Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19857


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AJiO LU IDIllO 183
>>

I
i
.*
PAKA A CAPITAL JE LlliABK 0\IF. NAO E PA (jflim-fflli 12 OS AGOSTO BE 1886
PARA DENTRO E FORA O A PROVINCIA
Por irea meses amantado*
Por seis ditos idem......
r*or u
Jada numero avuisu, do meamo da.
600t>
120000
24*000
100
Por seis mases adiantados.
Por ove ditos idem.
Por tus auno dem.......
Cada numero .-muso, de das anteriores.
13*500
20*000
27*000
*1J0
DIARIO DE
RNAMBUCO
*- X ., <
IProprie&ai* iir .^OaWft. Jffrieftv ^Cjbp^^ 4ri)^
. ^f(.
9|Os *rs. Amede Prlnce A C.%
de Pars, sil os nossos agente*
exclusivos de annuni'ios e pu-
blic icdes da Franca e Ingla-
terra.
Os Srs. Wasburne II -ranos.
de lew-Vork. Broad Wa n.
"f0. fio os nossos agentes ex-
clusivos de annu dos nos Es-
tados-1'nidos.
TELEGRAMMAS
:::,::::
:;.:::::^ :: diabio
RIO DE JANEIRO, 11 de Agosto, s 4
horas e 38 minutos da tarde. (Recebido
8 4 horas e 45 minutos, pelo cabo subma-
rino).
Fot boje approvado aa Cmara do*
Deputadoa en l.' dlacuaa&o o orra-
mcnio de Ministerio da Agricultura.
C Foi boje reconbecldo deputado pelo
3.' dlatrlcto da provincia de 8. Paulo
o Dr. Keiende.
Acba-se gravemente enfermo o se-
nador Visconde do Bom Betlro.
:.;.::;: da agamia savas
(Especial para o Diario)
LONDRES, 11 de Agosto.
S. M. p. D. Lula I, re de Portugal,
delxando a Inglaterra, acaba de par-
tir para a llanda e Dinamarca.
BERLN, 11 de Agosto.
O general de Werder acaba de aer
nomeado gobernador militar de Ber-
ln.
VALPARASO, 11 de Agosto.
A aecca. que reina* ba algum lem-
po, no Chile, comprometteu multo as
colbeltas.
Agencia Ha/as, filial
11 de Agosto de 1886.
em Pemambuco,
JHSTRBCqO POPDLAR
NATACAD
HA
(Extrahido)
BIBLIOTHKCA DO POVO E DAS ESCOLAS
M1IHK.IOS K SALVAMENTOS
Continua;o>
D'coto desastre escaparam ap-nas : o mestre
O., (a iiaii>), o mnnulioiro JoSo Rice (que fui
arrota lo i praia agarrado a urna escada;, e o mi-
rmtieiro Jayine Towjey (agarrado a urna taboa do
<. m vea).
Nao foi sem uto proposito definido que transcre-
ver..>- :i narracao de La Laiidelle, e oi elle o de
tira'.ows do facto urna eoncluso em harmona com
o nosd > livro.
O nadador Huin mostra-ns bom o que pode
a arte de nadar, quando a ella se reunein a robus-
tez e nm coracao que nao treme diante do perigo.
No final des'.a catastropheos nadadores, mediocres
Mesmo teriam podido salvar-se agarrados a taboas,
a remos, aos mil apoios que o navio desmantelado
oflerece fluctuando aqu e all. se as mulhrres
perecern) todas, toi porque se agarraram urnas
as ontras, o que se r conheccu pelos cadareres
que o mar arrojou praia, e que vinham aos dous
etres agarrados n'am ultimo e convulsivo espasmo.
No fim do livro, como estaraos, nao queremos
deixar o leitor debaiio da tristissima iinpresso
d'estes acontecimentos.
E vulgir aflirmar-se que em Portugal se nao
sabem recompensar ser vicos de certa ordem,e
que os hroes como Joaquim Lopes, Maio, Simo,
etc., t -m por futuro a miseria.
Pois diga-se bem alto, para honra nossa : estes
tres horcens encontraram quem, na alta posico
qne oceupa na sociedade portuguesa, comprehen-
desse que certas distineces nao podem, sena des-
douro para o paiz que tal consent, ass .-ntar em
nm peito coberto de andrajos. Joaquim Lopes,
o velho e heroico marinheiro de Paco d'Arcos, ves
te honrosamente a farda de tcnente da armada ;
ao Simio e ao Maio pensos modestas, mas que os
poem a" abrigo da miseria, sao abonadas pelo bol-
sinho particular d'el-rei D. Luiz.
E a verdade que um cavalleiro da Torre c
Espada nao pode extender a mo t candade pu-
blica.
Em Franca ftirva isto de liccao aos praguentos
e ms liueuas c da nossa trra) um valenta ma-
rinheiro, Zacharias Dubosque, cavalleiro da Le-
gislo de Honra por innmero1' e heroicos actos de
salvacao vive na miseria, succedendo qneem
sua choiipana quati destelhada faltam muitat vetes
v lime na lareira e o pao na mesa ; actualmente,
como os sea sessenta e nove annosj Ihe nao per-
mittem ttabulhar no mar, Zacharias Dubosque, sita
mulher e seas filhos. passam os dios na praia desde
pela manli ati noite, quer de verao quer de in-
vern, apanhande limos ; esta enlhnita conttitue o
nico recurso da pobre familia. Eis quo diz La
Landelle; e nao infelizmente, o nico facto
dVgsa ordem que elle cita.
E confino com esta centenes, qae quixeramos
inscrevex com letras de o iro : Pas de gloire sans
pain.
Qd'-r dizer:Honras e glorias que nao garan
tam os meios de subsistencia representan! a mais
pungente das ironas.
(Continua)
?ARTE OFFICM
fioverno da provincia
EXPEDIENTE DO DA 3 DE AQOSTO DB 1886.
Actos :
O vicepresidente da provincia, tendo pre-
sente o recurso interposto pe!os eommerciantes R.
Dru-ina & C, do julgado da junta do Tbesonro
Provincial.que confirmon o despacho do Consula-
do, obrigando-os as pagamento do imposto de gyro
commercial por mercadorias estrangeiras reexpor
Sircadas em 8 volumes para o Rio Graude do
orte ; e, considerando de accordo com a infor-
macao do inspector do mesmo Tbesonro, de 30 de
Junho ultimo, que taes mercadorias foram desem-
barcadas nesta provincia e entraram no movi-
mento da casa commercial dos recorrentes, fcan-
do assim comprehendidas na eobraaca d'aquelle
imposto : resol ve negar provimeoto ao dito recurso
e determinar que se remetta copia desta portaiia
ao Tbesonro Provincial para os devidos effeitos.
Ri-metteu-ie copia ao inspector do Thesouro Pro-
vincial.
O vi?.e presidente da provincia, atendendo
ao que requeren o alteres da 3.a companhia do 2."
batalbao de infantaria da guarda nacional da co-
marca do Natal, provincia do Rio Grande do Nor-
te, Aona) Pacheco de Albuquerque M-aranhao ;
e, tendo em vista a informaco do commandante
superior da comarca do Recite, de 28 de Julho
findo, sob n. 304, resolve designar o 4. batalhao
de infantaria do servico activo da mesma guarda
nacional para o supplicante ser a elle aggregodo.
Commanicou-se ao respectivo commandante su-
perior.
O vice-pre8idente da provincia, de contormi-'
dade com a propoeta do Dr. chefe de polica, em
ofcio n. 751, de hontem datado, resolve nomear
os cidados Antonio Pereira da Silva, Liberato
Amazonas de Lacerda e Jos Al ves de Souza para
os lugares que estao vagos de 1.*, 2.* e 3.* sup-
plentes do subdelegado do districto de Catende,
do termo de Palmares.
O vice presidente da provincia, attendendo
ao que requeren o promotor publico da comarca
de Oarnar, bacharel Estevao Carneiro Cavalcante
de Albuquerque Lacerda, resolve conceder-lhe
dispensa do lapso do tempo deaorrido, afim de ti-
rar a portara de 1 de Junho u!tm>, pela qual foi
prorogada por 60 das a licenca com que estava o
peticionario para tratar de sua skde. Commu-
nicou-se ao inspector da Thesourana de Fazenda.
fficios :
Ao conselheiro presidente do Tribunal da
Relacao do RecifeTransmiti a V. Exc. 11
ejemplares da colleccao de leis e decisei do go-
verno de anno de 1825.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Sirva-se V. 8. de mandar entregar a pessoa que
se apresentnr devidamente antorisada pela Cmara
Municipal da Conceicao da Pedra o padrao de pe-
sos e medidas do systema mtrico decimal remet-
tido pelo Ministerio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas com o aviso do 19 de Abril de
1884, sob n. 18, com destino a mesma Cmara e
que se acha recolhido na Alfandega d'esta cidade.
Ao commandante superior interino da guar
da nacional da comarca da Escada.Devolvo a
V. S. o incluso requerimento qne veio annexo ao
sen officio de 20 de Julho findo, e em que o capi-
to do 15 batalhao de infantaria do servico activo
da guarda nacional, sob seu commando Manoel
Henrique da Silva Lina ped guia de passagem
por ter fixado a sua residencia no termo de Porto
Calvo, provincia das Alagas, afim de qne mande
passar a dita guia, conforme Ihe foi determinado
por despacho de 16 de Junho anterior, exarado no
referido requerimento.
Ao director do Arsenal de Guerra.Auto-
riso Vine, a prestar a msica desse Arsenal para,
mediante ama gratifieacao, tacar urna festa no
Instituto Acadmico, no dia 8 do corrente, s 5
horas da tarde.
Ao commandante interino do corpo de poli-
ca Ao Dr. chefe de polica mande Vmc. apre-
sentar smanha, ao meio dia, 3 pravas afim de con-
duairem um criminoso do termo de Caruar onde
t. m de ser submettido a julgamento.Commnni-
cou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao director do presidio de Fernando de No-
ronba.Transmuto a Vmc, afim de ser entreguo
ao almoxarife desse presidio, o incluso conheci-
mento de ha ver sido recolhido aos cofres da The-
souraria de Fazenda a quantia de 48J.0O0, que
acompanhoa o seu officio n. 202 de Ib de Julho
findo, importancia do salario devido a Joo Fran-
cisco dos Santos, Antonio Francisco de Souza e
Francisco Dourado de Azevedo, pir ser vicos por
elles prestados a bordo da galera ingleza Mary
P. Kitelsen, nao tendo sido a referida quantia dis-
tribuida por nao se acbarem nesse presidio aquel
les individuos. Communicau-se ao inspector da
Thesouraria de Fazenda.
A' junta classifisadora de escravos do muni-
cipio de Olinda. Nao pode ser approvada por es-
ta presidencia a classificacao annexa, por copia,
ao officio de Vmc., de 27 de Julho ultimo :
1" porque os escravos menores de 21 annos, que,
segundo diversos avisos do Ministerio da Agricultu-
ra, Commercio e Obras Publicas, entre ontros o de 31
de Marco de 1883, sao os filhos de escravos j li
bertados por conta do fundo de emancipacao; o
que nao se d com os quatro preferidos. Anda
quan .o assim fosse, sendo a quota de 1:118/964,
alm do saldo da anterior, (1444522) deveriam pre-
ferir os mais velhos, afim de nao virem a ser pre-
teridos, declarndose os nomes dos pas.
2o, porque os escravos, conjugas Joanna e Ma
noel, formam clasaes diatinctas, conforma o aviso de
26 de Janeiro de 1883, preferindo a mulher ao ho-
mem, anda que este tenha peculio e aquella nao.
3 porque antes da classe, maior com filhos es-
cravos menores de 21 annos, existem as de conju-
ges pertencentes a differentes e aos meamos senho-
res, os quues preterem aquelle, na ordem em que
se acham.
Cumpre, portante, qne tenbam lugar novos tra-
balhoa. Remetteu-se copia ao juia de direito da
comarca.
A' junta classificadora de escravos do muni-
cipio do Bnique.Nao jide ser approvada a clas-
sificacao, que por copia Vmcs. enviaram com o of-
ficio de 15 de Julho, bontem recebido :
1.* Por nao constar qual o nome da ma de
Luiz, j libertado pelo fuudo de emancipacao;
2. Porque, nSo podendo passar-se de urna a ou-
tra classe de familia, sem que esteja esgotada a
anterior, nao causea isso respeito da classe de
Sota;
3. Porque, preferindo o conjuge, que tiver
maior numero de filhos livres, menores de 8 annos,
e, aa falta deates, menores de 21, anda qne nao
tenbam peculio, foi classificado Firmino antes de
Basilio, quando da copia v se que este tem nm
filho, e aquelle n>, alm de que Basilio tem o pe-
culio de 50/ e o de Finnino de 254000.
r*or tudo isto recommendo que ae faca nova
c'assificacao.Reinetteu so copia ao juiz raunic-
pal e de rphos do respectivo termo.
A' junte classificadora de escravos do muni-
cipio de Timbaba.Nao tendo sido anda obser-
vada a determinacao lea! Presidencia de 12 de
Juiho altitoo, nao pode ser approvada a nova clas-
nificacio annexa por copia no officio de Vmcs., de
26 do dito mez-
Nao so da dita copia nao consta a idade dos fi-
lhob dos escravos classificados ; mas anda nao
consta que esteja esgotada a primeira el-san dos
conjuge preferidos. Remetteu-se copia ao juiz
municipal e de orpbaot do respectivo termo.
Portaras:
A' Cmara Municipal da Conceicao da Pe-
dra. Tendo o Ministerio da Agriculi ura, Com -
tercio e Obras Publicas, em aviso de 19 de Abril
7
de 1881, sob n. 18, remettido o padrao de pesos 9
medidas do systema mtrico decimal destinado
Cmara Mnnicipal da Conceicao da Pedra, nesta
data autoriso o inspector da Thesouraria de Fa-
zenda a mandar entregar pessoa qne se apre-
sentar devidamente autorisada o dito padrao, pelo
que recommendo mesma Cmara qna providen-
cie com urgencia para o seu recebimento, dando
conta do resultado a esta Presidencia.
Fica por este modo respondido o seu officio de
11 de Julho prximo findo.
O Sr gerente da Companhia Pernambucana
de Nnvegncao a Vapor mande transportar gratui-
tamente, r, desta capital ao porto de Aracaj,
no primeiro vapor que seguir pira os portos do
sul, a D. M.ria Prado Fontes e seus tres filhos
menores.
EXPEDIENTE DO SECBETAHIO
A'junta classificadora da escravos do mu-
nicipio de Gamelleira.Oe ordem do Exm. Sr.
vice presidente da provincia aecuso o recebimento
do officio de hontem, no qual Vs. Ss. communicam
heverem se reunido nesse dia, como foi determina-
do, para cumprimento da circular de 27 de Maio-
Uutatis mutandis junta classificadora de
escravos do municipio da Escada.
A' agencia da companhia Bahiana.Oe ordem
do Exai. Sr. vice presidente da provincia, acenso
o recebimento do officio de hontem, no qual V. S-
communica que o vapor Mrquez de Caxias, chegado
dajBahia e escala, regressar no dia 6 do corrente.
as 4 horas da tarde.
A' companhia Pernambucana.S. Exc. o Sr,
vice presidente da provincia ficou inteirado pelo
officio de hontem de ter de seguir para os portos
do sul at a Babia 7 do crreme, as 5 horas da
tarde, o vapor Jaguanbe.
Manoel Joaquim de Oliveira e Silva.Ia-
forme o Sr. contador.
Camilla do Car no Torres.Registre se
e facara-se os asseutamentos.
Officio do Dr. procurador dos feitos.
Informe a soccao do contencioso.
Pret do corpo de polica. Pagese.
Joaquim Antonio Pereira Bastos e Ma-
riana Augusta da Rocha Bastos.Eotre-
guo-se pela porta.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 10 DE
AGOSTO DE 1886.
Affonso de Albuquerque Maranbao.Informe o
Sr. engenheiro chefe da Reparticao das Obras Pu-
blicas.
Companhia The Great Western of Brazif Rail-
way Company Limited.Informe o Sr. 'fiscal da
Companhia Reeife Drainage.
A mesma, Francisco da Fontoura Brito e Vicen-
te de Assis Tavares. -Informe o Sr. inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Bacharel Francisco L-opoldo Marinho de Souza.
Sim.
Teoente-coronel Francisco Goncalves Torres.
Dse.
Dr. Israel Cysneiro, Joaquim Manoel de Oli-
veira e Silva, e eoronel Miguel Telentuo Pires
Falco.Informe o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Jos Ignacio e Mara Jos Pessoa Ayres. In-
forme o Sr. inspector geral da Iostrucco Pu-
blica. ''-
Manoel Adriano de Souza.Pague-sa.
Secretaria da Presidencia de Pernam bu-
co, em 11 de Agosto de 1886.
O ajudante do porteiro,
F. da Silveira Carvalho.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 9 DE AQOSTO DE 1886
Commendador Antonio Henrique Rodri-
gues, Jnlio Pires Lobo, Evaristo Rodri-
gues Vianna e Inez Maria Guimaraes.
Informe a 1.a seccao,
11
Maria Joaquina dos Santos Abreu e
Silva, Maria Eufrosina de Freitas, Dr. pro-
curador dos feitos, o mesmo, Santos &
Motta, bacharel Jos Vicente Meira de
Vasconcellos e Viuva Constantino P. F. da
Silva & CInforme a 1.a seccSo.
Seixas Bastos & C.Informe a 1.a sec-
c3o, tendo em vista os documentos de re-
ceita.
Jos Marques Ferreira e Manoel Eduar-
do ds Sant'Anna.A' 1.a seccSo para os
devidoti fins. ..
Maia & Rezende.Deferido de accordo
com a informaclo.
Os mesmoB.Deferido de accordo com
a informacSo.
Os meamos.Informe a 2.a seceso.
'. Gfc. Laporte & CCertifiqese o que
constar.
INTERIOR
Kepartico da Polica
Scelo 2aN. 776.Secretaria da Po-
lica de Pemambuco, 11 de Agosto de 1836..
- Illra. e Exm. Sr. Partecipo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos na Casa de
D tengao os seguintes individuos :
A' minha ordem, Lourenca Mara do
O', vinda do termo de Pao d'Alho, com
destino ao Asylo da Tamarineira, por es-
tar soffrendo de alienacSo mental.
A' ordem do subdelegado do Recife,
Chas Osear e JoSo Bell, por embriaguez e
disturbios.
A' ordem do do 2. districto de S. Jos,
Maria Mathilde dos Prazeres, por distur-
bios.
A' ordem do do 1. districto da Boa-
Vista, JoSo Francisco do Nascimento, co-
nhe'iido por Joo Pequeo, por crirae de
tentativa de morte.
A' ordem lo do 2." districto da Boa-
Vista, Jos Francisco das Chagas e Ma-
noel Luiz dos Anjos, por embriaguez e ot-
fensp.s moral publica.
A' ordem do da Torre, Pedro Lourenco
Dias, por disturbios.
A' ordem do do 2. districto da Graea,
Antonio Jos do Espirito-Santo, Francisco
Elias de Assis, Francisco Candido Sarai-
va dos Santos, Firmino Augusto dos San-
tos Mello e Candido Jos Marcelino do
Espirito-Santo, por disturbios.
Hontem, s 4 horas da tarde e no
becco da Carrapateira, pertencente ao 1.
districto da Boa-Vista, o individuo de nome
Jo2o Francisco do Nascimento, conbecido
por JoSo Pequeo, estando armado de urna
faca, tentou assassinar a Manoel Joaquim
de Jess.
O delinquente foi preso em flagrante e
contra elle abri o subdelegado do distric-
to o competente inquerito, que tendo sido
hontem mesmo concluido, nesta data teve
o conveniente destino.
Em data de 10 do corrente assumio
o cidadSo Luiz Ignacio Lessa de Mello o
"xercicio do cargo de subdelegado do dis-
tricto de Alago a Secca.
Deus guarde a Y. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Jo iquim de Souza Leao
milito digno vicepresidente da provincia,
-O chefe de polica, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 11 DE AGOSTO DE 1886
Francisco Ferreira Baltar. Junte co-
nhecimento de decima do ultimo semestre.
Manoel Antonio Al ves Massarenhas.
CertifiqsjB-so.
Joaquim Lupes Machado, officio do Dr.
procurador dos feitos, Francisco de Mello
Cacareante de Albuquerbue e Silva & Ir-
mao.Iufurme o Sr. Dr. administrador do
Consulado.
Antonio Nunes Ferreira Coimbra.Co-
nt pede.
Pret do corpo de polica. -Examnese.'
Manoel Marques da Silva, Ir man dade
da Boa-Viagem e Mauricia Maria da Con-
eeigao.Pague-so.
Luiz Jos da Silva Gomes, Officio dos
Drs. chefe de polica, Procurador dos fei-
tos e Inspector geral da InstruccSo Publi-
ca, Jos Landelino de Almeida Andrade,
vigario Pedro Pacifico de Barros Bezerra,
Dr. Israel Cisneiro, Visconde de Itaqui do
Norte, Miguel Tolentino Pires Ferreira e
Helo circulante
IV
(Do Jornal do Commercio da corte)
Interrompemos hoje a serie de consideracea que
temos dedicado a este magno assumpto, dispostos
entretanto a volver a elle quando nos forero, oppos-
tos argumentos qne tornem a discusso necessana
e proveitosa ; tao profunda a nossa conviccao
sobre a influencia fatal do ppel-moeda.
Excessivo ou deieituoso, mo pelaquantidadeou
pela qualidade, actuando porm, como causa pode-
rosamente perturbadora, o nosso meio circulante
sem valor, sem base e sem limite constitue erro
econmico tao grave, afiect tao Dengosamente o
nosso organismo social, que o dever de comba-
tel-o sem misericordia impoe-se-nos como mlsso
patritica.
Nojulgamos til agora emaranharmo-nos em
questes puramente especulativas, nem repetir em
tom plaogeute e enumeracao dos causas que pro-
duzirain o estado actual e para o qual todos mais
on menos, directa ou indirectamente contribuimos.
O mal est patente : cumpre prove-o de reme-
dio
Nao advogamos j a solucio radical, immediata,
de problema, porque a licao do passado faz nos re
ceiar que planos engenhosamente urdidos nao pas-
sem de planos, sem jamis ebegarem realisacao.
Tambero convm considear que as enfermeda-
des chronicas nao aconselha a sciencia que se ap-
plique medicacao por demais enrgica e de accao
prompta.
Pelo que j dissemos em nossos anteriores arti-
os, v-se que aceitamos a medida proposta pelo
Sr. ministro da fazenda a quem nao se pode con-
testar o mrito de ter enfrentado o problema com
a firme resolucao do homem de estado que quer
prestar servico real a seu paiz.
Propoz o Sr. ministro que no anno financeiro de
18861887 seja retirada da circulacao a somma
de cinco mil con tos de papel -moeda, ob tendo se os
fundos precisos por meio de operacao de crdito,
emissao de apolices, ou outra qualquer. Adoptada
a propoata, fica a retirada do papel decrecada em
lei, ebrigatoria para o governo.
Nos exercicios futuros o carcter obrigatorio da
medida fica iadependente das circunstancias occa-
sionaes, um titulo da receica do paiz especial-
mente applicado ao servico da redueco do meio
circulante, e este t'tulo de receita da natureza
d'aquellea que tendem a crescer acompanbando o
desenvolvimento da vida nacional.
Dir s-bu, talvez, quo esta proposta nao passa
de tentativa, que antes um expediente do que
urna solucao. Longe de o contestar, entendemos
que as condicoes actuaes desse modo, por ten-
tativas, apalpando cuidadosamente o terreno, que
devenios caminhar em assumpto tao grave e com-
plexo.
Nem valha esta confissao como abandono, se-
quer momentneo, do que temos sempre sustenta-
do ; querendo boje como hontem a extinecao com-
pleta no papel-moeda, fazemos apenas concessoes
s circumstanc'as do momento, e s difficuldades
praticas.
Ainda ninguem pode fixar a priori os limites do
meio circulante de uenhum paiz, tantas e tao va-
rias sao as causas que determinan) a sua expansao
ou retrahiment. Onde o instrumento das permu-
tas tem valor intrnseco e umversalmente reco-
nhecido a proporcao estabelecd-se automticamen-
te : onde, porm, circula o papel-moeda nconver-
tivel nao ha limites, on melhor, o meio circulante
torna-se sempre apparentemente insuficiente por-
que a consequente e necessaria, embora aitificial,
elevacao de todos os procos, oceulta, mascara, o
exceaso real da circuUcao.
Bem sabemos que um paiz que desgracadamen-
te eutrou no rgimen do papel-moeda, nao pode
sabir delle de nm jacto, pe i simples vontade de
seus mais bem intencionados estadistas.
Procedamos, pois, por osforcos graduaes : faca-
nos como o medico prudente qne administra o re-
medio consultando frequentemento o pulso do
dente.
Retiremos d i circulacao no corrente anno finan
ceiro a somma de cinco mil contos; e repitamos
nos annos futuros a operacao at que por innega-
veis manifeitacoes conllevarnos todos, nao s o go-
verno, nao s es legisladores, mas tambem e prin-
cipalmente o pove, que chegado o momento op-
portuno de entrarmos, quinto ao rgimen da cir-
culacao, na communho dos povos civilisados.
Nos que nos temos sempre mantido afastados
dos partidos polticos, temos entretanto a nossa
onenfacao.poltica, a que procuramos ser fiis ;
a poltica dos mteresses geraes do paiz de que so-
mos filhos e por cuja prosperidade trabulhamos
com as melhores intencoes.
E' ainda esta poltica qU'i nos faz desejar tre-
guas das lucias partidarias na discusso de urna
medida como a proposta pelo Sr. ministro da fa-
zenda, que consideramos o primeiro passo, mo-
desto mas prudente para a realisacao de urna idea
porque temos constante ment combatido.
Adoptada patrio:icamente pelo corpj legislativo
esta providencia, inscripta em lei, estar por-
ventura fechada com terrea barreira a estrada
do abuso em materia de circulacao? Nao, por
certo. Desacompanbada, a medida s.-r apenas
percursora de novas decrpcSes. O qse indispen-
savel, o qae desojaramos ver profundamente im-
presso em t temos caminhado s segas e precipitadamente
na exigencia e na decretacao das despezas pu-
blicas ; que a miragem de melhoramentos em -
prehendidos sem maduro e tudo, sem consultar as
torcas nacionaes nos vai arrestando para o abys-
mo ; que no ardor das lutas polticas temos es-
quecido que cumpre, antea de tudo, lutar pela vida
da naco.
Quando a iniciativa individual nao tem ainda,
como entre nos, forca bastante para abrir caminho
por entre as difficuldades que oppoem a nossa
propria natureza, a vastido do territorio, a escas-
sez e mos hbitos da populacho, s classes direc-
toras incumbe grave responsabilidad;.
Onde est a estatistca, o conhecimenta elemen-
tar da populacao valida que ociosa vaga por
estao regioes immensab ? Quaes as medidas lem-
bradas para o seu aproveitamento, para transfor-
mar os ociosos em productores ? Bastar apenas
chamar a immigracao ? Nao indispensavel at-
trahil-a pela offerta sincera de vantagens perma-
nentes, de modo que os exploradores transitorios
se convertam em filhos grato patria de adopcao?
Onde a aeco enrgica e constaute para fomentar
a industria?
Londe demais iramos na serie de interrogares
que poderiamos fazer, mas desviariamo-nos assim
do assumpto de que tratamos.
_ Resumind) quanto temos escripto sobre o meio
circulante, julgamos digna de apoio a medida
proposta pelo Sr. ministro da fazenda, conside-
rando-a apenas preparatoria de urna solucao para
a qual o tempo elemento de que nao se pide
prescindir.
Estimaramos vel-a acompanhada do nma ds-
posicao que qualificasse como acto criminoso qual-
quer emiaso de papel-moeda feita dscriciona-
riamento e sem a menor base. Maa dianpsicSea
d'esta especie s sao efficazes quando se grada}1
nao na lei escripia, mas na vontade firme do
povo.
PERMMBC9
Sociedade Auxiliadora da Agricul-
tura de Pemambuco
COLONISAclo NACIONAL
Representando dirigida ao Governo Imperial de
eonformidade com a deliberac&o do Conselho
Administrativo tomada em 10 de Fevereiro dv
corrente anno
Sociedade Auxiliadora da Agricultura de Per
namcuco, em 28 de Abril de 1886.
Senhor- -Em sua sessao ordinaria de 10 de
Fevereiro prximo passado, o Conselho Adminis-
trativo da Sociedade Auxiliadora da Agricultura
d'esta provincia, encarregou esta superintenden-
cia de representar ao governo de V. M. I. em
ordem de obter, que da quota votada annualmonto
pelo-Parlamento Nacional para a'colomuisa^ao, seja
attribui la a Pemambuco um quinhao proporcional
sua populacao, para ser por elle empregado na
colonisacao nacional.
O alvo a que tende a colonisacao, para a qusl o
Brasil j despenden quantia superior a 50 mil
contos, gastos exclusivamente com a iramigracao
europea na parte do Imperio do sul do trpico do
Capricornio, sem duvida alguma facilitar a
substituicao do trabalho livre ao trabalho servil,
pelo augmento do numero de bracos livres empre-
gados em trabalhos productivos e com especiali-
dade nos da agricultura.
Entretanto, se a introdnecao de immigrantes
perteucentes s racas europeas, nica que at ho;e
tem merecido os desvelos do governo de V.|M I-,
pode at certo ponto preeneber aquelle desider-
tum, pelo menos no ponto de vista do desejavel
incremento da pequea lavoura, a sua convenien-
cia mais que duvidosa na parte intertropical do
Imperio, cujo clima Ihe adverso, e principalmente
n'esta provincia de Pemambuco, onde nao se
exprimenta precisas alguma de bracos estrangei-
ros, quer europeusjquer asiticos, visto baver n ella
abundancia de bracos nacionaes, cuja adaptacao
aos trabalhos agrcolas nao depende de previa e
duvidosa acclamacao.
Aqu a transformaco do trabalho nao implica
a acquisicao de maior numero de bracos livres e
tao somente o approveitamento dos que existem e
cumpre encaminhar para o trabalho per meios
indirectos, dentro dos quaes sobresanen o incen-
tivo da propriedade rural e a proximidade dos
centros productores ou mercados de trabalho.
Para ser habilitada a encetar esta tarefa, a
qual cabe o nome d; colonisacao nacional, a pro-
vincia de Pemambuco nao tem menos direito que
as suas irms do sul, onde a populacao livre di-
minuta a supprir esta falta com a immigracao es-
trangeira ; por isso conta a Sociedade Auxiliadora
da Agricultura d'esta Provincia que o governo
de V. M. I. nao se negar a attender este justo
pedido.
De V. M. I. mui revarentes subditos. Paulo
de Amorim Salgado, vice-gerente.Henrique Au-
gusto Milet, secretario geral.Antonio Pereira Si-
moes, thesoureiro.
ExposioXo Sul-Amebicana de Behlim
Oficios dirigidos Presidencia da Provincia e a
Directora do Centro da Lavoura e Commercio de
Rio de Janeiro de eonformidade com o deliberado
pelo Conselho Administrativo em 13 de Julho do
corrente anno.
Sociedade Auxiliadora da Agricultura de Per-
nambuco, em 14 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Cump.indo a ultima delibera-
cao do conselho administrativo desta Sociedade,
levo ao conhecmeato de V. Exc, nao ser possivel
mesma Sociedade incumbir-se do concurso desta
Provincia na prxima exposicao de Berlim.
1 Alm de tempo, de meios, de opportunidade, fal-
ta-lbe sobretudo harmona de vistas com aquelles
que tanto anhelara por semelhante concurso.
Entende esta Sociedade, que somente serao me-
Ihormente exprimidos os intereasss agrcolas de
Pemambuco, cuja primeira industria consisto na
prodcelo do assucar, tomando esta Provincia bem
claramente urna parte negativa na festa industrial
de Berlim.
S assim tornar-se-hia eloquente o protesto con-
tra a poltica da Europa Septentrional, deque ues-
tes ltimos tempos tem se tornado corypheu o Im-
perio allemo em relacao a produccao do asauoar.
Poltica asphyxiante de nossa agricultura e de
nosso commercio.
Poltica de bem piucos annos a esta paite, que
se nos apresenta como inopinado espantalho, apa-
vorando-nos, ameaenndo espargir a miseria na
maior parto de nossos lares, e o que mais no re-
manso da paz e em nome do progresso e do explen-
dor da civilisacao europea.
Exm. Senhor. com profundo sentimento a Socie-
dade Auxiliadora da Agricultura declara ser tor-
eada, na presente conjunctuia, preferir semelhante
taciturnidade de Pemambuco entre suas irms, a
ir ella em Berlim entoar de qualquer aorte o Ave
Casar moritun te salutant. Quando tudo isso seja
um crasso erro de apreciacao, salve-nos ao menos
a pureza do noisas intencoes.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. Dr.
Ignacio Joaquim de Souza Leao, muitodigno vice-
presidente da proviuca.Ignacio de Barros Bar-
reto, ger. nte da Sociedade Auxiliadora.
Sociedade Auxiliadora da Agricultura de Per-
nambuco, em 28 de Julho de 1860.
Sejco de.superintendencia.
Illms. c Exras. Srs. Recebeuws, em fins de
Maio prximo pastado, o presado officio, que Vs.
Excs. foram servidos dirigir-nos, em data de 10
do mesmo mes, solicitando a remes*, antes do
dia 10 de corrente, de productos desta Provincia,
e com especial dade d'aquellea que podem ser ati-
lisados como materia prima na industria fabril al-
terna, para figuraren) na exposieao su I-americana
promovida pela Sociedade de Geographa Commer-
cial de Berlim.
Sabamos, j de ha muito, pelas folhas deste
Imperto e pelas que nos sao mandadas directamen-
te da Allemanha, que aquella nacao, no visivel
intuito de proporcionar mai-ir extraccae aos arte-
factos de sua hoje mui desenvolvida industria fa-
bril, e por depositar, sob este ponto de vista, mii
limitada confianca nos estabelecimentos coloniaes
ltimamente creados por ella na frica Occiden-
tal e na Oceania, deitara os olhos para a America
do Sul, onde taes artefactos teem pouco consumo ;
e como, em ultima analyse, os productos s podem
ser pagos com outros productos, convidara os po-
vos sul-ainericauos para urna exposico espscial
de productos naturaes ou outros, que podendo ser-
vir de materia prima a industria allem, forneces-
sem alim nto para urna corrente commercial, na
qual ditos povos e os da Allemanha seriam simul-
tneamente exportadores e importadores.
Sabamos, que a benemrita associacao, que Vs.
Excs. to dignamente representara, e tantos esfor-
cos teem feito para a jxtensao do consumo do caf
e do mate brasileiros, empenhava se para que a
nossaS patria fosse dignamen'e representada na
projectada exposieao, ao lado do Uruguay, do Chile
e da Confederaco Argentina.
Comprehendi irnos, que as nos jas irmis do sul
do Imperio tivossem interesas em concorrer aquelle
certamen, embora o consumo de seu nico produc-
to de avultada importancia commercialo caf, es-
teja dificultado na Allemanha, como alias em toda
a Europa, por exagerados di re tos fia :aes ; pois
poderiam enviar para Berlim amostras dos vinhos,
trigos, legumes e mais produccoes propnas das
aonas temperada!, que aa colonias alternara do Rio
Grande do Srf e de-Santa Catharina ji obteem
em abundancia, e cuja presenca, patenteando aos
hibitantes da Germania a possibilidade de entre-
garen)-se cora proveito no Brasil austral s cultu-
ras de que teem pratica, seria poderoso incentivo
para o movimento inmigratorio, to necessaro
naquella parte do Imperio a substituicaodo traba-
lho livre ao trabalho escravo.
Comprehendiamos, qus o Valle do Amazonas,
manancial. por ora inexgotavel, de productos na-
turaes, que nao exigem outro trabalho alera da co-
Iheita e cujo transporte se acha facilitado por urna
rede de commnuicacSes fluviaeo sem igual no
mundo, se esmerasse para apresental-os em Bar-
lira, onde alguna delles talvez possam dar ensan-
chas a importante movimenta de troca internacio-
nal.
Pareceu-nos, entretanto, que esta provincia de
Pemambuco achava-se inteiramente desinteressa-
da na questao, j por nao ter, a!m de seu algodao,
perfeitamente conbecido e apreciado as fabricas
alleraaes, producto algum natural ou agrcola, que
possa dar a Allemanha em troca dos sem artefac-
tos, j por nao precisar de colonisacao ePtraDgeir,
e caso d'ellaprecisasse, nao ser a raca allem, nem
outra qualquer oriunda das regioes'situadas alm
do 45" parale lio, susceptivel de entregar se aos
trabalhos agrcolas na zona intertropical, nem
mesmo de all propagarse alm da terceira ou
qu*rta geraco, se nao recorrer ao cruzamento
com as racas j adaptadas s condicoes do am-
biente.
Embora contestada por jomalistas e outros pu-
blicistas de igual incompetencia, esta inaptido da
rafa aryana pura, de que os allemes pretenden)
ser os representantes mais genuinos, para a colo-
nisacao dos paizes intertropicaes, facto averi-
guado o aceito por todos os naturalistas, med :os
e physiologstas sem discrepancia alguma, e pra-
ticamente confirmado por outro facto ainda uais
concludente, o do nao existir no mundo inteiro,
entre o trpico do Cncer e do Capicornio, ncleo
algum de colonos, vindos de paizes alm do 5*
p ralellonem mesmo do 40a'entregues a trabalhos
agrcolas. Ainda ha poucos mezes, no Congresso
de Strasburgo, o Ilustre Virchow, m dos maio-
res vultos scientificos da Allemanha, aleando a sus
vos autorisada para apresentar a seus compatrio-
tai os perigos da emigra^ao para paizes pertencen-
tes a zonas isothermicas differentes das do solo na-
tal, recusava-lhes mesmo a facaldade de completa
aclimacao no norte da frica u at na Italia e na
Hespanha, lembrando que all nao se encontram
raais vestigios dos conquistadores Lombardos,
Austrogodos Visigodos e Vndalos !
Dissemos mais cima, que afora o nosso algodao,
perfeitamente conhecido e apreciado ha mais de
seeulo na Europa, nada tem Pemambuco que of-
ferecer Allemanha em troca de seus artefactos.
Objectar-nos-ho, talvez, que para Pars, Vienna
d'Austria, Philadelphia e outras exposicoes, temos
mandado assucar, espiritos e diversos productos
naturaes fibras textis materias tinctoriae ma-
deiras proprias marceneria, resinas e mais sub-
stancias medicnaes, etc.
Infelizmente, porm, nada disto ple servir de
base a relacoes commerciaes entre nos e a Alle-
manha, as quaes ambas as partes sejam ao mes-
mo tempo importadoras e exportadoras. As nos-
fibras textis,ticumearrapicho, macaiba crava- .
l e outras, nao existem em tal r.bmdancia que
possam tornar-se elemento de exportacao; nao
chegara nem para sustentar um i diminuta indus- -
tria local ; o seu preco mu superior ao do algo-
dao e nao se encontram venda. Pouco abun-
dantes sao as materias tinetoriaes que c se en-
contram, e de que utilisam se no centro os fabri-
cantes de redes ; a principal d'ellas o Ibirpitan-
ga ou pao Brasil, desapp^receu quasi inteiramente ;
e por ontro lado os progressos de chymica teem
feito substituir pelas tintas extrahidas do carvo
de pedra, ou fabricados no laboratorio pela syn-
these de seus elementos, as que outr'ora exigais
o trabalho da vegetaclo. Aos derivados da Ani-
lina pedem-se hoje todas as cores que tinham por
base o pao Brasil e seus congeneres. A cultura
da Ruiva ou Garanca J desapparecen completa-
mente e com a synthese do ndigo est para ter a
ra-sma sorte a do Ail. Nesta senda nao ha nem
presente nem fu'uro para as materias de origen: -
vegetal.
Pouco abundantes tambem sao as nossas madei-
ras proprias marcenara ; mal chegam para o
consumo da industria local e seus precos sao ele-
viidissimos ; pois, alera de nSo termos vastas es-
tenaoes fl >restaes, a falta de urna rede de vias de
comraunicac s terrestres ou fl iviaes torna pesa-
dssimo o up'oveitamento de qualqi existente em lugar distante duas leguas cu mais
de algum porto ou estacJo de vias ferroas, e todos
sabem aqui, que a despeza com um arrasto de duas
leguas superior ao frete da N >nr ga ou do Ca-
aad. Poderiamos mandar para a Allemanha
plantas, resinas e cascas medicinaes, extrahir a
Papaina do Mamoeiro e a Pilocarpina do Jaboran-
dy ; mas laro que seria sempre insignificauie
semelhante elemento de trocas.
Qunt<> ao assucar e aguardante, que cim o
algodao constituem a quasi toUlidade de nossas
eiportacoes para fra e dentro do Imperio, e com
que pagamos os milhares de contos de artefactos
e gneros que annu .Imente importamos, seria ver-
dadein. despropsito offerecel-os Allemanha, em
cujo consumo nao entra um litro sequer do alcool
nem ura kilo de assucar brasileiro, a Allemanha,
que hoje o maior productor dp assucar do mun-
do inteiro, que cousuraindo pouc miia de 300 mil
toneladas d'aquelle genero, elevou a sua produc-
no a mais de 1,10j mil toneladas, atirou no mer-
cado ate 800 mil toneladas de assucar, que os pre
mos internos e externos peraittem-Ihe vender
por menos que o custo da proauccio e cuj i qu m-
tidade, exedenda s necessidades do consumo ge-
ral, determinou a plethora e a biixa dos precos,
causa de tantas desgracaa para nos e para as mais
nacoea productoras de assucar ; a Allemanha, que
alm de abarrotar os mercados da Europa faz boj?
concurrencia aos productores das regioes tropi





Dtw de Pernambuco(tuinta-leira 12 de Agosto 4c 1886
\
caes em toda a Ameriea e quasi que tem expellido
os nossos asaucarea dos mercados oriental e ar-
gentino ; Allemanha, cajos alcools de cereaes, e
sobretudo de betteraba e de batata, alias nocivos
sade, em consequencia da forte proporcao de
alcools propylicos, butylicos e amlicos que con-
tn'in, esto inundando a Europa e all propagando
o alcoolisrao ; tem foito desapparecer quasi que
inteiramente a destillacio dos vinhos interiores
com cujos alcools reforcava-se o grao dos destina-
dos exportaclo e ao auaes aubetituiramse gra-
cas modicid de do pKCO.
Achaado-nos, pelas motivos qaa acabamos da
resumir, convencidode qae, por astlpa omb i da
Allemanha, esta prosriaci d Pernambaaa nada
pode apresentar, que pn-encaa as vistas da Socie-
dade de Geographia Cointawal da Berlina, em
prol da extensiio das relacaes eomnisrciaes, entre a
Allemauha e esta partn.do Imperio, buseada n'umn
troca de productos, aatswamoa reaivido* a desiu
teressar-uos completa alante da Exposicao Sul-
Americana de Berlim. quando, depois do citado
officio de V. Exc, de 10 de Maio, recebemos o do
Exm. v>ce-presidente da provincia, firmado em 10
de Junh't, e outro do Exm. presidente da Directo
ria do Centro da Lavoura e Commercio, datado de
25 do masin mea, insistindo ambos na con7enien
cia das pedidas remessas e facultando a expedicio
diree (a pare Hamborgo.
Entilo, orno um do nossos mais distinctos so-
cios fosse de opiniio, que embora sem proveito
algum ao ponto de vista do desidertum dos orga-
nisadores da Exposicao, era todava conveniente,
que Pernambuco aproveitasse mais esta eccasiao
de patentear os sena elementos de commercio ex-
tenar, assentam os convocar o (^onsclho A 'tniuis-
tranvo da Sociedade, para decidir e que se bavia
de fazer. Keunio-se este em sessao exiraoruioa-
ria no dia 13 do torrente ; e depois de manifestar
completa adhesio aos motivos de abetenco apre-
senrsdos pea Superintendencia e approva' o seu
pnoeedimento, decidi que, comquanto pndesse ser
de alguma utilidade a apreaentaco em Berlim
das pn.duccoes desta provincia, por ter a projec-
tuda Exposi;o de ser visitada, sem duvida al-
guna, por umitas pessoas pertenct.ntes a autrau
nacionalidades, t oJavia, nao havendo tempo para
organisar urna retuesta tal que representasse as
foreta productoras da Provincia, era melbur abs-
ter-se completamente do que expor se a faser figu-
ra ridicula ao lado dos expositores do3 mais
de estatura regular, sem barba e bastante dupa-
*kado- 11 A
Avisamos para que ninguem mais se lluda com
o tal sucio e o recommenumos polica para pol-
o em em reserva.
Manir uovaO estabelecimeuto de msi-
cas do Sr. A. J. de Azevedo, ra do Bario da
Victoria a. 13, acaba de imprimir ama walsi pa
ra piano, linda e extensa, intitulada Immetuidade,
escriota por L. Gregh.
E' n ais urna aaradaval distraceio para os pia-
nista!.
Anradeosniss a ofierta que nos fes o edictor de ideus ou tees
pases.
Deas guarde a Vv. Excs. Illms. e Exms. Srs.
presidente e membros da Directora do Centrla
L ivoura e Commercio do Rio de Janeiro.
Paulo de Amorta SalgadoViee-gcrente.
Henrique Augusto MiletS. eretario geral.
Antonio Pereira SimesThesoureiro.
BtviSTA DIARIA
Eleicao de ana depatado, Deve
effectuar-se boje a cleicio de um deputado geral
P'lo 3o districto desta provincia, para preenchi-
mento da vaga aberta pelo passamcuto de Dr. An-
tonio Francisco Correia de Araujo.
Os candidatos dita vaga sao os Srs. :
Dr. Feliope de Figueira Faria, pelo partido
conservador ;
Dr. Silvno Cavalcauti de Albuquerque, pelo
partido liberal.
EspoNlco iul-tmcricana em Ber
1 i naA commissio agenciadora de productos desta
provincia para a Exp sitio Sul-Americana em
Berlim, no dia 1 de Setembro prximo futuro, re-
solveu expor aprecacio das autoridades desta
capital os productos adquiridos, antes de os em-
barcar.
Kcalisar-se ba isto boje, ao meio dia, no escripto-
rio dos Srs. Leal & Irmo, ra do Mrquez de
Olinda n. 56.
Noto BancoRealisou-se hontem, nu edifi-
cio aa Asauciacao Commercial Beneficente, a rea-
man da comtnissio nomeada para a organisaclo
de um banco de dse- ntos e outras operacoes, o
qual se denominar Banco do Recife.
Resolveu a commitsao tratar desde j de levan
tar o capital necessario e orgauisar os respectivos
estatutos.
Damos parabeos ao commercio desta praca.
Arsenal de luerrA gracioso convite
do Ilim. Sr. major Antonio Vilella de Castro Ta-
vares, diguo inspector do nosso Arsenal de Gu r-
ri, tjmos ver hontem, 08 segunter. objectos all
fabricados e que teem de figurar na exposicao sul-
americana, a qoal se realisar brevemente em
Berlim.
Da oficiaa de machiniata serralheiro :
Urna feehadura para porta, systeraa francs, tra-
balhando a chave sem paviihio, sobre cinco molas
de aspiral, com trinco ; feta pele operario civil
Jos Th >phil sob a direceio do mestre Candido
Jjs de G-s le les.
Um Yatagn Coinblain de ac batido, pollidtf,
e^ra bamhade sola, bocal e ponte.ra de lati, ten- "* P"vra desae que a ord m s
do a Umiua a iuseripca,-Arsenal de Guerra-2 dalttl_mT em,ca,d*; faeto da natureza,
no guarda raoPernambuco;teito pelo opera-
riu civil Manoel Alves Cardoso, sob a direceo do
mesmo mestre Gcs Telles.
Da officina de alfaiate :
Sobrjcasca militar de infantaria, de panno azul
fino superior, e.jm botes di metal fino e passadei-
ras, tola forrada Aa seda e setim, tendo estampa-
do no aleoxoali interno do peito, feito de retroz
de differentes corea, a cor* imperial em ambos
os lados c >m a insripcaoArsenal de Guerra de
Perna:Dbuc". 3 lie Agosto de 188S ; feita pelo ope-
rao empreiteiro Austriuli :o Autonio Faustino,
-aob a direcctlo do mestre da ofiicina, Torquato Jos
Mimi'. ira.
Da ufli -iin de obras brancas :
Jarro torneado, para pjrta joia, de Jacaranda
env misado d inurtiin com duas argas, bjtoes,
I e rosetas t>.mbem de marfim, trabalbo de gos-
to c c-ipnch-. ; feito pelo operario militar Manofll
Boaveuiura Pesaos Peres, sob a direccao do mes-
tre da alludida offieiua, Jos Luciano Cabrsl.
Caixa do amareilo, para lbum, marchetada com
p'o setim e jicarsnd, caprichosamente construi-
da p lo op nn) civil Jos. Jauuario Alves Mon-
teiro, sob a direccao do mesm m-stre Jos Lu-
ciano CabraL
T i -o-* est 8 objeetos, especialmente a feehadura
s o jutagan que sfto primorosos, apesar dn preste-
za com que se inanufactararam, devido ao pouco
tempo, foram ex.'eut.idos com muito gosto e perfei-
co, attestando o progresan que tem feito os artistas
do noas > Arsenal de Guerra. Vo acondicionados
esses obj :ctos em caixas devidatm nte preparadas
na8ofl5:ii:as;lo mesmo Arsenal, tendo cada urna ex-
ternament em orn chapa de metal galvanisad)
o nome do artiga que contm, com a inacripeo -
Arsenal de Guerra de Prnambuco H8S.
Eleiro municipal de liiraooiro.
E' este o resultado do 'Jf escrutinio da eleicAo
para vereadores de Limoeiro, procedida no dia 9
do correrte :
Tenente Jos Clementino Bezerra de Mello (L) 68
Antonio de Potrt-s Marinho (C) 38
Mano-. Thom de Faria ( C ) 38
Francisco Cadena B. de Mello Filho ( C ) 31
Jos Maris Ferr ira Braga ( C ) 3
Est por consecuinte composta a cmara com
7 conservadores e 2 liberaes.
Fallpcimenlo De padecimentes actigos
falleceu hontem a profeseora D. Alexandriua L. e
Albuquerque.
Era urna respeitavel senhora, estimada sincera-
mente por todos quantos a conheciam.
O seu corpo fui hoatem tarde dado sepultu-
ra no Ceoiiterio Publico.
Aos filh>3 e genros da finada aprsenteos nos-
sas condolencias.
E' como Uocal da MagdalenaMo-
radores no povoado da Torre e estradas circumvi-
sinhas pedem-nos para chamar a atteucio do res-
pectivo tiscil para a grande quantidade de ani-
maos que por alli vagam, invadindo sitios, que-
brando cercas e damnificando arvoredose lavouras.
Elle os deve attender.
Passamento Victima de padecimentos
chronicos fallecen hontem pela manha netta cidade
a baronesa das MercSs, viuva, D. Marta Pnlisssiiiii
do Bego Costa.
Contava cerca de 60 ano os de idade.
o sos pezames sua familia.
Tesitallva de marteAs 4 horas da tar.
de de ante-hontem, e beceo da Csrrapatetrs, do
Io districto da fregueaia cisco-do Nascimento, coohecido por Joao Peques,
achano se armado de ama faca de panta, tentou
assassinar a Manoel Joaquim de Jetas.
O detinqueate foi preso em Sagrante delicto,
abrindo contra elle o respectivo subdegado o eost-
petente inquerito, que no mesmo dia fieos conclu-
* do e j teve o Cimveniente destino.
ndustrloao Ha das que o aosso co-
' orador, o Sr. Augusto Mais, victima de um sucio
que en sen neme e por meio de aHaetss coma
sua assignatnra falsificada, tea oaasegaido de
- comsoerciantes de eessa praas sigses gaasass.
Por informacoes sbese que um pardo claro
piar.
nhs VNssresso Dasta belliss
obra, que se aatSkpabUeaaav em Lisboa e de quej
j sWssos uosisia, scabam de chegar para a Li-
vraria Fraoassa do Br. Jlo Walfrado de Medt-
roaa-rna 1* da Mareo n. 9 os fasaisaloa.-as. 6, 13 a
17, com a offerta dos quaes nos obsjBqaiou.
A edieao do Moiuho Pittoresoo da luxo, il-
lustrado com mais de 300 deseahss de Joo de
Almeida, gravados pelos mais celebres artistas ;
com estampas magnificas em enromo representan
do costumes e seis mappas chrorographicos da
provincia, gravados expressamente.
Quem vir os fascculos de tao primorosa obra
nao poder deixar de assignalt-a.
lHoolonario nnivertsl de e.lura
cao e entinaJ chegon do Porto s eader-
eta u. 32 desta atil pablicaco moeidade de
ambos os sexos, s mais de familia, acs prefesso-
res, acs directores de collegios e aos alumnos que
se preparara para o esame da lingna verncula.
Assigna-se na Livraria Francesa do Sr. Jlo
VValfredo de Medeiros ra 1 de Marco n, 9.
Aradecemos-lhe a offerta que nos fez Ja refe-
rida Cfldernets.
Oa Iibetlon e oa libellintaa Extrahi-
mos do Mercan/e de Genova :
* Com este titulo o Populo Romano publicou a
seguintes verdades, e n3, retenndo-as lembramos
que nao de hoje, mas desde qne os libellos man
eharam a Italia e tambem a nossa Genova, nao
deixamos de estigm.itisar a tolerancia tanto da
parte do publico como dos governos.
Huje se conhece quao grave foi o erro de tel-
os tolerado .'... Esp-ramos que se esteja ainda em
lempo de dar o remedio e sobretudo que o proprio
publico faca tal respeito plena justica.
A privativa do bsllicmo na Italia disso o
Poplo Romano, tem sempre sido, nestes ltimos,
timpos, das f lhi:s e do partido radical.
Isto notorio.
Os primeiros ensaios foram em.MirSo e Turim
Com o pretexto de ferir a institnico, ataca
va-se diariamente a vida privad* do rei, dos fune-
ciooarios do Estado e das casas mais ricas e res -
p-itaveis, que tinham a culpa de pertencer ao par-
tido prep ndeante do governo que se chamava
Coueorteria.
Aquel'es que boje, sobem trpode, desbara-
tan! contra o governo e contra os libel lisias, voltan
do, insolentemente, a responsabilkiade ao governo
estilo, para honrar os patriotas e os horneas mai
respeitaveis, como Spaventa, Minghetti etc., aos
qnaes hoje, com filia bypocrisia, rendt'm homeua-
gem de integrid. de e de alto carcter, recorriam
4s c'ilumnias mais vulgares e a todos os epithetos
mais atniz-s, doa quaes os mais rranJos erm os
de ladrao, assassioo do povo e outros, que a decen-
cia manda calar.
Esta nao historia antiga, mas historiacon-
temnoranea.
At que a privativa do libetlismo era dos jor-
naes radicaos, jamis- urna vos se itljou a denun-
ciar esta ferida, commum sos paizos govtsrnados
com a mais larga liberdade de tmprensa, sutes se
algum lurami p ilitico permrttia acenar a neeessi-
dade de por nisso um remedio, o cumpriraento mais
suave que podia espetar, era a de reaccionario ou
borbnico.
Informa o honrado Giaonuzzi Savalli.
Hoje qae os alumnos, educados nesta escola,
sa rebol .'am contra os mestres e aproveitsndo as
licoes adquiridas, querem u.n radicalismo com ba-
so d" liquiJaca social e ferem com o libello os
sous preeeptorrs proprioe, a culpa do governo.
Nio. A culpa vossa : sois vos que inaugu-
raste a eseola do libeliismo na Italia e se aquellas
que v->s teem servido de escabello, boje se reoedam
e ves injuriam usando d>s armas que forneeestes e
aperl'eif astea, n i d vtis v-iltar sobre o governo,
reelamando a justica e a moralidade, mas dudis
passar urna mi sobre a fronte e com a outra ba-
ter no peito e repetir :mea culpa mea mxima
culpa.
?(ao as serpentes que mordem os ebarlataes.
Oa ordenOr'.em synontmo de naturuza,
de belleza, de bondade e de justica; qunsi umi
eousa s como a librdade; elemento tao neees-
sario vida da tamilia tas e o sr aoa animses.
Se o- hornera mo trvesse a fetal capacidade, do
mal, ni" teria nem m"9mo titio a preeiso de enge
nhar esta paUvra, desde que a ord m se enearna
em cada
omento da vida human i, e em cada pragresso da
hum.tnida le, qne o tolhel a a mesma cuusa que
destruir a natureza, er-tiuguir a vida e deter c jm-
urna pancada o moviinento da eivllisaco.
A tempestade, os terremotos, e os furaeocs alo
desordena da naturesa; as molestias silo desordens
do organismo; os delictos e a miseria sao desor-
dene da moral e da justica : cada forma de mal
sempre urna violacao da ordem.
E' assis difficil defin la, assiot como -difficil
difinir a vida.
Nos nao podemos imaginar um mando ano nao
sujo regulado por leis itamutaveis; nao podemos
figurar nos m*is simples facto, sem varios mo
mentos que se succuuam eom dada medida e eui
dadas proporcoes.
Nio temos uceessidade deata definicila; assim
como todos seutimos o qui- bom, e oque mal;
como todos estaraos persuadidos que dous e dous
sao quatro, nao nos alambicamos ojuisou demons-
trar a nos e aos outros a v<"rdnde d'este axioma.
A idia da ordem nasec, eresce e morre comnosco;
e fugimos da desurdem como um mal e urna viola
cao da symetria, o como urna ameaca centra a vida
e a felieidde.
A sssi dem dfieude os olhoa, ofiende o sentido
do bello e do justo, ofrende a mente; nos irrita, n;a
canea e nos lacera.
Nos nao nasceuios por nossa voutade; mas fo-
nos creados por quem comnosco tiroa do nada os
montes e as planicies, as arvores e e animaos; so-
mos o rei da ter-a, mas com ella unidos em um
upieo systema.
Somos boin-.-us, mas somos feitura de um s pen-
ssmento somo8 horoens, mas entramos na orlem
de um s oaiverso; temos nelle marcado um dado
posto, certas mo /montos e determinados destinos
Eis aqu porque no circulo da sociedade, as nos-
tas instituico-s, nos creaturas deum mundo orde-'
nado, imitamos a mesma ordem que regula a vida
de todos os seres.
Sao cousas simples estas; sao ideas geraes, mas
repisadas pela naturesa e por nos mesmos ; nao
sao theorias, e nem sao systemns.
Urna Jttatodta doa injo*... da Ame-
rica0 faeto que vamos referir occorreu, ha
poucos dias, as immediacoes de Cambridge, Mas-
sachusets.
Em ama cabana do districto de Delmot vivia,
com qua:ro crianoas, o fogueiro dos eaminh.s de
farro, Eduardo Barry, viavo. A mais velha d'el
las, Ntlly, de des annos de idade, e que cuidava do
governo da easa, desd-i o fellecimeiito de sua mli,
tato ha tres annos, e da va de comer e vestir a
toda a familia com a eseassa soldada de sju pii.
Urna aoite, N:llie, deools de daitar os seus tres
irino8nKis, o mais velho dos quaes tem seis an-
n>s, com a solicitada de urna mai, sabio procura
de seu pai, que Urdava mais que do costume,
derxando a sua modesta ctia ao ealor do lume.
Nio o encontrou, porm, porque tinha tido folga
desde o glorioso 4 de Julho, e vo'.teu a casa com
intencao de o esperar.
O calor e o caucaso venceram-n'a e adormecen
sobre urna cadeir... Ao cabo de urna hora foi des-
pertada por am espesso fus e pelos estalidos do
mwdtiaiBionto da casa qae arda. 'um instante
compreheudeu o qae se peasava.
Coa ama resoluao e sersaidade pouco eommum
u aquella idade, peuetreu no qaarto onde dormiam
seus tres irm .sinbos, e, osa risco da sua prupria
vida, salvou-os, um por um, dss cbammas, tendo
soffrrdo aigumas quetuniduras na cara e cando
com o cabalo chamuscado.
O sai veio a casa com os bombeires. Urna fa-
milia abastada eoearregon-te da edaeseao da cora-
jasa raparigumha.
O urore*Mr Hswlej e o tabacoNa
faesociaco britnica bouve duas opinies contra-
rias relativament ao uso do tabaco, e segundo
ctuta o Medical and surgical reprter o professor
Howley teiasu a aalavn e expos nos seguintes
taaos s historia das sass experiencias sobre o
assamsts.
Sensores: Durante 40 anuos da minha vida, o
tamas ra para misa considerado como um horri-
vel aeavnu. (Apaisnsos por parte dos inimigo do
Mhsjsa).
Quando ainda era estudante da medicina tentei
fumar, mas os meus esforcos erara baldados, a
cada tentativa era vencido pelo terrivel ninmiso.
(Novos applausos).
Qusndo tive in^resso no corpo de aa le da ar-
mada, tentei novamente e fui ainda vencido pelo
tabaco. Votei-lhe por consequencia um odio mor-
tal, e ento, meus tenhores, teria firmado de boa
vontade urna medida qaalquer contra o tabaco e
contra os proprios fumadores. (Acctamacea phre-
oieticas).
Ha algons sanas viajavn eu pela Bretanhi com
Um dia ehovia a cntaro*
refugiar-nos n'algum abrigo, a
i\. meas companheiros passa
ntm eiit io a fumar, e parecam tao satisfeitos que
en pi eitei .iinm diatamiste qu havia de faser o
msaai (Mustnuris*) ffuasei um cigarro (Mov -
mansos csatsadietassss) aat&'iM.o e acu>'i-o daU-
eioto (atsale iftssamt u gritos de indigna
S*o).
Passado o tunulto, o orador continuout
inte, edacalpabilidadedesirC
foi tomando ca or a ponto de exclamar que o mi-
mV !". C Pad d adalteri0 o mais brutal, o
wrdsdeirolmor qae poto commetter um i omem.
O pub ico acolheu com murmurio de desagrado
uante accusaclo.
sim
Neste mesmo momento, sir Chirles Dilk, que se
achaya presante, levanUndo-se impetuosameate,
dirigi ao advogado speras phrases.
O juiz que presidia limitou-se a mandal-o sen-
*J',m aarraco qae viajar aea -
" "* aldeia de Hosufranohs, Barcelona, doit
ram urna questio e um delloa aoa-
do com urna pu abalada o adversa-
tiomens
hou-i
rio.
O moi
caso de.
pai da
da soci
a filho do canasto ;., se se dr o
condemuado, almona o ---istir--, o
ser ao mas aWqipj o vi;
e de seu propeio 8lho.
O orcameato detraerra e o theaou-
do tabacoRisos unnimes aos fumadores).
Sim, senhores! um cachimbo nao mais peri-
goso do que urna ehavena de ca. Eu sai de
ejemplos de enveaenamento pelo uso m exceas o
de cha verde, e sei tambera de alguns casos fa-
taes, por se terem comido btefsteacks em excesso,
e pode p>rventuca deduzr-se d'aqui que a carne
perniciosa ?
Outro tanto pode dizer-s do excesso do tabaop ;
mas eu sustento une em dses moderadas elle tea
ama accao benfica, que na maior paite dos canos
suavisa os nossos costumes. (Triumpho dos fu-
madores o derroto, completa dos seus adversarios).
Oa deacendentea de ibrshao Nao
deixa de ser curiosa a seguinte cstatistica publi
cada ha dias em Paris no Amatara dos archivos
israelitas. Segundo e-ta estatittica, os descen-
dentes de branlo so 6,300.000. Na Europa ha
3,4IK.0uy sraeliatas, assim espalhados :
Franca, 63.000 ; Al lemanha, 562.000 ; Austria-
Hungria, 1,664.000; Itajia, 40.000; Holanda,
82 000; Roumania, 265.00:1; 2,552.000 na Russia;
Turquia, 105.000; Blgica, 3,000 ; Suissa, l.QU
Bulgaria, lll.O.vO; Dinamarca, 4.000; Hespacha,
1.900; GibaJtrar, 100 ; Grecia, 3<00; Servia,
3.500; Suecia, 301).
Na Asi* ha 300 000; na Turqua Asitica,
193UXXJ; na 'ale.tiua, 25 000 ; oa Kuasii Asia-
tica, 47,000; na Persia,. 18000.; ua Asia Central,
14.0 0 ; na ludia, 19.000; na China, LOtO.
Em frica, ha 350.000 ; Egypto. 8 000 ; Tunis,
55.000; Argel, 35.000; Marrocos, 60.001 ; Trpo-
li, 6000; Abyssiuia. 200 0 0
Na Ameriea, ha 250.000; e d'este?, 230 000
nos Estados-Unidos.
Na Oc'ania n3o. existera mak de 12000.
O Annuario insere um artigo firmada por Beu
M .reli, sobro os ttulos de nobresa, coucluindo
por estas palavras: I
Que necessidade temos do ser duques, coudes
ou ioarquez"s, quando, segundo Talmud, somos
iodos principes ? Um dos nossos doutores, diz :
Os israelitas sao filho* dos res. A nossa nobreza
mais autiga do que a dos que pelejaram na
cruzadas. Recebeinol-a no Sinai ha 32 scalos.
Deus qae nos deu a n.breza,
Pode-ae morrer de ru-do Assim o
-assegura um peridico inglez, citando os seguua-
teetes casos:
Uesa joven, tentando uieidar -se, tomou ama
por^o de um p iusecticida, e deitou-se. Pouco
depois era cadver. A autopsia piovou quo o p
era inoffisnsivo para o corpo humano.
Foi, pois, o medo que produzio a raorte.
Um porteiro de collegio tiuba attrahido a anti-
pathia dos alumnos.
Certo dia estes apoderaram-ss d'elle, fecharam-
n'o u'um quarto eeeuro, e simularam um jaizo fi-
nal.
Fez-se-lhe um libello acouaatorio, e o reo foi
condemnado a ser degilado, para o que collooa
rara no meio da sala os ne^essarios petrechos.
Avisaram-n'o dequetinht tres minutos para
se arrepender das suas culpas; e, passado o pra
zo, veuUaram-lhe os oihos, e ubrigaram n'o a ajoe-
Ihar, pendendo a cabeca para diante.
Depois, rindo se alegremente, davam Ihe.uo pes-
eoc com uin guardanapo, e tentaram levautal-o
Com geral espanto; o infeliz nao se mova. Ti
nha morride de medo.
Hinisii os da guerra de Franca
Foi inaugurado, ba dias, ori'uma das salas do mi-
nisterio da gueara uui Pars, a eollecclo dos retra-
tos doa autigos ministros da guerra dasds Luis de
Hiovol o pnmeiro de todos os secretarios de estado
des negocios da gu tre ootres Ricbeiieu, Lauvos, ViUars, de BeUa-
Isle, Caoiseal, Broglie, Bernardite, Berthier, Car-
net, Siult, Gouvion-Saint-Cyr, etc.
Ao centro da sala, destinada a esta colleecao, o
g' neral Boulanger fez coiiocar sobre urna mesa o
registre dos nomes de todos os genera-a em chefe,
de diviao e de brigada, e o Livro de euro do
exeroito.
Este livro um registro maauscripto das prin-
eipaes batalhas e d s combates mais nota veis dos
asnaes franeezes, comecando pela batmlhu dada
sui Bouvines a 29 de Julho do 1814, e terminando
03 combatea que illustrar.im o exercito de Ton-
km.
O uir cas mulberea na m
ClaterraExiste, como se sabe, na Inglaterra,
urna sociedade nacional para o suffr.igio das mu-
ll' res, cuja actividade vai crescendo, e que, na-
turalmente, tem f na realiaiclo de suas i leas.'
Do relatorio que foi apres^ntado xssembla
geral em 16 do corrate, resulta que se obteve es-
to anno urna grande vantagam, pois o projecto de"
lei apresentado cmara dos comtnuna foi votado
eai segunda lei tura por 161 votos contra 104, nao
tendo sido discutido nacummisslo, em consequen-
cia dos pequeos obstculos creados pelos seus
adversarios.
Era o ponto principal a notar : Madame Faw-
cett, que presida assembla, a qual assistiram
muitos membros do parlamento, que tomar .m a
palavra depois d'ella, teve o cuidado de o fazer
valer e de Ihe juntar > Iguraas consideraco.'s.
Se u parlamente que acaba de ser dissoivtdo ti-
vesse sido fevoravel ao sufFragio das mulheres,
disse ella, o que se ia reun r nao o seria meuoe,
po3 que, dos membros j eleitos, 320 t.nham-se
j confirmad o com as id is da sociedade, o que
auuuuciava um voto fevoravel ao projecto de lei.
Um dos poutos notavtis das ultimas eleicoes f-
ra a parte act va e coasideravel que tinham tora i-
do as mulheres em favor de cada um dos partidos
polticos. O ultimo faeto desmenta precisan-ente
esta predieco ; < que aa mulh res, sendo eleito-
ras, penderiam todas pai a um lado, e destruiriam
o equilibiio dos partidos.
Era evidente tambera que, se as mulheres po-
dessera fazer a propaganda eleitoral e fallar aos
eleitorea, ellas podiam depr um voto. Finalmen-
te s a objeccao feita ao bil de home rule de que
cidadaos nao representados no parlamente podiam
ser taxados por ellese fosse aomissivel, nilo
era menos, applicada ao bil que punha a cargo
das mulheresque nao notavara urna parte das
des;}.-zas da eleicao dos membros do parlamento.
Terminou a reunilo depois de ter ouvida mu
toa discursos, e approvado urna nova resolucao a
fevor do sufFragio femenino.
A phrase mais verdadeira, porra, fia de um
mmbro do parlamento, mostrando quanto era
diteil para os amigia da causa fazcl-a tomar a
serio pelos seus adversarios.
CunstroccAe* niivacs na Inglater-
raNosarseuaes de Iuglaterra reina urna gran-
de nctividnde nuuc.i vista as construccoi s na-
vaes.
Os navios para a armada que actualmente estao
em construec.io sao 31, distribuidos da seguinte
forma :
Nove couracados de esquadra que se chamarlo
-mon, Benbow, Camperdjw, Wero, Hoto, Renown,
Nilo, Trafalgar e Sans Pareil; sete cruzadoras
couracados com os nom s de Aurora, Australia,
Galatea, Immortalidade, Narciso, Arlando e Un-
dauntees; qatro cruzadores protegidos Foslh,
Atersey, Severn e Tamvts ; oito cruzadores torpe-
deiros, iiahatoh. Porpoire, Racoun, Serpent, lar-
lar, Arecher, Bruk a Cossac ; o tres outros avisos
torpedeiro de pequea tonelagem, Graisbopper,
Sandjly e Spivir.
Os uovos couracados sao gigantescos, e os sete
cruzadoras que se esto construiu ls, as melbo-
res condicoa. de velocidade.
E' um esforco form davel que a Inglaterra esta
fazendo, e o orcameato da marina* iugleza o
maior que estado algum do mundo anda teve.
O proeetso UilbContinuou em 22 o jul-
gameuto do pruca>so Dilk Crawford. Terminado o
depoimeato dastwetemunhas comecaram o* debates
Houve um incidente que veio perturbar a or-
dem, produaindo grande seusaclo.
O advogado de M*. Crawford, qosrcndo osn-
vencer os jurados da verdad e das declaraces da
(Jto Dayaco. 0 xammaJe tutera contsm 120 mi
Inoes de marcos em ouro amoedado, e est encer-
rado na torre Juus, em 8pandan.
ISsta torre um dos mais antigos monumentos
que se construiram no Braudaburgo ; segaado ama
leuda mu to acreditada em Berlim, foi o proprio
Julio Cesar quem fez a plauta d'aquella torre. E'
urna maaeira, como outra qualquer, de reiviudcar
Julio Cesar como am dos autepassados da moaar-
cbia prassiana
O entino noa noaaoa lycea Para
prov. da comprehenso que se tem do ensino en
tre nos, daremos mais os seguintes pedacinhos de
oiro dos eiames de goographia no lyceu de Lis-
boa :
De que se com oe a atmospliera ?
O alumno nao sabe, : o professor explica.
_ A atmosphera urna combinaclo de xidos,
bioxydos e poeiras.
Outra :
Onde o Bonifacio liquido?
Quera dizer onde era o estreito Bonifacio !
Outra inda :
Quantas phases tem a la?
Qdatro.
S quatro ? e a la de mel ?
Seria rat' d'esprit f
Mais outra nin 'a :
Quaes sao os productos que importa S. Car-
ios e d'oode importa ?
S. Carlos ? Nao coubeco essa trra.
O tbeatro le S. Carlos, homem! Pois nao
importa cantores, e de Italia ?
Depois d'isto... vio l peusar em reformas de
lustrucel > secundarias ?
i Proclamas de caaamentoForam li
ds na matriz do Corpo Santo, no dia 8 do cr-
rante, os seguiutes :
Manoel Goncalves Estolla com Maria Nuns da
Chata.
Jos Martins Pereira com Mara Joaquina Pe-
reira da Cunha.
Beuniao acialHa hoje a seguinte:
Do Rvcreio Infantil Nove de Agosto, na respec-
tiva sede (Instituto Acadmico) em assembla ge-
ral, para eleicao da nova directora para o anno
social de 18861887.
teilOea.Eftectuar-se-hao:
Hoje :
Pelo agente Burlamaqui, s 10 1/2 horas, na
rua Lelo Coroado n. 7, de movei, loucas, vidros,
passaroe, etc.
Peo agente Silveira, s 11 horas, na rua do
Rosario u. 26, de predios.
Pelo agente Alfredo Guimaraes, s 11 horas,
rua do Bom Jess n. 45, de predios.
Peto aoene Gwmao, s 11 horas, na rua do
Mrquez de OKuda n. 19, de armaclo, miuaesas,
movis, etc.
Pelo agente Bruto, s 10 e 1/2 horas, na rua do
Ranqel n. 48, de azoadas e miudezas.
Sabbado :
Peto agente Pimo, s 10 e 1/2 horas, aa praca
do Conde d'Eu n. 5, de movis.
tlisssas funebret. -Serio celebradas :
Hoje :
A's 7 horas, naeapella do Hospital Portuguez,
por alma de Autouio Jos da Fonseea.
Sabbado :
A's 7 hojeas .tgveia do Espirito Santo, pela al-
ma, de D. Anua Martins da Cruz Pimentel.
Cws de saetea cao .Uovimento dos pre-
us .no dia 10 tte Agoste :
Exiatiam ppcaoa 335, entraram 13, sabiram 50,
existera 298,
A saber:
Nacionaes 272, mulheres 5, estrangeiros 8, es-
.r.ivoa teutanciadps e proecsaados 7. ditos de cor
recelo 6.Total 298.
Arracoados 291, sendo : bous 280, doentes 11
Total 291.
Movimento da enfermara :
Tiv.'ram alta:
Jos Benedicto da Souza, conhecido por Duriu-
danda.
Manoel Albino de Barros, conhecido por Boqui-
nha.
Mignel, cscravo de Jos de Souza.
Zncharias Jos de Santa Auna.
Faltoceu :
Isaas Antonio aa Silva.
dperacftea ctrarglcaaForam pratica
das no hospital Pedro II, no dia 11 do corrente,
as seguintes :
Pelo Dr. Puntual :
Ex traeca) do testculo direito, ligadura do cor-
da) em quatro partes pelo catgut, reclamada por
testculo ayphilitico supurado.
Posthotoinia a bistur indicada por phimosis.
Haiadouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 89 rezes para o consame
do dia 12 de Agosto.
Sendo : 72 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
4 C, e 17 a diversos.
Mercado Municipal de 9. JomO
movimento deste Mercado nos dias 11 do cor-
rete, foi o seguinte :
Entraram :
36 bois pesando 5,005 kilos.
463 kilos de peixe a 20 ris 9*260
199 cargas de fen'nha a 200 ris 39*800
41 ditas defrueta divereasa300 rs. 12*300
11 taboleiros a 200 ris 2*200
16 Sumos a 200 lis 3*200
Foram oceupados : \
24 columnas a 600 res 14*400 .
27 compartimentos de ferinba a
500 ris. 13*500
24 l itos de comida a 500 ris 12*000
761/2 ditos de leguroes a 400 ris 30*600
16 ditos de suinoa 700 ris 11*20 i
13 ditos de treseuras 600 ris 7*800
10 ditos de ditos a 2* 20*000
3 dito al* 3*000
A Oliveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris 1*000
54 talhos de carne verde a 1J 54*000
Tambem acham-se venda na Reda da For-
tuna rua Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera Bxtraordiaria dulpirsn
a -U 4. e ultimo sorteio das 4. e 5." series
?8>t?^m.?S5lt,te loteria> aa3 "*'" Pernio de
100:000*000, ser extrahida a 14 de Agosto pro
ximo. e
Acharn se expostos venda os restos dos ti
te8ooa C"8a da *'ortau* ru* Primeiro da Marco
n 2o.
Cemiterlo HuaiieoObituario do da 10,
de Agosto de 1886 :
Bonifacio, Peraambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
febre paludosa.
Rachel da Silva Dantas, Peraambuco, 26 an
nos, solteiro, Santo Antonio; tubercsjlos palmo-
nares.
Cesino, Peraambuco, 14 meses, S. Jas* ; pasmo
Candida Maria da Conceicio, Parahyba, 52 an-
nos, viuva, Santo Antonio ; tuberculoso.
Isaas Antonio da Silva, Alagdas, 50 annos.
solteiro, Santo Antonio ; briberi.
Francisca Maria da Conceiclo, Peraambuco, 26
annos, solteira, Boa-Vista ; ttberculose.
Hyoolito Cassiano ds Soccorro, Peraambuco,
5J anos, casado, Afogados ; cyrrhose do figado.
Innocencia, Peraambuco, 8 dias, S. Jos ; con-
vulsoes-
Luiz Jos de Oliveira, Cear, 39 annos, sojteiio,
Boa-Vista ; meelite.
Luiz Francisco de Paula Pitia, Peraambuco,
58 anuos, casado, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Manoel Francisco Monteiro, Peraambuco, 40
annos, casado, Boa Vista ; tubrculos pulmonares.
Severino, Pernambuco, 3 annos, Boa-Vista ;
diarrha.
Manoel Domi.igues de S, Pernambueo, 30 an
nos, solteiro, Santo Antonio ; molestia de bright.
Delfina Mara da Conceiclo, frica, 60 annos,
estado ignorado, Santo Antonio ; amollecimento
cerebral.
Aloertina, 4 mezes, remettida pelo subdelegado.
COMUNICADOS
Ao ele(orado do 3o districto
IUm. Sr.O fallecimento do Dr. Antonio Fran-
cisco Corroa de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putaclo de Pernambuc-, determinou a necessidade
de urna eleicao no 3" districto, que aquelle Ilustre
cidadao tao dignamente representava.
Para preenche essa vaga proponho-me eu aos
suffragios do distincto cieitorado desae districto,
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambicoes que eatou longe de nutrir, mas por apre-
aentaco do partido em cujas fileiras milito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar serviles ao
paiz nease posto de combate que me foi indicado.
E', pois, ejeudade com esae patritico desejo e
patrocinado pelo racu partido, cujo venerando
ch fe tenho por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o seu voto e todo o ssu precioso auxilio
minha causa no pleito que se vai ferir brevemente
nease districto, onde V. 8. gosa de prestigio e dis-
poe de merecida influencia.
Bem conhecido nesta provincia, onde nasci e
onde tenho sempre vivido mourejar em fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e aob a gide
d'aquella honrosa apresentaclo; creio que ser-
me-ba excusada a exhibilo de um programma,
pois que outro nlo posso ter que nlo o do partido
ao qua tenho servido com dedicaclo e esforco.
Entretanto, de harmoui a com o notavel discurso
proferido no Senado, coi 1879, polo honrado Sr
conselheiro Jlo Alfredo Correa de Oliveira, digno
chefe conservador em Pernambuce, dire que a
synthese do mea programma pugnar pelas re-
formas que forem e deseavolvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con
stitituiylo e que formara a base das instituicoes
que nos, os conservadores, amatemos e queremos
raanter.
Dentro de taes limites ha espaco bastante para
todos oe melboramcntos iuteleetuaes, moraes e ma-
teriaes, para todos os c-ommettimentos serios da
poltica, economa, (Juaneas e administzacao, erafim
para todas as mais altas aspiraces dos povos
'ivres, que vivem sob o rgimen parlamentar.
No decurso dos vate annos qne constituem a
miuba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a minha actividade, e disso fazera prova os meus
modestos esforcos na Assembla Provincial e os
meus pequeos trabalbos na imprensa, fstes lti-
mos attestados pjlo Diario de Pernambuco, em
cujas paginas tenho esteriotypado a minha alma
e o meu coracao, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vantajoso causa do paiz e
mais particularmente deata provincia.
Como garante dos meue intuitos de futuro offe-
reco esae modesto passado ao digno eleitorado do
3 districto, asseguraudo lhe que envidarei quan'o
couber em u.3 para elevar-me altura da situa-
clo do paiz e para mostrar-me merecedor da con-
fianca co n que me honrar esse di^no eleitorado
O meu norte ser o bem publico e o camiub
para elle essa honrosa confiauca que nunca fa' 4
ao Ilustre cidadlo quem aspiro substituir e cu-
as irtudes cvicas tomarei por modelo.
Subscrevo-me com a maior considcraclo e res-
peito.
De V. S.,
Amigo, att-nto. venerador e criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Figueiroa Paria.
no magistrado respondeu-me, que teudo eu pro-
vado clarameute que o crime nio partir de mi-
nha casa, nao era necessario mais ma incom-
modar.
Se em mea espirito pairasse o menor vislumbre,
a mnima conjectura, de que a escrava Miaerviua
fosse criminosa, anda mesmo quando nlohouves-
ae deheto, amente pelo fecto de ter deitado o ca-
da versinbo com tal desprezo e crueldade no quin-
tal, uto seria mais que bastante para constituir
um rime repugnante, e cu nlo consentira, psr
um t momento, urna fera em minha casa.
N|o acenso a ninguem, nunca articulei urna
palavra contra ninguem sobre o tenebroso crime e
seria um insensato se o fizesse, sem ter pro vas ir-
refragaveis.
A' polica pertcnce descobi ir as criminosas.
Tendo provado iom os documentos mdicos e
polisiiies abano transcriptos, que nio parti o cri-
me da oasa em que moro, tenho feito o meu
dever.
Recife, 8 de Agosto de 1886.
Cht isto vio de Barros Reg.
REQUfilIMENTO, DESPACHO, ET.\
IUm. si-, subdelegado do 1 diatricto da Boa-Vis-
ta.-r-A bem de meu.direio requeiro a V. S- para
mandar o escrivlo respectivo dar por certidio o
exame medico, feito na escrava Minervina, pos-
ta par, mim a dsjwtoao de V. S. para avori-
guacoss noliciaes, em virtude de alguem ter-lhe
commnaicado haver suspeitas sobre a dita es-
crava, pelo facto da erianca inorta, que deit.ram
no quintal da casa n. 63 rua da Imperatriz.
Recife, 9 de Agosto de 1886. Chrtovao dt
Barias Reg.
D-se por oertidio. Subdelegacia da Boa-Vis-
ta, 9 de Agosto de 1886 Gouveia Cordeiro.
Jo|o,Frrei>a Dominguea,C*mero, escrivlo effeis-
tivo da subdelegacia do 1* districto da Boa-Vis-
ta, em virtude da lei, et
Auto de exame feito na escrava Miaerviua
Certifico aue, presaates o subdelegado em excr-
cicio do primeiro districto da freguezia da Bou-
Vista, commigo escrivlo do seu cargo, preseute
as testemunhas abalxo assignadas e os peritos no-
meados e nct.'fic Jos Drs. Manoel Clementiao de
Barros Carueiro e Joaquim Cerqueira Leite, am-
bos mdicos, residentes nesta cidade, o subdelega-
do deferodo a estes o jurament) aos Santos Evan-
gclhos do bem desempenharem a sua inissao des-
cobrindo o que encontrassem, passaram a fazer o
exame ordeuado, concluido o qual declararam que :
pelo exame feito na escrava Minervina, nada en-
contraram que os autorisasse a acreditar que
ella tivesoe dado luz urna creanea a termo .
Este documento, que um pouco longo, tica
nesta typographia diaposigio de quem o queira
ver.
Recife, 9 de Agosto : 1886. Illm. S. Dr. Bar-
ros Carneiro.Appellaudo para a justica e retic-
dlo do carcter de V. S., pt-co-lhe para ter a bon-
daue de responder-me ao p desta o seguinte :
1.* De quantos mezes poderia ter sido o aborto
da escrava Miuervina, examiuada por V. S. em
minha casa, por ordem do Sr. Dr. chefe de DOli-
cia? *"
2.0 O roeeronsteido morto, que deitaram no
quiutal da casa n. 63 da rua da Imperatriz. e que
foi examinado por V. S., poderia ter sido filho de
Minervina ?
3. Seria possivcl terem atirado o cadavorainho
da erianca no es lado de pul retcelo em que se
actmva da altura de um Io andar, sem se arreben-
tar?
4." Estava o cadver arrebentado ?
Consmta V. S. que eu faca o uso que me con-
vier de suas respostas.
Sou com a maior consderacao. De V. S. at-
iento venerador, criado eobrigado. Christovao
de Barros Reg.
Recife, 9 Je Agosto de 188. Illm. Sr. Chris-
tovio de Barros R^go. Regpondendo a cartinha
que V. 8. acaba de dirigir-me, declaro de harmo-
na com os queeitos que me alo apresoutados :
Ao lo : n|o posso ^reciaar a idade do producto
da conccpelo de sua esciav.sada, visto nlo ter
enconf.ado o vulo, embrii.i ou feto que consti-
tuio o aborto, apenas exarainei a paciente.
Ao 2 : pr. judicadb, pela decUr.ci j feita
no exame a que proced requisicao da polica.
3.< PrjvwvtunruW uo, attendendo a natureza
argilojudo tafitaao.
Ao 4: nao, apenas encontrei vestigios claros,
resultantes de consideravel traumatismo.
_ Peder y. S. fazer o uso que bem lhe convier,
avisto ser esta a ver,qade.
De V. S. Venerador o criado. Dr. Burro*
Carneiro.
Recife, 10 de Agosto de 1886. Illm. Sr. Dr.
Cerqueira Leit?.Fazendo um appeilo justica e
rectido do carcter de V. S., peco-lhe para fezer-
me o obsequio de respono'er-me ao p d'esta o se-
guinte :
1. De quantos mezes poderia ter sido o aborto
da escrava Minervina, examiada por V. S., a pe-
dido da autoridade policial ?
2.' O recemnascido morto que doitaram no
quintal da casa n. 63 rua da Imperatriz, e que
foi examinado por V. S., poderia ter sido filho de
Min rvina ?
3." Seria possivcl torera atirado o cadavorsnho
da erianca no estado de putrefeceo em que se
achava, da altura de um 1 audar sem se arreben-
tar?
4. Estava o cadver arrebentado ?
Permtta-me V. S. que eu faca o uso que me
convier de suas respostas.
Sou com a maior cousideracao de V. S., muito
atiento venerador, criado e obrigado.Christovao
de Barros Reg.
^a^w^m
PUBLICACOES 4 PEDIDO
Im crime occulb
Deve ter sido arrecadada nestes dias
a quautia de
Rendiraeiito do dia 1 a 10
234*360
2:072*080
2:306*340
Foi rreeadado liquido at boje
l'refoa do dia :
Carie verde a 280 e 400 ris o kios.
SiiuOi a 560 e 50:) re idem.
Carneiro do 640 e 800 ris idem.
fan.ih. de ,3it0 a 140 res a cuia.
Milbo de 280 a 320 ris idem.
Feijao de 640 a 1*280.
Lotera da provinciaA lotera n. 65,
em beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife sur extrahida quando for annunciada.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceiclo dos Militares, se achario expostas as
arase e as emolieras, arrumadas em ordem num-
rica aoreci lo do publico.
Lotera do R|oA Ia parte da lotera
n. 199, do uavo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrahida no dia .. de Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For
tuna rua Prmeirp de Marco.
Tambem acbam se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da corte A 4* parte da 364 lo-
tera da corte, cojo premio grande de 100:000*,
ser extrahida amanbi 13 de Agosto.
Os bilhetes acham-so venda na Casa da For-
tuna roa Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na prac da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera de Macelo de SOOtOOOAOOO
A 3" partes da 11 lotera, cujo premio
grande de 2?0:000*, pelo novo plano, aera ex
trahida impreterivelmente-no dia 17 de Agosto s
11 horaa da manhi.
Bilbates veada na Casa Fstii da praea da In-
dependencia ns. 37 e'39.
Estou no meu proposito de nio aecusar a nin-
guem para defender-me c varrer a minba testa-
da, relativamente ao facto brbaro e cruel de te-
rem deitado urna creanea morta no quiutal da ca-
sa em que m >ro, roa da Imperatriz n. 63, Io an
dar, para onde mudei-me ha 15 dws ; facto este a
que est aujeito o homem mais honesto c mais in-
nocente.
No da 4 do corrente, logo que voltei da casa da
autoridade policial, a quem fui chamar, afin de
providenciar sobre o fecto que ou julguei e inda
julgo criminoso ; alli mesmo, perante o pungente
eadaversinho, vi uina pesaos, para mim d sconhe-
cida, que se approximou e dase para a autoridade
policial: eu sei d'onde parte.isto, tenho o fio para
descobrir o crime, isto p-.ite do Io andar a
Nio me inquietei, nem respond a esta pessoa,
para mim desc inhecida, tanto mais por ter ella
dito que tinha o fio para descubrir o crime ; fim
tambem a que eu desejava chegar. A autoridade
policial tambem Jesej..sa de descobrir o horroro-
so crime, seguio immediatameate em compaubia
da pessoa que me era desconhecida, e eu sub pa
ra minha casa com a alma dolorida e horronsa
da, porm com o meu espirito calmo e tran-
quillo.
Logo depois procurei a mesma autoridade, que
rae dase ter aquella pessoa lbe commuoicado ha-
ver suspeitas de ser a cranla encontrada morta,
filha de urna escrava de minba casa, me decla-
mando mais, a mesma auttridade, ser o com nuni-
cante o morador do 2* andar.
Inmediatamente pus dsposicao da autorida
de a escrava denunciada, para se proceder n'ella
todos os exames e averiguacoes possiveis e imma-
ginaveis na sciencia e as pesquisas dos c.-imes ;
e assim franquiei minba casa -olicia, durante
dois dias consecutivos, com grandisaimos ncnm-
modoa para minha familia, que se achava em tes-
ta pela chsgada da corte de meu genro e de minha
filba, alguns dias an'es.
Entretanto eu j tinha pedido, verbalmente, ao
Sr. Dr. chefe de polica, indepsndente de autop-
sia, desde ante-hontem para dar as mais severas
buscas em todo o predio e mais dependencias da
casa n. 63 da rua da Imperatriz, ao que este dig-
Illm. Sr. Christovao de Bairos Rogo.Passaado
a responder ao conteudo de sua carta supra, rela-
tivamente aos quesitos que nella contm :
Emquanto ao Io : nio posso precisar de que
idade era o producto de concepcio de sua escra-
va, visto c mo nio me foi apresentado ; e o meu
exame eifrou-se apenas em sua e era visada.
En quanto a 2o acha-se prejudicado pela de-
claracao qne fiz no exame por mim proc.-dido
requisicao da polica.
1 -Emquanto ao 3. Pr.ivavclamte nio, visto ser
o terreno argiloso, e a erianca a ser laucad :o
I andar do dito predio seria dilacerada.
Emquajto ao 4o nio. Ap"nas encontrei vesti-
gios de evidente traumatismo.
Orejo ter respondido a sua estimada carta, po-
dendo V. S. fazer de iniuha respasta o uso que lhe
convier. De V. S. amigo obrigado e criado. Re-
cife, 10 886.Dr. Cerqueira Leite.
<-asHs>icig
A0CM)lEft;I0
PROJECTO PARA A FNDA^AO DO BANCO AU-
XILIAR MERCANTIL, SEGUNDO O PLANO
DE SED INICIADOR FRANCISCO AUGUSTO
PACHECO.
Plano
IV
O Banco ser fundado de accorJo com a lei n.
3,150, de 4 de Nnvembro de 1882, sob a denomi-
nacao de Banco l'ivl'iar llore,;n(il, ten
do sua sede na capital do Recife, provincia de
Pernambuco.
Seu fim facilitar, auxiliar o progresso e aug-
mento do commercio da prov'ncia, facilitando as
tranaaccoea da praca e dispensaudo, por meio da
urna gerencia criteriosa, auxilio a todo qualquer
negociante ou individuo, associacoes, estabcUci-
ineutos pblicos, particulares, etc.
A duraclo do Banco ser de 30 annos, prazo
que poder ser prorogado de accordo com o art. 3,
2 da lei n. 3,150, de 4 de Novembro de 1882.
Do capital social
<30 capital ser de Rs. 1,<'00:000*000 dividido em
10,000 aecoes de Rs. 100*000 cada urna, realisado
dontro do prazo de 20 mezes em prestaces nio
superiores a 10% d capital subscripto e com in-
tervallos nlo interiores a 30 das de urna a outra.
Bste capital s poder Mr augmentado por de-
liberadlo da. assembla gcial dos Srs. accionistas,
e rnente no caso de insuficiencia para o fim so-
cial, e no de ampliaclo de operacoes.
Do fundo de reserva
O feudo de reserva ser formado de 5 % dos
lueros lquidos resultaotea das operacoes efecti-
vamente liquidadas em cada semestre, e ser em-
pregado em letras hypothecarias da provincia, ac-
opes ou debentures de companhias ou sociedades
aoonymas de reconhecido crdito e que tenham
oenseguintentsnte, cotacio real.
Logo que o fundo de reserva attingir a 50 <>/,
i
r
1


Diario de Pernamtaicotyotft-feinirvt t Agosto de 1886
do capital, serio toaos os lucros semestraes divi-
didos pelos Srs. aeoionistas.
O fondo de reserva servir par tazer face as
dividas activas reeonhecidameate perdidas ;
quaudo nio bastar para preencher s perdas do
capital, ser este completo com os lucros semes-
tres.
Das opera$3es
A.
O Boceo ter um limite de orsdito para cada
negociante, particular, eompanhtas, bancos, etc.,
de accordo com o que for combinado entre o Ge-
rente e o ConaeHho administrativo. Nos limites do
crdito ter-se-ha muito em considerado o capital
mais on menos provavel do individuo, sus no oes
tidade, criterio e actividade mercantil. Esse limite
em caso algum peder ser levado 4 urna importan-
cia tal qce posa* aftectar a caiza para as peque-
as operacces, as quaes preferiro no Banco, ou
tras de quaesqaer nataresa, sob pena de immedia-
ta responsabilidade do (Jrente e Canse I ho admi-
nistrativo pelo ezcesso do mandato.
ota. Se em inelhorcs pochas, de mais con -
fianta, fui sempre pernicioso o limite de
crdito u'uma cifra elevada, do que re-
sultou tantos abusos e males ao nosso
commercio, presentemente isto serU um
crt'me. Alm d'isto, ases crditos, quan-
do limitados, deve se attender muito :
riqueza da provincia ; ter em attenco se
somente agrcola, ou se tambem indus-
trial; se o seu commercio mais on menos
solido, etc. Infelizmente Pernambuco,
alm de ser sWnte ama provincia agr-
cola, suu agricultura est atrasada e one-
rada. Conseguintemente, o seu commer-
cio se encerra n'um circulo mais ou me-
nos diffieultoso.
Ora, estabelecendo para o nosso plano
bancario um principio todo harmnico, li-
mitar um crdito maier qualquer neg-
mas por intermedio do Dr. juiz municipal, que no
da 2 do correte os apresentou ou mandn apre
sentar Secretaria da Relaciocertidio afl.55 v.
Nesse mesmo dia 2, foram distribuidos polo Ezm.
Sr. coBselbeiro presidente des te Egregio Tri ba-
nal1 j -entretanto no da 8 o jais a evo despa-
ubava, no Brejo, nos segnintes termos, um reque-
rimeoto d > rsaotcente : tendo subido couclusao
o reourso de que trata- o snpplicante nio podem o
autos voltar a sen poder,os documentos de que
trata estio juntos. Brejo, 8 de Asosto de 1886.
Luis de Gusino !
Os autos ja estavam distribuidos no Superior
Tri banal da Relacio e o juis da va a entender ao
recorren te que elles anda estavam em sen poder.
Isto nio se cora menta.
Era tal o empeuho do juiz a quo que remetteu
os autos pelo Dr. jais municipal, cojo interesse
pela solurjio do recurso, resurta claramente das
decieoes a fls. 20 e 49. Alti, disse elle, na justi-
ficacia do recorridoest provado o allegado ;
apui, na juslificacio do recorren tejulgo impro-
cedente a presente justfiesoio !..
Nio procedeu as nullidados argidas.
A mess. foi regularmente constituida pelo 2" juis
de paz, observando-se o disposto nos arta. 98 e se-
guintes do Reg quanto a subttiiucao dos msanos
que nio compareceram.
Pela contcatacio opposta pelos mesaras aos
depaimentos das testemunhas do reiorrido, e bem
assm uela justificacao de fls. 43 e segnintes v-se
que esperou-se at duas horas, cerno manda 0 Re-
glamento, pelos juizes de paz e supplentes que de-
viam comparecer, que smeate depois foi que se
preeneberam as faltas, de accordo com as citadas
d8DCSC8.
E' verdade que depois de lavrada a acta da
installacio da mesa foi apresentado o protesto de
fls. 9, que nao foi aceito para ser all transcripto,
porque estavam encerrados os trubalhos do dia.
Convm notar que os protestantes, certos da
improcedencia de sen protesto, no dia seguinte
Preven^
Previne-se a qaem nteresssr possa, que a rea
comprubendida da igreja ck Beaba at o largo
das Cinco Pontas, eotre as raai das Calcadas e
Vidal de Negrearos, terreno foreiro, pertencente
ao antigo vinoulo Salvador Curado Vidal, coja
successora trata de babilitar-se para haver os
respectivas forose qaem assim das terrenos entre a
igreja do Espirito Santo 8. Francisco e Rosario
como melhor expliear-se-ha na ra da Penha n.
2o, loja.
Aviso
m.tar um creaiu raaior a qualquer neKo- 'ar eceram cieico e ahi votoram cem todos
oante ou individuo, alm de ser um per- oa correiigionarios, o que nio acontecera si
fe.to contraste, resaltara em preju.zo do inscienda de que era nullo o pro
Banco e do commercio menos abastado.
Dizemos em pn juizo do Banco, porque
as pequeas tranaaccoes sio mais lucra-
tivas ; e em prejaizo do commercio menos
abastado, porque nio attingiria o Banco
o fm a que se prope.
Podenamos declinar mnitas outras ra-
zoes; mas acharaos suficientes as que fi-
cam consignadas.
B
Constitnem operacej principaes do Banco as
seguint. s :
Descontar letras ; contas firmadas com prazos
determinados, cujo lapso de tempo para o venci-
mento nio exceda de 6 meses ; letras de cambio e
quaesquei titules pblicos ou commerciaes or-
dem e com prazos fixos pagaveis u'esta cidade,
dentro do Imperio e no estrangeiro.
c
Receber quantias em conta corrente (conta de
movimento) para serein retiradas em cheques ao
portador ou ordem, estab lecendo-ae um juro
reciproco conforme for coovencionado, at a quan-
tia de 10:00-'000, nao pagando o Banco jaro al-
gum alm desta quantia.
ota. E realmente, attendendo as c'rcumstan-
cias p1 culisres do nossa praca, seria um
erro financeiro establecer juro reciproco
em urna conta de movimento, sem um li-
mite.
Isto poderia dar lugar s dara certa-
mentea muitos embaracos ao Banco,
que em rrgra, deve man ter em seus cofres
capitoes pecuniarios equivalentes tota-
lidade dessas centas ; porquanto, sendo
ellas de movimento (isto sem prasos fi-
xos) deve estar preparado ao prompto
pagamento dos cheques, como a propria
palavra o indica.
Precisamos acostumar o nosso pequeo
e grande commercio a ter o seu banqjei-
ro, irardando depositar no Banco todo o
seu dinheiro e retira I o na proporcio do
necessario para, os seas comproinissos,
fazendo esea operaeio por meio de che-
O.UBS, porque desta maueira, alm de pou-
par ssasi tmbalho, hbilita-os a gaiihr
crdito, j para com o seu credor, j para
com o Banco, e poder dizer eu tam
bem t.-nho o meu Bauqueiro !
E' sob este ponto de vista que estabs-
leceinos um juro reciproco na cont de
movimento at aquelle limite, porque o
interesse, por pequeo que seja, vale
mais do que a forca dos argu .entos l-
gicos.
E, alm de tudo, urna iustituicao ban-
earia nao tcm por objectvo dar somente
dividi-n.io aos seus accionistas; deve
tau-beiD moralisar e educar, e assim nio
s da. lucros directos como indirectos e
em grande copia.
Na conta de movimento (conta correte) podem
entrar logo a crdito o liquido dos descontos.
ota. Queremos demonstrar bem claramente
quanto u'il ao negociante ter urna
conta correntn 'um Banco. Ao passo
que, em muitas occasioes desconta 2, 3
ou 4 contos (tal seja o valor do titulo)
muitas veces porque entao s prec
sa de um, e que s dabi ha alguns
das precisar de mais; teudo urna conta
corrente com o seu bauqueirc, e que esta
venen um juro, por pequeo que seja,
elle sent que nao pagon na realidade a
importancia total do descont, porque
vencendo o premio em sua conta corren-
te, paga somente o descont total pela
quaatia que retira.
" (Contina.)
Tribunal da Relajo
Recurso Eleitoral
RECBRENTE O capitad Geminiano do Re-
g Maciel.
recorr aoAntonio Carlos dos Santos,
Merguihfto e o juizo de di
reito da comarca do Brejo.
0 eleitor Antonio Carlos dos Santos Mergulbio
reclamou perante o juizo de direito da comarca do
Brejo, contra a validade da eleicio a que se pro
ceden no dia 1 do mez prximo passado, ha igreja
de S. Vicente da Serra do Vento, para vereadores
e juizes de paz, allegando que a mesa eleitoral
tora iliegalinente eonstituida e que os trabalbos
eleitorees foram coDcluidoe a neite, em casa dei{
Francisco Xavier, sendo a acta assignada no dia
4 do mesmo mez. Acerescendo anda que a acta da
installacio da mesa e a transcripcio da da eleicio
foram lavradas por um escrivio inteiino, que in-
competentemente funecionou, por estar no aistricto
o effectivo.
Eis es fundamentos da reelamacao, julgada pro-
cedente pela sentenca de fl. 28, da qaal recorreu
para este Egregio Tribunal o capitio Geminiano
do Reg Maciel.
Antes de demonstrar a parcialdede com que
proced u o juiz quo, nspirando-se nicamente
no sentimento poltico e a improcedencia dos fun-
damentos em que baseou a sua decisio, cutnpre
observar que nullo o processado por ter sido o
recurso interposto antes da apuraco final de que
falla o 1 do art. 216 do Reg. n. 8,213 de 13 de
Agosto de 1881.
Segundo esse artiga o juiz de dinito somente
pode usar da attribuic> de conhecer a nuliidade
on validade da eleicio de /creadores em virtude
de reclama;io que llie for apresentada dentro do
praso de 30 dias, contado do dia da final apura-
f&o de votos.
E' final apuracaj, diz aiuda o 1 do citado
art. 216, quanto eleicio de vereadores a que se
refere o art. 21, isto u apuracio geral feita
pela Cmara Municipal
Ora, tendo sido apresentada a reclamacio antes da
apuraco final, quando s existia a apuracio feita
pela mesa eleitoral da igreja de S. Vicente, in-
contestsvel que della nio poda conhecer o juiz a
quo, que deva mandfj que oreclamante aguardas-
se a occasio "pportuna, isto a apuraco final.
Se a reclamacio fosse restricta eleicio
de juiss de paz, pedia ser apresentada .logo de-
pois da apuracio da mesa, porque esta i a final de
qae falla o art. 2- 7 do R- gimento; mas, compre-
hendendo a eleicio de vereadores, nio poda ser
apresentada sem que a Cmara Mauicipal tivesse
ftito A apuracio final.
O jniz a quo preoedeu parcialmente.
Receben a reelamacao uo dia 16 de Julho e no
dia seguate proierio a decisio reeoida No dia 26,
segundo v se do termo a fls. 5a, foi publicado o
despacho sustentando a decisio resorrid*; no dia
27 fez-se o recurso dos antos, nio pelo correio,
que era nullo o pro
cesso eleitoral.
Segundo v se da acta da eleici* a fls. teve el-
la lagar na igreja de S. Vicente, e ahi conclua-
se todo o processo eleitoral. O qae as testemu-
nhas do recorrido dizem, que um mesario assig-
ou a transcripcio no livro de notas, dias depois
da eleicio, o que, mesmj sendo verdade, nio im-
porta nuliidade.
Da certidio a fls. 42, pnssada pelo escrivio ef-
fectivo, Antonio Roque de Siqaeira Cavalcante,
v se que elle estava ausente ; se havia retirado
para fra da comarca : e assim regularmente in-
terveio o escrivio uterino Jacintho Augusto de
Castro Nunes, em cujo poder se achario os com-
petentes livros.
Sommados os votos que tiveram os differentes
cdadios suffragados, v-se qae nao ha difierenca
para mais no numero obtido, como afirma o
juiz a quo. Comparecern! 36 eleitores. Os votos
dados para vereadores sommam 36, e os votos para
juiezes de paz 144, porque cada eleitor vota em
quatro u m;s.
JustificoU'Se que nio foi convocado o eleitorado
para a elei?o, diz i juiz a quo.
A validade ou nuliidade de urna eleicio nio po-
de estar merc de juatifica^oes. As testemu-
nhas do recorrido foram os tres signatarios do
protesto de fls. 9 e tres eleitores qae votaram no
Brejo, segando v-so da certidio a fls. 51, e ^ue
nao obstante, vi erara jurar sobre factos passados
em distancia de mais de tres leguas do lugar em
que se achavam.
Com testemunhas desta ordem o que que nio
se justifica?
Convm notar que ao passo que o promotor ad
hoc uio acbou urna pergunta para fazer a qual-
quer das teti'inuuhas do recorrido, reperguntou
todas as testemunhas do recurrente, obedeceudo
assim fielmente s ordens que bavi-i recebdo.
Em vista do que consta dos autos, de esperar
que o Veneranda Tribunal da Relacio di prov-
mento ao recurto para considerar valida a eleicio
annullada pelo despacho recorrido.
REQUBBIMEirrO
Illm. Sr. Dr. juiz de direito d* comarca do Bre-
jo.0 capitio Geminiano do Reg Maciel, te.ido
recorrido do despacho pelo qual V. S. annullou a
eleivio do dia 1 de Julho findn, no collegio de
Serra do Vento, do districto do Poco, e nao tendo
o escrivid Bastes concedido ao suppicante os ;:u-
tos de recurso para numerar as folhas dos docu-
mentos que apontou o suppicante em seu recur-
so, por aso rrquer a V. se digne mandar que
Ihe sejam fornecidos os indicados autos de re-
curso, afim de qne o suppicante possa numerar
as folhas dos documentos queinat'Uiram seu r< cur
sn, os quaes sao os s>'guintes : um atistalo do
Io juiz de paz Theotoni Jos de Almeida, outro
do 3 juiz de paz Antonio Rodrigues Lima, outro
do 4 immediato em votos ao 4 j uiz do paz Fran-
cisco Borges de Torres Galindo, urna certidio do
escrivio de na de Serra do Vento, Ant nio Ro-
que de Siqaeira Cavalcante, urna certidio do se-
cretario da Cmara Municipal, Manoel Beato de
Carvalho Lmar, e urna jus'ifica^io que prestou
o suppicante em favor da validade da indicad*
eleicio de Sena do Vento. Pede deferimento. E
R. M.
Cidade do Bn-jo, 3 ie Agosto de 1886.Gemi-
niano do Reg Maciel.
Tendo subido conclusaa o recurso de que tra-
ta o suppicante. nao podem os autos voltar a seu
poder; os documentos de qne trata estio juntos.
Brejo, 3 de Agosto de 1886. L. de Guimares.
Keeonhec i a firma retro, dou f. Reeife, 10 de
Agosto de 1886. Em testeraunbo de verdade (sig-
nal) o tabelliio publico inteiino, Joao Presciliano
da Costa.
O Br. E. O ajelan Bntet Madiesjkpela
Faculdade de Medicina de Pars.
Condecorado com amelalha dos hosptaes.
Socio eorrespondene : das Academias de Medi-
cina do Rio de Janeiro e de Barcelona ; da So-
ciedade de Medicina pratica de Paria e da Socie-
dade Francesa de Hygiene, ex-director do Museu
AnatomoPatolgico da Faculdade de Medicina
do Ro de Janeiro, tem a honra de prevenir o pu-
blico que durante a sua estada em Pernambuco
fica a dispjsicao dos doeutes que dcaejarero hon-
ral-o com a sua confianca.
Chamados e consultas de 1 s 3 horas da tarde
at novo aviso: na hospedara de D. Antonio
(Caminho Novo).
Especialidades : molestias das vas respirato
ras, coraeao, estomago, ligado, etc., molestias
nervosas e ayphilticas.
Recife, 6 de Agosto de 1886.
Expsito sol-americana em
Berlim
A commissio encarregada de agenciar produc-
tos n'esta provincia para aquella erposicao, enca-
rece as pebsoas que quizerem conconer a ella, que
se dignem dirgil-os at o dia 12 do corrente pa-
ra o escriptorio dos Srs. Leal & Irmio ra do
Mrquez de Olinda n. 56, fiado o qaal prazo a
commissio nio recebe mais nenhum producto.
Recife, 9 de Agoste de 1886.
Andr M. Pinheiro,
Secretario.
CLNICA.
de parln, moleatlasi de ornboru
e de rrlancas
Dr. Joio Paulo, medico aggregado do hospital
Pedro II, 'i'esta cidade, com pratica e estudos es-
pecaes as principaes maternidades e hosptaes
de mulheres e de crianzas de Pars e de Vienna
d'Austria, faz todas as operaces obsttricas e o-
rurgicas concernentes as suas especialidades.
Consultas das 12 s 3 horas da tarde, na roa
larga do Rosario n. 26, primeiro andar.
Residencia. Ra ca Imperatriz n. 73.
N. 10 Recommenda-se a Emulsao de
Scott aos doentes do peito, da garganta e
dos pulrnSes; aos anmicos, debis e es-
crofulosos, e a todos os que precisem de
nm bora reconstituate.
A EmulsSo no tem igual para reparar
as forjas dos debis e enfraquecidos.
MEDICO
O abaixo assignado, que at agora asslgnava-se
Dr. Silva Britto,previne a seus collegas e ao
publico, que, para evitar confusoes, que j teem
havido, por exercer nesta cidade, onde bastante
conhecido com o ultimo termo d'aquelle apellido,
um outro collega mais antigo, previne diz, qne
d'ora em diante assignar-se-haDr. Joio Paulo.
Recite, 1 de Agosto de 1886.
Dr. Jo&o Paulo da Silva Britto.
Dr.
Medico, parleiro e operador
Residencia ra da Imperatriz n. 48, 2.- andar.
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da manni s 2 da
tarde.
Attende para ss chamados telephone n. 449 a
qualquer hora.
m:
Escola particular
{}
Mara do Anjos Dornellas Cmara,
proft.ssora particular, contiua a lee
cionur, na casa de sua residencia ra
Duque de Caxias n. 70, 2' andar, as
materias qne c.naiituem a icstruccao
primaria, e os trabalhos de agulha e
bordados. O exercicio d'este por espaco
de mais tres anuos um garante de
suas hsbilitacoea. e espera merecer dos
pais de familia a subida honra de lhe
confiarem suas filhas.
A' tratar na casa cima.
i
{]
;:^-~^J5
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio roa do Bom Jess n. 30.
Consaltas de meio da j 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Un ci'inie oceulto
Cons'a-nos que do inquerito a que ae
procedeu sobre a ai-hada do cadver de
ac recem nascido no quintal do predio n.
63 da ra da Imperatriz todos, oa indicios
e provas colhidas sao no sentido de terse
dado o facto no i andar do referido pre-
dio.
Em taes condicSes parece que o inquili-
oo do Io andar, em vez de vir encapotado
declarar por este Diario que ae verifi ;ou
pelo alludido ioquerto nSo ae ter dado all
o facto, devia fazer o que o fez o morador
do 2 andar, que provocou a polica e o
orgo da jostica publica, como ae v do
Diario de 8 do corrente, pag. 3, pro-
oederem s mais severas investigantes e
exames em sua propria casa.
Uo entretanto, o Sr. Christovao do Reg
Barros, que tem familia, que tem flbas
olteiraa, em cuja casa rasa o inquerito
ter-se dado um parto e um aborto, sendo o
aborto de ana molatinka escrava, lera se
saber de qnem foi o parto, e que fira teve
o fructo delle, nao se meobeu, nao provo
cou urna diligeuoia sequer que viesse ao
mesmo tempo guiar a policia em suas pea
quizas e por salvo a digoidade e hon
ra de sua familia.
Porque S. S. nao requereu ou nao re-
quer sem perda di tempo um exame as
pessoas ae sua familia, emquanto nao de-
correr o tempo em qua os vestigios do cri-
me, terao de vir extinguir-se ?
Nao comprebender S. S. que tado isso
altamente deprimente de seus presumi-
dos brioa do pai de familia 1
Quem sabe ae a polica e o orgfto dajus
tica publica nao acudirao anda provoca
cao qae lhe fe o morador do 2o andar, o
Sr. Asseno Minervino Meira de Vascon-
cellos, porque Ibes falta igual provocacao
da parte do Sr. Christovao do Reg Bar-
roa?
Se o Sr. Christovao do Reg Barros a
nada se mover, crea contra si urna pre-
sumpc&o de criminalidade qae, s por si,
e quaudo faltarem todos os dados do in-
querito, autora ajustica pablica res-
ponsabilisal-o pelo horripillante crime, que
da uatureza daquelles que a originam na
dapravfcco dos costumes.
Esperamos pelo que apparece.
Perguata ImportanUmnimasj para
enfermoi
8 por acaso visseir que nm perigo eminente
vos aceres va, seperss-isis volantariamente qne o
seu contacto inevitavel vos privasse da vida? Be
urna grande e calamitosa innndaeao vos ameacas-
;. porventu-a fiearieis quedos e tranquillos at
que a mesma ves viesse arrebatar? Por eerto que
nio! Sabis, pois, que se nio faseis caso de ama
tosse, de ntn cstarrho, ou de urna dr de garganta,
isto poder se-ha tornar to fatal como uro ineendio
ou ama nundacao.
Cada um accesso ou paroxysmo violento de toa-
se, um golpe que debilita e prostra vossa vida.
Sede, pois, prudentes e precavidos contra o perigo,
manindo -vos immediatamenle do rauravilhoso pe-
toral de Anaaahuita. Em suas qualidsdes calman-
tes e salutferos se encontra a verdadeira segu-
ranza e a propria vida.
Nea a tosse, nem as nflaramneoes da garganta,
nem as cuistipacoes e catarrhos, nem a asthma,
nem a rritacao dos pulmoes; finalmente nenhuma
enfermidade pulmonar, prscursora di tyaica con
firmada, podem resistir sua poderosa influencia
curativo; o sen poder immenso, o sen valor
impitgavel.
i Cmo oasantia contra as falsificacoes, obsrve-
se bem-qne os nomes de Lamman & Kemp venham
estampados em lettras transparentes no papel do
livrinho qae serve de envoltorio cada garrafa.
Aeka-se venda em todas as boticas e tojas de
perfumaras.
Agentes era Pernambuco, Heorv Forster A C,
ra do Commercio n. 9.
Nenhuma das agaas floraes at hojs fabricadas
se igualam Agua Florida de Barrv.
tao superior a qualquer dos artigos deste nome
como o ebeiro natural da fina rosa ao de agua de
colonia ordinaria A formula porque feita a
mais antiga que existe e originada em urna poca
em que o objeeto principal era manufacturar o
melhor producto possivel, ao contrario do-que suc
cede h je que o grande objecto dos fabricantes
a barateza da produeco.
Licor depurativo vegetal Mi"'.*
DO
Med o Quinte.la
Este notabilissimo deparante que vem precedi-
do de tao grande fama infallivel na cora de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheumaticas
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, inflamma-
c8es vsceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, otes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia on qn.da
do eabello, e as doencas determinadas per sata
ra^an mercurial. Do-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
especifico nos hosptaes pblicos e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Fas-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinhs & C.
Ra do Marques de Olinda n. 41.
Oculista
Dr. Ferreira -a Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o seu consultorio e residencia ra
Livramento n. 31. Io andar. Consultas de 11 tu-
ras da manh s 2 da tarde. Chamados por es-
eripto a qualquer hora. Especialidade :febres,
parios e molestias de criancas.
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas cdustriaes e rtulos das
suas preparayes na junta commercai do Rio de,
Janeiro de confe rnv.dade eom as prescripcoes das
leis do imperio do Brasil, declaram e participara
aos interessados, que como nicos propietarios,
tem direito exclusivo de asar as marcas indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura,
fabricavao e venda das s guio' es preparares ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pattilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemr
Emulso de oleo de figado de bacalho com hy
pophosphtcs, de Lanmam & Kemp.
Salsaparnlha de Bristol.
Extracto duplo de avelera mgica de Bristol, e
ungento de avelera mgica de Bristol,
e que, portante, perseguirn a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados com teda
a severidade da le.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquelles qae intentara substituir as nossas prepa
racoes cima mencionadas com artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas industriaes que imi-
tara as nossas.
Lanman & Kemp.
G, HeckmaM i
Usinas de eobre, iatao e bronze ee d
Grolitzer fer n. 9. Berlim S. O.
Espeealldade:
Cottstrucfo de machi-
pas e apparelhos
para frnicas de assucar, destillafSes e re-
finac5es com todos os aperfegoamentos
modernos.
INSTALLACAO DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimento filial na Havana sob s
mesma firma de C Heckmann
C. e San Ignacio n. 17.
laicos representantes
Haupt GebruMer
EIO DE JANEIRO
Para informa5es diaijamse ai
Polilman &C
M do Gommeroio n. 10
Factos e nao palavras
Aos que se desejam tratar sem comprometUr a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das segaintes moiestias : asthmatico,
ainda mesmo bronchitico; erysipela, enxaqoecas;
internitentes (sem o emprego do fatal qninino) ;
tosse convulsa, falta de menstroacao ; cmaras de
sangue : estericos ou metnte ; dores de dentes oa
nevralgias, metrorragia ; vermfugos, dentico e
convulsoes das criancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratamse escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos.
Conoltorio medico-eirnrgico
O Dr. Estevio Cavalcante de Albnqaerque con-
tinua a dar consulte uiedico-cirurgicas, ua ra
do Bom Jess n. 20, Io andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Parase demais consulta visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
o. 53, 1 andar.
s. tipioiuii : 1) onsaltorie 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacas,
Nd'nltt taseus annexos.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu
Hita, ex-chefe de clnica do Dr. de
Weeker, mudou seu consultorio, do 2.*
andar da casa n. 45 roa do Bario da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde. Residencia
ra Setc de Setembro n. 3 A.
.}
HKDKO
T.-m o sen escriptorio a ra do Marques de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e criancas.
EITAES
Bdital n. 744
De ordem do inspector geral, f ao saber ao pro -
fessor Manoel Jos da Cmara, da cadeira da
Varzea Redonda, qne lhe fica marcado o pras > de
15 dias para responder sobre o abandono da sua
cadeira, visto ter deixado de reassumil-a depois
de fiada a hcenca obtida, e haver decorrido mais
de seis meses fra do exercicio della.
Secretaria da instruccio publica de Pernambu-
co, 6 de Agosto de 1886. O secretario,
Pergentino S. de Araujo Gralvlo.
O Dr. Thonaaz (jrarcez Paranhos Monte-
negro comrcendador da imperial Ordem
da Rosa e juiz de direito especial do
commercio d'eata cidade do Recife, ca-
pital da provincia de Pernambuco por
Sua Magestade o Imperador a quem Deus
guarde, eto.
Fufo saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tiverem, que se acha designado o da
12 de Agosto prximo futuro, ao meio da, na sala
das audiencias, para ter lugar a reuniio dos cre-
il.res da masan fallida de Manoel Carpinteiro &
Sousa, afim de tractor se da verificacao dos ere*
ditos, deliberar se sobre a proposta do coacordata
(se for apreseotoda) cu furmar-e contracto de
uniao, nomeando-se administradores na forma i a
Jei; ficando certos os credores de que s ser ad-
mittido como procarador, aquelle que exhibir pro-
curasao especial para o acto, nio podeodo ser esta
conferida a devedor do fallido ; e ainda de que,
prevalecer a resolucao da maioria, que dever re-
preseatar dous tercos do valor dos crditos, sujei-
tos aos effeites da concordata para assim ser va-
lida.
E para que cfaegne ao coutostmento de todos
msndei passar o presente edital qae ser publicado
pela imprensa, e outro de igual theor que ser af-
fizado no lugar do costme, de qne se jactar cer-
tidio aos autos.
Dsdo e passado nesta cidade dosRecife de Per-
nambuoo, sos 8 dias do mes de Jalao d auno de
Nosso Sanhor ds 1886.
Eu, Jos Fraaklin de Alencar Lima, o suhs-
crevi.
Thonuu Garcez JParanhot Montenegro
Edi'al n. 13
' praea
De ordem do Illm. Sr. inspector, se fas publico
qne s 11 horas do dia 14 do torrente mez ser
vendido em praca no trapiche Conceieio, u n bar-
ril marca M&C e contra marca P, n. 204, contan-
do fumo grarainas, vindo do Havre no vapor franeez Ville
de Baha, entrado em 7 do mes de Julho ultimo,
abandonado aos diretos por Meurou & C
3* seccao da alfandega de Pernambuco, 11 de
Agosto de 1886.O chefe,
Cicero B. de Mello.
DECLARACOES
Recife Drainage
Relacao dos concertos feitos no? apparelhos
no mez de Julho do corrente anno, de
conformidade coro o art. 10 do contrac-
to e 2o do art. 15 do regulamento de
12 de Janeiro de 1872.
Freguezia do Recife
Mrquez de Olinda n. 10 3*080
Dita n. 30 2*640
Dita n. 38 4*400
Dita n. 55 2*640
Bom Jsns n. 20 14*740
Dito n 40 24640
Dita n. 58 2*640
Dito n. 23 2*640
Dita n. 37 7*140
Dita n. 47 2*64' i
Commercio n. 11 2*640
Dita n. 17 7*900
Larga do Corpo Santo n. 2 2*640
Dte n. 13 2*640
Dito n. 15 2*640
Vi gario Thenorio n. 24 26*180
Dita n. 31 14*740
Travesaa da Madre de Deus n. 2 2*640
Amorim n. 15 22*640
Dita n. 25 2*640
Dita n. 31 l*72o
Dito n. 33 2*640
Moeda u. 41 2*fi40
Tuyuty n. 13 3*64G
Madre de Deas n. 30 2*640
Domingos Jos Martins n. 78 2*640
Dita n. 126 2*810
Travesea de Domingos Jos Martins >. 2 2*640
Restaoraco n. 34 3*060
Dita n. 55 16*950
D. Maria Cesar n. 9 2*640
Vuconde de Iteparica n. 24 16*700
Dita n. 33 2*640
Pharol n. 56 2*640
S. Jorge n. 74 12*30
Dita n. 114 14*740
Dita n. 79 14*740
Guararapesn. 74 3*080
Dita n. 5 35*800
DiU u. 55 2*640
Travessa o Occidente n. 5 2*1^0
Bario do Triumpho n. 84 7*900
Freguezia de Santo Antonio
Imperador n. 54
2*640
Dito u. 55 7*460
Dita n. 71 1*520
Dito n. 75 3*^,60
Dita n. 81 3*960
Duque de Caxias n. 2 2*640
Dita n. 4 2*640
Dita n. 18 7*140
Dita n. 72 12*320
Dita n. 74 2*640
Dita n. 82 13*860
Dita n. 86 1*520
Dita n. 88 2*760
Dito n. 35 2*640
Cbug n. 7 9*020
Dita n. 11 4*720
Bario da Victoria n. 28 2*640
Dita D 11 4*310
Dita n. 23 8#7W
Dito n. 31 6*700
Dita n. 35 2*640
Dita n. 49 2*610
Dita n. 65 7*020
Trincheiras n. 6 24*26,
Dita n. 42 7*460
Dita n. 1 24*090
Travessa das Crnzes n. 2 18*680
Dita n. 16 5*920
Largo do Paraso n. 29 12*320
Dito n. 35 11*320
Lhrga do Rosario n. 38 2*640
str ita do Rosario n. 24 7*400
Dito n. 26 4*560
Dita n. 36 7*900
Dita n. 38 18*080
Dito n. 21 4*560
Dito n. 31 2*640
S. Francisco n. 30 7*180
Dito n. 50 8*740
Joe do Reg n. 11 2*640
Dita n. 13 2*640
Campo das Princesas n. 15 2*610
liba do Carvalho n. 39 2*640
Roda n. 42 2*6.0
Travessa dos Quarteis n. 13 4*560
Calabouco Velho n. 33 2*640
Becco do Calabouco n. 40 4*760
Travessa dos Expostos n. 16 2*640
Dita das Flores n. 3 2*640
Paulino Cmara n. 29 10*710
Primeiro bacco da Camba u. 6 2*640
Penha n. 9 7*220
Dito n. 19 4*360
Dito n. 27 2*640
Visconde de Inhama n. 18 2*640
Dita n. 28 6*820
Dito n. 11 34*700
Dita n. 73 2*640
Pd.oAffonson.3 2*64
Dita n. 33 2*640
Nova da Praia n. 40 2t4o
Primeira travessa da Praia n. 9 9*520
Marciho Das n. 42 6*820
Lomas Valentinas n. 22 3*960
Coronel Suassuna n. 24 4*660
Vinte e Quatro de Maio de Maio n. 11 2*640
Dita n. 15 2*640
Travessa da Coneordia n. 10 2*080
DiU n. 18 10*100
D.ta 34 2*640
Palma n. 14 5*280
Dita n. 72 46J500
Dita n. 27 2*640
Dito n. 71 13*420
Mrquez do Herval n. 33 "~~ 7*100
Dita n. 73 2*640
DiU n. 93 2M0
Cadeia Sova n. 1 8 840
Nova da I raa (apparelhe publico) 2*640
Marques do Herval (apparelho pu-
blico) 15*430
m 8. Jos
Marcilio Dias n. 88 2*640
Dts n. 94 2*640
Coronel Suassuna n. 102 16 2860
Dita n. 108 2*640
Dito n 142 15*600
Dita n. 190 2*640
DiU n,51 42*130
Dita n 121 3*080
Dito n. 161 8*060
Marques do Herval n. 215 9*220
Travessa do Pocinho n. 1 M*34:
Das Cardoso n. 10 740
Dita n. 82 2*640
Dita n 88 7*620
Dita n. 15 1*520
Vidal de Negreiros n. 20 3*960
Dita n. 52 2*640
ita n. 206 10*100
Dito n. 1 3*080
Dita n. 87 2*640
Dita n. 141 12**U)
Dita n. 149 2**>
Frei Henrique n. 1 2j*6*
Dian.9 4W00
Dique n. 12 3*080
Dita n. 28 3*080
Travessa do Forte a 1 2**>
Travessa do Prata n. 18 12*320
Assumpcio n. 8 2*o40,
Dita a. 34 8*820
Domingos Theotonio n. 36 2*640
Dte n. 44
Padre Floriano n. 70
Dita n. 25
Diu n. 67
Jatdim n. 16
Nogueira n. 4
Santa Rita n. 10
Dita n. 13
Nova de Santa Rita n. 42
Dita n. 56
Paseadores n. 28
Dita n. b
Largo do Mercado a. 1
Travessa da Mairiz n. 14
Boa-Vista
Imperatris n. 14
DiU n. 84
Visconde de Pelotas n. 1
Visconde de Alubuquerque n. 8
vconde de Aibu^uerque n. 28
Dita n. 37
Dito n. 77
Dita n. 129
Aurora n. 17
Dita n. 41
Capibaribe a. 46
Ponte Velha n. 96
Dita n. 9
Dito n. 36
Conde da Boa-Vista n. 25
Dita n. 31
Riachuelo n. 31
Dita n.56
Uniao n. 9
Saudade n. 12
Hospicio n. 69
Rosario n. 37
Gervasio Pires n. 51
Dita n. 63
Dito n. 48
Dita n. 52
Travessa da ra de Gervasio Pires n.
Ataiho n. 13
Socegon. 52
Dita n. 68
Principo n. 4
Santa 'rus n. 34
Dita n. 15
Coelbos n. 10
Hospital Pedro II n. 4
Travessa dos Cocios n. 1
Coronel Lamenha n. 3
Dita n. 21
Tra /casa do Veras n. 6
Dita n. 14
Travessa da Mangueira n, 1
Leio Coroado n. 28
B. de S. Borja n. 11
Dita n. 53
Travesssa do Palacio do Bispo n 12
Recite, 10 de Agisto de 1886.-
J. Dowsleg Jnior.
S40-
8*260
2*640
2*640
2*640
"H 640
7*080
4*660
2J640
2*640
2*640
16/320
4*560
1*100
2*640
2*640
2*720
2*610
3*960
2*640
19*360
12*130
26*320
3*960
3*060
32*820
2*640
135800
6*820
3i)G0
3*960
2/640
28*200
2*540
2*640
1030
2*640
2*640
2*640
2*640
4*960
2*640
2*640
32*560
2*640
2*640
2*640
4*860
KW480
2.640
8*640
11*460
14*740
3*960
3*560
8*540
5*280
3*960
2*640
O gerente,
19
O procurador dos feitos da fazenda provincia!,
tendo recebdo do thesouio provincial a relacio
abaixo transcripto dos contribuintes que deixaram
de pagar no tempo competente o imposto de
classe, casa de vender fazendae em grosso on a
retalho, do exercicio de 1884 a 18?5, declara que
Ibes fica marcado o prszo de 30 dias, a coutar da
publicacio do presente edital, para recolberem a
mportancia de seas dbitos do consulado provin-
cial, certos de qae, findo o referido praso, prec-
dela cbranla ejecutivamente.
Recie, 10 de Agoto de 1886. Miguel Jos
de Almeida Pernambuco.
Bclaco don devedores do impsMto
de rlasse, canas de vender fazen-
daa ena grosso on a retamo* do
exercicio de 1S84 a 188.
Classe n. 1
Cabug n. 6Antonio Francisco dos
Santos 176*400
Imperatriz n. 40-Alheiro & Silva 378*000
M. de Olinda n. 6Antonio de Oliveira
Maia 882*000
L. do Rosario n. 36Bellarmino Jos
Pinto Ozorio 126*000
Caes Vinte Dous de Novembro n. 52
Borba Coutinho & C 132*300
Iahma n. 18-Collaco & C. 44*100
Primeiro de Marco n. 17Domingos
Jos Antunes Guimaries 167*400
Largo do Corpo Santo n. 25Ferreira
& Irmaa 378*O0q
M. Das n. 51Galvio A C. 126*000
Marqu-z de Olinda n. 62GoDcalves
Irraao & C. 2:646*000
ImtvTHtrz n. 70Joao Candido Mar-
tins Pereira 88*200
DiU n. 52Joio Francisco Paredes
Porto 152*000
Duque de Casias n. 86Jos Barrtto
& C. 37850'O
Di a n. 88 Joio Luiz Pimentel & C. 304*000
Livramento n. 32-Joio Rodrigues de
Moara 175*000
Mrquez de Olinda n. 48Jesumo
Alves Fernandes 617*400
Inhama n. 17Mansel Tavares & C. 189*000
Duque de Casias n. 47Marques &
Pereira 126*000
Dita n. 71Manoel Alves Correia 378*000
Dita n. 48Mmta Silvera & C. 504*! 00
Cbug n. 18 -Paponla & C. 252*000,
Primeiro de Marco n. 25 ARamos &
Irmio 167*000
Duque de Caxiasn. 71Rozendo&Ta-
vares 126*000
Dito n. 65 Salvador Jos Ferreira
Guimaries 189*000
Dita n. 66Sobrinho Carvalho & C. 167*400
Miudezas, ferragens, em grosso e a retalho
classe n. 2
Bario da Victoria n. 6Antonio dos
Santos Oliveira 102*800
Dita n. 5B. A. Soares Leite 52*920
Duque de Caxias n. 109-Costa & C. 75*600
M. Das n. 82Daniel Francisco Pi-
nheiro 75*600
Duque de Caxias n. 56Decio Augusto
Rodrigues da Silva & C. 102*800
Mrquez de Olinda n, 11Domingos
Manoel Martins 105*840
L. do Rosario n. 38Damiio Aderito
Ferreira Lima 181*440
M. Dias n. 100Florencio Ferreira de
Carvalho 25*200
Imperatriz n. 4Francisco Heleodoro
da Maia 25*200
Primeiro de Marco n. 7 Ferreira da
Costo &C. 52*920
B. da Victoria n. 26Ferreira Lima
& Braga 88*200
Travessa do Corpo Santo n. 25Fer-
reira & Irmio 205*000
M. Dias n. 86J. A. F. da Gama 25*200
Imperatriz n. 74-Joaquim Francisco
das Chagas e Silva 52*920
Duque de Caxias n. 74Jacintho de
Azevedo & C. 114*400
Dito n, 111Maia, Ramos & Santos 102*800
B. da Victoria n. 33Manoel Botelho
Machado 102*800
Duque de Caxias n. 77 A. Pedro Maia
C. 105*840
B. ds Victoria n. 17Pedro Emilio Ro
b-rto 141*120
Duque de Caxias n. 105Santos Silva
& a 25*280
B. da Victoria n. 12Salustiano Mar-
tins & C 88*2C0
Travessa do C. Santos n. 23Teixeira
Coimbra & C. 141*120
Armazem de gneros de estiva<^classe n. 3
89*988
113*400
113*400
85*317
114*254
152*343
Amorim n. 48Dias Pinheiro & C.
Dita Joio Rogerio Nunes da
Costa
Dita n. 54Joio Francisco da Costa
Largo da Alfandega n. 7Lebre & C.
Madre de Dos n. 6Monteiro & C.
AmorimManoel T. da Costa Ribeiro
Armazem de vender em grosso bacalhoClasse n. 4
Cae da Alfandega n. 3. Seixas & Ir-
mio 1:910*559
Armse de vender em grosso farinha de trigo
Classe n. 5
Caca do Apollo n. 77. Jos Daarte das
Neves Jnior
Consignacoes= Classe n. 6
Imperatriz n. 42. Alheiro Oliveira & C.
Largo do Corpo Santo. Alberto Vaz & C.
dem dem. Bernardio G. de Carvalho
& C.
Commercio n. 20. County dr C.
Travessa da Companhia Pernambucana
n. 18. Fredenco S. Saboia
Bom Jess n. 30. Ferreira Cascio &
Filho
Travessa do Vigario n. 5. Francisco
Goncalves Torre*
dem. Francisco B. (J. Lobo
Commercio n. 15. Gustavo G. Antnns
dt C.
211*680
152*119
314*238
304*288
456* 22
152*119
53*241
152*119
152*119
152*119
-*-:--...'*# rt
1 muN
-*;
$


. *
f
151*119
76*059
152fU9
226*960
152*119
226*960
152*119
152*119
912*668
34*616
34*616
4722
96*924
56*642
48*462
714491
222*351
311*292
799*999
799*999
280*002
Coneeicao n. 3. Jcio Paesde Olivaba
Joo Martina dos Rios
Jesuiao Barroso de Mello
Madre de Deus n. 5. Jet* Candido de
Monea
Manoel Jos Affbnso .
Commercion. 10 N. J. Lindston
Vigario Thenorio. Pedro Osono de
Bon> Jewsn. 56. R.bello & Sobrinho
demn. 12. Thomaz Christianseu
PharmaciasCiaste n. 9
Duque de Caxiaa n. 35. Augusto Xa-
vier de Souza Fcuseca
Imneratris n. 69/71. Antonio Pinto
Osor?o
Imperador n. 44. Antonio Jos ae
Abreu Ribeire
Bario da Victoria n. 51. Bittencourt
*C T
EitreiU do Rosario n. 3. Ferreira ir-
mo & C.
Baro da Victoria n. 45. Joo Sabino
de Lima Pinho
toperatri. n. 55. Viuva Bntto Me la
Arnuuem de vender assucarClasse n. 1U
Baro doTriumpho n. 86/88. Joo Lu-
ci 4 Irmo D#MU
Prnsanos de algodo Liaste n. U
Cies do Ramos n. 12. Jos Francisco
do Reg Mello 30*729
dem n. 28. Marcelino Antonio Pereira bl*4b
Inrpeccionadores de algodoCitase n. 12
Companhia Pernambucanan. 106. Ly-
ra & Irmaos
dem n. 8. Marcoliuo de Souza Tra-
vassos
Lojas de chapeosClasse n. 13
Baroda Victoria n. 36. Antonio Jos
Maia & C-
V 'Je Marco n. 14. Maia Irmo & C.
Praca da Independencia ns. 18/20. Pal-
uieira Maia & C.
Lojas de chapeos de solClasse n. 14
Visconde de [nhauaaa n. 50. Florencio
Rodrigues da Silva 00*8.
Marcilio Dias n. 47. Joaquim Ribei
ro Barbosa ________________________50*410
Kecreiaria da teaeravel ordeni Icr-
celra do eraptilco padre S. Fran
cinc, do iieclfe. 11 de A gomo de
iste .
De ordem do carissimo irmo mnistio, convido
a todos os U08SOS irmaos em geral a comparece-;
rem no da de demingo 15 do correte, pelas
horas a manha, na igreja de nossa veneravel
ordem, afim de asBistirmos a mise cantada N.
S. da Ajuda, padroeira dos novicos.
Igualmente convido a todos os candidatos ap-
provados eotrarem de irmaos, e os nossos ir
maos novicos despachados, para profeesarem, a
compareccrem una e outros para realisaiem suas
entradas e profissoes,s mesmas horas do dito dia
Joaquim Jos da Costa Valente,
Secretario.
Junta commercial
Esta secretaria faz publico que toi registrada a
escriptura ante nupcial e de doi>-, celebrada entre
Djalma Moreira da Silva e D. Maria Evangc-lina
Gomes de Souza Gayse, cujos pactos sao -
guintes :
Jo A nubente dota se com todos os bens que
possue, herdados do s< u.pai, av o tia, no valor de
18:150*.
2* A administrado dos bens dotaes caber A ao
esposo, sendo os seus rendimentos applicados aos
encargos matrimoniaes.
3 Na constancia do matsimenio, cada um dos
conjuges peder adquirir por qualquer titulo e no
que assim obtiver o outro consorte, nao teri parte
4 O nnbente reforca o dote de sua esposa,
dando lhe mais para este fim os movis que ador-
nan) a casa commum, no valor de 10:0000.
5 Sos casos do pacto 3, se a acquisico for
feita pela esposa, o nubente ter a administraco
des lien adquiridos.
6 No caso de separaco por accordo de ambos
ou por motivo justo, cada um se retirar com o
que tiver trazido para o patrimonio do casa'.
7 Cada um dos nubentes se reserva o direito
de beneficiar o outro por testamento ou por qual-
quer outro meio lega'.
8* Por fallecimento de qualquer dos ceujugea,
o que sobrevive"- ficar na posse de todos os bens
para dar partilha aos berdeiros.
Secretaria da junta commercial do Recife,
de Agosto de 1886.0 secretario,
Julio Guimares.
10
Sociedade Recreativa Juveoiue
A presidencia desta sociedade, agradecendo a
-todos os convidados a mant-ira lbana e delicada
com que receberam as commissoes que distribui-
rn) os convites para a soire do 22 anniversario,
a realisar-se em 14 do correte, tem a distincta
onra de par'icipxr-lbes que a dita soiie prin-
cipiar s 9 horas da noite.
Os ingresaos para os Srs. assoeiadoa continuam-
a foruecer em casa do Sr. Thesoureiro, at ao
dia da partida.
Os socios distinctos que desejarem tomar parte,
sao convidados assignarem a respectiva lista.
Form lmente se previne que nao se admittem
aggregados.
., Recite, 9 de-Agesto de 1886.
0 1 secretario,
Joo Alfarra
___JHtPElQO____
iu|sa'wuimerclal de fernam-
buco
RECIFE, 11 DE AGOSTO T)E 188.
As tres horas da tarde
''rave* ulficiaet
Acones do banco de crdito real de Pernambuco
do valer reaKsado de 40*010 a 41*000
cada ama.
Na hora da boUa
Veudei am-se :
15 accoes do banco de crdito real.
O presidente,
Pedro Jote Pinto.
O secretario,
. Candido C. G. Alcoforade.
RUDIMENTOS PBLICOS
Mes de Agosto de 1886
ALFANDEGA
SaaoA oaan.
. De
dem
2 a 10
c 11
Kbkd paoviacui.
De 2 a 10
dem U 11
ToUl
241:981*556
30:003*579
28:099*450
3:922*311
271:985*135
31:922*311
gtcimanoaJADe 2 a 10
iu. ... du 11
303:907*446
6:438*231
1:655*378
Diario de PernambucoQuinta-feir 12 de Agosto de 136
Capitana do Porto
Encajados e vola litarlos para
servir ao Batalhio Waval
De ordem do Jxm. Sr. chele de diviso Jos
Manoel Picaneo da Costa, inspector d'este Arse-
nal o capito do porte d'esta provincia, faoo pu-
blieo que em observancia ao aviso circular do Mi-
nisterio da Marinba de 7 de Maio ultimo, por esta
repartico faz-se acquisico de engajados e volun-
tarios para servir no batalhao naval, sos quaes sao
concedidas as seguintes vantagens : ^^
Aos voluntarios 400*000, aos engajados 500*000
e as pracas de pret voluntarias, quando excuses
por conclusao de tempo do servico, um praao de
trras de 108:900 metros quadrados as iolonias
do estado. .
O pagamento da primeira prestaco ser feto
na corte, a segunda tres anuos depois e a terceira
no fim de seis annos, qne comprehende a conclu-
sao do tempo.
Secretaria do Arsenal de Marinha de Psrnam
buco, 4 de Agosto de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Atevedo
Manta Casa de Misericordia do
Reeife
No dia 15 do corrente, na igreja de N. S. do
Paraso, pelao 10 horas da manh, ter de solem-
nisar-se a festividade da Excelsa Padioeir-t da
irmandade da Misericordia, que a junta adminis
trativa desta santa casa manda celebrar, como de
costunr, t ndo-se incumbido de discorrer sobre
o evaneelho do dia o Exm. Revm. Pr. vigario a
hegueza da Boa-Vista, padre Augusto Franklin
Moreira da Silva. Convido, pois, para aasistir a
esse acto a todos os senhores mordomos e irmaos.
O estabelecimento dos expostos nesse lia pede-
r ser visitado desde que se concluir o acto reli-
gioso at as 2 horas^da tarde.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 12 de Agosto de 1886.
O secretario,
Pedro Rodrigues de Souza.
Consulado Provincial
O abaixo assisruado, tendo sido designado por
portara desta data, expedida pelo Dr. adminis-
trador, para proceder a collecta da decima urba-
na e os mais impostes referentes ao exercicio de
186 a 1887, na freguezia da B a-Vista, previne
aos iiteressado8 que, segundo a determinaco ex-
pressa no regulamento de 4 de Julho de 1879,
devero opportunamente exhibir quaesquer docu-
mentos concernente8 regularidade do servico da
collecta, cuja execuco dar principio pelas se
gointes suas : Imperatriz, Praca, Visconde de
Pelotas, Ttmbi e Conceico.
1* seceo do Consulado Provincial, 9 de Agosto
de 1886.O lancadoi,
Izidoro T. de Mattos Ferreira.
Consulado Provincial
O abaixo asi.igr.Bdo, tendo sido designado por
portara desta data, eypedida pelo Sr. Dr. Admi-
nistrador desta repartico, para fazer a collecta da
decima urbana e mais impostos, referentes ao
exercicio de 1886 a 1887, as fregueziaa de Santo
Antonio e Graca, previne aos senheres inquilisos
e donos de estabelecimentos, para que ten ha m
seus recibes devidaoiente legalisados, para exhi-
bil os no acto da collecta, sob pena de serem ar-
bitrados de confurmidade com o 2 do art. 25 do
regulauv uto de 4 de Julho de 1879, dando princi-
pio pelas ras do Imperador, caes Vinte Dous de
Novemhro, Praca de Pedro I, ru* Prneiro de
Marco e Duque de Caxias.
1 seceo do Consulado Provincial, 10 de Agos-
to de 1886.O lancador,
Jos de Pinho Borges.
anta Casa da Misericordia do
Recife
Por esta secret ra sao chamados os prenles
ou protectores das menores constantes da relcio
iufra, que vo ser recolhidas ao c-llegio das oi-
phas.
Relacuo das orphs abaixo inscriptas, que nesta
data vo ser admittidas no eollegio das orpha
1 Ricarda, filha de Antonia Varccliua de
Oliveira.
2 Joaquina, filha de Joanna Maria da Con-
ceico.
3 Mria, protegida dd Joaquim Domingn>s
F. rreira.
4 Adelina, fiihs de Prasilia da Conceiv
Teixeira.
5 Elisa, idem idem idem.
6 Maria, filha de Eugenia Maria de Oliveira
Lagos.
7 Leopoldina, idem idem idem.
8 Guilbermina, sobrinhi de Francelina Bii
gida Soares.
9 Maria, filha de Sophia Carolina de Moraes
Costa.
10 Caiolina, filha de Noemesia Florida de Lt
ma Costa.
11 Maria, filha de Paulina Maria dos Pra-
zeres.
Secretaria da Santa Casa ie Misericordia do
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Soma
SOCIEDADE
Benefieente Luso-Brasileira
Assembla geral
Eleico
De ordem do Sr. presidente, convido a todos os
socios desta sociedade a comparecerem a sessao
que de ve ter logar no dia 12 do corrente, pelas 6
horas da tarde, afim de ouvirem a leitura do re-
latorio e proceder-so a eleico da nova adminis
traco para o anuo social de 1886 a 1*87.
Secretaria da ars'-mbla geral da sociedade Be-
neficente Luso-rraM'eira, em8de Agosto de 188
O 2 secr-'tario,
'Hamiro Costa.
Compauliia de dilicacoes
O escriptorio desta
companhia acha-se in~
stallado na pra^a da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucQes e reconstruc-
j Recebe-se infbrma-
coes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesrnoescripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquarj, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
Monte de Soccorro de
Pernambuco
Os possuidores das cautellas de penlio-
res dos nmeros abaixo, sao convidados, a
resgatal as at o dia 26 do correte mez.
11,062 11,128 11,209
11,413
11,618
11,634
Comulado pboviscui.De2 a 10
dem de 11
Rcir DaTHAoa'e 2 a 10
dem da 11
6:093*609
7:403*155
999665
8:402*820
12:336*539
5:831*738
18:168*277
DESPACHOS DE IMPORTAgAO
rigar ingles LientenarU, entrado de Swansea no
10 do corrente e consignado ordem, mani-
fetou;
Carvo de pedra 558 toneladas ordem.
1 Barca norueguense Afane, entrada de Cardiff
no dia 10 do corrente e consignada a Wilson Sons
, & C, manifeston :
Carvo de pedra 588 toneladas ordem.
Hiate nacional Adelina dos Anjos, entrado de
.. Maeao e Parahyba no da 11 do corrente e Consig-
nado a Manoel Joaquim Pessoa, manifeston :
Algodo 114 saccas a Rodrigues Lima & C,
19 a Caoba Irmaos & C, 26 a Gomes de Mattos
Irmaos, 2 a Luis Antonio Siqueira.
Coaros salgados seceos 39 a Gomes da Mattos
Irmaos.
UK'-jPACHOS de expuhtaco
Ex 10 de Agosto de 1888
Para o exterior
No vapor inglez Scholar, carregaram :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 236 saccas com
20,608 kilos de algodo ; N. I. Lidstone 20,0t0
kilos de ferro velho ; H. Lundgrin & C. 36 taceos
com sement de gergelin.
Para o Interior
Na barcaca Tres Irmios, carregaram :
Para Macabyba, A. da Silva Campos 10 barri-
cas com 600 kilos de assucar branco.
Para o Natal, M. A. Senna & C. 18 volomes
com 1,230 kilos de assucar refinado, 2 s ecos com
150 kilos de assucar branco e 40 cordas de pias-
sava,
MOVIMENTO~DO PORTO
Navios entrado no dia 10
Cadix 53 dias, lugar inglez Luce, !
498 toneladas, capitao W. Williams,
equipagem 10, carga sal; a H- Lund-
grin & C.
Maco 10 dias, hyate nacional Adelina
dos Anjos, de 85 toneladas, roestre Ma-
noel Francisco Monteiro, quipagern 5,
carga varios gneros; a Manoel Jos da
Cunha Porto.
Santos 11 dias, lugar inglez Joaquina, de
356 toneladas, capito James Gardnen,
equipagem 9, em lastro ; ordem.
Navios sahidos no mesmo dia
Maco Escuna allem frita, capito F
Davies, carga farinba de mandioca.
Rio Grande do Sul Patacho nacional Ma
rinho VI, capito Francisco Liborio Do
res, carga varios gneros.
Rio Grande do Sul Lugar nacional Loyo,
capito Bernardino da Souza Thorc, em
lastro.
AntilhasBarca norueguense Ingolf, capi-
to John Knudsen, em lastro.
10,922
11,273
11,611
II, 632
11,646
11,666
11,714
11,746
11,759
11,784
11,798
11,825
11,867
11,883
11,90
11,945
11,956
11,971
11,984
11,991
11,998
12,008
10,942
11,388
11,617
11,633
11,619
11,677
11,715
11,747
11,961
11,790
11,803
11,832
11,871
11,884
11,927
11,946
11,957
11,974
11,885
11,992
11,999
12,009
11.654
11,6-47
ll.,512
11,620
11,637
11,655
11,752
11,734
11,754
11,761
11,796
11,815
11,852
11,874
11,901
11,938
J1/-51
11,963
11,976
11,98*
11,995
12,001
12,017
12,027
12,055
12,076
12,089
12,098
11,610
11,629
11,615
11,659
11,705
11,736
11,756
11,769,
11,797
11,823
11,66
11,879
11,909
11,941
11,954
11,970
31,981'
11,990
11,997
12,004
12,018
12,028
12,067
12,081
12,090
12,099
1^,105
12,110
12,128
12,147
12,163
12,186
12,198
12,208
12,229
12,239
12,255
12,289
Cear
Merchant
Trem
Ipojuca
Quahy
Mandos
Vle de Victoria
TMe delaoeU
Petropolis
Stefuma
Pirapama
Baha
Orenoqtie
Espirito Santo
Therena
La Plata
S ESPERADOS
do norte amanh
de Liverpool amanh
do sal a 14
do norte a 14
da Babia a 14
do sul a 16
do sul a 18
do Havre a 18
de Hambargo a 20
de Trieste a 20
do norte a 20
do norte a 23
do sal a 25
do sal a 26
de New-York a 28
do sal a 29
11,729
11,748
11,763
11,7:15
11,805
1I,S42
11,873
11,885
11,931
11,650
11,961
11,975
11,987
11,994
12,000
12,010
12,022 12,024 12,025
12,036 12,039 12,041
12,069 12,077 12,078
12,082 12,083 12,084
12,091 12,093 12,094
12,101 12,102 12,103 12,101
12,106 12,107 12,108 12,109
12,118 12,121 12,123 12,127
12,129 12,132 12,133 12,140
12,152 12,155 12,157 12,158
12,165 12,168 12,172 12,178
12,187 12,188 12,190 12,191
12,201 12,202 12,5:02 12,207
12,212 12,216 12,217 12,220
12,230 12,231 12,235 12,233
12,243 12,244 12,249 12,250
12,256 12,257 12,273 12,288
12,296 12,299 12,300
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O gerente,
Felino D. Ferreira Celho
Preparados
DA
MALTINA M0UFCTURISG
LONDRES
Oleo ae Usado de bacal bato e lelte
pepltonlaado
Esta preparaco to saborosa que ama crias-
ca promptamento a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarcar o oleo e as peasoas de diges-
to mais dbil podem tomar sem receio de gran-
de effioacia para aflecces pulmonares, tsica, toa-
ses, debilidades, etc.
Peptonoldes de Carne
Um alimento nifogoaoso composto de consti-
taintes solides de leite bem cerno gluten do trigo
(livre de gomms).
Recommendado as convalescencaa de qualquer
doenca, febres, gastrite, dysenteria e toda e qual-
quer debilidade, seja qual for a saa origem, espe-
cialmente usando se em combinaco com o ole ode
figado com leite.
Malllna
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastaaico 30 veces o sen proprio peso I
O maia rico agente restaurador at boje eonhe-
ido, alt-mente apreciavel nos caaos de debilidade.
Alimento Souluvel de camirk para
criancas
A analyse deste alimento demonstra que os seas
constituintes natrictivos sao qaasi idnticos com o
leite materno, por isto o alimento mais aperfei-
coado para enanca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Dopasito ra do Baro da Victoria n. 48
Estrada de ferro de Ri-
beiro Bonito
Nos termos do g nico do art. 4 e arto. 5 e 9
2 dos estatutos, convida esta directora aos se-
nhores accionistas para recolberem ; o London dr
Braailian Bank, a segunda prestaco de 10 0(0
do valor nominal de cada accao, a comecar desta
data 60 dias.
Recite, 20 .le Julho de 1886.
O gerente,
___________ Hyppohto V. Pederaeiras.
Juizo substituto dos fei-
tos dafazenda
Eacrlvae Torrea Bandelra
No dia 27 do corrente, depois da andiencia,
irao praca por venda a quem mais der, os pre-
dios abaixo declarados, penhorados pela fazenda
provincial.
RECIFE
Sobrado de dous andares, ma de Domingos
Jos Martina n. 36, com 6 metros e 60 centime
tros de largura, 17 metros e 40 centmetros de
fundo, o p vimento terreo dividido em dous re-
partimentos : no 1- andar, com 3 portas de fren-
te, cni varanda de ferro, 2 salas, 5 quartos, co-
sinba interna ; no 2* andar os meemos comuaodos
e sotao, com 2 quartos, cosinha e quintal, por
2:800, ertencente aos herdeiraj de Joanna Ma-
ra da Triud'ide.
SANT'ANA
Casa em Sant'Anna n. 21, constrn.da de fe.ro
com 9 metros e 43 centi.n etros de frent-, 7 metros
e 59 centmetros de fundo, 2 salas, 2 quartos, 2
salas inferiores, 1 gabinete e uutao cea 2 salas,
avaliada em 150, pertencente a Cbapman.
EHPBEZA. O GAZ
Pede-se aos Senil o
res consummidores que
queiram azer qualquer
eomunicacao ou recla-
maci'r, seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrador.es
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva li
veira,e quando or pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
ins Carvalho.
Todos os recibos dess*
empreza deve. o ser pas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assig io em o que
nao tero valor algum.
George Wiadsur,
Arsenal de Guerra
G.
Club Concordia
Samstag den 14 d. MU. fieselliger Abend.
Das direetoriam.
/
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TEJHIESTRE8
EsUbelclda em li55
CAPITAL 1,000:0000
SINISTROS PAGOS
le 31 de dezembro de 1884
Martimos..... i,110:000$000
Terrestres,. 316:0008000
-4 Roa do (ommerelo-
4 O TI I* i MI I % Ds SEGUROS
NORTHERN
de ljOndrea e Aberdeen
Pomica flnanceira (Oeiembro ISS5)
3.000.000
3.l34,34tf
Capital oubsciipto
Fundos accumulado3
Reeella nnnual :
D premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
O AGENTE,
John H. Boxxce
UstUA COHHKttliOriO \. S I
___________________________
577,330
191,000
132,000
4R
Companhia
Jmperial
0 conselho de compras recebe propostas no dta
19 do corrente at ss 11 horas da manbi, para a
cemprs dus irtigcs seguintes :
57 marmitdes pata oito pracxs.
4K saceos de bnm pira ninrmites.
12 marmitas para cenduzr rancho s guardas.
1 balnc-i romana, sistema decimal, com pesos
at li 0 kilos.
2 caldeiras de ferro batido, para 50 pracas.
1 'elogio uinericHno.
1 terno de medidas para solido, at 20 litros.
1 dito de ditas para lquidos, at 2 lt ros.
4 cadeiras de braco, de Jacaranda.
4 oleados espesaos para mesa com 5,m00 de
comprimento.
27 cintuioes para msicos.
43 ditos para pracas, com terrjeos.
426 cartucheiras para cintures.
426 palas para ditos
426 patronas para ditos.
457 bornaes de brim imperial para vveres.
400 cantis de folha.
34 canudos de dita para inferiores.
34 cordoes de 13 verde para ditos.
4CO correias para marmita de 1 praca.
400 marmitas de 1 praca.
15,-"00 de bata axul para blusas.
103,m00 de dita encarnada para ditas.
4 mantas cinzentas.
6 bandeiras de filete encarnado pira exercicio.
1 dita de forma e cores ,de bandeira nacional.
1,683 bonets do servico interno.
23 bonets de panno para a companhia de ope-
rarios militares.
27 ditos do servico interno para a mesma com-
panhia.
5 ditos de panno para sai gentes ajudante e
quartel-mostre.
4 bandas de la para inferieres.
1,600 gravatas de sola de lustre.
5,200 lenco} de chita,
5,300 pares de meias de algodo.
12 coroas pequeas e douradas.
5,660 pares de sapatos de couro de beserro.
93 kilos de algodo em rama.
603,m50 de flanella branca de algodo para
forro de capotes.
24,m081 de brim pardo trancado.
2,m000 de dito branco liso.
23,m500 de algodosinho.
118,m de algodo msela.
l.rnOOO de aniagem.
5,m255 de hollanda de forro.
31,m68 de panno asul fino para fardas de sar-
gentos ajudante e qnartel-mestre.
18,m00 de alpaca preta.
21,m30 de sargelim de cor.
103,m50 de casemira encarnada enfestada.
14,m00 de flanella de l alvadia para forro de
capotes de inferiores.
7,m00 de panno azul para capotes de inferiores.
7,m98 de ganga encarnada.
146 botoes grandes de metal amare lio e fines.
72 ditos pequeos de dito dito.
I,m92 de galio dourado de um fio.
Previne-ee qne nao sero tomadas em conside-
raco as propostas qne nao forem feitas na forma
do art 64 de regulamento de 19 de Oucubro de
1872, em duplcate, com referencia a um s ar-
tigo, mencionando o nome do proponente, a indi-
cacio da casa commercial, o preco de cada arti
go, o numero e marca das amostras, declaraco
expresas de snjeitar-se malta de 5 0/0, no caso
de recusar assignar o contrato, bem como as de
que tratam os arte. 87 e 88 do regulamento ci-
tado.
Secretaria do arsenal de guerra de Pernambuco
em 7 de Agosto de 1886.O secretario,
Jos Francisco Bibeiro Machado.
SEGUROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Promplo pagamento de prejuito
CAPITAL
Rs. 16,(HX):000J000
Agentes
BROWNS & C.
N. Ra do Commercio N.
I
COXTR.l FOSO
\ortb ttritish & Mercantie
CAPITAL
t:000.000 de libras stcrllnaa
A 6 E N 1 E S
Adomson Howic & C.
SB8SRSS
10NTRA FOGO
u
The Liverpool
i (I((1
a
l (.lo
Uwrs k C.
coimiiiR un Seguros FifiBliiafie,
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7 -RA DO BOM JKSUS-N.
Sesuroo martimo* < terrcxlrc
Ne^tes ltimos a unica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seguradla isimpcSode paga
ment de premio m cada stimo anno, o qne
equivale ao cf-ont de cerca de 15 por cento em
favor dos scgt>.ad8.________
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia PhenlK l'er-
nambucana
Ruado Commercio n.
8
i.oiKJuu and Hraxilian Hank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do inesfao anco em Portugal, sendo
mu Lisboa, ra dos Capellistas n. 75 N-
Porto, ra dos InglczeH.
Cha preto
As qualidades mc-
lhores e mais escolhi-
das neste g-cnero, con-
tina a vender Carlos
Sinden, n. 48 rna do
Baro da Victoria.
Rccebcu de impor-
taco directa e vende
mais barato do qne em
ontra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
proprias para botis e
casas de familia.
REUNS CHARGEIRS
Companhia Franeeza de \arega
eio a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, L-
ooa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
Stter Tille ie Hecel
K' esperado da Europa
no dia 18 de Agosto, se-
guindo depois da nJiepen-
savel demora para a Ba-
ha. Klo de Janeiro
e Mantos.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvareng. |uaJ-
quer reclamaco concernente a volumes, qne po-
ventura tenham seguido para os portos do aul.afim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nao se-
responsabilisa por extravos.
Kecebe carga, encommendas e passageiro* para
os'quaes tem excellentes accomodaoes.
Augusto F. de Oliveira & C
ASENTEN
42 RIJA DO COMMERCIO--4S
MARTIMOS
Companhia Bahiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Babia
O vapor Guahy
Commandante
Martina
Segu impreterivel-
mente para os portos
acuna no dia 15 do cor -
rente, as '2 horas da
tarde. Recebe carga
ca mente at o 1/2
diado dia 14. .
Para carga, passagens, encommendas e dinneu o
a frete tracta-se na agencia
7Ra do Vigarw-7
Alves Matheus
UaupfschinTahrts-GeselIschail
O vap r Petropolis
Esperase de HAMBRGO,
va LISBOA, com escala pe-
los Acores, at o dia 20 do
corrente, seguindo depois da
di mora necessaria para fWi
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas tracta-
ie com os
CONSIGNATARIOS
Borstelinann & C.
RUADO VIOaRJON. S
1' andar
O vapores desta companhia, os quaes tem op-
tim 19 a ommodacoes pirn psssageiros, regres-
9m dos porto do sul com destino Lisboa e
Humburgo partindo da Bahia nos dias 8, 16, 28 e
30 de cada mez e tocaro ueste porto, caso se of-
fereca numera sufficiente de pxesageiroe.
Os Srs. passHgeiros, que se quizerem inscrever
eHo rogado a faznl-o pelo ineus 4 dias antes das
partidas da Bahis.
------------------------------------------------------------------------------ t
< onpwni. ebs hemmacg-
UIS;* HAItlTIUlRM
LIUA MENSAL
0 paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado dos portos do
sul no dir. 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se *os senhores passageiros de tudas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garen) 4 pasagens inteiras.
Por excepcilo os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
meuto.
Os vales postaes s se de at e dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete: tracta-se com o
AGENTE
Angoste Lab lie
9 RUADO COMMERCIO-9
H0YALHA1LSTEAM PACkET
COMPASY
0 paquete Trent
esperade
do sul no dia 14 de
csrrente seguindo
depois da demora
necessaria para
S. vrenle. Lisboa. Vigo e Son-
thampton
Para passagens, fretes, etc., tracta-se com es
CONSIGNATARIOS
A daiuson Bowie & C.
Comps-ta Bra&llelra de Siave-
gaeo a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Commandante V tenente Guilkerme Wad-
dington
E' esperado dos portos do su
ateo dia 16 de Agosto, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas e valeres
racta-se na agencia
11Ruado Commercio11
PORTOS DO SUL
0 vapor Cear
Commandante o 1.' tenente Quilherme Pa-
checo
E' esperado dos portos do
norte ate dia 12 de Agosto
e depois da demora in-
dispensavel, seguir para
os portos do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Pelotas
Rio Grande d> Sul, frete modic -
Para carga, passgens, encommendas e valores
trata-se na agencia
N. 11 RA DO COMMERCIO-N. 11
Aviso martimo
Chr. Hoy, capitae da barca norueguense Roma,
chegada a este porto de arribada toreada, ntcessi
ta contratar de concertos do dito navio e recebe pa-
ra este fim propostas em cartas fechadas at as 11
horas do dia 14 deste mez, dirigidas ao mesmo
cipito e entregues no eonsulado da Suecia e No-
ruega nesta cidade, aonde sero dadas todas as
iDormacoes que necessitarem, podendo os preten-
dentes a bordo mesmo verificar as obras necessa-
rias. Recite, 11 de Agosto de 1886.
LEILOES
Lisboa e Porto
E' esperado uestes das o patacho nacional
Osear e segu com brevidade para os portos ci-
ma, por ter quasi toda a carga engajada ; para o
resto que falta, trtta-se na ra do Marques de
1 Olinda n. 4.
Sabbado, 14, deve ter lugar o leilSo de mo-
vis, espelhos, louca e vidres, no 2 andar do so-
brado da Praca do Conde d'Eu n. 5.
Terca-feira, 17, o da armacao, balcao, caa-
dieiroe, vas lhames, drogas, balancas e mais per-
tenece da botica da ra do Bom Jess n. 26, em
lotes vontade dos compradores. -____
2 leilao
Quinta feir, 1* dr, corrente
A'8 11 horas
A' ra estreita do Rosario n. 26
O agente Silveira, por mandado e com assisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juix de orphaos e a requeri-






Diario de Pernambucotyiinta--feira 12 de Agosto de 1886
ment do avMUr*fa> de D. Alexandnna Annce
Jacome Pirce, levar a teM 3 quartas partes do
sitio a rstrada de Joao de Brros, tendo a e*sa 5
quartos, 2 salas, cosintia f'a, cacimba, agua po-
tavel, medindo o sitio 1,145 palmos de freote para
a mesma estrada e todo arborisart".
i:iii continuafo
O mesmo agento kvHra a leitto um a .brado de
2 andar.-s, a ra de Marcilio Das n. ICO.
A ehav.- pode ser p.ocurada rna do Duque d
Caxiaa n. 81, laja.
O mesmo agonte Kvar a leilo uma i xcoilentK
vacca da trra coa cria, por wcasiao do leilo de
predios. ____________________
Banco auxiliador mer-
cantil
Acha-ie desde jA aberta a subscripcio para a
fundacio deste banco : listas eui poder do seu
iniciador Francisco Augusto Pncheco, na do
Vigano D. 1, primeiro mular._________^__
Leilo
de movis, louca, vidro?, diversos jarr, s parajar-
dim e ota importante sibiaeoiit.ro pastar) ra
da Mungueira o. 7, h.-je Lelo Coroado
Quinta feir, 11 I corrate
A's 10 1[2 horas
O agente Burla.narqii", competentemente auto-
rindo por uma familia que serrtira para foia da
provincia levar a leilo : 1 mobilia de pao amo
relie, completa e toda cntalhada, 2 espelhos de
moldura dmirada, candieiros a gaz, jarro, escar-
radeiras. fp fes. toilet C"in tampo de pedra'
1 eommoda, cabidos, oaiiquioho*, 1 .-sUnte envi-
dracada, camas para crian.a, sof, cadeiras de
balanco, ditas di: guanucio, 1 wc-s elstica,
2 aparad.t-s, 2 guarda louca, l guarda vestido,
l naportM-ite relogi<\ l machina de costura per-
feita e 1-. r, 1 catira e banco de pao Setjm,
louca, vi.irre, tren do ootioha, diversos passaros
como s-jniii canarios ato Imperio e Ntmt 1 im-
portante sabia e tarto ininti 8' objectos que^i'sta-
rao paioiitea no acto tregues cm acto continuo, pagando eua impor-
tanc .
Alug
ase
o 1* e 2" andar do sobrado ra do Coronel
Suaasuna n. 144, ce m muif8_ coinmodos para fa-
milia e preco raaoavcl : a tritar na ra Sete de
Setembro n. 15, ou ra Direita n. 112, primeiro
andar. i
t>
PASTILHA3
De ANGELW&MENTRUZ
A ttencao
Aluga-se por prcci commodo o 2 andar do pre
dio n. 24 da ra da Impcrafriz : s tratar na ra
do Coronel Suassuiia ... 204.
Do uma casa terrea sita :na Bell" n 10.
Uma dita "ira sita na uic-ma mi-i n. 43
Uma dita d.ta sita 4 navega da rila Bella n. 9.
Una dita dita sita ra do lalaBOUyO u. 23-_
Urna dita dita sita an largo do Paraizo n 35.
titiuta felra t lo con ente
A'S II HORaS
POR INTERVEN'CO I?0 AGENTE
Alfredo liiinariles
Km sua agencia ra lo Bom
Jesus a 45
Lcililo
^De armacoes ingiezis, 1 cofre grande preva
de fog", grande qumitidn-i-- de laiadeaaa, pe fuma
rias, inobiliaa de moguo com encost (ie pallia a
Luir XV, 1 dita d>' Jacaranda maiaico a Luir XV,
camas rraucesat, mrqaea3 s, o a>moda>, t .iletts,
guania-U-uca, gaarda-restidoa, bercop, carteiras
quadro?. espelbos. jarrse iniiitos artigo* existen
tes no armasen) Ua ra Uo Mrquez de linaa
a. 19.
A"s 11 horas
puk inteuven<;ao uo
Agente (.Hsmo____
Leilo
De fazendas e luiu'lezas da lija ra do
Rarjgel n. 48.
Agente Brillo
Liquidaran de fazendas
Con 5C % de abatlineato
Na Loia das Estrellas
iso
A' ra Duque de Caxias n. 58
Glats de linho em todas as cores a 100 ri.
eevado.
Puiqu com lindissimo* desenhos a 320 res.
Cae'mira d. quidrinho?, initaco de seda a
820 ris.
Merinos com 2 larguras em todas as cores a
800 ris.
Oamacea de algodao a 240 ris.
Flailes do quadrinhos a 120 e 140 ris.
Lenon para vestidos a 320 ris.
Percalinas, lindos desenhos a 240 ris.
Chitas escuras, padioes novua a 2< 0 ris.
fretennes bonitos, desenlia (uovidade) a 320
ris. >A t
Mansieck lisa de todas as core a 160 ris.
fruualdiuf de cora a 200 i ca.
Hernia Andaluza a 320 ris.
Fustn para cubera a 400 ris.
Meias ingleza?, sem costura, para homem a
45000 a duzia.
Toalhas felpudas a 4$0OO a duzia.
Guardmiapis de iiaao a 250J a duzia.
Guardarap< s grandes a 4*000 a duzia.
Lenc-a de eseaio a 25000 e 2*500 a duzia.
Lenc,es a 200 cd um.
Colzas a 1500, 25000 e 3000 cada uma.
Penteadores para senhora a 2000 e 4j()u0
cada um.
Camisas inglezas a 3(XXJ a duzia.
Atonlhado, lindos desenhos a 1*200 o metro.
Algodo duas largurns a 700.
Cheviot ingiez (nuvidade) a 3i 00 o covade.
Lenc> s com barra a 380 ris a duzia.
Fibs a 5t'0, 00. U000 e 1*20".
Espartilhos a 4*000.
E inuitos outrua artigos que dtixam de ser men-
cionados, e que se vendem com o meamo abati-
meuto.
Elixir carminativo e tnico do
pharmaceulico Ye as
Remedio que cura dyspepsias, gastralgias e to-
das as perturbaqoes ligadas desarranjos de es-
tomago e intestinos. Aconselhado por varios cli
nicos dos mais conceituad"8 desta cidade, acha-se
venda exclusivamente na pharmacia americana
de A. M. eras & G., ra Duque de Caxias nu-
mf" *>7.
Ven 'era ntas o 8*"gnii-te : meia m..bila de ama-
relio, 1 secretaria da caranil*-, 1 lavatorio cem
pedra, 12 cadeiras de janeo, 6 d>- Jacaranda, 1
mesa redonda com padra, 1 inaiqu-'z >, !. relogio
de parede, 1 estante para cuna d. mesa, 2 ajmra-
doies, 2 inarquezas, 1 guarda-lonc, 1 guarda-ves
tido e outms m- v-is, eapclhos, ji.ves, candieiros,
bandejas, copos i-t.-.
liliota felra II le ijoslc
A's 10 1|2 horas
Leilo
De movis, louc.a, cidros e espelhos
A saber :
Um pinto, urna mo.iilia de janeo com 1 sof, 2
consolos com p-dr-ts, l am oval. 2 cadeiras de
bracos e l i de guarnic", 2 cadeiras de balanco,
12 cadeiras avulsas, 2 espelhos dour-i los grandes,
2 ditcs niriiiorcB pira consi.Us, 1 mes* para j.go,
1 tapete de sola, 2 candieiros a gaz e 2 cscarra-
deiras.
Um guarda -vestido, 1 enmauda de Jacaranda e
tuya, 2 camas, 1 gimrda-ruupa, 1 marquezao e 1
relogio d- paiede. *
Uma mesa elstica, 1 uar ia-'oue*, 2 appara-
dores, 1 guarda-c-mida, 1 sof, 20 cadeiras de ,
junco, 4 ditas espreRi^adeiras, 1 quartinheira, 2 '
pp&relhos de porcelana para cha, e jntar, 4 gar-
rafas, 2 compoteirtis de erystal, 2 pyramedes para
doces seceos, talheres, colheres e erntros objectos
de casa de familia.
Sabbado, 1-1 lo corrate
Pilulas purgativas e depurativas
de Campanil
Estas piluias, cuja preparacao puramente ve
ctal, icen sidj por mais de 20 annos aproreitadas
eom os melhores resultados as seguintes moles-
tias : affeccoes da ^lle e do figado, syphilis, bou
boeg, escrfulas, ehag s inveteradas, erysipelas e
gonorihas.
.Modo de unal-aa
Como purgativas: tome-se de 3 a ti por dia, orndo-se aps cada dse um pjuco d"agua aaoca-
da, ch ou caldo.
Como reguladoras : tome-se um piiula ao jantar.
Estas pilulas. de. invencao dos pbarmaceuticos
Almeida Aodrade Se Fdhos, feera veridictum dos
rs. mdicos para sua ineihor garanta, tornndo-
se mais reeominondavc8, por serein um seguro
ourgntivo e de pouca dieta, pelo que podera ser
nadas em viairem.
AC1IAM-SE A' VENDA
' drosarin de Paria Sobrinho ft C.
*! KUA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
So 2o andar do sebrado da Praga do Conde
d'Eu n 5
O leilo principiar As 10 1/2 luras.
A entrega em acto continuo.
FARM A LAGTEi
DE
Leilo
De ama armac&) envern>s-iila c-'m gaveta--, 2
balces, 2 carteiras, 3 tras.-us grandes, 2 ditos de
bocea larga, 1 caudieiro com 3 bicos. 1 relogio,
e vasilr .>nies para ootica.
Uma eaiza de ferro, (burra) 1 armarinho, 1
balanca decimal, 1 diti e pesos, l machina para
pirar, 3 halcoes para trabalho du drogara, 2 ta-
chas de obre, 2 prencas e 5 barris.
Urna rmacaj ingleza cora vasilhames, pites e
frascos com untara.- e drogas, barricas com al
vaiade. caparrosa e aaul, 1 armario grande com
irasco?, e potes com drogas, 1 prenca para copiar
carta e itros artigis que berilo vendidos em mui
tos e .iiffcr. ntes lotes existentes no armasen do
sobrarlo da rna do Bom Jesus n. 26. (outr'ora bo-
tica do liecife).
Terca-feira 17 de Agosto
A's 11 horas
Na n terida botica da ra do Bom Jess n. 26,
em lotes a vontade dos compradores.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8000 no neceo dos Coe-
:hos, junto de d. Goncallo : a tratar na ra da
Impera;riz n. 56.
Na noite do dia 6 do crrente furtaram do
engenhw Arariba de Baixo tres cavallos com -s
signaes seguintes : o \ poldro, russo, inteiro,
fazeudo a ultima muda, com pisada de baixo obri-
gada e ardigo ; o 2- alasao, com frente aberta,
novo, com as ponas dos dentea quebradas e ar-
digo ; o 3- ac, Intuir, andador de baixo at
meio, novo, e um pouco inagro. Peco as auto-
ridades policiaes que auxiliem a apprehencao dos
cavallos e a priso dos ladies.
Barao de Arariba.
ESTLE
MARCA REGISTRADA
is anuos n scce:so
21 recompensas, das quaes 8 diplomas de honra
e 8 madalhas de ouro.
fortificados numerosos das primeirai autorida-
des medicas.
Alimento completo para crlancl-
nhas de pelto
Suppre a insufficiencia do leite materno, facilita
a desam:.mentacao e a digestao fcil.
Emproga-se tamben vantajosameate para adul-
tos ci mo alimeto para stomagos debilitados.
ONICO DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
PARA TODO O IMPERIO
31 C-EUA DE S. PEDRO 31C
Rio de !aneiro
Precisa se de uma ama para cosinbar : no
pateo do Paraizo d: 16, taverua _______
__ Alua-se quatro casas na ra Imperial ns.
102, 104, 132 e 36, caiadas e pintadas, com com-
modos para familia, e forno razoavel : a tratar no
Recife, caes do Apollo n. 45, oa na mesma ra
n. 130, at as 9 horas ou das 4 em dinnte._____
Aluga-se uma casa na ra Imperial n. 301,
com frente para a estrada de ferro ; para correr
pdrgunte-se na de n. 301, e tratar na ra do
Mrquez do Herval n. 23, loja. Na mesma casa
ae indicar umi piefeisora qme ensina em casas"
particulares por commodo preco primeiras lettras
portnguez, francez, italiano, msica e piano.
Olerece-se nraa senbora idoea e fiel, para
cas- de um homem soltciro ou uma mulber so : a
tratar na travessa de S. Jos n. 12. ^^^^^
Evadi se no dia 10 o tutellado II is bel lo, de
idade do 13 para 14 annos, cor clara, rosto com-
prido, falla grossa, olhos um pouco amortecidos,
pes grandes, e entente um pouco de costuras ;
roga-se is pessoas que delles souberem, ou s au-
toridades, de darem noticias 4 ra do Visconde de
Goyanna n. 181, o que omito se agradecer.
Antonia Martina da Crai
Plmen'el
Jos Joaqun) Martin* da Cruz, irmaos, cunha-
dos e sobnnhos. penhoradfssimos para com as
pessoas que se digoaram acompauhar at o cemi-
terio puolico os restos moitaes de sua presada
tota, cunhada e tia, Antonia Martins da Cruz
Pimentel, de aovo convidam s mesmas para as-
siatirem a missa do stimo dia, que inandnm cele-
brar na igreja do Divino Espito Santo no sabba-
do 14 do corrente, s 7 horas da manha, pelo que
se confessam eterns mente erstos. ____
f
Antonio Jse da Fonaeca
A junta administrativa do Haspital Portugus
de Beneficencia manda resar uma missa na eal
pella do hospital quinta-feira 12 do correte, s 7
horas da manha, por alma daquelle prestimoso
consocio, e convida todos os parentes : amigas do
finado assistirem quelle acto religioso, protei -
tan 'o desde j seu eterno recinheeimento.
as
as
c-rs
ss
9S
5
ao
so
e
0 Remedio mar efficu e
Seguro que se tom descoberlo ate -
hoje para expe'ltr as ion trigas.
ROQRUAYOL FUERES
PILULAS
Fer-anicr
iza. os as
JURUBEBA
BARTHOLOMEO & C(
Pharm. Pernambuco.
Curao a Anemia, mores brancas,
alta de Kenstraaefco,
s S rblUdad'-* e T obresa de santne)
.Eacigtr a. aaaltmatura,
Aos oites ilos oi&os
Cura certa era 48 horas das inflarnajSes
recentes dos olhos, pelo eolyrio prepara
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Emprega e este poderoso eolyrio sempre coro
grandes vautagens, nas seguintes molestias :
Ophtalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito ^eral, na drogara de Faria Sobrinho
(J) C, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Para informacoes, sedirijam livraria Indus-
trial ra do Barao da Victoria n. 7, ou resi-
dencia do autor, ra da Saudade n. 4.________
Fumo desliado do Ro-Novo
Marca Meistopieles
DE
Frotas Silva I
O melbor c o mala puro que tem
indo a .ii prara
NICOS IMPORTADORES
Costa Lin a & C. Ra do Amorira n. 37.
Almeida Machado & C. Ra da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio (ios Santos -Ra do Mrquez
de Olinda n. 5 e ra Primeiro de Margo
n. 3.
Aos 4:000S000
I:
E
16-Lua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe
tes gar ntidos da loteria n. 65a em beneficie
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir quando for annunciado.
Presos
Inte-ro 40000
Meio 25000
Quarto 1,5000
Sendo quantdade superior
a i> .-ooo
Inteiro 3^500
Meio 1,5750
Quarto ,5750
Jooquim Pires da Silva-
mili un
Aos4:000$000
BILHBTE3 SI
Ba do lia rao da Victoria n.to
e casas do costume
Acham-se venda os felizes bilheu-s
garantidos da 253. parte das loteras
aeaeficio da Sf.nta Casa de Misericordia do
Recife, (65.*), que se extrahir quando for
annunciada.
Inteiro 45000
Meio 2,5000
Quarto 10000
a poreo de tooooo
cima par,
Inteiro 30500
Meio 15750
Quarto 5875
JoSo Jooquim da Costa Lsitt.
Este remidi precioso tem gozado da acceita-
(3o publica durante cincoenta e sete annos, com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1837.
Sua popularidade e venda nunca forao to exten-
sas como ao presente; e hto, por si mesmo,
offerece a melhor prova da sua efiieacia maravrl-
hosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem deinada
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em adultos, que se acharo afflic-
tos destes mimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaooes de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificases, da
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
Vermifliio de B. A. FAHNESTQCKL
G. Laporte k (.
Com caaa de comminsoea rna do
Imperador n. I. I andar
VENDEM
Elixir dentlfriclo
Maaaa dentirriela
dos reverendos padres benedictinos de Soulac, o
melhor dentifricio que tem vindo para o merca-
do (b s dnzias).
Antt-monatiqme Query para matar as
morisaocas, maiuins, etc. (s duzia 1.
\ lnli> de Champagne da afamada mar-
ca Moel & Chandon em garrafas e meias (s cai-
Vi>lio de Champagne,marea Marquia de
La Tour Byroa (35 45* a caixa) (e caixas).
Cognac marca Hildebt-rt (- caixas).
Vinagre aromtica, para a mesa, especiali-
dade para familias, garantido puro de vinho bran-
co (s garrafas).
alaa-parrlmafreaca do Para.,
Eau de mllaae des Carmes a preco
de factura para liquidar 100 duzias viudas por
engao (s duzias).
Rol Lechaos, grande depurativo vegetal,
(-"rnente aos senhores droguistas e pharmaceu-
ticos).
Papel almaiiao duplo, liso, proprio para
impressSo de obras, etc., etc.
Papel para carta, grande e variado
sortimento, a precoa nunca vistos neste mercado
(em porcio) todos os formatos, e os competentes
Enveloppea tambem a prejo sem compe-
tencia.
Canden de visita de todos os formatos
brancos e de phantasia, cardes para o commer-
cio, em Cristo!, framlim etc.
Tinta Blne-BlacK, verdadeira de Ste-
phenson, recebida por remessaa peridicas do pro-
prio fabricante : preces inexcediveis de barateza.
Artigos de estriptorio taes como livros
em branco, copiadores, tintas, caetas, lapis, tin-
tetros e todos o mais sempre vendidos a prejos
muito baratoB para negocio.
omma arbica de Adriano Maurtn fras-
cos grandes e pequeos, era eaixas de duzia.
Tinta de marcar a roup>, do mesmo fa-
bricante.
A' ra do Imperador n. 46
LOTERA
ALAGOAS
CORRE NO DIA 17 DE AGOSTO
DTRANSFERlYEL! im^: #
O portador quepossuirum
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar........
10:006|>000.
Os bilhetes acham-se a' ven-
da na Gasa Feliz, praca In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 17 de Agosto
1886, sem falta.
\0S 4:0001001)
iinzm uurnm
Ra Primeiro de Marco n. i~>
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 406 com a sorte de 4:0008000,
1 quarto n- 2939 eos a sorte de 100)5000,
alm de outras sortes de 32J, 165 e 8)5, d*.
hteria (64.*), que se acabou de extrahii,
convida aos possuidores a virera ^recebe:
na coaformidade do costurae sem descont*
a'gura.
Aebam-s venda os afortunados bi
hetes garantidos da 253.a parte dus Iote-
rias a beneficio da Santa Caa de Miseri-
cordia do Recife (65.a) le sj excrahir
quando tor annunciada.
Preco*
Inteiro 40000
Meio 2,5000
Quarto 10000
rm qnantldade malor de too*
Inteiro 30500
Meio 1075O
Quarto 0875
Manoel Martins Finta.
Regulador da Mari-
nha
Este importante estabelecimento de re-
lojoaria, fundado em 1869, est funecio-
nando agora ra Larga do Rosario n. 9.
O seu proprietario encarregado da Ro-
gularaenta^o dos relogios: Arsenal de Ma-
nnha, Estrada de Ferro de Liraoeiro, Com-
panbia Ferro Carril de Pernambuco, As-
sociacio r.ommercial Beneficente, Estra-
da de Ferro do Recife a Casanga, Estra-
da de Ferro do Recife a Olinda e Beberibe
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelligentes e habis auxiliares, fazcon-
certos por mais difBceis que sjam, nSo
s em relogios do al^ibeira, mas de pndu-
la, torre de igreja, caixas de musita, ap-
parelhos elctricos e telegraphicos.
O oiesino acaba de receber variado sor-
timento de relogios americano que ven-
do de 7)5 a 200 de parede e de mesa, des-
pertadores de nikel.
Aos seus collegas vende fornecimeto em
grosso e a retalho : e aceita encommendas
para s*u correspondente em P; ris.
Acha-se bem montado neste estabeleci-
ruento um observatorio pelo qual regula to-
dos os relogios maritimos e terestres.
Recebe asssignaturas para dar a horacer-
ta desta cidade pelo telephoae n. 458.
Prego commodo
Em frente de seu estabelecimento se
acha collocado um relogio, cujos mostrado-
res poderao ser vistos pelos passageiros da
Ferro Carril, tendo sempre a hora media
desta cidade determinada pelas s uas ob-
8.rvac3es astronmicas.
Antonio Jos da Costa Araujo.
C W W M T B
JOSEPt KRAUSE a
4cabam de augmentar o sen j bem conhecido
mportanie estabelecimento rna Io
de marfo n. 6 eom mais
m salo no 1 andar Inxnosamente apar-
rado e prvido de ama exposi-
fi 4e tfcrts de prata do Porto eahdrtf late
dos mais afamados fabrieaitos da
mundo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e fregnezes a visitaren,
o sen estabelecimento, aOm de
apreciarem a grandeza e bom gosto com qne
Mo obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.
CHA-SE ABEBTO DAS 7 A'S 8 DA HOITB
O
3
m
Grande e bem montada oflicina de alfaiate
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Barao da VictoriaN. 41
Neste bem conbecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor
timento de paoBM, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravata,
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para be
servirem aos sous amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimento
jm na direejao dos trabalhos da oflicina habis artistas, e que no curto espayo de 24
horas, preparara um terde roupa de qualquer fazenda.
Rna do Barao da Victoria n. 41
(PREgOS SEM COMPETENCIA)
CA

Chapeos e chapelinas
" 36 Ai 0-PRACA DA INDEFENDEIA36 A 40
B. S. CARVALH0 & C.
^ Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento paatecipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebero
das principaes casas em Paris e Manchester o que de melhor e de
C*** apurado gosto ha em chapelinas e chapeos para senhoras e meninas
Q e das primeiras fabricas de Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para hemens e enancas, e muito outros artigos concernentes
cbapelaria.
QQ


ao
P

af2
B
Flfires artificiaes para ornamento de salas.
MH




6
Diario e Pernaii-buc* (iii.da -feira 12 de Agosto de 1886
f
,*%
Ai,
*
c
y
*
Extracto Composto
s'alsaparRILh;
de Ayer
Escroulas c todas as Molestias
provenientes d'ellas: e para
Dar Vigor ao Corpo
Purificado Samgue.
T-ntn* pU O JCAYIIUCHUmIMmKH
Alug-a-se
o predio n. 140 roa Iaperial, proprio para es-
jibelecimento fabril : a tratar na roa do Cornmer-
io o. 34, com J. I. de Medeiros Reg-
Aluga-se barato
A ra Loma Valentinas n. 4
O armazem da ra do Corone! Suassuna n. 141
Roa da Baixa Verde n. 5.
Casa terrea da travesea de S. Jos n. 23.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
escriptorio de Silva Guimaraes & C.
se
urna casa terrea ra de S. Francisco n. 21^: a
taatar no armazem do gaz ra do Imperador
numero 31. _______
Alug
a-se
urna ama que sabe trntar de criancas e d infor-
mado de sua conducta : q'iem precisar procure
na entrada da praca do Visconde Loyo u. 1.
Aluga-se na Boa-vista
A casa terrea n. 108 da ra da Gloria, com 2
quartos, quintal, cosinba : a tratar em Fra de
Portas, ra do Pilar n. 56, taverna.
Ama
Precisa-se de urna ama para lavar, en-
gomiunr e fazer mais alguna servidos de
casa de familia, comtanto que durma em
casa; na ra da Matriz da Boa-Vsta n. 9,
se dir quem pre-isa.
Ama
Precisa-se de urna para cosinhar e fazer o ser-
vico interno de casa de pequea familia : I a tra-
tar na ra do Mrquez ele Olinda n. 27.
Ama para cosinhar
No largo do Corpo Santo n. 19, segundo andar,
precisa-se de urna boa cosinheira. que d fiador
de sua conducta.
JC^r* Jardn, das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que es-
li em vasos n'este jtrdim, vende-se os sapotisei-
ros muito grandes, e dando fructo, 2000, la-
anjeiras, muito grandes, para enzertar, 6/000
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por barato
preco. ________________________________
Entre amigos
Com a ultima loleria do mez de
Julbo
Dena de terlagr por ter sido transferida a
lot ra u. <''<. f|tie it a ultima deste n>ez como se
i .'- .: uuuci i Jo Diario de 28 do andante, ficar
pa.i i|"ando for aiinunciada.
Cavallo e botoes.
Allenco
Cumpra-se ou aluga-se urna boa casa perto da
cidade, desejande-se nos seguintes pontos : So-
ledade, Caminbo Novo, Capunga, Passagem da
Magoalena, ti mi bom sitio, agua e gaz : quem
tiver dirija se ra do Imperador n. 49, 1 andar,
a tratar com o solicitador Antonio Neves.
Preoaraoo de Productos Vegetaes
xtinpoTas caspas
e outras Molestias Capillares.
Jvl ARTI NSTBASTOS
PeriuimbiHir
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cerecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cara a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do (jas-
co 4a cabera. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranquo-
oer, e infallirelmente o
toma espesso, macio, lus-
troso e abundante.
'/AlLItfe
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usad* pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvaco official de
um Governo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquer ontra
eduraodobrodotempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
len(;o. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxido e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansaos e os
I desmaios.
Xarope fle Vida Je Renter No. 2.
AKTES DE OTAL-O. SXPOIS DE V3L-9.
Cura positiva q radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
naas do Sangue^Figado, e Rins. Garante-a*
qne purifica, enriquece e vitalisa o Sangos
e restaura e reno va o systema inteiro. ^ i
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian-
Sas e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especias
e em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Compra-s
urna casa terrea pequea, rm brm estado, as
freguezias de Santo Antonio ou Boa-Vista, e que
nao exceda h 1:000 : a tratar na travessa do
Prineipe n. 7.
Criado
Precisa-se de um criado i na ra da Madre de
Deus n. 5, armazem, que saiba 1er e d fiador de
sua conducta.
Vende-se
ligrimas apolices geraes, de juros de 6 0/0: a
tratar na travessa dos Ezpsstos n. 24, das 10 ho-
ras s 3 da tarde.
Aos acadmicos
A commissao executiva dos festejos do dia 11
de Agosto, participa qne reaolvendo comamorar
o aniversario da creacao dos cursos juridicoe,
com urna scsso magna litteraria nos saldes do
Club Carlos Gomes, espera que abrilhantem com
suas presencas e de suas Exmas. familias a res-
pectiva sesso, que ter lugar as 7 horas da
noite. A e mimisao.
\ii publico
Maria Celestina Barrero dp Castro faz sciente
que deixou de ser s'U procurador o Sr. Jos Pe-
reira da Fon seca. Ponte dos Carvalhos, 6 de
Aeo fo de 1886.
Para evitar duvidas
Os abaixo assigoados previnein s pessoas com
quem tem rehco'S commerc'ae*, quer em neme
individual quer em uome collectivo, como pro-
prictarios do Instituto 19 de Abril, que nao se
reaponsabilisum por qualquer acto commercial,
politice on civil, praticado por outro do mesmo
Ofpdlido Os nicos responsave s pelo Instituto 19 de
Abril sao os abaixo assignados, que s em pessoa
oa por ordem eicripta contrahiao qualquer com-
proniwso. Recife, 9 de Agosto de 1886.
Lniz da Costa Ferreira Porto Carreiro.
Garlos da Costa Ferreira Porto Carreiro.
Julio da O sta Ferreira Po'to Carreiro.
Acyes entre cavalleiros
As trinta vaccas
Qae corra com a 3* parte da 13* lotera das
Alagoas, fica transferida para a segunda lotera
que correr no mez de Setembro, pela razao de
correr duas series em urna parte, e antecipar com
mito antecedencia o numero da parte que dever
correr.
corai!
Sem dicta esem niodifl-
capoes de costumes
Laboratorio central, laa do Viconde do
Rio Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo phar
maeeulico Eugenio Marques
de Holianda
Approvados pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pars.
Elixir de imbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
tores e promove as ejeecoes difficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chiero-anemicos, debella a hjpoemi*
intertropical, nconstitue os hydropicos e benbe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mu tamba
Muito recomintndado na bronchite, na hemop
tyse e as toases agudas ou chronicas.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas anargas
E' o primeiro reparador d* fraqueza do orga
nismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tambera fer-
ruginosa preparados em vinho de caj
Eficaces as inflammacoes do figado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capuana e quina
Applicado nas cotivalescencas das parturientes
urtico antefebril.
Depetito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva k G.
23-RUA;MARQEZ DE OLINDA-23
Curso de Ihinrez
Ba da Matriz da Boa vita n. 3 1
O abaixo assignado participa ao respeitavel pu-
blico que abri em casa de sua r.silencia um
curso ae francez, onde esneradamentc se dedica
ao adiantamento de seus alumnos. Espera, pois,
merecer a confian? e a protecc4o do distincto
pevo pernambucano, e de todos aquelles que quei-
ram aproveitar um cnsino rapi.o e esperanzoso.
Mensalidades 3000 pagos udiantadoi no
acto da matricula.
Horario das 5 horas da tarde s 7 da noite.
Ra da Matriz da Boa Vista n. 34.
Julio Soares de Azevedo
Cosinheira
Precisa-se de urna boa cosinheira, que seja as-
seiada e durma na casa em que se alugar, paga-
se Lem : a tratar na ra do Paysand n. 19 (Mag-
dalena)
O quinium Labarraque
preparaces de quina.
a todas as
um Vinho eminentemente tnico et febrfugo destinado a substituir todas s
O quinium Labarraque contem todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
^J!1"fc.7?farra3''^ F|"escriPt0 co yanta"jem aos convalcscentes de doengas graves, as parturientes e
rpidos effeitos que produz nos casos de eklorose, ant-
i_pes3as fracas ou debilitadas por urna febre lenta.
Tomado com as verdadeiras pilulas de Vallet, sao i
mia, c&res paludas.
Em razao da efficecia ^o Quinium Labarraque, preferivel
tomal o em copo de licor, no fim da refeico e as pilulas de Vallet antes. -J&&J
Vende-se na mor parte das pharmacias sobe a assignatura : /
N.
Fabricago e atacado : Casa L. FRERE
19, ru Jacob, Pars.
7
Cosinheiro
Precisa-se de um cosinheiro ou cosinheira
ra do Seb n. 38.
Aviso
Quem precisar de urna boa ama de leite, muito
moca e tem muito leite, dirija-se ra de Hortas
n. 18, que achara com quem tratar.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira : na Capunga,
ra do Dr. Nabuco b. 16, casa de Azulejo ama-
relio.
Os proprietarios do muito conheoido ettabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicMn ao respeitavel PUBLICO que receberam nn
grande sortimento >ie jois tas mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam
bein relogios de todas ns quali todos os vapores vinHos in Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en
outra qualquer pnrte.
MIGUL W0LFP & C.
N. 4- RA DO CABUG----!\. 4
Jorapra-se ouro e prata vclha.
CASA DE MODAS
Fazendas finas
n
J. BASTOS &C.
MARCA DE FABRICA
VI W VaUKS (KINA CMMUIMI lACTOflWSPHATE O CHXUX
ETnrPtailOUIMATITREtTLECOaCtirMaWCES*WEBrS
muXiS EXPO RTA.T I O N f.
VINHO
DO
Dr Catanes
KINA-CABANES
O Vinho do Cakanea, submettldo i
approvaco da Academia de Medicina de
Pars, foi ruconhecido como um tnico
enera-ico (por encerrar os principios consti-
tutivos do Sangue e da Carne), que d ao
sangue torga, vigor e enerla.
Os Snr* D" Tronnean, Ourard e Vol-
peaa, professores da Faculdade de Medlctaa
de Pars, o receltam todos os das com o
melhor xito s mulheres enfraqueadas por
excessos de toda especie, trabalho, praieres,
menstruacao, edade critica e amamentaedo
prolongada. E1 extremamente efficaz contra
o Fastio, Ms digestSes, Dispepsias, Gastritis,
Tonturase Vertigens.
D resultados maravllhosos nos casos de Anemia, Chlorose, Pauperismo do sangue, Esteri-
Udade das mulheres, Flores brancas, Perdas seminaes. Impotencia prematura, Emrnagrecimento
geral. Tsica pulmonar, Febrea tercas, Intermitientes, Palustres, Endmica e
Bpidemicaa.
O Vinno do Cabaaes, pela energia de sua accjSo cordial, desenvolve as rorros, activa a
circutacao do sangue e e multo recommendavel para as convalescencas.
Faz cessar os vmitos tao frequentes durante a gravidez, augmenta a secrecao do leite nos
nutnzes e da extraordinario vigor as cnancinhas de mama; gracas a mOuenci dos seus prin-
cipios tnicos, soberano nos casos de Diabetes, A/Tecco da niedulla, Hysteria, Epilepsia
Jtachitismo e em geral. eia i isos en que preciso recorrpr um tnico poderoso, qu
d vigor e restaure as forras dos dciles.
Como aperitivo substitiie com grande vautagem os lquidos perniciosos como abslntho
verniouth, etc E'um preservativo apreciado pelos viajantes e marinlidros, como anU-eplde4
mico e antidoto da febre amarclla. Vomito c outras Molestias troplcaea.
Deposito geral: TROETTE-PERRET, 264, bmknrt Voltaire, PARS
Depositosem Pernambuco: TS.A.W M. da SILVA* c*, US principa PkarmaSfas.
MOTA. Para evitar as oontrafacffea, id te dere
KXeitar ai garrafas qui tiverem incrustadas no vidro
u palarras : Vinho do D' Cabanes, Pars, e
odre o rtulos, tiras de papel que envolvem o
gargalo e a marca de fabrica, /* >
baes e o e//o de garanta
do governo francez.
,ftt./.
f VINK0 0EFRESNE
TNICO-NUTRITIVO
COM PEPTONAj
(Carne assimilavelf
FEfiRO E UCT0-PH0SPHAT0 DE CAL NATURAES
Sendo o Vinho Defresne d'um gosto delicioso, tam-
bero o nico reconstituinte natural e completo.
o mais precioso de todos os tnicos; sob a sua
influencia, desvanecem-se os accidentes febrs, renasce
o appetite,forlalecem-se os msculos e voltam asforcas.
Emprega-se com xito contra a inappetencia.os cres-
cimentos rpidos, convalescencas, molestias do
estomago (Gastralgia, Gastritis e Dysenteria), e
debilidade, a anemia e consumpeo.
0FRSN : fciuecslor dos Hrspiuej, Pars, Autor da Pancreatinay
& tedas as gharmacias
jPharnana M. da SILVA A &*.
|11 i
il
m
ii\
S!
a

AO CHLORriYDRO-PHOSPHATO DE CAL
O mala poderoso dos reconstituinte adoptado por todos os Mdicos da Europa na
Prmguets geral. Anemia, Ctilorosis, Tsica, Cachexia, EscropUat, BacMtismo, Dtncas
i, Cresctmento difltcil das enancas, Fastio, Dispepsias.
4*s ossos,
rirk, GOIRRE, Fh, 79, ru i Cawche-Sidi. DismUs iu i
bcsmi Fhiraid.
i
^00 Doa^
ciradoi di ^
D artros, Chavos
Virus, Ulceras
PBLO
DEPURATIVO CHAB1E.
En Uda u PeinucUi s Oitririt
Onde se encontr gratis a
bucil Ckakli.
36
CHABLE
oAR/S
9 anmtU "8
GOHORRHEt.FLORESbr&ncas,
Perdas sehiihaes,
ESGOTAHIENTO, etc., ato.
PELO
CITRATO DE FERRO CHABLE
>v Em todos tu boas -.
?y, Pharmacia \o^
a"- o adress. ^
INJEGTION CADET
dura certa em 3 das sem outro medicamento
JPAMIS V, BouietHtrd Dmmaitm. 9 JPAJUH
GOHAS REGENERADORAS ^*
do Doutor SAMUEL THOMPSON
' Tratamento efllcaz coutra todas as affeccoes provenientes do entra-'
crueclmento dos orgos e do systema nervoso, ou das al tora ;5es do
aogue rraqteza dos Bins, Ssterllldade, Palpltaooes, Enfi-a-
| queelmsnto varal, loaras Convalescon?as. Este tratamento de na mullo, racouheatdo |
e recommesdado como o malor regenerador do org-anlsmo.
il fBASCO : S FRANCOS (EM FRANJA| jj
Todo trotee aut nao trouxer a Marca de Fabrica registrada e a auignatura^mUni'* FeMoante
deve ser rigorosamente recusado. ^y*"">-*^ dete
VAKIB, htrmaclB CEX.HT, roa Xtocheclic jart, S ^s nrodiMtD
Deposito em Pernambuco : FRAN M. da SILVA & C>.
a25Z5Z525a552i25Z5Z5Z5i5Z5ZZSZSZ5sUiZ5Z5ZSi!5ZSZ525Z52l3525Z5S
GOLLEGIO FRANCEZ
PARA MENINAS
17Ra doBar de Bemfica17
NA LINHA D PASS&GEM DI MAGDALENA
As senhoras Mme. Fram is e Mlle. Francis^ tuSi e tilha, diplomacia pela Fa-
culdade de Pars, recentemente chegal.s de Franja onde exerceram por muitos an-
uos o profesorado, acabain de cstabelecer um collegio para meninas, seguindo pro-
gramma adoptado em Fr nja ; o qual proporcionar s alumnas que Ibes forem confia-
das urna educagSo completa e esmerada.
Os senbores pas de fan ilia sSo convidados a visit*rem este novo estabele. i-
mento situado em tao saudavel birro e dispando de todas as condigSes do confortr. el
e de hygiene.
Mlle. Izabel Francia ptssue um talento elevado para o ensino de piano.
Ella precisa de urna ajudaute para as ulasses.
2 A--Eua do Cabug--2 B
Sedas de cores em cortes de 20 metros com as rendas de seda para enfeites.
Sedas com bordado de alta novidade.
Gorgorito de seda, qualidade especial, cores ciel, rose, marinhe, lontre, heije,
lilaz, tabore, brenze, lontre e grenat.
GrorgorSo branco para noiv.
Faille branca para dita.
Dama^s ottomane branco.
Grinalda8 de cera, o que ha de melhor.
Veos e fiil, em peya, para noiva.
Leque de madreperola com rendas.
Meias brancas de seda.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de Guipour e crochet.
Cortinados de crochet.
Cachemires com bordados Ancoralindissima coinbinacSo para vestido e
inteiramente novidade.
ESCOLHIDO A CAPRICHO
Robes mi confeccionesvestido meio preparados, em seda, la, tecidos novos
e algodSo, de 15000 a 650000.
Colleretes para senhoradoctoresse, em fustSo e cretones ; grande moda.
Visitescapas enfeitadas ricamente a passementerie e rendas.
LUVAS DE SEDA
Com e sem dedos, ultima moda.
Bolsas de couro da Russia de diversos taannos.
Perfumaras finissimas, grande sortimento.
Leques de seda e setim, modernos.
Tecidos de algodao para vestidos ligeiro e econmicos
E' diffieil encontrar melhor sortimento do que acaba de chegar e que vnde-
se barato. Padrees novissimos.
2 A-RUA DO GABUGA-2 B
(Telephone n. 359)
A GRACIOSA
Nova liijii de mindesas
N. 7RA DO CRESPON. 7
DUARTE & C.
Os proprietarios deste estabelecimento, tendo o preparado com esmero e 'ele-
gancia, convidara as Exmas. familias para vistalo, afianzando que encontrarSo sem
pre um variado sortimento de objectos de moda e phantasia, por precos summamente
mdicos, como alguns que em seguida designara.
Carriteis de linha para machina a f^P rs.
Ditos de retroz de 100 jardas a 200 rs.
Ramos de flores finas a 10000 e 10500.
Babados e ntremelos, de 500 a 30000, a peca.
Baleias para vestido a 300 a duzia.
Ditas cobertas a 700 rs. a duzia,
LS para bordar a 20800 o majo.
Eaj)*rtiahos para aa&oras de 30000 a 80000.
Ditcmpm* weiwatt 40500.
Extracta oo^pn Jen5o de 10000 a 40000 o fraco.
Luva deaU dt d6rs 2r)(XK) o par.
Ditas -rendad* 30500 o par.
Dita* de pffica a 20500 o par.
Magos de grampos a 20 rs.
Caixas com colxotes a 60 rs.
P para dentes a 200 e 500 rs. a caixa.
Vasos com opiatas a 10000.
Escovas para dentes de 200 a 500 rs.
Alfinetes a 80 rs. a carta.
Fita de linho a 40 rs. a pega.
Punhos e collarinhos bordados para senhora a 20000.
Invisiveis para o cabello a 200.
Lengos com barra a 20000 a duzia.
Agulhas a 20 rs. o papel.
Ditas fundo dourado a 80 rs. o papel.
Cabos de agulhas para crochet a 200.
E muitos outros artigos taes como fitas de diversas qulidades, leques de papel,
de setineta e de setim, plisss de cambraia e de seda, albuns baratas e de finas qtt-
ldades, sapatos para meninas, senhoras, e homens, tudo por precos admiraveis.
FUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON ft C
N. 44--S.U t do Brom--N. 44
JUNTO A EF A()A0 DOS B0NDS
Tem para vender, por pre mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas rundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSes de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portaad fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para iardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de machinismo e exeuuum qual
trabalho com perfeicSo e presteza.


Diario de Permimbuco(^inta-ffeira 12 de Agosto de 1886
*
4
.
Ao povo p' roaiucaoo
Contina aberta a escola particular de iestroc
o primaria para o texo masculino, ra da Ma-
triz da Boa-Vista n-31- d'gida pelo professor
particular Jslio Soares de Azevudo.
Educa e instrue a infancia, pelo systema des
principaes collegioa da corte do imperio, onde
estere por algum tcmpo a. passeio, cujo systeoia
a delicadeza, a paciencia, a voccao, tasen-
do com que os seus discpulos ngam o caminbo
da intelligencia, da honra e da dignidade, com
santos eonselhos e sis hcoes, afim d que venhaa
a ser o futuro sustentculo da patria, da religiio
e da lei, e um verdadeiro cidadao brasileiro.
Espera, portante, que o respeitayel publico sai-
ba apreciar de perto o seu verdadeiro ensino pri
mario, onde rpidamente as enancas abracam e
amam de coracao aos livros, aa lettras e as bellaa-
artee. Ba da Matriz da Boa-Vista n. 34.
Julio Soa.es de Azevedo.
Freguezia do Recife
Aluga-si' por preco mnito ommodo urna pe-
quena familia metade da casa da ra dos Guara-
rapes n. 29, e na misma se precisa de um menino
que seja fiel, para farer compras, d-se roupa a
bom ordenado.________________
Telegrama (resposta paga)
Bicos orientaes, grande variedade em cores
larguras, receberam o Pedro Antunes & C-, e ven-
dem barato ; esperamos nsposta ao 63 ra Du-
que de Oaxias, Nova Esperanca; novo sortimen-
to em leques de papel a V00 e 800 ra, preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas cores e lindas
paisagens a 34, barrate punhos e collarinbos
bordadas para senhora a 1*800 e 2*500 ; ditos
com pintas de cores a 1*200 ; bonitos e delicados
lacinhoa de cores, ultiina moda em gravatas, a
1*100 he pista paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Antunes & C. n. 63, ra
Duque de Caxias. _______________
Pintura domestica
PHARMACIA
llcimes de Souza Pereira cessorea
Recebeu grande sjrtiicen'o deste excellente
tinta da todas as cores e em latas de 1 a 5 libras,
que continan a vender por commodo preco :
qualquer pessoa (criado cu menino) pinta com
perfeieo. Com esta tinta podem todos com pouco
dispendie conservar suas casas sempre limpas.
Ra do Mrquez de Olinda n. 27
l5seiieieiOB
I'o me ai nota
frilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locoiuotivas
Machfolsmc completo para en
geuhosde (> dos os famanhos
Systema aperfei(;oado
Especificares e precos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
IV. & -Ra do Commercio
N. B Alm do aoima B oc C, tein cathnlogos de
mu .mplemeiilos uecessarioa agricultura, como
.ambem machinas para descarucar algodao, moi
nho3 para cat, trigo, arroz e milho; cerca de fer-
ro galvanisado excellente e mdico em preco, pes-
soa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral a. ________________
Aluga-sc
a cas* n 1 ra Lembranca do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na ra da Imperatriz
a. 32, 1 andar. ___________
Aviso
Precisase de urna professira que saiba tocar
bem piano e mais trabslhos de senhora, paraen-
wnl'n : a tratar c<>m o Bario de Nazareth, ra
do Imperador n. 79, l- andar. |
Serrara a vapor
Caes do Cap'baribe n.
N'esta serrara encontrarp os s< nhores fregue-
ses, um grande sortimento de pih > de resina de
cinco a dez metros de comprmeme e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garntese preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco djr Santos Macedo. i
Molestia da caima
Proces80 de purificaco especial.
Methodo ecoii -mico e satisfatorio e de fcil ap-
plicacao em qualquer engi-nbo.
Sio te rao os seuhores de engenho mais pr. jui-
zo8 eni rmes com a molestia.
Iofurmacoes e espe ificnedes com
Roubo
Do engenho Cahe', do termo da Escada, foram
roubados no di. 3 do correte mes, da estribarla
do lavradoi Manoel Peij de Mella, tres cavallos
possantes, gordos, de corea e siguaes seguintes :
um castanho tapado, inteiro, de segunda muda,
anda baixo obrigado, no p eequerdo tem ama
listra branca entre o casco e o cabello, e no di-
re i te um carpeinho, como que producido por espi-
nhj : dous russos, sendo um grande, ardigo, des-
tes quebrados, de 12 annos, inteiro, anda baixo,
fianeamente, e o outro quarto, sem andares, de
8 annos, muito bem feto, castrado, tem no sovaco
esquerdo um signal de ferida que teve ha annos,
e todos tres teem este ferroMFna p direita.
O dono gratifica quem der noticia certa de ditos
cavsllos._______________________________
BMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fig*ado de baealho
COM
Hypophosphilos de cal e soda
Approvada pela Junta de Hy
giene e antorlsada pelo
eoverno
E' o roelhor remedio at hoje deacoberto para a
liMfca broneiiiicN. eciophiil. ra-
chittN. anemia, rebllldadc em eral.
deflaxoa, losse cbromlca e affeccfte
do pello e da .ariianta.
E' muito superior ao oleo simples de figado de
bacalbo, porque, alm de ter ebeiro e sabor agra-
duveis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituintes dos hypophosphitos. /' '
drogaras e boticas.
Deposite em Pernambuco
Cimento po llaml
Vende-se de diversas marcas, no armazom de
Soares de Amaral Irmaos, ra da Madre de
Deus n. 22.
GRANDE
A' venda na*
BM1S&C.
V 5-Ra
do Commercio
REU1FE
Y. 5
CURA CERTA
de todas as Attecces pulmonares
Todos aquelles que soffrem
do peito, devem experimentar
as Capsulas do Dr. Fourkier.
Depositarios em Pernambuco :
FRANCISCO M. df SILVA O.
NA EXPOSICAO UNIVERSA
VINHO de CATILLON
de GLYCERINA a QUINA
0 mais poderoio tnico recoostituinte presenpto
I noscaiosdeDoresd'estomago. Langor, Anemia |H|
Diabetis, Consumpc&o, Febres, i
Convalescenpa, Rezultados dos partos, etc. '
0 mesmo Tinho com fc.ro. VINHC FEMJGINOSO DL ;
I CATILLON regenerador por cellenca do sangne pobre |
le descomdo. Este vinlio fax tulerar o Ierro por todoi n
1 o* estomago e nao occ asi una prisao de ventre,
IP4A/5. 23, ra Sinl-V:ncent do-Ptul. Em Pernimbuca:
Franco
tr
3, ra Stint-V'ncent do-Pial. RmPemambjco: I
j.r'ji:i.M.i!Ji!fjii'iiJ'iiiii'i*^^
----------------------~r~~------------------1ijji

m
d*o ao nojto
a bella alvura vapo-
rosa jue fez a reputacao
das Bellezas tfa tntiguids.de.
L.. PANAFIEU C*
Paria, rut Rochtchouert, 70.
\m%tizimtt\Prnr,ibu:o :^rlle"M-8^^'VA*C1.
Venda de hotel e hos-
pedara
O proyrietario da Estrella do Norte ruu Tho-
m de Souza n. ct, teudo de retirar-se para Europa
or incorr.mc:d ib da sade de familia, vende o seu
ote), o qual se terna recommendavel pelos bons
UBod s, como por estar bem loealioado e em
freguexia : a tratar no mesmo.
Eco'a nocturna
Acba-se aberta a matricula desta escola ra
de Guararapes n. 29, regida pelo professor par-
ticular Joao Valentn Ferrtira Bastos Jnior. O
mesmo profrssor. a podido de alguns pais de fa-
milia, contina a leccionar em casas particulares
a ambos os sexos, pelo que desde ja protesta se
esmerar no adian amento de seus alum: os, aquel-
les que bondosamente Ihe forem confiados. As
mensalidtdes bero f itas na inscripeo da ma-
tricula.
VENDAS
A RevoluQo
M. -41
ra Duque de Caxias, resolveu a vender
os seguintes artigos com 25 0[0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 2*000 por 1*000 o covado.
Cachemiras de corea a 900, lOOUe 1*200 o co-
vado.
Ditas pretas a 1*200, 1*100, 1*600, .1*800 e
2*000 o covado.
Ditas bordadas de seda a 1*500 o covado.
Gorgonnas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Las com bolinhas a 640 ra. o covado.
Velludilbo liso e lavrado a 1*000 e 1*200 o co-
vado.
Palha de seda a 800 rs. o covado.
Fustao branco a 400, 440, 500, 560, 600 e 800
ra. o covadu.
Giosdcnaples pretos a 1*800, 2*000 e 2*500 o
covado.
Nxnsoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretenes finos a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia transparente de 5*000 por 2*.500 a
peca.
Linn blanco com salpico* a 500 rs. o covado.
Casacoa de laia a 12*' 00 um.
Fecbus de retroz a 1*000 um.
dem de la a 1*000, 2*000,3*000, 4*000, 5*000
e 6*000 um.
dem de pelussia bordados a 7*000 um.
Chapeos de sql de cores para senhorne a 7500
um.
Setinetas modernas a 360, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Linbos escoBOces a 240 rs. o covado.
Zi'phiros listrados a 200 rs. o covado.
Brim de linbo de cor a 1*000 a vara.
Fustao de cor a 500 rs. o cevado.
Tapetes para janella, piano, sof e cama a 4*,
6*000, 7*000, 8*000 e 24*000 um.
Setiuetas lisas a 400 rs. o covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 e 1*000 o covado.
Cortes de casemira finos a 3*000 um.
Collarinbos, de cores e brancos a Lucinda a
1*000 um.
Casemira de cor e preta a 1*800 rs. o covado..
Brim prateado fino a 60C rs. o covado.
Dito liso a 860, 400 e 500 ;s. o covado.
Esgnio amarello e pardo a 500 rs. o covado.
Algodao com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Camisas de meia c 800, 1*000 e 1*500 urna.
Ditas de linbo lisas e bordadas a 30*000 a du-
zia.
Timo s bordados para meninos de 4 a 5 annos a
5*000 um.
Madapoloes finos a 5*000, 6*000, 6*500, 7*000
e 8*000 a peca.
Espartilhos de curaca a 4*000, 6*000, 6*000
e 7*000 um.
Lencos finos a 1*200 e 2*000 a duzia.
Toalhas felpudas a 4*000, 6*000 e 12*000 a
duzia.
Redes hamWguezas de 20*000 por 10*000 urna.
Setins maco de cotes 800, 1*200, 1*400,1*600
e 2*000 o covado.
Alpacas brancas a 400 e 500 rs. o covado.
Setinetas brancas lisas e lavradas a 500 e 560
rs. o covado.
Cortiuaaos bordados a 7*000, 9*000 e 16*000 o
Expsito central ra larga do
Rosario n. r* 8
Dsmio Lima & C, chamam a attencao das
Ezmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 e 3*000.
Fita n. 80 para..faxa a 2*500. f C
Leques regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1*<>00.
Duzia de meias para hornero a 3J000.
Ditas para senhora s a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meius de fio de seda para menina a 1*000.
Colarmhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodao a 320 e 400 rs.
Macos, de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 rs.
vibiv.is grandes a 320 rs.
rampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6(500.
Kcas bolcinhas de madreperola de 1*500 6*.
La para bordar 2*800.
ma capella e veo de 15*000, por 12*000.
Um esplho de mol iura par 5*500.
Urna pulse ira de fita per 1*200-
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande le cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSIQO CENTRAL
58-Rna Larga do Rusario-38
Florida
Loja de miudezas
Ra do Duque de Caxias u. IOS
Os proprietarios deste grande estabelecimento
de miudezas, modas e para acermmodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem po* meuos
vint por cento que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 6 0 ra.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linba de curritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para crianca a
3*ooa
Pentes de regaca para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 36o re. a duzia.
Haspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tresdedos de largura al*500 e 1*800
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita chineza a 820 rs. o masso.
Lencos de linho a 1*500 a duzia
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4* e 5*
a peca. .
Urna eaiza com tres sabonctes desenhando urna
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores oara senhora a 1*500 o
par.
Fazendas bravea
par.
Colchas
urna.
bordadas a 5*000, 6*000, e 8*0.0
Capellas e veos a 10*000 e 14*000 urna.
Henrique da Silva Moreira
Aproveilom!
Vende-se todo barato
Largo de Pedro n 4
Neste estabelecimento encontra se sempre um
completo sortimento de gaioias e pac saros nacio-
naes e estrangeiro?, o melhor que ba neste ge-
nero, fructas maduras, balaios proprios para ni
nhos oe canarios do imptrio, cestinbas para cos-
tura, vassonras do ara a 800 rs. cada ama, qne
custa em outra qualquer parte a 1* e 1*200, con-
serva de pimenta americana em bonitos frasqui-
nhos a 120 rs. cada um, para acabar, massa de
mandioca muito bem preparada, para bolos.
Vende-se no largo do Corpo Santo n. 19, se-
gundo andar, importantes toalhas de labynntho,
de ^5* a 28|000.__________
WH1SK Y
HOYAL BLEND marca VlADO
Este excellente Wbiskj Escese-.' preterivi
ao cognac ou aguarden^ de canoa, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho nos a> Iherea armateni
nolbados.
l'ede EOlfAL BLEND marca VIADOcujo m
me e emblema sao registrados para todo o Brssi
BROWNS V C, sgentos
(nasi degrada
Vsae-se urna anaacio
da Imperatrii n. 1.
do amarello : os ras
49
6|50
12*00!.
800
1*800
500
1*600
800
1#2
3080!.
1J800
400
200
s
SO' AO NUMERO
ra da Imperatriz = 40
Loja dos bat-ateiros
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de tpdas est aoaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER :
AlgodaoPecsB de lgodaozinho com 20
jardas, pelo- barato preco de 8*800,
4|, 4*500, 4* 0, bS, 5*500 e
Madapolo-r-Pecas de madapolSo com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at
Camisas de meia com listras, pelo barate
preco de
Ditas branc is e croas, de 1* at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceronlas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, muito bem fetas,
a 1*200 e
Colletiuhos r mesma
Bramante- francez de algodao, muito en-
corpada. com 10 palmos de largura,
metro
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e
Atoaihado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs.
Todas estas fazendas bary.tissimae, na conhecida
loja de Alheiro & C, esquin do becco
dos FVrreiroa
Algodir entestado pa-
ra leneoes
A Oo rs. e 1 OOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
:odo pi.ra lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larguras 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim com dito trancado para
omlbas dr m< sa, com 9 palmos de largura a 1*20<<
i ctro. Isto na leja de Alheiro & C, esquina
do ecco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS'
A 1*200,1*400, 1*600, 1*800 e 2* a covado
A beiro & C, A ra da Imperatriz n. 40, ver*
dein muito bons merinos pretos pelo preco acimt
dito. E' pecbincha : na loja da esquina do bec-
co d: b Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento de ronpae
de casimiras, brius, etc., isto na loja da esquina
de bceeo'doB Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3 o covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
zas, de duas larguras, com o- padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato prect
de 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costemos de casemira a
30v', sendo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pechincha : na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Oa barateiros da Boa-Vista vendem ama grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 321
ra. o covado, grande., pecbincha na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
arlados a lOO r a peta
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dons metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao com 50 pecas, surti-
das, por 5f, aprovcitem a pecbincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
VAPOR-
Carnero di Guie &G-
Liquidam os seguintes artigos mais barato queem
outra parte, visto serem alguns comprados em
leilao a saber:
Lindos crotones claros a 240 e 280 rs., o co-
vado.
Failes de novos gastos a 400 e 500 rs. o dito.
Linons com palmas de la a 80) rs. o dito.
dem com salpieos a 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas com litras de i eda a 280 e 320 rs., o
dito para acabar.
Eaguiao pardo pata vertidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Setinetas, navidades, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de 12, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1*800 o covado ; de cores
propefaa para mesas a 1*500 e 1*600 o iite.
Merinos pretos para luto, 2 larguras a 900. 1*.
1*200 e 1*500 o dito.
dem de tedas as cores a 1* e 1 *200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padroes inteiramente
nevos a 1*200, 1*600 e 1*800 o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
2* dito.
Atoaihado trancado e bordado a 1*400 e 1*500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem de puro linho a 2* o dito.
dem de urna largura a 500 rs. o dito.
Guamifoes de crochets para sof e cadeiras a
8*.
RiquiBsimas colzas de dito a 12* e 14*.
Lindas grinaldas e veos para Exms. noivas a
14*.
Cortinados bordados a 6*500 e 10* o par.
dem em pecas com 12 jardas, novos oesenhos a
9*.
Toalhas felpudas de cores, para rosto, a 7*500
a duza.
Meias inglezas, cruas a 3*500, 4* e 6* a dita.
dem arrendadas para seuhort a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dita.
Camisas superioies frsncezas a 38* e 42* a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2*500 e 3*.
Lencoes de bramantes, grandes a 2*.
Chalec do casemira, dem, a 2*, 3* e 5*.
Cortes de casemira inglesa a 3*. 4* e 5*.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3* e 3*500 o
covado.
Vendas em groMMO, daraoa dcntcooto
da praca
59=Rua Duque de Caxias=59
Carneiro da Cimba & C.
e moenda
Vende-se um bom vapor e mocada com ponco
usu ; a ver no engenho Timb nss. muito perto
da estaco do meimo uome
Imperador n. 48, andar.
a tratar na roa de
Cabriolet
Vende se um em perfeito estado e por pie
commodo; 4 tratar na ra Dnaue de Casias n.
Camisas nacionaes
A *SOO. 3&O00e S*500
92of Loja a ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortincuto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjnbos de linho como de algodao, pelos
baratas precos de 2*500, 3* e 4*, sendo tazenda
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem fcitas, por serem cortada* por
um bom artista, especialmente eamiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a v mtade doe
freguezes : na nova loja da ra da Imperatriz n
3 ', de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
&9 Ra da Imperatriz =* 1
DE
FERREIRA DA SILVA
Neute novo estabelecimento encontrar o res-
p jitavel publico um variado sortimento de (asen-
tas de todus as qualidades, que se vendein po:
precos baratissimos, assim como um bom sorti
ment de roupas para honiens, e tambem se man
da tazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre aliaiate e completo sortimento de pannos fino*,
casemiras e brius, etc.
Kows para tesis
SIBoa da Imuerr.irlz S
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roap&s aba)
xo mencionadas, que sao ba- u.as.
Falitots pretoe de .-r ... aiagonaes e
a,coichoados, seo' corpa^tts, e forrados
Ditos de casemira preta, de catdao muito,
bem feitos e forrados
Ditos, de dita, faseqda muito melhor
Ditos de flanella azul sendo inglezs ver-
dadera, e forrados
Calcas de gorgorao preto, acolchoado,
sendo fazenda murtc encorpada
Ditos de casemira de eores, sendo muito
bem f-'itas
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de maleskim e
de brim pardo a 2*. 2*500 e
Ceroulas de greguellas para bomens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Colletinhus de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos *
linho e de algodao, meias cruas c collarinbos, etc
Isto na loja aa ?ua da Imperatriz n. &
Riseados largos
a too tu. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, veniem nt
riscadinhos proprios para roupas de meninos i
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covadt
tenio quasi largura de chita francesa, e ssii
como chitas brancas miudinbas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pecbincha
'ojt do Pereira da Silva.
FiiMtoea, Nftiiieta* e lasintian a KO
r. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-i
um grande sortimento de fustes brancas a 50
ra. o covado, lazinhas lavradas de furta-coret
fisenda bonita para vestidos a 500 tu. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas a>
cores, a 500 rs. i covado. pecbincha : na loj
do Pereira da Silva.
Herluo- p re toa a I**
Vende-se merinos pretos de duas larguras par.
vestidos c roupas para meninos a 1*200 e 1*60
o covado, e suDerior setim preto para enfeites i
1*500, arsim como chitas pretas, tanto lisas com
de lavoures brancos, de 240 a' 320 rs. ; na nov>
leja de Pereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
Alsodozinbo francs para lence
a OOO ., i* e lasoo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-
superiores algodozinhus fraucezea com 8, 9 e 1'
palmos de largura, proprios para lencoes de us
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1*000 >
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, a>
sim como superior bramante de quatro largor
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na lqj
dj Pereira da Silva.
N. 196. A pre-
sente marca por
ra i m rubrioaq*,
contendo a deno-
to i n a 5 2 o ME-
TEOROS, desti-
na-se aoscigarroi
fabricados e ex-
postos venda
por Joaquim Ber-
nardo dos Reis
j d O, firma com-
mercial domicilia-
da n'oata praja
ra Larga do
Rosarlo n. 30, foi
aprasentada registro no dia 28 do mez de Maio prximo passado s duas horas da
tarde, e registrada n'esta data em cumprimento do despacho de hoje da Meretssima
Junta Commercial era substituyan do registro n. 80, qun tm nota de baixa, a qual
nao foi dada no 2.- exomplar porque, q comraerciaote matriculado Joaquim Bernardo
do Reis declarou tela perdido.
E, para cumprir o predito despacho e o preceito da lei, fi nota de baixa no
respectivo registro n. 80 devidamente sellado coro rail ris, e o registro da marca su-
pra do qual extrahi esta nota. Pagou um mil ris de um parecer fiscal. Secretaria
da Junta Commerrial da cidade do Recie, 4 de Junho de 1886. O secretario JuUo
Guimaraes.
Joaquim Bernardo dos Rois & C. proprietarios do estabelecimento Bazar
Peraaiubucano ra Larga do Rosario n. 30, avisam ao respeitavel publico em
geral, e aos amigos e freguezes era particular, para melhor esclarecimento, que o em-
blema cima registrado da forma seguinte: urna aguia entre quatro tringulos sendo
os dous lateraes cm alto relevo, tendo urna fiti presa no bieo com a inscripcao
Emblema Registrado, e sob os p8 da ave a denominacao -METEOROS-
Todo o trabalbo lytbographico com tinta carminada, e em papel chamois rouge,
conforme o rotulo emblemtico, que serve de insersito a este aviso.
Os abaixo assignados, para mais evidencias declarara, que em virtude do
decreta n. 2,682 de 23 de Outubrs de 1875, que pune rigorosamente o contrafactor
ou imitador, resolvern) patentear publicamente o respectivo registro para inhibir
duvidas futuras.
Recife, 9 de Agosto de 1886.
Joaquim Bernardo dos Reis <$ C.
V*0(X
10*001
ftOOl
12*001
5*501
6*50
8*001
3*00C
1*601
l*0Ot
O portador de dous vigsimos desta
importante lotera do eusto de 2$200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Preco em porqo
Vigsimo.
Vigsimo.
A' RETLIIO
l^OOO
16100
A ROUA DA FORTUNA
36Itini Larga do Rosario30
^*-
Aos i.ooo:ooo$ooo
200:000^000
I0IMI00SII0
liniii; lotera
DE 3 SOffilS
Em Ia\ir dos ingenuos da Colonia Orphanolgica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Eitractlo: no 1S e Beato ae 1886.
0 thesoureiro, Francisco (encalves Torre
FAZEMMS BARATAS
Nabemconhecidalojadarna Primeiro 4e
Mar^o n 20
JUNTO DO LOUVRE
4^500, 55, 5!500,
4, 4,5500, 5,
60, 6550ti
5(5500, 6*.
para meninos
A *$. 150W e 6*
Na nova loja da ra da .Imperatriz a. 32,
vende um variado sortimento de vestuarios pn
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo
nha curta, feitos. de brim pardo, a 4*000, dito:
de moleequim a 4*500 e ditos de gorgorao pretc
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; n>
loja do Pereira da Silva.
~PoiraJioSsTteii~
Vende Candido Tfaiago da Costa Helio em seu
de; osito ra Imperial n. 322, olaria. Telephone
?amero 21.
Pliarraaci-i
Vende-se a arntacao com balcao, potes, vaailha-
me e mais perteness da Botica do Recite, sita
ra do Bum Jess n. 26, por precos muito com-
modoi. Para infermacoes, dirijam-se botica
franceza de Rouqusyrol Freres, rna do Bom Je-
ss n.
Vende-se
o engenho Lage Forraos, perto da estacSo de
Calende, movido a agua e pode 8afr(er mai*
de 2,000 pies de assucar. cem casa de vivenda,
destilaco e mais obras, todas novas e em ptimo
estado : a tratar oo escriptorio a roa oo Bom
Jess n. 12.
Grande sortimento de madapoloes de
7^500 e 80000
AlgodBs brancos, superiores qualidades, de
60500.
Saperiores cretones de 320 a 500 o covadu.
Batistes, liodro panroes, a 200 e 320 rs. o covado.
FustSes brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Coltertas de ganga, forradas, do dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga cr> '.one,bonitos padrSes, a 30000.
Lencoes de bramante, de linbo. de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 20500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para bantios a 20000 urna.
Lenjos de algodao de 10800 a 20200 a duzi.
D;*08 re, algodao, rom barra, a 20400 a duzia.
li. pardo, clar>, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Di) ;.:.acado, l..a, a 10, ]0iOO e 10200 o meto.
ri a vestitiv, de cretone de 200 por 80000.
Qraaae var>cdade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodao trancada de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodSo, de qnatro larguras, de 10>OO, 10800 e 2000 a var
Dito de linho idem idem de 20, 20500 30 e 4,5000 a vara.
Leques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104O1 rs. o covado. .
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6$000.
Oxford p-ra camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbutinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales de algodao a 10200, 10400, 10UOO e 25000.
Costumes para oanhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o pac
Grande sortimento de roupa feita para trabalbadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para hemens
meninos, para o que temos um hbil official e um grande sortimento de pannos, brius,
casemiras, etc.
Qaem precisar da algn artigo bom e barato, dever visitar de preferena
qate antigo e acreditado estabelecimento.
Usa Priei Marco a. 20
\\\\WaWkmkmk\wm


Diario de PcrnambocoQuinta--feir 12 de Agosto de 1886
1

*
ASSEMBLEA GERAL
CAMAB~DOS DEPUTADOI
SESSO EM 24 DE JULHO DE 1886
tQESlDSHClA. DO SB. ANDBADE FIGUEIBA
(Continuadlo)
O que diz a respeito dos arsenaes ap-
plica relativamente a outras despezas.
E' assim que os partidos nSo fazem hoje
o que apregoaram hontem, e assim vSo-se
desasreditando cada vez mais.
O orador nilo fcil em aecusar gover
nos ; todava parece-lhe que o actual mi-
misterio esteva mais do que qualquer ou-
tro, apto p -l > realisar grandes economas.
NSo quer fazer profeca, mas suppSe que
o partido conservador nao far mais eco-
nomas; quando deixar de ter a sua gran-
de maioria, tora necessidade antes detudo
de defender tua existencia e nesse dia as
economas nao se farao, ao contrario, as
despezas ser.ao necessariaraente augmen-
tadas ; isto que se tem observado: s
fazem economas os governos fortes que
tm coragem de resistir a seus amigos;
as desgragadaraente entre nos os almi-
rantes que dirigem a nao do estado subor-
dinam-se trpolacSo, porque temem que
se subleve e entao preferem fazer algunas
concessSes para durarem mais algum tem-
po mas essa vida estril e o paiz
quera soffre.
Voltando so orcamento nao precisa to-
car nos pontos de que so oceupou o Sr.
Candido Je Oliveira e em que a commis
sao au0mentou as verbas ; em todo c caso,
a oopowcao nao est bera offerecer ao Sr.
ministro da guerra mais do que elle pede.
Limitase a estas observagSes, porque
nao conhece o servico militar ; se pedio a
palavra para defender a commissao de or-
camento foi por nao se achar presente o l-
lustre relator.
O Sr. Caudido de Oliveir sent
que o robre deputado nSo attendesse ao
jogo parallelo que fiZ dos crditos de dous
orgamentos; os liberaes foram aecusados
de esbanjr.dores, era este o grito de guer-
ra dos conservadores ; por isso quiz esta-
belecer um parallelo enire o orcamento li-
beral e o que vai ser votado, isto pro-
curou demonstrar que a situago conserva
dora nao se differenciou da situago libo
ral ; o ministerio conservador, que j go-
vernou um exjrcicio quasi inteiro, o de
1885-1886, encontrou as verbas todas do-
tadas e gastou-as do mesmo modo que ha-
viam feto os liberaes; ainda mais: o mi-
nisterio actual declarou que nao preenche-
ria lugares vagas e al hoje todas as vaga-
turas que ten apparecido hao sido preen
cbidas.
Nao quiz cstabelecer comparacao cora a
proposta do conselheiro Saraiva, porque S.
Exc. nao acompanhou a discuss2o dossa
proposta, mas sim cora o or9amento de
1884 -1835 que tem vigorado at agora.
Mostra que fez o paralello do orcamen-
to da guerra em discussao com o da le de
3 de Seterabro de 1884 e apenas achou a
economa do 11:0000000.
V e provou que ha verbas sobre as
quaes se propoz diminuicSo e que nao po-
dem ser diminuidas, jomo a da etapa ;
portante, sao redueges ficticias; economa
real que se ple fazer a do pessoal, isto
urna reorganisagao do servico do minis-
terio da guerra, mas esta que nSo se quer
fazer. ^
Responde a um ap.rt do sr. ministro
da guerra, que quem dipo i de urna maio-
ria numerosa tem a maior respoosabilida-
de para Com o paiz, tem obrigacSo de ar
car com as diffieuldades fioanceiras, pro-
pondo redueles imp >rtantes, porque ama-
nha vira a dissidencia latente; este a
razio nica pela qual o goveruo actual se
pode levantar sjbre o desastres do parti-
do liberal.
Termina fazendo saliente a causa do
mal que resuLa da complacencia innata da
raya latida e particularmente da familia
brasileira e 'la tendencia de addiar-se tudo
para amanha.
O Sr. Carlos Pei&OtO respondo a
algumas interrogagSes do Sr. Candido de
Oliveira, comquanto o nobre deputado alo
trouxesse materia nova para o debate, co-
mee pela que diz respeito verba desti-
nada ao pagamento das pracas de prit, que
S. Exc, julga nao satisfazer as necessi-
dades de-se servico; se o nobre deputado
tivesse lirio o parecer da commissao veria
que a difi'jrenca prov u cUs gratificabas
a agentes de voluntarios que nao podera
ter mais lugar porque sao desaecessarios.
Observa qm o nobre deputado procurou
fazer jogo ce algarismos do orcamento du
guerra que s^ disrute, nSo com o orga-
mento da guerra do nobre deputado quan
do foi ministro, mas com o que se acha
ainda eia vigor confrontaodo as verbas
agora votadas com as decretadas naquella
lei-
Julga que 3 comparacao devia ser feta
com o que o nobre deputado dispendeu
entao, e. entao aobaria que a economa
de perto de 300:0000; portanto, o minis-
terio nao procedeu do mesmo modo.
Acha j motivo para felicitaclo que o
nobre deputado nao aecuse os conservado-
res por nao haverem reduzido as despe-
zas, iras sim porque no se fazem quan-
tas S. Ex:, julga neeessarias ; a verdade
que, deixando o terreno das declamagSes
o nobre deputado ha de convencer se que
em nenhuma proposta do governo se aug-
mentou a despeza, antes se tez redceles
e a commissao de orgimento ainda mais a
diminnio.
Quanto a chapa do suppres&ao de repar-
tieres da guerra, cousa fcil de dizer,
mas diffioil de executar de modo que nao
augmente a despeza ; a questao simples-
ment de forma, essas roparticSes sao ne-
eessarias, poriem extinguir-se, mas os seus
servaos bau de f izer-se em outra parte, f
a pequea economa que m far nio com-
pene i o transtorno do serwioo.
Nota que o servieo pablico tem tomaao
grande incremento e no pode ser hoje fei-
to com a mesma despeza de ha 30 annos.
Comprehende que o nobre deputado te-
nha ir.teresHi em fazer que a actual "situa-
dlo se dismoralse, fazendo-a passar por
pouco escrupulosa; mas quera olhar des
prevenidamente para o plano do governo
ha de ver qu" o estado de todos os servi-
cos ainda nao habilitaran] o governo a pro-
por maiorcs economas.
Acredite que mesmo independents da
redcelo das diversas verbas, o ministerio
peder ioMfr roris economa por s n><
Nota que discutio-se um crdito para a
verba da fjooa secreta que foi excedida
pelo ministerio do nobre deputado ; por
isso admira que seja um membro do mi-
nisterio mais esbanjador que venha lanzar
em rosto ao actual gabinete alo ter feito
ainda mais economas.
Julga ter respondido ao nobre deputa-
do, completando as explicagSes que lhe fo-
ram dadas pelo nobre deputado o Sr. Lou-
reuco de Alouquerque ; e que no orga-
roento que se discute faz-se urna econo-
ma superior a 400:0000, tendo se em vis
ta a proposta apresootada pelo Sr. Candi-
do de Oliveira quando ministro da guerra
e urna economa superior a 200:0000 em
relucho ao ornamento que actualmente vi-
gora, descontando se a quan ta destinada
ao pagamento atrazado de far lamentos, a
economa imito maior.
O Sr. Canto (p3la ordem) pergunta se
foi apresentado parecer sobre urna emen-
da que apresentou.
O Sr. Coelho Rodrigues (1. secretario)
l o parecer da commissao approvando a
emenda a que se referi o Sr. Canteo e
urna sub emenda.
Sao apoiadas e entrao conjunctamente
em discussao a emenda o a subemendaque
foram publicadas na sessao de 24 do cor-
rente.
Ninguem mais podiudo a palavra en-
cerrada a discu8sao.
Verifieada, pela chamada, a falta de
numero legal para votar, adiada a vot*-
cSo para a primeira sessao.
OR(AMESTO DA AGEICCLTBA
Entra em 2.a discus32o o seguinte pare-
cer da commissao de orjamento fixando a
dospeza do ministerio da agricultura ^para
o exercicio de 1886-1887.
A commissao do ornamento, tendo ero
vista a proposta do governo relativa des-
peza io ministerio, dos negocios da agri
cultura, commercio e obras publicas para o
exercicio de 1886-1887, e comparando-a
com a despeza autorizada para o mesmo
ministerio no exercicio de 1884-1885, ac-
tualmente em vigor em virtude da lei n.
3,277 de 25 de Junho de i886, verificou
na proposta do governo o excesso de....
4,23O:7UJ035O.
Considerando, porm, que podem ser at-
tendidas par o exercicio de 1886-1887
as economas indicadas para o exercicio de
1887-1888 pe actual ministro da fazenda
e considerando mais que exige o desen-
vulvim-nto do Bervco publico pequeos
augmentos em algumas das verbas da pro-
posta do governo, entende a commissao
podei desde j indicar as modifieacSes e
alterajSes que constara da seguinte de-
monstragao alm de outras que propor no
correr da discussao:
1 secretaria de estado 226,9480000.
Supprima-se o venc ment do director
adiido 5:0000, por j ser fallecido, e re-
duza-se de 2:0000 a consignaco para pu-
blieacSu do expediente, etc., tendo se em
vista a proposta para o exercicio de 1887
888 219:9480003.
| 2' Sociedade Auxiliadora da Indus-
tria Na onal 6:0000000.
Reduza-se importan, ia pedida para o
exereUio de 1887 -1888 2:0000000.
| 5." Estabeleeimento Rural de S. Pe-
dro de Alcntara 27:5900000.
Reduza-se esta verba a importancia pe
di la para o exercicio de 18871888...
8:0000000.
| 6. Auxilio para escolas praticas de
agricultura e veterinaria 40:0000000.
Reduza-se quantia pedida para o exer-
cicio de 1887 -1888 20:0000000.
| 8. Auxilio para a impreisao da Flo-
ra Brasiliene 10:0000000.
A commissao entendeu dever mantsr
esta verba, apezar de suppriraida pelo go-
verno na proposta para o exercicio de 1887
1888, attento o fim a que se destina,
por na> julgar conveniente interromper a
til publicarlo a que se refere, depois dos
sacrificios feitos, 10:000:000.
12. Corpo de bomberos 349:6850.900.
Supprima se r. consignacSo do 10:0000
para compra e nssentamento de 100 regis-
tros de incen lio, por achar-se incluida na
verba Obras publicas -a quantia neces-
saria para esse fim 339:6850900.
| 13. Illuminaclo publica (a).......
84:O96035. Convm aduptar quanto a
esta parte a proposta do governo para o
exercicio do 1887 -1888 por basear-se
conforme nella se declara no numero ac-
tual dos oombu8tor*s. Nesta conformidade
propo; a commissao as seguintes altera-
c5ss : reduccSo de 2090524 na consigna-
do para custeio dos co obustores na illu
miaayao por g >S correte e os augmentos de
3160693 na consignaQao para illurainaao
das praas e jardns, de 7:2760266 naque
refere-se a diffrengas de cambio e, final-
mente, de 5:4960777 no custeio dos lam-
pe5es da illuminagSo por gaz globo .....
860:9750437.
| 15. Estrada de ferro D. Pedro H.
Custeio 7.515:0000000.
Com o intuito de attender-se actual
organisacao dos servaos desta estrada e
s suas mais urg ntes e iadispensaveis ne-
cossidades, modificou se a tabella explita-
ti va correspondente a esta rubrica da pro
posta do governo, organisando-se outra que
offerece, alm das vantagens expostas, a
redcelo de 13:8450400 na importancia
total da referida proposta, e que a com-
missao, por esaes motivos, adopta em sub
stituicao da primeira 7.501:1540600.
| 16. Estrada de ferro de Sobral------
209:8680000.
F.i^am ae as seguintes reducc5es : de
3:2000 na consignado para pagamento do
chefe do trafego, por estar sendo este car-
go exerdo cumulativament! pelo chefe 4*
locomogao, mediante a gratifie.-gao de lj3
dos vencimentos ; do 2:5330 na verba
machinistas, foguistas, mestres das ofiei
ase a de 2:4300 na verbamestres de
linha, feitores, etc. tendo-se em vista a
proposta para 1886-S88; a de 10:0000
na consignacao para acquisicao de mate-
rial rodante 191:7050000.
| 17. Estrada de ferro de Baturit (b)
246:4350000.
Para o exercicio de 1884 -1885 foi vo-
tado para as despezas desta estrada o ere-
dito de 247:5690290, e para o de 1887
do
governo ele va-se a
de Paulo Af
Nota (a). Nesta importancia est inclui-
do 1:0000 proveniente da reetifioacao de
erro de somma da respectiva tabella ex
pliettiva.
(b) Na proposte l-se : 244:5690, mas a
re :titieacao da somma da respectiva tabella
eleva
indicada.
1888 a proposte
248:0965000.
18. Estrada de ferro
fonso 170:0000000.
Accrescente se para nequisico de lo-
comotivkB e carros 30:000;, visto tur sido
a coramissSo infjrmada ser indiapensavel
para manter se o trafego nesta estrada
melhorar o material de trcelo rodante
que acba-se rauito estrag .do, estando em
servijo desde a esnstruegao da estrada
200:0000000.
19. Prolongimonto da estrada de fer-
ro do R cife ao S. Francisco e estrada de
ferro do Recife a Caruar (<;) 623:0000.
Reduza-se as consignac3is: para adrai-
nistraclo, trafego e locomoco 66:0009 e
para conservagao 34:0000. 523:0000000.
8 20 Prolonga me uto da estrada de fer-
ro da Bahia ao S. Francisco ^d)........
690:6840000.
Reduzara-se : de 1:0560 a consignajio
para pessoal e de 3:8000 a que refere-se
material, para as despezas com atraccSo,
tendo-ae em vista a proposta para 1887
18S8, e metade (de 62:7300) a que se
pede para acquUicao do material rodante
621:0480000.
Na demonstracao n. 1 reduza-se de ...
4:3060 a verba par.* enganheiros de dia
tricto os quaes ficam reduzidos a 5 e sup-
prima-se a de 4:3060 relativa a um enge-
nheiro para diversos trabalhos, conforme
prescreveu a lei n. 3,230 ; reduza-se de
1820500 i consignado pira pagamento de
tres praticantes ; supprima-se o iugar de
ajudante de fiel de deposito cora 1:4400 :
e reduzam se de 4900 os voncimmtos do
administrador da floresta das Palra-ras e
de 1:8250 os vencimentos dos mestres ge-
raes, ficando suppnmido o de soldadores
vista da proposta para 1837 -1888.
Total das reduec5is nesta deraonatraao
12:5490500.
Na demonstrado n. 2na verba para
a conservacile da floresta da Tijuca redu-
za se de 1820500 os vencimentos do es-
crevente ; supriraa-se os lugares de fiscaes
da estrada de Santa Cruz at o mareo de
11 leguas e da estrada da Pavuna com o
vencimento de 1:2770500 cada um reduza-
se do 28:0000 a verba pedid;, para o ater-
rado de Santa Cruz e Itaguahy, suas pon-
tes, valles e rios. Total as reducjSes
nesta demonstracao 30:7370500 na de-
monstracao n. 3 reduza-se de 50:0000 a
verba pedida para compra e assentamento
de registro de incendio Na demonstrado
n. 5 suprima-se um engenheiro ajudante
com o vencimento de 4:3060000 ; dous de-
senhistas de 2a classe como vencimento
total de 3:6000000, dous auxiliares com o
vencimento de 3:6000000, um escrevente
o de 1:4400000, um archivista com o de
1:4600000, seis assistentes com o de.....
6:5700000 e na verba para execujao das
obras em vez de pre.stacSas ao era-
preiteiro, estudos e trabalhos accesso-
rios por administracao 600:0000000, dga-
se : para melhorameto da embocadura do
canal do mangue 200:0000. Reduccao
total nesta demonstrajao 420:9960000.
Na demonstraco n. 6. -Supprima-se
a verba de 5:0JO0 pira a conservasao da
estrada de Ahobaca no Para; reduza-se
de 120:0000000 a que se pede para con
servaQio do porto e niel hora ment dos rios
do MaranhSo / supprima-se a de 2:0000000
para a conservado das rampas da capital
do Piauhy p reduza-se de 20:0000 a de
120:0000000 para o melhoramento do rio
Parnabyba ; dimnua-se de 139:4600000 a
verba de 389:4600 pedida para as obras
de Pernarabuco (conserva$ao) do porto e
construegao da ponte Buarque de Macedo,
fi^anda a mesma verba reduzida a.....
250:0000000 dos quaes 50:0000 serio des-
nados acquisicSo do material de excava-
cio e transporte, reclamado para a con-
servacio do porto ; reduza-se de 30:0000
a verba de 130:0000 para o melhoramonto
do ro S. Francisco ha provincia da Ba-
ha, e 73:6500 as verbas pedidas para a
estrada D. Francisca na provincia de San
ta Catharina, as quaes ficam limitadas e
a 40:0000 para a conservacio da parte da
mesma estrada j construida; reduza-se de
256:2250 a verba pedida pra a conserva-
9S0 do porto e melhoramento da barra do
Rio-Grande do Sul, ficando o governo au-
tosisado a dar destino conveniente ao ma-
terial adquirido pela extiacte commissao
incumbida dos estudos da referida barra e
que u3o for alli neeessario. Total das re-
duccoes nesta denoonstracao 646:3350000.
Relativamente ao agude do Quixad a com-
missao por emquauto nada propSe, aguar-
dando o resultado da discussJo : na pro-
posta pede-so para esse servico a verba de
280:0000000.
Na ^demonstracao n. 7 -Supprima-se a
verba pedida para a com nissao da Carta
archivo 17:3000. Total das redceles
propostas, 1,177:9180000.
24^ Telegraphos 2,210:9600000.
Na proposta para o exercicio de 1887
1838 o governo pedio para esta verba quan-
tia igual votada par o exercicio de 1884-
1885 ; a commissao propSa consequente-
mente que se adopte para o exercicio de
18861887 a mesma proposta e respec-
tiva tabella explicativa, reduzindo-se as-
sim de 279:4000 esta verba do orcamento
1,931:5600000.
25 Trras publicas e colonisacao-----
2,772:0820045.
Com o intuito de applicar ao exercicio
de 1886-1887 as redueles futas pelo
governo para o exercicio 1887 1888 a
commissao adopta para esta verba a mesma
proposta com a respectiva tabella explica-
tiva, resultando a dirainuicao de........
356:7630800,2,415:3180245.
26 Catechese e civlisacao dos indios
75:0000000.
Tendo sido organisada a proposta do
governo para o exercicio de 1887 1888,
tendo-se em considerado as necessidades
attuaes do 8 ^rvico, a commissao adopta-a
para o exercicio do que agora se trata,
comquanto resulto d'ahi o pequeo aug-
mento de 5:0000, 80:0000000.
27 Subvengo companhias de nave
gayio por vapor 2,970:6000000.
R^l-tivamente esta verba a commissao
igualmente prop5e que se adopte a pro-
posta para o exercioio de 1887 -1883, rea-
lizando-so por esta forma a reduejao de
487:8000, 2,482:8000000.
28 Correio geral 2,733:3630840.
Adptala a proposta do governo para o
exercicio de 1887 -1888, de accordo com
as considarag5e3 expendidas, a commissao
propSe que se reduza de 21:3330440,____
2.714:0300400.
| 29. Musen nacional 62:2800000
Accresuente-se: Gratificado ao enge
nheiro Orville Derby, como director 3a
seccSo do Museu 4:2000, 66:4800000.
30. Laboratorio de phisiologia experi-
mental do Museo Nacional 12:9600000-
Reduza se a verba da quantia de 600,
de conformidade com a proposta praa o
exorcicio de 1837 1888, 12,9000000.
31. Fabrica de ferro de S. Joao de
Ipaneraa 184:3400000.
Entende o ministerio da agricultura ser
indispensavel no interesse do Estado con-
cluir promptamente a nova oficina dos for-
nos altos e construir a oflcina de rame
para telegraphos e fabrii-acSo de pontas de
Pariz, augmentando para esses fins a con-
signauo para novas construccoes com....
28:OOQ0, e, outrosim, elevar o dobro a
machinismos. Attendendo reclamado do
referido mioistirio, a commissao proppSe os
augmentos alludidos na importancia total
de 48:0000, 232:2400000.
34. Garanta de juros estradas de fer-
ro contratadas ou j construidas, por effeito
da autorisacao contida na lei n. 2,450 de
24 de Seterabro de 1873, 7,026:7800916.
Reduza-se esta verba de 677:9690511,
adoptando se a tabella correspondente
proposta de 1887 1888, 6,348:8110405.
35. Garanta de juro3 s emprezas de
engenhos centraes, em virtude da lei n.
8,357 do 24 de Dezembro de 1881,.....
300:0000000.
| 36. Fiscalisacao da estrada de roda-
gera Uniao & Industria e de diversas es-
tradas de ferro, 16:0000.
Supprimidas as consignajSes p ra a fis-
calisacao da estrada Uniao & Industria...
4:9000, e para a da estrada de ferro Leo-
poldina 1:3000, passando a estrada Uniao
& Industria para o dominio das provincias
em cujo territorio estiver comprehendida.
Total das reduccoes 6:2000, 9:8000.
A comparado entre a proposta da com-
missao, de accordo com a do governo para
o exercicio de 1887 -1888 e a lei do or-
camento votada para o exercicio de 1884
1885, ainda em vigor, demonstra naquella
a difFermca para menos de 3,269:6790151,
e tomando era consideracao os augmentos
propostos na importancia de 100:0790112,
conformo estilo indicadas na demonstracao
cima, ficar reduzida a proposta do go-
verno da quantia de 36,734:2370681 a...
33,56 4:6370342.
Em conclusao pois, a commissao de
parecer que se adopte a seguinte resolu
5S0 :
Art. 7. O ministro e secretario de esta-
do dos negocios da agricultura, commercio
e obras publicas autorisado a despender
no exercicio de 1888 -1887, com oa servi-
dos designados nos seguintes paragraphos,
a quantia de 33,564:6370642.
1. SacreUria de es-
tado. Menos 7 0000000 do
que na proposta
2. Sociedade Auxi-
liadora da Industria Na-
cional. Menos 4:0000 do
que na pro posta
3. Imperial Institu-
to Bahiaoo de Agricultu-
ra. Como na proposta
I 4.' Imperial Insti-
tuto Fluminense da Agri
cultura. Como na propos-
ta
5. Estabeleeimento ru-
ral de S. Pedro de Alcn-
tara. Monos 19:5000 do
que na proposta
6. Auxilios para es-
colas praticas de agricul-
tura e veterinaria. Menos
20:0000 do que na pro-
posta
7. AcquUijao de se-
raentes, plantas, etc. Co
mo na proposta
8. Auxilio para ira-
pres*3o da Flora Brasi-
liense. Como na proposta
9." Eventuaes, etc.
Como na proposta
10. Passeio Publico.
Como na proposta
11. Jardim da praca
da Acclamacao. Como na
proposta
12. Corpo de bombei-
ros. Menos 10:0000 do
que na proposta
13. Illuminajao pu-
blica. Mais 12:8790112
do que na proposta
14. Garanta de ju-
ros s estradas de ferro.
Como na proposta
15. Estrada de ferro
D. Pedro II. Menos...
13:8450400 do que na
proposta
16. Estrada de ferro
do Sobral. Menos......
18:1630 do que na pro-
posta
1 17. Estrada de ferro
de Baturit. Como na pro-
posta
18. Estrada de ferro
de Paulo Alfonso. Mais
30.0000 do que na pro-
posta
1 19. Prolongamento
da estrada de ferro da Ba-
bia ao S. Francisco. Me-
nos 100:0000 do que na
proposta
i 20. Prolongamento
da estrada de ferro da Ba-
bia ao S. Francisco. Me-
nos 6J:,6365
J 21. Estrada de ferro
de Porto Alegre Uru-
guayana. Como na pro-
posta
22. Obras publicas.
Menos 1,177:9180 do que
na proposta
23. Esgoto da cidade.
Como na proposta
24. Telegraphos Me-
nos 279:4000 do que na
80:0000000
2,482:8000000
2,714:0300400
ee^soiooo
12:9000000
232:3400000
0
27:0000000
vilisaca > dos indios. Mais
5:0000 do que na pro
posta
27. Subvenyilo com-
panbias de navegacao por
vapor. Menos 487:0000
do que Da proposta
28. Correio Geral.
Menos 21:3330440 do que
na proposta
29. Museu Nacional.
Mais 4200 do que na pro-
posta
30. Laboratorio Phy-
siologa Experimental do
Museu Nacional. Menos
600 do que na proposta
I 31. Fabrica de ferro
de S. Jo3o de Ipanema.
Mais 48:0000 do que na
proposta
32. Manuraissd'es
33. Educacjlo de in-
genuos. Como na pro-
posta
34. Garantia de ju-
iOS estradas de ferro
contratadas ou j cons-
truidas por effeito da au-
torisacao contida na lei n.
2,450 de 24 de Setembro
de 1873. Menos......
677:9690511 do que na ^
proposta 6,348:8110405
35. Garantas de ju-
ros s era emprezas de en-
genhos centraes, em vir-
tude da lei n. 2,687 de 3
de Novembro de 1875 e
o decreto n. 8,357 de 24
de Dezembro de 1881.
Como na proposta 300:0000000
36. Fiscalisacao da
estrada de rodagem Uniao
e Industria e de diversas
estradas de ferro. Menos
62000000 do que na pro-
posta 9:8000000
Sala das commissSes, em 25 de Julho
de 1886. Lonrenjo de Albuquerque.
Rodrigues Alves.Carlos Peixoto. Silva
Tavares. Lucena.
219:9480000
2:0000000
20:0000000
48:0000000
8:0003KXX)
20:0000000
4:0000000
10:0000000
10:0000000
8:6000000
29:9200000
339:6850900
860:6750437
1,327:1600655
7,501:1540600
(c) Na tabella respectiva est esenpto
essa importancia quantia acim por erro de somma 622:0000000.
1 proposta
25. Trras publicas e
colonisacao. Menos.....
356:7630800 do que na
proposta
I 26. Catechese e ci-
O Sr. Cesarlo Alvlm n3o pode
deixar de consignar o facto de nao haver
numero para votar-se o orcamento daguer-
ra ; acredita que os honrados ministros nao
poderao deixar de ver nesse acontecimen
to grave symptoraa, n3o para a vida mi-J
nistarial de Ss. Excs., mas para a vida
das nossas instituicSss ; o governo tem ob-
servado que por parte da opposi$ao liberal
nao se lhe tem criado o mnimo embarajo ;
a discusso e votagao dasleis annuaos ten-
se feito com a maior precisao, mas, infe-
lizmente pela conviegao a que chegou a
Cmara de qm a discussao no recinto da
Cmara nada adianta, porque o que for de-
liberado pelo governo o que se far; por
isso paite da maioria se retirou, porque
nao cootava que a 3* discussao do orga
ment da guerra se encerrasse hoje.
Nota que quando o deputado vem de
manna para a Cmara traz um certo desejo
de discutir as quest3es que se agitara ; che
gaudo, porm, Cmara, ve um certo pa-
vor, que faz desapparecer todo o enthu-
siasmo, de modo que agora o orador sen-
te-se na tribuna a contragosto.
O Sr. Presidente adverte o orador que o
que ae discute o orcamento da agri mltura.
O Sr. Cesario Aivim tem notado urna
certa condescendencia no Sr. presidente pa
ra com a minora, permittindo certa lar-
gueza no debate, ainda hoje deixou tomar-
se a palavra para urna questao pessoal.
O Sr. Presidente:A questao de econo.
raia est sempre em discussao.
O Sr. Cesario Alvim vai tazer ligeiras
observagSes sobre o orcamento da agricul-
tura: nota o que se tem passado as dis-
cussSes : que os membros da opposicao tem
feito esforco3 para sustentar o prestigio po-
ltico do Sr. presidente da cmara, mas n3o
tero podido obter do governo reduegao al-
guma as despezas publicas ; de modo que
aquelle que apreciar o paiz pelo que se
passa na cmara dir que o Brasil nada na
abundancia, porque pode ter luxo em ex-
ercito, em marinha e em outros servicos.
* Analyaa a importancia dos servigos do
ministerio da agricultura e as reduegoes
propostas no orgamento ; entretanto no re
latorio do honrado ministro encontrase o
mais triste sudario das nossas miserias
Mostra que o relatorio de S. Exc. diz
que os resultados da nossa nica industria
n8o tem correspondido aos grandes sacrifi-
cios feitos pelo Estado; de modo que o va-
lor real da produegao do Imperio o mais
de animador, o que pro va com a compa
rag3o daquelle valor no 1." exercicio do
ultimo quinquenio com o do ultimo exer-
cicio, tendo este urna differencA P*ra me-
nos de 19 000:0000000.
O orador descreve o estado das provin-
cias do Norte tornando saliente a provincia
do Cear e fazendo excepg3o das provin-
cias do Para e Amazonas pela riqueza da
borra-.ha, mas que industria em que uao
se pode confiar, como demonstra.
ICr que os honrados ministros da fa-
zenda e da agricultura devem estar seria
mente preoecupados, j n8o falla na trans-
formagao do trabalho escravo, mas em re-
lag3o a phenomenos que a sciencia ainda
n5o aprofundou, mas que fazem recoiar
pela produegao futura.
Referindo-se industria saccarina, o
orador faz varias considerag5es, historian-
do a quantidade de engenhos cujos ".api
taes se tm garantido, chegando essa ga-
rantia a cerca de 30,000:0000 e os resul-
tados negativos desse dispendio.
Esperava que o Sr. ministro da agricul-
tura apresentasse alguma cousa nova a
respeito da iromigracao, porque, pagamen-
tos de passagens e outras medidas j sao
velhas e muito oonhecidas. Pensa que se
deve estudar algum meio de aproveitar os
colonos da trra, em vez de estar com os
olhos fitos na Europa.
Indi -a as variadas causas que astuSo
sobre o cambio e o conservam baixo e diz
que n8o tem esperanga de vl-o firmar-se
tko c do.
Quanto fabrica de ferro de Ipanema,
sustenta, argumentando com os dados do
relatorio do Sr. Mursa, director desse es-
tabeleciceoto, que queremos ser paiz in-
dustrial deitando dinheiro fra; acredita,
pois, que nao se deve consignar maior ver-
ba para esse estabeleeimento, porm guar-
dar o dinheiro para fomentar outras indus-
trias mais proveitosas. -
Nao tem nenhuta reco de um conflicto
com os nossos vizinbos do Rio da Prata, e
por sbo n3o v porque havemos do estar
sempre nos armando, quando vemos que
elles se armam.
Com relacSo garantia de estradas de
ferro, manifest se favoravel a este recur-
so industrial em um paiz como o nosso, tSo
carecedor de communicagoes facis; mas
entende que deve-se proceder com a m-
xima caut la as concessSes e privilegios,
para evitar o facto, constantemente obser-
vado, de serem vendidas essas concessSes
por especuladores nncionaes a especulado-
res estrangeiros, encontrando estes aqui,
nos concesionarios e seus amigos, ptimos
para obterem do governo os maiores fa-
vores.
E' assim que a estrada de forro do Rio
Verde, que nos consumi um capital de
cerca de 16,000:0000, teve isengao de
diroitos at pa>-a telhas e tijolos.
E' por causa desta facilidade de conces-
sSes que muitas estradas, e especialmente
as do norte do Imperio, tm pesado con-
sidera vel mente sobre o thesouro. E o que.
diz com relagao s estradas de ferro deve
applicar-se igualmente s concessSes fe*tes
a engenhos entraos. |
E' por patriotismo, e nao por animo
hostil ao gabinete,, que faz consideragSes
sobre este assumpto, susceptivel do maior
desenvolvimento, e com o qual se oceupa-
r em outra occasiao.
Por agora limita se a pedir ao nobre mi-
nistro da agricultura que encaminhe um
pouco a poltica do gabinete de 16 de Ju-
nho era relagao a industria agricola, ciar-
se a que se desvanece de pertencer, e a
qual merece animacao e proteegao por par-
te dos poderes pblicos.
Tambera se sabe que sendo cousa as-
sentada, a creagao deum novo ministerio-
do commercio e agricultura, foi convidado
para esta pasta o redactor do jornal A
Provincia, Oliveira Martins, que recusou
aceital-a.
A nova direegao da AasociagaoCommer-
cial approvou j a idea de urna exposigao
internacional, em 1887, de apparelhos e
machinas da viticultura e anologia, irai-
tagao da que ltimamente se realisou na
capital da Italia.
Foi nomeada urna grande commissao
preparatoria, que ser presidida pelo ex-
ministro Antonio Augusto do Aguiar, que
socio gonorario da Associagao Commer-
cial do Porto.
Por occasiao da exposigao celebrar-se-
hSo conferencias publicas sobre a cultura
da vinha, doengas desta planta e remedios
que para ellas se recommendam, sobre oa
processos de fabricagao do vinho, sobre o
emprego de differentes machinas, e, final-
mente, sobre as medidas que sao ma3 ur-
gentemente reclamadas para o desenvolvi-
mento e larga prosperidade de um tto va-
lioso ramo da produegao nacional.
A disous8ao tica adiada pola hora.
O Sr. presidente deu ordem do dia 27.
24604350000
200:0000000
523:0000000
621:0480000
576:1090000
2,145:2760000
2,030:5800000
1,931:5600000
2,415:3180245
SESSO EM 27 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SE. ASDBADE FIGEIBA
Ao meio/iia comega a chamada, que ter-
mina ao mio dia e 10 minutos. brese a
sessao.
E' lila e aprovada a acta da sessao an-
tecedente.
O Sr. 2- Secretario servindo de 1* da
conta do expediente.
Sr. Joaquina Pedro agrdece
mesa conceder-lhe perraissao para terminar
seu discurso interrompido hontem pela
hora.
O Sb. Peesidente responde que o ora-
dor inscripto parafallar hoje quem cedeu
o seu lugar ao nobre deputado.
O Sb. Joaqim Pedbq nao esperava
que o Sr. Seve Navarro voltease a carga
sobre as finangas da provincia do Rio-
Grande do Sul e pretendesse perfunctoria-
mente convencer cmara e ao paiz que
as assemblas provin;iaes rio-grandenses
haviam sem criterio e sem patiotismo ge-
rido as finangas daquella provincia.
Limenta que S. Exc, sem examinar as
circuinstancias qua se deram, viessa cen-
surar o dficit devido ao augmento natural
e progressivo da despeza com os differen-
tes ramos do servigo provincial.
Estranha tanto mais esse facto; quanio
o orador havia convidado o nobre deputado
para naquella assembla provincial liquidar
essa questao, porque na cmara alteva
tempo e bases minuciosas para tratar do
assumpto t3o importante.
V, porm, que das arguigSos do nobre
deputado ro sobresahe um facto que pro-
ve que os governos liberaes malbaratassem
os dinheiros pblicos provinciaes, ao passo
que, em menos de um anno que est inau-
gurada a situagao conservadora, n3o se
tem observado o rgimen aa lei ; o vice-
presidente da provincia acaba de metter
mao criminosa no cofre provincial fazendo
um legado de 15:0000 a um empregado
aposentado.
Responde a urna contestagao do Sr. Seve
Navarro, apresentando o parecer da com-
missao de justiga daquella assembla pro-
vincial, que l.
Historia a pretongao de Luiz Ferreira
de Abreu, sempre repellida pelas assem-
blas e administragSes liberaes, at que foi
attendida pelo actual vicepresidente da
provincia.
Passa a oceupar-se do discurso do br.
Seve Navarro, repellindo a accusagSo de
imprudente que S. Ex^. lhe langou, por-
que jamis ser imprudente o cumprimento
do dever, sendo a prova de que o orador
jamis deixou de proceder do modo que
devia, o facto de ter sahido triamphante
do seio das urnas.
Desenvolvendo as suas apreciagSes, res-
ponde o orador vehementemente a apartes
violentos do Sr. Seve Navarro.
A urna advertencia da mesa, o orador,
com todo o respeito ao Sr. Presidente, re-
tira o que disse, lerabrando, porm, que
fra injuriado pelo Sr. Seve Navarro at
quando se achava ausente do recinto.
Depois de outras consideragSes, termina
declraando que no dia em que o nobre de-
putado apresentar cmara urna prova
real de que o orador desmereceu da con-
fianga dos seus eleitores e dos cheles do
seu partido, nesse dia resignar a cadeira
de deputado, que n3o d honra a quem
nao a tem.
(Entra no salo e oceupa a sua cadeira
o Sr. Ministro da marinha.)
(Continua).
a. 42,
Tjp. do Diam ra Duqne de Oaxias


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKUKQFOG1_1F2OB5 INGEST_TIME 2014-05-28T16:23:39Z PACKAGE AA00011611_19857
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES