Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19866


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A UN 8 Lili IDIEBO 192
HAR A CAPITAL E LICARK* OAl>f3 JMAO SE PACA PORTE
Por tres menea attiantadoa
Por seis ditos dem.....
Por um ana o dem......
Cada numero avulso, do mesmo da.
6\5000
120000
24*000
100
DOMINGO 22 BE AGOSTO DE 1886
PARA DENTRO E PORA DA PROTIMCIA
Por sen meses adiantadoa.....
Por nove ditos dem.......
Por um auno dem.......
Cada numero avulso, de diaa anterioree.
13^500
20,5000
27(j00e
jloO
DIARIO DE
NAMBUCO
Proprieirait* te Jttaiwel iigudra He Jara & -fUljns


Os Srs. Amede Prlnce A C *,
de Paris, 3o os noaaas agentes
exclusivos de aaniim-iai e pu-
blic icoes da Franca e logia-
ierra.
Os *r.N. Wasburne Hermanos.
de ew-Vork. Broad Way n,
90. silo os nossos agentes ex-
clusivo de annu dos nos Es-
tados-L'nido s.

'

TELEGRAMMAS
ss:::: : uicu satas
(Especial para o Diario)
ST0K0LM0, 20 de Agosto.
s. M. F. o sr. D. lilil I, re de Por-
(acal, acaba de encarar aqu.
MONTEVIDE'O, 21 de Agosto.
O oslado do general Santos sesjoe
nm corso normal de ana carcter
Bastante satisfactorio.
LONDRES, 21 de Agosto.
Lord Cburcblll. ebanceller do The-
sooro. declarou no parlamento qae
o general Bntler deve partir breve-
mente para a Irlanda, aflna de aaan-
mlr o < ominando sersl das tropas, e
qae o governo Ibe da plenos nocieren
para asir enrgicamente contra os
pertorbadoren da ordem.
Agencia Havas, filial im Pernambaoo,
21 de Agosto de 18X6.
IHSTRDCClO POPULAR
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
eento d'eate gaz na atmosphera o suficiente para
matar um cao grande, qumdo aeriam precisos de
acido carbnico trnta ou quarenta por cento para
e produiir o mesmo resultado, o que demonstra
aerem as propredades deleterus do oxydo de car-
bonio des Teses mais enrgicas do qae as do acido
carbnico.
Para se evitar todo o risco, aconselha, pois, a
prudencia qae se nao accenda um brazeir, ncm
ao ponba fogo no eylindro de ama tma, em casa
techada, por muito ai pa que ella seja,e que nos
nao colloquemos na corrente de ar que vem daquel-
les focos de combuatJo, porque em taes circums-
tancias pode vir introduzir-se-nos no pulmo o
oiydo de carbonio, que eatremantente voltil.
(Contina).
?arte orricui.
DE
Coverno da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 20
AGOSTO DE 1886.
Bacharel Antonio Candido Correia de Araujo.
Encaminhe-se.
Franceliua Sabina do Monte.Inionne o Sr. in-
spector do Tbesouro Provincial.
Gerente da Companhia de Santa Thereaa.
Passe portara dando proviinento ao recurso in-
terposto-
0 meamo.Teve provimento h*je o recurso
que alinde.
Jos Joaquim de Sant'Anna e Antonio Moreira
de AlmeidaInforme com urgencia o Sr. juiz
de paz mais votado da parochia de Santa Mara
de Boa-Vista.
Secretaria da Presidencia de Pernamba-
co, em 21 de Agosto de 1886.
O ajudante do porteiro,
Antonio F. da Silveira Caruolho.
PERHMBUCO

r

CAPITULO I
til ATMOJiPHEHICO
(Continuacao)
Viciar o do ar pelas consbastoes
A combuatlo do carvio (qaer de madeira, quer de
pedra), da lenha, do coke, do azeite, do petrleo,
do gaz da illumnao, do petrleo, das velas,
etc., phenomeno que consiste na combinaco
d'aquellas substancias como oxygenioevidente
que deve viciar consideravelmente a atmosphera,
qnando se faca n'um espaco limitado, em que esta
nao seja renovada.
Diminue necessariamente o oxygenio do ar e
introiuz n'este diferentes productos gateaos, im-
proprios para a respiraco. Est calculado que a
combustao de 1 kilogrutnma da leuba exige 8 me-
tras cbicos de ar, a a do igual quautidade de
carvo de pedra prec'sa da 8 ou 9. Um kilogram-
ma rtc estearina produz, arden lo n'um casa de
45 metros euuiuosde capacidade, mais da4 metros
cbicos de acido carbnico.
E', comtudo. p-eeiso nas localidades muito fras
O uso do fogo para orodu/.ir uina temperatura to-
leravel as habitacoo* ; tambem elle indispenaa-
vel as eosiuhaa, e nao renos necessare a com-
bustao que ha de d-ir-nn a luz para nos lluminar
dorante a noitc. Importa por comeguinte adoptar
precaucoes, para que da satisfcelo detaes neeea-
sidades nao resulte vieac" o atmospberca, que pre-
judique a aade.
yuanto ao f.go as crsinhas, a chamin isenta-
o de inc inveniente, porque dando sahida aos pro-
ductos gazosoa da combustao, determina a sobsti-
tnico i'edes no ambiente por ar novo, viudo de
fra. O meamo se pode dizer dos fogots, usados
para aqui'cer os aposentos, e qne teemtubo ae des-
carga para o exterior. Nos outros processos de
aqueci ment, como os brazeiros, muito usados as
nossa9 provincias, necessario conservar abertu
ras nos aposentos, por meio de porta, janella ou
ventiladores pelas quaes o ar possa fcilmente ser
renovado.
Tambem as casas em que por muito tempo se
conservam luzes, convm atender-se renovaco
do ar. Na escolha do combustivel, tanto para
aqoecimento como para illuminacao, deve tambem
preferirse aquelle que espalha menos principios
nocivos na atmosphera. Assim, a lenha e o coke
sao preferiveis para o aquecimento ao carvo de
pedra s ao carvio de madeira. O primeiro d'estes
produz um fumo espesso e um cheiro desagrada ve 1
e prejudicial, e espalha no ambiente um um p ex*
trema mente fin1, que irrita a garganta e os broa-
Chica. 0 carvo de madeira di origem forma-
cao de gazes deleterios, que sao altamente noci-
vos.
Pa:a a illuminacao domestica usam-se : a vela
de cebo, que d m luz, nao se queima completa-
mente, tanca na atmosphera principios muito noci-
vos e por isso, insalubre, as velas de estearina,
de ser, de parafina e de espermacete, que ardem
mnito mais que as de cebo e produzeui muito me-
uoe productos nocivos : o azeite, muito convenien-
te para a illuminacao (principalmente nos traba-
lhos de gabinete salubres, ardendo quasi comple-
tamente ; o petrleo, que d luz mais clara que o
azeite, mas que tem o inconveniente de prodozr
muito calor (o que nocivo a quem precisa de tra-
balhar muito perto da luz), e derrama na atmos-
phera vapores do cheiro desagradavel o que nao
gao innocentes para o organismo; o gaz da illumi-
nacao, que nao produz compostos nocivos, porque
arde completamente, mas que produz muito calor,
pelo que a convm em recintos muito eepacoaos.
Julgava-ae amigamente que o acido carbnico
produzido pelas combostes era o nico resultado
nocivo dellas. Hoje est demonstrado que a mor
te produtida pelas combustoes em espacos fecha-
dos devida ao oxydo ae carbonio, qae tambem
se desenvolve nellas, quando o oxygenio n5o as-
aaz abundante para eonverter todo o carbonio em
acido carbnico.
Aquelle oxydo um gaz eminentemente defcte-
rio, qual da a cor azul a certas ^w" qae a
Repartlco da Polica
SeccSo 2.* N. 815. Secretaria da Po-
lica de Pernambaco, 21 de Agosto de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram bontem recolbidos Casa de
DetencSo os seguintes individuos :
A' minha ordem, Jos Vicente dos Santos, vm-
do do termo de Nazareth, como pronunciado em
crime de moeda falsa na provincia da Parahyba;
Vicente Ferreira Barbosa, conhecido por Bahi,
remettido pelo delegado de Itamb, como pronun-
ciado aui crime de morte na comarca de Nazareth;
Felippe Nery de Souza e Juaquim Fdelis de San-
t'Anna, remet idos pelo juiz municipal de Itamb,
para liquidaco de malta, a disposico do Dr. juiz
de direito das execuces ; Anna Mara da Con-
eeico, Antonio Jos Besen-a, Manoel Cypriano do
Sacamento, conhecido por Manoel Lzaro, Ma-
noel Nunet de Souza, conhecido por Manoel Rosa,
Villardo Justiniano Carneiro da Cunha e Manoel
Francisco de Sant'Anna, conhecido por Manoel
Coruja, remettidos pelo juiz municipal de Goyan-
na, o primeiro com destino ao asylo da Tamari
neira, por estar soffrendo de alienacao mental e os
demais disposico do Dr. jaiz de direito das exe-
cueoea, como sentenciados.
A' ordem do subdelegado do Recite, Justina
Mara da Conceico o Rosa lisa d tal, por diatar-
bios,
A' ordem do do 1* distrito de S. Jos, Joaquim
Jos de Sant'Anna, por disturbios.
A' ordem do do 2* distreto da Graca, Hermino
Jos de Souza. por disturbios.
A' ordem do do Arraial, Jos Ribeiro de Jess,
por crime de ferimeotos leves, disposico de Dr.
juiz de direito do 5* distreto criminal.
No da 10 ao corrente, o individao de nome
Joaquim Jos do* Anjos, conhecido por Joaquim
da Leonor, e m no logar Olho (TAgua, do termo de Pao d'Alho,
espancaram a Antonio Manoel da Costa e depois
cortaram-lhe a barba.
Os delinqnentes evadiram-se aps o errme.
Procedeu-se a tal respeito nos termos do inque-
rto policial.
Ao amanhecer do dia 13 arrombaram os la-
dros a estribara do engeubo Macacos, no termo
de Pao d'Alho, e roubaram quatro cavallos perten-
centes a Diogo Soarea Carneiro de Albuqaerqoe.
O subdelegado do 1* distreto fez as diligencias
da le e trata de deacobrir o autor oo aotores do
crime.
No dia 14 e no logar deaominado Biquinha,
do indicado termo de Pao d'Ano, o escravo de
nome Jos, pertencente ao major Jos Francisco do
Reg, espancou e ferio gravemente a Antonio Jos
Ribeiro da Silva.
Contra o delincuente, que evadio-se, prooedea se
nos ulteriores termos da lei.
Em datas de 2 do corrente, foi capturado no
termo de Limoeiro, por se achar pronunciado na
comarca de Taquaretlnga como incurso as penas
do art. 219 do cdigo criminal, o individuo de
nome Joo Cosme.
Tambem em data de 15 foi capturado pelo
subdelegado do Io distreto de Pao d'Alho, o indi-
viduo do nome Antonio Luiz da Silva, pronun-
ciado em crime de fermentos gravea no termo da
Gloria de Goit.
Deus guarde .a V. Exc Illm. e Exm.
Sr. Dr. Igaacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 21 PE AGOSTO DE 1886
Florindo Marques Lins.Haja vista o Dr. Pro-
carador Fiscal, depois do recolhimento das apo-
lnea
r'ret do Corpo de Policio. Examine-se.
Contas dos Srs. collectores da Petrolina e Ca-
brob e Joo da Costa Ribeiro e Souza.Haja
vista o Dr. Procurador Fiscal.
Paulino de Oliveira Maia.Informe o Sr. Dr.
administrador do Consulado.
Dr. Joaquim Pedro Cavalcanti de Albuquerqne
e Joaquim Caudido da Veiga Figueiredo. Cam-
pra-se, regstrese e facam-se os assentamentos.
Pret do Corpo de Polica Pague-ge.
Manoel Lipes da Silva, Francisca Mara do Ro-
sario, J. Maia de Rezeode, Joaquim Anselmo oe
Hollanda Cavalcanti do A'buquerqu*, Luiz Bap-
tista Nogueira, Antonio Peregrino Cavalcanti de
Albuquerque, Mara Eaphrosina de Freitas, Ma-
noel Joaquim dos Santos Abreu e Silva, Oliveira
Bastos & C, Tavar-'a & Oliveira e Corbiniano
de Aqnino Fonseca.Infirme o dr. Contador.
Bario de Araripe e Joo Vicente Torres Ban-
deira.Eotregue-se o deposito.
Padre Manoel Gomeg de Brito.Registre- ae e
faca-te as netas.
Jos Joaquim Goncalves de Barros e Manoel
Gomes Cavalcanti.(J
Assembla Provincial
60* SESSO EM 18 DE JUNHO DE 1886
PBESIDEapi* DO BXM. 8B. Da. JOS MANOEL DB BABBOS
WANDBRLEY
Consalado Provincial
DESPACHOS DO DA 20 DE AGOSTO DE 1886
Antonio Dias & C, Cesar Lopes k C, L. Lacb
Correia, Palmeira Maia c C, Antonio Afifons> Si-
mos, Manoel Fernandes Velloso, Jos Theotonio
Domingos, Paulino de Oliveira Maia, Enedioo
Goncalves Ferreira da Las, Jos Francisco Do-
mingues, Dr. Antonio Bruno da Silva Maia e An-
tonio Gomes de Miranda Leal.Informe a Ia sec-
9*-
Francisco Nogueira de Mello.Certifique-ge.
Francisco Fiuza de Oliveira. Indeferido em
veses vemos nos braseiroa. Tres oo quatro por ^^ ^ informacio.

(Conclusa)
O Sr. Ferreira Jacobina(Nao devol-
veu seu discurso.)
Vem mesa, sao lidos e apoiadot dous requer
mentos da addiamento, sendo um do Sr. Prxedes
Pitanga at as emendas serem publicadas pelo
jornal da casa, e outro doa Srs. Loureoco de S e
Rogoberto. no meamo sentido.
| Sr. Joo a I ves (pela ordem) requer o
encerramento da disenssio.
O Sr. Ferreira Jacobina (pela ordem)
requer votacjlo nominal sobre o reqaerimento.
Consultada a casa, resolve pela negativa.
Procedendo-ae votaco do requerimento do Sr.
Joo Al ves, approvado.
I Sr. Barros Brrelo dunlor (pela
ordem) requer e a casa concede o addiamento da
votaco pera a seaso seguinte.
Passe
2 PABTE DA ORDPM DO OU
Contina a 3* discussao de projecto n. 54 d'este
aso.
Veem mesa, sao lidas, apoiadaa e entram con-
juntamente em discussao as seguintes emendas :
N. 155. Ao art. 1*ao 14 accrescente-se :
n. 16 ordenado do zelador do sitio Cacte l:200j.
Reg Barros.Rodrigues Porto.
N. 156. Ao 2 n. 1.Em lugar de 2;000000
diga-so com 2:200^000 no orcamento vigente.
Reg Barros.Rodrigues Porto.
N. 157. A's disposcoes geraes accrescente-se :
por morte do actual zelador do sitio Cacte a C-
mara Municipal do Recife arrendar dito sitio-e
emquanto o nao tiz r ficar a fiscalisaco do sitio
cargo do fiscal de Afogados.Reg Barreo
Rodrigues Porto.
N. 15--. O servico da limpezada cidade do Re-
cife a poder ser feito por meio de arrematacao e
nanea por administraco. Reg Barros.Rodri-
gues Porto.
N. 159. Ae art. 69Fica eliminado dos devo-
dores da Cmara Municipal de Palmares Jos Pe-
reira Bastos.Luiz da Andrada.
N. 160. Restabelecam-se os veocimentos que
tem, segundo o orcamento vigente, o administra-
dor do cemitero de Nazareth.Jos Mara.
N. 161. Ao art. 35 augmente-se : 8 16 dando
ao escrvo do jury de Pao d'Alho 350/000, sem
direito & reribuco alguma, deduzida da verba
do 8 14.Dr. Joo de S.
N. 162. as dispoaicoes geraes.Apresento
como emenda o projecto n. 83 deste anno.Ratis
e Silva.
O projecto a que se refere a emenda o se-
gointe:
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
baco resolve :
Art. 1 Fica o presidente da provincia autor i-
gado a mandar aposentar o actual porteiro do ce-
mitero publico de Santo Amaro com os venci-
mentos correap ndentea ao tempo.
Art. 2 Revogam-se aa disposicoes ea con-
trario.
Paco da Assembla, 11 de Maio de 1886.Julio
de Barros.Ferreira Velloso.
N. 163. A presen tamos como emenda s dis-
poscoes geraes o projecto n. 88.P. G. de Ra-
tis e Silva.Domingues da Silva.Luiz de An-
drada.
O projecto a que se reforo a emenda o se-
gainto:
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
baco resolve:
Art. Io Fiea o presidente da provincia autori-
sado a aposentar no lugar de contador da Cmara
Municipal do Recife, com o ordenado correspon-
ded i a 15 annos de ser vi coa prestados na mesma
cmara e pela tabella da ento, a Joaquim Tava-
res Rodovalho.
Art. 3* Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
Puco da Assembla Provincial, em 19 de Maio
de 1886G.de Drummond Filho.P. G. de Ra-
tis e Silva.
N. 164. Disposicoes geraes. Oftereco como
emenda o projecto n. 111 do anno passado. Ratis
e Silva
O projecto a que se refero a emenda o ae-
guinte :
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
buco resolve :
Artigo nico. Fica o presidente da provincia
autorisado a aposentar ao guarda-fiscal Francisco
Antonio Teixeira de Albuquerqne, com os venci-
mentos que por lei Ihe competen).
Revogadas as dispisices em contrario.
Sala das commissoes, 11 de Junho de 1885.
Maximiano Duarte.Jos Mara.
N. 165. Ao n. 1 do 5oveocimentos do admi-
nistrador do mercado publico de S. Jos: sejam
maotidos os vencimentos que tem pelo orcamento
vigente. R-tis e Silva.Jos Mara.
N. 166. Onde convier : A Cmara Municipal de
Panellts pagar de preferencia o que estiver a
dsver a Joo Pampbiltno Cavalcante, de cuatis
pi-laa defezas produzidas no jury em prol de presos
pobres.Jos M ria.
N. 167. Ao 5Sejam mantidos os vencimen-
tos do ajudante do administrador do mercado pu-
blico de S. Jos, deconfoimidade com o orcamento
vigente.Ratis e Silva
N. 168. Fica o presidente da provincia autori-
sado a ceder Cmaro Municipal ou juata de
bygiene pnblica do Recife o laboratorio chimico
histolgico, ficando cargo dellas a conservaco
nomeando para isso os empregados 'que forem ne-
cessarios. Ratis e Silva.
N. 169. Onde couber. A Cmara Municipal do
Rio Formoao pagar pela verbaEyentuaeso
que estiver a dever de cuitas ao escrvo Miguel
Zeferino de Azevedo.Regueira Costa.
N 170. Mantenham-se os vencimentos do admi-
nistrador do logradoaro do Giqui, como sao ac-
tualmente.Costa Ribeiro.
N. 171. Maotenham-se oa vencimentos do admi-
nistrador do Mercado Publico do Recife como sao
actualmente.Regueira Costa.
N. 172. Cnceda se ao fiscal da Graca o mesmo
favor que ao 1 dutricto da Boa-Vista por tur
sub sua immediata inspecco o matadoaro da mes-
ma freguezia.Jos Mana.
N. 173. Fica approvado o contracto feito pela
Cmara Municipal do Recite, para o servico da
limpezi. publica.Jos Mara.
N. 174. Ao n. 1 do 10 do art Io. Fica res-
tabclecido o ordenado do administrador do Cemi-
tero do Arraial, de couformidade com o orcamento
vigente Ratis e silva.
N. 175. Additivo. Onde couber. Por cada pa
vimento de predio*nas freguezias comprehenddas
na cidade do Recfis i#000 Ratis e Silva.
N. 176. Ao n. 4 do 8 art. 1. Fica restabele-
cida a dieposico do orcamento vigente referente
ao Iteidor. -Katis e Silva.
N. 177. Offereco como emenda o projecto n. 62.
O projeeto a que se refere a emenda o se-
guinte:
A Assembla Legislativa Provincial de 1 er-
nambuco resolve :
Art. V Fica a Jamara Munxipal da cidade do
Rec fe autorisada a contractar com a pessoa a
quem convier, a solacio, oa qaitacio do debita
aetual, oontrahido pela mesma Cmara Municipal
com o Banco do Brasil, mediante o goao do rendi-
mento do Mercado Publico de S. Jos pelo tempo
de oito annos.
Art. 2* O contracto poder ser feito collectiva
ou singularmente, sendo o contratante obrigado a
assignal-o dentro do praso de 30 dias do em que
for ajustado, e deliberado em sessao da Cmara
Municipal.
Art. 3 O contratante s poder tomar conta
do mercado quando exhibir na Cmara Municipal
a quitacao do referido debito, passods e aaslgnado
legalmente pelo seu credor do Banco do Brasil.
Art 4 No fim doa ditos oito annos entregar e
contratante Cmara Municipal o Mercado Pu-
blico de S. 4ps no mesmo estado de conservaco,
em qae o receber, e bem assim todos os seos uten-
silios, dos quaes tomar conta por nm inventario,
qu- assignar e ser lancado no coipo do termo do
contracto.
Art 5* Em vista da disposico aupra ser o
contratante oDrgado a indemnisaco todo o pre-
juizo qae honver para a Camira, no acto da en-
trega do mercado, quer par falta de algum aten -
silio, quor por detonoracao oa mo estado de lim-
peaa do edeio, sendo o prejuizo avaiiado por
dous arbitros e um desempatador a contento de
ambas as partes contratantes, sujeitando-se ellas
ao desempate som recarao algum.
Art. 6' O contratante no goso do tempo da ces-
sio do Mercado Publico de 8. Jos ser obrigado
a respeitar aa postaras municipacs, referentes
tabella dos preeos dos gneros, e os impostos esta-
belecidos sobre esses, sob as penas da lei em que
houver inct-rrido.
Ficam revagadas as disposicoes em contrario.
Recife, 4 de Maio de 1836.O deputado Ratis
e Silva.
N. 178. Ao n. 2 2 do art 1. Ficam igualados
os vencimentos dos amanuenses aos dos hincado-
res.Ratis e Silva
N. 179. Ao | 4do art 8a. Sapproam-se as pa-
lavrascom obrigacao de defender os presos po-
bres.Ratis e Silva.
N. 180. Ao art. 55 27. Depois da palavra
artificioaccrescente-seou por individuo qae o
fabricarLuis de Andrada
N. 181. Ao 65. Accresceote seassim como
um dos lugares de lancador. -Reg Barros.Ro-
drigue Porto.
N, 182. Ao art. 69. Fica extincto o debito de
Jos Hygino da Queiroz, para com a Cmara de
Palmares na importancia de 400*000, visto j ter
pago com os alaguis de sua casa dita quantia.
Luis de Andrade.
Vem mesa, lido e ap-iiado, e deixa do ser
vo' ido por falta de numero, o seguinte requer-
|nto:
Reqneiro o adiamento da discussao & file n<
emendas sejam publicadas no jornal da casa.
Jos Maria. >
Entra em aeganda dignas aso e fica adiado, o
projecto n. 33 deste anno.
O Sr. presidente levanta a sessao, designando
a seguinte ordem do da : l. e 2. partesconti-
nnaco da antecedente.
SESSAO SM 19 DE JUNHO DE 1886
PBEglDBSCIA M KUI. SB. Da. JOS MAJTOEC. DB SABBOS
WAXDUXBT
E' lida e sem debate approvada a acta da re-
nnio do dia 12.
Sbmmabio : Abrs-se a sessao. L-se e entra
em disctalo a acta da sessao antece-
dente.D8Cursoe dos Srs. Jos Maria
e Praxeile Pitanga.Consulta oaaa
eobre *eto da Sr. presidente.Appro-
vaco. Adiamento 3a' discussao da
acta. 1. parte da ordem do diaVo-
taco das emendas ao projecto n. 43
deste anno. OeclAraces de voto.
Final da Bselo.
Ao meio dia, feita a chamada o verificndose
estarem presentes os Srs. Ratis e Silva, Ferreira
Vellosa-, Luiz de Andrada, Barros Bar reto Jnior,
Drummond, Regueira XJosta, Soares de Amorim,
Culho de Moraee, Rodrigues Porto, Barros Wan-
derley, Reg Barro, Gomes Parante, Visconde
de Taoatioga, Herculano Bindeira, Domingues
da Silva, osta Ribeiro, Constantino de Albuquer-
que, Jlo Al ves, Custa Gomes e Augusto h ran-
kiin, o Sr. presidente declara aberta a sessao.
Comparecen) depois oa Srs. Loarenco de S,
Feneira Jacobina, R igaberto, Jos Mara, Prxe-
des Pitanga, Julio de Barro, Joo de Oliveira,
Barao de Caiar, .Soptuan'io Portella e Andr
Diaa
Faltam com participaci os Sra. Solomo de
Mello > sem ella os Sra. Rosa e Silva, Goncalves
Ferreirr-, Jle de S, Aosaral, Bario de Itapissu-
ma, Juvencio Mariz e Antonio Vctor.
E' lida e entra em dfacuaao a acta da sessio
antecedente.
O Sr. Jos Mara Sr. presidente, ea te-
nho levantado sempre a questo que oovamente
se agita. Desde que foi.votada a lei de encerra-
mentos, qae esUbelecea-se a seguinte norma, que
a verdadera norma, conentanea com a lei, com
a boa e a razio.
Sempre que qualquer materia se encena com
requerimento.de adiamento, votase primeirumeu
te o referido requerimento ; sendo este rejeitado,
reabre se a discasso. E' o que determina o re-
giment ; a lei de encerramento nao poda revo-
gar essa disposico.
Eu, da vez passada, quando V. Exc. errada-
mente interpretou o decreto da rolha, resolvendo
que esta tbeoria nao se applica hjpothese de
dar-se o encerramento por meio de requerimento,
mas sim. naturalmente, discut a questo com este
mesmo argumento, qae voa apresentar nova-
mente.
Desde que existe sobre a mesa um requerimen-
to, que foi lido e posto conjuntamente em discus-
sao, pedindo o adiamento da materia principal,
quer a discussao seja enceTada naturalmente'
quer por meio do requerimento, de accordo com o
decreto desta Aseuibli, jswe-ge votar em prU
meiro lugar esae requerimuoto de adiameuto. Ap-
provado, ficar a .materia adiada; rejeitado, a ma-
teria volta discussao.
Supponhamos nos : o noore -deputado Sr. Joo
Alves entendeu que a materia estava discutida,
requereu o encerramento ; o encerramento, por-
tanto, nao se den naturalmente, deu-se por meio
de requerimento. Um vez encerrada a discus-
aio, existindo na mesa requerimento de adiameo-
H, esse reqoerimeoto nao podia ser considerado
prejudicado, mas deve ser votado. Se fr appro
vado, est a materia adiada dorante o prazo eta-
belecido no requerimento ; se, porm, o requeri-
mento fr rejeitado, reabre-ae a discussao e depois
d'isto que qualquer deputado pode reqoerer o
encerramento, se entender que a materia j est
bastante discutida, ou ella ser encerrada natu-
ralmente, ou proseguir a discussao se ninguem
pedir o encerramento e alguem solicitar a pi
lavra.
Eu ctei da outra vez que fallei a respeito, en-
tre outros, como exemplo o que se deu o anuo
passado, com relaco ao pr, jacta do carnes verdes
Teodo requerido o Sr. Antonio Correa o eucerra
ment da dfecussio, e havendo na- mesa um re-
querimento de adiamento do Sr. Loorenco da S,
depois de votado aquelle requerimento, isto o
de encerramento, foi reaberta a discussao e S.
Exc. naou da palavra.
O decreto que autonsou o enoerramonto nao
revogou o artigo do regiment.
(H* um aparte.)
Nao tendo, portante, o decreto de 20 de Junho
de 1884 revogado nem tcito nem expressamente
o artigo do regiment que tem o n. 74, V. Exc.
nao pode considerar prejudicado esse requerimen
to, porque, o fazendo, infringe urna disposicD
clara e terminante da lei.
(Aparten.)
Se nio um acto deshonesto, legitimo tambem
nao esse pratieado por V. Eic &' esta a mi-
nha opnio, opino baseada em innmeros prece-
dentes estabelecidos nesta casa, nao s na legisla-
tura passada, como na actual; e nao s estabele-
cidos nea'a casa, como tambem na Cmara dos
Srs.- Depntados.
O 8r. PresidenteNao ei d'isto ; o que sei
qae este precedente foi estabelecido por mim, e a
casa nao reclamoa ; aceitou, e ninguem declinou
da minha deciso para a Assembla.
O Sr. Jos MaraOra 1 V. Exc. nio sabe qae
a maioria, por mais que se convenca deque V.
Exc. est em erro, nao vai declara!-* publica-
mente ?
Eu meamo, que son opposicionista, nio sei se
teria coragetn neste reeinte, para votar urna moco
de desconfianza contra V. Exc. Assim pronua
ciando-me a respeito desto assumpto, manifestando
a minha opinio sincera, eu que pertenco ban-
cada liberal, qae soa opposicionista deeidido, de-
claro que tal vez nio tivesse coragem para dar ama
prova publica de desconsideracao a V. Exc Como
iriam, pois, fazel-o os seas Ilustres correligiooa
rio|f
O Sr. PreoidenteVs. Excs. sabem que en nun-
ca me impuz a meus collegas.
O Sr. Jos MariaV. Exc. nio se impde pela
forca; V. Exc. nio impde a soa vontade por meios
que nio sejam dignos; V. Exc nio usa de meios
rispidos ; mas se impe, como diz muito bem o no-
bre deputado, meo Ilustre correligionario, pela fi-
nura, pelas maneiraa doces e delicadas, com que
prende, com que captiva a todos nos, e de tai
modo noB manieta, que remo-nos impossibitados
de reagir contra a prepotencia por V. Exc. exer-
cida, porque esses actos de prepotencia veem sem-
pre envoltoa em um certa docura. V Exc. ati-
ra-nos o veneno conieitado e nos obriga a tomal-a
por mrrio do carinbo, com o agrado. (Riso);
Se nio temos coragem nos ; se falta forca a
mim, que son om urso (riso) qae tenho natureza
foragui, nomo tero oragem para Jcondemnarem
os sena actos de violencia, de prepotencia, o no-
brea depatados que acompanbam a maioria ?
O Sr. PresidentaProced de forma legal e se
me fosae permittido, appellaria mesmo para V.
Exc.
O Sr. JJok MariaPerdi ; V. Exc. nio pro-
ceden de aeeordo com a lei. V. Exc. um presi-
dente que nio carrasco, verdado; V. Exc. nao
um presidente assim moda do Lpez do Para-
guay, nio; V- Exc um presidente maneira do
uosso imperador; V. Exe. usa do poder qne lhe
d o nosso regiment, que a nossa coostituifo,
aproreitando-se algumas rezes de urna lacnna, e
sophisdaaodo em algumas partes um artigo ; mas
V. Ex, o faz de modo que quebra completamente
a arma de adversario. V. Exc. fai tal qual
como o Sr. D. Pedro II, que exerce o poder pes-
soal, dispe soa vontade e a seu talante dos des-
tinos desta patria; mas o faz sem estrepito, sem
ruido, procurando sempre acobertar se com a con-
stituicio, isto sob a reapoosabilidade dos minis-
tros, os seas subditos, os seos ministros, nem
sempre, ou melhor quasi nuncateem coragem
para reagir, porque S. M. tem modo e meios de
captival-os com captivon ao nobre deputado o Sr.
Visconde de Tabatinga.
Dizem que a coasa agora outra; que o Sr.
Baro de Cotegipe est reagindo. (Apartes).
Se oom a derida licenca de S. M. o imperador
ento pode reagir; de modo contraro era difficil
fazel-o.
O Sr. PresidentePeco ao nobre deputado qae
nio traga para a discnsso a peaoa de S. M. o
imperador.
O 8r. Jos MariObedeco ; mas nio sei que
mal hara nisso; era urna pequea digresso que
perfeitameote se liga va materia em discosslo.
Alm disto eu nio estava descobrjndo a oorda, e
at, se podesse, eu procurara cobril-a.
Se V. Exc. nio sabe, aaiba: entre outros e
muitos defeitos que tenho, aecaso-me deste^ea
gosto muito de cobrir. (Riso). Ha pessoas qne
teem mana contraria, (ontina o riso) que gos-
tam de descobrir a cora ; mas eu nao sou desta
escola.
Deixemoa, porm, isto. A praxe seguida, auto-
risada pela le, esta que tenho demonstrado ; es-
pero que V. Exc, que da vea passada interpretou
mal o nossj regiment reconsidere agora, reabra-
do a discussao, embora mande qae qualquer mein-
bro da maioria requeira em erguida nova rolha.
O Sr. Prxedes PllangaPeco a V.
Exc. que tenha a baodade de me dizer aos quan-
tos minutos depois de meio dia foi aberta a sessio,
para que aaiba o tempo que deverei oceupar a tri-
buna e expor aa minhas consideracSes no periodo-
que me permitte a lei.
O Sr. PresidentePassavam 10 minutos.
O Sr. Prxedes Pitang*- Tenho, Sr. presidente,
de oceupar-me de diversas questoes tendentes
forma da redaccio da acta, materia nella contida,
e de appellar da deciso de V. Exc, na questo
de ordem, para a resolnco da casa, na forma per-
mi ttida pelo regiment.
Comecarei, Sr. presidente, por dizer que cahi
das nuvens ao 1er hoje o jornal em que veni de-
clarada a terminaco da discusso deste projecto
de ornamento.
Sorprehendea-me espantosamente que se jul-
gasse bem discutida a materia, cujas emendas, pa-
blicadas hoje, nem siquer foram na mesa lidas.
Appello para V. Exc. e para a meaa, afira de
que declarein se o quadro das loteras, qne urna
emenda que interesaa a todos os deputado desta
casa, foi lido na mesa para que cada um dos in-
teressados podesse mande r as emendas tendentes
aos seus districtos.
V. Exc. poder responder-me desde logo, que
-cerca da materia diversas emendas foram apre
sentadas, e entre estas duas firmadas por mim ;
mas devo dizer a V. Exc. qae tendo noticia per
accidens, de que se oceupava a secretaria na co-
pia dcstas emendas, fui ella l pudo apanhar
a original e fazer duas emendas qoe remetti me-
sa ; mas at a minha estada nesta casa, isto ,
ac s 3 1/2 horas da tarde nao tinham sido
lidas.
OSr. Ferreira JacobinaN.m o foram poste-
riormente.
O Sr. Io SecretarioL :
O Sr. Prxedes PitangaAt s 3 1/2 horas nao
foi lido, antes tambem nio, portanto nio sei qoao
do foi.
Fazer encerrar aquillo que nenbum s deputa-
do ouvio ler um attentado .contra" o direito do
de utado, Wrar-lhe o direito qoe elle tem de
fundir ou refundir a emenda que foi lida, e eobre
a qual tem direito do dar o seu voto a a sua pa-
lavra.
Portanto, eu vejo quo hoj* foram publcalas
em-ndas cuja diseusso foi encerrada, mas que nao
foram lidas na mesa ; dou o meu re3temunho e do
nobre collega o Sr. Jacobina e o de muitos ostros,
fcm 2o logar lamento qoo, o oobre relator da com
miasao, o drgao do goverSo na direceo desta pro-
vincia, me assegurou d'aquelle lugar que nao se
ence/raria a discussao parque nao cunvinha, des-
de que se tratava de negocio to importante, ti-
vesse consentido no encerramento da discussao;
mas S. Exc. estova em seu direito desde que o o 1
lega do 2 distreto propuzera o encerrameuto da
discussao na forma do decreto desta caaa.
O Sr. Joo Alves Asseveio que propuz o en-
cerramento de accordo com os meas amigos.
O Sr Prxedes Pitonga Mas^quando assim ti
vesse V. Exe. procedido achando-se na mesa um
requerimeoto firmado por mim em qoe pedia o
addiamento da discnsso, at que fossem publ
cadas as emendas, sendo esta a praxe, nb poda
V. Exc. consfderal-d piejudicadoj 1 porque Bao
tem direito para isso, considerar prejudicado o di-
reito de um seo collaga e em 2 lugar presumo di-
rigr-me nesta casa conva educac que tenho,
como a finara que pode ter um homem de letra e
com a docilidade propria de mim, nio podendo en-
tretanto ser privado de meu direito, e aceitando a
discussao em qualquer terreno.
Portento, nio podia V. Exc fazer votar o re-
querimento de encerramento desde que se achava
sobre a mesa um requerimento de addiamento,
sem que primeiro tivesse sido este rejeitado, na
forma do art 74 ; e depois ento de rejeitado po-
derla novamente abrir a discussao e dar a pala-
vra ao deputado qoe quizesse de novo encerrar a
discussao do orcamento, mas nunca podia prete-
rir o direito de om deputado.
Foi Dortanto menos regalar o procedimento da
mesa, porquaoto nio se pode votar nenhom rqae-
rimen v> de adiamento aem que a materia seja en-
cerrada, visto como os requerimentos de adia-
mento sis emendas qne uo podem ser votadas
seno depois qae se acham encerradas as discus-
ses, ou sejam ellas na forma da lei, por nio ter
havido quem peca a palavra, oa seja porque um
deputado tenha tomado a iniciativa de propor o
encerramento da materia por suppol-a perfeita-
mente discutida.
Em qualquer das duas hypotheaes presnppoe se
a neceaiidade, a indispeosabilidade, o dever de
ser votado o reqaerimento de adiamento (Apartes).
O qae tes o decreto qae determinou o encerra-
mento ? Apenas quiz dar ama autordade a maio-
ria da assembli de fazer cessar a discasso con-
tinuada acerca de um ponto qualquer, desde que
por meio de duas sessoes tinha sido discutid? ;
mas, nem reformou artigo algum do regiment
porque os artigos do regiment tem formal espe-
ciaes para serem revogalos, e nem da leitura do
mesmo decreto se conclue que a assembla teve'
por fim alterar a forma e a marcha de seus tra-
balhoa.
Nao se pode concluir que o decreto de encerra-
men'x quiz traser perturbaco a forma estabeleci-
da de nosso regiment; nio, o decreto quiz por a
salvo a maioria da assembla, contra urna mino-
ra impertinente qae nio aaizesse deixar qae se
encerrassem as materias i'.scutida, perturbando
assim a marcha dos trabalhos, qae por forca de
necessidade devem ter um termo.
Eis portanto a que quiz chegar o decreto qae
autoriaou a propositara do encerramento da dis-
cussao, as materias j discutidas em duas ais-
ses, logo, anda mesmo quando V. Fxc. aceitando,
como aceitou, o reqaerimento de encerramento qui-
zesse jdstifi r a materia definitivamente encer-
rada, cumpria quo votando o addiamento que, acei -
to ou regeitado, determinava o plano a seguir oa
fizesae de forma qae no caso de regeitado, reaber-
ta a diseuaaao V. Exc de novo dsse a palavra ao
Ilustre deputado qae hara pedido o encerramento,
para novamente propol-o, e V. Exc. aceital-o para
dar por finda a discnsso ; mas, desde que seme-
Ibante modo nao foi observado por V. Exc, com-
pete-me o direito na forma do art. 138, de appel-
lar da deciso de V. Exc. para a casa porqoaoto
diz o regiment (l) :
Art 74. A proposico de aviamento, sendo mo-
tivada pelo aathor e apoiadt por tres deputados
na 1. ou 2.* discasso, e. por srs na 3.*, ser re-
cebido como em-'nda, discutida juntamente com a
materia, e ao fim da discasso votado antes della,
confirmando, porm, a discussao principal, caso
seja regeitado o addiamento.
A deliberaco tomada pela mesa, a qual qaer
armar n'um precedente que estabeleccu, mas que
nao regalar, nio pode servir de norma para as
decises desta assembla.
Nio moramente ama questo ie ordem o re-
solver as qaeatoes de mesa, como aquella as en-
tende, seria obrigaclo da mesa decidil -as de corj-
f. rmidade com o que determina o regiment, e nio
a ad ibitnm o modo de interpretar o regiment,
sem forma estabelecida, sem doutrina certa, e q Jan-
do por qualquer eircumstancia um artigo possa
oroduzr duvida no modo de interpretar qualquer
doutrina, nio fica servindo de norma, porque urna
vez ella foi aceita.
A apreciaeo da conveniencia do encerramento
ama materia de tal importancia que eucreio que
nao podem ser votadas as emendas por terem sido sim-
plesmentepublicadas; no,a lei diz e diz claramente
qae a emenda que nao tor lida pelo seu author, o ser
pela mesa, e desde que eu garanto e alSanco com
o aeu teatemunho que at s 3 1/2 horas, como
tambem diz o robre deputado que assistia at o
tim da sessao, que o quadro das loteras nao foi
lido pela mesa, ap.*llo par a casa, contra a qual,
nao se podia reclamar, porque nao foi lida; ella
nao pode ser votada, sem ser excluida do quadro
das emendas, e como esta emendas, senhores, mul-
tas outras, que, se at ento, a casa tem tolerado
qne sejam publicadas, sem serem lidas, porque
se julgam com o direito de as discutir depois de
sua publicarlo, o que, portanto, nao pdc prodazir
urna offensa; mas publicarle emendas que nao
podem ser sugeita as discusses, que nao podem
ser repellidas nem emendadas, mas que ha-da^aer
por torca da Votaco aceitas, ou regaladas contra
a qual, ningaem tem o direito d se oppor, porque
ellas nio deram noticia de soa existencia, uin
facto qoe deve ficar firmado nos annaes como urna
expressio syblina, pouco leal e menos digna desta
casa.
Eu, portante, Sr. presidente, sentido o sentido
profundamente de nao ter dado pela terceira vez a
minha palavra acerca do orcamento, deste corpo,
qne se era disforme em sua apresenta.co, tornou-
se monstruoso com a quantidade de emendas que
alteram e alteram profundamente a intencio da
mesma commissao, nao posso deixar de appellar
da deciso de V. Exc. para a casa, afim de firmar
em doutrina, se requerido o encerramento, na for-
ma do decreto, encerrada a materia, existindo so-
bre a meza requerimento de addiamento, pode a
materia julgar-so encerrada definitivamente antes
de ser julgada aceita ou regeitado o requerimento
de addiamento.
A faca qne tem dois gumes carta na vespera
para o dono e no dia seguinte para o inimigo.
Nao ae coastitae urna assembl, Sem que se tenha
em atteucao de que hoje sangra-se o adversario
para saciar a oSJe ; amanh trancase essa, por-
que a agoa nio chega para matar a mesma sede.
E' preciso recordaren)-se que nos os represen-
tantes, se hoje estamos em minora e em opposi-
cio, amanh estaremos em maioria, e a arma que
se atira tracoeiramente, hoje hade servir para
ferir de frente aquelle que nos tere tracoeira-
mente.
Eu quero que esta casa, decida por seu voto, se
a materia esta definitivamente encerrada, se o re-
querimento de adiamento se julga prejudicado,
para que nos annaes fique firmado como doutrina
late.
Di o art 136, (1) :
Sempre que houver grande numero de emendas,
ou que as approvadas co itiverem notavel altera-
co do proj-cto cm discussao, encerrada esta, fi-
ca. a votaco reservada pira a semana acguinte.
As emendas, depois de classificadas pela mes.', te-
ro publicadas n j -mal da casa, e s depois ditO
votadas ao dia atguinte.
Um Sr. Deputado Faz urna censura porque ae
cumpro a lei.
O Sr. Praxed'S PitangaEu naofaco censuras,
ea apenas quero, ainda tratando da acta, mostrar
urna incorn-eco.
Y Exc n tioba que reqnerer, nao tinha que
prestar favores a cas, porque o favor esta- na lei,
era obrigac*o da mesa declarar que em vista do
arando numero de emendas, ellas teriam de ser
publicadas, no entretanto que a acta da urna
inexactidio, disa pedido do secretar*),como
que o secretario nao tendo pedido, podessem as
emendas serem votadaa.
E' outro ponto de inexactidio que conteos a acta:
Sr. secretario nao fez favor aos seol collegas
pedindo que aa emendas foasem publicadas. A
acta parece que traa como um favor, o que se con-
clue que ae 8. Exc nio requerease, a mesa teria
procedido a votaco. Qaantas emendas foram pu-
blicadas boje e se esto dentro da lei r
MeTRAN ]a


Mario de PernambucoDomingo 22 de Agosto d 1886
*5

O Sr. Barros Barreta Jnior -Desde os ns. *H>
483. ...
O Sr. Pr*xedea PitangaLogo formal paoiiea-
68 emendas.
Porgante eu a. mea: isto est dentro da le ou
nao est ? Sostente e oito emendas qae altera-n
completamente o proteoto de orcamento ; est ou
sao dentro do art. 139 ?
VozesEst.
OSr. Prxedes Pitonga.--Se a acta dix que toi
a requerimeuto do Sa. 1? ecresBssjna_. diga sai
qae conten om faoo eorjtmmsio a disprelo sai
(Ha uin aparte da 8b. Bsm riYritofaor I
secretario)
V. Exc. pode tirar- caaaalsao que-aaier eV
art. 136, porque en aiexquam ensasr n* sBetu3a*
desto incidente, poie atao da oceaaar ase da ma
teria e nao quero psaaar oa mtameos? mas da-
pois fallarei pela untas.
(Apartes).
V. Exc. sabe que as emendas apreteotadas em
3 discuseao tem urna nova discussao, finda a
qual serio votada*.
(O Sr. ?resideute faz urna observacao que nao
podemos ouvir).
Mas,Sr presidente, nos temo anda na acta al-
gum i coasa que me parece digna ae consideracio
9 en nio quero perder eses dex minuto qua o5
falten, porque me parece que de la de ra estio
empuntad* os pauteim 4 relagio, am do txmpo
esgotai- mais depressa, e portento quero apro-
veitar esses minutos qae me faltara.
P^w di**, parece me qne na acta nao contera
aqaiR qae devia cooter, para que a .emendas
de ser votadas, amo pcecis a faver do Sr. 1
secretario,
g)rorai apartes),
rede ame-ama a nneada sao de naiureza a al -
ti xa e.-:.s:eaieadas, pal* aualidade da materiaquo coa-
t'", fian* a cargo- do Sr. 1 secretario para orga
nisa-Va, afira da seres publicadas e votadas, per
que a le qaer que os depatados quaado toaban
de vetar as emendas ao orcamento, e easa cometa
euersM que aeompaoba.o satelyte,. estejam ao me.
noaeenaeeedorea da diaposieaa da saa eollucacao
para poderem dar um voto conseiencioso, visto
como srtm daqua aa,emeada nao ten sido publi-
cad** neniar mente, porque como S. Exc. sabe,
eu fca. o mea trabalho eatatietieo con a maior
pact*ea.e cor*gem e tent que podara apresen-
-.r a V. Exc. ura, exumplo : depoia da emenda u_
112,eatroa a emenda n. 19 e ao mesrno jornal
deiaaram de ser publcodaa as emendas de ns. 63
86-e 88.
(Apartes). .,. ,
Peto meos eu ni caconttei na pubucacao Oa
jornal estas emeadas que toraaa approvadas peU
juattacaclo se esteva dando : esteva ou nao aber- ,
a a audiencia? A ausencia naaasaotaaea dojuix
que presidia aquella audiencia, poda destruir o
acto, uruavao nidio ? Nao, da certa.
Tractava-se de urna justificacio ; as testeun-
nbas eauvam depoudo, o cicrvio tamav eeus de
poimentoa ; a cadeira do juia eatava desoccuDada,
verdade, porm, o juixo esteva coastituido.
O Sr. Eogueira Costa di um aparte.
0 Sr. Jos MaraQuando o juia nao eativesse
iisisaati. o demaxwaoVventen ckaVO iMajiia) portaaaa,. se ti ama tido ama
,;eamnsria a* aessaa miterrse* ; se adategado ra-
waaaa'gamicosaTaa*), daam aeda%srao por
roraaaa que aabas paveedaasa adia^easta, po
Hornea* auUaaAanm-alli niataha. jaTisiafccao.___
Da o nataaxd^aasado 3 Ltfvy-JsV snareu a
ta, narquur aSr.dategad. artaa a estr
se sa arurislsneV tarea e aamteseassjalav.
Era oqae-ralta, *-H*Wa
mamo reuna toda, a mam e-aat-sBba da
para entrar na sala das audiencias e correr o ar.
Levy Eutio eu nao faria a aecuaacao que o
porque consideran, o delegado um buco ei apenas,
pedira para que se o mandaase para o hosprew
de alienados.
O Sr. Kegueira Costa d um aparte. _
O Sr. Je. Mam rW fan aB*fesaaaa1sa
O nebro dapatedo eonaeee a topographia 4a casa
dar audwaetea. Existen ah qavitr> sarta e na
quartii ; duas salas tem portas para a roa do 1
pecador, e as outraa dnas para o caes 13 de No-
vessbra. ;__
Em afaalqwir d'esaas salas faueciatiaB os uiaea ;
n todas ellas a di andonean ; todas serv*ai
de eatrada H> m\aim. Conatila o /eraav u ami-
to predio dividido a 4 sala*. Por eooseqeeBca,
tanto faa que o acto tivwae aido praticado oa sala,
.esa que fiiiicii-miv aquella audiencia, coma qae
se tivesse dado na sala iasiaediata ; mas o> es jua-
taroeate na sala por coja porta seeatniesaae
mais frequenteoeente.
(Ha divernaa apartas^
Que o taeto foi pablieo, provaai astee protaias
cartas, exhibida eia defexa de deiegad, porqnaa-
to o* individuos qaa-a* firaaua, deelaram qae aa-
swtiraia ao acto.
Uaw roeQne pesaena afflunam laso?
O Sr. Jos Mara Uuia o Sr. Dr. Ohveue
Fonseori), qnaiaadvogado d^.eouftnvior^da Letvy
e que neccaaariamente eatava, qne esT ctivameaW
esteva na sala o*de faaccioa.va a aadiencia, e
nao tria preseaeiado o facto se ene hoovesee sida:
pr*tieado 4s oecaltes.
(Ha diversos apartes).
corresse Le-
eonso nw
De
O Sr. 1* Secretario d um aparte.
0 Sr. P. Pitanga Depois da emenda n. 112,
que fot approvada na. sessio de 29 vem urna de
d. 19 na sesso de 31.
(Apartes).
As< meadas que focan approvadas em 2* da
ciSio fo.-am mandadas publicar novamente pela
m za, e forma) colleceonadaa no jornal da casa da
maueira. seguinte.
f L).
O Sr. B. Barreta Jnior da um aparte.
O Sr. P. P'taaga V. Exc. sabe qua as emen-
dar sao numeradas pela secretaria.om o numero
seguido.
O Sr. B. Barreta Jnior d um aparte.
O Sr. P. Pitanga O que V. Ei. nio pode ne-
gar que muitas emendas que foram votadas em
[IIif sin lugar, deviam ter sido depois e eu me
encarrego de, ua piimerra votacao notar /. Exc.
aquella que hi de ser votadas com pceterico de
outsaa. --, porque. n3 > eatao pubtreadaa em ordam
se^nila e deixaadi por -esa forma qae Sfjam ao-
tcojstrts s ultimas o que tornon... o trabalho
inulto difficil.
O Sr. Barros Barreta Jnior.d um aparte.
O Si. P. Pitanga J v, partento, qae nn
ni na publicacao, ellas guaidarain ama nuuie
ravi de maneira a nao haver ejofuaae.
Apart-.-a)
> Sn B. Barrete Jnior Ora .'
O Se. P. Pitanga V. Exc. nao diga ora, par-
ii" teca rcanoste com ora.
O Sr. Barros Barreta Jnior d um aparte.
O Sr. P. Pitanga Na, acta posterior V. Exe.
dizia.qu* as emendaa approvadas, foram la-inda.
da> publicar sob oa ns. taes e tees.
0 Sr. Presidente A hora est finda.
O Sr. P. Pitanga Urna vee que V. Exc. me
avisa que a e. ra est onda, eu aguardo que a casa
decida d- appell par servir de norma resalu-
ya.tmida acare* ita materia e eepero qut ella *.,
reserva com a auct irisacao qae Ihe couceder o
r.-giia-uto.
Oousultaia a casa pelo Sr. Presidente sobre o
B-.a acto praticado na aessia antenoi, esse acto
xpptoiadj-
T.-ud) iIhJ a ho-a fica a liscussao adiad.
Pissa-se
1MUMEIKA l'.VKTB DA OBDEJI DO BU,
Veteeito das emenda ao projecto u. 43. alate
anno, dando o resultad seffOBitn :
Appnvradaa as de ns. 253, 255, 256, 267r 25S,
2591 262, 263, 264 meooa as que aa r*feem a de
ns. 21 e 171, 265 mean as qae se refartm a
ir. na. 19) 25, 33, 46, 116 e 72, 279v 25 e. 437 ;
iej:idic: s Je ns. 46 e 116, 395 31*6 ; ivj'itada aa d
ns. 290, 264, quanto a de ua. 21 e- 171, 265
qmi%to s de ns. 19, 25, 72, 332, 333 a 476 ; e ei*-
patada a do n. 265, qnanto. de n. 32.
Foram nuninaes aa votosoea relativas a emen-
dj ns. 256 e 262 as quaes dio o seguate resal-
tado i
Emenda n. 262Votem a favor os Srs, Drumr
moni, RJ Barrue. F^rre-ra Velloso, JutM_dt>
Barr, Viscmde deThntinga,Suaree *Ainoriin,
H Bandeira, RigobTto, Coate Gomes, Domirgaes
da Silva, B irn.s Banreto Jnior. Coelho de Mo-
raea, Joao de Oveira, Luia de Aadrada, Regnetra
Costa, Rolriguea Porta Cniatanlian de Albuquer-
ine. Sopliri.m.i P .rtelia e Guiaee Prente (19); e
contra s Srs. Costa Rib iro, J Alaria, Andr
D.at U.iij e Silva, Lourenco de S, Ferreira Ja
cobina, Augusto Frankliu, P. Pitanga e flaro de
Caiari (le).
E' ptf1-T*ft apurovaJa a emenda.
1..... ada ii- 256 de n. 72 Votara a favor oa
Srs. Rug- Bario:, Viaaande de T-.Otinga, Soarcs
de Ain .rim, H Bao leira, Sophrniiio Porteila,
'ostaGemes, Barros B. .)uuior,Coelho de Muraos e
Lux d A.i.lr.ila (9) i e eoutra oa Srs. Urnm-
.nui. asta liib-iri, J .s Hara, Ferieia Vellos>,
Julij de Birros, Uouvngues da Silva, Andc ias,
Ralis -Si v Jofu de Oveira, R-gucira Cos-,
F rr.'ira Jacobina, Rurigues Porto, Rogoberto,
Constaatiao de Abnquerque, Augusto Frankn,
P. Pitantra, JoaJ Alvos, Gomes Prente, Barao
de Caiar (19).
Vem mexa e sao lidaa aa aeguiutes declara-
coes de voto :
U claro que vote.i contra a emenda que ae
opBe i caisiruccao de urna p,'queoa eatrada em
S. Benedicto. Ferreira Jaco lina.
Ueolaxamoa que votamos contra a emenda
qaemandava supprimir a que conceda cinco con-
toa para a construecao de um cemiterio om Bebe-
ribe.Baro de Caiar.Ferreira Jacobina.Jos
Mana.
O Sr. Presidente levante a Besao, deaignando
a seguinte ordem ao da :
1 e 2m partes : continuaco da antecedente.
OISCBSO DO SB. DEPOTADO JOS' MASA NA
SESSXO DE 14 DS MAIO v
O lar. Jom MaraEu bonteas eslava, Sr.
preeidente, como bem dase o nobre deputado que
me preceden na tribuna, seriamente impre^aiona
do ; mas paaaou a i npreaso, e o meu espirito vol-
tou ao estado normal. Aquella idaa de tristeza,
lgubre), como o pi agourento das aves noctiva-
gas, deaappmreceram do mea cerebro completa-
mente.
Aqulo toi urna consa teda aasaageira e eu j
nem d'ella me lembraria ae S. Exc. no sea discur-
so, nia a tivesse relembrado.
Agora permitta o nobre deputado qne eu diga
qne S. Exc. errou na sua vocaco ; o nobre depu
tado nao devia ter seguido a carreira poltica ; S.
Exe. naeea talhado para o romance ; tem a cere-
bro desenairida para esas genero de iitteratura,
e so asafljba eomprebende como que S. Exc. sa-
be tecer a ramilbete to pertumado, como sabe
eonter atea historia qae parece verdadeir, quan
do nao pasea de om producto de sua imaginacao
phuntasi.xar s
O naipe deputado oceupou-ae simplesmente de
a im prnrt da oberract hontera feite por mi,
dearanda a principal, sana ter nella tocado.
En censan" o Dr. delegado por haver invadido
o ampio nafrado da jnsuca ; S. Ese. nao contes-
tn este faeto, apenas limiten-re mprovar que a
juix nio eitevm nmindtasna Patguateen: re
tavam as partes, o eserivio, e tastemtmha, re a
aoto faaia que o Si. Jj s Oso rio
vy 'urna sata ooiat n'eutra. na prisoaara
segunda. lato nao importva cousm alguna*,
qualquee. firma o arto erm paUato, j disat.
O Sr. Joa Aires d ta asntrte.
O Sr. Jos MaraBem, vamos ver iato.
D o Sr. Dr. Otiveira Fonseea : (La)
O Sr. Joan Al ves d um aparte.
O Sr. Jos Mura Elle di* at o lagar onde o
Sr. Jos Osario corren. Lt,, prxima;A p nte que
d para o-caes. (Apartes). uto prava qne elle
nao vio? Ao contraria. (Aprtete.
A outra cart* da eacririo que, afirma tam-
bera do vista, o segusate : (LA)
O Sr. Joio Arrea d um aparten
0 Sr- RegneiraCestaA queeai*e aa Lesjf foi
corrido na sala das audiencias.
O Sr. Jos MVria-.F)t corrida no/orma.to cor-
rido na preseaga das pessoaa qae al sa acaavamy
e tanto o foi que as p^esoaa qae estaram.aasiatia-
do a audiencia deelaram, a pedido do propsria. de-
legad, qae presenciaran! o tacto.
Que mais qaer V. Exc?
(Troeam-s muitoe apartes).
Portanto, nao se pade contestar que, o hesaam.
tivesei sido corrido, corrido publicamente, e qa
soffreu ama affronta.
(Ha un* aparte).
Poia o nobre depotado eateode que. b& hareru
afFroata.se ttreeee vindo todos os anidadas de li->
aha e Levy te houvesse opposto ?
Qu- logiea .' (Aparres).
Oa, aenhores, era preciso que Levj nio itvea
su eeimo, pota .elle sahiaque ae se opaareaae or-
des do delegad ira imuMdktiHsaeute par oJte-
Lindr aos. trasabulhea, (ApWtvs).
O nabre deputado diaa i >> Sr. Jos Osoria
com i autonda le, nao tem aido encasado aqu at
agora. Mea se o nao tem sida pela raxaa que
,tei hontem : impossirel eetermos a faaer censa-
ras diarias peloa autos de violencia praticadaa per
las. aatoridaden pociaes, porque sin tanto e ti
repetidos oa abusos, que nos afinal de cootaa se-
riamos tidoa por impertinentes, e esta Asseiabla,
nio se oecopariaem maiaroouea alguma senij da
vatir este aasumpto.
Usa Sp. Depatadn d um asarte.
O Sr. Jos Mari Prjeare agota este faeto
Pra adosar acoisaado de partidarisiao ; j un
me animo a faser acetamenos poltia pelos acto*
de violencias que oaiatte contra os uosaoaami-
gon O faeto de oceuptr-me de urna violencia
comtnettida contra asa estrangeiro demouatra qua
nio sou lvalo por espirito partidario
Saoponho que os uobres deputado* UM farao.a.
justies o*voreditar qae na Ijl essa o mnvcl que
rae troux- tribuna.
O Sr. Rgaeira Costar Fiaesaajjoatia ao no-
bre depurado.
(Ha outros apartes).
O Sr los Maia. Mas. piaaeraoa .2." pacte.
Geusuret o Sr. Jx sorio, porque S. S.c-irreu
Levy seui dever faael-u ; mas a censura, priuoipal
f >i porque ea-a autori iade, qur! proceden por esta
forma, dixeudo que tiuha receuido ama deuuncia,
isTiQUi <*> abertament a deelurar de quein tinha
reuubido easa denuncia, atiraudoao chao, de om->
maneira groaseira, o requermeuto em que o ad-
vogado de Levy pedia que dsae certido dessa
'leuuueM, aasim como da mesan forma, ou raaie
e^osaeirameute aiuia, procedeu quando fei-lhe cu-
tr gue uina outra petico do inesme Levy J.rgida
ao che fe de p.iiieia e p >r este mandada informar.
Um Sr. Depurad.Elle nao tha obriga^ai de
oar a certido.
O Sr. Jwsd Maria-K porque nao deu at hoje a
infirmar; tit que o chele de polica manJu dar?
Um Sr. DeputadoDeu u'ormacocs verbaes.
O Sr. Jos Mara Ma3 o ehefe de palie a ni"
liedlo informacoos verbaes e o Sr. Jos Osorio ate
lujje anda nada iaforinou.
Os Srs. Regu-ira Josta a outro* dio apartes.
O Sr. Jos Mara::ois vou c.infuuiir oa nobr.*
'lepotad-js. O proprio Sr. Jos sorio ao edificio
da enmara municipal, oi aute-salste aa quarta
tetra, antes de reunirse a seas-i da cmara,
cooverando c .m es ^eua coilas*! a rejpe.Lo.de-
cl-.reQ haver teito anda mais,do que eu dioso n'esta
casa. Fiquem VV. Exea, aabeudo que o Sr. Jos
Uaorio na ante-sala da cmara municipal reterira
que, teudo o Sr. J. Francisco Bittencourt, aocio de
Levy, cmiiparecido sua presenca e apreseutado
urna peticio, ilissera-lhe ; j estou ab rrecido
auia que uo teoho que le dar satisfaz-oes O
nobre deputado. que foi encarregado da missio
de defendel-o foi perfeitameuta illudido...
U Sr. Regueira CostaV. Exc. engana-se ; eu
nio fui illudido.
O ar. Jos Vlaria... porque o proprio Sr. de
legado, o proprio Sr. Dr. Jos sorio, talvex, per-
suadido de que esse negocio nio sahiria da
ante sala da cmara ir.uni ipal, narrou o sen pro-
cedimento com toda a minudeucia. B-in v V.
Exc, Sr. presidente, que o acto do Sr. delegad-, de
polica d'esta capital, anda seria mais u- gjro, se
por ventura ella attribuiaee a si urna arbitrarie-
,l.id., urna violencia que nio havia comuettido.
Se i. nc.bie deputado me contestar n'eeto ponto,
u nao terei duvida em trarer para aqui c teste-
inunbo de todas aquellas pesadas que ae achavam
presentes na occasii em que se deu este faeto.
Ora, Sr. presidente, um bomem criterioao, de
aenso, um bomem delicado como declarou o nobre
deputadp, ser o Sr. Jos sorio, anda mesmo que
n'iun momento de exaltaco tivesse abusado do
poder da autoridade, procedera regularmeute,
repetindo depois de mu!os das, em um lugar
publico, na presenca de vereadorea, na presenca de
empregados da municipalidade e de pesadas es-
traiihas, urna aibitraricdade qae praticara ? E' um
homem que aasim procede nao ser por ventura
ampas de commetter toda a especie de tropel las e
violencias? De certo que sirc.
O Sr. Regneira CostaV. Etc. est se deixando
arrastar pelo sentimento partidario.
U Sr. Jas MaraPerde-uie o nobre deputado;
eu estou aqui narrando um faeto verdadeiro, pas-
eado na presenca de muitas pesadas.
O Sr Regueira CostaV. Exc. foi mal afor-
mada, da certo.
9 sr. Juse Mara E a prora de ane nio me
anima o sentimento partidario, a prova de que nio
me anima o odio poltico, Sr, presidente, qaer
anda nia me tinha levantado n'sta easa para
fazer a S. S. qualquer censura, quando teaho tid
sobejaa raades para isto.
pergunto ao nobre deputado ae S. Exc. pode
eonscienciosamente eneampsr om, acto denla na-
turema?
O S>. Regueira CosteQue nio tem importan
cia.
O Sr. Jos MaraQue nio tem importancia
para o nobre deputado ; mas que tem toda impor-
tancia para nos outros, porque compreheaderaoa
qua a honra da um ei dadlo nio de ve estar essut
expoata a faina caprichosa de uoa autoridade, que
ultrapassa sem o meuer rebuco as raias que lh
aio tracadas pela le.
O Sr. R-gueira CostaTem sido at heje um*
autoridade euiuraiiara de seus deveres.
O Sr. Jo* JaViaNo entretanto, Sr. presiden-
ta, um aat > ssastee qae 4 asiiaencampado pelos
abres itranusstsaaem o saiuiin>escrupul.i !
O Sr. sgate Jst-i-E nao procurei eneam-
aar um aaao ella aastau, man o I O Sr J*ai MareJ asare dsnivada ppiaaria
damailer-aanaammaj, l-saaru i i mi da to i as
tasBMoai ; sass Mas da sau* tateatoa, ta ami. 4
s das miubas allegac 'a- O nobre deputado pru-
curju contar urna historia inuito bem couta-la,
jorque S. Exc. com effeito dispdede recursos ima-
ginativos para is*o; na perraifaj-in" ni l*e diga
ella nio exprime a verdade.
Sr. Regueira CostaXa opiniao de V Exc.
OSr. Ja*' MartaSa asawa, Sr. uiua*lanv
contnuarem impunes as anturidades que cmame
tem tantos actos vroientea; sa non nio as eeiMU-
rarmos, eu nio sei at que poato ellea poiern
ckagar. Ba aenean o Sr. delegado de polica
desta capital, do meara* lando que seesuraria oa-
tra qualquer autoridade qne tivess* procedida.do
mesmomode. S. S. porm lesnasambradanrinte'
prassgairs; na senda atetada, por qae nada. sL-
ti-eni, porque sabe qae uncontrar sampre urna
L ve para attenaac o sua preced meato por m-a
rioU-nto e ilhigal q\>e possa aar.-
U Sr. Depnte'io El/e j est srireado bea-
ta nte.
O Sr. Jos MariaEu repito, Sr. prasilsrateyO
qae date honteui: os itobr^ depntadoa ao se.
tembram do dia dx amanha ; Ss. Baos, nio saoem
qne pisara asare um vatoio-qao pi, tca.gal.-os ;
Ss. Exea, nao veesn qne esli compromettaid > de
am modo asaastador o fatunu estabeleeenJn pre-
cedentes qae nio sV> aa'is do que armas de don*
gomes. Pois bni; eu aceito o u abite em qn*U
qaer terreno e digo aos nobcvs depatados que ae
Deua me der vida e sanie para eu alcanzar an-
da o drente do partida liberal, ra*l-i a-wia vos
da minha coascJenei, e em rea de profligar os
attuntadas e aa violencias qae por rearar com-
rnetteram na meue carrelrgm arios qnaado nto'i-
dados, como sarape fia, ao contrario, esCarei noslm
sa como urna atelaia defeq lendo esees mesmo*
amigos por masares qae aejata. saaa.< artoat&tes,
ss*s mesaras ioleoeaa.
O Sr. Regueira C >staSe aasim acontecer V.
Exe preceder ma!.
O Sr. Jos MariaE quand, Sr. pr aobres deputadoa se admirarem desee me peoee-
diraeato, en hei do avirac-ihea a memoria, airiu-
do oa Aman desea easa e p^leaiteando aos olbor
de todos o procedimento que aqu, Uveram.
Um Sr. De.aatadc*O: sorl! qn-'-V. Exc. j* es-
t de ante m* preparando o bordia.
Sr. Jos MariaEu estou oponas apo.itan-i
o procalimanteqa-r agota teem os nobre deputa
dos nast t casa, pira que mata tarde Ss. Exea nio
tenham motivo de queixa.
Mas-, Sr. prestdnti% as coasaaae mchem em um
estad-* tal que en s encontr ua meio de, salvar
este pobre patrien qne en tanto eatremeco. Dtante
do estado-em^ue elte se acba, qaaai em decora-
posi^io, moieeuia por sMteeaJn, o ateo recar*
que eu enoootro para salval-a o fogo.
Sr. Visnande.de TabaiimgnQ nobrrt d8pu>
tado est perdendo o seu tempo; o leader j Ej-
in, cata ludo explicado.
l> Sr los MariaNao asi aa estoa pudendo o
aaeu tempo ; o que sei que estoa curapnad o
aten dever-
Sr. presidente, eu posso tnoerer amanha ; tem
posevel qae nio dar mateo ; mas se uo morrer,
anda.het de ver irruir eoasa, e muite con* terei
de m >strar aos nob-os deputadoa. Ss- Exes. boje
inspirados sraente pelo seatimento partidario, te-
rio coragem de votar contra este raen rsqueeimeu
to o eu sentar-rae-boi resignado. Ainauba, po-
rm. raulando-sc a situac^a, porque os nobres de-
putadoa nao bio de bear eternameu'.e ao poder, en
snberei tomar a minha destarra.
Sr. presidente, deixaado de parto esaar consi-
d i-aci-s qne ate teram susrgrridss pela matur**
do meareqaerBnento, vola* anda a reaponder ao
aobre depatedoqne ate pcaetaVeu. aa tribuna, no
intaito de deteader a auto prapotei^ts; arbitrario e
sem qaaliaeae.), praticad pelo S _JJr. Jos so-
rio, actual lo-oelogsdo da piolieia.
S. Exc, Sr. presidea-U, uio contestan, nio refu-
tan de. moda siguin, os argumentoa por- mira ad-
dasidos ; S. Exe. bmitou-ae a diaer qne na sala
das audiencias, no momento em que o-daleg&do de
po'iv'a cbeifoa, io se achara o tais no eanraioi*
de suas fuecoee, e> dase tambera que L-*vy uj
tora corrido naque da sala. S. Exc. diese, qua o
Sr. delegado de polica dirigio-sa delicadamente
4 useauo Iriry, condazsndo-e para urna sala se-
parad, onde o corran, eumprtnJo assim a sen de-
ver. Mas, Sr. pre.ideate, o njbre deputa J ou
labora em perfeito equivoco, on fj maito mal in
formado.
Elle pedia ter feite o seu dever, e. ae aeu intuito
nio fosee affi-oatar a Levy...
Um Sr. l)e,'UtaaoSena imprulencia da pacto
d'oHe.
O Sr. Jos MariaEra uecesaario que Levy
fjase uin espalha braza,
O Sr. detevado nia procedera cuno proco-leu
e alm do mais negar a certido.
meemo Sr. DepntadoCoinprehcaao a iueon
venie.-cia.
O Sr. Jos MartaA inconveniencia est em
ser o autor da"denuncia punido ; Levy asana af-
froutado dara ama queixa eoutra. o falso denun-
eiaute que iri expiar aun falta. L;vy coube-
ai.io aqui <: couaider.dii; Lsvy c>aado e tem fi-
Ih.aejior urna pendencia comraercial uio iria ma-
tar aeu contendor. (Apartes)
Tambera nao procede o argnueut >. Levy sabe
particularu ente quem foi o denunciante e se qu -
xesse t..mar uina vindicta nao precisara da do-
clarac.io do Dr. delegado ; mas elle quera certi
dio para tomar urna vindicta legal o o uu.co meio
era u documento tornecido pe > delegad*.
Levy conh.-ce econhece bem quem foi o denuu-
ciauta, quera o documento para d'elle aervir-se
peraute oa tribuuao. (Ha,um aparte).
O delegado ai i poda commetter um acto d'es-
tes |>or urna simples denuucia verbal, preciso
deuuucia escripfa cora juramento e tcatemuuh is,
porque as uta&aa leis uio permittem que o cda
dio e.steja a merc do quem quer qu4 aeja, que
preteuda conseguir que elle sotfra urna afiFrouta
uuuiica, ato eutao aeria muito bom. Amarthi eu
.1 -na ume. deuuucia eoutra o nobre deputado con
fiad, ao sigilo da autoridade, einOora urna denun-
cia taiaa. Isto ae f.zia no tempo dos Aftousi-
uho, era no tempo ore que eatava era vigor o li
vri 5 das ordenacoes, que tem tauta oust boni-
ta Nunca mais se admittio d'essaa denuncias
inquiaitoriacs ; a uquiaicioj se acabou, a ordem
do Santo Ignacio de LDyola desappareceu da face
da trra com todo o seu cortejo do horrores ; em-
bora hija, exista a ordem dos falta,riatnt, nio a
raesraa ordem dos inquiiJ.ires, aquella ordem que
por aimp es deuuncia em segredo condeinnmva os
iafolits que Ihea cahiam as uajs a s raadoa oa grelha.
" Sr. PresidenteA hora est finda.
O Sr. Jos MariaEu termuo, Sr. oresidentc,
obed-ceudo a ordem de V. Exc.; confio que a s s-
sembla uio se deixax levar p-las p-.lavras do
nobre deputado leader d'aquella bancada, confio
que meu requerimento ser approvado, porquauto
eu demoostiei que o delegado coraraetteu um ar-
bitrio, urna violencia.descommunal.
medida presentadas para se poder votar sobre
ellas.
io tantas as emendas e tio varias as materias
obre que versam que o orador coafessa que nio
sabe anida como ha de votar.
Quer que se discuta agora longo de ser argido
va aaanmir o papel do arguente d'aqnelles que
ceosuravam o orador por ter tido a preteucio de
faser um orcamento equilibrado.
Agora que pode perguutar quellea que de-
nomiuaraot a projecto de orcamento de mjartro a
ftiioatraasmo se'poder chamaco aoja
immansa cauda de que eat aineasatto, e eam
ateerasa sju* j soffreu para aeor.
A hoan sata adiantada ; rasa aa podan, deix
da fattesraara deff:nder-Be d* aemaaica. qae l
tez a Stm-Vkcoade de Tatatiisga.
Case das'.deputado, diz a ..radar, oceitpasra tri-
buna sdaaaate para aceusasm cossnaiasaa da oraa-
mento par taita de sinceriamam
E' jrajajsjavliquidar eam pian ; declara maira
solemnemente que aunca fallou com o Sr. Taba-
tinga sobre o projecto de orcamento, e nio entrou
em accordo algnm coaesse Sr. aeputad,
O Sr. Vitceude de Tfcbatinga Mas nio combi-
oou nada com o administrador da provincia.
Sr. Gomea Prente diz qte ignora ae o nabre
J. ilutad* *m pjtarre pnt falfar em nomo cfo sdmi-
niitrader da provincia...
O Sr. Visconde de TabafingaAnda nio vi
eoinmisaao de orcamento apartar-se de presidente
da provincia.
O orador cont.in a dizur que era o caso de
exigir a exhmicio do* pod-.-res conferido pelo ad
imaiatrador da pc-Aiiueia a nobr-i daputado.
Nio acredita que Sj Ext. sa ache aatoriaado
para aceustr o orador maae do prndente da
provincia, par esta quem ai toa tjo mnita eon-
suioracao e respei'o, e a queco anda nio recusou
a-a servidos publicte par ti calares.
Sanio se euteudeu, dis o or,,dor, coa o Sr. T.i -
batinga abre materia orcaineoUci., eoufereuciou
muitaa vezes cora o. proatdeote da provincia e com
aaua amigos da maioria.
O Sr. Viscan le Tabatiau;* d um aparte.
O orador confirma que o aobre Viseouda lev. t-il-
kn algumaa vez.-s snbtao Cbuauiado. ..
O Sr. Viseonde.de Tabatinga Sobre econo-
mas.
... eo orador Ihe declaran que nao tinha ain-
da ideas assenlada a esse. res pe i t), nio sabe.lo
anda o dastsnoiqme aerese, dar a asea repnrt*-
O Sr. Visconde de Tabatinga-----Affastoo-saa
ete respeito da adtnioistracao.
O orador diz aae se a nojro. dapatedo nao exhi-
bir proeuracao uo acredita qne seja echo do pre-
sidente da provincia.
nohre deputado pode ter murtas ligacoea com
a administracao, mas u ralo acredita que aio
existe soiidariedade poltica.
P le entretanto aaaxgurar qae quer em eu no-
me individual, quercomo memoro da omraisaio
de reamente, o ap-osexHou mi lida alguma so-
bre-* qnal aad c*i do.
Nao fot portanto, dis o orador, desleal com o
St. Visconde cora quem nunc* se entenden nem a
reepeita de ariamente, era s-ibre qualqaer as-
aumpte
Foi o Sr. Viscmde quem, dep:a d- apresent*-
do o projecto de ori;ament-i, felicitoo o orador o
pro nett'-u seu valioso cjacareo para que viag^a-
*;ia aa i-iaa lie ecui imia all consignada;.
Lisougeou- se ra lito com osea manif.-stacao;
m*s confeaaa qn>" o nobre iep i tado na 2* diecus-
aaii do proj-etu f >i o priraeiro a dar o esemplo de
fraqu-za, nio eumprio lo a--u comprumisao volun-
tario.
O Sr. ViaeanV de Tabatiag*Sempra dase ao
nabre deputado que tivesse coragem.
O orador diz que o toare Visuondo nio devia
aunante animal-o, n*j Cambem dar o exempio de
ii.ii acceder.aos polillos.
Aeeat que. tere o orader a despraser d rer >i
Sr. Visconde armado de um* tira de papal e htpis
ageneiaado assignatuws par urna emenda qu-
apreeentou al'-eran-iu o projecto. na parte em que
extingua uraa isencilo de imposta concedida em
lea aatoriosea deimmiuada fabrica de fiacio, e
tecido-i, iseucio que importa em um prejuizo para
a provincia em cerca de 4 t:0UO.
No estad i de penuria em que ao acha a provin-
ei aio.se da ve fazer eoncessdea desta ordem, poi.
impirtaw verdadeiro presentes.
Na parte relativa a dopez i o nobre denntadu
cora-'cou log> votando pw urna emenda do Sr. de-
putado Jos Maria. qae al tem va o projecto as pac-
te em que supprimi* oa lugares inutes da s-cre-
taria, de*a. asacmbla.
O Sr. Visconde de TabatingaNio qnis qne a
mesa fustv- exautorada.
ora i-ir da qne o Sr. deputado mam realis-
ta, qae o re; arv.*rou-ae eca ceasor do orador at-
tiibuiudo-lbe sentimentos de deslealdade p .ra com
o preaideute da provincia, e agora procura justifi-
car-se coto a meaa.
Mas isaa nao pode aproveitac ao Sr. deputado,
pois o orador uio poda propor uraa medida que
inipOi tasse ama exautoracio mesa da qnal fas
parte o Sa. presidente.
Se ba verdadeiras sinecuras, se ha eabanjamen-
t>, cora-ce se por casa diminuiudo o creacidissimo
numero de empregados da secretaria, que nio tem
a que fazer : sjo nio tem justifieacio.
(H. diersos apartes.)
O orador diz que nio quer fallar sobre queatao
vencida ; est entretanto provando que o nobre
depatado pelo 4 districto tambera tem aeus des-
vos ; feto da mesraa massa dos outros horneas,
e nio poli acensar o orador de lesle-l.
O Se Visconde de TabatiugaEu fui engaa
do.
O Sr Jacobina-Nia ha dnvida, foi Iludido.
orador est penatisadb com a idea falsa de que
sa deixou dominar o nobre Visconde de que o ora-
dor o illudic, e desejand i fazer pazes quizera sa
ber...
O Sr. JacobinaV. Exc. acha pouc-i ?
Nao qaer mais o orador proseguir mesa terreno,
pois aora coraprehsnde que, o aobre deputado
victima d- ciura-s de .ej ainig -s polticos ; sao
intriga...
O Sr. Vise ni le de TabafingaEu cahi na gao
la, porm onbi u'uina brecha > fugi.
-Sr. Liurenc de SO nobre deputado pelo
4a dislrieto j sabio da esparten.
O Sr. Jacobiua. R' que o nobre deputado foi
agarrado.
U Sr. Visconde de Tabatinga -Nao fai tal.
Seja como for, o orador felicite, os nobrea depu-
taioi da opposicao por ver que reina a paz e har-
mona entre ti.
O que, porm, nao soffre contestacio que o
orador aio illadio de modo alguia ao uvbre depu-
tado a quem responde; orgauiaou o projecto de
orcamento como pareceu-lhe maia conveuioute aos
inte.reaaea da provincia, ouviado previamente aeua
amigos.
Paasa o orador juatficar alguraas emendas,
qae a commissao de ornamento submetteu conai-
deraco da casa, e dix que se for restahelecda a
iiapo.icio da l'l'/o eobre os veneimento dos em-
piegadoa pubiicoa, vota coatra as emendas appro-
vadas em 2' discusa ;o que restabelecera as taoel-
las que 'efrulavain em 1S7* taes vencimentos.
O Sr. Visconde do Tabatinga Para que eom-
biuou uominigo em resistir ?
O orador repete que aada combioeu com o Sr.
deputado...
O Sr Visconde de Tabatinga Pode diaer tudo
le Deus, quantc m s dos bomena.
Continuando, diz dorador que aempre foi adver-
sario da idea do rea abe.aciment das tabellas oa
diminuicio de vencimentos dos empregados...
(Ha diversos apartes).
O orador deu aeu voto em favor d'easa medida
por ter aido rejeitada a propasta do projecto que
veraava sobre a iinposicao de 10 o/, sobre oa ven-
cimentos, que medida provisoria e justificavel,
attento o estado desastrado das fioaocas da pro-
vincia. Logo, porm, que oa 10 /, sejam aceites,
Ota eoutra as emendas qae restabelecera as ta-
bellas.
O Sr. Visconde de Tabatinga Fot o nobre de-
puta lo qne me couvidou para votar as tabellas.
O orador dis que ha engao nisso ; ple invocar
o testemunho de seas amigos que assistiram a urna
reuniio que teve lugar autea da apreseutaci > das
do internato do Gymnasio, medida essa que a com-
raso jul^ou conveniente propr.
Se o orador poder conciliar sena amigos ter
nisao grande satiafacio.
Nio foi por va.lade e muito menos por perver-
sidade, que propoz no projecto de orcamento medi-
das que offendem iutereases de terceros ; est
conveucido ane sem a diminuicio das deapezas nio
haver equilibrio no orcamento.
Leu ha pouco* das um discurso do honrado
ehefe do gabinete o Sr. Bario de C egiae, ande
diz que nem seseare so p le obter tud-> quanto se
deeeja, e que preciso faxer conceasoes rasoaveis
para se conseguir alguma coasa.
Achou prudaate o oooaelho, a acredita que.tem
prestado um sarrico i provincia, cedando algama
cousa de suas amtss priavtivaa para aater o esmen-
Cal.
Senio forera satis tatos o dnsejoa do oradsr,
3ue pode estar am asa, n.io atxnboai desaaaUtv
ea a quem quer aan seja.
Cumpra cada um o seu dever.
Est cansado, por isso fallar em outra occaaiio
sobre- essa mmensa cauda que se pretende in-
cluir no,orcamento, contra o regiment.
KtviSTA DIARIA
O Ur. tceilpue de Fgmalra Vaeria
>egui hoiitera borde do paqaato franeax Vilie
de Haoei, can destiao corte da impesio, o aosso
ilustre cesefe e presada-amigo Dr. Fenppe da R
gueirda Faria.
S. Exa. ai tooaar parte no trabalhoe da par-
latatnso.xomo Jeputado eteito ltimamente, pelo
d.* distrieto desta provincia.
Do sen raereabaeDt compro vado as latas da
iiaprsaaa. n da trabuaa da asaemblea proriaeiai
em quatro legialaturas, usaifu tesa a esperar esta
proviaia, que lh fai berco e qual elle tente es-
tremeea.
A seu emaasaae compareceu crescido numero
ds amigos polticos e particulares que foram abra-
cal-asaideaansttda.
Nos saudosoa, pela saparacao do dedicado ehefe
e amigo, anda que temporaria, desojamos Ihe que
fetiseo- aera esadnsam ao trmino da sua via-
gem.
ItJantadiatrtQtw. Ei o resultada uaJ da
eleicio para um deputado proviucial, ante-bontora
bavida no 9. dstncto :
Canaoctaso
Dr. Meira de Vasconcellos 94
Dr. Lsstosa 16
Qiipap
Dr Luetosa
Dr. Metra
Dr-. Meira
Dr. Luatosa
Dr. Lusteta
Dr. Meira
Du. Meira
Dr. Luatoaa
Panellai
S.Bento
Bonito
71
34
49
4
63
48
78
59
DISCDKSO DO SB. GOMES PRENTE NA SESSAO
DE 17 DS JUSHO
O Sr. Oornea Parate diz que compre-
beude o desejo que tem o Sr. preaideute de con-
cluir os trabalhos da Aaaembla, que se tem pro-
longado.
E' com efFeito urgente a necesaidade de ser vo-
tada a lei do orcamento que tem de reger o futuro
exercicio que comeca no dia 1 do Ju.ho ; j o ora-
dor pre> que o pret dente da pro vi acia ter de emendas, onde fr*ncameutosse maai/estou contra
prorogar a lei do orcamento vigente, por isso qne -
parece que at o ultimo Ueste mes nio se ter vo-
tado o novo orcamento.
Mas tambera, dix o orador, impossivel votar
tio graado numero de emendas sem discussio.
Apesar da expressn prohibicio da regiment, de
oerto tempo a esta parte as leis de orcamento se
aa/ocem com oertea-lojas da interior, onde existe
am pouco de tudo. Longe de conterem smente o
que relativo receta e despesa da provincia, s<
enxertam ada verdadeiro parsita.
Convm portento qne neete 3. discussao aquel-
fe epatado qne pretenden) legislar por meto de-
emenda ao orcamento jmrtrnquem a ntirrdade daa
so.
Nio poda convidar a nenhum deputado para
rotar tal medida qae o orador nio a julgava con-
cn veniente, rotando por ella peto faeto da rejei
oio da contribuicio dos 10 0/
O Sr. Visconde de TabatingaJ sei, a com-
missao nio precisa mais de mira, est harmanisada
com os dissidentes conservadores.
O orador dia qne aio houve deharmonia, mas
simples drvergaucias qne aio tinham alcance.
Um Sr. DepotadoEntin nio ae lembra do dis-
curso do Sr. Kigueira Cotte.
A' este ap rte, responda e orador, qne a diver-
genein do 8r. Sigaeua versara sobre a extineoio
Total
Dr. Affonao L istasa (L) 353
Dr. J- V. Meira de Vasconcellos (C) 333
Foi .-letto o Sr. Dr. Asenso Lustosa.
Eielcmo nainlrtpitl alo taectreEffe
efuar ae- amanha. o escrutinio da eleicio dos
iiereadores da Cmara Municipal do Recite.
Para ob 14 lugnres que falta preoacher, apre-
sen tam se oa seguintea candidatos :
Conservadores
Major Joo Francisco Anteaos.
Qahriel Ildefonso da Neves Cardoso.
Dr. Cosme do S. Pcreira.
Demetrio de Guarni Caelho.
Agcelinho B cerra da Silva CavalcantL
Antonio Arthnr Moreira. de Meodonea.
Antonio da.Silva Ramos Neves.
Joo Jas de Amoriiu.
Dr. JiHto Clorioaldo Monteiro Lopes.
Heurique- Bernardos de Jiveira.
Desemmirgaaor Manonl Cleineatiao Carnetr da
Ca iba.
Luberaa
Lai Baraacda Caatelle Bcsaee da, Rooh*.
D-o-lato Goiujvej Torres.
Joa, Rufiuo Cimaco da Silva.
Dr. Prxedes Gomes de Sonam Pitanga.
Joaquim Aires da Fonaeea.
Teuent.i-ooronel Corbemanj do Aqaino Fonseea.
Tito Li vio Soarea.
T- nent -coronel Lourenco de Si, e Albuauerquc.
E o;ia cajos uouae* aio sabesaos ao corto.
Republwaao
Joao Facundo de. Caatro Menezes.
Dr. Jai) Carlos B*lthzar da Sreira.
tiwoiliifiio Commercial BeneOcen-
te A directora da Aasoeiacio Co emercial Be-
nuficeute de Peruambuc para o auno de 1886 a
1887, fieou assira compoata :
Presidente, -Cor be ai iuw de Aquino Fonseea.
Vice presidente~J.ee Maria de Andrade.
SecretarioJoaquim Alves da Fonseea.
ThesoureiroFrauuisco Gargel de Amara!.
Directores Domingos Alves Matboua, D. P
Wild, Henry Sulaer, Wm. K. Halluday, Custodio
Francisco Mari ios
Commissa-i arbitralManoel Joo do Araoriut,
Man el Joaquim da Rocha, Joa Joa Rodrigues
Mondes.
Cou.raisso de cont.isJulio Cesar Paes Barre-
ta, Antonio Mirques de Araorim, Albioo Narciso
Maia
t TogadoEttavam hontem, til/ hora da
tarde, a tarraiear boira-mar e em frente forta-
leza de Brum, Joa Da* Ferreira, Jos Antonio
Mutua e Me eoeu Luciano de S Pegado todos
todos moradores em Fra de Portas, quando o ul-
tira ., indo eolhor a rodo, tropecou e cahio u'uia
pero, ou le more a afolado.
Este i feliz nio sabia nadar e em aeu auxilio tA
Jos Diaa, que nio pode salval-o por mais dili-
gencias que para tal rim empregasse.
Algumas pracas da fortaleza correram em au-
xilio de Jos D,as, porm nao onseguiram sean
retirar o corpo do nteliz Meneneo, que foi depo-
sitado na igreja do P lar, sendo vistoriado poj ata
.lem do subdelegado da froguesia de S. Fre Pe-
Pedro Goliealvos.
L.lbertacAeMD. Feliciana Idalina Pereira
de Lyra, moradora no eagenho Agua do Su I, da
freguezia de Cniangy, atteodeado aos bons servi-
cos prestado por auas escravas Francisca, Hcu-
riqueta e Camilla, deu a estes a carta de lber -
dade no dia 22 de Julho do corrate auno, sem
oniis algum.
Falieclmento-Sonberaos por am tele
gramma particular viudo hontem de Camaragibe,
provincia de Alagaa, ter fallecido no dia 19 do
eorr.-nte o Dr. Jos Paulino de Albuquerque Sar-
ment.
O finad i pertoncia a urna daa familias mais im-
portantes d'aquella provincia.
Exerceu diversos cargue da magistratura e lti-
mamente tinha dediuado-se agricultura.
Era liberal e um cidadio distincto e respaita-
vel pelo seu carcter.
A' aua fam lia apreaentamos noasas condolen-
cias.
Ferimenlu graveNo dia 14 do correte
no lugar denominado Bquioha, do termo de Pao
d'Alho, Jos, eacravo do major Jo. Francisco
do R-go, espancou e ferio gravemente a Antonio
Jos Ribeiro da Silva.
Contra o criminoso, que so evadi, pracedeu-se
nos ulteriores termos da lei.
(aplursaAcabam de ser capturados : em
Limoeire, Jco Cosme, e no 1. diatrioto de Po
d'Alho Antonio Luis da Silva, este pronunciado
em crinie de ferimentoa graves, na Gloria da
Gaita, c aquel to as penas do art. 219 do cdigo
ciiminal.
Comit ..literario caderaico -Fnnc
ciouou no dia 19 do correte, sob a presidencia
do Sr. Tbiago da Fonaeea.
Depois do lidas, disentidas e_ approvadas as
actas das duas anteriores sesses, foram p los
Srs. Paulino, Thiago e Sebastin L)bo discutida
as iheai! da 1, 5 e 6 seccoea.
Foram indicada para a prxima aeaso aa se-
grate :
1* secejw Quaes os pontos do anta ouamo en-
tre o direito e a moral ?
2.* seccio Bxame do art. 3.* da eeastituicio
(addiada.).
3, seccio Qual a semelhan9a e differeufa en-
tre a tutela e a eurateUa (dem).
4.' seccio Diversa especies de contractos.
5.* seofio Pontos de contacte e diasimelhanca
entro oa eodigoa, aa theoriaa philoaophioo-pn-
sitivas e a pnikisophiaa puras (dem).
8 seccio Deseavolvimento do homem pecante
a histeria natural.
i Disserterio sobre a theses cima es Srs. O-
veira, lympio aFalaio qne foram lorteadot.
Depot dsfeite algumas eliminaooe e nomea-
dmt dveraas commisse, foi designado o prxima 1
domnga 29 para nelle ter lugar a 4 conferencia
social para a qual serio opportunamente convida-
das as associaedes duata capital.
O Joo Feraandes Distribuios-' hon-
tem o n. 7 deate revista critica e hemoratiesg pro-
priedade do Sr. Dr. Carneiro Vlella e Antouio de
Mocaos.
Tren contra ara No da 10 do cr-
rante, no lagar Olho d'Agna, do termo de fio
d'Allto, Joaquim Joa dos Aojos, eonhecdo por
Juaqaim da Leouor, e mam dous irinioa, espan-
caram a Antonio Mauoel da Costa o depois corta-
rara-lae a barba.
Anda este crate "s delinquentes evadiram-se.
A autoridade policial respectiva tomou couheci-
maate do faeto e procede nos termo do inqnerito.
EiaaaaV-a le cnvallon Os ladroes de
rj|aattm waitaram, na saaalia de 13 do corrate,
*T as'iibsa do eagenho Macacos, do termo de
Piad'Alna, e rnaearsra 4 evallo, perteucentea
a Oiogo Soaros Cavalcaute de Albuquerque.
Congreaao I.llterarlo Selentlflco.
Funccienou ante-hontem esta sociedade, sob a
presidencia d > Sr. Manoel dos Passos de Assis
Cavalcante de Mello.
Foi lida e approvada a acta da sfssao antecc
dente. Oraram oa Srs. Afheuogeocs Luna, Cam-
pos, Palmeira e Loa Freir.
Foi lancada na acta um voto de louvor ao Sr.
Aasia de Mello, pelos bou trabalhos que tem
prestado ao Cangrene*.
Nia hawudo mais nada a tratar, o Sr. presi-
dente encerrou a ees aio.
laatttato Arcbeolo|rlco e ticozra-
pnloo PernamhncanoQuinta feira* 19
correte, hora do costme, rennio-se o Instituto
em soasan ordinaria, sob a presidencia do Etm.
Sr. ooselbeira Panto Jnior, com assiatencia dos
Srs. Dra Luna Freir, Cicero Peregrino. Jo?
Hygmo, Barrea Barrete e Lipes Machado ; D.
Ju*a Buaan, Augusto Coala, srrvindo de '2" sucre-
tario a major Codeccira, substituindo o 1 que u'i
compareceu
Lida a aeta da sesso antacodente, fot approna
da e o Sr. 1- secretario raeucionou o seguinte ex-
pediente i off rtas :
Um ssaaii i Siassnla da Gnagniii.do Rta
de Jaueiro, communicando a installa ;io de 511,1
directora, e remetiendo a respectiva lista dos
eleitos para compol-a; bm como nm dos seus
boletins, epedindo igualmeute ao Instituto al uua
exemplares daa publicacoea que fizer.
Um dito do Sr. Basilio Carvalho Daeinon, re-
dactor e proprietario do Espirito Santeiue, tigra-
deceado o exemplur da revista deat- Instituto e
ofertando 2 volume de um trabalho que pblicos
en 1880.
Dous annaes do Parlamento Brasileiro, offerta-
doa pola Secretaria da Cmara do Srs. Depu-
tadoa.
Pelas respectivas redaeces, diversos joraaes
deate. a de ou tota provincia*
O Sr. Dr. Lopes Machado communica ao Ins-
tituto que recebera da provincia da Parabyba, ti
guns ssoa fosaeia de um animal coloasal perten-
centc a urna epecie xtiaete, remetido pelo coo-
aocio Dr. Irineu .offily.
A caaes ossos acompanhou uina carta do refe-
rido aaaocia cuacebida nos svajaintes termos :
Meu caro collega e amigo.Era Campia,
quando eatava prximas minha vagom para esta
capital, recebi tu* carta da S de Jateo troxi.n>
pasando, em que davaa-rae noticia da exnlendida
saaaao do noaao Instituto, na qual o Dr. Jos Hy-
gino deu eonta de sua eoramissio Hallan la.
Da leitura da reviita do inez -le Juuho, quo
tambnmo-ecebi, vi o grande este .; 1 e anrafpvd 1
por nosso distincto consocio para, m to pone ?
toinpo alcnnear ti agnific-i PvaalMdo.
O noaao Instituto iucontestavelinente cinquis-
tou agora no primeiro plano daa sociedades litte-
rariaa do imperio, onde j se achava, um lu:*r de
honra.
< Honra ao noaao Ilustrado consocio Dr. Jos
Hytriuo que soubc correftpond -r cora tanta pera-
veranea confiauea nerte depositada pelo Insti-
tuto.
Agora vou fallarte acerca dos toaseis de que
j dste noticia ao nosso Instituto.
< Era diversos lugares da comarca de Campia
tem se descoberto grande qu-uitidade de ossos
fosaeia, mas inda nio se conseguio e difieil
eonstituir-seo eaqueleto completo de uin animal.
Priraeiraruenfe no terreno, em que sao assie-
* ios o* fosaeia, aa excaVacoea sao dirigidas sera
mefhodo sendo ellva quebrados pela picareta do
tiabalhador ig.lmate, pac com mais facilidade
surem extiabidea d eavolta coma trra.
Depon uio ha um* possoa habilitada, que, co-
tihecenda da lei de correlaca das lorraa ou de
aaotomia, comparad, poma, restaurar qualquer
um desses animaee, que e sis tirara em outraa epo-
chas geolgicas.
E' principalmente as excavaces ou perfura-
c.'s doa grandes tanques, que os a .sos sertauejos
descobrens os fosseis
O espirito siinpleamente curioao e sem os com-
petentes conhi'cimento-i scientlficoa, como raen,
fica entretanto maravilhado, quando lauca a vieta
pa.-a essea destroc de animaos gigantescos cora-
parando-os com as especies hoje existentes.
< Na tazenda Campo Farmoso, foram, ha aunoa.
extrahidoa tantea 0883s, que ainda hoje estio l
oa aeua fragmentos esp-ilbados oceupando um largo
capado. as fazeudas Piabat e Aldeia, etc., tem
aido tambera descoberto fosseis.
Do priraeiro lugar cima citados e de outro=
fiz urna colleccio de oasoa fosseis e remetti para
o Rio, a pedido do Dr. Ladalo Nctto. distincto
director do Muzeu. Da colleccio attrahia prin-
cipalmente a attenco o framento do uina mau-
dibula que se notava ter a cabeca do animal s. que
psrtenceu, nunca menos de dous metros de com -
primeuto. Ncsse pedaco de osao estera um dente
com. o peso de um ki.o.
> Nio se o quo resultan do esclarecido exame
do director do Muzeu, porque nem ao menos se
dignou de accuaar o recobimento da encommenda.
Em mciado do ai)no passad -, declaroa-me o
Revd. conego Francisco Alves Pequeo qne em
sua fazenda Olho d'Agu* daa Beatastinha sido
deacoberta urna grande mina de fosseis univer-
saea.
< Recorameudei-lhe com interesse que maadasse
proceder a excavacio com tado o cuidado afim de
seiera atiradus os ossos luteiroa.
< Elle accedeu de bou voutade ao meu pedido,
mas nao teve o resultado deaejavel, pir.iue os
seus trabalhadoros depois excusar am se diseen
que os osa ia estavam eu vultos era um especie de
inassape ou argila tio endurecido < adberente
que .nio toi posaivel tiral-os inte ros.
Distando a referida fazenda seis leguiis de
Campia, tcansportei-me com tudo p-.ra l afim de
examinac o lugar onde se cavava o tanque e exis-
tiara oa restos fosaeia.
> Urna inmensa rocha, pouco cima do nivel do
solo, aprsente no seu ceutro urna grande deprus-
s quaai tade obstruida e onde a vegetaco vi-
gorosa. O centru onde existe a torra vegetal se-
melha urna ilha que a roch ciroumda por todos os
lado. E portanto um inmenso tauque que existe
a cavar-se, e qua cheio d'agua, depois de con-
cluido, zembar das maia fortes aeccas.
O aervicv acha-ae apenas em principio ej
urna grande exeavaejo foi feita. Era urna das
ana partes o terreno eat cortado perpendicular-
mente na profunddade de 4 metros, e no meio do
corte jt-se uuia carnada de ossos fosseis de 1 me-
tro de spessura, pouco mais e de una J9 a 12 de
compriraento horisontalmente.
A lem da argila de que estio cobertus acbam-
ae tambem no, meio de carnadas de seixos rolados.
Parece me pelo que obaervei que aa aguas vio-
lentamente irapulsianadas por qualquer cousm
acarretarao para aquella grande cavidade (como
deixa ver o tanque) trra, pedraa e animaes mor-
toa pelo cateeisma onde foram aepultedoa railha-
r.-s de animaes, ficando obstruida a cavi a le coma
eat agora.
Nesae estado se acha o servico do tauquee
segundo o que me amrmon o seu proprietario,
aiuda em dois anuos nio se c incluir,
Desta procedencia sao os ornaos que te remet-
to. Dellea considero mais interossante ura dente
com o peto de um kilo, pouco mais ou menos, pa-
reciendo pela sua confignracio ter pertencido a
um animal herbvoro.
Assim o presente que pretenda fazer ao Ins-
tituto reduz-sc por ora a bem pouca cousa. Mas
srvara estes specimens pelo menos de provas do
que existe na excavacio da explorada zona para m
aciencia palooutol igioa, aasim como do meu bom
desejo deservir ao Instituto que me fez a honra
A Deus. Amigo do coraeo.Irineu Jofly.
Parabyba, 10 de Agosto de 1886.
P. S. O Diario eo publicou ama parte do me
artigo, a antea sahir depoi de amanha
O te major Codeceira tambem coanaancon ao
Instituto que tem ratebido cartea de difforentes
caraeiroamquem o Instituto remetteu o ultime
amaro de. aua revista participando o sea recebi-
\
. I
' '
s



Diario de i*emamba5o---Dooiiiigo 22 de Agosta de 1886
3
ment e pedindo para manifestar em nome dalles Se. nartencanto. ^^'^t^onfo^L"
oVureco^hema.^ (*****, ongratulaodo- wmrfq.iaa.mua bandeira. decorad, com o te*
se com u Instituto pete aequisioao que fea do ma-, gao mpw*1
7 deaU pe-
*tv* vvm ------- i-------- .
terial traaio da HoUauda pete mu *gooon-
mro Dr.Jo*Bygtaa Itarte teMM, igualmente peden que felicite pete bota deeempe
nho de sua cemmissao.
Entre elle figurau o eoMelheiro Manoel Fran-
cisco Corris, desembargador Arip;, coronel
Mello Rgo, o Exm. Bario de Tefe, Dr. oaqaim
Portella, inajor Cintra, coaaelheiro S-iares Bran-
dan e a uuaaa digna cenaoci D. Isabel Gondim,
assim como, por intermedio do Dr. Jos Hygiao,
iguaes telicitacoes foram dirigidas ao Instituto
pelo Exm. cooselbeiro Tito Franco de Almeid,
Barao de Ldano e deeembargador Jeaquim da
Costa Barradas, prsidente doCear.
0 Instituto resolveu que se designaase na acta
um voto de louvor ao noaso cousecio Dr. Irineu
Joily, pelo valioso preaente que ae diguou de fa-
cer e pelo interesa que tem tomado no descubr
meato de toaseis eoin o fm de auxiliar o estudo,
paleontolgico, bees cerno aoaecu urna eommiseao
cmaoste djs Dra. Adrio e Bandeira e cirurgiio
deatisto ama Porapilto para examroar os ditos
oesofl o dar o seu parecer, e que se officiaase ao
Exm. presidente da provnote da Parahyba cha-
mundo a sua attencao para o deposito de seos
roseis, de que trata a carta do digno consocio
Dr. iineu -uifily. visto como fallece ao Instituto
os meios de mandar ama commisso para explo-
rar o dito deposito.
0 Dr. Jos Hygino apresentou ao Instituto urna
nova remesa: de documento* vindos de Hoilaoda,
contendo os notulos de 21 de Novembro de 1639
* 31 de D.zembro de 1640, idem do 1 de Deaem-
bro de 1653 a 15 de Janeiro de 1654, idem, cartas
geraes do supremo eonseiho aos directores da
companhia cin 1651.
Paasando-se ordpm do dia lido e approvado
o seguinte parecer da eommtsao de historia.
A seecao de historia a quem foi presente o offi
ci do socio correspondente Dr. V. Ferrer de Bar-
res Wanderley Araujo, offerecendo o original de
urna proviso datada de 18 de Outubro de 1745 e
dirigida ao provedor das fazendas de defuntos o
usen es, das capellas e'vnculos de Pernambueo,
para o fim dnoiganisar-se o tombo das capel.'as
no prazo de um anno, e urna relacao das capellas
e vnculos constan es dos autos existentes noscar-
jrioa desta capital em 1837: de parecer, que se-
ta o primeiro documento archivado no numero de
seus uiannscriptos e que ao segundo se doppor
tunamente pnblicidade Da revista de Instituto.
E constando seceo por informacaodomes-
mo socio correspondente Dr. Vicente Ferrer de
Barros Wanderley Araujo, quedoi por elle redi
gido um memorial para o governo imperial eer
ca da furdacao do convento de Nazareth do Cabo,
ain a a seccao de pan cer que se officie ao dig-
no socio pediudo urna copia do to importante do-
cumento, afim de ter a publicdade que merece.
Sala das sessoes do Instituto Archeologieo e
Geographico Pernambueo, 18 de Agosto de 1886.
Luna Freir.Dr. Pinto Jnior.
Nada mais havendo a tractar-se foi levantada
a sessao.
Club 4cndemlM Selentiflco Seaftra
__Com este ti rulo foi hontem fundado ra da
Palma u. 71, un club em homenagem ao Exm. Sr.
Dr. Jos Joaquim Seabra, ficanao a mesa assim
organisada :
PresidenteAugusto Carvalho.
1." secretarioPedrcira Franca.
2 ditoPolyeneto Kibeiro.
OradorCosta Pmto.
BibliotecarioA. J. Araujo.
1 bcsoureiio.Augusto Seixas.
RevlMiinha Publicou-se o n.
quena eri'-yclopedia semanal. ___-
B<-unt6eN Moclaea Ha hoje as seguin-
Do Club Internacional de Regatas, as 11 horas,
assembla geral, em sua sede.
Da Recreativa Juventude, em assembla geral,
em soa de, s 4 horas da tarde, para leitura do
relatorio e eleieor.-.
Da lrmandade do Divino Espirito Santo, as 11
horas, mesa peral, para eleicoes de .sagas.
Da Melpomene Ondense, s 10 1/2 horas, as-
sembla geral. para preatacao de contas.
Da Luzo Bn.'xileira, s 6 horas, para sessao do
posse dos corpo administrativos para o anno de
1886 a 1887. J
Concresxo de ensino teehnlco-u
programm.1 do congresso internacional de ensino
te.-hnico couimerci.il e industrial, que deve abrir-
se em Brdeos no dia 20 de Setcmbro prximo,
o seguinte :
QuetlSes gerau
A Estado actual do ensino technico com me r-
cial e industrial m Franca e no eatrangeiro.
B Dominio d'esse ensino. Importancia que
se lhe deve attriDuir. Sua influencia sobre a si-
tuacao econmica, commercial e industrial d paiz.
C Concepcao geral de urna orgausacao ao
ensino technico.
a) Preparacao para os diversos ramos desse en-
"%' Accao do estado, dos conselhoe geraes, das
municipalidades, da* cmaras de coinmorcio, das
cmaras consultivas, syndicaes e das sociedades
particulares sobro a creaco dos estabelecimentos
de ensino technieo, sobre a elaborado dos seus
methodos e programlas, sobre a sua direccao e
aabre a sua oi-gnuis-icio finauceira.
c) Em que termos o ensino technico deve ser
dotado de um prograin*a geral e uniforme, e em
que termos deve ter programmas particulares
aoroD'iadoi s neeeesidades de cada regiio.
di" Que lugar deve s*r dado nos estabelecioien-
tos de ensino technco ao ensino geral 7 Que par-
te deve ser consagrada ae easino theonco eao en-
ao pratico ? N ... -i
D Rulaces entre os estabeleeimentos SHOiia-
res Ue ensiDO technico, com o fim de urna accao
commum para todas as medidas geraes destinadas
a augmentar o deseavolvimento detle e garaotir-
lhe a proeperidade.
E Periodidicidade dos congreasos de eneino
technico. Lugar e data do prximo congtesso.
Questes especian
A OrganiBacio do ensiuo techoico eommer-
cial : 1* grao, 2 grao, grao superior.
g Organisicao do ensino technico industrial :
Io ero, 2o grao, grao superior.
a) PreparacSo e recrutamento dos alumnos.
Encino Tlos patroes ; aprendizagem.
6) Escjlas. Esututos e regulamentos. Pro-
grammas e methodos. Ensino theovico e pratico.
EnsiDO do dsenho. Trabalho Bianoal.
c) Peesoal administrativo e decente.
d) Edificios e material. Planos e diBtwbuc4o
dos locaes. Mobilia e material esolares. Blblio-
theea. .
e) Muzens commerdaes e metasmaes.
Organisacao oaneeira. Ketribuicfto aneblar.
Bolsas. .
q) Excurses e caravanas escolares. Bolsas ae
viaens e bolsas de residencias no estraogeiro.
h) CoHocacao (ios aloolnoa ao sahimn. bmpre-
vis e salarios. _.
i) Cursos complementares de ensino teaico.
Cjrnos de aprendices e adultos,
/i Conferencias publicas.
Una principe cbine em %!
Ha mais de cente e vinte e cmeo almos que so-
berano algum ou principe Mperal da China tem
deisads IVkin. Tedos os nno sabe famiha
imperial em romaria piedosa -s famosas tumbas
dos seus antepaseados, mas volta depois aos sem
palacios, para nao tornar a sahir senio ao anno
BPjrjinte. Os Mamdelins. Keneas e Xielung, ton-
dadore da ctaal dynastia, parcorreratB a AHia,
como coaqu8tadore8, mas o -maior numero dos
so"ss sufceseore tem pasaado a sua vida encerra-
dos no seu harem, entregues a excessos de toda a
eesta que os conduzem a passos largos para 0 pe-
riodo'da imbecilidad-, onde qeasi todoe tm aca-
bado prematuramente.
0 antecessor do actual soberano tambm morreu
iaven: e, se ao lado do throno nao estivesse urna
mulh.i extraordinaria, o imperio tena cahido n'uma
espantosa guerra civil. ___
p ra o unno, o novo soberano Kang ieTar a
tutela fficial que boje exerce > r*BntM-mM,_*n-
tes. os ministros e os astrnomos deverao ind1Car
rral wr o dia propicio do primeiro mez, para se
naffaaf a sua subida ao throno.
itta todos os preceitos e tradiccoes chtWMt,
que prohibiam ao imperador e aos principes psal-
qu-T communicacao directa eom os estrangwnw, o
principe fez este anno mna longa viagem.
A 14 de Maio s.hio m patanque da capital,
escoltado p r um numeroso pessoal. Oita wawe-
rosos cocln, que se rendiam a miudo, o transpor-
tar-m at Yueg-Cbu, povoacao situada perto de
Pelho ; embareom ah e a 16 desembareo ea nen-
Tsin. All receben o tiee-tei Li-Hung-Chang e o
corpo ecnsular europea. ,__
Esta recepeo deu cidade um aspecto at**"*'
braflte; em frente do palacio estavam fwrs*os
milaares de soldados eam aniformes de varta!-
timas fires, e no rio centenares >* <*-
19 ni^w i _
A 18 visitn o porto Hamiltoo, chamado pelos
ehmeaes Li-Shun Kao, onde esUva fondeada urna
eaqaadra cbinesa, composta de 10 navios, e amitos
navios eatrangairoa. Depois visitn ontros por-
to*, r.cebendo os embaixadores de Inglaterra e
de Fnauca ; no dia 23 embarcou n'um dos navios
da eaquadra, qae o condoste a Tai, para xegres-
sar a Tiea Tain e Pekn. .
Niaguem abe o fim d'esta vinta do princi-
pe aos partos do imperio, mas prev se que ser
proveitoaa para a oultura d'aquelle paia e lavora-
vel para as emcoes entre os europeus e os povos
do extremo oriente. .
Dtmlielro0 vapor &.'Fraacuco, sabido pac*
os parto, do norte, levou para :
Parahvba 7:000#UUU
Sal 10.-OO0W00
Mossor 33:000*000
Ijelldea.Effoctuar-se-hao:
Amanha :
Pelo agente Alfredo Guimar&e, s 11 horas,
na raa dn Bom Jess o, 45, do movis, loocas, vi-
dros, etc.
Terca-feira :
Peo agente tinto, s 11 horas, ra do Bom
Jess n 26, do estobelecimeuto ah sito, movis
lou^as, vidros, etc.
Quarta-feira
Peto agente Pestaa, a 11 horaa, raa do Vi-
gario n. 12, de predios.
MiMa fnoebreaSerao celebradas I
Amanha : .
A'b 7 1/2 horas, na matriz de Jaboatao, por ?!-
ma do capito Jacintho Pereira da Silva Barros ;
s 7 hcas na igrrja do Terco, por alma de Alipio
HoUanda dos Santos; s 7 horas, na greja do Li-
vrainento, por alma de Hermino Ernesto de Lemos
AmaraL
Terca-feira :
A's 8 horas, na capella de Belem, por alma de
D- Isabel Ursulina de A. Gama; s 8 horas, ua
Ordem Tereeira de S. Francisco, por alma de D.
Maa de Jess Cavalcante de Oliveira ; s 8 ho-
ras, xa matriz de Bom Jardim, i>or alma de Jos
Franciaco Borges ; s 7 horas, na matriz do Corpo
Santo, por alma do capito Jacinto Pereira da
Silva Barros.
Quarta-feira:
A's 8 horas, n* Ordem Tereeira do Carmo, por
alma de D. Amelia Franeelina da Silva Manta.
Paa*KelroaSahiram para o sul no vapor
francez Piafa de liaeei:
Dr. Felippe de Figueiroa Faria, Jos Manoel de
Almeida, e sua senhora, 3 irmas de caridade, Jo-
sepba, Mara e Rosa, AdeUide A. de Azevedo Dou-
rado, Tbereaa de Freitas, Altrede Falclo, Abilio
da Costa Correa Leite Montayrol.
Sahiram para o norte no vapor S. Francisco:
Eugenio Adour, D. Maria Alves e dous criados,
Arthur Lopes M., E. Lopes Mendonca, padre An-
tonio Manoel C Brando, Absalao Oliveira Men-
des, Joaquim Ignacio Pereira, D. Leopoldina Je
Macedo, Dr. Manoel B. de Oliveira Santos, Ray-
mundo Nouato Fernandes, Antonio Bezerra Cesar
de Andradc, Luiz de Franca Vasconcellos e um
Bobrinho.
t awa de i>eiem^oMovimento dos pre-
sos no dia 20 de Agosto :
Existiara presos 286, entraram 16, sahiram 7,
extstem 295.
A saber:
Nacionaes 266, mulheres 9, estraugelroa 7, es-
cravos Bentenciadoe e processados 7, ditos de cor-
reccao 6.Total 295.
ArraeoadoB 258, sendo : bons 247, doentes 11
Total 258.
Movimento da enfermaria :
Tiveram baixft :
Joao Felippe de Sousa, conhecido por JoSo do bac-
co.
Jos Ribeiro de Jeeue.
Ignacio Ferreira.
Lotera da provinciaA lotera n. b5,
em beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recite sor extrahida quando for annunciada.
No consistorio da igreja de Ncssa Senbora Ha
Coneei^ao dos Militares, so acharo expostas as
urnas e as espieras, arrumadas em ordem num-
rica aoreci. .JO do publico.
Lotera a o RioA 1 parte da lotera
u. 3o, do nsvo plano, do premio de 100:000*000.
ser extrhida no dia .. de Agost.
Os bilhetes acham se venia na Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham se venda na praca da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Lotera da orte-A parte d* x^J,
teria da corte, cojo premio grande de 100:000*.
ser extrahida no dia 27 de Agosto.
Os bilhetes ack.m-se venda na Casa da ror-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem aeham-se venda na prac* da Inde-
pendencia ns. 37 e 39. .__^_
Lotera Eatraardiarfca do Yplran
gra O 4." e ultimo sorteio das 4. e 5. sunes
desta import%ote lotera, oujo maior premio de
150:000#O60, tere extrahida brevemente.
Acham-se expostos venda os restos dos bi
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marco
n 23.
Lotera de Macel* de tOOtOOOMMH
A 4" partes da 1'3 lotera, cujo premio
grande de 2(70:000*', pelo novo plano, ser:l ex
trahida impretcrivelmente no dia 24 do Agosto as
11 horas da manha.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da ln
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Rada da lor
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Preces resumidos.
Hatadonro PublleoForatm abatidas no
Matndouro d Cabanga 102 rezes para o consume
do dia.22 de Agosto.
Sendo: 82 rezea petteuceotesa Ohveita Castro,
& C, e 20'a diversos.
aereado Municipal de doaeV
movimento deste Mercado oos dias 21 do cor-
rente, foi o se^uiute :
Entraram ;
381/2 bois pesando 5,794 kilos.
421 kilos de peixe a 20 ris *M>
120 carcas de farinba a 200 ris 2MO0&
40 ditas de fructaa diversas a 800 rs. i2#tOO
Dr. Gama Lab*, medio operador e par- i
teiro, reside ra do Haapicio o. 20, -onde,
poda ser procurado 4 qualquer hora do dia,
ou da noite. ConsulUs : de 1 s 3 hora
da tarde. Especialidada : molestias e ope-
racSes dos orgaos genito- urinarios do ho-
rnera e da mulher.
Dr. Barrito SSampaio mudou seu consul-
torio do 2." odor da casa n. 45, a na da
Barao da Victoria, para o 1. andar, da
casa n. 51, mesma ra, como oonsta do
sea annuncio inserto na secgao compe-
tente, flesidencia a tu Sete de Setsm-
bro n. 34.
dvosaae
O bachard Benjamim Bandeira, ra do
Impeoador n. 73, 1. andar.
Tnbelliau
O Bachard Amaro Foiueca de AUntquer-
que, tabelliao d notas interino nesta capi.
tal, comraunica %o respeib.vel publico qa
abri seu esuriptorio no pavimento terreo
do predio n. 4, sito a ra oo Coronel Fran-
cisco Jacintho, outr'ora de S. Francisco,
onde, com solicitado e mxima lealdade,
est prompto para desempenhar as fanc-
SOes de seu cargo. Reside na fregueria
da Boa-Vista, ra do Coronel Lamenha n.
30 (outr'ora dos Prazeiea) para onde, fra
das horas do expediente de seu oecriptorio,
deverao derigir-se os chamados, para fac-
tura e approvacSo de testamentos.
Consultorio allopatlco dolmetrleo
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em son consultorio ra
do Barao da Victoria n. 7, 1. andar.
Chamados por escripia a qualqaer hora.
Especialidades parto, febres, syphis,
molestias do pulmao e do corayao.
Dr. Lopes Pessoa Medico.Resi den
cia a ra de D. Pedro I n. 9, onde pode
ser procurado at s 9 horas da manha.
Consultorio ra do Bom-Jess n. 37 1.
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
oreitarl
Francisco Manod da tUva di C-. .iodo-
ditarios de todas as espocialidaaes phannn
eeuticM, tintas, drogas, productos chimicn
e medicamentos hoinmopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 2'.
Serrarla a Vapor
Serraria o twpor e officina de carapino
de Francisco dos Autos Macedo, caes do
Capibacibe n. 28. N'este grande estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, comprase e ventle-se madeiras de
todas as qualidatles, serrarse madeiras de
conta alheia, assim como se preparara obra*
de carapira por machina e por precos cen>
|OP> rmm nma.
tamento, coaao o desalistamanto de oiitora\ ^
ter lugar as pochas da ki, palo modo nlla
Indioado. Becrfe, 20 de Agesto de 1886* Jos
Manoel de Freitas. >
Cjmo ver o publico, aadaaa mais injurts fue
ease despacho, que-seria procedente se taes indivi-
duos tivessem sido alistados ; mas nao tratndose
de individuos que nao Firam alistados e de alguns
que at toram indeferidoas-sena veqaerimeatos
para eren alistados, nomo provon o hr. Tbeodo-
miro com o parecer da aommisso da Cama na dos
Depntados, no qual vem transcripta a seguinte
seutenca rio Dr. Oomjslves Lima, Se saadosa me-
meria: tk
L*-se no Diario ie Pernambueo,de 2b de Ja-
neiro de 1883.:
as petieoss dos cidadaos Cosme de Abren
Macedo e Jos Joaquim Dias Fernandas Juuior,
da fregara da Varzsa.rtoi pruferids o despacho
seguinte:
. A lei de 9 de Janeiro de 1881, art 4" n. 8,
presume ter renda o jurado qualifieado na reviilo
de 1879.
A Ju da 7 de Outure de 1882, art 1" % 9",
comprehendeu naquclla disposivao os cidadaos qna-
lificados na r. visao de 1878 e 1879.
O supplicante nao est eomprehendido em
nenhuma destas disposicoes, pois a certido de tu.
i moatra que s foi qualifieado jurado na revisao
de 1880, pelo que julgo nadmissivel sua preten-
cao, que ua assenta em oatr* fundamento, aenao
naquella certido; pagas as custas. Reeife, 24
de Janeiro de 1883.Joaqnim Gonoalves Lima.
Note-se que a respeito destes dous pcetensos
cleitorea consta, por am exaue feito requerknen
to do Sr. Dr. Jos Mariano, no cartorio do escr-
vo do alistamento, ter um sido alistado na revisao
do alistamento le toral de 1382 e o outro na de
Janeiro de 1883, em virtnde de certWoea, pelas
quacs ,provarm ser jurados da revisao.de 1879,
o que inexacto, porquanto ambos requereram
pa'a serern ahitados em Janeiro de 1883 juntando
s suas peticoee certidoes de que eram jurados da
revisao de 1880, e nao de 1879, cano mostrs- a
sentenea supra do integro juiz do Jireito Joaquim
(Joncalves Lima
De rudo isto resulta que honve urna ostentosa
fraude no olisjajnnto, que deve ser punida ; mas
perante a qual o jnis de direko do 5o distrieto
ernaa os bracos e nao procura punir os seus au-
tores.
0 Sr. desembargador Jos Manoel de Freitas
o esponsavel por tu lo isso, porque o virus da frau-
de introducto-se exactamente no alistamento a seu
cargo, quauds 8. 8. esteva no exercicio da vara
dos Feitos de Fzeoda, em Outubro ou Novembro
de 1884, epoeba em que deveriam ter sido expe-
didas as liste* para a chumada dos eieitores que
concorreram aelcicao de 1 de Deaembro de 1884 ;
pois o procurador do Sr. conselheiro Theodoro pro
vou na Cmara dos Deputados com as autheaticas
da eleicao provincial de Outubro e Novembro de
1883 que os Bornes dos phasphoros nao estavam
incluidos as listes queservmm para esta eleicao.
m viste, disto nada mais ha que esperar da
justica do r. Freitas, que com aquelle indeferi -
ment acorocoou o crime e justifid-u ser yerdadeiro
o juizo que setas de 8. B....
O publico que julgue do procedisaento do jnis de
direiio do 5o distrieto criminal e estemo satis-
feitoa.
responaabilidade daqaeUes que oncorre-
rem, roesmo Tadirectaraente, para que fi-
quem -TroMrados os patrioicoB intoitos de
sea partido, e gacrificados ofl Ugitimos in-,
tereaaes da municipio, que amito tasa a
esperar dos candidatos apraaentadas sob a
reapensobilidade do paTtido conservador.
Corramos, portante, s urnas, e nellas
deixemos cahir a nossa edula, com o no-
toe de um dos candidatos aprcaantados,
como requer a lei, e a nossa victoria ser
a viitoria dos interesses legtimos do mu-
nicipio do Recife.
Uniao e firmeza, seja a nossa divisa ne
dia 23 do correte.
Recife, 11 de Agosto de 1886.
Ifunietpef.
O correspondente desta provinoia para o
Paiz, que se publica na corte, nao foi bem
informado sobre o que disse nos dous l-
timos trechos de sua correspondencia, in-
serta n'aquello jornal de 2 do corrente,
relativamente a desacato e assuadas de es-
tucantes da Fauuldade de Direito desta
cidade.
O dearespeito praticado 21 do mez
passado no recinto do estabelecimento,
muito depois da oencrardos, tranquilla o
regularmente, os trabalhos da aula de di-
reito romano, foi por dous estudautes, que
nao sendo matriculados, apenas frequenta-
varn as aulas do Io anno.
COMUNICADOS
MaTramro, representatrio r8eeTife
xplenuida victoria I E* um trabalho re-
ceraHicndaBcl. ji pelo talento amito conWe-
eido do joven Oas dos Santos, eea-aatar,
j porque representa ama data numoraW
para o povo pernambucano.
O qae devew tazer os admiradores e
amigos do laureado tribuno ?... Coaaaa-
seotirem que o artista o condaza ana
provincia, ou protegel o offerecendo essa
preciosidade ae sea dono ?
Um denterestado.
Despedida
O bacaarel Joo Jaoome Martias Perei-
ra, retirando-se temporariamente para a
comarca de Limoeiro, e nSo podendo pela
presteza de sua viagem, despedir se pes-
soalmente de seus amigos e parentes, o faz
pelo presente, offerecendo-Ibes seus dimi-
nutos e sinceros prestimos.
Recife, 21 de Agosto de 1886.
Joao Jacome Martint Perdra.
Eleicao Municipal
Mais urna vez v,cnho declarar aos mous
dedicados amigos que sou candidato a ve-
reador da Cmara Municipal na eleicao
que se proceder amanha, evitando assim,
o resultado que se procura tirar cm dizer-se
qae desist.
Assim pois estejam prevenido* es mea
amigos.
Recife, 21 de Agosto de 1886.
Antonio Arthnr Moreira de Mendonca.
EleleSo municipal
Approxima-se o dia de segundo escruti-
nio das eleic8es do vereadores deste muni-
cipio, isto no dia 23 do torrente o eleito-
Despedlda
Seguindo hoje para a corte afim de dar cumpri-
mento ao maudito que me conferio o llustre elei-
torado do 3." distrieto, despeco-me pela imprensa
dos amigos que pcssoalmente ou por cartas, car-
tee e telegrammas, me felieitaram pela victoria
alcancada no pleito eleitoral de 12 do corrente.
A' todos me confesso agradecido; todos offe-
reeo meus diminutos prestimos na corte, onde
alias pouco tempo me d.-morsrei; e todos pece
deseulpa por nao ir pessoalincute dar lhes os agra-
decientes e faz.r-lhesos ofterecimentos que deixo
aqui consignados, confiando que merecerei o
indulto que solicito pela falta em que cahi invo-
.unuriament^, devido a presteza da miuha partida
e aos-mltiplos ataieres q->* .. ftDsorverauvn'es-
tes ltimos dias.
Beijo as mitos do eleitorado do 3. distrieto, que
tanto me engrandecen, e reitero cada ucn dos seus
dignos meinbros que me honraram com os seus
suffragioB os protestos do meu reconhecinvnto e
subida estima.
Recife, 21 de Agosto de 188S.
Felippe db FiouEaa Fasii.
I'IBLIUACOES l PEDIDO
12 teboieiros a 200 ris
22 SumjsaOOris
Foram oceupados :
251/2 columnas a 600 ris
26 compartimentos de fsrnha a
500 rrs.
24 I tos de comida a 600ris
71 ditos de legumea a 400 ris
16 ditos de suinoa 70&Tis
11 ditos de rresBatas 600 ris
1G ditos de ditos a 21
3 dito al*
A Oliveira Castro & C.:
2 tamas a 600 ris
54 taBros de carne verde a if
Deve ter sido arrecadada nestes dKs
a quantia de
Rendimento do dia 1 a 20
8#400
440J
15*300
13*000
18*000
28*400
U#20U
6*600
20*000
3*000
1*000
54*000
215*300
4:2-29*600
'ui arrecadado liquido at noje 4*46*220
Grecos do dia :
Carne verd,- a 240 e 400 ris o kios.
S1...03 a 560 e 501) ris idem.
arnei'-o r! 0 800 ris Mn.
fariub de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 240 a fcW rcs idem.
P, ijao de 640 a 1*280.
INDICARES TEIS
Medlcoa
Canoaiiorlo meatra elratralco do r.
Pedro de AHaliyde Lobo Hoscoso a
roa da doria m. M.
O doutor Mo8cozo d consultas todos os
dias uteis,-das 7 -as 10 horas da wanh.V
Este consuitorio offsrece a coaimoditii.
de Ue poder-cada toarte sor ouvido e ex*
minarlo, sem ser presenciado por eutr
De meio da s 3 berras da tarde hpt
Dr. Moscozo encontrado ao 'lorreao i
tp do Commorcio, onde funcciona a ihs
peccSo de sade do porto. Para uualqu'
d'este deus poatoe podwffio _.-
os chamados por carta na indicadas horas
O Dr. Arthur Imbassahj/, medico oceu-
ata, racentewente ohfjgado, esta etddde,
d cenfcultes todoe os dias, das 8 s 10
horas da manha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do predio n. 8, largo da
Santa Cruz.
Ao eleitorado do 1 dis-
trieto
Tem lugar amanha o 2 escrutinio a e'eico mu
nicipal e candidato a vereador o Sr. Joo Fa-
cundo de Castro Menezei.
8. 8. certamente j nao o nwimo bomem
honesto, probo, inUlligente e illustrado,como se
dizia, desde o momento qae pretende ser eleito
com os votos dos eleitores-inconscientes, ignoran
te, analphabetos e at papa-siris, segundo sua
linguagem quotidiana na pharmacia do Terco p ra
Deus e o mundo
S. 8. com eemalhante pretencao demonstra real-
mente ser de urna coragem incommensuravel, de
urna petulancia sem competencia e de um cvnis-
mo a toda prova !...
Hontem, mimeseava a este eleitorado com aquel-
es epitbetos grosselros e injuriosos por tertido a
hombndade de voltar a tace ao reirane Nabuc",
auo oueria com o seu ritroroso pedantismo impor-
ae comoumSON-PLUS-ULTRAdo pesUfero
ministerio Dantas, de nefasta memoria.. .
Hoje, apresenta-se com todo descaramento, per-
ante este mesmo eleitorado, dizendo:nao tenho
poltica, nao sou liberal nem tao pouco conserva-
dor sou um bomem ncrio tnicamente ao mu-
nicipio, amigo do misero povo e peco voto para na
Edilidade curar de seus interesses.
Hratem, dilacerava o seu titalo de eteitor na
mesma pharmacia, fingindo se indignado e co
brindo de improperios ao mesmo eleitorado por
nao ver vingar a candidatura liberal Assembla
Provincial. .
Hoje, renuncia todos os ttulos de homem Hones-
to, de carcter illibado e at de pirra eastroade
por um tarrrborete na municipal !...
J nao sao mais, nem mesm-i papa sin oa1 Srs.
eleitores pnncipalment-! se todos votaTmsm 8.8.
Muito pode o tnrtufismo!...
Nio ser com o meu voto e da esperar que
nem com o de conservador algum que 8. 8. tera
na municipal urna cadeira para manipular otnu-
ncipo. Fique certo disto.
' preciso que o independeute eleitorado eom-
penetre-se do que como altivo, brioso e conhe-
cedor de sua miesao, e tenha em mente a disci-
plina politiea que exige terminantemente a bel
observancia da chapa.
Recife, 21 de Agosto de 1886.
' Um observad*.
IPeco aos amigos e correligionarios da freguezia
do Recife, que no 1 escrutinio da eleicao muuici-
nal, honraram-me com os seus votos, que desear
reeuem toda votaco emnosso prestimoso amigo o
Sr? teneute coronel Corbimano de Aquino Fonse-
ca, por ser o candidato designad > pelo partido
para esta freguezia.
Recife, 18 de Agosto de I806.
Alexandre Amenco de Caldas Pudrtha.
alistamento do Poco da Panel
la eda Vanea
Hontem foi publicada sob a epigrapho n
neste Diario a peticao que o ele.tor Tbe O. miro
J de Albuqaeraae dirigi ao hms de dire.to.do
50 distrieto crimiaal.-^licitando ddfcreute. provi-
deacias para serern eliminados das listas de cris-
mada difTrentes nomes de individuos que asilas
se achato, como-toado-*ido alistados, mas quinao
ttje%amoe iafcrmar ao publico qae aquella pe-
ticao teve o egnUito dsaracbo :
, Tn ha qae deferir | pwqaanto, Unto o alis-
t,------,
rdo desta capital tem de escrevor um dos
seus mais importante direitos politicos.
Outr'ora, a* paixSes politieas se arrefe-
ciam nestas occasiSes, e os elchos eram
uSo s a expreesao da vontade do povo,
mas anda .'idadaos conspicuos e idneos
para desemponharem as elevadas fun :<;5e8
que so lhes eonfiava.
v Deveinos voltar a esses tempos.
Cumquanto extremados estejam hoje,
como outr'ora, os partidos politicos, e por
isso mesmo, devem os partidos ao-itar to-
da a respoosabilidade da eseolha daqnel-
les iJaiU^s considerados n opiuiio geral
como 03 mais oppostispara .13 difficeis fun;-
c3es inherentes artimune.
A cmara municipal, em todos os paizes
vivilisados, um. Corp.va" .pcitavrJ,
que pi.''.on.orror com grande eficacia
para a prosperidade publica.
Pertenoe-lhe, entre nos, promover os
melhoramentos do seu municipio exercen-
do, rumulativaminte com a assembra>pro-
vincial, o direito de adoptar medidas ten-
dentes quelle fim. Asalubridade pablica,
a regul iridade dos costu es, a repressao
dos abusos, a inspeccao sobre os estabele-
eimentos comroerciaes, a protec^o la-
voura, em duas palavras, as commodidades
do cidadao, sao o objecto sobre qme deve
convergir toda a sua attencio.
c Para o bom desempenho deste impor-
tante cargo, evidente, que b se devem
eleger cidadaos, de quem se possa esperar
esta somma de beneficios.
A probidade, a intelligencia e patrio-
tismo devem caracterisar os vereadores.
Devem estes ser alicitos pelo bem publi-
co, prudentes em suas neliberasoes, firmes
em suas conviejSes e superiores a toda a
condescendencia, sempre que obrera na
ssphera de suas attribiiicSes.
E' sob estas bases qne o eleitorado deve
approximar-se das urnas no dia 23 do cor-
rente. .
E viato oue 08 partidos polticos plei-
teiara a < leijao, fazemos votos para que o
eleitorado eseolha os mais aptos.
Teremos summo prazer em ver frente
da municipahdade do Bacife nomes que
piomettam mnito aosinteresses deste oa-
pital- c a
A e-amara, cujo quatnennio vai nndar,
forcoso confesial-o, nao foi teilz em sua
tdmio'rsrracao.
Na exageraras : ahi estao os factos.
Indague-8e quaes foram os beneficios
feitos ao .nwnieipio .durante a vereacao li-
beral, qual o destino da aceita atracada-^
da, que se verfiokr a exactid&o da nossa
gsercrlo.
O uai-tico conservador, roconhecendo a
uecessidadi de levantar o municipio do
abatiraento em 'qne jaz, organisou urna
lista de cidadaos, cuja idoneidade r co
niiecida at pelos seus ad sanos poha
eos, e cuja aceitado se iropSe tanto aos
seus corroligionarios uom ao eleitorado 1;
dependente e inditerente s lutas partida-
Os nomes dos Dr. Cosme de S Pend-
ra, d-seoibnrg4or Manoel Clementino Car-
neiro da Cunha, major Joao Francisco An-
tunes, Gabriel Ildefonso das Neves Cardu-
80, Joao Jos de Aroorim, Demetrio de
Gusmao Coelho, Agostinho Bezerra da Sil-
va Cavalcante e Henrique Bernardes de
Oliveira Jnior, cidadaos distinctos e bem
conhecidos, sao Os nicos recommendados
pelo oartido consifrvador ao suffragio do
eleitorado. .
E' mist-r, pNois, oniao, solidanedade e
lealdade.
Todo o pensaraento, que nao for uno,
destre-se a si mesmo, na phrase de um
notavel publicista.
Se n3o tivermos um s e masmo pensa-
ment ; se nao houver a precisa cohesao
de iclas de nossa parte ; se os candidatos
extra-ch-pa, os ayulsos que se dizem adep
tos da idea qod sradora, alo aderem,
como de seu dever e lhes impSem a dis-
ciplina e o amorptrrtitrario, grave ser a
Nao deve, pois, ser attribuido, como foi,
a meas discpulos, que, no corrente anno.
sao em numerode quinbentos e doze (512).
Por aquelle desrespeito foram seus au
tores interrogados e privados pela congre-
gajao de ter ingresso no estabeleeimento,
sendo reraettidas suas declaiacoes com as
partes de um professor do curso annoxo e
dos respectivos empregados, por interme-
dio da presidencia da provincia, ao Dr.
chefe de polica para proceder contra ellcs
no foro commum como entendesse de
Justina.
Eis tudo quanto houve.
O correspondente, estigmatizando o pro-
cedimento de discpulos, que esquecendo ss
leis da boa educacao e de respeito aos
mais velhos, desacatam seu mestre, e re-
clamando serias providenoias do governo
imperial para taes desrespeitos, foi ainda
mal informado, quando referi ter eu
sido saudado pelos acadmicos do Io anno,
ao deixar a cadeira com a mais desenfreia
da e tremenda vaia, a qual nao ficou cir-
cutnscripta ao edificio da Faculdade,
acompaohando-me os meamos estudantes
at ao jardim da praja Pedro II com apu-
padas incessantes.
Alera de nao ser verosmil que isso se
podesse dar em relaclo a um lente autigo,
que oecupava a directora interina da fa
1 ul lade, accresco qao ahi estao para at
testar a verdade collegas empregados da
faculdade e pessoas extranhas como os
Drs. Pereira do Carmo e Pedro Affonso de
Mello, co"? os quaes me achava na rece-
bedoria de rendas internas, depois de ter-
minados os trabalhos de minhaauU, quan-
do fui chamado faculdade para conter
aquclles dc.us alludidos estudautes, que com
'mais dea ou doze quorum, com violaQo
dos estatutos e de minhas ordens, pertur-
bar o servico das aulas co'\j urna eleica 1
de orador para os festejos d> dia 11 de
Agosto.
Tambera nao exacto que eu tivesse
soffrido dos ostudaates da academia, fora v
do aditicio-, no Jardim ou Praca de Pedro eleitoral a> dia 23 do
II, urna pateiada doseufreinda e tremenda
e acompanhada de apupadas inaessantes.
Quando no rfia 21 sahimos_ da faculda-
de, eu e o Dr. Albino Meira, depois do
incidente, e tomamos a calcada do lalo ex-
terno do referido jardim, nao fomos acom-
pauhados por ninguem, e, quase aodeixar-
luos dita calcada, ouvimos alguns gritos
partidos dos ltimos bancos do lado op-
posto do mesmo jardim, e, olhando para
esse lado, vimos apenas oito o nove es-
tudantes, que pareciain altercar entre si, o
que nao nos admirou, porque alguna alum-
nos do curso de preparatorios costumavam,
antes das aulas e nos iotervallos de algu
mas dellas, brincar uns com os outro al
toreando e fingado lutas, sem qua a cou-
sa passasse de gracejo.
E' verdade que se propalou depois ter
eu soffrido seuielhante desacato, e at o
disse a gazetilha do Jornal do Recife de 23
.iaquelle mez.
Mas houve sem duvida urna falsa apre-
ciaeao do facto, qae, nao sei se poderia dar
lugar a nma interpretacao tao desagrada-
vel.
Pelo menos assim o julgamos, eu e meu
collega Dr. Meira, e ainda mais me con
venco disto pelas declarares feitas pelos
dous estudantes, a que cima me refer.
Becife, 20 de Agosto de 1886.
Dr. JoSo Jos Pinto Jnior.
lo Illustrado eleitorado do ma
nit'lplo
Apresento-me de novo em 2." eserntinio e esf
ro que aquelles que me bonraram cornos seas \
tos para urna cadeira na Cmara Municipal dfi
cidade, nao se negarao a auxiliar-me.
Si bem que lo me seja licito duvidar da sin-
ceridade dos Ilustres eavalbeiroa que tanto me bao
auxiliado, faoo entretanto esta declaracao para
que nao vingue o boato que me consta se espalfaa
por ahi de que desiati:
Sou candidato e continuo a sl-o confiado na
proteceo dos mens amigos e eoncidadaos.
Recife, 21 de Agosto de 1886.
Antonio da Silva Samo Jr*ew,
Le so no Progris Medical :
c O Vioho de Extracto de Fl
gado de Bacalho de chevrier,
presta os maiores servicos :
Aos individuos exhaustos por longa*
secrecoas mrbidas.
i Aos antigos rheuraatico8 privados de
appetite.
Aos gotosos inveterados que nao di-
gerem mais.
As crianas debilitadas pela denticao.
a Aos adolescentes cujo cre/ciment) fa-
tiga.
a Aos adultos oujo trabalho ou prazer
exhausta.
Todos acham neste medicamento um
licor agradavel, juntando a um poder re-
generador in scutivcl um gosto de oatu-
reza tal, que satisfaz tos paladares mais
estragados.
Nao sor por demais recommendar ao
nossos leitores o emprego deste excellente
medicamento.
Partido conservador
Elel^o de vereadores
Os ftbaixa assignadrs, constituidos cm
coraraissao incumbida de dirigir o processo
trotrenta, pedem ao
eleitorado conservador do municipio, todo
o seu eaforco e concurso cm favor da cha-
pa do partido, coroposta dos cidadaos se-
guintes :
Propri t^rio Agosiinho Bezerra da Silva
Cavalcante.
Dr. CoBme de S Pereira.
Proprietario Demetrio de Gusmao Coelho.
Commerciante Gabriel Ildefonso das Ne-
ves Cardoso
Commerciante Henrique Bernardes de
Oliveira Filho.
Major Joao Francisco Antunes.
Coramerciant' Joao Jos de Aroorim.
Desembargador Manoel Clementino Car-
neiro da Cunha.
Becife, 19 de Agosto de 1886.
Dr. Joaquim Correa de Araujo.
Migud Jos de A. Pernambueo.
Olympio Marques.
Sempre tive invencivel e pronunciada repugnan-
cia ao anonymo.
Dar urna n-sposta 4 ntnouem, ao meu ver, t-
rete pesada e ingtoria.
Se, muitas veses, nos dirigimos a um ndalgu
titular, nao stamws livres de deseer a urna mu-
lher da vida airada.
E trocar palavras, escriptas ou verbaea, eom
esta ultima, incontestavelmente, indigno do ho-
in qne se presa.
E' al vergouha vncela.
Venbo, portento, declarar ao autor do artigo
que, sob a epigrepbe -Iguarassttaz a Pronn-
cia de 19 do corrente ms, que, se quuer tirar
a cataplasma que, servindo-lhe de linitivo as *>-
r.- ebre a deformidad^ de s*u rosto, me ter
prompto para disautir as boas obras dos Drs-
Amorim e T !sco Salles, na infelis comar.a de
Iguarass.
Imponho s e somonte urna condico :
O meu antagonista ha de procurar quem corrija
os seus indigestos arrozoados, afim de que eu bem
possa eompnhendel-o.
O portugus macarrnico preste-se a murtas du-
Vidas eu sou fantico pela clareaa.
Comprometi-me a provar com doedtaentos r-
recusaveis, exUal.idos dos cartorioe desta villa,
que sao meutirosas, ptridamente mentirosas, to-
das as aaeeveracoes feitaa no sobredito artigo.
E se quiser, por coneatenaeao de idea, toniare
bem claro, fasendo prova inconcnsss, que o fidal-
eo a quem insensa ja foi conservador e b de U-
b ral de meia-cara, Uto liberal que por despeito
capas de prster em eleicao revelantes servicos
auS conservadores.
Atiro-lhe a luva, Sr. anonymo ; se as suas ta-
ces ha vem nao a rocuae.
Prevaleca-se do ensojo p.ra esmagar-me. Por
Deus, nao me poupe : mas por elle tambem teca
prova do que allegar.
Pico no estacada de ama em punho.
Ijrarassu, 21 de Agosto de1886.
Francisco Xavier Pata Brrelo.
Relralo alegorico
Acha-seemexposQao, oa Livraria Fran-
cesa, um retrato allegorisado do Dr. dOB

(Carta circular)
Dlm. Sr.Honrndome V. S. com urna prova
de confianca, na concessao do voto, que hbilitou-
me a concorrer, em 2 escrutinio, na eleicao mu-
nicipal ; ainto desvaneeimentoem agradecer solici-
tar o concurso de V. S. para minha candidatura
ao lugar de vereador. ...
E' essa minba aspiracao legitima, e verdadeira-
mente ainatada no serio desejo de prestar, pela
primerra ves, swvisos causa publica de miuha
>rA',ela'no indifferente V. !*, principalmente
quando aao consultados os infere ases do municipio,
reclamando autonomii e verdadeira indspen-
deneia.
Esse ser o meu modo de agir, se conseguir
triumpho minha candidatura, que recommende
ao patriotismo do independen! eleitorado do mu-
nicipio do Recife, e ao apoio de V. S.
Assim subserevo-me com particular estima e
consideraco De V. S., amigo, criado e respt-ite-
dor._Dr. Joao Clodoaldo Monteiro Lope.
Recife, 20 de Agosto de 1886.
*"
O abaixo assignado agradece oerdeai-
mente aos Srs. eleitores que O honraram
cora seus votos na eleicao do Io de Julho,
e pede lhes que na de 23 do corrente fa-
cam convergir os seus votos para os can-
didatos da chapa do partido conservador,
urna vez que renuncia a sua caadidaturs
no 2o escrutinio.
Becife, 18 d Agosto de 1886.
Joaguim Jos de Abneu.
Dr. Carlos Betteacourt
Estreltementos da aretbra carados
radicalmente p.la electrolyae, sem dor. Todas as
operacoe- de pequea alta cirur-ia. Baa do
Marque, de Onda n. 34, das tO as 3 hora, da
tarde. Residencia, Passagem da Magdalena.
N. 7. A Einulsao de Scutt o inelhov re
medio at hoje dcscobrrto para a cora da
tisioa, bronchit^s, escrfulas, anemia, ra-
chitis e debilidade em geral ; tarabea e
um curativo nfalivel p..ra os -ddlaKi*
tosse chronica e ..ffecjoas da garganta.
DI.
mono
T. m o seu ewiptorio a ra do Mirquex
Dliaaa u. 63 das 12 s 2 horas da Urde, e. d.
hora em diante em sua residencia 4 W. d .
UCmz n. 10. Especialidades, molestias de ia
nhoras e enancas-



diario de PernamlmcoDomingo 22 de Agosto de 13E6
=?
j*
roldad* *
eaea os toros**!*.*
gen. prognatos So rpido e Mimtadoroa, ta-
Ibem-^ P^T o. primeiro. y-P^/""*"*
dote, guiare, do peitoral de Anac.ho.ta, o qual
pa logVfara paraVo. progreaao. da molestia ou
lofluunioio local; impedir que a mucoaidade ae
a^omerTno. tubo, bronchiae., fortificar o. or-
lo. da vo, e fiu.lu.ente restabflecer a saude e
fTigor de lodo o syatema respiratorio. Embora
me,r no ca*> que a molestia .e ache ja algum
Unto .vaneada, proporcionar connderavel alli-
e em muitos casos effectusr urna prompto
"SrtaDt., a. victima, da tosse, eoaiPe*'nT
torrhoa, febre. inflaramatoriaii do. Pl*" de
ualquer urna outra enferraidade do. orgio. da
mnirado, nao devem nem por imo desesperar por
amiento de .ua final cura ; urna ve. que
enham u,2o esto .dm.avel c inarav.lboso med-
ment, verdadeiro rf.taur.dor da vida e saude,
SSquer pe.soa que use, deve t-r perfeita t e
nnioca.Be.aio no. indicio. O. m.i. pronuuc.a-
do. da molestia. ... v
Como qabaktia contra a. fal.ificacoe., observe;
te bem que o. nomes de Lanman & Kemp venham
estampado, em lettra. transpasentes no papel do
livrinho que eerve de envoltorio cada garrafa.
Acha-se a venda em toda. a. botica, e lojas de
jugantes em Pernambuco, Henry For.ter 4 C-,
roa do ComBercio n. 9.
Assim como nao ha perfume neB agua de tou-
cador que .e assemelbe Agua Florn de
Barry. asaim nenbuma outra ha que possa sub-
Btituil-a. A Ra Florida de Barry pos-
eue urna fragrancia deliciosa, to difFerente de to-
da, a. outra. que em nada com elle, se parece, o
que ella tem de suave e opulento teem a. ootra.
de acre e gro.eeiro, o que ola tem de calmante e
refrescante teem as oucras de irritante e nausea-
tivo, salutar e deliciosa quanto a. outra. sao pre-
judiciaes e desagradaveis.
Aviso
O Dr. B. O.d.n Bo.net Medico pe.
Paculdade de Medicina de Pars.
Condecorado com a meialha dos hospitaes.
Socio correspondente : da. Academia, de Medi-
cina do Rio de Janeiro e de Barcelona ; da >o-
eiedade de Medicina pratica de Pari. e da Sicie-
dade Francesa de Hygieoe, ex-director do Mueeu
Anatomo-Patologico d Faculdade de Medicina
do Rio de Janeiro, tem a honra de prevenir o pu-
blico que durante a gua estada em Peroainbuco
fica a dispasco dos doentes que deaejarem hon-
ral-o com a sua confianca.
Chamados e consultas de 1 s 3 horas da tarde
at novo avi.o: na hospedara de D. A.tomo
(Caminho Novo).
Especialidades : molestias das
a. coraeo, estom.gi, ligado,
nervas, e syphiliticas.
Recife, 6 de Agosto del886.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medid ocu-
litto, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, mudou seu consultorio, do 2.'
andar da casa n. 45 ra do Baro da
Victoria, para o 1 andar da casa n.
51 da mesma ru. Consultas de meio
dia s 3 boras da tarde. Residencia
ma Sote de Setembro n. 3 A.
dTcl
Medico, p.rlelro e operador
flestdencia ra da Impcratrit n. 48, 2. andar
Consultorio ra Duque de Caxias o. 59.
D consulUs das 11 horas da manh s 2 da
Urde. ...
Attende para s chamados telephone n. *4 .
qualquer hora.
Licor depurativo vegetal ioir'o
Med (tilinteHa
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de to grande faBa infallivel ua cura de toda,
.a. doeocas syphilitica, escrofulosas, rbeumatjca.
e de pele, come tumores, ulceras, dores rbeuroati-
cas, 08teocopa. e nevralgieas, blennorrhagia agu-
da, e chronica., cancro, .ypbilitices, inflamma-
edes visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas a. molestias de pelle, simples
ou diathericoe, assim como na alopecia ou qa da
do cabello, e as doencas determinadas per satu-
Fados e nao palavras
Aot que se detejam tratar tem eomprometter a
laude com preparadot mnralopoot.
Nesta typogrphi. en.ru. Direita n. 45, 1.
andar vende-se tintura, homeopathica. para ino-
fensiva cur. da. Mguinte. moioatai: a.thmatico,
.inda mewno brondhitioo; erywpela, enxaq,uecM;
internitente. (rn o eaprego do fatal quinino) ;
tosae convulwi, falta de menitruaco ; cmara, de
s.ngue : esterico. ou metnte ; dore, de dente, ou
nevralgia, metrorragia ; vermfugo., denticao e
convulses da. enanca. ; tudo manipulado de her-
va. do paia.
Assim como tratam se ew^ofuloao. eB qualquer
grao e gommatosos.
de partos.
sol, cobrindo-s uta tuor fro. A enfer
CLNICA.
mole.ll.. de ealiora
c de criancaa
Dr. Joo Paulo, medico aggregado do hospital
Pedro II, d'esta cidade, com pratca e estudos ea-
peciaes as principae. materuidade. e hospitaes
de mulhere. e de crianca. de Pari. e de Vienoa
d'Austria, faz toda. a. operacoe. obsttrica, e ci-
rurgicas concementes as .uas eitpecialidade..
Consulta, da. 12 s 3 horas da tarde, na ra
larga do Rosario n. 26, priroeiro andar.
Residencia. Ra a Imperatri. n. 73.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Je.us n. 30.
Consultas de meio dia 3 horas.
Residencia ma da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Conultorio medico-eirntgica
O Dr. Estev> Cavalcante de Albuquerque con-
cinua a dar consulta, aiedico cirurgicas, na ra
do Bom Je.u. n. 20,1" andar, de meio da s
hora, da tarde. Para., demais consulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1" andar.
.. eephonicos : do consultorie 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacaa,
Nd'nltt taseu. annexos.
vas
etc.,
respirato
molestias
Dr. Ferreira -la Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
MEDICO
O abaixo assignado, que at agora assignava-se
Dr. Silva Britto,previne a seu9 collegas e ao
publico, que, para evitar cor.fuses, que j teem
havido, por exercer neata cidade, onde bastante
conhecido com o ultimo termo d'aquelle apellido,
nm outro collega mais autigo, previne diz, que
d'ora em diante assignar-se-baDr. Joo Paulo.
Kecife, 1 de Agosto de 1886.
Dr. oo Paulo da Silva Brittn.
riu erro Fatal na America!
No peridico Cleveland, publicado era
Ohio, nos Estados-Unidos do Norte, leraos
a descripfao de urna operagao cirurgica,
cujos funestos resultados robresaltaram pro
fundamente todos os facultativos da Rep-
blica Anglo-S'ixonica. No entender do ci-
rurgiilo m lis eminente do Cleveland, o Dr.
Tbayer, seinelhnte operayao foi quasi uno
rime 1
Havia muitos annos que urna senhora
chamada King padec* de urna enfermida-
de de estomago, e nenbum dos aya te mas
de tratamento empegados por vanos me
dicos puderam alliviar lhe os soffriraentos.
A doen9a tinha principiado <-ora mu leve
daaarranjo d.rt orgSo. digestiros, do mi
tura com um grande fastio. A estes symp-
tomas seguio-se um malestar indescriptivel
no estomago (malestar que, foi tomado por
urna sonsaco do vasioiuterior) accumulan-
do se em torno dos .lentes urna materia
neeaiosa, acompanhada de um gosto des-
racan mercurial. Do-se gratis folheto. onde se agradavel, especialmente de manna. Uon-
encentram numerosas experiencias feita. eom est.' i e (je {azer desapparecer a sen.agao do
especifico no=i hospitaes pblicos e muitos attesto-I e
dos de mdicos e documentos particulares. Fa. se
ma padecia de m cansago constante, sen-
tindo-se nervosa, irritada e cheia de ne-
gros presen timentos
Ao levantar-se de repente, a pobre se-
nhora senta amas tonturas. Com o tempo,
os intestinos chegarain a estar estreidos
at o ponto de tornar-so necessario empre-
gar quasi todos os dias algum medicamen-
to catrtico, nao tardando a enferma a sen-
tir nauseas e laucando fra os alimentos
pouco depois de tel-os engulido, algumas
-ees em nm estado de asdame e de for-
men tacao.
D'estes desarranjofl proveo urna palpi-
tacao de coracSo tao violenta que a infeliz
quasi que nao podia respirar. Finalmente,
en ontrouse na rapossibilidade de reter os
alimentas, atormentando a sem cessar do-
res de ventre atroz''S.
Attendendo ao facto de que todos os re-
medios at entilo emprega ios nao haviam
produzido resultado algum satisfactorio,
reunise urna junta medica, cajo parecer
foi que a Sra. Kiog padecia de um cancro
no estomago, tornando-se necessaria urna
operacae.
Em resultado d'esta deeisie, no dia 22
de Janeiro de 1882 fez o Dr. Vanee a
operacao em presenga dos Drs. Tueker-
mann, Perier, Arma, Gordon, Lupier e
Halliwell.
A operagao consisti em abrir a cavida-
do do abdomen at descobrir o estomago,
os intestinos, o fg&do e o pncreas. Ve-
rificado isto, os mdicos examinaran) os
ditos orgaos, e, ebeios de assombro e de
horro;, viram que nao existia caucro al-
gum.Cerraram e fizeram opossivel para cu-
rar a ferida que haviam feito; mas a pobre
senhora morreu dentro de poucas horas-
Que triste a sorte do viuvo que sabe que
a esposa pareceu por cansa de ama opera-
cao errada Se a Sra. King tives3e em
pregado o verdadeiro remedio contra a dis-
pepsia (sendo este o nome da doenga) esta-
ra hoje em sua casa viva em lugar de es-
tar na cova.
Por meio do uso do Xarope Curativo de
Seigel, remedio proprio para a dispepsia e
para a indi^estao, umitas pessoas se resta-
beleceram depois de terem ensaiado outros
remedios sera proveito. As provas d'este
facto sao to numerosas que nao nos pos-
sivel reproduzil-as aqu, mas os que lerara
os certificados publicados em favor d'este
grande remedio consideram-os como irre-
futaveis e convincentes.
A venda do remedio Ilimitada.
O Xarope de Seigel vende-se em todas
as pharmacia a do mundo, assim como no es-
tabelecimento dos proprietarios, A. J.Whi-
t-., (Limited) 35, Farringdon Road, Lon-
dres, E. C.
Depositarios na provincia, de Pernam-
buco: no Recife, Bartholomeu e & C, J.
('.. Levy e & C, Francisco M. da Silva e
& C. Antonio Martiniano Veras & C,
Kouquayorol IrmSos e Faria Sobrinho
lecida : portanto aceite meas partbensl Mico, judicial e nota., eacrivie de orpblo., au-
_.i. '______:il___ j____l.^. /_n. p. umtM. canell.. e reeiduos.. civel, enme e com-
pela sua m.ravilhosa descoberta e pode fa
zer o aso qae lhe convier, esta minha
maior satisf.cao.
Preso sua saude por ser com ingenui-
dade
De V. S.
Am. Att Vnr. e Obrigm0 Cr.
(Assignado) Antonio Buarque de Lima,
desembargador da relacSo de Pernambuco.
(Afirma e.tava recoohecida.)
9*

Escala particular
Mara do. Anjo. Dornella. Cmara
profesor, particular, contina lee
cionar, na cas. de sua residencia i ra
do Imperador n. 77, 2* andar, as
materias que dnstituem a ir.struccao
primaria, e os trabalbo. de agulha.
O exercicio d'este magisterio por es-
paco de mais de tres anuos um garante
de suas habilitacous, e espera merecer
dos pas de familia a subida boura de lhe
confiaren! suas filhas.
Ao publico
p
i
1
cih.^um i i ------r------------
especifico nos hospitaes publico, ^muitos 8ta- I yaz0i a|ment0 pareca augmental-a. En-
desconto para revender.
Deposito em casa de Fan. Sobrinh. & C.
Ra do Marque, de Olinda u. 41.
I tre outros symptomas, notava-se a cor ama
rellenta dos olhos. Pouco depois, as mlos
le os ps esfriarera e tornaram-s-> pegajo-
COMERCIO
Mola ooiniuercta!
buco
le 'ernaiii-
RECIFE, 21 DE AGOSTO VE 18i>.
As tres horas da tarde
'"-maceen ufioes
Cambio sobre Londres, 90 d|V. 211/2 d. por 1*000,
do banco.
O presidente,
Pedro Jos' Pinto.
O secretario,
Candido C. O. Alcoforado.
REVISTA rOMIKRCIAL
Da semana de 1S a de
Agosto de l*8
Cambio wbre o Para a 60 d/v com 1 1(4 ./" de
descont e 15 d/v 1/2 % de descont.
Cambio sobre S. Paulo, 90 d/v 1 7/8 % de
Cambio sobre Santos, a 60 d/v cob 1 1/4 % de
deCa^nbi sobre Londres, 90 d/v e 21 1/2 21 1/4 d.
por JOOO do Banco.
Cambio sobre Hamburgo, vista, 552 r.. K. M.
do Banco.
Cambio (obre Portugal e Li.boa, 60 d/v 149 /.
de premio particular.
Letras hypothecaria do Banco de Crdito Beal
de Pernambuco do valor de 100JI00 ao preco de
03*000 cada urna. Na Bolsa venderam-.e 40 le-
Generos naclonaes
Assucar. Entraram 281 saceos, vendas ao.
precos seguintes : ,.
0 branco de 3. sorte, supenor, a 4*800 os
15 kilo^
O dito de 3. sorte, boa, a 4*600 os 15 kilos.
0 dito de 3. sorte, regular, a 4*500 os 15 ki-
dito de 4. sorte, a 4*200 os 15 kilo..
O dito somenos, a 3*600.
0 dito mascavado, purgado, bom, a 2*200
15 kilos.
O dito regular a 2*100 os 15 kilos-
0 dito aBerieano, a 1*400 o. 15 kilos.
O dito bruto, regular, a 1*300 o. 15 kilos
O dito do Canal, a 1*100 os 15 kilo.
Agurdente UitBas vendas a 72*000 a pipa
de 480 litros. nn M
Alcool UltiBa venda a 130*C00 a pipa de
480 litro..
Algodio. Entraram 254 s.cca., vendss a
6*700 os 15 kilos, mercado trauxo.
Arroz bb casca. Retalho a 2fl500 o sacco.
Caf. BcUlhou-se de6* a 7*500 os 15 kilos.
Cebla, do Kio Grande do Sul.-O mercado con
tina .em existencia.
Cera de carnauba.Cotarno. de 4*000 a 6*000
os 15 kilo., mercado supprido.
Coaros salgado, seceos. Ultimas venda. 540
ris o kilo, cob garanta.
Couro. .ecco. refrescadosNao consta venda.
Farinha de mandioca. Retalho de 2*800 a
3*200 o sacco.
Fumo em folha. Retalho de 5* a 22*500 os
15 kilo...
Dito ea corda. Rctalh> de 15* a 25*000 o.
15 kilo..
Gomosa de mandioca. Retalhj de ~i K)J
3*400 os 15 kilo*.
ttraxa do Kio Grande do Sul. Catamos nomi-
nalmente de 5*2U0 a 6*200 o. 15 kilos.
Gordura do Rio da Prata. Coi amo. a 5*500
08 15 kilos.
Mel.Cutamos a 45*000 a pipa de 480 litre.
Milbo. Ketalho de 50 ris e ultima venda 43
ris o kilo.
Sal do Ass e Moasor. Cotarno. de 620 ris
por 100 litro..
TapiocaRetalho de 2*000 a 4*000 os 15 kilos.
Velas stearinas do Rio de Janeiro. Retalho
a 7*200 a caixa (liquido).
Ditas dita, da provincia. Retalho a 300
ris o masso, idem.
Vinagre do Ro. Retalho de 70* a 80*000
a pipa oe 480 litros.
Vinho do Rio. Retalho de 120* a 130*000 a
pipa de 480 litro..
Xarque do Rio Grande do Sul. Deposito de
130 OOU arrobas. Retalho de 3*000 a 4*500 os 15
kilos.
Genero estrangefros
Alfazema Retalho a 8*000 os 15 kilos com
10 por cento de descont.
Arro da India Retalho de 2*200 a 2300 os
15 kilob idem idem.
Alpista.Retalho de 4*400 a 4*500 o. 15 kilos
idem, idem.
Axeite de oliveira em barra. Retalho de
3* a 3*200 o galio, idem idem
Dito em latas. Retalho a l*50J a 163
a lata, idem idem.
Bacalbo.Deposito 8,000 bar icas, retal ha se
de 15*500 a 16* a barrica.
Banha de porco- Retalho a 480 a 500 ris a
libra, com 10 % de descont.
Batatas portuguesasRetalho a 4*500 a caixa,
idem idem.
Dita, inglezas. Nao ha no mercado.
Bren Cutamos de 9*000 a 13*000 a bar-
rica couforme o peso e qualidade.
Carvo de pedra Cotamos de 15* a 20*000 a
tonelada.
Canella. Retalho a 10500 o kilo, com 10 per
cento de descont.
Cebollas portuguezas. Retalho de 10*000 a
11*500 a caixa, com 10 /o de descont.
Cervajas Retalho de 7*500 a 11*500 por 12
garrafas ou botijas.
CimentoCotamos de 7*000 a 8*500 a barrica,
conforme o fabricante e peso.
Cominhos. Retalho a 18* os 15 kilos, com
10 %'de descont.
Cravo da Indi*. Nao ha no mercado.
Farinha de trigo Deposito 10,000 barricas
retalha-se aos precos seguintes :
A americana, de 18*000 a 19*000 a barrica.
A de Trestre e Hungra, de 24*000 a 26*000
a barrica.
Feijao. Retalho de 8* a 10J0OO o sacco.
Garrafoes vasios Retalho de 750 ris a
1*500 por cada um, com 10 por cento de descont.
Doce, em calda Nao ha no mercado.
Farello do Rio da Prata Retalho a 3*200
o sacco.
Dito de Lisboa- Retalho a 3*800 o sacco.
Herva doce.Retalho a 18*000 os 15 kilos coa
10 "/o de descont.
Kerosene Retalho de 3f 400 a lata de 5 galoes
(liquido).
Louca ingleza ordinaria. Retalho de 90*000
a 130*000 a gga.
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas ndustriaes e rtulos das
suas preparacoe. na junta commerciai doRio de,
Janeiro de confe rmidade com as prescripces das
lea do imperio do Brasil, declaram e participara
aes interesaados, que como nicos pruprietarios,
tem dirsto exclusivo de usar as mares. ndus-
triaes e rtulos relacionados com & manufactura
fabricacao e venda da .-guimes preparatis ;
Agua de Florida r>^S rraye Laman.
Tnico Oriental. ^^
Peitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermfuga, de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemf
Emulsao de oleo de figado de bacalho com by
pophosphiteB, de Lanmara & Kemp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portanto, perseguir/) a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas ndustriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados com teda
a severidade da le.
Tambera acautelamos o publico contra toaos
aquelles que intentara substituir as nossas prepa
racoes cima mencionadas com artigo, falsificados
que levam rtulos ou marcas ndustriaes que imi-
tara as nossas.
Lanman & Kemp.
.entes, capell.s e residuos, civel,
mercio de*te termo, creado em virtude do decreto
de 30 de J.neiro de 1834, vago por falleoiinento
do respectivo serventuaxio, major Cn.txlio Floro
da Silva Fragoso, convida os pretendentos ao.
respectivos offieios a apresentareB seus reqneri-
mentos dontro do pruo de 60 dias,. a cont r da
data do presente edita!, como dispe o rt. 11 do
decreto n. 817 de 30 de Agoto do decreto n. 9344 de 16 de Dezembro de 1884.
Outroaim, la. mai. saber tambera ao preten-
dente. que seu. requermentos devem vir instrui-
dos com exame de sufficiencia, de conformdade
com o disporto no deersto n. 8,276-de 15 de Outu-
bro de 1881, e mais formalidades exigida, no art.
14 do citado decreto n. 817. de 30 de Agosto de
1851.
E para que chegae ao conhecimento de todos
mandei paasar o presente, que ser afBxado no
lugar mais publico e do costume e d'elle e extra-
hir copia para ser remettida ao Exm. 8r. presi-
dente da provincia para o nm indicado no art. 157
do decreto n. 9,420 de 28 de Abril de 1885, com
declaraco do da da affiacSo e publicaco do
presente edital, o que ser certificado pelo portei-
ro dos auditorios, como detetmina o art. 153 do
citado decreto de 28 de Abril de 1885.
Dado o paasado nesta cidade de Palmares, sos
16 dias do me. de < gosto de 1886.
Eu, Maneel Fernauaes'-Calute, escrivo interi-
no, o eecrevi. Francisco Pothier Rodrigues
Lima.
E nada mais se continha em dito edital cima
copiado do proprio original, ao qual me reporto e
dou f.
Escrevo assigoo. Eu, Mtnoel Fernandes Ca-
lute, escrivo interino, o escrevi.
Certifico mais quo pelo porteiro dos auditorios
me foi entregue a certido da affixacao do edtal
retro, aqurl do theor seguinto :
Joaqaiin Manoel de Faria., porteiro do. audito-
rio, do Palmares, em virtude da lei, etc.
Certifico que ath'xei na porta da Cmara Muni
cipsl desta cidade, hoje, u ediul convidando os
pretendentes ao. officio. de justica y.eos por tal-
lecimento do respective serventuario, major Cus-
todio Floro da Silva Fragoso.
O referido verdade, dou f. Palmares, 16 de
Agosto de 1886. O porteiro dos auditorios, Joa-
quim Manoel de Parias.
E nada mais se continha da dita certido cima
copiad, do proprio original a c^ue me reporto :
dou f.
Escrevo e assigno. Eu, Manoel Fernandes Ca-
lite, escrivo interino, que o escrevi.
IRISAN DADE
00
Senhor Bom Jess das Ghagas
Ame8aregedorade.tairBand.de, compungida
com a infausta noticia do passameuto do Illm. Sr.
capito Jacintbo Pereira da Silva Barros, digno
pai do Exm. Sr. D. Jos Pereira da Silva Barros,
Bspo Diocesano, manda resar urna missa pelo
descanso eterno d'alma do Ilustre morto, s 7 1/2
horas da manb do dia 24 do corrente, trigsimo
de seu passa ment, na igreja de N. S. do Paraso,
e para ...istir a este acto religioso, eonvida ao
mesmo Exm. Diocesano e as pessoas que os honra
eom sua amisade, protestando desde j seu eterno
reconhecimento. _
Secretaria da irmandade do Seuhor Bom Jess
das Cbagas, 21 de Agos o de 1886.
O gecre ario,
Theodoro da Silva Campello.
SOC1EDADE
Y.nlc Qaalro de Agosto de 1886,
ao val ra do Coronel
Suasswi
fk C; em Bello Jardim, Manoel de Si
queira Cavalcante Arco Verde, e Manoel
Cordeiro dos Santos Filho: em Indepen-
dencia, Antonio Gomes Barbosa Jr:em
Palmares, Antonio Cerdoso d'Agu ar : e
Tacarat, Jos Lourenco da Silva.
Cajarubeba
Recife, 26 de Junho de 1886
Illm. Sr. Antonio Pereira da Cunta.
Por .lewer d gratidlo venho traZCf an
coiihociiiiento de V. S. mais-utea cur ef-
ectuada pelo seu preparado Oajurubeba.
Havia ceroa de tres annos, que minha
raulher soffria horrivelmente de dores rheu
raaticas e palpitares do corceo, sem en-
contrar allivio algum dos diversos remedios,
que lhe foram applicados ; mas aconseja-
da por diversas pessoas resolveu-se tomar
o Cajurubeba e, logo no fio. do primeiro
frasco sentio roelhora e, com o uso de
mais dous frascos acha-se, gracas A effioa-
do preparado, completamente restabe-
cia
640ai*G00
Massa de tomates.-Retalho de '580 a 600 ri.
a libra, com 10 / de desconto.
Manteiga em barril Retalho 760 ri. a
libra, eom 10 /. de desconto.
Dita em lata.- Retalho de 950 a 1*300
libra, idem idem. -:-----
Ifnri- italianas.- Retalho a 8*500 a caixa,
com 10 %> de descont. __
Oleo de HnhacK- Retalho de 1*500 1*600
c galo.
Paseas communs Nao ha no mercado.
Ditas fina.. Retalho 13*000 caixa, com
10 /. de desconto.
Papel de embrulho Retalho de
a resma, idem, idem. _
Pimenta da India.-Retalho ds 1*350 a 1*40
o kilo, idem, idem-
Plvora iuglea. Retalho a 20* o barril.
Queijo. Retalho a 3*200 nm, -
de desconto. ..
Sal.Nao tem havido entrada para o mercado.
SardinhasRetolho de 300 a 360 res .lato
com 10 o de desconto.
Toucinho de LisboaRetalho de 13#W
o. 15 kilo, com 10 / de de.conto.
Dito americano.- Retolho de lOgrJOO a 11#
os 15 kilos com 10 /o de descont.
Velas stearina.- Retolho de 540 a 900 ris a
libra, idem idem ..,
Vinagre de Lisboa Retalho de 130* a l#
a v'Snd^boa.- ReU.ho de 220* a 230*000
^ WtodTFigueira.- Retalho de 230* a 245*000
a pipa do 480 litros.
Xarque do Rio da Prata. Deposito de 71.0
arrobas, retalho de 3*000 a 5*201 os 15 koa.
10
14*
l.LNDIMENTOS PBLIC0S
Mus de Agosto de 1886
ALFANDEGA
gaKDA OKKAi
De 2 a 20
dem d. 21
Kidu PBOViaciu.
De 2a 20
dem de 21
Total
rtaCMBDOBJA D 2
loeus de 21
483:716*794
20:473*320
60:248*560
2:194*407
504:190*114
62:442 *67
20
566:633*081
14:793*057
3:737*338
CoasutADO PBovraojai.D 2 a 20
dem de 21
hcira DBAvaaoDe 2 a 20
dem de 21
17:530*395
14:056*832
161*030
14:216*862
42:040*714
992*074
~43K)32*788
DESPACHOS DE MPORTAQAO
Escuna nacional Marieta, entrada do Rio
Grande do Norte no dia 20 do corrente e coamg-
ED1TAES
Edital ii. 5
Tendo esta sociedade de tazer
varsario no dia 24 do crrente,
o suu 50' anni-
mandando cele-
brar urna misas s 7 horas da manb deste mesmo
dia, na ordeta terceira do Carmo, e ladainha a noi-
te, e em seguida sessao magna em sua sede ; de
ordem da directora convido a todos os socios a
coinparecerem em todos estes actos para melhor
brilhantimo da dita festa ; assim c iino havera
urna missa no dia 23 por alma dos seus irmos
mortos na iiesma ordem terceira.
Secretoria da sociedade, 21 de Agosto de 1886.
* G. Peixe,
Secretario.
Dp ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, f*co pu
blico que, couforme a ordem do Exm. Sr. vice-pre
Bidente da proviuda, ir praca n < da 28 do
cjrrcnte, parante 4 Illma juuto da Fa.enda Pro-
vincial, o fornecimento do fardaraento necesario
guarda cvica, durautr o corrente exercicio de
1886-87, o qual se compoe de kepa de oleado com
chapas de lato.numeradas, eobrecasteas de pan-
no fino azul ferr.t, calca, do mesmj pa, no, sendo
araba, estas peca, avivadas de casemira etic*rua
d* calcas de brin branco, blusas de brim pardo,
botina, de bezerro e capotes.
O. enhurcB concurrentes devero habilitar se
na junta de 26 do andante ra^z, na forma regula
mentir eapreseutar as amo3tras das faztndas de
que cima se trata no dia designado para a arre-
uiHtacao, ficando scientes de que o mesmo farda-
meato ser entregue j manufacturado, de accordo
com o figuriuo adoptado.
Secretara da Tuesouro Provincial de Pernam-
buco, em 21 de Agosto de 1886.
O secretario,
Affoiiso de A. Mello.
2 Secco.Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco em 19 de ABosto de 1886. Edital- Por
esta Secretaria se i*, publico, de contonnidade
com o art. 157 do regulsmeoto anuexo ao decreto
. ,li>0 de. 28 de Abril de 1885. o edital abaixo
tran cripto, poudo em concurso com o praso de
60 das os ofHcios de 1.a tabellio do publico, ju-
dicial e notas, escrivo de orphos, ausentes, ca-
pella* e residuos, civel, crime e commercio do
termo de Palmares.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto do Mello Tamborim
EDITAL
O Dr. Francisco Pothier Rodrigues Lima, juix
municipal do termo de Palmares, comarca do
mesmo nome, por Sua Magestade Imperial, a
quem Deus guarde, ete.
Fa. saber aos que o presente edital rrem e
d'elle noticia tiverem e a quem ioteressar possa,
que achando-se o cartorio de Io tabellio do pu-
ada a Antonio de Oliveira Maia & C, manife.
tou :
Sal 100,000 litros ordem.
Patacho nacional Rival entrado do Rio Grande
do Sul no dia 21 do corrente e consignado Amo
rim Irmos Se C.,;mauifeetou :
Farinha de mandioca 200 saceos.
Xarque 185,520 kilo, i ordem.
Vapor ingles Sculptor, entrado de Liverpool e
Li.boa no da 21 do corrente e consignado a Jo-
hnston Pater & C, manifeatou :
Carga de Liverpool
Ac 11 teixea a Miranda & Soma.
Armas 1 caix a William Halliday.
Barras de ferro 40 feixes a Walliam Halliday
&C.
Biscoutos 12 caixdes ^ Domingos F. da Silva
o, c
Cimento 500 barricas Great Western of Bra-
Cha 80 grades ordem, 2 a Domingos Ferreira
d. Silva & C.
Champanha 5 caixas a Browus & C.
Cravo da India 5 saceos a Sousa Basto Amorim
& C.
Chapaos 1 caixo Raphael Dias & C.
Cerveja 15 caixas a Browus c C, 5 e 20 bar-
rica, a Domingos Ferreira da Silva < C.
Calcado 1 caixo a Albino Croa & C.
Canela 10 caixas a Sousa Basto, Amorim & C,
2 ordem,
Cidra 15 caixas a Domingos Ferreira da Silva
&C.
Corris de coaros 1 caixa fabrica de fiaco e
tecidoa.
Drogas 13 volume. a Bartholomeu 4 C.
Euxada. 38 barrica, a Prente Vanos & C, 20
a Ferreira Guimare. & C.
Estopa 10 tardos a Julio & Irmo, 20 a Fer-
reira Caacao 4 Filho, 13 ordem.
Esteira 10 rolos a Manoel da Cunha Lobo.
Folha. de ferro 60 a Antonio Rodrigue, de Sou-
sa Fogsreiros 100 ordem, 119 a Gobos de Mat-
tos Irmos
Fio 6 fardos a Oliveira Basto & C.
Ferragen. 11 volume. ordem, 36 a Gome, da
Matto. fru-os, 2 a A. D. Carneir Vianua, 20 a
Samuel P. Johnston C, 24 a Manoel dos Ssntoa
Villana, 6 a Mirauda & Sou.^ 6 a Ferreira Gui-
mares te C, 1 a Maia Se, Silva, 16 a Cardoso 4
Irmo, 3 a Prente Vianua & O, 9 a 9V. Halli-
day & C.
Folies 8 aos meamos.
Ginger ale 5 caixas a Browna 4 C.
Louca 25 gigos orden, 3 a SouzaNogoeira & C
Lona 1 fardo ordem, 1 a Machado & Pereira
Linho 40 caixes atF. Lauria & C. 11 a ordem
Madeira de pinho 394 pecas a Baltar Irmo.
4 C.
Mercaduras diversas 1 volume a Netto Campos
4 C.
Machiniamos e ferragens 48 volumes e pecas
aos herdeiros do Bowraan.
Materiaes para navios 6 volumes a C. C. da
Costo Moreira & C.
Ditoa para encanamento d'agua 28 volmnea e
pecas Companhia d. Beberibe, ditas para estra-
da de ferro 2 caiaas a Great Western of Brasil.
Oleo de liaba 2 barrie a Ferreira Guimares 4
C, 5 ordem.
Proviaoes 4 caixas a D. F. da Silva 4 C
Papel 13 fardos a J, E. Purcell, I caixa ordem.
Pimenta 10 sacco. Son*. Basto, Amorim 4
C 15 a Fernandes 4 Irmo, 4 4 ordem.
Pa. de ferro 12 feixes a Ferreira Guimares & C,
Arsenal de Guerra
0 conaelho de compras recebe propostas no dia
30 do corrente at 11 hora, da manb, para com-
pra do. artigo, seguintes :
48 aaccoa de brim para marmite8.
1 terno do medidas le metal para lquidos, at 2
litros.
2 caldeiras de ferro batido para 50 pracas.
4 caderaa de braco de Jacaranda.
457 boroaes para vveres, de brim imperial.
4 oleado, espessos para mena, com 5."00 de com-
_^___ I priment. .
I 6 bandeiras de filette encarnado para exercicio.
1 dita de forma e cores da bandeir nacional
, 5660 pares de sa patos de couro de bezerro.
Oe ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, faco pu-1 550|l |ei|?M Qe chlta
blico que no dia 26 do corrente ir praca, pe- g,,3 ra0 d(J flan.||H de algode pru forro de ca-
raote a Illma. junta da Fa.enda Provincial, o ai-
Edital n. 6
nndamento por tempo de dous annos, da .aleta
que serve de botequim no theatro de. SBUta Isa-
bel, servindo de base o aluguel annual de 500*.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 21 de Agostode 186. Servindo de secre-
tario,
Lindolpbo Campello.
Edital n. 746
De ordem do insp-ctor geral da instrueco pu
biiea, chama-se a .tteneao dos professorea que
t-nd ) eiu suas escolas cani econmica eseolar,
ho deixado de cumprir o dsposto no art 104 5
do reculamente das escola* publicas, para o dis-
po to" po final do referido relativament-i re-
m^ssa da lista de instruec s inensaes a esta se-
cretaria.
Secretaria da instrueco publica de Pernam-
buco, 21 de Agosto de 1886.^=0 secreario,
Pergen'ino S. d Aran jo Galvo.
Edital n. m
De ordem do Dr. inspector geral, declaro aoa
professores pblicos de ensino pi imario, efFectivos
o vitalicios, quer de um, quer de outro sexo, que
tendo de proceder-se a eleico de um profesaor
para meinbro do conseibo litterario, devem na lr-
ma do art 1 das ins'.rncces de 15 de Maio de
1885 e art. 18 17 do regiment interno das ea-
colaa, rem -ttjrem a esta aecrataria at o da 14
de Novembro viudouro, os seun oflicios.
Secretaria da Instrueco Publica de Pernambu-
co, 1 de Agosto de 1886.
O secretario,
Pergentino S. de Araujo GalvSo
DECLARARES
Quinta-feira 20 do corrente, hora do costume,
havera eesso ordinaria.
.Secretaria do Instituto, 1S de Agosto de 1886.
Baptista Regueira,
1 secretario.
Sulphato de cobre 1 caixa a Great Wjateru of
Brasil.
Taixaa de ferro 31 a Alian Pateraon 4 C.
Tecdosdver8oa287volumea ordem, 1 a Ribe-
ro Alraeida, 13 a Bernet C, 61 a Luis Anto-
nio Sequeira, 59 a Machado 4 Pereira, 39 aGon-
calves Irmo 4 C, 13 a Narciso Maia 4 C, 9 a
Alves de Britto 4 C, 2 a Agostinho Santos & C,
4 a A. Lopes ce C, 5 a Silveira C, 9 a H.
Burle (Si C, 4 a Fipneredo % C, 5 a Fernandes 4
Silva, 30 aOlinto Jardim 4 C, 6 a Loureiro Maia
& C-. 5 a Guerra et Fernandes, 2 Albino Amo-
rim 4 C., 6 Joaquim Agostinho 4 C, 4 a A. Viei-
ra & C.
Velas 100 caixas ordem, 7 a Rosa Si Queiroz.
Carga de Lisboa
Alhoa 400 canaatras a Domingos Alvea Ma-
theus, 50 a Coaia Lima & C, 10 a Domingoa Fer-
reira da Silva 4 C.
Azeite 15 caixas aos meamos.
Batatos 50 meias caixas a Paiva Valente 4 C,
20 a Araujo Castro & C, 50 a Rosa 4 Queirox,
20 a Costo Lima 4 O, 40 a Joo Fernandes de
Almeida, 70 a Domingos Ferreira da Silva 4 C.
Cera 7 barricas a Casimiro Fernandes & C.
Cevada 5 barricas a Coate Lima 4 C.
Cebolae 25 caixas a Paiva Valente 4 C, 15 a
Araujo Castro 4 C, 50 a Silva Guimares & C,
20 a Costo Lima & C, 40 a Joo Fernandes de
Almeida, 50 a Joaqaim Ferreira de Carvalho 4
C., 60 a Domingos Ferreira da Silva 4 C.
Cal 100 barricas a Souza Basto, Amarina 4 G,
50 a Tavares de Mello, Genro 4 a, 40 a B. de
Freitas Guimares, 20 a Joo Jos de Carvalho
Moraes, 50 a Guimares & Valente.
Caixas de papelo 1 caixa a Manoel Alves Bar-
bosa Successor. .
Fructas 5 meias caixas a Joo ernandes de Al-
meida, 28 a Domingos Ferreira da Silva & C.
tto.-* mBdieinae. 3 barricas e 1 caixa ao
Silva Guimares 4
Hervas medicinaes
mesmo.
Maces 30 meias caixa.
C, 5 a Costa Lima 4 C.
Sabonetes 1 caixa a Fiancisco M. oa o
Toucinho 65 barris a Cunha Irmos 4 C.
Tecidoa de algodao 1 caixa a Loureiro Maia
4 C.
Vinho 12 pipas e 30 quinto, a Sousa Basto,
Amorim &C, 5 a J. J. Gomes Loureiro.
OK'iPAGHOS DE KXPUKTACAO
Esa 20 de Agosto de 1886
Para o exterior
Na barca sueca RoberUfort, carregaram :
Para u B.ltico, Borstelmann & C. 498 fardos
com 109,450 kilos de algodo. .
No vapor francs Vie de Victoria, carre-
^ParaHambargo, P. Stuhlman 32 couros salga-
dos com 384 kilos.
Para o interior
No vapor francs 7flle de Maeei, carrega-
zara Santos, P. Caraeiro 4 C. 6 pipMeom 720
litros de aloool ; Baltar Irmos 4 C 100 saceos
com 6,000 kiloB de assucar branco e 676 ditoa com
40,560 ditoa de dito mascavado ; Maia 4 Rezen-
de 445 saceos com 26,700 kos de assnear branco
e 626 ditos cob 37,560 ditos de dito mascavado.
No vapor nacional S. Frantoo, carrega-
ram :
potes. .
31,68 de panno fino azul para farda de sar-
gento ajudante e quartel mestre.
24081" de brim pardo trancado.
18m de alpac preta.
7,"tf8 de ganga encarnada.
64 tita, de cadarco para aervico de esqueleto
com l metro de cumpriraento e urna argolla em
cada extremidtde, sendo 32 enc.irua.tas e 32
brancas.
rreviiie-ae que nao acro tomadas em conside-
raco as propustaa que nao orem fetas na forma
do art. 64 do regulamento de 19 de Outubro de
1872, em duplicat*, com referencia a um s ar-
tig>, mencionando o nome do proponente, a indica-
co da caaa commerciai, o preco de cada artigo, o
numero e marca das amostras, declaradlo expresaa
de aujeitar-se a multa de 5 /o, no caso de recusar
assignar o contralto, bem como as de. que tratam
oa arte. 87 e 88 do regulamento citado.
Secretaria do Araenal de Guerra de Pernam-
buco, 21 de Agosto de 1886.
O secretario,
Jos Francisco Ribeiro Machado.
Melpomeme Olindense
De ordem do Exm. Sr. presidente convido a to-
dos os Srs. socios para em aasembla geral, no da
22 do corrente, s 10 e 1/2 horas da manh, na
sede social, ssistrem a prepucio de contas do
espectculo de 7 do corrente e deliberar sobre a
fcata do 8 auniversaro que se deve realizar no
prximo mes de Setembro. Olinda, 20 de Agosto
de 1886.Secretario, Juvino E. da
Cunha.
(olio* em atraso)
Nesta data ae exped* ordem ao Sr. theaoureiro
para, na ceaso ordinaria do primeiro domingo de
Setembro, presentar a lista dos socios incursos
no 3." do art. 70 dos eatatutoa (atrazados em um
trimestre), afira de na meama ficarem auspenaos.
Para a diatribuico de cartoes de ingreaso para
o concert em 7 de Setemaro, ae cumprir o 1.
do srt. 58 dos eatatutoa que dis :
Nao tero carteaoa socios que uo eativerem
quites com a caixa do Club.
Secretaria do Club Carlos Gomes, em 16 de
Agosto de 1886.
P, Casanova,
r* .* secretario.
Para Mcssor, Amorim Irmos 4 C. 110 saceos
com farinha de maodioca; P. Alves 4 C. 5 barri-
cas com 300 kilos de assucar refinado ; P. Vian-
na c C. 1 barrica com 100 kilos de doce.
No hiato nacional Aurora2; carregaram :
Para Mossor, Araorin Irmos 4 C. 100 saceos
com farinha de maodioca.
No hiato nacional S. Lourenco, carrega-
Para Aracaty, P. Vianna & C. 418 saceos com
farinha de mandioca.
No hiato nacional Sania Rita, carregeu :
Para Mori, J. Baptista 4 saceos com 240 kilos
de assucar branco.
No cter Jaguarary, carregaram :
Para o Natal, P. Alves 4 C. 10 barrica, com
508 kilos de bmsMU mascavado.
MOVIMENTO-DO PORTO
Navios entrados no dia 21
Liverpool por escala21 dias, vapor inglez
Sculptor, de 893 toneladas, commandan-
te James Woodcoek, equipagem 36,
carga varios gneros; a Johnston Pater
Rio Grande do Sol18 dias, patacho na-
cional Rival, de 241 toneladas, capitao
Francisco Jos Fernandes, equipagem
10, carga xarque; a Amorim Irmos
C.
Navios sahidos no mesmo ata
Santos por escala-Vapor francez Vitte de
Macei, eommandante E. Panchevri,
carga vario* gneros.
Camossiin por escalaVapor nacional 3.
Francisco, eommandante Joaquim da
Silva Pereira, carga varios gneros.
Rio Grande do Norte Hyate nacional-San-
to Rita, mestre Joaquim da Silveira,
carga varios gneros.
MacoHyate nacional Aurora II, mestre
Duarte da Silva, carga varios gneros.
AracatyPatacho nacional S- Lourenco,
mestre Vicente Ferreira da Costa, carga
varios gneros.
Terra-NovaBarca ingleza Olinda, capitSo
John Kendrik, em lastro.
VAPORESE3PERADOS
Petropolit
Pirapama
Baha
Jacuhype
Tomar
Orenoque
Espirito Santo
Therema
La Plata
Orator
Para
Advance
Vie de Bio de Ja-
neiro
Cbt
Mmaos
Mondego
Baha
Espirito Santo
de Hamburgo hoje
do norte hoje
do norte amano.
do sul ai^ai^h
da Europa a 24
do sul a 25
do sul a 26
de New-York a 28
do sul a 29
Setembro
de Liverpool a 2
do norte a 3
de New-Port-News a 6
da Europa a 7
da Europa a 10
do norte a 13
do sul a 14
do sul a 17
do norte a 23
'.'



Diario de PernambucoDomingo 92 de Agosto de 1888
Club Internacional de
Regatas
De ordem do Sr. preaiJeuto deste club, convido
os aenhorea associados a se reuuircm ein sembl
geralnodia 22 do correte, s 11 hora Jodia,
na se Je do mesmo club, afm
Sumpto dr interesse.
Recife, 17 de Agosto de 1886.
Pompeo C. Casanova,
2- secretario.
de tratar se do as-
Coinpanha de edifica-
do
CommaiiicH-te aos aanl
por deliberacao da directo
ihimento da quarta presta^
do valor nomioal das resp. ct
dever realisar-ee al 5 de Setem ru
toro, n i escriptorio da compauhi,
Coneoriia. Recif
9 de Aguat de 1886.
tiuntavt A n rimes,
Director societario.
SOI 12!) \ III.
Recreativa Juvcntude
Asseinbli feral ordinaria
Su convidados os aicioa effectivo., distioctos,
honoraria, e benemrito* a comparei-erf m na aie
social, ooiningo 22 do corren te, o 4 horas da tar-
de, pira assietirem a leitura da relatorio da pre-
sidencia e elpgerepi aquella que t- in du gcrir os
interesses sociaes no erercieio futuro.
Becife, 19 de Agosto de 1886.
O Io secretario,
Joto Alfarra.
Nao se tcndo reunido muera l>gl de irmaos,
para sesaito da mesa geral; no viniente os con-
vido por orden) do consellm fisc a comparecer!
em nosg i consistorio uo domingo 22 do correare
s 11 horas da mauba, aliui de proccder-su a
eleic-lo. pnra vagas de mesa rcgcdoiu.
Consiat.irio da TOMOiiae do Divine Espirito
Santo, 19 de Agosto de 18SG.
(juntos Pol ti,
Secretario do eoutrlho.
Juizo dos feitos na fa-
zenda nacional
Encrivao til-so Borros
O Dr. Alvaro Barbalho U> Ii a Cavaleuute Jnior,
juir substitu) dos feitos d Uzeuda cics a pro-
vincia de fernambuc >, ere.
Fago saber a todos que o p-e6ente virein, que
no dia 27 do corrate intz, pelas 11 horas da in.i-
nha, na sala das audiraeias e peraat- este juico,
se pandera em praca publica mu be Manea e uina
Carroca de caiiilo em bom estad*, pele quaatia do
1125*lO ; cojos objectoa se acbam dep i irados xa
cocheira a. 1 da ra de Santo Aican ein poder
do Sr. Antonio Joaqnin Muieir., e no da cima
marcado se achanto porta .1*8 Hudiencias, sendo
todo penhorad-j para pagamento de impos'os de-
vidos pir Manoel Pacheco de Aesuii'pcao.
E par.i constar, mandei patsar o presente para
ser publico.
Becife, 17 de. Agosto de 1886.
Eu, .los Fraucisco do Reg Barros, eecrivjo,
o escrevi.
Alvaro B. Uchoa Cavalcante Junior.
Estrada de ferro do
Recife a (ama ni
De ordem do Illni. Sr. diirctor, faco publico que
durante alguna li-is, em quaoto nao tstiver res-
tabel.cido o petteito estado de couservacao da
linba, -.-hegaro es trens s estaco-s de Mrenos,
Tapera, Victoria e Combos com afras j facultativo
de o at 15 minutos sobre o horario respectivo.
B-cV, 20 de Agosto de 1886.
U secretario,
Mnuotl Juvcnoia de Saboia.
Thesouro Provincial
De orden do Illm. Sr. inspeetjr desta repart-
C-to, faco publico que n > '.i "1 d-stu ui'Z ic-i:!
suspensos os pagamento* da liquidacao do exerci-
cio de 1885-1886, para serem reabertos no mes
de setembro prozimo vindouro ; e do dia 23 do
corrate at o dia L'5, pagain-ee as repartic,oes
eomprebendidas as clnsses de 1- e 2' das da
tabella, relativamente ho mez de julh> do corren-
te exercicio de 1886-87
agadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 20 de Agosto de lfc86.
O eaerivio da despeta,
tjilviuo A. Bodriguet.
S. R. J.
ocieMe Recreativa Jirattii
Soire bimensal ein 29 do correnle mes
Scientifica-se a todos os tocios e convidados
que a soire principiar ai 7 hona. Os ingresaos
acbam se em poder do Sr. tbeaoureiro e os convi-
tes no do Sr. presidente. Pedc-se toda a simpli-
cidade nos toilettes e previne-se que nao sao ad-
missiveis aggregados.
Beciff, 18 de Agosto de 1886.
O 1 secretario,
Joao Alfarra.
Comraando das Armas
O Sr. alfere honorario do exerciro, Jlo Evan-
gelista de Sousa, convidado a comparecer no
quartel general, pera objecto que Ibe di respeito.
Secretaria do Lommando das Armas de Per-
nambuco, 20 de Agosto de 1886.
Francisco C. Pessoa de Lacerda,
Coronel secretario.__________
Santa Casa da Misericordia do
Recife
Por esta secret ria sao chamados os parenfes
ou protectores das menores constantes da relaco
afra, que vi* ser recolhidas ao collegio das or-
pbs.
Belacao das orphaa abiixo inscriptas, que nesta
data vao ser admittidas uo eollegio das orphs
1 Ricarda, filba de Antonia Marcelina de
Oliveira.
2 Joaquina, filba de Joanna Mana da Con-
ceico.
3 Maria. protegida de Joaquim Domingnes
Fcrreira. .
4 Adelina, filha de Prasilia da Conceicao
Teixeira.
5 Elisa, idem idem idem.
6 Maria, filba de. Eugenia Maria de Oliveira
Lagos.
7 Leopoldina, idem dem idem.
8 Guilbermaa, aobrinb* de Francelina Bri
gida Soares.
9 Maria, filba de S-iphia Carolina de Moraes
Costa.
10 Caiolina, filha de Xoemesia Florida de Ll
ma Costa.
11 Maria, filha de Paulina Maria dos Pra-
zeres.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O eeorivao,
Pedro Rodrigues de Sou.a
LoDdou asid BrasIUan Ba
United
Ra do Commerci? n. 32
Sacca por todos oa vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75 N-
Porto, ra dos Inglezes.
"SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucaoa
Ruarlo Commercio n. 8
MARTIMOS
Banco auxiliador mer-
cantil
Acha-se desde j aberta a subscripcao para a
fundaco deste banco : listas em poder do seu
iniciador Francisco Augusto Pacheco, ra do
Vigario ii. 1, primeiro andar. _______^^^
Cha preto
As qualidades luc-
idores cmais escolhi-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Receben de impor-
taco directa c vende
inais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em eaivas pequeas,
proprias para hotei
casas de familia.
Coinpanliia de Edilicacoes
O escriptorio desta
companhia acha-se in-
stallado na pra^a da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da man ha s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
truc^es e reconstruc-
Qes.
Recebe-se informa-
Qes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio se encontrro as
amostras dos produc-
tos da otaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da mesma
BOYAL MAILSTEA1 PACKET
COMPAW
0 paquete Tamar
Lisboa e Porta
Baha, Rio
video
' esperado da Europa no dia
24 cu 25 do corren te, segun-
de depois da demora neceaaa
rispara
de Janeiro, Monte
e Buenos Aj res
compannia.
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-
N.
atesaron martimo, e terrentrea
Sestea ltimos a nica companhia nesta praca
que concede ao. Sr.. segurad>s isempcSode paga
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao descont de cerca de 15 por cento em
favor dos BegLri-.dos.
Monte de Soccorro de
Pernambuco
Os possuielores das cautcllas re penli-
res dos nmeros abaizo, sao convidados, a
resgatal as at o dia 26 do corrente mez.
10,922 10,942 11,062 11,128 11,209
11,273 11,388 11,413 11,512 11,610
11,611 11,617 11,618 11,620 11,629
11,632 11,633 11,634 11,637 11,645
11,646 11,649 11,654 11,655 11,659
11,666 11,677 11,687 11,752 11,705
11,714 11,715 11,729 11,734 11,736
11,746 11,747 11,748 11,754 11,756
11,759 11,961 11,763 11,76-1 11,769
11,784 11,790 11,795 11,796 11,797
11,798 11,803 11,805 11,815 11,823
11,825 11,832 11,842 11,852 11,866
11,867 11,871 11,873 11,874 11,879
11,883 11,884 11,885 11,901 11,909
11,910 11,927 11,931 11,938 11,941
11,945 11,946 11,650 11,951 11,954
11,956 11,957 11,961 11,963 11,970
11,971 11,974 11,975 11,976 11,981
11,984 11,985 11,987 11,98* 11,990
11,991 11,992 11,994 11,995 11,997
11,998 11,999 12,000 12,001 12,004
12,008 12,009 12,010 12,017 12,018
12,022 12,024 12,025 12,027 12,028
12,036 12,039 12,041 12,055 12,067
12,069 12,077 12,078 12,0:6 12,081
12,082 12,083 12,084 12,089 12,090
12,091 12,093 12,094 12,098 12,099
12,101 12,102 12,103 12,104 1*,<05
12,106 12,107 12,108 12,109 12,110
12,118 12,121 12,123 12,127 12,128
12,129 12,132 12,133-12,140 12,147
12,152 12,155 12,157 12,158 12,163
12,165 12,168 12,172 12,178 12,186
12,187 12,188 12,190 12,191 12,198
12,201 12,202 12,i03 12,207 12,208
12,212 12,216 12,217 12,220 12,229
12,230 12,231 12,235 12,238 12,239
12,243 12,244 12,249 12,250 12,255
12,256 12,257 12,273 12,288 12,289
12,296 12,299 12,300
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O gerente,
Felino D. Ferreira CoUho
GOHPaNHA de seguros
(OXTKA FOCO
Norlb Brilish k Mercantile
CAPITAL
c.'ooe.ooo de libras sterllnas
A GEN TES
idomson Howie & C.
(OMPANfflA
Imperial
i, DE
MEGlIROi COKTRA FOGO
EST: 1803
Edificio* e mercadoria*
Taxa baixas
Promplo pagamento de prejuito
CAPITAL
fia. 16,000:000*000
Agente
BROWNS & C.
N. 5 Ra do C&mmercio N. 5
COMPANHIA D SEGUROS
NORTHERN
de LOndre. e 4berdeen
Pomc-mw fliiMiiceira (llcxcmbro 1885)
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados
Becelta animal i
Ds premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
O AGENTE,
John. H. Boxwe
R A COHHKKnOCIO !N. I
3.134,348
577,330
191,000
132,000
B
Gompaohia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelcida em 1 s5
CAPITAL 1,000:000*
SLNISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Hariliwos..... 1,110:000^000
Terrestres,.. 3I6:000$000
4i-Rua do 4 oramerelo
SEGURO*
CONTRA FOGO
The Liverpool & 1it.(!(F H!o
INSIRRME C0MPA1W
SanDilers Broters & G.
EMPREZA DO GAZ
Pede-se aos Senho
res consummidores que
queiram fazer qualquer
comunicaco ou recla-
mado, seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
us Carvalho.
Todos os recibos dessa
empreza deverao serpas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assigirdo sem oque
nao tero valor algum.
George Windsor,
Preparados
Este vapor traz simplesmente
passageiros e uialat. e inmedia-
tamente w$m depois do desem-
barque dos mesmos.
Vapor La Plata
eaperade
do sul no da 29 de
correte aeguinlo
depoia da demora
neceasaria para
Lisboa e Southamp^on
Para pHssagens, fretes, etc., tracy "-
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & c.
< OWIM.VHIli E8 HE9SAE
RES MARI TIMEN
LINHA MENSAL
0 paquete Orenoque
Commandante Hortemard
' esperado dos porto, do
aul no dic 25 do corrente,
seguindo, depoia da demora
do coatump, para Bordeaus,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-ae .oa aenhorea paesageiros de tudas
aa clasaea que ha tugare, reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer lempo.
Faz-ae abatimento de 15 /0 em favor das fa-
milias composta de 4 ppssoas ao menoa e que pa-
garem 4 paatageua intriraa.
Por excepcao oa criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosain tambem d'eate abati-
mento.
O. vales postaos s se de at e dia 23 pagoa
de contado.
Para carga, paaaagena, eucommendas e dinheiro
a frote: tracta-se com o
AGENTE
4ugnste Lab He
9 RA DO COMMERCIO-9
' esperado neate. das o patucho nacional
Otear e segu com brovidade para o. portos ci-
ma, por ter quasi toda a carga engajada / para o
reato que falta, traU-te oa roa do Marques de
Oinda n. 4.
LEILOES
Terca-feira (24) o leilio da aimacSo, can-
dieiroa a gas e movis, no arm.sein da ra do
Bom Je.us n. 26, botica do Recife.
Quiuta-feira (26) o de movis, quadroa,
luatrea, rapetea e ^bjectos de electro-pUte, em
urna chcara ua estrada dos Aflictos.
Ahiga-ae ama preta que cosinha bem e aem-
pre tem estado alagada cm eaaa de familia : a
tratar na ra dos Martyrioa n. 148, 2 andar.
Precisa-ae de urna moca orphS ou dea valida
para aervicoa de coatara e fazer c.uipanhi a ama
senhors ; a tratar na roa Nova n. 15, primevo
andar.
Preciaa-se
12 14 anno. :
de um caizeiro para taverna, da
na roa do Priucipe n. 1.
Leila
ao
De
movis, louea, vldros e es
pelhos
CONSTAN IX)
De ama mobilia de Jacaranda, 2 eapelboa, 4 jar-
ros para florea, ft ca.ticaea do virlro, 2 etagera, 1
meaa redonda de Jacaranda, cadeiraa de amarello,
cabides, 1 guarda roupa, 1 cadeira para secreta-
ria, meaaa da pinho, marquesoe3 e mui tos ou tros
objectoa de casa de familia.
Segunda-feira 23 do corrente
a's ll HOBA8
PORINTERVENgAO DO AGENTE
Alfredo (uimares
Em sua agencia ra do B.u
Jess n 45
Leilo
De urna armac envernia.da e um balco de ceu-
tro, aervindode base a offerta de 1554000, can-
dilero gaz carbnico, de 2 e 3 bicoa, frascos,
potea, 1 grade de ferro, 3 vaaoa de vidro, tintu-
ra, e xaropta, 1 gral de pedra, 1 teaoura para
cortar raizea, 1 caixa de ferro, cofre, tintas e
outres artigua e 1 taboleta c -id letraa douradaa.
Terca fel ra, Sido corrate
A'S 11 HORaS EM PONTO
PrecUaet de 80OJ00O, pagando ae joros de
um por cento uo mes para ae pagar tm trea annos,
dando-se urna quantia que deacoote no principal
todo o anno, dando-ae urna casa livre e desecaba-
racada, que rende 500*000 por anno, por hypo-
theca : quem quizer fazer case negoe:o dinja.se
roa do Mrquez do Herval u. i3, loja, que acha-
ra som quem tratar.
= Precisa se de urna ama para coainbar ;' a
tratar no sitio do Sr. Valeiica, eataciio da Ja-
queira. '
: Vende-se urna grande balanea americaan
com pesoa para peaar at 5,000 litroa ou 2,500
kiloa, com ganchos de ferro para sun.ender gran-
des pesoa, todo a preco inni'.o commede ; a tratar
na fandico de Cardoeo Se Irmao, ra do Bruna.
Alagase a bella caaa do iiateo de 8. Pedro
Novo, em Olmda n. 2, para os baaos do mar,
muito freca e grande commodidaoe para familia
que ae trate : a tratar no Caminho Novo n. 128 :
quem a pretender, venha logo contratar.
Goilegio Nazareno
7 Mudou se para n. 26 da mesma roa.
liimed States i Brasil Mail S. S. C.
O vapor Advance
Eapera-ae de New-Port-
News, at o dia 6 de Se-
tembroo qual seguir depoia
da demora neceaaaria para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Cara carga, paaaagena, encommendaa e dinheiro
3 frete, tracta-se com oa
AGENTES
Henrj Forster 4 G.
N. 8 RUADO COMJoEKClO N.--8.
1- andar
No armazem da ra do Bom Jess n. 26
(EM CONTINUAQO)
Vender o meamo gente 1 piano, 1 linda mobi-
lia de Jacaranda Luiz XV, 2 espeihoa grandea
douradoa, candieiroa gaz, cadeiraa avulaaa, me-
.ae, camas, 1 guarda-iuuca. marquezaa, camas de
ferro para meninos, lustres gaz, arandelaa para
velas, 1 lindo aanctuario de Jacaranda e urna mo-
bilia de Jacaranda, antiga.
Leilo
de 1 mobiliia de Jacaranda inaasico. completa, a
Luiz XV, com lampo de pedr, 3 quadroa, 10
candieiroa, 1 rica caixa de msica com 12 pecaa,
6 chapeos de copa alta e pello de seda, ultima
moda, 9 ditos de pal ha para aenhora, 5 ditos de
palha para menina, 4 jarros, i relogio de parede, 1
cama francesa de Jacaranda, 1 meaa de cabecoira
de cama, 1 commada, 2 marque:5ea, 2 lavatorios,
1 marques i, 1 meaa com gavetas, 1 marquesita
e8treito, 1 cadeira de junco com rosca e mola, 1
meaa elstica com 4 taboas, cadeiras de gaarni-
cab, dita-* de bataneo, meaa para engommado, toa-
cas, vidros, colherea, garrafaa, 3 sabias, 2 che-
chees, 2 bicudus, 1 cabocolinho, 1 patativa, 1 ca-
nario do imperio e muitoa outroa objectoa, que
estarao patentes no acto do leilo.
Terca-felra, "4 do corrente
A's 11 horas
No segundo andar do sobrado n. 75 da ra do
Imperador
O agente Gusmo levar a leilo, por crdem de
urna famila que retrou-ae da provincia, oa objec-
toa cima mencionados, ao error do martellu.
eiro
Preciaa-ae de um caizeiro de 12 a 14 annos : oa
ra das Trincheiras n. 23.
lnga-se muito harato
A caaa grande roa de S. Jorge a. 26, no Be-
cife, com 5 quartca, quintal e porto.
Sitio e caaa para familia, traveasa do Motoco-
lomb n. 4, em Afogadoa, com muitas fructeiraa e
banho salgado, perto dos honda para o Recife e da
estrada de ferro : tratase na ra de Santa The-
reza n. 8H.
Atten^o
Permuta-se urna cadeira do aezo feminino, esa
um dos melhores arrabaldca da cidade, por urna
na freguesia da Boa-Vista ( de 3* entraucia) :
quem quiser fazer negocio dirija-se roa do Ca-
rnario n. 3.
Ao publico
Conatando-me por peaaoas criteriosas que um
cavalleiro de industria ser ve-so de meu nome para
pedir dinheiro, pretextando ser elle um acadmico
de direito e nao ter meioa para encerrar a sua
matricula, previno a todos que cu s aisume rea-
pooaabilid.de pelos negocios que forera etfectua-
doa por mim peaaoalmente.
Esmeraldino 0. T. Bandeara.
Aluja-
se
Leilo
Pacific Sleam i\a\igationGompany
STRAITS OF MAGELLAN LINE
O vapor Araacania
' esperado da Euro-
pa at o dia 29 de A-
gosto, e seguir depois
la demora do costume
'para a
Baha, Rio de .Janeiro, Monte
video e Valparaso
Para carga, passagena, e encommendaa, tracta-
e com os
AGENTES
Wllson Sons ifc c, Limited
N. 14- RA DO COMMERCIO-N. 14
DEFINITIVO
De uin sitio e casa de pedra e cal denomi-
nado Mangueira, no Porto da Madeira
Agente Britto
O agente cima, a mandado do Illm. e Ezm.
Sr. Dr. juiz de direito e da provedoria, e a re-
querimento do inrentariante dos bens de Jos V.
Godinho, levar a leilo o referido aitio e casa,
sendo o sitio muito grande e arboriaado.
O leilo aera defiuitivo.
Terca-feira ll do correnle
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 24
por i2f 000 urna pequea casa na Torre, traveasa
da ra Real n. 7 : a tratar na ra da Companhia
Pernambucana, armazem de enchiments numere
12 A.__________________________________________
0 verddeiro viiilio do Porto
DE
J. II. Andresen
D. Luiz, Quinta de Nova Cintra, e Tres Coroas,
Cognac

* c
#
# #
DA
c.
MLTINAIMPACIU
LONDRBS
Oleo de flgado de bacalbo e lelte
pepltonlatado
Esta preparaco to saborosa que urna enan-
ca prompu-mente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente diafargat o oleo e as pesaoaa de diges-
to maia dbil podem tomar sem receio de gran-
de eficacia para afleccoes pulmonares, tsica, tos
sea, debilidadea, etc.
reptonolde. de Carne
Um alimento nifogoaoso compoito de consti-
taintes solidea de leite bem cerno gluten do trigo
(livre de gomma).
Becommendado as convaleacencas de qualquer
doenca, febrea. gaatrite, dyaenteria e toda e qual-
quer debilidade, aeja qual for a sua origem, eape-
cialmente usando aeem combinacio cjio o ole ode
figado com leite.
altlna
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valer diastasico 30 veses o seu proprio peso !
O mai. rico agente restaurador at boje con he-
cido, alt mente apreciavel nos casoa de debilidade.
Alimento Souluve de rarnlck para
crlanca.
A analyse deate alimento demonstra que oa aeua
constituintes natrictivos sao quasi idnticos como
leite materno, por iato o alimento mais aperfei-
coado para crianoa.
Pornecem amostras gratis aos Sra. mdicos.
Dopsito ra do BarSo da Victoria n. 48
Comparta Braslleira de Siave-
gacio a Vapor
Vapor Espirito-Santo
Commandante Joao Mana Pessoa
E' esperado doa portos do sal
at o dia 26 de Agosto, e
seguir depois da demora in-
diapensavel, para os portos
, do norte at Manos.
Para carga, passagena, encommeBdas valorea
racta-se na agencia
11Ruado Commercio11
PORTOS_DO SUL
0 vapor Baha
Cammandante Silverio Antonio da otlva
E' esperado dos portos do
norte at dia 22 de Aoato
e depois' da demor P8'
diapenaavel, seguir
oa porteado aul, mc/usive
o da Victoria.
Recebe tambemcrga para Santos, Pelotas
Rio Grande d > Sul, frete modic
Para carga, passgena, encoromendas valores e
trata-ae na agencia
N. 11 RA DO COMMERCIO-N. 11
Agente Pestaa
Importante emprego de capital
Leilo
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
A's lt horas
No armazem ra do Vigario n. 12
O agente Pestaa vender no dia e hora cima
mencionado, os importantes predios abaixo decla-
rados :
Um importante sobrado de dous andares e so-
tes, sito roa do Duque de Caxias (outr'ora Quei-
mado) ii. 46.
Um quadro com seis casinhas (metas aguas) com
duaa trentes, sendo urna para a ra doa Ouararipes
na. 87 e 89, e outra para a ra de S. Jorge n. 110,
em Fra de Portaa.
Um bom sobrado, de dous andares, com duas
frentes, sendo ama para ra de Domingos Jos
Martina, e outra para a traveasa do mismo nome.
Urna caaa terrea aita ao becco Azul na ra Im-
perial n. 243. Todoa estes predica sero vendidos
livrea e deaembaracados de todo e qualquer onua.
0. P. c.
DE
1. Barra k
Vendem Ferreira Sodrigues & C, ra da
aladre de Deus n. 14.
Aos 4:000$000
companhia puarAMBicA^A
DE
tfavegaco Coste! ra por Vapor
PORTOS DO SUL
lacei, Penede e Aracaj
0 vapor Mandahu
Segu no dia 26 de
Agosto, s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o
dia 25.
Encommendas, passagena dinheiro a frete at
os 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Psrnambucana
n. 12________________
Para o Cear e IHaranho
Segu com brevidade para es portos cima a
barca portugueza Maria Carolina, paea o resto da
carga qne lhe falta, trata-ae com os consignata-
rios Jas da Silva Loyo & Filho.
Leilo
De bons movis, lindos quadros, lastres a gaz,
esteiras e tapetes, forro de salas e quartoa, ob
jectos de olee tro-pa te e muitoa outroa artigos
de caaa de familia.
QUINTA-FEIRA 26 DO CORENTE
Agente Pinto
Na chcara da estrada doa Aflictos n...
AVISOS DIVERSOS
TRASPASSA-SE a hypotheca da caaa do larga
do Paraiao n. 15 ; a tratar na ra do Apollo
u.34, 1* andar.
i ^^.^^~
Aluga-se casas a 84000 no becco dos Coe-
Ihoa, junto de S. Goucallo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56. _________________^__
Alaga-se quatro caaas na ra Imperial na.
102, 104, 132 e 136, caiadaa e pintadas, com com-
medoa para familia, e precoa razoavel: a tratar no
Recife, enea do Apollo n. 45, ou na mesma ra
n. 130, at as 9 horas oa das 4 em diante.
Vende-se a fabrica de cerveja ra da
Sensalla n. 12 : a tratar na praca do Conde d'En
numero 11, Boa-Vista.
Precisa- se de urna perfeita cosinheira, para
casa de familia : a tratar na ra do Baro da
Victoria n. 39, loja.
Compra-se urna balanea grande que sirva
para pesar ^saucar ou algodo: a tratar na ra
Direita n. 21._________________
fede-se ao 8r. Franciaco Machado Teixeira
Cavalcante, senhor do engenho Riacho, o favor de
apparecer em Atogados, pateo da Paz n. 23, a
negocio que o mesmo senhor nao ignora.
Precisa-ae de urna rnestra para morar com
urna familia que reside aqui na cidade, encarre-
gando-se da educaco de duas enancas : a tratar
na ra de Luiz do Reg n. 25, onde se daro os
detalhes do contrato.____________________________
Vende-se ama taverna aita no Zambuco n-
tronte a eataco, muito propria para quaqu er
principiante, por ter poucos fundos e aer muito
bem localitada e afregueaada; a tratar na mesma.
16-Rua do Cabug-16
Acham-ae venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da loteria n. 65a em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recifa,
que se extrahir quando for annunciado.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo qnantldade superior
a 10 0:000
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0750
Joaquim Pires da Silva-
GUSA DO 011R0
4os4:000$000
lUISu 8MTI30S
Boa do Baro da Victoria n. 4 O
e casas do costme
Acham-se venda os felizea bilhetes
garantidos da 253.* parte das loteras
veneficio da S.nta Casa de Misericordia do
Recife, (65.*), que se extrahir quando for
annunciada.
Flip
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Ea. porco de 100*000
cima para
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joao Joaquim da Costa Leite.
D. Amella Francelina da Silva
Mana
Joaquim Fernandea da Silva Manto e Jos Ia-
pea de Miranda mandam reaar misaaa na ordem
terce.ra do Carmo, por alma de aua aempre cho-
rada eaposa e irmS, Amelia Francelina da Bilva
Manta, na quarta-feira 25 do eorrente, a 8 horas
da manhS, stimo dia do seu falleeiinento, e por
iaso convidam aoa parentea amigos para assis-
tirem a esse acto religioso, ficanao eternamente
gratns aanellea que eompareenrem.


Mario -
Cabello
Ayer
(Ayart Huir "Sifir)
C83MH0 SUA
CA MU raui
g^ M1 0 CAMU.O,
TORNANDO-O
HACtO. FLEXIYEL F. LUSTROSO
(tapara olf &J.cr<;ClVli>rriLK>i.->
PrenaraQo de Productos Vegetaes
sratjlolks caspas
e outras Molestias Capillares.
JtARTINS & BASTOS
Pernanibueti* '
Alujase
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
tabelecimento fabril : a tratar na roa do Commer-
eiarn. 34, com J. I- de Medeiroa Reg-__________
"Alagase barato
A. ra Loma Valentinas n. 4
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
Ra da Baixa Verde n. 5.
Casa terrea da travesea de S. Jos o'. 23.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1' andar
eecriptorio de Silva GuimarSes & C.
Mga-se
sana sala propria para escriptorio : na ra do
Bote Jess n. 38, 1- andar._____________________
Sobrado de iim andar e soto
Alaga-se o sobrado da ra do Hospicio n. 32
cem agua e gaz : a tratar com o Dr. Augusto Vz
ra do Imperador n. 73. andar.____________
AMAS
Precisa-se e duas ainus, urna para engomuiur
entra para c( sihar : na ra Imperial n. 42.
Ama
Ama
Precisase ce, urna ama para cosinhar e ce in-
orar : n-. ra do Dr. Joaquim Nabuco (Cspoog*)
ncmero 3.
Ama
Precisa-se de i-ma motimadeira : na ra
Anrora n. '..
Ama
Precisa-se de urna ama para lavar, en-
gommar e fazer mais alguna servicos Se
casa de familia, corntauto que durrca i
casa; na roa da Matriz da Boa-Vsta n. 9,
ge dir qU'-m prtv isa.
AMA
Precisa-so de umi atoa de bons costu-
mes e de conducta afiangavel para andar
com urna enanca de 2 annos: a tratar na
ra do Barao de S. Borja, antiga do Sebo,
a. 15.
*>
Precisa-se de urna arca que engorante cem per-
teieao ou cosinhe : na ra do Mrquez do Herval
numero 10.
Jardioi das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com s plantas que es
So em vasos n'este jirdim 6e os sapotisei-
ros muito grandes, e dando 2$00, la-
ranjeiras, muito grandes, para j."!'sr, 6#000
a dazia, e aapotiseiros mais ffpienoa por barato
areco.
Roubo
Do eugenho Cabete, do termo da Escada, foram
roubados no dir 3 do corrente mez, da estribara
do lavrador Man el Feij de Mello, tres cavallos
pessantes, gordos, de corea e signaes seguintes :
om castanhu tapado, intwirn, de segunda muda,
anda baixo obligado, no p esquerdo tera urna
listra branaa entre o casco e o cabello, e no di
reito um caroeinbo, como que produzido por espi-
nho : d .us russos, sendo um grande, ardieo, den-
tes quebrados, de 12 annos, inteiro, anda baixo,
francamente, e o outro quarto, sem andares, de
8 anuos, muito bem feto, castrado, tem no sovaeo
esquerdo um signal de ferida que teve ha annos,
e todcs tres teem este ferroMPna p direita.
O dono gratifica quem der noticia certa de ditos
cavallos.
0 Plebeu
or
em I prologo e 5 actos
ginal de tiueirn da Silva
Agencia nica para assignaturas de cada fas-
cculo de 16 paginas em 8* francez, por 2C0 rs., na
L1VRAEIA PARISIENSE
7- A Ra Primeiro de Marco 7 A
tllMCill)
Pede-se i o Sr. Epiphanio da Rocha Wanderley
chefe da estacao de Pao d'Alho, que mande res-
posta das cartas que se Ihe t. ui t seripto sobre
aqnelle negocio, na ra Jos Martyrios n. 148. Fa-
sem dous aaaos.
ib$m
Aluga-se a ci.su n. C ra de Riachuello, anti-
ga do Destino (oa Vista), a chave acha-se no
mesmo coiTer n. F ; a de n. 4 travessa do Fre-
tas (antiga d< TriuUU<) tm S. Jos, com 2 salas,
2 quartos, coainha, i|uiutal, cacimba, 1 soto e
esti limpa, por 16 ; a chave se acha junto n. 6
6 trata-te n;. i1!;, uh uian. 62, Recite.
Atleiifao
Compra-se ou aluga-se urna boa casa perto da
cidade, desejaodo-se nos seguintes pontos : 8o-
ledade, Caminho Novo, Cxpunga, Pasaug m da
llagaalena, tendo bom sitio, agua e gaz : quem
tiver dirija se ra do Imperador n. 49. 1- andar,
a tratar com o solicitador Antonio Neves.
Tricofero de Barry
Garntese qnefaz nas-
oer eoreeoer o cabello ainda
aos mais calvos, cura a
tinta e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co a cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranque-
oer, e infalUvelBaente o
torna eapesso, macio, lus-
troso e abundante.
VESDABEIROT T} T) C\ V LIQUIDO
purgativo Lii iiU I pilulas
mitanc
PHAR^^0E QTTIN
acnoMB DE U OT
Os Purgativos Le Roy justifleam
'sua reputaco secular e sua superio-
ridade por milhares de curas; hoje sao
adoptados por toda a parte, de preferencia
a qualquer outro para cura rpida e pouco
PIRGAT1F L.B O l^honerosa das
nistu rtiATiTK do codh mumf MOLESTIAS CHRONICAS
mal conhecias, mal curadas, e consideradas sem
rrazo como incuraveis. Nao existe medicacj&o mais
refflcaz contra os humores, pituitas ou biles alterada
rque provocam ou entreteem estas loogas affoccOes; nao
rlia reoonsiituinte mais enrgico contra as reincidencias.
A vis Esse:
ti sirriai NMhai ti
m uphjjliqaMi, |i
Afim do evitar as Coatrafajoos:
Se da recusar como inefficat ou perigoso qualquer Purgativo
HLe Hoy liquido ou em pihku que nllo mMi da i si
rPharmada Cottin, genro do CirurgiHo lie Boy { Rae de Seine
Rae de Seln*F n&o treuendo -a a*iifn*t*ra ao todo sobre o rotulo.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E" o nico perfume no mun-
do qae tem aapprovncao official de
u:n Govemo. Tem duas vezes
iis fragrancia que qualquer outra
a dura o dobro do tempo. E' muito
nials rica, suave e deliciosa. E|
muito mais fina e delicada. E
m.iiB permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidado. OCura as
dores de cabeca, os cansacos e os
desmnios.
Xarope e Vida le Henter No. 2.
Precisa-se d-.' urna ama que cosinLe pirfoiti- I
ente : na ra de Riachuello n. 57, portilo |
tesro.
urrxs db tjsait-o. dkpois de sxl-o.
Cuta positiva e radical de todas as formas do
escrfulas, Byphilis, Feridas Escrofulosas,
Affecces, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e de todas as do-
encasdoangue,Figado, e Rins. Garanteae
que purifica, enriquece e vitasa o Bangua
e restaura e renova o systema inteiro. v
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian-
cas e para a cura das moles-
tias da pella de todas as especias
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C
Cosinheira
Preia-'' de urna bea cysinheira, qu-< seja as-
seiada daruw na casa em que s- alugar, pRga-
se be : a tratar 11a ra do Pwysand n. 19 (Mag-
dalena )_______
(avallas roubados
K 'ubaram ao amauhecer d dia 13 do correne,
da estribara do engenh Macacos, de pr.priedade
de Diogo Sonre MIB4if0 de Albnquerque, qaatro
cavallos com na signaes seguintes : um rudado,
apatacado. fazend.> a ultima muda, muito bem,
estraden- teiido dous ps brancos a as caoellus,
frente abert* inais para as ventas, inteiro ; um
mellado foveiro, castrado, bem pintado, com >is
cascas brani-iis e tuda a frente berta at o pes-
eofo ; um canto, castrado, com dous ps branca
e urna listra oa testa, sffre de catharro chrouic ;
e um atro castanho, sangue de bo1, inteiro, a m
una cabillos branos na testa. Gratifica-fe a
quem noticiar aonde esto ditos cavallos c appre-
bende-09.
" "Sio
No Arraial, perto da < staciio Qasa Arcarcu,
vende-se um gra.de sitio bem arburisado, com
riacho, grande casa de corada, proporcoes para
criaco de vaccas e baizus de capira, bauheiro e
porta d'agua ; este sitio o que pertenecu ao fi-
nado Francisco J"rge de Souza. Para infornia-
coes, na fabrica tilobo, 4 ra larga do Rosario.
Ao publico c ao com-
mercio
O tyxu ussignado declara ao rijspeitavel pu-
blico e ao c uimercio que, tendo se ausentado de
seu estnbeiedmento de charutos e cigarros da ra
do Bom Jess n. 43, o scu empregado conhecido
porPin h. ira e Vinpanhiadesde 2 do corrente
mez, tendo o mesui subtiabio o livro de sahidaa,
os vales de cigarros e as cuntas at o dia 30 de
Julho ; tendo tatobein arrancado a folha do bor-
rador, aasim pwvjne o otesmo abaixo assignado a
todos que aumpfram cigarros at 2 do corrente,
que n'i piquero ao mesiuo individuo, sob pena de
pagarem seguuda vez.
Os teus de vedi res de cigarros venham pois li-
quizer as suas contas at a dia 25 deste mes, se
nao quizerem ver os seus nomes por extenso neste
jornal.
Beeife, 16 de Agosto de 1886.
Antonio Jos da Silva.
Ati$n$io
Precisa-se fallar com os herdeiros ou parentei
do fallecido Jos Aotouio Alves de Brito anego
co de nteresse dos mesmos, na ra do Bom Je-
ss n. 60.
\viso
1
Na ra do B Victoria o. 48 existe urna
carta para ser entiegua aolllm. Sr. capitao Fran-
cisco Jos de Oliveira, cuja carta de aeu sobri
nho o Dr. Joo CcelhoGoncalves Lisboa.
Feitor
Precisa-se de u-n fi-itor para engenho, que seja
eolteiro cu tenhi p 'uca familia : a tratar no es-
criprorio do Sr. Bario de Nazareth, ou no enge-
DU Camorinainho em Agua Preta.
Caixeiro
^OOCLO DE PASTLHas ..
As Dores de Estomago
Digestes difficeis, Consf i paguen, Aciie*
SXO RPIDAMENTE CURADAS OOM O KMI'RKGO DO
CA VA B* BELLQG
Quer em PASTILHAS, quer em P.
tApprovado jpela Academia de Medicina d Paria
doi a -i a p*trii.H*t pon da
Se v*nOem em toda FABRICAC0
Em rARIZ, em Casa de L. FRERE
*..
Kvm
Modelo de pastiuH^'
Precisare de um caixeiro de 15 a 16 annos de
idade : na ra Vidal de Negreiros n. 23.
CAPSULAS
IYIATHEY OAYLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Enuolucro delgado de Gluten nao fatigo nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e New-Ycrk, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgos genito urinario.
mt Qm explictco dttalhada acompanht cada Frasco-
Exigir que te achao em casa dos Droguistas e Pharmaceuticot.
..^*
seya.tsi ftfft''
{" VERDABBRAS PILLAS o W SLAOtl
j Poaess prttpuVBdas terragiaoso* poota < g t> oanies epoiadn man documentos tao antittico cono oa uvinte* : U
'1 cao wnpreeada com o melbor xito. b a;s Je * Mod^cw*. ^,
1 ttftra e.-r Anemia, Cbloratt, (rual'.as'i, a facilitar a frmucA? % rayar*oat-^ J1
5 Se toa "uca nsercAo destas Pilu .as u< nnvo '.f,ir frantf nc* ^oit'aairvwreniof a u'iii nica ettaaao. no owjiw S
.Mvc! < tnrof ane ttxerto a cat..o-Mi.a!l eue.reona->aaa rifiTa&*tW"* B
. v..tmii lBoontestsvoln K.bw bmi|!Mi* o*iiaero como
. aoAor nnxiaVlmvtU. o- ooubu;
(i.hwwM Ai u:4tml' f *?'M !
unrae deboopiaib da '*T skis 'HjP?racr. s.- fw*amtmor******.iiy .-t-.*ihtaJjaa*
-
O
0 mais Simples, o mtls tapido e o mais ElWcaz tfoi fEVULSIVOS
ITTT jT>T5H?,wT USADO NO HUNDO INTEIRO
A Omma MGOZI.OT ped aoe Snr-d. Hsdioos a oompradoi^s qn xljam
VERDADEIRO.PAPEt SIGOLLOT
fiu em cada xa
e em cada folha,
trox escrtpta
em Tinta incarnada,
a Firm*:
so
Ti
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As PHulas purlflcal> o Sangue, corrlgem todas as desordenas de Estomago b \
dos Intestinos. J
Fortaleeem a sonde das constitucoes delicadas, e sao d'um valor mcrivel para todas as enfermidades
peculiares ao sexo fcminino em todas as edades. Para es meninos assim como tambem para as
peasoas de idade avaneada a sua efficacia e incontestaveL
IStsu medicinas sao preparadas smente do Estabelccimonto do Profesor H jlloway,
78, REW OXPOED 8TESET (antes 5S8, Oxfcrd 8treet), L0HDEE8,
E vendemse em todas as pharmacias do universo.
tT Os compradores sfto convidados respeitosamente a ominar os rotlos de cada caixa e Pota te r*o tees a
direccao, 533, Oxford Street, sto faMBcaSoet,
SEM CHEIRO NEM GOSTO DOS LEOS ORDINARIOS
OLEO
TERRA-NOVA
de FIGA DCS Frssco
BAGALHA-a
ntra a Molestias de Palto, n Titica
BronqulUs, Priss de Ventre. Toases chronioas, Atle=.:o.;- c b.loaas. ?
AMfVitliXVIA. Mxxge^me no rotulo o sollo-Aau.; (i. -----.:-. trancez.i
HOG-G. Pharmaceutico, 2, ra Castifllione, PAKI.,
ATKINSON
PERFUMARA ingleza
lili i ha mait o \na man; xotda to4u
uoutrasploaBu perfumedecadoeeiqtiiwto.
IVki Midaina^ n O uno
PARIZ 1878. CALCUTTA 18M
ptrf* extra-hna exceTl^nriadesua qaalidade.
Afanada
AGUA DE COLORA K ATKIISOI
iocompatisvelpeto acu erfuaM iua
conentra^io. Exce )e todoi o producto!
sinnliroi vididos -ob o mesmo Dome.
jaiokete su unri mu di atiissm
Lsle ubonoU uniTenal e supenor Looo*
os oairos pela modo de limpsr a peLle
eausetiQadoqne I he contmanicme eiretleote
pWume e prolongado oso.
hmll l-st Cus Mu hntiuM t Itbriuilet
J. E. ATKINSON
34, Od Bond Street, Londres.
, Marca de Fabrical'ni "Rosa branca"
sobre runa Lyra de Ouro. "
Peltoral ndqiltlla urna reputaco mais mericWa
do iu a lia Pasta e do Xarope de Saf de
Mtela narenier.
8 10 Sotlru sua aupertorldafle c poderos eficacia
> nieadas pelos Mdicos do todos os hospitaes
de l'ariz e EnouuSroa na Academia de medicina de
Era ti.-a O nlia OS BeOMoi, BroneriHe, trri-
ff-r do elto o da Jars^anta.
20 Sua composlcao, cuja base o fructo do Vafe
d Arabtata'i^iscus esoulentus de Linn),
que relaiSoalguiua tem cornos outros peiioraes.
3DSoUr as otlya dos Srs Barruel.*
Cotf.reau, clnnilcos da Faculdadc de Pariz,
uuc dc:i.ousirao nao conter nem Opio, aera Mor-
itoivi, nem Codetna pelo que podem ser dados as
crianoas com xito e segu-anca quando atacadas
de Tae oa losse convulsa.
mAriCi sao osOtulosauthentlcosquerecom-
! A.JL1O mendao a J*oa Saf i connanca dos mdicos e do publico, ttulos
que nunca forao concedidosi peltoral algum antgo
011 moderno. __
DKLAXOKESMEB, 53, rus Vltiennt, PABMM
tm*Utoutttli^tiiimmnmr*foia\*u*tml
Polra, tiinlu e lias
Vende Candido Thiago da Costa Mello em seu
deposito a roa Imperial n. 322, olariaTelepbone
n. 231._________________________________________
Prevenyo
Previne-se a quem interessar poasa, que a rea
comprehendida da 'gr^ja da Penhi ate o largo
das Cinco Ponas, mtre as ras das Calcadas e
Vidal de Negniroi-, terreno fureiro, per^encente
aa antigo vinculo Salvador Curado Vidal, cuja
Buceeseora trata respectivos frc-8 e bem asshn dw, terrenos entre
a igre* o Espirito Sanio S. Fraileo e Rosa-
rio, como meihor explicar ae-ha na ra da Penha
n. 23, loja. ___________________________
as ra*af;4WK4a4feguas Verdes n.22, 2- andar
eaiasla4|jptoatu'n de novo ; estrada de Luis do
Kego.'casa pequea n. 16 B : a tratar na ra da
Aurora, cartorio da fazenda n. 21.
SUSPENSORIO flfLLERET
[Elstico, tem liganras debalxo ttas ceiu.l
, Para evitar o falsificaces, l
exigir afirma doi>iie>.roT,etariipadl
em coda suspensorio.
FUNDAS DE TODOS 03 SYSTEMAS
MCI AS PAPA VAR1ZES f
misIT.UGOMutt.suC' .."r.yan;. 4J,r. l.-J 8-c
REISIKAI'O
t-osinheira
Pfreeisa-se de ama cosinheira : a tratar na ra
da Uniao n. 11.
Almauack da provincia
1886
Un Totume com JOB paginas
2#000
A' venda na casa editora. Livraria Parisiense
n. 7 A, roa Primeiro de Marco n. 7 A, Industrial
Econmica de G. Laport & C. e Cardoso Ayres.
Boa-Viagem
Aluga-se urna grande e rxcellente casa n'este
.prazivel armbalde com muito bens comni'.dos e
p rto do b:inho.
A trnctar na ra Larga du Bsariu n. 34, bo-
tica
Portador Decauville
Tudo Caminho de ferru porttil d-- colli <-a(,-ao instan-
tnea.
O Decanvil e ohteve ta sem exeepf&o no>> ponenrana f imtss* e eatran-
g iros.
t':.t: 11 -g sii.fi.riiiKvoi'8 r dirigir a^ao 8r. Eu
;jrn Imliue, 22, ra du C iiilni c:u Ric.fe.
lrpir ti jiiou- p.iri. ^ pitariaruat de l'crimnbueo.
Medico
p-un
.les i'iiarjijac*.
O Sr. Dr. Mello Gonies contina a ter cavta
para lhe ser entregue pessoalmente : na ra do
Mrquez de Olinda n. 50.
ftano de armario
Vende-se i:m piano em bom estado, pioprio
para principiante : ua ra da Aurora n. 19, se-
gundo andar.
Aviso aos tabelliacs
O abaixo assignado, hoje seuhor directo dos
solos das casas abaixo declaradas, por compra que
fzera a herdeiros de Joaquina Lopes de Almeida,
recommenda aos tabelliaes que nao passem es-
cripturas de ditas casas *em upresentacao do reci-
bo de laudemio e foros devidos ao mesmo abaixo
a3sign_do.
Ra de S. Jorge
N- 4, 9,10,11, 13, 16, 18, 19, 21, 23, 26,
28, 29, 31, 33, 37, 39, 41, 42, 44, 45, 47, 49,
56, 57 e 58.
Ra dos Guararapes
N- 3, 9.13, 15, 17, 19, 21, J, 29, 33, 9, 41,
43.
Ra do Pharol
N- 8, 20, 22, 24, 28, 30, 32, 36, 38, 40, 42, 44,
46, 48, 54, 56, 58 e 62.
Ra do Areial
N- 1,3,5,6,7, 8e 28.
Travessa Jo Areial
N- .4
Travessa da Fundicao
N- 4, 6, 8, 10, 12 14.
Becco do Paschoal
N- 1, 2, 3 e 4.
Largo do Pillar
N-4, 6,8, 10 e 13.
Recite, 17 de Agosto de 1886.
Ismael de Oliveira Guimar.es.
Caixeiro
Precisa-se de um menino de 15 a 16 annos i na
ra do Livramento n. 17.
Jaboato
Vende-se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem afreguezados, e promettendo ainda
maior negocio fazer cetn a ida das oficinas da es-
trada de ferro de Caruar, prximo mesma es-
tacao, ona*e ficam situados os estabelecimentos
cima, arrendando-se ao casas pessoa que pre-
tender : a tratar em Jaboato, coufronte ao hotel
Globo.
Comp
ra-se
,...............I...............PHK HUas/MS
SABONETEdeALCATRAO
paa a ToiLiri-rm. os ambos b cuidado da* Aa cjuamcas
Wat BdMOSMTM, mimnamiTa antiaeptiem, o mais efflca para a cura da)
MOLBSTIAS OA MU______________
SAPO CARBNISDETERGENS
/ara posms Crianca* com o SAPO VAUUOSIH VETEBVSS afm de protei/et-os contra
o SRAMPO, a VARILA a FEQRE ESCARLATINA
Este 9ABOSETES sao recommentlados pelo Corpo medico Inteiro porque previr.em as
MOLESTIAS EPIDMICAS e CONTAGIOSAS e se adaptSo a oualguer clima.
MARCA DE FABRICA PWd BNVOLER08 W08 PES
X>apoaH cjaral I -W. "V. 'WBICrHT Jln O, Southwark, LONDRES
Sirxi. Fernambnoo g'Ta.ai.0' T&. da PIT_,-VA & C\
aaani>aaaft>aiTiaaaaaasassaAas.a%raarai
diarios e jornaes : na ra do Visconde de nha-
ma n. 75, antiga do Range'.
Os Crimes do Recife
Romance por ferie Real
A' venda as livrarias Franceza, Fluminense,
Quintas, tabacaria Javanezi, restauran! Doria e
em outros pontos.
Mobilia usada
C"mpra-se a particular urna mobilia usada de
junco, Jacaranda ou outra madeira de valor,, um
RuardM louca de amarello, usado, e igualmente urna
n si at 2:0u0*000 ; a tratar no pateo do merca-
do e da Penha, taveina n. 6.
AlliHao
0 Carlos Siuden, ruadiBaiao da Victoria :.
48, recebeu pelo ultimo vapor o seguinte :
Flanella branca para roupas de Lown Tenni.
dem idem idem de ricket.
Sapatoa de i* quaiidade para Loira Teis.
Camisas finissimas de flanella de cor.
Sobretudo de borracha o mais fino ine t< m vin
do ao rrercado, tanto para homena como para ae-
nhor a,
Este remedio precioso tem gozado da acceitav
i{3o publica durante cincoenta e sete annos, coto
scando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidadc e venda nunca forao tilo exten-
sas coma so presente; e isto, por si mesmo,
offerece a melhor prora da sua efficacia marav-
hosa.
NSo hesitamos a dizer que nao tem deixado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creanca quer em adultos, que se acharo atio*
tos destes inimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaees de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificases, de
orle que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
iicdeB.A.FAHHESTOCL
Hnj ir Hanael Antonio Viesas
Oh filhusdi m;ij ir Mafioel Antonio Viegaa man-
dato ontebrar ataana p>r alma du mesmo finado, na
ordem terceira do Carato do Recife, no ia'24 do
cerrente. 4d 8 horas da manha, 5- auaiversario
de aeu tallecimento, e para assistir a este acto de
earidade e religiao, convidain ais parentes e ami-
gos.
D. Mara de JeNia cnvalcanle de
Oliveira
Leal ai Irutao mandam resar urna missa na
igreja da ordera tercetta do S. Francisco, s 8
horas da manhil do dia 24 do corrente. por alma
de D. Maria de Jess Cavbante de Oliveira, es-
posa do seu ami&o Joaquim Antonio de Oliveira ;
convidain aos parentes e. amigos da finmii para
assistirem a este acto de religiao, pelo que se con-
fessAm agradi-ei i _______________
Aliplo Hollanda do Santos
Enedin Hollanda dos autos, seus filbos 8
genro convidam a todos os seus parentes e ami-
gos para ouvirem urna missa que por alma de seu
presado filho. irmo e cunhao, Alipio Hollanda
dos Santos, maod-.m resar na igreja de N. S. do
Terco, pelas 7 horas da manha do dia 23 do cor-
rente, stimo de seu passauento, e desde j ante-
cipam-Ihes sua gratido.
laN Francinco Rorgeai
Os tios, irmiios e mais parentes de Jjs Fran-
cisco Borges, mandm resar missas por sua alma
as matrisea de Bom Jardim, Paje de Flores a
Santo Autonio do Recife, a 24 do corrente, trige-
aimo do seu passamento para a eternidad?.

Isabel Urainllna de A. Cama
Fabio de Albnquerque Gama e sua mclher,
compungidos da mais acerba der pelo fallecimento
Erematura de sua nunca asss chorada filha Isa-
el Ursulina de Albuquerque Gama, agradecen!
do fundo d'alma aos parentes u amigos que acom-
paubaram at o seu ultimo jazigo os restos mor-
taes da finada, e couvidom aos mesmos para as-
sistirem a missa que mandam r. sur na expela de
N. S. de Bellem, s S hora* da manha do dia 23
do corrente, stimo de tao infausto passaut?nto.
Joa Francisco do Reg Barreto, Pedio Velho
do Reg Barreto, Joaquim do Reg Barros Barre-
to e Sebastio Antonio do Reg Barrero, profun-
damente sentidos pelo passamento de sua muito
presada irm D. Joanua Olympia do R^fro Barre-
to, convidam a si us parantes e amigos para as-
sistirem a urna missa que mandam dizer na ma-
triz de Santo Amaro de Jaboato, segunda feira
24 do corrente, s 7 1/2 horas da manh, stimo
dia de seu fallecimento.
Manuel Faustiuiauo de Lemos Amaral, Ma-
rianna Adelaide de Lemos Amaral, Manoel Paulo
de L"mos Amaral, Edemunda Adelina de Lemos
Amaral e Antonio Ernesto de Lemos Amaral, fi-
Ihos do fiuado Herinin 1 Ernesto d Lemos Ama-
ral, gradreem do inimo d'alma tod>-s ks pes-
soas que se dignaram acompanhar os restos nor-
taes de seu sempre chorado pai ao cemit>rio pu-
blico ; e de novo as convidam, bem como a seus
parentes e amigos a assixtireui a missa que man-
dam celebrar no dia 23 do corrente mez, na gre-
ja do Livramento, s 7 horas da manh, e desde
j se eoD-ssaro siimmamente agradecidos por se-
melhantc acto de religiao c earidade.
Um sace -dote, reverente- memoria du falle-
cido eapito acintho Pereirn da Silv.i firroa,
pai do virtuoso Pnlado Olinlense, celebra no dia
24 do corrente, pelas 6 horas da manha, aos
missa e memento ua igreja anairiz do Corpo Santo,
pilo eterno descanso de sua alma. Para eaac acto
cenvida aoa amigos do finado, bem como os do aeu
preclaro Albo, ant cipando-ibes os seus agrad-.ci-
mentos._________________________
aval
j IttBfl 1
saBBsMMMRBMsasMMsMssMsIrasslfBslssBaavavasasssa


Mario de Pemumbie*---Bamtngir ~2 rfe Agosto de 1886

*
/"V
4o povo p1 roambocano
Contina, aberta a escola particular de in.truc
2o priu ria par *exo masculino, roa daMa-
tri da Boa-Vista n. 31, dirigid, pelo profcssor
particular Julio Soares de Azevado.
^duca wtra a infancia, peto systema aet
principara collegio da corte do 1*^ ?*
estere por algum tcmpo a paeio, eujo ysiewa
a delicadeza, a pacienci-, a voccao, fiwen-
docom que os eu d*cipulo ngam o caminho
da inlelligenca, da honra e da djgnidade, com
Banto co.-selho e hcoe*. afim de qu. venha
a ser o futuro ut.-ntaculo da patria, da religiio
e d lei, um verd:.deiro cidadao braeileiro.
Espera, portante que o respeitawl publico sai-
ba apreciar de perto o aeu *erdaaVi*o ensina pn
mario, onde rpidamente as enancas abracam e
amam de coracao ao livros, as lottras e as bellas-
rtes. Ra da Matri da Boa-Vista n. 34.
Julio Soa.es de Ase vedo.____
de 3X9. 4X9 3X' 1; venAe-s* na serrara a va-
por de Clisaaco da Sil, caes Viute Dou de Na-
veaibro p. t. _\_______________
1 ouit-in nota
Trilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
naeh 'isiuc completo para en
gentos de tudos os lamaoho
Systeum ape-rfeifoado
Especificaqoe e proco no escptorio dos
agentes
Browns & C.
X. 5 -Roa do Commcreio
N. li %in do acia B .6c C, tein car halogog de
u.v implementos ucceasarius agricultura, como
.ambem mnchina para r>ecar->9r algodo, mol
uhoa para caa, trigo, arrea* bo; corea de fer-
ro galvauisado eacell. nte e mdico em preco, pes-
aoa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral a, ____________
VENDAS
Peehineha
62__ Boa Duque de Caxias nuasero 63
Me n doea, frin A C.
Camisas, inglesas com e s.m collarinhoe
3*500
Collarinhcs finos, diversos modellos, a 4/800 a
duzia.
Ceroulaa de linbo a 2* e 2*500.
M-ias speciaes para hornern a 3*500, 5(000 e
6/000 a duzia.
Pannos para hornera a W' rs. o par.
Veirudilho de cores, lavrndos, a 1/ o covado.
Fustoes brancos, lindos dcaanaoit, a 500 re. o
ovado. .
Setins de todas as cores, cambraia bordada, es-
partilhos, tapetes, cortinados e outros artigo* de
nuda, por preoos baratissimos.______^^_____
Iuu:a-se
a casa n 1 i iu L>.mbraca do Gomes, ata Santo
Amaro, tem agua : a frutar na rma da Imperatris
n. 32, 1 andar. _^_r_rmmr___
Aviso
Precisase de urna profesa ra que saiba tocar
bem piauo e mais tr*bih<> de aenhora, pa*a en-
genho : a tratar com,o Baria de Nsaarota, a roa
do Imperador n. 79, 1* afilar. __________^_
Serrara a vapor
Caes do CapSbaribc n. *H
N'esta serrara encontrarlo os ambores fregue-
ses, um graude ortiinetU de piolv de reeina de
cinco a dez metros de comprimento^e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garant-se preco mais eomo-
do do que em otra qnalquer parte.
Francisco dji-Santo Macedo.
Molestia da caima
i'r ceao de purificaco especial.
Methido econmico e. satiafatoric e de fcil ap-
plicacao em qualquer engento.
Nio ttrSo o* 8eoborea de engenho soais pnjui-
os em-rmes com a molestia.
Informaces e epe ifici'6es com
N. 5
Browns & C.
Ra do C o mu relo
REUIFE
x.a
S-, entes de llores
daa maja bonitas qualidades que se encontram no
estrangeiro, receberau Martina CapitSo & C, e
vendem por preco commodos em seu armaaem i,
ra atre;ta do Boaarie n. 1.
fiflflULSAO
SCOTT
DE OLKO FURO DE
Fiffado de bacalho
COM
tt)-{Mji.iuspl.ilos de cal e soda
Approtada pela luata de Hj
gieae e autorizada pelo
goverao
E' o aielfaor remedio at hoja descoberto para a.
ilwira bronobiteN. escrophDla. ra-
ctaitiM. an.-mia. < eblltrtadc majeral.
dedi!\n. lonae cbroi5a e alfeece
do pello da arcar;m.
E'muito eup-iior ao ol.o oirople de figade de
bacalho, porque, alm de ter ebeiro e sitbur agra-
daveis, posaue todas as virtudes medicinaea.e nu-
tntivas ao olee, alm das propriedades tnicas
reconstituintes dos hypophoapbitos. A' venda na
drogaras e botica.
Deposito em Pernambuco
A Revoluco
rn Duque de Caxias, resolveu a vender
oa seguintos artigas c-om 25 OjO de me-
noe do que en outra qufilquer parte.
Sedas Uvradas de 2*000 por lWK) o eowado.
Cachi-miras de cores a 900, 1000 eliSOO o. ca-
itas pretas a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Ditaa bordadas de seda a 1*600 o covado.
Gorgorinas de listrinhas a 360 ra. o covado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 ra, o co-
vado.
Lila com bolubas a 640 rs. o colado.
Velludilbo liso e lavrado a 1*000 e 1*200 o co-
vado.
Palha de seda a 800 rs. o covado.
Fuato branca a 400, 410, 500, 560, 600 e 800
ti. o covadu. .__
Giosdcnaple preto a 1*800, 2*000 0.8*600 o
covado. ^j
Nnoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones fiuo a S60, 400 440 ra. o covado.
CWmbraia transparente de 5*000 por 2*500 a
pata,
Liaoabranco coro aalpieoa a 500 rs. o covade.
Casacs de laia a l' 00 um.
Fecha de retro a 1*000 uro.
Ide de 12 a 1*000, 2*000,3*000, 4*000, 5*000
e 6*000 um.
dem, de peluaaia bordados a 7*000 ao,.
Chapeos de sol do cores para senhosu,a 7i60
um.
Setinetes modernas a 360, 400 e 440 xa. o co-
vado.
Lrohos escosacres a 240 ra. o corado,
Zepbiro litrdo a 200 r8. o covado.
Brim de linho de cor a l*00i a vara.
Fustao de cor a 500 r. o cavado.
Tapen* paca janella. piano, sof e cama a 4*,
6*i0, 7*000, 8*000 e 24*000 uro.
Setinetas lisas a 400 rs. o eovado.
Ditas lavradas a 500 ra. o covado.
Ftanella brane a 400 e 1*000 o covade.
Cortea de casemira finos a 3*000 um.
Collarinbos de corea c hranco a Lucinda a
1*000 >m.
Casemira de cor e preta a 1*800 rs- o covado.
Bfiro prateado fino a 600 ra. o covado.
Dito li'- a 360, 400 e 500 i, o covado.
Esguiio umarcllo e pardo a 500 ra o covado
Aigodao com duaa larguras a 800 rs. o roe-
tro.
Oamisas de meia a 800,1*000 a 1*500 urna.
Ditas de linho litas e bordadas a 30*000 a da-
lia.
Timoes bordado para menino de 4 a 5 anuos a
5*000 uro.
MadapoJoea finos a 5*000, 6*000, 6*500, 7*000
e 8*000 a p.-c.
Eapartilhoa de caraca a 4*000, 5*000, 6*000
e T*000 um.
Lencos finos a 1*200 e. 2*000 a duzia.
Toalhas felpuda a 4*000, 6*000 e 12*000 a
duziu.
Rede hamburguesas de 20*000 por 10*000 urna.
Sfetins maeaodeeorce 800, l*00, 1*400, 1*600
e 2*000 e eovado.
Alpaca braacas a 400 e 500 r. o covado.
Setinetas branvas lisa e lavradap a.bjOO 560
r. o covado.
Cortinaao borddoe a 7*000, 9*000 e 16*000 o
^Colchas bordadas a 5*000, 6*000, e 8*0)0
umti.
Capeltad e veos a 10*000 e 14/000 urna.
Henriqne da Silva Moreira
Oe jos do serto
Em moxilas
O que ha de mais especial.
Presuntos de Laruego seccoBe
Mautega inglez^ em latas a
19000 a libra
PO^AS MENDES &^
Riia Estrella do Rosarte n. 9
Recebemos oeste ultimo
vapor
Semenles novas d* horlaiiees
Asslm como
OBRAS DE VIME
Como sejam:
Cestas para compras de diversos tamanbos
Bandejas para roupa engomroada
Blaio8 p ra roupa Buja
Balaios para facas e garios
Be^os
Condecas
Costureiros
Cadeiras
Voadores para meninos aprenderem a an-
dar.
O especial vinho Figueira puro sem a
menor composicSn.
Viuho do Porto engarrafado, o que pode
vir no morcado do mais especial.
Tamaucos do Porto para senhor.
P0AS MENDES & C.
Ra Esireita do Rosario n. 9
Aviso ol!
Urna pesaoa com algunjaa habilitacoes e intel-
ligivel carcter de letra, prope-e mediante qual-
quer gratificacJo, a ir escrevar em qualquer es-
criptorio de advogaeia, eatorio de tabello, ou
mesmo encarrega-ae de qualijuir trabalh* paiti-
enlarmeute, como aeja ; tirar copia de isanus-
criptos antigos e moderno, eolleccional-o, tirar
copias de &rocurc3's, petiedo', escripturas, eoa
trato, lea, aviso, reguamento, etc riscal' e en-
eher wappa por nsodelo qua se Iba apreaentar,
fazar traslado e uscripcoes, etc., etc.: rus do
Jardun. 48, a tratar da? 7 a 10 da mnbi e
das i 7 da noite.
NOTICIA.
Cbtf u a vttaadeira farinha d'agoa para o v
saasem do Yasconcellos ra da Aurora n. 81
e ib calda
*v.
Aprov
eilem!
Vcnde-se tudo barato
Largo de S. Pedro n 4
Neate'eatabaleeimeoto -DContra ae aempre um
completa aortimonto do gaitas Q pataaros nacio-
nae8 estrangeiro?, o melhor que ha neste ge-
nero, fructas maduras, balaios proprios para ni-
nhoa oe canarioa do inp tura, vassoura do Para a 800 ra. cada un, que
cueta e-n outra qnalquer parte al* e 1*200, con
aerva de pimenta. americana em bonitos fraaqui
nhos a 120 ra. cada um, para acabar, maesa de
mandioca muito bem preparada, para bolo.
Vende-se
Cimento po tlaiid
Vnde-M de diversas marcas, no armHzem de
Soare de Amaral Iimios, a ra da Madre de
Deus n. 22.
GRANDE
urna Caverna na estrada nova de Agua Fria de
Beb ribe n. 3, pouto muito bom e bem afregueaa-
da : quem pretender dirija-so meama.
Vende-se
ou troca ae por outro mais perto da cidade um
expeliente aitio com cas, no Arraial, perto da
Casa A'Jiarellae daaofficinaa de Limoeiro, medin-
do 305 palmo de. frente, fundo o que a vtt al-
canca, com portao de ferro, cacimba, deposito e
tanque para banho, muitas arvoie fructferas,
plantacoea de mandioca e urna pequea matta ;
fiaalmciite ete sitio proprio par plantacoes o
ter-^e vaceas com leite, sendo que o terreno
proprio e ae acha livre e deaembarecado : a tra-
tar na ra do Imperador n. 45, tavernu.________
Em (laraaliuns
S..Vende-se um sitio a um qnarto de legoa da c-
ade, com boa casa de residencia preparada de
novo, estribara para 10 15 cavallos, com caa
para emptegadoa, dito para arreioa, deposito para
op m, agua permanente mate no, excellente
banho, bo. plantas de capim e bem cultivadas,
diversa fructeiras, cafeeiro. jabuticabenses, jn
qui rae, etc., por barato pr$o : tratar na ra
dos Pescadores n. 18 neets cidade, e em Gara-
nhuos com os 8rs. Farreara Leal a Irmao.
Nonteiro
Vende-se ou arrenda-se annualmente urna boa
casa com bastantes commodos para familia, tendo
agua e gaz encanados, com um bom quintal todo
murado, com algumas arvore fructferas com
sabida para o rio, por preco maito razoavel:
quem preoi*r dirija- i. ra. Duque de Caxiaa n.
117, que achara cum quem tratar.
Mihe pain vo
Vendea per preco sen compoteaeia Martias
Capito C ra estreita do Rosario n. 1.
Expsito central rna larga do
Rosario n.".8
Oamiao Lina & C, cnanam a attenc&o daa
Exmas. familias para os preco seguintes :
Carretei de 200 jarda 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 re.
Dita de un palmo a 2*500 e S*>XX).
Fita u. 80 para faxa a 2*500.
Leq^'e 4 recata e D. Joannita a 1*000.
Fraien e extracto de Lubin, grande, a 2*000.
Lequo D. Lucinda Colho a 6*00&
Toalhas felpudaa a 500 600, e 1*'-00.
Duzia de meiaa para bomem a 3$000.
Ditaa para aenhors a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de fo do sida para menina a 1*000.
Colarinbos de linho a 500 rs.
Ditos de algodo a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pteas de cordo para vestido a V) r.
avisiveis grandes a 320 rs.
rampo iu via i veis a 60 r.
Um leque de aetim (novidade) a 6J500.
Rica bolcinb'.is de madreperola de 1*500 k Sfi.
La para bordar 2*800.
Unacpella e yao de 15*000, por 12*000.
Um espelho de moUuru por 5*500.
Urna pulneir de fita pwr 1*200.
Plss a 400 r 600 ra.
Um boocca grande de cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSigO CENTRAL
38-Rua Larga do Rwsario-38
Florida
Loja de uiiudezas
Ria do E>uque de Caxlas i*>3
O proprietario deste grande, eatabelecimento
de miudezas, modaa e para accommodar oa interea-
ses da poca, tcm resolvido venderem po' meuo
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Pintes elctrico 6 0 rs.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linha de carrtel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 ra. o masso.
Invieivei a 320 r.
Vestuario de fuatao bordado para crianca a
3*000.
Pentes do regace para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 30U ra. a duzi.
Baspas para anquinhaa a 120 rs. o metro.
Bicos com treadeoa de largura al*500 c 1*800
a peca.
Linba de cjres para croehet a 250 rs. o no-
vello.
Papel anizade a 40 ra. o caderno.
Fita chinez a 320 rs, o masso.
Lencos de linho a 1*500 a duzia
Lindos bicoa de cores com 10 Jarda a 4* e 5*
a peca*
Una caixa cem tres sabooetes desenbaudo urna
rosa por 500 rs.
Meiaa de la de cores para aenhora a 1*500 o
par.
Fazendas branca
s
SO' AO NUME'iO
AO raa da Imperatrlz = 4o
Loja dos baraieiro*
Alheiro Se C, a ra da Imperatriz n. 40, ven-
den um bonito sortimento de eoda esta faaenda*
abaiio meacanaada, eem Cnpe-tencia d* praoe,
A SABER:
AlgodioPecas de Igodaozinbo com 20
jarda, pelo- barato preyo de 3*800,
4J, 4*51K), 4* '., bS, 5*500 e 6#50x
Madapolio Pecas de mndapo'io com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at 12*000
Camisas de meia com listras, pelo barato
prece e 800
Ditas branc i e cruas, de 1* at 1*800
Creguellii francesa, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulaa, vara 400 rs. e 500
Ceroulaa da merma, muito beta fetas,
a 1*200 e W|00
Colletiuho f'a mesma 800
Bramante fraocec de aigodao, muito cu-
corpado. com 10 palmo de largura,
m-'tro 1*2
Dito de liaao ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 9JKK.
Atoalhado adamascado para toalhas de
saeta, com 9 palmo de largura, metro 1J8W!
Cretones e chitas, clara e escuras, pa-
droe delicados, d 240 rs. at 4tJ
Bap.tista, o que ha de mais delicada no
marcado, r. 200
Toiias estas fazendaa baratiaaimae, na co^hecida
loja de Albeiro & C, eaquin do becco
dos SVrreiros
Vlgod^ entestado pa-
ra lenfoes
A OOo ra* e lOOO o metro
Vende-se na loja dos barateirce da Boa-Viatu
rodao para lencoes de um panno, com 9 pal-
a de larpura 900 re., e dito com 10 palmos a
(KJ o metro, assim com dito trancado para
malhas de misa, com rpalmos ae largura a i*20i>
( oten, lato aa l*ja de Albeiro i C, esquina
do ceco do Ferreiro.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400,1*600, 1*800 e 2* o covado
A heiro & C, A ra da Imperatris n. 40, ven
dem muito bon merinos preto pelo prec<> cima
dito. E' pecbincha : na loja da esquina do bec-
co d< s Ferreiro.
Espartllhos
Na loja da ra da Imperatris n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para eenbora, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento de roupa
de casimira?, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3* o covado
Alheiro & C, ra da Imperatris n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o- padrde mais deli-
cado para costume, e vendem pelo barato precc
de 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar faser costumes de casemira a
30*', sendo de paletot saceo, e 35* de traoue,
grande pecbmcha na loja dos barateiro oa Bo
Vista.
BRIM PARDO LOjlA
A 320 rs. o oovado
O barateiro da Boa-Vista venden urna grande
porco de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr-co de 32t'
rs o covado, grande peehineha ; na loja da es
quina, do becco do Ferreiros.
Bordado a lOO ra. a peca
A ra da Imperatris n. 40, vende-se pecas de
bordato, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs>, ou em carto com 60 pecas, sord-
das, por 5f, aprovitam a pecbincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiro,
WHISKY
JtOYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Wbiaky Ssceases preleriv-
ao cognac ou agurdenle de eanna, para fortifiu
o corpo.
Vende-se a retalho nos t, lberea armasen
Bolhado.
Pede BOYAL BLEND maro* VIADOcujon,
ma o emblema ao registrados para todo o Bnaai
. BROWNS dt a, agente
fabriolet
Vende-se um em perfaito estado a por p
romnodo; i tratar na ra Duque de Caxias n. 17
Garneiro fla Cnnia & C-
Liquidan o aeguintes artigo nsis barato que en
outra parte, visto aereun siguas comprado em
leilae a saber:
Lindos crotones claro a, 240 e 260 rs., o co-
vado.
Falles de novps goitos a 400 e 500 rs. o dito.
Linons con palmas de la a 801 ra. o dito.
dem com salpico a 560 c 700 rs. o dito !
Popelinas com litras do i eda a 280 e 320 ra., o
dito para acabar.
Egguiao pardo paia vertidos a 500 e 560 r. o
dito. .
Setinetas, navidades, a 320 e 360 ra., core
firmes.
Damascos de la, largura de 2 metro, preprio
para panno de piano a 1*800 o covado ; de core
aroprias para mesas a 1*500 e 1*600 o iito.
Merinos preto para lute, 2 larguraa a 900, 1*,
1*200 1*500 o dito.
dem de toa a core a 1* e 1*200 o dito.
Casemiraa de 2 larguras, padroes inteirameate
nevos a 1*200, 1*600 e 1*800 o dito.
Setim maco, de todas aa corea, desde 800 rs. a
2* o dito.
Atoalhado trancado e bordado a 1*400 e 1*500
o netro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem de puro linho a 2* n dito.
dem de una largura a 500 r. o dito.
Gauaniicea de ctocbet para eof e cad-iras a
8*.
Rqiiiasimas colxas de dito a 12* e 14*.
Liadas grinaldas e veos para Exmas. noivaj a
14*.
Cortinados bordado a.6*500 10* e par.
dem cm peca com 1 jarda, novo detenaos a
9*.
Toalhas felpudaa de cores, para rosto, a 7*500
a duzia.
Meia inglezas, croas a 3*5O0v 4* e 6* a dita.
dem arrendada para sentar* a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dita.
Camisa superiores francesas a 38* e 42* a
dita.
Cobertas do ganga, forrad a 2*500 e 3*.
Lencoes de bramante, grandes a 2*.
Chale de casemira, ide/n, a 2*, 3* e 5*.
Codee de caiemira iagiesa< a S*. 4* e 5*.
Cheviot superior, de 2 largaras, a 3* e 3*500 o
covado.
Vinih cm groaao.damoa loncoUo
da praca
59=Rua Duque de Caxias=59
Garneiro da Caoba & C.
-- ^ ..--
Camisas nationaes
A tOO. 30O0e a*5oo
32^-- Loja a, ra da Imperatris = 32
Vende-se nete nova estaseleoiment un gran-
de aertimeuto de camisas brancas, tanto do aber-
tura e pjnhas de linho como de aigodao, pelos
barato preco de 2*500, 3* e 4*, sendo fazenda
muito mclner do qu a que veem do estrangeiro e
muito mai bem feita, por seren cortada* por
um bom artista, especialmente camsciro, tamben:
ae manda faser por eucommvnda, a v mtade daa
fregueses : na nova loja da ra da Imperatris n.
3 ", de Farjewa da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
SZ Ra da Imperatriz => *-
DE
FERREIRA DA SILVA
Nenie novo eatabelecimento encontrar o res-
p jitavel publico um variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, que se vendem per
preco baratissimo, assim como un bom sorti-
mento de roupas para houtens, e tanben se man-
da faser por encomneuda, p r ter um bon mea-
tre atraate e completo sortimento de panno finot
casemras a brias, etc.
Mas m jupia
at-Bq la Imperairi -l
Loja de Peraira da ilva
Neste estabelc.-inieuto vendo-se a roupsa aba
n< mencionadas, qe sao bit" i -..i,as.
Palitots preto de v *,'... aiagonaes e
acoichoadaa, seo ao taseuaas muito en-
corpadaa, v forrado
Dito de casemira preta, de cutdo muito,
bem feitos e forrados
Dito da dita, faai-nda muito melhor
Ditos de flanella aspl sendo inglesa ver-
dad.'ra, e forrados 12*00<
Calcaa de gorgorao preto, acolchoado,
sendo fasend* muitr encorpada 5*50t
Ditos d casemia de sores, aeudo muito
bem feitaa 6*50"
Dita de flanella ingles vcrdadeira, e
muito bem feita 8*001
Ditas de brim de Angola, rfe< muleskim e
de bnm pardo a 2*, 2*500 e 3*0U
Oeroulaa de gregnellas para, homens.
sendo muito bem feita a 1*200 e 1*601
ColletinhoB de greguella muito bem feitos 1*00>
Assim como um bon sortimento de lenco di
l'aaa e da algoaia, saeta untas e eollariaba, efc
lato na loja aa -ua da Imperatris n. 3"
Risea dos largos
a SOO ru, o ovado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem t
riacadnboa proprios aura ronpa de meninos
vestidos, pelo burato preco de 200 re. o covade
tenio quasi largura de chita francesa, e isp
como chita braacas nidinhaa, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., peehineha
!oj do Pereira da Silva.
Fuatea, ettnetaa e lzintta* a &4>
ra. o coando
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vende-a
um grande sortimep-o de fustoes brancos a 5tX
rs. o covado, lazinnas lavradas de furta-core
fi-senda bouita para vestidos a 500 r. o covade
e setinetas lisaa muito largas, tendo de todas ai
eores, a 500 ra. covado. peehineha : na loj.
do Pereira da Silva.
Herln pre loa a J %
Vende-se merinos preto de duas larguras pan
vestidos e roupas para meninoe a 1*200 e 1*60
o covado, e aunenor aetim preto para enfeites >
1*5(K), ai-sim cono chitas pretas, tanto Haas com.
de lavoures brancos, de 240 at 320 ra. ; na uovs-
leja de Pereira da Silva ra da Imperatris m>
mero 32.
Algoduoainbo francs para lence
aMWrH l e lOO
Na loja da ra da Iaapcratris n. 32, vende--
superiore algodoziuhos francezes com 8, 9 e l1
palmos do largura, proprios para lence de ua
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1*000 i
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, at
aim como superior bramante do quatro largura
para lence, a 1*500 e metro, barato ; na loj
da Pereira da Silva.
Roupa para meninos
A 4*. 1*500 e 6
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, a
vende un variado sortimento de vestuario prt
prios para meninos, sendo de palitosiuho c calo
uha curta, feitos de brim pardu, a 4*000, diu
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgoreo preu.
emitando casemira, a 6*, sao muito barates ; n>
loja do Pereira da Silva.
-*0U
10*001
12*001
VAPOR
e uioeada
Vende-se um bom vapor e moenda com pouco
usu ; a ver no engenho Timb na. muito perto
da estacao do taetmo uome ; a tratar na ra da
Imperador n. 48, Io andar.
Tamancos
do Penedo : vende se em porco e a retalho : na
ra da Roda n. 11.
01 o para
Em latas, costando. 24 garra/ a
preco reusidr
as
vende se a
a deposito da fabrica Apollo.
Sementcs de hortaliza
Completo sortimento ; venden Martina Capitao
de C, ra estreita do Rosario n. i.
Foruoeedor
privilegiado da Casa Real de Espanha
e de Z. j. a Raiaha de Italia.
Ozea P*.
Ozea Sachet
Ozea Essenca.
Ozea Agua da toilette.
Ozea Vinajrc ae toilette.
Ozea Agua para os dente.
Ozea Pasta para os denles.
Ozea Olee.
Ozea Sabio.
Ozea Pomada.
Ozea Fixavo.
Ozea Cssaatict.
Ozea Brbantisa.
Ozea Cot Cream
Estas exquisitas preparacoes s&o muito apre
ciadas na mais distincta sociedade pela deli
cadea do sen perfume.
W? R I EC ER'S
TRANSPARENT CRYSTALSOAP
(Sabo transparente cristalino)
reconhecido como o mais perfeito do todos os sabaos de toilette pelas saas
luopicdadea hjgieuioas, palo ocu..aroi;.a e pela sua lan;a duraeao.
Dc|insllo tas prtr-i(i,,i Pfra-aiariaa, Farmacia, tea..

^ W
Aos i.ooo:ooo$ooo
200:000000
HM):000S00
mim
m 3 SOBWS
En fav r dos ingonnos da Colonia Orpliano!^,^ca Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Eitracsgfl: no i 15 Ob Oezemiiro ei886.
0 thesowr^iro, Francisco Gonyalves Torre
A GRACIOSA
\ov;i loja de mindesas
I* 7RA DO CRESPON. 7
DUARTE & C.
Os proprietario8 deste estabelecimento, tendo o preparado com esmero e Jele-
gancia, convidara as Exmas. f miias para visl-o, afjnQando que encontrajSo sesa-
pre um variado sortimento de obj "tos de moda e pliantasia, por precoa Bumtnamenle
mdicos, como a'guna que etn seguida designara.
Carriteis de linha para machina a SO rs.
Djtoa de retroa de 100 jardas a 200 rs.
Ramos de flores finas a 1,5000 e 1,5500.
Babados e ntremelos, dn 500 o. 3,5000, a p-ga.
Baleias para vestido a 300 a duaia.
Ditas eoaertas a 700 rs. a duaia.
La para bordar a "2(5^00 o nie<^>.
Espartilhos para senhoras de 3i000 a 80000.
Ditos para meninas a 40500.
Extractos tinos p;>ra laOfM de lfJOOO a 40^00 o fraeo
Luvas de seda de cores 20000 o ps.r.
Ditas rendadas a 30500 o par.
Ditas de pellica a 20500 o par.
Macos do grampos a 20 rs.
Caixas com colxetcs a 60 rs.
Po para dentes a 200 e 500 rs. a eaixa.
Vasos com opiatas a 10000.
Escovas para dente da 200 n 50;J r.
Alfinet^s a 80 rs. a carta.
Fit: de linlio a 40 rs. a p ';.
Punhoa e co!i;Hniios lnarla Invisiveis para o cbelo a 2UU.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Agulhas a 20 rs. o pap 1.
Ditas funlo dourado a 80 r. o panel.
Cabos de aglhtts para crP'hoi a 200.
E muins outros .rg'S cca coo titasjj le divrsas qualidades, leques de papel,
de setineta e de setim, plisss de ca-nbr.ii.i n de seda, albuns haratjs e de finas qoa-
idades, aapatos para meninas, s.'ohoras, e l. unens, tu >t prejos admiraveis.
V.
FAB RICA DE CIGARROS
jjeMJEURON 01f-
/ MARCA O FABRICA RE01STRADA ..^^..
RIOde JANEIRO- BAHA- PERNATBUCO*
lVTnirn aT f purticipam aos seus freguezes e ao publico es
1U.CU.IUU %3L ^- g-ral, que t.-n!o resolvido fabricar novamento
cigarros e fumos desfiados, cem a marca da fabrica uiroa reproducida e compe-
tentemente registrada, acham-se habilitados para vender, de boje em dianto, as sa-
guintes qualidades :
Cigarros
Superiores a 60000 o milheiro
Elegantes 70500 t
Especiaos 90000
Mimosos c 90000
Favoritos 60500
Deliciosos t 80200 c
Compras por atacado 5 /0 ^e descont
Faino desliado para cachimbo e charros em pac-otes
DE 60O SSAMMt
CAPORAL MP:R0N a 500 rs. ada paeote.
FLOR DE VIRGINIA a 600 rs. dem dem.
Compras por atacado com 10 % de descont.
Garante se que todos os seus cigarrus, de qualquer das denominacSes cima,
assim como os fumes desfiados, sSo fabricados com fumo escolaido de qu*lda4
superior.
Aceio e aeondioionamento goaam de especial atten^So.
Gala no da 20 enanos m oa ponteira
BARBACENA
POMBA
RIO NOVO .
GOYANOS .
CAPORAL Mi-.URON
FLOR DE VIRGINIA



8
_ASSElBI^i^GERAL_
dlARi DO DEPUTADOS
SfiSSO EM 6 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SB. AHDRADB FKTOKIBA
(Continuado)
Alero, todava, destes artigos da propos-
ta enteude a commissSo que convenien-
te'additar-llie outros para o exercicio de
1886 -1887, no intuito de melhorar a ad
ministrado e diminuir as despea" publi-
cas. Da leitura destes artigo additivos se
evidencia sua utilidade. Entre elles sobre-
sahe o relativo ao papel moeda.
E' ama urgentissima necessidado
minuigo das notas circulantes, por dema-
siadamente superabundantes e acarrctar a
ralor e com ella a da fortuna
liario de PcrnambucoDomingo 22 v Agosto de 1886
d-
com applicaeo especial ao melhoramento
do meio circulante, sendo o mesmo pro-
duoto elevado por operagSes de crdito, seno
pre que nao at [a referida importan-
cia. Esta dispos9?Ketssar logo que o valor
do papal moeda se mantiverno padro legal
da citada lei de 1846. As cdula* assim
retiradas da circulago serio entregues
junta administrativa da caiza da nmortisa-
go, que, as mandar queiinar.
Sala das commissoes, 26 do Julho de
1886. -Pereira da Silua. Lourenco de
Atbuquerque, vencido quanto ao art. 11.
-Mattoso Cumara. Guaby. Rodrigas
Al ves. Carlos Peixoto. Silva Ta vares.
Vem mesa, sao lidas e remettidas
commissSo de orgamento, as seguintes
emendas :
* O governo mandar proceder a inque-
rito, que apresentar na prxima
baixa do seu v-~. ~- uoa9ee.uir I legislativa, sobre a conveniencia de trao
acbando-o preferivel a ontro mais rpido,
que poderia abalar as transaccSes mercan-
s. Pauhtinaraento se obter o resultado,
marchando do vagar
Abre a commisso o debate para ser es-
clarecido e nio ter duvida de acceder a
dea diversa, que tenda ao mesmo fim e o
possa attingir, logo que ella lhe pareja
mais aceitavel
No orgamento da receita, reservase a
commissao o direito de procurar equilibrar
t mais possivel os orgaraentos da receita e
despeza, e por essa razo nio trata agora
de expenda as providencias que a repeito
lhe sao suggaridas pelas nocessidadas pu-
blicas, e nessa occasio mostrar o qua I8e
parece mais conveniente a adoptar-se.
Resumindo, propSe a commisso :
Que do art. 2o da proposta se eleve
asomma a 4.883:1865028;
2. Que o art. 3o seja redigido nos pro
prios termos da proposta ;
3. Que no art. 4o se eleve a somma a
11.478:9665210;
4. Que o art. 5o seja tambera conforme
a proposta ;
o. Que o art. 6o, conforme a proposta,
passe a numerago de 12;
6 Que se considere 12 o art. 6 ;
7> Como o art. 6o -A disposigo do
art. 3o da lei n. 3,271 de 25 de setembro
do 1886 rica extensiva s dividas de exer-
cicios findos originadas de contratos e s
que provierem de vencimentos de emprea-
dos civis effectivos, aposentados ou jubila-
dos, sold de officiaes o pragas do exercite
e armada, penaoes, monte-pios e meios-sol-
dos. ,
8 Com o art. 7o Fica revogada a
dispesico do art. 10 da lei n. 3,229 de 3
de Setembro de 1884, que maudou sujei-
sesso
de trans-
as
a indus-
de vero
ar o porte do correio correspondencia a of-
ficial:
9. Como art. 8o-Fica o governo au-
torisado para extinguir os montes de soc-
corro que nao puderem substituir sem crear
reeponaabilidade para o Estado por difi-
dencia de crditos, liquidando e pagando
suas importancias devidas, para o que tara
as necessarias operagSes de crdito ;
10. Como art. 9-Fica o governo auto-
risado para reformar as reprrtigSes de ar
recadago e thesourarias, no sentido de di-
minuir-lhes o pessod e as despezas ;
11. Como art. 10-Nao podero ser
vendidos na cidade do Rio de Janeiao bi-
lhetes de loterias proviuciaes cujo plano for
diverso de das loterias decretadas pela le
1. Ninguem poder apresentar bilhetes
de lotera venda publica por prego supe-
rior ao inscripto no mesmo bilhete, so o
pena de apprehensao e multa igual a > va-
lor do bluete;
10. Como art. 110 governo retirar
da circulago annualmente a somma de
5.000:0005 em notas do thesouro, at que
o valor do papel-moeda se eleve ao fixado
no art. Io da lei n. 401 de 11 de Setem-
bro de 1846, ticsndo autorisado nssse ex-
ercicio para fazer as operares de crdito
necessarias para este tim. as futuras pro-
postas do orgamento o producto do impos-
ta An ot.Hr. pr escriturado como renda
K
estradas de ferro do Estado para
tria privada e os methodos que
ser preferidas aesta operago.
Cmara dos diputados, 3 de Agosto
de 1886. Ferreira Vianna. ^
c Fita o governo autorisado a mandar
construir, dentro das forgas do orgamento
e de preferencia a servigos de menor ur-
gencia, un edificio para a thesouraria de
fazenda, outro para urna alfandega, na ci-
dade de Porto Alegre, nao excedendo o
primciroda 160:0005 e o segundo de..
300:0005000.
c Sal das sessBes, 3 de Agosto de
1886 Silva Tavares -Miranda Ribeiro.
c Fica o governo autorisado para effeo
tuar o resgate da estrada de ferro do Re-
cifa ao S. Francisco de conformidade com
as clausulas constantes dos contractos cele-
brados para a eonetrucgao da raesoia estra-
da. Acoforado Jnior Rosa e Silva.
c Continua em vigor a autorisagao do
2. do art. 2. da lei de 17 de Julho de
1871, na parte relativa ao prolongamiento
da estrada de ferro da Baha ao S. Fran-
cisco. Araujo Ooes.
O Sr. Candido de Oliveira an-
tes de entrar na discussao das diversas ru-
bricas do orgamento da fazenda, quer con-
tinuar a fazer a comparago entre os orga-
raentos da situago liberal e os da actual
situago conservadora.
Segundo o trabalho da commisso do or-
gamento de accordo com o Sr. ministro, a
despeza do ministerio da fazenda para o
ercicio de 1S86-1887 foi fixada em.
61,691:0005; o ultimo orgamento liberal
eonsignou a despeza de 6,447:OO05 e *
liquidago do exereicio, segundo a synop-
se, moatrou que so gastou 62,713:0005,
quantia inferior orgada, a despeito das
differengas de cambio na importancia de
7,000:0005000.
No orcamento em discussao s se pode,
portanto, arranjar urna economa de cerca
de 4,000:0005, contribuido para isso a
fixagao em 500:0005 da verba differengas
de cambio. O orador pergunta ao Sr. mi-
nistro da fazenda, se julga que em conse-
quencia do emprestimo externo, nao ter
necassidade de tomar cambiaos.
Estamos no mez de Agosto, poca em
qua o cambio costuma melhorar, entretan-
to a cotagao, segundo o Jornal do Commer-
ci, de 20 3i4 d., ao passo que em Agos-
to de 1884, quando estava no poder o go-
verno esbanjador, a cotagao era de 19 7j8
d., sendo a differeaga omito pequea, at-
tendendo a que hoje existe.u grandes som-
cado, entretanto oeste mez, a despeito di
todos os influios benficos, o cambio bai-
xou. Os recursos de que dispute o governo
na Europa sao suficientes para o servigo
dos eraprestimos e das encommendas ?
Entende que a' propostas do governo
deviam ter urna discussao larga as cora-
misses, como acontece na Franga, isso
evitara discussooa inuteis na cmara.
NSo sabe porque foi Uto largamente do
tada a verba para juros de bilhetes do
thesouro. O Sr. Saraiva pedio para esse
scrvigo 800:0005 ; entretanto o nobre mi-
nistro entende que ella deve ser elevada a
1,350:0005. O orador le o qua diz a com-
missao a respeito e accrescenta que essa
j ustificagao poda prevalecer se nao foase o
emprestmo intesno de 50:000:0005. Quan
do se fez o emprestimo, o pensamento era
retirar da circulago os bilhetes ao thesou-
ro; e se nao fosse assim o.nobre ministro
teria commettido urna falta grande, emit-
tindo apolices, sera ser para resgatar a di-
vida fluctaante. S. Exc. j comegou a re-
colher os bilhetes do thesouro ?
Em Agosto de 1885 havia ro circulago
58.000:0005. Dessa data at 10 de Abril de
1886 a circulago subi a 74.800:0005000,
o que quer dizer que o governo conserva-
dor augmentou a circulago com mais...
46.000:0005000.
Nao julga, entretanto, que haja perigo
na dotago desta verb, porque o nobre
ministro nao a ple empregar sua von-
tado.
Obras publicas outra verba que, a
commisao julgou dever elevar a.....
1,124:0005- Que necessidade ha dessa
exageragao? A synopse mostra que com
essa verba s se .dispendeu 724:0005000.
Aproveita a occasio para chamar a at-
tengSo do nobre ministro para as obras da
alfandega do Para, onde parece haver
grandes abusos ; alm de ser o servigo mal
desempenhado, os gastos vo avultando,
os matcriaes sao da peior qualidade e a
fiscalisagao nenhuma.
O orador pergunta porque o nobre mi-
nistro nao resolve de urna vea a questo
do juizo dos feitos da fazenda. Esaa lei
faz parte das leis reaccionarias dos con-
servadores depois da maioridade, boje nao
tem mais razo de ser, deve ser supprimi
da, como foi a lei de 2 de Dezembro e ou-
tras da mesraa natureza. Em nomo do fis-
co commettem-se muitas violencias, as cus-
tas sao enormes e assustam os contribuin
tes, alm do vexame porqu j estes passam.
Essa lei est condemoada pela experiencia.
Nao pode deixar de pedir ao nobre mi-
nistro que cohiba o favor reaccionario dos
seus delegados. Ha quasi ura anno que os
conservadores esto no poder e as dems
sutes ainda nao cessaram. Quasi todos os
collectores tm sido demittidos. Em Minas
ha um, que j foi demittido de collector
provincial e est ameagado de o ser de col-
lector geral; entretanto, uai liberal que
tem 40 annos de relevantes servigos ao
dala pelo partido liberal, votando S. Exc. cambiaos, e desde que a balanga do cora-
paiz.
te
mas na Europa, disposigo do governo
nao bavando portanto necessidade de tomar
cambiaos.
Este facto deve servir de aviso ao nobre
ministro, de que a crise econmica por que
est passando o paiz mais seria do que
se pensa. As les econmicas sao as raes-
mas em todos os paizes e aa crises nao po-
dem desapparecer com eraprestimos nem
com a Bubstituigo de pessoas.
O orador attribue a diroinuigo da impor-
tago baixa do cambio e diz que o esta
do deste hoje mais precario do que era
em 1884. O governo est retirado do mer-
Chama a attengao do nobre ministro para
a typograpbia nacional, cujo chefe um
dos melho/es funecionarios; mas o pessoal
subalterno e especialmente a reviso de-
testavel.
O Diario Official, pela ultima organi-
sago, ficou debaixo da direcgo do Sr.
presidente do conselho; mas, como o pes-
soal o mesmo, preciso que o nobre mi-
nistro veja como 8e faz alli o trabalho. Os
debates sahera cheios de erros. A cmara
est condemnada ao sygilo do Diario Offi
cfal, quo nao lido no paia.
Tratando da despeza de 180:0005 cora
a caixa da araortisago, relembra os des-
falques havidos ltimamente em repartigSes
publicas e pensa que seria celhor diminuir
o numero de thesdureiros para diminuir ob
desfalques que esto sendo muito repetidos.
Convm que o nobre ministro examine se
nao conveniente passar o servigo da cai-
xa da amortisago para o thesouro.
A conversao das apolices um titulo de
benemerencia, que nao pode ser recusado
ao nobre ministro ; mas a autorisagao foi
rOLHETlH
KIGLO
POR
27ss rs osie?!*
I C.NTIN^O DE ANGELA)
(Continuaso do n. 191)
XXV
O juiz replicou :
__ A menina Cecilia Bernier foi sua
casa... tal vez que ella lhe fizasse a confi-
dencia do sen estado.
Nao, nao, senhor, iuterrompeu Ceci-
lia, ocultando o rosto as moa. Nao creia
*sto-
__E qnando fo38 assim, nao sena cul-
pada procedondo desta sorte... Urna ni-
ca pe3soa a aecusa, o essa pesoa tam-
bera aecusada. Procura descarregar sobre
a senhora o peso do seu crime... A sua
profisso de bervanaria e a sua experien-
cia permittiram-lhe adiviohar a sua poai-
jo___Serve-se da sua descoberta contra
a senhora ; mas nao consegue destruir ne-
nhuma s das presumpgoes acumuladas
contra ella e que a esmagam.
b Se fossemos a acredital-a, a senhora
teria perdido voluntariamente o seu agen-
da em casa delia para a tornar suspeitu.
E' cem profundo des lm que deve ser
recebida easa calumniosa insinuago.
t Por ojeasio do primeiro interrogato-
rio, Anecia B-rnier affirmava nao ter vis-
to o seu agenda. accrescenta va que, se
o ti vase aohado, tel-ohia i o mediatamente
enviado casa da menina. Segundo dizia
ella, a menina nao se tinha apresentado em
sua casa seno para fazer compras insigni-
ficantes. A rospeito da pretendida pro-
posta de cumplicidade em urna tentativa de
infanticidio, nad^. se disse. Em tudo a
mentira, em tudj a preoccupagSo de voltar
contra urna innocente as suspeitas quo so-
bre ella recahem.
c Vamos, Angela Bernier, cesse essa in-
til comedia, que nao me engaa... Res-
peto a filha de um homem que, comquan-
to procedesse mal para com sua mi e com
a senhora, pensava resgatar tudo isso ho-
ras antes de cahir sob o ctelo do assas
sino.
contra ella.
O orador pede ao nobre ministro, que re-
sista aos seus companheiros e prosiga as
suas medidas de economa, afim de nao ser
necesaario recorrer aos impostos.
Este o ultimo orgamento de despeza
que se discute; entretanto, a nao ser no
ministerio da justiga em que se aggravou
a sorte das provincias, nos mais nao hou-
ve economas.
A phrase c situagao de esbanjamento ,
quo o Sr. presidente do conaelho langou aos
liberaos, obrigou o orador a estudar os or-
garaentos para mostrar quanto era injusta
a aecusngao.
O Sr. Matoso Cmara, diz que o
discurso pelo leader da raaioria foi para
o orador verdadeira decepgo ; pois longo
de tratar das importantes queslSea financei-
ras, que se prendera ao orgamento do Mi-
nisterio da Fazenda, limitou-se S. Exc. a
ideas geraes, e em relago ao cambio a lu-
gares communs, fazendo errnea, aprecia-
gao dos factos.
Esta questo accrescenta o orador tem
sido entre nos mal comprehendida. Ainda
hoje o deputado a que responde, compa-
rando a taxa actual do cambio com a cor-
respondente em 1881, para demonstrar que
as operagSes do Sr. ministro da fazenda
produziram apenas urna alta ficticia no
cambio, filha do jogo e especulago da
praga, dase que n'aquelle anno a nossa ex-
portago foi de valor Buperior ao da m-
portagSo, dando a entender que a balanga
de coramercio nos era favoravol, e ao mes-
mo tempo qua assim se pronuncia declara
que a taxa do cambio era entlo de 19 3/8.
Balanga do commercio favoravel e cambio
haixo do par sao proposig3es contradicto-
rias.
O orador demonstra que a balaog* do
commercio, de que hoje se falla as ope-
ragSes cambiaes, nao a antiga balanga
do commercio contra a qual se levantaram
os economistas.
Os termos exportago e importago para
aferir-se se a balanga do commercio fa-
voravel ou contraria a um paiz, nao de-
vem ser compreheglidos por sentido res-
tricto.
A balanga do commercio a relago dos
comprom8808 que se devem solver em pa-
gamentos dentro e fra do paiz. E' esaa
relago para mais ou para menos, que in-
dica se a balanga favoravel ou contra-
ria.
Se a balanga nos fosse favoravol, signi-
ficara o fauto um saldo em numerario no
estraDgeiro, e portanto havendo no exte-
rior mais dinheiro do quo l precisamos
para o pagamento dos nossos compromis-
soa, a elevago do cambio ao par e cima
do par seria a consequencia forgada do
facto ; pois seria maior a offerta dos cam-
bios do que a procura. Addicionem im-
portago todas as remessas ou todos os pa-
gamentos que tem o Brasil de tazer no es-
trangeiro annualmente, e verificaro que
sem pre que o cambio est abaixo do par a
a balanga do commercio nos desfavoravel.
Em circtjmstandas normaos, accrescenta
o orador, a taxa do cambio nao pode va-
riar sno dentro dos limites da desfeza da
importago ou exportago da moeda,
qual pde-se addicionar a dos juros e se-
guranga das letras, quando prazo. Nes-
tas condigSes o verdadeiro correctivo do
cambio a taxa do descont, que elevan-
do-se attrahe para o paiz o numerario e
abaixando desvia.
No rgimen do papel-moeda, porm, oa
actos so manifestara de raodo contrario ;
porque quando se evidencia superabundan-
cia de papel, oa bancos, sentindo a raslho-
ra, longe de clevarem, abaixam a taxa do
descont e isso aggrava as condigSes fi-
nanceiras do paiz.
Sob o rgimen do papel-moeda, contina
o orador, nao tendo as pessoas que devem
solver os seus compromissos no estrangeiro
o recurso da remessa da moeda, ficam in-
teiramente oiscrigo dos possuidjres de
mercio desfavoravel procura de cam-
biaes intensa em relago offerta, e o
limite da baxa do cambio nao pode ser
precisa. E' o que se d entre nos, e
por isso, que, disse o orador, que nestas
condigSes, sando o regulador do prego do
cambial a offerta e a procura, sao termos
contradictoriobalanga do commercio fa-
voravel e cambio abaixo do par ; princi-
palmente considerando-se que a nossa moe-
da nao est depreciado, mas apenas soffre
alteragilo de valor; porque a depreciago
importa falta de crdito e nao abundancia
de meio circulante.
Na discussao dos artigos e additivos pro-
inette o orador desenvolver estas ideas.
Diz mais que o que se deu, depois das
operagSes financeiraa do Sr. ministro da
fazenda, nao foi jogo nem especulago de
praga, consequencia natural dos factos e
manifestago de leis econmicas.
O possuidores de cambiaes, sabendo
que o governo tinha em Londres, avulta-
da quantia, producto do emprestimo exter-
no, temeram um accrescimo de cambiaes
nc mercado e se apressaram em vender as
que tinham, aproveitando o lucro que po-
diam obter; o cambio tevo pois assignala-
da alta, voltando depois, quando se con-
vencern! que nao deviam recoiar esaa con-
currencia, a oscillar entre 20 e 21 quo j
relativamente taxa de 17 1/4 muito fa-
voravel.
Isto demonstra que, ape9ar da ausencia
do governo no mercado como tomador de
cambiaes, ainia a balanga do commercio,
considerados todos os seus factores, nos
favoravel.
Passando depois a tratar das accusagSes
que fez o Sr. Candido de Oliveira com-
missao de orgamento, por ter elevado a
verba para pagamento de juros dos bilhe-
tes do thesouro, quando grande parto da
divida fluctanto j deve ter sido consoli-
dada pelo emprestimo interno; diz que o
proprio Sr. Candido tde Oliveira justificou
o augmento, confessando |ainda a existen-
cia de urna divida fluctan te superior a
30,000:0005, para o pagamento de cujos
jubos a quantia votada de 800:0005 evi-
dentemente insufficiento.
Demonstra mais o orador que o accres-
cimo da verba para obras, foi indicado
pela necessidade imprescindivel destas e
que dar em resultado, em relago a uuia
diminuigo da despeza annual, nos pregos
de aluguel de predios, evitar maiores
despezas futuras naquelles que se acham
em mo estado e reclamara mmediatos re-
paros.
Quanto s verbas para o juizo dos feitos
da fazenda e outros que entende o deputa-
do que responde, deverem ser supprimi-
dos, diz que emquanto nao forera reorga-
nisados os servigos, a quo se referem, o
que nao se pode fazer no orgamento, nao
pdese deixar de consignar para esses
servigos as precisas quantias, conclue feli-
citando o Sr. ministro da fazenda por nao
ter a opposigo encontrado no orgamento
do seu ministerio outros motivos de censu-
ra, alm dos protostos de que usou o leader
da minora, na necessidade em que se va
de fallar em no me da opposigo.
O Sr. Osario Alvim desiste da palavra.
O Sr. Lourengo de Albuquerque diz que
tendo assignado com reatricgSes o parecer
e istoem relago ao art. 10 e discutindo se
os arta. Io e 6o, contra os quaas nada tem
a articular, reservar para depois as suas
observares.
O Sr. Costa Agolar depois de al-
gumas consideragSes geraes sobre o orga-
mento diz que pedio a palavra para chamar
a attengao do Sr. ministro sobre faltas e
irregularidades que se do em alguas ser-
vigos. Nota que um grande mal acta
sobre a marcha do servigo, a ignorancia
da geographia e da estatistica. Os anti-
gos conheciam bem a primeira e maneja-
vara bem a estatistica.
Dam-se constantes laounas nos dados es-
tatsticos quo constara dos rclatorios, e no
emtanto, sobra elles que fazemos obra, e
ess i obra asaenta no que nao verdadeiro.
As estatisticas apresontadas sao incomple-
tas e iodos os annos repetem os relatnos
que diversas repartigSes fiscaes deixara de
fornecer os neceasarios eaclarecitnentos, o
que se v ainda no actual relatorio que le.
Os calculas sao feitos pela rao lia dos exer-
cicios anteriores no emtanto quem nos dra
que essa meda se approximasae da verdade.
Le o relatorio na parte que se refere a
exportago, que d I0,000:0.)05 para a
borracha, quando em um trabalho do Sr.
Pimenta Bueno, ficou demonstrado que foi
superior a 15,000:0005. Pede ao Sr. mi-
nistro em quem muuo confia toda a sua at-
tengao para cases faltos qua trazem grande
transtorno ao servigo ao mesmo tempo que
d execugao lei que elevou em ordem
clasae a thesouraria de fazenda do Para.
*> Sr. Araujo CJoes vai mandar
mesa um additivo auorisando o governo a
mandar construir por secgSes o prolonga-
raento das estradas de fer.-o de Pernam-
buco o da Baha ou por contrato ou por ad-
ministrago. Os contratos ftitos caducam
com a autorisagao quo nao pode durar
mais de dous annos. Essa autorisagao
indispensavel para que o governo possa
deliberar.
Ninguem mais pedindo a palavra en-
cerrada a discussao !o art. Io e adiada a
vot icao por falta de numero.
Entrara successivamente era discussao
os arts. 2, 3o e 4o, que encerrada por
falta de oradores e adiada a votag&o.
Entra era discussao o art- 5.
O r. Candido de Oliveira decla-
ra que a opposigo nao discutir os artigos
era discussao contrastando o seu proceli-
mento e cora a da opposigo do anno pas-
sado de que era chefe o Sr. presidente, que
so retirou da casa, quando se propoz o en-
cerramiento da discussao de um desses ar-
tigos.
Ninguem mais pedindo a palavra en-
cerrada a discussao e adiada a votago do
art. 5." Ficou tambera encerrada a discus-
sao do rt. 6' e adiada a votago.
O Sr. Presidente diz que eatando esgo-
tada a ordem do dia e nao havendo pare-
ceres a votar, d a ordem do dia para 4.
A bella bervanaria quiz fallar.
O Sr. do G-avrey nao lhe deu tempo para
isso.
Onde recebeu a senhora a menina
Cecilia Bernier, quando ella se apresentou
em sua casa ? perguntou elle.
N'ura quarto contiguo loja.
Por consequencia, no rez do chao ?
Sim, senhor.
E o agenda toi encontrado no pri-
meira andar ; o que reduz a nada a sua
insinuago, de que a menina Bernier o ti-
nha deixado cahir em sua casa, com o fim
de a comprometter. Vamos, o debate es-
t fechado ; nao verdade ? S lhe resta
agora curvar a cabega.. Nao llie resta
mesmo o tardio recurso de urna confisso
voluntaria.
__Meu Deus ? meu Deus minha filha
querida, balbueiou Angela, aportando Era-
ma Rosa nos bragds, tudo est contra mim.
Acreditara nessa mulher e re cusam acre-
ditar em mim ... Estou perdida !
Nesta occasio, o servente do gabinete
entrou e entregou um bilhete de visita ao
juiz formador da culpa, que, depois de o
ter lido, disse :
Mande entrar o Sr. Maigret.
Pouco depois, o tabellio pariziense, de-
positario do testamento do ex-armador, en-
tregue em suas mos por Benjamn La-
royer, entrou no gabinete.
Pedi-lhe, senhor, que viesse aqu, dis-
se o magistrado cumprimentando-o, muni-
do de um documento importante, porque
desejava que esse documento fosse lido na
presenga dos interessados.
- Asaim o comptehendi, replicou o ta-
bellio. Estou s suas ordons.
Apresento-lbe a menina Cecilia Ber-
nier, disae o Sr. de Gevrey, designando
eora a mo cada pesaoa, modida que pro-
nuncia va o seu norne. Apresento lhe tam-
bera Angela Bernier e a menina Emma
Rosa, sua filha.
O tabellio assantou-se ao lado do ma-
gistrado, tirou do urna pasta de marroquira
preto, qus trazia debaixo do brago, urna
fblha Je papel aelladg e leu o testamento,
que noa conhecido.
Angela, estupefacta primeiro e depois
commovida, pareca esmagada, na occasio
em que se terminou a leitura do testa-
mento.
De repente levantou a cabega.
E foi meu pai Jayme Bernier que
escreveu isso ? disse ella com
mua.
Foi elle.
Foi elle que pensou era minha filha,
em Emma Rosa ?
Nella e oa senhora, em detrimento
dos interesaos de sua filha legitima... Cora
prehendo agora todo o horror do seu cri-
me ___Entregou a um assassino, por odio
e por viuganga, o homem cujas vontades
supremas aaaegurava o futuro de arabas!...
Abra os olhos, filha parrecida 1 Confesse o
arrependa-se 1
Estou innocente, balbuciou a bella
bervanaria com terrivel desespero. Juro
que estou innocente 1
Mentira, disse o juiz.
Mas ento eu estou amaldigoada, pro-
seguio Angela como louca, deixando-se ca-
hir de joelhos. Ento estou amaldigoada,
visto que a minha voz, os meus olhos e a
minha attitude, tudo em mim lhe pa-
rece mentiroso E comtudo juro, sobre o
tmulo de minha mi, que eatou innocen-
te. Veja, sobre o cadver de meu pai as
sassnado, sobre a terida aberta por onde
se lhe foi a alma, juro que estou innocen-
te Se nao tem piedade para commigo,
tenha, ao meaos, para com minha filha...
Nao a matem, separndome della.
Piedade para minha mi I exclamou
dolorosamente Emma Rosa.
O Sr. de Gavrey fez um signal.
Os dous guardas de Paris approxima-
ram-se da bella hervanaria, obrigarara-n'a
a levantar-so, depois levarara-n'a, apezar
da sua resistencia, apezar dos seus gritos,
apezar della estonder os bragos para sua fi-
lha.
Emma Rosa aolugava, repetindo :
Minh mi minha mi !
A porta fechou-se.
Angela tinha desapparecido ; mas ouvia-
ae aiuda, do outro lado da porta, 03 seus
gritos e gemidos.
Ento, apezar da sua meiguice habitual
e do seu estado de extrema fraqueza, Em-
ma Rosa foi accommettida de um ccesso a
de colera feroz.
Approximou-se de Cecilia e dis>e-lhe
com voz baxa e surda, fitando-a nos olhos
e queimando-a com o seu hlito :,
A ti, que to impudentemente calum-
niaste minha mi innocente, eu te araaldi-
go, e pego a Deus que te castigue... e
Deus ha de ouvir-me.
Senhor, senhor, disse Cecilia, dirigin-
do-se ao juiz formador da culpa, ouve os
insultos de que sou alvo ? Depois da mi,
a filha ; mas eu perdo esta crianga. A
voz tre-1 sua situagao terrivel, bem o comprehea-
do... o amor filial e a d6r po'em-n'a fra
de si.
SESSAO EVI 4 DE AGOSTO DE 1886
PRESIDENCIA DO SE. ANDBADE FIOTEIRA
Ao meio-dia comega a chamada, que ter-
mina ao meio-dia e 10 minutos. bro-se
a seeto.
O Sr. 1- Secretario d conta do expe-
diente.
O Sr. Jagnarlfee Filho :Sr.
Presidente, tendo eu sido na asserabla
provincial de S. Paulo, ha trez annos, um
daquelies que promoveram urna indi cacao,
afira da que ella viesse asserabla geral,
para se tomar urna medida no sentido de
reprimir ou extinguir as loterias no Impe-
rio, julgo-me ainda no direito de Be ser
daquellea que neate parlamento advoguem
urna idea pela qual ha muito tempo tenho
vivo interesse, pois estou convencido de
que as loterias no Imperio vo conoorrendo
da nro moio poderoso para a desmoralisa-
go em que so acha o paiz. De maneira
que, quando eu nao tivosse achado nos
precedentes, qua eu mesrao firraei na as-
semvla provincial da S. Paulo, urna can-
sa, um ponto _de apoio para cora justos t-
tulos tornar-me nesta cmara advogado
desta idea, eu encontrarla no relatorio no
relatorio do actual Sr. Ministro da fazenda
um motivo mais poderoso para me dar au-
toridade de advogar esta causa.
Como V. Exc. sabe, Sr. Pr-sdente, as
loterias no Imperio teem constituido um
abuso de tal ordem que, conforme se v do
relatorio do Sr. Ministro da fazenda, ellas
j chegam a proporgSea do consumirem
todos os anuos 10,000:0005 em dirheiro e
chegam attingir a avultadissima somma
de maiade 70 mil contoa. S a proviojia
da Bahia no anno passado fez concessSes
de loterias em numero de 972.
(Continua)
- Por isso nao tenho seno indulgencia
e piedade para ella, responden o Sr. de Ge-
vrey. m
Depois accrescentou, dirigindo-se a Ua-
aeneuve: ^
- Torne a levar esta menina para Ba-
tignolles.
O agente da aeguraoga obedeceu e sanio
do gabinete, amparando Emma Rosa, de
quem aa derradeiraa forgas eatavam eago-
tadas a quo cambaleava a cada passo.
O tabellio retirou-se muito coremovido
com a scena Iamntavel a quu tinha acaba-
do de aasistir.
__Tem ainda preciso de mim, senhor 1
perguntou Cecilia, cujo rosto trahia urna
profunda perturbago.
Nilo, minha senhora, respondeu o ma-
gistrado. V em paz, e queira transmittir
ao Dr. Proli, de quem me honro da ser
amigo, os mais vivos protestos do interesse
que a senhora rao inspira.
- Agradecida por elle e por mim.
Cecilia sahio do gabinete do juiz forma-
dor da culpa, dopois do Palacio da Justiga
e voltou, de carruagem, para a ra da
Sauda.
O Sr. de Gevrey, ficando s com o es-
crivo, murmurou quasi em voz alta :
Agora a minha conviego est forma-
da____ELinabalavel------Angela Bernier
?andou ctnmtter o crime... Agora o
seu cumpliS que preciso prender... o
hti de encomral-o. t
O escrvJpinha ouvido.
Naturalmente nao disse palavra, mas dei-
xou escapar um soniso irreverente.^
O Sr. de Grrey tocou a campainba, o
ao servente dd||abnete, que se apresen-
tou, dirigi esta pergunta:
Est alguem ahi qua ma procur ?
_ Sim, 3r. juiz... um militar... cita-
do como testemunha.
Mande entrar e d ordem para que
tragara aqu 0?ar Rigault.
O entermeiro Michaud apresentou-ae.
Vinha dando voltas ao bon com os de-
dos, com um ar completamente ataranta-
do.
Approxme se. meu amigo, e tran-
quilliae-se, disse o Sr. de Gevrey. Por que
est assim dessa maneira ? Nao est oom-
promettido e nada gtem absolutamente que
receiar. Tenho preciso de toda a sua
tranquillidade, visto que preciso que me d
ama informago de grande importancia.
Michaud fez a continencia, muito emba-
razado, e respondeu :
Sim, meu senhor.
Estava em Marselba no dia 11 deate
mez ?
Sim, meu auperior, e ante8 igualmen-
te.. era enfermeiro no hospital militar ;
mas osservei que Marselba nao convinha ao
meu temperamento. Por consequencias ped
para vir para Pariz, o qua rae foi concedi-
do subsidiariamente.
__ Passsou-Be alguma cousa de extraor-
dinaria, no trem do camingo de ferro que
0 trouxe de Marselba para Pariz ?
Sim, meu superior.. a proposito de
um paisano, a quem tizeram passar a arma
para a esquerda.
Um assassinato ?
Ou qualquer cousa parecida, meu su-
perior.
__ Eitava n'um compartimento de sj-
gunda classe ?
Apenados como sardinhas em tijola,
com a sua licenga, meu superior.
Pembra-se dos seus companheiros de
viagem ?
Ora si me lembro, e a caia momen-
to... Havia eu, tras pessoas do fraco, que
nao eram nada bonitas, e qutro sujaitos,
entre os quaas havia ura paisano, que era
um bello rapaz... Ah l quo patife fez-
me rir tanto, que ia arrebentando o cs
das caigas !... Aquello pode gabar-se que
tem pilheria ; elle mesmo dizia que em Pa-
riz tinha a alcunha de patusco.
Conversou com elle ?
Todo o tempo, meu superior. Eu te-
nho a enferrnidado, apezar de ser enfer-
meiro por vocagao, de nao poder pregar
olho em caninho da ferro. Ello contava-
me taes historias, que era da gente estou-
rar de riso, com a sua licenga, meu supe-
rior. At mesmo, em Lyon, quando ha-
bamos um copnho na taverna, pedi-lhe que
viesse ver-me ao Val-de-Graga, para be-
bemos outro... Cada um por sia vez,
hein meu superior I
Esse sujeito nao mudou de vago du-
rante o trajecto de Marselha a Pariz ?
__Ah nao... Alm disso, eu teria
ido <=om elle. Apeavamo nos, de vez em
quando, para frequentar o lado dos homens.
O senhor comprehende, meu superior, com
sua licenga, e serapre tornamos a entrar
juntos para o vago.
__Era capaz de reconhecer esse ho-
mem ?
Se era capaz de o reconhecer ?.
Ora, que estupidez 1 Perdo, desculpe, meu
superior, esta escapou-me sem querer.
Com certeza, sou capaz de o reconhecer...
, um paisano to agradavel 1 Quiz que en
1 comease salehicho, que elle tinha trazido
de Marselha. Nos acabamos mesmo da trin-
car o ultimo pedago perto dos suburbios de
Larocbe, urna trra que conhecia u&se-
quentemente, por ter nascido l.
__ Ah ento comeu em Laroohe ?
Sim, meu Buperior.
E comendo, esse Rigolo, como os se-
nhores o chamara, dovia servir-sa de urna
navalba ?
Urna bonita navalha, faga-me favor !
Disse-me elle que a tinha comprado n'um
cutileiro de Marselha e que era feito na
Corsega.
O Sr. de Gevrey tirou de cima da se-
cretaria a navalha arrancada da ferida de
Jayme Bernier.
_ Urna navalha como esta ? pergunton
elle, mostrando-a ao anferuieiro, que olhou
pira ella e respondeu :
__ E' justamente isso... Parece-me que
a estou vendo... deve ser a sua.
E quando o soldado pronunciava estas
palavras, Osear Rigault ppareceu entre
dous guardas de Pariz. s
Vendo-o, Michaud levantou-se da cadei-
ra e correu pera elle.
Ah 1 aqu est o meu Rigolo, excla-
mou elle com alegra.
E ia estender-lhe a mo ; mas a vista
dos guardas que conduziam o seu compa-
nheiro de viagem, poz-lhe a pulga atrs da
orelha, e recuou ura passo.
Mas o que isto ? O que que elle
fez ? perguntou ello,
__Nada, meu velho Michaud I.. res-
pondeu Osear. Eis aqu do que se trata :
aecusam-me de ter estofado um passageiro
n'um vago entre Marselha o Pariz, na
noite de 11 para 12 de Dezembro. O que
que tu dizes a isto, raeu velho ?
Digo que isso nao pode ser, visto que
estiveraos serapre juntos, replicou o solda-
do. Meu superior, se esta homem nao tem
outra cousa na conseienc.a, est to rano-
cente cora, eu, palavra de militar francez,
enfermeiro no Val-de-Graga e com boas
notas dos nossos chefes.
O Sr. da Gevrey estar convencido.
_ Pois bem, meu amigo, dase ella a
Michaud, poda retirar-se,
_ Sim, meu superior... mas, comtudo,
-lha ainda urna vez que elle nao sabio de
juro
aO-p de mir
nem um minuto s At
vista; meu velho Rigolo. Fica descansa-
do ho de te soltar e has de vir procurar-
me'na Val-de-Graga 1... Havemos de be-
ber um copinho.
(Coninuar-se-Aa.)
<
Typ. do Warw rae Duqne de i*xias n. 42,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7O1W4IPX_I6G0OC INGEST_TIME 2014-05-28T16:07:19Z PACKAGE AA00011611_19866
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES