Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19829


This item is only available as the following downloads:


Full Text

--
ANNO LXV NUMERO 126
P*RA A CAPITAL JE LU6ABE9 OM>i: \AO SE PACA PORTE
Por tres inezes adiantados............... GfJOOO
Por seis .iitos idem................ 12*000
Por um mino idem............... 230000
Cada numero avuiso, do mesmo da..... ... 0100
OJNTA-FEIRa 6 DE JUNHO DE 1889
.k
PARA DE'TRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantadoa .... ......... 13*500
Por nove ditos idem............... 20*000
Por um anno idem ............. 26*000
Cada numero avuiso, de dias anteriores ... *100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Tropriedade de Mancel 3igueirca de Faria $ 3%U)$
-
Os Srs. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios
epublicacoes na Fran-
ca 9 Inglaterra.
TELEGRAMMAS
ss::::: rtincnu so :i:::
RIO DE JANEIRO, 5 de Junho, 1
hora e 35 minutos da tarde.
O Visconde de Vieira da Silva seguio
hoje para Petropolis afim de dizer a S. M.
o Imperador que nao pode organisar o ga-
binete.
RIO DE JANEIRO, 5 de Junho, as 3
horas e 30 minutos da tarde.
O Visconde de Vieira da Silva n5o con-
seguindo conciliar os conservadores, desis-
ti da organisaeao do gabinete.
Ignora-sc aiuda o nome do novo chama-
do para organisador.
RIO DE JANEIRO, 5 de Junho, as 4*
horas e 50 minutos da tarde.
Foi chamado para organisar o novo ga-
binete o conselheiro Jos Antonio Sa-
LONDRES, 5 de Junho.
as corridas d" Epson oDerby foi ganho
pelo cavallo inglez Bonavan.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
5 de Junho de 1889.
INSTRCftO POPULAR
raiva.

. ss:::;: s Lima savas
PARS, 5 de Junh..
O presidente da repblica acaba de che-
gar aqu de volta de sua viagem ao norte
da Franca.
STOCKHOLMO, 5 de Junho.
O ministro dos negocios estrangeiros deu
a sua demissao.
AS GRANDES \\VE\(flES
ANTIGS E MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
xv
A electricidade
(Continuagao)
Mas no mesma apparelho ba ainlia outra fonte
que vem augmentar a forga da primeira, O gaz
hydrogeneo proveniente da aecomposigo da
agua pelo zinco nao se desenvolve pura e sim-
plesmente no exterior ; o vaso interior, formado
de porcelana nao vidrada. permeavel aos gazes
atravez dos poros da sua substancia, pode deixar
passar o gaz hydrogeneo que se formou no vaso
exterior. O gaz hydrogeneo passa portanto atra-
vez da espessura do vaso, e, ao chegar ao inte-
rior deste. acha-se em contacto com o acido azo-
tico que o enche.
Estabelece se ento nma acc&o cbimica entre
o gaz hydrogeneo e o acido azotico : o nydroge-
oeo, combinando se com parte do oxygeneo do
acido azotico, forma agua e reduz o acido azoti
co ao slado de acido hypo-azotico ou de bioxy
do d'azntc Esta nova aeco chimicaentre o hy-
drogeq e o acido azotico tcm como resultado nc-
cessario a realisago de um desenvolvimento de
electricidade, que toma a forma de corrente e se
rene a electricidade j produzida pela primeira
reaego que houve entre o acido sulfrico e o
zinco no compartimento exterior.
As duas correntes elctricas provenientes des-
ta reaego nao se annullam reciprocamente, mas
reunem os seus efleitos, porque caminbam no
mesmo sentido ; por outja, procedem do vaso in-
terior para o exterior, atraves dos lquidos c da
senaracao do vaso poroso. 0 pedago de carvo.
snbstancla inatacavel pelo acido azotico, mas
muito boa conductora da electricidade, recebe a
electricidade positiva, a qual se esca pelo Fo
metallico preso a este elemento : o zinco recebe
a electricidade negativa e a deixa sahir pelo no
metallico soldado a lamina de zinco, o qual re-J
presenta o polo negativo. *
Producgo de calor e luz, forca mechanica, eis
abi os pnneipaes efleitos physicos deste instru-
mento.
A pilha de Volta tambera um agente extre-
mamente poderoso de decomposigoes chimicas.
Mergulhem-se aa solucao de um sal, por exem-
ilo, de -ultato de soda, os dous polos d'uma pi-
ba ; logo os dous elementos do sal separam
pela influencia decomponente da electricidad, o
acide sulfrico hvre apparece no polo positivo,
e a soda, base do sal. vai para o polo negativo.
(Contina)
PARTE OFFICIAL


Governo da Provincia
Ki:i. VIOIUO eon que o Eib. Sr. Dr. Innocencio Marque* de
Araujo Gocs, presidente da provnola de Pernam-
bueo, passou a administrado ao i-]\m. Sr. Dr.
Ignacio loaquim de ttonza Lcio, 1. vlce-presi-
dcafe.
(Continnagaoj
PROMOTORES PBLICOS ADJUNTOS
Em 26 do mez lindo exonerei o bacharel Pedro da Cunha Pedrosa do cargo
de promotor publico da comarca do Timbaba, por ter sido nomeado juiz municipal
e de orplios para o termo do Pilar, na provincia da Parahyba; e nomeei para sub-
stituil-o o bacharel Joaquim Vellozo Freir de Mendonca.
Por acto de 23 do mesmo mez, exonerei, a pedido, Jos Arnaldo de Castro
Peitosa do cargo de ni junto do promotor publico da comarca de Ouricury, no ter-
mo do Ex.
Em 22 do corrente mez exonerei o bacharel Lourengo Caetano de Albuquer-
que do lugar de promotor publico da comarca de Floresta, por ter sido nomeado juiz
municipal e de orphaos do termo de Ouricury; e nomeei para substituil-o o bacharel
Domingos de Abreu Vasconcellos.
Em 23 do mesmo mez exonerei o bacharel Lupicino Domingucs Lina do cargo
de promotor publico da comarca do Brejo, por ter sido nomeado juiz municipal e de
orphaos do termo do mesmo nome.
Na mesma data demitti Tiburtino de Oliveira Souza do cargo de adjunto do
promotor publico da comarca de Bezerros.
i ORPO DE POLICA
Sendo submetido a conselho de investigaco o alferes Emilio da Silva Costa
pelos motivos de que tracta o meu acto de 21 de Fevereiro ultimo, transcripto na
FALLA que dirigi Assembla Provincial no dia de sua instnllacao, foi esse official
pronunciado, por unanimidade de votos, como incurso as penas dos arts. 131, 138 e
150 do cdigo penal do corpo, decidindo o mesmo conselho que o referido alferes
Silva Costa devia ser submettido a conselho de julgamento.
Tendo respondido a este conselho, foi em 26 de Marco findo submettido a con-
selho de justica, o qual, de conformidade com os arts. 129 e 150 combinados com o
art. 145, 9., do mesmo cdigo, impoz-lhe as penas de demissao do posto e tres
mezes de prisao.
Por actos de 23 do corrente reformei, com a pensao a que tivesse direito e
de accordo com as disposigoes em vigor, os segmntes officiaes do corpo de polica:
Tenente quartel mestre, Antonio Jos de Souza e Silva, tenente da 1.a com-
panhia Manoel Raynero de Barros e alferes da mesma companhia Manoel Jos Fer-
reira Costa.
Promov na mesma data ao posto de tenente quartel mestre _o alferes da 2.a
companhia, Jos Febppe Gomes Jnior, ao de tenente da 1.a companhia o alferes da
5.a Manoel Ferreira da Silva, ao de alferes da 1.a componhia o sargento quartel-
mestre Joo Pinto Cavalcante e ao de alferes da 6.a o sargento Seveiiano de Siqueira
Barbosa, em substtuigao do alferes Emilio da Silva Costa.
Nomeei em igual data os cidad2os Olegario da Luz > antarelle e Porfirio Pope
Girlo para os postos de alferes, este da 2.a e acuelle da 5.a companhia.
OFFICIOS DE JUSTICA
Em 4 do corrente mez e de conformidade com o art. 306 do regolamento
annexo ao decreto n. 9,420 de 28 de Abril de 1885, acceitei a desistencia que fez
Augusto Xavier Carneiro da Cunha da serventa vitalicia dos officios de 1. tabellao
de notas, escrivao de orphftos e annexos da comarca de Jaboatao e expedi as ordens
necessariat para o provimento dos referidos officios.
Em 6 do referido mez nomeei o escrevente juramentado Jos Carlos de S
para servir interinamente o cargo de tabelliao do publico judicial e notas da comarca
d'esta capital, durante o impedimento do serventuario Florentino de Albuquerque
Maranblo a quem conced dous mezes de licenga, para tractar de negocios de seu
inter esse
Em 15 do mesmo mes attendendo ao que requereu o 1." tabelliao do publico
judicial e notas, escrivao do civel e annexos da comarca de Nazareth, Franklin
Alves de Souza Paiva, que se acha impossibilitado, em consequencia de molestia) despachos
incuravel, de servir pessoalmente os referidos oficios, a juizo da Junta Medica que
o inspeccionou, de accordo com os arts. 104 e 105 do regulamento expedido pelo
decreto n. 9,420 de 28 de Abril de 1885, resolv expedir as necessarias ordens para
que o supplicante tenha snsccessor, de conformidade com as disposicSes em vigor.
GUARDA NACIONAL
Para preenchiment das vagas existente noH differentes corpos nomeei, na
forma da lei, os officiaes constantes do quadro nnexo.
Por acto de 9 de Margo foi reformado qqtn um posto de accesso,* de confor-
midade com a ultima parte do art. 68 da lei n. 602, de 19 de Setembro de 1850, o
tenente do extincto 18. batalhao de infantaria dp municipio de Nazareth, Manoel de
Oliveira Mello.
Foi privado do respectivo posto o capitS da 5.a companhia do 38. batalhao
de infantaria das comarcas de Taquaretinga e om-Jardim, fcJias Jos de Aguiar,
visto achar-se comprehendido na disposigao do art. 65 da lei n. 602 de 19- de Se-
tembro de 1850 e Aviso Circular do Ministerio; da Justiga de 30 de Dezembro de
1886.
Por actos de 23, 27 e 28 de Marco consiierei sem effeito as portaras de 13
de Marco do corrente anno, 13 de Fevereiro de 1882 e 27 de Margo de 18*4 na
parte relativa as nomeagies de Amaro Bezerra plarinho Falcao, Bertolino Rodrigues
de Macedo e Antonio Alves Camello de Araujo fPereira, o primeiro para o poso de
alferes da 3.a companhia do 10." batalhao de infantaria da nomarca de Jaboatao, o
segundo para o de capitao da 6.a companhia <> 22. batalhao de infantaria das co
marcas de Onricury e Boa-Vista e o ultimo par^ o de 69." batalhao de infantaria da
comarca de Nazareth.
Provando achar-se impossibilitado de coriuuar no sesvigo actgo o capitao da
5.a companhia do 5." batalhao de infantaria lia comarca do Recife, Coriolano de
Abreu, transferio por acto de 26 de Margo parala reserva, ficando aggregado ao 1."
do mesmo servigo.
Por actos de 2 e 12 do corrente mez, dfesignei o 49. batalhao de infantaria
da comarca do Brejo, eo 1. corpo de cavallara da comarca do Recife para a clles
serem aggregados o alferes da 7.a companhia do 28." batalhao da comarca do ('abo,
Quintino Alves da Silva e o tenente da 4.a companhia do 4. corpo de (.-avallara da
mesma comarca, Lenidas Francisco Paes Barreto, visto haverem estes officiaes cum-
prido o dispsoto no art. 45 do decreto n. 1,130, de 12 de Margo de 1853.
Quadro dos officiaes da guarda nacional nomeados de
2 de Marco em diante
COMARCAS
Recife___
Nazareth...
Cabo......
Olinda ....
Recife ...
Jaboatao...
B
Olinda. ...
Jaboato..
B- Conselho
Breje--------
Taquar.,Bom
Jard., Lim.
Bom Jardim
Escada......
Iguarass-
l'unellas----
Olinda......

Taquaretinga
CORPOS
1 c. de cav.
69" batalhao.
69
1 c. de cav.
27 batalhao.
28" .
m o
66" .
5
10
10
66 >
10
62 .
49
38

15
14
11 c. de cav-
ia* seceo..
2o" batalnao
66
U
38'
POSTOS
Alferes
Tenente
Alferes
Capito
Tenente
Capitao
Tenente
o
Capitao
Alferes
Tenente

Alferes
Tenente
Capitao
Alferes
Capitao
pTen. ajudant.
Capitao
Tenente
Alferes
Capitao
Alteres
Tenente
Ten. ajudant.
Ten. quar. m
Capitao
Tenente
Alferes
Capitao
Tenente
Alferes
i apitao
Tenerte
Alferes
Capito
Tenente
Alferes
Capito
Tenente
Alferes
Capito
Tenente
Alferes
Capito
Alferes
m
Activo
Reser.
Activo
DATA DE NO
UEAQAO
29 Marco
28 >
27
27
23

19
13
9
1 Abril
2 >
11
12 .
i;

9
i:;
XOMES
Jos M. Brekenfield V. da Silva.
Manoel V. Guedes B. de Mello.
Si bastio C. de Albuquerque.
Antonio de Paula Souza Leo.
Bento Jos Ferraz de Azevedo.
Francisco M. do Reg Barreto.
Jouquim Lins de Siqueira Rocha.
Francisco da N. Saldanha.
silverio Jo8o N. Bastos.
Jos' Olegario Cavalcante.
Levi'io Brasiliense do R. Barros.
Lino Francisco das Chagas.
Augusto i arneiro de Lacerda.
Manoel Candido Ferreira.
Alexandre Vieira de Sooza.
Luiz Alves Feitosa.
Manoel E. da Silva Limeira.
Jo3o Cordeiro de Arruda.
Manoel C. da Silva Pinto.
Antonio Tavares R. Lima.
Dionisio Jos de Sant'Anna.
Joaquim Barbosa da Silva.
Manoel da Rocha Lins.
Jos W. da Costa Prazeres.
Gaudencio Jos Marques.
Miguel Machado de Aguiar.
Jos Marques da Silva.
Goncalo da Rocha e Silva.
Antonio F. de Araujo Costa.
Jos Joaquim Jorge.
Joao Luiz de Medeiros.
Braz C de Albuquerque Lins.
Clau lino Alves de Alraeida.
Joaquim A. das Chagas e Silva.
Liberato Jos Marques.
Januario Jos Bezerra.
Antonio de Britto B. Lins.
Pedro Alexandrino C da Costa.
Joao Luiz de Aguiar.
Flix Tolentino da (amara.
Antonio Jacintho P. da Costa.
Jos Luiz de Franca aldas.
Juvencio Silvino de Barros.
Francisco de Assis F. Magalhes.
Ignacio Coellio da Silva Vieira.
Manoel Jos Hufino de Jess.
Liberato T. de M. Maciel R. Pita
Fernando Jos de Barros.
Vital Marques da Silva.
Izidoro Marinho Cesar.
Manoel Feliciano da Silva.
DA PRESIDENCIA DO DIA 4 DE
JUNHO DE 1889
Antonio Francisco das Chagas.-Certifique-se
com o que constar das participagOes recebidas
na secretaria desta presidencia.
Aristides Honorio Bezerra de Menezes. Sim,
cora ordenado.
ltino Fernandes & C.Sim.
Capitao Claudino Augusto de LagesRemet
tido ao Sr. commandante superior da guarda na-
cional da comarca de Curuar para mandar pas
sar a guia de que trata o art. 45 do decreto n.
1,130 de 12 de Margo de 1853.
Companhia Usina Joo Alfredo.Informe o
Sr. engenheiro fiscal do Io disincto dos enge-
nhos centraes.
A mesma.Indeferido, vista das inforraa-
gOes.
Bacharel iomedes Theodoro da Costa.Sim,
pagando u porte na repartigao dos Correios.
Flonano Rodrigues do Passo.Sim, mediante
recibo.
Major Firmino Pomposo de Mello Falco.
Sim, mediante recibo.
Isidoro de Freitas GamboaSim.
Bacharel Joaquim Mauricio Wanderley.Cer-
tifique-se.
Sevio de Souza e Silva.-Concedo.
Maria Lydia d" Sacramento.Sim, mediante
recibe.
Coronel Manoel de Azevedo Nascimento.
Sim.
Manoel Dias Santos.Deferido com officio de
hoje, ao coinmandante superior da guarda na-
cional da comarca de Panellai.
rsula Candida Pessoa de MelloSim, me-
diante recibo.
Secretaria da Presidencia de Pernara-"
buco, 5 de Junho de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
FORCA DE LINHA
Por ter de seguir para a corte o brigadeiro Jos de Almeida Barreto. assnmio
interinamente no dia 18 de Margo o commando das armas desta provincia, de con-
formidade com as ordens do Ministerio da Guerra, o tenente-coronel do corpo de
estado maior de 1.a classe Antonio Florencio Texeira do Lago, director do Arsenal
de Guerra.
A' vista do termo de inspeegao, conced, em 11 do corrente, tres mezes de
licenga ao alferes do 2. batalhao de infantaria Luiz Bezerra dos Santos para tractar
de sua sade.
Segundo consta de Aviso do Ministerio da Guerra de 10 de Margo, foi por
portara de 9 exonerado do lugar de commandante da 'ortaleza do Brum o coronel
do corpo de estado-maor de 2.a classe Joao Evangelista Nery da Fonseca.
O commandante das armas por officio n. 615, de 23 de Margo, participou-me
haver nomeado interinamente para exercer o referido lugar o major honorario do
exercito, Justino Rodrigues da Silveira.
ALISTAMENTO MILITAR
Foram remettidos peUs juntas revisoras o resultado dos trabalhos concernentes
ao anno prximo passado das parochias de Nossa Senhora da Conceigao de Alagoa
de Baixo, Santo Antonio de Beberibe, S. Salvador da S de Olinda, Nossa Senhora
da Penha de Villa-Bella, Nossa Senhora das Dores de Triumph >, S. Jos de Bezer-
ros, Sant'Anna de Gravat, Nossa Senhora da Conceigo da Pedra, Santo Antonio
de Garanhuns e Nossa Senhora da ConceigSo de Correntes.
Por portara de 9 do corrente, e de conformidade com o art. 122 do regula-
mento annexo ao decreto n. 5,881, de 27 de Fevereiro de 1875, multei o 1. elekor
Antonio Jos de Andrade, visto ter deixado de comparecer sessao da junta paro-
chial de Nossa Senhora da AssumpgSo de Cabrob.
Multei ignalmente na quantia de 500000 a cada um dos juizes de paz, presi
dentes das juntas parachiaes da comarca de Goyanna, major Manoel Gomes de Albu-
querque, Jos Amancio Pereira Ma ta e Henrique Olympio Tavares da Rocha, por
terem deixado de proceder aos respectivos trabalhos desde 1878, segundo participou-
me o juiz de direito presidente da junta revisora d'aquella comarca.
ARSENAL DE GUERRA
Em vista do que expoz o director interino d'ease eetabeleci ment em officio
n. 102. de 19 de Margo, nomeei o alferes reformado do exercito Raymundo de Al-
meida Sampao para exercer interinamente o cargo de adjunto.
Ao adjuuto, tenente honorario do exercito Jos Francisco de Paula Vellez
conced, por portara de 17 do corrente, tres mezeB de licenga para tractar de sua
sade.
(Continua.)
Repart?o da Polica
2.a secgao.N. 557Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 5 de Junho de 1889.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
DetengSo os seguintes individuos :
A' minha ordem, Domingos de tal, como
alienado vndo do termo do Cabo e Jos
Ignacio do Monte, tambem alienado vindo
de Onda, at que tenham conveniente
destino.
A' ordcmdo subdelegado do 1.- districto
da fregueza de S. Jos, Remigio Egydio
Eduardo de Moura, Eleuterio Francisco
dos Santos, por embriaguez e disturbios.
Communica o delegado do termo de Pao
d'Alho, que no dia 30 do mez prximo
findo, no lugar Gastao do 2.- districto da-
quelle termo, tentou suicidar-se ,com urna
navalha, o maniaco Francisco Jos da Luz.
O subdelegado do districto tomando co-
nhecimento do facto, fez proceder a vis-
tura declarando os peritos ser mortal o
ferimento.
Procedeu-se a respeito nos termos da
lei.
Participou-me o subdelegado do 1." dis-
tricto, da fregueza de S. Jos que hon-
tem, as 3 horas da tarde, na casa n. 52
da ra do Caldereiro, onde residem Lou-
rengo Ferreira do Nascimento, e Feippe
Santiago das Chagas, ambos casados, de-
po8 de urna altercagSo quetivera Fclippe
com sua mulher, deu em resultado ser
esta ferida as costas com um garpho eva-
dindo-se em seguida o referido Felppe.
O subdelegado respectivo tomando co
nhecimento do facto fez recolher a offen-
dida ao hospital Pedro II afim de ser me-
dicada.
Pela3 7 horas da note, appareceu na
referida casa o mesmo criminoso travan-
do-se de razSes com Lourengo Ferreira do
Nascimento, recebeu deste dous fer-
mentos um na mao direita e outro na re-
gido inguinal, sondo que o ultimo foi con-
siderado grave.
O offendido foi igualmente transporta-
do para o hospital Pedro II afim de ser
medicado.
Abrio-se o competente mquerito e de-
ligencia-se capturar Lourengo, que logrou
evadir se.
O Dr. delegado do 1.- districto da ca-
pital, tendo scienca de que no dia 2 do
corrente. pelas 4 horas da tarde, foi en-
contrado morto dentro do deposito d'agua
da casa de pasto de Manoel Jos da Silva
Vieira, sito ao pateo do Paraizo da fregue-
za de Santo Antonio, o individuo de
nome Francisco de tal, cosinheiro da
mesma, para alli se dirigi e mandou
transportar o cadver para a matriz da
fregueza, onde foi vistoriado pelos Drs.
Gama Lobo e Lopes Pessoa, que declara-
vam ter sido asphixia a causa da morte.
Das deligencias procedidas pelo mesmo
delegado, verificou-se que o facto, fora
.casual.
Procedeu-se a respeito nos termos da
lei
Ante-hontem, aa 10 horas da manhS, no
lugar Duarte Coelho do districto de S.
Pedro Martyr de Olinda, deu-se um abal-
roamento entre o trem de lastro e o de
pas8ageiros, resultando dsso sahirem 1-
geirainente feridos na cabega urna praga
do corpo de polica, e em um p um dos
empregados do trem de lastro.
O respectivo subdelegado tomoit conhe-
cimento do facto, e abri o competente
imquerito.
Leus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provin-
cia. O chefe de polica, Ablpho de
Siqu eir JJavalcante.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 4 DE JUNHO DE 1889
Ferreira C Deferido com officio desta data
ao Dr. procurador dos feitos.
lunocencio Jos de Salles.Ao Sr. Dr. admi-
nistrador da Recebedoria Provincial para .com
prir o despacho da junta. .
Lucio Jos de Albuquerque Mello, Paulino Au
tonio de Souza Ayrs e Francisco Canuto da Boa
Viagem. Informe o Sr. Dr. administrador da
Recebedoria Provincial.
Manoel Antonio Gongalves.De-se.
Manoel Jos de Alraeida Soares.Haja vista o
Dr. procurador fiscal.
Tito Lins de Albuquerque A' secgo do con-
tencioso para curaprir o despacho da junta.
Joo Baptista Cabral, (2) Francisco Ignacio
Pinto, Alfredo Gibson, Gustavo EihtllMlller-
mond Filho e Companhia Pernambucana (2).
Informe o Sr. Dr. coutador.
l- rancisco Evaristo de Souza.Certifique-se.
Antonio Fernandes da SilveiaCarvalho.Ao
Sr. Dr. contador para as devidas notas.
Instrucco Publica
DESPACHOS DO DIA 3 DE JUNHO DE
1889
Rodolpho Correia Crespo!Deferido.
Rufino Demetrio de Souza.Encaminhe-se.
_ 4 _
Andr de Albuquerque Mello.Encaminhe-se.
Maria Clara de M. Figueira.Cumpra-se e re-
gistre-se a apostilla de 3 de Junho corrente.
Pedro Pereira de Souza Ramos.A' 1* secgo
do conselho littenrio, relator o Dr. Ayres
Gama.
Joo Francisco da Costa.Como requer.
Amancio Ramos Freir.Inscreva-se.
Manoel Figueira de Menezes.Cumpra-se, re-
gistre-se e marco o praso de 15 dias para entrar
no goso da licenga.
Viciorino Antonio de Alcautara.Encami-
nhe-se.
Francisco de Paula Lins de Carvalho.Enca-
rainhese.
REVISTA ESTRAMCEIRA
Vapor da Europa
Eis a concluso das noticias que nos t.ouxe
ante-hontem o paquete francez Nerthe :
nettpanba
Relativamente a este reino escreveu-nos o se-
guinte o nosso correspondente de Lisboa :
A 21 deste mez, a rainha Izabel reuni na
sua casa de S. Germain o rei D. Francisco de
Assiz e os membros da familia Orleans que es-
to actualmente em Paris, entre elles o duque
de Aumle, o duque e a duqueza Montpensier, a
princeza Cleraentina, etc.
Os incidentes parlamentares no congresso.
do Madrid, parecem denunciar urna completa
dcslocago da maiona, que tem apoiado o gabi-
nete a que preside o Sr. Sagasta. Alguns desses
incidentes sao graves.
Taes dissidencias manifeslaram-se de chofre
a proposito dos projectos organentarios.
O corto que nao agradou fraego protec-
cionista do partido liberal a combinago propos-
ta |,clo ministerio para preencher o dficit dos
ltimos exercicios.
O Sr. Hartos, presidente da cmara dos depu-
lados e o Sr. Caraacho, ex-ministro da fazenda,
cuja autoridade inconlestavel, que se encar-
regaram de interpretar a opinio desses dissi-
dentes, reclamando um imposto sobre a renda,
e a aggravaco dos direitos de entrada sobre os
trigos, afim de se equilibrarem as finangas.
Toaa a gente na Europa conbece que os prin-
cipios do gabineteSagasta foram sempre ras-
gadamente livrecambistas, e por isso, nao ad-
mira que este ministerio nao possa acceitar
medidas econmicas de carcter reaccicionario.
E para ser coherente com os seus principios o
Sr. Sagasta regeitnu,-as por um modo que parece
inabulavel aiuda que d'essa firme resolugo
venha resultar a queda do gabinete de que
chefe.
Affirma-se que os proteccionistas liberaes se
animara a tomar este caminho por suggestes da
antora conservadora, a qual planeou bater as-
sim a situagao. ao menos acerca da questo do
imposto de readimento
Tambera se accrescenla que o Sr. Marios est
tratando de formar, com esses dois dois elemen-
tos, urna coll'ago. que tem ainda esperancas
de augmenter com os grupos dirigidos pelos ge-
neraes Cassola e Lpez Domnguez, que andam
amuados cora o presidente do conselho pela
raeia solugo dada por elle questo das refor-
mas militares.
Se tal facto se dsse. o gabinete conservara
entao os dois tercos, apenas, da sua actual
maioria, e a rainha verse bia na alternativa, ou
de entregar o poder ao Sr. Cnovas ou de auto-
risar o Sr. Sagasta a dissolver as cortes.
A situagao actual esta. Suspeita o Sr. Sa-
gasta que o Sr Marios e os seus amigos obede-
cem a motivos meramente polticos, suscitando
ao gabinete Sagasta a opposicao que se est mo-
vendo aos seus projectos oryainentaes. Sendo
assira, deve considerar-se muito grave a situa-
gao.
Se se tratasse nicamente de principios eco-
nmicos seria possivel encontrar-se, talvez, um
terreno de conciliago; mas desde que a scisao
liberal a consequencia de inlrigas e concili-
bulos destinados a fazerem cahir o gabinete, a
ucta que vai mpenhar se urna guerra de
fraeges e parcialidade.
Levado o conflicto para\esse campo, intil
pensar em francas e leaesl transaeges, ou con-
cessdes mutuas.
A sessao de 22 na cmara dos deputados foi
tempestuosa. A proposta do Sr. Villaverde so-
bre a crise econmica foi rejeitada por 227 vo
tos contra 64.
Antes, porra, de se proceder votagfio, o Sr.
Marios abandonou a presiden-ia entre applau-
sos dos conservadores e protestos da maioria,
levant.in.lo-se um escndalo indiscriptivel. Os
mniisteriaes enfurecidos anostropharain spera-
mente o Sr. Marios e os seus amigos conjurados,
que se retiravam da sala. 0 vice presidente
nao teve forca para restabeleoer a ordem. Afi-.
nal, eoasegOIO-ae comegar a votago entre applau-
sos da maioria. que traiou de apresentar urna
raogSo de censura contra o prndente da cma-
ra ; mas de>istio do sen intento ao saber que o
Sr. Mirto: se tiuha deraitlido.
Reuni se Io;o o conselho de ministros para re-
solver sobre este caso.
- Na provincia de adiz est s*de uma invaso do gafanholos. quedestre e arraza
As |Mivi> iges afHi< tas reclamam urna
do gover ii.
rumente, guando essa praga visitil-qs
p;iiz vi.-inlio, a tropa encarregadV.
mal. N tuiulmeute, o que suc- ^
JIM
- EiiiTalaumas provincias de Hespanba, a
correine da ea.iyrago e as*u-t;i lora.
Ahida li' poui-os das fumleiva em Cdiz, de
noi'e, O Vapor italiano Fanfulln. cnuduziudo.
i 20n emigrantes, dos quae.> 392 Ceaagag meno-
res -le ilez anuos.
Eviam embarcado em Bar-
celona e Halaga. Entre os eniijir.oites hivia
uiuiliis professores de instruega i pn min:;. Os
passaaeiros queixavum-se do pessiino iralamen-
to a bordo.
u Capitao do pono de Cdiz eommuoicoa ao
govprnador cml que o FanfuUi nao reuna con-
Uiges para triin-piirtar lamo o-, pois
que, leudo embarcado em a uz inais 4i3 emi-
grantes, o total ascenda a 1 671.




I
mr*


}?
2
Diario le Prnambuco---Quinta-(eir 6 de Junho de I ^9


i
i
-i*
I






i
pro director de saude martima, arompanhado
4o secretario do governo civil, foi inspeccionar
o vapor, porm o capitao disse-Ibes que se pro-
vena de vveres e gado logo que passar em Cabo
Verde, por se ter notado que ambas as cousas
falavara a bordo, e, como em Hespanha nao lia
le que regule a capacidadc e raais coodijoes dos
nanos destinados conduelo de passageiros,
lvo aquelles desgracadcs operarios a merco
dos caprichos do capilo do Fanfutlu.
Em Cdiz ainda lian c-qw---** va moa;
Jne os transporteuAJH(iilic*R;*B;:. aow
e 800 emigrante; na soa nawr pane ario
panhados de creaapas dartala le.;
O jornal hespaoM onte* cMvnoMte
na com o seguintaperioaxi
0 desejo que-ste*rmigcar para a Jo
Eublica Argentina emnoutra-sai na*facto *e
oje baverem hcurto a-oseo oda se -aa vapor
aflm de seguiremrooBgeo.! ucunoooOos n
bilhele de Dassage *' 8BWuus
grande parte, rapazes mius.
Sica
Anuncia-se o prximo casamento do princi
pe de Chinay, ministro dos negocios estrangei
ros, com mideraoiselle Barendiavaraj urna for
mosissiraa senhora de origem brasihr, sobri
aba do condo ae Vjileue*<, rainistca do Ikaiil
m Bruxellas.
tasa
Os telegrammas de Bastlia recebidoa ultima
mente anuunciam que o r'i Humberto chegon
no da 20 de Maio ao meio da a Goesrhemen,
estaco da fronwira Suissa, onde foi reccbido
pelo Sr. Hammer, presidente da confederado
helvtica, pelos Srs. Ruchanner e Droz, delega-
dos lo eonselho federal suisso e multo elemen-
to oflkial.
Na estago formava urna companhia ment Je Urama com a respectiva banda, que
tocou o hymno real italiano quando o comboio
apparec u.
Ligo que sanio a carruajera e depois de ter
oimpronentado o nresideute da repblica e os
delegados do cooselho federal, pama revista a
companhia de Uram.
Em seguida houve o almoco.
Ao desser, o presidente Ja repblica levan-
tando umataea.de Champagne pronunciou ura
breve discurso saudando o rei Humberto e a fa-
milia reat italiana.
A delegaco do eonselho Mera) acompanhou
o rei da Italia at e.tagao de Lucerna.
Ao despedir -se, o soberano manifestoo o seu
reconhecimento pelas attengas que o goveruo
SU8 Ihe dispensara.
Desde Luino at Basila veio muitissima gen
te as estacoes.
O povo, porm, nao fez manifestaco alguma
de sympailiia oq de honestidjde.
A sua altitude foi perfeitaraente correcta.
Em Uasilea o comboio real foi reccbido com
Sindes aedainagoes pela numerosa colonia ita-
fta
Minutos depois, o rei Humberto segua para
Francfort, caminho de iierlim.
0 governo portuguez faz-se -representar na
conferencia de Berne relativa protecgao aos
operarios das fabricas.
At hoje, adheriram, alm de Portuguai, a
Blgica, a Austria, Hungra e a Franca.
Italia
Repetiram-se a 20 ai desordens no alio Mila-
nez, em eonaequencia de se terem aggravado as
grivet.
Os grevitas. em Vareggm saquearam com j
violencia a cmara municipal, a casa do depu-
tado do circulo e a fabrica ds tiacio.
O sub secretario de estado e-iviou instrueg&es
peretnptorias ao goveruador civil de Milo, para
reprimir promptaraentc as desordens.
fia Italia contina a agitaco agraria tendo-se
ja commettido actos i vandalismo em Turlfigo,
para onde taran enviados lego retaron de tro-
pas.
Os recentes tumultos na Lombardia provocara
certa i-niocao na ftaila.
O carcter distinctivu por em movimenio
uitt ;..i.ilsiro rural, meia industrial e tneia
agrn-d;. ....
H da*odepu'ado Irabriaui tiuln inlcrnella-
do o 1.1 iistaiio vtt* cnse que existe na Tnti-
Iht : i perturbacao a provincia de Bar ti-
nii ido toda a intensidade.
O ." Humberto rscrevera ao ministro Crisp
recomi,mida ido Ihe que opUsse por alguma
ponilitnoi li-gislaaiva para deellar o mal itoa-
-i dL ij^roginta regiao. onde o socialisuio Ion
earaizado por adiar un meio propicio que (
exin-m < pobreza e as difficuldades da vida.
A I iiia septentrional, ua sua regio vincola,
arto:; be eiu siluagao trislissiia eo mesmo acon-
ten- rom a ardenta e a Sicilia.
Kmv satirio assusta os homeus de estado, por-
que .i incultura na Italia, nao obstante os pro-
gressoo recentes da industria, a fonte raais
opu e t-i da riqueza nacional.
un-u!a itlica, comj-ua maior parte dos
pases d Korcpa, as classes ranea sao o con-
serva: to das torgas do paiz. a base da 1001
ranea i o esiado.
Ora a agricultura soffre. e atr.ives.-a na Italia
um Bese (Morosa ; proprieiarios ruraes, reudei-
roe, abe^O-s, jonuleiros, todas as clas-.es da po-
pulai-o dos campos esto gravemcule aggrava-
das < :t melles que nao tecm as epichas inais
favo <*ii ais que urna m.irgem bem estreiU
entn o mvd normal da sua alimeataiio e a fo-
tue propriflsne'He ditaaquelles cuja polenta
for a a un:ca e insumveoie alimoatacao dei-
xam se impellir pela revota.
Bai > in-' i itos de lavoura e pura |diaimu- os ca-
pjtM- i xploraco.'do solo, ura paiz cujo pri-
utiii lrTr como o primeiro niieresse seria
deseow'!vr os seus recursos e crear pelo trafia-
Ibo a i.is riqoezafl csm paiz oJko :ios imreceque
se rl-i.;i iaurar na vereda comproinettedora dos
eoatru'UM diplomticos,qoe podem laucar de
uob utoneot para ooutio a Italia em plena rc-
frega. i- que em lodosjo* casos augmentarao
sem i esaar os enormes ornamentos de gterra e
Bflanuii i ,- ia>ar de novo o abysrae do dficit.
O iei Humberto parti >k.' Boma a 19 asquatro
e atte da tarde, em eabofO espacial, paraBer
lia. onde val pagar ao imperador (iuilherrae a
visita que este Ihe fez, a alguns mezes em
Roma.
Fra da estaijao espiTiva a ihegada do rei
grande numero de sociedades populares com
mnsi'.is e baorieiras.
Na Miaga, estavato os ministros, inultos de
potad:i> c nembr-'s da inunir.ipalidade, que le-
vantaiMn vivas a partia ik soberano.
A enB acto 1<' eortrzia real nao evidente-
ilH'ii'.i -!iili;i ;i p )li'K i da trplice alliaoca
0 povo italiano vicoriou muito os regios via-
jantes fii iodo o seu trajelo, atea frooteira, o
que admira 'porque o r<-i Humberto um raonar-
rtra tn Mtelft querido do- Moa subditos o que bem
merece da patria peto* muilos e bons lerviCjO^
qu- ine lera prestado, como militar no campo da
btta'iia. como monareba nos transes dolorosos
como na grande epidemia que tantas victimas
causou em aples.
ftA ge.nerosi la le com que perdoou a senten^a
deuiorte pronunciada oontrajl'assavante, no mo-
mento em que outros monarcha* faziam punir
com a pena capital crim *s idnticos, oxaltou o
aos olhos doTwvo italiano que licou conheeenilo
ue o m' rei possuia ao lado da energa dos
aboyas, ora corocao de ouro qu; om ouiro
caract'-ristico d'aqai.dla to'iiilia.
A Opinin? de R >ma diz que ninguem espera
eflei; >- roMiteos importan es da visita do rei
Ho-e.be-io ao imperador GuMherme.
E-e jornal asoin conoo Exercito Italiano eo
Poplo Romano saudam esta viagem com um
novo penhor de paz para a Eoropa.
A W-publique FrnnQae, fallando da crise eco
nomica da Italia a proposito da viagem do ni
Humberto a Berlim. consigna qe a Roomania,
a Grecia e a Hespanha, se substituiram a Italia
no mercado francez ; registra igualmente qoe ^a
opinio publica na Italia repudia cada vea-'mais
a poltica do Sr. Crisp, a qual ende a mostrar
o inimigo hereditario nao do gihelino altemao,
mas no latino francs.
Naata.a
O papa vai destinar um niilho de libras >
coostruccao de um observ. lorio astronmico no
Vatiniuo. estabelecido ua turre en que Gultileu
eslava prisoneiro
Inglaterra
Tratou-se ultimameiile i a cmara electiva irii
keza do lugar de vice rei da irlanda que va-
car vavo pela exoiiTacm (K-dida por lord Lon-
dond.'iiy.
Ua ju raovimento imx>naute da opiniao em
fnvor da abolicao daquer lugar e da residencia
e um lilao da rainba no Duoini.
ste alvitrefoiprupu-uooa caDMoa peto. Sr.
Hovforth, depntado conservador, mas nao foi
betn-acomido.
Todos se lembrara dos aesobios cora que o
pricipe de Galles foi recebhlo em Corck e em
Limerick, quando em 1885 visitou a Irlanda, e
julgou-se evidente que a substituido proposta
em nada contribuira para pacificar, a agitayo
agraria.
Ura outro depulado da maioria propoz quedas
funcees de vice-rei passassem a ser exereidas
cretiirittito eiy HMa
0 -j .veao-apw-aetleu tonar eet alvltre
talerafaB.
A qtiesfaaaquele etowaitnlroii em
caanlio Jeomaaa'ueopr.itiu-.- La-tl l.mdoa-
dtary* esta-prestava retiiar-sa,0'ttiauo gover
na aao eatBiitra/t*aem se presto -di* bu.uuente a
eaoner aaaelt imUM arriara k\ lugar, ter
de resol vnraaitfU> em harmona com a px>-
mtwsa que fe 4 cmara, e tai>ez em harmona
tambera com as promessas feitas ha pouco por
lord Hartington, de reformas liberaes para a Ir
landa.
A questao da emancipacao poltica das mulle-
res continua na ordem do dia era Inglaterra.
. LeiulM-a-ito atada a conU-sUvo Ua. uuade-|
viuva Standhurst, romo membro do eonselho
provincial de' Londres-.
A le concede s muthercao direito de suffra-
gio am eJeirOe- uiuoi"ipaes e provinciaes, mas
muda quaiiio a sua elegibilidad,-.
Foi por'anto, pre*ao ^recorrer aos MkMaM
para olW decidirem a elei-Qo de La ly SatrJhu-
rot era ou nao valida.
Fin instancia foi declrala nulla.; eesta
decisao acaba de ser detiu lira pelo tribunal
de apoellayo : mas esle cheque- alo ilesani-
mar tal vez os numerosos partidarios da emaii
cipa^o poltica das rauHv-res. Acluiiu de eerto
um novo pretexto para subra -tterera legislatu-
ra a questao que tanto teomo paito.
me outm queslao im>oriante, ha das wnli
iada no parlamento liriiannii o foi a de separa-
gao eotre a igrejae o estado no paiz fie Bolles.
A populacao daquelle pai/. so a muito cusi to-
lera os representantes da igreja oflicjal inglica-
00, que nao faliam a uu hiiguu e a quem se
vi'-em obrigados a pagar-uto enbsidio ob a for-
ma de dizimo imposto sobre a proiiriedade. Ha
um anno a opnosicto daquelle |>ovo igreja ofli-
cial maoifestou-se sob a forma de resistencia ao
pagamento do dizimo.
01 tunamente a rnesma opposigao afliimou se
na cmara por urna proposta do Sr. Dllwyo,
deputa lo pelo principado, para a separago en
tre a igreja e o estado.
A opposico foi condecida no terreno poltico
pelo ministerio, que suslentou que, se se eslabe
lecessem diversos regimens religiosos as difte-
rentes partes do reino, com isso se animara as
aspiruges separatistas.
Apesar disso a proposta foi rejeilada por
24 votos rpairo 231. Nunca as propostas por
differentes vezes upresentadas no mesmo sentido
haran reunido era seu favor tao crescido nu
mero de votos. K" o elleilo do tnovimento con
Ira o pagamento do dizirao, raovimento que por
cerlo vai agora proseguir com redobrado vigor.
Por occasiao das bodas de prata dos condes
de Pars, (odas as pessoas da familia de Orleans
se reunirao em Scneen House.
J esto em Inglaterra os duques de Cliartres,
o principe Henrique e. a priHCeza Margarida de
Orleans, o duque de Nemours e os principes de
Jomville. Estes ltimos estiveram alguns das
em Pars.
Todos visilaram a ramha de Inglaterra que os
convidou para jantar.
Sao esperados ainda, segundo diz o Viga duque e a duquezad'Alencon, a pnn'eza Branca
de orleans e o prncipe e a prioceza G-istarysky.
tllcmaiian
O rei Humberto de Italia < a snaeoaiitiva de-
que faz parte o -r. Chrispi diegaram a 21 de
Maio a Berlim cerca de meio dia. A rocepeo
foi solemue. abragando-se afTectuosamenU: o rei
Humberto e o imperador Guilherme.
(^ODsiderarei maltidao de povo acdamou os
rious soberanos.
0 rei Humberto e o principe real Vctor Ma-
noel foram reGebidos pela iuiperatriz e familia
real na sala dos guardas do corpo de palacio ;
depors visitaran! o principe de Bismarok e o ma-
rechai conde de MoUke.
No dia 22 eQeotno de Tempelhuf a grande revista miliur era honra
do rei Humberto." A imperairiz Augusta Victoria
assistio a cavallo a toda a revista Os soberanos
foram muito acclamados.
A- aile, riepois de urna visita Opera, houve
no palacio banquete de gala, o imperador Gui-
lherme e o rei Humberto brindaram reciproca
mente pelas suas respectivas saudes e de sjas
augustas familias, pela saude das su a valoro-as
tropas, t pela prosperidade da Allemauha e da
Italia, alrmando que a allianga dos dous paizes
um penhor de- paz europea.
Nao oconrren nenhum incidente
A rainha-mi da Baviera morreu em Munich
emquanto se celelravaia as missas -.m.-cr -iva-
que ella mandara rezar.
Ao comecar essas ceremonias, disse aos asss-
tentes. apesar dos soffiimento da agona : NOi
tenham mude, nao morro j. Minutos depois,
dando a maoao conde Papenheim, accrescenlou:
Perdfle-me como eu perdo ao meu prximo.
0 rosto da rainha descompoz se rpidamente.
Disse arada com a voz estrangulada : Deus
abenroe a Baviera
A coodest.a Muerte perguntou-lbe euto se que-
na alguma cousa. Ella inclinou a cabeca, exha-
lou um suspiro e expirou
Os assistentes ajoelhados receberam a bengo
do padre.
A rainha isteve exnosla a'umgraude leo.
Entre os dedos tinha um rosario e na cabega
o pequenmo bonet preto que costumava trazer
sera ore. O corpo eslava coberto com um tapete
de Smyrra.
O cadver foi transportada para Munich no dia
19 de Maio.
Fecharam os theatros.
A raicJia era muito eslimada por causa do seu
espirito caritativo e benfazejo. Fundn muitos
institutos de beueliceaea.
Succumbioa um cancro no estomago, compli-,
cado de hy iropsin.
A grave qiresto da industria mineira da West-
phalia, ua Allemauha, parece ter entrado em ca-
minho de couciliago. E" isso deudo s audien
cias coucedidas pelo imperador s deputages
de operarios e de propnetaros das minas.
O acolhimento que o soberano fez depotacac
dos raineiros, emlwra llies disses<-i que o go-
verno seria inexoravel contra quem alterasse a
ordem publica, eocfi -u-os de esperauga e dis-
pol-os para utna solugo cordata. Por oulra
parle, o interesse que elle mostrou pelas classes
oueraras, e as advertencias que fez aos donos
das ra tas, que exclusivamente tem atteu li lo
aos seus iuleresses, sem se oceuparem de me
lliorar a situago dos trabalhadores, parece ter
chamado razio os grandes mdu-driaes.
Natou-se que o Sr. de Bisinarct, tendo rece
ludo a deputagao dos operarios nao recebeu a
dos palres, o que indicio da sympathia do
chanceller pela causa dos priraeiros.
em breve das grandes questoes da reforma mi
litar que divide lio profundamente os espirito
nos Paizes Baixos. .
A commisso real encarregada de elaoorar a
lei reorgamsando o exercito, terminou os seust
trabalhos e apresentou o seu relatono na mis
das camantft.
A coramisso eleva a 110,000 homens o mni-
mum do cffec'ivo do exercito. Urna Iandwer de-
50,000 homens ser constituida com os quadros
da guaco iimioaa1 Aiimmiittto ivom awa
resinar, e
l O posto e> vuciol d* paijaet*' a uttiodaayio
.-a lin servtoD .-patMOi poa toUao, saMo pora-os
e.-clesastvMO. uokos ojai['a-jl'c!o*istmio*
A lei dloaii eao em peanwio Ramera, par* -a* (litios mucos,
por exeapovdo viuvas pobres rtc.
A lurafio de servigode 2 a:mas. dos it)
ao VO aaaw de idade. Oito-imans a ex.erc*io
actito craeo na Lad ver seo* a ffwwroa.- i)
ooWtgenteanntnl sera de tiMlUO 'homens. O
augmento annual das despezis calculado em
6):000 florios.
Urna parte sOincate das miliciaes servir em
lempo de pai,
Taes sao os pontos essenciaes da reforma pro-
UccUiili-qux. O' "m-nrv wtcvMr luua vivisaiou
diacussao
recia
Diz-se na altas rodas diplomticas que o so
guudo lillio do rei da Grecia, que acaba 4e fazer
a sua aprendizagem na mantilla dinaumrqueza,
ir terminar os seus estudos navaes ua marinha
franceza.
Xataslbar
A dillicuidade que so tinha levantado ultima-
mente com respeito recusa das autoridades por-
tuguezas em Tuugue depenniltirem que o bispo
Srayinies e oS seus companheiros desembarcas
sera com uiou (escolta armada, foi rosuJvida ami-
gavelioeiite. O bispo Stoytheii depois d'uiua
conferencia com o governador de Mogambiquc,
conlinuoo a sua viagem.
ludia liiKli-ji..
O Incendio em Sorrale: de que m.totapjoapho
as lu noticia proloi^gotirrfoat 8 de Abril.
Dezesete ras foram ioleirauenle pasto das
chamas e os prejBiwM avaliara-se era cerca de
oilo mil conlos de res.
Por todaalndta Ingleaa farioJMB subscrip-
igtis, que estavam damlo resultados muito sa
.tisfatorios.
Halll
E' absolutamente falso ura telegramma de
New-York aoouii ando um supposto accordo
entre a Franga e o Haili para a Fcanga ajudar o
general Legitime a reprimir a rebellio; para o
que Ihe forneceria navios e dinheiro. Nos lti-
mos lempos n5o houve negociago alguma entre
a Franca e o Hait.
aanoa
Diva de Berlim que a conferencia de gasta
ri-Milveu nasessflo de 22 em perfeito accordo
todos os pontos litigiosos.
A prxima soasa, OBJa data anula est met-
i : ser a ultima, e nella. serlavruduo proto-
colo e trocadas a asignaturas. O Sr. Pbelsp-.
cuja attitunle conciliadora coutribuio muito para
facilitar as negociagei, ser quasi con certeza
nomeado ministro dos Estados Unidos am B r-
liui.
Canad
Comniunicam le Quebcirque nio m!-cumplo?
lamente exliocto o incendio dobairro Sainl-Sou-
veur. As chamas alastrara at aos campos Es-
to destruidas seiscentas a setecenla& cas s. O
bairro desappareceuquasi todo. Encontraras'-
sem abrigo, mais de mil familias.
Os prejuizos sao avahados em cerca de oilo
rail dollars.
I ;s lat os-1 ji i los
As noticias que veem de Okl dioma, csso novo
territorio aberto a colonisago ha dias apenas, sao
verdaderamente espantosas.
O director geral dos correios de Washington
recebeu do director 00 poste de Guthrie., capital
de Oklaboraa ura despacito dizumlo Ihe que na
sua eslago se vondem diaraamente 50 dollar lie
sellos.
Os ouze ofcpregiuloi que ello tem trnbalhum
desde as cinco da manh at a raeu noitc, para
darera expedlgo correspondencia : quando
ludo est proinpta para a distribiugo, lia por
la da estagao urna corda de genle que nio lera
menos de 800 a 900 metros.
Esta estacao disliibue por dia 3:000 carias e
1:000 jornaes.
E nesta idade de oilo dias j. ua cinco bancos
e seis jornaes diarios!
um accordo entre as ouas parles, e que se res-
tabelecer inteiramentc o trabalhr; das minas.
Era Berlim foi estipulado um armisticio entre
os delegados opranos e o Sr. Hanamacher, de-
putado e representante das corapanhias, um dos
que foram receidos pelo imperador.
Parece que no dia 21 voltaram ao trabaluo as
hulheiras de Westphalia 74 000 mineiros.
No mesmo dia de raanh declararam-se em
greve 3,000 pedreiros.
Tem-se manite-iado pequeas grc.es parcaes
em differentes regies carbonferas em Aix-la
Cbapelle, Alta e Baixa Silesia, sem fallar de
uutras grvos de 0|erario9 de industrias divursas
em Beriim. Hamburgo, urgbur^o, etc.; mas
essas greves s affectam um numero restricto de
interesas particular s e sao geralmente pouca
perigosas para a ordem publica.
A Allemauha, sob este po.do de vista, e-t
mellior dividida que a Italia, onde os movimen
tos operarios touiam quasi sempre um carcter
extreiiia.nent-- violento. Foi o qoe -e vio receu-
tetneiile nu leo den- agrarias as l'ovlles, na
Sicilia eein Mil-i. onde bouve tumulto graves
a proposito de om i rovo dos op -ranos da in-
dustria do bicho de le I <
Aaacria oofri
larec.e que ua B wi-ma e a 11 i. -gatino lavra
vivissimo descont imnenlo contra o dominio
austraco, sendo po-sivel quo na .Timeira occa-
siao sobrevenha u o levantara -uto geral d'a-
quellas popular
rais)- lat*
Os Estados Geraes da Hollaotla vio ocoopar-se
a^aai
PARLAMENTO
m:\awo
ses8ao e 22 us maio dk 18s
O Mr. Jom Alfreda (presidente do con-
Alfreda
selho Sr. presidente, do mea ultimo discurso
nao pude djr informagOes a respeito de um Ta-
cto de que se oceupou- o nobre senador por Mi
as. porq-ueimedaltavam esdareoimeutos ; mas
assegure qoe os tinha peiHdo,e que, logo que
os recebesse. cumpriria o dever de prestar mais
essa explicaco.
O facto articulado que coostava de am jor-
nal do Cear ter o presidente da provincia man-
dado pagar a um individuo de noine Loyo quan
tia superior a l!i:too (Km*. O nobre autor do
requerimenlc tirara d'abi argumeatc para sos
tentar que tambera os Loyos eutravam ao cr-
dito extraordinario aberto pelo- goverpo para
despezas da secca e de soccorros pblicos na
provincia do Cear.
Veio a resnosta do presidente da provincia,
assira concebida (lj :
O pagamento de 19:0i)0 a Manoel da Sirva
Loyo teve origem nos vendas de 700 fardos de
xarque para o deposito de gneros do governo,
em 2 de Margo. Para maior esctarecimeo'o in-
formo que etn mais de mil contos de reis de vi-
veres comprados de Margo ahoje, guraaquel
le coinioerciaute em forneciraeuto no valor do
53:627 >-tOO, inclusive os meaaiooados 19:000a-
Accrescantarei que bonve cjmmercianies desta
e de outras pracas cujo* forneeioieiitos le gne-
ros alimenticios se eiev.iram a soinaia muito -n-
perion-s dos de Maoo'-I Loyo ; cxe Boris Freno (Cear) IOS 0001 ; Arnil Filho
(Cear) 109:000 : Lundgren A C. Olecjfe)
62:000* ; SimOeS, Irmao C. (Cear) 78:tW* >
Singlehurst & C (Cear) 58:000*; muitos outros
no valor de 40, 30, SO-e menos contos de res ;
Jiuulmente os forneetmentos f-itos at hoje. pw
precos inferiores quelles por que teriam clu-ga-
do ao Cear quan lo comprados as pragas do
Maranhao, Peroarabuco, Baha e Rio, sujeito; a
mais severa inspecgo, da qual se achara incum-
bidos facultativos olliciaes no exercito e da ma-
ri iha dlstribuem se por 49 comiuerciantes.
(Asiignado) Caio da Silva Prado.
Creio que todo es>e rigor em conderanar os
actos em que figurara individuos de noine Loyo
nao clicgar at ao ponto de pretenderse qu '
ura cidao braziletro, um comuvin-iante. es a-
beh-cido no Cear, fique posto fra da lei, ex-
comraungado vitando, sera poder ter nenliuna
CrseTcorao ceo" que m breve se chegari a Uransaego com o gorerno, ainda quando n)
laga mais do que vender pelos pregos corn-nles
os gneros que tem em sua casa de negocio.
Agora, Sr. presidente, que estou com a pala
vra, permittir o Senado que acorapanhe rpi-
damente o discurso do nobre senador par Minas
Geraes, que iallou na ultima sesso.
E' quasi irapossivel a arguraenlagao no terre-
no em que tem sido collocada. Ou quando le
nho fallado nao me fago comprehender ou eBloo
tudo quando digo de proposito alterado.
Assnn que eu disse que o contracto do gaz
na cidade de Manos, provincia foi feo em virtude de concurren a publica,
s n lo pretenda a proposta miis barata ; e o no-
bre senador res on leu entretanto, nao com a-
palavras do contracto, docunientj esscncuil para
o caso, mas con a!.:arisinos alterados, que a ira-
prensa publicou !
O Sr. Viscou le de Ouro l'reto Onde est o
contracto f Se V. E\c o I tn, aprsenle o
O Sr Joo Alfredo (presiden'e do eonselho)
Ninguem o pedio.
O Sr. Visconde de Ouro PretoV. E\e. afiir
ma, que os raeus aigaris sos s i inexaetns; i-u
asseguro o contrario. Ets abi. Fennos n
me-ma.
O Sr. F. Belisario 0 nobre pre-ideute di eon-
selho devia estar munido dsse do-u iwii'i e-
seoctal.
O Sr. Henrique d'AvIIa Beto duvi la levi.i
tel-o mandado vir.
O Sr Joo Aifredo (presidente do cooselho)
Bera ; isso ento faci para averiguagao pos
terior.
de Ouro-PretoV. Eso. man-
era Margo os documou' is se
no. liuno Official, e at lioie
O Sr. F. BelisarioComo tudo o mais.
O Sn Jrrito Alfredo (presidente do censeihoi
() cerlo qoe as pubhcagOes ofliciaes tem sido
dHMmpostas -> de outra parte da imprensa.
G Sr Visooiide de Ouro PretoNem ha publi
eagoo de imprensa ; ha utna correspondencia
particuJar> O que digo o seguinte : (e o Sr
tachygrapho tome nota do meu aparte) das pro-
postas para o servigo de illurainago da cidade
de Manos foi preferidaa mais cara.
O Sr. toao Alfredo (proaieate do coiioIImiJi ,
Iscwij* Va Exc. dissene sencawimr-*, o o-a
% onfcMlo vista de inform^-i* quo lenta.
O Sr ?. BelisarioDopre*iideme J
O Sr. Mts.ondo de Ouro-I>tnos~Traai. a coa*
MMet.
O Sn meisco BelisarL' : --K' ele : ^v
base atoan a questao.
0 Sr. Wficon-le de Ourj< l'roWi." Apctzimlo-tt
para que ai mea cale: so quero t'.izorju*Uua
Semupooar que a pi'BpoWOi-aoyp era mtitu*,
retiro tudo quanto disse. Mas V. Exc. descon-
fi das uiformagOes de seus amigos.
O Sr. Jo8o Alfredo i presidente do eonselho)
Quando aqu se Iallou na concessu de cinco
engenhos centraes em urna s localidade, eu
disse que se tratava somente de tres fabricas
pw-tk tros valto dilfcntaio^iond*- -*atogi s
de uxtenso, outro 15 u o terceira- 20, o que
soturna 54. A isto ivspood<'U o nobre senador
que no colhe o argumente, porque em lodo o
casoogoverao coorwderu quatro, ou como e
disse. cinco engenhos centraes para urna pe-
3uena zona de 19.leguas, quaiilo Ja provincia
e Prnambuco tem 42 leguas de largura no
httoral e 200 de fundo.
< Nao adverte, poren o nobre sonador que a
zona assucareira da provincia mullo limitada,
nao excede de 30 u 59 leguas do littoral para o
interior.
O Srv Visconde de Ouro Preto : Nao apotado:
o que digo e continuo a dizer que a OJOMOOJao
desses engenhos foi para o ter.oo de Goyanna >.
suas immediaces.
O Sr Joo Alfredo (presidente do eonselho)
Est (ganado o nobre senador; foi pan valles
differentes, que tanto pnrteneera oooioff de
Goya'ia, como..a muitas outras.
O Sr. Visconde de Ouro Preto :Entao con-
firma o que eu disse.
O Sr. Joa o Alfredo i presidente do cooselho)
Nao conttrrao; o nobre senador nao sabe em
qual dos lugares du cada um desses valles te
ram de ser assentadas as fabrica-, e a que dis
taneia tlcariam de Goyanna.
O Sr. Luiz FelippeEstes valle < sio prximos
de Goyanna.
O Sr. Joo Alfredo (presidente do conreino)
Acabara all, mas rom de longo.
Disse tambera que o cootraio do porto de Per-
nambu-o foi feito em virtude de concurrencia
publica, tendo sldoi preferid! a proposta que
melbores condiges oll'erecia. O nobre senador
na sua cootestacao sustenta que nao pbdio ha
ver diflereDca no cusi d >s obras e vaj jalgan
do. como llie parece, de documentos rjue o3 i
e.-lo uiildicados. sahendo alias que elle.* leu
de vir annexos ao relatono do miii.-lerio du
agricultura.
O Sr. Viscond-
dou noticiar que
riam publicados
nao appare eram
O Sr. 4oa Alfredo (presidenle do cousellio) -
Nao liz tal proraessa. V. Exc. sabe que volume
formara eoses papis ? Nao melhor que appa
repajo em annexo aa r-latorio do ministerw da
agricultura ?
O Sr. Visconde de Ouro Preto : Ninguem os
lera ah, porque ura bacamale enorme, i'o
diaiu ser publicados, como foram os relativos
ao pono d-e Santos, ao contrato do gaz, etc.
Estou dando estes apartes, porque nao tenho
mais a palavra. e preciso sust otar o que disse.
O Sr Joo Alfredo (presidente do eonselho) -
O hacamartc nao seria menor, se a publicago
fosse foita de outro modo. O rclatorio do mi-
nisterio da agricultura trat era anoexo todos os
papis conceroontus a esse contracto.
O Sr. Ignacio MartinsQuando?
O r. Visconde de Ouro 'reto-Foram pro-
iiicindos para os primeirus da- de .Marco, e at
hoje nao appareeoran no Diario. Os poetas, em
qnadriqhas bem interessautes, j te.u tratado
d s|a promessa nao realizada.
u .Sr. Joo Alfredo ((presidente do eonselho^
Os poetas tratuoi .le -umitas cousas e csoueceui
as laelliores I Kasdoiice-me o notmn senador dar
esta, resposta assim, ierra a trra, diantc do soo
in )!iuu>-n!al dsoWMMda ultima sessao.
O Sr. Viscoad de Ouro Preto -Folgo de *'+
qiialincndo de monumental o meu discurso. Nao
me -oppunha capaz de tanto.
O Sr. Joo Alfredo i(preaidente do eonselho)
Costa attender a que os proponentcs preferidos
offoreceram tomar a si a empreza por m mor
praso, para que, cootando os airaos dirai uid-i-
e considerando o qfee rendem as laxas dest.na-
da.- ao pagamento das obras, se possa reconhe
cer que ha econi*raia.
Tratando da imrourago do norte, eu disse
que o contracto foi feito com um negociante
nonrado, serio e capaz de responder pela exe-
cugio, como acoatiweu no ministerio passado
quanto a um eonteucto que celsbrou. Se por
esta razo merca censura, outros tambem a
menecem.
O Sr. F. BelisarioiNinguem diz que outros
sao boQs
O Sr. Joo Arfredo {presidente do eonselho)
Diz o nobre senador, com o fim de conderanar
em absoluto o eontracto, e tambera o presidente
do eonselho, como se este fosse obligado a sa
bel-o, que o r. Amorim tinha dado uuia procu-
rago om causa propria a aUmem.
O Sr. Viscoode de Ouro-Preto -Eu nao disse
que V. Exc. sabia. Censurei todos os contra
'tos que o governo oo tinha autorisac&o para
fazer e foram feitos camarariaraeote.
O Sr; Joao Alfredo (presulente do eonselho) -
Aquesto resvala neste momento para outro
terreno. Nada se tinha dito a tal respeito.
V-sumi inteira respon*abilidade dos meus
actos 4. nao posso, porm, responder por actos
subsecuentes de individuo que nao acompauho
eu sua vida.
O Sr. Visconde de Ouro Preto Eu disso que
aprrssarara se era repartir a verba.
O Sr. F. BelisarioExcedel-a.
O Sr. Vi-conde da Orno PretoExcedel-a tri
plic.adanietite, sera tornaren] providencias ; de
modo que s aqu na corte ha seiscentos in-
migrantes que exigem repatriago. alm dos
-que eslftomorrendo.de tome no interior.
O r. Joo Alfredo (presideote do. eonselho)
QuaJ o'puz do mundo que r-cebeu imraigrago
que na. tenha tido necessiJade de repatriar ira
migrantes 1
O Sr. Visconde de Ouro Preto No em lo
grande escala.
O Sr. Joo Alfredo (presidente do eonselho)
Os Estados-Unidos da America do Norte tiveram
aecessidadfl mign.nte-. Nao admira, portanto, que attingn-
io a 130,000 a somiua dos que foram recebidos
no imperio durante o anno passado, baja entre
estes 600 |ue devara ser repatriados. Pergun
to : qiiatttas dezenas de milhares esto collo-
cado* ?
O Sr. Vis-rale de Ouro Preto-Cooheco duas
colonias era Minas que sao pensionistas do Es-
tado.
0 Sr. Taunay En todas estas qucsloes de
imiingragb sao culpados o goveroo e o parla
meiiio.
0 Sr. Visconde de Ouro PretoPorque r
0 Sr Tiumiy-Porque Dunea pre-t..ii a devi-
da aitengo e interesse por ellas. Entregara,
tu lo ao raiuistro da agricultura, que desenvolve
sys e nas viciosos, e o resultado e o que se ob-
serva.
O Sr. Joo Alfredo (presidenta do eonselho)
Vou recordar um facto. Ti vemos em 1873 um
anude contracto pira introlucgao de colonos.
E o virtude desse contracto Celebrado com o Sr.
CaeUno Piolo, vierara para o Brasil e estabele-
Otvam se em diversas provincias colonos italia
n s que sao os que mais se adaptara ao nosso
(dmn e cajeo cosame, ndole e religio se
c >a luoa-ii aiM dos brazileiros. A respeito d'elles
ili--e entretanto ura grande estadista : Os
iia!n;ios -a-rvein para to-sor realejoe cantar.
II i] est provado que esta sement, langada no
iiipriu, gagas ao coutraclo a que alludi, tem
ir .lo/.l" os melbores re-ullad. e. Entretanto
elle s-ilTreu muas 'mnugnages e foi resciadido
pe! h I li'-raes ora 1878.
II ij' que prec so au-iraentar a massa de im-
uijra tes para o Brasil porque de tao grande
ni ocio, nomo o de 130.000 individuos, umo
pequea parte deveser repatriada, allega-se que
o sysiema de contractos pessimo, que o ga-
verns o culpado.
O Sr. Visconde deOuro l'reto0 contracto
siraplesmente horroroso t
O Sr. JoSo Alfredo (presidente do eonselho) -
Isto rhetorica hyperbole usada serapre que
se tentara descobrir" defeit^s para tudo con-
deranar.
O Sr. TaunayOs italianos sao considerados
como tocadores de realejo e de tacho, ou men-
digos. O parlamento nuoca se importou cora a
immigrago.
. O Si. Presidente r-Alteooao I
O Sr. Joao Alfredo pr.-sidMte ilo con*ilio' .
Bepito aindawmv vai que tailiuiH parte tjve
no contracto de Hioao. O pitwideute d'aquella
provincia j fez i^ua* aHwoOjflSo ; mas, apezar
do que assiinu*sevtmuH doiM-botn -nsquetei: o
direito de ver sua pajawa iiespoitadj, por pie
.-umpges e conjetura*-que. so pretendo susten-
tar que o prcsid-Hit do co.uoW^ inlorwio um tal
foo tracto.
Levantase, por lira, umi aootuigao era aoe-
cruelment envolvido o lllho do presidente do
eonselho ; diz-se que os conserva lores esto que-
reudo crear em Prnambuco um Banco escanda-
loso... -
0 Sr. Ignacio M irtins : Nao se fallou era con
servadores, fallou-se ua Assembla Provincial.
O -r. Joo Alfredo ?fmsidente do eonselho; :
Fallou se al era raeuilbo.
O Sr. Ignacio Martins :~Eu li o jornal que di-
zia que o filho do S. Exc. protega o Banco.
O Sr. lito Alfredo (presidente do Consedio :
Ora, Os jor.iaesl ..
Mas apura se a queslao, e v se que o pro
jecU tem outra mciai ca, tero outros sustentado-
res ; todava o pre*i lente do eonselho deve res-
ponder por un intento que de seus adversa-
ros!
O Sr. Luiz Felippe d utn aparte.
O in I O Sr, J lo Alfre lo (pr-sideiit-; do couseliio) :
Mas qu. prevuogo e.*t*.? A quesio liuti
la-su a um projiato iniciado- ni As-Hmbla Pro
viucial de Pernainhu :, cuja maioria liberal; a
nica !>arte>q>ic o governo peder ter saucera-
nal-o ou ndy. S d'.-ihi emitante, conforme o pro
cedimento do governo, podero Vv. Exc. con-
deir.uaj-o, so a sancc.io for dada.
Senhores, p-rmit'a agora o nobre senador por
Minas que Ihe manifest nina queixa Pois com
taes fundamentos que o nobre sen idor vera fa-
zer u n discurso de sesoaco, de indiguaco. at
ao ponto de fallar los nietos extremos, de urna
uta de rida ou de morte comraigo ?!
O Sr. Vis onde de Ouro Preto : -V. Exc. que
tem mandado os seus amigos ameagar com estes
meios.
0 Sr. Joo Alfredo (presidente do conse'ho)
-Senhores, verdade, nopular-sala em urna
mxima, que quemquer olleuler faz -e olfendi
lo. Com i o nobre senador trouxe para esta tri-
biina que o presdeme do con-elho, batendo em
gran!.- itias-o de p peis, dissera que liavia de
esraagal-.i, permita -jue eu religa t ido quanto -e
pissou.
Mautivc sompre com o n'ibre senador as me-
Ihores relafoe. lim dia d'osies cutanlo p.ir>o
Senado, oiiobre sead r rheg"U--e a mim edts-
se me : Em ao wrd;.! que araejgou asina
gar- ue, baten lo era un ib isso 'e pa is f Per
yuntei liie : OjOein Ihe dis-e iss i E S. Exc. res
pondeut I" n deputado (le Prnambuco >
O Sr. Visconde de Ouro l'reto :Quera meds
se, nao: qu-.m disse.. Euou-.i de outra pessoa.
Sr. f oo Al/pe-io (presidente do cooselho):
-Bem ; S. Ekc. revelou-me o nome d'esse depu-
tado. Itespoiidi Iheimmeliitim-nte: E*sede-
potado raeu desaffecto ;. mas amia assim nao
era capaz de dizer isso.
ludo Cmara dos Srs. Denotados, ped a um
amigo meu sao se entenderse cora aqul le a quem
se referia o nobre senador; e esse Sr. depulado
respoudeu ao seu collega meu amigo : E' ca-
lumnia ; nao disse Uso : nada sabia a tal respei
to; ple alfir tur qu i-so .falso. -
De volta ao Sealo, disse ao nobre si-ualor
por Minas: O r. deputado de qu -m V. Exc.
f illounao quero declarar o nomeacaba de
allinnai que levaotaram-lhe falso leslemuuho.
liespoudeu Ole S. Exc: Bem, obligado: j
vej,; pie uo li i nada.
Ni dia s-gui.ite, pjrra disse nu- S. Exc. va-
riando de testorauuhas, que nao Fulano, mas Si-
crauo tinha ouvido. i'assam se ilous dias; ablega-
se o nobre senador a mira e diz-me : Os seus
amiuos na Cmara esto me flendendo. Bes-
Mon-li'lhq: Mis bem sabe que nao posso dar
aut.o-isagaoa ninguem para offeodel-o. O no-
bre se oidor insisti de modo que pareca ir
lidiante il'aquillo at onde eu poda chegar, ento
dsse-lhe que, assim como quando os amigos de
S. Exc: rae offendem, cu nao ihe pego satisfaces,
tambem ojio posso dar-lh'as quando alguns ami-
gos meus o atacara, sera responsabilidade mi-
nha.
Creio que, depois desloo explicares, trocadas
enOjB.Bavalhuiros, e de se tirara Tirapo que de
mira ninguem ouvira as palavras a que o nobre
sanadsr alludio, S. Exc. nao tinha o di eito de
vir trazer tribuna essas cousas, e ater se a el-
las para a ameaga que me fez.
O Sr. Visconde de Ouro-Preto : -Eas insinua-
ges de V. Exc
y Sr. Joo Alfredo presidente do eonselho) :
Ora, instnuages !
O S -. Visconde de Ouro Preto]: -Tudo estara
liquidado a nao serera as suas constantes e ha-
bita insinuages.
O r. Joo AKredo (presidente do cooselho):
Nao lia qui'ii esteja mais snieito s calumnias do
que aquelU-s que entraui para a carreira publica.
Percorry-se a historia poltica e parlamentar de
todos os paizes e era todos os lempos: toraem-se
ura a um os homens mais notareis, os raaiores
berafeitores da sua patria, e verse bao quantas
calumnias Ihes foram (angadas.
Mis, Sr. presidente, ha cousa ainda mais igno-
bil do que a calumnia a que esto sujeitos os ho-
mens pblicos: reedital-as cora reslricces de
linguagem, por conta de outros e neste thi-or :
Outros pedera dizer; outros pensara; outros
dzem e assira por diante .
Eu, senhores, nunca o flz era jamis o farei.
Nao sou capaz de levantar aecusages alTronto-
sas contra meus ollegas, era raesmo de repe
lir aquellas que alias j tera sido ouvidas nes-
ta e ua outra casa da representago nacional ;
muito menos seria eu capaz de apandar esses
rumores, esses boatos anonyraos, essas insinua-
ges perlidas que constanlera-nte se alirara aos
homens que comraettem o crime de querer ser
vir ao seu paiz, conforme sua; forgas e como
0 -u> os ajuda ; e ainda muito menos seria eu
capaz de demorar por algura tempo os olhos so-
bre os esearros da maledicencia que emporca-
lia.u as ras e as pragas publicas, e tanto asco
me causara.
Quando vira fazer insinuagOe ? Quaes sao ?
Apontera Qucrcm tornar-rae criminoso, que-
rera coastituir me offensor, porque querem of-
fen ler-rae i Olfensas I Quaes tenho eu feito 1
Sou eu que tenho sido olfenddo. Mas. posso
querer privilegio que nao teve o Mrquez de Pa-
ran, obrigado neste recinto a fazer seu inven-
ta, io em vida, a explicar a origem de seus mo-
destos ha veres ? Posso ser raais feliz do que
Euzebio de Queiroz, do que Rio Branco, do que
Coti-gipe. do que Manoel Felizardo.
O Sr. Silreira da Mottad ura aparte.
O Sr. Joo Alfredo (presidente do eonselho)
. to honesto, to dedicado causa publica,
ura dos maiores talentos, urna das exemplares
dodicag-s ao servigo publico que conheci no
comeen de minha vida?!
Sr. presidente, permita V. Exc. que nesta oc-
casiao eu relira palavras deste ultimo brazilei-
ro, palavras que tenho repetido a muitos.
Tive a fortuna de entreter cora esse uotavel
estadista muilo boas relages efoi elle quera me
noraeou, aos 22 aonos d anoos de idade. pro-
motor publico da capital da provincia de Pr-
nambuco.
Notava que elle tinha sempie grande benevo-
lencia para julgar os Cactos que chegavam ao seu
coohecimento. era quasi que defensor obrgado
de todos os acensados.
Urna vez disse-lhe dominado de certa adraira-
go, que realmente elle da va rara ligo de bene-
volencia.
Respondeu-me: Um hoinem, na raiuha ida-
de, depois de todas as aecusages injustas que
tem soffrido ou lica assira benvolo, se a sua n-
dole naturalmente boa; ou toma se de odios
cintra a humanidade, se a sua ndole m .
Fallou me ainda de outra classe de acusadores
de ollicio.
Se com justicn rae convencessem, de algum
acto reprovavel que eu tivesse praticado, n;n-
guera, haviam de vel-o, se mostrara mais
dcil.
Mas colloco-me muito sobranceiro de indignas
e ignubeis aecusace* que fazera a tristeza da
carreira publica e exigem que todo hornera que
a segueianha por primeira condigo muila,co-
ragem para affrontar.
Sr. presidenU', eu poderia anda fazer urna
3ueixa ao nobre senador. Pois, o nobre sena-
or pensa que deve fallar aqui at em alguns
modestos minios que meus comprovincianos e
correligionarios se lembrarara de offerecer-me ?
0 Sr. Visconde de Ouro Preto :Isso nao tem
importancia alguma ; V. Exc. antes disso raan-
dou fallar no meu uhapo du sol. (Biso!.
O Sr. Joo Alfredo (presidente do. cooselho) :
Nunca raandei fallar no chapeo de sol do no-
bre senador, mimo que alias .-muito mais con-
ceituoso que una estatuela.
O Sr Visconde te Ouro Preto:.-Assim o dis-
scraiii arttgos que o nobre ministro mindou es-
crever.
0 Sr. joao Alfredo (prosidento- do eonselho):
A' f de cavallMp.ro, dec aro que nao mandei
ei'Fetver taes artigos-: ao contrario, eu s teria
que recoramendaraos autores que poupassem as
pessoas e principalmente os homens da ordem
do nobre senador.
O Sr. Visconde de Ouro Preto iDesde que V.
Exc. diz e affianca que nao raandou, nao posso
accrescentar mais nada. E' o governo mais fe-
liz que, teu> tiavid*; ten at queiu o detonda,
sera que elle o 3aiba. nos entrelinludos da ira-
prensu.
0 Sr. Joo Alfredo (presidente do ronselhoi :
Sr. presidente, eu nao rae engao ; lenho no-
r',<> muito clara de tudo quanto se est passan-
i, dos intuitos desta discuss -.
Tenho curaprido cora todo o respeito que de-
vo ao parlamento, com as mais apuradas atten-
ges aj.s meus colegas, o dever de ex|dii:ar os
faci de que o governo argido.
Nao tenho novas inforraages para dar; por-
lanto, sem uenliuma desatlengio ;i qualqucr dos
oradores que se seguiretO; declaro que retir-
me deste d bale. O senado ludo lera ouvido; e
l'ar do governo o juizo que melhor Ihe parecer;
quanto ao individuo particular, senhores, nao
po-so recusar os atlestados graciosos que se me
tem dado mas declaro, peraiite Deus e os bo-
mens, que nao preciso de atlestados de honra
pessoal. ,)
Vozes : Muito b'-m Muito bera !
'Viurcu e mmm
O tacto mais saliente no mercado da
corte toi ltimamente a baxa do cambio,, na
apporencia e derivada do decreto que deu
s libras exterlinas o curso foreado pelo
valor de 8,890.
e bem que esta resoimjao administrati-
va, diz um jornal da corte, encerrasse em si
uos.uosa doutrina tinaneeira, pus qua no
se comprehende i anomala que vig'-rou
por algum tempo do est;:r o thesouro re-
-jpboiid i os iboranos om ouro por um va-
lor, e os particulares recusarem-se a re-
eebel-os por valor idntico, a verdade
que a ussa medida se deveu a baixa que
imiuediatamente se fez sentir no mercado
Je cambio, em que. a diversidade entre o
valor do uadro legal dessa inoeda de -uro
e aquella por que ora recebida no the-
souro representara a taxa diflferenjial. que
inatinha um cambio que nao exprima a
verdade na relacJto entre a nossa moeda
e o soberano em ouro, e que, dest'arte,
collocava o nossw papel inconvcriivel em
um plano superior quelle, situa^ao coda
artilicial e por isso mesmo inconveniente,
como o proprio mercado cambial se incum-
bi de demonstrar apenas Ihe faltou o
apoio da differenca de valor com que o
soberano do ouro estava sendo favorecido.
Inconveniente sobrotudo era essa situa-
cSo, pois que nduzia a erro sobre as nos-
sas circumstancias financoiras que nao
compnrtam actualmente taxas campiaes
superiores a 27 d., sendo antes de prever
que, a menos se preponderaren! circums-
tancias especiaes, em um periodo nao mu
longo, vejamos o mercado de cambio re-
trobando se a 26 d., visto como a secca
que afflige as provincias do Norte e as
epidemias que ttn flagellado alguns dos
principaes centros productores do impe-
rio, desorganisaratn e disseminaram foFgas
productivas importantes, accrescendo ain-
da que a crise alimenticia por qne pasea-
mos, dever determinar larga raportacac
de mantiinentos, o que tudo contribuir
para maior exportago de capitaes, sem
contar a larga importacao manifestada logo
aps a lei de 13 de Maio, e que ainda
perdura, se bem que era menor escala.
Todas estas causas deprimentes que
aponamos, contribuirao certamentc para
H/.-. pender contra nos este anno a ba-
langa dos valores; seu effeito porm, se-
ria inscoai.cel ou talvez. meaos nullo, se
monos exacta compre erasao dos nossos in-
teresse, nao hnuvesse creado impecilhos
organisa^o dos bancos eraissores, pode-
roso elemento para corrigir os desvos das
taxas cambiaos, pela vidorisacao da moe-
da nacional e pela mobilisayao de capitaes
inertes. ,
*
* #
Durante o mez de Abril ultimo expor-
ta nuu-se pela barra do Douro ,2i>7:301,93
litros de vmho, no valor de 777:391jS0OQ-
e que pagaram de direitos 7:l)lO->20.
Em egnai periodo de 1888 exportaram-
se 5,128:0'1,77 litros, no valor de......
7 6:861^827. Ha, por conseguinte, urna diffe-
renca a favor deete anno de litros........
139:210,16.
Para melhor se avaliar a exportaco
destinada a cada um dos diversos paizes,
damos cm seguida urna nota com as res-
pectivas differencas:
Differencas
1889 em reloujito a 1888
Litros Litros
417:916,31 99:830,46
19:658,52-1 15:254,16
. 1.968:949,80-1- 98:866,44
136:417,77-1- 118:186,43
4:674,60 18:704,4.
651:131,97- 337:739,12
1:252,04-1- 258,66
36:096,86-1- 22:220,06
1 862:794,09-1- 231:167,42
Destinos
A1 k-munlia. .
Blgica ...
Brasil.......
Dinamarca..
Est -Unidos .
Franca......
Hespanha...
1 l'iil-in.la .
Inglaterra...
Italia......
Paizes da A-
merica (no
men ciuns-
dosi..... ..
Provincias
portuguezas
da frica.
Prov i n c i a a
portuguezas
da Asia.....
Repblica Ar-
gentina ...
Repblica do
Uruguay..
1:068,48-1- 961,98
2:938,32-1- 376,36
I4:i61,63-i- 12:14,1,27
2:223.50-1-
6:798,50-1-
34:401,001-
Russia ..... 206:051,54-1-
Suecia e No-
mega ..... 667,00
2:223,30
4:194,16
8:467,95
113:736,29.
30:553,48
5.267:301,93 139:|1^6
Ik relato rio da adniinistracao da un-
panhk Bautista exploradora da viao
i

. '






' *w. .
^**>*JI#'^<
^-r
'rm w******
Diario de; Pernambuco-iQutntaffeira 6 4a.Junho de 1889
3

rea <; fluvial constando o movimento fi-
nancero do' ultimo quinquennio, que se
representa como segu :
Armo Receita Despez. Saldo
1884 2.686:B01* 1.409:298* 1.177:003(5
188& 2 812:3025 1.311:5634 1.500:7894
1886 2.!>77:410 1.413:600)5 1.563:8104
1887 2.916:3675 1.386:5664 1.529 7015
1888 3.577:1215 1.484:4105 2.102:7105
A importancia applicada ao dividendo
tendo sido de 1.369:7'45000, deu o re-
saltado de 165300 por accSo.
*
A estrada de Pedro II realisou en 1**
ama reeeita de 12.514:205*645, ao passo
que no precedente somentre chegara
10.263:8760340, do que resulta uin aug-
mento de rendimento correspondente a
2.250:3995305.
Este aspecto muito lisongeiro.
Entra as causas que influem a favor do
augmento da receita em caminho de ferro,
quando a extensSo da parte explorada cor-
responde s necessidades da producgSo, e
os seus prolongamentos se dirigem i cen
tros agrcolas, attrahindo a populacho la
borio&a e asscgurando saluda fcil pro-
ductos que antes nao tinham mercado, con-
ta-pr nao s a fiscalisacao da percepcSo
das taxas, como a niodicidade das tarifas.
Se sob a relaco do primeiro ponto, na-
da ha a desojar, sob a do segundo, a re-
dcelo das tarifas, obteve urna nova consa-
gracSo da experiencia, desse principio eco-
nmico, cxja pratioa deu o resultado indi
cado.
ASSOCIAgES
Acta da sesso da assembb'a geral extra-
ordinaria dos accionistas da Companhia
de Edificacao,em2:i de Maio de 89.
Presidencia do Illm. Sr Dr. Manoel Mar-
tins Fiuza
A' 1 hora da tarde, feila i chamada dos accio-
nistas pela qual verificou-se acbarem-se pre-
sentes 23, representando 597 argOcs, declarou o
Sr. Dr presidtn'.e aberta a sesso, chamando o
Sr. Rodrigo Carvalho du Caoba, para oceupar o
lugar de 2- secretario, visto oceupar o de I" o
2 elTectivo, por achar-se ausente o Io eflectivo.
Depois du aberta a sesso compareceram mais
os Srs. accionistas Sebastiao Ljpes Guimare?,
Francisco Pedro Boulitreau e Joaquim Nicolao
Ferreira, este por seu procurador o Sr Felicia-
no de Azevedo Gomes.
O i" secretario fez a leitura da acia da assem-
bla cral ordinaria de 8 de Maio. terminada esta
pede a palavra o Sr. Joo Rodrigues de Moura,
no sentido de ser feita a rectificago da acta pas-
sada quanto aoque naquella occasiao disse com
referencia as carrogas pertencenles a conipa
uhia, tornando saliente que havia estranhado e
contina a cstranhar nao ter o Sr. gerente lis
posto das mesinas, evitando assim um prejoizo
de cerca de 1:30'000 ou o triplo do seu pro-
prio custo, mas que com isto nao tinlia etn vis-
ta offetider pessoa alguraa e apenas desejava
constasse da acta o seu modo de pensar a res-
peito.
Dada a palavra ao Sr. gerente que a pedio,
disse este que nao tinha competencia para ven-
der as arrogas, bem como que a despeza cita-
da provinba de alimentago dos bois.
Disse que a assembla testemunha de que
ha sempre elle assumido s e directamente a
respor.sabilidade do que ha feito, pondo-se na
frente da dig:ia directora passada, sem des-
cartar-se com ella, mas que a vista da insisten-
cia com que volta-se um facto insignititante,
nao pode deixar de lembrar que qualquer ac-
i'usagfio que Ihe fue.un val direito tnesma di-
rectora antes de to: r nelle.
Accrescentou, para terminar, que alm de
entender que se nilo deviam vender os bois,
a fista da le, oceorriara outras circumstancias
de peso, quacs o desejo c a esperanga de reor-
uanisar a corapanhia, que aconselhavam que
al passo se nao dsse, tanto mais quanto delle
nenhum proveito adviria a companhia.
E' approvada a acta eom a reetiticaro do Sr.
Moura
O Sr. Dr. presidente expoz a asamblea o lim
da reunido.
Pede a palavra o Sr. gerente e largamente ds-
corre sobre os alvitres j tentados para o levan-
lamento de capital : taz a leitura do plano que
corre Impresso com o seu nomc lembra que no
anterior relatorio propoz diversos meios de che-
aar se ao lim d-sejado, o que infelizmente nao
conseguio-se ; su tenta que o plano de que aca-
ba de fazer a ieiiura, attende nao s aos inte-
resses dos actoaes, comotambem aos dos futu
ros accionistas; que Ihe parece ser o meto un
ce de obter seo capital dependendo apenas de
que entre os Srs. accionistas alguns patrocinen]
a idea e tomem a peito pola era pratica.
O Sr. Joaquim de Oliveira Borges, usando da
palavra oppe-se a proposta do ir. gerente e
apresenta a seguinte :
A maioria da directora da Companhia de
Edifinieao. convencida da iinpossibilidade abso-
luta de i-ontinuar ella, s*m os recursos indis-
pensaveisas suas operacoes, vem propor a as
sembla geral de seus accionistas o segrate :
Elvese 0 capital da Gompanhia a 500:000*,
obrigando se os accionistas actuaes a temarem
na nova emissao de aegoes numero proporcional
as que possuirem.
Aquelle accionistas que nao estiverem em
condir-Ges de lomar o numero de aec-'s que Ihes
couber. licaro nbrigaiU.s a procurar quem as
sub-creva.
0- 100:000*000 excedentes, isto as 1,000
accOes que exce'em do numero das existentes
sero deslribuidas por novos subscriptores.
Pede a palavra o Sr. Jos Gomes Perreira Maia
e declarou que achava inexequivel a proposta
do Sr. Oliveira Borges, pelo que submettia a con
sideraco da assembla a segointe :
Proponho que provada a impoFsibiiidade de
conseguir se o augmento de capital soliei ado,
se roiilraia uro empreslimo sob hypothecas dos
proprios da Corapanhia. de 5O.OO0J. mediante
um premio nao superior a 7 "i0 ao anno, quan-
tia que ser deslinada solver o passivo e a ex
plorago da olaria.
Dula a palavra ao Sr. gerente por havel-a pe
dido, diz este que nao teve conhecimento da
proposta apresentada pelo Sr. Borges, em nome
da maioria da directora ; que como gerente
tambero um director efeito, o que Ihe pareeia
dar direitu ser ouvido ; que quanlo a ana** li-
tada pelo Sr. Maia, havia Ihe este mostrado, mas
julgandn a incompleta, ia completal a : pro-
pusta rio Sr. Maia diz o orador implica a reor-
a misaeao da compauhia, po's continuando esta
-Mnenle a explorar a otarte da T'.rre necessita-
r-e reformar os estatuto-, eliminando o g ren-
te pelo menos quanto as altribuicoes c aos ven-
ciinenlos que Ihe cslo raareades ; que nao que-
ra 8uppozes-ein mal in enromado* estar elle na
doce e.jteranya de continuar a ven:er o ordena-
do o^o^ignado no* e-t-itutos ; que mesmo conse-
guindo-se o angllir-nlO pll>po^t^^ por elle ou o
pelo Sr. Bornes, I. clarava desile ja que nao ron-
linnana a gerir a co.npawh a : declarava mais
que a eompsuhta prenda o somente a caucao
iue em eu fay>r Hieran aim^os, que apenas
wseiu tulgadaa asconlat elle retirar se ia.
(i S: Dr. Miguel Joaquim de Almeida Castro
pefl;;'i!:' a palavra faz ponderacoes sobre a-
tetita'ivas de auumento do capital, mai.iesta se
contra as propoetas ai>reseat; dase lamba a -oti-
veniencia da corapanhia circuuiscrtwer-se a ex-
nlora^ao i.a olaria at rhegarem lia* mellio-
res
Pede a palavra o Sr. f rges e z que a pro-
pusta do Sr. Maia nao pode s raceeita pelos Srs.
anistas: a olari 'l -i'. nfi- foute de re-
a, poi quanto at boje -o lein d.io pre-
'"'
i r Dr. prwiuente em eioi,. liz que v-ri
al declarar qne nan ni nibro d.i c.m
-lo fiscal, no prfmpim a ^daio. a olaria oesse tniipo u n lucro de ."rea
Me n,iryes pdiiidunovainenie a palavra de-
tLja* vota contra qualquer proposla que
o capital e as operacoes da compa-
ftlua.
PERNMBUCC
l'.n-IUh Baak of lIo de Janeiro
(United)
Capital lo Banco em 50,000
accoes de 30 cada uma 1.000,000
capital realisado...... 500,(00
Fundo de reserva. 150,010
BALANDO DA CAIXA FILIAL EM PERKAMBUCO,
EM 31 DE MAIO DE 1889
Jkftoo
Letras descontadas........ 6i:3t*VS0
Emprestnos e contas cauciona-
das................
Lettras a receber.........
Garantas e valores depositados.
Mobilia, etc., do banco
Diversas contas.
Caixa.......
.*
62i:.-i89JUI0
517:821*890
.{83:843*420
2:794*410
874:095*980
459: 80 270
Pasmo
Coutas correntes
simples.....350:566*300
Depsitos a prazo
nxo com aviso e
por lettras. .1551:623*190
Lettras a pagar..........
Titulo? em caucao e deposito. .
Diversas contas..........
2.915:212*460
I.902:i59690
89755P0
383:845*420
628:279*760
2,913:2124460
S. E. & O.
Pernambuco, 5 de Jnnho de 1889.
tknry K. Gregory, manager
J. K. Eddowes, nrenontant

I.oidoii
Capital
A Brazlliaa
mited
do Banco
Pago
Fundo de reserva
BALASrO DA
CAIXA FILIAL
BUCO
Activo
Letras descontadas
Letra a rettber
Emprestimo, coutas correntes e
itras
Garantas por contas correntes e
diversos valores
aia em moeda crrente
Bank L-
1,2*0:000
625:000
360:000
KM FEBSAM-
I79:037*H9()
1,307:111*320
2,296:019*080
71':090i49O
542:. 874730
I), p mi* :
Kn. coma cijrreota
Foa c p-'T hvi"
Passivo
714:065*600
1,254:977*060
5034:346*510
l,B69:O4:260
'iantntias por contas corren te e
A i verso valores
Uivcrsa* contas
i.erras i pagar
S. E. O.
Pernambuco, 5 de Janh
W H BU ton,
llobt ti Kmg,
l,940:*".i*:i40
1,097:888*3'0
27:150*(X)0
5,034:346*510
Pede a palavra o Sr. JoSo Rodrigues de Mou-
ra e declara neo aoceitar neshuma das tres pro-
postas, as duas primearas por inpraticavels e
!|uauto a terceira por nao conseguir os fins ;
az consideracoes oo sentido de provar que
quando o Sr. gerente actual tomou conta da
companhia tendo cm dispooibilidade 35 cornos
nada havia podido conseguir, como perguntava
elle, outro que nao Uves*' a inesina experiencia
poderia com igual quautia obler raelhores resul-
tados ?
Ketias estas c outras coBsideraces declarou
votar contra todas as propostas.
Novamente com a palavra o Sr. gerente f.iz
sentir este, que ha m apredacao da parte do
Sr. Moura relativamente ao que est escripio
no seu relatorio, quanto a olaria, pois refera-
se ao caso da corapanhia augmentar seu capital
e i on?eguintemenie as suas operaces ; reali
sando-se isto. sim, elle consclhava at a mu
danca da olaria, para Ipl-a a abrigo das eu
clieuies do rio mas na presente occasiao nao
se trata disso, e que se tera em vista manler
cora a exploracao da olaria as garantas e os
privilegios que a companhia possue, nesse caso
nao traa -se de fazer obras e sira de obter-se da
olaria a maior produccao possivel. Diz anda o
orador que a quantia a que allude o Sr. Moura.
nao foi empregada no custeio da olaria, parte
della fbi despendida na conslruccao da^de e
lelbeiro (7.649*080), no forno grande........
(3:306*812) no pagamente de parte do terreno
do caes do Capibaribe (3:440*000) e corapro-
missos anteriores a sua gerencia (2:785*960)
alcm de outras despezas. que pouco licou para
custeia- e attender as despezas de fabrico.
0 Sr. Moura pedindo a palava alhnna que
contina a votar contra as 3 propostas, porque
com a discusso uao licou convicto da possibili-
dade do levantamento da companhia.
O Sr. Dr. presidente tendo consultado se al-
guemj quera usar da palavra, encerrou a dis-
cusso.
Posta a votos a proposta do Sr. gerente, foi
ivgeitada.
Era votacao a proposta da maioria da direc-
tora foi tambera regeitada.
Votando-se a proposla do Sr. Jos Gomes Fer-
ivira Maia foi anida regeitada.
O r. Dr. Miguel Castro pedindo a palavra
apresentou a sexuinle indicacao :
Indico que como medida a lancar-se mao
na actual siiuaco finaoceira da companhia, re
sol va se que esta circurascreva-se a explorar a
olaria da Torre, simplificado, quando possivel, a
direccao e cusido da mesma, tratando antes de
ludo de pagar suas dividas, para o que ven-
der o predio era construego da ra da Auro-
ra, e parte do terreno i:a Torre, actualmente dis-
pon i vL
Pwta em discusso, pedio a palavra o Sr. ge-
rente e fez algumas consideracoes tendentes a
demonstrar a urgencia dos meios precisos ; diz
que a medida indicada nao d iimncdialaiuente
os recursos que actualmente sao indispensa
veis, pelo que esperava remedio mais proinpio.
O Sr. lludrigo Carvalho da Cunha pede a pala-
vra e corrobora as razOes apreseuladas pelo Sr.
gerente, econcluindo diz que o mal da compa-
nhia nao ileve ser attribuido ao actual gerente,
mas pnmeira admimstraeo do tempo do Sr.
Aniunes.
O Sr. Guslavo Antunes pedindo a palavra diz
ser Ihe doloroso mirar na discusso ; obngado
porm a fazel-o, ternera vista somente justilicar-
se, ueste intu*) apresenta factos do seu es
forco em prol da companhia e adduzio e abun
doucm diversas ordens de consideracOes.
Posta a votos a indicacao do Sr. Dr. Miguel
fostr, obteve 9 votos a favor e 13 contra, sen-
do rejeitada.
Anda pedio a palavra e Sr. gerente, fazendo
enrgicamente patente que nao 6 poMvel Rea-
rea; as cousas no pe em que se acbam, pois que
precisa abso'utamente de raeios para satisfazjr
certos encargos da companhia, principalmente
ao pessoal que pebre e nao pode esperar por
longo lempo
O Sr. Dr. presidente, era vista de ter-se esgo-
tado a piimeira parte do que motivou a reunio
da assembla geral, submetteu discusso a
segunda, que era-a conveniencia ou nao con
veniencia da liquidaco da cjmpanhia.
O Sr. Dr. Miguel Castro declarou nao adiar
conveniencia na liquidaco da companhia, pelo
que vota va contra.
Submettida a votapo a conveniencia da li-
quidaco, foi esta aceita por 13 votos contra 8.
Em tempo declaro que o Sr. Gustavo Antunes
nao tomou parte em nenhuma votagao.
Nada mais haveudo a tratar se o Sr. Dr. pre-
sdeme encerrou a sesso s 4 horas da tarde,
di qual eo, 2." secretario servindo de. 1 *, man-
dei lavrar a presente acta, que subserevo e as-
si i:no.
Eugenio Gowalves ''ascao.
Manoel Martina Fiuza Jnior.
Rodrigo Carvalho da Canh".
Banco Internacional
do Brasil
Capital do Banco Rs. 2CbOOQ:0OQ*UOO
dem realisado < 16:000:000||000
Fundo de reserva 850:0000000
Halando
DA CAIX x FILIAL EM PERNAMBUCO. KM 31
DE MAIO DE 1889
Activo
Letras descontadas
Contas correles caucionadas
Caixas, Matriz 6 Filiaes
Diversas agencias
Valores depositados
Diversas contas
Letras receber
Caixa :
Em moeda corren te
Rs. 5.596.104120
Passivo
Depsitos :
Coutas correntes de
roovimento .....\ 1.134.978*220
Ditas ditas com'
aviso..........| 439.736*040
Letras a premio... J l.926.8444t50
Diversas garantas
Diversas agencias
Caixas Matriz e Filiaes
Diversas contas
S. E. A O.
Pernambuco. 5 de Junho de 1889.
(Assignado) W. M. WebNier.
gerente.
guarda-livros.
REVISTA DIARIA
de 1889.
manager.
acting a/countant
.fit uno sanrrlonailax Da secreta-
ria da presidencia remetteram-nos hontem para
publicar as segulntes :
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambuco retolve :
Art. As cale'ras de instrueco primaria
das freguezias da cidade do Kecife sero classi-
licadas em ordem numrica por parochia.
O inspector da instrueco publica fari a clas-
silicacao dentro de 30 das da promulgacao da
prsenle lei e col local-as-na nos pontos ou luga-
res mais convenientes, podendo mdalas de um
para outro ponto da mesma parochia sempre que
o servico da instruego o exigir.
Art. 2. Os districtos Iliterarios das freguezias
do Recife serio divididos por cadeiras e nao
por extensao territorial, devendo cada districto
abranger numero igual de cadeiras.
Art. 3." Sao revocadas as disposiyOes era
contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de
Permmbuco, 21 de Maio de. 1889 Sarao de
Paco da Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco, 22 de Maio de ,1889. Baro de
Caiar, vicepresidente. Jos Mora ie Albu-
querqiu Mello, 1. secretario.Francisco Phaelan-
te da Cmara L ma, i." aecrelario.
Voltc Assembla Legislativa Provincial.. .
E' inconveniente a presente resolucio porque,
erabora equipare os veneimentos da professora
da aula primaria da Escola Normal aos dos de-
mais professores da mesma escola, oarecendo
assim querer reparar a apparenle injustica da
desigualdade dos veneimentos, uo seria expli
cavel, atiento o estado flooucetro da proviaoU,
175.209*410 que reclama tola a economu e nao permute
1.338 709*i90 ai'gmento de de*pcza com o pessoal, oerogaro
713.935*180 disposto uo art. 6 5 nico do regulamento de
776.323*85' 27 de Dezcmbro de 1887, no que importara a
684.8^7*100 sanecao do presente projecto. que, consultando
476.336*040 o interesse particular, nada tera de utilidade pu-
69.637*580 blica.
Palacio 4a Presidencia de Pernambuco, 4 de
881.571*270 Junho de 1189. Ignacio Joaquim de Souza Isao.
. AuioriiiiMit- policial Por portara da
presidencia da provincia de 3 e proposta do Dr.
chele de polica do Io docorrentefoi exonerado,
a pedido, do cargo de delegado de polica do
termo de Goyanna o major L .-Olegario Correia
de Oliveira.
Diario de notician Nesta capital couie-
cou a publicar-se no dia 3 do corrente, mais
uma folha da tarde sob o titulo Diario de No-
ticias.
- Nelle ou as suas columnas, diz o seu pri-
meiro artigo, o povo dessa provincia, qualquer
que seja a sua classe, ver resurgir com toda
sincendade a magntude de seus lamentos e a
expresso fidedigna de suas exigencias bem en-
tendidas ; ficar a par de todos os actos do go-
verno. at onde dever chegar a sua voz; e ao
me*mo lempo tera cenheciraento de tudo que
ni dhor possa interessar o seu espirito, com a
maor franqueza, com a mais louvavel isenip<;o
de animo e com o mais vigoroso cunho da ver-
dade
A missao perigosa e pesada, certo, que
pretende desempenhar este novo orgo, dever
ser secundada pela benevolencia e protecjo
desse publico que se recoramenda especialmen-
te pelo seu largo espirito hospitaleiro e franco
e que sombra do qual anda nao se vio mor-
rer nenhuma tentativa ou empreza por mais ar-
rojada que seja.
Desejaroos-lhelonga e prospera existencia.
Pro in< la do Par -O paquete norte
americano Finance. chegado hontem, foi porla-
dor de folhas do Para acangando a 28 de Maio.
Deixou a 18 a administraco da provincia o
Exm Sr. Dr. Miguel Jos Umcida Pernambuco
Na ausencia do Io vice-presidente, senador
Gomes do Amaral, acsamio a adrainistrago o
2o vicepresidente Exm. Sr. Dr. Sautos Campos
S. Exc. o Sr. Dr. Miguel Pernambuco despe-
dio-sea 18 de todos os erapregados de sua se-
cretaria, agradeccndo-lhes a tealdade e dedica-
rn com que serviram cora S. Exc.
Agradeceu em nome dos empri-gados a S.
Exc. o Sr. Dr Julio de Mello Filho, digno se-
cretario do governo.
A 27, s 9 horas da manh, morreu desas-
tradamente um marinheiro da barca frameza
Em'lie Menier, ancorada em nosso porto: cha
mava se Jos Tludaut, era francez e tiuhal9 an
nosjde idade. Uavendo subido ao mast o de raeia
nao aliai de reparar alguns estragos, de peinas
- 3.501.558*910
684.887*iOD
16.683*820
352.119*860
1.041.360* .30
Rs. 5:596.610*120
Caiar, vicepreside.ite. Jas Marta de Albuquer- .- -
gue JWte,!- PSecretari...-Fna,co Pkaelante da ^%*%^ "
secretario.
Assembla Legislativa Provincial.
Cam ira fama, 2'
Volte
A faculdade de alterar" a actual collocacSo e
distriimico das cadeiras j existe ; materia
regulada por disposico vigente (Regulamento
de 18 de Janeiro de 18^8, art. 3 19 n. 5, art.
16 5, art. 38 e 53).
A resolucao, pois, nosla parle nada innova ;
intil. Quanto a classiticacao numrica das es-
cola, porem, alera de nao irazer esla vantagem
para o servico, no estado actual delle at in-
curia!.
Achara se agglomeradas no municipio do Re-
cife cen o e onze escolas e, necessanamente,
al.raraas se ter de applicar, proporco que va
garera, as dispo-ices para o caso estatuidas no
citado regulamento (art. 3 19 n. 5), estando
anda taes cadeiras sujeitas ao disposto no art.
235 do menino regulamento. Das suppressOes,
que d'ahi ho de resultar, proviro, certamente,
lacunas na classificaco numrica e se ter re-
petidamente de estar fazendo nova numeraco
por occasiao de cada transferencia ou supnres-
sSo de cadeira, o que trar nao pequea pertur-
baco ao servico, fazendo-se, sera ninhuma
vantagem e autes cora grave complicaco delle,
variar successivaraente de numero as cadeiras.
A nova providencia rclativiraentc aos distric-
tos iitteranos tambem nao se justifica.
Nao se pode deixar de tomar a circumscripcao
territorial para base da arisdiecao litteraria,
como de qualquer outra.
Nao possive nem convtu tixar de um modo
absoluto e uniforme a extensao e limites dos
districtos, devendo isto ser entregue ao discreto
e prudente arbitrio da administraco para atten-
der a circumstancias locaes que variam.
Demais. nao convindo a classificaco numri-
ca das cadeiras, tambem por isso nao deve ser o
numero, mas, a extensSo territorial a base para
a diviso dos dislnclos.
Finalmente, regulado como se acha o servico
da instrueco publica por disposigbes recentes
que a experiencia nao tem condemnado, nao
de bom aviso estar-se a alterar disposicoes que
vo sendo praticadas, sera inconvenientes, em
servico que deve ser regulado de um modo lixo
e estavel.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 4 de
Junho de 1889 Ignacio Joaq-m de Souza Leao.
a Assembla Legislativa Provincial de Per
Bambuco resolve:
Art. I." Fica o presidente da provincia autori-
sado a aposentar ao ex-empregado da Cmara
Municipal do Recife, Ignacio Pedro das Nev*
com o ordenado que llie competir.
Art. 2 Rcvogam-se as disposicoes em con-
trario. _. .
Paco da Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco, 23 de Maio de 1889. Baro de Cata-
r, vice presidente. -Jos Man de Albuquetque
Mello, 1* secretario.Francisca Phaelante da C-
mara fama, 2o secretario.
Voltea >s8emblea Legislativa Provincial.
As Assemblas Provinciaes nao teem compe-
tencia para legi-larde modo especial queapro-
veile a certo e determinado individuo.
A apo3entadori.t dos empreados do municipio
do Recife so pode ter lugar nos casos especifica-
dos polas luis ns. 1877 c 1991 do corrente anno.
A presente resolucao. aleui de aulorisar uma
aposenladoria a um ex-erapregado da Cmara
Municipal do Recife, foro das prescnpcOcs le-
gaes, d lugar a reclanueOes e concessoes ideo-
cas, prejudiciaes aos cofres da municipaldade,
j tSo sobrecarregados de despezas que, com
difficuldades, tm sido satisfeitas.
E' raanifesta. portaHto, a inconveniencia e in
constitucionalidade desta resolucao, que, por
estes motivos, nao pode ser sancionada.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 4 de
Junho de 1889. Ignacio Jo >q*im ie Souza Leao
A 'sseinbla Legislativa Provincial de Per-
nambuco, resolve:
Art. 1. Os erapregados municipaes que tive-
rein mais de 7 asnos de servicos podero ser
noraeados nara as repartieses provinciaes, inde-
pendente de concurso.
Art. 2 Ficara revogadas as disposicoes em
contrario.
Paco da Assembla Legislativa i'rovincial de
Pernambuco, 21 de Maio de 1889. Barn de
Caiar. vice-presidente. J s Mna de Alba-
qurrque Mello, 1" secretario Francisco l'kaelan-
te da Cmara Lima. 2 secretario.
Volie Assembla Legislativa Provincial.
E de conveniencia para o servico publico o
concurso paia preemhimeiito e vagas na* tep.r-
ttcfi' s de que trata o regulamento de 2 de Jolh >
de 1879, porquanlo, s deste modo poderse lia
conseguir pessoal idneo; pelo que nenhuma
utilidade publica justifica a necessioadr de se-
rem nomeados, imlependente d'aqoeUa formali-
dade, para as repariicoes provinciaes o* empre
gados munieipaes que contarem ma s de site
anuos de servicos. favor que nem mesm os em-
preados provinciaes gosam, cas" iireiendessem
a noiin-aco para o* lugares de concurso a que
allude o citano regulamento
Nvgo, pids, sanecao a esla resolucao.
Palacio ra res'dencia de Pernambuco 4 de
Junbo de 1889. Ignacio Joaquim de S>uza Leao.
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambuco resolve:
Art. I." Fi.-am os veneimentos da professora
da aula primaria da Escola Normal juiparados
aos do* deraais professores da mesma.
Art 2.' Revogam se as dieposicoes em coolra-
ro.
*obrc e tombadilho
neo A polica fez-
se representar ; o exame cadavrico foi feito
pelo Dr. Bayraa do Lago.
Victima de uma albuminaria sobre o par-
to, falleecu a 17 e foi sepultada na manh de 18
a A Exm. Sr. D. Leopoldina Duque Estrada de
Goraensorn, virtuosa esposa do Sr. desemgarga-
dor Jos Secan.lino Lopes ile Gomensoro, mcra-
bro do tribunal da relacao do districto.
Falleecu a 24 pela manh e sepultou se tar-
de, o professor de msica do Arsenal de Guerra
Francisco Ricardo Cavalcante de Albuquerque.
finado era da Parahyba donde viere anda
muito moco.
Entre os seus collegas e amigos gozou sem-
pre de muita estima e a justa repulaco de pri-
meiro clarinetista.
Ferlmeoiot Antehontcm, s 3 horas da
tarde, na casa r,. 52 ra do Caldeireiro, resi-
dencia le Lourenco Perreira do Nascimento e
de Felippe Santiago das Chagas, ambos casa
dos, o ultimo, havundo altercado co;u sua mu-
lher Mara dos Passos das Mercas Parreira, fe-
rio a Ras costas e as costellas do lado esquer
do com um garro, evadindo-se em seguida.
Tomando conhecimento do facto o -r. subde-
legado do Io districto da freguezia de S. Jos,
maudou rei'olber a oQendida ao hospital Pedro
II afim de ser convenientemente tratada.
Pelas 7 horas da oote voltou Felippe a casa,-
persuadido de que as garfadas que dera nao
passavam de arrauhes, mas ento soube de
Lourenco do destino que ella Uvera : e estra-
nhando Lourenco o procedimento de Felippe,
tr.i varam-se de razes, tendo este recebido dous
fenraentos daquelle, um na mo direita e outro
na rcgio inguinal, o ultimo dos quaes foi con-
siderado grave. *
O onendido foi igualmente transportado para
o hospital edro II.
Lourenco evadio-se.
Werviro militar -Esto designados para
superiores' do dia. hoje o Sr. capitn ajndanle do
14 batalho e para ronda menor um subalterno
de cavallaria.
A guarnigo da cidade dada hoje pelos
corpos da goarnico.
Na enfermara militar existem em trata-
mento 39pracas do exercito.
Funcciona boje no quartel do commando
das armas, o conseluo d<> guerra a que responde
o soldado do 14" batalho de infantaria Luiz Fer-
nandes de Oliveira, sob a presidencia do Sr.
major Justino Rodrigues da Silveira.
Uoje a 1 horajda tarde seguem com destino
ao sul do Imperio, 51 pragas dos corpos da guar-
nigo que pela nova reorganisago do exercito.
excederam do estado effeCtivo.
Segundo a commuuicago feila pela presi
deocia da provincia, ao coinmandante das armas
seguir no dia 10 do corrente para o presidio de
Fernando de Norenha, o vapor S Francisco, da
Companhia fernambucana.
Tribunal do Jury do BecifeFunc-
cionon hontem este tribunal com a presenga de
39 juizes de facto, no julgauento do reo Fran-
cisco Jos Teixeira, pronunciado no art. 193 do
cdigo criminal pelo juz de direito do 5. dis-
tricto e aecusado de haver era 14 de Dezembro
de 1887, era S. Lourenco da Matta, assassinado
a Joaquim Campello.'
A's 11 honi* da manila foi aberta a sesso sob
a presidencia to Dr. Joaquim Correia de Oliveira
Andrade. juiz de direito do 2 districto criminal,
oceupando a cadeira da aecusago o Br. 1." pro-
motor publico da comarca, Joo Joaquim de
Frotas Henrique.
O jury de sentenga compoz-se dos segrate*
juizes d facto:
Francisco Pacheco Soarcs.
Ricardo Henrique da Silva.
Ernesto Arcelino de Rarros Franco.
Victorino Archies do Reg Parias.
Antonio Eliseu Antunes Ferreira.
Deomcdem de Almeida Mat;alhries.
Alcides Fulgencio Raraia de Almeida.
Antonio Pereira Lopes.
Jos udilon Anne* Jacome Pires.
Antonio Estevo de Oliveira.
Jenuino Jos da Rosa.
Ramiro Antonio da Costa.
Deferido ao jury di seotenja o juramento
designado na lei e interrogado o reo disse que
era natural da Bahia de 21 anuos detdade, sol-
teiro, jonialei'O e andphalieto ;
Q ie sabia o motivo porque era aecusado, co
nlieeia as e-iriHOnli.iS que jirar.mi no prncesso
e nao .ilnbiiii a aiius..cao a divo palii ular;
Que no illa do delicio, as 8 bor^s da malina,
eile arco-a io. a viciima e ..ulios individuos
ii.i.eram agurdente em liversas lavernas, e
elle r. -p udentc tendo s> embriagado, so dera
a.-cordo de si a l h ra da t..de im pnsao onde
Ihe dis-eram que elle hava assassinado a Jo
quihi C ni pe lo. ... i
Oueluido o interrogatorio e futo pelo esen-
vo Mr na Fr.i"-o a biiora do or .cesso, foi
dada a rmlavra ..> I)'- |ni >......Mwm quedes
euvotveii ;. ..cm ..."> e pono a con.|e u i
do reo no r o n Nini io nr4. 193 Ai cdigo
c inrnd p r l,,r '.. nlnu i,i|:eii:> U
ju.i il !' -o i r /.
I) u'.u, a le,/.,oDr J ro .y no Materno 1'.-
rei di' .i.-, ih : i IWW ''! i i're.-os pobre"
que eool'l u gg >*"> e ar 'ul.ela no li.
e aleg .ii fin f.iv n l i '<> > iileiiu.iuiis da m.'-
Ilniil.iile e eil)bria!Ue.
Nao b uve replica.
De accordo com ai dedsoes do jury que re
con necea por unan i mi Jade de .votos, a. autora do
delicto, por 9 tolos a aggravaulc da sorpreza e
por 6 votos a attuouante da. erabsiaguet, foi o
reo condemnado a 14 aunes de prisao,-gro me-
dio do art, 193 combinado com o ar;. 49 do cu-
digo criminal.
Teruiinou o ju:gamenty s.2 horas da tarde.
A sesso foi adiada para hoje s .10 horas.
Theatro fcMiiiu imibei -,,Depois,do es-
pectculo que hoje ter lugar era beneficio da
uciedade Corameniorativa da Aboligo. haver
tren* para Caxang, Apipuuus e Olrada, e bonds.
para todas as. linlia.
Proaaio -Foi vendido pelo Sr. H'iruj-dino
L-Alheim o bilUele de u. 15.981, e.uu o .pre-
mio oe. dous rail conlos. da luteriu eit'-aordma-
ria da provincia de S. I'aula.
\ucleo Iranaatieoiili'M>flcec*e Aca-
dmico No intuir de civ.iivm. sob a deno-
rainago desta noticia, urna sociedade beneli-
e*nte, reunir-se-ba.na quinia-frira a 1 hora da
tarde, ra Duque de I laxias n. 81, 1* andar,
diversos acadmicos de nossa facnldade de di
reito.
O fin do Ncleo Acadmico ser proteger aos
mogos pobre em hh matriuulas.
E' de esperar, pois. que a mocidade aademi-
ca lome em consiueragao esse. lira principal da
alludida instituigo, que condiz cora os enti-
ii entos generosos da /nnoidade e cuja effeclivi
dade Ihe ser honroso padro.
Circulo < alnolicu do eeifeHaver
hoje s 7 horas da noite sesso d'essa sociedade
para proceder-se a eleigo da directora.
Club *< ;il<-mi< 11 de Agoato
Reune-se em sesso hoje pelas U horas da
manh.
Wocedade Ptailomalica Faz sesso
hoje s 10 horas do dia.
Medico l'liar.iiiK.iiln -a Hernam-
bncunu Essa assooiago reune-se em sesso
ordinaria hoje. era sua sede e hora do eos-
turne.
U, Benedicto Dessa localidade partici-
para nos o seguinte era data de 3 do correte
Ao passo que ah temos o exemplo da hu-
manitaria portara de 21 de Margo ultimo, aqui
ainda se especula com a necessidade publica !
Os atravessadores de vveres infestara a fei-
ra e sem que, pelo menos, ti'nbam hora deten
minada para os seu- ataques dahi a elevago de
prego dos gneros rom verdadeiro escndalo e
detrimento publico, principalmente a classe des-
favorecida na fortuna, que certamente nao luta
com pequeo embaraga, quando em tro--o de
uma cuia de fariuha ou de milho. tera de dar
MOOOou l-iK)!
- Apezar de nossa zona ser essencialmente
agrcola e abundante por excellencia. a secca
que presentemente devasta o alto serto da pro-
vincia, nao certamente peior que a nossa, at
tundc.ide se a noticia de diversos corresponden-
les deste Diario.
Nesta emergencia, pois, pedimos a nossa
ustre edilidade proraptas providencias, no
. eWooi-.Bn'ncuar-se-liao os segauntes :
- Hoje :
Pela agente Alfredo Guimarus. s 11 horas, i
ra do Soto Jess n. 49, do una casa terrea.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, roa do Jbim
Je.-aisn. i">, de rh. uauleig e presuntos.
Araanhi :
Pete agente Rrit, As 48 I 2i!boras,. ra ida
matriz da ItourVi-ta a. 4, de motis, Joue e
WfctlbOlT.
Pelo agente Gusmao, s II horas, -k ruaJfar-
que ile 01 inda n 4R. de un cavallo aortedor.
4lJttM fua.-itw* $*> m^etatirtas:
Mije :
. i A's 7 4(2 horas, ua ordem '! do;Carmo. pela
;din.i de Garln AiUMStoCararo Moateiro Fifco;
s 8 hnra*. na capella do Hwpiori Portoguez, pela
alma du.Jos Joaquim A-he.-.
{awi'iroii- -Uie^ailu- do norte no va-
por araerie mu Fin anee :
V. Tiaai, fcene Cnni.Jalia di irlinc,- Albos
e 3 onbdos, Geo Pvpeiopr t-firnest Papeloiii.
ttMgadB da Europa no vapor franeex. We
de Rosario :
Gustave i'repin.
- Gbcgado tro sul :io -vapor nacional .Ifaw
daltu i
Antonio fljhnan da Silva.
lei-acoe -iruricat-!;orain .prs>ii:a-
da* no hospital Pelro II, no dKi 4 do correle
as seguinte*:
Pillo Dr. Malaquias :
Exlirpayo de ura grande kisto heraatico da
regio trachanleriana.
Duas urethroplatias ivclamadati por fstula e
estrdt.'iinenlo.
Pelo I-. Piuilual:
Excisao pelo Ihermo cauterio, de vegetages
i da mar^era do anus.
Cana de lleleneoMuviment*) nos pri-
sosda-Giisa de Detengan do dia 4 de Junho de
1889.
Exisiiain473 ; entiararaV ; sahii-am 15 ; exi*
tera 462
A .saber:
Nacionaes 4:8; mulherci 30; wtraDffPtH 24
-Total 463
Arragoados407.
Bons 383.
Doentes 19.
Loncos 5.Total 407.
Movimentoda eofermaria
Tiverara baixa :
Laureiitmo Jos da Silva.
Theodoro Jos da Silva.
Foram visitados os presos deste eslabelec:-
mento por 116 pessoas, sendo 39 homen e 77
raulheres
HoMpital Pedro ll O movimento
risita que nos fez, desejamos-
i
sentido de debellar senielliante anoma.ia, pri-
vando a repetigo daqueiles -busos, por inter-
medio do seu agente nesta povoago.
Prolongameuto da entrada de fer-
ro de *. Vranciseo e ewlrada ro de Caruar. Por portara de hontem i
datada foi exonerado a bem do servico publico
o Sr. Antonio Rotilio do Reg Barros da cargo
de conferenleda estago da ferro-va de G rua-
r, sendo em igual data nomeado para substi-
tuil o o Sr. Joaquim Augusto Torres.
EnbocoN e perflmCora este sragelo ti-
tulo acaba de apparecer rais um livro devido a
hbil pirana de Lucio de Mendonca, tendo um
prefacio de Salvador de Mondonga.
Agradecemos o prsenle de um exemplar que
nos foi feilo de to primoroso escripto, que vera
mais avolumar a galera da* lettras patrias.
UVapor daguarlbePor ordem superior
foi transferida para o dia 7, s 5 horas da t ir
de, a saluda do vapor Jaguaribe para os porto*
do norte.
Reuuio ariisiica em OlindaNa
2" reunio, realisada no dia 2 do corrente, foi
nomeada uma co nrai**o composta dos Srs.
Eleuterio da Rocha Wand-rlcy, Diraido Rodri
gues da Silva, Joo Clemente de Santa Rosa,
Joo Baptista de M lo, Antonio Jacome da Cos-
ta, Francisco Ferreira Lima e Primo F liciano
da Silva, para tratar de assuraptos referentes s
artes.
No domingo prximo, 9 do corrente.no
lugar e hora do costumi, haver urna terceira
reunio.
Reunio social Hoje. s 7 horas da noi-
te, haver reunio do conselho fiscal da socie-
dade beneficente Luso Brasdeiro, alira de tra-
tar-sede negocios de importancia e interesse so-
cial.
Embarque Cora destino a corte segu no
vapor Manos, esperado hoje dos portos do nor-
te, o Sr. Manoel Jos Soares de Avellar, digno
lancador da Recebedoria de rendas geraes nesta
provincia.
Agradecendu a
Ihe feliz viagem.
Instituto Beneficente-Recebemos um
folbeto dos estatutos da ssociagao Beneficente
dos officiaes da Guarda Nacional.
Agradecemos a offerta.
Gremio do Professon Primarlo*
-Hoje, ao raeio dia. rene se em sua sede esla
sociedade, em sesso ordinaria.
Kibletbeca do Lyceu de Arte e
OOBcloN Foi frequentada durante q mez lindo
pelos alumnos do Lyceu e por varias pessoas
que consultaran diversas obras e jornaes.
Forain cfferecidas as seguintes obras pelos
Srs.:
Dr. Felippe de Figueiroa Faria, 1 vol. Le s-
gnale des architectes, por Ch Normand.
Jorge Cooper, as seguintes obras de Julio Ver
ne, en 24 volumes encadernados.
rinr.o semanas em balo. As indias negras,
A ilha mvsteriosa, O abandonado, O segredo da
ilha, Os iiglezes no Polo do Norte, O deserto de
gelo, Urna cidade fluctuante, viagom ao centro
da trra, O cataclismo csmico, Os habitantes
do cometa. Ocano Pacifico, Australia meridio-
nal, A invaso, 0 correio do Czar, America do
Sul, 0 fundo do mar, A volta do mundo em80
dias, Aventuras de tres russos. A ilha errante,
O eclipse de 1860, A roda da la, O hornera das
aguas e da trra a la
F. P. Baulitreau. 1 exemplar do catalogue rai-
sonn du muse* des coles, par Saffrav
Dr. Jos Ozorio de Cerqueira, tres exemplares
doseu irabalho sob o tituloA iramigrago, A
provincia de Pernambuco; em portuguez, francez
e italiano.
F. S. Pereira da osta, 1 exemplar do dicco
nario histrico ceographico e e.statistico da pro-
vincia do Espirito Santo, pelo Dr. Cesar Augusto
Marques, Annaes do Senado dos annos de 1887
e 1888 e 1 folheto Incendios, nos theatros, meios
de prevenil-os e de attenuar os^eus effeitos, pelos
engenheiros Belfort Duarte e L. Schreiner.
A bibliotheca cootinaa franqueada ao publico
todos os dias. de 6 s 9 horas da noite.
Directora das obran de conaerva
ciio don Porto* de PernambucoReci
fe. 4 de Junho de 1889
BoMira meteorolgico
Horas ll!
a o so
es
6 ra. 26- -4
9 28" 3
12 28' 8
3 t 28 6
fi 27"-3
Barmetro a
0
Teaso
do vapor
761-43,
762'441
762 08
76 "06
761-59
o

a
1
18,57
19 40
18 1.
1734
19,22
71
67
61
89
71
l'emperaiura iimmT 29",2$
Dita mininia i5o.0"
Evaporago em 24 horasao sol 10 1; a sntn
bra: 3-9.
Chuva0-.8. -
Direccao do vento: variavel de S a E de raeia
noite at 10 hora'* n 4<> minutos da tarde; SSW
at H 'raras e 38 inmuto.*; SW at meia noite.
Veloddi ,11... ito 4".23 por **
irdo
S -lademedia: 0,44.
IBob'lim il ii.iHn__________^__
.
lloras Alturu
57 da manh {\ '- i^ru 31 -37 da manh 3-26 0-97 2 13 1-.15
de-te
Jiinhj
.'stbelecimer.M de darnlad-, nadir 3d
foi o seguinte :
Entraran) i2
Sahiram 3o
Falleceram 2
Exislem 397
Foram visitadas as respectivas enfermarlas
felos Drs.:
Moscoso-s 8, Cysneiro s 9 1|2. Barros Sc-
brraho s 7, Berarao as 103(4, Malaquias s i Ij2
Pontual s 9 '|2, Siinoes Baroosa s 9 horas.
O rir. Estevo Cavalcante nao compareceu.
0drurgiodentista Numa Pompilio s 7 3|4
horas.
O* pharmaceutico entrn 8 l{2Ua manha-e
-ahio s 4 da tarde.
0 ajudante do pharraaceiiiico entrn as 7 114
la manh e sahio s -4 horas da tarde.
Lotera do Grao Para Eis os premios
da 4.' serie da %$.' lotera do Grao-Para, ex-
trahida em 5 de Junho de 1889 :
3136 60:000*000
6571 8:000*000
2030 3:000*000
5105 1:200*000
7105 1:200*000
APPnOXIMACOKS
3135 600*000
3137 600*000
6570 300*000
6572 300*000
2029 180*000
2031 180*000
preini ados com 600*000 os seguinte
nmeros:
102 2086 4597 7846
Esto premiados com 300*000 os seguate;
nmeros :
1335 2536 2642 4386 7461
Esto premiados com 120*000 os seguintes
nmeros :
3131 3132 3133 3134 313o 3137
3138 3139 3140
Esto premiados com 60*0u0 ns seguintes
nmeros .
6572 6573 6574 6575 6576 6577
6578 6579 6580
Esto premiados eom 30*000 os seguinte;
nmeros :
2021 2022 2123 2024 2025 2026
2027* 2028 2029
Todos os nmeros terminados em 36 esto pre
miados com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados era 71 esto pre-
miados com 60*00, excepto o da sorte mime-
diata
Todos os nmeros terminados era 30 esto pre
miados com 30*000.
Todos os nmeros terminados era 6 esto
premiados com 305000. excepto os terminados
em36.
Todos os nmeros terminados em 1 esto
premiados cora 3 'OOO, excepto os terminados
em 71.
A seguinte lteria corre no dia 10 de Junho
com o plano de 60:00*000.
Lotera do Grara-Par-A 5 parte da
?8' lotera, dessa provincia, cujo premio grande i
60:000000, era extrahida no dia 10 de Ju-
nho (segunda feiral.
Cemiterio Publico -Obituario do dia
de Junh i de 1889 :
Manoel Antonio de Mello, Brasil, 3 > annos,
Santo Antonio; epilepsia.
Jos Joaquim aa Costa, Pernambuco, 60 annos,
solteiro, Santo Antonio : aneurisma da aorta.
Antonio, Pernambuco, 7 mezes, Boa-Vista,
dvarrha.
"Barth ilomeu, Pernambuco, 20 annos, solteiro
Boa-Vista; dyarrba.
Miguel Gomes da Silva, Pernambuco, 43 aa
nos, casado, Boa-Vista; dyarrha.
Maria I-macia da Couceigo, Pernambuco, 4i
annos, viuva, Graga ; tubereulos pulmonares
CHRONICi JDIC1AR1A
Tanta Commeref al da cidade d*>
Reeife
ACTA DA SESSO DE 31 DE MAIO
DE 1889
PHESIDBNCIA DO ILLM. SR. COMMBNDADOR AXTOMO-
GOMF.S DR MIRANDA LEAL
Secretario Dr Julio Gumares
A's 10 horas da manh declarou-se aberta a
sesso, estando presentes os Srs. deputados Olin-
lo Bastos, eoramendador Lopes Machado, Beltro
Jnior e Herrain.i de Figueirdo.
Lida, foi approvada a acta da precedente sessac-
c i-t-w a leituri do firuintr
IIMOMI
Ollicios :
De 25 do eorrente, da junta.do* corretores
desta praga. remetiendo o boletim da^ Cotac^es
oftciae ie 20 a 25 do vidente. Para o archivo.
Duirws D/?itwsdens.l28a 137.Sejam archi-
vados.
Koran distribuidos rubrica os seguintes
li-.ro->:
Diario de Julio & Irmo, copiador da Compa-
ran,i t'iiiarabucana dd Navegago Costeira por
Vapor.
O Sr. eoramendador presidente deu sciencia
Junta que, por despacho de 23 o corrente, a
requeriraento de. Pereioa de Acevedo Irraos.
raandou dar baixa no registro
H-rraino Gomes menta Pilho
(ictaviano de Castro e Silva.
DRSPiCBOS
Petiges V
De Engracio Ribeiro de Mello e AHionm Duar-
te Correia, estabel! los ao I..r.o do Mercado
de S. Jos o. 1, eom :a-a de romraerevo de ci-
garros, sob a (ir na Hie ro'Duarie & G., pro-
testando ontra n registro s quim Bernardo rfos R is t C. por ronn-r a pala-
vra Malheiiiatn ie- usada pelo- suppl CaBtee
lias marcas inde rida- pela ni>-ritis>inia Junta
un sessan d. li de Maio de 1887 e 13 de Janei
ro de 1888 Nao procedente o protesto dot
d.i nomeiQ&o de
e. reg-t:.ir a de
.""


'.
.













h
Diario de PernambucoQuinta-feira 6 de Junho de 1889
w
-cal.
De Souza Miranda A C, eetabelecidos ra
da Florentina n. 36; cotn casa de commercio de
agarros, idem contra o registro solicitado por
Joaquina Bernardo dos Res C, por conter a
palavra-Methodicos, usada pelos suppliean-
tes oa marca que apresentam : marca apre-
seDtada nao esi registrada, o nSo ce confunde
com a dos supplicantes por conter adenomina-
gloOous Leoes.-ldem.
De Joaquim Bernardo dos Reis & C, com casa
de commercio de cigarro? na Larga do Rosa-
rio h. 30, sob a denominacSoBazar Pernambu-
cano. solicitando o registro de urna marca
de cigarros contendo a pala\raMeltiodic
Faca-se o registro pedido.
Da mesma tirina, idera quanto ao registro di-
urna marca de cigarros contendo a palavra
Mathemalicos,Registre-se.
De Francisco Paes Barbosa, representante da
firma Francisco Barbosa & C, domiciliad
estabelecidos nesta praca com cafa de comner
ci de cigarros a ra de Marcilio Dias n. 13,
para que se registre a marca que udoptaram
sob a denommacoA flor do fumo. dem.
De Francisco Antonio de Oliveira, c.umprirido
o despacho proferido na precedente ses
dem quanlo nomeago de seu caixeiro Vicen
te Antonio de Oliveira.dem.
De Francisco Antonio Lopes e Antonio Son-
calve? de Oliveira, ideni quanlo procuraco
que I he passaram Agostinho Santos & C. de
cuja firma nico responsavcl Antonio Agosti-
nho dos Santos, para gerirera e admiiiistrarem
seus estabelecimentos commerciaes a ra Pri-
meiro de Marco n. 1 e a ra do Imperador n.
63dem.
De Jeronymo da Costa Lima Jnior, Alfredo
Carlus Mayrinck M. de Andrade, e Jos Car-
los Mayrinck M. de Andrade, replicando do
despacho proferido em sesso de 16 do corren-
te, para que seja archivado o distrito da lirma
Mayrinck Irmaos C, pela retirada do ex-socio
Jos Carlos, licando os outros duus, Lima Jnior
e Alfredo, responsawis exclusivamente pelo
passivo da sociedade, que continuaflTconi ellos
de conformidade com o mesmo eontracto em
commandita de 16 de Fevereiro do correte
auno. Em vista dos differentes avisos citados
no parecer fiscal, archive se, oa forma da lei.
De Jos Joaquim Alyes, por seu procurador
Joo Al ves de Freitas. e Antonio Pacheco Das
Torres, idem quanto ao distracto da firma Jos
Joaquim Alves 4 C, pelo qual fu o ex-socio
Frtitas de posse do estabelecimeiito sito a ra
do Baro da Victoria desla cidude c do activo ;
obrigado pelo passivo da extincta sociedade,
com a faculdade de continuar a usar da mesma
firma, quer seja elle o nico pmprietario do es-
tabelecimenlo, quer continu nova sociedade.
Archive-se, na forma da lei.
De Manoel Vieira Bernardes e Francisco An-
tonio Ferrei-a de Albuquerque, idem quanto ao
contracto de sociedade de capital e industria
ue ce ebraram sob a firma Vieira Bernardes s
,.,cora o capital de 10 0" 05 para o commercio
de fuzenlas e miudezas cidade de Timbab
desta pra^a, sob a gerencia do socio Bernardes.
dem.
De Manoel Joo Gomes de Miranda, para que
se d baixa no registro da nomeago de seu
caixeiro Sebastiao Francisco doCouto, ese re
gistre a de Antonio Jos Pereira Braga.Como
requer, pa;;o o sello da baixa.
De i raacisco Feruandes & C, por seu procu-
rador, idem da baixa de seu ex caixeiro Fran-
cisco Ivo de Andrade Filtio, rlem da nomeaco
de sen ex-caixo;ro Antonio Gomes da Silva e se
Ihes restilia a procurado que aprc-entam.
Na forma requerida, de accordo com o parecer
fiscal
De Luiz Ferreira da Cruz, para se registrar a
escriptura de autorisaco para commorciar que
passara a sua mulher D. Aula da Costa Sei\as.
Registre-se, de conformidade com o parecer
fiscal.
Encerrou-se a sesso um quarto depois do
meio di a.
UMPOUCODE TUDO
Conlorrae hontem noticiamos realtgou-sea pe-
rigrinacJto ao tmulo do eminente espadista Vis-
coode ao Rio Branco, feita pelo pessoal do Dia-
rio do Commercio.
Ha um anno o mesmo pessoal, entao fazendo
parte do Diario de Noticias, possuido de viva
saudade pelo grande homem, que tanto traba -
Ihou em favor dos captivos e que sotlreu as
maiores contrariedades e at injurias para fazer
passar as cmaras a lei do ventre livre, uoin-
do-se em m mesmo pen.samento, o eothusias-
mo pela memoria des*e ho'mem, tomou o cami-
nlio do cemiterio de S. Francisco Xavier, para
procurar o tmulo do Visconde do Rio Branco.
Cnnwmr[in-z:i nao encontrou esse tmulo, on
de deviam descansar os resHs mortaes desse
homem, urna das maiores glorias da sua patria,
o que tinha o seu noniu escripto na memoria de
todos os philantropos do mundo inteiro e no co
raco detenas as in.'ie- esoravas!
Os 03508 do Viscoude do Rio Branco aziaoi
guai ama caixa na capella do cemite-
rio !
Felizmente era provedor da Misericordia o fi-
nado c grande estadista Baro de Cctegipe que
remediou aquelle desacato, vista de uma-tao
significativa manifestago do pessoal desta fo-
Ihu, mandando preparar um tmulo decente pa-
ra nelle serem guardadas eternamente as cin-
zas do autor da lei de 88 de Setcrabro.
Hontem o mesmo pessoal ahi chegando depo-
sitou nesse tmulo urna rica cor-a de b si uil
mandada fazer expressameste para esse tim na
fabrica do Sr. Ribeiro de Carvalho, ra do Fas-
seio.
Cheios de respeito e saudade, todos quanto
compunham essa caridosa caravana, descobri
ram se e ouviram a palavra commovedora do
nosso corapanheiro Gaspar de Souza, que em
parases repassadas de sentimento e com a elo
Hencia que da a verdade e a convicgiio, rolem
fu as passagens raais importantes da vida do
ttacoiide do Rio Branco, salientando os seus he
flMs esforoos na formidavel campanlia do abo
licwnismo.
Curaprindo una missJo, cumpriraos um dever
de patriotas e amantes na liberdade.
Na mensagem com que abri o congresso ar-
gentino, diz o Dr. Jurez Celuian, presidente da
repblica Argentina :
A discusso dos limite com o imperio do
Brasil nao leve moditicaco alguma. Est no
mesmo estado de boa in'.elligencia que vos an-
nunciei o anno p^ssado.
Feno o reconheciment dos rios e do Icrrto
rio litigioso, estipulado pelo tratado de 18S5, os
commissarios tratam de organisar as op races
realisadas sobre o terreno, com o lim de reun
rem-se mais tarde em Montevideo, se fr neces-
sario, segundo o convenio para terminarem as
informacoes e fazerem a troca dos diarios e dos
mappas, que, de accor.lo com as instruccoes,
devem elTectuar-se naquelle acto.
A nalureza das operares exigi mais tempo
3ue o calculado para a concluso dos trabalhos
e gabinete, pois foi necessario levantar dezoito
plantas parciaes e um mappa geral do territorio
em litigio, tendo a precaueo de confrontal-o
com o que ao mesiu> tempo levantavam no seu
paiz os commissarios bra^ileiros.
As pequeas dilferencas entre uns e outros
trabalhos carecem de importancia, e a ope:a-
cao geral estar terminada em breve tempo com
satisfaco dos dous governos.
* questo de limites com o Brasil nao pode,
portanto, despertaratprehensOes no patriotismo
de qualquer das naces. Encammhada como
est esp ro que continuar sem obstculos in
superaveis, at sua completa e pacifica conclu-
so.
Um eterno fallador enfermou da lin^ua. o
seu medico assistente reclamou una junta c fo-
ram chamados mais dous clnicos.
JD Parcce-me, disse o medico aos collea's
3ue se pode salvar a lingua do doente, seguin-
o-se risca o tratamento proscripto.
Perfeitam"nte, di-se um delles.
Muito befflj (lisse o outro. Simplesmcr.-
te-. -
__f
Simplesmente, leudo coi conta a pessoa a
qneui a liogua pertena1, opino pela amputaco
immediata!
**
O Diario do Commercio em sua edico de 2 de
Maio, sob o titulo de Viironds do Rio Branco, pu-
blicou o seguinte :
COMMERCIO
Revista do Mercado
Uecife, 5 DE JCSHO DE 1889.
Oraoviraento foi quasi nullo, constando alie-
nas pequeas trausaeyes em cambio.
Bol
sa
CeTACOES UFFICIAES DA JKTA DOS COB
ttETORES
Recife, 3 de Jnnho de 1SS0
Nao houve cotaco.
O pre-idente,
Candido G. ileoforado.
O secretario,
Ednardo Dnbeux
Cambio
Nio houve alteracao, continuando a
26 5/8 bancano e de 26 7,8 particular,
No Rio, 26 :J/4 baocario, nominal.
Ha falta de papel particular.
laxa de
escasso.
f l
o
TABELLAS AFFIXADA9
S S "O
f S
. !* l;
"1. y- n 19
r> 5 O" -
"9 S
- a -i
O 7?
co t O


1


*
. 5 1 i SM 5*
l
s
2m~
'i
_. X
?i -
ti
H -
8


^ C ."'___ll

3E
A.
'-*-

.%t$od:
Man'
de i* sor!
INDICARES DTEIS
Jledicos
Dr. Cerqutira Leite, tem o seu escripto
rio aberto ra Duque de Caxias n. 74, dn*
12 a 2 horas da tarde, e desta hora em ian-
te em sua rssidencia rus Brilo de S.
Borja n. 22. Especialidades uiolcstiar-
desenhoras e crianzas. Teephone n. JjJ.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem U utoro quando e co-
mo aconsellud<-.. Ctcwrita das 11 s
3 da tarde em sua risidoncia ra do
Bom Jess (aatga ta ruz) n. 23, 1.'
undar. Teephone n. S'.I
Dr. Barreiio Sampaio d consult. s de
meio-dia as 3 horas no 1.* andar da case.
ra do Bario da Victoria, n. 51. llesi
doncia ra Sete de Setembro n. >i, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, ao 1." an
dar a ra Duque de axias n. -46, poden
at o dio 3. aUingio a 38.090 kilos, sendo 1.97o
pera o exterior e 30.115 para o interior
As entradas verificadas at a data de boje, so
bem a 1.093 nocas, sendo por:
barracas.....
Vapores.....
inniaes.....
k'i-ferrea de Caruar.
.'ia-frrea de S. Francisco.
i-forrea deLimoeiro
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra ao Hospicio n. 81. Te-
ephone n. 303.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
l. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr Alvares Guimaraes, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especiadade s molestias d cora-
c3o, pulmSes, ligado, estomago e intesti-
nos e tambem s idfeccSes das criancas
Reside praca do Conde d'Eu, n. 28 e
tem consultorio na ra do Bom-Jcsus
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Teephone
n. 381.
Or. Simplicio Maviguicr.Clnica me-
dico cirurgica. Especialidades: molestias
pulmonares c partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (P090 da Pa-
nclla) das 6 s 9 horas da man ha1 c da
tarde.
O Dr. Matheu Yaz, medico, tem o seu
escriptorio a ra do Bnrao da Victoria
n. 32, 1. andar, onde d consultas de
meio-dia s 2 horai da tatdoi Resi'de
ra de Gervasio Pires n 27. Ene irregar
se do tratamento das molestias de olhos.
Teephone u. 427.
OCClzlifi:".
Dr. Fer\ira. com pratica nos princi-
pad! hospitaes e c'inica de Pars e Loo
dres, consultas todos os dias c\u 9
horasdao meio-dia. Consultorio o resi-
^.>ii.."9 i- ri In,'ga H" Hi>anrrt n. ^l).
Advogados
O bacharel IVitruvio Pinta Bundcira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, lv andar.
J. A. de Maqalh&ex Bastos. Duque de
Caxias n. 66, 1. andar..
SBrogaria
Faria Sobrinko & (,'., droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manod da Silva d C, deposi-
tarios de todas as especialidades pha:ma-
eeuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas c medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e oficina de campar,
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primero da provincia ueste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidade3, sorra rnadeira de conta
aiheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por preco3 sera dom
petenciaPernambuco.
iraj que o Illm. Sr. r. juiz .de direito,
r Seja o estado da mesma igreja, e que
miPtr. '
Espa
que por
tal adrainWrdor da caixa pia, nao ssfia com a
informaco que teoha de dar em juizo por cr-
xola de alguns mecos que exister pa ra dest
cidade, pois, ho;ra seja feita ao caraeler do
mesmo administrador, porem est com a maoia
caixa pia, o que o pov d para algreja, ulguem
obnt;a a dar caixa-pia.
Victoria, 28 de Maio ue 1889.
Muitos irmaos innocentes no vicio do compromiso
riBUCACoEs 4 mm
Companhia do Bebe-
ribe
Eis as razes porque temos escripto sobre a
companhia:
Diziut.os em 1887 nos eramos preteiidentes
asacces que a Companhia do Reberibe determi
nou emillir na importancia de 430 cotilos.
Precisamos fazer a luz nos planos financeiros
da companhia com o tito de nao embarcar em
emprezas aleatorias nosso pequeo capital.
Julgamos ler apanhado o fio de Ariadne, e
que nos corra o dever de esclarecer obre a ma-
teria aquellos que nao se teuha 11 dado a um tal
trabalho.'e formam, em taes negocios, o rebanho
de Panurgio.
E' ocaso que do exame a que procedemos
as pecas que temos a nio (rotatorio de 188(5 e\
pcoposlaj infecimos que 1 ompanhia do Bebe
ibe vai entrar ri'uina phase de desanimo, de
;;! Minenlo.
11 nosso intento, pois.escrevendo*obreai'.om-
p mhia do Beberil)", por mais que pese ao seu
-i ente, legitimo, e at nobre.
K mesmo que outros motivos faltassem. esta-
mos em nosso dire-io, discutindo pela imprensa,
queslftes de interese publico.
Esta a parte seria d'oste artigo, e aquella que
llevemos ao publico.
Quanto aos acce-sos de raiva do Sr. gerente,
juigumos que existe causa seduciente para e'les;
iii'iii s inia 13o mu. que nos nao commisere
mos d'aquellas convulses epileptiformes ciu que
o pihresmho e contorc.-.
Id slabeleca se, Sr. Mamcde, e at < utra vez.
Di: Viiemont.
Pedido
Pcde-se ao Exm Sr. governa lor do bispado,
que para clculos de alguns profanos cotfl 11
casa ile Di-u-^sija concedido para algu'.mrs ir-
nandades legalcente constituidas casa os -
romproiiiissos nas freguezias do m.itlo, a se
propalar que se acliam relindas as .-manda les.
[irin patalele us da ficguezia de S'i"tO Anlo
como cramenro instituida ha perto de dous seclos e
ha muito suspensa Oa parte espiritual, *em o
Revd. vigjirio ler 11a missa cocveiilual scmelhan-
te suspen-o. e isto se deu cotn O [ante cssor de
V. Exc.; por teso, para que nao continu ta'-s
Bspecola.coes como appareceu na capital come
dores de moni nos, e como a rvlisifto sania BO
lem amor ao seu povo e nao vilipendio ao pes-
cador, pede-sc liumildemente a V. Exc. que
mande retirar tal -usiirnsio e esclarecer a nao
exlhcco pela parle do eclesistico.
Exm. Sr. : na capital 11.10 existe irmandade
alguma suspensa na parte espiritual
Ser porque na capital ha fhristAos c no ma-
llo monros, pois pareca ao contrario; na capital
monros e ne. maito christaos.
Os compromi-sos das irmandados desta cida-
de se acbam todos approva ios pelos !'.xns. bis-
os da dlocese, u na secretaria do mesmo bis-
pado, se acliam no livro competente registrado.
As irmandades exislenles sao o Sanl)ssiroo
Sacramento, Almas, Rosario, I.ivramen'o e Bom
Parto.
Muitos irmCios.
Despedida
Honorio Palacios rctirando-se boje no
vapor Manos para Baha e nao podendo despe-
dirse de todas os cavalheiros que dtspensaram
sua amisade faz pelo presente, ao mesmo tempo
julga na'Ja dever nesta praca c quem se julgar
seu credor pode apresentar suas cuntas al ao
mel dia na ra do imperador 0. 27,1" andar.
Recife, 5 de Junho de 1889.
Belinurio A. de Siqueira retirundo-se
hoje para Babia despede se dos amigos e p-
renles.
;t -.w
Garanhuns
Faltara um dever sagrado su do alto da im-
prensa d''ixassc de manifestar ao publico as
melhores retasos commerciaes que .-empre cn-
tretive com o Illm. Sr. Dr. Joaquim Cordeiro
Coelho Cintra, ex-juiz de direito desta coAan*,
como fornecedor do mesmo durante estes cinco
anuos ltimos de sen magisterio n'esla cidade
sempre foi bem acolbido e co iceituido n'este
eommercio, onde todos llie fazem a devida jus-
tiya por seu mrito e siogelesa. Continuo sem-
pre a manter-me ao seu disper quer como c.mi-
(nercianto quer como particular c distinti
amigo.
Garanhuns. 3 de Junho de 1880.
^ Ptdro Ico da Stlca-
Gumpaaliia do Beberibe
Errata
Na publicacao huntein feita n'este Dia-
indo l se no finid do terceiro" perio-
do : o que nao consegudeve lr-se : o que
nao conseguio
rio, o
Ceciliano Mamede.
Ao publico
11 capito Antonio Izidoro da Slv-'. residente
Ao QCiin. Sr. Dr. juiz de direito
da comarca
A bem do culto divino, espora o povo. que a
igreja de Nosso Senhora do Livramenlo nao ve-
ulia (car em rumas.
Exisiindo ir.iiaiidade, e por um vicio encon-
trado uo compromiso em CorreiciO em dous ar-
ligos. foi suspensa a i.iesma, al que ratificas
sem os mesmos artigue na forma da lei.
Desconvido se amaos irmaos, por ora nao
cumpriram o provimenio em correico, Bra uo-
meado um adiiimislrador e nao urna comini-
para dua igreja ..._.__ .. .. "na tienda Camarao da comarca do l'enedo. do-
que o [M-qucuo reud
para a caixa pa,
A igreja est fica
conta e cuidar em reformar os artigos que t.i
ram viciados no compiuinisso, e depois ao po-
der competonie para legalmenlc funecionar.
I'oreui, sendo diminuta a commisso, foi re-
qiTdo K;.i mesma coanuissoo augmento
111.;- irmaos, que se ach em juizo mandando
As.-i-ii pois peskoa'algoma aceite lettra com a
firma do ahiixo assignado, e mi'Sino qualquer
arta ue Hitorisacao, por ser ludo que se apre-
S'ntar falsificado.
Somma.
Issucar
8 .
C:6
1 O'.'o S; :-
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, -
.mndoa Associagao Comracrcial Agrcola.
M seguales:
firancos .
Soraeno .
Mascavado purgado
bruto.
Rtame .
.14000 a \ 4i
25UH1 a 470II
2iU) a
(firmo 15HX) a tM*K
li&to a l7eHi
A exoriajo, feita pela alfandega nete mez
al o dia subi a 88.G80 tilos para o interior.
As entradas verilicidas al a data de hoje, so-
ben a 1.480 saceos, sendo por :
Barracas ... 1.448 Saceos
Vapores .....
Animaes....
Via-ferrea de Caruar. o
Via-ferrea de S. Francisco. ....
Via-ferrea do Limoeiro .....
Somma.
1.480 Saceos
Agurdente
Cota-se a 80*000, por pipa de 48( litros.
Alcool
CoU-se a 170000 por pipa de 480 litros.
Uel
Cota-se a 70*000 por pipa de 480 litros.
Couros
A cotaco dos salgados de 380 ris na liase
de 12 kilos e dos verdes oj r.-i-.
Pauta da alfaudega
SIMA!* 3 A 8 llF. JIMM liR \(8$
Vide o Diario Icario carga
Lugar porluguez / 11 Porto.
!Vavios a descarga
Barca norueguense'Saya, xarquee feui.
Barca nacional Mura Angelina, xarqu".
Barca ingleza Windsor Castle. farinhade trigo.
Barca nacional Marianmnha, xarque.
Barca norueguense Uvmgstone, carvo.
Barca sueca Camesen, varios gneros.
Barca inileza Beltress. bacalhao.
Es. una allema Benmrd Johana, varios generor.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar portuguez B.nlo de Freitas, varios gene-
ros. ,
Lugar inglez Gertrudis L. Tanndy, fannha de
trigo.
Patacho nacional Rival, xarque.
Patactio hollandez Uargaretha, xarque.
Patacho dinamarqnez Thor, xarque. /
Patacho hollandez Engetta, xarque.
Patacho hollandez Aflent, xarque.
Patacho sueco Amor, xarque.
informar ao administra*:
Fniporiaco
Vapor francoz ViHe de liosirio entrado do Ha-
vre e Lisboa em 5 do o rreote e Cuasiguado a
augusto LaOille, manifesion :
Carga o I ivre
Agua mineral 3 caixas a l.uiz Antonio Sequei-
ra.
Alvaiade 20 barricas aj-'m a StibrinliO & C.
Amoniaco 1 caixa a Sui/.er Kauilmauo & C.
Acido sulfrico 2 caixas a II. Fouqueau.
Armas 7 caixas ordena.
liicurboulo de soda 3 barr, as a H. K iuiT-
mauu.
Bomba 1 ao mesmo.
Calcados 2 caixOes a Gomes de Mattos Ir-
maos, S a Albino Cruz C, i a Costa Camp. s
c C.
Couros 1 caixio a Braga 4 Sd.
Chocolate l caixft ordem.
tochimbos 1 caixa a Francisco Mano.', il i Sil
va C.
Drogas 2 caixas a Faria Sobrinho (I., 7 a
Francisco Manoel da Silva & t:., 2 a <. Martina
l'enedo 2o do Maio de 1889.
Autimiu Iziii
.u.
Mil! i
& C, 20 a J. I!, de Cana!!! >, .ai a Ferr ira Ro,-
drii;ues '\ C -
(jarioes I caixa a Pana Svbnnh i C.
Caruecui eonsarvas 12 caixas a Cuiihalrasos
& C I a A. A. S. Aguiar.
Feijo 100 saces a l'aiva Valenle i C.
Mercurio 1 caixa -i Faria Sobrinho 4 C.
I'aldos 2 caixocs a Guedes de Aranjo Filho.
2 a Lipes S.'i \ <',.. 2 a Silva Cuimaies & .
I'edras para nioinhn 1 a ReisA Santos.
Rollias 2 saceos ;f S.mivs ilo Mnaral irmao
Touculio 20 bar risa Canlftt irmaos & C.
Viubo 2 pipas c :.:i!bnris a Ferreira Rodri
gues Jt C, 4 e 4') a Jos1 C mie G nclies. 1 bar-
ril a A. A. S.-A.'uiar. 2 a Rimqjuayrol Fri i i.S
a A. azadmond, i i l-^ > l'oulc..-., a Joaquim
Keiippe 'guiar, 2't a Cnnlw Irtno ''.. 2 a
.1. eocalvcs de A/.e.>:d,i, 24 a i! M da Cosa &
C, Oa Mondes Li.a -'.*C i-, e .7) aixas a Sil-
Gyimaraes 4 C.
Ferrngeiis 3 raixas a Ferreira Guinarcs & C.
Fitas e lecidos 2 caixas a Manoel da Cunta
Lobo.
I.mos 1 caixio a J. i'. Bolitrer.u. .
il-nileiva l-' oams c 20,2 ditos a Joaquim
Ferreira de Carvalho & C, 33 e 43 ao consigna-
re i. 23 23 a Joaquim Fellppe & Aguiar, cai-
\ !, mesmos, 2' uo consignatario. 13 a Fer-
reira Rodrigues i C, 16 a Guedes de Araujo &
Filbo, 22 a Sou/.a Basto Amorim & C, 8 a J. B.
de Can albo, 11 i ordem, 10 a Alves limaos -
C Ii. a Joao Feruandes de Almeida, 20 a Do-
mingos ruz & C.
Mcrcadorias diversas 3 volumes a Nunes Fon-
seca A C 1 u !v Gonjalves Cascao, :i a Fian-
cisco Lamia C, 2 a "Gomes de Mattos Irmaos,
o i (Hiimaries Cardosoi C, 10 a Antonio Duar-
le Caroeiro Vianna, 1 a Autonio Jos Moua Ota-
maraes, 4 a R. de Druzina C. 1 a l'i.nicisco
urgel & Irmao, 1 a Bernet C I a Domingos
Manoel Marlius, 1 a Pangot Baugode, '< a
te Vianna & C, i a Ferreira & Irm; .. -i ., Sala-
zar C, 2 a Manoel Collaco & C, i a Manoel
Joaquim Ribeiro.
Movis 3caix0es a Maia S bnnlij v C
Objectos para chapeos 1 caixDo a Antonio Jo
s Maia & C
Perfumara 1 caixa a Mam* : '., Haco 4 C.
l'orceLana 9 barrica a Beraurdino Duarte
Campos 4 C.
Papel 1 caixa a G. Lapoft 4 C.
Queijos 6 caixas a Paulino de Oli-oira Maia.
22 a Goncalves Rosa 4 Fernandos. 23 orden),
20 a Paiva Valenle 4 C.. W a Souza Basto Amo
rim *i'., 22 a Joaquim Ferreira deUuvallio
4C.
Tecidos diversos 1 caixa a Francisco de Ase-
vedo C. 3 a Frederico C, 2 a Olalo Jar-
dim 4 C, 2 a Bernct 4 C, 2 a ordem.
Tintas e vidros b caixas a Francisco Manoel
da Silva 4 C.
Vidros 4 caixas a Bernardino Duarte Campos
4 C, 1 a Rouqayrol Freres.
Vinlio 2 barris a J. P. Boliircau.
Carga de Lisboa
Azei'e 2 caixas Silva Guimaraes 4 C. 33 a
Paiva Valenle & C, 76 a Ramos Geppert 4 C
Aaeitonas 2 caixas a Silva Guimaraes 4 C.
Bagas 1 barrica a Gomes Maia 1 a Victorino
Costa C
BaUtas 30 caixas o Souza Basto Amorim 4
C.,25 a Soares 4 Feruandes, 360 a Cunha Ir-
maos 4 '... 900 a Silva Guimaraes A-C. 100 a
i Valeote 4 C.
Clulas 120 caixas a Silva GuimarSes 4 C,
20 a '. i 4 C 15 a Araujo Castro
Vapor americano Fitunue entrado de New-
Vorkem igual data e cousignado a 11. FofSter
* C, nianifeslou :
Amostras 2 volumes a diversos.
bataneas 1 caixa a Rosback Brothers. ; Baul.a
23 barris ordem, 50 a Araujo Castro < C 130
a Feruandes & Irmcs, 273 a Paiva Valenle
C, 1 a Companhia Forro Carril, 100 a Fraga o-
cha 4 C, 23 a Lopes de Magalhaes. 25 a Silva
Marques 4 C, 20 a Lopes Alheiro <-C, 30 a Do-
mingos Cruz 4 C, 30 a Goncalves Rosa ( Fer-
na'.des.
Cerveja 1 caixa ordem. Candieiro* 64 vo-
lumes ordem. Charutos 1 caixo a Browus
4C.
Drogas 7 volumes a Francisco Manoel da Silva
4 C, 1 a Paiva Valeule C.
Fogos da China 22 amarrad v- a Gomes dn Mal-
los Irinos. Fcrragens 1 caixa a W. llallday
4 C. Fumo 1 caixa ordem. Fannha ce trigo
1300 barricas a LondoiiUrasilaii Bank.
Kerosene 200 caixas a Paiva Valente 4 C.
Leite condensado i caixa ordem.
Maiena 100 caixas a Souza Baso, Amorim *
C, 40 a Guimarars Bocha 4 C, 60 a Demingos
Forren* da Silva 4 C, 30 a Silva Marques 4 C.
Mercadorias diversas 2 caixas* ordem, 1 a Da-
vid 4 Ribeiro, 2 a Francisco Manoel da Silva n
C, 4 a J. H.Bo.vwel.
Orgao 1 a J. Wacker. Oleo i caixas a Fran-
cisco Manoel da Silva 4 C, 6 a Companhia Ferro
Carril,
Papel 1 caixa a Manoel J. Goncalves Braga 4
C. Perfumara 1 caixa ordem, 13. a F. Manoel
Silva 4 C. Pas de ferro 0 cixes av\V. Halliday
* C, 96 a J H.lBoxwell.
Relogios 1 caixa ordem.
Sementes 1 caixa a Rosliack Brothers.
T. cidos 3 volamos a Monhard lluber C, 5
ordem. "oucinho 3L> barris a Fraga Rocha 4 C,
ndes a Irmaos. 20 a Joaquim ferreira
de C C, 45 a Paiva Valente C-
Tinta 1 caixa a Manoel J. Goncalves Braga & C-
Typos 7 caixas a ~>rdcm.
Zinc i 1 caitfl a Companhia Ferro Carril.
Carga do MarauiQo
Gomnia de maudioca 8 paneiros ordem, 8 a
Pereira de Faria 4 C.
Milbo 700 saceos a Joo Ramos, 200 a Pereira
de Faria C, i!97 a Guimaraes 4 Valente.
Patacho portuguez Valladares, entrado da Fi-
guera em igual data e consignado a Amorim
Irmaos 4 C, manifestou :
Vinho 64 pipas e 110 barris a Paita Valenle
4 C, 42 e 65 a Francisco Ribeiro Pinto Guma
- 4 C, 108 e 133 a Souza Basto Aa;
42 e 63 a Silva Guimaraes C. 2 c
reir Rodrigues 4 C.
X.3 30
rgiiranra non <:o* elogaren Iom-
liihri
O uso da Salsaparna de Bristol, leinell'ec-
luado casos sdmiraveis de sezes. tercans, febres
biliosas, calefrios febres remitientes o nutras
molestias causadas polis Derivas exhalacoes do
ti rreno e das aguas estagftadas.
l!efere:n-so casos occorn.lo- nos valles d i Mis-
sissipi o do Odio e era lo las as partes da Cali
forma, paraos quaes. depuis d se haver em-
pregado larroclifenimcnte os talentos dos me
ii g ii- mais experimentados, fste grande res-
tayralivo e conservador da W le. nao somonte
desalojos a molestia, romo lambem regenerou
completaniei le s doje, dando Ihe ejiunno
disse um iudividio que s- ha.ia salvado (la-
gaas da morte. miva vida, novo vigor, o lor
liando oinvuiier :vol ointtra os elTeitos da n,ala-
ria, expjsicos o tedaas mais lofloencias per-
niciosas d'um clima insalubre e doenlk. Para
a Mira las ni deslas ul ero-as eeniphvois o
nico o de'rradeiro re:cdic inaliiV'.i.
cha se venda em todas as principacs boti-
cas c lojas de drogas.
Surdez
Una pessoa curada de 23 annos de surdez e
zumbios nos ouvidos por um remedio simples
enviara gratuitamente a dcncripc5o a quem o
desojar. Xicholso Sgo del Bslero liOHcc-
nos-Ayres.
Aviso aos nossos.fcito/*cs
Os nosso3 leitores que visilarem Paris
durante a Exposicilo j sabem que pode-
ro ler os ltimos nmeros recem-chega-
dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Prince & C, 36, ra Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na exposigao
no Pavilhao da Repblica de, Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de pfir
graciosamente urna sala com varanda
disposico dos-mesmos senhores.
Para se evitar qualquer confusao. os
nossos amigos que quizerem recetaba
sua correspondencia em casa dos 5r*k.
Amd rince & ., devem mandar diri-
gil-a ra Lafayette, n. 36, por ser a
sdc do servifo especialmente organisado
para isso.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
mei dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Bocio da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 2f).
\guas alcalinas miaeraes de Mon-
dariz em Pontevedra, na lies-
AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que vayan a
Paria mientras la Expoiictn, saben yaque
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de os
Wrs. Anide Prince y C. sea en
el gabinete de lectura instalado por dichos
corresponsales, en el Pah di mdela Repbli-
ca de Guatemala, en donde el comisario
general de Guatemala be puesto graciosa-
mente a la disposicin de dichos Srs.
Amtle Prinee y C\, una sala con
terrado.
Para evitar toda confusin, los amigos
nuestros que
se bagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citados Wrs.
Asnlce Pa'ioee y C debern hacerlo
36 ruc Lafayette, en donde estar espe-
cialmente organizado ese servioo.
(2)
Patacho nacional Ba Sorte, entrado do llio de
Janeiro em igual data e con-igriado a Maia j. Ke-
zende, manifestou :
Karello 3570 saceos a ordem.
Laar inglez Nelly, entrado de Terra Nova
em 4 do andante c consignado a IL Perman, ma-
nifestou :
Dacalho 1919 tinas c 600/2 ditas ordem.
Patacho nacienal Regale ir a, entrado do Ro
Grande do Sul -mi igual data e consignada a Pe-
reira Carneiro & (,.. nanifestou :
Grasa em bexigas 6.50 kilos.
Elixir ele nogueira 23 caixas.
Impressos 1 caixa.
R tratos I caixa.
Xarque 200,000 kilos a ordem.
'.xporacao
RBCIFE i UE JUNHO DE 1889
i'ora o exterior
wct vapor americano Adcance, carroga
' Para . dos com 58,48 pelles de cabra ; Rossbach Bro-
thers 366 couros salgados cora 25 621 kilos e 50
fardos cora l.t 098 pellos de cabra.
Fury o interior
No vapor americano Amncc, carregeo :
Para Para, V. da Silveira 100 barricas cora
4.01)0' Kilos de assuear braaco
No vapor americano Fi*iuue, earregaram :
Para Sant.is, P. res & C. iW barricas com
6,000 kilos de assuear mascavado e 4 pipas rom
1.920 litros de alcool.
Na escuna aorucgueqse Swerdrupp, carre-
garam :
l'ara Pelotas. Amorim Irmaos & (',. 40 pipas
com 21,120 litros de agurdenle, 2 ditas e 5
barris cora 1,440 ditos de alcool e 1 barril cora
96 ditos de oleo de ricino.,
So vapor nacional Jacuhnpe, carregaram :
Para Cear, F. Tascao c\ Filho 36 barris coin
5,760 litros de mel.
Na barcaca Almc inda, carregou :
Para Parahvba, U. Machado 17 pinas com
16,0 0 kilos d graxac 41 barris com 2,400 kilos
de sebo.
Na baruca Ficlxrie, carregaram :
Para Mossor, P. Alves A C. 11 barricas com
1,200 kilos de assuear mascavado.
Na barcaca Triumplto, carroaran) :
Para Natal, Oliveira & C. 4 barricas cotn 243
kilos de assuear branco.
ReniliiHcjafos publico*
aa n maio
Al[unlrija
RenJa gefSJ
Do dia 1 a i
dem de 5
74:901*923
24:954403
Renda nrovincial
Do da 1 a 4 5:6331682
dem de S
99-.839J336
9 460^020
Scmma totl 109:3195340
Segunda seccao da Alfandega, 5 de Junho de
1889.
SthesoureiroFlerencio Doiningues.
chefe da scelo Cicero B. de Mello.
Recehedorla Geral
I'o dia 1 a 4 3:574*496
dem de 5 1:451*560
naiiha
jo6
ESPECIALIDADES
ara moleslias do estomago, taes como: dispep-
sia gastralgia, catharro chronico do estomago,
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, taes como: enfarta-
r.eulo do libado, ictericia, clculos bilia.-es, diar-
,-!ia chroica, etc., etc. )
Molestias das \ias urinarias, taes como: dias-
tt-ses ricas, catliaTo vesical, diabetes sacarina,
albuminuria e goltn.
Nas anemia.-, eblorosk, psoriasis, prunigos,
llores artrticas e inotras militas mclesiias.
As aguas alcalinas de Mondaria nascem de ro-
. nas granticas na temperatora de 180 centgra-
dos, sao claras, incoloros de cheiro parecido um
pouco aos de oves cosidos, sabor alcalino, pro-
duzindo um ligeiro sabor picante na occasio de
tomar-so. Elias sao classiricadas no numero
das alcalinas c bi-carbonatadas de soda.
Estas aguas achara se venda no estabeleci-
mento do Sr. Antonio Alfonso Simos, silo ra
Visconde de Goyaar.a u. 1 (quatro cantos), em
Boa-Vista, e no escriptorio do Sr. Joo Ramos
oa Praca da lodepoo lecia u. li.
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro
11Ra Lars d Rosario 21
(POE CIMA DO ANSE DE OCEO)
Onde lem eensalMrlo e rcei-
dencia s podendo ser encontrado e
qualquer hora
\\

receliendo chamados
do da e da noite.
Especididades : partos, febres, moles-
tias de senhoras e dos pulraes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
racoes do eslreilamentos e mais sotlri-
menlos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephouc n. : S
Surdos
Urna pessoa que foi curada da surdez c zui-
do de ouvidos, de que padeca ha 23 annos,
usando de u.n remedio mu o simples, enviar
irralis a sua descripcao a quem a desejar Diri-
ja-se ao Sr. .>cIioIsju, 1260, Santiago del Esie-
o, Bucnos-Ayres.
Reeebcdoria provincial
Do dia 1 a 4 4.636085
dem de 5 1:5554700
Recife Mrainage
Do dia 1 a 4 971*727
dem de 5 12535
6:191*786
984*262
Maadonro publico
Neste cstaDeleciraento foiam abatidas para o
consumo de boje 91 rezes pertencentes a diver-
sos mordanles.
Vapores a entrar
MEZ DE JtTNH
Norte..........)htti'tos........... 6
Sul.........Ufanee........... 6
Sul........... Pernnmbuco....... 6
Sul........... Cometa........... 7
Euroia....... Tuy............. 8
Sul........... Trnit............. 9
sul........... Vdle de Pernambuco 10
Norte......... Maranhao......... 14
Sul........... lagoas :.......... 17
Hamburgo Bueno-Agres....... 27
Europa....... Tamar............ 22
Sul........... La Plata.......... 23
Norte......... Espirito Santo..... 25
sul........... Para............. 27
Santos e esc .
Ceara e esc...
Sul..........
Norte........
Norte........
santo* e esc.
Buenos Ayres.
Antuerpia ...
Baniaeesc -.
Fernando ----
apores a sahlr
MEZ DE JUNHO
Finante .......... 6 as
Jaguaribe......... 6 as
Mandos........... 6 as
Adcance.......... 7 as
Pernambuco....... 7 as
VUlede Rosario... 7 as
Tagus.......J..... 8 as
Trent............. 9 as
Jacuhype.......... 10 as
S. Francisco....... 10 as
4 b.
3 h.
oh.
5h.
5 b.
12 h.
2h.
5h.
5 h.
12 h.
liuvimcuo do porto
Kac08 entrados no dia 5
Havre c escala19 das, vapor francs Vdle de
Rosario, de 1 -*>50 toneladas, commandante A.
Deliens, oquipagem 37, carga varios gneros;
a Augusto Labille.
New-York e escala -: 3 dias, vapor americana F-
nance, de 1,919 toneladas, commandante Robert
Zoliing. eginpagein 62, carga vanos gneros;
a Ilearv Forster & (',.
Illr.i da FiguVira 34 dias, patacho portuguez
Valladares, de 170 toneladas capito Jos Gon-
calves de Mallos, equipagem 8, carga vinho;
a Amorim Iranios & C.
Aracaj e escala 4 dias, vapor nacional Jfanda-
bu, ue 222 toneladas, commandante Alcides
Moraes de Albuquerque, equipagem 18, carga
couros ; a Companhia Pernambucana.
Rio de Janeiro15 dias. brigue portuguez Boa
Surte, de 202 toneladas, capito Antonio Fer-
nendes Serra, equipagem /, carga varios g-
neros ; a Bailar Oliveira & L.
Halifax-30 dias, palhabote inglez Jaste, de 98
toneladas, capitao C. H M. Locd, equipagem
8, carga bacalhao : a Blackborn Needham
& C.
Navios sabidos no
Barbados-Barca norueguen^ do T. F.
Teriessen ; em lastro.
Camossim Histe nacocal D. Mu, mestre Lan-
rentino F. da Costa; carga vanos gneros.

""
'

.



Diario de PernambucoQuinta-feira 6 de Junho ^le 1889
m

o
}
\

i
Estritamento da urethra
Ao Illm. Sr. I>r. Carlos Betten-
court
0 abaixo assignauo vem pelo prsenle agra-
decer ao dislracto especialista Dr. Bettencourt a
importante operado que llie praticou n'um es-
treitaraento da ureihra que o acalirunhava ha
mais de dous anuos Vendo as un.uensas curas
feitas por este Ilustre doulor re-olvi me a pro-
coral o %o seu con.-uliorio, onde fui ha das ope-
rado pelo electrolse.apos cuju tratamento acno-
me perfeitamenlo eurado.
.Recife, Mato de 1889.
Joaquim Antonio da Fonseca Galco.
Advoeacia crime
RIREIRO DA SILVA, dcfonde pcraote o-j ,
jury de Palmares. Agoa-Preta. Gamelleira.l)
Esradn.Jhouto, Nawirelh, Viiioria, Tim- j |
bauba e as coman-as sinhas as vias
ferreos.
Pode ser procurado a ra 1' de Margo
11. 7 A. Liviana Parisiense.
Frederico Chaves Jnior j.
>atha j
U 39 RA BARAO DA VICTORIA 39 M
) | Primeir andar { )
Gasp
ar
Dr. Alfredo
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de scnhoras e creancas.
Consuitorro e residencia ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 is 10 da manhl.
Chamados (por cscripto) qualquer hora
telepuose H. 226
Cirnrgiao Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pc!a Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tt::n aijerto u seu consul-
torio, na ra Baraodo Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas das 10 4 horas da tarde.
SSa=*E&
fj0
Bacharel Antonio Wilru-
vio Pinto Baodeira
Pode ser procurado ra do Imperador
D. 71, Io andar
Ao publico
Constando que o Sr. Bernardino Gomes de
Carvaio quer negociar o ongenho Aracuagy,
previno em teiLpo a s intoressados que as obra*;,
machinas e utensilios ilo referido engenh estiro
hypothecados a mim. Recife, 23 de Maio de
Joo Carneiro Rodrigues Campello.
MEDICO HOMEPATA j
Dr. Balihazar da Silveira j
Espccalidadc febres, molestias ti
das crianzas, dos orgaos respirato- '.)
rios e das scnhoras. / j
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital,
AVISO
Todos os chancados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Barao da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Dr. Firmo Xavier
Medico e operador
D consultas das 11 as 2 horas em seu con-
sultorio a" ra dalmperalriz n 30 1 andar e
tem sua residencia na cidade do Cabo, onde po-
de ser procurado das 6 da tarde as 9 da mann.
EDiTES
V seeeo.Secretaria da Pre-
sidencia de Iaernanihtico em :l
de Jiinho de 188.
Por esta secretaria si faz publico, de ordem do
Exra. Sr. vice-presideote la provincia, em addi-
tamento no ednal de 2.*> de Maio ultimo, que do
tbeor seguinte a inlcgni !" art. lt da lei n. 1860
de li de Aposto dr lft." < a da lei n. 1972 de 22
de Marro d'eslc anno.
Arl. 1>> Pica o presid-uta da provincia autori-
sado a conneiar rom o roramerciante da praga
do Recife. Jos da Sftva Loyo Jnior, ou com
quera mel.iore.- v autagtns oflerecer a fundadme
explorato n'e.-la provincia,dequatros engenhos
centroslo:! i capatidarie psra safrejar cada ura.
de 2o a 30 i-ilie- de ktlogrammas de canna,
crido cada qual do -n -lo de 600:000*, on oito
com capaeidadi' para safrejar cada um de 12 mi-
tlies e BDO mil a 13 nilhues de kilogrammas de
canna. sendo n'esulrj mnese o cusi de.......
J00:UIHJ. sol) as seguales eondicOes :
1' A provincia concorrer com a quant>a de
200:000.5 noprimeiro :sso e de OO.OO uo ta-
zando, em apolicesdo.uro de T' para cada um
d'esses engenhos feudo os juros pagos yo porta-
dor pelo preponente ou por quem lomar a -i u
estabelecimento dos referidos engenhos reco-
lhidos ao Tliesouro no fim de cada semestre.
2* 0 pasamento ser feito pela provincia em
duas prcsiacoes. a primeira quaodo forera apre-
stados o conliecimenlo do embarque, factura
eapoce lo seguro dos maleriacs, cojos docu-
mentos seiio endossados a ordem e licaro era
poder .do Ti.esouro Provincial, em i-auy&o da
quantia que receber o contractante, a segunda,
depois que se acharem os ineiuos inatenaes no
local em que for estae lucida a fabrica.
3 A provincia ter bypothpca sobre todas as
fabricas, para garanta" de sua- a plices, i sen-
lando, porm, durante 10 anuos, o assucar n*elles
fabricado do imposto de exportecSo e outros
quaesquer provinciaes ou municipaes que exis-
tam ou forem creados posteriormente.
4 A provincia ter durante as obras um cn-
genbeiro fiscal por ella nomeado, cujo ordenado
je^pago pelo proponen te ou por quem o sub-
stitair. -
5 A amorisaco das apohecs sera fela a ra-
ijo de 10 "'o annualrae lie, a contar do anno se-
"uintt: aa cm que tivenrui cornecado a trabalhor
i referidos engenhos, icando livre ao propo-
nente o direito de faztr maior amortisaco, se
assim lhe convier.
Far-se-ba urna emissln de apolices com a clau-
sula de serem resgatadas annualmentec por sor-
6 0 coatractaD'p n5(> podert farer cessao de
seu contracto si .
" O proponentc ou quera couir-ictar.seraobn-
gado a apresentar ao pri'sWcute da provincia urr->
planta dos apparelhos ou machinismos mais
api-rfeicoados destinados aos engenbo;, a dualb
ser approvada depois de ser examinada por
urna cominissaode engenbeiros, uonieado pelo
mesrao presileuie.
8." O contratante dar annualmente no Tbe-
souro Provincial tianga dos juros que ti ver de
pagar provinc.a pela emisso^ppllcada da9
apolices aos eugenbos centraes.
Lei n. 1972.
. Inuocencio Marques de Araujo Goes, bacha-
rel em sciencias jurdicas e soches pela Facul-
dade do Recife, deputado Asseiubla Geral
pela provincia da Babia e presidente da de Per-
nambuco :
Fago saber a lodos os seus habitantes que
a .-sseiublea Legislativa Provincial decretou e
eu sanecionei a resolucao seguinte :
Artigo nico. pagamento da primeira pre-
slacao de que traa o n. 2 do art. Id da lei pro
vincial n. 1,860 de 1883, ser bilo lambem
quaudo for apreseulatlo ao Thesouro Provincial
o coniraclo de compra e venda dos maleriaes,
devniaiiiente legalisado.
| 1. Esse. contrallo ser por escriplura pu-
blica, era que o vendedor dos maleriies garan-
ta ao concessionario con hypolheca coiiveiieio-
nal de bens a entrega dos appareihos na poca
ajuslada ou com lianii eqnivalenlc ;n'iu;eira
presiaco paga pela provincia'.
2. Picara a pro vi acia ubrogs la as ga-
rainias do conc:'-sioiiario. que r peraiile
o Tlwaonra Provin :ia1 termo de rvsji insabilida-
de liniiado laiubvm pelo vendedor coxo abona-
dor ri'aquelie,.
. S >' A '' '< '' y-> da* a'poHcea de que ira-
ii ; ferida I i. ser l'eitaan-
I : cerno,
U..(| .l.'l.'.l cal
i|u.' a i"abi -i ce il al houver > ::i-;iiado a tra-
balhar.
* S i 0 icr os contratantes, quer as fabricas
eeniraes licaiio sontas de quaesquer impostos
provinciaes e Itounieipaes, exceptuados nica-
mente os de exportacao, emqu^nto nao forem
eliminados do orcaiuento pr ivincial.
Sao revogudas as disposicOes em contrario.
Mando, porlanto, a todas as autoridades a
quem o conliecimenlo e execuco da presente
resolucao perteincr, que a cumpram e facam
curaprir lio inUirament" como n'ella se con-
lera.
0 secretario interino da presidencia da pro-
vincia a faga imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 22
de Marco de 1889, 68. d independencia e do
imperio.
L. S. Innocencia Marques de Araujo Gors.
Sellada c publicada a presente resolucao
n'esu secretaria da presidencia de Pernambu-
co, aos 22 de Mareo de 1889.
(Assignado secretario interino, Manoel
.luliiim Silceira.
0 secretario inlerioo,
Manoel Juaqnim Silceira.
5.a .i-icao.-M-iirlaria da preid
ria d Pernambuco. 95 de Malo
de 1889
Por esta secretaria se faz publico para conhe
cimpQto dos interessados. que tundo o Ex;n. Sr
vice presidente da provincia considerado sera
effeiio, por portara de boje, a concurrencia aber
ta pelo edital de 20 de Abril ultimo, ao qual se
refere o de 3 do correnle, para a fundacSo oe 11
enSennos centraes, de eonformidane com a le
n. 1971 de 22 de Marco tiesta anuo, visto que a
publicarlo do cdilal d*' ido contrate, reduzindo
a 30 dias o prazo de 90, marcado no de 20 de
Abril, nao acompanhou o dcste, dando lugar a
reclaiuaces, lira aberta nova concurrencia, cora
o prazo de 30 dias, contados da data do prsen-
le, para aquella concurrencia, observadas as dis-
posic5e do art. 16 da lei n. !860 de 11 de Agos-
to de 1883 e a lei u. 1972 ue 22 de Marco deste
anno.
0 secretario interino
Manoel Joaquim Silveira.
5." pera Weeretarla da previden-
cia de Pernambuco. 4 de Maio de
.
Por esta secretaria se faz publico, de ordem do
Ex.'ii. Sr. \ re presidente da provincia, que, ten
do Candido Dias, agricultor e proprietario agri-
cola, residente noengenbo Guerra, do municipio
de 1 .juca, requerido que com elle se contrete
a iundacao de una fabrica central de typo rae
or no dito engento, lica aberta a concurrencia
por L-oai,o de tnnta das, contados da data do
i re- -ule edital, para o lira exposto, mediante as
ruurtiroes estipuladas no art. l^da lei n. 1,860
II d Agosto de 1885 e lei n 1,972 de 22 de
Mario ultimo.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silceira.
5.a seceso.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 2'J de Abril de 1889.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vice-preaidente
da provincia e nos termos do 2 do :rt.
Io da lei n. 1,1)01 de 4 de Jnnho de 18*7,
que, tendo-se concluido por mcio de laudo
de arbitro desempatad"!-, a qr.estao de ava-
liayo do material da empieza de illuini-
nacao gaz desta c'.dade, tica aberta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
zes, contados da data do presente edital,
para contracto da dita illuminacao, me-
diaste as seguintes clausulas da citada le:
3. Nenhuma proposta sor recebida
sein que o proponente cono ea aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da qnantia de 20:000$
em dinheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitato do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
$ 4." O deposito, a que se refere <> pa-
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo contraetantc senao lindo o contracto e
servir de caucSo para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
" | 5. O contracto s poder ser feito
com quem melhores vantagens offerecer
na concurrencia.
| 6." A nao ser no caso do paragrapho
antecedente, a actual empresa nao ter
preferencia a qualquer outro proponente.
7.o O novo contractantc sera obriga-
do indcmnisacSo, a que a provincia
sujeita por forc da clausula dcima ter-
ceira do contracto em vigor, devendo dit:.
indemnisacSo ter lugar de accortlo com
essa mesma clausula, e ficando o material
e obras da empreza hypothecados pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
o ou pelo menos depositada arespecti-,
va importancia.
| 8. O prazo do contracto nao poder
exceder a 30 annos.
9. O prego da illuminac3o, quer publi-
ca, quer particular, n2o poder exceder de
260 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
sc urna reduccSo de mais de 30 [0, para
os estabelecimentos de caridade e benefi-
cenei.-i, e repartijoes publicas.
10." O systcma mtrico, si for raaiB
conveniente, ser adoptado para a medi-
9J0 do gaz.
| 11. A Ina ber clara, brilhante e isenta
de substancia* entianbas, que possam pre-
judicar a lummacAn e a liygiene publica.
| 12. A iiiteu.-idade media da luz ser
equivalente u de des Vtdaa de esperraacete'
das que queimam sete grammas por hora,
correpondcnte* a 120 graos mglezes.
13. As hora* de Iluminadlo publica
serio fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nao podendo
ser em numero menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste caso have:r urna
reduccao no preco do gaz correspondente
ao' acrescimo de horas.
g 14.* O contractante ser obrijado a
tf- "ovincia um representante com
plenos e Ilimitados podere^ara tratar e
deinitivamente resolver as^iestoes que
se suscitarem, quer com o governo,
quer com os particulares, ficando sujeitos
todos os seus actos s lea e regulamen-
tos e jurisdiccao dos tribunaes judicia-
rioB ou administrativos dopaiz.
15. O contractante ser obrigado a
coliocar e construir sua custa um ou
mais gazometros, se houver necessidade,
nos lugares qe o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os uelho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na edrte do imperio ou cm alguma ca-
pital da Europa.
lti. O pagamento da illuminacao pu-
blica e particular ser feito em moeda do
paiz, sem attencao oscillagao do cambio.
17. O contractante poder organisar
companhra, a qual iicar subrogada em
todos os direitos e obrigajSes do con-
traoto.
\ 18. Para as despezas cem a fiscali
s 150 do servieo de in.-iiinaeno o contrac-
tante concorrer annualmenta com a qnan-
tia de 3:0005000, que serSo recondoe ao
Theeo*iro Provincial.
\ H'. O presidente Ai provincia esta-
blecer es mnhrs e mais cORuc/o'es, no
intuito de garantir a l>a exeenoSo do con-
tracto, quer com relacSu illumincjlo pu-
blica, quer com 1 particular.
Faz-sc pablco, nnalnieute, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7o acifna citado, 3
quantia de 99 !:)17528, de accordo con
a avaliayao feita pelo arbitro desempata
dor em 18 de Saryo ultimo, visto deduzir-
to da de 998:7775528, total da avaliacao,
a importancia de 3:8605000 paga em-
presa em 1860, proveniente de 22 canos
de ferro, 5 columnas e 5 bracos com l.im-
pe3es, collocados fora do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel 3oaqui::i Silveira.
reza do Gaz
Aviso
A empreza de illuminacao a gaz desta
cidade por seu gerente, tendo visto no
Diario de Pernambuco de hoje a publica-
cao do edital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminajSo mediante as clau-
sulas no mesmo enunciadas c servindo de
base para a indemnisaclo da empreza
actual a quantia de 998:77-75i28, por
quanto foramavaadas pelo arbitro desem
patudor as obras da mesma empreza,
quantia essa que dever ser paga pelo
novo contractante, vem pelo presente
aviso, e para evitar duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliacao nao pode servir
de base para tal indemnisacjto, por ter
sido illegal e irregularmente feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feitos da
fazenda, tendo eda intimado do mesmo
o Dr- ..ecurador dos feitos da
Emp

V
como representante
protesto
Fazenda Provincial,
da provincia.
E como quer que de va em terapo op
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, deliberou fazer a
presente publicacao para ciencia dos in-
teressados.
Reeife, 1 de Maio de 18'80.
George Wn Juizo dos Feitos da Fazeuda
No dia 7 do corrente moa, e itepois da audien-
cia do Sr. Dr. juiz substituto da Fasetida se lia
de arrematar a quera mais dar o seguiule :
A casa terrea n. 6 ra de Fre Heoriqne, me
drado 3 metros e 75 centmetros de largura, e 8
metros e 50 centmetros de comprimento, com
porta c janella de frente, 2 salas, 2 quartos, co-
sinha fora o pequeo quintal, pela quantia de
""60*000, prego j encontrado em hasla publica,
para pagamento do que deve a Fazenda Provin-
cial Clementino de Farias Tavares.
O sobrado de 2 andares 0. 71 a ra do Viscon-
de de Inhatima, arruinado, raedindo 2 metros e
70 centmetros de largura, e 17 metros e 70 cen-
tmetros de comprimento, tendo o 1." andar 2
portas de frente, 2 salas e 3 quartos ; o 2." andar
com os mesmos commodos e soto interno, e o
pavimento terreo, sem repartimeolo, e com quin-
tal, avaliado era 1:800000, para paga rento do
que devem a mesma Fazenda Jorge Caroll e Ca
ra Clementina da Fonseca.
A casa trra de pedra e cal 11. 4 E na Vi-Fer-
rea, medindo 4 metros e 40 centmetros de lar
gura e 12 metros e 95 ceutimetros de compri-
mento, com porta e janella de frente e i janella
no oito, 2 salas, 2 quartos, cosinha fura c quin-
tal pequeo e murado, avahada em 800*000 para
pagamento do que deve a mesma Fazenda Joa-
quim Leo Carneiro odtr'ora Francisco Gomes da
Silva.
A casa de tajpa coberta de telhas em Sanl'An-
nu de Dentro n. 1 A, medindo 9 metros de largu-
ra e 4 metros c 60 centmetros de comprimento,
com porta e janella de frente, 2 janellas no oitao,
2 salas e 2 quarlos, avallada jem 50*000 para
pagamento do que deve a mesma Fazenda Jos
Duarte, oulrora Martiniano Fortuna.
A casa n 51 ra de S. Jo.-, medindo 4 me
tros e 50 cenlimetros de largura c 14 metros e
50 cenlimetros de comprimento, com porta e ja-
nella de freute c no oito. 2 salas. 2 quartos,
quintal c sotao interno sem repartimento e com
janella para o oitao, avahada em S004MO para
pagamento do que deve a mesma Fazenda Manoci
Joaquim de Arroda.
Recife, 4 de Jonlio di: 1889. .
O solicitador da Fazenda Provincial,
Rotilio de Urna.
DECLARARES
Prado Pernambucano
A directora desta sociedade cm sessao de
hojereolveu desqualilicar a egua Olga fex-Sal-
picola) por nao ser este animal nacional de meio
sangue como estava matriculado na Stnd Book
Pernambucano.
Recife, 4 de Junba de 1889.
Francisco de Socza Res
Gerente. _
Monte Pi Pprtuguez cm
Pernambuco
A directora do Moule Po Portuguw ewntifi-
ca aos senhores socios q'ie Msolven encerrar o
seu expediente por oito dias, era deraonsirai o
de pesas pelo faileciinento de seu socio bene-ie
rito Joo remandes Baptisla.
Secretaria do Monte Po Portuguez em Pernam
buco, 5 de Junho de 1889.
Manoel T. Yelleri
_________________2 secretario.
Matriz de S. Jns
Eleir&o. nena rtb!
De ordem do'irmo juiz e de accoruo cora o
art- 3t do comproraisso, convi 10 aos irraos da
veneravel irmandade do SS. Sacramento, a rom-
Darecerem em nossa matriz no domingo. 9 do
corrate mez, pelas 9 horas da manha, para as-
sistirem a raissa votiva o Espiriio Santo, e era
continuaeao proceder se a eleicao da mesa reae-
dora para o anno compromissal de 1889 1890-
O escrivao interino
Heliodoro Candido Ferreira Rabillo

Th^souraria deFazeada
Fornecimento ao presidio de
Fernando
De ordem do Illm. Sr. inspector, fago publico
que no dia 6 de Junho prxima vindouro, pe-
rante a sessao da junta desta Thesouraria que
comegar s 11 horas da manha, sero abertas
as propostas que at o dia anterior (5) form
recabidas, afim de ser contrariado, cora quem
melli-o-os vantagens offerecer, o forneciruento de
peeres o artigos para o presidio de Fernando
de Noronha. durante o semestre de Julho a Do
tembro deste auno.
Kssh proposlas ilovem vir devidamente sel-
ladas e fechadas; e os proponentes requerero
previamente a esta Tn?souraria provanlo que
sao negociantes matriculados e se achara qui-
los relativamente ao imposto de industrias e
prolisses do ultimo semestre, e declarando que
se oliriiam a entregar os referidos generoso
arligos no mencionado presidio.
Oulrcsim, nao serlo aceitas as propostas que
coirtiverem artigos nao mencionados neste edi-
lal; nern lambem aquellas cujos precos estive-
reiu suj ios aabatimento oudescontos, por isso
no os mesmos procos devem ser invariaveis.
O.- predils geocroa e artigos sao:
Asaucar RpkcuviiIio, kilo.
Airo/, pilada, .em. ,
AsBn ar brarico refuiadol' sorte, dem.
Alelria. ileii!.
Ararula, kilo.
Alcool (| :iii a 40graos, litro.
Arana-, kilo
Agua raz, iro.
Algo^ao ir.;ncadoazul e msela, metro.
Ac quadeada ou niilu, kilo.
Ai lite doce, litio.
Algodiiosiuho, metro.
Algodo irancado de lstra?, dem.
Agullias para rostOras, papel.
Arcos de ferro sorullos, fexe.
rame delalo, kilo.
Aritlimelica de Castro Nunes, urna.
BotOes de osso com dous furos, caixa.
Barbante, kilo.
Boi vivo, u:n.
i'-acalhu. kilo.
Baoha de porco, dem.
Brm pardo de ulgodao, metro.
Cha hysson, kilo.
Cal ein grao, dem.
Copo de viilro, um.
Camisolas de brira. dem.
Dilas de algodo, dem.
Diias de forca, dem.
Carvo de pedra para ferrei:o, kilo.
Carlas de A B C, urna.
CoIleccSo de traslados, idem.
Cordas de croa, pega.
Cobertores de lencarnades.um.
Ditos de d'ta escures, idem.
Cabos de Manilba, kilo
Cabo para enxada, um.
Chapos de baeta, um.
Cabos de Cairo, kilo.
Colla da Baha, idem.
Cobre em folha, idem.
Caivete fino, um.
Cera branca em vellas, kilo.
Ditas em brandres, idem
Canelas de pao, duzia.
Chamins patent, um
Cabo de lindo de todas as dimenses,^kilo.
Doutrina Chrisia, urna.
Dcce fie goiaba, kilo.
Enxaraeis, um.
F.nvelopes in folio, um
Ditos para oflicio, idem.
Enxadas de 3 l|2e 4 libras, urna.
Esteiras de palna, idem.
Eslaniio em verga, kilo.
Esteiras de palha pa-a cangalha, urna.
Feijo sacca.
Familia de mandioca, litro
Dita de trigo SSSF, barrica.
Dita de tapioca, kilo.
Flele de cores, metro.
Fumo em latas, kilo.
Folha de Flandres, urna.
Facas de ferro, duzia.
Ferro inglez sueco sortido, kilo.
Fios de vela, idem.
Grammalica portugueza de C. Nunes, urna.
Dita de Abilio, idem.
Geometra, idem.
Gcographia, idem.
Gomma laca, kilo.
Gomma arbica em p, idem.
Dita em caroco, idem.
Giz idem.
Hostias, urna.
Historia do Brazil, idem.
Incens, idem.
Kerosene, lala.
Lences de algodo, ura.
Lacres, pao
Lixa esmeril, falla.
Limas sortidas, duzia.
Ditas de desbastar, urna.
LiraatOes sonidos, idem.
Lapis de borracha, duzia.
Ditos de Fabcr pretos, idem
Dlos de carapina idem, duzia.
Linha branca n. 20, carritel.
Lences de linho, um.
Limies e limas sortidas, caixa.
Lapi3 de cores, duzia.
Livro 1." de leilura, um.
Idem 2. de leitura, idem.
dem 3 de leitura, idem.
Manteiga iogleza, kilo.
Mantena franceza, idem
Marmelada, idem.
Manuscriptos, idem.
Mangues de Ierro para carraca, um.
Macarro. kilo.
Madapolo, peca.
Milho, sacco.
Oleo de linhuca, litro. 0
Marmitas de folha, urna.
Ocre amarello, kilo.
Papel almasso paulado liurae, resma.
Diio carto mata-borro, folha.
Pedras para escrever, urna,
Paos de jangada para balsa, idem.
Ditos grossos. idem.
Pavios para candieiros patent a gaz, idem.
Palha de carnauba para chapeos, urna.
Pregos de ferro sonidos, kilo.
Pennas de ac Perry, caixa.
' regos fnracezes, kilo.
Piche, barril.
Sabo amarello, kilo.
Systema mtrico, um.
Sola, meio.
Sal de cozinha, litro.
Tinta azul da Prussia, kilo.
Tinla preta, litro.
Toulhas de algodo, urna.
Taboadas, idem.
Telhas de zinco. idem.
Vidros para vidraca, um.
Verde enromo, kilo.
Vinagre de Lisboa, litro.
Vinho branr-o, idem.
Vinho do Porto, idem.
Vassonras le piassava, uraa.
Velas slearinas, kilo.
Xarque. i lem.
Zarcao, idem.
Th.suuraria de Fazenda de Pernambuco, 20
de Mato tte 1889.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de Santa Anna.
___i.............
THEATRO
DE
ANTONIO
Propricdarie e empreza dos artistas dramticos
KIH AftD! IinmilGUBS E HELENA BALSE.tO ftOBMGUES
lisie 'Siii-ali'o qsae est completamente reformado
e onde o publico eneontra
hoje todas as commodidades reabre uo
Sabbado, 8 de Junho de 1889, Sabbado
Mfi9S?fi9SI
Da qual fazem parte artistas novos ("para esta provincia) e muito applaudidos nos
TIIEATRS DA CURTE .
GRAKBE B SGRPKEHENBBNTE NO^TD.DB!!!
Subir scena em 1.a representacao a linda e aparatosa opereta mgica em
2 actos e 7 quadros com duas deslumbrantes apotheoses ornada de transformacSes,
visuallidade c de linda msica.
0110
Derbj Club de Per-
uambuco
A directora resolveu additarao regiment in-
trno -i seguinte disposijao :
A dincteria poder, sempre que julgar con-
venicnie aos interesaos sociaes, regeitar a in-
soripcao de un animal, por prazo determinado
em um certo pareo, ou em todos os pareos das
trridas que se realizarem nesse prazo.
Rocife, .'i d,< Junho de 1889.
0 gerente,
llenrique Schutel.
2" Sccco. Secretaria da presidencia de Per-
nambuco. em 4 de Junho de 1889.
Do ordem do Esm. Sr. vice presidente da
provincia l'aco publico, para os devidos eHeitos,
que ao proviuiento da serventa vitalicia dos of-
flcios de partidor c contador da comarca de Xa-
iare:h eoucorreu nicamente o Sr. Jacyntho Jo-
s da Costa Braga.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Sita
Sr. Luiz de Franga
Joao Rocha
Commoleti
C. Lisboa
^ Joaquim
< Silva
i Apollinario
Bernardino
. Leandro
Eduardo
. Ferraz
Reis
(i Bibiano
i> . Alivert
( l.iiilhermina
1( Anglica
Marietta
(( Angelina
l( Julia
'( A. Maia
'l 0. Ribeiro
ii:uso\a(.i:\s
O Conde de Bitobinhas Malatrapa Verdoeng
Esfola-bodcs e Ribas suzerano do condado
das Bagatellas .....
\os'iindio. seu secretario e confidente
Andr, camponez, (bartono)
Thamaz, idem, pai de Margarida .
Um diabo demcrata .....
Nicacio, camponez .....
Um morto que joga .....
Um dito que bebe .....
Um dito que nainora .....
Um dito que medico. ....
Um dito que agente decpsamentos
Um dito que cbaradista da 0>/zeta da Tarde
Um dito^'preto ......
. Margarida, filha de Thomaz. .
A Fada das Boas Grabas ....
Suzana, camponeza .....
Urna defunta que vende laranjas .
Urna dita que pede esmola ....
Urna dita que vende franjas.
Urna dita que perseguida ....
Urna dita que surda. ....
Macacos, diabos, genios,fadas, nymphas e componezes de ambos os sexos, etc., etc.
TTULOS DOS O.U.1DRO*
1.A FADA EN ASTADA.
2.EFFEITOS DO OVO DE OURO.
3. O INFERNO (linda apotheose).
FIM. 1)0 P1UMEIRU ACTO
Acto segundo
4.UM DIABO FADISTA.
5.-OS MORTOS VIVOS (quadro critico).
6.O CONDE DE BITOBINHAS-
7.O EDN DAS BOAS GRACAS (deslumbrante apotheose).
28 nmeros de msica original dos maestros Colas, S Noronha, C. Cordeiro,
Alvarenga e de A. Martins a quem est confiada a orchestra.
=^s##=
Panno de bocea e todo o scenario novo e devido ae hbil senogra-
phc o Sr. Cnrlspim do Amaral.
Quarda-roupa novo c feit-i s:>b a direegao da actriz D. HELENA BA -jE-
MAO RODRIGUES.
Machinismo a cargo do Sr. JOAO GAIO.
Mise en seene do ntelligente actor o Sr. CARVALHO LISBOA.
As 8el[2 hora- danoite.
Sabbado, 8 de Junho de1889
Os espectculos terminarao sempre a horas de se obterem bonds
PRECOS ESTABELECIDOS
Camarotes com 5 entradas..... 80000
Cadeiras de 1.a classe para senhoras e homens 2ji500
D.tas de 2.a........ 2$000
Galeras........-". 20000
Geraes......... 1:5n00


SUCGESSO CARANTIDO!
ATT EN CAO
jQO 3PXT3S3CaXCa
Os artistas Eduardo Rodrigues e D. Helena Balsemao Rodrigues, sem que
tivessem poupado esforgos conaeguiram transformar o antigo Theatro de Samt
Antonio em urna elegante ccmmo.J'. ._ agradavel casa de espectculos c nao con-
siderando isto bastante propoeru-se o.rcsentar ae respeitavel PUBLICO PERNAM-
BUCAMO durante o anno e em pocas proprias para espectculos, companhias
dignas d'esta civilisada capital, impedindo que o publico passe como j tem aconte-
cido mezes consecutivos sem gozar do melhor e mais til dos divertimentos.
O theatro em todos os paizes civilisados a distrajo melhor acceita porque,
ao mesmo tempo que reertia, serve de escola para os bons costumes.
Para que possam levar a effeito o que propoeiu. n-, empresarios precisam e
confiam que n2o lhe ser negada a valiosa proteccao do hf vpitaleiro publico pernam-
bucano e da co'onia portugueza.
KM BSWAIO
LUL E CANDINHA (opereta :de Franca Jnior.
A GRAN-DUQUEZA DE CRROLSTEIN (opera ce mica, msica do maes-
tro Offenbach.
Ao novo Thetro (de Santo Antonio
PUBLICO PEUXAMBCANO !

Thesouraria de Fazenda
Fornecimcnto & guarnlt'o
O conselho para o fornecimento de vveres aos
corpos da guarnieSo da provincia e enfermara
militar e forrafiens a cavalhada do destacamento
do 10 regiment de cavallaria ligeira, recebo
propostas no dia 14 de Junho prximo futuro, s
11 oras do do a,a, no quarlel-genera! do ^'li-
mando das armas, onde funeciona o dit < conse-
lho, para contractar oalludido fornoctmeoto do-
rante o semestre de Julho a Dezemb
anno.
Os generoso artigos sao :
Arroz, kilogramma.
Assucar branco refinado de 1 qoalidttde, :dem.
Azeile doce de Lisboa, litro.
Alfafa, k logram ina.
Assucar de 2a nuahdade, dem.
Agurdente, litro.
Aletna, kilogramma.
Ameixas pascadas, idem.
Araruta, ideo.
Bacalho, idem.
Batatas inglezas, idem.
Biscoutos, idem,
Banha de porco americana, idem.
Caf em grao, idem.
Carne de porco, idem.
Carne de vacca com osso e sem osso, idem.
Carne secca do Bio Grande do Sul, idem.
i"h verde da India, idem
Cha prcto da India, idem.
Cevadinha, dem.
Cravos, cenlo.
Chocolate, kilogramma.
Capim, idem.
Caf moido, idem.
Carvo v-pgetal. sacco.
Karvao coc'k. kilogramma.
Canelas de madeiras, duzia.
. Carne de carneiro, kilogramma.
i Enierro por cavallo, um.
Farinlia de 1* aualidade, litro.
Farinha de 2a dita, i
Feijo proto, idem.
! Feijo mulatinho, dem
! Fructas, racao fduas bananas ou urna iaranja).
Farello ki ogramm.1'
Ferradura. par.
Figos passados, k --'.raa.
Frangos, um.
Gallinha, urna.
Gomma-arabica. frasco.
Goiabada em lala, -.ilogramma.
Lenha, acha c torr
Leitc de vacca, litro.
Lavngem de roupa passada a ferro, peca, urna-.
Lapis nreto de Faber n. 1, duzia.
MacarrSo, kilogramma.
Maizena, idem.
M nteiga inglcza d 1 -raalidade, idem.
Marmelada, dem:
Milho, dem.
Medicamentos para a^alhada, numero.
Ovos, um.
Pi, kilogramma.
Phosphoros americr.ncs, grosa.
Passas, kilogramma
Penas de ac Perry, caixa.
Papel pautado fidmt-, resma.
Papel mata-borro.
Queijo de Mina;
Sal, litro.
Sanguesugas pela a^p'acaco de, urna.
Sabo commum. >rna.




6.
kno.
preta, garrafa. ;
Temperos e verduras, racSo.
Tapioca, k:iogram.ina.
Viiho unto ti branco, litro.
Vinbo do Porto idera.
Vinagre tinto, idem
"ile/n.
oSamtua.
(oaigoes
nefif^eerSf 'le I1 tjualidadc, e
dejrao sal: fazij. o*, pyjidos
iQgpadOS ,Q>)S rCS^QBtiVQbCOD-
eganop os mesnos gneros nos
jiarteis ou fyr,ta"l -ta T&esouraria de Faenda umaquaotia
Wy^rfipe ser P'M'la. .Rclfr-, cous/lbo
2' As propostas deveo coater a declaracao
^exsressa vdsujiiitar-*i: o pwpooeute a niult
#S / da importancia a qtjujUiflpAarem o* vi-
veres ou artigos q^^'^ij^.a^i^jtoa, sii,aVixa-
rem de.corapareger para a^i^iat o respectivo"
jornaes.
3* S podcrao conconvr ni:- rorudii^os os
candidatos, quese habilitaren! u formado art.
18 do doreio O.0Sf t> d< Jja de4#
V D^tyladui fiel cnpruiito de quaiquer
das objigacoes conlranidas, es fornecdores fi-
earo sojeitos a iagar o valpjr do genero.rejei-
tado ou nao recefildo em tmpo.
3* Os concurrentes sao obrigados a aprsen-
te as amostras dos gneros ou.artjt'0> que fo-
ren julgadi precisos pelo conselho.
6" As propostas serao apresentadas cm du-
plcala as ti toras do referido dia..........
em que all serao abertas e apnradas em pre-
seoca dos proponentes, sendo que na mesma
ccasiSo s acceitaro propostae para a venda
de estrume dos animacs da companhia de ca-
vallari.
7* nhsilmente. i s fornqccdnres que requere
rem a rescislo (Je seu contracto e forera, atten-
didos ficarao sujfilos mujla de 10 % sbr o
total do fornecmento do semestre anterior.
Thesouraria de Fazenda de Pernaituco, S# de
Maiode4H89.
Oinsp?cdr,
Manoel Antonio Cardoso.
Companhia Santa Thoreza
Abastecedora Tagua e gaz a
filiade de linda
Sao coudviddos os Srs. accionistas a se reu-
nirem em assembla ge al ordinaria no dia 8 do
mez segrate, aHin de julgar-m sobre as con-
os do anno. fjndo,, ouvirem i. teitura do relato-
rio, e resolveren^sobre a proposta da directora
to sentido de ser levantado um emprestimo
para a construca de. obras novas. A reuniao
se efectuara ao meio dia no escriptorio da Com-
panhia de Trilhos Urbanas, na ra da Aurora
Recife. 24 de Maio d 1889.
Jos Fnreira Hallar
Presidente t'a assembla gera
#
Diario i*le^ Prnambuco(^iiatateira 6 de Junho de 1889
Prado Pernambucano
EM
14 deJunho de 1889
3IC EEW .iFSOX
DA
E DO
HOSPITAL PORfrGEZ DB BENEFICENCIA
Oportunamente ser publicado o projecto de inseripcio,.
Recife, 5 de Junho de 1889.
Francisco de Souza Reis,
GERENTE.
Instituto BeaeOeente dos OSTieiaes
da Guarda Nacional
De ordem do Illm. Sr. presidente, convido aos
senhores socios a compara ce rom era nossa sede
nos das tercas-feiras, s 7 horas da noite, afim
de receberem seus diplomas, dentro do prazo
de 60 dias. a con lar da data do presente, come
determina o arl. 13 g 6 dos nossos estatutos ;
ftaando sem dircito algum aayeH&, Jjue dentro do
mencionado prazo, nao o procurar.
Secretaria do Instituto, i8 de Maio de 1889.
O 1 secretario.
Gaspar Antonio dos Reis.
Imperial socliedade
DOS
Artistas Mechan i eos e Libe-
raes de Pernambuco
De ordem da directora, convoco a lodos os
senjjqres socios qoe estivtiem no goso deseos
direitos, para a assemhla geral sexta-feira 7 do
corrente, devendo a mesma fffectuar-se c*m o
damero de socios que comparecer. ,
Recife;, 5 (le Junho de 1889.
Lopes Teixpira
1- secretario ioterioo
instituto Archeologico e Geogra-
phico Peruambucano
Quinta-feira, 6 do correte, hora do cost-
me, havera scsso ordinaria.
Secretaria do Instituto, 4 de Junho de 1889.
Baptista Regueira,
1 secretario.
Derbj-Club de Per-
nambuco
A directora em vista do art. 16 do regiment
interno, resolveu considerar distanciado' mul-
tar em 2OOJ000 ao jockey Amaro Joo Marcelino
dos dantos, qqe piontou "o ajnmal Stuard no I
pareo da 13* corrida.
Recife, 5 de'I'nnho de 1889.
O gerente,
Henrique Schutel.
idmlnMraeo dos Crrelo de
Perambuco. l de Junho de
Rflago da correspondencia registrada (sem va-
lon pae existe h'esta repart(p, por nao te-
rem sido encontrados seus destinatarios.
Antonio Constantino de Mer.czes.
Antonio Cofrltuvce Almeida.
Alfredo JosC da Uva Pires.
AUredoempres.
Djogo Cabral de Mdlo.
FranriSco, Tr.omaz ,4e Moraes.
Francisco Jorge 9;' rastro.
Fraucelioa Antonia Moreira
Francisca de (Mirara Campes.
Hcnrijj.uet^ Gexalda da Merci's.
Snacio Idalno do Punte Mariano
Joo B. Costa Carv."!ho F;!rio
Joo Fraacisco Prria.
Joo Correia da Silva Jnior.
Joao do Nasciraento Lopes Barros.
Joao Affonso de N Mina.
ios- Pires Liate
.'oso Antonio do Nudrimento.
Joaquim Percira Teixeira Jordab
i.uiz.Francia.j do Mello Santos.
Leocadia Maria das leves.
Manoel Mathias de Souza.
Manoel Virgilio dos Santos. .
Maria Mouje l^ndira.
Maria Miqoeliria ae Velloz.
Mara Joanna de Souza Gonjalves.
Narcisa.Vianna de Luna.
s Cnajmoivioz.
Silvestre Alves de Alencar.
Severino Jos Eleuterio
.-al.ailor Pi->'? deCar\alho e Albiquprgue.
iimuel Florencio Correia de Almeida
0 2" ffical,
Anloixv 1M
Arsenal de Guerra
OcqnselboeconomicodascompaohiasdeapreR- _
diz.es artfices e operarios, militares precisa con-
tractar para o S* semestre do correte anno os
artigos seguintes:
Assucar branop. refinado, deAt ^orte, kilo.
Assucaj: masafipho refwado del' sorte, idem.^
Ak:tria dem. (
Azeit doce plaiol, litro.
Azeite doce, idem.
Bolachinha de araruta, kilo.
Bacalho, idem.
Cha hyssom, idem.
Caf moido de I* quahdade, idem.
Carne secca do Rio Grande ou do Rio da Prata,
idem.
Carne verde, idem.
Farinha de mandioca da trra de 1 qualidade,
litro.
Goiabada, kilo.
Feijao mulatinho ou pelo, litro.
Lenha secca de boa qualidade, acha.
Manteiga ingleza, kilo
Marmeluda, idem.
MacarrSo, idem.
Queiio flamengo.um.
Sal, litro.
Toucinho de Minas, kilo. ,
Banha de porcode Porto-Alegre, idem.
Vinho.do l'i'i-lo tino, garrafa
Vinagn- de Lijbu. litro.
Bolacha, kilo.
Tarabas de Alagas, ilem.
Peixe secco, kilo.
Pao de l-">0 grammas. um.
Pao de 12o grammas, idera.
Sapatos de couro de bezerro, pares. 130.
L'avafem e engommado de blusas de brim pardo,
calcas de brim branco, ditas de brim pardo,
lavagem e concert de camisas, brancas de al-
godaosinho, camisolas de brim pardo, ditas de
brim branco para a enfermara, calcas de
brim pardo, ceroulas, cobertas de chita, cober-
tores de la, frohas, lences, lengos, luvas (pa-
res), raeias (pares), toalnas de mesa, ditas de
rosto e ditas de mao.
S ppdera concorrer.aos foraecimeutos annun-
ciados pelo conselho o que se habilitar previa-
mente exhibiodo um requerimento dirigido ao
megmo conselho. prestando documento que;Pr0
ve haveroago come .negociante. esUbelecido o
impo.-to de casa commercial relativo ao ultimo
semestre vencido.
Os proponatt* deverap apresentar suas pro-
posttis nesta secretaria ate s II horas da ma-'
nba do dia 10 do correte mez, sendo taes pro- j
postas emdii.lioata, em cartas fechadas, com |
declarrSo Cxprcssa de sujeitar-se s
condifO-'s :
1* o cas., de nao assignarera o
garfio a multa de S04O>'O.
2 Sendo recusados pela commisso os gene-
ros contracta;^ pela, sija a& qualidade, serio
obrigados a betrar enm outros dentro do praso
de 2 horas,.{indas 33 quaes serao comprados no
mercado e pagos por conta do contractante.
3' contractante ser onrigado a entrar para
o cofre do conselho com a qoantia que fr arbi-
trada pelo mesmo na occasio de sercm aceitas
au propostas.
4- Finalmente, recusndose o contractante a
cumprir cora as condices de seu contracto, ti-
car este rescindido e pagar a multa de.. -
200000.
Os proponentes deverp apresentar as amos-
tras dos gneros que se propuierem a con-
tractar. .
Secretaria do Arsenal de Guerra de Pernam
buco, 6 de Junho de 1889
0 secretario,
Jos Francisco Ribriro Machado.
MARTIMOS
CHAMrEURS REUNS
CoCpanbia Franeeia
DE
Savegaf&e- a vapor
Juba rgnlar entre a Havre, Liab<>ar4
Pomarobiico, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos.
O VABOR
Ville.de Kosario
ComjBaadante Portier
E'esperado da Europa, at odia 6
de Juuho, [aeguindo depois da in-
dispenaavel demora para a
Bahia, Re de Janeiro e Santos
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offereoe exccllentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens podero ser tomadas de ante-
mo.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para es quaes tem escellentes accommodacOes.
Roga-se aos Srs. importadores de carga peles
vapores destq linba, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualqner rec'amajao coucernonte a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
dencias necessarias
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsahifisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : tratase com o AGENTE.
O vapor
Ville de Pernambuco
Com mandante Sebire
cera lonca, esteira para forrode-aa, 4etageres | preC|Sa-e de nma ama para hvarc en'
i espelho oval, cadeiras iie. junco e amarello, 1 ,,0flimas nil nia Direita n. 32, 2 indar,
mesa- do cpaiuha, 2 jarros-graudes, quadrfts S-
jarroa, louc para almoco e juntar, eopos, cli-
ces, garrafas, facas, bandeijaa e utres pbjectos.
0 ageste Biitto, aniuiisadw por urna familia
que mudou-se pura fura da provincia, fura le
lo dos objeclos acua a correr ds ma-telio
Ra da Matriz da lina-Vista n. 4 .
Sexta-feira, 9 de Junho
As 10 1 [2 horas
JLeilo
De 1 excellente cavallo baio, canda e cri-
nas pretaa, grande e gordo, corredor e
sem achaques, magnifico para carro.
Sexta-felra 9 do corrate
A's 11 horas em ponto
No armazn da ra do Mrquez de Olinda
n. 48
Em coQtinuac,o
De 20 caixascom batatas, caixas com cerveja
allema, licores finos, bitter, inolbo inglez, leite
condensi-do, vinho do Porto tino, novis, pia-
nos, laucas, vidros e rauitos outroa abjectos.
J?or intervenQo do agente
Gusmo
A.quem interessar
Acha-e funcionando a priineira cade,ira do
sexo masculino da freguezia de S. Jos desla
cidude.-regida pela professora Floriraena Mon-
tenegr; ra yelha de >a,-.ta Rita n. 68.
Engenho-
Arrendase o engenho Arariba de Pimentel,
sito no termo do Cabo, raoente e corrate, mo-
vido a agua, com excellentes trras e com pro-
porcOes para grandes safras ; a tratar na ra
1 de Narco n. 13.
United States and Brazil
M.S.S.C.
Ovapor Advanee
E' esperado dos portos ao
sulat odia 6 te Junho
o qual depois da demo-
ra necessana seguir
para o
laianho. Para, Barbados,
Thomaz e \(H-Vork
Para passagens erga1 encommendas e
nheiro a frete, trata-ae,; com os ^GENTES.
Henry Forster .& C.
8 Ra do Caamercrar-8
1" andar
mmmM
Lisboa.
Espera-se dos portos do sul no
,dia 10 do corrente, seguindo
^depois daindispensavel demora
'para o Havre tocando em
Agente Pestaa
Leilo
Das dividas da massa fallida de Alberto Rodri-
gues Branco, na importancia de 67:188335,
servindo de base a offerta de 500J.
Nabbado isde Junho
A's 12 horas em ponto
No armazent de agencia de leiloes, sito travessa
do Carpo Santo n. 27
O agente Pestaa, autorisado por mandado e
assisiencia do Exra. Sr. Dr. juis do commercio,
fari leilao dus dividas ja referidas, no dia e ho-
ras cima mencionados.
SNDALO
Snpprtae Copahflm, m <*-
bebas U Intaootas. Cura em
48 horas todo e qualqner oommento.
V da malorefflcacia na ffeccosa da
boxita, toma as orinas claras por
awis tarvas ojm se)Bo. Gala
capsula leva tapresso em
negro o nosse..........
Deposito sm Paria, 8, Rae Vivienne.

.
(ti,
COMPANHIA IM*\WHMiM
DE
\ a vega cao cos eir por vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor* S. Francisco
Coinmandante Pereira .
Segu no dia 10 de Jnnlio s 12
horas da manh&.* Recebe carga at o
dia 8.
Passagens at s 10 horas do di da sabida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambueana
n. 12
i:mrara no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens podero ser tomadas de ante-
m$o.
Offerecendo-se maisaos viajantes paraParis
bilhetes de caminho de ferro do Havre a Pars.
Recebe carga, enoojsmendas e passageiros
para os quaes tem excellentes accommodagoes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a fete: rata-secom,o
iiiiiiste Labille
9 RA-IX > CQMMERCIO 9
* .-.
OMIVMIIA l>i:il\\HUl Cf> t
DE
Xavegaeo e-oseira por Vapor
, PORTOS DO SUL
tiacei, Penedo. racaju' e Bahia
O vapor Jacuhype
C'ommandante Esteves
Leilo
Companhia Brasileira de
Navega^ao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Manos
Coinmandante o Io tenente Guilherme
Waddington
E' e'sperido dos portos do norte at
o dia 6 de Junho e. depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
As encommendas serao recebidas no trapiche
seguales Jarbosa at i hora da larde do dia da sahida.
Para, carga, passagens, encommendas e alo-
contracto pa- reg trata-se cora os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Fianciscode
Almeida
E' esperado dos portos do sol at o
da ti d..-Junho e seguindo depois
da demora, mdis.peasavel para o?
portos do norte al Manos. .
As encommendas s serao recebida; na agen-
ca al i horada tarde do dia da sabida
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
H=Rua do Commerdo=6
lu andar
Segu no dia do
5 horas da tarde.
ga at o dia 8.
10 Junho s
Recebe car-
Encoraraendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambueana
n. 12
Rio de .lanelro. Blo Grande do
Sul. Pelotas e Porto-Alegre
O vapor inglez Cometa
E' esperado" dos portos cima
at o dia 7 do corrente, e rc-
gressar para os mesmos, de-
ipois da demora do costume.
Para cargTeadommendas e pas ageiros, tra
ta se com
Pereira Carneiro &.C.
6RA DO COMMERCIO*
1* andar
Club Carlos Gomes
6.* anniversao da bibliotheta
Este club 8olemnisa o 6." anniversario de sua
bibliotheca com um grande concert e sarao dan-
sante em sua -de. na ooite de ldo corrente.
Os ingressos comecurao a ser distribuidos do
dia 1" em diantc: e a ees sO terSo nireito os
senhores socios que estiverem quites de suas
mensalidades.
Pede-se lodos ijue nparesf,ntcm seus car-
tes de entrada, sendo esta negada a quem as-
im nao proceder.
Secretaria do Club Carlos Gomes, i de Junho
de 1889.O sccreario,
_____ Andr Costa.
Inspectora de trras e col-
nisac,ao de Perr?ambuco
De ordem do lllm Sr. Dr. inspector de trras
i coleoifflcao, fajo publico para cenhecimento
do inera-'sados. que- nao tendo sido acceitaa
a proeosta que se P|)resenlou para conduc-
cao oV iojmigraniei-.'qoe no dia 8 de im.lio
pr> xiiofl a! i meio da, recb'in-se ne.-iainspe-
ta propostas em carras fechadas para a re-
nduegao mediante- as declaracoes
'.es :
i) prego pelo qual o conlraclante se obriga a
bVr os 'mmu'i-jiiie- a tiordo dos vapores que
la iq ou entra -in no portle a
a li pi-ilaria ta Jaqueira.
. !>
' i ser incluida a
:icla'ite.
i de 3 annos ser
rpturan,.
Manul Joaium Ramos e S
Companhia de Edificagao
Assembla'geral extraordinaria
D o dem da dtrectorin e em vista da resolu-
go tom. da era assembla gen-I extraordinaria,
lioje efectuada, n qual toi resolvida acooffe-
[.oiencia da liquidacao da i-omp rahia, convoco os
senhores accionistas jeunirem se em assem-
bla eeral extraordinaria, no dia 10 de Junho
vindouro. ao meio dia, no escriptorio nhia, prava Pedr-> 2,< n. 77. 1 andar, afim de
tratarem de accordo cora o n. 5 do art. 5- da le
h. 3180yle 4 de Novemhrb de 1882, dos meios
de liquidal a e indicaren] o que deve ser adop-
tado.
. Previno aos senhores arriorstas que em face
do disposto pelo | 4- do art. 15 da lei citada.
ha nt re..-: dado do compare cimento de pumero
de aecionistps qut- rep escote dou^ do ca-
pital social.
Recife, 23 de Maio de 188!. I
Ricardo Menexes Gerente.
THFATRO
(OVIM^III.t PEBK4HBICANA
DE
Xavesaeo eostelra por vapor
POR'IOS DO1 SUL
Rio Formse e Tamafldar
O vapor Mandahu
Commandante Alcides
Segu jara os porto cima
no da TO do crrante s 5
horas da manila.
Recebe carga, encommendas, passagens e di-
nheiro frete at s 3 horas da tarde do dia 8.
ESCRIPTORIO
.rio caes da Companhia Pernambueana
n. 12
De 1 mobilia de Jacaranda com tampo de pe-
ira, 4 jarros para lloies, 2 quadros, 1 relogio de
parede, 1 caodieiro de suspensao de 3 bicos, 1
forro de esteira para sala, 2 tapetes para sof,
diversos tapetes para portas i cama franceza
de amarello 1 lavatorio, i guarnico para dito,
1 coramoda, 1 guarda-roupa envidrando, 1 mar-
3ueza, 1 estante eom mesa, 1 marqueza. 1 guar-
a-loui,a envidracado, 1 mesa para jantar, i ap-
rador 1 espelbo com moldura de Jacaranda, 1
sof,5 cadeiras com balanco, 1 mesa redonda,
1 alcatifa para quarto i machiua de p de dous
pospontos para alfaite, 1 estante para gabinete.
1 cadeira de braco, pannos -de estopa para ca-
deiras e sof, 1 moiuho para caf, loucas para
almoco e jantar, copos, garrafas, compoteiras.
garrales, formas para sapateiro, 3 aunis de
ouro com pedia. I nlogio patente inglez, 2 ca-
deiras de plaqu, diversas roupas novas para ho-
rneas e uiuito.- outros objectos. que estaro pa-
tentes no aclo do leilo.
Sabbado, 8 do corrente
A's 11 horas
\a casa sita ra das Cruzes
n. 14
Por intervencao do agente
Gusmo
Agente Burlamaqni
Leilo
Sabbado 8 do corrente
A' 11 horas
A' ra Formoa n. 11, casa do ( onselheiro
Buarque de Lima
O agente cima, autorisado pelo Exm. Conse
Iheiro Buarque de Lima, qne se retira para a
corte, vender em leilo os bons movis, loucas
e prata, existentes na referida casa, constando
de nma bonita raobilia de mogno, 1 bora piano
forte e quasi novo, bellos quadros, jarros, ela-
geres, guarda-louca, guarda-vestidOB, secretaria,
mesa elstica, aparadores, guarda comida, ca-
deiras fde bataneo e de guarnigao, quarlinheira,
cadeiras douradas e de phantasia, mesa rodonda
com trabalho de escultura, commodas, figuras
de louc fina, vidrcw e louQa com 6nos doora-
dos (antiga), garfos. paliteiros, colheres de pra-
ta de lei e ranitos outros artigos de gosto mo-
derno, que estar.o a vista dos Srs, licitantes, na
referida casa.
.AafVfcrff
Tendo sido roubado da estribara dos abaxo
assignados, no noite de '7 para 28 do corrente,
dous eavailos com rjs signaes seguintes: nm
russo, de heic/i branco andador de baixo a
meio, castrado de novo, um pouco maltratado de
sella e com este ferro 5S, e o mitro castanho,
de frente aberta, 2 ps brancos, com a cauda
qufbrada na anca, andador de baixo a esquipar,
denles estragados e castrado ; roga-se s au-
toridades e a qnalquer pessoa a apprehender os
referidos .eavailos e participarcm aos abaixo as-
signudog, na estaco de Timboass, onde sao
estabelecidos, que gratificaro.
Timboass. 30 de Maio de 1889.
Aggo & IrmSos.
Precisa se de urna ama para cosinhar, para
pouca furailia ; na ra nova de Santa Rita nu
mero 73. ____
Professor
1 recisa se de um profess ir que seja casado e
que tenha boa norma de conducta, para um en
genho que dista urna n meia legua da estaco de
Aripib : podendo entenderse cora Antonio Ce
sar, era Boa Viagem.
Cahit) o ministerio
Entilo Sr. Francisco Raposo Falcao entregaos
nao os movis, nao paga p jrque nao quer

C0H8HPA0E8;BR0HCS^!
Irrita^ao d Peito e dr Garganta
Contra essas aircices. a pasta peitobalc 6
XAROPE de NAF de DELAflGBENItP, (i,! PA3IS,
possem um-i eficacia infallive! verillcada pelos
:.!erabros da Academia le Medicina de Franca. i.:.o
contendo opio ucm to pouco saes de opio (ao
como lorphina ou Vm'eiu c, esses prr.luctos mi-
nistriio-se com onliaio xllo 0 5C:riiranc<- ._
enancas soffrenao de 'Sonco ou CSw?3ecl::3tic
Deposites nac Pti-.rmacias do Hundo nfeirft._
A luga-se
Leilo
De movis, livros e joias
O agente Alfredo Guimares por mandado do
Illm. e Exra. Sr. Dr. juiz de ausentes e a reque-
rimento do Dr. curador geral de ausentes, leva-
r a leiloes movis, livros e joias pertencentes
ao espolio do finado Joo Paptista R. Feln.
Sabbado 8 do corrente
A's 11 horas
|A' ra Velha n. 46
o 80bradinhodo liecco do Quiabo n. 64, em Alo-
gados, caiado t pintado de novo, com quintal
grandt, cacimba e diversos ps de fructeiras ; J
tratae na ra de Marcilio Dias n. JOfi
Gercioo Pan-nte de Oveira Firmo deelara ao
Thesouro Provincial, que de sen poder foi ex-
traviado um onberimento de quitajo da im
portancia de 393*074, correspondente presta
gao da responsabilidade da obra da ponte dos
Carvalhos._______________________
A ma
Precisa-se de mea amanara cosinhar e com-
prar ; na ra Nova n. 20, loja.
Di. Ot'STi
fOA7/S
i*** SLEBV
?end6-se em ',*j
w
LEILOES
'Espect culo offerecido a Sociedade Pernam
bocana Caiiimemurativa da Abolicp, para a
cfinstiwicfio de ora fundo sodlal.
Otnl -fHra 6 te Junho te 1889
levada a H-HM. a applau lidisaima comedia
'WMmmnm
Comegara s 8 horas.
0 resto de billutes no theatro.
As |ue -e dign*rem accejtar bilhcte.-
IMni , ciar, mmisso que para
liui i'r-.i' i a entrada o th-a'ro.
Bonds |iara todas as lindas e trens para Api-
pucoa e Olinda.
RoyaJ MaiJ Steam JPacket
Companhy
O paquete Tagus
Commandante V. Rowsell
Esoera-sc (ta Europa at o dia 7 de
,Jnnno, eguiido depois da demo-
mam ra do costume para
Baha. Itin de lanoiro noutevi
Para passagens, fretese encommendas'raa-
se com os Ai.ENTES.

O paquete Treut
Commandante Tf. Chopmam
E' esperado do sul no dia '.)de
Junho, seguindo depois da demora
necessaria para
S., Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reduicao de passagens
Ida ida e vollo
'Lisboa 4* clasee 20 30
\' Southampton 1- classe t 42
Camarotes reservados*para os passageiros de
Pernambuco.
Emolanlo vigorar a qiiarentenn imposta na
lii'publica Argentina, aos vapores e navios pro
des do Brasil, os vapores desta companhia nii
iceitaro passageiros nem carga para Bueno*-ll,m:e **m- ar ur im *UD-uiuio da razenaa
Ayme. '' proyiin al e a rnqueriiuenlo de Joo Romo da
Para'naaaartmii fr.-n-* pnrjimmpnrta! Mn.i" Ciui Carvatto, levar a leilao a reerida casa
para pagamento de nufoitfts que est a dever
'ara passagens, fretes, encommendas, trata-se
om o-
Vinorim Irmos & G
N. Fina do Boro .I.(S8U8N. 3
C OKPHIAXt KIIVtMIlCANA^
DE
.\avegac costelra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco Mos-or, Araca-
ty e Cear
O vapor Jaguaribe
(amiiriandante Monteiro
Segu no dia 7 de Junho as 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia ti
Hoje. 6, deve ter lirgar o leilo de gene-
ros de estiva constante de presuntos, cha e man-
teiga em continuaco ao leilJo de .movis no ar-
mazem da tua do Bora Jess n. 45.
Leilo
Da casa terrea sita ra de Santafc Rita
n. f>0
Hoje 6
A's 11 horas do dia
No armazem da ra do Bom-Jesus n. 49
Por lulervencSo do agente
Alfradb' Gn i maraes
Em continuaca. r;
Vender o mesmo agente urna magnillca
bilia de Jacaranda ao correr do marlello.
TO-
LeiJao
Da casa n. 30 ra de Santa Rita, com 4 metras
e 45 centmetros de largura e 12 metros e 30
centmetros de coraprimenlo, com 2 portas de
frente, 2 no oitajx solo interno e salo, tendo
no pavimento terreo 1 salo apenas, cosinba
fra.e, 1 quarto imito, quintal e cosinba.
<|uinta-feir 6 do corrate
A's II horas
No arnmem da ra do B"m Jess n. 4^
O agente Alfredo Guimares por alvar do
Illm. e Exra. Sr. Dr. joia substituto da fazenda
AVISOS DIVERSOS
Precisa se de urna ama para cosinhar e que
seja idosa ; na ra do Livraraento n. 19, primei
ro andar.
Precisa se de urna cosnheira; na ra da
Aurora n. 83.
Preisa se de urna mulber de bons tostumes
que tenha alguma instruccao, para se encarre-
gar de ensinar alguma eoosa a duas orphs e
zelar sobre ellas, garntese bom trataraento e
mu i la atteuo: para morar no matto por em-
quanto. A tratar com os Srs. Francisco Antonio
de Brito 4 Filho, na ra do Bom Jess n. 11.
JLeilo
cha e manteiga em la-
2 caixas cora presun-
De 15 caixas con
tas do 1 libra e
tos.
Uj-.iiua-feJra. do corrente
* As 11 hor-s'
Agente Pinto
Ra do Bom Jess n. 45, arnvizem
Por oeeasiao do leilao de raobilias, quadros,
espellios. candieiros e milos outros movis exis-
tentes no mesmo arraaxem
Vende se urna vacra tonrina, prende de 7
mezes e dias, de boa qualidade, e a causa da
venda por adiar se o dono doente e querer ir
para Europa : qnem quizar dirija-se ao caes do
Capibaribe. em urna cocheara junto a otaria do
Sr. Bel larra i no.
Na ra Real da Torre n 21, vndese urna
machina distilatoria para fazer espirito, um
alambique para agurdente, tachas de ferio de'
differentes tamanhos para o fabrico de assucar,
rodase rodetes de encrenagem, guindastes pura
levantar pesos e cusas para fermenlajao vi-
nosa.
A' rua;da Soledada n. 36, vendes., a se"
guintes obras : ,
lllustraco Espaola y Americana dos annos
de 71, 72.73. 74e75.
Novo Mundo dos annos de 71 76.
Brasil Histrico at o \\- anno de sua publi-
carlo.
Altas da Guerra do Paraguay.
Kurturam na coe de 31 do mez paseado,
do engento Norueua, tres eavailos, sendo um
foveiro, castrado gordo, Dem feito. frente aber
la, tres [es calcados < bom de carro ; o segundo
mellado, dinas a cauda pretas, castrado." cora
marea de cangalha, quando auda arrasta os ps :
otereeiro cartanho ('aro,, com marca de can-
galha, castrado, carregador, tropego no andar,
devido ^ encliuadas que lein tilo ; todos tem
as aneas a marcaNoruega Boga se as amo
ridudes competentes, ou oalquer pesan, que
sabendo ou tendo noticias dos referidos an raae-
aviseui uoB-cife aos Srs. Pontual RezendeA .
ra do Commercio H, 46. o., ao Sr. Ffains o
1 Bibeiro Carvalho. na ra i sfc-eita do Rosario
n. 8 ou mande aviso*ao prdprn tanu deste en-
genho.____________,
Aviova A. M. L.F. nttde ao Se. M. i T
GRANDE NO \5DABE
::::s:: i :::::iai:
48-
C?0ITC
-RA BARO DA VICTORIA4^
Venham Ter para crei-
t&4&
1
Leilo
coiuinendas, passagens e dinheiro frete,
at s 3 horas da tarde do da da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pemambucanu
n. 12
De movis, louca e espelho, sendo :
lima mobjlja de junco, 1 dita de jacarando, 1
toilet. I cania francesa. 2 marquezoes, I guar-
da-roupa, 1 mesa elstica, I cama para noivo.
1 berjo. 1 lavatorio 1 marqueza, i commoda, I
laria, I santuario, 2 bauqniohas, 1 relogio
de parede, I machina d>; costura, i rcpo3tero' amiga Camba do Carmo.
S. veulia fazer entrega do oinheiro que re
A Sra. H. A. S. nede ao Srs. Luiz. P
dnCruz, Angelo Soares e seu mHogado, que ve
nliam pagar a sua letr;i.
- Peae-se a ceMo earteim d.i correio, cu jo
uome se.dir mais tarde, ipie venta acabar com
aqueLe negocio que fz com una pobre seulio
rr, lembre se do" norae que gosa son familia.
Vebde-se superior massa de mandioca,
secca e molhada ; na ra Paulino Cmara o. 10
Cario* Augusto Carneiro Monlei-
ro Filho
D. Mana Isabel Ta vares Carneiro Monteiro
Carlos Augusto Carneiro Monteiro, D. Olympia
de Carvalho Carneiro Monteiro e seus filhos, av
tios, cunhados e primos agradecem cordialraente
a todo? os seus parentes e amigos e aos do seu
chorado marido, filho e irmo. e com especiali
d:"!c ao distincto clnico destu cidade lir. Anto-
to.oo Joaquim de Barros Sobrinho, e ao Sr. Joo
Ramos, pelas maneiras cavalleirosas e disvellos
8ue empregaram para salvarem seu marido e
lho da cruel enfermidade qoe o prostrou no lei
lo da morte..
Aprovcitand i a opnortunidae. convioaroos a
todos os prenles e vraigos o dp inditoso Carlos
Auguslo C. Monteiro Filho, TKira assisttmn as
missas que pelo descanco eterno dr- sua alma,
inamlam celebrar na i em ter>eira do Carmo
no da G do corrente mez, pe as 1-l/ horas da
naab, eoafestodo-ec desde a agradeeidOB por
i'sle ai Ib de n ligio e caridad'-.
Si
ios]>ital Portuguez de
"i'
neficencia
t
Joxi- Joagulm Alvos
Em noini- da jurii tr.iva, i
cora profumlo pezar fa nruo-
so s ci c raonioii J' J ((mii AI ves, e con-
vido todos o,> si-nliii ': e
amigos do 'in..do, ...- i-ii-vm a iuhs que por
lua ser cei< Imnia n capelli '-os-
pilal, qmnta-feiru 6 do ro rente. ,
manh.
Secretaria do Hospital Portug;.
cenca, 3 de Junho de 18--9. 0 2-
Jo i V. C Afarra____





1



Diario de PeroambueoQuinta-feira 8 de Juuho,, FNBICO' BE 8JN08E BROME
LLIZ DA-CHIZ MESQITA .
66ra do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguirte:
Machinas de cobre para fazer espirito de destillar e rastillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esqaeBto garapa.
Serpentinas do cobre e de estanho.
Car aplicas de cobre.
Tallas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repudios, aspirantes e continuas.
Torne!ras de bronze e madeira de todos os tamaitos.
Canos de cobre, dejehumbo e de ferro.
Keparlldeiras. passadeiras e escumadeiraa. de cobre e de forro estanJiado.
Cobre em len9ol e arruelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadinbos patente e de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitus outms objectos
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras de eaeoinmenda, garan
tindo presteza, perfeicax) e precos mdicos, para o que tem peseoal habilitado.
VI.W Iri; a praso ou dinheiro com descont.
ADMINISTRADO : R
i'AKIZ, 8. Boulcvard Montmartre, PARIZ,-.
pastilhas digestivas fabricadas era
Vlchy com os Saesex.rahi'iot ilajs Fontes. Sao
de gosto agradavcl o a sua ,-,cco e eerU coii-
_ tra a Azia e as ingcstots di/ficis.
I SAES 0E~y!chy FARA BAHHOS. Um rolo para um bano, para c- pessoas que nao podem ir a Vlchy.
Para evitar as imttacoes e/agir em todos os productos a
MARCA DA. OOMP. DE VICHY
Pernamtmco. o Producios kub Ktb-M cu aM SUUER KQECMt-IN,
3S. ra Cn| Auo. I Ol I
x^Sacnami
. ,-!<
agEa..'.^.
wa-jg-rf^ --:
-
Xarope e Pasta de Berth
UM
Piarmacaatico, laureado pelo* Hoepitaes de Pariz.
0 Xarope e a Pasta Berth de Codeina pura, possuem umaefficacia inconte>tavel_
nos casos de Defloxos, Bronchites, Catarro, Asma, Molestias da Gar-'
ganta, Insomnias, Tosse nervosa e exhaustante das Molestias do Peito e
para acalmar as Xrritacoea de qualquer natureza. As pessoas que n-am do
Xarope ou da Pasta Berth .experimento um souino calmo e reparador que
nunca seguido de pezo na caneca, perda de appetite, ncm de confctipa.cao.
as reoeitas especifque-se bem Xarope ou Pacto Bertu c como garanta exja-
se a Assignatura Berth e o Sello-Azul do Estado Francez.
PARIZ
Gasa CLIN 4 C* e por intermedio de qualquer phannacia.
i

\

fEGHMUS REABS!
59Ra Duque de Caxias59
ADMIREM
fortes de crotones em cartSo com figurino e enfeitos, a 8i5oOO.
dem de oachimiraa bordadas, a 25f)000, s3o de 400000.
Setim preto, a 10000, 10200 e 1(5800 o covado, verdadeiro Macio.
Grosdenaples pretos, verdadeiro Len, a 20200 o dito.
Merinos pretos, du/ts larguras, a 500, bOO, 10000 e 10500.
Mxuyina pretal 10200, 30000 e 50000.
Oasacos de cachimira pretos, a 300000.
Fil bordado, a 800 rs. o covado, para veos e enfeitos.
Velludilhos de todas as cores, a 800 rs. o dito.
Zefiros de cores, a 80, 100 e 160 rs. o dito.
Linons de cores, a 200 rs. o dito.
Tecidos diversos em cores, a 240 e 300 rs.'o dito.
Fustes brancos bordados, a 360, 400 e 460 rs. o dita.
Lindas setineiaa, a 200 rs. o dito, aproveitem.
Cretones magnficos, m metro de largura, a 286 re. o dito.
Chitas, boiu sortimento em cores firmes, a 200 rs. o ditc
Rendas austriaea* para vestidos a500 rs. o dito.
Cambraias bordadas, a 40500, com 10 jardas.
dem Victoria, a 26500 e 35000, com 10 ditas.
Madapoln tfiperior,. 60000, com 24 ditas
Algod3es nacionaes, a 30000 e 30500 com 20 ditas.
Ricas guarnieres de crochet, a 70000 e 80OOC
Toalhas de labyrintho para baptisados a 250000,e 300001'.
dem grandes para rosto a 40000 a duzia.
Cernidas de bramante, a 120000 a dita.
Meias inglezas superiores a 30 Camisas inglezas e franc?zas a 300000 e 360000.
Cortinados bordados a 60000 e 80000 o par.
Lencoes de bramante a 10800.
Coberta de ganga, dous panno a 20800.
Redes superiores, a 100000, sao de 150000.
Pannos para mesa a 10100 e 10400 o covado.
Atoalhados bord 'dos, a 10200 o metro.
Bramantes de algodao, a 700, 900 e 10000 o dito.
dem de puro linho, a 10600 o dito.
Casimiras em cortes, a 20000, 30000 e 50000.
Sargelins diagonal, a 200 e 220 rs. o covado.
As vendas em grosso tem o descont de 14 2{
PEREIEA & HAGALElES
i
Aleafero Chayot
"^litirrriSLOQ atco.

:
ca-
nas
fir.i il i-:/*.!, ra v, [iun -I i- sao .!e di
O <50'. ..:.-- ,..--' anuiuocajwu mv k<:ii .tu as nfeigSea
rn-r;.. _. un- i i'i irrtWHOl fiiC.iUlIfiOTwiiimBiKm
Ao t"r;;iM;;. : ''- iiiryHI i <" .-. :-. L. ,-. f.-rufj.'i^u se; ui.i :
V
m CA- .
:- i

T685AS TZHAZES
ET!6Ad, CHC^TAS, ASTHMA
5 R^fBiA^^TOS
OGOUC t SMMtitaa sa As 0PC LAS GUYOT tSu brancas
pocha Coa c!. i I inpo Cu ppfejoiiul ,' e atas, urna lava^iiuprua am preto a nruia -.
bebid a m,, i ;.',Di'ifi f
S absoluimente indiapenaetvel
exigir u Fir^iia
7SSCHIPTA. BlH TRE3 CORES
Fabrica : Cas? L. FRERE, 19, ra Jacob, PARIZ
TONIV
VINH
w
fm
-JiHIf-UBO REGEW&RADOR
i c
DO
Qu
J0HANN0
ido "le Carne e Hypophosphi'o
Tnnie=&c-
o organismo arralui.do p .
OiMBorr&ca, ca anu, j,k- (uto arruinao a sauoc das mulhares,
Pllllll de Banirue, F-r- a -er-1. SeblUdade, etc.
11 uo cuisoa para reconatltmii e rememorar
xajos, iia.ureza do clima, Anemia, CtaloruUi
c **>
21T, Erogiudtto, Su, do'-i,7ara da Str&sbonrg, em PATJ"
QO0000O0000P0000000000gCt^CS0000fc
UPtAS
BRONZE
DE
asscri-

.
CAHIMIZI) 8: IRMAI)
Ra do Baro do Triumpho ns. 100, 102 e
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem para vender o oeguinte:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo directo ou para fogo de
tamento.
MOENDAS de todos os taannos.
RODAS d'agua.
RODAS de espora e angulares.
' RIVACES de differentes tamanhos.
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LO' :OMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
MACHINAS de descarocar algodao.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
BOMBAS de todas as qualidades com o respectivo encanamento e finalmente
todas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGaM SE de qualquer concert e mandam buscar por encomnien-
da, mediante ajuste previo ou urna mdica commissao qualquer machinismo.
CONTRACTM fornecimento de apparelhos para usinas, garantindo a boa
qualidade e bom trabalho dos mesmos, o que podem provar com o boni resultado
obtido com as duas USINAS mentadas ltimamente a saber:
Santa Filonilla e Joao Alfredo
* Wnderu a praso qu a "dinheiro com (esconto. t .
PJXIE ANT1EM0S0 POLYBBQMRABO
de BAUDRY, Pt ai mace utico de i' Ctese.
ble Elixir, que contera em coa c n:policio os bromurelos de potasio, de sodio
4 unmania, perfeitamen'e comoinauos, de um sabor agradavel e sempre
tonudo cen prazer, uiesmo pelas pessOas, que teahSo um esooma^p delic^d').
Numerosas experiencias vierao conifirnar a sua imoiensa efficacia contra a
Inaomoia, as Enxaquecaa, i L jitac^o aurac'.e a i:oite. t> as Palpitaces,
calmanda nmodialamente .-xcitabilmaiiv nervosa. :irr...ustra-se lan.ein com
grande vantagem as convulsos i das cieancas e as senhora8 que solTrem do
pasmos, dasmaios e atr iques Je ervos. Empri gado cor7enieiuemente,
este*Elixir um auxiliar podvroio ^ rvediciHa conira o hysterif-r.o. a epilepsia
e a dansa de Sao Guido A dt..; de at 4 c lheivs por u, pela maa o Urils.
Dmpoatto : Em f AHI'. S, i le Virianne, e m> prii.;ipoee l>ha ja.3J
Pare. tratamento e prompta cura dmi
Molestias do estomago e dos
intestinos, molestias do gado,
dispepsia, indigestos, clicas,
nauseas, diarrhea, prisSo do
ventee, falta de appetite, incom-
modos depois da comida, enxa-
quecas e dores de caneca chroni-
cas, rlieiiniatixino e novralgias,
molestias da pe lo, molestias pe-
ridicas das senhoras, e, alera
dcstas. muitas outra* ^ofermidades que se
elassifleo debaixo. de umn infinidade de
nomes, todas porm, orinadas da mesma
causa, a saber;
Desarranjos dos orgSos de di-
gestSo e assimllacSo,
donde pro vera a impureza e o enn-aqneci-
mento do sangue, com a debilidade e con-
gesto de todos os orgios vitaes do sys-
tema.
Procurem-se
AS PILULAS CATNARTICAS DE AYER,
PREPARADAS PF.I.O
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Kst.-Unidos.
Ui^'oiu Giai.
tr*o><*.
'>oC'a>or'OQ

A UEALIDADE!
SO SK YENDO
(JUNTO AO LOVRE)
Cachemiras lisas a l)52uO o covado.
Cachemira de listras a 1-5200 o dito.
Cachemira mesclada a 80u rs. o dito.
Esquilo de algodao a 3&200 a pega.
Gazes arrendada a 00 rs. o covado.
L3s Amazonas a 44' rs. o dito.
Merinos lisos a 440 rs o dito.
Cortes de vestidos em cartoVn.
Capellas para noivas a 70500 umn.
Sahidas de ba le (tecidos em 131).
Zephyre8 de qundro a 200 e 240 rs.
Colchas de fustio a 2^000 um.
Setim Maco (todas as cores).
Baptsta de corea a I6O0UO.1 rs o* cavado.
Cortipados bordadds a _:>;"> 0 par.
Rendas hesnanholas a 3000 o metro.
Cretones a Derby GuarrrifSo de crochet a 7000 urna.
Cambraia bordada a 4400Q a peca.
Dita Victoria a 280l> dita.
Sargelim de cores a 200 e 220 rs o covado.
Camisas de flanclla a45500 urna.
Esguiao pardo pira roupa a 360 rs. .
Bramante de algod2 a 10000 o metro.
Atoalhado bordada a 1<5200 o dito
Cachemiras de quadro a 280 rs. o covado.
Percales de cores fixas a 200 rs. o covado.
Espartilhos curaca a 5^000 um.
Crep preto (inglez) a 2)5000 o covado.
Luvas de seda a 20000 e 20500.
Seroulas de bramalite i 150000 a duzia.
Guardap para homeni a G0OOO.
Batiste finas a 260 rs. o covado.
Bicos preto de 6cda.
Toalhas para banho a 10500.
Grande variedade em Extractos,
Baleias pretas a 240 rs. a duzia."
Setim do Jap'o a 240 rs. o covado.
Colchas de damasco a 80500 um
j Colchas de crochet a 70000 um.
i Guarnicao de crochet com matizes.
I Colchas de cores a 10800 urna,
i Panno da Costa a 10000 e 10200:
Guardanapos do linho a 20200 a duzia.
Toalhas felpudas a. 302* 0 a dita.
Cobertores de la a 10800 um.
Camisas inglezas a 3600 a duzia.
J Algodao branco a 302QO e 30500. .
Madapolao americano a 605OO.
Brini pardo, a 280 e 300 rs. o covado.
Fichs de retroz a 10000.
Len50es.de bramante a i10000 um.
i Cobertas de ganga a 30000 umai
Paletots de seda palha a 70500 um.
Leques de setim branco a 60000.
Popelina branc a 8C0 e 10000.
Etamino bordado a 500 rs. o covado.
Lencos brancos a 10200 e 10800 a duzia.
Paletots de alpaca preta a 40500.
Leques transparente a 20500 um.
Paletots de brini pardo a 40500.
Fustao branco lavrado a 360 rs. o covado.
Se.tincta branca lavrada a 500 rs.
Regatas de cores a 10000 e 10500.
Faletpts de alpaca de cores 40000.
Bicos de cores a 20000 e 20500.
Paletots de gorgurina a 40500.
Guardap para senhora 100000.
Bramante de linho a 10800 e metro.
Velbutina de cores a 800 rs. o covado.
Merino preto de todos os probos.
tnicos, entremeios, bordados, roupa para
ou vendse
rus) do Bis
Aluga-s<
urjaa boa.casa a ruadoispo
Cardoso Ay fes 1 2, com 2
salas, 2 gabinetes, 6 qu artos
com jancllas, Lodos assoalha-
dos, sala de engommado, co-
zmha, cocheira, quarto de
banho e accommodacoes
para criado. Tem agua e
2az encanados : a tractar na
casa immediata n. 14.
AJug-a-se
o 3* ailar do sobrado na do Imperador n. 26,
e a casa lerroa a ra do Lima n. 20 ; a tratar na
lithographia iuu Mrquez de Olinda n. 8.
Aluga-se
o armazem e urna sala a ra Mrquez de Olinda
n. Si ; o 2- anuar ra do Imperador n. 39 ; o
.) audar ra do .: om Jess n. 42, e a loja no
5ateo do Terco n. 20 : a tratar com Luiz de
braes Gomes Ferreira.
Ahignei barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Baixa verde n. 3.
Boceo da Bomba n. $ loja.
Baiia Verde ns. 1-C.
Ra Viscondede Ilaparica n. 43, armazem.
Ba do Coronel Suassuna. quarto n. A.
Largo de S. Jos n. 74.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar ra do Coaunercio n. 5, i andar,
esenptorio de Silva Guimaraes & C.
Ama
Precisase de una ama para eogommar e mais
servigos de -.asa de pequea familia; na praca
da Boa-Vi su n. 32.
Ama
Prccisa-se de una ama para oosinbar
Mrquez de Olinda n. 56, 2- amlar.
naru
Ama*
Precisa-se de urna ama que seja boa cosinhei-
ra ; na ra Vidal de Negreiros n. 130.
Amas
Xa ra da Palma n. 40. precisase de dpas
amas, urna para enanca e nutra para cosjnhar e
comprar.
Ama
banli i salgado, sobretudos., duble-capas, casemiras, brins brancos c boleas.
Houpa'por medida
20-Ra Primeiro de Mar^o20.
c\%*% ni: (o\i ii\i t
AMARAL
ptc^i

da FGADO FRESCO de BACALHAO, NATURAL 8 MEDICINAL
Proscripto desde 30 ANMOS. em Franca. Inglaterra. He*paaha, Portugal, Brazu,
^tiroa maltosa mando, rootra aa
tMfc
o maja
IrrapotM a eO.
de aove <
Precisa se de urna ama p;ira engommar e co-
sinhar em casa de pouca familia ; a tratar no
orradr do Bispo n. 2.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; na ra
Imperial n. 92. 1 andar.
Qudros
om bellissnas oleographias, objectos para
adorno d salu e para presentes, ludu encontra-
se na livraria Contempornea, ra 1 de Marjo
aumero 2.
Muita atten^o
Xa ra de, S. Jos n. 56 tem para vender os
afamados* vmhos e licores de todos os fructos do
paiz, fabricados pero tinado Joao do Amaral Ba-
poso, comosejam : vinho de caj,!.* ei.' quu-
lidade, vinho do abacaxt, viulo de ianipapo,
composlo e simples, hesperedina brasiieira, la-
rangtnlia cordial, exceacias de limo e cidra, e
tres prensa.* para esnreiner os fructos. e tudo
se vende pt r Daralsimo prego "para liquida
cao.
lato tmm*> > Sooo. % ^ ruiiola. fajua XSUm m r
LLAIPATIU0II6.
4- Mach i as a vapor,
Moendas.
Rodas d'agua.
Taxas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravacao
Arados,
| Agostinho ^7 Irmos
Collar de Ouro
-l Beta Cafcate* -A
Gomo tlzessemos ama grande reforma em t
nosso estabelecimento, lizemos tambem reduc
cao nos precos de nossas joias de ouro, prata i
briihantes. Pedem a s,eus amigos e freguezes .
virem comprar lindos objectos com pouco di
nheiro. ompru seguro, prata e brilhaDteB ea
obras servidas e paga-se bem. Consertam-se re-
Iqgios, obras de ouro c prata commodamenti
As almas caridosas
Maria Candida Wanderley Autran. viuva do
empregiido publico Candido Auiran da Malta Al
buquerque, moradora na travessa daPiedade n
5, em Sanio Amaro, leudo em eua companhia
tres orphas e vivendooa mais extrema pobrez,
vem recorrer as alrua caridosas, que compade-
cendo do seu affliclivo estado em que se acbaki
soccorram; pelo que ser reconbecida.
i Discursos
I o muito cloquete orador cmego Uves Men-
f des, receben a livraria Contempornea
Camellas M Compru-se ^utellas do Mbute Soccurru !
qualquer joia, brliaiMi.-. e .os; paga-a
bem na Praca da fadepeudpficia i. 22, loja d.
reiojoeiro
Protesto
Declaro que o engenho Aracudgy da comarca
do Cabo me est efiex vainente nypothecjido,
como declarei pelo Diario de 29 do rorrenle, e.
3ue em ternpo e ireto. protestando desde ja por qualquer pre-
juizo que me possa advir e/n vista da dedaraco
feit-i pelo Sr. Bernardino Gomes de Carvatho".
Re.-ife, 29 de Maio de J889.
JoaoCarneiro Rodrigues Campelln.
Hotel I Primavera
1$ na da Roda 18
0. proprietario (Jes>e estalielecimeolo, Jos
Bi" nardo da Silva, chama a ntteocn do respei
tavel publico para incumbil o de cneoiwiieiidii-
de jamares.
Foratce se comed o ias para casas partcula
res a ivos commodos :
Feijoada 240
Carii" de qualquer forma :2n
i'eixe 4IK
Frigideira. im
Ver para crr
instrumentos demusica
jara banda e orchestra, realejos, cajxinlias com
I. 2 e i> pecas, para cri-uca ; na livraria Con-
tempornea.
m m
^-E -

wm.

Hurray \mm.
0 MAIS EXQUESITO
DOS
Perfymes do Toucador.
Perfuma o Corpo
Vivifica a Ment
NO BANHO.
Superior a Agua Je CoIq-
ni- pfta ('.L'licadeia arui'.i.i e a durabilidacie de
I seu ]>erfuine
KOLEKgft
Coziriheira
Precisa-se de urna ama que cosiQOe Dem, para
casa de pequea familia, que durma em casa
dos patres; aa ra Conde da Boa-Vista n. 24-F,
nortao de ferro _________
Malas deviagem
iara roupa de senhora e de homem, propria de
amarte e caminbo de ferro, bolsas, cnapelei-
as, binculos, etc. etc. arligos muito bpnse
jaratos na livraria Contempornea._______^^^
A's maes de familias
QUERIS VOSSOS FILIIOS SEMPBE SADIOS ?
Administrae-lhes o xarope ou as
Pillas Yertuipurptivas
DO DR. CALASAIVS
ptimas preparacoes de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsSo completa, sem
dores uem incoinmodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(das cranlas e uos adultos)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
o Estas excellentes preparacJes nao ne-
cessitam de purgativos como auxiliares
visto seren purgativas por si mesmas. <
As pessoas que tem vermes sentem c-
licas, tem constantemente diarrhas, indis-
posiao, sensajao de corpos que se novem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
s vezes, vmitos. Rangem os dentes, qnan-
do dormem, algumas e pessoas expeliera
vermes com as fzes ou com as materias
dos vmitos. As enancas apresentam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o
DR. CALASANS e sao
1 caixa de pilulas
' vidro de varope
nome do
cor de rosa.
1,5200
15200
ti
AS PRINC1PAES DROGARAS E
FHARMACIAS
BED FUERES
Constructores a Hu. Franca
Representado por Emilio Bil-
lion. engenheiro iiiei-liaa',
(PERNAMBUC.^J
Assentamento completo para engeohos cen-
traes e Uzinas pelos processos os mais aperfei-
coados.
Moendas e represso mltipla.
Corte-cannas vertical, sistema Bedu.
Dillusao. circulare rectilinha. dito Bedu.
Diffus&o continua do barago dito.Perret.
Fornos para qwciifiar o.UagtUv na*. Mflosjto,
dito Bedu.
Filtros mechanic&s a liltraro mltipla.
Turbinas ceutrifuga.- i'economio, limpeza e
trabalho vapido).
Em geral todos os apparelhos os. mais moder-
nos e os mais aperfeigoados para o fabrico de
ass'ucar.
N. B.O Sr. Emilio Biliion fazendo umavia-
gem de 3 mezes na Europa, durante a sua au-
sencia dirigi asearlas e pedidos a casa Bedu
Frres a Ham, que fornecer plantas, orcamen-
tos etc., e por qualquer negocio nrgente infar-
mar-se ao Sr. Eugene Clialine; 24 ra do Com-
mercio, Becife.
- ?.'ovidade
da
-ris 3 Londres.
'(;,:';
.', | StaHack (emiuLnes^lega'iti^sJHios
- i lOtahasl ura novoe maraviluAso j>re-|
irndo i-ropoycionando um banlio dcUi-ioso el
Iro. : :iiiexellentoa?iiadf tnurador.
'.: !' ':'. ?,!'!Ck ?Z2 6 fl-l'ia !M.VHI51I,|
afc''<-' e : :i,Iir. a c::!.i, e, cora" i, 'i i-s.
eaiUo. iip /. iodnq:ir.:::,uco:.:.'-ci a;c lioj.:.,
* odas as pliavnincias. droa-|
nprn'uiariai a mmido.i
Veniie se em tou
tas nr.^ -:-: | |
L"l:- '
'!.'
!.' -' I tri<-s -iii Per,
..tl>-
PALPITACES
FEHliEBACOSS di
HTBtllTTBICIS
6 todos oh Uicoiii iodos coiis:(lf>ra(!s como
prpludina aaot.at3Tib.u do ooaA^o
O Vaoau aucio/Airy, o fi>pr,r.-o to
Gramiles i^usniam
:;.-.,
. Mr" '
.a es mak UNM
a. coa .Gvwoeic
Engenho Brilhanle
Arrenda->e eb88 engealio, sito noterino.de
Serinhem, com pnipoirv.'s [i..ia 1,2('0 nes e
movido a vapor: a tratar ua ra do Bom lesu~
numero 23
Xarope ePast
deSEIVAdhPINHEIRO martimo
fcLftflffB, PhoacaoUM aa BeMUUS
AnrttMUt ftU Jmte te Inlemi
Popular na 30 annoa, o unk
Carado com a ?erdadain
? de Plnhelro, extrahlda
pelo vapor d'agua, logo depote
de cortada a arvore. Cura os
deOuxoa rebelde, a toeee,
as grlppea, oetarrhoe,broa*
obitea, molestia da gar
gaata e ronquidos.
Km PA.RIB. 8, Rom Vrl
fugeii .>
Arrenda a o en
Agua Preta, uioer.i.
estago, com ex ell..
a tratar aa ra do B..
Rod
a
>inbo
ii t'*rmo de
]n>rto da
v lioas matas:
i <.riptorio.
a
l'.iiini'-a-'-''
de i, 30
mer. luti
urna, n m
no,- ; a
ILEI

i
~--
.


YENDAS
\
I
-

Vinho puro de Santa-
rem
Da quinta le Barra I
Chegou a segunda remessa deste especial vi-
nho para o ruiazein central de g"neros alimen-
ticios roa do abugfn. 11. o qual se torna
necommendadok. por per puro du uva.
Joaquim Christovao & C.
Trlephunc4-1
I
om emprego de ca-
w Pital
^i Vende-se e aluga su u casa terrea quasi nova.
da ra Sete de Setembro lantiga Calaboucoln.
6 ; para tratar na ra do Cabuga n. 2.
Fabrica de fiac,o e te-
cidos de Natal
Julio A IrraSo, praga do orpo Santo n 7,
teera a venda os acreditados aleodes dessa fa
brica, trancados e lisos.
Liquidacao por 30
dias
Aproveitem!
Pedro Antunes C, desejosos de: reduzir a
grande quantidade de mercadorias que existe era
seu estabelecimento, resolveram fazer grande re-
dcelo nos presos, afim de facilitar ura enfado-
nno balance
Alera de muitos outros artipos, damos una no-
ticia ligeira de alguns que podem corivir s ama-
veis leitoras.
GRANDE VAR1EDADE era bicos de seda, ii-
nbo, algodo e la.
SALDOS DE FITAS de todas as cores e largu-
ras. GuarnicOes de vidrilhos pretos e de cores,
palmas, pingentes e galoes andaluzos, alta n vi-
dade. Aygretes para cabellos e chapeos. Pcn-
tes Imperial Regente. Cortes de vestidos bor-
dados de 9-5 a 20. Vestidos ponto de malha
para criangas, prego de ti i a 10* Gorros a ma-
nijo. Aventaes bordados para criancas. Rendas
hespanholas. Lindos artigos para presentes
Porta-cartoes e flores em electro-plate. Babados
e entre-meos bordados. Finas perfumaras.
Aguas e sabonetes fenicados. Commodos e ele-
gantes espartilhos de 3*500 a 10*. Bonitos Je-
ques de seda, setineta e papel. Braceletes e bro-
ches, ouro romano. Talheres de electro-plate
para criancas. Grande vanedade era calungas.
Capellas, v06 e ramos de flores de larangeira
para noivas Finas meias'de seda Escossiae al-
godo para senhoras, bomens e criancas. Enxo-
vaes para baptisados, chapeos, sapatos e meias.
N2o te esquecam que fazemos todas as conces
ses.
63 -RA DUQUE DE CAXIAS-63
Nova Esperanza
Pedro Antones &C.
Mel
Vende-se no engenho Concordia, posto na es-
tagao de Ribeiro ou as Cinco Puntas, confor
me o ajuste. _______
Material de engenho
Vende-se por diminuto proco, a dinheiro ou a
prazo, com iarantia idnea, o material completo
de um engenho que tirou apenas dua^ pequeas
safras. Tambera vende se separadamente as
pegas que se quizer. Para informaces, com o
agente Pestaa, na travessa do Corpa Santo nu-
mero 27.
Materiaes
Vende-se barato doze milhciros de telhas, ma-
deiras e tijolos de urna grande olana ; a tratar
na ra do Imperador n. 50,3- andar.________
A 25500
Vendc-so o frasco do Peltoral de Cam-
bar, de Sonsa S ares, em casa dos agen-
tes e depositarios geraes Francisco Ma-
noel da .Silva, ra Mrquez de Olinda
n. 23.
Attencao
Vende-se o estabelecimento de molhados. sito
ra da Restauragao n. 57, proprio para princi-
piante, e o motivo da venda se dir ao compra-
dor.
F0LP5TM
SEM MAI
POR
falo diigmout
A PALHA DA COURAGA
(Continuag3o do n. 12 5)
CAPITULO XI
O dedo de Dea*
Certamente, e vao ver d'aqui a pou-
t o que seguio-se. Em Varenne o Sr.
Marais conheceu-me logo primeira vista.
Nem um detalhe do negocio havia aido es-
quecido por elle. Lembrava-se das mi-
abas confidencias de entilo e continuava
convencido de que Eugenio Gages nao
poderia haver penetrado na casa, tendo
ido o crime commettido fra, senao para
operar a subitituicSo da crianca. Deu-mc
ent2o um excellente conselho. Tendo mor-
rido a Sra. Laureau, disse-mc elle, v
procurar o medico e a parteira que assis-
tirara Paulina Gages : elles talvez notas-
sem na enanca que ajudaram a vir ao
mundo algum signal particular.
Nesse momento Adelia soltou um grito.
Meu Deus !... exclamou Ha, Geor-
gina parece-me com Paulina, nao tinhare-
parado nisso at agora. So" boje volta-me
a memoria o rosto da infeliz mulber.
Georgma tem ob seus admiraveis olhos,
irais duros, porm os mesmos !...
E seguiste o conselho do Sr. Ma-
rais? perguntou Pedro, que mostrava-se
ancioso por saber tudo.
No dia seguinte, sim. Mas antes
eixem-me contar-Ibes o que aconteceu-
me quando sahi de casa delle.
O que foi ?
Escapei de ser asfiassnada.
Tu!
Sim. Voltava sainha para a esta-
cSo, s onze horas menos om quarto, quan-
do apercebi-me de qae na acospaabada.
im cu
Trlbofe para os especuladores
Na ra do Rangel
ns. 13 e 13 A
G. SANTOS & C.
Jse Bi & C
13
Completo soyimento de casemiras para temos
que faz se por pregas biraiissimos.
13 A
Grande sorlimento de miudezas recebidas di-
rectamente de Pariz dos mais afamados fabri-
cantes.
13
Camisas de linlio a 24000 e a 34000, colchas
de cores a 1*300, fichs a 900 rs.
13 A
Leques de gaze, penas e setim. espartilhos e
fifias modernas, sorlimento variadissirno, prego?
mdicos.
13
Cortes de casrmiras para calcas o mais mo
derno que ha no mercado e de duraqoe, seda e
fustao para colletes.
13 A
Bordados e entremeios Victoria ou transpa-
rente de todas as larguras, pregos sem compe-
tencia.
13
Cortes finos para vestidos em cartees a 64000
e 8*000. las de quadros a 160 rs. o covado, chi-
tas de 200 a 280 rs.
13 A
Bicos brancos e de cores, espelhos, jarros fi-
nissimos, mais baratos que em outra qualquer
parte.
13
Gorgoritas para vestidos a 300 rs. o covado,
recebidas directamente, sarpelins a 80 rs. o
covado. cambraia com salpicos de cores a 500
rs. a vara.
13 A
Perfumaras : sabonetes, extractos finissimos,
oleo Hermosa a 900 rs. o frasco. Grvalas bran-
cas para casamentas, regalas, plaston, man-
tas, etc.
13
Grande sorlimento de piastras de 500 a 1000
a Der(>" Club.
13 A
Luvas de seda decores e pretas a 14800 o
par. ditas fio de Escossia a 1*000! I
13
Importante offlcina de alfaiate sob a gerencia
de um perito raestre prompto a satisfazef o gos-
to o mais exigente, por pregos sem competencia.
13 A
Lencos finos de linho, ditos bordados e de
labyrintbo a 500 rs., enxovaes para baptisados,
toucas de setim para criangas e meias de todas
as^qualidades.
13
Quem quizer vestir se bein e por pouco di-
nheiro venha a este estabelecimento que encon-
trar alm de um completo sortimento; since-
ridad?, Rsrado e modicidade nos procos.
13 A
Grande variedade de objectos de phantasia
proprio i :.ra presente?
Afina I
Quem desejar andar no rigor da moda venha
sortir-se oestes dous eslabelecimentos que se
confr ternisam afim de combaterem este bicho
horrorosoPRKCO C\RO.
ft. s \ \ ros t C.
Ituu do It;iu;rl ii. .3
JOS BIE & O.
Ra do Ran^el a. 13 A.
Attengo
MAIS BARATO
* Na Loja das Lisiras Azues
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Vende-se fazeudas finas mais barato e
d-se descont a quem comprar de 20|5000
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nSo f6r de muito
agrado para quem for comprada e vende
pelos seguintes precos:
Cachemiras lisas e com listas de
seda de lindas cores, a 1(5400.
Merinos de duas larguras, a 440 e
800 rs., qualidade superior.
Tecldos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 40U e 500 rs.
Tecldos de linho, lindos padrees
grados, a 200 e 240 re.
Zeflros lisos e de quadro, a 80 e
100 rs.
Setlns de Maco branco, preto e de
todas as c8re a 750 e 8u0 rs.
Netlns de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas Iavr-.das brancas e de cores cla-
ras, a ltHOO.
Gizes de seda com fios prateados a
10000.
Cortinados de crochet, em peca, a
900 rs.
Cambralas bordadas brancas e de
cores, a 4fiUU> a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 160000, 180000 e 200000.
VCos para chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid) s
a 10200 e 20000.
TEC1DOS MAIS BARATOS
Percales c chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 rs.
norlm de llstras azues muito lar-
gos com 20 varas, a 60000, a peca.
Sargellns Anos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
CSuardanapos superiores a 10800 e
20000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 10000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro
Toalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 40000 e 60000, a duzia
Bicos brancos francezes, a to
e 800 rs., a peja.
Bicos finos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 20000, a pea.
Baleias a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 rs.
Luvas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 20000.
Leques de papel, a 500 rs. c trans-
parentes, finos, a 20000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 60000.
Sabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
Ivtractos finos francezes e inglezes
a 10000 e 20uOO.
Bespertadores americanos, a 70.
Mosquitelros americanos com ar
micao a 100000 e 120000.
espartilhos americanos e inglezes,
a-I^TM, 5#(MiO o 6/J000.
Capas de vidrilho e rendas, a 250000
e 300000.
Toalhas de labyrlntho para bap-
tisado a 300000,40# XK) e 50*000.
E muitas fazendas qne se d por todo o
proco na.
Loja das Listras zoes
55
Vende-se o estabelecimento de molhados silo
ra do Hospicio n. 59, o motivo seu proprie-
lario achar-se doente e ter de tratar de sua
sade.
m______r ..-H
Voltei-me. Um individuo achava-se atrs
de mim, empunhando urna faca. Eu t ra-
zia um revolver e avise-o de quo, se n3o
se afastasse, atiraria. O assassino, longe
de obedecer-me, dispunha-se a saltar so
bre nim ; fiz fogo ao acaso e feri o, por-
que elle fugio, soltando um grande grito
de dr. Ora esta manbS nito repararain
na dr atroz de que deu mostras sir Joa
than quando apertei-lhe a mSo e sacudi-
lhe o braco ?
Sim, disse Adelia, reparei nisso ;
os seus labios ficaram mais brancos que a
cera.
Ent3o foi elle quem tentou assassi-
nar-te ?
Porque sente-se adivinhado por mim
Bren
marca
F
Veude-se em barricas a 30 rs. a libra
mazem da ra do Amorim n. 60.
no ar-
so.
aqu,
sim.
E' possivel, contina.
Em casa da parteira, a Sra. Lami-
nois, obtive explicacSes certas e compro-
vadas.
Sobre a personalidadB de Georgina ?
Exactamente. Em primeiro lugar
Amanda Laminuis urna senhora das mais
honestas, que conquisten em Montmartre
e alhures a estima geral. O Sr. Marais
havia-lhe confiado outr'ora a idea que fie
acudir da substituido da crianca. A mi-
nha porgunta nao Ihe caasou portento ad-
miraclo. E querem saber o que ella me
certificou ? Que Clotilde Bagcs tinha nm
signal preto no braco esquerdo quando
nasceu.
Adelia levou ambas as roaos testa.
- Mas nao ficarei doudr, meu Deus ?
disse ella, ar-se-ha caso que tenha
comprehendido bem? A parteira disse-te
sso ?...
Sim, e accrescentou que, tendo sido
laborioso o parto, ella tomara aquelle sig-
nal por urna contus&n feita por ella na
crianca. pegando-a talvez um pouco brus-
camente de mais.
Mas entilo Clotilde, a loura, a bella
e leal creatura que adoro minhofilha !...
NSo tenho a menor duvida a res-
peito.
E a que est l em cima, mortal
mente doente talvez. ..
- E' a til ha do bandido que assassinou
Jorge Sim, isso certo tambem !...
Ah! disse "Pedro por seu turno,
acredito-te; mas quem fornecer urna ni-
ca prova do que avanjas? Porque para
levar avante semelhantes ideas, coasas to
graves e que vo revolucionar to comple-
tamente varias existencias preciso mais
que conviccoes moraes...
O que ?... exclamou Suzana; pen-
sa acaso qne o bom Deus vai abandonar
creaturas boas como Adelia e Pedro para
proteger um miseravel da ordem de Eu-
genio Gages ?... N3o, nSo, n2o tenha re-
ceio. Esse proprio Deus, justo, vai en-
viar-lhc a prova que est pedindo. Mas
para iaso preciso que me obedegam todos.
Que queres dizer?
Que quando Jonathan Pierce voltar
da sua viagem vai fazer loucuras diante
da doenca de sua JUha. Ora, preciso
tirar partido desse estado agudo. Todo
meu segredo est nisso.
Eutao incumbes-te de tal ? pergun-
tou Pedro.
Sim,'quero exasperal-o nSo o dei-
xando ver a doente sob pretexto algum.
Devem, porm, todos fazer rigorosa e in
flexivcl guarda, tanto os sniores como
Roberto, afim de que elle nao possa trans-
pr, por couaa alguma, o limiar desse
quarto. Naquella alma selvagem, tao in-
teiramente cheia do nico amor que ja-
mis attingio-ao affecto paternal, quem
sabe o que produzir o desespero?
Comprehendi-te, disse Pedro. Para
melhor ajudar-te devemos, Adelia e eu
conservar-nos os mesmos pefante o mise-
ravel, forcarjos labios a sorrir-lhe, as nossas
luaos a aportar a delle !...
Nito o poderei declarou a Sra. Cha-
niera.
Assim jpreciso, disse Suzana. Lem-
bre se que, se for despertada a sua des-
confianca podem succeder as maiores des-
gr5a8. Agora, por exemplo, elle nao fo
ao Havre, mas Normandia saber se Co-,
tilde contina no convento. Ora, quando
na volta elle souber que ella sahio do asylo
orph.nologico ha cerca de tres annos, o
maldito desoobrirra pidamente as suas pe-
gadas. Pense no que esse bandido pode
tentar contra ella, por vinganca ou para
garantir a felicidade d sua filha, Sobretu
do quando conhecer o amor de Roberto
por essa moca.
Koberto ama ento a Clotilde, sua
verdadeira prima?! exclamou Pedro. E
eu nao aei d.sso !...
Nao podemos dizer-t'o, declarou Ade
lia; apenas conhecemos esse segredo de
domingo para c.
Quando ellas contaram-lhe tudo o Sr.
de Oauvej ergueu as maos para o co.
1,'oiuo Deus bom, disse elle, esse
amor urna permissSo da sua Providen
cia, que quer compensar nos com a felici-
dade do desespero que outr'ora quasi des-
pedacen as nossas vidas. E entretanto,
uontiniiou ella, apezar da tua perspicacia,
das tuas o'jservaySes dos teus presenti-
mentos, ere.o na substituice da crianca,
sim, mas que Jonathan Pierce seja Euge-
nio Gages, nao posso conformar-me.
Esperem, disse a governante grave-
mente, nao se mostrem traeos para com o
Convite s familias
Pede se attencSo para os precos abaixo
mencionados:
Cambraia com salpicos a 40000 a peca.
Rendas hespanholas a 10 o covado.
Madapolao americano a ti1}, 75 e 80000.
Renda da China, novidado, a -240 rs.
Amor da China a 200 rs. o covado.
Zefiros a 160 e 200 rs., cousa chic.
Espartilhos, grande sortimentoi
Guardanapos a 10600 a duzia.
Capas para senhoras, novidade.
Fustoes brancos a 400 e 500 rs. o
vado.
Linn bordado a 800 rs. > covado.
Toalhado para mesa a 10 o metro.
Esguiao pardo a 400 rs. < covado.
Babados e entremeios, grande sorto
ment.
Colchas muito bonitas a 20000.
Enxovaes para baptisados, finos.
Merinos pretos e de cores a 500 rs o
covado.
Cortinados para cama a 60000.
Las a 240, 320 e 500 o covado.
Luvas dr seda a 20000.
Crinolines a 400 rs c metro.
Cambraia branca a 20800 a peca.
Grinaldas para noivas.
Setns de todas as cores a 800 rs. o co
vado.
Cortes d- cachemira, ciusa chic.
Sargelins de todas as cores a 200 rs. <
covado.
Collarinhos e punhos grande sortiment>.
Cretones para vestidos a 320 rs.
covado.
Toalhas felpudas, grande reduccao en
precos.
Camisas inglezas com e sem collarinbo
Mantilhas pretas.
Brins para roupa de criancas.
Setins de quadro, em cortes, gostos no-
vos e precos commodos.
Batistas a 120 rs. o covado.
Cretones para coberta a 500 rs. o co-
vado.
Tecidos arrendados para vestidos, cou-
sa chic, a 400 rs. covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Bramantes 1 sos e trancados a P>00, 10
e 10200 o met o.
Alm do que fica mencionado, temos
mais outras pechinchas que s vista se
pode acreditar.
Dase amostras sem penhor.
55 RA DUQUE DE CAXJAS *
FERNAMSDEAZEVEDOC.
Aproveitem aoccasio
Verdadeiras peehinchaN
Cortes de cretone combinacao a 45500.
Linom estampado bonitos desenhos, covado
a 300 rs.
Las de froco finas, covado a 280.
Ditos de qundros bonitos, covado a 240.
Fusto de cores, lindo gosto, covado a 160.
Zefiros largos de quadros, covado a 240.
Ditos de quadros. covado a 120 e 160.
Toalhas afeochoadas grandes, duzia a 4jO0.
Guardanapos de franja, duzia a ls5600.
Saias bordadas finas a 35300.
Fichs linos lisos e bordados a l.
Setins de quadros novidade, covado a 1 *.
Camisas tinas de algodo a lio ti.
Ditas finas de linho a 3 500.
Tapetes grandes para sof a 135.
i'unibraia branca bordada, pega a 45.
Madapolao americano muito largo a 6*500.
Mimosa cambraia dts mogas, peca a 35500.
Algodo largo com 10 metros, peca a 25500.
E outras muitas fazendas que se liquidam por
menor prego para acabar
A 'rna Duque de Casias u. 49
Loja do Trlumpho
Bastos & Companhia
A RevoluQao de 48
A' ra Duque de Casias n. 48
NAO CREIO QUE HAJA COMPE-
TENCIA DE PRESOS "
Neste muito acreditado estabelecimen-
to de fazendas finas e modas, como j
teem provado aos seus freguezes, que ven-
dem por menos 30 [0 do que em outra
qualquer casa, coatinuam a offerecer as
mesmns vantagens.
Merinos de quadros e lisos a 200, 240 e
280 ra. o cevado.
Seda alaaciana (fantasa) padioes escolhi-
dos a 260 rs. o covado.
Zefiros de quadros modernos a 120, 140,
200 e 240 rs. o covado.
Cachemiras lisas e de quadro (combina-
cSo) a 320 rs.
Organdis (fazenda de fantasia) a 400 rs, o
covado.
Nanzuks muito finos de 120 a 240 rs. o
covado.
AlgodSosinho muito largo e bom, a 40000
e 50 a pessa.
Fichs de 12 de todas as cores de 10,
10500 e 20 um.
Cretones claros e escuros a 160, 200 e
240 rs. o covada.
Leques transparentes a 20, e de papel a
500 rsv para acabar.
Lindos cortes em cartoes com aviamentos
a 60, 80 e 100 um.
Camisas de meia (pechincha) a 10 10200
urna.
Toalhas de cores para mesa elstica 50
urna.
Camisas francezas de linho puro de 40
por 50, urna.
Brim branco n. 6 a 10600 a vara.
Madapolo americano com um metro de
largura a 60 n pessa.
Brins de linhos de cores finas e garantidos
a 600 rs. o covado.
Bramante tranado duas larguras a 400
rs. o metro.
Atoalhado de linho a 10500 o metro.
Cortes de fustao para colete a 10 e 10500
um.
Toiletts para baptisados, muito finos a l^-1
e 120 nm.
Espartilhos de couraca a 40 e 50 um.
Cachemiras de la pura, claras e escuras a
20 o covado.
Setins de todas os cores a 800 rs. o co-
.vado.
Cortes de cachemiras finos a 40, 50, 60,
74 e 80 um.
Lencos de cores, imitagao de seda, a
10800 a duzia.
Esguiao de algod3o, duas larguras, a
30200 a pessa.
Colchas de crochet com palmas de cores,
para noivos a 100 urna.
Capellas com veos a 80 urna.
S na Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
WiSIf
Royal Blend marca YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melliores arma
zens de molhados.
Pede Royal Blend marca Vindo
cujo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
BROWNS & O, agentes.
Cofres de ferro
Carlos Sinden tem para vender cofres de su-
perior qualidade, mais barato que em
qualquer parte ; na ra Barao da Victoria
outra
nume-
A LOJA MAIS BAltATJRJBA
PARIZ NUMRICA
AZEVEDO, IRMaO & .
16-^-Rua do B. da Victoria16
200 Telephone-200
Tendo recebido directamente da Europa
grande Kortimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo e precos* sem com-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos. de 13 e 12 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10200.
i rinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 209 rs.
Bramante de linho a 10500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
( hachemiras com 2 larguras a 800 ra.
Ditas de l e seda 2 larguras a 10000.
Madapolao trangado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 60000.
Fichs de 12 e seda 10000.
Brins de linho cies lixes a 600.
Espartilhos couraga a 40000 e 50000.
Colchaste fustSo a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toalhas de corea' para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 10500.
Renda de la, preta, para quaresma.
Hano verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama a
100000.
.Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
GuarnigSes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de efico.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com ores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol.
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200________
Leite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio lo-
eo depois das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garante-se a qualidade do leite. ^^
Pao centeio
Mfllo & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tergas e sextas-feiras, tem este sa-
ooroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Para jornaes
Papel formato Diario, 500 folhas

Papel de forro
de sala, gabinete e corredor, esplendido sorti-
mento na livraria Contempornea.
ro48.
Vinho particular
No armazem da ra do Amorim n. 60. vende-
se o que pode haver de melhor pelo mdico (.re-
g de 7*000 o garrafao de tres caadas, voltan
do o casco.
americano, e far-lhe-hei provavel mente ou-
vir confissSes cathegoricas formuladas pela
sua propria qocca. Ah! desde hontem
procurava em que lago bastante hbil po-
deria fazel-o cahir, o maldito.. Pedia a
Deus que me mandasse a inspiragao que
devesse conduzir-me verdade !... Elle
attendeu as minhas supplicas !... A doen-
ga de Georgina a sua resposta e certa-
mente o castigo de Eugenio Gages !...
Ninguem respondeu.
A moga era cruel, m, egosta, fizera-os
todos soffrer, porm elles a haviam crea-
do e estimado, e at mesmo sabendo-a fi-
lha do assassino, ao qual tinham votado
tSo mortal odio, nao podiam querer-lhe
mal, e eram finalmente todos muito bons
para que se regosijassem com o seu mal.
Adelia, porm, achava-se entao acalma-
da. ..
Nao ameagava-a mais a loucura.
i'erta de que Clotilde era sua filha es-
teva ella !
Se subsista urna duvida no corag2o do
Sr. de Sauves no della nao existia urna
nica.
Quando a verei ?... Minha filha!...
disse ella a.Suzana com voz supplice. Pa-
rece que anda n2o a abraceif... Ser
muito tarde para ir agora a Montmartre,
dize, minha Suzana, minha amiga dedica-
da ?...
- A' urna hora da madrugada, disse
Pedro, que loucura !...
E, alm disso, ponderou Suzana, o
germen da molestia que a senhora poderia
levar-lhe !...
Dominando-a, porm, a angustia mater-
nal :
Ent2o, perguntou ella, n3o a verei
emquanto a outra nao se curar?...
Comece por ir dormir e repousar,
replicou a governante ; amanhi resolvere-
mos com R berto- e Pedro o que se deve
fazer.
Sao de opinio que se deve prevenilo
da situag2o daquella a quem elle ama ?
perguntou Adelia.
O Sr. de Sauves protestou e aconselhou
o adiamento da taes revelagoes at que se
obtivesse maior certeza.
Ah nao, exclamou Suzana. O po-
bre Roberto tem soflxido muito... Porque
bavemos de deixal-o anda na angustia da
duvida?... orapensam-se por ventura
os minutos de felicidade perdida ?...
Adelia nao quiz por forma alguma ir
deitar-se.
Comquanto acabasse-lhe a dor a certeza
de que Georgina n2o era sua filha, ella
estimava muito a rapariga, a quem afinal
havia amamentado, para que podesse aban-
douar-lhe a cabeceira.
Velou, pois, a tratar de Georgiua, que
dorma um pouco depois da visita do Dr.
Graniers, emquanto Suzana dispunha-se a
ir prevenir Roberto, contando-lhe tudo
q uanto acaba va de passar-se.
Pois bem, urna vez que elle tem de
saber tudo, v, disse-lhe Pedro; cabe-te o
prazer de ser a primeira a ver a sua feli-
cidade ; a tua dedicac2o por todos nos
merece bem essa recompensa.
Roberto havia voltado cerca de meia-
noite, tendo-se demorado muito a acompa-
nhar Clotilde casa della, pela mais ad-
miravel noite de estio que se pode imagi-
nar.
Nunca talvez a alma da rapariga se lhe
havia revelado to terna, to amante, tao
delicada.
Prefiro morrer a renunciar a ella,
dissera elle comsigo quande voltav a p
pelos boulevards desertos.
Quando soube pelos criados que sua
prima estava gravemente doente, t2o in-
tensa era a sua preoecupagao, que quasi
nullo foi o choque recebido, e o mancebo
foi
i encerrar-se no seu quarto,
nuou com a janella aberta e sentado
onde conti-
no
em Mont-
no quarto delle
maternal, arran-
seu divn o sonho coraecado
martre.
Suzana, que entrava
com a sua familiaridad*.'
cou-o s suas reflexo'es.
A' vista dos olhos hmidos da gover-
nante, do seu rosto fino, reflectindo pro-
funda alegra, o mancebo poz-se brusca
mente de p, estremecendo da cabeca aos
calcanhares.
0 que ? perguntou elle todo tr-
mulo de emogSo. Trazes-me alguma gran-
de, alguma boa noticia; vejo isso no teu
olhar, minha Suzana.
Preveni-te outro dia, disse ella incli-
nando gravemente a cabeca, commovida e
encantadora, de que nSo quera que fos-
ses infeliz, meu querido Roberto. Vcnho
cumpnr a minha promessa, trago te a fe-
licidade !... Mas urna felicidade, real, in-
mensa, infinita, extraordinaria !...
Entao, sem deixar-lhe tempo de fallar,
de responder, de dizer cousa alguma,
contou he tudo quanto se tinha passado
outr'ora, tudo quanto acabava de passar-se.
Tua tia, quera fazer de ti marido de
sua filha, disse ella ao terminar ; nSo se-
r absolutamente contrariado o desejo
della, e, como te predisse, criarei os filhos
de Clotilde e teus, como criei-te, met que-
rido tilho!...
Elle, louco de alegra e de emocSOi n2o
poda articular palavra.
Assim, estava explicada a affeicSo im-
periosa, irresistivel, qne enchia-lhe com
Dito dito Jornal, 400 folhas
Dito dito Provincia, 400 folhas
Vende-se na fabrica Caxias.
7U0O
5*000
4JS09
Superior queijo do Serid a
1#500 o kiJo
S no largo do Mercado n. 12, Gomes Ferreira
4 C. Successores.
pletamente a alma, por aquella moca des-
cohecida...
Amava na pessoa da rapariga, a tia ado-
rada, bemfeitora da sua vida !
Ao passo que a outra!... que invenc-
vel repulsao nao senta por aquella filha
de bandido?...
Das-me entao licenga de ir amanhS
de air.anlia annunciar-lhe esta felicidade
sem nome ? perguntou elle com os olhos
brilbantes de louca ventura. Ella estima
tanto mamSi, nllo v morrer de alegra!...
Sim, mas toma cautella; aquelle
americano maldito deve espreital-a. De-
pois, nesta casa, ura grande perigo amea-
ga-a igualmente.
Qual esse perigo ?
A varila negra de que Georgina
est atacada.
Ah! isto nao a assustar. Conhe-
go-a. Ella ha de querer partilhar de nooso
perigo. Alm disso, a pobre Clotilde es-
tar aqui mais ao abrigo das perseguicSes
temerarias de sir Jonathan Pierce do qae
em Montmartre, onde ficar forgosamente
ssinha durante certas horas.
E se lhe acontecer a desgraca que
eu temo ?...
Roberto fez um gesto confiante.
Deus nao restituio-nos a felicidade
para inflingir-nos desgraga tSo cruel, disse
elle. O dever de Clotilde estar entre
nos para ajudar-nos; ella vira, sem que
me seja preciso aconselhar-lhe isso. Ah
a querida Tilde, que julgas tu que pode
acontecer-lhe debaixo da nossa protec-
g2o ?... O nosso amor n2o ser para ella
o mais in vulnera vel dos escudos?...
CAPITULO XII
O castigo
No dia seguinte de manbS, ao passo que
augmentava a febre de Georgina, Roberto
deixou Adelia dizendo-lhe :
MamSi, vou buscar tua filha!...
Ella nao pensou em protestar, em fallar
do perigo, imaginando, como Roberto, que
Deus resttuia-lhe a incrivel felicidade da
sua maternidade real, n2o era certamente
para arrebatar-lh'a logo depois.
Afim de ir mais depressa. o mancebo
mandou atrelar ao coup da Sra. t.haniers
o melhor cavallo da casa.
Antes das sete horas parava o vehculo
na ra das Abbadessas.
Clotilde achava-se vestida, o commodo
arrumado, porm ella ainda nlo tinha sa-
ludo para a sua loja.
(Continuar-te-ha)
Typ. do TMariojna DtKfde de Caxias n. U.
:.
i

'
Vi-
K
/ 1
3
1,f
1

E,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFIFGW14I_9ERT1N INGEST_TIME 2014-05-28T15:19:22Z PACKAGE AA00011611_19829
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES