Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19848


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AUNO Lili -h flUMEBO M
PAUA A CAPITAL B LC'CJAWB* 'tSDB IV AO US PACA PORTE
Por tres mezes aaiautado
l'or seis Jatos idem.....
Por ura auno deai......
numero avulso, do meamo da.
6*000
12,5000
24*000
($100
0MN60 1 DE AGOSTO BE 1886
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoa.........
Por nove ditos idem...........
Por um armo dem......'.......
Cada numero avulao, da das anteriores...... t
13*500
20*000
27*ooe
4100
DIARIO DE
NAMBUCO
Parietal* -be Jttaiwel Jignrijra be -feria & S&tyos
M. "


I


f


TELEGRMMAS
sssvi:: :asii::as so subi
RIO DE JANEIRO, 31 de Julho, a 3
horas e 40 minutos da tarde. (Recebido
s 5 horas e 10 minutos, pelo cabo subma.
rio).
A Cmara don Dcpaiadon npprovoa
hoje eni ?.' dincumio o orramento
do Manlaterao da Agricultura.
Fol nomeado S. eacrlpturarlo da
Throournrin de Faienda de Peruana-
buco, Antonio Witravio de Medel-
ro.
:S37i;3 Si AS3KCIA SA7A3
(Especial para o Diario}
LONDRES, 31 de Julho, de roanhS.
Forana nomeadot s
MINISTRO DA GUERRA, naith t
PRIMEIRO LORD DO ALMIRANTADO, Ha
Ilion.
O presidente do conreino, lord Na-
lisbury. llcou com o cargo de prinael-
ro lord do Ibesouro.
Agencia Havas, filial
31 de Julho de 1886.
en Pemambuco,
IHSTRBCClO POPULAR
NATALIO
OA
(Extrahido)
BIULIOTUECA DO POVO E
se das maos como de ama p, e eil-o outra vez
herrando comonm p.-ssesao : la mer la mer.
Oui.ro paasar por, debaixo da qmlha. do rrnsso
vapor mediante a mdica, quantia de 500 ria,e
tudo isto um brinquedo. Os mardka: i'.dam
como peixes ; to depressa esto dentro da canoa
como no mar, sendo-Ibes os movicnentos na agua
to facis como en trra.
Oa paasageiros, porm, vio a trra para ver aa
curiosidades de Aden. Sigamol-os, que nao ser
tempo perdido. Aqui est um grupo de indgenas
as feicoea sao quasi as dos europeus, comquanto
lembrem a cor do axeviche aa caras e os corpos
que vemoa : os cabellos sao compridos e ondeados
on antes encrespados e ruivos, ou antes (porque a
palavra ruivo nao d perfeita idea) cor de pello do
cabra.
O que a moda Para adquirir aquella cor, o
bello ideal paraelles da cor do cabello, empaatam-
no com cal ; vulgar vermoa alguna habitantes
com um capacete de cal na caneca.
Vo ver os tanques onde se recolbe a agua da
chuva (quando chove, o que nao muito vulgar).
A obra grandiosa; comecada pelos primeiros
possuidores de Aden, foi continuada pelos Portu-
guezes e acabada pelos Ingleses.
(Contina)
JARTE OFFICUL
DAS ESCX)LAS
lA
\ I i.KH A TODO O VAPOR
{Continuaco)
Atravessado o lagoBallack eslamosem Ismailia,
Emquanto alguna paasageiros vo para trra,
oatros ficam sobre a tolda admirando a la que
se reflecte as aguas do lago Timsah.
Vais para trra, companbeiro ?
Vou.
CuJatado entilo com os burros de Ismailia!
Se uio fena uocea muito especiaes de equitaco
w-rioal, corres perigu de vir com o aariz muito
mais gordo do que o teus agora.
Ora... adeus !
Pois veras, homem incrdulo.
De feto assim Tomados os burros, mal to-
mos tempo de nos bifurcarmos na sella. O burri-
queiro rabe, vestido com urna camisa branca mui-
to semelbante de urna mulher, solta urna excla-
maca guttoral ; e l vamoan'um choto indiabra-
do, ou n'um galope infernal, at ao palacio do vice-
rei. Feliz do mortal a quam a fortuna deparou um
burro que sabe galopar, porque pode chegar sem
as venta?, eamurradus ao palacio; os outros, aquel-
les cujo burro chota, toreem-se sobres sella como
urna enguia fra d'agua, e cahera por fm de um mo-
doque nada tem de potico.
Burros de Cacilbas e de Cintra burro da nossa
patria envergonhae-vea. Deixae pender as Ion-
gas orelhas em signal de tristeza sois uns pyg-
meus, uns insignitieantes ao p dos nossos conge-
neres do Egypto !
Vamus, companbeiro, tira as botas e entra no
palacio.
As botos ? !
Sim, homem. Em Portugal tiraras o chapeo
em signal de respeito ; aqui... tens que exhibir
os teus joaoetea de humero civilisado, para maior
gloria do vice-rei.
Agora, admira ; v oa tapetes de quatro de dos
de espessura, oude te enterras como se fosse a
relva basto e tina dos nossos prados admira os enor-
mes espedios que cubrem as paredes das salas, da
mil maravilhaa do laxo oriental ; e... para bordo,
que o li-ui u va. Autes de sabir, calca as botas
qu: cni.- mu tato, e d o competente backchish
ao cicerone qifc", ruta o sorriso nos labios, te esteu-
ae mao pr.mii.n-i.iiido estas duas syllabas pouco
bal" moni'i.ti :
Backeftith.
ji puuuo falto pr* .ibirinos do canal e vermo-
no bvrua du mo.-qui.us que o iufeatam. Atraves-
aa-nus anda os L.g.is Amargos, que parecoin um
mar nteiior ; a... eis-nos em Suez.
Estamos n > Mar Vermelho ; se s enclmalo,
pceaM-to para aoftrer torturas, porque o calor
atroz ; airavessar o Terreiro do Paco ao meio dia
nomez de Julhu, um refresco comparado com o
que vamos aoffrer.
__Mama o mar nao encarnado Porque
que lhe chamam vermelho ? Eu s vejo agua
azul como at agora.
A pergunta ingenua da enanca que esperava
ver a agua encarnada, faz-nos rir ; e alguem se
encarrega de lhe explicar a origem do nomc de
Tenuelho dado ao mar. Dizem quejunto s costas
una infusorios tingem a agua de vermelho : aqui
ao largo, ella perteitameute azul e lmpida como
podem verificar.
Livremo-nos do calor navegando a toda torca
para chegar a Aden.
Que dias to montonos que horas tao longas,
as quo se passam a olhar para o mar, a ver os
bandos de peixes voadores, que saltam fra d'agua
voando pezadamente alguna metros at cahirem
novamente no elemento em que nasceram.
Estamos em Adeu, trra horrorosa que j fot
nossa, e boje pertenco ao espertalho de John
Bull. Este, com a aptidao para as linguas que
todos lhe conhecem (!), entendeu dever chamar-
lhe Edn !
Singular Edn este onda raras vetea? chovo !
onde nao ha verdura onde as montonhas pare-
cem fmas de chocolate e onde oor ultimo se bebe
agua destillada.
J que promettemos, leitor, mostrar nadadores,
e por isso companbeiro e discpulo ousaste impre-
hender esta longa viagem, nao faltaremos pro-
messa. Eil-os.
Anda o ferro nao chegou ao fundo, e j o vapor
este cercado de canoas abertaa n'um tronco de ar-
voie -, sao to pequeas que naa maiores apenas
cabem dous rapazitos de 8 a 12 anuos ; outras s
tem lugar para um tripulante que sentado a meio
da canoa a faz voar por sobre as ondas pela impul-
aao de urna p larga e corta. Estes rapazes, quasi
completamente ns, negros e lusidios como azevi-
che, rodeiam o vapor gritando la mer, la mer
com a acentuaeo guttural propria dos arabes.v
Atira-lbe com urna moeda de prata, amigo, e
vers o que mergulhar.
De teito, mal a moeda protundou um pouco, o
srabesitu atira-se ao mar, indo o remo para um
lado, e para outro a canda de quilha voltoda para
cima instoutes depois, apparece elle ao lame da
agua, mostrando a moeda e sorrindo de contente.
Trata depois de ir apanbar a canoa e o remo (o
que elle faz em quatro bracadas) ; entra para
dentro do instare! barquiaho, exgoto-o servindo-
Cio verti da provincia
EXPEDIENTE DO DIA 23 DB JLE0 DE l 886
Actos :
O vice-presidente da provincia, tendoem vis-
ta os termos de exame annexos, por copia, ao ofi-
cio do inapeeior do Arsenal de Marinha, de hon-
tem datado, aob n. 364, dos quaes constam haver
Luiz de Franca e Silva e Jos Antonio de Medei-
ros Pinto prestado exame, na conformidade com o
art. 3 do decreto n. 1,324, de 5 de Fevereiro de
1854, e obtido approvaclo unnime dos examina-
dores para servirem de machinistas de 3 classe de
barcas a vapor, ordena que aos examinados se
expeca as competentes cartas de babilitacao na
forma prescripta pelo artigo 5o das instruccoes que
baixaram com o decreto a. 2,600 de 2 de Juuho
de 1860.Communicou-se ao dito inspector.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o promotor publico da comarca de
Cimbres, bacbarel Alfredo Seraphico de Asis Car-
valbo, resolve conceder-lhe um mez delicenca com
o ordenado integral para tractor de sua sauds,
devendo entrar no goso da referida licenca no pra
so de 25 dias.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que eequereu o eacrivo de orphos da comarca
de Jaboato, Augusto Xavier Carneiro da Cunha,
resolve conceder lhe 3 mezea de licenca para trac-
tor de sua aaude, devendo entrar no goso aa refe-
rida licenca no praso de 15 dias.
O vice-presidente da provincia, de confor-
midade com a proposta do Dr. ebefe de poli:ia,em
ofEcio, n. 692, de 13 do corrente, resolve nomear
o actual 2 supplente do subdelegado do 1" distrie-
to de Beberibe, Benjamn) do Carme Lopes para o
logar de 1* supplente da referida subdelegacia,
visto nao ter acceitado a nomeaco Joo Gomes de
Mello, e para vaga do 2o supplente, o alteres Al-
varo Joaquim de Alera.
O vicepresidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de polica, em
officio, n. 718, de hoje datado, resolve exonerar, a
pedido, Francisco de Aranjo Lima do cargo de
delegado do termo de Itamb, e nomear para su-
bstituil-o, Luiz da Vei-ja Pessoa Cezar.
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. ebefe de polica, em
officio, n. 710, de 20 do crrante mez, resolve no-
mear Wenceslao Florentino dos Santos para o car-
go de 1 supplente do delegado do termo de Pa-
nellas, em substituico d9 Joaquim Fernandes da
Costo que nao aceitou a nomeaco.
O viec-presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposta do Dr. chefo de polica em
officio n. 713, de 20 do correte mez, resolve exo-
nerar, a pedido, Archias Lindolpho da Silva Ma-
fra do cargo de subdelegado da paroebia da Af >
gados, e nomear, para substituil-o o tenente Mi-
guel Nunes de Freitae.
OfScos:
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Recommendo a V. S que mande abonar, sob a res
ponsabilidade desta presidencia, a quantia de....
218, com que foi augmentada a ajudaae costa de
318A, arbitrada, pjr aviso do Ministerio da justica
de 12 de junho ultimo, ao bacharel Francisco da
Costo Maia Jpnior, nomeado juiz municipal e de
orphos do termo de Tacarat, providenciando
para que saja opportunamente levada a despeza do
crdito, que segundo o aviso do mesmo Ministerio
de 23 d'aquelle mez, tem de ser concedido pelo da
Fazenda.
Ao mesmo.Mande V. S. entregar aes em-
presarios da illominaco publica a importancia da
snbvencao concedida para luzes do palacio desta
presidencia, relativa ao trimestre de Abril a Ju-
nho ultimo.
Ao mesmo.Transmiti a V. S. para os fius
convenientes, copia do offideio de 19 do corrente
mez, relativo ao exercicio de juiz municipal e de
orpho do termo de Pao d'Alho, bacharal Elysio
da Cunha Moraes Pinheiro.
Ao Dr. Joaquim da Costa Ribeiro.--Por con-
veniencia do servico publico, rogo a V. S. que di
gne dispensar dos rabalhos da actual sesso do
jury o 2" oficial da secretoria desta presidencia,
Henrique de Barros Cavalcante.
Ao inspector geral da nistrucco publica.
Autoriso Vmc conforme solicita em seo officio, n.
220, de 20 do corrente mez, a justificar as faltos
de exercicio escolar que, por motivo de molestia,
deu Jo 1 a 14 e de 19 a 31 de outubro do anno
fiado, a professora do povoado Malhada da Pe-
dra Amalia Prudencia Al ves Lima.
= Ao commandante interino do corpo de poli-
ca.Convm que Vmc. providencie para que em
Vertentes deataquem quatro praca sob _o com-
maudo de um sargento.
Ao mesmo.Faca Vmc. recolher ao corpo as
duas pracas que se achara com o pagador da es-
trada de ferro de Caruar, devendo entretanto,
prestar igual numero de pracas quando aquelle
funccioni.ro o requisitar para fazar pagamentos
no interior da provincia.Communicou-se ao en-
genheiro chefe do prolongamento da estrada de
ferro do Recite ao S. Francisco.
AoDr. juiz de direito da comarca de Qoyan-
na.__Para ser encaminhado o recurso de graca in-
terposto polo reo Jos Francisco Xavier, do resto
da pena de 8 annos de ga's> 1ue lne Mi imposta
pelo jury do termo de Goyaona, em sesso de 11
de Abril de 1866, convm que Vmc. providencie
no sentido de ser enviada secretaria d'esto pre
sideucia a certidao do processo do mencionado
reo, acompanhada da informaco de Vmc, confor-
me preceitua o aviso circular do Ministerio da
Justica, n. 287, de 28 de Junho de 1865.
Na referida ioformacao deve Vmc. ter em con-
sderagao o que se acha Oisposto no aviso, tom
bem circular do Minitero alluddo, datado de 18
de Abril de 1885.
A'juota classficadora de escravos do munici-
pio de Nazareth.Segundo o aviso circular do
Ministerio da Agricultura Commercio e Obras Pu-
blicas, de 31 de Maiode 1884, do qual esta pre-
sidencia deu sciencia a Vmcs. na circular de 26 de
Junho seguinte, a preferencia entregos conjugo?, a
que se referem os avisos de 19 e 26 de Janeiro de
1883, estabelecose pelo maior numero de filhos
lvres, menores de 8 annOB, e, oa falta d'estes
pelo maior numero de filhos em condicao idntica,
menores de 21 annos; e esaa preferencia anda
determinada, com relacao a cada conjuge, pelo
maior peculiar repisado.
Assim, compre fazer-se a inverao dos eaqaavos
de n. 9 a 24, contemplados na elassiffeacao an-
nexa, por copia ao officio de Vmcs. de 17 do cor-
rente boje recebido, os -juaea esto promiscuamen-
te classificados.
Cuuipre tambero que Vmcs. informem quaes os
escravos j libertados pelo fundo de emaucipaco,
pas dos menores, qoe na classificaco oceupam
os ns. 1 a 5, attendendo a que Cietano, preto de
20 annos de idade, nao pode mais pertencer a essa
classe de menores, estabelecida pelo aviso do 31
de Maio de 1883, por ter um filho ingenuo, e
achar-se por isso comprehenddo no n. 1 2* do
art. 27 do Regulamento de 13 de Novembro de
1872.
Informarlo Vmcs. igualmente quaes as quotas,
por conta das quaes foram libertados os pas des-
ees escravos.
Ainda mais, tendo sido preferidos,.de p. 26 a
2rl coujogea pertencentes ao mesmo senhor, com-
pre que rdechirem se nao ha no municipio, de ac-
coro com a matrcula, averbacoes e declaracoes,
conjoges pertencentes a dfferentes senhorea, os
quaes pref-rem quelles.
Finalmente deve ser excluida a escrava Mara,
trigsima da classificaco, a qual, embora filha de
pais libertos, tendo urna fliha ingenua, est no
meamo case de Caetaoo.Remetteu-se copia ao
juiz municipal e de orphos do respectivo termo.
A' junto classficadora de escravos do mu-
nicipio da Victoria.Nao pddr ser approvada a
classificaco, que, por copia Vmcs. enviaram com
o officio de 8 do corrente, hoatem recebido : -
1 porque da classificaco approvada em #0 de
Janeiro do anno paasado, para applicaco o*J^
quota do fundo de emancipaco, nao consta que
qualquer dos escravos libertados, teuha filhos que
pe.-manecessem na escravido, a nao ser Archan-
geta, filha de Jos, qus, como residente em Bom-
Jardim, foi ahi mandada classificar em 25 de Ju-
nho, visto do que Vmcs. ponderara no officio de
17 do meamo mez.
2. Porque, determinando o aviso circular do
Ministerio da Agricultura, Commercio e Obraa
r'ublicaa de 19 de Janeiro de 1883, qoe, esgotada
em om municipio, qualquer classe de familia, de
modo que a junta tenba de passar immediata,
deve ser essa circumstancia mencionada na casa
das obaervaces, nao cumpriram Vmcs. esse
dever.
Se, ao contrario, existem nesse municipio escra-
vas casadas com homens lvres, aa quaea, como
tem decidido o governo imperial, preferem ao es-
cravo, devem aer ellaa classificadas, como perten-
entea primeira classe, guardando-se a grada-
cao estabelecida no aviso circular de 31 de Maio
de 1884, ao qual so refere a circular desta Presi -
dencia de 26 de Junho seguinte, isto devero
oceupar os primeiroa lugarea aa que tiverem maior
numera de filhos lvres, menores de 8 annos, e em
seguida as qoe os tiverem em maior numero, es-
cravos menores de 21, estabelecida ainda a prefe-
rencia entre ellas pelo maior peculio realisado.
O mesmo dever ser observada a respeito da 2a
classe escravos casados com mulheres livres.
Recommendo, portaato, que se proceda a novos
trabalhos.Remetteu-ae copia ao joiz monicipal e
de orphos do termo de Santo Anto.
Portaras :
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem a r, at o porto de S. Sal-
vador, no primeiro vapor que seguir para os por-
tos do sal, a Galdino Americo Torres Bandeira,
por conta das gratuitas, a qoe o governo tem di-
reito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
de Navegaco, faca transportar hoje, a bordo do
vapor Ipojuca, at Parabyba, por conta do Mi-
nisterio dos Negocios da Justica, o soldado de po-
lica Evaristo Jos dos Santos, que veio d'aquella
provincia conduaindo um criminoso, requisitado
pelo juiz municipal do termo de Goyanna.
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco, sirva-se de providenciar
para que tenham transporte, em carro ie 3a clas-
se, da estaco de Palmares a de Cinco-Pon-.as,
para serem opportunamente descontadas das gra-
tuitos, a que o governo tem direito, onze pracas e
oito presos, que vieram de Garanbuna.Commu-
nicou-se ao Dr. chefe de polica.
EXPEDIENTE DO SECBETARIO
Officioa:
Ao agente da Companhia Brasileira de Na-
vegaco a Vapor. De ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, acenso o recebimento do
officio em qoe V. Exc. commoniea qoe o vapor
Mani, chegado dos portoa do norte, hoje a 6
horaa da maoh, seguir para os do sol, hoje mes-
mo, s 6 da tarde.
Ao director do Arsenal de Guerra.De or-
dem do Exm. Sr. vice-presidente da provincia,
communico a V. S., que na peticio de Jos Joa-
quim de Azevedo, sobre qoe versa a sua informa-
cao n. 476 de 17 do corrente, foi boje exarado o
seguinte despacho : Em vista das informacoes
nao pode ser attendido.
EXPEDIENTE DO DIA 24 DB JULHO DB 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereram as protessoras Ismenia Genuna
Dias e Marianna Teixeira da Costa Coelbo, esta
da cadera mixta de Duarte Dias e aquella da de
ensino primario do sexo feminino de Goyanninha,
e tendo em vista a informaco n. 223 de 21 do cor-
rente mez, do inspector geral da Instroccao Pu-
blica, resolve, de conformidade com o art. 149 do
regulamento de 6 de Fevereiro de 1885, permittr
que as peticionarias permutem as cadeiraa em que
leccionam.Communicou-se ao inspector geral da
Instruccao Publica.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu Candida Francisca de Menezes
Moraes, professora da cadeira de ensino primario
da liba do Jardim, em Barreiros, tendo em vista a
informaco n. 160, de 20 do corrente mez, do ins
pector geral da Instruccao Publica, e o parecer
da junta medica provincial, resolve conceder a
peticionaria 60 dias de licenca, com ordenado, pa-
ra tratar de sua sade onde lne convier.
Officios :
Ao presidente da provincia do Rio de Ja-
neiroTransmuto a V. Exc., em reapoata ao aen
oficio de 23 d Novembro do anno paaaado, a in
cluaa certidao de obitoa do tenente honorario do
exercito Joo Deocleciano da Silva Paula.
Ao presidente da provincia do Cear-Rogo
a V. Exc. que se digne providenciar no sentido de
ser tranamittida a secretoria desta presidencia a
certidao do processo do sentenciado Antonio Bap
tista de Oliveira, que iuterpoz recurso de graca
da pona dn gales perpetuas, que lhe foi imposta
em 27 de Novembro de 1849, pelo jury do termo
de Batuiit, nessa provincia.
Coovm que a referida cei tido acompanhe a
informaco do juiz de direito da comarca do mes-
mo nome, de conformidade com o disposto no avi-
so circular do Ministerio da Justica, n. 287, de
28 de Junho de 1865,dependo ter-se em consde-
raco o que preceitua o aviso, tacabem circular do
mesmo ministerio datado de 18 de Abril de 1885.
__Ao inspector da Thesooiaria de Fazenda
Communico aV. 8. que o 2o juiz substituto da ce-
marca desta capital, bacharel Francisco Odilon
Tavares Lima interrompeu hoje o exercicio de
seo cargo, por motivo de molestia.
__Ao inspector do Thesooro ProvincialDe
accordo com a soa informaco n. 24, de 15 do cor-
rente mez, mande Vmc. pagar a niajnsa folha na
importancia de 146*362, relativa ao abono das
racoes diarias para quatro sentenciados qoe se
acham ao servico de limpeza do qoartel do corpo
do polica, dorante o periodo decorrido do V de
Janeiro ao fim de Junho deste anno.Communi-
con-ae ao commandante interino do corpo de po-
Ao director do Arsenal de GuerraMande
Vmc. tatiafaaer o incluso pedido da artigo* de
=
fardamentoa que para seo uso faz o alferes quar-
tel-mestre do .24 batalho de infantera Jos
Ignacio Hesketh.Communicou-se ao commandan-
te das armas e ao inspector da Thesooraria de
Fazenda.
Ao inspector geral da Instruccao Publica
Concedo a autorisaco solicitada por Vmc. para
justificar as faltos de exercicio eac>larea do pro-
fessor Francisco Guedes de Barros, de qoe trata
em seo officio, a que respondo n. 226, de hontem
datado.
Ao commandante interino do corpo de poli-
caAo Dr. chefe de polica mande Vmc. apre-
sentor no dia 26 do corrente mez, duas pracas pa-
ra escoltaren! um criminoso at a provincia do
Para.
Ao juiz de direito da comarca de Timbaba
Para resolver sobre o assumpto da representaco
de que trata a sua informaco de 17 do corrente
mea, recommendo a Vmc. que me informe, em vis-
ta do art. 204 do regilamento excedido com odec
n. 8,213, de 13 de Agosto de 1831, qual o nume-
ro de eleitores das parochias de Nossa Senhora
das Dores de Timbaba e Nossa Senhora do Ro-
sario de Croangy.
Portara:
O hr. gerente da Companhia Pernambucana,
mande dar passagem de re, at Macei, a Her-
mino Ferreira da Silva, por conta das gratuitas a
qoe o governo tem direito. '
EXPEDIENTE DO SBCBETABIO
Ao juiz minicipaldo termo do Bom-Jardim
"0 Exm. Sr. vice-preaidente da provincia, manda
communicar a V. S. que o commandante interino
do corpo de polica providenciou convenientemente
sobre o assumpto de sen officio, a que respondo
de 16. do corrente mez.
----------------SJ&OOS^----------------
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 30 DE
JULHO DE 1886.
Antonio de Souea Oliveira. -Deferido
com officio de hoje Thesooraria de Fa-
zenda.
Antonio Adalberto Gomes de Paiva.
Enoaminhe-se, devendo ser pago o porte
na repart5S0 dos correios.
Antonio E. do Espirito-Santo.O sup-
plicante nao provou o quo allega, pelo que
nada ha a deferir.
Francisco Pinto de MagalhAes. Defe-
rido cora officio de hoje Thesouraria de
Fazenda.
Ferreira Silva dk C. Sim, com as res-
tribes do estro.
Jos Joaquim Al ves. -dem.
Manoel do Nasciment.Informe o Sr.
inspector da Thezouraria de Fazenda.
Vicente Guedes de Araujo Pereira.
Requeira ao governo imperial.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
f coa a 31 d Julho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viega.
Beparti?o da Polica
Seocao2.'N. 746.-Secretaria da Po-
lica de Pemambuco, 31 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
ne foram hontem recolhidos Casa de
letenyo os seguintes individuos :
A' minha ordem, Victorino Jos Tho-
maz de Lima, por disturbios.
A' ordem do Dr. delegado do 2 distric-
to da capital, Joao Valentim Whethefield,
por disturbios.
A' ordem do subdelegado do Recife,
Macario Ferreira de Souza e Caetano Luiz
da Sil'a, por disturbios.
A' ordem do de Santo Antonio Antonia
Henriqueta dos Santos, alienada, minha
diaposicao, afina de ter destino para o asy-
lo da Tamarineira, e Josepha Angelina do
Espirito-Santo, por embriaguez e distur-
bios.
A' ordem do do 1* districto da Boa-Vis-
to, Manoel Gregorio do Espirito-Santo,
por disturbios.
A' ordem do do Arraial, Manoel Fran-
cisco de Souza, por disturbios e uso de
armas defezas, disposigllo do Dr. dele-
gado do 2o districto.
Hontem, a 9 12 horas da noite e
no pateo da Santa Cruz, oa individuos de
nome Jos Luiz de Souza Lima ferio gra-
vemente a Manoel Antonio da Silva-
O delinquente foi preso em flagrante, e
contra elle procedeu se nos termos do in-
querito policial.
Em data de 27 (leste mez e depois
de processado na forma da lei, ex-officio,
asaignou termo de bem viver perante a
delegacia do Io districto da capital, o indi-
viduo de nome Joao Francisco da Silva,
homem turbulento, que "vive constantemen-
te embriagado e armada de faca de ponta
a provocar disturbios.
No dia 18 deste mez, foi capturado
no termo de Tacarat, por se achar pronun-
ciado no art. 205 do Cod. Crim., o indi-
viduo de nome Jos, conhecido por Jos
Grande, o qual havia chegado alli em re-
greaso do presidio de Fernando, onde
curoprira pena por crime de furto.
__ No dia 17 foi tambem capturado
termo de Nazareth, o criminoso de no-
Jos Vicente da Costa, pronunciado
em crime de inortt na comarca de Alaga
Nova da provincia da Parahyba.
Ainda no dia 17 foi esmagado,
quando trubalhava na via-ferrea de Naza-
reth para Timbaba, o individuo de nome
Marcelinp dos Santos, cujo cadver tendo
sido viatoriado, foi no mesmo dia dado
sepultura.
_ No dia 13, foi capturado pelo subde
legado do districto de Vicencia, pertencen-
te ao termo de Nazareth, o individuo de
nome Jos Flix da ConceicSo, sentencia-
do na comarca de Timbaba a quatro an-
nos e oito mezea de prisSo.
Depiis de effeotuada a priaao de Jos
Flix, deacobrio-se estar elle com um feri
ment, praticado por crima de fogo e sen-
do a respeito interrogado pela autoridade,
obatinou-ae em nada declarar, nem mosmo
a occasb em que fra ferido.
No dia 10 foi preso em flagrante,
pelo delegado de Nazareth por haver fur
tado um oavallo a Joa Luiz, o individuo
de nome Antonio Francisco do Prado, oon-
no
me
tra quem procedeu-se nos termos do in-
querito policial.
Asaumio hoje o exercicio da subde-
legado do Io districto da Boa-Vista, na
qualidade de Io supplente, o capitao Joa-
quim de Gusmao Coelho.
Tambem nesta data, reaaanmio o
capitSo Faustino Jos da Fonceca o exer-
cicio oo cargo de subdelegado do Io dis-
tricto de S. Jos.
- Falleceu hoje ao meio dia, na enfer-
mara da Casa de Deten$ao, victima de
gastro enterite-ehronica, o sentenciado a
gales perpetua de nome Francisco Men-
des da Rocha, conhecido por Chico Dam-
nado.
Deus guarde a V. Exc Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
-O chefe de poli-sia, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 31 DE JULHO DE 1886
Joaquim Anselmo de Hallanda Cavalcante de
Albuquerque. Informe o Sr. Dr. administrador
do Consulado.
Anna Rosa Pereira e Fausta Pergentina de Li-
ma Barros. Registre-se e facam-se oa assente-
mentos.
Balter Oliveira & C, Antonio Nunes Ferreira
Coimbra e Dr. Horacio Walfrido Peregrino da Sil-
va.Entregue-se pela porte.
Mara Antonia da Coste.Facam-se aa notes da
portera de licenca.
Joo Gregorio Pereira Gomes, Francisco Anto-
nio Meira Lima e Augusto Octeviano de Souza.
Informe o Sr. contador.
Manoel Rodrigues Franca, Manoel do Nasci-
meoto Vi eir da Cunha e Maorieia Mari a da Con-
ceico.Ha ja viste o Sr. Dr. procurador fiscal.
Antonio Dias da Silva. Ao contencioso para
comprir o despacho da junta.
Henry Forster 4 C. Provado o que allegam,
venham nos termos do art. 112 do Reg. de 4 de
Jolho de 187.
Irmandade de Sant'Anna da igreja da Santa
Cruz.Ao Sr. thesoureiro para os devidos fins.
PERNAMBDCO
Assembla Provincial
54. SESSO, EM 9 DE JUNHO DE 1886
PSSIDENCIA DO EXM. 38. DB. J0SH MAK0KL DI BARBOS
WAHDKBLBY
Sommabio :Abre-se a sesso.Leitura e appro-
vaco da acta da sesso anterior.Ex-
pediente.Ia parte da ordem do dia
Approvaco em 2a discuaso do projecto
n. 43 d'este anno, com diversas emen-
das. Declaraco de voto.2* parte da
ordem do dia.- Votaco daa emendas.ao
art. 1 do projecto n. 54 d'este anno,
offerecidaa em 2* diseusaio.Adiamento
da discuaso do art. 3.Levanfa-se a
esao.
Ao meio dia, feite a chamada verificou-se este-
ren) presentes oa Srs. Ratis e Silva, Luiz de Andra-
da, Constantino de Albuquerque, Reg Barros, Her-
culano Bandeira, Rodrigues Porto, Soares de Amo-
rim, Coelho de Moraes, Sopbronio Portella, Barros
Wanderley, Barros Barreto Jnior, Ferrara Vel-
loso, Viscoude de Tabatinga, Gomes Prente e Do-
mingues da Silva, o Sr. presidente declara aberte
a sesso.
E' Iida e sem debate approvada a acta da aeaso
antecedente.
O Sr. 1. Secretario procede leitura do
seguinte.
BXPEDIBNTl
Um officio do aecreterio do governo, devolvendo
um exemplar da reaoloco aanecionada sob o
n. 1872.Ioteirada e a arcoivar.
Urna peticio de Clemente Pires de Carvalho,
official de justica de Agua Preto, requerendo o pa-
gamento de 884250 que lhe deve a Cmara Muni-
cipal d'alli.A' commiaaao de orcamento muni-
cipal.
Ootra de Lemoa & Moora, eatobelecidos n'esto
captital com refinico de assocar, requerendo que
ae lhe torne extensiva a concesso requerida por
Manoel da Silva Leal Loyo e Andr Maria Pi-
nheiro A' commisso de peticoes.
Passa-se /
1* FABIB DA OBOEM DO DIA
Procedeu-se votaco do projecto n. 43 d'este
anno (2* discuaso) que approvado com aa se-
fuintes emendas, sendo nominal a que se refere
e n. 114, a pedido do Sr. Joo Alves, a qual d u
seguinte resultado :
Votam a favor os Srs. Julio de Barros, Ratis e
Silva, Constantino de Albuquerque, Prxedes Pi-
tonga e Gomes Prente (5); e contra, os Srs.
Costa Ribeiro, Reg Barros, Jos Mara, Ferreira
Velloso, Visconde de Tabatinga, Soares de Amo-
rim, Herculano Bandeira, Rogoberto, Coste Go-
mes, Domingoes da Silva, Andr Das, Barros
Barreto Jnior, Ferreira Jaeobina, Rodrigues
Porto, Juvenci Mariz, Luiz de Andrada, Sopbro-
nio Portella, Antonio Vctor, Augusto Frankhn,
Joo Alvos e Baro de Caiar (21).
Sao approvadaa aa emendaa de ns. 180, 181,
18, 189, 191, 192, 208, 209, 211, 213, 221, 223,
224, 225, 226, 227, 228, 229, 231, 232, 233, 235,
237, 242, 244, na 1 parte, 245, 247, 248, 250 e
251.
Rejeitadaa as de ns. 184, 188 na 1 parte, 190,
194, 199, 202. 203, 205, 206 na 1 parte, 207, 210,
212, 214, 2L<, 216, 217, 218, 219, 220, 222, 230,
236, 241, 243, 244 na 2 parte, 246 o 249; pre-
judicadas as de ns. 188 na 2 parte-, 206 na 2*
parte, 238, 239, 240, 2f>2; e retiradas as de ns. 204
e 234.
Vem a mesa a seguinte declaradlo de voto :
Declaro que votei contra as emendas ns. 221,
223, 225, 226, 228 e 245 addtivas ao art. 13, do
projecto n. 43 d'este annoDr. A. da Costo Go-
mes.
Passa-se
2* PARTE >A ORDEM DO DIA
Votaco das emendas apresentadas em 2 dis-
cuaso ao art. Io do projecto n. 54 d'este anno,
tendo o resoltado sido o segointe :
Emenda n. 1, approvada. *
Dito n. 2, idem.
Dita n. 3, rejeitada.
Dita n. 4, pr^jndiesda.
Dita n. 5, rejeitada.
Dita n. 6, retirada.
Dito n. 7, rejeitada.
Dita n 8, prejodicada.
Dita n. 9, approvada.
Dita n. 10. idem.
Dita n. 11, idem.
Dita n. 12. idem.
Dita n. 13, dem.
Dita n. 14, idem.
Dita u. 15, idem.
Dita n. 16, dem.
Dita n. ) 7, rejeitada.
Dita n. 18, approvada.
Dita n. 19, prejudicada.
Dito n. 20, rejeitada.
Dito n. 21, prejulicada.
Dito n. 22, rejeitada.
Dita n. 88, prejudicada.
Dita n. 24, retirada.
Dita n. 25, prejodicada '
Dita n. 26, idem.
Dita n. 27, retirada.
Dita n. 28, prejudicada.
Dito n. 29, rejeitada.
Dte n. 30, prejudicada.
Dte n. 31, rejeitada.
Dita n. 32, idem.
Dita n. 33, prejudicada.
Dita n. 34, dem.
Dita n. 35, rejeitada.
Dita n. 36, approvada.
Dita n. 37, approvada na Ia parte.
Dita n. 38, retirada.
Dita n. 39, approvada.
Dita n. 40, rejeitada.
Dita n. 41. approvada.
Dito n. 42, idem.
Dita n. 43, idem.
Dita n. 44, idem.
Entra em discuaso o art. 3a do projecto.
Vem mesa lido, apoiado e deixa de ser vo-
tado por falte de numero o seguinte reqoerimento :
Requeiro o adiamento da discusso por 24
horaa.Juvencio Mariz. T*t
O Sr. presidente levanta a sesso, designando a
sequinte ordem de dia: 1* parte, 2> discuaao do
projecto n. 54 e 3 do de n. 43, ambos d'este anno;
2* parte, contiouaco da antecedente.
Companhia do Beberibe
Acta da sesso da assembla geral ordinaria do
anno de 1886
Aoa 16 de Julho de 1886, neate eacriptorio da
Companhia do Beberibe, pavimento terreo do so-
brado n. 71, roa do Imperador, estando presen-
tes 21 Srs. accionistas com 987 aeces, e 176 vo-
tos, conforme se v do livro de presenca dos mea-
mos Srs. accionistas, o Sr. presidente. Dr. Jos
Bernardo Galvo Alcoforado declara que, nao se
tendo reunido no 1.* do corrente mea numero suf-
ficiente de accionistas para constituirem-se em
assembla geral ordinaria, e tendo de novo sido
convocada para hoje, em virtude da le n. 3,150
de 4 de Novembro de 1882, que determina poder
a assembla geral deliberar, qualquer que aeia o
numero de accionistas na segunda reunio : bre-
se a sesso ordinaria.
Procedendo-se leitura da acta da assembla
geral de 28 de outubro do anno paseado, posta
em seguida em dseosso, e ninguem pedindo a
palavra, foi unnimemente approvada ; o Sr. di-
rector gerente, Dr. Alvea Ferreira, pedio a pala-
vra para apreaentar o relatorio da direceo da
Companhia durante o anno social prximo paasa-
do ; o Sr. presidente, Dr. Jos Bernardo, disae
qae, tendo sido j publicado o referido relatorio,
Suer em folhetos, qner nos jornaes, propunha que
oase dispensada sua leitnra, o qoe foi appiovado.
Passou-se a faaer a leitura do parecer da com-
misso fiscal, o qoal o segointe :
8ra. accionistas da Companhia do Beberibe.
Honrados ainda ama vez com a vossa confanos.
para exercermoa e cargo de fiscaes desta Compa-
nhia, vimos em observancia ao qoe determina o
2." do art. 31 de nossos estatutos, dar-vos con-
ta do resoltado do exame a que procedemos na
escripturaco e valores existentes referentes aoa
negoci >s sociaea do anno que termioou em 30 de
Abril prximo findo.
Cumprindo informar-vos que achmos aquella
regularmente feite, e este de accordo com os ba-
tneos apresentados pela soa directora, qoe com
a maior franqueza e boa vootode se prestoo a
dar nos todos oa eaclarecimentos necessarios, para
nos por a par do mov'mento desta Companhia no
periodo de qoe cima fallamos, faeultondo-nos por
este forma os meios de vos demostrar com mi-
nociosidade e segnranca o sea estado actual, que
bastante lisongeiro, e pelo qoe de dia para dia
vai com vantagem recuperando do publico desta
cidade aqoelle conceito de qoe j goaou, e que
por causas diversas, por certo de vos conhecidas,
foi de alguma forma abalado.
Conforme resolveates em reonio de assembla
geral de 1 e 15 de Dezembro de 1882, a directo-
ra deste Companhia contrahio com facilidade, na
praca de Londres, por intermedio da reapetavel
casa d'alli, de Knowles & Foster, o importante
emprestimo de 100,000 ao typo de 95 e juroa de
6 "A, ao anno, amor lisa vel em 20 annos, que come-
can lo em 1 de Jalho de 1887 findar em Dezem-
bro de 1906, fazendo este Companhia os paga-
mentes semestrae- na'totelidade annual de 8,609,
inclusive juros e amortisaeo, systema este que
faz diminuir todos os annos quelles e augmentar
esta. Este alvitre por certo preferiveT ao que
commummente se observa em taes transaeces, de
aerem ellaa smortiaadaa por preatecoes iguaea,
porquanto nesse caso oa pagamentos seriam mais
avultedos nos primeiros tempos, antea de desen-
volvidas as rendas menores quando estes estives-
som augmentadas; e naqoelle, o adoptado, a quota
annoal fiza.
Nao precisamis encarecer o tino daqoellea a
quem merecidamente foram confiadoa oa nossos
capitaes desde qoe nos lembramos qoe pouco mais
vantagem obteve o governo imperial quando lti-
mamente levanten naquella praca o impreatimo
de 6,000,000, nao obstante a sua qualidade e
avultada somma, pois que alli quanto mais avul-
tadas sao essas operacoes menos onerosas ellas se
tornam.
Conta a directora dosta Companhia que os en
cargos contrabidos podero aer restrictamente
compridoB sem sacrificio algom, bastando apenas
0 desenvolvimento da receite, que por certo ha
de vir quando eata Companhia se achar habilitada
a aatiefazer as mltiplas necessidades desta cida-
de, com relacao ao fornecimento d'agoa.
Do referido emprestimo j se acha paga a pri-
meira prestaeao de joros na importancia de
3,000, e o correspondente em Londres cha-se ha-
bilitado a aatisfaier a segunda que se vencer"em
1 de Jolno vindonro de goal qoantia.
Vo em progresso as obras novas a que se obri-
goo por contrato esta Companhia com a provincia:
o grande reservaterio est em va de concluso, a
lnha principal do encanamente est de todo aa-
sentada, o da cidade em mais de metode sendo
que o que falta de pouco trabalho e pequeo dis-
pendio, as bombas a vapor pre -tes a chegar e o
respectivo edificio em estado bastante adiantado.
A' vista, pois, de to rpido desenvolvimento
qoe as mencionados obras teem tido, espera a di-
rectora desta Companhia, qoe em Dezembro do
corrente anno, praso marcado no contrato, ellas
fonecionem.
Esto desidertum quo aos pessimistas pareca
utopia, a> s descrentea mpoBBivel e aoa descon-
fiadoa empresa diffiel de vencer e para a qual
uo arricaram < a seus capitaea, vai em breve
tornnr se urna realidade, devido quasi que s a
forca de vontede, zelo e esforcos inauditos da ac-
tual directora que se nao fosse j credora da
nfasso reconhecimento. a por si este facto era
baatante para determinar este sentimento.
> omprehendeis, bem, Srs. accionistas, qoe p>-r
levar a effeit> to ardua tarrfa preciso se taz
que haja grande tomma de dedicaco e experi-
mentada perseveranca, pois que os obstculos, as
difliculdart s e as contrariedades a superar-se sur-
gein a todo o momento.
Entretanto envolvida a directora d'esta Compa-
nhia n'esto Iota insana que exige toda a sua at-
tenco e coidado, mesmo aaoim nao ae tem ella
diacurado dos ootros negocios, taes como der
ci para aa casas, aiqoisicode predios para cfca
farizes. compra de materiaes e ootias coosaa ne-
cessarias a prosecoco da marcha regular d este
Companhia. ,
E'-nos grato signficaa-vos que entre nos as ac-
ce* d'eato Companhia continan, a ter grande
procura, aa quaaema aabeis, aendo de 100*000
1


\
fliario de Pernambuco---Dominga I de Agosto de 1886
\
foram vendidas ltimamente a Rs. ^OOO- e f?
Londres o bonds do emprestiow qs*nla*JSnrsis
foram cotados a 104 /> fact08 e,te" Ia9 tteBtam
sutficientementaOrtBa elevado grao de prosperi-
dade e a confanos qu' a sua directora inspira.
Refirindo-nos agora as confianzas d'esU Compa-
nhia, temos a dizer-vos que se o resaltado obtiio
no anno paseado fbi considerado como assas li-
sonjeiro, pela razio de nunca ter-se obtdo outro
igual, o d'este anno fouainda maior : -a receita elo-
vou-seaRs. 227:71Ml, Bupsrisr Aui'aq'
anno em Es. ll:86*j|]pB>>,so.pa9BS'qun*
xas sendo de Rs. WM7JMOIfosssi m
1:166*430, resal sMiiiinsisMo s Rs......
152:6714240, maisraus ssssstos tm sssdo,
permittio faieremnsnss dwendos seasns-aesHsn
totalidade de ta. MBa60aM0, snssanno sinda-
crdito da conta dak*serow dsssbs a -ssbra.>ae
Rs. 47:071^240, sssassessssdo ata oosrta baje
Rs. 122:4024120
Reconhecemo, Srs* issiBoista, ae fomos pee
demais prolijos, mas, tratndose de ama phase
especialissima na existencia d'esta Companhia era
de nosso dever orientar-vos dos factos mais im-
portantes occorridos depois da ultima ves qae ti-
vemos a satisfacio de vos fallar, o que nao ob-
stent-usaUciiainoa-a voasaJaana yolflnoia
Concluindo, somos de parecer que as contas
apresenfadas sejam approvadas e qosse faca men-
ci na acta da reuniio da assemoiu geral, qae
dever ter lugar, um voto de agradseimento a di-
rectora pelo muito que tem feito ana pro > dos a-
teresses d'esta Companhia,. fieasdo d'esta iixaa
consignada a nossa gratido pela boa administra-
cao que tem sabido tazer, j qae folgsmos de reco-
nhecer.
Recife, 4 de Jucho de 1886.JoasjsimvAlvss da
Fonseca.Jos Joaquim Msasoira. -Antonio An
gusto dos Santos Porto.
Posto em discasso e nao havendo'qoem'pediase
a palavra, submettida votasao foi appooradoi
nio tomando parte os-Sra. membrsa da directora,
nem os da commisso fiscal
Foi igualmente apresentadoe lido o projecto de
orcamento da receita e despeza do aneo visdjuro :
que, posto em discasso, foi tambem approrado.
O referido orcamento mostrou que m receita deve
elevar se a somma de Rs. 267:8844880, e as dea-
pezas a de Rs. 77:0004000, sendo oiealdo a favor
da qutntia da Rs. 190)8844090, sendo assignado
pek Srrfff rente,i Dr. Alves Ferreiray datado del
do correte.
Proeedeo-se em seguida, a-uleico para presi-
dente e secretario da assembla geral obtivsram
votos: para presidente a ir. Dr. Jos Bernardo
Qalvo Alcoforsdo 168 votos, o Sr. Manoel Joio
deAmorim tresevotosj para secreta rio: Lii*Ma-
noel Rodrigues Vatesea 168 votos e Antonio Joe
Coimbra Guimaries 15 votes; para a commissao
fiscal de contas : Joaquim Alvo-da Fonseca 176
votos,) Frsocisco Gnrgal do Amaoal i*?6_ votos,
Jos Joaquim Moreiror 172 votas e Antonio Jos
Coimbra Guimaries 4 vetos.
OSr. presidente eonvidou1 os'Srs. accionista g
presentes' a usarsm da patarra sobre o qae enten-
deesen conveniente a Companhia e ninguem a pe-
dindo foi encerrada a seesao.
En, Luiz Manoel Rodrigues Valenea,'secretario
da assembla geral, lavrei a presente que assigno.
Jos Bernarda Galvo Alcotorado.Lnix Ma-
noel Rodrigues Valen ca.
MISTA DIARIA
Kletco Manietpal-Araanh o dia de-
signado para ter lugar, no Pago Manicipal, a apu-
raeao'geral dos votos dados em primeire escruti-
nio para vereadore 4a Cmara Municipal do Re-
cife.
O trabalho comecar s 10 bcras da masaa.
-1 Segando urna apuracsa feita petas aushenti<
cas, a votacio & a seguinte :
248
240
237
S26
205
188
165
165
159
152
195
1*9
Dr. Francisco do Reg Barro de La-
cerda
Tente-coronel Manoel GonoaWes Fer-
reira Costa
Cspitio Antonio Samico de Lyra e Mel-
lo
1 MsjorJefto Franoise Antones
2 Lar Bernardo Castalio Braneo da Ro-
cha
S Atecsodn Aoreriso de Galds* PdHha
4 DejdatoiGoaearves1 Torres
5 Jos" Rafino CHmaco da Silva
6 Dr; Pvaxedes Goows de 8ssia' Pitan-
7 Gabriel Ildefonso das Nevcs Oasdoso
8 IDr. Cosme-da-S-feieira
9 Demetria de Gastnao Coeiho
10 'Aeostinbo Beserra da Silva i Cavsloan-
ti 95
11 \Astairio'Arthur Moreira de Mendosos 95
12'Antonio-Machado Gomes da Silva 91.
13 Antonio da Silva Ramos Naves 86
14 Joaquim Jos-de Abren 84
15 Joaquim'Alves da Fonseca 77
16 Joio' Jos de Amorim 75
l?Dr. Joo Codealdo Monteiro Lopes 68
18 Teneote-coronel Corbiniano de Aquiao
-Fonsoea
19 Tito Livio Soares
JO J*lo facundo de Castro Meneses
21 Frimcisccde- Pwula Mafra
22 Capitao Jvi> Caro I i no do Naseimeato
23^ Lflunngo de Se Alboqaerque
24 Alemodro Americo de Caldas Jtranaao
25 Henrique Bernardos de WILveira
26 Antonio Ignacio do Reg Medeiros J-
nior
27 Beaembargador Manoel ClesseotiuoCar-
Berro da Cunha
28'Joi Pacheco de Medeiros
Dr. Jeio Cartea Balthazar da Silveira
Alfredo dos Santos Altmida
Antonio Gomes de livei e Sirva
Affonso Moreira Temporal
Francisco Jos Jayaie Gulvo
Pdro Alezraodrino de Maia e Silva
Lenidas Titc< Loureiro
Jei) Ignacio Ribeito Soma
Dr. Carlos Eugenio Daurche Mavignter
Joaquim Cavulcanti de Hollanda e Al-
buqaerque
Pruzedes da Silva Gnsaio
Antonio de Borba Cominlio
Orestes Saraiva de Crvalho Neiva
Benedicto Luis d Santos Alnwida
Dr. Jos' Mara'Ramos Guijio
Antonio -Becerra Cavalcanti de Albu-
querque
Jos Cavalcanti Ribeiro da Silva
Ovidio Ferreira da Silva
Jos Xieacio da Sicva
i dorico Ferr*ira da Silva
Jos Pedro das Newes
Antonio Aanes Jtome Pires
Dr. IenaoM Alcebiades Velloso
Manoel Antaoio Vtegas
Francisco Augusto da Fonseca e Silva
Luis Fernando Castillo Bnusc da Ro-
ctra 1
Dr. Jos Mariano Carneiro da Coaba 1
Qlodoaldo Catao Camello Pesaos 1
Dr. Porfirio Nogueira Lima 1
Coronel Joaquim Corbiniano de Aquino
Fonseca 1
Tundo votado 3898 eleitores e sendo o quociente
eleitorsJ 229, apenas se acham eleitos os .tres pri-
nwiros cidndaos, devendo ir a segundo escrutinio
os 28 seguintes.
losssllmr-*"" publico* Arrecadaram
as seguintes estaeea em Julho :
AJfaodega :
66
65
61
69
57
53
49
47
46
45
44
44
49
32
31
31
30
24
23
22
13
16
13
13
9
Elelcao de Irmaadade A nova mesa
regadoraT da veneravel irmandade do Santissimo
Sacramento de Santo-Antonio, para o anno com
promissal de 1886-1887, cuja posse deve ter lugar
boje, pelas 6 horas da tarde, ficou assim com
posta: n
JuiiAntonio Augusto dos Santos Porto.
Cecilio Barreto de
Al-
cavallose
damnifi
Da capital para o interior
Do interior para a capital
Em trafego intermedio
E8crivaoHenrique.
meida.
TbasoureiroJos de Sonsa Aguiar.
gr-uraiecgeisl ^fasissjl GoacarvMAgra.
scurnsWes-*llanoi'Ia*sos slcante, Ma--
oMMIorflssst! C^ppss Jsjsior, Pedso Sranciscoids^
ja^aag Oseta eiisjaquirjvsanoceneio fifemes.
TMfinidasas lftancisso -Jos odos tPassosfc**
maes, BMMtoMugsnso Nsva JsMior, Anm-
toUncarves Btassanda, Ba^najA. /<>**
Fassssca, xllansrt Josi#a*o Mllo, omm^
ga^a Bsmsm Manoel 'Qardseo. Jassor, Jse'Je-
rnsrvBO BnssM, Amtesno .iss* Peseira .Ds Francisco Ignacio Pinto, Gslhem SpieMer e
Manoel Goncalvas 8algado.
Hela de OniabroPublic&u-se o n. Id, do
4." anno, deste peridico, orgao da Associac^o dss
Funecionarios Provinciaes.
Anal versarlos Amanh fas 62 annos de
id.aHa S A-a.Sra-Pcincgaa.de.Joinvill. .H*ex4
salvas 1 hora da tarde.
Terca-feira fasera 241 annos que- teve lugar
a batalha de Tabocas, em Pernambuco, entre hol-
laadeees e portugueses.
BoubeSa noite de ante-nontem para bon-
tem, os ladroes, galgando o telhado, pela parte
pottetior, do predio n. 71 da roa nova de Santa
Rita, onde tem fabrica de saho os Srs. Seixas *
C-, cortatam.aigumas ripas, depois de haverem le-
vantado as telhas necessarias, e pela abertura pe-
netrara m no estabelecimento, de onde roubaram
urnas vinte barriess de sebo, do vakxde 404 ca1
da urna.
Para conduzir tao pesada raercadoria, os taes
sucios deitaram por trra, arrancando-a, metade
da porta traseira do-predio, condasindo tambem
essa meia porta.
Apezar da longo o trabalho, nao foram vistos ma
faina.
A polica local tomn conhcciinento do facto e
procede de accordo com a le.
Batrada de *pipnco* Infotmam-nos
que o trecho desaa estrada entre Sant'Anna e
Caldeireiro acha se as mais deploraveis con-
dicoes.
Dis o nosso informante que, nao ha dia, no
qual os vehculos carregados de eneros, que por
all tranzitam, nao fiqaem atetados nos lamacaes
existentes-etniodo o eferdo trecao.
Isto pede remedio.
Ktmaramento-Noi trabalbos da ferro-
vi a de Nasareth Tnbaba, foi esmagado, noi prolongamento.
dia 17 do mez findo, nm operariode nome' Maree-1 Dos 2.648,121
lino dos Santos, morrendo mmediaUmente. transportados :
O cadver, depois de feito o esame competente,
foi dado sepultar.
CaptarasForam capturados os seguintes
individuos :
A 17 de Julho, no termo de Nasareth, o crimi-
noso de morte em Alaga Nova, da Parabyba,
Jos Vicente da Costa.
A 18 do mesmo mez, no termo de Caruar, o in-
dividuo de nome Jos, conheeido por Jos Grande,
como pronunciado no art. 205 do cdigo criminal.
A 13 do mesmo mes, no distrieto da Vicencja,
do termo de Nasareth, Jos Flix da Conceicao,
sentenciado em Timbaftba a 4 annos e 8.meses de
prisSo.
Este ultimo estava ferido por arma de fogo;
mas, interrogado, nao quiz declarar qnem o ferira,
nem' em que seeasio.
linda elle* Durante a madrugada de hon-
tem, os activos conquistadores do alheio fizeram
nm rombo n'ama dss janellas do oito da casa,
ra da Princesa Iiabel, n. 14, onde reside o Sr.
maior Jeronymo Emiliano de Miranda Castro.
Per cbidos-ptfo referido '8r.-mtjr deitaram a
eorr Antes assim.
Fertmentos gravesAnte-bontem, s 9
horas da noite e no largo d* Santa Crus, Manoel
Antonio da Sirva travou-se de raias com Jos
Luis de Soaza Lima, com qnem viva intrigado, e
paseando a vias de facto, esto ferio quelle com 4
avahadas, sendo 2 no braco esqaerdo e 2 na re-
gio dorsal.
O criminoso fbfpreso-em flagrante d autoridades policiaes do'l distncto'da freguezia
do Boa-Vista, sendo reoolhido o ferido-ao Hospital
Peorall.
Oemcdieos d'alli julgaratn graves es ferimentos
Mitrrrmitto* Amanha, petas horas do ma-
nhi, na-matriz'da Boa-Vista deata cidade, e de-
pois pelas mesmas horas na da cidade- de Palma-
res, serio celebradas roisaas peto descanso eterno
do majr Custodi Floro da Silva Fragoso.
O PlebeuO Sr. Jos Cavalcanti Ribeiro
da'Sirva, obsequiou-nos hontem com as dnss pri-
meiras formas de seu drama, sob o ti talo cima, o
o qual foi representad nesta cidade pela primeira
vet em 26 de Setembro do anno proxinjo findo
pela Sociedade Ditraccao Dramtica familiar.
O que entilo disemos 'do drama foi isto.
E ta sociedade realisou no sabbodo 26 do cor-
rente sen espectculo daste mez, representando
pila primeira vez o drama em 1 prologc e 5 actos
do'Sr. acadmico Ribeiro da 8ilva, denominado
0 Pfe6eu.
O drama benr escripto e o enti echo bem com-
binado e distribuido regularmente pelos 6 actos
da peca. O 4o acto -de-bonito effeito.
No finaes dos 1*, 3>, 4 e 5o actos fbi eba-
mado seena o Sr. R beiro da Silva e muito p-
plaudido.
. O desemperno da peca foi satisfectorio. O
thoitro estava literalmente cheio de convi-
dados. >
Agradeeemos-lhe o mimo.
Paquete Espirito Santo -Este paquete
sabio hontem tarde du porto da Fortaleza, deve
chegar amanha no Natal, a 3 na Parabyba e a 4
em Pernwnbuco.
Accidente.Deu entrada hontem, no hospi-
tal PedroII, as 8 Ii2 horas da noite, viodo do Ca-
sanga, o parda Jos da S.a Moraes, afim de ser
tratado de p direito, que alli tora esmagado pelo
trem descendente da ferro via do Casanga.
O ferment foi considerado grave. Deu-se elle
por culpa d > ferido, que tentou obir para o trem
qaando este estava em movimento
para os magotes de cabras, carneiros,
outros animaes que por aqu, vagueiam
cando as lavouras da gente pobre.
Oremos que a Cmara anda nao desYgSiM.es
te povaado para cohiba de animaes; sera portan
to conveniente que o fiscal fiscalise este aboso. >
Besnles sociaes Ha hoje as seguin-
tes :
Do Club Internacional de Regatas, as 11 horas
do dia, para eleicao da nova administraco.
Da Irmandade do Divino Espirito Santo, s 11
{-.horas doraia, paca cumprimento dos arta. 83 e 84
ido comfsamisso.-raspectivo.
Da BMUSpnssa de Baneficencia, s 5 horas da
tarde, |>lsi SlSjCIda nova directora.
Do Qmb Usapamtriz, s 10 horas do dia, para
jstgnciosaijirtas.
Da Isaesaativa.13 dejanho, s horas do oastu-
sa, ermssaalo oaUsaria.
_ Asaaaba BjSaas^ssiBjtes:
Do Gsbnete'4s*igsnc de-faeivara/s' 6' horas
da tarde, para leitaro do relatorio e resoluclo so-
bre a festa anuiversaria.
Do Rccreio Infantil Nove e Agosto, na ras-
pectiva sede (Instituto Acadmico) 1 hora da
tarde, em sesso extraordinaria.
Pil" de. ferro .do Uc4e, jao .*,
Francisco Dorante o mes de Junho ulti-
mo foi o numero dos trens com o seu respectivo
percurso e seguinte :
kilmetros
172 trens de passageiros percorren-
do 15.861,4
98 trens de carga percorrendo 6S.462,4
75 trens de lastro percorrendo 1.800,0
24.123,8
845' trens percorrendo
Viajaram na linha:
1.305 1/2 passageiros de Ia classe.
1.666 2
10.423 1/2 3
13.395 das 3 Classes.
sendo que, alm d'cstes, viajaram 2 por conta da
empresa do prolongamento e com passes do go-
verno os seguintes :
70 passageiros de 1* classe.
33 2 classe.
93 3* classe.
196 > das 3 classes.
Foram despachados 2.730 volumes de bagagen
pesando 51.148 kilogrammas, e por conta do
governo 78 volumes, pesando 1.692 kilogrammas.
Despacharam'Se 265 animaes diversos.
Foram transportados 2.924:40&kilogrammas de
mercadorias, nos quaes figuran 268.285 por conta
do governo e 8,000 por conta da empresa do
ito.
kilogrammas restantes foram
471:9364920
781:0354789
752.-1624499
659:0874624
821:3954689
26:8844773
43:3094465
41:2284210
49:8504*92
53:8724806
193:7354801
130:9604*91
126:1224*40
126:6744649
205:0084596
__snnsisssWMandam-nos communcar de
Canaotiobo, ase a Sra. D. Rasa Macia do Amara!,
vio va de J'-s Luiz das Neves, acaba de conceder
carta de liberdade a 4 eacravos seas, unios qae
posssia, de nomes Damiana, Francisca, Jos e
Joasaa,. asado, os 3 altamos, filaos da prnoeira.
S' um acto ano t asobreee a qsesa os pratsea e,
regis-rando-o, felicitamos distincta senhora, pelos
ms amias* nlss slsmisfog,
Coesssssa.a
De 1886
De 1885
De 1884
De 1883
De 1882
Recaudara Geral:
De 1886
Da 1885
De 1884
De 1883
De 1882
.Conndado Provincial
De 1886
De 1885
De 1884
De 1883
De 1882
alistamento
ama as jaaUs de aasrifiaacio
> do exercito e armada naoonat
Movimento de din beiro No mez pr-
ximo findo a praca do Recife, sob a responsabili
dade das diversas compaanias de vapores que a
servem:
Reoebeu 580:3434030
Expedio 122:6964295
A expedico fbi para :
Franca 2:6404000
Portugal 1:2004000
Rio de Janeiro 22:5664160
Sergipe 8:2004000
Alago .is 35:0014000
Fernando 5:489fl35
Parahyba 14.-2094000
Rio Grande do Norte 32:0004000
Cear 5004000
Para : Amazonas 9004000
llaaoa de staixoSm 23 do mez hontem
findo escr ive-nos o nosso correspondente o segua-
te .
Bem que um perneo contrariados, os habitan-
tes desta localidaae, com o prejuizo que tiveram
em quast toda lavoara plantada as primeiras
ebuvada; deste anno, comtado agora parece-nos
qae difficaldndes mais aterradoras e perniciosas
aguarda-as em muito breve poca, pelo que nos
eonsta de fonto summamente criterios.
< O afamado, datimido e faccinora Adolpho
BochaMeia noiteacossado pela forca publica
l para a comarca do Plane, na Parahyhu, onde
se travou um forte tirottio, do qual resultou ficar
morto um tal tenente Sil vino, que se a chava reu-
nido a Adolpho, acha-se refugiado em nossaa vi
sinhancas, no distrieto ae Varas, da comarca de
Affogados de Ingaseira, onde tem elle o grouod
sua familia, composta de pai, innios, tios, mu tos
primos, parentes e faccinoras.
E' o caso de pedirmos soccorro e providencias
ao Exm. presidente da provincia, e ao Illm. Sr.
Dr. chefe de polica, visto qae as nossas autorida-
des locaes, por dignes que sejam de toda cooside-
raco noesa, nao podem reagir centra os tetaros e
prximos assaltos desse bandido e dos seas com-
panbeiros, por faltar-lhes forcamaniciadaepromp-
ta para batel os e prendel-os opportanamaate.
Sendo esta localidade o ponto mais prximo
ao de Varas, e onde com mais facilidade possam
ceses bandidos prover-se de recursos para suas
sinistras correras, de crer que seja ella sua pri-
meira victima
> As autoridades, quer judiciarias, polieiaes e
ecclesiasticas procedem de modo irxeprahensivel e
digno de loavores. >
' canso flsealEscrevem-nos da Terre o
kilogram
1.115.220
1.183533
348 96^
2.618.121
Entre as mercaderas transportadas do interior
para a capital figuram :
4.198 saceos de asancar com 323.092 kilo-
grammas, 764 fardos de algodao com o peso de
60,036 kilogrammas, 540 kilogrammas de/ fumo,
146,987 de agurdente, 127,489 de ereaes, 27*960
de couros, 60,000 .de madeiras, 1,112 de mel,
150,000 de lenha, sendo o mais de diversas mer-
eadorias.
Iraportoa a receita em 47:9234251, proveniente
das seguiutes verbas :
Receita Porcentagem
16:3904650 34,202 /.
2:3004240 4,8t0 /'
4404540 0,919 V.
22:8414260 4JJJ62 /
Passageiros
Bagagem
Animaes
Mercadorias
Transporte por
conta do go-
verno
Transporte por
conta do pro-
longamento
Armazeaagem
Telegrapho
Receita nao cas
sifieada
Receita eventual
Juros do capital
em deposito
Venda do mate-
rial velho
Transferaaoiade
accoes
7734110
164000
944780
3944000
lil#900
4:1724324
3J44170
44000
14120
47:9234254
1,613-/.
0,034 /,
0,198 /.
0,822 /.
0 357
8,706
0,677 /.
0,008
0,002
V.
100,000 /.
A despeza na importancia
tou do seguinte:
de* 45t4f 14646 resul
Conasrvaco
Traccao
Reparos de car-
ros e wages
Trafego
Administracao
Telegrapho
Despesns sani-
tarias
Passagcns e aju-
da de ousto
Drftcrenca de
cambio
R.-aovac) da
ponte; Jaboa-
Oo
Despesa
14:4124462
12:0424295
4j0140S1
84:174815
1:1664678
1:4624556
164600
3224778
2:3724111
1:2424903
Porcentagem
31,695 /.
26,483 /.
8-,832/r/.
18,512 /.
2,566 /.
3.216 /.
0,037 /.
0,709 <>/.
5.217 o/9
2,733 -U
45:4714646 100,000 /.
Aguate:
^^wieira chamar a
Se^detal despeza abatermos a verba correspon-
dente difieren;. de cambio, que nao depende de
economa da gerencia desta estrada, teremos que
a despeza propriamente de custeio foi durante o
mer de -Junho ultimo de 4310094585.
O saldo .verificado foi de 2:4514608.
Receita media por dia 1:5974441
dem por linha kilmetro 3484188
dem por locomotiva kilmetro 14986
Despeza media-por dia 1:5154721
dem por linha kilmetro 3644534
dem por locomotiva kilmetro 1488
Saldo medio por dia 814720
dem por liaba kilmetro 194651
dem por foosawtiva kilmetro 4102
Despeza de conservoslo por linha
kilmetro 1254504
dem dem por locomotiva kilmetro 4643
dem de loeomocao por linha kilome-
metro 1284734
dem de looomoco por locomotiva
kilmetro 4665
dem de trafego por linha kiforae
tro 674483
dem de trafego por locomotiva ki-
lmetro 4348
Proporcionaldade entre a despeza e a receita
tot^I 94,884 %.
O imposto-sobre as passarene produxio durante
o mez a importancia de li 5574800.
Empreados pssblicos no l mos o seguinte no Diario do Grao Para
A eommisAao composta dos Drs. J. Col ares,
Nina Ribeiro e Sr Rodrigo Salles, nomeada pela
.presiden ia da provincia para organisar um regu-
Uimento de accordo com a lei n. 1024 de 1 de
Mttio dtf 1880, ja sabmetteu approvacao da pre
sideoca as seguintes bases :
Art. 1 Os empregadoB pblicos titulados, pro-
vinciaes e municipaes, assim como os oifiotaes do
corpode polica e companhia de bombeisos,s po-
dero ser apseseados, jubilados ou reformadoj,
quando-forem juigados impossibibtados para o
aervico por idade a vaneada, molestia ou conve-
niencia do servico publico.
Art. 2 Sao empregados publiios com dn-eito
asposentadoris, jabuacao ou reforma, os do no-
meacio effectiva, para lugares estovis, creados
por le, com affiacao de ordenado certo.
Art 6* A apojentadoria toma o nome de jub-
lacao em refereaea aos profesores pblicos e de
reforma em referencia sos oficiaos do corpo da
pelioia'e companhia de bombeiros.
Art. 4o s aposentadorias serlo concedidas
pelo presdeate da provincia, salvo as dos empre-
gados da assembla legislativa provincial, que se-
rio concedidas pela mesma assembla.
Art. 5* A impoaaibilidade para o servico por
idade avancada e molestia de qae trata o art. 1*
ser jalgada previamente pelo presidente da pro-
vincia oa pela assembla legislativa provincial,
vista de exame proosdido por profissionae, oa
<*m ssa falta, por peritos de recoaheoido bom
senso e moralidade.
Art 6. O presidente da provincia nomear os
midios, em numero de tres, oo, na falta d'elles
os .pecos, qae devoras sossoor a onorissa qae
atteacio do fiscal daqui
de rxamiaar o empregado publico/ meamo 09
da assembla legislativa provincial.
1" Este exame ser feito sempre que fdr pos-
sivel, em presenca do presidente da povincia
g P Be a nbabiltooo provier de denuocia o
exame ser fe.to peraute as aatoridadeo judiciarias
na contormidade das leis civis.
Art 7 Os mdicos ou peritos deverao declarar
qo termo de exame mioaciosassente, sobjora-
mento, nual a enfermidade do empregado, e se o
inhabilita para o servico do emprego que exerce,
precisando tudo quauto for passivel, se a molestia
cura.'ei oa iacaravel, e se as cansas sao de ca-
rcter pMmaoente.
Artj ASdadi avancsMa, qae ser a de... asaos
Mk aiaBto> Py' si 80 nao sonstitsk motivo pasara
ssasssadjsria, ^ma vez qne o amprsgsso asa4
sersasnMdas ss cWs faculdsdss, ^e posssexereer
bem oa-dsveres do>axgo.
Ait.>9*AA aposent^Mis -pori-oonvesisscia do
servicspaftblico s serVsBCedlMsas IvfpStaasM
seguisss-: \
S l^^Oaendo a assemblfiv leg'Slativa provincial
supprimir um emprego, sed\ dar destino ao em-
pregado qae contar-ojais dez anos de servido em
emprego provinciali0*l4nunicipa!.
2 Quando constar qae algam empregado pu-
blico, com direito aposentadoria, pelo exercicio
iSjBSSiasisssudB ssis| ^sssssssa es sssaiuipal)
se acha inhabilitado physica ou morajmente.
3o O presidente da provincia mandar pro-
ceder ao exame de que trata o art. 6o. a se delle
resaltar a inhabilitacao, aposentar o empre-
gado.
Art. 10 Para ser aposentado o empregado in-
habilitado para o servico indispensavel que to-
aba, pelo menos, dez annos de exercicio effeotivo
em emprego publico provincial ou municipal.
Art 11* O empregado aposentado na conforin?*
dade das disposicoes dos artigos antecedentes
petceber :
Ia O ordenado proporcional quando contar de
dez a vinte e cinco annos de servico provincial ou
mu- icipal.
2* Ordenado por ioteiro qnando contar de
vinte cinco a trinta annos de servico provincial ou
musicipal.
3 3. Todos os vencimentos quando contar ma3
de trinta annos de servico.
Art. 12 Ser jubilado com ordenado por ia-
toiro o professor qae toado vinte annos de exerci-
cio efectivo no magisterio estiver as mesmas con-
dicoes do art. Io.
Art. 13 Os vencimentos do empregado que
percebe ordenado e poreentagens para os e&Vitos
do 3" do art. 11, serio o ordenado estipulado em
lei e mais a media das poreentagens por elle
percebidas nos tres ltimos annos de exeroici).
Art. 11.O empregado que coatar 25 annos de
serivi.'O provincial, municipal e geral, sem interru-
peo maior de seis meses, por motivos de molestia,
na aposentadoria tora mais direito a 5.a parte do
ordenado
Art. 15. O empregado- que contar mais de 35
aunoj de servico provincial, municipal e geral, sem
atorrupoao maior de un asno, por motivo de mo-
lestia, tora direito, na aposentadoria a 4.' parte
mais de todos os vencimentos.
Art. 16. Nao se.contar para a aposentadoria i
8 1.* O tempo das faltas nao justificadas.
| 2.* O tempo de licenca sem ser por molestia.
| 3.a O tempe de serviao prestado antes de 18
annos
4. O tempo de suspensao por pea discipli-
nar.
Art 17. O empregado suspenso a quam ss
manda responsabilsar tora direito a contar o tem
po da suspensao, fomente na bypoth^se de ser
absolvido.
Art. 18." O empregado publico qae tiver orneo
annos de efiectivo exrcicio em um emprego ou urna
repartioo provincial ou municipal, s perder
tempo qae tiver servido quando em prosesso cri-
minal for condemnado 'em p-ma infamante, ou a
perdsde emprego, em processo de responsabitidade.
Art 19. O empregado publico ser aposentado
no lugar que exereer quando for julgado inhabili-
tado, excepte quando tiverpertencido a outra re-
part cia; n'este aso precisa ter pelo menos tres
auass de-exercicio n carg, sem o que ser apo
sentado no lugar-que oceup iu antes da ultima
oomsacao.
Art. 20. O empregado-publico, urna vea a posen
todo, sao poder ser orneado- para qualquer outro
emprego publico provincial ou municipal, em qua
prove por no exasse medieovSqoe desappareceu a
causa qae o iahabilltava.'psra o servico, ets razio
doqual'fora aposentado; jsendojempregido, avis-
ta da-prova, perd]a aposentadoriai poaeado, eas-
fique- ootra vez inhabilitado, appfaentar-se, sddioio
nnasdoao-tempo, que j taaha, o do mpragoiqoo
asspsjb
Art. 21. O <>mpiegado qae depois de aposentado
for-nomeado para algum ,era prego geral, nao ti
direito.a mel hora -da nposentadsria om a oontasem
d'esBe tompo-am qne servia no dito empnego.
Alt. 22. O facto de-augmonto de vencimentos ao
emprego- em qae anterioraisnto ao- di to augmento
foi aposentado um empregado, sao lheda direito a
melhora de. aposentaderia.
Art. 23. O empcegad) aposentado em virtode
da dUpoato do artigo 9." se for comeado para
outro emprego de igual cathogoria e com venci-
mfosas iguaes u superiores ao que percebe pela
aposentadoria; perde asta quer aceite, quer deixe
de aceitar a nomeaeao, urna vez que seja previa-
mente, aviasdo.
Art. 24. Quando umempregads julgado inhabi-
litado, oceupar mais de um emprego publico, ser
aposentado no-do < maior venoimento, seo tiver
exercido mais ae tres annos, sem o que ser apo-
sentado no de nomeaeao maia antiga.
iioico. Se porem o empregado tiver de exer-
cicio em cada um dos em pregos que oceupar, mais
de 20 asnos necessarios, ser aposentado no de
maior veucimento, tendo direito a mais a terca
pasto dos venoineutos-
Art. 25. Os officiaes e pracas dosoipodo polica
e companhia d b'omboiras serio aposentados ou
reformados de eaofarmidade com os seussespecti
vos regnlamentes.
Att. 26. Ser computado para a aposentadoria
do empregado que contar mais de qasse ansos de
servic> provinotal ou municipal, o tempo que
exerceu efectivamente emprego geral, de modo
que esse-'tsrapo nao exceda nunca de um ter? o
do tempo total do emprego oo empregos provin-
ciaes ou maaicipaes.
Art. 27. Se pelo emprego geral ou servico mi-
litar o empregado perceber pelos cofres geraes.
ordenado, sold, pensao oa qualq jer outra con-
ribuicao, nao ser computado o tempo d'
emprego su servico para a aposentadoria.
Art 28. O servico de campanha divida mente
provado, ser contado em dobro, respeito do o dis
posto no art. 13.
Art. 29. O empregado dever A instruir o sea
pedido de aposentadoria com documento paseado
pela repartico por onde percebeu seos venciosen-
tos, no qual csate a data da nomeaeao e o tempo
liquido de ifeotivo oxeroicio.
HespanbaDe Madrid em 4 de Julho e
creveram o seguinte :
A Ste/ani nao dos deu sendo um magrisso re-
sumo da viva diseusBio que teve logar oa enmara
dos deputados oa qual foi votada a resposta ao
discurso do throno.
Os conservadores tanto orthodoxos como dis-
sidentes votaram contra, e os republicanos se ab
stiveram. A votacio, qae os nossos j conhecem
deu 233 favoraveis e 58 contra.
O deputado Salmern cempeio militante da
coa lisio dos republicanos se delongou muito em
defender a doctrina de Zurda, e as explicacoes
que dea encontraram a explcita desapprovacio
e maitas veses a indignacio dos dous partidos da
Cmara.
E foram muito censuradas as suas allusoes e
ataques contra eminentes homens de Estado.
O ministro dos estrangeiros, Moret pronun-
ciou um habillissimo discurso com o qual dextra
lealmeute defendeu a poltica do governo, e as
instituicoes monarchicas.
Notavel contraste do discurso de Salmern, foi
o de Castelar qae foi muito elevado no sea diser,
rep tindo as suas pacificas dootrioas como sincero
republicano. Elle deelarou qae o triasipbo das
ideas republicanas deve exclusivamente obter-se
com meios pacficos e legaes, e se deelarou con-
trario a toda violencia, e sastentou dever-se man -
ter ama sev.-ra disciplina no exercito, e a maior
probidade e honra em toda administracao. Cas
telar terminou o seu discurso rendendo um res-
peitoso tributo memoria do fallecido re Affonso,
e s virtudes e ao talento da sua Ilustre viuva, a
rainha regente.
Cnovas do Castillo qae fallou depois de Cas-
telar fez claras e resolutas confissSes conservado-
ras, e defendeu o ptimo governo que restitua a
pus e a prosperidada Hespanha.
Os conservadores, dase elle, repeUem tanto
as pacificas vaidades de Castelar como as sub-
sersivaa de Salmern.
O presidente do conselho, Sagasta, encarroa
a discussio com a ssguinte precisa declarsolo :
< A poltica do governo est claramente defi-
nida. Eu sou um verdadeiro liberal, mas sou
igualmente um verdadeiro monarchiuo. O mea li-
beralismo me sapara dos conservadores, emquanto
qae a miaba f e o meu sincero amor monarchia
me separa dos republicanos. Permanece intr-
pido entra a direita e a esquerda. >
be o medico deve ser polticoO
medico um ptimo cidado, diz um escriptor :
A poltica tem tanta parte na vida moderna
que quasi um impossivsl mostrar-se extranbo a
ella. Nao digo que o medjeo deva descer na pra-
ca e afogueado percorrer as roas e a julgar a tor-
to e a direito das instituicoes e dos homens, e as-
sociar-se a clubs ses Enras; isto o privara
daquella cosBsdarasio publica de qae tem tanta
necessidade.
Affirmo smente qae nos modos.-nos solos e
as palavras deve ceassrvar tal attitode, qae to-
dos o possam jalgar asjante'd ordem,'do progres -
so da patria e vesdaseiramesse' liberkl donata.
cao.
Verdadeiramente nao comprehendo qae um
medico possa ser um aferrado s cousas antigs :
o exercicio da profissio medica os pe em contac-
to com tantos males e tantas miserias sociaes,
para nao haver coracao que ahi fique insenaivel,
ano-dsseje vvansete um governo livre e de or-
dos qae comprehenda na verdade allvial-us.
O medico gyra e vive no meio do povo e pen-
sa como o pavo sensato; depositario de suas do-
ras o de saos espraseos; e tambem a nio qae-
rel-o, tornare democrtico de ndole,
A historia d sunxna testemanha do nosso
acert; ella noo mostrou sempre os grandes mdi-
cos encorporados a favor das atrevidas e nteis re-
formas. as nossas modernas vicissitodes todos
sabem que bella mostra de caridade citadna e de
coragem civil apresentaram os mdicos.
Toda prosaso confere a quem a exeree al-
guns vicios e algomas virtudes especaes. Se
verdade que a nebreza do carcter nasce da recti-
dio e da constancia, comprehende-se qae ninguem
asta mais exercitado constancia do que aquella
que se entrega s indagacoes physicas, e ninguem
tmbeme mai recto de que quem nao tem inte-
resee em torcer a naturesa, e antes a ser o seu in-
terprete e aeompanhal-a. E a coragem e a inde-
pendencia, o amor do bem publico e a prudencia e
o bom senso publico, sao virtudes iuherentes
profissio da medicina.
< Dizem-no a razio e a historia, o confirma
um escriptor contemporneo, o qoal eserevea qae
tntre as varias profutSes que tomaram parte nos
movimentoe poiitioos dos seus tempos, dos mdicos
eoube a melhor prova, visto que a medicina, exerci-
tanda se sobre um atsumpto natural e governando
com a experiencia, educa o recto senso.
Grlndelia robustaA grindelia robaste,
que ba algum tempo se administra na forma de
extracto fluido, foi reeentement) objecto de urna
serie de investgaoes de laboratorio e clnicas
pelo Dr. Dobroklonski, chefe de clnica de Borkin
de S. Petersburgo.
Experimenten em ris, coelhas e caes em nume-
ro de 68, e deu o remedio a doentes que soffriam
de varias doencas.
Achou que o effeit pr.icipal, cam-doses mode-
radas, era a diminuicio do numero das pulsacoes
cardiacas, com augmento simultaneo da tensio ar-
terial.
O effeito sobre o eoracao parece devido, nos ani-
maos de sangue quente, a um* acedo estimulante
ex-ercida sobre o apparelho nervoso inhibitorio do
cornean, mas particularmente sobre a porcao s-
toada na medulla alongada
O augmento de tensio vem em parte de urna
accio directa do medicamento, fazendo contrahi-
rem-se os vasos, em parte da sua accio estimu-
lante sobre os centros vaso-motores sitaados no
cerebro e medulla.
A grindelia robaste tambem di minu a irrita-
bilidade dos ervos vaso-motores do coracao e va
sos, do mesmo modo qae a dos ervos motores e
dos masclos voluntarios; os ervos sao mais f-
cilmente affectados que os msculos, e es ervos
ceotraes mais fcilmente qae os periphericos.
A accio teraputica do medicamento, que o au-
tor administra na doae de 30 gottas, tres ou qua-
tro vezes por dia, devida ao seu poder de dimi-
nuir e tornar -mais regulares as contraccoes car-
diacas ; em- sea parecer, o effeito regalador seria
superior ao da dedaletra, adonis-vernalis, coaval-
laria maialis ou bydrato de chloral. Alm disto,
a grindelia possae ama ackio diurtica, mas de
menor importancia, inferior da dedaletra ou do
adonis vernalis.
O autor peusa qae a grindelia robusta pode ser
vautajosam-'.ute combinada com o adonis vernalis
nas'doencas do carasio, era qae outros medicamen-
tos mais ordinariamente usados nio tenkam cent
negaido melsorar.
flv-sfvskstlna0 Sr. Slatinski, que publi-
oou n'uma dissertacio inaugural o resultada das
suas pesquisas sobre a accio pharmacologica d
hydraatna, que deu-a adelfas e coelhas grvi-
das, reconheee que esse medicamento, introducido
uo sangue em doses nio inferiores a um centesi-
mo millesimo do peso do corpo, acta corri esti-
mulante da medulla espinhal e da medalla alon-
gda.
Em doses medias paralysa os centros vaso-mo-
tores, diminuiudo portante a pressio sangunea.
Acta sobre o coracao como estimulante, pri-
meiro, e depois como depressor dos ganglios car-
diacos.
Na> parece que produza effeito sobre os ramos
periphericos do pneomogaatrico.
O .ugmeuto das contraecea cardiacas faz-se
pela medulla.
No principio os centros secretores e convulsi-
vos sio estimulados ; depois paralysa dos.
Em dses de 1 a 3 cg. por kg. do peso do corpo,
acta como ecbolicc, oa prenhez, e provoca a con-
trario das fibras do tero nio grvido.
N'um certo periodo da prenhez, que na mulher
corresponde aos sete mezes, o remedio, n'estas pe -
qnenas doses, repetido urnas poucas de vezes, pa-
rece determinar o aborto.
O autor teve occasiio de experimentar os effei-
tos ecblicos da hydrastina n ums, mulher que ta-
ska urna bacia estreita e na qual convinha provo-
car o parto prematuro.
Em 3 de Marco, estando no comeen do nono
mez de prenhez, administrou lhe hypodermica-
mente urna dose de 1 gr. de chlorhydrato de hy-
dra tida.
Repetio as injeccoes no dia seguinte.
A' tarde, a mulher notou qae os movimentos do
feto eram particularmente fortes.
a manhi de 5 injectoa 15 gr. e sentiram-se
dous fortes movimentos.
Na tarde do mesmo dia injectou 2 gr.
Na manhi de 6 outras 2. gr., e durante o dia
houve tres fortes movimentos.
A' noite injeccSo de 3 gr.
Na manhi de 7 out.-as 3 gr., e vcrificoa-se am
movimento muito vielento e mnito proloogado.
A' tarde 2 gr.
Nio fez mais injeccoes, porque se manifest
ram signaes de parto prximo.
A crianza oascea sem complicacees, mas mor-
rea no dia seguinte.
Ijelloes. Effectuar-Be-hao:
Terca-feira :
Pelo agente Alfredo Guinaries, s 11 horas, no
ra do Bom Jess n. 53, do estabelecimento ahi
lito.
Quarta-feira :
Pelo ayente Martn, s 11 horas, na rea do
Mrquez do Herval, n. 112 de movis espalaos,
quadroa, etc.
Mlssssis fnebres.Serio celebradas :
AmanDi :
A'a 8 horas, as matrices da Boa-Vista e de
Palmares, por alma do aajor Custodio Floro da
Silva Fragozo ; s 8 horas, na matriz de Santo
Antonio a na capella do cemiterio publico, pela de
Mano-'l Antonio de-Jess; as 7 horas, no convento
do Carmo, por alma de D. Mara G-ertrudes da
Conceicao e D. Constancia de Suusa Mootero; as
7 1/2 horas na matriz da Boa-Vista, e na capella
de S. Joa da Pedra Tapada, por alma de Jos
Joaquim Ribeiro ; s 5 horas, ua igreja da Penha,
por alma da O. Maria do Carmo de Sjuza Vianoa.
Quinta-feira :
A's 7 horas, em S. Francisco, por alma de D.
Anna Lenidas de Figueira Faria.
Operoste* eirurglcasForam pratica-
das no hospital Pedro II, no da 31 de Julho,
as seguintes :
Pelo Dr. Malaqoias :
Amputacio da phalange do dedo annalar da
mi direita pelo metbodo a dous retalhos, indica-1
da por esmagamento.
Amputacio por desarticulaco do dedo grande
do p, reclamada por ncrose da phalange.
Esvasiamento do osso tibia pelo proliptor, recla-
mada por neerose do osso.
Esvasiamento do osso cobitus indicada por ne-
erose do osso.
Hydrocelle pela puncio e injeccio iodada.
. P-lo Dr. Fernandes Barros :
Posthotomia oelo processo de Ricord indicada
por pansots infUmmatonts.
Casa d*> DelencaoMovimento dos pre-
sos no dia.30 de Julho :
Existam presos 334, entraram 8, sahiram 12
existem 330.
A saber:
Nacionaes298, mulheres 2, estrangeiros 10, ei-
eravos sentenciados e processados 10, ditos de cor-
reccio 10.Total 330.
Arracoados 292, sendo : bons 279, doentes 13
Total 292.
Movimento da enfermara :
Tiveram baixa :
Jos Antonio da Silva.
Nieacio Ferreira de Vasconcellos.
Teve alta :
Affonso Rodrigues de Oliveirs.
aria da provinciaA lotera n. 65,
sm besmeio da Santa Casa de Misericordia do
Recite ser extrahlda quando for annunciada.
'Mo consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceicao dos Militares, se achario expostas as
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica apreciacaodo publico.
Lotera do RioA 4a parte d lotera
n. 198, do nevo plano, do premio de 100:0004000,
sav-eetrabida no dia 5 de Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna roa Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Latera de Macelo de OOrOOOooo
A 1* partes da 1'3 lotera, cajo premio
grande de 21/0:0004, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelmeote no dia 3 do Agosto s
11 horas da manhi.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Procos resumidos.
Lotera Extraordiaria do Yplrau-
ga O 4." e ultimo sorteio das 4. e 5." series
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:0004000, ser extrabida a 14 de Agosto pro -
ximo.
Acham-se expostos venda os restos dos bi-
lhetes na Casa da Fortuna rua Primeiro de Mar-
co n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
IiOterla da provincia de Santa Ca
tbarlnaEsta leteria, cujo maior premio de
100:0004000, dever ser extrabida impreterivel-
mente no dia 6 de Agosto prximo, s 2 horas da
tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Latera da corteA 4* parte da 364 lo-
tera da c6rte, cujo premio grande de 100:0004,
ser extrahlda no dia .. de Julho.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Iade-
dendencia ns. 37 e 39.
Hatadouro PublicoForam abatidas no
Matadeuro da Cabanga 105 rezes para o consume
do dia 1 de Agosto.
Sendo: 7 rezes pertencentes a Oliveira Castro
Si C, e 18 a diversos.
Mercado Municipal de S. los
movimento deste Mercado nos das 31 do eos-
rente, foi o seguinte :
Entraram :
34 1/2 bois pasando 4,869 kilos.
842 kilos de peixe a 20 ria 164840
110 cargas de fariuha a 200 ris 224990
40 ditas de fructas diversas a 300 rs. 1240*0
11 taboleiros a 200 ris 24200
20 Suiaoaa 200 ris 44000
Foram oceupados :
24 1/2 columnas a 600 ris 14470*
27 compartimentos do fariuha a
500 ris. 134500
23 ditos de comida a 500 ris 11450*
74 ditos de legumes a 400 ris 29460*
16 ditos de saino a 700 ris 114200
13 ditos de tressuras 600 ris 7S0*
10 ditas de ditos a 24 :0400o
1 dito a 14 140**
A Oliveira Castro & C.:
2 talh.is a 500 res 1400*
54 talbos de carne verde a lf 544000
Deve ter sido arrecadada oestes das
a -quaotia de 221A34*
Reanmente do dia 1 a 30 6:1804800
Foi arrecadado liquido at hoje 6:401464*
-Preces do di :
Carae verde a 320 e 400 ris o Idos.
Si. os a 600 e 560 ris dem.
Carneiro de 640 o 800 ris dem.
r'ariuh-. de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 80 a 820 ris dem.
Feijode 640 a 14280.
Cemiterio publico.Obituario do dia 3*
d o correte:
CMarcos, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista ; t-
tano.
Jos Francisco d'Almeida, Pernambuco, 55 an-
uos, viuvo, Ba-Vista; entente.
Felippa Maria da Conceici, Pernambuco, 6*
annos, solteira, Graca ; lesio do coracio.
Theophilo, Pernambuco, 16 mezes, Boa-Vista ;
anazarca.
IHDICACOES BTEIS
Mdicos
Consultorio medico cirurxlc do lir.
Pedro de Attabrde Lobo Moscona a
ra da Gloria n. 89.
O doutor Moscozo d consultas todos os
das uteis, das 7 s 10 horas da manhS'
Este consultorio offerece a commodida
de de poder cada doente ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado por outro
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreSo pra-
ca do Qommercio, onde funcciona a ms
peccSo de sade do porto. Para qualquer
d' estes dous pontos poder So ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas.
O Dr. Arthur Imbassahy, medico oceu-
lista, recenteniente chegado, esta cidade,
d consultas tod)s os das, das 8 s 10
horas da manha, sendo gratis aos pobres,
no l.8 andar do predio n. 8, largo da
Santa Cruz.
Consultorio allopatlco doslmetrice
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em seu consultorio ra
do BarSo da Victoria n. 7, 1.* andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades partos, febres, Byphis,
molestias do pulmao e do corajao.
Dr. Lopes Petsoa Medico.Residen
cia a ra de D. Pedro I n. 2, onde pode
ser procurado at s 9 horas da manhi.
Consultorio ra do Bom-Jesus n. 37 1.'
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser procurado qualquer hora do dia
ou da noite. Consultas: de 1 s 3 horaa
da tarde. Especialidade: molestias e ope-
racSes dos orgSos genitourinarios do bo-
rne m e da mulher.
Dr. Barreto Sampaio mudou seu consul-
torio do 2. andar da casa n. 45, a ra fio
Barao da Victoria, para o 1. andar, da
casa n. 51, mesma ra, como consta do
seceso compe-
Sete de Setem-
seu annuncio inserto na
tente. Residencia a ra
bro n. 34.
Advocado
O hachare! Benjamim Bandeira, ra do
Impejador n. 73, 1. andar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de adro-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
Dragarla
Francisco Manoel da Silva A C, depo*
stanos de todas as especialidades phanoa
ceuticas, tintas, drogas, productos chimic*
e medicamento homceopaticos, ra do Mar-
que! de Olinda n 23.
t '
\


Diario de Pernambuco-Domingo 1 de Agosto, de J66
3


Serrarla a vapor e oficina de campia
de Francisco dos antes Haced o, caes de
Capibaribe n. 28. N'-este grande estaba o
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, comprase e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obras
de carapira por macbina e por precos sero
COmnotnirtii.
COMUNICADOS
lo eleitorado do S9 districto
JUm. Sr.__O fallecimente do Dr. Antonio Fran-
cisco Corris de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putaco de Pernambuc, determinon a necessidade
de ama cleico no 8 districto, que aquelle Ilustre
cidadao to dignamente representava.
Para preeocher essa vaga proponho-me eu aos
uffragios do distincto eleitorado desse districto,
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambices que estou longe de nutrir, mas por apre-
sentaco do partido em cajas fileiras milito e alen-
tado pelo desejo. de continuar a prestar servicos as
pas nesse posto de combate que me foi indicado.
', pois, eacudade com esse patritico desejo e
patrocinado pelo meu partido, cujo venerando
chefe tenbo por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o sea voto e todo o ssu precioso auxilio
miaba causa no pleito que se vai ferir brevemente
nesse districto, onde V. S. gosa de prestigio e dis-
pe de merecida influencia.
Bem conbecido nesta provincia, onde nasci e
ende tenho sempre vivido mourejar em fadigosas<
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrosa apreaentacao; creio que ser-
me-ha excusada a exhbico de um programma,
pois que outro nao posso ter que nao o do partido
ao qual tenho servido com dedicac&o e esforz.
Entretanto, de harmoni a com o notavel discurso
proferido no Senado, em 1879, pelo honrado Sr.
conselheiro Joo Alfredo Correa de Oiiveira, digno
chefe conservador em Pernambuco, direi que a
synthese do meu programma pugnar pelas re-
formas que lorem e desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con-
atitituico e que formam a base das instituicoe
que nos, os conservadores, maotemos e queremos
manter.
Dentro de taes limites ha espado bastante para
todos os melhoramentos intelectuaes, maraes e ma-
teriaes, para todos os c-ammettimentos serios da
politica, economa, financas e admnistraco, emfim
para todas as mais altas aspiracoes dos povos
'vres, que vivem sob o rgimen parlamentar.
No decurso dos vinte anuos que constituem a
minba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a minha actividade, e disso fazem prova os meus
modestos esforcos na Assembla Provincial e os
meus pequeos trabalhos na imprensa, vstes lti-
mos attestados pelo Diario de Pernambuco, em
cujas paginas tenho esteriotypado a minha alma
e o meu coraco, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vautajoso causa do paiz e
mais particularmente desta provincia.
Como garante dos meus intuitos de futuro offe-
reco esse modesto passado ao digno eleitorado do
3 districto, assegurando-lhe que envidarei quanto
couber em nata para elevar-me altura da sltua-
co do paiz e para mostrar-me merecedor da con-
fianza co n que me honrar esse digno eleitorado
O meu norte ser o bem publico e o caminb
para elle essa honrosa confianca que nunca i i1 <
ao Ilustre cidadao quem aspiro substituir cu-
as virtudes cvicas tomarei por modelo.
Subscrevo-me com a maior considerado e res-
peto.
De V. S.,
Amigo, attento, venerador e criado.
Kecife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Figura Paria.
PUBLIC4C0ES 4 PEDIDO
urisprudencta
DESPACHO DE DESPEONNCIA PBOFEBIDO
PEIiO DE. JDIZ MUNICIPAL DE VILLA BEL-
LA DESTA PROVINCIA EM QUE AOTOBA A
JUSTICA. PUBLICA E BO O MENOR JOAO
JOS PEREIRA.
Copia de um despacbo de pronuncia do Juiz
Municipal de V.-. B. nos autos de Ap-
pellacSo Cnme sob ns. R12,172 ; R-
Q. B. /. 231 v. ; 1 Ror B. L. 1080
2o T. B. 2014.
Vistos estes autos em que sao partes como au-
tora a justica por seu Promotor e como reo Joo
Jos Pereira e Manoel de tal filho de Jos Igna-
cio de SIedeiros : mostra-se em face do corpo de
delicto a f" 4 testemunhas de t> a l que no
da Io de Julho do corrente anno na Malhada
Cortada (teste tormo o denunciado Manoel en oc-
casiao que Joo Pereira procurava um cavallo
desfeichara-lhe um tiro de davina que produsio-
Ihe os ferimentos descrptos e que hoavera ontro
no denunciado por Joo Jos Pereira. Findo o
interrogatorio do reo Manoel o seu curad >r de
eonformidade com os aviaos de 17 de Desembro
de 1850 e 16 de Fevereiro de 1854 juntou urna
oertidao de baptisto aasigaada pelo distincto e
Ilustre Vigario Arcipreste desta V' onde se v
que o denunciado Manoel tem 12 annos e 6 mezes,
o que faz ergner a questo do art. 10 do Cod.
Crim., isto se procurar recenhecer se o menor
obrou com discernimento no acto praticado. '
portante um menor que reclama a cardosa som-
bra protectora da disposico do art. 10 do Cod.
Crim. a Janalyse de to melindrosa questo de
discernimento em que se scieocias percho! ogicas
e phiaiologicas tomam a palavra para demonstrar
as phaoes dos desenvolvimentos das faculdades
indlectuaes, falleee nos o conhecimento. Nao
bstante duas palavras. No estud da individua-
lidade statica quando se considera o funeciona-
mento pbisico em sua totalidade o homem se
subordina as duas grandes correte* de eenaaces
do mundo externo e interno e alimentado por ellas
tira de um lado a parte inteUectual de seo ser e
de entro a parte sentimental.
Na materia estas duas eorrentes ceUuraes que
traz-lhe a grande e nobre distineco de racional t
irracional, sendo anda a primeira sujeita passar
pelo laboratorio do desenvolvimento inteUectual.
O que fez Kant diser que a educaco converte a
animalidade em hamanidade. C ella que eetstue
os principios pelos quaes o ser humano de animal
se eleva a homem e de homem in poste se torna
homem in actu. Eecompondo todos os factores
collectivos em urna bomogencidade harmeniea e
ella a sobena inaugnradora de ama nova era
de erganisace social. Mas longe de attngirmos
este desidertum, o analphabetisme, a faata de
educaco inteUectual vai iavrando por todas as
nsai carnadas soeiaes- Da cornucopia do nosso
governo nao temos urna so disposico que obrifcue
os pais a educar seos filhos, a preparal-oe para
as delieiaa da manso leste, e reconhecer os
encantos e responsabilidades do saio da natureza,
familia e sociedad*. O qne fez um eminente es
criptor em vea da nota suavistima da esperanca
de urna futura redempeo, soltar um grito dolori-
do por ver crepitar a chama (te um penaameato
indefiaiao anda. A caitura das faeesdHdee
qne torna a inteligencia 11 tu sainada pelo facha da
liberdade. Entre nos anda a mo da ignorancia
nao deu asas a intelugencia soltar-seu vouo pela
luminosa esphera da seieaca para esclarecer sua
inteligencia e apresentar-se na sociedad como
Itsmem livre. E quando as forcas animadas ou
inanimadas- nasao lvre nao podwn ser a causa
primaria deato ou daquelle acto, porque nao sa-
bem ver de qne lado pende a concha da balanza
do mrito e demerito e prtenlo se santos de
impucaaa TesVxqsje deaaree a rasa moral e a
liraerada, destrae wimputubiKdadfl. E' o racio-
cinio da razo que msetra o decernimento que vai
no homem; porque descernir saber destinguir
O verde do amareno, o- que tesa do que mao, e
todo aquelle qne nao tem a intelligencia esclare-
cida com esta ou aquella deae da eanhammeato,
nao tem tambem decernimento. E' ns denuncia-
do Manoel que encontramos a supina ignorancia,
rnao s* vem d familia orno taconea idade
idquirir o menor dos conhecimentoa oeste alto
certo onde quasi tudo darme as trsvas coberto
com a capa da ignorancia. A justica comeca seu
ministerio. O menor Manoel commatteo um acto
leprovado pela lei e classificado como crime, mas
um grvame feito as leia soeiaes por individuo que
nao conhece a natureza moral das aeches huma-
nas, que nao tem conhecimento da violaco do de-
ver, nem- da lei, um grvame feito por um menor
de-14 annos a quom falta o conhecimento da sua
personalidade moral nao encontra nelle agente
esponsavel, e a fatta desta conhecimento, ato ,
do decernimento denme o da criminalidade.
Iafantcm innooentia consilii tuetur. Fallando
da menoridade dii Rossi: que impossivel deter-
minar o momento onde a razo no homem toma
um desunvcivimento que legitime a imputar" pe-
nal ; mas julgamos tacil o conbecer este momento
desde que marchamaos na analyse da pessoa com
o principio de Ortholan que diz : a raso compa-
rada com os actos que os menores tenho pratica-
do a bitla por onde concluimos por analoga
que acha-se elle em seu desenvolvimento e que
distingue o bem do mal. Se compararais o aeto
que levou o Dr. Promotor Pnblico a dar a donan-
oa de fias, com seu autor encontramos no acto um
crime e no autor urna crianca que apanhando ta-
bocas de f jguetea* e encontrando suas arapucas
com passaros seafe o maior dos prazeres que Ihe
dado e faz disto objecto da conversaco de todo
o da. Feitas estas estas observaroes pergunta
mos : Uoi est qui fecit actu. Os actes de enanca)
nao comporta nem a imputabilidade relativa
como diz Schopenhauz.
E se assim como mudar a cor das flores que
engrinaldo a fronte do menino Manoel pelos cres-
tados espiubos do luctuoso crime? Nao ha selec-
co que nos eleve tanto. Arrastar-se alguem ao
palcho do crime, fazer-sc representar na trgica
scena do sangue o papel de criminoso conside-
rar-se-o no exercicio regular de suas tunecoes,
dar-lhe a consciencia de si mesmo, a consciencia
do mundo externo, a consciencia do dever, a con-
sciencia do direito. Segundo o art. 10 nao pode -
mos dar aos menores a imputado iacti, nem to
pouco a mputatio juris por causa da perda das
duas primeiras formas de consciencia que Ihe vem
da perturbaco do seu espirito; portento nao os
podemos considerar criminosos. E j nos ureos
te pos romanos quando as Pandectas toram com-
piladas con8derava-se tora de penalidade todo
aquelle que nao poda fallar com certa ligaco de
ideas, e a imperador Arcadio as suas decretaes
tornou-se mais explcito dzendo que aos impube
res faltava o intellectus rei, le 12 Dg ad egem
Cornellam de scicars et beneficiis e a lei 5 Dg ad
legem Aquillam diz : eulpss non dol capaces. No
cit Art 10 o Cod Crim esCabfleceu em favor dos
menores a presumpeo juris et de jure da sua in-
capacidude, e quem nao tem capacidade nao tem
decernimento, portento achando-se provado que o
denunciado Manoel menor tambem pjr forca da
presumpeo do cit art est provado a sua falte do
decernimento; equem nao obra com decernimento
nao re3ponsavel pelo acto que praticou, logo o
denunciado Manoel nao pode ser responsavel
pelos ferimentos descrptos no corpo de delicto a
fiab : porquegno violou a lei com a consciencia de
que violentando-a commetteu um crime. Sine vea
luntate non criminen. Pelo direito francs um
rapaz que sabe cheirar o biuquet dos encantos
da vida parisence, que na perfuinosa gruta mis -
tica onde urna deidade reside entra entoando ba-
ladas amorosas e vai direito a fonte onde Dian
se banhi saborear a sombra da copa da arvore da
huir anidado nao capuz de pena ; ao passo que
isto estabelece positivamente s leis dalli; um
Curamha cujo maior grao de educaco consiste em
pedir sbenco aos mais velhos capaz de peua ?
Nao. Bem fiel fica interpretada a doutrina do
art 10 do Cod Crim no que vai dito.
Heje a brandura das nossos costumes nao aecci-
ta mais exemplos daquella Grega qu vndo seu
filho prisionciro no templo de Diana loi a primeira
a levar para entaipar a sabida daquclle recinto.
Vaso-se poroutros moldes as virtudes que ad
miramos. E' mais sublime aquella Egipcia quj
oceultou com risco da propria vida seu filbo nos
canicos do Nilo contra as leis do seu monarcha.
Soltemos a ave implume no seio do seu ninbo, que
tenha ella quando vestir-se das douradas asas um
vouo bnlhante que traga para a sociedade mil
exemplos de patriotismo e agradecimento pela
mancha que ella Ihe lava hoje o que mais alme-
jamos. Jus est ars boni et asqui. Portento des
pronuncio o denunciado Mauoel pelas razoes que
ficao ditas e ao denunciado Joo Jos Pereira por-
que dos depoimentes das testemunhss s a Ia 4a e
6a fallo do tiro disendo que o bacamarte se dis-
parara da queda digo da pancada da queda que
levou Joo Jos Pereira e portante nao prova sua
criminalidade; pagas as cuates pela municipali
dade ; e desta minha deciso recorro para o Dr.
juiz de direito da comarca a quem no prazo da
le subirs os autos para resolver como for justo.
Em temoo declaro que a afflaencia de trabalho
nao psrmitto terminar este summario no praso
legal.
V. B. 28 de Julho de 1885.
(Assgnado) S. do B. C. P.
Mi
(oivos e saudades
DESPOLHADAS SOBBE O TMULO DO
Major Custodio Floro da Silva Fragoso
m A morte como o vento das procellas
Qne agita, abala e rompe as cheias relias
Do barco no alto mar
Almcastbo Aotbas.
No da 27 do corrente finou-se nesta cidade urna
preciosa existencia.
Ao sopro glido da morte tombou para o sepul-
chro mais um bravo da patria, mais urna reliquia
d'aqnellaa oes que brilharam por cinco anuos nos
campos inhspitos do Paraguay !
A terrivel parca riscou da liste dos vivos o no-
me glorioso do major Custodio Floro da Silva Fra-
goso.
Aquella natureza possant: e forte que tantos
porigos arrostou por tantos annos, teve que ceder
a le inflexivel da morte apa nma lute de crueis e
prolongados soffrimentos, devidos sem duvida a
sua organisaco especial.
Mas que Deus quiz que o ultimo sopro d'a-
quella preciosa existencia tese colhido por quem a
sto tinha sagrado direito :pela yelha e csrlnho-
sa me, pelos amigse desvedados irmos........
quiz conceder aquelle coraco bemfasejo, aquella
alma estreme do mal, poder diaer o ultimo adeus,
dirigir o ultimo olhar aquelles que o estremecan),
que mais de parto conheciam a saa pureza, que
mais podiam aquilatar as suas virtudes.
Sim, Deus, sendo a infinita bondade, costuma
conceder essas compensacces humanidade que
eoffre.
O major Floro tinha cumprido sua misso sobre
a trra ; era expirado o tempo que Ihe tora mar-
cado para esse mister...... Tinha derramada o
bem defendendo a patria, enxugando o pranto
viuva, amparando a orph, soccorrendo os neces-
itados !........ E um dia... e foi este o da
27 de Jnlho de 1886, sorrio para aquelle que o ti
nha mandado Voou a seus ps, o all descansa
estafado da jornada, po'm galardoado por quem
nao deixa sem recompensa nem um copo d'agua
dada em seu nome 1
Sim, amigo, dexaste-nos traasidos de eructante
dor pela ausencia eternaqustemos de saffrer de ti,
mas consola nos certeza que temos de que de l,
onde s<5 ha o bem, nos contemplas ainda peregri-
nando por c at chegar tambem a nossa de tro-
camos esta vida temporaria pela vida real e
Stern. !
E nao somos nos sement quem choramos a tua
morte, nao. Inda hoje vimos, aqu a velha me,
all os extremosos irmos, acola os amigos, pren-
les...... de or lado a viuva, de ootro a otph,
mais alen o neceseitado.....e todos ineonsola-
veis.... e todos bemdizendo-tc a memoria !.....
Oh triste e consolador ao inesmo tempo esse
espectculo que offisrece a morte de quem praticou
O bem ueste arando !...
Pelas nossaa faces correal anda as lagrimas
que elle nos produca. Passam ellas chegar at o
tea taalo e ah regar as saudades que fizeste as -
cer em nosso coraeao, no coraco d'aquelles de
quem ras arrimo; no caraato 'aquellas qo tive-
ram a fortuna de privar eomtigo e de conhecer a
grandeza de tua alma I......
Aleas 1 Dseansa 1----- A taapasaagem por.
este mundo foi til e verdadeiraaiente gloriosa ;
Dees te ter dado em recompensa.a paz,na Celes-
te Manso.
Kecife, I." de Agosto de 1886.
* #
F de ofeio do benemrito major Custodio Fie-
ro da Silva Fragoso, fallecido nesta oidade no dia
27 de Julho do corrente anno.
Apolinario Florentino de Albuquerque Maranho
Sobrinho, commendador da ordem de Consto,
condecorado com a medalha de mrito militar e
tenente coronel eommandante do 30* corpo de
voluntarios da patria, ato.
Certidco que o official abaixo declarado tem nos-
te corpo os assentementos do theor seguinte :
Major Custodio Floro da Silva Fragoso sendo
major do 53 corpo de voluntarios da patria, par
apontamento do commando das forcas ao norte do
Manduvir, de 26, toi transferido para este corpo,
apresentou-se a 27, assumindo a fiscal sacio do
mesuiB a 28. tudo de Janeiro do anno de 1870.
Da certido de assentementos que o aeompa-
nhou, vndo daquelle corpo, consta o seguinte t
Natural da provinoia de Pernambuco, casado,
com 35 annos de idade, filho de Anteara da Silva
Fragoso, sendo alferes do 6* oatalho da guarda
nacional da fregueza dos Afogados, foi por por-
tara da presidencia daquella provincia de 24 de
Outnbro de 1865, nomeado tenente em commisso
para o 5o corpo do voluntarios da patria, e por
oitra portara da mesma presidencia, de 20 de
Sovembro do referido anno, foi nomeado capito
do mencionado 5 de voluntarios.
Embarcou com destino campanha em 20 c
reunio-se ao exercito em 24 de Dezembro do mes-
mo anno, na provincia de Corrientes.
Fez a marcha para a margena do rio Paran a
20 do Marco de 1866; embarcou para a Iha da
Redeinpco, cm frente ao forte Iteper, a 10 de
Abril, depois do combate daquelle dia, afim de
coadjuvar e engrossar a columna alli estacionada,
d'onde assistio a todos os bombardeios feitos pelo
inimigo do forte Iteper.
Transpz o rio Paran para os campos de Ite-
per, tomando parte nos combates desse dia e do
dia 17, tudo de Abril.
TomoH parte no reconhecimento e avanzada da
exercito a 19 do referida mes, e bem assim no
combate de 2 de Maio no Estero-Bellaco; no re-
conhecimento e ayancada de 20 e na bstelha de
24, tudo de Maio, sendo elogiado na parte dada
pelo eommandante do corpo ao Exm. Sr. general
eommandante em chefe, pela bravura e sangue fri
quo apresentou durante a referida batalha.
Fez passagem para o 41 corpo de voluntarios
da patria a 30 de Junho.
Assistio ao bombardeio feito pelo inimigs sobre
o campo dos alliados em 14 do dito mez.
Tomou parte no combate de 18 de Julho, no
qual fei elogiado na parte daquelle combate, pelo
valor e constancia que apresentou no commando
da linba de atiradores.
Marchou com a brigada auxiliar para Cu-us,
afim de coadjuvar o 2o coipo do exercito, a 12, e
tomou parte no combate de 22, tudo de Setembro
do referido anno, seudo gravemente contuso nesse
combate e elogiado na parte dada pelo eomman-
dante de corpo a > Exm. -Sr. general em chefe, pelo
valor e distincca, que, por mais de urna vez apre-
sentou.
i'assou a fiscalisar o referido 41* de voluntarios
a 2C de Marco, por ter seguido para o Brazil o
cap to-fiscal Antonio do O' de Almeida, e a com-
mandar de 8 de Maio at 3 de Julho, por ter
adoecido o major eommandante Estevo Caeteno
da Cunha, assumindo novamente a fiscalisacao a 4
Tomou parte nos combates de 24 de SeteraVo no
Estero-Rojas e 3 de Novembro em Tuyuty, pas-
sando a commandar o corpo no meio desse ultimo
combate, por ter fallecido nelle o seu eommandan-
te, c perdendo nessa occasio o cavallo de sua
montada, por bala de fuzil, continuou a comman-
dar a p at o fim do mesmo combate.
Deixou o commando no dia 23 do referido mez
de Novembro, por ter-se aprisentedo, vindo da
corte, o major do exercita Antinio Cabra!, que por
ordem do commando em chefe foi mandado para
eommandar o mencionado corpo. Passou a fisca-
lisar a 24, tudo do anno de 18>>7.
Tomou parte no reconhecimento a viva forca
sobre as lnhas entrcheiradas do inimigo no lu-
gar denominado Sauce, a 19 de Fevereiro.
Deixou a fiscalisaco a 12 de Abril, por ter-se
apresentado ao corpo o major Heleodoro Henrique
de Menezes, para o qual fora mandado.
Tomou parte no combate de 21 de Marco sobre
as referidas fortificac5es do Sauce, onde permane-
cen toda a noite do dia 20 no commando geral das
linhas de atiradores dos corpos da 7a brigada des-
uada para o assalta do dia seguinte, sendo para
essa commisso nomeado pelo coronel Antonio da
Silva Paranhos, eommandante da referida bri-
gada.
Tvmau parte no reconhecimento a viva forja do
dia 16 de Julho sobre as trincheiraa da praca de
Humayt e assistio a rendico das iorcas da mes-
ma praca a 25 do referido mez.
Fez a marcha de Humayt para Suruby-by on-
de acampou a 27 de Setembro.
Tomou parte no reconhecimento a viva for$a
feito as fortificaces de Angustnra no dia 1 de
Outubro.
Embarcou para o Chaco de Santa Thereza a 19
de Novembro e d'ahi pa-a o porto de Santo Anto-
nio, Repblica do Paraguay, a 5 de Dezembro.
Tomou parte no combate de 6 na ponte de Ito-
ror ; na batalha de 11 no Arroyo Avahy e nos
eombates de 21 e 22 em Lomas-Valentinas, sendo
elogiado as partes dos combates de 6 e 21 e na
da batalha de 11 pelo valor, denodo, intelligen
cia, coragem e sangue fro, que, como em outras
vezes, apresentou nos referidos combates e ba -
talha.
Tendo sido dissolvido e referido 41* corpo de
volntanos, ao qual pertencia, a 23, passou a per-
tencer ao 16 batalho de infantera, no qual to-
mou parte nos combatee de 24 e 25 todo do refe-
rido mez de Dezembro de 1868. Baixou ao hos-
pital de sangue no da 25 por ferimento de bala
recebido no combate d'ease dia e apresentou-se ao
corpo a 15 de Fevereiro de 1869 com alte do hos-
pital da mesma data, convaleseendo por 8 dias
para bem cicatrizar o seu ferimento.
Por aviso do Ministerio da Guerra de 29 de De-
zembro de 1868, publicado em ordem do dia do
exercito seb o numero 8 de 19 de Marco de 1869,
bou ve por bem Sua Magestade o Imperador ma <-
dal-a louvar por ha ver tomado parte as gloriosas
jornadas de 6 e 11 de Dezembro do referido anno
de 1868, onde foram cobertas de louros as armas
imperiaes.
Marchou de Assumpco e acampou em Luque a
12 de Marco e d'esse ponto para Piraj a 2l de
Maio, onde acampou.
Temou parte no reconhecimento de 26 do mes-
mo mez em Ascurras e 3 de Julho no Serro-Luo
tudo em 1869.
Por decreto de 14 de Marco de 1867 houve por
bem Sua Magestade o Imperador condecoral-o
com o habite de Christo, pelos actos de bravura
praticados na batalha de 24 de Maio em Tuyuty
e combSe de 22 de Setembro em Curupayty, tu
do em 1866.
Por outro decreto de 28 de Junho de 1869, pu-
blicado em ordem do dia da repartico do ja-
ctante general da corte, sob numero 683 de 28 de
Julho do mesmo anno, foi Ihe concedido a meda-
lha do mrito militar pelos actos de bravura pra-
ticados no cmbate da 6 e batalha de 11, tudo de
Dezembro de 1868.
Fez passagem para este corpo que se achava
acampado em Luque a 22 de Jnlho de 1869 e d'ahi
marchou pira Taquaral aos 30 do referido mez,
onde acampou. Assistio ao reconhecimento de 2
de Agosto no ponto fortificado de Pedreiras, na
Gordilheira; marchou para Guac-Vira onde
acampou no dia 9 ; marchou as 9 horas da noite
do da II e acampou as 10 da manh Jo dia 12
na Cordi heira em frente a Patinho-Cue, onda to
mou parte no reconhecimento desse da havido no
encontr qae teve a columna expedicionaria, a
que pertencia, com as foroas inimgas que ahi
guarneciam as estradas das povoacoes de Altos,
Atir e Toantim.
Marchou no dia 15 e acampou a 18 no lugar
deuominado Pindoty.
Marchou no mesmo dia sobre as posices inimi-
gas em Ooaguijur, onde tomou parte no combate
d'esse da cojo o segundo corpo do exercito, ao
qual pertencia, sega sado ero perssguifo do ini-
migo at a uilla de Caragnataby, d'onde regres-
sou com o corpo para.-o acampamento de Pindotv,
afim de guarneoer essa poato e os feridos que ahi
se achavam no hospital de sangue. /
Mareaou no dia 21 e acuapou no mesmo diana
villa de Garaguataby, cade se reuni ao segundo
corpo da exercito. Tem parte no elogio fete pelo
Exm. Sr. general eommandante do messoo segun-
do corpo do exercito peto heroico procedimento das
forcas do seu commando no ataque do dia 18 e
pelo valor-e intrepidez que demonstrou em presea-
c*. do inaaigo, como se fea publico em ordem do
dia do referido commando sob numero 4 oe 19 do
referido mea de Agesto.
Marchou no dia 25 e acampou a 30 na margena
do rio Manduvir. '
Bmbaacou no dia 9 da-tiotantbrse deaemaarcou
no mesmo /dia em AreoutaoHi ; embarcos no dia
22 e dasembarcou no dia 23 no logar denominado
Guarda Occulta ; marchou no dia 24 e acampou
no mesmo diana villa do Rosario.
Mbtchon *& de Ontubro e acampen aa villa de
Santo Estanislao a 13; marchou a 16 e acampou
a 17 em Capivary, d'onde regressou para.a villa
do Rosario a 11 de Novembro e acampou .na mes-
ma villa a 18 do dito mez, tudo do supracitado an-
no de 1869.
Por despacho de Sua Alteza o Sr. principe
Conde d'Eu, marechal e eommandante em chefo
do1 exercito e armada de 24 de Janeiro de 1870,
foi promovido ao posto de major em commisso,
ficando aggregad. E' todo o que conhta da re-
ferida oertidao.
E por este corpa consta mais o seguinte :
Embarcou na villa do Rosario com destino a
corte-do imperio em 2 de Marco de 1870, onde
ohegou a 20 do dito mes.
Por decreto imperial do Ministro da Guerra de
23 do dito mez foi-lhe concedidas as honres do
posto de major honorario do exercito e por outro
decreto da mesma date do Ministerio do Imperio
foi condecorado com o officialato da Rosa pelos
relevantes servicos prestados na guerra do Para-
guay.
Embarcou na corte para Pernambuco a 30 do
referido mez de Marco e desembarcou a 7 de Abril.
E mais seno continha em ditos aaaentamentos
aqu bem e fielmente copiadas e transcriptos do
competente livro ao qual me reporto, Eu, Ma-
noel Antonio Camello, alferes secretario do 30 cor-
po de voluntarios da patria o eserevi.
Apolinario F. de A. Maranho Sobrinho.
Polica da Capunga
Em contestacio ao que hoje publicon o orgo
da opposioo desbragada sob a epigraphePoUoia
da Capunga, passo a relatar como aquelle tacto se
deu :
Eram 11 horas e meia da noite, passava ea pe-
los Quatro Cantos, quando vi approximar-se um
individuo cambaleando em estado de embriaguez,
e receioso de que o infeliz perdesse o rumo e fosse
victima de algum desastre, ordenei ao meu guarda,
nico que comuiigo se achava, que o revistesse;
essa voz, purm, e individuo oppoz-se, gritando
fortemente que a polieia o atacava para roubar,
foi ento que eu reconheci na pessoa do aleoolisa-
do o Sr. Herminio Barbosa, que no obstante a
minha presenca, continuou a vociferar contra a
polica.
Alarmada, por uso, a familia do Sr. Barbosa,
com quem alias mantenho relacoes de cortesa ;
veio mim o Sr. Elysio, rogando-me a favor de
desculpar seu irmo, viste do estado em que se
achava, lastimando entretanto, essa infelicidade.
Preso i essas consideracoes, ordenei ao guarda
que coaduzisse o Sr. Herminio sua cas 1, e sendo
reculhido continuou par algum tempo com os mes-
mos gritos, desrespeitendo at sua propria familia.
Testemunharam o facto o eommandante da 5a
eeteco, acompauhado de alguns guardas queacu
diram aos gritos, e o Sr. Alfredo Fiuza. que eom-
parecendo logo depois, solicitou-me o obsequio de
nao tomar em consideravo as tolices proferidas
pelo Sr. Hermiuio.
E assim terminou a seena de alcoolsmo to
phanto8iada pela Provincia.
Eu declaro que nada tenho que ver as ovacoes
prodigalisadas ao Dr. Jos Marianno, mai nem por
isao a minha inditleren^a chegar ao ponto de uo
providenciar nos cases de embriaguez e disturbios
resultantes de grandes enthusiasmos.
A verdade antes de tudo.
S^/^fc\
x^^X
./^&>J8
tm porto de mao
AO ILLU. SB. CAPITO IGNACIO
PEDBO DAS HEVES
pelo seu anniversario
natalicio
Recife, 2 de Agosto de 1886
L. S. T.
/^JS^v
Gratido
AO DISTIHCTO DB. BABBETO SAMPAIO
Achando-me completamente ceg de ambos os
olhos e j dusesperancada da minha viste, algu-
mas pessoas d'este cidade aconselharam-me que
consultasse ao Ilustre Dr. Barrete Sampaio, a
quem me dirig logo, o qual examinando-me dis-
se-me que soffria de cataratas em ambos os olhos
e que era necessario submetter-me a urna opera-
cao, ao que accedi, e gracas aos esforcos d'este to
distincto medico me acbo hoje completamente res-
tabelecido de ambos os olhos, vendo tudo perfeita-
mente bem e com vista que me permitte coser sem
a menor difficuldade.
Faltara pois com um dos deveres mais santos
se nao viesse por meio da imprensa patentesr ao
publico o meu eterno reconhecimento para com um
to l lustre e distincto medico, como o Dr. Bar-
reto Sampaio.
Deus o cubra de mil heneaos e louros na scien-
cia medica.
Desculpe-me o Ilustre doutor se com estes mi-
nhas iracas palavras, nascidas dos meus senti-
mentos, oliendo a sua modestia.
Recife, 31 de Juiho de 1886.
Mara Alejandrina Rosa da Concevcio.
A' Esther
Quando ouco Esther a tua voz,
Como a dos anjos quando entoando um canto,
Sinto o coraco dilacerar-se
E pelas faces deslisar-se o pranto.
Contemplo a magem toa seductora,
E desejo fallar-te s de amor ;
Mas tu, creanfa, coras e foges rindo
Daixando- me sosinho entregue dor.
A>! nao" sejas cruel, tem compaixo
Do pobre louco que a ti s ama,
Dame as delicias d'um amor eterno,
V que meu peito s por ti se inflama.
Cabo, 26 de Julho de 1886.
Adolpho Vira.
Ao publico e o commerclo
Constando-me que alguem. que nao emprea-
do da casa commereial de Thomaz de Carvalho
& C de que son o unco representante, tem usa-
do dste firma e do meu nome para adquirir di-
nh-iro ou mercadorias, declaro que nao me res-
ponsabiso por debito algum, contrahido sem or-
dem escripia do meu proprio pucho, seja o meu
nome individual ou no daquella firma.
Recife. 31 de Julho de 1886.
Thomaz Ferreira de Carvalho
Hoje ninguem mais falla na Europa seno das
maravilbosas descobertas do Sr. Pasteur sobre a
raiva, suas variedades e seu tratemento. Desde
a invenco da vaccioa por Jenner, nenhuma des-
cocerte to mpojtente se tinha feito na sciencia
medica, nem servico to notavel se tinha prestado
i humanidade. ,
Mas, se o nome de Pasteur excite a admiracio
e o respeito do mundo inteiro, nao Je vemos re-
cusar a nossa gratido outros sabios que con-
sagraram a sua vida, cura de molestias infeliz-
mente mais communs e quasi tio crueis quanto a
raiva; hysteria por exemplo e a Epilepsia, esta
ral va domervos que tambem faz sobrevir a espa-
ma bocea I
Estas molestias, outr'ora, reputadas incura-
veis se tratam hoje em dia com bom xito, pelo
eraprego da SOLUQAO ANTI-NERVOSA, pre
parada pelo Dr. Laruyenne, boIochsVo cujas virtu-
des esto provadaa e cuja eflicacta nao precisa ser
proclamada.
A nossa inteneo, nao pois, faser aqu um
reclamo desta especiaudade- pbarmaceatica, qmi-
bosbos somante lemarar aos qs soffrem o nome
da Dr. Laroyeona pois ella beaece da hama-
nidade.
Um erro Fatal na America !
No peridica Olavelaad, putflicado em
Ohio, nos Estadoe-Unidos do Norte, lemos
a descripc&a de urna oparajao cirurgica,
cujos funestos resultados robresaitaram pro
fundamente todos os facultativos da Rep-
blica Aoglo-Saxonica. No entender do ci-
rurgiao mais eminente de Cleveland, o Dr.
jAOD^r aaatiaHMBtia OttaraaW fas OstaaA.um
crime I
Havia muios annos que ama senbora
chamada King padecia de ama enfermLda-
de de estomago, e nenhum dos systemas
de tratamento empregados por varios me
diooB paderam alliviarlho os sofirimentos.
4 doenca tinha principiado com um leve
desarranjo dos orgaos digestivos, de mis-
tura com um grande fastio. A estes sjmp-
tomas seguio-se um malestar indescriptivel
no estomago (malestar qae foi tomado por
ama sonsacan do vasto interior) accumnlan-
do se em torno dos dentes urna materia
pegajosa, acampanhada de um gosto des-
agradavel, especialmente de manhiL Lon-
ge de faeer desapparecer a sensaco do
vazio, o alimento pareca augmental-a. En-
tre outros symptomas, notava-se a cor aun-
relente dos olhos. Pouco depois, as raaos
e os ps esfriarem e tornaram-s'; pegajo-
sos, cobrindo-se de um tuor fro. A enfer-
ma padecia de um cansaco constante, sen-
tindo-se nervosa, irritada e cheia de ne-
gros presen timentos
Ao levantarse de repente, a pobre se-
nhora senta amas tonturaa. Com o tempo,
08 intestinos chegarain a estar estreidos
at o ponto de tornar se necessario empre-
ar quasi todos os dias algum medicamen-
to catrtico, nao tardando a enferma a sen-
tir nauseas e lancando fra os alimentos
douco depois de tel-os engulido, algumaa
-ezes em um estado de azedume e de fer-
mentado.
D'estes desarranjos proveio urna palpi-
tacao de ooragao to violenta que a infeliz
quasi que nao podia respirar. Finalmente,
en^ontrou-se na impossibilidade de reter os
alimentos, atormentando a sem cessar do-
res de ventro atrozes.
Attendendo ao facto de que todos os re-
medios at entilo empregados nSo haviatn
produzido resultado algum satisfactorio,
reuni se urna junta medica, cujo parecer
foi que a Sra. King padecia de um cancro
no estomago, tornando se necessaria urna
operacs.
Em resultado d'esta decisSo, no dia 22
de Janeiro de 1882 fez o Dr. Vanee a
operajao em presenta dos Drs. Tucker-
mann, Perier, Arms, Gorlon, Lupier e
Halliwell.
A operacSo consisti em abrir a cavida-
de do abdomen at descobrir o estomago,
os intestinos, o figado e o pncreas. Ve-
rificado isto, os mdicos examinararn os
ditos orgaos, e, cheios do assoinbro e do
horro., viram que nao existia cancro al-
gum.Cerraram e fizerara opossivel para cu-
rar a ferida que haviam feito ; mas a pobre
genhora morreu dentro de poucas horas
Que triste a sorte do viuvo que sabe que
a esposa pareceu por causa de urna opera-
c3.o errada Se a Sra. King tivesse em
pregado o verdadeiro remedio contra a dis-
pepsia (sendo este o nome da doenca) esta-
ra hoje em sua casa viva em lugar de es-
tar na cova.
Por meio do uso do Xarope Curativo de
Seigel, remedio proprio para a dispepsia e
para a indi^estao, muitas pessoas se resta-
beleceram depois de terem ensaiado outros
remedios sem proveito. As provas d'este
facto sao to numerosas que nao nos pos-
sivel reproduzil-as aqui, mas os que leram
os certificados publicados em favor d'este
grande remedio consideram-03 como irre-
futaveis e convincentes.
A venda do remedio Ilimitada.
O Xarope de Seigel vende-se em todas
as pharmacia a do mundo, assim como no es-
tabelecimento dos proprietarios, A. J. Whi-
te, (Limited) 35, Farringdon Road, Lon-
dres, E. C.
Depositarios na provincia, de Pernam-
buco: no Recife, Bartholomeu e <& C, J.
C. Levy e & C, Francisco M. da Silva e
& C. Antonio Martiniano Veras & C,
Rouquayorol IrmJos e Faria Sobrinho
4 C; em Bello Jardim, Manoel de Si
queira Cavalcante Arco Verde, e Manoel
Cordeiro dos Santos Filho: em Indepen-
dencia, Antonio Gomes Barbosa Jr : em
Palmares, Antonio Cardoso d'Aguiar: e
Tacarat, Jos Lourenco da Silva.
N. l.E' maravilhosa a rapidez com que
os tsicos, os anmicos, os escrofulosos, os de-
bis e os que padecem do peito e da gar-
ganta restabelecem-se depois de terem to-
mado a Emulsao de Scott.
Anacahuita peitoral
A Academia Medica de Berlim teve perfeite-
mente razo em seu judieioso julgaaiento em pro-
nunciar o sueco da balsmica Anaeahuita Mexica-
na como um especifico positivo e infallivel para
todas as irritecoes ou inflammacoes de garganta e
dos vasos hronehios.
Nao ha nenham caso de rouquido, tosse ca-
tarrho, eseoriaeao da garganta ou irritaco dos
bronchos que possa resistir as suas admiraveis
qualidades anti-irritentes.
Ella restitue a voz quando perdida ou enfraque-
cida, pelas afteccoes ou sensaooes de asperesa no
palato; faz cessar a expectoraco sanguinea e im-
peda a accumulaco de mucosidades nos orgaos da
respiraco que partem dos pulmoes.
Inteiramente difierente na sua composico de
todos os mais peitoraea manufacturados de fructes,
adstringentes, cascas, raizes, etc., o mesmo nao
contm nenhum acido prussico, opio ou outros in-
gredientes venenosos.
Como oABAirnA contra as falsificacoes, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp venham
estampados em lettras transparentes no papel do
lvrinho que serve de envoltorio cada garrafa.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras. _
Agentes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ra do Commercio n. 9.
A Agua Flortd *c Barry inmensa-
mente mais rica, mais refrescante e fortalecente
do que todo e qualquer outro artigo da sua classe.
Dignem-se experimental a urna vsz, qae quanto
baste para nunca mais nineuem querer usar ontra
seno este E' to delicada e etherea que a nin-
guem cauca o seu exquisito perfume, e ao mesmo
tempo to forte de pura fragrancia natural, que
prazer e de goso Batatar. Porm, leiter, cumpre
lembrar que nao ha seno urna Agua Florida
de Barry legtima egeauina; verifique se-lhe
a identidade, nao se aceite nenhuma ontra, e ver-
e-ha que nada deixa a deanjar.
Dr. Cernir Lei
HKDIIO
Tem o seu escriptorio a ra do Marque da
Olinda n. 53 das 12 a 2 horas da tarde, desta
hera em diante em sua residencia ra da Saa-
Cruz n. 10. Especialidades, molestias dase-
hora e enancas. m
2GI959
Depaaaado nos nUimea .numar*s desta ioUuvaob
a epigraphe cima, com um annuncio que, pela in-
sistencia de sua publicaco, revela da parte deqaem
o fes a eanaa d'unr inimtge-gratuit eosidsssnan-
dos Vom espirito trefega, qae aso trepida ata Asn-
ear ms d'um meio abjecto para amasquinhar a
posico de quem quer que seja e vilipendiar aquel-
les, que gozam o conceito a estiaa dos horneas
de bem: tenho declarar qaa" nanea trre-trasB-
accoss da'ordem al grima com o anmuaciaate, nem
pretendo tez, o qual, sa julgaz.que prejudicaio
nos. se as interesses, pode recorrer aos tribanaes,
onde, de certo, Ihe hao de tazer justica.
Ao mesmo tempo protesto deixar sem reapoeta
qualquer annnncio ou artigo da nateoeza-alhali-
da; e asseguro que procurarei, contra qvem quer
que seja, fazer de qualquer maneira, dentro da
esphera judicial, respeitar os meus direitos a aco-
berter de certos assaltos a minha indtvidaa i-
dade.
E' dente do terreno da. legalidade que se ba-
tem os cavalbeiros ou os homens que se prezam,
que na arena da diffamaco, da intriga e da ma-
ledicencia faltam-me armai para biter-me e te-
rei gloria em ser vencido.
Recife, 30de Julho e 1886.
Dr. Mello Gomes.
Ao* Sra. aaslgnantes da grande edi
ca popular daa Viageti* Marari
IhonMM de Julio lerna e aoe noa
so cerretpsiideiilen.
Para evitar qualquer repiro, de algum asaig
nante desta publicaco, cumpre-nos declarar o
motivo por que nao temos observado lateralmente
urna das condicoes, alias insignificante, do res-
pectivo programma.
A pedido de muitos dos nossos eatimaveia as-
sirpiantes, deixmos de empregar a mesma cor da
percalina as encadernacojs das obras desta edi-
co para evitar a natural monotona resultante de
urna s cor em cincoenta volumes de que se coa-
pe a mesma collecca0) e tornar distinctas i vis-
ta qualquer das obras que fazem parte d'ella ;
isto dentro dos lmites da variedade de cores de
percalina, que actualmente se fabrica. Da sorte
que, quando urna obra se divida em dous ou mais
volumes. a cor da eneadernaco ser a mesma em
todos elles, variando nicamente do obra para
obra, emqnanto possivel fr. Este alvitre foi-nss
suggerido, como j dissamos, par muitos assigaaa-
tes dagrande edicto popular das obras de Julio
Verue, e estamos persuadidos que a mxima
parte delles, so nao todos, receberam, com applau-
so. a nossa resoluco.
Vem a pelo tambem dizermos duas palavras
sobre o motivo que nos levou a empregar nae
mencionadas eneadernacoes, percalina lisa em
vea de frisada ou granulada, como haviamos
teito prmeiramente. A mudanca de pudri de
percalina teve por dm obter maior nitidez de im-
presso as encaderuaeoes, o que seria impossivel
conseguir usando percalinas frisadas ou granula-
das, principalmente depais do successo que teve
este nossa edico, successo enorme que a fez aug-
mentar de alguns milhares ds exemplares, quintu-
plicando de um momento para outro a tiragem
primitiva. emais, a dittVrenc que^existe entre
as percalinas assim denominadas, nao determina
qualidademas simplesmentevariedade, o
que facillimo averiguar. Da preferencia qne
demos percalina lisa resulta indubitavelmente
sahirem as encadarna^des muito mais perfeitas, a
ntida a sua impresso, como se pode ver compa-
rando os volumes que toram encadernados em per-
calina de difierente padro com os publicados
agora.
Terminaremos pfdindo ais nossos estimaveis
correspondentes o favor de observartm rigorosa-
mente urna "das condicoes do programma da men-
cionada edico popular, que Ihes ds respeito,
maniendo invariavelmente o preco de 800 res em
cada volume brochado desta edico e de 1 200 os
encadernados, accrescendo a estes precos dez por
cento para a porte e registro quando enviados
pelo correio.
Qualquer alteraco de preco, alm de reverter
em prejuizo dos mesmos Srs. correspondente,,
dara azo a falsas e injustas aprecales, a que
nao desej"mos expor o nosso crdito, que muito
fresamos, e queremos conservar illibado como at
oje.
Francco Soares Quintas, o agenta das assigna-
turas para a Grande Ed5o Poular das Obras
de Julio Verne.
MEDICO
O abaixo assignado, que at agora assignava-se
Dr. Silva Britto,previne a seus collegas e a
publico, que, para evitar confusoes, que j teem
havido, por exercer nesta cidade, onde bastante
conhecido com o ultimo termo d'aquelle apellido,
um outro collega mais antigo, previne diz, que
d'ora em diante assignar-se-haDr. Joo Paulo.
Recife, 1 de Agosto de 1886.
Dr. Joao Paulo da Silva Brttt.
C, lloi'kmann
Usinas de cobre, iatao e bronze ee d
Golitzer Ufer n. 9 Berlim S. O.
Hapeealidade:
Constracf o de machi-
fias e apparelhos
para frnicas de assucar, destillafSes e re-
finajSes com todos os aperfecoamentos
modernos.
INSTALLAgAO DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimento filial na Havana sob
mesma firma de C. Hecktnann
C. e San Ignacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebru'der
EIODE JANEIRO
Para informacSes dijamse ai
Pohlman &C
M lio Goninio 1.10
Licor depnrativo vegetai] iod^.o
DO
Medico ^uintella
Este notabilS8mo depurante que vem precedi-
do de to grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheumaticas
e de pelle, coma tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgcas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, inflamma-
coes visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou qaeda
do cabello, e as doencas determinadas por satu-
raco mercurial. Do-se gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
especifico nos hospitees pblicos e muitos atteste-
doVde mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revender. r
Deposito em casa de Faria bobnnUo a ^.
Roa do Mrquez de Olinda n. .
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o seu consultorio e residencia roa
Livramento n. 31. i andar. Consultas de llibB-
ras da manha as 2 da tarde. Chamados por es-
eripto a qnalquer hora. Especiaudade :febres,
parios e molestias de criaacas.
Oculista
Dr. Ferreira da Silva, coa-
saltas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e conanltoria, n. 20 rna
Larga do Rosario.

aaUBHaHHsal


Diario de PernambucoDomingo 1 de Agosto de
!S6

I
V
1


I
Eiposlcao Sol Americana en
Berliai
APPELLO AOS PBODCCTOBES DE PERNAMBUCO
A commissSo abaixo assignada, incum
faida pola presidencia da provincia de or-
ganisar ama certa copia de productos na-
turaes, industriaos e artsticos que possam
com vantagem representtar a provincia na
grande Expsito Sul Americana, que se
tem de realisar ero Berlim no dia 1 de
Setembro prximo futuro ; serve-se hoje
da imprensa para fazer um appello a todos
os productores de Pernambuco, e, em ge-
ral, a toda a populacho da provincia, com
o fin da pedrr-lhes que corrcspondam, do
melhor modo que puderem, as bons dse-
los nao s da commissao como do goveruo
e do Centro da Lavoura, anxiliando a dita
commissao na acquisc3o dos alludidos pro-
ductos.
O presente appello extensivo a todas
as classes da nossa sociedade, e dirige-se
em grande parte as senhoras pernambuca-
nas que trabalham em flores, tapecarias e
toda a ordem de bordados.
A commissao, dispondo de muito pouco
tempo para a sua tarefa, pede a todos os
que desejarem expor os seus trablhoa ou
productos, que os remettam, com as devi-
dat indicacSes, para o estabelacimento do
, Sa. Joseph Krause & C, ra Primeiro
. de Marco n 6, e isso at o dia 10 de Agos-
to vindouro.
Conscia de que ser ouvido o seu appel-
lo, a commissao desde j agradece a todos
aquellos que se dignarem auxilial-a
Recife, 23 de Jnlho de 7886.
Viscondo da Silva Loyo.
Barao de Serinhaem.
Antonio Gomes de Miranda Leal,
Jlo Fernandos Lopes.
Joseph Krause.
Jos Fiuza de Oliveira
Andr Maria Pinheiro.
CLNICA.
de parto*.
molestia de enfloran
e de criancas
Dr. Joo Paulo, medico aggregado do hospital
Pedro 11, d'esta cidade, com pratica e estados es-
peciaes as principaes maternidades e bospitaes
de mulher08 e de enancas de Pars e de Vienna
d'Austria, faz todas as operacoea obsttricas e ci-
rurgicas concementes as suas especialidades.
Consultas das 12 s 3 hora3 da tarde, na ra
larga do Rosario n. 26, primeiro andar.
Residencia. Ros a Imperatriz n. 73.

Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, muriou seu consultorio, do 2.
andar da casa n. 45 rus, do Bario da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde. Residencia
ra Sote de Setembro n.3 A.
8
Conultorio medico-eirurgico
O Dr. EstevSo Cavalcante de Albuquerqne con
:nua a dar consulta medico cirurgicae, na ra
do Bom Jess o. 20,1 andar, de meio dia as 4
horas da tarde. Paras? demais eonsulta e visi -
tas em sua residencia provisoria, ra da Aururn
u. 53, 1 audar.
a. : i.. ;.. i. cousdltorie 05 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacaa,
Nd'nl'.t tdseus unnexos.
) Escola particular
Mara dos Aojos Dornellas Cmara,
profcSBora particular, contina a lec-
cionsr, oa casa de sua residencia ra
Duque de Carias n. 70, 2' andar, as
materias que cjustiUem a icstruccio
primaria, e os trabslbos de agulha e
bordados. Oezerciciod'este porespaco
de mais tres anuos um garante de
suas habilitaces, e espera merecer dos
pas de familia a subida honra de lhe
confiarem suas filhas.
A' tratar na casa cima.
I
-
Dr. C0B1H0 LBltB
Medico, parieiro e operador
Residencia ra da Imperatrit n. 48, 2." 'andar.
Consultorio ra Duque de Casias n. 69.
Da consultas das 11 horas da manda s 2 da
tarde.
Atiende para 98 chamados telepboue n. 449 a
qualquer hora.
COMMERCIO
Bolsa commerclal de *ernam
J>uco
RECIFE, 31 DE JLHO 9E 18bb.
As tres horas da tarde
'oatit* ulfinac*
Nao houve.
O presidente,
Pedro Jos finio.
O secretario,
Candido C. (i. Alcoforade.
ttNblftUvMUfc PUBLILUS
Mes de Jnlho de 1886
.ALFANDEGA
Rekda qkral
De 2 a 30 154:134*975-
dem ds 31 .17:801*945
Dr. Feraandes Barros
Dledico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia i 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
EDITAES
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do civel desta cidade do Recife da
provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gestade o Imperador, a quem Deus
guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem em
como por este meu juizo se ha de arrematar a quem
mais der findoj os das da lei:
Tres prelos de typographi sendo uta prelo
grande de n. 4,000, avaliado por 300J.
Um outro prelo m"nor de n. 4,039 em mo esta-
do avallado | or 150*.
Um outro prelo n. 233, tambem em mo estado,
avaliado por 100*.
Sendo os dous primeiros americanos, e todos el-
les com as competentes ramas, penhwados a firma
rdulhert & C, por execuco de Joaquim Manoel
Ferreira de Souza.
Toda a pessoa que em dito prelos quizer lancar,
o poder fazer nos das da praca.
E para que chcgue ao conhecimente d? todos,
mandei passar o presente que ser publicado e al-
uzado no lugar publico do costume.
Dado e paasado n'esta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 26 dias do mez de Juiho de 1886.
Eu, Pedro Tertuliano da Cuuha, escrivo, es
crevi.
Joaquim da Costa Ribeiro.
Juizo dos teitos da fa-
zenda nacional
Escrivo liego Barros
O Dr. Alvaro Barbalho Ucba Cavalcante Juni r,
juiz substituto dos feitos da fazenda desta pro-
vincia de Pernambuco. etc.
Faco saber a todos que o presente virem e dclle
tiverem noticia, que no dia 6 do vinduro mez de
Agosto, peas 11 horas da manila, depois da au
dienciae perante este juio se vender em praca
publica os bens seguintes :
Um sobrado de um andar e soto interno, sito
ra dos Guirarapes n. 50, freguezia de S. Fr.
Pedro Goncalves, edificado em terreno foreiro de
marinba, um tanto arruinado, pertencente aos
herdeiros de Antonio Alves Barbosa, avaliado
por 2:000*000.
Urna carraca de caixSo e um boi manso, que se
acham depositados no poder de Antonio Joaquim
Moreira, dono da cocheira sita rna de Santo
Amaro n. 1, e que dever estar na portada casa
das audiencias vista dos concurrentes misma
prava, avahado tudo por 150*, pertsncent's
Manoel Pacheco da Assumpco ; sendo todo. os
boas cima mencionados levados praca por exe-
cuco da fazenda nicional.
E para constar mandei passar o presente edital,
que vai per mim asignado.
Eu, Jos Francisco do iego Barr s, escrivo,
o eci evi.
Alvaro B. Ucha Cavalcante Juni.)-.
Juizo dos feitas da fazenda na-
cional
Encrivao neg Barren
O Dr. Jos Manoel de Freitas, desembargador ho
norario, ifflcial da imperial ordem da Rosa e
juiz privati fo dos feitos da fazenda desta po
vinci-i de Pernambuco, etc.
Faco saber a todos que o presente virem e delle
tivrewi noticia, que no dia 6 do vinduuro mez de
Agosto, pelas 11 horss da manb, depois da au-
diencia e peranle es?e juizo, se vender em praca
publica 03 bens seguintes :
Urna casa terrea de tijolo e cal, sita ra dos
Pacos, na freguezia de Afogndos, com um fitio
contendo ps de coqueiros e outras arvores fru
tiferae, dous vivciros de criar pcixes, grande t*r-
reno de plantacao e [asto, pertencente a Minoel
Duarte Vicira, avahada por 1:0005.
Urna cata terrea de tijolo e cal. de port* e ja
nella na frente, sita travessa do Lima n. 5,
ra Imperial, fieguezia de S. Jos, perteuceiitu
aos herdeiros de Mainel Perei.a Magalhes, pelo
valor de 750*, por quauto fol adjudicada faz in-
da nacional, sendo todos estes bens vendidos por
execuco da fazenda nacional contra os meemos.
E para constar, maudci publicar o presente, em
que me assigno.
Dado e p.issado no carforio dos feitos da facen*
da nacional, aos 28 de Jnlho de 1886.
Eu, Jos Francisco do liego Barros, escrivo,
o escrevi.
Jos Mmoel de Freitas.
Rbkda raovmciAL
De 2 a 30
dem de 31
Total
58:578*228
1:416*516
471:936*920
59:994*744
Rbcmbdobia D 2 a 30
dem de 31
Cossulado pbovihcul D dem de 31
RsCiTB DRiVNiO
dem de 31
-De 2 a 30
531:931*661
25:230*590
1:654*183
26:884*773
129:321*884
4.419*173
133:741*057
13:465*640
1:119.038
14:584*678
Edilal n. 2
O admioistradir do Consulado Provin-
cial, faz publico a quem intiressar possa,
que em cumprimento da portara n. 35 ex-
pedida em 24 do corrente pelo Illm. Sr.
Dr. inspector do Thesouro, ser ffectuada
por esta repartilo, no espado de 30 dias
uteis, contados da data pr.-beute e livre de
multa, a cobranca, conforme a relayila in-
Para New York, Pohlmsn & C. 5,000 saceos
com 375,000 kil s de assncar mascavado ; Burle
i. C. 445 taceos com 33,373 kilos de assueai mss-
cavado ; H. Fors'er 4 C. 310 saceos com 23,250
kilos de a-tuenr mascavado ; F. Caaeo & Filbo
188 saceos com 14,100 kilos de assucar masca-
vado ; F. A. de Azevedo 55 saceos com 4,125
kilos de assucar mascavado.
Para o interior
No patacho nacional Luita de Vieenze, car-
regaram :
Para o Rio Grande do Sul, P. Carneiro & C.
32/ 00 litros de sal.
No lugar nacional Loyo, carregaram :
Para o Rio Grande do Sul, Amorim Irmos t
C. 30 pipas com 14,400 litros de agurdente.
No hiate nacional D. Antonia, carregaram :
Para Aracatr, P. Alv-s & l). IR volumea com
753 kilos de assucar branco c 15 dit>s cm '.K33
ditos de dito mascavado ; M. A. Seuua t C. li
barricas com 603 kilos de aaaucar branco.
No biate nacional Correio de Maco, carre-
garam :
Para Maco, P. Alves & C. 6 barricas com 003
kilos de assucar mascavado.
Na barcaca Tres Irmos, carregaram :
Para o Natal, Amorim Irmos & C.
com farinba de mandioca.
fra, das annuidades e mais servicos da
Recife Drainage Company relativamente ao
2. semestre do ezercicio de 1885-1886.
Consulado Provincial ^do Pernambuco,
27 de Juiho de 1886. i
Francisco Amyntas de Carvalho Moura.
RELAgAO A QUE 3E REFERE O EDITAL SUFRA
Frequezia do Recife
Ras:
Mrquez de Olinda, Bam-Jesus, Alvares
Cabral, Commercio, Bispo Sardinba, Tor-
res, Tborn de Souza, D. Maria de Souza,
Vigario Tenorio, Barreto de Menexes, Ma-
riz e Barros, Burgos, Amorim, Moeda
Tuyuty, Companbia Pernambucana, Madre
de Deus, Domingos Jos Martina, Masca-
tes, Restauraeao, D. Maria Cesar, Viscon-
de de Itaparica, Pharol, Areal, S. Jorge,
Vital de Oliveira, Guararapes e Barao do
Triumpho.
Pracas e traveasas:
Assembla, Chaco, Pedro I, Vigario,
Madre de Deus, Campello, Domingos Jos
Martina, para o Corpo Santo, Antigo Porto,
Bom Jess, Arcal, para a FundiQo, Occi-
dente, Guararapes e Praca de Pedro I.
Beo'os;
Abreu, Noronha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Paschoal.
Largos:
Alfandega, Corpo Santo e Assembla.
Caes:
Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras :
Imperador, Primeiro de Marco, Duque do
Caxias, Cabug, BarSo da Victoria, Trin-
cheras, Laranjeiras, Larga do Rosario,
Rstroita do Rosario, S- Francisco, JoSo do
R.-go, Ilha de Carvalho, Roda, Patos, Ca-
lubouco Velho, Santo Amaro, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo,
Livramento, Penba, Visconde de Inha-
ma, Pedro AfFouso, Nova da Praia, Mar-
cilio Dias, ViracSo, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, Santa Thereza, 24 de
Maio, Palma, Mrquez do Herval e Ca-
deia Nova.
Caes :
22 de Novembro.
Prafa :
Pedro H.
Travessas :
Queimado, Cruzes, Mrquez do Recife,
Ra Bella, Quarteis, Calaboujo, Expostos,
Matriz, Flores, Carmo, Bomba, Livraruen-
to, Arsenal, 1.* o 2.* travassas da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Viraco, Lobato,
Becco do FalcHo, Pooinho e Concordia.
Beccos:
Travessa da Ra B-'lla, Calabougo, Ma-
triz, 1., 2. e 3. beccos da Camba, Fal
c^o e 1. e 2. da CaJeia Nova.
Campo:
Princesa.
Largos :
Paraizf, Carao, Pon ha, S. Pedro e Pra-
ceta.
Freguezia de S. Jos
Ruis:
Marcilio Dias, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joo, Palma, Mrquez
do Herval, 24 de Maio, Dias Carduzo,
Passo da Patria, Padre Nobrega, Victoria,
Cadeia Nova, VHal de Negreiros, Frei
Henrique, Dique, Assumpco, Domingo*
Theotonio, Padre Fluriano, Christov3o lk>
lombo, Jariim, Forte, Antonio Henrique,
Nogueira, Sania Cecilia, Santa Rita, Nova
de Santa Rita, S Jos, Praia de Santa
Hita, Pescadores, Ypiranga, Imperial,
Praia do Forte e Luiz de Mondonga.
Travessas :
Maityrios, Ramos, Pocinho, 0 aldereiro
G-z, Fort', Prat-i, Serigado, Copiares
Ra Azul, Santa Rita, Praia do Forte, S
Jos, Peixot', Matriz de S. Jos e Lima
Beccos :
Palma, Calderoiro, Gaz, ASsumpgS', 1.
becco da rui de Santa Rita o Matriz d: S.
Jos.
Largos:
Forte e Mercado.
Freguezia da Boa- Vista
Ras:
Imperatriz, Concaicito, Visconde de Pe-
lotas, Tamb, Capibaribe, Ponte Vclha,
Conde da Ba-Vista, Riachuelo, UnSo,
Saudade, Seta de Setembro, Hospicio Ca-
marita, Rosario, Gervasio Pires, Atalho,
Socego, Principe, Santa Cruz, S. Gongalo,
Coelho8 Hospital Pedro 2., General Sea-
r, Coronel Lamenha, Alegra, LeSo Co-
rnado, BarSo do S. Borja, Soledade, Vis-
conde de Goyanna e AttracgJo,
Travessas:
Gervasio Pires, Atalbo, Coclhos, Barrei-
ras, Veras, Quiabo, Joo Francisco, Man-
gueira, Campia o Palacio do Bispo.
Praga s :
Conde d'u e S nta Cruz.
Largo:
Campia.
Becco :
Coelho.
2o
saceos
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Lugar ingles Ka/ma, entrado de Terra Nova,
no dia 30 do corrente e consignado a Saunders
Brothers 4 C, manifestoa :
Bacalho 2650 barricas e 795 meias ditas sos
consignatarios.
Barca norueguease Kakon Jar, entrada de
Memel, no dia 30 do corrente e consigdada a Pe-
reira Carneiro & C manifestou :
. Madeira de pinbo 12598 pranchoei ordem.
^FADBS DEKXP0RTACA0
Ex 30 de Jnlho de 1885
Para o exterior
No patacho ingles Camele, carregaram :
MOVIMENTO DO PORTO
Navio sahido no dia 31
Maco 8 dias, hyate nacional Deus te
Guarde, de 90 toneladas, mestre Anto-
nio A. da Silva, equipagem 5, carga
sal; a Rartholomeu Lourengo.
Navios sahidos no mesmo dia
Bahia Lugar inglez Kalmia, capit2o G.
Bu88 3ll, carga ba- alba".
MacoHyate nacional Camelia, mestre
Joaquim T. de Araujo,'carga varios g-
neros.
VAPORES ESPERADOS
DECLABiC
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. inspector desta reparti-
cfo, taco publico que do dia 2 de Agosto prximo
vindouro em diante comecam os pigamentoa dos
vencimentos dos empregados provineiaes, em li-
quidaco do exercicio de 1885 a 1886, conforme a
collocaco seguinte :
Nos dias 2 e 3, profeseoras de 1 entrela.
No dia 4 de 2 dita.
No dia 5 de 3* dita.
Nos das 6 e 7, proiessores de 1* entrancia.
No dia 9 de 2* dita.
No dia 10 de 3" dita e escolas nocturnas.
No dia 11, Thesouro,Juizo, Instruccao Publica,
Bibliotheca e Sade Publica.
No dia 12, Assembla e Secretaria do Governo.
No dia 13, Casa de Detenco e Illuminacao.
No dia 14, Escola Normal e Gymnasio.
No dia 15, Consulado.
Nos dias 17 e 18, Aposentados e Coadjutores.
lagadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 27 de Juiho de 1886.
O escrivo da despesa,
Sil vino A. Rodrigues.
Colanilla Ponan la Na-
Esta companhia, no intuito de melhor servir
aos interesses dos senh^res passageiros, resolveu
fazer um abate de vinte por cento em suas passa-
gens de ida e volta, padendo esta ser utilisada
dentro d-j praso de tres mezes, contados da data
do dia cm que furem compradas as referidas pas
eagecs. Recife, 28 de Juiho de 1886-
Institu o Utterarlo oiandcu.se
De ordem do Sr. presidente faco publico que as
sessoes do Conselho Administrativo sero celebra-
das nos primeiros o penltimos domingos de cxda
mez, s 10 horas da manb
Secretaria do Instituto Litterario Olindense, 29
de Juiho de 18860 1. secretario, Samuel Ai. de
Lima Botelho.
Club Internacional de
Regatas
De ordem do Sr. presidente deste ch'b, tenho a
honra de convidar aos senh res s icios para a reu-
n.o de assembla geral, ine dever ter lugsr as
11 horas da manh de 1- de Agosto vindouro, na
sede do club, afim de proceder-se a eleico dos
novos funeciouarios para o anno de 1886 a 1887,
prestaco de contas da actual administraco, f.
outros assumptos de iuteresse social.
Recite, 27 de Juiho de 1886.
Pompeo C. Casanova,
2- secretario.
C. C. E.
Club Commereaal I2uterpe
Assembla zeral
Por ordem do Sr. presidente, c>nv lo todos os
eocios quites para c un o cofre soe a a c impare-
certA bi tl<: de-t.* club s 7 horas >la noite de6
de Agosto prximo, para era asamblea g>'ral tra
tar se da eiminaoto dos socios em atraso.
Secretaria do !lub C-mrnercial Euterpe, 29 de
Juiho de 1886.O secretan.).
Francisco L> Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. l)r. engeoheiro ehefe,
faco publico que no dia 3 do mes prximo vindou-
r<,aomeio di*, recbese nesta secreta'!* pro-
dostas para a exeeticJo dos r-paros do acude de
S. Bento, oreados em 2:2438!J8.
O ornamento o inais condico-s ilo c-)ntrat> se
acbam disp^ic.-io dos suuhores pretendentes,
para serem examinad s.
Secretaria da rep*i-'ii,o das obras publicas de
Pernambuco. em 12 de Jnlho de 1886.
U secretario,
Joo Joaquim de S. Varejao.
Cha preto
As qualidades me-
lhores e mais escolla-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Siiiden, n. 48 ra do
Barao da Victoria.
Recebeu de impor-
tadlo directa e vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.____
Compauliia de EdUieaeoes
O escriptorio desta
companhia acba-se in-
stallado na pra^a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucc,es e reconstruc-
c,es.
Kecebe se informa-
^es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes qaieiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesinoescripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
Estrada de ferro de Ri- tos da otaria mechani-
beiro Bonito |ca do Taquary, pro-
l\ priedade da e s m m a
companhia.
"SEGUROS"
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenls Per-
nambucana
Puado Commercio n. 8
Sil0R3
UONTRA FOGO
hc Liverpool hrnrHIo
INSURRA\CE COMPANY
H
fondn and Braaillan Bank
Umlted
Roa do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capelliatas n 75 N-
Porto, ra dos Inglezea. ________
Gompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelcida em 1m&&
CAPITAL 1,000:000
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 18S4
Martimos..... .,0:000^000
Terrestres,.. 316:000^000
44-Hoa do (ommereio-
I
afiiTiios
Jaguaribe do sul hoje
Patagonia da Europa boje
Espirito Santo do norte a 3
Seneyal da Eurapa a 3
Mrquez de Caxias da Babia a 4
Ville de Bahia do sul a 6
Vle de Cear da Europa a 5
Para do sul a 6
Finance do sul a 9
Mondego da Europa a 10
Cear do norte a 13
Merchant de Liverpool a 13
Trent do sul a 11
Mandos do sul a 16
PftroyoUt de Hamburgo a 20
Bahia do norte a 23
Orenoque do sul a 25
Espirito Santo do sul a 26
La Plata do sul a 29
Escola de aprendizes
marinheiros
Pela secretaria da escola de apn
nbeiros de Pernambuco convidado o negociante
JoSo Rodrigues de Moura, para comparecer nesta
PMola no dia 5 de Agosto, s 10 horas do dia,
ahu< de assignar o contrato de fardamento a que
se propoz em 8 de Juaho de 1886, aob pr-nna de
inscrever ass multas previstas nos regulauentos
em vigor.
Secretaria da escola de aprendizes marinheiros
de Pornambuco, 30 de Juiho de 1886.
Ernesto Jos dj Souza Lea!,
Oficial de Fazenda.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chef*
faco publico que. em virtude da ordem do f.xui.
Sr. vice-presilente da provincia, vai de novo
praca no dia 3 do mez vindouro, ao meio dia, a
obra de reparos da cadeia de Iguarass, servmdo
d base o abate de 24 0(0 sobre o valor do res-
pectivo orcamento, offerecido por Ismael Gau-
dencio Furtado de Mendonen.
Secretaria da repartico das obras publicas, 22
de Juiho de 18S6.O secretario,
-iodo Joaquim de Siqueira Varejao.
Gabinete JTortnguez de
Leitnra
De ordem do Ezm. Sr. presidente do conselho
deliberativo, convido es senbores conselheiros a
reunirem se segunda-feira 2 de Agosto, na sede
do Gabinete, para se proceder a teitura do rela-
torio da directora, e decidir-te sobre o modo de
efiectuar a festa anniversaria.
Secretaria do conselho deliberativo de Gabinete
Porluguez de Leitura em Pernambuco, 29 de Ju-
iho de 1886.O 2 secretario,
Alfredo C. Cousseiro.
IlM teraios do | nico do art 4 e arto. e 9
2 Jos estatutos, convida esta directorio aos se-
nbores accionistas para reuoiheri-m o Ljudou dr
Brasilian Bank, a segn Ja prestaco de 10 0|0
do valor nominal de cada accao, a comecar desta
data 60 dias.
Recite-, 20 de Juiho d-- 1886.
O gerente,
Ilypp-'lito V. Peder ae i ras.
Iroiandade do Divino Es, irllo
Sanio du Recife
Cuiiseiho Ii-.cnI
Pr:meira s<'so ordinaria
De cooformidade com o art. 68, convido ais
raos ex-jnizes e bemf itoreg a se rennirein em o
nosso consistorio d.mine', l' 'i'- Agosto, pelas 11
horas do dia, afi-n di- itar-s curnpriment) no
objecto du qu^ trata a Ia parte do art. 83, e a 2"
parte do art. 84 do noss'i coinsrnmisso.
Consistorio da irrasndads do Div'no Espiri'o
Santo, 29 ae Juloo de 1S>>.
O procurador ireral.
Paule Jos Alves.
Associa^o Portugue-
za de Beneficencia
2* assembla gcral ordinaria
Convido os s-nhores socios desta associaco a
comparecerem un sede social, diminiro 1 de Ages-
to prximo, s 5 h iras da tarde, afim de eleger
os poderes que tm de dirigir os destinos desta
aesociacao no anno social de 1886-87, conforme
preceiia o art. 34 dos nossos statutos.'
Secretaria da assmbla eeral da Associaco
Portogueza de Beneficencia, 30 de Juiho de 186.
O 2o secretario,
B. Aginar.
Preparados
DA
MALTINA MAMFACTRING C.
LONDRES
Oleo de ligado de bacalbo e lelte
pepItonlMado
Esta preparacSo taa saborosa que urna criaa-
ca promptamente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
VE
^aresaeo Costeara por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahybn, Natal, Macan, Mossor, Ara-
caty, Cear e Acaruhu
O vapor Pirapama
Segu no dia 5 de
Agosto, as 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 3.
HBdKSSSSP
Eucorninendas pnssagens e dinheiros afrete a*
s 5 horas da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pernambucana
n. 12 __________
COHPAKHlb ES HESSAtiG
KIEW HARITIMKN
IJNHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
Espera-se da Eu-
ropa at o dia 3 de
Agosto, seguin-
do depois da de-
mora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Bahia, Rio de Janeiro e Monte-
tevido
Lembra-se sos senhores passageiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne se ao ssenhores recebedores de merca-
dorias que s se attender as reclamsces por fal
tas nos volumes que forem recouhecidas na occa
sio da descarga.
Para carga, passagens, eucommendas e dmheiri
a frete: tracta-se com o
AGENTE
iugoste Lab'He
9 RA DO COMMERCIO-9
REIMS CHARfiElRS
Companhia Franceza de navega-
cao a Vapor
Linha quiizerial entre o Havre, Lia-
ooa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos
stemer Ville de Cear
E' esperado da Europa at
o dia 6 de Agosto, se-
guindo depois da indispen-
savel, demora para a Ha-
bla, nio de Janeiro
e llantos.
Koga-se aos Srs. importadores de carga p?los
vapores desta linha,aueiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng i_ ..-
quer reclamacao concernente a volumes, quj po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.arim
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
sarias.
Espirado o referido prase a companhia nio se
responsabilisa por extravos.
Kecebe carga, encommendas e passageiro par
es quaes tem ezcellentes accomodaces.
Augusto F. de Oliveira &
AGEXTES
42 RIJA DO COMMERCIO -ts
coiipamhi.% m: ECiUROS
NOltTHERX
de lOmirex e Aberdeen
PoHlcoflnanceira (Ueseabro 1S8S)
Capital oubsciipto 3.000,000
Fondos accumulados 3.l34,34fj
Rerclla annaal i
Dj premios contra fogo 577,330
De premios sobro vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John. H. Boxwe.
Rl 4 OO COMMEttCIO S.16 1- t\DtB
(Jompanhia
Imperial
Inaied sutes & Brasil Mail S. S. C.
0 paquete Finance
E' espera
at o
do
ado dos
sul at o dia 9
depois da demora necessaria
seguir para
i portos
de Agosto,
tlaranho. Para, Barbados, 9.
Thomaz e \cw-Vork
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster 4 C.
N. 8 RUADO COMMilRClO. -N 8.
1' andar
DE
teiramente disfarcar o oleo e as pessoas de diges-
tao mais dbil podem tomar sem receio.
Pepionoide de Carne
Um alimento nit'ogcuoso composto de consti-
tuintes solidas de leite bem cerno gluten do trigo
(livre de gomma).
Recommendado as convalescencas de qualquer
doenca, affeccoes pulmonares, febres, pneumonas,
gastrite, dysenteria e toda e qualquer debilidade
seja qual ior a sua origem.
Maltlna
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 3u vezes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at boje conhe-
cido, alt .mente apreciavel nos caaua de debilidade.
Alimento Souluwel de carnlcK para
crianca*
A analyse deste alimento demonstra que os seus
constituintes nutrictivos sao quasi idnticos com o
leite materno, p< r isto o alimento mais aperfei-
coado para crianca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Dopasito ra do Barao da Victoria n. 48
Hub Imperatriz
Sessio extraordinaria
De ordem do Illm. Sr. presidente, convido a
todos os senhlres socios a comparecerem domingo
Io de Agosto, s 10 horas da manb, na sede so-
cial ra da Imperatriz n. 42, 1' andar, para
tratarse de negocios urgentes e de interesie so-
cial. Recife, 29 de Juiho de 1886.
O tesoureiro,
Augusto Jos de Asevedo Maia.
MEGUROS contra FOGO
EST: 1808
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuixoe
CAPITAL
fts. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
* N. Ra do Commercio N. 5
ves
AGESTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N.
Seguro* martimos e terrestres
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seg urad> s isempcao de paga
ment de premio in cada stimo auno, o qne
equivale ao d-r-vwnto de cerca de 15 por cento em
favor dos a:.-. ..dos.
COMPANHIA DE SBGOBOS"
COXTHA FOGO
Nortb British & lercantile
CAPITAL
t.ooo.ooo de libras serllnaj
A O EN ES
A (I a huso ii Howie & .
Companhia BahJana de navega-
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
0 vapor Hamaaz da Caxias
Commandante Nova
E' esperado dos oorios ci-
ma at o dia 5 de Agosto
e regressar para os mes-
mos, depois da demora docos-
tume.
Para carga, passagens, encommendas e dinheo
a frete tracta-se na agencia
7Ra do Vigario7
Domingos Alves Matheos
Pacific Sieam lviplion Company
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Patagonia
Baha, Rio de
E' esperado da Euro-
pa at o dia 1 de A-
gosto, e seguir depois
da demora do costume
'para a
Janeiro, Monte-
video e Valparalzo
Para cargw, passagens, e encommendas, tracta-
e com os
AGENTES
WHson Sons C, IJndted
S. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
Lisboa e Porte
E' esperado nestes das o patacho nacional
Osear e segu com brevidade p'ara os portos ci-
ma, por ter quasi toda a carga engajada ; para o
resto que falta, tnta-se na ra do Marque* de
Olinda n. 4.
^i


Diario de PernambucoDomingo 1 de Agosto de 1886
5
i

1
t
DE
Xavegaco costeira por vapor
Fernando de Joronha
0 vapor Giqui
Segu no dia 10 de
Agoto, peina 12 far-
ras da manhfi.
Recebe carpa at o
dia 9, e paaaagens at
As 11 horas da inanh
dodia 10.
ESCRIPTORIO
rae3 da Compaahia Peraaas!B-
cana o. **_
Cois;.-. i isr:t< llclra 4o Jbave-
PORTOS DO SUL
Vapor Espirito-Santo
Commandante Joao Mana Pessoa
E' esperado dos ,ortos do
noiio ateo Uia 1 de Agosto
e. depota da demora in
re, seguir* para
t ua portea do sul.
Recebe tmiib :;nt_>B, Pelotas
R.'o r nde d > Su!, trefe modic
Fiu -ja, enci'mmendas 9 valares
trata- uct*
X. 11 RIJA DO JOU.UKIUK) N. 11
t'a>tteB..VtBl
JairG
Attenco
Houve urna mesa peral da irrealidad" de San-
t'Ann* d:i Snnta Cruz, para tratar e de catacum-
bas; o actual juis d irnandade erra a leuibran-
oa de testas a o mais que se sega*, o que fes a
este respeito? Responda, Sr. ViMla. Isto deseja
saber
0 asucareiro da cosinha do eupin-mr.
* \
Micei, Pe
O vapor
is'41 &>litl;<-
DE
i^o L'oHcira por Vapor
PORTOd 1') SUL
Aracaju' e Baiiia
Jaguaribe
llegue no dia "i dt
Agosto, 8 5 horas da
tarde.
Recebe carga j-J o
Jia .
Encommendas, passa_v. ,s dinhew fete at
ts 3 horas da tar.ie do dia da part'da.
ESCRIPTORIO
Ao Cae a Qmpanhin Perv-ambucaim
n. 12
Rio Grande c Pelotas
begue oom nrevWiMle para o porto cima o
patacho nacin* I Social, r. cebe carra : a tratar
com Bailar Hveira ft ., iua do Vigario n. 1,
primeiro andar.
Anua Lenidas e Fi-
gneiroa Faria
FiancUcj de Figaeira Fari.i e seus filhos con-
vidam a todos os ecus percutes amigos para
assistirein as missas que por alma c'a sua nunca
esquecida cs;>. .sa e mai, man iam celebrar no dia
5 de Agosto, nj convente de S. Francisco, s 7
horas da mai ha, Io aniversario de seu pr.ssa-
mento. Desdo j antecipair. seus sinceros agra-
docimentos a todcs aqurl.'es que se dignsrem as-
aistir a este acto, dando aesim urna prova do sua
HOB'swdfi p car dade cluista.
+ ., t f
Constancia le Slita Honleiro
Jos Maria Monteiro e seus fllhos, agradecen]
do ntim-i u'aluia a tonas as pesaoaa quo se dig-
naram aciuipanhar os ivstus mortaes de sua pre-
zada til ha, Constancia de S. Monteiro e de novo
8 convidara para assisir a missa de stimo din.
que ter lugar S'-gumla-fcira 2 de Agosto, na
groja de N. S. do Carnio, as 7 horas da manha ;
deed-' j M' conf-ssain agradecidos. ________|
a
De urna armacao envidracada, bacas, bah', boi
caes, chamins, candifiros, latas para doces, ca-
ecos, candelas, machinaa para caf, regadores,
chaleiras, abecedarios, esp^lhot, urna magnifica
pndula (reguladora), ferramentas proprias pa-
ra cuicioa d tunileiro e I cofre frsncez.
Terca feira 3 do Agosto
A's 11 lioras
POR INTERVENCO DO AGENTE
Alfredo Guiraarcs
Na officina de fiinileim na do B>m Jess n. 53.
CflO
De bons movis, csp'Ihos c quadros
SENDO:
Urna pxcellente mohiliade jacan n.l com 12 ca-
deiras de guarnieo, 2 ditag d^ bracos, 2 ditae de
balane.0, 1 fcuf, 2 coiis l.'i1 e jardineira com tam-
po de pedra ; 1 grande Mp^lh ova!, 2 ditos c.m-
pridos para canslos e 2 ditos pequen s ovaes com
bonitas molduras douradas, 3 pares de jarros fi-
aos, tapete grande para s<.fa, 5 ditos pequeos
para porta, 1 cama tranceza, 1 guarda-vestido
de amarellu, 1 toillett, lavatorio o in cspelh", 1
raeia commoda, 1 cabide de columna, 1 caudiciro
ae Bz e 2 escarradeiras.
Urna mobilia de phantasU entulhada, 2 cadei-
ras de bala.ico de junco, 2 cadeirag (eepreguica-
deiras) eutalhadas, 1 mesa elstica de quatro ta-
boas muito solida, 1 guarda-kuca aparadores, 1
marquesa, 12 cadeiras de junco, 1 quartiuheiro, 2
marquezoes. 2 meias cnminodae, 1 cadeira para
erianca, 1 banca para jogo. 1 brco, 1 relogio de
parede, 4quadns, i mesa para escriptorio e ou-
tros muitoa movis do uso de urna familia.
Quarta-feira 4 do corrente
A'8 11 horas
.Va ru do Mrquez do Heroal n. 112, aii-
tipa ra da Concordia
O agente Martin, f*r leilio d>s movis e mais
objectoa cima descriptis iih casa ein que merou o
Sr. Joaquim Bernardo dos Rcis, na da Concor-
dia n. 112^_________________________________
Rio-Grande do \>rle
Leilo
A 9 de .\goslo
O agente Odilou vender un leilo publico, na
jidade do Natal, no dia 7 de Agosto proxim, o
patacho no-uegnense Land.
AVISOS DIVERSOS
' CuNioiiio Floro da Silva Fragofto
A mi, irmaoa e ent.h dos do finado major Cus-
t.-dio Floro da Silva Frazoae, acradecem de cora-
cao todaa a pesaos de sua amiade que Ibes
fizeram o caridiso obsequio de acompanhar ao
cemiterio publico os resti,8 mortaes daquelle, teu
idolatrado filh> e irmilo ; e de novo Ihes rogam o
cnmpareeiuv'nto as missas do stimo dia, que se-
ra.! c-lebradas naa matrizes da Boa-Vista Qesta
cidade c da de Palmares, pelas 8 horas da ma-
nha do dia 2 do Agosto ___
A GRACIOSA
Nova loja de militas
N. 7RA DO CRESPON. 7
DUARTE & C.
Os proprietario8 deste estabelecimento, tendo o preparado com esmero e 'ele-
gancia, convidam as Exroas, funilias para visital-o, afianzando que encontrarSo aem-
pre uro variado sortimento de objectos de moda e phantaaia, por prejos summamente
mdicos, como a'guns que em seguida designara.
Carrite8 de linha para machina a 80 rs.
Ditos de retroz'de 100 jardas a 200 rs.
Ramos do flores finas a 10000 o 10500.
Babados c entreme.ios, d* 500 a 30000, a peca.
Baleias para vestido a 300 a duzia.
Ditas cobertas a 700 rs. a duzia.
La para bordar a 20800 o maco.
Espartilhos para senhoms Ditos para meninas a 40500.
Extractos tinos para lenyo de 10000 a 40000 o fraco.
Luvas de seda do cores 20000 o par.
Ditas rendada8 a 30500 o par.
Ditas de pellica a 20500 o par.
Majos de grampos a 20 rs.
(aixas com colxetes a 60 rs.
P para dentes a 200 e 500 rs. a caixa.
Vasos com opiatas a 10000.
Escovas para dontes de 200 a 500 rs.
Alunis a 80 rs. a carta.
Fita de linho a 40 rs. a pega.
Punhos e collarinhos bordados para senhora a 20000.
Iavisiveis para o cabello a 200.
Lencos cora baria a 20000 a duzia.
Agulhas a 20 rs. o papel.
Ditas fundo dourado a 80 rs. o papel.
Cabos de agulhas para crochet a 200.
E muitos outros artigos taca como fitas de diversas qualidades, leques de papel,
de setineta e de sotiro, plisss de carobraia e de seda, albuns baratos e de finaa qua-
lidades, sapatos para meninas, senhoras, e homena, tudo por precos admiraveis.
tirande e bem mentada officina de alfaiate
ERAL
ALLAiN PATEi.SOiX lt C
N. 44-Ru do firum-N. 44
JUNTO A !S TAPO DOS BONOS
Tem para vender, por pre mdicos, as stguintes terragen:
Tachas fundidas, batidas caldeadaa.
Crivar;oe8 de diversos tain-mho..
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idera, idem.
Varandas de trro batid.
Ditas do dito fondn-), lia-ion
Portasd fornallia.
Bancos de ferro com serra circular,
fradeamento para iardim.
Vapores de torca de 3, 4, 5, ti e 8 cavalios
Moendas de 10 a 40 pollcg."
Rodad d'agua, systemaLeanio.
Encarrcgam-se de conciertos, e assentamento de machinismo e execatam qaal-
traballio com perfeigSo e presteza.
DE
Mancx-i Antonio de Jeo
O Dr. Julio Cesar de Castro Jess, o bacharel
Augusto E. de Cas'-ro Jess (ausente), Olympio
de Jess Goncalves, Maria L-opoldina de Jesns
Carvalho, o capito Manuel Antonio Goncalves,
Autouio (Jomes de Mattus (ausente), The .dolinda
de Jess (auseute), Jos Fernandea de Carvalho,
filhos, genros e ora de Manoel Antonio de Jess,
cordialuiente agradecem aos amigos o parantes
que assistiram aus ofc.os fnebres e enteriamen
lo de seu prctadiesimo pai e sogro, n idgam-llies
o carni s" obseq:iii di comparceerem s missas
de stimo dia, que sonto celebradas ua matriz de
Santo Antonio e na capella do cemiterio publico,
as 8 horas da manh de 2 de Agosto. ____
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Barao da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor
timento de pannos, caseinirai', brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravatas.
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha ; o para berr
servirem aos seus amigos e freguezes, os propriotarios lestq grande esUbelecimentu
jro na direccao dos trabalhos Ha officina habis artistas, e que no curto espago de 24
horas, preparara um terc roupa de qualquer fazenda.
Ra do Bario da Victoria n. 41
(PREQOS SEM COMPETENCIA)_____________
Aluga-so casas a 8*000 no becco dos Cue-
ihos, junto de S. Gooc*llo : a tratar na ra da
mperatriz n. 56.________________
~ Bacharel-Ferreira d Menezes. advogado
com escriptorio ra de Santo Amaro n. 4, pri
ineiro aadnr.____________________
__ Precisa se de urna boa cosiubeira para casa
de fmil'a, paga-se bem : a tratar na ra do Ba
o da Victoria n. 39, loja.______________ __
IT"luga-~se o sitij do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodoa para nu
merosa familia, grande quantidade do coqueiros,
seis grandes viveiros, Juis cacimbas com excellen
te agua : a tratar no caes d<: Apollo n. 45.______
ALUG ^ SE a casa terrea n. 0 da ra do
Capitao Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos
osinba e quiutal cura cacimba : a tratar na ra
do Mrquez de 01 inda n. 8.____________
. il : ..
i_ :..
Maria do Cirmo de Houxa
Via n na
Joaquim de Souza Vianna Ferreira manda ce-
lebrar urna missa pela alma de sua sempre lem-
brada tia, Mura do Carino de Souza Vinnna, no
dia segundifeira 2 de Agesto, As 5 horas da
maulla, no convento da Peiiha.____________^^^
Assucarrefinado
Os refinadores scientifcam aos seus fregueses,
que forcados pelos precos do geoero em rama,
estabeleceratn a seguinte tabella, para o assucar
retinado no proxixo mes.
Especial 5S00 por 15 kilos
J aorte 53400 idem idem.
2' 4*500 idem dem.
3' 4*000 idem idem.
Recite, 31 de Julo de 1886.
Aviso
O abixo asignado protesta de hoj-, em diante
nao pagar debito algtun que soja contrahizo em
seu notne particular, a nao ser contiahido por ai
pessoalmente, o que faz publico para nao se cha-
de Jalbode 1886.
Antonio Correia Cardim.
marem a :gm r
ancia. Kecife, 31
Francisco
JOSEPH KRAUSE t
Acaban de augmentar o sen j bem conhecido
mportante estabelecimento rna \
de marf o n. 6 com mais
em salo no Io andar Inxnosamente pepar-
rado e prvido de urna expesi-
U fe m de prata do Porte e elMtrtfit^
dos mais afamados fabricantes do
mnndo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nnme-
rosos amigos e freguezes a visitaren.
o sen estabelecimento, aflm de
apreciarcm a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.
CHA-SE ABITO DAS 1 A'8 8 DA 11TB
J
__ Compra-ar fios de linho para o hospital
dio II : na ra Formosa n. 4.
Pe-
ApoliceN provlnclaew tle 9 O/O
Compra-sc BO Usgo do Corp) Santo n. 19, pn-
meiro andar. ....._______
__Pornecp-r-e comidas eoni j-r.'cis'o c pfi c i r^.
soavel: ra do Imperador 11. 54, 3 Mudar.
Na ra da Matriz da Boa Vista d. 3 preci-
sa-se de duas amas que tenham boa conducta,
sendo urna para cosite e que euteuda de tssar
bolos, eoutrapira lavar, .ngommar e ajudar ero
utros eervicos de casa de puca familia
Aluga-seo'2- andar n. 31 earmasen u.;39
4 ra do Imperador, e a loja do pateo do Terco u.
20 : a tratar eom Luiz de Moraes Gomes Fer-
reira. ^____________________
= Precisa-se, para 1- de outilbro, (le urna_ casa
com 5 ou 6 quartos, banho e jariim, qae aeja em
bom estado, na Magda'cna ou arrabalde : quem
ti ver dirija-se ra do Kispo Sardmha n. 1.
\os amigos
Com pono mc sanna multo
A correr cora lotera n. 68
Suppoodo-se que ha mudanca do plano psra
novas loteras, fita a rifa cima a correr com a
primeira a extrabir se n. 65.
Ama
Precua se de urna
casa de pouca familia
toria n. 57.
ama para cosinbar, para
na ra do Bario da Vic
Vende-se
o engenho Lage Formosa, pi-rto da estacao de
Calende, movida a agua e pode safrejar mais
de 2,000 pies de assucar. em casa de vivenda,
destilacao e mais obras, todas novas e ro ptimo
estado : a tratar no escriptorio ra oo Bom
Jesns n. 12.
Fumo desliado do Ro-Noy
l
DE
Frsitas Silva &
O niellior e o mai puro que (em
viudo a eMta orara
NICOS IMPORTADORES
Costa Lina & C. Ra do Araorira n. 37.
Almeida Machado & C. Ra da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio dos Santos Ras do Mrquez
de Olinda n. 5 c ra Prinieiro de Margo
n. 3.
Pretenco
Previne-se s quem interesanr pos sa, que a rea
compr.hendida da igreja d* Penha at o lrgo
das Cinco Prmtfcf, entre as roas das Calcadas e
Vidal de Negreiros, terreno foreiro, pertencente
ao an'igo vinculo Salvador Curado Vidal, cuja
aucceseora trata de habilitarse para haver os
respectivos foros u bem assini dos terrenos entre a
igreja do Espiriw Santo S. Francisco e Rosa-
ri?, como raelhor exlicar-se na na ra da Penba
n. i'3, loji.
Queijos do reino
Marca Juhaoan Pluym, aproititex era qcauto
tempo
600queijos vendidos a n-tailv im ei dias !
2*600 um queijo freaco
Em casa de
Charles Pluym & C.
24 Roa do Commercio'24
Re el fe
AO PUBLIO
QUEIJOS DO HEINO
Marca Johannes Pluym
No intuido de sustentar a fama adquirida por estes deliciosos queijos, isto ser i
Os melhores e os mais baratos
CHAKLES PLUYM &C,
Resolveram retalhar os queijos frescos da ultima reraessa a
2^600 UM
24RA. DO COMMERCIO-24
______________(RECIFE)
.miiiiiii'
Ozea Pd.
Ozea Sachet.
Ozea Essencia,
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Estas exquisitas preparaces sao ruuito apre-
ciadas ua mais distincta sociedade pela deli-
cadeza do seu perfume.
W?? R I E* ER'S.
TRANSPARENTDRYSTALS9AP
(Sabo transparente cristalino)
reconhecido como o mais perfeito de todos os sabaos de toilette pelas suaa
propiedades hygienicas, pelo seu aroni e pela sua larga duracao.
. Drpiilo as principa.} I'crfumarias, Farmacias,
'
Q
m
O
t
8

0

x
O
SU
V
o
as
<-+
O
ff2
g m
8-3
a?
s
E06BIQ MARgUESDEfiOLLAJI
e todas as molestias que tenh&o en* origen
na impurt do sa/igue devida a syphikfi
vHMMMWiTt
fk
totu/oj*ulo -&24 ji c&a+uxJladoMu, iuak
..jB*
10 EWTRAl D
) ;^ETBAL DE ft
--. -^
AI 6
DA F tOfiA 0RA8 U IRA
iT Ruado Vscofrde do Rio Brawtf
9---------RIO DE JA3JK1RO-*
1

s
g
o
o
l
o
CU
Til
I
Precisa-se de urna ama de meia idade : na ra
da Aurora n. 137.
A
\o$ 4:000S000
1
'LLUJL.U C/A
Rea do Bar So da Victoria b.IOj
e casas do costume
16-E.ua do Cabug-16
Acham-se vendo, os felizes bilhetes Acham-se A venda os venturosos bilhe
girantidos da 253.a parte das loteras fi tea garjntidos da loteria n. 65a em beneficie
oeueficio da Santa Casa de Misericordia do (]a Santa Casa de Misericordia do Recife,
Recife, (65.*), aue s* extrahir quando for qUU se extrahir quanao for annunciado.
md-.. rem |.RE0S
4U Integro 4)J000
2^000 Meio 200O
1,S(X)0 Quarto 1^000
porc de tOO#000 P Meado quantidade superior
cima par- a 10 0:OOO
35500 Inteiro 3^500
1^750 Meio 1(J750
875 Quarto 0750
Inteiro
Meio
Quarco
porcu
Inteiro
Meio
Quart
Jo3o Joaquim da Costa Leite.
Joaquim Pires da Silva-
Plalas pnrgalivas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuj.i prepsraco puramente ve-
getal, tcem sidj por mais de Oannos aproreitadaa
com 08 melhores resultados as aegnintes moles-
tias : affeccoes da pelle o do figado, sypbilis, bou
boea, escrfulas, chagaa inveteradas, erysipelae e
gonorrhas.
Modo de uai-as
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, Oendo-se apos cada dse um puco d'agua Biloca-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : tcme-se um piliiU aajaotatr.
Estas pilulas, d>- invencSo dos plmniiacuticie
Almeida An;!rade V Fllios. levfa vtridicium dos
Srs. mdicos par^i mi- ni"llior garanta, toruaodo-
se mais recominen purgativo e de pouca dieta, p*du que podem ser
usadas em viagem.
ACHAM-SE A* VENDA
a drogara de Faria Sobrlubo A C.
*t BA DO MAHQDEZ DE OLXRTDA 41
AOS iOiltli aos
Cura certa em 48 horas das infla-nacSes
recentes dos olhos, pelo colyrio prepara-
do por Jos PeJro RoJr:gu-s da Silva.
Emprega *e cate poderoso colyrio sempre com
grandes vantagens, uaa aeguiutea molestias :
Ophtalmiaa agudaa, purulentas e chronicaa, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito eral, na drogara de Faria Sobrinho
di C, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Para nformaces, aedirjam livraria Indus-
trial ra do Barao da Victoria n. 7, ou resi-
dencia do autor, ra da Saudade n. 4.
Elixir carminativo e Ionice do
pharmaceutico Te as
Renv dio que cura dyspepias, gastralgia e to-
das as |>.rturbacoes ligadns desarranjos de es*
tosasKu intestinos. Aconscihado por varios cli
nicos d i9 m tia conceituados desta cidade, acha-se
4 Venda e..c!u6v-mente na pharmacia americana
de A. i eras 4 C, ra Duque de Caxias nu-
mero 57.




6
Tnico
Oriental.'
\//. *
r.f
^^///\
REMEffi
AYER
sezOes
(mes agu CUBE)
oMunuBm scou ama
as
pebres IntennittenlesJ
emitientes eB'dksas;
as
Qtas.os Cahf&s,
r. TODAS AS
MestlasPaMosas.
I
Aluga-se
predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
taoelecimento fabril : a tratar na ra do Commer-
cio n. 34, com J. I. de Medeiros Reg-
Altiga-se barato
A casa n. 96 ra dos Guararapes.
A ra Lomas Valentinas n. 4
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Viseonde de Goyanna.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
escriptorio de Silva Gaimares & C.
Aluga-se moile barato
A casa grande 4 ra de S. Jorge n. 26, no
Recife, com 5 quartes, quintal e port&o.
Sitio e casa para familia, travessa do Moto-
colomb n. 4, em Afogados, com muitas fructeira*
e banho salgado.
Trata-se na ra de Santa Tberesa n. 38.
Aluga-se
a casa n. 1 ra Lcmbranca do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na na da Imperatriz
n. 32, 1' andar.
Piecisa-se de urna : na
ra do Cabug n 3, ter-
ceiro andar.
Ama para cosinbar
No largo do Corpo Santo n. 19, segundo andar,
precisa-se de urna boa cosinbeira. que d fiador
de sua conducta.
Ama
Na piaca do Conde d"u n. 7, 2- andar, pre-
cisa-se de urna ama quo cosinbe bem, para casa
de pequea familia.
Nulidades iiiiisicacs
Casa Vctor Pralle
55 RA DO IMPERADOR 55
Zefinha, polk, por Claudio S. Carneiro Leal 1500
Mae a sorte nao o qu'z, valsa em resposta
a bem poder ser minea, por A. de Al-
buquerque Gama 1 5IKKI
Porque nao ? valsa, por Tbiago da Fonseca 15000
Violamama, valsa, 2 edico 1000
Dolores, valsa, por E. Waldteufel 3 #500
Minha Rainha, valsa, por Couto Jnior 1500
Murmurios, valsa, por Domingos Jos Mar
ques 1*000
Calc I
Tonicn nota
Trilhos para engentaos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
nachinlsmc completo para en-
gentaos de todos os tamaitos
Systema aperfeicoado
Especificares e precos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
W. 5-Rim do Commercio
N. B Alm do cima B & C, tem cathalogoe de
mu i g implementos necessarios agricultura, como
.ambem machinas para descarocar algodo, mei
nbos para caf, trigo, arroz e milho ; cerca de fer-
ro galvanisado excellente e mdico em preco, pes-
goa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a.
fios w en!
Sem dieta esem modifi-
cares de costnmes
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo phar
maceulico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvados pelas juntas de bygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Paria.
Elixir de imbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejeccoes difficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os cblero-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os hydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recommt ndado na bronebite, na bemop-
8se e as toases agudas ou chronicas.
leo de testudus ferruginoso e cascas de
lar.injas amargas
E' o primeiro reparador d* fraquesa do orga
nismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as fferes intermitientes, re-
mittentes e perniciosas,
Vinho de jurub>-ba simples e tambem fer-
ruginoso, preparados em vinho de caj
Efficaze as inflammaces do figado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado as convalescencas das parturientes
oretMO antefebril.
Depaaito : Francisco Manoel da Silva 6s C.
Francisco lanoel da Silva k C.
23-RUA MRQUEZ DE OIJNDA-23
Diario de PerumbucoDomingo 1 de Agosto de 1886
KTICO
Preoaraco de Productos Vegetae*
extingo'das caspas
e outras Molestias Capillares.
JvlARTINS & BASTOS
Pernamhnec
Tricofero de Barry
Garante-ge que faz nas-
cer e ereecer o cabello aiada
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todaas impurezas do cas-
co Ab. cabeea. PositiTa-
mente impeda' o cabell*
de cahir ou de embranque^
cer, e infaUivelmente o
torna espes60, macio, lus-
troso e abundante.
//u.^
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao official de
nm Govermo. Tem duas vezes
raais fragrancia que qualquer outra
e dura o dbro do tempo. E' muito
mais riea, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
inais permanente e agradavel no |
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
rouxidao e debilidade. Cura as
dores de cabera, os cansaros e os
desmaios.
Xarope de Vida e Reuter No. 2.
ANTBS DS tnUIr-O. DEPOIS DE V!UlL-0.
Cura positira e radical de todas as formas de
escrfulas, Svpailis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cnfeneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdApCabello, e de todas as do-
neas do SngnSHgado, e Bins. Garante-as
que purifica, enjaece e vitalisa o Sangue
restaura e reoa*?a o systema inteiro. -., --'
I "l
Sabao Curativo de Reuter
11
All
APPROVACAO DA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS
O quinium Labarraque um Vinho eminentemeate tnico et febrfugo destinado substituir todas a
preparacoes de quina.
, J? 1uinium Labarraque contem todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
* O quinium Labarraque prescripto com vantagem aos convalescentes de doencas graves, as parturiente* e
a (Odas as pessas tracas ou debilitadas por urna febre lenca.
. "ornado com as verdadeiras pilulas de Vallet, sao rpidos effeitos que produr nos casos de Morse, ane-
mia, cores palhdas.
V
Em razao da efficecia do Quinium Labarraque, preferivel
comal o em copo de licor, no fim da refeico e as pilulas de Vallet anees. ^J&Z&j
Vende-se na mor parte das pharmacias sobe a assignacura : f
parte das pharmacias sobe a assignacura
Fabricaco e atacado : Casa L. FRERE .
19, ru Jacob, Paria.
________
J
Siiio
No Arraial, perto da estaco Casa Amarella,
vende se um grHiide sitio bem arborisado, com
riacho, grande c-sa de morada, proporedes para
criacao de vaneas e baixrs de capim, banheirs e
porta d'agua ; eete sitio o que pertenceu ao fi-
nado Francisco Jorge de Souza. Para informa-
coes, na fabrica Globo, ra larga do Rosario.
Aima-H
o V andrr n. 21 ra do Baro da Victoria : a
tratai na ra do Vigario n. 39, 1 andar.
Cadella esappapecida
Desappareceu da ra da Palma n. 71 urna ca-
della perdigueira de orelhas bem cabidas, com
colleir- de couro com as iniciaes A C P, e que
accode pelo nome de Cigana. Ser bem ecom-
pensae quem leval-a dita casa.
VERDADEIROT ~ DnVLIGUIDO
PURGATIVO Lll IlU i PILULAS
AieiEin
PHARMA@QI QTTIN
CERDBI DE LE OT
Os Purgativos Le Roy justificam
sua reputaca secular e sua superio-
ridade por milhares de curas; hoje sao
_^^doptado8 por toda a parte, de preferencia
j/a qualquer utro para cura rpida e pouco
PIRCIATIF LE ROl^ionerosadas
tutiu rncATivi do codb DCLcwiBX "^^LESTI AS CHRONICAS
mal conhecidas, mal curadas, e consideradas sem
razao como incuraveis. Nao existe medicacSo mais
A vis Essen^'iflcaz contra o8 humores, pituitas ou biles alterada
UUfca miullu mi k.auli-Xqae ProYocam ou entreteem estas longas affeccoes; nSo
2

Z*i
Un lophuLqoMi, a pi a.
rba reeonstituinte mais enrgico contra as reincidencias.
Rn de Se
Aflm de evitar as Contrafacoos :
Se devs recusar como ine/ficaz ouperigoso qualquer Purgativo
'Lie Roy liquido ou em pilulas que nao talas da 1 51
^Pharmacia Cottin, genro do Cirurgiao Eje Hoy J Ru de Seine
re nao trazendo a attignatura ao lado sobre o rotulo. \ PARZS
JSem cheiro nem xosto dos leos de Figados de Bacalhau ordinarios
OLEO
|de FIGADOS FRESCOSl
BACALHAU '
HOGG
1
Effleacldade certa contra a Molestias de Peito, a Tsica,
Bronquitis, PrisOes de Ventre, Tosses chronicas, Afreccoee escrofulosas.
ADVERTENCIA. Exiga-ae no rotulo o sallo-Azul do Estado francez.
HOGG. Pliarmaceutico, 2, ra Castiglione, PARIZ, e principaes Pharmacias.
Casa PINKT, fundada em 1852, PARS
EXPLOTACAO GERAL CATCHC
POR N0V0S PROCESSOS APERFEIfOADOS
ESPECISLIDIDE INSTRUMENTOS lie MEDICINA e CIRURGIA sm GOMMA Elista ou BORRACHA
Orinoes, Seringas. Borachas-Peras para InjecpSes e Clysteres, Injectores
Pulvensadores. Pessarios, Fundas. Ventosas, Tubos, Bicosde Mamadeiras,
Almo'vdas, Bollas para Injeccdes para qualquer uzo, etc., etc.
HVDA-U O CATALOGO FBANCO
l. IARCASSIN & C, Gendre et Snccesseu, 34, m Turbigo, 34, PARS
_______Estabclcclmento fabril a vapor: AUX LILAS, perto de Pars.
* ^ grande /oa, tempre crescente dos nossos productos tendo dado logar
a fa(jmcapfles, connt exiiir a Marca XI. M. 4t C1*.
Chapeos e chapelinas
36 40PRAUJLDu INDEPEHDEA36 A 40
6. S. CARVALH0 & C.
Proprietarios deste bem conhocido estabelecimento paatecipam
as Exmas. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas em Paria e Manchester o que de melhor e de
<^* aparado gosio ha em chapolinas o chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabricas do H.ruburgo o que ha de melhor em cha-
2-5

rt
v^
Q
CP
&9
pos para homens e crianjas, e muiti.a outros artigos concernentes
chapelaria.
ge
2-5
r# Flores artificiaes para ornamento de salas.
Para o Banho, Toilette, Crian-
?:as e para a cura das moles-
las da pelle de todas as especies
e em todos os periodos.
Deposito ero Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Serrara a vapor
Caes do CapSbarifoe n. 98
N'esta serrnria encontrarao oa sr nbores fregue-
ses, um grande snrtimeDto de pirlu de resina de
cinco a dez metros de compnmeuco e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garante-e? preco mais como-
do do que em outra qualquer parte.
Francisco dor Santos Macedo.
Alhnco
Capsulas
Wathey- Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a tronorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos org&os genito urinarios.
1134 Urna axplicago detalhada acompanha cada Frasco.
Exigir o* Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cle, de PARS,
que se ochdo em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos.
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As P Hu as purlflcab o Sangue, oorriem todas as desordems de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das constitucoes delicadas, e sao d\im valor incrivel para todas as enfermidades
peculiares ao sexo feminino era todas as edades. Para os meninos assitn como tambem para as
pessoas de idade avanjada a sua efficacia e incontestaveL
Essas stedicinas slo preparada.1; smentc no Estabelecimento do Proessor Holloway,
78, NEW OXFORD STREET (antes 633, Oxford Street), LONDRES,
E vendemse em todas as pharmacias do universo.
I tM Os compradores sao convidados respetosamente a examinar os rtulos do cada caixa e Pote se nao tean a
direccao, 533, Oxford Street, sao ralsica^oes.
Urna senhora habilitada a fazer qualquer
trabalho de agulha com toda a promptidao
e aceio, offrece seas prestimos ra de
J0S0 de Barros n. 32, onde poder ser
encentrada, garantindo grande com medida-
de de preco.

PASTILHAS
De ANGELIM&MENTRUZ

Q
as
as

co
i
COLLEGIO PRANCEZ
PARA MKMXAS
17Roa do Baro de Bemfica17
NA L1NH DA PASSAGB1I DA Mi&DALEN
As senhoras Mme. Francis e Mlle. Francis," m3i e filha, diplomada pelaFa-
culdade de Paris, recentemente chegadas de Franja onde exerceram por muitos an-
nos o professorado, acabam de estabelecer um collegio para meninas, seguindo o pro-
gramma adoptado em Franja ; o qual proporcionar s alumnas que lhes forem confia-
das urna educajao completa e esmerada.
Os senhores pais de familia sao convidados a visitarem este novo estabeleci-
mento situado em tSo saudavel bairro e dispondo de todas as condijSes do confortavel
ede hygiene.
Mlle. Izabel Francis possue um talento elevado para o ensino de piano.
Ella precisa de urna ajudante para as classes.
CMor ose, Anemia, Catharro pulmonar,Bronchite chronica,
Catharro da Bexiga, PhHsica, Tosse convulsa, Dyspepsia, Palidez,
Pardas semlnaes, Catharros antigos e complicados, etc.
Boulevard Senain, em PAJUZ, e na principaes Fnarmaclas.
MOLESTIAS doPEIT >
DODRcmTFs:riLi.
EXPOStpAO OE PARS II
roUA D* COKCEBO
Cura
de
pelo FO do
'ende*** em toda* a* Pmermucitu,
ASMA
Os proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSE DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeitavel PUBLICO que receberam um
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam-
bem relogios de todas as qualidades. Avisam tambem que continuam a receber por
todos os vaporea vindoe da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que em
outra qualquer parte.
MIGL WOLFF & C.
N. 4RA DO
Compra-se ouro e prata velha.
CABUG----N. 4

e>s
0 Remedio mais efficar e t^**"
Seguro que se tem descoberto ate
hoje para expe'llr as ton hrlgas.
ROQKUYOL MURES
Jardn, das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo si-acabar com as plantas que es-
tao em vasos 'este j .rdim, vende se os sapotisei-
res muito grandes, e dando fruct", 2U00, la-
ranjeiras, muito grandes, para enxTtar, 6000
a duzia, e sap' preco.
XAROPE
DE HYPOPHOSPfflTO DE CAL
Fmpregados com tanto xito para curar a>
phthlsica e as molestiaf tnbercnlosas, |
/vndem-se nicamente em irascos quadrs
Idos oora o nome do doutor Cbubcdu. obre]
le vldn.
Sob a influencia dos Hypophosphttos a!
Itosse diminue, o appetite augmenta, as for-|
loas tornfx) a vir, os suores nocturnos cessSo, >
e o dtate goza de um bem estar desusado. j
Os hy^pkosphitos que /ei'So a mnrca't
de fabrica da pltannacta SWASS,
12, ru Castiglione. Pariz. sio ot uni-\
evs reconhecidos e recommendados ?>e/oJ
D' CHTJRCHILL auto* da descoberfaj
de sitas propriedades curativas.
Preco : 4 francos por frasco em r radica -;
Venden-si ai principaes Phar.xicias.
Vende-s>- n h rgo do Corpo Manto n. 19, se-
gundo andar, tnportantes toulhas de labyrintho,
ieJ>i a 28JOO.
Fados <' nao paiavras
Ao*\q saude com preparado* mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direira n. 43, 1.*
andar vende-se tinturas homeopatbicag para ino-
fensiva cura das uumt> s mo!ettis : abtbmatico,
ainda mesmo bron hiticn; eiysipela. rnxaqoecaa;
intermitentes (aeiri emprego do fatal quinino);
totee convulsa, falta de menstruacito ; cmaras efe
sangue : esterico *g uietrite ; dores de dentes ou
nevralgias, metrurragia; vermfugos, lenticaoe
couvulaes das enancas ; todo manipulado de her-
vas do paiz
Assim eouin tratam-se escrofulosos em qualquer
grao gommatitos.
dhhi
Adminltraeto : PARIZ, S, Boulirard Mor.tmartre.
GRANDE-ORILLE.Adcop lymphatc,(toen-
fai das Tas d ifcsli vas.obstrnces do fijado e d" baco
obiiruecdcs \isceraes,concr(des calculosas da bile.
HOPITAL. AITeccesdas viadicstivasinciicnio-
dos do estomago, digosto dilDcl, i;iappelaciar
fattralglai djspsi
CLESTINS AITCCoesdosrun.da
cuctc.'cs das ou ria i; la, diabetes, al tnimincria.
HAUTERIVE.AITo-r, sdosrio.d>>'-iiga.a-ei.1
Coucii a, 'iuMV>, alluiininoria.
EXIJA-SE 0 ROS! da Fl
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
afamidi ha mais de um socolo; excede todas
as outraspelo leo perfume delicado e exquisito.
TBEZ MKDAl.HAfl DE ORO
PARIZ 1*78, CALCUTTA 1881
pela extrA-lina excUeorii, de s\\ qnilidade,
ESSENCIA DE WBITE ROSE
FRANGIPANHE YLASG-YLANG
STEPHAHOTIS 0P0P0IAX
e outroi mnito? i>erfames conocidos p^la sua
qualidade e odor deleitavel e exquisito*
Afamada
AGBA DI COLONIA DE ATIINSOM
iacomparaTel pelo ten perfuTifCconcpntrario,
Sgp'-nor aoi productos similares v-Ddi^os,
sob o mesmo nome.
bemtn-st eiCa de tsMiMlc^iaitri e fibrieuta
J. & E. ATKINSON
24, Od Bond Street, Londres.
Marra de Fabrica L*ma "Rosa branca"
obre una Lyra de Ouro. "
Em fltfnamouco, :.),
a^tma noai,i em casa? d<-
ABISMEN Y & ra do Ccmunja
e SULZER & ROECULIN, 35. ra Ja Cruz.
Pintura domestica
PHARMACIA
Hermes de Soasa Perelra A c Sao-
eMitore*
Receben grande surtimento desta excellente
tinta de tiKlas as cores e em latas de 1 a 5 libras,
que continuam a vender por commodo preco :
qualquer pessoa (criado cu menino) pinta com
p> rfeico. Com esta tinta podem todos com pouco
dispeudie conservar suas casas sempre limpas.
Ba do Mrquez de Olinda n. 27
Criada
Precisa se de nma criada para morar em casa,
que saiba engoismar, c tambem frisar e preguear
roupa de senhora, paga-se bem ; a tratar em San-
to Amaro, porto encarnado, junto capella.
16^000
SUSPENSORIO miLLERET\
astlM, e lifiliras iitilxi iu m
Para evitar as faltiflracoet,
e-rtgiratlmia do inventor, estampada
em c da suspensorio.
- FUMAS DE TOCOS OS SISTEMAS
MEIAS PARA VARlZES
ammr.lIlWSBtC, nccsr, Par. 49. r. J.-J. Iiumm
Aluga-se a easa n. 4 da travessa do Freitas,
antiffa du Trindade, em S. Jos com 2 salas, 2
quartos, cosiuha fra, quintal murado, cacimba e
soto : a chave acba-ie junto n. 8, e treta se na
ra da Guia n. 62, Recife.
Caixeiro
Precisa se de um menino : no pateo do Paraso
numero 18.
SEMPRE NOVJDADES
Fazendiis finas e modas
2 A-Rua do Cabug--2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphancs, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tecido modernissimo.
Orlatienne, fazenda nova e padrees lindissimos.
Venitienne, combinac2o de fazenda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Satn double, tecido de algodao e modernissimo.
Gase de algodo, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Le ques diaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphano, revoluclo da grande moda para enfeitar vestid
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setins, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemanterie e vidrilhos
uarnicSo de renda e franja.
Jersey de 12 com enfeites de pelucia e bordados, escolhidos sortimeatos d'este*
asacos de malha, que vendemos de 8,5000 a 15^000.
Fornecem-se as amostras de todos os artigos.
(Telephonen. 3S9)



I

f
Diario de feniambocoDomingo 1 de Agosto M JS86
Menino
Precisa-se, de nm menino:
Cuitan. 39 2- andar.
na ra Duque de
Allenclo
Cempra-se oualuga-se urna boa easa perto-Ua
cidade, desejande-se nos seguintes pontos: 8o-
ledade, Caminho Novo, Capunga, Pe.ssagem da
Magdalena, tendo bom sitio, agua, e gas : quem
ver dirija se ra do Iir-nerader n. 49. 1- andar,
a trato* > roiteitador Antonio Nevea.______
Engommadeira
Precisa-se de urna mulher de bom comporta-
meflto, que saiba engommar bem : a eateader-se
no escriptorio da redaccio desta folha, das 2 heras
at s 5 da tarde.
O agente fle stloes Pestaa
est encarregado de comprar e vender bons pre-
dios nesta cidade : trata-se em sea armaaem
ra d* Vgario Tbenorio n. 12.
Jos de Castro Gnima
raes
que em Goyanna tem o nome de Jos Gaspar
Domingues de Sonsa nao mais cobrador da co-
cheira ra da Imperatris n. 39 desde Mareo, e
chamado prestar coritas dos dinheiros que re-
ceben, como consta das contas rom os recibos, e
entregar as contas que anda tem em aeu poder
ao admin strador daquelia conbeira.
Cimento po ll.mil
Vende-se de diversas marcas, no armaaem de
Soares de Amara] Irruios, ra da Madre de
Deas n. 22.
GRANDE
Olioda
Cariurio do eaerlvo Dr. Caldas
No di a 29 de Juico ir 4 prac pe1* renda de
dous annos, perante o juizo de orphaos da comar-
ca de Olinda, o sitio deneminado Quadro, na
praia do Jang, eom 300 ps de coqueiros, com
mateas e capoeiras, casa de tijolo, tendo dito si-
tio meia legoa de fundo e 1,800 palmos de frente,
iob a base de 200* annuaes. _______
Entre amigos
Cun a ultima lotera do mes de
dulbo
Deiza de ter logbr por ter sido transferida a
lotera n. 65, que era a ultima deste n?ez, como se
v do annnncio do Diario de 28 do andante, ficar
para quando for annunciada.
Cavallo e botes.
Telegramnia (resposta paga)
Bcob orientaes, grande variedade em cores '
largaras, receberam o Pedro Antunes & C, e ven-
der barato ; esperamos resposta ao 63 ra Du-
que de Caxias, Nova Esprenla ; aovo sortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs., preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas cores e lindas
paisagens a 34, barrato pnnbos e collarinhos
bordados para senhora a 1*800 e 2*600 ; ditoa
coro pintes de cores a 1*200 ; bonitos e delicados
lafinhos de cores, ultima moda em gravates, a
1*000. Reiposta paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Antones & C. n. 63, ra
Dnfluc de Casias.____________________________
.Hudanca
O solicitador Joao Caetano de Abreu mndeu o
seu escriptorio para o primeiro audar do predio
DMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiffado de bacalho
COM
Hypophosphlos de cal e soda
Approvada pela Junta de Hy
glene e autorizada pelo
governo
E' o melhor remedio at hoje dencoberto para a
tsica bronenite*. encrepbala*. ra-
rbitiN. anemia, uebllldadc em geral.
defluxoa, toase cbronloa e an"erc6e*
do pelto e da (.arcar.la.
E' muito superior ao oleo simples de figado de
bacalho, porque, alm de ter ebeiro e sabor agr-
A Revolueo
n. 38, ra do Imperador.
un nui
4os4:000S0O0
BIl.lIKTi:* 1R4XTIOO
Praga daindependen
cia ns. 37 e 39
O abaixo assignado vendeu entre os seus
felizes bilhetes garantidos da 64* lotera
a sorte de 100)$ em 4 quartos n. 2476,
alm de outras muitas de 320, 160 e 80.
Convida os possuidores a virem recebe:
sem descont ahjum.
Aciiam-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 65a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir quando ior annuociado.
Preeos
Bilhete inteiro 40OOO
Meio 25000
Quarto 10000
tn porfi de 1OO0OOO par*
cima
Bilhete inteiro 35500
Meio 1*750
Quarto 875
Antonio Augusto don iant-* Porto
daveis, possue todas as virtudes medicinaos e nu-
tritivas do olee, alm das propriedades tnicas
reconstitaintes dos hypophosphitos. A' venda nat
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Aviso
Precisa-se de ama professora que saiba tocar
bem piano e mais trabalhos de senhora, para en-
genho : a tratar com o Baro de Nasareth, ra
do Imperador n. 79, 1 andar.
Collegio de Sant'Anna
Bees fe
Emilia Macara de Meira, professora particular
de primeiras lettras, fraacez, allemo, deseabo,
msica, piano e diversos trabalboi de agulha,
participa aos senhores pas de familia que quixe-
rem honra-la com a su a confianca, que abri seu
collegio ra do Bom Jess n. 18, 1 andar.
mSmmmmmmmmammmm
VENDAS
AOS 4:0003000
SILBSTSS SABASTTIBQS
Roa Primeiro de Mareo n.
23
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 406 com a sorte de 4:000l&O00,
1 quarto n. 2939 com a sorte de 100*000,
alm de outras sortea de 32*, 16* e 8*, da
lotera (64.*), que se acabou de extrahir,
eonvida aos possuidores a virem receba
na conformidade do coBturae sem descont<
alguro.
Acham-se venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 253.a parte das lote-
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (65.*) que se exirahir
quando ior annunciada.
Preco
Inteiro 4*000
Meio 2*000
Quarto 1*000
Km qnantldade maior de 1 oo
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Quarto *875
Manoel Mar*ins Finta.
Vende-se pela quautia de 1:(00/000 urna
letra no valor de mais de 8:000/ com os compe-
tentes juros. E'divida segura, pois ha sccao de
penhora e execuco, como se pode ver nos com-
petentes documentos : quem pretender dirija-se
ra do Mrquez do Herval numero 23, pavimento
terreo.
Vende-se um terreno sito na Casa-Forte,
ra da Amisade, com eac-imba e fructeiras, tendo
159 palmos de frente e 300 d fundo : tratar na
na da Imperatriz n. 42.
"Vende-se on arrenda se a engenho Jernsa-
lem, na freguezia de Serinhem, perto do porto de
embarque e perto da estacao de Ribeiro ; enge-
nho d'agua com bons terrenos, maltas, cercado,
casa de vivenda, com 12 casas para moradores,
casa de farnha, distilacao, estribara, e outras
bemfeitorias; bem como boa safra para 800 pies.
Os pretendentes podem dirigirse para o metmo
engenho, ou para o escriptorio da ra do Bom
Jess n. 43, que achara* com quem tratar.
Exposif o central roa larga do
Rosarlo n.". 8
Datnio Lima & C, cnamam a attenco das
Exmas. familias para os preeos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2/500 e 3/000.
Fita n. 80 para faia a 2/500.
Leques recatas e D. Joannita a 1/000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2/000.
Leques D. Lucinda Colho a 6/000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1/000.
Duzia de meias para humero a 3(000.
Ditas para senhoras a 3/000.
Layas de seda a 2/000.
Meias de fio de seda para menina a 1/000.
Golannhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodo a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 rs.
avisiveis grandes a 320 rs.
rampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6(500.
Ricas bolcinhas de.madreperola de 1/500 6/.
La para bordar 2/800.
Urna capella e veo de 15/000, por 12/000.
Um espelho de moldura por 5/500.
Urna pulseira de fita per 1/200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de cera por 2/500 e 3/000.
NA EXPOSigAO CENTRAL
58Ra Larga do Rosario38
Florida
Loja de miudezas
Roa do Duque de Cavias n i 3
Os proprieta ros deste grande estabule cimento
de miudezas, modas e para accommodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem por meuos
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 6u0 rs.
Luvas de pellica a 2/500 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 820 rs.
Vestuario de fusto bordado para crianca a
3/000.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Haspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura al/500 e 1/800
a peca.
Linha de cores para croebet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita chinezH a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1/500 a duzia.
Lindos bieos de cores com 10 Jardas a 4/ e 5/
a peca.
Urna caixa cem tres sabonetas desenbando urna
rosa por 500 rs.
Meias de 12 de cores oara senhora a 1/500 o
par.
Fazendas branca
s
Veode-ae armacao com balco, potes, vasilba-
M e mais pertencas da Botica do Recife, sita
ra do Bom'Jess n. 26, por preeos muito 'eom-
modoe. Para infermaces, dirijam-se botica
francesa de Rouquayrol Freres, ra do Bom Je-
ras n. 22.
tueem
os em
arla ertrnde datoirelrio
Claia Mara da Coneeicao, Umbelina Francisca
Mcnteir, Salustina Monteiro, Mara Aquilina
Monteiro, Manoel Escoci de Souza, Jos Alexso-
dre Bezerra, Candido daa Chagss Ribeiro e Fran-
cisco das Cbagas Ribeiro agraiecem do intimo
d'alms todas as pesaoas que se dignaram da
acompanhar os restos mortaes de sua sempre cho-
rada filha. mai, sogra, ta, av a iimi, 4 sua tera
morada, e de novo as eoc vidam para, aaaistirem a
missa que mandam celebrar no dia 2 de Agosto,
stimo de seu passamento, no convento do Carmo,
s 7 horas da manba, e desde ja se canfessam
agradecidas por este acto de reKgio e caridade

Jone Joaquim Bibclro
JoRnna Mara Ribeiro, Jas Firmino Ribeiro,
Caetano Theatno da Silva Ribeiro, Fructuosa
Francisca Ribeiro Ontes, Antonio Ontes Martias,
Rita M.tria de Amor i m Ribeiro, Joo Casimiro
Archelau de Ontes e mais prenles, agradecer
do intimo d'arma todas as pessoas que se digna-
ram acumpanhar os restos mortaes de sen sempre
chorado epoo, pai, sogro e ar, a sua eterna
morada, e de novo os con vidam a atsistirem as
missas que o andam celebrar no dia 2 de Agosto,
stimo do seu passamento, na matriz da Boa-Vis-
ta e i a capaila de 8. Jea* de Pedra Tapada, as 7
1(2 horas aa manba, e desde j se confessam
agradecidos por este acto de religiio a oariade.
Carura hgii&G-
Liquidam os seguintes artigos mais barato q
outra parte, visto serem siguas compradi
leilao a saber:
Lindos cretonee claros a 240 e 280 rs., o co-
vado.
Failes de novos gostos a 400 e 500 rs. o dito.
Linons com palmas de 13 a 800 rs. o dito.
dem oom salpicos a- 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas cora litrasde teda a 280 e 330 rs., o
dito para acabar.
Esguiau pardo para vertidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Se ti neta 6, navidades, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de la, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1/900 o covado ; de cores
proprias para mesas a 1/500 e 1/600 o iito.
Merinos pretos pera lute, 2 larguras a 900, 1/,
1/200 e 1/500 o dito.
dem de todas as cores a 1/ e 1 /200 o dito.
. Casemiras de 2 larguras, padrdes inteiramente
nevos a 1/OO, 1/600 e 1/800 o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
2/ o dito.
Atoalhado trancado e bordado a 1/400 e 1/500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1/400 o dito.
dem de puro linho a 2/ o dito.
dem de urna largura a 500 rs. o dito.
Ouarnicdes de crochets para sof e cadeiras a
8/.
Riquissimas colzas de dito a 12/ e 14/.
Lindas grinaldas e veos para Exmas. noivas a
14/.
Cortinados bordadas a 6/500 e 10/ o par.
dem em pecas com \' jardas novos deaenbos a
9/.
Toalbas felpudas de cores, para rosto, a 7/500
a duzia.
Meias inglesas, cruas a 3/500, 4/ e 6/ a dita.
dem arrendadas para sentar* a 8/ a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12/ e 16/ a
dita.
Camisas superioies frencezas a 38/ e 42/ a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2/500 e 3/.
Lences de bramantes, grandes a 2/.
Chales de casemira, dem, a 2/, 3/ e 5/.
Cortes de casemira inglesa a 3/, 4/ e 5/.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3/ e 3/500 o
covade.
Venda em gromo, da rao* descont
da praea
59=Ra Duque de Caxias=59
Carneiro da Cunha k G.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VlADO
Este excellente Whisky Escesscs pretenv.
ao cognac ou agurdenle de carina, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho nos iu lheres annazens
nolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cujo su-
me e emblema sao registrados para todo o Br
BROWN8 t C, agentes
iraax
Aproveitem!
Vende-se todo barato
Larao de S. Pedro a. 4
Neste estabeleciraeato enconrra se sempre um
completo sertissento de gaiolas e paf8ros nacio-
naes a estrangeiroj, o meJhor que ba nesta ge-
nero, fructaa maduras, balaios proprios para ni-
nhos de canarios do imperio, ceitinhas para cos-
tura, vassouras do ara a 800 rs. cada urna, que
costa em ftra qualquer parte a 1 / e 1/300, con-
serva de pimenta americana eco bonitos frasqni-
nbes a 120 rs. cada um, para acabar, maasa de
mandioca muito bem preparada, para bolos.
SO' AO NUMERO
4o roa da Imperatriz < 4o
Loja do bamCeiros
Alheiro & C, ra da Imperatris n. 40, ven-
der um bonito sortmento- de todas estas fazendae
abaixo mencionadas, sem competeacia de preeos,
A SABER :
AlgodoPecas de lgodaosinbo com 20
jardas, pelo1" barato preco de 3/800,
4f, 4/500, 4* '., bg, 5/500 e 6|50<
MadapolaoPecas de madapolo oom 24
jardas a 4/500, 5/, 6/ at 12/000
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de 800
Ditas branc is e cruas, de 1/ at 1/800
Creguella francesa, fasenda rnuito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
eeroulas, vara 400 rs. e 500
Ceronlasda meema, muito'bem fetas,
a 1/200 e 1/500
Colletiuhos r mesma 800
Bramante francez de algodao, muito en-
cornad, com 10 palmos de largara,
mitro 1/2
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2/500 e 980l
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1 $800
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drdes delicados, d 240 rs. at 400
Baptista, o que ha da mai delicado do
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratissimas, na oor.hecida
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodao enfestado pa-
ra enocs
A 90o r. e 1< Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
rodao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larguras 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim com* dito trancado para
na Ibas de mesa, com 9 palmos de largura a 1/200
u otro, lato na leja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1/200,1/400, 1/600, 1/800 e 2/ o covado
A neiro 4 C, A ra da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acimt
dito. E' peefaincha : na leja da esquina do bec-
co d< s Ferreiros.
Espartllhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
de 5/000, assim como um sortmento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2/800 e 3 covado
Alheiro & C, i ra da Imperatriz n. 40, ven
dem nm elegante sortmento de casemiras ingle-
ras, de duas larguras, com o- padrdes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preoc
de 2/800 e 3f o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer costumes de casemira a
30<, sendo de patetot sacco, e 35/ ale traque,
grande pechincha -' na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim nardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 32(
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a lOOrai. a peca
A roa da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dona metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto eom 50 pecas, sorti-
daa, por 5f, aproveitem a pechincha ; aa loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
ra Duque de Carias, resolveu a vender
os seguintes artigos com 25 Oiq de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 2/000 por 1/000 o covado.
Cachemiras de cores a 1/200 o covado.
Ditas pretas a 1/000, 1/200, 1/100, 1/600
1/800 e 2/000 o covado.
Dita broch, de 13 e seda, lindos tocidos, 1/500
o covado.
Gorgorinas de listrinbas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 e 1/200 rs. o covado.
Dito preto a 1/000 e 2/200 o covado.
Gaze com bolBhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Las com bolinbaaa 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 1/000 e 1/200 o co-
vado.
Fusto branca a 440, 500, 560, 600 e 800 rs. o
covado.
Ofosdenaples pretos a 1/800, 2/000, /500 e
2/800 o covado.
Nnsoc de ct a 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadros a 1/500 a peca.
Dita transparente de 4/000 por 2/000 e 2/500
Linn bianco a 500 rs. o covado.
Fechus de retroz a 1/000 um.
dem de la, de 1/000 at 6/000.
dem de pelussia a 5/000 e 6/500.
dem de pelussia bordados a 7/000.
Cretones para chambre a 320 e 360 rs. o ao-
vado.
Cambraia com salpicos a 6/ rs. a peca.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 7/500
um.
Brim de linho de cor a 1/200 o metro.
Linhos escosseres a 240 rs. o covado.
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 4/000,
6/000 e 7/000 um.
Ditos avelludados para sof a 24/000 um.
Fusto de cor a 500 rs. o covado.
Setinetas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com desenbos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes da casemira a 3/000, 3/500, 5/0C0 c
7/000.
Casemira de cor e preta a 1/800 rs. covado.
Timoes bordados a 4/000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. o covado.
Camisas de meia a 800, 1/000 e 1/200 urna.
Algodao com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Esguiao amarello para vestidos a 500 rs. o co-
vado.
Espartilhos couraca de 4/000 a 8/000 um.
Para a Eibjm. noivas
Setins maco a 1/200 e 2/000 o covado.
Popelinas a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradas a 500 e 560 rs. o dito.
Cortinados bordados a 7/000, 9/000 e 15/000 o
par.
CapelUs e veos finos a 10/ e 14/.
Colchas bordadas a 5/000, 7/000, e 8/0JO
urna.
Camisas nacionaes
IA *teoo. 300 e a/500
32=; Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tasto de aber-
turas e pjnbos de linho como de algodo, pelos
baratos preeos da 2/600, 3/ e 4/, sendo fazenda
muito melhor do que as que veem do strangtiro e
muito mais bem feitas, por serem cortada* por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda faser por encommeadas, a vantade des
freguezes : na nova loja da ra da Imperatris n.
3 i, de Ferreira da Silva.
Ao32
Dio va loja de fazendas

= S1
Roa da Imperatriz
DE
FERREIRA DA'SDLVA
Neste novo estabelecimento encontrar o res-
peitavel publico um variado sortmento de fazen-
das de todas as qualidades, que se vendem por
preeos baratissimos, assim como nm bom sort-
mento d roupas para horneas, e tambem se man-
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre alfaiate e completo sortmento de pannos finos,
casemiras e brins, etc.
LOTERA
JLJLAko
ALAGOAS
CORRE NO DIA 5 DE AGOSTO
HTRNSFERITEL! INTRANSFERIVEL! ^ .
O portador quepossuir um
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar___
10:006^000.
Os bilhetes acham-se a' ven-
da na Casa Feliz, praca d;
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 3 de Agosto
1886, sem falta.
In-
O portador de dous vigsimos desta
importante lotera do custo de 2'200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Pre^o em porejio
Vigsimo
vigsimo
A' RETLHO
I6000
i loo
A RODA DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosario6
aiBa da Imperatriz-*
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupas abai
io mencionadas, que sao ba- Langas.
Palitots pretos de p' acolchoados, sendo tazendas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordo muito,
bem feitos e torrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
"Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgoro preto, acolcbomdo,
sendo fazenda muito encorpada
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas .
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2, 2J500 e
Oeroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 10200 e
Colli'tmhoo de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortmento de lencos d*
linho e de algodo, meias cruas e collarinhos, etc
Isto na loja aa -ua da Imperatriz n. 3i
70001
10J00(
12J00t
120OOC
50501
60501
800
30OM
106K
10OOt
Aos 1.000.000^000
200:000$000
100:000$00d
LOTERA

VAPOR
e moenda
Vende-se um bom vapor e moenda com pouco
uso ; a ver no engenho Timb ass. muito perto
da estaco Oo metmo uome ;
Imperador n. 48, andar.
a tratar na ra da
Cabridlet
Vende-se um ero perfeito estado e sjr.
commodo; & tratar na ra Duque de Casas n.
Riseados largos
a *oo m. o ovado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem st
riscadinbos proprios para roupas de meninos i
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade
tendo quasi largura de chita francesa, e sal'
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja de Pereira da Silva.
Faataen. eOnelasj e lslnttaa a SO
ra. o covado
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vende-a
um grande sortmento de fustdes brancos a 50
rs. o covado, lazinhas lavradas de furta-coret
fazenda bonita para vestidos a 600 rs. o covade.
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. i covado. pechincha : na loj,
do Pereira da Silva.
HerlnR pretoa a 1*1
Vende-se merinos pretos de duas larguras par
vestidos c roupas para meninos a 10200 e 1060:
o covado, e, su-oerior setim preto para enfeitas >
10500, arsim como chitas pretas, tanto lisas com
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na nov
leja de Pereira da Silva ra da Imperatriz ns-
mero 32.
tlKodozIoho AMMRtO* para lenre>
a OOOra., I e lASOO
Na loja da ra da Impcratrii n. 82, vende-a-
superiores algodozinhos n-aneezea com 8, 9 e V
palmos de largura, proprios para lences de ub
s panno pelo barato preco de 900 rs. e, 10000 i
metro, e dito trancado pa a toalhas a 10280, a
sim como superior bramante de quatro largura
para lencoes, a 10500 o metro, barato ; na loj
da Pereira da Silva.
Roopa para meninos
A 44. 4SOO e m
Na nova loja da ra da Imperatris u. 82, s-
vende um vanado sortmento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e calci
i ha curta,- feitos de brim pardu, a 40000, dito.
de moleequim a 40600 edites de gorgorio pwtc
emltaudo casemira, a 60, aao muito baratos ; m
loja do Pereira da Silva.
Vende Candido Thago d Costa Mello em sed'
ii osito i ra Imperial n 322. olaria.- Talenbeoe
7
de i
numero 121.
Imperial n 322, oJaria. TaJephone
BE 3 SORTEIOS
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extracto: no 15 fie Dezemro de 1886.
0 thesoureiro, Francisco Gongalves Torre
FAZENDAS BARATAS
Na bem conhecida loja dama Primeiro de
Marfo n. 20
JOTO DO LOUVRE
Grande sortmento de madapolSes de 4#500, 55, 5#500, 6jJ, 6^506
7^500 e 8#000
AlgodSes brancos, superiores qualidades, de 4)5, 40500, 50, 50500, 6 e
60500.
Saperiores cretones de 320 a 500 o covadu.
Batistes, lindro padroes, a 200 e 320 rs. o covado.
FustSes brancos de novos desenbos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga cretone,bonitos padr5es, a 30000.
Lencoes de bramante, de linho. de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 20500.
Toalbas felpudas, de tamanho regular a 5000(5 a duzia.
Ditas grandes para banbos a 20000 urna.
Lengos de algodao de 10800 a 20200 a duzia.
D'tos A B.< David, asta, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Dito tiaacado, lo^.a, a 10, 10iOO e 10200 o meto.
(rtos i vestida de cretone de 200 por 80000.
j..idunapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Grande variedade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodao -trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodao, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 2|$000 a vara
Dito de linho idem idem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de lindoa dsenho8, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104O( rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6|000.
Oxford p~ra camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbucinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales do algodao a 10200, 10400, 10600 e 2J000.
Costumes para banhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o par-
Grande sortmento de roupa feita para trabalhadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para harneas e
meninos, para o que temos um hbil oficia! e um grande sortmento de pannos, brins,
casemiras, etc.
Quem precisar da aljum artigo bom e barato, devora visitar de preferencia
este antigo e acreditado estabelecimento.
.
fina Primeiro do Marco i, 20



Diario de PcriumibucoDomingo 1 de Agosto de 1886
{



i

I
..

I
ASSEMBLEA GEML
CAlRi DO DE PUTA DOS
SE8SO EM 15 DEJULHO DE 188t
PRISIDKNCIA DO SR. ANDRADE FtGUEIKA
(Continuaqao)
O Sr. Matta Hachado
se por ter a honra de chara >r
felicita-
a ese!
da attenclo do Sr, ministro da guerr.a, pa-
ra um ponto irnportanta do scrvigo do res-
pectivo ministerio ; rconhccpnlo etn S.
Exc. talento, energa e aotividade, alo
exigir muita |pcdindo a S. Ex- que ap-
plique sua attengo reorganisagao do ex-
ercito; urna questo grave o da qual S.
Ekc., se sahir bem; mas julga que ha de
encontrar embaragos inven.nveis, um
delles a lei daconscripg.lo, es-rita mas
nao executada
Passa a descrever os funestos resultados
de se recorrer aos voluntarios pelos meios
que tm sido empregados, qu* fzem quy
em geral o soldado nao coraprehenda a
grandeza da sua misso.
Deseja que o governo faca urna satisfac-
toria ad ministra gilo, sobrdtu lo porque, se-
gundo declarou o nobre Sr. presidente do
conselho, vamos ter urna longa situacao
como na Inglaterra, porque S. Exc. disse
que depois delle o Sr. Dantas, por sso es-
pera que o nobre ministro da guerra dot:
o paiz com a reforma da lei de 1874, <\w
6 lei com que o orador nao sympathia era
pode ser executada, embora se diga que
nao tem sido precisa, pela abundancia de
voluntarios.
Lembra a conveniencia de su formarem
colonias militares nos sertoes de Minas Gc-
rae?, prximo ao Rio S. Francisco, porque
a navegado a vapor desse rio quasi uoia
realidade e nao difficil estabelecer com-
municagBes com a capital da provincia, o
que seria de grande vantagem, oorao o ora-
dor mostra.
Pergunta se o nobre ministro tem pra-
zos divididos e demarcados as colonias
militares ; julga que nao tjm; entretanto,
nao faltam engenheiros no archivo militar
para esse servico.
Depois de outras consideragoes,
que espera qae S. Exc. preste
servigos na pasta da guerra, codo prestou
na da marinha.
Acha esta occasiao propria de pergun-
tar por que S. Exc. deixou a pasta da
marinha pela da guerra.
O Sr. Alfredo Chaves (ministro da guer-
ra) :Esse assumpto nao est no art. 2
que se discute. (Hilaridade).
O Sr. Matta Machado termina o seu dis-
curso, posto que, mais tinha que dizer, mas
receia que o Sr. presidente julgue que nao
est tratando restrictamente do artigo que
se discute.
Ninguem mais pedindo a palavra, en-
cerrada a discussao.
NSo havendo numero para se votar, pro-
cede-se chamada.
Fica adiada a votagao para a sessao se-
grate :
Entra em discussao o art. 3o
declara
tao bons
mesmo pe de igualdade da asla militar
da corte; por isso o orador est certo que
o actual Sr. ministro da guerra resignar
soroolbant-; autorisacao.
Pede ao nobre ministro que declaro se
aceita ou nao essas autorsajes para for-
mar-se a conviccSo da cmara.
E' a ivetsario de autorisacuds pelos mo-
tivos que expoo.
Rcorda que o nobr.i ministro do impe-
ro teve urna autorisacao da evoara liberal
eS. Exc. excel-u-a e.a 76:000(51000 fal-
taado s regras que o parlamento tracou.
D.iclara-se incrdulo da realisago do
economas, porque as que se tm realizado
sao no material e nao ora sinuecuras que
teem si.lo indicadas.
Quanto autorisago para se croar uma
couddaria militar no Rio Grande do Sul,
o orador trata de provar que o Brasil s
devo ter seu exercito em condigSes restric-
tas, pode ter augmento do nuaero de pra-
vas mas nao pode ter augmento de institui-
c5os militares.
Demonstra coai a opinto de S. A. o
Sr. Conde d'Eu, que a coudelaria militar
s poda constituir-sa como viveiro para
melhorar a raga cavallar. mas nao pode
servir para remonta das forjas de cavalla-
ria; o que prova historiando os esforcos
que empregou quando ministro da guerra,
dos quaes ficou convencido que a coudela-
ria militar era uma inutilidaie para o ex-
ercito.
O rosario de reformas promettidas, s
teve desenvolviraeoto na pasta da guerra
mas por um systema que nao nem eco-
nmico, nem parlamentar, por que o nobre
ministro s pede autorisagoes ampias.
Deve dizer que nao temos colonias mi-
litares no soatido em que essa palavra de-
ve ser tomada, o que temos sao ncleos
agrcolas onde ha militares. Tem-se crea-
do colomas militares at por portaras de
ministros, raa3 examinndose o modo por
que foram estabelecidas, verifica-se que
nao ha orgonisajao estabelecidas, verifica-
se que nao ha organizado militar. As co-
lonias militares nao se organizam de um
momento para outro, para organizal-as
preciso dinheiro e a autorisagao que o Sr.
ministro pede ser uma fonte do despezas.
O Sr. Alfredo Chaves ( ministro
da guerra) ser breve na resposta que tem
de dar ao Sr. Candido de Oliveira. O.go-
verno no seu programma n$o tomou o cem-
promisso de fazer economas desorganisan-
do servigos.
Quanto organisacao da escola militar
da corte, declara qae pretendo obter are-
forma sobre a baso apresentada pela con-
gregagao, sem nenhuma despeza alm da-
quella que o nobre deputado indicou quan-
do minis.ro. Essa despeza com a melbor
distribuigao das materias de ensino nao ser
de mais de 10:0000000.
Quanto reforma da escola militar do
Rio Grande do Sul est prompto a citar a
esndigo: sem augmento de despeza. Com-
para as condicSes de adraissao em cada
uma das escolas e diz que necessario pol-
as de acord.
Quant ao estabelecimento le uma cou
delaria, refere se opiniao do Sr. Conde
possivel reformar a colonia milit ir, o ora
dor lngara m5o da autorisacao para aup-
primil-a8.
Cr tar respondido a todos os pontos do
discurso do nobre deputado e nao queronio
protellar e erabaragar o andamento do pro-
jocto limitase a estas observagoes.
O Sr. Candido de Oliveira diz,
que o nobre ministro nao leu o relatorio do
Sr. Conde d'Eu, que disse que a coudela-
ria nao pode abastecer o exercito de eaval-
los, o que importa a conlerauagito de urna
coudelaria militar, que tem por tira dar re-
monta ao exercito e nao eonverter o minis-
terio da guerra em criador de animaos para
as industrias do paiz.
Est habituado ao veso do goveruo, nun-
ca voltar atrs; assim, o nobre ministro
em vez de coofessar a desnecessidade da
caudelaria, insiste em despender com ella
600:000$. O orador nao v a necessdade
de se gastar dinheiro con a organisacao
de novos servicos at boje adiados, para
manter os que temos.
Se algum regulamento de escola militar
precisa de reforma o da da corte, e nao
o da do Rio Grande do Sul, que foi elabo-
rado por uma commissao especial ha ape
as dous annos.
Protesta contraja prat-.a do partido con-
servador que sempro langa ralo da reta-
liago. O orador declara que no exerci-
cio de 188485 houve no miaisterio da
uma
guerra, cuja pasta entao oceupava,
sobra de mais de 100:000^0000.
Dsse o nobre ministro que ia grav*ar o
thesouro com 600:000$ gmente para uma
coudelaria. Prega-ae economas e pede-se
autorisagSes que serao sorvedouros de di-
nheiro. A coudelaria ser uma simples fa-
zenda de criagad.
0 orador nao deseja protelar, nao
amigo de discussoes inuteis, nem deseja
achar defeitos em todos os actos do gover-
no, discut para mostrar ao paiz que aquel-
los que na opposicao pediara economas,
hoje, no poder, esquecem as normas, que
prgavam para perpetuar as velbas tradi-
c5es.
Ninguem mais pedindo a palavra a dis-
cussao encerrada o a votagao adiada por
falta de numero.
ORNAMENTO DE ESTRaNQEIROS
Para prova de quo S; Exe. achou que o
trstido era conveniento lera'or* a recusa
do governo argentino em ratificar um tra-
tado celbralo con o Brasil, em 1857.
So aquello govirno era licit) negar-se
ratficagilo, lcito tambem era ao Sr. minis-
tro do estraogeiros negir se agora a ratifi-
car o tr..tdo, caso e nao julgasse conve-
niente aos interesses do Brasil.
Concorda com o Sr. Alfonso Cebo Ju-
niir na dsparidado encontrada por S. Exc.
entre a proposta do giverno argentino, re-
cusada em 1876 pelo Sr. Cotegipe. o o
tratado ltimamente ratificado, e passando
a mostrar em que coasiste essa drfferenga,
louva o proceiirarato do governo brasilei-
ro em 1 76, reeusando a proposti do go-
verno argentino.
Sent que a proposta teita polo nosso go-
verno a Ripuba Argentina, na noraea-
gao de urna oommsso mixta para demar-
car os lmites dos dous Estados, nao resol-
ve definitivamente a questio, e seja apenas
um meio preparatorio do chegar-se ao re-
sultado desejado.
Sendo advertido pola mesa quo deve rej-
tringir-se ao assumpto em discussao lirai
ta-se a estas consideragoes, a que nao pode
agora dar o devido desenvolvimento, reser-
vando-so para fazel-o em outra occasiao.
Entretanto acredita ter deixado accentuada
a differenga radical que existe entre o tra-
tado teito o a proposta de 1876.
Rcferindo-se ao orgaraent, ais concorla
com o proposito em quo est o nobre pre-
sidente do consellio, de nao renovar as
convengoas consulares quo te n sido de-
nunciadas. Acha preferiv -1 que, em vez
de negar-se absolutamente a renovar essas
conveogSas cora os paizes cora quo temos
relagSes, o especialmente cora Portugal,
deve S. Exo. renoval-as, mas sem marcar
prazo.
Esta poltica paroee-lhe mais justa.
Limitase a estas breves consideragdjs,
actuado como so v pela mesa totalmente
esquecida da pratica outr'ora adotada, de
levantar-se a sessao poucos minutos antes
da hora marcada, para nao obrigar os ora-
dores, j fatigados, a fallarera perante uma
cmara deserta.
A discussao fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia 17 :
o
O Sr. Candido de Oliveira jul- d'Eu. que, diz o orador, entende que a cou
que o nobre Sr. ministro da guerra delaria nao poda foruecer todos os caval-
Entra em 3a discussao o projecto fixando
a despeza do ministtrio de estrangeiros
para o exercicio de 1886 1887.
O ir. Matta Machado seute-se
constrangido por chegar-lhe a vez de fal
lar em hora to adiantada ; entretanto v-
se forado a entrar neste dibate para dis-
cutir alguns pontos sobre os quaes nao
Ihe foi dado esclarocer-se no inicio da dis-
cussao do presente projecto, em consecuen-
cia de ter sido procrastinado pela cmara
o reconhecimento do seu mandato.
^Como nao tem o intento de protplar esta
discussao, mas fazer breves consideragoes
sobre o projecto, deseja primeiro saber se
pode apreciar no art. 1." a poltica refe-
rente pasta de estrangeiros.
O Sr. Presidente diz que o regiment
nao permiti na 3.a discussao poltica geral
nem especial sobre cada ministerio
ga
dispensa as autorisagoes que a commissao
lhe ofiereoe, porque faz a justga de sup-
por que S. Exc. nao ha de contrariar o
seu collega da fazenda e essas autorisa-
c3es constituem facnldade para augmenta-
re m-se as despezas publicas.
Comprehende que o Sr. ex ministro da
guerra pretendesse obter taes autorisag5es,
porque S. Exc. v tudo cor de rosa, co-
mo prova um periodo do relatorio de S.
Exc. que o le.
Historia a reforma que fez, quando mi-
tos nccessarios para o exercito, mas poda
contribuir para a remonta do exercito.
Alguraa cousa preciso fazer para sa-
turnios da difiieuldade em que estamos,
nao podendo achar no paiz cavallos para o
exercito ; preciso que nos libertemos des-
sa sujeigao. Se o governo tivesse juizo
assentado quanto ao lugar onde deve esta-
belecer a coulelaria, nao pedira a auto-
risagao n-'stes termos. S depois de bem
examinadas as condig3es do local que o
, governo poder escolber. A despeza a fa-
nistro da guerra, na escola militar do Rio i ier coin 0 estabelecimento da coudelaria
Granda do Sul, na qual nao s nao exco- j aj0 chega a 600:000$, que ser distribu -
deu a despeza marcada na lei, mais ara la
faz economia, como demonstra.
Entretanto, o ministro da situago es-
SESSAO EM 17 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SR. ANDRADE FIGEIRA
Ao meo-dia procedendo-se a chamada,
a que re^>ondem 80 Srs. deputados, bre-
se a sessao 7 minutos depois do meio-
dia.
E' lida a entra era discussao a acta da
sessao antecedente.
O Sr. Candido de Oliveira re-
corda que hontera pergunton ao Sr. presi-
dente quantns nobres deputados se acha-
vam presentes eS. Exc. respondeu66;
entrretanto, a folha offioial disse que abri-
se a sessao com 76, e outra disse que ape
as com 58 (contestagSes), e aiuda ha pou-
co a folha official publicou tantos nomes
de deputados que elevou a 150; preciso,
pois, que haja seriedade na publicagao dos
debates.
O Sr. Torres Portugal (4. se-
N5o havendo mais observagSeS. d-so a
acta por approvada.
O Sr. Presidente diz que vai proceder-
so letura do expediente, e ao ^niosmo
tempo ao rocebmento das cdulas p^a a
votagao do projecto n. 28 A, cuja distfii8'
silo ficou hontem encerrada.
O Sr. Candido de Oliveira (pela
ordem) observa que o methodo da votagio
por escrutinio secreto est determidado no
art. 134 do regiment, quo recober o
deputado as espheras do continuo o ser
chamado nominal mente mesa e ahi depo
sitir na respectiva urna a cspbera com
que votar c era outra urna a q\i> lhe so-
brar ; ere que este o processo que se
deve seguir que o mais bav e que res-
peta. *
O Sr. Presidente responde que o rae-
thodo adoptado na ultima sessao, sem re-
claraagao, o mosrao do regiment, com a
differenga das urnas irera aos lugares dos
nobres deputados, em vez de ficarera sobre
a mesa, sendo aquello processo muito mais
breve.
O Sr. .Iffonso Celso Jnior
(pera ordem) julga que, desue que ha dis-
posigao regulando a votagao por escrutinio
secreto, nao se p le justificar procedimen-
to diverso por livre arbitrio da mesa ; por
consegunte, em nomo do regiment, pede
que a votagao seja falta pelo modo do art.
184 do regiment: accresce ser a votagao
feita cmqu.nto se l o expediente, o quo
contrario ao regiment; em 1. lugar, por-
que o expediente depende da attengo da
cmara, que nao deve ser perturbada pela
mesa; em 2." Jugar, porque a votagio do
projecto cuja discussao ficou encerrada
pertence ordem do dia e nao hora do
expediente.
O Sr. Presidente j fez sentir que a /o
gao pelo modo porque j se fez a mais
fa;il e breve; quanto a ser feita a votagao
na hora e durante o expediente, isso de
modo algum p lo perturbar a attencao que
os nobres deputados dao leitura do ex-
pediente.
O Sr. Matta Hachado (pela or-
dem) corrobora as observag3es dos Srs.
Candido de Oliveira e Affouso Celso J-
nior, porsistindo em que o raethodo segui-
do na votagao nao respeita o sigillo do
voto, como sera respeitado indo o deputa-
do mesa depor a esphera.
O Sr. Presidente sustenta a sua opiniao,
provando que o segredo da votagSo do
raesrao modo guindado e que a votagao
deve ter lugar na hora do expediente.
Os continuos poreorrem as bancas para
receberem as espheras, emquanto o Sr. 2.
secretario servindo de 1., d conta do ex-
pediente :
Pede, porem
es seus escriptor-s
banjadora procedeu dessu modo, emquanto
que o ministro da situacao economiaa veio
pedir augmento de despeza para tornar a
reformar aquella escola, eollocando-a incon-
venientemente como o erador mostra -
no
F0LHET1M
RIGOLO
POR
2A7IS3 2E HIB!
^CO.NTiNUAQO DE ANGELA)
(Continuacao do n. 173)
xvi:
Tomou um frasquinho, que destapou, e,
com um pesa gottas, introduzio duas gottas
do liquido entre as palpebras doentes.
Corpo di Bacco 1 exclamou o arraei-
ro. Isto de, como se me pcasse os olhos
com milhares de agulhas.
E' negocio de um instante... Va-
mos, coragem.
Coragem tenho eu para dar e vender ;
fique certo qu< nao me queixo seriamente
por tao pouca cousa.
Ao cabo de tres ou quatro minutos o ar-
dor acamou-se.
Angelo examinoa de novo os olhos e
disse :
Tudo vai perfeitamente... At ami-
cha noite.
Mas, observou o armeiro, se houve
hoje novidade !
Nesse caso, das cito horas para a
meia noite menos um quarto, podes me es-
perar no perystilo do theatro Ambig...
terei o cuidado de sahr em todos os entre-
actos.
Est combinado... No Ambig re-
presenta-se Fualdsconhego aquillo ;
uma historia que nao data de hontem, mas
assim mesmo muito chic I
O operario sahio da casa de saude, per-
guntando de si para si :
Que diabo anda a machinar o mea
compatriota ? Parece-mo altamente compli-
cado ; mas por minha parte nada tenho
mais a fazer do que servil o ; sabendo, co
mo sei, por experiencia, que com elle sem-
pre se ganha dinheiro.
E dirigi se para Batignolles, onde mo-
ravft o mestre armeiro, sea patrio.
da por ciuco exercicioB cabendo assim
cada um pouco mais de 100;090#000.
A reorganisagao das colonias militares
um dos servigos mais necessarios. As
cousas chegara.u a ponto de verificar uma
inspecgo que um desses estabelecimentos
deixou do pertuncer ao Estado passando
a pertencer a um particular. Se sao for
Explicou muito claramente a esta que
devia seguir um trata ment rigoroso, para
se curar ua ophtalmia e obteve, sem a me-
nor difiieuldade, uma licenca de oito das.
Senhor do tempo, tomou o caminho da
ra das Damas e nao par ju senSo em fren-
te da casa da bella hervanara.
- -"Ahi percebeu ello que, a menos que nao
quizesse chamar irnmediatamente toda a
attengo sobre si, a espionagem era menos
fcil do que tinha julgado a principio.
Era impossivel passear de um lado para
o outro da ra sem ter ares de malsira e,
o que peior de malsim desageitado.
E' verdade que poda entrar no bote-
quim situado em frente da loja de Angela,
do outro lado da ra.
Mas se passasse todos os das mettido
no botequim durante quatro ou cin;o horas
de seguida, essa assiduidade, sem causa
apparente, daria forgosamente na vista dos
freguezes e provocara infinitos commenta-
rios.
Ora, o negocio para o qual Proli o pu-
nha espreita, exiga a maior prudencia e
muita circuraspeegao.
Comprehenda isso maravilhosamente e
esporeava a iraaginago, sem achar a solu-
co do problema.
Emquanto procurava essa solugo, olha-
va em volta de si.
N'um canto do sud solo, do vendedor de
vinho, nos degros mais altos de uma ad-
ga, via-se a installagao do um vendedor de
castanhas.
Por detrs do gran le assador, com o
fundo furado de buraquinhos, dentro do
qual se assavam as saborosas astanhas,
esta va um grande mo.-etSo, de cerca de
vinte e cinco annos, remechendo com ener-
ga a sua fazenda para impedir que se quei-
masse.
Per Bacco I disse o armeiro comsigo,
batendo na testa, tal vez que eu arranje
aqu o meu negocio.
Sera hesitar, approximou-se do vende-
der de castanhas e perguntou em italiano :
De que paiz meu amigo ?
Sou do Piemonto... respondeu o ou-
tro em francez.
Piemontez 1 I Tambem eu... O ne-
gocio vai correndo ?
NSo vai mal.
Quanto ganha por dia ?
Quatro francos.
Dou-lhe seis, durante cinco das de
seguida, para me ceder o seu lugar, e ain-
O Sr. Matta Machado declara que com cretario) responde ao Sr. Candido de Oli-
a interpretagao draconiana da mesa pouco
poder dizer relativamente pasta d es-
trangeiros. Entende que o Sr. presidente
nao pode tolerar opposigZo o direito de
discussao poltica.
Entretanto pede a S. Exc. que o advir-
ta no caso de nao achar na ordem, aquillo
quo passa a expender.
Diz que tratando se de discutir na c-
mara e no senado a conveniencia de trata-
do celebrado entre o Brasil e a Repblica
Argentina, o nobre presidente do conselho,
que ltimamente ratificou este tratado, bus-
cn exmr-se de qualquer rosponsabilidade
na sua execucao. Mas tarde, porm, re-
conheceu quo essa responsabilidad* lhe ca-
ba tanto quanto ao ministerio de 6 de Ju-
nbo, que tinha concluido a negociacSo.
O orador est convencido de que o no-
bre presidente do conselho, retificaado
aquello tratado, porque o julgou conve-
niente. (Coutestag3es.)
da por cima, dar-lhe-hei o rsultado da ven-
da.
Per che !
Sou casado...
Oh! Povero !
E' verdade, povero; porque tenho to-
das as razoes para crer que minha mulher
me engaa.
O vendedor de castanhas recebeu essa
confidencia com um gesto de terna com-
paixao.
O official de armeiro continuou :
A desavergonhada, segundo me disso-
ram, deve vir ter com o amante, em uma
das casas que estao em frente de nos....
Quero ter a certeza.. Para estar certo,
necessario espiar... Ora, o buraco que
lhe serve de loja, parece feito expressa-
mente para uma espionagern.
Vai ficar aqu todo o dia ?
At s nove horas da noite.
Mas, sabe ^o officio ?
Fiqtffc descansado, hei de assar as
castanhas em regra.
D-me dez francos em lugar de seis
e fajo o negocio.
V l Est o negocio fechado.
E paga adiantado ?
- Cinco das a dez francos... total cin-
cuenta. .. vai os'receber.
O rosto large e moreno do vendedor de
castanhas exprima, ao mesmo tempo, es-
panto e alegra. Cincoenta francos de uma
assentada, ao mesmo tempo que aproveita-
va a mercadoria. .. Que negocio da China I
XVffl
O official de armeiro desceu os primer
ros degros da escada, escondido dos olhos
dos transentes, por todos aqueiles utensi-
lios de assar castanhas, e disse ao com-
patriota :
O seu avental... as suas mangas
postigas, depressa !
O vendedor de castanhas obedeceu.
Luigi poz as mangas postigas e o aven-
tai de babadonro e depois, tirando a som
ma conveneioaada, metteu a na raab do
piemontez, accrescentando :
Aqu estao os cincoenta francoss....
Aviso que obrigado a ausentar-se e que
poe, em seu lugar, em seu lugar, um ca-
ntarada e nao volte aqui ao bairro, sonao
ao cabo de um ou dous das.
Mas... observou o industrial, eu te-
nho o meu carvio e as minhas castanhas,
e isso vale dinheiro.
veira que a publicagao da acta na folha
oficial conta os Srs. deputados que en-
trara depois da chamada, o que nSo pode
fazer a acta que se le cmara, que conta
propriamente os que responderam cha-
mada.
O Sr. Soares delara que achava-se
presente e respondeu chamada na sessao
de hontem; entretanto da acta nao consta
esse facto.
O Sr. Presidente explica que a acta d
noticia dos nomes dos Srs. deputados que
responderam chamada, mas depois entra
ram outros senhores que foram dados como
presentes pelo encarregado da acta para a
folha official.
Quanto ao numero de 150 deputados a
que se referi o nobre deputado ter visto
publicado, o facto explica-se por engao ;
talvez se mencionassem como faltando os
que nao comparecern! i chamada e dopois
da chamada.
O Sr. Candido de Oliveira leu
em uma das folhas diarias que n'uma das
ultimas noites s 11 horas foi invadido o
estabelecimento de um honrado negooian-
te desta corte pela polica, a pretexto do
denuncia.
Depois da leitura dessa noticia o orador
deseja que qualquer dos Srs. ministros in-
forme o que ha a respeito, porque o facto
grave, parece uma irradiago do regula-
mento do Sr* ministro do imperio, porque
a polica j so julga coj6 difeiio de pene-
trar de noite na casa do ai4ad&>> seo que
fosse pedido soccorro.
Nao suppunha que, depois de tatitos an-
nos de pratica do systema representativo,
o partido conservador ainda continu a dis-
tinguir-se pela violencia em todos os actos
do seu governo.
Pede que nao se illuda o governo, por-
que ha do paiz elementos para desordens
futuras: esses mesmos meetings, com tanta
ordem dirigidos ultimafente, devem fazer
pensar o governo que j ha uma forca la-
tente que se faz sentir.
Deseja tambem saber porque verba sao
pagos os artigos que apparecem na im-
prensa contra deputados' e senadores, que
de certo nao sao artigos particulares.
Nao censura o governo pela despeza que
fizer com a imprensa para sustentar suas
ideas e desenvolver seu programma ; um
direito que todos os governos tm exerci-
do, liberaes e conservadores.
Quanto?
Vinte e cinco francos.
Aqui esto... eu sou assim, em ne-
gocio ; fago empenho em apanhar a patifa
da minha mulher... Vamos tomar um co-
po de chablis, na taverna.
O piemontez seguio o compatriota, avi-
sando o taverneiro da sua partida impre-
vista e da sua substtuigao momentnea, e
depois de ter trocado un aperto de mo
Com o seu supplente, foi-se embora.
Irnmediatamente depois, Luigi installou-
se na sua loja, que tinha um metro qua-
drado, encheu o fogareiro de carvao, aorio
as castanhas c tratou de as assar, carro
gando sobre os olhos o seu chapeo molle e
t'azendo tencc de no dia seguate trazer
um bon.
Passou-se o dia, sem que a loja da her
vanara fosse theatro de qualquer inciden-
te que chamasse a attengo.
A's oito horas e meia, o armeiro fecheu
a loja, jantou na taverna, dirigio-se para o
Ambig, e passeiou de um lado para o ou-
tro, no perystillo.
No primeiro entre-acto, vio descer P-
roli, que, sem lhe fallar fezjsignal de o se-
guir.
Arabos se dirigiram para a ra de Bon-
dy.
Quando te acharara n'um lugar deserto
e sombro, Angelo perguntou :
Entao, o que ha de novo ?
Nada, absolutamente, at agora.
Como te arranjaste para estabelecer
a espioBagem ?
O armeiro contou-lhe o que acabamos de
aontar aos nossos Ieitores.
Proli poz-se a rir.
Vou te reemboUal dos teus adiantamen-
tos, dsse elle, depois de ter ouvido, e ajun-
tarei a isso o que merece a tua ongenhosa
idea.. Abre a mo e mette no bolso.
Quando o armeiro tirou a mo do bolso
tinha este enriquecido com duas notas de
cem francoi.
Onde o vejo araanhS noite ? disse
elle, depois de ter agradecido.
Em minha casa da ra da Saude, e,
se por acaso lver sabido, devos me espe-
rar, mesmo no caso em que a espera seja
longa.
Cont commigo.
Depois, o operario tomou o caminho da
Pequea Polonia de Montreuil, onde sabe-
mos que se achava o seu aposento.
No dia seguinte, s seto horas da ma-
que contenha
e Ibes faga ver que o
dinheiro dos contribuintes nao nao pode
servir para pagar desabafos particulares.
m.-iraa a attenclo 'lo governo para as
scenas do selvagona que so preparara na
?ua provincia para a eleigao senatorial de
2(0 do correte: recebeu cartas delibera-
ba, que affirmam que ai scenas de 15 de
Janeiro ultimo vao ser reproduzidas e ain-
da mais ens ingutadas, para o que j
houvo inicio na ultima ele1)8e-^S23R!?!fitl..
Depois de outras considerag3es em refe-
rencia 4 eleieio do Sr. deputado Joao Cao-
tao e mostrando o criterio do ebefe de
polica de Minas -Geraes, que em seu rela-
torio apresentou tu lo quanto havia de re-
servado na polica secreta de ha milites
anuofl, termina fazendo votos para quo 0
governo arvori o pendo da liberdado e
da ordem no paiz.
O Sr. Soares (para negocio urgen-
te diz que inexacta a aecusago feita
pelo Sr. Candido de Oliveira ao chefo de
palicia da provincia de Minas-Geraes.
Na qualidade de candidato tleigSo se-
natorial daquelL provincia, declara que
jamis se ontendeu com aquelle magistra-
do, nem lhe remetteu nenhuma circular;
ao nobre deputado que trouxe cmara
objocto tao grave contra aquelle distincto
funecionario, cabe apresentar as provas da
assergo quo avaocou. (Apoiados.)
ORDEM DO DIA
FORJAS DE TERRA
Procede se successivamente votagao
dos arts. 2, 3o e 4o do projecto fixando as
forgas de trra para o exercicio de 1887
1888.
Silo approvados e o projecto remettido
conmissSo de marinha e guurra.
OR9AMESTO DE ESTRANGEIROS
Contina a 3a discussao do projecto fi-
xando a despeza do ministerio de estran-
geiros para o exercicio de 18861887.
O Sr. iro de Ciuahy vera
tribuna cumprir o rigoroso dever de mem-
bro relator da commissao do orgamento
que se discute e tanto mais importancia
tem esse dever, quando confia qne o gabi-
nete de 20 de Agosto proseguir serapre
na poltica larga que tem encetado ; alm
disso, cumpre tambera um dever de cor-
tezia para com a Ilustrada minora.
Julga que est no espirito da cmara a
conviegao de que a Ilustra minora procu-
ra protellar todas as discussSes, como hon-
tem succedeu na discussao da relevago.do
pagamento de decima s pobres freirs do
convento da Soled.auc ; bem como em oc-
cupar tres vezes a tribuna o Sr. Matta
Machado, sobre assutnptos quo o orador
menciona.
Passa a responder aos nobres deputados
que trataran) dos negocios da pasta de es-
trangeiros quer em 2* quer em 3a discus-
sao.
Quanto ao procedimento do governo em
rea gao ao Ro da Prata, lembra que o Sr.
Barao de Cotegipe foi quem no senado des-
pertou da inercia do governo liberal a res-
peito do que se passava, corao prova com
os Annaes de o orador 16 alguns trechos.
Quanto questo magna do elemento
servil, prova tambem que nao cabe res-
ponsabilidade ao ministerio de 20 de
Agosto.
Tratando da questao de limites com a
Repblica Argentina, o orador historia O"
acontecimentos que se deram a respeito,
at a ascenso partido conservador, cujo
governo nao fez mais do que ractificar o
que estava feito pelo governo liberal.
Descreve o que se deu na Bahia com o
vapor La France, que viola va a linha sa-
nitaria do porto, mostrando que todo o
procedimento das butoridades foi legal;
do mesmo modo se refere questao do va-
por Valparaso da linha do Pacifico, que
incorreu em igual falta.
(Contina).
nhil, com exactidb militar, chegou ra
das Damas e installou-se no seu posto de
observagao.
Na casa que lhe ficava em frente, nem
tudo corra como ardentamente desejava a
pobre Angela.
Emma Rosa, depois da sua chegada a
Pariz, tinha dormido durante duas horas,
mas com somno agitado, que a nao deixa-
va socegor.
Tinha acordado com muita febre.
A bella hervanaria, anciosa, conservava-
se cabeceira do leto da filha.
Como vais tu, minha quendinha ?
perguntou-lhe ella, logo que lhe vio abrir
os olhos.
Tenho dores surdas de cabega, res-
pondeu Emma Rosa. Parece-me ouvir,
sem cessar, o zumbido de um cortigo de
abelhas.
Iso nao ha de ser nada, minha fi-
lha... o cansajo da viagam... tu ainda
ests muito fraca.
Dize-me, mama i, de que pro v m es-
te nevoeiro que enche o quarto ? continuou
a moga.
Este nevoeiro ? repetio a hervanaria,
admirada.
Sim, parece-me ver-te atravs de uma
nuvem.
E' porque o tempo est sombro.. .
um verdadeiro dia de Dezembro... mur-
murou a pobre mai, querendo socegar a si
mesma : depois accressentou : Sentes appe-
lite, minha filhinha ?
Nao muito.
EntSo, bastar tomares um oaldo; ..
Isto to nao carrega o estomago, depois jan-
tars melhor.
Como quizeres mamai.
A menina, dcil, tomou um caldo e lo-
vantou-se para jantar, mas n2o teve appe-
tite.
Comeu pouco e sem gosto.
JjiPelas nove horas e meia da noite quei-
xou-se de augmento de dores de cabega e
pedio para se raotter na cama.
Angela deitou-a.
A noite passou muito agitada. Sonhos,
que mais parecan! pesadellos, vinhara a
todo o momento perturbar o somno da po-
bre menina, que acordava em sobresaltos,
banhada em suor.
De manha a fraqueza da vespera linha
augmentado ainda.
Emma Rosa quiz levantar-se, mas nao
pode suster-se as pernas e foi necessario
tornar a mettel a na cama.
Acommettida, desta vez, por verdadeira
angustia, Angela mandou a toda a pressa
buscar um medico pela criada.
Luigi, espreita, vio sabir Catharina,
cuja physionoma exprima o espanto.
Passava-se, pois, qualquer cousa de anor-
mal na casa da hervanaria.
Esta supposigao era tanto mais provavel,
quanto Catharina, uma vez na ra, em lu-
gar de caminhar como de costume com pas-
so regular, deitou a correr.
O espiao tomou nota destes pormenores
e prometteu de si para si redobrar de at-
tengo.
Deconeu perto de um quarto de hora.
No fim desse lapso de tempo, o armeiro
vio a criada voltar acompanbada por um
su jeito de physionomia grave, de grandes
suissas e trajando de preto e gravata bran-
ca. #
Deveaer um medico, pensou elle;
naturabnente f"iramo buscar para a moga,
para qem prepararam o quarto quando
eu quebrei um vidro com a minha ben-
gala.
E nao se enganava.
A bella hervanaria esperava o medico,
no rez do ch5o. f
Pol-o rpidamente ap facto dos porme-
nores da terrivel qu^Ta dada por Emma
Rosa no camioho de.'ferro de Marselba a
Pariz, fallou-lhe da ferida resultante dessa
queda e dos cuidados prestados pelo medi-
co de Saint-Julien-du-Sault, depois condu-
zio-o ao quarto da filha.
O medico agarrou na mSo ardente de
Emma e poz-lhe dous dedos na arteria do
pulso.
Um pouco de febre, disse elle. O que
que lhe de, menina ?
A cabega. Urnas vezes, dores surdas,
outras, dores tao agudas que me difficil
nao gritar.
E a vista ?
Os olhos nO me dem ; mas, tanto
hoje como hontem, parece-me que o quar-
to est coberto de um nevoeiro.
Ora, exactamente na occasiao em que
talla va Emma, um raio de sol penetro u
peja janella, que tinha as cortinas inteira-
mente abertas, e bateu na cama.
[Continuar se-ha)
Typ. do Diario, roa Duque de Caxias n. 42
f '


| MOTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETY9MLJ4Z_HB6BSY INGEST_TIME 2014-05-28T18:36:28Z PACKAGE AA00011611_19848
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES