Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19879


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXVIII
I

TERCA-FEIRA 8 DE MAB0 DE 1892
m
DIARIO DE PERNAMBUGO
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantados. 65000
Por tres ditos vencidos. -. 7&000
Por ura anno aiiantado 24^000
dem idem vencido...... 28^000
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PUBLICARES NA FRAN-
gA E INGLATERRA
Os Srs Amede, Prince & C, resi lentes em Paris34 ru de
Provence.
PARA OS LOGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por seis mezes adiantados. 13^500
Por seis ditos vencidos. ... 15&500
Por am anno adiantado. 27&000
dem idem vencido...... 31&000
TELEGRAMAS
im& mmm so szabzs
ll JE JANEIRO, 7 de Mar5o, As 3
ior.is o 4> minutos da tarde.
i Municipio de Pao d'AUo, bacharel Tbomaz
Lin; Caldas Filbo.
Municipio de Petrolina, bac-harel Manoel Ma-
raes de Albnquerqae.
Municipio Ue Palmares, bacharel Lourengo Al-
buquerque da Rosa.
Municipio de Panelias ao qal annexo o de
Qaipapa, bcciarel HenriqueEugenio Antones.
Municipio do P.e:ife
No sabbado ultimo realisou-se u'e;ta ca-
pital ama imponente manifestado popular
a? marechal FJoriano Peizoto.
Em come dos manifestantes falln o
deputado Or. Sampiia F.rraz, sendo por
essa cccasi2o entregue ao presidente da
Repblica urna mogao de plena confianca.
O marecha! Floriano reapondeu agra-
decedo a prova de contiaoca recebida.
Didaroa que senta-ae forte com esse
apon e podia garantir que havemos de
cbegar ao desidertum que aspiramos, se
continuarmos a trabalbar para a consoli-
dado da Repblica e engrandecimento da
Patria.
tallaram mu tos outros oradores.
Foi nomeado fiscal do Banco da Re-
pblica o Dr. U!y8sts Viaona.
PARTE OFFICIAL
iTerno do Estado de lcr-
namboco
Actos:
A junta governativa do Estado, tendo em
vista a consulta constante do oiBcio n 325 de
hoatem datado da Intendencia Municipal do Re-
cite e c:nsiderando que o disposto no 4 do
artigo 11 do reguiamento eleitoral de 9 do cor-
NBte mez, tem por lim evitar a bem do regular
funecionamento da* me8a3 eleitoraes, a aecumu-
lago de gente nc recinto em que ellas se reuni-
rem;
Decreta:
Nos lugares onde por qualquer motivo nio se
puder fazer a separaco do recinto, em que es-
t'.ver a mesa eleitoral, do resto da eala po* mel
de gradil, poder essa geparacao ser feita per
qualquer outro meio que preduza o mesmo re-
sultado.
A junta governativa do Estado tendo em
vista que na ImpreesSo do reguiamento eleitoral
do 9 do corrente mez foram omittida3 as pala
vras finaes do an. 2* do mesmo reguiamento, de
clara para os devidos flns que o mesmo artigo
est redigido do seguinte modo:
Art. S. Sao ef giveis para os referidos cargos
do Googresso e des municipios os cidadaos, que
como taes sao considerados pela Constituigao do
Estado, observadas as incompatibilidades na
mesma Constituido estabelecidas em relatan s
eldgoes municipaes.C'jmmuni:ou-se as inten-
dencias municipaes.
A junta governativa do Estado, de accordo
com a le n. lo de 14 de Novembro de 1891, re-
?c!ve Boxear promotores pblicos para os se
guintes municipios:
Municipio de Aguas Bellas, bacharel Manoel
Arbur ue Sa Pereira.
Municipio de Agua Preta, bacbarel Minoel Ma-
c'ndo Teixeira Civalcante Jnior.
Municipio de Alaga de Baixo, bacbarel Artbur
B3rbalbo Denos Ca-alcante.
Manicipio de Barreiros, bacbarel Augusto da
Gama Lomeaba Lie;.
Municioio de Bem Jardim, bacbarel Fiacrio de
ira Souza
Municipio de Bonito, bacharel Jalio Tenorio
de Albuquerque.
Munic.pio de Bezerros, bacharel Joaquim Jos
d:> Pana Neves Sobrinbo.
Municipio do Brejo, bacbarel Francisco Marti-
Diano de Oliveira.
Manicipio de Bocn-Conselho, bacharel Fran-
Torquato Paes Barretto.
Municipio de Boa-Vlata, bacbarel Perminio de
Aruujo Lima.
nicipio de Buique, ao qaal annexo o da
!' a, bacharel Joo Capistrano de Scuza Ri-
.. oro.
Kbq cipio do Cabo, bacharel Jos Luiz Goocal-
ve; Ferieira.
Municipio te Caraar, ao qual annexo o de
Aitinao. oacbarel Antonio de Oliveira Ramos
Thcorga Jnior.
Municipio de Cimbres, bacharel Jos Coelho da
Biiv.
Municipio de Csbrob, bacharel Pedro Fran-
cisco de Melio.
Municipio de Gacbotlcho, bacharel Leopoldo
Cesar de Gusmao.
Municipio da Escada. ao qual anaexo o de
Amaragy, bacharel Godofredo Moscoso da Veiga
Pesaos.
Municipio de Flores, bacbarel Jos Antonio de
MasalbSes Bastos.
Municipio de Floresta, bacbarel Jos Evange-
lista da Silva.
Municipio de Grvate, bacharel Virginio Car-
neiro Mendes da Silva.
Municipio de Gamelleira, bacbarel Felippe Au-
.'usto Carneiro Campello.
Municipio de Goyanna, bscherel Jos Henrique
Cesar.
Manicipio da Gloria de Goit, bacharel Jos Ue
Souza Lima.
Manicipio de Garanbans ao qual annexo o de
Correles, bacharel lldeberto Aprigio Guima-
ries.
Manicipio de Granito, ao qual aonexo o de
Ex, bacbarel Manoel Bernardino Cavalcante Fi-
lho.
Municipio de Iguarass, bacbarel Antonio da
Silva Guimaraes.
Municipio deltamb, bacbarel Joaquim Gaedes
Correia Gondim.
Manicipio de Ipojuca, bacharel Joao Adolpbo
Wanderley Lins.
Manicipio de Ingazeira ao qaal annexo o de
S. Jos do Egypto, bacbarel Jos Joaquim de Mo-
raes Sarment.
Manicipio de JaboatSo ao qnal annexo o de
Moribeca. bacbarel Osvaldo Machado Freir Pe-
reira da Silva.
Muni-.ipio de Limoeiro, bacbarel Alfredo de
Albuquerque Gama.
Manicipio de Leopoldina, bacharel Fortunato
Raphael Alves de Carvalbo.
Municipio de Nazaretb ao qaal annexo o de
Vlcencia, bacharel Francisco Tavares Netlo.
Manicipio de Olinda, bacbarel Bernardino de
Sene a Dias.
Municipio de Oaricury, bacbarel Jos Tiburcio
do Nascmento Tavares. Amorim
Io promotor, bacharel Gervasio Fioravacte Pi-
res Ferreira.
2 promotor, bacbarel Joao Dinii Ribeiro da
Cania.
3 promotor, bacbarel Jos Antonio Gongalves
de Mello.
Manicipio de Rio-rVmoso ao qual annexo o
de >ericoaem, bacbarel Fabio Rio Jnior.
Manicipio de Satgaeiro, bacharel Eugenio An
tonio Goncalves Pirea.
Municipio de S. Bento, baoiiarel Salviano Cor
rea de Oliveira Andrade.
Municipio de S. Lourengo da MaWe, bacharel
Eduardo Estanislao da Costa.
Municipio de Timbaoba, bacbarel Paulo de
Ananias Sveira.
Manicipio de Taquaretinga, bacbarel Felismino
Norberto da Costa.
Municipio de Trlumpho, bacbarel Joaquim da
Silva Cabral.
Municipio de Tacaral, bacharel Pedro Mar-
ques Cavalcante de Albuquerque.
Municipio da Victcria, bacharel An-berto Ro-
drigues do Passo.
Municipio de Villa-Bella ao qual annexo o
de Belmonte, bacharel Sergio Nunes de Maga-
ltes.
Os netneados deverSo temar posse de tena car-
go? no praso de 60 dias.
A junta governativa do Estado resolve no
mear o bacharel JoSo Ferreira de Almeida Gui-
maraes para exercer o cargo de administrador
da Recbedoria da3 rendas do Estado.
A janta governativa do Estado resclve no-
mear o cidadao Antonio Paes Barreto para o pos
to de sub commissario da guarda local do muni-
cipio de Muribeca, em ubstituic&o de Flix de
Barros Pimeotel, que nao aceitn a nomeacao.
A junta governativa do Estado resolte, de
conformidsde com ? proposta do Dr. questor po
licial, neintar os cidadSos terente Laurentino
Cordeiro Reg, tenente Antonio Manoel Pessoa,
Ruaco Vieira de Lacena c AgoBtinbo Sabino da
Silva, para os carges de subdelegado, Io, 2* e 3
supplentes do 2* districto (Jurema) do munici-
pio do Brejo, ca ordem em que vao collocadoa ;
tic indo exonerados os ridados que actualmente
exercem eses cargos.
Offieios:
Ao Dr. questor policial.A junta governativa
do Fstado declara-vos em resposta ao officio n.
108 de 19 do correte, qne deixou de approvar
o acto da deposic&o da lolendencia de Limoeiro
anteriormente acclamada e reconhecida ; e re-
commecda-'fos qua fafais sentir ao delegado d'a-
quella localidade que compre he fazer respailar
os actos desta jauta, no numero dos quaes se
acba o reconbecimento da Intendencia em cuja
deposico consentio.
Ao inspector da Thesonraria de Fazenda.
O Ministerio da Justica, communica, em aviso de
14 do corrente baver, pelo de n. 1335 de 2i de
Dezembro ultimo, providenciado sebre o paga-
mento por esda Tuesouraria. do ordenado do
jniz ae direito em disponibllidade de Hercilio
Lupercio de Scuia.
Ao inspector da Alfandega.A portarla de
11 de Novembro do anno prximo passado, em
vista das razoes que na mesma sao expostas,
prohibi a exporlajao da larieha, do fe'jao e do
milbo, como artigos que constitaem a principal
alimentacao das classes desfavorecidas da for-
tuna.
Essa, prcbibicSo, porem nio deve ir at o
pomo de embargar o liv.e transito por e3te psrto
para outros do3 artigos em questo, quando pro
cedentes de outres Estados, ainda que nao te-
nham sido manifestados com a declaracao em
transito, desde que do desembarque des3es
artigos para a sua porterior exportacao nao re-
solte o perigo de ser sophismada por qualquer
modo a probibicio ai ludida ou Alfandega tenha
meios segures de evitar esse perigo.
Sendoassim podis conceder Companhia la-
dustrial e Conmercio de Estiva a licenca por
ella requerida para a exportapao das saccas de
farinba condnaidas do Rio de Janeiro pelo vapor
JaboatSo, embora nao manifestadas em transito,
devendo negai-a no caso contrario.
Ao inspector do Thesonro do Estado.A
junta governativa do Estado communico-vos que
boo'.ein o bacharel Manoel do Reg Mello assu-
mio o exercicio do cargo de juiz de direito do
municioio de Nazaretb com junsdicao extensiva
ao de Vicencia, para o qual foi nomeado por
portara de 18 do corrente.
Ao mesmo.Communico-vos que hontem
o bacbarel Antonio Domingos Pinto assumio o
exercicio do cargo de juiz de direito da 2.' vara
(commercio) do manicipio desta capital, o qual
foi nomeado por portaria de 18 do co-rente.
Ao mesmo.A junta governativa do Es-
tado communica-vos que hmtem o bacharel Tu-
moleSo Peres de Albuquerque Maranbao assumio
o exercicio do cargo de juiz de direito do ma
nicipio do Cabo para o qua foi nomeado por
portera r"e 18 do mesmo mez
Ao mesmo.A junta governativa do Es-
tado communica-vos que em 24 do corrente
mez o bacbarel Hercilio Lupercio de Souza as-
sumio o exercicio do cargo de juiz de direito do
municipio da Essada, com jurisdico extensiva
ao de Amaragy, para o qaal foi nomeado por
portarla de 18 do mesmo mez.
Ao regedor do Gymnasio.Em resposta
vossa consulta de 23 do corrente vos declranos
que o sello no acto de ser passada a certido de
exame por esse Instituto deve ser estadual,
enmprindo as repartieres federaes quando pe-
rante ellas se rlzer uso da alludida certido ex
lgir o sello da Uoiao.
Ao director do presidio de Fernando de
N:ronha.Fazei regressar, na primeira oppor-
tanidade para esta capital, atim de ser restitui-
do liberdade, conforme determina o Ministerio
do Justica por aviso de 7 do corrente o indivi-
duo de nome Narciso Rodrigues Villarinbo Ja
nior, dando-lbe passagem por conta do mesmo
Ministerio.Communiccu-se ao Dr. questor po-
licial.
Aos Srs. Antonio Cmdido de Oliveira, Jos
Pereira Cesar, Antonio Aureliaao Lopes Coutlnbo
e Antonio Jos Correia Filho. (Limoeiro).Com
a copia inclusa do officio que expedimos a 16 do
corrente aos cidadaos Jos Mara Fi:ho e Anto-
nio Correia Filho em respo.-ta ao telegramma
que nos dirigi participando a acclamagao feita
de ama junta para substituir a Intendencia ac-
clamada a 29 de Dezembro lindo, respondemos
ao vosso officio de 21 do corrente mez, determi
nando-lbes que passam o exercicio a Intenden-
cia anteriormente acclamada.
Ao Sr. Vicente Ferreira de Carvalho Ven-
tura.Respondemos 03 officios de 9 e 11 do
orrente declarando-tos que tendo sido dissol-
vidos os conBelbos municipaes por decreto de
23 de Dezembro udo, foram comeados, a 16
desie mez, para cempor a nova Intendencia des-
ee municipio os cidadaos major Vicente Ferreira
de Carvalho Ventara, servindo de presidente,
coronel Manoel Jacome Beserra de Carvalbo
Brandao major Tbomaz Alves Vianna, Jos Flo-
rencio de Souza e capltao Jos Cypriano de
EXPEDIENTE DO DE. SECRETARIO
Officio :
Ao commandante superior da guarda nacional
de Caruar.A junta governativa do Estado
manda comraunUar-vos, em resposta ao vosso
officio de 22 do corrente, que, acbandj-se a
guarda nacional ;ob urna nova organisac&o, nao
podem por emquanto ter execucSo as disposi
ces do decreto n. 1130, de 12 de Marco de
(833. cumprindo-vos, pois, aguardar as suas iu
strucbes que vos sero dadas posteriormente
sobre o objecto do assumpto .do citado officio,
que ti :a assim respondido.
Portaras:
O Sr. gerente da Companhia Pernambacana
providencie para que tenham 'passagens de r
do porto de Natal para esta capital na 1.a via
gem do mez vlndouro, Pedro Barretto Patriota,
ana mnlher e tres filhos por conta das gratuitas
a que o governo tem direito.
O Sr. superintendente da estrala de ferro
do iRecfe ao S. Francisco ci passagens, por
conta do Estado, em carro de 1.1 clasae, com di-
reito a bagagem, da estacao de Cinco Pontas a
de Una, ao commissario da guarda local do mu:
nicipio de Petrolina tenente Joaquim Leonel de
Alencar, conforme requisita o Dr. questor poli-
cial em officio d'esta data sob n. 159.
y.ntatis mulandis a estrada de ferro Sul de
Palmares a Garanbans.
dem idem, ao sub-commissario da guarda
local do municipio de Tacara'.u.
Mutatis mutandis de Palmares a Garanhuns.
dem, passagem de vmda e volta da esta
cao de Una a de Cinco Pontas ao commissario da
guarda local do municipio de Qaipap, e em
carro de 2.* classe a urna prnca que o acom-
panha,
Afutatu mutandis de Quipap a P Imams.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao Limoeiro d passagens de ida e
volta, com direito a bagagem, por conta do Es-
tado, cm carro de 2.* classe, da estacSo do Brnm
a de Timbaba, a urna praca da guarda local,
conforme solicita o Dr. questor policial em of-
licio desta data n. 158.
DESPACHOS DO DA 5 DE MARCD
DE 1892
Alfredo Firmo do Oliveira, contraclante das
obras da ponte de Pau sangue em Gimelleira,
pedindo relevacao da multa que lhe fA importa
pelo director geral de Obras Publicas.Infor-
me o director geral de Obras Publicas.
Ar.tonio Fernandes da Sveira Carvalho, 2- ofi-
cial da secretaria deste governo, pedindo para
ser aposentado.Remettido junta medica,
qual o peticionario se apresentar para ser ins
fjiccionado.
Banco de crdito popular do Brazil, concessio-
nario de evoneas em Olinda e Goyanna, submet-
tendo as plantas approvactb. Nao podem ser
approvadas as plantas por terem sido aprsenla
das fora do praso, que findeu-se, em 10 de De-
zembro de 1891.
Bento Luz de Carvalbo, ex commissario do
municipio de Garanbas, pediade solacio do des
pacho de sua peticotm que pedia para ser res-
tregu o referido commissariadoIolorme o com-
mandante da brigada policial.
Companhia do Beberibe. pedindo pagamento
da quaatia de &94010, do fornecimento (Tagua ao
quartel de cavallaria durante o anno prximo
paitado.A peticionaria tem direito a quaatia
de 43*310 e nao de 59*010 em vista do calclo
feito pelo Tbescnro do Estado, ao qual aesta data
expedimos ordem para escripturar a primeira das
referidas guarnas.
Caetano Tneotine da Malta Ribeiro, sub-com-
missario ao municipio de Villa Bella, pedlado
remocao para a 2a regio. Reforme o sello e vol
te por intermedio de seus legtimos superiores.
Florencio Jos dos Santo?, preso pobre, pedin-
do providencias atim de qoe o Superior Tribunal
do Relarao d solucao ao despacho de sua peti
cao em que pedia babeas corpas.Requeira ao
tribunal competente.
Bacharel Helvecio de Carvalho Gomes Guima-
raes jniz municipal de Cabrob, pedindo trez me-
zes de licenr;?.Iaforme o inspector do Tbesou-
ro do Estado.
Jorge Carvalho de Siqueira, ex-alferes da 2"
companhia do 2' corpo da brigada policial, pe-
dindo pagamento dos vencimentos a que eejal-
ga com direito.Informe o commandante da bri-
gada policial.
Joo Bernardo Lauatte. redindo providencias
atim de que o delegado da inspectora de Trras
e Colonisacao maride suspender ostrabalbos que
estao fazendo no lote n. 3. na colonia do Baro
de Lucena at que o ministro da agricultura d
soluco acerca do recurso interposto pelo peti
cionario.Informe o delegado da inspectora ge-
ral das trras e Colonisacao.
Bacbarel Joao Landelioo Dornellas Cmara Ju
nior, juiz municipal de Palmares, pedindo justi-
ficado de faltas.Ficam Justificadas as faltas.
Depois de notado na Secretaria do Governo, re-
meta se este reqoerimento ao inspector da The
sonraria de Fazenda para os tina convenientes.
Jos Francisco de S Leitao, pedindo para
eiiminar-se da contribuic.o de annuidades da
Companhia Draynage, diversas casas de sua pro-
pnedade, de accordo com o art. 2 da lei n 2038
de 2 de Agosto de 18S9. -Informe a Intendencia
Municipal do Recife.
Josepha Maria Ferreira da Cunha e outras pro-
pietarias do predio n. 12 na ra do Coronel
Suassuna, pedindo despensa do pagamento dos
impoatos que devem do referido predio.Em
vista das informales nao podem as peticiona-
rias ser atendidas.
Joaquim Almeida do Nascimento, preso pobre,
pedindo providencias afim de que o Tribunal da
Re.acao resolva acerca da pelicao em que o sup
plicante pedia babeas cor pus.Requeira ao
tribunal competente.
Manoel Gabino da Silva, ex tenente da Brlga-
Policial, pedindo pagamento dos vencimentos a
3ue se julga com direito.Deferido, com officio
esta data ao Tnesouro do Estado.
Bacbarel Petronillode Santa Cruz Oliveira, ex-
juiz da direito de Taquaretinga, pedindo para
encaminhar se urna pecSo ao ministro da justi
ca.Encaminbe-se, devendo o peticionario pa-
gar o porte na Repartico dos Correios.
Secretaria do Estado de Pernambuco,
em 7 de Marco de 1892.
O porteiro,
Hemeterio M. da Silva.
(Est conforme)O alferes Carlos aba-jCear o candidato dos adv>ririos, qnan.'o te
res, ajudacto de ordena encarregado do
detalbe.
laestnra Policial
SecsSo 2. N. 55 Secretaria da
Qaestura Policial do Estado de Pernam-
buco, 7 de Maro de 1892.
Cidadaos.Participo-vos que foram re-
colbidos Casa de Detencao os seguintes
individuos :
No dia 5 :
A' mK.ha ordem, Vital, ou Victalino
Alves da Fonseca e Maria Thereza, alie-
nados, com destino ao Asylo da Tamari-
neira'.
A' ordem do subdelegado da fregnezia
de Santo Antonio, SebastiSo Lopes da
Silva, Chriatino Manoel Severino e Olau-
dino Jos dos Santos, como vaga-
bundos.
A' ordem do subdelegado do districto
de Afogados, Pedro Mazimiano dos San-
tos e Antonio Jos da Silva, como ga-
tunos.
A' ordem do subdelegado do districto
do Arraial, Bernardo Alves da Silva, por
crime de d-floranunto, a disposicao do
Dr. juiz de direito do 5' districto cri-
minal.
A' ordem do subdelegado do districto
de Apipucos, Antonio Pedro Pinto, por
crime de defloramento, a disposi(3o do
Dr. delegado do 2- districto da capital.
No dia 6 :
A' ordem ds subdelegado da fregueziu
do Recife, Luiz Pinto Monteiro, como
gatuno ; Amaro Nasc'mento dos Santos,
como vagabundo ; Francisco Borges de
Oliveira, Angela Moreira Alves, Anacleto
Jos da Cruz e Manoel Alfonso Saeta
Rosa, por offensas moral publica.
A' ordem do subdelegado do 2- districto
da Boa Vista, Luiz Francisco de Oliveira,
alienado, com destino ao Asylo da Tama
rineira.
A' ordem do subdelegado do 2' dis-
tricto d. Graca, JoSo Lyra Baptista, por
crime de roubo.
A' Junta Governativa do Estado de Per-
nambuco.
O questor, Joaquin Jhvares de MeUo
Barretto.
BecebtMloria
do Estado de Pernam-
buco
DB8PACHOS DO
DIA 5 DE
1892
tfA*go DE
Pedro de Alcntara do Carmo, Hercu-
lana Maria da ConceicS; e Joanna Avelina
de AJbuquerque. Informe a Ia 800980.
Figueira & Silva.A' 1. s-'ccSo para
os rlevidos fins.
Antonio Fortunato de Hollanda. Infor-
me a 1. sescab.
Dia 7
Luiza Matbildes de Farias.- D-se a
certidSo qne reqaer o supplicante.
Affonso Ildefonso de Almeida.Cer-
tifique se.
Antonio Joaquim dos Santos e Jos
Raymundo as Chagas.Informe a 1.*
800980.
Ovidio Cypriano J^s de Mello.A
1. seejSo.
DIARIO DE PERNAMBDCO
Retrospeco poltico do anno
de 1891
ni
poltica paeticolab
REPBLICA ARGENTINA
(Continuacao)
riam podido disrutar franca e absr'amen'e nos
comicios o trunpbo d candidatos tirados das
Has proprias Qleiras. >
A parte da UniSo Cvica favoravel ao accordo
em 20 de Julbo, presentes 67 convencional3las,
ratilicou a canJidaiura do general Mitre; ac-
ceitou a renuncia do Dr. Irigoyen e proclamou
candidato vice-presidencia o Dr. Uribur por
15 vetos mais do que se reqoeriam para formar a
maoria legal, computado o total de membros da
convencao do Rosario.
Quatro dias depois a Convencao de Uniao C-
vica encerrava as suas sessoes, sendo pelo Dr.
Torren! proferido am discurso em qae afrma-
va qae o programma da uio Civica era o grito
do3 povos, a consciencia do direito, a voz da jos-
tia, a lei da naco e a essencia da vida.
As candidaturas que hoje o representara,
declaroa o Dr. Torrent, assegaram este mesmo
governo de reparacSo, de liberdade, de morali
dade, de progresso, de fraternidade, de todos e
para todos, como verdadeira delegaco do povo,
eslabelecido para a protecce dos seus direitos e
para conduzil-o pela senda do seu engrandeci-
mento e felicidade. Nao conheco na historia
'usticaQo mais honrosa de nma atiilude poli
tica na lata dos partidos, nem xito mais mere
cido e completo na defeza generosa de ama gran-
de cansa.
Em frente, porm, a mi elaboraco de am ac-
cordo qae se dizia imposto pelas circunstancias,
ergua-ss valorosa e cusada a parte dissideute e
radical da UniSo Civica, que todo envidava para
conseguir a victoria.
Como meio eleitoral procuroa alliar-se aos ca-
thoiicos e aos autonomistas radicaes.
Muitos foram os esfurgos empregados para a
obt-njao d'essa uniao sobre a base da candida
'ura do Dr. Luiz Saens Pena, membro da supre
ma corte de jist:c.i federal. O Dr. Saens Pena
tinba declarado que acceitava a candidatura, se
as tres trceles se pozessem de accordo para
pleitcarern unidos a luta eleitoral. Nasse senti-
do formalou sea programma. e diese qae se a
opiniao o le vas se ao poder, jamis seria o pre-
sidente ]de am partido poltico; nao tolerara
que o cbamassem chele de partido ; seria o pre
sidente o constitucional da Repblica e gover
naria com todos os homens patriotas, com os
bomens de conceito moral e social, procurando a
idoneidade, honradez para 03 cargos pblicos 1
sem Ibes perguntar em que flleiras polticas ha
viam mili'.ado.
O accordo apezar de patritico e digno, nao
fot ultimado, porqaanio ao passo que 03 radicaes
queriaui que as entras duas facces se encorpo-
fassem debcixo da sua bandeira, 03 cotbolicos
impunbam a conservado de sua autonoma.
Mallograda a alliacca, reuni se a convenci
radical no dia 15 de Agosto, sob a presidencia
do D-. Alm.
A exposigao redigida pele comit declarava que
o accordo iniciado peles generae3 Mitre e Roca
tinba desnaturado inteiramente a organisacao e
programma da Uniao Civica, obrigando a conven -
Cao a se pronunciar .-obre a eliminacao da can-
didatura do general Mitre e sobre a renuncia do
Dr. Irigoyen que se bavia feito a devolucao da
sua.
c ominando das Armas
Quartel general do commando do 2o dis-
ticto militar em Pernambuco, 7 de Mar-
90 de 1892.
- Ordem do dia n. 17
Para conhecimento das forjas em guar-
nigao neste districto fago publico que por
decreto de 3 do corrente fui promovido ao
posto de general de divisao graduado,
conforme communicou-me os Srs, minis-
tro da guerra e ajudante general em tele-
grammas de 5 deste mez.
(Assignado)Joaquim Mendes Ourique
Jaiques, general de;divis5) graduado com-
mandante do 2." districto militar.
A commiss&o do partido nacional reunida a 9
de Jalho proclamou as candidaturas do general
Mitre e do Sr. Uribur presidencia e vice-pre-
sidencia da Repblica.
Responiendo commiseao que Ibe communi-
ceu essa deaignacao, o general Mitre declaroa
qae acceitava a sua candidatura como urna solu-
cao nacional.
Nao a teria acceitado, disse elle, de um s
parlido.n em mesmo de partido histrico a que
pertencia, porque tenho a consciencia de que
sem o concurso eficiente de tedas as voatades
patriticas, nenhum delles pode fundar um go-
verno fecundo para o bem como o necessita o
paz as angustiosas circunstancias qne atra
vessa e menos amia por meio da luta que esgo-
taria as forjas que se devem appcar obra da
restauraclo
E ser-me-bia doloroso fazer do meu nome
bandeira de luta, ou symbolo de proteste, se
desgracadamente houvasse necessidade de sal-
var com ella os principios fundamentaes' do
nos80 systema de governo.
O general Rocca receben da mesma conven-
ci o titulo de presidente da junta executiva do
partido.
Alvo de brilhrnte manifestacao, o general Roc-
ca dirigi aos seus co religionarios ama decla-
rado patritica em que dizia:
O partido nacional, acabava de realizar um
acto sem precedentes na nossa historia poltica
e que o realga diante de naga). Era o de ac-
No dia seguinteamesma convengao proclama-
va esta forma eleitoral: presidente, Dr. Bernar-
do de Irigoyen ; vice presidente, Dr. Joao Garro.
A designagSo d'esta ultima candidatura explica-
va-se pelo papel qne representara o Dr. Garro
nos ltimos conflictos de Cordob?, onde se Ihe
attribuia grande influencia no elemento caiholico
a que pertence e qae predomina u'aquella capi-
tal.
A ampanha eleitoral proseguio activa e en-
carnigeda por parle de convencionislas e radi-
caes.
O partido accordista loctava com difcaldades
para manter se.
Assim que em Crdoba Qzeram-se esfergos
para elevar ao governo o Dr. Calixto de la Torre,
cidadao respeitavel, membro da suprema cor-
te nacional, o qual declaroc, porm, como e Dr
Saenz Pena, que s acceit.ria aquella honra se
pudesse contar com o concurso moral, franco,
leal e decidido de todos 03 elementos sSos de
opiniao da provincia.
Proclamado candidato do governo leeal pelo
partido nacional, manteve aquella condigSo, e
como fosee impossivel uoiformisar a opiniao
n'esse sentido, renuncicu definitivamente a soa
candidatura.
Em seu lugar levantou-se a do Dr. Manoel Pi-
zarro, senador da nagao, membro do partido na
cional, e que se istinguin por seu espirito reli-
gioso, como ror suas opiniOes extremadas em
poltica.
A sua indicagao era provavelmente calculada
para neutralisar a aegao dos elementos catli-
cos qae respondiam ao partido radical, mas nao
foi bem recebida pelo general Mitre e seus ami
gos, dos quaes o Dr. Pizarro estava separado por
antigs dissidencias. Nao obstante Isso, ene se
exhibi com um programma ess ene anente li-
beral e conciliador.
Espirito revolucionario, affeito s lu tas, o Dr.
Alm, acompanbado por alguos menbros do seo
partido emprebendeu urna excureao pelo inte-
rior, com o 3m de levantar o espirito dos seas
partidarios e de conquistar novos proselytos.
Em slgumas provincias qae visitarcm, foram
alvo de maaifes!ag0es apaixonadas, as quaes o
Dr. Aleas, como os seus companheiros, excita
ram o zelo de seus correligionarios, em arengas
aturadas de am espirito revolucionario, em qae
esse grupo fez especialmente consistir alsua
forga.
Essa p:opaganda chegou a inspirar receios,
parecendo que estava ligada a um novo plano
desuado a convulsionar as provincias.
E os resultados dessa agitagab nao se fizeram
esperar por ser causa de simples eleigGes muni-
cipaes, que deviam ser celebradas na povoagao
de Bella-Vista, provincia de Corrientes, occor-
reram all successoa sanguinolentos, que os par-
tidos narraram de modo diverso e de cuja res-
ponsabilidade se aecnsaram reciprocamente.
Logo depois destes acontecimentos deploraveis
comegaram a circular rumores de desimelligen-
cias mais graves. A poltica de Crdoba, os
successos de Corrientes, novos incidentes que
baviam surgido em Mendoza e em Salto, o tem
da imprensa da Uniao Civica, faziam temer que
o accordo paesasse como passou por verdadeira
crise.
A 15 de Outubro o general Mitre se dirigi ao
general Roca, por meio de urna carta particular,
manifeslando-lhe que causas ce transcendente
interesse publico o haviam decidido a retifar in-
declinavelmente a sua candidatura & presidencia
da Repblica.
Essa resolucSo do general inspnava-se no pa-
triotismo.
Tendo aceitado a sua candidatura sub conditio-
ne de revestir se ella do carcter de solugSo na-
cional, desde que parte da nagao repellia-a enr-
gicamente, nao restava ao general Mitre outro
caruinbo senao desistir da honra com que o que-
riam distinguir.
Essa foi a causa determinante da resolucSo to-
mada pelo general Mitre, que declarou em carta
di'igida ao general Roca :
Causas perturbadoras, que estao mais as
cousas que nos homens, obstaram a que a miha
candidatura revestase genuinamente o carcter
de solugSo nacional, pondo obstculos definitivos
ao3 resultados immediatos e finaes da poltica
do accordo .
Ampliando as razoes do passo quehavia dado,
Mitre publicoo um manifest ao seu paiz.
< Reconhecendo qae o accordo dos partidos
tinha produzido resaltados benficos, aquietando
o paiz e permittindo Ibe discutir pacificamente
33 suas questSc-s cam propsitos mais elevados,
entenda que o deseavolvimento dessa evologao
inicial nao tinba correspondido em tudo ao seu
objectivo, nao.por culpa daquelles que tinham
intervido celia, seno pela aegao de elementos
refrctanos que est.vam mais cas coasas que
nos horneas. A situagao geral da Repblica,
creada pela composigo dos seos elementos po-
lticos; ss obsirucgOes locaes qae tendiam a se
perpetuar pelos mesmos meios j condemnados,
as influencias perturbaderas e as perspectivas
que por essas causas Se deseohavsm no desen-
volvimento ulterior da poltica eleitoral, contri-
buiam para explicar a sua resclugao. NSo fazia
por isso o abandono da vida activa como cida-
dao; maotinba-se ao servigo do paiz e das auto-
ridades constituidas para ajudar a conservar a
ordem publica e firmar a coheso dos elementss
conservadores da sociabilidade argentina .
Esse fado produzb grande impressao, reper-
cutido dolorosamente no espirito publico.
Em nome do seu partido o geoeral Roca pedio
a Mitre que per 2i horas suspenderse todas es
publiages feitas-
Logo apos a recepgao dessa carta, Mitre foi
procurado pelo rreadente da Rspublica, Dr.
Pellegrine, e pelo general Roca, 03 quaes nessa
entrevista, como no dia seguinte, se ecforgaram
por modificar as ideas do primeiro, sem nada
conseguir. Foi como urna solugao proposto
pelo general Mitre, que se provocasse um mov-
ment de opiniao, com o concurso dos cidadaos
mais re3peitave3 e demaior representag5o, afim
de se constituir um grande centro eleitoral qae
proclamas se um novo candidato dentro das bases
do accerdo, eleito entre as personalidades mais
preponderantes do paiz. A idea foi acceita e re-
80lveu-se pro;eder n'esse sentido. Nao tardara
comprehender-se que era iapraticavel, attento o
estado em que se acbavam os nimos.
Comprebendendo que urna solugSo parifica era
impossivel, Roca resolveu, por sen turno ret-
rar-se I vida privada, dirigiado ao Dr. Zirru-
a, vi je-presidente da junta executiva do partido
nacional e ao general Mitre umi carta manifest
explicando as cansa de sua resolugo.
O general Roca declarava que as suas torgas
pbysicas e moraes se baviam esgotado na luta
incessante que tinha sustentado para acalmar as
paisoes serenar os espiri'.os e fazer pratica a
poltica do accordo e que tambem empregara
nella a autoridade e a influencia qae exercia.
Abatido o seu espirito e quebrantada a sua sau-
de juigava ter adquirido tsmbem o direito de se
afaslar da vida publica. A eliminacao de um
cidadao um accidenle na vida di demecacia
dizia elle. Nao se afastava, sem embargo, sem
exhortar o patriotismo e o espirito conciliador
do partido nacional. Juigava que a resoIugSonj
podia prejudicara continuagao dos trabaibos elei-
toraes, nem contrari: a poltica conciliadora
que bavia sido acceita pela Uniao Civica.
O genere I Mitre responden logo ao general Roca
dizendo-lhe que com a sua retirada da vida pu-
blica bavia posto o sello sinceridade, desinte-
resa!' patriotismo era que iniciou e sustentou
a poltica do accordo. A minba renuncia um
acto definitivo sebre o qual nao voltarei, pjis se
pede produzr os seus resaltados neceesarios
como determinagio seria, atrz da qual nSo oc-
culta nsnbom proposito ulterior pelo qne me diz
respeito como candidato.
,.




\
.-<
X
i
v


7
2




. i
i







Sobre essa base de fado cousummado se da-
a proceder com aeguoanga e pronas* nasa
clugoej e formula* palfifliicas-que nunnaliaafi-
sem a vida institucional anubada, daterminau-
onovo ponto de partida. Para essaa-solugcaa o
Jormulas cooperativa ganana 1 Mitre na espbera
da roa acgo moral, daodo como eliminada na
actualidade e para mais adiante-a ana candida-
tira.
O presidente da Repblica conhecendo os pe-
rigos do momento reuni a 17 de Ojtubro os
arincipaes bomens polticos para constiuir se
sm novo centro eleitoral.
A essa reaniao coucorram o general Mitra e os
Drs- Maaoel Quintana, Arislotulo del Valle, Ben-
jamn 2 Trilla, Rafael Igarzabal e. Bonifacio Las-
tra. O presidente laclaron nesa reuniao que o
general Roca loe commnoicara sua resoluglo de
retirar-se de todo da poltica ; resolgo que ees
je mesmo dia devia fazerse publica. O presi-
dente dise que julgava curaprir um dever, con-
vocando 03 cidal2o3 que to directa participa-
ao tinham na direcgo dos partidos polticos,
afimde indicar os meios de S3 chegar a melbor
possivel ; que nao teria candidato nem predilec
fio por determinada faego, dos que actuavam
aa poltica, e quo por isso mesmo tinha a firme
resolugo de fazer respeitar os direitos de todos,
fczendo eff jetivas as leis, os iocitava a promover
im accordo patritico e decoroso sob a forma da
aleigo. Essas declaragoes foram renovadas em
roa nova reuniao, a que assistiram dona repre-
sentante do partido radical, os quaes se recusa-
ran! a dar opiniao em nome da sua collectivida-
ie. O general Mitre insisti as ideas aposen-
tadas anteriormente. O Dr. Del Valle concordou
ora a iniciativa tomada pelo presidente, nao
aompromettendo sea carcter publico, nem sua
aersonalidade moral.
Por mais, porm, que o o general Mitre hon-
dease declarado qae, ao renunciar a sua candi-
datara, essa renuncia nao significava o rompi-
ento doaccodo, e que se devia perseverar
jor todas as formas em urna poltica a que elle
por sua parte empregaria todos os esforgos: por
J33is que o directorio do partido nacional ma-
aifest:sse, por sua vez, que persistira nos ac
ordos patriticos, a verdade era que o contrac-
to estava roto pelo facto da eliminago daquella
tandidatura.
O accordo tinba um nome preprio, o nome de
Mitre.
Era na phrase de um escriptor como que um
Miro opaco que devia receber a luz daquellc
Kl.
Desde que o general Mitre renunciou, e se eli
jciaoa o general Roca, todcs poderam compre
hender e ver que se tinba abandonado definiti-
vamente aquella poltica e que j nao na va mais
sem po3sibilidade de reatal-a.
Approximavam-se as juntas directoras dos
partidos : fallavam e esforgavam se por encon-
trar soloroes; essas gestas, porm, tinbam al-
go de artificial; faltava o enthusiasmo e o eepi
rito que Mitre apagou com o sopro glido da roa
xnuncia.
Entretanto armou se um novo partido, por
iniciativa do governador de Buenoa-Ayrej, Sr.
Julio Costa, que patrocina a candidatura do Dr.
Soque Saenz Pena, liibo do Dr. Luiz Saenz Pena
inistro da suprema corte federal e tambem
tandidato presidencia como vimos.
O Dr. Roque foi ministro das relacOes exte-
riores na admraistrago do Dr. Jurez Celman.
Durante a guerra do Chile com o Pero, aban
-onou seu paz e foi offerecer seus eervicos mi
atares a essa ultima Repblica, onde Ibe deram
a patente de coronel.
Tomou parte em algumas operag23 de gueera
regressou para a patria depois do desenlace.
Julga-se que em torno deata candidatura s
agruparam os elementos juarislas, islo o cir-
calo que mais fielmente representa tradiego
o ex-presidente e que contari de mais com
Sgum apoio dos catbolicos e dos radicass.
Assim ficou collocada a queslo poltica que
so dever resolver no anno corrate.
EXTERIOR
sea, advogando todos os oradores a nacessidade
*aBiao aeaaabliaaoa.
O S:\ loTBr.ajpjwias^iUmae eiwoes de de
adosatoeva naquellswdrcumacrtpgao um no
inwi inarapo aoBro os monarchicot!, foi pro-
clamado sefondlovez cana dalo pato partido re-
paailicaoxb
No banquete da UniSo Mediterrnea cele-
brado eai.Pars em 17 de-Favareiro, o Sr. Ruiz
Zainlla, presidente, fallou a favor de talos os
oppnmidos irlandeses oa beapaabas, que rei-
vindicara a liberdade; a respei'o do rompimen-
to econmico cara a Haspanha, disse qaa a cul-
pa dos reaccionarios hespanbea, e declarou re-
cetar que a Hespanba entre na trplice allianga.
Toda a imprensa be3pannola mostra se
singularmente preoecupada com o boato qua
corre de baver nejociagoas pendentes entre os
governos de Hspanna o laglaterra, para a este
ser permittida a coaatrucgSo de um caminbo de
forro de Glbral'.ar a Algena.
Os jornaes quaai unnimemente considerara
essa noticia como senlo da mxima gravidade,
e devendo ser, a realisar-se, um perigo para a
Hespanba, do qaal esta deve por tolos os modas
precaver-se.
Qae os ingleses tenbam Gibraltar, dizem, e
com razio os jornaes hespanbes, ja urna af
fronta quo ao nosso bro costa por demais a
supportar; aggravar 633a allronta, ligando a
praga ingleza por um caminho de ferro a todas
as linbas h'spanbolas, isso seria am crime po-
ltico e econmico, qae deve ser repellido. *
lista a lineuagem das foluas de todos os
partidos, e a manifestacao 6 to geral, que na-
tural que o goveroo bespanhol, a ler entabolado
algumas negociagoes com a Inglaterra, nao as-
po lera proseguir.
A cmara do commercio de Santiago da
Gilliza dirigi ao goveroo bespanhol urna re-
presentagao, instan lo para qae entre a Hespa-
nba e Portugal se conclua com brevidade um
tratado de commercio.
Na sua exposig), diz a cmara do commercio
gallaica que ja est sasantindo penosamente na
Galliza a influencia das novas tarifas, votadas
em Portugal, que aSeotam muito as Industrias
daquella p'ovincia, especialmente a creacao do
gado, que no mercado portuguez enaootrava
grande incentivo.
A commisaao do orgamento da cmara dos
deputados, de Hespanba, tena feito largos cortes
no projecto ministerial. Um dos primeiros foi a
eliminago do lugar de chefe da representaco
poltica da presidencia do conseibo, cujo orde
nado era de 2:2O^O0Oaunuaes, (moeda forte.)
Contiouam as suaa propriedades de Villa-
maurique os Srs. condes de Pars, acotnpanhado
do duque de Orleans, da princesa Helena e de
suas Irmas mais novas, urna das quaes tem sof
frico a'um tumor fri n'oma perna.
A grande propr edade de Maorique magoifi-
lica, verdadelramente senberial; o palacio, que
era dos aotigos marquezes, est mobiliado com
urna simplicidade, que frisa pela mais exagera-
da modes ia. lia ala frequentes cacadas, pira
as quaes sao convidadas as pessoas mais nota-
veis de Sevilha, que se bonram coai a amisade
deeuas altezas.
N'eatas diversOes venatorias nao ha fausto
nem graudeza por parte de quem aspira a subir
ao tbreno de Franga.
ASra. condessa recebe todos com a sua gra
ca habitual, e a sua galanlaria legtimamente
bespanbola.
O conde de Pars com proa receatemente va-
rias propiedades, que conrinavaua com a eua.
Quando suas altezas vera a Maunque, a sua pre-
senga nunca aonunciada, o que constilue urna
novidade das mais agradaveis.
Emfira, a familia orleans vive sem a menor
pretenso, que denuncie a sua alia linhagem, e
sao geraes as s^mpalbias que todo o povo da
provincia andaluza professa pir ella, sympa'hias
coiiqai3'.ada3 p- la sua caridade, bundade e ma
destia, que sao a sua divisa.
Era coosequencia da doenga da rainh?, nao
se reuni o conseibo de ministros em 18 ae Fe
vereiro.
Aggrava-se a situago econmica, conti-
nuando a baixa nos fundos pblicos.
Realisoa-se na manhS de 18 de Fevereiro
um duello entre o commandante de cavallana,
Fortunato, e o director da Correspondencia
Militar, (cando este ferido na cabega com um
golpe de sabr.
A Iracema recebeu omelhor ortimento
de grvalas.
Diario de Pernambudo Terca-feira 8 de alargo de 1892
pedra, remodelando todos oj rames de s;rvigo entrar na apreciago dos tramites do processo,
publica. J confia aom ludo no seu presdante e no relator,
Nao me parame oesprco que Ihes mencione faaendo votos para que em breve sa probada i
cora IndividnacSo 03 duoorsoa pronunciados po~ reforma do regiment.
G0BBESP0NDENL14S


EUROPA
O paquete Orenoque foi portador das segua
tes noticias, alm das qae constam da carta do
sosio correspondente de Portugal.
Ucupanha
Em data de 21 de Fevoreiro o nosao alia
ido correspondente escreveu sobre este paz :
Nao se realisou ainda a grhe geral que se
jreparava em Barcelona.
O3 operarios trabalbam as respectivas fabri-
sas.
Julga-se que o individuo morto pela exploso
o petardo aegado na praga Real era estrangei-
re, e todos os indicios fazem suppor que foi elle
isem collocou a bomba.
Os anarchi3tas maltrataram de pancadas um
individuo que condemaava semelbaates atinta-
lo .
A opiciao publica reclama medidas e provi-
dencias enrgicas, principalmente a expuUao
dos agitadores estrangeiros do territorio hespa-
aho!, em consequencia do3 excessos de Jerez,
ia sua propaganda e excitaj'es.
Ap^areceram pa.-quina annunciando que, se
93 aoarchista3 foram persoguidos, a dynamite
ir largamente empregda contra 03 edificios
psbiieos.
No meetmg realisado em U de Fevereiro,
im Corunba, o compankeiro Pablo Iglesias, de-
pois de aconselbar os operarios a luctar legal-
znente, sem com isso renunciar idea da revo-
Jngao social, affirmou que Castellar, Salmern,
Jiguerola, o bispo de IMadrid-Alcal, e outros,
nao teem feito mala do que dizer imbecilidades
aa questao social-
So Cnovas e Pi acei tarara alguma couaa em
iefioir o socialismo.
Classiticon-e de iarcanti o Sr. Azcarate, por
annonciar na cmara urna interpellago sobre os
acantecimentos de Bilbao, em ves de atacar logo
ogoverno.
Di33e qne sao infames e calumniadores 03 que
nalharam a suspeico de estar vendido aos
foa8eT>-ores-
Declaro qae cumprir as solemnes roslo
les e Pars e de Bruxellas, que os trabalha-
dores devem concorrer todos para a manifesta
io do 1* de Maio, aplainando de.te medo o fa-
ail trlumpho da revolugo social, que em breve
enarcar as dedicafiCes de todos es seu3 bons
torreligionarioa.
Esperava-so o anarebiaa italiano Malalesta,
aoe tem feito feo activissima propaganda ex
5!o:ar:']o os operarios hespantes e preseguin
o as suas sanguinarias predicas anarchicas.
l Cadis e Alcoy [nota-33 bastante agitagao
ao3 espirites; mas a ordem ainda uao foi per
Hxbada.
O governo resol veu expulsar os numerosos
anarchi3tas e socialistas estrangeiros, qne ulii-
Aamcte afiluiram espanba, e onde tm feito
ma propaganda activa e perigosa para a ordem
social.
Os republicanos de Terrasa runiram se no
na 11 para feztejarem com ura banquete o annl-
versarlo da proclamagao da repblica hespa-
lila.
Pronpnciaram-ae mnitos ee loquentea discur-
do < Mario de Pernambuco >
PORTUGAL.Lisboa, 24 de Fevereiro
de 1892
O projecto finaneciro on de < salvago publi-
ca depois do acalorada discusso, (o appro-
vado na Caara dos Depntados.
Agora ser discutido na dos pares.
A commisso de fazenda lioba-lbe feito alga-
mas alteracOes importantes, e n'elias se firmn,
por modo que nos debates dr. Cmara invaria
velmente oppunba o seu pertinaz non potsumm
ao3 alvitres dos diversos oradores da minora.
Algumas emendas, porm, foram acceitas.
Seria.enfadouho para os le lo res amiudar-lbes
aqu as modificag6es que sofTreu o projecto do
governo.
Uuaoto a elevaco da taxa do imposto creado
em 1880 sobre o renlimento proveniente de or-
denados, penfes, salios e quaesquer outras re
munera;Oe-, pagas directamente pelo geverno,
ou de vencimento de empregados pblicos, de
corporagOes administrativa?, de estabelecimen-
tos subsidiados ou nao pelo estado, incide esta
elevago nos rendimentos eguaes ou superiores
a 400,5000 at 7004000, de que se deduziro 5
por cento.
A 10 por cento. nos de mais de 7004000, a 1
con'o de res inclusive.
A 15 por cento, nos de mais de 1 0005000 a
1:500*000.
A 20 po- cento, nos de mais de 1:5004000.
Esta tabella menos esmagadora que a do
primitivo projecto, com o quo folga um pou:o
mais o funecionalismo
O mximo d03 vencimentos de qualquer or-
dem, quer dos fuocciouarios civis, quer dos mi
litares nao poder exceder a 2:0004000 aanuaes,
se estiver em servigo activo e a 1:5004000 tam-
bem annuaes se for aposentado, jubilado ou re
formado.
Para os generaes reformados de divisSo repre-
senta um corte de 304000 por mes.
Ficam exceptuados o cardeal patriarcha, os
arcebispo3 e bispos, o presidente Jo Supremo
Tribunal de Just'gi, o presidente do Tribnnai
Superior de Guerra e Marinha, os membros do
corpo diplomtico e consular, 03 empregados das
agencias linanceiras nos pases eatrangeiros, os
generaes de trra e mar exercendo funcgOes de
commando, os ofli :iaes da armada em commis
so de embarque as colonias e nos portos es-
lrangeiro3 e os go.ernadores das provincias ul-
iramarinas, os quaes perceberio os vencimentos
que respectivamente Ihes forem Bxado3.
03 Iministros d'Estado efTectivos, recebsro,
lquidos de Impostes. 2:5604000 annualmeate.
. A contar do 1. de Margo de 1892 nao poder
exceder a 1:5004000 annualmente a sorama total
proveniente da accumolago, nos termos das
leis vigeales, de quaesquer vencimentos de acti-
vidade com os de ioaetividade, restando porm
ao funeciocario, o direito de optar pelos da acti-
vidade, qaasdo excederem so por si a sorama
total mencionada n'e3te paragrapbo e com a li
mitagao do 5
Fica sem effeio o imposto complementar de
6/. creado pei;i le de 30 de Jalao de 1890, em
quinto vigorarem aa laxas fixadas no mesmo
artigo.
O governo, na preposta de lei que apresentar
s cortes, lixando a despesa extraordinaria para
o futuro exerccio de 1892-1893, redozir as
de3peza8 em importancia nSo iuferior a tres mil
cont* de ris (fortes) cm relago ao mappa recti-
ficado das despezas extraordinarias do Estado
00 exercicio de 18901891,1 qu: re refere o
decreto de 30 do Juobo de 189!, e que d'elle faz
parte.
Passou tambem o artigo aulorisaudo o governo
a decretar, al 31 de Dezembro de 1892 no pes-
soal e no materia! dos sertigos pblicos e nos
das corporagfies e administris 3 lor-aes, as re
formas tendentes simphficago dos meemos
servigos e respectivos quadres, effectaando as
redaects de despezas compative s com 1
organlsagao.
Isto mais urna ves o parlamento abdicou
das suas faculdades legislativas, dando carta
branca aos ministros da corda para, dictatorial*
mente a bem dizer, nao delxarem pedra sobre
varios deputados na diacusHo da especialidad 1
do p-ojeoto. U mais noUelda todos foi o do
Sr. Augusto Ftschini, qaa j na generalidade
tinha feito ama substanciosa oraco. Este seu
segundo- discurso foi elogiado p~elo3 seus pro-
prios adversarlos, cnegando a merecer cacar, ci
meulos, alias muito justos, das proprias Mov*
dadas que tem sido sempreo:abnon do
disuado parlamentar.

Na sesso da cmara do3 parea do dia 20, o
Sr. conde de Gouveia apresentou o parecer re
spocti.o, de que relator, sobre as propostas de
fazenda, parecer que Ibes favorave! t atten-
dendo a que a propaga qua soore e las elaborou
a ootra cmara contara regra3 geraes e aatori-
sagOes, que necesario conceder ao governo.
O parecer foi a imprimir e mandado distribuir
por casa d03 digaos pares, para entrar era dis-
cusso na sesso de 22.
Tenbo um monto de apontamentos diante
do mira, a respeito do que se tira passado lti-
mamente as pragas de Louares, Pars, Berlim,
Amsterdam, etc., acerca da attitude dos credo-
res de Portugal, na sua qualidade de possudo-
rea de titulos exteraoa da noesa divida.
Em geral poda se dizer que essa attitude n03
nao hostil, mas muito exigent-1
Como o governo fica, dentro era pouco3 dias,
armado da autoriagfles parlamentares para tra
tar com os delegados delies, e essas autorisages
abrangem varias bypotheses, quaro acreditar que
o accordo ha de fazerse, sem mesmo nos hu ni-
lfurem em noeso decoro nacional e justos me
lindres de uagSo que tem fama de ser honesta e
pontual no pagamento de seu3 compromissos,
cuate o que ihe costar.
#
O ministro das obras publicas determinon que
se procedesse construeco, por admioistrago,
da parta do grande collector de esgotos, com
prebendida entre a rocha de Conde d'Obidos e o
caneiro d'Alcaotara, obra qua se torna neceasa
ria por causa do saneamento dos trabalbos do
porto de Lisboa, servindo ao m3mo lempo de
dar que fazer a urna boa porgSo de operarios
que eetio a pedir trabalbo.
Comegaram a 22 as obras no edificio do
largo de Calhariz, onde esteve em tempo o hotel
Malta.
Depois da reconstruego ser all installado o
ministerio da justiga.
Este palacete, depois de ter sido, ha poneos
annos, comprado pelo governo,arden quasi todo.
Era o antigo palacio dos condes de Sobral.
Mais obra para 03 trabajadores e homans de
officio que teem andado boa vida.
Os operarlos sem trabalho reuniram-se a 19
noite, no pateo do Salema para protestarem
contra a prisSo arbitraria applicada a oaze dos
seas campanheiros, sendo iidas e approvadas
varias mrgdes neste sentido e tomando a palavra
diversos oradores.
Tambem foi apresentada urna rco;o de ordem
para que fosse retirada a confianga ommicso
que est testa do movlmento operario, passan-
do este a ser dirigido pelas respectivas associa-
gOes de classe, conforme aconselbava no seu
ultimo numero o Protesto Operario.
A mogao, depois de calorosamente discutida,
foi regetada por unanimidad-e.
Tambem reuni se a 18 deste mes, noite a
associago dos trabalhado'as, tratando, entre
outros assomplos, da commemorago do aoni-
versarlo da communa, que deve realisar-se no
dia 18 de M.g> prximo, nomeaodo para tratar
do caso um comraisso.
Devem comecar dentro em poaco naquella as-
sociago as conferencias semanaes.
O mevimento. pois, do operariado porlu^u ?.,
vai-se acceotaaodo; mas o peior que moitos
elementos de agitag), que selbeaggregam, bao
de dar funestos resaltados, mui'.a gente o er.
Diz-se qua os operarios socialistas do pateo do
Salema sao anarebistas, e que os da calcada de
S. Francisco professam o socialismo do Estado.
Seja como for, a attitude de uns e de outros
nao por ora ama cou-a demasiado importante,
mas nao delxa por isso de eer urna ameaga ao
existente.
A familia real pretende ir deilanio agua na
fervura com demoostragOes humanitarias de be-
nignidade. E' assira que S. M- a rainhi"D.
Amelia iniciou ha dias umconierto em fav^r do3
operarios sem trabalho, na Real Academia aos
Amadores de Maslca.
E'assim que a Cmara Municipal obriga com
intimagOes peremplorias, de 24 horas, dazias e
duzias de senborios a mandarem caiar os seas
predios para dar qua fazer numarosa claase
dos broxantes desoecupados que enxameiam por
essas ras.
O governo excogita obras oa-a empregar ho-
meos deoflicio, tendo at collocado alguns typo-
graphes e eocadernadores na Imp'cnsa Nacio-
nal.
O certo qua se a cmara decidir que nao ha
via rectiheago de pronunoia, a d'alii, cono00-
servou o presidenta da cmara, tolas as consa
quaocias a'essa deciso, confirmadas pela ca
sulla do procurador geral da cora.
Diz-se qua a estada no Limoeiro do Sr. Man-
i'unga Cortez t poda ser provisoria, porque na
sua qualidade de ministro d'Estado honorario
tem iire;to a urna prio n'una praga de guerra,
que seria o castello do S. Jorga.
O Sr. Cortez tevejl all urna conferencia com
o seu advogsio, o Sr. Dr. AUe3 de S.
O goveroo, tendo em vista as accu3ag5;3
constaites da acta da ultima sesso da juuta ge-
ral do districto de Servia, ordenoa urna sYidi-
caocia a lodo o movimento da thesouraria reali-
saao pelo ugea'.e do ilauco da Portugal naquMIa
cllade, o Sr, Vuconle de S. Sebaso, na sua
qualidade de tbesoureiro daqaella corporago
admiuistrativa.
Em reuniao plena da junta geral-, em tempo,
um dos membros da commisso exeoutiva, o Sr.
Joaquim Jorge da Silva TVixaira, aecusou o tbe
soureiro da juoia de ter sobstltaido por notas a
raoeda metalllca, e o inspector de fazenda de ne
.r parte dos tactos qua f&ra o primairo a rela-
latar, e que esto em perfeito accordo com a
prova resultante dos balance.es entregues pelo
proprio tbesoureiro.
Sao, portanto, dois 03 aecusades, o thesonrei-
ro. da junta geral e o inspector de fazania.
Pois os actos do primeiao rao ser syadcados
pelo segn lo t
Consta que o Sr. ministro da fazenda expa-
diu urna portara maadando syndicar de alguns
actos do Sr. Bizarro, inspector de fazenda do
districto de L'sboa que se relacionara com a fal-
ta de pagamento do imposto devido por alguns
baccos e compaobias, na distribuido dos aeus
dividendos.
O Sr. Conde de Samodes descreveu em 19
do crrante no Porto aos accionistas do Banco
Lusitano que para Isso se renoiram, o estado em
qae S. Exc. vea em Lisboa a engrenagem com
que este banco funecionava.
A reuniao terminou pedalo se que nao baja
contemplago com os culpados, e por constar a
assembla que o Sr. Mendonga Cortez j eslava
preso.
Em L'sboa tara continuado o arrolamento
no Banco. Esleve presenta a direcgo antiga.
A nova direcgo, {porm, decidi nao prose
goir na acgo que propoz no tribunal do com-
mercio, ao mesmo tempo que a jusgi comegou
a procurar responsabilidades.
O Sr. Alves Correa, redactor da Vanguarda.
saiu no da 20 do correte s 11 e 1/2 horas da
manb da cadeia do Limoeiro, onde est com
prindo sentenga por delictos de imprensa, atina
de foroecer esclarecimentos em juiso sobre o
caso das cdulas falsas.
Voltou acompanhado de um oleial para a ca-
deia, seriara duas e meia horas da tarde.
Na proxfna sexta fera 27 do correte, deve
comparecer de novo para esclarecer a justiga
sobre os ascn?.ciraento3 passados na companhu
real.
Ao qne se diz, e escreve, a justiga dimt
nuiu de velocidade 00 processo que instaurou
contra a companhia do Norte e Leste, espera
da que se aprsente o resultado da syodicaocla
que all se est fazendo a proposito dos desfal-
ques.
A commisso de officiacs encarregados de
examinar as cantas da expedigo a Mogambique
j iniciou os seus trabalbos.
O Revd. bispo d'Angola e do Congo parte
para a sua dioceee no paquete de 6 de Margo.
Prestaran) juramento as ruaos do ministro
da marinha e ultramar os novos governadores do
fc-'si-.do da India e do districto de Damo, para
onde parliram no dia 21 do correte a ocoupar
os seus lugares.
Conatava ha dias que tinham sido pedidos no-
vos fiadores ao Sr. cooselbeiro a par do reiao
Mendonga Cortez, para garantirem a Haiga de
200 contos de ris (forte3) que Ibe tinba sido ar-
bitrada no 2 districto criminal auxiliar, quanio
o mesmo conselheiro foi pronuuciado, no pro-
cesso do Banco Luzilano.
Dizia-se mais que o Sr. Mendonga Cortez tinu
j Guarecido alguns individes que gozara da
fama de ricos; mas que nao tinham sido acaitos'
pela mesma razo qae os primeiros nSo serviam
nao terem registados bens de fortuna, que ga-
rantissem a importancia exigida para a tiangi.
Corao at ao dia 19 o Sr. M ndonga Cortez nao
tivesse apresentado 00703 fiadores, foram-lhe
passados mandados de captura, que sao assigna-
dos pelo presidente da Cmara dos pares e justi-
ga. Foram entregues nesse dia ao coramissario
geral de polica Moraes Sarment para Ihe man-
dar dar cumprimento.
Cerca das quatro horas da tarde, aquelle ma-
gistrado, em pessoa, acompanhado pelo chele
Ferreira, dirigio-ae em coupi para o palacio do
Sr. Mendonga Cortez, a Santo Amaro. O Sr.
Cortez acbava-ae em casa, nao esperando seme
Ibaote desfecho. Ao receber os mandados, *que
lea com serenidade, pedio licenga para escrever
a alguas amigos, o que Ibe foi concedido.
Depois de escrever tres cartas, qae maalou ao
seu destino, poz ser disposigo do commis3ario
geral.
Nao era esperado o preso na cadeia do Li-
moeiro, e por isso quanio all chegou nao bavia
quarto disponivel, sendo necessario desalojar ora
dos presos, Simo Alves da Canba, para o Sr.
Mendonga Cortez ficar n'ura quarto, que o
n. 8.
Apesar do Sr. Mendonga Cortes ter sido mi-
nistro da justiga, ignorava que os quartos, na
cadeia do Limoeiro, nao tinbam mobilia de qua-
lidade alguma, e por isao leve de mandar com-
prar um leito e cama com aleta e mais algun
objectos de primeira necesaidade.
Na sesso de 20 da Cmara dos pares, o
Sr. Jos Luciano de Castro proteatou contra a
prieo do Sr. Mendonga Cortez, porque entende
qne esse acto implica o rebaixamento dos mem-
bros daquella Cmara, cujas regalas, no seu
entender, ficam inferiores s da qualquer cida-
do. A sancciooar-se o precedente, qualquer
digno par pode ser arran ado do seu lugar por
um simples despacho deumjuiz de segunda
instancia.
Para justificar este seu modo de ver, apresen
tou diversas consideragOes. Espera que a com-
misso encarregada de elaborar o reculamente
da Cmara, quando constituida em tribunal de
juetica, trate de acautelar estes inconvenientes-
O presidente da cmara, Sr. Telles de Vascon-
celos, explicou que o seo procedlmento foi con-
forme a lei e em harmona com as indicagOes de
procurador geral da corda.
D se que o Sr. M.ndonca Cortez foi cupturado
porque a Manga nao era idnea.
Aioda se demorn em mais considerac6es so-
bi'1 e.ile a38umpto.
Depois do larga controversia em que tomaram
arte os Srs. Presidente da Cmara dos Pares,
os Soriano, Margal Pacheco e Hintze Ribeiro,
foi approvada urna mog&o deste ultimo, em que
toda a cmara concordou, a na qual se declara
que, nao podendo a cmara em sesso ordinaria
Foram enviadas para juizoa e a ordem do
Sr. director da alfandega de Lisboa algumas ce-
dulas falsas appreheadidas na delegago da
Cruz da Pedra.
Parece qae o processso Urbino de Freitas ser
migado no mez qoe vera no supremo tribunal de
ustiga onde subi ha tempo3.
Actualmente com vista ao advogado Jos Dias
Ferreira.
Foram no dia 19 do correnta ao 3* districto
criminal auxiliar dous peritos provadores do Ban-
co de Partugal, exaaainarera a calandra cora que
os autores de fabrico de notas falsas de 54000
ltimamente presos, se serviram para aquelle
fim.
Os peritos levaram urna chapa qua j servio
para o fabrico de notas do Banco da Portugal,
em circulara >, e tiraram alguns cxemplares os
juissah rara parfeitissimos e anda atemores,
parece qae as notas qoe so faziam no mesmo
HBCOs
Realisou se em 19 do crrante pela 1 hora
da tarde no triounat auxiliar do 2* 1 districto cri-
minal, o julgamento do reverendo Alexaodre
Boavida capallo da igrej? de Santa Luzia, qoe
::n Secmbro ultimo quando depaoba, eera acu-
sado no p-o V.-.30 das Trinas, com a educanda
Camilla, se recusoa a responder as pergenias
qae Ibe fazia n limitando-se apenas a citar o 83
guite texto da Sagrada Escriplura.
Jess autem tacebat; quod.dixi, dixi; quod
scripsi, scripsi.
O Sr. Alexandre Boa vida apreseatoo-se de ves-
tes eaceriotaes, seado defendido pelo Sr. Dr.
Alfredo Brando.
Confessoa que efectivamente se recusara a
responder masque o flzera sem in'.eago de des-
obdecer a justiga tanto mais, qoe se acbava sob
o Imperio de um grande medo, qnal o de que
quizeaaem tambem envolvel-o no crime das Tri
as.
Presidio ao julgamento o Sr. Dr. Veigas repre-
sentando a accusa.'i o Sr. D\ Triudade Coelho.
A audiencia correu sera nenbum incidente dig
no de meogao terminando pela condemnago do
reo, como se v da seguinte eentenga :
Provou se que o reo, padre Alexandre Boa
vida de Mendonga, comraetteu o crime puoivel
pelo art, 189 do cod- Den. nao e pelo constan
te do auto de II. 2, mas tambem pelosdepoimen-
tos e respostas do reo nesta audiencia.
Nestes termos :
Attendendo aoexcellentecomportamsnloaa
terior do reo ;
Attendendo confiss&o espontanea.
Attendendo a que sa ptovou qua o reo, na
oocasio a que os autos se refe-em, nao tinha
perfeito conhecimento do mal do crime ;
< Jalgo procedente e provada a aecusafio e
condemno o reo em dez dias de priao correc-
cional, na multa correspondente a 200 ris por
dia e as cusas.
Lissoa, 18 de Fevereiro de 1892.
(a) Francisco M. da Veiga.
Dlz-se que as invesgagdes judiciaes no
Banco Lusitano teem dado resultados extraordi-
narios. Consta que a propria mobilia do Banco
est negociada Bem conhecimento do3 accionis-
tas, e qae nos depsitos de valores foram encon-
trados alguna valores lacrados, com a declara*
gao de que continbam varios papis de valor,
mas que que taes papis existiam apenas em
letreiros no3 involucros.
O Sr. conde de Tac mas charaou a attengo
do governo para a noticia de um emprestimo fei-
to por agente diplomtico o'uraa praga estrangei-
ra, do que o Sr. presidente doconselbo dase nao
tar conhececiment.
Corre que o empreiteiro Hersint, vai recla-
mar do governo o pagamento de um tergo do
dinheiro em ouro porqae soffre gran les prejui-
zos com a differenga de cambio, par ter de pagar
quantias importantes no estrangeiro.
Na cmara dos deputados ja um delles per-
guntou quando qae a commisso de infracgOes
d o parecer sobre a proposta do Sr. Maooel de
Arriaga em qae pedia qaa se decretasse a aecu-
sago criminal do ex ministro Sr. Mariano de
Carvalbo.
A commisso de infracgOes por ora medita...
e meditar por longo tempo na opinio de muita
gente.
As cortes devero encerrar se no fim de Margo
e tambem a legislatura actual...
Na sala das sesaes da Academia Real das
Sciencias reuna a commisso encarregaiada
representago portugueza no centerio de Colom-
bo, resolvendo convidar para seus aggregados
03 Srs. Paragallo, Martina, Sarraenlo, Ramalho
Or.igo, Ernesto de Canto, BaMaque da Silva,
Joiquim de Araujo e Ramos Coelbo.
Consta que iro ao Fun bal (ilha da Ma Jaira)
deus comaiissarios dos Estados Unidos da \me
rica, para accordorem no meia da levantar na
qu lia ilba um monumealo a Christovara Co-
lombo.
Foi exoae'ado do cargo da enviado extra
ordinario e ministro de Portugal naHallaoda,
onde eslava ha seis annos o Sr. Visconde de
Pindella (Vicente) que pediu em tres telegram
mas suceessivos a ana exonerago.
A circunstancia de a ter pedido, que ce nao
menciona no decreto demissorio, o que fez m ira-
presso, porque para um goveroo ser forte exca-
sa de recorrer descorleiia-
Parece que o motivo do deapeito e desconten-
taaea'-o do referido diplmala foi o ter sido en
carregadoo Sr. Luiz Soveral, no3so ministro em
Londres, de ir a Amsterdam a H .ya tratar com
os possuidoras da divida externa portugaeza de
expor-lbes asitugao zer um accordo com' eiles em nome do governo
portuguez.
As Novidades da 19 tom.rirn em grosso o
caso e do no governo ura? sova real.
Diz se qua o Sr. Gr^n da Rosa ir substituir
provisoriamants o Sr. Visconde de Pindella.
Na midogida da i de3te mez deseoea-
deou-se um [-ande t ;rapo.-al sobro Lisboa e su-
burbios, cerca de tres horas.
A ebuva cabio copiosa, a ompiaha la de tro
v6es. A's 4 horas a tempestade deseovolvau-se
ento n'ura formidave tufa occasionando diver-
sos desastres em trra e no mar.
Varias caudas qae vinbam de Cezimbra, com
sardioha, foram apanhadasptlas vagas alterosas,
soffraodo avaria groaaa. D'oatras anda nio ha
noticia.
A corveta Bartbolomeu Diaa, surta no Tefo,
garrando, foi de encontr fragata D. Fernando,
irapellida pela violencia do lufo. A bordo da-
quelle navio foram logo disparados tiroa de pa-
ga peliudo soccorro, que Ihe foi dado por dois
vapores da alfandega.
Foi rebosado para ou'.ro porto ; porm, d'ahi
poaco, acceadeu as caldeiras e segoiu ento pa-
ra o seu costumado ancoradouro.
A Bartbolomeu Dias, perdeo a canda do
commandante, qu se fez em estilhagos e leve
grandes avahas na mastreago e apparelbo.
A principio, a Bartnolom;a, que se encon-
trn quasi perdida, garrn sobre a poupa da ca-
nhonetra Vouga, partindo 10a o gorups, iodo
depois descair sobra a fragata D. Femando,
que tambem teve o gorups partido.
Junto ao largo da Fuadigo sabmergto se um
lancho do empreiteiro das obras do porto de
Lisboa, o Sr. Hersent.
Era tripulado por tres individuos. Grita-am
por soccorro, acudirarn i-:;s immediatamente po-
dendo, apenas, ser salv.om dos tripoiantes. Os
outros submergiram se '
Defronte da Rocha do Con la da Oiidos, vol
:ju-sa ama fragata carregada de pipas de vi-
nbo.
Una das pranclns de quarena, que estava
marcada popa da barcaga Darao, parti os
cabos e foi sa na crrante.
Os maiaras estragos causados palo m?do-
nbo temporal foram na alfandega, onde desaboa
o grande barraco ou baugar da estiva, qae
corra junto ao mar desde o porlo ao Terreiro
do Pago at ao porto do lado da Ribeira Veloa.
Este barraco fo:a construido nela companhia
Tejo, sanio adjudicado em 1888 pela direcgo
das obra3 publicas aos gerentes daquella com-
pinbia, os eogenbairos Joaquim Parreira e Can
dtdo de Moraes, pela quantia de 4. contos de
ris fortes.
Media de comprmanlo 1U metros e 21 de lar
go. Era sustentado por 60 columnas de ferro
fundido, sendo 30 por lado. Do lado do mar
era completamente tapado por um tpame de
fjlhi de ferroe vidra;a com caixilho3 igualmen
te de ferro. A cobertura era de farro e zraco
canelado. Servia para abrigar as diversas mer-
cadorias, que all desembarcavam.
Na occasi do snistro e3tavam l tres ga?r
das de servigo a ora sargento. Um delles alfas
tou se para accordar o peasoal que o havia de
render; outro estava porta da alfandega do
lado do Terreiro do Pago, -e o terceiro lacia roa
da junto estagao dos telepbones. O sargento
estava no seu quarto. Foi accerdado pelo es
trondo feito por urna viga, qua, arrombaodo o
tecto da barraca, f.-i cair perto deile.
Escaparam todo?.
O desabameato occorreu cerca ias 4 horas da
maab. Um forte p de vento eatroa por urna
das janeilas, do lado do mare arrombou o tecto,
qae, ao cahir em diversos fragraeotos, fez um
e3trondo madonbo. No mesma instante todas
as demais pegas do barraco se desconjunctarara
partindo sa as grossas col-aranas, arrebentandi
os pegOes, fazeodo em eslilbagos e '.o.ve.ida as
grossas vigas. Felizmeale nao bouve victimas.
Se o snistro se dessa de da teria havido multas
perdas de vidas.
O aspado das ruinas era indescriplivel. O
chao eslava completamente atolbado de pedagos
de ferro, de vidroa partidos, de estilhagus de ma-
deira, de pedagos de cantara. No m 'io Je todos
cates estragos, acdivam 50J empregados traba-
loando na reraoga dos eatulhos.
Oa gradearaentos do lado do Terreiro do Pa;o
e da Ribeira Velna ficaram torcidos ou queera
dos.
Vr se dar ordens para ser caberlo o edificio
em coostruego rente ra da Alfandega, que
flear substitundo o kangir.
A obra eslava cheta da defaitos de coostruego.
O Diario Popular e outra3 folhas referem-se
amsrgameata falta de concienciosa fiscaheago
que bouve naquelias obras.
O Sr. ministro das ob as publicas esteve em
19 do correte na alfandega examinando 03 es-
tragos causados pelo temporal, mandando su3
pender os trabalbos de remogao, atina de previa-
mente se proceder a urna syadicancia.
A 20, noite, reuni extraer Inariaraente
a assembla geral do Banco da Portugal, para
votar o novo contracto com o governo e discutir
as alteragOes e fazer 003 es a'utos.
Corren ba dias que o Sr. Vi3Conde de
Chancelleiro3. ministro das obras publicas pedi-
r oa ia pedir a sua exonerago.
No dia segninte, vinha o desmentido em todos
os jornaes de L sboa, muitos dos quaes tinham
applaadido aquella deliberago do illusire minis-
tro, depois do passo impenaado em que manifes-
tara urna deploravtl f:a jueza poltica.
Ea me explico.
O Sr. cooselbeiro Franco Castello Branco, ha
mezas, sendo mini.t-o das obras publicas, en-
oarregara o Sr. Bernardino Machado de elaborar
orna reforma dos institutos e escolas indostriaes i
reforma es-a que foi muito mal recebida pelo
corpo docente do lostituto Industrial e Coramer-
cial de Lisboa, como em tempo lhaa contei, re
sultando des^a indisciplina a sahidado Sr. Motta
Pegado, do lugar de director, do mesmo 113 u-
to, sendo aubatituido pelo proprio Sr. Bernardi-
no Micha io, supposto e crea qae o vardadeiro
autor da lei de que o Sr. Franco Castello Branco
assumio a respoasabilidade legal.
Muito nem.
Haver des ou quando muito quinse dias, o
Sr. Viacoude de Chancellemos pablicou urna por-
tara no Diario do Governo eicarregando o cor-
po docente do Instituto Industrial e Couraercial
de Lisboa de elaborar ora projecto de reforma do
mesmo es abelecimento de eusioo technico.
Oito dias dapois, sabio no D:ano out.-a porta-
ra referendila pelo mesoio Visconde, incum-
bindo o carpo docente do Instituio hdustrial do
Porto da elaborago de ura projecto de reforma
do ensino technico etc. etc., e determinando que
se installassa urna commisso de que seria pre-
sidente o Sr. Franco Castello Braoco e reljtor o
Sr. Baroardino Machado, vo^aes: diversos bu-
r aueraraa gralos, do ministerio 3eu para for-
mular um projecto definitivo.
Esta portara causn assorabro que prodosem
sempre os actos de versabilidada que se nao es-
peram da caracteres sisados e aiependentes
como o do Sr. Vscoade de Cbancelleiros.
Qoardiser: por umaetod^eaer'ca isempgSo
na primeira por.aru, o m.nistr) dis obras pu-
blicas dava como q-ie urna salisfigio aos proles-
sores que o Sr. Franco Castello Braaco descoa-
ten'ara cora a sua refoima.
Na segunda portara o mesroisairao ministro
oe .iienciava-se desse acto de coragem adminia
trava, collocaado a deciSo enireos alvitres dos
corpas docentes do loatiiotodo Portoe do de Lis-
boa as mos de uraa corai.s-o presid di e
relatada ou secreta nada pelos meamos cavalbai-
ros que tinba a engendrado e decrs.ado a tal re-
forma to mal recebida pelo profesorado do la
stitut-i de L'sboa.
Qaal a expMcago de3ta acto ooroosilcratior?
Qaaas as causas dessa amende honorable ?
Qasrem dis-r que o presidenle do conse!ho3
Sr. Jos Dia3 Ferreira, que L.z pre-,.-) sobre o
seu coilega das obras publicas para assira pro-
ceder, porqae o Sr. Prsaolsco Cistel'o Br-n-o
cr da mararia regeoara lora ni cam-ira dos
deputadoj, arregaohara o den e N itra a 1' cor
taiia e para o acalmar e sua gente fu nicessa-
eario ao,ualle acto fot neessarrio aqaelle acto da*
subservieiicia poltica, por isso que o Sr. J. D a-- e
o gabinete a que-preside, careciam do apoio da
manira para iba arraacarem as autorisagoes e
attnbuig -s com que o goveroo tem de raos-
trir aos nossos calores est'-aageiros que o
paiz tam o p.oposito firme de eueoda"-ae e esi
tilo a entrar no recto cara'uho da paramo
n. cffTecendo ?e resicmndi aos mais duros
ic os qje Ihe forem exigididoj. Salus popu-
til
E aqui est como um ministerio de vida nova
vai segurado a rutineira estrada dos yelS
processos.
O goveroo cedan ao Museo das Bailas Arles
as Jaoelia3 Verdes, o augmento e c-ca das Al
barias, qje Ihe est coatigao.
Esta acquisico da grande utilidade para
Museu, porqua muitos quadros a outros objectos
d'arte, que tem adquirido, anda Do poieram
ser expoato3 por Taita absoluta de ep ico
A c.ca do coovento destinada para um jar-
Jim-moseu, para o qaal ja ae poasuem bistantes
objectos de arte, de muito valor.
O local presa-se admiravelmeala para essa
ra, por estar sobrancero ao Tejo, d'onle sa
disfructa um paoororaa encantador.
Consta que os bispo3 fo-am convidados para
virem votar as proposas de fazenda depois de
terem sido exceptuado* dos pesadsimos sacri-
ncios exigidos a lodos 03 demais fun-ciaarios
puolicos. S5o vot03 insuspaitos e coasciea-
ciosos 1...
Corra como certo que cagadores 1 reg-
manto qae, por destacamento vai guara-.-t-er Mi-
cao.
Conforme o tratado de commercio com o
razil, negociado pelo Sr. Dr. Mittuso dos San-
toa, qua ja n ach no Lazareto de LisDoa, onda
toi comprlmentada pela AasocKigo Industrial
Portugueza, agrando nuraero de amigo.1 pes-
soaes os productos agrcolas ponuguazas, vinbos
aeite3, fructas, etc., tero c beneficio differen-
cial de 30 /. sobre os mais baixos direitos, que
no Brazil existam, ou veubara a existir.
Em compensagao Porto ?al cooceda ao Brazil
direitos diff renciaes de 30o/ para assucar.algo-
do e couros.
Oxal qae 03 parlamentos do3 dous paize3 au-
ctorlsem a rectifleago do tratado.
Era quilqucr hypotnse ioconlestavel que o
3r. Dr. Mattoso ao3 Sant03, prestoo ao paiz um
relevaotissimo servigo, qoe naturalmente hade
licar esquecido, como ja foi malsinada at no
parlamento portuguez a sua miaso ao Brasil.
Diz ae qoe a araniatia aos condemnado3 e
emigrados por causa da revolta de 31 de Janeiro
de 1891 a por dellcto de imprensa, ser publi-
cada por oceasio da Semana Santa. O Dia, que
pas3.u agora a ser dirigido pelo Gome3 da Silva
republicano, commenta o boato e exclama:
O que ? n'uma poena tradicionalmente es-
colhida para que o rei perdo? a ladra3 e a as-
sassinos ?
Ho de ser limpas com o mesmo decreto a
espada do offi:a! do exercilo portuguez, e a
aavalha do vadio da Mouraria ? Pois ho da
assaltar ao mesmo tempo a piedade e o esqueci-
mento do governo, o jornalista que proclamou a
revolta e o ambicioso qui utilisou a gaza?
Nao o eremos; o boato nao pola ser verda-
deiro.
Tambem me parece que o Da tem carrada de
razo e ludo faz er.- que.se amnista aos delin-
tuen'.es polticos fr concedida na Semana Santa
revelar essa escolha o proposito de amesqui-
abaros vencidos d'aqaelle part lo eos princi-
pio qua consumera o sea credo poltico.
A reforma dos servigos de instruegu pu-
blica, dizem me qoe est muito adiantada ; maa
paraca que somante ser publcala eos prineipios
de Marga.
No dia 24 ha no tbeatro de D. Mara I una
curioso concert e recita de varias comedias em
francez em beneficio da piadosa inetituigo,
das Dames de Cbariti cujas f-and--s tem ido
ltimamente muito em que se eraprega^. Eje-
cutantes, coristas de ambo3 03 stxos, actores 9
actrizes. sao tudo cavaibeiros e senhoras da alta
aocledale high Ufe sem mistura.
Na distribaico das entrad 13,.que sao per bons
pregos, boave grande cscolba, por modo qna
aquelies amadores e ama loras so asnera von-
tade, exhibiodo as maaicstagoes do seu talento
entre pessoas da mesma roda, cu pea prs.
Fez se leilo dos aquareas destinadas a
serem vendidas, depois de tigurarem na exposi-
gao da livraria Gomes ao Chiado, a que me refe-
r na minha ultima.
Os trabalbos do rei e da ralnha foram adqui
rldos pelos Sra. Marques de Franca e Arregara
por centos de libras.
O ministro, Sr. bispo de Berasaida, vai so-
licitar das cmaras que seja considerado santi-
ficado o da dp S. Jo3, 19 de Mirp>, conforme
o breve pontificia.
O governo val apresentar cmara urna
proposta de lei para ser autorisado a ratificar a
aa o geral da conferencia de Brux. lias, cora as
recervaa da Franga e d03 Estados Uaidos.
A nossa misso diplomtica junto da Santa
S conservar o carcter honorfico de embaixa-
da, mas com oa vencimentos inherentes cathe-
goria de legago.
Parece qae este aaoo o briode mystico da ro-
sa de ouro ser mandada por Sua Santidade
rainba de Portugal, a Sra. D. Amelia.
Accrescentava a noticia da Fanfalla vinda
da Roma que esta selecgo do Santo Padre na
era extranha a conservago da nossa embaixa-
da; portanto. parece ter havido por trai da cor-
tina indicagoes on cousa parecida, do nosao mi-
nistro junto so Vaticano, o Sr. cooselbeiro Mar-
len3 Ferro.
Os secretarios da embaixada em Roma e Rio
de Janeiro foram aulorsados a permutar seus
lugares.
L>
Xa Iracema onde o publico poder
prover-sa do que ha de melhor em artiges da
miudezas.
FIM^AS E COMMERCIO
A. reforma bascara e o deputa-
do federal RodoJpho Abreu
Era publicacao desse cavalbeiro ras co;
luanas do Paiz sobre o projecto Ramiro
referente es3e assumpto, aceentao i 8.
Exc. a sua posi$3o com relacSo ao mesmo
as seguintes palav.aa :
c onstando-me que coire por ti que
eu estou de accordo com o projecto arre-
sentado no senado pelo senador Ramiro e
mais alguna distinctus membroa daqneila
respeitavel corpora^So, resolv-m?, pala
primeira ven, a definir a minha posigSo
ueata grave questao, cuja discu&sSto,
tanUs vezas traesviada inconvenientemen-
te, aa dava, em g.-ande parte, a ruina e
o descalabro da qae tantos innocentes
tra. silo victimas, oestes ltimos temos
de de3org>niaa;ao administrativa e da
anarohia poltica do paiz.
Quando sa discuta na cmara dos de-
putados o projecto da commiasSo mixta, e
a mesmo antes, eu tive oecaaiSo d em
conversa com varios deputados, entre
eiles o teneate-coronel Serzedello Correa
e o Dr. BalhSas Jardim, affiemar que era
partidario da reatriccSo das emissSes ; ole
s porque, a maa ver, ellas estavam na-
turalmente limitadas1diante di situacao
do cambiopois emittir esta taxa seria
a ruina do estabeleoimento qua iuaiatisse
em fazel o, como porque era easa urna
medida sympath ca opiniSo e de car-
cter experimental, desda qua is emissSea
tanta gente fiiiava, cegamente, a cau:a
da baixa do cambio ; o ainda m ,is porque
urga tomar providencias legislativas con-
tra o abuso de facilitar aos bancos meios
de fazereos emissS&a em coadi(8ea onero-
sas ; o qne seria acautelar os interesses
geraes.
1.3 subordine' tudo eto clsula da
q ia nessa lai daviam fioar consagrados
estas principios; u-iid%ied, m^:da, ga-
ranta do direito de emittir, no futuro ao
Banco da Repblica, qae delle estava de
posse por deoreto legislativo do governo
provisorio.
Esta candiota era para mim essencial,
nta s porque eu. nta admitto a perigoaa
th ^oria de que contrato uada valero, como
porqae eu desejava impedir que a eape-
culacSo tramaase orgaaiaaco emissor,
de aova especie, apeaos oo o fim d
i
<

i
f



t
i

x

i


Diario de Pernambuco Ter^a-feira 8 de Margo de 1892
3
I
prejudicar oa grandes interesBes vincula-
dos ao Banco da Repblica, e contra os
quaes de Icnga dta sa mova a mais crua
guerra.
Foi Q3ta a minia opiaijo, om) anda
hoja.
Condemno formalmente as ideas retro
gradas o inaceitaveis do projocto Ramiro,
ao qual o r-overao do marschal Flonano
deu o eeu apoio, porq-te :
Em 1. lugar ser retrogradar contra
todos 03 ansinamentos da ssiencia econo
mica.
Em 2." porque ser applicar ao thesou
roum onus grave e urna responsabilidade
tremenda na crise que atraveesamos, acar
retando ainda maior baixa de cambio.
Em 3 porque ser proteger e animar
a idea da creacSo de um no70 Banco Na
cional com o fim de resgatar o pap.l do
Estado, recebando apolioea de 4 (0 turo,
nes termos do contracto do fallececidu
BpQCO Nacional, mas j nao como paga-
mento de um resgate de 163 mil contos,
e sim pelo de seiscentos mil eonios
mais ou meaoa, o que seria um negocio
da China para os syndicateiroa, porm um
escndalo para a Republica e urna desgra-
sa para o tkeBOuro da UniSo.
Em 4. lugar, porque Ber legitimar a
mais iuiqua o flagrante violacSo de direi-
tos ue conatituem bases essenciass de
urna ciedade eivilisad* e os quaes, se o
desp. smo autocratico da Russia pader
talve anecionar, eu nao concebo como
um g). erno republicano posaa tolerar e
permittir quanto mais amparar ou promo
ver.
Ser, a meu ver, a ruina moral e o
descrdito universal da Repblica, em
cujos compromisos jamis ninguem poda-
r confiar.
VARIEDADES
lcal Aaonicta
A ViCTOBIAXO B0BQE3
Frequentemente, ideal Antoneta, eu
pens n'essa crue' tristeza que o teu olhar
dulcissimo anauvin, m3Emo quaado em
torco de ti tudo !us, sorri e canta 1
E se argentario eu fosse the souro3 mil
eu darla para ver sempre e sempre festi
val, ditcsa.
Descrate que te tornas te !...
E' tSo cedo ainda, ao alv^reoer de urna
existencia, para a qual esplendoroso des-
tino pode estar f*dado!
Antonieta gentil, que terrivel sagredo
esse que tos refoiboa da tu'alma virginal
se aninha ?
Oh se m'o quisesses revelar !...
Em mim, er dedicado amigo encontra-
ras, com o qual partilhar poderias todas
as mr.guas de que extravasa teu peito ju-
venil.
#
Frequentemente, ideal Ant>nieta, eu
p -Q3'> nes3a cruel historia que o teu olhar
dulcisaimo annuvis, mesmo quando em
torso de ti tudo luz, eorri e canta!
E, ainda ha dias, faaando-mo ouvir
aquella adoravel walaaEsperance de
que tanto gostas, no tsu olhar divino ju!-
guei 1er dos teus soffrimentos a historia
?teira.
. Vestas de branco.
Sol tos, desciam a beijar-ta a cintura va-
porosa, teua lindos cabellos.
Movia3, ageis, oa teus mimoao3 dedos,
com elegancia e arte percorrendo o ebr-
neo e Lio do piano.
Mas, junto a mim, apenas o teu gra-
cioso vulto estava, porque, en rpido v6o,
com azas de ouro e azul, para bem longe
tu'alma parta.
N'aquelle momento, tua imagnac2o de
mulher romntica, encantadora revez davia
da existencia da outr'era a3 phases.
E tamanha era a magua qua eatSo affli-
giaste, que tinba3 lagrimas nos olhos na
propria msica!...
Divinalmenta bella te havias tornado
gssim! ""
Eras urna estatua da virgem ideal,
symbolBando a dor, n'um grande momento
psychologico !...
Frequentemente ideal Antonieta, eu
pens nessa cruel tristeza que o ten olhar
dulcissimo annuvia, mesmo quando em
torno de ti tudo luz, sorri e canta !
Num gracioso barco, vela ao vento en-
funada, par ditoso frue as delicias d'uma
lita de md.
Eu tenho um quadro absim.
Baila, esplendida concepelo de talento
so artista!
E' urna Iembraaya de um ente, a quem
muito e muito quero...
D'ahi o deaejo constante de con tem-
p!al-o sempre.
E qunt*s vezes, olhos fit03 n'essa aio-
ravel pagina de amor sublime, lembran-
aveinmea taa imagem graciosa, ideal
Autoniefa
Ah se dar te eu podesse as doces ven-
taras, que frue o dito o par, ao qual as
mais bellas cSres mostra o proprio co
que as cabejas cobre-ibe!...
Q em sabe, Antonieta gentil ? As ve
ees, ap3 afflijtivos tormentos d'alma um
raio d's felicic'ade suprema sbito appare-
c-3os mansageiro divino de magaa com
pensado aos dias luctuosos, em que a
norte imploravamcs, como termino a in-
gente* dores moraeB, todoB os recursos es-
gotados n'uma lueta impoasivel contra
am fado at entao inclemente.
E's bella, seductora, tana encantos mil!
E sa em teu peito juvenil tens alguma
fer.da consequente a uma paixSo infeliz,
nSo pons s, n2o awhw que em funreo
orepe envolvel-o de ve?.
A tua tristeza constante, mesmo quando
aspiras uma atmoaphera saturada de flo-
rea e luzes, bymnoB festivos, podes curar,
balsamo divino nos doces effluvios do
amor buscando.
Canta, sorri e ama, ideal Antonieta!
A nataresa a oiga, dando-te encantoB
mil, fadou-te para um throno de amor, luz
efl.resl
Spencer Netto.
REVISTA DIARIA
Clreular-A's Intendencias foi dirigida a se.
Palacio doGoverno do Estado de Pernambu
co, em 3 de Marco de 1891
jtommooieamos i Intendencia Municipal de..
que, tendo em vista o telegramma circular de
25 de Pevereiro lindo, en que o ministerio dos
negocios do interior declara ser conveniente
aguardar se o reculamente eleitoral que es
sendo elaborado, afim de que se preencbam as
vagas de um deputado e tres senadores ao Con-
greaso Nacional, por este Estado e atlendrndo
a que nao foram ainda pelo mesmo ministerio
remettiJos ao governo deste Estado os exempla-
plares da lei eleitoral nltimamente publicada, a
qu;l tem deservir ao preeochimento d'aquellas
vagas, resolvemos adiar as eleigOes que deve-
riam se effectuar a 31 do crreme mez, seodo,
opportunamente designado dia para esse um.
Jaaquim Hendes Ourique JacquesAmbrosio
MachadoJas Vlcento Meira de Vascoucellos .
C ncem. de evoneai 'A jauta go-
ativa em daa de 5 do corrate profs
no o seguale despacho no reqaerimeoto do
Banco do Crdito Popular da Brasil, solicitando
permisso para recoluer ao Thesouro a fjoc.a de
que trata a coucessao feila ao cidadio Joo fia
mo3, para a fundaco de evoacaa nos munici
pios de Ola la e Gcyanna.
O peiieio xario Banco de Crdito Popular nao
provou a sua q a!i ia le ue cesionario para nel-
la requerer sobre o contracto de construcgSo de
evoaeas e quando a_houvesse feito nao poderia
ser attendido :
Io porque tasa cesso nao Ibe poda ser feila
em vista dos termos claros e posivos do artigo
1 clausula 3* do decreto de 3 de Dezenbro de
1890 e de igual artigo e clasula do decreto de 10
de Juabo de 1831, segundo os quacs para levar
a elleito as coa8trucc6e3 de evoneas.
O concesfi.nario Joo hamos obrigoa ce a ia-
corporar compaubis com o capital necessario,
uao podeodo essas companbias, uma vez regu
larmente constituidas, transferir a terceiros os
direilo?, vaotagens e onus das concessoes de que
se trata (clausula 22a de cada un dos citados
deoretosj;
2 po-que a flanea a que alinde o presente re-
querimento deve ser prestada pelas companbias
respectivamente a cada uma das conceseOes a
que se relerem os mencionado decretos de 3
de Dezembro de 1890 e 10 de Junho de 1891 e
nao se provou estarem orgaaisadas e33as con
panbias, nem em nome deltas requerida a
prestaco dessa banca;
3 porque relativamente s evoaeas qne fazem
objecto do coatracto de 27 de Jumo de 1891 nao
foi cumprida em de vi Jo tempe a clausula 2* do
artigo i* do decreto de 15 de Junho do mesmo
anuo, segundo a qual os planos de que falla a
mesma clausula, eviamser apresenladas no go-
verno do Estado, at 10 de Dezembro de 1891,
desde que se verifica s o baverea sido em 12
do mez de J.nelro lindo ;
4a Soalmeote porque tacto a infraccio d?3'.a
ultima clausula coaceraen'.e apresentaco des
planos, cono a da el.mua 22> do3 j citad03
de.retos que p'obibe a transferencia, alias uma
vez confessada pelo peticionario, importa cadu-
cidade das concessoes em questo.
Em vista do exposto Cci iadf ferido o prsenlo
reqaerimen'o.JoEquim Meades Ouriques Jac-
que^. Ambrosio Machado da C. Cavalcaate.
J. V. Meira de Vasconcellcs.
Kanireataco popular Telegramma
recebido pela junta governaliva deste estado an-
auacia terse realisauo oa capital federal, a 5 do
correute, uma grande mauifjstac,ao ao marecbal
Floriano Peixoto.
Diz o telegramma:
O povo reunido rm numero superior a dez
mil pessoas felicitou o presidente da republica
00 meio da indescriptivel entnusiasmo.
Coacorreram a es3a munife3laco tolas a-
classes, inclusive senadores, deputados, ofllziaes
generaes de ierra e mar. etc.
Os manifestantes entregaram ao marechal
Fioriano Pelxoto uma mo3o garan'.indo o mai'
pleno apoio ao see governo.
Ccsienarlo de Tiradente* -O Club
Cooperador da Propaganda Positivista dirigi ao
t Corrcio Paulistano a seguinte carta circular
qui encerra urna idea aliameote nob'c e patri-
tica:
< Cidado,
As sociedades moderdas sentem cada vez mais
a necessidade da nova eyathese cHeCiva fondada
por Augusto Comte.
A par. do dssmoronamento das velbas pralicas
da tbeoloia, cuj03 dogmas j nao realam o
aceorio Jo3 espiritos, porque hoje f a scienria
com as suaa conclusOes veri^caveis consegue
estabelecer uma verdadeira uoanimidade de
pensamiento, qnem quer qua eoserva nota em
todo o Occilate mai agitaco espoatanea e ir-
resis'.ivel para o novo culto.
Com elleito, as commemorarOjs cvicas daquel
lea bomeos que, ptlo seu geuio, mai3 te.-m feito
sentir a solidariedade humana, ennqueceado a
especie com os iaabalaveis priucipios des scien-
ca?, que fundaram, ou com as sublimes maroi-
fesUcOis eatheticas do engeubo potico; a slori
ficaco dos typos mais eminentes qua nos
aposenta o passado de toda3 a3 nac5?s, sao in-
coatestavalmeateum esbozo iuconsciento, porm,
fatal da inconparovel doutrina que caracterisa o
XIX seclo.
lias alm das commemoraces de carcter
oaiversal, cumpre, como diz o S-. Miguel Lamo3,
instituir para cada patria um systema de glori
crces que peridicamente congraccm e estimu
lem 03 cidad03, sob o influxode recordajes
gloriosas e do3 serviros reali3ados pelas gera-
gOes precedentes.
A base de um tal ystema fornece-a a lata que
recorda o acoalecimeato mai3 caracterstico de
cada oacioaalilade.
Ora, am dos acoatecimeatos mais caracters-
ticos da nacao brazlleira, eem duvida o iaolvi-
davel martyrio de Tiradeatja.
A repblica proclamada a 15 de Novem iro de
1889, nada mais foi do que a solacSo do proble-
ma posto pelo glorioso marly.
Pois bem ; o primeiro centenario de soa morte
abi vem com o 21 do prxima mez de Abril, e a
n03, os republicano;, qualquer que seja o matiz
do nosso republicanismo, cabe-nos o dever ele-
mentar de commemoral-o dignamente.
Eis porque jes te club temou a si a iniciativa de
urna festa para cojarealisagao contacom o vosso
apoio, bastando que auxiliei3 a subscripto que
para ease Bm desde j promove.
Sauie e frateraidade. (Assignado).Jerony
mo A:evedo.
N. no Rio a 19 de Agosto de 1853.
Hua Cbrispiniano.31. *
Sllvelra arln-0 Correio Mercantil,
de Pelotas, publicou a seguinte noticia sobre
uma entrevista do Dr. Silvaira Mariins com um
seu ami^o:
As respostas do Dr. Silveira Mitins, d;z a
mesma folha, poiem coajiderarse como o eu
programma:
Que aos diz a respeo da forma do go-
verno 1 lbe perKun'.aram.
Nunca tiz questo de forma. Quero ante3
de tudo a felicidaJe da patria, respondeu oillus
ir no-grande ose com aquella fra iquezi qua taa
to o distingue. A restauraco seria om erro em
grave prejuizo dos interesses do paiz. Faja-
mos orna repblica Bralivre.
Aceita o actual syslema presidencial?
No, em absolut). Nao admiti pequeos
(yrannos. O pre.-iden'e deve e*tar debdixo d 1
a"5o do pova, que o parlamento. A nacSo
tem o direito e o dever de liscalisar seus empre
gados e mandatarics. Povo a nica soberana,
possive! na republic ou na monarebia.
Qua:ito a epublica Federal...
Foi sempre o meu ideal e por elle trabalhei
pugnando pela desceot alisajo das provincias
L mbrem-se qoe para reduiir a soas propor-
Ces a suloridade do goverao central, uma rea
na assembla propuz a creacSo de orna commis-
so para fnnecionar junto ao sea delegado.
Nesta questio de federalis nc, ba um sem nume-
ro de detalbes que so o lempo e ib circamstan-
cias podem delinir.
O excrcito...
E' uma torca muilo oeeeasa'ia e respeita-
vel, mas limitada sua nobre missao: defender
a patria e garantir a ordem publica.
Dizem que V. Exc. separatista.
Nanea o foi nen serei: preso me e orgu-
Ibo-me muito em ser rio-grandense, porm, nao
menos em ser brazileiro.Desejo a patria unida
porque EO assim poder ser forte e feliz.
A sua opiniao a res peito do actual estado
de coasas no Rio-Grande do Sal...
E' deploravel, contristadora a situaco.
Mas todo isso o eueito da nosa educaco pol-
tica.O poder foi em todos os partidos orna ver-
dadeira fascinacao.-Mas a tormenta ba de pas-
ear. Trabalhemos lodos pela patria e antes de
tudo tenbamos em mente que somos toaos rio-
grandenses e que cima de nos, das nossas pai-
xOes e vaidades, esta a patria.
O prlmelro Mitro deaeaberto
1 rMiii Emmanuel Liis, director do Observa-
torio Astronmico de Pernambuco, a 26 de Pe-
vereiro de 1860 descubri om cometa formado
de duas peqaeaas nebulo3Jales muito prxi-
mas uma da out.-a.
Foi esse o primeiro astro descoberto no Bra
til.
Floillha do *uiazooa-Os avisos llu-
viaes Tef o Juruema, seb o cammando dos 1"
teuentes Alvaro Graca e Conba Gomes, sabiram
ao dia 20 do corrate de Minaos para o Para,
conforme a ordem do Sr. miaislro da mariuha.
O uommlssario Ach, signataria do telegram-
ma de desobedieacia uo ministro acaba de dar
parte de doenta.
Buenos jtci -Di Revista Cimmercial
deasa capital da Republica Argentina, tradozl-
moa os seguintes trechos da revista do mercado
em data de 15 de Fevereiro ultimo:
O mercado de iniportaco coaserva-se inacti-
vo, eotando se ama paralysrcSo meaor que oa
quinzena aoterior; valo teradeaciJa do ouro
retrah.do os araiazcnarios ca suas compras dia
rias, com o fim de estarem aligelrado8 de mer-
cadorias, coja sabida acba-se re latida, e mesmo
porque o premio do metlico pode fcilmente
pronunciarse por baixa manifosta, se aflnal che
gar-sea regular a questo poltica.
O movimento daexporUcao maatem-se calmo,
em constquencia dos cosecheros sustentarem pre
gos moi elevados em relajao aos que regulam
nos mercados europeos; c assim impossibilitam
a conente normal de embarque dos nossos fu
dos, qua sempre abundam nesta quadra.
Diaate da atiitude expectante dos exportado-
res, parece-nos que os possuidores de las o ce-
reaes nao se demoraraanichegar limites mais
accessiveis e que permittam a extra :co era es-
cala regular; visto que ponto de duvida qoe os
nossos fructos se aoclarem em alta oa Europa,
atleadida as grandes existencias naquelles mer-
cados.
Dias antes das cleicOes o ouro cb;gou a 392
/., terminadas ellas, porm, e Eem iocideotes de
gravid-.de, comecon o movimento da baixa, que
eocerroa-se oesta data a 366
Oj-umerario aiada mais eacasso, e oom dif
Qe.uidades os papis commerciaes conBeguem
descont de 11 a 12 % so anno.
Os cambios coatinuaram em declinaco, co
tanda-se o bancario sobre Loadres a 47 5/8 e so-
bre Pariz a 5 francos.
AmpbiiriteEra assembla geral ordinaria
reooem-se oa quiota-frira desta semana 03 ac
cloaisias dessa compaah'.a de seguros, no respe-
ctivo escripiorio, ao meio da, adra de tomarem
conhecimealo do relatorio e contas da dir;
co.
Campnula de Flaco c Tecldoi
de PernambucoPaga o dividendo do 2'
semsstre do anuo fiado, na razo de 5/000 por
celo.
indemalaadoraAmanhS, pelo mel dia,
reunem-se em assembla geral ordinaria os ac-
cionistas deisa compaahla de segaros, para apre-
ciaren as contas da d.reco referentes ao anoo
fiado.
Novo Club CarnavalescoApezar do
lempo mostrar se cbavoso e ameacar a cabida
de batregas d'agua a cala momelo, foi iastalla-
da no fabbado ultimo com o numrro de 57 so-
cios fundadores, a nova aasociagao carnavalejca,
de que deramos .noticia, e cujo fim levantar o
carnaval deste Eslado.
A's 7 horas da noito foi acclamado para presi-
dir a sesso o Sr. JoSo Augusto Perelra de Ma-
galbes, o qual em breve discurso expoz o fim
da reuoio, comeando em segoida ama commis
sao para confeccionar os estatutos e estudar a
denominaco qoe se deve dar ao club.
A commisao cou composta dos Sra. 0:ta-
viano Aristlde8 C^eiho, relator; Antonio Pe3soa,
Luiz Eiesbo de Miranda, Jos Joaqun Pereira
do Reg, Antonio Mouteiro Sobrinho e Beome-
donte de Almeida Magalbes.
Aiada foram comeados os Sr?.: BentoTempo
poral, Biunor do Oliveira e Octacilio Montairo
de Almeida, para formarem a commisso de sya-
dicuncia, que se occapar de dar parecer sobre
as pes3cas que quizerem perteacer ao club e fo
rem propusbs.
A segooia reunlio o;t marcada para o dia 15
do correte, s 6 horas da tarde, devenda ftrnc
cionar roa do Mrquez do H.'rval n. 71, resi-
dencia do presidente acclamado.
Etado do Blu Grande do SalO Jor
nal do Brazil pobllcou o seguinte telegrama):
S. orji, 27 de Fevereiro.
O depatado Homero Baptisla telegraphou ao
presidente da Republica nos seguales termo' :
No iatcato de punir os republicanos parlici-
p-ctes no movienlo abortado, as autoridades
federaos e estaduaes pratlcam todas as tropelas,
invadem as propiedades, arrebanbando cavallos
e gados, sen annueacia dos donos; prendera os
republicanos, sen flagraate nem culpa formada,
sujeitando a loJcs os vexames at as testemu
nnaa do inquisitorial inquerito dos succes303.
Uma es;olta de dez maltrapilbos, eob o com-
maodo do intitulado alferes Aureliano, nesta ci-
dade, assasiaou o fugitivo lente coronel Joo
Pereir? Escobar, saqueando o.
O juiz munic.pal consignou no protocoilo da
audiencia a suspenso de qaranlias, probibindo
o transito sen portara.
A situaco borrivel e a populadlo est
emigrando. Por hoora vossa, peco enrgicas
providencias. Pede tambem que reclamis
providencias aredaeco do Movimento I
Command ule do dlatrlclo nal-
litar Teado nes:a qualilade cumprimeotado
ao Sr. general F:ans:o Antoalo de Moura, mi
nistro da guerra, o Sr. general de dvisao Oori-
que Jacqiie3, receben do referido ministro o se-
guate telegramma:
Rio, 5 d: Mirco Agradeco felicitafi6e3.
Para bora deaempenho do meu cargo, confio no
vosso auxilio e no dos camaradas. *
Propagadora da InsiroccaoAcba
se abena a aula pratica primaria aonexa es-
cola de ensino secundario para as senboras, a
cargo dessa sociedade.
A referida aola O destinada 3 filtiaa e papil-
las dos as03iados, sendo tambem admittido3 03
do fexo masculino at a idade de 8 anuos.
v.A aula fuacciona na casa da escola, roa do
Visconde de Camaragibe, n. 10.
Sociedade Concalve* DaNi quin
ta-feira ultima funccionou esta corporaco sob
a presidencia do Sr. Ananias de Almeida.
Na bora do expediente foi lida e approvada
uma propoata no sectido de serem transferidas
as sessea para os domneos s mesmas horas.
Terminado o expedient approvoo se o regu-
lameuto da3 aula3, depila do que foi aberlo o
curso prrpiratorioem o qual devem matricu-
lar-se pessas es'ampai.
Em seguida procedtu se a eleijo e a respec-
tiva posse do3 funecionanos que teem de dirigir
esla sociedale no trimestre de Marco a Maio.
O resultido roi o srguinte :
PresiipatesHja'.ijaa de Barros, Ramn da
Coila e Femando Cavalcaate.
SecretariosFaulo de Arruda, Domiag03 Te
norio e Jos Tnumaz.
OradoresAlfredo Caipos e Francisco Moa
tenegro.
TbcsoureiroForneca Jnior.
B.bliotbeciricAdoipbo Ribeiro.
D rector d'aulasAnaaias ConselhoSouza Saotca, Miaael Ribeiro c II:-
raclito Yaz.
Commisao Je syidicaacia Souzi Santos,
Fonseca Jnior e Fernando Cavalcante.
Coinmiasao de tbeses-Ananias da Almeida,
P,.u!o ci Arruda*e A fredo Campos.
Foi lle^i^nado o domingo prximo para ter
lagar a outra ses lo.
Calamento civilNos l" e5- districtos
foram boniem Qlxados editaes de proclamas de
cjsamenio dos seguiates coatrahentea :
Primeiros
Diogo Baptista Fenandes com D. Amelia Mi
aerviaa de L'ma, moradores oa fregoezia da
GraQa.
Antonio Lambcrt dos Saolo;, norador na fre-
goezia da Boa Vista, com D. Marianna Feruan-
des d Carvalbo, moradora na capital do do Esta*
do da Parabyba.
Servlco militarHoje superior do dia
o Sr. capitao Mendonga, e faz a ronda de visita
um subalterno do 14- batalbo.
O 1V> batalbo de iofanlariadar a guarnifiao
da cidade, excepto as guardas do Ihesouro e
DeteDQao, que serfio dadas pela brigada policial.
Uniforme n. 7.
forte desastrada Hontem foi esmaga-
do pelo trem, que descia s 12 horas e 45 mino-
tos de Doos Irmos, o condoctor de nome Jos
Bello.
O iafeli saccambio logo, sendo o sea corpo
condazido pelo mesmo trem para esta cidade.
Nao nos deram pormenores.
Fabrica de polvora-Rea'izou-se ee-
divamente no domingo a ioaugu-acio dessa fa-
fcrica no lagar Pontezinba, de que propieta-
rio o Sr. Hermaan Lundgreu.
O acto foi festvameite coacorriio.
O digno prcprietario cfferecau um profuso
lunch ao3 visltautes o seus coavidalos, seodo
trjcadaj briodes, om do3 qoaes ao iniciador da
empresa que se ioaugorava.
chavasNo eabbao ultimo cahirm chu-
ras nesta cidade.
A' noita lornaram-sa copiosas e foram acom
panbada3 de tona trovoada pola madruga la.
No domingo cooservoa-se o dia cora feico
hibernal, mas paoco chovido; e ja noutem o sol
fulgurou, apezar do lempo conservar ainda
aquella fdgo.
Casamento civilFoi publicado hontem
o seguioteB proclama de casmeato pelo escrivo
M. Falco:
_ ._ Segnio
De Joao Elpidio de Souza com Idalina Montei-
ro Daarte. E'le residente fregoezia da Rea-Vis-
ta (4.* distriol.), ella na de S. J se (8* di3tricio),
3lteiroj.
Fesia realOa joroaes hcapaihcs fazem
urna looga des'ripgo da sump'.josa fe3ta que s:
rcaliscu ha diaa oo palacio real de Madrid,' em
que cerca de 4 000 convidados de toda3 as cate
ganas e condi(,\-3 se mistorivam com o brbo
das luzes, des brilbantes e das llires, prodazin-
do um elftito deslumbrsn'e.
Tudo quanto ten um oome mais ou meaos ira-
portaate tas arles, scieoeias e poltica recebeo
convite. As3lalio igualmenie o corpo diplom-
tico.
Sua magestade a rainha regente e a .nfanta D.
Isabel percorreram todos os salOes, o foram mui-
to victoriadas per todos os convidados.
Emigrantes Italianos-O marqoez de
Rudini, aendo iuterpellado ni cmara dos c'epu
lados acerca da s.'luacSu dos numerosissimos im
migrantes italianos no Brazil e na Republica Ar
gentioa, declarou qoe o nico meio-dc alalnar a
emuTacao tornar conhecida a situaco do tra
balho a'aquelle3 paizes.
Principio de Incendio -No domingo ul-
imo, per obra de 7 horas do dia, maoifestou-se
am coaieco de incendio no pavimento terreo de
predio n. 10 ra do Bom Je303, e onde sao es
labelacidos com orna fanilaria os Srs. Alfredo
* C.
A Companbia de Bombeiro3 qoe prestes acor-
rea a esse local, coaseguio com igual promp'i-
do abafar o incendio, que de resto foi sem
maiorea consequencias em sua damain:ficaco
material, qae avaliase approximadamente em
uns 50^000, pareceado qua deu lhe origem o ter
ticado mil apagado um dos fogareiro3 da fuci-
lara, quando mchou no sabbado.
Dizem nos que o estabelecimenta nSo estava
seguro, assim como quo os proprietarios nem
algum dos respectivos emprc'gados acavam-se
na oocasio presentes.
Banco da BolsaReasou se hontem a as
sembla geral des accionistas d'esse Banco, sen
do approvado o parecer ro conselho fiscal e a3
contas da administracao.
N'es3a sesso teva lugar tamben a eleijao do
"Ofi.-e'hj riscal e suppleates para o anno social
de 18^2, fitaodo para o conselbo-fiscal reeleit03
03 Srs. Dr, Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Torquato Jos da S.lvi GuimarSe3 e commeoda
dor Albino Jos da Silva, e para soppleotes os
Sra ccmmendador Antonio Marques de Amorim.
D: Ceciliano Mamedo Alvcs Ferreira e Manoel
Joao de Amorim.
Por proposta do Sr. Manoel Jio de Amorim
foi inserido na acta um voto de louvor directo
ria e especialmente ao director gerente Sr. Pe
dro Jos Pinto.
Concert ComolettlNos salOes do
Lyceu da3 Artes eOfficios realisou-se no sabbado
ultimo, unt ogradavel concert, promovido em
seu beneficio pelo intelligente e bravo artista G.
Comolctli.
Apezar di copiosa chova que cabio dorante
toda noita, compareceu groada numero de con-
vidados, qua nao poaparam entusisticos ap-
planaos ao Sr. Completti -as demais peasoas qoe
gealilmeate o auxiliaram.
Ao Sr. Comolet i, digno como do apoio pu-
blico, aprsseatamos os nossos comprimento3
pelo xito latiafatorio de sua festa.
Ilustracin EspaolaPor intermedio
do Sr. Leopoldo do Silveira, alministrador da
agencia Inlero'icional recebemos o n. 3o (anno
36) dessa irapo-taMe revista, que sem contesta
cao, considerada a primeira publicaco no
genero.
Agradecidos oslo mimo recommendamos aos
leitores a asilg atura da Ilustracin Espaola y
Americana.
Clab Carnavalesco dos Patriotas
Reuni so ante hontem, este, Club em assem-
bla geral para ifficiuar a eleijo de soa nova
directora, senda :oxo'e cleitos presidente Ma-
noel Ma'ques, e vice dito Mariano Escosio,
deixaadode proceder o resto da ek-icao.
Sociedade Becreativa apollo -Hoje
funecionar esta sociedade em sessoextraordi
naria, 3 7 horas da noite.
Tribunal do Jury do Beclfe Func-
ciocou bontem ste Trib'CDal sob a presidencia
do Dr. Marco Tollio dos Reis Lima, juiz de di-
reito do 1 districlo, octupaodo a tribuoa da
aecusago o Dr. Gervasio F oravante Pires Fer
reir, 1. promotor publico da comarca.
Foi saDmtt'.ido a julgameoto o reo Beoedicto
Jjs dos Saotos, pronunciado pelo Dr. juiz de
direito do 3." dislricto, como incurso oo art. 203
do Cdigo Peoal, por haver ferido com orna faca
de pouti, oo dia 18 de Maio do aono passado,
no districlo policial do Peres, o guarda local Jos
Cyriaco da Silva.
O jury de senlerc compoz se dos jurados se-
aintea:
os Henrique Pereira da Silva.
Belisario Pernambuco.
Luiz Francisco Ribeiro da Silva.
Jjaquim Pedro dos Santos Bezerra.
Manoel Jas Vieira.
Flix de Fracra Lumack Miguis.
Joo Gongalves dos Santos Jnior.
Lniz Pereira de Parias.
Pedro Te-tuliano dos Santos Cordeiro.
Dedut'O a defesa o advogado dos presos po-
bret. Dr. Luiz Ecygdio Rcdrigues Vianna, e de
conformidade com as decisOea do jury, foi o reo
absalvido.
O jury reconheceo por noammidade de votos
ter o to praticado o crime em legitima aefesa
e em resistencia a ordena illegaea.
Termifioo o julgameoto 1 bora da tarde.
Devem ser jo'gados boje oa reos Antonio Cos-
me dos Santos e Manoel Lepes Machado.
Club dos PalbacosNo domingo reuni-
se esse c!ub em sesso de assembla geral, pro-
cedendo eleij5o da nova directora, que ter de
fonc donar no auno social de 1892 -93.
A aova directora ficcu coaiposta dc3 Srs.:
Presidente e vico ditolos Cresceaco de
Agaiar e Alexaodrino Francisco das Cbagas
Moura. ,.
S'crel rios -Manoel Caetano de Azevedo Leite
o Taurindo Firmino Alve.
OradorAotooio Wolkmaik.de Lima.
Th-soureircHemeterio Rufioo de Albuqoer-
que.
FiscalBebastio Igoacio da Silva.
Diredor-Maooel Felippe Pereira.
Procurador gen.1Jos Ciaudino Angelo da
Costa.
ZeladorLuiz de Frccca.
O empos3amento da nova directora ter lugar
no dia 13 do correte s 2 horas da tardo.
La Moda Kteit snle-Na ra do Bom Je-
ss n. 40 acbam se abenas assignaturas para o
imputante jornal de moda3, cojo titulo cacima
estas linba?. .
BapUsadoRealisou-se na matriz da Boa
Vista, no sabbado ultimo, o baptisamento da
interes3ante creancinha Aracy, filba dilecta do
Dr. Augusto Martina Ribeiro, sendo padnnboa o
Dr. Antonio Ribeiro de Albuqaerque MaraohSo e
soa mulher.
Ao acto comparecco ;rande nomero de ami-
gos do Dr. Martins a quem camprimentamoa.
L.c Brsllaegistramos com agrado o re
cebimento do n. 37 desse hebdomadario qae se
publica em Pars.
Traz o aeguinte summano :
Telgrammes.
Notre Coorrler de Rio.
Le lieotenant-colonel Serzcdello.
Ecbos de partoot.
Notre CourrierdeLa Plata.
Immigration en 1891,
Le commerce franco-brsillen.
Lea E'tats brsilieaa.
Revoe financlre.
Avis financiera. .,
Porto de fiaUlnbaa-Desse povoado di-
oatros lagares, pols qae vive da exporlaco de
assucar, agurdente e oatros gneros e importa
o n cessano para soa sostentacSo, no eolanto o
ommercio e agricultura d'aqui, muitas vezes
ve-se prejudicado, devido a falta de orna agen-
cia de correioa, aqui porquanto a qoe temos
ma3 parto a de Ipojuca que dista 3 legoas e
oeste caso, preciso quasi sempre lancar-semo
con de3pezas des portadores particulares para
expellco de caria?, e o mesmo succede com re-
lago a jornaes, cujos assignntes d'aqui vivem
sujeitos a vootade dos intermediarios que teem
no Recife e d'abi eoccede qoe nunca temos noti
cas lrcscjs, alm do prejuizo que diversas pes-
soas teem em soas correspendencias commer-
eiiea e particulares.
Em taea condices, fazfmos om appello aos
altos poderes pblicos do Eslado para qoe seja
creada aqui, ama ageocia di correiscoja direc-
cao [ le ser coufida a pessoa iosuspeia para a
actual siluago, conlanto que a necessidade
que tffecta ao gersl, seja sanada.
Sem f izor appreciajOca politicas, declaramos
qae foi ae.radavel para lodos qne sabem apreciar
o mrito, a coneervaco doa illustres Sra. Drs.
Joaquim L'ureniico e J.o Adolpbo, nos espi-
nbosoa cargos lie juiz municipal e promotor po
buco desla comarca, pois que sao dois mag3
irados hoarados e que se impOem a eslima por
suas qualidade.
Felizmente vo recomecar oa trabalbos dos
reparos e conservago da estrada c poates, qoe
lifiam esta localidade a tolos os eogeobos e po-
voados limitropbes que a sustentara com seus
productos cg colas e vive versa em relago a
predoejo u'aqui, tendo sido reintegrado em um
trecbo desse trabalbo o Sr. Joo Caacio com pro
veito dos mesmos Imbalhos.
Devido a orna aotavel afluencia originada da
iniciativa pariicular, o commercio aqui vai pro-
gredindo admiravelmente, a agricultura anima-
dissima e a pescara offerecendo sobejas vanta
geas, pelo que teda populaco acha> se maiiissi-
ma satisfeita porque viva fugadamente, livre das
garras da necessidade, colocado cssim bora re
sultado de seu trabalho.
Aprovei'.amoa o eoaejo para de accordo cem o
desejo publico, pedirmos a creaco de um dia-
tricto policial aqui, que sbraoja Miracabype e
oatros la -arejos circamsvisiobos.
Operaces clrurglcasForam pralica-
das oo hospital Pedro II, uo dia 7 do correte,
as eegoiotes:
PeloDr. Silva Ferreira:
Extra:co de bala oa regio pelloral.
Ampuiaco de mama, indicada por adoc-
aoma.
Pelo Dr. Fernandes Barros:
Amputago de perna no tergo superior, pelo
processo circular, reclamada por esmagamento.
Inspectora do dlstrlcto marl
timoRc-cN-, 6 de Marco de 1892.
Boletim meteoroloeico
lloras Term. centi- Barmetro Tensao do
grado
6 m. 25.-1
9 25 "4
12 > 26 ."2
3 t. 27.-1
6 26,6
Hami-
dade
80
84
84
(a O') vapor
754,37 20,13
754- 59 20,30
751-50 20,95
753,17 21,81 82
753-.20 20,33 77
Temperatura mnima 23,50.
Temperatura mxima 290,50.
Evaporado em 24 horas ao sol 3m,C, som
bra2m,0.
Chuva 52m.0.
Direcco do veato NWW de meia noite a'.
lk 50n> ; W at 2h.i9-; NNW at 3h 32-; S at
3"'52; WW at4b,41-; W al 5b,15>; NW at
I0h,3lm; S at ii^.Ol ; SSE at llu,16-" ; SE com
ioterrupces de SSE at 2k,53 ; 8 a'. 3h, 27 ; S3E
al 4k 00- ; ESE at l1",00- ; E e ES2 alternados
al 6Lil; E com iuterrup{5e3 de ENE at meia
noite.
Velccidadc media do vento S-,11 por segundo.
Nebulosidade media 0.83.
Bo.'etiJi do porto
Fra-mar ou
ba ixa mar
r. M. 6 de
B. M. 6 de
P. M. 6 de
f!. M. 7 de
Das
Margo
lloras Altura
11OJda m. 1-83
5-32 da t. -o7
1155 da t. 1-77
611 da m. 0-99
Lotera do Estado do Ble ti randa
do*ui Telegramma recebido pela casaf
Venturosasabe-fe serem eatea o nmeros pre-
miados da 38' lotera e'c.'.e Estado, extrabida 04
dia 5 io correute:
1.303
1.253
2.278
4289

Eatao premiados com
2.177 2.830 5 291
10.0G0*
1.000
300*
200.
ioo
6.436
1.781
EstSo preciados com 50$
3.100 3 370 3.761 6 351
Estao premiados com 24
7.SIT
355
1,678
1.944
1.275
2.436
2.662
3.519
4.159
5.057
5 'J69
03
33*
APPOXIMAgOES
Do premio
1.30
1.304
1-252
1.254
Do 2' premio
io:
00
51*
51*
T0J03 oa nmeros terminajos em 3 esto pre-
miados cem 5*.
Todos os nmeros terminados em 4 esto pre-
miados com 5*.
A seguiote lotera (39a) ser extrabiJa no dia
12 do correte.
Paquete Alaaoas Este paquete doUcry
Brazileiro sabit da Baha do 1le 8, i hora di
tarde, sendo aquiesqerado no dii 10.
Hospital Pedro IIO movimcaato des
te estabelecimento de caridade, do dia 6 s Mar-
co, foi o seguinte :
Exi.-tiam 83
Entraram
Sabiram
Fallecern
Existem
-----591
8
3
576
596
seguir-
Foram visitadas as enfermeras pelos
tes Drs.:
Mascoso entrn s 8 3/4 horas da manh e a -
Oio s 9 1/4.
Barros Sobrinho entrn a 8 1,2 da mannae
sabio s 9.1/2.
Simoes Barbosa entroo s 10 1/4 da machi sa-
bio s 11.
Silva Ferreira eotrou s 10 2da manh e~
bio s li.bora8.
Arnobio Marques entroo s 9 1/2 da maabl
e sabio as 10 1/2.
Pbarmaceulico entrou s 9 1/4 da manh e sa
n'.o s 10 1/2 horas da tarde.
Lotera do Haranho-A 19' serie dt
6 lotera deste Estado, cojo premio grande
de 300:000*000, ser extrabida no da 9 Marco (qnarla feira).
Lotera do Estado do rao-Para
A 4." serie 'da 51' lotera, deste Estado cajt
premio grande de 240:000*000, ser extra dx
no dia 12 de Marco (sabbado).
Ccmlterlo publico-Obiloario oda
do correte:
Manoel Rodrigoes Lima, Portugal, 95 aaoot.
Boa Vista; congesto cerebral.
Auna Mara Porcluncola, Mace., 40 anaos,
viuva, Recife ; tsica.
Josepha, Pemimbuco, 50 sanos, S. Jos; coa-
vuleOes.
Hypotito, Pernambuco, 5 mezea, S. Jos ; gae-
tro nterlte.
Rosendo, 3 dias, S. Jos ; espasmos.
Maria laidora da Conceigo, 18 annos, soUeire,
BoaViata; tubercoloa pulmonares.
6
bellacaEffeciuar-se-hao os seguintes:
Hoje:
Pelo asente Pinto, s 10 horas, ra Formoaa
n. 7, de piano, movis, lustros, vidroa, etc., etc.
Pelo agente Martina, As 11 horas, ra do
Imperador n. 39, da ca3a n. 7 da ra da Ponte
Ve Iba.
Amanb:
Ptlo agiote Brltto, a 11 horas, roa do Im-
perador n. 49, de movei8, locjas, viciros e 0
formas para calcados.
uissas rnneftruSerSo celebradas .
Hoje :
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, pela
alma do profeasor Joo Jos Barroao; s 7 horas
na igreja do Tjrgo, pela alma de Joaquim Doarte
de FigueiredO-
Amanba:
A's 8 horaa, na matriz da Bca-Vista, pela alma
de Jos Hearique de Azevedo Soares ; s 8 horas,
oa matriz de Santo Antonio, pela alma de En-
gracio Leopoldino Machado Silva.
PassagelrosGhegados da Europa no va-
por francez Orencque;
Francisco Joaquim Ribeiro e seas nlbos Al-
berto, Venancio e Amtlia e criada, Caroliu dos
Anjoa.
Sabidoa para.o sol no mesmo vapor:
D*. Eduardo de Oliveira, sua senhora,2nlho3
e 2 criados, Vicencia e Maria, Victor Gomts,
Aotooio Duarte de Figoeiredo e Gostavo De
vanx ... ..._.,
Cbegadoe da Eorcpa no vapor oglez Potos:
FanDy Looise Lowe, imea TbampsoD, Lillle
Thooson, Gustave Waser, Antonio Almeida, Ma
noel Rosa, Hodita da CooocicSo, Arthur Dearlove
e padre William Ding.
Sabidoa para o sul no mearuo vapor :
Jos da Gama Rodrignes, Nicolo Marculo,
Antonio RU8SO, Felippe Renbo e Francisco Goi-
maraes.
casa de DetencdoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detenco do Recife, Estado d s
'ernambuco, em 6 de Marco de 1892.
Existiam 333, entraram 9, Bahiram 6, exis
tea 346.
A saber : .
Nacionaes 315, mnlberes 12, estrangeiros 19
-Total 346.
Arracoados 393.
Bous 280.
Doentea 8.
Loncos 4.
Looca 1.
Total 393.
Movimento da enfermara
Teve alta :
Antonio JosNune3.
Jc Pereira da Silva. ._...._.,
Foram visitados oa presos deste tstaoele.:-
mento por 131 pessoas, sendo homena 6i, emn-
YDteria do ero-Par*--Ei3 os premio;
ia 4> parte da 51.' lotera do Gro-Par ex
trahidaem5 de Margo de 1892, recebido pela
GSa d Sffi: 120:000*000
iOl 12:000*000
7224 6:000*000
HO 1:500*000
177* 1:.\00*000
11443 50O*CO0
Estao premiados com 600*000 os seguintes
"I* 1371 3710 1213 14092 18054
Esto premiados com 300*000 os seguintes
nmeros^ mQ
548 8776 12695 18371 19683
APPB.OXIUAC5ES
2281 i:500*COO
2283 -1:800*500
10440 600*000
10442 610*000
7223 15 '*000
7J5 150*000
Os nomeros de 2281 a 2290 esto premiados
com 150*000 inclusive o da sorte grande.
Os nmeros de 10441 a 10450 estao premiados
com W* inclusive o da sorte de 12 contos.
Os nmeros de 2201 a 2300 esto premiados
COs nmeros de 10401 a 10500 esto premiados
com 60*. ,.
Oa oomeros terminados em 2 estao premia-
dos com 30*.
Todos os nomeros terminados em 1 estao
premiados com 30*.
A segointe lotera corre no da 12 de.Marco
ai-
Jos Carneiro N. de Lacerda, Sergipe, 19
nos 8olteiro, Boa Vista ; ftbre lyirolde.
Gonstaoca Maria Benedicta, Pernambuco, H
anno3, solteira, Afogados; cancro uterino.
Edgar,Pernambuco, 11 mezes, Boa Vista; me-
uiogite.
Anna Joaquina Alves, Pernambuco, 31 anuos,
viuva, Santo Antonio; lariogite tuberculose.
Severirna M. dos Prazeres, Pernambuco. 2?
annos, solteira, S. Jos; broocbite.
Um feto, Recife; fraqoeza congenila.
Jolia, Pernambuco, 4 annos, Boa Vista ; scra-
folo8e.
Francisca, Pernambaco, S. Jos ; convalece*.
Anna Alves de Oliveira, Pernambuca, 33^8*-
nos, casada, Boa Vista ; lubercolo3 pulmona-
res.
Maria Joaqoioa do Sacramento, Pernamboct,
60 anno3. vlava, Boa-Vista; bronchite.
Mana Leopoldioa C, Alagoas, 40 annos, soi-
teira, Recife ; tuberculoso pulmonares.
Eugenia Maria do N., Pernambuco, 70 anaot,
solteira, Graga; ttano.
Maria, 1 aono, Boa Viata, tubercuioae pulmo-
nar.
zem nos o seguinte : ,..,,
Esta localidade mantm constantes transac- "|----- 1000*000
{>es com o commercio dessa capital, Alagoas e'de 189 com o pita leJfcouwww
COBHBWICADOS
Malhaado
A Provincia de domingo aproveitoa algans t-
picos do nosso artigo de sabbado com relagio a
passagem por este porto do Teen te coronel
Tbaumaturgo, e tirou concluroes, 00 antes, 1a-
terpretou da melhor forma os referidos t:p:cos,
dando a entender que o governo ameaga-os...
Diz a Provincia qae daamesga execago fa
apenas um passo.
Mas ende que foi feita ameaga gente da
opposigo ?
O que n-3 dissemos foi que o Exm. Sr. Geee
ral Ourique Jacques, dever por em praticr me-
didas tendentes a tolher qualquer perturbagio da.
ordem per parle da oppcsigo.
N'isto nao ba ama rmeaga, concordarao todos
aquelles qae sabem em qae consistem zsmm-
festaedes da gente da opposigo.
O que n3 queremos que nao succeda o q
snecedeo no dia 21 em que os senhores oppos^
cionistas.a pretexto de sandar o general Cla-
riado, portaram se como verdadeiro3 pertuiba-
dores da paz e da traaquillidade publicas, coa
di cursos vicenlos que t ao surtiram o effeit
desejido em cosequeocia da intervengo fr"
reitosa da aotoridade que soube empregar et
meioa necessarios a burlar os planos dos amo-
tinadcre3 da ordem.
A Provincia tem tauta ccnsciencia doquesa
aa suas mamfestacoes que ella propria diz qoe
es amigos que pretenderem recebar o Dr. 7msib-
turgo devem fazel o em termos-..
Sim, certameate ; isto o que devem faxer ce
amijios da Provincia, porqae isto o que fazea
oa homena de bem, amantes da ordem e da
tranquilidade publicas.
Ainda bem que a Provincia apressa-se em k-
zer esaa recommendaglo aos seus amigos ;
qoe prova que ella temia que o contrario *-
sem elles.
Bem razSo tinbamos, pois, quando pediamev
providencias no sentido de nao se reprodoairsja
as aceas de 21, scenas que nicamente tora*
ensaiadaspetosseohoresda opposiso.iioe^a-
gosto.os, procoram a todo o transe perturbar a
boa marcha dos oegocioa pblicos, impedaos t
engrandecimento de Pernambuco, no que *>-
vam o omor oryotto que votam a este tirria.
Xritm-


-


-
T
i



'.
-J




r
Diario de Pernambuco Ter^a-feira 8 de Margo de 1892
PERNAHBDCO
Relatarlo da Coaipanhla de Seguros JI?.rItI-
mos e Terrestres Indemuisaloi-u, ^pre-
sentado ero euolao dos Accionistas, em
Marco de i.
Srs. Accionistas da Companhia de Seyuros
Indemnisadora
Satisfazendo o que determina o | l.do art. 24 dos
Estatutos desta Companhia, prestamos-vos hoje conta
das operaces realisadas e factos succedidos no anno
que findou em 31 de Dezembro de 1891.
N'esse periodo pagamos diversos sinistros na impor-
tancia de Rs 36:160,5158, fizemos no primeiro semestre
m dividendo de Rs. 12S000 por accao e no segundo que
agora vai ser distribuido outro de' 205000 prefasendo
rs. 82>000 por accao ou 16 /, sobre o capital realisado,
ficando a conta do fundo de reserva representada pela im-
portancia de 100:0008000 e a de lucros e perdas pela
ders. 19:7565742.
Para a demonstrado desta ultima conta, que adiante
varis, e aonde detalhadamente descrevemos todo o movi-
m6nto commercial desta companhia, solicitamos a vossa
attencao.
QUESTAOJ JUDICIAL
Depois de alguns nnos foi definitivamente julgada
qitesto proposta pelos negociantes Borstelmann & C, oc-
casionada pelo incendio havido em 31 de Maio de 1387
nos armazens e prensa, situados no caes do Ramos, facto
de que j nos oceupamos no relatorio desse anno.
Por parte desta companhia foi confiado o patrocinio
d'essa causa ao Exm 8r. Conselheiro Dr. Joaquim Cor?
reia de Araujo, que patenteou e provou em suas juridicas
razies e de um modb irrefragavel a nao responsabilidade
da companhia nesse sinistro.
COMPAMHA DE BOMBAROS
Continua a gosar de merecido renonie na opiniao pu-
blica esta til instituido, que tXo bons servicos tem pres-
tado esta cidade. Mais de urna vez temos dito quo pe-
sado para as tres Companhias de Seguros, que contra-
taran! os servicos de extineco de incendios com o Estado,
o seu custeio e manutengo, o que poder-se-hia evitar, se o
Thesouro do Estado as nao obrigasse constantes desem-
bolsos, provenientes da impontualidade do pagamento das
prestacJes que elle obrigado ; comtudo forcoso con-
fessar que o nosso sacrificio em grande parte compensado
pela certeza que temos de que esta companhia se acha em
perfeita condicao de garantir a fortuna publica e parti-
cular.
Vinte e um casos de incendio se deram no anno pas-
sado,dosquaes s um foi de consequencias desastrosas; re-
ferimo-nos ao do armazem alfandegado sito ra Barao
do Triumpho, e nao obstante s existir nesse armazem ke-
rosene e outras mercadorias inflammaveis, o servico de
extinecao foi feito de tal forma, que nao s conseguio neu-
tralisar o fogo; como ainda salvar mais de nietade das
mercadorias depositadas no referido armazem.
TRANSFERENCIAS DE ACCE3
Durante o anno findo transferram-se 60 accoes, sen-
do de uns para outros accionistas 25 e por morte de outros
35 ; regulando os precos de rs. 3208000 a 330S000 cada,
urna.
CONCLUSAO
Sao estas as informacoes que temos a d..r-vos inhe-
rentes aos negocios desta companhia, que pelo seu estado
actual offerece perfeita garanta dos vossos captaes e aos
co ntractos existentes e pela continuacao deste estado faze-
mos sinceros votos.
Recife, 24 de Fevereiro de 1892.
Joaquim AJvts di Fonseci.
Jos Ferreira Marques.
Corbiniaiu de Aquino Foiisca.
Srs- kccionistasda Companhia de Seguros
Indemnisadora
Dando cumprimento ao que preceituao art. 33 dos Es-
tatutos d'esta companhia, examinamos a sua escripturacao
com relaco aos negocios do anno findo em 31 de Dezoni
bro de 1891, achando-a regularmente feita e os valores e
contas mencionadas nos balancos de perfeito accordo.
E' lisongeiro o seu estado financero, porquanto alm
de estar a conta de fundo de reserva representada em Rs.
100:000^000, temos mais a sobra de Res
1 f>. 356^74 t accumuladana contadelucros suspensos.
Fizeram se 03 dividendos do costmne na razao de
3 3.000 ris, por accao ou 16% ao tumo.
Concluindo, somos de paercer que as contas apresenta-
das deve::i ser approvndns.
Recife, 26 de Fevereiro de 1892.
Francisco Ferreira Baltar.
Aurelio dos Santos Coimbra.
Francisco Jos dos Passos Guimares-
SEGUNDO SEMESTRE
Companhia do Seguro* Martimo* e Terrestre
indemnlMdors em 31 de Dezembro de 1691
ACTIVO
Accionistas .
B ns movis
Caixa ....
Custas judiciaes .
Letras d.-scontadas
Seguidos
London
AccS" s caucionadas
Letras a receber ....
Agencia do Maranhao.
Santa Casa de Misercordia.
Letras hypothecarias
Cauco e
Companhia de Bombeiros .
Thesouro Provincial .
Estampilhas.....
Ap dices Provinciaes .
Apolices Geraes ....
Agencia do Porto Alegre .
Diversas contas ....
Banco Emissor de Pernambuco.
PASSIVO
Capital......
Fimdo de Rezerva
Lucros e Perdas.
Caucao dos Directores.
Commisso da Dreccao .
Garanta......
Companhia Phenix Pernambucana
AccSes em liqnidacao.
Dividendo .
800:0005008
2:9625600
35:99f575
8:96fl>740
23:57X24:3
41:3105788
60 0005000
2:4503000
5:2195146
1:3415190
99:3005000
16:2008(300
5:1135750
6 6665366
6478300
89:0005X0
10.0005000
7175430
13:5665761
5:0001000
1 225:0305807
i.o:o:ox$ooo
100:0005000
19:756^742
60:00(^000
6:6755805
l l:87jJCO0
7:798*570
8:185^780
20:75^5000
1.22550355897
S. E. & O.
Candido A. Fonseca
Guarda Livros.
COMERCIO
Bolsa Commercial de Pernam
bneo
JOTAg5K8 OFFIC1AK8 DA JCXTA DOS COB-
BETORE3
Praja do Recife, 7 de Margo de 1892.
Letras bypot.'.ecarias do Banco de Credl'.o
Real de 00*000 juros de 7 0 o a 104*500.
Cambio sobre Londres 90 o,v 113 d/s por li
do banco.
Na Bolea ven'eram se :
100 Letras byppothecarias.
0 presidente,
Eduardo Dubeux.
O secretario,
Augusto Pinto de Lemo3.
Cambn
PRAfA DO BECIFB
Os bancos abriram a 11 578avancando ao meic
dia at 11 3.4.
Omovimento foi pequeo.
Constou pequeras trnsaecOas em papel parti-
cular a 12.
PBACA DO RIO DE JANEIRO
il 3/i bancario.
cotaces de gneros
ASSCCAB
Para o agricultor
B.tnco por 15 kilos. 6*200 a 6*900
Somenos dem idem. 4*400 a 4*2.0
Miscavado idem dem 3*400 a 3*500
drato secco ao sol idem dem 2*700 a 3*100
Setame idem idem .... 2*000 a 2*400
Usinas idem idem. .... 6*200 a 6*803
Mercado muito animado.
Algodo
Nao nouve negecio.
Borracha
Sota-te nominal a 26*000 por 15 kilos.
Carnauba
Cota-se a 12*000 por 15 k;los.
Carocos de mamona
Cota-se a 1*900 por 15ki!o3.
Coaros
Seceos salgados na base de 15 kilos a 65C ri3.
.'erdes nominal 355 ri3.
Hel
tor pipa de 480 litros 80*000 ha falte no mer-
cado
Alcool
Por pipa de 480 litros de 240*C0O.
Agurdente
Por pipa de 480 litros 150*0)0.
Carocos de algodo
Cota-ae a 600 ris por 15 kiics.
C. de Ma:tos 1-ir.So, 30 3accas com 2,350 kilos
de algodSo e 4,011 kilos de torracba de maga-
beua.
- Xa barca norueguen3e Fortuna, para New
Yjik. carregaram
i Cal (litro) .
i CarTo de Cardiff
Farinea de mandioca (lito)
! Ser-abra (litro)
IGraxa (boj
Julio k Irmao, 182 saceos com 3.6S0 kilos de' Jaborandj (em toma) kilo
TABELLA DAS ESTRADAS DE ASSDCAS B AL
GODlo
Hez de Marjo____ ____
Entradas
arcacas .
Vapores......
Anima/?.....
Estrada de Ferro Central
lera de S. Francisco .
dem do Limoeiro. .
ama.....
Das
a 5
Assu-
car
Saceos
5923
2128
2143
808
11002
AlflO-
dao
Saccas
404
assucc.- mascavado.
tara o mterr
No vapor francez V. de Baenos-Aycs, para
Rio de Janeiro, carregaram :
B. Williams i C, 500 saccas com 35,45/kilos
ce algodSo.
Q F. Porto Baltar, 10 pipis com 4,610 iitro3 de
alcool.
S. Guioaaries 4 C, 50 pipas com 23,003 litros
de agurdente.
No vapor nacioaal Jaboatao, para Rio de
Janeiro, carregram:
A. Ramos, i barrica com 105 k;l03 de asssucar
branec.
Pdra Saatos, carregaram :
E. C. Beitro Irmao, 300 saceos com IS.000
kilos de assucar masca va do
P. Pinto & C, 300 barris com 27,0(0 H'fja de
agurdente.
Aiorim Irmaos & C, 10 pipas com 4.700 li
tros de agurdente.
No vapor nacional Cometa, para ?iio de Ja
neiro. carregaram :
i. Baltar & C, 50 pipas com 24.CO0 litros de
agurdente.
No vapor nacional Rose Louvendes, para
Santos, carregaram :
J. Baltar & C, 2.150 saceos com 129,000 ki.os
de assucar branca e 55 pipas com 36.400 litros
de agurdente, 2,750 saceos com 165,000 kiios
de assucar mascavado.
No vapor arce.icano Vigilancia, para Rio de
Janeiro, carregou :
J. de S Leito, 500 sacco3 com 5,200 kilos
de carogos de algodio.
No vapor francez Colombia, para 3io do
Janei-o, carregaram:
S. Guimarass 4 C, 155 pipas com 71,303 li-
tros de agurdente.
No vapor nacional Armmda, para Santos,
carregaram :
S. Guimare; < C, 20 pipas com 9,200 litros
de alcool.
Na vapor nacional Aligos, para o Para,
carreggaram :
P. Caraeiro 4 C, 1,300 bar:ica3 com 82.1C0
kilos de assucar branco.
No lugar norueguense DAau, para Plata3,
carregaram :
P. Carneiro 4 C, 100 barricas com 10,710 kilos
de assucar branco.
No biate nacional Correio de Miedo, para
Maco, carregaram :
M. Viegaa 4 C, 22 caixas com 154 litros de
genebra.
Ni bareaca Feliz Siciedade, para Maman
guape, carregou :
M. Soares, 8 barricas com 480 kilos de assucar
retinado.
No cu'.er Bogerio, para Macabyba, carre-
gou :
J. T. Pinto Lapa, 2 caixas com 50 kilos de
doce e 34 ditas com 272 .Uros de genebra.
Para o Natal, carregaram :
A. O. SimOes 4 C, 3 caixas e 3 garra.-s com
72 litros de genebra.
J. T. Pinto Lapa, 6 caixas com 48 lros de te
nebra.
. 10
(ton.) .... 30*000
. 2
. 540
. 633
. IO
. 14C6
. 131
. cO
Ltite de mangabeira (kilo) .
Hc-1 Oitroi........
tilho (kilo.......
Paospcato de ca d* lina Rata (tone
ada).........IWOfO
Pelle de cabra (cento).....187*000
PUe de carneiro (cesto) .... 145*000
Sement de carnauba (arrota) 53
oia (mel)....... 3/850
Sement de carrapateira (kilo) l!6
Sebo.......... 683
Tataiuba (kilo)...... 40
rabvtas de amarelio ei r-anctOei
(cazn)........ 100*
Rendlmentos pblicos
IOS DB XAI:) 01 18(2
AlfarUtga
RtsBOS gen!
Do ca 1 a 5
dem de 7
15} 163*788
29.970*340
Renda do Estado.
Do dia 1 a 5
ices de 7
182:i34*l*S
01:168*127
6:748*554
53016/681
Somma total
240:15'.'809
Segunda seegSo daAlandega dePernamCucc,
7 de Marc de 1892.
O tbesoureiro,
Florencio Dominguea,
O ciefe da seccac.
Feliciano Placido Pontual.
tf cebcdorla do Estado de
Pernambuco
Do da 1 a 5 6.944*133
!4cn de 7 6:294*771
13:23*204
Do oia 1 a 5
dem da 7
R<-Ste K>raJGag:c
11:296.095
3:72500
lo:02f595
PanAa da Alfaadega
. itim di 7 a 12 de MAfigo di 1892
Alcool filtre .....
Ugodao em rafea ikilcrt .
Arroz com casca c: o) .
(\83uear imanado (kMo ,
'.ssucar branco (kils) .
Assucar iiascavado iip) ,
1070! Bagas de mamonaa (kilo) .
156 Borracba de leie maagab. (kilo)
(Cachaca........
582 Souroa seceos e3picbados (k
------! Conro3 seceos salgados (kilo) .
280o "ouros verdes (kilo) ....
Conrinbot- (um)......
Carocos de algodo (kilo) .
Carrapate ra (kilo) ....
Cacao Otile-)......
Caf bom (kilo).....
iJaf restolho (kiio) .
reglr;m!aPOrngIei^paraLiver^,-car- a&3$t&ll..' >'
ti Cira
ExportaeSn
4 o JC.ago d 18S2
Para o extencr
A,^*fe j^rj^a^-^T^ ri :
460
520
90
470
404
195
126
1*666
270
654
594
320
1*870
41
133
400
1*200
1*000
1*300
1*666
640
633
280
ovinicao do porto
NaoLs entrados no dia 6
B.rJeaux e escala15 dia-, vaporfrancez O.e-
noque de 2,74o toneladas, commandan:e
Bretel, eqoipagem 121, carga varios gneros,
a II. Bu.- e 4 C.
Santos25 ciias, brigu-. aadooal Prazeres ,
de 223 toneladas, capilo Francisco Rodrigues,
equlpagem 8, em lastro
Rio Grande do Njrte3 das, hiate nacional
Bom Jess > de 95 toneladas, mestre Manoel
Francisco de Mello, equipagem 6, carga varios
gneros, a Manoel Joaquim Pessoj.
Navio sahido no mesmo dia
Buenos-Ay.vs e escalaVapor francez Oreno
que comracndan'.e Bretel, carga varios g-
neros.
Navios entrados no dia 7
Liverpool e escala-15 das, vapor ioglex Po-
tos de 2,515 toneladas, commandante II. W.
Hayer, equipagem 99, carga varios gneros, a
Wions 4 C
Terra Nova35 dias, lugar oglez Florence ,
de 212 toneladas, capltb Samuel Fe:y, equi-
pagem 9, carga Bacalbo, a Bl.ukburn Need
bam 4 C-
Antuerpia~53 dias. barca noroeguense Zau-
rak de 596 toneladas, capito A. Mtbleseen,
equlpagem 12, carca trilbos de ferro, estra-
da de ferro Central de Pernambuco.
Atuerpia54 dias, barca norueguense tSpes.
de 427 toneladas, capito T. Gundersem, equi-
pagem 10, carga trilbos e cimento, estrada
de ferro Sul de Pernambuco.
Cear -3 dias, cruzador de guerra nacional Li-
berdada commandante p tetunte Verissimo
de Mattoa, carga manicSo de guerra.
Navios sahidos no mesmo dia
Valaaraiso e escala Vapor lnglez Potos
BrazlUan
mjted
Oapital do Banco
t Pago
Fundo de reserva


Bank i/.-
1,500:000
Ib :000
450:00
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PEBSAM-
BUCO, EM 2f DE FSVEBEIKO DK 1892
^ciuo
Letras descontadas
e>vas a receber
BmpreatUKM, contas correntes e
orit
iaia pe centas correntes e
iveraoa fslezw 657:942*060
feosm znceoa octrent 1,107:082*900
Rimeiro pareo-ConsoIaca:SC I me- Off.recida ao cidado Francisco Jos Fer-
reir Bastos em vista de ter realisado
sea importante acto.
211:975*940
1,454:934*060
4,839:749*250
8.27i:68i*lO
fassno
Depositoa :
Em conta corrente 2.20:9J:*650
Fixo e por aviso 2,132:943*310 4,373:882-960
Garantas por contas correntea o
diversos valorea
Diversas coutaa
Letras a pagar
2,045:627^800
1,839:280*870
12:89io80
8,271:684*210
S. E. 4 O.
Pernambuco, 7 de Ma-ja de 1892.
A. W. Saunders
A:tin2Maaager.
Rob I King.
Ac3g Aceouatant.
SPORT
Prado Pernambucano
O prado da Estancia den no domingo a
4a corrida da sua a:tual estt-$So.
A reuniSo esteve aprasivel.
O dia apesar de carregad) de chUVa,
que dartmte a noile fntoedent cahira
fcbundmte, irfljio um poaco na concur-
rencia, que nao foi com effeito a qie era
de esperar. Mas c5o foi isso bastante
para quebrar a ani uagS? que reinou e
caja intensidade suprio a deficiencia nu-
mrica da concurrencia.
Tudo correu com & rcgularilade pos-
sivel das festas bippi as.
E si ato satisfactorio, dizer que todos
ficaram satisfeitos nSo de izar de ser
urna hyperbole ou um eupbemismo etej-
bridor das impressSes reaes.
Quem acrtou por certo que satisfez se,
ms quem nao "cnegou a esse capitolio,
nSo pode ter experimentado igual seisa-
cSo.
E' o facto, Gcontest&vel, mas nSo irre-
paravel.
E' a feieSo do mundo, que se mira
todo o daquando cm ri, oatro chora.
Um consolo:
Ahi vem o domingo, e com elle o Hip-
podromo psra alegrar os tristes de boj?,
que eerao os contentes de amauhS.
Bemaventurado os que choram, que
serSo consolados !
Por impossibilidada merial da tempo,
que como velho i'riorecto recolheu-se logj
ao quarto de dormir, dos 7 pareos do
programla e poderam eer realisados os
5 primeiros, cajos movimento e resultado
paseamos a historiar.
1/
2.:
3.
pri-
Pa-
cemmandnte H W. H-y^r, carga varios ge-
nero?.
San tos e escala -Vaporr francez V.lle de Bue
cos-Ayres commandante A. Tnomaz, carga
varios geeerno;.
SaatosVapor nacional JaboatSo coxman
dante Joa: da Silva Pereira, cirira varios ge
eros.
fltrcaJo Municipal de ose
O x'.T.aunto deste marcado so dia 5 u
Marco foi o seguime : Entraram :
39 bo;s pesando 4 950 kilM.
357 k'los de peixe a 20 ris 7*140
7 compartimentos com mariscos a
100 rs. 700
2 ditos de camarSes a 3 V) rs. 4600
82 cargas cera farioha a 100 rs. 16HO?
8 citas de fructS diversas a 300 rs. 2i0.
2 cargas com galf.nhasa 500 rs. l (0
2 cassus com gainhrs a 300 rs. 600
31 columnas a 600 rs. 18/601
35 loga-es a 200 re. 7000
14 sulDOS a 200 rs. (caDeta; 2/8 0
72 compartimentos com 'anana a 4X1 28*803
34 ditos de comidas a 7J0 ra. 23J8"0
46 ditos com rateadas etc. 600 rs. 276J0
tros Animaes de Pernambuco que nao
tonham ganbo nos prado3 do Recife pu-
dendo entrar pequiras at lm.28. Pro
mioB : 203^000 ao primeiro, 40JL0D ao
segundo e 20fJO0O ao terceiro,
Rio grande, corrido por A. de Frei-
tas, 61 k's.,
Palafrem, idem po- Luiz L?t es^ 51
kls.,
Limeira, idem por Pedro de Souza,
51 k!s.,
Tempo: 5S"
Rafeio das poulas : Rio grande em
meiro 1354G0 e em segundo 9J5C0 ;
lafrem em segundo 42^400.
Movimeno das poules : Veuderam se
645, em primeiro 342 e cm tegondo 3'J3.
na imponancia de 3:2255CCO.

Segundo pareoPrado Pern&mbucano
1 000 mitres. Animaes de Pertambu-
00 que nao tenham ganho em maior dis-
tancia nes prados do Recife e eguas de
Pe;nambuco. Premios : 2CO5000 ao pri-
meiro, 4C'j$003 ao segundo e 2000J ao
terceiro.
Gllete, coiriJo por A. Meira, 55
1 k!s.,
Dspota, idem por Pedro Figaeredo,
57 k!s.,
Bcrlim, idem por Jo: Claree lino, 57
k3 ,
Tempo : 75 12
Eateio dao poules : Gllete cm primei-
ro 26/7CO e em segundo 7600 ; Dspo-
ta em segundo 55700.
Movimento da3 poules: Venderm-3e
379, em primeiro 225 a em segando 154,
na importancia de 1:895OCO.
I.8
2.
3."
60?
1."
2:
3.-
4' ditos ecm verduras a 3oO r3.
8 ditos de soineirM a !
9 ditos de a 7i0 rs.
6 (\t03 de fressaraa 03 rs.
tainos a 2/500
41 ditos a 25
Rendimentcs de 1 a 4
14100
8000
63C
3/600
8000
Terceiro pareoPrado da Estancia
1350 metros. Animaes naeionaes at
meip. Premios : 3005 ao primairo,
ao segundo e .CJ so terceiro.
Siroco, corrido por Baibino Moreira,
56 k!s..
Torpedo, idem por Gustavo, 56 k's,,
Atilla, dem por Joo Campos, 56
Km
Tempo : 9C"
Rateio d3 poules : Siroco em primeiro
830O e em seguido 6$00. ; Topedo em
segundo G$600.
Movimento da3 pou'es : Vendera^-se
S2G, eai primeiro 531 e em segundo 95,
na importancia de 4:1305O00.
*
4 pareoAnimaj-io 1.050 metros.
Animaes de Pernambuo. Premios : 2505
ao primeiro, 505 ao segando e 25$ ao ter-
ceiro.
Maranguape, corrido ror Bal-
bino Moreira, 55 kilos 1.
Talispher, idem por A Meira
55 kiloB 2.
Pvrilampo, idem por Manoel
Archanjo, 55 kiioB 3.
tempo : 76 1|2''
Rateio d, pou!e3 : Maranguape em
primeiro 8,100 e em segundo 65030 ;
Taspber em segando "5700.
Movimecto das poules : Veaderam-se
863, em p*moiro 499 e em segundo 354,
na importancia de 4:31550C0.

5." pareoSupplementar 1.000 me
tros. Animi.es de Pernambuco que n3o te-
nham ganbo em maior distancia no Prado
e Derby. Premios : 2005 ao primeiro,
40$ ao segundo e 201 ao terceiro.
Despota, corrido por Pedro Fi
gueiredo, 57 kiios 1.
Tudo-, ioem por Keliy, 51
kilos 2.
Galn, idem por JcSc Cam-
pos, 54 kilos 3.
Tempo 74"
Rateio da3 poules : Despota em pri-
meiro 95900 e em segundo 6f 500, Tudo-
em segundo 105500.
Movimento das paules : Venderam-se
727, em primeiro 406 e em segundo 321,
na importancia de 3:6355000.
Foi um dia de glorias e de prazeres
Suas faces coiavam de alegra
O seu peito gelado de amores
O branco veo de fLres que penda.
E alegres,-satisfeitos os abracavam
Que cucapriram igualmente o seu dever
Procarou a verdadeira companhia
Jurando ser fiel at morrer.
S3o os dias fezes que bao na vida,
O cco mr.is brilhaote que seria
Fes prevar o seu amor temo e puro
Foi honrar os lacct que o prenda.
Afogados, 8 de Margo de 1892.
Mariano Ferreira de Amida.
A/s victimas das febres
O elixir anf 1-febrll Cardoso, appro-
ado em 21 de Marco deste anno pela inspecto-
ra geral da junta de hygie^edo Rio de Janeiro,
vem toje apresentar-se humanidae soffredo-
a do mundo itieiro, como taboc c!e sal vaco qus
o infcz naufrago lbe enviaa po: mo oran -
lotate.
O elxir &i?5-fefcrll Curtase tpplica-
io em muih2fiEC3 ca'os de febres, teai cj?i
:oc railagre, levantado .[y lec da dor acoaiple-
cubados.
Este raiedio, cornposto amente de vegetae?.
Bteiramente noffenoiro, alada mesmo iz:.~.t
sa e ttEra crianga.
As senboraa, no estado de pandas, ou ao pe-
nodo de incoriuodoi: nalaraes, podem asar em
u.~e;o algoffi.
Este elixir j bem cecbeciio'dc algn: Srs.
qualqeer quadade.
Hodo de usar
A'; criaaeas at era aaao 3 gottas ie icaS
icraa sa: urna coiber das de sipa cheia d'agua
,'c.
De un anno a tres 12 gottas; de tres a ez 20
as; de dez asnos em diante 30 gottas.
Os Srs. clnicos podera augmentar ou diminair
t'. 50 gotUM por ose.
Rscife :
. anhia de Drogas e Productos Cuimicos.
Santo Antonio :
Nacional Far^acia, rea Larra do Rcsario
3. ,.
Fnarmacia Cnentai, ra Estreita o Rosariu
1. 3.
Pnarmacia Alfredo Ferreira, ra do Bario aa
>'i?:oria a. 14.
Pnarmacia Marti is, ra Duque d Casias :.
15
. Venia: em eros30 e a rela'.So.
DEPOSITO GERAL
M' Estreita do Rosario n. 17
peb vanreo
N. 151
C:dado Manoel (lardoso Jnior. Presente.
Participo vos qua tenlo. adoe:iio urna lhinba
mmba de tdade de 5 anos de febre palustre,
tive de lactir durante un mez com remedios re-
ceitados por um Ilustre facultativo deU ciiaie
sem tirar resaltado algum. lembrei-me depois,
de applicar o vosso anti-febril o que fiz; ficando
e la completamente curada dous dias depois da
appllcacao do vosso remedio ; sendo esta a ver-
Jai'-' potis fazer o uso que vos aprouver desta
minea de:laracao a bem da bamccilade.
De V. venerador e c iado,
Hermillo Freir.
Recife18-8-90.
Estavam selladas e reconbecidas as firma?.
N. 152
Recife, 23 de Janeiro de 1889.
Lira. Sr. Manosl Cardo;o Junio-. Presente.
Presadissimo Sr.Sendo eu accommetlido de
urna graade febrequeattingia a quarentae rxeio
graos, um amigo lembrou-me o Elixir Cardoso.
T. mei urnas tres doze3 e nao se fez esperar o
resellado, que em dois dias quei coapletamea-
e bom sem mais nada soff-er de tal molestia.
Felic'o a V. S. pelos prodigios do E:xir Car-
ees; as vantagens que elle offirece, s as p?s
soas q:c o uzarem o podem avallar.
Crea na miaba sincera gratido e me subscre-
vo com estima e consideracao
Dj V. S.
Venerador e criado,
Joao Pereira Benjamia.
251/440
967/320
1.218*760
Preces do dia
Carne verde de 36) a 640 tu 0 kilo.
Sainos de 640 a 800 ris i den
Carneiro de 640 a 803 ris idea I I
Parinha de 363 a 480 ris a ccil
iliode 300 a 320 ris idem
l'e-'iao de U2C0 a 1 600 idem.
VRporss a earsr
Mez de Margo
Norte........ Vigilancia......... 8
Norte........ Maranhao......... 9
Sul.......... Alagos........... 10
Norte........ S. Francisco....... 10
Sul.......... Rio Formoso....... 11
Europa ,...... Tagus............ 13
Europa..... Ediclor ..:........ 15
Sul.......... La Plata.......... 15
Eu-o?a...... Uruguay......... 16
Hu!.......... Jacuhype.......... 18
Europa ... Colombia.......... 21
CircuiacSo 3440 poules, apurando a ca3a
das apostas cm seu movimento geral a
quantia de 17:200)5000.
HJppodromo do Campo Graade
Encerrase hoje a inscripcSo da 16.a
corrida desse prado, e cuja realisaySo ter
log-'.r no dominge prximo.
Sl.......... Una.....
Sul.......... Goyaii'ia.
Europa....... Cy Sul.......... Beberibe.
23
24
24
29
Vapores a sabir
Ma de Morc
Sul......... Vigilancia......... 9 as
Sul......... tSa vnhao........ 9 a?
Sul......... Ediclor........... 10 ; s
Norte....... Alagos.......... Has
Sul......... Tugu*........... 13 as
Eurcpa...... La Plata.......... 15 as
Sul......... Urugwis .... ___ 17 ;
Sul......... CJy INBEKNISA1IOEA
Companhia de Seguros
2 b
5 li
4 li
3 t -.
2 b.
2 b
2b
2 b.
Miguel Jos Alves
i
N. YBu do Bom Jiiut-n. *
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Neses ltimos seguios a unlcr companlu
.esta praca que concede aos Srs. segaades semp
;ao de pagamento de premio em cada sctuc
ano, o que equivale ao descont annual de cer
a de ipor cento em favor dos segurado?
"SEGUROS--
MABITIIOS CONTBA FOti
coupanhla PhenJx Per-
nambncans
RA DO C0MMBRC10 N.46
PLBLICACOES A PEDIDO
O commandante da brisada e a mu
sica do corpa policial de Pernam
buco
I
A proposito de um os arligos da ordem do
dia do Sr. coronel C;sta, commandante da.....
brigada policial, de stbbado, 6 do corrente, no
qual exige do tcente coronel Pereira Lima que
Ibe informe a razSo por que deixou de locar o
recolber na noite antecedente portada residen
cia daquelle commando, suggerio nos a da de
escrevermos aigons artigos sobre o estado da
msica do corpo policial, dos quaes fique clara
e evidentemente demonstrado que o Sr. coronel
Costa, api-zar do er hoje o commandante di bri
gada, nao devia, por urna falta to simples, a
qual negamos, como mais tarde demonstraremos,
pedir ioformacOes ao commandante d'um corpo,
que nao soliciten o cargo que Ibe foi confisco
cela Ilustre e patritica junta governativa deste
Estado, e que de tanta ccnlianga como c que
exercido por S. S.
Previamca qna a criacao da brigada prtteiul
sena nm eu'.orpeeimento para a boa disciplina,
erdem, moraudsde e organisacao do corpo poii
cial confiado ao reconbecido zelo e actividtde
do incaosavel teocnte-coror.el Pereira Lima; e
agora com 03 factos iremos demonstrando nos
subsequentes artigos a m-ocvenienc:a dtsn
commando.
Com relac&o msica do corpa policial, tesos
de trilar de sua organisaco, administrafiio e
economa. Para is*o precisamos que o Sr. coro
nel Costa nos informe, com quanto de seus pin
gues vencircentos como comraandn.3 da tal Orl-
gaia concorre e seu estado maior para pagamen-
to do pessoa!, compra de fardameatos, coacer-
tos e compra do instrumental da banda do cor-
po polica1, como faz?m aquelle commandante e
seu cfficiaea, e qual o saldo existente na caixa
poroocasifo de pas.-ar a fazer prte do corpo
policial a banda da guarda leeal eolao sob o seu
commanqp.
Por boje basta, cumprindo nos pedir tao as-
aos diletantes Jo recolber do Sr. comman-
.!anle da brigada, consntara que os artistas mu
sicoa da banda do corpo policial loqueiii "a fes
ta o Caxaac, para o que esli contractsos,
visto como dessa e e outras funccO.'s qoe ti-
ram ellcs o meio de sutsisteneia para si e suas
familias.
Um amigo.
Hel ne Gach t
Une amie de l'Ecole Syign, Sevrea,
dsire savoir son adresse. Ecrira a M.
L. S. B. 137, raa da Ponte Velfaa.
Qaando o rosto pallido, quando as
forjas e o appetite diminuem sem cauta
apparente/qualqusr pessoa, sem ser me-
dico, pode descobrr a origem de sua mo-
lestia ; quasi seapre a anemia ou em-
pobrecimento do saogue que a causa.
Na mulher e na moja, a flaccidea das car-
nes, cures paludas, dores de estomago :
na creanca a vermelfaidSo das palpebras
e da pelle sao um indicio desta moles-
tia.
O que preciso para deter os estragos
desta affeccSo, que .pode causar as maiores
desordens ? Nada mais do que um poueo
de ferro que falta ao sangue ; mas pre-
ciso que este ferro seja capaz de pene-
trar na circulacSo e se combine com
sangue para regenralo ; debaixo deste
poeto de vista, nao conheeemos preparado
que possa, como o Ferro
ras, operar em algumas
deiras resnrreijSes.
s-.luval de Le-
semanas verda-
O Xerope de Regnauld urna prepa-
racJo de gosto suave e da urna effizacia
patente contra &s molestias dos broacbios
e do peito.
S3us principios activos b2o tirados d&3
plantas medicinaes que tem propriedades
para aliviar e curar a tosse.
Bastara rluas a tres colhea do Xaropj
de Regnauld para calmar a toss; do irri-
tacto, dss constipaoSas, do dtfl.ixo epid-
mico, do catarrho, da bronchite, da as-
thma, eti., sem occsionar perda do ap-
petite. Prepara-se este producto em
ef.sa de L. Frere, ra Jacob, n. 19; em
Paria A. Cbampigny e C, successores.
A' venda em todas ts pharmacias de 1*
ordem. Com urna icstruccao sobre o
medicamento*
Regalador da Marioha
Concerti se reiogios de algibeira, pn-
dulas do torre de greja chrononetros de
marinha, caixas de msica, cpparelhos
elctricos, oculo3, binculos, oculos de al-
cance, joias e todo qualquer, objecto ten-
dentes a arta mechanica.
9Ra Larga do Rosario9
Dentaduras artificiaes
Sob pressSo elstica, e pressSo pneu-
a-jtic sysemas novissimos neste Estado
pelo oirurgiJo dentista Numa Pompilie,
i ra do BarSo da Vietoria n. 54 1 an*
:.iadas 8 horas da manhS a 4 da Urde
i
\

-
t
: I

*


t
\
VMkKatat

.

SSSHP


r-^^^BBBBBa
Diario de Pernambuco Terya-feira 8 de Margo de 1892
a
}
!
\
Suave e efficaz
Resouheoido como um remedio efficaz
>- sem rival o Peitoral de Cambar apre-
snta a grande var.t3g m da sua auavida-
de, o que o torna fcilmente i ssimilavel
aos paladares delicados, como os de ec-
nhoras, oriansaa e outras pessoae.
Eis como o Sr. Dr. Craz Cordciro, cca-
ceitaado clnico Parahybano recommenda
as suas virtudes :
Attesto que o Peitoral de Cambar,
p.eparado pelo Sr. J. Alvares de Souza,
um encllente balsmico, e como tal o
tacho empregado ncs doentes de bronch-
c ffeajCes paimonares com grande
tacto mais por ser uia expecto-
te efficaz. O que firmo em f de
sea grao.
Capital do Estado da Parahyba, 10 de
Maio de iS91.Dr. Antonio da Cruz
debo.
(A rma est reconhecida).
' uoico agente e depositario do Peito-
de Cambar em Percambcco a Com-
cha da Drogas e Productos Chimicos,
i b Herona de (Miada n. 23.
0 Dr- Barros larneiro e a fa-
brica a vapor Minua Espe-
raDca.
O Dr. Manoel Cieinentiao ce Barros Car
j, formado em Bcia&eat medicas e
cirurgicas pa faculiads do Rio de Ja-
;i"0, medico adjuncto da canica do
hoapi;al de Saeta gaeda etc.
Af.esto q'!o tenho feito uso dos cigsr-
roi denominadosMinki Ec-perancae
hem sssim do fumo Hygienico Nacional
da fabrica io Sr. Antonio Francisco da
Cruz, re:orhecendo ptla acalyss chimica
a que preced, que o referido fumo e
o garres nao eccerram principio alum no-
civo as funegoes gstricas, sendo perfeita-
msete toleraveis aos dyspepticos.
In fide medici.
Recite, 12 de Fevereiro de 1892.
Dr. Barros Carneiro.
ihj30 medicamento, veriadoiro
dor da vida c eaie, qualquer pessoa que
o use, deve ter perfeita e confianza,
niesmo nos indicios os mais pronunciados
da molestia.
Como garanta contra as LilsificacBcs,
observe-63 bem que 03 comes de Lanmac
& Kemp venham estampados em lettra3
transparentes no papel do livrinho que
serve de envoltorio o cada garrafa. Acba-
se & venda em todas as boticas e drogaras.
449
Eseriptorio commer-
cial
Os abaixo assignados tem estabelecido
nesta anee um eseriptorio com a deno-
minadlo cima, a raa Duque de Casias
n. 72, 1. anda-, com o tim de encarre-
gur-so do qualquer trabalho ca eaoripta-
racSo do casas commerciae3 por partidas
dobradas, simples ou mistas, podecdo as
escripias serem feitas no e3criptorio ou
no proprio est-.b^lecimento.
PropSem'.se a fazer liquidareis fra da
cidade, aceitam consigaaso'.is, eaoarre-
gam se de promover a venda de productos
nacioaaea, aceitando correspondencias do3
senhori-d de engenhos, fazendo adlanta-
meiitos. Encarr-gam se tambem, median-
te procuraco, de receber honorarios dos
Srs. fuecciorarios pblicos, assim como
alague'b de ea?a, mediante moiiea om-
mi&sao.
Os trabalhos de e3cripta e os contractos
nulo feito. em salaa eapeciaes, para este
fila, sendo qne na primeira s terao in
gresBO es empregados e na segunda os
contratantes, gaardando-se todo o sgilo,
quanto s transacgSes effectuadts.
Venancio Labatut & 0.
Atlvogaqo
Dr Edaardo Correia da Slh
eseriptorio raa
15 de Novembro n. 77
soffre
Deas
restaura-1 carem esto, a bem da human.dade
dora. Ao mesmo tempo, pego a
pela saude, prosperidade e felicdade do
autor de to graado e prodigioso remedio,
o Sr. Jos Alvares do Souza Sonres.
Joao Jos Zibendo.
(A firma est recochecida).
Cabo
0 Dr.-Jji^aiajFiippa fixou :
nesia ciade e ta consultas
Daarte.
Prea-se cnamados a qu-quer
ua residencia
2 pnarma:ia
bora.
Consultorio
ico
O Dr. Manoel Argollo com pratica nos
hoBpitaes de Pariz e Berm, tem seu con-
sultorio na ra do BarSo da Victoria c. 1.
Especialidades. Molestias dos appare
ihos respiratorios, circulatorio e digestivo
Consultas das 12 a 3 da tarde.
Chamados eseriptorio.
Telephon n. e658.
CansnltorJo Medico ocnli s a
O Dr. Berardo communic. aos sues
clientes, que mudou o seu consultorio do
predio n. 26 da ra do Bom Jess para o
de s. 9 da mesma raa onde continua a dar
c asaltas de 1 hora as 3 da tarde.
ResidenciaMagdalena.
Telephoce n. 366.
\\
Dr. Freitas Gnimares
Participa a seua amigos e clientes que
madeu o seu consultorio da ra Duque
de Casias n. 55 para a mesma ra c. 61,
1. andar, onde contina a dar consultas
de 11 a 1 hora da tarde, e reside no Ca-
juero n. 4.
jjTelephone n. 292.
Priso ne?entre,P Lazativa Vichy
Sem allivio !
Recochecida como medicamento sobe
rano para as molestias das vias respirato-
ria, o Peitoral de Cambar mais e mais
ae impSe confianza publica, medida
que sovob triumphos vea robastescer os
seus crditos, largamente provados desde
1874.
Mais um testemunho da sua efficsca
apresenta-se hoje e firma-o am Ilustre
titular brazileiro proprieterio da Fazenda
de Mat o Dentro, em Micas Geraes.
Eis o importaote documento :
Illm. Sr. J. Alvares de Souza Soa-
res.Atacado de ama forte rouqnidao, e
aem ter allivio com o uso de muitos me
dcamentos receitados, esperimntei o seu
sarape Peitoral de Cambar, e em pou
co3 dias a molestia cedeu completamente.
Depois deste facto tenho aconselhando a
diversas pessoas o seu remedio e todas
tm logrado os melheres resultados. Quci-
ra, pois, receber michas felicita55es. Ba-
rSo de Avellar Rezende.
( Afirma est recochecida).
Vuitas vena til associar o creosote de al-
catrao de faia ao oleo de figado de bacalhao no
tratamento das affecoSes da larynge, dos bron-
chios, dos pulmSes, e principalmente as bron-
ehitei chronicaseiioscatarrhos.EstaassociafSo
apresenta graudes vantagens, niesmo na ausen-
cia de doenra e quando se faz uso sontente com o
fim de forti'icar um peito fraco ou um tempera-
n. en ti i dbil.
Estes dois medicamentos encontram-se reuni-
dos no oleo creosotado de Berth e as Capsulas
de Berth creosotadas, onde o creosote de alca-
lio de figado de bacalhao particularmente recom-
mcnJavel visto ser obtido por procseos que
tSo os nicos que tm merecido a approvacfio
da Academia de Medicina de Pariz.
Fabrica: Casa L. Frere, A. Champioxt e O,
eccm, ra Jacob, 19, Pariz.
Mathematicas E1 e-
mentares e Escrip-
tura^o Mercantil.
Venancio Labatut dedca-sa a preparar
qualquer pessoa em escriptura2o mer-
cantil com 39 a 35 lic,5es, conforme con-
tracto, contina a leciocar as materias
cima roa Duque de Casias n. 72,
1. andar.
Elixir depura-
tivo vegetal
Formuli de Angelioo Jo?e
dos Santos Aadrade
Approvado pela Inspectora Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho do 1887.
Este depurativo de graude eflica;ia as mo-
lestias sypbilicas e impureza do .-angae; assim
como em todas as molestias" das senboras.
Tem curado radicalmente muitaa pessoas ae-
commettitas da terrivel molestia beriberi.
Rheumatismo sypbilltlco ou gotozo, ddr scia-
tica, erupgOes de pile, cancros, e cancros ve-
nreos, flores brancas, bysterismo, frouxido de
ervos, irites e outras inflammaciea dos olhos,
molest.as d igido, escronbulas, escorbuto,
soffriment.s do estomago, ulcera?, goramas, fls
tolas, emp ogens, darbros, pannos e manchas
da peHe, bobas e bobs, sarnas, catarro e
quaeequer molestias da bexiga, entre outra&.
albuminuria, ouriria3 doces e sanguinolentas,
anemia, paralysia, erysipelas, e inflammacCs
das pernas e ps, bemorrboidas, astbma, bydro-
celles, tumores, nevralgias, e elepbantlazes ou
morpba, as irregirlaridades da rapnatruajao
Prova-se com aquello numero de atiesados j
publicados e os que existem em nasso pqder a
eflicacia deste eLxir as molestias indicadas.
Naciona Pharmacia
35, Raa litrga do Rosarlo, 35
A' ra Barao da Victoria n. 37 se dar toda e
qualjuer explicacio que for preciso acerca desta
preparado.
Cuidado com as alsiflcaccs
Modo de usar
Os adultos tomarao quaro colberes das de
sopa pela macha e quatro a ncr.e.
As crianca de 1 a 4 annos tomarao urna co-
Iber pela manb e outra S noite, e a9 de S a 11
nnos tomarao duas colberes pela manha e duas
a noite.
Deverao tomar banhos fras ou moroo3 pe'i
tnanba e noite.
Resguardo regular.
EDITAES
ADV0GAD0
!
O juiz de direito Fracceco Xa-
Ivier Paee Barretto advoga cas co
!> marcas de Iguarass, Goyanna
Itamb, S- Louren9o da Mstta e
Nazareth.
Residencia :
O juiz de direito Joao Baptista Gitira
r. Costa cr.csrrega se de contr^hir em-
itimos com o Bacc3 Erniiscr de Per-
..^uco, sob hypotheca e pechor de sa-
- ., p-.r.'. os agrie altores e commerciantes
ideatea neate Eotado e os da Parbyba;
Grande do Norte e Oear, mediante
.!ca ratribic^f.o ; a83ini como encarre-
le do HquidayoeB amigaveia, em qa:l-
t das comarcas dos lefaridos Estados,
te ser procurado em sea eseriptorio
I, H ..-u i i, an'.iga da
Cadeia,B. 1, 1.' .ndar, das 11 hor;.s
. tarde, e a outra qnafqaer hora, em
jideucia, r.:a Bir?.o de S. Borja
a 60.
gnansM
Quanlos doentes assim!
Postura
O Cocselho da Intendencia Municipal
do Recife, usando da attrbuic3o que lhe
confere a portara do '9overeado- do Ee
tado, de 27 de Dezembro de 1889 7.
art. 2o resolve :
Artigo nico.A venda de plvora ou
yeamite dentro da cidade, prohibida pelo
art. 129 da le a. 1.129 de 26 de Junho
de 1863, fca sujeita a multa de 100^000
pela primeira infraegao e ao duplo em
cada recidencia, sendo nesta parte s
mente revogado o referido art. 129.
Sala das sessSes do Conselho da Inten-
dencia Municipal do Recife, 3 de Manjo
de 1892.
Dr. Manoel Pinto Dmaso,
Presidente.
Dr. Jo5o Carlos Balthuzar da S.lveira.
Dr. Augusto da Costa Gomes.
Jos Xavier Carneiro de B. Campeo.
Francisco Faustino de Britto.
Jo5o Walfredo de Medeiros.
O secretario,-
Joaquim Jos Ferreira da Ro;ha.
Postura
O Gemela* da Intendencia Municipal
do Recife usando da attribuiclo que lhe
confere no | 7., o artigo 2o da portara
do Governador do Estado de 27 de De-
zembro de 1889, resolve:
Artigo nico.Ob donoa de estabele-
cimento que venderem kerosene para con-
sumo nSo poderao ter mais do que 10
latas deste genero e ficam sujeitos a mul-
ta de cincoenta mil res pela primeira in
fraegao e ao duplo em cada reincidencia,
sendo nesta parte revogado o art. 48 da
le n. 1.129 de 26 de Junho de 1873.
Sal* das seseOes do Conselho da In-
tendencia Municipal do Recife, 3 de Mar-
50 de 1892.
Dr. Manoel Pinto Dmaso,
Presidente.
Dr. Joao Carlos Balthasar da Silveira.
Dr. Augusto da Cesta Gomes.
JoB Xavier Caraeiro de B. Campeo.
Francisco Faustino de Britto.
Joao Walfredo de Medeiros.
O secretario,
Joaquim Jo? Ferreira da Rocha.
Edital i!. 84
Marca LMC Dez barriB, sem cu-
mero, idem no vapor frau^ez tVilta de
Montevideo a 23 do mesmo mez (qSo
consta do manifest) contendo todos 630
litros de vicho b5o especificado
Marca DC4C Um pacota n. 31, rin-
do de Liverpool no vapor ingkz Pbydias
no mesmo mez, ontend amostras sem
valor.
Marca O J o\V em biixo Um aito,
a. 10(19, dem idem.
Segunda s'.cjao da Alfandega de Pcr-
nambuco, 4 da Marjo da 1892.
O chefd,
_ Feliciano Pontual.
O 'Jonsilbo da Ictandeniia Muaicipa!
do Kecif j, attendeado a que ati o da 25
do correte, em que tem de dar p:s33 ao3
oovos eleitos, c2o disp85 do tempo pre-
ciso p3ra fazer raaliajr as rem3j3es, para
fra do interior da cidade, de cocheiras de
carros fuoebres, da Cavallarijas, es'abulos
de bos, vaccAria8, armasen i da ecebi-
mocto, o outros estabeleciment03 re:om-
mendados ni Postura de 14 da Novembro
de 1890, faz publico que adiou at o fim
do correte mez os presos con;edi*cs para
taes ramojos, afiru de que o novo Coa
seibo Municipal tomando conhecimeato do
a^sumpto. providencie, como en.ender em
sn.\ sabeaoria.
Sala das ScssSis do Cocsslho, em 3 de
Mar9o de 1892.
Dr. Manoel Pinto Dmaso.
Presidente.
Francisca Faustino de Britto.
Dr. Augv.sto da Costa Gomes.
Dr. Jo2o Carlos Balthasar da Silveira.
Joao Walfredo de Medeiros.
Jos Xavier de-Garneiro d-: B. Campeo.
Antonio Machado Gome3 da Silva.
O secretario,
Joaquim Jos Ferreira da Rocha.
O Dr. Marco Tullo dos Res Lima, jaiz
de direito dos Feitos da Fazeoda deste
Estado de Peroambuco etc.
Faz saber aos que o presente edital vrete, e
delle coticia tiverem. que de ordem da junta go-
vernativa de Estado e em face do a:t. 99 e 109
do regulamento expedido pelo decreto n. 9421
de 28 de Abril de 1885, fica marcado o praso de
30 dias a contar de hoje, para o concurso do of-
ficio de escrivao dos Feitos da Fazenda deste
Eaado e dos Feitos Uunicipaes do Recife, visto
como o respectivo servettuario major Luis Au-
susto Colbo Cintra, lora pela junta medica jul-
gado inhabilitado por iocapacidade pbysica de
continuar bo exercicio das func6es de seu car-
go.
Os prelendeatea successao de dito cilicio de-
vem apresentar-ee devidamente habilitados neu-
tro do referido praso, e na forma do decreto ci-
tado ; e para que chegue ao conheclmento de
todo.9 mandou passar o presente que ser amxa
do no lugar do costme e publicado pela impren
si.
Cidade do Recife, i de Marco de 1892. Eu Joao
Vicente de Torres Bandeira, escrivao enbscrevi.
Mjrco Tullio dos Rc-is Lima._____
O cidadSo Dr. Manoel Pinto Dmaso,
presidente da Intendencia Municipal do
Rec fe de conformidade com o disposto no
artigo 12 do decreto de 9 de Janeiro de
1892 e art. l. do decreto de 18 de Fe-
vereiro do mesmo anno, ambos da Junta
Govemativa do Estado, envida aos mem-
ores d'esta Intendencia, coronel Fraccisco
Faustino de Britto, cidadSo JoSo Walfredo
de Mcdsiros, Jos Xavier Carnero de
Barros Campello, Antonio Machado Gomes
da Silva, capitSo Francisco Gurgel do
Amaral, Dr. Augtutn da Costa Gomes,
commendador Albino Jos da Silva e
Dr. JoSo Carlos Balth&zar da Silveira e
tambem os cidados Dr. Sophronio Eati-
chiniano da Paa Portella, commendador
Jos Adolpho Rodriguen Lima, Dr. Sil vi-
no Cavalcante de Abuquerque, Dr. An-
tonio Clodoaldo de Souza, Dr. Manoel da
Trindade Prett, Dr. Francisco do Reg
Barros de Lajerda, Dr. Jo2o de Oliveira
e Dr. JoSo Augusto do Reg Barroe, que
deizaram mar recentemente de fazer parte
da mesma Ictendeccia a reanirem-se co
da 11 do corrente g 10 horas da macha
no paco municipal, a fim de faser-se a
aparaclo geral dos votos obtidos n'este
municipio na eleicSo, a que se procedeu
no dia 21 de Fevereiro ultimo para o con-
selho municipal, prefeito e sub prefeto.
O que para constar mandou lavrar o
presente edital.
Secretaria da Intendencia Municipal do
Recife, 5de Marco de 1892.
Dr. Manoel Pinto Dmaso.
Presidente.
Jos Ferreira da Rocha,
Secretario.
DO
CAMPO GRANDE
de Pernambuco
200,5000 ao pri-
PROJBOTO DE INSCBB?(!0 !
Da 16.a corrida a realizar-se domingo 13 de
Mar?o de 1892
I. PAREO13 DE MARUO800 metros. Aamae3 da Pernambuco que n3o
tenham gsnlio nos prados do Recife at 29 de Fevereiro de 1892.
premios ; 2005000 ao primeiro, 40^000 ao segundo e 20^000 ao
terceiro.
t. PAREO PRADO PERNAMBUCANO 900 metro3. Acmaes de
Pernambue, que n3o tenham gacho no Prado Peroambucano em 1891.
PBEsnos : SOOjJOOO ao primeiro, 40^000 ao segundo e 203000 ao
terceiro.
g. PAREO DERBY CLUB 903 mstros. Animaes de Pernambuco que
nambuco que c3o tenham gacho em distancia superior 1,000 mfitros
em 1891, ealvo a corrida de 22 de Margo da 1891. premios : 201>000
ao primeiro 405OO0 ao segundo e 20)5000 ao terceiro.
4. PAREOIMPRENSA PERNAMBUCANA 1.450 metros. Eandeap
Animaes pungas, de Pernambuco, podendo entrar animaes pelludos.
premios : 4005000 ao primeiro, 1205000 ao segundo e 40>0Q0 ao
terceiro.
*. PAREOTRILHOS URBANOS 900 metros. Animaes
que nao tenham ganho neates 12 mezes. premios
meiro, 4O5GOO0O ao segundo e 205000 ao terceiro.
O.0 PAREOORDBM8 metros. Caballos de Pernaafbuco que nao tenham
gacho em maier distancia, podecdo entrar eguaa do estado, premios:
200500 ao primeiro, 405000 ao Be-gundo e 205O00 ao terceiro.
f. PAREO FRATERNIDAD 1.050 metros. Animaes de Pernambuco.
premio3 : 25O5O00ao primeiro, 505000 ao segundo e 255000 ao ter-
ceiro.
8." PAREO COMPEN3ACO 900 metros. Cavallos de Pernambuco que
nao tenham ganho oestes seis meses podecdo entrar eguas do estado.
premios : 2005ao primeiro, 40S000 ao segundo e 205000 ao terceiro.
Observares
De accordo com o ait. 5. do cdigo de corridas, c2o poderao ser ifracriptos
nos pareos Prado Pemambucano o animal Gllete, Derby Club o animal Pyfflampo,
Imprensa Pernambucaua, os animaes Gallilea e Veloz, Fraternidade e Compensado
o animal Piramon, Compensajao Marangaape, e no Ordem Collector, Rosa Branca e Ida.
Nenhum pareo se realisar, sem que se inscrevam pelo menos inco animaes
de 3 proprietarioa differentes.
O peso do pareo Handca? ser o mnimo 48 kilos e o mximo 60 kilos.
A nscripcSo encerrar-se-ha terca-fira, 8 de corrente s 6 horas da tarde
na secretaria do Hippodromo a ra 15 de Novembro n. 55, Io andar.
Secretaria do Hippodromo do Campo Grande, 2 de Marco de 1892.
O SECRETARIO,
Augusto G. da Silva,
Faco poblico que as aula* deete Instituto cometario amantas 3 do corrente mex, m raga
Escola Modelo, sede actual do Instituto Archeologico e Geographico Pemambucano, continnandD
aberta a matricula para as diversas aulas na sede do mesmo Instituto. joon-,,ra .
aoeria a j""" ^oe 03 proje3BOres fizerm eatresi a distribnicao das materias e designaram os
e horas do seguinle modo:
Primeira seceo (PRIMEIRA SERIE)
Materias
Lngua portugueza .
Liogunfranceza. .
Aritbmetica elementar.
Caligraphia ....
Lingna ingleza .
Elementos de geometra
Geograpbla;gerai. .
Proftssores
Regneira Costa
Ayres Gama......
Cicero Peregrino.....
Tibnrcio Valeriano dos Santos.
SEGUNDA SERIE
Faastino Porto.....
Cicero Peregrino.....
Ayres Gama......
Das da emana
Tercas e sextas .
Terjs e sextas .
Quartasesabbadoa
Segundas e quintas
Q.artas.
Terjas ....
ter:eira serie
Lingua allema
Elementos de algebra
Historia geral .
Cicero Peregrino.
Regoein Costa .
Tercas e sextas
SabDados
Sextas .
Kesuda co (PRIMEIRA SERIE)
a*
Aos Srs. Silva, Gomes ccC, proprieta-
rioa d-* &ntiga e acreditadiasma Drogara
S'.'1-Americaua, estabelecida no Rio de
Janeiro, foi enviada a seguinte carta da
EstacSo de Boro Jardim (estrada de ferro
de (atagallo), narrando & prodigiosa eu-
ra do urna grave eefermidade palo gran-
dioso remedio ri^graodenee Peitoral de
(famaer \
Ilims. Srs. Silva, Goaies & C, dro
guictas Be R:o de Janeiro.Ha ica3 de
ciaej acnos qse eu offria de orea bron-
0 t)5se o cscarro3 de saogue, ha-
II:Ja summo cuidado cosa as
aftecfea dos I>ro >eh?os.' S os
e;so3 slo rpidos e cssustadores,
hem se pois os primeiro3 fymp'.o-
ois mediante dosis regulares do Peitoral
de Aaacahuita, o qnal para logo fa:
:.. ^s pro^ressos da molostia ou in
,'.o local j impedir qua a muc;-
:l so aglorare no3 tu )03 broncaes,
f oa:a os crg3cs da voz, e dnilmente
leoer a laude e o ^igor de todo o
ma respiratorio.
Embora cieamo no cao, qae a molestia
so 'gum tacto avanfsda, propor
a ci-OEder?.ve'. e em mnitos
i effectuar urna prompta cera. Por
to as victimas da tosie, coaBtipaS^s,
oatarrho3, febres infl-mmatoras dos pu!
css, ou de qualquer urna outra enferrei-
[e dos orgSos da refpira^So, cito de-
\ nea por bbo desesperafr por um s
lo, de sua fina! ciira ; orna vez que
techsm m?.o este admiravel e maravi
v: n 'o dic.3 do botar mais de mcia gar
e sangue, n?o me deixando dormir noites
icteii
Recorr a todos os medicoB deste mu-
nicipio de Be, ;l sem gosto, r.om
lorg-is para cuidar de atiaba Uta* ra ; nSo
ti:iha nenharaa3 esperaness da mina exis-
tencia por rnuito toa':,o, apezar de cao me
f.ltarom recursos e bom Iratim i
Por milagro da DU3, tm ara^go e ne-
gociante des!o lug3.r, nao querendo que
ou doixaase meu innocintes fi bel por
criar, a i s hou-me o Petorfil de .Cam-
i, c ea sem pois que nenhum re
Ivi que esso ne
goJactc me amldasee vi" da ease dr: VV.
SS. seis vidros pura experimertar e, fi
dos elles, j dorma bem, cessando de
tol i os escarros sanguioeos.
Macdei vir mais 24 vidros e co".ticuei
at acabar. Uto at o anco de 1888, e,
grasas a Deus, acho ma completamente
carado.
Pr?-zo de 30 das
De ordem do Sr. Dr. inepec'or te ft>a
publico que, as 11 heras da canbi de 4
de Abril paoximo vindeuro, serSo vandidoa
em co-sumo, a port-. deste i ', os
seguinte3 voamei
Marea T B Urna c viada
do Havr3 a 20 de Janeiro do anno ;:'.3sa
do no vapor fraccer Parhyba, cocsig-
nada r. crdem, contendo 66 kiiogramm-s
.lo pprruroaria?, tm frascos.
Aimazem n 5
Marca .1 A & O Uma caixa n. 326,
vinda de Liverpool no vspor ^iog'.ea Hal-
ley, p. 4 de Marco c'o anco pastado, con-
signado n Jaoiatbo do Azevedo & C, cu-
tendo o sogaiate :. V kilos de espoletas
pies para armas do fogo ; 20 kilos de
ferrameataa sio elaasifioaau, para artes e
offi;ios ; 62 aiveis simp'es, de b Ih
;,r ; 64 escal?.3 de madeira ; 6 facas e
garios, de eab ', para trine
Llera Umr. dita, n. 37, idsra idem,
contendo 83 kl>graaimaa de tacas de
posUj c '-">, pira zarqaear.
dem Trea latas as. 1:! dem.
contc do t^das 57 ki' tacho
em verguirhaa.
M.rca W H c W cm b&izo Um p-
cete, n. 144145, contendo mostras de
lona em retaiho, sem valor.
Marca Guihlicr Uma caixa, sem nu-
me-.o, viada do Hf.vra no vapor trances
sVilla d?. BuenoB-Ayres a 22 de Abril do
anno pafsado, contendo 166 kilogrammas
de obras de madeira n?.o classificadas, 10
kiloB de obras de olhas de Fiandres, sim
Edital n. 83
PRAZO DE 8 DIAS
De ordem do Sr. Dr. inspector se faz
faz publico que s 11 horas da manhS de
12 do correte, serao vendidos porta
d'esta repartic8o os seguintes volumes.
Armazem n. 4
J J A Cinco caixas na. 127, 128,832,
834 e 836, cociendo todas 144 kilos, li-
quido legid, de cha da India, abandona-
'. direitoa por Jos Joaquim Alves
e caip-
Arn szcmTn. 1
F F ? D-Ucs!adoj u. 1 e 4, contendo
oito ebeaaa do marmore, quebradas, vin-
das do Hamburgo. e abandonadas aos d-
reitci pelos aegociant.s Azevedo e comp
2.J seccSo da Alfandega di
co, 4 da Mure:) de 1892.
O chele.
Felicicno Pontual.
NcgOes geraes
Noticias sobre as industrias .
Correspondencia commercial
em portugus.....
dem em fraacei.....
dem em ioglez .
dem em allemSo -
Gecgraphia commercial.
Ari'.hmeca commercial
Historia do commercio.
Esttica .
Eooaomia politica
EsripturafiSo mercantil
IastitoicUes de crditos.
Leglslaco commercial.
Uos comui6rciaes .
JdSj Santos.....
Faustino Porto ....
Regneira Costa
Ayres'Gama .
Faustino Porto ....
Castro Medeiro3.
Ayres Gima.....
SEGiNDA SERIE
Cicero Peregrioo. '.'.
Brro3 Guimares, substituido
por Portellaf.Jnior
JoSo Santos ......
Portella Jnior.....
Segundas
Quarta3.
Tercas .
Sextas .
Quartas.
Tercas .
Sextas -
TERCEIRA SERIE
lcSo Santos -
Portella Jnior
Barros Guimares, sob3tituido
por Portella Jnior .
JoSo Santos ....
Quartas e sabbados
Segundas .
Quintas. .
Segundas e quintas
Segundas e quintas
Quintas. -
Pernambn
Agrade50 a VV. SS. e poco-Ibes publi-ptes, e 9 kilos de ferro em verguinhas.

Segundas e quintas
Segundas -
Horas
de aula
ta
61/2
5 1,*
6
61/i
7/
61/z
61/1
61/2
5 1/
61/1
61/2
6
7 1/2
51/2
81/2
5
7
7
7
3
51/2
Recife, 2 de Margo de 1892.-0 secretario, Baptista Regneira.
BNCQ DA 80
DECLARARES
Inilemnisadora
SIo convidados os senbo-ts asdonbtas desta
corapanhia a reanirem-se em assemblea geral
ordinaria co dia 9 do c: 5 rneio dia, no
ecrip'.or.o da mesmi coro'achia, aura de julga-
rem as coatas do anno Balo ea 31 de Dezembro
prximo pa?fat!o.
Recife, B de Ma-go c'o 1812
03 directore?.
Joiqoim Alves da Fonseca.
JjS Ferreira Marquer.
CjrbiDiaoo de equino F i
h hnastaed
Ceevdrt-se os pasfuidores de accSee
preferenc aos deBta CompaaWa virem
receber no eseriptorio da mesma, ra do
Apollo n. 28, 1. andar, do dia 1 de Mar-
co em diante, do me o dia s 3 horas da
tarde os juros de 6 J0 ao anco u de
6J0C0 por aada accao ou coupon corres-
pondente ao pr meiro semestre.
Reoif", 26 de Fevereiro de 1892.
Capital Reis 1.500:0001000
Dividido em 15,000 accoe de 100:000 cada urna
RA 00 VTMRIO N- 2
(Esquina do largo do Corpo Santo)
Edificio da Junta Commercial
Hora 4a Bolsa
1 A 2 DA TA-RDE
a pro de qua.j^uer
DE
Compra e vende ttulos com cotacSe.
Liqp. da operajSea por eaata de terceiro ou a prazo-
culta capitaea pal -i e venda a diaheiro cu
titulo* ciados na Bolsa. ,. i..-j. _--j.j
Integraliaa convindo capitaes do Bancos c companfcas recochecida atibdade.
Fa% transferencia do operasSes reslisadas ca Bolsa a praao.
Auxilia liquidarlo de'report e Deloredere.
Realiea operas5es baccarias relativas, a sua natnrera.
Encarrcg-BC de ncorporasoea de Emprezp.s
Levanta-se spresimos.
Compra e vende metaes.
Encarrega-se da compra e venda d* ansucar, j.tgodao, etc. e^c.
20 de Mar9o ds 1891.
O director gerente,
P. J. Pinto. fe









^5H5^---------=
Santa Casa de Nise-
ricordiado Recife
A jauta administrativa desta Santa Caaa
em sua seesaode 8 do corrente receber
propoatas para o forneoimento dos gener >s
abaixo declarados, para o ensarno dos
est&balecimentes seu cargo n'esta oida
de e Collegio dos Orph&os em Olinda, du
rante o trimestre de Abril Juaho do
correuta anno, declaran io os proponen tes
sujeitarem se as condicSes j eetabele-
idaa.
Aletna, kilo.
Arroa, idem.
Agurdente, litro.
Araruta, kilo.
Bacalho, idem.
Banha, idem.
Batatas, idem.
Cha verde, idem.
dem preto, idem.
Caf em grao, idem.
Carne de xarque, idem.
Carne verde, idem.
Cebla, idem.
Farinba da trra, litro.
Feijo, idem,
Farello (eaeca de 80 kilos), sacca.
Gas commum, lata.
Dita inezplooivo, idem.
Hilho, kilo.
Macarro, idem.
Manteiga ingleza, idem.
Id:m francesa.
Potaasa, idem.
Phosphoros seguranga, mago.
PSo e bolacha, kilo.
Rap, idem.
Sab&o, idem.
Sal commum, litro
Tapioca, kilo.
Toucinho, idem.
Velas steannas grandes, idem.
Ditas de carnauba.
Vinho branco, litro.
Dito da Figueira, idem
Dito do Porto, garrafa.
Vinagre portugus, litro.
Dito nacional, idem.
As prep-atas serao em cartas fechadas,
e devidamente selladas com o Bello co Es-
tado.
Secre taria da Santa Casa de Misericor-
dia do Recife, 3 de Marco de 1892.
O escrivao.
P. R. de Souza.
Diario de Pernambuco Terca-feira 8 de Marco de 1892
I I I .>14|^M
Companhia Refinadora Mer-
cantil Ahsucareira
D. iccordo com o que preceitua o art. o- dos
estatutos desta companbia, Bao convidados os
sennores accionistas a realisarem a 2a estrada
do capital razo de iO 0/0 ou 10*000 por ac
Sao, at o dia 10 de Margo prximo vindouro
das (0 f:oras da macha as 3 da tarde, no Caes de
Capbarlbe n. 54.
Recife, 9 de Fevereiro de 1892.
Jos Jcaquim da Costa Maia,
Presidente.
Santa Casa da Misericordia do
Recife
A junta administrativa na sala de suas scsses
no da 15 do corrente, pelas 3 horas da larde,
receber propostas para o arrendamento quia-
qaennal da propriedade Ilha do Nogueira, cem
casa de vivenda, grande coqueiral e frueteiras,
viyeiros etc., a qaem melhor prego offerecer e
qaizer sujeitar-se as stguintes cuudigoes : plan -
tar aanualmente 150 ps de coqneiros, tratal-os
e conserval-: s, reparar e conservar a casa de
vivenda, caial a e pin tal a, desobstruir, reparare
coQBervar os viveiros all existentes, nao estabe-
ieeer nem consentir nos terrenos da liba logra-
doaros ou pastageoe, nao colber cocos verdes
em escala de negocio.
As propostas devero ser en cartas fechadas
devidamente selladas com o sello do Estado e
com fiador que garanta a e> ccu'.ao do contrato.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia de
Recife: 3 de Ma.-go de 1892.
O escrivao.
____________Pedro Rodrignes de Souza.
De by Club de Pernambuco
De coaformidede com o art. 16 do decreto de
17 de Janeiro de 1890. acbam-se nesta secreta-
ria a dispcs'co dos senhores accionistas copia
do blanco, relago nominal deiles e lista da
transferencia de acc6es, tudo relativo ao anno
social de 1891.
Secretaria do Derby Club, 1- de Marco de
1892.-0 secretario
___________________G. Guimaries.
Be neo de Pernambuco
DIVIDENDO
Sao convidados os seohores accionistas a vi
rem receber no escriptorio deste banco, do dia
25 em dian:e, o quarto dividendo de suas acc6es
na razo de 8 P,'0 ao anno, correspondente ao 2-
semestre fiado em 31 de Dezembro de 1891.
Rt:i'e, 23 de Janeiro de 1892.
Jos Adolpbo Rodrigues Lima,
__________________Director secretario.
Companhia
DE
Fiafo e Tfcides de Pernambuco
SSo convidados 03 senhores accionistas a re
ceberem o dividendo de 5*000 por acgo relati-
vo ao segundo semestre do anno fiodo, no es-
criptorio ta compsnnia ra do Bom .'esos n.
42, I-andar, das 10 horas da manb as 2 da
tarde.
Recife, 5deM;r) de 1892.
Jos JaSo de Amorim,
Secretario.
Facilidade de Direito
(Obras do novo edificio)
Em vista do aviso n. 688 do ministe
rio da Instruccao Publica, Correioa e Te-
legraphos de 79 de Novembro do anno
prximo findo, a directora d'esta Facul-
dade faz publico que se acha em concur-
rencia a execuejo das obras do novo edi
ficio Ja Faculdade, com o praso de 60
das a contar da data d'esle.
Os Srs. pr< tendentes d.verao apresen
tar na Secretaria desta Faculdade at i
12 he ras do dia 27 de Margo do corrente
anco as su s propostas devidamente sel-
ladas e reconhecidas.
As propostas serSo f itas por unidade
de servigo, e este dever ser execatado de
accordo com as plantas e orcamento fei
tos ; podendo os Srs. pretendentes exa
minar ditas plantas e orcamento no es
criptorio de dminstrago das novas obras,
sito no largo do Hospicio.
Os pagamentos serlo feitos mensalmens
te pelas medicSes provisorias pn cedida-
pelo engenheiro da obra.
# O arrematante ficar obrigado a indem
nisar o governo do preco das ma chicas
materiaes e utensilios existentes, p ara o
que antes da assigu&tura do contracto se
proceder ao inventario e balando respec-
tivos, sendo o prego de taes objectos fixa-
do pela ad.ninistrnco, o accordo com o
arrematante.
Os propnenos dcverSo apresentar suas
proposta} icompanbados de conhecimento
qae prove terem depositado na Thosoura-
ria de Fazenda a quantia de lrOCOfiOUO,
& qual perderSo em favor da azenda na-
cional si sendo acceitas suas propostas nSo
assignarem o respectivo contracto e nao'
prestarem nanga qae fica arbitrada na
qnantia de :0: Secretaria da Faculdade de Oireito do
Recife, 27 de Janeiro de 1892.
O director.
Dr. Jos Izidoro Martim Jnior.
Companhia de Segu-
ros A mphitri te
Sao convidados 03 senhorea accionistas a reu-
nirem se em assembla geral ordinaria, ao meii
dia do dia 10 do corrente, ra do Commercio
n. 34, 1- andar, para tomarem conhecimento o
relaturio e tontas da uire: gao, para eQtao se pro-
ceder a distribuido do dividendo.
R.cife, 5 de Marco de 1892.
Os directores.
Antonio Marques de Amorim.
LuizJos da Silva Guimaries.
Joaquim Olm'o Basto3.
Companhia
Seguros Phenix Per
nambucana
Assembla geral
Os senhores accionistas sao convidados para a
reuniao da asaembla geral ordinaria que deve-
r ter lugar qnarta feira 16 do cirrente, ao meio
dia, 00 1 andar do predio ra do Commercio
n. 3i, sala do Banco de Crdito Real de Pernam-
buco. A reuniao tem por tim deliberar eobre o
balanco e costas do anno lindo, epncedera
ele-icio de que trata a primeira parta do 2- do
art. 30 dos estatutos.
Recife, 5 de Margo de 1692
Luiz Duprat.
__________________Munoel da Silva Maia.
Ao commercio
O abaixo assignado declara que romprou nes-
ta data aos Srs. Avelino Feroandes t C, seu
estabelecimento de loja de fazendas sito ra da
Imperatriz n. 40, ficando responsavel pelo activo
e passivo da referida firma.
Recife, 6 de Feveiro de 1892.
____________Jos Joaquina Pernande3 Jnior.
Ao publico e ao com-
mercio em particular
Joao Luiz dos Santos declara ao publico e ao
commercio em particular, que tendo um primo
e conbado e um sobrnbo que usam do menino
nome, d'ora em dianle se assignar Joio Luiz
dos Santos Ira5o
Recife, 7 de Marco de 1892.
Joio Luiz dos Santos Irmio.
P
iutebe virga a baldear no Rio de Jeotiro
para Sanios, Canana, Igu pe, Paranagui, Auto
nina, S. Francisco, Iiajjhy, Santa Cathanna, Rio
Grande lo Sul, felotae Porto Alegre.
As encoinmendas sero recebidas at 1 hora
la tarde do da da sabida, no trapiche Barbosa
ao largo do Corpo Sauto n 11.
Aos Srs. curregadores pedimos a ana attengi
clausula 10 dos conhecimentos, que :
No caso de haver alguma reclamaco contra 1
annia, por avaria ou pttfda, deve ser
1 uto ao agente respectivo do porto da
-ga. dentro de trs das depois do B
.1 procedendo esta formalidade a companhia
Jsa senta de toda a responsabilidade.
i-ara passagnus, retea o encommeodas i;:
a-se com os .___
AGENTES

ereira CarneiroSc C.
MARTIMO;
Para Ai a caj
O patacho Mondejo seguir brevemente, re-
cebe carga a frete conimodo ; a tratar com M.
Maia & C., ra do Commercio n. 7._______
Compsabla PeraRmfeucana de
Wppl
sta companhia mantem a? segaintes lints
egulare3 de navegagio:
*krte, tocando nos portos da Par hyba, Natal
ileauo, Mossor, Aracaty e Fortaleza, partindr
leste porto um pquete a 11 e 26 de cada mex
Sul, com escala pelos portes tte Macei, Pene
lo, Aracaju, Estancia e Babia, sahindo dest
wrto a 14 e 29 de cada mez.
Fernando de Nortnha, partida no meu o d'.
nex.
Rio Formato e Tamandar, sahida a 28.
Rio de Janeiro, (dirtctamtnie) parte o paquett
M 26 a 30 do mez.
Rio Grande do Sul, (viagem directa) sane t
18 a 20 do mez.
Todo3 os paquetes sao novos, tem excellentt)
iccommoda6es para passageiroa e para carga
1 os precos sao muilo reduzdos.
Os passageiros enconiram, apar do bom tra
amento, todo o conforto desejavel a bordo
im paquete.
Os paquetes que (azem as viageas ao Rio 6>
ianeiro, alm de terem tudo o que se enecutr.
ios paquetes modernos, accresce que fas a vi*
rem em quatre dias e o preco de pasaagec;
la !. classe 60*000.
O paquete empregado na viagem para o Rk
irande do Sul e smente para carga, e tem t
;alado adequado a entrar no porto daquello Es
;ado em qualquer occasiao.
Recebe si; engajamento de carga por quant<
Oatrosim, a companhia expedir paquetes ei
itordinarios desde que baja carga para o enga
ment completo de um paquete.
Escritorio, da Comnanhia Pernambucan.
Da. 1.
6*** Hita do Comviarci&**'j
1 *> Rndar
Pacific StM Mfilli Ci-
Agente Britto
Leilo
De bons movis, loucaB, vidros e 50 for-
mas para calcado
Ba do Imperador n. 49, 2- andar
Quart&r-Feira 8 do crente
Ab'll horas
STRATTSOFMAGELLAN LINE
O paquete Aconcagua
E' esperado des
portos do sul at
udu 1 Je Mar
50 segundo de-
pok da indis-peo
savel demora paraSLiverpool com escala por
LJsboa, Bordeaux e I'Iymontih
Para carga, passageiros, encommendas e di
aheiro a freie: trata-se com os
AGENTES
WIsoh, Sods & C, Umited
10RA DO COftlMERCIO10
ffliicai II-
Para Fernando de Moronda
O paquete Gcjyanna
L'ommandante Pinto
Segu at da 15 do
corrente > '..eras da tar
de.
Recebe carga, encom-
mendas, passagens e di
nheiro a frite d s 2 horas da tarde do dia da
partida.
ESCRITORIO
Ao Cae$ da Companhia Pernambueano
________________u. 12____________
Gompanlila PenaHum io i-
Lloyd Brasiieiro
Sec^o de naTegacSo
DA
EMPREZA DE OBRAS PUBLICAS NO
BRAZO,
PORTOS DO SUL
O vapor Alagoas
Commandante Joio Maria Pessoa
E' esperado dos
portos do sul at
o dia IO de Mar-
co e seguindo
depoie da demo-
ra do costume para
Parahyba, Natal, Cear, AmarracSo, IHa
ranh3o, Para, Obidos e Macaca
As encommendas serio recebidas at 1 horf
ou tarde do dia da sahida, no trapiche Barbos*
er largo do Corpo Santo n. 11.
Para carga, passagens e valores : traa se com
33 AGENTES.
-- PORTOS~DO NORTE
O paquete Maranho
Guilherme do Castro
E' esperado dos portos do norte
at o dia de Marco, e se-
guir depois da demora do
costme para
Espirito Santo e Rio de
Janeiro
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mossor, Araca
ty e Cear
O paquete
S. Francisco
Ccmmandante Estoves Jnior
Seguir para os
portos cima In-
dicados no dia
12 do corrente s
'4 horas da tarde.
Recebe carga, encommendas, passagens e di-
aheiros a frete at s 2 horas da tarde do dia da
partida.
ESCRDPTORIO
Ao cae da Companhia Pernowib^cana
n. 12
CHARGERS REUNS
Companbia Francesa
DE
Navegado rapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia., Rio de Janeiro e
Santos.
O vapor Colombia
Commandante Viel
E' esperado da
Europa at o dia
de Marco e
seguir depois da
necessaria deme-
Grande e variado
Leilo
De 1 rico piano forte, 1 xcdlentes motis, lio-
dos lustres a az carboaico v ksroiene, crystaes,
porcelanas, objectos de electro piale, brooze,
prata, bb'cuits, tpele.-, oleados para forro de
salas e quartos, bancos de jirdim, plantas finas,
un vanado sortimento de trem para coziuha e
amitos outros objectos de apurado gusto para
casa de EMBlHs.
Terca-fera, 8 do corrente
Na cafa da ra Formosa n. 7
Augasto Neesen, tendo de fazer urna viagem
Europa com sea familia, faz leilo, por interven-
jo do agente Pinto, dos movis e mais objectos
da caBa em qc residi ra Formosa n. 7.
Sala de visita
Uoi piano forte, 1 mobilia de junco, mesa3 de
centro 1 eppelho grande, 1 relogio de pedra. 2
condieirosde mesa, 4 quairo?, 1 rico lustre ta-
petes svelodados, forro da eala, tapeUs de ( o,
oleados, ramos de Adres, tnfeites e jarros de
mesa.
Primeiro gabinete
Um divn, 2 cadeiras poltronas. 2 mesas for-
radas, 2 quud ros oleo, fac-rfas e cortinados,
vasos para flores e 1 oleado, forro de gabinete e
4 cadeiras de junco.
Segundo gabinete
Urna linda secretarla com armario, 1 estante
envidracada, 1 mesa para escrever, 1 di a para
jgo, 1 caixa com jogo de xadrez, 1 dita com
te .tos, 1 cadeira de braco, 6 cadeiras de junco,
1 candieiro de suspeasao, 9 quadros, Bsnefas e
cortinados e oleado forro de gabinete.
Quarto da frente
Um guarda reupa, 1 guarda vestido, 1 lavato-
rio e pertences, 1 epfcluo, 1 cabide de columna,
t porta toalha, 2 mezas redondas, 6 pannos para
cadeiras, o parea de cortinados, guareijes para
Uvatorio.
Sala de jantar
Urna mesa elstica grande, 1 guarda icuga, 1
aparador, 8 prateieiras, 12 cadeiras de goarni(fio,
4 candieiros de parede, 2 qudros, S pratos de
perede, 1 licoreiro, apparelhos de porcelana para
ta e jantar, copos, clices, earrafas, compotei-
ras e um f>se cortinados, lindos objectos de electro pate,
t.lh-res, colberes, bandejas, abajours e chami
ns Eobreselentes, toalhas e guardacapas.
Sala de copa e cosinba.
tfma mesa elstica, i guarda louga, 1 guarda
pratos, 1 aparador, 1 filtro patente, 1 guarda co-
mida, i amolador de facas, i almofariz, 2 balan-
gas, um variado Eortimento de trem de co-icha e
fjrnias para bolos, escovas, vassouras, chalei-
ras, balaios, bacas e peneiras.
Objectos avulsos
Urna empanada e armaco, 1 mesa e cadeiras
para j irJim, 1 machina para regar, 1 mangueira,
1 carro de mo e trem de jardim, escadas de
abrir, ba.-ris e garrafas vazias e outros objectos.
Pavimento superior
Um guarda vestido com espelbo, 1 toilette, 2
lavatorios Iguaes com pedras, 2 camas de ferro
iguaes com colx6es e travesseiros, cortinados, 2
meshs de cama, 1 encllente especial cadeira
privada, 1 caixa botica, 3 l.-ncs e cortinades,
tapetes, 2 camas de ferro para allenos e muitos
outros objectos de casa de familia.
O referido leilo principiar s 10 horas em
ponto, por cer o numero dos lotes superior a
trezeolos.
Leilo
Da grande casa terrea n. 7 da ra da
Ponte Velba cem 2 portas e 2 janellas
de frente, espolio do coronel Luis Ceaa-
rio do Reg.
Ter (a feira, 8 do corrente
's 11 horas
No armazem n. 39 da ra do Imperador
O agente Martina far Itilao por mandado do
Illm. Sr. Dr. juixde direitodo civel a requerimen
to do inventarane dos bens deixado> pelo finado
coronel Luiz Gezario do Rogo, da casa terrea ci-
ma, tendo 2 calas, 4 quartos. saleta, cosinba,
qnarto para criadas, corredor independente, to-
da cauda e pintada de novo.
Os pretendentes podem intender-sc com c
agente para ver a referida casa.
Cosinheira
Preciaa-se de urna ra Duque de Casias n.
57, 2- andar.
Moedas de prata ou ouro
Compra se moedas de prata ou ouro de qual-
quer qualidade, pagando se maior prego do que
em outra parte ; na ra do Commercio, arma*
zem n 4-
Patacoes
Compra-se de todas as naces ; na ra do C*
hug p. 9, loja de Augusto do Reg.
JPataces
Brasileiros
Marcados WOOO no centro, compra se po.
maior prego do que em outra qualquer parte: nt
armazem ra de Commercio n. 4.
Criado
No escriptorio da redaccSo (.'a Patria, sito
ra de S. Jorge (antiga Pilar) n. 6,1- andar, pre-
cisa-se de um criado, pagando-se bem, caso
agrade.
Proessora fstrangeira
Precisa se contratar, por deus ou tres aunes,
para casa de familia nesta cidade alim de conli
nuar a educarlo de cuas meninas, sendo a mais
velha de 10 annos, una professoia estrangeira
que esteja habilitada a ensinar francei e ioRler,
ou francez e allemSo, rxusica, piano, aritbmeti-
ca ooges de geograpbia e historia universal e
alguns trabalhos de agulba etc. As meninas de
que se trata comejaram sua educagSo por urna
professora allem, e esto bem principiadas.
IndicagOes a ra 15 de NoTembro, (antiga do
Imperador) n. 28.
Jone llenrique de Heredo
ssaiti
Primeiro anniversario
Jefferson Mirabeau de Azevedo S.ares e sua
mulber mandam rezar urna miesa tt 8 horas ta
mani do dia 9 do corrente, ca v atru da Boa
Vista, por alma de seu sempre tborado fiibo,
Jos Henrique de Azevedo Soarcr. Os parentes
e amigos que se dignaren] de asslstir a esse aelo
de piedade chnst, durio motivo de profundo
reiioobecimeoto.
Engracia Leopoldina UacbRdo
Iva
Joaquim Lopes Machado e sua familia mantam
rezar mi3as por alma icsuarrti Engiacia
Leopoldina Machado Silva filiecia em Lis-
boa. Os 8uffragioa terao logar na mat;iz de San-
to Aoioio de.-ta cidade. s 8 horas do dia U do
corrente, e para csse acto de religio e catidade
nnnvidam o^ sef amicoo e os da finada.
Ama deleite
Precisa-se de urna que techa bons cos-
umes c qae no teuha filhos : a tratar na
ra de Pedro Affonso n. 28, (outr'ora ra
da Praia) armazem de xarque.
PrecBa-se
dro n. 1.
de
urna,
1. andar.
Ama
no Patio de S.
Ama
Precisase de urna ama para tratar de duas
crianzas, que seja crioula e de mea idade ; a
tratar na ra do Livramento n. 1, sobrado.
Ama
Precisase de urna ama para cozinbar em casa
de pouca familia, ra da Soledade n. 54.
~" !-- ......... i.....- ..- m^^m
Ama
Precisa se de urna para cas-i de duas pessoai
que compre, Ciisinbe e faja mais alguns servigos
de casa de familia, a tratar ua ra da Matriz da
Boa Vista n. 3.__________________________
Ama
Precisa se de urna ama que seja boa cosinhei-
ra ; na ra Baro de S. Borja n. 33. _____
Precisa se de urna ama
120, 2- andar.
Ama
na ra de S.Jorge a.
Ama de cosinha
Precisa-se de urna ama que cosirhe bem, para
casa de familia ; a tratar na ra do abug n.
14. de meio dia at 2 horas.
Ama
Precisa se d? urna ama de meia
cosichar, rara usa de pouca .amilia
Alecrim n. 22.
idade para
na ra do
Leilo
a para
Baha,
Rio de aneiro e Santo*
Roga-se aos Srs. Importadores de carga pelos
vapores desta linha, queram apresentar dentro
le 6 das, a contar do da descarga das al varea-
bas qualquer reclamaco concernente a volumes
jue porventura tensao seguido para os portos
io sul, alim de se poderem dar a tempo as pro-
cidencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companbia nSo
te responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas passageiroe,
para os quaes tem excellentes accommodacOes
a tratar com o
AGENTE
Auguste Labille
9RA DO COMHERCIO-9
Boyal liil jShi Packet Coi
De 15 mil cortes de estopa para sac;os novos
pereitos
Sexta feira. 11 do corrente
A's 11 hoaas em ponto
Roa do Mrquez de Olinda n. 48
Por intervenc&o do agente
Cusmao
Macei
Recebe ca-ga a baldear no Ro de Janeiro
ara Sanios, Canana, fguape, Paraiiagu, An
o lina, S. Francisco, Itajahy, Santa Gatharina
ci Grande, Pelotas e Porto Alegre.
As encommendas sero recebidas at 1 hora
lo tarde do dia da sabida, no trapihe Barbos* p^oainhuf-o
in \aron lin f!npnn C>>nin n ti .. _
Para passagens, fretes. encommendas, irata-,e
iffl C3
io largo do Corpo Santo n. H.
Para passagens. frete j e encoromeodas tritaa
:om os AGENTES,
PORTOS DO NORTE
O paquete Olinda
Commandante o capitSo de fragata Vctor
Delamare
E' esperado dos portos do or
te at o dia l de Marco se-
gundo depois da demora do
costme para
Macei, Babia, Victoria e Rio de Ja-
neiro
aMSP
O vapor Tag-us
E' espirado da Eur:pa at o dia
13 de Me) e seguindo de-
pois da icdispensavel demora
para u
Baha, Rio de Janeiro, Montevideo e Bue
i* noa-Ayrea
Para cargafcencommendas, pa^-agens e di-
abeiro a rettl trata se com os AGENTES.
O vapor La Plata
E' esperado dos portos do sul
al odia lSdiMa'co de 1892
seeuiDdo depois da necessaria
demora para
La Palmas, Lisboa, Vigo e Southamptcn
Reducc,8o de passagsnt
Ida Ida voli:
k' Lisboa Ia classe s 0 4 30
4' Southampton 1' clase 28 3 42
Camarotes reervdo3 para os passageiroa de
AVISOS DIVERSOS
Fiambres, fritadas de carcaro, eapadas,
vatap, bolo ingles po-de-l, bandeija com bo-
liohos, toocisho de co, bolo de rolo, bons boc
cados, pastis ie nata, podios de diversas qua
lidades, cremes, doces d'ovos e de fructas, pao
de 16 torrado (kilos), assim como lb para os
tres das do carnaval ; na Soledade, ra do de
embargador Nones Maehado n. 86.
Cosinheira
Para urna familia estrangeira, exige e boas
referencias : para mais informagOes, na ra do
Commercio n. 7, andar, ti.i
Moedas brasileiras
Compra-Be de 800 rs.t 1*000, 2*000 no centre
da moeda ; na ra do Cabug n. 9, loja de A;:
gusto do Reg.__________
Copeiro
Precisa-se de um bom cope.ro com Loas refe-
rencias ; para mais info:mcc6es, na ra do Com-
mercio n. 7,1- andar, sala da frerte.
Electricidade paraillamina-
qao e tracc,ao
W. J. Ayres
Encarrega-se de fornecer apparelbos- e instru-
mentos elctricos de qualquer especie e dos me-
Ihores fabricantes. Contrata a instal.ago de
plantas elctricas, fornece orcamentos para as
mesmas, InformacOes em aasa de Ramos Sal-
gado & C, rraca da Independencia.
Precisa se de urna ama para lavar, engommar
e faaer mais algem servigo de cafa de pequea
familia na ra Imperial n. 19, 1- andar, viveiro
do Muniz._____________________________
Ama
No largo do Pilar n. 21, (averna do Sr. Joo
Martina da Silva, precisase de cma ama para
casa de nm mego viuvo sem filhos. someate para
elle ; pagase bom ordenado.
Ama de leite
Precisa se de urna ama de leite
ra 89 (antiga Imperial) n. 161.-
a tratar na
Ama
Precisa se de >:ma ama para servigo demestico
de urna familia de duas pessea.-; na ra do Pi-
res n 64.
Ama
rreci.-a-se r*e urna ama de meia idade para
cosichar ; na ra do AUcrim n 22.
Gosinhelro
Precisa se de um bom cosicheiro
Paysand n. 19.
na ra da
Veadem-se os dous sobrados ns. 1 e ao
ra do Caes, que segu da casa da Delengo
Gasmetro onde eato situadas, tem commodos
para grande familia, quintal gande com sapo
tiseiroe, lug-ir destinado a ter grande valor logo
que se reaiiee o rrojecto de urna ponte da Roa
Vista ra de S. J0S0, muito proprio para qual-
quer estabelecimento fabril,; ou outro qua'quer.
dos que nao podem ser conservados no centro
da cidade ; vendes e ambos, ou cada tm de
per si: a t.-atar na ra das Trincheiras n. 17,
loja.
Quem tiver encontrado no domingo tarde
do bond de Fernandes Vieira, um broxede cnix
com pequenrs brilbaotes no centro, em forma
do cruz, peder enlregal o loja de Vasconcellcs
ra 1- de Margo, e ser generosamente grali
dcado.
Precisa-so r!e urna ama para cosinba: a
tratar na ra Bella n. 37. 2- anda'.
Urna enbora habilitada ao ensino prima-
rlo e secundario, mu-ica, piano, francez e ita-
liano, todos os tri-balhos de agulha, flores, etc.
etc., se prope a exercer o eosmo cm engenhos
ou outra qualquer parte : quem precisar dirja-
se ra 1- de Margo u. 1, loja de fazendas, que
dar oformfjOes.
Precisase de um criado que entenda de
copa ; em Onaa, ra de Matbias Ferreira n. 10,
pagase bem.
antiga fabrica Caj
rubeba
Vende-se urna machina americana de aplainar
a outras de triturar, espremer fructas, "etc., urna
excedente caldeira de cobre cstanhado para co-
ser no vacuo, grandes depsitos de foiha para
alcool ou qualquer mister, urna boa armago in-
gleza, grande quantidade de ralbas ingieras.
lquidos e n uitos outro3 objectos, tudo muito
em conta ; na ra Luis do Reg n. 14, Sanie
Amaro, das 8 s 10 horas da manca e das 4 dr
larde em diante.
Criado
Precisa fe de um criado que se preste a todo
servigo domestico, e que exhiba garantas de sua
conducta : na ra da Rod3, actualmente Conse-
lheiro Perett n. 39, sobrado de um s andar.
Cachorro perdido
Desappareceu da casa n. 58 em Fernandes
Vieira, um carhorriobo de pello curio, branco,
tendo no meio das costas urna nancha escura em
forma de corago, as oreibas da mesma core ca
hidas, e acode pelo nome de M gnon. Pede-se a
buem o encontrar, o favor de o levar a merma
casa.
Cosinheira-
Precisa se de urna que cosinhe bem e faga
maia algum se vig", que durma em casa dos
patres, para rasa de pequea familia ; ca ra
de Fernandes Vieira n. i9.
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Boa JessN. 3
.E1L0ES
Terca- feira 8 deve ter lugar, pelo agente
Pinto, o leilo de bons moveii, fiaos crystaes
porcelanas, espelbos, quidros, tapetes e mais
Vende-se um engenho
com capacidade par tres
mil paes de assucar perto
de estrada de ferro com
muito boas mattas, grandes
varzeas e movido a vapor.
Para informac,oes na ra
Duque de Caxias n. 52.
Entre amigos
Os cartoes entre amigos, que eetava arcado
para correr com a segunda lotera do Estado
ncarn transferidos para correr com a lotera d
Baha do dia 17 do corrente mez, augmentando-
Criado
Precisa so de um criado que seja fiel e que
emenda de trabalho de sitio ; a tratar na toja da
ra do Crespo n. 10, prefcre-se idoso.
Ao commercio
Os abaixo assigr.aJcs participam ao commer-
cio e a quem inleressar posea, que desde 31 de
Dezembro prximo paseado dissolve-am a socie-
dade que nesta praga gyrava sob a firma Amaral
Primo & C. Succeseores, retirando-se o roclo
Ayres de Souza Bautista pago e satisfeito do seu
capital e lucros, ficando o socio Antonio da Silva
CaBtro de posse do activo e respousavel pelo
passivo da mesma.
Recife, 4 de Margo de 1892.
Ayres de Souza Baptista.
_______________Antonio da Silva Castro.
Janipabo e caj
Compra-se em grandes e pequeas porgCes ;
na ma do Principe n. 28, (averna.
Cosinheira
Precisa se de urna cosinheira ; a tratar na ra
do Commercio n. 32.
Caixeiro
Precisa se deum caixeiro p;ra mo'bados, com
pra'ica ; na ra da Uni? n. ?4.
Attenc,ao
Urna pessoa que reside & ra da Alegra n. 6,
deseja saber onde est reeidindo a f, milia do
Dr. Marco Tui do Reis Lima.
asa
ma familia de Tora da cidade p aue pretende
paasar uns doua oa tres mezea no Recife, dereja
lugar umi casa que tenha commodos e tambem
lguns movis e utensilios de casa, a quem
convier alugar annuncie. por esie diario ou va
entender-se com o Sr. Ignacio dos Santos, loja
de joias ra eslreita do Rosario n. 20. Adver-
ando tambem que prefere se r-nsa que lenha
8goa encanada, e paga-si alugne! adiantado.
Neesen, A roa Formosa n. 7. I Rec,fe) 8 de Margo de 1892.
Loja 9 hm$zm im
Estrellas
Acaba de receber um completo sorti
ment do tecidos pretos de gorgorito,
sedas mascotte ftecido novidade), drnos-
te, charnalotes, "etamices, las lisas e la-
vradas e cachemiras que vende-se desde o
prego de 800 reis a 2$000.
Aesim como mantilhai besponbolas,
mantelhetes, capas e visitas, cortes pretos
ricamente bordados a vidrilbos e seda,
que se vende por pregos sem compe-
tencia.
LOJA E ARMAZEM DAS ESTRELLAS
86-Roa Deque de Caxias-38
Telephone n. 210
A Boa Fe
Ra da Imperatriz n. 78-A
Fitas de todas as larguras e cores a !00, 300i
400 e 500 rs. o metro, para aechar.
A Boa F
Ra da Imperatria n. 78-A
Agulha8 para machina a 400 rs. o papel con
12 agulhas. *
A Boa F
Roa da Imperatria n. 78 A
Bordados a 300 r8. a pega, fita de retro para
debrem de paletot a 300 rs. a pega, placas para
numersgo de casas, todos os nmeros.
Ouro, prata e moedas
No estabelecimento do Rodrigo Carva-
Iho & C, rna Duque de Caxias n. 69,
comprase ouro e prata velbos assim como
moedas nacionaes e estrangeiras de mesa
metal. Paga-se bem.

I
*
/
1
:
*
1
JS+

- m
.....


55
'W.,L...J-

ir-

*: i
H

S
Diario de Pernambuco Terca-feira 8 de Marco de 1892
h
Nova loja de fazexidas
Este importante estabelecimeiito que acaba de passar por urna grande reforma
Bcha-so habilitado a foriecer as melhores mercadorias por menor pre$o do que outro
qualquer, po^s os mus novos proprietarios estilo disp< stos a seguirem o bom ayatema
do grandes eBtabelecimentos de Paria, que 6: VENDER MUITO E GANHAR PO-
CO, e tendo a certera de que assim o podem executar, no s por ser este o systema
qne vSo adoptar como porque tendo ficado co o o estabelecimento as melnorea condi-
foes querem que os sous estimaveis fregueses aufiram das vantagens que perceberam
Coavia aprortitar!
NSo sendo ignorado por nioguem o elevado prejo de qualquer mercadoria che-
gada recentemente em consequencia dos pesados ircpoetos, participamos ao publico
qne continuamos A LIQUIDAR com grande redceles de precos, um grande deposito
de fazendas recebidas ainda nos ltimos mezesdo pretrito anno, avisamos portanto s
exceilentuaimas familias e sos nossos estimave s fregueses que se dignem de prefe-
rencia honrar-noa com a sua presenta afim de supprirem se de lindissimas faiendas
por quantia excecsivamente mdica.
4?
.0*
ttwft
BELLEZ4,
DEPOSITO GERAL:'%n40
Pharmacia Inglcza de Cu. Delacrk
Cla de DROGAS e PRODUCTOS CHIMICOS.
Bruxellas {Blgica),
Deposito em I'ernainbttco :

Sao *lgaa.
Os cortes de vestidos que acabamos de receber, em cambraia, 13, o seda com
ricos bordados.
Grande e variado sortimento em fe zondas de phntasla.
MadapolSes francezes superiores.
Ditos especiaes americanos.
Gaobemire. de toda a* quatidadoa o brins de iinho finos.
Cortes para calca de 6 Novidade em voiles de sed e 12 de 10600 por 10200 ra.
Setiretas, sortimento completo, phantasia branca rendada.
Chapeos de sol e sombnnhaa para sechoras e crianzas. c
E' impMsivel deacrevermes minaciosamente a grande variednde de artigos
ue varaos vender a presos sem limite.
OfflCNA DE MAME
Variedade em casemiras para esecucao de toda e qualquer encommenda de
roupa por medida.
Continuamos a vender as celebres
Machinas de costura
Sioger, Imperial, Progresso, Medalha, etc.
Precos sem competidor.
23 Kna do Livramenlo
Bento Eibeiro & Ct
100:000*000*
Loteras de Santa Catharna
Extraccao todas as tercas feiras
90:0O0#0OO
LOTERA DA BABIA
Ixtracc,o todas as quintas feras
200:000$0O0
"). Grande Lotera da Baha
Nevo e imporlantis inio plano
Extraccao inadiavel, sabbado 12 de
Marjo prximo
Bilhetes venda e pagamento de premios
ra Larga do Rosario n. 9, I. andar, escrip
torio de
Bernardina Lopes Alheiro.
8IM0N
AIN O" lm jare le VIOL.ET FRRES
TJiaXJi (Pyren*a-Orlnt.] TmJkJXQJk.
Cminlca para
O BYRRH
COI TDI6 ll UtU
O BYRRH um* ebida cujas virtudes tnica tornou-se
escurado assignalar.
Compdsto com vinhos velhos de Hespanha excepcionalmente
generosos, pstos em contacto com substancias amarga* judLiosa-
mente escoltadas, este Vinho contera todos os principios das mesma*
e nto tm no estomago aquella accjSo corrosiva do alcool que cons-
titne* baae da maior parte das especialidades ofiereeidae ao pnblico.
E*, ao c?smo tempo, moito saboroso e absolutamente irrepre-
hensivel ao ponto de vista hvgienioo.
O BYBBS pode ser tomado a qualquer hora, sendo puro na
dose de um clice de Vinho de Porto, como tnico; misturado
com agua, n'um copo grande, como bebida refrigerante.
EXPOSIQlo UNIVERSAL DC PARS ISSS
TVi HiX> A.T.K*. do O UkO (o mi alta, rooompenta oonoadidat)
vssliai J'er na anease* u sua dt FUI- *. da SILTA 4 C um prlnelpaaa casas.
GOTTA
so<>*
Y d ?\**? "' ~ RHEMATISMOS
VENDA
BQR utr;rS2.MA" D,b- *ae lot-Cl.ad, PARS.
JDO. IM TOPAS AS PWARMACIAS
E DROOARIAB
_t -- ------------. ..^ii.i^s.i^j fc^nw^iB^r^l^P
L3NSSMENT GNEAU
Para os Cavallos
I Empr^r la on 3 malor oxlto as oavalharloas roaes da S8. MM. o rmporodor do BrazU, o Re da '
BolQioa, o Ral dos Paizes-Balxoa e o Roi da Sazonla.
(Suppressao do |B DA QUEDA I^O PELLO
HAKCA
So este precioso Top.co o nico que
1 substUiieo cana tico ecura radicalmente
I em poucea das as manqnelraa, novas
'o antigs,as Torcedoras,Contusos*,
I Tnmorit c XncnacSac asa pernsa.
I Mapaxaseo. Sobre-Osnnsfl, -raqu*! c Ma-
iKoigniuiiento das pernas dos potros, etc., sem
'occaslonar nenhuma chaga. nem queda ao pello I A cura faz-se com a mo em 3 minute*. s~m
(iaesmo uuranio o tratameiito. I uor e sem cortar, nem rctpar o pello
JqtM ParisjJhMuci GNEA^oa St-Honor^ 275_e erj t.' u Piarassiu.
ria^^JxT
35 ,SE.VL K.XVAL
Os resultaCos extraordinarios quo sem'
oblido as diversas Altrc<;3c do'f
Felto, os Citarrnoa, Broncnitte,'
Molentlar la Garganta Opbtal-1
etc., uio dio logar concurrencia.
II
ISCSSSI
CAPSULAS AZYMAS E. GORLIN
OBREIAS
Lmcre
TINTAS PRETA8
PiurvxLTOiAno s. a- s. ck
oju Mwtk i A*
hnonlru il anu UdH MiilciiitaUi sollfcj" HnMM,
Uam OUoliriiiMMBiclinia. Oleo l Ricino,
animo do Copahfba. Opiatos, Aloatrio, le.

TODO* OS MEDICAMENTOS EM PO
OOSMWAWL, M. m M TaaaaJa. m P*ri*. %m Hntmbvoo. WL*jr
MasasasasaaaiMii''~ai<|iMl.l|1|jl|ll
HOSTIAS
FAes Awutm
pmPhtrmuim
BOSriAB
?m Caatttulaa
. la SXXTA
CHLOROSIS
Cores Paludas
CURA
DCBIUDADE
Consumpco
S LICOR DE LAPRADEV
DE PIRRO
COM ALBUMINATO
Impragad
ra das Mo
PAIZ: COtxiH e C, 49, Roa da Maubeuge, e em as pnarmaclas
. moragado em todos oa Hoapiiaaa. o melbor ferrngisoao para a I
I Cora das Molestias da Pobreza do Sangne. Nlo enegrece os den tes "
Grageas Demazife
JLJPVIX3 vaYdaia xaslaa XnanomoXorim, ds Hyslene do Brsiatl
CASCARA SAGRADA
Vsrdaota tro Watnsrtto
Contra a Prlmia da Vsntrs hahttuaJ.
IODURETOocFERROCASCARA
O maJa activo doa Forruginoaoa
Ito prodvuindo a Priaio da Vantra.
CARDOSO ft IRMAO
Rxia Baro do rrumpho ns. 100 a 104 e rus
doVisconde de Itapanca ds, 22
Tem sempre em deposite :
MACHINAS a vapor de 4 a 8 cavallos dos melhores fabricantes.
CALDEIRAS multitabulares para 4, 5, 6 e 8 cavallos.
MOENDAS as mais solidas e melhores do mercado.
TAIXAS de ferr batido cravadas c caldeadas, fundido de todo* os tmanho
q RODAS'AGUA psra cubos de maaena e todas de ferro.
RODAS DENTADAS de espora e angulares de diversos tamanhos.
CRIVACOES duplas e boceas de fornalhas para assentamentos.
BOMBAS DE REPUCHO sem sola, vlvula de bronze.
CHUMACEIRAS parafusos e o mais que se opsa desejar para engenhos, estra-t
*z de ferro e Obras Publicas.
FAZEM E CONCERTAM toda e qualquer peca de machiniamo tanto de fem
andido como batido-
EN ARREGAM SE de mandar vir da Europa por encommenda, medinte umi
oommiss^u rasoavel, qualquer machinismo e CONTRACTAM apparelhos para Ua>
cas, par& fabricar de 100 a 300 sacos de assucar em 24 hora*.
Obrigam-se a montagem dos mesmos e responsabilisam'.se polo bem trabalhi
ara o que tem um hbil engenheiro inglez muito pratico, alm de dos um sociei
easa que tambem engerheiro.
A NOTRE DAMTDETARTS
1 A-RA DO CABUGl A
Madame Koblot de volta de sua viagem provine a b<;us freguezes que ttrou da
Al'aniega um lindo torimento de chapeos de castor e palha {Haute Nouveaut), gase
de seii e fil para vestidos de baile, bengalcne, olienne Moscovite faille francesa
u'ard, veilee lindos tecidos da ultima moda.
Manteletes de reDda,flores, meiea de seda, velludos, galSes e outros enfeites
t que ba ie mais moderno.
Espartilhos, leques, vestidos, chapeos de criancas de 6 meaei at 6 annos,
Tobos estes objectos foram escolbiJos por Madame Koblet.
OD? -PXCXaNTA. DE GaSTXJ3FLA.S
Faz-se vestidos em 24 horas
Deposito, oeral: PHARMAGIA G. DEMAZIRE, 71, avenua de Vers, Pars
i Ptmxmbuec: rRAN M. da SILVA C".
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
Aa Pilulas purificao o Sangue, corrigem todas as desordems do
Estomago e dos Intestinos.
Fortalcela a saude das constitucoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as insiinMalii peculiares
ao sexo lemuuno em todas as edades. Tara os meninos assim como tambem para as pessoas de kbde avancada
a sua efficacia e incontestaveL
ESS** "f'1''"''" 5* WP"** smente no Estabclecjmento do Professor Holloway,
78, HIW OXFORD STEEET (antes 533, Oxford Street), LOSDEES,
E vendme em todas as pharmaciado universo.
tr O compridore* sao convidadoa respeilosamenle a examinar os rtulos de cada caixa e PoM Je nao taem a direeflao.
533. Oxford Street, sio sicaCoes.
'Celebres Remedies Le Hoy
a>aau i ii }t\mt tlm t M (aiit
HS VLtiUALIrilli)
PILULAS LE ROY
Popultrutm FRANfA, na HESPANHA, nt AMERICA,
no BRAZIL ondt alo
tutoritadit pela Juila tfe Hygien.
raaaooa ................ \n ruaooa
Baa* Pillas dio toda a faclUdade de se tratar ao, per
proco barato, e de se curar em pouco tempo.BUaa expulsam
rpidamente os humores, bilis, humores viscosos viciados
qas coaservam as molestias; ellas purifican! o aangue
e lmpedem u recabldas.
Impiejam-ie *>
oontra i Priado ale rentre, Cntharrha,
Gota, RhetitnatiHtno, Falta da
appetite, Tu more, l'lee.ras, fe brea,
toleattaado Fiando,Iniplmena.
Barbullan. Ierinethldea.
Menopauaa. etc.
E PRECISO RECUSAR
tatlqiir fnt nt ala tltar a Hatrasi
Fh- Oottta
91 (aiHaS.Ubr J?j
BU TODAS AS VHARkACIAS
SNDALO MIDY
AntW*.*> pal Junta d'Hytinfdo Rio-dt-Jntlro
Supprime a CopaWba, as Cu-
bebaa as In]eccaB. Cura em
48 horas todo e qualquer corrimento.
E* da maior efficacia as alTeccoes da
bexiga, torna a* urinas claras por
mais turras qne sej&o. Cada /^""N
capsula lera impresso em 'Jfjrjfj
negro o nome.............. V_>'
Deposito sm Paria, S, Rus Vitienne.
ATKINSON'S
WHITE ROSE
Original e nnlc*% renadelra. Conh-xida
| em toda a parte como sendo o pe fume j
o mais delicioso. Eritar as coctrafac'^oea.
ATKINSOK'S
FRANGIPANNE I STEPHANOTIS
ESS.BOUQUET I JOCKEY CLUB
o ontro*t perfames celebres sfio Btrperforcs '
[ aos outros pela sua forcri e aroma natural
V< uilom-se tm toda a pa-t-'.
7. V B. ATKJlffSOf,
24, Od Bond Street, Londres.
AVISO Leeimas fomenta eom o rotulo- .
wcii.lo aa(il e wn a relio e a marca de
fabnta urna Rosa uraoca" com
o completo enderezo.
' A8 VEFiDAUEIRAS PASTILHAS DE
Saes natnraes extrahidos das Aguas Mineraes Js
sugm
vmi cemUdas em mus lacrada* que Um as marcas
Ja Companhia conceas/onar/a ds Vichy.
Digesta penosas. Dodis do Estomago.
?
?
PEITORAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
Aa rafermldades raal dolorosos da u_.,
dos pulmSti, ordinariamente drsenrolrera.se.
Undo por principio baaes peqaenaa, cujos resulta-
dos nao sao dlfDcis de curar se promptamente ss
tratao com o-remedio ctnvenlente. Os BesifrL
dos e as Toases dio reciprocamente o resultado
de Laringitis, Asthraa, Bronchitla, AlTeo-
fn Pulmiiniir e a Tlsloft.
Todas as familias qne tem rlaocas derem ter 0
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
*> *sja para o asar em caso de necessldade.
A perda de um s dia, pode em muttos caaos
acoarretar serlas coioeqaeiicias. Por tanto aso
se dere perder tempo precioso, experimentando
remedios de efficacia duridosa, emquanto que
a enfermldiidc se apodera do systemar c arralara
Eofundamente, ento que se neccsslta tomar
sse Instante, o remedio mais certo e activo em
sen ea*eno, e este remedio e sem durida alaruraa
0 fBTOiUl de Cebeja do Db. Ateb.
PBEPABADO I'Klxj
DR J. C. AYER 5c CA,
Saewell, Mass., Eat.-T7nidos,
POSMIO GERAL
-
QUINA RAGOUGY
Da sxoeUsates resultado M
em todos os casos ds ANEMIA DOELiOISE ai
b QUINA RAGOUCY
Va ttat rmaiiminU os *orca.b .A
j W Msr OKTTPACO ai IMKS M EtTMAM ^
a >Sto(lJ:*AiriUI.II>r|n.kr-fc4aaaH,arallL L
'imramamanaa xVsn-M. da SBUTa C. ^
Luiz Vernet levan
a emprestimos de
qualquer quantia sob
cau a pedras preciosas e
tambem compra cau-
tellas do Monte de
Soccorro, cau^es do
Banco Popular, joias
e brilhantes.
Pode ser procurado
aa sua relojoaria ra
do Baro da Victoria
a. 53. das 8 horas da
manh. s 8 da noute
MARAVILHA CURATIVA
DO CELEBRE
Dr. Humphreys te Nova York.
A Verdadeira Maravha do Secuto.
APPSOVADA E LICENCIADA
k>ela Inspectora Gernl de Hyelcuo de
Impcr'o ds ISra7.il.
A M.rjiTilha Coratlr- t remedio prompt.
para as Pisaduras, Mnohucai.ras, ContuiSes, Tor-
cecluras, Cortaduras, ou i*aeeracOd, Alliv, a dr,
estanca o Fanguo, las parar a ntlammacoo. redua
a InchacAo. tira o uepocr^^iento, c laa sarar a SapU.
como por encanto.
A ."Inravilha Cii.'ativa. t alllrlo premptoe
cura rpida para lue!niaduras. Escaldaduras, e
yu' IfSflara e suI'erir . Ataravllha CtrrntlVT S Impagavel para
KSftif Hf morrhagiaa, seja uo Nariz, das Oenglvaa,
aos trumes, uo EstomaK", ou as Hemorrhoiu3A 3*1
Aimorreimoscura sempre e nunca falhc
A MHravlllia i.sic?!vaumalilvioprometo
Sa.-a Dor Ue Denles, de OuviavC, ? Face, icaoco
a Face e Sevralgia.
A Hsamvilba Onrntiva Corocursopromp'o
e precioso para Dores rheuinaticas, Alcliao, Dar o
Baldea as Juntas ou Pernos.
A IMaraTlha Cura ti ra o grande remedio
Tiira Esquinencia, Anylna, AmygdHla^ incb.'idasoa
InflaramadABsempre seguro, sempre cfflcax.
A MaravilUa Curativa de .-julto valor
como lnjeccflo para o Catarro, a Leucorrhea oa aa
Flores Brancas, e outros oorrimentos debilitantes.
A MnraTlha Curnllvn 6 Impagavel pora
curar Ulceras, Chavas antipas, ^postemt.s, Panarl-
doa, Callos, Frlelras, Joanetes c Tumores.
/ Maravllha Cnratira* remedio prompt.
pata Dlarrhca simples, e de Diarrhei cbroula.
A Marcrlba CaratlTa excellente na*
EMrcbarla o Cavallarcas, para Terceduras, Dores,
Plaadurase Esfoladuras, CoutusSes, Laceratoes, *o.
especialidades do Dr. HnmpfcreTs.
Bemedies E>ppc11 o-,
luguent" ?Ir.lnvi!hoso,
Bemsdios Syphillclcos,
Remedios Veterinarios.
O Manual do Pr. Humphreys 14-1 pecinas sobre os
Eriermidades e modo decural-assc c^gratls, pde-
se ao sea boticario ou a
HUMPHKEY8' MEDICINE CO.,
209 ffoltoa Street, KEW YOBtt.
Deposito gara] r>a Cempanhi
in Drogas e Productos chimioos
Qarncte Francisco Manocl da
Silva.
o
fr
PEHIDAS
HAMAMELIS
DE BRISTOL
AVELEIRA MACICA)
CKGTJEKTO EXTRACTO
ESPECIFICO PARA O
RHEMaTISMO
E HEMORRHOIDAS
INCHApOES
w
H
Fita? lavradas para fazas n. 80 com majt
de um palmo de largara a 24'. 00 re*
o metro.
Gregos, galSe, trancelins e regente
brancos e de cores, para enfeitar ves
tidos e roupa de c canea, camisas, toi-
lettes de senboTa.
Callarnhos para homens a 200 rea Das
Grande e variado sortimento de caixas msicas a 24000, 34000 e 54000 re*
cada urna, proprias para presentes.
Espelhos mgicos a 500 reis um. Doab
44000 reis.
Espelhos com tres palmos de altura, oo*
moldura de doarado fno4 oval a 84006
reis.
dem, idem a 64000 reis.
dem quadrados a 5f500 reis.
Ventarollas de palha branca a lfOOOre
nma.
Leques de papel a 500, 600 e 800 re
Rendas abicos de cores, branco, de ai
godSo e linbo de cores e pretos.
Bolsas e balaios de palha, para compra
viagens e pas=e03,
Capas de 12 e casemira para senhoras.
Perfumaras, leos, extratos, cosmetiooi
dos melhores abrcantes.
GalSea, palmas e pingeates de vidrilhoa.
Belsinhas para passeio, de chagrn e pe)
lucia.
Albois de pellucia, couro e chagrn.
Variado sortimento de brinquedos.
Pulceiras, voltas, cazoletas, andis, e*.-
deias de plaqu americano.
Caixas de msica para presente a 70OC
81000, 91000 e 12fO0O reis.
Meias, lenyo, collarinhos e punhos par*
senhoras e hornees.
Oculos, pincenez, navalhas e caivetes.
Gapellas, veos e ramos para casamento
Toacas e enxovaes para baptiaados.
Corxetea em fita para metros.
QalSes brancos para roupa de enancas.
FLORIDA
103-Rna Diqie deCaxias-101
MARAVILHA CURATIVA
DO CEX.BU
Dr. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
AFPBOVADA E LICENCIADA
Selr\ Inapoctoria Geral de Hygicae ds
Imperio ds BrazU.
opativa remedio proinptc
iKnsdes, Tor.
A Maravilha
Vara as Pisaduras, Macbtasadurfts, Com
ceduraa, Cortaduras, ou Laceracoaa, Allivlaa dor,
estanca o sansae, fas parar a tnnammacao. redui
a inenacio. tira o descoramento, e tas sarat tolda
como por encanto.
A Maravilha Carativa 8 alllrlo prometo
cura rapada para Quetmaduros, Escaldaduras,
VuelDiadur* do Sol, e 6 superior a qualquer outre
remedio.
Maravilha Curativa e ImpagBTel para
-3* as Hemorrhagias, se Ja do Naris, das Qengiva*
aos Ptumoea. do Estomago, ou as Hemorrholdas ou
Almorreunascura sempre a nunca faina.
A Maravilha Cnrativaenmalllvioprompw
(araWrdc Denles, de ouvjdoa, da Face. Locaaoie
5a Face e Ncvralgla.
A Maravilha Curativa oreesrso prompao
doso para Dorus rhenmatlcasj 1 Mjao, Por s
"i na Juntas ou Pernas.
A Maravilha Carativa o grande retnedlo
Esquinencia, angina, Amvgsauu lncnadasos
mpn seguro, sempre efflcaa.
A Maravilha Carativa de multo valor
como Injscqso para o Catarro,. Leucorrhea ou si
Flores Brancas, e outros corrtmentos debilitantes.
A Maravilha Carativa Impagavel psaf
eurar ulceras, Chagas antigs. Apostemas, Panar
dos. Callos, Frlelras, Joanctes e Tumores.
A Maravilha Curativa remedio prompt
psra Dlarrhca simples, e de Dlarrsea cnromca.
A Maravilha Carativa* exceflente as
Estribarlas e Cavaflaiicaa, para Toraeduras, ocrea.
Pisad uraco Esfoladuras. ContaaSes, Laceraoes. te
Especialidades do Dr. Saxa^hieji.
Benedlos Espe-ciuOoe.
Ungento Maravllboso.
Ht anadio Syphilitlrov,
Remedios Veterinarios.
O Manual do Dr. Humphreys 144 paginas sobre aa
Enermldades e modo de rurjl-st &e da grada, peds-
e ao seu boticario ou &
lU'MPHREYS' MEDICINE CO.,
100 i'tUla Street, NEW YORK.
UNIOS AGENTES
Para rendas ent grosso c
nanbaeo
Fark Sobrinho & C.
DROGARA
A' Ba Marquen de Olinda n.
Doce de Caj
Vende-se excellen-
te docft de caj se eco,
feio a capricho. Na
ladeirada Ribeira so-
brado n. 28, na cidade
de Olicda.
ai
a
de 16 de Halo
at 30 de Seumbro
ESTACAO dos BANHOS
Banhos, Duchas, Casino, Th.atro.
k}kuua Pernsmbuco ; Sulztr (t kscblig; isf. UHUlI
mi HuuijM fUiuciu tt Bnm-i
1NTURA POMAD;
NICA TNICA
W 3 rajil aaim*.
para Barba.Basta ora a
dr,) seic preparacao e
Mm Uvayem.
^osASa
para Jar aos
bracoos pus corprlraltlTa
PILLIOL, rus Ulayatts, BS, *
4a Artatas a brasas* ala hULVA dft tp
EifflS MU! B
A pretty present for
Ittle Eng^ish Girb.
rW Sftle b
BF-LOJOARIA DAYaO
Ra do Cabug n 14
rice 501000 each
M
barat-
b ha
Compra fe nma tnobilia qoe Eeja barat?, e ou-
tros oojecto8 ae casa ; a tratar no largo do Pilar
n. 31, (averna.
Brancos e de cores
A15#, I8$e20#
VENDE-SE
LOJA M 1STRAS AZKS
61-Rua Duque de Caxias-61
Kstaat^s para mu-
sicas
Para amadores
Fecha e fie do tananho da
aiislca
Prei-o 7^000
Loja das Listras zoes
Sl-Rua Duque de Cixias-








^iSAMKJW- 4f>J:-





8
Diario de Pernambuco terea-feira 8 de Margo de 1892
AOS FUMANTES
Deseja?s nao ter azia quando fumaes?
Usae por algumtempo os apreciaveis cigarros denominados MTNHA ESPERANZA, quer picados, qrjer desfiados,
saboroso fumo desfiado intitulado Hygienico Naeional, e os cigarros do mesmo fumo.
Depois di so dir-vos-hei se foi ou nao til o conselbo.
Gumpre notar que os Hvgienicos sao fraquinhos e os ESPEftANCAS sao fortes.
A fabrica MINHA ESPERANCA situada na ra Laiga do Rosario n. 21 A.
______________________________ Um apreciador*
HB,
Usa; tarobtm o aromati
VENDAS
Chapeos e capotas
Ultimas novidadeB de Pb:b receben o
________Loflvre________
Capas, jerseys e visitas
Qoatos ii-teiramente dovob acaba de re-
cebar o
j tes de la,linho, seda
e aJgodo
Ricamente enfeiiados, tcm recebid j l-
timamente o
LOUVRE
n sxMs. rimiu ~~
Pede-se para honrar com suas visitas
O NUDIS DES DAMES
38~Rua do Sarao da Victoria--38
59 TELEPHONE 5.9
SABAO CURATIVO BE RETJiR
Tumores, cravo, pelle ventelba, asp ra e oleosa impldido on corado
por o mais grande de ledos os 3formse*dores da pelle, o Sabio Curatirode
Reuter. Produza a pelle ormosa, branca e clara e mos braDda3; absoluta-
mente paro, delicadamente medicinado, extremamente incemparave! como
sabao para a p'lle bem como do toncador, do banho edoquartodasertencas.
CAX'TELA.Nao genuinosem cada envoltorio ter a marca re
gistrada de Barclsy & Co, New-York.
KEDICIML
Y l'ABi O
TOILSTf*
Se: as brancas, pretas e de i
cores
Novos padrees e para grande escolha
foram despachadas nestes ltimos das
para o
RICOS cortes de ves-
tidos de seda, de 1S e
cambraias brancas e bor
dadas.
LOUVRE
Grinaldas, tapes e chnpos
de sol
De phantasias r cabam de ebegar para o
LOUYRK
Costumes para creaccas
De todas as idades encontra-se grande
sortimento no
Louvre______
Qbjectos de gosto para
presentes
Ha neste artigo grande escolha no
LOUVR E
TECDOSDEPHAN--
TASA
.-.r.do impossivel de se de-crever a
grande variedade de tecidos de diversas
cualidades proprios para a cstayao actual,
roga-se ao publico era geral e principal-
mente s Exmas. familias a fineza de vi-
siarem o
LOUVRE
Ra 1.* de Margo n. 20 A
Fra cisco Gorgel & Irmo
TELEPHONE N. 158
LEVANTINES, voil.
[les parisienses ecretones
>lindos desechos.
COLCHAS de seda e
de renda, alta novidade.
SEDAS brancas, pre-
tas e de cores para gran-
de escolha.
LEQUES de gase,
madeporola e tartaruga.
CHAPEOS e capotas
para senhoras.
GRANDE variedade
de objectos para presen-
tes.
Rov
WBISIY
al Blend marca VIADO
Este excellente Whisky Escoces pro-
erivel ao cognac ou agurdente de caos
para ortificar o corpe.
Vende se a retalho nos melhores arm
sens de molhados.
Pede Roya! Blcnd marca Tlade,
cajo emblema sao registrados pan
BROWNS & CU agentei.
Fabrica de levas
DE
Roa Harao da Victoria n. 63
Loja de quadros
Madame Gerard avisa aos seus nume-
rossimos fregueses, que receben de Paris,
am grande e variado sortimento de pelli-
cas de chevreaux, de primeira qualidade,
seda, castor etc., etc.
TOALHAS e guarda-
apos de linho, brancoa
e de cores.
TECID6& brancos e
de cores, arrendados para
vestidos.
CORTINADOS m
demos para camas e j
nellas.
VESTIDOS de seda,
13 e brancos bordadas
para meninas.
CAMISAS, saiss e
caigas bordadas para Be
choras.
VENTAROLAS d e
gase e pennas, ultima
moda.
CAPAS e pelerinas de
seda e renda pretas-
CAMISAS de linho,
punhos e collarinhos para
bornees e meninos.
RICAS grinaldas par*
casamento
ENXOVAES comple
tos para baptisados.
MEIAS de seda e fo
deescossia,para senhoras,
homens e criancas.
RICAS almofadas
velludo bordadas.
de
PERFUMARAS Jos
mais afamados fabricantes
de Londres e Pars.
MESaS, etageres e
cachapotes, ultima novi
dade.
COSTUMES dejersey,
casemira e bricapara me
nios.
GASES do seda, bran
coa e de cores para ves
tidos.
ESPARTILHOS ele-
gantes de seda e brim
com pelucia.
GUARDA-POS d e
eeda e alpaca para se-
nhoras.
GALLOES dourados,
prafeados de seda e de
13. para enfeites.
MANEQUDS france-
ses.
GRAVATAS para ho-
mens o que ha de mais
chic.
MATINES brancos
e de cores, bordadas, com
rendas e fitas.
LAS modernas com
sede para vestidos.
VELLUDOS pretos e
de cores.
JABOTS e ficha de
seda.
BICOS de seda de co-
res modernas.
XAROPE DE REUTER !. 2
Como remedio daEstaco Cilmosa, Pu.ificador dosangue, diurtico
e aperiente, nechum outro appellidado depurativo ou salsaparnlha se apero-
xima sequer ae Xarope de Reuter n. 2. Ccmbina qoatio grsnirs propieda-
des pm um f remedio, operando a uin lempo sebre os oreaos dJgesiivos o
saDgue, os rins e 03 intestinos.
Absolutamente neutralisa e expul'a pelo3 ranaes intestlnaes, rins e
poros da pelle, os germens noervo?, que fluctuara ao saDgue, ca crina e na
transpirado.'
O MELHOE
PURIFICADOR
PABA o'
iAXCUE.
PEQUEAS PILULAS RE REUTER
Figado entorpecido cura-ge positivamente com estas pillas. Ellas
sao um remedio purgativo lvre de perigo para o bomem mais fraco, tao bem
como bastan'.eactivo para o bomem mais forte, e nao constipas depois; pela
accao geral agrrdaa toaos que as ueam. 8ao as pilulas estandarte da pro
nssao medica des Estados-Unidos. SSo as menores e mais facis a temar
Qoarenta em cada frasco.
PARA
figIdo
tRICOFEROdeBARRY
ma prepancSo elegate eiircnuunfnte perfumada,
NMiove toda* a/< imprcreaaa ao cr&aao, jfcaaerrativo eoo-
tr calvicie e cabella cinzento; faz o Sello eresoei <*-
peao, brando e hermoso. Inallvel para Tirar ero, "
dseacu da pelle, gttGnlaa a tnnscnloe, e cura rapl<
_>Haflarae, qneimadniaBjeritiae, torcednma,
A^TEI,A.--oJ|!etratno papfi fnwco
a marctregielasaaeBMclav &QASan.York.
efa marcjpf etof de Bajda'
EBUBElfCIDD atUt
i
depositarios DKSTE8 PBODrjf^'ctfi.A companhia de Drogas e Pro-
ductoB chimicos.
Ra Marques de Olinda n. 23.
LINDOS albuns para
retratos.
MANTILHAS e sa-
bidas de theatro.
AOS
Libras sterlinas
Vende-se na loja de jolas de Augusto Rege
& C, rea do Cabug n. 9.
FOLHETIH
Charlte verdadeiro, qua-
lidade superior,
Castores de todas as co
res com lindos desenhos.
Tapetes com lindissimoj
padroes.
Marroquim branco e de
todas as cores.
Sola especial.
Formas francezas moder-
oas e mais artefactos par
sapateiros.
Tudo isto se vende poi
diminuto preco por ha ver
grande depsito na loja de
calcados ra do L'vra-
mento n. 10
Costa Campos i C.
Cal virgem de Cotunguba
A primeira por sua preciosa composigao chi-
mica para o fabrico do assucar, riquissima de
saes de potassa e soda, adaptavel perfeilameate
exploraj5o da industria de sabonetes, etc. etc.
Superior de Lisboa, vende se cada barrica com
60 kilos a 8000.
Agente nesta capital Manoel Jos de Aranjo,
ra larga do Rosario a. 24 A.
BROWNS & C
Mudaram seu esenptorio para a ra do
Commercio n. 7 1 andar e continan! adis-
posicao de seus amigos e freg'uezes, para
fazer executar as melhores condifoes suas
encommendas de qualquer artigo agrcola
ou industrial da Europa e Estados-Unidos
da America do Norte.
Dispondo ^as na ai ores facilidades para
encommenda de apparelhos para Usinas de
fabricar assucar, fabrica de fiacao e teci-
dos e outros ; acceitam contractos nao s
para o fornecimento dos machinismos como
para a respectiva installapo.
Tem completa collecao de catlogos,
specimens e planos e portanto sempre ha-
bilitados a fornecer ornamentos e pros-
pectos.
NVOESTABaECIMENTO
Receben um lindo sortimento de
CAPOTAS
de rendas di cores e pretas para senhoras.
de renda e de palha para senhoras e meninas.
<1q palha e de seda para enancas
de
JULIO MARY
OS DOIS INNOCENTES
TERCTIRA PARTE
(Continuar o do n. .1 >
A BEIBA DO CHIME
Valentim parti e ouviu se o rumor dos
seus sapatos no pateo.
Cont me o que sabe, disie o pro-
curador.
Violaines sacudi os hombros.
-*. Nada posso diser-!he; dorma;
quando acordaram-me o crime estar con-
sumado, tudo estar acabado.
Q.oaeB foram as pessoas que foram
despertal-o?
Meus criados.
Avistou o ex soldado do Tonkiu, cu jo
porte robusto desenhava-se na abertura
da porta, aberta naquella occasiSo.
Eib aqui um delles. Interrogue o.
Entre, Blaiee, entre.
Bem. Deize-me, volte para junto
de saa molber.
E Violaines sabio quando Blaise en-
trava. O magistrado fes signal a Blaise
que fechaste a port\ e este obedecen.
O que sabe ?
Blaise s poda repetir-lhe a narrativa
qne fsera-lhe Valentim.
Em quem recahem aj suas sos
PUb?
Ora meu senhor, isso diffisil
dizer...
E muito embancado cocava a testa.
Porque difBcil ? Diga justica
o que sabe, o que possa esclarecel a.
Foi soldado .. vejo no seu peito a me-
dalha...
Sim, estive no Tonkin...
EatSo deve saber que preciso
cumprir o dever...
Sempre o cumpri e eis porque nSo
hesitarei em dizer lhe o que pens... O
velho que repousa all e que nunca mais
despertar, nSo era muito estimado pela
gente da herdade. NSo estava em boas
relajea com os patrSes. Quasi nSo se
fallavam ou quando iseo aconteca era
sempre certo ouvir-se o velho soltar al-
gum naulto. Ao ponto, senhor, que a
herdade vai ser vendida amanhSpois a
penhora j foi feitaquando podiam sal
val-ase o velho emprestasse dinheir).
Nunca ceden nm vintem, por odio. En-
tretanto tinha dinheiro, aqu est a pro-
va, e s gostava delle para clhal-o, pois
n3o fasia uso algum.
E sabe de onde provinha esse
odio T
Do casamento do flho. Consta qne
a patroa teve urnas histerias antes de ca-
sar se... E' da conta do marido... nada
temos com isso. ^L *
A fronte do magistrado enrng^n-se.
RecordaySes, talves.
De maneira que pensa...
Oh nSo pens nada. Mas suppo-
nbo qne a patroa qnizesse implorar ao
velho ? Supponho qne o ontro se revol-
tasse ? E mesmo que a fer ase e qne
ella se tenha defendido ?... Talves tndo
entlo se explicaste...
E o dinheiro qne est all espa-
Ihado?
O patrSo contou-me que urna vea
pedir certa qnantia ao pai e este recn-
Vende-se
Urna casa de laipa, feitio de chalet, sito tfa-
vessa do Dr Feitosa, 2- dietricto das Gracas,
cojo terreno tem 100 palmos de frente, terreno
proprio, com cacimba de pedra e cal, boa agua;
o chalet tem de frente tres janelas ou postigos :
a tratar na estrada do Limoeiro, em Santo Ama-
ro das Salinas, taverna n. 6-B: para informales
na taverna da entrada do Feitosa, quem vem de
Sante Amaro, que lbe indicar gual o chalet.
sara, mas para aborrcelo mais mostrara-
lbe o ouro fochado as gavetas, disendo-
lhe : Hei de ver-te suecumbir e nada
ters de miro, nada !>
NSo julga a sua patroa capas de ter
concebido um aasassinato para apoderar-
se desse dinheiro e pagar as dividas do
marido ?
NSo. Nada pode fazer snppor se-
melhante atrocidade A patroa a me-
Ihos o a mais meiga das mulheres. Tc-
dos nos a adoramos. Se nSo fosee a falta
de dinheiro, a felicidade aqui seria com
piste.
F se bouver premeditacSo ?
Ah 1 nada posso affirmar- lhe.. .
Acredita que fosse a mSo de sna
patroa que deixon vestigios tSo visiveia
no peseojo deste desgracado ?
Blaise abaixon-se e examinon Vio
laines.
NSo, disse. Se estes vestigios sSo
de dedos, nSo sSo cortamente os da pa
troa, cuja mSo pequea, tSo pequea
qne muitaa vezes brincamos com ella, por
galanteio, disendo-lhe que nascen de urna
princesa pois entendo dever diser-lhe
senhor jnis, qne a nossa patroa urna
pnpilla do hospicio.
Nova ruga desenha-se na fronte do pro-
curador da repblica.
Ecala se. Depois, parece livrar-se de
um pensamento importuno.
Ha confianca, na herdade, em todos
os criados ?
Oh sim, senhor... alo emprega
dos antigos. Apenas dons mocinhot, urna
rapariguita e o pastor, estSa aqui a me
nos de nm anno.
O Pastor ?
Um criancola, qnasi urna menina,
desoito anuos mais on menos.
E rindo se :
Oh nSo tambem esta a largara
dos seos dedos... Mas...
Fabrica de gelo
gaas e limonadas gasosas d*
tedas as qoalidades
Soda water, ginger, ale, limao, laranja, cora
cSo, abacaxis, granadina, grosellas, franboisat
bauoilha, hortela-pimenta, etc., etc.
HACAES DO CAPIBARIBE-1J-A
E Blaise, detem-se, interdicto.
Acabava de lembrar-se do vagabundo
recolhido por Cbarlot havia dous dias.
Em que pensa ? pergunton o ma-
gistrado.
Senhor, prometti dizer tudo....
Pois bem, ha algnem na herdade desde
ante-hontem, e qne en nSo conheco, qne
' s o pastor conbece e de quem nSo res-
pondo.
Quem 'i
Um 'vagabundo, um conhecmento
do pastor....
Ah Ah 1 disse o magistrado vi-
vamente icteressado e cujos olhos brilha-
ram. Dorme aqui ?
Sim, senhor ; com o pequeo Char-
Iot.
Cbarlot ?
E' o pastor de quem lhe fallei e
que o acolheu.
Se esse homem culpado, com cer-
teza^ fugio.
Cortamente.
V certificar-se ; ao mesmo tempo
pega a nm dos criados para que ven ha
vigiar este cadver e informe se se a Sra.
Vioalainea volton a si e posso interrol-a.
Bem ; mu se o vagabundo anda
estiver aqui ? Se estiver dormindo ?
Colloque nm dos empregados por-
ta para guardal o.
NSa o despert ?
NSo, mais tarde.
Blaise sanio e o procurador-da repbli-
ca tomn apontamentos. Blase volton
cinco mautos depois.
A patroa est melhor, mais est
muito aca e muito commovida...
E o vagabundo ?
Dorme, assim como Cbarlot....
Por cansa dos carneros, muito potsi-
vel qne nSo se onca nenhum raido do
pateo no fundo do carral... Com toda
a certesa nSo foi ell?.

para homens e rapazes, dos fabricantes FRANCEZES, INtrLEZES E ALLEMAES
CHAPEOS
de seda para hornees.
GRAVATAS DE SEDA
FORMAS
de palha para chapeos de senhoras e meninas.
astfsrcoeoR. a os
pretos e de cores.
Fitas, Gazes, Rendas, Veos, Azas, Passaros, Flore?.
Plumas, Aigrettes eGrampos
para chapeos e outros artigos de fantasa.
Ra do Raro da Victoria n. 42
E LICIO MARQUES
Telephone n. 560
Constituico
DO
istao de Pmsai~
Suco
Vende-se a 400 re**
cada exemplar, no
escriptorio do Dia-
rio.
Livros de recibos para
alugueis de casas; vende-se
qo escriptorio deste Diario
Oliyeira Campos 4' C.
Rea do Crespo n. 21
Merin3 pretos finos de USGO, t603 c 1/800
Etamines pret03 fines de 9C0 rs. o corado.
Caxemiras prttas lindas e finas a 200 rs. o co-
V8d0.
Setineta lisa de todas as cores.
Bramante de linho e algodSo.
Percales brancos de 240 rs. o covado.
Tolards de cores.
Cretones pretos finos.
Attenco
Vende-se na ra do B:m Jess n. 38 :
1 piano novo Cari Sheel.
i mobilia de Jacaranda nova.
i lavatorio cem pedra,
O magistrada nSo responden. Re-
flectia.
O senhor intelligente, disse. Fi-
que junto de mim, minba dispqsicSo ;
pdeme ser til.
Como quizer.
Vou interrogar a Sra. Violaines.
Fique no patee ao alcance de um chamado
meu.
Dirigi se para a cozinha da herdade,
detras de cujas janellas tremulava ama
las.
Violaines estava junto da mnlher. Esta,
sentada, com os cotovellos apoiados sobre
a mesa, com a cabega entre as mSoa e e
rosto encoberto.
O magistrado quando entrn disse ao
rendero :
Preciso ficar s com a senhora.
Queira afaatar-se.
O rendero obedeceu com nm gesto de
grande desespero.
Mara Thereza nSo se mover ; toda
inmersa na sna grande dr, nada oavira.
O ferimento que reoebera era, como
dissemos, leve. A faca res val ara no ves-
tido e s tisera na pelle um arranhSo um
pouco profundo.
Mas dir-se-hia que o golpe dado por
aquello filho em sua mSi, attingira-a em
pleno coraoSo 1
Micha senhora disse o magis
trado.
E como nSo onvisse anda, approxi-tj
mon se.
Violaines accendera urna lampada antes
de sahir e levara a vela. A cozinha es
tava, pois, Iluminada inteiramente.
O procurador da repblica enooston a
mSo docemente sobre o hombro do Mara
Thereza e repetio :
Minba senhora, necessario qne me
responda... Preciso de alguna esclare-
cimentos seut e que s a senhora pode
dalos.
Ella deixon, entSo, os seus bracos ca*
hirem sobre i mesa e o sea rosto appare-
cen banhado em lagrimas.
Entretanto ainda nSo enzergava : tam-
bem elle nSo a va, a rSo ser de p'erfil.
Voltou-se de frente, levantou ors olhos
e olhou.
E ambos soltaram um grito e asustado,
de terror e de sorpreza.
Henrique !
Mara Thereza 1
E calaram-se, lvidos, com os coraioes
pulsando com forea ; ella tornando a ver
em um estante, nessa apparicSo, o sonho
risonho da sua juvenlnde, o abandono
cruel, a atroz tortura infligida a sua roa-
ternidade culposa e a desgracada existen-
cia por causa desse homem, o seu odio
substituindo o seu amor ; elle, com a
fronte rubra de, vergonha, ao recordar-se
da m acySo commettida, perdendo o san-
gue fri, nSo achtndo o que dizer, nem o
que perguntar. ..
Henrique Henrique de Milbe-g 1
disse ella, pois s tu, nao s ? Es elle
mesmo I Quasi nSo mudaste 1
Elle abaixon a cabeca, sem forcas, ao
menos, para responder.
E's tu E o que vens faser aqui ?
NSo o ten logar. Tudo ikeste para que
te odeie... O meu odio nSo deve sor-
prender-te. Retira-te!... Retira-te!
Henrique afinal ergnen a cabeca.
Foi aqui commettido nm orime : son
magistrado e cumpro o meu dever !
Magistrado f E s tn que interro-
gars...
Eu, sim.
Orando Dens! disse ella com os
olhos desmedidamente abortos por am
terror lonco.
(Connuarve-ha)
Typ. do Ihario, ra Duque de Caxiasa. W.
/
!
/
i

-




i
ir
-f
1
^f

.



i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E42QQHUBZ_DEGS0X INGEST_TIME 2014-05-28T14:58:52Z PACKAGE AA00011611_19879
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES