s(;nlocoDseguintemente preso?
O facto que fui pre.-o e a3sim cumpndoo
mandado da auihodale judiciaria.
Agora o que falta que as aulhorids les po-
liciaes aproveitem o ensejo e a ausencia do Sr.
Jos Marianno e appreheudam Nicolao e outros
que por all vagutiam, tamben) pronunciados.
Sr. Gerocio, ura pouco mais de energa e de-
ciso I
Um contribuate.
Iis ah!
Lourengo Ypiranga, nomeado promotor pu-
blico de Bom Consellio pelo Sr. taro de Caiar,
que bem o conh;ci, acaba de mostrar par*
quanto presta, uanJo urna surra no juiz munici-
p.d respectivo, liberal como elle !
E sao assim os ..gentes de que lancou mao o
Sr. Baro le Caiar (
Que vergonha \,
A sentmella.
;
A parte policial
Dando conte pre-ideocia dos factos occorri-
dos no (lia 19. o Sr. Geroncio, em sua parle poli-
cial, refere-se ao assassinato ue que foi victina
Ricardo Guiraares; mas proposilalmenle omit-
tio o que mais essencialo nome do assassino
indigitadn pelo clamor pnblico.
Se S. S ronfesson que a voz popular indicaba
o escriptorio da Provincia como o lo^ar procnri-
do pelo a-snssinn. aps o crime, para asylar-se e
em virlude aislo den se ao trabo I ho de proceder
ah a urna busia, con:luinlo por declarar que
nao encontrou pessa alguma susp ita, devia
tambera communicar que era uiisono o proiwn-
ciamertto popular quanto ao nome do assassino
Panli suarda-fiscal.
Sanelhante silencio por parte de S S. muro
d que pensar e desde j faz desconfiar da stia
parcialidade na descoberla das provas que dj-
vem conter-se no inquerito a respeilo do facto,
quanto ao jeu autor.
Realmente, nao explicavel que S. S. nSo oc-
cullJ3se semelhante ponto, essencial na espe-
rte.
Logo que o triste -acto consum >u-se. a noti-
cia correu por toda a parte, ittribuindo-se ao
mesmo lempo ao perverso empregado municipal.
J s 6 horas da tarde, at nos arrabalde da
cidade, repeta-se o nome do audaz instrumente
do crime, e o Dr. chefe de polica n?m urna pi-
lavra dis a este respeilo 11
Nem ao menos se pinte dtzer que o clamor pu-
blico diverga ou liaba duvidas nao.
Todos, una toce, declararam er aquelle o des-
almado, o feroz sicario que framente desferbou
o golpe certeiro ao in litoo Ricardo Guima-
ries.
Alm d'isto, pessdas conheci.l.is de oossa socie-
dade, cima de toda a excepclo. loram testemu-
Camara da Escada
Senhores camaristas at que pinto que-
rem consentir SS. SS. que seja desmora-
lisada a cmara?
Impostos inunicipaes cobrados com for-
ja publica e os Senhores testemunhando !
Os ramos de receita cobradospor agen-
tes, que ainda nem ao menos prestaremfi-
anja, que nao tm responsabilidade !!!
Os editaes da mudanca da feira, de !'ri-
maven, rotos com acinte !!!
Tudo, tudo, em desgracado estado !! O
que isto ? !
Que aviltameoto este ? !
Os caracteres independentes da cmara
porque n3ose hvantam?
Porque nao 84 rene a cmara ?
.4 indijnri<;'o puhlica.
G'ompaahia de Beberibe
Venda si mulada de arcos
Tinliamos resol.ido que a epigraphe d'ese ar-
tigo fosse o segoiiite pensmente : // n'est posi-
lian djenme si t/rt dunt fon ait iamuu russj "
delogrr iln fripon.
Mas o dito por nao dito; e antes demos os
parabe;is ao Sr. gerente pela sua reeleio.
Amele rochlograntico chamado -casa do3
Srs. Amoros, a qje est arrimado o Sr. gerente,
bastante forte pira protegel o, para amparal o.
Nem nunca visamos, e^crevendo a respeito da
Companhia, desalojar d'ella o a^u gerente.
Pretendemos, sim, desaloja! o du concito de
gerente sui geneiis, maravilhoso, que dava divi-
dendos qu nao poda.
Isto acreditamos ter conseguido.
Vamos a liante.
A ij seguem dijas cer&ftgJ :
Pl'BLICA FORMA
III n. Sr. Dr. ailministrador do Consulado-
O Dr. Manoel EneJiuo Reg Valenca, a bem
de seu direito, requer a V-S se digoe man-
dar passar certido dos impostes de trans
misso que tm aiJo pagos por venda das ac-
c0e3 da Companhia de B-benbe de Maio deste
anao at esta data, declarante os ntim>ros das
uc.cims, os das e cota^Oes.
receber raerc. Eslava urna estampilba
de 200 ris assim inutilisada. Recife ti de Ju-
Iho' de 1889.Dr. Manoel E. Itegn Valenca
Ceriilique se. U cebedona provincial, 26 de Ju-
Iho de 1889. -Ce.2 ano do Reg.
Certlico que do dia Io de Maio a 26 de Julho
do corrente anuo, foi paga nesta refiiriicao a
impurlancia de 28107 provenientedo imposto
de 1 cOes da Companhia de Beoeribe, vendidas no
referido praso sendo: 7 de ns 8261 8267
no dia 20 de Maio, a 1604000 cada uini; 10 de
ns. 2 01 2309 e 4039 no dia 8 de Junho, a
150JW0U cada um i ; 20 de ns. l:)383 13602 no
mesmo dia 8 de Jualio, tamb::n a 150-WOO ca-
da urna; 20 de os 9ii e 9ia3036 3033 no
dia 13 do mesmo m.'z de Junho, a SOfOOO ca-
da urna; 20 de ns." de 4063 407?-13072
13076 no da 14 do mesmo mez de. Junio, a'1304
cada urna ; 18 'le ns. 3054 3058, 8426, 8427,
8Vt> 8il6 8423, no 8ia 17 do mesmo mez, a
ioOOOO cada una; de ns. 6573 6674 no
da 21 do mesmo mez, a 120J000 eada urna ;
i U' ns. 6675 e (676, no dia 23 do mesmo mez,
a 1304 ; 7 de ns. 8261 8267 no da 28 do mesmo
mez de Junho, a 150* cada urna ; 24 de ns. 693 a
716 no da 8 de Jul'io, a 153400 I cada urna ; e
42 de ns 5900, 6276, 8800 8809, 8796 9799.
717 c de 9058 S9W1, no dia 26 do referido mez
de Julho, a toC0cada urna.
Est conforme os respectivos documentos de
receita.
Pag m 2 5401. sendo, "4061 de emolumentos e
9M res de addicioiKi
i> Siici i d i rtecebedoria Provincial 13 de
Agosto de 1889.
0 segn to esciipturario, escrivo da receita,
Manoefailvino de B. Falcan. Conforme. O chefe da
1* secco J. H. C. de Barros ampello. Coofor
me com a ertidS t que della extrahi a presente
publica forma, qual me reporto, e vae subs-
cripta e assignada oesta cidade do Recife, aos
18 de Setemb o de W8.
Soba revo easi^no.
H ,fe, 18 de Setembro de 1889.
Em tesiemunbo deverdade.O tabellio pu-
blico, Apilwario Florentino de Aibuquerque Mu-
ran nao.
PUBLICA FORMA
Illm. Sr. Dr. ;iIministrador do Consulado.
Dr. Manuel Entdino Reg Valenga, a bem de
seu direito, requer que V S. digne-se miiidar pas-
sar certido dostfimpostos de tran.uni-aao que
tem sido pagos ror venda das aceces da Com-
panlua de Beber be de 25 de Julho do corrate
auno, at esta data, con declarayo do numero
das aeces vendidas e sua cotaco.
Estava urna esampilha de 200 ris aesim inu-
tilisada. Recife. o de Agoste de 1889.Dr. Ma-
noel E. Reg Valcnga.
Dous mil noveccnios edesesete.
Certili|ue-se. Recebedoria Provincial 16 de
Setembro de 188'>. Osario do Reg.
Certifico que rio dia id de Julno do corrente
anno foi pago n jsta repartido a quaotia de se-
tenta e cinco mil novecentes e cinco ris do im-
posto.de um por cento e respectivos addicion
sobre a venda de (42) quarenta e duas aeces
da Companhia de Bcberibe a cento e cincoenta
e cinco mil ris cada nma ; no dia. (29) vinte e
oove do mesmo mez, nove mil e trila e sais
ris, subre a venda de (5) cinco aegoes da mes-
ma companhia, a cento e cincoenta e cinco mil
ris cada nma ; no dia (22) vinte e dous, do mez
de Agoste, desoito mil e setenta e trez ris, so-
bre a venda de (10) diz actes da mesraa com-
panhia Urabem a cento e cincoenta e cinco mil
ris cada urna ; no dia (28) vinte c oito do refe-
rido mez de Agosto,"lrez mil qualrocentos c no-
venta e oito ris, sobre a venda de duas acedes
da indicada companhia a cento e cincoenta mil
ris cada urna ; e no dia (14) quatorze do cor-
rente mez de Setembro, dez mil qualrocentos e
noventa e quatro ris. sobre a venda de (6) seis
actes da mesraa companhia, tara bem a cento e
incoenta mil ris cada uu.a. '
Est conforme os documentos de receita aos
quaes me reporto.
Pagou de emolumentos e addicionaes dous
rail qualrocentos e nove ris, conforme'o conhe-
cimente numero cento e um.
Recebedoria Provincial, 18 do Setembro de
1889.
Eu Manoel Silvino de Barros Falco,escrivo
da receita o escrevi.
Conforme, ocuefe J. C de Barcos Cam-
pen o.
Conforme com a certido que della extrahi a
presenta publica lorma qual me reporto.
Cidade do Recife, 18 de Setembro de 1889.
Subsrrevo e assigno. r.ecife, 18 de Setembro de
18*9. Em testeraunbo de verdade o tabellio
publicoAponario Florentino de Aibuquerque
Maraiibo.
Por ellas se v que
era 28 de Junho vendidas 7 aeces
era 8 de Julho vera I idas 24 >
em 29 de Julho ven I idas 5
era 22 de got(o vendidas 10 >
era 28 de Agosto rendidas 2
era 14 de Setembro vendidas 6
Ora nos dissemos, no artigo de 10 de Setem-
bro :
(Pela certido se v que em 28 de Janho, ves-
peras da asserabla geral dos acciomstas, de
ras-se como vendidas, a 1354000 cada urna, 93
queo nio foram)
E o Sr. gerente retorquio :
iE' inexacto que a venda das aeces feita na
vespera da assembla geral dos aecion.-tas, em
28 de Junho, nao se tivesse realisado, pois dos
livros da Companhia, cousla ler sido euecluada
poneos dias depois) artigo de 14 de Setembro.
o Jornal do Recife e Diario de 29 de Junho de
1889 se le : (cotaco ofcial da junta dos corre
lores. Em 28 de Junho venderam se 100 aeces
da i'ompanbia de Beberibc a 1554 cada urna).
Mas, das 100 aeges o que se presume que,
93 foram vendidas simuladamente; porque al
18 d'este mez soliente 7 pagarara o imposto de
Iransmisso.
Quera empregou o capital de quartoze coates
e tanto em acfes da Companhia, e que 2 mezes
e 21 das depois nao tinha ido ao Consulado pa-
gar o imposto? I
E o engracado, o curioso que o Sr. gerente
diz e:u seu artigo de 14 do corrente :
(E' inexacto que a'venda das aeces feita na
vespera da assembla geral dos accionistas, em
28 de Junho, nao se houvesse realizado.jiois dos
livros da Companhia, consta ter sido efiectuada
poucos dias depois).
Poj, como nao se tenlo pago, no Consulado,
o imposto de Iransmisso das 93 aeces, diz o
Sr. gerente que consta dos livros da Companhia
que tal venda se effectuou ? I
E' ludo isto, Sr. gerente, urna embrulhada que
somente o Sr. mesmo pode desembrulhar.
Agora, a todos que nos esto lendo, pergun-
tamos se nao ti vemos razo de assegnnr qne
houve venda simulada de actes, as vesperas
da reunio da Companhia.
Nos nao forramos a concluso. Ella acode ao
espirito de todos
Nos, mesmo, estaraos ancioso que o Sr. ge-
rente destrince tudo, e de.-tnnce de um m ido,
nao como costuma fazer, locando as cousas pela
rama, erabrulbando, my^tilicando.
Eis as consideraccs que fazemos quanto a
venda sirailulada de actes.
A allirmativa est de p : e, quando por um
apuro de acrobatismo, o Sr. geren'e se juslilique,
nos, a vista do expendido, nao tic iremos mal.
Tudo conspira para affirmar que trata se de
^enda simulada. Fvit lux.
Nos dissemos tambera, que tinha liavido venda
oceulta das aeces de 1204000.
Nos qnattticcmos de venda oceulta : porque
nao consta ella da publicaco do rauvimento da
Bolsa.
Dissemos ain 'a TMa^a^aojws culada a I6i4t
foram vendidas a 150400)}.
E' exacto : quem qutzer recorra aos jornaes. e
ver que, at a epocha era que fallamos (dita
da !. certido). as aeces coladas a 1354, foram
vendidas por 1505000.
ara dura, o Sr. gerente hade virconfessar-se,
como tez a respeito do empre*timo, que con
trahio dous com urna s autorisaeao I
Damos flm, aqu, a este artigo, undoso por
entregar o Sr. gerente ao sargaco e cuidar de
outra rousa.
Nos nos marcamos tempo para estas emprei-
tadas
O tempo desta esta esgolado.
Dr. Viremont.
NOTA
Diz o Sr. gerente :
iSem ser indiscreto posso contar que um com-
raerciante entenden que devia vender as aeces
desla cotnpatmia, pertencentes a um commdten-
le de Portugal e efectivamente foram negocia-
das e coladas, arn nao consent na transferen-
cia por falta de po teres na procuracSo e sendo
solicitada nova procurajao o dono das aeces
reeiisou se a dal-a e de-appareceu a ven la. pelo
que flcou ento sera effeite : sao pessoas bem ro-
nbeeidas na praca).
(Que responsabilidade me cabe do facto ?)
(O procurador anlou pedindo aos comprado-
res para desfazor a Iransaccao, e fez retirar do
escriptorio da companhia as notas pi'-a a trans-
ferencia).
Ora, n'um tempo em que se dispe do lelegra-
pho, como um negociante toma a resolojao de
vender as actes de seu commiltente, na impor-
tancia de mais de 14 contos, sera previamente
consultal o?
E o que mais : como esse negociante r i
siraplorio para se apresentar, no escriptorio da
companhia, com urna procurac.au que Ihe noJa
va poderes para reilisar definitivamente a opera
cao f I
E' muito embrulhado isto, Sr. rente.
Mis, decididamente, este ca30 nao tem rela-
eo com a qoestio da venda simulada das- ac
toes; porquanto entre as notas de que fallis, e
com as quaes se dcv?ria operar a transferencia,
achava se incluida a nota do pagamente do m
poste no Consulado.
A qucalao de aeces annunciadas como ven-
dulas pelas sete tubas da imprensa e que o nao
foram.
0 Consulado diz que nao houve ven# das 93
aeces c vos dizeis houve.
Des-i tai vos.
ELIXIR
DE
EPUHATIV
Approvado pela Exma. Junta de Hygiene e preparado por
toao :a.A. sxx/v.a. sxx,*voex3a^
Chmico e Pharmaceitico
PELOTAS RIO-GRANDE BRASIL .
Este elixir composto de vegetaes de reconheeido mrito, em
pregado com vantagens as molestias seguintes:
Escrophulas, rheumatismo, gonorrhas, rachitisrao, impingens, ulceras, tumor
sarnas, bobas, manchas da pelle, carbnculos, flores brancas, boboes, corrimentos dos
ouvidos, fstulas, cancros venreos, inflammacoes do tero, inflammacoes de olhos, es-
pionas, affeccoes syphiliticas.
A sua efflcacla attestada por filustres mdicos que o reputam superior aos medlcameu-
tos anaiogos. Lelam com adeuco os attestados mdicos que em seguida publieamos e teroa
prova de que o nico depurativo infallivel do sauguc o s;lixlr de Xoguelra, Salsa, Carona e
Guayaco.
ATTESTADOS DO LLUSTRADO GORPff MEDICO DA PROVINCIA
"*-jciantei--
Subscripcao Chrispim
Importancia j publicada 622500
Importanciaobtila nos dias 20 e 31 :
AntonioChrysostomo 10*000
Antonio Rodrigues SiiiOO
Um anonymo *000
O00
O abaixo assignado, doutor em medici-
na pela faculdadc do Hio de Janeiro, con-
decorado pelo governo portuguez, medico
do hospital da Beneficencia Portugueza
desta cidade, etc.
Attesto que as molestias de fundo sy-
philitico, em suas diversas e variadas for-
mas, a npplicacao do preparado denomi-
dado Elixir de Nogueira, Salsa, Caroba e
Quaiaco, do Illm. Sr. Joo da Silva Sil-
ve ira, tem sido de maravhosos resulta*
dos. O referido verdade sob a f de
meu grao.
Pelotas, 30 de Abril de 18^6.Dr.
Bario doa Santos Abreu. Est reconhe-
eido na forma da lei pelo tabellio Luiz
Felippe de Almeida.
Eu abaixo-assignado, Dr. em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro, con-
decorado pelos governos de Allemanha,
Portugal e Italia, medico do hospital de
Misericordia desta cidade, etc etc.
Attesto que tenho empregac!^ muitas
vezes o Elixir de Nogueira, Salsa, Caroba
c Guaiaco, preparado pelo Sr. Joito da Sil-
va Silveira, como um poderoso agente em
casos de infeccao syphiiitica IdiatheBe
escrophulosa, parecendo-me supeaior aos(
anaiogos que nos vem do estrangeiro. Por
me ser pedido passo. este cuja verdade
affirmo em f de meu grao.
Pelotas, 6 do Maio de 1886.BarS!
de ItapitocayEst reconheeido na forma
da lei pelo tabellio Luiz Felippe de Al-
meida.
Gervasio Alves Pereira, doutor em medi-
cina pela faculdade do Rio de Janeiro,
cavalleiro da imperial ordem da Rosa,
etc, etc."
A^e-itjQ quo tojiho empregiidii contra a
oscrophnla o Eli.vir de Nogueira, Salsa,
''aroba e Guaiaco, preparado pelo phar-
maceutico o Sr. Joao da Suva Silveira,
com bom resultado e por isso o reputo
um excellente remedio para combater as
molestias de fundo escrophuloso. O refe-
rido verdade e por me ser pedido passo J
> presente sob a f de meu grao.
Pelotas, 29 do Abril de 1886. Dr.
Gervasio Alves Pereira. Est reconheei-
do na forma da lei pelo tabellio Luiz Fe-
lippe de Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor em medici-
na pela faculdade do Rio de Janeiro,
medico do hospital de Misericordia des-
ta cidade, etc.
Attesto que tenho empregado o Elixir
de Nogueira, Salsa, Caroba e Guaiaco,
preparado do distincto pharmaceutico Joao
da Silva Silveira, nao s na clnica civil-
como na do hospital, com o mais espen, j
dido resultado, o que affirmo ser verdade.!
Pelotas, 5 de Maio de 188rj. )r. An |
tonio A. Assumpyao. Est reconheeido
na forma da lei pelo tabellio Luiz Felippe
de Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor em medicina
pela faculdade do Rio de Janoiro, etc.,
etc.
Attesto que empreguei o Elixir de No-
gueira, Salsa. Caroba e Guaiaco, prepa-
rado pelo distincto pharmaceutico Joo da
Silva Silveira, em um caso de ulcera sy-
phiiitica, dando este medicamento resul-
tado o mais favoravel.
Pelotas, 5 de Maio de 1886. Dr. Joa
quim Rasgado. Est reconheeido na for-
ma da lei pelo tabellio Luiz Felippe de
Almeida.
Eu abaixo assignado, doutor em medicina
pela faculdade da Babia, membro da
sociedade franceza de nphtalmologia e
da sociedade zoolgica de Franca, etc.,
etc
Declaro que o Elixir de Nogueira, Sal-
sa, aroba e Guaiaco, do pharmaceutico
Joo da Silva Silveira, prestou-me rcaes
servijos nos casos de syphilis terciaria e
em todas as affeee.3es de fundo escrophu-
loso.
Porto-Alegre, 5 de Maio de 1886.
Dr. VictordeBrito. Est reconheeido na
forma da lei pelo tabellio Luiz Felippe
de Almeida.
Eu abaixo assignado^. doutor em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro, etc.,
ete.
Attesto que tenho empregado, sempre
com magnifico resultado, e Elixir de
Nogueiba, Salsa, Caroba e Guaiaco, pre-
parado do Ilustrado chimico pharmaceuti-
co Joo da Silva Silveira, uos casos de
escrophulas e molestias de origeui syphiiiti-
ca, o que affirmo em f de medico.
Pelotas, Io de Maio efe 1886.Dr. Ray-
mundo V. da Silva.Est reconheeido
na forma da le pelo tabellio Luiz Felip-
pe de Almeida.
Illm. Sr. Joao da Silva Silveira,
pharmaceutico c chimico em Pelotas.
E' com o mais subido prazer que venho
aecusar o recebiment do seu prezado fa-
vor de 5 do corrente acampanhnndo um
frasquinho com 50 pilulas formuladas pelo
consummado e distincto pratico, o Ilustra-
do commendador Dr. Miguel Kodrigues
Barcellos, e preparadas com toda perfei-
90 e nitidez por V. S. Na verdade no
posso deixar de elogi^l-o pelo relevante ser-
vido que V. S. tem prestado e ha de pres-
tar sciencia medica. Entendo que o
meu nobre amigo digno de todas as
attenc^es e merece ser auxiliado por to-
dos os clnicos desta proviucia e fra
della.
Declaro Ihe que tenho empregado o seu
precioso Elixir de Nogueira, Salsa
Caboba e Guaiaco com muito bom xito,
e tenho aconselhado aos meus clientes qu*
o uzem com toda a confianca e esperanza,
pois a sua preparaco preenche perfefta-
mente o nosso desidertum. Vou en-pre-
gar as pilulas ferruginosas de meu grande
' collega, em todos os casos em que se fi-
zer sentir a necessidade do em prego do
erruginosos. <*
Continu V. S. a trilhar o mesmo-- ca-
minho com toda a dedicajo, para uor dia
chegar meta dos seus desejos e receber
o competente premio do seu insano e *m-
pinhoso trabalho.
Rio Grande, 8 de Abril de 1886.Dr.
Nicolao A. Hitombo.Est reconheeido
na forma da lei pelo tabellio Luiz Felip-
pe de Almeida.
Attesto que tenho empregado na minha
clnica o Elixir de Nogchba, Salsa,
Caroba e Guaiaco, preparado pelo Sr.
pharmaceutico Jcao da Silvtt Silveira, ob-
tendo sempre os mais brilhantes resulta-
dos, principalmente as molestias de ori-
gem ayphilitica.
O referido verdade e por me ser pedid*
passo o presente que affirmo m fide Me-
did.
JaguerSo, 27 .de Abril de 1886.Dr.
Estevo de Sousa Lima.Est reconhe-
eido na rma da lei pelo tabellio Lnix
Felippe de Almeida.
j "~
O abaixo assignado, doutor pela facu dade
do Rio de Janeiro, Io cirurgito do car-
po de sade do exercito.
Attesto que tem empregado com excel-
lentes resultados o Elixir de Nogueira,
Salsa Caroba e Guaiaco, preparado pe-
lo pharmaceutico Joao da Silva Silveira,
' pelo que o considera um excellente pre-
parado, superior aos que importamos do
estrangeiro.
O referido verdade pelo que paasa s
presente que affirma in fide medici.
Jagnaro, 5 de Maio de 1886. -Dr.
Diogo Fernandes Alvares Fortuna. Eet
reconheeido na forma da lei pelo tabelliSo
Luiz Felippe de Almeida.
Eu abaixo assignado doutor em medicina
pela faculdade do Rio de Janeiro.
Attesto que tenho empregado em mi-
nha clnica, e em com excellente resalta-
do, principalmente as affeccBes de ori-
gem syphiiitica, o Elixir de Nogueira,
' Salsa, Coroba e Guaiaco, preparado de
Sr. pharmaceutico Joo da Silva Silveira.
[ O que affirmo sob a f do meu grao.
Hervai, 7 de Julho de 1886.Dr. Jos
Adolpho Rodrigues Ferreira.Est recof
nhecido na forma da lei pelo tabellio
Luiz Felippe de Almeida.
Amigo e Sr. pharmaceutico Joo da Silva Silveira.Em contcsta2o a sua pergunta, relativa aos resultados que tenha
obtido com a applicajo do ELIXIR DE NOGUEIRA, SALSA, CAROBA e GUAYACO, tendo a satisfaco do communicar-
Ihe o seguinte:
Fazem seguramente cinco annos que emprego na minha clnica o seu j to reputado Elixir em muitas affeccoYs de
natureza syphiiitica e em algumas de fundo escrophuloso, tornando-se m iis notorias as virtudes curativas deste preparado nac
primeiras*d'aquellas affeccoes.
Com o seu uzo prolongido nunca observei as perturbares gstricas qne sem apparecer quando applicamos outros me-
dicamentos congeneres, tomando por isso sofjjia e fcil a sua administracao at as creancas.
No hesitorei em reeomnapdal o com confianca nos estados pathologicos supramencio nados, sendo como a nobre mi-
so do medico c ntribuir para o allivio e bem estar a humanidade que soffre.
Autorizo o a que faca "o uso que Ihe convier d'esto minha declarago e disponha do amigo obrigadoDr. Alvm
q Reuiao.
UNIOS DEPOSITAMOS EM PEMAMBUCO
Francisco Manoel da Silva k C.
H
23 Ra de Mrquez Olinda23
Pre^s: Duzia 30SOOO--------Vidro 3SOOO
Uro auo.-;y:no
tn anonymo
Uiu anonyoio
000!
500
(iUOOO
Alera do honrado negociante de que j nos
oceuparnos, ha mais dous distincto* cidados que
se comproraetteram a entrar com 145*000 no acto
de se fazer pagamento dojapor que tero de se-
guir fretado pela coramissao.
0 theeoureiro,
Domingos Manoel Martins.
Laura
Quando partiros, meu coracao flear saudoto.
10. districto
O abaixo assignado eleitor do districto
de Carapots, da comarca de Caruar,
tendo militado at hoje as fileiras do par
tido liberal, declara pelo presente no
pertencer mais a semelhante partido, por
ter ficado indignado com as violencias, e
ameacas cemmettidas pelo chefe liberal
d'aquelle districto, na eleico procedida no
dia 31 do mez de Agosto findo, alijndo-
se d'esta data em diante s fileira3 do par-
tido conservador.
Caruar, 14 de Sotembro de 1889.
Joo Valentn Correia de d.
Auxilios lavoura
Pereira Carneiro & C. continan, autorisados
pelo Banco do Brasil, conceder empresmos
lavoura das provincias de Alagoag, Parahyba
e Rio Grande do .Norte, mediante as cond^Oes
de que os ioteressados serio informados no es-
criptorio ra do Commercio n. 6, das it horas
da manha s i oa tarde.
Elixir cabeeade negro do Dr. Santa
Rom, anaiyundo em Parla e ap-
provado pela Inapecloria. Geral
de Hygiene.
(Premiado na ExposicSo)
Continuamos a prevenir o publico que o ver-
Jadeiro elixir caneca de negro o da formula
do Dr. Santa Rosa, que como garanta tem em
u favor os attestados passados pelos mais dis-
tingos mdicos, desta e demais. provincias do
imperio, por pharmaceutico.-*, desembargndores,
advogados, engeoheiros, commerciantes, empre-
aos pblicos, lentes da Faculdade, artistas,
etc.
Fioue, portanto, o publico sabendo que o eli-1
xir fabricado na ra da Cadeia, pharmaria de
Herme Souza Pereira, Successores, urna imita
go do nosso.
Deposito do verdadeiro ra do Bom Jess n. I.
I Frederico Chaves Jnior JJ
Homoepatha
39-RA BARO DA VICTORIA-39\\
PalIra
Dr. Coelho Leite
Medito
Declara para conhecimento de todos m
intere8sad'>s que no se entende comsigo
mas com o acadmico J. C. Coelho Leite,
proprietario do animal Pirantn o que
est cscripto em varios jornaes de hoje.
19 de Setembro de 1889.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
acuHsia, ex chefe de olinica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 na do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
audade n. 25.
S

I



Diario de Pernarabuco-Dominffo 22 de Setembro de 1889
-^-^^-- i

v, Ao pub leo
Afcaixo apresento as provas a! testadas pelos
teipaes moradores de ACogado* e a da Ezma.
D. Clara Mara da Conceico, conforme com
etti-me no oieu artigo publicado no Diario
Dr Domnguez.
Exma. Sra. D Clara Maria da Cooceiclo.Ro-
a V. Exc. se digne attestar se nao fui insul-
> por Bellarmino da Cunta COrte em a porta
a residencia de V. Exc.
Do menor criado atiento obrigado.Dr. Fran-
tu Domingues da Stlea.
Fui testemunha dos insultos a V. S. dirigidos
pelo Sr. Bellanoino.
Becife, 19 de Setembro de 1889.Clara Maria
Ai Conceicao.
lima. Srs. moradores na freguezia de Afo^a-
m.- Rogo a Vv. Ss. se dignara diier abaixo
este qual o procedimento de Bellarmino da Cu-
aba Corte, ne.-sa freguezia estabekcido com dro-
gara : se nSo sabem que vivia diariamente em-
aragado e se nao roobecido como provocador
8 detractor de honra de familia.
Recife, 19 de Setembro de 1889.-Dr. Fran-
tmc* Domingues da Silva.
Sabemos que condecido como tal.
David Ribeiro da Silva.
Joao Rodrigues. Matiz. '
Manoel Honorato de Paula Franco.
Antonio Lopes de Sonsa Braga.
Antonio Ribeiro de Souza.
Joaquim J Lemas.
Feliciano Francisco Hollanda Chacn.
Bernardino dos Santos Cruz.
Antonio Jos Das.
Jos Murtins Ribeiro.
Joaquim Silvestre Tiixeira.
Affonso Machado Mogolla.
Joo Francisco de Mendonca.
Joao Romaneo de Azevedo Campos.
Ao eleitorado liberal do 12.
districto
Achando-se designado o dia 12 de De-
zerobro prximo futuro, para ter lugar a
ele9ao, nesta provincia, de deputados
Assembla Provincial; declaro a meus a
migos que sou candidato a um lugar na
mesma assemblf; por este 12. districto.
Os servicos qua hei prestado ao partido
a que pertenco. me d direito a exigir
de meus correligionarios esta prova de
confanca. Na comarca de Cimbres onde
resido, cont com amigos to dedicados.
que quasi posso garantir ser bem succedido
nesta minha pretencRo.
Aos Srs. eleitores, que se dignarem
amparar-me minha eterna gratidSo.
Pesqueira, 13 de Setembro de 1889.
Manat Cordeiro de Carvalho.
IV. s
Carnes, msculos c sangne renovam-se com
aJgens vidros Fomente da Emulsao de Oleo de
Jijado de Bacalho de Lanman & lemp, reme-
As eflicaz e radical para todas as alfeccOes dos
fdntes e da garganta, tosse, debilidade e fra-
nela do xystema, perda de carnes e deroacra-
Possue em absoluto todas as virtudes tnicas
BOlntivas -do Oleo de Figado de Bacalho, e
bypophosphitos, sendo alcm disto, pela sua
de umendoada, muilo mais ugradavel ao
i e de mais fcil digeslo do que o oleo puro,
wqual muitas pessoas fazera objeccao por o nSo
anerem resistir os estmagos delicados.
MMOHM da renta do Henhor
atm alewu* do* \ filelo* na lrja
** m. done de Riba-Mar no domin
*o SC do rorrentc.
Ao meio dia de 21 do correntu, soltarse ha
a salva de bomba real e diversas girndolas
e logo do ar. annnnciando a festa do Divino
Jtodroeiro, tocando u insigne banda marcial do
!fr balalhao de infantaria a qual tocar em todos
ademis actes. A's 7 horas da noite ter lugar
o Rimo setenario.
Na madrugada de 22 ter tambem lugar urna
jusea rezada em tenco de todos os irmSos c
aevotos que concorreram com o seu obulo para
atesta.
A's II horas da manha entrar as Tercias e
Jepois o Gloria no qual a orebestra a cargo do
oeso irmio o Sr. professor Lydio de Oliveira,
execotar a msica da ralssa denominada Natal,
nb a regencia do Sr. professor Antonio Mariins.
Ko Evangelno oceupar a tribuna sagrada o
*vm. vigario da freguezia de S. Pedro Goncal
et Jo5o Augusto l'ereira do Nascimento, antes
co qoc o nosso irmao Lydio executar na flauta
ana meloda da opera II Goarany.
A Urde tocar no palto da groja que se acha-
la embandeirado a mesma banda marcial do 2o,
altndose por casa occasiao diversos bales.
A's 7 horas da iioite subir ao pulpito o prega-
Jwr daCapella Imperial Frei Augusto da raima-
alada Conceiijo Al ves, depois do que entrar o
Bs-Deum, com a msica denominada Espirito-
Jmto, coraposieo do maestro Colas com o que
ioalisar o acto.
A meza regedora pede aos moradores do pateo
iaigreja para illuminarem noite as fachadas
jp roas casas para maior brilhansmo do acto.
Consistorio, 20 de setembro de 1839.
Miguel lis Santos Costa Jnior,
Escrivfo.
Cirurgno Dentista
U*. ROBERT P. RAWLINSON, for
aio pela Univei-3dade de Marjland nos
Jbtados-Unidos, tem aberto o seu consul-
JariOjca ra Baraodo Victoria 18, Io an-
Csasultas da 10 s 4 horas da tarde.
Em virtude do que dispute o art. 66 do
regulamento que baixou com o decreto n.
9554 de 3 de Fevereiro de 1886, a Ins-
pectora Geral ile Hygiene faz publico,
pelo prazo de o :o das, que o cidadao
Angelo Vieira Sampaio, Ihe dirigi a se-
guinte peticSo com documentos que satis-
fazem as exigenc.as do art. 65 do citado
regulamento.
< Angelo Vieira Sampaio, cidadao bra-
sileiro, casado e residente na villa de Ba-
Vista da provincia de Pcrnambuco, deso-
jando continuar a ter pharmacia nesta
mesma villa, attento ao estado insalubre
e o crescido numero de seus habitantes,
onde nao ha outri dirigida por pratico ou
pharmaceutico formado, e julgando o snp-
plicante ter satisf3to a exigencia do art.
65 do decreto n. 9554 de 3 de Fevereiro
de 1886, com os seis documentos juntos,
pedo a V. Exc. para que se digne conce-
der-lhe a precisa licenca. Nestes termos
espera benigno despacho. E. R. M.
Villa da Boa-Vista, 14 de Fevereiro de
1889.Angelo Vieira Sampaio.* Sobre
urna estampilha de duzontos ris.
E declara que, si nesse prazo nenhura
pharmaceutico formado lhe communicar
ou a Inspectora de Hygiene da provincia
de Pernambuco, a resolucao de estabele-
cer pharmacia na citada localidade, conce-
der ao pratico a licenca requerida.
Inspectora Geral de Hygiene, 1
Maio de 1889. Dr. Pedro Affonso
Carvalho, secretario.
de
de
Rronchite aguda ou chronlca
O Pcitoral de Cambar o melhor re-
medio.
Advogado
Bacharel Joao Ferrelra Do-
mingue Caruciro
Rna Esireita do Rosario n. 10,1 andar
Encarrega-se de quaesquer causas
n'esta cidade e aas comarcas prximas,
especialmente as de i o d'Alho e Tim-
baba, para ende viaja frequeotcmeatc.
Revista do Mercado
RSCIFS, 21 DE SETEMBRO OE 1889.
seve peuco movimento.
Otmercados, en geral, estiveram parados.
Cambio
9 mercado censervou-se na mosma posico
tefcaitem, teo movimento algum.
P{e! bancaaio 27 1/2, cem ofTertas dos ban-
as para saecar a 27 5/8.
Ca papel particular n5o houve movimento.
Jfo Rio, o banco Internacional saccoa a 27
U/U sobre a filial de Londres u os demais ban-
Taea 27 5,8
Fafel particular a 27 3, i ateuto.
TABIXT.AS AFFIXADA8
-
I
5.

c S
i 2
H S
f
9
- ar 3
o o =r
I
a
a
--
i
Bolsa
Re, ifi 1880
2Bf> bouve <
Tuberculose pulmonar
Cura garantida pelo Peitoral de Cam-
bar.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, lu andar.
Consultas de 8 s 10 da manhS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONB K. 226
La Rosa Alemana
E' o nome de urna qualidade de cerveja
branca que pela primeira vez veio a esta
provincia. A cerveja La Rosa Alemana
nao contm cidos ou productos chimicos.
A preparacao da cerveja La Rosa Ale-
mana, chegou no mais alto grao de per
feislo. E' sublime, muitissimo agrada
vel ao paladar, finalmente urna conbina-
c5o de sabstancias poderosas para a b5.t
alimentacao. As mais afamadas cervejas
nllo trazem o nome do fabricante. Entre-
tanto o proprietario c'a cerveja La Rosa
Alemana tendo conquistedo o segredo da
sua 8ADAVEL cebveja registrou a mar-
ca com a sua firma no rotulo.
E como teve a honra do requestar a
sympathia publica, e para que a cerveja
La Rosa Alemana continuo a gozar do con-
ceito do respeitavel publico, amind;idas
vezes manda examinar a sua cerveja pelas
celebridades chimicas.
Diversos estados de chimicos e dou-
tores em medicina justificara que a cervja
La Rosa Alemana muito saudavel e um
soberano alimento, cujos documentos fi
cam d)8po8c&o do rcpeitavel publico.
Diz o Dr. Vernier: Tenho por umitas
vezes examinado no laboratorio publico i
cerveja La Rosa Alemana e nao encontr
materia chimica e sim urna gigantesca pie
parsito de substancias que representam
urna valiosa riqueza para alim,entacao.
A cerveja Im Rosa Alemana goza do gran
do conceito na Europa, e ura Ulustre ca-
valheiro desta praca, a pouco chegdo d"
estrangeiro, animou o fabricante a exp r-
tal-a conyencido de ter grande acceit
aqui.
Est a venda em grosso e a retalho,
Machado 4C, ra do Vigario n. 19 j
Albino Azevedo & C, ra Mrquez de
Olinda n 2; Jos da Costa Cascoru & !.'.,
ra da Cruz n. 13: Lopes & Araujo, ra
do Livramento n. 38; Vasonccllos So-
brinbo & C, ra da Aurora n. 81; lia-
mos Ferreira & C, ra Mrquez de Olin-
da n. 50.
Vias urinarias, molestias das se-
nhoras, operacoes elctricas
21 CASIC5 SSTTSSS3TOT
MEDICO E OPERADOR
com pratica d,c paeis e lokdrbs
Estreitamento da urethra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dor;
nydroceles sem injecc.o (cura radical);
feridas e ulceras curonicas, com garan
tia de cura rpida ; pedras da bi-xiga,
fstulas e liemorrhoidas ; eyphilis, go-
norrha3, pelo methodo das mstillacoes ;
molestias da garganta e do peito pelas 1 j
atlimospheras medicamentosas. Con- \
sullas c operacoes das 12 s 3 horas da i j
tarde. < ;
RA DO MRQUEZ DE OLI.NDA >T. ".i, ( i
2o ANDAR j )
(.rali aos pobrea. \

O presidente,
Candido C. G Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubenx
tlgodo
Nac constou vendas.
A exnortacao, feiti pela alfaodega neste raez
ti o da 19,'attingio a :t5i.l34 i/i kilos, sendo
213.2701/2 para o exterior e 140.914 para o inte-
rior.
As entradas verificadas neste mez at a data
de hojn, sobem a 2.izi saecus. endo por:
Jareaos.
/apures .....
\mraaes.....
Via-ferrea u-.; Carua-.
v"ia-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea de Liraoeiro
Somiaa.
464 Suecas
37
708
87
60
967
2.323 Saccas
.1 sanear
Os precos pagos ao agricultof, por 15 kilos, se-
gundo a Associaeo Commercial Agrcola, fbram
os seguintes:
Braoco..... 4W0 a iOOO
Somenos..... 34700 a 44600
Mascavado purgado 280O a 3000
bruto especial. 2*400 a 28iW
bruto baixo 1*300 a I J6c0
Relame..... 1*000 a 1*200
A exportayao, feita pela alfandega neste mer
at o dia 19, consteu de 196.003 kilos para o
interior."
As entradas verificadas neste mez at a data
de boje, sobem a 8.199 saceos, sendo por:
Barcadasf .
Vapores.....
Animaes....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limociro
Somma.
1.507 Baccos
8.199 Saceos
el
Cota-se a 60*000 por pipa de 480 litros.
Couros
Couros salgados, 350 ris, e os verdes
rli.
a 210
Agurdente
Cota-se a 112*000, por pipa de 480 litros.
%lcool
Cota-se a 220*005 por pipa de 480 litros.
Pauta da Alfaudega
SEMINA :-E 23 A '28 DE SETtBBO DE 889
Vide o Diario de 22 de Setembro
Xarloa S descarga
Barca norueguense Salid, carvio.
Barca norueguense Spes, ferragens.
Ltgar nacional Loy>, xarqne.
' Lagar ioglez Rozinn, bacalho.
I Patacho allemao Fiedcrick, xarque.
1 % Dr. Ballliazar da Silvelra
Especialidadefebres, molestia
das criancas, dos orgos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-3e a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Tosse convulsa! coqueluche I
Nao deis crianca senao o Peitoral de
Cambar-
Patacho sueco Alalina, xarque.
Patucho norueguense FJrain, xarque.
Sumaca hespaniiol Annita, xarqne.
Eiportacao
. ucaw, 20 na setrbio d: 1889
Para o exterior
No lugar inglez Pecrless, carregaram :
i'ara Canal, F. Caseto & Fillio 6,000 saceos
com 450,000 kilos de assucar mascavado.
Para o interior
No vapor americano AUianca, carregou :
Para Santos, A. V. de Barros 615 saceos com
36.900 kilos de assucar mascivado.
No hiate nacional F. do Passo, carrega
ram :
1'araMaco, M. ViegasA C. 12 barris com 730
litros de mel. i barricas com 330 kilos de assu
car refinado, 5 ditas com 400 ditos de dito brau-
co e 1 dita com lOO ditos de dito mascavado ; P
Alves A C. 14 barricas com 1,260 kilos de assu-
car branco ; E. C. Beltrao A Irmao 6 barricas
com 608 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Ge>iiu.ily carregaram :
Para SaUl, P. Alves A C. 47 barricas com
2,620 kilos de assucar refinado.
Itendlmcutos pblicos
Mel DB SRTEMuBO
Alfandega
Renda geral :
Do dia 2 a 21 330:7715217
dem de 21 43:099.5176
Rehda provincial :
Do dia a a 20 61:493*706
dem de 21 3:9580't0
373:870/393
65:453*716
Somma t)tal 639.324*139
Segunda serco da Alfandega de Pernambuco,
21 de Setembro de 1889. x
O theaoureiroFlorencio Domingues.
O chefe da seccaoCicero B. de Mello.
Rccebedoria geral
Do dia 2 a 20 24:064*271
dem de 21 974*715
23.0383986
Recebcdorla nrovinclal
Do aia 2 a 10 16:372*791
dem de 21 435*398
17:008,5189
Rcclfc Dralnagc
Do dia 2 a 20 31 J46*.39
dem de 21 1:184*963
32.931 i 204
Mercado Municipal de S. Jos
0 movimento dcste mercado no dia 20 de Se-
tembro foi o seguinte:
Enlraram i
34 bois pesando 4,248 kilos.
1286 kilos de peixe a 20 ris 23*720
33 cargas com farinha a 200 res 6*600
9 ditas de milho a 200 ris U800
13 ditas de feijao a 200 ris 2S600
QUE ENFERM1DADE E' ESTA QUE
NOS ACOMMETTE?
Como o ladrao que nos ataca noite,
ella acommette-no8 s occultaB. Os afligi-
dos desta doen5a tm dores de peito, de
lados e, algumas vezes, de costas. NSo
querem fallar, e sentem necessidade i de
dormir. Percebe-se na boca um sabordesa-
gradavel principalmente pela manha. Os
dentes cobrem-se de uina especi do ma-
teria viscosa; e o appetitc desnpparece.
paciente sent como que nin grande peso
no estomago, c, s vezes, urna scnsacSo
de vazio no mesmo orgSo. Na boca do
estomago ha milita fraqueza ; e a nutrvSo
nfio produz satisfarn ulguma. Os olhos
empanam-so ; e as mSos e os pos esfriam,
o tornam-se viscosos. Algum tempo depois
principia urna tosse, secca no comeco, e,
em seguida com urna expcctoracSo esver-
dinhada. O doente qucixa-sc de um can-
caco interminavcl, e, quando procura dor-
mir um pouco, nenlium allivio sent. Logo
depois, o enfermo torna-se nervoso e iras-
civcl, e o seu espirito nao v senao tristes
presagios. Elle sent vertigensurna es-
pecie de tontura na caboca quando se le
vasto sbitamente. Ha pristo de ventre ;
a pcc torna-se secca c quente alternati-
vamente ; o sangne adiase espesso e iner-
te ; a ( "r do branco dos olhos 6 amarelien-
ta;e uri.ia quasi nenhuma e muito
eorada, deixando um deposito no vaso. O
afligido muitas vezes obrigado u vpmi-
tar os alimentos quo toma, e estesvomitos
deixam-lhe na boca um gosto unas vezes
amargo e outrns vezes adocicado. Este
estado de coisas frequentemente seguido
de pnlpitacSes do coracao. Enfraquece a
vista do doente, e olio parece ver nodons
diante do olhos, sentindo um grande can-
caco c debilidade. Estes nymptomas ap-
parecem cada ura por sua vez. Dizera
que o toreo da nossa populacho soFrc da-
quclla enfennidado sob alguxOs das suas
formas. Indubi avelinente, os mediecs sem-
pre s'enganaram sobro a uatureza da cita-
da molestia. Alguns trataram-n-a como
affeccao do ligado ; e outros como doenca
dos rins; mas nenlium tratamento eoaie-
guio cural-a, porque o remedio Seria scj
susceptivel de obrar harnioniosamentc so-
bre cada um daquellcs igaos, e tamben
sobre o estomago. Nos casos de Dys-
pspsia (sendo este o verdadeiro nome da
eni'ermidade) todos os citados org'os desor-
denara-se ao inesino tempo, e procisam do
una medicina quo possa obrar Sobre to-
dos eiles Biarahaaeameate. O Xarope
Curativo de Seige! produz um effeito m-
gico em esta elasse de padecimentus dando
um allivio qoasi mraediato. O Medica
ment vende-se por todos os Phannaceu-
ticos c Boticarios do mundo inteiro, e pe-
los roprietarios, A, J. Whitc (Lrmrtedj
17, Farringdon Uoad Londres E. C. In-
glaterra.
Depositarios na provincia de Peniainbu-
co por atacado : Francisco M. da Silva & C.
na cidade de Pcrnambuco.
Vendedores retalho, na cidade do
Pernambuco, Bartholomou C, J. ('. Levy
& C. A. M. Vera ec C. Rouquayrol Fr-
res, Fama Sobrinho C. e T. S. Suva ;
A dvog'ado
Miguel Jos de Almeida Pernambuco tem o sen
escriptorio de advocacia ra do Imperador o.
81, onde ser encontrado todos os dias uteis, das
horis da 9 manhs 4 da tarde.
Bacharel Antonio Witra-
\io Pinto Bandeira
1
ode ser procurado ra do Imperador
o. 71, Io andar
3S2
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro
j | 46 Ra do liarao da Victoria46
1 j (DEFEOKTE DA PHAUIIACIA PINHO)
!

| tas
l \ em geral, cura rapiua e completa e ope-
* racoes d estreitamentos e mais otfri-
mentos da* uretra. I I
Acode de promplo a chamados para (j
fra, a qualquer distancia. '
Telejihonc n. 33ft
Onde tem consultorio e ro i
dcncSa i podendo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora i
do dia e da noite. i
Especialidades: parios, febres, moles- '
s de seulioras e dos pulmes, syphilis
^^^Kd^s-^c^
em Palmares, A. C. do Aguiar; e em R.
Joao da Igreja Nova, J. A. da Costa o
Silva.
*&%# r % "^W
V O Dr. Ermlrio < outlnbo, de
volla de sua via^em a Eu. opa, onde
se iicdicou especiulaiine ao eslu-
do das molestias do sysiem.i r.er-
voito. leai um cuitolluriua l'racu
do Coipo Sanio n. o, defren'.e do "f-
Ic^rapno Nacional
Consultas de umi as tres horas da
fe M-
m&......- =**%
As tmeamma, nevrnlgias o dr.s des-
apparecem como por encuito tomando urna
colhcrada grande de SolccTa de AiUipy
ruta de Trouette. (1*1
!
I ADVOGADO
\ O Iwchanl Salnstiaoo Jos de
/ Olivoira pode ser procurado para \
3 os misteres de sua profissao. ^
V9 rna Estrella do Rosario u. 10, 1." 5P1
i
Leonor Porto
ESisn adarga do ftosnrio an-j j
w
1ero '1
SEGUNDO A.NAR
1 Contina a esecutar os mais difficeis
,l:;;urincs receidos de Londres, Pars,
)Lisboa e Rio de Janeiro.
1 Prima em perfeicao de costuras, em
: im Imjvidade, inodicidaue em prejos e
! lino ''"to.
7 ditas defructas diversas a 3O0iia 25100
9 taboleiros a 200 r:s
11 sumos a 200 ris
2i malutos eos !cgu:c?5 a i00 r.*is
Fcruui octSnpados:
27 eolumuas a 600 r3
1 escriptorio a S
11 coi!ipartiii1e"tcs fejimsnaflUU
res
il ditos de co!i)idr.3 a 500 rts
78 ditos de legumes o ttKtndas a
4iki reis
17 ditos de suiiio3 a 700 reis
8 ditos de CressnrM a WO rtis
35 talhos a 2
1..-S00
2i2LK)
i 800
lOASWO
300
16/200
HO'O
: ll
43(Ki
Rendhnento do :z 1 !9do x--
rente
3064319
3:984*180
4:190/700
F01 arrecadado liquido a!
Precos do dia:
Carne verde de 280 a 400 rtis c- Mo.
Can-oiro de 720 a 13 risidera.
Suinos de oGO a 5V0 rSs id:.n.
nrinhade, 400 a 6 0 riis a ;:i
Milho de 300 a 400 riis dem.
Pri$o de 1*000 a liJOO id. 1
ftaladoara pa^Iteo
Ne3te estaelecimeto foram abatidas para o
consumo de boje 80 rezes perlincootea a diver-
sos marchantes.
%'apore* a carar
MEZ DE SETUMEEO
Norte......... Sazona....... ... 22
sul........... S......---- 22
Europa....... P^osi........... 2
Norte......... Para............. 24
Europa....... Villc de S. Nicolao.. 25
Sul........... Espirito Sanio..... 27
Europa....... Trenl............. 28
rul.......... Don.............. 29
Vapores a sal3r
IEK DE SETEMBRO
Montevideo .. Potos............ .as II h
Babia c esc .. Jaculiype.......... 2* as 3 h
Sul.......... jfara............. 2 as 5 h
Cear e esc... Jagv.aribe........ 26 as 5 O
Rio Formoso Pira-pama......... 0 as 5 h
Santos e esc Ville de S. Nicolao.. 26 as i h
Norte........Espinlo Sanio..... 28 s 5 h
Buenos Ayres. Trent............ 28 as
Soutliamptom. Don.............. 29 as
2 h
2 b
Jlovlraento do porio
Navios entrados no dia 21
Cear e escala-8 dias, vapor brazileiro Jaguari-
be, de 429 toneladas, comraandante Alfredo
Monleiro, equipagem 30, carga varios gneros;
Companhia l'ernambucana.
Cowes (Inglaterra) 28 dias, ve por inglcz Dayse,
de 39 toneladas, commaudaute Bartholomeu
Owens,equipagem 12, em lastro; ordein.
Navios sahidos no mesmo dia
Santos e escala-Vapor amarican AUianca, com-
uianJante J. R. Beers; carga varios gneros.
BarbadosLugar norueguense Posseidon, capito
B. Ov/ard em lastro.
5.a seccao.Secretaria da Presidencia
ie Pernambuco, era 2'.) de Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exra. Sr. Dr. vicepresidente
da provincia e nos termos do 2o do art.
Io da !ei n. 1,J01 de 4 de Junho de 1887,
que, tendo-se concluido por meio de lad"
de arbitro desempatador, a questao de ava-
iacao do material da empresa de iliumi-
oaco .4 g;;z desta cidade, tica aborta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
ses, contados da data do presenteedital,
oara contracto da dita illuminacao, me-
diante as seguintes clausulas da citada le:
3. Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de baver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:0005
era dinheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitacSo do contracto
ao caso de ser preferida a sua proposta
4. O deposito, a que se refere o pa.
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo contractante 6enSo indo o contracto e
ervir de caucao para os pagamentos de
inulta e fiel comprimento das clausulas,
pie forera estipuladas no mesmo.
5. O contracto s poder ser feito
com quem melhores vantagens offerecer
na concurrencia.
( 6. A nao ser no ca* do paragrapho
antecedente, a actual impresa nSo ter
preferencia a qualquer outro proponente.
7. O novo contractante sera obriga-
do ndemn8acSo, a que a provincia
sujeta por forca da clausula decima ter-
ceira do contracio em vigor, de vendo dita
ndemnisacao ter lugar de accordo cora
essa mesma clausula, e ficando o mtenla
o obras da empieza hypothecados pro-
vincia at que esteja realisadi a indemni-
saySo ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
8. O prazo do contracto nSo poder
exceder^ 0 annos.
9. Opreco da ilhiminacao, quer publi-
ea, quer psrticuiar, nao poder exceder de
2(30 reis o metro cubico de gaz, fazendo-
se urna redcelo de mais de 30 (0, para
03 estabelecimentos de caridade e benefi-
cencia, e reparticJes publicas.
10. O systema mtrico, si for mais
eonvenfeute, ser adoptado para a medi-
;So*do gaz.
11." A luz ser clara, brilhante c senta
de substancias cstranhas, que possam pre-
judicar a illuminacao e a hygiene publica.
12. A intensidade media da luz ser
equivalente a de dez velas de espermacete,
das que qaoimam setc gramolas por hora,
correspondentes a 120 gfSos inglezes.
lb*. As horas de illummayao publica
serilo fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cftda auno, nao podendo
ser em numero menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste caso Laver urna
reduccSo no preyo do gaz correspondente
ao acrescirao de horas.
14. O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questSes que
se suscitarem, quer c^m o governo,
quer com os particulares, ficando sujeitos
todos os seus actos s leis e reglamen-
tos c jurisdieeao dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos do paiz.
15. O contractante ser obrigado a
collocar e construir sua custa um ou
mais gazometros, se houver necessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os mellio-
ramentos qne durante o prazo do contrac-
to se forein descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
16. O pagamento da illuminacao pu-
blica e particular ser feito em moeda do
paiz, sem attencao oscillac3o do cambio.
g 17. O contractante poder organisar
companhia, a qual ficar subrogada em to-
dos os direitos e obrigajoes do contracto.
18." Para as despezas com a fiscali-
ajo do servifo de illuminacao ^o contrac-
tante concorrer annaalmente com a quan-
tia de 3:0000000, qU0 8era0 rCcolhidos ao
Thesouro Provincial.
19. O presidente da provincia esta-
belecer as multas c mais condicSes, no
intuito de garantir a boa execucSo do con-
tracto, quer com relacao a lumincao pu-
blica, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7o cima citado, s
quantia de 994:9170523, de accordo conr
4 avaliacao feita pelo arbitro desempata
dor em 18 de Margo ultimo, visto deduzir-
se da de 998:7770523, total da avaliaco,
a importancia de 3:8600000 paga em-
presa em 1860, proveniente do 202 cano
de ferro, 5 columnas e 5 bracos com lam-
neSes, collocados fra do permetro do
contracto. O secretaria interino,
Manoel Joaquim Silveira.
Empreza do Gaz
AVlftlO
A empreza de il!uminacao a gnz desta
cidade por seu gerente, tendo visto no
Diario de Pernambuco de hoja a publica-
cao do edita! em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminacao mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas e servindo de
base
para a ndemnisacao
da
empreza
actual a quantia de 998:7770028, por
quanto foram avahadas pelo arbitro desem-
pati.dor as obras da mesma empreza,
quantia essa que dever ser psga pelo
novo contractante, vem pelo presente
, e para evitfir duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliaco nao pode servir
le base para tal indemnisacao, por ter
sido llegal c irregularniente feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
erante o Exin. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perantc o juizo dos feitos da
(aseada, tendo sido intimado do mesmo
protesto o Dr procurador dos feitos da
fcVizeuda Provincia!, como representante
da ropvincia.
E como quer que aova em tempo op-
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, delibereu fazer a
presente publicado para scieucia dos in-
teressados.
Keeife, 1 de Maio de 1889.
Gerente.
George Windsor,
O Dr! Tilomas (jarees Prannos Montenegro,
coiDmcmtdor da Imocrial unlem da llosa e
juiz d'' Jireiio especial o coiiimercio clesla ci-
(inde do llecife capital de PernambDCO, por S.
M. Imperial o Consiitucional o Sr. D. Pedro
II, a qiif-m Deus goarde", etc.
Faco saber aos que o presente citlal virem,
011 dclle noticia liverera que, por parle de D. Ma-
na Veiiancia da S Iva me fui dirigida a peligao
que do modo, forma, maneira c iheor segraa
le :
PetiraoHl.ni. Exra. Sr. Dr. uiz de. direito do
cummerci;.Diz D. Mara Venuncla da Su-
va, inventariaiile dos beiis de seu finado ma
riti Joo Jos da Silva, que sendo o espolio do
niesino finado credo'- de Miguel di Muta Morei
ru da imporiancia de i:108l40, de AITonso do
Andrade Pessoa da de 1:8965360, de Francisco
Tuixetra ir C. da de 1:1314940 e de Manoel loa-
quim Gaerreiro it irmao da de 1:0004000, coas
lanles d;is letfat juntas aceitas pelos supplica
dos e saccadas pelo fallecido marido da suppli-
cante na qualidade do socio da firma commer-
cia Silva Alves, exline'a; e como as mon
Clonadas letras eslejam a preserever, vem no.
lennos do arl. 45), n. 3 e Cdigo Commercial.
pedir a V. Exc. se digne mandar tomar por ter-
mo o seu protesto pora interromper a prescrip-
cao, depois do que sejam as letras desentranlia-
das a entregues ao advogado da supplicante,
o abaixo assignado, IkSUHde copia.
E porque os supplicaJo se acliera em luga?
tocarte e nao sabido, requer que as citacoes &=-
jam feitas por e.iitos. justificada a ausencia pel
supplicante. Pede, a V. Exc. deferimeaio.
IV'.if,-, 17 de Setembro de 1889.-Ribeiro Ma-
chado.
Eslava legalmente sellada com urna estampi-
lha do valor de 200 rs., devidaiueule inulilisadu
na forma da lei.
E mais se nao continlia em dita e meucionada
petiyo aqui muito bem e eimen'.e copiada o
transcripta, de.pois do que via-se e mqstrava-se
o despacho que 6 do-modo, forma, nianeira o
theor seguinle :
Despacho D. Como requer. O cscrivao de-
signe dia.
Becife, 19 de Setembro de 1889- llouteoe
ro.
E mais se nao ccutina em dito e menciona-
do despacho aqui muito bem e tielmente copia
do e transcripto depois do que via-se e mostra-
va se a distiibuico que 6 do modo, forma, mn-
ueira e theor fcguinle :
Distribuiyao A Ernesto Silva. -Oliveira.
E mais se nao continha em dita e mencionad;.
distribuicao, aqui muito bem e fielmente copia-
da e transcripta, depois do que vase e moslra-
va-sc o termo e protesto que 6 do modo, for-
ma, maneira e theor seguinte :
Termo de protestoAos 19 de Setembro dt^
1889, em meu cartorio, peranlo mim, compare-
ceu a supplicante por seu advogado Dr. Jos
Francisco Kibeiro Machado e p ir este Coi dito
que pelo presente reduzia a termo o protesto
constante da petico retro, que ollerecia como
parle deste em que depois de lido assigna.-Eu,
Ernesto Machado Freir Pereira da Silva, Jos
Francisco Ribeiro Machado, Innocencio Garca
Chaves, Jovino Rodolpho de Oliveira.
E mais se nao continha em dito e menciona-
do tero* de protesto aqui muito bem e fielmente
copiado e transcripto, depois do que vase e
inoslrava-se que, tendo ajusliGcante produzido
suas testemunhas. que depuneram conveniente-
mente, o respectivo esc ivao fez sellar e prepa-
lar os autos e m'os fez conclusos, nos quaes
profer a senlenca que do modo, forma, ma-
ueira e theor seguinte :
SentcngaVistos. Procede a justificasao. Pas-
sem-se os editaes pedidos com o prazo de 30
dias. Cnstas ex-causa.
Recife, 20 de Setembro de 1839. -Tliomaz
Q&rcei Paranhos Montenegro.
E mais se nao continha em dita e mencionada
sentencj aqui muito bem c lielmente copiada e
transcripta, em virtude da qual o respectivo es-
crivao fez passar o presente edital, pelo qual o
seu theor chamo, cio e hei por iutimados os
justificados ausentes em lugar incerto e nSo sa-
bido, para que, dentro do prazo dellO dias com-
parecara ante este juizo, para allegar e prova
o que for a bem de seu direito e Justina.
para qu chegue ao conhecimento de todo;,
mandei passar o presente edital que ser publi-
cado pela imprensa e affixado nos lugares do
costme.
Daeo c passado nesta cidade do Recife capital
da provincia de Pernambuco, aos 10 de Setem-
bro de 1889.
Subscrevo e assignoErnesto Machado Freir
Pereira da Silva.
Recife. 20 de Setembro de 1889. -
'homaz Garcez Paranhos Montenegro.
o.' Seccao Secretaria da presidencia de Per-
nambucoEm 3 de Setembro de 1889
Por esta secretaria se faz publico que tica
aberto o praso de 50 dias, acontar desta data,
para o receoimento de propostas em carta fecha-
da dos concurrentes a mstruccao de urna es-
trada de ferro de que trata a le provincial nfra
0. 2.035 de 8 de Agosto prximo lindo.
0 secretario
Francisco L Marinho de Soma
LEI. 2.056
Manoel Alves de Araujo, do conselho de Sua
Magestade o Imperador, bacharel formado e;n
sciencias sociaes e jurdicas pela Faculdade de

fe
f!
t
f.


ai.
i*
T
[7
:'
Diario de PernambucoDomingo 22 de Setembro de 1889
sTpaulo nal Ordem da
Rosa e presidente da provincia de Pernambuco
Faco saber a todos oseos habitantes qua
As3embka Legislativa Provincial decretou e eu
gancciooei a resol ucao seguidle :
Artigo 1. Fica concedido o engenheiro New
ton Cesar Burlamaqni ou a queo raelhores van-
tagens offerecer privilegio por 60 annos para a
constroeco, uso e go^o de una estrada de ferro
de bitola estreita, que prtanlo da Serra Dotu
Irinos, na extrema desta provincia cora a do
Piaoby, v terminar na villa de Petroliua, pon-
to marginal do Rio S. Prnnekca
S i A zona privilegiad i lera 10 leguas para
fcada ladodoeixo da linlia, sein que seja iso,
em lempo algutn erupecilln a que a quulquer
outra estrada de ferro, piralleia ou nao a de que
cogita a presente eoaeesBao, posa a provincia
azer eouceseo de zona ni.
de futuras toneessfies, ? a zona privilegiada da
estrada a que refere ae M .;r m
pela de qualquer outra e-tuda de ierro eonce1
dida inais tarde p'a provm.ii. aera o '
de trra que entre as dais eatrad u mediar 5tJ
dido ao nieto, licando urna Dietade delle como
zona privilegiada de eada tima das referidas es-
tradas.
i. Em igualdadc do con licCes o oneessio-
nario ter preferencia para onstruccao. uo e
goso de futuros ruinaes convergen
3. Fieam isentos de o imposto*
proviociaes e mumeipaes O edificios, as machi-
nas e materiaes oeeassarios para a comurueco e
exploragao da liona principal e dos ramacs que
forem caatraidos.
g 4." O eoncesaionarlo sera obrigado a cons-
truir linha leleyraphica para u.-o publico e par-
ticular da referida estrada e ramaes, goiaedo de
igual isencao de direitos impostes.
| o. Fica concedida a garanta de juros de
6 % sobre o capital que for empregado electi-
vamente us obras, calculado o prego mximo
do kilmetro, em 23.0003 e p*!o pruso 'la dsra-
co do privilegio, lindo o qual reverter para a
provincia u estrada COCO todas as" suas obras,
machinismes, materiaes e liohas telegrapoicas,
e be.n assim cada utn dos ramaes que lenhun
sido construidos, los^o que (entuna sido oxplora-
dos por igual tempo,
6.' A garanta de juros so M tornara effec-
tiva no caso de ser levada a eHeito a concesfo
da estrada de ferro de Amarante na provincia do
Piauny a ierra Dous IrmSos, qual se prende a
resonte concessao, perd< nduo concessionario o
ireito a referida garanta se obtiver o governo
geral, sobvenco Kilomtrica, quantia de juros
ou qualquer outro favor equivalente.
7. A provincia ter o direito de embarcar
gratuitamente a sua brea publica, autoridades c
respectivas cargas.
8." O concessionario poder transferir aera-
presa ou cotnpanhia, que organisar o presente
privilegio com todus as s:u> livores e obriga-
eflea -
). Dentro de 3 anuos da data do contracto
dever.'io ser apresentados os respectivos estucios
deliuitivos o os respectivos oiv.'.menlos delalha-
dos e ter comeo de execu<\'io as obras, cadu-
cando a concessao, se denJro desse praso nao
forem ditas obras comecadas, salvo caso de for
ga niaior, devidamente provado.
Art. i." Fieam revesadas as disposi.jOes em
contrariu.
Mando, perianto, a to:las as autoridades a
quem o conhecimento e execucSo da presente
resolucfio pertencer, que a cumpram e facam
cumprir to ioteiramcute como nella se cotn-
tm.
secretario da presidencia da provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernanbuco. 8 de
Agosto de 1889, 68' da Independencia e do Im-
perio.
L. S. 31. Alees de Araujo.
Sellada e publicada a presente rcsoluciio nesta
secretaria da presidencia de 1 eruambuco, aos 8
de Agosto de 1889.
O secretario
Francisco L. Marinlio de Snuza
PROJEGTO DE INSCRIPCAO
Para
a
4.a corrida a realizar-se no dia 29
de Setembro de 1889
PAREO Muirlo 800 metras. Auimaog da provincia que nao tenham ga-
nba premio nos pra-l^ Kecifc. Premia: 2005000 ao primeiro,
404000 ao secundo e ;'
PAREO i. de Iiiiho -- 1 .r>X)--^^HT Animaos pclluiL-s do paiz. Pre-
mio: 300)5000 ao piin^ircj :gimdo c 305000 ao terceiro.
3.* PAREOIa^fr;t;cla:I WE Animaos estraugeiros que nao t-
tano. Premios : 400/5000 ao pri-
1.'
>.
que 11S0 tenham
OOrWOO ao pri-
nham genho em lt) om 18
moiro, 80/5000 ao segv.r '000 r.o terceiro.
4. PAREO- CoasolafoS">0 metras. Animaca da provincia
gairao premios em 1889. ca roaior distancia, frer.iios
ui-iro, 40(5000 ao 3Cguu c 204000 ao terceiro.
5. PAREOGrande Premio Jmprensa Pernambueana.
Animaes inscriptos.
6." PAREOPrado Pcrnaiabucano 1.700 metro3. Animaos do qual-
quer paiz. Premios: 400(5000 ao primeiro. 200.-5000 ao segundo o
40)5000 ao terceiro.
7. PAREO .tnlanaco 1.200 metros. Animaos da provincia nao inscriptos
no GRANDE PREMIO. Premios: 200,5000 ao primeiro, 40#XX) ao
segundo e 30)5000 ao terceiro.
Observares
S serSo aceitas para cada pareo quinxe propostas. Cada enveloppe dever
conter nina n proposta, e caso appareca mais de urna, s sera aceita a primeira
que for lida, eendo recusada a proposta que nao vier acompanhada da importancia
da inscripcao
Nenhurn pareo se realizar sera quo se inscrevam animaes de tres proprieta-
rios differentes.
A inscripcao encerrar-se-ha ter9a-fcira 24 de corrate as 6 horas da tar-
de, na secretaria do Prado Peruambucano, ra do Imperador n. 83, 1. andar.
Recife, 19 de Setembro de 1889.
Francisco de Sonza Res,
GERENTE.
5.a secjao. Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, 20 de Setembro de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de or-
dem do Exm. Sr. conselheiro presidente
da provincia, que o prazo de 25 de Outu-
bro, a que so refere o cdital do hontem
para a apresentacao de propostas para a
fundacilo de 11 engenhos centraes, abran-
ge os de que tratam os editaos de 10 de
Julho e 23 de Agosto ultimo, requeridos
por Jos Bernardino de Bourbon Arantes
e Manocl Antonio dos Santos Das.
O secretario,
Francisco L. Marinko de Souza
Secretaria da Presidencia da Pernam-
buco.5.a scelo.Em 20 de Setembro
de 1889. Por esta secretaria se faz pu-
blico, de ordem do Exm. Sr. conselheiro
presidente da provincia que, tendo expi-
rado no dia 16 de Agosto frado o prazo de
30 dia, marcado no cdital de 16 de Ju-
lho, para o recebimento de propostas em
carta fechada para a fundacao de urna fa-
brica do cimento, preparado com materia
do paiz, no3 termo3 da lei n. 1.987, de 6
de Maio do corrente anno, fica marcado
um prazo de 20 dias para o recebimento
das all'idides propostas.
O secretario,
Francisco L. Marinho de Souza.
(j o Ion a Orphanolo-
gica sabel
De ordem desta Directo-
ra aviso aos pare otes, tu-
tores ou protectores de me-
nores despachados at apr-
sente data para seren reco-
IIndos a esta Colonia, de os
apresent&r at o dia 20 do
mez vindouro, julgando-se
cedido o direito adquirido
pelos despachos da Pres-
deocia, se o nao fizerem at
o referido dia,
Secretaria da Colonia Or-
phanologica Isabel, 20 de
Setembro ce 1889. O se-
cretario. Francisco Gon-
calves de Siqueira.
DECLARARES
S. R,. J.
Monte Pi Portuguez
(Socios em atraso)
A directora desta benemrita associaco 3Ci-
edifica aos senhores socios contribuintes e r-
nissos, que nao se pozerem quites as sua3
modalidades at o fim do corrente mez, lera de
appicar aos incursos a pena do art. 16 n. 2 dos
esta titos.
Seq-ctaria do Monte Pi Portuguez em Pernam-
bu.'o,3 de Setembro de 1889.
Manoel F. Velloso.
2 secretario
Club Carlos Gomes
Assembla Cicral
Nao tendo comparecido numero legal
de socios para realisar-se a Assembla
Geral convocada para hontem, de novo
sao convidados os" Srs. socios a compare-
cerera na sede do Club, no dia 23, se-
gunda-feira, as 7 horas da noute, para o
disposto do art. 18 Io.
QSendo eSSa a ft,-* cou-rooavJU), a oaocni-
bia funecionar com o numero de socios
que comparecer.
Secretaria do Club Carlos Gomes, 19
de Setembro d 1889.
# Andr Cosa,
1." secretario.
Derby Club de Pernambuco
Pelo Starter oram multados na corrida
de 15 do corrente, em vista do art. 14 do
regiment interno os seguintes jockeys :
Era 20f5000 Jos Marcelino, sendo em
10(5000 no 1. pareo e um 100000 no 2."
pareo.
Em 205000 Pedro Alexandrino, no 2."
parco.
Recifa, 20 de Setembro de 1889.
O gerente,
___________________________H. Schutel.
Prado Escadense
Sao conridado3 os accionistas do Prado Es-
cadense a rcunirera-se na segunda-feira 21' do
corrente, no lupar do costume, arlm de tratai*-se
de negocio urgente. Em 18 de Setembro de
18S9.
0 secretario,
A Porto.
ale Beereatlva Juimiudc
Sarao biaastral em 6 de Outubro
Confites na secretaria desta sociedade ; o in-
gresso o recibo do mez de Outubro.
Simplicidade as toilettes ; nao se admitte ag-
gregados.
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventudc,
19 do Setembro de 1889.
O 1- secretario,
Me J. Baplista.
Thesouraria de Fazenda
^lililuiri> de ola
De ordem do lllm. Sr. inspector, fago publico
que, na formado cdital desta Tbesouraria de 17
leJuulio ultimo, no dia 30 do corrente mez
que termina a prorogaco do praso marcado para
a substituirlo sem descont das notas de 200
da 5." estampa.
Vencido esse praso, comecar o descont de
accordo com o preceituado pelo art. 13 da lei
3313 de 16 de Outubro de IS86, isto : durante
os tres primeiro* mezes 2 o.O; at o 6. mez 4
0,0 ; at o 9." mez 6 < /O ; at o 12 mez 8 0 0;
durante o 13.' mez 10 0/0, e mais 5 0/0 mensaes
d'abi por diante at que as notas percio de todo
o valor.
Tbesouraria de Pazeuda de Pernambuco, 9
de Setembro de 1889.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de SaiU'Anna
::s::s:: sz :-::::,3: z:::n:iL
N1SALA0 Qi! CLUB INTERNACOJIL
PELOS PR0FE8S0RES
PRXEDES GIL 0R0XG0
SEGUSDA-FEIRA 23 DE SETEMBRO DE 1889
> <
I Parle
i."Pato doble militar. .
2.Phantasia da opera Poliuto
3.*Fuga, mta'iTCk. .
Parle
1.Gran Retreta Austraca .
t.'Dolores, walsa.....
3."lforatma,capricho hespanhol
III Parte
l.Plianlasia da opera Trovador
2.Marcha indiana ....
3."Polka.......
Juarvanz
Donizeti
Penella
K. Bela
E. Waldteufel
Kepinota
Verdi
Selenich
Farbacli
Companhia de Edifi-
ca^o
So convidados os senhores accionistas da
c.Minctt companliia de edificago, a comparece-
rem no escriptono de Moura Borges & C.,ao largo
do Corpo Santo, das 9 horao da manha s 4 da
tarde, munidos de suas accOcs, aim de recebe-
rem a quantia de 4300 por aegao quanto to-
cou no rateio.
Kecife, 20 de Setembro de 1889
Joaquim de Oliveira Borges.
Hosnital Portuguez de Be-
neficencia em Pernambuco
34a :i universa rio
I'EOGEAMMA DA FESTA NO- DIA 22 DO
C HUESTE
A junta administrativa do Hospital
Portuguez de Beneficencia soleinnisa o
31.' anniversario da eua instalIa^So, com
toda a pompa e brilhantismo dos annos
anteriores.
Das 9 horas da manha s 10 da noute,
estar franco concurrencia publica o
nosso CBtabeleci ment de caridade.
A'a 10 e moia horas om panto ter C0-
rneco a celebrasXo da missa em lonvor de
seu Padroeiro S. JoSo de Deus.
Das 3 horaa em diante, e em elegantes
barraquinhas servidas por distinctas Se-
nhoras e Cavalheiros da nossa sociedade
scrao distribuidos os objectos expostos as
mesmas, mediante a esportilla regulamen-
tar para ajuda da manutencao desta ntil o
pa instituicSo.
A noute ser o edificio, jardim o sitio
brilhantemente Iluminado a gaz, luz elctri-
ca e baloes veneeianos etc.
Durante o dia e noute diversas bandas
de msica o entro ellas as de diversas
sociedades particulares exeeutaro as me-
lbores pecas de seu repertorio, prestan-
do estas ultimas com sua presenca maior
brilhantismo nossa festa de caridade.
A junti administrativa convicta do amor
c affeigSo que a populacSo desta capital
dispensa a este Hospital espera que a
sua festa seja este anno urna das mais
brilhantes pela concurrencia a este certa-
men de caridado dando a esta festa tra-
dicional o peculiar encanto campezino.
Secretaria do Hospital Portuguez de
Beneficencia em Pernambuco, aos 13 de
Setembro do 1889.
Cetario Accurcio da Silva Papoula
Secretario.
a Pra?a~
Pela inspectora desta Alfandega se faz publi-
co qi>e s 11 horas do dia 25 do corrente mez,
serao arrematadas porta desta reparlicao, as
mercadorias abaixo declaradas:
Marca J PQuatro fardos n. 1,4, viudos de
Liverpool no vapor inglez Stliolar, entrado em
Julho do corrente anno e dous ditos da mestna
marca ns. 1,2. idem, no vapor inglez Explorer,
entrado em 17 de Agosto ultimo, todos conten-
do saceos de canharcaco, servidos, abaudonidos
aos direitos per Johnston Pater & c.
Marca triangulo S no centro e B e D aos lados
Quatro barricas ns. 1/4, viudas de Londres no
patacho norueguense Lludura, entrado em 13
de Julho do corrente anno, contendo desenfec-
lante, pesando liquido 568 kiloerammas, aban-
donadas aos direitos pela Recife Drainage Cora-
pany Limited.
3* Seccio da Alfandega de Pernambuco, 21 de
Setembro de 1889.
0 enere,
Domingos Joaquim da Fonseca
Final-RONDALLA HESPANHOLA
A's 81: horas.
Observares
l.Os bilhetes estao venda na directora do
Club Internacional e no escriptorio do Sr. Joao
Ramos, na Prac da Independencia.
2.Pede se s pessoas que se dignarem to-
mar bilhetes para este concert, que tenham a
hondada de pagar sua importancia na porta de
entrada do Club.
Espolio de Emilio
Soares
Attencao
Previne se a quem interessar, que o consula-
do portuguez nada mais tem com o espolio de
Emilio Soares, visto como o seu herdeiro j se
acha representado em juizo e requereu a entre-
ga do espolio, o que j se Ihe devii ler frito. O
herdeiro protesta cantra a inlervenc&o Ilegal e
arbitraria do mesmo consulado, que nao podia
mais continuar na liquidacao do espolio.
Recife, 20 de Setembro de 1889.
. O nrocurader,
Antonio Fernandes Pereira.
HIPPODROMO
DO
CAMPO-GRANDE
QUE 8E REALMRA
Domingo, 22 de Setembro
falz de partidaFrancisco Antonio BrandSo Cavalcsnte.
Illizes de chegadaGenesio de Albuquerque Martins Pereira, Dr. Benjamn Araerico de Freitas Pe3soa e Dr.
Francisco de Souza Reis.
Juiz de distanciadoCapito Hermino Figuoiredo.
luizes de archibancadaDr. Jos Antonio de Almeida Cunha, major Slarcolinode Souza Travasso, Dr. Jos
Alves Liuia.e Jos Gomes Ferreira Maia.
Illizea de ralaHenriqno da Co3ta Carvalho, Felippe Lopes Reis, Jos Nogueira da Silva e Joaquim Pedro Bar-
retto de Mello Reg.
tfiliz de pesagemProfessor Francisco Carlos da Silva Fragoso.
>.)
Iiladi-s
Pello*
naturalida-
des
Peno
Cor da vewlinienta
Proprielaria
Stella
Marica ..
Ida......
Invicta...
Coruja....
Primazia.
Io Pareo Extra -700 metro?.-Eeuas da provincia.
. Pernambuco.
4 annos...
3 .
5
3
4
5
Zaina
Caslanha.
Bodada..
Bussa....
Bodada...
Foveira...
57 kilos
50
55
50
55
55
Premios : 130*000 a l, 30i000 2 c 1550O0 a 3
Azul e branco..........
Azul c amarello
Encarnado e preto.
Azul e grenat......
Buino Cardoso.
H. A. D.
M. l'essoa.
F. Costa.
Manoel J de Miranda.
i. A. Albuquerque.
3o PareoIncentivo900 metro3.Animae3 da provincia que nSo tenham ganho nesta distancia no Hippodromo e em distancia
Premios : 2OM000 ao Io, 40*000 ao 2o e 205000 ao 3
2
3
4
5
6
/
8
9
10
11
12
13
14
1 Corsario......
Sans-Souci.....
Diraucho.....*
Pernambuco ..
Pombo-Prelo.
Phariseu......
Furriel. >......
Humilde......
Tyranno......
Cauby.........
Pintasilgo, ex-
Bolacninha .
Lindness.....
Esquimo.....
Maranguape...
superior a 1000 metros nos prados do Becife.
Pernambuco.
6 annos..
5
5
3
5
5
5
10
4
4
a
5
5 -
S
5
Rodado ......
Baio........
Mellado.......
Kusso-pedrez.
Cachito........
Castanho ..
Cast.-pedrez...
Russo-pedrez..
Alazao......
Castanho
Russo .
Baio...
Bodado
AlazSo.
55 kos.
55
55
50
55
55 i
55 a
55
53
53
55
55
55
55 *
Azul eouro.....
Ouro e branco.-
Branco e prelo .........
Azul, ene, branco e preto...
Encarnado e azul........
Encarnado e azul.........
Branco, prelo e encarnado-
Branco e encarnado........
J. F. da Silva.
D. A- L. J. de O.L. de Mallos-
ArthurGoni-alves.
A. T.
Coudelaria Victoria.
Tatersal Pernambucano.
B. D. C. Pessoa.
M. N. Fonseca.
Manoel Silva.
A. Marques.
Jos V. B. Cavalcante.
Coudelaria Vencedora.
Preto e branco............(A. Miranda.
Encarnado e preto.........H. A. Cmara.
3o PareoImprema 900 metros.Animaes da provincia.
Pernambuco .
Premios : 2005000 ao Io, 40*000 ao e 20*000 ao 3"
CuLnon.....
Arumary
Guarany.....
Tupy........
Monitor......
Templar.....
Sorpreza.....
6 annos..|Foveiro.
5 AlazSo.
Rodado...
Baio.....
Busso ...
Bodado...
Castanho
5o kilos.
55
53
57
59 >
61
53
Violeta e ouro.............
Azul e grenat...............
Branco e encarnado .......
Encarnado e branco........
Branco...................
Azul, branco e encarnado...
J. Mello.
F. Siqueira & Bastos.
. Siq
Mol!
lo.
F. C. de Rezende Reg.
Coudelaria Pernambueana.
J. F. F.
Coudelaria Cruzeiro.
S
Pareo-Agricultura 1300 metros.Animaes da provincia que no tenham ganho jem distancia superior a 1609 metros nos
l.Mylord.......
i Flautista.......
Iguarass......
Cupido ex-Tra-
viata........
Good morning.
At-chim......
Florete.......
5 annos..
3
prados do Recife. Premios: 250:
Baio...........I'ernambuco
Cnstanh.)
Alazo..
ao Io, 50*000 ao 2 e 25*000 ao 3o
Russo___
Rodado...
Castanho.
54 kilos.
u
51
54
54 <
54 -
54
Azul e ouro...............(Coudelaria Pombal.
Ouro e prelo....... ......(Coudelaria Fraternidade.
M. P. Fonseca.
Riscado..................
Azul e branco.............
Branco e ouro.............
Encarnado e branco.......
S. X.
R. Cardoso.
Liberato de Mattos.
Francisco Freir.
o ParcoProa-re 900 metros.Animae3 da provincia que nao tenham ganho em distancia superior a 1000 melro3 no Hip-
podromo. Premios : 200*000 ao Io, 40*000 ao 2 e OOOO ao 3o
cx-
Zambo ..
Phariseu..
Esculapio
Sneca .....
Esquimo.....
Vida Alegre..
Piramon.......
Pombo-Prelo...
Village........
Cndor........
4 annos.. Castanho.
Russo-pedrez..
Rodado .......
Busso.........
Castanho.....
Cachito.......
Mellado.......
Baio..........
Pernambuco
33 kilos.
55
55 <
55
55
55 a
39
55
55 -
Preto, escossez e ouro....
Azul, encara., braceo e preto.
Azul e ouro
Branco e preto.
Branco.........
Branco c preto.
Azul e grenat.
F. R. Ramos.
Tallersal Pernambucano.
A. P.
A. de Miranda.
M. F.
A. W.
Coudelaria Victoria.
J. J. Dias.
R. Cardoso.
6o PareoTruno Urbano1000 metrosAnimaes de menos de
30*000 ao 3
meio sangue. Premios: 300000 ao 1, 603000 ao 2" e
Favorita.
Recife..
Aymor..
Gallileu.
Cometa.
6 annos.
5 .
5 a
4
5
Zaina
Castanho.
Alazo.
S.Paulo.........
Rio de Janeiro
S. Paulo........
(*) Montado por amador.
58 kilos.
57 -
57
53 <.
57
Verde c ouro.....
Verde e amarello.
Ouro e preto.
Maia Chrisostomo.
S. P.
A.M.
Coudelaria Fraternidade.
Coudelaria Luzo-Brazileira.
OBSERVARES
O Io pareo se realisar com os animaes que se acharem no ensilhamento s 10 horas em ponto, quando co-
mecar a pesagem.
Pede-se aos Srs. proprietai ios o obsequio de terem scus animaes s 9 horas da manha no ensilhamento,
visto como, impreterivelmente, ser cumprido o horario.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-so no ensilhamento 1 hora antes da determinada
para o pareo em que tm de correr.
Os jockeys que nSo estiverem matriculados na secretaria do Hippodromo nao poderao correr, cumprindo-lhes
apresentar as respectivas cadernetas na occasiao da pesagem.
Os forfaits serao recebidos na forma do artigo 62 do Cdigo de Corridas.
imiTi)* DE hm.iii:res
Gerae3..............
Entrada e archibancada........
Entrada e ensilhamento....... .
Entrada, archibancada e ensilhamento ....
Cartes de familia at 5 pessoas......
Differenca para ensilhamento.......
uooo
2.5000
2 000
35000
5*000
1*000
Corridas
1. parco
2.'
3.
4.
6.
6. ,
HORARD
11 horas
11
12
1
2
3
50
40
30
20
10
minutos
Reciie, 19 do Setembro de 1889.
O secretario, Eugenio de Barros.
Sociedade Recreativa Mixta
26 de Setembro
Em sesso extraordinaria do dia 20 do cor-
rente resolvera.em vista do estado gravissimo do
socio fundador e membro desta directora,Ama-
ro Joaquim do Espirito r'anto. deixar de fezer o
3 anniversario ; licando esta resolugo para logo
que este melhore de seus incommodos, sendo an-
nuociado o dia determinado para pleno conheci
ment dos socios Foram tambera nesta mesma
sessao eliminados os socios Augusto i.Taz Ra-
mos a seu pedido e Felippe Gentil da Silva a
bem da sociedade.
Becife, 21 do Setembro de 1889.
Mario Augusto Botelho,
r secretario.
Thesouraria de Fazenda j IVDMIVISADOR4
Do ordem do lllm. Sr. inspector, faco publico!
que, de conformidade com o officio da presiden- rlfiliinnil lfi SfiIlPftS
cia da provincia de 18 do corrente, os senhores LUllIflMIIHI U OGgl va
fornecedores de materiaes destinados a cons- MARTIMOS E TERRESTRES
truegao do edificio da Faculdade de Direito,
abaixo mencionados, devem comparecer sec-
co do contencioso desta thesouraria, no praso
de oilo dias, aim de assigoarem o respectivo
contrato, sob pena de serem consideradas sem
eflbtto as suas propo3tas :
Cypriano Jos da Silva.
Vicente Ferreira de Albuquerque Nasciroento. i
Miranda & souza.
Manopl do Nascimento Cesar Burlamaqui.
Recife, 20 de Setembro de 889.O secretario
da junta, Dr. Antonio Jos de Sant'Anaa.
Eatanelecfda em 1855
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 de Uezcmbro de 1884
Martimos.. 1,110:00000G
Terrestres. 316:0O0#OOO
44^Ra do Commercio44



6
Diario de Pernambuco--Domingo 22 de Setembro de 1889
i
Compaa 1>e Seguro*
conu ro&o____
NORTHBBN
de JLoodre* e AberdM
Posifdo fminceira (Ih-zembro de l&b)
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aocumuladoa 5.134,348
Rercila ana nal :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
O AGENTE,
John H. BoxmdTm_
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Canymrrio n. 32
Sacca por todos osyapores sobre as cai-
xas do mesmo banco ai Portugal sendo
em Lisboa na dos Capolliatas n. 73. Nr
Porto, ra dos Ingleses.
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
CHARGEURS REUNS
Conapanala
DE
\'avega;5o
..inha quinzenai entre
Pernambuco, E'.ahia,
Santos.
O vapor
VilledeSan Nicols
Commandante Voisin
E' esperado da Europa at q dia 83
de Setembro, seguindo depois daio-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
SBGR08
CONTRA FOGO
The Liverpool & Untos- & llobc
IITSURAITOS
SLAC8S7SS, iSSMA'i & G.
Ra do Coramercio n. 3
SEGIBO CONTRA FOM
Roy al Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGENTES
R. DE DRUSINAAC.
13Rna Mrquez de O! inda13
CompsHhi
Roga-se aos Srs. imporladores de carga peles
vapores deste linba, qaeiram apresentar dentro
de 6 diasa contar o da descarga da3alvarengas
qualquer reclamarao conceraente a volumes que
porveutura tennau seguido para os portos do
sol afim de se podo dar a tempo as provi-
dencias necessaria*.
Expirado o referido praaoa companhia na a, D. P Wild 4 C.
responsatiilisa por ?xtravios.
Para carga, passcgens, encommendas e di-
heiro a frete : trnta-se com c
AGENTE
Aojaste Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
Leilo
De fazendas, artigos para ci-
garreiros e urna caixa com
jarros.
Ter^a-f Ira 94 do cor rente
A'S. II HORAS
No armazem ra Mrquez de Olinda n. 6
CONSTANDO :
De madapnloes, chitas, baptislas, bramante,
fustoes, 12 duzias de meias de fio de eseossia de
cores psra homens e 10 ditas de ditas para se-
nboras, carnizas de meia lans para vestidos, gre-
nadines. collarinhos de linho e algodo, flchs,fla
nella de algodo, papel pura embrulho, ditos em
livros para cigarros, caixas cora papel, ditos com
enveloppes, ponleirssde cereja,papel paracnvolu-
cro.dito de seda, dito ajmasso, t carteira, 1 banco
para a raesma, 1 prensa para copiar, com mesa, 1
pedra marmore grande e frascos com tinta de
|-ouro oprata.
Por intervenco do gente Gusmo e por occa.
siao do leilo das mercadorius da massa fallida
Pacific Steam Navi;*ariori
Company
STRAITS OF M AGELLAN LINE
O paquete Potos
ESpera-seda Europa at odia
.H de Setembro e seguir de-
jiois da demora do costume para
Valparaso por
Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga^ passageiros, encommendas e di-
heiro a frete: trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons & C, Limited
14RA DO C0MMERCI014
Leilo
do martello
erial
DE
Seguros contra Fog-o
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas ba'xat
Prompto pagamento de prejuizos.
CAPITAL
R. I .000:000*000
AGENTE
IHOH'^K C.
N. 5RUAD0C0MMERCI0N. 5
SEGUROS
martimos costra foso
Companhia Phenli er
nanibncana
RA DO COMMF.HCIl) N. 38
DB
N"avegae5o eosteira por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macao, Mossor, Araca-
ty e Cear
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 26 de Setembro as 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 25.
Encommendas, passagens e dinheiro frete,
at s 3 horas da ta-de do dia 26.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucanu
n.12
Ao correr
De movis de diversas quali iades, novos e
usados, um piano, 1 relogio grande, diversos ob-
jectos de electro pate, perfumaras, -copos, jar-
ros, espelbos, quadros. relogios, candieiros, fou-
ca, cortes de calcas, de rolletes, fichus e garra-
fas de champagne e cerveja e diversas outras e
muitos artigos que estarn vista dos concur-
rentes.
Quarta-feira, 85 do correte
A's 11 horas
Na ra Nova n. 59
Agente Modesto Baptista
Leilo
De o casas terreas edificadas moderna, n. 38,
40. 42, 44 e 46, travessa de S. Mignel (Afoga-
dos).
Urna dita n. 62, no Largo dos Remedios.
Um sobrado de um andar n. 101, ra-dos Mar-
tyrios.
Um sobrado de dous andares e soto, ao Becco
da Lingwta n. 5.
Cfenarta feira. 85 de Setembro
A'S 11 HORAS
O agente Alfredo Guimaraa*, legalmente auto-
nsado, levar a leilo os referidos precios.
No armazem ra do Bom Jess n. 49
Ao correr do martello
^TSBfiQ OElfij^
Pl LULAS
(lompaiilii ile Seguros
Utz&t ie If isba
AGENTE
Miguel Jos Alves
X. 1Hu do Bom Jena -! 9
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados semp-
co de pagamento de premio era cada stimo
anuo, o que equivale ao descont annual decer
ca de 15 por cei!o em favor dos segurados
MARTIMOS
COIIPAM PKR\UIBIH\\
DE
."Vavesaeo eosteira por vapor
PORTOS DO SUL
Rio Formoso e Tawandar
O vapor Pirapama
Commandrnte Carvalbo
Segu no dia 26 do corren-
te 5 hnras ds manh Re
cebe carga at o dia
Passagens at s 3 horas da tarde da vespera
da fallida.
ESCPJPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Royal Mail Steam Packet
Company
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
Espera-se da Europa at o dia 27 de
'Setembro, seguindo depois da demo-
ra do costum para
Babia. Rio de Janeiro Montevi-
deo c Bnenos-.4yres
Para passagen3, fretese encommendas rata-
se oom 03 AbENTES.
O vapor Don
E* esperado do sul no dia 29 de Se-
tembro, seguindo depois dademora
necessria "para
Lisboa, Vigo, Santhampton e Antuerpia
Reduccao de pasiagen*
Ida lia e volta
A' Lisboa Ia classt; l 20 l 30
A'Southamntonl'classe i 23 t 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
Amorim Irruos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhia Bahiana de Na-
vegacao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O vapor Sergipe
r'amniandante Rbello
Seguir para os
portos cima
indicados no dia
123 do correte s
'4 horas da tarde.
Para carga, passagens, Bcommendas e dinhei-
ro a frete trata-se com. o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigno-~17
sv. -#
Companhia Brasileira de
Navega^ao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
,m| < E' espendo dos portos do norte ate
* '% r^m^,0 *6 "4 !'' Setembro e depois da de-
l^mmgLirhir.i iiuspensavel seguir para o.-
^'^'^portos do sh!.
As encomniendas sero recebidas no trapiche
Barbosa at 1 hora da tarde do dia da saluda.
Para carga, passagens. encommendas e valo-
res trata-se eom os .GENTES. -
Vapo
PORTOS DO NORTE
r Espirito-Santo
Commandante arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do sui at o
da 27 de Setembro e seguindo depois
da demora indispeusave! para es
[ortos ilo nerte at Mauros.
As encommendas ssero recebid's na agen
ca at 1 hora da larde do dia da sabida.
Para carga, enconmeudas, passagens e valo
ee trata-se cora os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua Io aadar
COS P.I>IIM I'EIl\.HBItA\A
DE
-\avegaeo eosteira por vapor
PORiOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Bahia
O vapor Jacuhype
Commandante Esteves
Segu no dia 24 de Setembro s
5 horas da tarde. Recebe car-
at o dia 23.
Encommendas, paisagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarle do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Oats, da Companhia Pernambucana
n. 12
LE1L0ES
Leilo
De fazendas
CONSTANDO :
de parte da caixa n. 708 com 4 pecaj de meri
no preto e 4 pecas de al parca, estas mercadorias
vo 4." leilo, parte da caixa n. 52 com 29 pe-
cas de casemira de 13, caixa d. 631 com 40 pecas
te brim de cores, parte da caixa n. 1,736 rom 4"
pecas de merino preto, estas mercadorias vJo
A.' leilo, parte da caixa n. 313 com 4 cartoes de
bordados transparentes largos que vo a leilo
pela 3.* vez, por nao ter o comprador tomado
conta.
Terca feira, 24 do crtente
s 11 horas
O agente Gusmo. nolorisado por despa -bo do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito do commercio far
leilo das mercadonas. cima mencionadas per-
tencenles massa fallida de D P. Wild C..
as quaes sero tendidas em lotes vontade dos
compradores.
lo armazeni rna do Mrquez
de Olinda n. 5
Agente Britto
2/ leilo
De predios
Urna casa terrea grande, ra imperial n. 14.
Urna dita, travesea do Pocinho n. 28.
Urna dita, travessi do Pocinho u 30.
Urna dita, na de Nunes Machado n. 16, no
Espinheiro.
Urna dita, i ra Nenes Machado n. 18. no Es-
pmheiro.
Urna dita, ra do Mscente n. 24.
Os Srs. pretendentes podem ir ver ditas casas.
Terca-felra. 14 do corrate
A'a 11 horas
No pateo do Paraso n. 26
__AISOSDIVERSOS___
Aluga-se a 1 e2- andares a ra da Roda
n. 17, com grandes commodos, em bom estado
de conservaco ; a tratar na ra do Rangel nu-
mero 63.
- Aluga se o grande sobrado n. 12 ra de
Fernandes Vieira, na cidade de Olinda, o qual
se acna em perfeito estado ; a Iratar na ra da
Imperatriz u 61, loja.
Aluga-se o sobrado rna do Coronel Su-
assuna n. 278, todo cu em separado, tem boas
accommodaces, agua, gaz e esgoto pelo novo
systema, a tratar ra do Imperador n. 53, at
as 3 horas da tarde, c depois a qualqucr hora
no Paysand n. 12 sobrado junto capella,
Precisa se de um caixeiro com perfeito co
nhecimento de retalo e que de o de sua con-
ducta ; a tratar na ra de li,'ntica n. 7, onde
tambem se precisa de um nieuinb de 12 a 14 an-
uos, em iguaes condicCes.
Precisa se de urna senhora de meia idade
e de bous- ros-turnes, para fazer companhia a
urna senhora casada doente e tratar da mesma;
a tratar na ra Duque de Caxias n. 7/-A.
PAF?A O CABELLO.
Augmenta, Aformosea
E FAZ CHESCER O CABELLO
com assoiabrosa rapidez.
Para engenhos
Lopes & Araujo, vendem
a precos sem competencia,
garantindo a boa qual idade,
os, artigos abaixo mencio-
nados.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixas
de 10 e 25 kilos.
Cimento Portfr nd.
Graxa em bexigas.
Ra do LivraiNento n. 38
Telephone 316
itero o tralanunlo e prtnpta euro *M
Molestias do estomago e dos
intestino, molestias do figado,
dispepsia, indigestOes, clicas,
nauseas, diarrhea, prlsao do
ventre, fklta de appetite, incom-
modos depois da comida, enxa-
quecas e dores de cabeca chroni-
cas, rheumatlsmo e nevralgias,
molestias da pelle, molestias pe-
ridicas das senhoras, <-, alm
destas, muitas ontras enfermidadesqne se
classificao debaixo de ama inflnidade de
nomes, todas porra, oriundas da mesma
causa, a saber;
Desarranjos dos orsSos de di-
gestao e asslmilacSo,
donde provm a Impureza e o enfiraqueci-
mento do sangue, com a debilidad e con-
gesto de todos os orgos vitaes do sys-
tema.
Procurem-se
AS PILULAS CATHRTICAS DE AYER,
PREPARADAS PKI.U
DR J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est.-Unidos.
llupnBTd fiwn
Para Mnkar
No 3. andar do predio n. 42 da re
Duque de Casias, por cima do Diario do
Pernambuco, precisa-se de tuna ama q*
saiba cozinbar bein.
Ao commercio
Declaro a quera interessar possa, qne comprei
aos Srs. Jos Joaquim i C. a (averna n. 214
rui Vidal de Negreiros, livre e desembarajad
de todo e qualquer onus.
Jos Carlos da Suca Ribeiro.
Araae criada
Precisa se de urna ama para cosinhar e de
urna menina ou mocinha para servico domesti-
co ; na ra Baro da Victoria n. 46, primeiro-
andar.
Previne-se a quom quer que arremate as casa
ns. 28 e 30 do becco do Pnciaho, e 14 da rna
Imperial, forciras mariiiha, que esto sujeitas
a um ligio judiciario em grao de revista, pen-
dente de juramento.
Os consenhores.
AZULEJOS
Para frentes de casas, cor
redores, banheiros, cbzinhas.
acougnes, etc.
DevalordelOOjOOOomi-
lheiro a 54|000.
Rna do Rara !i Viciori-i n.
\\
Vndese na praca do Caplm n 149, fre
guezia deAfogados urna inverna bem localisada
e fazendo bom negocio ; o dono so vende por-
que precisa retirarse para fra, e quem jul-
gar-se com pretenco se dirija niesnia.
Vende-se o deposito da rna da Dtencao n.
9: a tratar no mesmo ou com os Srs. Silva Mar-
ques 4C, largo da Alfandega n 2-A.
- Ven le se um terreno em solo proprio, com
28 palmos de birpura u 1*> palmos do rundo,
contendo duas meia9 a^'uas sob n. 28 G, sita9
ruado rincipe, la freguezia da Boa Vista, com
meiaco no Oitoe muro, remiendo mi-nsalmente
dealugucl a quantiu de 1'ijUOO : quera preten
der dirjase ra Barreto Mriiezes o. i arma
zem_de fumos, onde adiar om quem tratar.
Sociedade Benecente Luso
Brasileira
. Gratilica-se a quem achar o balancete da-
quella sodedade, que perdeu-se nos Campos do
Elias.
Ao publico
O abaixo assignado vem pela irnprensa decla-
rar que no da li do corrate nroteslou urna
letra acceita por Joaquim Demetrio Pereira Frei-
r, em i de Fevereiro de 1884, da qnantia de
5^0*001. quan'ia esta que Ihe 6 devedor, e seus
juros. Alagda Sec a, 18 de Setembro de 1889.
Josc Si^venno Pereira da Silva.
\o commercio
O abaixo assignido declara que compruu nes
ta dula ao >r. Demetrio Carneiro Ro Irigues '"am-
pos a armaco ra larga do Rosario n. 17. li
vre e desembarazada. Recife, 2l de Setembro
de 1889.
______________. los Vieira A C.
Emprestimo
Um professor publfro precisa dcscOilttr qua
tro inezes de ordenada na ruzo de cinco por
cento : alguem qu'-rendj fazer esn negocio,
deixe carta fechada nesta tyoographia com as
iniciae< H. C.
Criada
Precisa se d urna raparlsa asseia la e de bom
comportamento, para casa de familia; a tratar
na praca da Independencia n. li.
Casa para alujar
Terrea, fresca, com agua, ra do Pay.-and
(pausando a pon lo .10 Chora menino) n. It ; a
tratar na mesma ra n. 19.
Sement de carrapato
Compra se em grandes e peauenas qnatida
des no armazem de mercearia de Gomes Al-
ves 4 C, ra Vidal de Negreiros n. i6, anligo
paleo do TergoJ_____
\<* <',): fiurcio
Offerece-.-e um rapaz para caixeiro, com pra-
tica de ni libados de tro> volve-se era fazend:is e mindez;is, para esta ira-
ca ou para qualquer local i la le denla prmncia,
dando nadar de sua conducta se precio f ir :
quem pr.-tunder dirija se praca do ronde n'Eu
n. 8, taverna.
Caxang
Aluga-se a casa araurella sita no Ambol : a
raiar na mesma i asa.
F. J. da G. F.
Pede-se a este Sr. que venha restiluir a conl
que recebeu para ser entregue
Gneros italianos
Vermouth de Torino.
Fernet Branca (venladeiro).
Manteiga (ern latas).
Azeite doce, i. qualidade.
Morladella de Bolonha.
Anisette (licor).
Qaeijos, parmejano e>reggiano, etc., etc.
Ra do Bom Jess n. 61
Campanha Abolicio-
nista
Sao convidadas todas as pessoas que se jul-
garem com direito medalna coramemorativa
desse. campanha, a compareccrem at o dia 23
da corrente (quarta feira), na praca da Indepen-
dencia n. 14, ou na ra do Vigario n. 4, primei-
ro andar, das 2 as 4 da tarde.
Est para alugar
a casa assobradada da ra Joaquim Nabuco n.
22 (Capunga) muito fresca, com agua, gaz, bom
quintal, e todos os commodos para grande fami-
lia. Na mesma dir-se ha com quem se trata.
Gosinheira
Precisa se de orna cosinheira para casa de pe-
quena familia ; a tratar na ra Duque de 'a-
xias n. 77-A, loja.
Precua-se de una ama para cozinhar ra de
Pedro Affonso n. 70.
H
Ama
Frecisa-sc de nma ama para rosinh r e co.-
prar ; na ra Nova n. 20, loja.
A
ma
P^ra cosinhar, nrccia-se na ru Velha nume
ro 137.______'___________________________
Ama
Precisa se de urna ama para cosinhar e com-
prar para pequea familia ; a tratar na ra Di-
reita n. C's, 2- andar
Ama
Precisase de BiBa ami para cosinhar ;
da Matriz Ja Ba Vi-ta n.28. 2- andar.
na ra
Jo da Mi iva Nev
Mara da Silva Neves e seus filos agradcelo
a todas as pes3oas qne acompanbaram ao cemi-
tario os restos mortaes de sen lilho e irmao Jos
da Silva Neves, e esnvidam as mesma.- para
a-sislirem as missas que mandam dizernodia
23 do corrente, s 8 horas da manh, as igre-
jas de Apipucos. Pilar e matriz da Bsa-Visia
/Yma
Frecisa se de urna ama que cosinbe bem. pan
casa de familia ; a tratar m rna do Hospicio
numero 41.
Al.
uga-se
a casa terrea da ra Corond Suassuna (cutr'ra
ra Augusta) n. 198, com soto interno, caiada
e piulada de novo; a iralur no largo do Corpo
Santo n. 4, 1- andar. _____
Aluga-se
urna casa jimio a esiacao de Ajna-Fria, em lie-
beribe, tendo 2 salas 3 quarlos, cosinna, des-
pensa e um banheiro; no sitio tem diversas
fructeiras ; a tratar na ra dos Coelhos n 10.

t
Moo Pereira de Rrilo
Patricia Pereira de Rrio, Hanoel Pereira de
Brilo, Antonio Pereira de Brito. Laurindo Perei-
ra de Brito, Joaquim Pereira de Brito, Ignacio
Pereira de Brito, Miguel Pereira de Brito-, Pedro
Pereira de Brilo, Antoulo Satyro de Lima, Jos
Pereira de Brito, Harta Pereira de Brito. Cecilia
Pereira de Brilo e Senhoruho Pereira-de Brito,
viuva e seus rilhos, pj|, iruios. cunhados e cu-
nnarlas do fallecido Joo Perora de Brito, agra-
decem do intimo d'alma a tolas as pessoas que
acompanharara os restos mortaes de seu sempre
prantiado esposo, filho. irmo, pai ecunhado
sua ultima morada, e de novo convidam a assis
tirem a missa que pelo repouso eterno de sua
alma mandam celebrar no dia 24 do corrente,
s 7 horas da manh. na matrU da Boa-Vista,
stimo dia de seu passamento, por cujo aclo de
religiSo c caridade se confessam eternamente
agradecidos.___________
I B
Bernardino de Nonca nmirle
A direejoria da sociedade Uuiao i.ommercial
Beneliccnle dos Merqieiros manda rezar urna
mijsa na lerca-fcira 24 do corrente. as 7 horas
da manh, na igreja de S. Francisco, por alma
dejseu consono, ex secretario Bernardino de
Sopza Duarte, fallecido na ilha da Madeira no
da'12 de Agosto prximo passado, e para as-
sislir a este acto de religio e caridade, convida
aos nossos consocios, prenles e amigos do fi-
nado, pern que desde j se confessa agrade-
cida.
Secretaria da directora, 20 de Setembro de
1889O 1 secretario,
Jnaquim Maia.
f
Bernardino de Moma Duark .
za Duaite Ferreira, Domingos
Gomes Cirreia o Arlhur (i iK.-.hes MagSes. ir-
mflo amigos de Bernardino de Souza Duarie,
fallecido na liba da Uadcira, ootividaa aos p-
renles e aos demais amigos do pranleado tinado
haca assistir^m ns misss qne se fcfim de reaor
lerea fdra 2i ilo corrente, s 7 horas, na igreja
de S. Francisco, 40. dia de lo irifamdo paasa-
mento. Para o mesmo lira convidam as associa-
e irmandades s quaes pertencia o finado,
que se confessam a tolos eternaiuente gra-
tos por este acto de caridade. ____________
f
ng*a-se
Por prego bailo o 1- e 3o endares do sobrad'
ra do Brum n. 84, com bastantes com
modos; a Iratar ra Larga do Rosario n. 31
botica.
I uga-se
casas ra Luiz Reyo n. 47-A, Caminho Novo
n. 139-B ; a tralar ua mesma ra, padaria Ber-
nardino Campos.
Cosinheira
Precisa-se de umu cosinheira para essa de
pequea familia; a Iratar na praca de Conde
d'Eu n 32, sc^an lo andar.
Repblica
Aluga.sc bsrao a c.isa n. 9 ra do Hospital
Pedro 2., no luga dos Coelhos, caiada e pintn
da de novo, com muitos comino los e muito fres-
ca, vista magnifica e banhos salgados na porta ;
a tratar no mesmo lugar cora Joaquim Morei'a
Reis.
------------------------------------------------.............--------------------------------------;-----------------------------__
Alug-iie barato
Becco da Bomba n. 8 loja.
Ra da Roda ns. 58 e 60.
Ra Viseonde de [tapanca n. 43, armazem.
Largo do Mercado loja n. 11.
Becco do Campelln n. 1, i. andar.
Viseonde de Guyana* n. 167, eom a.ua e gaz.
Loja do sobrado do becco do Ciiabougo n. 4.
A tr'lar a r\. do Commercui u. i- anfla.
escnp'.orio de Silva (iuiu.ares & C.
Um frasco.
Precos de venda a dinheiro
VICTORIA
IJMO

ttenc-ft
?*
V
D.
Iramiidi de Paiila de \nm-
conrelloi e Carvalho
Ignacio Ferreira Serrano e seus filhos man-
dam celeprar urna missa ua matrix da Boa-Vista
pelo repouso elern d'alma da sua prezada mu-
Iher e rafii Fraucisca de Paula de Vasconcellos e
Carvalho, s 7 horas da manh do dia 24 do
corrente, trigsimo da do seu passamento ; e
convidara aos prenles e amigos para assistirem
a esse acto de religio.
O grande e importante esi,i>eleamento <:
Pocas Mendos & C, silo ras estreila do Rosa
rio n. 9, cor,ti;ruo a igreja, acaba de rec ebf
urna grande remessa doicreditado e e.-peciai
Vinho Maduro
O nico q:ie, sem a mnima coufecoo, im-
portado neste mercado, e so se vende no referi-
do estubelrrim,ntn. hste preCtOSO nect.n h
torna cada vez ronis procurado aqu. Qtterera
saber porque ? Vejan : o vinl:o Maduro seudi.
como e, feito nicamente da uva madura. tv:i.
as scBUintes vaniagens que as Ot as qualidadi-,-
io nio ten ; facilita sem a nwmr pertar
haco a digeslOes do esiona,ro, anda
odiis enflaquecido, dando-l.'ie \
as que as i'.'
viciadas.
. Reeebemos tambem
Ri'ijucijao
em latas, de precedencia de ( cujo,-
propri'taos eapriehain i*ni beoj Irab i r neslt
artigo, afim de tenn arwwiia ? hre laulor
oulro3 similar.'.-, coja eonpo(&o 6 dmi losa.
Em oulros arlij tramUs d> hmtntt^u
e flores, lingiiii.i seceos di Rui Grande, oijeciosdt
vime e tsnamOM (.'o Porto para ho.mi n* v ^enio.
ras, para isio tao pouco temos competidor,
nossa casa e^^ecialisin, e as pe dtatt
se queirara certificar podem corapaieeer, con,
o que muo no- honraro. Aps urna infini
dade de artigos de primdra ordem, que acham
9e em azpostco, aeresce a amenidade do trato
com que timbramos tratar todos os que nos
honrara com a sua presei.ca, junto a modicidad'
de precos sem rival.
Boa ealreila do Hownrlo a. 9, Jimiu
a Igreja
Potjas Mendes & C.
Cunha Carneiro & C. mu-
da ram o seu escriptorio da
fcravpsa do Corpo Santo,
u. 23, para a ra Mrquez de
Olinda (antiga da Cadeia)
n. 36, 1. andar. ^^
''"MofiTa
Francisco Rapozo Falcio empregado do Cor-
reio venha restiluir os movis ou o alngwl
d'estes visto j faier 9 annosj
Mudou-se
a seltaria ingleza de Domingos Jos Ferreira
C para o predio n. S i mesma ra Baro 4a
Victoria
Libras sterlinas
Vende-sc libras sterlioas ; na roa do Cos'
mercio, armazem n.5.

Especialidades
I>A LOJA DA KUA DA IMPEBATBIZ N. 80
Ricos espelhos (curados oves para sala*
a 5001.00.
Uonitos candieiros americanos para sa!2o
a 4W0OOO.
Ditos menores a 15i5000.
Ricos cortinados de crochet, gTandes, para
camas a 300000.
Cortinados de cores, pbantasia, para ja-
nella, metro a 10800.
Ricas bandejas esmaltadas de madreperola,
terno 180(XK).
Lindas cambraias arrendadas, finas, para
vestidos.
Candieiros de p, inexplosivos, de Berlim.
Especial o'eo hJgh-life para o cabello,
frasco 10000.
Lindo sortimento de jarros.
Maquinas para costura, portateis, don*
pospentos a 120000.
Sapatos para casa, especiaes para doente
a 500 rs.
Flores artificiaes.
GralSes pretoa com vidrilhos, preos sena
competencia.
LSs de quadros, novado 160 rs.
Etamines de 13, duas larguras, covad
10600.
Gr.inde sortimento de perfumaras, miu
dezas e fazendas.
ANGELO RAPHAEL & G
INSTANTNEA
(MARCA REftISTRtnii
Tinta de copiar som prensa
52Ra do Amorim52
KSNATY RODRIGUES & G.a
Esla maravilhosa tinta de copiar a MAIS
TIL desee berta americana, Imprenoindlvel
a tfldan n peMoa* que cncrevem
que. sem uso da classica e tradicional prensa
de copiar. doNeJam guardar ropla nl-
liiia. inallaravel de MeuM Irabalka*
manuNcriploM.
A WOTAXTASIEA o mais prompto auxi-
liar material para a Correspondencia Com-
mercial ou particular, porque simplificando a
traballio dimii ue-ihe lempo: oescripturarionio
neceasila sabir da sua caiteira ou mesa para le-
var o manucripto prensa de copiar, retiral-*
da mesma, voltar carteira, etc., etc.
Os Sis. negociantes usando da INSTANT-
NEA para a su escripturaco do Diario, Caixa,
Cenias forrantes, Facturas, Contas de Vendas,
Prego? Correnles, etc., todem obter duplieata
autfientica. d'esses livros era papel de seda.
A njtantanka depois de dar copia
Contrita s<>inalteral, preta fixa nao s no origi-
nal romo na copia.
A INSTANTNEA nao oxida absolutamen-
te as pinnas, assim como nao demanda peona
especial para com ella esr/rever se.
Com waa esponja, ou pmcel embebido n'agua, ba-
medece se igeiramente o papel de seda proprio
para copiar, e enxullo com qualquer mata-nor-
rSo, eolloca se o manuscriplo em baixo do papel
de seda e mesmo sem fazer presso corre-se a
mo rpidamente em todas as dirercOes, e a eo~
pa e admiravel; nitida, INSTA TANEA.
Tambem d copia, correcta, sem molharopcpH
de seda


i






Especial tinta, garrafas a 800 ris, meias ditas,
a .'00 reis.
Vinho Collares
genuino
Sm ancortas
Gnero superior, remedido para consumo
particular, por prego sem competencia. Vende
se no trapiche da Companhia, largo do Corp
Santo n. 19- _____
osinheiro
Prensase de om cosinheiro ; a tratar nr na
de l'aysaud n. 19 (Passagem la Magdaleta)-
^ GJ.
J A GU ARIBE
a 4$> a barrica
com o abate de 10 0i" ero porcoes n-ais e
A RA DO BOM JfcSUS N. 23
i
-


Diario de PernambucoDomingo 22 de Setembro de 188'
\
i
s^fo-a,-e-z-M-.-
PARS
S, Avenue "Victoria.,
pitos
A
constite um jA.1mento completo
dps mais agrada veis e de fcil digestao. O ssu emprego
preciosissimo para as creantes, especialmente no momento em que
deixam de ser amamentadas. A Phosphatina PalieWS prevm a Diuvvha occa-
sionada, a mor parte das vezes, pela mudanea de alimentaeao.
Facilita a dentico, abona a forma cito solida don ossoe, evitando ou prevenindo a doencas
produxidtw pela crescenca das Creancas.
DEPSITOS __2_~_ TODAS AS PBINCrPABS FECAJEaM-A-CI-A-S
/
Boa Viagem
Aluga-se una casa de construccao moderna e
bem asseiada, com bstanles coinmodoa e mo-
bilbada, sitio murado e bem arborisado, eom
portao de ferro, e situada na melbor localiade
da mencionada povoacSo ; a tratac no largo 4o
Corpo Santo n. 4, 1- andar._________ -
Hotel do Mastro
Estabelecimento montado com todo asseio 9
commodos para os viajantes, como seja: boa
dormida, bom tratamento, e coebeira pin W
animaes que o fregnez levar, existente na Rr_si-
nba junto estagan, para o qual chamante a
attenca-j do publico.
A
ssucar
da usina Pinto
Vende se na ra da Imperatriz n 26, pequeo
rmazem.
JUNTO AO LOUVllE!
20Ra 1. de Margo20
Beoda hespanhola, todas as cures a 25000.
Cachemiras lisas, duas larguras, a 15000
o covado.
Cachemira de listras, 'duas larguras, a
a 15000 o dito.
Rchs de 13 bardada a 15000 um.
Cambraia Victoria a 25800 a peca.
Cambraia com salpicos a 35800 a peca.
Caixas com lencos, para presentes, a
35000.
Lavas de seda a 25000 e 25600.
Flanellas de cSrcs para camisas a 280 rs.
o covado.
Colchas de cores a 25000 c 25^00 urna.
Espartilbo curaba a 45000 e 55000 um.
Camisas brancas a 25000 urna.
Madapolao americano a 650.0.
Toalhas para banho a 10500 urna.
Camisas de anella a 35OO, 45 e 55000.
Extrato Ria Sangal a 25000 um.
Dito Port-Veine a 15500 um.
Vellutina preta a 700 rs. o covado.
Alpaca branca a 400 rs. 9 dito.
Dita preta a 800, 500 e 700 rs. o dito.
Panno da Costa para nv-za.
Atoalhado bordado a 15000 o metro.
Cares arrendada a 400 e 440 rs. o covado.
Lences de bramante a 158' 0 e 25000 um.
Cobertores escuros di l" a 15700 um.
Toalhas para rosto a 355' 0 a dnzia.
Cortes de seda para collete a 55000 um.
Cortes de fustao para collete a 255IKJ um.
Bapt'sta de cores a 120 rs. o covado.
Marinos de cres a 440 rs., duas larguras.
Etamine lisii a 500 rs. o corado.
Sargelins, todas as cores a 200 rs. o
covado.
Laucos brancos a 15200 e 15800 a-duii*.
Ditos de seda com a Torre Eiffel.
Tapetes grandes a 135000 um.
GiurnicSo de crochet a 75000 urna.
Merino preto a 800, 10000 15200, 15400
15800 o covado.
Le ]'es transparentes a 25500 um.
Cortinado bordado a 65500 o par.
Fustio de cor para roupa, a 800 k rs. o
covado.
Bicia brancos e de cres a 15800 e 25500
Colchas de fustao a 45000 urna.
Crotones a Derby Club a 240 e 280 rs.
o covado.
Fustao branco a 360 e 600 rs. o dito.
Orinalda para noiva a 75000 urna.
Collarinhos e puntos de celluloid.
rSetlns, todas as c6res a 800 rs. o V. vado.
Las amazonaa a 400 rs o covado.
Palitots de seda pal lia a 85000 um.
Palitots de alpaca preta a 45500 um.
Palitots de toe prdo a 45500 um.
Palitot8 de alpaca de cor a 45500.
Ceroulas de bramante a 155000 a duzia.
Pecas de esguiao de algodSo a 355(0.
Guardanapos de linho a 25200 a duzia.
Chambres para homem a 55000 eJGfSOOO
Meias rio da Escocia a 15500 o par.'
Brim pardo a 280, 320,400 e 500 rs. o cov.
Cachemira de quadro a 280 rs. o dito.
Bramante dt. linho e de algodao.
Para banhos salgados
Coetume para senLora a 105000. I Costumes para ruenin s a 50OTO.
Ditos paia ijomens 85000.. Boleas de pa'ha para o mesmo fin.
ESPECIALIDADES
narda p para senhora 105000. I Guarda-po para horneas 65000.
Micos cres de casemira para calcas. (Lindos cortes de casemira paia costumes ,
Extratos, meias, entre-meios b rdados, baleias, aspas, sabonetes/collarinhos,
pnnhos, regatas, principe de Galles, crotones para cobertas e outros muitos artigos.
D-se amostras sem penhor e manda-sc levar quaesquer amostras em casa
a* Exmas. familias.
ALUNPAT&nSON&C.
44-S.I IAI40 DO TIII1PHM4
Machinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'asua.
Tai xas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravacao
Arados.
*
SAUDE PARA TODOS.
Pl LULAS HCLLOWAY
Ai. Pilulas puripcao o Sangue, corrlgsm Mas as Jeaordems de Estomago a
dos Intestinos.
Fortalecun a saude das constituyes delicada.', e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades
peculiares ao sexo femmino em todas as edades. Para es meninos assim como tambem para as
pessoas de idade avancada a sua efficacia e incontesuveL
E*aas medicinas sao pr paiadas somanta do Estabelecimento do Profei'Or Hollow.* v,
78, HEW OXFORD SIHEET (antas S33, Oxford Strest), LOSDBEf.,
E vendenua em todas aa pharmacia do universo.
aBT Os comadore* 34 convidr do respeitosamenle a examinar 01 rtulos de cid- calza e Pote se nao ttSS 2
direcsao, 533, Oxford Street, ato laliificaooes.
La.
GASADE-GONFIANCA
DE
AMARAL & C.
llmiitii pel manuru t Iriieii i I-S-rta i IriJ
'rr-lQUINA E FERRO
T5TI Chlorose, Anemia, Debilidade
Cura
Fehtes
VEAMOS D3SHSIA KESS.Y
Sitio ta cdtaUi di ftotloa ir S/u, t*lt estnion m ftei! i* ghuaicl*.
A rc'.l' roial&o, ireste \m*y*' arto, dos rlmn lalos p e o xv-: :i".. r astlion inn precioso meaomentii contra a "''i i-e>
/' rf/.'Vw. .It'^ii. t'litrrn bi-micn. Cmmttrtlftrm fvuett. **
PARS, B; SM Gl FOUftfalR, 43, ra oVAinaterdaun.
em;\;i!Nh;mi mmu
39-RA BUE DE CAXIAS-39
Este antigo estabelecimento, hoje completamente ref orm.ido com machinas
mais aperfeicoadas e movidas a vapor, acha-se em cond93es de execatar qualquar
mbalho em
FNDICAO DE SINOS EBRONZE
DE
LUIZ DA CRUZ MESQUITA
66na do Baro do Triumpho-f 6
Teixi para vender o seguirte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systeraa com esquenta garap
Nri'pentlaas d cobre e de estanho.
Carapeas do cobre.
Taixas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qnalidades de repuchos, aspirantes continuas.
Tomeiras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Caaos de cobre, de chumbo e de ferro.
Rcpartldelras, passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado
Cobre em lencol e arruelas.
Sola ingleza e do Rio.
CadinJlos patente e de lapis.
Nios de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectes
ENCARBEGAM-SE de qualquer concert e obras :de encommenda,
indo presteza, perfeicao e precos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
*'"IDE a praso os dinheiro com descont.
garat
Cartas, memoranduns, recibos, circulares, memoriaes, despachos, cartSes de
jsjidicafSes, mappas, preos correntes, accSes, bilhets de loteras e rotulas de todas
a* qnalidades em preto, ouro ou cores.
Brochnras, cartonados, encadernacSes, livros em branco para o commercio e
dKparticoes, tendo para este fim urna excelle-r.-j machina de paular.
CART&ES DE VISITAS
Variado sortimento ero cartSes para visitas, participafSes e convites de casa-
atento, bailes, ments, fclicitacoes, etc., etc.
vK3csrD03e-s3e
Livros de recibos de aluguel de casa, papel de imprcsso, tintas, vernizea e
rtigos para i j pograaphla e lllhographla.
Manoel J. de Miranda
Telephone i94
CAPSULAS
^OPEoeFO^
r^ Sirop de Cloral Pollat ** *
E o oalxnente "por exoelencia que supprime a dor e procura
o Bmno tranquillo e natural nos casos de
NEVBALG1AS GOTTA RHEVMA
TSICA WEBRE& ^
SsciQlr a Firma- Jt^
Fabrica casa FRERE, 19, ra Jacob, PARIZ

.........WHUMIWHIM.....HHIMHM
SOLUCAO e
de Antipyrina do Dr Clin
Zimtmmdo pala Facilidad da Medicina de P&nz. Premio Mcntyon.
0 Melhor Remedio contra a Enxaqueca.
A Verdadeii*a 3olu5So de Antipirina do D' Clin possue tima poderosa
accao para acalmar as dres de : Lumbuyos, Torlicolis, Neuralgias, Sciatiea, Mens-
truafo difficil, Clicas violentas e os ilccesso* de Gota e de Hheumatismo.
c A Antipyrina pode ser considerada scientificamente como o medica-
mento mais poderoso contra a dor. (Actdin>iadttMti>chs.SntoaiiidbriidtisT).
Dose : Tome-se cada dia de 2 4 colhres da Verdadeira Soluco de
Antipyrina do Dor Clin.
NOTA. As Capsulas de Antipyrina do Dr Clin sao destinadas ds pessoas
que nao podem tomar a Solugo.
________________Casa CLIN s> O* km PARIZ, e fharmacias.
LOJA DO (1BMU
Aotig-o estabelecimento de ferragens
DE
EERREIRA GUIMARAE8 & C.
86Ra Duque de Cavias86
ranire 50rtiment0 *tfexxa%ats>t cutelarta,
e muitos ctxoSr artigue a saber:
Cobre em folha.
Ferro sortido.
Cimento Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro e bronze
Canos de ferro e chumbo para
encanamentos de alta pressao
Machinas e vapores
para algodao.
Cndieiros elctricos.
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
tonga existencia a garantia mais segua dar os que pro-
eurarjem honral-o com a sua confianza.
PRESOS SEM COMPETENCIA
Descontos do costume
BRONZE
DE
CAIIII0Z0 l IHMAO
Ra do Baro do Triumpho ns. 100, 102 e 104
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem para vender o seguate:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo dircetpara o ou fogo de asaen-
tamento.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
CRIVACOES de diferentes tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
BOMBAS de todas as cualidades com o respectivo^encanamento e finalmente
todas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGAM SE de qualquer concert e mandam buscar por encommen-
da mediante ajuste previo ou urna mdica comtnisso qualquer machinismo.
MACHINAS de descarocar algodSo.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
CONTRACTAM fornecimento de apparelhos para aislaas, garantindo a boa
qual idade e bom trabalho dos mesmos, o que podem provar com o bom resultad
obtido com as duas USINAS montadas ltimamente a saber;
Santa Filonlla e Joao Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.

vvwy< lu tvmmm
VINHO MARIANI
DE CC.A DO PER
Lrx q* 3l szpsruzatmaoo oes mmwgtm ^ Parts, j
___ila oom xito ptn ocabakc Aihibu
SS-lctlu Osa tm. plianwt. e :
f&vss
r lajarrtaHai ?rttir9"
IB ^^^fff a^|aaa.i^><>aiiliMiiaaaaai:aSW.Ta^.lt.Sat.*f*.C8l
tte rtrmamumeo i Fiiuiui W. a SXS>va. *-^^
a>ajsaBssal! a*>^w rsw^flawwwv^ <*v*0*mt**i
KsS.
Mr
THESORO DAS MAIS V^E3R.DA.IDE!IR.OS
COLLARES ROYER
Dito
Eloctro-Magnetico
Callara teHjmot Se aeDlicae" ca.tr> as
CONVULSOES
i tai tuiuia i lorifs lis uuifit
*0s COLLARES R0YER,conhecidos bamaU
i de 26 anotfs, mo os aicos que preservas
I realmente as creancas das CONVULSOES
'ajudando o metmo lempo a denttfo.
Para evitad: aa Falsificles a as ImitaooM. exija-se que cada
caxtnha tenka a marca da fabrica i muraem e o verdadetro nom*
PROYlHEMCIAduCREAHIjAS ROYER, PharmacouUco,225,ruaSaint-Martin.em PARS
Esmoja
A ttenso
m
A viiiva Amelia Felicia Beierra de Menezes
moradora em Santo Amaro das Salinas, em urna
casinha proxirxa ao hospital dos lasaros, recor-
re caridade publica, e pede s almas bem for-
madas que Ihe deera ama esmola pelo amor de
Deas, alim de manter se e a cinco lhinhos que
lhe ficara do seu consorcio.
A sua penuria 6 extrema, dias ha era que nao
tem o que comer. Soccorram-na pelo amor de
Deus!
Cha preto superior
me'iior que ha no mercado
2SOOO a libra
Carlos Sinden estavendendo por este preco
para liquidacao de facturas.
Tem tambem um grande
sortimento de camisas, colla-
rinhos, gravatas, meias, ca-
misas e seroulae de la e de
algodao, que vendem-se por
precos sem competencia.
48
Ra do Baro da Vic-
toria
Professora de piano
Urna senbora perfeitarnente habilitada e com
pratica dt ensino. offerece s Exmas. familias
os seus servteos como pianista : pode ser pro
curada ra do Queimado n. 74.
Ao clero
0 culto catholico com solemnidade sem minis-
tros sagrados, pelo bispo d'Angra, t ?ol 5fX)0
i om este livro tiiam habilitados os reverendos
vigarios e curas capelles a celebrarem em suss
igrejas, por mui pobres quesajam, asprincipacs
festividades se nao com pompa, com simplicida
de attrahente. Vendem Ramiro M. Cost;; A C ,
na livraria Contempornea, ra i- de Margo nu-
mero 20
~NOVIDADE
No Bazar de mov*is ra do BarSo da
Victoria n. 49, acham-se em exposisJlo
lindos objectos de phantasia fabricados em
Vienna d'Austria os quaes sao barat s,
visto seren vendidos por conta de seu f*-
bricante.
SILVA FERNANDES & C. ____
Alugam-se as seguintes
casas
Ra do Ri aDdar com bons
com i c perto do mercado :
rua ,i las salas muito toa
quai
propria para pequea familia : a tratar na rua
do Cabuga n. 16A Venturosa.
Alugu re nma casa propria para estabejwi-
mento, com armacSo, em um dos melhores^jn-
tos da freguezia de Afogados, a qual acaba mt
pas.=ar por urna grande reciiScacSo ; a tratar"ne
pateo da Paz n. 96._______________________.
Tigipi
( onstnntinu de A Brrelo
Convida-se a este senhor a comparecer na
do Bom Jess n. 83, para prestar cootas das
cobranzas que fes no termo de Agua Preta, ms
Mar^D prximo passado. r-y
A ttengo
0 arrendatario da casa n. 30 do beceo do Fo-
cinho tem bemfeitorias autorizadas pelos conta-
nhores della.
Taverna
Vif.de-se urna pequea taverna bem loes
da.com poucos fuaos, propria para prii
piante, tem commoios para pequea familia :
para ioformacOes, rua da Concordia n. 165.
PARS Hri-CTJ]Jte o-gr.NULLET
desoja comprar sellos de
todos os naizes do mun-
do.especlalmente os raros
e de emisses antigs,
Dem como os sellos de
Porlut'al de i'M c lt)
Roga-se o aror de indioar 03
presos c quantid-de na ocea-
aifto de remet er as amoetras c_i
embruiho eatampilhadu^l|MlH
AVISO
0abaixoassignado, proprietario da fabrica
vapor, de leos vegelaes, sita rua da Aureft n
163, avisa aos seus amigos e fregueses, que [or-
eado pelo enorme aeresimo de proco eescasse
da matera prima para o fabrico do oleo njira
lampannas. tem resolvido de hora em diate,
at segundo aviso, retirar o descont que ofiere-
ceu ao respeiiavel publico, pelus cartazes d_s-
tribuidos no mez de Agosto do corn-ute annt.
ftecife, 15 de Selembro de 1889.
Jos Gomes de Aoiorim.
.de
U!
DE MURE
He mel di cJnoeeett eenoe w
u p.-eo a aitdolet. a Jama! M-
oontnl remedio mtlt e*o*z qeeo
ctreoH eentre Irriftoet tfo pelle.
f -uu.hu. 'itriif
Este -taurope, de sabor ex-
cellente, de urna poderosa
efflcacla contra as Mrrltacte*
da Omrgantm o 0o IVit,
i neuona, Toaae rebrille.,
| Cmtmrrho Aamd OU <*-*-
ISi
- HU, MI4HWI (rraaa)
A. Sil annt. Gaero Satsamr
iJaaa
MermeoM
Bi'#rwa*_co.IK_JiI"_l.ua-lLVAkUS
b

I
__


8
D
lorio
de PernambucoDominyo 22 de Setembro de 1889
VENDAS
h
Vndese no caes do Ramos n. 4, urna ex-
eellente machina vapor de 30 cavallos, urna?
bombas bydraulicas de grande torca, um ferra
dor, urna tesoura para cortar flandres, arcos,
ato., trilhos e carros Decauville, apropriadoe
para transporte de canna, bombas d'agua a mo
9 vapor.
su -...........----- .
Vcnde-se dous caes do Rio Grande do Sl.u
amito bons vicias para chcara; para ver, no
sitio da estrada de Juo de Barros, defronte do
jitio da Cscala, e a tratar coro, o Sr. Pinho Bor
ges, armazem n. 39. ra do Imperador.
$
Vende-si eai tcaa a mrt
flMMttH
wtmus,
A Loja (las Listras Azues
Est vendendo fazendas muito baratas
Gom descont
a quem comprar de 20)5000 para cima.
E VENDE PBLOS SEGUINTES PRESOS :
adapolSo lavado com um metro
de largura a 65800 a peca,
orlm das Lllatras Azues com
20 varas, a 65000, a peca.
Chitas percales finas, cores seguras a
180 e 200 re.
Cassas de urna s cor a 100 e 120 rs.
com palminhas.
LanzSnhas de qaadros a 160, 200 e
40 rs.
Cortes de linhos cora 16 1/2 co-
v&dos, tecido phantasia, a 45000
Bordados finos com 3 metros a
500 rs.
Bicos forneos a 6C0 re., a peca Le,de bramant{
com y metros.
Sargellni diagonal, todas as cores,
a 180 e 200 rs.
Crinolina de cores para vestidos a
360 rs. o metro.
Luvas de seda, lisas e bordadas a 1 5-
Leques transparentes lindas cores, a
25000.
(rinaldas com reos para noiva a
7,5000.
Setini de Maco branco, e de todas
m cores a 750 e 800 rs.
Cortinados bordados para cama ou
anella a 65000.
Fich phantasia a 800 rs.
Lencos de seda a 500 rs.
JE multas iazendas que se vende per
qualquer preco.
Trocase a fazenda vendida se nSo fr
de muito agrado pava quem for comprada.
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Surpr;n agradavd
UM RETRATO.
Que se offerece a_ um amigo no dia do
sen anniversari.".
De 2SSII00 al 100000
Obtera se um lindo retrato pela quantia
cima, com linda moldura fina dourada
8m alto relevo, e com cordSes de la e
seda : trabalho feito nos Estados-Unidos
3a America
POR FRE. PLATT
Qualquer familia que desejar um per-
feito retrato, bastante mandar um pe-
queo retrato em cartao de visita, nao im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhos e do cabello, para chegar um re-
trato perfeito, e muito lindo para um pre-
sente, ou sala de visita.
Os retratos de Fred. PJatt
Gstao expostos ao pnbllco na
AGENCIA GERAL
Loja das Lislras zoes
BCA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Para as Exraas familias verem o quanto
sao lindos, c muito fcil fazer encommenda.
QUALQUER KNGOMHKNDA
Por maior que seja se prompta em me
nos de 90 dias, e restitue se a importan-
cia rebebida, 60 nlo chegar um retrato de
muito agrado.
Para encommendas da cidade e de ou-
tras provincias devem dirigir scus pedidos
so agente geral n'esta cidade.
JOS AUGUSTO DAS
I'KHWIIIU'CO
49 -Roa Duque de Caxlas48
Tendo recebido um grande e variado
sortimento de fazendas resolveu vender
por menos 30 "/ do que em outra qual
quer parte, como seja :
Madapollo americano com 1 metro de lar-
gura a 65000 a peca.
Algodlozinho muito largo a 45 a 55000 a
peca.
Chitas cretones, modernas, a 200, 240,
280 e 320 o covado,
Zcphir de quadros, padrSes modernos, a
120, 150 e 200 rs. o covado.
Cretones modernos, ultima moda, a 320 rs.
o covado'.
Atoalhado com flores a 1)9000 o metro.
Brim pardo trabado para roupa de ho-
niom a 500 rs. metro.
Dito de cor e fustac a 500 c 600 rs. o co-
vado.
Dito de linho para calca de 40000 a vara
por 2)5500.
Casimira preta e de cor para costumeB a
1*200 e 20000 o covado.
Cortes de fustlo para collete a 500 rs.
um.
Ditos de velludo bordado a seda a 2(7000
um.
Camisas brancas para hornera a 25000
urna.
Toalbas brancas para crianca a 120 e
200 urna.
Colchas adamascadas de 25000, 35000,
45000 e 55000 urna.
Cohortes forradas para casal a 25500 e
25800 urna.
i com urna largura a
15800 urna.
Cortinados bordados para cama a 65000 o
par.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 rs.
um.
Cobertores brancos de 13 com pequeos
defeito a 25000 um.
Cortes bordados pira vestidos, ultima mo-
da, a 85000,^95000, 105 e 125000 um.
Lindas lSs com listras do seda a 400 rs. o
covado.
Ditas lisas e de quadros a 200 e 240 rs.
vado.
Lindos fichs de rotroz, prateado e dou-
rados a 15000, 15500 e 25000 um.
Luvas de seda, todas as cores, para senho-
ra a 15000, 15500 e 25000 o par
Cas;:eos do Jersey para senhora, borda-
dos, o 65000 um.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 anno3 a 75000 um.
Cachenez para homem e senhora a 15500
n 25000 um.-
Bicos brancos e de cores a 15800 e 2
a peca.
Saias bordadas parr. senhora a 35000 urna.
Renda hespanhola com um metro de lar-
gura a 25000 o covado.
Bordados e entre-meios a 500, 600, 700 e
800 rs. a peca.
Grinaldas cora veo de seda a 85000 urna.
Collarinhos e punhoa de borracha, a 15800
o par.
Lencos de linho, especialdade, a 25000,
35000 e 45000 a duzia.
Ditos de seda com a exposicSo de Paria a
500 rs. um.
Loques de papel com bonitas estampas a
500 rs. um.
Lindas mantas e gravatas de todas as qua-
lidtdes de 500 a 25000.
Espartilhos de couracas a 45000, 55000 e
65000 um.
Collarinhos e punhoi de senhora, para aca-
bar, a 500 rs.
CaniVa'a de salpicos a 45000 a peca.
E muito outros artigoa que s com a
vista, assim como roupa por medida em
sua officina, para istotem peritos ofSciaes.
S Da Revoluto
A ra Duque de Casias n. 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
F0LPSTM
POR
SEGUNDA PARTE
l sai7AfiBa;::z
(Continuacao do n. 214)
E no meio dessa incoherencia, succes
sao de digresso'es que faziam esquecer a
Magdalena o i'acto principal, Magnabat
perda se. era obrigado a. impr-lhe silen-
cio para evitar-lhe a fadiga e a super-
excitaclo.
Voltando tranquillidade, Magnabat ob-
t-oha reepostas razoaveis, raas que em na-
da adiantavam na opini&o que tinha de
emittir acerca desse caso de leucura.
Para o fim do interrogatorio, quando
Magnabat procurava embaracal-a urna ul-
tima vez, ella nlo Ihe oppunha mais do
que urna mesma phrase :
Nao estou louca. Porque quer f.i-
zer-me soflrer? Estou aqui muito bem.
A todas as tentativas que fez o medico
para socegal-a, a todos 03 esforcos de l-
gica que ello tentou, a moca responden
por essa phrase ou por negativas monos-
sy Hab cas.
Ella voitara ao cauto em que a tinbam
achado, acachara-Be ahi, passando a raao
pelos cabellos e seu olhar ia de Francisco
Hormais a Magnabat, com um medo vi-
sivel...
Cofres de ferro
Carlos SiHden tem para vencler cofres de su
perior qualidade. mas barato do que em outra
qualquer parte. Ra Barao da Victoria n. 48
Taveroa
Vendc-si ou alaga se com armacao a casa
Rombal n. II, propria para principiante por ter
POUC08 fundos, alugoel mdico ; tratase cora
Bernardino 'ampos, no Carainbo Novo.
Durante cese interrogatorio, rancisco
Hormais ficara siletcioso. Elle observnva
Magdalena, afim de que esta, quando seus
olhares se dirigissem para elle, podesse
ganhar um pouco de torca e de coragem
na sua intelligencia secreta.
Magnabat nao tir.ha obtido resultado al-
gum e como Magdalena se recusas se ago-
ra a responder s perguntas precisas que
elle lhe fazia, sabio deixando Francisco
s com a louca, sem prevenir seu collega
de suas intencoes.
Mas a attitude da moca nao mudou.
Ella temia um Isco e desconfiava.
O proprio Francesco nlo se mexeu e
Magadalena achou-o calmo e indifferentc
como o havia deixaio.
Magnabat fez-lhe signal que passasse
com elle para o oulro commodo.
Francisco obedecen.
O doutor fechou a porta e em voz bai-
xa :
Olhe, disse elle, vou abrir furos no
tecto deste quartc. Por esses buracos
vou dar fortes duchas na Sra. Gonssolin.
Obrigal-a-hei forco.iamente a fallar, a es-
quecer por nm segundo esse papel que
ella representa tao bem.
Francisco tremer, mas nao disse urna
palavra
Magnabat continuou :
se as duchas nSo bastarem, om-
p-'egare as ameacas, as sorprezas, a3 es-
petadellr.se o ferro em braza... E so
ella resistir sempre quebrarei sua energa
com opio, a etherisajo, a chloroformisa-
5JI0...
Francisco teve um movimento muito
brusco e agarrou ro brajo do medico :
O senhor nao far isso, disse elle
com voz alterada ; seria ultrapassar seus.
direitoi.
1\I :'gnabat olhoa para elle com ar sor-
prendido.
Desejo tanto como o senhor, meu
jf.ven amigo, nao ser forjado a recorrer
aos meios rigorosos que acabo de enume-
rar. Isso depender muito, coniesso o,
da Sra. Gonssolin. Cessando do dissimu-
lar, essa senhora evitar ate, se quizer, a
ducha que vou fazer dar-lhe...
Mas urna barbaridade.. ,
Por ventara PECHIMHIS!!!
*flRua Duoue de Casias *
Cassinetas de cCts para roupas do meni-
nos a 200 re. o covado.
Meias casemiraa pretas o de cores idem
a 400 e 500 re. o dito.
Hollanda parda para vestidos a 280 rs. o
dito.
SetinetaB modernas idem a 200 e 280 rs.
o dito.
Linhos de quadrinhos a 100, 160 e
200 rs. o dito.
Percales finas a 200 e 240 re. o dito.
Atoalhado bordado, quasi 2 metros de lar-
gura, a 15000 e 15200 o metro.
Bramantes, 4 larguras, superior a 800 re.
e 15000 o dito,
dem de puro linho a 15600 o dito.
Riquissimas guarnieres de crochets a 65 o
85000.
Toalhas para mos a 15200, 35500 c
45000 a duzia.
Meias inglezas para horneas a 25500 e
35000 a dita.
Camisas superiores idem a 245 e 305000
a dita.
Seroulas bordadas a 125000 e 185000 a
dita.
Cambraia Victoria e trasparente a 25800
e 35OOO, com 10 jardas,
dem bordadas chics a 45000.
Superiores algodSes da corte a 35000 e
35500.
Madapolao americano a 65000, coin 24
jardas.
Flanella do cores para camisas a 280 rs.
o covado.
dem americana, azul, para palitots a
15200 o dito. ,
Casemiras de todas as qualidades a 15400
15800 e 25000 o dito.
ara as Gusas, nolvas
Lindissimas grinaldas veo para 85000 e
145000.
Ricas colchas de crochets o fustao a 85000
e 65000.
Bonitos cortinados bordados a 55500,
75500 e 85000.
Linons branco bordados a 460 rs. o covado.
Setim branco, superior, a 800 e 15000 o
dito.
Popelinas de seda a 800 15000 o dito.
Setins Maco, todas as c6res, a 800 re. o
dito.
Lencos de seda e de linho para 25800,
em lindas caixinhas.
Lences de bramante a 15800.
Cobertas de ganga, forradas, com pannos,
a 25500 e 25800 urna.
Colchas de c8res a 25000 e 35000.
Tapetes para portas a 35500 e 55000-
Pannos ara mesas, de cores modernas a,
15500 15200 e 15600.
PARA BAPTISADOS
Ricas toalhas de labyrintho de 305 a
355.
Fustetes bordados brancos a 400 o 500 rs.
o covado.
Casemiras pretas e de cores de todos os
precos, cheviots, merinos, damascos para
pianno, cobertores, redes a 45000 urna, e
urna infinidade de artigos que serao lem-
brados na presenca dos dignos leitores.
LOJA DE
PERKIRA & MMALHAKS
' Para os festivaes
A' rua da solidado n. 56, preparam-se,
com limpesa, mestria e commodidade em
precos: bolo, pao de-lt, cangica, arroz de
lete, pirmides de doces d'ovos, vatap,
bandeijas para casamentos e baptisados, etc.
Recebem-se as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
Farello superior
21700 o saceo
Vende-se no armazem de Arcelino Lima C,;
Caes d'Asserabla n. 24, garantindo-se 42 ki|o-
grammas cada sacco.
E' Tender barato
Teijao a 1*100 a cuia
Farinha a S 0 rs. idem
Milito novo a 320 rs. idem
Dito velho a 280 rs. idem
o nico que pode vender mais barato, no
largo do mercado n. 12, Gomes Ferreira & C.
Successores.
sassinar ao marido e acredita que eu possa
hesitar em usar desses meios para obter a
verdade de urna mulher que commetteu
esse assassinato e que procura a impuni-
dade por seu silencio ?
O senhor nao pode prevfr a decisao
de 3 juizes.
Minha conviccSo me basta.
A Sia. Gonssolin talvez, innocente.
Tanto melhor. Se ella 6 innocente,
est verdadeiramente louca. Considerar-
me-hei feliz se me tiver engaado.
Innocente ou culpada, quem o auto-
risa a torturar essa senhora ?
S ao tribunal compete o direto de
punir. Mas, seja innocente ou culpada,
nao lhe permittido recorrer a procs-
eos que lembram as torturas da inquisi-
510...
De vagar, meu caro amigo, nao se
exalte e nao empregue tanto calor nesta
discussSo. O que eu disse fal-o-hei, hi
de permittir-me. Ninguem, neste mun
do, pode defendel a. Essas torturas de que
falla, nao sou cu o primeiro a empre-
gal-as. Os mais Ilustres recorreram a
ellas, ha muito tempo.
: Seja. Mas nao quero partilhar da
responsabilidade de urna conducta, que
humauidade reprova.
Darei parte polica, pedindo-lhe que
nomeio para substituirme um dos raeus
collegas, com o qual o senhor melhor se
entender.
O senhor livre, Sr. Hormais. Se-
ja-me permittido, ao menos fazer urna ob-
servacao. NSo a applicacSo da ducha
que pode assustar a sua humanidade. Es-
pere, pois, seus resultados. O emprego
da ducha usado geralinonte como meio
de intimidar. E' injustamente que a ac-
cusam de ser um processo brbaro. A
ducha tem dado lugar, com efFeito, a al-
guus accidentes. Mas que resultaram s-
mente da imprudencia. Em Pariz, fui
muitos annos interno em Bictre ; pois
bem, inuitas vezes ouvi doentes oonfessa-
rem o bem estar que haviam experimen-
tado depois de ter recebido o jacto d'agua
fra. Seus temores nao tra, pois, funda-
mento. ..
Magnabat fallava com um sorriso nos
labios e urna ponta de irona na voz.
AO 55
Pede-se ao respeitavel publico que at-
tenda aos precos abaixo mencionados :
Setim da China, fazenda de phantasia,
alta novidade, a 240 re.
Amor da China, a 200 rs.
Zefiros arrendados, o que ha de mais no-
vo, a 800 rs.
Vestuarios jersey, ultimo gosto, a 105
e125000
Renda oriental a 500 rs. o covado.
Cretones para coberta, 500 rs. o covado.
Pannos de crochet, todos os tamanhos.
Madapolao largo a 65000.
Flanella azul, muito lisa, a 15200 o co-
vado.
Fichs de phantasia a 15000.
Luvas de seda a 25000 o 35000 o par.
Gruardanapos a 15600 a duzia.
Sargclins de qualquer c6r a200 rs. o co-
vado.
Grinaldas para noivas, 'cousa chic e ba-
rata
Nunzucks, grande sortimento.
Cambraia Victoria e transparente a 25800
a pe5a.
Bortmados bordados a 65000.
Flaneilas para camisa a 32 rs. o covado.
Setins, qualquer c6r, a 800 rs.
Renda da China a 200 re. o covado.
FustJes braceos a 320, 400 e 500 rs.
Vestuarios para L baptisados, o que ha de
mais novo.
com collarinho,
por
Camisas francezas,
25000 !
Grande sortimento de sotins" lavrados a
J^'O o covado.
Crinolines a 400 re. o metro.
Zefiros a 160 e 200 rs. o covado.
Merinos, sortimento grande, a 500 e 800
rs. o covado.
Cambraia suissa, a 75000 a pera.
Cambraia com salpicos brancos e de cores
a 45000 a peca.
Babados e entremeios a 600, 800 e 15000
a peca.
Lencos de seda, muito bonitos e baratos.
Cachemira combinacao com listas de seda
a I54OO o covado.
Bramante de quatro larguras a 800 rs.
a vara.
Mantil as pretas a 45500.
Atoalhado, lindros padrees a 15 o metro.
Espartilhos com couraca a 45000, 55000 e
65000.
Colchas brancas e de cores a 25, 35000,
45000, 55000 e 65000.
Grande sortimento de fichs de c5res para
todo prego.
Cassa baptista a 120 rs. o covado.
Chitas brancas e escuras a 240 rs., s se
vendo a boa qualidade.
Cretones muito bonitas a 320 e 400 rs. o
covado. >
Meias para homens, senhoras e criancas,
grande sortimento.
Comisas de meias a 15000.
Grande sortimento em merinos pretos.
Cortes de fustao para colete, alta novida-
de, a 15000.
Camisas de flanella franeeza a 35000 urna.
Brim de linho de'dftr a 500 e 600 re. o
covado.
Tapetes para cama, sof exporta; barato !
Velbutinas, qualquer cor, a 800 rs.
Cassinetas, muito bonitas, a 400 rs. o co-
vado.
Cortes de cachemiras, em cartao, cousa
chic.
Ditos de cretone muito bonitos a 85000.
Ditos de casemira de edr a 45000, 65000
e8500 .
Alm de outras militas fazendas que
impossivel mencionar.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pessa.
&& Rua Duque de Casias 55
Feroandes Azevedo & C.
A LOJA MAIS BARATBDy
PARIZ N'AMBROA
AZEVEDO, IRMaO & O.
16Rua do B. da Victoria16
200 7\depkone200
Tendo recebido directamente da Europ
grande sortimento de fazendas e modas
que ha de mais novo e prejos sem con-
petencia.
A saber ;
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de 15 e 121 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas do 800, 15000 e l#90t
Crinoline preta e branca i 400.
Sargelim, todas as cores, a 206 rs.
Bramante de linho a 15500, com K
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 15501
Chachemiras com 2 larguras a 800 n
Ditas de l e seda 2 larguras a 1500<
Madapolao trancado a 95000 a poca.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 65000.
Fichs de la e seda 15000.
Brins de linho cies fxes a 600.
Espartilhos couraca a 45000 e 55O0t
Colchas de fust&o a 25000 e 35000.
Capellas para noiva com veo bordado
65000.
Toalhas de cres para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 15501
Renda de 1S, preta, para quaresma.
'ano verde para buhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sai*
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama >
105000.
Chitas de cores a 200 re.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
Guarniee3, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 45060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flaneilas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para anfeite*
Grande sortimento de chapeos de so
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de .corea.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
mesmo tom conti-
Superior vinho de Al-
coba^a
0 acreditado e antigo armazem do Lima par-
ticipa ao publico e aos seas freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especial
vinlio, escolbido propriamente pelo chefe desta
casa, tornndose recommendado por ser puro
e de boa qualidade. Jos Fernaiides Lima & C.
ruaBaro da Victoria numero 3, Tetephone323.
--"SP""--mmmwmf*
Francisco nSo respondeu.
Acaba va de fazer esta rpida reexHo :
Se deixo Magnabat, Magdalena est
perdida. E' preciso que alguora a ajude,
por. sua presenca, a supportar todas as
crueldades que este homem lhe prepa-
ra.. .
Magnabat, com o
nuou :
O senhor est convencido ?
Francisco sentio-se de repente covarde.
Temores sbitos o assaltavam.
Ver soflrer sua amante, ver esse corpo
que elle cobnra cora caricias ardentes,
torturar-se em convulsao sob a ferida de
um ferro em braza, essa pelle branca e
perfumada elevar-se sob a aspiracab de um
raoxa, era horrivel isso... elle temia des
fallecer... trahir-se... Ella, Magdalena,
nao diria nada, emquanto elle estivesse
presente... com os olhos presos aos seus,
ella morreria as torturas, sera ter pro-
nunciado urna s palavra estrauha ao sea
papel... raas, elle, Francisco, nao se acre-
ditava com bastante cragem para seme-
Ihacte espectculo.
Fez urna ultima tentativa :
Por mais criminosa que possa ser a
Sra, Gonssolin, disse elle, com voz era
que tentava em vao oceultar sua pertr-J
lo, peco-lhc que nao esqueca os deve-
res que a humanidade lhe impSe. E'-lhe
permittido, com effeito, empregar os meios
que escolheu, mas eu acreditava que sua
experiencia nSo teria necessidade de re-
correr a elles. NSo tenho interesso al-
gum, como o senhor pensa, em defender
essa louca e creio ter o diroito de fallar-
lhe assim.
Posto que seja muito moco, pormitta-me
fazer-lhe notar que os mdicos peritos nao
tGra o habito do recorrer logo de principio
aos meios dolorosos ; o s depois de pro-
fundo exame que empregam procesaos que
nao s?.o mais os que exige o tratamento
das molestias inentaes e quando de suas
obeervacoes resulta a conviccSo de quo o
doente confiado aos seus cuidados simula
a alienacSo.
Kepugnam-mo tanto como ao senhoj
essas provas dolorosas e desejo muito, an-
tes do l chegar, recorrer substancias
therapeutcas. Antes de ferir a sensibili-
Po centeio
Bfcllo & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sexias-l'eira, tem este sa*
boroso pao; rua larga do Rosario n. 40.
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os propietarios do Armazem Central, rua
do Cabuga n. 11, avisam aos seus distinctos fre-
goezes e ao respeitavel public que receberam
nova remessa deste especial vinho, o qual se
recommenda por ser puro da nva, c s se reta-
Iha em seu armazem.
Joaquim Christovlo & C.
Telephoae 447
ojal Biend marca YUDO
Este excellento Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cara,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melkores arma-
zens de molhados.
Pede lio y al Blend marca Vlado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
A FLORIDA
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda o de algodfio com sen
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodSo.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 35000 e 45000
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 50C'
600 e800ra.-apeca.
dem com 3 e 1]2 metros, de qualque
argura a 15200.
Lencos de linho em caixinhas a 35000
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos lcques transparentes de gaze a
35000 um.
Grande sortimento de porta-retractos dt
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 65
85000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama
125000, 175000 e 195000 o par,alguni
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimento
a 44000.
Capellas com veo para noiva a 65000 t
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85 105
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35, 44
55000.
Grinaldas ramos de seda, o que ha d
melhor.
Renda hespanhola de diversas cSres.
Bicos brancos e de cores a 25000 a peca.
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 re. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantes.
Linha de machina, claque, a 40 rs. o car*
ritel.
Pastas a 1500 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinaa
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapos.
Luvas de seda, cano comprido a 25 par.
Ditas de seda para creanca a 15000.
Dita para moca a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos domados para segurar cabellos.
Ditos ditos para cnfcitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200
15500 um.
Estojo com faca, gario o colher, propri*
para creanca.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de 11 para homens e senhoras.
Liuhas dourada para faaer crochet.
Lindas fitas para facha a 25, 35 e 44000
o metro.
Lindos lcques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeira de 15, 2#i
3 o 35500 ama.
Rua Duqoe de Caxias 1.103
Leite puro
Na estrada de Joo Fernandea Vieira, sitio lo
go depois das casas novas da direita, vende-as
todos os das leite puro de vaccas tonrinas e da
trra, garante-ae a qualidade do leite.
Taverna
Vende-se urna taverna na rua Bella n. 37,
livre e dpsembaracada, com poneos fondos,
Eropria para principiante ; a tratar Da rua de S.
jio n. 12.
dade, actuarei sobre o systerua nervoso de
tal modo que a influencia dos ervos que
preside aos movimentos voluntarios sendo
impedida, o organismo fique entregue
sua actividade propria e achar-me-hei as-
sim diante de reacgSes naturaes. De mo-
do que, mesmo que o senhor se oppcnha,
vou fazer dar-lhe a ducha. Ficarei nisso
provisoriamente, mas em poucos dias, ama-
nhl talvez, me servirei do opio para que-
brar a obstinarlo da Sra. Gonssolin. Esse
narctico importante contra as manifos-
tacoes da alicnac3o mental, raas nSo dei-
xa nunca de actuar nos individuos em es
tado de sade physica e moral e de atrai-
coar assim a medida da resistencia vital
tao grade no verdadeiro alienado.
Francisco nada replicn. Conhecia bem
Magdalena. Sabia quao forte era ella e
o imperio que exercia sobre os seus er-
vos. Dessa forma a resoluclo que tomara
Magnabat de empregar o opio lhe pareceu
nao dever dar resultado algum.
O medico perito s deve servir-se do
opio quando o doente apresenta sympto-
raas que comportara esse remedio, quando
ha indieasSes precisas e um effeito clinico
previsto deve dar-se. Ora, Francisco, pelo
conheci ment que tinha da constituidlo de
Magdalena e de sua forca de resistencia,
estava persuadido que o opio seria inac-
tivo. Desse modo, a ausencia do effeito
previsto tornar-sc-hia urna prova de reali-
dade da loucura. -
Emquanto fazia o mogo taes roflexoes,
Magnabat sahira. Entrarara enfermeiros,
co'locaram urna baca sob os furos feitos
to tecto e postaram-se junto parede,
atim de estarem promptos primeira or-
dera, se os dous mdicos eirecessere de
seus servigos.
Magnabat voltou.
O medico fot buscar Magalena, quo de-
xou-83 conduzr sem tenlar resistir. Elle
deixou a mo dclla, quando 'hegaram ao
maio do quarto e rceuou, ficando a moca
era p ahi.
Entlo, dous jactos de agua fria jiarti-
ram do tecto brusoaiuente e cahiram na
cabeca da moca, quo fechou os olhos.
Sob a iinpressao dosBa ducha golada.
ella fiua-a extremamente paluda o as duas
mos feeh.iram-sc estretaraente de modo
a fazer penetrar as unsas, na carne das
palmas. Os labios, de que retirara toao
o sangue, comprimiram se com forca um
contra o outro.
A agua, cahia com violencia sobre as
raadeixas de seus cabellos negros, que ella
propria formara, e que se pegavam ao ros-
to, ao pescoco e aos hombros em placas
enxarcadas.
Mais pallido do que Magdalena, Fran-
cisco, assentado, cerrava os dentes, tinha
o olhar indifferente c a alma possuida de
um medo horrivel.
Elle havia cruzado os bracos no peito e
senta as palmas das mos correr um suor
incessante de angustia.
E Magnabat, impassivel, com o olhar
fixo na face da louca, conservava-se de
p perto della, examinando-a, sorprenden-
do os seus soffrimentos, esperando um sig-
nal de fraqueza.
A agua escorria abundante sobre Mag.
dalena, enxsrcaya suas vestes e molhava
seu corpo esbelto, que pareca ainda mais
alto e como que tornado mais fino.
Ella calava-se.
Nem urna palavra, nem urna queixa Ba-
ha de sua bocea.
Essa aguacontinuava a cingil-a com inau-
dita brutalidade, comprima todo o seu
corpo em urna veste de gelo, fazia pene-
trar na medalla dos ossos fro mortal, po-
rm ella nlo tinha um gesto, nem urna
queixa.
A um signal de Magnabat, deixou de
correr a ducha ; entlo Magdalena abri os
olhos, dirigio-os sobre oa dous mdicos e
os enfermeiros. Esse olhar sem expres-
s So, que era verdadeiramente, nesaa occa-
siao, o de urna lo oca, deteve-se em Fran-
cisco Hormais com urna singular insisten-
cia, mas sem mudar de uatureza.
Magnabat fez-lhe algumas perguntas, s
quaes nlo respondeu ella.
(Contintiar-se-h)
-
1 "'
l

H
. do Dmrio rua Duque dejCaxias n. 43


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW88CAEHX_7017LS INGEST_TIME 2014-05-28T16:52:15Z PACKAGE AA00011611_19917
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES