Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19837


This item is only available as the following downloads:


Full Text
.ANNO LXV NUMERO 184



.PUU A CAPITAL E LIGIREi OM,l \ iO SE PAGA PORTE
* Por tres meces adiantados......-.
Por aeis ditos i>jag .......
Por ale auno idem ^.....
Cada numero avulaOj do mesmo di. .
6^000
120000
23^000
0100
r .
8BBAD0 15 DE JOTH0 DE 1889
PARA DEXTAO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados..............
Por nove ditos idem- <........."......
Por um anno idem.............***...
Cada numero avulso, de das 'anteriores..........
^"1
130500
200000
260000.
5100
DIARIO DE PERNAMBUCO

Tropredaxk de 3\tanod Seguetea de S'aria ntyvs
i
Os 8rs. Araede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios
e publicares na Fran-
ca e Inglaterra.
-

TELEGRAMMAS

.'

r

sss:;:: pabticulas so r::::
RIO DE JANEIRO, 14 de Junho, 1
i; Oras e 20 mi autos da tarde.
Dixararn de funecionar boje b Senado
a Cmara dos Deputados.
Confirmo a noticia, que enviei hontem,
ia reuniSo do Conselho de Estado pleno,
convocado para amanha.
Foi exonerado do cargo de inspector do
Arsenal de Marinha da CSrte o rice-almi-
rante, conselheiro de guerra, Barao de Ivi-
uheima, sendo nomeado para exercer inte"
r'namente dito cargo o chefe de divisao,
conselheiro Fortunato Foster Vital.
NATAL, 14 de Janho, s 5 horas e 15 mi-
natos da tarde.
ti
Insultaram o juiz de direito da comarca
Cangnaretama., Dr. Cassiano Bernardi"
no dos Reis e Silva, na occasiao em que
ia sahndo do tribunal do jury. S. S. fi-
c:u f erido no rosto.
Consta haver partido o desacato de j.
Ciencias liberaes.
ssevijo sa asescia savas
LONDRES, 14 de Janbo.
Em urna excursSe de meninos e meninas
as escolas, em caminho de ferro, cida-
i? de Armagh (Irlanda) hoave urna colli"
io entre dois trens.
.0 numero de mortos a lamentar de 72
e o "de feridos 150.
MADRID, 14 de Junho.
Acaba de ser eleito presidente da C-
mara dos Deputados D. Alonso Martnez.
PARS, U de Junho.
Acham-se em grve os coebeiros.
O governo apresentou na Cmara dos
Deputados um projecto de le, autorisando
os liquidadores da Compauhia do Canal de
Panam a emittirem o resto das obrigacBes
:;l antiga sociedade, at "4 milhues.
O presidente da repblica, acompanhado
seus ministros, inaagurou hoje a abertu-
ra do pavilhao do Imperio do Brnzil na Ex-
posicao Universal.
Agencia Havas, filial em Peraarabuco^
14 de J unho de 1889.
JHSTRCCiO POPULAR
AS (iRWES l>\E\(0ES
1NTIGAS E MODERNAS
Sciencias.
AS
industrias s artes
POR
XVI
O para-rain
> (Continuar o)
No mez de Agosto de 1752, M de Komas com-
uiunicou a seus amigos, debaixo de sigilio, que
havia concebido o projecto de arreniessar para
as uuvens procellosas um papagaio armado de
ponta nietallica. Fez a primeira experiencia a
H deMaio de 1753. Mas nao produzio resolta-
d porque a corda do papagaio, como nao fosse
boa conductora, nao podera trazer o fluido ate
..o solo. '
Para remediar a este defeito de conductibilida-
de, de Romas enrolou um fio de cobre a todo o
fompriroento da corda, que tinha 260 metros.
No dia 7 de Jui.ho de IJ53, por um dia de tro
roada, de Romas tez urna experiencia magnifica.
Preodeu extreroidade inferior da corda do pa-
nagsb um cordo de seda, e este a urna pedra
mito pesada, collocada no alpenared'uma casa.
A' corda e alm do eordo de seda, suspendeu o
cvlindro de lata, commantcando cora o no de co-
bre e propino para se tirarem faisca?, se as hou-
-em ,,para este effeito empregava se um tubo
de lata soldado a outro de ndro. Ao principio
lirarani-se iracas faiscas, e as pessoas que assis-
tiam, em grande minero, a esta experiencia ex
traordinaria, riam e brincavam com o perigoso
meteoro. ..
Mas dentro em pouco a trovoada enfureceu-se,
e de Romas deu-se pressa em afastar os curio-
sos, A lougura e esplendor das faiscas ia aug-
mentando Incessmtemente. Logo o intrpido
experimentador excitou laminas de fogoque jor-
ravam a mais de um pe de distancia cora um es-
tampidos que se ouvia a mais de dozentos pas-
808.
fConincJ
PARTE0FF1C1AL
ftovrrno da Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 16 DE MMO DE 1839
Actos :
O vice presidente da provincia, tendo em
vista os termos de exame, annexos por copia ao
officio do inspector interino do Arsenal de Ma-
riana de bonlem datado, sob n. 70, dos quaes
consta haverem Andr Joaquim Lobo e Antonio
Baptista Moreira pres ado exame, de conlormi-
dade com o art. 3 do decreto n. 1324 de 5 de
Fevereiro de 1854 e obtido approvacao unnime
dos examinadores para servirem de quarto ma-
chinista de barbos a vapor, determina que as
examinados se ex pecara as competentes cartas
de habilitaco na forma do art. 5 das instruc-
n. que baixarara com o decreto n. 2,600 de 2
rabo de 1860,-Communicou se ao inspeclor
do Arsenal de Mannha.
O vice-presidente da provincia em execu-
cao da lei n. 2,395. de 10 de Setembro de 1873,
resolve nomear o tenente Adolpho Gentil para o
posto de capillo da I" companhia do 5o batalho
de infantaria da guarda nacional da comarca do
Recife em substituico de Manoel Florencio de
Moraes Pires que passou para a reserva.Com-
municou-se ao commandante superior.
O vicepresidente da provincia em execu-
cSo da lei n. 2,395 de 10 de Setembro ce 1*73
resolve nomear Joao Baptista do Amaral para o
posto de capito da 3' companhia do 8o batalho
de reserra da suarda nacional da comarca do
Brejo em substituico de Manoe-I Cordeiro dos
Santos Filho que deixou de solicitar a patente
no prasolegal.Coramunicou-se ao commandan-
te superior.
O vice-presidente da provincia em execu-
go da lei n. 2,395 de 10 de Setembro de 1873
resolve nomear para preenchimento das vagas
existentes no 50 batalho de infantaria da guar-
da nacional da comarca do Brejo os seguintes
officiaes :
1.a companhia
Tenente, Francisco Nunes de Oliveira.
7.a companhia
Capito, Agripino Rodrigues Nogueira Lima
Communicou-se ao commandante superior.
O vice-prusidenle da provincia em execu-
go da le n. 2,395 de 10 de Setembro de 1873
resolve nomear o alferes Alexandrino Jos Fer-
reira Gavalcante para o posto de tenente da 6a
companhia do 49 batalho de infantaria da
guarda nacional da comarca do Brejo em substi-
tuico de Joao Felippe Nery Napoleo que obteve
guia de passagem para a comarca de Palma-
res. Communicou-se ao commandante supe-
rior.
Oficios :
Ao inspeclor da Thesouraria de Fazenda.
SPara os devidos effeitos, remetto a V. S. copia
, aviso de 22 da Abril ultimo expedido pelo
isterio da Guerra a respeito do pagamento
importancia de 2:535*920 requerido por Jos
Joaquim de Azevedo, sobre o qual essa inspec-
tora informou em officio de 16 de Marco ultimo,
n. 125.
Ao mesmo.Remetto a V. S. copia do avi-
so do Ministerio da Marinha de 8 do correte, n.
98, Ora e que seja cumprida a rdeui ooUfc
contida, a respcjto do que essa Thesouraria
prestou a informaco n. 152 de 16 de Abril
lindo.
Ao director interino do Arsenal de Guerra.
Constando de officio da intendencia da guerra
de 9 do correte sob n. 329 terem sido embarca
dos no vapor Maranhu esperado dos portos do
sul dous voluntes contendp medicamentos e mais
artigos destinados pharmacia militar desta
provincia ; a?sim o dec aro a Vmc. para seu, co-
nhccimenlo e devidos Hns.
Ao mesmo.-Segundo consta de officio da
intendencia da guerra de 9 do corrente sob n.
336, foram embarcados no vapor Maranhilo, es-
perado dos portos do sul, 29 volumes destinados
a esse Arsenal conteodaa$ artigo? mencionados
nos dous inclusos conhecimentos.
O que fago constar a Vmc. para os-fins con-
venientes.
Ao juiz municipal do termo de Pao d'Alho
Pela praca de polica de nome Francisco Ber-
nardina Lisboa ser apresentado a V. *. o ex-
alumno do instituto dos surdos mudos Jos Lou-
renco Godofredo Lucas, fiado da curte em vir-
tude de requisico constante de seu officio de 28
de Margo ultimo ; deixando o director daquelle
estabeh cimento de remetter o peculio do referi-
do ex-alumno pelo motivo exposto era seu officio
junto por copia de 8 do corrente mez.
Mandou-se dar passagem na estrada de ferro
do Recife ao Limoeiro por conta da provincia
em carro de Ia classe at a estaco de Pao
d'Alho ao ex alnrnno e bem assira praca que o
acompanha a quem se concedeu passagem de
volla.
Portaras:
Communico a Cmara Municipal do Recife,
para os fias convenientes, que no recurso inter-
posto pelo Dr. Joao Vieira de Araujo e capito
Ernesto Vieira de Araujo a que se referem os
seus oficio? ns. 30, 71 e 71 A. de 5 de Maio e 3
de AeosU de 1887 e 23 de Agosto de 1888, pro-
fer hoje o despacho seguinte :
Recorrara aos tribunaes competentes.
Mutalis mulandis ao Inspector da Thesou-
raria de Fazenda e ao director geral de obras
publicas. .
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegaco vapor fagam transportar".para a pro
vincia da Parahyb^ a bordo do vapor ilaranhao
a praga de polica Geraldo Francisco das Cha-
gas, que dalli veio trazer o reo Joaquim da Cos-
ta Ponte, condmnado no termo de Beze ros des-
ta provincia, correado essa despeza por conta
do ministerio da justica.
O Sr. gerente da companhia pernambuca-
na de navegago a vapor inunde dar passagem
gratuita de proa para o presidio de Fernando
de Norooha na primeira opportunidade a Jos-
phim Maria dos Santos, irm do anspecada do
2o batalho de infantaria Manoel Antonio Barbo-
sa.Communicou se ao directer do presidio.
O Sr. gerente da companhia pernambuca-
na faga transportar provincia do Rio Grande
do Norte, por conta do ministerio da marinha.
tres boias destinadas a capitana do porto aHi
existente.-Communicou-se ao inspeclor interi-
no do Arsenal de Marinha.
- O Sr. superintendente da estrada de fefro
do Recife ao S. Francisco mande dar transporte
da estago das Cinco Ponas at o de Palmare?,
por conta da | rovincia, a duas p-agas do corpo
de polica que vo destacar em Buique.
Mututi- mutandis ao encarregado do pro-
longaraento na estaco de Palmares para man-
dar transportar at a de S. Joao.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Oficios:
Ao inspector da Thesouraria de Faz nda.
O Exm. Sr. viceopresidente da provincia man
da remetiera V >. sejs ordens, sendo tres do
Thesouro Nacional de'ns. 77 a 79 e tres ilo mi-
nisterio da guerra de 6 e 8 do corrente.
Ao Io secretario da assembla legislativa
provincial. Deordem do Exm. Sr. vicepresi-
dente da provincia e cm addilamentoao meu of-
ficio, n. 92, de 9 do corrente, remelto a V. S.
copia da portara que suspendeu a publicago
da resolugo dessa assembla, de 30 de Abril
lindo, revogando a lei n. 245, de 16 de Jucho de
1849,que interpreta a de n. 2, de 4 de Maio de
1840
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr.
vicepresidente da provincia devolvo a V. S. um^
exemplar de cada urna das resoluges enviada?
com o seu officio n. 51, de 6 do corrente, recebi-
do no dia 7, as quaes foram sanecionadas, sob
ns. 1,990 a 1,992.
Ao mesmo.-De ordem de S. Exc. o Sr.
vice-presidenle da provincia devolvo a V. S. um
exemplar da resolugo dessa assembla, envia-
da com seu oficio n. 52, de 17 do corrente a
qual foi sanecionada sob n. 1,993.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De
ordem deS. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia communico a V. S. que o Dr. che/e de
polica participou haver hontem reassumido o
exercicio do cargo de commandante geral da
guarda cvica o capito Joao do Reg Lima J-
nior.Respondeu se ao Dr. clif de polica.
aos agentes da Companhia Brasileira de
navegago a vapor. S. Exc. o Sr. vice-presi-
dente da provincia ficou iuteirado pelo officio de
Vv. 3s de haver entrado hoje dos portos do sul
o vapor Maranho que seguir para os do norte
ate Manos, amanh s 5 horas da tarde.Com-
municon-se a directora da agricultnra.
Editaes:
Fago publico que acha-se nesta secretaria
a portara do governo imperial concedCndo a
Francisco Seranhico Gomes do Reg, capito da
4a companhia uo 7" antigo batalho de reserva
da guarda nacional desta provincia, dispensa do
lapso de tempo decorrido alim de que o referi-
do oficial, que foi reformado no posto de major
possa eolicitar a resoectiva patente.
Por esta secretaria se comraunica a quem
interessar possa, que por portara do ministerio
da justiga, de 8 do corrente, foi prorogado por
mais taes mezes o praso lesal afim de que o ci-
dado Joao Baptista Castanha nomeado para o
posto de tenente-coronel commandante do 4o
batalho de infantaria da guarda nacional da
comarca do Rio Formoso, nesta provincia, pos-
sa solicitar a respectiva patente, prestar jura-
mento e se apresentar fardido e prompto para
o servigo.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 13 DB
.uviio de 1889
Antonio Brilto de Queiroz. Deferido
cora officio de hoje ao commandante das
armas interino.
Braz Ferreira Barboza. Deferido com
officio de hoje ao commandante das ar-
mas interino.
Bernardo Floriano Correia de Britto.
Ao Sr. commandante das armas interino
para attender.
Francisco de Paula de Albuquerque Sal-
les. Indeferido a vista da informacan.
Felippe. Floripe8 de Faria Vieira. Sini.
Dr. Jo3,o Vieira de Araujo. D-se.
Joanna do CoracSo de Jess. Rer
mettido ao r. director da Colonia Orpha-
nologica Izabel para attender a su plican-
te, nos termos de sua informacSo de 11
do corrento mez. i -*** t *
Maria Joaquina de Araujo. Remetto
do ao Sr. director da olonia Orphanolo-
gica Izabel para attender a supplicante
nos termos de sua informajao de 11 do
corrente mez.
Maria Joaquina de Barros Padilha.
Remettido ao director da Colonia Orphano-
logica Izabel para attender a supplicante,
nos termos de sua informacSo de 11 do
corrente mez.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 14 de Junho de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 13 DE JL'SIIO DE
1889
Jos Nicolao Ferreira Gomes. Ao Sr.
Dr. contador para as devidas notas.
Luiz Ferreira de Almeida. D-se.
Tenente-coronel Francisco Goncalves
Torres, Manoel Clementino Correia de
Mello, Jos Luiz Ribeiro e officio do Dr.
chefe de polica relativo a Jos Martina
de Almeida. Informe o Sr. Dr. conta-
dor.
Commcndador Antonio Valentim da Sil-
va Barroca. Volte ao Sr. D.-. adminis-
trador da Recobedoria Provincial,
Vctor Nersen eAntonio Henriques Ra-
mos.- I laja vista o Sr. Dr. procurador
fiscal.
so&aqwg-,
Reparticio da Polica
2. secgao.N. 589Secretaria de Po-
licia de Pernambuco, 14 de Junho de 1889.
Ulm. eExm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recojhidos Casa de
DetencSo. os seguintes individuos:
A' ordem do Dr. delegado do 2. distric-
to da capital, Manoel Mariano d'Almeida,
por crime de defloramento.
A' ordem do subdelegado da freguezia
de Santo Antonio Cypriano de Souza Vie-
gas e Eloy Alves da Silva, por crime de
furto.
Participou-me o subdelegado do distric-
to do Tara do termo da Pedra, que no dia
3 do corrente no lugar Cabocolo d'aquelle.
termo, foi traicoeiramente assassinado com
um tiro, Manoel Moreira do Nascimento,
logrando evadir-se o delinquente.
Aquella autoridade, tomou conhecimento
do facto fez proceder a vistoria, abri o
competente inquerito e diligencia descu-
brir o autor do crime.
Communicou-me o delegado do termo de
Palmares que pelas 11 horas da manha de
9 do corrente, na pa Bella, d'aquelle ter-
mo, a pos urna troca de palavras, entre
Albino Jos da ('amara e Jos I etronillo
Mauricio de Mello, resultou sahir este fe
rido gravemente com um tiro desfechado
por Abilio, que foi prezo em flagrante.
O respectivo delegado tomando conheci-
mento do facto, fez proceder vistoria,
abri o competente inqacrito que a teve
o destino conveniente.
Deua guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
3r. Barao de Souza Leao, muito digno
vice-presidente da provincia.O chefe de
polica, Adolpho de Siqueira Cavalcante.
ominando das armas
Antonio Florencio Pereira do Lago, bacha-
rel em mathematicas e sciencias physi-
cas, officia da imperial ordem da Rosa,
cavalleiro das de Christo e S. Bento de
Aviz, condecorado com as medalhas de
Matto Grosso e das |ampanhas do Uru-
guay e do Paraguay, com o passador de
prata e o n 3, tenente-corouel do corpo
de estado-maior de Ia classe e comman-
dante das armas interino da provincia de
Pernambuco, por sua magestade o im-
perador, etc.. ete.
Faco saber a todas as pracas dos diffe-
r en tes corpos do exercito que sua mages-
tade;. o imperador houve por bem indultar
<* crime de 1.* e 2.a diseucoes simples que
commetteram, como se v do decreto pu-
blicado em ordem do dia da Reparticao do
Ajudante General n. 2,255 de 25 de Abril
ultimo, e em seguida transcripto :
Querendo manifestar por actos de mi-
nha imperial clemencia a veneracSo e res-
peito que consagra ao dia de hoje era que
a igreja commemora a Sagrada ^aixao e
Morte de Nosso Jenhor Jess Christo, e
commiserando-me das circunstancias em
rse acham differentes pracas dos corpos
sxercito, que tiveradf' mfelicidade de
desertar, affastando-se de suas bandeiras,
hei por bem indultar-Ihes o crime de 1.a
e 2.a disertes simples, que commetteram,
devendo ellas apresentar-se as respectivas
autoridades dentro do prazo de 2 mezes,
contados da publicacao do presente decre-
to em cada urna das comarcas do imperio,
incluindo se n'aquelle numero as pracas
que se acham sentenciadas ou para senten-
ciar polos mencionados crimes.
Palacio em Petropolis, 19 de Abril
de 1889, 68." da independencia e do im-
perio. Com a rubrica de Sua Magestade
o Imperador. Tliomaz Jos Coilho de Al-
meida. ,
Qnartel do Commanda das Armas de
Pernambuco, 21 de Junho de 1889. -An-
tonio Florencio Pereira do LagoTeen
te-coronel cammandante das armas inte-
rino.
-seass--
T8T)
iflrtrwwrio Pnbllea
DESPACHOS DO DIA 14 DE JUNHO DE
Abaixo assignados moradores em Santo Anto-
nio lo Buique. Sellem o documento.
Francisco Cordeiro da Fonseca Medeiros.Ins-
creva-se.
Rita Francisca dos Anjos Chacn.Informo o
delegado litterario.
Victorino Antonio de Alcntara. Compra-ae
e registre-se.
CMARA DOfc REPUTADO
sessSo DE 22 DE MAIO DE 1889
(Concluso)
O Sr. Joaquim tabacoContinuando :
A este respeilo eu
direi, ireferindo-me a um
folheto qu'tenho as mos, relativo a urna de-
manda, de base adminstrativa, que acaba de ter
lugar no Para, entre dous associados do Xing,
que a explicago do nobre deputado nao com-
bina com a dos interessados. Vou 1er dous
trechos significativos. Um de urna carta do
Dr. Assis em que elle diz ao seujsocio (le):
C soubemos, por um telegrararaa da Havas
de passagem era 1 discusso do projecto Xing
e agora vejo quanlos esforgos seus se tornaram
necessarios para a obtengo de semclhante re-
sultado. -^
Outro um commentano doJsr.-^Alves de
Brilto.. ."
A outra carta do Sr. Dr. Assis. Foi es-
cripta do Rio, em;S de Julho de 1878, com o fim
de garantirme vantagensespeciaes no privilegio
da navegago e explorago do Xing, resultado
igualmente de esforgos meus e o prjngipal El-
Dourado do primeiro fazendeiro de-.'ljaraj, o
que elle esperava que produzisse para cada socio
a quantia fabulosa de;ccrcaae 00O:000s00 11..
Este El Dourado perdeu-seem razo do egosmo
por elle revelodo em 187*1880, quado propug-
nava pela resciso do coatracto das .fazends
nacionaes.
O homem, que faltava ao seu erapenho com-
migo. nao poda merecer rae mais confianga e
d'ahi o abandono em que ficou o decreto de
concesso do Xing, que em 2 discusso dorme
na Cmara dos Deputados o somno |do esqueci-
mento.
Longe de haver um acto poltico da Cmara
em desfavor desse contracto, o que se evidencia
que elle deixou de ser lei por se haver desin-
teressado de sua passagem o elemento indivi-
dual em que elle se originara e que o promova ;
quem nao sabe, Sr. presidente, quenesses casos
a ordem do dia da Cmara depende muite das
solicitages ou dos proprios interessados ou do
governo por elles f
0 que tambera se pode chamar negocio serio e
melindroso qara a adrainistrago. o negocio da
Copacabana. .
Sr. Pedro Luiz :Apoiado
O Sr. Joaquim Nabuco ..emqueem docu
ment assijinaJo pela' directora foi allegado
(ue.uma companhia estrangeira, Norte Ameri-
cana, alButanical Carden, foi obrigada a entregar
Condessa de Lage a quantia de 400:000*000,
para conseguir a cadueidade de um decreto im-
perial.
O que se pode chamar negocio lucrativo e o
de Xing, que se v no mesmo folheto, que Hit*
devia dar de lucro a cada interessado .......
2 OOO^'O*.
O que se podeni chamar negocios graves, sao
os das estradas de ferro concedidas e logo res-
cindidas o dessa estrada de ferro D. Pedro I.
pela qual estamos ameagados, segundo se diz,
de urna reclamagao;ingleza de nada menos de 8 a
10 rail contos.
O que se pode chamar negocio humilhante
para Cmaras e governo igualmente esse des-
gragado negocio Waring Brothers, do qual po-
dem dar testemunho lodos aquelles que assisti
rara leitura nesle recinto pelo Baro de Cotc-
gipe da nota do ministro inglez!
O que se pode cjiamar negocios verdadeira
mente gigantescos, sao todos os nossos forneci-
mentos, inclusive esta massa nunca penetrada
pela lux publica, da secca do Cear. Tudo isto
junto, Sr. presidente, forma urna serie de escan
dalos accummulados uns sobre os outros, e sobre
os quaes nenhum inquerito foi at hoje reclama-
do pelos que agora tanto se ipdignam contra o
nome de Loyo.
O Sr. Coelno Rodrigues :Foi no tempo dos
ladres de casaca.
0 Sr. Joaquim Nabuco :S. V. Exc. Sr. pre-
sidente, quizer ir mais longe. tome a lista dos
concessionarios de estrada* de ferro, noraeie se
urna commisso da Cmara... seria preciso no
mear 100 commissOes.
O Sr. Matta Machado :V Exc nao se es-
quega tambem dos cambiaesIMau. para nao se
referir mente a inia cpocJla. (Ha mais apar*
tes).
0 S*r, Joaquim Nabuco :NSorae comprhende
o nobre deputado. Nao estou retaliando, estou
procurando mostrar que este genero de negocios
lem se dado em todas as admistrages e que
enlre nos a esse respeito nao ha differenra entre
Earlidos, noJhadifferenga entre ministerios, nao
a differenga entre Cmaras, nao ha differenea
entre epochas.
Ha urna epocha, por cxemplo, como foi *
administrago Bio Branco, como foi a adminis-
tradlo Siniub, e, agora como tem sido a admi-
nistrago Joo Alfredo, era que pela expanso
do espirito industrial, por urna vltafidade rc-
nascenle do espirito da erapreza. por um esti-
mulo qualquer da energa dos capitalistas ou dos
especuladores, Parlamento e o governo ?fio toma-
dos da febre de contractar.
Nessa epocha faz-se contracto com lodo o
mundo, umachuvade ouroqueeedo'thesouro
sobre os concessionarios e ento se diz que a
administrago est envolvida em negocios, que
o ministerio est cm contacto com os pato-
teirti.
Os abusos nessa epocha sao ferrosamente to
grandes como em tempo de guerra", ou de secca
e o que acontece 6 a reacio. A csses ministerios
que espalhavam o ouro succedem outros que fe-
chan* o thesouro para todos, temos ento os mi-
nistros que nao fazem contractos com ninguem
que desconliam que todos que se approximardel-
les o querem compromcttel os ou que sao os
homens de palha dos contnictdntes da admi-
nistrago anterior. Sao epochas de retraccao,
em que a moralidade administrativa deixa de ser
suspeitada simplismentc porque o governo deixa
de contraclar.
Foi o que se (leu com o ministerio Saraiva.
succedenao ao ministerio Sinimb : foi o que se
deu com o ministerio Lafayette, succedendo ao
ministerio Paranagu : o que se dar com qual
quer ministerio que succeder ao actual. Em urna
palavra Sr. presidente, as administrag6es que
abrem o thesouro sao todas acensadas, e s se
salvam de ataquas que o feebaai. Nao ques-
to de homens nem de covernos. de epochas.
Os mesmos homens conforme as epochas sao se-
veros ou facis. A reputago de severidade de
uns sempre injustamente feita cusa de ou-
tros. .. Mas nao ha difierenga entre partidos, s
temos em poltica um pessoal.
O Sr. LamounierTemos a repblica.
O Sr. Zama-Ento um paiz perdido (Ha
ontros apartes).
O Sr. Joaquim Nabuco :Nao perdido. Te-
. .Linos porm que mudar o nosso syslema de ad-
ministrago, para evitarmos os graves abusos e
premiso, de que peridicamente o Estado vem a
scffrer, nao ha vemos porem de l i-hegar estulie-
lecendo differenga entre homens.
A verdade que em materia de administrago,
neste paiz, s temos tido duas escolas ou dous
systemas : um o do nobre deputado pelo Rio
de Janeiro (o Sr. Andrade Figueira) e do nobre
deputado por Minas, (o Sr. Affonso Penna) nao
fazer contracto com ninguem, fechar o thesouro
a todas as investidas, nao se deixar tentar por
nenhuma perspectiva de melhoiamentos, assim
tetn-se a certeza de nao ser lesado em negocio
algum ; o outro systema o inverso, de tentar
grandes obras, de emprehender granes prefec-
tos e porlanto para isso fazer grandes contractos.
Nesse rgimen o Estado lesado por forga, mas
o que elle ainda mais soffre e. por culpa do Par-
lamento. Votamos com effeito de urna assenta-
da, orcamentos gigantescos e o resultado 6 que o
governo laz repentinamente esses gigantescos
contractos que suscitam depois a queslo de mo-
ralidade.
E" oque temos sempre visto : empresas conce-
didas sera estudo erealisadas sera fiscalisago,
chegamos a fazer contractos para seren rescin-
didos logo depois Eu pergunto si ha nada
mais hnmilhante para o nosso paiz do que essas
conccsses seguidas de recises e seguida? por
3ua vez de reclarnacr.es c-strangeiras. A lei que
manda rescindir iio um attestado publico
que o governo c o Parlamento do ao paiz e ao
mundo de =ua ncapacidaae administrativa !
(Apartes do Srs. Loeho Rodrigues e Costa Pe-
reira.)
0 Sr Joaquim Nabuco :0 honrado deputado
exactamente um dos que maior responsabili-
dade tem por esse abusos administrativos.
Uualquer ministro de estado, que tenha feito
contractos em grande escala, entre nos tem que
bater nos peitos : nao ha outros homens.
Ou fazeis contractos, ou nao fazeis, se nao fa-
zeis nenhum podis crear urna reputago de se
veridade custa do vosso antecessor : se fazeis
recahi sob a raesma censura dos despeilados de
vos terdes envolvido em urna patota, porque to-
dos quaotos negocios o Estado tem feito sao da
mesma nalureza, to favores concedidos para
serem vendidos e negociados. A idea que qual-
quer individuo venha oflerecer seus servigos gra
tis ao Estado ou os seus capitaes ou a sua in-
fluencia, nao 6 urna idea de homens de negocios:
em todos elles ha urna margem para e lucro do
concessionario. .
Havcr entretanto alguem que faga m opinio
do Sr. Couto de Magalnes, por exemplo, porque
forga de aetiviilade, talento e perspicacia, e
todas as mais quadades necessarias para con-
seguir favores da administrago obteve urna
concesso vaotajosissima que realisou na Ingla-
terra?
Tome V. Exc qualquer desses grandes nego-
cios administrativos do seero da esirada de
ferro do Rio Verde, do Pedro I e da Natividade :
sujeito este negocio a um exame microscpico,
faga recahir sobre elle a forte luz da odiosidade
que esto concentrando hoje sobre os negocios
Loyo.-Apure do pomo de vista dos lucros ob-
lidos ou dos ocus impestos ao Estado o que se
insiste, em chamar a moralidade administrativa,
e qualquer Saltes fornecer maior somma de ele
mentos ao escndalo quolidiano do que tolos os
negocios Loyo nos quaes hoje se procura cir-
cumscrever "a m administrago dos negocios
pblicos. (Apoiados).
Posso repetir, Sr. presidente, que fazendo
mentalmente o calculo dos favores intencional-
mente feitos pelo Estado a coctractantes de toda
ordem, que, acho os taes negocios Loyo peque-
nos relativamente massa dos outros.
Elle effectivamente um homem protegido, e
o pronno Sr. presidente do conselho nao se en-
vurgonharia estou certo a respeito de certa som-
ma de protecgo que Ihe tenha dispensado, de
dar cmara a mesma resposra que deu o Sr.
-ilveira Martins quando acensado de ter contra-
ciado com um amigo o servigo das loteras :
Favores fazem-se aos amigos.
O Sr. Bezamat Com essa theona dos favo-
res como cousa licita, nao admira que V. Exc. se
nao espante com os negocios Loyo.
0 Sr. Joaquim Nabuco : -V. Exc. nao en ten-
deu o meu argumento. Eu nao seria capa de
repetir as palavras do honrado senador pelo Rio
Grande do Sul para dar-lhes esse sentido. Eu
< favores que os ministros fazem coagtantenentr
que o nobre deputado ministro, faria todos os
diasna administrago. nos empregos, e at na
magistratura.
Ha um grao de immorali Jade, de cerrupcao,
a que eu estou certo que governo algum deseto.
enlre nos : a do funcconirio que recebe dintaei-
ro pelas conccsses que faz. Supponho que nin-
guem aecusa o ministerio deste grao de corrup-
g5o : aecusam p.'o de ura grao menor, mas ami-
to serio anda de causar conscientemente pre-
juizo ao Estado para fazer favores a amigos.
Ha differentes especie* neste grao ; mas do pon-
to de vista inglez, nao ha mais perfeita especie
que all se chama jb e que se pode tradozir por
pafata : do qne confiar por motivos particulares
um cargo de magistratura a um individuo que-
nco seja digno de exercel-o.
Nomear magistrado, nomear para a primeira
das funeges sciaes, a distribuir justiga. a de
garantir os direit-os de todos, e quando se trata
em jul de orphos, a de proteger os pupillos da
sociedade. o patrimonio dos menores, um indij
vi.luo indigno, urna forma, por eerto das mais
rtvoltantes da prevaricagao ministerial* Mas eu
pergunto : quera e no nosso paiz que n3o est
incurso nesse grao menor de immoralidade pu*
blica ?
Sr. presidente, vou agora dar a razo pela
qual os negocios Loyo nao me pareceram pouco
alarmantes.
Sei que a pasta da agricultura urna pasta
em que se podem commettci grandes abusos,
abusos ruinosos, qtie nos tem levado a resciso.
dos contractos e d'ahi as reclamagcs do es'.ran-
geiro. Mas devo dizer a V. Exc. que nao tremo
tanto quando vejo o ministro da agricultura mal
cercado, do que se vejo nessa pesigo ominstro
da fazenda.
E quando vejo o honrado presidente do conse-
lho completamente desemharagado. m:smo pe-*
las accusagOes da opposigo ca influencia e d
sombra de qualquer personageui financeiro, en-
tendo que o thesouro publico nao corre sesio
perigo. 0 ministro da agricultura nao faz senfio
executar as leis que votamos, distribuir os fa-
vores, as concesses, decretadas pelo parlamen-
to : si ha graude abuso nos contractos mais
nos contractos em si, isto e. mais da responsa^
bilidado de quem os votou e de alguma sorta os
tornou imperativos, do que na distribuigo des-
ses favores. 0 ministro da fazenda, porm, joga
com o crdito do Estado.
E' a razo pela qual o ministerio passado me
pareca mais perigoso para es interesses nacio-
naes do que este. (Apoiados e nao apoiados.)
Sr. presidente, o ministerio passado foi um '
ministerio que relativameute nao fez contractos.
O Sr. Mac-Dowell : Desfez muitos.
0 Sr. Joaquim Nabuco : Desfez mesmo como
observa o nobre deputado mas a sua poltica
financeira era aventurosa. e que para realisal-a
elle encontrara um homem de prestigio financei-
ro o Sr. Visconde de Figueiredo, que domina a>
nossas pracas. Foi elle reconhecidamente o
apoio e auxiliar da administrago financeira do
Sr. Belisario, e por isso eu o digo francamente,
vendo o ao lado do ministro que decidi da alta
e baixa do nosso cambio, da cotago da divida
publica, do crdito do nOsso paiz, u julguei
sempre muito mais perigosa a sorte de nossas
finangas sob o ministerio passado do que sob o
actual. Era ento que eu trema pela administra-
go do Estado que nao depende tanto dos erra-
dos ministros da agricultura como dos grandes
planos ambiciosos dos ministros da fazenda.
O Sr. Bezamat:V. Exc. falla em these, mas
nos temos o facto.
O Sr. Joaquim Nabuco : Nao seria nni facto
a conversan ?
O Sr. Bezamat:Demonstre onde est o erro.
(Ha outros apartes).
O Sr. Joaquim Nabuco : Pois quem tem du-
vida de que foi preparada a converso! Vendo
Sr. presidente um ministro da fazenda sera ima-
ginario, sem vos, sera auxiliares na praga, eu
pelo menos me sinto relativamente tranquillo, e
a razo pela qual.prefiro do ponto de vista fi-
nanceiro este miBsterio ao passado.
Nao quero entrar na comparago da marcha
do cambio, nem dos recursos do Thesonro. Digo
simplesmente que para mim o importante na
gestao publica que o ministro da fazenda seja
homem que esteja s, que nao se entregue
imaginago, aos brilhantes vos, de ninguem no
manejo de sua pasta. (Apartes).
Eu sei, por exemplo, que mais de urna vez te-
mos estado ameagados de ver o eixo de nosso
crdito estrangulado, que o eixo das nossas fi-
nangas, passar das da casa Rotchild para syndi-
catos anonymos, organizados ninguem sabe com
quem. Mais de una vez tem havido tentativas
para formar associagOe? de bancos ou de capta
listas, para transferir de Londres para o conti-
nente a eroisso da nossa divida. Eu tenho a
mais absoluta certeza de que todas essas espe-
culages teriam naufragado miseravelmenle, ar-
rasando comsigo o crdito e a honra do Estado.
E' desses planos ambiciosos, dessas vises gi-
gantescas que tenho medo, nessas audaciosas
inovaces que eu vejo o verdadeiro prigo para
o nosso paiz, cujos recursos seriam todos fundi-
dos as mos dn semelhantes syndietos....
Nao por nenhum sentiinento pessoal de an-
tagonismo ou m vontade, que eu vejo serio pe-
rigo em o ministro da faaenda auxiliarse da
influencia do Visconde de Figneiredo, um homem .
que pelo seu trabalho e pela sua intelligencia
conseguio urna formidavel ascendencia, urna ver-
dadeira dictadura, sobre os capitaes nacionaes
que o nico que pdelevantar bancos e com-
panhias medida que del les precisa.
O Sr. Rodrigues Peixoto : Feliz do paiz que
tem um homem assira principalmente honesto
como elle 6.
O Sr. Jo; quim Nabuco : Feliz, diz o nobre
deputado e eu nao duvidarei dizer que lodo paiz
precisa ter homens assim, nas nao ura homem
s e ao lado dos ministros da fazenda. (Apar-
tes).
Acredito entretanto nao ter dito urna palavra
que possa ter ferido o melindre dos amigos do
ministerio passado.
Accresceotarei agora.
Quando o honrado r. Belisario aceilou a pas-
ta da fazenda, eu entenda que elle linha urna
incompatibilidade absoluta paia exercel-a.
S. Exc. julgou que nao a tinha.
Mas ha um facto que eu invocarei em oppo.u-
go ao clamor que agora se levanta. Na data
em que o honrado ministro entrava para o gabi-
nete Cotegipe, elle assignava urna escriptura
com o Banco do Brasil relativa a interesses seus
particulares ; pouco tempo depois S. Exc. fazia
como ministro da fazenda com o Banco do Bra-
sil ura contracto lucrativo para o banco de ga-
ranta de urna considerare! emisso de apolices.
O Sr. Bezamat: E provou estar cima de
toda a censura
O Sr. Joaquim Nffifco : Procuren alguem
pela coincidencia ligar estes dous fados de modo
a aecusar o honrado ex ministro da fazenda?
Fe se entao o que hoje se est fazendo contra
o honrado presidente do conselho ?-
O chanceller presente do Excbequer da Ingla-
terra o Sr. Goschen. Elle foi ha lempos ao
Egypto em commisso financeira regular os ne-
gocios da divida publica egypriaca, eram bonds
emiitidos-em parte pela firma de seus innos, da
qual elle fizera parte, e conseguio a solugo que
desejava. De vez em quando na cmara aos
communs a opposico radical quando o Sr. Gos-
i

* I
'


U

,


m
"SF""*^*-"-1
j.

~



m

y.
I



i2
de PemambucoSabbado 15 de Junho de 1 H9
*
chet toma a patarra jecebe v com allusOes aos
egocios do gypto ; sao ptrsonalwades-dnsa- -nal oollector. fApoia.
gradaveis, mas a que faz log j calar o genio so- Mais de urna vez em Lo
deiro syslemade drenagem com um grande es -
gradavei .
bro de povo inglea, incapaz de anicular por
nsinnacoes aquillo/que nao pode provar com
facto.-, e para qual e urna prova de re peito pro-
prio resneitar a digniclade albeia.
A differenca entre o nosso OMte e o inglez
, que nos queremos que os nossos actos sejam
explicados sempre pelos melhores motivos, ex
plicatido nos os aetaailnsvnos a*.Hajlanaria*4a
modo mais indecora*) |*a*a ellas*
Eu nf.o preeise*laer* aama qufcnair. tm
chen gosa do reinado, au,j ta uni^^arada.
mas o respeito uananinesdailaglateria: nenvaw
am noine polilicyquHtoiiz que mmmssjmi-
z.jr mais altamenteaeol I Mee ao-.respatt da .ge
neralidnde dos swMtoiMiriMiamu
O Sr. Coelbo MlB;umw-0 bem gosa entre o* 4 esse.e aceit. <^poiad<>-
O Sr. Joaquim Naboyo M. aiflnaianiiconlaeui
assim na Iuglaterra f
E' porque o povo inglez nao fu esse processo
muito simples que. nos faz.nuos, o que eu cha-
mare o processo das coincidenrias. Porque ura
individuo sagro de um lillio do pruneiro mi-
nistro, os inglezes pelo menos nao tirariam essa
conclusa> cte qae o* eonlruetee ttmm^mm
ioram determinados por esse falso parentesco,
assim com > porque o Sr. Bclisario teve negocios
particulares com o Banco da Brazil. os ingiezes
nao anega ria a concluir que os cintradas l'ei-
1- aer elle com o baueo foram influiBKiados
.'iiirlla circumstanciu. (Apartes).
Ali se os oohres deputados dizem iuha.ho-
11-.s que se poem cima da calumnia, que toem
.iireitj de afastar com a poata do pe aecusaces
! -s' .riera, porque nao admitlir que teem
p il .lucilo todos aquelles lioraeui cuja vida
.. sobretodo e se podem responder, como o
irado presidente do conselho por.certo res-
!'-. cmim pobreza e a siniplicidade de
'11a \i a. a laes accusac'.'S i (Muitos apoiados).
Qu l hornera de Estado entre nos qae nao
u sido maculado pt-U rilamnia. iMuitosapoia
dos.).
i pa/ est habituado a um triste espectculo
o no ver o seus homins de Estado arrastareiu-
id tara o terreno da diffauwco.. Embora eHes
lis n M parlamento quaudo esto frente a frente
>iU' wpeilain a probidade poi.soal do scuadver-
teri a verdade e que o alcance das accusacOes
.(-. do liuprobida-le ; nao se da isto aa Cmara
lac- a face, mas diz. se na impreusa. onde su
coiu.aenfa no dia seguinte o que se passa uo
panfcitiMfll > diido-se o verdadeiru sentido as
Ijaliiv.-.is aqu proferidas .. Ha urna dificrein-.i
sobre 'i diapaso da Cmara e o da imprensa,
ma; ii > Tundo u:n so partido, sao as mcsinas
icea M ; e nao lia n<;gar. a iraputaco vai fe-
rir a a I versar -m sua propria honra. Sao sce
-MU ( .. Nd u sclvatfcns. em que nao so resuelta
ncnlimii.i inlencao.. ciitreiauto anuos,mezes,
Jias dipois sao estes mesmonliumeos que se fa-
iem us aos outros conselheiros de Estado e
irinao des
' O que nao lia muito tempo diaia liberal a iinmonsa conservador! esi estampado
as paginas do Brazd: como foi cooimcntado
pelos alliados de hoje, o desenlace da queslao
Waiig! .
Dcpois. um. dous, ires annos, urna simples
Mkiaaga do situagao, a simples passagem dos
houic.is que se acliavam naquell.is cadeiras de
uiinisMis pira estas bancadas ou viceversa,
basta .;i:a apagar essas nodoas que 00 raomen-
10 do serum lanudas na re.mtacao dos nossos
hetnens pblicos pare-Mam dewr ser indeleveis !
llavera alguem qu.' pense que uesse rcKmi'ii
le miputagi's e de esquecimeiiios nao se est
afundaodo a propria reputaco do nosso parla-
ment!
O nobre depulado por Minas lembroulia pouco
a facto dos cambiaes. Esse justamente um
.los incidentes que servem pira mostrar como c
empre perigosa a exisiencia dessasindividuali-
dades linaneeiras omni|)otentes a queme referi
Mas eu quero recordar a -rena do Senado que
preseiicii.'i.
Eu eslava no Seuado 1*0 dia em que Zacliarias
dirig a sua plitpica CiMBra o Visconde do Rio
B-aa>. phthpici ainda ma s forte do qu.-a do
ano iwbre amigo ao Sr. presiilcnte do cousellio
As laos de Rio Branco, curcrordo-me, pareciam
de marmore, e revela vam a tortura moral a que
olle eslava submettido; as iisiriuacOfS, as iro-
nas, as coinci leticias choviam urnas a pos ou! ras
obre a reputaco do illustre estadista .. O seu
ecusador deiuva-se u-atiuolle gema de ana
W*e Pois ben, Sr. presidente. O que r que
ne ilit lwje daquer.es cambises? QU'- fvrsra
ravi-z ura erro aum'ilustrativo, mas que a naco
rom a sua generosidade deliuiliva para com os
seus ix'iiemerilos lavou com urna imine isa onda
I.- .-ralido a lembranea nai|uella tortura -. E'
que a naiio -labi que se Kio Branco tivessc urna
falla am -ua moralidade loria deixado urna im-
meusa fortuna, em vt/. de morrer na pobn-za ..
E o que a oaijao dia tambem do honrado pre
idate do consetho, que se elle quizesse desviar-
se urna linlia do seu escrjpulo, seria hoje um
bomem le fortuna s.-m que existwae o mais ira-
palpavel vestigio df sua ud lindeza moral, sem
que iaira.-sc sequer urna >oiolira um nomc de
Lov.. olire a sua reputaco !
So comejo da minha vida realmente CMM
disse o honrado deputado ea denunciei com al-
guei -alor actos administiativos que me pare-
ciam fastar-se dos 1 ileressi-s imblicos.
0 Sr. AIToiis l'enna : -E dmc continuar a de-
uun<*i'il us,
0 Si. Joaquim NaLuco Mas, appeilo para o
proprio honrado deputado, cu num a disse seauer
ama palarn que padasae ii.inrnar a sasceiitiiiili-
dade ..'s-'ial dos ministros. que '-11 sabia por
irxeuiptu que seria ridicul) dar a atenderque
iaimeusoe negocios, n'essi-s milharc-i milhares de contos derramados iieta admiiiis
racio ic roja di-iriiui'.:"'.. eu i-i.mlemiiava, que
o conseHieiro Siniiib Irvesse connivencia, cum
pli'idadc "'i qoalqoer c i-partieipae&o directa ou
mdirefia. (Apoiados).
Golliicado 110 terreno da -everidaoe adminis-
trativa acredito que o actual ministerio posa
sabir (brido -da disitesa dos contractos denun-
ciados. Eu pela minha parle examinarei esses
actas como uui jui/. imnareial i inflexfve : mas
quaut'i ao seu effeilo moral, quanlu a clles diuii-
uuirem ou nao a i.maciilade moral do minis-
terio, quanio a podereifl ser urna rapitix mlMtio
dvil ou pt,Iitica, a lodo e.-se genero de acensa
oOes ou opponho a mema jegativa que a neto
intcira op;oz tenlati\a de inutilisar Rio Braco
E pretextos a graves impatacOes nao os damos
lodo- nos f Sanios qneui fazemos os orfameiitos :
lodos os anuos os oryamentos sahem das duas
cmaras arreg.tdos de n<>gocios lucrativos de
iaterrs.se iuvi mal. Somos, portanto. nos os pri-
aair-s, o- grandes patoteiros, tanto mais que
3nasi senipre nos conservamos sentados, in-
iffere.tes.'sein saber o que se est votando, nos
momentos em qne se deciden) os mais gravea
eios do Estado, lia individuos qne nos veui
llar, que se dirigem aos nepatado* e senadores,
que no* iascreve s u sua! listas pro ou contra
is suas pretciiges, mas que nos nao conhecemos
e que no dia seguinte nao nos cumprimentam^
Quein poJcr dizer que a Cmara dos Depu
lados do Brazil 6 una cmara corrupta ?
Eu no sei qual o ponto de vista em qu-
atentado a oppusico pela imprenta se col loca
para denunciar os contractos Loyo como urna
immoralidade sem excmplo 110 paiz'.
Em relaco ao emprestimo de Minas o nobre
deputado por Pernambueo. o Sr. Goticalves Fer-
reira, chamou para si toda a responsabiiidade.
Em i' laco aos negocios geraes, eu duvido que
alguem possa suppjr que o Sr. Antonio Prado,
as concessoes que fez, se deixasse levar pida
eircomstancia de ser Loyo sogro de um riliio do
Sr. presidente do conselho. (Apoiados).
Nao, Sr. presidente, a Cmara est convencida
de que sao homens dignos de hombrear com os
melbores do nosso paiz, todos os que se sentara
aessas cadeiras, e que entre nos e elles no ha
sombra dessa incompatibilidade moral levantada
como preliminar das relac&es entre o parlamooto
e o governo.
Este ministerio teve a infelicidade de existir
a'nma dessas pocas era que o Estado quer im
puilsionar o deseBvolvimento do paiz. Sao pcas
parecidas s de guerra. Qoaodo o Mrquez de
Caxias cfaegou ao Paraguay, elle sabia bem que
para levar os nos jos soldados 90 combate era
preciso contractar grandes fornecimentos. Elle
sabia lambem qne esses fornecimentos haviam
de ser empre lucrativo, zesse-os elle com
quem os fizesse, porque nao ha dos especies de
coatractantes, os desioter!ssados e os especula-
dores. Todos easea individuos.que fazem con-
tractos, formam entre si um rmg, urna maco-
aaria, todos sao solidarios aa transaces fetas
com nns sao fafUs som todos. um verda-
__ Londres ou ouvia inglezes
dizerem que t m nosso paiz segundo'a nossa,pr J-
pria contis8o, o padrao da moralidade adminis-
trativa em muito baixo. Isto explicase, por
qae inglezes tm umbarcado para u Braz e
aluda mais brazileiros para a Inglaterra, sanan-
do-se, aos que elles pretendem explorar, de
terem na sua algibeira homens polticos, cmaras
e aoveriminMaw
E coalBKsa/&r. piimtnita, qae ao paso
qn.s,jjaaiO()u'ico4L,-soiaos liouradj- at ao
itBtteraaaa, por outru dado somas relaxadi'S.
atao iumflaWtimo, mas -nessa dura ceusnia
inVestamaAigiulmciite iacuesna. parq:ie.tadi'S
. soltreaios nao sei sida metal a w.-enuMa:,
si da.mosuai cuuanca ou da me.->iua de.-.idia
U Sr. ocitio RodriguesParabens aos repu-
blicanos..
O Sr. '-tttYiT *" '....." questao LoyOv*in
taes circuuistancias. e urna pessima escada para
um partido subir ao poder.
Na Gaz'ia de Notttu, Ferrera de Araujo dii-
se-o muito bem. Votada a preliminar Loyo, o
que se >-gue qae aadrainistracao futura nao
poder fjzer contractos com Loyo, nada mais.
O que- jreeiaaiat Sr; presidente, de votar
leis severas contra a m apalica^an d r-s uublios. fazeudo recaliir toda a responsa-
Inlidade das. coatractos sobrj funecicnaxios te-
cIiucjs coniiieienles, organisando em summa a
responsabiiidade da admialatiacao.
Acredito ter respondido ao que teiu dito na
impreusa meu illustre amigc a quem mcreliro.
Xo me aecusa a consoiencia de ter le-
vantado cootra neuhum correligionario ou a J
versario a suspeita de corrupcao. Tenlio ce:i
surado actos, tonho severamente criticado todo
o pessirao systhemu adininisir.ili.o dojiaiz.iuas
no pouto que une arespousabilidade do minis
tro honra do i.idividao ate hoje anidan jo ta-
quea..
Recuso a preliminar do meu honrado amigo o
ex denutido pela Baha que dirige com iinmen
so l>i jIihi do seu talento um dus orgaoida im
prensa desla cidade. Elle touiou u.iu posi<^ao
iniraosigenle, entro "H-s e esieniiiii-.lerio ii.j
li-i accordo possivcl que seja a sua politica, as
reformas que ello nos'iaga, porque para S. Exc.
0 ministerio um cadver moral.
Eu digo que isto urna lebre de maralidada
passagoira, por se o meu illustre amigo quizes-
.se julgar os homens de todos os partidos, pelo
mesiuo padrao de severa, inllexivel joatica pelo
1 j.ii est julgaudo esses homeus, teria de con-
ileiiiuar toda a uossa poulica l'ena mais, Sr
p.esidenle, teria de RCOab>*eer que (i ato peio
pejuizos cau.-aJjs ao paiz .>jiiio pelas liumillia
yes soffridas esses coutractos L ij sao ain la
urna das paginas menos tastos da nossa con
descendencia administrativa. A esse^ pelo uie-
uos i'il'eu Ciino epilogo a reclamaijio es'an-
ge.ira.
Nao descerei da tribuua, Sr. presidente seui
aluidir em poucas palavras uiralia posico po
11 tica.
Acabo de prestar ao ministerio Joo -U/redo o
servic 1 que elle devia esperar da minha lea'Ja
de atiolicionista.
Nfio desejo oeste momeuu provocar a miui.ua
divergencia, mas sou obligado a exnor a rula
cao de gratido e:n que me.acbo oollocadu para
com o nobre presideuie do cousellio por cauia
do servico que elle prestou uossa patria.
Tem-se querido desinoralisar ou ames|uuiljar
esse servico; eu potara estou convencido, de
que. s" o Sr Joao Alfredo uao tivesse feito a
ab'ilieo de 1J de Maio de issti, ella anda a es-
ta hora estara longe de estar leita. Se a princesa
imperial, em vez de chamar o Sr. Joo Alfredo
de quem talvez nao se devesse esperar um acto
to prompto, tivesse chmalo aquelle que era a
esperaaca mxima do abolicionismo, o Sr. Dan-
tas, teriamos visl 1 o partido liberal dividir se
pela misan mortal resistencia de la.Si. tcriara >s
visto o partido conservador unido como un s
homem, teiiamos tido eleiges disputadas, como
urna guerra civil c eleiges uas quaes nos nao te-
riamos podido apresentar nos com bandeira
da abolico imuiediala. porque inesmo uaquella
poca a abolico iraucdiata seria ama bandeira
sob a qu l haveriamos forcosamente de perder
a maior parte dos districtos que sao quasi todos
agrcolas.
E urna circumslancia derivada do que eu cha-
mo egosmo, mas que outros chamara pruden-
cia, do partido conservador, o nao aceitar elle
as relormas seuao quando ellas ebegam a ura
poni em que nao lhe 6 mais licito resistir.
* verdade que o partido conservador ainda
hoje estara disputando a aboligo estas cadei-
ras, como o fez em 1883.
A abolico, lera-se dito, eslava cita ; Antonio
Beato ja a tinlia feito em S. Paulo .' .Nao eslava
tal; o que bavia era urna massa de escravos f-
gidos ; pois bem, ea pela experieucia que tive
0080 dizer que a posico dos escravos rugidos
era peior do que a dos que librara uas fazend.is;
elles erara homens perseguidos por toda a parte,
sem coofianca em si, a merce* de ameacas de
qualquer, era etiilhn. urna posico peior do que
a dos escravos que.ou por menos ousados ou por
mais Qeis, prefanan continuar sob o capttveiro
esperando a lei!
E' por uso que direi, ainda quaado a lei de 13
de Maio nao tivesse feito outra cousa seno le
galisare completar a ob-a de Antonio Bento, a
qual poderia ter terminado por urna guerra -er
vil, se a resistencia tivesse coutiuua lo, ainda as
sim teria sido urna lei de cmancipaco effectiva
'otal porque os escravos futridos erara, esses sim,
escravos para sempre-..
O Sr. Zaina : A lei de 13 de Main nao pode
senlar o ministerio da responsabiiidade de seus
actos posteriores.
O Sr. Joaquim Nabuco: vio quero dizer isso,
mas o nobre deputado ha de permittir que eu
dofenda emquanto estiver couveuoido d'clla a
honra do homem qne fez a abolico.
O Sr. Zaraa : Ninguera o aecusa, o que se diz
c que nma aduiinistrucao inhabii. (Trocara se
diversos apartes entre os Srs Alfredo Correia e
Zaina).
O Sr. Joaqun Sabuco:O debate nao tem ou-
tro alcance : o que tem sido posto em que?to
nu c a capacidade dos ministros, a su mora-
lidade. (Apartes).
Nao fallo do nobre deputado, fallo do gro- da opposieSo que se levanta eonira o ministerio
no paiz fallo Ja conspiracio do rancor que d!e
-uscita.
Mas, Srs.. quaudo o Sr. Joo Alfredo nao le-
nlia feito outra cousa seno converter, arrastaf
para a abolico immediata a inaioria do baro'de
LOtegipe. claro que a elle se leve am ujifa;.'re,
um feito, um exeraplo em nossa politica* .
Ora, quando todas as circumstaocias se reu
nem, convergem d'esse modo para fazer de um
homem o instrumento de urna grande reforma
nacional, quando ioconte^Uivel que o que elle
fez neuhum nutro poderia ter feito, porque qual-
quer outro seria dividido,' quando elle uni, te
ria feito incompleto o que elle deixou acabado
visivel que esse hornera pelo menos, tinha por
si a uio do destino.
Eu confesso, Sr. presidente, que cutre o valor
do concurso trazido em 1884. abolico pelo Sr
Dantas e o do concurso que a elle trouxe o Sr.
Joo Alfredo, em 1888, eu nao sei qual foi o maior,
qual merece mais a gratido do paiz, qual foi
mais benelien e por sso que a minha devoco
de abolicionista igual a esses dous instrumen-
tos prorideuciacs da grande idea a que dedique!
minha vida.
O Sr. Visconde do uro-Preto disse ha das
que elegendo seo presidente o sr. Paulino de
Souza o Senado tinha querido dar um testemu
nho de respeito e veneraco quelle que havia
sabido manter intacta a f do seu partido.
Eu lela minha parte nao pretendo concorrer
para esses tributos intransigencia conserva-
dora, nao trabalho para unir o partido conserva
dor, desejo francamente que a diviao d'este par-
tido seja cada vez mais profunda, porque isso
significa que ha n'elle nm elemento progres
sista.
Sr. Visconde do Oaro-Preto disse tambera
que se o Sr. presidente do conselho promovesse
reformas liberaos, nos deviamos repellil-as, nada
acceitar d'elle.
Todos os das ouvimos essa reclamaco centra
urna politica conservadora progressista. Ainda
n'isso eu divirjo dos meus oreiigionarios.
Sr. presidente, ura espectculo triste ver o
partido liberal lamentando-se sempre que urna
de suas ideas adoptada pelo partido conserva-
dor ; nao ser essa a maior homenagem que os
nossos adversarios nos possam prestar E se
elles tomam as nossas ideas nao por amor del-
tas, mas para manterem-se por mais tempo no
poder, nao o partido liberal, cuja oatureza
sacrifidftr-se pelas suas ideas, quem flea em me-
Ihor posico perante a opinio e o paiz ?
Icna
O mais imitar a medicTha de certos mdicos
qne exploram as doencas e as fazem durar. En
preliro tirar immedtatamente o espinho do pe do
doentc para /jue elle possa camiuliar. Se ver-
dade que o paiz precisa dessas reformas que
apregoamos, que aireito temos nos deatraves-
sar pretencOes ou ambices de partido entre o
paiz e qualquer governo que lhe queira dar es-
sas reformas ?
Chainam pirataria poltica o facto do partido
consorra4cr..ft.aliiiir i*as do. partido liban!.
Eu conheco.antM'. pirataria uWilectatrf; a ilo
iparlidalibandirprocnnu' nos livros de Tav,.
res Baatos^w pfcwcs desformas qae eiltideDU
para benelicio do paico pn'teuderfaaopdo
^ue foi legado a toda a patria (iroircdada&\-
dusiva.de a partido !
Nao, Sr. pre .lente, a medid.i la .siiieeridade
em peilirrefonnas iiiu > fazer quesl! vde.iis
reasar.
.Nos nao.pixkiutti dizer aomiuislerio: Nos.
liberaes, nao aceitamos nada das vossas inos,
nao tomaremos era consideraco reforma neahu
ma que possais promover .
As provincias tm ancia de sua autonoma
Se nos podesseraos ir s prximas eleices, ten-
do jconseguido para ellas maior sorama de li-
berdade, teriamos feito poiitiea pratica, politiafr
dignaUo.verdaieiro liberalismo.
a temos mandato para recusar as liberda-
des pruvinciacs, s por ser este ministerio quera
as onVreca. As provincias as aceitado dasmos
do Sr. Joo Alfredo, como os escravos teriain
aceitado a sua liberdade das naos do proprio
Sr. Baro de Cctegipc. Ku recordme de uns
artigos de Joaquim Serra quando, no meio da
terrivel balalha em que elle estava empenhado
contra o ministerio de 20 de Agosto. elleolTere-
ca ao Bario de t:otegipe o apoio de sua peona
se elle quizesse pi-se fre)le da abolico ..
Eu nao conher,o melhor excmplo do que esseda
sinceridade do verdadeiro reformista, do que
quer as reformas por causa do povo e nao por
amor ao poder.
Eu desejaria, Sr. presidente, ver o honrado
presidente do conselho enllocar se frenle do
movimcnlo para a independencia das provincias
como se. collocou frenle da abolico. No mo-
mento actual eu vejo nessa politica a aalvaco
da mouarcliia. Quando a repblica sente-se tao
forte qne o novo chefe cleito do partido republi-
cano olferece aos monarchistas umu transaecfio,
a de salvar alista civil da dynastia.a monarchia
devana procurar, como procurou ua abolico a
g 'atidJo do povo. o rocoiiherimenlo das provin-
cias emancipadas, alguma cousa parecida com
es-a lealdade perpetua qne os AmazOBcnses
conservara pela monarchia que liles deu os seus
foro-.
Desconfiando da autonoma provincial, a mo-
narchia comraette um erro pjoliticc, seinelliaote
ao erro cominettido pelo partido conservador re-
pellindo por tanto tempo a eleico directa, que
o devia fortilicar. ou o erro comrajettido pelo
partido liberal deixaudo de unir-se em torno
da bandeira da abolico.
Mas. Sr. presidente, que o honrado presiden-
te do couselho adopte, ou nao essa politica sal-
vadora das instituicijei, qualquer que seja o seu
papel era nossa politica, eu pela minha parte,
tomando hoje a palavra para dar o meu teste-
munho a favor da integridade dos nossos ho-
mens pblicos, inscrevo me desde j contra a
prelimiuar. levantada contra este ministerio...
Eu pelo menos nao concorro pira manchar um
nome que ha de viver na-historia do paiz quan-
do todos os nossos esliverem esquecidos. (Ap-
plausox as galera*. Apoiadns. Milito bem. muito
bem. O orador i Cmpriment'ulo por imitas Srs-
'lepntadoij.
Pregos extremos por 10 kilos
1889 I88
Lavado SaUO a 6J600 5i310 a fliWO
Su(). lino Nominal Nominal
f boa o i
l regular ordinaria 330 a Gi'wO 3^430 a 6 330
6JI30 a 63260 34100 a OO
2-boa 57*0 a 5 830 M300 a 35630
2 ordinaria 12900 a o380 3730 a 5*0M)
F\\\i;\S E ClIMflERLIO
Na praea do Bio o mercado de cambio at a
ultima data de que foi portador o Ville de Per-
wimbuco uo apresentou alleraQo, e os Bancos
raantiveram as laxas de 26 3/1 d. sobre Londres
e equivalentes sobre as outras pracas.
Vigorara, portanto, nos bancos Internacional,
Comraercial, Commercio, London, Englisb e Bra-
ziliaaische, os seguintes presos :
Sobre Londres 90 d/v 26 3/i
Sobre Pariz 9) d.'v 38o a 3o8
Sobre llumburgo 90 d, v HO e 4*1
Sobre Italia 3 d v 358 e 3o9
Sobre Portuual 3 d/v 201 a 203
Sobre Nowa-Vork 3 dfv 70 e 1 i8Wf.
Constaram de letras sobre Londres a 26 3 4 i.
contra bancos ; de 26 13,16 a 27 1/16 d. particu-
lares, as operace3 de hoje, que foram peque-
as.
Bealiou-se papel bancario repassado a...
2(17,8 d.
De dados eslatisticos do rendiraento da Alfan-
dega da corte no mez de Maio, publicados pelo
Jornal do Commercio tem-se o seguinte .'resultado
da respectiva arrecadacao, comparada cora a de
i nial mez do auno anterior.
1889 1888
4.*73:80t3 3.162:737*000
833:397808 286:7243000
Importaco
Exporlago
Mais na importaco
Mais ua exporlaco
Mais era 1889
Renda extraordinaria
Mais era 1889
..109:218*631 3 449:461*000
fiferencas em 18H9
1.111:083*823
348:724*000
1.669:807*823
1889 1888
217:698*820 158:641*000
39:056*820
Noticiamos ha poucos das, diz o Jornal do
Commercio do Bio, achar-se projectada em Sobral,
da provincia do Cear, a fundaco de urna fabri-
ca de tecidos. Outra acaba de ser inaugurada
ua capital da provincia, em edilicio espacoso e
apparelhado da numerosos macbinismos de ori-
eem ingleza. 0 motor da torca nominal de 33
cavallos-vapor, poden do desenvolver o triplo des-
ta forra.
Nao devem eontar-se menos de 85 as fabricas
de lecelagem existeotes no Brazil, e iBto coosti-
tue nao pouco importante manilestaco de vida
industrial infelizmente nao temos estatistica des-
ta especialidade, nem para assim dizer, de ne-
nhuma outra.
Vivemos sem eonsciencia do que realmente
firaemos.
De Londres ha seguinte noticia em data de 15
de Maio:
Caf -Nao houve alteraco no mercado duran-
te a ultima semana.
AsnearO de canna est sendo o mais procu-
rado.
Movimento deste artigo nos quatio princi-
paes portes do Reino-Unido, durante a ultima
semana.
Importaco Entregas Stock
Londres-Toneladas 10974 9.048 37.370
Liverpool 1183 6.367 65.191
Clyde 2.780 4.709 49.798
Bnstol 1 370 1.300 3.010
Contra em 888
1 370
19.309
14.127
21.424
15625
155.36
234.904
AlgndaoActualmente sem grande animacao.
O mercado do caf da corte assignala em sua
estatistica o seguinte moyimento de en Iradas e
vendas, depsitos e pregos extremos obtiJos
as transaccOes respectivas no mez de Maio
comparado dos annos actual e fiado.
Entradas
E. F. D. P. 11, sancas
abotagem
Barra dentro
1889
136,230
39,757
51,855
1888
78 546
26,119
12 366
177.031
Mais em 1889
Yendas
Estados-Unidos, saccas
Europa
Cabo da Boa-Es-
peranca *
Diverses paizes *
1880
237,594
123,092
6,000
22,072
saccas
1888
106,227
12,790
5,800
24,960
388,758 149,777
Stockt
Em 1 mo (saccas)
Em 2 ( )
234,891
1888
75.828
4,936
No mez de Maio sahiram 409,106 saccas de
oaCfrMaxtiItrenles destinos.
Eindata de 6 do crrante dis.i> Joru-tl do Com
inarrii) :
Sabemos por telegranama-ain- L *:i I toa, terem
rasufadaius dir lores do Iruei de litgiterm,
na sua reun a 1 semanal de liojW'. 'as.m*nn
laxa doides'-outo a 2 l.!i*/ par auno, par. ia
tras a 3 oieze; e que no mercado, Bar* UfsttL
pruo, esleve hoje a I 3 8". ,: e a lasa .1
bio sobre*ai'i/. a frs. a^il^ji- libia -te;lua
Na sesso do congresso hespanho', de 1 do
correte, o Sr. ministro da fazenda apresen' >u
o orcameoto ni-ral da receita e despera do Es
lado para o anuo econmico de 188! a 1890, no
qual azem-se redaccOes que ascendem a......
32*744.638 pesetas a saber :
Na despeza de pessoal e material, dos
corpos co legislativos 177.675
Na divida d j Estado 10,268.814
Nos encargos da justira 16.964
Na presidencia do conselho de mi-
nistros 12.939
No ministerio d'Estado | nci; icios es- I
trangeiros) 9,073
No da graca e justica IA97^637
No da guerra 7,94."32
No da marinha 1.0!t7,664
No da govemaco (reino, 996,388
So du fomento 4.634v75S
Nodafazonda :; 1*81,478
No da colonia do Femando Po 22,195
Attendendo, porai. a que tem de augme.nt ir
a despeza por elfeito da dotacao de S. A. R. a
infanta D.-Mara Tbereza Isabel, que corapMa
ele annos em Novembro prximo ilei de i de
Agosto de 1886), de determinados encargos das
rtiiMi 1 passivas, e da construeco da esquadru,
era 6,287.800 leselas, t a economa real, de
96,486,832 peaebB.
Segundo o plano ipresentado. as reeeitas do
Estado sao fixadas em 800,035,687 pesetas, e as
despezas em 799,!ttl.'i3(i pesetas havuado. por-
tant um saldo de 92,250 pesetas I
tiiiorilitu<-k jMtiu ii-s ~ Pur portara
da presidencia de 13 a proposta do Dr. ciiefe de
polica de 12 do frrente foram exonerados :
Do cargo de subdelegado do distiicto de Te-
gipi, do termo de Jaboatan a seu pedido, La-
tino Ramos da Fous.'>cuLinm.
Do cargo de subdelegado do 2- dislri to de
laraelleira (Bibeiro) Juaquim Francisco de Al-
meida, a seu pedd.
(oiuinisviin il<- 1 .- i-|>< no du s. A. o
Hr. Conde d'Eu--A convite do Dr. Antuiiio
Gomes Pereira Jnior constituio-se a comraisso
ccarense para comprimentar S. A. Real < Sr.
Conde d'Eu por oeeasio de sua cheuada a esta
cidade e ao meante lempo enlreaar-llie una re-
presentayo sobre o estado sflUctivo do povo
cearense.
A co.nmissocompe-se dos seguiules ixiarcn-
ses :
Emiliano Ernesto de Mello Tamborn}.
Domingos Jos de Castro e 8lv.
Francisco de Paula liveiru Lima.
Francisco da Rocha Salgado.
Jos de Castro e Silva.
Felippe de Araujo Sampaio.
Theotonio Veras.
Mamcde Mendes da Cruz Guimuraes.
Antonio Gomes l.'ereira Jnior.
Tribunal du Jnrj> do Bec-ifeFunc
cionou houtem este tribunal com a presenga de
38 juizes de facto.
A's 11 horas da manan, presentes o Dr. Joa-
*m:-i orna de Oliveira Andrade, juiz de di-
reito do 2o districlo e presidente do tribunal, o
Dr. Juo Joaquim de. Frenas Henriqies, l pro
motor publico, e o escrivo intermo Josi; Joa-
quim Das do Reyo Junior principiou a sesso.
Foi subuiellido j julgafncnlo 0 reo Bento Jos
fiabiiel do Nasciraento. pronunciado por despa-
cho do Dr. juiz de direi 10 do V" districlo uo art.
193 do cdigo criminal, por ter em 3 de Abril do
anno passado, na ra da Conceico desta cida
de, fendo com urna lacada a Manel Joaquim de
Sanl'Anoa que, era eonsequencia do fenmeuto,
fallecen no dia 23 do mez seguinte no hospital
Pedro II.
O jory de seutenca compz-se dos seguintes
jura los aos quaes deferio o Dr. juiz de direito
o juramento legal.
Jos Alfredo de Carvalho.
Antonio Menelio Cordeiro de Gusmo.
Jos Fernandes de Mello.
Jos dilon Annes Jacome Pires.
Jos Jeronymo Rabello.
Joo Antouio da Silva Pereira.
Deomedont de Alineida Magalhes.
Francisco Lauro da Silva Costa.
Joaquim Antonio de Oliveira Baduen.
Manoel Venancio Al ves da Fonseca.
Manoel do Nasciraento Vieira da Cunha.
Antonio Eliseu Antunes Ferreira.
Interrogado o reo disse que era natural do
Rio Grande do Norte, de 28 annos de idade, sol
tetro, cosinheiro e aualphabeto.
Que sabia o momo porque era aecusado e co-
nhecia as testemunhas que juraram no processo,
as quaes nao disseram a verdade;
Que esses mesraos individuos que depozerara
como lesteraunhas esliveram no conflicto, do
qual sahio ferido **anoel Joaquim de Sant'Anna,
tendo se acbado elle respndeme em um primei-
ro conllicto com ditos individuos, por nao ter
consentido que elles tizessem jogatioa na casa
do profes8or Luna ra do Hospicio, a qual es-
lava sob sua guarda;
Que nao conhecia o offendido e nao pratcra o
crime de que falla o libeilo aecusatorio, sendo
que ao lempo em que se den dito crime achava-
e a meia legua de distancia, no lugar Rosari-
ibo.
Findo o interrogatorio fez o escrivo a lettura
do processo da formaco da culpa.
O Dr. promotor publico pedio a condeuiuago
do reo as peuas do grao mximo do art 193 do
Cdigo Criminal, visto que elle praticara o cri-
me por um motivo frivolo' ccom sorpreza do of-
fendido.
0 advogado dos presos pobres, Dr. Jeronymo
Materno Pereira de Carvalho, allegou ter o offen-
dido fallecido em consequencia do ferimento,
e combatendo as aggravantes articuladas pelo
aecusador, allegou em l'avpr do acensado a at-
tcnuante da provocaco.
Houve replica e treplica.
De accordo com as decisoes do jury que con-
tinuando a autora do ferimento e as aggravan-
tes articuladas pelo aecusador, reconhecen ter o
paciente tallecido, nao porque o mal causado
fosse mortal, mas porque nao se erapregou a no-
cessaria diligencia para removel-o, roi o reo
condemnado 9 annes e 4 mezes de priso sim
pies e multa correspondente a metade do tempo,
grao mximo do art. 203 combinado com a art.
49 do Cdigo criminal.
Terminou o juiga.uento s 3 e meia horas da
tarde.
Foi adiada, a sesso para hoje s 10 horas.
m-Miro de uni Antonio Esleve
impagavel ante-hontcm a 3." representaco da
opereta mgica 0 Ouco de Oaro. Todos os ar-
tistas sahiram-se bem.'.sobresahindo o actor Ro-
cha pela sua excedente veia cmica e pela na-
turalidade que tem.
A actriz D. Aliverti recebeu muitos applausos
na cano das laranjas bem como o barytono Sr.
Coramolety.
Pena foi qne a concurrencia fosse diminuta,
porm os empresarios devem estar satisfei'os
porque a sociedade que est frequentando o ele-
gante theatrinho tem sido escolhida.
Huje a pedido de aa^uns espectadores, reple-
se em ultima e definitiva representaco a mesma
opereta, terminando o espectculo com a LUi,
caoconta pela actriz D. Aliverti.
No quadro do cemiterio apparecer o ladrSo de
meninos.
Na terca-feira prxima subir scena a ope
reta de Franca Jnior Os bontras da Corte em
que reapparece a distiocta actriz empresuria D.
Helena Balserao Rodrigues.
Affirmam-nos que esta peca de al
to e a msica linda.
Vice-preaidente0 da provinciaCon-
sta nos que anda nao foi nomeado vicepresi-
dente para esta provincia.
\aiaa militarenEntra hoje de superior
do dia a guarnco o Sr. maior Serra Martins e
de ronda menor um official de cavallaria.
0 2 batalho dar as guardas da Thesou-
raria deFaienda com um ofcial e as da Alfan-
dega, Detenco e Palacio e o 14 as do Brura,
The.:ouro Provincial e Enfermara Militar.
Reune-se hoje no lugar do cosame n.con-
selho de guerra- a que responde o soldado do U"
batalho, Ladislao Jos dos Santos, sendo pre-
sidente o Sr. nwjor .Vives.
Funccioou boje o conselho de compras no
Qaartel Genml'parn o fornecimeute-aiw corpos
no semestre vidilnuro'.
A presjdem'ia adefewo o requeruiiito do
Sr. 2 cadete 3* sargento Francisco il liU'|uerque Salles, do 2' batalho de 1 il'antariH.
Tiverain pamiisso para af>re*#minvm siilutos o cabo de esqaadra do 2* batalho de
infantaria Antonio Brillo de Queir". e anspen-
cada do 14" batalho da mesma arma Braz Fer-
reira Barbosa.
Vai ser submettido a inspeceo a 17 do
corrate o pliarmaceutieo eonlractado Viernardo
Floriaao Correia de ISrilto.
O numero das pracas em traUmeolo na en-
fermara sobe a 31
Apollce provineiae*As averbaces
das apolices piosincines far-se-hio noThesouro
Proviueiai at olia 20 docorreaite e, lindo este
prazo. de Agosto por diante.
Oa niiltiiiri'o de H. Benedicto Este
drama foi levadoj scena, ante-hontem, no thea
tro de Santa Isabel,em beneficio do actor Au-
gusto Peres.
Agradou bastante o drama, sendo o beneficia-
do muito applaudido.
A concurrencia loi regular.
\iufi-asio A bordo do hiute nacional I).
AntuHia entrado hontem ante porto vienrai a '^^^-
pito e 5 tripolanles do pataono alb'inao Anta*.
Refere o Sr. F. Headcmann, c pito do referi-
do patacho, ter sabido no dia 5 do correntedo
porto de Maco com carregamento de sal para o
de Porto-Alegre, quando batendo em pedra,
abri L'ua na Lat. 3 O. S. e 35.40 W.
Est.ir.do a ama milha da costa, pode contrae
lar 4 homens que vierain em uiua jangada alim
detiiirem is bombas, porm sendo iraprolicuo
este irabalho, resolveram o capito e tripo an
fes abandonar o Antn o que effectuaram no dia
8 do correte.
.aaMutMiuato No dia 3 do corrente, no
lugar Caboclo, districlo do Tara, termo da Pedra.
foi lraii;i'iramente assassindo cora um lro Ma-
noel Moreira do Nascimento.
Nao foi descoberto o criminoso, que se eva-
di. Tenta a polica de descobril o.
Kerimenio nea>w^ 'a 11 lunas da ma-
nila de 9 de correute e na ra Bella da cidade
de Palmares, depeis de umu troca de palavras
entre Abilin Jos Cmara e Jo^ Petronillo Mau-
ricio de Mello, aquelle lrio-o gravemente com
um tiro.
Pe preso em Hagnil:
A polica proceden a
da lei.
t.lu-iv de *e:-
0 cr 1 ramosa
1 al respaila nos termos
-Assumio ante honteni
as funccOes d'este Cargo da ferro-va de Caruar
o Sr. engenheiro Dr. Lucio Freitas do Amaral.
Reproduzimos boje esta noticia, porque naque
sabio hontem a esse respeito deu se por engao
a nmisso d'aquella cargo.
i'allerimenio -Por lelegranima particular
1-eceMdo de Lisboa litemos conhecitnrnlo de
baver fallecido hontem naquella cidaiie o ex-ne-
gociante desta praea Joao Manoel da Veiga e
Seixas, pae dos respeitavcil negociantes Seixas
& Irmitos estabelecidos nesta capital.
O finado, que centava 70 annos de idade, foi
victima de urna angina e ha 12 annos que se ti-
nha retirado para aquella cidade.
n-riiarniii mrtac*Hontem, s 8 ho-
ras e 'i5 minutos da n-ite na ra do Dr. Feitosa,
travaramse de razoes os crioulos Flix Ismael,
de 28 annos de idade, e Clemente de Macedo.
de mais de 40. sendo este, morador no corredor
de um dos sobrados d'alli, ambos ganhadores.
Paaaajidn a vias de facto, Flix deu em Cle-
mente urna cacetada, qual este retribuio com
duas rucadas, sendo urna na cartida esquerda e
outra 11a regio umbeiical.
O criminoso, perseguido pelo clamor publico,
foi preso pelo Sr. lente Manoel Rodrigues da
Silva, que o entregou polica, logo que esta
comparecen
Depois de escripia esta noticia soubemos que
Clemente expirou urna hora depois de ter receta-
do os fenmentos, sendo seucorpo conduzido para
a Matriz de Sanio Antonio, onde se proceder ho-
je, pela auan, autopsia pelos mdicos da po-
lica.
Moda-A Moda Ilustrada d as seguintes
iuforraaces.
- Os vestidos de barra sao a moda este anuo
e a maior parte d'elles tem urna graade bel
leza.
As las linas, nacas e flexiveis apresentam co-
res e tons que nos eram completamente desco-
nbecidos. Nos verdes, por exemplo, a diversi-
dade tal que chega a cansar-nos adniiraco
Desde o verde, a qne oyfrancezes chaman) verte-
pousse, esae tom mnito claro que mostra a planta
quando nasce, e em que parece receiar randa os
raios do sol, at ao verde carregado da planta
j feila, foram estudadas cuidadosamente todas
as gradacOes e applicadas aos tecidos modernos
As barras ostentam urna variedade espantosa.
Sao simpjesmente largas riscas, tom sobre tom,
ou de cor differente: outras em grinaldaa ou
arabescos apresentaodo desenhos lindissimos;
i.iuilas outras tambem tm adamascados de seda.
Mas as que excedem a todas em belleza e bom
gosto sao as barras bordadas. Todo quanto pos-
samos dizer d'ellas nao d idea bem exacta do
que sao.
Nos bordados executados cora sedas a matiz
empregam-se geralmente as cores um pouco des-
vanecidas que encontramos nos bordados an-
ligos. Sao os crepons, quer em l, quer em seda,
os tecidos escollados para estes elegantes ves-
tidos.
As applicaces de renda ou de gaze produzem
uestes bordados um effeito magnitico.
As modas do imperio continan) o seu reina-
do, e pelo modo como sao presentemente aco-
Ibidas mostrara que ser elle de grande du-
raco.
Todos os pequeos accessorios d'aquella poca
vo tendo cabimento as modas actuaes.
As mangas tufadas para as horabreiras < ter-
minando mutlo justas nos pulsos usam se cada
vez mais e do certa origiaalidade ao vestuario.
que na verdade agrada. Mas s podem licar bem
a seuhoras altas c delgadas.
O me-ino saccede com os cintos largos c em
pregas.
Os corpos com abas ou as redingotes alon-
gando a cintura favoreceni mais as enhoras
grossas.
Ha urna regra que bom uo esquecer. De-
venios sempie esludar o que melhor nos tica em
artigos de toilette e nao seguir eegamente os
dictames da moda, quando ella por qualquer
forma, contribua para nos desfeiar.
Felizmente agora podemos escolher com la
cuidado oque melhor nos agradar, porque, se-
gurado certas regras geraes que as modistas de-
cretara no comeco das estages, cada um sobre
aquelle thema pode executar as variaces que
quizer.
As regras geraes este vero sao as seguintes :
Os vestidos no feitio de redingotes, sem tutos
e bem eingidos nos quadris. Os corpos enlejia-
dos no peno e tendo as abas curtas. Os vesti-
dos para baile sem os lucos compridos. As tor-
nares eliminadas ou to pequeas que quasi
passem desapercebidas. Os chapeos cara, de
feitio de capotes pequeos e sem altara; os
chapeos redondos com as abas grandes e copas
baixas.
RetratoNa joal hera dos Srs. Joseph Krau-
se & C.,A ra Pnmeiro de Marco, acha-se ex-
posto o ao Dr. Joo Tbom da Silva, mandado
tirar e ofterecido familia do illustre finado por
um amigo.
JGiga Operarla Pernaaubiicana.
Amanb, s 10 horas do dia, reunem-se os socios
desta sociedade e os da dos Carpinteiros Navaes,
alim de assentarem definitivamente sobre a fuso
das duas sociedades.
A reunio lera lugar na casa n. 17 da ra do
Padre Muniz.
iveiioe*EITectuar-se-ho os seguintes :
Hoje :
Pelo agente Pinto, s 10 1/2 horas, ra do
Cabug n. 14, de urna armacao e artefactos de
cigarro.
Pelo agente Pestaa, ao meio da, traves-
sa do Corpo Santo n 24, de dividas.
Pelo agente Alfredo Guimares. ao meio dia,
ra do Bom] Jess n. 49, de, Tazendas a va-
riadas.
Segunda fcira:
Pelo agento Gusmo, s 11 horas, praca
Conde d'Eu n. 7, de um bilhar e pertences, ahi
situado.
Pelo agente Silveira, s 10 e i/ horas, ra
da Imperatriz n. 65, de gneros, armajo e uten-
cilios ahi existente.
Hianax raDtbrSero pebradas :
Segunda-feira: .
A's- 7 horas, na capella d S. Franuisco da
Varzea e na matriz da Escada, pela alma de An-
tonio Joaquim da fiama ; s 8 oras, na matriz
da Boa-Vista, pela alma do Dr. Henrique de
Atbayde..L.-ho Moscoso.
cmm de oetenooiMovimento aos pre-
sos da Casa de Detenco uo din 13 de Junho de
1 89.
Exsliara 412 ; entraran) 4 ; sahiram 0 ; exis
tem i 16.
A saber :
Nacionaes 377; mulheres 14; estrangetros 25.
-Tota, 416.
Arracoados397.
Bons379.
Doentes 17.
Louco 1Total 397.
Movimento da enfermara
Tiveran alta:
Manoel Bodopiaoo Barbosa Santa Barbara.
Manoel Vicente de Oliveira.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
mento por 221 pessoas, sendo 83 homens e 138
mulhere3
Utreetorla da obran de conserva-
cao do* Portn de PernambueoReci-
e. 13 de Junho de 1889.
___________Bolenm meteorolgico_______f.


0 c.2
Horas = dg
oai

r-~
6 ni. 22-3
9 26-7
t2 29 1
3 t. 28
6 27- 3
Barmetro a.
0"
Tensao
tdo vapor
760-42
762*92
762-35
761-16
761-21
09
a
t-.
O
a
09
18,61
21.81
21,95
20,38
21,66
93
82
7S
ti'..
MI
l'emperaiura inaxiuia2!t,7.*i
Dita "mnima 22" .00.
K. anoraco em 24 horasao sol: 6".l); som-
ora : 2 7.
Ghuva nulla.
Direcyo do vento : ESE de meia al aos k
minutos da tarde ; E at meia noite.
Caimana durante 5 horas nelamanha.
Velocidade media no vento: l".i7 por se-
gordo-
Nebulosiilade media: 0.22.
_______________liOlelUIl li purll)_______________
=3
3a
B M
P. M.
B. M.
9. M.
Dia
13 de Junho
l'i de Jnuho
lloras
1038 da niauh
4-33 di larde
10-34
431 da manh
Altura
iloni>i(al Pedro 11 O movimeuio deste
estabeleciraento de daridade, no dia 13 de Junho
foi o seguinte:
Entraram 19
Sahiram 18
Falleceram 4
Existem 398
Foram visitadas as respectivas enfermarlas
pelos Drs.:
Cysneiro s 10 l|'i. Barros Sobrinbo s7 l['i,
Malaquias s 9, Poutual s 9 i[2, Estevo Caval-
cante s 8 1|2 horas.
O cirurgio dentista Numa Pompilio s 8 3|'t
horas
O pliarmaceutieo entrou s 8 1[2 da manila e
aiiio s i da tarde.
O ajudante do pliarmaceutieo entrou s 8
Ja manh e sahio s i horas da tarde.
botera do Gram-Par-A 2'parte da
i9' lotera, dessa provincia, cujo premio grande
12(l:000000, era extrahida no-dia 19 de Ju-
nho iquarta feira).
.

.

UM POUCO DE TUDO
Agora que se nao falla seno em cor-
ridas especialmente e de sport geralmente,
para distrahr copiamos ,de urna folha o
seguinta. eom referenciaao modo de ea-
crever e de fallar dos sportmens :
Estas corridas d'Epson, dizia um jo-
ven recen-chegado d'Inglaterra, handicap
ou sttxplt cheesc, daram quasi urna sema-
na. Mas o dia dos das o o das corridas
do Derby. Todos os nteresses, a atten-
(&o do publico inglez absorvida pelo
turf: at o parlamento suspende as suas
eeseoes!
O grande dia chega finalmente e a i ni
mensa planicie fica agglomerada: tram-
vvays, railways, bresks, cabs, tilbniys,trans-
portao urna multidao agitada e excitadissi-
ma. Sportmens, dandys de parte grave e
orgulhoao, gentlemens, tudo all se v.
Os grooms em libr, os jockeys com 04
jalecos multicores misturam-se com o ope-
rario e o pastor do redingote comprido
preto, como dizem os francezes, em logar
de riding-coat : os pickpochcts trabalhaa
fatigosamente ao lado dos policemens.
Ao signal da prlmeira corrida, palpita
o turf.
Os espectadores do stand pocra-se em
p Os curiosos atroo das bancadas. Mil
hurraks sudo o venoedor.
Depois muda-se a scena. Roast-beefs, pas-
tes, piiilins sahem dos cestos. O ale e e
porter innundSo as guelas saccas.
Attrightl
E respiremos.
Para um sportman, nada de redingote,
mas riding-coat; aquella urna palavra
britannica afrancezada, e os sportmens, e
os que se prendera etymologia das pa-
lavras, sabein muito bem que redingote
foi um furto feito aos inglezes durante a
conquista normanda; e hoje nao ha quem
tenha visto um turf, que deixe de usar
da verdadeira palavra ingleza, substitui-
do.a pela afrancezada.
E pois, quemo entendidos ; e por chic
cinglis, dizei e eacrevei riding-coat. Ri-
ding, gerundio de cavalgar, em inglez ,
como no presente, coa, vestido; e tradu-
zido litteralmente em portuguez, seria em
montara o trajo proprio desta.
Pensai bem que coat, alm da Mancha
significa simplesmente o mesmo que a ve-
Iha palavra, franceza cotte, de que os fran-
cezes formaram o cotilln, le jly mot.
Abandonando-me um pouco a estas di-
vagacoes lingisticas tenlio que nao enfas-
tici com esta mistara de fontcs exticas,
que, bem ou mal, comelo no uso com-
inum a ser adoptadas nesta estajlo,

# #
V. Exc, minha senhora, prometteu-me
esta quadrilha e vae dansar com outro?
Isto tribofe.
Ora, eu o procurei; quem mandn a
Sr. desgarrar d'aqui f
Eu iinha ido ao ensilhamento dos do-
cea.
*
Gostei de ver como os republicanos,
na eleicSo de Minas, saltaram na ponta,
logo ao signal do eleitorado.



\

1


r


Diario de Pernambuco- 3

r Sinif. mas nSo aeancafao o vencedor,
porque os utros (Mo mrfendo ie alcance
AquBlo' foi vahdo falsa.
EntSo fizeste forfait najesta de Fu-
lano, hein ?!
E' vnrdade. fiquei scntidc de um p,
un traste de urna unha eDcravada.
Pois este ve esplendida! Corremoe
at de maqhS A amadissima esteve, sa-
bes? E s poitles renderam, menino, ape-
zar de um sujelto que quiz cscrever-me na
frente.
Andar um om?ni de costas,
Sem ser porque o pbalerno
O emhuxa.
E' mandar para o inferno
Sua roi, que esse instante
Estribucba.
Propooho a scguinte qucsto. pedindu aos
crendeiros ra'a resol vara.
Dois individuos que vera de lados diamstral-
mente oppostos, encontrara-se no meio de nm
tronco atravessado sobre um valle profundo, que
nao d passagem seoaoa urna pessoa Os dous
querem passar.
O que de vera fazer ?
ecessariamente s ha duas soluct-s para
este problemas : ou mandaren] suas mais para
o inferno andando de costas, ou mas que
lembranca I atirarem-se no principicic
Por qual das duas optara o leitor I
Se de urna moca solteira
Cahe a liga,
Ha quem diga :
Picar a vid i inteira
Para tia ou para freir.
Sim. senhor, fica ; oh pois nao quando uio
tica com o casomento arranjado all mesmo. se
algum dos mogos presentes lh'a apanhar. Nao
seria a primeira vez.
Honny .oi. 9111 mal pense .
Ha gente seria que er,
Como quem ere na verdade
Com firmeza,
Que tirar teias de ranha
Afugenla a felrcidade
E a riqueza.
Ora, essa lente seria, urna de duas : ou tem
horror limpeza, oh morre de amores pelas
bambinelas. Creio mesmo que deve ser por
ambas as razos. Se verdade o que dizeni.
todos os presos, todos os encarcerados em pri-
soes cellulares, deveriam estar perfeamente
tranquillos sobre sua sorte, porque decerto ain
zuem se da ao incommodo de Ibes ir arrancar a
felicidade, que pende no carcere de todos os
lados da priso. na forma, alias extravagante,
de teias de aranha
No emtanto, estou convencido de que todos
esses presos dariam de bom grado urna perna
ao diana, se quem acredita na felicidade que os
cerca quizesse por se para o lugar delles, indo
elles para o meio da ra.
Se dama casada formosa e querida
Do esposo, que louco por ella, descahe
Urna saia. urna meii. uraa liga da perna.
Que o esposo lhe roubara bem certo fieai
Ora. vejara que risco corre a senhora casada,
que vive com seu marido n'aquella amisade re-
ciproca que s se encontra entre marido e mu-
Iher que se estimam verdadeiramente. Quando
menos expensar, vai-se-lha o marido pela porta
fra, levado aos hombros de urna donzella, de 15
anuos, franzina e paluda debatendo-se como
um desesperado e gritando furiosamente que o
raptara I
E tudo isto perqu ? porque n'aqtiella ruauh
arrebentou-se o cordao da saia.
Onde est a in felicidade de urna familia.
SPORT
Prado Prraanbncaa*
Eocerrou-se hontem a inscripeo ara a 27*
corrida, que dever ter lugar do da 20 do cor-
rente.
1" pareoLonsolagSo:
Corsario, Palermo, bostock, barra. 'JBerr. iro,
Boa-Vista, Esquimu, Aracahy, Paulista, Sene
ca Tirannus, Stuart. Zambo, Pi^marck, i>i!on-
tra, Piraj, Gui e Potos.
2 pareo Impreusa l'err.ambucana
Templar, Monitor, Arumary. Oberor, Catas.
3 pareo Ferro Carril
Mimosa, Mandarim, Favorita, Riscttr e Ruy-
Blas.
V pareoBcstreza:
Mouro, Florete, General. Vassallo e Baroave.
0 pareoPrado Peraambucar.o
Gat.a, Castiglioni, Veeper Diana, Mandarim
e Asmodeu.
6 pareo1 de Julho:
Moncorvo, Favorita. Recite, Cometa
Hamlet.
7 pareoHarmona :
Ashverus, Sneca, Zambo, Gui e Breas.
1MD1CACES DTE1S
Urdiros
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rieabertorua Duque de Casias n. 74, das
12 as 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
te em sua rssidenc a ra Bario de S.
Borja n. 22. Especialidades molestias
desenhoras e enancas. Telephone n. 326.
Dr. Castro Jess medico e operador.
l'ratica a lavagem o tero qnaodo e co-
mo aconselhfida. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia na do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.*
andar. Telephone 3. 389
Dr. Barreto Smvpaio d consultas de
meio-dia as 3 horas no i." andar da casa
ra do Bario da Victoria, n. 61. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da v.uade n. 5.
r. Ribeiro de Bntto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1." an-
dar a ra Duque de axias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados t sua
residencia ra do Hospicio n. 81 Te-
lephone n. 30c>.
O I>r. Simplicio Mavignkr. Clini^a me-
dico cirnrgica. Especialidades: molestias
pulmonares e partos. Ra da Mrquez de
blinda n. 27 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Caaa Forte JT090 da Pa-
aella) das 6 s 9 horas da manhl e da
tarde.
Dr. Joaquim Lautaro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1." andar de 12 s 2 da tarde; residenc
no Monteiro.
Dr Alvares Gvimaraa, chegado a
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s moleetias do cora
co, pnlmdes, ligado, estomago e mtesti
~~ eriancas.
n. 28. e
(antiga da Crnz), n. *5, onde da consul-
tas do meo-dia s3 -horas. Telephone
n. 381.
O Dr. Mathrns Tar. medico, tem o sea
eecffptorio a roa do Bario da Victoria
n. 32, 1. andar, onde da consultas de
meio-dia s 2 horas da tarde. Reside a
ra de Gervasio Pires n 27. Encarrega-
se do tratamento das molestias de olhos.
Telephone n. 427.
Occullsta
Dr. Ferrara, coin pratica nos princi-
paes hospitaes e elinica de Paris e Loo
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ru Larga do Rosario d. 20
Advocados
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
.7. A. de Magalhaes Bastos. Duque de
Caxias n. 66, 1. andar..
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de carapino
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dom-
petenciaPernambuco.
m

PUBLIC4C0ES 4 PEDIDO
Projramma
DA KESTA DA SANTISSIMA TRINDADE NO
CONVENTO DE SANTO ANTONIO DESTA
CID A DE, NO DIA 16 DE JUNHO DE 1889
Vespera
Ao meio dia de hoje, urna salva de 21 tiros e
diversas gyraadolas annunciarao ao respeitavel
publico e liis devotos que chegada a ves
pera do dia da Santissima Trindade. execu-
tando n'esta occasio a banda militar do 2 ba-
talho de infantaria escolhidas pecas do seu
vasto repertorio.
A's 6 i/4 horas da tarde, oulra salva ao som
da mesma banda militar, convidar aos devotos
a assistirem a ultima novena, na qual oceupar
a tribuna sagrada o Retn, pregador da capella
imoerial frei Augusto da Immaculada Conceigao
i Ivs.
Dia
Domingo 46, ao rompor da aurora, ser rezada
uim missa em louvor da Santissim Trindade. e
em intenso dos nossos carissimos irmaos vivos
e defuntos, fieda a qual soltar-se ba urna salva
real e diversas gyrandolas, tocando anda nesta
occasio a banda" militar do 2. batalhSo de in-
fantaria.
Templo
0 templo achar-sc-ha elegantemente armado
a capricho pelo hbil artista Bartholomeu e as
sim como o> andores da procissao pelo nosso
carissimo irmao Jos Castor de Aranjo e Souza.
Festa
A's 10 12 horas da manh a banda militar e a
do distincto Club Musical Afogadense executaro
diversas e escolhidas pecas, (indas estas estrar
a festa precedida de tercias, sendo celebrante o
Revm. padre frei Paulino da Soledade, muito
digno guardio deste convento. Oceupar a tri-
buna sagrada o nosso digno capellao, capito,
Revm. padre Leonardo Joo Grego, que em um
eloquente panegyrico exaltar os inysterios que
encerrara a Santissima Trindade.
Orchestro
A orchestra sob a regencia do nosso carissimo
irmo professor Joao Al ves da Silva, executar
a missa portuguezaalo maestro Augusto Carlos
de Araojo, e a overtura ainha Santa Isabel, do
maestro Colas, os solos sero cantados pelos
mais habis professores desta capital.
Procissao
A's 3 I inoras da tardo sahir a solemne pro-
cissao. que perco'rer i mesmo trajecto do cos-
tuiie, composta de qutro andores, sendo S.
Joo da Matta, S Pelix Valois, fundadores da
ordeni Trina, os .loze apostlos e a Santissima
Trindade.
Te-Deum
A's 7 horas da noite entrar o Te-Deum I.au-
damus, do maestro Theodoro de Aguiar, oceu-
pando a tiibuna sagrn.la o nosso prestimoso e
cbarissiir.o irnio o ,'itelligentissimo conego
Eustaquio Alves da Silva.
Bandeira
Fiudo o T'-Deum arrear se ha a bandeira que
ser conducida pela commisso para a residen-
cia da Exma. Sra pri vedora D. Silvana Janua-
r:a da Silva Agr.'
Consistorio da Celestial Confraria da Santissi-
ma Trindade. H de unho de 1889.
0 secretario.
J A. Gosende.
-*
nos e" tambera a aSbcoes das
Reside praca do Conde d'Eu,
tem consultorio aa raa de Bom-Jess
AO HAESTKO
f Gnkmo eMatdiv* f atina |
Pelo seu anmversario natalicio
K>-ife, 13 de Junho de 1889.
Assis Pinto.
Pedro de Assis. \
AdverteQcia
Na publicaco que se fez por esta fo-
lha no numero de hontem dos nomes dos
raros irmaos admittidos na irmandade do
Espirito-Santo, escapou inensionar-se os
de mais dois que slo: Sr. < hristovlo
tomes Pereira e Exma. Sra. D. Candida
Olindina Soares deOIiveira.
\iriias alcalinas mineraes de Mon-
darz en Pontevedra, na es-
panha
ESPECIALIDADES
para molestias de estomago, taes como: dispep
sia gastralgia, catharro ctironico do estomago,
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, taes como: enfarta
nenio do ligado, ictericia, clculos biliares, diar
i"htsa chronica, etc., etc. g
Molestias das vias urinarias, taes cotBo: dias
eses ricas, catharro vesical, diabotes sac;irina,
albuminuria e gotta.
as auef^ia^, clilorosis, psoriasis, prumgos,
dores artrticas e mutras muitas moltsiias.
As aguas alcalinas de Mundarii nascera de ro-
i has granticas na temperatura de 180 centgra-
dos, sao claras, incolores de cheiro parecido nm
dobco aos d ovos cosidos, sabor alcalino, pro
iluzindo um ligeiro sabor picante na occisio de
tomar-se. Ellas sao classificadas no numero
das alcalinas e bi-carbonatadas de soda.
Estas agua* adiara se venda no estabeleci
ment do Sr \ntonio Affonso SiuaOes, sito ra
Visconde de Goyauna a. 1 (quatro canloe>, em
Boa-Vista, e no escriptorio do Sr. Joao Ramos
na Praga da Indepea Iecua.1V
ti ve vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande efficacia us mo-
lestias syphiliticas e impureza do sangue ; assim
como em todas as molestias das senhoras.
Tem curado radicalmente muitas pessoas ac
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os aaultos temaro quitro colheres das de
sopa pela manh e quatro noite. As criangas
de 1 a S annos '.omaro urna colher pela manh
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. De-
vero tomar banhos fri on momo pela manh e
noite. Hesguardo regular,
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Mauoel da Silva & C.. ra do Mrquez de
Olinda n. 23.
O autor deste preparado poae ser procurado
na ra do Harao da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaco
que for precisa.
' Cuidado rom k ralNinearoe*
Beriberi
N. 68
IlIiTi. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Faltara a um dever sagrado se do fundo do
oieu corago nao viesse agradecer lhe o benefi-
cio que acab de prestar-me ministrando-me o
seu poderoso elixir.
Tundo se declarado era minha raulher a terri-
vel molestia beriberi, fui aconselhado pelo me-
dico de minha casa que mlnistrasse lhe o seu
elixir, e com tamanha vantagem o fiz, que duas
garrafas apenas forara bastantes para fazer des-
apparecer rompidamente o mal de que foi mi-
nha mulher accommettida.
Ifestil condices seria eu um ingrato se nao
lhe agradecesse eternamente: podendo V. S.
fazer uso d'esta tnmha carta para proveito do
publico.
Sou com respeito de V. S. attento venerador,
criado e obrigado.
Recife, 2 de Maio de 1882 Joaquim Fenelon
Delgado Barba.
N. 69
Hlin. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Yendo urna pessoa de minha amizade sido ata
cada da terrivel molestia beriberi. e tendo es-
gotado todos os recursos da medicina sem resul-
tado algum, e como eu j me tivesse tratado cora
o seu elixir purificador rio singue em uraa mo-
lestia gravissiuia abandonada pela medicina,
aconselhei-o que sem perda de lempo usasse do
mesmo preparado, du qual eu mesmo fui buscar
a primeira garrafa para principiar o seu trata-
ment, com tanta felicidade que apenas com trez
garrafas o re6tabeleceu de to horrivel soflri-
mento : dou-lhe, pqrtanto, os meus sinceros pa-
rabens pela sua fez descoberia que to provei
tosa tem sido para a humanidade soflredora.
> oder fazer o uso que quizer d'estas poucas
linhas que s con tem a pura verdade.
Sou de Vuic. attento venerador e obrieado.
Recife, 6 de Maio de 1886. Urbano Jos Cor-
re ia.
N. 70
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Amigo e Sr.Tendo soffrido ha cerca de dous
annos mais ou menos, proveniente de molestias
recolhidas, urna terrivel febre, dor de cabeca e
tosse, que bastante me incommodavam, recorr
a diversos mdicos, que qualilicaram me como
aneciado dos pulmes, depois de ter usado de
suas prescripces, sem d'ellas obter o menor le-
nitivo aos meus sofTrinentos, resolv a seguir
imracdiatamente para Flores (Paje) depois de
trez mezes nao obtive uielhora alguma de meus
soffrimentos : a conselho de nm amigo resolvi-
le mandar buscar seis garrafas do seu elixir
puriticador do sangue. e fiquei radicalmente cu-
rado, do que dou muitas grecas a Deus e ao seu
prodigioso remedio.
D'estas poucas lnha> que s contm a ver-
dade far V.'S. o uso que lhe aprouver
Engenho S. Francisco, fregu-ia de Serinhem,
17 de Dezembro de 1888 Joaquim Jos de Ma-
raes .
(E>lavam selladas c reconhecidas as firmase
1
N. 3S1
.4 norte no Mangue
Sim, no sangue onde se geram as sementes
das enfermidades e da morte.
Ataquemol-as, pois, com esse detergente, o
mais poderoso de todos, a S^'-aparrilha de Bris-
tol, e a salvaro certa.
Pouco importa que molestia sejapois quer
sejam escrfulas erysipelas, cancros, humores
salitrosos, febres tercans, molestia do flgado ou
febre biliosa e sezes, a origem dellas tod s de-
ve-se buscar no sangue. atacndose para logo a
cauea irritante.
Este grande antidolo oeutralisa a materia
morb'-a que se acha derramada as veias, e a
qual d origem aos desmanchos c desorden as
mais terriveis e os alimenta e aggrava.
Destroe a bydra oceulta no systema venoso, e
a extermina com a rapidez e certeza cora que
Hercules destruios serpete de cem cabegas, de
cojos ataques mortaes elle o antagonista mais
forraidavel.
Lembrem se disto os que soffrem, porquanto
isto urna verdade incontestavel.
.*cha se venda em todas as principaes boti-
cas e lojas de drogas.
Cidadede Limoeiro
Ao com arelo
Azevedo Silva & C, estabelecidos na
cidade de Limoeiro, participan ao respei-
tavel corpo commercial que nesta data
dissolveram amigavelmcnte dita firma, fi-
cando todo o activo e passivo a cargo e
sob responsabilidad^ nica do socio Seve-
rino Rodrigues de Azevedo Silva, reti-
rando-se o socio Manoel Antonio de 'li-
veira Reg pago e satisfeito de seu capi-
tal e lucros.
Cidade de Limoeiro, 11 de Junho de
1889.
Manoel Antonio de Olivara Reg.
Setermo Rodrigues de Azevedo Silva.
Vias urinarias, molestias das se-
nhoras, operacoes elctricas
SS. CAfiLOS 2ITT22TC0UBT
ESPECIALISTA
com pratica de pabis e londbbs
Eslreitamento da urethra curados ra-
dicalmeate pela electrolyse, sem ddr:
hydroceles cera injeceo (cura radical);
ferida- e ulceras chronicas, com garan
tia de cura rpida ; oedras da b-xiga,
fistulus e hemoirhoidas ; ; yplnlis, ^o-
norrhas, pelo inethidi* das m.-lillac&es ;
molestias da garganta e do peiio pelas
athmospheras medirame itisas. 00-
sulia- e operag-'S das ISs 3 horas da
tarde.
RA DO MAR"Q< EZ DE OLINDA N. 34,
* ANDAB
Realdenrin na Torre
Dr. Perira de Brito
particioa aos seus amigos, bem como aos seus
clientes, que mudou a sua residencia para a ra
do Visconde de Albnquerquc casa n. onde o
eneontraro prompto para o desempenfto de sua
profis88o.
!| Bacharel Aolonio WkrH- !
j vio Pinto Bandeira (
< Pode ser procurado roa do Imperador
\ \ n. 71, 1" andar | |
Ao pablico
Constando que o Sr. Berna rdino Go
mes de Carvalho quer negociar o enge-
nho Aracuagy, previno em tempo aos in-
teressados que ae obras, machinas e uten-
silios do referido engenho esto bypothe-
cados a mim.
Recife, 23 de Maio de 1880.
JoSo Carneiro Rodrigues Camptto.
Cuidai a vossa saude!
Infelizmente bem comraum urna mo-
lestia terrivel, conhecida pelos nomes de
Tsica, Consumpgao, doenga do peito,
ete.
Nao pretendemos affirmar que o Peito-
ral de Cambar, cure aquella molestia,
porque at hoje iera sido impossivel cu-
ral-a quando chegada ao ultimo periodo :
Sorem, podemos assegurar, que todos os
oentes que usarem do Peitoral de Cam-
bar, no primeiro e segundo periodos,
logo aeharao, com toda a certeza, grande
allivio e depois a sua cura completa, por
meio de um tratamente prolongado e per-
sistente.
O Peitoral de Cambar nao limita a sua
accao benfica s doencas do peito cura
tambem rauitos defluxos, bronchites e tos-
Mi que, as mais das vezes, quando des-
presadas, silo a causa das affecc3es pul-
monares.
Este remedio acha-se venda em casa
dos agentes Francisco Manoel da Silva
& O., ra Mrquez de Olinda n. 23,
que o vendem a 20500 o frasco.
Remedio soberano
O Peitoral de Cambar, de S. Soares,
cura de urna forma admiravel qualquer
rouquidao e perda de voz.
Os agentes
Francisco Manoelda Silva & C.
Ra de Mrquez de Olinda n 23.
Dr. Firmo Xavier
Hedieo e operador
D consultas das 11 as 2 horas em seu con-
sultorio ra da Imperatriz n 30 Io andar e
tem sua residencia na cidade do Cabo, onde do-
rte ser procurado das 6 da tarde as 9 da manfi.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
me i a dia s 3 horas da tarde, no
r andar da casa n. 51 ra do
BarSo da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sote de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Aviso aos nossos leltores
Os nossos leitores que visitarem Pars
durante a Exposi?ao de 1889 j sabem
que poderao 1er os ultimes exemplares do
nosso jornal chegados aquella cidade no es-
cripterio dos nossos correspondentes, Srs.
Amde Prince & C, 36. ra Lafayette,
onde podem mandar dirigir qualquer cor-
respondencia, pedir quaesquer informacoes,
dar ordens de compras, etc.
Alm d'isso, lavamos ao conhecimento
dos nossos patricios que afora o servico esta-
belecido no escriptorio da ra Lafayette,
n. 36, os mesmos Srs. Amde Prince A
C, acabam de organisar urna sala de lei-
tura e de informacSes na Exposicao mes-
ma, no pavilho da repblica de Guate-
mala cujo commissario geral dignou-se de
por graciosamente urna vasta sala com
varanda s ordens dos nossos correspon-
dentes.
Aconselhamos mui vivamente aos nos-
sos amigos e leitores que se acharem em
Paris, que visitem a casa Amde Prince
di C. na sua sede social, 36, ra Lafayet-
te, bem como na installacao que possue na
Exposicao no Pavilho de Guatemala que
ha de ser, gracas s extensas relacoes dos
nossos correspondentes, o ponto da re-
uniSo dos numerosos estrangelros residen-
tes em Paris.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhazar da Silveira
Especialidade febres, molestias
das eriancas, dos org3os respirato-
rios e das senhoras.
Presta- se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Surdos
Urna pessoa que ui curada da surdez e luci-
do de ouvidos, de que padeca ha 23 annos.
usando de um remedio muro simples, enviar
gratis a sua descripeo a quem a desejar Diri-
ja-se ao Sr. aicholson, 1260, Santiago del Esie-
o, Buenos -Ayres.
j'| Frederico Chaves Jnior 11
Homoepatha
(139-RA BARO DA VICTORIA 39*
( ) Primeiro andar
AOS SURDOS
O AnrothoM es-
pecialmente adaptado s
molestias dos ouvidos E'
infallive! e de immediato
effeito ii produccHo do
som. Kste valioso 'instru-
mento nunca Miran vin al-
liviar nos que pade*:ern de
A qualidade mais
nAWS Psurdez.
importante do instrumento a fneilidade
com que pode ser _posto e tirado, e que
nao pode ser visto quando dentro do ou
vido. Infuiiu^eors gratis pelo correio s
pessas que desejarem.
Queiram dirigir-sc pessoalmente, ou por
carta, a A. B. Hawsoa, roa Sete de
Setembro, n. 64, Rio de Janeiro.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da maiiha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE S. 226
Advocacia crime
! RIBEIRO DA SILVA, deiende pente o'
jury de Palmares, Agua-Preta. Garaelleira' ()
E? la, Jaboato, Nazareth, Victoria. Tim- j j
bauaa e as coman-as vieiobas as vias'
ferreos.
f Pode ser procurado ra 1" de MarijO
,n. 7 A.Livraria Parisiense.
Aviso a nuestros lectores
Los de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin da 1889, es-
tan ya avisados que podran leer los lti-
mos ejemplares, receidos en Paris. de
nuestro peridico, en la oficina de nues-
tros corresponsales los Srs. Amde Prin-
ce y C- 36, rae Lafayette, donde pueden
haceros dirigir toda su correspondencia,
pedir informes, dar ordens de compra,
etc.
Pero, avisamos a nuestros compatriotas
que ademas del servicio instalado en su
oficina 36, ru Lafayette. los Srs. Am
de Prince y C. han orgonizado un otro
gabinete de lectura y de informes en la
Exposicin misma, en el Pabelln de la
Repblica de Guatemala, en donde el Sr.
comisaiio general a puesto a la disposicin
de dichos Srs. una grande sala cou ter-
rado.
Aconsejomos vivamente a nuestros ami-
gos lectores que vayan a Paris, de hacer
una visita a la casa Amde Prince y C,
tanto en su residencia, 36, ru Lafayette,
como en su instalacin en el Pabelln de
Guatemala de la Exposicin, que resulta-
r, ser por el hecho de las extensas rela-
ciones de nuestros corresponsales, el cen-
tro de reunin de los numerosos C3trange-
ros presentes en Paris.
Luz elctrica aos metros
Para as festas dos santos Antonio Joo e Pe-
dro ; na pharmacia Americana.
$^^=^ .''y'y.rrrcai
Dr. Mello Gomes Jj
Medico operador parteiro
t4-Bua Larga do Rocario 94 j|
(POR CIMA DO AHS8L DE 0C80J I
Onde tem consultorio e real- i
doncn : podendo ser encontrado e
recebendo chamados a qualquer hora (i
do dia e da noite. \
Especialidades: partos, febres. moles-
tias de Benhoras e de
em geral, cura rapid
races de estreitamentos w ^.-.- .,-..
mentos da uretra. |)
Acode de prompto a chamado; para '
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. 334
i
partos, febres. moles- j
t dos pulmes. syphili? H
pida e completa e ope- \
lientos e mai; sonri- \ )
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Baraodo Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
^^^^
EDITAES
5 seceso.Secretaria da Pre-
sidencia de Pernambuco em 3
de Junho de 18.
Por esta secretaria se faz publico, de ordem do
Exm. Sr. rice-presidente da provincia, em addi-
tamento ao edital de 25 de Maio ultimo, que do
theor seguinte a integra do art. 16 da lei n. 1860
de II de Agosto de 1883 e a da lei n. 1972 de 22
de Marco d este anno.
Art. Id Fica o presidente da provincia autori-
sado a contractar com o commerciante da praga
do Recife, Jos da Silva Loyo Jnior, ou .com
quem melbores vantagens offerecer a fundaco e
exploraco n'esta provincia, de quatros engenuos
centraos com capacidade para safrejar cada um.
de 23 a 30 milhes de kilogrammas de canoa,
sendo cada qual do custo de 600:0004. ou oto
com capacidade para safrejar cada um de 12 mi-
lhes e 800 mil a 15 milnes ne kilogrammas de
canna, sendo n'esta hypothese o custo de.......
300:0004, sob as sepililes condices :
1' A provincia concorrer com a quanl a de
200:0004 no primeiro caso e de 00:0004 no se-
gundo, em apolicesdo juro de 7 / para cada um
d'esses engenhos sendo as juros pagos ao porta-
dor pelo preponerte ou por quem tomar a si o
esta belecimento dos referidos engenhos ejeco-
lhidos ao Thesouro no um de cada semestre.
2' O pagamento ser feito pela provincia em
duas prestaces, a primeira quando forem apre-
sentados o conhecimento do embarque, factura
e apolice do seguro dos materiaes. cujos docu-
mentos serlo endossadoa a ordem ficaro em
poder do Tnesouro Provincial, em caucao da
qiwntia que receber o contractante, a segunda,
depois qae se acharem os meamos materiaes no
local em que for estabelecida a fabrica..
3 A provincia ter hypotbeea sobre todas aa
fabricas, para garanta de sa*s apollces, isen-
Undo, porra, durante lOanoos, o as?ncar n'elles
fabricado do imposto de exportaco e outros
quaesquer provinciaes ou municipaes que exis-
lam on forem creados posteriormente.
4 A provincia tera durante as obras um en-
genbeiro fiscal por ella Borneado, cujo ordenado
ser pago pelo proponente ou por quem o sub-
stituir.
81 A am?rtisacaodas abalices aera-MUi ara-
dla de 10 aonuiJmeiite, a.contatdo aaaorrse-
gnipte ao era que uverem. comecado a traUSwr
os referidos engenhos, ficando livre aopcopo-
nente o diroito de fazer maior amortisacao 8e
assim lhe convier.
Far-se !::i urna cmiso de apolioea com adau-
sl;i de sirem re-L-aiadus uonaaJmenteeporsor-
lein.
ii (i ro::l!;ict;inte niii poder fazer cesso de
sen contrario SfilSn :i a^ricullores.
7" O proponen! on juem contractar^er'obri-
gad'i a iinns(-otar ao presidente da proBincian^9
planta dos apparellios ou machioismos. .mais
aperfeicoailos destinados aos engenhos, a quals
ser approvada depois de ser examinada por
urna commisso de encenheiros, nomeado pele
mesmo presidente.
8.a O contratante ilar annualmente no. The-
souro Provincial tiaoca dos juros que tirer de
pagar provincia pela emisslo spplicada das
apolices aos engenhos centraes.
Lei. n. 1972.
Innocencio Marques de Araujo Goes, baclia-
rel em sciencias jurdicas e sociaea pela Facul-
dude do Recife. de;>u:.ido Assembla.GraJ
pela provincia da Bahin e presidente da.de.fer-
oambuco :
Fuc saber a tonos os seus habitantes que
a Assembla Legislativa Provincial decretou e
eu sanecionei a resolucao seguinte :
Artigo nico. O pagamento da primeira pre-
staeao de que trata o o. 2 do arr. lo da lei pro-
vincial n. 1.860 de 1815, ser feito tambem
quaii'lo for apreseotado ao Thesouro Provincial
o contracto de compra e venda dos materiaes,
deviriamonle legalisado.
g 1." Esse contra-lo ser por escripturapu-
blica, em que o vendedor dos materiaes garan-
ta ao concessionario com hypotneca convencio-
nal de bens a entrega dos apparelhos na poca
ajustada ou com i anca equivalente primeira
prestacao paga pela provincia.
" 2." I'" i eir a provineia subrogada as ga-
rantas do concessionario. que assignar perante
o Thesouro Provincial termo de resnonsabilida-
de lirmado tambem pelo vendedor como abona-
dor d'aquelle.
S 1." amorlizacao das apolices de queTtra
ia o n. 3 do art. 16 da referida lei, ser feita an-
nualmente e por sorteio razfio de 5 por canto,
o principiar duas safras depois daquella em
que a fabrica central houver principiado a tra-
balhar.
i i." (/ur os controtantes, quer a3 fabricas
centraes ficarao isentas de quaesquer imposto?
provinciaes e municipaes, exceptuados anica-
mente os de exportado, emquanto nao forem
eliminados do orgamonto provincial.
Sao revocadas as disposices em contrario.
Mando, perianto, a todas as autoridades a
quem o conhecimento e execugo da presente
resolugo pertencor, que a cumpram e fgate
cumprir to intiiramenf como n'ella se con-
tm.
O secretario interino da presidencia dapro-.
vincia a faca imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 22
de Marco de 188'.'. 68/ da independencia e do
imperio.
L. S. Iimoa-ncio Marques de Araujo Goes.
Sellada e publicada a presente resolucao
n'esta secretaria da presidencia de Pernambu-
co, aos 22 de Marco de 1889. .
(Assignado 0 secretario interino, Manee,
Jooquim Silveira.
O secretario interioo,
Manoel Joaquim Silveira.
S.' sv< <>.- s'<'retara la preaiden-
cla de Pernambuco. *5 de Maio
de ISMO
Por esta secretaria se faz publico para conhe-
cimento dos interessados que tendo o Exm. ?r-
vice presidente da provincia considerado sem
effeito, por portara de hoje. a concurrenciaater
ta pelo cdital de 20 de Abril ultimo, ao qua! se
refere o de 3 do corrate, para a fundaco >ie 11
enuenhos centraes, de coriformidaue cot! u lei
n. 1971 de 22 de Marco deste anno. visto que a
publicaco do editalde itiri cor-ente, reduzindo
a 30 dia's o prazo de 90, marcado no de 20 de
Abril, nao acompanhou o deste, dando lugar a
reclamacGes, fica iberia nova concurrencia, con.
o prazo de 30 dias, contados da data do presen-
te, para aquella concurrencia, observadas as dis
posices do art. 16 da le; n. I8W) de 11 de Agos-
to de 1885 e a lei n. Ii7 le 22 de Mano deste
anno.
O secretario interiiio,
Manoel Joaquim Silrcin .
DECLRCOES
O procurador dos feitos da fazenda provin-
cial, tendo recebido do thesouro a relaco abai-
xo transcripta dos devedores do imposto da de-
cima da freguezia da Boa-Vista, do-exercicio ds
1886 a 1887 inclusive o 3 semestre que deixa
ram de pagar no tempo competente declara aos
mesmos devedores que Ihes fica marcado o prasc
de 30 dias, a cootar da publicaco do present,
cdital, para dentro delle pagareic a importancia
de seus dbitos, com guia da sereno do conten-
cioso, certos de que lindo aquplta praao ser feita
a cobranga executivamente.
Recife, 17 de Maio de 1889.
Manoel Nicoau Regueira Pinto de Souza
Relago dos devedores das decimas da freguezia
da Boa-Vista do exereicio de 1886 a 1887 e 3"
seme8tre, que dixaram de pagar no tempe
competente.
Capibaribe n. 16. Herdeiros e Jos
Mamol Alves Ferreira
Dita n. 18. Os mesmos
Imperatriz n. 40. Herdeircs de Leo-
poldo Ferreira M. Ribeiro
Tambi n. 32 Herdeiros de Ludovi-
na Souza Lima
Gervasio Pires n 26 Herdeiros
Joiinna e Mara, huios de Luiz
Jos Pereira Sim5es
Estrada de Fernandes Vieira n. 26
Herdeira Antonia, tulla de Luiza
Maria Pereira dos Santos
Luiz do Reg n. 23 AHerdeiros e
fiara de Manoel Custodio
Joao de Barros n. 41Herdeiros de
Manoel Ignacio de Oiiveira Lobo
Capito Antonio Lima n. 17 Her-
deiro Antonio, filho de Marcomi-
ro Prancracio
Travessa de Gervasio Pires n. 2
Herdeiros tilbos de Maria Ber-
244950
zum
73673
94358
109*358
354759
MMI
92*991?
374199
nardina Rocha Leal
Dita n. i-Os mesmos
Dita n. 6Os mesmos
Dita n. 8Os mesmos
Dita n. 10 Os meamos
Dita n. 12 -Os mesmos
Dita n. 14-08 mesmos
Sete de Setembro n. 19 AHerdei-
ros c viuva de Antonio Joaquim
de Vasconcellos
Camaragibe n. 50 A-Os mesmos
Travessa da vaogueira n. 5Her-
deiros de Pedro Francisco de
Mello
Visconde de Mbuquerqui n. 43
Herdeiros de Rosa Thereza da
Costa
Becco do Fando n. 3Os mesmos
Dito n. 4Os mesmos
Dito n 6Os mesmos
Dito n. 0Os mesmos
liito n. 7 -Os mesmos
Visconde de Albuqucrque n. 47
Berdeires e viuva de Zeferino
Lopes Machado
S. Boria n. 37Hermana dos San-
loa Almeida
44366
44366
64239
61239
4 360
44360
45360
374199
5MB79
264039
73431:!
13401S
134018
1340)8
134018
134018
374199
.84**



3.' wcrao Secretaria da presiden
in de Pernambofo. 1 de Maio de
lS9
Por esta serrptaria se faz publico, di ordem do
Exm. Sr. vicepresidente da provincia, que. ten-
do Candido Dias, agricultor e proprietano agr-
cola, residente no engenho Guerra, do municipio
de tpojuca, requerido que com elle se contrete
a fundugo de urna fabrica central de lypo me-
nor no dito engenho. tica aborta u concurrencia
por espaco do tnnta das, contados da data do
presente edital. para o lim exposto, mediante as
condices estipuladas no art. 16 da lei n. 1,880
de 11 de Agosto de 1885 c lei n 1,972 de 22 de
Marco ultimo.
O secretario interino.
Manoel Joaquim Silreira.

!--

--




*fc.
Diario de PemambucoSabbado 15 de Junho de 1889
Estrada
He.-m

M
Pa-
Joo de larras n. 43
ffe renca)
aragibc n. 35-
Ignei ide Castro Silva Santiago
(parte;
Santa Cruz n. 4 Irmandade das
Almas do Recite
Ponte Vellia n. 112 -A mes na
Boceo de Santo Amaro n. 5A mes-
ma
Largo decanta Cruz n. 3-Irman-
dade do Seahor llom Jess da
Via Sacra
Aurora n. 157Isabel Marta .la Fon-
seca Soares
Capibariben. 6-Isabel Maria Ri-
beiroPadha
S. Goncalo n. 3Isabel dos Santos
Nunes Oliveira
Visconde de Albuquerque d. I7
A mesma (1 3i
Aurora n. 161 AIsabel Bastos de
Oliveira
ilaniaron. 17 AJacintho Botelho
de Mesquita
Imperatnz n. 78-0 mesmo
Largo da igfeja n, 9-Jacinlbo
Alves
Ponte Velba n. 11Jacintho
ebeco Pontos
Imperatriz n. 3O mesmo
Ponte Velhan. 130 mesinj
Imperatriz n. 73-0 mesmo
Santa Cruz n. 62Jesuino Lopes
de Miranda
Dita n. 66 -O mesmo
Visconde de Goyanna n. 2-0 mes-
ms
Visconde de Albuquerque n. 43
Joanna Francisca Maia
Dita n. 49-A mesma
Luiz do Reg n. 40 J Joao Anto-
nio Francelino dos Santos
Visconde de Goyanna n. 39Joao
Baptisla de Oliveira
Visconde de Albuquerque n. 62
Joao Baptista Vieira Ribeiro
Dita n. 640 mesmo
Estrada Velha de Santo Amaro n.
1 CJoo Barbosa de Melle
Visconde de Goyanna n. 101Joo
Bariholomeu Gonjalves da Silva
(differenca)
Conceico n. 30-0 mesmo
Villas Boas n. 4-Joao Botelho de
Souza Xeves
Sabida para Joao de Barros n. 3 A
JoaoCardoso Brrelo
Santo Amaro n. 12 AJoo Carnei-
ro Rodrigues Cani pello
Riachuelo n. 2 RDr. Joao far-
neiro de Souza Bandeira
Conde da Boa-Vista n. 27Joo de
Carvalho Raposo e outros
Principe ni- Joo Cavalcante de
Albuquerque
Travessa do Maduro n. 6 -Joo da
Costa
B. C. dos Prazeres n. 11Joo da
Costa Mello e Silva
Dito n. 13-O mesmo
Visconde de Albuquerque n. 37
Joo da Cunba Soares tiuima-
res
Alegra n. 6-Joo Francisco de
Miranda
Largo da igreja n. 7Joo Fran-
cisco de Ohvi-ira
Principe n. o A Joo Gregorio
Gonealves Jnior
(Contina.)
1*246
362166
201433
14*193
rfta
Lapis de pao, duzia.
Canetasdie pao, duzia.
Tinta para escrever, garrafa.
Areia preta, kilo.
Para as officinas
Botes grandes de metal amarello,
Ditos pequeos dem, um.
Boles grandes, pretos, para blusa, um.
Ditos pequeos idem, um.
Ditos ditos de osso branco, um.
Ditos grandes de osso.branco, um.
um.
Arsenal de Guerra
A commisso de compras do Arsenal de Guer-
ra, na forma do art. 96 do regulamento de 19 de
Outubro de 1872 convida aos senhores neg
fiantes que se acharem devidamente habilitados
a virem forneeer ao mesmo arsenal as ferrameo-
tas, utensilios necessarios s suas officinas e
mais artigos desupprimento s fortalezas, quar-
teis e mais cslabelecimentos militares, durante
o 2-semestre do correle anno, devendo pro-
curaren) ues'a secretaria a relajo dos objoctos.
Os propon entes deverlo a presentar suas pro-
postas nesla secretaria ate as 11 horas da ma-
nila do da 18 do corrente.
Previne se que nao serSo tomadas era con-ide-
racito as pronostas que nao bren feitas na for-
ma do art. 64 do citado regulamento. em dupli
cata, com referencia a umso artigo, mene nan-
ilo o nome do proponente, a indcalo da co.-aj Faef >
commercial, o prego de cada artigo, o camero e I Foi.es
marca das amostras e tinalmenlo derlararu (\
pressa de sujeitar-se a multa de 3 "/O no cato
de recusar assignar o contracto, o as demais de
que tratam os arts. 87 e 88 do mesmo regula-
mento.
O fornecimento ser feito por pedidos parciaes
conforme :is exigencias do Utrico, e devera
sel-o le prouipto.
Beoictaria do Arsenal de Guerra de Fernn-
buco, 11 de Junho & 1889.
O secretario,
J. Pranciseo lbeiro Machado.
It<'l:n;:i a que se refere o edita! supra.
Para as escolas regimentaes
HudimcnlGs da .lllimetica, exemplar.
'hartas de A B C, exeu piar.
Crayes para pean, duzia.
CatbeciSBM) dedoulrioachrisi, exemplar.
Esponja, kilo.
GooamS arbica em carolo, kilo.
Coeapendio de givmmatica .porlugueza, exem-
plar.
Geometra por Abilio. exemplar.
Giz. kilo,
Historia 'in Brasil, exemplar.
Livros de 1 2J e > eiura. exemplar.
Dito de BvMema mtrico, exemplar.
Araonas para escripia, urna.
Lapis de pedra para as mesuras, duzia.
Tabondas, exemplar."
Caivetes um.
Papel almaco, resma.
Pennas de'aeo, eaii,a.
*M9
Ditos pequeos de osso" preto, um.
18*399 Ditos grapdes de osso preto, linos, um.
Ditos pequeos idem, idem, um.
116*248 Colxetea grandes, par.
Ditos para coz de caiga, par.
93*928 Coroas douradas, uma.
C.ordo de l encarnada e branca, metro.
22*318 Botes grandes de metal dourado, um.
Ditos pequeos de metal dourado, um.
295603 Ditos grandes de metal prateado, um.
Ditos pequeos de metal prateado, um.
25*996 Tiras para gola, urna-
Ac batido, kilo.
18*399 Dito dito em verguinha, kilo.
8*861 Dito de milo, idem.
Dito bexiga, idem.
46*499 Dito fundido, idem.
rame de lato, idem.
12*478 Dito de ac, idem
76*899 Dito de ferro, idem.
9*201 Dito de cobre, idem.
40*190 Araas de ferro, sortidos, feixe.
Areia para moldar, barrica de 180 kilos
73*328 Azeile de Garrapato, litro.
31*613 Dito de peixe, idem.
Dito de coco. idem.
14*879 Bandeiras nacionaes de 2 a 8 paunos, urna.
Breu. kilo.
22*318 Broxas de us. 1 a 8, urna.
124413 Ditas pequeas, urna.
Cabo de linho blanco, hilo.
22 318 Dito alcatroado, kilo.
Cadinhos para fundico, numero.
37*199 Cal preta, p cubico.
Dita branca, dem.
33*479 Acido sulturico, kilo
33*013 Agua forte, idem.
Acido muriaiieo, idem.
11*159 Tornos de bancada, idem.
Cantoaeiras de ferro, sortidas, idem.
Carvao cok, idem
48*582 Dito para ferreiro. idem.
19*870 Dito vegetal, p cubico.
Cera amarella, kilo.
11*159 Cimento portland, barrica.
Chumbo em lencol, kilo.
22*318 Cobre em varo, dem.
Cravos ou arrebites, idem.
11*15'j Escpulas de ferro, una.
Enxadas encabadas, urna.
4*991 Espirito de vinho, litro.
Estanho em verguinha, kilo.
123*998 Estopa de algodo kilo.
Ferro inglez em barra, idem.
V61499 Dito dito redondo, idem.
Dito em lencol, idem.
22*318 Dito em chapa lomour, idem.
Di lo sueco em barra, idem.
:i"i3 i>ito sueco em lencol, idem
4*5)91 Fio de algodo, idem.
Dito de vela, idem.
Graxa do Rio Grande, ilem.
29*737 Lato em lencol, idem.
Lima chata, pollegada.
i2*313 Dita triangular, idem.
Dita meia cana, idem.
31*384 Dita mu rea, idem.
Limato inglez, idem.
16*748 Lixa devidro, de papel, folha.
Dita esmeril era panno, idem.
Machado encabado, um.
P; de ferro patente, urna.
Parafusos de ferro, duzia.
Ditos de metal, idem.
Pregos francezes, kilo.
Quiri.um.
Fechaduras de ferro para porta, uma.
Revista do Mercado
tutaaz, 14 as jesho de 1889.
Foi ainda pequen: o movisaeai
Pouco foi feilo no mercado de#aml
Ditas de dito para armario e gaveta. dem.
Ditas de lalo para armarios c gavetas, idem.
Bandeijas pequeas para copos, idem.
Bacas de ntica, idem.
Ditas de ferro" estanhado. idem.
Bilha de barro cora pralo. idem.
Copos de vidro para agua, um.
Ciscador encabado, idem.
Dobradieas de ferio de cruz, uma.
Ditas do ferro e de lato idem
Estaador de pa bu, um.
Dito*de pennas, idem. *
Eosameifl de ruadeia Je qaalidade. idem
Ferrolhos pequeos de ferro e de lato, dem.
ara cosinha, idem.
.Halladas, uma.
Pacas ( gallos do.cabo de ferro, talher.
GoiBBia-la 'ni, kilo.
6rojQS, pi legadas.
Jarro de UlOCa, um.
Dilo de ferro estanhado, idem.
Lavatorio de ferro idem.
Ma tiailo encabado, idem.
I'nis.-ialo amarello, kilo.
I'alha de junco, idem.
Sabio, idem.
Tincal, idem.
Tijolus para limpar facas, um.
Velas de carnauba, uma.
Vassouras de piassava chapeadas, idem.
Vas-ouiinhas de dita.para limpar louca, idem
Vassouras de timbo, idem.
Acido ntrico, kilo.
Dito hydrochlorico, idem.
Zinco em folha, idem.
Tintas
Agua-u, kilo.
Amarello frunce/., idear.
Alvaiade de zinco, i !em
A/.nl ultramar, idem.
Colla da Babia, idem.
Cr, idea.
Oleo de linhaca, idem.
PO preto, idem. *
Hovo-trra, dem.
Sacante f.'/.es de ouro, idr.m.
Dito de zinco, idem. %
Ocre, idem.
Verde cromo, idem.
w
l'rancez, idem.
Ve: n;z Japonez, idem.
Zarcio, idem.
Madeiras
Tabc is de pinho da Suecia de 0,22 de largura
X.0012, urna duzia.
s de dito de 0,22X0,019 de espessura, idem.
i de dito dito de 0,22 de largura X0,025 de
espessura, idem.
Ditas de dito de resma de 0 22 de largura
X0.012 de espessura, meti corrente
Ditas de dito dito com 0,22 de largura X0,019 de
espessura. idem.
Taboas de pinho de resina con: 0.22 de largura
X0.022 de espessora, idcn.
Costado de amarello, ideo.
Costadinho de dito, idem.
Taboasde amarello para aoolho, de 0,46 de lar-
gura, dem.
Ditas de dito de 3/4 cora a mesma largura, idem.
Ditas de dito para forro com a m^ma largura,
idem.
Costado de pao-carga, idem.
Costadinho de dito: id'^m.
Costado de sicupira. idem
'ostadinliode dita. idem.
Costadinho de louro, idem.
Taboas de louro para soalho, de Oi de largura,
idem.
Ditas de dito de 3/4 com a mesma largura,
idem.
Dilas de dito para forro, idem.
Thesouraria de Fazenda
Fornecimento a<> Arsenal do Guerra
De ordem do Illm. Sr. inspector putiho em
concurrencia, para ser arrematado por quem
melhores vantagens oll'erecer, o fornecimento
dos artigos abaixo mencionados, para o expe-
diente do Arsenal de Guerra, durante o semes-
tre dcJulao a Dezembro dcsle anno.
Os pioponentes devem observar oseguinle :
1. Reunindo-se a junta no dia 20 do presente
mez, s 11 horas da manila, para contractar o
referido forneeimeuio, a respectiva habilitagao
deve ttr lugar al o dia anterior.e ser requeri-
da ao mencionado Sr. inspector, devendo-se jun-
tar s peUcfies a prova de sercm os proponen
tes negociantes matriculados e chan;m-se qui-
tes relativamente ao nposto de industrias e
prolisses. do ultimo semestre.
2. Qae as propostaa nao devem figurar pre-
gos variaseis ^ou sujeitos a abatimento ou des-
cont.
3." Que devem icompanhar s propostas
amostras dos artigos nea mencionadas.
Cadernelas em branco de papel fiume pautado
com 30 tullas, uma.
Ditas idem com l.) foMias, urna.
Ditas idem com 150 millas, uma.
Caetas tinas, urna.
i "anotas entrefinas, uma.
Caivetes liuos um.
Envelopes timbrados para ollicios, um.
Esptulas de osso, uma.
Presilhas para prender pape
Gomma-arabica, frasco.
Lapis de Faber. um.
Lapis de duas cores, um.
Lapis de borracha, um.
Lacre encarnadu, pao.
Livro em branco de papel
formato Carret, com 53 folhas, um.
Dilo idem idem com 100 l'olhas, um.
Dito idem idem coro 130 folhas, um.
Dito idem idem com 200 folhas. um.
Dito idem, formato Caraoe com 60 folhas, um.
Dito idem idem com 100 folhas, am.
Dito idem idem com 130 folhas, um.
Dito dem idem com 20> folhas, um.
Dito brauco de pape! Hume paulado, com 100 fo
Ihas, um.
Dito idem com 150 foihas, um.
Dito idem com 200 (binas, um.
ltto em branco de papel Hollauda paulado, for
mato Raisin, cun 50 folhas, um
Dilo idem idem com 100 folhas. um.
Dito idem idem com 150 folhas, um.
Dilo idem idem com 200 folhas, um.
Bitoem branco idem, formato Eco, com 30 fo-
lhas. Dea.
Dito idem idem com loo folhas, um.
Dilo idem dem c..;u 150 folhas, um.
caixa.
liollanda pautado.
Dito idem. idem. idem, idem, com 300 fo!ha3,
um.
Dito idem, idem, formato Ecu, id;m cora 30 fo-
lhas, um.
Dito idem, idem, idem, idem, co:n 100 folhas,
um.
Dito dem, idem, idem, idem, com 130 folhas,
um.
Dito idem, idem. idem, idem, com 200 folhas,
um.
Dito idem, dem, idem, idem. com 250 folhas,
um.
Dito idem, idem, idem, idem, com 300 fjlhas,
um.
Dito idem, idem, formato Jesu, idem, com 50
folhas, um.
Dilo idem, dem, idem, idem, com 100 folhas.
um.
Dito idem, idem, idem, idem, cora 150 folhas,
um.
Dito idem, idem, idem, idem, com 200 folhas.
um.
Dito idem, idem, |idem, idem, com 230 folhas,
um.
Dito idem, idem, idem, idem, com 300 folhas,
um.
Dito idem, idem,formato 'olombier, idem, com
50 folhas. um.
Dito idem, idem, idem. idem, com 100 folhas,
um.
Dito idem, idem, idem, idem, com 150 folhas,
um.
Dito idem, idem, idem, idem, com 200 folbas,
um
Dito idem, idem, idem, idem, com 250 folhas,
um.
Dilo dem, idem, idem, idem, cora 300 folhas.
um.
Dito era branco de papel Hollanda pautado, for-
mato Colorabier, com 200 folhas lithographa-
das para raappa, com encadernacfio iuteira de
couro.Jum.
Dilo idem, formato Eco, com 100 folhas ris.adas
para receita e despeza, um.
Papel fiume pautado, resma.
Dito idem liso, idem.
Dito inglez rosado e branco para ofcios, idem.
Dito idem. idem, timbrado, para olicios, idBttt.
Dito Hollanda. Ibrmato 'vone, folha.
Dito idem, formato Ecu, idem.
Dito idem, formato Carret, idem.
Dito idem, formato Raisin, idem.
Dito idem. formato Jesu, idem.
Bit,) idem. for meto Colombier. idem.
Dilo carto mala-borro, idem.
Pennas de ago Perry, catta.
Pastas de oleado de diversos tamanbos, uma.
Raspadeira para papel, uma.
Tinta inglesa para escrever, boic.
Tinta Sardinha, boio.
Tinta preta para escrever, garrafa.
Tinta carmn, frasco.
Thesouraria de Fazenda de Peraambuco 11 de
Junho de 1889.
O secretario,
Dr. Antonio Jvs de Suit'Annu.
Capitana do porto
v.
Dito iile:.i idem coa zti folhas, ir.
Dito idem, formato i -sft. com 30 faifa
Dito idem idem cora '' > u>lhas, u n.
Dito idem idem co,.i KiOf.lhas, un.
Dito idem idem -.<:n 20 I linas, um.
Dilo idem idem eow 2? 9 libas, um.
Dito dem, laraMt fJnlombier, com iOdlaluas,
um.
Dilo idem d.-m com 238 ilhas, um.
Dilo idem idem com :M0 folbas, um.
Dita em branco, pape! Iloilanda pautado, rormalo
Carret. encade::. :"> iu; ira deconro, com
50 folbas, um. i
Dito idem. form o i! i, encadiernacid.
o ii 100 folbas, um.
Ditu'idem idem, formab i-a lernago
idem, com 130 folbas. un.
Dito idem idem, formulo .;cni: .'c:jaderuaco
idem. com SDO fojtc
Dito idem dora, formato nfem. : "idemago
idem, com 25ii foibae. o
Dito idem idem. fonato iem, ::;adernago
idem, com 386 (binas, um.
Dilo idem dem, rmalo Comu idem, com 30
folhas, um.
Dito idem idem id^ui VCan oua WO folhas, um.
Dito idem idem idem idem coai 180 folhas, um
Sito idem idefti idem idem com 00 l'olhas, um.
ito idem idTi: idem idem com 30 folhas, um.
Dito idem, idem, idem, idem. com 3l'0 folhas.
um.
Dito idem, idem, formato Raisio, idem. com ro
follias, um.
Dito idem. dem, idem, idem, cero. i'Xl Iblh s,
um
Dito dem, idem, idem. idem, com 150 l'olhas,
um.
Dito idem, dem, dem, idem, eam 20 l'ulhas,
um.
Dito idem. idem, idem, ilem, com 250 folhas,
um. >
Aviso aos naregautes
De ordem do Hlm. Sr. capito teoeote Manoei
Augusto de Castro Menezes. insneclor deste Ar-
senal e capito do porto desta provincia abaixo
transcrevo o aviso aos navegantes que foi en-
viado a esla capitana pela directoria dos pha-
roes.
MiniMterio de phnrc -Avino auN iiatcijunleM
Pliarol de CoIiarv*-Ki trniio-
ran rrovlnria do Para Orazil -
t* de tHH9.)
No dia 15 de Maio corrcnle foi exhibida de
uma das pedras do grupo das de Collares, na
margem direita do rio Amazonas, provincia do
Para, uma luz branca e fixa Iluminando lodo o
horizonte.
O apparclbo de !nz dioplrico da 6* ordem e
a !u2 produzida pela combusto do oleo mi-
neral.
O plano focal eleva se 11",80 (38 72 ns) ao
nivel medio das mares, e a luz gser visivel da
distancia do 12 milhas, cem teinjio aro.
A columna sobre queassenia a lanlerna e res-
pectiro apparclbo do luz provida de upia pa
Informa semicircular com escoda lateral 6 pin-
tada de branco, assim como a casa das iv-pee-
Uvos pharoleiros, que lica prxima.
Posico se.ographica
Lat; 0SF-OO" -.
LoatV 5o 5' 30" 0. Rio de Janeiro.
-'- lti'-l>" O. Grw.
> -50--3D 20" O. l'ariz.
Repariigo de phares, Rio de Janeiro, lti de
Miio.de 1889.
Pedro Benjamn de Cerque ira Lim-i,
Capito de fragata, director gerafe
"o'.ifbrme. Capitana do porto de Pernainbu-
bo, 14 ce Junho do 1880.
O secretario,
Antonio Aa $lca Azepedb.
Em papel oarlicular
sa 'cues a 26 15 10.
coustou pequeas tr.:
Gompanhia de Edifi-
ca^o
Assemblca geral extraordinaihi
Segunda couvoraro
Nao se havendo reunido numei'o legal i!e ..;-
CJoublas para constiiuir-te a asscmbta geral
extraordinaria para buje convocada, de novo i
por ordem da directoria, convoco os senhores
accijisias reunircm se no dia 23 do conente
mes, ao u": dia. no escriptorio desta campa
ohia. praca Pedro 2." n. 77, i- andar, ufira de
Iral emd aesmoasomptojat-.nuuciado.
Lembro ; senbores accionistas que para
ter logar a dita assemblea u necessario
que onstituida cun dous k*r$os do ca
te estatu o S 4' do art 15 da le;
u. 3130 i I le Novembro de 1882.
H : 10 d Junho de 1889.
Ricardo Ucnezes
Gerente.
No Rio o mercado manteve-se sem alterar.'y.
A ottima cotacZo para papel particular foi
27 d
Bolsa
9T.g5tS OFFICIAES DA JCSTA DOS COU-
JtBTOBES
Recie, 14 de Janlu ie J8&)
Apolices piovinciaes, juros de 7 0/0, valor de
1:0. o i a 1:0105 cada uma.
AccOes da estrada de ferro do RibeirSo ao Ro-
nito, valor de 1005 a 705 cada uma.
Cambio sobre Porto, 90 d/v. 69 0/0 d-^ premio,
dn banco.
\a" Rolsa Venderam-sc
3 apolices rnovinciaes.
3 aegoes da estrada de fci uBeiiajao
Bonito.
o presii
Candido C. G. lcoforado.
O sc-:rel.
Eduardo Dub
.%lgOU
MantetB-se cotaco do de 1* sarto Jo serbio
ia razio de 75000 p"or 15 kilos.
A exportaco, l'eita pela alfandega neste mez
ateo da l2,aUingioal52.992kilos,sendL. 11.356
o exterior e I38.(;3(' para o interior
As ei.tradas verilicadas at a data de boje, so-
bem a 4.45 sancas, sendo por:
Sarcacas..... i S2 Suecas
Vapores ...
niraaes..... ,69
ifia-frrea ue Caroar. -09
frrea da S. Francisco* It
V'ia-ferrea de Lime 1 404
So- i.432 Saceos
-CUlELUA* A-K1XADA8
3
y
' iTi . -o z i pl o
t B, g r" i 5' 3 O.
5 5' - se " 1
- a a O . .
"5 si o c
. . 9
^
o. *
2

s
I I
X
i-
M s
O (-^
*^

5

. I
95
Scmeno.
Uascavado porfrade
bral
Rtame
25500 a 25700
25100 a SMO0
irmej I 900 a 2500U
lOOO a l7i0
A exorlacao, fefa pela aiCandcga neste mez
at odia 12, suiiu a 1 .$13.389 kilos para o inte-
rior.
As entradas verific idas ale a dala delioje, sor
bcro a 3.743 sacc#, sendo por :
Barcagas .... 3.380 Saceos
Vapores > . .
Animaes.... 14
Via-ferrea de Caruai. 103 .
Via-fcrrea de S. Francisco. 2.109
Via-ferrea do Limoeiro Sumisa. 77
5.743 Saceos
5
K- 4
V * 5- i
7i ' l t z?. I
s 8 9
; : " |
e> |
- * * S-
ye i i i. J. ,, ^
i amfetu
ie O 3^4. a?bo tc;nadere9-
Oaban

Assuear
Os precos pagos ao agneultor, por 15 kilos, se-
lado a Associago Commercial Agrcola, forca
tSST 3*fl00a4#400
Aguierdenie
Cota-se a 80*000, per pipa de 480 litros.
llcool
Cota-se a 170000 por pipa de iSO litros.
Mel
Cota-se a 70*000 por pipa de 180 Btr
Couros
A cotayto dos salgados de 3S0 reis na base
I de 12 kilos e dos verdes 5 reis
------
Pauta da alfandega
KUANi i-k 10 i 13 DE Jl KH0 t lVay
Vide o Otaria de 9 de Junho
.latlos descarga
Barca uoruegusnse Saga, xarque e feno.
Barca nacional Mara Angelina, xarque.
Barca nacional Mariamunha, xarque.
Bar n norueguense Letinqstone, carvao.
Barca sueca Camelen, virios gneros.
Barca allem Louise, varios gneros.
.juwez Boa Sortt, varios gneros.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar portngusz B.*nlo de Fretiat, varios gene-
ros.
trud 9 /.. Trundy, farinba de
tr:.
Luga,' inglez StUy, bacalho.
Lugar americano Edxard Johnson, fariaha de
trtfo.
Patacbo uacional lina!. \ trque.
I'ataco hollan.l : Margan arque,/
Patacho dinamarquca Phoz. xarque. i
Patacho hollandcz \, .arque. ,
Patacho sueco Anor, sarque.
Paiacho nacional Argentina, xarque.
Patacho porjoguez ValMarei, vinho.
Patucho inglez Hafren, \arqp.e.
i.sttoriaco
tKCM*, 13 DE J.NHO r. IS$9
Para o exterior
Mo vapor inglez Maranheute, cirregou :
-ara .Xcw-Yoik, F. de Lima 12.000-kilos de
pao brasil.
Pan o interior
Su barca nacional Maria Amottma. caire-
garain:
Para Rio Grande do Sul, Araorim Irraos & C.
30 pipas com 24..000 litros de agurdente.
Para Pelotas, Amonm Irmos C. 375 bar-
ricas com 40,237 kilos de assuear branco e 75
ditas com 8,491 ditos de dito mascavado.
. ?ia escuna norueguense Swerdriipp,carrc-
gou:
Para Pelotas, Amorim Irmios & C. 3f0 barri-
cas com 32,400 kilos de assuear branco c 50
ditas com 3,630 ditos de dito mascavado.
So vapor inglez Cometa,"carrugou :
Para Rio Grande do Sul, A. M. da Silva Ift
barris com 960 litros de agurdente.
Jo vapor francez Y Ule de Maranha, carre-
jara ra :
~ Para Santos, S. Guimares A ;. 100 saceos
com 0,000 kilos de assuear branco u 130 ditos
com 9.000 ditos de dilo mascavado.
~q vapor inglez Maranhense, carregarum :
Para Para, E. C. BellrSo & Irmo 100 barricas
com 3,208 -kilos de assuear refinado.
o vapor nacional Maranhao, carrega-
Para Rio de Janeiro, A. de Oliveira Maia 17,000
cocos, fructa ; P. Valente & C. 50 pipas com,
24,000 litros de agurdente ; Amorim Irmaos *
C. 800 saceos com 48,000 kilos de assuear
branco.
.Para Bahia. Amorim IrinSos 4 C. 400 saceos
cm 30,000 kilos de assuear branco.
o biate nacional Victoria, carregaram :
Para Cear, B. Oliveira C. 50 saceos com
3,730 kilos de assuear branco.
Na barcaca Julieta, carregou :
Para Mossoro, B de Sonza Travasso 10 barri-
cas cem 600 kilos de assuear retinado.
Obras "Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro di-
rector geral, m virtude da attorisaco do
Exm. Sr. presidente da provincia de 10
do corrente, fago publico que no dia 4 de
Julbo prximo vindonro ao meio dia, nes-
ta directoria, recebem-se propostas em
cartas fechadas competentemente selladas,
para execufo dos reparos da ponte sobre
o rio Pirapama, no engenho Novo do
fabo, na importancia de 9095920.
O orcamento e mais condiySes do con-
tracto acham-se nesta secretaria onde po-
dem ser examinados pelos Srs. preten-
dentes.
l'ara concorrer a praea cima ^e^erao
os licitantes depositar no Thesouro Pro-
vincial a quantia de 45^496 equivalente
a 5 0j do valor do orcamento.
Secretaria da directoria geral de Obras
Publicas de Peraambuco, em 14 de Junho
de 1889.
O engenheiro secretario,
Luiz Antonio Cavalcante de Albuquerque.
Secretarla da lastrueco Pu-
blica. 7 de Malo de ISSe
Concurso para pruvimento de cadeiras de
ensino primario
N. 83 De ordem do Sr. Dr. inspecfor geral da
Instruc(,o Publica e era virtude do que dispe
0 art. 83 do regulamento vigente, se faz saber a
quera interessar possa, que acha-se posto em
concurro o provimenlo das cadeiras de insfruc-
qho primaria, constantes da relaco abaixo trans-
cripta e para isso aclia-se aberta nesta secretaria
a inscripeiio dos candidatos a este pro vi ment,
com o p'razo de 40 dias, a contar desfa dala,
observadas as seguintes disposices do regula-
mento vigenie.
Art. 85. Os candidatos deverao no prazo as-
signado, dirigir-se por uieio de pelao instruida
com os documentos exigidos no art. 90, ao ins-
pector geral, que. julg'iido provados os requisi
tos do art. 89, ordenai que Sejaffi inscriptos.
% 1 O exame de haljilitaijo para o majis
torio primario far-se-ha na Escola Xormal pela
forma porque ah s;'o CxamilHldos os alumnos-
mestres.
S ." Si lodos os inscriptos tiverem titulo de
baoililscao, passar-se lia logo ao concurso.
Art. 89. S podero propor-se ao magisterio
publico os cidadaos brazik iros com os seguintes
requisilos :
I." Maioridade legal.
SS 2.'' Uorahdade,
5 .'." Isengao de culpa e
S 4.' Capacidad* prflseionai.
Art. 90. Os reqirsitos do artigo antecedente
deverao ser provados:
0 do $ l. por cortidao de baplismo.
O do 2. per altesidu do parodio ou de
quaesquer autoridades do lugar onde residir o
concurrente.
0 do ." por meio de examo de habiitacao.
Art. Si. Sao dispensados :
$ |. De exhibir certido de idadeos candi-
daios que forera ou livenni si.lo l'unccionarios
pblicos e os que apresenlarem algum titulo ou
diploma que nao poderiam obter sem a maiori
aade legal.
^ 2." De apresenlar 1'oliia corridaos que
exhibireiH atlestados de procedimenfo civil e
moral, passados pelas cmaras uiuulcipaes. auto-
ridades iudicinrias e policiaes das localidades
em qu' bouvereai residido nos dous ltimos an-
uos : os que, se arbando no exercicio de em-
prego publico, exhibrem aflestados do respec-
tivo chefe : e as educandas do collegio de or-
phs o casa de expostos.
3. Do exame de habiitacao as materias
de ensino p nan os candidatos que exbi-
birem :
1 Diploma i la pela Escola Normal da
provincia oo de qualqucr outro curso normal
primal ie Jo imperio, i Art. 233).
II Tilu! em graos suientificos pelas facuida-
d"s do imperio.
II! Diploma conferido pelo Gymnasio Perna r-
boeano oa pelo 1 opera! ollegk) Pedro II.
| 4. Oin spector geral pode dispensar a exhi-
biyao i'.' adala de afgana dos documentos re-
feride. .,-. ai;-. 90 e 91, marcando prazo para
sua apreseotaco, sem a quul nao podera con-
ceder !"' i de eanacidade.
Art. 02. As enhoras que se propozerem ao
professorado publico, nao sendo solteiras.de-
vcro exhib coafora o sea estado, certido
de casamento ou de bito de seu marido, ou
seateoca de separadlo conjucal. passada em jul-
gado.
O programoKi de pontos pode ser pelos pre-
tendentes, r.i s nesla ivpartigfto.
O secretario,
Pergeutina Saraiva de Atwqo Galvo.
Uelario da cntlclrai
1 Cainutauga. mixla.
2 Cajueiro, idem.
3 Flores, dem.
4 Marayal, dem.
5 Agua Preta, sexo mascoHho.
G Praia los Carneros, mixta.
7 8. Jos da Cor6a Grande, mixta.
s Vanea Redonda, idem.
'.) Calende, idem.
Matriz de S.' fos
Mesa geral* ;
Elelcao
# ioivordem do irmao juiz, convide pela terceira
vez aos irmos da venera ve I irmandade do SS-
Sacramento acomparecerem na nosfa matriz no
dia 18 do corrente mez, pelas 6 heras da tarde,
para elegerem a nova mesa regedora do anao
compromissal de 1889 a 1890. ,
Consistorio da irmandade, 14 de. Junho de
1889.
O cscrivae interino
Heleodoro Candido Ferreira Rahello.
Monte Pi Beneficente Joao
Baptista
A bem dos inleresSes de nossa instituicao sao
:uiividados todos os membros do conselbo para
comparecerem no da 13, s 7 boras da noife.,
em sua sedea ra Augusta n. 213.
O secretario
_____Joao_Gualberto de Moraes Padilha.
Instituto BeneOcente dos Oflciaes
da Guarda nacional
De ordem do Illm. Sr. presidente da assem-
blea geral, convido aos senhores socios a se
reunirem no dia 17 s 6 1/2 horas da tarde, na
nossa sede, para em assemblea geral, traannos
de diversos assumptos tendentes ao Instituto.
Secretaria da assemblea geral, 13 de Junho do
1889.0 1 secretario,
______________Joaquim de Medeiros Raposo.
SANTA~CSA~"
CANA PARA ALUCIAR
Ra do Vigario Tenorio n. 27, laja 20000
Idem idem n. 22, 2." andar lUOiOOO
dem idem idem, 3." andar 1805300
Idem da Moda n. 49, armazem 200*00
dem do Rispo Sardinha (Encanta-
mento! n. 11. 2. andar 300J00U
Idem do Mrquez de Olinda, n. 44, so-
brado de dous andares 2:131 000
Idei.i idem n. 33, idem idem 1:20000
dem do Rom Jess n. 29, 1. andar (240*000
dem de Domingos Jos Martins n.
13S, loja 200-iOO
dem de Tliom de Souza (Liiigocta)
n. 14, f andar 200*000
Idem da Viraco n. 19, casa terrea 240*000
dem de S. Tliereza n. 7, idem 216/000
Idem do Imperador n. 81, loja 720*000
dem idem, 2" andar 480400*>
Parnameirim, sitio 360*0(6
S. Lourenro da Malla 6040
/ *
i
I
DO
CapKal 90,000:000*
dem realisado 19,000:000*
A caixa lilial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
LONDON.. (Banco Internacin al
do Brasil,
London office.
( London k. tounty
( Banking Company L.'-
PAKIS...... i
Hamburgo.."]
Iferui.......|
Bremen.....>
B'r ankfur ti
sur Mam...;
Antuerpia..
Roma........\
Genova......1
aples...../
Milo e mais >
340 cda-l
Pars-Bas
Deutsche Bank.
* Bank d'Anvers.
Banca Genrale e soaa
agencias.
desde Ita-
/
Banco Hypotccario de
Espaa e suas agen-
cias.
Secretaria daconfraria de 8.
Josd'Ai^onia
De ordena do irmo provedor. convido ; todos
os irmios em geral a comparHcerem no consis-
torio da : a pelas 3 horas da ard' -Ih 16
de Ju;' :icur'porar!o^, acompinhamios a
-sima Trinae, qae. tem de
Oto de S. Francisco.
Uaaoel F. dos Sauto^ e Silva
Secretario.
>ia barcaca Ftiz Dettbw, carre^aram :
Para .Natal. Julto 4 IrmQu M& saceos com
15,000 kilos demilho.
.Vi barraca Liso BrasUctro, carregaram : ,
Para Maragogy, V. Costa & '.'. 20 caiias com
160 litros de genebra.
Rentlisnenios pblicos
EZ DB 1LXH0
A'fandega ,*.*

t Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
Ren.Ia eral r
Do dia 1 a 13
dem de 14
:.'ii:68992
18.9603699
Renda provincial
Do dia 1 a 13 46:019*639
dem de i:S47*812
373:6306ft
O-36748J
Somma total 424:218*101
Seauuda aeccao da Alfaudegu, 14 de Junho de
1889.
O thesoureiro Flerencio Domingues.
O chefe da secgao Cicero B. de Mello.
Recebedoria Cierai
Do dia 1 a 13 23:485*113
dem de 14 570*337
26.0o5430
Recebedoria provincial
Do dia 1 a li 32:212*711
dem de 14 1:9044853
34:117^567
Reeife Uraina&c
Do dia I a M 2 077*7!57
dem de i i 30*6j0
2:108*397
Mercado Municipal de 9. Jone
O movimeoto deste mercado no dia 13 de
Junho foi o seguinte :
Entraram :
45 beis pesando 6.557 kilos.
980 kilos de peixe a SO reis 19*600
14 cargas com farinba a 200 res 21800
3 ditas de frnctas diversas 300 reis 14500
. 17 taboleiros a NO reis 34400
lia...........
Madrid......
Barcelona..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona .
Valen eia e )
outras ci-
da dea d a
Hos pa ntia
e ilhas Can j
liaras......
LisbOa......
Porto e mais
cidades de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
una .........,
Mon tevido
NovaYork. G.Amsink& C.
Compra saques sobre jgualquer praca dt
imperio e do estrangeiro.
Beoclie dinheiro em conta corrente de
morimento com jiu-os na razao'de 2 /0 ao
anno o por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, l liam M Westber.
li sunos a 200 ris 24800
30 matulos rom legumes a 200 ris 64000
Foram occu paito?:
301/2 columnas a 600 ris 184300
1 escriptorio a 300 ris ."00
24 compartimentos de farinba a 500
. ruis 12*000
24 ditos de comidas a 500 ris 124000
83 ditos de legumesc fazeadasa400
ris 334200
16 ditos de suinos a 700 ris t 1 200
8 ditos de fressuras a 600 res 4,5800
47 tamos a 24 944000

' f
Rendimento dos das 1
rente.
lido cor-
2214900
2:5914760
Foi arrecadado liquido al boje
Precos de dia:
Carne verde de 160 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 500 a 360 reis idem.
* ririha de 569 a 720 reis a cuia.
Milho de 560 a 640 reisKdem.
F9 de 14500 a 1480Q idem.
Vapores a entrar
MEZ DE JUNHO
Europa....... Vtlle de Macei.....
Norte......... JfaranMo.........
Hamburgo Bueno-Ayres.......
Sul........... Ara&cania.........
Sul........... jlagoas...........
ful........... P- do Grao Para...
Sul........... Thessaly..........
2:8134tid>
15
15
17
17
19
30
20

Vapores a sabir
I MEZ DE JUNHO
Norte........ Maranjtente___
sanios e esc.. MitleiowUc
Havre e esc.. VUlede Pernatnbico. 15. 8
Sul.......... Maranhao.....
Santos e esc Vdle de Macei.....
Liverpool----Aroueani........
ftantos e esc. Buenos-Ayres...... 18 as 9 S
15 as 12 b.
3 as 12 b.
4
15 as 5
15 as 2 h
47 as 12 i
novinento do porto
Navio entrado no dia 14
Maco9 das, hiato nacional D. Antonia, de 85
toneladas, meatre Antonio Q. da Silva, eqai-
pagem 5, carga sal; a Bartbolomen LourenVi.
Ob$ervaqSo
Nao honre sabida*. -


*
1

'i
1-------- r-.
Diario de PeniuuibueoSabbado 15 de Junho de 1889
iisdi u 14* ic&iiia
A RE ALISAR SE NO
Dia 16 de Junlio de 1889
\ ornes

9
S
S
* ha?* i 5 ___
! PareoConwolaco 800 metrosAnimaes da provincia que aindu Dio toaban ganho
no Derbv riesta ou maior distancia e nos outros prados do Recife em distancia inaicr de
830 metros. Premios: 230$ ao i, 30 ao 2" e 23 ao 3-,
1 Araeahv..... 5 Etosso....... Pern.....
] Jasmin...... 4 Rodado ....
3 Siroco .. .. :i Cardao......
l Marat....... o Rodado ..... a
5 Cyclone..... i
1 Tupa....... 0 Pedro...... j
7 Pierrot .. .. i Baio........
s Tontn...... ) Alazo......
:' Bonjour..... a Zaino. .....
M Ashverus > llusso .... " 1
li Esquimo . 4 Rodado .....
II Boa-Vista. .. 0 Baio........
19 Vinhobranco 0 Pfdrez ...... 1
H Biscoutinbo.
K Cacique------ o 1 Alazo..... i
53
50
53
54
53
Si
58
53
35
51
53
55
55
53
'Encarnado e ouro.-.-.
lAzul...............
Encarnado e amarello
I Azul e amarello......
Blanco e preto......
Branco e encarnado...
(renate ouro........
Branco e j-renat.....
Encarnado e brauco.
reuat e ouro......
Azul e encarnado-----
Azul branco eenc .
Azule branco........
Encarnado e branco.
J F. da Costa.
A. Silva.
Coodelaria Fragoso.
Coudelaria Demcrata.
oudelaria Fragoso.
J. Mello.
Coud. Progresso.
Coudelaria Tentamen.
Alves Barbosa.
Coudelaria Capunga.
A. M.
F. Fofo.
Leo.
J. M. B. Cavalcante.
F. Leal.
2' Pareo
Prado U iMmiria 1400 metrosAnimaes nacionaes at meio sangue. Pre-
mios ; 350 ao i, 70 ao 2 e 3o ao 3
}Satoruo.....'
2 Douro.......
i Mandarn) !
i Cometa..
o!Recife .....'
6!Ruy-I!!as....i
*! Corcovado...
Castanho..
.Alazo------
Hosilho___
'Alazo. .
Castanho..
Alazo
Castanho...
S- Paulo..
Rio de Jan.
S. Paulo...

Rio de Jan.
R. Paulo ..
Rio de Jan.
51
H
54
H
Si
51
51
Azul e ouro.
Violeta e ouro
Azjil ebranco..
Azul e ouro......
Encarnado e ouro.
Coud. Internacional.
Escrich.
J. Bastos.
Bernardino Albeiro.
Danton.
A. Silva.
Coudelaria Paysand.
-i Pareo Imprema Pernambaraaa -1200 metros -Animaes da provincia que nao
tenham ganhj no Derby em maior distancia. Premios : 230* ao Io, 305 ao 2, e_25 ao 3.
IjRoldo------.' '5 IBaio.......,Pern..,
Cndor......! 6 |
3 Florete -' Castaabo. ..
Good taor-
...... 3
General.....i o
Rodado.....
Rsilho.....
54 Crenat e ouro ,.. Coud. Progresso.
56 Crenat.............;Rufino Cardoso.
5C Encarnado e branco..
58
54
Preto escorases e ouro
Branco e preto..
Francisco Ferreira.
R. ardoso.
J. Brasa.
i. Pareo -Internacional-(IIANDICAPi-1.609 metros -Animaes da qualquer p;iiz. Pre-
mios : 6005000 ae Io, 1205000 ao 2 e 60*0)0 ao 3.
Diana..... 3 Alaza....... Franca ... 37
Cinira....... 4' Inglaterra. 55
Corcovado... 4 Castaabo . Rio dejan. 33
Gallia....... 4 Alaza ...... Inglaterra- oa
Brazil...... 3 Franca. . 54
Vesper..... Inglaterra. 63
Azul e ouro.........
Branco, ene e preto.
Encarnado e ouro
Ouro e branco.......
Verde e amarello.
Ouro e branco......
Coud. Internacional.
Peona Jnior.
i oudelaria Paysand-
Coud. Emulaca.
Coud. Independencia.
Coudelaria Emulaco.
3. PareoProvincia de Pernambuco provincia. Premios 900*000 ao i", WM ao 2* e 30* ao 3".
1 Mauro- ...
i Aruinary
iiOberon .
i I Monitor...
iCaifaz-----
1 Alazo...... Pern.....
) 5 5 5 o Baio........ Rasso..... Casu nho. .. a % m
57
64
58
S8
34
[En amado o branco-1 A. Taques.
Violeta e ouro.
lAxul brauco e ene..
Encarnado e preto..
I Azul e rrna......
F. Siqueira Pastos.
J. Siqueira & Bastos.
Coud. Pernambucana.
Irineo Sofler.
s pareo supplonteutar- 1.200 metros -Animaes at mel san.'ue que tenham corrido
no Derby e nao tenbara ganho em maior distancia. P~emios : 35***000 ao 1',
70*000 ao' c 85 AWOuo 3o.
i Van Ja..
Saturno
1 Douro.
i Risette
3 Recife. -
Zai ia....
Castanho
Alazo.
Zaina
Castanho
Rio de Jan
S. Paulo..
Rio de Jan
>i
54
54
51
H
Axul e ouro......
Encarnado e ouro.
.VlltUS.
'.'.ou'J Internacional.
Escrich.
Coud. Brazileira.
Oanton.
J. PareoProperidade8.i0 metros Animaes da provincia que nao tenham ganho
em nenhum dos prados do Recife, em maior distancia. Premios: 2504 ao 1 50*
ao 2- e 25, ao 8-.
Zambo..... \ Cu-:,.alio .'.. Peni..... 53
Potosi...... ">
Siroco ...... -! Cutio..... 50
Orauge...... 5 Castanho -. O.J
Pombo Preto > Cxito- .- 55
Etna ...... > Castanho ... o 55
Cielnne .... 4 Rodado-.- - m M
1 Hai......... 33
Preto, escossez e ouro
Encarnado e ouro ..
Encarnado e amarello
Preto ene. e ouro...
Amarello e ouro..
Ene. c bonet azul
Branco e preto.....
Groo a! c ouro .....
f. R. Ramos.
Bostock.
Coud. Fragoso.
Regente.
Coud. Victoria.
J. Oliveira.
Coud. Fragoso.
Coud. Progresso.
Os auaaea inscriptos para o ln pareo devem acbar-ae no ensilhainento s
> 1\2 lioras da manhl.
Os animaes inscriptos para os outros parco, deverio estar no cnsilhamento
rio menos urna hora antes da determinada para o parco em que tivcreni de correr.
Pede-se attenefa dos Srs. proprietarios para o additameuto fcito ao regi-
ment interno do Derby Club de Pemambeo e para bs artigos '.'.. 10, 2 o 95 do
aiesmo regiment intc-rr.o.
O expediente dsta corrida eaerrt-se-ki sabbado,. l d .hmho de 1^89
iioras da tarde.
A venda de jtoules encerrar-sc-ha 20 minutos antes de cada corrida.
HORARIO
1." pareo.
2." pareo
3." pareo.
4. pareo.
5." pareo.
6." pareo.
7. pareo.
Kecife, 13 de Jrsnho de 1889.
11 horas e m
11 c 00 *
13 > c 40
1 e 30
2 i e 20 *
a > e 10
4 >
O GERENTE,
Henrique Schufe!.
rmandade do Divino Espi-
rito Santo do Recife
De ordem do irmo juiz, onvido a todos os
aossos carissimos innaos comparecersm em
-a igreja domingo 16 do correte, s i horas
la tarde, alim de encorporados. acompauharmos
jiemne procisso da SantiEsiica Tnudade qtie
sahirda igreja dos religiosos de Santo Arito-
ais, para o que tr.emos honroso convite.
CorJiatorio. 13 de lunho de 1889.
O escrivao"interino,
Magafhaes da Silva.
S. R. J.
orledadel Keorentlvn Jnventnde
Sarao bimestral em 16 de Juono
Oa sentires socios honorarios que ainda nao
receberam seu's ingresaos podem procura! os
aesta aecrjteria. Ccavites e ingressos em mo
io tbesonreiro. Sac- se adinitto aggregados.
Secretaria da 8ocicdade Recrentft-a Juventnde,
fiO de Jtmbo de 1889 -O S secretario.
A. F. Lopes.
Glub Carlos Gomes
6. anniversario da bibliotheca
Este clab solemnisa o 6. anniversario de sua
bibliothaca com om grande concert e sarao dan-
snnlo cm sua sede, na noite de 19 do correnlc.
O ingressos comejaro a ser distribuidos do
dia 10 em diante, e a ellos s terSo direito os
senhores socios que estiverem quites de sua3
mensalidades.
Pode se a todc3 que aprpsentem seus cartes
de entrada, sendo esta negada a quem assim
nao proceder.
Secretaria do Club Carlos Gomos, 10 de Jonao
de 1889.O 1 secretario,
Andr Costa.
Thesonro Provincial
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, declaro
aos senhores possuidores de apolices que as
averbaeoes das mesmas se fazem neste Tnesou-
ro ate 6 da 20 do corrente, e Ando este prazo
de Agosto por diante.
Sacretarh do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 14 Ae Junho de 1889.-0 ofBcial
Lindolpho Campello.
Prado Pernarobucano
Innaodade de N. S. do Rosa-
rio,'erecta na matriz do
Corpo Santo
De ordem do nosso irmo juiz, convido j to-
dos os nossos carissimos irmos a comparece-
real na matriz do Corpo anto no domingo 16 do
corrente, pelas 2 horas da larde, alim de acom-
panburmos ; proeissau da Snttssima Triudade,
para a qual fomos convidados.
Consistorio da irmandade de S 5. do Rosario,
13 de Junlb de 188^ O escrivao
>unc Alves da Fonseca.
HIIUECTO DE nsCRIPCi
PARA A CORRIDA
Di
Mira WA I!S mM&-^-^--
E DO /
HOSPITAL PORTGUEZ M BENEFICENCIA
qiiik se realisar no dia
24 deJunho de 1889
1." PAREO consolado 850 metros. Animaes da provincia que pao tenham
ganho premios. Premios: 200iJ000 ao primeiro, 405000 ao segundo c
20^000 ao terceiro.
2. PAREOcaridade 1000 metros. Animaes da provincia que nao tepham ga-
nho premios em 1889, n'esta ou maior distancia. Premios : 200|JO00 ao
primeiro, 40s0">0 ao segando e 204000 ao terceiro
3. PAREO velocidade900 metros. Animaes pelludos do paiz. Premios:
2505000 ao primeiro, 505000 ao segundo e 255000 ao terceiro.
4." PAREO impeensa pekxambicana 1.400 metros. Animaes da provincia.
Premios : 2505000 ao primeiro, 505000 e 2)5000 ao tereeiro.
5. PAREO provincia de pernambuco 1.450 metros, Animaes de qualquer
paiz. Premios: 4005000 ao primeiro, 605000 ao segundo, e 305000 ao
terceiro.
6. PAREO colonia portgeza 1.200 metros. Animaes nacionaes at meio
sangue. Premios: 3005000 ae primeiro, 605000 ao segundo e 30$00
ao terceiro.
7." PAREO oompensacao 800 metros. Animaes da provincia que nao tenham
ganho premio em 1889, n'esta ou maior distancia. Premios: 2005000 ao
primeiro, 405000 ao segundo e 205000 ao terceiro.
Observares
S serSo aeccias para cada pareo 15 propostas. Cada enveloppe dever con-
ter urna s proposta e caso appareca mais do urna, s ser acceita a primeira que
for lida, sendo recusada a proposta que nSo vier acompanhada da importancia da
inscripcao-
Nenhum pareo se realisar sena que se inscrevam animaes de tres proprieta-
rios difFerente8.
A nacripoZo encerrar-se ha terca-feira, 18 do corrente, s 6 horas da tarde
na secretaria do Prado Pernambuco, ra do Imperador n. 88, Io andar.
Recife, 13 de Jonbo de 1889. \
Francisco de Souza /?m,
HIPPODROMO
030
0 GRANDE
nn! 1 aiosrc

19. CORRIDA

Que dever ter lugar no dia 23 de Junho de 1889
1. PAREOENSAIO80*> metros. Animaes da provine a que nao tenham
ganho premios nos prado do Recife. premios : 2005000 ao pri-
meiro, 505000 ao segundo e 20,4000 ao terceiro.
. PAREO PROGRESSO 900 metro. Animaes da provincia que nao te-
nhnm ganho em maior distancia no Hippoijrouio. premios : 2005000
ao primeiro, 50.5000, a<> segnnd o 20"00 ao terceiro.
3. PAREO IMPllENSA 900 metro*. Animaes de menos de meio sangue.
premios : 3005000 ao primeiro, 705000 ao segundo e 305000 ao
terceiro.
4. PAREO HIPrODROMO UO CAMPO GRANDE1.800 metros. Animaes
de qualquer paiz premios : 5005000 ao primeiro, 20050*00 ao se-
gundo, 1005000 ao terceiro c 505000 ao quarto.
5. PAREO AGRICULTURA 1.200 netro& Animaes da provincia, que nao
tenham ganho em maior distancia nos prados do Recife. premios :
2505000 ao primeiro, 605000 ao segundo < 255000 ao terceiro.
t." PAREO TRILHOS URBANOS J.000 metros. Animaes nacionaes at
meio sangue.. premios: 3005000 ao primeiro, 7O000 ao segundo
e 305000 ao terceiro.
J.u PAREO EXPERIENCIA 1.300 metros. Animaes da provincia premios :
2505000 ao primeiro, 1005000 ao segundo e 255000 ao terceiro.
Observacoes
Nenhum parco se realisar sera que se inscrevam cinco animaos di tres pro-
prietarios differentes.
A inscripcSo encerrar-se-ha segunda feira, 17 do corrente, s 6 horas da tarde
na secretaria do Hippodroino, na ra do Imperador n- 55.
O cdigo de corridas prescreve o modo da inscripcSo.
Recife, 11 de Jnnho de 1889.
Ferreira Jacobina,
Secretarlo.
Veneravel irmandade do SS.
Sacramento da matriz do
Corpo Santo
i <:-. geral
De conformidade com as disposicoes do com
promis30, convido ios innaos desta veneravel
rmandade, se rennircm em nosso consistorio,
s 11 horas da inaoh-I do dia 16 do corrente,
para o fim de proceder-se a eleigao da me?a re-
gedora que ha de dirigir a irmandade no anuo
compromissal de 1889' 18!)0.
Consistorio, 13 de Junho de 1889.
0 escrivao
H. da Silva Loyo^_____
Contraria
Veneravel irmandade
DO
fliennor Bou Jmu das i'orias. na
iffreja da Madre de Deu*
De ordem do irraao provedor, convido os nos-
sos irmos a comparecerem domingo 16 do cor-
rente, pelas 2 1/2 horas da tarde, na igreja da
Madre de Deus, para encorporados, acompa
nharmos a procisso da -Santissiraa Trindado,
para o que Tomos convidados.
Secretaria da veneravel irmandn.de do Senhor
Bom Jess das Portas, 13 de J -nho de 1889.
O secretario
Jos Joaquim da Silva Campos.
DO
da
Senhor Bom leu da Viasacra
igreja da Santa Cru
De ordem da mesa regedora desta contraria,
convido a todos os nossos irmos para compare-
cerem, paramentados de seus hbitos, no dia
domingo 16 do crreme mez, pelas 21/2 horas
da tarde, em nossa igreja, afim de encorporada
a coniraria, irraos compaohar a procisso da
Santissima Trindade paras qual tivemos o hon-
roso convite da raesma confraria.
0 escrivao
Manoel Domingues da Silva.
Matriz de Santo Antonio
Veneravel Irmandade do SS.
Sacramento
Tendo de proceder se a eleifo da meza rege-
dora, que ha de dirigir esta veneravel irmandade
no anno compromissal de 1889 a 189*, pelo pre-
sente e de conformidade com as dispesiges io
compromisso, convido aos nossos charissimos
irmos a comparecerem no respectivo consisto-
rio as 11 horas da raanh do dia 16 do corrente
para o fim indicado.
Consistorio, 13 de Junho de 1889.
0 escrivao
Jos Mara de Andrade.
Veneravel ordem 3a d*; N. S
do Carmo do Recife
De ordem do carissimo irmo prior, convido
a todos os nossos carissimos irmos eompare-
cercm em nossa igreja, munidos com os seus
respectivos hbitos domingo 16 do corrente.
pelas 2 1/2 horas da tarde, alim de encorpora-
dos, inuos acompanhar a .rucisso das tres
pessoas da Santissima Trindade, que sahir do
convento de S. Francisco.
Secretaria da veneravel ordem 3." de X. S. do
^armo, li de Junho de 1889.O .ecrelario,
Jos Castor.
Thesonraria de Fazenda
SubstituicSo de notas
De ordem do Illm. Sr. inspector fago publico
que, conforme j foi aununeiado, nu da 30 do
corrente que termina o prazo para a subsMtuico
sem descont das notas de "0O da o.' es-
tampa.
Dessa data em diante comecar o respectivo
descont, a saber: de 2 at Setenara, de
i 7 at Dezembro, d'este anno, 6 ., at Marco
de 1890, 8 % at Junho, 10 em Julho do
mesrao ano, e, d'ahi em aiante o referido des-
cont ser progressivo e mensal de o -: at per-
derem de todo o valor, como preceita o art 13
da lei n. 3313 de 16 de Outubro de 1886.
Em 11 de Junho de (8-9.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de Sant'Atina
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engeoneiro director
geral, em virtjde da autorisaco de S. Exc. o
Sr. presidente da provincia de 28 de Maio findo,
fago publico que no dia 27 do cor: ente ao meio
dia, n'esta directora, recebem-se propostaa em
cartas fechadas competentemente selladas, para
execugo dos reparos de que necessita a ponte
sobre 'o rio Pirapaina, no eugenho do iiesmo
nome, na importancia de 7:I)28jI0.
Para concorrer a praga cima devero os lici-
tantes depositar no Thesouro Provincial a quan-
tia de 3814420, equivalente a o '. do valor do
orgamento.
Secretaria da Directora Geral de Obras Publi-
cas de Pernumbuco, em 11 de Junho de 1889.
Pelo engenheiro secretario, o 1. amanuense,
Jos Marcelino da Silva Braga.
~^EGllR0T03TRn0G0~
Royal Insurance Companv
de Liverpool
CAPITAL 8.000:000
AGENTES
R. DEDEUSIXA&C.
13Ra Mrquez de* Olinda13
1NDEMNISAD ORA
Cempanhia de Seguros
martimos e terrestres
Etanelecida em 1855
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 deDezembi'ode 188-1
Martimos.. 1,110:000^000
Terrestres. 316:000^000
44Ra do Commercio44
Cooipanhia de Seguros
xint it ff iMa
AGENTE
Miguel Jos Alves
V. 9Hna do Bom Ji'mi -\. 1
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhia
aesta praga que concede aos Srs. segurados semp-
co de pagamento de premio em ?aa stimo
anno, o que equivale ao descont annnal de cer-
ca de 15 por cento em favor dos segurados
Compaa ^f $*guro*
comA ::::
NORTHERN
de Londres e Abcrdaen
Posigo finincoira ('Dezembro de 1885J
Capital subscripto &' 3.000,000
Findos accumulados 3.334,348
Receita annnal :
De premios contra fogo 077,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
'O AGENTE,
John H. Boxind.
Companhia
Imperial
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadoras
Taxaa baixas
Prompto pagamento ele prejttm.
CAPITAL
RS. IG,000:0000 AGENTR
BROHAs A C.
N. 5-rRUA DO COMMERCION. 5
London & Brasilian Bank
Limited
I}w do Coprtwixio n. %
Sacca por todos os vapores sobre as eai-
xas do mesmo banco om Portugal, sendo
em Lisboa., ra dos Capellistas 75. Nc
Porto, ra dos Inglezea.
"SEGUIOS
MARTIMOS COMBA FOWi
Companhia Phenli Per-
nambueana
RA DO COMMERCIO X >;
SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool bodn & Globe
' INSUHAITGE CDMPAITY
mam, msm i a,
Roa do Commercio n. 3
Pede-se aos Sehho
res consummidores
que queiram fazer
qualquer communica-
qko ou reclama^o, se-
jaesta feituno escrip-
torio desta einpreza
ra do Imperador n.
29, onde tainbem se re-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Alfred Best rlW
man em substituido
ao Sr. Antonio Martins
Carvalho que se acha
temporariamente na
Europa.
Todos os recibos
desta empreza devero
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelog*erente,semoque
nao tero valor algum.
George Windsor,
Gerente
MARTIMOS
Companhia Brasileira de
Navegagao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Maranho
Commandante o capitSo de fragata Pedio
Hyppolyto Duartc
m E' esperado dos porto do norte att
^^^^. odia 1," d Junho e depois da de
flMnMb''1Gr;l mdispensavel seguir para o-
portes c'c su.
As encemmendas scro receidas no trapican
arbosa at i hora a larde do dia da sabida.
Para carga, passagsns, encorumendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTN DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joao Maria Pessoa
E' esperado dos portos do sol at c
da 19* de Junho e seguindo depois
da deme ra indi-mensavel para 03
porto.- i' norte al Manos.
As encommend;.: se aerso recebidas na agen-
cia at 1 horada taz.'.. odia da sahida.
Para carga, cucor.'-'as, pr-ssagens e valo-
res trata-sc com o;
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
Io andar
Royal Mail Steam Packet
Campanhy
O vaporTamar
Espera-se da Europa at o dia 22 de
Junho, seguindo depois da demo-
ra do costume para
lmelo. Baha. Rio de Janeiro
Santos, Montevideo e Bueno*
Ayres.
Para passagens, fretese encommendas trte-
le com os AGENTES.
O vapor La Plata
Commandante A. ^H. Dyke
E" esperado do su! no dia 23 de
JunMo, seguindo depois da demora
necesaria para
Lisboa. vigo. Southampton e
Antuerpia
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton. e
Antuerpia
Reduccdto de. passagens
Ida Ida e toUa
V Lisboa i* das se 20 l 30
A' Southampton i- classe l 2S t 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-se
com os *
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Rua do Bom JessN. 3
Companhia Bahiana de Na-
vegacap Vapor
Cear
O VAPOR
Principe do Gao-Para
Commandante Lacerda
- ^r~--5. E' esperado dos portos do sol
jjfc fl Bfcvpois da demora necessaria se-
m Seguir directamente at o Cear
ParSrarga^assagens, encommendas e dinbei
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Rm do Vxgifrio 17
\

. |


-
;


i




I

6
Diario de Proambiuo~-Sdblit*do 15 acfic St;e?m Ns vigatiou
Compaiiy
STSlUTS OF MAGELI O paquete Araucania
*
Espera-se (lo sui at o di*
i 7 do corrente e seguir
depois da cemora do costu-
me para Liverpool por
Ijfc Para carga, passageiros, encommendas
aheiro a frete : trata-fe ooni ps
AGENTES
Wilson, Sons M., Limited
14RUADO COMMERCIO--14
rti-
LE&OIS
Sabbado 15, o da casa -do cigarros e cha-
rutos Main rdo Cabcp n. Ifc^_____________
Leilo
De fazenda* a arladas
Constando de.
Cassioetas, cretones de cores, raerin 6 de la
seda e nuitas outras faaeodas.
Hoje, 15 do corrente
AO MEfO DA
N armazem da ra do Bom Jess n. 49
Por intervenclo do agente
Alfredo Guimares
Agente Pestaa
LeHo
de 110 saceos com milho e 1*0 ditos com
arroz com avaria d'agua do mar
Sabbado 15 do corrente
A's 11 horas
\ irapif he da C mpanhiu
O' agente Pestaa vender, por conta e risco
de guem pertencer, 110 saceos com milho marca
R eT90 ditos com arroz marca G G, araados a
bordo do vapor americano Adrance. em sua ul-
tima -viagem a este porto. ______
~~ Uva-ge e enfoma-se rom porfeiso, e
n]adda.8 buscar e ***"; a roaangosta fr. 'm
FqSo um caclarriDlio uo reine qpa acode
pelo nome de Jasmin, com malhas amarellas no
tombo e as orelhas : qtarta o"pogau Iwe a ra
de S. Francisco n. 41, quesera bem recompen-
sado.__ ...............__.....................*ttM>
Venid se urna arinac,o de amarello eiwi-
dracada e envernisada ; a tratar na ra Conde
da Boa-Vista n. 87.
Vende-se a taverna sita ra da Impera-
triz n. 65, nom .irmacao toda de amarello e cn-
vidracada : o movo da venda por*achar-se o
dono doente e precisar n ttrar-se para f6ra
Venderse a propriedade Guararapes no Rio
Grande do Norte, a margem do rio Potengi com
agua para navios e vapores, entre a capital e a
cidade de Marahiba|com '% eguas de rioparafcada
urna dessaas cidades ; com aua muito boa perma-
nente com mil bragas de frente e urna legua de
fondo
Tea dentro da propriedade 5 casas de tqollo e
ral, 1 capella, um grande armazem ao p do
caes.1 outras muitas casas de telhas, muitas fruc-
teiras e baixa' de capim eern boa- agua- corrente
pelo centro.
Tem um bom armazem de sal tambera no caes
aonoe atracara hiates e harcacas.
Esta propriedade e muito propria para um
grande estabelecimento de qualquer qualidade
Quem preteoter diriga-sc a ra da Imperatriz
n. 23 andar a tractar cora D. Luiza Pedroza,
e no Rio Grande do Norte rom Amaro Rarretto
ou Fabricio Pedroza.
Leilo
Da armacSo envernisada, balean. armacSo
inglesa, urna dita grande, 1 cofre, ama
secretaria, 1 relogio,4 candieiros a gaz,
3 bataneas, ponteiras, lapizeiras, bol-
sas, cachimbos, caetas, eigarros, fumo
picado e em cordas, papel e j alba para
cigarros e mais pertences da fabrica de
cigarros e charutos da ra do Cabuga
n. 14, em um ou mais lotes a vontade
dos compradores.
Sabbado 15 do corrente
0 agente Pinto levar a Ic'ISo por mandado e
em presenca do Exm- Sr. Dr. juiz especial do
contraercio e em virtude do requerimento do- cu-
rador fiscal da massa fallida de i apitulino Ro-
gues do Passo 4 C, da artnato e mais perten-
ces da fabrica de cigarros e charutos da ra do
Cabug n. 14.
0 leilo comegar > 10 1/2 horas em ponto
por seren muitos e diflerentc- os lotes
Leilo
De 1 piano, espelhos. bons movis, lou<;a
para almoco e jantar, vidros, jarros,
quadros s muitos outros objectos ao
correr do martello.
O agento Britto autorisado pelo Sr. Jos Fran
c.co da Silva, far leilo dos objectos cima.
Sabbado 15 do corrente
A's 10 |2 horas
Ra da Imperatriz n. 47, Io andar
Leilo
Das dividas da massa
Rodrigues Branco,
67:188(5335, servindo de base a offerta
de 500$
Mabbado 5 de fiiuho
AS 12 HORAS EM PONTO^
No armazem de agencia de Ieoes 6ta
travessa do Corpo Santo n. 27
O agente Pestaa, autorisado por mandado i
assistencia do Exm Sr. Dr juiz do commerek
far leilSo das dividas ja referida?, no da ehora
cima mencionados.
fallida de Alberto
Da importancia de
Leilo
De 1 armagao de amarello envidraeadn, Itbi-
Ihar e seo pertences, 1 repostelro de amarello,
guarda louc, luciros, cadeiras de junco e ama
relio, consolos com pedra, bancas, espelhos.
quadros, candieiros, mezas para jantar e de co-
sinha, sorveteiras, loucas, copos, clices, garra
fas. vinhos, rervejas. licores, cognac, trem de
enrona e muitos outros objectos.
Segunda-feira, 17 do corrente
A's 11 horas
No bilhar sito Praga do Conde d'Eu n. 7
POR NTER VENT.O DO AGENTE
Gusmo
Leilo
de gneros, armacao e utensilios
feegnnda-feira. f 9 |do carrale
A's 10 li2 horas
No ralabelerimenlo Hita 6 ra da
Imperatriz n. i
0 agente Silveira, devidamente autorisado pe-
lis credores de Joao Francisco Ramos da Silva,
i vara a leillo os gneros, arraagao e utensilios
em umou mais lote.-.
Garante se a chave. ,
Agente Burlamaqui
Leilo
i;m esiatlnuaeo
Terca-feira 18 do corrent-
A's 11 horas da manha
A" ra Formoan a. II. cana do roar-
llielra Bunrque de Lima
De bons movis, lougas. quadros. fidros e cu-
tres objectos, que eslaro vista dos Sr-, liri-
i ites.
AVISOS DIVERSOS
- Aluga-se o 2- andar do sobrado n 5 a ra
o..' Padre Floriano, com bou- commodos e todo
i- v ssa da praia do Forte n. 6, sota._________
- Alupi-se a tasa terrea e sota no pateo do
lergo n. 82. e a da ra do Nogueira n. 15 : a
tratar na ra du Pilar n. 5t._______________
- Precisase de um copeiro : na ra de Pa-
>and n. 20________________
; hornera solteiro sem familia, altiva rae-
da i |iie habita nesta cidde, a um ou
m idntica circumstancia : quera pretender
dHh-flf travessa doOuvidor n. 20 A, loja.
uia da Soledaiia n. &>, vende-se
ob/as :
iragao E-panola j Americana dos anuos
72, 71) 74 e 75. -
Mundo dos anuos de 71 a 76
sil Histrico ati'o3- mno de soa publi-.
? da Gnerra do Paragmy,
Ama
Precisa-se de urna ama para casa
na ra do Cotovello n. 46.
de familia
Ama
Precisase de urna ama que eosinhe bem para
casa de pouca familia, preferc -e idosa e que
durma em casa de seus patres a tratar na ra
do Livramento n. 1.
Ama
Precisa se d? non ama para cosinhar, com-
prar e mais stvcos domsticos, para casa de
familia : na ra do Alecrim n. 2, 1- andar.
\ tten^o
Aluga-se urna casa com commodos para fami-
lia e com um pequeo sitio, no Arraial, confron-
te a estacto da Mangabeira de cima ; a tratar
com Francisco Jse GueJes deLacerda. r,a mes-
ma estrada.
Bilhar
Quem tiver um bilhar em bom estado, com
todas as pertengas. e queira alugar. airija-ne
ra da Roda n. 11. ______
Ra larga do Rosario
Traspassa-se a armacta e chave da loja onde
estere a fai-rica Globo : tratase com J. T. Gar-
reiro, ra da Madre de Dcus n. 30. ____
Barato
Vende-se milho especial a ra de Pedro Affonso
n. 68. (antigu da Praia).________
Ao eommercio
Tendo sido repi ;trado o contracto social da
firma Alves Maia 4 C, prevenimos ao eommer-
cio e ao puMico que s pode fazer uso della o
socio Antonio Pacheco Dias Torre?, nico ge-
rente.
o publico
Maria Francisca da Annunciago declara que
de hoje parasempre assignar-se-lia Maria Fran-
cisca da Gonceigao.
Recifr. 12dcJnbno de 1889.
M err.earia Equidade
Ba Coronel Huaimanii n. ir
Chama se a attengao dos consumidores Dar
os superiores vinhos finos e de mesa que se
vendem oeste estabelecimento. Recbese al
guns directamente e outros compram-se aqu
com toda a precaugo e rigor na escolha ; v<'ii-
de-se todas as outras mercaduras de I.' qjali-
dade por pregos mdicos, rectido em pesos e
medidas, e sinceridade nos tratos.
O proprieturio (leste chama ainda a attencao
dos consumidores para o estabeleciniecto tiial
que tem na ra da Concordia n. 29 (esquina da
ra das Plores) que pelo mesmo BJSUUt de sin-
ceridade e rectido procura servir a todos com
grande vareiade de superiores vinhos de mesa
e finos, e gneros da i quadade.
Nunca fal ha!
Os effeitos do Peitoral de CamVar ma.
nifestara-sc, na maioria dos casos, durante
uso dos primerro8 vidros.
Este remedio efficaz para as enfermi-
dades do larynge, dos bronchos e pilmes.
Francisco M. da 8v*>. & ('.
Agentes em Pernambuco.
Ir. Jom Dominguv da Coala
Enedina Marques Accioli da Costa, sen irmao
e soas iriiis. viuva. cunhado e cunhadas do fi-
nado Jos Domingos da Costa, convidam aos
parentes e amigos do mesmo finado, para ouvi
rem as rnissas que por sua alma mandara cele-
brar na matriz de Santo Antonio, no da 19 do
corrente, s 8 horas da manh. 1- anniversario
de seu passamento.
t
\ atonto doaquim da Clama
Americo Fortunato da Gama e seus irmos
agradecen) intimamente a todas as pessoas que
se dignaran) acompnnhar os restos mnrtaes de
seu p rezado pai. Antonio Joaquim da Gama at
aocemilerio da Varzea, e de novo as convidara.
e bem agsim aos seus amigos e parentes. para
as-istirem as missas que mandara rezar por sua
alma na c pella de Francisco de Paula, em
Caiang. e na matriz da Escada. segunda-feira
17 do corrente. s 7 horas da manhS. stimo
dia de seu ftillecimento. pelo que anteeipam seus
agradeciraentos. Aprowitam a occasio para
agradererem Exma. Sra. D raru Leopoldina
de Miranda Guimares, Felisbino de Carvalho
Raposo, teneiite-c ronel Francisco G. Torre?.
Manoel Fr-lippe de Araujo Lopes e Dr. Horteucio
Peregeino da Silva os obsequios que prestaram a
aquelle tinado no periodo d" sua molestn e
innandode de N. S. do Livramento da Varzea
por -e ter promptainente prestado a conduzil-o
1 sua ultina morada.
tul**
I
Priawirvaanixrriiario de Maria da
Coueeicao Afrae Iricealmo dia do
ralleelmenlo de Anilonio fioacal-
vea agr.
Manoel Goncalves Agr, sua mulher, Hlhos,
irmS, sobrinhiis e cunbados. tendo de mandar
celebrar missas por alma de sua filha Maria da
Gonceigao Agr, i" anniversario de seu fallec
ment; e bem assim por seu irmao. cunhado e
tio, Antonio Goncalves Agr. 30* dia, rogam a
as ditas missas que sero celebradas no conven-
seus pareles e amigos o ob-equio de assisliren
que sero celeb
to do Carmo, s 8 horas da m-inlia, do dia 17 ro
I corrente. anticipando desde ja sua gratido por
mais este onsequi".
GRANDE L QJJIDAQAn
Na Loja das EWHas
56Ri Dnque de Cxis-58
Telephone n. *lO
Este bem conhecido estabelecimento acaba
de passar por urna grande reforma,
sende ligado interiormente com a
casa contigua do n. 58 no intuito
de serem despachados todos os seus
freguezes com mxima brevidade
possivel, resolveu fazer grande II-
qnldafo d> todos os saldos que
ficaram de balance, por menos
50 [c do seu valor, cujos artigoe
passamos a demonstrar:
Artigo* de le
Esguiao, pega, a 35500.
Madapoln' com um metro de largura de
14 por 7 dem dem americano de 8 por 5(5000.
Algodao marca T, especial^ muito largo,
de 7^ por 5)5000.
Bramantes, pecas, por 75000.
Atoalhados, lindos desenhos, duas largu-
ras, a 15 e 15200 o metro.
Guardanapos de 45 por 25000 a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o me
tro.
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 15500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a 15.
e 15200 a duzia.
Toalhaa de fustao, quadade superior,
35 e 45000 a duzia.
Cretones para coberta a 240 rs.
Colchas aeolchoadas. brancas e de c6res t
25000.
Lenges de bramantes a 25000.
Chales escocezes a 15000.
E outros muitos artigos que deixam de
ser mencionados e que se vendem coro
igual abatimento
Tecldos de alta novldade
PARA VESTIDOS 0E SENHOBAS
Linhos pardos para 'vestidos a 300 e 32<;
Sedas com quadros e listras de 15800 poT
800 rs.
Setins de seda, todas as cores, de. ...
15200 por 50 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cdresJ de 500 por
240 rs.
Tuaile de Vichy, do 240 por 160 e 80 rs.
Nonsuks, desenhos novos de 240 por
120 rs.
Cretones claros e escuros com lindisaimofc
desenhos de 440 por 240 rs. 1.800
PEgAS!
Merinos de quadros, grande variedade d<
padrdes, de 500 por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Fustdes de cor, de quadros e outros- dse
nhos muito lindos, de 500 por 160 r
Sedas Felippmas, de 500 por 200 rs.
E muitcs outros tecidos para vestido,
em algodlo, linho, 13 a sedas .'que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 |,.
ConfeceSo
Vestidos feitos de Casemira ricamente
bordados de 805 por 55 e 305.
Ditos para armar de 65, 85 e 105.
Ditos brancos bordados em cartao, alta rio
vidade a 85 c 105-
GuaniicSes de colariuhos e punhos par*
senhorapor lo e 15200.
Capotas (preparadas na corte) de 205 por
95 e 105
Gollinhas e punhos para menino de 3
8 annoe.
Vestuarios e roupinhas para crangas, p^:..
55, 60, 85 e 105, e Jersey, casemira r
de brim.
Saias bordadas a 25 e 35-
Enxovaes para baptisado enra collares ele
trieos por 55.
Luvas de seda meio h~v> e qualqner U-
manho a 15500 o par.
dem idem de Escocia a 15 e 15500.
Sobretudos impermeaveis de 'borracha d
705 e 805, por 305 e 405.
Capas e pellerir.as de cachemiras jotioma-
na ricamente enfeitadas de vidrrihos 8
255 e 305-
dem idem de renda, seda, damasco e
gurgurao, tanto para phantasia com
para commodidade a 385 3 405.
Velludos de seda e algodao de muitas co-
res.
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda, algo
dao e Jinho, com um metro de largura.
Setins Maco de todas as cores a 750 e
800 re.
E muitos outros artigos de confecjBe
como sejam mantilletss de blonds, sahidas
de bailes, leques transparentes e de phan-
tasia, e outros muitos mais, que se ven-
dem com o mesmo abatimento de 50 V.
Part horneas
Casimiras inglezas com dnas larguras, de
35500 por 15200.
Ditas cor de caf e azul, de 25500 por
800 re.
Cortes de seda para collete, de 125000 por
35000 e 35500.
Ditos de velludo e fustao a 15 e 15200.
Meias inglezas com fio de seda, de 12
por 65000 a duzia.
Paletots, de 75 por 45000.
Camisas com um pequeo toque de mof
a 15600 urna.
Collarinhos, modelo moderno, a 55000
duzia.
Camisas inglezas com collarinhos e pu
nhos, sem collarinhos e sem punhos *'
365000 a duzia.
Brins pardoB de linho a 240, 280 320
360 e 400 re.
Dito branco de linho n. 6 a 15200 a vara.
Lindos cortes de casimira ingleza, de 65
85, 105 e 125 a 45, 65, 85 e IO5OOO.
Sobretudos impermeaveis de borracha, par
horaens, de 705 e 805 per 305 e 405
'.'cncilas francezas, de 385 por 24500
a duzia.
l'aletots de seda, completos de feitos o
casemira, malas para viagem, e boleas e
tapete e um completo e variadissimo sor
timento de cheviots, casimiras francezat.
inglezas. pretas e de c6res de padrSes in
teiramente novos e que se vendem com <
mesmo abatimento de 50 i0 de sen valor
K< (aillos
Aproveitem a grande qnantidade e
pelos pregoa, em sedas pretas e de cores
gorgorees, setins, las, merinos, zephvrs,
linhos, chitas, madapolftes e .algodXosi
nhos.
E milita.- outras pechinchas que s se
encontram na
Loja das Estrellas
56, 58Ruado Duque de Caxias56, 58
W IMPSBTANTB
REDUCCO DE PRECOS
21-KUAII0CRES111-21
_ OLIYEIM CAMPOS & 0. lend de reeeber bre-
vemente um sortimento e artigos novos de alta novidade, resolvern,
fazer urna grande reducijo nos presos dos artigos abaixo menciona-
dos, para os quaes chamam a attencao Mantas hespanholas, de seda preta
Espartilhos, o que ha de melho
nh os para vestido padrSes modernos a 160 re. o covado.
Cretones francezes, cores claras, a 260 re. o dito.
Merinos de cre3, duas larguras, a 500 re. o dito.
Ditos de cores, lavrados, de 25000 a 15000 o dito.
Lis de c6res, desenhos de cachemira, de 900 a 600 re. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito.
Fustao branco de 400 e 500 rs. o dito.
Mureolina branca para casacos a 500 re. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 re. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 re. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Etamine.s arrendados, de cores, de 800 a 500 re. o dito.
Flor de Italia em quadrinhos, a 500 re. de 900 rs.
Mureolinas de c3r, de listas, a 400 re. o dito.
Cortes de cambraia bordados transparente e tapado, de 155000
e 205000 por 95000 e 125000 cada um.
Ljiao, padroes em quadros, a 440 rs. o covado.
Nanzukes padr3es mimosas, de 280 re. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 200. rs. o dito.
Merino preto fino, de 25000 a 15000 o covado.
Setim Maco de todas c6res, a 900 rs. o dito.
Brim fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 35000 a peca.
35OOO urna,
de 45000, 5500,
6\SOO0
o que ha de melnor
75000 um.
Fichas de cor arrendados, de 15000 um.
Capinh 8 hespanholas de cor a 25000 urna.
Fichs de seda, muito lindos, a 35000 um.
Sargeli m diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 35000 e 4000 o par
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 25000 a 35000 um.
Len5es de linho do Porto, a 45000 um.
Ditos grandes para cama franceza, a 65000 um.
Colchas de cor, de 25000 a 5-3000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 25000 a 65000 um.
Lencos de linho com barrinha a 25000 urna duzia.
Camisas francezas, de 245000 e 365000 a duzia.
Meias cras para homen, de 45000, 55000 e 65000 a dzia.
Ditas brancas cras e de cores para senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para crianzas.
Chambres de crctone, de 55000 e 65000 um.
Cortes de casemira de cor, de 65000 a 85000 um.
Cortes de fustSo para collete, de 15000. 15500 e 25000 um
Camisas inglesas de franella, la pura, a 55000 urna.
Alm de outros artigos que deixamos de mencionar.
21-Rua do Crespo21
NAO SE DAD AMOSTRAS
Grande successo
Novo livro
DE
Interessantes sorles
PAEA O RECREIO DAS FESTIVAS XOITES
DE
SAOTO AOTQNO, S. JOA0f .. ?E230
S 2AHTA AMA
Acaba de sah'.r a luz da publicidade este inte-
ressante livro de sortes, em cujas paginas encon-
eitores urna variada collero
1 Ama e criado
rrecisa-se de urna ama para cosinhar. e de
' um criado : na ra do l'ires n. ti.
Compra-se
I urna armago propria para casa de molhiidos : a
i tratar na ra larca do Rosario n. 33.
A 2#500
Vende-se o frasco do Peitoral de Cam-
bar, de Souza S >ares, em casa do* agen-
tes e depositarios geraes Francisco Ma-
noel da Silva, ra Mrquez de Olind
n. 23.
trarSo os
tes de cartas,
de sorieJade,
de sor- j
penitencias para
FUMIO D
resgate de prendas, tabella de grao de veracida-
de ou falsidade do sonhos. segundo a influen-
cia que uestes exerce a idade da La, adivinha-
go iiifallivel da idade das pessoas e urna collec-
c5o de novissimas receitas para pudins, bollos,
tortas, creraes e cangica.
Vende-se em casa dos edictores :
Ramiro M. Costa & C.
Ra 1." de Mareo antlga -to
Crespo 11. a
jPKRNAMBGO
lvraria Contempornea
Malas de viagem
para roupade senhora e de homem, propria de
camarote e caminho de ferro, bolsas, cnapelei-
rao, binculos, etc. etc. artigos muito bonse
baratos na livraria Castemporanea.
Magnifico ponto
Vende-se a taverna da ra Duque de
0. 20, por nao r.er pratica o dono
mesma
Caxias
a tratar na
ApoJice
Joo Gostc:; .endo perdido urna apolice sobn.
258 da primeira emissao provincial, pede a
auem a achou < favor de entregal-a rus Vidal
de Jegreiro? n. 136. que ser gratjhVado.
Lices
(te primeirai letras, portuguez. francez e aritli-
metira. peh' casas : na ra dos Coelbos n. 20,
Dnmeiro w<\v.
Quadros
000 beilissimas oleographias,
adorno de sala e para presentes, tudo encontra-
se na livraria Contempiiran-'a, ma de Marco
aumero 2.
objectos para
Rodad'i
ag-na
Compra-se urna roda d'agua em bom estado.
de 24 a 30 palmos a tratar na ra Direita nu
mero 106.
Muita attencao
Xa ra de S. Jos n, 56 tem para vender os
afamados vinhos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pele tinado Joao do Amura! Ra-
poso, comosejam : vinho de caj l. e 2.* qua-
lidade. rinbo do abacaxt, vinho de janipapo.
composlo e simples, hesperedina brasileira. la-
ranginha cordial, excencias de iimao e cidra, e
tres prensa* para espremer os fructos, e tudo
se vende por baratissimo preco para liqnida-
efio. Assim como se vende um bom terreno na
pomelo Je N. S. da Boa Viagem por qualquer
preco.
BRONZE
ni:
CARIWZO IRMAO
Roa do Baro do Trinmpho os. 100. 102 c 104
Deposito ra do Apollo ns. 2 e2 B
Tem para vender o estlate:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo directo ou para fogo de r53en.-
tamento.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
RIVA^ES de differentes tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de descarocar algodao.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento e finalmente
todas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREG-AM-SE de qnalquer concert e mandam buscar por encommen-
da, mediante ajuste previo ou urna mdica commissao qualquer machinismo.
CONTRACTAM fornecimento' de apparelhos para nslnas, garantindo a boa
quadade e bom trabalho dos mesmos, o que podem provar com o bom resultado
obtido com as duas USINAS montadas ltimamente a saber:
Santa Filn illa e Joao Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.
IXAROPEdePAGLIA
Depurativo e Regenerador do Sangue
S Privilegiado pelo Govrno de S. M. el Rei d'Italia
DO PltOFSSSOR

d Floran^*
MAIS DE 10:000 CIRAS
ir) wlu
m:i se ssesiaiisk:
DORES E DeDENTES
PREPARADO NICAMENTE
POR CALASAN8 & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, inchacSes, dores acrticas^ nevrat
gias, dormencia, etc., empregai do-se evo
rbmentacSes sobre os lugai'es' affectados
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de dentes.
Todos os frascos fevam direccSes para
uso d'este medicamento admiravel.
Preco li5200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n.23
Unlee Succhmf do dafunto Profesmor JERONYMO PAGLIANO
VBXDS-SE KXCLliSIVAMENTF. EM
aples, 4, Calata S. Marco (Casa propria)
A CASA DE FLORENCA EST SUPPRIUIDA. 0 Ser. ERNESTO PAGLIANO oossj
todas as receitas escriptas pela propria mSo do defunio Professor JERONYMO PAGLIANO,
seu tio, outrosim um documento que o designa como nico successor :
ERNESTO PAGLIANO.
Depsitos em l'rrnamUneo : FBa.." VI. da BIX.VA & C.
K E\l TODAS sS I'RINCIPAES HHARMACIAS M) Kruxit
f
?
i
i
s

iaw
NEVRALGIAS
Pilulas do Docteur Moussette
As Ver dad Era as Pilulas Moussette acaimao e curso as
Neuralgias mais rebeldes, a Enxaqueca, a Gastralgia, a Sciatica, as Affeefdes
rheumatismaes agudas e dolorosas que resistirao a qualquer outro remedio.
As VERDADEIRAS PILULAS MOUSSETTE devem ser tomadas as
refeipoes. No primeiro dia tomar-se-ha tres pilulas; pela manha, ao almoco e ao
Jantar. Si nao se tiver experimentado allivio tome-se quatro pilulas no segundo
dia, duas pela manh, nma no almoco e entra no jantar. E' preciso nao tomar mais
do quatro pilulas Moussette por dia.
Exija-te as Verdadelraa Pilulas Moussette de COM & O, de PABIZ
t yse se eomprao em todas as drogaras e pharmaciat.
Jaboato
He pateo da felfa, a melhor localidade desta
ciliado, vende se urna taverna : para iaforma-
f6es. na raa PedroAflbnso n W, nrmazem.
Peitoral de Gmib
ara
de. S. SOARES sempre toi, e sr o principal remedio para as molestias do larvugc
bronchos e os pulmoes.
A bronchite, asthma, molestia do peito, rouquidan coqueluche e qualquer toase
sao perfeitauente curadas eoui o verdadeiro remedi PEITORAL DE CAMBARA',
de B. Soares, appn.vndo pela Exma. Junta Central de Hygiene Publica do Brasil,
premiado com duas niedalhas de onro, e rodeado de valiosos attestados mdicos ed
innumeros de pessoas curadas, tanto nesta provincia como em outras do imperio.
Preyos: frascos 2<5500, l|2 duzia J3jj000, duzia 24 Vende-se em casa dos unicosagentea e propnetarios geraes FVancisco Manoe'
da Silva AC, ra Mrquez de Olinda n. 23.

''1
>

'




- .**"



Diario de PemambucoSabbado 15 de Junho de I88S
. 7
VERQAOEIRQS GRADSqe AUDE u> Df RAfC
UCBSCIABOrflPKl.A INSPECTORA (BRAI. HS HYGIENE 1*1 IKPBHIO DO BRAEZ.
* ApanentM, EatomackiCM, Purgativo, DpunetfhSo
:ontra a JTajta de appetite, a Obetruceao, a Enxaqut-ca, as Vertlsena,
# a conrcst&ea, ele Dote o,diaana-. i. i i s crios
'S Desconfiar as iil#lar|es Exigir o rotulo iunto Imprimido e-in francs
* ecom Ule.- a.j 4 res, sendo ft C.ll. J* IIb^ doS F.hricailtM.
r cada urna letra de una cor amrente e u "*-" M "'* saDiiuauw..
ataWAMXX.nurmada IJ1ROT Deietussim\Muul^atmTUnamt.
\MEQALHA DE HONRA
. I 0lEO~CTRI8
i ssasViictaao < Alcatrio,
Malea n ulmiai, a gm ni ma
eum't* u pnirittoitH da ,
I OLEO e IGiDO
DE IfcULfcO FERRUCIHOSO
4 i nn'c* pr$par*ci> qu pvsn ttt
dminittrtr o Ferro ero pro-
IncomaioJo.
MMI1T0 fenl es filis
II, ni .i rnk'-ltttavutrt. 21
F FERRUGINOSO*
' 0 / LCtfrM^.
iS/eraiER.1
*^fc^-*5
DIPLOMA DEBOirRAl
BSCklUlMJ PQA TODA* VB
Celebridad** Medica |
DA FRA v;a E DA CL'ROTA
OLESTlArOO PEITO,
f AFFEC?ES ESCROFULOSS
CHLOMSI.
UNEMIt. 0EUU0A,
TSICA PULMONAR,
BRONCHITES. RACHITISaW
.'v,,-*/,

Vinho de Coca
LIOB.NCIa.DOS PBLA INSPECTORA DE HY'ilfcNB DO IMI-KB1Q IX) BBAZlL.


i

li
FNDICO DE SINOSE BROME
DE
LUIZ D4 <:ruz MESQUTA
66ra do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguinte:
Haetalna de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esquenta garapa.
*erpentlaas de cobre e de estarjio.
Carapneas de cobre.
Tallas, taixos e caldeiras de cobre.
BOBBbas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Ternelras de bronze e madeira de todos os taianhos.
Canos de cobre, de chumbo e de ferro.
Repartidelras. passadeiras e escumadeiras tic cobre c de ferro estanhado.
Cobre em lencol e arruolas.
Sola inglesa e do Rio.
Cadinhos patente e de lapis.
SlBOS de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectos
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras de encominenda, garan
ando presteza, perfcieSo e preoos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
VU.\lH a preso ou dinbeiro cora descont.
LOJN

I
3ARCH
Cau reconhacida
mta digna este
Moto ne.'a q.juhaiot
a ftiriMj real da
(odas as was nr-
bodpriae.
Casa Aristide Boucicaut
PARIZ
Toda a roercacV
que ofits J ird
cu qur fiM ramonee u I
, garanta dada, tro-1
cada Gu reemboi.J..t\
sem Lifficjtdad.
.*


ArmazeDs de Noridades, reuiundo em todos os seus Artigos
o Sortimento mais completo, mais rico e mais elegante.
Sedas, Ijs, gt**tV8*"i Chitas, Trcidos de liuho e algodo, Kepontei-.
roa, Toallias e oe. Vestido* para siuhoms e meuinas, Saine.
Jerscye, PUes, Koupa -ita para homens e meniios, Chapeos, Muda.-.
Cateado, Koupa branca feita para senhoras e meimias, Eniovaes paral
,baptisadoi o easaiuento?, Camisas para honens e meuiuos, Morios,
Tapetis. Artifro de cama, Cobertores. rticos de via^-m, Artijos de ;
Pariz, Fit.is. Keudas, Lencos, Lavas, Meias, Gravata, Guardacliuvas. |
I.rf|ues. l'ertiunari. etc., etc.
, O tjftiema de tender tadv com pequeno uero t UUtiraMtnte de wif/Mija
a'.v 'i,'., nai Armmz'm do BOU MARCH u*t pmm0$ tinctrm e Ual-
m"Vfo m*>!'i-'atlv, Ifu. ctileu ui sMoaeaas ,>an int-:rroinytdo c aern pr&xdtnlc.
Knviauos ^raiuitMiiei.i.-, sb pudirio, nu nuudu inteiro, todas as amostra?,!
(..italojtoe, prwnj)ntu-, albiins, etc. Expedici-s gratis de frete, de vacouuneudas !
-paxtix de i5 trauco.
Os rmateos do BON MARCHE, especialmente construidos j
para un commercio de novidades em grande escsla, sao os maio
res. os mais bem agenciados os maia hem oryanliaaoB; oOesI
contsra tudo quanto a experiencia poda produzir de til, oom- r
modo e confortavel, e sao, por isso, urna das curiosidades de]
Pariz.
xmsrasTSS ax todas as lzkotas
4c/>am-e disposico doi Ettrangeiros ge detejtm itittr o* Armtnns do\
BON 'MARCH e suu tkpendtnoiu.
11 BON HAB H por eicellencia. a cae frequtniada pelo PortuaiKica e Braaeirv, I
r. -idn ua Varis ., viajando pelo continente europio, tile estovarejk aunan ca prte
renria, c suu* cngradt'dnit'nloe sncceasiTos cuj niaia raeeatea aSo -cauaidt'MVris, lha ir-
iiU'ii cada Sis t rn.liir novos prugnesos e offerecer, maU qne nunca, este anuo
Expoartcao. -1-- Tantatprj. e todos o atiractiToa ao quaas *costaii>u a ftagaaia, qw\
festan o BON MARCHE osa casa nica no mondo.
X -a-- j" BON HaRUHE niu tos a^ncs ou represcnUntee nem cni Franca, nen, i.
nVtr*"t-'er",'- r.ia iu, para BtalWiwor eoiiusAu.
ii BON MARCUE Sgura ua nist^ll Uuiversal de 18 : V olaese 18 : Moveia, essilsl
Iro. IhsissSi urtMicas; f c'-asse OS : I!.pa branca leiu para aenboras, uomtd e enanca| |
I S'cU^e S6 : Touettes pal M-iilior5 e meninas, rtonpa fetta para honens e meninos; im
\ iapo-ii.au de oouoiu: Social.
As "psdw.-' par a Colonias VortuaTUiaa, ato sSeado ssr paca aa raccher a swasaaoR. I
roKanios a nu;a FrtK"eaia que nos earsia com a eucommeada, o importe dos arasos eacoL.-l
n niladon < da aeu ewuixnuBtnito a i'rcU. Toda a cxpnltcao de uta falor di SO traDoo ser lilla ]
gratis di Ireu, si iU poder .-. r va pedida el UDui BD caixa portal. Si a cxpediolo neoeasitar aia^
da urna vaxa pcatal, a fraaquia sera lana Traw. repetida quanUc sarao os aloras de M traaos
la encvuniciulit. (Aa un postae* nao poden, exceder o pc-o de 1 kUos, o comprlmento de O
eeninetros c o Toluui. de M decmetros cbicos). Para aa mercadorias nao pudendo ser expnl"
das em caixa* -., todas as acaoneadas dude 3a francos serao enTiadse fratis de <;<
o parta de embarque, salro os moris, aitigoe de cama e oertos artigos pasados oo oceupm :..
que s\o exceptuados de toda franqua.
late
Ilocar i
i
MIMO fiERJU.
i
i
44-4(14 lltlO 110 TB1HH1HM4
Machinas a vapor.
Moendas.
Ruiias d'agua.
Taixas fundidas e batidas.
Tai xas batidas sem cravacao
Arados.
-
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
Al Pilulas puriflcao o Sangue, corrigen) toias as Jesordems de Estomago s
dos Intestinos.
Fortalecer a laude d is con s ti tu goes delicadas, e sao d'um valor ncrivel para todas as enfermidades
pecaliares ao sexo feoiiiino em todas as edades. Para os meninos assrm como tambem para as
jessoas de idade avoncada a sua elcacia e incoatestavel.
Essaa medicinas alo prepararlas lmente no Estabelecimento do Profesor UollowaY,
7, VXW OXPOHD STBEET (antes S33, Oxford Street), LOKDEBS,
E vcmlemse em todas aa pharmacias do universo.
aM convidados respetosamente a examinar os rtulos de oda caixa e Pote se nio teste Z
direcoao, 533, Oxfcid Street, sio faUificaooes.
CAPSULAS
M ATHEY- A YL.US
Preparadas pelo DOTOH CLIN Premio Montyon
As Capsula? T.Iathey-Caylua com Envolucro delgado de Gluten nao atigao nunca
o estomago a sio recommendadas pelos Ivofe;sores d.i? Facultades <- Mcdena a
06 Mdicos dos Hospitaeskde Paris, Londres e New-Ycrt, para a cura rpida dos :
Corrimeitos amigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystito
fjil Collo, o CataiTho e as Molestia da Bexigas e dos orgos genito uHttarioe. 1
UH lime explicigSo detalhada acompanhi zade Fraseo-
AajMr w Virdadiras Capsulas Mathey-Caylua de CLIN 4 Gte, de PAE18,
que i* och* em casa dos Droguistas e Pharnmeeutieot
r>
Antigo estabeleeinienlo de ferragens
DE
PEKKEIKA OIMKAES & C.
86Ra Duque de Caxias86
(SnranUe ortimmto ^eexxa%enst cuelaria,
c muitos otxos artig0 a saber:
Cobre em folha.
Ferro sortido.
Cimento Portlant
e outros marcas.
Bombas de ferro e bronze
Ganos de ferro|e chumbo para
encanamentos de alta presso
Machinas e vapores
para algodo.
Candieiros elctricos.
Foges econmicos.
Este estabelecimento fundado em 1851, tem na sua
loriga existencia a garanta mais segura dar os que pro-
curar em honral-o com a sua confianca.
SEM COMPETENCIA
Descontos do costume
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das sem outro medicamento
I'AKIS 7, liuulittir,! Denain, 7 r.lJilS
De do sitos em todas as principaes Pharmacias e Drogaras.
VLIME!
Cachemiras lisas a 12U0 o covade.
Cachemira de listras a 1200 o dito.
Cachemira mesclada a 800 re. o dito.
Esquiao de algodao a 30200 a peca.
Gazes arrendada a 500 rs. o covado.
Las Amazonas a 440 rs. o dito.
Merinos lisos a 440 rs o dito.
Cortes de vestidos ein cartoes.
Capellas para noivas a 70500 urna.
Sahidas de bale (teoidos em 13).
Zephyres de quadro a 200 e 240 rs.
Colchas de fustao a 2000 um.
Setim Maco (todas as cores).
Baptista de p.raa a .ltO 20Cs*-e. ocorodo.
Cortinados bordados a (i&:* Q o par.
Rendas hespanholas a 3t)000 o metro.
Cretones a Derby Club a 240 n. o covado.
Guarnicao de crochet a 7(JU00 urna.
Caiubraia bordada a 4>000 a pe9a.
Dita Victoria a 20800 a dita.
Sargelim de cores a 200 e 220 rs e covado.
Camisas de flanella a 40500 urna.
Esguiao pardo para roupa a 360 rs.
Bramante de algodo a ^000 o metro.
Atoalhado bordada a 10200 o dito.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o covado.
Percales de cSres fixas a 200 rs. o covado.
Espartilhos curaca a 50000 um.
Crep preto (inglez) a 20000 o covado.
Luvas de seda a 20000 e 20500.
Seroulas de bramante a 150000 a duzia.
Guardap para homem. a 00000.
Batiste finas a 260 rs. o covado.
Bicos preto de seda.
Toalhas para banho a 10500.
SO SE YENBO
JUNTO AO LOVRE)
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Setim do Jap&o a 240 rs. o covado.
Colchas de damasco a 80500 um
Colchas de crochet a 70000 um.
GuarnicSo de crochet com matutes.
Colchas de cores a 10800 urna.
Panno da Costa a 10000 e 10200:
Guardanapos de linho a 20200 a duzia.
Ti >alhas felpudas a '332* 0 a dita.
Cobertores de 12 a 10800 um.
Camisas inglezas a 3600 a duzia.
AlgodSo branco a 30200 e 30500.
Madapoln americano a 60500.
Brim pardo a 280 e 300 rs. o covado.
Fichas de retroz a 10000.
Lences de bramante a 20000 um.
Cobertas de ganga a 30000 urna.
Paletots de seda palua a 70500 Un.
Leques de setim branco a 60000.
Popelina branc a 800 e 10000.
Etamine bordado a 500 rs. o covado.
Lencos broncos a 10200 e 10800 a duzia.
Paletots de alpaca preta a 40500.
Leques transparente a 20500 um.
Paletots de brim pardo a 40500.
Fustao branco lavrado a 360 rs. o covado.
Setmeta branca lavrada a 500 rs.
Regatas de cores a 10000 e 10500.
Paletots de alpaca de cores 40000.
Bicos de ores a 20000 e 20500.
Paletots de gorgurina a 40500.
Guarda p para senhora 100000.
Br .....ute ole linho a 10800 o metro.
Velbutina de cores a 800 rs. o covado.
Merino preto de todos os precos.
tnicos, ntremelos, bordados, roupa para
Grande variedade em Extractos,
banho salgado, sobretudos, duble-capas, casemiras, brins breos e boleas.
Roupa por medida
20Ra Primeiro de Marco20
CASA DE (0\IIA\V*
AMARAL & C.

BEDU FUERES
Constructores a ll.m, Franca
Representado per Emilio Bu-
lln, engenhelro ni echan."",
(PEBNAMBUCO)
Assenlamento completo /para engenhos cen-
traes e Uzinas pelos processos os mais aperfei
coados.
Moendas e npresso mltipla.
Corte-canoas vertical, systema btdu,
Difluso, circular t rectilinba, dito Bedu.
Difluso continua do bagaco dito Pcrret.
Pomos para queiaiar obagaco da diusao,
dito Bedn.
Filtros mchameos a filtracjlo mltipla.
Turbinas centrifugas (economa, iimpeza e
trahalbo rpido).
Em geral todos os apparelhos os mais moder-
nos e os mais aperfeicoados para o fabrico de
asscar.
N. B. -0 Sr. Emilio Billion fazondo urna via-
gem de 3 mezes Da Europa, durante a sua ao
seocia dirigi as cartas e pedidos a casa Bedu
Fren- a Hain, que fornecer plantas, orcamen
tos etc., e por aualqoer negocio urgente infer
mar-se ao Sr. Eugene Chalinc; 2i ra do Com
mercio, Recifc.
Fructas
! As tuelbores laranjas selectas e bous sapotis ;
: so no sitio n. o da Man^abeira de baixo. Para
! i'ncoramendas. ua ra Oireita n. ii.
PASTA
XABCa.
a*
FABKICA.
A PastaMac(em
cartees elegantias*-
nos de 8 taboinhas)
um novo e mara-
vilhso preparado
proporcionanan na
banho aUeies a
kfglenico, e urna
excellente agaa de
tonradar.
Esta Pasta Mack
gtea de tama ani-
yersal, afonaoaa e
saarisa a eotl, e,
como reft-escaat, I
sapera todo qaaato.
t* conkeae ate hoje. I
Vende s em tod a I
aa pharmacias, dro- j
garlas e parfumanas ,
^sdcTTabricanta-lrTentor: H. MACK, Clin sO. ,
."''.pjsUanos m Pviumouae ; Hala Setruli C^-
Cosinheira
Precisa se de^uma, que saiba cosinbar e nao
sala ra, para casa de familia ; a tratar na
roa do CabttK n. 14, 1 andar, de meio dia at
1 horas.
MACK
lOPLClS1
DE MURE
Ha mala de oinooanta asnos que |
tu pratleo a medicina, e jmala aa-
costra/ remedio mala elteaz os o
carattl eeatta aa irritaiOea de pella.
V CUEtlI, da loiitpellier.
Este xaropo, de sabor ex-J
cellente, de urna poderosa
eficacia contra as MrrtteseSem
da Garganta e do f-itu, .
ritmcr. Toase rebelde, >i
CmtmrrHo Agudo ou Chr*- '
sato.
tV mi, Psat-Salil-int (Frun)
A. Oatagna, Gearo e Saooeasor
todas as sWnsfaaw 'I
Dspos/foj em
Pharmaetu.
tPtnwnbuco: FRAM" M. da SIMA k i
Agostinho & Irmos
Collar de Ouro
S-A na* ata Cuba** B-A
Como fizessemos urna grande reforma em t
nosso estabelecimento, tizemos tambem reduc
cao nos pregos de nossas joias de ouro, prata t
briihantes. Pedem a seus amigos e freguezes
virem comprar lindos objectos com ponco di
nheiro. > ompra-se ouro, prata e brhantes em
obras servidas e paga-sc bem. Consertarn se re
logios, obras de ouro e prata commodamente
Cosinheira
Pagase muito bem a quero oosinhar perfeita-
mente ; a tratar no armazem defronte da Altan-
aega.
VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
lo 8ob bases scientilica*
>loiricas para o tim de
ir os cabellos, restaurar
a cor, impedir a queda, e promo-
ver seu vi?o e abundan te cresci-
mento.
Esta apurada e excellente prepara^o,
sera dnvida o melhor remedio at hoje
conhecido para os d ifiereutes defeitos da
'.ii Uauru, merece a intima attenco de
todas as pessoas que tem tido a infelici-
dade de perder em parte este mais rico
ornamento natural d physkraomia.
Com o seo emprego inteigente tem-se
conseguido resultados realmente sorpren-
dentes. Em muitos casos, porm nao
seuprc, a propria calvicietem sido curada
permanentemente.
i Scmpre se consegue fazer parar a queda
do cabellos; emquanto qne para opentea-
ao das senhoras, 6 o objecto mais til
mais agradavel qne se pode empregar.
FBEFABADO l'KLO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Kst.-Uuidos.
A' venda as lujas de armarinho e per-
lumarias.
DKT081T1> GtlUJ
ff%5-s \- ,?
Ama
Na ra Mrquez dollerval n. 61, sobrado, p/e-
cisa-se de urna ama que saiba cosinhar.
Ama
Na ra da Matriz da Boa-Vista n. 26, primei-
ro andar, precisa-se. de urna ama boa cosinhei-
ra para casa de pequea familia.
Ama
Precisa-=t de i.iua criada para o serviyo de
urna casa de familia ; na ra da Unio n. 29-A._
Ama
Precisase de urna ama para casa de pequea
[ami/ia : no lar^o do Paraizo n. 14.
Amas
Na ra da Palma n. 40, precisa-se de duas
amas, urna p;ira criancu e outra para cosinbar e
comprar. ____________
Ama de cosinka
Xa estrada de Feraandes Vieira, sitio n. 5, pre-
cisa se de una cosinheira.
Colletes de Oanella hjgienicos, de preferen-
cia a ontro qualquer, pelo systema do professor
Dr. Iager, da Academia de Berlim.
i;vif a a eonstlpaees
Em casa de Odilon Duarte & Irmao, ra
da Imperatriz n. 60
Prego 4,y00<)_______________
Engerho Camorisinho
Arrenda s" o engento cima, sito no termo de
Agua Preta, moente e correte., muito perto da
estaco, cooi expelientes terrenos e boas matas :
a tratar Ha rno do BoraJeus n 4. escriptorio.
iodos aquel les uue sofrem
Uo peito, devem experimentar
la? Capsalais do Dr. Fournibi.
ciijtarios em fentaaoam:
FftaMCISCO U. di SILVA t>.____
Caatellas do Mete de Socrorr
Compra-se cautellas do Monte de Soecorro d>
qualquer joia, brhantes e relogios; paga-M
bem na Praca da Independencia n. 22, loja di
relojoeiro.______________
GRANEE NOVIDAD
C5?OSJTO
48RA BARAO DA VICTORIA-48
* enham ver para erer
Instrumentos de msica
fara banda c orebestra, realejos, caisinbas com
, 2 e 6 pecas, para enanca ; na livraria Con-
tempornea.
Adminitlracto : PARIZ, 8, Boukrard Hontmartre.
GRANDE-GRILLE.-Airi'enes Ivmph.itii-as, Doen
Gisilasm> ligestiTaa.Obstruc.-iicsil fieadoi dolalo,
ObstrarnJ- s risreraes, Caocreci- r .lml.,. s da bil-.
HOPITAL. Affe,(8ns das riasilLiliva*. Ino.Mnmo-
dos do riitimiaKO. Digosto diflicil, lna| ptenria,
Gaslralgias. Drioapsia.
CLESTIXS. Adaectes e< ria<. da bejina. Areias,
Caasrrooes das uorinas.fio'a, Daliet^s, Albuminuria.
HAUTERIVE- AOecrdesilosriiH.d.i beiia, Areias
ConcrefiV das narioas,Gota Diabetes Albuminuria.
fJA-SS 0 CS da FONTE la CAPSDLi
Em Pvrnambuco, as Agna* das Fontes de Vichy,
a. ims Do-iifada*, achao-se eia casas de
gOLZEHAKOEllUN,: ,/uadirm:_Aag-iaABILLB.
Fo
g*os e sortes
Grande e completo sortimento, para salSe,
jardins, para os festejos das noites de
Santo Antonio
S. Joao
S. Pearo
Vende-se ein grosso e a retamo porjarecos
TJM.
EEMEDIO
HFALUYEI
em todo o caso d
RHEUMATISMQ
Impurezas do Singus, Erapgoes, Escrt>
fulas, Ulceras, SipMlis
e toda aecgo de natureza
eruptiva ou v onerea
uALSFSMl
DE BEIST0L
0 Remedio de Familia por eicetea!
Al
uga-se
o terceiro andar da roa estreita do Bosario Q.
32, tem muitos commodos e moito fresco a
tratar na ra da Imperatriz u. 16,1 andar.
Ali
ugfa-se
o 3 andar do sobrado roa do Imperador x. 26,
e a casa terrea ra do Lima n. 20 a tratar na
lithographia ra Mrquez de Olinda n. 8.
A luga-se
o sobradinho do becco do Quiabo n. 64, em Aio-
gados, caiado e pintado de novr*,.m qoiotal
grande, cacimba e diversos ps deracteiras ; a
tratae na ra de Marcilio Dias n. (}V^
Alug-ue' barato

razoaveis
do Souza.
na ra BarSo da Victoria n. 61, loja
Rut de S. Amaro n. 14.
Baixa verde n. 3.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Baixa Verde ns. 1C.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra do Coronel Suassuna, quarto n. A.
Largo de S. Jos n. 74.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar ra do Commercio n. 5, i andar,
escriptorio de Silva Goimaraes & C.
Criado ou coupeiro
Precisa-se de oro. para casa de familia; na ra.
da Soledade n 52.
~AFLORIDA
GalScs, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodao com sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 3*000 e 40tX>
a duzia.
Bordados de cainb aia tapada a 400 500*
600 e 800rs.a peca.
dem com 3 e 1[2 metros, de qualque
argura a 1|J200.
Lengos de linho em caixinhas a 30OOC a
dita.
Meias para homem, duzia a 4J00O
dem para senhora, duzia a 4|j000.
Lindos leques transparentes de gaze s
3^000 um.
Gnaide sortimento de portaretraoto tit
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 4-5. G$ <
85000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno.
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
125000, 175000 e 195000 o par,aigsi
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para, cadeiras a 800 e
l^OOO.
Ditos para sof a 2^000.
Plastons e regatas de gosto*.
Espelhos com tres palmos de comprinsoto
a 45O00.
Capellas com veo para noiva a 6500* e
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85 10# e
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35. '-# t
55000.
Gnnaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a pepa.
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a duzia.
Extractos e leos de diversos fabricantes.
Linha de machina, claque, a 40 rs. e ca
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.
Arquetes para chapeos e chapelinaa a
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25O0C o
par.
Ditas de seda para crean<;a a 15000.
Dita para moga a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabetto*
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segara?
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 4J5t.
Ditos para senhora a 45, 45500, 50OtC
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 2*0
15500 um.
Estojo com faca, garfo e colher, pmprie
para creanca.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de 1S para homens e senhora-.
Liaba dourada para tasar crochet.
Lindas fitas para lacha a 25, 35 e 4rtJ0l
o metro.
Lindos leques de setim para easamvni*
Grande sortimento de leques de setim e
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeirs de I, itV,
3 e 35500 urna.
Ra Duque de Caxias d. IOS
Coznbeira
Precisa-se de urna ama que cosine bao. pars
casa de pequea familia, que dunna ea casa
dos patroes; na ra Conde da Boa-Vista fi 24-P,
portao de ferro
113 deseja comprar sellos de
todos os paizes do mun-
do, especialmente os raros
de emissoes anUgas,
bem como os sellos os
Portugal de #50 e i#oo-
Boga-so o faror de indiow <
preoos e qnaatldado aa oeov
siso de rematter as amostras es
embrulboesiaapUltsdaiassai*



5


l
I




L


Diario de PernambucoSabbado 15 bbxtit;

3

I
t

Vende-se tupericr massa de mandioca,
secca e molhada ; na na Paulino Cmara n. 10,
antiga Camba rio Carmo.
Vende-se Vrenos bem localisalos no Ca-
iueiro (Magdalena) ; a entender se na rna de
Paysana n 7, taveraa
A Revolucao de 48
ra Duque de Caxlas d.
Liquidaos o por 30
di as
Aproveitem!
Pedro Antune? < C, desejosos de redoxir a
grande quantidadedenercadorias que existeem
seu estabelecimento, refolveram fazer grande re-
dcelo nos precos, afim de facilitar um enfado-
uno balanco.
Alm de muitos outros rticos, damos urna no-
ticia ligeira de alguns cue podem convir s ama-
veis leitoras.
GRANDE VARIEDADE em bicos de seda, li-
r.ho, algodao e la.
SALDOS DE FITAS de todas as cores e largu-
ras. Guarnices de viorilhos pretos e de cores,
palmas, pingentes e galOes anaaluzos, alta n* vi-
dade. /ygretes para cabeHos e chapeos. Pen-
tes a Imperial Regente. Cortes de vestidos bor-
dados de 9/ a 20JL Vestidos ponto de malha
para enancas, prego de 6* a 10*. Gorros a ma-
nijo. Aventaes bordacosparacrianyas. Rendas
hespannolas- Lindos artigos para presentes
Porta-cartoes e flores en electro-pate. Babados
e entre-meos bordados. Finas perfumaras.
Aguas e 8abonetes fericados. Commodos e ele-
arantes espartilhos de 3*500 a 10*. Bonitos le-
ques de seda, setineta s papel. Braceletes e bro-
ches, ouro romano. Talheres de electro-plate
para mancas. Grande vanedade em catangas-
Capellas, veos e ramos de flores de larangeira
para noivas Finas meias de seda Escossiaeal-
godao para senboras, homens e enancas. Enxo-
vaes para baptizados, chapeos, sapatos e meias.
So s-e esquecam que fazemos todas as conces
soes.
63 RA DUQUE DE CAXTAS-63
Nova Esperanza
Pedro Ad(udos C.
Roya! Ble-id marca YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de caes,
para fortificar o corpo. a
Vende-se a retalho nos melkores arma-
~ens de molhados.
Pede Roy al Blrnd marca Vlatlo
cujo nome e emblema" sao registrados par*
todo Brazil.
BROWNS & C., agentes.
Para ornaes
Papel formato Diario, 300 felhas 7*500
Dito dito Jornal, 400 folhas 5*000
Dito dito Provincia, 400 folhas 4*500
Vende-se ua fabrica Caxias
Vinho particular
Xo armazem da ra do Amorim n. 60. vende-
se o que pode haver de melhor pelo mdico (.re-
ge de 7*000 o garrafio de tres caada?, voltan-
3o o casco.
Vende-se
ama taveina ra da Gamelleira. districto de
S. Jos (Cabanga). A' razo da venda seo do-
no aehar se doente : a tratar ra do Mrquez
do Herval n. Ii>5, antiga da Concordia.
Grande liquidaban de tbgos
e sortes
Ba da ini|iiin/ ii. :,>
Os proprietarios desta estabclerinirnlo ncifl
visar s Esmas. familias que receberam um
i andissuo sortimento de sortes, fogos chinc-
hes, e vendem por todo preco para ac: bar. e
siem di?so dao o direlto ao freguez que lhe com-
prar 16000 de fogo3,t>m bilhete, no quallhe pode
tocar por sorte urna prenda de maior valor a
-ompra. Garante se nao haver tribofe.
Ta
Terna
Vende se una taverna em boa ocalidade, na
-trada nova do Caxang, com raucho e gara-
ntir, bem acreditada, e o motivo da venda se
dir ao comprador : a tratar na ra da Florenti-
na n. 34.
jteWBRTl
no m ais,
^ *3LRY
VsrdJ-it es tala a ort
FOLHETIH
DECAPITABA
POR
P. BU BOISGllfiKY
(Continuaclo do n. 13 3)
Impressionavi-o provavelmente pou-
''0 menos.
Ora adeus!... que diabo de horaem
o tal retratista ?... porque a mor ta
era muito bonita?.... isso seria levar
auito longe o amor da arte!
J esqueceste o nome que elle pro-
aunciou, quando se acbou diante da cabe-
ca cortada ?
Que nome ?... nlo me record.
Elle dis>8e : Irene !
Bem, e o que que isso prova '?
Prova que elle conhecia aquella niu-
Iher.
Tu imaginas que elle disse um no-
me... Ora ideus!... primeiro que tado
ninguem se chama Irene... tu j conhe-
ceste alguma Irene?... Eu, nao, e entre-
tanto tenho vivido bastante.
Na provincia e cm Pariz, mas fra de
Franca ?
Entab, a acreditar-te, no estrangeiro
chovem as Irenes?... em que paiz?
Ora... especialmente na Russia.
E tu imaginas que decapitaram urna
russa para pregar urna peca ao teu Vitrac,
que a adorava ?
Eu nao sei e ella era russa, mas
sei que elle era sen amante.
O que! aquella que tu encontravas
no Bosque, de carriagem ?
Acabo le a tornar a ver.
O! o isso agora muda a these.
Entab assassinaram-a.
A menos que nao tenha morrido de
repente. Elia ainda hontem passeiava nos
Campos-Elystios.
Quem a. mato o? O marido?
Talvez.
Bom, mas por que motivo essa en-
scenacSo da cabeca cortada ? Teria joga-
do ama parti.la perigosa... e ha de lhe
sahir cara porque ta o conheces.
48
Viemos por" meio das ptmeas linhas ,
provar aos nossos freguezes, como vended-
moa por .menos 30 0l de que em outra
qualquer casa.
Cortes de linn e cretones, todos os avia-
mentos, em cartab a 60009, 8(5000, 90000
e10*000.
Ricos cortes de bordados para vestidos a
140000.
Organdis (fazenda de phantasia) a 400 rs.
,o covado.
Folardina, tecidos modernos a 360 rs. o
covado.
Merinos setins, lisos e de quadros, 2 me-
tros de largura a 20000 o covado.
Cretones rancezes, claros de 500 rs.
for 320 rs. o covado.
itots de seda palha e cor de chumbo a
80000 e 100000 um.
Seroullas francezas a 10000 urna.
Luvas de seda, lisas e bordadas a 10000,
10500 e 20000 o par.
Cambraia suissa de 140000 por 7)5000 a
peca.
Collarinhos e punhos celluiloidpor 1$800
Camisas francezas com peito de linho a
a 25000 urna.
Lindos cortes de casemira ingleza para
calca por 60000 um.
Pechincha em camisas de meia por 10000
e 10200 urna.
Atoalhado para mesa muito largo por
10200 e 10500 o metro.
Bramante trabado de 2 larguras a 400 rs.
o metro.
Bramante liso e franjado de 4 larguras por
1000 o metro.
Toalhas de cores para mesa elstica por
50000 urna.
Fechs de retroz, lisos e com palmas por
10000 um.
Capellas com veos para noivas por 80000
le urna.
Co has de crochet com palmas de cores
para noivas por 100 urna.
Cortinados bordados, muito finos por 60
o par. /
Nansuks muito finas de 320 rs. por 240
rs. o covado.
Para acabar, leques transparentes e de pa-
pel a 500 rs e 20000 um.
Saias bordadas (recebidas ltimamente de
Parisj a 30000 urna.
AlgodoBinho muito largo a 40000 e
501)00 a peca.
Cambraia preta para forro por 10200 a
pega.
Brins de linho, cores fixas e garantidas,
a 500 rs. e 600 rs. o covado.
Cobertas de ganga para cama de casal a
20800 urna.
Cobertores brancos
por 20000, um.
Setins de todas as
vado.
Lencos de cores,
10800 a duzia.
Colchas de todas as cCres de 20000,
e 40000 urna.
Setineta branca e de cores, lisas e lavra-
das a 440 rs. o covado.
Cortes de velludo para colete a 20000 o
covado.
Espartilhos finos de 40000, 5*000, e
60000 um.
Zefiroe de quadrB de 120, 160, e 200 rs.
o covado.
Cambraia com salpicos com 10 jardas de
40000 a pee a.
Assim como muitas outras fazendas que
s com a presenca dos nossos freguezes
podem ser verificadas.
Temos tambem oficina de alfaiate e ga-
rantimos a perfeicSo do trabalho.
S na Revoluto de 48
de pura la de 50000
cfc-es de 800 rs. o co-
imitacao de seda de
30000
Breu marca F
Vende-se em barricas a 30 rs. a libra ;
mazem da ru do Amorim o. 60.
no ar-
De vista, nicamente... nao sei quem
elle tem onde mora.
Ests bem certo que a ruulher o en-
ganava com Vitrac ?
Absolutamente certo.
E' um tanto forte Exqlica-me pelo
menos sobre que fundas tu essa certeza.
O acaso fez que os sorprenderse na
noite sahindo de um gabinete de um res-
taurante, onde cues tinham jantado ssi-
nhos, e no da seguintc Vitrac veio mi-
nha casa para me pedir que fosse discreto,
isto dizer que me confesaava que ella
era su amante. Nao lhe perguntei mais
nada.
Comeco a comprehender que per
desse a cabera, vendo a que aquclle patife
disfarcado em carregador do mercado, poz
em cima do soalho do seu atelier.
Como que tens coraco para tazer
trocadilhos, agora que sabes do que *se
trata?
Fiz mal, convenho... mas dize-me
c urna cousa... Vitrac conhece o ma-
rido ?
E? provavel, mas confesso que se es-
tivesse no seu lugar dcixava polica o
cuidado de procurar o assassino.
E' o conselho que vais dar ao teu
amigo quando elle te consultar ?
Elle n2o me consulta.
E tu tambem tencionas calar-te ?
perguntou Cavaroc, parando para olhar
para Jonville.
E' verdade, tambem que calo, res-
pondeu Jonville sem hesitar, e espero que
guardars para ti o que acabo de te di-
zer.
Ah fica descansado exclamou Ca-
varoc, nao tenho nenhuma vontade de me
envolver nesta historia trgica, mas ella
nao fica alli, vai fazer umbarulho dos dia-
bos, todo Pariz ha de sbelo, expeni a
cabeca, e outros, a nao ser tu, h3o de re-
conhecel-a, porque tu nao s o nico que
reparaste na formosa estrangeira quando
era viva. O marido que se acautelle...
Se foi elle quem a assassinou.
Como, se foi elle ainda o duvi-
das ?
Durido de tudo.
Enviar a cabeca ao amante verda-
deramente urna vinganca de marido... e
depois, se nao fosse elle, havia de saber-
se, porque se inquietava com o desappa-
recimento da mulher e ajudava a polica a
procurar o assassino.
Mas se for criminoso, supponho que
nao prolongar a sua residencia em Paria.
Tal vez que j tenha partido e que nao o
apanhem mais. Alm disso nlo era eu
quem corra atrs delle. '
Tribofe para es especuladores
Na ra do Rangel
ns. 13 e 13 A
G. SANTOS & C.
Jos Bi & C.
13
Completo sortimento de casemirs para ternos
que faz-se por pregos baratissimos.
13 A
Grande sortimento de miudezas recebidas di-
rectamente de Pariz dos mais afamados fabri-
cantes.
13
Camisas de linho a 2*000 e a 3*000, colchas
de cores a 1*500, fichs a 900 rs.
13 A
Leques de gaze, penas e setim, espartilhos e
titas modernas, sortimento variadissimo, precos
mdicos.
13
Cortes de casemiras para calcas o mais mo-
derno que ha no mercado e de duraque. seda e
fustao para colletes.
13 A
Bordados e entremeios Victoria ou transpa-
rente de todas as larguras, precos seaj compe-
tencia.
13
Cortes finos para vestidos cm cartScs a 6*000
e 8J000. ISs de quadros a 160 rs. o covado. chi-
tas de 200 a 280 rs.
13 A
Bicos brancos e de cores, espelhos. jarros fi-
nissimos. mais baratos que em outra qualquer
parte.
13
Gorgorinas para vestidos a 300 rs. o covado,
recebidas directamente, sargelins a 180 rs. o
covado, cambraia com salpicos de cores a 500
rs. a vara.
13 A
Perfumaras : sabonetes, extractos finissimos,
oleo Hermosa a 900 rs. o frasco. Gravatas bran-
cas para casamentos, regalas, plaston. man-
tas, etc.
13
Grande sortimento de piastras de 800 a 1*000
a Derby Club.
13 A
Luvas de seda de cores e pretas a 1*800 o
par. ditas fio de Escossia a IOOO f I
13
Importante oficina de alfaiate sob a gerencia
de um perito mestre prompto a satisfazer o gos-
to o mais exigente, por prec.os sem competencia.
13 A
Lengos finos de linho, ditos bordados e de
labyrintho a 500 rs., enxovaes para baptisados,
toucas de setim para enancas e meias de todas
as qualidades.
13
Quem quizer vestir-se bem e por pouco di-
nheiro venba a este estabelecimento que encon-
trar alm de um completo sortimento, since-
ridade, agrado e mpdicidade nos precos.
13 A
Grande variedacie de objectos de. phantasia
proprio para presentes.
Afina!
Quem desojar andar no rigor da moda venha
sortir-se oestes dous esubelecimecios qac se
confr ternisam afim de combaterem este bicho
horrorosoPRECO CARO.
S. A \ TO* A C.
Roa do Raugel n. (3
JOS BI & C.
Ra do Rangel n. 13 A.
Descont "de trinta por
cento
JB,Vende-se a loja de louca ra da Imperatriz
n. 13, fazendo-se ao comprador o descont de
trin'a por cento; a pessoa que qnizer dirija se
a mesma.
MAIS BARATO
Na Loja das Listras zoes
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Vende-ae fazendas finas mais barato e
d-se descont a quem comprar de 200000
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nao f6r de muito
agrado para quem for comprada e vende
pelos seguntes prc50s:
Cachemiras lisas e cora listes de
seda de lindas cores, a 1|J400.
HeriaOs de duas larguras, a 440 e
800 rs., qualidade superior.
Tecl dos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 400 e 500 rs.
Tecidos de linho, lindos padr5es
grados, a 200 e 240 rs.
Zeflros lisos e de quadro, a 80 e
100 rs.
Setins de Maco branco, preto e de
todas as c5res a 750 e 800 rs.
Setins de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavr.--.das brancas e de cores cla-
ras, a 1 Ca'AZes de seda com fios prateados a
10000.
Cortinados de crochet, em peca, a
900 rs.
Cambraias bordadas brancas e de
cores, a 4jfUm a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 165>0O0, 180000 e 200000.
VOS para chapeo prcto, branco e de
qualquer cor, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid< s
a 10200 e 20000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 re.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 re.
ti" or ni de listras aznes muito lar-
gos com 20 varas, a 60000, a peca.
Sargellns finos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardanapos superiores a 10800 e
20000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 10000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro
Toalhas aco'.choadas e felpudas com
listas de cores, a 40000 e 60000, a duzia
Bicos brancos f rancezes, a 6XX
e 800 rs., a peca.
Bicos finos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 20000, a peca.
Baielas a 240 re. a duzia, cobertas a
400 re.
Luvas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 20000.
Leques de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 20000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 60000.
Sabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 re.
Extractos finos francezes e inglezes
a 10000 e 20000.
Bespertadores americanos, a 70.
Mosquil el ros americanos com ar
120000.
AO
Convite
s
55
familias
os precos abaixo
Pede-se attenc3o para
mencionados :
Cambraia com salpicos a 40000 a pe5a.
Rendas hespanholas a 10 o covado.
MadapoISo americano a 60, 70 e 80000.
Renda da China, novidade, a 240 rs.
Amor da China a 200 rs. o covado.
Zcfiros a 160 e 200 rs., cousa chic.
Espartilhos, grande sortimento.
Guardanapos a 10600 a duzia.
Capas para senboras, novidade.
FustSes brancos a 400 e 500 re. o c-:
vado.
Linn bordado a 800 re. > covado.
Toalhado para mesa a 10 o metro.
EsguiSo pardo a 400 re. < covado.
Babados e entremeios, grande sorti
ment.
Colchas muito bonitas a 20000.
Enxovaes para baptisados, finos.
Merinos pretos e de cSres a 500 rs o
covado.
Cortinados para cama a 60000.
Las a 240, 320 e 500 o covado.
Luvas de seda a 20000.
Crinolines a 400 re o metro.
Cambraia branca a 20-800 a peca.
Grinaldas para noivas.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Cortes d cachemira, crusa chic.
Sargelins de todas as cores a 200 re. <
covado.
Collarinhos e punhos grande sortiment >.
Cretones para vestidos a 320 re. <
covado.
Toalhas felpudas, grande redcelo en
preos.
Camisas inglezas com e sem collarinho
Mantilhas pretas.
Brins para roupa de .criancas.
Setins de quadro, em cortes, gostos no-
vos e precos commodos.
Batistas a 120 rs. o covado.
Cretones para coberta a 500 re. o co-
vado.
Tecidos arrendados para vestidos, cou-
sa chic, a 400 rs. i covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Bramantes 1 sos e trancados a 800, 10
e 10200 o metro.
Alm do que fica mencionado, temos
mais outras pechinchas que s vista se
pode acreditar.
Dase amostras sem penbor.
55 RA DUQUE DE CAXLAS *
FERWMIESDEAZEVEDOiC
A proveitemaoccasio
Verdadeira* pecbincbas
Cortes de cretone corabinaco a 4 300.
Linom estampado bonitos desenhos, covado
a 300 rs.
Las de froco finas, covado a 280.
Ditos de quadros bonitos, covado a 240.
Fustao de cores, lindo gsto, covado a 160.
Zcfiros largos de quadros, covado a 240.
Ditos de quadros. covado a 120 e 160.
Toalhas alcochoadas grandes, duzia a 4&00
Guardanapos de franja, duzi a 13600.
Saias bordadas nas a 31500.
Fichs linos lisos e bordados a 1.
Setins de quadros novidade, covado a 1.'.
(Camisas tinas de algodao a 13510.
macao a 100000 e
Espartilhos americanos e inglezes, Foitas finas"de linho sttBO.
a 4*000, 5*000 o 6,5000. Tapetes grandes para sof a 13.
Capas de vidrilto e rendas, a 250000 i?mbraa branca bordada, peca a 4
trufan Madapolao americano muito largo a bioVO.
^V: Mimosa cambraia dus mocas, pega a 3*500.
Toalhas de labyrintho para bap-
tisado a 300000, 400000 e 500000.
E muitas fazendas qne se d por todo o
preco na
Loja das Listras zoes
Nem eu tambem e comeco a acredi-
tar que faremos bem em ficar por aqui.
Mas nos sahimos tilo depressa que deixa-
mos os sobretudos no vestiario e os nossos
mantos venezianos nao nos preservara suf-
ficientemente do fri. Noto que est ca-
hindo nev e o peior que tenho urna fu-
me de lobo. Devia ter ido ao buffet an-
tes de sahir de baile.
E' um tanto tarde para pensar nisto.
E' verdade... a ceia ficou adiada por
ceusa da invasSo dos policiaes. Se foi a
sorpreza que nos proraettia a famosa Van-
da, nlo hei de fazer ceremonias para lhe
dizer o que pens a respeito dellas se a
tornar a ver.
Has de tornar a vel-a, affianco-te.
Nao faco empenho nieto : mas pro-
ponho-te que vamos ceiar para nos dar
forca.
Ceiar! tu pensas em ceiar !
Ora essa !... ia me aquecer primei-
ro, tomando um fiacre. Alli vai um pro-
cura de freguez... Ola cocheiro !
Os dous tinham chegado praja da
Trindade, passava urna carruagem e o co-
cheiro chamado pelo capitao tratou logo
de fazer parar o cavallo.
Caf Americano disse-lhe Cavaroc.
E instantes depois rodavam juntos para
o restaurant de noite que o despreocupa-
do capitao tinha escoihido, porque contava
encontrar all, na sala commum, numerosa
e alegre companhia.
No caf Inglez, em um gabinete, a sos
com o amigo, a conversa havia de fogo-
samente versar sobre os sombros inciden-
tes da noite e Cavaroc procurava esque-
cel-os, ao contrario do amigo Jonville que
se comprazia em pensar nelles e em ten-
tar explical-os.
O trajecto nao longo do square da Trin-
dade esquina dos boulevards des Capu-
cines e nao tardaram a apear-se diante da
porta do estabelecimento frequentado pelos
estroinas de pequea marca e pelas bellas
de noite cata de aventuras.
Era o carnaval. Os salces do primeiro
andar scintillavam de luzes e as janellas
dos gabinetes da sobreloja deixavam pas-
sar claridades discretas pelos intersticios
das cortinas entreabertas.
Comtanto que achemos um lugar l
em cima... disse o capitao saltando para
o passeio, depois de ter tirado e dobrado
no braco o manto veneziano.
O addide seguio o exemplo que lhe da-
va o amigo, de maneira que fizeram a sua
entrada vestidos a rigor, como cavalheiros
que sahem do baile da Opera.
Tiveram alguma dificuldade em arran-
jar lugar, oorque j havia murta gente,
Superior (jueijo do Serid a
1$200 o kilo
S no largo do Mercado n. 12, Gomes Ferreira
4 C. Successores.
mas conseguiram abancar-se em um can-
tinho de onde viam todos os homens e
mulheres que ceiavam e que enchiam a
sala.
Tinham por visinhas prximas duas mu-
lheres com domin, que com certeza ti-
nham ido alli para procurar fortuna e que
nao Ihes resgatearam olhadellas.
Perderam o seu tempo. Cavaroc nao
pensava senao em satisfazer o seu appcti-
te, aguilhoado mais pelo cansaco do que
pela commocao. Jonville com menos fu-
me, mas mais preoecupado, nem sequer
olhou para aquellas creaturss e acabou por
fezer honras fatia de foie gras, que lhe
servirara.
O estomago nunca perde seus direitos.
Cavaroc festejou largamente o vinho de
Champagne, que tinha encommendado
quando chegou, e passaram-se bem cinco
minutos, antes que elle pensasse em pas-
sar revista s pessoas que esta vara em
frente delles at o fim do sallo.
Acabou eatretanto por notar dous sujei-
tos vestidos de preto e de gravata branca,
muito oceupados em despejar urna garrafa
de Kummel.
Aquelles distinguiam-se pela estatura
e pela robustez. O mais baixo e o mais
magro dos dous tinha cinco ps e dez pol-
legadas e hombros para carregar urna ar-
madura de cavalleiro da idade media.
Na sua qualidade de official de coura-
ceiros, Cavaroc apreciava muito os homens
robustos e nSo pode deixar de dizer por
entre dentes :
Alli esto dous rapag3es que eu gos-
tava de commandar no meu esquadrao.
Elles j passsram a idade do servico mi-
litar, mas mesmo assim haviara de dar
urna boa espaldeirada.
As duas visinhas admiravam tambem
aquelles colossos, mas nao pelos mesmos
motivos que o capitao, porque urna delta 3
disse companheira, dando-lhe com o co-
tovelle para lhe mostrar aquella caca es-
comida
Dous homens chics, minha'querida ;
o mais velho roda todos os dias no Bos-
que em um magnifico carro. Se lhe po-
dessemos deitar o gadanho, nao perda-
mos o nosso tempo.
Estamos muito longe... nem nos
prestam a attenclo, responden melancli-
camente a outra.
O addido aos negocios estrangeiros ou-
vio aquello dialogo importante e levantou
os olhos para admirar o senhor que tfto
brilbantemente rodava na carruag'em, co-
mo dizia a donzella.
O que aquella mulher tinha acabado de
dizer bastara para recordar a Jonville o
Algodao largo com 10 metros, peca a 2*500.
E outras muitas fazendas que se liquidam por
menor proco para acabar
A 'rna Duqne de Caxias u. 49
Loja do Triumpho
Bastos & Companhia
Papel de forro
de sala, gabinete e corredor, esplendido sorti-
mento na livraria Contempornea.
marido da decapitada e bastou encarar
com elle para reconhecel-o com grande es-
panto seu..
Era com effeito o homem qae elle tinha
visto passar muitas vezes sentado no fun-
do do seu landau descoberto, ao lado da
adoravel loura amada por Vitrac.
Jonville nao se recordava de haver en-
contrado o conviva daquelle personagem,
mas acudio-lhe urna idea ao espirito ; a
idea que o marido era o ermita que no
baile lhe tinha pedido para indicar o dono
da casa, e que o outro tinha representado
o papel de carregador do mercado, que le-
vara no sacco de farinha a cabe 9a cortada.
O que tens ? perguntou o capitao.
Jonville disse-lhe ao ouvido, e Cavaroc
depois de ter olhado para os dous, res-
pondeu em voz baixa :
Quero crer que nao te engaas, mas
se o marido em questao nao elle quem
appareceu disfarcado em frade em casa
do teu amigo Vitrac, bem como o seu con-
viva nao entrou l disfarcado em farinhei-
ro... a prova que nlo sao elles que aca-
baram de ceiar... cstao portanto aqui,
pelo menos, ha mais de urna hora... Co-
mo que elles podiam chegar aqui tab de-
pressa ?
Nao sei, murmurou Jonville, mas hei
de saber onde elles morara.
Seguindo-os quando sahirem ; nao
mal imaginado... e eu estou... Ah dia
bo !... trazem-lhe a conta; vao se levan
tar e nos nao podemos fazer a mesma cou-
sa sem pagar.
Jonville .chamou o criado, mas antes
que elle chegasse, os dous homens tinhara-
se levantado sem esperar o troco de urna
nota de cem francos, que o mais velho ti-
nha atirado para cima da mesa, e caini-
nharam a passo largo para sahirem.
Paga a nota, di^se rpidamente Ca-
varoc, e sahe logo que a tiveres pago. Se
nao que fui obrigado a entrar em um fiacre
A LOJA MAIS BARATKIBA
PARIZ N-:AMa"l-CA
AGEVEDO, IRMaO & O.
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephmt-2W.
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo e prefos sem co*-
petencia. #
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de 13 e 1S seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10208.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as efires, a 206 rs.
Bramante de linho a 10500, com IQ
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500,
Chachemiras com 2 larguras a 800 ra.
Ditas de l e seda 2 larguras a 10000.
MadapolSo trancado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de la e seda 10000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraca a 40000 e 50008. s
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado
60000.
Toalhas de efires para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 105OGL
Renda de la, preta, para quaresma.
i'ano verde para buhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama
100000.
Chitas de cores a 200 re.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarnic3e8, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presente*.
Rendas hespanhola a 40060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores_para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite'
Grande sortimento de chapeos de aoL
Setineta para cobe'rta a 600 re.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de c6res.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
i

Leite puro
Na estrada de Joo Fcrnandes Vieira, sitio la-
go depois das casas novas da direita, vende-
todos os das leite puro de vaccas tourinas e dz
trra, garante-se a qualidade do leite.
Pao centeio
Mello Biset, avisam ao respeitavel poMM*,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
Vinho puro de Santa-
rem
Da quinta de Hu ral
Chegou a segunda remessa deste especial vi-
nho para o armazem central de gneros alimeo-
.icios a ra do Cabug n. 11, o qual se toraz
recouimendado por ser puro da uva.
Joaquim Christov3o & C.
Telepnoae449
tou daquella demora que, desembocande
no asphalto, nao vio nem o capitSo, nenr
os dot'.s persona^
em seguir
ens.
que fazia emnenb* <
I
para os seguir... neste caso, vai-me vi-
sitar amanhS de manha; eu te contarei a
minha expedicSo.
E sem esperar resposta do amigo, Ca
varoc correu as pegadas dos homeus sus-
peitos, que tinham desapparecido na as-
eada.
Jonville estava furioso por ser detido
pela conta. Era o caso de imitar o ma-
rido, deixando urna nota do banco na toa-
lha. Nao teve a presenca de espirito de
empregar aquello processo expedito, que
alm disso o ternaria reparado sem con-
tar que os vizinhos podiam deitar a mSo
ao dinheiro.
Ficou, pois, para pagar a conta, ,e re-
\
A noite traz conselho, affirma um pro-
verbio que nem sempre se verifica.
No dia seguinte ao do baile accidenta-
do, a que tinha assistido cm casa de Vi-
trac, Jayme Cavaroc acordou muito tar
de, depois de ter dormido como ura justo,
e quando abri os olhos quasi que rato se
recerdava das suas aventuras nocturnas.
O capitao tinha um carcter tal que os
acontecimentos mais extraordinarios nac<
lhe perturbavam por muito tempo a philo-
sophia ; nao porque lhe faltasse coracSo,
mas porque aceitava a vida tal qual era,
sem architectar chimeras; no que diffe-
ria sensivelmente do seu amigo Jonville.
Cavaroc era o que se chama um homem
pratico, muito apaixonado pela sua profis-
so de soldado e contando por pouco tudo
o mais, se bem que apreciasse muito as
distracyoes parizienses.
Agradava s mulheres e tinha tido trium-
phos em todas as rodas, mas deixava sem
pena a mais amada das amantes para ir
commandar o seu esquadrao diante do ini-
migo.
Era muito moco de mais para ter feito
a grande guerra de 1870 e se elle deseja-
va com enthusiasmo a desforra, nao era
nicamente por patriotismo; desejava pa-
ra ter o prazar de se bater.
Era militar de raga, porque era filho de
um coronel morto em Gravelotte, carre-
gando os prussianos frente de um regi-
ment de drag3es. Quera por forca via-
gar a gloriosa morte de seu pai, que Q^H
tinha transmittido urna fortuna indepettP
dente, um carcter de boa tempera e urna
saude de ferro.
Com grande magua sua, aquellas pre-
ciosas vantagens nao lhe tinham servido
ainda senao para fazer conquistas amoro-
sas e elle aspirava conquistas de me-
lhor quilate, que se esmerava por merecer
e porque segua com exemplar assiduida-
de os exercicio8 da escola de guerra, onde
era muito considerado.
Quando se levantou e vio que era mais
de meio dia, poz-se a praguejar contra Jon-
ville. Perdoaria-lhe de boa vontade d
haver arrestado quelle baile, que tinha
acabado tio mal, mas nao se consolava de
ter faltado ao curso de tctica. Infeliz-
mente j nao era tempo de reparar essa
falta e decidi vestir-se para montar a ca-
vallo depois do almoco.
f l/Oninaar-w-Aa)
Typ- ~aoS*ario ra uaue de Caxias n. U ,

a




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1HRFQG6H_WMSHQ5 INGEST_TIME 2014-05-28T17:22:21Z PACKAGE AA00011611_19837
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES