Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19856


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A M O Lili flMEBO 182
I
t

PARA A CAPITAL E LUGARfi ONDE NAO SE PAGA PORTE
........ 6000
......... 120000
.......... 240000
.......... 0100

Por tres mezes adiantados
Por seis ditos idem......
Por um anno :deai......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
5fl AfflnTa 1886
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados. ..'"..
Por nove ditos idem.......
Por um anno dem.......
Cada numero avulso, de dias anteriores.
130500
200000
270OW
01JO
DIARIO DE
RNMDUGO
Proptiefraiie fce Jtaiwel %urira >e Jara 4 JUIjns
O* Srs. Imede Prince A .'.
de Par, os niw agente*
exclusivos de annmu-oi e iiti-
blic icOes d Franca e Ingla-
terra.
Os 8rs. Wasburne II rmanos,
de liew-l ork. Broad %Vaj n.
*90. sito os nossos agentes ex-
clusivo* fie anuu .cios nos Es-
tados-Unidos .
TELEGRAMAS
ssavijo pastzctlas m szasxo
RIO DE JANEIRO, 10 de Agosto, s 4
Loras e 10 minutos da tarde. (Recebido
s o horas e 30 minutos, pelo cubo subma-
rino).
>o Senado, boje, a eslAo tornoa-
e lempevlaosa e fol inapeaia por
urraxiao de tratar e de negocios do
Rio Grande do Sul. havcudo troca de
pbraae* virulentas entre os Srs. se-
nadoren Dantas e Yirlato.
Aaemao continuou depoi* regular-
mente.
Fol exonerado o actual presiden-
te da provincia do Piaaby. e nomina-
do para ubtiiuii-o. o Dr. Antonio
Jan.cn de Uuttow Pereira.
Embarcaram para o norte, boje,
o paquete nacional, os Srs. Baro
de .irarag}'. Dr. Simplicio de Heaeen-
de. Dr. Fellnto. Dr. Joaquina Correa
de Oliveira andrade. Dr. Joo Bap -
(isla Correa de Oliveira e o presi-
dente nonteado ltimamente para o
Maranbo.
ssavijo 2i sr;::: .utas
(Especial para o Diario)
BERLN, 10 de Agosto.
A entrevista dos Imperadores da
Alemanba e da Austria-Hungra ter-
mlnou.
O Sr. de dlers. cbanceller do Inape-
rlo da Rana, atravessando a Ale-
manba. evitan passar por Clastein.
cldadc onde se reallsou a entrevista
don don* Imperadores.
DUBLIJfY 10 de Agosto.
As desordena que successlvamente
sa do em diversas localidades da
regiao de Belfast tomana o carcter
de verdadeira Insurreieao.
O governo occupa-se activamente
em temar as medidas mais enrgi-
cas para trlnmpbarda Insurreieao.
Agencia Ha/as, ii.'ial *.n Pernambuco,
10 >ie Agosto de 1886.
TINSTRUCCI0 POPULAR
NATACAO
( l-'.mnkido)
B\ BIUMOfrlKOA DO POVO E DAS E80OLA8
MI'FRIUION E StLVtHOTO'i
I CunlinuafOO)
A mulh-r do doutor, desesperada por nao ter
embarcado do escaler dos pilotos francezes, pedia
instantemente que largassrm o primeiro escaler.
Dea-seordein para o fazer, e depois contra ordem :
chegou a comecar-se a faina do lancara 'nto do es-
caler, e mais tarde veio prohibicao absoluta de o
fazer. Nuoca boave nufragos mais culpados da
sus perda que o cap:to Huntere oteu cirurgio .
A's prisioneiras faltara oar; algumas, em
duvida, suecumbiram asphyxiadas. Emfim, de
repente (o horror da sua situacio Ibas centuplica-
ra as forcas,) seriam oito horas da noite, arrumba-
ram as escotilbas e invadiram a tolda. Segundo
a depoimentos do noestre Owen, c do marinheiro
JoSo Rice, hara nesta occasiao seis ps de agua
no porio.
Ignoramos se foi depois, se antes de tereuu as
mulheres arrombado o porio, que a Sra. Forrester
aterrada propoz deixarem-sc as condemnadas a
bordo e salvar-se a guarnicao O que sabemos
porm, que eta insigue cobarda nao chegou a
eommetter-se ...............................
O mar, na enchente j, viuba bater no nario
que comecava a abrir por todis os lados ; e o sol
asta va prestes a mergalhar no occaso.
Por espaco de hora e meia as iofelizes depor-
tadas e as pobres enancas prUioneirns fcaram
sobre a tolda que as vagas aUgavam de popa a
proa. Deiiaram n'as gritar, lamentar se estorcer-
se, e recuaaram-li.es constantemente os meios de
alvacao, Contidas pela mais obediente das tri-
polacos, estas desditosas victimas blasphemavam,
arrancando deseperadas os cabellos. Na praia
todos os coracoes palpitavam de angustia e d.
Anoitecera. Por entre a esenrido, a custo se di
visaram os mastros e o casco da Amphitrlt; mas
Ttam-se perfeitamente as enormes e espumantes
vagas coustantemente a bater, medonhas, inexo-
raveis I... >
Em fim (depois de quatro horas de angustias
quatro horas de chamamentos inceaaantes e de
tentativas heroica), qaando a primeiras proba-
bilidades de salvamento proprias da mar baiza
sueeederam as poucas que a enchente ainda poda
.fferecer, veio por ternve 1 desfecho a inevitavel
stastropbe.
Os matros da AmphrilriUs desabaram, e o
casco d soonjuntando-se deaappareceu completa-
mente. O capito, a guarnicao, e tusa malher
(talvez a Sra. Forrester, comquanto Domeny
Rier.se affirme o contrario), estavam na mastrea-
co quando a barca se dividi em duas metades.
Todas as passageiras cahiram n'agua, excepcao
de urna nica qae se agarrou aos pedacos que
ainda estavam juntos. Primeiro separou-se da
popa o torabadilho. Em menos de meia hora ficou
a barca feita em pedacos; e estes restos, que pode-
riam servir como meios de salvamento, foram ar-
rojados praia de involta com os cadveres dos
nufragos.
Que momento aquelle em que a barca se que-
brou como um palito, fma-que os bradosde agona
das prisioneiras se comlndiram com estalar das
madeiras, o bater das fagas, e o rugido dos ven-
tos Que situacao *Vd estas pobres mulberes
abandonadas por ultimo aos seus impotentes es-
forcos A tempestad e a noite envolveram as
suas sombras este doloroso conjuncto de aceas
lamentaveis. Maldizendo os seus carrascos, as
moribundas airarravam-se frenticamente urnas s
outras, e debatiam se em couvulsoes horriveis. E
as pobres mais qae tinham todas (salvo urna loba
escocesa) por seus filhos os maiore?, desvelos.. .
que fariam ? so Deus o sabe.
(Continua)
ARTE UFFIClit
<;overuo da provincia
EXPEDIENTE DO DIA 31 DE'JLHO DE 1 886
Actos :
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de polica em
officio n. 736, de 29 do correte .mez, resol ve no-
mear os cidados Pompen da Cunta Pedrosa e
Manoel Hcnriques da Cunha Rabello para os car-
gos de 1 e 2 supplentes do subdelegada do dis-
tricto de Cruangy, do termo de Timbaba, fican-
do exonerados, a pedido, Joaquim Jos Pereira de
Lyra Filho e Feliciano Barbosa da Silva.
O vice-presidente da provincia, de contormi-
dade com a propasta do Dr. chefe de polica em
officio n. 736, de 29 do corrente, resolve nomear o
c-dado Alejandre Vaz da Silva para o cargo de
3 supplente do subdelegado do districto de Cruan-
gy, do termo de Timbaba, em subatitucio de
Manoel de Araujo Lima que nao aceitou a nomea
cao.
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de polica em
officio n. 736. de 29 do corrente, resolve nomear
os cidados Joaquim Jos de Albuquerque e Jos
Ignacio Pereira da Rocha para oa cargos de 2 e
3 supplentes do subdelegado do districto de Pin
doba, do termo de Timbaba, fcando exonerados
os actuaes.
O vice-presidente da provincia resolve re-
mover o promotor publico da Comarca de Cabro-
b, bacharel Asterio Matbiis Per jira da Costa
para a de Ouricury, em substituico do bacharel
Francisco Sautiago Ramos que nao asaumio o
exercicio no prazo que ibe foi designado. O ba-
charel Asterio Mathias Pere'ra da Costa dever
assumir o exercicio no prazo de dous meses.Fi-
zeram-se as devidas commuoicaces.
O vice-presidente da proviucia resol ve no-
mear o bachirel Lydio Alerano Baudeira de Mel-
lo para o cargo de promotor publico da comarca
de Cabrob, de vendo assumir o exercicio no prazo
de tres meses. Fizeram-se as dexidis communi
caces.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu Aanunciada de Mello Montene-
gro, professora da cadeira de ensino primario de
Itapissuma, e tendo em vista a informaco n. 219
de 19 do correte mes do inspector gcral da Ios-
trueco Publica, resolve prjrogar por seis mezes,
sem vencimentos, a licenca ltimamente concedi-
da peticionaria para tractar de sua saude, onde
lbe convier.
Offieios .
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Para cumprimento do aviso circular do Ministerio
da Agricultura, Commercio e Obras Publicas, de
23 do corrente, sob n. 3, declaro a V. S., que nao
havendo no livro da nova matricula columna des-
tinada indicacio da naturalidado dos escravos,
embora fique ella constando (modelo A, art. 2 1* do regoUmento de 14 de
Novembro nltimo), dever ser feita na columna
das observacoes do do oito livro.
Ao mesmo Envi a V. S. um exemplar im-
presso do regulamento que baixou com o decreto
d. 9602 de 12 Junho ultimo, para execucao dos
arta. 3a e 4 da lei n. 3270 de 18 de Setembro do
anno passado, a respeito do qual recommendo-lhe
que se sirva dar as necesarias instruccoes aos
agentes fiscaes da fazenda publica, na parte que
Ibes fr relativa para a sua fiel execucSo.
Ao juiz de direito da comarca de Oioda.
Em so lucio ao assumpta do offieio de V. >. de 11
de Junho ultimo acerca da reclamacSo do escrivo
de orphos d'essa comarca, o Exm. Sr. ministro da
Agricultura, Commercio e Obras Publicas, em avi-
so de 20 do corrente sob n. 12, declarou que as
despenas de papel, tinta, etc., para libcrtacSo de
escravos que tiverein attingido as idades de que
trata o are 11 do regulamento de 14 de Novembro
do anno passado, devem correr por conta do es-
crivo, como inherentes ao exercicio do seu offi-
cio.
Ao inspector do Thesouro Provincial. Em
additamento ao meu officio de "23 de Junho findo,
reinetto a Vine, para os devidos fina, a inclusa
couta, por duplcala, na importancia de 1124000.
proveniente de 16.000 capsulss fulminantes forne-
cidas pelo Arsenal da Guerra ao Corpo Policial,
em virtude do aviso do Ministerio da Guerra de 10
d'aquelle mez.
Ao mesmo. Nos termos da oua informacio
de hontem, sob n. 57, maode Vmc. pagar a D. Ma-
ra Theodora da Assumpco Ferreira a importan-
cia de 1324264, proveoiente dos alugueis da casa
sita ra Imperial que serve de estacao da guarda
cvica, coucernentes ao periodo de que tratara os
inclusos documentos decorridos de 22 de Outubro do
rnno passado a 30 de Junho ultimo.
Ao director do Arseoal de Guerra. Com a
inclusa informaco por copia do brigaleiro com-
mandantu das armas, de hontem datada, sob n. 395,
respondo ao officio de Vmc. de 24 do corrente, seb
n. 493, relativo ao augmento de torca para a guar-
da do paiol da plvora na Imberibeira.
Ao inspector geral da instruccao publica.
Em vista do art. 13.' n. I do regulamento de 6 de
Fevereiro do 1885, concedo a autoriaaco solicita-
da por Vmc. para abonar as faltas de exercicio
escolar da professora Candida Hermogenes de
Mello Mascarenhas, de que trata em seu officio, a
que respondo, o. 232 de 28 do corrente mez.
A' junta classificadora do escravos do muoi-
cipio de Caruar.Na falta de eteraros cm meiho-
rei condices que os constantes da nova classifica-
cio, Knnexa por copia ao officio de Vmcs., de 22
do crrente, organisada segundo determinei em of-
ficio de 12, appiovo a dita clat>sificaco.
Recommendo que o agente fiscal, findo o praso
do art. 34 do regulamento de 13 de Novembro de
187:', contado do da em que for ah conhecido o
acto, da approvac&o desta presidencia, proceda de
accordo com o art. 37 e seguintes do dito regula
lamento, conforme consta da minha circular de 24
de Maio, tendo igualmente em viota a ordem cir-
cular do Thesouro Nacional de 16 de Julho de
1883, porquanto os valores mximos do 3." do
art. 1.* da lei n. 3,270, de 28 de Setembro do anno
passado, s2o simplesmente as permittidas para a
nova matricula, mas nao se revogaram aquellas dis-
posiQoes.
Ao jniz municipal e de orphos do termo de
Caruar.Tendo approrado hoje a nova classifi-
csco dos escravos libertandos pela 7.* quota do
fundo de emancipacio distribuida a esse termo,
feita pela respectiva junta classificadora em 22
deste mez. de contormidade cem as instruccoes
desta presidencia em officio de 12, assim o declaro
a Vmc. para es fins convenientes, certo esse. juizo
de que o praso das reclamscoes, do que tratam os
arte. 34 e 35 do regulamento de 13 de Novembro
de 1872, deve ser contado da data em que for ah
conhecido o acto da approvaco; findo o qual, o
collector geral, jnembro da junta, dever proceder
de accordo com o art. 37 e seguintes do dito regu-
lamento e ordem circular do Thesouro Nacional de
16 de Julho de 1883, porquanto os pncos mximos,
a que sa refere a tabella do 3. do art. 1. da lei
n. 3,270 de 28 da Setembro do anno passado, o
permittido simplesmente, para a ora matricula,
mas nao axclue o cumprimento daquella disposico.
Para esee assumpto chamo especialmente a atten-
cSo de Vmc.
A' Cmara Municipal da Gloria de Goit.
Accuaando o recebimento do officio da Cmara Mu-
nicipal da Gloria de Goit de 21 do corrente, acom-
panhado de objectos que devem figurar na exposi-
co de productos Sul-Americanos, qua se abrir
em Berln no dia l. do Setembro prximo futuro,
agradece mesma Cmara a solicitude com que
corresponder aos deaejos do governo, sendo a pii-
meira a satisfazcr a recommendacao desta presi-
dencia constante da circular de 10 de Junho ul-
timo, i
Portaras :
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na mande transportar, gratuita e opportuna-
mente, a proa, para o presidio de Fernando de
Noronba, Antonia Maria da Conceico, mi do
sentenciado Jos Antonio dos Santos Commnni-
cou-8e ao director do presidio de Fernando de
Noronha.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem a proa at o presidio de Fer-
nando de Noronha, na primeira opportunidade,
por conta das gratuitas a que o governo tem di-
reito a Maria Raymunda da Conceico, mulber
do sentenciado Manoel Salustiano dos Santos, que
para all segu, a tres filhos menores Luiz, Pauli
no e Julia, e a urna cunhada do mesmo, de nome
Maria Rodrigues de Oliveira. Communicou-se
ao director do presidio de Fernando de Noronha.
EXPEDIENTE DO SECBBTABIO
Ao conselheiro tenente-gencral Jos de Mi-
randa da Silva Res, intendente da guerra. De
ordem do Exm. Sr. vice-presidente da provineia,
tenho a honra de transmittir a V. Exc. a inclusa
parte dada pelo adjunto do Arsenal de Guerra
d'eata provincia com relacao aos 12 caixoes con
tendo medicamentos e artigos pharmaceuticos de
que tratam os offieios de V. Exc. de 19 do cor-
rente, sob na. 624 e 628.
Ao Io secretario da Assembla Provincial.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia, communico a V. S. que no officio de hoje n.
180, a que se acha anner.o o ponto dos emprega-
dos da secretaria dessa Assembla relativo a este
mez, ioi proferido o despacho seguinte : Remet-
tido ao Sr. inspecto ao Thesouro Provincial para
os devidos fins.
Ao superintendente da estrada de ferro do
Recife ao 8. Francisco. De ordem do Exm. Sr.
vice-presidente da provincia, o Sr. superintenden-
te da estrada de ferro do Recife ao Sao Francisco
sirva-Be de mandar conceder passagens de 3*
olasae que serio opportunamente descontadas das
gratuitas a que o governo tem direito, da estadio
de Uaa a de Cinco Pontas, a 2 sentenciados e 6
pracas de polica e da ettacio da Escada a 4 pre-
sos e 5 pracas, providenciando de igual forma so-
bre a volta destea opportunamente.
A commissao incumbida de agenciar pro-
ductos para a exposicio sul-americana cm Ber-
lina.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia,
manda remeter a Vv. Ss. um caixote cootendo
11 volumes de materias primas (vegetaes) e 2 to-
ros de pao brasil e tatajuba agenciados pela c-
mara municipal da Gloria de Goit, afim de figu-
raren! na exposicio de productos sul-americanos
que se abrir em Berlisa no da 1 de Setembro
vindouro.
EXPEDIENTE DS DIA 2 DE AGOSTO
Actos :
O vice-presidente da provincia resolve, de
conformidade com o disposto no art. 1 da lei n.
1873 de 13 de Julho ultimo, abrir crditos supple-
mentares lei n. 1860 do orcameoto provincial do
exercicio de 18851886 em liauidacio, na impor-
tancia de 67:701/248, distribuido pela forma se-
guinte :
Art. I. 12 4004000
... 15 7304'XK)
19 33:7904000
. 33 6:8204000
... 42 14:4614248
a i 79 11.5004000
67:7014248
Remetteu-se copia ao inspector do Thesouro
Provincial.
O vice-presidente da provincia, tendo em vista
as iemonstracoea annexas ao officio do inspector
do Thesouro de 26 de Julho findo, n. 48, resolve,
de conformidade com o disposto no art. 2 da lei
n. 1873, de 13 do citado mez, abrir crditos sup-
plementares lei n. 1860 do orcamento provincial
do exercicio de 1885 1886, em liquidacio, na im-
portancia de 36:1704000 distribuida pela forma se-
guinte :
Art. I. 8 l.o 25:0004000
. 4.0 11:1704000
36:1704<>00
Remetteu-se copia ao inspector do Thesouro
Provincia!.
O vice-presidente da provincia, attendendo a
que Affonso de Albuquerque Mranho, arrema-
tante da obra de reparos da ponte de Porto de
Pedras em Serinhiem, nao tem dado cumprimento
ao seu contracto, conforme intormou a Reparticio
das Obras Publicas em officio de 22 de Julho ul-
timo, sob n. 134;
Considerando queja se ucba esgotada, desde 15
do referid mez de Julho, a prorogacio de 4 me-
zes que lhe foi concedida para conclusao da dita
ebra;
Considerando que durante essa prorogacio nao
foi feito o menor trabalbo para a devida conclusao :
resolve, que nos termos do art. 56 do regulamento
de 24 de Feveiviro de 1884, seja rescindido o res-
pectivo contracto com imposicio de multa.Re-
metteu-se copia ao inspector do Thesouro Provin-
cial.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu Joao Ferreira Villela de Araujo,
professor da cadena de ensiuo primarij .ie Agua
f'reta, tendo em vista a informacio n. 207 do ins-
pector geral da Instruccao Publica e o parecer da
junta medica provincial, resolve conceder ao peti-
cionario, a contar de 23 de Julho findo, tres me-
z'8 de licenca com ordenado para tratar de sua
saude onde lhe convier.
O vice-presidente da provincia, aitendcndo ao
que requereu o juiz muoicipal e de orphos do ter-
mo de Santo Anti, bacharel Antonio Sergio Lo-
pes Lima, resolve conceder-lhe tres mezes de li-
cenca com vencimentos na forma da lei, para tra-
tar de sua saude, a contar do dia 28 de Julho
fiado.
Offieios :
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Communico a V. 8, para os fins convenientes, que
o bacharel Augusto Cesar Pereira Caldas a 26 de
Julbo findo assumta o exercicio do cargo de pro-
motor publico da comarca do Bom Conselho.
Ao mesmo Transmiti a V. S para os fins
convenientes, copia do officio de 29 de Julho fiado
relativo ao exercicio do promotor publico da co-
marca de Iguarass.
Ao mesmo.Communico a V. S-, para os fins
convenientes, que o 2 juiz substituto da comarca
d'esta capiiU tacharel Francisco Odilon Tavares
Lima, reaaajgmio hontem o exercicito de seu cargo.
f. Ao mesmo. Transmuto a V. S., para os fins
Gen venientes, copia dos oGicios ni. 2516, 2549 e
"2554, que o Oonselbeiro presidente do Tribunal da
Relacao dirigi-me a 26 de Junho ultimo e 24 e
29 de Julho findo, relativos ao exercicio do das-
einbargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fins
convenientes, que Joaquim Roberto Pereira a 19
de Julho finio asaumio u exercicio do cargo de
promotor publico interino da comarca de Bonito,
para o qual foi nomeado pelo respectivo juiz de
direito.
Ao uranio.Chamo especialmente a atten
ci de V. S., para o officio, junto por copia que em
23 de Julho ultimo dirigio-me o juiz municipal e
de orphos do termo de Bom Conselho, afim de que
se sirva de ordenar terminantemente ao collector
geral respectivo, sob as penas da lei, que preste
as informacoea solicitadas pelo mesmo juiz, em
desempenho de seu cargo.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Nos
termos de sua informacio n. 56, de 30 de Julho
findo, mande Vmc. pagar ao detento Manoel Mar-
ques da SiHa a quana de 304675 rs-, de que
trata a inclusa conta, em duplicata, proveniente
da despeza eom a lavagem da roupa da enferma-
ra da Casa de Detenco, relativa ao semestre de
Janeiro a Junho ultimo.Communicou se ao Dr.
chefe de polica.
Ao mesmo.Providencie Vmc. para que nos
termos da sua informacio de 28 de Julho fi ido,
n. 52, seja recolhids a esse Thesouro pelo forne-
cedor da alimentario dos presos pobres da Casa
de Detencio major Jos Elias de Oliveira, a im-
portancia de 25J550 rs. proveniente das sobras de
gneros alimentivos constante da inclusa nota.
Communicou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao mesmo.Recommendo a Vmc, em solu-
cio das seos offieios ns. 727 e 44 de 24 de Junho
e 24 de Julbo findo, que mande fornecer ao admi-
nistrador da Casa de Detenco 35 cabos de ma-
deira para diversas cellulas e 50 pares de sapa-
toea de vaqueta para o uso dos deentes recolhidos
a enfermara daquelle estabelecimentoCommu-
nicou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao director do Arsenal de Guerra.Declaro
a Vmc. para os fins convenientes, e em resposta
ao seu officio n. 497, de 26 Ae Julho findo, qoe
vista do orcamento junto, na importancia de 4i000
mande fazer por esse Arsenal os concertob de que
trata o incluso pedido feito pelo commaadante da
fortaleza do Brum. Communicou se ao inspector
da Tbesonraria da Fazenda e ao brigadeiro com-
mandante das armas.
Ao engenheiro chefe da reparticio das Obras
PblicosReinetto a Vmc. copia da portara de
hoje pela qual resciudi o contrato celebrado com
Atfonio de Albuquerque Maraohao para execuco
da obra de reparos da ponte de Porto de Pedras
cm Serinhiem.
Outrosim, autoriso Vmc. a impreitar com Ni-
ceas da Silva Guarni a conclusao dos referidos
reparos, conforme propoz em seu officio de 22 de
Julho ultimo, sob n. 134.Communicou se ao ins-
pector do Thesouro Provincial.
Ao mesmo.A' vista da informacio n. 130,
prestada por Vmc. em 17 de Julho ultimo, nesta
data indefiv o re'qu.'rimonto em que o taante-
coronel Jos Piuca de Oliveira arrematante da
obra da ponte sobre o rio Una no engenho Gr-
vala, pede ii-demnisacio do accressimo de traba-
lbo havido na dita ponte.
A' junta classificadora de escravos do muni-
cipio de Iguarass. Ainda nao pode ser appro-
vada a classificacio que Vmcs. enviaram por co-
pia, com o officio de 27 de Julho :
1* Porque, determinando o aviso circular do Mi-
nisterio da Agricultura, Commercio e Obras Pu
blicas de 19 de Janeiro de 1883, que esgotada
qualquer classe de familias, das mencionadas no
dito aviso, nio est isso observado, quauto as es
era vas de ns. 1 a 3 e aos escravos de ns. 4 a 9.
2.*, por ter sido preferido o escravo de n. 6 ao
de n. 7, quando o 1.a tem um filho livre menor de
4 mezes e o nltimo tem um de 2 annos.
3.o, porque os escravos de ns. 10 e 12 perten-
eca classe dos indiv:duos, e por iiso so podem
ser elassificados, esgotadas todas as outras clas-
ses.
4.*, porque nio est provado o direito da escra
va Maria, n. II, de 26 annos de idade, pelo facto
de ter a mii e os irmios, libertados pelo fundo de
emancipacio, declaracio dos nomes destes.
Recommendo, portento, que tenha lugar urna
terceira classificacio.Remetteu-se copia ao res-
pectivo juiz de direito.
A'junta classificadora de escravos do muni-
cipi i de S. Bento.Informando Vmcs., em officio
de 26 de Julho ultimo, que nesse municipio nao
ha escravas casadas com homeos livres, nsm es.
cravos casados com mulheres livres em melhores
condicoes do que os tres mencionados na classifi-
cacio, que, por copia, aeorapanhou o de 3 d) dito
msz, ap, rovo a classificacio feita.
Esgotado perante o juiz de orphos o prazo do
art. 34 do regulamento de 13 de Novembro de
1872, o qual comecar a correr da data em que
for ahi conhecido o acto deata presidencia, dever
o agente fiscal, membro da jnnta, preceder se
gundo determina o aviso circular do Ministorio da
Agricultura, Commercio e Obras Publicas, de ac-
cordo com o *rt. 37 e seguintes ds dito regula-
mento e ordem circular do Thesouro Nacional de
16 de Julho de 1883, allndida na portara dirigida
pelo inspector da Thesouraria de Fazeuda ao mes-
mo agente em 22 de Juiho ultimo, sob n. 20. at-
tendendo ao estado pbysico, idade e outras con li-
ces do libertando ; porquanto, os valores a que
se refere a tahella do 3. do art. l.o da lei n.
3,270, de 28 de Setembro do anno passado, bo os
mximos permittidos para a nova matricula, mas
nao excluem as mencionadas providencias.
O que tenho por muito recommendado.
Ao juiz municipal e de orphos do termo de
S. Bento.Remettendo a Vmc. para sua direceo,
copia do officio, que dirijo hoje junta classfica-
d ra de escravos desae termo, approvando a clas-
ificacao. que, pnr copia, acompanhou o officio do
3 de Julho ultimo, chamo a sua attencio para o
facto de haver sido clarificando em 1* lugar o es-
cravo Mathia, perteucento a prente do collector
geral, membro da meema junta.
Ao juiz municipal e de orphios do termo de
Bom Conselho.Int--irado do que Vmc. expoz no
officio de 23 de Julho ultimo, declaro-lho que re
commendei hoje terminantemente do collecto'- ge-
ral desse termo, por intermedio do inspector da
Thesouraria de Fasenda, que preste qualquer in-
formacio exigida per esse juizo, para o fiel anda-
mento das diligencias, que no mesmo juizo com-
petiris.
Declaro-lhe outro-sim que em 17 do dito mez,
mandei proceder, como lhe communiquei, nova
classificacio por nao estar regular a qae acompa-
nhou o officio de 9.
Outrosim, tendo o governo imperial mandad"
abrir nova matricula smente nos municipios d:
Ingaaeira, Villa-Bella e Triumpho em 1877 e 1878,
i visto do que occorreu nos meamos municipios,
ceito que Vmc. procede convenientemente para
se conhecer do modo porque foi matriculado em
1871 o escravo S'.lverio, pertencente ao rarsmo
collector e dar fiel cumprimento ao disposto nos
arte. 34, 35 e 36 do regulamento de 13 de No^eni-
b o de 1872.
Porteras:
A' viste do que expoe a Cmara Municipal
da Gloria de Goit em officio de 26 de Maio e 8
de Junho finde, autoriso a mesma Cmara de ac-
cordo com o ari. 96 nico da l n. 1221 de 21
de Junho de 1875, a despender mais no corrente
exercicio financeiro municipal a importancia de
1404360 sendo 684560 para limpeza dessa cidade
e da povoacio de Chi de Alegiia e 714800 para
agua e lu da cadeia, visto achar-se eagotados os
crditos votados nos 6 e 9- da lei n. 1862 de
1885 para aquellos despezas.Remetteu-se copia
ao 4- secretario da Assembla Pr vincial para
ser apresentada opportunamente consideracio da
dita Assembla. -"".rj
O Sr. agento da Companhia Brasileira taca
transportar corte, por conta do Ministerio da
Marinha, no vapor Espirito Santo esperado d >
norte, o voluntario para o servico da armada Jos
Francisco de llmeida. Communicou-se ao in-
spector do Arsenal de Marinha.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca tranapirtar psra o presidio de Fernando de
Noronha, por conta de Res & Santos, oa gneros
e objectos mencianados na inclusa relacio.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Offieios :
Ao engenheiro chefe da Reparticio das
Obras Publicas.O Exm. Sr. vice-presidente da
provincia ficou inteirado pelo officio de 27 de Ju-
lho ultimo, sob n. 135, de haver V. S. manda-
do passar certificado de pagamen o da 1* prestacio
da obra de pintura do Jardim do Campo das Prin-
cesas o que tem direito o respectivo contractante.
Ao mesmoO Exm. Sr. vice-proidente da
provineia ficou in'etrado pelo officio de 27 de Ju-
lbo ultimo, sob n. 136, de haver V, S. mandado
lavrar termo de recebimento previsor o da obra de
reparos da bomba do Peres na estrada da Victoria
e passar certificado de pagamento a que tem direi-
to o respectivo contractante.
Ao Dr. juiz de direito de Iogazeira.De or-
dem do Exm. Sr. vice-presidente da provincia
transmiti a V. S. para seu eonhecimehio e fins
convenientes, copia do officio do Dr. chefe de po-
lica, n. 749, de 3*f de Julho findo relativo re-
quisicio constante do seu officio de 17 do referido
mez.
Ao juiz municipal e de orphios do termo do
Brejo da Madre de Deus.-O Exm. Sr. vice-pre-
sidente da provineia nesta data submetteu deci-
sio do Ministerio da Agricultura Commercio e
Ooras Publicas o assumpto do fiual do officio de
V. S., de 21 de Julho ujtimo.
Ao Dr promotor publico da comarda de Bom
Conselho.S. Exc. o Sr vice-presidente da pro-
vincia inteirado do assumpto do officio de 27 de
Julho findj, recommenda a V. S. que transmuta
a certidio do seu exercicio.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 9 DE
AGOSTO DE 1886.
Amelia Mara da ConceicSo Ramos.
Informe o Sr. Inspector Geral da Iastruc-
cao Publica.
Clara Campello de Lyra.Sim, pagando
a supplicante as comedorias.
Diroctoria da estrada de ferro do Ribei-
ro ao Bonito.Informe a Junta Com-
mercial do Recifa, tendo em visti a lei
n. 3150.
Diogo Soares Carneiro de Albuquerque.
Encamiahe-se.
Joao Antonio dos Santos. Inforae o
Sr. Director do Presidio de Fernando de
Noronha.
Joaquim Mariano Borges. Sim, pagan-
do o supplicante as comedorias.
Joaquim Martina de Moura. -Remettido
ao Sr. Director do Presidio de Fernando
de Noronha para devolver a caderneta.
JoSo Baptista do Aroaral. Sim.
Melquades Autunes Almeida. -Provi-
denciado.
Manoel Clementino Correia de Mallo.
Informe com urgencia o Sr. Iuspector do
Thesouro Provincial, tendo em vista o seu
officio de 30 de Junho ultimo n. 742, aqui
annexo.
Sebastiano Nunes de Oliveira. Deferido
com officio ao Sr. Brigaleiro Gommandante
das Armas.
Trajano Alves de Mondn;. Indeferi-
do visto a obra de. reparos da ponte de
Porto do Pedras estar em andamento.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 10 de Agosto de 1886.
O ajudante do porteiro,
F. da Silveira arvalho.
Hepai-tifSo da Polica
Secy2o 2aN. 774. Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 10 de Agosto do 1836.
- Illm. e Exm. Sr. Partecipo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos na Casa de
D tenao os seguiute's individuos :
A' ordem do subdelgalo de Sant'An-
tonio, Caotano Luiz da Silva, Joio Anas-
tacio Dias, Justino dos Santos Gloria, Jos
Ignacio de Mallo e Quirino, escravo do Dr.
Sergio dos Santos, por embriaguez e dis-
turoios.
A' ordem do d Io districto da Boa-Vis-
ta, Manoel Cancio, Maximiano Pereira da
Cunha, Sebastiao Jos Gon$alves, Joao de
Deus, Jacob Flix Gomes, Antonio Bar-
retto de Sant'Anna, Faustino Miguel dos
Anjos e Manoel Antonio do Nascimento,
os quatro priraeiros por disturbio? e os de-
mais por disturbios e uso de armas defesas.
A' ordem do do 2o districto da Boa-Vis
ta, Maria Joaquina Barbosa e Matheus Pe
reir Correia, por embriaguez, disturbios
e offensas moral publica,
Pelo subdelegado do districto do Tor-
ro, foi remettido ao juiz competente o in-
querito policial a que procedeu contra An
tonio Manoel da Paz, conhecido par Ma
zambo, por haver ferido a Joao Honorio de
Deus.
- Falleeeu hije, s 3 horas \ madru-
gada, na enfermara da Casa da Detenco
e victima de beriberi, sentenciado de no-
mo Isaias Antonio da Silva.
Di-us gu-.rde a V. Exc Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Jo.iquim de Souza Leao
muito digno vicepresidente da provincia,
-O chefe de polieia, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DrA 10 DE AGOSTO DE 1886
Padre Manoel Ferreira da Bicha, Elvira Olvm-
pia Velloso da Silveira e Pereira Carneiro 4 C
Informe o Sr. contador.
Trajano Alves de Mendonca. Ao Sr. contador
par iiauidar-se.
Herminia Brgida de Canuto de Lima e Joao
de Assnmpcio Oliveira.Certifique-se.
Padre Francisco Verissimo Baudeira e contas
do ex-collector de Petrolina e do Bonito.Haja
vista o S. Dr. procurador fiscal.
Antonio Martins de Oliveira Machado.Regis-
tre se e facam-se os assentamentos.
Norberto Paulino das Chagas.Entreguc-se
pela parta.
Maria da Puriticacao Silveira.Facam-se as
notas da portara de licenca-
DIARIO DE PERhAMBCCO
noticias da Europa
O paquete inglez Mondego, entrado anta hontem
da Europa, trouxe datas que de Lisooa alcancam a
28 de Julho, adiantaado cinco dias s traaidas
pelo franco* Senegal.
Aim das de Portagd constantes da carta do
nossp corres sndente, publicada hontem na rubrica
Exterior, eis as demais noticias :
lleopanha
Eicreve o nosao alludido correspondente :
As cmaras sera) chamadas, hoje, 28.
Ainda nio est conjurada a criee ministerial.
Af'm do Sr. Montero Bios tambem o Sr. Camacho
quer sahir do governo, contrariado pela influencia
do Sr. Cas telar nos assumptos ntimos do gabi-
nete.
Progride o couflicto dos operarios na Catalunha
contra o tratado com a Qri Bretanha. M litas fa-
bricas se dispoem a fechar as suas portas, e est
sendo muito gravo a situacj de Barcelona, onde
se repetcm as inanifestacoes^acificas dos operarios
receiando se urna gr/e, na qual possam tomar
parte mais de trinta mil trabalhadores, alm dos
qu9 pdem /ir das 90 fabricas que existem nos
pavos immediatos.
Em Barcelona adopii o governo precaucoes mi-
litares, tendn-se concentrado n'aquella capital,
durante os ltimos dias, toda a guarda civil da
provincia.
O Sr. Sagasta tem rocebido da Catalunha tele-
grammas 'officiaes e particulares muito alarmantes-
acerca do estado da opiniio, descrevendo-lhe o
perigo que corre a ordem publica por motivo de
descontentamente produzido pela approvacaodo
modas vivendi com a Inglaterra.
uppoe-se qua a crise ministerial se resolver
ainda esta semana. O Sr. Sagasta ficar em Ma-
drid durante o verio.
Falleeeu a 24 do corrente de madrugada o
teneute-geueral Ros do Olano; era um das glo-
rias militares e politicas do reino visinho.
ae batalhas campaes e as luctas civis, em
que se disputavam triumphos para a bandeira
nacional o a espada e a palavra de Ros de OUuo estavam
einpre na vanguarda.
Conqnistou este sympathico aociio urna pagina
gloriosa para a historia da Hespanha.
Exerceu os cargos mais elevados do exercito,
taes como : inspector geral dos carabineros, di-
rector geral do infantera, director geral de arti-
lheria, presidente do tribunal supremo de guerra
e marinha, capito-general das possessoes de
frica, etc.
Foi deputado em differeotea legislaturas, sena-
dor vitalicio, ministro do commercio do interior e
obras publicas e enviado extraordinario em Por-
tugal, reinando a Sra. D. Mari* II.
Tomou-se distineto, palo seu valor militar
pessoal, em dezeuas de aeces de guerra, espe-
cialmente na batalb de MeudigOnia, como com-
mandante da ala dtreita das forcas liberaes do
general ordos; noreconhecimento de Azuevara,
em que carregou o iuimigo fre-uw da guarda
real, na represso de sediciode Couta e na cam-
panha de frica, onde os seus servicos foram
cima de todo o elogio.
N'esta campanha Ros d Olano commandou
cm chefe o terceiro corpo de exercito, entrando em
17 combates o baUlbas, das quaes a mais glo-
riosa foi a de Uid-Riz, em que frente dos bata-
lhoes de cacadores de Baza e de Ciudad Rodrigo e
ile tres esquadroes de couraceiros, fez frente a
30,000 m juros, que levavain em debandada as
forcas do segundo corpo.
O distineto militar contava 78 annos de ida-
de e qu si 60 de servico eftectivo. Oraavam-
ihe o peito as coadesoraoois- mais honrosas de
II'.-> >anha : as gran cruzas, do marito militar
(vermelba), a de S. Fernando e a de Santa Her-
menegilda ; as medalhas de MendigonU o de
Alrica, e outras umitas, nacionaes e estrangeiras.
Era conde de Almina, visconde de Rjs e marques
de Hadel Jel, com grandeza de primeira classe.
Actualmente, piesidia commissio de codifi-
cacio das leis militares, e, j depois de affectado
da doenca que o victimou, concluio o prejecto de
lei sobre a organisacio do cdigo penal militar.
Como litterato, deixa, entro outras obris, o pro-
logo do Diablo Mundo, Dr. Lanmda, Episodios
militares, GoUeofdo de tersos, jornadas de re-
torno, etc.
Era extremo propugnador da diiuso da instruc-
cao publica. A elle se deve, como ministro do
Fomento, a tundacio das escolas normaes.
Nao demais que digamos que o tenente-gene-
ral Ros de Olano, como militar e como cidadio,
deixa na historia de Hespanha contempornea um
nome immorredouro.
A cmara dos deputados approvou esta
noite a convenci commercial com a Inglaterra^
a prorogacio dos tratados de commercio. A sessio
acabou s 3 horas da madrugada.
O Sr. Papinaud entregou no da 24 deste mez,
ao Sr. Freyeinet um circumstanciado relatorio,
aeerca da repblica do Valle da Audarra, afir-
mando que a tranquilidad publica esta completa-
mente restabelecida e por forma duradora.
Franca
A sabida dos principas Ue Orleans do territorio
francs, nio alterou em cousa alguma o viver da
Franca.
Os que podiam ter sympathias pessoaes pelos
priucip s e por ventura lastimar-so de os ver
obrigados a deixar o seu paiz reconheceram que
aquelles principes estavam longo de conhecer a
sua posicio.
O procedimiento do Conde de Pars depjis de
sabir de Franca, e o do Duque de Aumale que o
obrigam a seguir o sobjinho, mostraram be-a que
um e outro nae sabiam representar o que Ihes po-
derla ir melbor.
A academia que nio daixou de consignar um
voto de seutiuiento por ser ooii^ado a deixar a
Franca um dos seus membros, o Duque de"Au-
male.
O incidente quo determinara o duello coni o
ministro da guaira do g.binete trances, termiou
como vm^s, verificando-te o duello sem si-
nistro.
O ministro, o Sr. Boulautrer tem captado geraes
sympathias pela sua resolucio.
No dia 1 de Agosto, deviam verificar-eo em
Fraoca as eleicoespara ar.no/a9a0 dos eouselhos
g.Taes. *
Com quanto estas eleices nao tenham exclusivo
carcter p.iitic-, nio del xa eointudo a poltica do
influir uotavelmeute sobre ellas. E os conserva-
dores francesas se conseguissem sgora resultado
igual ao que alcancaram uas eleicpes de 4 de Ou-
tubro do anno passado nio deixariam de expeii-
mentar grande satisfaeio, nio inferior por eertor
que tiveram euto.
Por isso o partido republicano trata de prepa-
rarle pira a Inta, de modo quo nio tacam sentir-
< as did3idencias que produxirain a 4 da Ou-
tubro ....
Tudo ieva a crer que o sufragio vira mais urna
vez contrariar as eaperaneas, dos que as fundam
as maiorea futi idades.
A festa de 14 de Julho, mostrou bem que a
Franca nem esquece os seus dias gloriosos, nem
est reduaido a perder os conquistas fetas.
Urna tromeoda tempestada visitan na di* 1 0
varios pontos da Franca.
iMH
I


Mari* de Pcrnambueoftuarta-feira 11 At Agosto' de 1886
am Armeatiere, um raio oecaaionoa un iacen-
iio, que dettruio alguns edificio, aanrftw^^lwlw
prejuizos em mai* de meio alnd de franco*.
Em Bardeus, {no arrancada, pelo vento, oa
telhados de rauita cisa, e completamente des-
truidas, em algn pontos da provincia, as plan-
taco* de tabaco e m vinhaa.
Em Nagare. departamento de Gers, cabio um
raio n'uma arvore aob a qual sstavam obrigadaa
8 pesaca : 6 da quaeafkaram moran,
O relator 10 da coettnttaan de ceadtana d na*
nha, noueada pelo assnteran feaneaa, piamnntitsir
aa ultimas experiesaaa de torpattos, se Talle,
aonclue por affirmaarajpe d Bpatnvel, ama ea-
auadra couracada, Bnsaitnndiloquawdatna ptm
defendido por umatnjratadsataU) torpedeen
Sao certas as afwsfw do oV. Bsnrm pac
ministro de Bruta***, e m Coa** de Mnrthelna
em Athenaa e prantnvel a do ScTho* P***
ministro em Cpenla ir.
Na eieico senatorial, nne so iwaB*oa a O, no
departamento de Mease, ficou eleito por 620 votos
o general Boulanger ; o Sr. Salmn candidato cen
(ervader obteve apenas 225 voto*
A comoiisso da efeza reunise ltimamente
no ministerio da guerra e regeitou a proposta que
kiuhauur fia sunprirair o muro do recinto eutre
Anlenil S. Diuiz.
Do 17 memoro* presentes, s o generaos Bol
langer e Sauauer e una terceiro votara pela sup
prassdo ; os outr** votanun centra ou abat va-
rara se.
f\>rm acta perfeitn demantraoao centra o
peridicos realista os distarbios ultimrnoste
occorrido*. ... ,
O peridico organista, intitulado o Sol do meto
*!t*v reierindo-se aquel lea auccestos, qaallfca os
autores da manitestaco de especuladores, cavi-
losos, etc. .
a tumulta repeUram-aa na domingo & A
aoite um grupo innmera de povo reumo-*e
em frente das officina do peridico para protestar
ontra semelhante linguagem.
O Sol do me dia, que costana expor ao pu-
alico, em transparente illaminacUa, o telegram
mas que recebe de Pars, apresentau naquelletno-
mento o que annunciaaa. poetar g-neral Baaaiue
em pedir a -revisaj doseu processo.
A multidd, ja sobre-excitado, julgou meraoer
prouocacfc na apreseutaeo, daquella ^ notieia e
pedio une o telegramma loase retirado d'ali.
Oa redactores haviam anWdo, o telegramma
aao eeyodia pontanto setirar. 0 povo, com gran-
de applauso das turbas, quebrara a pedrada o vi-
dro transparente.
A polica, encontrando o contador do gas, fe-
hon-o deixaudo sem la a maior parte dos trans-
parentes- ,
Mas inda ficou am, que era illuminado a pe-
a-oleo. Cahioento um chuveiro de pedra ; mas
a luz uV enndieiro f j pegar fogo uas madeiras..
Hia bombtiro coneegaio apagar o incendio
Na ra onde s acbam estabelecidaj asomeinaa
a xedaccio do Sol do meio dia, nao se acbavam
reunidas menos de cinco mil pessoas.
De repente ouvio-se um soldado soltar o grito
de viva o rei. A multido teria dado cabo
d'elie, -e tres uifioiasa o nao fisegsein condusir lo
fo ao quarlel.
NoapLimeros instantes a polica nao dispuuba
de turca* para coatr lio grandes exceaaes; s
depois pode desobstrair a ra e restabelecer a cir
culaclo. A populaca, irritada, encauunhou-se
entio pra a redacepes do Pequeo Prootn/fcd, e
da Gzala do meio dia, todos peridicos realisoas.
Abi fui grande o tumulto. A'b daas horas da
adrugada aiada era muito grande a aglomera-
sao de povo pelas ras ; no entretanto a autori-
dade tinha mandado, em difforentes ponti* da ci-
dade, qaatro ou cinco brigadas de gendarme*. Em
al^uas eatabelecimentos pblicos que anda se
acbavam aborto, oaviram-se por veies, gritos de
viva o mi. Foram preso naturalmente os que
se pronunaiaram neste Mentido.
A munioipalidada mandn prohibir que se res-
labelecessem os transparentes illuminadji as of-
fLinae do Sal do meio dio.
A reaacc^ao d'esto jornal, porm, reaolvea nan
reseiudir de aprsenla* a* sna reoiamage*
muuioipalidade para aer indiimnisada pelos prejuj-
2o eaueadus na suas ofEcinas, com o pequeo in-
cendio provocado p la pipulacJo.
Bel lo*
O astado livre do Ongo declarou termioante-
nente qae e oppor a qualquer accordo com a
Franca sobre a reefioacao da fronteira, *e o go-
tenw oanuez nao aceitar a arbitragem prevista
ao traslado de Berlim.
Una 2JNJ) opera/ios beig-M fizeram urna mani-
iealacio panifica rm.-lam.tndo o suf&agio universal
no dia 25b
Inclalrrra
A hita eleitoral terminou em Inglaterra.
Oo grupos qu.- ae debaturam perante a ucua se-
rio ussim represeut id '
C 'laarvadore 317
Uladstuaianas ^\
ParneJIigU* 86
Unionistas "*
670
O Sr; Gladatnne perdeu no pleito eleitoral.
Nem o esplendor do seu nome, nem a formou
ra i saduccao da aua palavra, nem a nobreaa da
eausu que defeudix, poderam conseguir a victoria.
Tudo cabio parante o sufiVagio.
Nao ae dir que fnram as prepotencias do gover-
o quq obtiverum a victoria. Foi a opiniao, foi a
vontade doa eleit'jres.
O Sr. Gladstone nao esperou pela reunio do
padameulo. parque nao precisava fasel-o para co
hafifff que all aao tiaba maiOria, visto a maui-
feswc) do Buffrigi-J. Cabio perante o vot*. Nao
a primwra v. z. O voto da nacjfc; diante d'elle
abaudoHuu o pyder. Nal inais correcto, nada
aiais propLio para ra.nter a dignidade c^eonservar
o pruatigio dua boineus publico^ na uacosa gover-
nadas p^r iuatitii!Vs liberaes. O pode* para
esae horneui nio' urna .sinecura, um eaCarg
Nao a prorogativa que os in%-este, ou que os
ampara, a uaeae que os acelama, ou que lhes
aponta o caiaiuho que tem a seguir.
Os vencidos oe boje lutaro ainanbS, uepoii, at
%ue a victoria euroe os eus eaforcos, pelo concur-
so da nacao.
A retirada do Sr. Gludstjne.nao facilita, poim.
a orKaniaaeaa do novo ministerio. A cmara
tonstituida pur 670 depuialos, a inaiona 6 de 366
a os conservadores tem apenas 317, iato falta -
ldoa la vatos para a mn.ria, dado que todos os
elemento coa*ervadaraj per.aauecam reunidos..
Cum > ua lu'ui .le" .r .I, na qu staJ irland"za, os
nioniataa pwadarau) e-atra o Sr. Gladstone, se
elle .se reuuirem baver
317 coaservadorea.
76 unionistas.
392
isto 393 deoatados, maioria sunacieate para
manter um ministerio organisado com a acquies-
eeacia dos dous grupo.
8e o grupo unionista porm, nao se concia
toro es CBservadwies, a organisacia do binete tfferece grandsima dificuldadea, porque
se todos os adversarios reunidos apenas canse-
gero uoit fraca maioria, os conservadores isola-
d.* nao tm eondicoea de vida parlamea^ar.
Em todo o eaio a.inJmei) ** Sr. Giadstoae
Ij par* que *; nearregHawr.dj f*riBSQ&.> do n gabinete o inarquez da alisbury, que nio tsJMM
em Inglaterra, e que para alli se dirigir aemde-
mora.
Parece que h.i n'goeiaco<;e"tre 3 ubjraes dis
ates e os snaervadnrai, esperav i-se, comtu
., ,ju-! lord Harriuijfoa; o recasasse n faaer par-
te do ministerio.
O novo "ivern) ou ter do formar-se era vir-
ie conciliaca entre uuionista e conserva-
dores, ou pulo aftnw. dado que seja firmado t-
mente de conaer^a lores, tara ue anata* eoai ^
apoio do grupo dos uniooista. No segundo caso
as eoodtco.^ de vi la do novo govemo, sao muito
menos favoravei.
A entrada ni governo de elementos de diver-
jas procedencias, nao era urna novidade j o fi
aera o Sr. Gladstone. Mais dimiil, porm, paree*
juao marques de Saliabary o possa imitar, prui-
cipilmi-Bte tendeo matas de formnr-se com gru-
po unionista.
NJi deia de haver tambera aegociaoos entre
6* liberaes unionistas e os gladstonianee, !
tas, ao que nos parece, nio poderio coa lnah* o re-
nttado eontod* diffica t*r a org*ni*aoao tflS?uldade qnc tejante earaeter agndo, se o
marques de Salisbnry nio-con* g;rr ao mmosoaa
expectativa'berMvoiene da parui Jo tiMuinatae.
O ca*o poderia dar-se talv* ae nma ooBstae
ira vkss* disrfb'' 3* a/ttwuv*1, fjon emiaide*.
a em maird qne a qnestio jalandasa. Liso a*
eria darae o ama qnwti .tainaaiaua^j
neeta *e intareaaa kvaoMca anaakuo-
'io timbea para deixnr d ttener-ie, o qae
tem dito cbm re*peito 4 moaifica?ao que podera
r a ralacon eatr. a IngnUrc. .B* Pr
causada aaecncio do marques de Sah.bury ao
poder.
A declaracao ia Buggia com repeito ao ponto
de Batoum, declaraco que contraria ao con-
sienado no tratado de Berlim, pod effectivamen
te otTecer eosejo para daiat*lligeneias, que ae
nao sabe bem at onde possam ir
Coegou a 23 ooite a Londres o marques de Sa
liana*-/- .
O Wme dia qann msjajaaa ao pnn dirigir m-
.,:**' ajafcineaa a misatario dos an-
estwaaneiaaa, pirqn* ha para.raavl ver algav-
eatoajni ll I
dia aacaatt o inan| caioraneiar oomoaaarqaua de hWtington, qjna
cana* d>av liberaes disaiaVaataa. Eaa prom**mi
ao nanserwdorai o seusaasio a paataneuto w-
cuaando-se tndavia a iaanr parlnda novo gaa-
oete.
Fiada a entrevista, lord Silisbury foi a Osborne
receber as orden da rainha e participar-lho O seu
plano de novo miaiaterio.
Rebentaram motn bastante gravea entre a po-
pulacao agrcola da ilhu de Tirce, am dai He
brida. a_ __ a
Expediram-se jA orden para eewra enviaaa
,r0Pa8- L- U_l^
O Tintes himeoU qae o marques.* de !al-
burj e-de Hartragtoa nao renbam podido^nteo
der-se O marques de Salisburf chegoa a offere-
cer marqnes de Hartington a presidencia do
gabinete, cooaeoti jdo am fioar ando sen sab-ir-
dinado. _
Corre que lord Idolesleigb (ante sir Istaffi^rd
j Northeste), ser ministro do* negocios eatma-
geiros a fntara gabinetei
O marquen de ii*lsbary r*gre*eqa a 26 dO*-
borne, trasendo a raiaeo de formar o gabinete. O
parlamento deve- reunir se nj da 5 de AgoBto
tei apena nove susies, addiando depois os seu
tcahalhos para Outnbro.
Poi proferida no dia 23, em Lindres, a eutenca
contra Carlos Dilk-, pelo crime de adultenio. C*-
,0)0 sabido por c tasa deste preoeaso, nao foi o
Sr. Dilkere eleito memoro do partanica 0 elei-
tore, impressionados pnlo boato que corriam,
despresaram- n'o.
De feito, o proeesso apreentra-e ultimame'i-
te 9ob urna nova forma.
O jury, depois da eua delibaracao de 17 minu-
to, decidi que Dilk-e comiaettem o cri oe de
adaherio e pronuncie segiridamems o divorcio de
Gr/iwford.
N*ewe meamo dia, Carlos Dilke publieou um
manifest enderecado aos seas eleitor de Cbol-
n, protestado a sua ranoeencia.
Carlos Dilk e-homew eajnata, ranrt' iftrado,
amigo dos poeta e do artistas. Sen pi Carlas.
vTeuw.trth D:ko. era intwBJ do Hustre romancis-
ta Cario Dilkens com quem tnodou em 1346 o
Hay New.
Um periedieo frasees, dajido-ciata duste nudo-
sa proo-so, e d.* termos qae elle tora seguido,
diz'qne, ha orneo oa seis auaos, aso homem pere-
guido era tan* condicie*. leria sido condemnado :
actualmente seria impoeaivel.
E, nao obstante, o severo tribunal acaba d' pro
nuaciar a sentenc* AJ manta a
O imperador Gnilherme onVreeeu ao Sba da
P ersia um ex"mpiar do lrvro mai sotnptaoso que
se tem pablicndo na AHemanba as Obras de Fre-
derco o Grande, que Frederioo Gailherme IV
inandou imprimir em petgaminao. A obra cansa
d-e trint* e tre volumes.
O correspondente particalar do Standard, em
Vienn, dis que a coaferoocia de Hsingeo ea.
prxima entrevista dos imperadorea obseraera to-
das a iittcocoes i m Viewia.
A noticia de qnie o Sr. Giars, cbanoelier da Ku-
sia, tambera ir encontrar-se co. o sr. de Bis-
marek Baviera, e depois com o Conde Haluaky,
a Gasteiu oo a Vicua, nao foi recibida com me-
nor interesse do que a affirmnoao feita por urna
folha semi-otficial de Pestb, de que o principe de
Bi:m'trck seria receblo, nos priineiroa das de
Agosto, pelo imperador Francisco Jos.
Algn joroae auatriaco, de 22, dao a irapar-
tant<: noticia de que o Conde R.bilaot, minijrro
dos estrang^iros de Itulia, e.antigo earbHixador.
ni Vicua,. prop5>-se viaitir a capital do iiaperio
auetriaco inulto brevemente, o qu'? faz ci; qua a
Italia se prepara para ciucorrer s cjnferenciaa
aantiatjs dos r.presentautes das ojtencias ruteree-
sadas na Allianca Contimental, a que preside o
cbanoellor allqmo.
Foi fixadn, para o dia S de Agosto, a errtre-
vieta do imperadore da Austria e Allemania.
i-in Gastein.
s ui.masebas demorar-se-b>am alii at ai
dia 10.
- A proposito da prxima entrevista que o
cbanci-llcr ajlemo vai ter eom o Conde de Haloa
ky, em Hissingen, um peridica frane dis o-se-
seguinte :
A entreviata, tas tas veeja annunciada c o i-
tras tanws demeutida, est absolutamente deci-
dida. O principe de Bismarek e o ministro uus-
triaco encoutrar-se-ho em Uissngen. Esta en-
trevista tem asna grande importancia, e tanto
m lis que o ministro dus ne .-ocios estrangeins em
Vienua dirigio-se, j alsshl, c un o fim dercoeber
aa intruc\5cs do imperador Francisco Jos.
Bismarek e Halnaky conferenciaran em His-
gingen sobre as gravea quetocs da poltica.enter-
os, que, durante o decurso ueste auno, tantas ve-
zas tem sobresaltado a oploiSo. publica da Europa.
s negocios da Bulgaria da Roumelia, da Servia
e da Giscia, as diniculdades que surgir:u-n no
Oriente uo esto anda resolvida. Conseguio-
, custa.de expediente?, affastar.uui cogflicto,
mas o menor incidente pode provocal-o de n.vo e
fazer revnaarj questo.
Por oatra parte a Knesia, fazendo do Batoum
um poa'o de guersa, nao fez eeuao rasgar o traja-
do de Borlira ou pelo menos msstrtr que Ihe nao
merecem grande respeito aaeuae disposicoe.
Aa palavras lo czar em Sebastopol, os discur-
sos pronunciado pelos altos fuocctnirioa, as ina
mt'eatacoe belli*, qiK^ se effectaaram all e em
Moscow. d.-spertaram desi-ouliancas, que 8* uo
desvanev -ram aiuda. Pe4o cmtrano, a attitude
la Kuasia relativamente o principe Al.xmdre
uo faz sendo tortial as mais vivas; sobretodo na
Iaglati'tra e n* Auitria.
O Cjnde H.ilnaky ficari em Higsingea, isto
, mais do oue o teiapa sutBuieiit.' para, de uoncer-
jtjicra Biamarek, tiutarcm ambos as res. lucoco
lqii':aoh:im iudiapeasaveis.
Quaesquer que ellas sejaoi, a entrevista nem
por iss.) deixa de ter urna alta argnificac/io, poie
que aiuda maia um vez vem amnnar as boas re-
lacoes que existem entre Vienna c Berlim, n
menta em que a Ruaaia se desliga da Allianca al-
enla.
A criae econmica, industrial c commercial
que atravessa a All-manha, reflecte-ae fiVsfavora
velm.'nte sobre a figura de Bismarek.
Elle a s "lie que qaera gloria de terenirran-
di'cido a patria, elle tambem ser o grande e o
principal resp msavel daa auas desgracaa, o ac^la
iaad > na hora do triumpbo, deixa de o ser na hu-
ra d"s desastres.
O vnlor da impor:arloc de.-resce considerav#l-
m-nfe no impsrio.
O va'or das -xportac a f>i inferior em 34-1 mi-
Ihoes no anno de 1885 comparado com o de 1884
So anno 1886 vio as congas correndo peior.
i irquo nem at.ringn.o inovunento de 1885.
A agricultura nao se inostra mais agradecida
pnra coid o Sr. de Biamaick.
Prepara va so urna erposicao para 1888 e Bis-
mirck pr-jiiunciou-se contra o projecto, o que tem
provocado.grande inrilacio.
O imperador Guilh-rme pasaou na aua miragem
para Gat."in, em 19 do correte, no hotel da Eu-
rapa, ttaisbnrg>, 0 **hi) pan Gaisteiu no c->m-
boio da 11 da manha de terCH-eir*.
Ac'impanbavain-u'u a princesa e o principe
juilherme da Russia.
Na etacAo foi reeebido pala gaver .ador do
Sulzburg >, conde de Thum e pelo burgo-mestre, o
Sr. SeiW.
O teaapo ata va admira val e o imperados pare
cia goanr esplendid* saie.
As uitun-ia daas hora de viagem para Gateia
fi/eram-si' por iatermedio de eatrada e em todas
a aldeia desse trajelo o imperador foi calorosa-
meate .icclamadS patn habitan*.
A actunl visita a Gastein a vigesin.a qae o
.1^1 taz IjJo ja a.la-S dkftteilB poutO.
A'a 8- h^rae amia da tarde chegeru o impera-
SrWWl.
Dando L'il tai uu.luEi lu ara um landau nber-
to, gums'pelo mestrn as aosta de Lend,.que
dezenove vesos o tem coaduzdj na* mh visita
mata
jo em qae nanea foi visto no sea mino, e sa
apoio que urna bengala, dizendo acbar-ae muito
melhor do qae o anno passado qaando foi a Gas-
tein.
Palie Balso
Em Amaterdam repetiram-se a 26 as desorden
d veapnra tande ontre a popnlacdo e a polica.
Acudiram Carcas de iafantaria e cavallaria, qae
intimaram oa turbulento a dispersar, e, como nao
toasem obedecidas, tiveram de taser fogo.
Diz-aa qae henn am hontem morto e moitos fe-
nido*.
Forai ja *a**hn1Hi para l nova tropa, por-
nue estao*anlam ah mu Kuoian socialista re-
iam-srana\eaand'iis.
ntunatarla llnnsra
Tem laanji rr rr" larTr d general Oaanlai
da #pwei d -lancki mi* oaaaaaanda a* W di
de lutMutaen..
Ha alguns mezt, o general Jansky tomou par-
te ua inauguraco de um monumento dedicado p)-
los offi :iaes da guarnyao de Peth aos se.ua cama -
rada morto durant o cerco daquella cidade no
tempj da revolta hngara.
O acto em ai nada tinha de pihtico, era urna
homeaagcm do s*rorl a vaenne mrnrares mor-
to* ao cumprmeuto do -ou devar; os huogaroa
porm oa* 3 entender un assim temaran a maui-
festaoao como sendo a favor da Aliemaoha, con-
tra ellos; e noite amstiaaram-ae,taendo man
festaeoe ruidosas bostis diaute-da cas do gene-
ral Janski.
O general de divisan Ederabeior'Gjunuti, go-
vercmdor militar da cidade, ao s ao repriman
as aeruaeas, como at entendeu qae devia dar urna
satiafacao aos hngaro, declarando publica Lente
que o general Janoki tora imprudente.
O governo imperial, ou por se inclinar para o
partido alienado ou por entender com toda a justi-
ca, que no exeaeitu se nao podera adthittir parti-
do naciouaes, acaba de se pronsmciar agora a fa-
vor do generai Janshi, promovendo-o ao comman-
do de urna diviso ao mt-sino tesapo qae esooerou
e-san superior do cargj que exercia.
Como sa de va esperar, os hngaros tem apre-
veitado esta occasii tazuodu grandes mairifeeta-
coas de syrapatbia ao general Gymlai. qae feliz-
raeute te a o bom senso d.- oamgir o que essas
mauifeaoacoos tuobam de exeeasivo ; de resto, o
jh> do celebre Gymiai das campaubaa de lalia,
iqae passa j por ser um das uaelnorea taetica
do imperio, de oer.io iiuj fienr muito tempo em
Diaem de Vana que o archiduque Sa Austria,
Garios Luiz, qne viaiwu recentemente o principe
imperial da Alleraauba, ir brevemute visitar o
cz ir da Rasaia em Peterhot.
I>-so gBMiae importancia potica a esta via-
gem.
Nos c-ii culos diplomticos atfinna seque a rela-
ces eatro ai cortea da Vienna e S. PeKrabajo
o em itjeuio anVe'.aosas.
O ministro rnsso, Sr. Giers, dona chegar a
Franseobad em 23 de Juiho dirigind-J-ae depois a
Hisbiagen, afim de celebrar ama entrevista com o
principe de Basmarck.
Esta u tre vis ti courtAuar, segun lo se diz, para
etnitau- as relacoes entre a Alleinana e a Ras-
sia, e para ouutirionr a boa iuteili^enei* que ie
algum lempo para c existe euire es grande im-
perio.
SuppiL se qie, alm das questes de carcter
n'ernacional, so tratar d einprego de. medidas,
ceHectivas para contrariar-o mnBCBo socialista
que teude a desenvolverse.
A poltica de Vienna, n'uraa das ultimas neites,
sarprehenden em Varsovia n'uma reunido secreta
de nih diados.
Ao apreaeotrem-se os agentes de polica, tea
vou-e urna lueta, em qne per.eeram dous uibi-
lietas.
n*mava
M'iita gente peeahi* o imperador em Gastein e
roa-aa-anriVia a-uoeniawoS*, depois qae eutrou
n Sanenetosn quo.tnve de appavreer janella
para agradecer o enthnaiuQTo- da mullidlo.
Em Land reitio-se imperador paisana, tra-
A visita de gr-duque Vladiimr e pr.rvio-
ca russaa do Bltico, suppoe gerajotente qae leo
por fin a orgHuisacae definitiva du ernauda, q.oe
ha mu.to est em prujecto, contra o elemento ger-
intuieo n'nqueUas provincias. O gr-duqae iea
ajudado a confirmar aquella uppoaivo pelas sua
repetidas declaraces do de*jo que ttn o impera-
dor de ver completamente rusaiticado todo o im-
perio
Aa maamo tempo j vai a Russia procurando
associnr-ie ao movimeato goral da Europa em
busca de coiouias nitiainaciuoe.
O Sr. Macleya, que j fes aigomas exploraeons
pur oata da llmaofaa, projtcta agora fundar
urna colonia russa ua Neva-Gutn.. a j 2Ai
pi-raons iuauri|tma paca o e^uip'.iivr. '
Durante o invern- foi tamben inaa coiB'.niuvo
de Ctfsaaoos Abyasiai, cauveacer o rei d'uqudle
pasyjae o verdadeira caeo da igreja grega, de
que a Abyssiaia um ramo, uo o rei da Grecia,
coma disseru o cnsul grego, mus simo npei'ad' r
da Rusta.
Um protectorado rasso sobre a Abyssinia seria
um golpe muito hbil, vibrado i ontra a posico
inglesa no Egyptu; guppoums porm, qae por
ra^ie que seja a sympathia do rei da Abyssinia,
pelos sous cvrreligiouarios da Russia, anda mais
podar exercer no seu espirito o modo que tem
luglaterra.
O imperador da Russia acaba de m idifiear es
titulo apauugios dos losmbtoa da familia im-
perial.
Dora avante, aa pesaoas da familia do czar for-
niai i d .as eatbegorias.
A priweira enmprehender os tilhos, filhns, ir-
ntoe e netos do remaute e de seus predeeeasores :
s estes principes e princesas tero direito de usar
0 titulo de gr-duque e gri-duqueza, cora o trata-
uii'iito de alteza imperial
A segunda cathegoria emprehender todos os
outios mensaras da familia imperial, quea uguro
do titulo de principe, ou princesa, com o trati-
mento de alteza aerenissima.
Os apanagios dos membros da familia imperial
tambera toram eonsideravulmente rciusidos.
O novo estatuto determinou que o herdviro do
throno e aen tilbo mais v|lio e easem com a
princesa qua prafease a reiigio masa orthodwxi.
O memorndum do governo maso corca do
porto de Batum, dis qu a eonicoea especiacs
em que este porto fui codocado pelo tratado de
Butura, o tem pr.judicado muko, era con -queacia
do cordo '..'acal qae se et=tnb leoeu em volta da
villa pelo lado da trra, e qu impede as commu-
uicacpes da meama com a provincia erjumvisi-
nba.
Q^ie este servici feito denm modo maito vela-
torio. ,___
tue aleo u'iato os estabelecimentos fundados
tora do cordo, au podem competir esm a<;uvlle
qu-- existem na zona de e-uimercio livre.
< ie finalmente aquella condicao do tratado, s
iuteressa Russia, e que por isso est esta no ecu
direito em pl a de parte.
Oriente
A qaesta.-i do Oriente vai renaacendo a n toda a
1 roba.
A maioria governxluv ntal da tkuptochina
da Servia reaoiveu inraliar as eleicoes do radi-
caos.
A opposiyo cheg u a proj ctar em vista d'iaso,
absMr-*e era maaaada* saeaes, espesando qu-f a
maioria nao chegaaae d'ease inodu a tei numero
para funcmounB. Parece porm que este plauo toi
j abandonado por cousciho de Sr. Riatitcn, que
nao quer provocar quKlquur accao extra couatiiu-
cioaal da parte do guveruu.
O dnii nao nada trauquidiaador : depois de dizer que a
Servia fez a paz erm a Bulgaria para obedecer a
potencias, aecrescentii que a relaco s rntre Da
dos piz a aao, comtudu, as mesmaa que eram an
tes da guerra.
Isto,ras.
O jornal atbenienee Hora pabiica um artigo
attribuidu gerumente ao Sr. Tricaunis, que trata
da poltica grega no futuro. A Grecia, cas
elle, tem anda a sua unidade nacional a con-
qumlar ; deveuiu pois, oraoalhar todos com eoer
gia fenrei, pora estanmos promptos quaudo chegar
o momento da aceao. Cimus u'uin facto consa-
mado, como fez a Bulgaria, e a'Europa nao ter
remedio seno racoabeeei-. >
A Turqua, em vista d'krte tadn, vai coaaervaa
do ua. aun* trupae em .armas, apesar dos dolaroso
aacritioios que isau lhe impe.
di Turqua nao daixuu passar a deliberaoao da
Russia sobre Baiam aem observacoes. Limitoa-
jc, poiiu, u (irs-n: sn.itir a i gabinet: do cin
pe*ar per se haver modificado urna das condiee
do tratado de >Beriira, semo assen'i monto da po-
tencias qur u'elle haviam tomado parte.
Aa iibaervavoet da Tarquia ljiig; de tonin
carcter de protaatn, reveanam urna teicio ami
nT-*
Jalga-na qna o govorno ranal ven, defiuiliva-
m une, sobra a cooatrajoao de am porta em
Damietta.
Bata noticia tem causado graude desgoato em
Alexaadnia"cujo movimeato commercial deaappa-
raanra eanttro de pouco tempo, porqae a corrate
de toda* as transaecoes derivar para o novo
porto.
As folhas inglesas e egypcias teoem grandes elo-
gio* no Kediva pela realisacao d'esta obra mona-
mental, que ha de traser, seguramente, urna poca
de longa prosperidade para o Egjrpto, e sao unni-
mes em afirmar que a reaisteocia que ..e notar nos
commerciantea de Alexandria, praoade, apenaa, de
verem rentrter en proveito da todo n pas aa fan-
Ua de ljanaza de que, at agora, alies tinha* o
eaancpali xcluivo.
Tansln
(eena a Tunia que o depatn* Sr
qa ananarregado de viitar n Tanisia, sarifias
haver |BBBfnta tranquillidndeno antremo *H,
bom acasataento em tudan partn aa pa**aia<
rauito snfjafeitas afirmarnan-lhe ana tera
tado dajnasayprogperidade has aaa. mi e
o pro nsaaado trances.
Argel
_! leclarou-se am terrive! incendio as florestas
visinhaa deaida.
At agora tera *ido destruidas 2:709 hectare*
de arvoredo. O fogo continuoa, temeadose que
ae r,'trniviir^ft* ao t^rrt^rin q^ datifi^.da .A4*#-
eara.
As tropas, o* indig-^as e nmitos hospanhoes re-
ideutes na lociid*de, empregam os maiores es-
torcos para combater o inc-ndio.
A 24 estar j apagado o incendio que se raa-
nifestou n-s mate; ae Argel.
Chin*
A esquadra masa est ameaeando a baha de
Lasarcfi, na Corea, com o pretexto de que a lu-
glaterra annexasso l ort flumiltun na mesma pro-
vincia.
A China responde, mandando a sua esquadra
faser urna demonstroslo oontra Viadrivjskek, que
est j hoje am arsenal podeesrispimo.
CoeMttchlna
Um tclegramina otficial da Cochiuchini dis ter
ella melborade muito desde a chegada do novo resi-
dente francs.
Mxico
No Estado de Sandra houve um combate, entre
300 mexicanos e 1:200 indips, sondo estes derro-
tados e perdendo 40 raortoa e 29 priaioneiros, que
toram logo ruzilados.
As pe das dos mexicanos ioram 10 homeus mor-
tos e 0 fsridos.
C iiitinuava excitaco na regilo do El Paso,
fronteira mexicana.
Kmtailo UoldOM
O Labrador e o norte da Terra ova estilo sof-
frendo grande tome ; j m irretam de inanico...
1:60J pessoas.
INTERIOR
Meio circulante
(Do Jornal do Commercio da crte)
m
Eito provadaa ab gacieda le a urgeueia e on-
p rtuuidade de operar oxesgMte do meio circuh.n-
u\ se queremus que o notan inatrumeatn de per
muta su torne n< utro na batanen ndaoeoira do
pas. Os bornea sensatos coacordam, seja qual
fCr o aeu par tado, ua neceasidade de toasaoem-se
iinaoediafas medida, e apeuas os que conuitdeio
capital eotn meio circulante ; reeeiam trau3lornos
de providencia taosahMar.
Pela noasa parte, se as eircoinatauciaa do pas
permittisaera desde j, esigiriainoa a retirada da
laaior parte do papel. iacunvertivel, enai teria-
laosaocego cmqnanto a abundancia desse numera -
rio perraitrUse ae se aoeumulasgem em miua pac
ticainrea, como hoje .acontece, avultadas quautias
em P'tfiel, setnpre ameaoado de tear roduxiao, cana
em .1868, m<-tade de eeu valor nomioaL
A cousolidacao do meio ciroulante i e o corapieto
eifailibri* do orcamesrto geral sao medidas quu im-
ipoem-ae.pek) estad* lo. pas.
No ultimo artigo d senie que esta folha publi-
ca sobie a aittmg'io agrcola, v-su como eaniinba
uneavailqi urna criae fioanceiea, provinda da di-
lainuican das colheitas de caf e aasuear, e, se,
ant esta evidencia, .insistimos em fechar o* olhoa,
em agitar continuamente a monomana daa inu-
dunvas *ioniiiistriit.ivas, forca i coniessar que, on
aa'.'i-riicamos o patriotismo aoa uessos capricho, ou
nao temos a funja de voutade aeeegaaria para re-
coos;itir o pas. frocumjiUJS trdk-no com
quejtMKiculi s pliticua, eoov> s pacticalare* em
m poaiCi) se atuardem com oa Mbuajamento e
. -1.1 r.. vatru ici .-(.
Pela pu.tneira vea, ba algnaa aumis, o cmipimo
daa mj-dida lembradas p.lo digno ministro da fa-
zt'iidi e a eoinunss) da orcaaneuto atienden a
todos sa lados I is ."aoa iirt-res*es fioaneeioa.
No satnat* las diversas medidas a presentaremos
1*51 p -uto, mas recmaeceinos que o todo das medi-
das atteade as ciroumttancias presentes com os
unios p.nsiveia e exequivs. Hor um lado corri-
ge os deieitoa da pereepeo dos impostes *duauc -
ros, pelos quaea ae escapara nao pequeas soinmas,
que talvez poasam fazer face rae tado de nosso
dficit, e ao mesmo terap nao deix -. de c nsi-lerar
as aeceasidales da industria fabril. Evita tam-
bera a perdade cetinaa prtviada de iujuatificiv ia
xcesbos ua iscnco de direito.
A enorme despeza, que se faa com as repaiti-
eoes de arreoadaedo theaonrarias, vai ser corr -
gida, e assim o governo attender aos reclames da
opima, que exige que os excessos de pessaal ao-
jara tambem cortados.
Reconheceudo a argente nccesidade de levar
o valor do papel-moeda at o padro creado, pela
le de 1316, o governo propoe a retirada enoual de
5,Gy0:k)Ot$0O0, at qae duraute tres exeroicioe e
raanteoba. aquel le padro legal. Nao querendo so-
breearregar, por emqaanto os contriboiatoe. o g--
verao pedic uutorisaco para neste exereicio fser
opuraf-s com esje fim, c nos segrate, em qae o
'quilibrii-oBc.imeutaro estar maia aliantado, ap-
pucar o imposto do sello a esse reagate. A noa-
sa opiniao que qualquer tacrificio tributario c
justificavel, e nao est fra de noasas forgas, logo
que elle posa inanoipar-.n is do papel acowver-
tivel
Devoraos attender a que, era poca ulguma M
res-ntem ibhs oa vicios do pap.-l-inoel;i, do que-
na actual, em que o desequilibrio entre o pasaivo
e activo do piiiz, em relactio an estrangeiro, quasi
desappaieceu, e sd tamo con'ra ua a desoulpa
que ministra a.falta do vlor atrinseco da moeda.
Pelo ultimo r latorio do Sr. ministro da ngicul-
tura, vemoa que a iinportacio em 1884-1636 foi
de lo2,970:0J0, ao paaso que a ex portillo altin-
gio a 2i3,8e4:IXX), e, port nto, se a inconvertibi
lidado da moeda nao prejudicasse o cambio, e nao
toase um pretexto, pequeua de vera ter aulualmen
te a baix., em relacdo ao padro legal. Alm die-
se a moeda metaliica tem acudido, nos ultimes
tempos, a nosso mercado, ese eacs-se, nao de
certo pura pagamento das grandes tiaosacuoes e
dos cr. dore de vulto. Este raovimento fanaattsai
, em pante, o resultado, como se tera prvido nc-
ta folln, da baiifica concurrencia dos productos
do nossa industia fabril.
Buscaremos a prova m um conrpetonte oeosip
tor de nosso camtncncio de que o cacnbiopar s de-
pende do corle dos.compreiniMos d> gonerao e do
reagate do meio circuWinte. Em opsculo sobre o
cambio, a pruduccao e o govenoo, diese <>s*e impwr
taate industrial e negociante que para o di'teqmii
bro entre a erferta procura de valores camUiae
coirtribue a nocesadade do pagamonto doaervitfo da
divida publica e garantas a lateadas da-ferro com
lb,'.HJU:0(i0d, empeogado do pas no exterior oen-
ci'inmendaa de material com 12,000:000/. juros de
sociedades anonyma e lucros do commercio a re-
metter cora 14,U)0iO0Q, cnpitaea que emigrara do
pas pnr pprtt'iicerera a^snrangeiros 16.00l)i#-O4.
joro do apulicds, predios, etc, perteaeeute a na-
conaes e eatrangeiros que rcsidem no xterior
25,000:0)0*, o que tado perfae 79,900:000*.
Nao entraremos na ver i ti cacao do excitase de cal-
culo que possa haver ne-aas verbas, est clavo que
se ha urna differenca a nosso fanor.de 6t),0lk:000*
entre a exportacSa e importacao, e a elevaco do
pa ra moiuCuio, que ratera o* aapitaee, so uar
ceesaoao de enetmmtadMS no exterior e novo
compromisos, esenussn rea.-s de baixa lo cambio
devem desde logo 'ieppaiecer, attrahindo logi-
caunmle a mpsrtaeo de raataas. O pruprio r-(
gutnento dos utopistas do crdito Ilimitado de que
.. meio circulante 'r. offi'i n'-. n "litar tn -
tavor. ba fisarmo* creooro do estrnageiso e for I
iaditp'iifavcl raaior nuraerjrio para, a* transac-|
|d,5d al aei'a imp t-i1' pobH e.iavaBinmts do
counuMci Saa>|og*j i. ji^x uajanaaamii
valor da manda innanvtntBai, *Vmsso ama tusoj
da f iser -lampriareoer a pratMXT'i i-h4o. al; misnvn- I
tii-o uom anpsi auciaiio un onneos, qne ter
contra i uetoavunente, oomo em 1821 e 18W, a
concurrencia de um papel queera vo-aproenr*n-
redunir a awtal. Da certo qm a enpenrouna de
ciaeoenta annos de crcalaces banesrias e gover-
namentaes nd deve ceder o paaso ante as bonita*
ideas eolhidas ha vinte anno nos theoristas euro-
peo* da liberdado de crdito.
Se outraa fossemas nessas circamstancias, quan-
to a despezas publicas o actividade da produccao
nacional aconselhariamos um emprestimo, no ex-
terior, da, digamos, 10 milhdes de libras esterlinas,
que sera empregado no reagate do meio circulan-
te, e faria desapparecer a maior parte dos......
188,000:000 que devem existir em gyro. Este
emprestimo na* nondieoes maia onerosas, podara
ser negociado n 80 U aob o typ de 6 % e reaga-
te anuuai de 3*/.. Iste srara u-j onus anona! de
1,05'J:000 ojne ao oaasbio par importara* em
9,300:000j, atan esa sacrificio seria inferior ao
que actualmente fas o astado com as difierencaa
de cambio.
Effecti varaenCa estn differaanns, an cambia de
18, em rrlacao a 1.0W.O0-J mdiaptmaavnia ao
padro lega! de 27 d. por 1*, pnra* aeraen da
divida externa, trasera o prejuizo annualde...
9,422:000, que vai raaito mais looge se contar-
mos o grvame que tem resultado, nos ltimos
sania, das repetidas encommendas e cominisaes
na Europa.
Accreacente se a este prejuizo, o que resultadas
diaYiir.*! ana. p>ra* m onaanrao dn genero*
importados, e na peda do valor dos praductoe do
pais polas jogatinas ambires, e iimtad -saos prejuizo*.a 20/o sobos 385,000.000i do mo-
v menta ouramereial, ohegaremo* ao asaustador
algansrao do 77,00:0t0n que anaualmente sai
entarqaidos riqueza nacional, pelt vicio de nosso
meio circulante.
Vamos mais longe. Nao reouariamos ant; a ne-
cesijdade de um tributo especial para ease fim,
pois, somos o pais menos tributado, entre oa qu?
figurara na primeira plana financeira, 0 nosso
debito publico, que de cerca de 90 040.000 di
sobre urna massa de popnlaco tribacavel, que
deve exceder hoje da 10 030.000 apeaa* 9 libra a
cada oeasoa, quando na Australia toca a cada
urna 31,. ua frica Austral 14, a America latina.
tiespiuhola 10, e apenas o Canad, e os Estado
Un los, ltimamente, estad esa condieo e tilo favo
rayis como as noasas. Lgo, obtidaa cert*s con-
dictfea de economa, ura augmonl d'' divida pu-
blica com o fim do reagate, uo nos sobreearrega-
ria, autos alliviaria nosso encargos.
Devoraos lerabrar-nos ds palavras de Magliaai,
o restaurador fiuano-iro da Italia, qu para, matar.
o papel inconvertivel todo o aacrifiDio i pequeo.
Sena eut.t possivel a organisacd de um gran
de banco de circulacao, como capitil de......
100.000.OO0a eaa aaa, a ajan m dso o direito de
emiaa) dupla sobre o fuudo disponivel. Com o
mnimo de 6 /o de lucro sobre a metale deasa
emisso, poderia elle dar a terca parte ao governo,
O que perraittiria ap Thesouro Nacional resgatar
em 33 annos a quasi totalidads do erapressimo ex-
terno oblado para o reagate, Hestas coadtr/oea,
deaappareccri.-. a concurrencia do papel inconver-
tivel accumulado, e o p.iz gozara dos b^naficios
de urna circulacao ractabica, ou. legtionarnente fi
dudara, que lhe corresponde.
Aa condiccs orosmentarias do pais e a pertur-
bncd de sua situaco agrcola impodtin que.
deade j se appliquem estas vistas, mn aao dis-
pensara que como preparo, aojara adoptadas aa me-
didas possiveia e entre ellas o propoato reag ite au
aual de 5,000:OJ0O3D.
E' indist.enaavcl que o pais receba urna satis-
tac^ao s suas aapiracea de ref-.rm financeira,
e nos impregnemos da convicedo de que o adta-
meiito do equilibrio orcanvnrario da r organisacd
das percepces tributaras e da restauraoao do
iialrao muu-tario noa daroutro.reaultado dentro
de poucos annos seno a falleoci do Tu aouro e o
deamorouamento da riqueza nacional.
Ficar aos agitadores da iostabilidade adminis-
trativa a gloria deste terrivel reaultado.
PERH1IBBC0
AO (UN nm 10
PEOJ^CTO PARA A PUNDAgAO DO BAKCO AU
Xli-lAK 3EBCANT1L, EaUIU)(> O PL.ASO
DC SBO ISICI8.DOB IfitAXCUSfO AUGUSTO
PACHECO.
Saz.3e8 so6>-e a p'dpitamte nocetdufU d'e*$e
eetabdeeimento
Ul
Somos ioimigo* da aAstribai^a de crditos iHi-
iitad)a; man, somos adeptos do crdito limitado,
ipi.- .cluigu*- m todas-grandr e pequeos, bitalado
l-to capital pecuniario mais ou menos provavai,
actividade, criterio, e hoaeatdade do individuo;
por manto, o bono elementos morae* muito forta.-
leoem o ek)rej material.
Temo vist os pornieiosos efreitos ooosequentes
da diatribui^o de crtidit s Ilimitados, votamos e
votaremos-acupre coutr..; mas nao se deve negar
tun crdito relativo : aeria ante-progressivo.
Do proprio commeraio de ver partir essa coope
raco reciproca da qual as origina e a-segura o
aeu riigi'autleeimeutu, a par de re;raa e oso qne
egt tbelecam a uniformida ? condicional de suas
trunsaecea de compras e vendas, de raanoira que
cada vendedor poasa, com tena propriui rfcuraoa,
re presenta los uo? ttulos de gaaa reaestcaaeaecoea,
levantar o capital de que v. nha a precisar em
urna qualquer emergencia.
Calculamos que o commercio de- l'emambuco po-
de ssr estimado truncamente em ama quarta ou
quinta parte do commercio do Rio de Janeiro. All
i xistem os soguintus catabeleciuseuto* buue.rio^ e
agvnciaa ou auocuraaes de outros :
Banco Corainercial do RioBanca do Dommer-
cit;lian :o do Crdito Real do BrasilBanco do
Brasil Banco Iudasfrial e Mercantil do Rio de
JaneiroBano.. PrciialBauco Industrial e Hy
poth carioBanco Cominera i e Iniustria do r-or
toBanco de Crdito Real de S PauloEuelish
Bauk of Rio de JaneiroLondou & Brazian
Bank) Banco Industrial do Porto Banco Mer-
cantil de SantosBan'jo do MiuhoBanco de Por-
tugal, etc.
Qiiaes os eatabeleci mentes bancanoa mn Per-
nurabuco ?
Apenas duas suc^ursaea do Linden ic Brazian
Raiik-cEugah B^nk if Rio de Janeiro, e feliz
inente o B meo de Ce.dito Real que, sujeito urna
le espacial, nd pode absolutamente prestar toda o
auxilio Rosta ptaca, se bem que mdirectamoute
seja elle inaiur do que .rauitos pona im
L)j proprio relatorio da Asaociiico Commareial
Benefi ente, lido esa ucsso da assembla geral de
8 de Agosto de 18S5, extractamos o i guate:
Indubitavelraeute salatar para o commercio
d esta pesca, a existencia das auceuraass do New
Lmdon & Braziln.n Bank Limited e English
Bank of Rio de Janeiro Lnnitod, priocpilmeate
porque faciiitam aa transaecoes nterproviuciaes.
O que, porm, constitue o grosso de suas opera
co.-a sao os negocios de cambio, de onde tirara o
melhor de suas receitas.
O moriinento de letras descontadas muito
pobre e Itmitadisairn.) o numero de negociantes
que lees* a facilidude de ubter descont n'estes
est.tbelecimentos.
N'eate sentido o auxilio que estas caixas fi-
liaes prestam ao commercio m.-nos abastado d'es-
ta peacai ioaignificaitiaimo. *
E' pois palpitante a neoesaidade da fuadacao do.
Banca Auxiliar Mercantil. E, quera de boa f lhe
deixar de prestar o sea concurso em sea proprio
interesas? .
Esse Manco ser totalmente de iniciativa part -
colar, regulado pela le que rege aa gociedadu
anonymas. Nao vemos qae teja ditficil a sua rea-
ijacn, p-ir aer esta urna aspiracao gnrnl do noaso
commercio
Repetimos, porm, porque couvra insistir muito
n'eate ponto. E' da extrema, argrute ueeetsidade
que se estabeleca g-nencamente o costamc, a pra-
xe do comprador document ir o sea debito por meio
de letras ou emitas com prasos obrigatanos, em
forma completamente mercantil. Qaera, commer-
cialmente falland, afte registra at sua obriga-
eoes, tendo em viet oo seua prasos de resgate,
emarauba se maita vete* insenaivelmente n'um
intrincado abyrntho, facilitando e alargando
em detrimento seu e dos outroso circulo de auaa
dividan activas e pattivai.
Talvea esteja abi coasignado am dos principase-
motivo das quebras que de ha alguns annos para
e derreeam o commercio de P,rnmbuco.
E' prociio, poia, a odsra e uuifonnidade rucla-
il para que i creaco do Janco Auxiliar Sfer
cantil an asbate em bons principios, porque sem
bons alienrcea nao poder haver inteira conflaoca
no edificio.
Sera ttulos de trausacooa reas, eom que tran-
gina o Baaeo?
A nao ser nansa, orna boa parre dos ttulos qno
sa apresentaatem a descont, bem poderiam sotar
disfarcados naa- cores aari-vnrd dn* pmpaq/rios.
Sem ducamoiHo otawqaenta de mnaccoe
reas*; *m a anifotmidane qna racommnnanmoa, e
da qual extremamente precita o noato commercio, I
__._ como pieciiaraos de ar n las para viver
sera diffieil, seno mesmo impossivel, dar o ne-'
cessaro elasterio ao movimeato de um eaUbeleci-
mento bancario sobre as bases que no aeguinte
artigo apresentaroroos para a creacio do Banca
Auxiliar Mercantil.
SociedaJe Auxiliadora da Agricultura de Per-
nambaco, em 14 de Julho de 1886.
Illa, e Exm. Sr.Oump.iodo a ultima delibera-
cao do conselho administrativo desta Socicdade,
levo no eonhecimento de V. Exc, nao aer possivel
meama Sociedad incumbir ae do.concurso desta
Provincaa na prxima eipoaico de Berlim.
Alm de tempo, de meioa, de opportunidade, fal-
ta-aiac snbeetudo harmona de vistas com aquelles
qn* tanto anhelara por gemelh^nte concurso.
Satean esta Soeiedade, que someute sero me-
lentn nsprastado o interesas* agrcolas de
rabana, caja primeira nlustria consiste na
produccao do assucar, tomando esta Provincia bm
claramente urna parte aegativa na festa iadustrial
de Berlim.
S assim torna'-se-hia eloquente o protesto con-
tra a poltica da Europa Septentrional, de que nea-
tes ltimos tempos tera se tornado carypheu o Im-
perio allemao em relacio a produegao do asauear.
Poltica aspbyxiante de nossa agricultura e de
nosso camraeqcio.
Poltica de bera p>uc s anuos a esta paite, que
se nos apreseata como inopinado eapantalbo, apa-
voranit-aos, ameaeando espargir a miseria na
maior parto de nossos lares, e o que mais ao r&-
imanso da paz e era nome do progreaao e do esplen-
dor da ci vi lisa ci enropa.
Exm. Senhor. com profundo aentimento a Soce-
dade Auxiliadora da Agricultura declara ser for-
cadta. na prente conjuoctuia, preferir somelhanta
tacjturnidade de Pemambuco eutre suas jrrais, a
ir ella era Berlim entoar de qualquer sorte o Aim
Q(N*r morsur le salutant. Quando tudo ia;o aej*
U a pureza de noiaaa intencoes.
Dean gaarde a V. Exc.lllm. e Es. Sr. Dr.
Ignacio Jonquiiu de Souza Leo, muitodiguo vice-
presidente da (irovinca. Ignacio de Barros Br-
relo, gerente da Sociedade Auxiliadora.
Sociedade Auxiliadora da Agricultura de Per-
iambuco, em 28 de Julbo Je ISoO.
Sejco de superintendencia.
Illm. e Exms. Srs. Recebemos, em fias de
Maio prximo passado, o presado omcio, que Va.
Exea, foram servidos- dirigir-nos, era d.i'.i de 10
do ineamo mez, solicitando a romeaba, antes dt
dia 10 do crrante, de productos desta Provincia,
e com e?pecialidade d'aquellesque podem ser uti-
lsados como materia prima na industria fabril al-
terna, para figut arein na exp isco su -ara-'ricaBa
promovida pela Sociedade de Gejgraphia Commer-
oial de Berlim.
Sabamos, j de ha muito, pelas fclbas deste
Imperio o pelas quu aos aao mandadas directamen-
te da AUemanha, que aquella necio, uo viivcl
intuito de proporcionar raai-ir oxtraocao aoa arte-
factos de sua hoje mai desenvolvida industria fa-
bril, epir dep sitar, sub este p^nto de viata, m'ii
limitada confiauca nja estabelecimentos colouies
ultknataeate ereudoa por eHn na frica Occiden-
tal e na ceania, deitara 03 olbos para a Am rio
do Sul, onde taes artefactos teem pouco consumo ;
e cerno, era ultima analyae.o prodnotjs s p3d ra
ser pagos com outros productos, convidara os i-
vos sal-americanos pira umi exposicao espacial
de productos naturaes ou outroa, qae podendj ser-
vir de imter-i prima a industria uUema, fornsoes-
som alim nto para ama corrente c-en n -icial. na
qual ditos p.ivos e os da AUemanha seriara sintul-
taucuineatc exporudoies o importad ires.
Sabamos, que a benemrita aaaocaco, que Va.
Exea, to dignamente representara, e "antos esfor-
908 teera-falto para a *xtenso do consumo do caf
e do mate braaileiros, ompenhava ae para que a
nosaa patria fosae dignamcue reprcaentada na
projectada expisiif'n, ao lado do Uruguay, do Chila
e da Coufederao' Argentina.
Coinprehendi .raos, que as -ios, 13 irmaa de sal
do Imperio tivcssem interesse em coacorrer .iqu lie
aertamen, embora o consumo do seu nico produc-
%} de avultada'importanca commerciil) caf, es-
teja ditfi -ultado na Allemanhi, c 1 n alias em toda
a Europa, |r oxigenado direitoi fiaaies; pais
poderiam enviar para Berlim amostras dos vinhos,
trigis, legume e mai produc^oes prupn is da
zonas temperadas, que as colonias allum-s do Rio
Grande do Sul n de Santa Catharina j i obteetn
esn abundancia, e cuja prcaenca, pateirtuaBio aoa
hibitantes da Gurmania a poasibilidade de entre-
g.irem-se cora proveito no Brasil austral s cultu-
ra de que teem praticH, s-fria pider.iai aoenliva
para o monimanto imangratorio. tao necessarnt
naquella parte do Imperio a substitmeodo traba
loo livre ao trabalho esoravo.
Coaiareriendiamas, qnr o Valle do Amazonas,
manantial par ora invesgoto turaes, que nao exigem outro trabalho alm da c*-
Iheita e cujo tranapjrte se cha facilitado por nina
r ie de commauietcoes duviaeo sem iguil nn
mundo, se eameraaae para ap-cseutal-oa era Ber-
lim, onde alguna delles talvez posaam dar cnsaa-
ch is a importante movimenta de troca internacio-
nal.
Pareceunos, entretanto, que esta proviacia de
Peenambuco achara-so inteirameate desintoressa-
da na questo, j por nao ter, a m de seu algodo,
perfeitainente c mhecido e apreciado as fabricas
aliemes, producto algum natural ou agrcola, que
possa dar a AHemanba em troaa dos seiu artefac-
ta, j por nao precisar de colonisaco eftrangeira,
e cato d'ella precisaase, nao ser a raen all m, aen
outra quaiquor oriunda da regiea situadas alm
do 45a>* paralell), sutcep'ivel de entregar se aos
trabalbos agrcolas ua zona intertropical, nem
mesmo de a li propagarse aim da tirceira oa
qu .r'.a g-racao, ae nao recorrer ao cruzament*
com as rucas j adaptadas s coodices do am-
biente.
Embora contestada por jornalLtsa e outros pa-
bcistas de igual incompetencia, cata inaptido dn
raca aryaoa pora, de que os allsraea o etendem
aer os representantes mais genuinoa, para a ctlt-
jisacao dos paizes intertropcacs, facto averi-
guado e aceito por todos os naturalistas, medico*
e physiol'gista aem discrepancia algosas, e pra-
ticamei'te confirmado por outro faet air.da mai*
concludente, o de nao existir n 111 indo iuteiro,
entre o trpico do Canter e do Capic imo, nuclet
algum de colonos, viudos de paizes alen do ir,
p ralello aera meemo do 40"'entregues atriiillu
agrcolas. Anda ha poucos mez es, no Congresse
de Striuburgo, o Ilustre Vircbow. um dos maio-
res vuittia peie.atifieos da Ailenxnh, aic.mdo a son
voz au'...risada para spresentar a ten* compatrio-
ta i os perigos da emigracao para paizes pertencen-
t8 a senas isothermicas differentes das do solo na-
tal, recusava-lbes raesrao a facaldade de completa
aoliraaco no norte da frica o at na Italia e aa
II spauh 1. lembr-:ndo que alli no se enentram
mais vetie" do conquistadores Lombardos,
AuHtrogodos Visigodos e Vndalos !
Dissemos mais cima,que afora o nosao lgida^
perteitameute conhecido e apreciado ha mais da
secuto oa Europa, nada tem Pernambuco que ofc
ferecer All-manha era troca de so,13 artefactos.
Objectar-uos-ho, talvez, que para Pars, Vienna
d'Austria, PhiUdelphia e nutras ex oosicoea, temo*
mandado assucar, espritus e diversos producto
naturaes "6ra# texlismaterias tinctoriae ras-
deiras pnprias maro neria, re-iitias e mais sub-
8lancaa raerliciuaea, etc.
Infelizmente, p irm, nada disto ;. le servir dt
base a relacoes commerciaea entre ua e a AUe-
manha, as quaes ambas as partes sejam ao mes-
mo tempo importadoras e exportadoras. As no-
fibras tex'is,-icuracarrapiebo, raacaiba crava-
t a ontras, nao existem em tal abundancia que
posaam tornar-se elemento de exportarn; na
chegam era para sustentar urna diminuta indus-
tria local ; o seu precu inui suptrtor ao do algo-
do e nao so encontrara venda. Pouco abun-
dantes su> as materias tine(priae* que ci se en-
contrara, e de que utilisam *e no centro o* fabri-
cantes de redes ; a priucipal d'ellas o Ibiripitan-
ga ou pao Brasil, desappareceu quasi inteirameate ;
e por antro lado o psogreasoa de cbymica teem
feito substituir palas tintas extrahidas do carvin
de pedra, ou fabricados no laboratorio pea syn-
tkese de seas elementos, as que outr'ora exigan
o trabalbo da vgetaeo. Aoa derivados da Ani-
lina pedem-se boje todas as cor-a que tinham por
base o pao Brasil e seus congeneres. A cultura
da Ruiva ou Garanca J desappareceu completa-
menlu o com a oyntheoe uo ndigo est para ter a
meama sorte a do Ail. Nesta senda nao ha ner
presante acra fu'uxo par a /onterias de origtm
vegetal.
Pando abuadnntas tambem sao as nossas madei-
rits proprin* mnreenaria ; mtil chegam para t
consarao da industria local e seus preco sao ei-
vHdtsimos ; po, aMov de ns termo* vastas ex-
tenaea Virealao, a falta de ama rede de viat da
oomaraDicac"* terrattre* oo floviae torna pena-
dissimo o apcovei tamento de qualquer pao de obra,
x
*
V
iitaUTIn
aVatan

.-.-"^i-i -.... *<
wr


Diario de Perambuco--tyuarta--feira 11 de Agosto de 4886
o.
I II I
existente em lugar distante duas legoas on mais sarao, qae prolongon-se at s2 hora, da madru-
de algum porto ou estaco de visa ferrosa, e toda
sabem aqni, nue a despea* com am arrasto de duas
leguas aoperier ao frete da Norwega ou do Ca-
nad. Podaramos mandar para a Allemanha
plantas, rosta**, e cascas medcioaes, estrahir h
Papaina do Mamoeiro a Pilocarpina do Jaoran-
dy ; mas claro qae seria sotnpre insignificante
seoiuihante etemento de trocas.
Quinto ao aasucar e agurdente, que com o
algodo constitueat a quasi totalidade de noaaas
;uartacoes para *Sra e dentro o Imperio, e com
que pagamos os mimares de contos de artefactos
e gneros que aunualmente importamos, seria vei-
dadeiro despropsito offerecel-os a Allemanha, em
cajo consumo nao entta um litro sequer de alcool
uem um kilo de aasacr brasileiro, a Allemanha,
que hoje o maior productor aV aasucar do mun-
do inteiro, que consuinindo pouco mais de 300 mil
toneladas d'aquelle genero, elevou a sua produc-
cao a mais de 1.10J mil toneladas, atirou no mer
cado at 800 mil toneladas de asaucar, que os.pre
mos internas e externos pernittem-lhe vender
por menos que o custo da prodcelo e cuja quau
tidade, excedende as neceaaidadea do consumo ge-
ral, de'terininou a plethora e a btixa doa pceeos,
causa de tantas deagracas para nos e para as mais
nacaos productoras di aasucar ; a Allemanha, que
alm de abarrotar os mercados da Europa fas hoje
concurrencia aos productores das regios trop
cues em toda a Ameriea e quasi que tem expellido
os nossos assncares dos mercados oriental e ar-
gentino ; s Allemanha, cujos alcools de cereaes, e
sobretudo de betteraba e de batata, alias nocivos
sade, em consequencia da forte proporco de
alcools propylicos, butylicoa e amylieos que con-
t en), estao inundando a Europa e alli propagando
o alcoolismo ; tem feito desapparecer quasi que
inteirameote a destiilacao dos vinhos interiores
com cujos alcools reforcava-ae o grao dos destina-
dos exportaco e aos qnaes substituiram segra
cas modicid .de do prerjo.
Achaudo-nos, pelos motivos que acabamos de
resumir, convencidos de que, por culpa mesujo da
Allemanha, esta provincia de Pernambuco nada
pJe apresentar, que preencha as vistas da Socie-
dade de Geographia Commercial de Berlim, em
pcol da extenso das retocoe commerciaes, entre a
Allemanha e esta parte do Impario, bascada n'uma
troca de productos esta vamos resol vidos a desin
tereasar-nos completamente da Exposico Sul-
Americana de Berlim, quando, depois do citado
offieo de'V. Exc, de 10 de Maio, recebemos o do
Exm. v'ce-presidente da provincia, firmado em 10
de Junho, e outro do Eam. presidente da Directo
ria do Centro da Lavoura e Commercio, datado de
55 do mesmo mez, insistindo ambos na eon7enien
cia das pedidas remessas e facultando a expedicao
directa para Hamburgo. _
Entilo, como um dos nossos mais distinctos so-
cios fosse de opimao, que embora sem proveito
algum aopmto de vista do desidertum dos orga-
nisadores da Exposico, era todava conveniente,
que Pernambaco apnveitasse mais esta eccasio
de patcntear os seas elementos de commercio ex-
terior, assentamos convocar o Conselho Adminis-
trativo da Sociedade, para decidir e que se baria
de fazer. Reuni-se este em sesso extraordina-
ria no dia 13 do corrente ; e depois de manifestar
ompl-ta udhrsaj aos motivos de abstencao apo-
sentados pea Superintendencia e approva' o seu
procediment", decidi que, comquanto pudesse ser
de alguma utildade a apreseutaco em Berlim
das pridueco s desta provincia, por ter a projee-
tada Exposi;a de ser visitada, *m davida al-
guma, por rauitas pessoas pertencintea a cutrau
nacionalidades, todava, nao havendo tempo para
organisar o*M remossa t;il que representasse as
forcas proluctoraj da Provincia, era melhor abs-
ter-se completamente do que ex por se a fazer figu-
ra ridicula ao lado dos expositores dos mais
paizes.
D.us guarde a Vv. Excs. Illms. e Exms. Srs.
presidente e inembros da Directora do Centro da
Lavoura e Commercio do Rio de Janeiro.
Paula de Amoriw Salgado Vicegerente.
Henrique Augusto AfetS cretaro geral.
Antonio Pereira SitadaThesoureiro.
HCViSTA DIARIA
nada na maior orden e aoimaca*.
Oedifieie*ch-*a elogantenvmts rapara* e
aluminado atonto teado nos jardins as bandas
marciaes do 2 baUlhao e araen J da guerra. To-
do n exposico foi visitado e encontrado pelos
qoo ill oaipareeerem na avrior orden limpeza,
revelando a pericia do director -que nao poupa,
como tem demonstrado, o bm estar de scub alutn-
Elelco de depatstrto E' amanh, 12
de Agos'o, o aic desigualo para a eleicao de um
deparado ge***, pelo 3 distncto, na vaga aborta
pelo fallecimeuto do Di. Antonio Francisco Cor-
rea de Aranjo.
Sao candi Utos essa vaga :
Pelo partido conservador, o Dr. Felppe dcFi-
gucira Fnria ;
Pelo partida liberal, o Dr. Silvino Cavalcante
de Albuqnerque.
Ilenuncia O Sr. Dr. 2o promotor publico
desta capital acaba de dar a seguinte denuncia,
relativ .mente ao crimecommettido, na ra do Vis-
conde do Etio Branco, n. 27, s 7 horas da man La
de 8 rio miz lindo :
Iliin. Sr. Dr. juiz le direito do 4o districtocn-
linal O 2 promotnr publico da comarca do Re-
ife v in [ierante V. S. apresentar denuncia contra
Delphiuo C >rreia Braga, pelo facto criminoso se-
guinte :
c. N i dia 8 do mez prximo paseado, as 7 horas
da nwiha, ouco mais on menos, e no predio n
27 da ra da Aurora, fregoezia da Boa-Vista,
achava-se M woel da Silva Leal Loyo, em com
panhia de Bemardino Gomes de Carvalho, no 1
andar, a prestar socc^rros sui esposa, D. Mara
Leobiua Braga Loyo, que hia sido aecommetti-
h (j. ico: e, quando o denunciado Delphi
no Correa Braga, qoB se achava ao pavrmenfo
terreo, subinJo, alli se apresenta, e sem nquenr
bem pelo que entio se paaeava, atira-se contra
Manocl Loyo, de quem cutthado, era coja pessoa
praticon o ferimento descripto no auto do corpo
de delicto, e que foi considerado grave.
Se a existencia deste facto delictuoso est por
demais provada, coa forca reconhecer, nao o
est menos a sua autora, que pertenee incontes
tavelmente ao ^enunciado, ^ue isto mesmo confes-
in por mais de ama vea, e conforme resalta das
demais pecas do inquerito junto.
Se a evideneia, porm, se faz, esn face das
pravas eolhidas, qnanto 4 existencia do crime e
de quem seja o sen autor, nao succede o mesmo
Tom relacao causa determinante do procedimen-
to do denonciadojferinda seu canhado Manoel
ijoyo,sendo certo qoo a cansa dada pelo denun-
ciado nio satisfaz, at agora, ao espirito menos
perspicaz, sabendo-se, cotno se sabe, por declara
Co mesmo do propri DeljAino,qae Loyo roi fe-
rido na occasii em qao se achava fazendo em
na esposa urna frioeao com agua florida, e lhe
dpe8ava Otros caidados reclamados pelo seu
e-tado.
Contra o denunciado, que incorreu iras penas
o art 205 do Cod. Grim., o 2' promotor pubiic-i
apresenta esta denuncia para coja prova ofierece
as testemnnhas abaixo arrnladas.
. Nestes termos, pede a V. S. qoeso digno pro-
der nos termes da Ui. E. R. M. Recife, 10 de
Agosto de l886.-^Dr. Jfanoe Cfcmentno d Olt-
Ttira Eucorel .
luOiln falaPelo jniz de direito do co-
marca de Nazareth, Dr. Carlos Augusto Vaz de
Oliveira, ioram condemnados por crime de fabrico
e introduecao do modas de nickel falsas Joao Pe-
4ro de Souza e Pedro Americo Machado.
O ci imc de moda falsa est apparecendo com
certa frecuencia n'esta provincia.
Cumpram asaim os loagiatrados o ten dever.
ti(uto AcaUt-natrw(Joiiforme noticia-
mos ha dias, renlisoa-se no domingo, neste csta-
belecimento de educaco, a fest commeatorativa
do 4 anaiversario da eaiedade Recreio Iatantil
Kove de Agosto, em seu seio mantida, cumprin-
do-se t totum o programma, j por nos tambem
annnaciado.
A's 5 horas e meia da Urde, uresente grande
numero de pessoas da mais gradas da noesa
lociedade, foi pelo presidente o Sr. Souza Marrin,
aberta a sesso, convidando nessa occasia > M "
lustre Sr. Dr. Barros Stibrinho para continuar a
presidencia, o qual aceitando pronunciou por sua
vez urna allocucao analag- fesfa e em segaida
deu a palavra os Sr. : Alfredo L .yo, orado- da
Sociedade; Alberto Pinto, orador do Club Die-
ues Jnior ; Manoel Amorim (em ingles), Sil-
les Abreu (em atim) ; Lopes de Barros, Joaquira
Lessa, Albrrto TraVaSSO, Torqunto Mendes, Du
nungos Carap s, Jos Campos, Arnaldo Guimarcs
(alumnos do estabeleeimenos) ; Panlo Pereira, Jo-
p Sizenando e Eucdcs Qnnteiro.
Durante a sessao tocou a banda de msica dos
alumnos do mesmo eoflegio, que soo a direccao di
muestro Roque, muito agradou, e find esta,dirrg'.
ram se todos ao theatriabo do estabelecimento, em
um edificio completamente supurado do collegio e
no qual primoroaameate preaarado foram levadas
scena por alumnos do estabelccimento, na sua
totalidade menores, a representaeao das comedias.
Anda ah, tocou a msica de alumnos, en ;o bas-
tante appiaudida, asaim como os prneiros.
Ao terminar-se o espectculo, deu-se comeco ao
Foi em resumo, urna fesia de cotlegio cimo bem
puucos aqu se faem e qae muito honra ao direc-
tor do Instituto Acadmico, um dos mais conspi-
cuos trabajadores da educacao da nlancia per-
nambuexna.
Exirada de ferro de C*rra.
O trem qae ante- h intem s 2 horas e 56' da tarde
parti da cidade da Viotoria e davi* chegar aqu
as 5 e 14" s chegou as 8 e 15' da noite, devido
isto ao facto de havar no kilmetro 15 abatido a
li.iha, quebrando-ee dous carros do oa'ga.
Felizmente, alm do susto c da demora, nada
maia sofFreram os passageiros
l.anli'rna (!. Distribuio-sa hon-
t.-m o n. 162 deste peridico livre e humorstico.
Colleajlo Onie de AgostoA fesia ao
6" anniversario d'este Collegio ter lugarhoje, s
10 horas do da, na ra do Visconde de Atbuquer-
que n. 95.
loria de iioitSkEscrevem-nos em b ao
corrente:
Srs. redactores.Faca-nos o obsequio de in-
serir na gazetilha do seu Diario o seguinte:
Em audiencia do dia 28 do mez prximo findo,
que fazia o Dr. Jos Cdrnelio Leito Rangel, juiz
de orphios do termo, foram declarados libertos,
em virtude da le 28 de Setembro do anno pas-
sado, 43 escravos, sendo que d'estes 11 sao isemp-
tos de prestarem servicus seus ex-senhores, por
serem maiores de 65 annos, e 32 obrigados a
prestar servidos de conformidade com a dita le,
por serem sexagenarios.
Em seguida o mesmo juiz mandn affixar
editaea eoniorme resara as prescripcoes da mesma
lei.
Nada ha maisdigno de menejio.
Sim, j meia esquecendo.
> No da 4 da corrente segoio para Pao d Alho
o nosso juiz municipal que, a convite do juiz de
direito interino da comarca, vai presidir algun
julgamentos ao jury, que nao pode ser presidido
twlo juiz direito da comarca, por se achar impedido.
Consta nos que S. S. regressar seu termo
no dia 7. .
Btlhete emendado Hontem cerca de 5
horas da tarde, o individuo de nome Joao Candi-
do Ferreira da Motta, fra Casa Feliz, do Sr.
Antonio Augusto dos Santos Porto, na prata da
Independencia n. 39 e apresentou o bilhete n.
28,693 da 2 parte da 13 loteria das Alagois,
emendado para o n. 28,893, em que sabio a sorte
de 1:000*000, com a idea de receber a quota par-
te de um vigsimo.
Esse individuo costuma a vender bilhetes de lo-
teras, e deve o puolico se acautelar.
Preso em flagrante, foi entregue polica, que
est procedendo nos termos legaes contra o de-
linquente, que foi reolhidj Casa de Detencao.
I'allerlmenlo na Italia* Sob esta
epigraph-, a Gaiea de Piracicaou, de S. Paulo,
de 28 de Julho, publieou :
. A 23 do pabsado falleceu na Italia, em Cas-
tagnaro, provincia de Veroua, o cidado fran-
cisco Scolari, irmao do conceituado profe.-sor de
canto Sr. Giovanni Scoiari, residente nesta ci-
dade.
O finado contara iO annos de idade e era
proprietario no lugar de sui residencia, onde dei
xou urna irma, filha e genio. Era um anciao
mnito estimado e respetado, pelas boasqualidades
que possuia, conforme nos informa pessa que o
conheceu.
A s u digno irmo apresentamos es nossos pe-
zames. ] __
Km transito. O paquete inglez Moniego
leva para os portos do sul 157 passageiros, 5 dos
quaes embarcados neste porto.
O Finance levou para os portos do norte 23
passageiros, sendo 3 aqu recebidos.
Dinnelro. O paquete inglez Mondego
levou d'aqui as sommas seguintes para :
Alagos. ............ ..... 13:000*000
Rio de Janeiro.................. 250:000*000
Medico oculista. Acaba de _estele-
cir-ae nesta capital o Sr. Dr. Antonio Freir
Mattos Barreto Filho, ul.imamente chegado do
sul.
S. S., que medico oceulista, tem o seu consul-
torio ra do Imp'-ra lar n. 65, 1' andar, e d
consaltas do meio dia s 3 horas da tarde.
A^radeceinos-lhe a visita que nos fez.
Tiieatro de Variedades. Effectuar-
se-h hoje neste theatro um attrahente espect-
culo, promovido pe" Sr. Silveira Carralha para
impressao de sua revista de 1885, intitulada
O Pelintra. E' oltereeido classe acadmica-
O theatro e jardim estaro adornados e Ilumi-
nados e duas bandas de msica tocaro nos nter-
salios.
Vai scena um lindo drama em 4 actos
O Filho do Cgo.
Kevlsiinha Publicou-se o n. 6 deste se-
manario, que contina a ser chistoso e engraca
d>, sempre merecendo bom acolhmento.
E,e Brsll Recebemos o n. 125, de 25 de
Julbo, deste peridico pars ense. Eis osen sum-
mario: Brtil. M. B. Eehos de partout. Au
journal patrite Le Brisil Beaulieu. La Com-
pagnie tlgraphique des Antilles. J. C. R.
Chronique pariaienne. Adricn Desprez.Njuvel-
les des provinces. L"Asile de Santa-Thrsa a
Rio-de-Janeiro.La Folie alcooque. M B.Pa-
cifique et La Plata.Les Torpilleurs.Ls Thi
tre k Rio de-Janeiro.Bevue finan :ire. Z Re-
vue commercale. D. Noel. Tirage des obliga-
tions dea Chemins de fer brsiliens.Mouvement
maritime Maisons recommendes.Annoncea.
Gabinete de L.eitnra Instructiva e
Recreativa SamellelrenseEata asso-
cia^o procedeu, no dia 11 de Julho findo, elei-
lo para membros do conselho qae tem de diri-
gil-a no anno de 885 a 1887, sendo eleitos : Dr.
Jos Eugenio da Silva Ramos, presidente.Ltu-
r-nco do O' Pereira, vice-presidente. Lycurgo
Geraldo de Alencar,. 1." secretaria. Joao Fulix
Cavalcante de Albuquerque, 2. secretario.Ma-
noel Alves de Aranjo, thesoureiro.Austreclinia-
no P. de Almeida Andrade, procarador.Mannei
Francisco Carnero e Firmino Gomes da Costa,
commissao de contas.
Hospital Portagaei-O movimento daB
enfermaras deste hospital durante a semana finda
foi o seguinte :
Existiam em tratamento...... lo
Entrara'n...................
mnlher de urna das pracas, 28 sentenciados, 16
criminoso* beribericoa, Antonia Barbosa da Silva,
Clara Compeli de Lyra, ignaca Mara da Con-
ceicao, Francelioa Ignaca dos Santos, Mara For
tunata de Azevedo, Margarida Mara da Concei-
oao, Adelina Mana da ConceiQ&o, Antonia da Con-
ceicao e Rosa Mara da Conceican.
Operacdes Irurgica Foram pratica '
das no hospital Pedro II, no dia 10 do corrente
as seguintes :
Pelo Dr. Malaquias :
Dona hydroeellea, sendo un pela injeceo ioda-
da e outro pela puocjlo e eauterisa$ao com nitrato
de prata.
Poothotomia pelo processo de Ricord indicada
por phimosis
Lotera de MaceloPor telegrammaer-
cebido pela Casa Feliz, sbese que, na 2.
parte da 13 loteria extrahida em 10 de Agosta fo-
ram premiados os seguintes nmeros :
15.701 200:000*000
30.518 40:000*000
1.309 20:000*000
14.449 10:000*000
32.748 5:000*000
10.828 2:000*000
11 028 2:000*000
15.733 2:000*000
20.822 2:000*000
22.092 2:000*000
25.945 2:000*000
26.911 2:000*000
30.15 2:000*000
36.717 2.000*000
Premios de liOOOi
4.014 7.296 8.562 12.447 12.862
Graciano Pinhairo, Pernambuco, 32 annos, sol-
teiro, Boa--Vista; tubereuloo pulmonares.
Jos Fraucisco Menles, Pernambaco, 58 annee
casado, Boa-Vista ; uremia.
Cesar Jos da Costa, frica. 75 annos, solteiro,
Boa*Vista ; hepatite.
Mara. Pernambuco, 19 mezea, Santo Antonio;
meningite.
Mara, 7 mezes, Boa-Vista; denticao.
CHRONICA JUDICIARIA
575
16.289 18.882 20.641 25.894 26.792 27.030
28.373 28.893 29.517 31.820 35.72 35.842
36.148 37.065 38.131 38.895 39.712
ipproxiaares
15.700 4-000*000
15.702 4:000*000
30.517 2:000*<0
80.519 2:000*COO
1.308 1:350*000
1.310 1:350*000
Oa nmeros de 15.702 a 15.800, excepto o da
sorte grande, esto premiados com 400*.
Oa nmeros de 30.501 a 30.600, excepto o pre-
mio de 40:000*000, eatao premiados com 200*.
Todas as centenas cajos dous algar ismoe termi-
naren! em O, eatao premiadaa eom 100*, inelusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros que terminaren! em I e 8
eatao premiados, com 20*
Lotera da provnolaA loteria n. or>
em beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife sor extrahida quando for annunciada.
No conaietorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceicao dos Militares, ae acharo expostas as
urnas e as esoieras, arrumadas em ordem num-
rica aorecir. Iodo publico.
Lotera O BloA 1 parte da latera
n. Is9, do novo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrahida no dia .. de Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da FV-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da provincia de Santa Ca-
tnarinaEsta loteria, cujo maior premio de
100:000*00il, dever ser extrahida impretervel-
mente no dia 11 de Agosto prximo, s 2 horas da
tarde.
Os oilhetes acham-se venda na Caaa da For
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Loteria da -6rte A 4 parte da 364 lo-
teria da corte, enjo premio grande de 100:0004,
ser extrahida no da 13 de Agosto.
Os bilhetes achum-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na praci da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Loteria de Macel de t OOiOOO*ooo
A 3* partea da l'i loteria, cujo premio
grande de 2O:000*, pelo novo plano, aera ex
trahida impreterivelmeote no dia 17 de Agosto s
11 horas da man ha.
Bilhetes venda na Casa Foliz da praca da Ia-
dependtncia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Loteria Kvtraordiarla do Vpiran-
ga O 4. e ultimo aorteio das 4." e 5. genes
desta importante loteria, cujo maior premio de
150:000*000, ser extrahida a 14 de Agosto pro
ximo.
Acham-se expostoa venda os restos dos bi
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Marco
n 23.
Haladuuro PublicoForam abatidas no
Matadouro di Cabanga 81 rezes para o consume
do dia 11 de Agosto.
Sendo : 64 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
4 C, e 17 a dversoa.
Mercado Municipal de 9. fosO
movimento deste Mercado nos daa 10 do cor
rente, foi o ae quinte :
Entraram :
431/2 bois pesando 6,117 kilos.
481 kilos de peixe a 20 res
118 cargas de f irinha a 200 ris
26 ditas de fructas diversas a 300 rs.
8 taboleiros a 200 ris
15 Sumos a 300 ris
Foram oceupados :
241/2 columnas a 600 ria
25 compartimentos de frinha a
5007is. 12*500
24 o tos dfl comida a 500 ria 12*000
74 ditoa de legumes a 400 ris 29*600
16 ditos de auinoa 700 ris 11*200
13 ditos de tressuras 600 ris 7*800
10 ditos de ditoa a 2* 20*000
3 ditoa 1* 3*000
A Oliveira Castro C.: ^^
2 talhoa a 500 ria l*
54 talhoo do carne verde a lf 54*000
appellado
appailado
9*610
23*600
7*800
1*600
3*000
14*700
Tribunal da Meliico
SESSlO ORDINARIA EM 10 DE AGOSTO
DE 88G
PBESIDESCIA DO KXX, SB. COXSELHEIRO
QCKTINO DE MIRANDA
Saanatarto interine Dr. Alberto CoeUto
As horas do costume, presentes oa 4rs. desem-
bargadoiesem nume-o legal, foi aberta a sesso,
depois de befa e approvadu a acta da antecedente.
Distribuidos e paseados os fetos deram-se os
segniutes
JULGAMENTOS
Babeas corpas
Paciente .
Alexandre Manoel de Souza.Mandou-se sol-
tar, unnimemente.
SebaotiSo Pereira da Rocha.Handou-s: sol-
tar, contra os votes dos Srs. desembargadores Pi-
res Gonoatves, Monteiro de Andrade, Pirca Fer-
reira e Oliveira Macie'.
Joao Francieco de Lima. Mandou-te soltar,
unnimemente.
Jus Francisco da Silva.Mandou-se ouvir o
Dr. cheto de polica.
Felicio Joaquim- do Reg.Mandbu-se ouvir o
Dr. chefe de polica.
Recursos Crimea
De Pao d'Alhr Recorrente Manoel Ignacio
Cavalcante de Albuquerque, recorrido o juizo. Re-
lator o Sr. conselheiro Queiroz Barros. Adjuntos
os Srs. deembargadores Toaeano Barreto o Pires
Goncalves Deu-se provimento ao recurso, un-
nimemente, para ae annullar todo o processo.
De SouzaRecurrente o juizo, recorrido Jos
Por-Deus Rodrigues Seixas. Relator o Sr. des-
e nbargadur Toecano Barreto. Adjuntos os Srs.
conselheiro Queiroa Barros e desenrbargador Mon-
teiro de Audrade.Negou-se provimento, unni-
memente.
Delguirass Recorrente o juico, recorrido
Martiniano da Costa Ribeiro. Relator o Sr. des-
embargador Toscano Barreto.Negou-se provi-
mento, unnimemente.
De Palmares Recorrente o juizo, recorrido
Joaquim Carlos Nascimento e outro. Relator o
Sr. deaembargador Oliveira Maciel. Adjuntos
os Srs. desembargadores Buarque Lima e Mon-
teiro de Andrade:Negou-se provimento, unni-
memente
De IguarassRecorrente o juizo, recorrido
Herculano Joao Baruab. Relator o Sr. desem-
bargador Monteiro de Andrade. Adjuntos os Srs.
desembargadores Pires Ferreira e Alves Ribeiro.
Negou-se provimento, unnimemente.
Do RecifeRecorrente Manoel Quedes dos San-
tos, recorrido Dr. Luiz Emygdio Rodrigues Vian-
na. Relator o Sr. desembargado- Alvea Ribei-
ro. Adjuutoa oa Sra. deembargadores Pires Fer-
reira e Monteiro de Andrade.Deu-86 provimento
ao recurso, unnimemente.
Appellaces crimes
De Palmares Appellante o juizo, appellado
Antonio Goncdvea de Siqueira Granja. Relator
o Sr. deaembargador Toscano Barreto.Mandou-
se a novo jury, unnimemente.
De IpojucaAppellante Honorato Ferreira Ma-
rinho, appetlada a justica. Relator o Sr. deaem-
bargador Toscano Barreto.Confirmou-se a sen-
tenca, unnimemente.
De TaquaretingaAppellante o juizo, appella-
do Joaquim Jos Alvej da Silva. Relator o Sr.
desembargador Toscano Barreto. Confirmou-se
a aentenca, unnimemente.
Do Recife -Appellaute bacharel Aureliano Au
gnsto Per.ira de Carvalho, appellado Joao Alves
Pereira Lima Filho. Relator o Sr. desembarga-
dor Oliveira Maciel. Nao se tomou conhecimento
da appellacao, unnimemente.
Do IngaAppa.laute o juizo, appellado Joo
Firmino dos Sanios. Relator o Sr. desembarga-
dor Oliveira Maciel. Confirmcu-se a aentenca,
unnimemente.
Do CwilegioAppvl ante o juizo. appellado Jo-
s Alves a* Silva Nov es. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Ferreira.Deu se provimento a
appellacao, unnimemente.
De Mateiappellante o juizo, appellado Jos
Joaquim do Nasciinento. Relator o Sr. desembar-
gador Pires Ferreira.Mandou-se a novo jury,
unnimemente.
Appellaces civeis
De CamaragibeAppellante D. Mara Josepha
Accioli de Barros, appella lo Manoel Jos de Li-
ma. Relator o Sr. desembargador Pires Goncal-
ves. Revisores os Srs. desembargadorea Alvea
Ribeiro e couaelheiro Arauj Jorge.Foram dea-
prezados os emoargos, unnimemente.
Do RecifeAppellentes Wilaon Son & C, a?
pellada a Fazenda Provincial. Relator o Sr. dea-
embargador Monteiro de Andrade. Revisores
os Srs. desembargadores Pires Goncalves e Alves
Ribeiro. Deu-ae provimento a appellacao, unni-
memente.
PASSAGENS
Deve ter sido arrecadada neates
a quantia de
Rendmento do dia 1 a 9
dias
211*420
1:860*660
Appellaces crimes
De Porto CalvoAppellante o jaixo,
Jlo Goncak do Nascimento.
Da Escasa Appeilaate o jumo,
Francisco de Sales de Sant'Anna.
Appellacao civel
Do RecifeAppellante a fasenda nacional, ap-
pellados Seixas Iranios.
Do Sr. deaembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. deaembargador Pires Goncalves :
Appellacao crime
Do PiancoAppellante o promotor publico, ap
pe Hado Manoel Pereira da Silva.
Embargos mfriogentra
Do RecifeEmbargante Manoel Jos Gocen I-
ves Braa, embargada D. Viceucia Perpetua
Freir de Arrojo,
Du Sr. deaembargador Pires Goncalves ao Sr.
desembargador Alvea Ribeiro :
Appellacjo crime
Do Bonito-Appellaute Manoel Pi Pereira,
appellada a justica.
Appellacao civel
De GoyannaAppellante Henrique Olympio
Tavarea da Rocha, appellado Dr. Deodoro lpia-
bo Coelho Catanho.
Do Sr. desembargador Alvea Ribeiro ao Sr.
conselheiro Queiroz Barros :
Appellacao erims
De Alaga GrandeAppellante o juizo, appel-
lado Cosme Sebastie Bezerra.
Appellacao civel
Do RecifeAppellante D. Cecilia Goncalves
Gnimares, appellada a Santa Casa de Miseri-
cordia.
DILIGENCIAS
Mandou-se ouvir o Sr. conselheiro promotor da
justica nos seguintes fetos :
AppsBaaoes crimes
De PirimbAppellante Aetonio Tavares de
Lima, appellada a justica.
De OaricuryAppllante Joa Pereira da Coa-
la Miranda, appellada a juatica.
Ordenou-se diligencia na
Appellacao civel
Da Parayyba Appellante Joa Ferreira da
Silva, appelladoa Silva Ferreira & O
Com vista s partes :
Appellaces civeis
Da Mamanguape Appellante Jos Martina
Fernandea Nogueira, appellado Pedro de Albu
querque Maranho.
De Porto CalvoAppellante Jos Antonio de
oliveira Lima, appellado Franciaco da Roche
Hollanda Caualcante.
Da ParahybaAppellantes Raposo & Filho,
appellada D Candida Cavalcante de Albuquer-
que Pereira.
DISTEDJUigOES
Recurso eleitoral
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel i
Do BrejoRecorrente o juizo, recorrido Jos
Lopes da Silva.
Recursos crimes
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De GoyannaRecorrente o juizo, recorrido
Antonio Faustino de Arauje.
Ao Sr. desembaigador Toaeano Barreto :
Do Goyanna Recorrente o juizo, recorrido
Honorio Auguato de Figueiredo-
Ao Sr. deaembargador Oliveira Maoiel :
De PalmareaRecorrente o juizo, recorrido Ma
noel Cirdelro.
Ao Sr. deaembargador Pirea Ferreira : -
De PalmaresRecorrente o juizo. recorrido
Candido Moreira de Mello.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De Cimbrea Recorrente o juizo, recorrido
Emygdio Bezerra Paz.
Ao Sr. desembargador Pires Goncalves :
De CimbresRecorrente e juizo, recorrido Jos
Antonio de Lima .
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
De Cimbrea Recorrente o juizo,v recorrido F-
lix Bernardo da Silva.
Aggravo de petico
Ao Sr. deaembargador Oliveira Maciel:
Do RecifeAghrauante o cnsul de Portugal,
aggravada a massa fallida de Moura & C.
Appellaces crimes
AoSr. desembargador Alves Ribeiro :
De GoyannaAppellante o juizo, appellado An
tonio Bento da Silva.
Ae Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Do RecifeAppellaote o prom-itor publico, ap
pellado Antonio Franciaco de Paula, conh
por Antonio Tutano.
Ao Sr. deaembargador Buarque Lima :
* Do Recif-JAppellante o promotor publico, ap-
pellado Antonio Francaeo de Albuquerque.
Ao Sr. desembargador Toaeano Barreto :
De Iguarass' -Appellante Dr. Francisco Xa-
vier Paes Barreto, apellida a justica.
Ao Sr. deaembargador Oliveira Maciel :
Do RecifeAppellante Franciaco Ramos Cou-
tinho, appellada a justica.
Appellacao civel
Ao Sr. conselheiro Araujo Jorge : f
Da VictoriaAppellante Francisco Caheitu,
appj.liado Jos Peixe^
Encerrou-se a aeasao a
tarde.
V. 8.1 o aeu roto e todo o sau precioso, auxilio i
annha.caata.no pleito ae oe vai ferir bMvemeate
nene datricto, cade V. fc\ goaa de prestigise dis-
poe de mwsirk influaacia.
Bem conheeido aesta provincia, onde aasci e
onde tenho sempre vivido aaonrejar em'fadigoaas
lides pelas idaa conservadoras, e sob i a egida
d'aqaella honrosa apresentacao; craio qao ser-
me-ha excasada a exhibilo de um programma,
pois qae outro nao poseo ter qae nao o do
ao qual tenho servido com dedicacSo e esforco.
Entretanto, de harmon a com o nota re atacarse
proferido ao Senado, em 1879, pelo honrado Sr
enselaeiro JoSn Alfredo Correa de Oliveira, digne
caefe conaorvaoor em Pernambuco, direi que a
synthesc do mea programma pugnar pelas re-
formas qae forem o desenvolvneato pratics dos
grandes principios liberaea consagrados na Con-
stitituico e qae formam a base das matituicoes
qne nos, oa conservadores, amatemos e queremos
man ter.
Dentro de taea limites ba eapaco bastante para
todoB os melhoramentoa intelectuaes, mcraes e ma-
terias, para todos os commettimentos aerioa da
poltica, economa, financas e adminiatracao, emfim
para todas aa maia altas aspiracea dos povoa
livros, que vrvem sob o rgimen parlamentar.
No decurso dos vinte annos que constituem a
minba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a minba actividade, e disao fazem prova oa meas
modistos esfbrc.oa na Asaembla Provincial e os
meus pequeos fabalhos na imprensa, tstes lti-
mos attestados pelo Diario de Pernambuco, em
cujas paginas tenho eeteriotypado a minba alma
e o men coracao, pugnando portado qnanto se me
tem augurado til e vantajoso causa do paii o
mais particularmente desta provincia.
Como garante doa meus intuitos de fcrtirri oftV
eco esse modesto passado ao digno eleitorado do
3o districto, assegurando-lhe que envidarei quante
couber em u.!m para elevar-me altura da situa-
(ao do paz e para mostrar-me merecedor da cort-
fianca co n que me honrar esse dijno eleitorado
O meu norte acra o bem publico e o oaminb
para elle essa honrosa oonfiauoa que nunca fa1 i
so illuBtro cidadio quem aspiro substituir e co-
as \ irtudes cvicas tomurei por modelo.
Subacrevo-me com a maior conaiderace e rea-
peito.
De V. S.,
Amigo, attento, venerador e criado.
Recife, 6 de Julbo de 1886.
Felippe de Figuroa Paria.
1 hora e 45 minutos da
Do Sr. eonselh'-iro raujo Jorge ao Sr. consc-
conaelheiro Queiroz Barros ;
Appel'mcao civel
Do PilarAppellante Henrique Ernesto Bitten-
court, appellado Joa Paulo Cordeiro.
O Sr. conselheiro Araujo Jorge, como procura-
dor da cora e promotor do juatica, den parecer
noa seguintes fetos :
Appellaces crimes
De Porto CalvoAppellante Antonio Jos dos
Santos, appellada a iustioa.
De TraipAppslante Manoel Jos de ariaa,
Manoel Peseira da
ippellada a justiCi.
De S. MiguelAppellante
2:072*080
19
Sahiram curados............. 3
Falleceram..................
Ficam em tratamento........ 13
19
Continua de mordomo o Sr. Carlos Botelho de
Arruda.
Lelloe*. Eff'-'Ctuar-ee-hao:
Hoje :
Peto aoenre Pestaa, a 11 horaa, ra do Vi-
gari'j i. 12, de predioa.
Peto agente Modesto Baptista, s 11 horas, na
ru do Imperador n. 75, de moueia, loncaa, vi-
droa, etc.
Amanh :
Peto agente Burlamaqui, i a 10 1/2 horas, na
ron Lefto Coroado n. 7, de movis, toacas, Vidros,
pamtroa, etc.
Peto aoene Silveira, s 11 horas, na roa do
Rosario u. 26, de predios.
Peto agente Alfredo Guimar&es, s 11 horas,
rHa do Bom Jeaue n. 45, de predioa.
Peto agente Otttmo, a 11 horas, na ra do
Mrquez de Olnda n. 19, dearmacao, miudezaa,
movis, etc.
Mlasaaa fnebres. Si rao celebradas :
A's 7 1(2 horaa. as matrizes da Boa-Vista e
de Jaboato, por alma de Ma :oei Pereira da Cu-
aba.
Amanh :
A' 7 horas, naoapella do Hospital Portuguez
por al na de Ancouio Jas da Foaaeoa.
Sabbado:
A's 7 horas na igreja do Espirito Santo, pela al-
ma de D. Anua Martins da Cruz Pimentel.
PassageirosSabidos para o sul no vapor
ing|.-z Mondego C. J. Chriatie e sua senhora, Ar-
tbar Gomes Ferreira, Joa Portado de Siinaa, e S.
J. Morison.
Sahdoa para Fernando de Neronha no va-
por Gigui :
Capitn Manoel Accioly de Moura Gondim, sua
senhora e 1 filha, Joaquim Pinto de Almeida e 1
irma, Manoel Luiz Carlos Jav&ris, sua senhora e
1 filho, Al xandra Delucas,,alteres rcrcino Au-
gusto Tillas Boas, T pracaa do 2o e 12 do 14 e J
48 an-
Foi arrecadado liquido at hoje
Presos do dia :
Carne verde a 200 e 400 ria o kios.
SimOi a 560 e 500 ria idem.
Carneiro de 640 e 800 ria idem.
fariuh de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 280 a 320 ria idem.
Feijo de 640 a 1*280.
Cetnllerlo Publico Obituario do da 7
de Agosto de 1886 :
Antonio Jos Sampaio, Pernambaco, 3 annos
Boa-Vista ; enterite.
Mara da Paz Lima, Pernambaco, 32 annos
viuva, Gra^a; beriberi.
Manoel, Pernambuco, 2 mezes, Santo-Antonio ;
gasiro enterite.
Pedro, frica, 60 auaoa, aolteiro, Boa-Vista ;
congi-atao cerebral.
Jo5o, Pernambuco, 44 dias, S. Jos ; i
lite.
Francisco Xavier do Carmo, Pernambuco, 50
annos, aolteiro. S. Joa ; inaufBciencia artica.
Feliciano Vieira Falco, Pernambuco, 48
noa, viuva, S. Jis ; broncho pneumonia.
melini), Pernanbueo, 3 annoa, Boa-Vista ;
Boa-V8ta ; conrulaoea.
^-8
Floro Antonio Joaqnim de Moura, Peaambuco,
25 annoa, aolteim, S. Jos : escrophulas.
Paulina Mara da Conceicao, Parahyba, 20 an-
nos, aolteira, Bua-Viata; tuberculoa pulmonarea.
Manoel Rodriguee da Silva Nascment, Per-
nambaco, 36 annos, aolteiro, Boa-Viata ; ana-
Francisco, Pernambu !0, 8 das, Graca ; mal de
sete dias. .
Candida GUiaafaM, Pernambuco, 38 annos,
solteira, Graca ; tuberoulos pulmonares.
Margarita Virginia Dibit, Franca, 89 annos
Boa-Vista ; cach-xia senil.
Luiz, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista ; con-
vulaea.
= 9 =
Maria Candida doa Santos, Pernambueo, 80 an-
noa, viuva, S J-.t ; gangrena senil.
Maria Ignaca Ferreira, Pernambuco, 85 annos,
solteira, Graca ; apiplexia cerebral
Manoel, Pernambuco, l anuo, S. Jo; Con-
vuluoes __
L opoldo Calofe Chaves, Prrnambuc, 20 annos,
soltiro, Boa Vista ; hemoptise.
We-ic-slo, rernameuco, 2 attfta, solteiro, Ato-
gadol; asphyxia por submersao.
Maria Francisca ia Conceicao, Pernambnco,
49 armos, viuva, Bna-VisU; febre perniciosa. J
Antonia Martms da Cruz Pimentel, Pernambu-
co, 47 annos, viuva, Santo Antonio; congeato
pulmonar.
Silva, appellada a justica.
De TimbabaAppellante Antonio Joaquim do
Naacimento, appellada a justica.
De BczerroBAppellante Jos Alvea Barbosa,
appellada a juatica.
De ItBmb^Appe'111*6 Vicente Rodrgaos Li-
ma, appellada a justica.
De TaquaretiugAppellante o promotor pu-
blico appellado Francisco Pereira da Silva.
Do RecifeAppellante Vicente Joio Fernan-
dea doa Santos, appellada u0lca,
Do r. oonaelheiro Queiroz Barros ao Sr. dea-
embargador Buarque Lima :
Appellacoea crimes
Do GoyannaAppellante Joaquim Maneel Pe-
reira da Nobrega, appellada a juntia.
De PeaqaeraAppellttOte o jumo, appellaoo
Manoel Rufino de Mello 6iWa.
Dojbr. deaembargador Buarqae Lima ao Sr.
deeembargador Toic^ao Barr-to :
Appellacoea crimes
De Buique Appeante o juizo, appellado
Francisco Lrite Caralcaut.-.
Da Parahyba- Appellantes Antonio Joaquim
de Sant'Anna e o juizo, ampollados Joo Marinho
Falco e a justica. J
Appellacao oivel
Do Reraf-'^ppeUnte *> juizo dos'fetos da fa-
zenda, appellados Beruet&.C.
Do Sr. desembargador Toscano Barreto ao Sr.
desembargador Oliveira Maciel :
Appellaces enmes
De SouzaApp liante Leonardo Jos Dantas,
appellada a juatica. .
Do RecifeAppcllants Uracihaoo Quirino, a .-
uellad a justica. '
D Floresta- Appellante o juizo, appellado Jo-
s Gomes da ->ilva Sobnuho.
Conflicto de junsdiccao
Entre o aub legado e o juiz de paz do 1 dis-
tricto de Bom Jardim.
Do Sr. dea^mbatyad'ir Oliveira Mawel ao sr.
deaembargador Pir a Ferreira :
Appellaces crimea
De Gani-lleira-A..p''llaute o promotor publico,
appel'ados Manoel Antonio Machado e outroa.
Do Piauc A pellanttes Laurentino Flix da
-ilva e outro, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Apoellacao crime
De Penedo AppeiUnte o juizo, appellado Gal-
oino Jos da Luz.
Appellacao civel
Da RecifeAppellautea Alberto Vaz & C, ap
pellado Autonio Mchalo do, Sautos.
Appellacao commercial
Da ParahybaAppellan^ Autouio Correia da
Silva, appellado Ftgueir^do & Irmos.
Do Sr. deaembargador Pirea Ferreira ao 8*.
deaembargador Monteiro de Andrade :
Para conhecimento dm interessadoa, publica se
abaixo a relacao doa procesaos civea pendentea no
Trib'inal da Relacao, e ae acham parados no car-
torio do escrivo J.s Peres Campello de Al-
meida:
Recife
Appellante D. Felsmiua Ludcvina da Silva.
Appellada D. Raaalina Maria da Paixao.
Recife
Appellante Jos Praxedea doa Santoa Cavalcante.
Appellados Amorim Irmaos & C.
Recife
Appellante Antonio de Paiva Ferreira.
Appellados os herdeiroa de Manoel do Carmo Ri-
beiro.
Recife
Appellante D. Joanna Rosa dos Santos Aguiar.
Appellado Jos Francisco da Silva.
**^ Recife
Appellantes Phipps Brotaera & C.
Appellado Jorge Jacome Tasao
Recife
Appellaute Zeferno Carneiro de Almeida.
Appe'ladoa Fernando Silv i & C.
*^ Recife
Appellante o Bario de Goicana,
Appellada D. Antonia Florencia de Araojo.
Nazareth
Appellante Manoel Rodrigues da 8ilva.
Appellado Joaquim Nuuea Xavier de Souza.
Garanhuns
Appellante Francisco Das da Rocha.
Appellados Gomes Maia & O
Cabo
Appellante o juizo. r
Appellado Dr. Francisco do Reg Barroa de La
cerda.
Campia Grande
AnpeManle Isidoro da Cunha Cavalcante.
Appellada D. Mana Justini .na de Albuquerque
Montenegro.
Maceio
Appellante Antonio Teixeia Pinto.
Appellada DTAnna Paea Ferreira Pinto.
Bonito
Appellante Joa Luiz Sabino.
Appellado Joo Caucio de Mello.
Palmarea
Appellante Dativo Antnnea Correia.
Appelladoa Joa Pereira Carvalno & O.
Bom Jardim
Appellante Antonio Francisco de Arruda.
Appellado Jos Antonio Pereira d Moraea.
\o %r. Ur. S\ I vi no Cavalcante
Nao 8ei, U'-m poaso atinar com a causa que le-
vou o Sr. Dr. Silvino Cavalcanta fazer, na Pro-
vincia de hoje, a declaracao que alli se l com ea-
di-reco mim e aob sua firma.
At hoje nao empreguei no pleito eleitoral ea
que estou emptnhado, nenhum meio deshonesto a
menos cavalheiroso, e espero que assim ser at o
fim da campanha.
Quando, 6 de Junho ultimo, encontrando-me
eom o Sr. Dr. Silvino, na ra do Conde da. Ba-
Viata, lhe communiquei que era o aeu competidor
lembre S. S. as benevolaa phraaei que sempre
teve para mim, e conclui dizenOO-lhe que eaperava
que, durante o pleito e depoia d'elle, continuara-
mos as tradcoe8 de honradez e cavalheirremo que
ambos sempre tivemos.
D'esee proposito anda me nao affastei urna
inha ; e aguardo as pro vas prometcidas pelo Sr.
Dr. Sil rio para destruil-as, demnni)tr*a'io ", P0*
rainha vez que, se S. S. se refero a mputacoea
que me teem aido feitaa malevolameute pela im-
pr-inea, foi completamente Iludido em sua boa f.
Eu tinha o direito de esperar de S. S. prooedi-
mento diverso do que teve com os seus competi-
dores as eleicoes anteriores, S. S-, porm, en-
tende que deve segu r a mesma marcha. Pacien-
cia ; esperarei tranquillo a aggreaso que me pro-
mette ; e fique S S. certo de que aceitarei o repto,
tomando por testemunha o puolico de que nao o
provoquei, por modo nenbum.
Recife, 10 de Agosto de 1886.
Felippe de Figueirba Faria.
PIMIC4C0ES \ PEDIDO
IOMMNICADOS
\o eleitorado do 3o districto
IUm Sr.O fallecimento do Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putacao de Pernambuc, determinon a neceesidade
de ama eleico no 3" districto, que aquelle Ilustre
cdadao to dignamente repreaentava.
Para preencher esaa vaga proponho-me eu aoa
auffragioa do diatincto eleitorado dease districto,
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambicoss que estou longe de nutrir, mas por apre-
ntacao do partido em cujaa fileiras mito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar eervicoaao
paiz neBBe poato de combate que me foi indicado
E\ pois, ejeudado com esse patritico desejo e
patrocinado pelo men paraio, cujo venerando
chrfo tenho por amigo, que eaVenho soatar de
Orcanicnto provincial
Em nosso anterior artigo, neste Diari
publicado acerca do ultimo orjamento pro-
vincial, disaemos que em resposta a quaes-
quer argui^Ses contra o veto presidencial
que lhe foi opposto, bastirriam esbibir-ae,
pura o 8imple8mente, as raz5es de nao
sanegao. EQas resumem com effoito os
vicios capitaes que infirman o orcamento
e irrefutavelmente o condemnam.
Mas oumpre fazer ama errata, nao
preciso apresentar os motivos de nao sane-
gao ; basta apresentar a propria resolucao
nao sanecionada. Sim, que a sanegao era
impossivel nao cousa que haja necessi-
dade de demonstrar, basta mostrar os arti-
gos do projecto do orcamento, que maia
embargavam a sanelo.
Em circum&tancia8 criticas que a assem-
bla teve de recorrer aggravagao de im-
postos, cabia augmentar a despeza? Si
estamos no seio de urna medonha crise,
licito augmentar vencimentos de emprega-
dos, remettir dividas e crear isengSes de
impostos ? m *S "*1
Pois de tudo-isto e mais anda ha no or-
camento.
Logo o art. 2 5 d a urna classe de
empregados da aecretaria do governo aug-
mento de ordenados.
O | 16 eleva o do professor de latim de
Pesqueira. .
O | 23 (que vera debaixo da rubrica
Auxilio Industrial) d de presente ao Mon-
te de Soccorro 6:00O#, quando certo
que os cofres pblicos estao mesmo pedin-
do soccorro. E ficamos agora saberjdo
desse novo estabeleciment industrial --
Monte de Soccorro creado pelo governo
geral e que se nao podo vi ver dos recur-
sos proprios, quem o creou que o... emba-
Lnee.
O 8 24 consigna verba para um labora-
torio chimico e histolgico, que j se ani
nhou no orcamento e naturalmente dentro
de pouco tempo precisar de um zelador,
depois carecer de um profissional pago
pela provincia, o germen de mais urna re-
particao provincial.
O | 28, alm do que preciso para a
conservacao e reparo das obras publicas,,
gasta mais 15 contos com o Asylo de Alie-
nados, 20 com a casa dos expostos, omais
dinheiro para outras obras, quinto o
pouco que a provincia arre ^ada muito raat
chegar (se chegar) para eeos compromisos
actuaes e nao pode dar sobras para bras
de caridade e outras nao urgente.


4
Diario de Peroambucotyuarla-feira II de Agosto de 1316
v
Ha a notar ueste poato que o ornamento
anterior, que produzio tJefic* ponto de
"neceioo empreo, ha pouco vo^
Udo de 1,000:000*. c consignava para
obras 2904684*40. O novo, mais oneradaa
pvnc^ cois juros desse enjambo
Pe crescendo a crise que J^-*
ma consignado de 405:000* III
Soba rubria -Auxilios diversos-enfi-
leiram-se multas quantias qu> a prov.nc.a
exhausta, lutando com ingentes sacrificio ,
como se acha, actualmeute nao poce dan
Fila oue precisa ser auxiliada. So
So XsoPs a que, em .ondees no,
Les e prosperas, taes favores se possam
Ser ; mas ern quadra de cnse e quando
o so v remedio de effe.to pro^mo e
. efficaz, as liberalidades nao tem justlica
" A provea, que es* a tomar milbares
de contos a juros, nao pode ser tao ga-
rosa que tome emprestado dmheiro para
dar esmolas. O particular que o fizesse
nao legitimaria em boa moral o seu acto ;
dar-lhe biam at um curador. E ao poder
publico nao se exige que tenha menos )Ui
zo que os particulares.
Ntese ainda que a somma das genero-
sidades, feitas por quem nao possue com
que pague se mantenba e com que
Jue pague as suas dividas, no orcamento
novo superior votada no antecedente,
e hoje ainda mais graves sao as circums
tancias. ,
Entre as liberalidades figuram : subven-
go ao seminario episcopal de Olinda, que
deve ser custeado pela mitra, e a duas es-
colas fundadas por vigarios.
Nao temos que dizer quanto utihdade
dessas instituidas, e contemo nos entre m
que pensara que sempre vantajoso auxi-
liar es que trabalham pela diffus&o do en-
ino. Mas em condic5es normaes e pros
peras das financas proviuciaes, isso bem
cabido; hoje, nao. E realmente, se a
provincia nSo tem agora com quo pagar
aos seus professores e estes andam em pe-
nuria com atrazo de seis raezes em seus
vencimentos, como se explica distrahir di-
nhero dos cofres vasios para auxiliar es-
tebelecimentos nao officiaesde instruccSo 1
E at a lei foi incongruente, ehminou
verba Dar sustento de alumnos pobres a
* a aMio Pernambaeano, por nos que declinemos de sua encyclopedia ep>r
gratuitos no Gymnasio rerara~ vez ]0mente lhe digamos que nao est suracu
-.. a^na r.AHp. mais sustentar, e conbigna ________ j..s n,u- se.
da havemos de diaer), era oonveniente aos'
interesses da provincia sanccionar esse
acervo de desacertos e prejuizos os nte-
resses ?
EntSo a provincia est a afuudar-se em
um abysnio depauperada faminta, com suas
finsneas em estado miseravel, -e era pos-
sivel sanecionar urna lei que lhe viria aug-
mentar o dficit e a divida ?
Quem tomasse a responsabilidade dessa
aggravacao do estado critico ea piose-
guir-se nesse caminho, quasi sem remedio,
nSo teri nem honestidade nem patriotis-
mo. Tornar se hia algoz deste misera pro-
yincia que tanto precisa de ver seus neg
cios geridos conscienciosamente, seus inte
resses bem zelados e sal/os da certe.ra
ruina em que vio.
Um administrador criterioso, conhecedor
da situacao da provincia, jamis saneciona-
ria um orcamento semelhante.
O orcamen'o veio da Assembla para a
presidencia da provincia trazando, em suas
nocivas disposicoes, a resommendajao de
Be'.lerophonte, e a presidencia cumpno a,
exterminando-e. Oom o praticar, alera de
obrar o que devia, fez um importante ser-
vico provincia.
Um pernambucano.
que nao os pode mais sustentar, e consigna
quota para auxiliar ao bispo e aos vigarios
no ensino que dao em estabelecimentos
seus e cora os quaes a provincia nada tem
que ver... ,
O | 7 conservou o augmento de venci-
mentos de urna porcSo de empregados do
thesouro provincial, augmento feito sem
lei especial, .no anterior opamente. Taro
bem isto todo o anno. Tmese ao
acaso urna das colleccSes de leis de qual-
quer anno, de certo tempo a esta parte, e
no orcamento se achara, quanto ao The
sonro Provincial, gratifioacSes novas e ele
vacao de cathegoria de empregados : em
forma que para os estranhos muites vezes
i urna charada, sim, mas a decifraciio
certa augmento de vencimentos.
V-se ainda augmentada com 10:000*
a quota para as collectorias, e a famosa
consignacao para os aposentados j chega
a 132:461*. Brevemente ser preciso
talvez centrahir algum emprestimo s para
pagar-se ao pessoal inactivo seos vrnci-
mentos.
O 82 eouserva quota para um Insti-
tuto Vaccinieo que nao tem mais razio
de ser, depois do decreto que reorganisou
o serv90 sanitario hygienico do imperio.
Sendo mais curial ir libertando a provin-
cia das despezas.de servico geral que ella,
sem poder e sefli,dever, est pagando, o
orcamento sobre carrega-a com dospeza^ ac-
tualmente intil e.obriga a administracao a
conservar urna repartilo sem presumo ho-
je. Em tempo de .econo.mias, nada mais
edificante. Hojo a vaccina est aos cuida-
dos de urna repartic2o jeral e nos apezar
d'isso e sem ter dinheiro para o indispen-
savel, vamos gastar com o,que se tornou
intil.
J a vista de tudo isto (e ainda ha mais
.no mallogrado orcamento sobre o qual ain
itolsa commerclal de Pcrnam
buco
RECIFE, 10 DE AGOSTO VE 188b.
As iros horas da tarde
i-'oracu officiac
Cambio sobre Londres, 90 dtv. 21 d. por 1*000,
do banco, houtem.
Dito sobre dito, 90 d/v, 21 1/8 por 1*000, do
banco.
Dito sobre dito, vista, 20 7|8 d. por 1*000,
do banco.
Descont de letras, 8 0/0 ao anno.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C.G. Alcoforado.
REND1MENT0S PBLICOS
Mes de Agosto de 1886
ALFANDEGA
A prisJo preventiva, ou antes administrati-
va, requisitada pelo inspector da thesouraria
de faienda e communiesda por telegrama ao
Exm. ministro rwpectivo, e sabe Deus em que
termos, alm de ser a provaproyada da persegui-
sao desgracada que se tero movido e se contina a
mover naquolla provincia por odios e motivos in
confessaveis, attentatoria ao art. 7', que deixa-
nio8 citado, pois vai perturbar a inspeccao. Alm
dissuj o capitSo Maciel est exclusivamente dis
posico do general inspector.
A' prisao administrativa s tem lugar, parece-
nos, contra os poculatsrios susceptiveis de fuga.
Estar um official do exerciio n^ste caso ?
Em que peuas icorra o que foge, ou antes,
deserta ?
Alm disso, os intereeses da faienia j % cstavam
e estao acautelados, desde que o governo mandou
f*zer carga ao capitSo da quantia questionada pela
thesouraria, para descontar-se-lhe menalmente
pela terceira parte do sold, o que ha meses se esta
tazendo.
Os artigos de guerra, que servem de le, ou an-
tes o cdigo milicar tratam da especie em seu ar-
tigo 28, e j tem tido applicacio ein casos idnti-
cos.
Citemol-o, para mostrar a Arara que as putoa
at mais quedificadat de quem receben informaees,
pensam e lem pela mesma cartilha e sob a mesma
impri'ieao.
Art 28. Todo o official de qualqucr graduacao que
que seja, se valer de seu emprego para tirar qual-
quer lacro, por aualquer maneira qud sejs, e deque
nao puder inteiramente verificar a legitimidade,
ser infallivelmente expulso.
Argm e os seus informantes, que onzaram diser
que o Ilustre geueral Moraes Kego est anarchi-
sando aquella provincia e plantando a indisciplB.i
militar (?), estao muito looge e sao muiti8sim:>
alheios ao objucto dos seus zelos; e tsnto^ assim e
que, nem os presidentas de provine as sao Com-
petentes para conhecal-a, como muito bem decidi
o governo era aviso de 10 de novetnbro de HJ,
que declarou elles nada terem ccio a disciplina e
economa da tropa.
Convem que fique desde j accentuado que os
presidentes de provincias tambem nJo s\> supe-
riores dos commandantes dbS armas, a quem sao
obwqados a tratar com tanta circumspeccao.e de-
licadeza, quanto o respeito e obediencia que os
commandantes de armas devem tributar Ibes,j.b-
servando entre si recipbocambite o que dispoi a
provisao de 17 de Novemoro de 1825. em tudo
quanto nella se contem. Proviso de 11 de Maio
de 1829. .,,--
Lea Argu o al vara de 21 de Outubro de 17od,
e ver que, quando occorrer duvida sobre compe.
tencia entre as jurisdiccoes civil e militar, no caso
de prisIo, levar-se-ha o facto ao conuentpento do
governo para deliberar como lhe parecer justo;
suspendendo-se logo todo o prcceliuiento.
Nao sabemos se, oom a retirada do Exm. r. pre-
aidente do Rio Grande do N.rte, que accumula o
cargo de commandante de armas, para Moasor,
risdicvlo com um juiz de direito, que ia t uando
proporces desagradivoia pela insistencia com que
o magistrado a que ullndimos quera, por meio de
habeat-corpu annuilar o aasentamento de praca
de um homem que regularmente bavia se alistado
mas dizia o m-tgistrade, havia sido a isso violen-
tado !
Todos sabem que essa importante garanta do
cida lao, a&o alcancas pracas doexercito ; porm,
apezar disso, o jais impetrado queria porque que-
ra tazer cftectiva a ordem de habeat-corpus, que
havia conseguido em favor do pacten!;, que se
achava soffrtndo constrangimenlo illegal!
At h> je, que nos conste, o governo nao decidi
esse conflicto; pjis o governo tambem tem entra-
nhas.
Quando este mesmo governo estiver aborrecido
e caneado dessas scenas de perturbacoes e cho-
ques dos diversas ramos dos poderes pblicos, ou
quando te der aigum tacto lamentavel e de conse-
quencias irreparaveia, possivel que alguma me-
dida ae tome no sentido d evitar reproduccoea. _
Na, oa brazileiroa, s fechamos a pjria defois
de roubados.
Rio Grande do Norte
O caplto *oo Severlano Ha
del da Costa e o seu detrator
Urbano Joaquina de Loyola
Barata
Um Sr. Arqus, que nos dizem ser bacharel em
aeienciaa juridicaa e sociaes, e se aprega a mais
solida capaciaade as cousas que uizem respeito
com a aciencia juridica-militar, fez a sua appan
cao as columnas d'este Diario de 6 do corrente,
pr tendeudo elucidar a quesll> do conflicto de ju-
risdiccao provocado levianamente pelojuiz mu
cipal da cidade de Natal, cm materia de previlegio
de foro; e depois de descorrer superficialmente so
bre o aasumpto que suppoz conhecer, commetteu
graves erros de interpretacSo ie leis; citou o mes-
rao aviso dando-lhe datas differtntes talvez para
encher h vista ; e tee a franqueza de duci-se.ns-
pirado em cartas de pessaas as mais qualificaaas
d-aquella provincia; e to quaiificadas que acre-
ditara que o presidente da provincia aupenor do
general Moraes Reg !
Apezar de ter Argus, em um tom de pouco caso, ^
qualieado de exdrurula a noss i opin^ao, em ma d(,Mndo crjem pdM ger preso o capitao Maciel,
tea de mil'tanca, e declarado logo nao pretender ^^ g tQ. entregUH depois da partida de 6.
alimentar polmicas comoosco; na de perra tur- ^ ^ Jorna, o gecife de 6 ; o Exm. Sr. ge-
uma
. -igamos que nao esta aufficieute-
mente preparado para a discussao a que se atirou
como mi novico que
Antes, porm, seja nos licito dizer que agr-
davel e correcto o ostylo com que exhibi se, no
que lheconh.cemoasuperioridade : quanto aomais
per.Dtta-noa qu- insistamoa na doutriua dos arti-
gos que temos publicado e que 6 a nica sil e jun
dica, como vam-s provar.
Principiaremos pela fallada snperio-idade do
presidente da provincia sobie o iusp-.-ctor, general
Moraes Reg.
O regulamento de 20 de Marco de 18o7 em s^u
art. Io diz: Os inspectores dos corpos s bf.cebeba >
ordena do ajudsnte general do exercito ou do mi-
nistro da guerra, etc. et
Log-, nao sao subordinados aos presidentes de
provincia, que nao llirs podein dar orden.
Art. 7 o Durante a inspercao de qualquercorp...
os presidentes de provincia etc. etc., ni> ponerlo
exercer sobre esse corpo neniium acto de jubisoic-
clo que ten ier a perturbar o processo da ineam i
mspicco.
que nos diz Argus, a respeto?
Voltemoa ao arl. L do raesmo regulamento :
Logo qne o inspector (filiamos n> singular) che
gar a qualqucr provincia, coiDinnnioai a> rrapec
tivo presidente etc. tU o solicitar do dito pre
sidente a exp dicSo das convenientes ordena ao
inapectir da the80uraria para que lhe s>-jaoi pre-
eentes os esclarccimentos que requisitar acerca
dos abonos fffectuados e das quantias entregues
ao corpo que vai ser inspeccionado !
Citamos a integra d'eate artigo, para conven-
cer a Argus e as pessoas s mais quaiificadas suas
Exc. (vide Jornal do Recife de 6 ; o bxm. fc-r. ge
neral Moraes Re^o asaumio, ou antes, declarou s
commandante das armas; pora.se ase-m o tez,
cumprio exactamente o que est determinado no
art. 3o da provisao de 31 de Julho de 182>, que
dizquando por urgencia do aervic> o ciminan-
dante das armas sahir para fra da capital, a dis-
tancia que o embarace de voltar ella dentrj de
vinte quatro horas, devk ficar encarregada de
suas funecoes a patente m^is graduada.
O oue ha de cennuravel se o Exm. Sr. general
assumio o con mando das armas? S cumpno
ele, por ventura, umt prescripeo legal?
Argus levantou-uos uin falso testemunlio, que
nos operdoamos: no msso artigo publicado no
Diario de 4, nao transcrevemos avisonenbum de
1859. Se lesse com mais hitencAu e nao se preoc-
cupasse tanto com as injrraacojs que lhe derara
lo Natal, vera que o aviso transcripto de 11 de
fevereiro de 1850, cuja doutrina ainda sustenta-
mos, vera em uoaso apoio.
Os avia .s expedidos sem ser cm vsta de cousul
fa bao de meia vontade dos iniuistr.i, que, muitaa
vezes, se iinpressiouam por circuinslancias de in i
ment, e por ssj nem sempro contera doutrina
procede.ite ; cjnliec-inos diversos decidu do o mis-
ino assumpto de modos encontrados; e ptanto,
permuta Argus que com franqueza lhe digamos
- c" i iije o aviso de 10 de Juuho 1869, que trainera
" veu, nao contera tm nossa hurailisiina opinulo a
verdadeira doutriua juriJic. pois os auintes per
t.nceuCes ao Eatadj e que f..rain jllegalmentu ven-
didos pelo ajudante de ordeWcft p**ideii:B Uo
Paran, facto que deu lugar qu-lln aviso, s po
diam estar a cargo doofficial, se bem que iiidevida
nicnt-, ea> virtude de sea posto ou cathegoria de
Comarca deGaranhuns(*)
IV
O Sr. Dr. Cintra por certo nsV) indicar um mo-
tivo serio que justifique suas iras, hoje, contra nos
em Palmeira.
vto mostrar a mais leve offensa pessoal q.ic
de nos tenha recebido ; jamis lhe creamos, direc-
ta ou ndircctaircnte, embaracos a sea modo de
distribuir justica ; serapro cercraos-lhe do res-
peito devido autoridade de que elle revestido,
e se alguin confl cto houve entre esta e aquees
que procuraramatacala, lembrar se ha o Sr. Dr.
Cintra do que eucontrou em nos o mais franco e
decidido apoio e garanta ; porque, j o dUse, so
mos amantes da or Jein e respeitadores do princi-
pio da autoridade.
No entretanto, o Sr. Dr. Cintra, rompeu cem
nosco injusta e desabridamente. E porque ?
E' o que se vai ver :
Com a subid dos conservadores, estes era Gara-
nhuns dividiram-so em dons grupo;, dirigidos por
dous chefes; um cercado de prestigio de numerosa
familia e oucr< amparado das yinjatbias que tem
sabido conquistar, j pilo seu trato e j princi-
palmente pelo tino poltico coa que se cooduz
No nwio delles appareceu o Sr. Dr. Cintra, despu-
taudj a chela suprema, cuja nomeaco so fciteu, e
como esta lhe fosso negada, comecou a alimentar
a discordia, dizendo-se at que fra elle quem
ll-a nascer, como calculo de fazer-se imp.-; seu
r-ciocinio era: separadas as inflieucias, aopcao
de urna, importa a perda daoutra e paraque laso
nao se
urna terceira
re cheff.
Falhoa anda esse calculo do Sr. Dr. Cintra que,
repudiado, perdea a cabeca, e fascinado pela idea
do chefla, lembrou ae de ser chefe era l'alra.-ira,
que, sendo unnimemente liberal, (pois tanto im-
porta ter dous ou tres conservadores) podia dar-
lhe elementos sem prejuizo notavel desse partid ,
para mostrar se cousa na comarca, prestar serv
cs que lhe vle8sein urna bja remocao : capital,
ou em sua falta, Olinda, e era quanto qualquer
destas nao chegasse. lhe g^rantsaem um* ch_f i
tura de polica, sentios duurad'is do Sr. Dr. Cin-
tra, hoje como hontem
Mas, a Palmeira que nada tinlii qe ver com u
luta de adve saro, a nao ser auferir, com todos
os amigos do collegio elei.oral, as vantagens que
della podessem adv.r, como resu'tou ; pois na ulti
ma eleicio municipal os jouserv.idoiei apenas ti-
veram rno verendor e alguna d ou quatro raezes a estudar; mas sim, apre-
senta no Jornal do Recife o Provincia de
hontem, 10, as base genricas dos e,tabeh-
cimentos bancarios ; nem outras poderiam
ser, e tambem nao tenho nenhum brevet
d'invention a tal respeito.
J v, pois, o meu Ilustra collega, que
o seu projecto de Banco do Gqrnmercio a
Retalho nada tinlia de parecido com o
meu. O do Banco do Recife, que o amigo
quer fundar sobre o principio genrico das
instituig3es bancarisis, e que voio lume
depois da luz que z e continuarei a fazer
sobre o assumpo; este, sim, senhor.
Eu agora poderia dizer : roubou me a
lembranca o raen collega ; mas seria isto
orna iofantilidade minh^, porque nSo ha
privilegios do ideas n'uma cousa que de
alcance geral e que todo3 claman por
ella e poderu conseguir.
Em conclusSo:
O meu Ilustra collega devora ter visto
nos meus pobres artigos publicados no
Diario de Pernambuco, que os meus argu-
mentos tendentes fundacilo de bancos,
nesta prac, s3o em these, favorecendo
assiraos seus projectos.
Estamos de contar ajustalaj, quanto
ao saldo a meu favor, vou entrar com elle
pira o Banco Auxiliar Mercantil.
Termino con o sublime precoito :
A Deus o qui do Deus, e a Cesi.r
o que de Cesar.
Kecife, 11 Jo Agosto de 1886.
Francisco Augusto Pacheco.
Preven^ao
Previne-se a quem interessar possa, que a rea
comprehendda da igreja da Penha at o largo
das Cinco Pontas, entre as raas das Calcadas e
Vidal de Negreiros, terreno foreiro, pertencente
ao antigo vinculo Salvador Carado Vidal, cuja
successora trata de habiltar-se para haver os
respectives frose quem assim dos terrenos entre a
igreja do Espirito Santo S. Francisco e Rosario
como melhor explicar-se ha na ra da Penha n.
2b, Lja.
Aviso
Termo de S. Bento
cer a Argus e as pessoas s mais quahficadas suas |nj|u e neatlJ foro devill el|c responder
informantes, que o inspector competente para. 0a ministros taubem erram...
conhecer das quantias sabidas da thes urana com
destino aos corpos e a sua legitima applicaco.
lato poato, o Exm. Sr. general Moraes Reg po-
da e devia tomar eonhecimento da b i mi ini
applicacao dada quautia entregue p-;'a thesou-
raria do Natal ao capito Maciel, para occorrer s
despesas com os reparos da casa que ia servir de
quartel companhia de que era comraandante, pois
neste carcter recebeu e despendeu tal quanti*.
E se elle, como Argus c.nfessa, receben e des
penden qualquer quantia para occorrer s despe-
sas da casa alugada pelo governo par* quartel da
companhia, esta circunstancia d a ambos os ac
tos (recebimento e deapendio) o carcter official,
nica bypothese em que podiam ter lugar os actes
alludidos, e d'ah o carcter militar que toma o
crime, que por ventura tenha coramsttido o capito
Maciel.
' Kckda san
De 2.9
dem de 10
Hbhda pbovwcul
De2a9
dem de 10
220:957*835
20:023*751
28:326*698
2:326*250
240:981*556
31:^54*948
Total
BacaBscoaiAD< 2 a
loen de 10
Coasoi-iDO pbovisciai. De 2 a 9
dem da 10
Rfoifb dbatbaoiDe 2 a 9
dem de 10
272:236*50*
5:821*520
616*711
6:438*231
7:159*644
243/511
.7:403*155
9:370*409
2:965*780
12:336*189
DESPACHOS DE IMPORTACO
Barca inglesa Olinda, ntrala de Terra Nova
ao dia 9 do corrente e consignada a Saunders
Brothers & C, manifeston :
Baealhao 3,000 barricas e 1,000 meiss ditas
aos consignatarios.
Barea inglesa Eptilon, eotrada de Swaniea no
da 9 do corrente e consignada ordem, raani -
festn :
Carvo de pedra 800 toneladas ordem.
Barca norueguen e Ofir, entrado de New Port
no dia 9 do corrente e consignada a Wilson Sons
& C, manifestou :
Carvo de jiedra 667 toneladas ordem.
Vapor nacional Mondego, entrado dos portos da
Europa no dia 9 do corrente e consignado a Adam-
soo Howe & C manifestou :
Amostras 44 vo'umes a ordem.
Biscoatos 5 caixoes a Carvalho & C.
Bolsa de tapete 1 caixa ordem.
Calcado 2 caix5s ordem, 1 a David Park.
Chapeos 1 caixo ordem.
Conservas 27 caixas a Carvalho & C.
Esteiras 2 rolos ordem, 30 a Quimaraes Ir-
ma 18 & C.
Estopa 5 tardos a Julio & Irmao.
Livros 1 caixa a Jobnaton Pater & C, 1 a II.
E. Lauce.
Mercadoria3 diversas 2 volumes a II Stwlasu-
back 4 C, la Tbeodoro Jast, 1 a ordem, 1 a J
Rigby, 1 a H. W. Bird, 1 a Companhia de Bebe-
r'he.
Objectoa para escriptorio 3 caixas as London
and Brasilian Bank, 1 ao English Bank of Rio de
Janeiro.
Piegos 2 caixas a ordem.
Prerantos 5 caixas a Carvalho & C.
Perfumara 2 caixas a Oumares Irmo & C.
Queijo8 7 caixas a Alheiro Oliveira & C, 24 a
J. B. de Carvalho, 6 a Guimares Rocha & C,
12 a Rosa & Queiroz, 10 a Fernandos da fk>sta
&C.
Roupa 1 caixa ao Dr. Antonio da Cunha Ca-
valcante, 1 a J. Rigby, 1 a J. H. Whddon.
Tecidos diversos 186 volumes a ordem, 12 a
A. Vieira & C, 20 a Luiz Antonio Siqueira, 41 a
toncalvea Irraaos A C, 3 a Machado k Pereira,
11 a Guerra & Fernandes, 5 a Narcieo Maia &
C., 9 a Adamson Howie A C, 3 a Andrada Maia
& C., 8 a L. Maia & O, 7 a B. Maia & C, 2 a
Albino Amorim 4 C, 83 a Alves de Britto &. C,
19 a Joaqnim Agostinho & C-, 42 a Ohntc, Jar-
dim 4 C
Tintas 2( barricas a ordem.
Tapetes 1 caixa e 7 fardes a Guimares Irmo
AC.
Vidros 3 volumes a Richard Hall, 2 a Sulzer
Kauffman 4 C, 2 ardem.
Ziuco 6 caixas a W. Loret.
^K'iPACBOS l)K KXPURTACAO
Es 9 de Agosto de 1886
Para o exterior
No vapor inglez Scholar, carregou :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 600 saccas com
48 569 kilos de algodo ; N. Cahu 4 C. 193 sac-
cas com 16,605 kilos de algodo; C. P. de Lemos PetropoUs
150 fardos com 18,000 kilos do trapos; N. I. Stefuma
Lidstone 32.0C0 kilos de ossos, 38,000 ditos de Pirapama
ferro velho e 12 barricas com 1,283 ditos de cobre Balda
velho. Orenoque
__ Na barca sueca Robertsfors, carregaram : Espirito Santo
Para o Bltico, Borstelmann fie C. 1,146 fardos Therena
com 281,159 kilos de algodio. La Plata
Os ministros taubem erram...
NIj podemos aceitar o cnaelho do Argus de
nao nos rastteruios no que excede; s nossas for-
cas, porque (aera urna pretencito) acreditamos co-
nhecer melhor da materia do que o Ilustre nrticu-
liata, que apenas mostrou habrlidade em dar un
forma bonita e artificiosa a um edificio sem alicer-
ces. ,
Infelizmente nao sao raros em nossT paiz o con-
flictos de jursdceo entre 08 diversos poderes o
quasi sempre cora a classe militar, e nao raramen-
te nascidos na s le de mando, exhibidlo inaudi'a
de autoridade ou desejo de col loca rem-se os seus
provocadores cima de tudo e de todos, sem res-
peito s leis e autori iade de que os outros se
acham investidos.
Com esse mesmo Sr. general Moras Reg j
deu-se na provincia do Para am conflicta de ju-
No vapor americano finalice, carregaram :
Para New-York, H. Nuesch 4 C. 46 fardos cora
14,017 courinhos de cabra ; H. Stolzenback 4 C.
21 barricas com 1,360 kilos de borr.icba.
No vapor inglez Mondego, carregou :
Para Buenos-Ayres, D. M. di. Costa 5,000 cocos Coala* ajaatada*
fructa. ^>iiiiii>rLk
Para O Interior
No patacho nacional Marinho 6', carrega-
ram
ILLM. E EXM. SR. DR. JOS BERNARDO GAL-
VO ALCOFORADO JNIOR, DIGSISSIMO
REPRESESTaNTE DO 9' DISTRICTO ELEI-
TORAL DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO.
Os abaixo as.-ignaios, eleitores do oiuuicipio de
S Bento. eomirea de Caruar, dest* provnci-i,
apreciaudo as nestimaveis qualidades cvicas e
militares do actual ommandante do destacamento
importa a perua ua uuim o (>' m"" -_-" desta villa, Augusto Jos de Moraes, fargeuto-
d, de necessdade o apparecimento de i,rgaja ao Corp> de pileia desta m^smn pr>,vin-
cera; esta serei eu, que assim me torut- cja ousam p.-dir a V. Exc. se digne d na actual
promeco do referido crp> p -la vaga do respecti-
vo com oandante, ou cm qualquer occasio oppor-
tuna, uiterpor os seus bous e valiosos servicos,
afim de que o inejino sargeiitJ-brigaJa leja ^pro-
movido alferes; e essa nrom >co tem razo de
ser nis servicos prestadjs pelo mesmo sargento,
raut i nos eoam iu.Ijs dos djjtacira.'iitos de Cor-
rentes e Palmeira de Giranhun, e outros, cono
n., dest i-r>fj estab'lee u o imp rio da lei e a disciplina
inihtir aos seu i c>:mn in lados e a populac) <1*
villa se chadesastoJiirada, o que nao succedia
ant rionneiio an es (la chirala do mesmo sai-
;.'iiti hii^aia Augost'jde Morsas.
Villa d^ S. Kfiit', 'i de Agisto de 1886.
Alfens Francisc> Ignacio de Paiva.
Maj ir Franc seo Alv,-s Miciel.
Alteres Luiz Apolinrm d;t Silva Mins>.
Conolano de l'aivae Mello.
veram m vereauui o wgu =..Kr..... --- -^drioiano ue raiva c .ri juiz de paz do 1 Jiatricto, a Palmara, digo, tiio yitnoe| Q0nc ilves Siq icira.
quiz seivar a vaidade do Sr. Dr. Cintra e souoe r.,^.,r e>. i^u|
resistir lhe s seduccoes.
Esta posico hourosa de i'alineira, a ncutrali-
dade que tem roanido na luta intestina dos con-
servadores, lhe tem custado horas bem amargas e
atirou-a ao odio dj Sr. Dr. Cintra, que cgo e
apabilado, v ua Palmeira affeico. s pira uoi das
giupos conservadoiea ; e por peccido, log > qi ll>'
a quera mais deseja estrangular.
E qual o motivo de cunviccao do Sr. Dr. Cin-
tra? V-j*-se u-iii ; urna verdid ra i.u.-rindade
ter por costume o obfil desse grup>, quaudo vem
a esta capital, ser in u .odpeoV, orno eu dell--
quanio vou a Girauhuns, isso d long A*1*-
Ora, aso de b-iin us< da razo? Poranto.j
nao ameote a resistencia de Palmeira, anida
MA a supposico do ir. Dr. Cintra, u suas atf i
Voe<, qe a tem teito cahir no sen desagrado.
N> entreunto, o Sr. r. Cintra, que se diz
mitradoil> p^rdeu suas esperanzas de couquis
tas. .
Ent ude elle que esta nao se eousiguira em
quanto nao se reui'V.-r o obstculo .iue, a seu ver
meu iruio, e qu-i retirado este, conquistada es
t a Palmeira.
D'ahi a p. rseguoo que lhe nove e o proposito
em que est o Sr. Dr. Cintra, de despatrial-o na
falt* do medida maia effisaz e decisiva. E foi
nessi intuito que procurou um responaavcl na pro
vincia visinlia, pretendendo, cii a faXa d po
lieia, dar-lhe o baato de aub-chefe ua Palmeira
Em verade um vale o outro.
No seguinte artigo, com o qual fecharei a miuha
primeira serie, adduiret mais algum is considera
ces, muitas das quaes sao pessoaes de mm pira
com o Sr Dr. Ciu'.ra.
RecifeAg08U1886.
Jeronymo Materno P. de Carvalhi
FacuIdadc de DireKo
Convidarse a todos oj alumnos do primeiro an-
no para reuuirem-se h. je, s llhorasdodia.no
convento do Carrao. nfim de, com o uu ero que
comparecer, se proceder eleico de um orador
Cear
Merchant
Trent
Ipojuca
Guahy
Manos
Ville de Victoria
VAPORES E3PERADOS
do norte a 13
de Liverpool a 13
do sal a 14
do norte a 14
da Baha a 14
do snl a 16
do eul a 18
de Hamburgo a SO
de Trieste a 20
do norte a 20
do norte a 23
do snl a 26
do snl a 26
de New-York a 28
do sal a 39
que os represente na festa aimiversana lid
Agosto, que ter lugar hoje, s 7 horas da noite.
Moro Banco
o mea illaa-
tre eolleara Mr. <>. Kamo
Depois que o Jornal do Recife dvi no-
ticia do meu projecto bancario, o meu
Para o Rio Gran de do Bal, R. Peseoa 6 caixas lustra collega espalhoa p tolla
tom 72 kilos de oleo de ricino.
No brigue allemo Fres, carregou :
Para o Natal, F. Galvo 450 saceos com fari-
nba de mandioca.
No vapor americano Finanot, carregaram :
Para Maranhao, F. A. de Azevedo 15 barricas
com 1.526 kilos de assucar branco e 5 ditas com
535 ditos de dito mascavado ; V. de Itaqai do
Norte 1 pipa com 180 litros de alcool.
Para o Para, V. de Itaqui do Norte 5 pipas com
2,400 litros de aleool ; A. Taborda 5 pipas eom
2.400 litros de agurdente ; Baltar IrmSss 4 C
't pipas can 1^,000 litros di; gurdente e 150
volumes com 10,045 kilos de assucar branco ;
Amorim Irmos 4 C. 70 pipas e 40 barra com
38,400 litros de aguldente e 2 caixas com 75
kilos de doce ; M. J. Alves 25 barricas com 871
kilos de assucar refinado ; F. A. de Azevedo 162
barricas com 11,185 kilos de assucar branca
No hiate nacional Deus te Salve, carregou :
Para o Cear, C. Sinden 160 paos de jangada.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 9
Swansea45 di as, lugar inglez lentenant
Maury, de 349 toneladas, capito Wil-
liam H. Joncer, quipagem 10, carga
carvlo de pedra ; ordem.
Cardiff 52 dias, barca norueguense Ma-
rie, de 441 toneladas, capitao Gustar
Krag, equipagem 11, carga carvao de
pedra ; a Wilson Sons & G.
Navios sahidos no mesmo dia
Fernando deNoronhaVapor nacional Oi
guia, commandante Souza Lobo, carga
varios gneros.
New-York "por escalaVapor americano
Finance, {commandante E C. Baker,
carga varois generoS.
parte,
qua o seu banco era espe:ialmente para o
commercio a retalho, tanto que devena
chamHr-se--Banco do Commercio a Reta
lho com o capital de 50J contoi; e que
a sua eJe seria no foco daquello cotn-
mercio, isto no bairro de Santo Antonio.
No dia 7 do crrante convocou o meu
Ilustre collega una reuniSo do comtner-
ciantes para o Club Carlos Gomes, e o re-
sultado foi, ser rejeitado o primitivo pro
jecto do collega, por nao estar baseado nos
Eirincipios franco fiaanceiros de um estabe
aciment banca/io.
No dia 5 do corrente, isto dous dias
antes daquella reuniao, espalliei eu as mi
nhas circulares, cujo contexto foi publica-
do no Diario de Pernambuco de 6, em quer
eu fazia sentir que o capital do Banco Au-
xiliar Mercantil, por mim projectado, seria
de mil contos de rii, dividido em dez mil
acjSes, afim de que esse estabelecimento,
aoersando-se de certo crdito, pudesse at-
tender ao commercio em gerai, aos gran-
des e pequeos negociantes.
coll
minhas ideas, expendidas om minha circu-
lar de 5, a saber:
t J nSo quer o Banco do Commercio a
Retalho, s
quer o-
deve ser no bairro rico; j nao quer capi-
tal de 500 contos, mas de 1,000 contos
para chegar para o pequeo e grande ne
gociante; j n5o t-m condicSes especiaes,
para as quaes, segundo declarou, levou tres
condecido.
E basta...
O Dr. K. Osslan Boonet Medico pela
Faculdade de Medicina de Paris.
Condecorado com a medalha dos hospitaes.
Socio correspondente : das Academias de Medi-
cina do Rio de Janeiro e de Barcelona ; da So-
ciedade de Medicina pratica de Pars e da Socie-
dade Francesa de Hygiene, ex-director do Musen
AnatomoPatolgico ds Faculdade de Medicina
do Rio de Janeiro, tem a honra de prevenir o pa-
blco que durante a sua estada em Pernambuco
6ca a dispasico dos doentes quo desejarem hon-
ral-o com a sua confianca.
Chamados e consultas de 1 s 3 horas da tarde
at novo aviio: na hjspedaria de D. Antonio
(Caminho Novo).
Especialidades : molestias das vas respirato-
rias, coraeo, estomago, ligado, etc., molestias
nervosas e fjrphilticas.
Recife, 6 de Agosto de 1886.
Expsito sul-aniericana em
Berlini
A coramiaso encarregada de agenciar produc-
tos n'esta provincia para aquella exposico, enca-
rece as pessoas que quizerem conconer a ella, que
se dignem dirigil-os at o dia 12 do corrente pa-
ra o escriptorio dos Srs. Leal 4 Irmo ra do
Mrquez de Olinda n. 56, lindo o qual prazo a
coramiaso nao recebe mais neuhum producto.
Rjcife, 9 de Agosta de 1886.
Andr M. Pinheiro,
Secretario.
CLNICA
de partos, snoleatiasi de senbora
c de criancRN
Dr. Jodo Paulo, medico aggregado do hospital
Pedro II, d'esta cidade, com pratica e cstudos es-
peciaes as principies maternidades e hospitaes
de mulheres e de crianzas de Paris e de Vienna
l'Austria, faz todas as operacoes obsttricas e ci-
rurgicas eonceriientes as suas especialidades.
Consultas ds 12 s 3 horas da tarde, na roa
larga do Rosario n. 26, primeiro andar.
Residencia. Ra a Iinperatriz n. 73.
N 9. A EinulsUo de Scott fortifica e
lesenvolvo u systema osseo e nervoso das
uriancas debis o rachitica^, e nao ha nada
que possa se comparar esto remedio ti)
agradavel a reconstiuinte para a cura das
doencas devidas a m condicao de sangue
e debilidade do corpo.
Izidoro Pirm> Leal.
Antonio Prancisco X ivicr.
Jomo Bispo de Araujo.
Man.el Viei-ii'- da Silva.
\lferes Joo Augusb* Alves M .ciel.
Praneiseo Alves dos Santos.
f uriri > Jj.-c los fiaiifis
Agoatiibi Knlrigues de Vasc.niceilos.
J > Avelino Rodrigues dos Santos.
los Leonardo da osta
t'raueis -o Manso da Silva.
Pelipp Manso de. SautTag '.
Major Jo.'.) da Porciuueula Val nca.
Ljaudro Gjnc*lves de SoLta.
.loiquim Ke'i eir Callado.
Manoel Uam> dos Santos.
Jo, Vietor Xtvier.
A res Lino Kibeirj de Anlrade.
l)jm ngos Ribeiro de Andrade.
Jo Praneisco d.; ~ouza Paesioho.
Gregorio SimO -s de Macedo.
.Joaquim Jss de Sant'Ann*.
Manuel de Mello Lsto do Almeida.
Joo de Olivaira Cintra.
Joaqnim de Almeida Valeoca.
Jos Uodiignes Jacobina.
Prancisco Xivier de Andrade.
A neric.i Veapucii. de Andrade.
Jjaquira Manso da Silva.
Jos Jiaqaim de Almeida.
Luiz Ribeiro Guerra.
Pedro Guedes de Souza.
Jos Tenorio de Albuquerque.
Alua* moco* reunidos orgauisarara urna
socieiade beneficente, organisando urna cai-
xa de bjneficencia e proieitora da* viuvas
desvalidas, elegendo -sua diroctoria, que fi-
cou assim composta :
Presidente
Capitlo Manuel Cndido Druramond.
Vi ce presidente
Alfares Luiz Francisco Ribiro da Silva.
1* secretario
Julio H mel dos Santos.
2* secretario
Samuel Tiiorn.
Thesoureiro
Jos dos Santos Villas.
\o illm. Sr. Or. Alvaro Carne!
ro Leo
Desculpe-me V. S. so offando a sua re-
conhecida modestia, externando ao publico,
por meio da impreosa, o sentimento de pro-
funda gratid2o, do qual acho-me possuido
para com V. S.
Nao tenho por fim gratificar a V. S. com
este meio da agradecimento, nem to pou-
co lisoojeal-o na profisiSo nobre que tSo
dignamente exorce.
Atecada a minha idolatrada esposa de
urna febre perniciosa e de mo carcter,
em iraminente perigo de vida, cercada as-
sim de seus caros filhinhos, attingindo a fe
bre 41 graos e sobrevindo-lhe urna syn-
copo. quo collocou-nos no auge da mais do-
lorosa afBicgio, tive a feliz lembranca de
chamar a V. S., que, como especialista e
mesmo pelos honrosos precedentes em cu-
ras semelhanteB, vess8 ministrar-lhe o tra-
tamento e no qual V. S. mostrou se to
solicito.
Com effeito, foi tal o acert qua nao pos-
s e pequeos negocianw. go deixar e pronunciar a minha eterna
Sendo rejeitado o projecto primitivo do tdio por t5o feliz cura, cujo resultado
llega Jo2 Ramos, que, conforme deca- 6 def a mrn e a miaba familia,
awrnie decla- ^ aader) a miaa e a minha familia,
rou publicamente, estudava-o ha tanto tem- y ^ por eterno raconhecimento.
po ; eis que o Ilustre collegaa^rar'a-se s '. ...----------:.----- j;
Aproveito a occasio para cordialmente
agradecer em nosso nome o interesse e
amizade que manifaataram os parantes e
1-- --------- amj23a dedicados, que so dignaram visi-
, s para o pequeo negociante, durante t2() do[otoBO perodo.
y3anco do Recife, que seguramente Radf 1Q de Agogto de l886-
Recife, 10 de Agosto de 1886.
Antonio Ribeiro d'Albuquerque Maranhao.
Fados e nao palavras
Aos que se desejam tratar sem comprometter a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direita n. 43, 1.
l\ Ao Ilustre amigo (?) do Diario to 6, julgo-
me disnensado de responder. Artculo contra o andar vende-se tintaras homeopathicas para ino-
8r Dr Cintra, sob a responsabilidade de meu fensiva cura das seguintes molestias: asthmatico,
nome': tenho por isso direito a exigir que me con- ainda mesmo bronchitico; erysipela, enxaqnecas ;
te.tem do mesmomode. internitentes (sem o emprego do fatal qa.nino) ;
Sa eu auizssse manter polmica anonyma, teria tosse convulsa, falta de menstruaco ; cmaras de
encetado a sangue : estericos ou metnte ; dores de dentes ou
Se nara ella quer o-AMOo-arrastar-me, para nevralgias, metrorragia; vermfugos. denti9o e
maior desembaraco de linguagem, perde sea tempo; convulsSes das criancas ; todo manipulado de ner-
nao acompanhal-o-hei: preso-me e detesto o des- vas do paia.
. aaim .nm
MEDICO
O abaixo asignado, que at agora assignava-se
Dr. Silva Britto,previne a seus collegas e ao
publico, que, para evitar confusoes, que j teem
havido, por exercer nesta cidade, onde bastante
conhectdo cora o ultimo termo d'aquelie apellido,
um outro collega mais antigo, previne diz, qne
d'ora em diante assignar-se-haDr. Joo Paulo.
Rcife, 1 de Agosto de 1886.
Dr. Joo Paulo da Silva Brittn.
Dr.
Medico, parleiro e operador
Residencia ra da Imperairix n. 48, 2/ andar.
Consultorio ra Duque de Cazias a. 59.
D4 consaltas das 11 horas da manda s 2 da
tarde.
Atiende para ss chamados telephone n. 449 a
qualquer hora.
!
I
!!
Escola particular
Mara dos Aojos Dornellas Cmara,
professora particular, contina a lec-
cionar, na casa de sua residencia ra
Duque de Cazias n. 70, 2a andar, as
materias que cjnstituem a icstruccao
primaria, e os trabalhos de agulha e
bordados. O ejercicio d'este por espago
de mais tres anuos um garante de
suas hablitacoes e espera merecer dos
pas de familia a subida honra de lhe
confiaren suas filhas.
A' tratar na casa cima.
}
...------~jK
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia i 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Licor depurativo vegetal ioda'.d
DO
Medito Quintella
Este notabilsimo depurante que vem precedi-
do de tao grande fama infallivel na cura de todas
as doencas Bvphiliticas, escrofulosas, rheumaticas
e de pelle, coma tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros eyphiliticos, inflamma-
cSea visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
oa diathericos, assim como na alopecia ou qasda
do cabello, e as doencas determinadas por satu-
racSo mercurial. Dao-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas eom esto
especifico nos hospitaes pblicos e moitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revender.
Deposito em casa de Paria Sobrinhe & C.
Roa do Mrquez de Olinda n. 4.
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Assim como tratam-se eacrofulosoi em qualquer
grao e gommatosos.
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o sea consultorio e residencia ra
Livramento n. 31. Io andar. Consultas de 11 hu-
ras da manhS s 2 da tarde. Chamados por es-
eripto a qualquer hora. Especialidade :febres,
partos e molestias de criancas.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, mudou seu consultorio, do 2.
andar da casa n. 45 roa do Baro da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde. Residencia
ra Sote de Setembro n. 3 A.
Blil"
MEDICO
Tem o seu escriptorio a ra do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em ana residencia roa da San-
ta Crus n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e criancas.
ti
f



Ir
Diario de Pemambucotyuarta-feira 11 de Agosto de 1886
Anacahulta
peltoral
4*
ae achHrem
o hnrisjMta1
por meio J Herc8a ac? U ttmeA, ]rrf"
sutivel, as enfermidades da garganta e dos pal -
mSes se disspam e se desvaaeeem como por eu
cautamente.
Aquelles que padecem de aslhma, e
quasi privados de guardar urna posicS
durante annos uteiros. principiain a respirar cora
taeilidade e dormem tranquilamente dep->i de ha-
vercra tomado alguroas dses deste drlicioso e ai-
miravel zar-pe. A tosne augustiosa e violente, as
fortes constipares, o sanguc dos pulmes, a roo.-
quidao e perda da ose todas ss molestias do pe
to e da trachea, que tem um-i tendencia a tyaies,
se corain prompta e radicalracite, mediante o uso
deste remedio suavisador.
Fortifica e vigorisa os orgios da respirarlo e
os torna nvuliiejaveia S mudaucas repentinas da
temperatura atm >sph--nca ; e como na sua elabo-
rada composicJo nao entra nem eii.-te outra cousa
maia do que blsamos saudaveis, pode-se p-r aao
mesmo aplicar com toda a seguran?* at mesmo
a maia tenras e delicadas ereaturas.
Cono garanta contra as falsificares, obsrve-
se bem que os i.omes de Lanman & Kemp venbam
estampados em lettraa transpareutea no papel fio
livrinho que serve de envoltorio a cada garrafa.
Acha-se i venda em todaa as boticas e lojas de
perfumorias. _
Asentes em Pemambuco, Henry i orster L..,
ra do Commercio u. >.
Se voz do p-.vo a voz da verdade, o Tri-
coiero de Harry est frente da claase n-
leira do* pr.-psrados que tem por objocto a on-
aervacao, o melborameuto, a purificacAo do cabel-
lo. Nao 8 st considerado por ambas os sexos
como o non plus ultra dos artigos de toilette, nao
s exaltado por t->io o glb > p*ta HM tffkacia em
limpar, embellecer, conservar e vitalitar o cabello,
aenSo que em miihares de irilhar.-s de familias e
S msiderade o nico remedio rpido, inoftensivel,
intallivel contra :is uitlammaces, manchas e crup
pas do couro cabelludo clasiifictdas entre as mo-
lestias cutneas.
C, Heckniann
Usinas de cobre, isttia e bronze ee d
Golitzer Ufer n. 9 Berli.n S. O-
KspceaUdade:
Coiistruefilo de machi-
nas e apparelhos
para tarjucas de assuuar, destilla$8*g e re-
finacoes com todos os aperecoanientos
modernos.
INSTALLAgAO DE:
Engcnhos Je assucar completos
Estabelecimonto filial na Havaua sob *
mesma firma de C. Hsriktiaira
C. e San Ignacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebruder
EIO DE JANEIRO
Para nformacoes duijamse ai
Polilnian &C
DECLARACOES
Santa Casa
da Misericordia do
Recite
Por esta aecret ria sao chamados os parentes
ou protectores das menores constantes da relaco
iiifra, que vib ser recolhidas ao ollegio das or-
phas.
Belaco das orphas abaixo inscriptas, que tiesta
data vo ser admittidas no collegio das orphas
1 Kicarda,- filha de Anona Marcelina de
Oliveira.
2 Joaquina, filha de Joanna Mana da Con-
ceicao. .
3 Mara, protegida da Joaquim Dommgues
F.rreira.
4 Adelina, filh de Brasilia da Conceicao
Teixeira.
5 Elisa, idem idem dem.
6 Mara, filha de Eugenia Mara de Oliveira
Lagos.
7 Leopoldioa, idem idem dem.
8 Guilbermin, aobrinhi de Francelma Bn
eida Soarea-
9 Maria, filha de Sopha Carolina de Moraes
Costa.
10 Caiona, filha de Noemesia Florida de Ll
ma Costa.
11 Maria, filha de Paulina Maria dos Pra-
zeres.
Secretaria da Santa Casa le Misericordia do
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O escrivao,
Pedro Rodrigues de Sonsa-
iOCIEDADE
BeneOcenle Luso-Brasileira
Assembla geral
Eleicao
Deordem do Sr. presidente, convido a toios os
socioa deata sociedade a comparecerem a sesso
que deve rer lugr no da 12 do crrente, pelas 6
horas da tarde, fiin de ouvirem a leitura do re-
latorio e proceJi-r-ae a eleico da nova adminis
traciU para o anno aocil de 1886 a lt*87.
cretaria da assembl-i gernl da socieiade Be-
neficenre Luso-rJrateira, em 8 de Agosto de 188
O 2o secretario,
liamiro Costa.
Sociedade BecreailvaJuieninde
A presidencia deata sociedade, agradecendo a
todos os convidados a maseira lhana e delicada
com que receberam as commissoes que distribui-
rn! os convites pra a soire do ti" anniversario,
a realisar-se era 14 do correntc, tem a distincta
honra de participnr-lbes qne a dita soire prin-
cipiaril 8 i) horas da noite.
Os ingrcbsoa para os Sre. assocados contnuam-
ae a fornecer em casa do Sr. Thesoureiro, at ao
da da partida.
Oa socios distinctos que desejarem tomar parte,
sao convidaos a assignarem a respectiva lista.
Form lmente ae previne que nao ae admittem
Hggregados.
Recite, 9 de Agosto de 1886.
O Io secretario,
Joo Alfarra
LIO
Conullorio uiedico-cirurgico
O Dr. Esteva Cavalcant.; de Albuqiierque eoa-
tinua a dar consulta medico-erurgicMS, na ra
do Hom Jesua n. 20, Io undar, de meio dia s i
horas da tarde. ?araa demais eonsulta e visi-
a em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 audar.
s. lyniiiij 1- c insdltone % e resideucia
126.
EspeeiaidadeB Partos, molestias de cn-acaa,
Xd'nltt toseus nnnexos.
EDITAES
Edital ii. 744
De ordena do inspector garal, faca saber ao pro-
fesaor Manoel Jos da Cmara, da cadeira da
Varzea Redonda, que Ui^ fica marcado o prs > de
15 das para reaponder 8obre o abandono da sua
eadeira, visto ter deixado de reaesumil-a depois
de finda a licenca obtida, e haver decorrido maia
de aeis mezes fra do exercicio della.
Secretaria da instruccao publica de Pemambu-
co, 6 de Agosto de 1886. O secretario,
Pergentino S. de Araojo G.IvSo.
O Dr. Thoraaz Garcez Paranhos Monte
negro comirendador da imperial Ordera
da Rosa e juit de direito especial to
commercio d'esta cidade do Recife, ca-
pital da provincia de Pcrn&mbuco por
Sua Magestada o Imperador a quem Deus
guarde, efej.
Faco saber aoa que o presente edital virem ou
d'elle noticia tverem, que se acha designado o da
12 do Agosto prximo futuro, ao meio dia, na sala
das audiencias, para ter lugar a reuniio dos ere-
dores da maasa fallida de Manoel Carpinteiro &
Souz, afitn de tractar-se da verificacao dos ere*
ditos, deliberar se sobre a proposta do concordata
(se r aposentada) ou formar-e contracto de
uniao. nomeando-sc administradores na turma r'a
ei; cando certoa os credorea de que s era ad-
mittido como procurador, aquelle que exhibir pro-
curacao especial para o acto, nao p ideado ser esta
conferida a deved ir do fallido ; e anda de que,
prevalecer a resolucao da muioria, que dever re-
presentar dous tercos do valor doa crditos, soje-
t08 aoa effeitos da concordata para assim ser va-
lida.
i-; para que cheg*e ao conhecimento de todos
maDdei passar o presente edital que ser publicado
pele imprensa, e outro de igual theor que ser at-
ando no lugar do costume, de que se juntar cer-
do aoa autos. ,.,.,
Di do e passadoneata cidade do Recife de Fer-
naa.buco, aos 8 das do raez de Julho do anno de
Kosso Senhor de 1886.
Eu, Jos Frankln de Aleacar Lima, o subs-
crevi.
*homaz Garcez Paranhos Montenegro*
Capitana do Porto
engajados e Tolantarios para
servir no Batalho ^'aval
De ordem do Exm. Sr. chefe de dviso Jos
Manoel Pchdco da Costa, inspector d'este Arae-
nul t capito do porto d'esta provincia, faco pu-
bl'.co que era observancia ao aviso circular do Mi-
naterio da Marinba de 7 de Maio ultimo, por esta
repnrtico faz-ae acquiaico de engajados e volun-
tarios para aervir nc batalho naval, ?08 quaes sao
concedidas aa seguintes vnntagens :
Aos voluntarios 400*000, aos engajndos 500(K)0
e aa pracas de pret voluntarias, quando excuses
por couclueo de tetopo do servco, um praao de
trras de 108:900 metros quadraaos na8 colonias
do estado.
O pagHment da primeira prestacio ser feito
na corte, a segunda tres annoa depois e a tercera
no fim de seis annos, que comprehende a conclu-
sao do tempo.
Secretaria do Arsenal de Marinba de Pernam-
buco, 4 de Agosto de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Aievcdo______
Estrada de ferro de Ri-
beirao Bonito
Nos termos do nico do art. 4 e arta. 5 e 9
2 ios estatutos, convida esta directora aos se-
ntares accionistas para recolherein >.o London &
Brasilian Bank, a segunda preatacao de 10 0|0
do valor nominal de cada aeco, a comecar desta
data 60 das.
Recite, 20 de Jnlho de 1886.
O gerente,
Hyppohto V. Pederaeiras.
Consulado Provincial
O abaixo assienfldo, temi sid> designado por
portara desta dt, eype.dda p-lo Sr. Dr. Admi-
nistrador desta reparticlo, pira fazer a collecta da
decima urbana e mais impostos, referentes ao
exercicio de 1886 a 1887, ns freguezas de Santo
Antonio e (iraca, previne aoa aenheres inquilinos
e donos de eatabelecmentos, para que tenham
aeus recibos devidamente legalieadoa, para exhi-
bil-os no acte da collecta, sob pena de aerem ar-
bitrados de conformidade com o 2 do art. 25 do
regulamento de 4 de Julho de 1879, dando princi-
pio pelas ras do Imperador, caes Vate Dous de
Novemhro, Praca de Pedro II, ru* Priineiro de
Marco e Duque de Caxias.
1 seccao do Consulado rroviucial, 10 de Agos-
to de 1886.O lancador,
Jos de Pinho Borgea.
Juizo substituto dosfei-
tos dafazenda
Eacrivo Torres Bandelra
So dia 27 do eorrente, depois da audiencia,
irao praca por venda a quem mais der, os pre
dioa abaixo declarados, penhorados pela faienda
provincial. re(,ife
Sobrado de dous andareg, i u*a di* Domingos
Jos Martina n. 36, com 6 metros e 60 centime
troa de largura, 17 metros e 40 centmetros de
fundo, o p .vimento terreo dividido em dous re-
partimentos : no 1- andar, com 3 portas de fren-
te, com varanda de fero, 2 aalaa, 5 quartoa, co-
sinha interna ; no 2- andar os mesmos commodos
e aotio, com 2 quartos, cosinba e quintal, por
2:8O0, jertencente aos herdeirwj de Joanna Ma-
ra da Trindude.
SANT'ASNA
Casaem Sant'Anna n. 21, constru.da de Jfe.ro
oom 9 metros e 43 centinetros de frente, 7 metioj
e 59 centmetros de fundo, 2 salas, 2 quartos, 2
salas inferiores, 1 gabinete e aotao ceu 2 salas.
avaliaH em 15Uf, pertencente a Chapmiin.
Monte de Soccorro de
Pernambuco
Os possuidores das cautellas de penh-
res dos nmeros abaixo, sao convidados, a
resgatal-as at o dia 23 do correDte roez.
10,922 10,942 11,062 11,128 11,209
11,273 11,388 11,413 11,512 11,610
11,611 11,617 11,618 11,620 11,629
11,632 11,633 11,634 11,637 11,645
11,646 11,619 11,654 11,655 11,659
11,666 11,677 11,6S7 11,752 11,705
11,714 11,715 11,729 11,734 11,736
11,746 11,747 11,748 11,754 11,756
11,759 11,961 11,763 11,761 11,769
11,784 11,790 11,795 11,796 11,797
11,798 11,803 11,805 11,815 11,823
11,825 11,832 11,842 11,852 11,866
11,867 11,871 11,873 11,874 11,879
11,883 11,884 11,885 11,904 11,909
11,910 11,927 11,931 11,938 11,941
11,945 11,946 11,650 11,951 11,954
11,956 11,957 11,961 11,963 11,970
11,971 11,974 11,975 11,976 31,981
11,984 11,985 11,987 11,988 11,990
11,991 11,992 11,994 11,995 11,997
11,998 11,999 12,000 12,001 12,004
12,008 12,009 12,010 12,017 12,018
12,022 12,024 12,025 12,027 12,028
12,036 12,039 12,041 12,055 12,067
12,069 12,077 12,078 12,0:6 12,081
12,082 12,083 12,084 12,089 12,090
12,091 12,093 12,094 12,098 12,099
12,101 12,102 12,103 12,101 l,(05
12,106 12,107 12,108 12,109 12,110
12,118 12,121 12,123 12,127 12,128
12,129 12,132 12,133 12,140 12,147
12,152 12,155 12,157 12,158 12,163
12,165 12,168 12,172 12,178 12,186
12,187 12,188 12,190 12,191 12,198
12,201 12,202 12,203 12,207 12,208
12,212 12,216 12,217 12,220 12,229
12,230 12,231 12,235 -12,238 12,239
12,243 12,244 12,249 12,250 12,255
12,256 12,257 12,273 12,288 12,289
12,296 12,299 12,300
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O gerente interino,
Felino D. Ferreira Celho.
COMPANHIA
Imperial
I DE
NEUIKOS contra FOCO
EST: 1803
Edificio emercadoria*
Taxat baixas
Prompta pagamento de prejuixo*
CAPITAL
Re. 16,000:000*000
Agente*
BROWNS & C.
* N. Ra do Commercio N. 5
COMPAKH DE SEGUROS
CONTRA FOGO
Nortb British & Mercantile
CAPITAL
C.-OOO.OOO de libras sterlinas
A O EN ES
Adomson Howie & C.
SE
CONTRA

FOGO
he Liverpool & hnlci. Glo
INSIMANCE C0MP4M
C*Mp&ifea Braiilelra de Nmve
gscio Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Commandante 1- tenente Gukerme Wad-
dington
E' esperado dos portos do su
at o dia 16 de Agosto, e
do norte at
relio, completa e toda entalhada, 2 espelhoajde
moldura dourada, candieroa a gaz, jarros, estjv-
radeiras, tapetes, toilet com tampo de pedW
1 commoda, cabidos, banquinhos, 1 estante env_i-
dracada, camas para chanca, sof, cadeiraatie
balanco, ditas de guarnico, 1 mesa elastka,
2 aparadoras, 2 guarda-louca, 1 aarda-veaup,
1 importante reloglo, 1 machina de costura par-
fcita e de p, 1 cadeira e banco de pao sepi,
louca, vidros, trem de cosinha, diversos pass^M
como sejam canarios do Imperio e outros e 1 -
. portante sabia e outros muitos objectos que eate-
aeguir depois da demora in- Ig0 natentes no acto do leilo. Os lotes serfto -
diapenaavel, para os portos I treges em acto continuo, pagando sua imptu-
tanca.
------ >
Para carga, passagens, encommcndiMi valore*
racta-sena agencia
11Ruado Commercio 11
PORTOS~DOSUL
0 vapor Cear
Commandante o 1.* tenente Ouilherme Pa-
checo
E' esperado dos portoa do
norte at 0 dia 12 de Agosto
e depois da demora in-
dispenaavel, seguir para
os portos do sul.
Pelotes
Leilao
Recebe tambem Carg para Santos,
Eio Grande d > Su!, frete modic
Para carga, passgens, encommendas e valores
ra ena agencia _-_,- ,T .,
N. 11 RA DO COMMbKiylO N. 1 de fog0i grande quantidade de mudesas, perf
De urna casa terrea sita ra Bella n. 10.
Urna dita dita sita na mesma ra n. 43
Urna dita dita sita i travessa da ra Bella n. 9.
Urna dita dita sita ra do Calabouco n. 23.
Urna dita dita sita ao largo do Paraizo n 35.
Quinta fel ra 12 do corrate
A'S 11 HORaS
POR INTERVENQO DO AGENTE
Alfredo Guimares
En
sua
agencia ra do
Jess n. t.
Leilao
De 9 armacoes inglesas, 1 cofre grande
i ras, mobilias de mogno com encost de palh a
I Lua XV, 1 dita de Jacaranda massico a Luiz XV,
camas francesas, marquezoes, commodas, toilette,
guarda-louca, guarda-vestidos, bercoe, carteiaa
quadros, espelhos, jarros e muitos artigos existen-
tes no armazem da na do Mrquez de OlifMaa
n. 19.
Quinta-feira, 12 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENQO DO
Juizo dos Folios lia Fazanfla
Consulado Provincial
O abaixo asai uado, tend ai do designado por
portaria dista data, expedida pelo Dr. adminis-
trador, para proceder a collecta da dcima urba-
na e oa mais impostes eferentes ao exercicio de
1886 a 1887, na treguezia da B a-Vista, previne
aos intereeeado que, aegundo a determinaco ex-
preasa no regulamento de 4 de Julho de 1879,
deverao opportunamente exhibir quaeaquer docu-
mentos contenientes A regulardade do aervico da
collecta, cuja execuco dar principio pelas se
guinte8 8uas : Imperatriz, Praca, Viaconde de
Pelota8, Ttmbi e Conceico.
1" seccao do Consulado Provincial, 9 de Agosto
de 1886.O lancadoi,
Izidoro T. de Mattos Ferreira.
Preparados
DA
EscrivUo Reg Barros
O Dr. Alvaro Barbaliio Ueha Cavalcante Jnior,
jniz substituto dos fetos da fazenda desta pro-
vincia de Pernambuco, etc., etc.
t'aco saber a todos que o presente virem e delle
tverem noticia, que no dia 13 do corrente mez,
pelas 11 horas da uianhi, depois da audiencia e
perante este juizo se vender cm praca publica,
os beca seguintea :
A casa terrta n. 19, sita na largo dos Coelhoa,
e orna olaria contigua a mesma, tudu de tiiolo e
cal, coberta de telha, pertencentea Antonio Car-
ueiro da Cunha, avaliado por 1:300*.
A casa terrea de tijolo e cal, n. 70, sita 4 ra
dos Guararapes, freguezia de 8. Fre Pedio Gon-
alvea, com duas portas na trente, em arma* e
em telheiro no quintal, pertencente a Manoel
. i'iarte Rodrigues, avaliada por 1 125<-
casa terrea site ra de t-anta ThereM fre-
.cia de S. Pedro Martyr da eidado de Ulinda,
eom grande quintal murado, centendo diversas ar-
vores fructferas, perteucente a D. Cathanna lei-
1 Lopes Catao, avaliada por 600*.
c-asa terrea n. 304, sita ra Imperial, con.
um terreno ao lado, freguezia de S. Jos deata ci-
lade do Recife, pertencente aoa herdeiros de as-
no Amaro de Paras, avaliada por 250* : sen-
> 1 'ns cima menciona los, vendidos por
ouco da Fazenda Nacional.
E para constar mandei passar o presente para
ser afiliado e publicado.
Dado e pastado no cartorio dos Fetos da h a-
zenda Nacional, aos 3 dias de Agesto de 1886.
Ea, Jos Francisco do Reg Barros, escrivao o
scttvi
Alvaro Barbalho Ucha Cavalcante Jnior.
c.
MiLTIHl MWAGTMG
LONDRES
Oleo de Hundo de bacalb&o e lelte
pepitonlutado
Esta preparaco to saborosa que urna enan-
ca promptamente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi m-
teiramente disfarcar o oleo e as pessoas de digea-
tio mais dbil podem tomar sem receio de gran-
de efiieacia para afleccoes pulmonares, tsica, tos
ses, debilidades, etc.
Pepconoide de Carne
Um alimento nifogeooso compoato de eonsti-
tuintes solidos de leite bem como gluteu do trigo
(livre de gomma).
Recommendado as convalescencas de qualquer
doeuca, febrea, gaatrite, dyaenteria e teda e qual-
quer debilidade, eeja qual for a auaorigem, espe
cialmente usando se em combmacao cora o ole ude
figado com leite.
Maliina
Um extracto concentrado de trigo, avea o ceva-
da fermentados.
Valer diaatesico 30 vezea o seu proprio peso !
O maia rico agente restaurador at boje conbe-
cido, altamente apreciavel nos casoa de debilidade.
Alimento Souluvri de carnlclc para
rrlanra
A analyae deste alimento demonatra que os seus
constitnintes nutrictivos sao quaai idnticos com o
leite materno, per uto o alimento maia apeife-
coado para crianca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Dopasito roa do Barao da Victoria n. 48
Coinpanliia de Edificaces
O escriptorio desta
companhiaacha-se in-
stallado na pra^a da
Concordia n. ^conser-
vndole aberto das 7
horas da manh as 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucQes e reconstruc-
Recebe-se info r ma-
^es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
(ompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda enil^
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
At 3 i de dezemnro de 1884
Harilimos..... 1,H0:000$000
Terreslres,. 316:0008000
41-Rna do rommerelo-
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESS-N.
Segaron martimos e terreatrea
Netes ltimos a nica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seguradrs isempcode paga
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao dcoconto de cerca de 15 por cento em
favor dos segurados.________________________
SEGUROS
MARTIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
London and Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
?m Lisboa, ra dos Capellistas n. 75 N-
Porto, ra dos Inglezes.
Cha preto
As qualidades mc-
lhores emais cscolhi-
das neste genero, coa-
tina a vender Carlos
Sinden, n. 48 ra do
Barao da Victoria.
Recebeu de impor-
taco directa c vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem Tendemos
em caixas pequeas,
proprias para botis e
casas de familia.
Agente liusmao
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a S0C0
! Ihos, junto de S. Goncallo :
I Imperatriz n. 56.
no boceo dos Cbe-
a tratar na ra a
BOYAL MAIL STEAil PACKET
COIPANY
0 paquete Trent
esperado
do sul no dia 14 de
cirrente seguinio
depois da demora
necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo e Son
thampton
fara passagens, fretes, etc., tracta-se com C3
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
Companhia Bahlana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
O vapor Guahy
Commaadante Martina
E' esperado dos uonop ci-
ma at o dia 12 de Agosto
e regressar para os mes-
mos, depois da demora do eos -
tume. Aluga-se quatro casas na ra Imperial ns.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro 102, 104, 132 e 136, caiadas e pintadas, com com-
a frete tracta-se na agencia modos para familia, e forno razoavel : a tratar no
7__a do Vigario -r 7 Recife, caes do Apollo n. 45, on na mesma raa
. .. II lU n-130 a, as ^ noras ou das em di ante.
A 0DMlgOS AlVftS lalUeDS Aluga-se urna casa na ra Imperial n. 301,
com frente para a estrada de ferro ; para cerrar
pdrguntese na de n. 301, e tratar na ra o
Marques do Herval n. 23, loja. Na mesma casa
se indicar umi piefessora qme ensna em casi
particulares por commodo preco primeiras lettras
portuguez, francez, italiano, msica e piano.
Na noite do dia 6 do corrente furtaram e
i engenhe Arariba de Baixo tres cavallos com as
| signae8 seguintes : o l- poldro, russo, intein,
fatendo a ultima muda, com pisada de baixo obri-
gada e ardigo ; o 2: alasSo, com frente aber|a,
novo, com as pontas dos dentes quebradas e ar-
digo ; o 3- ac, inteiro, andador de baixo al
meio, novo, e um pouco magro. Peco as ^auto-
ridades policiaes que auxiliem a apprehencao eos
cavallos e a prisito dos ladtoes.
Baro de Arariba.
Precisa se de urna ama para
pateo do Paraizo n. 16, taveroa.
co8nhar : ao
Pari c New-lork
Espera-se at o dia 28 do mez corrente o vapor
ingles Theretina, o qual depois de pequea demo-
ra seguir para os portos cima. Para carga e
frete. trata-se com os consignatarios Johnston
Pater 4 C, ra do Commetcio n. 15.__________
idear ~~
Segu no dia 11 do corrente para o porto cima
o hite Deut te Salve, tendo parte do seu carre-
gamento prompto ; para o resto trata-se na ra
pa Madre de Deus n. 8-______________
Lisboa e Porto
E' esperado nestes das o patacho nacional
Osear e segu com brevidade para os portos aei-
ma, por ter quasi toda a carga engajada ; para o
resto que flta, trata-se na ra do Mrquez de
Olinda n. 4.
Offerece-se urna senhora idosa e fiel,
cas de um bomem soltciro ou urna mulher s
tratar na travessa de S. Jos n. 12.
Aliento
Aluga-se por preco commodo o 2- andar do p8-
dio n. 24 da ra da Imperatriz : a tratar na rsa
i do Coronel Suassuna n. 204. ___________^^
Aluga-se na Boa-rista
A casa terrea n. 108 da raa da Gloria, com 2
quartos, quintal, cosinha : a tratar em Fra fl
Porta, ra do Pilar n. 56, taverna.______
LEUDES
Aluga-se
tem op-
regres-
Lisboa e
(onivmiiA i>:
SEGUROS
NORTHERN
de liOdress e *epdeeB,1_.4
Po.lce O-ancelra (e.embr^IiM
Capital oubscupto *
Fundos accumulados
Recolta animal i
Da premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
O AGENTE,
John. H. Bornee ^
CA COMMEBDOCIO N. 1
3.000,000
3.134,348
577,330
191,000
132,000
4B
MARTIMOS _
laiurg-SflaieriMsclie
DampfschifITahrts-GeselIschat
Ovap.^r Petropolis
Esperase de HAMBURGO,
va LISBOA, com escala pe-
los Acores, at o dia 20 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para 2
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
"COm8 CONSIGNATARIOS
Borstehnann & C.
RUADO VIGARIO N. 3
1* andar
Os vapores desta companhia, os quaes
timas ae:ommodacoes p.ra passageiros.
am dos portos do sul com destino
Hamburgo partindo da Baha nos das 8, Ib, e
30 de cada mez e tocarao neste porto, caso se ci-
fereca numera sufficieate de passageiros.
Os Srs. passageiros, que se quizerem inscrever
sao rogados a fazel-o pelo men.s 4 dias antes das
partidas da Bahia.
COHPA7VH1B BE MESiACE
RES HAR1T1HES
IJNIIA MENSAL
0 paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado dos portos do
sul no dic, 25 do corrente,
aeguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
rrem 4 passagens inteirss.
Por excepeo os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abat-
m Os vales postaes s se de at e dia 23 pagos
de contado. _. .
Para carga, passagens, encommendas e dmlieirj
afrete: tracta-se com o
AGENTE
Angoste Lab lie
9 RA DO COMMERCIO-9
AGENTE PESTAA
LEILAO
de quatro excelleutes casas terreas que pelos seus
bons rendimentos e magnifico estado de conser- '
vacio reclamam attencio dos Srs. compradores e
j por se acharem livres e desembaracadas de i
qualquer onus offerceta excellentes juros.
Qnaria-feira 11 do corrente
A'S II HORAS EM POSTO
SO ARMAZEM
12 III \ DO VIGARIO 12
O agenta Pestaa vender por conta c risco de
quem pertencer as casas terreas abaixo declara-
das ; ,
Urna boa casa terrea com correder independente
sita ra do Visconde de Pelotas, ootr'ora Ara-
gao, n. 41, rendeudo 35*000 meusaes.
Urna dita coro dous sotaoa, sita entrada da
ra de Lomas Valentinas n. 4, rendendo 30J
meusaes. .
Urna dita terrea, sita ra do Kosario da Boa-
Vista n. 11 onde existe urna bem localisada ta-
verns, rendendo 30 meusaes.
Urna dita sita ra do Mrquez do Herval ou-
tr'ora Concordia n. 139, rendendo 30* mensaes.
Urna dita meia agua sita 4 ra do Nogueira
n. 2, reudeudo 11* meusaes, e finalmente um so-
brado sito cidade de Olinda ra do Commer-
cio u. 17 com sahida para arua da Misericordia,
a qual acha oo em perteito estado de conservaco
cujas chves esto em poder do Sr. Domingos
Torres na mesma cidade, rendendo 160 men-
saes-
uma ama que sabe tratar de criancas e d inte-
macao de sua conducta : quem precisar procace
na entrada da praca do Visconde Loyo n. 1.
Ama
Precisa-se de urna ama
da Aurora n. 137.
de meia idade : na ru
Cosinheiro
Precisa-se de um cosinheiro ou cosinheira
ra do Sebe n. 38.
Antonia
trtinn d
Plmentel
a Crm
Jos Joaquina Martins da Cruz, irmaoj, canta-
dos e sobrinhos. penhoradfssimos para com as
pessoas que se dignaram acompanhar at o cemi-
terio paolico os restos mortaes de sua presada
irma, ennhada e ta, Antonia Martins da Oro
Pmentel, de novo convidan as mesmas para as-
sistirem a missa do stimo dia, que mandam cele-
brar na igreja do Divino Espito Santo no sabba-
do 14 do corrente, as 7 horas da rnanha, pelo qae
se confeasam eternamente eratoa.
Leilao
de um rico piano de Plegel e um bond com dous
carneiros, mobilias, miudeaas, perfumaras, copos
e outros ar igos, ao correr do martello, por ter de
entregar a casa.
Quartafeira 11 de Julho
A'S
No armazem da
11 horas
ra do Imperador n. 75
2 leilo
lllll
ta felra, 1% de corrente
A's 11 horas
A' ra estreita do Rosario n. 26
O agente Silveira, por mandado e com assisten-
ca do Exm. Sr. Dr. juiz de orphaos e a requeri-
mento do inventarame de D. Alexandnna Aunes
Jacome Pires, levar a leilo 3 quartas partes do
sitio estrada de Joo de Barros, tendo a casa 5
quartos, 2 salas, cosinha fra, cacimba, agua po-
tavel, medindo o sitio 1,145 palmos de frente para
a mesma estrada e todo arborisado.
Em contlnuaco
O mesmo agente levar a leilo um sobrado de
2 andares, i rus de Marcilio Dias n. 100.
A chave pode ser procurada ra do Duque de
Caxias n. 84, loja.
O mesmo agente levsr a leilao urna exeellente
vacca da trra com cria, por occasiSo do leilao de
predios. .. ._________________
Leilo
de movis, louca, vidros, diversos jarros parajar-
dim e um imprtente sabia e outro passaro rma
da Mangueira n. 7, boje Leo Coroado
Quinta felra, 1* do correntc
A's 10 1\2 hora
O agente Burlamarque, competentemente auto-
risado por urna familia que se retira para tora da
provincia levar a leilo : 1 mobilia de pao amo-
f
AntoDlo June da Fonaeca
A junta administrativa do Haspital Portuge
de Binefieencia manda resar urna missa na al
pella do hospital quinta-feira 12 do corrente, as 7
horas da manh, por alma daquelle prestimos
consocio, e -convida todos es parentes e amigos da
finado assistirem aquello acto religioso, protet-
tando desde j sen eterno reconhecimento.___
Maneei Perelra da Cuaba
Os iimos, sogro e cunhados do fallecido Ma-
noel Pereira da Cunha, eonvidam aos parentes e
amigos do finado para assistirem a missa do s-
timo dia, que mandam celebrar pelo eterno des-
canso de sua alma, na matriz da Boa-Vista, as 5
horas da manha do dia 11 do corrente, e pelo ae
desde j se confesssm muito agrade;
noel Perelra da Cunta
Anna de Queiroz Qereira d? ten ;h
pais, irmaos e cunhados agraaeccm a toda a
pessoas que lhes fizeram o candoso obsequio acompanhar os restos mortaes de seu idolatrado
esposo, pai, genro, irmo e ennbado, Manoel Pe-
reira da Cunha, ao cemiterio publico de Jaboato,
e de novo lhes rogam o csmparecimesito missa
do stimo dia, que ser celebrada i a matni da
mesma cidade, ao dia 11 do corrente, as 7 i/2
horas da manh. _________________________
M
PnV


.

I

6
Diario e.Pernaufeiic*{uwU-leira 11 de Agosto de 1886
M4
NICO
Cabello
"Ayer
, (Avers ll;.ir Vi ar)

FiiPMAtttSEMGWl
PUS 0 CABCLLO,
TORNANDO-0
KACIO.REXIVEL F. LUSTROSO.
Frwaiado oaiotlt J.C*>HaCiA i ~

Prenaraco de Productos Vegetees
KXWtifiki CASPAS
e outras Molestias Capillares.
^1ARTI NSTBASTOS
Pernainbucc-
Os proprietarioa do muito cnnhecido estabolecimeuto denominado
MUSEl) DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicurn ao respeita'el PUBLICO que receberaro un
grande sortimento de joias das mais modernas e dos raais apurados gostos, como tan>
bem relogios de todas as qualidades. Avisam tarabem que continuara a receber poi
todos os vapores vindos da Europa, objactos novos e vendem por muito menos que -on
outia qualquer parte.
MIGL WOLPF & C.
i
CADKLLA PERDIDA
A p^ssoa que achou boje urna cadella de ra;a
rateira, marca muito pequea, com asorelbaa cor-
tadas, ( h no tempo de... e que acode pelo no-
ve BLANC-CHIEN, levando-a na f andar desta
tVDCrraphia ser eenerosiimente gratificada com
(&#)
Alnga-se
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
takelecimento fabril : a tratar na ra do Commer-
cio n. 34, com J. I. de Medeiroa Reg.__________
Aloga-se barato
A ra Lomas Valentinas n. 4
O armaaem da ra do Corone! Suassuna n. 141
Ra da Baixa Verde n. 5.
Caj terrea d travesea de S. Jos n. 23.
TraU-se na ra do Commorcio n. 5, 1 andar
aecripterio de Silva Guimare* Se. C. _____
lnga-se
a casa terrea sita ra do Viaconde de Albuquer-
que n. 170, t-aiada e pintada de novo : a tratar no
largo do Corpo Santo n. 4, 1 andar._________
Alnga-se muito barate
A casa grande ra de S. Jorge n. 26 no
Eecife, ero 5 quartos, quintal e. portio.
Sitio e casa para familia, travesea do Mot -
coiomb n. 4, em Afugados, cem muitasfructeiras
e banho salgado.
Tra-a-se na ra de Santa Theresa n. 38.
Precisa-se de urna para cosinhar e fazer o ser-
vico interno de casa de pequea familia : a tra-
tar na ra do Mrquez de Olinda u. 27.
------O-
Ama para cosinhar
No largo do Corpo Santo n. 19, segundo andar.
precia*-se de urna boa cosinheira. que d fiador
da-aua conducta. _____ t
J^r* Jardn das plantas
MONDEGO N. 80
Pretenden-do se acabar com as plantas que es-
to em vasos u'este j irdim, vende- se os sapotisei-
ros multo grandes, e dando fructn, 2/000, la
ranjeiras, muito grandes, para enzertar, 6/000
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por barato
preco.
Entre amigos
Com a ultima lotera o mez #e
albo
Deia df tr lug r por ter sido transferida a
lotera u. 6o, que era a ultima deste n>ez como se
v ao anuuucio do Diario de 28 do andante, ficar
para quando for anuunciada.
Cavallo e botoes.
fTKINSON
F? M&RIA INGLEZA
afamada ha mus un seclo; excede todas
m outrupeloNaprfasiedlica'doeexqaiiito.
TREZ l EDA LH AS DE OURQ
PARIZ 1878. CALCUTTA 1884
MU extra-fias excelleocis de ^isqualidide.
spiuhs flowees
jockitclob jasmth
heuotrgpio magnolia
Aras sismad* de
LftVANM INGLEZ DE ATKINSOH
outros mmtos cooh* qual i dado e odor deleits-el e .- ] :isito-
PASTA ORIENTAL PANA OENTES DE ATIliJM
sem riral para alvejar e eio-ie'!'.- os denla*
* preaerrar.as geagi\ -is.
benln-u Csu i*s Mg ii"ies r F&krieutsj
J. A E- ATKINSON
24, Od Bond Street. Londres.
atarea de Fabrica Urna1 R< sabranca" ,
obre ama ** Lyra de Ouro."
J1T .fc.ft^jrJLOCl OL*
rHOADCTOSEH0L05I:
ae ULYSSE ROY, etnPoit:srs (FrdB\v
Imite PfOUST, SucF- & Genr
aorav
, Mrtmne enantioo a
dBHMk.................mVHttmemS
t. Rancio uLEsenoiaMCognar ** 100 trucan 5C0 tt
", Pnrfum08]n.uxlonotiUooro jb 100 frueoe 300 tr,
i JIsericladelUjarQoid^B'ia, o lMfruoof bOO*

Deposllarios em wertiaubtteo!
CXPOS'.qO D F~|S l?.
OfcA d* coxc-omo
Cura
pelo vio
Tdese tm toda* ** Ptarmacia*.
'pita um wvunu
ASMA
Venda de hotel e km-
pedera
0 propri<-tnio d I > Norte ra Tho-
m de S um n. 8, ti irar-pe pira Europa
por iiic.u.iii a b d.. familia, vende o seu
Betel, o qul i-e torna recommendavel pelos bons
commod -, oino pT estar bem loealisado e em
boa fregu. zm ; a tratar no raesmo.
Ama
Preciea-sc de ama ama para lavar, en-
gom mar e fazer mais abgutia servaos de
eaaa de familia, com tanto que durma em
cata; na ra da Matriz da Boa-VaU n. 9,
se dir quem pre.isa.

Tricofero de Barry
Garante-sa que faz nas-
oer ecrescer o cabello ainda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impade o cabello
de cahir ou de embranqne-
cer, e infallivelmente o
torna espeaso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E'o nico perfnme no mun-
do que ten a approvaeo official de
um Governo. Tem duas vezes
ulitis fragrancia que qualquer outra
eduniodobrodotempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no bonbo e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidSo e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansaoos e os
dosmaios.
Xarope Je Viia b Renter No. 2.
amas de vsal-o. dxpois de tjsal-o.
Cura positiva e radical de todas as formas da
asctofulas, Syphilis, Feridaa Escrofulosas,
AiEacftes, Gitaneas e aa do Couro Cabel-
ludo com perdaido Cabello, e de todas aa do-
encas do SangueaFigado, e Rins. Garante-se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
a restaura e renova o systema inteiro. .
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian
cas e para a cura das moles-
tias da pelle de todas as especias
a em todos os periodos.
Deposito --io rVrn iiliii' i> 'asa de
Francisco M'anoel da Silva & C.
f urna casa terfw peqip,i>a. n b in estado, naa
treguezias de Sant AnSoaij n. eiceda al:00f' : k tra(r ua tiavesaa do
Principa d. 7
Sem dieta esewi modifi-
cares de costantes
Laboratorio nr&lral, ra "o Vioonde do
Rio Branco n. 'A
Esquina da ra do Beqente .Rio de
Janeiro
Especficos jn''p irados pelo phar
maceutico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvados pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de imbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
tes e promove as ejeecoea difBHas.
Vinbo de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chlaro-anemicos, d-'b-'lla a hj poemia
intertropical, rtconstitue os hydropioos e beribe-
ricoe.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recoman ndado na bronebite, na betnop-
tyse e as tosses agudas on ebronicas.
Oleo de testudua ferrugiot.0 e cascas de
lar;.njas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
oismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas iiom a
pererina, quina e jaborandy
Cura radiealmcnte as febres intermitientes, re-
mitientes e pernicio
Vinho de jurubiba simples e tambera fet-
rugino8(, preparado em vinbo d caj
Efficazes as inflammacoes- do ligado e baco
agudas ou chronic&s.
Vfnho tnico de capilaria e quina
AppHeado naa eoBraleacencas das parturientes
urtico antifebril.
Depasito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoei da Silva & G.
23-RA;MARQUEZ DE (LINDA-23
Curso de francez
Kua da Matriz ta Boa Vtuta n. 34
O abaixo assignndo pi ticipa ao r> rpeitavel pu-
blico que abri em casa de sua p si lencia um
curso u francez, ondo esmeradamente se dedica
ao adiantsmento de seas alumnos. Casera, pois,
merecer a coufauca e a pruteeco do distincto
pevo pernambucanu, e de t d"8 xquelles que quei-
ram aproveitar um ensino rpi o e frpriancoio.
Menaalidades 300 pagos -diuntados no
acto da matricula.
Horario das 5 horas da tarde Ab 7 da noite.
Kua da Mhtriz da Boa Vista n. 34.
Julio acares de Az< vedo
Cosinheira
Precisa-se de ama boa cosinheira, qu seja as-
seiada e durma na casa em que se aiugar, paga-
se bem : a Uatar na ra do'Paysand. n. 19 (Mag-
dakaa)
N.
-RA DO CABUGA-----N.
Jompra-se onro e prata velha.
grageas de Ferro Rabuteau
Laureado do Instituto de Franca. Premio de Therapeutioa
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia.
AsVerdadeira Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorosc, Anemia, Plida Cores, Corrimentos, Debilidade, Esgotamento, Convalescentia,
Fraqueza das crUmeus, Depauperamento e Alteraco do tangue em consequencia de
fatigas vigillias e excelsos de toda a natureza. Tomar 4 C grageas dor dia.
ft'em Cotutipacao nem Diarrhea, Assimilacao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
ongulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as enancas.
1131 Urna explicado detalhada atompanha cada fraaco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & G'a, de PARS, que se
encontra em casa dos Droguistas e Pharmaeeuticos.

VINHO
iC:
DE COCA DO PER
O VIMUO MaSiajn que fot eiperlmenttdo nos hospitacs de Pana,
prescrlpto dlarlamenle com exilo pira combat,: a inemla. calorse,
Dlfeatoes ms, BColeataaa das !as respiratorias e Bafraqned-
mento do orgro vooal.
0$ MmUeO reeonunendam-no $ Patota /rocas e delicadas, exhaustas pela mwUstia.
aos Velhos s Critincn*-
E* o Reparador das Prtnrba^deK diiestlrar
FORTIFICANTE por EXCELLENOIA
O VINHO MARIANI U OCOJIIU U UM M
IV.">'iPk Varia,41,baulerird HniTBni';; New-Tork, 11, ka,II",>irst
Em Pernambuco : rranclaco as. da SELVA
Os GRANULOS
ANTIMONIO-
FERROSOS
oD'PAPILUuii
oonitituem o Preparado ferruginosa
mais fficaz mpragado paisa aummidadaa medicas com axiac ha msM 4
ao ANMOS
Centra a Anemia, ChUroee {Pites couleurs), Xerratgian, Affet^ee da relie.
LATORlO FAVORAVCL POR PARTE DA ACADEMIA DB sfEDICIKA DE PARIZ
ili-se sobre cada frasco o nomt de E. Monanier 4b /.. Papiilaud.
DErosio Km Pernamuuro : FRAN M. da SILVA & C\
Sem cheiro nem gosto dos leos de Fig&dos de B&calhau ordinarios
~]de FIGADOS FRESCOS
J BCALHAU
ade certa contra a Molestias de Pelto, 1 Tislca,
Bronquitis, PrisOes de Ventre, Tosses chronicas, Affec55es escrofulosas.
ADVERTENCIA. Hxiga-ae no rotulo o sello-Azul do Estado francez.
BOGG. Pqai-maeeutico, 2, ra Caatiglione, PARIZ, e principaes l'harmacias.
OLEO
invaiuuu uruiuoijvo
imiia
SAUDE PARA. TODOS.
UNGENTO HOLLOWAY
O Ungento de Hollowav um remedio infallivel para os males de pernas e do peito tambera pjra
as feridas antigs chagas e ulceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para todas as enfermi-
dades de peito ni se reconhece egual
Para os males de garganta, bronehites resfriamentos e tosses.
Tumore as glndulas e todas as molestias da pelle nfto teem setnelhante e para o meimbros
contrahidos e juncturas recias, obra como por encanto.
Eaaas medicinas aso preparadas tmente no Esubelecimento do Proieaaor Hoilowat,
7, HEW OXFORD STBEET (ante 633, Oxford Stre*), LONDRES,
vendemse em todas as pharmaciis do universo.
jar O LuiimsadWae alo omvid>daa leapaTCoaaiiieale a examinar os ratntps de caHa calza e Pote, se sao teem a
direccao, 533, Oxford Strrst, s*o talsificasoes. ___

I ^'-.A-?i:/
IK
m
1)
A LiJ\. vi.ijrtti Dj^o 'jj '-j
RaiaMes Hoyos
L T. PIVERem PARS
Maseotte
PERUME POMTS-EONEEUR
,


Extracto de Corylopsis do Japo|
PERFUMES EXQU(SITOS :
Bouquet Zamora- Anona da Bengala
Oydcnla de Chine
Stephania d'Australie
Heotro-e bl-.nc Gardenia
|-oiuia*t de l'niitMjWhite Rose oi Iteacmlk Pdlytor oriental]
Brise de Nlce Bonquet de Reine des Pros, etc.
---------------------3W.--------------
ESSENCIAS CONCENTRADAS (Z'ZV) QUALIDADE EXTRA
Depoaitoi as priucip?es Perhtmariaa, Pharinacias a uabeiiereiros aa Amena
aiMiiaiaimsi-.t;
mmm
Approvados pela Junta Central de Hygiene da Corte.
Aperientes, eatomacldcos. purgativos, depurativos, contra a
Falta de appettte, Priso de ventre, Enxaqueca, Vertisens,
* Cona-estotw, etc. Dose ordinaria : i.tis graos.
* Exigir f Jli'il'HUJBamT^ com rotul em cores, e a
as \W.l M U11F:VW:t4' |W Uj(Utura A. Rouviere ea taU ucirias*.
Em PASZ, Pbarraacia IiHBOT.
DEPSITOS EM TODAS AS PRINCIPAE8 PHAJtafACIAS
aaaa'a>aaaaaaaaae>a>aaB>tt>aaaaaa"*
Casa PINET, fundada eo 1852, PARS
EXPLOTACAO GERAL M CATCHC
Wff NOVOS PROCBSSOS *fff/fOaOOS
ESPECULIDUDEPiriSTRUPIIEIHTOSde MEDICINA eCIRURGIJl em 60MM A Etasticaou BORRACHa
TJrinoes Seringas, Borachas-Peras para Injeccaes e Clysteree, Infectaras,
Pulverisadore. Pessarios, Fundas, Vorltoaas, Tubos, BicosdeMamadeiras.
AJmo'adas, Bollas para injeocSes para qualqner nao-, ato., ato.
atAKDA-SK O CATALOGO FRASCO
E. 1AACASSIH i C Geodre et Successeur, 34, rea Turbigo. 34, PARS
EstaDeleciniento abril a vapor: AUX LILAS, perto de Paris.
H. I. A randt 'os, -empre crescente dos nossos producida tendo dado logar
a fatiltcacoes, comer exigir Usrca B. stt. V C".
l.....MMMsMIlM
N. 196. A pre-
sente marca por
m i m rubricada,
contendo a deno-
to i n a 5 a o ME-
TEOROS, deBti-
na-se aos cigarro
fabricados e ex-
postas venda
por Joaquim Ber-
nardo dos Rea
& C, firma com-
mercial domicilia-
da n'esta praea
ra Larga do
Rosario n. 30, foi
aprestada registro no dia 28 do mez de Maio prximo passado-s duas horas da
tarde, e registrada n'esta dala em cumprimento do despacho de boje da Meretissima
Junta Commercial ein substituitSo do registro n. 80, que tero nota de baixa, a traat
nao foi dada no 2.- exomplar porque o commarciante matriculado Joaquim Bernawl
do Reis declarou tela perdido. # .
E, para cumprir o predito despacho e o preceito da lei, fiz nota de Daixa n
respectivo registro n. 80 devidamente sellado com mil ris, e o registro da marca sa-
pra do qual extrahi esta nota. Pagou um mil ris do um parecer fiscal. Secretaria
da Junta Commercial da cidado do Recife, 4 de Junho de 1886.-0 secretario Julto
GuimarSes.
C0LLEG10 FRANCEZ
PAR\ MENINAS
17- Roa do Baro de Bcmflca17
M UR1DHAMEM DA MMIM
As st-nhoraa Mine Frn n Hila. Francia, mai e filha, diplomaba pla Fa-
culdade de Paris, recent.-mente cheff!^s de Franca onde exerceram por rnuitos an-
nos o profetsorauo, acabam de stab K, er ura eollegio para meninas, seguindo pro-
gramma adoptado em Fr-nga ; o qual proporcionar As alumnas que lhes forem tona-
das urna educagAo completa e esmerada.
Os senhores pais de fanilia ao convidados a visitirem este novo estabele i-
mento situado em tao saudavel bairro e dispando de todas as condigSs do confortavel
e de hygiene.
Mito. laabel Franm pessue um talento elevado para o ensino de piano.
Ella precisa de urna judante para as classes.
fll
Joaquim Bernardo dos Reis 4 C. proprietarios do estabelecimento Bazar
Pernambucano ra Larga do Rosario n. 30, avisam ao respeitavel publico era
geral, e aos amigos e freguezes em particular, para raelhor esclarecroento, que o em-
blema cima registrado da forma seguinte: urna aguia entre quatro tringulos sendo
os dous lateraes em alto relevo, tendo urna fita presa no bico com a^ ins^''PS**
Emblema Registrado, e sob os ps da ave a denominagaoMETEOROb-
Todo o trabalho lythographico com tinta carminada, e em papel chamois rouge,
conforme o rotulo emblemtico, que serve de insersao a este aviso.
Os abaixo assignados, para mais evicencias declarara, que em virtude do
decreta n. 2,682 de 23 de Outubrs de 1875, que pune rigorosamente o contrafactor
ou imitador, resol veram patentear publica mente o respectivo registro para inhibir
duvidas futuras.
Recife, 9 de Agosto de 1886. g
Joaquim Bernardo dos Reis fr C.
CASA DE MODAS
Fazendas linas
0 mais v arMo sortimento n artlgos m soilsns. a*i la natt
J. BASTOS &C.
2 A-Rua do Cabug-2 B
Sedas de cores em cortes de 20 metros com as rendas de seda para enfates.
Sedas com bordado de alta novidade.
GorgorSo de seda, qualidada especial, cores ciel, rese, mannhe, lontre, beijo,
lilaz, tabore, brenze, lontre e grenat.
Gorgorao branco para noiva.
Faille branca para dita.
Da mas s ottomane branco.
Grinaldas de cera, o que ha de melhor.
Veos e fiil, em pega, para noiva.
Leque de niadreperola com rendas.
Meias brancas de seda.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de Guipour e crochet.
Cortinados de crochet.
Cachemires com bordados -Anooralindissima combinagao para vestido
inteiramente novidade.
ESCOLHIDO A CAPRICHO
Robes mi confeccionesvestido meio preparados, em seda, la, tocidos novo
e algodao, de 15000 a 651000.
Colleretes para senhoradoctoresse, em fustSo e crotones; grande moda.
Visites -capas enfeitadas ricamente a passementerie e rendas.
LUVAS DE SEDA
Com e sem dedos, ultima moda.
Bolsas do couro da Russia de diversos tamanhos.
Perfumaras finiasimas, grande sortimento.
Leques de seda e setiui, modernos.
Tecidos de algodao para vestidos ligeiro e econmicos .
E' difficil encontrar jielhor sortimento do que acaba d<> cbagar e que vend-
se barato. Padr5es novtssimos.
2 A-RUA DO GAB(iA'-2 B
(Telepbone n. 35)____ ________
Alienes.
Aci'Oes entre cavalleiros
As trinta vaccaa
Que corra com a 3' parte da 13 lotera das
.Compra-so oualaga-ae urna boa caaa perto da W tranef-rida p.ra a segunda lotera
c.dade, deaejand-Be noa wgu.ntes pontos : So- J ^r n0 me, de s^bro, pila raaao dt
dade Caminho Wovo, Capnnga, Paaaagem da ; *^ 8eries em uma art, *latec,par eoat
Magoalena, tendo bom t^ agua e a. : quem ; ^urtorantecedtncia 0 numerP0 da' te queFdeveri
Bver dirija ee roa do Imperador n. 49. 1- andar,
a tratar com o aolcitador Antonio Neves.
Uma casa terrea ra de S. Francisco n. 21 : a
taatar no armazem do gaz ra do Imperador
numero 31.
Criado
Precisa-se de um criado : na ra da Madre de
Deus n. 5, armazem, que saiba ler e d fiador de
sua conducta.
Veode-se
algumas apolces geraes, de juros de 6 0/0 : a
tratar aa travesa das Expr&to n. Si, das 10 ho-
ras as 3 da tarde.
Koubo
Do engenho Cabete, do termo da Escada, foram
roubados no ee 3 do correte mez, da estribara
do lavrador Manoel F*-ij de Melb, tres cavallos
possantes, gordos, de torea e sgoaes seguintes :
um castanbo tapado, inteiro, de segunda muda,
anda baizo obrigado, no p esquerdo tem uma
liotra branca entre o casco e o cabello, e no di-
re>to um caroeinho, como que produzido por espi-
nho : dous russos, sendo um grande, ardigo, den-
tes quebrados, de 12 annos, inteiro, anda baizo,
francamente, e o outro quarto, sem andares, de
8 annos, muito bem feto, castrado, tem no sovaco
esquerdo um signal d>- ferida que teve ha annos,
e todos tres teem este ferroMFna p direita
O dono gratifica quem der noticia certa de ditos
cavallos^_______________________________________
Aos acadmicos
A commissao ezecutiva dos fest< jos do dia 11
de Agosto, participn que resolvendo commrmorar
o anniversaro da crea^li dos cursos jurdicos,
com uma sessSo magna Iliteraria nos saloes do
Club Carlos Gomes, espera que abrilhant^m com
8uas presencas e de suas Ezmas. familias a res-
pectiva sesso, que ter lugar as 7 horas da
noite. A e immiso.
Este remedio precioso tem gozado da accelfa.
o publica durante cincoenta e sete annos. cora-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827
Sua popularidade e venda nunca forio tSo exien-
aas como ao presente; e isto, por si mesmo,
oSerece a melhor prava da sua eficacia maravfl-
hosa.
Nao hesitamos a diier que nSo tem dewado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em aduinjs, que se acharo afflio-
tos dcstes mimigos da vida humana.
N5o deixamos de receber constantementa
attestacoes de mdicos em favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem appareddo varias falsificates. de
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
yerai{ieB.iFAHNSTOCr
Ao publico
Maa Celestina Barrete de Castro fa seiente
que deizou de ser seu procurador o Br. Jos Pe-
reira da Fonseea. Ponte dos Carvallos, 6 de
Agosto de 1886.
Para evitar duvitfas
Os abaixo assiarnadS previnem s pcsso-is com
quem t>-m rels^ s eommercaes, quer em n^me
individul quer em nome collectivo, como pro-
prietarios do Instituto 19 de Abril, que nao 80
reaponsabilisxm por qualquer acto commercial,
poiitic-i ou civil, pmticadb por ou'ro do merma
appellido de familia.
O unios reeporisnri' pelo Instituto 19 de
Abril sao os abaizo assignados, que s em pesaos
ou p ordem pseripra contrahi -&o qualquer com-
promisso. Recife, 9 de \gosto de 1R86.
Luia da Costa Ferreira Porto Carreiro.
Carlos da Costa Ferreira Porto Carreiro,
Julio da Costa Ferreira Po'to Carreiro.



Mario de Pfwimbuc^" (tuarta-fcira 11 de Agosto de 1886
i
4o povop rnambucano
Contina aberta a esola particular de iostruc
-io primaria par o sexo masculino, a ra daMa-
da Boa-Vista ... 31, dirigid pe< professor
rticBlar Julio Soarea-de Azevado. ___
^duc einstruea.infaaea, pe system *w
prmcipaes collegios. da coRte do imperio, ow
{tepe por alguna tcmpo a passeio, cojo y6*
a delicadeza, a paciwsia,. 4 a voocao, fasen-
do cooi que oa seus discpulo Hgau. o caminbo
da inulligenca, da honra e da d.gnidade, com
Motos conselho esas licoes, afim d que venha*
rr o futuro sust-utaculo da ptr, da religilo
de. lei, um verdadeiro cidadio branleire.
Espera perianto, que o respeitovel pubuc(*ai-
bs apresa de perto o seu verdadeiro ansio pri
raawo, onde rpidamente as enancas abracara e
amarn de coracio aos livros, as lttras eas bellas-
-rtes. Ra da Matriz da Boa Vista n. 34.
Julio Sua.es de Aevedo.
PrcgoczTdo Ileeife
Aluga-se por preco mnito eommodo 4 a pe-
quea fawlm metaue da ca.a daru* dos Guara-
rapes n< 29, e n n* *ua se precisa de ons menino
^ue seja fiel, para fazer compras. <-se roupa e
bom ordenado.
Tele^ramma (rcsposta paga)
Bieos erient-ies, grande variedaste. am <-
larruras. leceberam o Pedro ArrtunesftC., e v-.-
detn barato ; esperamos resposta ao. 68 raa u-
u* de Caxias, Nova E8pernca ; ,oovo sorti-en-
> em leques de pspel a YOO e 800 r, preferencia
clus.va ; ditos de seda, bonitas cores e liadas
tiatrens a 34, b-rrato punhos e coHurmbos
Sos parf' senbora a 1*800 e 2*500 ; ditos
eom pintos de cores a 1*200 ; bonito e delicados
laeinhos de cores, uliiuia moda em gravatas, a
1*(00. KeipoBta p^ga ; vale a pon* verem o que
: na loja de Pedro Antuneo & C. n. 63, a roa
Duque de Casias.
Pintura domestica
PHARMACIA
orine M; onia Pfreir* C. Smc-
ii'ssorr /
R.cebeu grande sortimento dte excedente
tint de todas as cores e em lata- de 1 a 5 libras,
qu" continuam a vender por eommodo preco :
quaJoner pessr.a (criado cu memao) piata com
p,rf/icao. Coin esta tinta podem tedoe eom fuco
Sisp.udie conservar suas eas^e.sempre limpas.
Ra do Mrquez de Olinda n. 2<_______
0
Toineiu nota
Trilhos para engentaos
WAGONS PARA CAWIA
LOCOBIOYUS
achnisui eowplet- p*v* em
genlio* de >- os taanaes
Systcma aperfe<;o EspecificacZes e precos no escriptorio dot
agentes
Browns & C.
K. lina do towmcreio
N.B Mein do cima B a C ., tem cattmlogos de
ai) i .-.mplemeutos uecessarios agricultura, como
.mbern machinas para descsrecar algodao, mei
ahos para cat, trigo, arr,oz e milho ; cenca de fer-
ro galvanisado excellente e mdico e*n preoo, pes-
soa uenhuma pode trepai-u, nem ammal que-
oai-a.
Ala^a-sc
a casa n 1 i ra ln mbranea do Gomes, em Santo
Anmro, tem agua : a tratar na rma da Imperatnz
a. 3, 1- andar._______ _______ i___________
Aviso
Precisa-se de urna profeseoca que saiba tocar
em piano e mais trabslhos de ee.ihora, para en-
genho : a tratar com o Bario de Naaaretb, ra
do Irawrador n. 79, 1- andar.___________________
Serrara a vapor
Caes do CapSfoaribe **
N'esta serrara enenntraro os sabores fre*ue-
tes, um grande sortimento de pir-kj de wdi
neo a dez metros de compnmetuo e de ^US a
,24 de esquadros Garntese preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Franeis-o dor 8ant6 Macedo.
Molestia da caona
Proeesso le purifica^o especial.
Methodo i. nomico a eatisfatono e de fcil ap-
alicacaoem qualqn.r engenbo.
Nfio terao os senhores de engenbo mais prejui-
sos enormes com a molestia.
Informaces e espeificaciJes ca
Biras&C.
M. 5-Raa do ComBierelo
RECIFE
M.ft
NOVO
Trwmrnrrm
THERMOMETRO MEDICO
de Lon BLOCH
(raivn.EaiAi>o>
St/strnm extra-aenawel
Que nao experimeata variR^o loosaa
devlda a oontiicao d wdro.
otUda pela Aiademia da Keditim a +*/**
22 de septambra de 183$-
TsM N mus IistrsmWM tm*a ^LOU, 0
Biaba issignatrs: "" '^^^;
At^ann bu principa Cmm Ittiuotp
de Citar*.
| Venda e firosso: 18, m Alhow, WklB
Deposito em Ftaa*M :
I FRAN- M. da SILVA & O
u as prinotpaes Pharmaoias.


lS2,Bordcaox: MadaHu di Bren f
h'.oit; xtdaihi da Prita; Rocae-
lort: enro is Hcdtllta de PriU,
Srarufemofie'e.- iS8:;,Amste.*di*i:
B3l.7ia ut Pratt aour. s. I8SS,
Dxpalcao cic 'iTBa'hi. i edm/n le
Flllffll
Alimentario Rcn
^tggtT L = pjfC*ittaiS^Uirfk<,t)MU>SS.
-lutha r.TItK' auxiliar
i itadaeo
i

Kuos,
suppor: a a pro
anecio Ca fe
DMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de bacalho
COM
Hypofbosphitos de cal e seda
l'pprovada pela JIMrta de Hy
clene e antorisada pelo
goTerao
B' o ineHior remedio at hoje cfcecoberto para a
ilsilea brocbe* eicropliml*Mi. *-
rhilis.anemla. elllll*c em *-rl.
JeBoxoM. tame chrontca e affeec*
do peleo e da ar|rana.
E' muito saperior ao oleo simples de gade de
oacalbo, porque, alm de ter etwiro e eabor gra-
daveis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, aim das propriedadeB tnicas
wconstitnintes doa bypophoephitos. A venda as
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Isco'a necturna
Acha-ae aberta a matricula deeta escola. tas
do Guararapes n. 29, legida pelo profeasor-par-
ticular Joo Valentim Ferreira Bastos Jnior. O
mesmo profesor, a pedido de alguna pas de fa-
milia, corjtina a leccienar ero asas particulares
a ambos os sexos, pelo que desde ja protesta se
esmerar no adan amento de aeus alura. ns, aquel-
les que bondosamente Ihe forem confiados. As
mensalidides eerio f tas na inscripcao da ma-
trcula.
saasaiaaaaa^sama
VENDAS
__ Vende se um terreno sito na Casa Forte
roa da Amizade, cem cacimba o iructe""ras, tendo
lO pnlmos de freate e 800 de fuado : a tratar na
ra da Imperatri n. 42. ____________________
A Revoluco
m. t
ra Duque de Laxias, resolveu a vender
os seguintes artigos eom 25 0(0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 2*000 per UOC0 o corado.
Cachemiras de cores a 960, 1 000 e 1*200 o co-
Ditas pretas a U200, 100, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Ditas bordadas de seda a 1*500 o corado.
Gorgonnas de listrinhas a 360" rs. o covado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Las cora bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilbo liso e lavrado a 1*000 e 1*200 o eo-
vado.
Palh de seda a 800 rs. o covado.
Fusto branc3 a 400, 440, 500, 560, 600 e 800
rs. o covadu.
Giosdcnaples pretos a 1*890, ?*WX) e S*500 o
covado.
Ni-aace de cor a 300 rs. o covado.
Cretoaeo fines a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia transparente de 5*000 por 2*500 a
peca.
Linn bianco com salpicus a 500 rs. o covado.
Casacos de laia a 12*'00 um.
Fechas de retroz a 1*00!) un.
dem de la a 1*000, 2*000,3*000, 4*000, 5*000
6*000 um. -~>
dem de pelussia bordados a 7*000 tm.
Chapus de sol de cores para senhors a 7900
Setmetas moderna a 360, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Linos escoss.-'e* a 240' re. o eova.o.
Z-pbuos listrados a 200 rs. o curado.
Brimde lioho de edr a l*00<).a va.
Faajao de e6r a 500 rs. o cevado.
Tapete par jnnaa. piano, sof e cama a 4*,
6*000, 7*000, *0(IO 24*0U0 nm.
Setinetss lisas a 400 rs. o covado.
Ditas davradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 e 1*000 o covado.
Cortes de casimira nuos a 3*000 um.
CoHarinhos de cares e rrancoe a Lacinia a
1*000 m.
Casemira de cor e preta a 1*800 rs. o covado.
Brim prateado fino a 60C rs. o covado.
Dito liso a 860, 400 e 500 : s. o eovade.
Esguiao amarelk) e. pardo-a 500 rs. o covado.
Algodio com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Camisas de meia a 800, lrftOO e 1*500 urna.
Ditaa de linho lisa e bordadas a 30*000 a du-
zia.
Timoes bordados para meninos de 4 a 5 annoe a
5*000 um.
Madapoloes finos a 5*000, 6*000, 6*500, 7*000
e 8*000 a peca.
Espartilhos de c^araga a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*000 um.
Lencos finos a 1*200 e 2*0Q0 a dntia.
Toalhae telpudas a 4*000, 6*U00 e 12*000 a
duzia.
Redes bamlmrguezos de 20*000 por 10*000 urna.
Setns maso de cores 800, 1*200, 1*400, 1*600
e 2*000 o covado.
Alpaeas brancas a 400 e 500 rs. o covado.
Setiaeta brancas lisas e lavradas a 500 e 560
rs. o covado. n
Cortinaaos bordaos a 7*000, 9*000 e 16*000 o
^Colchas bordadas a 5*000, 6*000, e 8*0 O
IB.
Capellas e veos a 10*000 114*000 urna.
Henriqne da Silva Moreira
Cimento po tland
Vende-se de 4iversas nwroaa, no armnaem de
Soawa-de- Aasaial bafea, aro* da Madre fe
Deus n. 22.__________________________
Expsito central roa larga do
Rosario n. 8
Dsmio Lima & C, ebemam a attencao das
Extnas. familias par os precos seguintes :
Carreteis de 200 -jardas '80 rs.
Pecas de bordados do 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 e 8*000.
Fita n. 80 para faxa a 2*500.
Leqi'es regatos e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalnas felpudas a 500 600, e 1/000.
Duzia de meias para homem a 3J000.
Ditas para senhorss a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de< fio de,seda para meainu a 1*000.
Colannbos de linho a 500 rs.
Ditos de algodio a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordao pata vestido a 20 rs.
a visivos grandeB a 320-rs.
rampos iuviaiveis a 60 rs.
m leque de setim (novidade) a 6S500.
Ricas bolcinhas de madreperola de 1*500 6*.
La para bordar A 2*800.
Urna capella e veo du 15*000, por 12*000.
Um eapplho de moltara.por 5*500.
Urna pnlseira de fita per 1*200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de era por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSICO CENTRAL
38lia Larsja do Rosario-38
Florida
Loja de miudezas
Kua do uiiquc de Caxla u I3
Os proprietarU-s deste grande estabelecimento
de miudezas, modas epara accommodar os interes-
ses da poca, tem reslvido venderem po<- meuos
vinte por cento qoe ea outra qualquer parte.
Ptntes elctricos fr 0 rs.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o maseo.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustSo bordado para crianta a
3*000.
Pintes de regace para crianza a 100 rs. um.
Ualeias a 36 rs. a doria
Haspas para aoquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura a 1*500 e 1*800
a peca.
Linba de cjres para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 r. o caderno.
Fita cbineza a 320 rs, o masso.
Lencos de liulio a 1*500 a duzia.
Lindos bicoe de cores cora 10 Jardas a 4* e 5*
a peca.
Urna caria com tres sabonetes desenhando urna
rosa por 500 rs.
leias de U de cores Dar senhora a 1*500 o
par.
Fazendas branca
s
SO" AO NUMERO
roa da Itnperatrlz
CartteiaufMu.
Liquidam o seguintes artigos-raais barato queea
outra parte, visto serem alguna comprados em
leilio a saber:
Lindos cretones claros a 240 e 280 rs., o eo-
vado.
Falles de novos gostos a 400 e 500 rs. o dito.
Linons com palmas de la a 800 rs. o dito.
dem com salpicos a 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas eom litraa de i da a 280 e 380 rs., o
dito para acabar.
Esguiao pardo para vertidos a 500 e 560. rs. o
dito.
Iktinetas, navidades, a 320 e 360 rs-, cores
firmes.
Damascos de la, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1*800 o covado ; de cores
propnas para mesas a 1*500 o 1*600 o iito.
Merinos pretos para lato, 2 larguras a 900, 1*,
1*200 el 600 o dito.
I deui de todas as coks a .1* e 1 200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padroes in:eirameate
nevos a 1*200, 1*600 e 1*800 o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
2* o dito.
Atoaihado trancado e bordado & 1*400 e 1*500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem de puro linho a 2* o dito.
dem de uina largura a 500 rs. o dito.
Guarnicoes de crochets para sof e cadeij'.
8*.
Itiqsiasimas eolxas de dito a It* e 14*.
Lindas grinaldas e veos para Exmks. noivas a
14*.
Cortinados bordados a 6*500 e 10* o par.
dem cm pecas com 12 jardas, uovos oesenhos a
9*.
Toalbas felpudas de coree, para rosto, a 7*500
a duzuv.
Meias inglesas, cruas a 3*500, 4* e 6* a dita.
dem arrendadas para senhori a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dito.
Camisas superioies frtncezas a 38* e 42* a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2*500 e 3*.
Lences de bramantes, grandes a 2*.
Chales de casemira, dem, h 2*, 3* e 5*.
Cortes de casemira inglesa a 3*. 4* e 5*.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3* e 3*500 o
covado.
.Vendan em grossoidarass desenlo
da pruca
59=Rua Duque de Caxias=59
Carneiro da Cunta & G.
4
*fe
4
Camisas nacionaes
A ssoo. aaooo e 8*500
32=-; Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortim^uto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e p jubos de. linho como de algodao, pelos
baratos precos de 2*500, 3* e 4*, sendo taaenda
muito melhor do qu'- as que veem do estraageiro e
muito mais bem feltas, por serem cortada* por
um bui artista, especialmente camiseiro, tambern
se manda fazer por encommendas, a v mtade dos
freguezes : na nova loja da ra da Imperatriz n
3:, de Ferreira da Silva.
A32

Nova loja de lazendas
tina da Imperatriz = :*'
DE
FERREIRA D.\ SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
p;itavel publico cm variado sortimento de rasen-
das de todas as qualidudes, qoe se vepdem por
precos baratissimos, assim como um bom snrti
ment du n upas para honiena, e tambern se man
da lazer por encommeudas,' p r ter um bom mee-
tre altaiate e completo sortimento de pannos fino*.
casemiras e brins, etc.
Api
iwtitem!
Vcnde-se unl< barato
Largo de S. Pedro 4
Neste eetabt#!ecim*nto ecoontra ae jempre um
completo sortimento de gaiojas e pafsaos nacio-
naes e estrangeiro*, o melhor que ha neste ge-
nem, frucias maduras, balaios proprios para ni-
nhos oe canarios do imperio, cestinhas para eos
l ora, vassouras do ara a 880 rs. cada urna, que
eustaeai outra qualquer parto a 1* e 1*200, con-
. rvn de pimenta americana em bonitos frasqui-
nhos a 120 rs. cada um, para acabar, masa de
mandioca muito bem preparada, para bolos._____
6|50
12*000
800
1*800
500
1*500
800
1*2
2*801
1|80U
400
200
Alimenta^ao racional
OJS MXES, CRIANCAS, AMAS & CONVALESCCRTn
Par mo d, J'BOSPMTI.V.1 JFnUhrm.
t, 6. av.< v.ctori,*, raaai
Vende-se no largo do Corpo Santo n. 19, se-
gundo andar, importantes tohas de labrrintho,
de -6* 28|000-_____________________
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este fexceli.:ut*: Whisky &** preteriv.
ao cognac ou aguarden^ de canna, para fortifica'
o corpo.
Vende-se retalho no tu lberes armazens
nolhadoe. ^_, ,
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo n.
me e emblema sao registrados para todo o Brast
______ BBOWN8 & C, agentes____________
Ouem possoir e qoizer
vender urna casa em boas condiedes eque seja em
alguma das maie prxima imtnedacoea d"8'* cil"
dade, dirija te & roa de Marcilio Dias n. llz, '
andwr, das 2 4 hoia= .a farde
ano de anuario
Veade-se um piano em bom estado, proprio
para princ piante ; na ra da Aurora r>. 1, ee-
gnadv aadar.
tyuasi de gra^a
rV*
asMttulM Parnmtwui: FiiAN
M. da BILVA k CPV
4o raa da Imperatri:
Loja do$ baraieiro
Alheiro f C, re' da Impt^ratriz n. 40, yan-
dem um bonito sbrtimento de todas estns fazendas
abaixo mencionadas, se competencia precos,
A SABER:
Aigodao-^Peoss de lgedaozinho com 20
iardaa, d:'' barato preco de 3*800,
4, 4*500, U -,, b, 5*500 e
MadapolaoPecas de madapolao com 2*.
jardas a 4*500, 5*, 6* at
Omisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas branc s e cruas, de 1* at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lenooes, toalbas e
roulas, vara 400 rs. e
Ceroulaa da roeama, muito bem fetas,
a 1*200e
Colletiuhos '"a mesma
Bramante francee de algodfto, muito cn-
corpado, com 10 palmos de largara,
metrj
Dito de iinho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e
Atoaihado adamascado para toalnas de
mesa, cena 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
droes delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ba de mais delicaio uo
mercado, re.
Todas estas fazendas barr.tiBBiicae, ma connecida
loja de Alheiro &. C, esqum.. do becco
dos Ferreiros
ilgod^ enfestado pa-
ra teifoes
A Oo r. e IOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiroe da iioa- Vista
odao para lenooes de um so panno, com 9 pal-
s de larguraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metr., assim Qosn dito trancado para
ominas di misa, eom 9 palmos oe largura a IfSO
i. otro. Isto na leja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiros
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400,1*600, U800 e 2* a covado
A beiro & C, i rea da Imperatriz n. 40, veo
dem muito bqns merinos pretos pelo preco axni
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di s Ferreiros.
Espnrtllho*
Na loja d8 ma da Imperatri n. 40 vcnde-se
muito bons espartilhos para senhorae, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimeoto de roupas
de casimiras, brius, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 84 o covado
Alheiro & C, ra d Imperatri n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o padroes mais den
eadoB para costme, e vondem pelo barato psept
de 2*800 e 3$. o covado ; assim como se encarre-
de mandar fazer costumes de casemira a
sendo de paletot eacco, e 35* de traque,
ide pechincha na loja dos barateiros da Boa
*t*' BRIM PARDO LONA
A 820 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista venden, urna grande
porclo de brim pardo lona, por estar com pnnc
po de toque de mofo, pelo barato preco de d
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da e%
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado* a lOO rs. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pe?as de
borda Jo, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 109 rs., ou em cartao com 50 pecaa, soro-
das, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becoo dos Ferreiros. ^^______
'vapor
e mocada
Vndese um bom vapor e moenda com poucp
us* 5 a vi no engonho Timb ass. muito perto
da eetaco ao mesmo uome ; a trfctor na rea da
Imperador n. 48, 1 andar._____________ _
3*
I
LOTERA
ALAGOAS
CORRE NO DA 17 DE AGOSTO
ISTRANSMIVEL! fflTBaituirJTEL! #
O portador qaepossuir vm
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar__...
10:0061000.
Os bilhetes acham-se a' vea-
da na Casa Feliz, praca d
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 17 de Agosto
1886, sem aka.
____________lUilWWlftfl
O portador de dous vigsimos deste
importante lotera do custo de 2$200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Prec,o em por^o
Vigsimo
vicsimo
A' RETLHO
Wooo
kR04 DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosara56
s*
7*001.
10*09*
12*001
12*00t
5*501
6*501
8*00t
3*0(X
1*601
l*OU
ut da Imperairla
Loja de Pcrra d* va
Neste estabeleeiraento vende-se as roupss abu
v mencionadas, que io ba- ,i.a.
Paritota pretoe.de :'. uiaguaaes e
acolchoadee, sen -o tazenaas muito en-
cornadas, e forrados
Ditos desemira pret, de catdo mmto,
bem feitos e forrados
Hitos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadera, e forrados
Calcas de gorgor ao preio, colchoado,
sendo fazenda muito encapada
Ditos de casemwa de aores, sendo muito
bem fritas
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angoja, de.muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo-muito bem'feitas a 1*200 e
Colletinhoo de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento delencos d<
linho e de algodao, meas cruas e col'arinboa. etc
Isto na loja aa,ru da Imperatriz n. 8i
Itiscados largos
a toe ra. o cavado
Na loja da ra da Impe^.triz n. 3'2, vealem at
riscadinhos proprios para roupas de meninos
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade
tendo quasi largura de chita francesa, e san-
como chitas braaeas miudiuhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja do Pereira da Silva.
Kaolr. ctineas e lilnhas a KO
rn. o covado
Na loja da roa da Impefatri n. 32, vende-*
um grande sortimento de fustdee brancos a 50
rs. o covado, lasinhas lavradaa de turta-cores
tienda bonita para vestidos a 500 rs. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas at
cor, a 500 rs. eovado. pechincha : na loj.
do Pereira da Silva.
Merino preso a 1*1
Vende-se merinos pretis de duas 1-rguras part
vestidos o covado, e sunenor setim preto para enfeite t
1*500, a^sim como chitas pretas, tauto lisas com
de lavoores braneos, de 240 a' 320 rs. ; na nov
laja de Pereira da Silva rea da Imperatriz ni>
mero 32.
?.laodoalsilu trance* para Icncoe
a OOOra.. la e loo
Na bja da rea da Imperatriz u. 32, vende-a
superiores algodauzinhos francezee com 8, 9 e 1<
palmos de largura, proprios para lencoes deua
s panno pelo barato preco de W0 rs. e ?*0
metro, e dito trancado pa a toalbas a 1*280, ai
sim como superior bramante da quatro largura,
para lencoes, a 1*500 o metro, burato ; na loa
da Pereira da Silva.
par? meninos
Aos i ofto:ooo$ooo
200:000$(WO
M):00flSO0t
LOTERA
DE 3 S08TBI0S
En fav r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Elrac?ao:i i 15 fie Dezemlira He 1888.
0 thesraiwr<>, Francisco Gongahfs Tofre
F4AS BARATAS
Ja bem conhecida loja daroa Printeiro de
Mar#o n. 20
JUNTO DO LOVRE
de
4^500, bt, 5*500, m*
de 4,9, 4*500, 5*. 5*6S0, Sf
A 44. t*50 e A
Na nova loja da ra da Imperatriz u. 32, *
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prioa para meninos, sendo de palitosinho e cale
11 ha cuita, feitos de brim pardo, a 4*000, dita
de moleequim u 4*500 e ditos de gorgorito preto
emitando casemira, a 6*, sao muito baratos ; n
loja do^Pereira ds Silva. ___^_
It
Vende Caodido Tfcago d Costa Mello em sen
dei osito 4 ra Imperial n. 822, olaria. Tetephone
numero 21.
PhariDacia
Vende-se ama armaclo
da Imperatri n. 1.
de amarello : na ra
Cabriolet
Vende-se um em perfeito estado e, jar ft^fi
rommodo; 4 trtr na rea Duque de Ca a l<
Vende-se a armaeao com balcio, potes, vasilba-
me e mais perteacas da Butica do Recite, sita 4
ra do Bum Jess, n. 26, por precos muito com-
modo. Para informacoes, dirijam-se Botica
francesa de Rouquyrol Prerea. ra do Bom Je-
ss n.______________________________
Vende-se
o engenho Lage Formo, j^t^o d estaco de
Cotonde, movido a agu e pode safrejar msi
de 2,000 pos de auoir, cam ca de vivenda,
destilaoao en*ais obras, todas novas e em ptimo
estado : u.traUu no airj-iptario 4 ro np Boa
Jess n. 12.
Grande sortimento de madapolSes
7*500 e 8*000
Algod3e8 brancos, superiores qualidades,
6*506.
Sape,riore8 cretones de 320 a 500 o covadu.
Btiste8, lindro paar3es, a 200 e 320 rs. o covado.
FustSes brancos de novos desenbos a 440 e 500 rj. o covado.
Cobertas de ganga, forrada*, de dous pannos a 3* 500.
Ditas de gaoga cretone,bonitos padroes, a 3*000.
Lengoe de bramaBte, de linho. de 2* a 4*000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 2*500.
Toalbas felpudas, de tamanho regular a 5*000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 2,-$000 urna.
Lencos de algodao de 1*800 a 2*200 a duzia.
D^os '"<* algodao, noro baxr.i, a 2*400 a duzia.
i i p..rdo, ckir-i, .' 300, 400 a 700 rs. o covado.
Di'o iraacado, 1 ...a, a 1*, I*i00 e 1*200 o meto.
(f"nm i<> vestid ilo cretona de 20* por 8*000.
(J.i r<: a apos de linho de 3*500 a 6* a duzia.
Graane var'cdade do anquinlAs d 2* a 5*000.
Meias cruas para homem a 5*( 6*, e 7*000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 5* a 10*000.
Casemira diagonal, preta o azul escuro, a 2*500 o covado.
Algodao-trancadc. de duas larguras a 1*300 a vara.
Bramante de Igodao, de qn^tro larguras, de 1*500, 1*800 e
Dito de linho idem dem de 2*, 2*500 3* e 4*000 a vara.
Leques de papel, d.e lindos desenbos, de 500, 800 e 1*000.
Merino preto e azul a 1*40< rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de liuho pardo a 4*. 5* e 6$000.
Oxford p.ra camisas, lindos padrSes, a 280 300e 340 rs, o covado.
Velbunaa de todas.as cores a 1*000 o covado.
Mlesquin de cores, bonitos padf3es, a 600 rs. o covado.
Chales de algodao a 1*200, 1**00, l* Costumes para oanhos de mar a 8* e ll)*02- ,_#/_ _-
Cortinado bordado para cama e janeHas a 8* 10*, l, 14 16*0W -|~
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadores de campo.
Eacarrogamo-nns tambem do ojanar fazer qualquer roupa para b"W
menina, para o que tero um hbil ufficial um grande sortnneato de pannosT-*,
cssemiraa, etc. .. r,______
Quem precisar da algum turto?, km e barato, devora visitar i- ,pi
esto antigo e acreditado estabeW-imento.
2000 a ata

IB BIUTO120



Diario de PcrnambucoHuarta-ieira 11 de Agosto de 1886
ASSBMBLEA GERAL


mnmi dos de potados
SESSAO EM 23 DEJLHO DE 1886
^SIDENCIA DO 8B. ANDRADE FIQEIBA
(Continuadlo)
ORAMENTO DA RABIKHA
Contina a 3* discusslo do projecto fi-
ando a despeza do ministerio da marinha
igre o exercicio de 18861887.
O Sr. Cesarlo *lvlm nao aeka
convenante qne a discussao dos orca-
entos comece pelos de menor despeza,
eixando-se para o fim os orcament.s de
importancia, como os da agricultura e de
fazenda.
Lamenta que o Ilustre presidente da c-
mara, que to austero foi pugnando pelas
economas dos servicos pblicos, veja hoje
M seus amigos no poder nao seguirera os
oonselhos que S. Exc. deu aos seus adver-
sarios politteos ; mas se S. Exc. n3o pode
boje oceupar a tribuna na sustentac3o
de suas opiniSes, tem o dever de particu-
larmente aconselhar o que o orador tem
certeza que S. Exc. externara na tri-
buna. .
Repara que o nobre ministro da marraba
dase que a opposicao s se occ para de
poltica; mas S. Exc. equivocou-se porque
oa Srs. Candido de Oliveira e Affonso
Celso Jnior discutiram as diffrentes ver-
bas do orcamento, mostrando as economas
rtes que se podiam fazer ; entretanto, o
nobre ministro apenas destacou o dispen-
dio com pennas, papel e tinta, dizendo
ne nSo sobrava tempo para tratar desse
exame; tambem hoje o nobre ministro da
gnerra achou que havia razao no reparo
sobre o corpo de estado-maior de l' classe
e accrescentou : apenas urna differenca
de seis ou oito contos de ris.
Quanto ao facto de haverem vasos de
gnerra imprestaveis, o nobre ministro nao
o negou, mas nada providencia a respeito
e esses navios continuara a causar grandes
dispendios ; neste caso, o orador aconselha
qne sejam desarmados ou vendidos.
NSo ve nenbuma emergencia futura que
obrigue o governo a nao tratar seriamente
de fazer grandes cortes as despezas ;
tanto mais que os nossos vizinhos se acham
as mesmas condicSos financeiras e teem
tanto interesse em manter a paz quanto
deve ter o Brazil.
Depois de outras consideracSes, termina
correspondendo ao comproroisso que tomou
de ser breve.
O Sr. Das Carne!ro faz diversas
observares, aprecindoos servicos do mi-
nisterio da marinha, tratando especialmen-
te dos fomecimentos s provincias onde ha
servicos e areenaes de marinha, e respon-
dendo a algumas observarles da opposic3o
em r (Nao damos mais desenvolvimento ao
discurso do nobre deputado porque nos foi
impos8vel ouvir S. Exc.)
Ninguem mais pedindo a palavra en-
cerrada a discuss3o nao se votando por
falta de numero.
Esgotada a segunda parte da ordem do
dia volta-se primeira.
OR9AMENTO DA GUERRA
Contina a discussao do projecfo fixan-
doa despeza do ministerio da guerra para
o Mtro Jc ioee 1887
O Sr. Das Carnelro pe o a pa-
lavra nicamente para tratar do quartel de
Casias, no morro do Alecrim, que araea-
9a ruina e que entretanto com pequeo sa-
crificio pode ser mantido. Julga esse quar-
tel digno de ser corservado, porq
rio da Marinha para o exercicio de 1886
1887, que fiera encerrada na sessao ante-
rior. E' approvado.
OR9AMENTO DA GUERRA
Contina a 3.* discussao do projecto fi-
xando a despeza do Ministerio da Guarra
para o exercicio de 18861887.
E' lida e reraettida commiseio de fa-
zenda, por conter augmento de despeza, a
seguate emenda :
No addivo relativo ao augmento de
etapa dos officias, qu-mdo servirem as
guarnieres do Para Amazonas, era vez
do perceberSo o dobro da etapa, diga-se
pereeberao mais 400 rs.Dr. Cntelo. ><
O Sr. Rodrigo Silva (pela ordem) re-
quer, e a cmara approva, o encerraroen-
to da discussao.
O Sr. Canto (pela ordem) deaeja sabor
se a emenda relativa a etapa do corpo do
Amazonas nao senuo approvada em 2.a dis-
cussao, pode ser apresentada em 3.a
O Sr. Presidente responde que em 3.a
discussSo licito augmentar despezas crea-
das o que n3o possivel crear despeza
nova.
Procedc-se votacSo do projecto, que
approvado.
O Sr. Coelho Rodrigues (pela ordem1
em 3.
ante
requer, e a cmara approva, dispensa do
intersticios para o projecto entr.ir,
disjussao na sessao segrate, indo
commissao de orcamento.
FOBCA DE MAB
Entra em discussao o projecto n. 23 A,
de 1886, fixando as forcas de trra para o
exercicio de 18871888.
E' lida e remettida commissao de fa-
zenda, por importar em uovos encargos, a
seguinte emenda :
t A promoc3o a capito 1. cirargiao do
corpo de sade de exercito se far raeta-
de por antiguidado e raetude por mereci-
mento, revogado nessa parte o art. 8. do
decreto n. 1,900 de 7 de Margo do 1857 e
mais disposigSes em contrario. Castrioto.
Cant3o.- Taunay.
O Sr. Carlos Castrioto nao se
conforma com a resoluc3o do Sr. presi-
dente porque nao v que a amenda traga
encargos para o tbesouro, apenas altera o
modo de fazer so a promocao ; at aqu
ue alm
de sua utilidade immediata ura edificio
histarico pois foi O ultimo reducto das tro
pas portugueza na nossa luta pela iude-
penlencia.
O Sr. Carlos Pelxoto ten o de
ver de oceupar a tribuna, como relator do
projecto em discussao. Sustrato, que n3n
s neste; mas em todos os projectos apre-
sentados o governo tem feito economas.
O discurso que ouvio o Sr. Cosario Al-
vina pronunciar taz crcr que b nobre
putado quer dar nova directo opp
na cmara e o orador faz votos para que
seja de preferencia adoptada a direcelo
dada por S. Exc, que assim ser ura
grande auxiliar da administrac3o publica.
Pas3ando a tratar do orgaraento da guer-
ra chama a attencao para as econiraias que
nelle se realisam na iroponaneia de mais
de 400:0000; que j n3o pequea eco-
noma.
Sustenta que as suppressoes das repar-
tieses propostas pelo Sr. Candido de Oli-
veira n3o se poden realizar sera prejuizo
do servico publico.
Ao concluir lembra ao nobre ministro
da guerra a conveniencia de reorganisar o
ensino da escola militar, porquanto os pro-
gresso da engenharia civil, que tm acon-
selhado a creagSo de cadeiras o a divis3o
dos cursos da Escola Polytcclmica, tambora
se dao a respeito da engenharia militar,
qne n3o pode ficar estacionaba, ncm em
condig3o inferior engeDharia civil, quan-
to facilidade de estudos que a esto se
proporcionara.
Lembra tamben: a conveniencia Je se
acabar com a interinidade em certas ca-
deiras da escola militar, porque sendo os
professores interinos norneados sem con-
curso, nico meio de se provar a >>ptid&o
dos candidatos para o magisterio, bem
da ver que esta pratica pode gerar abusos
que determinem o atrazo da nossa rooci-
dade.
Por ultimo pede ao nobre ministro da
gnerra que faca um estudo detido sobre o
ragulamento que reforma a escola militar
o modo attender-se ao progresso da en-
baria militar, facilitando aos alumnos
|uella escola a habilitacao conveniente,
este um bom servico prestado pelo no
hqp ministro para a elevaclo desta classe,
<0e tantos servidos tem prestado ao p iiz.
A discuss3o fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia 24:
SESSAO EM 24 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA OO SR. ANDBADE FIGUEIRA
Ao raeio-dia comecou a chamada o ter-
minando ao meio dia e doze minutos, abra-
se a sessao.
E' lida e approvada a acta da sessSo.ao
tebedente.
O Sr. i.' secretario di conta do expe
dmte:
ORDEM DO DIA
OBAMRSTO DA HABDTHA
Procede-se votag3o, em 3.a discussao,
de projecto fixando a despea do Ministe-
eram dous ter9os por merecimento, a com
missao altera em relacae aos mdicos mili-
tares para que seja mtade por antiqui-
dade e metade por merecimento.
E' lido e remettido comraiss3o de fa-
zenda, por se achar as mesmas condigSes'
o seguinte additivo :
a O cargo de coronel capell3o-mr do
corpo ecclesitico ser de livre escolha do
governo, que o poder oomear d'entre os
sacerdotes, quer pertencara ou n3o ao refe-
rido corpo, ficando assim revogado o art.
3- do Reg. n. 5,679 de 27 de Junho de
1874 na parte que exige antiguidade para
o accesso ao dito posto. --Castrioto. Can-
to.Taunay.
E' lido e sujeito a apoiamento o seguin-
te artigo substutivo :
< O premio, tanto para os voluntarios,
como par os engajados ser de 300$, di-
vididos, em presta3es raensaes correspon-
dentes ao tempo que tiverem de servir
as respectivas pracas, revogado o art. 2o
da lei n. 2,623 do 13 de Setembro de 1875,
cessando todo o adiantamento por conta do
dito premio.
Ao art. 3* Io e 3o accrescente-se -
desde j.
O Sr. Candido de Oliveira (pela ordem)
observa que a 3a parte desta emenda est
no mesmo caso, salvo se se disser sem aug-
mento de despeza.
O Sr. Castrioto (pela ordem) pronuncia-
se em sentido contrario.
O Sr. Presidente concorda que a 3a par
te deve ir commissao de ornamento.
Submettidas as outras partes, s3o apoia-
das e entrara conjunctamento em discus-
sSo.
E' lido, apoiado e entra em discussso
conjunctamente cora o projecto a seguinte
emenda :
Ao art. 3o lu Accrescente-se sem
augmento da despeza e tomando por base
osijao I o ultimo projecto organisado pela coogre-
gaf3o da escola da corte. Castrioto. Can-
to. Taunay.
O Sr. Affonso Celso Jnior
nio far um discurso sobre os negocios da
pasta da guerra, j porque lhe falta com-
petencia, j porque o seu Ilustre compro-
vinciano, leader da minora, tratou com tal
superioridad do as.umpto, que quasi nada
d'.ixou a respigar.
Externar ligeiras reflexSes suggeridas
pela leitura do relatorio da respectiva pas-
ta e do projecto que se debate, com o in-
tuito de pedir algumas informacSes ao seu
Ilustre amigo o ministro actual.
O nobre ex-ministro da guerra, que no
conceito ie seus correligionarios um no-
vo Caruot pelos seus talentos de grande
organisador militar e no de todo o paiz um
administrador intelligente, desejoso de acer-
tar e traballiador, pedio no seu relatorio
que d3o s o transumpto da opiniSo in-
dividual do ministro qne o subscreve, mas
o pensaiuento do gabiaeta de que faz par
te so6re as especialidedes dos servijos de
que trata, o ex-ministro pedio muitas e im-
portantes autoiisacS'S.
Entre ellas enumera as seguintes:
Reorganisac3o de todo o exercito ero ge-
ral, para o fira de dtalo com algum dos
melhoramentos que a sciencia moderna
tem applicado aos usos da guerra, e, ira
particular, dos aeguiotes corpos ou institui-
cSes :
1. Escola militar da corte, de accordo
com o plano apresentado asserobla ge-
ral legislativa era 1882, o que S. Exc. re-
puta urgcD'e para elvar o nivel ntelle:-
tual o moral do exercito que o orador acre-
dita nSo estarera to baixo como das pal*
vras de S. Exc. se conclue":
:i0 Corpo de alumnos, sera embargo de
ter sido organisado por decreto de 14 de
Julho de 188z e modificado, por dous an-
no8 depois p'lo de 30 de Julho de 1884 ;
3 o A engenharia militar era ordem a ti-
rar-se mais til partido quer da despeza
quo com rila se. quer do pessoal srientifico
que a corapS?, o que desconsolador para
o contribuate, visto ser assim informado
de que ess?, despeza tem sido < m parte
perdida o quo pessoal to habilitado nao
tem que fazer, em um paiz onde ha tanta
cousa para crear e melhorar.
'{.' As colonias militares, algumas existen-
tes em lugares inconvenientes e outras mal
dirigidas, da modo que n3o tem proluzido
resultados compensadores dos sacrificios
fcitos, o que aggravar o desgosto dos que
pagara para os gastos pblicos.
5. Creac3> de um corpo de trai.-.
e tiro de equipsgens ;
6. Esttbelecimento de eoudelsriaa
litares no Rio Grande do Sul, segundo o
plano proposto por S. A. o Sr. conde
d'Eu.
S. Exr reclama tamb?m e com viva in-
sistencia a concessSo de maioies ou novas
verbas para:
7. Aoqu8c3o do batera de artilharia
de sitio do montanhase raetralhadoras aper-
feigoadas.
8. Compra do material telegraphioo pa-
ra linhas de carapaaha, do appurelhosapro-
priados para ambulancias, transporte de
doentes, feridos, victualhas, munigSes, etc.,
e de um trem completo de pontes.
9. Coostrucgao do novo arsenal de guer-
ra no Campo Grande, afira de que n3o se
perca inteiramente o que all j est ca-
hindo era ruinas e custou elevadas som-
mas.
10. Edificac3o de um hospital militar ou
das barracas lembradaa pelo chefe do corpo
de saude, segundo o modelo adoptado em
Bsrlim.
11. Obras nos quarteis do 1* e 10 ba-
talhSes de infantaria e na escola militar.
12. Desapropriajao de proprios particu-
lares, construidos em terrenos do estado,
annexos mesraa escola.
13. E, finalmente, para n3o ir mais lon-
ge, para ser distribuida ao exercit) o far
(lamento era atrazo, fazendo-o d'ora eoi
diante em tempo dcvdo e coaservando-se
sernpre alguma reserva para caso de ne-
eeaaidaae.
Tudo 3to importante, necessario e ur-
gente, na opiniao, rouito com ptente, do
ex-ministro na guerra.
Entretanto, consultndose, quer as duas
leis do forjas, quer o orjamento da guerra,
verifica-se que grande parte destas medi-
das, sei)3o quasi todas, foram preteridas
ou dispensadas.
Como entender ou a quo attribuir to no-
taveis omissSes ?...
J nao pensa o ministerio como pensava
do tempo do Sr. Junquoira, visto como as
exigencias do relatorio figurara tambera,
posto que na phrase genrica o concisa do
estylo, na falla do throno, paraphraseada
na resposta da cmara ? A competencia
desse estadista at ha pouco to gabada
hoje desconhecida e menosprezada ? Julga-
80 agora que S. Exc. n*o tiuha planos
acertados ou exequiveis acerca dos servi
coa que lhe foram confiados ? Sa esta nao
a explicacSo da nenhuma c->nsderacao
com que tratado correligionario to dis-
tincto e cuja dedicacfco foi levada ao extre-
mo do sacrificio da propria saude, s urna
segunda s offerece, e que convin tirar a
limpo.
Estara S. Exc. quando se pronunciou
pela maneira apontada era desaccordo cora
os seus collegas ?
Seria esse desaccordo e n3o os inculca-
dos 8ofiPrimentos physicos a causa da sua
retirada ? E' preciso que o governo diga o
que ha a tal respeito. NSe se apegue
evasiva de necessidade de reduzir o orca-
raento porque cssa necessidade n3o se faz
sentir raais no ministerio da guerra do
queno do imperio e S. Exc. o Sr. Ba-
rita de Ala mor n3o se limita em servi
as ordinarios e irapre3cindiveis ; quer
crdito para grandes obras e o Sr. ministro
da justica, reclamou at para albergar no
asylo de mendigos inaior numero de voltios
escravos que os senhores libertam para nao
sustntalos, depois de torera vivido do sou
trabalbo.
No intuito de facilitar a realisagao das
promessas que a lei faz s pracas volunta-
rias do exercito de um prazo de trras as
colonias do estado, quando forera escusas
do servico, autorisou o ex-ministro da guer-
ra esnforme se le* A pagina 4 do seu rela-
torio, por aviso circular de 24 de Julho,
aos presidentes de provincias para fazer tal
concess3o.
Mas, como pdenlo os presidentes de
provincias fazer taes concessSes se esses
lotes nao esto medidos aera demarcados ?
Com que meios o pessoal ba de, Sr. presi-
dente, executar esse servico ? J quo a en-
genharia militar n3o tem que fazer, porque
u3o a incumbi o governo de semelhanto
trabslho ? A providencia do aviso, pois,
n3o foi cousa seria, gervindo apenas para
apparentar urna solicitudo e um interesse
que efectivamente nao sent o governo
pelos voluntarios do exercito.
Executado em todas as parochas do mu-
:pio da corte, o alistamento militar as
provincias foi ainda deficiente, diz o rela-
torio, e n3o diz a verdade, porque, sulvo
urna ou outra parochi, elle n3o se fez em
parte alguma.
Que providencia tomou o giverno para
sanar esca irregularidade o f;.ar executar
a lei ? Nenhuma. Nio o assignala o ora-
dor como censura, sen3o para mostrar qu3o
insinceras eram as que os actuaes domina-
dores dirigiam aos liberaes por nao reali-
zaren! o alistamento militar ora todo o im-
perio. N5o c entlmsiasta desta lei que su-
bleva contra si as esposas e as mais ; par-
que emquanto subsistir n3o podem nem de-
vora desrespeiul-a os que promovern sua
^Hb e fazer despezas. Parece, por n,
H>em urna seta outra cous precisa.
Tal como se acha organisado o corpo e com
a actual despeza, os seus officiaes podem
prestar grandes servicos aos ministerios da
agricultura, marinha e imperio e agora tam
bem ao de estraogeiros, atienta a questo
de limites. O que necessario alterarse
a dispo8c.1o da lei, em virtuda da qual n3o
se conta para a promoc3o doofficial o tem-
po consumido em coraraisaSos de outros mi-
nisterios, o que clamorosamente injusto,
pois todo o servigo publico interessa o Es-
tado.
Niaguera mais pedindo a palavra en-
cerrada a discussSo.
Posto a votos o rjquerimeato approva-
do o rojeitada a emenda.
DISCCSSlO DE REQERIMESTOS ADIADOS
Entra era dscu*s3o o requariraento do
Sr. Alves de Aranjo, relativamente a um
crime pratioa lo pjr u n pretndante ao lu-
gar de tabelli3o.
N3o se adiando presente e Sr. Escrag-
nolle Taunay, que tinha pedido a paUTO*
0 Sr. presi lente d a palavra Ja S#. impu-
tado requerente.
O Sr. Alves de Araujo Jiz mstro pan o
antecessor,
Chama o orador a attonc3o do nobra mi- Maio deste anno apresentou o requerimea-
to em discussao, no qual pedia ao governo
informacSes relativamente a um crime pra-
tica lo por um candidato ao lugar de tabel-
li?.o em urna das cidades da provincia do
Paran.
Esse requer nento foi embaracado na
sua passag'n pelo Sr. Taunay, e as infor-
majSjs vieram Ora, t<-no j nomeado o
candidato a quera se refere, nio resta ao
orador outro recursj sen3o fazer o histori
do facto, afim do mostrar cmara o
que diz o relatorio do seu
, a pag. 33, sobra o inconve-
niente do art. 95 do regulamento de1 25
de Noverabro de 1884, relativo a fornoci-
raentos per raeio da contratos semestres.
E' a prova do quanto se esbanja eutra nos
e do que sa carecemos de reformas, n3o
menos precisamos de adrainistraccSo in-
telligente o zelosa.
Mas, singular que conhecendo e apon-
tando a mal, u3o trate o ministro da reme
dial-o; revogando o meuciona lo art. 95 e
substituindo o systerna adoptado para com-
pras.
E' imperdoavel que se continu a ad-
quirir grande copia da objectos, fazendo-
sa consideravel despeza, para qua se es-
traguen! us arm-izens do alraoxarifado,
sem que della se possa tirar a menor uti-
lidade.
Isto at vergonhoso.
A' png. 37 faz-se urna deseripco po3tica
di activiiade que reina no arsenal da cor-
te, tecendo-se sua direcilo os maiores
elogios, blis muito merecidos. O mesrao,
porm, n3o se diz acerca dos outros, donde
se coaclu; qua rain.vn miles nio a a:t-
vidada e a diligancia, mas a Vadiacjt') o a
preguica. NJo ha ver ahi alguma rcfornn
a fazer-se no sentido de econoraisar os di
nheiros pblicos ? Pois com ura cxerit>
de 13,000 horaens careaemos de seis ar-
senaes, na corte, B-hia, Pernarabuco, Pa-
ra, Rio Grande do Sul e Matto Grosso ?
N3o podem alguas delles pelo menos ser
substitu lo por meros dsp3ditos de artigos
bellicos, rjcorrend) se a industria particu-
lar para a obtens3o dos poucos artefactos
que preparara ? Hoje, com a facilidade
de eoramunicacSes qus j existe 00 paiz,
nao ha aecessidade.de grandes accuraulagSas
de material do guerra em varias provincias,
material que, se se estraga aqui na corte
sob as immediatas vistas do governo mui-
to mais se deteriora aellas. Convera que
o governo atienda para isso.
A' pag 54 e 55 trata o relatorio das
coudelarias militares que infelizmente con-
tinuara ainda apezar de n3o pequeas des-
pezas, simples aspirac3o, nao tendo sido
bem succedidas providencias empregadas
para estabele :el-as entra nos.
O nobre ex-ministro lembra a necessida-
de de crea re m se tres, urna em Minas, ou-
tra em S. Paulo e urna tereeira em qual-
quer provincia do norte. Ser sera duvila
de grando vantagara quando o estado do
thesouro perraittil-o ; raas antes disto nao
havaria alguma cousa tentar para desenvol-
ver a criacao de cavallos entra as ? Par* a
ORDEM DO DIA
VOTA9X0 DE REQUERIMENTOS
Procede so a votay3o de requerimantos
pedindo informacSes, cuja discuss3o ficou
encerrada na aessa > anterior. Cinco sao
retirados pelos seus autores, quatro sao
approvados o um rejeitado.
co
procediraeoto irreflastido do governo, qua
nomeou o caudidato acousrdo sem colher
priineiramente do presidenta da provincia
Paran as competantes informacSes.
Prosegue nesta demoostrac3o, e como
o requerimento n3o fem mais raz3o da ser,
pade licenga a cmara p*ra retiral-o.
Verificando sa 'n3o haver namero para
votar a licenga padida, coatini a dis-
cussao.
O Sr- Eufrasio Crrela explica
as circuinsttncias de que ae rovestio o faj-
to a que alludio o nobre deputido, e jus-
tifica o procodimento do eato presidente
da provincia do 'aran, assim como o acto
do governo noraoando o fanocionario aecu-
sado.
O Sr. Alves de Araujo volta
tribuna para dizer que, a vista da exposi-
c3o que desta questo acabou de fazer o
nobre deputado, justificado est o nobra
ministro da justic nomeando o cidadSo
aucusado, dovendo recalar toda a culpa
dessa nomoacao no presidente da provin-
cia, que n3o ministrou ao governo, cemo
lhe eumpria, ffs devidos e3clarecimentos.
Ninguem mais pedindo a palavra en-
cerrada a discussao e resarvada a votagao
para a sess3o seguinte :
Entra em discussao o requerimento
aprasentado pelo Sr. Candido da Oliveira
na sos3o de 14 de Maio.
Ninguem pedindo a palavra encerrada
a discussao e adiada a votacao.
Entra era discussao o requerimento
apresentado pelo Sr. Alves de 4raujo.
Nao se achando presente o Sr. Escrag-
nolle Taunay, quo havia paulo a palavra
o Sr. Presidente d a palavra ao Sr. De-
putado requerente :
O Sr. Alves de Araujo diz que
este requerimento tambem n3o tem mais
razio de ser, pois, pareoe-lhe que o gover-
no j deve ter dado as providencias que
o orador tinha em vi3ta, quando o forrau-
Loa.
Ninguem mais pedindo a palavra, en
cerrada a discussao e adala a vota3o.
Entra em discussao o requerimento de
ORNAMENTO DA GUERHA
Entra em 3* diacussao o projecto fixan-
do a despeza do ministerio da guarra pra
o exercicio de 18861887.
OSr. Candido de llvelra es-
tranha que a commiss3o, rodigindo o or-
caraeato da gnerra conforme o vencido,
nao se dsse ao fabalho raa das verbas, a que obrigon o orador a
esta fastidiosa tarefa.
Feita sonuna, verifieou que a despeza
do ministerio da guerra para 18S6 -1887
de 14 811:584)$, a que a proposta do
governo liberal de 14,702:0803504, o
que quer dizer que a cmara conservado-
ra, sob a iufluenoia de seu pomposo pro-
gramma de economas, votou uraa propos-
ta que augmenta a primitiva em cento e
tantos contos ; mas como foi nella incuido
o crdito para pagamento de fardamentos
atrazados, qua importa em 300 e tantos
contos, segu so que a reducc3o efFectna-
da apenas do 100:000;?000.
Nota quo o orcamento foi.insuftiidente-
mente dotado o:n certas verbas. Por ex-
emplo : do raappa geral da forja do exer
cito, organisado pela ruparticao da njudan-
te-ganeral, v se que sanio o effeetivo
completo 13,500 horaens, actualmente o
exercit) tem nada menos de 13,820 pra-
reraonta da cavallaria do exercito recorro-1 jose Hanriques apresntado ua sessao de
sa por vezes aos p uzes do Prata, o que j >Q de Maio.
pS8agera e da sua nexecuc3o faziam ou-
tr'ora thema obrigado de sua arguicio. E
de incoherencias taes que provm o des-
prestigio dos partidos porantc a opinto
nacional.
Como j notou, o ex-ministro da guerra
concordou com os seus antecessores na ne
ces8dado de dar se novo regulamento es-
cola militar da corte, para elevar o -nivel
moral e intelectual do exercito, ne2essida-
de que fi -ara satisfeita com a adopc3o do
plano apresentado assembla geral om
L882.
Entretanto, sera aguardar essa reforma,
para a qual indispensavel, segundo o pro-
prio* ministro confessa urna raelhor distri-
buic3o das dou'rinas que se professara no
estabeleciraento, roandou S. Exc. por em
concurso, por aviso de 26 de Marco ulti-
mo, diversos lugares do magisterio que se
acbavam vagos desde longos annos.
' manifest o desacert do acto. Se a
escola tem de ser reformada, alterando-se
a organ8ac3o das suas cadeiras, cumpra
deixar vagos esses lugares cujo preenchi-
meato pode ser urna difficuldade para a re-
forma. A cirenmstancia do estarem vagos
ha lougos annos, prova que assim poderiam
continuar per mais alguna.
Na pagina 30 encarece o relatorio o apro-
veitamento dos servicos da engenharia mi-
litar na Europa e nos Estados Unidos.
Parar tirirmos iguaes jantagens pede o co-
bro ministro autorisner para reformar o
est indicando um dos graves pengos'
contra os quaes devemos precaver-nos em
ama lucta contra os nosstfs viziahos. Co -
sta ao orador que para o proprio corpo
municipal da corte vera dalli grande nu-
mero de animaes.
Entretanto sabido que em alguus poa
tos de Minas e S. Paulo ha est .bele.'i-
raentos do criac3o de alguma importancia,
nos quaes seria fcil adquirir excellentes
animaes e talvez mais baratos do qua nos
vem do estrangeiro.
Era occa83o propria poderia o governo
commissionar alguas officiaes entendidos
que se dirigissem k fazenda da criajao e
ahi os escolhessera. Esse pequeo auxilio
a urna industria nascente entre nos, ne-
nhuoi sacrificio custaria ao estado e, ao
contrario, deixaria no paiz urna parte das
sorainas qua despendemos fra e em pouco
tempo contribuira para o desenvolvimento
da mesma industria.
Chama para isto a attanc3odo Sr. minis-
tro apezar da estar convencido de quanto
esteja animado da melhor vontada, j qua-
si nada poder S. Exc. fazer, visto como,
e ao que indicara as oscrll .c5s do barme-
tro parlamentar, no quadrante do S. Chris-
tov3o os das do gabiaote 63t3o contados.
O Sr. Castrioto diz qua tendo a
mesa remettido commissao de fazenda ;
para esta dar parecer, alguma emealas
aprosentadas hoje pela commissao de ma-
rinha e guerra, e sendo iadispeosavel qua
essas emendas sejam sujeitas ao debate,
que nio poder correr sera que seja pre-
sente cmara o respectivo p irecer, por
esta razao pode o adiamento da discussao
para o que vai mandar um raquerimento
mesa.
Vem mesa, lido, apoiada 9 entra era
discussao o seguinte requerimento da ade-
mento.
Requeiro o adiamento da discuss3o do
projecto de forcas de trra at que a com-
raissS) de fazeoda d parecer sobre as
emendas apreseutadas pe commissao da
marinha e guerra.Cistrioto.
OSr. Candido de Oliveira v no
rerieerimento do nobre relator da coramis-
s3(f' um protexto para S. Exc. passar-se
para a opposic3o, porq-ianto o nobre depu-
tado nSo marcando prazo para a corarais
s3o dar parerer sobre as emendas, essa pa-
recer pode ser demorado por espaco de
30 dias, e assim n3o ser to cedo discu-
tida a proposta do governo.
Por isso o orador querendo ir em auxi-
lio do governo, que pan.ee estar fazendo o
seu. testamento, vai apresentar urna emen-
da ao requerimento de adiamento, com
prazo marcado.
Vera mesa, lida, apoiadr e entra em
discussao conjuntamenta com o requeri-
mento a seguiute emenda :
At a Ia sessao. -Candido do Olivei-
ra. >
O Sr. Canto diz que a emenda con-
traria o fim que teve em vista o relator da
commissao do marinha e guerra com o seu
requerimento porquanto pela emenda con-
tinuar a discussao se at prxima ses-
sao nSo for apresantido o parecer, em-
quanto que o requerimento de adiamento
susto a discussSo at que seja apresentado
o parecer.
Portanto voto com a emenda e a favor
do requerimento'
OSr. Candido de Oliveira diz
qua achando-sa concluida a verificacio de
poderes nao ha mais necessidade das infor-
macSes pedidas no roquerimento em dis-
cussao. Assim, nada dir sobre elle.
Ningaem mais pedindo a palavra en-
cerrada a discussao e adiada a votacio.
Entra em discussao o requerimento
apresentado pel> Sr. Candido de Oliveira
na sessao de 22 de Maio.
O Sr. Eufrasio Crrela dispensa-
se da discutir esse requerimento pela mes-
raa raz3o allegada ha pouco pelo nobre de-
putado Sr. Candido de Oliveira.
O Sr. Candido de Oliveira. apro-
veita-so da discussao deste requerimento
para mais urna vez cha uar a attenc3o da
cmara e do governo para h situayao ex-
cepcional em que se acham algumas co-
marcas do Imperio com ralasSo ao electo-
rado.
Faz algumas consiieracSe3 relativamen-
te ao alistamento das parochas de Parana-
gu e Corrantes, no fiauhy, alistamento
que a cmara decidi ashar-se simulado, e
pensa que pelo remedio projectado de urna
ravis3o do cleitorado do mez da Setembro
prximo nada se conseguir no sentido ae
acabar com o estado de sitio em que se
collocou uraa parte do territorio brazileiro,
onda est3o suspensas as garantas consti-
tuciooaes.
Ninguem mais pedindo a palavra en
cerrada a dscuss3o e adiada a votac3o.
Entra em discuss3o o requerimento do
Sr. Beltrilo apresentado na sessao de 4 de
Junho.
Nioguem pedindo a palavra encerrada
.1 discussao e adiada a votacio.
Entra em discuss3o o requerimento
apresentado palo Sr. Carlos Paixoto na
sessao de 4 de Junho.
O Sr. Carlos Pelxoio pele a reti-
raaa desta requerimento, porque as provi-
dencias que o mesrao visava j foram to-
madas.
Ningaem mais pedalo a palavra, en
cerrada a discussSo e adiada a votacjlo.
Entram saccessivamenta em discussao
qua encerrada por falta de oradores, sen-
do a votiQSo adiada, requerimentos dos
Srs. Coelho Rodrigues, Cruz e Affonso
Celso Jnior.
Entra era discuss3o segundo requerimen-
to do Sr. Affocso Celso Jnior, sobre o
qual pedio a palavra o Sr. Candido de
Oliveira.
Vo a imprimir os pareceres da commis-
sao de fazeada, julgamio qua devam ser
adoptados os additivos apresentados pela
5s.
Ora, estas 320 pracas da augraeuto tm
direito a sol lo c etapa, e tambem a grati-
ficajSas porque todas ellas s3o voluntarios.
Se assim t n ellas de sobr-'canvgar a
verba destinada ao pagamento de etapas
e sold das pracas de pret. Daqui v-se
claramente que j ha um dficit neste or-
namento.
N3o comprehende como o nobre minis-
tro da guerra possa realisar o decantado
equilibrio do seu orgaraento quando o ini-
cia com ura dficit, eainda mais'quando dei-
xar de augmentar certas verbas para co-
brir o excesso verificado cora relac3o a
ellas, como sa d com as verbas hospitacs
e enfermarasecorpos especiaes.
Desta maneira pareca-lhe que o goverao
n3o conseguir o equilibrio da receita com
a despeza. Fez e;oaomias insignificantes
n'uraas verbas e em outras n3o realisou re-
duceSes importantes.
Diz-se que houve economa da 40:000
na verba obras militares. Esta raduc$3o o
qua revela e que o pLno do governo fa-
zer oconomias no material o n3o no pes-
soal, que alias poderia c .acorrer para a
verdadeira economa.
Assim, continuam de p as sinecuras,
raantendo-se um pessoal superfluo.
A manuteng3o dos dous arsenaes da in-
teodeucia da guerra, do exagerado syste-
rna de fomecimentos, de que tem resulta-
do muitas vezes a acquisic3o do material
mo por alto preco, quando uraa boa fis-
ealisacto poderia regular melhor <-ste ser-
vico ; tudo isto sa lhe augurara desperdi-
cios que convin evitar.
O Sr Coelho de Rezende cha
raa a attenc3o do Sr. ministro da guerra
para os excessos que est coramettenlo
commissao de mariaba o guerra, aceres-
ceuta-sa ao art. 3- 3- a clausula-
augmento de despeza.
A discussao fioa adiada pala hora.
O Sr. Presidentb d para ordem
dia 28 :
do
SESSAO EM 26 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SR. ANDBADE FIGUEIRA
Ao meio di* frita a chamada qua ter-
minou ao meio-dia e dez minutos. Abre-se
a sessao.
' lida e approvada a acta da sessao an-
tecedente.
O S. 1 Secretario d conta do expe-
I diente.
peL imprensa, contra um representante da
naoSo, o tenenta-coroael Cucha Mattos,
inspector (da forca do Piauhy,
Esse militar insultou pela imprensa a*
orador, em linguagem grosseira e desco-
medida. Julga que a constituic3o deu ao
deputado as necessaras imraunidades que
o tornam irrespensavel para exercer o seu
direito de critica sobre os negocios pbli-
cos, e se o deputado pode ficar suveito aos
botes da calumnia e da injuria, por ter cen-
surado os actos de um funceionario publi-
co, por estar convicto de que elle havia
prevaricado, ento a3o poder exercer
esse direito.
Assim, quer saber se o nobre ministro
da guerra tem meios de fazer conter a*
seu subalterno, afim de que o representan-
te da naci fique cercado do indispensa-
vel prestigio.
O Sr. Loureneo de Albuqucr
qilC pensa que o nobre deputado equivo-
cou-se quando affirraou que o orcamenta
das despezas do ministerio da guerra para
1886 -1887 apreacntava apenas uraa dif-
ferenca de 100:00041 pouco mais ou me-
aos, porquanto a proposta da commissao
reduz 303:000 i nessa despeza, conforme o
orador mostra indicando as verbas ara qaa
houve dirninuicao e aquellas, mas poucas,
que foram augmentadas. Portento, foi esta
a economa realisada pela commissao, ten-
do em vista a proposto do governo actual,
e n3o a do governo anterior.
Reconbece que o governo poderia ter
realisado, sequizesse, maior economa ; po-
rrr, reconhece tambem as grandes diffi-
euldades que na pratica encontrara os go-
vernos por melhor que seja a sua vontade,
para decretarem a dirninuicao da despeza :
parece-lhe que urna resistencia tenaz por
parte da cmara n3o dara forca admi-
nstracao.
J teve occasi3o de dizer que seria urna
grande fortuna para o paiz se as pouca
economas realisadas nos di/ersos orca-
mentos conseguisse o governo conter-se
dentro dos limites da lei do orgamento. O
governo conservador daria ura bom exem-
plo se mais tarde n3o so visse obrigado a
v!r pedir crditos supplemcntares, ou ou-
tros quaesquer, para occorrer despeza
que tiver feito alm das verbas votadas.
' A's vezes, certo appareoera saldos nos
orcaracnt08, mas o orador consul.ra que
esses saldos s3o simplesmcnte para Iludir
o contribuinte ; e a prova que quando
se liquida o orcamento do exercicio, era
vez de saldos semprc apparecem deficitt.
Mais tarde ver-se-ba se sincero ou u3o
o destjo do governo quando pugna pela
verdade orcamentaria.
Lembra que a raaioria conservadora
quando em opposicao opinava pela sup-
pressSo dos dous arsenaes da Babia e Per-
nambuco; mas hoje nao propoa essa me-
dida, porque sem duvida reconhece nao
terem razRo os liberaes propondo-a agora,
e enteude ao contrario que devam ser con-
servados.
ifiontink).
Tvp. do Diar ra Duqne da Caxias n. 42,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZDW1D2AI_W7UVMY INGEST_TIME 2014-05-28T17:37:29Z PACKAGE AA00011611_19856
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES