Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19863


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1110 IIII IOIEB0 189
1

PARA A CAPITAL. K JLUCrAHJEft 0\DE NAO IE PACA PORTE
Por tres mezes adiantadoa
Por seis ditos dem.....
Por um auno dem.......
Cada numero avuiso, do mesmo da.
60000
120000
240000
0100
PTA-FfilBA flhDE AGOBIO Dfi
i**-t?
PARA DENTRO E FORA VA PROVINCIA
Por seis meses adiantadoa.
Por nove ditos dem.......
Por um anno dem. irgf
Cada numero avuiso, de dias anteriores.
130500
200000
270006
0100
DIARIO DE
RNAMBUGO
Praprtate te JHaiwel .iigutra He /arta & UIjus
O Srs. Amede Prinro A C,
de Pars, silo os nossas gente
exclusivo de annnncioi e pu-
bllcicdes da Franca e Ingla-
terra.
Os Srs. Wasburne Hermanos,
de Hew-1'ork. Broad IVny n.
800. sSo os nossos agentes ex-
clusivos de nnniifCloN nos Es-
tados-Unidos.
TELEGRAMMAS
::s::?: pasiiculas so biaeio
RIO DE JANEIRO, 18 de Agosto, s
3 horas e 55 minutos da tarde. (Recebi-
do s 4 horas e 55 minutos da tarde, pela
linha terrestre).
O conaelhelro Candido de Olivei-
ra, diNcatlndo boje, na Cmara dos
Deputado*. um crdito pedido pelo
gioverao. Jalgoa acertada a nao san
co do orcamento provincial de Per
nambuco.
RIO DE JANEIRO, 18 de Agosto, s 7
horas e 30 minutos da noite. (Recebido
s 8 horas e 40 minutos, pela linha terres-
tre).
Bateram-ne boje em duello a pia-
fla na liba d'Agua o Dr. Ferreira de
AranJo e o commendador Joo Jone
dos Res Jnior, este proprletario
do PAIZe aquel le da GAZETA DE NO-
TICIAS. Ambos sablram Inclumes.
ssaviso sa m:iL un:
(Especial para o Diario)
MONTEVIDE'O, 17 de Agosto, noite.
Acaba de commetter-se urna ten-
tativa de aasasslnato contra o gene-
ral Santos, presidente da Repblica.
O assassino desfecbou um tiro de
revolver, qaaal A queima-roupa. so-
bre a victima, que flcou levemente
ferlda.
Eram olto boras da noite quando
se realisou o attentado. A entrada do
tbeatro.
O assassino fol multo maltratado
pelas pessoas que o prenderam. suc-
cumblndo aos ferlmentos que rece-
ben. Cbamava-se Ortls Permacbla.
LONDRES, 18 de Agosto.
Corre o boato de que o Sr. Parnell,
deputado Irlandez. acaba de se con-
verter A religio catbolica.
Os oradores do comit Irlands dos
Estados-Unidos, e principalmente
O'donoram Rossa. cognomlnado o
Irlands Invencivel. servem-se de
violentissima linguagem contra as
instltuicoes inglesas, e fallam do
emprego da riynamite. para conse-
guirem seus das.
Agencia Ha vas, rilial em Pernainbuco,
18 de Agosto de 18*6.
do ar dos campo ; contera o oxygenio na mesma
proporco ; mas est sempre mais ou meuos carre-
gado de emanaces animaes e vegetses, que Ibe
alteram a pureza. Toda a agglomeracp de ho-
rneas ou de outros animaes produz detritos e de-
jectos immundos, solidos ou lquidos, que, depostos
no solo e ah accumulados, fermentara pela aeco
do calor e da humidade, decompoem-se, e do or-
gem formacao degazes que enchem aatmospbera
de miasmas deletenos. Tal foi na Edade Media,
e tal inda boje no Oriente, a cansa das epidimias
graves, de to grande effeito devastador na popula -
ci.
(Continua).
MRTE OFFICIAL
1NSTRDCC0 POPULAR
xarsrG-xifiBNr:)
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO K DAS ESCOLAS
CAPITULO I
AR ATMOSPHERICO
(Contmuaco)
Regeneraco do arPrecisando o orga-
nismo animal de respirar um ar puro e suficiente-
mente oxygenado, e estando a atmospbera a ali-
mentar constantemente a respirsco de tao consi-
dera vel numero de homens e de outros animaes, ha
razio para perguntar se ella nao se exgotar em
suas qualidades vivificantes e nSo vira um da a
tornar-se impropria para manter a vida.
Se a quantidade de oxygenio consumido por um
bomem adulto dse 'eleva a 50:000 metros c-
bicos tor anno, o que d um dispendio de cerca 2
milhes de metros cbicos durante a vida media
do individuo, se tito avultada a populacao do
globo terrestre, se tanto oxygenio absorvem tambem
os innmeros animaes n'elle existentes, bavendo
desde tantos seculos, vida animal no mundo, admi-
ra como nao se esgottou ainda o oxygenio e como
arespiraco anda pode faser-se, tao bem iomo
sempre se fez.
' que a natureza, ao lado do homem e das outras
especies animaes, estabeleceu ama perenne fonte
productora de oxygenio, qHe est sempre em aeco
e mantm o equilibrio na composico da atmosphe-
ra. Esta fonte o reino vegetal, Cada planta,
cada folhinha de relva, um apparelho gerador de
xygenio.
Emquanto os animaes absorvem este gas e em
troca lancam na atmospbera acido carbnico, as
plantas decompem o acido carbnico atmospheri-
co, apropriam-se do earbonio e restituem o oxyge-
HM), que se espalha de novo na atmospbera qne nos
cerca. Podemos, pois estar certos de qne, grecas
a este continuo contraste entre a reipiraco dos
anima"s e a das plantas, nanea faltar na atmos-
pbera oxygenio em quaatidade suficiente para a
nosaa respiracao.
* iciacAo do ar pe|a sgglemeraeo
de Individuos0 arfes cidades nao Mg-
unta diffurenca sensivel, q sate toa composiflo,
Ministerio da Guerra
Foi designada no posto de teneate-coronel, com
o respectivo sold, a reforma do major de artilba-
ria Tito Luir Manoel de Jess.
Assumio o commando da fortaleza da Lage o
capito do 1 batalhao de artilharia Jos Pinto de
Araujo Rabello.
Foram transferidos: do 15 batalhao de infanta-
ra para o 17, o alteres Antonio da Cmara Tava-
res, e deste para aquelle, o alferes Gregorio Alee-
ry de Souza Conceicao.
--------------------------s^--------------------------
Ministerio da Marinha
Assumio u lugar de immediato do encouracado
Riachuelo o Io tenente Francisco Flaviano de Can-
talice.
Tiveram ordem de passar: do cruzador Frimei-
ro de Margo para o Parnahyba, o Io tenante Ale-
xandre Baptiata Franco, c para a canhoneira Ma-
rojo, o 2 tonente Manoel Pinto da Rocha.
Tiveram ordem: de embarcar na canhoneira
Carioca o guardio Hermenegildo Jos do Carmo ;
e Je desembarcar do cruzador Trajano o foguista
Jacintho Brito de Sant'Anna.
Foi nomcado para servir na companhia de
aprendizes marinheiros de Santos o fiel Loureneo
Luiz Amazonas Villas-Boas..
Governo da Provicia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 17 DE
AGOSTO DE 1886
Francisco Tavares da Silva Cavalcanti.Inde-
ferido.
Padre Francisco Seabra de Andrade Lima-
Remettdo ao Sr. inspector do Tbesouro Provin-
cial para mandar attender ao supplicante em vis-
ta de sua inforraaco de 9 do correte, sob n. 76.
Francisca Mara da Annunciac.o. Sim, com
ordenado.
Lisbella de Albuquerque Mello e Mara Ade-
laide de Carvalho Oliveira.Informe o Sr. inspec-
tor geral da Instracco Publica.
Manoel Caliste de Souza.Informe a cmara
municipal de Panellas.
Manoel Clementioo Correia de Mello. Tendo
nesta data approvado a arrematacao feita pelo
supplicante, nada ha que deferir.
Nicacio Ferreira de Vasconcellos. Informa o
Sr. Dr. juie de direito da comarca de Garanhuos.
Vicente Nogueira Ramos.Permitto que seja
adiada para Janeiro prximo futuro a concluso
dos reparos das tres bombas da Imblribei-a.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 18 de Agosto de 1886.
O ajudante do porteiro,
Antonio F. da Silveira Carvalho.
Repartieo da Polica
Seccao 2.* N. 800. Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 18 de Agosto de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
Deteny&o os seguintes individuos :
A' minha ordem, Manoel Francisco de
Britto, ou Manoel Chicote, viudo da provin-
cia das Alagos como pronunciado em cri-
me de furto no termo da Pedra ; Manoel
Rosa e Francisco das Chagas, alienados,
afim de terem destino para o asylo da Ta-
m a rie ir a,
a' ordem do subdelegado de Santo Anto-
nio, Joao Francisco Correia, Jos Antonio
Dias, Manoel Antonio da Fonseca, Seve-
rino Jos da Silva e Francisco Correia de
de Mello, por disturbios.
A' ordem do do 2o distristo de S. Jos,
Antonio Jos de Mello, Franoisco Bispo de
Mendonja, Manoel Ignacio de Arruda, Vic-
talino Oezar de Mello e Tiburtino Francis-
co Soares, por disturbios.
A' ordem do do Peres, Jos Leonardo
da Silva Pinheiro, por crime de ferimen-
tos.
A' ordem do de Belm, Joao de Deus
Marques de Araujo, Jos Francisco Ayres,
Francis jo Roque do Carmo e Jos Ferrei-
ra do Espirito Santo, por disturbios.
Hontem, s 5 horas da tarde, a mu-
lher de nome gueda Therciaa Bezerra o
Silva, moradora ra da liba do Carvalho
n. 4, levada por desgostos, tentou por ter-
mo a existencia, para o que dirigise ao
caes da ra do Sal e atirou-se n'agua.
Algumas pessoas que presenciaram o acto
conseguirn! slvala eaconduziram para a
casa de sua residencia.
Communicou-me o delegado de Panellas,
que no dia 7 do corrate proceder a vis-
sita da cadeia existente naquelle termo,
onde se acharo recolhidos 3 reos appella-
dos, 3 sentenciados e indiciados em diver-
sos crimes.
No dia 7 do corrente foi preso em fla-
grante, na feira da villa do Bonito, o indi-
viduo de nome Francisco Mendes da Sil-
va, por ter sido encontrado passando moe-
da falsa.
O delincuente foi conduzido presenta
do delegado pelo cidado Joaquim Roberto
Pereira, promotor publico interino do ter-
mo.
Em acto continuo proceden o delegado a
diversas diligencias, que deram em resal-
tado a apprehensao de centj e oito sedu-
las do valor de mil ris, visivolmente falsas,
sete das quaes foram encontradas em po-
der do delinquente, noventa,, dentro de
urna maca a ello pertencente, e onze to-
madas a diversas pessoas que em boa f as
haviam recebido na feira.
Tendo Francisco Mendes declarado ao
delegado, antes de darse a busca na maca,
que apenas poasuia vinte sedlas que ha*
via trocado na estrada de Caruar com
um individuo desconhecido, no dia segua-
te, quando j estava provada a sua crimi-
nalidade, disse ter recebido todo dinbeiro na
villa do Teixeira, na provincia do Paraby-
ba, em pagamento de urna carga de cou
ros que vender a urna pessoa de Mossor,
cujo nome ignorava.
O inquerito a que se procedeu contra o
delinquente j teve o conveniente destino.
No dia 10 do corrente e no termo de
Graranhuns, foi assassiuado a golpes de
fac3o, por sen proprio cunliado Francisco
Dias da Rocha, o individuo de nome Luiz
Jos Mendes Bastos.
Contra o delinquente, que foi preso, pro-
cedeu-se nos termos do inquerito policial.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza LeSo,
muito digno vico-presidente da provincia.
O chefe do poli-na, Antonia Domingos
Pinto.
Commando das Armas
QUAETEL GENEEAL DO COMMANDO DAS AR-
MAS DE PERNAMBUCO, EM 18 DE AGOSTO
DE 1886-
Ordem do dia n. 116
Faco publico para conhecimento da guarnico
e fins convenientes que o Ministerio da Guerra,
por portara de 7, communieada em oipcio da Re-
part cao de Ajudante-General n. 5,144 de 9, per-
mittio que o Sr. tenente do 15. batalhao de infan
taria Antonio Ignacio de Albuquerque Xavier, em
viagem para a provincia di Para, se demore nes-
ta pelo tempo de 30 dias; devendo por isso ser
addido ao 14 batalhao da mesma arma
Outrosim, por cutra portara do mesmo Ministe-
rio de 6, communieada em officio da mesma repar-
tieo n. 5,152 de 9, tndo do corrente, foi o Sr. te-
nente do 7. batalhao de infantaria, Damio da
Costa Leito, transferido para o 14.* ao qual se
acha addido.
(Assigaado ) O brigadeiro Agostinh'
Margues de S, commandante das armas.
(Conforme)O tenente Joaquim Jorge
de Mello Filho, ajudante de ordena inte-
rino, encarregado do detalhe.
Thesoura Provincial
DESPACHOS DO DIA 19 DE AGOSTO DE 1886
Henrique Bernardes de Oliveira. Informe >
commissao liquidadora.
Joao Manoel Roma.Ao Sr. thesonrero para
os devidos fins.
Antonio Gomes de Miranda Leal e Ignacio Fer-
nandes Eiras.Informe o Sr. Dr. administrador
do Consulado.
Padre Francisco Seabra de Andrade Lima.
Ao Sr. contador para fazerem-se as devidas notas
no sentido do resolvido pelo txm Sr- presidente.
Francisco Groncalves Neto, Pohlman & C, Phi
lomeno Getulio Correia de Araujo, Vicente Fer-
reira Combra, Uenriqne Bernardes de Oliveira,
Wilaon Sons & C, Jos da Silva Lovo & Filho,
Francisco Jos Rodrigues Praca, Fre Jos de
Santa Julia Botelho, Manoel de Araujo Guima-
raes, JoSo Firmino Correia de Araujo, S Iva Gui-
mares & O, Johnston Pater & C, Dr. Joo Ma-
ra Seve, Baitar Oliveira & O, John A. Boxwell
e Joaquim Ferreira Ramos Jnior.Pagae-se.
Francisco Ribciro Pinto Guimaraes, Joo Vi-
cente de Torres Bandeira e Bezilio Gomes Perei-
ra Rodrigues.Informe o Sr. contador.
Ignacio Fernandes Eiras.Juate-se aos papis
a que allude.
Alexandre Jos Mara de Hollanda Cavalcanti,
Rodrigo Jacome Martins Pereira, oontas do agen-
te do procurador dos feitos cm Olinda.Haja vis-
ta o Sr. Dr. procurador fiscal.
Candido de Souza Miranda Couto. Ao con-
tencioso para atteader.
Minervina Mara Cavalcanti. Registre-se e
faca-se as notas.
Jos Eduardo de Souza Landim e Antonio da
Costa Silva Maduro.Facam-se as notas da por-
tara de licenca.
Ignacio Romero Cavalcanti, Antonio Francisco
de Jess Carueiro e Jos da Silva L >yo Jnior.
Certfique-se.
Antonio Hermino de Senna. Junte-se copia
das informaces.
PERHMBUCO
Assembla Provincial
58- SESSAO EM 15 DE JUNHO DE 1866
PRESIDENCIA DO EXM. SB. DR. JOS MANOEL DE BARBOS
WANOBBLET
Summabio :Abre-se a sessSo.Leitura eappro-
vacao sem debate da acta da sesso ante-
cedente. Expediente.Rejeic&o dore
querimento do Sr. Baro de Itapissuma
sobre negocios de Iguarass.-Discus
sao do reqoermento do Sr. Jos Mara
sob-e um attentado commettido par um
sargento da guarda cvica de Recife
Discursos dos Srs. Jos Mara e Gomes
Prente. Adamento da discussao.
Requerimento do Sr. JoSo de Oliveira
sobre a 2." seccao do Consulado Provin-
cial.Discursj do Sr. Joo de Oliveira.
Adiameoto da discussao.Apresen-
taco de um abaixo-assignados de nego-
ciantes, proprietarios e armadores de
navios nacionaes. 1.* parte da ordtm
do dia. Votaco em segunda discus-
sao das emendas apresentadas ao pro-
jecto n. C4 deste anno.Discurso do Sr.
Soares de Amorim. Continuacao da
terceira discussao do projecto n. 43
deste anno. Apoiamento de emendas.
Discurso do Sr. Augusto Franklin.A-
diamento da discussao.Final da s; s-
sao.
Ao meio da, feta a chamada e verificando-se
estarem presentes os Srs. Ratis e Silva, Visconde
de Tabatinga, Joo de Sa, Joo Alves, Luiz de
Andrada, Joo de Oliveira, Baro de Itapissuma,
Constantino de Albuquerque, Augusto Frasklin,
Barros Wanderley, Barros Barreto Jnior, Ro-
drigues Porto, Herculano Bandeira, Soares^ de
Amorim, Ferreira Velloso, Reg Barros, Colho
de Moraes, Jos Mara, Ferreira Jacobina, Costa
Gomes e Gomes Prenle, o Sr. presidente declara
aberta a sesaSo.
Comparecem depois os Srs. Julio de Barros,
Rogoberto, Prxedes Pitanga, Costa Ribeiro, Loo.
renco de S, Antonio Vctor, Regueira Costa, An
dr Das, Baro de Caiar e Drummond.
Faltam, com participaco, os Srs. Solono de
Mello e Sopbronio Portella, e sem ella os Srs.
liosa e Silva, Goncalves Ferreira, Amara], Ju-
vencio Mariz e Dcmingues da Silva.
E' lida c sem debate approvada a acta da sesso
antecedente.
O Sr. 1." Secretario procede leitura do
seguate.
EXPEDIENTE
Um officio do secretario do governo da provin-
cia de Minas Geraes, aecusand > o recebimento dos
Annaes desta Assembla, e declarando que, logo
que se concluir a eollecco das leis dessa provin-
cia, remetiera para o archivo desta Assembla.
Inteirada.
Urna petco de Joo de Barros Silva, reque-
rendo privilegio por 25 annos para tecrr e expor-
tar em rama as fibras de linho de nossas plantas.
A' esmmisso de peticoes.
Ontra de Theresa Josepboa da Cunha Salles,
profess* pjblica da 2. cadeira da f"-eguezia de
Santo Antonio, requerendo urna subvenco de...
1:000/ para imprimir a sua grammatica norta-
gueza-s oerif ando se a dar 300 exemplares In-
strneco flcriica.A' commissao de petices.
Outra Je Fielden Brothers, empresarios da illu-
minaco pnbica desta cidade, reclamando contra
a cobranca do imposto de gyro sobre o valor do
carvo de pedr missao de proAinento provincial.
Posto a ins o requerimento do Sr. Baro de
ItapissunM, sobre negocios do IguarassU, rejei
tado.
E'lido, apoiado e approvado o parecer da com
misso da rsdacco sobre o projecto n. 93 deste
anno. I
Entra em discussao o seguinte requerimento
Requeiro qne pelos canaes competentes se
pecara as informaces seguintes :
1. Se o Dr. chefe de polica teve conheci-
mento do attentado praticado por um sargento da
guarda civic da estaco do Recife, o qual, na
noite de 8 do corrente, tentou molestar tres mu-
lberes moradoras na roa da Sensata Velha, pren-
dendo-as por nao se haverem ellas prestado aos
seus libidinosos desejos, procurando depois for-
cal-as na priso e ah espancando-as.
2. Se esse sargento contina a fazer parte da
guarda cvica.
S. R.Joe Mara.
O Sr. Jone Mara Sr. presidente, este
requerimento quas ja tem eabellss brancos ; ao
raenjs os tem grisalbos, e eu podera dizer que
elle j perdeu o tal da opportunidade ; mas, por
ser velho, nem por isso deve merecer o nosso des-
preso e, ao contrario, porque elle j vai descendo
a ladeira da vida, que deve ser acariciado pela
casa.
O tacto de que me oceupo seria para causar ad-
miraco era outra epocba e em outro paiz. Na
actualidade, porem, e entre nos, urna cousa mui-
to commum e naturalissima.
O sargento da estaco da guarda cvica do Re-
cife, encontrou na ra urnas mulheres e pretenden
cevar nellas os seus instinetos libidinosos. Mas
as camelias talves por nao serem amantes da far -
da, excusaram-se.
O sargento offendido no seu amor proprio,
as espancou, as prenden e, depois de presas
ainda tentou satisfacer os seus desejos ; ellas
oppozeram resistencia tenas, pelo que somente de-
pois de dias, foram soltas.
Dirigiram-se, ento, ao Sr. Dr. chefe de polica,
narraram-lhe o facto e essa autoridade prometteu
tomar providencias. A imprensa neutra, o Jornal
do Recife narron o acootecimento de sciencia pro-
pria e nao foi contestado ; nenhnma autoridade,
nem mesmo o Sr. Dr. chefe de polica o contestou.
Patson, portanto, em jalgado o facto, nao ha
duvida que elle se deu ; mas o que tambem
certo que nenhuma piovidencia, absolutamente
nenhuma, foi tomada ; o sargento da guarda ci -
vica, que useiro e viseiro em actos destes, tanto
que, por motivos idnticos, tem andado cerno salta,
Martinho, removido de urna para outra estaco,
desta ves ui' sofireo nem esta pena, a pena de
ama simplerremoco.
Eu a acenso o governo, nao acenso o Dr. che-
fe de polica, porque nao quero que os nobres de-
putados, membros da maioria, tennam o direito de
dizer que regeitam o requerimento porque elle en-
volve urna censura, porque na sua justificacao, o
autor atirou aecusacoes ao governo, s autorida-
des policiaes da provincia ; venho simplesmente
dizer aos nobres deputados o facto verdadeiro
o facto real; 0 Jornal do Recife que aqu tem
sido reconhecido como orgo neutro, o denuncion
comas cores as mais vivas.
A polica nao eontestou ; o Dr. chefe de polica
nao mandou destruir a narraco do orgo neutro ;
e creio qne o meu amigo e collega o Sr. Dr. Costa
Gomes, tem noticia deste acontecimento, qne se
du na freguezia em que S. Exc. reside, S. Exc.
nao me contesta.
Ora, comprehendem os nobres deputados que,
em vista da justificacao que venho de fazer ao re-
querimento sem b menor recriminaco, nao poder
ser regeitado, porque importar a sua rejeico o
incitamento para que esse sargento recradesca
nos seus intentos libidinosos, convicto de qne cao
ter a menor punico; o amanb nao sero s-
' [mente as mulheres do demi monde, nao sero se-
ment as mnlheres da vida alegre que ver-se-ho
perseguidas pelos guardas da segurauca e da vida
publica.
Se o mea requerimento nao passar, se os nobres
deputados encamparem,e3te attentado, se este sar-
gento nao receber urna punico, amanh nenhuma
sen hora honesta podei transitar pelas ras, por
qne elle se atrever a desacatar as que encontrar.
Isto serio e grave. Os nobres deputados re-
flictam. Ss. Excs. tem familia e nao esto livres
de passar por nm dissabor. A continuaiem as
cousas por esta forma nao sei onde iremos parar.
Cont, pois, Sr. presidente, que o meu requeri-
mento ser approvado.
O Sr. dones Prente (Nao devolveu o
seu discurso).
O Sr. Jos Hara Sr. presidente o
caso de me benzer. (Riso)
Pela primeira vez nm requerimento meu nao foi
incontinente decapitado ; nao foi immediatamente
condemnado. Nao sei se por milagre de S Jos,
ou de S.Antonio.
O nobre deputado para quem eu appellei, decla-
rou, teve conhecimento do facto, nao usou de arti-
ficios e C"m a linguagem da franqueza, confessou a
ve acidade do que eu affirmei. A vista disto a
maioria nao poda consentir que o requerimento
fosse regeitado in limine, sob pena de commetter
urna grave injustica.
Mas o nobre deputado, pelo 13* districto, advo-
gado como conhecedor das tricas, lancou mo de
um derivativo e veio tribuna dizer que nao du-
vidava da veracidade do facto, mas que precisava
coiher informacocg, e por isso pedia o adiamento
da disjusso.
Eu, Sr. presidente, embora nao seja muito pa-
tico nestas cousas, attinjo, entretanto, o fim a
que se propez o nobre deputado, pediudo seme-
lhante adiamento. Assim, o meu requerimento
em vez de ser rejeitado boje, sel-o-ba amanh, se
por ventura nao for condemnado ao esqueci-
mento.
Mas, attendam bem os nobres deputados : esta
que8to; parecendo de pouca monta, todava
muito sera e muito grave. Entre nos, as fami-
lias costumam andar eos por toda parte e a todas
as boias. Isto quer dizer que as nossas familias
podero ser tumben victimas, quero dizer, esto
sujeitas a soffrer desacatos semelhantes. Nin-
guem tras letreiro, e a ousadia sem frea nao en-
contra limites.
E' preciso notar : quando eu digo as nossas fa-
milias, nao me refir> minha, porque esta nao
acompanha certos progressos :
, Sou matuto l d'aldein,
Educado no serto,
NSo me passo accommodar
A' tal eiviluaco.
En me refiro s familias dos meus concdados,
de muitos dos nobres deoutados, s familias no-
bres, ricas e que estio em condiepes, e que podem
acompanhar a moda, os progressos, a civilisaco,
os costnmes de Parts de Franci.
Eu criei-me nos sei toes do norte e gsto de vi-
ve r quietamente, na obscurdade. Os nobres de-
atados sabem: a minha vida como pai de tami
a muito modesta. En nao frequento theatros,
nem bailes, nem reunidas. Mas as familias da
alta sociedade, estas lenhoras que sahem para
comprar os seus alfinetes, e sahem sem ser acom-
panhadas por seus maridos, por seas parentes
bem podem ser victimas de urna insolencia igual
que sofireram as mulheres de que trata o meu
requerimento.
Se por ventura estabelecer-se um precedente
desta ordem : se eacampar-se um acto d.'sta na
tureza ; desde qne, como j disse, a senhora de
familia nao traz letreiro e nao' se distingue,
primeira vista, urna mulher de urna senhora, esse
soldado atrevido, que leva a sua ousadia ao ponto
de nada respeitar, poder ir adianto. E d'ahi os
nobres deputados avaliem as consequencias. As-
sim ser bom prevenir a tempo, porque preferi-
vcl isto a ter de lamentar-se mais tarde qaalquer
desastre.
Peco aos nobres deputados tanto desta bancada
como da outra, que acredtem da veracidade do
facto por mim expendido, porque elle verdadeiro.
Ahi est o Sr. Costa Gomes que como eu tem
delle conhecimento inteiro. E nm facto prima
facie insignificante, mas no fundo grave e serio.
Espero, portanto, que o meu requerimento ser
approvado, sendo regeitado o requerimento de
adiamento do nobre deputado, que um recurso
de occasio. Nisso nao vai ofiensa algama quer
ao Sr. chefe de polica, quer ao administrador da
provincia.
Sento-me nesta convieco.
E' lido, apoiado e approvado o seguinte reque-
rimento :
< Requeiro o adiamento da discussao por 48
boras.Gomes Prente.
Entra em discussao o seguinte requerimento :
Requeiro que se requisitem da Presidencia da
provincia as seguintes informaces :
1.* Qual o servico e o expediente execatados
pela 2.* seccao do Consulado Provincial desde o
dia 17 de Maio fin do.
2.* Se o pessoal da mesma seccao contina a
figurar na tolha mena A dos pagamentos.
Sala das sessoes, 14 de Junho de 1886. Joo
de Oliveira. *
O Sr. Joo de Oliveira(Nao develveu
o sen discurso).
O Sr. Jos Marta (pela ordem) faz ligeiras
Consideracoes e manda a mesa urna petco dos
armadores, em que pedem dispensa do imposto de
tonelagem.
Passa-se 1. parte da ordem do dia.
Votaco das emendas apresentaaas ao projecto
n. 54 desta anno.
Emenda n. 107.Approvada.
Procede-se votaco do requerimento do Sr.
Ferreira Jacobina, apresentado na sesso ante-
cedente, relativo emenda n. 108.
O Sr. Soares de Amorim pede e a casa concede
votaco nominal.
Procedendo-se votaco d ella o seguinte
resultado :
Manifestam-se a favor os Srs. : Costa Ribeiro,
Reg Barros, Jos Mara, Joo de S, B&ro de
Itapissuma, Visconde de Taatinga, H. Bandeira,
Rogoberto, Costa Gomes, Andr Dias, Barros
Barreto Junisr, Loureneo de S, Coelho de Mo-
raes, Joe de Oliveira, Luiz de Andrada, Re -
gueira Costa, Ferreira Jacobina, Redrigues Porto,
Prxedes Pitanga, Gomes Prente e Baro de
Caiar, (21); e contra os Srs.: Ferreira Velloso,
Julio de Barros, Soares de Amorim, Ratis e Silva,
Constantino de Albuquerque, Antonio Vctor, Au-
gusto Franklin e Joo Alves, (8).
E' portanto approvado o requerimento.
' igualmente approvado o requerimento do Sr.
Prxedes Pitanga, relativo mesma emenda n.
108.
E' j ortanto adiada a emenda que foi desta -
cada.
I Sr. Soases de Amorim(Nao devol-
veu o seu discurso).
Contina a votaco:
Emenda n. 109 approvada.
Dita n. 110 idem.
Dita n. 111 idem.
Dita n. 112 idem.
Dita n. 113 idem.
Dita n. 114 idem.
Dita n. 115 prjudiesda.
Dita n. 116 approvada.
Dita n. 117 dem.
Dita n. 118 idem.
Dita n. 119 idem.
Dita n. 120 idem.
Dita n. 121 idem.
Dita n. 122 prejudcada.
Dita d. 123 approvada.
Dita n. 124 dem.
Dita n. 125 idem.
Dita n. 126 prejudicada.
Dita n. 127 approvada.
Dita n. 128 idem.
Dita n. 129 idem.
Dita n. 130 dem.
Ditajn. 131 retirada.
Dita n. 132 approvada.
Dita n. 133 dem.
Dita n. 134 prejudicada.
Dita n. 135 approvada.
Dita n. 136 prejudicada.
Dita n. 137 approvada.
Dita n. 138 idem.
Dita n. 139 rejeitada.
Dita n. 140 idem.
Dita n. 41 approvada.
Dita n. 142 idem.
Dita n. ] 13 prejudicada.
Dita n. 144 approvada.
Dita n. 145 prejudicada.
D'ta n. 146 approvada.
Dita n. 147 uem.
Dita n. 148 prejudicada.
Dita n. 149 approvada.
Dita n. 150 prejudicada.
Dita n. 151 approvada.
Dita n. 152 idem.
Dita n. 153 idem.
Dita n. J54 prejudicada.
Vem a mes t, lido, apoiado e approvado o se-
guinte requerimento :
Requero a prorogacao da 1* parte da ordem
do dia at o fim d sesso.Regueira Costa.
Contina a 3* discussao do projecto n. 53 d'este
anno orcamento provincial.)
Vem A mesa, sao lidas, apoiadas e entrara con-
junctaoieute em discussao as seguintes emendas :
N. 253. Supprima-se a emenda 242. Reg
Barros. Sopbronio Portella. Herculano Ban
deira.Julio de Barros.Rodrigues Porto.
B-rros Barreto Jnior.Luiz de Andrada.
Constantinj de Albuquerque.Gomes Prente.
Joo Alves. Ferreira Velloso. Vigario Au-
gusto Franklin.Ratis e Silva.Coelho do Mo-
raes.
N. 254. Additvo emenda n. 28o ou a de
n. 213 Nao podendo em tempo algum taes favo-
res ser considerados um privilegio de qualuuer
sorte nem em prejuizo da Sociedade Auxiliadora
da Agriejltura, no que lhe garantido pela le
n. 1789 e pelas respectivas instruccoes de 27 de
utubro de 1883. -Barros Barreto Jnior.--So-
pbrunio Portella.Luiz de Andrada.Hercu-
lano Bandeira. Baro de Caiar.Ferreira Vel-
030.
N. 255. Onde couber. 200*000 sobre estabele-
cimento de comprar e vender cavallos, denomina-
d s armezem de sal.Ferreira Velloso.
N. 256. A emenda n. 79 depois das palavras
que estiver a deveraccrescente-se isto,..;.
879*130 e o mais como est na emenda.Baro
de Itapissuma.
N. 257 Ao g 73 do art. 2o Inclusive o que se
est a dever a Joo Germano Lyra, de alugueis
da casa que serve de quartel e cadeia no povoado
do Riacho do MattoCoelho de Moras.
N. 258. Ao art 7. No final do substitutivo
n. 2 do 13 do art. 1" coreacente-se as palavras :
exceptuados os 5 / destinados ao fondo de eman-
cipaco.Gomes Prente.Coelho de Moraes.
Constantino de Albuquerque.
N. 259. Ao 36 do art. lo. Em vez de 200
ris diga-se 60 ris e o mais come est.Coelho
de Moraes.Constantino da Albuquerque.
N. 260. Ao 54 do art. 1. Em vez de 4*
parte diga-se 5a parte, e o mais como est.Go-
mes Prente.Coelho de Moraes.Constantino
de Albuquerque.
N. 2S1. Substitutivo ao 12 do art. 1. 20 Ve
sobre o valor de fumo de corda, de cigarros e cha-
rutos de quslqaer procedencia, introduzdos para
consumo, e 500 ris por kilo de fumo picado, des -
fiado, vindo de qaalquer procedencia para consa-
mo em latas pacotea, etc.Gomes Parate.Coe-
lho da Moraes.
N. 262. Sub-emenda. Supprimam-se as emen-
das sob ns. 10 e 14 ao 46 do art. 1'.Gomes
Prente.Coelho de Moraes.
N. 263: Ao ait. 2o. Sub-emenda. Se forera
supprimidas as emendas de ns. 10 e 14 ao 46
do art Ia, restabelecida a disposico integral do
referido 46 se supprimam tambem as emendas
de as. 86, 87, 88, 89, 90 e 109.Coelho de Mo-
raes.
N. 264. Sub-emenda. Supprimam se as emen-
das de ns. 21, 22, 82, 99,128, 146, 174. 78 e 171.
Coelho de Moraes.
N. 265. Supprimam-se as emendas apparecidas
ao 28 do art. 2 de ns. 19, 21, 22, 23, 25, 27, 28,
29, 31, 32, 33, 34, 36, 41, 42, 43, 44, 45, 46, 47,
49, 50, 63, 65, 70, 71, 72, 73, 74, 75, 76, 87, 98,
101.103,104, 105, 110, 115, 116, 117,118,119'
120, 121, 122,126, 127, 129, 130,137, 144, 148 e
178.Coelho de Moraes.
N. 266. Ao 75inclusive 1:237* para satis-
fazer as filhas de Miguel Augusto de Oliveira, o
que demais pagaram como herdeiras do remanes-
cente de D. Genoveva Rosa da Silva, nos termos
do 71 do art 2o da le n. 1810.Gomes Prente.
Coelho de Moraes.Constantino de Albuquer-
que.
N. 297. Ao art 1. Novos i onde couber. Au-
xilio dos cofres geraes.Gomes Prente.Coelho-
de Moraes.
N. 268. Saldo do exercicio anterior.Gomes
Prente.Coelho de Moraes.
N. 269. Sub-emenda emenda n. 93. Em ves
de 150:000*ligase 203:000* inclusive a impor-
tancia necessaria para as obras da Casa de De-
tenco e reconstrueco da ponte da Arrombados.
Gomes Prente.Coelho de Moraes.Uonstan-
tino de Albuquerque.
N. 270. Substitutivo ao art 11. Fi?a o presi-
dente da provincia autorisado a reformar a Re-
partieo das Obras Publicas dando-lhe aovo regu-
lamento, como fr mais conveniente, reorganisan-
do o servico de conservacao permanente das obras,
sobre novas bases, de modo a realisar>se a mxima
economa, e providenciando no sentido deque os
agentes pagadores percebam 1:800* de vencimen-
tos.Gomes Prente.Coelho de Meraes.Cons-
tantino de Albuquerque. ~
N. 271. Sub-emenda. A' emenda n. 113 accres-
cente-se no final : e mais o que se dever a Joa-
quim Jos de Mello e a Jos Torres Campos de
Medeiros, pelas despezas de novo titulo e novos e
e veihos direitos que indevidamente pagou nos
termos das leis ns. 1649-e 1786.Gomes P-
rente.
N. 272. Emenda ao art 2. Arrecadaco das
rendas :
Supprima-se a emenda substitutiva n. 109.Go-
mes Prente,
N. 273. Supprma-se no $ 61 as palavrase o
ordenado do 2o solicitador, e accrescente-se no fi-
nal o segninte :
Sendo o ordenado do procurador dos feitos de
accordo com a lei n. 1810.Comes Prente.
N. 274. Ao art Io novo .Medico da Colonia
Isabel -2:400*.Gomes Prente.
N. 275. Emenda. Ao art. 1" do projecto offe-
recido como additvo sob n. 221 depois da pa-
la vraAndradeaccrescente-se ou com quera
melhores vantagens offerecer.Gomes Prente.
N. 276. 12* para pagamento do que se est
a dever ao ex-collector e ao ex escrivo da col-
lectora de Caruar, Antonio de Lemos Vascon-
cellos e Alexandre Freir de Carvalho.Jos
Mara.
N. 277. Mais 4:000* para a construeco de um
acude na cidade de Nazareth.Herculano Ban-
deira.
N. 278 20:000* para a estrada de rodagem de
Gamelleira ao Rio Forraos. S. R.Luiz de An-
drada.
N. 278. Ficam isentos do imposto de tonelagem
os navios da marinha mercante brasileira.Jos
Mara.Barros Barreto Jnior.
N. 280. 16:000* para estrada de rodagem de
Gamelleira a Becerros.Luiz de Andrada.
N- 281. Bibliotbeca. Supprima-se o substitu-
tivo n. 86.Gomes PrenteCoelho de Mo-
raes.Constantino de Albuquerque.Reg Bar-
ros.
N. 82. Additvo s disposicoes geraes Art.
Fica o presidente da provincia autorizado a sup-
prmir o Consulado Provincial, organisando com
o pessoal necesario urna recebedoria provincial
incumbida da arrecadaco dos mpoatos de tanca-
ment. Os empregados que excederem do quadre
sero addidos s reparti^es provinciaes para se-
rem prvidos as vagas que occorrerem.
Os empregados que eslivercm as con i caes legaes
podero ser aposentados. Gomes Porente.Co-'
Iho de *ioraes.
N. 283. No substitutivo n. 95 acciesccate-se :
na .abella o segninte onde couber :
Taesourero 2:400*000
Escrevo 1:400*000
Gomes Prente.
N. 284- Sob emenda de n. 244. Accrescente-
se : exceptuados as d >s impostas laucados.G.
Patente.
N. 285. Subitituttivo. Substitua-se a emenda
n. 180, pela seguinte : Fica concedido aos arre-
matantes de dizimos de gad> cavallar, vaceum e
muar Jos Cordeiro dos Santos, Joo Nepsmuceno
da Silva, Antonio da Silva Florencio, Antonio de
Vasconcellos Florencio, Joo Guilherme de Aze-
vedo Lyra Sobrnho, Aurelio dos Santos Coimbrs
e Augusto Octaviano de Souza, o abate de 50 '/
sobre o valor total das arrematacoes. -Rodrigues
Porto.Joo Alves. C. de Albuquerque.Jos
Mara.G. Prente.Luiz de Andrada.Coelbo
de Moraes.Ratis e Silva.Antonio Vctor.F.
Velloso. -Regueira Costa.G. de Drummond.
Costa Ribeiro.Rogoberto.
N. 286. Additvo s disposicoes geraes. Fica a
Sauta Casa de Misericordia do Recife autorisada
a permutar cm Manoel Heraclto de Albuquer-
que o dsminio directo que tem o Santa Casa de
Misericordia sobre terrenos do engenh Bemfica,
sito no termo de Ipojuca, por immoveis situados
nesta capitel em apolices da divida publica geral
da provincia.G. de Drummond.Barrus Barre-
to Jnior.
N. 287. Additvo. Do producto da arrecada-'
cao da divida activa a que se proceder, por meio
de guias expedidas pela seccao do contencioso, te-
r u procurador fiscal 2 0/0 de porcentagem, fi-
cando assim dividida a que tem direito os empre-
gados do jais? dos feitos pela arrecadaco da di-
vida activa: juii 2 0/0, procurador dos feitos
2 (i/O, escrivo 1/2 0/0, solicitador 1 0/0, contador
1/2 0/0, dous offiuiaes de justica 1 0/0 e revogado
o ar 8 da lei n. 1,470 de 1 de Janho de 1879.
Luiz de Andrada.
N. 288. Accrescent -se onde couber :_ para a
construeco de urna ponte sobre o rio Ipojuca, no
lugar denouiinado Vertentes, e je liga a estrada
urna das estacoes da via-ferrea de Caruar, de-
nominadaa do Casca velat a quantia de.....
25:000*000.Gaspar de Drummond.
N. 289. Onde couber: e mais 20:000* par

WsWsWsWsWsm
OHMIO


V
o calamento da cidaae ioOho
Gap*r de Druinmoud.Barros Barreta Jnior.
Lourenco de S. ,
N 29. E mai* iO lampeos para a estrada do
Encanamento m Pamamerim, augmentenUo-se a
respectiva verbaGaspar de DranaL
291 Oode eouber: e mais U:UUU# para a
estrada do Rio a villa de Sernuiem Gaspar de
Drummond.Barros Barreto Janior.
N 292. Ao 39 do art 5: au^mente-se a
verba com 4 lampis para ai^qaeficaem
frente ao hospital da Sanee gueda, dtanmuada
travesea do Joao da BarromiBataie o*-'
N. 293. Onde coahar: a ais aBrOWXpara*
ontinnacio da eswsai de rodagem do Case a Se-
rinhiem.Gaspar isa DaHssaond.Loa*ss^o de
S.Barros Barres.Jooioec
N. 294. Ondecoajbsr: esjais :00Mjra a
estrada de iodagassr. que partir-de Senubaea
Bscada.Gaspir da Braamnnd.Barros Barrete
Jnior.Loorenco da 8.
N. 295. Onde eouber: para tepagem dos ar-
rombados no porto dos Frades no rio de Seri-
nhaem.__Gaspar de Drummond. -Barros Barrete
Jnior.Lourenco de S.
N. 296. Aecresceate-se onde coaber: e mais
6 lampees para a ra que vai da estrada da Mag
dalena para a Ilha do Retiro.Loorenco de S.
N. 297. Onde eouber : e maia 6 lampees para
a campia da Casa Forte, augmentando-se a res-
pectiva verba.Gaspar de Drummond.
N. 298. Onde eouber: um anuo de licenca
eom ordeuado tambem a D. Lanriana Mari Ra-
mos e Lisbella de Albnquerque Mello, profesaoras
de Jaguaribe em ltamarac e da freguesia da
Bsa-Viata deata cidade.Gaspar de Drummond.
N. 299. Additivo as disposicoes geraes. Fi-
cam relevadas do pegumaite de dcimas atrasa-
das at oexerciaio de 1885 a 1886 aa casas per-
teneeates a irmandade de Nossa Sanhora da Boa-
Tiagem.Gaspar de Drummond.
N. 300. g additivo ao 2. Illumiuacao publi-
ca. Da cidade da Escada com 50 lampees : aug
mente-se a verba.Ratis e Silva.
N. 301. Fica o presidente da provincia aato-
risado a mandar pagar o que se estiver a dever
ao professor Joao Fernandes Vianoa, de eeus ven-
cinieutos relativos ao exercicio passado e que c t -
hiram em exercicio fiodo Regueira Costa.
N. 302. Ao art. 13. Soppriaaam-ae as emendas
ns. 221.223, 226 e 228Dr. Costa Gomes.
N. 308. Em lugar de 1:0004 diga-se 5:000*.
Dr. Costa Gomes.
N. 304. Fica a junta da Santa Casa de Mise-
ricordia desta oidade autorisada a conceder ao
escrivo Pedro Rodrigues de Soasa, licenci com
vencsontos at 6 meses, provando molestia pa-
rante a .mesma junta.Costa Ribeiro.Rugober-
to. Ratis e Silva.
N. 30. Fica autorisado o presidente da pro
vinoia a despender at 50:000 eom o empedra
mente da Estrada Nova do Casanga, a comecar
da praca do Conselheiro Joao A'fredo.-Rigo
Barros.Barros Barreto Jnior.Jos Mara.
N. 306. Onde eouber : e mais 15:000* para a
estrada de rodagem da estacad de Ipojuca villa
do metmo noine.Gaspar du Drummond.Barros
Barreto Jnior.Lourenco de S.
N. 307. Restitucoes, inclusive 868*605 para
satisfazer o que demais pagaram D. Anna Lucia
Josephina de oliveira Mattos e D. Candida de
Oliveira Lamenha Lins, filbaa de Miguel Augusto
de Oliveira, fasenda provincial, como legatanas
e herdeiras do remaneeante dos bens de D. iJeuo-
veva Rosa da Silva, por causa da nmssio do art.
3 1 do regukamsnto de 23 de Julho de 1874.
Soarea de Amorim-
N. 308. Fica o presidente da provincia autori-
sado a nomear ellectivos o professor do Couro
(TAntos e a professora de S. Jos do Egypto, que
eram contratados antes do regulamento de 6 de
Fevereiro, urna ves que proven) que cunsprem
seus deveres contento da repartieao d Instruc-
cio Publica.Dr. Pitanga.
X. 309. Additiva de n. 152. Se passar a
emenda n. 152, fica concedido igual favor a Jos
Gomes Ferreira Mata, arrematante do pedagio da
barreirado Giqui.Luiz de Andrada.Joao Al-
ves.
N. 310. Seja substituido o % 71 pelo 83 do
art. 20 da lei n. 1,860.Jos Mara.
N. 311. Onde convier. Tende os terceiros of-
ficiaes da secretaria do govsrno ts meamos venc-
mentes dos empreados de igual cathegoria do
Thesouro Provincial.Jos Mara.
N. 312..Emenda additiva as disposicoes ge-
raes t Fica re vagada a lei n. 1,675, de 14 de
Junho de 1882 e restabelecida a que creou os
dous lugares de tabeliies no termo da Gloria
de Goit. Gasp .r de Drummond. Regueira
Costo.
X. 313. Onde eouber: 10 ris por litro de sal
importado.Dr. Joao de S.
X. 314. Supprima-se a emenda n. 313.Bar-
roa Barreto Jnior.
N. 315. Emenda additiva ao projecto constan-
te do additivo n. 213 accrescente-se:
Art 3. As lettras bypothecarias do Banco se-
ro aceitas como garanta de flaneas prestadas nos
contractos com a provincia.Gaspar de Drum-
mond.
X. 316. Emenda ao 54 do art 1. : com or-
denado igual aos demais profissionaes dos cl-
nicos de olhos e de partos e conservando cons-
tantemente um medico no Hospital D. Pedro
II. Dr' A. Costo Gomes. Bario de Itapis-
NWi
N. 317. Offerocjcomoemeodaoprojecton.il
deste anno. Ratis e Silva.
Eis o projecto a que se refere a emenda :
N. 11. A Assembla Legislativa Provincial
de P.-rnarabuco reaolve :
Art. 1. Fiea o presidente da pioviucia auto-
risado a mandar orear e despender a quantia or-
eada com a construccao de um acude para depo-
sito das aguas pluvia**, capaz de abastecer a po-
pulacho da cidade de Gravat de agua potavel na
estaco do vero.
Art. 2. Para a construccao deste acude a
Cmara Municipal da dita cidade indicar o lugar
que mais conveniente for c ficar mais prximo a
ella.
Art. 3. E' prohibido tomar baaos, lavar
aniuaes e roupas, pescar com rede e lancar un-
mundiecs dentro do referido acude, sendo os con-
traventores desta dispoaico punidos com pena
de prisas por tres das e multo de 10* por cada
vez.
Art. 4. A' Cmara Municipal respectiva in-
cumbe a iuspecco e zelo para quo se conserve
sempre pura e limp-t a agua do acude, de modo a
nao si i pi (judicial aade publica.
Art. 5.* Ficam revogadas as disposicoes em
contraria.
Paco da Assembla Lsgis'ativa Provincial de
Pernambuco, 26 de Marco de 1886.Ratis e Sil
va. *
K. 318 Offereco como emenda o projecto in-
fra.Ratis e Silva.
O projecto a que se refere a emendar o se-
guinte :
N. 49. A Assembla Legislativa Provincial
de Pernambuco resolve :
Art. nico. Fica o presidente da provincia
autorisado a mandar orear e despender a quantia
oreada com a construccao de urna ponte de madei-
ra sobre o rio Ipojuca, que corta a cidade de Gra-
vat, para dar comnanieacao com a ra da mesma
cidade, que fica alm.
Revogadas as disposicoes em contrario.
Sala das sesgues da Assembla Provincial, 27
de Abril de 1886.Pedro Ratis.
N. 319. Offereco como emenda o projecto inlra,
Ratis e Silva.
O projecto a que se refere a emenda
Diari d^craamboco---(luinla--feira 19 de Agosto de 1886
Art. V ca o presidente da^provnea auton-
sado a mandar orear a factura de urna airada de
rodagem, levantando a planta de modo que, par-
3fd2 estaco de S. Joao dos Pomoos, co-
o se-
proiecto a qm
guinte:
N. 7. A Assembla Legislativa Provincial
de Pernambuco resolve:
Art. 1. Fica o presidente da provincia auto-
risado a despender at a quantia de 2:000* com
a factura da ama panto de madeira sobre o pro-
fundo vallo, pelo qual corre a vertente denatninada
Calafite, que se atravessa ao sahir da cidade da
Eseada do lado do poente pela estrada que con-
duz ao engeoho Mameluco.
Art. 2." O arrematante desta obra dever
oomecal-a 30 diai depois de lavrado e assignado o
-contracto na reparticaa competente, e coneluil-a
dea tro do prazo de 6 nteze, contados do dito con
tracto.
< Art. 3. Se no fia da prazo cima estatuido
ni* emtiver a obra concluida, sorera o airerea-
uHihb abstimeato ou descont da 10/. no pre-
co-da arremalacio.
< Art. 4. Picaas revogadas aa disaoaicoes m
contraria.
. paco da Assembla Legislativa Pravineial de
Peraambuoo, 10 da Marco de 1896.O epatado
Bata e Silva.
S. 320. OJferaco orno esaeoda o prajecto iafn.
Ratis e Silva.
Eis o projecto a pe sretara a envenda.
H. 79. A AsaazaWa Legislativa Pravinial de
Pernambuco resolve:
marca da Victoria, termine no lugar deuom.naio
Chan Grande, tocando no engenho Bocea da Mal-
ta, no lugar Frexeiras, buscando d ah a margem
do riacho Mutum, seguindo por eUe at o termo
Art. 2. Feito o orcamento e levantada a planta
da dita estrada, qu dev ser empedrada abaulada,
coas largura de 43 palmos, e con as bombas i
pjasaa que forem necessara, ser a-obra lev;
caea pabca para ser arrematada por q~
manres vaiifn^s- cffereeer.
Art. 3. *Ln siisiiit nt ser conesdido estn,
leoer banwaas paxa cobranoa de pedagio dos
trsaMauutea,. uio pjdead exigw mis do W
ria, por peaa* que paseas p; 49 ris pelas
que passarem montados e 60 rus poru.cada.^joa-
drupede.
Art. 4 O presidente da proviocia coiceder ac
arrematante para indemnisacao do custo da em
presa o goso do rendimento do pedagio por tempo
que nao exceda de 20 annos.
Art. 5* Assignado o contracto, ser o arrema-
tante obrigado a comecar a obra dedtro do praso
de 3 meses, sob penar de reaeiado do eontraeto, B
da perder o arrematante todo o material que tiver
para a mesma obra.
Art. 6o Ficam revocadas as disposicoes em con>
tivtrio. .
Paco da Assembla Legislativa Provincial de
Pernainbuco, 11 de Mate de 1886.O deputado
Ratis e Silva.
X. 321. Offereco eomo emenda o projecto u. Jo
deste anno,G. de Drummond.
O projecto a que ai refere a emenda o se-
guintt _..
X. 96. A Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco resolve:
Art. nico. Fica o oresid-nte da provincia au
toriaado a crear na Eicoia Normal urna cadoira
de desenho de paysagens, figuras, flores, etc., a
creyn, pastel, a oleo e aquarella, regida por urna
profesaora de iaatruecao primarw, percebendo os
veucimeatos equivalentes ao das professoras de
3" entrancia.
6 1 Easaa Vnsioicntos serio pagos pela verba
marcada para quilquer cadeira de 3* entrancia
que s presidencia julgar oonveniente sapprimir.
Kevogacas as dnosieees em contrario.
Em 2 de Juuho de l886.-<-SoHrei de Amorim.
N. 322. Ao art. V onde conber : Ficam eujei-
too ao pagamento do imposto de 10*000 por carga
todas as fazendas importadas para esta provin-
cia, pelas provincias visinhas; ficando sujeites ao
pagamento de metade deste imposto as cargas de
miudezas importadas as meamos condicoes, pa-
gando 2*000 as cargas dequaesquer outras mer-
eadorias. Ficam igualmente sujeites ao imposto
de 4*000 por carga todo o algodio exportado do
meamo modo.O presidente da provincia deter-
minar em regulamento o meio de se fazer effee-
tivamente a cobranca.Joao Alves.
N. 323. Ao art. 1 supprima-se o 10 do art. Io
e a emenda approvada sob n. 5.Ferreira Jaco-
bina.
X. 3B4. Additivo emenda n. 247. O eacrivio
de orphios da cidade de Peaqueira servir por
dietribuico o offieio de escrito do vel e cam-
mercio, e privativamente o de escrivo da prove-
doria de capelina e residuos.Joao Alvos-
X. 3x5. Ao art. 1 accrescente-se : e sobre o
aabao.ferreira Velloso.
N. 326. Os ordenados dos capities de polica
ficam elevados* 1:440* aunoaes. -Joao Alves.
X. 37. Fica Jos Monteiro Torres de Castro
isento do pagamento do imposto de 20 %, multas
e cestas em que fei cajlectado o exercicio de
76 a 77, viste ter provad perante as reparticoes
f'scaes, nunca ter tido eaixeiro de nacionalidade
estrangeira cm sea estobeleeimento ao ees da
i.ompvnhta Parnamiucana.Ferreira Velloso.
X. 328. Ao 42 accrescente-se : 1:000* para o
guarda da illuminacio publica.Gomes Prente.
X. 329. Novo paragrapho. Oude coaber : 5 "/<
sobre o valor orHcial da torito para os productos
importados que forero fabricados no paz, excep-
tuando-ee as fazendas. Gomes Prente.
N. 330. 73. as disposiooee geraee. Fica
presidente da provincia autorisada a mandar pa-
gar a Joaqjim Mara Rosa Viraos, guarda da
Casa de Det noao, os ordenados atrasados, refe-
rentes aos -meses de Abril, Maio e Junho do anno
paseado, cnidos em ejercicios findos.Ratis e
Silva.
N. 331. Depois do g 48 diga-se : Para o Iast-
tuto Vaccnico, inclusive alugnel da casa, expe-
diente e compra de Ijrmpha, 6:900*. Medico da
Colonia Isabel. 2:400*.Dr. Pitonga.
X. 332. Additivo s disposicoes geraes. A pen-
so do Io e8crpturario do Consulado Provincial,
Victoriano Jos Marinho Palhares, ser calculada
na razio da totalidade dos vencimentos que cou-
beram a cada um dos einpregados de igual cathe-
goria da referida reparticio no exercicio de 1883
a 1884, e em proporce ao tempo de servico que
foi.contado ao dito aposentada.G. de Drummond.
j. 333. Artigo additivo s disposicoes geraes.
O professor de latiin e trances de Peaqueira per-
cebera as mismas vantagens do professor de la-
tim de Afogados que foi addido ao Gymnasio Pro-
vincial.Joao Aves.Dr. Pitonga.Vigario Au-
gusto Fraoklin.
X. 334. Offereco como emenda para eer eolio-
esdo onde eouber o projecto infra.Sophronio
Portella.Luiz de Andrada.Constantino do Al-
buquerque.
O projecto a que se refere a emeada o se-
guinte :
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambuco resolve:
Art. Io Fica o presidente da provmoi* autori-
sado a manaar coutar ao professor Miguol Ar-
cganjo da Silva Braga, como de effectivo exerci-
cia o tempo decorrido da data em que dtrixou elle
o exercicio do magisterio publico, em consequen.
cia da exoneracio que lhe foi dada em 4 de Julno
de 1878, de sua reintegracio cm 25 de Juuho de
1879.
art 2* Fic.i gualmenle autorisado o presidenta
da provincia a mandar pagar ao mesmo professor
os vencimentos que lhe competirem reratn-amente
a aquelle espaco de tempo.
Revogadas as disposicoss em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco, 9 de Maio de 1882.J. V. Metra'de
Vasconcelios.Jos Osorio.Kegueira Costa.
X 335. Onde coubir. Fica o presidente d\ pro
vincia autorisado a conceder tres meses de licenca
com todos os eeus vencimentos ao bacharel Affon-
so de Albuquerque Mello, secretario do Thesouro
Provincial, para tratar de sua satrde onde lhe con-
vier.Ratis e Silva.
N. 336. Supprim-se o lOdo art 1 e a emen-
da sob u 5.Ferreira Jacobina.
N. 337. Fica sent Manoel da Matta Bastos, de
pagamente dos impostes anteriores aos ejercicios
de 1884 a 1885, do estabeleeimeuto da molbadoe,
sito ra de S. J^rge n. 89, perteneente ao es-
polio de igoatinho Ribeiro da Silva, comprado
em leio publico] mandado faser pelo juiz de or-
phios desta cidade e com a presenca do rr.esmo
juiz, apregoada a venda hvre e desembarazada de
todo e qualquer onus, visto nao se ter dado auc-
erssio e nem caber-lhe a applicacio do art. 49
das inBtraecoes de 27 de Julho de 1888.Dr. Joao
deS.
N. 338. Oode eouber. Os promotores pblicos
da casital perceberao, como auditores de polica,
urna gratificaeo que ser arbitrada pelo presi-
dente du provincia e paga pela verbaeventuaee,
caso nio se vote verba especial, nao excedendo
essa gratiicsco de 600* para cada uto.<$. de
Drummond.
N. 339. Ao additivo n. 251, ccrescente-se
maia : ao bachsrel Horacio Walfrido Peregrino
da Silva, a quantia de 206*666, que.se lhe deve de
differeoca de vencimeatea entre o lugar da 1* es*
cnptcrario e o de chefe de seecSo do Consulado
Provincial, a contar de 22 de Maio a 28 de Xo-
vembro de 1885, tempo em que exereeu interina-
mente o ultimo deeses lugares.Kogoberto.Dr.
Costa GomesJoao Alves.Reguis* Costa.
Antoaiio Vctor.
X. 340. Additivo s dispoiieies geraes. Onde
eouber.' Fica o presidente da provincia autorisado
a mandar pagar a Basilio Gomes Pereira Rodri-
gues a quanlia de 650*, differeuca de vencimerr-
tos que tom detxado d perceber pelo "exercicio
interino do cargo da amaeueose da Reparticio
das Obras Publicas, A cantar de Janeiro de 1886
at o crrante exerceio.Ratis e Silva.
N. 841. Artigo additivo. Fica o presidente da
provincia autorisado a conceder a D. Argemira
(juilhermina Feitosa Breaenfeid, profesaara- ps>-
blica do poveado da Cha do Carp aa, um asme de
liceac* sem|vencirnentos para tratar de ru saude
onde lhe convie.
X. 342. Aa additivo n. 228, depois da palavra
Ferreira, aocreaceuto-se: a Francisco Eajgdio de
Gusmio Lobo M com quem mttknm vantagens
offerecer.Gomes Prente.
N. 243. Artigo additivo. Fiea o presidonte da
provincia autorisado a reformar o ensino publico
attendeudo:
1* A' suppresso da gratificacio de antigoidade
concedida aos professores, e restabelecimente da
de mente.
2 A' restauraco do ensino religioso as escolas
primarias, e creando urna cadeira especial na Es-
cola Normal, denominada de religiio official, exer-
cida nos 2* e 3* anuos por um dos professores da
mesma escola, nauseado, sob proposta do respectivo
directo, pala fawBeocia da provincia, com a gra-
ficscaade *JB*a00.
r. 3 A teargmmismfi') da Gymnasio Provincial se-
Cuo j paiiirl rn -:i do Imperial Collegio Pe-
i II, esAaBsascoajado o rarino obrigatorio para
tsdo s ahiain ir tutenass, coa especialidade os
pagos paasaaens/iaa*. maasidasas cadeirts aetaal-
eaaate esiassBitea^'deveads o lagar de cense* eer
caaruido por, uua aacesdote, que accasaulasA as
fapauea aes capaila d mesas rabulaiiiili j
a quem ficat confiada a educacao mral e reli-
giosa dos alumnjs, percebeudo, alm dos venci-
saen'os que lhe cjmpetir fr marcada pelo respectivo regulamento.Viga-
gari o Augusto Frankliu.
N. 344. Additivo emenda n. 247. O registro
de trypBthecas de termo de Garaofeun, fiea dasd*
j annexo ao 1* tabeilicnato de notas e cartoris
do civel e annexos ao referida termo.Antonio
Vctor.
N. 345. Ao art. Io "novo. 50 ris por alqueine
da al exportadaGomes Prente. Coelho de
Marasat
N. 346- Supprima-se a emenda n. 225, apre-
saotuda 2 discussio. Judo Alvea.^Itogo-
berto.
N. 347. Igual favor ao da emeada n. 97 a ller-
culano Hygioo Nunes Bandeira, professor publico
de Bizarra na comarca de Limoeiro.Rogobarto.
N. 348. Supprima-e da emenda n. 89, sppn>-
vada em 2 discusao, as palavrasStepprimiodo
um lugar de amanuense e um de aer-trute.Jos
Mara. .
N. 349. Offereco como emenda o projecto mfra.
katis e Silva.
Eis o projecto a que se refere a emenda :
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
buco resolve :
Artigo nico. Fica o presidente da provincia
aatorisado a conceder i profesaora publica da ins-
truccio primaria da cidade de Gravat, Anaa Ame-
lia Barbosa da Silva, um anno de licenca com te-
dos os vencimentos. para tratar de sua saude onde
lhe cenvier.
Sala das eommiseoes, 7 de Junho de 1886.
Furreira Velloso.Julio de Barros.
N. 850. ^e foren supprimidas as emendas ns.
10 e 14, supprima-se a emeada n. 109.Reg
Barros.Barros Barreto Jnior.
N. 351. Se forem supprimidas as emendas ns.
10 e 14, supprima-se a emenda n. 89.Reg Bar-
ros.Barrea Beroeto Jnior.
N. 352. Se forem supprimidas as emendas ns.
10 e 14, supprima-se a emenda u. 88.-R-go Bar-
ros.Barros Barrete Jnior,
N. 353- Se forem supprimidas as emendas ns.
10 e 14, supprimum-se os ns. 1, 2 o 3 da emeada
n. 87.Reg Barros.
O Hr. Anzumio Franlf lin(Xao devol-
veu o seu discurco.)
O Sr. presidente levanta a sessai dnsignaudo a
soguinte ordem do da : 1 parte3 diacuasio do
projeoto n. 43 deste anno; 2 parte3 discuasio
do projecto n. 54 deste anoo e continuacio da an-
tecedente.
52
53
54
e
Provincia de Pernambuco
EXPOSI^AO SL-AMEBICA3TA EM BEEUM
A provincia de Peraambaco, como aa
demais do Brasil, rica de productos na-
turaes.
Seu solo, do urna grande fjrtilidade,
retribun sempre aquelles que o cultivara.
A industria extractiva oncontra a cada
passo oa mais variados productos, origina-
dos de urna vegetaeSo exuberanto e varia*
dissima.
Seu clima temperado por urna brisa
constante, torna-se agradavel na estaslo
calida e de completa amenidade no in-
vern.
0 mappa meteorolgico que remettemos
faz conbecer as pequeas alternativa da
temperatura.
No variados productos quo a Counnis-
sSo, nomeada por S. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, apresenta em
curto prazo Exposiclo de Berlim, est
urna ligeira prova da riqueaa desta pro-
vincia.
LISTA DOS PRODUCTOS QE A COMMIS3AO
DA PROVMOIA DE PEENAMBCO REMETTE
PARA FIGURAR NA EXPOSIQAO 8UL AME-
RICANA EM BERIIM
1 Um frasco com a3sucar candi; prego
a 100000 por 15 kilos.
2 Uio dito com assuear rendado, 1.*
sorte, preco 4#500 idem dem.
3 Um ditoe2.* sorte, preco 3)5800, idem
idem.
4 Um dito 3.a sorte, prego 34200, idem
idem.
ExpositorViuva Barro3 & Filhos.
5 Um dito dito, 1.a sorte.
6 Um dito dito, 2.a sorte.
7 Um dito di'.o, 3.a sorte.
Expositor Joaqun) S. Salgueiral
d (1
8 Um dito dito, 1.a sorte.
9 Um dito dilo, 2.a sorte.
10 Um dito dito, 3.a sorte.
ExpositorLima & Sampaio.
11 Um dito dito grosso, 3.a sorte, boa;
preco 40000 por 15 kilos (em trra),
12 Um dito dito somenos, prego 30209.
idem idem (em trra).
13 Um dito dito masoavinlio, prego 20600,
idem idem (em trra).
14 Um dito dito mnBcavo, prego 202OO,
idem idetn (em trra).
15 Um dito dito em rama, pre$o 10000,
idem idem lera trra).
EspisitorJ. Machado Pires Por-
tella.
NQTA.A collecead de amostras de as-
sucar nid poude ser completa por nio
ser opportuna a occasiao : sendo corto
que, neste genero, possuimos o que ha
de melbor, era t purgado como tur-
binado.
O assuear tem sido o mais importante
producto industrial desta provincia ;
seu ramo principal de esportacao e sua
maior ioute de riqueza.
Exietem entre nos cerca de duas mil fa-
bricas, entre grandes e pequeas, si-
tuadas em ubrrimos terrenos, que pro-
dnsem annualmente cerca de 150 mi-
lhoes de kogrammas. Entre estes es-
tabelecimentos alguna sis de sytema
aperfeicoados, com turbinas, etc., etc.
Esse ramo de industria val ter maior
desenvolvimento com as lerro-vias ji
eonatraidas e em construccao o com a
ioaugoracio do Banco de Crdito Real;
assim como com a ereacio de Usinas-
Centraes, subsidiadas pelo governo, e
de companbias annimas, e particu-
lares.
Entende a commisso, que continuando a
aperfetcoamento desse ramo de indus-
tria na provincia, Uio ha rer compe-
tencia que o possa superar, em rasio
da naturesa do solo e pela riquesa sac-
charina da canna ceyenm .que as cul-
tiva entre s.
Oa nossos agricultores sio mui dedicados
plantelo da canna, pela vaptagem
que offerece. A planta, depois de cor-
tada, predus rebentos, eme dto lugar a
mais tres colfceitas, bastando lmpar os
arbustos agrestes que nascem de per-
meio. Dos olhos da canna e do mel
alrmeatam-se os animaet, e tambem
se fas vinagre. A agurdente fei te do
mel muito estimada. 0 bsgsco da
canna 6 bom combustivel para machi-
nas, e depois de fermentado, bom es-
os
59
60
61
62
63
66
67
68
69
trume. Da canna brota um pendi,
que serve para ench>mento do almo-
fadas.
16 Um fardinho com aigodio, arco de
ferro, 1.a Borto, prego por 15 kilos. 51
17 Um dito dito, arco de sipo, 1.a sorte,
prego 70500, idom idem.
18 Um dito dito de diversas qualidades
e sortea.
Expositor Vctor Neesen
19 U frasco com aigodio em earoco,
praco 100000 a arroba Sea Island.
ExpositorJ0S0 Fernandes Lopaav
20 Umudito dito em erroco, de Pern
baajo, prego 20900 amaba -
21 Ua-idito com sasswntaV.-de aigodio,
da Pernambuco.
22 Um-dito dito de ditd crioulo, prego
40000, por 15 kilos.
ExpositorCarlos Pinto de Letnos.
NOTA.O algodo cultiva-se em diver-
sas provincias do norte ; porm o de
Pernambuco o mais estimada pelos
fabricantes em geral. Exportemos an-
nualmente perto 'e 12;00O,00 de kiilo
grammas para o estrangeiro e outras
provincias do imperio.
23 Um frasco com caf da Siberia, prego
100000, por 15 lulos.
24 Um dito com dido do Bonito, prego
80000, idem idem.
~g25 Um dito com dito de Moka, prego
90000, idem idem.
id Um dito com caf do Cear, prego
80000, idem idem.
27 Um dito com dito da comarca da Es-
cada, prego 10000, idem idem.
ExpositorAndr Mara Pinheiro.
28 Um dito com dito da Siberia, com
casca, sem progo.
ExpositorJoao Fernandes Lopes.
NOTA.O caf vai-se desenvolvendo
em diversas localidades onde o ter-
reno Ihe proprio serxindo j para
supprimento das mesmas. Ha muita
esperanca de que venha a ter grande
desenvolvimento pela boa qualidade.
Os specimens que remettemos, confirmam
esta assercio.
29 Um frasco com cacan lavado, prego
60000, por 15 kiloa.
ExpositorAndr Mara Pinheiro.
30 Um dito com dito fermentado, prego
60000, idem idem.
ExpositorLeonardo Kuba.
NOTA.O oaeu principia a ser culti-
vado nesta provincia, onde produs per-
fectamente em muitos lugares.
Nao ha cultura de menos trabalho e
e mais rendosa ; as arvores dio fruc-to
constantemente, e vivem 80 annos.
31 Urna caixa contendo 6 pacotes com
chocolates, prego 20000, o kilo.
32 Dous frascos com fumo em folha, de
Garanbns, prego 100000, por 15
kilos.
33 Um dito cora dito de corda, de Ga-
ranbs, prego 100000, idem idem.
ExpositorA Goramidsao.
NOTA.E' muito bom o fumo cultivado
em algumxs localidades desta provin-
cia ; pena que nio saibam preparat-o
para a ezportacio que poderia ser urna
ds mais importantes.
34 Dous frasees com casca de canalla,
prego 60000, por 15 kilos.
ExpositorGuiraaraes & Valente.
35 Um dito com canella em p, prego
90000, dem idem.
Expositor A CommBsab.
NOTA.A canclleira desenvolve-se muito
e sem cultivo, nio ha, porm o cos-
tume de tirar-se a casca da arvore.
36 Um frasco de cumani, prego 300000,
por 15 kilos.
37 Um dito de dito do mesmo prego.
ExpositorA. M. Veras.
NOTA Estas favas aromticas existem
em qoautidade as florestas. (Vide a
Botnica que acompanha os artigos.)
38 Um frasco com bauniiha, prego 50000,
o kilo
ExpositorA. M. Veras*
NOTAEste specimen produz as flo-
restas. Ha diversas qualidades. (Vide
a botnica que aoompauha os artigos )
39 Um frasco com sementes de carra-
pato brauco, prego 10600, por 15
kilos.
40 Um dito com as mesmas, sementes de
c6res, prego o mesmo.
ExpositorCarlos P Lemos.
NOTA. Desta sementes ha grande
quantidade. Temos 4 fabricas que ex-
trahem leos para diversos misteres.
41 Um frasco com capira sndalo, prego
80000, por 15 kilos.
ExpositorA Commissao.
42 Um amarrado com capim sndalo, pre-
go 80000, por 15 kilos.
Expositor A. M. Veras.
NOTA.Deste artigo temos grande quan-
tidada. Nao ha exporcacio.
43 Um frasco com cera de carnauba,
1. sorte, prego 70000, por 15 kilos.
44 Um dito dito dito, 1.a sorte, prego
50000, idem idem.
45 Um dito dito dito, 3.a sorte, prego
40000, idem idem.
Expositor J. V. Alves Matheus.
NOTA.A pahneira da cirnaba me-
rece especial attencao como urna das
plantas mais uteis do Brasil. E' ind-
gena e desenvolves sem cultura as
provincias do norte. Nao ha outra ar-
vore que se preste a tantos e to varia-
dosmisteres.SuKs raizes so depurativas
como a saUa arrulla ; do tronco t-
ram-se fibras rijas, que adquirem o
mala bonito brilho. A madeira do
tronco presta-se a construccoes; es-
telos, latadas, cercas, tubos para bom-
bas e instrumentos de msica. O olho
da palmeirx, ao qual chamam palmito,
um alimento muito apreeavel. Do
tronco (1) se exfrahem vinho e vina-
S-e e gomma semelhantemenfe ao sag.
9 tructoa servem para alimentacao
do gado. A parte fibrosa e tenra do
interior do tronco faz o effeito da cor-
tica. A polp do fructo agradavnl
para comer-se e a amendoa pode ser
usada como caf>. Do tronco obtem-se
tambem urna farinba semlbante
maizena. Da pslht se extrahe sal e
alali para fabrico do sabio : da mesma
folha slcca faiem-se eateirss, chapeos,
cdstoe, vassoaras, balaios e abanos :
extrahe-se a caVn, que ha muito tempo
se exporta, e de que se fazem vellas.
(Vide BoUniea f. 131.)
(1) E' do tronco que se extrahe o vinho.
46 Dous frascos com agafroa, prego 20000,
por kilo.
ExpositorJoao Feroandes Lopes.
NOTA. A aosfr produt aem eoltivo
a florece espoutenesmente. Applica
se como adubo e para dar r agrada-
vel aos manjares. Redatida a pf),
empregada as* tinturaras.
47 Um frasco com castanhas de caja,
^00 400 r. por kilo.
iu dito com ditas assadas, prego
20000, por 15 kilos.
ExpositorA Commissao.
NOTA.Esfs-casta-nbas sio alimenti-
cias e mai Saboroeas.
49 Doris fraacofl com amedoim, preco
40000, por 15 kilo..
50 m dito cosa dito, prego 30000, idem
dem.
Expositor A tfmmisao.
NOTA.D em mu i as, quatidade ; mas
pouco se cultiva. E^retanto ha urna
fabrica em que j se prepara o oleo
para a exporcacio.
Um frasco com castanhas silvestres,
Bem prego.
ExpositorA Commissao.
NOTA.Contm oleo fino; ha em abun-
dancia, mas nio tem sido aproveitada.
Um frasco com farinba de mandioca ;
prego 10200 por 15 kos.
Expositor Dr. M. F. de Souza Lele.
Um dito-dito dito; prego o mesmo.
ExpositorA commissao.
Dous fraseos oom fcula de -mandioca
para bollos ; prego 500 ra.-o kilo.
Expositor Braga, Gomos vt C.
55 Um frasco eom gomma da matarana ;
prego 500 rs. o kilo.
56 Um d'to dita de mandioca ; prefo o
mesmo.
57 Um dito dita de batata rainha ; prego
o mesmo.
Um dito dita de arroz ; prego o mes-
00.
Expositor Jeronymo Coucero.
NOTA.A mandioca um dos gneros
principaes da alimentacio brasileira ;
at> raices sao tio vicosas que algumas
pesam 10 kilos; faz se variedade de
manjares, assim como da macaxeira,
matarana, inhame, araruta e outras ba-
tatas alimenticias ; suas gommas, como
se verificar das amostras que remet-
temos, sao mui finas. Todas as plan-
tas tuberosas vgetam aqu abundan-
temente. (Vide^dotanicaque acom-
qanha os produtes.)
Um frasco com 1S de carneiro lavada ;
prego 10000 o kilo.
Um dito dita de smmauma ; prego
100000 por 15 kilos.
Um dito dita da bandeira da canna ;
pre^o 60000 por 15 kilos.
Um dito dita de macella para enebi-
roento; prego 500 rs. o kilo.
Um dito dita de Gravat; prego 600
rs. o kilo.
Expositor-A commissao.
NOTA.A li do carneiro nao ha costa
me de cortarse ; a raca que melhor
vive aqqi tem a la curta e grosia e
de pouco valor. Os carnoiros merinos
aio se dio bem com o clima d'aqui.
64 Um frasco oom parsita sabambaia
(cabello vegetal) ; prego 20000 por
15 kilos.
Expositor -A commissao.
NOTA. Ha grande variedade d'estee
artigos. A oxportacio em mui pe-
pequena escala. O consumo apenas
local.
65 Um frasco cim folhas de malva ohei-
roaa ; prego 500 rs. o kilo.
Expositor Carlos Leal.
Um amarrado com fumo para ca-
chimbo ; prego 80000 por 15 kilos.
Expositor A commissao.
NOTA.O consumo apenas local.
Um frasco com oera de abelha; pre-
go (30000 por ib kilos.
Expositor1Leal A IrmSp.
NOTA.Nao tomos exportacio d'este ar-
tigo.
Um frasco comgendiroba ; sem prego.
ExpositorLeal & Irmao.
NOTA-Esta sement medicinal. (Vi-
deBotnicaque acompanha os arti-
gse
Duas caixas com trangas de fibra de
macabyba ; prego 30000 o kilo.
70 Urna dita de fibras de raacahibas ; pre-
go 20000 o kilo.
71 Urna dita do urna barba da mesma
fibra; prego 30000.
Expositor -A commissao.
NOTA. Estas fibras prestam-se a di
versOB misteres ; ha quantldale ; ata-
da nio se exporte.
72 U:n amarrado com cortigas para afiar
navalhas; sem prego.
Expositor A oommissSo.
NOTA.Este artigo extrahe-se em pe-
quena scala.
73 Seis garrafas de vinho de.... com o
n
Expositor ..
NOTA.Sio podemos dar nenhuma in
formacio. *
74 Um fraseo com sement de urug;
60000 por 15 kilos.
ExpositorA commissao.
NOTA.Nie tem cultivo; nasoa espon-
tneamente; serve para adubos de
manjares; nio ha exportacio.
75 Um frasco con sement de gerie.uity ;
sem prego.
Expositor. A commissao.
76 Um frasco com carvSo anima!, Ia sor'
te ; prego 10600 por 15 kilos.
77 Um dito com dito dito, 2a sorte ; pre-
go 10500 por 15 kilos.
ExpositorJ. I. do Vaile (S C.
NOTAServe para purificar o assuear.
Tenr.-g urna fabrica bem montada que
exporta para outras provincias.
78 Um noveo de fio de macabyba ; pre-
go 20000 o kilo.
79 Um dito dito dita; prego 20000 o
kilo.
Expositor -.....
NOTA.Eate fio prestase para todos os
misteres da pescara, em consequencia
de resistir bem a agua salgada.
Urna cabegada de cabello de animal;
prego 80000.
Expositor A commissao.
Dma dita de couro ; prego 60000.
ExpositorA commissao.
NOTA.Os nossos serranejos utilisam-
se do couro para faser chapeos c rou-
pas para horneas.
Oito oelhas de madeira, sortidas; pre-
go I5OOO cada urna.
Expositor -A commissao.
83 Tres balaios de timb ; prego 200 rs.
cada um.
84 Um chapeo de dito ; prego 20000.
Expositor -A mesma.
NOTAEste sipo faz-se toda a qualida-
de de balaios e chapeos. Ha alguma
industria.
85 Um frasco com tapioea ; prego 30000
por 15 kilos.
Expositor A commissao.
Um frasco com cariman de mandioca :
prego 20400 por 15 kilos.
ExpositorA rflesma.
(Continua.)
Dr. Agoetnho J. P. Bretes 3,83*
Dr. Jas Oalmon 2,163
Sio de Janeirote Senado, em sessio de 10,
depois de lido o expediente, o Sr. Viriato de Me-
deiros teve a palavra para apresentar um reque
rmente e responder ao Sr. Silveira atartins sobre
o que dissera S. Exc. relativamente urna couces-
sio de trras no fe-Grande do Sul e a aecnsa-
cio feta seu irmao Dr. Trajano Viriato de Me-
deiros, juiz dos feitos da fasenda dsquella provin-
cia.
A' propotito de algumas palavras proferidas
pelo Sr. Viriato de Medeiros, ae concluir o sea
discurso, houve entre o orador e o Sr. Dantas urna
queatio de ordem, que motivou a Buspenso da
sessio por aleum tempo.
Continuando a aessio foi apoi ido o requerimen-
todo Sr. Viriato de Medeiros, que obteve a pala-
vaa-paradar urna expl i cacao ao Sr. Dantas.
A d'scssjslo fien adiada pala hora.
Passando parte da ordem do da, entro*
em 3* discussio a proposicio da Cmara dos Dis-
putados, dispensando ao soldado d > corpo de alum-
nos da escolar militar desta corte, Annibal Eloy
Cerdoso, o excesso de idade marcada na lei, afim
de ser admittido a exame das materias do 1 anno
do curso superior em que se acba matriculado.
Poi approvada e adoptada para subir senecio
imperial.
a segunda parte da ordem do dia continnou a
2' disaussao da proposta do poder executivo, coa-
vertido em projecto de lai pela Cmara dos De-
5utedos, orcamento da despeza do Ministerio da
ustica, para o exercicio de 1886 a 1887.
Oraram os Srs. Sonre Brandao, Meira da Vas-
concellos, Ribeiro da Luz (ministro da j ustica)
Alfonso Celso, ficando a discussio adiada pela
hora.
Na mesma cmara, em sessio de 11, teve a pa-
lavra o Sr. Silveira Martina, que respondeu ao
Sr. Viriato de Medeiros sobre a venda de trras
em S. Pedro do Rio Grande do Sul, mandando i
mesa um requerimente que foi approvado.
Na primeira parte da ordem do da, continuan-
do a segunda discussio da proposta do poder
executivo convertido em proposta de lei pela C-
mara dos Deputados, oreando a deepeza do Mi-
nisterio da Justiea para o exercicio de 1886
1887, orou o Sr. Jos Bonifacio, ficando a dsc3-
sio adiada pela hora.
O Sr. Castro Carreira communicon ao Senado
que a commissao que tioha de apresentar a S. M.
0 Imperador o autograpbe do decreto da As-
sembla Geral Legislativa abrindo ao Ministerio
da Justiea um crdito supplementar, cumario a
sua missao, sendo recebida no Paco com as forma-
lidades do estylo, e que S. M. o Imperador se
dignara declarar que examinara. O Sr. presi-
dente diz que a resposta de Sua Magestade e re-
ceida com especial aerado.
Paseando segunda parte da ordem do dia,
fsram sorteados os Srs. Christiano Ottoni, Leo
Velloso e Lima Duarte para receberem o Sr. Mac-
Duwel, ministro da marinha, quo tomou nssente
ao lado do Sr. presidente.
Enlrou em segunda discussa] o orcamento do
Ministerio da Marinha, orando o Sr. Alfonso Cel-
so, que mandou mesa urna emenda sobre o re-
gulamento da escola de marinha.
A discusso ficou adiada pela hora.
Foram nomeados Jos DionUio Meira, Wil-
am Roberto Luts e Guilherme Calheiros da Gra-
ca Filho para os lugares de alumnos astrnomos
do imperial observatorio astronmico.
Na eleicio a que se procedeu no dia 10, na
Santa Capa de Misericordia, foram! eleites defini-
dores, para o anno cotnpromissal de 18861887,
03 seguintes irmaos : 1., Conde de Mesquita ;
2.*, Bario de Andarahy ; 3., senador Jeronymo
Jos Teixeira Jnior ; 4., general Ayres Antonio
de Moraea Ancora ; 5., senador Bario de Ma-
mor ; 6., commendador Bernardino Jos Bor-
ges ; 7.*, Miguel Archanjo GalvSo ; 8., Baro de
Villa Veha ; 9.*, desembargador Serafim Monis
Barrete ; 10, Dr. Antonio Ferreira Vianna ;
11., conBelheiro Antonio Pedro da Costa Pinto ;
c 12, Antonio da Costa Chaves Faria.
Camoneana Braalleira.De mais urna
bellissima produccio do Exm. Sr. Barao de Para-
napiacaba, Ilustrada e primoroso poeta fluminense,
damos boje noticia, grata por certo aos cultores
das bellas lettras. E' uin poemeto intituladoCa-
montana Brazileira, publicado por occasiao do
tricentenario da morte do grande pico portuguez
e agora reimpresso, ntidamente, na corte, forman-
do um volume de cerca de 200 pagiuas.
O poemeto dividido em oito cantes e um epi-
logo. Os mais bellos trechos dos Lusiadas nelle ae
encontram cm versos modernos e inspirados, va-
riada e Irrepfehensrvetmente metrificados por poa
1 ta do fino e apurado gosto. Cada canto precedi-
do de um argumento, que resume o assumpto de
cauto correspondente nos Lusiadas, c Ilustrado com
varias notas, inclusive explicativas da mythologia.
D'entre essas notas avultam as que tratam-da his-
toria de Portug il, cuja verdade restabelecida nos
pontos em que della Camois se desviara.
Para que os nossos leitores vejam que, no juizo
que fazemos dos mritos do poemeto, nao ha exa-
geracao, tiraremos ao acaso algamas de suas stro-
pbes, afim de julgarein melbor.
Do oanto II, Erycina indo queixar-sea Jpiter:
80
81
.82
86
MUAN L
rifcVlSTA DIARIA
Xotlrist* !Pelo vapor traaeez Vle
Me Victoria, eatrado hontem s 6 horas da tarde
do Rio de Janeiro, recebemos folhas da corle, al-
eascando a 12 do corrate mes, doos das mais
adantedas do que as trasidas pelo paqte nacio-
nal Mandos.
Fi portador das seguintes noticias, alm das
que consfim MM&t-GeraetO resultado conheerdo de 34
parochiaa, inclusive aquellas em que nio houve
eloicio para senadores, 0 seguate :
Dr. Cesano Alvim
Conseheiro Carlos Aflonao
Cdtoserheirb Osmdfdo de Oliveira
Oommendador Manoel Jos Soarea
Dr. Evaristo da Veiga
1 Bario de Leopoldina
-
Oa paramos funde da abobada etherea ;
Perpaasa de estrellas a esphera brilhante ;
Penetra, segura, recessos do empyreo
E suige ante o solio do grande Tonante.
A face, affrontada do afn do caminho
De gloria e belleza, serena, resplende ;
O olnar, em que a forga do amor se concentra,
Espacos, estrellas e polos accende.
Com fina eseumiiba velando os encantos,
Tal como ante os olhos surgir de Anchiaes,
Os numes inflamma, mostrando, entre sombras,
Doa lyrios divinos incertos matizes.
Flucta urea coma, beijando-lhe o eolio ;
Andando, estremecem-lhe os seos de nev;
Desejo arrojado se enlaca s columnas,
E sobe a tbesouros, que a meDte desbreve.
Eis outras do canto III:
Soam tromb'.-tas hrridas
Ferve, cruenta, a guerra ;
Rios de eangue esqualido
Tornam vermelha a trra.
Bracos, cabecas, visceras
CoalharB o chio da mflrte;
Ri em confuso estrepito
Toda a infiel cohorte.
Envolva crep fnebre
O braco do alaude ;
E em notas melanclicas
Do canto o som se mude.
De Iguez o caso ttrico,
Que os mortos resuscita,
A fama em thrinoa lgubres
A's geracoes repita.
Eis, em alexandrinos,
Adamaster :
no canto V, deecripto o
Medonha surge, entic, do co no fundo escuro
Figura eolossal, de propore5es disformes ;
Torva lhe intensa barba o carrancudo senho ;
Cavos olhos afonda em rbitas enormes.
Na fronte se lhe apinha enxovalhada grenha.
E' lvida do rosto a cor terrena e baca,;
Rangem na bocea negra amarellados uentes; *
Tem na postara mi cegares de ameaca.
0 ronco tom da voz qual trovo medonho,
E como se o soltesse o mar do fundo abysmo ;
Fetal estreme?!", gelado, horripilante,
Corren por quem o ouvio, do horror no paroxysnhs.
A descripcio da Ilha dos Amores, no Canto VIH
to mimosa, que nio podemos resistir tentacia
de tran*erevel-a t
Docemente oscillando em mar de rosas,
Velos a frota pelo ail desusa,
E vea sobre a liquida campia,
Ao brando sopro de fagneira brisa.
Eis surge, ao Ionge, em direceio da pros,
Bella, vieosa, a ilha dos Amores ;
Verde arverdo ensombra os frescos vallas,
No rclvoeo tapia ehovenda flores.
gam ferro em pacifica enseada,
i lmpido fundo a vista afaga ;
praia de rbidas conchinhas
Jaman ruga da mar se lfsa em vaga.
'



Difiri de Peruamlmcotyuinta-4feira 19 de Agosto de 1886
Serenas correm crystallinas aguas,
Sobre dourada area murmurando ;
Tauqoed> a*m),:em p*s*ida tmiwo,
EatJo da esphera as tintas debnzando.
Toca a cidrea o chao, vergando asa pesos ;
Esmalta aare laranja a verde folha;
Entre os limosa o pomos, que os imitam,
Ninguem, de eerto, hesitara n* escolia.
MyrtrtS de Venus, alamos de Alcides,
Pinheiros, que de Rha ufanam mimos,
Louros de Apollo, fnebres cyprestos,
Erguem sos coa ot apruinadoa cimoa.
Fructos, diversos no sabor, na forma,
Espontaneoproduz o frtil solo ;
Ostenta a vide os cachos hi-celores,
E do vizinho olmeiro enlaca o eolio.
Desmaia, ante a rm, rubim flimmante ;
Esplende, ao lado, em purpura a cereja;
Roia a amra, e o pecego, escoimado
Do toxico natal, no p viceja.
Nmnora-se na lympha alvo narciso ;
Floresce a Imda anemone entre rosas ;
Como vexada, aroxa violeta,
Tmida, esconde as ptalas mimosas.
Roreja inda a eecm de fresco orvalho ;
Conta o jacintho a Phebo o seu martyrio ;
Entre as boninas, que o jardim matizara,
Abre a corulla ao sol candido lyno.
De cada fiar o delicado calix
Era caconla de fragrant incens,
Ergucndo nos efluvios perfumados
As oblacoes da trra aos ps do Immsnso.
Cantava o cysne beira da corrente,
Casando a voz do rouxinol aos trillos ;
Traz a mai o sustento ao caro ninho,
Proinpta acudindo aos trmulos pipilos.
Mira-se o gamo, sem temor, as aguas ;
Pousa, quieta, no vallado a lebre;
Nem a gazella tmida receia
Que alguem do calmo abrigo a paz lhe quebr.
Nao nos r;reciso dizer mais, eremos, sobre a
Camoneana Brazileira.
Terminando esta noticia, cumpre-nos agradecer
ao Exm. Sr. Bario de Paranapiacaba a offertaque
nos fez de um exemplar do seu poemeto.
Aoiociacao Comnaercial Beaeflcen-
le Reunio-se hontem a assembla geral desta
associaco.
Depois da leitura do relatorio dos trabalbos da
directora no anno social, findo em 31 de Julho
ultimo, que foi approvado, elegeu a nova directo-
ra, que ficou composta dos segu ntes Srs.:
Manoel Joo de Amorim.
Manuel Joaquim da Rocba.
Joo Jos Rodrigues Mendes.
Corbeniano de Aquino Fonseca.
D. P. Wild.
Henry Sulzer.
Domingos Alv. s Matheus.
Jos Mara de Andrade.
Wm. K. Halliday.
Custodio Francisco Martina.
Joaquim Alvos da Foncccu.
Fraucisco Gurg:l do Amara!.
Sdalas faina*No da 7 do corrente foi
preso em flag.-ante delicto, na feira da villa do
O Sr. Ferreii Pinto pede a palavra e fas ao
novo presidenta urna intcrpellaco.
O Sr. presidente, passando a cadeira ao Io vi-
ce presidenta Casta Pinto, eerjupa urna das ban-
cadas e responde.
Paseando 9* parte, proceden se ao sorteia pa-
ra o jury histrico, cujo resultado foi o seguinte ;
Promotor Serpa, aavogado Baptista Carvalho.
Este club, reune-se hoje, as 4 i.oras da tar-
de, para tratar da reforma de estatuto.
,ellfiea.Effectuar-se-ha:
Amanha :
Pelo agente Pestaa, as 11 horas, ra do Vi
gano Tenorio n. 12, de seis meias aguas.
MtNNNaa rmebres.-Ser celebrada :
Sabbado :
A's 8 hora, na matriz da Boa-Vista, por alma
de D. Amelia de Hollanda Cavaleante de Albu-
querqne Leal.
Causa elt eienf Ao Movimento dos pre-
m* no dia 17 de Agosto :
Existiam presos 283, entraram 18, aabiram 9,
existem 292.
A saber:
Nacionaes 268, mulberes 3, estrangeiros 7, es-
eravos sentenciados e processados 7, ditos de cor-
reccao 7.Total 292.
Arracoados 256, sendo : bons 246, doentes 10
Total 256.
Teve baixa :
KTos Felippe de Lima.
Lotera da provinciaA lotera, n. 65,
em beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife sar extrahida quando for annunciada.
No consistorio da igreja de Nessa Senhora da
Conceico dos Militares, se acharao expoetas as
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica aprecir$lodo publico.
Lotera do RioA 1 parte da lotera
n. 365, do nevo plano, do premio de 100:000^000.
ser extrahida no dia .. de Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da edrteA 1" parte da 199 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:000^,
ser extrahida no dia 20 de Agosto.
Os bilhetes achum-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro do Mareo n. 23.
Tambera acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera Extraordlarla do Ypl ru-
ara-O 4." e ultimo sorteio das 4. e C. series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000/000, ser extrahida brevemente.
Acham-se expoatos venda os restos dos hi-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro do Marco
n. 23.
Lotera de Macelo de *0OtOOO#OOO
A 4" partes da UN lotera, cujo premio
grande de 2*0:000*, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelmeote no dia 24 de Agosto s
11 horas da manha.
Bilhetes venda na Casa Fels da praca da la-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Matad ouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 93 rezes para o consume
do dia 19 de Agosto.
Sendo: 74 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
& C, e 19 a diversos.
Mercado Municipal de S. JosO
Bonito. Francisco Mendes da Silva, passando no-; movimento deste Mercado uos diaa 18 do cor-
rente, foi o se quinte :
Entraram :
39 bois pesando 5,326 kilos.
690 kilos de peixe a 20 res
101 cargas de fsrinha a 200 ris
26 ditas de fructas diversas a 300
13 taboleiros a 200 ris
12 Sumos a 200 ris
Foram oceupados :
251/2 columnas a 600 ris
25 compartimentos do frinba a
500 ris.
23 d itos d comida a 500 ris
72 ditos de legumes a 400 ris
16 ditos de suinoa 700 ris
13 ditos de tressuras 600 ris
10 ditos de ditos a 2/
4 diloa 1
A Oliveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris
51 talhos de carne verde a lf
ra.
Deve ter sido arrecadnda nestes
a nuuntla'do
Rendimento do dia 1 a 17
di as
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos do dia :
Carne verde a 200 e 400 ris o kios.
Sn,oj a 560 e 500 ris idem.
Carneiro de 640 e 600 ris idem.
fannh de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 240 a 320 ris idem.
Fejao de 040 a 1*000.
Cemiterlo putollco.Obituario do dia 16
de Agosto:
Paulo, frica, 70 annos, solteiro, Boa-Vista ;
eryeipela.
Maria Alice, Pernambuco, 8 mezes, Santo An-
tas falsas de 1000.
Em poder do delincuente foram encontradas se-
te sedulas deasas e noventa, em uma maca, sendo
arrecadadas onz^ de diversas pessoas, que, em boa
f, aa haviam delle recebido.
Declarou Silva que lhe fra dado todo aquelle
dinheiro na villa do Teixeira, em pagamento de
nma carga do couros, que vender a uma pessoa
de Mossor, cujo neme ignora.
AMaM*inatoNo termo de Garanhuns e no
diii 10 do corrente, fj assasainado a golpes de
helo, por seu proprio cunhado, Francisco Dias da
Rocha, o individuo de nome Luis Jos Mendes
BaBtos.
O delincuente foi preso e est sendo mquerido.
Aanlverstario natalicio Completen
hontem 56 annos do idade o rei da Austria e
Hungra, e por to fausto motivo estiveram em-
banderados os navios surtos no porto, bem como
todos os consulados, que nessa msuifestaco de
apreco acompanbaram ao Sr. Jos do Livramento,
digno cnsul da Austria e Hungra.
A EntacfioDeste eicellente jornal de mo-
da parisienses, receoemos hontem, o n 15. *li
de muitaa e finas gravuras intercaladas no texto,
traz um figurina colorido e uma folha de moldes e
bordados.
E' justoCommunicaram-no8 o seguinte :
Dignem-se Va. chamar a attencao de qnem
competir para o constante abuso e desrespeito s
orden3 da autoridade competente qne so d rela-
tivamente ao concert de baroacas no caes do Ra-
mos ; pois tirando os proprietaros das mesmas
licenca para eflectuar os concertos na praa de
Santa Rita, lugar determinado pela Capitana do
Porto, assim nao procedern e mandam effeetual-os
no caes do Ramos, com prejuzo e risco dos nego-
ciantes, moradores n'esta rna, que ven, nao raras
vtzes, os seus armazens de algodo, madeiras e
trapos, invadidos por faiscas quando se procede tonio; dentcao.
queiuia das referidas bareacas. i Jos Tavares de Oliveira, Pernambuco,
Foi sem duvida para evitar este mal, que n03) casado, Boa -Vista ; diarrha
pade ser algum dia fatal, que a Capitana do Por-' Antonio Jos Laiz, frica, '
to determiuou a praa de Sinta Rita para so ef-
feetuar taes concertos, porque, all, em lugar so-
lado, desappirccen: os inconvenientos apontados.
^_ Certos de que a presente reclamaco ser at-
tendida pela autoridade, a quem compete provi-
denciar, pedimos a Vs. que o facam inserir na
sua conceituada Mevista Diaria.
Tentativa de suicidio Ante-hontem,
pelan 5 horas da tarde, ao sahr da easa n. 4 da
ra Bella, a mulher de nome gueda Tercina Be-
zerra da Silva, dirigio-se ao caes do porto do ca-
pm e, alli ebegando, precipitou se no rio Capba-
ribe, no intuito de submergir-se, conforme hava
ella declarado em casa do respectivo subdelegado
da freguezia de Santo Antonio.
Dexou de realisar o seu intento, gracas inter-
vencao do algumas pessoas do povo, que alli se
achavam e que logo tiraram-n'a do rio.
siociedade beneOcente Lnxo Bra-
zileira.Esta aiciedade, tendo-se reunido em
assembl-t geral a 16 do corrente, paraeleger os
novoa foccionar;.oa dos corpos administrativos, para
o anno de 1886 a 1887, fel-e pela seguinte forma :
Directora
DirectorGemmendador Antonio da Silva Girio
Vice-drectorDr. Joo Bastos de Mello Go-
mes.
1." secretarioTeoente Beuto de Soasa Mira,
reeleito.
2. s.retarioTe.-ente Jos dos Santos selva.
ThesoureiroAntonio Bento de Campos, re
t'.eito
1.* consultorJacintho de Medeiros Barbosa.
2 ditoAntonio Pnheiro de Carvalho.
OradorSilveira QarTalho.
Adjuntos-Ramiro Antonio Costa.
Conaelho Fiscal
PresidenteManee) Mar ins Capitao.
Vice ditoAntonio Silva ?antos de Moraes.
l.o secretario Psurcoaceutico Jlo Fagandes de
Castro Meuses.
2 secretario-Fharmaoeutico Antonio Marti
ni^no Veras.
CoqselheirosAntonio Coelho da Silva, Jos
Amonio do Monf (teeleito) alf res Francisco das
Chagas Monte, Umbelino Possidonio Barros, Ma- I
noel Gonclves Agr Filho, Jos Luciano Cabral.
(reeleito) Marcos F. de Paula Reis, tenento Anto-
nio Jos de Oliveira, alteres Alexandre dos Santos
Selva, Antonio Cunh F< rreira L*gos, Manoel
Joaquim de Miranda, Luis Alvea Lessa Pimentel,
Chptao Jos Altredo Carvalho Jnior e Riardo
Lu;zda Cunba.
Mesa da Assembla Geral:
Presidente | Jos de Silvera do Pillar Filho.
Vice ditoCarlos Halliday.
1." secretario-Tenento Francisco Santos Ne-
v?.
2. secretorioGaspar Vicente da Costa.
Commisso de exames e contas
Dr. Isidoro Rodrigues da Costa, Bento Falcao e
major Jos Elias de Oliveira
Club Acadmico Svlvlo Romero
Rcuaio-se este club no da 15 do corrente, sob a
presidencia d 2a v ce-presidente Oliveira Leite.
Prmeira parte da ordem do dia.
Foi reconhecido com socio efectivo o Sr. Ca-
sado de Lima, que sendo campri nentado pelo ora-
dor Amancio de Souza tosaou asiento.
Ptessando-se a segunda parte, proeeen-se
eleico para presidente, lugar qne se achava va-
go. Feita a cfcau11 terificoji-s hiver 19 socios
que pronunciaran^ se do modo seguinte : Pedro
dos Saatos 13, Costa Pinto 6 vetos, tomando pos-
ae o sieto.
13*800
20*200
7*800
2*600
2*400
15*300
12*500
11*500
28*aoo
11*20
7*800
20*000
4*000
1*000
54*000
212*300
3:57^*660
3:785*560
32 an-
95 annos, solteiro,
Boa-Vista; velhice.
Antonio Joaquim de Abren, Pernambuco, 63
annos, viuvo, Boa Vista; tubrculos pulmona-
res.
Samuel, Pernambuco, 45 dias, S. Jos; eclam-
psia.
Maria Jos da Annuncacao, Pernambuco, 54
annos, casado, S. Jos ; lesao cardiaca.
Francisca da Conceico, Pernambuco, 5 annos,
S. Jos; entero colite.
Joanna Maria da Conceico, Petnambuc:, i
annos, casado, Bos-Vista; splenite.
los Ignacio Ferreira de Meneses, Rio
neiro, 40 annos, casado, Boa-Vista ; febre perni-
ciosa.
Urbano Simio dos Reis, Pernambuco, 23 an-
nos, solteira, Boa- Vista ; bronchite.
Luiz Mendes, Pernambuco, 28 annos, viuvo,
Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Isabel Ursulina de Albuquerque Gama, Per-
nambuco, 17 annos, Graca; febre perniciosa.
Mara, Pernawbuco, 37 dias, Santo Antonio;
convulsOes.
INDICQOES OTIS
Tabelllao
O Bachard Amare Fonseca di Albuquer-
que, tabelliao do notas interino nesta capi-
tal, communiea %o reapeitavel publico qu
abri sen esoriptorio no pavimento terreo
do predio n. 4, sito a roa do Coronel Fran-
cisco Jacintho, ootr'ora de S. Francisco,
onde, com solicitado e mxima lealdade,
est prompto para desempanhar as fune-
jSes de sea cargo. Reside na freguezia
da Boa-Vista, ra do Coronel Lamenha n.
30 (outr'ora doa Prazeres) para onde, fra
das horas do expediente de sen oscrptorio,
deverao derigir-se os chamados, para fac-
tura e approvacSo de testamentos.
Conftuttorto al los tico -dosdase trico
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em sea consultorio ra
do Barao da Victoria n. 7, 1. andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades partos, febres, svphis,
molestias do pulmo e do coracSo.
Dr. Lope Pessoa Medico.Residen
cia a ra de D. Pedro I n. 9, onde pode
ser procurado at s 9 horas da manha.
Consultorio ra do Bom-Jesus n. 37 1.
andar. O consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Drogara
Francisco Manoel da 8va dk C. depo-
sitarios de todas as especialidaues pharm
ceutdcas, tintas, drogas, productos chimicx
e medicamentos homeeopaticos, ra do Mr-
quez de Olindan 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapino
de Francisco dos antos Maeedo, caes do
Capibaribe n. 28. N'este grande, estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obras
de carapira por machina e por precos cem
coinno,(>n COMUNICADOS
Ao eleitorado do l: districto
Venho confessar publicamente a profunda gra-
tidao que devo ao Ilustre eleitorado do 3. distric-
to desta provincia, pela explendida victoria com
que coroou os meus esforgos no pleito eleitoral de
12 do corrente.
Faltam-me expressoes para manifestar toda a
extenso desse sentimento que se me aninha no
coracao e constitue o maior jubilo de minha alma;
affirmo, porm, f de cavalhero, que, emquanto
me durarem os alentos vitaes, guardal-o-hei como
o avarento guarda na mais opulentos thesouros.
Pretenda ir, logo depois do pleito, agradecer de
viva voz ao digno eleitorado, os suffragios com que
fui honrado; tendo, porm, necessidade de seguir
para a corte em breves das afim de tomar assen-
to no Parlamento, pego desculpa por adiar para
mais tarde o cumprmento desse grato dever, pro-
testando que, logo que regresaar provincia, o
tarei cumpridamente.
Na corte ou aqu terei mmenaj praffc em cum-
prr as ordens que se dgnarem transmittir mu os
briosos amigos que me honraram com os seus suf-
fragios.
Recife, 16 de Agosto de 1886.
Felippe de Figueira Faria.
I'IBLH tOfcS A FNiH,
Rio Grande do Norte
Medicoft
Conaultorlo medico cirarglco do Dr.
Pedro de Attabyde Lobo Msscoio A
ra da loria n. 3.
O doutor Moscozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s Id heraa da xianh?.'
Este consultorio offerece a conjmodidr
de de poder cada doente ser ouvido e ex
minado, iem ser presenciado por outr-
De meio dia s 3 horas da tarde ser i
Dr. JIoscoao encontrado na torreSo pra
ca do Commercio, onde fuaeciona a tas
peclo de aade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poderlo ser dirigido*
os chamados por cart as indicadas horas
O Dr. Arthur Imbassahy, medico oceu-
lista, recenteroente chegado, esta cid de,
d consaltas tod-JS os dias, das 8 s 10
horas da manha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do predio n. 8, largo da
Santa Cruz.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser procurado qaelquer hora do dia
ou da noite. Consultas: de 1 s 3 horas
da tarde. Especialidade : molestias e ope-
ra^Jes do orgao genitourinarios do ho-
raoih e da mulher.
Dr.. Barreto Sampaio mudou sea coasnl-
torio do 2.a andar da easa n. 46, a ra do
Bario, da Victoria, par o 1." andar, da
casa a. 51, roesma ra, como consta do
sea annuucio inserto na secgia compe-
tente. Reerdencia a ra Seto de Setem-
bro n. 34.
Advocado
O bachard Menjawm Bandera, ra do
Impejador h. 13, 1.' aidar.
O capital loo everiano .11a-
ciel da Costa e o seu detractor
Urbano loaquim de Loyola
Barata
No Diario de 18 do corrente demos a devida
resposta s calumnias e insultos que contra o
Exm. Sr. general Moraes Reg puolicaram Ar-
gus e Epaminondas, principalmente este, no mes-
mo jornal de 7.
Nao sabemos qual das verrn&s foi escripia pelo
juiz municipal do Natal, sob a diccao do Exm.
presidente do Rio Grande do Norte ; o que afir-
mamos, por nos ter informado pessoa que multo
nos merece, qu o facto deu-se, isto : q e o
Dr. Raposo da Camart foi visto escre^eado uma
correspondencia, sob as inspiraces de S. Exc. !!
Esta que a verdade.
7?Seja como fr : ou para Epaminondas ou para
Argus os escriptos feitos sob a diccao de S. Exc,
cada um j receben a devida respoata na altura
da aggressao.
No Diario do 15, Epaminondas estiroute cm
estafado artigo, cheio de citacocs da legislacao
m litar, procurou sustentar a competencia do foro
commum para julgar o capitao Maciel da Costa e
e tenente Rodrigues Pereira, e com esse baldado
intento, torceu a seu geito o espirito do aviso de
, 11 de Fevereiro de 1850 !
L" Nao possivel entendermo-nos^ desde que e ar-
ticulista nao se submette razo e lgica dos
factos.
Antes, porm, de abandonronos a discusaao
sobre este ponto (competencia de foro), pois est
o conflicto sojeito ao conaelho de estado, de
nossojdever protestar contra o furto que Epami-
nondas nos foz, pre'endendo nossa custa passar
por conhecedor da legislacao militar; do que nao
sabia patavina
No Diario Official a. 211, na Seecao do Minis-
terio da Querr, vem publicade o seguinte :_
As seccoes reunidas de Guerra e Marinha e
da Justca do oonselho de Estado, remetiendo,
para consultar com seu parecer, e sendo relator o
Sr. conselheiro de Estado Joo Luiz Vieira Can-
aausao Snimb, os papis relativos ao conflicto de
jurisdiceao levantado pelo brigadeiro Jos Angela
de Moraes Reg, inspector da compaabia de infan-
taria da provincia do Rio Grande do Norte, sobre
o facto de hver o juis municipal do termo d* ca
pital da mesma provincia, mandado citar o capi-
tSo Joo Severiano Maciel da Costa e o tenente
Joaquim Rodrigues Pereira para se yerem pro-
ceaaar, o primeiro pelo crime de estellionato, por
ter, com documentos considerados falsos, recebido
da Thesourara de Fazenda alli existente a impor-
taoc a dos concertos que fra autorizado a fazer
no edificio do quartel d'aquella compauhia, e o se-
gundo como falsificador dos indicados documento.',
por julgar o dito brigadeiro o delicto de qu se
trata puramente nilitar, e ser elle o nica compe-
tente para tomar couhecimento do facto.
Transcripta com a maior fidslidade, a integra
do aviso que submette 4 elucictaco de to Ilus-
trada corporaco, o conflicto em questo, e sem
querermos anteeipar opinio, pois muito e muito
confiamos na talentos* illuetraco e tuflexibilidade
de to conspicuo relator, vamos smento tornar
saliente os saguintes pontos, que, fel i amento, sao
escap^ram peroepeo do Exm. 8r. ministre di
guerra:
1 o acto Ilegal de tsrem sido citados por offi
cial de justca, o capitao Maciel e tenento Rodri-
gues Ptreira.
2 que o capitao Maciel fora, por autoridade le-
galmeute constituida, autorisade a faser os con-
certos ;
3o que esees concertos foram feitos no quartel
ds> ompuihia que cosnaandava;
4o ser o delieto de que se trata de carcter pu-
ramente militar;
5 finalmente, ser o general inspector o nico
competente para tomar couhecimento do facto.
Estes pontos, sao os que em nossa exdruxula e
huauliasioia opinio, daj ao crime, se elle existe,
o carcter militar, e por eoaseguinto fra privile-
giado, pois sao de sua competencia os criines com-
mettidos no exeruicio do cargo ou era razo
delle.
J consideramos orna victoria moral para o
Exm. Be general Moraes Reg, ter o governo
submettido consulta das tres aoofoes do conso-
Iho ie estado o faoto que os bate*** do-Sr. Lay-
la Barata julgavam um mero incidente sem im-
portancia, e qnarian rssslvel-o da afogadilho ex
autoritate propria, pois a honra de dous officiaes
do ejercito era a ama questo de nonada desde
qne assim exige o mandao de aldria, capUSo-mr
LoyoJa Barata, que parees nunca ter presado a
sua!
Agora vamos tratar da inteireaa de carcter do
ajudante de ordens do Exm, Sr. presidente do Rio
Grande do Norte, a quem S. Exc. j desconside-
ren em uma ordem escripia n'um carto de visita
ao commandante da companhia do iofantarfs para
nao cumprir as que lhe fossem dadas por esse seo
empregado, que nao loe merseia confianza, attri-
buto que o tenente Getulio de Oliveira adquiri, a
ponto de, na ausencia de S. Exc. ficar encarrega-
do de dirigir a guamico do Natal, desde qne tor-
nou-se mera instrumento daquelle capitao mor.
O tenente Gatul io de Oliveira tem um process
em aberto por havsr vendido uma casa de orpbos
illudindo para isto a boa f de nma senhora idosa,
totora dos meamos orpbos.
Este proceaso est parado, por assim convir a
altas snmmidades do Natal, qne com essa espada
de Damocles sobre a cabeca do ajudande de or-
dens de S. Exc. tem nelle um dcil e maleavel
instrumento :
Os meninos da Candiuia, tambem contam uma
historia da desapparco de 1.0004 da mesa do
finado capitao Naninguer, quando commandante
daquella companhia, e nella servia como addido o
mesmo tenente Getulio, que, s-j-i dito de passa-
gem, era cosa padre do mesmo capitao !
Historias de comadres!...
Os meninos do trem tambem fallam em urnas
moedas de ouro, que possnit a viuva daquelle ca-
pitao, as qnaes certo compadre tomou emprestadas,
p rdoando-lhc a divida; assim como, que no acto
de ser dado o cadver do mesmo capitao sepul-
tura, alliviou-o (o compadre, bem entendido) do
grande paso das condecoracea e da banda, para
que a tena lhe fosse mais leve. Sao obras de ca-
ridade....
Est oficialmente averiguado que na Secretaria
Militar do Rio Grande do Norte creou-se, por ini
dativa do mesmo ajudante de ordens, nm fondo de
einancipaco, exterqnindo 1600^ de cada volun-
tario que asaentava praca! Estas joias dos ins-
taladores do fundo e,bemfeitores do ajudante de
ordens de S. Exc. eram arrecadadas pelo proprio
tenente Getulio de Oliveira que anda nao apre
sentn a conta em que gastn essas jotas, e nem
quantos escravoa alforriou pelo fundo de emanci-
paco.
Sao abolicionismos do Rio Grande do Norte....
Em 1882, quando o Sr. Jos Gabriel Gomes da
Silva, 1 escripturario da thesourara de fazenda
daquella provincia, ento como hoje servindo de
contador, e actualmente um dos maiores perse-
guidores dos nossos amigos, e que diz em toda a
parte que ha de pol-os de calceta ao p, deu-se
um episodio muito interessante e a que j alludi-
mos, porm boje vamos refer -o com todas as par-
ticularidades.
Era collector das rendas geraes do Cear-Mrim,
o cidado Joo Baptista Limonette, que apresen-
tou-se naquulla repartico para prestar contas da
arrecadaco do trimestre de Julho a Setembro do
mesmo anno, que andava em mais de 2:000*000.
Nao podendo o Sr. Sunonetti demorar-se por
das na capital, pedio ao contador interino Jos
Gabriel que maanase activar o proeesso de saas
contas, entregando-lhe em confianza aquella
quantia-
O Sr. Jos Gabriel de posse des documentos e
dinheiro incumbu-se da conferencia do balancete
da receita e despeza, empregando, como bom func-
eionario que todos oa proc^ssos ensinados, pela
aritbmetica : somma, multiplieaco, dviao e
subtraeco.
Aqui que elle deu mostras de sua habilidade...
Das depois, veio o Sr. Simonetti receber a sua
quitaco e caho das nuvens quando vio. qne o
. onhecimento resava 100 de menos. Nao se con-
formando com semelhanle resa, procurou o con-
tador, que uto fei encontrado em parte alguma.
Cansado de procurar e de esperar por esse
fuuocionai-io e nao pparecendo na contadoria os
seus documentos, foi queixar se ao ento presi-
dente o Sr. Dr. Cunba Barret, que communi-
cando o tacto ao respectivo inspector, o Sr. Dr.
Codeceirs, ordenon a responsabilidade do con-
tador.
O Dr. Virgilio Brgdo, ente promotor publico
do Natal, foi quem deu a denuncia.
Submettido a julgamento, foi o Sr. Jos Gabriel
julgado pelo Dr. Nascimento, n'aquella poca juiz
minicfpil oom exerclcio na vara de direito, que o
absolveu, nao por falta de criminalidade provada
nos autos, maa por um acto de commiseraco,
vista dos grandes pedidos da familia do reo e dos
amigos *
Mis outra ancdota do Rio Grande do Norte :
No tempo da secca, havia no Natal um patriota
que era o procurador de todos os fornecedores de
soccorros Cm Mossor, e que exigi de sena com-
mittentes gratificacoes para os empreados da
Thesourara, pela promptido com que cram pro-
cessados os papis,e tinha a franqueza de, na con-
ta que apresentava aos seua committentes, lancar
a seguinte verba : gratificaco aos empregados da
Thesourara pela brevidade dos procesaos... tanto
(a cifra nao nos souberam dizer).
E d'est'arte, por muito tempo ficou sacrificada a
reputaco dos outtos empregados, alias honestos,
como nss informam, at que descobrio se quem era
o homem da brevidade das conferencias, que, di-
zem-nos chamar-se Joa Gabriel Gomes da Silva !
Esse mesmo Sr. Jos Gibuol j servio interina
mente de inspector da Alfandega do Natal, por 2
mezes e dias ; e, dizem nos, gastou n'esse periodo,
pela verba expediente, em papel, pennas, tinta,
etc., etc., mais do que os sens antecessores e suc-
cessores teem gasto em um exereicio inteiro !
Esta a gente que forma a corto do Exm. Sr.
presidente da Rio Grande do Norte !
Si. .
Peco aos amigos e correligionarios da freguezia
do Recife, que no Io escrutinio da eleico munici-
pal, honraram-me com os seus votos, que desear*
reguem toda votaco em nosso prestimoso amigo o
Sr. tenente coronel Corbiniano de Aquino Fonse-
ca, por ser o candidato designado pelo partido
para esta freguezia.
Recife, 18 de Agosto de 1836.
Alexandre Amerieo de Caldas Padilha.
Engentaos centraes
E' de transcedente importancia, para
Pernambuco especialmente, o que se est
passando nos engenhos centraes de juros
garantidos. Ninguem, entre os que interes-
sam-se pelo estado da lavoura da cana,
que.definha sem coniestajao, poder aasis-
tir com indifferen9a ao descrdito da idea
nica que poder trazer salvagao para os
que occepam-se no planto da preciosa
graiuinia e no fabrico do assucar, isto >
para os que mais direct e larga^nente
concorrem para o augmento da renda pu-
blica.
Era nossas primeiras buhas respeito,
em traeos largos mostramos que comple-
to o descalabro nos negocios dos engenhos
centraes que funecionam, e que estamos
tambem inteiramente ludibnados quanto
outra companhia de juros garantidos, que
tem a construegao e exploraco dos que
nao funecionam ainda.
E para que nao pareca que exageramos
em nosas anteriores apreciagSas, no Diario
publicadas, voltamos hoje para provar at
onde ha chegado o desembarazo dessas
companhias inglezas que, nenhum caso fa-
zendo de compromissos serios, em todos
os tenopos respeitados pelos homens e as-
sociacSes decentes, tudo tem esquecido, em
prejuizo de uma grande idea, do* cofres
pblicos e do intoresse de honrados plan
tadores, que julgaram tratar com estran-
geiros honestos.
Se o governo imperial te grandes peo-
cados em tudo quanto de triste estamos
presenciando sobre engenhos centraes, se
a sua incuria a tudo excedeu, isso nao podo
justificar o audactos proeedimento de espe-
culadores, que com etqaacimeuto de tudo
vem explorar-nos.
Por occasiao dos coatraotos, comecouse
garandado capital aunar do. que o neces-
sario para constraegao de cada fabrica,
mesmo na hvpotfrese de nao seren oa raa-
chinismos importados vindos do Egypto,
onde por rnprestovis estovam abandona-
dos ; exigise ape as 5 "[ em assucar so-
bre o peso das canoas, sem mo menos espe-
cificar-se qualidades ; e todos comprehen-
dem que desda antao, em parte ao menos,
ficaram compromettidos interesses nossos
de grande monta.
Consta-nos que essas companhias ga
rantidas, constituidas em Londres, despen-
dern] cerca de 1(4 do capital em com-
pras de concejsoes e em despezas, que fi-
guraras, como faitas no Brasil; o quo pode
prestar-se juros pouco honrosos para
nossa advocada administrativa
Em todo o caso, o que se est passando
nos engenhos de juros garantidos vergo-
nhoso. Quando pelos contratos devem elles
produzir pelo menos 2.000,000 de kilo*
grammas de assucar por safra de cem dias,
un delles tem apenas fabricado 6,200 sac-
eos, o que d a media de 62 por dia, e
outro tem gasto quasi duzentos dias para
produzir 9,214 saceos, isto cerca de 1|3
do que deveria fabricar em tal espayo de
tempo
Quando so sabe que essas fabricas pri-
vilegiadas obtem 8,6 [0 urnas, e outras
apenas 5[0, isto menos do que alguna
de nossos mal montados engenhos de ani
macs, o espirito revolta-se contra seme-
lhantes emprezas. Para colhermos resulta-
tados taes, com certeza nao precisaramos
de apparelhos aperfeicoados e de adminis-
tradlo ingleza, bastar-nos-hiam os nossos
mais atrazados recursos de fabrico e qual-
quer administradlo honesta.
Nos resultados obtidos pela iniciativa
particular em relagao apparelhos aperfei-
coados para fabrico de assucar, encontra-
se a mais solemne condemnaco s com-
panhias inglezas dos engenhos em m hora
uutorisados. as fabricas particulares qua
empregam os novos apparelhos, tem obtido
vantagens, desconhecidas para os que tra-
tam com as companhias privilegiadas.
No engenho S. Francisco da Varzea,
por exemplo, o intelligente laborioso lavra
dor Dr. Barros de Licerda, em 9 safras,
ha obtido a media de 9,01 0 em assucar
de diversos lances, sendo 6,49 [0 de Io e
2,25 [ de 2o e 3.
O que dirao a isso os felizss estrangei
ros que tm juros garantidos para darera-
nos, de uma s e m qualidade. menor
quantidade de assucar do que muitos en-
genhos do antigo systeraa?
Quando se passa o que estamos presen-
ciando e l pelos Estados-Unidos, custa
da garaatia de juroi, com pingues vanta-
gens viaja com o touriste o gerente
da Central Sugar, que de tao longe
nao pode ouvir reclaraaoes do Ilustres
plantadores, como de perto as nao nuviru,
tem o governo brasileiro pago de juros
esta companhia ingleza 556:356^179, e a
Norte Brasilian, que nem um s engenho
funcionando tm, 759.613,969, como cons-
ta do ultimo relatorio do ministerio da agri-
cultura.
Com este dinheiro nao estaa construi-
da e funecionando uma fabrica mo lelo,
verdaderamente aperfeicoada, na qual se
facilitasse classe interessada os esclarc-
cimentos dn quo precisasse, para ir trans-
formando o systeraa actual ?
Uma carteira no Banco Nacional nao
faria o mais, sem prejuizo para o thesouro,
e com incalculaveis vantagens para a in
dustria assucareira desta provincia?
Poderao continuar do modo por que vo
os negocios dos eng--nhos centraes?
Nao terao s duas companhias, a Cen-
tral Sugar, que funeciona, e a North-Bra
silian, quo nao tam um engenho prompto,
pelos respectivos contratos, incorrido em
caducidade ?
Veremos isso depois ; entretanto, findan-
do por hoje, pedimos com confianya ao ho-
nesto engenbeiro fiscal dos engenhos c en-
troes, que attenda com a energa quo o
distingue para os grandes prejuiz>s que
h2o 8offrido, e vo continuar a soffrer os
que em m hora entregeram suas canas
essas companhi .s, sem escrpulos, que
cada hao respeitado.
O matuto
Os Sis. capitao Jos Prxedes Leite de Vesas
e tenente Pompen Leite de Veras Terceiro, primos
do Sr Dr. Jeronymo Materno Pereira de Carva-
lho, focam denunciados pelo Dr. promotor publico,
Antonio Salustiano de Abreu Rtgo, como incursos
na 1* parte do art. 125 do Cod. Crim., por terem
com outros, ieixado rugir, por eoaoen-encia o cri-
mineso Evaristo dos Santos L-al, o qual, para ser
apresentado ao delegado de Garanhuns, am de
ser recolhido cadeia d'aquella cdade, Ibes havia
sido entregue pelo delegado deste temo, Jos
Correia Paes, conforme se v do recibo assignado
pelo proprio pnnho do eapite Jos Prxedes Leite
de Veras e pelos dos demais denunciados, Dativo
Romualdo da Silva Barros, Joo de Barros Correia
e Pompeu Leite de Veras Terceiro.
A culpa foi formada, perante o 3o snpplente do
juiz municipal de termo, e com assistencia dos
denunciados os qqaes foram acompanhados e de-
fendidos pero advogado Dr. Maximiano Francisco
Duarte. O summario subi concluso do Dr.juiz
de direito da comarca, Joaqnim Cordeiro Coelho
Cintra, em 2 de Maio eate anno e foi despacha-
do em 20 de Junho (com 13 dias apenas na conclu-
so) sendo que termo de data de 2 de Junho,
e o de remessa, para este termo, de 9 de Julho.
Convm, que fique sabendo o publico que este
termo de Correntea reunido ao de Garanhuns, do
qual dista 10 leguas, c que os processsos, em grao
de recurso, sao d'aqui remettidos para o escrivo
do jury do termo de Garanhuns sede da comarca o
pelo que, visto, qne, se o Sr. Dr. Materno nao
tom razo quando em seu artigo publicado no
Diario de Pernambuco, {de f> ultimo afinra qne ;
processo estove na correloso do Dr. jniz de direito,
3 mezes, menos razo tem quando diz, haver-se
arrumado neste termo nm processo contra seus
doua primos, sabendo Dcus como corren tal pio-
cesso.
Nao hoave m voutade de quem quer que fosse,
eoSr. Dr. Cintra, nao tendo por costume ce-
nhecer de factos da comarca, seno quando che-
gam ao su conheeimento, s teve de conhecer de
tal procesas quando chegou a sua oceasio.
Discordando o Dr. Joaquim Cintra dos collegas,
proterio o despacho constante do artigo que refu-
tamos ; mas preciso notar, que um dos denun-
ciados conservador, e que todos quatro entreti-
nham, e creio qne entretem ainda, relacoes amis-
tosas com o Sr. Dr. Joaquim Cintra, que sabe ser
jniz. Podemos gzrantir ao pnblieo que o processo
a que alinde o Sr. Dr. Materno s estove na con-
oluso do Sr. Dr. JoaqoMn Cintra trtu da* e nao
tres meus como dia o Sr.. Dr. Materno.
A mides do Sr. Dr. Materno, que suppoe sua
familia tora da ac4o da lei. que o tem levado
a fazer eonjecturas e a crear phantasmas, nao co
mo homem de lettras, qoe mas nm como um
verdadero rustico. Porque nao- disse o Sr. Ur.
Materno, que a denuncia foi dada por um seu cor-
religionario o Dr. Abrtu Rega tendo sido a culpa
formada por nm outro tea correligionario- o sup-
plente de jui* mtmmpal eferes Salgado de Va*
concello*, com assistsncia do advocado Dr. Maxi-
miano Duarte ?
Porque nao disse tambem que a denuncia foi
dada em virtude de documentos remettidos pelo
Exm. Sr presidente da provincia, ao Dr. promo-
tor publico, para proceder nos tormos da le con-
tra quem ti vesse concorrido para a evasSo do reo
EvarLto dos Santos Leal ?
Porque nao lembra o Sr. Dr. Materno presi-
dencia da provincia o ofHcio, que, em 27 de Feve-
reiro ultimo, dirigi esta ao promotor publico des-
ta comarca, e procura com sua timidez, respousa-
bilisar ao Sr. Dr. Joaquim Cintra, que, em com-
primento do sea dever, nao conhece amigo ou ni-
mieo ?
Tranqulise -se o Sr. Dr. Materno que o Sr. Dr.
Cintra, juiz cumprid r de seus deveres, e cons-
ciente de seas actos, nao recua diante da respon-
sabilidade destes, e nao teme as oramqamirinn
das pbansasias que S. S. tem creado.
Nao ser por tal meio que o Sr. Dr. Materno
ha de livrar seus caros primos da responsabili-
de criminal.
Li se foram os tempas em que o Sr. Dr. Ma-
terno, toda sua familia e seus amigos diziain do
Sr. Dr. Cintra a mesma cousa que agoradas S. S.
em seas artigos dos Srs. Drs. Lydin Marianuo e
Bernardino Maranho.
Amanbi, se estes entenderem de forma qne con-
trario interesses seus, da sua familia ou de seus
correligionarios sero oque hoje quero Sr. Dr.
Materno que seja o Sr. Dr. Cintra. As bravatas
com qua ora se aprsente o Sr. Dr. Materno sao
verdadeiras Quixotadas que s poderlo leval-o,
por rtin, ao mais cruel dos ridiculos.
Os aromis do Sr. Dr. Materno, qne nao tem
nada de serio, porque inspiram-se smente em nm
odio sem justifieaco, creando ou imaginando cou-
sas que. nanea se passaram, em nada prejudicaro
a reputaco do honrado jniz, que at hoje tem sa-
bido collocar-se em sua verdadeira altura, e que
se v cercado da amigos e admiradores, como so
acontecer a todos aquelle, que s tendo em mira
a jusca, na pratica de seus actos, nao olham
consideracoes de familia, de partido, nem de ami-
gos.
Cumprimos com estas linhas um devr sagrado,
deteniendo o Sr. Dr. Cintra das malsinacoes de
um carcter estonteado, e, principalmente, porque,'
em casos tees, procuramos por saliente o preceito
divino, encerrado as santas palavras de Jasas
Christodai a Deus o que i de Deu, e a Cesar o
que i de Cesar, senipre que vemos a Injustica pro-
curando erguer-ss com o sacrificio de reputaces
honestas e illibadas.
O pnblieo sensato, por tudo quanto vimos de
expr, avalie de auanto valem as aecusaces do
Sr. Dr. Materno, fcitas ao inte^errimo Sr. Dr.
Joaquim Cordeiro Corlho Cintra
E basta !...
Socrae!.
A fraude e a eleico do Sr. Jos
H.iriuano
(Transe ripgSo)
Em a'guns mectings, em varios discursos incen-
diarios, jornaes de propaganda abolicionista, n'um
manifest dissidente tem-se procurado lancar o
odioso contra a deciso do dia 11, da Cmara dos
Deputados, que declarou nulla a eleico do Sr.
Jos Marianno, pelo '2. districto da provincia de
Pernambuco, e reeonheceu deputado o conselheiro
Theodoro Silva.
Cumpro que o espirito pnblieo nao seja desvai-
rado por essas chapas de convenco, segundo as
aunes se procura firmar, como uma verdade axio-
mtica, o predominio inexpugnavel do Sr. Jos
Miiriaiin 'aquella circumscnpco eleitoral.
Teve-se para com esse candidato todas as defe-
rencias e complacencias. Podendo a primeira
commisso de inquerito proceder ao exame da elei-
co do 2.* districto de Pernambuco, revelia do
Sr. Jos Mariann', desde que este nao compare-
ceses ao avise competente, esperou, entretanto,
que elle, na provincia, colligisse todos os gneros
da provae necessarias etueidaco do seu direito,
e aqui se apresentasse quando parecesse opportu-
no confederaco abjlicionista.
Apenas o Sr. Jos Marianno apresentou se
commisso, requereu um praso de cinco dias para
refutar a contestaco do seu i.d.-ersario. Esgatu-
do esse praso, requereu novo, e ter-se-lhe-hia con-
cedido tantos quantos o seu direito de defeza po-
desse inventar, como indispensavei sua causa e
ao esclarecimento dos seus juizes.
Na prova oral perante a commissae, o Sr. Jos
Marianno espraiau se como um dique a que se sol-
tam as comportas ; somente nao produzio o effeito
que esperava, porque tiuham-se tomado as neces-
sarias providencias para que o escoamento se fi-
zesse sem o tumulto que os abolicionistas e os par-
tidarios do tribuno costumavam fazer, sempre que
os eluctrieava a sua rhetorica incoirecta, desgre-
nbada e retumbante.
Alm d'isso, o Sr. Jos Marianno nao vio cm
torno da mesa julgadora um s ministro, acoro-
ccando on gesticulando convulsamente neste ou
n'aquelle seutido. Quer ahi, quer durante a vo-
taco do dia 14, os ministros mantiveram-se arre-
dados das votaces, por mais empenbadas que fos-
sem as causas pleiteadas p Nao se alcancaram maiorias salvadoras de frau-
des, como no tempo dos ministerios de 21 de Ja-
neiro e 6 de Junho, com o voto de 3 ou 4 minis-
tras.
Finalmente, o Sr. Jos Marianno nao lutou cor-
po a corpo com o seu Ilustre contendor. Repre-
sentado por um amigo, o Sr. conselheiro Theodoro
tudo fiou da lealdade e talentos do Sr. deputado
Gonculves Ferreira : poupando-ae assim, e tam-
bera ao seu competidor, as irritacoes e pessoali-
dades agjrresaivas, que um combate to reuhido
podia acarretar.
Terminado todo o trabalho preparatorio, a com-
misss formulou seu parecer, concluindo pela nul-
dade do diploma do Sr. Jos Marianno.
Vejamos essa soluco, que den lugar a um dis-
curso vehementissimo e provocador do Sr. Jos
Marianno ; a uma acea de escndalo de quatro
on seis apaniguados das galeras; a. um meeting
presidido por am senador do imperio, todo de in-
jurias do Sr. Nabuco Cmara dos Deputados, e
do candidato annullado pessoa e antepassados
do Imperador ; a um diploma de ouro, para o qual
dez mil pessoas presentes subsereveram 131520,
a um jantar-banquete no Globo ; vejamos, emfim,
se a lei eleitoral foi violentada, ou, sequer, so-
phismada pela maioria vencedora.
Anslysando es papis da eleico do 2.* districto,
a commisso tirou ultima evidencia os seguintes
factos:
Nal seceo da freguesia do Poco da Panella, o
alstamento eleitoral nao foi devidamente registra-
doe.
A lei eleitoral de 9 de Janeiro exige imperativa-
mente quo o alista ment seja registrado por tabel-
liSo publico, em livro para esse fim fornecido pela
cmara municipal, aberto, encerrado, numerado e
rubricado pelos juizes de direito as comarcas on-
di tiverem a seu cargo o preparo e a definitiva or-
ganisaco do alistamento, devendo o registro ficar
concluido no praso de 30 das, contados d'aquelle
em que os tabellies honverem recebido a copiado
alistamento, tendo este trabalho, por sua impor-
tancia, preferencia a outro qualquer : art.6 10
s, 13 da le n. 3029 de 9 de Janeiro de 1881.
Ora, essa soleranidade, alias substancional, por-
que uma precauco contra a fraude, as falsifica-
coea e sobstituicoVs de entidades reaes por entida-
des dereae, nao foi observada n'eisa seceo.
O Sr Jos Mariano disse o e escreveu em seus
documentos, que com effeito a esse alistamento fal-
tava a formalidade legal do registro em notas do
tab-llio, mas, para mitigar a foroa d'essa nulljda-
de substancial, allegou nao se- a parochia do Poco
a nica em que tal falta se encontra: em outros
district >s ella commum.
Se assim a sua falta, ou a falta de outra, nao
pode melhorar ou legitimar a sua situacao jurdica.
Nemoexiuo delicto meliorem suam conditionem
facer potest. E' principio tanto de direito natural
como civil, umversalmente onsagrado.
Aiud.i mais:
Diz a lei que o alistamento nao pode ser consi-
derado concluido, emquanto nao regia r.do.
A este respeito, diz muito bem o parecer da pri-
meira commisso:
E' possivel que este falta solada, sem outra
circumstancia aggravante, deixe de constituir vi-
cio insanavel para os effeitos eleitoraes, mas, desde
que a mA f, aproveitando-se deesa flagrante viola-
c lo da lei, conseguio introduzir no organismo do
listamanto o virus da fraude, que o infecciona e
perverte, nao se pode considerar a falta do registro
seno como um elemento de perturbaco, que des -
natnra a legitima manitestaco do voto, sem o que
nao pode haver expresso real da vontade popu-
lar .
Vamos ver como'o virus da fraude se inocula em
todo o organismo da eleico do Sr. Jos Marianno.
E' preciso liquidar este negocio 4 luidos factos
dos documentos e da lei, para que nao pese sobre
a tmara actual a suspeita db que, para desta-




m9
ssVB
^~r^ftn.jf


Diario de Pernambuco---Quinta -feir 19 de Agosto de 13S6



r..e de um dos los d ponte de rabos de ma-
ncos do abolicionismo,, a que alludio obr.Joi
quim Nabuco, teve e de jmtxcw
inaudita, d'essas que .nniquilario para eempre
,q9
ama violencia
o
de Janeiro.
systemadaleide- ^.^
(Da Gazeta de Noticias de 25 de Julho de 1886).
O contra Rebate
E' este o titulo com que apparecer sabbado
am novo peridico critico, poltico e luterano.
Consta-nos por pessoas fidedignas que procu-
rando manter-ae em posicao de independencia e
moralidade, o novo p-riodico-torna-se digno ae ser
hdo.
Esperamol o.
Os propietarios
BONITO
M. 4 S.
Ao eleitorado da Boa-Vista
Sao convidados os eleitores liberaea da.Boa-
Vista urna reuniao poltica que dever ter lu-
gar na ra da Imperatriz n. 64, esa de ses.den
ca do Dr. Pitonga, sabbado 21 do
da tarde, em ponto.
corrente, s 6
Penranta-se ao Sr. Joaquim Tavares Pinheiro,
morador no engenheiro Corral de Bois, da comar-
a de Bonito com que direito tem em sen poder
pessoaa hvres a titulo de escravos ?
15' corto qne essas pessoaa toram escravos de
sen irmao Jos Tavares Pinheiro (isto mesmo sem
ttulos legaes); mas tendo este fallido, s a massa
tinha direito aos meamos escravos, no entanto esta
entregon-os ao abandono e por consegumto estao
livres de facto e direito.
Ter o Sr. l'inheiro titulos legaes que provein
o dominio des mesmos escravos ? isto o que
compete autoridade competente averiguar e as-
sim espera
Um abolicionilta.
Prevenc,o
Ao
commercio
Banco Auxil ar Mercantil
Sao convidados todos os Sis. negociantes e _par-
ticulares. subscriptores e nao subscriptores deste
sexta-feira,
20 do corrente,
Previne-se a quem interessar possa, que a rea
comprehendida da igreja da Penha at o largo
dasUinco Pontas, entre as rHas das Calcadas e
Vidal de Negreiros, terreno foreiro, pertencei
ao antigo vinculo Salvador Curado Vidal,
successora trata de habilitar-se para
respectivas forose quem assim dos terrenos entre a
iei-eia do Espirito Santo S. Francisco e Rosario
como melhor explicar-se ha na ra da Penha n.
2>, loja.
Ao Sr. engenheiro director das
obras publicas
Pede se a attencao de V. S. para o concert da
ponte do Guerra sobre o rio Gurja, qne ha mais
de dous mezes est sesa lastro, sem que o emprei-
teiro da mesma tivesee dado passadico ao publ co,
obrigsndo assim a alguns passageiros mais im-
prudentes atravessarem o rio com perigo de vida.
Os prejudicadoa-
MEDICO
!
O abaixo assignado, qne at agora assignava-se
Dr. Silva Britto,previne a seas collegas a ao
publico, que, para evitar confosoes, que j teem
havido, por ejercer nesta cidade, onde bastante
conhecido com o ultimo termo d'aquelle apellido,
nm outro collega mais antigo, previne diz, qne
d'ora em diante assignar-se-haDr. Joo Paulo.
Recite, 1 de Agosto de 1886.
Dr. Joao Paulo da Silva BriUo.
coja
haver os
Banco, a reunirein-se sexta-teira, zv uu -;""';>
1 hora da tarde, na Assoc.acao Commercial\B*
neficente, afim de se tratar da fnndacM do Banco
e nomear-se as respectivas commissoes.
Elei DA VENERAVEL ORDEM TERCEIRA DO SERA-
PHICO PADRE S. FRANCISCO, EMOL1XDA,
PARA O AUNO ADMINISTRATIVO DE 188b A
1887. .
Foram eleitos os nossos charissimos irmaos :
Ministro
Antonio Ribeiro de Albuquerque.
Vice-mimstro
Antonio Marques Corris.
Secretario
Jos Carlos Reg Valenca.
Syndico
Theodoro Hermino dos Santos Gosta.
Vigario do culto
Pedro Rigard.
Mestre de novicoe
Francisco Pedro Advincula.
Visitador
Jos Marcelino da Silva Braga.
Definidores discretos
Joaquim Quintino Goncalves.
Dr. Bernardino de Senna Dias.
Jos Marcolino de Fonseca Mangnmno.
Jos Elias de Vascmcsllos.
Definidores
Clrigo Juvenal do Coracao de Jess David Jfo-
deira.
Manoel Jos de Castro Vilella.
Procurador
Joao Jovino Palmeira.
Procurador geral
Jos Goncalves de Andrade.
Ministra
D. Maria Digna Nunes Vianna.
Vice-miaistra
D. Mara Sabina David Madeira.
Mestra das novicas
D. Anua Augusta Ferreira-Pimental.
A ysica clrconclusa
Nao s se curar radicalmente mediante o uso
do peitoral de Anacahuita, todos os casos ordina-
rios de tosse chronica, bronchites, catarrhof, as -
thma, etc.; mas sim tambem, mesmo quando a
molestia haja affeetado sriamentu os orgaoa da
respiraco, seus progressos podem se atalhar pelo
espaco de annoa inteiros, e a applicacao do reme-
dio proporcionar um allivo instautaueo e indcfi
aito.
. Nao ha necessidade de abrigar ou ter o menor
receio relativamente aos seus effeitos, mcamo du-
rante os periodos mais avancados de debilidade.
Na sua eloborada composico nao entra opio,
nem acido prussico, nem antimonio, nem nenbuma
outra draga nauseabunda, e sim to somenU_
composta e preparada da extr-ccao dos suecos de
ama arvore balsmica do Mxico, a qual possue as
tiropriedades as mai i admiraveis e curativas e as
suas curas sao maravilhosas.
Como oabntia contra as falsificaces, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman rtKemp venham
estampados em lettras transparentes no papel do
ivrinho que serve de envoltorio cada garrafa.
-Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
oerfumarias. _
" Agentes^ em Pernambueo, Henry t orster u.,
ra do Cpmmerco n. 9.
A A*u Florido de Barry tem eclipsa-
do a todos os outros artigos com o nome de florida
nos principaes mercados do mundo ; a sua supe-
lioridade o notavel que urna vez conhccida m-
vamvelmente Ihe obtam a preferencia de todos,
desalojando as aguas fljridas inferiores anterior-
mente em uso. A sua frescura, pureza, delicadeza
e mmutabilidade sao propriedades que os outros
Cajnrubeba
Recfe, 26 de Junho de 1886
Illm. Sr. Antonio Pereira da Ounha.
Por dever de gratidio venho trazer ao
conhecimento de V. S. mais urna cura ef-
fectuada pelo seu preparado Cajurubeba.
Havia crea de tres annoa, que minha
mulber soffria horrivelmente de dores rheu-
maticas e palpitares do coracSo, sem en-
contrar allivio alguno dos diversos remedios,
que lbe foram applicados ; mas aconselha-
da por diversas pessoas resolveu-se tomar
o Cajurubeba e, logo no fim do primeiro
frasco sentio melhora e, com o uso de
mais dous frascos acha-se, gracas efica-
cia do preparado, completamente restabe-
lecida ; portanto aceite meus parabens
pela sua maravilhosa descoberta e pode fa
zer o uso que lbe couvier, esta minha
maior satisfacao.
Prezo sua saude por ser com ingenui-
dade
De V. S.
Ara." Att Vnr. e Obrigm0 Cr.
(Assignado) Antonio Buarque de Lima,
desembargador da relasSo de Pernambueo.
(A firma estava reconhecida.)
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o seu consultorio e residencia ra
Livramento n. 31. Io andar. Consultas de 11 ho-
ras da manha s 2 da Urde. Chamados por es-
eripto a qualquer hora. Especialidade :febres,
partos e molestias* de criancas.
Licor depurativo vegetal Mt-'i
DO
Medico Quintella
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de tio grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheumaticas
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgicaa, blennorrhsjgias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, nnamma-
(5es visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathercos, assim como na alopecia ou qauda
do cabello, e as doencas determinadas per satu-
raeao mercurial. D5o-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas eom este
especifico nos hospitaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos o documentos particulares. Faa-se
descont para revender. _
Deposito em casa de Faria Sobrinho & C.
Ra do Marques de O liada n. 4i.
Aviso
EDITAES
Dr.
HBDItO
Tem o seu escriptorio a ra do Marques de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San -
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e criancas.
Factos e nao paiavras
Ao* que te detejam tratar sem eomprometter a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vndese tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmaticc,
ainda mesmo bronchitico; eiysipela, enxaquecas;
internitentes (sem o emprego do fatal quinino) ;
tosse convulsa, falta de menstruacao ; cmaras de
sangue : estericos ou uietrite ; dores de dentes^ ou
nevralgias, metrorragia; vermfugos, dentcoe
convulsoes das criancas ; tudo manipulado de her-
vas do pais.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e goramatosos.
Dr. Cog Lie
Medico, parleiro e operador
Residencia ra da Imperatrit n. 48, 2.- andar.
Consultorio ra Duque de Caxias u. 59.
D consultas das 11 horas da manha s 2 da
tarde.
Atiende para 98 chamados telephone n. 44 a
qualquer hora.
Oculista
perfumes de que temos conhecimento pouco ou
todo o c
florida
todo o cuidado
de
da ppssuem. Ao comprar, tenha-se
que seja a genuina Agua
Temos urna carta para ser entregue ao Sr. ca-
pitao Francisco Jos de Oliveir#,.a qual do seu
sobrinho o Dr. Joo Coelho.CJoacalyes Lisboa;
fa-se este por nao se saber a moradia deste mes-
mo Sr. capito. .
Recfe. 17 de Agosto de 1886.Joo F Ohveira,
por Carlos Sinden.
COMERCIO
Bolsa commercial
buco
de fernaa
.RECFE, 18 DE AGOSTO \)E 188t>.
Aa tres horas da tarde
Cotaefies oficiaes
Letras hvpothecarias do banco da crdito real de
'pernambueo do valor de 100*000 a 93*
cada urna, ex-juros.
Na hora da bolsa
Yendeam-se :
. 40 letras hvpothecarias.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforado.
RENDJMENTOS PBLICOS
Mes de Agosto de 1886
ALFANDEGA

Dr. Barreta Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, mudou seu consultorio, do 2.
andar da casa n. 45 ra do Baro da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde. Residencia
ra Sote de Setembro n. 3 A.
Conultorio medico-eirnrgice
O Dr. Estevao Cavalcante de Albuquerque coo-
tinua a dar conaults uiedico-cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Parase demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1* andar.
s. jihivsx : l> consultorio 95 e residencia
126.
Especiaidadea Partos, molestias de ensacas,
Nd'nltt taseus annexos.
O Br. K. Ofcslnn Bonnel Medico pela
Facnlda.de de Medicina de Pars.
Condecorado com a medalha dos hospitaes.
Socio correspondente: das Academias de Medi-
cina do Rio de Janeiro e de Barcelona ; da So-
ciedade de Medicina pratica de Paris e da Socie-
dade Franceza de Hygiene, ex-director do Muaeu
AnatomoPatolgico da Faculdade de Medicina
do Rio de Jaueiro, tem a honra de prevenir o pu-
blico que durante a sua estada em Pernambueo
fiea a disposcao dos doentes que desejarem hon-
ra!-o com a sua confianca.
Chamados e consultas de 1 s 3 horas da tarde
at novo avio: na hospedara de D. A'Bt0l>'0
(Caminho Novo).
Especialidades : molestias das vias respirato-
rias, coraeao, estomago, ligado, etc., molestias
nervosas e syphiliticas.
Rccife, 6 de Agosto de 1886.
Escola particular
Kbkda OUAAl*
De 2 a 17
dem d 18
Rmda PBOvnicuL
De 2 a 17
dem de 18
399:683*197
25:335*309
51:550*700
3:366202
425:019*006
54:916*902
Total
bcbmdobiaDe 2 a 17
[aem de 18
479:935*908
12:594*529
1:450*708
ComcLAoo PaovwcuLDe 2 a 1
dem de 18
&ar* DBAnuaaDe 2 a 17
dem d 18
14:045*237
12:626*1^3
808*011
13:434*134
25:427*815
2:1864428
"27:614*238
OK'iPAOHOS 0E BXPUKTA Em 17 de Agosto de 1886
Para o exterior
No vapor francez VilU de Victoria, cane-
garam :
Para o Havre, Pohlmann & C. 14 couros espi-
chados com 98 kilos e437 couros salgados com
5,244 kilos ; A. Reg & C. 1 ciixa com 60 kilos
de doce.
Na barca allema J. F. Peat, carregaram:
Para o Bltico, Borstelmann & C. 300 fardos
com 58,670 kilos de algodao.
Para o Interior
No pataeho hollandez Adriatic, carrega-
ram :
Para Paranagu, H. Lundgrin & C. 80,009 li-
tros de sal.
No vapor nacional Mandos, carregaram :
Para Manos, Baltar Irmios & C 40 barris
com 3,600 litros de agurdente e 60 barricas com
2,857 kilos de assusar branco.
Para o Para, M. J. Alves 190 barricas com
13,727 kilos de assucar branco ; J. M. Dias 150
barricas com 9,189 kilos de assucar branco ; V.
da Silveira 231 volumes com 12,900 kilos de assu-
car branco : J. A. da Costa Medeircs 60 barricas
com 2,669 kilos de asquear branco ; B. Oliveira &
C. 14 pipas com 6,720 litros de agurdente.
No vapor nacional S. Francisco, carrega-
ram :
Para Parnahyba, C. Beltrao & Irmao 75
barricas com 2,205 kilos de assucar branco.
No hiate nacional S. Ambrosio, carrega-
ram :
Para o Natal, M. A. Senna & C. 6 barricas com
375 kilos de assucar refinado.
Para Maracaja, Beltrao & Costa 14 saceos
com 100 kilos de fio de algodao e 100 cordas de
piassava.
No hiate nacional Aurora 2a, carregou :
Para Mossor, A. da Silva Campos 6 saceos
com 450 kilos de assucar branco.
Na barcaca Boa-nova, carregou :
Para Parabyba, H. Oliveira 10 barricas com
550 kilos de assucar branco.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 17
Rio de Janeiro por escala7 dias, vapor
nacional Manos, de 1,999 toneladas,
eommandante Guilherme Waddington,
equipagem 60, carga varios gneros ; ao
Visconde de Itaqui do Norte.
Terra-Nova -30 dias, lgir inglez Sun-
bean, do 195 toneladas, capitao N. Wool-
gar, equipagem 9, carga bacalho; a
Johnston Pater & C.
Juizo dos feitos dafa
zenda Racional
Eacrlvao Reg Barros
O Dr. Alvaro Barbalho LJcha Cavalcante J-
nior, juiz substituto dos feitos da fazenda desta
provineia de Pernambueo, etc.
Faco saber a todos que o presente virem e delle
tiverem noticia, que no dia 20 do corrente mez,
pelas 11 horas da manba, depois da audiencia e
perante este juizo, se vender em prac publica os
bens seguintes :
O dominio til do terreno de marinba n. 48
sito ra dos Coelhos, freguezi i da Boa-Vista,
com 120 metros de frente e os fundos at a roar-
gem do rio Capibaribe, pertencente aos herdeiros
de Antonio Carneiro Machado Rios, pela quantia
de 603*000.
A casa terrea sem numeraco, sita confronte a
estaco do Porto da Madeira, em Beberibe, fre-
guezia de S. Pedro Martyr de Olinda, contendo a
mesma 3 portas na frente e 1 no oitao, do lado do
poentc um sali, com terreno em aberto. proprio,
e proprio para plantecoes, estando em bom esta
do, pertencente a Jos Vicente Gondim e hoje a
etua herdeiros, avaliada por 2:000*.
A casa terrea de tijolo e cal n. 1, sita no lugar
dos Coelhos, freguezia da Boa-Vista, e urna olaria
em seguida mesma casa, tudo coberto d telha,
contendo um forno de cosinhar materiaes, achan-
do-ae todo o predio em mo estado, pertencente
aos herdeiros de Jos de Amo'im Lima, avaliado
tudo por 800* ; sendo que todos os bens cima
mencionados vo a praca por execuco da fazenda
nacional. Recfe, 10 le Agosto de 1886.
A. Barbalho Ucha Cavalcante Jnior.
Edial n. 16
praca
De ordem do Illm. Sr. inspector, se faz publico,
que s 11 horas do dia 21 do corrente mez ser
vendido em praca no trapiche Conceico, u a bar-
ril marca M&C e contra marca P, n. 204, conten-
do fumo grammas, vindo de Havre no vapor francez Ville
de Bahia. entrado em 7 do mez de Julho ultimo,
abandonado aos direitos por Meurou & C.
3 seccao da alfandega da Pernambueo, 18 de
Agosto de 1886.O chefe,
Cicero &. de Mello.
11,784 11,790
11,798 11,803
11,825 11,832
Mara dos Aojos Domellas Cmara,
profesora particular, contina a lec-
cionar, na casa de sua residencia ra
Duque de Caxias n. 70, 2' andar, as
materias que onstituem a instruccao
primaria, e os trabalhos de agulha e
bordados. O exercicio d'este por espapo
de mais tres anuos um garanta de
suas habilitacoes. e espera merecer dos
pais de familia a subida honra de lbe
confiarem suas filbas.
A' tratar na casa cima.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio roa do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia i 3 horas.
Residencia roa da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
I
CLNICA.
de partos.
molestia*! de s enboras
e de criancas
Dr. Joo Paulo, medico aggregado do hospital
Pedro IL d'esta cidade, com pratica e escudos es-
peciaes as principaes maternidades e hospitaes
de mulheres e de criancas de Paris e de Vienna
d'Austria, faz todas as operaces obsttricas e ci
rurgicas coocernentes as suas especialidades.
Consultes das 12 s 3 horas da tarde, na ra
larga do Rosario n. 26, primeiro andar.
Residencia. Ra a Imperatris n. 73.
N. 4. Todos os ,ue tem tomado a Emulsao
de Scott, reconhecem a sua superioridade
sobre os outros remedios em pregados at
hoje para a cura da tsica pulmonar, escr-
fulas, rachitis, anemia e debilidade em ge-
ral. As suas virtudes sanativas e reoonst-
tuintes sao maravilhosas.
Monte de Soccorro de
Pernambueo
Os possuidores das cautellas de penho-
res dos nmeros abaixo, sao convidados, a
resgatal-a8 at o dia 26 do corrente mez.
10,922 ,10,942 11,062 11,128 11,209
11,273 '11,388 11,413 11,512 11,610
11,611 11,617 11,618 11,620 11,629
11,632 11,633 11,634 11,637 11,645
11,646 11,649 11,654 11,655 11,659
11,666 11,677 11,687 11,752 11,705
11,714 11,715 11,729 11,734 11,736
11,746 11,747 11,748 11,754 11,756
11,759 11,961 11,763 11,761 11,769
11,795 11,796 11,797
11,805 11,815 11,823
11,842 11,852 11,866
11,867 11,871 11,873 11,874 11,879
11,883 11,884 11,885 11,904 11,909
11,910 11,927 11,931 11,938 11,941
11,945 11,946 11,650 11,951 11,954
11,956 11,957 11,961 11,963 11,970
11,971 11,974 11,975 11,976 11,981
11,984 11,985 11,987 11,988 11,990
11,991 11,992 11,994 11,995 11,997
11,998 11,999 12,000 12,001 12,004
12,008 12,009 42,010 12,017 12,018
12,022 12,024 12,025 12,027 12,028
12,036 12,039 12,041 12,055 12,067
12,069 12,077 12,078 12,076 12,081
12,082 12,083 12,084 12,089 12,090
12,091 12,093 12,094 12,098 12,099
12,101 12,102 12,103 12,104 1*,<05
12,106 12,107 12,108 12,109 12,110
12,118 12,121 12,123 12,127 12,128
12,129 12,132 12,133 12,140 12,147
12,152 12,155 12,157 12,158 12,163
12,165 12,168 12,172 12,178 12,186
12,187 12,188 12,190 12,191 12,198
12,201 12,202 12,203 12,207 12,208
12.212 12,216 12,217 12,220 12,229
12,230 12,231 12,235 12,238 12,239
12,243 12,244 12,249 12,250 12,55
12,256 12,257 12,273 12,288 12,289
12,296 12,299 12,300
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O gerpnte,
Felino D. Ferreira Coelho
Navios sahidos no mesmo dia -
Rio Grande do Norte -Pataeho norueguen-
se Canova, capitao W. J. Johsero, carga
farinha de mandioca.
NatalHyate nacional Bom Jess, mestre
Clementino Jos Machado, carga varios
gneros.
BahiaLugar inglez Sumbean, capitSo
R. Woolgar, carca bacalho.
Parabyba Patacho inglez Hannah, capitao
Thomas Eduard, era lastro.
Navios entrados no dia 18
Santos por escala8 dias, vapoj francez
ViUe de Victoria, de 1,775 toneladas,
eommandante Simonet, equipagem 42,
carga varios gneros; a Augusto F. de
Oliveira & C.
Terra-Nova31 dias, barca ingleza 'Maria,
de 228 toneladas, capitao Johon Snow,
equipagem 10, carca bacalho ; a Johns-
ton Pater A C.
Cardiff 49 dias, barca ingleza Croydon,
de 374 toneladas, capito John Khalk,
equipagem 10, carga carvSo de pedra;
a Wilson Sons & C.
Baltimore41 dias, lugar americano Letois
Ehrman, de 386 toneladas, capito
William F. Collison, equipagem 8, carga
farinha de trigo; ordem.
Navios sahidos no mesma dia
Manos por escalaVapor nacional Ma-
nda, eommandante Guilherme Wad-
oington, carga varios gneros.
RarbadosBarca ingleza, Camelia, capito
R. Hawy, em lastro.
VAPORES ESPERADOS
Ville de Maoei do Havre
De ordem oo Exm. b'r. conselbeio director in-
terino, se faz publico aos estudantes e mais pi'8-
soas que frequentam esta fauuldade, que na por-
tara principal encontraro um empregado encar-
regado de receber o guarda-sol, a bengala on
oatra qualqner arma que trouxerem comaigo, bem
como o chapeo daquelles que, per nao poderera
tel-os na cabeca dentro do edificio da fuculdade,
quiserem ahi Heixar, recebando do referido em
pregad os respectivos nmeros para a restituido
desses object08 na sahida, e isto em observancia
aos arte. 235 e 236 do roguUmento complementar
dos estatutos, cujas dispjsices vao abaixo trans-
criptas :
Art. 23"> Dentro do edificio a faculdade
nSo permittido ter o chipo na cabeca. Nao
igualmente permittido fumar, nem riscar ou escre-
ver as paradrs. _
Art. 236 Niguem poder entrar no edifici
da faculdade com armas de qualquer naturrza, e
somente serio toleradas as bengalas, precedendo
permissSo do director, por motivo de enfermi-
dade.
Secretaria da Faculdade de Direito do Rccife,
16 de Agosto de 1886.O secretarir,
Jos Honorio B. de Menezes.
Assoeia$ao Commer-
eial Benefieente
Nao tendo comparecido numero suficiente de
associados para se constifirem em assembla ge-
ral, para o quo j foram convidados, de novo se
convida os mesmes mentares, de conformidade com
os estatutos, a comparecerem no euificio da as-
sociacuo 1 hora da (tarde do da 18 do coi*
rente, para ouvirem a leitura do relatorio da ac-
tual administraco, e ser eleita a nova directora.
Recife, 11 de Agosto de 1886.
O secretario,
William Haliday.
AssGclavaO Fonema k Beiefi-
A directora desta associacao avisa a todos os
socios e a quem interessar possa, que em obser-
vancia primeira parte do art. 59 dos estatutos,
que as sessoes ordinarias tero lugar nos dias
quintas-feiras s 6 1/2 heras da tarde, na sede so-
cial ra estreita do Rosario.
Secretaria, 17 de Agosto de 1886.
Manoel Tavares da Costa Martin,
1- secretario.
Santa Casa da Misericordia do
Recite
Por esta secretaria sao chamados os parentes
ou protectores das menores constantes da relacao
infra, que va ser recolhidas ao collegio das or-
phas.
Relacao das orphs abaixo inscriptas, que nesta
data vo ser admittidas no collegio das orphs
1 Ricarda, flha de Antonia Marcelina de
Oliveira.
2 Joaquina, filha de Joanna Maria da Con-
ceico.
3 Maria, protegida de Joaquim Donungues
Ferreira.
1 Adelina, filha de Brasilia da Conceico
Teixeira.
5 Elisa, idem idem dem.
6 Maria, filha de Eugenia Maria de Oliveira
Lagos.
7 Leopoldina, idem idem idem.
8 Guilhermina, sobrinh de Francelina Bri -
gida Soares.
9 Mara, filha de Sophia Carolina de Moraes
Costa.
10 Caiolina, filha de Noemeaia Florida de Ll
ma Costa.
11 Maria, filha de Paulina Maria dos Pra-
zeres.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Sonsa.
Giqui
Pet-ropr.lis
Stefuma
Pirapama
Sculptor
Bahia
Jacuhype
Orenoque
Espirito Santo
Theresina
La Plata
ViUe de Rio de Ja-
neiro
de Fernando
de Hamburgo
de Trieste
do norte
de Liverpool
do norte
do ral
do sul
do sul
de New-York
do sul
Setembro
da Europa
hoje
hoje
aipanhft
amanh
a manha
amanh
a 23
a 25
a 25
a 96
a 38
a 29
1
Banco auxiliador mer-
cantil
Acha-se desde j aberta a subscripcio para a
fundacio deste banco : listas em poder do seu
iniciador Francisco Augusto Pacheco, ra do
Vigario n. 1, pnmeiro andar^________________
Companhia de edifica-
pao
Communica-se aos sanhores accionistas, que
por deliberaco da directora foi resolvido o reco
lhimento da quarta prestacao, na raso de 10 0/0
do valor nominal das respectivas aceden, o qual
dever realisar-se at 6 de Setembro prximo fu-
turo, no escriptorio da companhia, Praca da
Concordia. Recife, 9 de Agosta de 1886.
Gustavo Aatunes,
Director secretario.
S. R, J.
Socieflafle Recreativa
Soiri' bim'TiSHl pin -'! do corrente mez
Scientifica-ae a todos os socios e convidados
que a soire principiar as 7 hor*s. Os ingressos
acham-se em poder do Sr thesjureiro e os c-nvi-
tes no do Sr. presidente. Perie-se toda a sitnpli-
cidade nos toilettes e previne-se que nao sao ad-
miss-'vpis aggrpgados.
Recife, 18 de Agosto de 1886.
O I" secretario,
Joo Alfarn.
Qiiinta-fcira 20 do correte, k hora do costume,
haver eesso ordinaria.
Secretaria do Instituto, 18 de Agosto de 1886.
Baptista Regueira,
1 secretariu.
Companhia de EdiicacGes
O escriptorio desta
companhia acha-se in
stallado na pra$a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da manha s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
truccoes e reconstruc-
Qes.
Recebe-se informa-
do es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios^ a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mes nao escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da mesma
companhia.
Cha preto
As qnalidades me-
lhor es emais escolhi-
das neste genero, con-
tina a vender Carlos
Sinden, n. 48 rna do
Baro da Victoria.
Receben de impor-
tacao directa e vende
mais barato do qne em
ontra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
proprias para botis e
casas de familia.
Preparados
DA
MALTH M0FACT1I! C.
LONDRES
Oleo de Osado de hacaibo e lelte
pepionlwado
Esta preparaclo to saborosa que urna crian-
ca promptamente a toma.
0 leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teramente disfarcar o oleo e as pessoas de diges-
tio mais dbil podem tomar sem receio de gran-
de eficacia para afleccoes pulmonares, tsica, toa-
ses, debilidades, etc.
Peptonolden de Carne
Um alimento nit'ogcuoso composto de consti-
tuintes solidas de leite bem como gluten do trigo
(livre de gomma).
Recommendado as convalescencaa de qualquer
doenca, febres, gastrite, dysenteria e toda e qual-
quer debilidade, seja qual for a sua origem, espe-
cialmente usando se em combinaco com o ole ode
fgado com leite.
Maltlna
Um extracto concentrado de trigo, avea e eeva-
da fermentados.
Valor diastasico 30 vezes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at hoje conhe-
cido, alt monte apreciavel nos casos de debilidade.
Alimento soiiiinc de carnlck para
criancas
A analyse deste alimento demonstra que os seus
constituintes nutrictivos sao quasi idnticos como
leite materno, por isto o alimento mais aperfei-
coado para enanca.
Foruecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Dopasito ra do Barao da Victoria n. 48
Arsenal de Guerra
0 conselho de compras recebe propostas no dia
19 do corrente at as 11 horas da manh, para a
compra dos nrtig.s seguintes :
57 marmitoes pai a oito pracas.
48 saceos de brim para marmitoes.
12 marmitas para ccnduzir rancho s guardas.
1 balanca romana, systema decimal, com pesos
at 1U0 kilos.
2 calde.ira8 de ferro batido, para 50 pracas.
1 relofeio americano.
1 temo de medidas para solido, at 20 litros.
1 dito de ditas para lquidos, at 2 li ros.
4 cadeiras de braco, de Jacaranda.
4 oleados espesaos para mesa com 5,m00 de
comprimento.
27 cinturoes para msicos.
43 ditos para pracas, com terrjeos.
426 ca tucheiras para cintures.
426 palas para ditos.
426 patrouas para ditoa.
457 bornaes de brim imperial para vveres.
400 cantis de folha.
34 cannaos de dita para inferiores.
3i cordoes de la verde para ditos.
40 correias para marmita de 1 pra$a.
400 marmitas de 1 pi-aca
15,00 de bata azul para blusas.
K)3,m00 de dita encarnada para ditas.
4 tnanras cinzentas.
6 bandeiras de filete encarnado pira exercicio.
1 dita de forma e eres de bandeira nacional.
1,683 bonets do servico iuterno.
23 bonets de panno para a companhia de ope-
rarios militares.
27 ditos do servico interno para a mesma com-
panhia.
5 ditos de panno para sargentos ajudanta e
quartel-mostr.
4 bandas de la oara inferiores.
1,600 gravatas de sola de lustre.
5,200 lencos de chita.
5,300 pares de meias de algodao.
12 coroas pequeas e douradas.
5,660 parea de sapatos de couro de bezsrro.
93 kilos de algodao em rama.
603,m50 de flanella branca de algodo para
forro de capotes.
24,081 m.da brim pardo trancado
2 OJOin de dito branco liso.
23,500m de algodaozinbo.
188,m de algodao msela.
1,000o 4a aniagvim.
5,255m de hollaoda de forro.
31,m68 de panno azul fino para fardas de sar-
gentos ajudante e quartel-mestre.
18,m00 de alpaca preta.
21,m30 de sargelim de cor.
103,m50 de casemira encarnada enfestada.
14,m00 de flanel'a de 13 alvadia para forro de
capotes de inferiores.
7,m00 de panno a sul para capotes de inferiores.
7,m98 de ganga encarnada.
146 botoes grandes de metal amarello e finas.
72 ditos pequeos de dito dito.
I,m92 de galo dourado de um fio.
Previne-se que nao sero tomadas em conside-
raco as propostas que nao forem feitas na forma
do art 64 do regulamento de 19 de Outubro de
1872, m duplcate, com referencia a um b ar-
tigo, mencionando o nome do proponente, a indi-
cacao da casa commercial, o preco de cada arti-
go, o numero e marca das amostras, declaraco
expressa de sujeitar-se multa de 5 0/0, no caso
de recusar assignar o contrato, bem como as de
que tratam os arta. 87 e 88 do regulamento ci-
tado.
Secretaria do arsenal de guerra de Pernambueo
em 7 de Agosto de 1886.0 secretario,
Jos Francisco Rbeiro Machado.
EMPREZA DO GAZ
Pede-se aos Senho-
res consummidores que
queiram fazer qualquer
eomunicaco ou recla-
maeao, seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
ns Carvalho.
Todos os recibos dessa
emprezadeverao serpas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assig *do sem o que
nao terao valor algum.
George Windsor,



/
'
Diario de Pernambucotyuinla-feira 19 de Agosto de 1886
orlo* em (raso)
'Nesta data se exped ordera ao Sr. thesooreiro
Dar na cessao ordinaria do primeiro domingo de
Sotembro, apreseutar a lista dos socios incursos
no 3 do art. 70 dos estatutos (atrasados em um
trimestre) afim de na mesma ficarem suspensos.
Para a distribuiclo de cartoes de ingreaso para
'o eoocerto em 7 de Setemoro, se cumprira o 1.
do art. 58 dos estatutos que diz :
Nao terao cartiiesos socios que nao estiverem
nuiles com a caixa do Club.
Secretaria do Club Carlos Gomes, em 16 de
Agosto de 1886.
P. Casanova,
2" secretario.
NORTHBRJ
de IjOntlrea e Aberdeen
Polcaeflnancelra(Oeenaoro 1865)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumulados 3.l34,34<
Becelta annaal
Dj premios contra fogo 577,ooO
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John H. Boxwe
rii cohhi:huo(io\.:vi "'k*
Gunipanliin de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelcida em f *>
CAPITAL 1,000:000$
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Marilimfls. 1,HO:000000
Terrestres,- 3I6:000$000
4-1- Ra do < ominerelo
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhla P he ni i Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
lonu'oa and Brasllian Ba
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
zas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capcllistas n. 75 N-
Porto, ra dos Inglezes.
CONTRA FOGO
The Liverpool & \a\. CIo
NSIIRRANGE COMPAIMl
Hamlrare-SnBilamBrKaiiscaB
Dampfschiffrahrts-Gesellschal
O Tapir Petropolis
Esperase de HAMBURGO,
va LISBOA, com escala pe-
los Acores, at o dia 20 do
correte, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
e com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RUADO VIGARION.
1* andar
Os vapores desta companhia, os quaes tem p-
timas a^ ommodacoes p.ra passageiros, regres-
sam dos portos do sul com destino Lisboa e"
Hsmburgo partindo da Babia nos dias 8, 16, 23 e
30 de cada mes e tocar neste porto, caso se cf-
fereca numer suficiente de passageiros.
Os Srs. passageiros, que se quizerem inscrever
sao rogados afazel-o pelo men.s 4 dias antes das
partidas da Bahi_________________________
COHPAXUIb E MESISAWE
RES HARITIHES
LINHA MENSAL
0 paquete Orenoque
Commandante Hortemard
E' esperado dos portos do
sul no dit 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se sos senhores passageiros de todas
as classes que ba lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abamento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garem 4 passagens inteiras.
Por excepcao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaos b se dao at e dia 23 pagos
de contado. ,
Para carga, passagens, encommendas e dinhero
afrete: tracta-se com o
AGENTE
Augusto Lab He
9RA DO COMMERCIO -9
H.
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESUS-N.
Seguro mariiimoN e terrestre
Nestea ltimos a nnica companhia nesta praca
que concedo aos Srs. seg uradrs isempeao de paga
ment de premio cm cada stimo anno, o qne
equivale ao descont de cerca de 15 por cento em
favor~dos segurados._____________
(JOMPANHIA
[mperial
| DE
SEGUROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadoria*
Tazas baixas
Promplo pagamento de prejuo*
CAPITAL
fia. 16,000:0005000
Agentes
BROWNS&C.
N. f>Ra do Commercio N. 5
Compautuia Hraiileira de Xae-
sarao a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Baha
Cammandante Silverio Antonio da Silva
E' esperado dos portos do
norte at e dia 22 de Agosto
e depois da demora do
dispensavel, seguir
os portos do sul
o da Victoria.
Recebe tambem carga para Santos,
Rio Grande d > Sul, frete modic
Para carga, passgens, encommendas valores e
trata-se na agencia
N. 11 RA DO COMMERCIO N 11
~C01IIPA^OIA PEBXAMVCJCANA
DE
SaYegaco Costelra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor S. Francisco
Commandante Per eir
Segu no dia 21 de
Agosto, s 5 horas
da tarde. Recebe
Icarga at o dia 20.
Encommendas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Pemambutana
________________n. 12________________
Para o Cear e Maranhao
Segu com brevidade para os portos cima a
barca portugueza Hara Carolina, paea o resto da
carga que lhe falta, trata-se com os consignata-
rios Jas da Silva Loyo & Filho.
LE1L0ES
CONTRA FOGO
Sortb British & Hercantile
CAPITAL
*.000.000 de libras serunas
AGEN ES
Idomson Howie & C.
MARTIMOS
BOYAL MIL STE.U1 PACKET
COMPANY
0 paquete Tamar
E' esperado da Europa no dia
24 cu 25 do corrente, seguin-
de depois da demora necessa
ria para
Babia, Rio de Janeiro. Monte-
video e Buenos-Ayres
Este vapor traz simplesmente
passageiros e nialafc e imniedia-
tamente segura depois do desem-
barque dos mesmos.
Vapor La Plata
esperado
do sul no dia 29 de
cerrente seguinio
depois da demora
necessaria para
Lisboa e Souliiair,plon
Para passagens, fretes, etc., tracta-se com
CONSIGNATARIOS
Masasen Howie & C.
Lisboa e Porto
E' esperado uestes das o patacho nacional
Osear e segu com brevidade para oa portos ci-
ma, por ter quaai toda a carga engajada ; para o
resto que falta, trata-se na ra do Marques de
Oinda n. 4.
Quinta-fei<-a (19) o de ricos movis, espe-
lhos, quadros e objectos de electro-plate, na casa
em que morou o engenbeiro Domingos A. Ferreira
Bastos, ra de S. Jorge, perto do Arsenal de Ma-
rinha.
Sexta-feira, 20, o da armacao, bak-ao, can-
dieiros, vasilhames, drogas, bataneas e mais per-
tences da botica da roa do Bom Jess u. 26, em
otes vontade dos compradores.
GRANDE E VARIADO
Leilo
De bons e solidos movis, ricos quadros,
espelhos, lindos objectos de electro-plate
e christoffie, candieiros gaz, jarros para
flores e muitos outros objectos de apa-
rado gosto.
A saber:
Um rico quadro sobre um cavallete negro, dou-
rado, representando Otbelo e Oesdemona (quadro
Betkcr) 1 cerbelle de porcelana em ama base de
electre pate e 1 piano forte de Henry Hery.
Um lindo divn, 2 ricos dunquerques, 4 cadeiras
de bracos, 4 mochos estufados torrados e damas-
co e setim, 12 cadeiras de guarnilo com palhi-
nha no encost, 11 caetas, 2 espreguicadeiras, 1
eepelbo oval e 3 lindos candieiros para kerosene,
com abatjours.
Urna mobilia de Jacaranda Luis XV, com i
sof, 1 jardineira, 2 consolos com pedra, 4 cadei-
ras de bracos e 18 de guarnicao, 1 espelbo oval
dourado, grande, 8 quadros com finas gravurai, 2
candieiros de crystal para gaz carbnico, 1 dito
de metal, 1 relogio dourado, 6 cadeiras italianas,
2 ricos jarros, 2 escarradeiras grandes o altas, 2
ditas de metal.
Urna linda cama com molas o eoleboes, 1 rico
guarda-roupa com espelho, 2 mesas de cama, 1
toillet e lavatorio com podra c espelhos, 2 lindos
ettagers com espelhos, 2 caixas para cos'uras, 4
jarros para flores.
Um guarda-vestido de Erable, 2 camas de ferro,
cem lastro de rame, 2 bids, 2 tapetes, 1 cama-
marqnezo e 1 gaarda-vestidos.
Urna mesa elstica, 1 guarda-louca, 2 aparado-
res, 1 sof, 2 consolos, 2 cadeiras de bracos e 6
ditas de guam^o, 6 quadros, 2 jarros para flores
e 1 fogo de ierro novo.
Ohjectos de electro pate :
Dous ricos porta-cartoes, 1 porta-gelo, 1 porta-
queijo, 1 porta-joias, 1 galheteiro, garfas, lacas e
colheres, 1 lindo estojo e 1 tinteiro de madrepe-
rla, 2 garrafinhas, 1 porta-cartao e muilos ou-
tros artigos de gosto.
Quinta felra, 1 do corrente
No sobrado a esquerda da entrad da ra
de S. Jorge, depois do Arseual de Ma-
rinba n. 174.
O tenente Domingos Augusto Ferreira Bastos,
retirando-se desta provincia com sua familia, faz
leilo, por ntervencio do agente Pinto, dos movis
e mais objectes existentes na casa om que residi
ra de H. Jorge, primeiro sobrado a esquerda do
Arsenal de Marinha.
O leilo principiar s 10 horas em ponto por
terem muitos os lotes.
(EM CONTINUACAO)
Vender o mesmo agente nm cavallo rudado
novo e bom andador.
Leilo
De urna armaclo envermsada com gaveta--, 2
baleoes, 2 carteiras, 3 irascos grandes, 2 ditos de
bocea larga, 1 candieiro com 3 bicos, 1 relogio,
e vasilhames para botica.
Urna caixa de ferro, (burra) 1 armarinbo, 1
batanea decimal, 1 dita e pesos, 1 machina para
pir.ar, 3 baleoes para trabalho de drogara, 2 ta-
chas de cobre, 2 prencas e 5 barns.
Urna armacao inglesa com vasilhames, potes e
irascos com tintura- e drogas, barricas com al
vaiade caparrosa 1: azul, 1 armario grande com
frascos, e potes com drogas, 1 prenca para copiar
carta e outros artigos que serao vendidos em mui
tos e differentes lotes existentes no armazem do
sobrado da ra do Bm Jess n. 26. (outr'ora bo-
tica do Recife).
Sexta-feira 20 de Agosto
A's 11 horas
Na referida botica da ra do Bom Jess u. 26,
em lotes vontade dos compradores.
Agente Pestaa
Bom emprego de capital
Leilo
De um quadro com 6 meias aguas sitas ra
dos Guararapcs ns. 87 e 89, com fundos para
roa de S. Joige n. 110, as quaes rendem 50/000
mensxes.
Um sobrado de 2 andares com 2 frentes, sendo
urna para ra de Domingos Jos Martins e
outra para a travessa do mi'smo nome, no correr
dos fundos do estabelecimento dos Srs. Braga Go-
mes & C, a qual rende 50 S mensaes.
Sexta-reir to do corrente
A'S 41 HORaS
Ra do Vigario Tenorio n. 12
Leilao
Em continuado
De grande sortimento de miudezas e per-
fumeras
Mobilias de mogeo. Jacaranda e amarello, camas
francesas, lavatorios, sofs, cadeiras avulsas e
outros movis.
SEXTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
A's 11 horas
No armazem da ra do Mrquez de Olin-
da n. 19
POR INTERVENgO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
Sexta-feira, 20 do corrente
A's 11 horas
No segundo andar da ra da Imperatriz n. 44
Urna mobilia de Jacaranda 1 dita de amarello,
1 cama, 1 toilette e 2 consolos, todo de Jacaranda,
1 mesa elstica, 2 aparadores, 2 marquesoes, 1
commoda, 2 espreguicadeiras, 2 cadeiras de jun-
co, 6 ditas do po-carga, 2 cabides, 1 quartinhei-
ra, 1 globo geohraphico, 2 esprlhos, 2 mesinhas
de amarello, 1 dita de pinhe, jarros, lanternas, 1
lustre de oito luzes, talheres, colheres de metal,
loucas, garrafas, copos, doceiras, 1 moinho grande
e njvo, trem de coznha e outros muitos artigos
miados.
Leilo
Da armacSo, gneros e utensilios existen-
tes na taverna sita no Pateo do Carmo
n. 2, pertencente a Soares Fernandos de
Oliveira & C.
SABBADO 2i DO CORRENTE
A'S 11 HORAS
O agento Gusmo, antorisado pelo Sr. Jos Soa-
res Fernande de Oliveira, tara leilo da taverna
cima mencionada, em lotes, vontade dos Srs.
compradores.
AVISOS DIVERSOS
TRA8PASSASE ahypotheca da casa do largo
do Paraso n. 15 ; a tratar na ra do Apollo
n. 34, 1 andar._________ _________^__
Aluga-se casas a 8*000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatris n. 56.________________^________
Aluga-se quatro casas na ra Imperial ns.
102, 104, 132 e 136, caiadas e pintadas, com com-
msdos para familia, e precos razoavel : a tratar no
Recife, caes do Apollo n. 45, cu na mesma ra
n. 130, at as 9 horas ou das 4 em diante.
Alupa-se o 2 andar do sobrado ra do
Fogo n. 18 : a tratar na roa Direita n. 31, ar-
mazem._______________________
Vende-se a fabrica de cerveja ra da
Sensalla n. 12 : a tratar na praca do Conde d'Eu
numero 11, Boa-Vista.
Precisa-se de urna mulber de meia dada e
de boa conducta, para ajudar em trabalhos de
vendagem e outros de casa de pouca familia ; na
ra da Matriz da Boa Vista n. 3.______________
Precisa- se de urna perfeita cosnheira, para
casa de familia : a tratar na ra do Baro da
Victoria n. 39, loja. __________^^^^^^
Aluga-se a casa do p teo de S. Pedro novo
em Olinda, com commodos para grande familia,
tem gaz, est toda limpa, em bella posico : a pes-
soaque a quizer alagar ap paree logo para tratar,
na ra do Mar uec do Herval n. 23,loja. Na mesma
cssa vende-se muito bonitos crotos para jardim e
outras flores delicadas.________________
Precisa-se de urna ama para cosinhar : a
tratar no sitio do Sr. Valenca, estacan da Ja-
queira.___________________________
Compra-se urna balanca grande que sirva
para pesar tssucar ou algodao: a tratar na ra
Direita n. 21._________ "_____________
fede-se ao Sr. Francisco Machado Teixeira
avalcante, senhor do engenho Riacho, o favor de
pparecer em Atogados, pateo da Paz n. 23, a
egocio que o mesmo senhor nao ignora.
Precisa-se de urna rnestra para morar com
ama familia que reside aqu na cidade, encarre-
gando-se da educaco de duas enancas : a tratar
na ra de Luiz do Reg n. 25, onde se daro os
detalhes do contrato.________^_____________
Offerece-se urna perita engommadeira : na
ra da Aurora n. 155.
Precisa-se de urna ama para cosinha : a
tratar na ra de Pedro Affonso com a professora
da escola pratica.
Vende-se urna taverna sita no Zumbi, con-
fronte a estaclo, muito propria para qualquer
principiante, por ter poucoa fundos e ser muito
bem localisada e afreguezada: a tratar na mesma.
Precisa se de urna senhora para enainar
portuguez, francez, msica e piano a urna menina
fra da cidade : na ra do Imperador n. 12.
__Aluga-se urna preta que cosinha bem esem-
pre tem estado alngada cm easa de familia : a
tratar na ra dos Martyrios n. 148, 2 andar.
PolTora, tiolos e tollas
Vende Candido Thiago da Costa Mello em seu
deposito ra Imperial n. 322, olariaTeleplione
n. 221.
Aviso
Vende-se urna casa de tijolo bem construida,
com porta e janella de frente, salo, 1 quarto, sala
dejantar. cosinh* e 1 pequeo quintal, pintada
de novo, lirre e desembarazada de qualquer onus,
sita ra Azul n. 26, treguesia de S. Jos : a
tratar na ra do Vigario n. 9, 3- andar, e para
quaesquer informaces, casa na mesma ra n
31, 2- andar. _______-
Ama
Precisa-se de urna ama que cosinLe perfeitt-
mente : na ra de Riachuello n. 57, porto de
ferro.
Alug
a-se
a asa terrea n. 128 no Catainho Novo, com 2
salas, 2 qnartos, cosinha fra : a tratar na mes-
ma ra n. 155. -
No Arraial, perto da estaclo Casa Amarella,
vcde-se um graude sitio bem arborisado, com
riacho, grande casa de morada, proporcoes para
criaco de vaccas e baixas de eapim, banheiro e
porta d'agua ; este sitio o que pertenceu ao fi-
nado Francisco Jorge de Souza. Para informa-
oes, na fabrica Globo, ra larga do Rosario.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 12 annos,
que tenba pratica de taverna : na ra do Mr-
quez do Herval n. 73.
AMAS
Precisa-se de duas amas, urna para engommar
o outra para ce sinhar : na ra Imperial n. 42.
AMenco
Pede se no Sr. Epiphanio da Rocha Wanderley
chefe da estaclo de Pao d'Alho, que mande res-
posta das cartas que se lbe tem escripto sobre
aquella negocio, na ra ios Martyrios n. 148. Fa-
zem dous aanos.
Jaboatao
Vende-se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem afreguezados, e prometiendo anda
maior negocio fazer com a ida das offioinas da es-
trada de ferro de Caruar, prximo mesma es-
tacao, onde ficam situados os estabelecimentos
cima, arrendando-se as casas pessoa que pre-
tender : a tratar em Jaboatao, confronte ao hotel
Globo.__________________________________
Ao commercio
O abaxo assignado, nico representante e res-
pontavel da firma Ferreira da Silva & C-, que
n sta praca gyrou no estabelecimento de padaria
ra nova de Santa Rita n. 39, declara pelo pre-
sente, que *emcedid> dito estabelecimento. a con-
tar do 1- do corrente mez, aos Srs. Jos Ferreira
da Silva, Caetano Ferreira da Silva e Jos An-
tonio Goncalves Penna, aos quaes compete, sob a
mesma firma, a liquidacio do activo e responsa-
bilidade do passivo demonstrado no bataneo dado
em 31 de dezembro prximo passado, retirando-se
o abaixo assignado desonerado de toda e qualquer
responsabilidade. Recife, 17 de Agosto de 1886.
Antonio Ferreira da Silva
Aos 4:0008000
16-E.ua do Cabug-16
Acbam-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da lotera n. 65a em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrabir quando for annunciado.
Precos
Inteiro 4000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo qnantldade superior
a 10 0:000
Inteiro 30500
Meio 10750
' Quarto 0750
Joaquim Pires da Silva-
G1SAD00UR0
Aos4:000$000
BILHETES 5MANTI90S
Ba do Baro da Victoria n. 4 o
e casas do costume
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 253.a parte das loteras i
aeaeficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife, (65.a), que se extrabir quando for
annunciada.
PRECOS
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Ba porco de OO^OO
cima para
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joao Joaquim da Costa Leite.
as
2
c



Chapeos e chapelinas
36A40PBQA Di INDEPBNDEIA--36 A 40
B. S. CARVALH0 & C.
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento pajtecipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas em Pars e Manchester o que de melhor e de
apurado gosto ha em chapelinas e chapeos para senhoras e meninas
e das prmeiras fabricas de Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para homens e criancas, e muito., outros artigos concernentes
chapelaria.
Flores artificiaos psra ornamento de salas.
5

!X5

G
ms
Os proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIVS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeitavel PUBLICO que receberam un.
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tan
bem relogios de todas as qualidades. Avisam tambem que continuam a receber por
todos os vapores vindoe da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en
outra qualquer parte.
MIGL WOLPF & C.
N. 4RA DO CABUG----N. 4
Compra-se ouro e prata velha.
A (iRMOSA
Nova loja de miudesas
N. 7RA DO CRESPON. 7
DUARTE & C.
Os proprietarios deste estabelecimento, tendo-o preparado com esmero e fele-
gancia, convidam as Exroas, familias para visital-o, afianjando que encontrarlo sem-
pre um variado sortimento de objectos de moda e phantasia, por prejos summamente
mdicos, comoalguns que em seguida designara.
Carriteis de linba para machina a 80 rs.
Ditos de retroz de 100 jardas a 200 rs.
Ramos de flores finas a 10000 e 10500.
Babados e entremeios, de 500 a 30000, a peja.
Baleias para vestido a 300 a duzia.
Ditas cobertas a 700 rs. a duzia.
LS para bordar a 20800 o maco.
Espartilhos para senhoras de 30000 a 80000.
Ditos para meninas a 40500.
Extractos finos para lenco de 10000 a 40000 o fraco.
Luvas de seda de cores 20000 o par.
Ditas rendadas a 30500 o par.
Ditas de pellica a 20500 o par.
Macos de grampos a 20 rs.
Caixas com colxetes a 60 rs.
P para dentes a 200 e 500 rs. a caixa.
Vasos com opiatas a 10000.
Escovas para dentes de 200 a 500 rs.
Alfinetes a 80 rs. a carta.
Fita de linho a 40 rs. a peca.
Panhos e collarinhos bordados para senhora a 20000.
Invisiveis para o cabello a 200.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Agulhas a 20 rs. o papel.
Ditas fundo dourado a 80 rs. o papel.
Cabos de agulhas para crochet a 200.
E muitos outros artigos taes como fitas de diversas qualidades, leques de papel,
de setineta e de setim, plisss de cambraia e de seda, albuns baratos e de finas qua-
lidades, sapatos para meninas, senhoras, e homens, tudo por precos admiraveis.
i

bel Ursulina de A. Gama
Fabio de Albuquerque Gama e sua malher,
compungidos da mais acerba dar pelo fallecimento
prematura de sua nunca asss chorada filha Isa-
bel Ursulina de Albuquerque Gama, agradecem
do fundo d'alma aos parentes n amigos que acom -
panharam at o seu ultimo jazigo os restos mor
taes da finada, e couvidom aos mesmos para as-
sistirem a missa que mandam resar na capella de
N. S. de Bellem, s 8 horas da manh do dia 23
do corrente, stimo de tao infausto passam?nto.
**;
D. Amella de Hollanda Cavalcante
de Albuquerque Leal
Fernando Affonso de Miranda Leal (ausente),
Joaquim Anselmo de H. Cavalcante de Albuquer-
aue, Manoel Caetano de H. Cavalcante de Albu-
querque, Gil Clememino de H. Cavalcante de Al-
buquerque, Antonio de H. Cavalcante de Albu-
querque, Monica Alexandrina de H. Cavalcante de
Albuquerque Coutinho, Sebastiao Jos Mendes de
Hollanda, Antonio de Borba Coutinho, Emilia
Mendes de H. Cavalcante e Carlota Campello Ca-
valcante mandam resar urnas missas uo da 21 do
corrente, s 8 horas da manh, na nutriz da Boa
Vista, por alma de sua presada malher, rmS e
cunbada, D. Amelia de H. Cavalcante de Albu-
querque Leal, stimo dia de en fallecimento ; e
para assistirem a este acto de religio e caridade,
convidam a todos os seus parentes e amigos, pelo
qne anteeipam seu eterno agradecimento.
Jos Francisco do Reg Barreto, Pedro Velho
do Reg Barreto, Joaquim de Reg Barros Barre-
to e Sebastiao Antonio do Reg Barreto, profun-
damente sentidos pelo pasaamento de sua muito
presada irm D. Joanna Olympia do Reg Barre-
to, eonvidam a seus parentes e amigos para as-
sistirem a urna missa que mandam dizer na ma-
triz de santo Amaro de Jaboatao, segunda- eira
24 do corrente, s 7 1/2 horas da manna, stimo
dia de seu fallecimento.
FAZENQAS BARATAS
Na bem conhecida loja dama Primeiro de
Mar#o n. 20
JUNTO DO LOUVRE
605UI
de 40500, 50, 50500, 60,
40, 40500, 50,50500, 60
Grande sortimento de madapolSes
70500 e 80000
AlgodSes brancos, superiores qualidades, de
60500. snn
Saperiores crotones de 320 a oOO o covaou.
Batistes, lindro padrSes, a 200 e 320 rs. o covado.
FustSes brancos de novos de3enhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga en tone,bonitos padrSes, a 30000.
Lencoes de bramante, de linho, de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 20500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para bannos a 20000 urna.
Lpeos de algodao de 10800 a 20200 a duzia.
D:tos de algodao, com barra, a 20400 a duzia.
U.i pardo, elaro, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Pito traacado, loua, a 10, 10x00 e 10200 o meto.
< wrtes de vestido de cretone de 200 por 80000.
U.i..raanapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Qranae variedade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia. nnn
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 1O0OUU.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
, Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6f 000.
Oxford pra camisas, bndos padroes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbunas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padriJes, a 600 rs. o covado.
Merino preto e azul a 104O rs. o covado.
Chales de algodao a 10200, 10400, 10600 e 25000.
Costumes para banhos de mar a 80 e 100000. _.
Cortinados bardados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o par
Grande sortimento de roupa feita para trabajadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para ntmens .
meninos, para o que temos um hbil oficial e um grande sortimento de pannos, bru,
"emi^etc* preciar de algam artigo bom e barato, dever visitar de preferenc
este antigo e acreditado estabelecinr'nto.
fila Primeiro di laico 120
MUTUAOO



Diario de PemambucoQuiiik*--eira 19 de Agosto de 1886
{?* fi*w / ^
Uuga-se

o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es
abeiecimeuto fabril : a tratar na ra do Commer-
eio n^4, coin J. I- de Medeiroa Reg-__________
Aluga-se barato
A ra Lomas Valentinas n. 4
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
Ra da Baixa Verde n. 5.
Casa terrea da travesa de S. Jos n. 23.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1 andar
eaorjptorio de Silva Guimarae & C.
Alug
a-se
o 1' e 2- andar do sobrado ra do Coronel
Saaeeuna n. 144, eom muitcs commodos para fa-
milia e preco razoavel : a tratar na ra Sete de
Setembro n. 15, ou ra Direita n. 112, primeno
ataaar.
ISTIOO
P ?f k,
%
Alnea-se
asa gala propria pura escriptorio : na ra do
Bom Jesua n. 38, 1- andar._____________________
obrado de uui andar e solo
Aluga-se o sobrado da ra do Hospicio n. 32.
cosa agua e gaz : a tratar com o Dr. Angosto Vaz
i tu do Imperador n. 73, 1 andar.__________
Ama
Precisa-se ce urna ama para cosinhar e ccm
prar : na ra do Dr. Joaquim Nabuco (Capuugu)
aero 3.
\lli
Precisa-se de urna ama para engommar e que
arma em casa do patrio : na ra Vidal de Ne-
greros n. 147.______^_______________________
Ama
Precisa-se de urna ama para lavar, en-
gommar e fazer mais alguns servijos de
casa de familia, coratanto que durma em
casa; na ra da Matriz da Boa-Vsta n. 9,
se dir quem pre -isa. ______
AMA
Precisa-se de urna ama de bons costu-
mes e de conducta afiancavel para andar
com urna criarla de 2 annos: a tratar na
ra do Barao de S. Borja, antiga do Sebo,
n. 15.

*1
Jr
Precisa-se de urna ama que engomme eom per-
feicao ou cosinhe : na ra do Mrquez do Herval
numero 10.
J^lr5 Jardim das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com s plantas que es-
tao em vasos n'eete jtrdim seos sapotisei-
rcs muito grandes, e dando 2000, la-
ranjeiras, muito grandes, p>.r, ertar, 6000
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por barato
preco.
Allennlo
Compra-se ou aluga-se urna boa casa perto da
cidade, desejande-se nos seguintes pontos : So-
ledade, Caminho Novo, Capuaga, Passagem da
Magoalena, tendo bom sitio, agua e gaz : quem
tiver dirija se ra do lo perader n. 49, 1- andar,
a tratar com o solicitador Antonio Neves.
Roubo
Do engenho Cabete, do termo da Escada, foram
roubados no dii 3 do corrente mez, da estribara
dolavrador Manoel Prij de Mello, tres cavallos
possantes, gordos, de cores e signaes seguintes :
um castanho tapado, inteiro, de segunda muda,
anda baixo obrigado, no p esquerdo tem urna
listra branca entre o casco e o cabello, e no di-
reito um caroeinho, como que produzido por espi-
nho : dous russos, sendo um grande, ardigo, den-
tes quebrados, de 12 annos, inteiro, auda baixo,
francamente, e o outro quarto, sem andares, de
8 annos, muito bem feto, castrado, tem no sovaco
esquerdo um signal de ferida que teve ha annos,
e todos tres teem este ferroMFna p direita.
O dono gratifica quem der noticia certa de ditos
cavallos.
noticia.
Chegou a verdadeira farinha d'agoa para o ar-
mazem do Vasconcellos roa da Aurora n. 81.
"Diarios de Pernambuco,,
Compram-se nesta typograpbia os nmeros de
27 de Fevereiro a 29 de Novembro de 1883 e 7
Outubro de 1884.
0 Plebeu
Brama em I prologo e K acto ori-
ginal de l. be ir o da Silva
Agencia nica para asignaturas de cada fas-
cculo de 16 pagiuae em 8 francez, por 2(0 rg., na
LIVRARIA PARISIENSE
7-A Ra Primeiro de Marco 7 A
* Caixero e ana
Precisa-se de u;n caixei.-o de 14 16 aonog da
idade, com pratica de taveraa e que d fiador de
sua conducta ; e ie urna ama para casa de fami-
lia composta de quatro pessoa,, que saiba cosinhar
e engommar : na estrada de Luiz do Rogo n.
40-F, em Santo Amaro.
Preoaraco de Productos Vegetaes
PAMA
XTINyiO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillaree.
IrlARTINS'&BASTOS
Tricofero de Barry
FAJBPLLCAJ: CLGAAHQJt
m^^mSm'
Garntese que faz nas-
cer ecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinta e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranquo-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao official de
um Governo. Tem duas vezes
:uais fragrancia qne qualqner outra
eduraodobrodotempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
len^o. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
desmaios.
Jarope Je Viia le Renter No. I
ANTES DE UBAIr-O. DIPOIS DE SAL-O.
Cura positiva e radical de todas as formas do
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
AffeccSes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdadlo Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue^Figado, e Rins. Garante-se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e reno va o systema inteiro. ,. -
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crinn-
8as e para a cura das moles-
as da pe le de todas as especias
e em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C
Frcguczia do Recife
Alupa-s' por preco muito commodo a urna pe-
quena familia metade da cata da ra dos Guara-
rapes n. 29, e na im-soia se precisa de um menino
que seja fiel, para fazer compras, d-se rcupa e
bom ordenado.
20SOO0
Aluga-se a osa n. C ra de Riacbuello, anti
ga do Destino (Boa-Vista), a chave acha-se no
mesmo correr n. V \ a de n. 4 travessa do Frei-
tas (antiga do Trindade) em S. Jote, com 2 salas,
2 quartos, cosinha, quintal, cacimba, 1 sotio e
esta limpa, p^r 15J ; a chave se acha junto n. 8
e trata i e na ra da Juiaii. 62, Recifc.
4 quem inleressar
O abaix>> assignado faz publico que actual-
mente o uuico procurador nesta provincia de
Duarte Antonio de Miranda, residente em Portu-
gal. E' p.rtanto com o abaixo assignado que de-
vem entender e qualquer intereseado, visto a
mesma pmcuracLo fazer censar todos os poderes
precedentes. Recife, 2 de Maio de 1886.
Joaquim Antonio da Costa Ferreira.
Pcrdeu-se
no dia 15 do corrente urna ponteira preta com um
annel de euro no centro e boqueira de mbar,
prupria para cigarro I quem a achou e quizer en
tregal s na rna da Soledade n. 32, ser gratifi-
cado.
Compra-se
diarios e jornaes : na ra do Viscoude de Inha-
ma n. 75, antiga do Range1.
Cosinheira
Precisa-se de ama boa cosinheira, qu- seja as-
seiada e durma na casa em que se alugar, paga-
se bem : a tratar na ra do Paysand n. 19 (Mag-
dalena )
Cavallos roubados
Riubaram ao amanhecer do dia J3 do corrente,
da estribara do engenho Macacos, de pr< priedade
de Diogo Soarej Carueiro de-Albnquerqne, qaatro
cavallos com os signaes seguintes : um rodado,
apatacado, fazendo a ultima muda, muito bem,
estrader, tendo dous ps brancos at as canellas,
frente aberta mais para as ventas, inteiro ; um
mellado f iveiio, castrad;, bem pintado, com os
cageos brancos e toda a frente aberta at o pes
coco ; um caxito, castrado, com dous ps brauens
e urna listra na testa, soffre de catharro chronico ;
e um outro castanho, sangue de ho:, inteiro, com
uns cabillos brancos na testa. Grafifca-'e a
quem noticiar aonde estao ditos cavo!' e ap >rc-
bendel-os.
T
Capllo Jacintbo Perelra da Silva
Barros
O padre 'os Esteres Viaisna clebrsr una
missa por alma do capito Jacintho Pereira da
Silva Barres, pai do Exm. Sr. Bispo Diocesano,
na matriz da Macahyba, Rio Grande do Norte,
no dia 24 do corrente, trigsimo dia de seu falle-
ciment i.
BABBACENA
POMBA
RIO NOVO .
GOYANOS .
CAPORAL MhURON
FLOR DE VIRGINIA
IVTll tVn V. I Part'CIn> aos scls freguezeale ao publico em
XTXUU.IHJ11 %SL> \~s, gi.rl!j qil ,.D. rft9#iv(io faBricar notamente
cigarro u Jumos desfiadoa, tentemente registrad, iJiam-B i irebititadoa para voncwr, de hrje em diante, as se-
guintes quabdades :
Cigarros
Superiores a 6&Q00 o milheiro
Elegantes i 7#500
ICspBciaes 9(J000
Mimosos 900
Favoritos 6(5500
Deliciosos o 8(5200
Fumo desliado para cachimbo e cigarros em pacotes
Compras por atacado 5 /0 ^e descont
Di: SOO 55 IHMiS
CAPORAL MKURON a 500 n,. cada pacote.
FLOR DE VIRGINIA a 600 rs. dem dcm.
Compras por atacado com 10 /o ^e descont.
Garante se que. todos os seus cigarros, de qualquer das denoaainaoes cima,
assim como os fumes dcsft-H.os, so fabricados com fumo escolhido de qualidade
superior.
Aceio e acondiciocatu' nto gozan de especial otten^So.
Cija masso to 20 cigarros \m n pnteira
ORIZA LACTE CRFME ORIZA ORIZA VELOUT-E
aos Consummidores
perfumara oriza
PARS 207, Ra Saint-Honor, 207 PARS
OSRROOCTCS OABEBFrAARtrlORLZArL.LEGRAN
dereut scu iturcesao e favor publico :
1* Ao cuidado ejcmpaloio com qit i 2 A saa qsalidade iaalteravd
sao Idir.djs. j i scavidadi u st |erlame.
MAS SE IMITA OS PBOCUCT03 D"< P6R?UiSAR!A ORIZA
sem atUnglr ao acu gr.1u de dclir^dera e perfeifflo.
Q_ A apparencio exterior iestnt imitces sewio idntica aos Vvrda-
f*. driroM i'iuUm-toK Oiizn. o.V (ursummiores deteraO se
^\ precaver ct\ira este commen e KAtidtiar amo 4\
y^ coiiiutucoio Quaiquer producto de qualidade inferior >t
^^S> vendido por casas tonco honradas. ^
Xemessa do Catalogo illustr^do pedido Tangueado.
4o commercio
O abaixa assignado, pelo presente declara que
nesta data comprou aos tira. Leopoldo Marques
& C. e estabelecimento de molhados sito ra do
Coronel Suasiuna (antiga ra Anguita) n. 958,
lirre e deaembaracado de todo o qualquer onus
que possa apparecer. Recife, 17 de Agosto de
1886.
( krispim Celorrio.
AtlenQo
Precisa-sa de urna senbora de boa conducta,
que sirva de prof-ssi-ra ou someute de companhia
a urna mo^n em engHulm : atiatxr na ra do Im-
pera i ir ii. 79, 1' Hadar.
i'osinhcira
Precisa-se de ama cosinLeirit : a tratar na ra
da Unio n. 11.
Caixeiro
Precisa-se de um menino de 15 a 16 annos : na
ra do Livrameato n. 17.
Almauack da provincia
1886
Um volnme eom 4 paginas
2$000
A' venda na casa editora. Livraria Parisiense
n. 7 A, ra Primelro de Marco n. 7 A, Industrial
Econmica de G. Laport & C. e Cardoso Ayres.
Ama de frite
Precisa-se dr. ama ama d l.-it > : na ra da
Mrquez do Herval n. 33, 1- andxr, d-tronte da
escola modello.
Boa-Viageui
&&&S2^?Ettz5?-r2SSS35&
GOTTAS REGENlBDOKS
jc3-E5HSSSC?!Set^.

do Doutor SAMUEL. THOMPSON
' Tratamentf. etucaz contra lo Jas as affecOes provenientes do enfra-'
quecimento dos orgos e do systema nervoso, ou das ailcracdes do
sangue rraqcez do Xins,Ssterilidade, PalpitaQSea, Enf'a-
I qoeelmanso ral, longa Convalesccnf aa. Este tratamonlo e, de ba multo, recoobecldo
e recommendado como O malor regenerador do orcanlamo.
b raASco : e francos (b franjai y*
Todorr>uw**8otrouxerailarcaAc Fabrica registrada e a attignatura^^c^Aynlc* f**rbtn\%
dove ser rigorosamente recusado. ^^^ ****
*- v^ Producto
talla, Vnarmacla OEIIK. raa Jtocnecbouart, 38 /
Deposito em Pernambuco : FRAN M. da SILVA A C.
** Nova PERFUMARA Extra-fina *
OOpYlOPSScojAPOl

liill.......aiCORYlOFSIS do JP^ | f6 ia um... m CORYLOPSIS h JAPlt
mutn.....m CORYLOPSIS do-'^fiO I BHiUAiruu.. m CORYLOPSIS do JAPlO
naanouioi CORYLOPSIS U JAPAO | oi........CORYLOPSIS do JAP8
Ltrn.......aiCORYI,0?oiSdflJPAOPOUlA......m CORYLOPSIS diJiPAO
^0' ra,* *'+ ^WT 36 ^W^^ ** '*
D antros. Chavos W^Ue V|V|C^ T PmMUKuat
v,BMSulf^CKRAS [c HA B LE J s60TAm!Lc *ec
DEPURATIVO CHABLE. L AR/S i CITRAIO DTeHRO CHABLE
Em todas u Pbarmaclai di DiiTirtt J^b^ ^^HW >, Bm todas ai boa ..
Onde se encentra gratis 1 yl ^^_^^^^^B I^W^a Farmacias ,
lotieU Chali, ^^r^ a^a^B-^^ ^^o 0 adre8Be
grageas de Ferro Rabuteau
Lurado do Instituto d Franca. Premio de Therapeutioa
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorose, Anemia, Plidas Cores, Corrimentos, Debilidade, Esgotamento, Conualescencia,
Fraqueza das crianzas, Depauperamento e Alteracao do sangue em consecuencia de
fatigas vigillias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 6 grageas dor dia.
Nem Constipacao nem Diarrhea, Assimacao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as enancas.
K3I Uma explicado detalhada acompanha cada frasco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & Cia, de PARS, que se
encontra em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos.
Sem cheiro nem gosto dos leos de Figudos de Bacalhau ordinarios
i FIGAD0S FRESCOS
BACALHAU
I lde corta contra a Molestias de Pelto, a Tsica,
Bronquitis, PrisOes de Ventre, Tosses chronlcas', AffeccSes escrofulosas.
ADVERTENCIA. Exiga-ee no rotulo o aelio-Azvl do Estado trancen.
HOGCr, Ph.timacenoo, 2, ra Castiglione, PARIZ, e principaes Pharmacias.
OLEO
maja
0 FRANCEZ
PAR menims
17 Ra doBar de Henifica17
NA LINHA DA PASS^GBMDA MAGDALENA
As seaoras Ata>e. Fsaw is MIL-. Francis, mai e filha, diplomada pela Fa
culdade de Pars, recentemente cbagadaa de Fr.ui^a onde exerceram por muitoa an-
noB o profeseoratio, acabara de istabilecer um ooUagio para meninas, segnindo pro
gramma adoptado em Franca ; o qual proporcionar s alumnss que lhes forem contia-
das urna educacSo completa e esmerada.
Os aeobi-iea pas de fa i lia se convidados a visitarem este novo estabeleci-
mento aituado era So aaudarel btirro e dispjndo de todas as condijSes do confortavel
a de hygiene.
Mlle. Izabel Francia pos.ue uu talento elevado para o ensino de piano.
lilla precia de urna ajudante para as classes.
HIH'M
*!
t1?!!
A PEPTOMA
SobaNnaadjVINHOclaFEPI.'OMA j
prapartdo por Deo-ean* de Pana, xuu'
medicamento qae muio contrfcue [ara ftei-.
litar as funeces 1o estomago^ e rejalaria* a
dijestio, umoF n eic Ja .'ivaracer i minea*
o doent.
SamnoEaera a axpar*eexia feap pelaa'
astas afamados m -dicoa 4e Parit asntraa
Siles denacnatraral- a af&saua do V1HSO
E FEOTONA DBFRESM2; na ica-
(Maatiilidade em que eatarr todas as saa cartas, lin,fcinK>-ios a apra-
aetetar jui a carta dirij>ia .o Sor Defraae
pur basa cnhecMos pelo mundo Hecaal.
Dii o J> ix'et ao SSr Oefrteae:
Sans, a < le MVco da 1888.
< c Tema fosto da lho marJfastar a aa>
tistaaao qne Uve com ti* Fastosa, pato*
b*as resultados qae eom ella alcaneef aoa
essos gravea em Semore quando tire de tcaU um tete- \
maga cahsad, doente on com \i diga-
toes a aoa preparacas allivioa o
tentt,.">*!aoraid-lhe as funcedas digest-'
vas, a noiras bh>loares idosaa. oatraa
aaarcas < menino rac&Ucos deram a
aaade ao US da Peptona. fot isa i qa
oonsidera cea o um verdadeiro derer o ra
commendslo. os meitsdoenica n'in graade.
numero de cas:;
?Bhopratsailocan}-)medicorntioodB-
raaia os annos < 18M a 1800, triodo em
;r a pecidd> de digjrir os alimentos,
periosa d qne hoje; ando as constitaiedas
vsi mais vigorosas, aanguinea, anargicaa
t ociada: d'um robusto apnetite. favort sidas -
i por urna frande abundaiirld t suecos gas-'
' (rios \-ti -ovocava a prorapta transfoima-
'cfc dea alimentos mais refractarios,
a Hoje, porm, ii que 03 estmagos dabili-
t.,ios carecem de energa, 4 coavenianta
lascar rio de todas af subataocias ra m-
cilitarn a digestao, como, sor exenstia, do
sti Pu..cre-;;nn.
< O f.i eceito de hj^iase mais importsjsta,
!iorm rcaia desprea^a este : Guiar
, mxito para re&irar ptuiv. E* esta e ao-.
i gre-io da saude, e durinte niuite temor os
mana estn.rf^s tiveran este aesnmplo fior
' p:i.'icipt objeto; altn d'isso, a
'tu'.cao de medico na Repaiti(ao de Benafl-
[cer.ca d'eata cidade. em que osascrofulosoa _
,e svmphtticoK tbundam fora de soedida n
permit'.ea fsi-.r muit-a feli'.es pplicacaa 4
de seus eicel'iiites productos. ?
f Acha-sb o deposito oe uo vaHcso med- t
cameuto ass Pharmacias e Drogaras 'eaM
'cidade. E' ^niw syfdar em recoilhecel-0 "
e nio leeit.ir as imitac&es, oxiginio -
-r*iaroviwao nxr
CURA CERTA
de todas *\s Affecges pulmonares
Todos aquelles que sofrem
Jo peito, devem experimentar
as Capsulas do Dr. Fournier.
Depositarios em Pernambuco :
FRANCISCO M. da SILVA C.
CREME de VOGEOT
Especialidade de Gassis
C JUSTtN DEVILLEBECHQT
DU0 (CJie-i'Or) Traaos.
1 Mcdalha* as ExzosicOet de :
PAJUZ 185S, 1860, 18S7 (bsoslpo Diiverul)
_ OIJOH 1155 (Htialta di Bonn), 1863
LOHDBES, MACOlt 1858 BOBDEOX 1853. 1865
;;
!
B0UI8 1859 BESAIyOI. IBOTES 1863
ci
Deptsitsriosem Pernam buco : FriDrM. da SILVA & O
CONTRA
Dotluxos, Grippe. Bronchltes,
IrritaQBes do Peito. o XAROPE o a PASTA peitoral
deNAFdeDELANGRENIEr .i certa
e TeriBci)d por MombnwdaAoadi e:.i "le Mciiicii: i da Franca.
Sem Opio, 1/orphtna BO rccel0 *
criaocaa allectadaa de Tosse ou Coquelubs.
PARS, ra Fivteause, 53,1-ASIS
R EM TODAS AS PHAP. ^
DO MUKDO.
DOENCASdo ESTOMAGO
DIGESTES DIFFICBI8
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, Diarrhea,
Debiliaade das Criancas
CURA. SEGURA X RPIDA PELO
ELIXIR GREZ
TONiCO-DIGESTIVO
eom Ouina, Coca t Pepsina
Adoptado em todos os Hoapitaes
MEOALHAS AS EXPOSIQfJES
PARS,r. La Bruy'e.34, eem todas as Pharmiciu.
SUSPENSORIO MILLEREn
lElaitira, tes ligidiris dikalio saieuxai.l
Para evitar as faUificacoes,
exigir a firma do invernar, estampada*
em cada suspensorio
FUNDAS DE TODOS OS SISTEMAS
MEIAB PARA VARlZES I
nmtT.mOTlBEC. mcfr,Parii. 49. r. J. HW
REGISTRADO
Alugs-se urna grande e excelleote casa n'este
aprazivel arrabalde com mnito bons eommoJos e
p rto do banho.
A tractar na ra Larga do Rosario n. 34, bo-
tica _______________________________
Portador Decauville
Todo de ac
Caminho de ferro porttil de collocaco instan-
tnea.
O Decauvilie obteve todos os primeiros premios
sem excepcao nos concursos frsncezss e estran-
geiros.
Catlogosinformaedes : dirigir-se ao Sr. En
gene Chaliue, 22, ra do CommercioRecife.
Representante para a provincia de Pernambuco.
Regulador da Mari-
nha
Este importante estabelecimento de re-
lojoaria, fundado em 1869, est fuaccio-
nando sgora ra Larga do Rosario n. 9.
O seu proprietario encarregado da Ra-
gulamentacSo dos relogios: Arsenal de Ma-
rinha, Estrada de Ferro de Limoeiro, Com-
panhia Ferro Carril de Pernambuco, As-
sociacSo Commercial Beneficente, Estra-
da de Ferro do Recife a Casanga, Estra-
da de Ferro do Recife a Olinda e Beberibe
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelligentes e habis auxiliares, t'azcon-
certos por mais difSceis que sjam, nao
s em relogios de algibeira, mas de pendu-
|la, torre de igreja, caixas de musita, ap-
parelhos electricoB e telegraphicos.
O mesmo acaba de receber varia o sor-
timento de relogios americanos que ven-
de de 7$ a 20$ de p;irede e de mesa, des-
pertadores de nikel.
Aos seus collegas vende forneciincto em
grosso e a retalbo: e aceita encommendas
para seu correspondente em Paris.
Acha-se bem montado neste estabeleci-
mento um observatorio pelo qual regula to-
dos os relogios martimos e terestres.
Recebe asssignaturas para dar a horacer-
ta desta cidade pelo tfdephone n. 458.
Prego commodo
Em frente da seu estabelecimento se
' acha collocado um rclogio, cujos mostrado-
] res poderao ser vistos pelos passageiros da
Ferro Carril, xendo seuipre a hora media
i desta cidade determinada pulas s uas ob-
JscrvajSes astronmicas.
Antonio Jos da Costa Araujo.
^V^ *'da
!t3S
dio ao r.oato
a bella alvura vapo-
rosa que fcz a reputag&o
das Bellezas da AiMguidatte.
L. PANAFIEU A C*
Paris, ra Rochtchoutrt, 70.
Bep8UriosemPerna/ii650 :FranC~M.dlSIiVA*C'\
1IMW'I'IIS
Medico
O Sr. Dr. Mello Gomes contiua a ter carta
para lhc ser entregue pessoalmente : na ra do
Mrquez de Olinda n. 60. ______
A o commercio eaopu-
! blico
Pelo presente fazemos publico que nesta data
1 vendemos ao Sr. Cbrispim Celorrio o nosao esta-
i belecimento de molhados, sito ra do Coronel
' Suassuaa (antiga ra Augusta) n. 258, livre e de-
sembarazado de todo c qualquer onus : qmm for
credor, apiesente suas contas no praso e tres
das, a contar da presente data. Recife, 17 de
Agosto de 188G.
Leopoldo Marques & C.
Piano de armario
Vende-se um piano em bom estado, pioprio
para principiante : na ra da Aurora n. 19, se-
gundo andar.
Aviso aos tabellies
O abaixo assignado, hoje senhor directo dos
solos das casas abaixo declaradas, por compra qua
fizera a herdeiros de Joaquim Lopes de Almeida,
recommenda aos tabellies que nao passem 08-
| cripturaa de ditas casas sem presentadlo do reci-
I bo de laudemio e foros devidos ao mesmo abaixo
I assign. do.
Ra de S. Jorge
N- 4, 9,10,11, 13, 16, 18, 19, 21, 23, 26, 27
! 28, 29, 31, 33, 37, 39, 41, 42, 44, 45, 47, 49, 51
56, 57 e 58.
Ra dos Guararapes
N- 3, 9,13,15,-17,19, 21, 5:7, 29, 33, 39,41,
43.
Ra do Pharol
N- 8, 20, 22, 24, 28, 30, 32, 36, 38, 40, 42, 44,
46, 48,54,56, 58e62.
Ra do Areial
N- 1, 3, 5, 6, 7, 8 e 28.
Travessa do Areial
N- .4
Travessa da Fundicao
N- 4, 6, 8, 10, 12 a 14.
Becco do Paschoal
N- 1, 2, 3 e 4.
Largo do Pillar
N- 4, 6,8, 10 el3.
Recite, 17 de Agosto de 1886.
Ismael de Oliveira Guimaracs.
Este remedio precioso tem gozado da acceita.
tao publica durante cincoenta e sele annos. cora-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua Dopularidade e venda nunca foro to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
ofierece a melhor prova da sua eficacia maravil-
bosa,
Nao hesitamos a dizer que nSo tem dewado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
cranlas quer em aduitQS, que se acharo afilio-
tos destes nimigos da vida humana.
Nio deixamos de receber constantemente
attestaces de mdicos cm favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varas falsifica!,-
sorte que deve o comprador ter muito en
examinando o nome inteiro, que devia ser
Tennifluie de B. A FAEN1STQCK.
r \
rkw&


Diario de Permtmbucii <
4o po\aj>rnaiBboeano
Contina aherta a escola P^'cnlmr d **?
to primaria par o cx> masculino, n,aJJ*J*
tris d* Roa-VsW n. 84. d.r.g.da pe professor
particnlar Julio Soare. de Asev.da.
nrhidiLC eollegioa da corle do .peno, onde
K ^ r algum tcmpo ^ pasneio, <* systema
f dVc^E a paciencia, roorco, fasen-
H Silencia, d* W. e da W-iade, com
S.S. .o^Lhos e sfc :c5c?, afir *qe v.nha.
, srr futuro soBtentaclo da patria, da religiao
da lr, o um verdadeiro dadlo bnuleiro.
Ebper-., porUnto, que o rPft*v publico aai-
taap^ec.ar de perLo seu rordad-r* easi. pr.
mario, onde rapidaucnie as cnajjo- abracam e
^nam'de coraco aos Hvros, as letw. eas bellas-
,rtes. Ra da Matriz da Boa-Vista n. 34.
Julio Soa.es de Asvedo.____
"TllOE RIGA
de 8X9 4X9 e 3X'2; vende-se na serrara a va-
ptr de C'Umaco da Silva, caes Vinte Dous de No-
Tetnbro p. "._____ ______________
Curso de francez
roa I Mtrl da ** Vlt n. 84
O abaixo assignado participa ao respeitavel pu-
blico que abri em casa de ana n-sHeneia um
cursT a francei, onde e8n>radimente se dedica
ao adiantomento de seus alumne.^ Espera, pois,
merecer a confianca e a proteceo do distincto
pevo pernambucano, e de todos aquelles que quei-
ram aproveitnr nm rasino rpida e esperanapso.
Mensalidades 3000 pagos adiaatados ao
acto da matricula.
Horario das 5 horas da tarde s 7 da noite.
Boa da Matriz da Boa Vista n. 34.
Julio Soares d* Aaevedo
Tomcra nota
Trilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
HaebiDlsme completo para en-
genhos de todos os'famanhos
Systema aperfeiyoado
Especificares e presos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
H. 5 -Ra do Commercio
N. B Alm do cima B & C, tem cathalogos de
mt'i .mplementosuecessariosagricuitura, como
.ambem machinas para descantear algodao, moi-
nhoa para cat, trigo, arroz e milho ; cerca de fer-
ro ealvanisado excellente e mdico em prego, pes-
aos nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a. ___________________
VENDAS
Aluga-sc
a casa n 1 ra Lembranca do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na na da Imperatns
n. 32, 1 andar._____________________________
Atso
Precisa-se de urna professora que eaiba tocar
bem piano e mais trabslhos de senhora, para en-
genbo : a tratar com o Bario de Naxareth, ra
do Imoerador n. 79, 1- andar. __________
Serrara a vapor
Caes do cap bar be n. 8
/ N'esta serrara encontraro o stnboces fregue-
ses, um grande sortimento de pinos de resina de
einco a dea metros de comprimente e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garant9-ee preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
Molestia da canoa
Processo de purificaco especial.
Methodo econmico e satisfatorio e de fcil ap-
plicacao em qualqner engento.
Nao te rao os senhores de engenho mais pn-jui-
xos enormes com a molestia.
Informacoes e esperificacoes com
V 5
Browns & G.
lina do Commercio
RECIFE
N.&
Eseo'a nocturna
Acha se aberta a matricula desta escola 4 ra
de Guararapes n. 29, regida pelo professor par-
ticular JoSo Valentn Ferreira Bastos Jnior. O
mesmo professor, a pedido de alguna pais de fa-
milia, contina a leccionar em casas particnlares
a ambos os sexos, pelo que desde j pretesta se
esmerar no adian-ameato de seus alumi os, aquel-
les que bondosamente lhe forcm eoafiadoa. As
menaalidades sero fitas na ineeripeo da ma-
tricula._________
IMULSaO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
Bvpojihosphitos de cal c soda
%pp: ovada pela Junta de Hy
glene e an^orlsada pelo
governo
E* 0 aielbor remedile boje decoberto para a
Mklca broncblle*. encropliala. r-
JkltiK. MMila. MltdCHl* ean eral.
defluvx. Coaae ebrontca e aTecee
do pello e da Karg;ana.
E' muito superior ao oleo simples de hgaao ae
bacalho, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medieinaea e nu-
tritivas do oles, alm das propriedades tonicaa
reeonstituintes dos bypophoepbitos. A' venda na4
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambueo ^^^^^^
Recebemos neste ultimo
vapor
tewAw ns dt horlslkfs
Ajsslm como
OBRAS DE MME
Pechincha real
62__ Roa Duque de Casias numero 62
cadencia, rita dt C.
Camisas inglesas' eom e atm collarinkos a
3*500.
Collarinbcs finos, diversos modellos, a 4*800 a
duzia.
Ccroulaade Imho a 2* e 2*500. .
M- ias especiaes para homem a 3*500, 5J0OO e
6*000 a duzia.
Puuhos para homem a ROO ra. o par.
Velludilhos de cores, lavrados, a 11 o covado.
Fistoea brancos, lindos desenhes, a 500 rs. o
covado.
Setins de todas as cores, cambraia bordada, as-
partilhos, tapetes, eortinados e outros artigos de
moda, por preces baratissimos.________^^
A Revoluco
ra Duque do Caxias, resolreu a vender
06 seguintes artigos com 25 0[0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Seda* lavraflas de 2*000 por 1*000 o covado.
Cachemiras de eres a 900, 1*000 e 1*200 o co-
vado.
Ditas pretas a 1*200, 1*100, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Ditas bordadas do seda a 1*600 o covado.
Gorgorinas de listrinbas a 360 rs. o covado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
La com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 1*000 e 1*200 o co-
vado. v
Palha de seda a 800 rs. o covado.
Fustao branca a 400, 440, 500, 560, 600 e 800
n. o covadu.____
Gosdenaples pretos a 1*800, 2*000 *6O0 o
eovado.
Nansoc de cor a 300 rs. covado.
Cretones finos a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia transparente de 5*000 por 2*500 a
peca.
Linn branco com salpicos a 500 rs. o covado.
Casacos de laia a 1-'*iO0 um.
Fechs de retroi a 1*000 um.
dem de 15 a 1*000, 2*000, 3*000, 4*000, 5*000
e 6*000 ura.
dem do pelussia bordados a 7*000 om.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 7500
um.
Setinetas modernas a 360, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Linhos escoeseres a 240 rs. o covado.
Zophiros listrados a 200 rs. o covado.
Brim de linho de cor a 1*000 a vara.
Fustao de cor a 500 rs. o cevado.
Tapete* para janella, piano, sof e cama a 4*,
6*000, 7*000, 8*000 e 24*000 um.
Setinetas lisas a 400 rs. o covado.
Ditas lavradaa a 500 rs. o covado.
Flanella blanca a 400 e 1 *000 o covado.
Cortes de caaemira finos a 3*000 um.
Collarinbos de cores braceos a Lucinda a
1*000 um.
Caaemira de c6r e pret* a 1*800 rs. o covado.
Brim prateado fino a 60C rs. o covado.
Dito liso a 360, 400 e 500 a. o covado.
Esguiao amarello e pardo a 500 rs. o covado.
Algodao com duas larguras a 800 rs. o me-
tro-
Camisas d" meia a 800, 1*000 e 1*500 urna.
Ditas de liobo lisas e bordadas a 30*000 a du-
zia.
Timos bordados para meninos de 4 a 5 annes a
f.*000 um.
MadapolSes finos a 5*000, 6*000, 6*500, 7*000
e 8*000 a pee*.
Esparlhos de eouraca a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*000 um.
Lencos finos a 1*200 e 2*000 a duzia.
Toalhas telpudas a 4*000, 6*000 e 12*000 a
duzia.
Redes hamhurguezas de 20*000 por 10*000 urna.
Setins maco de cores 800, 1*200, 1*400,1*600
e 2*000 o covado.
Alpacas brancas a 400 e 500 rs. o eovado.
Setinetas bramaa liaaa e lavradas a 500 e- 560
rs. o corado.
Cortinados bortUdos a 7*000, 9*000 e 16*000 o
bordadas a 5*000, 6*000, e 8*000-
Cimento po tland
Vrade-se de diversas marcas, no armazem d
Soares de Amara! Irmoe, a ra da Madre de
Deua n. 22.
GRANDE
par.
Colchas
urna.
CapelUs e veos a 10*000 e 14*000 urna.
Henrique da Silva Moreira
(jejos do serio
Em moxilas
O que ba de mais especial.
Preaanto3 de Lamego seccoso e m calda
Mantega iiiglez om latas a
imw a libra
POfAS MENDES & C.
Ba Estreita do Rosarte b. 9
eitcni!
Vcnde-sc tndo barato
Largo de *. Pedro n. 4
Neste eatabelecimento encontra-Be sempre um
completo sortimento de gaiolas e patsaros nacio-
naes e rstrangeiros, o melhor que ha neste ge-
nero, froctaa maduras, balaios proprios para ni-
nbos oe canarios do imperio, cestinbas para cos-
tura, vassouras do : ara a 800 rs. cada urna, que
custa em outra qualquer parte a 1* e 1*200, con-
serva de pimenta americana em bonitos frasqui-
nhos a 120 rs. cada om, para acabar, maesa de
mandioca muito bem preparada, para bolos.
Aprov
ExposifaO central coa larga do
Rosario n. ^8
Damo Lima & C, chamam a attencSo das
Exmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 o 3*000.
Fita n. 80 para faxa a 2*500
Leqoes regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 601.', e l* Duzia de meias para homem a SfOOO.
Ditas para senhoras a 3*000.
Lavas de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodio a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 rs.
mviaiveis grandes a 320 *s.
rampos invisiveis a 60 rs.
Um-leque de setim (novidade) a 6J500.
Ricas bolcinhas de madreperolade 1*500 6*.
L5 para bordar 2*800.
Urna eapella e veo de 15*000, por 12*000.
Um espelho de mol lora por 5*500.
Urna pulseira de fita por 1*200.
Puse a 400 e 600 rs.
ma noneca grande de cera per 2*500 e 3*000.
NA EXPOSIQO CENTRAL
38Roa Larga do Rvario38
Florida
Luja de miudezas
Roa do Duque de Caxlas n 103
Os proprietarios deste grande eatabelecimento
de miudezas, modas e para accommodar os interes-
ses da epoea, tem resolvido vendcrm po' meuoa
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Ptntes elctricos 61 0 rs.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para crianca a
3*000.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Haspas para anquinhat a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largara al*500 e 1*800
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita cbineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1*500 a duzia
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4* e 5*
Urna caixa com tres sabonctes desenhando urna
rosa por 500 rs.
Meias de l de cores oara senhora a 1*500 o
par-________________._______
Fazendas brancas
SO' AO NUMEXO
to ra da Imperarlz = 4o
Loja dos barateirot
Albeiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estis faaendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER :
AlgodaoPecas de IgodSozinbo com 20
jardas, pelo- burato prevo de 3*800,
45, 4*500, 4* ,U 6J, 5*500 e
MadapoloPecas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at
Camisas de meia com listras, pelo barato
prece de
Ditas branc is e cruas, de 1 at
Creguella francesa, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, maito bem fetas,
a 1*300 e
Colletinhos ifa mesma
Bramante francez de algodio, muito en-
cornada, com 10 palmos de largura,
metro
Dito de imh* ingles,de 44arguraa,-me-
tro a 2*500 e
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
droeg delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado uo
mercado, rs.
Todas estaa fazendas bary.tissimas, na co^hecida
loja de Alheifo & C, esquin do beeco
dos Ferreiros
6550,
12*000
800
1*800
500
1*600
800
1*2
2,5801
1(800
400
200
Como
Gesft.a para compras de .djvflr&cB tamanfaos
Bafadjae para fupa engommada
Dbsbos pi-ra roupa suja
Balaios para facaa e garfoa
Ber$os
Cotdecas
Coatureiro
Cadeiras
Voadote para meninos aprenderem aan-
tar.
O especial vinho Pigueira puro sem a
eoor composicto.
Viuho do Porto engarrafado, o que pode
?ir ao mercado de mam especial.
Tamancos do Porto para senhora.
POPS MENDES & C.
Ra Estreita do Rosario n. 9
Liquidado de fazendas
! AO % de abatimento
Na Loja das Estrella*
A' ra Duquo de Casias n. 58
Glaes de linho em todas as cores a 100 ris o
Puiqu com lindissimo desenhos a 320 res.
Casnmra de quidrinhoe, imitacio de seda a
320 ris.
Merino* com 2 larguras em todas as core a
800 ris.
Damacs de algodSo a 240 ris.
Flailes do qnadrinhos a 120 e 140 ris.
Lenon para estidos a 320 ris.
Percalinas, lindo desenhos a 240 ris.
Chitas escuras, padroes novos a 2)0 ris.
Cretennes bonitos, desenhos (novidade) a
ris.
Mansieeklisa de todas as cores a 160 ris.
Granaldines de cores a 200 ria
Renda Andaluaa a 320 ris.
Fustao para coberta a 400 ris.
Meias inglezas, sem costura, para
4*000 a duzia. .
Toalhas felpudas a 4|000 a dosia.
Gnardanapos de linho a 2*500 a duzia.
Guardanapos grandes 4*000 a duzia.
Lencos de eaguio a 2*080 2*500 a daa.
Lenfes a 2*000 cada nao.
Colxas a 1*600, 2*000 e 3*000 cada uan.
Pensadores para senhora a 2*000 e 4*tKW
cadanm.
Camisas ingtetas a 30*000 a duzia.
Atoalhado, lindos desenhos ad*2GDo metro.
Algodio ditas largaras a 700.
Cheviot ingles (novidade) a 3*000 o covado.
Leacos com barra a 360 ris a duzia.
Piotras a 500, 800; 1*000 e 1*200.
EspartHbos a 4*0C0.
E muitos outros artigo que deixam de ser men-
cionados, e que se veudem com o mesmo abati-
mento.
320
homem a
Algodao entestado pa-
ra enfoes
A tH)o ra. e IOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista,
rodao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
e de larpnraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, aasim com dito trancado para
malhas dn ra-'sa, com 9 palmos i- otro, lsto na lojade Albeiro 6t C, esquina
do ecco dos FerreirolPr
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400,1*600, 1*800 e 2* o covado
A beiro 4 C, roa da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acimt
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bee-
co di s Ferreiros.
spartllhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilboe para senhora*, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 8* o covado
Albeiro ft C, .ra da Imperatriz n- 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o padroes mais deli-
cados para costme, e vendem pelo barato preec
de 2*800 e 3f o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer coatumes de caaemira a
304, sendo de paletot sacco, e 35* de fraque,
grande pechincha.; na loja dos barateiros
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porco de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr-'CO de 32t'
rs. o eovado, grande peohinoha ; na loja da es
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a I O ra. aseft
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas ue
bordado, dous metros cada'peca, pelo;barato pre-
co de 100 rs., ou em carta om 50 pecas, aorti-
dae, por 55, aproveitem a pechincha na loja.da
esquina do becco dos Ferreiros.
Boa
CsriieifO la C01M C
Liquiden os seguintes artigos mais barato que esa
outra parte, Visto seren algoas comprados em
lcilo a sater:
Lind, retoes claros a 240 e 286 rs., o co-
vado.
Failea <" novos gostos a 400 e 500 rs. o dito.
Linn can palmas de IS a 800 rs. o dito.
dem c Popelinas com lltras de i eda a 280 e 320 rs., o
dito para acabar.
Eeguii.) pardo oara vf *tdoa a 500 o 560 rs. o
dito.
Setinetas, n*vidades, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damase-s de 1.1, largara de 2 metros, proprio
personnos de piano a 1*800 o covado ; de cores
propnas para mesas a 1*500 e 1*600 o lito.
Merinos pretos r.ara lute, 2 larguras a 900, 1*,
1*200 e 1,500 o dito.
dem di' ti Casemiras de 2 largaras, padroes inteiramente
novos a U'iOO, 1*600 e 1800 o dito.
Setim mi-.eAo, de todas as cores, desde 800 rs. a
2* o dito.
Atoalhado trancado e bordado a 1*400 e 1*500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem de paro linho a 2* o dito.
dem de nina-largara a 500 rs. o dito.
Gunruicues de crochets para sof e cadeirag a
8*.
Riqu-.ssimas colxas de dito a 12* e 14*.
Lindas grinaldas e veos para Exmas. noivas a
14*.
Cortinadas bordados a 6*500 10* o par.
dem em pecas com l' jarda?, novos desenhos a
9*.
Toalhas felpudas de cores, para rosto, a 7*500
a duzia.
Meias inglezas, cruaa a 3*500, 4* e 6* a dita.
dem arrendadas para senhora a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dita.
Cantiess saperioics frr neczas a 38* e 42* a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2*500 e 3*.
Lencoes de. bramantes, grandes a 2*.
Chalet de caaemira, dem, a 2*, 8* e 5*.
Cortes de caaemira inglesa a 3*, 4* e 5*.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3* e 3*500 o
covado.
Venda etn groado, (limn descont
da praca
59=Ra Duque d Caxias=^59
Carneiroda Cnnha&C.
Camisas nacionaes
A l&OO. a*ooo e s*5oo
32=^ Loja a ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortinvnto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e p jnlus de linho como de algodio, pelos
baratos precos de 2*500, 3* e 4*, sendo tazenda
mnito melhor do qw as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitaa, por serem cortada* por
um bem artista, especialmente camieeiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a vontade dos
fregueses : na nova loja da roa da Imperatriz n.
3:, de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
a a Ra da Imperatriz = 3;
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo eatabelecimento encontrar o res-
p jitavel publico um variado sortimento de fazen-
das da todas as qualidades, que se vendem por
preces baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de n upas para homens, e tambem se man-
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre aliaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc.
I
as-
7*001
10*001 <
12*001
12*CKX
5*5
6*50<
8*001
3*0U
1*6
1*0W
Veode-se
na fregnezia de Santo Aatonio nBS'taTerna bem
arreguezada, Unto para o matto como faz a pra*
ca : para informacao, na roa do Rangel n. 75. jt
WHISKY
ROY AL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escossea preleriv.
ao cognao on. aguar denos de eanna, para tartiea
9 corpo.
Vende-se a retalbo nos w Iberes armazens
nolhados.
Pede BOYAL BDBND matea VIADOcajonr
me e emblema sao registrados para todo o Brasi
BROWiNo 6t C, agautao ________
Ra da Imperairiz-3l
Loja de Perra da Suva
Neste estabelecimento vende-se as roupas abai
lo- mencionadas, que sao ba" > u.as.
alitots pretos de > aiagoaaes e
acolcboados, aenuo luzeaaas muito en-
cordadas, e forrados
Ditos de casemiru preta, de cerdao muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul se.udo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorito preto, colchoado,
sendo fazrnda muitr encornada
Ditos de casemia de ores, sendo muito
bem f.litas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem fcitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Culletiuhoa de grcguella muito bem feitos
Assim como um bom sortiaseoto de leos d*
linho e de algodao, meias croas e collarinhes, etc
Isto na loja na ra da Imperatriz n. 3u
Riscados largos
a SOO ra. o covado
Na loja da na da Imperatriz n. 32, vendem t<
riscadinhos proprios para roupas de meninos
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covadt
tendo quasi largura de chita rranceza, e sir'
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja do Pereira da Silva.
FuNte*. estuelaa e lslnua a 60
rsi, o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-s
um grande sortimento de fastoes brancos a 5tt
rs. o covado, lazinhas lavradas de furta-corefc.
& senda bonita para vestidos a 500 ib. o covado.
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cris, a 500 rs. eovado. pechincha : na loj*
do Pereira da Silva.
MerlnN preloa a 1*2
Vende-se merinos pretos de duas larguras pan
vestidos i-, roupas para meninos a 1*200 e 1*6W
o covado, e suoenor setim preto para enfeites i
1*500, arsim como chitas pretas, tanto lisas com>
de lavonres brancos, de 240 at 320 rs.; na novt
Kja de fereira da Silva ra da Imperatriz nu
mero 32.
Algodezinbo rrancess para leace
a oo ra.. i* e lSOO
Na bja da ra da Imporatriz n. 32,. vende-
superiores algodozinhos francezes com 8, 9 e H
pnlmos de largura, proprios para lencoes de un
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1*000 >
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*380, a
sim como superior bramante de quatro largura,
para lencoes, a 1 *500 o metro, barato
d Pereira da Silva.
Roupa para meninos
A 4*. lAtOO e
Na nova loja da ra da Imperatriz
vende um vanado sortimento
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci
oha carta, feitos de brim pardo, a 4*000, ditoi
de molecquim a 4*500 e ditos de gorgorito pretc
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; n>
loja do Pereira da Silva.
'"asas venda
Vendeja* ou trocase por.apolioea da divida pu-
blica geral neefa cidade um sobrado que rende
animalmente 660J, jto ra da Ponte Velha n.
82. entrada p^'o beeco de Joao Francisco, e na
cidade de Olinda um sobrado ra de 8. Beato
n. 18, e duas casas terreas, urna ra do Ampa-
ro n. 14 e a outra ra do Bispo Coutinho n 11:
a tratar na roa da Aurora n. 31.
VAPOR
C
Vende-se um bom vapor e moenda com pouco
aso ; a ver no engenho'TSmboasai mnito perto
da estacao Imperador n. 48,1" .andar.
na Iqji
Cabrilet
Vede-a dnnaso pr/eto estado por _
rommodo; tratar na roa Duque de Casas n
n. 32,
e vestaarios pn.
a tratar na ra da
Tamancos
de Penedo : vende se m porclo a retalbo i aa
ra da Roda n. 11.
N. 196. A p-
sente marea 'par
miro rubricMbb,
contendo a doaa-
minadlo ME-
TEOROS, desi-
na-se aoscigaaros
fabricado a <-
postea venda
por Joaquim Baie
Dardo dos Sen-
& C, firma eos.,
mercial dorcicMia-,
da n -sta piafa
PAQUlVl BERNARDO DOSREtSfrC^^P LTrio^fo, fci
apraaentada' registro no dia 28 do mez de Maio prximo paseado s duas hora* da
tarde, o registrada n'esta data em cumprimento do despacho de boje da Meretiaetma
Junta Commercial em substituido do registro n. 80, quo tem nota de baixa, a qual
nSo foi dada no 2.- exemplar porque o commorciante matriculado Joaquim Bernarda
do Reis declarou tela perdido.
E, para cumprir o predito despacho e o preceito da lei, fiz nota de baixa ae
respectivo registro o. 80 devidamente sellado com mil ris, e o registro da marea sa-
pra do qual extrahi esta nota. Pagou um mil ris de um parecer fiscal. Socfetam
da Junta Commercial da cidade do Reqie, 4 de Junho de 1886. O-secretario JMt>
GuimarcLes.
Joaquim Bernardo dos Reis & C. proprietarios do estabelecimento
Pcraambucano ra Larga do Rosario n. 30, avisam ao respeitavel publico ea\
geral, e aos amigos e freguezes em particular, para melhor esclarec ment, que o m-
blema cima regiitrado da forma seguinte: urna aguia entre quatro tringulos sendo
os dous late raes era alto relevo, tendo urna fita presa no bioo com a inscripoS
Emblema Registrado, e sob ns ps da ave a denominacSo METEOROS
Todo o trabalho lythographico com tinta carminada, e em papel chamois rove,
conforme o rotulo emblemtico, que serve de insersSo a este aviso.
Os abaixo assignados, para mais evidencias declarara, que em virtude do
decreta n. 2,682 do 23 de Outubrs de 1875, que pune rigorosamente o contrafactor
ou imitador, resolveram patentear publicamente o respectivo registro para inhibir
duvidas futuras.
Recife, 9 de Agosto de 1886.
Joaquim Bernardo dos Reis $ C
O portador de dous vigsimos desta
importante lotera do custo de 2$200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Prego em porgo
Vigsimo.
Vigsimo.
A' RETLHO
14100
A RODA DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosario36
Aos 1.000:
200:0005000
I00:000S000
LOTERA
DE 3 SORTEIOS .
En fav r dos ingenuos da Colonia Orplianelogica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Eitrap'.io ui315 ie Mro ae 1886.
0 thesoureiro, Francisco Gonjalves Torre
CASA DE MODAS
Fazendas finas
0 mais raalo sortimento ei arto para se&tas, acata Os recsDar
J.BASTOS&C.
2 A--Eua do Cabug--2 B
Sedas de cores em cortes de 20 metros cota as rendas de seda pasa.aofeites.
Sedas com bordado de alta novidade.
Gorgorao tle seda, q.ualidad lilaz, tabore, brenze, lontre t> grenat.
GorgprSo branco para noiva.
Faille branca para dita.
Damass ottomane branco.
Grinalda3 de cera, o que ba de melhor.
Veos e fiil, em peca, para noiva.
Leque de niadreperola com rendas,
Meiaa brancas de seda.
Colchas de damasco de sena.
Ditas de Guipour e oroebet.
Cortinados de crochet.
Cach etures com bordados
inteiramente novidade.
Ancosa 1musis womiwa*cSo para ^stido
ESCOLHIDO A CAPRICHO
Robes mi coafeccions vestido aieso prpa#a4u, |) sida, 13, t&^idos aoves
e algodio, de 1500 a 65^000.
Colleretcs para senhora---doctorease, em fustSo e c^fcaes^; grande, moda.
Visitescapas enfeitadas ricamente a passementerie e rendas.
LUVAS DE SEDA
Com e sem dedos, ultima moda.
Bolsas d9 couro da I^ussia de diversos tamaitos.
Perfumaras finissimas, grande sortimento.
Leques de seda e setim, modernos.
Tecidos de ajgodao para vestidos ligeiro e eco:
E' difficil encontrar m^b.or sortimeoo 4o yt
se borato. PadrSes noviseitpos.
2 A-BA DO CABDGA-2 B
(Telepime n. 359)
4^gfic c ij:?..7^add-'


Diario de Pcrnambuco-UuinUt--feira 19 de Agosto de 1886
ASSEHBLEA GERAL
I
CHARA DOS DEPUTADOS
SESSO EM SO DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SB. ANDBADE FIGEIBA
(ContinuacSo)
Pergunta ao nobre ministro se nao se
resolve a alliviar o ornamento da agricul-
_ a dos encargos de jardins e pragas pu-
blicas da corte, porque nao de boa po-
ca distrahir dos servisos de todo o ina-
rio qaantias para serem eropregadas em
urna cidado que tem sua vida municipal
ropria; tanto mais que o governo procu-
ra dar governo especial a cmaras man-
capaes, com as
ideas que foram apresenta-
i pelo Sr. ministro da fazenda na refor-
a municipal.
Est convencido que essa retorma de
nada servir, se a par das attribuicSes
2o se facilitar s municipalidades meios
para a creado de impostos ; a le de
1828 garanti a autonoma das cmaras
municipaes, mas foi burlada pelo poder
central e pelos poderes provinciaes ; esta
a causa por que muitos homens serios se
afastam de tal servico que tem sid>. -ebai
xodo, chegando o governo at a reprentn-
der a cmara da corte pela mudanga de
nomos das ras.
Responde a um aparta do Sr. minietro
da agricultura que S. Exc tem razo, o
partido liberal ha mais tempo devia deixar
o poder para no carregar com tanta cul-
pa de que no responsavel : mas os no-
tres ministros tambem nao podem procu-
rar desculpar-se com os erros de seus ad-
versarios.
Responde a outro aparte, que o nobre
Ministro toi contraditorio o annno passado,
eombatendo o acto do governo liberal que
mandou garantir o pagamento de passagens
a colonos, tornndose depois apologista do
referido acto, como demonstra.
Recorda a inconveniencia do acto que
eupprimio as commissSes de mediclo de
trras nos municipios da Ponte :Nova e Ma-
nhuass, na provincia de Minas; basta
ver quo o municipio de Manhuass era um
extenso espago inculto e hoje j se com-
poe de nove freguezias, excedendo a
30,000 almas a sua populacho.
Esse erro, prejudicial aos interesses dos
moradores e ao progresso e desenvolvimen-
to daquella importante regio, ser com-
gido se o nobre ministro restabelecer all
a commisso dissolvida. Logo que venha
discusso a proposta do nobre ministro
sobre a venda de trras incultas e devolu-
tas, o orador discutir este assumpto.
Pela dispensa dos servicos, concedida
pelos senhores aos oscravos sexagenarios,
observa que a poltica do gabinete de 6 de
Junho vai tendo plena confirmacao. En-
tretanto, lamenta que o nobre ministro da
agricultura, tendo declarado o anno passa-
do, por occasio de discutir-se a le do
elemento servil, que a escravido, adopta-
do o processo da deducco annual do valor
do escravo, nao iria'alm de 13 annos,
pelo seu regulamento prolangasse aquello
prazo por mais um anno e meio, falseando
assim o pensamento do legislador, que era
para realizai-se a effectividade do prazo de
13 annos, comegar-se contar o tempo do
primeiro dia da matricula em diante e nao
do ultimo dia.
Considera que o vofo do senado a res-
peito da execucao da lei de 28 de Setem-
ro de 1885 foi altamente significativo ;
pelo menos ama advertencia expressa e
enrgica do modo por que foi deturpada
a execuco dessa lei. Espera, porm,
oue a resistencia evidencia ha de cessar
na prxima futura sessao, tal a f que
tem no movimento que emancipador e na
energa da alma nacional.
A lei que alforria os cscravos pelo fun-
do de emancipaclo tem um regulamento
consignando tisposcoes inquisitonaes que
vioUm e devassara o lar da familia.
Per-
FOLHETIM
____
JUGLO
POR
COxNTINUaQO DE ANGELa)
(GontinuacOo do n. 187)
XXIII
O juiz formador da culpa, apontaudo pa-
ra Angela, perguntou :
Conhece esta senhora ?
; Nao, ma juiz.
E a senhora,Angela Bernier, preten-
do nao conhecer este hotnem ?
Pretendo ; porque a verdade....
Vejo o nesta occasio pela primeira vez na
minba vida.
O Sr. de Gevrey ficou calado, durante
alguns segundos, com as sobrancelhas car-
regadas e reflectndo.
Foi a bella hervanaria quem interrompeu
silencio.
- Assim, disse elle com voz surda, a
principio ; mas que pouco a pouco, so tor-
nou vibrante e de certa maneira metlica
assim, eis o assassino I... E' esse homem
a quem, na sua opinio, dei dinheiro para
motar meu pai e acrescenteu, com urna
exprosso d colera terrivel, avancando so-
bre Osear Rigault, que recuou diante
d'ella.
este bomem que quiz matar mi-
nba filba ?
..O chefe de seguranca interveio imme-
diatamente.
Angela proseguio.
E pretendem que elle me aecuse de
ser sua cmplice... que atrirme ter rece-
bido de mim iaformacoes e ordem.
Mas qual historia 1 gritn Rigault todo
aseastado. Eu nada disse! Nao a aecuso...
sao a conheco.
Mas eu ahora conheco-te, replicou
Angela, furiosamente. E se tu s o assas-
sino de minha filha, quero justiga, quero
cadafalso 1. .. Quero o teu sangue !... As
gales para ti nao bastara; quero a tua ca-
beca.
Depois, voltando'-se para o juiz formador
da colpa:
gunta : esta parte da lei pode ser cumpli-
da ? Pensa que nao.
Chama a attenclo da cmara para o
modo inconveniente de regulamentar as
leis. Os regulamentos ltimamente expe-
didos sobre materia judiciaria, sobre o
elemento servil e sobre o servico sanitario
desta capital estilo incados de erros grom-
maticaes que obscurecem o espirito do le-
gislador e desviara so at das normas do
nosso direito. Este descuido na elabora-
do das leis revela se tambera na cmara
cujos trabalhos provam de -adencia quaudo
comparador com os do senado.
Quanto nossa ciise commercial, carac-
terisada diminuigSo da importago, abser-
va que no ultimo anno, a o passo que tem
diminuido a importacao, tem crescida a
a iraportajio, tem crescido a exportacao,
o que denota no melhor preco nos gene-
ros, mas renda em mais vasta proporcSo.
Com relaco ao consumo do caf nos
paizes e8traogeiros com que temos trans-
ares, deseja saber que providencias tem
tomado o nobre ministro da Bgricultura no
sentido de favorecer e desenvolver essas
transaegoes, especialmente com os Estados
Unidos,, nosso.principal consumidor do caf
Parece ao orador que para o denenvol-
vimento das nossas transacjBes coramer-
ciaes muito onviria dar incremento s li-
nhas de navegando. A essas corapanhias,
porm, reduzio o o nobre ministro as sub-
venjSes, em virtude de autorisajSo que S.
Exc. tem era lei.
O que precisa saber se o nobre mi-
nistro da agricultura reduzio tambem as
viagens, e se essa reduccao no ser pre-
judicial s nossas relacSes commerciaes.
Ao passo que o nobre ministro propo*e a
diminuicSo da subvencao s companhias de
navegado, augmenta a despeza em outras
verbas ; por exemplo, em relacSo fabri-
ca de ferro de Ypanema, S. Exc. pede
mais 48:000,5 do que foi pedido no ot<&-
mento liberal.
Lembro, porm, que os resultados eco-
nmicos da j3xplorajao do ferro da fabrica
de Ypanema sao negativos, porquanto,
alm de produzir em pequea escala, o
nosso 8apprimento de ferro inglez fiea-no8
aqui mais barato do que o nacional.
No duviia que melhores fossem os re-
sultados colhidos daquella fabrica se ella
no fosse administrada pelo Estado ; e por
essa razo acha melhor transferil-a a urna
empreza particular. Compradores nao fal-
tariam.
Protesta contra a reducco da bitola da
estrada de ferro D. Pedro II. No por
espirito de bairrismo que assim se pronun-
cia, mas por entender que foi um grande
desservigo que o nobre ministro f z pro-
vincia de Minas com a reduccao da bitola,
justamente do ponto em que acaba a este-
relidade da zona at ahi servida pela estra-
da. Desse ponto por diante, em quo a es-
trada se dirige ao valle do rio das Velhas,
que coroeca a uberdade das trras.
Estando j o leito preparado at Itabira,
e em parte assentes os trilhos, nao aug-
mentara a despeza se so conservasse a bi-
tola at aquello ponto.
Masjulga que este erro econmico, de
que ha de resentir-se aquella parte da pro-
vincia, deve attribuir-se no ao nobre mi-
nistro da agricultura, mas ao seu collega
da justica, cuja vontade impera em toda a
provincia.
Terminando, pede ao nobro ministro que
olhe com mais amor para a provincia de
Minas e no se esqueca de prolongar a es-
trada de ferro D. Pedro II, dando-lhe o
devido desenvolvimento.
O Sr. I.ourenvo de .11 buque r-
qu na qualidade' de relator do ornamen-
to da agricultura vai responder aos diversos
oradores que se oceuparam da materia em
discusso.
Disse o nobre deputado Sr. Affonso Cel-
so que o trabalho da commisso tinha sido
feito com cuidado, e quiz attribuir esse me-
recimento pessoa do relator. .
Agradece a intencSo de S. Exc, mas
Com que entilo este homem no me
conbece, elle mesmo o declara e atrevem-
se anda a aecusar-me? Porque nao eatou
desde j em liberdade ? O senbor sabe per-
feitamente que o assassino me aecusaria se
eu fosse seu cumplice.
Nein assassino, nem cumplice, nem
culpado em cousa nenhumal... Pandego,
mas bom rapaz, disse Osear com anima-
ndo. Duas vezes, dez vezes, cem vezes,
nao a conheco e nSo conheco sua filha !
Pretendem que, depois de assaisinar o ve-
ltn, quiz tambemassassinar a ella !... Com
mil raios, esta forte A pequea vio com
certeza, a cara do patie que acabava de
espetar o velho no compartimento t Pois
bem, facam vir aqui a pequea... qneme
olhe para os olhos o se ella me recrahecer,
cortem-me logo o pescoco !... E ainde hei
de dizer : bem feito.
O Sr. de Gevrey e o chefe do seguranja
trocaram algumas palavras em voz baixa.
Depois deste eurto dialogo, o chefe de
seguranca sabio do gabinete.
Tornem a levar para a prisSo os dous
criminosos, ordenou o magistrado aos guar-
das de Pariz.
Assim, anda nSo est convencido,
disse a bella nerv naria, com azedume.
Dizem que a justica sagaz e o senhor re-
presenta a justica I Pois bem, eu sustento
que ella cega! O que queretn mais I En-
Cuntraram em casa desse homem a mala
roubada, depois do assassinato, a Jayme
Bernier... logo o assassino... Visto que
elle proprio confessa no me cenhecer,
quem, pois, ousaria me aecusar ?
Basta 1 interrompeu o juiz.
Os guardas levaram Osear Rigault e a
bella hervanaria.
Emquanto assistia scena que alaba-
mos de por diante dos olhos dos nossos le-
tores, o escrvSo do Sr. de Gevrey tinha
mostrado urna agitaco a que nao estava
acostuTjado, assiatindo habitualmente com
impassibilidade profissional a todos os in-
terrogatorios, que elle reproduzia com fide-
lidade de scenographo.
Que tem hoje, Clemente? perguntou-
lhe o magistrado, assim que ficou s com
elle.
O que eu tenho, senhor, que isto
um negocio muito complicado e muito ex-
traordinario, respondeu o escrivao. Se
Osear Rigault nao o assasino de Jayme
Bernier, e nos o saberemos pelas testemu-
nhas que esse homem invoca, quem ser
entSo o cumplice dessa desgracada Angela
Bernier.
Ella acabar com certeza por o con-
fasear.
deve dizer lhe que esse trabalho nao sea ;
as tabellas que acompanham o parecer fo-
ram organsadas pelo chefe director das
obras publicas do ministerio da agricultu-
ra, fanecionario habilissimo e zeloso, e cre-
dor de toda a estima e consideraco. E
quanto ao parecer, foi calcado sobre o pa-
recer do orjamento do ministerio do impe-
rio. Assumio apenas responsabildade des-
te trabalho por concordar com os seus cora-
panheiros de commisso de ornamento am
apresentar o projecto relativo s despezas
do ministerio da agricultura.
Achou escusado o accentuar o nobre de-
putado divergencia entre as suas e as ideas
do orador. Basta S. Exc. ter-se declarado
republicano para se ver a radical divergen-
cia do opinioes quo entre ambos existe.
Comecou o nobre deputado o seu disour-
so mostrando que o orcaTiento conserva-
dor nao revelava mais economas do que o
liberal.
O orador em questao de financas abstrahe
da poltica e portanto nao aceita esta deno-
minado de liberal ou conservador para os
ornamentos.
S. Exc, porm, nao demonstran a sua
proposico, porquanto reconbeceu no haver
actual orcamento urna economa de cerca de
500:0000.
Mas a base do actual orcamento no o
orcamento do 1884 -1885, e sm as despe-
zas feitas naquelle exercicio.
Para um estado comparativo que o ora
dor faz entre oa ornamentos anteriores e o
que se discute para o exercicio de 1886
887, v, pelo que se despendeu, que ha
urna differenja que attinge a 5,000:000$
para menos no ornamento do exercicio de
1886 l-87. Mas o orador reserva-se para
fazer comparacSo mais exacta quando se
liquidar o exercicio correte.
NSo tem grande esperanza que o nobre
ministro da agricultura despenda nicamen-
te os crditos que lbe vo ser concedidos,
no porque nao conheca o desejo que tem
S. Ex. de realisar economas, ou porque
as verbas no estejam sufficientemente do-
tadas, mas por ver que o amor s econo-
mas j vai arrefecendo.
E' assim que o nobre ministro do impe
rio aceitou certas reduccSes propostas pela
cmara, e entretanto no senado faz ques-
tao para que sejam restadolecidas as des-
pezas cortadas : e a camtfra provavelmen-
te ha de sanecionar este acto do nobre mi-
nistro.
Portanto, as economas que a commisso
conseguio fazer de accordo com o governo
nao sao definitivas : dependem anda do
voto do senado.
A outros pontos do discurso do nobre
deputado responder quando tiver de to-
mar em consideraclo os orcamentosa que
elles se referem.
Em seguida ao nobre deputado fallou
sobre este ornamento o Sr. Alcoforado J-
nior, que lombroa ao dobre ministro a con-
veniencia do resgate da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco. Sobre este
ponto dir apenas que sem duvida o nobre
ministro ter autorisacao da cmara para
effectuar o resgate, se por ventura S. Ex.
entender que ha vantagem na medida.
Lembrou tambem o nobre deputado a
vantagem de reduzir as tarifas da estrada
de ferro do Recife ao Limoeiro.
O orador concorda com S. Exc, e acha
ama vergonha que a urna estrada de ferro
estejam fazendo concurrencia animaes de
carga.
Certamente o defeito vem das tarifas
elevadas, e nao ser difficial ao governo
entsnder-se com a companhia no intuito de
srera diminuidas essas tarifas, para interes-
se da propria companhia.
O nobre deputado pedio ao governo ga-
ranta de juros para um ramal da estrada
de ferro de Caruaru' a Guaranhuns. O
orador pensa que depois de tantos sacri-
ficios que tem feito o Estado cem as es
tradas de ferra de Pernambuco, nao se de-
ve agora garantir urna estrada em terreno
Continua a julgal-a culpada, senhor
juiz ?
E o senhor julga-a innocente, Ce
mente ?
Eu, meu senhor, tenho as minhas du-
vidas.
Esquece que ha pravas ?
Ora, senhor, se a mona nao recoohe-
cia Rigault como assassino, o que significa-
ra a mala do morto, encontrada em casa
delle ? *' que positivamante a teria acha-
do, como elle pretende e que a sua affir-
raacao verdadeira, por pouco verosmil
que seja... Encontraram a carteira de
Jayme Bernier n'um passeio da ra do Tem-
plo. .. quem sabe se o agenda de Cecilia
Bernier, encontrado em casa da hervana-
ria...
O juiz formador da culpa no deu tempo
ao escrivao para acabar a phrase.
Esse agente foi perdido por Cecilia e
ochado por Angela, interrompeu elle. A
Justina sabe disso. Como se ha de expli-
car a sua presenya de outro modo ?
Nao poda ser escondido debaixo do
musgo do vaso de flores da hervanaria...
para a comprometter..'. para a perder.
Por quem ?
Ah 1 l isso nao sei.
Vamos l, Clemente, est sonhando !
Nao se entra assim na casa de qualquer,
estril e que pode perfeitamente ser feita
casta de capitaes particulares.
Refera o-se ao raelhoramento do porto
de Pernambuco, julga imprescindivel esse
servico, mas conviria alliviar a despeza
que com elle se faz reduzindo o pessoal
supei-fluo. Seria at mais vautajoso trans-
ferir o raelhoramento daquelle porto a urna
eraprez particular i onea que se obrigue
a realzalo no menor prazo passivel.
Respondendo ao Sr. Alenoar Araripe,
diz que S. Exc. pedio para a provin;ia
do Cecr o prolongaraento da estrada de
ferro de Baturit ao Crato, a continuando
das obras do anude de Quixad, e a oana-
lisagao do rio S. Francisco ao Jaguaribe.
Des-jaria que se realizasse o prolonga-
raento da estrada de ferro de Baturit, por
que das estradas do Estado, pensa que es-
ta urna de futuro promettedor.
Nao sabe o que o nobre ministro da agri-
cultura pensa a rcspeito ; por sua parte
pensa que as criticas circumstaacias em
que se achara as nossas finannas impos-
sivel satisfazer esse desejo.
Quanto ao anude de Quixod, esta urna
importante questao para a que chama a
attencao do nobre ministro.
Com este projectado aguda j se despen-
deu quantia superior a 180:000$ s^ra que
ao menos se tivesse at agora assentado
urna pedra. Escndalos desta natureza jul-
ga o orador quo s no Brasil se obser-
vara.
O engenheiro Rvy tem abusado tanto
da paciencia do governo, que o orador ficou
triste qaando ouvio o nobre ministro decla-
rar que so a cmara mandasso proseguir
nessas obras seria o Sr. Revy o encarrega-
do da suu direcco. Tal o poder do Sr.
Revy que at procurou-se vinculal-o ao go-
verno por meio de um contrato. Se um po-
bre engenheiro brasileiro tivesse procedido
como elle j estara demittido ha muito
tempo.
A canalisacao do rio S Francisco sem
duvida urna obra grandiosa; mas, alm de
lhe parecer insufficiente a quantia de....
60:000$ para estudos t3o colossaes, nao
sabo o orador se haveria grande conveni-
encia em realisar esse projecto. Como de-
putado pelas Alagoas repugna lhe essa ca-
nalisaco que teria aguas do baixo S.
Francisco cuja navegando j diffic e que
se tornar impossivel se dalli se desviarem
ss aguas.
E' chegada a occasiao de fazer um pe-
dido ao nobre ministro da agricultura : Ha
na barra do rio S. Miguel ama grande pe-
dra cuja remoco pedida por alguns
amigos, eleitore8 seus que allegam que
o governo
favoravel.
deve aprovetar este momento O Sr.
Nao se deve augmentar as des- diente,
pezas publicas por falso espirito de provin-
cialismo.
Declara que est resolvido a sustentar o
governo emquanto for econmico. E preci-
so reconhecer que j se fez alguma cousa,
mas deve se pedir muito mais.
Passa a outro ponto : o nobre deputado
o Sr. Candido de Oliveira historiou o esta-
do das estradas de ferro, dizendo que alm
da de D. Pea o II, as outras nao sao de
utilidade, porque os dificita sSo constantes,
e attribue esse estado aos erros das admi
nstragoes; mis este ponto da vista do ca-
pitalista, no pode ser o do Estado; desde
1863 at hoje o accrescimo da renda pu-
blica devido s ostradas de ferro : o erro
ento preveio das excessivas despezas que
se fizerara, mas as vantagen3 dessas es-
tradas sao intuitivas, ellas concorrem para
o augmento da receita; no se deve apre-
ciabas smente pelo rendimento bruto que
tm actualmente.
Tem ouvido alguns couservadores falla-
rem de esbanjamentos nessas construcgSes,
esquecidos que a maior parte das estradas
de ferro provra do dominio conservador.
Acha que o nobro ministro muito pode
concorrer para melhorar o estado d is nos-
sas finannas, no fazendo mais concessoes
de estradas com garantas de juros, porque
as financas no o permitiera ; mas no em-
barace, antes auxilie, a iniciativa particular.
Sabe que ha o projecto de urna linha,
que muitos pretendentes pediram sem onus
ao Estado, para dar entrada na ciiade
do Rio de Janeiro estrada da ferro
Leopoldina, o que diminuir em cerca
de 100 kilmetros a distancia ds corta ao
Ports Novo do (Junha, trazendo diminui-
nc nos prenos dos frates e das passagens;
ou o nobre ministro mande fazer essa es-
trada ou consinta que os proponentes a fa-
nam.
Mostra que o Estado no conseguir o
mesmo resultado diminuindo as tarifas,
porque isso no diminuir a distancia, e
para o lavrador a conveniencia est era vir
corte em menos tempo e sera baldoago;
a estrada Leopoldina j chega ao Porto
Novo do Cunha, ir at Mag e at The-
resopolis; que culpa tem os lavradores que
estrada de ferro D. Pedro II no se
dsse um tragado mais conveniente ; ac-
cresce que aquella estrada vai dar grande
desenvolvimento a sua extensa zona de
terrenos frtais para a colonisaco, como
1' Secretario d conta do expe-
ORDEM DO DIA
os de Theresopolis. Pedo, pois, ao nobre
n'um aposento habitado, para l esconder
a prova de um crime. Isso so procesaos
velhos do melodrama. J no estJ em
moda .. A culpabilidade de Angela Ber-
nier, para mim, no soffre a menor duvi-
da ; cstou certo que ella no obter ordem
de soltura ; porqae seria escandalosa. Po-
de ir almocar, Clemente, mas esteja de vol-
ta d'aqui a urna hora.
- Sim, senhor.
O escrivSo sabio do gabinete.
Emquanto ia pela galera fra, dizia
comsigo :
O meu patro no l muito finorio
e cabecudo como diabo Tapa os olhos
para nSo ver a luz !... Mas isso l com
elle e no commigo ?... Elle que se des-
envencilhe como puder.
O Se. de Gevrey escreveu para Marse-
lha dous telegrammas, que enviou ao es-
cnptorio do tclegrapbo e foi tambem almo-
car.
XXIV
No dia seguinte aquello em que vimos
vir contar Proli o que se tinha passado
na ru das Damas, Luigi no deixou de
voltar ao sea observatorio, mas a installa-
cSo sobre a escoda da adego e por tras do
assador das castanhas nao lhe agradovo,
com isso apraveitaria o commercio. O ora
dor disBe-lhes, em vista do parecer de um
engenheiro americano, que essa remocao
no era possivel porque prejudicaria em vez
de melhorar a nevegago. Perden os vo-
tos desses eleitores, agora, para emendar
a mo pede aS. Exc. que mande algum
Revy examinar essa pedra.
Os conservadores devem imitar o orador,
que pede pouco. Era vista da quantidade
de emendas que tm sido apresentadas, o
orador reconhece quanto toi acertada a
medida tomada pela mesa, de enviar todas
aquellas que augmentam despezas, com-
misso de ornamento, com a qual, sendo
corpo collectivo, o governo poder descul
par-se.
Respondendo ao discurso do Sr. Affonso
Celso Jnior, sustenta que o Sr. ministro
da agricultura, no regulamento para exe-
cucao da lei 28 de Setembro de 1885, cum-
prio exactamente a lei.
A questo do elemento servil, na opinio
do orador, est ssrvindo a ambicSes polti-
cas em um e outro partido. Os chefes de
um e outro esto voltados para o alto afim
de saber o que agrada all; no esto com
o povo. Isto fazembrar ao orador o ma-
caquinho do italiano que dansa e pula sem-
pre com os olhos fitos no dono, esperando
o premio ou castigo. O que se deve fazer
nesta occasiao olhar para as finannas e
achava-a completamente intil e embara-
cadora.
Com effeito, se por acaso a moga que elle
devia vigiar mudasse de domicilio, no po-
deria seguil-a seno abandonando de re-
pente o assador e as castanhas, o que no
deixaria de parecer suspeto e de causar
duvidas aos vizinhos sobre a realidade da
sua profisso apparente.
Havia tres dias que elle estava de posse
do posto.
Tinha feito o seu contracto de locaco
por cinco dias.
A chegada do verdadeiro vendedor de
castanhas viria a proposito ; conservsndo-o
perto de si, poderia ausentar-so logo que
fosse necessario.
Emquanto elle refleetta em tudo isto, vio
de repente o seu compatriota apparecer e
dirigirse para o seu lado.
A v8ta|do verdadeiro proprietario do es-
tabelecimento, Luigi deu um grito do ale
gria.
Vens reclamar-me a tua cadeira e o
teu forno, perguntou elle, estendendo-lbe a
mo.
No, senhor, respondeu o pieraontez.
Cousa proraettida cousa devida. Com-
prou-me o lugar, por cinco dias... Hoje
o terceiro, ainda lhe restam dous. Vinha
simplesmente dar-lhe os bons dias, como
camarada e informarme se estava con-
tento com o seu lugar... Vio o que que-
ra ver ?
. Pouco mais ou menos, meu rapaz.
Ento tanto melhor.
No sabed como fiquei contente quan-
do chegaste. Vais-rae tirar de um grande
embarao.
Quer que eu torne a tomar posse do
meu assador de castanhas?
NSo ; mas quera que me fizesses
companhia.
Aborrece-se em estar s ?
No, mas pode acontece) que hoje,
amanh ou a um momento qualquer, en
seja focado a seguir a minha raulher, ou
o individuo que me est incommodando...
Nesae caso, serei obrigado a ievantar-me
sbitamente, abandonando tudo e isso cha-
ma va a attenco dos vizinhos.
Estou disposto a fijar com o senhor,
se deixar o producto da venda para mim.
Deixo, est combinado. E's casado ?
Ainda nao tive tempo pora fazer se-
melhante asneira, replicou o pieraontez com
urna grande gargalhada.
Pois ento, tanto melhor para ti, meu
amigo, e se algum dia te resolveres a fazer
esta asneira, nSo caiaa em casarte com
ama pariziense... Ah 1 que "velhacas...
ministro que decida essa questo ; no e
com o espirito fiscal que se serve melhor o
interesse publico ; se a estrada de ferro
D. Pedro II perder alguma cousa, o Esta-
do lucrar muito com o desenvolvimento da
lavoura.
Chama a attengao do nobre ministro
para urna despeza de 200:000$ que pode
ser supprimida ; S. Exc. muito acertada-
mente mandou parar os trabalhos da com-
panhia das aguas pluvias, de qua resulta
urna economa de 600:000$ ; mas manda
dahi applcar 200:000$ ao melhoramento
do canal do Mangue : este melhoramento
faz parte do grande plano do sanearaento
da cidade do Rio de Janeiro, no queira o
nobre ministro intervr na sera alheia,
distinga-se pelo espirito de economa quo
f ara jus gralido do paiz ; por isso, se
S. Exc, convier, apresentar urna emenda
supprimindo aquella verba.
Deixa para outra vez o muito que tinha
ainda a dizer sobre o ornamento da agricul-
tura.
A discusso fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia 31.
SESSAO EM 31 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SB. ANDBADE FIGCEIBA
Ao meio-dia cornaca a chamada, que ter-
mina ao meio-dia e dez minutos.
Abre-se a sessao.
E' lida e approvada a acta da sesso
antecodente.
OBf/AMENTO DA AOBIUCLTUBA .
Contina a 2a discusso do projecto fi-
xando a despeza do ministerio da agricul-
tura para o exercicio de 1886 -1887.
So lidos o remeitidos commisso de
ornamento as seguintes emendas :
O governo poder estabelecer em fa-
vor das emprezas que se organisarein para
melhornraento dos portos das vantagens a que se refere a le n.....
1,746 de 13 de Outubro de 1869, urna
taxa nun?a maior de 2 *[ com referencia
ao valor da imprtenlo e de 1 [0 ao da
exportacXo de cada um dos ditos portos.
As taxaa destinadas aquella servico serlo
arrecadadas directamente pelo Estado e
calculadas de maneira quo no excedam o
necessario para o juro correspondente ao
capital das emprezas, razo do 6 *[o ao
anno, e para a respectiva autorisaco no
mximo prazo de 40 annos.
c Se o governo julgar mais conveniente
effectuar os referidos melhoramentos por
eonta do Estado, poder applicar o pro-
ducto das mencionadas taxas s obrgagoes
que neste sentido contrahir.Costa Perei-
ra Jnior. Ulhoa Cintra. Miranda Ri-
beiro.
< Na ultima rubrica da demonstragao
n. 3 aacrescente-se : Para a rede de des-
ob9trucgo de aguas s freguezias de Iraj,
Campo Grande e Guarariba, no municipio
neutro, 100:000$. -BuMes Carvalko.
a Ficam extinctos os lugares de directo-
res geraes e parciaes de indios creados pelo
decreto de 24 de JulUo de 1845, passando
aos prelados diocesanos a direugao e orga-
nisago de catechese em suas dioceses.
O governo reformar de occordo cora
a presente lei o regulamento de 24 de Ju-
lho de 1845.
c Cmara dos deputados, 30 de Julho de
1886.=Costa Aguiar. -Leitito da Cunha.
?. Cruz. Xavier da Silva.
Pela verba do 35 art. 1-, distri-
bua-se :
Auxilio provincia do Para para im-
migranao. Costa Aguiar. Canto. Lai-
to da Cunha. -Cruz.Pacifico Mascare-
nhas.Cl*rindo Chaves.Marcondes F-
gueira.Torres Portugal Henrique. Al-
fredo Correa. Joo Manoel. -Alvaro Ca-
rainha. Jaguaribe Filho. Alencar Ara-
ripe.
1 Fica o governo autorisado a executar
ou contratar com alguma empreza prece-
dendo concurrencia, a construego das
obras de melhoramento da barra do Rio-
Grande do Sul de conformidade com os
estudos e planos do engenheiro Honorio
Bijalho modificados pelo engenheiro P.
Calaud.
c 1* No contracto que celebrar o gover-
no com a empreza qua para tal fim se ve-
nha organisar sero applicadas as disposi-
noos do decreto n. 1,746 de 13 de Outubro
de 1869.
c 2.# Para o pagamento dos juros a ra-
zo de 6 r, annualmente e amortizaco do
capital empregado as referidas obras fica
o governo autorisado a cobrar sobrero va-
lor da importaco que se fizer pela barra
do Rio-Grande do Sul e sobre a tonelagem
dos navios que por ella transitaren!, taxas
que no mximo nao exadero do 2 [0 so-
bre a importaco directa do cstrangeiro.
t 1 'lo sobre a importano do gaeras
nacionaes.
1 [, sobre a exportago para o es-
trangeiro.
12 'i sobre a exportago para portos
do imperio.
600 rs. por tonelada da arqueago do
navio nacional.
400 rs. por tonelada de carga dos na-
vios a vapor.
(Continua)
Emfim, tenho esparancas de apanhar a
minha mulher e ento veremos!... Va-
mos, toma o teu avental, as tuas mangase
rcmeche a fazenda... Eu cortarei as cas-
tanhas. .. A venda no vai mal... Logo
almogaremos juntos.
O piemontez no se fez rogar e Luigi,
emquanto fendia as castanhas, oceupago
que no exiga muita attenco, reflectia, na
maneira que havia de arranjar, para fazer
desapparecer Emma Rosa.
Era necessario combinar um plano.
Nesta occasiao, o ofrbial armeiro pare-
cia-se com um autor dramtico que preten-
desae organisar slidamente um drama,
sem ter ainda urna palavra da primeira
scena.
Quo armadilha geitosa empregaria elle,
para attrahir a moca ao lago, em que ella
devia deixar a sua vida.
Ainda no o sabia.
Comtudo nSo estava inquieto porque con-
ta va que a sua imaginacao, habitual menta
frtil em recursos, se aqueceria pouco a
pouco e no o deixaria em diffieuldades.
A manh passou-sa sem incidente gran-
de ou pequeo.
Pelas onze horas, os dous compatriotas
alraogaram na escada da adego servidos
pelo taberneiro.
Luigi no perda de vista a porta n. 108
da* ra das Damas.
Tinha visto a velha criada Catharna sa-
bir e entrar duas vezes de seguida.
Ento era certo que a filha da hervana-
ria raorava all. A tal respeito, a duvida
era impossivel.
O rosto de Catharna apresentava urna
expresso profundamente triste e sombria ;
porque lhe enchiam a alma a mais negra e
os mais lgubres present mentos.
Interrogada por ella, a respeito da pri-
so de sua mi, Emma Rosa tinha-Ihe di-
to quanto sabia a respeito da accusano le-
vantada contra Angela.
Nem s um instante Catharna duvidou
da innocencia da bella hervanaria.
A minha senhora no est culpada,
disse ella comsigo. E' impossivel que os
juizes no reeonbecam o seu erro e a mi-
nha querida ama ser posto em liberdade.
Mas, se o tempo que tivesse de decorrer
antas da descoberta do erro se prolongasse,
se a detenco da mulher injustamente ac-
cusada tivesse do ser longa, o que seria
feito da mona doente, cujas angustias mo-
raes reagiam fatalmente sobre o physico.
Catharna, fcil ver, no poda fazer
essa reflexo, sem grande terror.
Emma Rosa soffria duplamente do corpo
e da alma.
A priso de sua mi, feita sua vista e
a separano que se lbe seguir, acabavam
por lhe dar um golpe terrivel.
Emma Rosa, comtudo, reagia contra a
aflicco, o que no impedia, em todo o
caso, que comprehendesse todos os horra-
res da sua situaco.
Privada de sua mi, no lhe ficava outro
arrimo nem ojtra protecco, sena a da sua
pobre criada.
No se esgotariam as tornas de Cathar-
na naquella obra de dedicacito ?
Teve momentos em que pensou em es-
crever Sra. Fontana para lhe contar tu-
do e pedir-lhe conselbo.
No ousou.
Reteve-a urna especie de pudor filial.
Sua mi tinha sido aecusada de assassi-
nato I de parricidio!
Como se havia de decidir a fazer seme-
lhante confisso ?
A priso tinha constrangido Angela a
fallar diante de sua filha, a quem at ento
havia oceultado o segredo do seu nasci-
mento.
Agora Emma Rosa conhecia este segre-
do.
Angela tinha sido abandonada por seu
pai.
A pobre Emma Rosa adivinhava perfei-
tamente que tambem o seu naa^imento de-
via ter sido maculado de vergonha.
A imagem de Leo Laroyer estava-lhe
sempre presente ao seu espirito.
A menina tinha acordado repentinamente
do seu doce sonbo de amor, para C8hir na
sinistra realidade.
Comprehendia de mais .que as espsran-
nas afagadas, que as radiantes miragans do
futuro, nao mais ficavam de p.
Diante della, em volta della, ruinas...
O absoluto no desastre.
E tinha apena3 dezeseis annos.
Fazendo esforcos para chamar a si ac-
ragem. Emma Rosa no podia deixar de
chorar, e quanto mais as lagrimas corriam,
mais intenso era o nevoeiro que lhe pesava
sobre a vista enfraquecida.
Chamado por Catharna, o medico tinha
voltado.
O que elle no ousar dizer a mi des-
ventuaada, disse o velha criada.
O estado da vista de Emma-Rosa causa-
va-lhe serias inquietantes.
Em ponco tempo, infeliz menina podia
e divia. na sua opinio, ficar completamen-
te cega.
Cega 1
iflontinuar-seha)
Typ. do Diario roo Duqne de Caxias n. 42,



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZNK8MX0A_L4K0VM INGEST_TIME 2014-05-28T15:55:26Z PACKAGE AA00011611_19863
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES