Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19852


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AMO Lili IOMBRO 178
PAIiA A CAJPHPAJL B LUCARiN ONDE SAO SE PACA PORTE
. 65000
' '*'".... 120000
...... 24^000
Por tres mezas adiantadoi
Por seis ditos dem. .
Por um auno idem.....
Cada numero avulso, do mesmo da
0100
SEXTA-FEIRA 6 DE AGOSTO DE 1
^
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por 88B meses adiantadoa.....
Por nove ditos idem.......
Por um anno dem.......
Cada numero avulso, de das anteriores.
130500
200000
270006
01UO
DIARIO DE
NAMBUGQ
|)r0prieitai>* t JSlanoel Jigitctta i>e Jara & -ftlljo*
i 9
TELEGRMMAS

'"as::c:u- so sumo
s- I
<

RIO DE JANEIRO, 5 de Agosto, as 3
horas e 45 minutos da tarde. (Recebido
s 4 horas e 50 minutos, pelo cabo subma-
rino).
Hoje. na Cmara do* "'epatados, o
Dr. lenlo Ceciliano aprenentoneJua-
tlflcou ama emenda, ao orcamento
don Ministerio da Fazenda. conce-
ilon:!> um auxilio ao Becolbimento
de Bom Connelno. em Pernambuco.
ssaTiss da a&sscia 2L1l:
(Especial para o Diario)
PARS, 4 da Agosto.
As eleic*es para renowaco da me-
tade do conselbos gerae acabam
de tcr lagar, e poaco modificaran! a
composlro anterior desscs conse-
lbos
MADRID, 4 de Agosto.
Fot nomeado ministro da fazenda
D. Pniguerve (t)
MADRID, 4 de Agosto, tarde.
O general Salamanca dea saa de-
misso de director do Ministerio da
uerra.
WASHINGTON, 4 de Agosto.
Fallecen a ex-p<*esidente Tilden.
CONSTANTINOPLA, 4 de Agosto,
tarde.
Den-se urna tentativa de assassi-
nato contra o gro-vizlr Klamll-pa-
cha.
O assasslno dlsparon res Uros de
pistola, sendo nm a onelma-ronpa,
contra a victima, que nao foi attln-
fido.
O criminoso fol preso.
Agencia Ha vas filial em Pernambuco,
5 de Agosto de 1886.
IHSTRCCiO POPULAR
ou nao sabiam nadar ou, sabendo o, foram victi-
mas da tnorte por asphyxia porque, por urna cunea
qualquer, nao poderam fluctuar. Os colletes insub-
mersives teriam, distribuidos a tempo, salvo
200 victimas !
Medonho sinistro foi tambera o que na barra do
Douro succedau em Marco de 1S52,8nistro_que
semeou a consternaco e o Iucto por toda a cidade
do Porto.
Como a S. JoSo Principe, o vapor Porto enea-
Ihra n'uns roehedos prozimos da trra, tao pr-
ximos que da praia se ouviam as vozes e cnhe-
ciam as feicoes dos desgrasados nufragos ; o mar
bateado com forca, nao permittia que barcos nem
nadadores chegassem a bordo, porque eram logo
rolados na praia. Por tres vezes um nadador
corajoso tentou levar um cabo ao vapor, e tres
vezes ioi repellido pelas ondas que o arrejaram
praia ; de bordo apenas escapara m dous ou tres
tripolantes. E todava... vejam os leitores como
os factos sao eloquentes ; todos, ou a maioria dos
passageiros, se se tivessem deitado agua muni-
dos de bous apparelbos insubmersiveia, haveriam
chegado praia, perqu o mir arremessava para
a trra as catraias e os nadadores que pretendan*
soccorrer o navio! Muitos eheganam sem duvi-
da estropiados por haverem batido as pedras da
costa, alguna haveriam mesmo suecumbido ; mas
nao teriam morrido todos os tripulantes e pissa-
geiros (o que aconteceu, salvo dous ou tres, como
dissemos). E, pura cumulo'! de horror, de trra
viam os prenles e amigos pedir soccorro quel-
Ies tristes desgranados, aquem soccorro aliruin so
poda prestar !
Estes dous factos que apresentamos mostram
que em certos casos nao basta saber nadar : tor-
na-se ainda preciso que urna pancada, produzindo
a perda dos sentidos, nos nao faca submergir ;
isto um apparelho de salvacao torna se til ao
nadador e indispensavel a quera o nao seja.
Ao livro de La Landelle iremos buscar um
exemplo que comprova nao s o que deixamos
dito, mas ainda mostra a que ezcessos pode ebegar
o espirito de mercantilismo de que a soberba Albion
nos d a miudo exemplo > frisantes. A 31 de
Agosto de 1833 dava costa no porto de Bolonha
a barca Amphitrite, perecendo neste sinistro treze
homens, cento e oito mulhcres, e djze enancas.
E' porm curioso estudar as condicoes especaes.
em que este naufragio se effectuou, e ver a influen-
cia que um cubica feroz teve nesto desastre. A
Amphitrite era um transporte encarregado decon-
duzir degradados para a Australia, e o capito figu-
rava nos registros commerciaes coma interessado
por um quarto do valor do armamento do navio ;
por outro lado o contrato do transporte impunha
ao capitao ou agencia urna multa de 50 libras es-
terlinas por cada condemnado qae se evadase du-
rante a viagem ; junte-se a isto que o inquerito, a
que se procedeu em Inglaterra, depois do naufra-
gio, most.-ou que a Amphitrite era um navio ve
Iho e encapas de emprehender urna to longa
viagem.
Querem ver o que o espirito mercantil ? as
companhias de seguros nao tiveram duvida em se-
gurar o navio, nem o almirantado em confiara um
navio velho urna carga humana tao importante nu-
mricamente ; e por ultimo o capitao, pira nao
perder 50 libras por cada passageiro, nao permit-
tio que um nico se salvasse !
Daremos porm a palavra a La Landelle, que
melhor do que nos relatar este triste acontec
ment : traduzimos pura e simplesmente.
A Amphilrie tinha largado de Woolwich aob
o commando do capitao Huner um dos sen co-
proprietarios), mirinheiro mediocre, official obs-
tinado, pouco apto para desempenhar a sua mis to
e que por ultimo se mostrou cruel na hora suprema
em que o seu dever era dar provas de humanidade.
Este homem fui o principal causador do desastre.
(Continua)
?ARTE OFFICIA,
Governo da provincia
EXPEDIENTE DO DtA 28 DE JULHO DE 1886
, NATAQAO
(Extrahido)
OA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
V4UFABGIOS E AliVAMEXTOS
[ContinuaQ&Oj
. Quem esta em baixo nao pode subir ao convez,
a fragata cahira sot.ie o prtalo de bombordo, en-
-rando-le a agua at a bracola da es:otilba gran-
de ; tudo era dcsurdein. ludo alarido : uinguem
atinava com o que fazia ; tudo era escundo.
aena e veuw. As vagas encapellavam per cima
do costado, e iam levando quanto estava na tolda :
antenas, m-sUreuoa e gente, a qual aseudo esma-
gada peto pedaeos de escaleres desfeitos, pelos
madeiros que se destacavam, mastros e vergas que
ae partaai, ejogavain uns contra os outro, segu-
ros por aluus cabos Este horror mais se aug-
mentou, se isto foi possivel, com a sepaMco da
fragata cin duas metades, ficando o castello e oai-
leus muito afastados da tolda.
O commandante fallava ninguem o attendia;
e cada qual procurava salvar-se, mas perecendo
no meis das vagas ; outros, agarraudo-se a al-
gn'ma carreta de estibordo, esperavam que aman-
hecesse, mas l vinha a onda qus a desatracava,
esmagando com ella os miseraveis que a tinham
procurado para abrigo; tudo era destroco e mor-
te quem cahiu ou se deiton ao mar foi por este
en'gulido ou arrojado praia, e envolto na areia
pela resaca, que toda a espuma acabava de sufo-
car quem tinba all chegado com vida !
Por mlagre o soldado Galro da brigada to-
mn p. seguro a um remo, corre praca, d avi-
ao a populacao de Gibraltar acorde, sabe o caso,
corre toda a praia de Estepona, com archotes,
cabos e quantas cousas suppoem necessarias para
acudir aos nufragos ; o dia amanhece escuro,
eomo a noite, porm com sulSciente claridade nara
alamiar aquella horrorosa scena. O commandan-
te da neo ingleza Malta acode com parte da sua
gente, lanca se s ondas amarrado a um cabo,
agarra estee aquelle; em terr lamo cabo ; salva
tres ou quatro ; osen exemplo seguido por varios
otficiaes corajosos, que azera outro tanto. O che-
fa Escarnida salta igualmente com tanta gente
teui dUpouivel abordo da Vasco, o vai soccorrendo
aquelles que conseguem chegar vivos ao rolo da
praia. O espectculo era horrendo : dezenas de
cadveres jiziam pela areia, all abandonados
pela mur vazante ; outros flutuavam envoltos na
espuma : merabros dispersos apparecam aqui e
all; mas o que causava raaior lastima, era ver
um cento de intelizes apinhados sobre os dous pe-
dacos da fragata, acenando e peilindo soccorro
sem se lhe poder, levar desprendendo se um ou
outro mpellido pela onda qu logo o engulia.
Das trezentas e cincoenta pravas que havia
a bordo s quatroe horas da manha, quando eram
oito apenas existais cento e cincoenta, tendo pere-
oido duzentas n'este horrivel naufragio. > (Heles-
tino SoaresQuadros Navaes).
Apreciemos o fictoe tiremos-lhea as concluses:
o soldado Galriov salva se agarrado a um cabo;
as cento e cincoenta pracas que ae salvaram, ou
vieram para a trra agarrados s taboas do costa-
do e verga ou tora rccolhidoa pelea escaleies.
Em coucluiao os duseotoi homens que pereceram,

Actos :
O vice presidente da provincia, em execucao
da le n. 2,395, de 10 de Setembro de 1873, resolve
nomear Jos Barbosa Bexerra de Mello para o
posto do alteres da G companhia do 31" batalho
de infantaiia do servico activo da guarda nacio-
nal das comarcas do Bonito e Bezerros.Commu
nicon-se ao respectivo commandante superior.
__O vice-presidente da provincia resolve no-
mear Manoel de Carvalho Alencar para exercer o
cargo de delegado do districto litterario do Ex.
Remetteu-se o titulo ao inspector geral da Ins-
traccao Publica.
O vice-presidente da provincia, tendo em
vista o ofcio n. 230, de hontem datado, do inspec-
tor geral da Instrucco Publica, rosolve nomear o
idado JoSo Francisco do Amaral para exercer o
cargo de delegado do districto litterario de Igua-
rass, que vagn, desde que foi removido da
comarca de igual nome para a de Pao d'Alho o
respectivo promotor publico, bacharel Praneisco
Xavier Paes Barreto.R-'molett'U-se o respec-
tivo titulo ao inspector geral da Instrucco Pu-
blica.
O vice-presidente da peovincia resolve con-
siderar sem effeito a portada de 2 de Novembro
de 1885, relativa nomea?ao do coronel Gualter
Martimaao de Alencar Araripe para o cargo de
delegado do districto litterario do Ex, visto nao
ter aceitado aquelle cargo o nomeado.Communi-
cou-se ao inspector geral da Instrucco Publica.
fficioa :
__ Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Remetto a V. 8., para seu conhocimento e fns con-
venientes, copia do aviso do Ministerio do Imperio
de 17 do corrente n. 3,025, relativo concessao do
crdito para occorrer as despezas com as obras
mais urgentes de seguranca do edificio do palacio
desta Presidencia.
Ao mesmo.N'esta data submetto consi-
deracio do Exm. Sr. ministro da agricultura, com-
mercio e obras publi ;as o assumpto de que trata o
officio de V. S. de 18 de Junho ulsimo, 8ob n. 419,
acerca dos escravos do municipio de Jaboatao que
foram contemplados as relaces organisidas para
cumprimento Jo art. 11 do regulamento que bai-
xu com o decreto n. 9,517, com idade superior
que realmente teem.Commnnicou-se ao juiz de
direito e de orphos da comarca de Jaboatao.
__ Ao mesmo.Sirva-se V. S. de providenciar
de accordo com o final do parecer da Contadura
dessa Thesouraria, annexo por copia ao seu ofKcio
de 26 do corrente sob n. 532
__ Ao inspector do Thesouro Provincial.
Mande Vine, effectuar, nos termos da sua informa-
cao de 22 do corrente, n. 41, o pagamento da im-
portancia de 29*460, proveniente da despea de
que trata a inclusa conta, feta durante os mezes
de Abril a Junho ltimos c^m o asseio e limpeza
da Casa de Detencao.Communicou-se ao Dr.
chefe de polica. .
__ Ao mesmo.Respondo ao orneo n. ( ae
25 de Junho fiudo, declarando a Vmc. que nao
bavenio mais necessidde de casa para quartel do
lugar Carapas, dever entretanto ser pago o res-
pectivo aluguei raaao do 6*000 mensaes, a con
tar d 24 de Maio ultimo at o fim d'este mea.
Ao mesmo.Respondo ao officio n. 26 de 16
do orrentc mez, declarando a Vmc. que approvo
a locaco de duas casas, ambas por 20*000 men-
saes, para cadeia e quartil do destacamenio de
Tacaral; de vendo o pagamento ser feto pela res-
pectiva collectoria, que devr tambem pagar a
quantia d 3*60d mensaes, para a illaminacao da
cadeia.Communicou se ao Dr. chefe de polica
Ao inspector geral da Instrucco Publica. -
Concedo a| autorisacao solicitada sor Vmc. para
justificar as faltas de exercicio escolar do professor
Casimiro Lucio dos Santos, alludidas em seu offi-
cio, a que respondo, n. 231 de hontem datado.
Ao mesmo.Autoriso Vmc. a justificarlas
faltar de exercicio escolar do-.professor Sebastio
Antonio de Albuqucrque Mello, de que t'ata em
seu officio a que respondo, n. 227, de 26 do corren-
te mez.
Ao engenheiro encarregado interino das obras
geraes.Remetto a Vmc. em solucao a seu officio
de 20 do corrente, sob n, 121, copia da informaco
que prestou o inspector da Thesouraria de Fazen-
da acerca das despesaa efectuadas no corrente
exercicio por conta do crdito destinado paute de
Bunrque de Maccdo.
Ao commandante interino da Carpo de Poli-
ca-Reeommendo a Vmc, em aoluco do sen offi-
cio n. 631 de 23 ^o corrente, que reforc o desta-
camento ds Panellas com tres pracas do de Altinho,
confo.-ine solicita o Dr. chefe de polica.Cemmu-
nicou-sc ao Dr. chete.de polica.
Ao Sr. tenente Sebastio Joncalves da Cos-
ta, delegado de polica e commandante do destaca-
mento de Tacarat.Com a copia inclusa do officio
hoje expedida ao Thesouro Proyincial, respondo aos
officios que Vmc. dirigi me em 2 e 13 do corrente
mez.
J tendo o brigadeiro commandante das armas
mandado remetter os medicamentos pedido por
Vmc, declaro-lhe nao ser possivel autorisar o phar-
maceutico Manoel F. Bolillo a tratar dos soldados
que ad jecereiq, por falta de crdito para occorrer
despeza.
QDe novo reeommendo a Vmc. me remetta com
urgencia urna re I a cao nominal dos presos que se
evadiram da cadeia, com especitcaco do motivo
porque se acbavam detidos; cumprindo que me in-
forme quaes os que j se recolheram de noy
prisao ou foram capturados.Remetteu-se copia ao
Dr. chefe de polica
Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Limoeiro.Reeommendo a Vmc. que nao proceda
libertaco dos escravos por conta da 7.a quota
do fundo de emancipaco, sem que seja approvada
a classifieacao por esta presidencia.
A' junta classificadora de escravos do mu-
nicipio de GaranhuiM.Nao pode ser approvada a
classifieacao, de que que Vmcs. remetteram copia
com o officio de 12 do corrente :
1.a Porque a idade entro familias nao condico
de preferencia ;
2.a Porque da dita copia nao consta que es teja
esgotada nesse municipio a classe das escravas ca-
sadas com homens livres.
3. Porque nao est mencionada a idade dos fi-
Ihos menores dos escravos.
Assim, cumpre que sejam feitos novos trabalhos,
tendo-se em attenco : 1 que, prefera do as escra-
vas casadas com homens livres aos escravos em
condico idntica, nos termos do axiso do Ministe-
rio da Agricultura, Coinmercio e Obras Publicas,
de 26 de Janeiro de 1883, a prelaco entre ellas
d-se pelo maior numero de filhos livres, menores
de 8 annos, e na falta destee, pelo maior numero
de filhos, menores de 21 annos, attendendo-se mais
que em cada urna deseas classes, cuja distnecao
estabeleceu o aviso do 31 de Maio de 1884, d-se
anda a preferencia pelo maior peculio realisado ;
2 que esgotadas essas classes, (o que dever cons-
tar da oD8ervacao da classifieacao) passar-se-ha
s immediatas, de que trata a circular desta presi-
dencia de 10 de Fevereiro de 1883, expedida em
virtude do aviso circular de 19 de Janeirs, tendo-se
sempre em consideri^o por analoga, o que ainda
fica explicado; 3 que nao da competencia dessa
junta apreciar os valores dos escravos classifica-
dos, para a libertaci, mas aim do col lector geral,
que approvados os trabalhos pela presidencia, de-
pois de esgotada petante o iuizo de orphos o praso
do art. 34 do regulamento de 13 de Novembro de
1672, proceder, nos termos do finsl da circular
desta presidencia de 24 de Maio ultimo, de accorlo
com o art. 37 e seguintes do dito regulamento, ten-
do muito em vista o disposto na ordem cicular do
Thesouro Nacional, junta por copia, de 16 de Jn-
lho de 1883, porquanto nao importam os precos m-
ximos da tabella do 3- do art Io da lei n. 3,270,
que sao os permittidos para a nova matricula, sem
qae por clles firme-se direito indemnisaco por
conta do fundo de emancipaco.Remetteu-se co-
pia ao respectivo juiz municipal do termo.
Portaras:
Reeommendo de novo Cmara Municipal
do Recife que preste, com urgencia, a informaco
que eaigi em officio de 15 do corrente mez, rela-
tiva i'eclaraco do numero de rezes abatidas nos
tres ltimos exercicio, que nao foram expostas
venda por estarem era mas condicoes.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
taca transportar s Alagoas, por conta do Minia
terio da Guerra, no vapor Jaculiypc, a ex-praca
do 2" batalho de infantaria, Manoel Joaquim Fer-
nandes, a qual, tendo sido a 22 do crrante escu-
sa do servico do exercito por conclaso de tempo,
recolhe-se aquella provincia, d'onde natural, le-
vando em sua companhia sua mulher Mara Na-
zareth da Silva e urna filha de nome Mara Fran-
cisca da Conceico, de 9 annos de idade.Com-
municou-se ao commandante das armas.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Ao conseiheiro director interino da Facnl-
dade de direitoO Exm. Sr. vice-presidente da
provincia manda communicar a V. Exc. que em
seu officio de 26 do corrente mez proferi hoje o se-
guinte despacho : Remettido ao Sr. Dr. chefe
de polica para os fins convenientes. *
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife a S. FraneiscoO Exm. Sr. vice-presi-
dente da provincia deu hoje o conveniente destino
aos documentos que acompanharam o officio de V.
S., de 26 do corrente, sob n. 64, nesta data rece-
bido
A' junta classificadora de escravos do muni-
cipio do Limoeiro.O Exm. Sr. vice-presidente
da provincia ficou inteirado de haver se reunido
essa junta no dia 14 de Junho ultimo, para cum-
primento da circular de 24 de Maio, conforme Vv.
Ss. participaram no officio da mesma data, rece-
bido a 10 do corrente.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DE JULHO
Actos :
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren Thomas Antonio Maciel Montei-
ro, professor da cadeira de ensno primario de
Tiinbaba, e tendo em vista a informaco n. 215,
de 16 do corrente mea, do inspector geial da ins-
trucco publica, resolve conceder ao peticionario
45 das de licenca com ordenado, para tratar de
sua SHde onde ihe convier.
O vice presidente da provincia, de confor-
midade com a propusta do ijr. chefe de polica em
officio n. 731, de 27 do corrente mez. resolve no-
mear o tentnte Felippe Cavalcante de Sa Leito
para o cargo de 2 supplente do subpelegado do
districto de Nova Cruz, do termo de Iguarassu,
vago por nao ter Luiz Francisco da Costa e Silva
aceitado a nomoaco para o referido cargo. .
Officios :
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Communico a v*. S. que o bacharel Cicero Tercio
Torres Tavares, a 24 do corrente mez, assumio o
exercicio do cargo de promotor publico da comar-
ca de Aguas Bellas.
Ao mesmo.Communico a V. 8. qne o ba-
charel Joaquim Pedro Cavbante de Albuquerque
assumio o exercicio do cargo de promotor publico
da comarca de Pao d'Alho a 24 do corrence mez.
Ao iuspecter do Thesouro Prtvincial.At-
tendendo ao que requeren Francisco de
L
to'a Vmc o inclaso aviso por copia, n. 3104, com-
que o Exmv Sr. ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio, confirmando o telegramma
que por copia lhe enviei em 17 do corrente mez,
declaro infeccionados de colera morbus os portos
de Trente e Finme c snspeitos os demais portos
austracos at o golpho de Cataro.
Ao jubi de direito interino de Iguarassu.
Respondo ao officio de 17 do corrente mea. decla-
rando que a Vmc. e nao a esta presidencia incum-
be providenciar sobre o*assumpto do meamo offi-
cio, fazendo prestar contas o depositario do pa-
trimonio de Jossa Senhora do Soccorro do Pilar
de Itamarac, ou deprocando s autoridades com-
petentes o cumprimento de suas diligencias judi-
ciaes, se o referido depositario achar-se ausente
do termo.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao Limoeira. Sir?a-se Vmc. de emittir
parecer, Com urgencia, acerca da resoluco da
Assembla Provincial, autorisando o contracto de
urna estrada de ferro que, partindo da cidade da
Victoria, v terminar no povoado Malbadnha, pas-
eando por Gloria de Goit e Pedra Tapada.Mu-
talis mutandis ao engenheiro do prolongamento.
Ao Sr. Fabo Velloso Freir, presidente da
cmara municipal e da junta classificadora de es-
cravos do municipio da Escada.Iuteirado do que
Vmc expoz no officio de 24 do corrente, recebido
a 27, designo o dia 2 de Agosto prximo para a
reunio da junta classificadora de escravos desse
municipio para cumprimeuto da circular desta pre-
sidencia de 24 de Maio ultimo. Communicou-se
ao respectivo juiz municipal do termo da Escada.
Portaras ;
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar provincia do Rio Grande do
Norte, por conta do Ministerio da Guerra, na pri-
meira opportunidade, dez caixoes contendo medi-
camentos e artigos pbarmaceutcosj remettidos pe-
li intendencia da guerra com destino pharmacia
militar d'aquella provincia. Communicou-se ao
director do Arsenal de Goerra.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
de navegaco faca traasportar para o presidio de
Fernando de Noronha, por conta de Antonio Fer-
reira Noarega, os gneros e objnetos mencionados
na inclusa relacao.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Ao promotor publico da comarca de Aguas
Bellas.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provin-
cia fica inteirado do officio de 24 do corrente mez,
recommenda a V. S. que transmita a certidu de
seu exercicio.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 4 DE
AGOSTO DE 1886.
Bacharel Antonio Pereira Simos. Ia-
forme o Sr. inspector do Thesouro Provin-
cial.
Antonio Ponciano Martins de Miranda.
Informe o Sr. inspector geral da instruc-
;ao publica.
Bacharel Affonso Viriato de Medeiros.
- Sim, pagando o porte na repartidlo dos
correios.
Gerente da estrada de ferro do Recife a
Caxang. Ao Sr. engenheiro fiscal para
informar.
Jos Mijmz Teixeira Guimaraes. Sim,
mediante recibo.
Jos Joaquina Rodrigues Salaanha
Sim/
Bacharel Joao ^Baptista Pinheiro Corte
Real. Providenciado.
Jos Freir do Nasciooento.Informe o
Sr. Dr. juiz de direito da comarca de Sal-
gueiro.
Margarida. Iodeferido; porquanto ao
tempo da libertacSo de Francisco e dos fi-
lhos menores Joao, Florencio e Vicente
em 20 de Junho de 1884, por conta do
fundo de emancipaco, os outros filhos,
Henrique e Oaetano, haviam j attingido
a idade legal.
Manoel Calisto de Souza. -Remettido
ao Sr. juiz de direito da comarca de Pa-
nellas, afim de que se sirva de informar o
que lhe constar a respeito.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 5 de Agosto de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegat.
Repartifo da Polica
Scelo 2.' N. 761. -Secretara da Po-
lica de Pernambuco, 5 de Agosto de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que hontem foi recolhido Casa de De-
tonlo o seguinte individuo :
A' minha ord nelic, dispoaico do Dr. juiz de direito do 4o dis-
tricto criminal por se achar pronunciado em crime
de roubo.'
__Hontem, pela manha, foi encontrado o cada-
ver de un a creanca recemnascida no quintal do
predio n. 63 a ra da Imperatriz.
O subdelegado do Io districto da Boa-Vista to-
mn conhecimento do tacto e procede s diligen-
cias, constando da vistoria que se fes ter sido a
crenc morta por asphyxia.
Trata-se de deecobrir o autor do crime, para o
que procede-se a inquerito.
Pelo subdelegado do 1 districto da Boa-Vis-
ta, foi remettido ao juizo competente o inquerito
policial a que procedeu contra Jos Luiz de Souza
Lim, conhecido por Jos Vacca, preso em fia -
grante por haver ferido a Manoel Antonio da
Communicou me o delegado do districto de
Carapots, que no dia 29 do mez findo, kffectura
a captura do escravo de nome Sevenno, pertencen-
te a Joaquim Goncalvos de Freitas Florencio, mo-
rador n'aquelle districto.
O referido escravo est pronunciado no art. 193
combinado com o 34 do Cod. Crim.
Deus guarde a V. Exc Ilbn. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de polisia, Antonio Domingos
Pinto.
Souza Leo, apontador da 3 subdivso do 3 dis-
tricto da Repartico das Obras Publicas, abonei
hoje as faltas dadas .pelo mesmo apontador, por
motivo de molestia, desde 1 at 28 de Junho ul-
timo ; o que declaro a Vmc. para es fins conve
nientes. Communicou-se ao respectivo engenhei-
ro chefe da Repartico da Obras Publicas.
Ao iurt.-tor da laude do porta-Transmito
irresponsavel o supplicante pelo debito an-
terior do estabeleuimento n. 75 ra da
Imperatriz, visto provar nSo succeder no
mesmo estabelecimento.
Joao Coura & CVolte ao Sr. Dr.
administrador do Consulado para satisfa-
zer a requisicSo.
Antonio Moreira da Silva. Iddeferido
a vista das informales e porque o solo res-
ponde pelo debito referente decima da
casa que no mesmo houve e de que se pro-
move a cobranca em questao.
Mauricia Maria da Conceico. Defer
do, nos termos das informacoes.
Maria Ferreira da Costa Coelho e Ma-
ria Doolinda Cesar Ramos.Registre-se e
fajara-se os assentamentos.
H. Burle porquanto das informales da Alfandega
evidencia-so que a mercadoria de que se
trata, consta do manifest de carga para
esta provincia, e a circunstancia ulterior
de que sua reexportado para Santos nao
a isenta da imposigo paga, cuja restitui-
c3o se pede.
Manoel Marques da Silua.Junte copia
das informacoes.
Bacharel Manoel do Nascimento.De-
ferido, dando-se baixa na fianca.
Canuto Bibiano Ramos.Haja vista o
Sr. procurador fiscal.
Anna Francisca Bittencourt.Deferido,
ficando irresponsavel pelo debito anterior o
novo inquilino que estabolecer-se no pavi-
mento terreo do predio n. 1 ra daPon-
t; Velha cuja desoecupacao se prova.
Manoel de Araujo Guimaraes e Francis-
co Rodrigues Praja. Restitua-se.
Officio do Dr. inspector geral da Instru-
cao Publica, Companhia de Santa Thereza,
Flix Pereira e J. J. Muniz de Albuquer-
que.Informe o Sr. contador.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 4 DE AGOSTO DE 1886
Jos de Assumpco Oliveira e Camilla Perpe-
tulina da Silva.Certifique-se.
Comniendador Antonio Valentina da Silva Bar-
roca.Deferido de accordo com as informacoes.
Maneel Gomes dos Passos, Dr. procurador dos
feitos, o mesmo.Informe a 1* seceo.
Silva Irmo Quanto irresponsabilidade por
impostos atrazados, os supplicantea devem dirigir-
se ao Thesouro Provincial, quanto ao mais 1*
seceo para as devidas notas.
Oliveira Bastos & CInforme a 2 seceo.
7
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 5 DE ABO.VTO DE 1886
Bernet <& C. Deixa-se de tomar conhe-
cimento por nao ser caso de recurso, co-
mo repetidamente tom sido resolvido pela
presidencia em idnticas petic3es dos pro-
priog recorrentes.
Francisco Iglesias Lopes. Informe o
Sr administrador do Consulado.
Trajano Alves de Mendonca. -Deferido
de acoordo com o alistainento do collecto-
ria, fazendo se assim a restituicHo do que
de mais pagara.
Jos Osias de Paula Homem e Manoel
Rodrigues Franca.- Deferido, tomando-se
por termo a fianca offerecida.
Francisco Duarte. -Deferido,
PERNAMBUCO
Banco de Crdito Real de Per-
nambuco
Julho de i88
ACTIVO
Accionistas 401:
London and Brazilian Bank, Limited 30
Emprestimos hypothecarios 529:
Valores hypothecados 1,054
Deposito de administradlo e gerencia
Movis e utensilios
Letras hypothecarias ^
Despezas de installaco
Diversas contas
Caia
9OOO0O
O00000
OOOOOO
5005000
000*000
783150
500*000
500*800
899*160
875*460
2,111:958*570
PASSIVO
Capital 500:000*000
Emisso de letras hypothecarias 529:000*
Garantas de hypothecas 1,054:500*000
Cauco de admiuistraco e gerencia 16:000*000
Letras hypothecarias sorteadas 200*000
Lucros suspensos 3:552*783
Diversas contas 8:705*787
S. E. e O.
2,111:958*570
Pernambuco, 4 de Agosto de 1886.
Os administradores,
Manoel JoSo de Amorim.
Antonio Fernandes Bibeiro.
Luiz Dvprat.
O gerente,
JoSo Fernandes Lopes.
ngUsh Bank of Ro de Janeiro
(Limited)
Capital do Banco em 50,000
accoes de 20 cada urna 1.000,000
Capital realisado...... 500,000
Fundo de reserva...... 190,000
BALANCO DA CAIXA FILIAUEM PERNAAD3UCO,
EM 31 DE JLHO DE 1886
Activo
Letras descontadas....... 109:978,5030
Emprestimos e contas caucio- GMenn
nadas.............. 112:6521UU
Letras a receber......... S9^:S?l^n
Garantas e valores depositados 242:7di5iu
Mobilia, etc. do banco..... eJ ocIfsK
ST.!T!:::::::::
Contas correntes
simples
Deposito a prazo
flxo com aviso
e por letras .
Passivo
1,391:999*920
1,251:727*830
Rs. 4,232:424,5930
Letras a pagar......
Ttulos em cauco e deposito
Diversas contas.......
2,643:727750
647,5390
242:7370010
1,345:312780
Rs. 4.232:424*930
S. E. & O.
Pernambuco, 5 de Acost de 1886.
. (Henry K. Gregory, manager.
Assignados.fo.ed. Goodchild. accountant.
fthViSTA DIARIA
ficando
Prorosallva do ornamento e -
nembla provincial. S. Ex. o Sr. vice-
presidente da provincia, tendo, a 4 do corrente,
negado saneco resoluco da assembla legis-
lativa provincial relativa ao orcamento da re-
ceita e despeza para o exercicio financeiro de
1886 a 1887, determinou por portara da n*tD&
data qae continu em execucao a le n. looU de
1885 at neva deliberaco da mesma assembla,
para esse fim exr lordinaramente convocada para
o dia 1." de Outubro prximo vindouro.

Lela nao nancrienndaMS. Ex. o Sr
vice- presidente da provincia negou saneco aos
seguintes actos legislativos, pela raxoes abaixo
declaradas :
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve : :&
Art 1." Pica o presidente da provincia autori-
sado a contratar com Augusto Xavier Carneiro da
Cunha e Jos Theotonio Pereira de Carvalho, ou
com quem maiores vantagens ofterecer, a construc-
co de um ramal de ferro va qne, partindo da
Victoria, v terminar na povoaco da MalhadL:
oha, passando pela villa da Gloria de Goit e po-
voado da Pedra Tapada, d* comarca do Li-
moeiro.
Art. 2.o Aos concessionanos concedido pri
vilegio por prazo de cincoenta anno e a garanta
de qne trata o art. 22 18 da lei n. 1179 de
1875.
Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco. 20 de Julho de 1886 Jos Manoel
de Barros Wanda-ley, Io vicepresidente.lgnaj
ci de Barros Barreto Jnior, Ia secretario inte-
rino.Sophronio Eutiqulniano da Pat PorteUa,
2 secretario interino.
Volte assembla legislativa provincial.
Deixo de sanecioaar a preseute resoluco, auto-
risando o contrato de constrneco de urna estrada
de ferro que, partindo da cidade da Victoria v
terminar em Malhadinha, passando por Gloria de
Goit e Pedra Tapada.
Segundo as informacoes prestadas pelos enge-
nheiros director chefe da estrada de ferro do Ke-
cife a Caruar e fiscal da de Limoeiro, o tracado
daquella estrada de ferro, servindo os pontos in-
dicados, offenderia abertamente os privilegio da
duas ultimas.
E quando assim nao fosse, o estado financeiro*
da provincia nao pode acarretar mais o onus de
urna garanta de juros de sete por cento sobre o
capital nao excedente de dois mil cont de res,
sem reconhecido proveito, attenta a proximidade
das mencionadas sstradas de ferro.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 33 de
Julho de 1886. Ignacio Joaquim de Souza Leao.
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolve:
Art. 1." Fica o presidente da provincia auto-
risado a contratar com o tenente Francisco de
Panla Mafra o estabelecimento nesta cidade de
carros de praca, andorinbas e earros mnibus de
traeco animal sob as seguintes condicoes :
1. Os carros de praca estacionaro nos lu-
gares que forem determinados pela polica, com-
petindo a esta fiscalisar a exeeuco da tabella de
precos previamente estabelecida no contracto.
2." Os carros destinados ao transporte de
movis e mais objectos de hubitacoes e estabele-
cimento nao podero percebe^ por este servico
precos superiores aos que sao cobrados na corte
do impeiio pelas empresas encarregadas de ser-
vico idntico.
| 3. Os carros mnibus sero de traeco ani-
mal e nao podero cobrar mais de cem res por
cada passugeiro dentro do primeiro kilmetro,
sendo previamente designado no contrato os pro-
co seguintes na proporco da distancia percor-
rida.
Art 2." O contratante ficar sent do paga-
mento ds quaesquer imposto provinciae ou mu-
niepaes, durante o praao do privilegio, que nao
poder exceder de vinte annos.
Art. 3." O presidente da provincia designar
no respectivo contrato o prazo dentnf'do qual co-
mecar a funecionar a empresa e se 'contar i>
privilegio-
Art. 4." Ficam revogada>^ as disposices em'
contrario.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, 20 de Julho de 1886. Jos Manoel
de barros Wanderlvy, 1 vice-presidente.Jona-
ode Barros Barreto Jnior,' 1* secretario inte-
riuo. -Sophronio Eutiquiniano da Fas Vortella,
2 secretario interino.
Volte assembla legislativa Provincial.
Esta resoluco, embora consigne urna medida
til, tolhe udministraoo a prerogativa, que lhe
cabe, de chamar concurrentes execucao de nm
servico importante, ficando assim na contingencia
ou de aceitar as condicoes, embira desvantajosa
de um ceito e determinado individuo, ou deixar
de promover a realisaco de nm melhoramento
publico, por nao poder contractar a sua execufio
com outras pessoas, porventura mais idneas.
Os servico de que se trata, nao sao desconhe-
cido, sendo que alguns j foram explorado e ou-
tros continuam a sel-o nesta capital.
Mais um motivo, portanto, milita para nao ex-
cluir da concurrencia execucao de taes servico
as pessoas, que os cenhecem.
Assim que, a preiente resoluco, quer duanjo
aos interesses de taes pessoas quer quanto a obr|-
gaclo, que pretende impor ao poder administra-
tivo de celebrir um contracto com pessoa, exprs-
smente designada, alm de inconveniente, in-
constitucional; e por sao deixo de aanccional-a.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 3i) de
Julho de 1886.Ignacio Joaquim de Soma Lea.
A assembla legislativa provincial de^Pernam-
buco resolve:
A't 1- Ficam elevadas a villas, com as pre-
rogativas facultadas pela lei, as povoaees de S.
Jos da Pedra Tapada, Canhotinho e Nossa Se-
uhora do O' de Goyanna, conservando as mesma
denuminacoes.
Art. 2- Ficam revogadas as disposices em
contrario. .
Pa?o da assembla legislativa provincial de
Pernambuco, em 20 de Julho de 1586.
Jos Manoel de Barro Wanderley
I vice-presidente.
Ignacio de Barros Barreto Janior,
1- secretario interino.
Sophronio Etfiquinieno-da Paz Portella,
2* secretario interino.
Volte assembla legislativa provincial.
Nao esto'determinados os limites dos munici-
pios, nem pobsivel suppar que houvesse inten-
co de restringir a circumscripco municipal ao
permetro das povoav -s supr mencionadas. Ain-
da mesmo, presumindo que fossem os mesmos das
respectivas parochias, isso seria, quando muito
aceiiavel quanto s povoacoes de Canhotinho e
Nossa Senhora do O' de Goyanna, sede de paro-
chu, e nao de S. Jos da Pedra Tapaifa, que
nem constitue. ao menos, urna circumscripca pa-
rochial. Pelo que, nao saneciono a presante re-
soluco. .
Palacio da 'presidencia de Pornambueo, 4 de
Agosto de 1886.Ignacio Joaquim de Souza Leao.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernam-
buco, resolve : .
Art. 1. Fica o districto do juizo de paz e su
delegacia de Palmeira de Garanhuns elevado
freeuezia, sob a nvocaco de Nossa Senhora da
Conceico, sendo os limites da nova treguezia os
mesmos do referido districto.
Art. 2. Fica elevado treguezia o 2 districto
de paz do Limoeiro.
Art. 3.* Fica elevado fiegueaia o 2o districto
da comarca de Iguarassu, com a denominacao da
Noa Senhora da Boa Viagem de Pasmado, e
rendo os mesmos limites que outr'ora teve a mes-
ma freguezia de Pasmado.
Art. 4. Fica creada urna fr.guezia no povoado
denominado Ctenle, do termo e comarca de Pal-
mares, com a denominacao de Senhora bant Anna,
e divdindo-se com a de Palmare pelo engento
Monte Alegre, que ficar pertencendo nova tre-,
guezia d'ahi em rumo do ul com o rio Pirangy-
u e seguir para o poente, limitando com ai fre-
gueaia de Quipapt, ficando igualmente pertencen-
do a nova freguezia os engenhos-Beila-Aurora,
MAM


Diario,de PcrnambucoSexta-feira 6 de Agosto de 1886

Gamelleira, Santa Rosa, Ourupaity, Santa Croa,
Gnabiraba, S. Flix, Colonia Isabel e bem assim
fcxlos oa engenhoa e povoadoa que ficarem dentro
deste permetro, inclusive oa engenhos Fervedou-
108 e toda seamaiia de Mayara!, nao podendo, po-
rm, a diviaS da nova treguezia comprebender
qualquer territorio pertenoente treguezia de Bo-
nitz.
Art, 5.* Fica creada a freguezia de Nossa Se-
nhora das Dores de Belm de alaria, tendo por
sede a povoaco de Belm de liara e por matriz
a capaila all existente. A nova fregaeaia ter os
limites seguintes : omecar da Barra da Riaehao
do Ricardo, que divide ancguena e termo do Bo
sito com a do Altnabo, desear pelo rio Una abai-
io margem direito, Batotoira, Lage Grande at a
barra do riacho Ser tao no rio Una, na altura do
engenbo Verde de Cima, e d'ahi seguir pelo dito
riacho, de maneim que fiqaem incluidos dentro de
taes limites os engeobes S. Jos, Bicho-Homem,
Pedra Redonda, Permanente, Joasar,:&anta Kita,
Conceicao, Tuba Graja, Passagem da Axeia, ln-
mo, Amolar, S. JoSo, Balsamo, que limita a fre-
guezia de Palmares, Gulandy at a Sjrra do Es-
pelho, que divide o districto Colonia Isabel do de
Capoeiras, da ^erra do Espalho do Cajueiro, a
Lago das Frechas inclusive a casa e propriedade
de Joao da Paa e a barra dos Gatos, estrada do
Taboleiro, dividindo se com a fregueaiade Pa-
aelUs seguir a estrada da Palmeira, dividindo
cam a freguezia do Alnho seguir a barra do
Riachio, onde comecou.
Art. 6.o Fic.im revogadaa as disposicoes em
contrario. ....
Paco da Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco, 19 de Jnlho de 1886.Jos Manoel
de Barros Waoderley, Io vice-preaidente.Igna-
cio de Barros Barreto Jnior, 1" secretario inte
rio.Sophronio Sntiqniniano da Paz Portella, 2
setretario interino.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
Nao eeto determinados, com preciso, os limites
de algumas das parochias mencionadas, sendo que
oa de outras foram marcados confusamente, o qae
a sobremodo prejudicial pelas ulteriores questoes
de jurisdiccio, multas vezes difficeis e at insolu-
veis. Sendo coosequente da creaclo de parochias
pratiea de actos eleitorass, ainda mais necessa-
ria a diseriminacao exacta de taes limites,
vista do disposto no art. 212 do regulamento ex-
pedido com o decreto n. 8,213, de 13 de Agosto de
1881. Attentos os motivos expendidos, deixo de
aaewcionar a presente reaolucao. Palacio da Pre-
sidencia de Pernambuco, 4 de Agosto de 1886,
Ignacio Joaquim da Sovza itao.
Utn crime occultoAnte-hontem, pela
mauha, foi encontrado no quintal do predio n. 63
da ra da Imperatriz, o cadver de urna enanca
recemnaseida.
Tomando conhecimento dojfacto Jo subdelega-
do do Io districto da Boa-Vista, mandn proceder
a vistoria competente verificando-se ter sido a
marte da referida criauea causada por asphixia.
A raesma autoridade trata de descobnr a autora
do crime, proccdendo as necessarias indagacoes e
pesquisas.
B' com o flscal de Santo Antonio
Communicam-nos o eeguinte :
Desde o mez passado reclamamos providen-
cias sobre um deposito de lixo que existe no pateo
de S. Pedro, mas em vao, p0'8 ninguem attende
ao bem estar de tanta gente que alli reside, e que
nm dos lugares de mais transito da populosa
freguezia de Santo Antonio.
Nao rnente lixo que depositan) alli: para
o montero lancam gatos, caes e gallinhas mortas,
em decomposico o exhalando um ftido insuppor-
tavel.
A' noite juntam-se os carroceiroa da limpeza
publica talvez para dar cabo d'aquelle monumento
qua perpeta o deleixo da nossa Edihdade; mas
nao tetro a devida coragem de ir a elle.
Publiquen! isto na sua Revista Diaria para
ver se assim aquello -que Paff Para providenciar
sobre o assumpto se resol ve a ir dar um passeio
at alli.
Dinheiro.O paquete nacional Espiritopanto
".evou daqui as somtnas seguintes para
sabido para o
33:601000
4:528*660
56:OO#000
norte, levou
28:000*000
15:000*000
noite :de ante
6.711 laceas.
3.078
1.273
13.793
7.798
6.608 sacona.
6.315
5.188
11.068
2.703
No Cemitorio
sepultados em
Alagas
Babia
Rio de Janeiro
O vapor Piropama
Natal
Mossor
Pallccimento.Durante a
WBtem auccU'nbo 4 motestia que ha mais de um
aun 3 o accommettera, o chefe de seceo aposentado
do Consulado Provincial, Manoel Pereira da
Cunha, na cidade de Jaboatao, onde esUva em
tMtamento.
Contava cerca de 50 anuos de idade e era um
bomein estimado por todos quantos o ceoheciam.
O seu corpo foi hontem dado sepultura no
eemiterio publico d'aquella cidade.
A os seus parentes apresentamos as nossas condo-
lencias. '
Cacetada-Houtem a 1 1/2 hora da tarde,
indo o empalhador Altredo da Cunha Guimaraea,
branco, de 19 annoa de idade e solteiro, comprar
ama tuina de papel na loja de miudezas ra
Doque de Caxias n. 8, travou-se da razoes oom um
dos caixeiros da casa, o qual descarrpgmi -lhe urna
cacetada na cabeca, fazendo-lhe urna brecha e
poz-se immediatamente em fuga.
O Sr. subdelegado da freguexa de Santo An
tonio tomou conhecimento do occorrido e mandou
vistoriar o ferido, trabalho este que foi desempe
abado pelo Sr. Dr. J. J. de Souza.
InquerltuPelo subdelegado do Io districto
da Boa-Vista foi remettido ao juiz do 4o districto
criminal oinquerito policial contra Jos Luiz de
Souza Lima, pelo crime de fen montos graves fei-
tos em Manoel Antonio da Silva, facto que teve
lagar na noite do da 30 de Jnlho, no pateo da
Santa Cruz do mesmo diatrieto.
BonbOiNa noite de ante-hontem para hon-
tem. penetraram os larapos, sem se saber por
que meios, no armazem alfanaegado n. 4, do caes
da Companhia Pernatcbucana, e dahi subtrahiram
de ama gaveta, que arrombaram, a quantia de
entoe tantos mil ris. em cdulas e cobre.
Ht'uniao acadmica Communicam-nos:
Hontem, ao rafia da, reuniram se no caes do
Capibaribe n. 6 os acadmicos amigos e admira-
dores do Exm. Sr. Dr. Joaquim Seabra para tra-
taren da festa de 21 de Agosto, dia de seu ani-
versario, ficando a comunssau de festejo orgaui-
sada do modo seguinte : Io anno Cassiano Lopes,
Augusto Carvalho, Paulo Teixeira : 2o anno Lo-
pes Gon$alv';a, Rocha Pasaos. Antonio Augusto
de Hollanda Coat; 3 anno Benjamim Rubin,
Espirite Santo, Augusto tanti Risa ; 4o aauo
Alvares da Costa, Paria Rocha, Joo Tourinho |
5 anno Bernardino Vasconcellof, Paulo Pereira e
Guilherme Viauna ; orador Antonio Joaquim Pi-
res de Carvalho e Albuijuerque.
Clan Lilterarlo Fre CanecaFune-
cionou hontem esta sociedade sob a presidencia do
Sr. Jos Weneeslo Regneira.
Foi lida e approvada a acta da sesso antece-
dente, e o l8 secretario deu conta de diversos re-
qnerimentos.
Passando-ee ordem do dia, foi discutido pelos
Srs. Solidonio Attico Leite Francisco Machado
Dias, o seguin'.e jury-hiatorico Octavio, a em
vista das deberacoes do conselho foi o reo absol-
vido.
Foi encerrada a sessao, ficando designado para
ordena do dia da sessao segninte, discuaaao de
tbeses.
Colleiiio Onxe de AgoetoEtte estabe-
leeiaaento de educaeao para sexo masculino, sito
ra do Visconde de Albuquerque n. 95, celebra-
r no dia 11 do cor rente, s 10 hcias da mauha, o
6.' anaiversario de sua fundaco cm a solemne
distribuico de premios aos alumnos que mais se
distinguiram no ultimo anno lectivo e a sesso
magna do 5.a anniversario da sociedade litteraria
Once de Agosto.
clpomeae alndenseEsta sociedade
dramtica leva amanh (7), em seu theatrinho de
Olnda, um espectculo em recita mensal com as
seguintes pecas: O Tio Padre, comedia em 3
actos, e Preciotidadei de familia, comedia em 1
acto.
Deve ser urna noite agradavcl proporcionada
aos convidados e dilectantes da velha cidade.
Caairesan Lite erarlo ScientiBco
Funcctonou ante-hontem, sob a presidencia do Sr.
Pavos Asis.
Tomn assento o Sr. Jos Cario, o qual, depois
de eomprimentaelo pelo respectivo orador, agrade-
eu. .
Foram adiados varios rexraeruentos.
Apds oraram os Srs. Athenogenes Lona e Fran-
klin Gameiro.
Foi ignalmente adiado o jury histrico, e sao ba-
vendo nada mais a tratar dasignou se o dia 11
pan ter logar a nova sessao.
^-??^? Amamal, 7 do oriente, esta contraria celebra r. ,,, A^J j^w^o, ^^..a.a* ~.. .
Entradas de aaeucar e /od*i-
Vierampor mar e trra parmo mercado do Recite
no mez de Julho:
Algodao
De 1886
. 1885
> 1884
. 1883
. 1882
Astucar
De 1886
> 1885
. 1884
. 1883
. 1882
Entatsaifc-a orina
Publico do Santo Amaro foram
Jnlho :
Da 1886 267 eorpos
De 1885 47
De 1884 883
De 1883 270
De 1882 412
A media diaria dos enterramentos no prximo
findo mez de Jalh foi de 8,61 eorpos.
Os dias de maior numero de enterramentos fo-
ram : 17 e 25 em que houve quartoze ; 2 e 15 em
que houve treze ; e 6 em que houve doze.
Os das de menor numero de enterramentos fo-
ram 29 em que houve trez ; 30 em que houve
quatro; e 13,16, 19 e 20 em que houve oinco.
^Conferencia cientilica Sr. Dr. Car-
los I. Christie, representante dos Srs. Burroughs,
Welcome & C, chimicos de Lendtes, far no sab-
bado prximo, 7 do corrente, s 3 horas da tarde,
no escriptorio do Sr. Dr. Raymundo Bandeira, na
praca de Corpo Santo n. 19, primeire andar, nma
conferencia scientifica, na qual demonstrar por
experiencias opportunas a accio digestiva e o
valor therapeutico dos fermeutos panereatUo o
vegetaes as desordena da digesto, tanto nos me-
ninos como nos adultos.
Para easa conferencia o Ilustrado corpo medico
desta cidade convidado pela 8r. D. Carlos I.
Christie.
Banco Auxiliar Mercantil O Sr.
Francisco Augusto Pacheco, negociante e guarda-
livros desta praca, comecou a distribuir hontem a
circular, que damos em seguida, no intuito de se
estebelecer um banco, sob o titulo cima, do capi-
tal de 1,000 contos, dividido em 10,000 accoes de
1002 cada urna
Eis a circular :
Becife, 5 de Agosto de 1886.Illm. Sr. No
empenho de contribuir com o roen fraeo contin-
gente para melhorar o systema mercantil desta
praca, dotando-a de um estabeleamento til ao
grande e pequeo negociante, proponho-me a fun
dar oBanco Auxiliar Mercantilpara o que con-
t com o valiosissimo concurso de V. S., concurso
que, espero, nao me ser negado.
O capital doBanco Auxiliar Mercantilser
de1,000:000*000dividido em10,000 accoes
de 100*000e realizado em pequeas prestaces
dentro do prazo de 20 raeees.
Com um capital menor oBanco Auxiliar
Mercantil nao poderia attingir o fia a que se pro-
poe e acercar-se do crdito que carece ter urna n-
stitnicSo semelhante, segundo oplanoque em
urna serie de artigos vou publicar no Diario de
Pernambuco, para os quaes peco a attencao de
V. S.
Depois dessa publicaco terei a honra de., por
mim, ou por amigos que rae auxiliara nesta empre-
sa, no numero dos quaes cont com V. 8..impe-
trar a sua valiosissima assignatura para onu-
mero do accoesque entender subecrever.
Antesipando meus cordiaes agradeci ment,
bou com todo o respeito e consideradoDe V. S.
atiento, venerador e criado obrigado, Francisco
Augusto Pacheco. *
Hospital Portacnez-O movimento das
enfermaras deste hospital durante a semana lida
foi o eeguinte :
Existiam em tratamento...... 19
Eutrou..................... 1
20
Sahiram curadas............. 3
Fallecen....................
Ficam em tratamento........ I*
20
Continua de mordomo o Sr. Carlos Botelho de
Arruda.
Garanbun*)Em 31 de Julho ultimo es<*re-
vem-nos o nosso correspondente noticiando o ee-
guinte :
Tivemos o prazer de nssistir no dia 20 do cor-
rente, na povoacao de Canhotinho, inauguracao
do assentamento de trilhos na 3 seccao.
A's 11 horas da rnaoh grande numero de
pessoas se achavam na estac&o, onde a excedente
banda de msica de Canhotinho tocava variadas
p.ca3 de seu repertorio, esperando o Ilustre Dr.
Aristides Galvic, director daa obras do prolonga-
ment.
A's 11 meia ebegon o trem especial que con-
duza S. S. e sua Exma.senbora, subindo ao ar di-
versas girndolas de foguetes ao som da msica
que n'esta oecasiao tocou urna bellissima marcha.
Da estacao seguio o prestito para o hotel
Progressoond-: foi offerecido ao digno director,
pelo Sr. Augusto Portella Filho, um lauto c pro-
tuso alcooco, sendo ah o Sr Dr. Aristides alvo das
mais cordiaes inunifestacoos de apreco e alta con-
sideracao.
. A's 2 horas da tarde foi entilo inaugurada na
3' seccao o asaeatamento de trilhos tocando a mu-
sica aps o acto o hymno nacional, largando-se
ainda grande numero de girndolas.
< Teve lugar tambem n'esta eidade no dia 25
do corrente a inauguracao da primeira thesoura
da estacao.
Houve muitos vivas, rausic'ise faguetes.
A concurrencia foi enorme, sendo offerecido
pelo subempreiteiro, Sr. Vieeate Dantas, um jan
tar aos seus convidados, sendo por oecasiao do
dessert trocados muitos brindes e felicitacoes.
As obras da estacao e rotonda vao muitissi-
mo adiantadas.
Trabalha-se com todo ejforco no levanta-
mento da planta da canalisa;o das aguas para o
servido da estacao.
E' grande o desenvolvimento que tem sido
d.d) s obras do prolongamento pelo sub-emprei-
teiro, Sr. Aunusto Portella Filho.
Assim podemos, seui medo de errar, afirmar
que no fim do anuo teremos os trilhos em Gara-
nbuns.
Consta-mos que em muito poucos dias de ser-
vico, fez o Sr. Portella 4 kilmetros de assenta-
mento de trilhos, aohando-sc agora espera da
ponte de S. Se'oastiao para a continuaco do avan-
c amento.
No dia 30 do corrente incendiou-ce inespera-
damente a casa em que tem nma fabrica de iogos
de artificio o Sr. Luis de Barros Pereira Reg.
< Ao lugar mente o Sr. delegado de polica e commandante
do destacamento.
Alm do prejuizo material, nada mais houve
a lamentar.
O invern rem sido muito rigoroso, e o trio
tem-se tornado insupportavel.
No 2 escrutinio da eleicao municipal o par-
tido conserrador absteve-se do pleito, por tratar
de annullar toda a eleicao do Io escrutinio, por
vicios insanaveis qu" se deram.
O Sr. Dr. Coelho Cintra j approvou, entre-
tanto, a eleicao. recorrendo para o Superior Tribu-
n ,1 da Relacao do districto.
Vicencia.Escrevem-nos em 1 do corrente :
Voltamos a incommodar essa mui digna re
daccao, com o fim de tornar publico, qae, na noite
de 11 do mez prximo passado, o cabo de esquadra
do corpo de polica Laurentino de r/aula Madurei-
ra, com as pracas de seu commando Jos Francis-
co do Carmo, Manoel Gomes de Oliveira Cabral e
Manoel Felippe da Rocha, no lugarejoLarangei-
rastodos com inexcedivel coragem e tino militar,
capturaram o celebrrimo Jos Flix Pereira, atre-
vido salteador e criminoso de morte em Timbaba.
Observadas as prescripces da lei, bem segu-
ro, foi o capturado remettido para Nazareth.
ltimamente as estribarlas, plaotacoes e po-
leiros o fataes membros da companhia da(tonga
bao pintado a manta, em tace de cojo estado nao
conta-se aqu com serias garantas, porqnanto
mpossrvel baver nm policiamento severo, eom um
destacamento, que, ae activo e diaposto, eompoe-
se apenas de 4 pracas, que viveza atropelladas por
ama constante alluvio de officiot-conversas.
Em a ontra aituaco conservadora foi susten-
tado aqni nm destacamento de 10 pracas, paseando
a 5, na staselo que desmancbou-se, isto porque
urna diligencia volante que aqu eateve, deu lugar
a que se pudesae paasar a viver tranquillo, mesma
sem haver destacamento, porque, preciso reco-
nhecer toram impagaveis os servicos qne prestou
ditas diligencias, sob a direccao do ento subdele-
a festa de S. Caetano, constando de miara pelas 8
horas do dia e Udainba as 7 Una* da noite.
Hoje de imperiosa neceas idade ser augmen-
tado o destacamento, sob pena de nao poder dor-
mir tranquillo o ccnaercM e a lavoora.
E' arenca de todos aqni, qne este pedido ser
attendido pela Sr. Dr. chefe de polica.
O Sr. tente Manoel Estellito de Oliveira
Mello, acaba de deixar a subdelegada,paasando-i
ao sea mmediato, o cidado Joaquim Alves de
Oliveira Goe, que 1" supplente; aguardamos seus
actos para acerca de seu policiamento, como de
seu procedimento, dizermos tudo quanto tornar-se
publico e poasa ser dito em face de provas; muito
desejamos, que S. S.,cite ceito ainda mesmo por
linhas tortas.
Na qiMCta-feira ultima, tivemos aqu um
magioo aoe a noite exhibi-se, com trabalbos
pliiiiilansafsniiii'i. constantes de engolir brazas,
transflsnnsnias'de objectos, etc., etc., na Praca de
Joaqun. Nahuco. A concurrencia de espectadores
nao aMqsgio expectativo do mgico que, no en-
trrtaiQ'fm seu trabalho soffrivelmente limpo. *
i Seiwsao anitario do Braail O Com-
mtrcio de Porto nubca un3 trechos do regalamen-
to do servico sanitario d'aquelle imperio, approva-
do pelo decreto n. 9.551, de 9 de Fevereiro do cor-
rente anno.
Nesse regulamento esto reunidas as disposi-
coes respeitantcs a repartieres de sads ao ser-
vico sanitario da trra, servico sanitario dos por-
toa, A^ibrancas de multas, etc.,, mostrando-se que
este importante ramo de servio3 publico tem urna
organisacio regular no Brasil.
Especialisaremos o que diz respeito vigilancia
sobre fabricacao de vinbos artiflciaes, fabricacSo
qne ameacava comprometter 03 vinhos portague-
zes, se nao se levantassem contra os seus manejos
illegaes os eaforcos do Centro Commercial de Mo-
Ibados do Rio de Janeiro, por solicitares da As-
sociafo Commercial do Porto.
No art 26., n. 9, o regulamento diz que aos
delegados de hygiene cumpre :
Visitar as pharmacias, drogaras, fabricas de
aguas mineraes e de vinhos artificiaes, e quaes-
qner outras fas-ricas de que poasa provir damno
sade publioa, ordenando a remoco das perigosas,
o saneamente das insalubres e o emprego dos meios
apropriados a tornar toleraveis as incommodas*.
O art 83 o dispe o eeguinte :
as fabricas de licores, vinhss artfic'aes,
aguas mineraes, gorduras, comestiveis, conservas
alimentares e outros gneros de igual natureza,
a autoridade sanitaria far visitas freqaentes des-
tinadas a verificar : 1.', se hs substancias empre-
adas no fabrico de taes gneros sao de m quali-
dade *, 2., se na composico co producto entra
qualquer materia nociva sade publica ; 3 se
as ditas iJsricas se usam rtulos falsos.
Sero considerados faisos, quanto s fabricas
de vinhos artificiaes, os rtulos que, indicando o
producto sob a denominacao usual de qualquer
dos vinhos naturaes, nao contiverem a declaracao
deartificial.
as duas primeiras hypotheses, a referida
autoridade proceder do modo prescripto uo arti-
go antecedente, impondo aos donos das fabricas as
multas comminadas nos respectivos paragraphos ;
e na terceira bypothese, communicar immediata-
mente o facto ao inspector geral, ou aos inspecto-
res provinciaes, para os devidos eSeitos.
Para^Bapho nico. As fabricas de que trata
este artio suhmetterSo a exame da inspectora
geral ou das inspectoras ou inspectores provin-
ciaes as formulas dos seus productos, as quaes,
depois de approvadus, ficarao sob sygillo no archi-
vo da repartico. >
V-se, po8, que fiea sendo muito enrgica a u
speccao sobre as fabricas de vinhos artificiaes.
Preito de graild&o ao re da Ita
liaNoticia a Gazetta di Torino, queja se acha
concluida a cora monumental de bronze, sinzela-
da pelo notavel artista Antonio Galli, o que, por
subscripco aberta s no Piemonte, ha de ser en
trege ao re Humberto, como offerenda de grati
dao pela visita do monareha italiano a Casamic-
ciola, depois da tremenda catastrophe que a redn-
zio a ruinas.
A corda tem 60 centmetros de dimetro e as
folhas de louro.de que est formada e no laco com
qus termina leem-se varias inscripcoes emrelevo.
Ilpopolo italiano al suo Sediz urna d'ellas j
as outras : aples Busca, ?ancjliere. Casamic-
cila.
Hontem, 10, devia ser entregne esta corta ao
rei Humberto, por urna commissao, de quo.taziam
parte Demori'.", o general Saui e o advogado
Pezza.
Etatua de LamartineInauguron-se,
solemnemente, no da 1 do crtente, a estatua eri-
gida a Lamartine.
O presidente da cmara dos deputados, Sr. Flo-
quet, pronunciou por esse motivo nm discurso-de
elogio ao celebre poeta, dizendo qne elle foi nm
grande cidadao, que coodnzio o pavo repblica
e conservou no exercito a bandeira d revoluco.
A concurrencia a esta ecremonia foi enorme.
O imperador allhersne, segando
Sainl-Cere O Sr Saint-Cero acaba de publi-
car urna obra interessautissima, intitulada A
Allemanhn tal qual A aigiificacao que tem no
imperio allemo, a figura do imperador, move o
publicista a emittir o seguinte juizo acerca das
qualidades e maneira de ser do illustrs velho :
Iutelligenca mediana, o imperador Guilher-
me teve a habilidade do nao sabir nunca do seu
sitio ; soubo substituir as qualidades que lhe fal-
tara e os defeitos que lbe sobrara, eom a formida-
vel obstinaoao que emprega em nao querer mor-
rer, agora que j a idade o prohibe de se intro-
metter em assumptos militares.
faz-se injectar morphina para poder assistir aos
espectculos, c tomar inhalac^s de ozone para
nao adormecer as audiencias que concede.
< Cr em Deus, em primeiro lugar, e depois na
misso divina que recebeu; collocoa-sc de seni-
nella ao throno da Allemauha, e alli est e alli
quer permanecer emquant pudr, considerando
que ormam parte da sua consigne os de veres da
corte e do soldado. Julga-se o primeiro empre-
gado do seu imperio, a primeira sentinelia do seu
exercito, sempre de uniforme, sempte prompto a
comm&ndar os seus soldados. E:n mais de urna
oecasiao disse :
Qiianuo a morto me arrancar do mea posto,
deixarei ao meu successor esta divisa :Por Deus
e pela patria.
Os seus inimigoE. dsixando-se arrastar pela
paixao, qualficam-n'o de hypocrita. A Allema-
nha, fazendo lhe justica, julga-o um crate. E
antes de tudo, e sobrotudo soldado, s vive para
o exercito, ao qual ama e pelo qual amado; po-
rcia como sunca falta aos seus deveres militares,
nao tem piedade para a indisciplina. Zeloso da
sua autoridade, e desvanecido pela sua estirpe,
exige que se lhe tributem as honras militares tan-
to na ultima aldeia d? Pomerania como em Ber-
lim. Tem para o soldado as mesmas syinpathiaa
que para o feld-marechal; trataos do mesmo mo-
do, como a inferiores. >
Incendio em Braxellae Valenta
dus eatadaales Os jornaes estrangeiros
do alguns pormenores acerca do incendio que l-
timamente se manitestou na universidade de Bru-
xel'.as.
Alguns operaries que trabalhavam na transfor-
macio da ala esquerda do edificio, foram adverti-
dos por nm transente de que sahia muito fumo
do telhado.
Quasi ao mesmo tempo. es visinhos advertiam
o porteiro da universidade, e este correa a preve-
nir os professores que faziam parte dos jurys de
exame, emquanto os operarios e transentes cha-
mavam os bombeiros.
O fogo declarara-se no telhado da ala esquerda
e propagara-se com rapidez extraordinaria pela
cornija da ra das Financas, at ao zimborio. Em
seguida atacara a bib lotheca. Uns cincoenta es-
tudautes, sob a direccao do professor de chimica,
levaraui os volumes mais preciosos para as salas
da ala direita ; outros lancaram livros petas ja-
nellas. Emquanto elles trabalhavam, a multidao
que acudir, vendo o progresso das chammas,
gritava:
Descara! descara qne o telhado vai aba-
ter.
Effectivamente atsim saccedeu; por felicidade,
os estudantes eseaparam a tempo. Os valerosos
rapases consegniram salvar mais de matada dos
livros da bibliotheca.
Como o fogo ameacasse as collecces scientificas
da faculdade de medicina, instrumentos de eirur-
gia, coecees anatmicas, etc., outros estudantes
transportaran^ essas collejcoes para a secretaria.
Em dnas horas parla do edifioio ficon complata
mente destruido. Nao se sabe ainda a canta ds
incendio
t,etl*ea Effectuar-se-hio:
Amanbi:
Pelo fene Outmio, s 10 1/2 horas, na Irua
Princesa Isabel n. 1, de movis, loocas, v-dros,
te.
Pela tfmltSilvrtra, as 11 horas, na roa do
Imperador a. 7fc, de predios.
Segunda-reira :
Pelo agtnte Putaa, 1 hora da tarde, no Ar
raial, defronte da Casa Amarella, do staboleci-
meuto ahi sito. -
Peo agente Pinto, s 11 horas, em frente da Al-
fandega, de papel avariado.
Manean fnebre*.Serlo celebradas :
Hoje :
A's 7 horas, no convento do S. Francisco, por
alma de Jos Asevedo de Andrade ; s 8 horas, na
matriz da Escada, por alma de D. Mara Porciua
Gomes Porto.
Amanba :
A's 8 horas na matris da Boa-Vista, por alma
do tenento Manoel (umaraes ; s 8 horas, na
matriz da Escada, por alma do Dr. Leonardo An-
tonio ds Almeida ; s 7 1/2 horas, na Madre de
DeuSfinor alma de D. Anna Maria do 8 ; s 8
horas, na matriz da Boa-Vista, por alma do capi-
tn Jaeintbo P. da Silva Barros ; s 7 horas, na
matriz de S. Jos, por auna de Andr Avelino do
Naacimento.
4*Jtnnda-feira:
A's 8 aras, na matriz da fiante Antonio, por
alma dd Joo Ante-Portam Latinara de Mello.
PaneagelroeSeguram para os portot do
norte no vapor nacional Pirapama:
Dr. Joo Baptista, ana sen hora, 1 filho e 2 cria-
dos, Jorge|V*ictor F. Lopes e sua familia, padre
Adelino B. Dantas, 1 criado, Jos Joaquim Fer-
reira Barbesa, ana senhora o 1 filho, F. B. Lyra,
Antonio Ignacio da Silva Jnior, D. Maria G. Va-
lente, Rapbael Valle, Aron Cahu, sua senhora e 2
filhos, 1 criado, Antonio Tereira Gomes, Bernardo
Gomes, Manoel de Almeida I. Meunier, W. J.
Johnson.
- Sahidos para o sul no vapor nacional Espi-
rito Santo :
D. Joaephina B. Evangelista, Eduard Legen,
Elias Pompilio, Antonio Feliciano da Silva, Anto-
nio Jos Bittencourt, Innocencio A. Cavalcanti
Vidello, Emilia Maria dos Santos, Jos Ferreira
Castro, Francisco Antonio da Cunha, Rosalina L.
das Nevea, Manoel Marques, Antonio Alves Ma-
rlnho. 37 aprendizes marinheiros e 1 sargento, 1
voluntario, Francisco (criado), capitao Joo Gos-
ton.
Cana ae Detenca-oMovimento dos pre-
sos no dia i de Agoste :
Existiam presos 316, entraram 2, sabiram 4,
existem314.
A saber:
Nacionaes 286, mulher 1, estrangeiros 8, es-
uravos sentenciados e processados 9, ditos de cor-
reccao 10.Total 314.
Arraooados 291, sendo : bons 279. doentes 12
Total 291.
Movimento da enfermara :
Teve alta:
Amancio da Silva
Manoel Luiz Martina.
Joo Baptista Evangelista.
Ijoterla da provinciaA loteria n. 65,
em beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recite sor extrahida qnando for annuncada.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceicao dos Militares, se acharo expostas as
urnas e as esolieras, arrumadas em ordem num-
rica aoreeir.. lodo publico.
Loteria da cortePor telegramma rebebi-
do pela Casa Feliz, sabe-se terem sida estes
os nmeros premiados da 4 parte da loteria 198a
extrahida no dia 5 de Agosto :
2.109 100:000*000
364 20:000*000
Loteria do IcioA Ia parte da loteria
n. Ia9, do nevo plano, do premio de 100:000*000
ser extrahida no dia .. de Agosto.
Os blhetes achara-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Margo.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Loteria da provincia de Santa ca-
tnarinaEsta lotera, cujo maior premio de
100:000*000, dever ser extrahida impreterivel-
mente boje 6 de Agosto prximo, s 2 horas da
tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera de Macelo de 200:000*000
A 2* partes da 13 loteria, cujo premio
grande de 20:000*, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelmente no dia 10 do Agosto s
11 horas da mauha.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da la-
dependencia na. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera Kxtraordiarla do Ypiran-
ga-O 4." e ultimo sorteio das 4. e 5." series
desta importante loteria, cujo maior premio de
150:000*000, ser extrahida a 14 de Agosto pro
ximo.
Acham-se expostos venda os restos dos bi
Ibetes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Mar-
co n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da corteA 4 parte da 364 lo-
tera da corte, cajo premio grande de 100:000*,
ser extrahida no dia .. de Agosto.
Os bilhetes achum-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na prac da Inde-
dendenoia ns. 37 e 39.
Matadouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 72 rezes para o consume
do dia 6 de Agosto.
Sendo: 56 rezes pertencentesa Oliveira Castro,
(Si C, e 16 a diversos.
Mercado Municipal de S.
movimento deste Mercado uos dias
rente, foi o seguinte :
Entraram ;
39 bois pesando 5,271 kilos.
855 kilos de pexe a 20 ris
87 cargas de farinha a 200 res
35 ditas de fruetas diversas a 300
14 taboleiros a 200 ris
18 Sumos a 200 ris
Foram oceupados :
241/2 columnas a 600 ris
28 compartimentos do frinha a
500 ris.
23 ditos de comida a 500 ris
75 1/2 ditos de legumes a 400 ris
16 ditos de sumo a 700 ris
13 ditos de fresearas 600 ris
Ift ditos de ditos a 2*
3 dte a 1*
A Oliveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris
54 talhos de carne verde a lf
Jon-0
5 do cos-
17*100
87*400
10*500
2*8C0
8*600
rs.
14*700
14*000
11*500
30*100
1132.). I
7*800
20*000
8*000
1*000
54*000
Deve ter sido arrecadada nestea dias
a quantiade 218*800
Rendimento do dia 1 a 4 803/J140
Foi arrecadado liquido at hoje 1:021*940
Precos do dia :
Carue verde a 240 e 400 ris o kios.
Sua os a 500 e 560 ris dem.
Carneiro de 640 e 800 ris dem.
r'ariuht de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 280 a 380 ris idem.
Feij&o de 640 a 1*280.
Cemlterlo Publico Obituario do da 4
de Agosto de 1886 :
Maria Joaquina da Conceicao, Pernambuco, 31
anuos, casada, Santo Antonio ; tubrculos pulmo-
nares.
Manoel Thomas dos Santos, Pernambuco, 65
anuos, viuvo, Boa-Vista ; congesto cerebral.
Vicencia Ferreira de Aguiar, Pernambuco, 77
annos, viuva, Boa-Vista; cachexia senil.
Vicente, Pernambuco, 9 meses, Recife; syphihs
coogenita.
Jorge, Pernambuco, 8 meses, S. Jos; tubrcu-
los pulmonares.
Joaquim de Sant'Anna, frica, 70 anuos, sol-
teiro, Boa-Vista ; gastro entente.
Maria, Pernambuco, 2 horas, Santo Antonio ;
espasmo.
Um recemnascido, Boa-Vista, remettido pelo
subdelegado.
COIIullICADOS
Ao eleltorado do 3o districto
IUm. Sr.O fallecimento do Dr. Antonio Fran-
cisco Corren de Araojo, abrindo na vaga na de-
putacao de Pernambnca, determinen a necessidade
de nma eleicao no 2fi districto, que aquelle Ilustre
cidadao tao dignamente representava.
Para preencher essa vaga proponho-me eu aos
suflxagios do distineto eleitorado deste districto,
nao movido por knnmlso prprio, nem temado de
ambicoes qne estou longe de nutrir, mas por apre-
geatafao do partido em cojas fileira milito alen-
tada pelo desejo de continuar a prestar servicos ae
pas nesse posto de combate que me foi indicado.
E', pois, esendade com esse patritico desejo e
patrocinado pelo meu partido, cujo venerando
chefe tenho por amigo, qne eu venho solicitar de
V. 8. o sea voto e todo o ssu precioso auxilio
minha causa no pleito que se vai ferir brevemente
nesse districto, onde V. S. gosa de prestigio e dis-
pe de merecida influencia.
Bem conheeido nesta provincia, onde nasci e
onde tenho sempre vivido mourejar em fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrosa apresentaco; creio que ser-
me-ha excusada a exhibtco de nm programma,
pois que outro nao posso ter qne nao o do partido
ao qual tenho servido com dedicacSo e eoforco.
Entretanto, de harmoni a com o notavel discurso
proferido no Senado, em 1879, pelo honrado Sr.
conselheiro Joao Alfredo Correa de Oliveira, digno
chefe conservador em Pernambucs, direi que a
synthese do meu programma pugnar pelas re-
formas que torem e desenvolvimento pratioo dos
grandes principios liberaes consagrados na Con-
stitituico e qae formara a base das instituice
que nos, os conservadores, maatemos e queremos
manter.
Dentro de taes limites ha espaco bastante para
todos os melhorainentos intelectuaes, mcraes ma-
teriaes, para todos os commettimentos serios da
poltica, economa, financas e administracao, emfim
para todas aa mais altas aspiracoes dos povos
Iivres, que vivem sob o rgimen parlamentar.
No decurso dos vinte annos que constituem a
miaba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a minha actividade, e disso fazem prova oa meus
modestos esforcos na Assembla Provincial e os
meus pequeos trabalhos na imprensa, ates lti-
mos attestados pelo Diario de Pernambuco, em
cujas paginas tenho esteriotypado a minha alma
e o meu coracao, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vantajoso causa do paiz e
mais particularmente desta provincia.
Como garante dos meus intuitos de futuro offe-
reco esse modesto passado ao digno eleitorado do
3o districto, assegurando-lhe que envidarei quanto
couber em u,im para elevar-me altura da sita
qSo do paiz e para mostrar-me merecedor da con-
fianza co n que me honrar esse digno eleitorado
O meu norte ser o bem publico e o caminb
para elle essa honrosa confiauca que nunca fa1
ao illustre cidado quem aspiro substituir e cu-
as \ irtudes cvicas tomarei por modelo.
Subscrevo-me com a maior consideracao e res-
peito.
De V. S.,
Amigo, attento, venerador e criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Figueiroa Faria.
INDICARES OTIS
Medlcon
Connultorio snedico-cirnrglco do Dr.
Pedro de Attabyde Lobo Hoscoso
ra da (loria n. 89.
O doutor Moscozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manha'
Este consultorio offerece a commodida
de de poder cada doente ser ouvido e exa
uinado, sem ser presenciado por outro
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreao pra-
5a do Commorcio, onde funcciona a ins
peccao de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos podeao ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
O Dr. Arthur Imbassahy, medico ocu-
lista, recentemente chegado, esta cidade,
d consultas tod >s os dias, das 8 s 10
horas da manh, sendo gratis aos pobres.
no 1. andar do predio n. 8, largo da
Santa Cruz.
Consultorio allopatlco dosimetrlco
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em seu consultorio ra
do Barao da Victoria n. 7, 1. andar.
Chamados por escripio a qualquer hora.
Especialidades partos, ebres, syphilis,
molestias do pulraao e do coracao.
Dr. Lopes Pessoa Mdico.Residen
cia a ra de D. Pedro I n. 9, onde pode
ser procurado at s 9 horas da manha.
Consultorio ra do Bom-Jesus n. 37 1.
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser procurado qualquer hora do dia
ou da noite. Consultas : de 1 s 3 horas
da tarde. Especialidade: molestias e ope-
rares dos orgos genito-urinarios do ho-
mem e da mulher.
Dr. Barreto Sampaio mudou seu consul-
torio do 2. andar da casa n. 45, a ra do
Barao da Victoria, para o 1. andar, da
casa n. 51, mesma ra, como consta do
seu annuncio inserto na secejio compe-
tente. Residencia a ra Sete de Se te ru-
bro n. 34.
Advocado
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Impeaador n. 73, 1. andar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
Drogara
Francisco Manoel da Silva & C, depo-
sitarios de todas as especialidades pharma
ceuticAS, tintas, drogas, productos chimic<
e medicamentos homceooaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapino
de Francisco dos antos Macedo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande estabd e
cimento, o primeiro da provincia n'oste ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparara obras
de carapira por machina e por pregos sem
COpinateiKjia.
PLBLICACOES A PEDIDO
capitao .Urbano Joaqun de Loyo-
la Barata e seas calumuladoren
E'mistr qae continuemos a nossa misso.
Em nesso artigo passado nos propuzemos a di-
zer a verdade dos factos e quic esclarcelos.
Este proposito mantemos ainda de presente.
Com a imparcialidade do homem justiceiro ar-
rastamo-nos at o campo desta lucta, em que s
descubrimos perseguices as mais torpes, injuBti-
cas as mus graves, postas em pratiea contra o
alferes Moroira, tendo smente em vista conhecer
de perto a rwo e patenteal-a aos elhos aos ho-
msns sensatos e criterosos, que fehsmente anda
os ha. __
Ninguem ignota que o que don causa a esto m-
gloria questo foi o facto de ter o capitao Maeiel
es-commandante da companhia de guarnicao da
infeliz provincia do Rio Grande do Norte, perdido
no jogo nma parte dos dinhefros que havia receb
do da Thosouraria de Pazenda para pagamento
das praoas sob sea commando, e no dia segninte
ter exigido do alferes Moreira, moco pobre e que
vive soracate de sea mesquinho sold, a importan-
cia precisa para cobrir o desfalque.
Julgando o 8r. Maeiel que o alferes Moreira por
se haver recusado a isso, lhe era do alguma sorte
hostil, concebeu logo o plano de nma vindicta, tan-
to que, poneos dias depois, pela nica e simples
raio de ter o alferes Moreira acompanhado at ao
embarque o seu collega de armas, capitao Felippe
Bezerra,, a quem tambem recorre o Sr. Maeiel
fazendo exigencia igual que fizera ao alferes
Moreira, foi este preso e mandado baizar enfer-
mara, por que ento ainda se achava com parte
de doente, tornando -o inoommunicavel at s pes-
soas de sua propria familia.
E d'ahi por diante contiouou o Sr. Maeiel a sua
obra de prepotencia e vinganca. Afinal aprovei-
tando-se do facto de ter o alferes Moreira deizado
de riscar de urna relacao de pagamento que fizera o
nome de nm iudividuo que por engao fora escrip-
to duas vezes, colbcou o Sr. Ma-iel n'aquelle que
anha ficado em branco a nota pg.e por meio
d'este artificio torpe deu urna parte infamante con-
tra o alferes Moreira dizendo que elle tinha tenta-
do subtrahir urna certa quautia, submettendo-o im-
mediatamente a conselho de investigaco, que foi
nomeado pelo proprio Sr. Maeiel, e do qual ioi in-
terrogante o teen te Joaquim Rodrigues Pereira,
sen cumplice no crime de estellionato, por que tem
de responder.
Parece incrivel, mas verdade !
Neste conselho monstruoso e preparado ao geito
do Sr. Maeiel, as testemunhas iam jurar, urnas es-
coltadas, outraf tiradas da prisao, e todas debai-
xo da maior presso exereida pelo ex-commandan-
te, dilaceraram suas pobres conscieneias, mas cum-
priram a ordem de seu superior.
Entretanto, mais tarde, quando j o Sr. Maeiel
havia seguido para a corte e coastava sua trans-
ferencia para o 10a batalho, no conselho de guer-
ra, aquellas testemunhas, livres dasameacas e cas-
tigos do Sr. Maeiel, foram as mesmas que juraram
a favor do alferes Moreira, podendo o conselho
que se compunha de homens rectos e imparciaes,
reconhecer a innocencia d'este eabsolvel-o por
unanimidade de votos!
Tal foi o conselho de investigaco do alferes Mo-
reira, de que tambem faziam parte dois escuia-
pios(!) que a senteuca por elle proferida mereceu
at ser redicularisada na imprensa pelo proprio Sr.
Maeiel.
Como pois, que sendo o Sr. Maeiel o autor de
toda esta obra monstruosa, tem a audaciosa cora-
gem de arrujar-se em publico contra o alferes Mo-
reira e dizer que este quem o persegue de mos
dadas com as auetoridades da proviacia?
O alferes Moreira pode dizer que nesta questo
ainda nao recebeu um s favor da parte das auto-
ridades, que ao contrario lbe tem negado a verda-
deira justica.
Quando o capitao Maeiel prepsrava toda esta
cilada para inutilisar o alferes Moreira, nao se
lembrara das seguintes pslavras do Divino Mestre:
Quem com ferro fere, com ferro ser ferido'.
Isto quer dizer que o Sr. Maeiel a ser aecuaado
fundamentalmente por aquelle mesmo motivo por
que o fizera ao alferes Moreira, alia sera a menor
prova do criminalidade da part deste !
O Sr. Maeiel contra as terminantes in-truc^oes
do ministerio da guerra, avisos e circulares, re-
eommandando que quaesquer obras, concertos ou
pintuas de edificios militare sejjm feitos por
meio de propostas particulares, tomou a si a direc-
cao dos concertos do predio, em que funeciona o
quartel de linha, e ao apresentar as contas The-
sturaria de tazenda subtrahio os documentos le-
galisados pelos proprios operarios, que servhaui
na mencionada obra, substituindo-os por outros
passados com letta disfarcada pelo seu proprio pu-
nho, com as quaes cobrou de mais a insignificante
quantia de 265000.
O capitao Urbano Barata competentemente do-
cumentado fez perante a Tbesouraria a declara-
cao deste facto criminoso e fraudulento, a que o
Sr. Maeiel denomina de simples economa interna e
disciplina militar l!
O Sr. Maeiel procura desta sorte justificar o seu
crime, quando nos consta que o proprio promotor
publico que deu a denuncia dissera-lhe justificaa-
du tambem o seu procedimento que va n'isto um
simples ladroeira porca '
Baldo de recursos para urna defeza seria o ex-
commandante sem adduzir urna s prova em
seu favor, lanca sobre o capitao Urbano e sen
genro umatempestade de improperios, e nao satis-
t'eito com isto zomba das autoridades mas impor-
tantes mquella provincia, as ndicularsa e insalta
com um acervo de descomposturas em um accesso
de raiva e desespero, com o reprobo que v fugir
diante de ai a ultima esperanza !
Quem nao v no procedimento do Sr. Maeiel sua
propria condemnacao ? !
Fara o Sr. Maeiel tudo mentira : mente o
capitao Urbano, mente a Tbesouraria de Pa-
zenda, sobre cujos empregados atirou doestos, in-
jurias e calumnis, mentem os peritos, men-
tem as autoridades, todos mentem, s quem fal-
la verdade o nico mentiroso ; o Sr.
Maeiel!
Peis seria crivel que o capitao Urbano, qual
Jpiter do Olympo, tivesse o poder de arrastar
consigo urna tamanha oollcctividadc ?
Quem nao vi n'isto urna futilidade da parte do
Sr. Maeiel ?
Queixa-se o ex-commandante da proteccao que
da ser dispensada ao alferes Moreira pelo dele-
gado do governo n'aquella provincia, quando nos
consta que S. Exc. tem sido moroso at no cum-
primentoda le na distribuico da justica !
Nos que nao podemos comprebender como
que o governo tem sob sua protecyao homens tao
viciados e tao prejudiciaes sociedade, como o
Sr. Maeiel 1
Entre o alferes Moreira, que tem um passado
immaculado, contra quem, de presente, existo so-
mente urna parte infamante do Sr. Maeiel, e este,
que leva por si um rastilho de miserias e cor-
rupeo, desde o repudio at a prostituico das fa-
familias, desde o jogo prohibido at o estellionato
nao podemos crer que o governo, a menos qne
nao esteja Iludido em sua boa f, nao seja sino
nuito coherente e muito justiceiro para julgar do
valor de um e de outro, premiando a virtude e con-
demnando o vicio.
O Sr. Maeiel, qual um visionario, v ergucr-ae
diante de si urna bolha de sabo, na atbmosphera,
corre abra$ar-so com ella julgando ser a imago .
de seu pensamento, a Deuza de sua salvaco.
Assim que tem eito um grande escarceo de
urnas notas que o capitao Urbano, a pedido de sen
genro, remetteu-lhe quando se achara preso na
fortaleza, notas que nada significara, e apenas ser-
viam para avivar a lembran^a do alferes Moreira
no acto da repergunta das testemunhas do con-
selho.
Estas notas desappareceram do poder do alfe-
res Moreira, consta estarem com a lettra reconhe-
cido, tendo sido apresentadas ao tabclliuo publico
pelo tenente Joaquim Rodrigues Pereira ; o que
deixa supper que na oecasiao em que o alferes
fora fazer a repergunta as deixara sobre a meza, e
d'ahi foram ellas subtrabidas.
Ainda este tacto que nenhum alcance ou impor-
tancia pode ter vem em abono do alferes Moreira,
contra quem lancam mo da mais pequenina
couea.
Nao podemos por hoje ir alm, accrescentando
apenas em concluso que nos consta haver o Mi-
nisterio da Fazenda exigido da Thesouraria infor-
macoes sobre o andamento do processo do capitao
Maeiel, pelo que parece haver reconhecido a com-
petencia do foro commura.
E' impossivel que o governo se queira desmo-
ralisar.
Becife, 2 de Agosto de 1*86.
Epaminondas.
O promotor publico de Igua
rasan
Estou, felizmente, livre das malditas persegoi-
coes do Mustradissimo Sr. Telesco Salles !
Foram hontem despachados na agencia do cr-
relo d'este villa os meus autos crimes e. immedia-
tamente, seguiram para o Recife.
Ainda ultima hora, o Sr. Telesco nao me pon-
pou urna dentada !
Determinando, por despacho, o seguimento dos
alludidos autos, elle advertio ao escrivo Bandeira
de qae nao devia 'consentir annotaces em pro-
cesaos.
Referia-ae elle k duas cotas, por mim feitas,
mostrando ou antes indicando as contradieyoes
das testemunhas da aecnsaco.
S. 8. nao sabe o qae sejam, em direito, cotas
marginaos; e, ento, censurou-as, dando-lhes o
nome de annotaces I
O mea processo j est no Superior Tribunal
da Relacao, e alli, para honra nossa, os Tleseos
nao tem descont.
Os dignos magistrados, qne compem aquelle
sagrado templo da justica conbeeem o Suum eui-
quetribuere.
Sinto-me, agora, forte e animado.
Igoarassu, o de Agosto de 1886.
fVancwco Xavier Paes Barretto.

HslH


Diario de PernambucoSexta--feira 6 de Agosto de 1886
i

Enigma
Sustento anda que o enigma do Bin-
culo paseado decifra-ae assim: falta de as-
sumpio.
Negar o seo redactor o tonco seme-
ntante decHVaoao?
O Club dos Sepldinianos.
Ao Superior Tribunal da Relajo
Pende de deciso do Venerando Tribunal da
Kelaco um recurso, interposto pelo bacnarel Te-
lesphoro Gomes de Araojo, juiz de direito interi-
no de Ignarass, do despacho pelo qual conceden
elle babeas corpus ao individuo Herculano Joo
Barnab Jnior.
Pedioios ao digno relator do alludido leito, des-
embargador Monteiro de Andrade, haja de atten-
der para a segninte noticia que, proposito da
priso do mesmo Barnab, deu o Diario de Per-
nambuco de 27 do mei prozimo passado :
< Estando funccionar o tribunal para a for-
maco do monstruoso processo do Dr. Paes Bar-
reto, all, na propria sala das audiencias, apresen-
tou-se um capanga, homem desconhecido na villa,
mandado vir pelo Dr. Telesphoro, capanga que
otentava urna faca de ponta.
(i Vendo isso, urna pra;a do destacamento quiz
tomar-lhe a faca ; elle resisti com energa e foi
preso, lavrando-se de tudo o competente auto. No
acto de resistencia o individuo ferio-se ligera-
mente n'um dedo eem a propria faca.
* Entretanto, sendo interrogado o tal individuo
declarou que estava effectivamente armado, que
fura terido pela propria faca e que era criado do
Dr. Telesphoro.
Este que quera, porm, conceder-Ihe babeas
Corpus, solicitou do Dr. Amorim que o requeresse,
diz odo ser o tal individuo seu criado.
O Dr. Amorim nao teve escrpulos de assim
praticar e o Dr. Telesphoro nao teve pejo de pra-
ticar a immoralidade de dai babeas corpus ao seu
proprio criado!!
< A priso do individuo armado foi legal e por-
tanto o babeas corpus arbitrario.
O Dr. Telesphoro concedendo babeas corpus ao
seu criado nao ouvio a autoridade policial que fez
a priso e engolio o inquerito policial que, antes
da concessao do mesmo babeas corpus, lbe foi re-
mettido por aquella autoridade.
Kecife, 6 de Agosto de 1886.
A sentinea da justica.
A actual administraco da pro
vnola e o .orgo liberal
VII
O pai de Luiz XV, rei de Franca, dizia cons-
tantemente, que as verdades amargas deviam ser
recebidas, como se tomara certos remedios, que
nao obstante o seu mo sabor, fazem bem a sade.
Reconhecendo a exactido desse dito, temos em
linguagem de homem educado, annunciado algu-
mas verdades, chamando para ellas a attencao da
Ilustrada redaccao da Provincia, com o nico fim
dever se podamos obrigal-a ao leal cumpri-
mento de sua miso de opposicionista ; mas nos
tem sido impossivel.
O partido conservador qnando esteve em oppo-
sico (1878 a 1885), creo nm jornal oTempo
que com mais ou menos exagero aecneava todas
as aiministracoes do partido liberal; os ebefes
desta partido, na imprcnsa por intermedio da Li-
berdade, Democracia, Jornal do Recife e mesmo
nesta folba, censuraram a linguagem virulenta,
os exageroa e o modo de opposico d'aquella folha
conservadora. Era natural que, esses censores, ho-
je, quando seu partido est fra do poder, nao a
imitasse; ao contrario, a sua imprensa fosse mais
moderada e justa, apreciando imparcialmente os
factos e actes da ai'.uacao ; infelizmente, psrm,
nao foi observada essa promettida norma de con-
ducta
A Provincia, orgo do partido liberal, ahi est
para attestar a veracidade da grande mxima do
Viscoude de Marica :as paixoes eclypsam a ra-
zo, como as nuv*ns a luz do sol.
Que mrrecimento, que cotaco poder ter para
o homem de bem, para o leitor imparcial, um jor-
nal poltico, que erige, em suas columnas, a cam-
pante da mentira e do insulto, e nega a luz da
verdade, estorvando os actos justos das admini-
tracoes ? .'
A imprenta, sempre foi a interprete dos inte-
resses, das conveniencias, das aspiracoes d'aquel-
les que, ella representa, e tem o restricto dever
de dirigir a opiniao publica ; em linguagem fran-
ca discntii todas as questes serias e importan
tes que digam respeito ao progresso e civilisaco,
promovendo o triumpho da razo e da justica.
A sublime misao da imprensa essa. Desde,
porm, que ella se desvia desse cammho e se em-
maranha, como a Provincia, na vereda do mal,
deixa de ser urna imprensa seria, e acaba por nao
merecer crdito, ainda mesmo dizendoverdades.
Temos acompanhado passo passo, o orgo li-
beral na opposico ltimamente feita ao digno ad-
ministrador da provincia, Dr. Ignacio Joaquim de
Souza Leao, e por vezes havemos dito que, esse
peridico, echo de algun3 mocos inexperieutes,
sem conhecime:ito dos pblicos negocios, segu o
mesmo rumo (mil vezes peior) do Tempo, ao qual
ento censuravam.
Hoje vamos apresentar novas e simples consi-
derares sobre essa administraco, que tem sido a
mais recta e imparcial a se desejar ; como mais
tarde, os adversarios reconhecerao, quando a pai-
xo partidaria ostiver dominada ; e eremos, ha de
acontecer com ella, o mesmo que acontecen na ad-
ministraco do conselheiro Costa Pereira, a quem
o Sr. Jos Marianno, no parlamento, a 13 do pr-
ximo passado, dignou-se fazer a devida justica,
como se poder verificar em seu discurso.
e Para que o publico conheca o valor das
censuras da Provincia, aposentaremos o facto que
deu lugar ao edictorial do Io do corrente, sob o
titulo Comarca do Recife.
O Dr. Lindolpho Araujo, juis substituto, reque-
ren a 8 do prximo passado ao vice-presidente,
que tendo fallecido o Dr. Francisco Alves da Silva,
lhe competa a cn-operaco da vara dos feitos da
fazenda ; e S. Exc. assim deferio ; mais tarde, po-
rm, entrando em exercicio o Io juiz substituto
Dr. Alvaro Uchoa Jnior, reclamou e mostrou ser
elle e nao o Dr. Correa, o substituto competente ;
S. Exc. usticeiro como apezar de tratar-se de
dous distinctos conservadores, decidi no mesmo
dia, (20 do prximo passado) pelo seguiute acto;
que annullava o Io :
O vice-presidente da provincia, resolve con-
siderar sem effeito a portara de 8 do corrente.
a ficando assim em inteiro vigor a de 7 de No-
vembro de 1885, quanto a substituico o corpo-
raco de juizes substitutos da comarca do Re-
" cife .
Esse acto se acha publicado no Diario de 30 e
o 1 no de 22, e o artigj que tratamos foi dado a
luz na Provincia do dia Io do corrente.
A redaccao do orgo liberal, de m f, na fal-
ta de assumpto serio para aecusaco, devendo ter
lido nos jornaes o que cima aeixamos exarado,
entendeu, oecultaudo o 2o acto que annullava o Io,
de censurar a admiuistraco, por um acto j re-
vogado, que nao tinba mais razo do ser !
Desta rorma sao todas as aecusacoes da Pro-
vincia, as quaes, teem na opiuiao publica o mes-
mo valor e peso da bola de sabao com que as
creancas costumam brincar.
Passemos a outro ponto de censura.
No numero de quarta-feira, (4), diz esse jornal:
Que foram demittidos da capatazia da altan-
dega mais dous empregadss, para serem dados
os lugares, eleitores do 3 districto, onde em
favor do candidato official tem se laucado mos
de todos os meios, mesmos mais ignobeis, em-
pregados pelo vice-presidente que intervem of-
ficialmente .
Ainda desta vez fattou-se_ a verdade.
HA Provincia se fosse mais critenosa, se conhe-
cesse o regulamento das alfandegas e capatazia,
nao escreveria urna semelhante censura. Os pre-
sidentes de provincia, nada tem com os actos do
capataz, que demitte, escolhe e nomeia livremente
o pessoal de sua confianca; o acto censuradlo de
exclusiva attribuico desse funecionarie, que nem
ao menos levado ao conheetmento do governo e
gim do inspector da Alfandega. Leia-se, pois o ei-
tado regulamento e ver-se-ha a exactido do que
deixamos dito.
O Dr. Ignacio Joaquim, como adminstrador da
provincia, nao teve intervenco as alludidas de-
missoes, quer directa, quer indirectamente.
Ponderamos mais. que o preenchimento das va-
gas nao recabiram em eleitores do 3- districto,
como altribue esa noticia.
Onde est, pois, a intervencio official ? quaes
2o esses meios ignobeis, a que vos senhores da
Provincia vos refers?
Fique certa a Provincia de urna vez para sem-
pr:
Que o candidato eseolhido Dr. Felippe de Fi-
gueira mui conhecido n'esta provincia pelo seu
criterio, houeetidade e intelligoncia, e ainda mais
pelos relevantes servicos prestados causa do par-
tido conservador, embora boje os seos adversarios
procurem a todo transe negal-os.
Que o partido conservador no plito a ferir no
da 12, no 3- districto, nao tem necessidade de
empregar a compress&o offieias, os meios ignobeis,'
a que se refere a opposico; elle lutou no dia 15
de Janeiro, e lutar com seus soldados, certo de
vencer.
Se por ventura, um cu outro deserta das filei-
ras liberaes, porque conheeendo a trilha errada
ue segua, veem ao aosso campo aspirar o ar puro
a verdadeira liberdade.
Recife, 5 de Agosto de 1886.
Casiim.
Comarca de Garanhnns
No Diario de 28 do mez ndo, sppareceu um
artigo do 8r. Dr. Materno contra o honrado ma-
gistrado Dr. Joaquim Cordeiro Coelho Cintra, cujo
artigo ramos procurar refutar ligeiramente, at
que o Dr. Cintra venha do alto da imprensa ca-
balmente defender-se.
O Dr. Cintra recebendo o telegramma de 2 de
Julho ultimo em que S. Exc. o Sr. presidente da
provincia pedio lhe que evitasse desorden que se
esperavam em Palmeira, tratou de verificar se com
effeito taes desordens se poderiam dar ; verifican-
do que nada havia neste sentido telegraphou ao
presidente da provincia ; mais tarde oficiando a
S. Exc. dizendo nada lbe constar sobre taes pre
tendidas desordens, e muito menos em Palmeira
nunca se fallou em tal cousa, que parece ter as
cido apenas da conhecida temidez do Sr. coronel
Carvalho e Dr. Materno; fez, entretanto, seguir
para all o delegado de polica e commandante do
destacamento.
J v, pos, o Sr. Dr. Materno que sao infunda-
das as suas impressoes a respeito de Palmeira, e
que nenbum mal ameaea sua familia e amigos,
merecedor de ser conjurado.
O Dr. Cintra nao tem e nunca teve m vontade
sua familip.
O que mais para notar que sendo outr'ora
o Sr. Dr Cintra to elogiado pelo Sr. Dr. Materno,
sua familia e amigos, seja agsra inopidamete ac-
ensado por tactos que nenhuma significacao teem,
e que nelles nao pode ter influido o Sr. Dr. Cintra,
juiz cumpridor de seus deveres e conscinte de seus
actos, e que por estas mesmas razoes nem sempre
agrada.
Quaes as tropelas e perseguices do Dr. Cintra
depois da ascenco do seu partido ?
Quaes ?
Tranquillise-se o Dr. Materno que em Palmeira
nao se ho de repetir os factos dados no dominio
liberal e que te debatidos foram na imprensa que
sempre embalde clamou contra taes tropelas !^
Descanse S. S. ; esqueca estas sonhadas im-
pressoes de perseguices, por parte do juiz de di-
reito da comarca sua familia e amigos.
A Palmeira nunca esteve to tranquilla e de-
baixo do rgimen legal.
O Sr Dr. Cintra quando vier imprensa se de-
fender com vantagem das injustas aecusacoes
que lhe acaba de fazer o Sr. Dr. Materno.
Garanbuns, 2 de Agosto de 1886.
Um amigo.
Rio Grande do Norte
O capito Joo Severlano la
del da Costa e o seu detrator
Urbano Joaquim de ..oyla
Barata
Um Sr. M. F., que nos informam ser um official
subalterno que se inculca a maior illustraco em
cousas da militanca, tem feito publicar, as co-
lumnas deste jemal, urna serie de artigos sob
aquella longa epigraphe, em defeza do capito
Joo Severiano Maciel da Costa e teneote Joaquim
Rodrigues Pereira, processados naquella provincia
por actos criminosos, \ae alli praticaram.
Se o Sr. M. F. se tivesse limitado defeza dos
seus amigas, nada teriamos a dizer, nao obstante
a inexactido com que expoe os factos, no intuito
de innocentar os seus amigos.
Desde, porm, que para conseguir esse resulta-
do deturpa os factos e ousa acensar ao digno ad-
ministrador daquea provincia, o Exm. Sr. Dr.
Jos Moreira Alves da Silva, nosso Ilustrado e
distincte comprovinciano, cuja moralidade e pro-
bidade nao podem ser contestadas por aquelles
que, com,> o Sr. M. F., o conhecem de longa data,
somos obrigados a restabelecer a verdade dos fac-
tos, embora dahi resulte ficar o publico convenci-
do de que os dous amigos de M. F. nao sao to
innocentes, como elle pretende fazer crr, e ao
contrario praticaram actos que merecem severa
punico.
O Sr. capito Maciel bem conhecido na pro-
vincia do Rio-Grande do Norte, d'onde, pelos seus
actos offensivos moralidade publica, e pela in-
disciplina da coaipanhia que alli commandava, foi
afinal retirado pelo gove:-no geral, devidamente
infirmado de suas facanhas.
A vida pouco regular, que tem o Sr. capito
Maciel, foi a causa determinativa dos actos pou-
co dignos, que alli praticou e pelos quaes foi ac-
ensado e est sendo processado.
Alm das faltas commettidas pelo capito Ma-
ciel, na qualidade de commandante da companhia
de linha, estacionada naquella provincia e pelas
quaes devia responder no foro militar, praticou
elle, auxiliado pelo tenente Pereira, um crime pu-
ramente civil, pelo qual s no foro commnm devia
e poda ser processado.
Basta a simples exposico ao crime e modo por
que foi praticado para que se conheca prima facie
nao poder ser elle considtrado de modo algum cri-
me militar e sim um crime de estelionato, sujeito
ao foro commum, por ter sido praticado no exer-
cicio d'uma cnmmisso. qne nao faz parte das at-
tribuicoes militares e da qual fra eucarregado o
capito Maciel por um dos antecessores do Exm.
Sr. Dr. Moreira Alves, como poderia ter sido qual
quer particular.
O facto criminoso, pelo qual foram denunciadas,
foi o segninte:
Ameacando minas o predio nacional, que ser-
via de quartel companhia de infantaria, um dos
antecessores do Exm. Sr. Dr. Moreira Alves en-
carregou o capito Maciel de mandar tirar as te-
lhas daquellc predio e fazer concertos necessarios
na casa para onde tmha de ser transferida a com-
panhia,
Tendo elle de receber da Thesouraria de Fa-
zenda o dinheiro preciso pan pagar as despezas,
feitas com taes servicos, talsficou com o seu com-
panhero, tenente Pereira, diversos recibos e ou-
tros documentos comprobatorios destas despezas,
e com elles recebeu qaantia fnuito superior aquel-
la que realmente fra despendida.
Esse facto, que se acha provadissimo com docu-
mentos e com o exame procedido pela Thesoura-
ria, constitue o crime de estellionato, previsto no
art. 172 do cdigo criminal.
E como o servifo de que foi encarregado o cap
to Maciel nao e nem pae ser servico militar e
at de certo modo foi-lhe llegalmente incumbido,
com prejuizo do bom desempenho dos seus deve-
res militares, dos quaes foi assim distrahido,
incontestavel qne o crime foi praticado por elle e
pelo tenente Maciel, como particulares, e porten-
to, smente no foro commnm devem ser processa-
dos por esse crime, pois certamente ninguem dir
ser attribuico d'um militar, commandante de urna
companhia de infantaria, administrar as obras ou
concertos, teitos em urna casa particular, on mes-
mo em proprios naconaes.
Por maior esforcos que empregue M. F., jamis
poder tornar militar esse crime que, em face dos
principios de direito, da legislaco, quer militar,
quer civil e jurisprudencia constantemente segui-
da pelos trbunaes, doutrina consagrada em inn-
meros avisos, entre os quaes citaremos : aviso de
11 de Fevereiro de 1850, aviso de 10 de Junho de
1869; no proprio aviso n... do Ministerio da
Guerra; de 11 de Fevereiro de 1859, transcripto
pelo articulista no Diario de 4 deste mez, se acha
bem expressamente declarado no poder ser crim
militar ; mas no exercicio de attnbuices alheias
a esse servico que tanto podia ser desempenhado
por um militar como um paisano.
Assim, j v 0 articulisti que nao precisa ser-
se legista para mostrar-se que nesse aviso est a
mais completarefntaco sua exdruxula opinio, e
sirva-lhe isto de lico, p*ra nao se metter no que
nao entende, ferindo-se com a propria arma com
que julgou anniquilr o seu adversario.
A nda o avlgo do Mhiisterio da Justica, d i 10
de Jnnho de 1869, vem mostrar ser da competej-
cia do poder judiciario o crime de qu s traeta,
por ser crime commum e nao militar.
O aviso concebido nos seguintes termos::
Ministerio dos Negocio da Justica. Rio de
Janeiro, 10 de Junho de 1869. lllm. e Exm. Sr.
jjm officio n. 104 de W de Maio ultimo, expoa V.
Exc. que, tendo-lhe o promotor publico da comar-
ca da capitel consultado ge o crime commettido
pelo ajudante de ordena da presidencia, de ven-
der animaes, pertencontes o Estado, era militar
ou commum, respondeu V. Exc, que nao sendo
attribuico d'esse funecionano guardar animaes
do Estado, o crime praticado era commum e de-
vera ser capitulado no art. 172 do Cod. Crim. Em
resposta approvo a decisio por V. Exc. dada, vis-
to tel-a solicitado o promotor publico, embora seja
materia da competencia do poder judiciario.
Deus guarde a V. Exc.Joti t. de Alencar.
Sr. presidente da provincia do Paran. *
Este aviso que cima transorevemos dispensa-
nos de investir sobre este ponto.
Assim, portante, o Exm. Sr. Dr. Moreira Alves,
re:ebendo da Thesouraria documentos e exames
comprobatorios do crime que fra praticado, pro.
ceden muito regularmente, remettendo-os ao Dr.
promotor publico para proceder ua forma.da le.
Este, dando a denuncia, e ojaz municipal jul-
gande-se competente para formar o processo, cum
priram o seu dever e ubservaram a le.
Todas ss aecusacoes e censuras feitas pelo Sr.
M- P. nos seus diversoa artigos ao presidente de
provincia, ao Dr. promotor publico e ao juiz muni
cipal, acham-se poisjaniquilados, por isso que a ba-
se d'estag aecusacoes desap parece,',por ser o crime
commum e achar se provado com documentos e
exames procedido* pela Thesouraria de Fazenda.
Emquanto que o Exm. Sr. Dr. Moreira Alves
tem procedido, desde que asaumio a presidencia
do Rio Grande do Norte, com o maior criterio, re-
velando-se um administrador Ilustrado e impar-
cial, a ponto de ser respeitado pelos proprios ad-
versarios, o Exm. Sr. brigadeiro Moraes Reg,
desde que alli chegon, procede do modo mais cen-
suravel possivel.
E' assim que tendo sido incumbido pelo gover-
no geral de inspeccionar a companhia de cavalla-
ra alli existente e syadicar dos actos praticados
pelo capito Maciel e tenente Pereira, longe de
corresponder confianca do governo, arvorou-se
em protector ostensivo d'esses dous criminosos,
a'ponto de residir com elles e ter como seu aju-
dante de ordena o tenente Pereira.
O procedimento do Exm. Sr. brigadeiro revela
o proposito de anarchisar a provincia, plantando
a indisciplina militar.
Pelo ultimo vapor recebemos cartas de pessoas
as mais qualificadas d'aquella provincia, em que
nos narram do seguinte modo os actos que tem
praticado o referido brigadeiro:
O brigadeiro Jos Angelo anarchisa esta pro-
vincia plantando a indisciplina militar, assumindo
attribuicoes que s pertencem ao presidente da
provincia, ordenando guarnico que s a ella
obedeza, prevalecendo-se para isto da circuios-
tancia de ter ido o presidente a Mossor.
Tem-se tornado protector ostensivo do capi-
to Maciel, e nao contente com os desatinos j pra-
ticados acaba de faltar com o respeito .que deve
ao presidente, qne, como primeira autoridade da
provincia, e commandante das armas, lhe supe-
rior e com a consideraco devida Thesouraria
de Fazenda e ao juiz municipal no exeicicio de
suas attribi'icoes.
O presidente, antes de embarcar para Mosso-
r, recebeu um officio da Thesouraria, requisitan-
do a priso do capito Maciel, por ter este se ne-
gado a prestar contas e entrar para os cofres da
mesma Thesouraria com a quantia de dous eoli-
tos e tantos que elle no carcter de commandante
da companhia recebeu sobre cautellas, as quaes
nao foram at esta data resgatadas t'n totum, ve-
rificando-so portanto um grande desfalque, e in-
mediatamente telegraphou ao ministro da fazenda
communicando esse facto c officiou ao capito com -
mandante da guarnico para recolher o Maciel
fortaleza. Essa priso, porm, nao foi efFectuadt
porque ella se oppoz o referido brigadeiro, or-
denando que se aguardasse resposta do governo
imperial, visto estar o capito Maciel sob as suas
ordens. Nao obstante constar que o Ministerio
da Fazenda responder que a priso de Maciel,
requisitada pela Thesouraria, de ra se effectiar,
o brigadeiro, arbitraria e illegalmeote, declarou
que, tendo ido o presidente Mossor, elle assu-
mia o commando das armas e ordenava ao com-
mandante da guarnico, que nao cumprisse qual-
quer ordem, que nao partase d'elle, e que o Ma-
ciel nao poda ser preso por estar desligado da
companhia e achar-se nicamente sob a sua juris-
dieco e em segnida dirigi Thesouraria de Fa-
zenda officios inditos, que esta lh'os devolveu.
Estes faetos, praticados pelo general, revelam
um procedimento altamente criminoso que pode
trazer graves consequencias e certamente serio
tomados na devida consideraco pelo governo ge-
ral, que providenciar, no sentido de conter os
demandos do mesmo brigadeiro, que, quanto antes
deve ser retirado d'aquella provincia, onde Ilegal
e arbitrariomente assumio o commando das ar-
mas, em cujo exercicio estava e est o presidente
da provincia. Nao pretedemos alimentar polmica
com o Sr. M. F., e julgamoj suficiente o que fica
narrado para qne o publico possa reconhecer a
improcedencia das aecusacoes, feitas ao presiden-
te do Rio Grande do Norte e ao juiz municipal
da respectiva capital, e bem assim julgar do pro-
cedimento do brigadeiro Moraes Reg e sena pro-
tegidos, relativamente aos crimes por estes prati-
cados.
Recife, 6 de Agosto de 1886.
Argus.
Preven^o
Previne-se a qnem interessar possa, que a rea
comprehendda da igreja da Penha at o largo
das Cinco Pontas, entre as ras das Calcadas e
Vidal de Negreiros, terreno foreiro, pertencente
ao antigo vinculo Salvador Curado Vidal, cuja
succesaora trata de habilitar-ae para baver os
respectives foros e quem assim dos terrenos entre a
igreja do Espirito Santo S. Francisco e Rosario,
como melhor explicar-se ha na ra da Penha n.
2, loja.
Ao commercio
Borstelmann & C. partecipam ao corpo commer-
cial deste praca fque o seu chefe, o Sr. J. Bor-
terlmann, residente em Hamburg, cessou desde o
1 de Julho deste anuo de fazer parte da firma
como socio activo; cont!na,Bporem, nteressado na
mesma como commandtario.
Recife, 5 de Agosto de 1886
Borstelmann d> C.
Tilla de S. Jos do Egypto
DB. FRANCISCO A. DA SILVA
Nesta villa, no dia 15 do corrente, (Julho) os
amigos do Exm. Sr. Dr. F. Alves da Siiva, de sau-
dosa memoria, por intermedio do Sr. Joaquim do
Nascimento Ferreira Leite, mandaram rezar urna
missa solemne por alma do Ilustre raor'o, a qual
foi dita pelo Rvd. Manoel Gomes da Fooseca, con-
correndo a este acto de religio, caridade e per-
petua lembranca os amigos do morto, Srs. Joaquim
do N. Ferreira Leite, tenente Pedro Joaquim, de-
legado de polica Paulo Soares e supplente deste
Lucindo Cmara, collector Antonio Pereira, alte-
res Jos G. O. Filho, o subdelegado da villa e
crescido numero de gente do povo. Terminadas
as ceremonias religiosas o Sr. Joaquim Leite des-
envolveu o segninte discurso :
Meus senhores.Morte I Morte! Chlamydcs
misteriosas da fatalidade Ah Quanta cele-
ridade tnusmutuosa do animado pafa o iname I
Ah! quanta sensibilidade moral campr*hende nos-
saa maguas do coracSo Ah! quanta mpresso
nos neste momento transmiteida na alma, mani-
festada pela morte de quem na vida chamava-se
Francisco Alves da Silva Mas os ph-nomenos
sentmentaes que este produzdos em nossas al-
mas, sao sentimentos complexos de saudades que
testemunhamos ao falleca ento de um grande ho-
rnera de quem ti vemos a honra de ser amigos. Meus
senhores : Victima de antigos padecimeutos do
coraco tallecen no dia 20 de Junho findo, na ci-
dade do Recife, o Dr. Francisco A. da -ilva, im
pondo-nos hoje o dever de rndennos memoria
deste illastre magistrado, tributo de respeito, de
saudades aquella persanalidaie humana, oujaalma
voou da materia que anima va para o seode Deus !
Teoho conscienca de que muito pequ.nio
e8te tributo que rendemos memoria doDr. Alves,
perm nao deixa de ser significativo sua honra-
dez immacul-da. O Exm Dr. A. da Silva, carc-
ter respeitavel, simples e affavsl, soube conquistar
Ilimitado numero de migos, e sua morte abri um
vacuo na sociedade, tal qual a do Dr. Corr ia de
Araujo... Em ligeiros traeos digo qunm foi o
Di. F. Alves.
Formado em direito pela Academia do Recife
em 1849, dedicou-se vida agrico a de onde nao
lhe tendo tavoravel a sirte, liquidan os seus bens
e foi fizar sua residencia nacidade do Recife, sendo
logo nomeado juiz substituto, em cujo cargo, sem-
pie imparcial, deixa no foro da capital exemplo
d r.ctido e de justica; poltico activo e intrani-
gente, carcter firme e recto, vio o seu nome figu-
rar por duas vesea no numero dos representantes
da provinoia, a quem prestou-bans ser vicos...
SeohoregE' muito justo motivo que' nos
rene neste momento sob o testo sagrado, cujo re-
cinto de crpe est coberio, orando pela alma de
um cidado distincto I Sim E' muito justo
chorar-Be a morto de um campeo de nossa magis-
tratura, da ordem e da legalidade; de um amigo
sem phrases engaosas, sectario do direito da
justica que hoje seu crneo carcomido'pelos verme,
su'lma est no Empyrio gosando as regalas da
Eternidade!... Smto-me commovido nesta hora,
e minhas palavras sem nexo sao filhas da sympa-
thia que dedicava ao Exm. Sr. Dr. Alves, merece-
dor de imponente hemenagem de lucida intelligen-
cia, e ao men especial amigo Exm. Dr. Moreira
Alves, a quem associo-me ao sofFrimento. Julgo
ter rendido um tributo de gratido ao meu Exm.
amigo Dr. Alves, a quem a trra lhe seja leve.
S. Jos do Egypto, 157-86.
The Central Mugar Fetorle of
Brasil Limited
KSCADA
Os abaixo assignados que, contrataram fornecer
canoas ao engenho central da Escada, protesta-
ran) contra a especie de abandono em que se
acham, at agora, os servicos por fazer-se nesta
fabrica, como sejam reparos e concertos nos ma-
chmismos. conservaco dos tramway e construeco
do prolongamento de um dalles, at a casa do en-
genho Cassu, e outras faltas de cumprimento dos
contratos, mencionados as publicacoes feitas no
Jornal do Recife de 1, no mesmo Jornal, Diario e
Provinoia de 10 do corrente mez, sobre a assig-
natura collectiva a deAgricultores da Escada e
alguns agricultores logradose para que em todo
tempo nos sirva de protesto aquellas puDlicaooes
e mesmo para nao serem coimados de anonynas,
tazemos a presente declaraco, novamente pro-
testando contra as faltas commettidaa pela Com-
panhia, com grave prejuizo dos abaixo assigna-
dos, e appellando para os poderes provinciaes e
geraes.
O engenho central da Escada teve ama moagem
atropellada, Irregular e interrompida por frequen-
tes concertos pela imperfeico de seus machinis-
mes, deficiencia dos mesmos ao fim destinado ;
com isso todos nos tivemos prejuizas mais ou menos.
A Companhia, no contrato que fez com o pro-
prietario do engenho Firmeza em 1884 para obter
a cesso das sobras das aguas de sua repreza no
rio Ipojuca, obrigou-se entre outras clausulas, a
substituir o antigo dique que velbo, construido
grosseiramente de paos, ameacando a ser de urna
ora para outra arrastadopelas cheias,por outro fei-
to com a perfeicioe seguranca necessara, pjim a
Companhia, o conserva no estado em que o achoo
limitando-se a entupir os arrombos, e desta forma
cont abastecer d'agua a fabrica, servindo-se de
teda ella; nesse mesmo contrato obrigou-se a
guarnecer de fijlos e cimento as bordas da levada
que mandn abrir em frente ao edificio do engenho
Firmeza, para evitar o desabamento das barreiras
e coasequentemente o desapramo do edificio;
nada disso se fez ainda conservando a Companhia
um pessimo paradeiro de taboaa escoradas pro-
longar o tramway ao ponte designado planta da
capito Joo de Barros nos fins do partido do
engerho Jaguaribe, porm ficou muito qnem do
ponto convencionado, obrigando nssim aquelle
agricultor onduzir suas cannas para um ponto
muito mais distante e dispendioso, com o que ns
contava; o prolongamento dessa mesma linha ou
tramway at a casa do engenho Cassu, como foi
fixado na escriptura de contrato, lavrada em 12
de Setombro do anuo passado, com o rendeiro da-
quelle engenho para fornecimento de cannas, at
esta date nao teve pr iciplo nem se sabe quando
ter, pois debalde atiuplle agricultor tem procu -
rado por todos os meios, ter esclarecimento a esse
respeito que o tranquilize, ou qualquer solnco
em tempo ; nada tem podido obter, aeno augmen-
tar suas duvidas n receos, visto como tem o en-
genho desmontado, e suas safras contratadas com
a Companhia, que j na paseada nao lhe moeu
tod.i, dexando-lhe parte della no campo, perdida
e sem ndemnisaco!
E, entretanto, esse prolongamento de tramway
que pequeo, oSereee, comtudo, grande difficul-
dade at ao ponto estipulado ; mas para quando
guardam esses servicos ?
Quando, poia, pretenden dar principio a moa-
gem ?
A fabrica consta, necessita de reparos que, quan-
do nao sejam para meihoral-a ao menos para con-
aerval-a no mesmo estadoruim, como estava ;
aa duas locomotivas esto em pessimo estado os
carros, alm de serem em numero insuficiente
esto eatragadissimos, uns tortos e a maior parte
sem pistons para evitar os choques; os tramway
cobertos de matto, deteriorando-se por isso as su-
lipas; finalmente us contrato que fez a Compa-
nhia com o Governo Imperial, obrigou-se a fazer
emprestimo de dinheiro aes agricultores fjrnece
dores de cannas, at dous tercos do valor de suas
safras fundadas para satisfaco de importantes
servicos da lavoura e fundaco das novas safras,
e at esta data nenhuma satisfaco deu aos agri-
cultores que, em tempo fiseram seus pedidos e
confiaro no cumprimento dessa obrigaco, que
hoje com justo motivo se consideram logrados,
prejudcados em seus servicos, visto como esta-
mos justamente na epocha em que se faz indispen-
savel a restricta observancia dessa obrigaco.
Pretestamos tambem coitra a moagem alm do
primeiro de Outubro.
Sr. gerente-geral anda pela Europa, parece-nos,
com as chaves das Fabricas as algibeiras, pelo
que a companhia aqui parece que est acephala,
aguardando sua volta para ter aeco. Se elle de-
morar-se por l, nossas safras so demoraro no
campo 1 E' mui provavel Em tempo, portanto,
protestam os abaixo assignados contra as causas
cima apontedaa e suas consequencias.
Escada, 23 de Julho de 1886.
Francisco Xavier Goncalves da Rocha.
Barao de Pirangy.
Joo de Ramos e Silva.
Manoel Pereira da Silva Lins.
Por minha me Rozalina Ignacia Lins.
Manoel Tbeodozio Lins.
Na botica e pttarmacia da natareza
439
Se encontram especficos para a cura de todas
as molestias, se por acaso podessem ser descober-
tos. Porm ao menos um foi descoberto. O Peito-
ral de Anacahuite, tirado e extrahido de urna ar-
vore balsmica, indubitavelmente o antidoto na-
tural contra todos os desarranjos e molestiae da
garganta e dos orgos pulmonares. A eficacia de
acus simples efleitoa, seriam em si mais que sufi-
cientes para dissipar toda a incredulidade, se por
acaso j ne estivessem altamente reconhecidos
pelo testemunho unnime de milhares de pessoas.
A historia de suas extraordinarias curas se acha
inscripta e transladada com as inumerave3 certi-
des e attestacoes enviadas de todas as partes do
muudo habitavel: entre esta grande agglomera-
co de testemunhos, se comprehende cartas de emi-
nentes mdicos, clrigos, legisladores, oradores
pblicos, mecnicos, advogados e letrados ; n'uma
palavra de pessoas pertencentes todas as classes
e prjfisses da vida.
Todos tallam em substancia, que a tosse, as
constipacoea, o bronchites, as esquinencias e a
asthma, etc., se alliviam e curam mediante o uso
deate admiravel e prodigioso remedio, d'um modo
infallivel prompte radical.
Cono oabstl coutra as falsificacoes, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp venham
estampados em lettras transparentes no papel do
livrinho que serve de envoltorio cada garrafa.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ra do Commercio n. 9.
Em muitissimos caaos bem authenticados tem o
Trlcofero de Batrry restaurado o cabello
ainda muitos annos depois de p rdido. Se publi-
cassemas todas as cartas e certificados comproln
torios disto, recebidos de ambos os h mispheries e
nbrangando mau de tres quartos de seci'lo, enebe
riam varios volumes impreSos em typo mindo. _0
Trlcofero de Barry nao s o mais antigo
e o mais barato, cerno tambem o mais til de to-
dos os preparados para a restauraos/), conservaco
e embellecimento do cabillo, que se teem offerecido
ao publica. E' reeommendaio pelos nossos melbo-
res chimicos e mdicos e tem sido extensamente
nsado com o maior xito em todas as partes do
mundo.
N 5. A Enrulsao de Scott muito re-
commendada pelos mdicos como o melhor
remedio para a tisba pulmonar e molBlias
do peito e da garganta-
Reatsara o organisofo das pesadas pre-
dispostas tsica e fortifica contra os ata-
ques da doenga.
MEDICO
O abaixo assignado, que at agora assignava-se
Dr. Silva Britto,previne a seos collegas e ao
publico, qne, para evitar confusoes, que j teem
havido, por exeaoer beata cidade, onde bastante
conhecido com o ultimo termo d'aquelle apellido,
um outro collega mais antigo, previne da, que
d'ora em diante assgnar-te-haDr. Joo Paulo.
Recife, 1 de Agosto de 1886.
Dr. Joao Paulo da Silva Bruto.
Dr. Ho Leite
Medico, partelro e operador
Residencia ra da Imperatrit n. 48, 2.- andar.
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da raanh as 2 da
tarde.
Attende para os chamados telephone n. 449 a
qualquer hora.
C, Heckmann
Usinas de cobre, lat&o e bronze ee d
Golitzer fer n. 9. Berlim S. O.
Espeefalldade:
Constracpo de machi-
nas e apparelhos
para fabricas de assucar, destillacoea e re-
finaefes com todos os aperfecoamentos
modernos.
DJSTALLAgA DE:
Engentas de assoear completos
Estabelecimento filial na Havana sob a
mesma firma de C. Heckmann
C. e San Ignacio n. 17.
tnicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informaco*es dijamse ai
Pohlman &C
ia Jo Commeroio 110
CLNICA.
senhorai
de parios, moleatlaw de
c de crlancaa
Dr. Joo Paulo, medico aggregado do hospital
Pedro II, d'esta cidade, com pratica e estudos es-
peciaes as principaes maternidades e bospitaes
de mulheres e de criancas (fe Paris e de Vienna
d'Austria, faz todas as operaces obsttricas e c-
rurgicaa concernentes as suas especialidades.
Consultas das 12 s 3 horas da tarde, na ra
larga do Rosario n. 26, primeiro andar.
Residencia. Ra da Imperatriz n. 73.
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, mudou seu consultorio, do 2.
andar da casa n. 45 ra do Barao da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde. Residencia
ra Sete de Setembro n. 3 A.
Conullorio medico-eirargice
O Dr. Estevrv Cavalcantc de Albuquerque con-
tinua a dar consultas medico-cirurgicaa, na ra
do Bom Jess n. 20, Io andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Paras? demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
g. aaphoateM : 1) consaltorie 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacas,
> l'nltt taseus annexos.
Dr. Cerpeire Leite
mu naco
Tem o seu escriptorio a ra do Mrquez de
Olinda n. 53 das 12 a 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia ra da San-
ta Cruz n. 10. Especialidades, molestias de se-
nhoras e criancas.
Factos e nao palavras
Aos que se desejam tratar sem comprometter a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmaticc,
ainda mesiro bronanitico; eryaipela, enxaquecas;
internitentes (sem o emprego do fatal quinino) ;
tosse convulsa, falta de menstruaco ; cmaras de
aangue : esfricos ou metrite ; dores de dentes ou
nevralgias, metrorragia ; vermfugos, dentico e
convulsoes dag criancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratam-se escrofulosos em qnalquer
grao e gommatosoB.
LicOr depurativo vegetal iodr'o
DO
Medito Quinte.la
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama iufallivel na cura de todas
as doeneas syphiliticas, escrofulosas, rheumaticas
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgic, blennorrhagas agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, inflamma -
cSes visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou queda
do cabello, e as doeneas determinadas per satu-
rarn mercurial. Dao-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas eom este
especifico nos bospitaes pblicos e muitos atteste-
dos de medios e documentos particulares. Fax-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinhe & C.
Ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Ocnlisia
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao rr-f > dia. Resi-
dencia e cnsult'-1 io, n. 20 ra
Larga do Rosario
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o aeu consultorio e residencia rna
Livramento n. 31. 1 andar. Consultas de 11 ho-
ras da manha s 2 da tarde. Chamados por es-
eripto a qualquer hora. Especialidade :febres,
partos e molestias de criancas.
Escola particular
Maria dos Anjos Dornellas Cmara,
professora particular, contina a lec-
cionar, na casa de sua residencia ra
Duque de Caxias n. 70, 2" andar, as
materias que onsiitaem a instrucoao
primaria, e os trabalhos de agulha e
bordados. O exercicio d'este por espaco
de mais tres anuo* um garante de
suas habilitaceS; e espera merecer doe
pais de familia a subida honra de lbe
coufiarem suas filhas.
A' tratar na casa cima.
Dr. Feraandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia s 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e rtulos das
suas preparacoes na junta coormerciai do Rio de
Janeiro de confermidade com as prescripces das
leis do impeno do Brasil, declaram e participan:
aos interessados, que como nicos proprietarios,
tem direito exclusivo de usar as marcas indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura,
fabiicaco e venda das geguintes preparacOes;
Agua de Florida de Mnrray e Laman;
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pastilhae Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalhao de Lanman & Kear
Emulao de oleo de figado de bacalhao com hy
pophosphites, de Lanmara & Kemp.
Salsaparnlha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portanto, peraeguiro a todos os falsifieadw-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando que sejam castigados cosa toda
a severidade da lei.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquelles que intentam substituir as aoasasi prepa
racoes cima mencionadas com artigos falsificador
que levam rtulos ou marcas industriaes que imi-
tam as nossas.
Lanman & Kemp.
EITAES
':*--~y'jlt
Edital n. 11
Per ordem do inspector se faz publico, que na
dia 6 do corrente, as portas do trapiche Concei-
co, s 11 horas, sero vendidas em hasta publiea
32 meias caixas com charutos da Bahia, vindas no
vapor nacional Ceara, e apprehendidas no caes
da Lngoeta em 28 de Maio ultimo.
3* scelo da Alfandega de P ernambuco, 3 de
Agosto de 1886..O chefe,
_________________Cicfo B. de Mello.
Edital n. 2
O administrador do Consulado Provin-
cial, faz publico a quem intereasar possa,
que em cumprimento da portara n. 35 ex-
pedida em 24 do corrente pelo lllm. Sr.
Dr. inspector do Thesouro, ser effectuada
por esta repartigao, no espa$o de 30 das
uteis, contados da data pnsente e livre de
multa, a cobranca, conforme a relacaa in-
fra, das annuidades e maia servicos da
Recife Drai^age Company relativamente ao
2. semestre do exercicio de 1885-1886.
Consulado Provincial de Pernambuco,
27 de Julho de 1886.
Francisco Amyntas de Carvalho Maura.
BELA9AO A QUE SE KEFEBE O EDITAL SPEi
Frequezia do Recife
Ras:
Mrquez de Olinda, Bara-Jesus, Alraree
Cabral, Commercio, Bispo Sardinha, Tor-
res, Thom de Souza, D. Maria de Souza,
Vigario Tenorio, Barreto de Menezes, Ma-
riz e Barros, Burgos, Amorim, Moeda
Tuyuty, Companhia Pernambucana, Madre
de Deus, Domingos Jos Martina, Masca-
tes, Restaurado, D. Maria Cesar, Viscon-
de de Itaparica, Pharol, Areal, S. Jorge,
Vital de Oliveira, Guararapes e Barao de
Triurnpho.
Pr.icas e travessas:
Asaembla, Chaco, Pedro I, Vigario,
Madre de Deus, Campello, Domingos Jos
Martina, para o Corpo Santo, Antigo Porto,
Bom Jess, Areal, para a Fundicao, Occi-
dente, Guararapes e Praga de Pedro I.
Beceos;
Abreu, Noronha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Paschoal.
Largos:
Alfandega, Corpo Santo e Aasembla.
Caes:
Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras :
Imperador, Primeiro de Margo, Duque de
Caxias, Cabng, Barao da Victoria, Trin-
ebeiras, Laranjeiras, Larga do Rosario,
Estrcita do Rosario, S. Francisco, Joao do
Reg, Ilha de Carvalho, Roda, Patos, Ca-
labougo Velho, Santo Amaro, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo
Livramento, Penha, Visconde de Inha-
ma, Pedro Affouso, Nova da Praia, Mar-
cilio Das, Viragao, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, Santa Thereza, 24 de
Maio, Palma, Mrquez do Herval e Ca-
deia. Nova.
Caes :
22 de Novembro.
Praga:
Pedro H.
Travessas :
Queimado, Cruzes, Mrquez do Recife,
Ra Bella, Quarteis, Calabougo, Expostos,
Matriz, Flores, Carino, Bomba, Livramen-
to, Arsenal, 1.' e 2.* travassas da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Viragao, Lobato,
Becco do Falcao, Pocinho e Concordia.
Beceos:
Travessa da Ra Bella, Calabougo, Ma-
triz, 1., 2. e 3. beceos da Camboa, Fal-
cSo e 1.1 e 2. ca Cadeia Nova.
Campo :
Princesa.
Largos :
Paraso, Carmo, Penha, S. Pedro e Pra-
ceta.
Freguezia de S. Josi
Ras:
Marcilio Das, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. JoSo, Palma, Mrquez
do Herval, 24 de Maio, Dias Cardozo,
Passo da Patria, Padre Nobrega, Victoria,
Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Frai
Henrique, Dique, Assumpgo, Domingos
Tbeotonio, Padre Floriano, Christovao Co-
lombo, Jardim, Forte, Antonio Hennque,
Nogueira, Santa Cecilia, Santa Rita, Nova
de Santa Rita, S. Jos, Praia de Santa
Rita, Pescadores, Ypiranga, Imperial,
Praia do Forte e Luiz de Mondonga.
Travessas:
Maityrios, Ramos, Pocinho, Caldareiro
Gaz, Forte, Prata, Serigado, Copiares
Raa Azul, Santa Rita, Praia do Forte, b
Jos, Peixoto, Matriz de S. Jos e Lima
Beceos :
Palma, Caldereiro, Gaz, Assumpgao, 1.*
becco da ra de Santa Rita e Matriz de fa-
jse.
Largos:
Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras:
Imperatriz, ConceicSo, Visconde de Pe-
lotas, Tambi, Capibaribe Ponte Velha,
Conde da B5a-Viita, Riachuelo, UniSo,
Saudade, Sete de Setembro, Hospicio, Ca-
r
M*
^


Diario de PernambucoSexta-feira 6 de Agosto de 136
i
I
"marSOj Rosario, Gervasio Pires, AUlho,
- Socego, Principe, Santa Cruz, S. Gmalo,
Coelhos, Hospital Pedro 2., General Sea-
r, Coronel Lameoha, Alegra, LeSo Co-
roado, BarSo de S. Borja, Soledade, Vis-
conde de Goyanna e.Attraccao,
Travessas:
Gervasio Pires, Atalbo, Coelhos, Barrei-
ras, Veras, Quiabo, Joao Francisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bispo.
Prasas :
Conde d'Eu e S. nta Cruz.
Largo:
Campia.
Becco :
Coelho ^_______________
Julzo dos Feitos da Fazenda
EscriLo Torres Bandeira
No dia 6 de Agosto prjimo, depois da audien-
cia, iro praca por venda, os predios abaixo de-
clarados penhorados pela Fazenda Provincial.
Recife
Casa terrea ra do Pharol n. 58, com 2 portas
de trente, 4 metros e 30 centmetros de largura,
12 metros de comprimento, 2 sala*, 2 quartos, cosi-
nha tra, pequeo quiatal e soto, avaliada em
800*000 purtencente a Jos Duarte das Neves.
S. Jote
Casa terrea ra de Vidal de Negreiros n. 47,
com 2 portas de frente, 3 metros e 10 centmetros
de largura, 14 metros e 7U centmetros de compri-
ment, quintal, cacimba, e porto para ra do
Forte, avaliada em 500*000, pertencente a Ma-
noel dos Aojos Ferreira.
DECLARARES
Instituto Iliterario Olindenes
De ordem do Sr. presidente convido todos os so-
cios se reunirem, cm sesso de assembla geral,
domingo, 8 do corrente, s 10 horas da manb,
-para prestacao de contas.
Secretaria do Instituto Litteraro Olindense, 5
de Agosto de 1886.O 1." secretario, Samuel M.
de Lima Botelho.________________^___
Yenca vei confraria de Santa Hita
de Cassla
De ordem do noiso carissimo irmao regedor,
convido aos carissimos irmaos desta confraria a
comparecerem em nossa igreja, paramentados
com seus hbitos, afim de assistirem a missa e
ladainha. que o actual conselho administrativo, de
accordo com o 13 do art. 52 do nosso compro-
misso, manda celebrar a 7 do corrente, dia do
glorioso S. Caetano, fundador da ordem da Divi-
na Providencia, senio a missa as 8 horas d ma-
nila e a ladainha as 7 horas da noite do referi-
do dia.
Consistorio da veneravel confraria de Santa
Bita ae Cassia, 4 de Agosto de 1880.
O secretario,
Dcodato Pinto dos Santos.
Imperial sociedade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaos
De ordem do irmio director, convido a todoa os
irmaos que se acbam nos gosos de seus direitos
reunirem-se em assembla geral sext i-feia 6 do
carrete, s 6 horas da tarde, em nossa sede, visto
nao se ter reunido numero legal no dia aprosado.
Secretara da imperial sociedade dos Artistas
.Mechanicos e Liberaes de Pcrnambuco, 3 de
Agosto de 1886.O 1.secretario,
Jos Castor.
Associacao Portugne-
za de Beneficencia
Seiso de poste
Convido a comparecerem na sede social, boje,
s 9 horas da noite, os senhores componentes da
nova directora e conselho fiscal, eleitos em as-
sembla geral ordinaria de 1 do corrente, afim de
empossarem-se de seus respectivos cargos.
Secretaria da assembla geral da Associacao
Pjrtugueza de Beneficencia, 5 de Agosto de 1886.
O 3- secretario,
B. Aguiar.
Capitana do Porto
Engajados e voluntarlos para
servir no Batalho Xa va I
De ordem do .va. Sr. chee de diviso Jos
Manoel Picaneo da Costa, inspector d'este Arse-
nal t cap tilo do porto d'esta provincia, fa^o pu-
blico que em observancia ao aviso circular do Mi-
nisterio da Marnha de 7 de Maio ultimo, por esta
repartidlo faz-se acquisico de engajados e volun-
tarios para servir nc batalho naval, ros quaes Bao
concedidas as seguintes vantagens :
Aos voluntarios 400*000, aos engajados 500/000
e as pravas de pret voluntarias, quando excuses
por concluso de teinpo do servico, um praso de
trras de 108:900 metros quadraaos as colonias
do estado.
O pagamento da primeira prestacao ser feito
na corte, a segunda tres annos depois e a terceira
no fim de seis anuos, que comprehende a conclu-
so do tempo.
Secretaria do Arsenal de Marinha de Pernam -
buco, 4 de Agosto de 1886.
O secretaric,
Antonio da Silva Azevedo
ARSENAL DE MARINHA
De ordem do Illm. Sr. inspector desta reparti-
do, taco publico que do dia 2 de Agosto prximo
Relajo dos assigoantes que collocaram ap- % ^cmprSoT p^nc^mt
Empreza Telephonlca iiour
gard
viso ios \'.n;tAvri;s
de luz
PHAROL, IM A VIIATO III R 111
Provincia de Santa Catharina
BRAZIL
(1. DE 1886 )
Do dia 1 de Junho prximo vindoc.ro em diante
ser exhibida do pharol do inhato-mirim, recen-
temente installado ira ilha deste nome, urna luz
branca e fim, Iluminando todo o horisontc do mar,
em substituido do actual.
O apparelho do luz dioptrico, da 6 ordem, e
a lu- produzida pela cembustao do oleo mine-
ral.
O plano focal eleva-se de 8,25 ao nivel do
solo e 39.lu10 ao medio das mares de quadratura
e a luz ser visivel na distancia dfc 12 milbas, com
tein,-o claro.
O apparelho dioptricto e respectiva lanterna
esto montados sobre urna columna de ferro pin-
tada de branco e provida de galera semi-circular
e escada lateral.
PoMrao scosraph lea :
Latitude27'! o'30" S.
Longitude5"2405" O. Eio de Janeiro.
4803625" O Gw.
50054'35" O. Paris.
Directora geral da reparlico dos phares, bor
do do vapor Madeira, Desterro, 12 de Mao de
1886.
Pedro Benjamim de Cerqueira Lima.
Capito de fragata director geral.
Conforme. Capitana do porto do Pernambu-
co, 4 de Agosto de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Azevedo.
Gabinete Fortug-uez de
Leitura
De ordem do Exm. Sr. presidente, convido no-
vamente os dignos memb.os do conselho delibe-
rativo a reonirein-se na sede respectiva, na se-
funda-feira 9 do corrente, pelas 6 hora* da tar-
e, para se proceder a lectura d relatorio e re-
solver se sobre o modo de effectuar a festa ani-
versaria.
Secret-.ria'do conselho deliberativo da Gabinete
Portuguez de Leitura em Pemambuco, 5 de Agos-
to de 1886.O 2o secretario,
Alfredo C Cousseiro.
IRSMOADE
DO
Espirito Santo do Re-
cife
E I e 1 c o
De confarmidade com a ultima parte do art. 84
do nosso compromisso, convido a todos os nossos
irmaos a se reunirem em o nosso consistorio no
prximo domingo, pelas 11 horas do da, afim de,
em assembla geral, elegermos dous funecionarios
que deixaram de aceitar os cargos para qae fo-
ram eleitos.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito
Santo do Becife, aos 5 de Agosto de 1886.
O secretario do conselho,
Faustino Jos da Fonseca.
Domingo, 8 do corrente, devem riunir-se os
membros do Centro para resolvere n sobre o se-
gundo escrutinio da. eleico municipal, e outras
medidas polticas.
A reuno efivetuar se-ha ra do Imperador
n. 51, ao meio dia.
O secretario,
M. Coelho do Res.
c.
Thesouro Provincial
parelhos telephouicos nos mezes de Ju-
nho e Julho passados
C
454 Coronel Boulitrau, ra Imperial.
J
453 Joo Tiburcio Fiuza Lima, deposito de car-
vo, ra da Concordia.
455 Jos Vicente Goncalves Ferreira, refina-
cfto, ra dos Guararapes.
456 Visconde de Itaquy, ra do Paysand.
Estaco do Caldereiro
H
28 H. K Gregorio, Apipucos.
J
i 29 Jos Leopoldo Bourgard, Mangabeira.
Becite, 3 de Agosto de 1886.________________
Circular n. 22
fnesourarla de Fatenda de Per-
namburu. em de Agosto de
j I**C
O inspector, nos termos do ofHcio de S. Exc. o
Sr. vice piesidente da provincia de 31 de Julho
ultimo, declara aos senhores collectores das ren-
das geraes que, para cumprimento do aviso cir-
cular do Ministerio da Agricultura, Commercioe
Obras Publicas, de 23. do dito mes, sob n. 3, nao
havendo no livro da nova matricula columna des-
tinada indicaco da naturalidade dos escravos,
embora fique ella constando da relacao archivada
(modelo-A, art. 2o 1* do regolamento de 14 de
ovembro do auno prximo passado) dever ser
feita na columna das observacoes do dito livro.
Antonio Caetano da Silva Kelly.
COMERCIO
Bolsa commerclal de Pernaui
bnco
BECIFE, 5 DE AGOSTO VE 18Se.
As tres horas da tarde
CotacCe* offieiaes
Letras hypothecarias do banco de crdito real de
Pernambuco, do valer de 100*" 96J000
cada ama (com juros).
dem idem do valor de 100J a 935 cada ama (sem
juros) do actual semestre.
Descont de letras, 7 1/2 0/0 ao anno.
Na hora da bola
Vendei am-se :
20 letras hypothecarias a 93J, sem jaros.
22 ditas idem, a 96 j, com juros.
OSereceram-se Vender
100 letras hypothecarias 97*000
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforada.
RENDIMENTOS PCBLIG0S
Mes de Agosto de 1886
ALFANUEGA
Rikda onii'
De 2a4
dem da 5
empregados provinciaes,
quidaco do exercicio de 1885 a 1886, conforme a
collocaco seguinte :
Nos di as 2 e 3, prcf'ssoras de 1* entran ca.
No da 4 de 2> dita.
No dia 5 de 3* dita.
Nos diaa 6 e 7, proiessores de 1* entrancia.
No dia 9 de 2* dita.
No dia 10 de 3' oita e escolas nocturnas.
No dia 11, Tbesouro,Juizo, Instrucco Publica,
Bibliotheca e Sade Publica.
No dia 12, Assembla e Secretaria do Governo.
No dia 13, Casa de Detenco e IUuminacao.
No dia 14, Escola Normal e Gymnaso.
No dia 15, Consulado.
Nos das 17 e 18, Aposentados e Coadjutores.
ragadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 27 de Julho de 1886.
O escrivo da despesa,
Sil vino A. Bodngues.
Associafo Portugoeza de Bene-
ficencia
/tssembla geral extraordinaria
Convido os Srs. associados a reunirem-se na
sede social, domingo, 8 do corrente, s 4 1/2 horas
da tarde, afim de eleger-se um funecionario da
nova directora.
Assim como, logo que Gndar a eleicao sero em-
possados todos os outros funecionarios eleitos em
1 de corrente.
Secretaria do Assembla geral da Associacao
Portuguesa dj Beneficencia, 6 de Agosto de 1886.
secretario,
B. Aguiar.
Suda novmcui.
De2a4
dem de 5
Total
BaaBBiscBAD 2 a 4
laem de 5
ConUKADO PBOVISC1AL
dem de 5
Bcin Durus -De 2 a 4
dem de 5
72:6334516 48:393^017 121:026/563

6:3834496 5:6704733 12:0604229

133:0864792
-
4 1:0064463 1:2264543
2:2334006
De2a4 1:8094113 754*984
2:5644097
2a4 3:6854383 1:602*328
Fi?9377l 1 .
UfioPACeoS DE KXPURTAgU
Em 4 de Agosro de 1884'
Para o exterior
No patacho inglex Carnck, cirregaram :
Para "New York, Pohlman & C. 160 saceos com
12.00U kilos de assncar mascavado.
Para o Interior
No patacho nacional Luiza de Vicente, car-
regar am :
Para o Bio Grande do Sul, P. Carneiro & C.
32,000 litros de sal.
No vapor nacional Espirito Santo, carre-
garam :
Para o Rio de Janeiro, A. B. Cordeiro 90 cai-
xas cajurubeba ; F. M. da silva 4 C. 40 caixas
com 700 kilos de oleo de ricino ; Fernandes & Ir-
mao 40 fardos com chapeos de carnauba.
Para a Baha, J. M. Das 20 barricas com
2,340 kilos de assncar branco ; V. de Itaqui do
Norte 1 caixa com 120 kilos de doce.
No vapor nacional M. de Caxia, carrega-
ram :
Para a Babia, A. Taborda 30 barra com 2,680
litros de mel; M. L. Vianna 25 barris com 2,500
litros de mel.
Para Penedo, M. A. S>nna A C. 5 barricas com
300 kilos de assucar refinado.
No vapor nacional Pirapama, carregaram :
Para e Cear, M. A. Senna C. 40 saceos com
3,000 kilos de assucar branco ; F. A. de Azevedo
30 saceos com 2,250 kilos de assucar branco.
Para o Natal, Miranda & Souza 15 caixas com
300 kilos de azeite de carrapato.
MOVIMENTO DO PORTO
Navio tahido no mermo dia 6
Cear por escalaVapor nacional Pira-
pama, commandante Francisco de Car-
valho, carga varios gneros.
Observac&o
Nao houve entrada.
VAPORES ESPERADOS
5:2374711 /pa*
Ville de Cear
Para
Finance
Mondego
Cear
Merchant
Trent
Mandos
VUle de Victoria
Petropolis
Bahia
Orenoque
Espirito Santo
da Europa
do sol
do sul
da Europa
do norte
de Liverpool
do sal
do sul
do sul
de Hambargo
do norte
do sal
do sal
do sul
boje
hoje
a 9
a 10
a 13
a 13
a 14
a 16
a 18
a SO
a 23
a 25
a 26
a 29
De conformidade com o art. 15 dos estatutos,
sao convidados os Srs. associados a comparecerem
no edificio d'esta Associacao, no dia 9 do corrente
mez, para em assembla geral ouvirem a leitura
do relatorio da presente adinin:stracao c elngerem
nova directora para o anno de 1886 a 1887.
Recife, 5 de Agosto de 1886.
O secretario,
Wiliam Halliday.
Estrada de ferro de li-
beiro Bonito
Nos termos do nico do art. 4 e arta. 5 e 9
2 Jos estatutos, convida esta directora aos se-
nhores accionistas para recolherem no London &
Hrasilian Bank, a segunda prestacao de 10 0|0
do valor nominal de cada accao, a comecar desta
data 60 dias.
Becite, 20 de Julho de 1886.
O gerente,
Hyppolito V. Pederaeiras.
Companhia de cavallaria de Per-
nambuco
Precisa-se comprar sete cavallos para o servico
da mesma companhia, as condicoes seguintes :
mansos, que goveraem bem, com sete palmos de
altura, gordos e novos.
A 10 do corrente, s 1C horas da mauha, se
effectuar i a compra, depois de examidados.
Quartel no Camp> das Princesas, 3 de Agosto
de 1886.
O tenente J Agente.
EMPREZA~DU GAZ
Pede-se aos Snho
res consummidores que
queiram fazer qualquer
comunicaco ou recla-
maco, seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
ceben qualquer cont
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
lins Car.valho.
Todos os recibos dessa
empreza devero ser pas-
sados em tales carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assigi^lo sem oque
nao tero valor algum.
George Windsor,
Cha preto
As qualidades me-
liorcs emais escolhi-
das neste genero, con-
tina a vender Carlos
Sinden, n. 48 roa do
Baro da Victoria.
Recebeu de impor-
tac-ao directa e vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
proprias para botis e
casas de familia.
Companhia de EdiOcacfles
O escriptorio desta
companhia acha-se in-
stallado na praca da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucc,es e reconstruc-
c,es.
Recebe-se informa-
c,es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mestno escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
Preparados
DA
MiLTINA MA1FCTRM C.
LONDRES
Oleo de ligado de bacalbao e Ielte
pepitoniMado
Esta preparaco tu saborosa que urna crian-
ca promptamentc a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
tegramente disfarcar o oleo e as pessoas de diges-
to mais dbil podem tomar sem receio de gran-
de eficacia para adec(oes pulmonares, tsica, toa-
ses, debilidades, etc.
Peptonoldea de Carne
Um alimento nifogoaoso conjposto de consti-
tuiutes solidos de leite bem como gluten do trigo
(livre de gomma;.
Recommendado as convalescencas de qualquer
doenca, febres, gastrite, dysenteria e toda e qual-
quer debilidade, seja qual for a sua origem, espe-
cialmente usando-sem combinacSo com o ole ode
figado com loite.
alllna
Um extracto cancentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 30 vezes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at hoje conhe-
cido, alt-mente apreciavel nos casos de debilidade.
Alimento Soaluvel de rarnirk para
crlaneaat
A analyse deste alimento demonstra que os seus
eonstituintes nutrictivos sao quasi idnticos com o
leite materno, pe r isto o alimento mais aperfei-
(oado para crianca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Dopasito ra do Bar2o da Victoria n. 48
lEMSlOi
Gompanhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelcida em 1*55
CAPITAL 1,000:000$
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Martimos..... .,110:000$000
Terrestres,, 316:0005000
44-Rua do C'ommerelo
Cipi ie Sils Filiie,
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenlx Per-
narabucana
Ruado Commercio n. 8
SEGURO*
FOGO
he Liverpool t hMw i Co
l^iSlRRANCE C0MP4NY
&C.
London
Bank
aod Brasilian
iJmlted
Ra do Commercio n. 32
Socca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n 75. N-
Porto, ra dos Inglezes.
THEATEO
DE
VACIEDADES
NA
ROYALIAILSTAM PAC.ET
COMPANY
0 paquete Mondego
.
E' esperado daEuropa no dia
9 do corrente, seguinda
depois da demora necessa
ria para
Macei, Bahia, Eio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres '
O paquete Trent
E esperado
do sul no dia 14 de
cerrente seguindo
depois da demora
aecessaria para
Vicente, Lisboa, vigo e on
thampton
passagens, fretes, etc., tracta-se com es
CONSIGNATARIOS
damson Howic & C.
Para
Domingo, 8 do correte
Grande espectculo em beneficio da viuva
DE
Francisco de Panla Santos
Com o concurso do alguns amadores da DIm-
traecuo Dramtica Familiar e honrado
com a presenca do distincto tribuno pernambuca-
uo Dr.J0S MARIANNO e sua Esma. familia.
Depois que a orebestra executar um linda ou-
vertura, subir secna pela primeira vez nesta
poca o apparatoso diama cm 5 actos, original
francos, intitulado.
0 PIRATA ANTONIO
ou
A ESCRAVa ANDR4
Dcnominacao dos actos
1 O insulto. .
2."A traic/io.
3 A regonera^ao.
4.00 duello.
O.*O perdi.
Terminar o espectculo com a chistosa comedia
cm um acto, intitulada:
ER 1
O pequeo
ser procurado
espectculo.
numero de bilhetes que resta, pode
na bilbetaria do theatro, no dia do
COmecar s Horno.
MARTIMOS
t(i*P4VIII PKB.1alBl'C DE
Vavcaiaco Coste!ra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Bahia
O vapor Jaguaribe
no dia 1 de
la 5 horas da
Segu
Agosto,
tarde.
Recebe carga at o
dia 6.
i dinheiro a frete at
Encommendas, passagt,
as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucana
n. 12
Companhia Bahlana de navega-
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia .
0
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESS-N.
Segaron martimo e terrestres
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seg uradts isempcaode paga
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao descont de cerca de 15 por cento em
favor dos segurados.
"compaMoesegboT"
t'OXTRA FOo
Nortb British k lercantile
CAPITAL
t.-ooo.ooo de libras sterlinas
A GEN ES
Adomson Howic & C.
COMPAMIIA Dfi SEGUROS
NORTHERN
de LOndres e Aberdeen
Poalc&aflnaneelra (Deiembro 18SS)
Commandante Nova
Segu impreterivel-
mente para oa portes
cima no dia 6 do cor
rente, ai 4 horas da
tarde. Recebe carga
nicamente at o 1/2
dia do dia 6.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete tracta-se na agencia
7Ra do Vtgario 7
Domingos Alves Matheos
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,34
tteeelta annnal :
Da premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John. E . Boxteell.
BA nO COMMEBCIO >. 16 1 AIVOAB
REUNS CHARGEIRS
Companhia Franceza de \ avega
eio a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lia-
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
stemer Ville de Cear
E' esperado da Europa at
o dia 6 de Agosto, se-
gnindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
lila. nio de Janeiro
e Santo*.
Roga-se aoe Srs. importadores de carga p?los
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarengai qual-
quer reclamaos concernente a volumea, qu<> po-
ventura tenham seguido para os portes do sul,afim
de se poderem dar a tempo aa providencias neces-
saraa.
Expirado o referido praso a companhia nio ae
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageiras. para
os qnaes tem excedentes accomodacoes.
'II
DampfschiflTahrts-GeselIschaii
O vap r Petropolis
Esperase de HAMBURGO,
va LISBOA, com escala pe-
' los Azores, at o dia 20 do
i corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, 6 encommendas tracta-
ie com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RUADO VIGARfON. 3
1* andar
Os vapores desta companhia, os quaes tem p-
timas a ommodacoes p ira passageiros, regres-
as m dos portos do sul com destino Lisboa e
Hamburgo piirtindo da Bahia nos dias 8, 16, 23 e
30 de cada mez e tocaro neste parto, cuso se of-
fcri-5'i numera sufficiente de passageiros.
Os Srs. passagniros, que se quizerem inscrever
tilo rogados afasel-o pelo men^s 4 dias antes das
partidas d.i Babia.
COMPA\UIA HEU.XAXItUCANA
DE
.\*avegaco costeira por vapor
Fernando de Noronha
0 vapor Giqui
Segu no dia 1 de
Agoso, pelas 12 llo-
ras da manha.
Recebe carga at o
da 9, e passagens at
as 11 horas da manha
do dia 10.
ESCRD7TORIO
cae da Companhia Fersaaibn
cana n. 1*
Paril c New-York
Espera-se at o dia
28 do mez corrente,
o vapor ing'lez The-
rezina, o qual depois
de pequea demora
seguir para os portos
cima.
Para carga e frete
trata-se com os con-
signatarios Johnston
Pater & C, 15 ra do
Commercio,
Lisboa e Porto
E' esperado nestes das o patacho nacional
Osear e segu com brevidade para oa portos ci-
ma, por ter quasi toda a carga engajada ; para o
reato que falta, trata-se na ra do Mrquez de
Olinda n. 1.
LEILOES
Companhia
&y:
Imperial
Angosto F. de Oiveira k G
AGENTES
42-RIJA DO COMMERCIO -He
Grande e Importante
Leilo
De bons movis, ricos quadros, finos crystaea,
porcelanas, objectos de electro-plate, mobiliai
de mogno, dita de Jacaranda, dita de junco, ca-
mas francezas, guarda-vestidos, toilette, guar-
da-louga, mesas, apparelhos de porcelana, crys-
taea, objectos de electro-plate e muitos outros
objectos que eerSo annunciados detaihadamente
em avulsos.
Sabbado 7 do corrente
As O e niela horas
No sobrado da ra da Prnceza Isabel n. 1
POR INTERVENCAO DO AGENTE
(jusmo
Leilo
United States k Brasil MailS. S. C.
0 paquete Finance
DE
SEGUROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxa baixas
Prompto pagamento de prejuitot
CAPITAL
fia. 16,000:000/000
Agentes
BROWNS & C.
i N. Ba do Cvmmercio N. 5
' esperado dos portos do
sul ate o d 9 de Agosto,
depois da demora necessaria
seguir para
Haranho, Para, Barbados, S.
Thomaz e Xewlork
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a-frete tracta-se com oa
AGENTES
N. 8
Heury Forsler k C.
* RUADO COMHEKClO.-N
8.
1' andar
Sabbado. 9 do corrente
A's 11 horas
Na ra do Imperador n. 75
O agente Silveira, por mandado e com assisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de orphios e a reqaeri-
mento do inventariante de D. Alexandrina Annes
Jacome Pires, levar a leilo 3 quartas partes do
sitio estrada de Joo de Barros, tendo a casa 5
quartos, 2 salas, cosinha f'a, cacimba, sitio bem
rborisado, e medindo de frente 1,145 palmos de
frente para a mesms estrada.
Oa Srs. pretendentes podem examinar o referido
sitio. .
(EM CONTINUACAO)
O mesmo agente, levar a leilo um sibrado de
2 andares, ra de Marcilio Dias n. 100.
Agente Pestaa
Leilo no Arraial
Confronte estaco da Casa Amarella
Do estabelecimento de fazendas, miudezas,
ferragens, qainquilharias, drogas, per-
fumarias, carteira de amarello e dous
caizSes para mascatear.
segunda feira. 9 do corrente
A' 1 hora da tarde
O agente Pestaa, autorisado pelos Srs. Sotter
de Oaatro & C, proprietario do estabelecimento
denominado Basar da Casa Amarella, ar leilo
das mercadorias cima mencionadas, em um ou
mais lotes paia pagamento dos Srs. credores.
^\


Diario de PcrnambucoSexta-feir 6 de Agosto de 1886
Leilo
de diversas balas de papel de embrulho, desearre
gads de b.rdo do vapor frhncez Senegal, eom
avana d'agua do mar e por cunta e risco de quem
pertencer.
Segunda feira, 9 do corrente
A'* 11 horas
Agente Pinto
No armazem do Atines em frente da
Alfandega_____________
Eseada
Rio-Grande do Glorie
Leilo
A 1 de Agosto
O agente Odilon vender t-m eilo publico, na
eidadedo Nata!, no dia 7 de Agosto prximo, o
patacho no-iieguense Latid._____________________
Leilo do patacho inglez
Tropic
Por interven cao do
agente Jatahy autori-
sado pelo respectivo
capito, far leilo na
cidade de Fortaleza
(Cear), no dia 22 do
corrente mez na porta
d aquella Alfandega,
por conta e risco de
quem pertencer, opa-
tacho inglez Tropic
de 140 toneladas de
registro, forrado de
cobre co ai todos seus
apparelhos, botes e
pertences, arribado
na que He porto.
Pernambuco, 4 de
Agosto de 1886.
Perganta-se ao vigario da Eseada, quando
que pretende abrir a porta lateral da matriz, se-
gundo determinou o Exm. Sr. Bispo D. JoB,
quando ltimamente esteve nesta cidade. Nao
receie, senhor vigario. que os ladroes iro mais
abril-a com a pa do
Meiroz
Cura certa era 48 horas das inflaraacBes
recentes dos olhoB, pelo colyrio prepara-
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Emprega e este poderoso colyrio sempre com
grandes vantagens, lias seguintes molestias :
Ophtalmias agudas, purulentas e c-hronicas, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito eral, na drogara de Faria Sobrinho
4 C. ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Para nformacoce, sedirijain livraria Indus-
trial ra do Barita da Victoria n. 7, ou resi
deneia do autor, a ra da Saudade n. 4.
AVISOS DIVERSOS
Alugu-ao casas a#8000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de ri. Goufallo : a tratar na ra da
Imperarri:-, n. 56.
Aluga-so o sitiu do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duis cacimbas com excellen-
te gua : a trntar no caes de Apollo n. 45.
ALUG^SE a casa terrea n. 20 da ra do
Capitn Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos
cosinba e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Mrquez de Olinda n. 8.
Compra-s fios de linho para o hospital Pe-
dio II : na ra Formosa n. 4.
Aluga-se o 2- andar n. 31 e armazem n. 39
ra do Imperador, e a loj do pateo du Terco n.
20 : a tratar eom Luis de Moraes Gomes Fer-
reira.________________________________
Com urgencia, urna familia honesta, de tres
pessoas, precisa tomar de aluguel outra de
igual conducta o que tenha pouca familia, a me-
tade de urna casa em boa ra, que tenha quintal e
agua, preferindo a parte de interior : quem ti ver
com estas condieoen, dirija typographia do Dia-
rio de Pernambuco, dando o numero da casa e
ra. ^^_^^_^_^_____^^^^^__
__ Jos Antonio Goncalves e Joao Goncalves
Agr, establecidos na villa de Porto Calvo, pro-
vincia de Alagoas sob a firma de Jos Antonio
Goncalves Se. Sobrinho declaram no respeitavel
publico e especialmeute ao commercio desta praca
e das outras onde tein transaeces que pissolve-
ram aquella firma em 22 de Juoho do corrente
anuo, continuando d'esta data em diante com o
inesino ramo de negocio sob a nova firma de Joao
Goncalves Agr & C, a cargo de quem tica o acti-
vo e passivo da firma extracta. Recite, 5 de
Agosto de 1886.
Aluga-se um sitio na travessa de Joao de Bar-
ros n. 6, com boa casa de morada e grande quan-
tidade de fructeiras, cacimba muilo boa e perto
da via-ferrea de Olinda : trata te na ra da Im-
peratnz n. 14, camisaria._______________^^^^
Companhia Pernambu-
cana
Coslelro a vapor
Snpprimento para o vapor Jaguaribe
No 927:170
O commandante do vapor Jaguaribe, Francisco
Alves da Coste, pela segunda vez rogado a vir
ra do Mrquez de Olinda n. 50 dar cumprimento
ao numero cima, se fosse gerente o Sr. Francisco
Ferreira Borges as providencias seriam dadas em
continente.
Este remedio precioso tem gozado da aceda-
(3o publica durante cincoenta e sete annos. com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forSo tao exten-
sas como ao presente; e sto, por si rnesmo,
offerece a melhor prova da sua efficacia maravil-
hosa.
Nao hesiiamos a dizer que nao tem dciaado
em caso algum de extirpar os vermes, jer em
creancas quer em adu/Hos, que se acuario afilie-
tos destes inimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaces de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificacOes, de
ortc que deve o comprador ier muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
Terifaec fle B. A. FAHNEST9CK.
CASI FILIE
Aos4:000S000
bixiietem 4.Aiv%i;o >
t^raca da Independen
cia ns. 37 e 39
O abaizo assigna o vendeu entre os seus
folizes bilhetes garantidos da 64a lotera
a sorte de 100,5 em 4 quartos n. 2476,
alero de outras muitas de 320, 160 e 80.
Convida os possuidores a virem recebe:
sem descont algum.
Achara-se a venda os fezcs bilhetes
garantidos da 65a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrthir quando tor annunciado.
Presos
Bilbete inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
cm por^o de 1OO0OOO para
- cima
Bilhete inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 875
Antonio Augusto dos Satit** Porto
OTERIA
ALAGOAS
CORRE NO DIA 10 DE AGOSTO
HTBA1FER1TEL! INTfiAuP:?lTEL!#
O portador qae possuir um
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar........
10:0061)000,
Os bilhetes acham-sea' ven-
da na Casa Feliz, praca d In-
dependencia ns.
Corre no dia 10 de Agosto
1886, sem alta.
37 e 39.
proprietarios do muito conhecido estabelecimeuto denominado
MUSEO DE.JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeitavel PUBLICO que receberam un
grande sortimenlo de joias das raais modernas e dos mais apurados gostos, como tara
bem relogios de todas as qualidades. Avisara tarabem que continuara a receber poi
todos os vapores vindoe da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en
outra qualquer parte.
MIGUL WOLPP & C.
N. 4RA DO
Oompra-se ouro e prata velha.
CABUGA
----N. 4

PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
Ct5
OB
W2
eres
ss
es
5
es
C3
5
Ama
Precisa-se de urna ama de bons costu-
mes e de conducta afiancavel para andar
com urna enanca de 2 annos ; a tratar na
ra do Barao de S. Borja, antiga do Sebo
n 15.
Andr Avellno do Kaicimenlo
Domneos Rufino do Nascimento, Manoe) Cus-
todio do Nascimento, Joo brysqstomo do as
cimento, Guilherme Custodio do Nascimento, Eu-
genio Pedro do Nascimento e Amelia Antonina
do Nascimento, irmiios e cunhada do finado An-
dr Avelioo do Nascimento, tendo de mandar
esar no dia 7 do corre i te, na igreja de 8 Pedro,
3 7 horas, urna missa por alma do meeroo finado,
onvdam a todos os amigos do mesmo, para asis-
tiren, o referido acte, pelo'que antecipam suog
jrratio'oes._____________________________^^^^^^
Pro fe* o r Joo Ante Poriam
l.ailuam de Mello
O Gremio aos Proiessores Primarios, profnnda-
mente sentido pelo infausto passamento do seu
digno consocio, professor Joao Ante Portam La-
tinara de Mello, manda celebrar urna missa pelo
eterno repouso do mesmo consocio, na igreja ma-
triz de Santo Antonio, as 8 horas da manba do
dia 9 do corrente, trigsimo do seu fallecimento.
Para ease ct de religiao sao convidados a fami
Ha, collegas e consocios do fallecido.
Secretaria do Gremio dos Professores Primarios
de Pernambuco, 5 de Agosto de 1386.
0 1* secretario,
Antonio Candido Ferreira.
O Remedio mala efficaz e ^S"
CS eguro que te tem deacoberto ate
B"fl Ao/e para expellir as ion brigas.
ROQRIMOL FRERES
Fumo desliado do Rio-Novo
Marca Heistoglieles
DE
Frotas Silva &
O melhor e o mais poro qae tem
vinilo a enla praca
NICOS IMPORTADORES
Costa Liroa & CRa do Amorimn. 37.
Almeida Machado & C Ra da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio dos Santos Ra do Mrquez
de Olinda n. 5 e ra Prirneiro de Margo
n. 3._____________________________
Pillas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja preparacSo purameute ve-
getal, tcem sido por mais de '20 annos aproreitadas
com os melhores resultados as seguintes moles-
tias : afieccoes da pelle e do figado, syphilis, bou
boes, escrfulas, chagas iuveteradas, erysipelas e
gonorrhas.
Modo de aaal-a
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, be-
Oendo-se apos cada dse um pouco d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : tome-se nm pilula ao jantar.
Estas pilulas, de invenco dos pjiarmaceuticos
Almeida Andrade 6e Filhos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para sua melhor garanta, tornndo-
se mais recommendareis, por sereui um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
usadas em viapem.
ACHA\!-SE A' VESDA
*a drogara de Faria Sobrsimo ft C.
41 BDA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Elixir carminativo e tnico do
pharmaceulico Ye as
QRemedio que cura dyspepsias, gastralgias e to-
das as perturbacoes ligadas desarranjoa de es-
tomago e intestinos._ Aconselhado por varios di
nicos dos mais conceituados desta cidade, acha-se
veoda exclusive mente na pharmacia ameriqana
de A. M. veras & C-, & ra Duque de Caxias mi-
mo-" 57.
COLLEGIO FRANCEZ
PAR* MENINAS
17Ra doBaro de Bemfica17
U LIMA DA PASSAuEM DA MAGDALENA
As senhoras Mme. Francis e Mll. Francis, m2 e filha, diplomada pela Fa
culdade de Pars, recentemente chegadas de Franja onde exerceram por muitos an-
nos o professorado, acabam de estabelecer um collegio para meninas, seguindo pro-
gramma adoptado era Franja; o qual proporcionar s alumnas que lhes forem confia-
das urna educajao completa e esmerada.
Os senhores pais de familia sSo convidados a visitarem este novo estabeleci-
mento situado era tSo saudavel bairro e dispondo de todas as condicSes do confortavel
ede bygienc.
Mlle. Izabel Francis possue um talento elevado para o ensino de piano.
Ella precisa de urna ajudaq,te para as claases.
Grande e bem montada oflicina de alfaiale
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo Variado sor
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravataa.
tudo importado das melhores fabricas de Pars, Londres e Allemanha; o para berr
servrem aos sous amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimenU
jm na direccSo dos trabalhos da oflicina habis artistas, e que no curto espaco de 24
horas, preparam um terde roupa de qualquer fazenda.
Ra do Raro da Victoria n. 41
(PREgOS SEM COMPETENCIA)
W5
^2
02
Ct?2
Chapeos e chapelinas
36 A40PRACaDIl INDEPENDEIA36 A 40
B. S. CARVALH0 & C.
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento paitecipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas em Pars e Manchcster o que de melhor e de
^- apurado gosio ha em chapelinas e chapeos para senhoras e meninas
e das primoira8 fabricas de Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para hemens e criancas, e muitoa outros artigoa concernentea
chapelara.
Flores artificiaes para ornamento de salas.

se
5^
93
J
C
FUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON tt C
N. 44--Bu i do Brum--N. 44
JUNTO A B^fAPAO DOS R0NS
Tem para vender, por pre< mdicos, as seguintes ferragens:,
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivac/3es de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro cora serra circular.
Qradeamento para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de macbinismo e execbeam qual-
traballio com perfeigao e presteza.

es
J

ST"
JDSS-

-39
c
.-*
2
#
r-.

J
fi
.2-i
O s
ce
y

V/,
y ^W-^llctltrMnrWWUy ,,^
<.tiiheumati8mo,Ca7H'rofc,8obab.Impigeru3 "
e todas as molesliae que lenho sua ogem
'na impureza do sange dpvida a syphig.
,
O
CU
-:. :>-^^-'-Sf -- -; *: > ^
^UtttteljIsf'jsMatde /o(oof>vefaio -c*^ .'
ifleoRATOBfO^EHTRAl DE f RO0uCTOSItOlClHA|r
Ra o VisecMide do fi to B ra-aoo
9-,------RIO DE JAXE1ROT--T
O
g
am G*
"I C"
s *
O S
p- .
S^ o
** s
O
g-
p
Xfl
I

prWilegiado da Casa Real de Espanha
e do G. jI. a Rainha de Italia.
Ozea P.
Ozea Sachet.
Ozea Essencia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagra de toilette.
Ozea Agua para os denles.
Ozea Puta para es dantas.
Ozea Oleo.
Ozea Sabio.
Ozea Pomada.
Ozea Fixativo.
Ozea Cosmtico.
Ozea Brigantina.
Ozea Cold Cream,
Estas exquisitas preparaces sao muito apre-
ciadas na mais distincta sociedade pela deli-
cadeza do sea perfume.
R E C E R'S
TRANSPARENT CRYSTALSBAP
(Sab&o transparente cristalino)
reconhecido como o mais perfeito do todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades higinicas, pelo seu aroma e pela sua larga duracao.
, ll_^,. Drpiilo as prloelpact Perfumaras, Farmacias, dea.
Apa Afi Vlwfl
Em quartos e meias garrafas, vendem Faria
Sobrinho & C, roa do Mrquez de Olinaa u. 41
DEPOSITARIOS
0
z*r
tt-m
aaJD
c
as
ZaT.
HLTJ
idmlttlttracto : PARIZ, s, Boulatard Uontmrtre.
GRANDE-GRILLE.Anecoiljmphaticas.doen-
eas das f iai Jigesi ivas,obstruc(oes ao ligada e do baco
oblruccocs uscerat*,cancrei5es calculosas da bile.
HOPITAL A0cci;5esdasviasdigPStivasDCommo-
dos du estomago, digesta difllcil, inappeteacia,
(utralfiai i ipstia.
CLESTINS A8ke(SMdosria*,dalitigaaraiaf,
CMCIVffisxuasooriaw, c.'U, Jiibole,albaatinuria.
HAUTERiVE.AireccocsdosriB.dlh5ga.areias
coocreces,la ouriujs, i'ola. diabetes, alburamuna.
EXIJA-S 0 TOME da FO'iTE Da CAPSULA
Em Ptrnimwco, as Agua Si ".
> ua nomcadJS. aclio-se m cautil
aUUUSMCN Y LAEIIXE, S. roa do CommwOo;
a SULZEB KOECUXIN, 35. ru di Crua.

I
,w*
lWff^"



O
Diario
R.EM|0VTRA sezoes
(atebsaoceccbi)
cuMWtauwrrt ECOMcnmzA
as
liebres Intermittentesl
llRcrailfcntes e Biliosas:
i, as
,.Maleitas,os Calanos.
C TODAS AS
fiolestias Paludosas.
''Remoto cxceuiitl wjia
rIIS
J>GlFiGAj
I PrrwnJo r*> DtJCAYTlUaAJJ~im^..UJt
r>
Alaga-se
por 185C00 a casa terrea n. 85 ra do Rosario
da Boa-Vista ; trata-se na ra do Pilar n. 56,
Fra de Portas.
luga-sc
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
tabelecimento fabril : a tratar na ra do Comtner-
ci n. 34, com J. I. de Medeiros Reg-
Aluga-se barato
A ra Lomas Valentinas n. 4
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Visoonde de Goyanna.
Trata-se na ra do Comtnercio n. 5, 1* andar
eseriptorio de Silva Guimares & C.
Aluga-se
a casa n 1 ra Lcmbranca do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na raa da Imperatrz
n. 32, 1 andar.
ceja andar.
Pieeisa-se de urna : na
ra do Cabog n 3, ter-
Ama para cosinhar
No largo do Corpo Santo n. 19, segundo andar,
precisa-se de urna boa cosinheira. que d fiador
de sua conducta.
Ama
Na piaca do Conde d'u n. 7, 2- andar, pre-
cisa-se de urna ama que cosinbe bem, para casa
de pequea familia.
Ama
Precisa-se de urna ama : a tratar na ra larga
do Rosario n. 21, 2o andar.
Barrciros
lo Sr. coronsl Joo Carlos.
Jplica-nos ou nao a historia que, interessando
nns senhort's de engenh-j de Barr.eros, sabio
lar o do dia 11 do mez prximo passado ? !..
Quer nos parecer que todos os argumentos sus-
citados na referida historia sao irrespondiveis :
eom tudo esperamos anciosos uro arsinho de sua
graca.Vej amos.
Um que tambem nao ignora.
Molestia da caima
Processo de filtraco especial.
Methodo econmico e satisfatorio e de fcil ap-
piieacao em qualquer engenbo.
Nao teriio os senhores de engenho mais prejui-
sos enormes com a molestia.
Informales e espe ificacoes com
BCTIS&G.
n. 5-Raa
do C'omuiercio
RECIFE
IV. 5
Cosinheira
Precisa-se de nma boa cosinheira, que seja as-
seiada e durma na casa em qne se alugar, paga-
se bem : a tratar na na do Paysand n. 19 (Mag-
dalena).
Criado
Precisa-se da um criado de 12 a 14 annos, que
tenba pai ou alguem que o governc : a tratar na
ra de Paysand n. 19 (Magdalena) ou ra do
Commercio n. 44.
Esco'a nocturna
Acba-se aberta a matricula desta escola ra
de Guararapes n. 29, regida pelo professor par-
ticular Joao Valentim Ferreira Bastos Jnior. O
sesmo professor, a pedido de alguna pais de fa-
milia, contina a leccionar em casas particulares
a ambos os sexos, pelo que desde j protesta se
esmerar no adian amento de seus alumi os, aquel-
los que bondosamente lhe forem confiados. As
mensahdades eero f itas na inscripcao da ma-
tricula.
Tomem nota
Trillios para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
achlnismo completo para en-
genhos de todos os taannos
Systema aperfeicoado
Especificantes e preqos no eseriptorio dos
agentes
Browns & C.
-X. 5-Raa do Commercio
N.B Alm do cima B & C, tem cathalogos de
mu't f implementos ueci ssarios agricultura, como
.ambem machinas para descarocar algodo, moi
nhos para caf, trigo, arroz e milho; cerca de fer-
ro galvanisado exeel. nte e mdico em preoo, pes-
goa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
brul-a.
NTICO
#

%
PreoaraQo de Productos Vegetaes
PARA
SXTINyO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JMARTINS& BASTOS
Pernanibiieo
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cerecrescerocabelloainda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranquo-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
^MU^
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvaclo official de
um Govemo. Tem Auas vezes
nmis fragrancia que qualquer outra
e dura o dobro do tempo. E' muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mnis permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
'frouxido e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
desmaios.
Xarope Je Vida fle Heuter No. i
ahtes de rsAir-o. dzpois de ttsal-o.
Cura positiva e radical do todas as formas de
escrfulas, Syphis, Feridas Escrofulosas,
Affecces, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdao Cabello, e de todas as do-
eneas do SangnaFigado, e Bins. Garante-ge
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangne
e restaura e renova o systema inteiro. mg/t
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian.
Sas e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especias
e em todos os periodos.
Deposito em Pemambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Criada
Precisa-se de urna criada para morar em casa,
que saiba enrommar, e tambem frisar e preguear
roupa de senhora, paga-se bem ; a tratar em San-
to Amaro, portio encarnad, junto capella.
Corso de francez
Boa da Matriz, da Moa tinta n. 84
O abaizo assigndo participa ao respeitavel pu-
blico que abri em casa de sua residencia um
curso de francez, onde esmeradamente se dedica
ao adiantamento de seus alumnos. Espera, pois,
merecer a confianza e a proteccao do distincto
pevo pernambucano, <- de tudos aquelles que quei-
ram aproveitar um nino rpido e esperancoso.
Mensalidades 3000 pagos adiantadoa no
acto da matricula.
Horario das 5 huras da tarde as 7 da noite.
Ruada Mhiiiz da Boa-Vista n. 34.
Julio ftoarts de Azevedo
Regulador da Mari-
nha
Este importante estabelecimento de re-
lojoaria, fundado em 1869, est funecio-
nando agora ra Larga do Rosario n. 9.
O 8eu proprietario encarregado da Ra-
gulamentacao dos relogios: Arsenal de Ma-
rnha, Estrada de Ferro de Limoeiro, Com-
panbia Ferro Carril de Pemambuco, Aa-
sociacao r.ommercial Beneficente, Estra-
da de Ferro do Recife a Caxang, Estra-
da de Ferro do Recife a Olnda e Beberibe
e Estrada de Ferro de Caruaru' ; cercado
de intelligentes e babeis auxiliares, fazcon-
certos por mais difficeis que sjam, nao
s em relogios de algibeira, mas de pndu-
la, torre de igreja, caixas de msica, ap-
parelbos elctricos e telegraphicos.
O mesmo acaba de receber variado sor-
timento de relogios americanos que ven-
de de 70 a 20 de parede e de mesa, des-
pertadores de nikel.
Aos seus collegas vende fornecimeto em
grosso e a retalho : e aceita encommendas
para seu correspondente em Palia.
Acha-se bem montado neste estabeleci-
mento um observatorio pelo qual regula to-
dos os relogios martimos e terestres.
Recebe asssignaturas para dar a boracer-
ta desta cidade pelo telephone n. 458.
Preco commodo
Em frente de sen estabelecimento se
acha collocado um relogio, cujos mostrado-
res poderSo ser vistos pelos passageiros da
Ferro Carril, tendo sempre a hora media
desta cidade determinada pelas s uas ob-
servares astronmicas.
Antonio Josi da Costa Araujo.
0 MAIS ENRGICO E 0 WftIS ACTIVO DOS RECONSTITUINTES
O ARSENIATO DE OURO se impoe a todo aquelle que for cuidadoso do seu bom estado de sade. Com um ou dems
granulos por dia, volia o appetite, aaforgaB augment&o c urna sade perfeiia tuccedt rpidamente d um estado inquietador. Nenhum
medicamento pode competir com elle no tratamento das Molestias chronicas do Peito e do Estomago, Afeccoes
intestinaes e nervosas.
ANEMIA, ESGOTAMENTO, MOLESTIAS NERVOSAS, MOLESTIAS DE SENHORAS
O Arseniato de Ouro dynamizado do Doutor ADDISON, resultando da combinacSo de dous medicamentos
heroicos, combate victoriosamente a Tisica, Bronchites chronicas, Asma, Rheumatismo chronico e todas as
Molestias que resultfio do Esgotamento do systema nervoso.
NSo tem rival nos Enfraquecimentos que rcsultiio de urna longa molestia. Suas propriedades tnicas e reguladoras da
hmervaco torno-no superior ao Ferro contra a Anemia, as Flores brancas e as Nevralgias. As Febres que
resistero ao sulfato de quinino cedem ao Arseniato de Ouro.
O Arseniato de Ouro torna as mulhercs jovens e nutridas. Auxilia poderosamente o atravessar a poca to temida da
idade critica e communica urna nova juventude.
MOLESTIAS DO SANGUE, APOPLEXIA, MOLESTIAS DA PELLE
Gracas sua propriedade tle restabeleccr o equilibrio entre os elementos constitutivos do sangue, o Arseniato de
Ouro dynamisado recommendado s pessoas de idade como preservativo das diferentes especies de Apoplexia e Gon-
gestes. Tomado em fortes doses, cura rpidamente qualquer Molestias proveniente de impureza do sangue.
Combinado com um tratamento local, cura infallivelmente a Molestias mais rebeldes da pelle, Lupus, Eczemas,
Cancroides, etc.
Militares de Doentes devem hoje sua cura aos Granulos de Arseniato de Ouro do Dr. ADDISON.
Innmeros attestados forao dados, citaremos aqui alguns.
O FRASCO : 6 FRANCOS
(em Franga)
Desconie-se das Contrafases
e exija-seaVERDADEIRA ETIQUETTA
com a MARCA DE FABRICA assim
como a assigaatura
e a do Snr.
nico Preparador
Deposito Geral :
Pharmacia G-ELX1T
38, ra Rochechouart, em Parlz
E AS PRINCIPAES PHARMACIAS
Em Pemambuco:
Franc00 M. da Silva & O*.
ATTESTADOS DOS DOENTES
Snr. Gelih, Phannicentico de 1* elMM, em Pariz.
Tendo tido dores no >cito, estomago e t&ortO,
Empoucos das desappareceram cu dores colta/i-
me o appetite. ,
Queira cnciar-me mais um /rasco acates gra-
nulos, ...
iVrt espera, tenho a honra, de cumprimrntal-o.
Lauueht. Reloj. Ouriocs em Brezollcs (E.-et-L.)
Nota. Autoriso-o apub'icar esta carta.
Snr. Gflin. Pharmaceulico delclisse,em Pariz.
Estou multo satisfeito com o rmprego dos Gra-
nulos de Arseniato de ouro dynamisado do Doutor
Addison. Ha dous annos que os Grnalos de Arse-
niato de ouro do Doutor Addison commee-ou a Jlcar
em roya Weste paiz c tem augmentado, pois eum
quonros dcltesfacfiouso.
Muito lhe serct agradecido de me enviar ornis
brecc possirel dous frascos deste medicamento,
tem sido o nico remedio que tem acalmado min-
has dores nccralgicas.
De V. S. m* \ ".
F. Armand, Adjumcto Mnirir.
B9*Cabricres. l'lsles-Sorgue(Vaucl.)
Caro Snr. Gclin.
O effeito dos Granulos de Arsenhto de ouro dyna-
misado do Doutor Addison, tem sido maracilhoso!
Ainda nao roltei de minha surpreza. Nao tenho
mais ".< ''ri.'ttfportaccis dores a> cabeca e a febre
ttcapl artecu.
Julgara nte desengaado, e .' fin' tinha pedido
d'-Mr producto a t& is no acrc-
ag ra errio. bem
tro.
Tcnha bondad* dr cnvtar-me mais cinco
.\>t > n a honra
detra/uiniuir-ihe meus ot vtoi dr^ratidQo.
La Konche. rwt Maj-nta. II. em <
Snr. (h.in, Phartmeeutiio do la eUts em Pariz.
iquereceb o ttecei logod tomar;
em poucot iiinf me aehax a curado.
Fia tratado >. m resultado por muii
PetLzfcntc 'rite recorr ao Araoialo de ouro dyna-
misado do Douinr A Tertha a bOHdadi dr rt:rnr-mc um
rfe Granulos de> Aneniato ioqto Doutir Addison ; ajan de pTCCat I ra urna
ni'iliida.
Miati, ihr agradeco ter n r tomado dcste medi-
camento, que e cauta de i
Vi\. i M.rncst).
A Queudcs. par Sezannr (Mame).
Sur. G; t.in, Phirmaceutico de 1 elaSM e:n Pariz.
Tendo mais conJlancn em seus Granulos de Arse-
niato de ouro djunindo do Doutor Addison, dtele O
cura radical de minha Jha. nrco-lhe de mandar-
me mais um/ra: tifo.
Agradeco-thc de antc-mo.
Boudrey. negociante dr cinhos.
A Perrigny-sur-Serrin. ,ar Noger (Yonnc)-
Snr. Gf.u*. PharmaeeuUco de la classe em Parix.
Acabei com o frateo de Granulos de Arseniato de
ouro dynami-ado do Doutor Addison que lhe ped lti-
mamente, l'roduziro-mc muiro bom etfeito; s
posto attrilntir minha cura ao ejfcito dcste feliz
medicamento. ri, cnt&o emprrguei ficaram sem resultado.
Tenha a bondade de enciar-me mais um fraseo.
De V. S. att*' V" O Obg".
Thouve. Reloj. Ouriees.
A Mascara, procince d'Oran (Algeria).
Snr. Gelin. Pnarmaeeutico de la ciarse em Parix.
Tenho a honra de incluso remctter-lhe seis
francos importancia de um fraseo de Granulo* A
Arseniato do ouro dynamisado do Doutor Addison. que
tira bondade de remetter-me.
Empreguei este medicamento que comprei em
caga do f correspondente de Lille c Jlquei
m tiito satisfeito com os. seus promptos e cxctllcntes
crTeitos. Fi.vmknt, institutor.
Bm /ietrreuee. pertode Houdain (Pas-dc-Calais).
Sur. GF.LtM. Pharmaeeutico m Paria.
Segundo os conselhos de um Medico emprcauef
os Granulos de Arseniato de ouro dynamiaado do
Doutor Addison.
Em vista do mararilhoso cfTeito que co\
experimentar dttdc que principiei a l*"
Granulos de Arseniato de ouro dynamisado di
Addison. rogo-lhe de rnriar-me o mai$ *_i
sioel mais dous frascos.
De V. S. att" V" Cr4* Obg-.
Jarjayr, Joo (Paej. proprietario.
Em Vercoiran. por Le Buis (Drtime).

tas lUi X vxlfcE>.A.01sn,t&
COLLARES ROTEE
letro-Magnaticoa
-t Jbre tiiH|ii 2c ienlica" iwn ai
na
OONVL8E8
imu rictUTai i wmfA is tunus
'o, COLLARES Rf**5R,0ahis ha mais
i de 2S anna*. a* tucot que prter'o
IrcaimenU ai creancji ias CON VULSOES
'ajudmndo m> mmnmt tempo a demteo.
Pin evitar aa ratatteaoSM a boJtae&ei, exija-* tus
...caCKaAa t**. marta a ftgrjca ntnrjtm e o i*rdade*ro
Alieiin'ni
Vende-se um deposito
pria para principiante
numero 3.
em pequea cscalla, pro-
: na ra dos Pescadores
*
OPPRESSAO
TOSSE
UTiEBHO-IriM
msm
NEVRALGIAS
feloi ClGiRROS ESHC
vsplra-se a faaiaca que penetra no peito acalma o symptoma nervoso, faculta
a expectoracafl e farortsa as funeces dos orgas respiratorios.
Tena em Maeato ea> eaas le ESPIC. VA, roa guLuan. esa Paria
___DstOtitariot em f*m*w&tmt EBAC'L*' *m *L VA C+. _
VERDADEIROS GRAOSdeSAUDE do D?FRANCK
Approvados pela Junta Central de Hygiene da Corte.
Aperientes, estomachlcos, purgativos, depurativos, contra a
Falta de appetite, PrUo de ventre, Eniaqneca, Vertlgrens,
* Oonget6e, etc. Dose ordinaria : 1,S s gr&os.
j Exigir f Ji.-.i^|l|IJViH-l com rotulo em cores, e a
* as a W:1 M U11 t:KW:T4' I ^l assignaturi A. Rouviere as Unta escamada.
Km PARIZ, Pharmacia LBBOT.
DEPSITOS EM TODAS AS PRINCIPAES PHARMACIAS
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor Clin
Laureado da Faculdade de Medicina de Pars. Premio Uontyon
As Capsulas do Doutor CLIN ao Eromureto de Camphora empreg2o-se
as Molestias, ras de Cerebro e contra as aeccoes seguintes:
Asthma, Insomnia, Palpitacoes do Coracao, Epilepsia, Hallucinacao,
Tonteiras, Hemicrania, Aeccoes das va? urinarias et para calmar toda
especie de excitacao.
ib Urna explicado detalhada acompanht cada Fruto.
Exigir as Verdadeiras Capsulas ao Bromureto de Camphora de CLIN Se C'S
de PARS, gw e encontrao em casa do Dreguistas et Pharmaceuticot.
Vinho do Dr. Forestier
He Quisa lerroplsoso e de Cascas de Lamias amainas.
TNICO RECONSTITINTH
Remedio soberano
CONTRA A
CHLOROSE, ANEMIA, CARIE DOS OSSOS.
AFFECCES DAS VAS DIGESTIVAS,
DIARHHEAS CHRONICAS, RACHITISMO,
ESCRFULAS, DEBILIDADE,
CONVALESCENCAS DE FEBRES TYPHOIDEAS
E DE MOLESTIAS G=.AVES, ETC.
FARINHA LAGTEi
MARCA REGISTRADA
1S AMOS DS SCnSSQ
21 recompensas, das quaes 8 diplc mas de honra
e 8 madalhas de ouro.
Certificados numerosos das primeiras autorida-
des medicas.
Alimento completo para crlancl-
nha de peito
Suppre a insufiiciencia do leite materno, facilita
a desamamentacSo e a digestao fcil.
Emproga-se tambem vantajoss mente para ADt-
tos como alimeto para estmagos debilitados.
DNICO DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
PABA TODO O IMPERIO
31 C RA DE S. PEDRO 31C
Rio de Janeiro
CH8AIQ0MI
ios 4:000^000
BIL1TES MXfm
Ra do BarSo da Victoria n. 41
e rasas do costante
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 253.a parte das loteras
beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife, (65.a), que se extrahir quando for
annunciada.
Precos
Inteiro 40000
Meio 2)5000
Quarto 10000
en porco de 100*000
cima para
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joo Joaquim da Costa Leite.
4os 4:000HS000
i:
E
16-Lua do Cabugf-16
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garsntidos da lotera n. 65a em beneficio
da Saata Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir quando for annunciado.
Venca em grosso: >T. Jf. ISosredon
rkirMwtki ca rr.svrs (tertet), fkasca.
pernainbaoo :

r.-zw*^" <\ JBEBS
Br."il.
EXPOSICO DE fARIS
JTOKA DB COKCUBSO
Cura
de
pelo PO do
Znde^u em todas as Pbarmacia*.
VOKA DI COSCBBO
ASMA
pp;a.
AliHB
o prmeiro andar n. 21 ra do Bsrao da Victo-
ria : a tratar na ra do Rosario n. 31, primeiro
andar.
A GRMOSA
Nova leja de miadesas
N. 7RA DO CRESPON. 7
DUARTE & C.
Os proprietarios deste estabelecimento, tendo o preparado com esmero e ele-
gancia, convidam as Exroas, familias para visital-o, afiancando que encontrarSo sem-
pre um variado sortimento de objectos de moda e phantasia, por precos summamente
mdicos, como alguns que em seguida designam.
Carriteis de linba para machina a 80 rs.
Ditos de retroz de 100 jardas a 200 rs.
Ramos de flores finas a 10000 e 10500.
Babados e entremeios, de 500 a 30000, i
Baleias para vestido a 300 a duzia.
Ditas cobertas a 700 rs. a duzia.
La para bordar a 20800 o maco.
Espartilhos para senhoras de 30000 a 80000.
Ditos para meninas a 40500.
Extractos finos para len50 do 10000 a 40000 o fraco.
Luvas de seda de cores 20000 o par.
Ditas rendadas a 30500 o par.
Ditas de pellica a 20500 o par.
Macos de grampos a 20 rs.
Caixas com colxetes a 60 rs.
P para dentes a 200 e 500 rs. a caixa.
Vasos com opiatas a 10000.
Escovas para dentes de 200 a 500 rs.
Alfinet-s a 80 rs. a carta.
Fita de linbo a 40 rs. a peca.
Panbos e collarinhos bordados para senhora a 20000.
Invisiveis para o cabello a 200.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Agulhas a 20 rs. a papel.
Ditas fundo dourado a 80 rs. o papel.
Cabos de agulhas para crochet a 200.
.tinta Harta de s
Manoel Lopes de S, Jas Azevedo dos Sants
e Antonio Azevedo dos Santos mandam celebrar
missas pelo eterno descanso d'slma de sua finada
rni e tia, Anna Maria de S, e convidam os ami-
gos para assisiirem a este acto de religio e ca-
ridade, na igreja da Madre de Deus, sabbado 7
do corrente, as 7J/2 horas.
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo qnantidade superior
a 10 0:000
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0750
Joaquim Pires da Silva-
Dr. Leonardo de'.AImeida
Aquilino Gomes Porto e padre Joo Carlos de
Moura, convidam aos seus amigos e aos do falle-
cido Dr. Leonardo de Almeida, para assistirem a
missa que ser celebrada no dia 7, s 8 horas da
manha, 3- anniversario de seu psssamento, na
matriz da Escada ; confessam se desde j agra-
decidos.
OS 4:0001000
3ILHSTES SAMIID3S
Roa Primeiro de Sarco n. 23
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 406 com a sorte de 4:000$000,
1 quarto n- 2939 com a sorte de 1000000,
alm de outras sortea de 320, 160 e 80, da
lotera (64.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costume sem descont
algura.
Acham-se venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 253.a parte das lote-
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (65.a) que se excrahir
quando for annunciada.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Km qnantidade maior de 1004
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manoel Martins Finza.
Entre amigos
Maria Porcina Gome* Porto
Aquilino Gomes Porto e s us filaos mandam
resar urna missa por alma de sin lembrada osposa
e n ai, Maria Porcina Gomes Porto, no dia 6 do
orrentc, s 8 boras da manha, 3- anniversario de
sen passamento, na matriz da Escada. Agrade-
cem cordialmente a todos que c mparecerem a
esse acto de cardade.
Capito Jnriniho Perelra da Silva
Barros
Joo Victor ^1 ves Matheus e sua familia, cen
pungidos com a infausta ora do passamento do
Illm. Sr. capito Jacinthe P Silva Barros, digno
pui de seu compadre e amigo, o Exm. Sr. D. Jos
Pereira da Silva Barros, Bispo Diocesano, man-
dam resar algumas missas pelo descanso eterno
d'alma do Ilustre morto, As 8 hores da manha do
dia 7 do corrente, 15 de seu psssrmento, na ma-
triz da Boa-Vista, e para assistir a este acto re-
ligioso, convidam ao mesmo Exm. Diocesano e s
pessoas que os honram cem suas amizades, pro-
testando desde j seu eterno reconhecimento
aquelles que se dignirem comparecer.
Com a ultima lotera o mez de
alalbo
Deiza de ter lugi>r por ter sido transferida a
lotera n. 65, que era a ultima deste mez, como se
v do annuncio do Diario de 28 do andante, ficar
para quando for annunciada.
Cavallo e botes.
Gesuel Agora
Jone Aaewedo de Andrade
A viuva e filhos de Jos Azevedo de Andrade
mandam resar missas por alma de seu presado es-
Abrio-sd na ra da Imperatnz|n. 76, a nova leja
de miudezas de Francisco Duarte, e chama a
attencao do publico e com especialidade as Sras.
modistas p ra fazerem urna visita a este idegante
estabelecimento e munirem-se de tudo quanto
bom, barato e da moda :
Basta ver estes precos para fazer i&a do resto :
Pifas de bi.co francez de diversas lar-
guras com 10 varas a
Casacos de cambraia borbados para
senhoras
Capellas e veos para noivas do melhor
gosto a
Agua Florida verdadeira, garrafa
La para bordar, a libra
Espartilhos courac para senhora
Vistidinbcs bordados de fustao muito
bonito para menino a
Leques de setim
Pares de fronbas rendadas a
Punhos e colarinhos bordados para
senhora a
Carriteis de hnha a duzia
Albuns de velludo e eouro muito bonito a
E muitos outros objectos de luxo, que para ne
cancar aos leitores deixs de mencionar, para viren
pessoalmente examinar e apreciar o que bom
e bonito. Nao se esquecam do n. 76, roa da Impe-
ra triz.
500
50CO
10O00
15400
23800
6000
lOrfOOO
43000
2J000
20OO
800
4/000
Caixeiro
E muitos outros artigos taes como fitas de diversas qualidades, leques de papel, poso e pai, pelas 71/2 horas da mant do da 6 preciga-se de um caixeiro para taverna com
de setneta e de setim, plisfs de cambraia e de seda, albuns baratos e de finas qua-1 ~^-^2^ Pr8nC,,C' *" "' SS?itlfi" ddUCU = a ^^
lidade, Bapatos para^ieninas, senhoras, e homens, tudo por precos admirareis.
.
/


Diario de ernambocoSexta-teira 6 de Agosto de 1886
Aopovoprnambucano
Contina aberta scola -particular de natruc
cao primaria par o sexo masculino, ****-
trisdaBoa-ViTu n. 31, dir.gida pelo profossor
particular Julio Soarea de Asev.do.
*Educa e instrue a infancia, peto -anasana d
principaee collegioa da cdrte dc-per.o,jande
esteve por algum tcmpo paaae.o, cujo Botona
a delicadwa, a paciencia, a voccio, fasen-
do com que os seas discpulos igam o caminho
da inteligencia, da honra e da dignidade, con
Kntos conselhos e sus l.coea, afino de que venas
ser o futuro sustentculo da patria, da rehgiao
e ds lei, e uro. verdadeiro cidado hrasileiro.
Espera, portanto, que o respeitavel publico sai-
ba apreciar de perto o seu verdadeiro ensme pri-
mario, onde rpidamente as enancas abracam e
amam de coracSo aos livros, as lettraa e as bellas-
artes. Kua da Matris da Boa-Vista n. 34.
Julio Soa.es de Azevedo.
G. Laporle & C.
Com cawa de commlsies a ra do
imperador n. 46. 1 andar
VENDEM :
Elixir dentlfrlclo
Mnosa enlifrlcla
dos reverendos padres benedictinos de Doulac, o
melhor deutifricio que tem vindo para o merca-
do (so s duzas).
Anti mousliqne uery para matar as
morissocas, maiuins, etc. (s duzas).
Vinno de Champagne da afamada mar-
ca Moet & Chandon em garrafas e meias ( cai-
Vlnbo de Chmpa(tne,mareaMarfluis de
La Cour Byron (35 i 45* a caixa) (f* orilxas).
Cognac, marca Hildebert (" eaixas).
Vinagre aromtico, para a mesa, espeoah-
dade para familias, garantido puro de vinho bran-
co (s garrafas).
SalMa-parrilba do Para, da ultimacolheita
(s arrobas).
Eau de mllase des Carmes, a prego
de factura para liquidar 100 duzias vindas por
engao (s duzias).
Bob-Lccnaux. grande dcpmMro regetal.
(Somente aos denhores droguistas e pharmaceu-
ticos).
Papel almasso duplo, hao, tapprio para
impressao de obras, etc., etc._______
EMULSAO
DE
SCOTT
DEOLEOPDBODE '.
Fiffado de bacalho
COM
Hypophosphitos de cal e soda
Approvada pela Iunta de Hy
giene e auorisada pelo
goveroo
E' o melhor remedio at hoje deaeoberto para a
tsica bronebltes. escrophalaa. ra-
rbilis, anemia, tebllidade em geral.
defluxos. toase enronca e affecftet
do pello e da garganta.
E' milito superior ao oleo simples de ligado de
bacalho, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, posaue'todas as virtudes medieinaea e nu-
tntivas do olee, alm das propriedades tnicas
reconstituintes dos hypophosphitos. A' venda na*
drogaras e boticas.
Deposito em Pcrnambuco
Cimento po.tland
Vende-se de diversas marcas, no armasam de
Soares de Amaral IrmSos, ra da Madre de
Deus n. 22.
GRANDE
VEMDAS
OIllla
Canorio do eacrlwo Dr. Caldas
No da 29 de Julbo ir prac pela renda de
dous annos, peraute o juizo de orpbaos da comar-
ca de Olinda, o sitio denominado Quadro, na
praia do Jang, com 300 ps de coqueiros, com
mattas c capoeiras, casa de tijolo, tendo dito si-
tio meia legoa de fundo e 1,80* **nn de frente,
sob a base de 2005 annuacs._________________
Frcguezia do Hteeife
Aluga-se por preco muito commnd urna pe-
quena familia metade da casa da ra dos Guara-
rapes n. 29, e na mosma se precisa de um menino
que eeja fiel, para fazer compras, d-se roupa e
bom ordenado. ________^^^^^
Telegramma (resposta paga)
Bjcos orientaes, grande variedade em cores r
larguras, receberam o Pedro Antunes & C, e ven-
dem barato ; esperamos resposta ao 63 ra Du-
que de Casias, Nova Esperanca ; novo aortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs., preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas cores e lindas
paUagens a 3, barrato punhos e collarinhos
bordados para senhora a 1800 e 2/500 ; ditos
com pintas de cores a 13200 ; bonitos e delicados
lacinhos de cores, ultima moda em gravatas, a
1/000. Kejposte paga ; vale a pona vezem o que
: na loja de Pedro Antunes & C. n. 63, ra
Duque de Casias._______________________
Pintura dontttiea
PHARMACIA
normes de Soma Perelra dt C. Suc-
ceMores
Eecebeu grande sortimento desta excellente
tinta de todas as cores e em latas de 1 a 5 libras,
que continuam a vender por commodo preco :
qualquer pessoa (criado cu menino) pinta com 1
perfeico. Com esta tinta podem todos com pouco
dispendie conservar suas casas serapae limpas.
Ra do Mrquez de Oliad n. 2?_______
Jos de Castro Suima
raes
que em Goyanna tem o nome de Jos Gaspar
Domingues de Souza nao mais cobrador da co-
cheira rus da Imperatriz n. 29 desde Marco, e
chamado prestar contas dos dinheiros que re-
eebeu, como consta das contas rom os recibos, e
entregar as contas que ainda tem em seu poder
ao admin stndor daquella conheira.
\llcnuio
Compra-se ou aluga-se urna boa casa perto da
cidade, desejando-se nos geguintee pontos : So-
ledade, Caminho Novo, Capunga, Paasagem da
Magaalena, tendo bom sitio, agua e gas : quem
tiver dirija se ra do Imperador n. 49. i- andar,
a tratar com o solicitador Antonio Neves._____
Professora
Precisa-se de urna senhora habilitada e de bom
costnmes para ensinar a cinco meninas portuguez,
msica, piano e trabalbos de agulha, em um arra-
balde perto do Recife : para informacoes, a ra
do Barao do Triumpho n. 68. ^_________
0 agente e IbUObs Pestaa
est eeearagado de comprar e vende bons pre-
dios neste cidade : trata-se em seu armazem
roa do Vigario Tbenorio n. 12.
Quasi degrada
Vende-ee urna armacao de amarello : na ra
da Imperatriz n. 1. ____________________
Aviso
Precisa-se de urna professora que saiba tocar
em piano e mais trabtlhos de senhora, para en-
;enho : a tratar com o Barao de Nazareth, roa
o Imperador n. 79, 1* andar.
Jardn, das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que es-
li em vasos n'este jardim, vende-se os sapotisei-
ros muito grandes, e dando fructo, 2/000, la-
ranjeiras, muito grandes, para enzertar, 6/000
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por barato
Preco- ____________________________
Vende se um sitio no Arraial, na linba fr-
rea de Limoeiro, com 300 palmos de frente, 600
de fundo, boa cacimba com excellene agua, ami-
tos aivoredos fructferos de diversas qualidades,
com duas casas de taipa com commodos para fa-
milia : quem o pretender dirija-ee ra Augusta
numero 266. __________________________
~ Vende se um terreno sito na Casa Porte
ra da Amizade, com cacimba o iructeiras, tendo
150 palmos de frente e 300 de fundo : a tratar na
ra da Imperatriz n. 42.
A Revolueo
' W. -4-x
ra Duque de Caxias, resol veu a vender
os seguintes artigos com 25 0|0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 2/000 por 1*000 o covado.
Cachemiras de cores a 900, 1/000 e 1/200 o co-
vado.
Ditas pretas a 1/200, 1/400, 1/600, 1/800 e
2/000 o covado.
Ditas botdadas de seda a 1/500 o covado.
Gorgorlnas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Las com bolinhas a 640 rs. o covado.
VeUudilho liso e lavrado a 1/000 e 1/200 o co-
vado.
Palha de seda a 800 rs. o covado.
Fustao branco a 400, 440, 500, 560, 600 e 800
rs. o covado.
Giosdenaples pretos a 1/800, 2/000 e 2/500 o
covado.
Nnsoe de cor a 300 rs. o covado.
Cretones finos a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia transpareote de 5/000 por 2/500 a
peca.
Linn branco com salpicos a 500 rs. o covado.
Casacos de laia a 12/000 um.
Fechs de retroz a 1/000 um.
dem de l a 1/000, 2/000,3/000, 4/000, 5/000
e 6/000 um.
dem de pelussia bordados a 7/000 um.
Chapeos de sol de cores para sentaras a 7500
um.
Setinetas modernas a 360, 400 e 440 rs. o co-
vado.
Linhos escosse^ca a 240 rs. o covado.
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Brim de linho de cor a 1/000 a vara.
Fustao de cor a 500 rs. o cavado.
Tapetes para janella, piano, sof e cama a 4/,
6/000, 7/000, 8/000 e 24/000 um.
Setinetas lisas a 400 rs. o covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Flauella branca a 400 e 1/000 o covado.
Cortes de caaemira finos a 3/000 um.
Collarinhos de cores e brancos a Lucinda a
1/000 um.
Casemira de cor e preta a 1/800 rs. o covado.
Brim prateado fino a 60C rs. o covado.
Dito liso a 360, 400 e 500 rs. o covado.
Esguiao amarello e pardo a 500 rs. o covado.
Algodao com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Camisas de meia a 800, l/OOO e 1/500 urna.
Ditas de linho lisas e bordadas a 30/000 a du-
zia.
Times bordados para meninos de 4 a 5 ancos a
5/000 um.
MadapolSes finos a 5/000, 6/000, 6/500, 7/000
e 8/000 a peca.
Esparlhos de couraca a 4/000, 5/000, 6/000
e 7/000 um.
Lencos finos a 1/200 e 2/000 a duzia.
Toalhas felpudas a 4/000, 6/000 e 12/000 a
duzia.
Redes bamburguezss de 20/000 por 10/000 urna.
Setins maco de cores 800, 1/200, 1/400,1/600
e 2/000 o covado.
Alpacas brancas a 400 e 500 rs. o covado.
Setinetas brancas lisas o lavradas a 500 e 560
rs. o covado.
Cortinados bordados a 7/000, 9/000 e 16/000 o
par.
Colchas bordadas a 5/000, 6/000, e 8/030
urna.
Capelln e veos a 10/000 e 14/000 ama.
Henriqne da Silva Moreira
Aproveitem!
Vende-se todo barato
Largo de S. Pedro n. 4L
Neste estabelecimento encontrase sempre um
completo sortimento de guilas e paesaros nacio-
naes e estrangeiro?, o melhor que ha neste ge-
nero, fructas maduras, balaios proprios para n-
nhos de canarios do imperio, cestinhas para cos-
tura, vassouras do ara a 800 rs. cada urna, que
custa em outra qualquer parte a 1/ e 1/200, con-
serva de pimenta americana em bonitos frasqui-
nhos a 120 rs. cada um, para acabar, maesa de
mandioca muito bem preparada, para bolos.
Vende-se
o engenho Lage Formosa, perto da estacao de
Catende, movido a agua e pode safrejar mais
de 2,000 paea de assucar, cem casa de vivenda,
destilacao e mais obras, todas novas e em ptimo
estado : a tratar no escriptorio ra do Bom
Jess n. 12.
Expsito central ra larga do
Rosario n. r, 8
Damiao Lima & C, chamam a attenco das
Ezmas. familias para os precos seguintes :
Carretela de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2/500 e 3/000.
Fita n. 80 para faxa a 2/500.
Leques regatas e D. Joannita a 1/000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2/000.
Leques D. Lucinda Colho a 6/000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1/UK).
Duzia de meias para homem a 30000.
Ditas para senhoras a 3/000.
Luvas de seda a 2/000.
Meias de fio de seda para menina a 1/000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodao a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 rs.
Bvisivcis grandes a 320 rs.
lampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6(500.
Ricas bolcinhas de madreperola.de 1/500 6/.
La para bordar 2/800.
Urna capella e veo de 15/000, por 12/000.
Um espelho de moldura por 5/500.
Urna pulseira de fita por 1/200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de cera por 2/500 e 3/000.
NA EXPOSICAO CENTRAL
38Roa Larga do Rosario-38
Loja
Florida
de miudezas
Serrara a vapor
Caes do CapSfoarlbe n. 98
N'esta serrara encontrar os srnbres fregue-
ses, um grande sortimento de picho de resina de
cinco a dez metros de comprimen to e de 0,08 a
0,24 de esqnadroe Garante-se preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
Navidades musiaes
Casa Vctor Pralle
55 Zefinha, polka, por Claudio S. Carneiro
Leal
Mas asorte nao o quiz, valsa emrespoata
bem podar ser minha, pee A. de A.I-
buquerque Gama
Porque nao ? valsa, por Thiago i* Fsn-
teca
Viulamama, valsa, 2* edic*
Dolores, valsa, por E. Waldtenfel
Minha rainha, valsa, por Ceuto Jnior
Mmanos, valia, po* Doaiagos Jos
Marques
Calouros, polka, psr Misael Domingues
55
1/500
1/000
lfOOO
1/000
1/500
1/500
1/000
/eoo
Vende-se no largo do Corpo Santo n. 19, se-
gundo andar, importantes toalhas de labyrintho,
de z5/a28f000.________________________^^
WHISKY
HOYAL BLEND marea V1ADO
Este excellente Whisky Escesse preferivt
ao cognac ou aguarden^ de canoa, para fortifica'
o corpo.
Vende-se a retal ho nos k. Iberas armasen*
nolhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo no-
me e emblema sao registrados para todo o BraaL
______BROWN8 & C, gatee__________
Ouem possoir e quizer
vender urna casa em boas condiedee e que seja em
alguma das mais prximas iamediaces desta ci-
andar, das 2 s 4 horas da tarde.
Piano de armario
Vende-se um piano em bom estado, proprio
para princ piaste ; na roa da Aurora r. 19, se-
gundo andar.
Ra do Duque de Caxias n i os
Os proprietarios deste grande estabelecimento
de miudezas, modas e para accommodar os inters-
sea da poca, tem resolvido venderem por meuos
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 6C0 rs.
Luvas de pellica a 2/500 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para enanca a
3/000.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Haspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura al/500 e 1/800
a peca.
Linha de cores para croehet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita cnineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1/500 a duzia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4/ e 5/
a peca.
Urna caixa com tres sabonctes desenhando urna
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores Dar senhora a 1/500 o
par.
Fazendas brancas
SO' AO NUMERO
4 ra da Imperatriz = 4
Loja dos bar alaros
Alheiro & C, a ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estas fazenda*
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodaoPecss de Igodaozinho com 20
jardas, pn'.o- barato preeo de 8/800,
4J, 4/500, 4/,{,, bg, 5/500 e 6|5ft
MadapoloPecas de madapolao com 24
jardas a 4/500, 5/, 6/ at 12/000
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de 800
Ditas brancis e croas, de 1/ at 1/800
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e 500
Ceroulas da mesma, muito bem fetas,
a 1/200 e l#600
Colletinhos a mesma 800
Bramante francs de algodao, muito ea-
corpada, com 10 palmos de largura,
metro 1J2
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2/500 e 2,5801
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J800
Cretones e chitas, Claras e escuras, pa-
drees delicados, do 240 rs. at 400
Baptiata, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratissimas, na cocheada
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodao entestado pa-
ra lenf oes
A 90o r*. e 1 #000 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
nodo para lencoes de um a panno, com 9 pal-
s de larguraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
(10 o metro, assim coms dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos de largura a i/200
i. otro. Isto na leja de Alheiro c C, esquina
do ecco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1/200,1/400,1/600, 1/800 e 2/ o covado
A heiro C, roa da Imperatriz n. 40, veo
dem muito bons merinos pretos pelo preco acim
dito. E' pe chincha : na loja da esquina do bec-
co d( s Ferreiros.
Espartllhos
Na loja da ra da Imperatris n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 5/000, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., ato na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZ AS
A 2/800 e 3/ o covado
Alheiro & C, ra da Imperatris n. 40, ven
dem um elegante sortimento de oasemiras ingle-
sas, de duas l<-rguras, com os padrees mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2/800 e 8f o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fuer costumes de casemira a
301, sendo de paleto sacco, e 35/ de fraque,
grande pechincha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porclo de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 82C
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado a lOO rs. a per
A roa da Imperatris n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao eom 50 pocas, sorti-
das, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
VAPOR
e mocada
Vende-se tu bom vapor e moenda cos pouco
uto ; a ver no engenho Timb-ass. muito perto
da estacao do mesmo nome ; a tratar na ra do
Imperador n. 48,1* andar.
Cabriolet
Vende-se nm em perfeito estado e por preco
commodo; 4 tratar na ra Duque de Caxias n. 47
Gameiro da Gnntia & C.
Liquidam os seguintes artigos mais barato que em
outra parte, visto serem alguna comprados em
leilSe. a saber:
Lindos cretones claros a 240 e 280 rs., o co-
vado.
Failes de novos gostos a 400 e 600 ss. o dito.
Linons com palmas de l a 800 rs. o dito.
dem com salpicos a 560 e 700 ra o dito !
Popelinas com litras de i eda a 280 e 320 rs., o
dito para acabar.
EsguiSo pardo para vertidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Setinetas, navidades, a 820 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de IS, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1/800 o covado ; de cores
proprias para mesas a 1/500 e 1/600 o dito.
Merinos pretos paca luto, 2 larguras a 900, 1/,
1/200 e 1*500 o dito.
dem de todas as cores a 1/ e 1 /200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padres integramente
nevos a 1/200, 1/600 e 1/800 o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
2/ o dito.
Atoalhado trancado e bordado a 1/400 e 1/500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1/400 o dito.
dem de puro linho a 2/ o dito.
dem de urna largura a 500 rs. o dito.
Guarnicea de crochets para sof e cadeiraa a
8/.
Biquissimas eolias de dito a 12/ e 14/.
Lindas grinaldas e veos para Exmas. noivas a
14/.
Cortinados bordadas a 6/500 e 10/ o par.
dem em pecas com 12 jardae, novos desenhos a
9/.
Toalhas felpudas de cores, para rosto, a 7/500
a duzia.
Meias inglesas, cruas a 3/500, 4/ e 6/ a dita.
dem arrendadas para senhora a 8/ a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12/ e 16/ a
dita.
Camisas superiores francezas a 38/ e 42/ a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2/500 e 3/.
Lencoes de bramantes, grandes a 2/.
Chales de casemira, dem, a 2/, 3/ e 5/.
Cortes de casemira inglesa a 3/, 4/ e 5/.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3/ e 3/500 o
covado.
Venda em groao. danos descont
da praca
59=Rua Duque Le Caxias=59
Carneiro da Canha&C.
Camisas nacionaes
A SKOO. 3*000e 8/500
32= Loja a ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e p jnhoa de linho como de algodao, pelos
baratos precos de 2/500, 3/ e 4/, sendo fazenda
muito melhor do que as que veem do eetrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortada* por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambero
se manda fazer por encommendas, a vontade dos
fregueses : na nova loja da ra da Imperatriz n.
3.', de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
%% Ra da Imperatriz = 3
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
pjitavel publico vm variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, qae se vendem por
precos baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para homens, e tambem se man-
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos finos.
casemiras e brins, etc.
a-
a
7/001
10/OO
12/001
12/0(X
5/501
6/601
8/OUC
3/OOt
1*601
l/OOt
Boa da Imperairls
Loja de Partir da Suva
Neste estabelecimento vende-se as roupas abai
xu mencionadas, que sao bar .- .:.,as.
Palitots pretos de porro* aiagonaes e
acolchoados, sendo tazenoas muito en-
cornadas, forrados
Ditos de casemira preta, de coedao muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Caifas de gorgoro preto, colchoado,
sendo fazenda muito encorpada
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem faitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2/, 2/500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1/200 e
Colletinhos de greguella muito bem feitos,
Assim como um bom sortimento de lencos d*
linho e de algodao, meias cruas e collarinhos, etc
Isto na loja aa ma da Imperatriz n. 3i
Riscados largos
a too r. o covado
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vendem st
riscadinhos proprios para roupas de meninos t
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade
tendo quasi largura de chita francesa, e sup*
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja o Pereira da Silva.
Futfesi setineta e aslnna a SO'
ra. o covado
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vende-
um grande sortimento de fustoea brancos a 501
rs. o covado, lxinhas lavradas de furta-corea
fczenda bonita para vestidos a 500 rs. o covado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. ) covado. pechincha : na loj*
do Pereira da Silva.
Merino preto all
Vende-se merinos pretos de duas larguras pan
vestidos e roupas para meninos a 1/200 e 1/601
o covado, e superior setim preto para enfeites
1/500, arsim como chitas pretas, tanto lisas come
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs. ; na nov
leja de fereira da Silva ra da Imperatris nu-
mero 32.
Algodaoclnbo trance para Ience
a OOOr.. i* e i**oo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-s
superiores algodozinhos franceses com 8, 9 e 1(
palmos de largura, proprios para lencoes de un
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1/000 >
metro, e dito trancado pa- a toalhas a 1/280, as
sim como superior bramante de quatro largurai
para lencoes, a 1/500 o metro, barato ; na loj*
ds Pereira da Silva.
Roupa para meninos
A 1*. 4S500 e 6
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, s>
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo-
nba curta, feitos de brim pardo, a 4/000, dito
de moleequim a 4/500 e ditos de gorgoro pratt
emitando casemira, a 6/, sao muito baratos ;
loja do Pereira da Silva.
et
Vende Candido Thiago da Costa Mello em sea
deposito i roa Imperial a. 322, olaria.-Telephone
numero 221.
Sitio
No Arraial, perto da estacao Casa Amarella,
vende-se um grande sitio bem arborisado, com
riacho, grande casa de morada, proporcoes para
criacao de vaccas e baixes de capim, banbeiro e
porta d'agua ; este sitio o que pertenceu ao fi-
nado Francisco Jorge de Souza. Para informa-
ces, na fabrica Globo, na larga do Rosario.
Pharmacia
Vende-se a armacao com barco, potes, vasilha-
me e mais pertencas da Botica do Recite, sita
roa do Bom Jess n. 26, por procos muito com-
modoi. Para infermacoes, dirijam-se botica
franceza de Rouquayrol Freres, ra do Bom Je-
ss n.
SEMPRE NOVIDADES
Fazendas filias e modas
2 A--Rua do Cabug-2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphancs, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tecido modernisaimo.
Orlatienne, fazenda neva e padroes lindissimos.
Venitienne, combinacSo de fazenda lisa e lavrada e muito gosto.
Zephvr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Satn double, tecido de algodao e modernissimo.
Gase de algodao, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Leques Jiaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphano, revolucao da grande moda para en{eitar..^n*ielei
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setins, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES >
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemanterie e vqMlBat
uarnicSo de renda e franja.
Jersey de la com enfeites de pelucia e bordados, escoliados sortimentos uestes
asacos de malha, que vendemos do 8#000 a 15#000.
Fornecem-se as amostras de todos os artigos.
(Telephone n. 359)
>
O portador de dous vigsimos
importante lotera do custo de 2$200
habilitado a tirar
20:012$000
Preco em por^o
Vigsimo.
Vigsimo.
A' RETLHO
14000
l*iOO
A R04 DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosario36
Aos i.eoo:ooosooo
200:0001000
f00:00OS(WO
GRANDE LOTERA
DE 3 SORTEIOS
Em faver dos ingennos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extracto: no IS ieDezeiro de 1886.
0 thesoureiro, Francisco GongalTes Tojye
^~ FAZENDAS RARATAS
Na bem conhecida loja darua Primeiro de
Marfo n. 20
JUNTO DO LOUVRE
Grande sortimento de madapolSes de 4^500, 5^!, 50500, 60, 6#flO
70500 e 80000
AlgodSes brancos, superiores qualidades, de 40, 40500, 50, 50500, 60 o
60500.
Saperiores cretones de 320 a 500 o covadu.
Batiste, lindro padroes, a 200 e 320 rs. o covado.
Fustoe8 brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga cretone,bonitos padroes, a 30000.
Lencoes de bramante, de linho. de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 20500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para banbos a 20000 urna.
LenSos de algodao de 10800 a 20200 a duzia.
D'.tos ^e algodSo, com barra, a 20400 a duzia.
B:i pardo, claro, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Dito lraacado, luua, a 10, 10lOO e 10200 o meto.
Cortea le vestido de cretone de 200 por 80000.
Gu.ii'unapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Grande variedade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodo-trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodSo, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 20000 a vara
Dito de linho idem idem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Lequea de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104OC rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6f000.
Oxford pra camisas, lindos padrees, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbutinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales de algodao a 10200, 10400,10600 e 25000.
Costumes para banbos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160OUO aai.
Grande sortimento de roupa feita para trabajadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para bemjns o
meninos, para o que temos um hbil oficial e um grande sortimento de pannos,ana,
casemiras, etc. ,__
Quem precisar da algum artigo bom e barato, dev*r visitar de pmjwaojt
este antigo e acreditado estabelecimento.
Ra Priii li Marco 120


*:



ASSEMBLEA GBS1L
CAVARA S~ DEPUTADO
SESSO EM 21 DE JULHO DE 1886
PRISIDSNCIA DO SR. ANDRADE FIGUEIRA
(Continuadlo)
4. O governo reservar uas trras de-
Tolutas as que julgar nccc.ssarias fuuda-
gSo de povoagSes e colonias agrcolas e as
sent de estabelecimentos pblicos, assiro
como as de produjo extracta, at que
com relagSo a estas se reguletn por le es-
pecial a venda ou aforamento.
Dp registro das trras
Art. 4. O governo far organisar o re-
gistro das trras davolutas e possuidas,
para o que poder crear urna repartgSo
geral das trras subordinada ao ministro e
secretario de estado dos negocios da agri-
cultura, a qual ser tambera encarregada
de dirigir a medigSo, divisSo e diseripgao
das trras devolutas e sua conservagSo de
fiscalisar a venda e distribuigSo dellas.
5 1. O producto da venda das trras
publicas ser rei-.olb.ido ao thesouro nacio-
nal, e do mesmo producto nenhuma quan-
tia ser applicada seno em vlrtude de lea
especiaes.
2. O governo solicitar annualmente
do poder legislativo a quantia necessaria
medigSo e divisSo do trras de volutas qu
tiverem de ser ezecutadas em cada cxer-
cicio finan '.eiro.
Dos regulamentos e das mutas
Ar. Fioa autorisado o governo para
a como est marcado para o da 28 do sentido, termina que jlgou do seu dever
expedir os regulamentos necessaros a
execugSo di presente lei podendo i-rpor
penas de prisSo at tres raezes e multas
at 5000000.
Art. 6. Ficam revogadas as disposigoes
em contrario.
Palacio do Rio de Janeiro, 21 de Julho
de 1886. Antonio da Silva Prado.
O Sr. Rodrigo Silva (pela ordem) re-
quer e a cmara concede a noraeagSo, fe-
ta pela mesa, de urna coraraissSo especial
composta de seta membros para dar pa-
recer sobre a proposta que acaba de ser
lida pelo Sr. ministro da agricultura.
O Sr. Preside te declara que a proposta
augmenta despeza, e por isso vai com-
raissao de fazenda, nomeaado para a es-
pacial, proposta polo Sr. Rodrigo Silva, os
Srs. BarSo de Guahy, Alves de Araujo,
Silva Tavares, Carlos Peixoto. Lcenla
Werne.-k, Henrique Marques e Passos de
Miranda.
ORDEM DO DA
ORNAMENTO DA JUSTINA
Contina a 3* discussSo do projecto fi-
xando a despeza do ministerio da justiga,
para o exereicio de 1886 -1887.
O Sr. Pedro Carneiro (pela ordem) re-
dama pela urgencia que ha pouco requa-
reu. '
O Sr. Presidente diz que nSo pode ad-
mittir o requerimento do nobre deputado,
por ter dado a hora. Entretanto se S. Ex
quer fallar no orgamento da justiga dar-
lhe-ha a palavra.
O Sr. Pedro Carneiro aceita a
palavra, que Ihe cencc dida e continan
do a discutir no orgamento da justiga a
materia da urgen;ia que ficou interrom-
pida pela hora, diz que o Sr. Affonso Cel-
so Jnior foi injusto assacando graves aa-
cusacaes contra cidadaos que nao as me
recera. S. Exc. deizou se levar por falsas
informagSes inteiramente esquecido de que
nquelles que hoje accusam a eco silo os
mesmos autores da perseguisSo que soflreu
esse cidadSo em 1879.
Pode asseverar que essas informagoes
colheu as o nobre deputado no juiz de d-
reito, fonte suspeita, pois foi esse mesmo
juiz que tn se arvorou em chefa da eleigSo
do nobre deputado na comarca da Janua-
ria e em outros pontos do districte de S.
Exc.
Para mostrar a anarchia que lavra na
Januaria, le um trecho da correspondencia
do Io delegado de polica daquella cdade;
crreme o julgaoaento de eco, pede ao
go >eroo que tome as neoessaras providen-
cias para que aqaelle cidadlo, que tem de
ser julgado por um jury, cuja decisSo
acredita nao pode ser irnparcial, nao seja
sacrifi-ado sanha do seus inmigos, que
tem accumulado todos os elementos para
perdel-o, e que nem na iramunda enxova
onde se acha preso, de mistura com escra-
vos e criminosos, t-in segura a propria
vida.
O Sr. Pedro BeltrSo conooga le-
vantando nm protesto contra a emenda l-
timamente apresentada, tendento a suppri-
rair as relagoes de Goyaz e Mitto-Grosso ;
e admira se de que o seu autor em vez de
piopor mais relagSes para as provincias que
as nao tm, venha pedir a suppresso de
duas, o que importa menospreso a despe-
zas fetas e direitos adquiridos.
Julga pouco procedentes as razoas com
que o nobre deputado por S. Paulo preten
deu justificar o acto do governo nomeando
juizes novos, com preterigSo de outros que
tinbara mais direito a ser nomoados: e,
analysando algnraas nomeag5es e remog3es
de juizes de direito, feitas pelo nobre mi-
nistro da justiga, nota o pouco acert de S.
Exc. na designago desses juizes para cer-
tas comarcas de Pernambuco.
Os factos que observa obrigam no a at-
tribuir ao governo intervengSo as eleigSes
muricipaes da provincia da Pernambuco,
pois a seu ver outra cousa nao significa a
remogSo dos juizes de direito das comar-
cas de Iguarass e Pao d'Alho as proxi-
midades dessas eleicoes.
Reclama a attengSo do governo para o
estado da comarca de Boto Jardim, onde
a nter vengSo oficial manifestada pela re-
mogSo do respectivo juiz de direito tem le-
vado o candidato conservador, que pleta
o lugar que o fallec ment do deputado
Correa de Araujo deixou vago, a commet-
ter os maiores excessos e a por em perigo
aquella comarca ; e seguramente haver
all derraraaraento da sangne, so o gover-
no nSo se der pressa em cohibir essos ex-
cessos,
Passa a narrar os diversos episodios que
alli se tm dado, provando com officios e
avisos, que 16, quanto o actual vice-presi-
dente da provincia de Pernambuco se tem
deixado seluzr pelo candidato Dr. Barros
Lacerda. (ContestagSas do Sr. Tarquinio
de Souza.)
Vendo entrar a deputagSo que foi ao
pago da c Jade, o orador diz estar promp-
to a suspender o seu discurso.
O Sr. Presidente respoude quo nao p
de consentir na interrupgao, o que pede
que o nobre deputado se restr ja a mate-
ria em discussSo.
O Sr. Beltro vai restringir-se, mas nSo
pode deixar de notar um facto extraordi-
nario: o officio que leu, do presidente da
proviucia ao juiz de direito da comarca
tinha no enveloppe o carimbo do correio,
mas foi apresentado por um sargento de
pobcia acoropanhado de duas pragas ; in-
terrogado a respeito o administrador do
correio, declarou que durante aquelle mez,
nSo transitara pelo correio nenhum officio
para o juiz de direito.
Mostra que, a favor do juiz de direito
da comarca do Boto J ir di ni, contra o qual
se procurou instaurar processo de respon-
sabilidade, com o fim de pol-o margem,
para entregarse respecti r& vara a um
amigo daquelle grupo, apressntou-se res-
pectiva assembla provincial um officio,
firmado pelo presidente da cmara muni-
cipal, que, alias, conservador.
Observa que, nao se tendo realisado a
eleigSo municipal daquella comarca no da
1 do corrente, incumbe a presidencia da
provincia marcar novo da ; "mas os nimos
estSo ezarcebados : todo o partido conser-
vador da comarca e a parte mais Ilustra-
da do partido conservador da cmara ha
de reagir, e as consequencias serSo as que
se deram na comarca da Victoria em si-
tujcao semelhante.
Depo;s de diversas observagoes nesse
F0LHET1H
RIGOLO
ZA7I33
POR
rs mwit
^CONTIiNUAgO DE ANGELa)
(Continuago do
XIX
a. 17 7)
nSo se demorar em vir reclamar a atten-
go do governo sobre os factos graves,
que nao devem ser desprezados, porque se
trata de urna eleigao local, a questSo tem
grande alcance e os nimos acharase tSo
extados, que talvez o orador deva diri-
gir-se a Pernambuco.
Vem mesa, lida e vai comraissao
do orgamento, visto importar augmento de
despeza, a seguinte emenda :
< Aj n. 14 do art. Io em vez de.....
2,000:0000 diga-se 330:0000, sendo desta
a quantia 150:0000 para auxilio da forea
publica d-i provincia da Baha. Americo
Gomes. Freir de Carvalho Pedro Car-
neiro. -A. Milton. -Araujo Ges Jnior.
Junqueira Ayres. Aceioli Branco.B.
Geremoabo.Baro de Villa da Barra.
Fernandos da Cunha Filho.
O Sr. Tarqninio da Souza (pela ordem)
requer e a cmara approva o eucerramento
da discussSo.
Posto a votos o projecto, approvado
com a segfiinte emenda do Sr. Carlos Pei-
xoto :
a Fica o governo autorisado a rever o
actual regiment de custas.
Todas as mais sao rejeitadas.
O Sr. Rodrigo Silva informa camaca
que a deputagSo nomeada pela cmara
apresentou a S. M. o Imperador a respos-
ta falla do throno, e que S. Magestade
dignou-se responder:
Agradego cmara o apoio que pro-
mette ao governo.
Sr. Presidente : A resposta de Sua Ma-
gestade recebida com muito especial
agrado.
ORQAUENTO DA MMIiINIlA
Entra era discussa o seguinte projecto
fizando a despeza do rainisteiio a mari-
nha para o ezercicio de 18831887.
A proposta do governo para o ezercicio
de 1886 a 1887 fiza as despezas do minis-
terio da marraba em 11,337:0770500. A
despeza votada no orgamento de 1884 a
1885, em vigor no corrente ezercicio, de
11,112:8J80275. Nota-se, pois, que aquel-
la proposta excede a esta em 224:1890225.
Como, porm, a proposta para o exer-
cicio de 1887-1888 calcula a despeza em
10:855:0790591, ou menos 481:9970909
do que a proposta para o exereicio do
1886 1887 e 57:8180684 do que a vota,
da para o exereicio de 1884-1885, enten-
deu a comraissao dever tmala para base
do seu exame.
Comparaudo-se a despeza proposta para
o exereicio oe 1887-1888 com a votada
para o ezercicio de 1884-1885, nota-se
que foi eliminada daquella verba para -
Navios desarmados na importancia de
11:7830000, havendo. algumas verbas que
nao soffreram alterago e outras que fo-
ram augmentadas ou diminuidas.
Notas ezplicativas das differengas
1. Secretaria de Estado.A differen-
ga, para mais, de 20 provm de se dar
mais UJi dia de vencimento aos dous cor-
jeios, que se consideram em effectivo ser-
vigo, por ser anno bisezto.
4. Conselho Supremo Militar.Pro-
cede a differengn, para mais, de 200, de
se haver pedido mais um dia de etapa,
pela raesma razSo suppra.
I 6. Intendencia.A diffjrenga para
menos, do 8:4450300 provm de se haver
reduzido a 40 o numero de serventes e da
nao se ter comprehendido o possoal das
lanchas, rebocador, etc., ao servigo da in-
tendencia, por desnecessario, nao obstante
tar-se dado mais de um dia de vencimen-
to aos patrSes e remadores dos escxleres.
por ser o anno bisezto. A differenga,
para menos, de 1:2000, no material, pro-
vm de se haver pedido menor quantia
para o ezpodiente da secretaria da inten-
dencia e de nao se distribuir importancia
alguma para o ezpediento dos almoxaria-
dos.das provincias, por estar comprehen-
dido as quotas dadas nos arsenaes. A
somma necessaria para o pagamento do
porte da correspondencia, na forma do
art. JO da lei n. 3,229 de 3 de Setembro
de 1884-1885.
8." -Corpo da armada e classes an-
nexas. Por ter sido, nos ezercicios de
1883-1884 e 1884-1885, insufficiente o cr-
dito votado para as despezas desta verba,
apparece a differenga, para mais, da quan-
tia de 19:7810, attendida nesta para me-
nos a de 2160, relativa ao venciineno de
uto otficial de apito, que nao eziste.
9. B.italhSo naval.Apezar de se
haver p;dido nasta tabella para mais a
quantia de 10:0000, para occorrer des-
pieza cora as gratificagoes, na razo de
metade do sold, s pracas voluntarias e
de se ter dado a todas as pragas de pret
mais um dia de sold, por ser anuo bisex-
to, apparece s a differoagu, para mais de
8:8730764 da somma votada para o exer-
oicio de 1884-1885, em consequencia da
reducgSo do numero de inferiores, visto
ter-se pedido para seis companhias do 100
Dragas cada urna, de accordo com o aviso
de 23 de Abril de 1884.
10. Corpo de iraperiaos raarinheiros.
de accordo com a lei n. 3,230 de 3 de
Setembro de 1884, e que, no Io do art.
5, autorisou a reforma, sen aumento de des-
peza, das companhias de aprendizes mari-
nheiros, se attendeu, para o calculo da
despeza a fazer cora a nova organisago,
ao que sa despendia por centa deste 10
e ao que se gastava pela verba para Hos-
pitaes, do que resultou a menor despeza
nesta e maior naquella ; havendo, entre-
tanto, da comparagSo entre o que se des-
psnJia e a nova despeza urna differenga
a favor do Estado. Havendo o crdito
votado para a despeza desta verbo no ex-
ereicio de 1884 1885 deixado sobras, da,
duzio-se da quantia orgada a de 54:0000
do que resultou pedir se para menos.....
36:8620700 para o pessoal e material.
Tenio a capitana do porto da provin-
cia do MaranhSo passado para um pro-
prio nacional o aluguel da casa por ella
oceupada conjuntamente com a escola de
aprendizes raarinheiros n. 2, se deduzio
da quantia votada para as despezas do
13 Capitanas do portospara ser addi-
cionada do Corpo de imperiaes raari
nheiros, sendo essa a razao porque se
nota na quantia destinada para o material
da verbaCorpo de imperiaes raarinhei-
roso augmento de 2:00000000.
11. Companhia de validos. -Pessoal.
--A diffarenga, para mais do 7:0250712
procede do maior numero de pragas ad-
draittidas ns asylo.
Material -A differenga, para mais, de
5800, provm de pedir-se, pela raesma
razao, maior importancia para fardamento
nao obstante deixar-se de pedir consigna-
gao para luzes do quartel.
2. Arsenae3. -Pessoal. Sendo suf-
ficiehte a quantia votada para as despezas
desta verba, embora accrescida das que
se faziam por conta do seu total com as
officinas de torpedos o outras, agora com-
prehendidaa na tabella, sa elevou a porcen-
tagem, que se deduzia para faltas e vagas,
de 5 a 10 [0, notndose anda a differen-
ga, para menos, de 3410800, de pequeas
alteracSas fetas.
Material. Para a comparago da quan-
tia orgada com a votada se deduziu a de
35:0000, destinada para fim especial pela
lei n. 3,230, de 3 de StambFo de 1834,
3a que resulta a differenga, para menos,
de 1:2000, que proceie do s sa ter pedi-
do a somma precisa para o fardamento dos
remadores da galeota o da reduego do ex-
pediente na corte.
13. Copitanas de portos.Pessoal.
A. pezar de so haver comprehendido,
nos termos do aviso de 28 de Julho de
de 1883, os foguistas para as lanchas das
diversas capitanas e do aceres 3mo de um
dia de vencimento, por ser anno bisrxto,
ainda assim apparece a differenga, para
menos, de 13:6790800, que procedo nao
s das reducgSs que soffreu esta tabella

Tragara-me aqu a criada desta senbo-
ra... ordenou o juiz fomador da culpa.
Caseneuve desceu logo e reappareceu
pouco depoisconduzindo Catbarina.
A fiel criada estava paluda como urna
morta e tinha todo o corpo a tremor.
Catbarina, ex.-lamou a bella herva
ria, dize a estes senhores...
Silencio I interrompeu o juiz forma
dor da culpa. E' s a mira que compete
interrogar osta mulher.
Depois, mostrando lhe o agenda de mar-
fim, perguntou-lhe :
Conhece isto ?
NSo, senhor. .. nunca o vi, respon-
deu a criada, depois de ter examinado o
objecto.
Como replicou impetuosamente An-
gela. Nao conhoces esta carteira? Nao a
achaste ?
Ainda de novo, silencio l ordenou
m.iis urna vez o Sr. de Gevrey.
Depois, dirigndo-se a Catharna :
Com que entilo nao achou este objec-
to na loja de sua ama ?
Nao, senhor, repetio a criada, aba-
nando a cabega.
Est certa disso ? Repare que a sua
resposta de grande -importancia.
Quando se tratasse mesmo da minba
vida, nao poda responder secSo a verda-
de.
Muiti bem, retire-se...
Catbarina, mais morta do que viva, d^s-
appareceu.
Emma Rosa, espantada, nao comprehen-
dia nada do que se passava, e, crendo ser
victima de um pesadello, agarrava-se
mSi.
Agora toda a negagSo seria intil,
proseguio o Sr. de Gevrey. A justiga sa-
be que Angela Bernier achou ou roubou o
agenda que continha a carta escripia sua
filha por Jiiyme Bernier, e que eicondeu
esse agenda no vaso em que acaba de ser
desooberto.
A um signal do magistrado, o chefe da
seguranga approximou-se, e procedendo, em
virtude dos seus poderes de commissario
de polica, pronunciou a terrivel phrase :
Angela Bernier, em nome da lei, est
presa.
Angela e a filha langarara ao mesmo
tampo urna exclaraago de horror, seguida
destas palavras :
Prendem-rae !
Prendem minha mi I!
Mas, senhor, bslbuciou a bolla hor
vanara, ostor^endo as mos. E' urna ini-
quidade que vai commetter... urna ac
gao odiosa e infame !. .. Sobre que que-
rem que eu jure para lhes provar que nao
bou culpada... por que juramento serao
capazos de se conven erem ?... Acredte-
me, senhor, supplieo-lhe, pego-lhe de joe-
ihos... Ignorava que esse agenda estives-
so aqu e nao posso nem adivinhar nem
coraprehender como elle aqu so acha.
Aprompte se para vir commigo, dsse
o chefe da seguranga.
Assim, n3o me acreditara Mas
nao, irapossivel!.... Eu posso i se-
guidos ? Posso deixar minha tilha.
Tero coragem de me separar de ma
raai ? diase, por sua vez, Emma Rosa, so-
lugando. Nao vm que eu morrena com
isso ?
Miaha filha querida, rainha filha ado-
rada, socega dsse Angela, apertando a
filha nos bracos.
Mas qual o orime da que se atre-
vem a aecusar-te ?
O mais terrivel de todo?, minba fi-
lha Estes horaens aecusam-me de ter
mandado matar meu pai 1
Ah I ezclamou Emma Rosa com hor-
ror. Suspeitarera de um parricidio, a ti,
a meltior das mis Mentem ou esto bu-
cos !
Vamos, siga-nos... dsse o chefe da
seguranga, pondo a raSo no braco do An-
gela.
A bella hervanaria recuou com um pulo,
arrastando consigo a filha, que ella aper-
tava de encontr ao corago.
Ah l nao me toquem I I ezclamou
ella, estou innocente... nao me separem
de minba filha I
Mi, nao te deizo... nao quero dei-
xar te. Quem ter, pois, a crueldade de
me separar dos teus bragos?
Obedega lei, diase o Sr. de Ge-
vrey. Nao nos ponha na necessidade de
a constrangor a isso,
Sao implaca veis / Nao tm alma nem
entranhas ? Minba filha est doente... sof-
fre... porque tambera foi victima do cr-
me abominavel de que me julgam cumpli-
ce, e, em lugar de procurarem o seu assas-
8io, querem n'a matar ; parque separal-a
de mm nesta occasio, matal-a !... bem
vm, estou aos seus ps, rojo-me pelo
chao... beijo-lhes as maos e supplico-
Ihes... tenbam piedade de minha filha,
se nao tura piedade de mim! 1 Deixem-me
perto della... juro-lhes qua n3o fugirei....
Hilo de encoutrar-me sempre aqui para me
julgarem, se preciso que me julguem...
e Deus por fim ter compaizo de mim e
rao dar meios de provar a minha innocen-
cia... fazem-me o que Ibes pego, dSo
verdade, raeus senhores? Deixam-se com-
mover peloa meus rogos, pelas minhas la-
grimas ? Nao me levam, nao assim ?
Angela tinha-se ajoelhado com Emma
Rosa, diantj do'megistrado.
Ambas choravam, ambas estendiam as
mios suppli.-es, amb.is diziam ao mesmo
te rapo:
Graga... nao a matera, separndo-
me della.
Graga para minba ra3i... est inno-
cente. .. deixem rainha raai !
O juiz fornader da culpa, o chefe da
seguranga, o escrivo e o proprio Caseneuve
nao podiara esquivar se a urna viva comrao-
gao em presenga daquelle triste espectculo ;
mas nao se transige com aquillo que se
julga ser dever, e o Sr. de Gavry repa-
tio :
1S Obedega lei.
Angela levantou-se frementa de colera,
de indignagao, de desespero.
Ah I exclamou ella, como se estvesse
verdaderamente iguca. Ah monstruo-
so I Estes horaens tm corago de car-
rascos o prooedem por ordem do covarde
qus me perdeu I Nao tem coragem de se
apresentar cara a cara, diante de mira 11
Nao ousa affrontar nem o meu olhar nem
o pranto desta crianga Teria receiado
vibrar em si urna fibra paternal que o im-
pedisse de acabar a sua obra! A miaba
m estrella poz me no seu caminho ha do-
zesete annos I Incommodo-o Suppnmem-
me !. Aqui est o que a justiga hu-
mana! Pois bem, nao os seguire... po-
dara me matar... nao abandonarei a mi-
aba filha doente... morrerei perto della...
com ella.
Esta scena j se prolonga va em dema-
sa.
no pessoal da corte, Santa-Catharinaj e
Sergipe, como do abatimento que se faz,
attendeado aos saldos anteriores.
Material.Na quantia votada nota-se a
differenga, para menos, de 2:0000, que
passou para o 10. Assim, comparada
com a quantia orgada, apparece a differen-
ga, para meaos, de 300, que provm de
se haver pedido menor quantia para o ex-
pediente das capitanas das provincias.
14. Forga navalApezar de se haver
comprehendido n^sta 'abella *s guarnigSes
do encouragado Apuidaban e da caoboneira
Marojo, orga-se a despeza na quantia de
1:3000, por se haver reconhecido saldos em
exercicios anteriores, consequentes do menor
numero de officiaes e pragas efectivamente
embarcados, e tambara por sor provavel o
estado completo das companhias dos fo-
guistas.
15. Hospitaes.Nao obstante ter-se
nos termos do aviso de 26 de Julho de
1882, comprehendido nesti tabdla dous lu-
gares de 3.* cirurgiSas do hoepiUl de ma-
rrana da curte ; dotarse as enfermaras
das escolas de aprendizes marinheiros do
MaranhSo, Cear, Psrahyba, Piauhy, Pa-
ran e Rio Grande do Sul cora a praga de
eoferraero, qve nao linham, e dar so mais
um dia de vencimento aos serventes, re-
madores e cozinheiros, ainda assim, pala
nova organisago da la s companhias de
aprendizes marinheiros pelo decreto de 14
de Feverero de 1885, que extingui di-
versas enfermaras e por se tnr supprimido
as das escolas da Baha, Pernambuco e
Para, e por haver o aviso de 25 de Dezem-
bro de 1885 reduzido a seis o numero de
serve ates do hospital da Baha, apparece
a differenga, para menos, da 11:4190270,
sem embargo de que, contando-se com as
indemnisagSes pelo tratamento dos officiaes
e pragas, se fez o abatimenti de mais ....
15:0000000.
Material. A differenga, para menos, de
3:8800 provm da reducgSo operada pelo
decreto citado, de 14 de Fevereiro, que
supprimio varias enfermaras, nSo obstante
dar-se maior quantia para lavagem de rou-
pa do hospital da corte.
16. Pares. Pessoal A differenga
para mais, de 7:3000, procede de haver se
incluido o pesBoal para o pharolete da ilha
do Bora Abrigo, provincia de S. Paulo,
(aviso de 8 de Janeiro de 1886), a tripo-
lagSo da baleeira ao servigo do pbarol dos
Abrolhos e de ter-se elevado o numero de
pharoleiros em alguns outros, de accordo
cora os avisos de 5 de Maio de 1884 e 9
de Dezerabro de 1885; nao comprehen
dendo se o lugar de director do pharol de
Cabo Fri e, era lugar de oito, quatro re-
madores paro o mesmo pharol, nos termos
! do aviso de 17 de Janeiro de 1884.
MaterialNSo obstante incluir-se a
quantia necessaria para o custeio e conser-
vagSo do pharoleta do Calabougo, appare-
ceu a differenga para menos de 7:3000,
pela reducgSo das quantias destinadas ao
custeio o conservagSo de diversos phares
e pharolete3.
17 Escola de marinhaA. differenga,
no pessoal, para mais, do 4:5010, procede
do augmento da 5' parte do ordenado que
passarara a receber um lonte, um profes-
sor de deseaho e o de inglez da escola de
marinha; e de haver comprehendido o
pessoal da lancha ao servigo da raesma
escola e da substiteigo do segundo enfer-
meiro do collegio naval por um primeiro.
MaterialA differenga para mais, de
13:3220, provm de se haver consigna-lo
a quantia precisin para o seguro dos volu-
me8 da bibliotheca da raarinha e de se ter
incluido a somma de 12:3720 para a com
pra de instrumentos para o gabinete de
chimica e physica da escola de raarinha.
(Aviso de 3 de Dezerabro de 1885.)
18. Reformados "A differenga para
menos, de 20:5950990, proceda do maior
numero de officiaes fallecidos, nSo obstan-
te a reform a de outros.
19. 06ra*-Mas 50:0000, por ser
insufficiente o crdito votado.
20 Hydrographia -O augmento de
O chefe da seguranga disse baixinhouma
palavra a Caseneuve, de cuja forga herc-
lea j fallamos mais de urna vez.
O gente approximou-se da bella herva-
naria, agarrou-a pela cintura e levantou-a
como se fosse urna crianga, dizendo :
Vamos l, minha querida menina, a
caminho,
E dirigise para a porta com aquelle
fardo.
Angela debatia-se em vo, sob o pode-
roso aperto do colosso.
Emma Rosa deu um gemido surdo, quiz
correr para a mSi, mas nSo tere forgas e
cahio desmaiada.
- Minha filha minha filha l.... Bem
vem quo minha filha morre!... exclamou
a bella hervanaria, chegada ao paroxismo
da raiva o da dor.
Sem se inquieta- com os gritos della,
Caseneuve desceu a escada e entrou na
loja.
A pobre Angela tinha esgotado a ener-
ga pbysica e moral.
Fez urna derradeira tentativa de resis-
tencia; accommetteu aura tremor nervoso,
que a sacudij, como se fosse urna convul-
So.
A esta crse violenta, mas curta, succe-
deu-se completa immobilidade.
Como a filha, a mSi tinha desmaiado.
__ Assim raelhor! raurmurou o agen-
te. Ao menos est calada 1 Este diabo de
mulher pode nao ser l grande cousa, mas
commove a gente 3 entranhas. Irra I I
- Levem-n'a n'uma das enrruagens,
ordenou o chefe da seguranga. E depressa
para o Deposito. Temos ainda que fazer
aqui.
Flogny correu a abrir a porta de um dos
fiacres e Caseneuve collocou sobre os as-
sentos do fuado a bella hervanaria, com-
pletamente inanimada.
Os gritos da infeliz tinha m chamado a
attengo da alguns vizinhos e feito parar
alguns -transentes, que ficaram em frente
do estabelecimento.
O agente deu urna ordem ao cocboiro,
sentou-se era frente de Angela, que conti-
nuava desmaiada, c a carruagem rodou.
Voc nSo pode fioar aqui, disse o
chefe da seguranga a Catharina, que solu-
gava n'um canto. Somos obrigados a fe-
char a loja e levar as chaves.
Mas, seuhor, ballracou a criada, tre-
mendo. O que vai ser da filha da Sra. An-
gela? Bem vm quo ella est doente...
muito doente.
2:3000 destna-se a irapressoes para as li-
thographias qu as cartas e plantas impor-
tantes.
21 Etapas A differenga provm de
haverem fallecido tres officiaes que perce-
biara a etapa.
23 MuniqZ8 de boca Pede-se menos
76:0530500, em vista dos saldos demons-
trados era ezercicios anteriores.
26 Combustivel -Pade se para menos
50:000, ora consequencia do menor prego
do carvo do pedra adquirido por juste
effectuad com a estrada de ferro D. Pe-
dro U pira o fornecimento.
27 Fretes, etc. Pede-se para menos
2CL0OO0, por parecer suficiente a consig-
nago proposta.
A proposta para o prozimo ezercicio
de 188618S7 pede menores consigna-
goas para as seguintes rubricasCouse-
lbo supremo militar, Independencia, Corpo
da armada o clases annezas, BatalhSo na-
val, Gorpo de invlidos, Escala de mari-
nha, Obras e Etapas.
Ezaminando as differengas, pardee
comraissSo que algumas dessas consigna-
g3es menores devem ser mantdas, e ou-
tras nSo.
Gonselho suprema militarA proposta
depo menos 200 do que a do exereicio de
18871888. O augmento provm de se
dar mais um dia da etapa, pela circums-
tancia especial de ser bisexto o anno de
1888. Deva ser mantida a proposta.
Intendencia Deve ser conservado o
crdito da proposta, porque a differenga de
4300700 que se vena de 18871888,
provm de so haver computado maia um
dia ao voncimento do pessoal e dado a
quantia de 4000 para parte da correspon-
dencia, sendo p ira este fira suffisiente a
verba do espediente.
Corpo da armida e classes annexas A
proposta pede menos 19:8000 de que a
de 18871888. Tendo-se, porem, verifi-
cado a insuffijencia da dotagSo em os ex-
ercios anteriores, parece commissSo que
deve ser augmentada a verba naquella im-
portancia.
Companhia de invlidos Tendo-so aug-
mentado o numero de pragas mandadas
admittir no asylo, razoavel augmentar-
se o crdito da proposta com a quantia de
2:1220712.
Escola de marinha A proposta consig-
na raenos 11:3720 do que a do exereicio
de 1887 1888. A differenga provm de
ter-se incluido aquella somma para compra
de instrumentos do que carece o gabinete
de physics e chimica da escola de mari-
nha. Tratndose de necessidades do en-
sino, a commissSo de parecer que se
consigne o augmento na proposta.
06ras Tendo-se verificado a insuffi-
ciencia destinada a esta rubrica, a propos-
ta para o exercicic de 1887 -1888 consig-
na o augmento de 50:0000, qua deve ser
aceito para o ezorcico de 1886 -1887.
Etapas A pequea differenga de 20
especial ao ezercicio de 1887-1888, pela
razSo j dada, nSo devendo por isso ser
attendida.
Parece, portanto, commissSo que a
proposta para o ezercicio de 18871888
pode ser aceita para o de 1886 1887,
com as modificagS-'S assignaladas e reduc-
g3es provenientes da circumstancia de nSo
comprehender esta ezercicio anno bissezto,
sendo 1180244 na verbaBatalhSo naval
532 res naCompanhia do invlidos
3720400 na verba-Arsenaes-250200 na
verbaCapitanas do portos 820340 na
de Hospitaes e 20250 na daReforma-
dossendo de parecer que se adopta a se-
guinte.
(Continua)
ficar na cama, vis'o qua a encontramos le-
vantada.
O quo bai de fazer?
Obter a sua admisso n'ura hospicio
ou leval-a para a sua casa.
A minha casa urna agua-furtada,
senhor. Sou urna pobre criada; mas, entro-
tanto, nao quero que a menina Emma Rosa
entre no hospicio... Eu levarei a minha
querida menina... Fiz urnas pequeas eco-
nomas dos meus ordenados... vo-se em-
bora: mas, paciencia I E'-sa do povo e
pobre, mas, ainda assim, tem-se corago ..
sabe-se o que humanidade.
Ponha os taipaes na loja e depois fa-
gi descer a moga.
Catharina obedeceu ; e, depois de ter
posto os taipaes, subi para os quartos da
sobreloja.
Emma Rosa re'mperava os sentidos.
Minha mSi Onda est minha mSi ? ?
ezclamou ella, vendo a aua velha criada.
Esta desatou a solugar.
A moga repetio :
Onde est rainha mSi ?
Foi-se, menina... foi-se Levaram-
n'a os agentes. E' preciso sahirmos de
casa de casa.
Quero ir com minha mi.
Elles nao a dazam, menina.
Comtudo, eila est innocente.
Que irapirta... julgam n'a culpada.
Emma Rosa senta a loucura invadir-lhe
o cerebro.
-~ E' preciso sahr d'aqu, murmurou
ella.
Sim, minha menina, e j.
Para onde vou ?
Para minha casa, menina... para o
meu pobra quarto. Pode ser que a sua
mamai fique muito tempo presa... A'sve-
zes a innocencia leva muito tempo a pro-
var. .. Eu cuidarei da menina at que ella
volte... NSo lhe ha de faltar nada... a mi-
aba agua-furtada, por muito pequea que
seja, ainda suficientemente grande para
que eu possa por um colchSo no soalho, ao
ledo de meu leito, qua ficar sendo o seu.
Eraquanto fallava, Catharna fazia rpi-
damente um embrulho da roupa branca e
vestidos, indspensaveis moga.
Esta balbuciava :
Meu Deus... meu Daus... minha
pobre mi.
O embrulho estava terminado.
Vamos, menina, disse Catharina, va-
moa, nao temos mais nada que fazer aqui !
Encost se a meu brajo, accresoentou ella,
' vendo que Emma Rosa, debulhada em la-
Est doente, sim, maa nSo a ponto de grimas, se sustinba com diffieuldade.
E ambas se dirigirain para a porta.
O Sr. de Gevrey deteve-as, com um
gesto.
Ha vemos de ter precisSo do interro-
gar esta menina, disse elle. Dme a sua
morada...
E' a casa aqui ao lado, senhor, n.
103, respondeu Catharna, urna agua-tur-
tada, no quinto andar. Nao havia nenhu-
ma para alugar neste predio.
__ Pois bem... tome l esta nota do
banco para as primeiras necessidades da
menina... Pie retirar-se.
XX
Mas a mamai, senhor... a mamai
nao me ser permittido vl-a ? perguntou,
com voz supplicante Emma Ros*.
Ha do lhe ser permittido, menina,
nSo agora; mas ma3 tarde... respondeu
o juiz formador da culpa.
Ella est innocente, sanhor.
Infelizmente -rae irapossivel acredi-
tal-o, menina... Tudoa aecusa... as pro-
vas da sua culpabilidade nSo faltara.
__ SSo provas falsas I replicou a moga.
Repito-lhe que ella est innocente Sei-o
perfeitamente, eu que conhego o seu cora-
go! Os que a aecusam sSo insensatos!
Os qae a torturara sao carrascos I Eu os
araaldigo e Deus ha do castgal os.
Depois de ter pronunciado, com anima-
go e tom quasi feroz estas ultimas pala-
vras, Emma Ro3a encostou se ao brago de
Catharina e sahio da loja, t2o depressa
quanto lhe permittam as suas forgas.
O Sr. de Gevrey tinha estremecido, mo
grado seu, com a araeaga e raaldigSo da
menina ; mas, d'alli a pouco, sorri da-
quillo que elle julgava ama fraqueza passa-
geira.
__ Obedeco rainha consciencia, disse
elle quasi em alta voz e como que respon-
dendo ao seu proprio pensamento. Na ver-
dade, a situago da moga era le nutureza
para enternecer os coragSes mais impeder-
nidos ; mas o seu desespero e as sus la-
grimas nao lavam sua raai da cumplicida-
de de parricidio... Angela Bernier tenta
lutar ainda o sahir vencida... Contra a
evidencia irapossivel a luta... H* de
acabar forgosa mente por confessar.
(Contnuar se-ha)
v
Typ. do Diario ra Duqne de Caxias n. 42,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVHGPHXLT_R0QEW4 INGEST_TIME 2014-05-28T17:55:21Z PACKAGE AA00011611_19852
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES