Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19827


This item is only available as the following downloads:


Full Text


T





1
-
*

ANNO LXV NUMERO 124
mnajbm i i n.....na^^i
PARA A CAFlTAl B LIGARE* 0\DI MAO JE PAfiA PORTE
Por tres mezes adiantados. ............. 60000
Por seis ditos dern............* 12)5000
Por um anuo idem................ 23i000
Cada numero avulso, do mesmo dia..... ... 100
TBRCA-FBIRA 4 DE JUHOT DE 1889
naca
PARA DE.\TRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoB.............. 130500
Por nove ditos idem................ 204000
Porum auno idem ......... 264000
Cada numero avulso, de das anteriores ....*...... 0100
DIARIO DE PERNAMBUGO
Trcpriedade de Manoel dnqueiroa de S'aria # 3%?os
_______________________________i----------------------- i__________
TELEGRAMMAS
mw ?abticls so szs.o
RIO DE JANEIRO, 2 de Junho, as 2
kor&s e 5 minutos da tarde.
O conselheiro Manoel Francisco Cq/reia
declarou que nao acceitava a incumbencia
- de organisar o gabinete e indicou para or-
ganisal-o ao conselheiro Visconde de Vieira
da Silva, que boje seguir para Petropolis
afim de conferenciar com S. M. e Impe.
rador.
RIO DE JANEIRO, 3 de Junho, s 6
horas da manha.
Recusando 8. M. o Imperador aequies-
cer a ama preliminar, proposta pelo eonse-
lbeiro Manoel Francisco Correia, declinou
este da incumbencia de organisar o gabi-
nete.
Chamado o eonselheiro Visconde de Viei-
ra da Silva para organizador, seguio hon-
tem tarde para Petropolis, ten do antes
conferenciado com os conselheiroe JoSo Al-
fredo e Paulino de Souza.
A situacao grave.
RIO DE JANEIRO, 3 de Junho, s 11
horas e 8 minutos da manha.
O Visconde de Vieira da Silva, chama-
do para organisar o novo gabinete, decla-
rou que acceitava a incumbencia e est
tratando da organi*a<;".
RIO DE JANEIRO, 3 de Junho, i 2
horas e 10 minuto- da tarde.
E' provavel que oininisterio fique ass-im
organizado :
Presidente do conselho e ministro dos
negoeios estrangeiros :- Visconde de Vieira
da Silva, senador pela provincia do Mara-
nrao;
Ministro da agricultura :Barao de Suas-
una, deputado pela provincia de Pernam-
raoo;
. Ministro da fazenda:Francisco de Paula
Rodrigues Alves, deputado pela provincia
de S. Paulo ;
Ministro da guerra :Joaquim Delphino
Ribeiro da Luz, senador pela provincia de
Minas-Geraes;
Ministro do imperio :Fausto Augusto
de Aguiar, senador pela provincia do
Para; %
Ministro da Marinha :Barao de Perei-
ra Franco, senador pela provincia da Ba-
ha ;
Ministro da Justica: Jos Luiz Colho
e Campos, deputado pela provincia de Ser-.
gipe.
INSIHDCCiO POPULAR
AS GRANDES l\VE\l,0ES
ANTIGS E A10BKHNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
xv
(ContiuacSo)
0 acido sulfrico diluido com agua, que enche
o vaso exterior, ataca a lamina de zinco, que
mergulha nesse liquido ; por influencia do acido
sulfrico, a agua decomposta em seus elemen-
tos, a saber : hydrogeneo e oxygeneo ; o oxyge-
neo combina-se" com o zinco e forma oxydo" de
zinco, o qual, combinaudo-se com o acid sulla
rico produz sulfato de zinco. sal que (lea solvido
na agua do vaso. Esta primeira reaeco, a de-
composigo da agua, produz um grande desen-
volvimento de electricidade, pela racao de que
toda a reaccao cbimica vena sempre acompanba-
da (icun desenvolvicdinto'de electricidade. E'
pois essa urna fonte de electricidade no appare-
llio que estudamo?.
Composigio da pilha de BunsenCada elemen-
to da pilha de Bunsen consta de quatro pegas
que se encaixam urnas as outras. Estas pecas
sao 1." um vaso de faianca ou vidro conten!o
agua misturada ; 2." urna lamina de zinco arma-
da de urna baste de cobre que ha de servir de
conductor do fluido negativo ; 3." um vaso de
barro permeavel que pode ser trespassado por
gazes, e que contera acido azotico ; 4o um cyin-
dro de carvao munido superiormente de um an-
nel de cobre, ao qual est soldada urna haste da
cobre que o conductor do fluido positivo. Es-
tas pegas collocam-se urnas dentro das outras.
Logo que o zinco e o carvao communicam en-
tre si por meio de um conductor, o elemento lor-
na-se aclivs e se se reunem certo numero destes
elemento constitue-se a chamada pilha de Bun-
sen.
Consta pois a pilha de Bunsen da renniode
certo numero de elementos que se fazem com-
municar uns com os outros, reuniodo a lamina
metallica que sabe do zinco, com a de cobre do
carvao.
Theona da pilha de Volta Demos agora algu-
mas ideas geraes sobre a theoria soientifica que
serve para explicar os effeitos da pilha voltaica
Rcconheceu-se que era inexacta a tbeoria do
desenvohimento da electricidade pelo contacto,
iito a theoria de Volta. A que admitte, pelo
contrario que o desenvolvimento da electricida-
de pela pilha o resultado da accao cbimica que
se exerce entre os cidos c os metaes da pilha,
c boje adraittida quasi sera contestacao. Expli-
ca-se milito bem a eletricidade produzida por
estK appareiho. ao pela consideracao das aeces
< humen., isto invocando a electricidade que
se produz todas as vezos que tem lugar qualquer
reaeco chimiea
O desenvolumenlo da electricidade no appa-
relbo que boje exclusivamente usado na indus-
tria como meio de produzir a electricidade, isto
, na pilha de Bunsen. explicase do seguinta
modo
(Continua!
szsflj: da ac-ucia satas
BELGRADO, 3 de Junho.
O governo servio adiou o decreto de ces-
sacao de privilegio da Companhia Franceza
dos Caminhos de Ferro.
COMO. 3 de Junho.
5, M. o Rei Humberto e S. A. o Prin-
cipe de aples chegaram aqui hontem e
forana monto acclamados pela popuIacSe.
NOVA-YORK, 3 de Junho.
Olmvas abundantes estSo cahindo na
Pensylvaniu: algumas cidades ficaram sub-
mergidas.
Ha um grande numero de victimas.
BELGRADO, 3 de Junho.'
O governo servio) acaba de publicar o
decreto acabando com o privilegio da
Companhia Franceza de Caminhos de
Ferro. *
MADRID, 3/ de Junho.
A sessXo ordinaria das cortes foi encer-
rada.
A reabertura da prxima sesso ter
logar no diii 14 do corrente/
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
3 de Junho de 1889.
Mlalsterlo do Imperio
Foi exonerado a seu pedido do cargo de i
vice presidente da provincia do Cear o Barao
de Ibiapaba o nomeado para cflM cargo o des-
embargador Americo Mililo de Freitas Guima-
raes.
Forsm nomeadnp: commondadores da Or-
den! da Rosa, Jos de Barros Franco e Alexan-
dre Affonso da Rocha Sattnmini, ajudante do ins-
pector da Alfandega do Rio de Janeiro, officiaes,
Joaquim da Costa Babo, Manoel Jos Pereira da
Silva, Feippe Augusto de Carvalho, major Jos
Honorio Roberto Manes. Eugenio Leonel Ferrei
ra, Constantino Jos Vivas, Dr. Antonio Rodri-
gues Teixeira, Manoel Jos Baeta Noves, capito
Joo Baplista Pinto, Alfredo Elisiario de Carva-
lho e Gabriel Moraes e Souza ; ravalleirn, Anto-
nio dos Santos Carvalho.
Cavalleiros da Ordem de Aviz.: o major do 2o
regiment de artilbaria Mo Carlos Lobo Boie-
Iho, o capito do eorpo de estado maior de 2
dae Joao Pereira dos Santos e o capitfio do 9"
batalhfio dr infantaria Jnrintho Carnciro de Oli-
veira.
Foi exonerado do cargo de inspector da by-
giene da provincia do Amazonas, o Sr. Dr. Julio
Mario de Serra Freir.
Foi nomado thesoureiro-mr da cathe
dral de Marianna o conego Jo3 Maria Rodrigues
Moraes.
Foram apresentados na parochia de Nossa
Senhora da onceicao da Feira, do arcebispado
da Bahia. o padre Manoel Flix Teixeira e da
de Nossa Senhora da Penha de Itapagipe, do
mesmo arcebispado, o padre Pedro Jos Teixei-
ra dos Sautos.
ninlsterlo da fustflea
Fui removido o juiz de direito Francisco de
Castro Rabello da comarca de Bom Conselho, de
1 entrancia. em Pernambuco, para a de S. Fi-
delis, de na provincia do Rio de Janeiro.
Foram exonerados a pedido : do cargo de
chefede polica da provincia do Par o juiz de
direito Antonio de Oliveira Cardoso Guimar8e3,
de igual cargo na provincia do Espirito Santo o
juiz de direito Antonio Pinto de Mendonca.
Foram nomeados chefes de polica : da pro-
vincia do Para, o juiz de direito Manoel Jos
Mendes Bastos; da do Espirito Santo, o juiz de
direito Guilherme-de Souza Campos
Foi nomeado juiz de direito da comarca do
Riacho, na provincia do Maranho o bacharel
Casemiro Das Vieira Jnior.
Foi declarada sem effeito a nomeagSo do
bacharel Telesphoro Gomes de Araujo, para o
termo de Meia Ponte, em Goyaz.
Foram nomeados : para o termo de Iguape,
na provincia de S. Paulo, o bacharel Jos Sil-
vestre Machado Jnior ; para o de Prado, na Ba
hia, o bacharel Fructuoso Alves deS. Boaventu-
ra: para o de S. Francisco, bo Cear, o bacha-
rel Adolpho Cordeiro de Monea Carapello ; paca
o de Baet, em Minas, o bacharel Alfredo Alves
Pequeo- para o de Meia Ponte, em Goyaz. o
bacharel Zacaras do Reg Mooleiro ; para o de
S. Jos de Tocanlins, na mesma provincia, o ba-
charel Leandro Paulo Anligono.
- Foram reformados no mesmo posto, alui
de outros os seguintes officiaes da guarda na-
cional : o coronel coramandante supi rior da Ira-
peratriz, as Alagas, Manoel Clemente de Vas-
concellos Calheiros ; o major ajudante de ordena
da Victoria, em Pernambuco, Joao Mofas de Le-
mos Vasconcellos ; o tenente-corooel comman
dantede Obido, no Para, Firmino Antonio Fi-
gueira ; o tenente-coronel da reserva do Rosa-
rio, 00 Maranbao, Leouilio da Costa Santos.
Foram nomeados alm de outros : coronel
commandante superior da Imperatriz, as Ala-
goas, o bacharel Jos Zeferino de Mendonca
Ueba; tenente coronel commandante do 25 ba-
talhao de infantaria do Ass, no Rio (jrandi do
Norte, Luiz Pereira Tito Jacome ; major com-
mandante da 16' seccao da reserva do Brejo da
Madre -Deus, na mesma provincia, Paulino Aus-
picio Carnciro da Silva; major ajudante de or-
dens da Victoria da mesma provincia, Manoel da
Cmara Pmentel e tenente-coronel commandan-
te do 9 corpo de cavallaria de Panellas, na mes-
ma provincia Joao Rufino de Mello e Silva ; te-
oente-coranel commandante do 44" batalho de
infantaria do R o capito Francisco Ferreira de Albuquerque ;
major commandante da 2* secejo de batalhao de
reserva de Itamb, na mesma provincia, Chris-
tovfio Vieira LeitSo de Mello ; tenente-coronel
da reserva do Rosario, no Maranho, Antonio
Raymundo de Oliveira Brito ; para a comarca de
Caxias, na mesma provincia, major secretario,
Antonio Bemargo Pinto Sobrinho; capito quar-
tel-meslre, Affonso Barbosa; ajudante de ordens
da comarca de Piracenuca, no Piauhy, Antonio
Raymundo Machado ; para a capital de Sergipe,
major commandante da 2' sec^o, Pedro Jos
Pereira Espinheiros, e capito quartel-mestre
do Rio Real, na mesma provincia, Jos Rodri-
gues da Silveira.
Ministerio da Guerra
Foi designado o 1" cirurgio do corpo de
saude da armada Dr. Jos Correia Vallini para
examinar, no arsenal.de guerra da corte, os g-
neros remedidos para as forcas em Matto-
Grosso.
- Passou a empregado do commando geral
de artilharia em substiluico do 1 cadete 2o sar-
gento do 22* latalhao de infantaria, Joaquim de
Vellasco Molina Berqu o 2 cadete do 23 bata-
lhao Marroel Goncalves Coelho Netto.
Foi nomeado capeuo-lenente do corpo ec-
clesiastico do exercito o padre i^antidiano Vieira
de Campos.
Foram reformados, nos termos da primeira
parle do 1 do art. 9o da lei n. 648 de 18 de
Agosto de 1852. o capito Tlieotonio Lopes de
Barros e o tenente Albano de Oliveira q Silva,
aggregados, este arma de cavallaria e aquelle
de infantaria, visto terem sido julgados inca-
pazes do servioo do exercito, em inspeceo de
saude a que foram submettidos.
Foram promovidos:
No corpo distado maior de i' classe : a te-
nente, o alpElkie infantaria Gabriel nalgudo
dos Santos, fleconforraidade cora' o art. Ia da
lei a. 3,169 de 14 de Julho de 1883.
Na arma de cavallaria a capito :
0 tenente Vctor Neves. por antiguidade, para
o 2" esquadro do 9 regiment.
A tenente da arma :
O alteres Bearmino de Scuza Franco, por
antiguidade.
A nomeaco do capito reformado do ex-
ercito Manoel Correia da Silveira Netto. para
servir o lugar de ajudante da escola mili-
tar da provincia do Cear interina, e nao ef-
fecliva.
Foi nomeado o marechal de campo Barao
de Bato vi para inspeccipnar os corpos de ar-
Ibaria e cavallaria da provincia do Rio-Grande
doSul, devendo o marechal de campo Augusto
Cesar da Silva, inspeccionar somenle os corpos
de infantaria daquetla provincia.
Concedeu-se exoneraco ao capito do cor-
po de estado-maior de artitliaria Vicente Anto-
nio do Espirito Santo do lugar de ajudante da
fabrica de plvora da Estrella, sendo nomeado
para o substituir interinamente o cipito Ma-
noel Ferreira das Neves Jnior. ,
Francisco Alves da Costa foi nomeado
guarda da bibliotheca do exercito.
Ministerio da Marinha
O engenheiro Jos Duarte de Souza Aauiar
; foi nomeado para exercer o cargo de director
i das ofcinas ce machinas do arsenal do Para,
jut que se aprsente Domingos Augusto Ferrei-
ra Bastos, transferido de igual emprego em Mat-
to-Grosso.
Por decreto de 25, foi jubilado, a seu pe-
dido, com todos os vencimentos, por contar 32
annos de"servico, o Sr. conselheiro Manoel Fran-
cisco Correia Leal, lente de navegaro e hydro-
graphia da escola naval.
Pedro Amancio foi demitlido do lugar de
porteiro do arsenal do Para.
O cirurgio de esquadra Dr. Bento de Car-
valho e Souza foi graduado em cirurgio-mr
da armada pelos bons servicos que tem presta-
do, e tambem por esta razo foi graduado em
cirurgio de esquadra o de diviso Dr. Luiz Au-
gusto Pinto.
Os Srs. Drs. Lucas Bicalho Hungra e Wen-
ceslao Francisco Magarao foram nomeados se-
gundos cirurgies do corpo de saude.
Ao Sr. Dr. Joaquim de Carvalho Bettamio,
ex 2" cirurgio do corpo de saude da armada,
foram conferidas as honras de Io, attendendo
aos relevantes servicos que nrestoii aurante a
guerra contra o governo d Paraguay.
Foi exonerado, conforme pedio, de 2" ci-
rurgio do corpo de saude da armada o Sr. Dr.
Alexandre Rcnaldy.
LEI N. 1996
Ignacio Joaquim de Souza Leo, bacharel era "sciencias jur-
dicas e socias, Fidalgo Cavalheiro da Casa Imperial, Cavalbeiroda
Ordem da llosa e l.' vice-presidente da provincia de Pernam-
buco :
Faco saber a todos os seus habitantes que a Asscrabla Legis -
lativa Provincial decretou e eu sanecionei a resoluco se-
guite:
Art. 1. Ficam o pagador eo archivista do Thesouro Provin-
cial em.a catbegoria e vencimentos de chefe de sec<;o e equipa-
rados os vencimentos do esenvo da despezando escrivo da,re-
ceita do mesmo Thesouro.
Art. 2." Revogam-se as disposigoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a que o conheci-
mento e execuco da presente resoluco pertencer, que a com-
prara e facam cumprir to inteiramente como nella se contera.
O se;retari3 interino da presidencia desta provincia a faca
imprimir, publicar e correr.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 28 de Maio de 1888,
68 da Independencia e do Imperio.
S. L Ignacio Joaquim de Souza Leao
Sellada e publica la a presente resoluco nesta secretaria da
presidencia de Pernambuco, aos 28 de Maio de 1889.
secretario interino,
Mmoel Joaquim Silveira.
LE N. 199?
Ignacio Joaquim de Souza Leo, bacharel em sciencias jur-
dicas e sociaes, Fidalgo Cavalheiro da Casa Imperial, Cavalheiro
da Ordem da Rosa e l." vice-presidente da provincia de Pernam-
buco:
Faco saber a todos os seus habitantes que a Asscmbla Le-
gislativa Provincial decretou e eu saaccionei a resoluco se-
grate :
Art. 1." Fica o presidente da provincia autorisado a despen-
der com o aterro e aformoceamento da Praga da Abolico em
Olinda, onde est sendo .levantado! o monumento commemora-
tivo da lei -13 de Maio, 1:000000, devendo essa quantia ser
entregue respectiva commissSo representada pelo engenheiro
Antonio Pereira SimOes.
Art. 2. Revogam-se as disposicoes em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conheci-
mento e exenigo da presente resoluco pertencer, que a cum-
pram e facam cumprir to inteiramente como nella s* contera.
O secretario interino da presidencia desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 31 de Maio de 1889,
68 da Independencia e do Imperio.
L. S. Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Sellada e publicada a presente resoluco nesta secretaria da
presidencia de Pernambuco, aos 31 de Maio de 1889.
O secreiario interino,
Manoel Joaquim Si reir.
LE |N 1998
Ignacio Joaquim de Souza Leo, bacharel em sciencias jur-
dicas e sociaes, Fidalgo Cavalheiro da CaSa Imperial, Cavalheiro
da Ordem da Rosa el.* vice-presidente da provincia de Pernam-
buco:
Faco saber a todos os seus habitantes que a Assembla Le-
gislativa Provincial decretou e eu saccionei a resoluco se-
grate :
Art. 1." Fica o presidente da provincia autorisado a levantar
a hypotheca que a provincia tem sobre a Companhia .Santa The-
reza mediante a condieco de serjenconIrado o que Ihe est a
dever de illuminaco publica at Junho do corrente anno, com o
que Ihe deve a compannia, que assim ficar com o seu debito
reduzidoa 20:00000, licando este debito garantido com a sub-
venco que a provincia paga mesma companhia de illuminaco
de Olinda.
Art. 2." Revcgam se as disposicoes contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o conheci
ment a execugo da presente resolugao pertencer, que a cum-
prami- facam cumprir to inteiramente comon'ea secontem.
O secretario interino da presidencia desta provinciana faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 31 de Maio de 1889,
68 da Independencia c do Imperio.
L. S. Ignacio Joaquim dk Souza Leao.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta secretaria 'da
presidencia de Pernambuco, aos 31 de Maio de 1889.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
LEI N. 1999
Ignacio Joaquim de Souza Leo, bacharel em sciencias jur-
dicas e sociaes, Fidalgo Cavalheiro da Casa Imperial, Cavalheiro
da Ordem da Rosa e i" vicc presidente da provincia de Pernam-
^tmeo:
Fago saber a lodos os seus habitantes, que a Assembla Le-
gislativa Provincial decretou e eu sanecionei a resoluco se-
grate : *
Art. I." Os predios do Hospital Porluguez desta cidade gosa-
ro dos mesmo favores concedidos aos predios da Santa Casa de
Misericordia do Recife.
Art. 2.* Ficam revogadas as disposigOes em contrario.
Mando, portanto a todasQas autoridades a quem o conheci-
ment e execuco da presente resolugao pertencer, que a cum-
pram e fagam cumprir to inteiramente como nella se contem.
O secretario interino da presidencia desta provincia a faga
imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 31 de Maio de 1889,
68 da Independencia e do Imperio.
L. S. Ignacio Joaqcim de Souza Leo.
Sellada e publicada a presente resolugao nesta secretaria da
presidencia de Pernambuco, aos 31 de Maio de 1889.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 1 DE
JUNHO DE 1889
Beilarmino Verissimo Pereira da Silva.
Deferido com officio desta data ao
commandante das armas interino.
Bacharel ChristovSo Breckenfeld Viei-
ra da Silva. Deferido, visto como o
suplicante, a quem n2o coube accesso
por morte de seu antecessor, nem noniea-
co para o lugar que por ultimo vagou,
escapadas disposicoes do artigo 43 da lei
n. 1860 de 11 de Agosto de 1885, e das
InstrucgSes de 17 de Janeiro de 1%87.
Companhia Pernambucana. Informe o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Capito Francisco Jos Quedes de La-
cerda. Remettido ao Sr. commandante
superior da guarda nacional da comarca
de Pao d*AIho para mandar passar a guia
de que trata o artigo 45 do decreto n
1130 de 12 de Marco de 1853.
Tenente Jos Xavier Figueiredo Brit-
to. Deferido com officio de hoje a The-
souraria de Fazenda.
Dr. JoSo Vieira de Araujo e capito
Ernesto Vieira de Araujo. Dse.
Alferes JoSo Baptista Gomes Penna J-
nior. Sim, devendo o supplicante pro-
curar no eommando superior da guarda
nacional da comarca da Escada a guia com
a qual se apre entar ao commandante
superior da guarda nacional do Recife.
Jos Maria de Souza.Informe a C-
mara Municipal do Recife.
Jos Raymundo Ferreira de Araujo
Saldanha. Sim.
Major Justino Rodrigues da Silveira.
- Fornea-se.
Manoel Gomes de Albuquerque. In-
forme o Sr. Dr. juiz de direito da co-
marca de Goyanna, tendo em vista seu
officio do 31 de Janeiro ultimo.
Manoel Figueira de Menezes.- Sim, na
forma da lei.
Manoel Raymundo de SouzaInforme
o Dr. juiz de direito da comarca de Flo-
resta.
Raymunda Rufina Correia da Silva.
Sim.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 3 e Junho de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repart?So da Polica
2.* seccao.N. 553^Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 3 de Junho de 1889.
Illm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
que foram recolhidos Casa de Detencao
os seguintes individuos :
No dia Io :
A' minha or"dera, Manoel Antonio Ferreira,
Jos Antonio da Silva, Jos Manoel de Sant'.''ra-
na, Joo Francisco Ferreira. Theodoro Jos da
Silva. Jos Feliciano dos Santos, Manoel Felippe
Santiago, Jos Antonio dos Santos, Joaquim
Francisco de Salles, Manoel Lucas dos Santos,
como sentenciados viudos do termo da Victoria.
A' ordem do subdelegado da freguezia de San-
to Antonio, Mara Magdalena e Francelina Maria
dos Prazcres, por disturbios e offensas a moral
publica.
No dia 2 :
A' minha ordem, Candida de tal, como aliena-
da, viuda do termo de Ipojuca, at que tenha
convenienle destino.
A'ordem do da freguezia de Sanio Antonio,
Vicente Hermino de Figueiredo, por disturbios
e uso de armas defeza.
A" ordem do do 1- districto da freguezia de
S. Jos, Manoel do Nascmento Uliveija, Maria-
no Antonio dos Santos, por embriaguez e dis-
turbios.
0 delegado do Io districto da Escada par-
ticipou-me que no dia 27 do mez passado, em
trras do engenho Serra Nova d'aquelle termo,
o iodividuo Jos Felippe de Souza, assassinou
com urna facada a Jos Manoel Lopes, evadin-
do-seem seguida.
Aquella autoridade tomando {conheciraento do
fado fez proceder a vistoria, abri o competen-
te inquento e diligencia capturar o criminoso.
No dia 2o do mez prximo lindo, pelas 3
horas da tarde, no termo de S. Bento, Izidoro
de tal, ferio mortalcnente com urna facada a
Th-odoro Jos Ricardo Valenga: sendo preso
era flagrante.
O delegado respectivo toraou conhecimento
do factoj fez proceder a vistoria e abri o com
ptente inquento que j leve ofonveniente des
tino.
'oramunicou-me o cidado Andr Bezerra
do Reg Barros, ter no dia .22 do mez passado
reassumido o exercicio do cargo de delegado
do termo de Pesqueira.
O mesmo delegado communicou-rae que na
mesma data, no lugar Alaga da Serra daquelle
termo, por occasio de enectuar-se a priso do
individuo den.me Joaquim de Brito Cavalcante,
condecido por P Queiinado. indigitudo crimi-
noso de morte no termo de Souza da provincia
da Parahyba. deu se urna luta com a forga pu-
blica da qual resultou sahirem fendos Flix
Gomes dos Santos Mahoel Francisco dos Ahjos,
o referido Joaquim de Brito avalcante c a pra-
ga.de polica de nonie Antonio Lins que veio a
fajecer no dii seguin!:1.
Aquella autoridade tomou conhecimento do
facto, fez*proceder a vistoria e abri o trompe-
tete inquento policial.
^^B subdelegado da freguezia do Recife
foram reniettidaa a osla repartico 20 facas de
tomadas adewrdciros.
Deus guarde a V. Exc.Ulm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provin-
cia. O chefe de polica, Adolpho de
Siqueira Cavalcante.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 1 DE JUNHO DE 1889
Jos Rodrigues de Moura Entregue-se.
Manoel Antonio GoncalvesD-se.
Salazar C. e Nicas da-Silva GusmoIn-
forme o Sr. Dr. contador.
Jos Firmino Ribeiro-Ao Sr. Dr. contador
para fazer as devidas notas.
noticias da Europa
0 paquete ioglez Potni, chegado ante-hon-
tein, foi portador das seguintes noticias, alm
das de Portugal, publicadas na secgio compe-
tente :
Franca
Reabriram-se no da li de Maio as cmaras
francezas.
Foi pequea a concurrencia de sena lores e
depulados as respectivas salas.
Os espectadores eram tambera em pequeo
numero.
A campanha empenhadaem toda a iraprensa,
para que o senado e a cmara dos depulados
funecionem o menos possivel e nao perturbera
com as suas discusses o bom xito da exposi-
go, parece produzir os effeitos desejados.
Tudo indica que este resto da sesso legisla
tiva ser destituida da interesse.
Na cmara dos depulados o Sr. Basly, depu-
tado operario pelo Sena, propoz que se discu-
tissera antes de tudo os projctos relativos aos
syndicatos. s ca.xas de aposentages e s so-
ciedades de soccorros mutuos.
A cmara rejeilou a proposta e resolveu que a
primeira discusso seja do orgamenlo.
0 senado resol veu coraegar os seus trabalhos
pela discusso da lei militar.
No da da reabcrlura das cmaras apparce-
ram ; fxados as paredes de dlguns bairros d
Paris pasqums era que se lia -VivaBoulanger!
Abaixoos ladres I
As paredes mai.; abundantemente guarneci-
ia: de taes papis erara as do edificio da cma-
ra dos depulados, do senado, da praca da Con-
cordia, e da praca do Carrtousel.
Tambem havia muitos as portas das casas do
Sr. Julio Ferry e de outros deputudos.
A pocia procedeu a invesligages com o fim
de averiguar quera fossera os autores de taes
pasquina
Duia-se ha das em Paris que a commisso
do seuaco incumbida Ja instruccao do processo
contra o general Boulanger Uan encontrado
factos comproiueiledores para aquelle individuo
e que seria unnime o parecer della no sentido
da continuag&o do processo.
Na sesso de (7 no senado, entrando em dis
cusso o artigo 23 do projecto de lei sobre o re
'Tutaniento para o exercito, artigo que diz res
pelto s dispensas do servigo militar, o Si. Ti
rard qualificou de nrivilegios as dispensas mo
Uvadas pelo eusino < as dispensas religiosas, e
pedio ao senado que votas.se o texto j approva
do pela cmara dos depulados ; o governo to
davia admitte, em caso de mobilisago, que o
estucantes de medicina e pharmacia e os semi-
naristas sejam empreados no servigo de saude
O Sr. Julio Simn, n'ura discurso muito applau
dido, protestou cootra a palavre privilegio pro
ferida pelo Sr. Tirard.
paragrapho primeiro do artigo 23, confor
rae o texto do senado, concedendo a dispensa
depois de um anno de servigo, foi approvado
por 184 votos contra .82.
A discusso eontinuava.
Na vespera o senado approvara 22 artlgos do
mesmo projecto de lei, mas no artigo 21 relati
vo s despezas, manteve a primeira redueco
3ue differente da que Ihe deu a cmara dos
eputados, por consequencia o projecto ter de
voltar 1 cmara.
O senado manteve lodos os artigos do pro
jecto de lei do recrutaraento que tinham sido mo
dilicados pela camera dos depulados, e votou
mais urna emenda que dispensa do servigo mi-
litar os professores primarios, seculares ou
congregamstas, das escolas francezas no Orien-
te.
Acamara dos deputadosprosegue discutindo
o orgamanto sem incidente
Na cmara dos deputados o presidente, Sr
Meline, mandou ler um requerimento, pedindo
autorisagio para ser processado o Sr. Andrieux
O requerimento assignado pelo ir. Heligon.
aniigo membro da Associago internacional do-
Irabalnados, o qual pretende querelar do Se.
Andrieux por diflmago.
O Sr. Bandry d'Assau, deputado da direita,
apresentou urna proposta para suppresso das
escolas que tenham menos de 10 alumnos, e re
quereu a urgencia, que Ihe foi rejeitada.
Os jornaes csnsignam o excedente xito da
subscripgo para o novo Comptoir d'Escompte.
Designam-se como seus principaes suministra
dores os tsrs. Danarmandie, Berger,.. Vhesto.
Schlumberger e Mailei.
O capital que de 40 railhoes de Irancos foi
subscripto tres vezes por 20,000 subscriptores.
O tribunal criminal de Montpellier condem-
nou em audiencia de jury o deputado Numa Gil-
ly a 1 mez de priso e 2"0 francos de multa, e
os coreos Savine e Chirac a lo das de priso e
100 francos de multa, pelo crime de diffaraaco
do deputado Salis, e absolveu o mlvogado Pey
rao. \
O Vari* d como corla a apresenlago do pro-
jecto de lei que tem por lira auxiliar a compa-
nhia do canal internacional ocenico do Pana-
m.
A. junta da imprensa franceza dar no mez de
Junho urna festa, precedida de banquete, aos .
representantes da iraprensa estrangeira.
Belgira
O rei dos belgas, a pedido da Inglaterra,.cb
viou convites a lodasa* potencias para se reo
nir em Uruxella- urna conferencia internaeio
nal contra a escravatura no continente afri -
cano. .i v
Espera-se a resposta dos governos para ser4
mai cada a data da reuniao da conferencia.
Psrece que a Allemanha nao concorrer sem
que o programma seja rigorosamente fixado de
ante mo.
As sociedades anti-escravagistas inginas
tambem receberam convite para um congresso
internacional contra a escravidao, congresso
que por iniciativa do cardeal Larigere se deve
reunir em Lucerna no dia 3 de Agosto.
Sauta S
Telegramraas de Roma, datados de 16, dizem *
que o Papa cabio seriamente enfermo, ignoran
do-se por cmquanto qual a,gravidade do seu
estado e o carcter da doeng.
Leo XIII determinou que fosse raobiliado e
posto em condigOes de ser habitado um pavilho
3ue se acha n*uma das extremidades dos jar-
iusd) Vaticano, conhecido pelo nome de Casino
de Pi IV.
Este pavilho deve estar prompto em Junho.
espago em que o Papa o ir habitar at a entra-
da do invern.
A distancia que vai do palacio do Vaticano a
este Casino ainda assim, de uns 7 kilmetros.
Anuira Hungra
Urna tenebrosa trovoada causou grandes in-
undages na regio de Ange'thal, perlodeVien-
na. Ha noticias de urnas SO raortes.
A imperatriz Isabel, cujo estado de saude tem
melhorado muito, partira no dia 23 para Laniz.
e no fim de Junho ir para Zemdowoort, estaco
hvdroterapica da Hollanda.
Paizes Hai yon
0 rei dirigi urna proclamagSo ao povo, di-
zendo que a ierabrauga do passado garanta do
futuro, e que a casa de Orange e a Hollanda
estarao sempre unidas, fortes e livres.
Dizem de Haya que na dias os socialistas con-
seguirara entrar de noite na Grande Torre, e
subslituiram o pavilho de Orange por urna ban-
deira vermelha com urna inscripgo socialista.
A polica procedeu a investigagOes para desco-
brir os autores substituigo.
Rio da Prata
Ante-bonle'm, pelo vapor francez Equateur, re-
cebemos folhas de Buenos Ayres e Montevideo
at 22 e 23de Maio.
Do perio lico de Iquiquc La Industria trans-
creveu La Nacin de Buenos Ayres, a seguinte
noticia acerca da situago do Per:
Em carta de Lima, dirigida pelo ministro
de urna nago sul americana acreditado perante
o governo daquelle paiz a um importante com-
merriante de Tacna, relata se a trisssima im-
presso que produzio n tre as pessoas interessadas no futuro econmico
do Per, com grandes emprezas finane.eiras, a
viageni de regresso effecluada por lord Donou-
ghiiiore, o que desaniraou profundamente a mui-
tos que se erapenham era resusctar um cadver,
como hoje o Pera.
Diz a carta que, reunidos em despedida al-
toa porsonagens cora lord Donoughmore, este,
qualilieandoe synthetisando sua opinio acerca
do Per, disse ao representante diplomtico, au-
tor da carta, as seguintes texluaes palavras que
copio do original da mesma communicago em
referencia :
This is a country of rebels in whick the peo-
pie luve not suffered enough to improve..,
Isto um paiz de revolucionarios no qual o
povo nao soffreu bastante ainda para que possa *-
progredir..
Accrescenta a carta que as medidas ncon-
sulucionaos do governo para renovar q.congres-
so, nomeaudo no vos representantes era substi-
tuieo de algun8, eoferron deliuitivamente o con-
trato, porque os possuidores de ttulos auo ex-
p >riam a una operagao perigosa que pedera ser
desapprovade. pelos inesmos raeios.
. Conelue dizendo que 0 Per atravessa urna
verdadi-ira cnlamlade nacional.*
Aonuuciarain de Assumpgq, do Paraguay,
para Buenos-Ayresque se tinham dado mqvimen-
icosos em varias cidades do interior.
Os meint) os do supremo tribunal e justiga
d'Assuinpgao foram destituidos pelo senado para-
guayo, -oo o pretexto de terem invadido altri-
DuigOes legislativas.
A inurecerera i-redito os diarios, augmentava
a agitago, faiendo temer a guerra civil.





r


5




r '
i

I


Diarie mmmmm^m^^mmmmm^mm^mmmmm^...-mmm
-..^f Diario, ip Buenos Ayres, publirou esta no-
afopinistro estrangeiro r_'cebeu de Asjum
^No vapor de guerra Piropo, acabam de cbe-
Sar os restos mortaes do majo* Alfaro, coraman-
ante das tropas leaes c que perecen era ora en-
eontro cora os revolucionarios em S. Pedro
Alm de Alfaro, morreram. em conscqut-ncia
de ferimeatos, dous tenentes, uin alferes e 18
soldados, que foram.aenultada.aeaaio no cam-
po .
O numero dobrasilenoB catre onsvoluaav
narios em Lima aagmenjh:;irnienlet*aveD
quera assegure qa muito* dettes oVsoerfmae
Villa Mana e Coraiab.
O govcrno paraguaya prohibi a imprensa a
publicado de qisjuer notici acerca dos pro-
gressos da revalu$ao.
O ministro do Brasil lea htlosoatwuada.-.
conferencias cora presiden! darepujiiea.cjue
est de olhos filos as ropas de Desdoro, acam-
padas a algumas milhas de distancia.
Faltam ao governo populandade e sympa
thias, e s confia na protecgao do gabinete de S.
Christovao, para se salvar das diculdades era
que se acha. '
AssoflttBua.queo Piropo parara para, o lor-
te de Coimbra, afim di- receber alli as unraicaes
de guerr* da repblica para por termo i revolucao
Acamara: dos depuludos ao congr-Mso naci
nal arqeulino resolveu que parante etta se apre
sentasse o ministro da azenda, Varella, para
reponder iniurpellaeo de l'ortclla sobre a in-
conslilacionalklude da prohibido das operacoes
da bolsa em ouro.
O ministre dos negocios eslranyeirori apresen
too aocongresso o pedido de um crdito de
6.WXMKM) de pesos destinado a passagen> subsi
diarias te inimigrantes.
Este pedido prevoeou as segrales observa-
i-Oes da Sacian:
.Os desastrosos resultados que a rramigra-
eao ar'incial tem dado e esla dando entre nos,
por todos previstos, menos pelos senhores do
governo e pelos que es considerara no dever ue
anplaudir ludo quanto deste emana, oo tem ser-
vido twdoque respeita ao principal-autor da pre
judicial reforma, senao para o estimular a re-
petir o ensaio *ra maior escala.
n O ministro dos negocio* es trac ge iros pedio
ao con-TV-sso seis milhei de pesos pura.passa-
gens dos chamados subsidiarios a quemxieve o
paiz as vergonhas immerecidas por que est
passanda. mullas das quaes, sao de tal uatureza
que o patriotismo Dandi cala-'as, por maior que
eja o desejo e a necessidasic de protestar 'on
Ira ellas c procurar os meios de Ihes por ter
mo ,
E' de esperar que o congresso rara acto de
lustiya e independencia, reptando o novo pe-
dido, quando niais aao seja porque se trata do
que tanto mal tem feito ao crdito do paiz no ex-
terior e continuara a fazer.-
Os dianos La .Vmcw/i e ki Prmsa mamlesta-
vam-se alicrtaiiiente contrarios aos projeelos ti
nanceiros- do ministro da fazenda, Varella. As
ootras folhas reservavam-se para estudal-os.
O governardor Mximo Paz apreseulou a le-
gislatura de La Piala um projecto de unificaco
da divida da provincia de Buenos Ayres, conver
lendo no juro de 5 % dous emprstanos que
ainda pagam 6
O Dr. Marcos Jurez tomou posse do governo
da provincia de Crdoba.
Na sua mcfisagom o novo governador promet
te nao rejeilar o concurso inlelligente u patrio
tico de nenbum dos seus concidados.
Alguns orh-nlae- publicaram as lemas de
Buenoft-Aypcs umavwaa convidando a concur-
rencia ao teui|do de >. Nicolao, no dia 28 do
corrente, nlim de rogar a Deus por alma de Car
los Soto, assassinado em Montevideo ha dez an-
nos. .
Este aviso contiulia alluses ferinas contra o
general Taje e tauto basta va para se compre
hender que a ceremonia lixada para aquella da-
la, na qual- estara alli o presidente oriental, nao
tinha'per lim seiiiio effeetuar um acto de oppo-
sico a sua polilica.
Se"undo eonstava o governo eslava resolvido
imprimir a ceremonia religiosa.
O diario-. La Prensa, ocupndose deste s-
snmpto, recordou aos. orientaos a hospitalldade
franca e carinhosa qaa*Mvnai all e Ibes acon-
selhou auc desisssem da relebraco daquelle
acto, deixauJo quw os argentinos ai-olhaiu ueui
a mesma ho^pilalidade ao prusideote uruguayo,
honranuoassim a urna nacao amiga que elle goH
Tenia e representa.
tora o ceiemouial annuiifi.ido, parti para
Buenos, Avres o presidente da republca Orien
tal
- As l'ollia.e .l: Corte publicaram osspguintes
Magra muas
titeiui* Afir'*, i de M.iio.
O presi le ii- do l'rugua\, gene al tajes, che-
gou ;t/|ui esta uannA, e fot reeebklu ao desea
barrar uelo Ur. Jurez Celman. presidente da
Repblica, e seus ministros. Grande mullida-)
espera va-o no caes e aedanren calceos miente us
dous pre-eloiles. rujn encontr loi inuito cor
dial
Um banquete nlruio te.ui lunar esta noite no
palacio presidencial do P^seo de Julio assis
lindo ls-pn-iil-ntcs. ininistms e vynas pessoas
do sequilo 4a -ic-nil Tajes.
O |>i-ogr:imiii dos festejos, salvo modicae.Oes
Ulh-rion-s. o s<-.'liiiile :
Ainauha : espectculo de gala no olitlva-
festaco, levou murros e ficou ferido com um
golpe de tercado. Gritos, resistencias parciaes,
grande borborinho. bastante gente ferido, loi o.
resultado do conflicto.
O banquete terminoo porum concert no qual
o tenor Maeini reoebeu grandes applausos.
Haje os presidenles e comiltiva assistiro
as corridas que se realisarao em Palermo. O
tempo contina raagnilico.
Buenos-Ayres. S4 d Maio lineando aqoelles actos policiaes de infamia,
O general Tajes em companhia do Dr Jurez chamando canalba- ao governo, e dizendoqoe s
Celman, nresidente da repblica, assistio as coi- a tiro se podia fnzer cabir urna administraco
ndas no Hippodroino Nacional.
a' noite haveri espectculo de gala no Polv-
ie A actriz dtao H9 cantar o fcyrano aw.Eduariio(fa o-linilMM-a-tfaiisflovr.rr
gaattno. p esenUa6o.ld'B.u-u-Qtada-fielo Sr. L-:ojiariio
Depoineguir-se-ha a represeotaco do Bar--.Tomes, um.du*director da Btiga toiii|)uiiia
heiro de Stmiha. do gaz, o^tie domara pwini|ijrftinte no Hwiiutj
Monte i-1 dio. 21 de Maio com grande numero de operara* da sua fabrica.
Os banqueros Banngs Brolhersrcalisariin o Na cmara, dos de|Uidoii, segunda teiru
empreslimo municipal. | o Sr. (:oosi*Hiei-LPedro#o,sdeBMBlo repubieauo.
Buenos Af/res,45 de aUio i apreseuton- a represaadafcevrbwou-eaitur-
Ao me* di ten ve Te-Deum na caihedraj o mos asgav o proci^weido u peJidu. aja
quai esteva bstanle concurrido
Depois dcsta solerotirdade houve urna grande
revista das tropas, que executaram em.Palermo
diversas manobras.
A' noite ha ver espectculo de gala, cantan-
do-se a opera Lucrecia Borgia
A cidade ser Iluminada.
m
trabalhos que n5o erum urgentes. Os negocian-
de viulios, pondo toda aquella geate na roa
-para Cazer presso ao governo, consi'guiriam o
seu fu se se alo tivesse tomado o expediente
A' noite sabio um suppletnento ao Secute, quai- .de asseuurar-o pao quotidiano a todos, sem ex-
eepcao, porque a fome negra, e todus aquelles
operarios dosempregados iriam para a ra fazer
tumultos e lleus saiie o que mais !
A c.ommissJo eleita ha poucos dias no comicio
de Villa Nova de Gaya parti logo para Lisboa.
que mandava acutllar o poTQierme etc. etc.
lumuagem propria de um cvpo de sensaeao.
jiunca se esquecera dos desprotegidos nem dos
ihnmildeafe a lodos recebia sempr com. essa
bonhomta affectuosa que o dislinguia eque nun
ci Ihi- poude apagar a opulencia que devia ao
trabalho indefesso de tanl03 anuos.
Eduardo Coelhodeixou testamento lavrado as
notas do tabellio Camillo Jos dos Sautos, cora
data de i de Fevereiro de 1888.
Declara nelle ser lilho legitimo de JoSo Gas-
par Coellio e de D. Francisca do Canni Coeioo,
toi multa gente acomimflMina.: esiaco, owanser natural da freguuz.a de S. Thiago da.ei-lade
rnprr mniT!"-n ir'""*t*mir' ifeaitadao. gotennria
qoem pedi estreilas conlas do sangue derra-
mado de cidadans indefesas.
Ora o\que nao est brm apurado, embora o
ministradla Justina, em norae do goveruo, K-
clarass que ssumia toda a n-sponsabilidade da
' repressao, c se as aggressOes polica comeca-
A oppu*ku ctuiura os gastos feitoi co-:; a' rain par-parle liar nelles sem provocages e
recepgo do general Tajes, negando importa i-
cia potifrea visita db general.
La Prensa alaca o iuiposto langado sobre os
depsitos dos bancos.
O gen ral Celman, para commemorar o di;t de
boje, anniversano da independeacia da repbli-
ca, induliou a nove sentenciados.
O intendente dcliberou qoe, seja fundado um
museu liHtorico *"
A sociedade Protectora dos Aniraaes festejou
o dia de hoje, fazendo a dislribuirao dos pro
mos.
O Club de Esgrima depositou urna cora no
tmulo do legendario San Martin.
Monterido, zo de Maio
O Club Nacional realisou boje urna
regala.
O comiiiandante do vapor CamiHe proteskiu
no consulado contra a priso injusta que sf
frera.
Buenos-Ayres, 23 de Maio
Hoje, dia de esia nacional, elTectaou se na
praca de Julio urna
guambio
que eirou a acut
hosiidades.
Pelas notas viudas do baudo do UospitildeS.
Jos., consta que alli se foram curar varias pra-
g-.is da polica e inultos ou'ros cidadaos, licando
alguns as enfermaras, nenbum, porera, de fe
rmenlo grave.
Ao Sr. i'edroso seguiram-se outros deputados,
cstranhando rm altos brados e violentos aposto-
pnos que o miuislro do reino e presideute do
conselho andasse viajando pelo Alemteio e ven-
do correr loaros, eraqiiaoto os seus subordina-
dos, pnrsna ordem, accominetiiam eepadaiati
da e cacelada os populares iuarraes, que,
I sombra da lei, se reuniam.para discursar sobre
grande os esc.uidalus governalivos.
Declaravam-se era sesso perprnenle, em-
quauto o Sr. Jo" Luciano de fcoswTiio vtesse
d'Evora, de proposito, como dewa, para respon-
der uo parlamento por aquellas tropelas e airo
cidadea dos janizaros da polica I Nisto, o Sr.
Pereira Carrillio reque.reu que fosse prorogada
revista geral das tropas da' a sessao emquanlo houvesse oradores iascriptos,
' querenda Han, por parle da maioria, fazer com
uaobouve desordens.
Em nuda dos Violtos dis: rielo de U*.
boa, a poucos kilmetros de Torre* Vitu, laou
beui lioetre ltimamente mna>reu!iio ek^ue-ae
-telibeou- representar s crle-*x>tiliuitt cuu.
paoinas1 vincolas.
Agora o reverso da meduifea.
Em Pinflo do Dour, liouve ao dia tt a-i
mingo) u comic.i.i exir-ioriliauiiineuto, coito
corrido.uaVara cima re 1,0*1 ae^aoas assisraiai
a elle. Presidio o Sr. Jos Mara Pinto Leite,
servindo de secretarios Joaquim Maraes e Ma-
neilha.
Declarando o presidente ser regenerador, t
no si u campo, o primevo a avancar e o ultimo
a recuar Como lavrador eslava no seu posto de
O general Tajes fez grandes elouios boa ap- ] que as expli:aces e debates sobre o caso ter-
rencia das tropas e da regularidade observada minassem naquella .-ossao.
nos movimenlos e exercicios. A minora zangou-se com o expediente, e de-
Os dous iiresidenles assistirara ao Te-Deum pois do requerimento ds Sr. Carnlho ser votado
celebrado na ign-ja matriz.
O tempo Eantem se favoravel, a cidade est
animadissima.
Buenos-Ayres, 27 de Maio
Healisou se hontem
honra do general Tajes.
Celman e aquel le general.
A chuva impedio que lossem effectuadas hon-
tem as corridas annunciadas.
Os dous presidenles visi'.aram a estancia Har-
mona propriedade de Gregorio Torres, e assis-
tiram a beneSo da capella ; depois seguiram pa-
ra La Plata.
Chegnram a bordo do vapor francs Rio-Negro
os restos morlaes do jurisconsulto e publicista
Alberdi cujo enterro se realisar com grande
pompa no da 2 de Juuho.
Os vereadoras deram sua deraisso.
Mofitevido, 27 de Maio v
llouve reumao poltica em casi de Herrera y
Obes, para deliberar sobre a candidatura deste
presidencia.
Falleceu Martnez, director do asylo de alie-
nados.
Buenos-Ayres. 27 de Maio '
Segundo o diario El Censor, orgito oficial da
governo da provi-icia de Buenos-.\yre;. corre o
boato de prajVctar-ae urna aliianca offensiva e
defensiva enire a Repblica Argentina e a do
Uruguay.
- 27 de Maio.
O banquete dado liontem no palacio nacional
em houra ao general Tajes passou se na matar
animaeo.
Tendo se*restabelecido o tempo, os presiden-
tes, acompaohauos de numorusos convidados,
sahiram esta manha para i estancia do Sr. Gre-
gorio Torres, onde foram obsequiados com urna
festa campestre.

EXTERIOR
ma. 'ornando parle Adelina Catti.
Sabbado : grande revista militar na avenida
de l'alenuo eni honra ao general Tajes.
Domingo : grande banquete de ala offcre ido
pelo ;i;>'i lente J-iarez ('.elinaii: 800 conviles
wai lodos pira esl., festa. i|U" se realizar 00
palacio lio avverno uocipnal
Sesnndn feira : li-.-la campestre, provaselmeute
as Unas do no Tigre.
Teca leira Visita La Plata.
Dia "i--iiraii-le baile no palacio nacianal, ao
qual assHrao todas as nacionalidades da capi-
tal.
Para o regresan do general Tajes a Montevi-
deo foi fjsado o dia .O.
Esla. ii'oiio, os estabnircimenloa pblicos eas
ras |in icipacs e-lao illuminadas. Heiua gran-
de animaeo.
Corre o iwato de uina prxima viagem doDr.
iuaivz Celman ao Brasil. O presidente, segn
do se diz, sahir no mea de Ageeto para esta
excursao
Nanrlam do Paraguay que continua a agila-
eo no novo, o {Toverno' paragnayo deereton
rariis medida- can o lim de inanli-r a ordera.
Bueno Ayfs. 22 de Maio.
O premio de OOW 6 j!I .
i Perlo de Merlo descarrlhou um trem, limi-
tando-se osinistio a estrados maleriaes e c-on-
toses de pequea gravidade.
> senhora Grierson defeudeu these de loulo-
ramento era mediiMiia.
yo baoquete dado pelos novos advogados foi
citada como imporianie a ili -c do dmfado
tiarvliou. redactor da Nocin, que tratou da iiu-
angraco.
S cmara o deputado Portel la repiicou sus-
tentando que sao illegaes os decretos expedidas
pelo Dr.' Varella. ministro da fasenda.
O 1)' Varella, respondando, suslentou a lega-
iidade delles.
23 de Maio
(I ntpnr Venus cliegou hoje io meiodiaao por-
to Mad to, trasendo a seu bordo o general Ta-
je, presidente da Repblica Oriental.
Hessa oceasiao deram as salvas do estylo o-
navios Je guerra, os quaes estavam embandei
rados.
Aguardaeam a ebegada do general Tajes o
presidente da repblica Dr. Jurez Celman, seu
estado-maior, ministerio, cenadores, deputados
e autoridades do porto.
Como guarda de honra formaram duas briga
das sob o com mando do general Lavalle, as
quaes estavam e6tendidas at o palacio da pre-
sidencia da repblica.
Depois foi servido um profuso lunch, termi-
nado o qual o presidente Dr. Jurez elman e
comitiva companiiaram o general Tajes casa
onde foi hospedarse, na ra da Victoria.
A* noite ha ver sarao concert na residencia
do pnsidente Dr. Jurez Celman.
Foi muito admirado o uniforme verraelho da
aova guarda deste presidente.
As tropas trajavam novo uniforme francez.
A comitiva do geneaal Tajes compO-se de Ire-
aentas pessoas.
Inicien-a multido de povo assistio ao desem
barque do general Tajes.
buenos-Ayra. 24 de Maio
A fesla nalisada oolem noite oa residen-
cia presidencial eateve muito animada..
Correspondencia do Diarlo de
Pernambuco
PORTUGAL lisboa, 22 dk maio de
1889
A prolongada liscusso dos 449 conlos para
o tabacos a que me tenbo referido as miabas
anteriores, leve ua cmara dos deputados o des-
enlace que era de esperar: foi a votayo de urna
moro de confianza ao governo sendo rejeilada
a do Sr. Lopo Vaz. e pas-an lo se ordem do
dia.
Disctese agora alli o projecto de um ernpres-
tinio para obras de aquarteMamento da tropi.
Na cmara dos nares ha poucos dias que pnn-
cipiou. sendo a moco apresenlada pelo Sr. A.
de Sena i'imenlel, chefe do partido regenerador.
Foi um acrimonioso discurso em que. dgase a
verdade. iienhum augmento novo foi apresentado
pelo Ilustre parlamentar.
Responden-Re o Sr. Barros (jomes, acanol mi-
nistro da fazenda e dos negocios eslrangeiros.
Elogiados ambos os contendores as respectivas
f-dhas partidarias, e acoimados de*iensuraveis
fallas de ar.'umentnco as folh is respectiva
m.-nle adversas E' o costunie. O dbale 8BM
para durar. E ntese que esta discusso da
lgalidade ou illeaaiidade do mencionado paga--!
ment, ga.-lou cerca de 40 dia- na outra cmara.
Agora, um incidente dos mais palpitantes veio
animar outra vez a- disputas (que nao merecem
ou i ra qualilicaeoi na cmara dos deputados.
Domingo 19, 19' aniversario do maviment
do marenhal sildanha. tjua derraban um minis-
terio proressis'a ile que f/.ia pasta o Sr. Joso
Luciana de Casto, aelunl presidente do conse-
llio. reunio-se um meeling n-pnblicano as ter-
ras da Tornnha ao cimoda Avenida da Liber-
daile. em Lisboa.
O lim do fornicio, secundo os annuncios. i-rd
apreciar os aelos do ;:overno e derribal o tam-
liem por m-i^ de uiiu re presen taot enrgica ao
"irlaniento
Presidia o Sr. Dr. Tlieojdiilo Braga, latte do
curso superior le letras que do seu belsinho
instituir e dolara o Sr. D. Pedro V. O coronel
e le He da i-.scnla do exordio. Sr. Jos Elias
(iircia. nao poude, por inrommodode saude, pre
sidil-odesla vez
Numeroso coieursode curiosos, e emerande
Torca os operarios e outros cidadaas filiados nos
clubs republicanos. Estaran) urnas duas mil
palana, embora se falle- em 6:0fB.
Conieeou por um discurso violento o Sr. Dr.
Magalhaes Limj n lacio'- asa eaefs do jornal re-
liubbcano () Secuto.
Seguiram se llie outros oradores, dos que se
costumaru por em evidencia nos comicios anti-
monarchieo-.
A Bnguageni ia n'uui crescendo, mas o com-
iiissurio zeral da polica, acolytado por ou'ro-;
mero de agentes da polica a paisana, e outros
inultos fardados, nao julgou dever intervir, nem
approxiinar-se do estrado onde estava a mesa
[ da presidencia.
Sobe aquella tribuna improvisada o Sr. Dr.
Eduardo Maia, medico e vulto nem conbecido
como re; ablloaa,
Parece que lo violeolamente se expressou
contra os ministros, contra o rei. e com urna tal
profuso de improperios, que o commissario ge-
ral rntiio julgou ser chegadoo ensejo de inter-
vir. \ssiin o fez, intimando o presidente a dis-
solver o comii'io. quando j eslava discursando
oniro orador que seguro ao Sr. Eduardo Maia,
dando o mesmo cotntuissario aodito Maia a voz
de preso.
O pre-idente eslava paludo, mas nao desobe-
leceu in'imaco contra a qual, todava, pro-
testou. x
Os Domen* do meetinff, parea,* que nao acha-
rara opporiuna aquella pristo r reagiram.
Foram lesaiUados pas, attranm padradas,
houvp faogoe, e os agentes da polica, aoto,
d"Stmliaiiihandn os 'cicados deram para bnixo,
hawnlo mrfias [(ranchadas, algumas cuidadas.
atrpelomentos, gente piada at mulheres e
Cfeaacag que linnam l id i por curiosas, com a
pre.i-ilagodos que fugiam.
A mesa evaporou-se, como por encanto.
Um deputado regenerador, o *r. Pinto Rodri-
gues, que tinha ido observar de perto a mani-
exigia da presidencia que o desse por nao vo-
lado. Nao foi aticndida a minora. Houve sar-
rabulho e molim grande, e assim quedeu ahora
regiraeiitul, 6 h >ras os deputados regenerado-
grande banquete em res pozeram os chapeos .na caheca e foram jan-
Fullaram o Dr. Jnan'Z j tar. A sesso anida durou mais urna hora, Ira-
lando-se de outros assumptos.
Os seis deputados da esquerda dynaslica no
sahiram. apesar de serem da opposco, e o Sr.
Fuschini <]uei um delles, censurou acremente o
proeder dos que sa.'rira;...
Era de esperar quu no dia seguinte (houtein)
nao voltnssem os que tinhamsahidodespeitados.
Pois vollaram e a sesso anda, sobre o mesmo
incjdeule dos tu:nullos da torriaha eorreu mais
que animada.
Houve retaliaeOes entre o Sr. Arroyo (rnino-
ria) eo Sr. Emygdio Navarro, leader da maioria
e a maioria da camara nao annuiou a gue Da
acta da sesso fassem lavradas urnas declara-
d-Oes exigidas pela opposigo n-generadora.
Agora, carao j voltou o presidente do conse-
lho, de crer que se Ihe dirijam mterpella^oes,
ajnda sbre o mesmo caso horrendo dos confli-
c os do meeling do dia 19 e assim se iro pas-
tando intilmente os dias, sem mais lavor legis-
lativo do que disputas continuadas tem que se
jogam as ultimas, e em que o phraseado orea
pela do* oradores da trinha!
Dentro de vinta dias. o mximo (leve ser
nausurada em toda a sua extenso a huta fr-
rea do Algarve.
A balslragem de todas as secges daquelle
cmiiiho est definitivamente concluida.
Di/.-se que estilo em Lisboa representamos
que. veem tratar da organsaco de urna compa-
nhia para a construecto de um caminho de
ferro de Beujuella. emporio commercial da costa
de *ngo!a, para o Bilii centro do commcrcio
serta nejo.
Cora o capital de 90:000*000, cmstituio-
se em Lisboa urna sociedade, denominada Com
panbia Industrial Productora de Papis Pin
tados.
J est a imprimir o novo regulamenlo da
pohcia sanitaria do sDrto, que vera modificar
protundamente o rgimen) das quarentenas.
O governo acceitou algumas das emendas e
da junta consultiva de saudt-, que teem por tiiu.
na sua maioria, augmentar o numero dos gene
ros importados susceptiveis de serem vehculos
de epidemias.
E' de crer que seja publicado brevemente.
Deve ser upresenlado s cortes, por estes
dias destinada a assegutar consumo remunera
dor ao trigo uacioaal. Coosla-nos que eslabe-
lece um rgimen muito seraelhanle ao que foi
proposta pelo Sr. Dr. Mathias Pereira, isto s
faiv.lla a mportaco de cereaes estrangeiros a
quera provar que comprar determinadas quan-
tidades de triso nacional.
Foi apresenlada ao parlamento a seguinte
proposta !e Iti, pelo ministro das obras publi-
cas, approvando o contracto assgnado em 13 de
Agosto de 1888 e o additamento feito em 15 de
Dezcmbro do mesmo anno, celebrado entre o
governo e os Srs. Jos Julio Rodrigues e Jos
Gorz para a cultura de beterraba e extraeco de
aaanear desta planta.
Arl. 1." E'approvado, o contracto de 13 de
Asesto de 1888. nun o additamento de lo de De
zembro do mesmo anno, celebrado pelo governo
com Jos Julio Rodrigues e Jos Gorz. para a
intro lucco e desenvolviraento da industria da
f ibrieaeo do assucar de beterraba em l ortu
gal.
S I." O exclusivo, garantido por esse contra
co i' i-oncdido sem prejuizo dos direitosadqui
ridos pHas cotnpanhias, que se tiverera consti-
tuido, at data d aprest-ntacto desta lei, para
o fabrico nacional do assucar extrahido de be-
terraba ou de quasquer outros vegetaes, as
quaes po lero subsistir e funecionar as condis
cOes legis, em que se constituiram.
S 2 Se as ditas compinhias preferirem su-
encorporadas na companhia ou empreza formar
da por Jo- JuJio Rodrigues e Jos Gorz, era exe
cncao deste lontracto, poderSo exigtl-o at
a rnrrrorrencia efferliva da totalidade do seu
capital, que Ihe ser permutado em acfoes da
novo empreza. ao par.
S 3." As companhias que quizerem usar desta
direito, devero fazel-o constar deraodoauthen-
tico, dentro de 60 dias depois de poblicada
presente lei; na di receto geral do coramercio c
nlustria. para -sia dar seguiroento sua recia-
mac;':o : ccon isso se entender que renunciam
yUrm l'idus'is elTeilos a exercer directamente a
i lii~'ria para que primitivamente se haviam
con-tituilo.
Art. 2. Pica n-vagada a legislaco era con-
trajo.
0 regresan do Sr. cardeal patriarcha a Lis-
boa tem ainda alguma demora.
Cartas, recebidas de Salamanca, noticiam que
ainda nao foi posstvel colrocarem-lbe o appare-
Iho no Siroco, qoebrado em dous sitios.
Quando aconteceu o desastre, dirigase sua
eminencia para Avila, alim de visitar o conven-
to de Santa Thercza ; passando a carruagem
junto de um matadouro, os cavados espantron-
se e o Irem voltou-se. O prelado, com o braco
quebrado, foi recolhidoaum posto-medico.
Conhecida a sua gerarchia, foi depois trans-
portado para o seminario central de Salamanca,
onde tem recebido um tratamenlo carinboso e
provas de deferencia e estima. Varios bispos
hespanhoes teem ido visita! o.
Continua a agilaco vincola no Porto.
Comicios e mais comicios
Todos os con.icios celebrados nos ltimos das
em Gaya teem deliberado que se promova um
meeling no Porto e ugora annuncia se para hoje
22, essa reunan, que pode dar ensejo a aconte-
cimentos desagradaseis, porque a autoridade
hade querer obstara que os operario de Gaya
e os barqueiros pausen para a cidade, e a poi-
tna do Porto nao ha de querer ficar atraz da de
i, quando se Iratar de dar para baixo.
Os esiabelecimenlos de Villa Nova de Gaya
oonnuam fechados.
E' enorme o numero de operarios a que se"
tem paasado guias nara serem admittidos nos
ser\icos das obras publicas. Entrara cincoenla
e setenta todos os dias, sem fallar as centenas
d'elles que o governo admittio logo ao principio,
o que est custando um dinbeiro louco, para
Que applaudia calorosamente a real comoa-
uhia Vincola quando ella fosse o que o con-
tracto de 15 de Maio dizia e os estatutos appro-
vados pelo governo explicavam.
Que nao basta va s a companhia.
O ouro nao pedia ao parlamento que a de-
fe n desse.
A sua defeza eslava na lei e no seu contracto.
0 Douro pedia, porm, que fosse regulara m
tada a I i de marcas de 4 de Juuho de iHSii, tor-
nando obrigatorios para os coram 'reanles oj
precitas que voluntariamente a co npauttu e
impoz de nao vender, cora o norae de Douro.
viiihos eslranhos a esla regjo.
Que sobre esta questao. o Uouro nao Inaiwigia.
FalJou em seguida o Sr. ManoS l'estaua di-
zeudo que desejava a couciliaaft> do opraincrpios
transigmdo com elle em tudo que n i all'ecl
o principio de garantir shre proaileniaajig
viuhos do Douro. ^r
Que era esta a questao vital para a provino.
Como director da corap inhia, se os accionistas
o nao s"guissein, sabia o que lile cumpria (asar:
mas tinha a certeza de que ella bu va de res
paita/ a lei e os estatutos.
Esta douiriua foi calorosamente applfci lida,
erguendo se enthusiasticos vivas lei das mar
cas .
Ainda fallaram os Srs.: Dr. Barbo-a, Antao
Carlos e Dr. Martins, aceeniu indo to los o mesmo
proposito de luctarem em lodos os campos pelo
respeito e prutecec ao nome do Douro
Reinoii sempra-o maior'eiitnusiesao, no meio
do eoorm! multido que encino iodo o larga do
Pilibn al ,io rio. j*
Deslacava-se nma handeira de crsCnacionaes
com a leuda Viva a Real Companhia' Vincola
do Norte Porlugueza
Helos lavradores do Douro foi approvart-, ama
representaco muito enrgica camifa dos de-
put.nlos, que foi frenticamente applaudida. Vai
ser enviana aos deputados do Douro. -dheri-
ra::i as cmaras municipaes, Caceado-se repre-
sentar Sabrosa, Alijo, Tubuac, lVsqueira, Villa
Real a outras cmaras.
Receberam-se iclegrammas de felicitacio da
junta geral de Braganca o de varios deputados
pelo Douro.
Ergueram se vivas Real ompanhia. la-
voura ao uouro, e aos negociantes honrados de
triaba do Porto
Foram acclamados os Domes de Thomaz das
San lemn, Gassiot Sandeman t C.
Urna foi ha progressista de Lisboa, o Dia,
accrescenta a esta communicaco :
Triste idea, a de suscitar na presente con-
junctura a questo da marca >
Ainda uo ha muitos di.is ^iie a populaco
de Lisboa fora tristemente sorprehendida p la
noticia tclegraimica de ter fall.rido (fe repente
era Pariz Antonia de Campos Valdez, o empre-
zario intelligentissimo da opera, o dispensador
bizarro do alimento eslhetico da sociedade mais
culta desde muios anuos.
Havia n'este seniimcnto doloroso, urna boa
parte de egosmo .tambe n, apezar das sympa
thias de que era eredor, como cavalheiro o'illus-
tr" finado, por suas.quididades pessoaes.
I'uii. o dias depois, a 14 do correte, acabou
de extinguir-se era i.isbos, no seio da sua fa
milia. 11ua-i sem agona, outra individuatidade
populanssima, tambera, e por iaual estimado,
nao s de urna certa classe, mas de todas, anda
mesma da menos anastada, d'onde proceder
para as luctas do trabalho honrado. Refiro-me
raorte de Eduardo Coelho, um do- fundador 'S
do Diario de Noticias, a folha mais lula de Lis-
boa e talvez a de maior tiragen d'esie paiz.
Inaugurando esta publicaco diaria, ao alcance
de todas as intelligeneias, Eluardo Colho e o
seu socio inauguraran), ao mesmo tempo em
Portugal o jornal de 10 ris. fundacao que leva va
a leitura a to U a parte, das sals s officinas.
sem se collocar ao serrico, de nenbum partido
poltico, mas procurando ser- impar--i.il na Me-
ciaijode todas as questees o que difJicilraa
n'uma turra em que toda a genle se aonhiia e
em que a ludadas parcialidades p diucas as
sume frequentemente a proporces de apaixo
nado criterio, to proprias da nossa ndole
meridional. Esla norma de imparcialidade man
teve-a Eduardo Coelho casta de muitos es
forcos e abnegarn, nao se Ihe dando que o seu
jornal fosse nicunhmlo de incotr.
Fazendo juatica a todas ai iniciativas limes
tas, attrahindo enorme crreme de svuipanas
para os (ranos c desvalidos, prptegendo a ver-
dadeira miseria, o Diario de Noticas, com os re
cursos da grande publcidade de que dispe tem
sido urna verdadeira potencia jornalistica no
nosso limitado meio, honrando l fra a ira
prensa portugueza e contando j, catre as snas
incruentas victorias, muitos ttulos gloriosos que
o recommendan ao be. n querer do pubhco.
E' claro que o annuncia, que urna das m.ini-
festacoes do espirito mercantil, acudi em grande
forca para um jornal to lido, e a consequencia
necessaria d;e$te favor do publico e d'eslas i-
veniencias' do commerrio, foi o terem feito os
seus fundamentos d'entre em pouros anuos for-
tunas mais que razoaveis. e co ilnuar aquella
empreza afustentar grande numero de familia^
la muilo que p. doenca tinha alquebrado
Eduardo Coelho, provavelmente por excesso de
trabalho. Nao descancou nunca.
Dous dias antes de fallecer ainda elle dictan
para o seu Diario um artigo, sob o titulo de-Os
principios de 178). Foi o seu ultimo trabalho.
Nesse dia anda lile appeteceu darum p.i3seiode
carruagem e esleve n'uma quinta em Telbeiros,
jaiiti.udo com a sua familia na casa que acabara
de edificar na ra dos Cardeaes de Jess, e que
mostrara com desvanecininto aos ntimos que o
iam visitar.
Eduardo Coelho recn.sou erapregos rendosas,
e ttulos honorilicos. Comecau a sua laboriosa
vida por caixeiro do comnercio, fez-se typo
graplio. iiprendendo na excellente escola da /m-
prens Nacional a exercer essa nobre arte, de
que viveu muitos annos. Escreveu para o thea
tro, publicou alguns livros de lii.eratur.i amena.
A convivencia com o grande poeta Antonio Feli-
ciano de Caslilho, de quem foi secretario du
rante algura tempo, nao Ihe fra intil. Servio,
como revisor typographico na Revotuc&o de Se-
tembro durante alguns annos e d'aque'lle jornal,
de que era redactor em chefe Antonio Rodrigues
Sampaio, foi noticia rista.
Nao para os limites desla rssenha fazer urna
biographia
Eduardo Coelho que era natural de Coimbra
liuh i 31 annos apenas quando falleceu. Traba
Ihau muito ; poude servir de exemplo de perse-
veranca e honradez a todos quantos, sahidos de
ama snhera modesta, se nobililam e engrande-
cein pelo trabalho. Toda a gente Ihe consagra-
va verdadeira estima. bres que Ihe foram prestadas foram excepcio-
naes. No sahmenlo, nue se eflectuou da igreja
parocliiul de Nossa Seimora das Merces (JeaUs)
encorporaram-se muitas ussociaces populares e
ben"licentes, cora os seus emblemas e eiandar-
tes ; o corper acadmico, a burocracia, o alto
i'ommercio, grande numero de titularas, os re-
presentantes de todas as re,dacco>'S de Lisboa, e
de grande numero d >s jornaes das provincias.
Era enorme a quantidude de cardas fnebres
que haviam sido depostas sobre o fretro na
igreja e ornavam o coche mortpario durante o
transito.
A magua mais sincera reflectia se em todos os
semblantes. Alera de muitas corporacoes que
seguiam a p os coches, as ras o povo fazia
alas, descobrindo-se com respeitosa saudade
daquelle, cujo carcter tranco e leal aos seus
principios nunca desusara do cammho da honra,
de Coimbra. e casad* com a Sra. D. Mana da
Conceico Qoidbe, tenda sillo o matrimonio de-
brado ua igreja da Eacarnagao, em Lisboa. De
clara que deixn cinco lhos, quatro meiores e
ura de maior idade, que .o Sr. E luardo Coelho
Jutnor, casado com a Sr.t. D. Er.iesliiia bsite
Coelho. Lega aderea dos seus bens a sua mu-
llier, a ipiem eoustitiie ua feslaineateira e tulo-
J'U dOS lililOS HKItlI'US.
Por urna escriplura anga.a propriedsaaaaV)
jornal licaria ao socio sobrevivente, ao qual fica
riara pertencen lo 60 por cento da lucros da em-
preza snido 40 por cento para a familia do que
primeiro raorresse. E- pois o Sr. Visconde de
S. Margal o actual proprietario do Diario de No-
ticias.
Todos os jornses de Lisboa e provincias dedi-
c,ir*ui. inimarieaV Edujrtoi^oelbO'artigos re-
pasadas tle sentinwnto. Nuaw-osos telegram-
mas de condolencia de iliustre~ eslrangeiros e
compatriotas ausente- foram trans utidos ao
lilho e a cunslerua la tium do Ilustre exlincio,
o Sr. Euaelo Coelho Jnior. A imprensa hespa
nhola, na sua grande maioria, coiinneiiiorou esle
triste succesoope anda hoje o Dn,in le ShVcjm
est reproduzndo as manifestaces de justo
pezar com que pela imprensa e pelo lelegrapho
se prestido homcuagem memoria de quera
lano beni merecen da patria.
II iirava-me E lu inlo Coelho com a sua ami-
sade desde mudos annos e relfgiosamenle con-
serva um affectuoso brinde que elle me Irouxe
fda ultima vez que esteta em Pars. E' urna
peana e urna faca de marflra' maschetado a ma-
dreperola. A graciosa raissiva que accompa-
0 HlOrva a olVerta. { chistosa, jovial, elefante e
b iu losissima e ao mesma tempo uro modelo de
pNMbk
i *Sriii fcil copiar dos jornaes o~ ttulos das
'obras'qiie Eduardo Coelha anen^en, principal-
uieiil.' pura os brindes a:inna>-s d Diario de No
tidns Tinha a commeTdir de S. Thiago e era
ollinial de cadrraia, disthicco de <|ue tamlxen
D governo francez ua pro ligo. Foi-Ihe olle-
recida em tempa urna coavnendn be.spanhola,
que. recusoa com .igr.elecimento. Perica i a a
moitaa a-socue/Vs ( ^renijas de classe e de be-
neficencia. Nao qmz nuirra ser deputado nem
vereador municipal. El Eduardo Coelho sim-
plesmente. como nos |l; upos da penara; e nada
mais quera da qne river para a sua esposa e
seus filhns. que tanto o exirerneciam.
Paz -i'anlina.
V>-i-a de vez a primavera. J era lempo.
Aoi do iiul-'S ten um certo capitSo Martines
aeronauta e gynwiasia insigne, friio ascencOes,
do Jurtiiti Ziohiji.-i. o S. Sehastio da Pedrei-
ra teudos>ido. feliz e calorasamtmte* applauJhlo
as suas quedas, o que tem attr.ihidn mui:os
iiiilhirc ir visitantes ao J.trdim, que parece vai
de.vir" p"ria:l' de feeadencia que tem atra-
ve-"*ida.
Toda a gcn'e antri falla- em ir a Pars visitar a
espeslo. Qoantos porem nao flearo apenas
cornos bons des'-jo esta de ir admirar as raaravilhas do CamiK de
Marte
Sem ser p ir colpa dos insiaila lores da nossa
secyo agrcola e colonial, asnossas installaces
na expasico anoiversul de Paris alrazaram-se,
por modo qne s a 13 deste mez que o primei
ro e o segando andar do nosso pav.lhSo foram
en ri'gues pelo empreiieiro aos commissario
poriogiiezes e so no dia seguinte que se pro-
ceduu aos primeiros trabalhos de omamentagao
e insiallavo Entretanto, i julgar or urna car
Vi qucdali mandor para uai'a folha tle Lisboa o
seu corresnonderiie, ainda o parimad porluguez
ha de estar tnstallado e terminado mais cedo que
o grande palacio francez dos producios alimn
tirio* ane Ihe li-a ao lado, tambera com vista
parao Sena; mais cedo que o pavilho hespa
nhsl, e mais cedo que o* snmpluosos palacios
que o MeSi-'a e a Repblica Argentina manda
ram construir as proximidades da lorre EiftVI.
Foram realmente su.nptuosos os festejos
com'flraea'cfdade d'Evora a vestuta capitaldo
Alemtejo, tem celebrado a visita da familia real,
que toda l foi, excepco do Sr. infante D.
Angosto, o qual, s antehontem se arriscou a
dar pelas ras de Lisboa un bre\e passeio de
carruagem, o que aecusa algumas melhoraa.
Desde a Sra. D. Maria II, ainda nenbum prin-
cipe reinante fra a Evora, porisso lamanho o
rego-ijo e eolhusiasuio cora que pobres e ricos
festejara a presenga do Sr. I). Luiz I, de sua es
posa e de seus lilaos emora.
SS. MM. Com o Sr infante D. Alfonso, acora-
panhado pelo presidente rio conselho de minis
tro, e pessoas de servico superior no paco em
barcaram no domingo !9 de manhl no tetreiro
do pago para o Barretro. Todos os min:-tro-\
governador civil e outras autoridades ci'.is. a
oHicialidadcda guarnigo de Lisboa e pessoas da
corle se eucontravam ua estasfts para compr-
rneniar SS. MM. Fazia a guarda de honra o re
gimeoio de infantera 16.
Na passagem, em caminho de trro pela eS-
Ucao das Vendas Novas, s 10 horas e 40 mi-
nutos, salvou a batera do polygonoe fez a guar-
da de honra a artilheria da guarnigo. receben
do SS. MM. OS comprimentos da oflicialidade na
gaie, acbandose tambera presente o governador
civil d'Evora e grande concurrencia de povo.
A ebegada do uombnyo real a Evora foi cerca
do meio dia. Pouco antes haviam alli ebegado
de Villa Vigosa no comberyo de Exlreraoz SS.
AA. RR. os duques de Braganca com os condes
de Seixal. A multido era enorme. A cmara
municipal levautou os vivas do estylo.
Quando o comboyo real passou pelas propre.-
dades do Sr. Simes Margiocchi, uo Monte das
Flores, havia alli em espOBteao dote grupos de
gado: vaecum, cavallar, langero, suino, lunar.
etc.
Em seguida sua entrada era Evura. os reaes
\isitanies foram assistir ao Te-Deum depois de
terem sido recebidos n'uma das salla da esta, ao
vistosamente orna.neniada.
Da estaco, pela avenida, que leva cidade
eutrou o cortej atravessando at S as ras
piltorescas de Evora, de um aspecto antigu mas
muir animado pela mosba contente do puo. que
era muito densa.
A familia real servia-se das ricas equipagens
no Sr. D. Francisco arahona e de duas ca ra
gens do conde da Costa.
Nao havia alegras ruidosas, porque o alemte-
jauo pouco expansivo.
Ouviam-se os sinos graves da s a distan-
cia,
O Te-Deum foi bstanle lopga, mas hem .Hi-
lado. Olliciou o Revd. arceiispo de erga.
D'pois do Te-Deum, alraogo no bello palacio
do-r. Dr. Barabona, irhrstrudo proprieta; io que
c.isou era segundas nuicias coma vtuva do opu-
Icii-siino lavrador Ramalho. O palacio, se
undo as discripgoes que tnho lulo, foi prea-
delicio do asylda infancia desvalida d'Evora.
Muitos dos' premios eram preqjosos Ijordados
feilos par muitas das mais distinctas senhoras
da cidade. A Sra. D. Maria Pa e sua ora a
princeza D. Amelia dignaran]-se eocorporar-se
no oazar cora as damas que estavam a vender
sortes, comegaudo por datera avultadas esmolas
pira o cofre do asylo, o que tambera fizeram
todos os outros memoras da familia real.
Lisboa tem presenciado muitas vezes este
acto de dedicagao caritativa de S. M. e A. R. ;
mas para o povo do Alemtejo foi urna verdadei-
ra surpn'za, que muito ugradou sdbretudo pela
ainabilidade e gentileza com que estas princezas
saben) captivar quem quer que seja e Ihes
aproxime, seja qual for a sua condigno social.
A' nouleo Roco d'Evora pareca um enorme
acampamento, coalha.lo de lendas brancas de
oampaiiua. Dezenas de carros alemtejanos ser-
viram de habilaco- onde pernoitaram innume-
caaamiliasidos arredores e de grandes distan-
cias.
El-rei jovial, estava muito satisfeito, ao que
parecia com as afectuosas demonstraedes que
Ihe eram fetas e sua familia, mas andando
com alguma difliculdade, apoiada a urna benga-
la por causa, do rhuumatismo, de que se acha
um pouco melhor. Ainua assim, absieve-se de
assistir a alguns dos festejos, para nao aumen-
lar a lad.ga.
Durante a noule e at altas horas ouvio-se por
toda a cidade o mesmo rumor surdo, confuso,
composto de mil rumores diversos, descantes
popularse, n'uma cadencia arrabiada e monto-
na, notas solas de instrumentos, acompanha-
menlos de violas e o borborinho indiscriplivel
de roces indisiiuctas. n'ura concert continuo,
cadenciado.
Esquecia-mc dizer: entrada da familia real
forin.avam as ras d'Evora as forras do 17 e
do 2" de infantaria com as respectiva- msicas,
a banda ilo 4 ttotmlantacia, a cbarunga de ea-
viillaria. msicas de Montemor, e aspbylarmo-
n,cas ile Kegoengos, Arryelos eCasa-Piae mais
duas dii cidade.
A fafaoturia formava em alas desde a estaco.
A e-avallara e laoceiros lize.ram o pelot da
escolta.
O parque de ariilheria, que, de Vendas No-
vas fra para Evora, deu urna salva de 21 tiros.
Os forasteiros que concorreram a Evora altra-
hidos pelas feslas erara mais de cinco mil.
0 jantar de gala fui de |9 lalheres, sendo con-
vidados os Srs. arcebispo le Perga, general Val-
lana, familia Barahona, Matts e oiuras pessoas
notaveis da cidade.
No dia seguinte 20, S. M. a raiulia com seus
Ribos visitaran) o asylo de infancia desvalida.
Foram victoriadoa pelo povo as suas do tran-
sit : das jdnellas, enfeiladas de colchas e api-
oliarias de senhoras. foram laucadas muitas llo-
res sobre as canuageiis.
Ai terminar o almoco foi loda a familia real
assistir naugurag-*o da exposigo da arte or-
liaoieqlal orgorsada na bibl'Olheca.
Quando sahiram da exposigaa, foram visitar
a l'.asa Pin, edepois assistiran si-gunda toi-
rad i.
A' ivtute, nutro fogode artificia para divertir
a turna, parece que anda melhor que o da nou-
le inferior.
A visita Misericordia o oulros templos e es-
labelecimenios licou para lerca-feira (91) seguin-
do para Lisboa depois do almoco:
Os rs. duques de Braganca ainda se demo-
rara em Evora alguns dias mais. Hoje, 22, que
o anniversnrie do casamento de SS. Ai. RR.
ha ve ra um bodo a mil pobres sob a presiden-
cia destes principes. A'noute, fesla das crean-
gas no palacio de 1) Ha noel e riistribuico de
premios pela arineeza D. Amelia. O passeio
publico Iluminado todas as quatronoutes.
A familia real chepou hontera a Lisboa s 6
da tarde. A" estaco de Evoras tinhnm ido
aeompauhar SS. MM. os Srs. duques de Bragan-
ca, autoridades ecclesiestii-as, civis e militarese
muitas |ie-soas de dislincgao.
A' chega'a, o ministerio, muitas pessoas da
carie, oflicialidade de Ierra e mar, e urna guar-
da de lionra esperaran! a familia! real no lerrei-
ro do pago, seguindo o corfejo para o |)ago da
Ajuda. escollado por uin esquidrilo de caval-
laria.
Eis, em resumo, o que se passou nesta digres-
so, cujo lim transparente ir alimentando o
logo sagrada do prestigio rnonarebico n'uma
provincia onde a presenga de regias visitantes,
como cima h'z notar, nao se dar desde longos
annos.
/..
INTERIOR
\oilclas do .suI
O paquete francez Equateur, chegado su-
te houtem, foi portador das seguinfes no-
ticias, alm aos officiaes, publicadas na
respcetivH seccSo :
Rio brande do Mu
Datas at 21 de Maio.
Do Diario do Rio Grande extrahimos
esta noticia:
A's 2 horas da madrugada de sabba-
do 1% do corrente, naufragou, 18 leguas
ao'sul da barra desta provincia, a barca
nglezi Julia, procedente de Swansea,
com destino ao Rosario de Santa Fe, na
repblica Argentina. .
O carregamentoconsistiaem materiaes
para a estrada de ferro.
; Salvou-se a tripolacao.
Hontem seguiram para o lugar do
naufragio os guardas da alfandega Adol-
pho Luiz Machad e Toribio Francisco
Kodngues.j
Na Corte foi publicado o seguinte te-
nido com urna riqueza de ornamenlagV) fbula
sa, para hospedar a familia real, a coniecar pe-
las paredes, todas forradas de s"das caras e 'ale
ao aprimorado gosr. da raobilia era todos os
aposentos.
Esse palacio, di um correspondente e urna
inaravilha para Erora O alraogo foi de 23 ta-
servido na esplendida sala de jantar.
A recepgo, que se segufo ao alraogo, s 3 lio
ras. foi rauitissimo coneorrida. Esta ceremonia
loi exactamente como todas as recepges de
gala.
De tarde os reaes visitantes foram assistir
toirada. Enchente cunha. Brilliaram os ca-
valleiros Fernando de Oliveira e Jos Bento e os
bandarillieiros Robertos. 0 verdadeiro espect-
culo, porm, estava nos palanques, viva cera
de gente, entre que apontam como papoulas os
vermelhos das mantas alemlejanas, segundo
a phrase feliz d'ura impressionisla que ussistio
4 festa e contou para c o que vio.
No jardira publico da cidade, concurrencia
espantosa. A luz elctrica, no passeio faz um
effciio magnifico, sobre tudo a projeeco dos
cluroes as ruinas, simulada obra prima do
Brande artista fallecido Jos i matli. N> Bocio
de. S. Braz queirou-se uin brilhanle foao de
artilicio. Tada a cidade illuminada noute, com
bales venezianos, e os edificios pblicos, orna
dos de colchas antigs de ricos ferores escudos
DO B as armas de*vanas cidades, bandeiras. flo-
res, grinaldas deber, galhardetes e rail inven
cOes graciosas que deslumbravam a multido.
No passeio publico havia ura elegante bazar,
no gosto chioez, para venda de premios, em be-
Santa "Anna do Livramento, 25 de Maio.
Os engenheirosQaeima(T)razi!eiro>, Pri-
ce, Moore e Hochrane (inglezes), acabam
de chegar. tendo feito estudos desde Pas-
so de Toaros, para a estrada de ferro cen
tta) do Uruguay. Grande contentamente,
(aran
Fra tambera publicado na <" telegrauma:
Curityba, 25 de Maio.
O presidente da provincia, acompanha-
do do couselheiro i.ardoso Jnior, capitao
IRodolpho Bittencourt, Dr inspector de
trras e colonsagSo, capitao ajudante de
ordena da presidencia, Dr. director das
Obras Publicas e mais cavalbeiros, parti
boje s 7 horas para' ampo Largo, onde
vai inaugurar as colonias D. Marianna
(Jorrean a um kilmetro daquella cidade, e
Balbiuo Cunha a seis. Em Campo Largo
preparam-se grandes testas para recepfao
do presidente esua comitiva.
O presidente examinar por si os gran-
des estragos que tm feito na estrada as
iramensas chuvas que cahem desde o prin-
cipio do mez. Ha grande numero de tra-
balhadores reparando as mesmas sob a im-
mediata di recebo do activo director das
Obras Publicas.
O Club Militar festejou hontem com
grande baile o anniveraario da gloriosa
batalha de Tuyuty.
O inspector de trras segu de Campo
Largo para a Palnieira a ver alli os ter-
renos que cdfereeeu a Cmara Municipal
para collocacao de immigranfips.
O Baro do Serr Azul nao pode ir por
esperar hoje o seu cunhado o desembar-
gador Ermelino, chamado por telegramma
a ver sua veneranda m&i gravemente en-
ferma.
O Dr. Balbino contina a merecer sym-
pathias e respeito pelo nteresse que tem
mostrado no desenvolv ment da provincia.
Diz-se, porm, que elle pretende deixar a
administraco.
1




B


Diario del PernambueoTer^a* feira>4 de i unho de-1889
3

*


*

I i
' *
V:
iniM-liene*
Datan .*t 27 d -Maio.
O resultado conhecido na Corte em
28 daeleieSo senatorial era. o seguinte :
Apuradlo de 41 collegios: votos
1.' Dr. Joaquira Feliciodos Santos,
(republicano) 1,.'75
2.- Dr. Joad Nogueira Penido, (re-
publicano) 1,273
8.- Dr. Francisco Honorio Ferrei-
ra Brandad, (republicano) 1,116
Dr. Luiz Eugenio Horta Barboza,
(conservador) 1,107
Dr. Jos Cesario de Faria Alvim,
. (liberal) 935
Dr. Carlos Peixoto ie Mello (conser-
vador) x 876
Consclheiro Carlos A. de Assis Fi-
gueiredo (liberal) 853
Dr. Jos Ignacio de Barros Cobra
Junior conservador) 822
Dr. Fidelis de Andrade Botelho (li-
beral.) 704
Jos Pedro Xavier da Veiga (con-
servador) 688
Installou-se a 26 o Bahco Provincial
de Minas, com festas e grande concur-
rencia. A directora da caixa matriz ticou
composta dos Srs. cominendador Carlos
Gabriel de Andrade, Ovidio de Andrade
e Dr. Claudino Fonseca. A da caixa filial
nessa capital compSe-se dos Srs. comuien-
dador Jos Pinto do Oliveira o Emilio P.
de Lima Barbosa. O conselho fiscal dos
Srs. desembargador Frederico Augusto,
coronel Seratm Gongalves. commendador
Xavier da Veiga, Dr. .Theodoreto Souto,
commendadores Tobas Figueira de Mel-
lo e Manoel Cardoso da Silva.
0 commendador Carlos Gabriel de An-
drade foi hoje alvo de estrondosa manifes-
taban popular, ela iniciativa e frtndagao
do Banco.
Tiv;ram comego as obras da.estrada das Ar-
gas.
Baha
Datas t 30 de Maio ultimo.
Fonccvmava a Assembla Provincial.
Constata que o projc.to de orcamen o provin-
cial computara a despeza era 3.230 8**#32 e a
reeila' em 3.170:004. manifestando im dficit
de 60:344*018.
Foi oomeado Ravmundo Basilio de eixas
para interno da Chuica obstetricia e gineco-
lgica.
Os elFeitos da secca continuara a sor sentidos
de modo aterrador no centro e repercutera-se de
maneira afflictiva por toda provincia
O resultado conhecido da eleigSo senatorial
em 237 collegios o seguinte :
Guahv (C) 8204
Mour (L) 7453
Carneiro da Rocha (L) 7453
Iunoccncio (C) 7t51
Sodr (L) 6555
Freir (C) 5947
Suures (R) 347
Frita o resoltado do9 collegios da Carina Bra-
va. Curass, *. Joo do Alegre, Rio das Aguas,
Brejo do Espirito Santo, S. Sebastio de Pao-a-
pique. Santo Antonio das Virgens, Sobradinho
e Ouneurv.
FI.WMJAS E COMERCIO
A provincia de S. Paulo ja aossue urna serie
de disposiges legislativas, que facilitara a reor
ganisago do trabalho: urnas concernem ira-
racao e aos engenhos centraes, e cutras di-
causa justa, acrrela excepcao odioso, desde que
os demais proprietarios, em igualdade de con
diges, eontinuam a pagar o referido imposto,
nao sendo a coneessao genrica, como nao pode-
ria sel-o; Baccrcsce a cirourustancia de muito
prejudicar a receita geni I, que nem ao menos
offerece recursos para as despezas ordinarias da
provincia.
Nao convindo, portanto, a n-solaco aos inte-
re8ses do provincia e abrindo um excepcao of-
fensiva a direilos de outros proprietarios, neg
sanecao raesma resolugo, nos ermos do art.
15 do Acto Addicional.
Palacio da 'residencia de Pernambueo, em 1
de Junho de 1889. Ignacio Joaqun de Souza
Leo.
Hontem nao foram sanecionadas as seguin
tes :
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambueo, resolve :
Art. I. Ficam isentos do pagamento do im-
posto de derima urbana os predios que forem
habitados por seus proprietarios, de conformi-
dade com o que dispem os arte. Io e 2o da lei
n. 1,544, deixando de pagar o que porventura
estiverem a dever do mesmo imposte os que se
acharem comprebendidos na referida lei e na-
jara sido collectados.
Art. 2. Fica tambem isento do pagamento de
imposto de dcima urbana o edificio do Lyceu de
Artes e Oflicios da cidade do Recife.
Art. 3." As isenges de que trata o art. Io
tt-m eflfeito retroativo para" o (im de sentaros pro
prietarios nessas condiges do pagamento de
seus dbitos provenientes do mesmo imposto,
sejan quaes forem os lancamentos anteriores
devendo a repartiro competente publicar urna
poro, alm de ou-
Vasconcellos, Dr.
, Campello, Theo
Foram oradores do
tros, o Dr. Diogo de
Lemos, Henrique Salle
doreto Souto. Todas as parcialidades po-
lticas estavam representadas. Foi-lhe offe
recido um presente de valor pelo commer-
cio da corte e pessoas gradas, senadores
e deputados geraes mineiros.
Bio de Janeiro
Datas at 28 de Maio.
Sob o titulo Iteuniao Poltica, lemos o seguinte
no Jornal do Comiwrcio da Corte de 21 :
Por convite do governo, liouve hontem a
noite uiia reunan poltica era una das salas da
Secretaria de Estado dos negocios estrangeiros,
achando-se presentes todos os ministros.
Infonuam-nos: .
que comparecern! 58 membros da Cmara
temporaria c que foram recebidas dcclaraces
de adhes..o^le cinco outros que por diversos mo-
tivos nao poderam comparecer;
que o Sr. presidente do conselho, depois de
expr era breves patarras a situacuo poltica, de-
clarou ivdo poderia o governo continuar no de-
sempenho da sua potasio, seno conlasse coro o
apoio assiduo e dedicado da raioria da Cmara :
que, depois de fallaren! deputados de umitas
provincias, licou assenilado que a oratoria con-
tinuar apoiar o governo com toda a dedicago
e assiduidade.
A reuoio. que comegra s 7 horas, terminou
as 9 e 3|4 da noitc.
- A raesraa folha publicou a seguinte noticia
vetativa ivuuo do Congresso Liberal, tambem
realisa.la no dia<3 :
Hontem. as 2 1|2 horas da tarde, era um dos
sales do edilicio da Tribuno Liberal, reunio-se o
Congresso do partido de que or^ao ceutral esta
folha, comparecendo sessao 68 membros do
mesmo congresso : representantes das provin-
ciis, senadores, deputados e delegados especiaos
das diversas circumscripges do Imperio, alm
de grande humi ro de ex-deputados geraes, sendo
estes convidados a tomar parte nao as votages
mas as discussoes, aura de esclarecer ampia-
mente o que -e houvesse de. debater.
Foi a ses.-o presidida pelo Viseqnde de Si-
nimb. occu|iando os lugares de secretario o Sr.
Ttiomaz Aiwa Junior. e no impedimento du Sr.
Carlos de-Laet, o Sr. Malta Machado.
Dada pelo Sr. presidente a palavra ao rela-
tor da cominisso do projecto d- progranima do
partido liberal, o Sr. Franco de 8a, envin este
mesa o parecer da respectiva coramisso,
(eitura do qual procedeu o Sr Tlio.uuz Alves Ju
nior.
Terminada a bilura, foi posiu eui discusso
o parecer, agitndose franco e animado debate,
sem que a menor quebra houvesse na cordialida-
de com que exprimirara os congressistas o seu
modo de ver as questes sociaea polticas, que
de modo inadiavel se impe no momento, ao par-
tido liberal.
Prononcarain-se bons e substanciosos dis
cursos, repassados todos de senimeutos eleva-
dos, nos qi.."s palpitou o mais acendra lo patrio-
tismo, nao nos podendo furtar ao desejo de con-
signar lie la breve e rpida noticia os uoiiles dos
oradores, que foram os seguinte- Ru-v Barbosa.
Sancho i iineiitel. Gariu Peixoto. Rali?bo*na, Val-
ladares, Muii'z Freir, AIToriso Peana, Visconde
de Ouro Preto. Carlos AITouso. alatta Machado,
Dantas, Siivera Martins, Leopoldo Buihoe-, El-
pidi de Vlesquita. Amaro lezena e Monte.
Elucidadas as questes sobre que se travra
discusso, foi votado o parecer da coramisso,
salvo o voto em separado do Sr. coaselheiro Ruy
Barbosa, sendo unnimemente approvado o rafa
rido parecer, e rejeitado o vol era separado por
39 votos contra 19.
Em seguida foram submettidas vetaco e
rejeitadas diversas emendas, retirando o Sr. Ga
vio Peixoto a que havia diri^i'!- ... COflsideracio
dos coiuressistas.
Tomando a palavra o Sr. Leo Velloso, pro-
poz que licasse a coramisso execuiiva do parti-
do liberal encarregada de redigii e publicar o
programraa adoptado; o que foi uuaniraeraentc
approva lo, declarando, depois disso, o Sr. presi-
dente, achar-se dissolvido o Congresso Libera!.
Teriuinou a sessao aa 5 l| horas da larde.
Na cidade d>- kuass, falleceu a 24 de tv
pho o juiz de direiio desea comarca Dr. Jos de
Araujo Bacellar.
fciscido na provincia da Baha, formado era
1861 !a l-'.uuldade do llecife. ontava cerca de
50 aonos de idade e Cal ua carreira de raagis-
tiado na provincia de Mimis-Ceraes, corno juiz
municipal de Baepeudy. e de direito da Bagagi-:i
e Pouso Alto, sendo iiliiianiente removido para
a comarca de Iguass
Dolado de intelligencia cuita e de grande ho-
nestidad e de carcter, foi muito respeitado era
todo- os lugares Onde servio como juiz, e nelles
deixuu ver ladeiros amigos e apreciadores de suas
fajalidades.
Un '.eiegranima de Campos de 25, diz o se-
guiiit'' :
A's 8 horas da noite ie hontem foi assassi-
nado, n.i ra Baronesa, Manoel Francisco Bruno,
evadiii'tu-s.- j assas-iuo,
Hoje, poreu, gnmt s acertadas providen*
cas la autoridade. foi peso o padre Kraucisco
Joso de Souza, sobrinho do assassinado, abre o
qual recabein sspeitas de ter sido autor do
crinn'
KMpirito tasto
Datas al'11! de Maio ultimo.
A noli.ias des>a provincia carecen) de im-
porlincia.
Durante a n iti de 15 c manb de 16 cfcovra
abuiulanteuieiiie na cidade e suas circninvisi-
jahanras continuaiirlo a noite o jBupo borrasco-
invenia la e geral.
A tempe alura lera passado por diderqntes
cillaudo entre 28,"6 e ii centigra
ilnsa 'iltima dala,
lia nacional h.uve Te-Deum no lia 13
iiv rsario da prcmulguco da
no Brs/.il a escravidao : o cu
pando a Ifiuuna sagrada o Itenn. i-onego Azara-
Duia lei.rell'-s, que em sua oragad loriou sa
le[I. ilo Exni. Sr. ronselueiro Joo
Alfredo na reali/acan uo acto alKilicio.iista.
iloinc nutro Te tum fia igr. ja da Misericor-
dia entobrat u sol no sacio do mes-
mo i.i-cto. pela sociedade Redimidos 1." de
Maio.
rantes.
Esta ultima lei, datada de 27 de Dezembro
de 1888, um dos actos mais prevldentcs do
poder legislativo, para rcorganisar a cultura du-
rante a cnse era que entraremos mal exgoleai
os recursis provenientes da safra excepcional'
do caf em 1888, que deve ebegar para tugtf,
mesmo para compra de gneros atimentiews
que prximamente ser-nos-ha questo muito es-
pt abosa.
A lei de 27 de Dezembro pode substituir ao
individual o esforro colleclivo, isto o da as-
sociacao dos cultivadores as culturas, conce-
dendo urna garanta publica aos melhoramenlos
que realisarem. Nos Estados do Sul da l'oio
Americana, foi a associacSo a liga dos finamei-
ros e da agricultura' que salvou a situaco ; a
provincia do Rio tem preciso uaapplicacao ira-
mediala da lei de crdito s associagOes aerco-
las : porque si at agora nao soffreu perturba
cao idntica a da Luiziania e da Florida, tera
cora certeza de passar para uraa crise de pro-
duccaoe alimentos, que nao de menor gravi
dade.
Preoccupam-se disso e fazem se ensaios j.
Nototrelanto, convm notar, que a agricul-
tura eocontra este lado desagradavel das cou-
sas una cotnptmsagao no alto prego do caf
que tende anda a subir : o que perraittir altos
salarios na prxima colheita.
Igual effrito se produz as zouas assucareiras.
corno Pernambueo. Alagas e Sergipe ; e os pre-
cos da |iraca j se tem resentido disso, pois
d se um acrcscimoexcedente de 30 por cento
sobre os da safra ultima.
Esta alta justifica se na pobreza de nroducgo
do artigo era todos os paizes onde planta-s a
canna. ni America c no Extremo-Oriente; e a
isso c mais alguraas outras medidas devem as
Dossas plantages p tderera salvar-se.
Cumpre nao perder de vista porm. que os
novos processos da manipulago do assncarpo-
derosai.enie devem influir para assegurar a
primazia do assucar de canna sobre o da be-
terraba. Nao o conseguirao. porm, se a agri-
cultura nao auxiliar a industria, e para este pon-
to urge tancar as vistas.
Nao menos importante se nos afflgura a iivi-
sad do trahaio no cultivo da canna de assucar.
tupczacm Borne de outro proprietario, que n&o
o dquetto-aue Ijgurava no I i vio da repartigao.
Art. y* Revogara-se as disposiges em cou-
30-
o da Asembla Legislativa Provincial de
Fnmbuco, 21 de Maio de 1889.
Barao de Catar,
Vice-pre8idente.
Jos Mana de Albuquerque Mello,
Io secretario.
0 FrancscoPhaelane da Cmara Lima,
2o secretario.
Viilte Assembla Legislativa Provincial.
A presente resolugao contera nos arts. Io e 3o
disposiges que. alm de odiosa, inconvenien-
te os interesses da provincia e inconstitucio-
nal.
E" odiosa pelo favor de excepgao que concede
aos proprieianos dos predios de que tratara os
arts. Io 0^2" da lei provincial n. 1,544. relevan-
do os dawigamento do imposto de dcima que
se acharem a dever, os quaes icariara era con-
digOes mais vantajosas que aquelles que satis-
fizeram o referido imposto.
K inconveniente aos interesses da provincia
pelo desfalque que acarreta a receita provincial
sem que motivos plausiveis justiliquem o favor
da remissao.
t' finalmente inconstitucional porque, sem o
carcter de utilidade publica, alm disto, pela
retroaclvidade que consagra, fere a expressa
disposigSo do art. 179, n. 3, da Constituicao Po-
itica do Imperio.
Palacio da Presidencia de Pernambueo, 3 de
Junho de 1889 Ignacio Joaqum de Souza Leo
O exeniplo que offereeem os engenhos cen
traes, onde o lucro uo fomente representado
por inaior quantum no aproveitanienlo dos cal-
dos, mas principalmente pela organisago que
preside aos trabamos industriaes, offerece moti-
vo para serias roflexes sobre o assumpto, visto
3oe no caso presente iudispeusavel que a in-
ustria e a lavoura se auxiliem.se idenliliquem,
se 'Ompletem. para que prepondere a uossa
produego saccarina, lun dos mais poderosos
fieme itos de riqueza que possuimos, mas, in-
felizmente, longe ainda de oceupar a posigo
que por direito Ule compete.
O Sr. ministro da blenda apresentou cama
ra dos dejiutados a proposta de le do orgamen-
to para o prximo exercici.i de 18!K.
for esse documento v-se que a despeza fi-
xada era 151.219.7205696 e a receita oreada em
130,769:300*.
O dficit orcameniario pois de 1.150:2204696.
Comparando -se a aciual proposta com o orca-
mint'j \'igente v-se, desprezando as fraeges de
rail ris.
Ministerios Er. 188U Ex. de 1800
Imperio 9,228:32U 9.226.528
Jastica 7.680:6I2 7,816:5744
Estrangeiros 771:7064 805:7064
Marinha 11.313:619* H,49aU)i4
Guerra 15,031:7064 14,994:492*
Agricultura 16,873:57C. 44.779:248*
Fazeiida 61,193:3994 (.2,102 65*
Despeza total 133,148:441* 131.219:720*
Receita ordinaria 147,2OO:0OO 150,769:3004
Mostrara esst's algarismos oup o orgainento da
despeza apresentado para 1890 inferior em
1,928:7:22* a despeta tixada no orgamenlo vi-
gente i a receita orgada para 1890 sui>erior
que fi oreada esle anno de 3,369:30 '.
rontdrme o relatorio do ministerio da Calen-
da estao actualmente em circulago...........
200,5-jn513*5*J0. sendo em cdulas do thesouro
183,8I',i:213*500.
A casa da moeda cunhou o auno passado-----
4,160,539 raoedas de diversas especies no valor
de 2,516:924:}00.
(Moto s especies forara estas :
Ouro 6,914 nioedas de 10* no valor total de
69:140 i
Praii 1,337,54:1 no valor d" 2,077:1354300,
sendo de 500 res 332,603 inoedas, de 1*000
99,258. de 2*000-905,788.
Nickel 2,815.976 moedas no valor de.........
370048 *8KI
y .
A alfandega da corte ianecadou na pi.uieira
quinzena denle mez mais 77: 790*807 que no
raes'.'io periodo do anuo passado.
A companhia S. Paulo Railway apresentou em
Janeiro e Fcvereiro ,deste aun um saldo de
1,214:184*9110.
REVISTA DIARIA
B<*MolurA* nao nanecionnda -
Nao foi sauccionada a seguinte, em o 1" do cor-
rente : ,
A Assembla Legislativa Provincia! de Per-
nambueo, reolve :
Ar(: 1. Flearn ispntos do imposto de dcima
os predios pertencenles a Veneravel Ordem 3*
de S. Francisco desta cidade, das irnindades
das Almas do Recife e do Sanljssimo Saeramea-
lo de Santo Antonio e a casa perteneente Pro-
pagadora da Itisirucco Pubiica do Pog i
nefla, emanante arK fnnecionar a escola i nuili-
da pela me.-ina sociedade.
Art. i- lit-ui revogadas as disp
contrario -
Paco da Assembla Leislativti PiwtOCial ufe
Penrambocj, 22 d Maio de 1889.
Bario de Caima.
Vicepre.-ide ue.
Jos Marta de Albuquerque Mtllu.
Io. secretario.
Francisco Phaelaiite da Camva Lima.
2*. secretario
Volle a Assembla Legislativa Provincial.
A presente resolugao isentado pagamento do
lo da dcima os predios dos patrimonio*
ravel Ordem 3' de S. Rraffl9Co, das ir-
man ladea das Almas do Recife e do Sandsimo
Sacramento de Sanio Antonio e a casa perten-
eente. Propagadora da Instrucgao Puulica do
I l'auella.
Ihante isengo, importando um favor sen
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
namuco, resolve:
Art. 1. Ficam os vencimenios dos emprega-
dos da secretaria do governo elevados na razo
de 20 excluidos desse augmento os 3." ofli-
ciaes, aos quaes foram duplicados os vencimen-
los pela portara da presi lencia, em 6 de Abril
de 1888, conforme o n. 3 do i do art. 8 da lei
n. 1WJ4. e os continuos.
Art. 2." Revogam-se as disposiges em con-
trario.
Pago da Assembla Legislativa Provincial de
Pernambueo, 22 de Maio de 1889.
Barao de Catar,
vice-presidente.
Jos Mara de Albuquerque Mello,
1." secretario.
Francisco Phaelante da i amiiraLima,
2. secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
A insuficiencia dos vencimentos dos empre-
ados da secretaria do governo era veidade,
incontestavel, atiento o servigo pesado e, algu
mas vezes, excessivo que por elles se distribue,
raormenle, reconhecendo-se que nao grande o
pessoal da mesen secretaria.
As actuaes circuinstancias finauceiras da pro-
vincia, entretanto, nao podein permittir a ele
vacao de taes vencimentos, que traria um aug-
mento annual de 12:948*000 na respectiva folha,
desde que de palpitante necessidade resta-
belecer equilibrio entre a receita e a despeza
pr.viiiciaes.
Neg, pois, sanegao presente resolugao.
Palacio da Presidencia de Pernambueo era 3
Junho de 1889.Ignacio Joaqun de Souza Leo.
O Sorte Cora esta de'nouiinacau acaba de
apparecer mais uraa folha diaria, em cujo pri-
uieiro artigo vnumanifestadas as ideas que con
stiluem o seu programma, o qual se pode resu-
mir uestas palavras do seu artigo :
(J Norte, pois, tendo em vista a grandeza da
patria integra e forte e a federago dos estados
do Brasil, propugnar peles interesses indus-
triaes e administrativos d'este lado do paiz. >
A julgar pelo seu primeiro numero pode-se
dizer que uraa folha escripia com correcea, e
sao seus redactores os Drs. Maciel Pinheiro e
Martins Junior.
A redaegao d"esle novo orgo da imprensa
pemamoucana pedio nos para avisar ao publico
3ue d'amanha por diante 0 Norte passar a ser
istribuido somente pela manh-
Tribunal do Jury do RecifeFue
ciooou hontem esle tribunal com a presenga de
36 juizes de faci.
A's 11 horas da manhi, presentes o Dr. Joa-
quim Corroa de Oliveira Andrade, juiz de direito
do 5.a districto e presidente do tribunal, o Dr.
Joo Joaquira de Freitas Henriques 1 promotor
publico e o escrivo privativo capitao Florencio
Rodrigues de Miranda. Franco, foi aberta ases-
sao e subraellido a julgamento o reo Vicente
de Assis Tavares, pronunciado no art. 192 do C-
digo Criminal por despacho do Dr. juiz de direi
to do I." distrclo.
O jury de senlemja compz-se dos juizes de
facto seguintes:
Dr. Miguel deliuo Themudo Lessa.
Joaquim Autonio de Oliveira Baduein.
Joio Sabino Pereira Geraldes.
Capito Joao Caetano de Abreu.
Antonio do Carmo Ferreira.
Jos Fernaudes de Mello.
Ramiro Antonio da Costa.
Augusto Adriad Paulino da Silva.
Jos Roberto Galeno Colho.
Francisco da Suva Miranda.
Antonio Menelio Cordeiro de Gusinao.
Jos Odilon Annes Jacome Pires.
Deferido ao jury.de sent ;ga o juramento legal
e interrogado o reo, disse que era natural desta
Erovincia, de 28 annos de idade, viuvo e que sa-
ja ler e escrever;
Que sabia o motivo porque era aecusado, co
nbecia as te>temunhas que juraram no processd
t.-mn apenas a dizer que ditas testemunhas nao
Ihe erara affeigoadas :
Que era innocente do crirae de que se trata.
aUribuindo a aecusagao ao seu inimigo lente
Joaquim Jorge de Mello Fillio.
. Concluido o interrogatorio faz o escrivo a lei-
tora do processo.
Consta dos autos o seguinte :
Na noite de 21 de Agosto de 1B85, um grupo
de sentenciados dirigido por Vicente de Assis
Tavares. que j anteriormente havia praticado
no presidio de Fernando assassinatos, roulios
estupros violeraiasem raulberes casadas e ou-
tras desordena, sahio a percorrer diversas ras
do dilo presidio, conduzindo bandeira branca
com cruz preta, ao som le bombo, violes e ou-
tros instrumentos caos gritos de viva a rep-
blicae diigindo-se casa do sentenciado Joa
quim Martins Gomes, beberaiu 18 garrafas de
agurdenle.
Retirndose Assis e seus companheiros veri-
licou Martins qtfe Ihe haviara furtado algunsob-
jeclos pelo que queixou-s ao mesmo Assis.
decebida a queixa como uraa affronta resolve
ram *ssis e seus corapanheir.sassaainar Mar-
tins, o que realisaram brbaramente e diriga
do se depois casa do assassinado roubafam o
diBheiro e geueros queenconlraram, sendo estes
condazidos em saceos para a casa de residencia
de Assis, por elle denominado Caslelb de
Bronze.
Forara processados por esse crimt diversos'
Nsentanciados, do por esto tribunal.
O Dr. promotor publico pedio a eondomnagd
de Assis Tavares oa pena de norte, grao moxi-
mo uo art. 192 do Cod.Crira. por ter precedido
ajuste entre o rea eoutros para a pratica do cri-
me que dera-9e i :noite e com superioridade em
forgas e armas, de maneira a nSo poder a victi
ma defender se com probabilidade de repellir a
olfensa.
Occupou a tribuna da defesa o advogado dos
presos pobres, Dr. Jeronyrao Materno Pereira de
Carvalho, que contestou as aggravantas.articu-
ladas uo libello e allegou em favor do reo a ai-
ten uante da embriaguez.
Nao houve replica.
Findos os debates e declarando o jury de sen
tenga achar-se esclarecido pasa julgar a causa,
o Dr. -juiz de direito resumi os argumentos du
aecusago e defesa e, propostos os quesitos. re
eolueu-se dito jury salu das conferencias donde
voltou urna hora" depois cora suas decisOes.'em
vista das quaes foi o roicondumnado a 14 annos
de prisao, grao medio do rt' 193 combinado
com o art. 49 do Cdigo rimioal.
Terminou o julgamento s 4 1/2 horas da
tarde.
A sesso foi adiada para hojeas-10 horas.
AMaMftlnato No da 27 de Maio prximo
lindo, era trras do engenhu Serra Nova do ter-
mo da Escada, o individuo Jos FeJippe de Souza
assassinou com um* facada a Jos Manoel Lo-
pes, e em seguida consegmo evadir se.
O delegado respectivo procedeu nos termos da
lei e diligencia capturar o criminoso.
i <-riiiii-nio mortal A's 3 horas da
tarde do da 25 do mez lindo, foi mortalraente
ferido cora urna facada, no termo de Sao Berilo, \
Jos Ricardo Valenga pelo individuo Izidoro de
tal, que foi preso em flagrante.
A respeila do facto abrio-se o competente in-
querilo que j tere o conveniente deslino.
KeNiMtencia, lula o ferimentoft O
delegado do termo de Pesqueira participou ao
Dr. chefe de polica que, no da 22 de Maio ul
tuno e no lugar Alaga da Serra do mesmo ter
mo por occasio de effectuar-se a priso do in-
dividuo de nomo Joaquim de Britto Cavalcante,
conhecido por P Queimado e criminoso de morte
no termo de Souza, provincia da Parahyba, deu-
se urna lula cora a forga publica, resultando ilella
sahirem leridos Flix Gomes dos Santos, Manoel
Francisco dos Anjos, o referido Joaquim de Bri'.o
Cavalcante e a ornan de policia de nome Anto-
nio Lins, guc talleceu no da seguinte.
A auloridade policial procedeu a respeito nos
termos legaes.
ticriiiharm Dessa locolidade remettem-
nos o seguinte era data de 28 de Maio :
' Nesla villa procedeu-se, 25 do correle, a
eleigo para um vereador cmara municipal,
em subslituigo do Sr. Firminic Huberto Duarte
que mudou de resideucia
A eleigo correu bem comparecendo apenas 53
eleitores e oblendo votos os seguintes candida-
tos : Januario Gongalves Ferreira Peixoto 35,
Jos Eugenio Pacheco de Menezes 13 e Valentim
Auxencib 5.
Em vista deste resultado declarou a meza
eleito o candidato Jauuario Gongalves Ferreira
Peixoto, conservador, fazendo era seguida as de-
vidas parlicipagoes aoExm. Sr. presidente da
provincia e ao Dr. juiz de direito da comarca.
FullecimentoVictima de beriberl galo-
pante falleceu, s 6 horas da tarde de sexta-fei-
ra ultima, na cidade de Olinda. para onde tinlia
ido urna hora antes em premia de allivios aos
seus solfriiiientos. o joven Carlos Augusto Car-
eiro Monleiro Fillio, empregado no escriplorio
do Sr. Joo Ramos, e que contava apenas 17 an-
nos de idade.
O finado era un mogo intelligente e dotado de
boas qualidades, tendo sido o seu corpo trans
portado para o ceinilerio publico, onde foi dado
a sepultara, s 5 horas da tarde de sabbado, em
presenga de prenles e amigos que laraentara a
sua perda.
Rosaos pezames sua familia especialmente
ao seu digno pai.
Ponmco publico 13 de HaloDe ac-
oordo com o director do Circo Chileno, que tao
obsequiosamente offereceu em favor do Passeio
Publico 13 de Maio, o espectculo que devia rea-
lisar se no da 2 do correle, como se annuii
ciou, resolveu a coramisso encarregada da
cousiruccq, do dito passeio. aliar para quarta-
feira. 5 do correle, o beneticio que ser ento
no theatro de Santa Isabel.
A' gentileza do r. Palacios que j foi o pri-
meiro a prestar o seu auxilio ao passeio no be
Defiera do anno prximo passado hcar devendo
a coramisso o excellente espectculo de quar
ta feira, que atlrahir necessariamente grande
concurrencia, atiento o fira a que se destina e a
boa disposico era que se acha a populagd des-
la cidade d favorecer de lodo modo possivel
consirucgo do passeio que todos desejam e de
que carecemos.
Na secgo competente desta folha vem o an-
ouiicio do espectculo que terminar muito cedo
nao havendo inlervallos, afim de que alcancem
os ltimos treus as familias que morara nos ar-
rabaldes.
srriiio militar Estilo designados hoje
para superior do dia o Sr. capitao Pedro Velho
e para a ronda menor um subelterno de caval-
laria.
A guarnigao da cidade dad hoje pelos cor-
pos da guarnigao Commanda a guarda da The-
souraria o Sr lferes Manoel Belero^honte de
Lima.
Na enfermara militar existem em Iratamento
41 pracas do exercito.
Kimcciona hoje no quartel general o conselho
de guerra que responde o anspegada do I4t)a-
taliio de inlautana Manoel Francisco de Alraei-
da. sob a presidencia do Sr. raajor JuliSo Au-
Susto da Sena Martins. e funceionou hontem o
o soldado tambem do 14* batalhSo, Ladislau
Jos dos Santos, sob a presidencia do Sr. ruajor
Jos Joaquim Alves.
S. Exc. oSr. tenente coronel commandanle das
armas, mandou por em liberdade ao Sr. icade-
te do 14" batalhao de infantaria Manoel Alves
de Albuquerque Lima, que se achava preso na
fortaleza do Brnm.
Passou a prompto de empregado uo quartel do
commando das armas, o cabo de esquadra Fran-
cisco Medeiros de albuquerque.
Foi devolvida ao 2" batalhao de iufautaria ru-
bricada por S. Exc. a escusa do servigo do ex
ercilo do ex auspegada Euiigdio Jos da Silva.
Vo seguir na primeira opportumdade para o
presidio de Fernando dous subalternos do 2"
batalhao de infantaria, afim de substituirem
nnquelle presidio os alteres Adolpho Fernandes
Monteiro e Miguel Gongalves deCuslro Masca
renhas.
AfosadoAate-hontem pela manha foi en-
comiado n'ura tanque o cadver do creoulo
Francisco, cosinheiro do hotel do Sr. Manoel Jos
da Silva Vieira, estabItcielo no pateo do Pa-
ra izo.
Verificaran] os peritos nue a morte lora devido
a aspliyxia por :-.ubmcr.->o.
sociedad** Pililo ata ticaEsta socie-
dade reunio-se na quaita feira ulliraa.
O Sr. Pedro Kianga fez a teitnra da i hronica
que foi approvada. sendo em seguida sorteado
chronista o socio Themistocles Paiva.
Para o jury histrico foi sorteado o persona-
gera Felippe'll deHe*pauba, que ter como ac
cusador o socio Manoel Araujo e como defensor
o socio Francisco Guerra.
Para disseitar sobre a seda foi escolhido o so-
cio Jos Pereira.
Na prxima quinta-feira haver, as 10 horas
do dia, sessao ordinaria.
Prolodfumcnlii da entrada de fer
ra de *. Francloro e entrada de ferro
de CaruaruPoi portara, do Ministerio da
Agricultura, datada de 24 do passado. foi pro-
movido a chefe de secgo da ferro-va de Ca-
rundo ajudaute de I* abase engrnlieiro ',urio
de Freitas Auiatal, SeaiKi de iienliuii flullo a
rcraocad para esas ramo do eugedbjeiro Gabriel
Osorio de muida, do prolonganwtiio da estrada
de ferro |>. Pedio II.
Foi uhamado corte pelo Ministerio da
Agricultura, em lelegrarama e a objeclo de ser
V150 pnfllico, o eiigeiihei'o residente da estrala
de ferro de Caruaifi, .1 S de B rr l Wanteriey
Meiidonga.
- Vo dia 30 do paseado duram-se dous des
carrillianientos. seu. gnwidade, no prolonga
mentr. de S. Fraaci-
Es> o prim
fto kilmetro 81, na 2' secgo, onde descamina-
rara duas rodas de,ura dos carros do trem de
mercaduras 11. 2; e o segundo ao eutrar o Des-
lio trem na agulha da estago do Barra, em cujo
ponto houve ainda o dascarrilhamento de dous
carros, resultando somente de uro e de outro in-,
indenles, arabos devidos a> circumstarroias im-
previstas, havenalgnma demora /naichngada do
trem em Palmares e licar este com uma das
molas defeituosas.
Por portara do Ministerio da Agricultura.
datada de 24 d& Maio tirulo, forara conced.les
30 das de liceoga, com ordenado, na forma da
lei e para tratar de sua saude onde Ihe convier,
ao contador Agostinho da Silva Neves.
No dia 30 do mez expirado, no kilmetro
17, foi posto um grampo de ferro na junta do
trilho da liona frrea actCaruarfi. o. qual, feliz-
mente, ainda d'essa vez nao occasionou des-
gragas.
Ja o teroeiro campo que raaos inalavolas
collocain ao longo d'essa linda, pondo iran era
sobresalto os seus passaguwts, cujas vidas esta 1
por este modo merc de taes perversos.
Pela irecteria ludo se ha feito' em ordem aj
descobrir-se r> delinquente ou delinquentes.
As autoridades policiacs qne a nuxiliem para
to louvavel intuito.
Entrou hontem no goso da liceoga de 60
dias que Ihe fra concedida pelo Ministerio da
Agricultura, e com vendmentos na forma da
le. o ajudante de 2* classe engenbeiro Henri-
que Pinto Ribeiro, o qual seguir brevemente
para corte.
\o < n vrow A Livraria Quintas, ra
Io de Margo, acaba de receber os seguintes no
vos livros, publicados em Lisboa :
Supplemeolo ao Novo Almanack de Lem-
brangas luso-brazileiro para 1889 com cerca
de 300 artigos- e oruado de gravuras.
A ultima iocarnagad de Vautrin a quem
segu Um principe da Bohemia lindos ro-
mances de H. de Balzac; formando um volume
de cerca de 300 paginas.
Moeiedade Becrealiva duventude
Eis o movimento da bibliotheca no mez de
Maio :
Foi visitada por 35 socios que consultaram 35
obras era 50 volumes.
Houve as seguintes offertas :
Pelo socio Dr. Ferrer : Supplemento do novo
almanack Luzo Brazileiro para 1889, 1 vol. ene.
Alguns hoinens de meu tempo. por Mana Ama-
lia Vaz de Carvalho, 1 vol. br. O Coruja, por
Aluizio de Azevedo, 1 vol. br. Os meus pecca-
dos, S c Albergara, 1 vo. br. Le liz dans la
valle, par Henri Balzac, I vol. br.
Pelo' socio Antonio Ferreira Lopes :0 rei
dos mendigos. 5 vols. enes. Paul Feval; A fa
milia Gog por Paulo de Kock, 2 vols. brs. A
actriz escrava, 1 vol. br.
Pelo socio Caetano de Andrade : A deseo-
berta da Ierra, por Julio Verne. 2 vols. enes.
Pelo socio Dellira Francisco dj Silva :0 ho-
rnera do* 'res calees, Paulo de K 1 -k. t vol,
e.: a z.io.
Pelo socio Manoel Jooquim Baplsta :Os mi-
seraves de Vctor Hugo, 70 fascculos.
Diario de l'ernambuco, Jornal do Recife, Pro-
rinra, Gazela da Tarde, Jornal do Por. Bino-
calo. Lanterna Mgica e PhUartista.
Vapor do salO paquete inglez Aconca-
gua saino aiile-hoiilem as 2 horas da tarde para
o norle.
Chegar hoje ao nosso porto.
Wlreclorta aa* obra* de counerva
cao don Porlo de Peraambucoten
fe. 2 de Junho de 1889.
Boletim meleoroloifico
'moTimenn
Horas sfa Barmetro a 0 1 en sao do rapor -5 Ti s
r" *"
6 ra. 24" -4 760-97 21,39 l 94
9 26" 3 761-09 22.47 86
12 27"-3 761-37 22,00 80
3 t. 26-4 760-24 21,12 86
6 26--3 761-04 20,48 78
Temperatura mxima27,75
Dita mnima 22'.75.
Evaporago em 24 horas o sol: 5"\0; som
ora: 1".5.
Chuva12-.3.
Dlrecco do vento : SE e ESE alternados du-
rante todo o dia.
Velocidade media UO vento: 3-.7C por *i-
,'urdo.
Nebulosidade media: 0,69.
loietim rio porlo
73 2 x = "3 SI Dia
S. M f. M. '; M. P. M. 2 de Junho 3 de Jnuho
Hora.-
1 06 da tard"
7 01 .
1 06 da manila
7 -11
AlturS
0-.82
2- 30,
1-.00
2-35
IjeloeEliec'.uar-se ho os segrales :
- Hoje :
Pelo agente Brito, s 10 12 horas, ra For-
mosan. 2>, de rawveis, louga, espedios, etc.
Pelo agente Martins. s 11 horas, ua ruaJPe-
dro Affonsc n. 53, de movis.espingarda, vidros.
etc. etc.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra Di-
reita n. 85, de diversas machinas de costura e
outros objectos.
- Amanh :
Pelo agente Pestaa, ao meio da, travessa
do Corpo Santo n. 27. de predios.
Pttlo agente Gusmo, s 11 horas, ra Baro
da Victoria n. 46, de movis, piano e vidros.
MiN*a fnebreSer celebrada:
- raanh ;
A's 8 horas, na matriz de Afogados pela alma
do capito Ignacio do Bego Medeiros.
Paageiroft -Clienados do su! no vapor
francs Eqvateur.
Joo Honoralo. Luiz Jos de Sarapaio Jnior.
Luiz Crrela de Queiroz Barros Filho, Jos Car-
doso Pereira. Ureyfres,'Eduardo Braga de Souza,
Josepli Huber Bobert, Francisco Haner, Cozenza
Theodoro e Gustavo da Silva Neves Filho.
- Sabidos para a Europa no mesmo vapor:
La Bocea Guiseppo, Armenio Emanueli, Torre
Antonio. Manoel Joaquim Antuues Guimares,
Joaquim Jos Alves Guimares e 1 filho. Joo
Francisco Gomes de Arruda, Jos Firmino Bi-
beiro, Eduardo Braga de Souza, Marcionillo da
Silveira Lins, sua senhora e. 1 lilho, Amelia do
Bego Barros, Anua Alexaudrina C. de Albuquer-
que, Amelia Salard. Manoel da Silva Rangel. Ma-
oocl Soares Pinheiro, Mme. Cauvin, Mme. Cha-
line c 1 filho, Mme. H. Pluym. Carlos Santos
Silva e sua senhora E. Goetschel sua seuhora e
5 lilhos. David Hayen, -edro Baiol, Manoel Luiz
AtTonso. Pascuzo Vito, Midile Blanco, Marsi-
cano Francesco, sua senhora e 2 lhos, Joo
Antonio/de Andrade, sua senhora e 1 lilho, Ni-
cola de Missano, sua senhora e 1 lilho, Manoel
Custodio da Silva. Agapito A. Lorenzo, Rosa
Vasques Rozendo e 1 filho, Jos D. Castaera,
Bosa Bergara y Alvrres, Dubois.
- Chegados da Europa-no vapor inglez l'n-
tost;
Jayme de >. Ferro, Pedro Fuente, Role
Adrin Ferreira.
Sahidos para o sul do mesrao vapor :
Dr. Manoel de Seuna Cosa Feitoza. sua se-
nhora, 3 filtras, sua sogra, 1 irmo e 1 criado,
Dr- Abdias de Oliveira e Eloy Lima.
Chegados do sul no vapor nacional S. Fran-
cisco :
- Fausto Cavalcante, Dr. Augusto Nery Carneiro
Monleiro, Feliciano da Silva Peixoto e urna
criada.
Caita de OeteacaoMovimento aos pre-
sos da Cas de Detengao do dia 2 de Junho dr-
1889.
Exisiiam461; entraram8; sauiram exp-
en! 465.
A saber:
Naeionaes 422 ; lunliier-'.- 19 eduMuajetroa 24.
-Total 465 ,
\rragoado.-393
Boits 368.
Doeutes 22
LOOCS 3.-Total 393.
Movimento da enfermari
Ti aerara haixa
Benedicto Jos Canuto.
Alfredo Eugenio'Crespo
Antonio Ferreira da Silva.
iiveram alta :
SalviaBO Marques da Costa.
Fortunato Jos Francisco.
Boberto Alves de Souza.
Forara sitados' o? preses deste estabeleci-
mento por 158 pessoas 75 horaens e 83
mulheres H
'- oapitmt redro II
estubelwiasemo dedaniiado,' iiodii-Jfc'lfci
foio"egointe:
Entrarara 13
Sahiram H
Falleceram ', 5
r BJeistem 637
Forara vioitudas as tcspocttTus "enfermaras
pelos Drs.:
Mo9coso s'81|4,Cysnerros 9 i|4< Barree So-
brinho s 7, Malaquias s 9, Ponlual s 9 lf4, Si-
mocs-iforoosa 10 114 horas.
Nocompareceram os Drs. :
Berardo.
Etevo Cavalcante.
O cirargio dentista Numa Pompilio nao com-
pareceu.
O pharraaceutiro euirou s 9 1(4 da manha e
sabio s 4 da tarde.
O ajudante do pnatmaceutrcoentrou Jas 7 i[4
1a manh e sahio s 4 borus da tarde.
Loieria do *raui-Par-A 4" parte da
28* lotera, dessa provincia, cujwpremio grande
6t:000000, 'era rxtrahida amanh 5 de Ju-
nho (quarta feira).
Ceinilerio Publico Obituario ele dia' I
de Junho de-1889:
Dr. Jos Presciliano do Bego Barros, Pernam
buco. 30 annos solteiro, Graca ; infecco palus-
tre.
Antonio Luiz Cesario, Pernambueo,.14 annos,
Boa-Vista : broochite.
Irmeu, ernambuco. 35 airaos, solicito, Boa-
Visla ; anemia
Bila Maria de Jess, Pernambueo, 40 antios,
vista Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Salustiano. Pernambueo, 14 annos, Boa-Vista,
letano traumtico.
Jos, Pernaubuco. 1 mea, Becile : athrepsia.
Miguel Ferreira Piol, Pernambueo, 58 annos,
viuvo. Boa Vista : cancro da partida.
Isabel.Maria da Conceigo. Pernambueo, 59
anuos, sclteira. Santo Antonio : congesto ce-
rebral.
Honorato, Pernambueo. 6 mezes. Boa-Vista ;
convulses.
Joseptia Maria de Oliveira Soares, Pernam-
bueo, 66 airaos, viuva, Boa-Vista ; leso cardiaca.
Damiana Maria da CoOCeicSo, Pernambueo,
60 anuos, solteira. Santo Antonio : tuberenlos
pulmonares.
Joanna Ribeiro Nepomuceno, Pernambueo. 7S
annos, viuva, Boa-Visa : hemorrhagia cerebral.
Carlos Augusto Monteiro Filho, Pernambueo,
17 annos casado, Olinda ; beriberi galopante.
2
Um feto, Pernambnco, Boa -Vista ; asphixia
ao oascer.
Rumo Caudillo Pereira da Silva. Pernarabuce.
24 annos, solteiro. Santo Autonio : brottehite.
Luiz Jos Francisco. Pernambueo, 35 annos,
solteiro, BmVista : entente.
Antonio Jos da Silva Nazaretli, Pernambueo.,
45 airaos, solteiro, Boa-Vista ; peritonile.
Josepha Pernambueo 10 dias. S. Jostf : atrep-
sia.
Jos Flix Paes da Silva. Pernambueo. 48
annos, solteiro, Boa-Vista : hydro pericard.
Sebastio, Pernambueo, 48 anuos, solteiro, Boa-
Vista : congesto cerebral.
Maria Joaquina, l'ernambuco, 87 annos, soltei-
ra. Santo Antonio : caerrexia senil.
Manoel. Pernambueo. 2 mezes. Boa-Vista:
broochite.
Jos. Pernambueo. 8 mezes, S. Jos ; bron-
ehite.
Maria, Pernambueo. 7 mezes, Reelfe : escr-
fulas.
J0S0 Pereira da Silva, Portugal, 57 anuos, ca-
sado. S. Jos : pneumona.
UM POLCO DE TUDO
A fabrica de movis Morara Santos inaugurou
no dia 28 de Maio uiuio mais urna exposigo de
objectos do seu fabrico.
E' difficil boje dizer qual o genero em que
mais prima esle estabelecimento.
Movis de genero grandioso e severo, objectos
de delicada fantasa, raarchetados, multicolores,
baixos relevos japoiiezes, urna intinidade, emlim.
de estylos, pocas e gostos, e em ludo revelndo-
se desenho correcto e grandissimo acabamento.
No genero ae trabalhos raarchetados vimos
una cania de nogueira ornada com ramos de
liores embutidos, sera que entre elles baja um
s que seja ifiual no desenho e no colorido.
No estylo grandioso e pesado, ha um" contador
de Jacaranda que ura primor de estylo e de se-
veridade de lnhas.
Cadeiras de fantasa entalhadas moda japo-
niza, tagres, mesas, columbas, tudo emtim, que
respeita a arle de marceneiro, ou antes a arte de
eseulpturaem madeica, tem un estylo leve, de-
licado e que j se alfasta muito d'aquelles mo-
vis pesados que erara o exclusivo da marcena-
ra nacional.
A casa Moreira Santos, dirigida por Bernardo
de Carvalho, progride incessantemente e actual-
mente representa admiraves imirages do antigo,
que genero ingralo e dilcilimo.
Podemos dizer hoje, sem jactancia, que os nos-
sos trabalhos de marcenara igualara os de lavra
estrangeira, so que nao os excedem eai solidez
e acabamento.
Um gatuno muito conhecido responda mais
urna vez ao jury.
Ao passar por entre varios conhecidos. porta
do tribunal, disselhe um :
Voc nao loma caminho E' o resulta-
do das ms companhias.
Ennana-se. porque passo a maior parte da
minha vida entre os magistrados.
*
No dia 30 de Abril lindo, a agencia Huras com-
munieava-nos o seguiole telegramma, que nos
deixou assombrados :
0 Intransigente publica um artigo do Sr. de Ro-
chefort declarndose anti-boulangista: dizque
nunca seguio a causa do general Boulanger;
cheio de f parti para Bruxellas com o intuito
de vigiar o procedimeulo do general; accres-
centa que o vio urna tarde merendar com o prin-
cipe Vctor Bonaparte no chalet do bosque da
Cmara ; diz que prefere coaviver com o grilhe-
ta Pilotell a servir de menino de coro aos Srs.
Laguerre e Billn : felicitar-se. pelo seu regrease
a Paris, cujas obras sao mais honradas que as*
damas que perseguem o general Boulanger: e
termina aconslhando a junta nacional a aban-
donar a causa de Boulanger.
Noticias posteriores vieram, porm, provar-no?
que a Hatos tora mystificada.
Nem Bochefort abaudouou o boulangisrao, pe-
dindo ao partido nacional que voltasse as costas
a Boulanger; nem o Intransigente publicou o
monstruoso artigo que a Havas nos impingio como
aulhentico. em extracto.
Esse artigo foi, efectivamente publicado, mas
n'um supplemento do jornal Iai Butwlle, sob o
titulo L'Intransigeant, e subordinado epigra-
phe : Lirn le voile. Embora o lirmasse o nome
de Rochefort. o valente pamphletario foi com-
letaraente .stranlio a essa infamia, platicada
exactameritc no dia era que elle chorava a morte
d'um lilho estremecido.
No supplemento do tak jornalero, copiava-se
nao sO o titulo mas o formato e o typo era que i
coraposto o Intransigeant de Rochefort.
A Iberia, de Madrid, chama a isto um expe
diente politico da lucia em que andaru empenha-
dosboulaogislas fr anti-boulangistas. NOs cha-
mar-lhe hemos antes o cumulo da torpeza.
Ao que parece, o goveruo da repblica ap-
plaudio o tal expediente, porque nao mandn
prendar pela policia os camelots que vendiam o
unmundo papel nos boulevards.
Diz-se, porm, que o Intransigeant vai chamaf
os tribunaes o dono da typographia onde se im-
primi aquella infamia.
O Ilustre jornalisla recebey, no dia 28 do mez
lindo, a tnsiissima noticia de se Laver suicidado
em Bne, disparando dous tiro- de revohei
na regiao do corago, seu lilho Henri Roche-
fort.
Poi3foi exaclameiite nesse dia que as ra?
de Pana se venden o lal artigo limado coro o
seu nome !
Espalhou-M' era t'aris que o governo dera um
salto-conducto a Rochefort para vir a Borre as-
sislir US exequias do lillio.
Esta noticia foi logo desmemida pelo Intransi-
geant.
O governo da repblica nao quiz conceder a
um pae. acabrunhado pela maior das dores,
aquella suprema consolago.
Foi o genro de Rochefort quem se encarregoa
de ir a Bone, buscar o cadver do suicida.










*umm "


Diario de PernambucoTerQa-feira 4 de Junho de
/
IS
umentando este facto 3 Gaulois lembra que
adose Roche (o rt emigrado na Bl-
gica, Invern imperial llie concedeu um salvo
conducto para ir a Paris defender a sua candi-
datura.
*
O governo portuguez agraciou cora a meaklha
de praia a heroica Mara Felippa, menina de
nove annos de idade, que salvou de um incen-
dio, em Loures, dous rmaiis mais novos do que
ella.
E" esta a primeira vez queum;| enanca mere-
ce a graga le ama dstincro honorfica.
*
Gerto engaito ir de Iwnd to-
dos O di:>~. cid i-uiupjiihia de ura amigo. Quan-
do via approxjmar se o robrador punha-se a
olhar do lado contrario ao cni que 'lie vinha e
exclamava ao eompanbeiiu ile cara volada:
Que beilissna paysagem !
Todos os dias succedla o mesmo. O gajo ad-
mirava a paysagem e o amigo pagava-lbe apas
sagem. Casou-se este afinal e um da ao che-
gar o cobrador puxou ocataco do companheiro.
Olha, mea veibo. Scu eu quem admira
boje a paysagem. .
Ha muta gente que quando est no bond gosta
de apreciar paysagem...
**
Os membros do Instituto Histrico e Geogra
Shieo do Brazil, em numero de 10, por interine-
io do Sr. consellieiro Olegario Hcrculano ila
Cunba e Castro, enlregaram a S- M o ii pera,
dor a medalha e ouro, couimemorativa [da abo
ligao, assim como outra iguala S. A. a princeza
Izdbul
S. M. o imperador agradecen, commovidis-i;
mo, declarando que nadii dizia, porque o Insti-
tuto bem sabia o que em si piissuia.
' ***
Por carta recebida de Roma sabemos que sua
eminencia o cardeal patriarcha de Lisboa, D.
Jos III, foi recebido por sua santidade, com
grandes demonstracOes de sympathia e benevo-
lencia, na galeria dos marmores
O snmmo pontfice mandou que o camarista,
de capa e espada, conde Francesco di otti,
acompanbado de dous fmulos de vestes roxas,
ficasse ao servico de sua eminencia durante a
soa estada em Roma.
0 llustre prelado porluguez tem sido alvo
dos maiore9 testemunlios de sympathia por par-
te de todos os prelados ror anos e de todos os
membros da corte pontificia.
SPORT
Derby Club de Peraamluico
Realizo j-se antehontem, com pequea concur-
rencia, a 13 corrida annunciada.
O jogo das paules esteve anda pouco animado,
tendo sido' arrecadada na rasa das apostas ape-
nas a quantia de 32.5334iHi .
Eis o resultado dos corridas :

I pareo Consolaco 800 metros Animaes
da provincia que nao haviam ganno no Derby
Premios : 250* 50 e 234
Ao ignal de partida, Siuart, carregado ape-
nas com o peso do jockey Amaro, tomou a pona,
que nao mais perdeu, chegando ao poste do ven-
cedor em 62"
Stuart, o vencedor, havia corrido sera o peso
convencionado, com 10 kilos de menos, confor-
me se verificou no repeso !
O publico protestou rOQlra a fraude, troca-
ram se palavras speras, mas a corrida foi con-
siderada valida, isto Stuart foi classitirado
como tendo chegado em Io lugar para o rateio
das poules e distanciado quanto a percepeo do
premio, que ser dado ao animal immediaio.
Entretanto no art. 86 do Regiment Interno
do Derpy encontra-se o seguate : As corri-
das devem ser deaaradas uullas, sempre que se
>erificar artificio fraudulento para illudir as dis-
posices deste regiment.
Este artigo nao se adapta perfeitamenlc ao
caso ?
O jockey de Stuart, atirando com o peso fra,
nao usou de um artificio frauda cuto para illu-
dir urna das disposiges do regiment, como
por exemplo a do art. o), que estabele e o peso
que cada animal deve carregar ?
Eui vista do que dispe o allEdido art. 86,
dispensamo nos de entrar em oulras considera-
efies, eabendo-nos apenas accrescentar que o
pbrko, isto aquelles que de boa f, concorreu
aos noSros prados, alui a tn'uofe e da indevida
classificacao, como algumas wzes se badado,
tem mais contra si a fraude do peso, que era so
o que no* faltava ver em nosso turf!
Mas isso de corridas assim lUUaDO yu.ilia
que sube e perde quem qitrr E passemos
adan te.
A Cyclone coubc o 2' lugar e a Pienot o 3".
i.oguae, Barra, Miguoa Tarlulho. nao corre
rara.
loide de Stuart em 1", 201 3800 : em 2".....
67*200
ftmi de Cyclono cui 5" 224800.
Mjviiueiito geral, 5:973*1 0
*
2o pareo25 ile Jfa'1WO metros Animaes
de menos de meio sangoe que nao haviam g-
libo no DerbvJ'rcuikK 2304000, 305000 e
8M600.
Alpha saho na vanguarda, com disposico de
'-anhar u cor. ida: mas prximo ao poste do ven-
redor, Reclfe. que ha muilo tempo uodava sig-
nal de id, rugnzupi a Atpba e ganha a corri-
da em 66'.
COMERCIO
Revista do Mercado
RECIFE, 3 DE JL'XIIO DE 1889.
movimenlo limitou-sc a transaeces no mer-
cado de cambios.
Alpha foi 3* e Cometa 3*.
Nao correu Vulcano.
Paule de Recife em 1" 10*400; em 2", 64200.
Paule de Alpba em 2, 7i6O0.
Movimento geral, 6:160000.
*
3 pareo Provincia de Perruunbucol 609
metrosAnimaes da provinciaPremios: 2304,
150* e 25.
Apresentaram se na rata cinco animaes; a
corrida, porm, foi disputada somonte por Aru-
marye Good-morning. Potos e Bugari, cerca
de 200 metros depois da sabida, tomaram a di-
recgo do ensilhamento, o que de.via ter feito
tambem Brillianle, que entretanto prefeno
acompanhar de longe, de muito longe'raesmo, a
Anpmary e Good-moruing, o primeiro dos quaes
tendo tomado a pona ao grito do starter, nfto
mais a perdeu, chegando ao poste do vencedor
em 114 ".
Good morning, gragas a generosidade de Aru-
aiary, tirou o t premio. ?
Nao correu Caifa*.
Poule de Arumary, montado por Manoel Vir-
gilio, em 1 5*800 ; em 2-, 5*500.
Paule de Good-morning em 2o, 5*700.
Movimento geral^ 5 695*.
#
4o pareoPrado da Estancia 1.2oO metros
Animaes nacionaes at meio sangue que nao
haviam ganho em Maio de 1889, nesta distancia,
no DerbyPremios : 350*. 70* e 35*.
Na/occasiao dse proceder a pesagem, a di-
rectora, nao sabemos porque, resolveu retirar a
cgua Olga, que tambem se aebava inscripta.
Esse procediineuto correcto ou nao da digna
directora, causn urna cerla desconlianga no es-
pirito do publico, que prevendo a corabmagao de
alguin trtbofe, retrahio-se, tornndose por isso
o'jogo bastante fraco.
No entaoto a corrida foi bem disputada e urna
das mais interessantes do da
Ao signal de partida, que foi em boas condi
goes. depois de urna demora de trinta minutos,
orcovado tomou a ponto, seguido de Sarturno,
Maularim, Mimosa, Favorita, Minerva, Domo e
Maestro. .
Cerca de 800 metros depois, Favorita, dirigida
por Alfredo de Freitas, prineipiou a passar os
animaes que Ihe (icavam na frente at collocar-se
na vanguarda, o que conseguio i no distancia-
do, ganbando a corrida em 87 1/2".
i orcovado foi 2o e Mandarira 3o.
Poule de Favorita em 1", 20*500;; ert* 2",.. .
10700.
Poule de Corcovado em_2, 14*000.
Movimento geral, 2.215*.
#
5" pareoItnprensa Pernambucctna 1 "00 rae-
tros Animaes da provincia que ainda nao ha-
viam ganho no Derby nesta distancia Premios :
3004, 60* e 30*.
Mouro puxou a corrida, conservndose na
vanguarda at a distancia de 700 metros. Ah
Templar, dirigido por Pedro de Souza tomou a
ponta que cqnservou at o poste do vencedor, ga
aliando a comda era 138".
Monitor, que limitou-se a acompanhar de perto
0 companheiro, chegou em 2 lugar e Mouro
etn3\
Scrido perd-m-se na viagem
Nao correu Araaury.
Poule de Templar, 14*300.
Movimento gera!, o 750*.

6o pareoProgressO900 metrosAnimaes at
meio sangePremios : 400*, 80* e 40*.
Nao se realisou a corrida deste pareo por terem
se apresentado pesagem somente tres animaes
dos oito que haviam sido inscriptos.
r 7o pareo -Pro.-pcrtdade S50 metrosAnimaes
da prouincia que ainda nao haviam ganho no
1 lerbv em maior distancia era 1889-Premios :
250*, 50* e 25 i.
Arreada a bandeira, coube a Tolosi tomar a
pona, que conservou al a entrada da recta de
chegada, quando General colloca-sc na vanguar-
da, posicio que sustenta at ao vencedor, ga-
nbanda a corrida em 68".
Pombo Preto bteve o 2o lugar e Potos o 3".
Vole de General em 1", 37*200; em 2",. -
(6*900.
Poule de Pombo Preto em 2", 16*800.

Nao se realisou a corrida do 8* pareo.
lllppodromo do C'srmpo Grande
Eis o resul tado da inscripgo feita bonh-m
pan a corrida de domingo prximo:
' Io pareoExtra800metros. Egnudapro
nada. I'remios : 200*000 primeira, 39*Ji
secunda e 20* terecira: .
Ella, Scmiramis, Stella. Invicta, Priiuasia,
Kaiiiina c Coruja.
2o pareoExni'riencia-830 metros. Animacfl
da provincia que nao lenham canbo premios
nos prados do Recife em 1889. Premios.: 2 o i (
ao primeiro,50* ao segundo e 20* ao terrino
l'esquerrim Bonjour, Cerbero, R, Bisuiiirek, ]
Bordalez, Tupy. Dengoso, Almirante, Biscnuti-
olio, Canry, Vinho-branco, Zambo, Marat, He
de. Tenebroso, Advance, Dublin, Pombo Preto
e Siico, Esquimu e Topinlquim.
3 pareoTrilhos Urbanos l.VOO metros. A ni
maes naciooaes at meio anguc qoe nfto lenliam
panlio era maior distancia mi llipp-ilromo em
1889. Piemios : 350* ao primeiro 80* ao se-
gundo e 35* ao terceiro :
rindo, subi a 3.371.611 kilos, sendo 1.24X250
para o exterior e 2.128.359 para o Ulterior.
Cometa, Corcovado. Risette, Saturno, Mimosa,
MauJarim. Domo e Minerva.
4o pareo. Imprensa Pernambucana 1,000
metros. Animaes da provincia que nao tenhain
anho em maior distancia nos prados do Recife.
Premios : 250* ao primeiro, 60* ao segundo e
25* ao terceiro:
Msico, Azamor, Potos,. Barnave, Zambo,
Sneca, Advance Tupiniqtlim, Traviata e Cy-
clone. _^
5o pareo-Hippodrumo do Campo Grande
1,609 uielros. Animaes de qualquer pai>: q
bfto tenham ganho em maior distancia no Hip-
podromo. Premios- 500* ao primeiro, 1205 ao
segundo e 50* ao terceiro:
Coupou, Hex, Apollo, Alpba. Salvatus e Diana.
6 pareo Provincia de Peiinunbuco 1,200
metros. Animaes de menos le meio_ sangue.
Premios : 00* ao prfnieiro, 60* ao segundo e
30* ao terceiro : -^
Recife, Aymor, Cometa, Favorita e Alpha.
7o pareo\Vloeidade 1,200 metros. Ani-
maes da provincia. Premios : 250* ao primei-
ro, 100* ao seguodo e 25* ao terceiro :
Templar, Arumary e Good-morning.
Nao se leudo completado a mscripgo para
este ultimo pareo, boje s 3 horas da tarde, no
escriptorio, serio recebidas novas proposlas
afirn de co.pletal-o.
cas e lafetlicamentos homeopticos, ra do
Marqitez"de Olinda n. 23. .
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de atropina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
ciniento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qnalidades, serra madeiras do conta
aJlieia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinan e por prcc;Ofl sem dom-
(letenciaPcriiambuco.
WIBLSCACDES 4 PSiDi)
skjb
INDICARES TEIS
Hedcos
Bols
a
:OTAgOES Oi'FICIAES DA JUNTA DOS COU
UETORK8
Recife. 3 e Junho i 1889
Apolices geraes de50 0a970i por cada como
de ris.
AegQes da Companbia dos Trilhos Urbanos do
Recife a Olinda e Beberibe do valor de 200.-s
a 20o* cada urna.
ObrigagOes preferenciaes do llippodromo do
Campo Grande, valor de 200*. uros de 8 o 0,
a 190* cada urna.
Na Bolsa Venderam-se
4:500* de apolicos geraes.
9:0 O* de idtm dem.
3 aeges da Companhia dos Trilhos Irbanoa
lo Recife a Olinda e Bebcnbe.
2 obrigagOes do llippodromo do Campo GrantK
O presidente,
Candido C. G. Alcol'orado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Cola-se o de 1
kilos (nominal).
.%iodo
sorte do sertZo a 7*000 por !5
Aexportagao feita prta all'ande^a em Maio
lindo, attingio a 1.917.3<*7 ho. endo.....
1.436.473 para o exterior i fctiKS* para o niie-
rior.
As entradas rido mez de
Maio, ji conjjeeidas a l: W4 saccas.
sendo por:
3arcagas-
Vapores .
'ia-ferre:
'ia-ferrea de S. Fruncs
iro
. Tti.' S
W
4.760
1.05o
i 116
Somins,
13 iOi Ss
Os prego-
vundo A
Someno .
Mascavado porga

Rtame .
is.siscur
Agrcola, I
3*600 a
2*000 a 2*700
-'. 200 a 2*400
:1900 2*000
00 a 1*700
M
A exper'aei*: fe> Pela alfandega em Maio
\s entradas verificadas no referido mez de M;iio. ja conhecidas, sobem a 34.738 eco*. -endo por: ISarragas .... I.S a.v.s Vapores..... ..#.. Animaes.... <>'i Vi .-.-frrea de Caruar. 2.563 Via-ferrea de S. Francisco. 15 2i2 Via-ferrea do Liraociro 896
Somma. 34.73K Sacres
Cambio
Os bancos maiilivenm a mesma taxa deaub-
bado, 2i 5 s. aea ido pouco dinheiro.
' ape! particular l'oi passado a 26 7/8, em pe-
quena escala.
No Rm a laxa baiicaria foi 26 3.4. nominal.
Papel particular, 2->7 8, escasso.
TABELLAS AniXAAS
i. * 3' a 0 V 2 1' |>
-" p X -5 a M 2
J3 O
a. - O " ' * s
, c a . . m
a ao. 9 ' 3 a
Dr. C'erqueira Leile, tem o seu escripto
rinabertora Duque de Caxias n. 74, das.
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em ana-
te em sua rssid 2ncia ra Bar2o de S.
Rorja n. 22. Especialidades molestias
desenhoras e crianzas. Telepbone n. 32G.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do nte.ro quando e co-
mo ucou&e!hd.. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da tuz) n. 23, 1.'
andar. Telcphone n. 380
Dr. Darretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a awlar da casa
rua do Bario) da Victoria, n. 51. Resi-
dencia rua Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela rua da Saudade n. 25.
' r^Ribeiro de Br;tto d consultus^de
meio da s 3 horas da tarde, no 1." an
dar a rua Duque de axias n. 4*5, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia rua do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Joaquim Lowero medico e parte!-
ro, consultorio rua do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Montciro.
Dr Alvares Guinmraes, chegado da
corte, dedica-s< medicina em geral, c
com especialidade s molestias do cora-
9*0, puimoes, fi^tdo, estomago e intesti-
nos e tambem ra .ffece3es das enancas.
Reside praca do Conde d'.Eu, n. 28, e
te-m consultorio na rua do Bom-Jesu?
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
O Dr. Siiiiplicio Mavignier.Cliuica me
die 1 eirurgi 1. Especialidades: molestias
pulmonares c partos. RuadoMai\|ii<'z de
Olinda n. 27 1. anda*. fonsultas das 11
M 2 li >ias e na Casa Forte (Poyo da Pa-
ne!l0 das G s 9 horas da manhi e da
tarde.
OccEillsta
Dr. Ferrara, com praticavno3 princ;
paea hospitaes e clnica de Paris e Lon
dres, consultas todos os dias daa P
iiorasdao meio-dia. Consultorio o resi-
4mC9 i r,.!a \ir^o (\n Rias^rin p. ^(1
..dvogado
O bochar Witruvlo Pinto Bandwa.
pode ser procurado rua do Imperador
B. 71, 1." andar.
O Dr. II. Mi/e' .oudou o sen escripto
torio de advocncia, para a rua df> Impera
dor n. 46, l" andar, sala da frente.
J. A. de Mttgtdk&m kistos. Duque de
Caxias n. 66, ]." andar..
El rosara
Faria Sobvinko & i ., droguista por ata-
cado, rua do Marques d Otiada n. 41.
Francisco Manod da Silva & C, depoai-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
Afcoo!
Cota-se a 170*00',' par pipa de i> lil.-oa.
Hcl
0)la-se a 70*000 por pipa le ',80 litros.
oar*
A e:>layao das MlgSdOfl RgUfal SUS r-ts o
verdes 20o ris.
Pastfa da alfandega -
UMAIM -3.8 DE JUM10 DK 'Pfl
Vide o Diario de 3 de Junho
Safios a carga
Lfuar porluguez Temerario, para o Porl::.
do.-
Loeras da provfncSa
PROJECTO N. 46
III
Depois da publieacao, i|ue demos a estampa
em l.s.-o segundo artiga, surgi no Diario de
29 do cononle, e veio ao nosso encontr o llus-
tre lliesoureiro ostensivo das loteras da provin-
cia
E, quando esperavaraos urna seria resposta
nossas apreciayes, sentimos a mais dolorosa
desillusSo, porquano ncm urna palavra foi arti-
culada em delata db infeliz projecto, que com-
liaiemos, como um perigo publico!
Ap.nas o Ulustre lliesoureiro, como armas de
I aialha. diz que o projecto organisa o servi-
, das loteras ; que ha de nossa parte o
uito deernbaragar a sua execucao; e, pro-
::.ettendo resoonder com. van tape ai os nossos
criptos, ilepvis de utimadoi^GQnC\in com a de
claraco de que somos movidos por interesse
eentraraJu, que 0 ioau couselheia
Sao estes os tpicos do pequeo artigo, que
lemos, e no qual se descobre immediatamentc
certa habilidade de espirito na promessa, que
se nos al/ura a leuda das cebollas do Erjpio.
0 Musir lliesoureiro o tenxivo das lotenas
DUOCa Boa poder contestar; e se o podesse j
baria feito, nos tenaos de aossa argumetitaao,
provamlo a .-incenda e da Banca, que se elevou
a t>0:0.')3, ijuiudo elle quera que foase apenas
de (Q:000; uu (trovando que nfio (c:ibiui em
scu poder quanlias uperiore.-> a ()0'>:<*)03 ou
i.0j,:0003, eoofarurt os planos de lotera*, (fue
organar, ?ob sua exclusiva responsabllidade,
sem approva^&o do presidente da provincia !
Era preciso que o filustre tbesoureiro flXAuiro
coiiieMisse esea ponto*, o que j eombaiemos,
mosln.nlo que eiies nao aeiustiilcam diante de
una Ranea Ilusoria e ridicula p.ii-a avalladas
sonimi> que Qcurao sob sua guarda at o prazo
de seis mezes,atiento afaculoade qdjPd o 6 do
art. 1. de podr o lliesoureiro adiar < extraerlo
das loteras, oajos i-lbetes forera vendidos, at
aquelle espaeo de lempo.
Coiilcsle-.sc-nos o perico que b \ nuquella fa
culdade. o no que dispem os |jj 1 e 2 do art.
Io; prove-se-nos a utilidade das disposicfie* do
projeefo n. 16, qoa, ento, nos confessaremos
veiiejilos.
.Mas a bwito nao se atrever o Ilustre E&ejOO
reiro, quando nos Brgniuentanio**citando arlitros
e paragraphoa, e commentaudo-os, depoi de
anterjoimente termos indagado da organisactio
do aurvicu das loteras, sem, entrelunto, deseo-
br-a em outro principioJque nao o da u'.ilidade
particular do feliz e illustie tiiesoureiro!
E' certa que as loteras da provincia eslive-
ram suspensas por mais de res melca : mu-,
nao menos certu que dalii resuliou, c nem po-
derla resultar a BecessidaiU) da otgunisacao,
que se v no projecto, dando a mais ampia li-
berdde e os mais largos favores ao lliesoureiro
das loteras, com risco grave para os diiibeiros
pblicos c pr.iticulaies, e com o raais censura-
vel sacrilkio da fazenda!
Nao ra ahi urna vaga argumenlaco, na qual
eouwuic gastamos palavras ajara ftucr effeito.
nao descerenns. niesmo, para prnvar o nos-
s.t aranco, ao lacla, que delermiu'.u a suspenso
do servu.o das loteras, visto isso se ter abar-
rado o Iludir tiiesoureiro osl-mstcu.
a causa oeeusional daqaetle facto, todos sa-
ben, foi a diileuldade taiiii que lnctou um hon-
rado cavalbeiro que Cora Horneado iesoiireiro
das I teria* ordinal ias 'la provincia depois da
axoncracu do nao menos iionrado coroucl Oc
taviaiiu de Souza.
O the.i'iireiiM > uto Domead, ii -.pede no ser-
vido, e lomando si. por ordeni -uperior, o en-
cargo de f'zer extrabir a olera extraordinaria
da provincia, penlio serios imibaiafos, de modo
que. com sacriflcio. i /. cOfrcr a'.^umas loteras
ordinarias,e a extraor.Jj liria pediuda immedia-
lani'nte u sua esounraga, >|Ue Ihe IV couce-
dida.
D'abi rapar, o lugar de lliesoureiro das lote-
ras ordinarias da provincia, sendo, porm. pre-
enchdo np c ne-'e uoao pea oolmcacKo do
actual tftcsodtviro, que '-ra fu icciondro ae jus-
tii;.". e e.\ r-la ea/uo vitalicio, mas que o res-
::re'i j';.ra i; inseguir a alludida ntyneacfto !
Fui, p:is, i.o e-paco, ipie se nota da exonera-
pao de um ibesaji'ejro a iHMiieaeo de nutro, que
lev* :i^ar a suspenso do ;eruco das loteras
Mas csse laclo, perfelanjentc excepcional, nao
dcicrmiiiaria a (rganisif/to\oa poruianio aqaelie servido fra sempre, t com
poiiiiialidaJe, dcsi npeiibado por tbesoureiros
aiileriori'.-. que coiiipiistaram, por via de hones-
to exenicio ilo carao, licita e avultada fortuna.
e.ii c c.i e-itivessora sob o redimen da lei ante
rior, que regulova
vico.
Nui
e garantia i. lisura do ser-
uuca os thesouriros anteriores clamaram
por nova le, e muito menos por urna que Ihes
concedesse tudo, e nada para o bem publico :
elles cumpriram os deveres do cargo conten-
to, e auferira.n bom proveito. Mas isso nao
procura limitar se o thesoureiro ostensivo, a
quera respondemos pela pecha de que somos
movidos por interesse contrariado.
Nao, nao lu de uossa parle o menor interesse,
que fosse contrariado : ha simplesiueote o zelo,
ou antes o dever civice na ilefeza do bem publico,
que se quer coti-purcar-
lia, de nossa parte, um grito le alarma rootr.i
um projecto, que uma aruadilia porigosu para
os baverea publicse oarticulares, e para as
rendas da lazeoda geral c provincial.
Dizer, pois, que f.Pla en ouaicdc interesse
contrariado a quem cuuipre uai sanio de, ..
analy.ando simpiesmanle o texto do projecto em
seus artigos e paragraplus, descobrindo-lhes o
defeitos, e expundo liles o perigo, cibia s e so>
mente ao thesoureiro ostencivo das loteras !
Pormitta-se-nos, portanlo reverter esse fuuc-
cionario a accio do interesse contrariado
pelos nossos escripias.
E de laclo, se o Ilustre he.oureiro era escri
vao na comarca de Jaboalo. onde o foro ira-
portante, e se liga essacapital por una via ter-
rea de fcil e comino lo transporte; se servia a
um ear;w vitalicio, porque interesse o resignou,
e trabulhou para ser nomeado thesoureiro das lo-
teras da provincia, guando esse iervico precisa-
va ser reogaisado, o que suieute poderia fazer
a Assemlilet EVovinua!, onde a maioria libe-
ral, e liberal inlran-ijeple, e o illustre tiiesou-
reiro conservador, e conservador conli cid ot
por ligacefl de familia ?
O procedimeqlo do Ulustre thesoureiro parece
ateo de lira iuuividuo louco, cubeulo-Mie o ada-
gio popular Diuguem d .xa o certo pelo duvi-
doso,.
O Ilustre lliesoureiro, conservador, resignando
um olcio vitalicio pura obtur a uomeacSo de u:n
lugar demissivcl, e dependente de un acto de
urna Assembla, com maioria liberal, com cer-
teza aiscou te, e arriscou-fC muito I
Dada aliypoilise. i naj concoapr a maioria
peral os largos favores do projecio n. .6, aquelle
rbnecionario i;-!;: exercer u .i cargo, que nao Ihe
dava proveito:. mas prejuizo, por amor do qual
elle del.vara u.n uatrocirgoe .italiciol
Mas a by|)olhese nao se realisou, e por nina
previa conbinagaoa maioria liberal, sol.- a inspi-
raco de corto cavali as, votdu, sem atlender
emendas de dous dos seas membrus. e coiu todo
atropello, o projecto, no tpul,alera de esconda-
fosas dspos;(:0' s. ha o lactn de se tirar reii las
(tos exhaustos il'res da provincia, ooentda de
dividas, pac se dar :o BkSureiro das loteras !
O que exprima, porm tanta coudescendancia
de urna Assembfca. qoasi lber!, em favor de
um funecionario conserva,!o> .'
S multa, e inacrvdiUvl ingeiiudade ncceia
r que a maioria liberal d'A-se,nbl.i, que oegn
ornamentos rqui I lirados ao presidente da pro
vieta, dsse. or aimi; a um liesoomirtcon-
servadorj favores e nlidos no prolcclo n. iO,
c confiasse sea exclusiva responsablli laiu ura
servico, que reciair.a cfQcazes garaiilias.
E ,)ii u no projecto, tfguma cousa de myste-
rioso. a qual para liugar Bar-jce ile lio cm* rea-
(/o;--tliesouriiiM. que geiile-se offendido em
ros intcressea Coin as lUbiloacoes, que temos
feito.
3h, sim, lia o ateresse contrariado. > e nao
de nossa parle, qu levmdo vida modesta, to
mamos o pesad, encargo de tornar saliente, o
que o projecto n. 46.
E n'este terreno, em que pese a> Ilustre llie-
soureiro ostensivo, ou Husmo prrp-iit-i, cumpria
nos entrar era nova (ren de cou-ideraces a
proposito anda do do art. 1. e los mais : S.
Sentimos, entretanto; in iTroraper 0 nosso tra-
balho com o presente artigo, em iesposui ao I-
lusire thesoureiro a que.n provocamos discutir
o projecto, mostrando a uiihdaJe e. vantaaens
pubc.is, que d'elle, por ventura, resultem : dis-
pa se o ilustre funecion ni i do proposito .le I
ludir, com a prnnmssa de discutir no lim !
Essa promessa nao linde a aquelles que espe-
rara pela volta de D. Sebastin, quanto uns ao
publico sensato e crtertoso, que nos 10.
Venda, pois, o Ilustre thesoureiro. que um
conservador intransigente,discutir o pr.ijecto.
para xito do qual t.aballiou, e com Bsforco. a
maioria liberal d'AssumbUh, e nao se eajoosquc
no carcter politic para saudar a upinio dos
amigos, e do Exu). Sr. Barao de Souza L"o. C
resolver se alinal pela viuda do Exm. Sr. Dr. Mi-
guel Pernambuco para ver se consegue a sane-
cao do projecto.
Mas o honesto e intelligente Dr. Pernambuco
possuc urna boa praUc dos negocios da provin-
cia, e tem o crii.-rio bastante para maduramente
pensar no que Ihe pedem os conservadores do eu,
cora alliaacas pouco uobres.
Ha interesses superiores, que 3. Exc. vera za-
ar.
' E basta por boje.
Recife, 31 de liaio de 1839.
El'.lMIXOXOAS.
Jurisprudencia recreativa
BESPOSTA DE P B A S? A & M A T II E U S
Conchisao
Ce.tas questes de direito s por meio de ca-
sos, como na Moral, podera ser resolvidas.
Supponha se que o amphibio diz-exige o
motor, e o pedido nao e^satisfeito.
Temos ahi o jus in re em toda a sua pujanca.
Vao ha negal-o: E se o anipliiSio repete o
pedido e ouve em res posta : nao pde ser? Hoc
apun. ,
A acefio ad exbihenduin, alm de intil, tem
os lo lesbidor i legatario pode sagradar de mui-
- pole licar com o que Ihe
lver HuVi leu':. >, o direito de escolho. Mas
ua e.\bil.ic;'iu .le motores o nnphibio, que nunca
prininn pelo jutao pdese anossar de todos, e
fugir com ellos para fazer coilecgo, deixando o
espolio sem uenhum.
Ora, nao basta dizer : illa fuga calamitosa
fu i l.
Dado o caso, o amphibio perdera toda a sua
importancia, e (icaria rednzido a um mero appa-
rellio telepbonico, ao qual. qualquer sugeitinho
poderia ligar um lio.
E, em pouco te upo, Picara um verdadeiro en-
genbo de fogo raorto, restando-1 he apenas vesti-
gios do Campus ubi Troja fio!.
Foi justamente isto que o legislador quiz evi-
tar.
Os que conhecem um pouco da historia do
Direito Honiano nao ignorara que para evitar a
lelephonisago do amphibio, Justimano, sabio
e providente, creou a aeco de deposito entre o
amphibio e o motor. Justiniano no acto de su-
blime he.rois.no praticado por Lucrecia, como
le! depositara d'aquetle colossal amphibio, que
fez de um hornera chao e simples, como Tarqoi*
qo. um romauo malcreado, grosseiro e aiso-
berbo.
E", portaoto, por forca de urna lei Romana que
o amphibio deposilario do motor e este d'a-
quelle. n,^
E' o deposito reciproco : comprelicndS^e que
o ampbibio nao p le goardar o motor. Este, nem
sempre, poderia sapportnra temperatura media
d'aqueile, qual de S graos, emquanto que,
nos momentos de repouso, a temperatura do mo-
tor de lti gres abaixo de zero. havendo, por-
tanlo, urna diffrcflca de ib grots. entre a re-
eiao ao ampbibio e a do motor. Assim. quando
esie lera um calor de 30 graos, o equador do
amphibio tem 7i temperatura absolutamente ni-
supportavel, salvo para os motores de ferro fun-
dido. 0, o motor nem pode andar exposto ao
vento.
E' preciso dalo a guardar, urna vez que, nao
seodo de parafuso, nao se pode guardar no
b.ibn.
D'abi a qualidadede depositario judicial, que
as bis modernas attribuem a era e outro.
- O dominas depositario lo motor, tora apenas o
dominio directo. A domina tem urna servido
limitadissima, mas nao lem o usufructo. Urna
servidao natural, bem entendida.
asentado que a accao de deposito a :ora-
petente. passoagora a apreciaros defeitos que
delta decorrea).
O deposito, como sabido, tem nica eexclu-
sivamente por lim a guara do objecto, eno
feito para actos de mercanca, e irein para ges-
!;":) de DCgOCiOS.
Se o depositario ve:n a fdlir.a deponente
Credora de dominio, e nenbuma outra credora.
anda inesmo hypolhecaria, poder-protestar ior
preferencia ou rateio, A deponente receber o
deposilo das m'ios do depositario da massa. Mas
se o depositario se recusa a entregar o deposito,
allegando que elle argtUtatum ni, entao o caso
serio. A ac.ao de deposito nao se laz esperar,
com a dec-aracjio. "specificadaraento da capaci-
dad:; do deposito do seu estado no dia em que
foi entregue ao depositario. Mas. se por una
dessas desgrasas, sempre possiveis, elle est
soffreiido d delirium tremcns. desmemoriado,
nao propter cetalis, porque, dmflm, senectus est
inorbus. mas propter abusuin usi. na phrasc do
Digesto, entao o caso ainda mais serio.
Feita a citaij&o c assignado o prazo, que cor-
rer meslo era casa, ou o depositario inliel de-
posita equivalente, nas mos do thesoureiro da
Garal, ou vai para a cadeia.
Vicente, continuo attpartibws e campanlogo Je.
segunda cfasse, nas audiencias doTrbunalda
Kelai;o.
Subscrevo e assigoii este lampejo de selimen-
to jurdico iie me muito amado fiiho Vicente
campanalogo.
Sabacuin. av do lampejo, deo do corpo do-
cenle do cemiterio do Cacte, chefe da liga dos
jurisconsulios protocoiistas e outras cousas mais,
et., etc.
M3
t
S
i
i



c s %
*a 00
i 2
93
ti
fe-
i
8
.S
a
*.
r-. u. m i ~ < i' -
-*i = -j 3 -j " " oc
?e 8 o
93 c ~>
; 1 X < I 1
1
S *j
'4 $ * & l ~
vf <*
.%Kardeate
Cota-se a 90*000, por pipa de 480.litros.
navios a descarga
Barca nurueguense Saga, xarque e fcno.
Barca nacional Atavia Angelina, sarne.
Barca ingleso Windsor Cuslle, fariuliade trigo.
Rafea nacional htarianninha, xarque.
lliica norueguense Henr.ch Binen, carvo. /
Barca norueguense Uux, carvo.
Barca norueguense Levingstone, carra*.
Barca sueca Camesen, varios geueros.
Escuna allemS Dernard Johan, vario- aeneror.
Lugar nacional Tigre, xarque.
Lugar porluguez n/od> FrWf'j*. varios gene-
ro;.
Patacho nacional Ara/, xarque.
Patacho hollandez Margaretha, xarque.
Patacho dnamarquez Thor, xarque.
Patacho hollandez Engelta, xarque.
Patacho hollandez Afiene, xarque.
Patacho sueco Amor, xarque.
Patacho americano Harriet G., graxr.
Fmportaco
Barca ingleza Bellress. entrada de Terra Nova
era 2 do corren te e consignada a Jolraston Pa-
ler C, manifestou i
Bacal bao 3.230 barricas e 3.000 meias or-
ilun.
Barca norueguense Mua, entrada de Ham-
1urgo em 31 do passado- e consignada a Medei-
ros In nfestou :
Alpiste !(Ksaceos a Domingos Cruz s C.
AriTX |0 urdem.
AlcatrS i so I, i baffa a J. A. da Silva Sanios.
Balancar I eaixas u Viauna Castro i .
Barras ferro ;i e 78 feixes a> Miranda i
Souza, 188 i: 330 a Forrcjra Gaimartes i C
Cabos 2 tardos a Joaquim A. da Silva Santos.
Cimento 000 barris ordem. 200 a Wrsina
Cabera de Negro, 50 a Asevedo <- i,.. 300 a Af-
l'onso Oliveira \ C, 600 a Miranda & Souza.
Caetas 30 caixos a D. Cruz C.'
Cerveja 60 caixasaos mesmos, 100 a Reman-
des & traaos 103 a Paiva Valente 4 -., 100
ordem, 40 barris a Viauna Castro & C, 30 a Mi-
randa 4 Souza.
Carvto de pedra I" toneladas ordem.
Frascos vazius 25 grades ordem.
Fogos de salo 1 caixa a Vianna Castro 4 G.J
2 ordem.
Genebra iOOcaixas Fernandes 4 IrmSo;.
Do dia I
dem de 3
00 a r-.;v.! Valente & C 23 a Soarcs 4 Fer-
nandes, 23 a Silva Marques 4 C, 30 a Donin
'M- Iferrcira ila Silva 4 C. 73 ordem. Garra
les vatios 450 a Souza Basto. Amonio 4 C,
.'K1;; Feniauks 4 Inuos, 000 a Paiva Valente
.oiica 63 grades a Joaquim jarte Simes &
C, II i"30 barricas ordra %
M,-binas de cu.-iuia 13 volumes'a Miranda &
Souza.
Pinenia ::!) sa-os a Domingos Cruz 4 C, 10
n Dominaos Fi-i:i-,ra da Silva 4 C.
Prego* '"' i; 'Miranda 4 Souza, 100a
Pan-ale *"i i u i C.
I hosj.boivs 40 euixoes a Ferreira Rodrigues tt-
C. i" i Botmigos Cruz & C, o> a Fernandes 4
khiaos, 10 a Soares Fernanoes, 10 a Silva
Marques & C, i() a Souza Basto Amoriin 4 C, 10
a Inaquini Fencin de Carvaiho 4 C, 10 a Fer-
oaiides da Costa C 20 ordem, 10 a Prente
Viauaa & C, 10 a .Nuiles Fonseca 4 C, a *f-
l'onso Olivi i C, 5 a .4. D. lama 4 C, 20 a
Joaquim Duarlc Shioc.- 4 C. I'apel de erabru-
Ui# 200 fardos a Fernandes I raos, 30 a A.
Oliveira 4'C, 4i a l'aiya Valente 4 C, 98 a
Soares 4 rVrnondi*s. MW ii Silva Marques C,
:2 u Domingos l-'eru-ira da Silva & L- 97
ordem Do uia l
Sag 33 garraf;-s ordem. dem de
Vi'l'as 4 grades a Dv.mingis Ferreira -la Silva
c*C. Viilr,- 20 barricas a JoaqBu Duarte Si-
mes 4 companhia.
Surdez
Urna pessoa cora la de 23 anuos de surdez e
zumbidos nos ouvidos por ura remedio simples
enviar gratuitamente a deseripc/io a quem o
desejar. Nicholson S'go del Estero 1200Bue-
nas- A y res.
tienda imvmaal
Do da i Q89877
Idera Je 3 2.63;%8 -
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteir trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
'Consultorio e residencia rua da impe-
ratra n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da :;a.iJia.
'.'llamados (por escripto) qualquer hora.
telephxe K. 226
E-.sjorco
RsciKt I d:: Jcxno de 1889
i um o exterior
No vapor iaglez llelemier, carregou: ' Kara Liverpool, *(1. p. de Lemos 10,000 kilos
de pao brasil.
No vapor frwtcex EqsuUtur. cirregoo :
Pa: B '' Marques 1 tueco cun 30
jtM) cocos, fiucla.
No vap : fraucci Xeitli, carregou :
Para Buo Ayrcs-. J. Lopes de Barros 20,0^0
cocos, frncu
Para Montevideo, J. L. de Barros 10000 coco*,
fructa.
rara o inteitor
No vapor ingles Commanucath, carregou :
Pura Hio de Janeiro, J. 11. loxwell 112 pipas
com 33,760 litros de aauan.'ente.
No paiacho norueguense Scenlrup, carro-
garam :
Para Pelotas, Maia 4 RezeodC -10 pipas zom
14.400 lijros de agurdenle.
Na barc ra Vid ria, carregou :
Para Mossor, F. L. Machado Hamos 2 barricas
com 120 kilos de assucdar refinado.

Stcji itiacatos paMicos
HEZ n MAIO
Alfandega
13.80&346
:>.363>263
13:169>61i
Somma total
Segunda scelo da .Ufaudega.
1889.
3 62783
48:7'.i7i36
3 de Jnlio de
thesoureiro Herein-io Domiugues.
chefe da seccio Cicero B. de Mello.
R'cerMj*loi"ia Clcral
i:37U0IJD
1 030f:ti0
2.OU390
Heecicdorla provincial
Do dia 1 38786
dem de 3 1:89I12
1:3275898
Recife Drainage
MC39S
oil>93
364500
Meriaiu Muuirlpal de *. Juuv
O rao\imento deste mercado nos.dias 1 2 de
Junho foi o segunlc :
Entraraui :
83 bois pesando 11,491 kiio.
238 kilos de pvixe a 20 ris 3160
33 cargas com farinna a 200 ris 7*000
3 dilas ilefructas diversas a 300ris 1*300
22 laboleiros a 200 ris .44400
i'i sumos a MO ris 84800
17 in.utos '-11111 lee.-ae.-: a 200 ris 34400
i-'oraili occopaos : ^
61 columiiaia 000 30i600
2 escriptorio a 300 r,'is 600
:i .-1 iii.artinientn- le ia'inliaa30o
n-.s 254000
43 iidn- !e comidas a 300 ris 2*300
178 ditos de leguuiese l'uzendas a 400
res .
os de sumos a 700 ris
ir ditas de Eressuwa a 600 ris
90 laltios a 24
714200
234800
9600
1804000
400S560
P&ecos do dia :
Oarne verde de 200 a 480 reis o kilo.
Carneiro de720 al*, reis idem.
Sainos de 3t a 640 reis idem.
Farinna de 300 a 720 reis a euia
Milho de 800 a 980 reis dem.
Fe;jao de 14600 a i#O0J idem.
--
Matadonro pcihllco
Neste estabelecimcnto foram abatidas para o
Lconsumo de hoje 93 reies pertencenl
sos morchantes.
* Vapores a cairar MEZ DE JUSHO
Norte.. ...... Fiwmce...........
Europa ...... .Vr.V............. i
Norte.. ...... Minis........... 6
Sul... ......Kdvance........... 6
Europa ...... Yille de Rosario .... 6
Sul..... ...... Pernambuco....... 7
Sul..... ...... Cometa........... 7
Euroea ...... Tugas............. 8
JUl. . ...... Tin.t............. o
>ul.... ...... Ville de Perunmbuo lo
Norte.. ...... Maranho ......... 14
Sul... . 17
Europa . ...... Tamur........... 22
Sul.... ...... Ij% Plata ......... 23
Norte... ...... Espirihi Santo..... 23
.-ul..... ...... Para............. 27
Vapores a sabir
MEZ DE IL'KHO
Santos c esc . Finaiue ........ 4 as 4 h
Montevideo .. Nerthe .......... 4 as 3 h.
Cear e esc... Jagwirib'..... i as 3 h.
Sul.......... Ifaivios ......... t as 3 h.
Norte........ Adivine?........ 7 as 3 h.
Norte........ Pernambuco..... 7 as 3 h.
Santos e esc. Ville de Ros trio .. . 1 as 12 ti.
Buenos Ayres. Toga........... 8 as 2h.
Movimento lo porto
Navios entrados no dia 2
Liverpool e escala 18 dias, vapor inglez Voto*,
de 2.51o toneladas, commandwnte \V. Waddi-
love, eiuipagem 97, carga varios gneros; a
Wilson Sons 4 C.
Buenos-Ayres e escala10 dias, vapor francez
Equaieur,de 2,482 topeiadas, c> Moreau, equipagem 127. ca-a varios gene-
ros ; a -Augusto Latidle.
Navios sabidos no -. nao dia .
Valparaizo e escala -Vapor inglia i'niosi. cem-
mandante W. Waddtlove; carga vanos g-
neros
Bordean^ e escala Vapor l'runcez Jiquateur,
coinuiandaute Moreau; carga, varios gneros.
BarbadosBarca uoruogucuse Regia, capiloT.
Duns; em lustro.
Barbados -Patacho americano llmr,et (',.. era
lastro.
Nucios entrados no dia 3
Te.-ra No\a-*S; dias. barca inglesa BeHress de
373 toneladas, capitao Archibald Serricc. equi-
pagem 11, carga bacalho ; a Johslon l'ater
4 C.
Bahia e escala 9 dias, vapor nacional $ Fran-
cisco de 32 toneladas, eoimaodaote Joaquim
da Silva Pereica, equipagem 30, carga varios
gneros; Companhia Pernambucana.
Baltimore40 dias, lugar ;a;n3ricano Gertrudcs
L. Trundy de 461 toneladas, capUo John
Davis. carga farinha d Machado Lo-
pes 4 C.
Sonido no
Rio Grande do Norte
Natal, mestre Jo
varios-gneros.
.


1


s

i
\
I i



Diario de Pernamb|kH)Ter^a-feira 4 de Junho de 1889

i
1
i:*po*s!co Universal de 188
"Segiinflo nos escrevem nos-
sql correspondent s, os Srs. Atnde
Pricce & C, o P.ivilhao do Guatemala
onde ees aoabatn de organiaar urna Bala
de leitura de todos o principaes joraaes
das Amerceas do Centro; do Sul, das An-
tilhas e do Extremo-Oriente urna cons-
truccSo de madeira muito bonita.
Este pavilhto adiase situado direita
da Torre Eiffel, pe o lado dircito e de-
fi-onte da parte errata! do alacio das Ar-
fes Liberaes. Est perto de todas as sec-
c3es das Repulo! cu- Americanas- e do Im-
Eerio do Brasil cujos riquisainos palacios
So de constituir, por se.tn duvidk, urna
das maiore8 attrjecoes da Exuosicfto.
Aos nossos patricios recounnendamos
encarecidamente que visitem iio Pavilhao
de Guatemala a instaliacao dos nossos
correspondentes, Srs. Amde Prince &
C, devida ao obsequio do ilustre com-
missario gcral do Guatemala.
l
Dr. Molfo Gomes
Meo operador parteiro
I 3ua Larisa ;o rta^w *4
(POR CIMA DO JJRHSL DE ouro)
Onde lera en*;Itorlo e resi-
dencias poden.'o ser- encontrado e
qualquer hora I I
i. 1 '
I
recchendo chamados
do dia c da noite.
Especialidades: partos, febres,
tias de seohora
em peral, cura
races di- estreitainentOo v. u..^ uu..
mentos da uretra. I
Acode de prompto a chamados para (
fra, a qualquer distancia.
Telephoue a. 374
: partos, febres, moles- J
is e des palmos, syphilis IJ
rpida e complot e ope- < |
lamentos e mais soffii- >
Elixir Cabera de Negro
Com esta pigraphc B a indicago capciosa,
questo resolvida, pnbtii aram Kermes de Souza
Pereira 4 C., Succe-soros, una certido da Io-
spectoria de Hygiene d'esta provincia, no sen
tido de terem alcanzado ceiicapara manipu-
lar e vender o nrep irado denominado Elixir Ca
beca de legro de que sao proprietarios.
Esta liceoca prova nicamente, que os Srs.
Herraes de Souza Pereira diram e obtiveram appmvaco para um elixir
que estao preparando, orno feriara ohtido para
um viuho de jurubeba ou rousa semelhante.
Nao prova absolutamente que seja de sua pro-
priedade a formula de Di. Sania Rosa a que se
refere a lirenca concedida ao pharmaceutico
Pedro de Suu/.a M'-nczes.
Retirando me hoje para Europa com minlia
familia no vapor EquatAtr e nao tendo podido
despedir-me pessoalutente de lodos os amigos e
pessoas de miaba amisade, o faco pelo presente,
offerecendo-fnes os meus limitadog prestimos em
Pariz.
Deixo encarregado de todos os meus negocios
commerciaes ao meu irmo Benedicto Goetschel
e Joo Benigno da Silva, e dos forenses ao meu
advogado Dr. Henrique Augusto de Albuquerque.
Milei.
Redfe, 2 de Junhode 189.
Eugenio Goetschel.
Advocaeia crime
RIBEIRO DA SILVA, defende penante o-, (
( ) jury de Palmares, Agua-I'reta. Gamelleira, t)
j ) Eseada, Jaboato, Nazareih. Victoria, Tim- j
{ ,-bauba e as coman-as visinhas as vas
i ferreos.
Pode ser procurado ra 1
| n 7 A. -Livraria Parisiense.
de Margo'
-SJ
.\. so
Rate, pon.;: tif4>r(b
Apenar dn vigor-e promplido com que a Sal-
saparrilha de BnStol, hioa contra as molestias
:- utais |*4 m',;i ..!,s, com lodo a sua acySo
iitiponenrei) vi g:t un. eminente
mente cara -rli:i ;*ii ilfto S achara
desvirtuilisadas por u'Bliuma .-ubstancia mi-
neral.
Pode-*! administrar com lo la a segara cica
enancas volturas deluad.-. que iiadecem
as luotc-'tias e desordensinher-utesuo.^cu sexo.
e achara^ qoe a nico remedio para eus pa
decimentos e debilidade.
Todas as snaa tendencias sao salutferas.
Abre o apetite, fortifica o estomago, regula o
ligado e o ventre, cobre o corpo magro e exte-
nuado com carnes novas e firmes, da lom aos
ervos, refresca os msculos, d elasticiade ao
corpo e suavisa o espirito.
, Basta dizer-se que dentro do espago de 35 an
nos, nunca constou que falhasse nina s vez no
curativo das enfermidades ulet rosas e erupti-
veis.
Acha se venda era todas as principaes boti-
cas e lujas de drogas.
Dr.
Oculista
Barreo Sampaio, medico.
^
lo publico
Constando que o Sr. Bernardino Gomes de
Carvaiho quer negociar o ongenho Aracuagy,
previno em tei>po a s interessados que as obras,
machinas e utensilios do referido engenhn st5o
byputhecados a mira. Recife, 23 de Maio de
1889.
Joo Caroeiro Rodrigues Carapello.
enlloca, ex-chefe de clinica do
Dr. de Weckcr, d consultas de
mei- dia s 3 horas da tarde, no
1 andar da casa n. 51 ra do
Baro da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Sctein-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade u. 25.
Eslreitaiiieiito da urethra
Ao Hlm. fir. Dr. Carlos Bettcn-
court
0 abaixo assignado vera pelo presente agra-
decer ao dislneto esaeeialiata Dr. Bottencourt a
importante openfito que be praticou n'um es-
treitamento da urethra que o acabrunhava ha
mais de dous annos Vendo as imaiensas curas
leitas per este Ilustre doutor re-olvi me a pro-
cralo no seu consultorio, onde fui ha dias ope-
rado pelo electrolise, aps cujo tra'.amento adi-
me perfeilamente cuiado
Recife, Maio de 1889. -
jMfWM i.fmiio da FOHieca Galcuo.
----------v
Cirurgio Dentista
DR. R0BERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas ota 10 s 4 horas da tarde.
O Sr. Dr. Luiz de Araujo
Tcnho erapregado em minha clnica
o Peitoral de ambara, do Sr. J. Alvares
de SouzaS oares nos casos de molestias
broncho-pulinonares, colhendo sempre re-
sultados muito satisfatorios.
Posso inesmo, em virtude desses bons
resultados, garantir a efleacia deste me-
dicamento, principalmente quando estas
affeccSea tiverem tomado o caractir de
chronicidade.
Isto verdade e o juro soba fe do irteu
grao. y
Anta (provincia do Riode Janeir> ,
de Agosto de 1888.
Dr. Luiz Jos deAraujo Fho
, MEDICO HOMEPATA
\\)\. Balihazar da Silveira
18
Frederico Chaves Jnior |
HomOepatha Jjl Espec.alidade-febres, molestias jj
ICA BARO DA VICTOIUA39; ( / das criancas, dos orgaos respirato- C|
39 R
M
Primeiro andar
Aguas alcalinas mineraesde Mon-
dariz em Ponexulra, na Hes-
panha
BSPEOAIJDABES
para molestias de estomago, taes owno : dispep
sia gastralgia, catharro chronko <1, estomago,
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, toes ron enTarU-
cento do Rjjado, ictericia, clculos bilia., iliai-
,-ha chronica, etc., etc.
Molestias das viaa urinarias, taea como: tiias-
cses"uricas, catlnfO vesical, diabetes sacarina,
aibumiiiuria e gotta. .
as anemias, chiorosis, psoriasis, prumgos.
Iflres artriticas e muirs muitas molesiias.
\s aguas alcalinas de Mondariz nascem de ro-
chas granticas na temperatura de 180 centgra-
dos, sao claras, incolores aouco aos de ovos cosidos, saber lcali.o. pro-
duzindo um ligeiro sabor picante na occasio de
lomar-se. Ellas sao classiicadas no numero
das alcalinas e bi-ca-bonatadas de soda.
Estas aguas achara se venda no estabeleci-
mento do Sr. Antonio Aonso Simes, sito a ra
Viscoode de Goyauna u. 1 (quatro cantos), em
Ba-Visla, e no cscript3rro do Sr. Jo&o Ramos
-na Praca da IndJpenlecia n. 11.
rius e das senhoras. /1
Presta-so a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos phannacia do Dr. Sabino,
ra do Barao da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Dr. Firmo Xavier
Medico e operador
D c: insultas das H as 2 horas em seu con-
sultorio ra da Imperatriz n 30 1 andar e
tem sji-i residencia na Cidade do Cabo, onde po-
r procurado das o la tarde as 9 da manna.
Bacliarel Antonio Witru-
vio Pinto Bandeira
Poile sv procurado a ra do Imperador
n. 71, i' andar
j
L
EXPOSITIOU UNIVERSAL DE 1889
Segn nos escriben nuestros correspon-
sales, los %m Amde l"ll1 y C
el Fubidlon de Guatemala, en donde han
organizado un gabinete de lectura de los
principales priodices de las Americas del
''entro, del Sud, de las Antillas y del Ex-
tremo-Oriente es una construccin de ma-
dera, de las inas lindas.
Est situado dicho pabelln a mano
dereelia de la Torre de Eiffel, del lado
derecho y en frente de la parte central
del Palacio de los Artes liberales. Se en-
cuentra a proximidad de todas las seccio-
nes de las Repblicas de las Americas y
del imperio del Brazl, quienes hau e ins-
truido palacios que rivalizan de riqueza, y
que sern una de las mayores atracenmes
de la Exposicin.
Encomendamos particularmente a nues-
tros compatriotas que visiten, en el Pa-
beUonde Guatemala, b instalacin que han
hecho nuestros corresponsales, fl'S. Am-
de Prince y C gracias a la amabili-
dad del seor comisario
tmala.
ingas
Eln
Como passaS; nimba amiga?
Vou indo baetaute adoeotada ; lia al-
guns dias que vnjo amentada por
urna forte to-- pra.
Ora, 8so 6 cousa que nao te deve
ilar cuidado, prine'j'-a.mente se tomares o
Peitoral de Cambar, de S. Soai-es, que
o melhor remedio para a.-, enfermidades do
oeito e aquelle que mais promptos resul-
tados opera.
O Peitoral de Canbar vende-se em
casa dos agentes Francisco Manoel da
Silva 4C, a na Marqutz de Olinda
n. 23 e a* prineipaos pharmacias e dro-
garias da capital.
| 4." O deposito, a que ajltfi3&;re o pa-
ragrapho antecedente, nao sera retirado
pelo contractanto senao rindo o contracto e
servir de caufSo para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
5. O contracto so peder ser feito
com quem melhores vantagens offerecer
na concurrencia.
^ 6." A nSo ser no caso do paragrapho
antecedonte, a actual empresa nao te
preferencia a qualquer outro prominente.
7.o O novo contractante sera obngfl
doa indemnisac2o, a que a provincia 6
sujeita por forga da clausula decima ter-
ceira do contracto em vigor, devendo dita
indemnisa ;"i ter lugar de accordo cora
essa mesma ciau^ufa, o ficando o material
e obras da empieza hypothecados pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
sacao ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
| 8. O prazo do eonhv.cto nao poder
exceder e '! annos.
y. Opre.co da iiluiuinacao, quer publi-
ca, quer particular, nAo podcrl exceder de
''O r8 o metro cubico de gaz, fazendo-
H nina rediu:r;;\o de mais de 50 "0, para
os estabeleciinentos de caf'tdhde e benefi-
cencia, e repartiooes publicas.
10. O systema mtrico, si fr mais
conveniente, ser adoptado para a medi-
cad do gazA
11/ A IVz ser clara, brilhante c isenta
de substancia* estraubas, que possam pre-
juaicar a UuminaeSo e a hygienc publica.
. 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a de dez velas de espermacete'
das que quoimom sete grammas por hora,
correspondentes a 120 graos mglezes.
| 13. As horas de illuminaco publica
sero fixadas pelo presidente, da provincia
no principio de cada anno, nao pedendo
ser em numero menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste cas haver unfc
reduccao no prejo do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
| 14. O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questoes que
se 8uscitarem, quer com o governo,
quer com osjparticulares, ficando su jeitos
todos os seus actos s leis e regulamen-
tos e jurisdic9ao dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos dopaiz.
| 15." O contractante ser obrigado a
colocar e construir sua custa um ou
mais gazmetros, se houver necessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os nielho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
16. O pagamento da illuminaco pu-
blica e particular ser feto cm moeda do
paiz, sem attenc&o oscillacao do cambio.
| 17. O contractante poder organisar
companhia, a qual ficar subrogada em
todos os direitos e obrigacoes di con-
tracto.
18." Para as despezas cem a fiscali-
saco do servico de illuminaco o contrac-
tante concorrer annuaimente com a quan-
tia de 3:0005000, que serao recollndos ao
Theouro Provincial.
19. O presidente da provincia csta-
belecer as multas e mais condicoes, no
intuito de garantir a boa execuyao do con-
tracto, quer com relacao a illumincao pu-
blica, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7o cima citado, a
quantia de 994:917^528, de accordo corr
a avaliacao feita pelo arbitro desempata
dor em 18 de Marco ultimo, visto deduzir-
se da de 998:7770528, total da avaliajSo,
a importancia de 3:860)5000 paga em-
presa em 1860, proveniente de 202 canos
de ferro, 5 columnas e 5 bracos com lam-
peSes, collocados fora do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel Joaqun Silveira.
general de Gua-
EDITAES
5.a seccSo. Secretaria da Presideucia
de Pernambueo, en 29 do Abril de 1889.
Por esta secreta] a *o 'az publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vicc-presidente
da provincia e nos termos do | 2o do art.
Io da le n. 1,901 de 4 de Junho de 1887,
3ney tendo-se concluido por meio de laudo
e arbitro desempatador, a questao de ava-
liacao do material da empreza de illumi-
naco gaz desta cidade, fica aberta
a concurrencia, com o prazo de seis me-
zes contados da data do presentefcdital,'
para contracto da dita illuminaco, me-
diante as seguintes clausulas da citada le:
8 3. Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da quantia de 25:0000
em dinheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitacao do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
Empreza do Gaz
Aviso
A empreza de illuminaco a gaz desta
cidade por seu gerente, tendo visto no
Diario de Pernambueo de hoje a publica-
cao do edital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracto da illuminaco mediante as clau-
sulas no mesmo enimciadas e servindo de
base para a indemnisaeJo da empreza
actual a quantia de 99tt:777-Vj28, por
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patador as obras da mesma empreza,
quantia essa que dever ser paga pelo
novo contractante, vem pelo presente
aviso, e para evitar duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliagao nao pode servir
de base para tal indemnisacSo, por ter
sido illegal e irregularmente feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
peante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer pervintc o juizo dos feitos da
fazenda, tendo r-,/> intimado do mesmo
protesto o Dr. v .curador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da provincia.
E como quer que deva cm tempo op-
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, deliberou fazer a
presente publicaeiio para .scieneia dos in-
teressados.
Reeife/lde Maiode 188>.
Gtpfge Windsor, Gerente.
5a seccSo. Secretaria da Pge-
ideacla de feraambuc em 3
de Juubo de I SSO.
Por esi i a se Bu publico, Exm. Sr. Hce-presideote da provincia, em addi-
tamento ao edital de 25de Ma:o ul'im. que do
tlieor seguate a integra do art. It de 11 de Agosto de W85 a d lei u. l'J72de S2
de Margo d este annp.
Art. id Fica i itv da prometa autori-
saa i commerejante da praca
do Recife. Jos da >il\.i l.nju Jnior, ou com
quem melhores untageos ofurcer a fundacoe
exploraco b'CbU provincia, oequatros enceahos
centraes com eaaacidade para safrejar cada um.
de 25 a 3 milhoes de kilogrammas de canna,
sendo cada qual do costo de 600:000$, ou. oito
cora fcapacidade para safrejar cada um de 12 mi-
IhOe e 300 mil a 16 milhoes de ktlgrmraas de
canna, sendo n'csUhypoUleseo custo de......
300:000*, sob as sefcuintes cobdic"
1" A provincia concorrer com aquanla de
200:000* nobrimeiro caso e de tOO.OOO no >e-
fundo, em apolices do juro de 7 /" para cada um
'esses engenhos sendo os juros pagos ao porta-
dor pelo preponente ou por quem tomar a
estabelecirapnto dos referidos
luidos ao Thesouro no fin di cada semestre.
* O pasamento ser feito pela provincia em
duas prestaces, a primeira quando forem apre-
sentados o conhecimento do embarque, factura
e apolice do seguro dos materiaes. cujos docu1
mentos sero endossados a ordem e flearao em
poder do Tnesouro Provin^al, em caugao da
qupntia que receber o contractante, a segunda,
depois que se acharem os mesmos materiaes no
local em que for estabelecida a fabrica.
3 A provincia ter hypotheca sobre todas as
fabricas, para garanta de suas apolices, sen-
tando, porem, durante 10 annos, o asfucar n'elles
fabricado do imposto de exportacao e outros
qualquer provinciaes ou iDuiiicipaes que exis-
lam ou forem creadn< po*teriormeiHe
i" A ftroviutti iera dnrmitrn ohni- urn en
genfieno IfcjaJ por *:.: wnead i, .-ujo ordenado
sert p.iio |ivio uro r quem o sub-
S'ilinr.
"' A am ihr w(.f feita a.ra-
?.ao ile lo ', i r do anuo se-
guile ao -iu que ti eivm :oiuecado-A trabalbar
os referido; engenlios, licando livre ao propo-
Dente Odvito o' fazei maior amortisaco, se
assiiii llie eouvii'r.
Far-se-h.i uma emUs&o de apolices enm i r.taa-
sula de seren rescatadas annuaimente c po sor-
teio.
6a O i-oniicliiiiie nao poder fazer cesso de
sen coutravio seao a agrieal(o;s.
1* ti propuneiite ou .|Uem couiractar.er obri
. ;ipiv-, niara,, preiidenie da provincia urna
planta des apparelhos cu ni^chinismos mais
ap rfeijoados destinados aos engenhos, a (juais
serappr -la depois ile ser examinada por
urna commissio de en-enheiros, nomeado pelo
mes-mo nresi lema.
8.* O Contratante dar anualmente no The-
souro Provincial llanca dos juros que tiver de
pagar provincia pela einissao applicada das
apolices aos e-ijenhos cenlrues. *
Lei u. 1972.
Iiiiiocencio Marques de Araujo Goes, hucha-
rol em sciencias jurdicas e sociaes pela Facul-
dade do Recife, deputado Assembla Geral
pela provincia da Baha e presidente da de Per-
nambueo :
Fago saber a todos os seus habitantes que
a Assembla Legislativa Provincial decretou e
eu sanecionei a resolueao seguinte :
Artigo nico. O pagamento da primeira pre-
stadlo de que trata o n, 2 do art. lo da lei pro-
vincial n. 1,860 de 1883, ser feito tambera
Cuando for apresentado ao Thesouro Provincial
o contracto de compra e venda dos materiaes,
devidamente legalisado.
1." Esse conira :to ser |>or escriptura pu-
blica, em que o vendedor dos materiaes garan-
ta, ao concessionario com hy,.otheca convencio-
nal de bens a entrega dos apparelhos na poca
ajustada ou com iianca equivalente primeira
preslaco paga pela provincia.
2." Ficar a provincia subrogada as ga-
rantas do concessionario. que assignar peraute
o Thesouro Provincial termo de responsabilida-
de firmado tambem pelo vendedor como abona-
dor d'aquelle.
3." A amortizaco da>apolices de que tra-
ta o n. 3 do art. 46da referida lei, ;-er feita an-
nuaimente e por sorteio razo de 3 por cento,
e principiar duas safras depois d'aquella em
que a fabrica central houver principiado a tra-
balhar.
4." Qur os contratantes, quer as fabricas
centraes ficarao isentas de quaesquer impostes
provinciaes e municipacs, exceptuados nica-
mente os de exportago, emquanto nao forem
eliminados do orcamento provincial.
S2o revogadas as disposices em contrario.
Mando, portaoto, a todas as autoridades a
quem o conhecimento e execucau da presente
resolueao perteucer, que a cumpram e facam
eumprir to inteirament" como n'ella se con-
tera.
O secretario interino da presidencia da pro-
vincia a faca imprimir, publicar e correr.
Palacio da presidencia de Pernambueo, 22
de Marco de 1889, 68." da independencia e do
imperio.
L. S. Innocencia Marques de Araujo Goes.
Sellada e publicada a presente resolueao
n'esta secretaria da presidencia de Pernambu-
eo, aos 22 de Marco de 1889.
(Assignado secretario Interino, Manoel
Jooquim Silveira.
O secretario interioo,
Manoel Jo'iqnim Silveira.
5.a terro.Secretaria da presiden
cia de Pernambuc-o. 95 de Halo
de ISH!
Por esta secretaria se faz publico para conhc
cimento dos interessados, que tendo o Exm. Sr
vice presidente da provincia considerado sera
effeito, por portara de hoje, a concurrencia aber
la pelo edital de 20 de Abril ultimo, ao qual se
refere o de 3 do correte, para a fundaco oe 11
ensenos centraes, de conformidaoe com a le
n. 1971 de 22le Marco deste anno, visto que a
publicando do edital de 4 do corrente, reduzindo
a 30 dias o prazo de 90, marcado no de 20 de
Abril, nao acompanhou o deste, dando lugar a
reclamacoes. tica aberta nova concurrencia, com
o prazo de 30 dias, contados da data do presen-
te, para aquella concurrencia, observadas as dis-
posices do ari. 16 da lei u. 1860 de 11 de Agos-
to de 1885 e a lei n. 1072 de 22 de Marco deste
anno.
O secretario interino
Manoel Joaquim Silveira.
&,' ereo.- Mccrelaria da presiden-
cia d Pernambuco.3 de J i. mi o de
I***
De ordem do Exm. Sr. vicepresidente da pro-
vincia, sio convidados os cdados que apresen
taram propostas para a fundaco e um enge-
nho central detypo menor no municipio de Ipo-
juca. de conformidade cora o edital de 4 de Maio
ultimo, cujo prazo findou hoje. a comparecerem
ainauha, 1 hora da tarde, no palacio da pre-
sidencia, para assitirem a abertura e leitura
das mesmas propostas.
0 secretario interino
Manoel Joaquim Silveira.
5.1 Kccco Secretaria da presiden-
cia d Pernambueo, 4 de Maio de
1*8.
Por esta secretaria se faz publico, de ordem do
Exm. Sr. vice-presidtnte da provincia, que, ten
do Candido Dias, agricultor e proprietano agr-
cola, residente noengenho Guerra, do muuicipio
de Ipojuca. requerido que cora elle se contrete
a fundaco de urna fabrica central de typo me
or no dito engenho. lica aberta a concurrencia
por espaco de innta das, contados da data do
presente edital, para o lim exposto, mediante as
condicoes estipuladas no art. 16 da lei n. 1,860
de 11 de Agosto de 1885 c lei n 1,972 de 22 de
Marco ultimo.
0 secretario interino,
ManoeltJoaquim Sdvcira.
Compaahia Santa Thereza
Abastecedora d'agua e saz a
cidade de olinda
Sao condvidados os Srs. accionistas a se rcu-
nirem em assembla geral ordinaria no dia 8 do
mez seguinte, afira de julgarem sobre ;.s con
tas do anno lindo, ouvirem a leura do relato-
rio, e resolverem sobre a piopojta da directora
no sentido de ser levan lado ^in eoiprestimo
para a* construccao de obras nova.-. A reunio
se effectuar ao meio dia ao es Tiptorio da Corn-
panbia de Trilhos l'rhanos, na ra da Aurora
Recife, 2i de Maio de 188-J.
JftM Ferreir Baltar
* Presidente da assembla gera
Instituto Benelicenle dos Ofcaes
da Guarda \ acin a I
De ordem do Illm. Sr. presidente, convido aos
senhores socios a compan-cerem em nossa sede
nos dias tercas feiras, s 7 horas da noite, afhn
de receberem seus diplomas, dentro do prazo
de 60 dias, a contar da data do presente, como
determina o art. 13 | 6o dos nossos estatutos ;
Ibando sem direito algum aquelle, que dentro do
mencionado prazo, nao o procurar.
Secretaria do Instituto, 18 de Maio de 1889.
0 1 secretario,
Gaspar Antonio dos Reis,
Thesouraria de Fazenda
Fornecimento ao presidio de
Fernando
De ordem do Illm. Sr. inspector, fago publico
que no dia 6 de Junho prximo vindouro, pe-
rante a sesso da junta desta Thesouraria que
eomeear s H horas da manh, sero abertas
as propostas que at o dia anterior (3) forem
recebidas. atiui de ser contractado, com quem
melhores vantagens olTerecer, o fornecimento de
gneros e ai ligos para o presidio de Fernando
de Noronha. durante o semestre de Julho a De-
zembro ((este anuo.
Kssas propostas devem vir devidamente sel-
ladas e fechadas ; e os proponentes requerero
previamente a esta Thesouraria provando que
sao negociantes matriculados e se achara qui-
tes relativamente ao imposto de industrias e
profisses do ultimo semestre, e declarando que
se obrigam a entregar os referidos gneros e
artigos no mencionado presidio.
Outrosim, nao sero aceitas as propostas que
cotitiverem artigos nao mencionados neste edi-
lal; era tambera aquellas cujos presos estive-
i era sujeitos aabatiraeni ou descontos. por isso
que os raesmos precos devem ser invariaveis.
Os preditos gneros e artigos sao :
Assucar mascaviuho, kilo.
Ano/, pilado, dem.
Assucar branco reliuado 1* sorte, dem.
Aletria, dem.
Ararula, kilo.
Alcoo'l de 36 a 40 graos, litro.
rame, kilo
Agua taz, litro.
-Algodo trancado azul e msela, metro.
Ac quadrado ou milo. kilo.
Azeite doce, iitro.
Algodaosinho, metro.
Ailgodo trancado de listras, dem.
Agulhas para contaras, papel.
Arcos de Ierro sorlidos. feixe.
rame de lalo, kilo.
Arithmelica de Castro Xunes, una.
BotOes de osso om dous furos, caixa.
Barbante, kilo.
Boi vivii. um.
Hacalhu. kilo.
Banha de porco, idera.
Urira pardo de algodo. metro.
Cha hysson, kilo.
Cal em grao, dem.
Copo de vidro, um.
Camisolas de hrira, idem.
Ditas de algodo, idera.
Ditas de forca, idera.
Garri de pedra para fcrreiro, kilo.
Cartas de A B C, urna.
ColleccSo de traslados, idem.
Gordas de croa, peca.
Cobertores de 15 encarnades, um.
Diios de d'.a i curas, id
Cabos de Manillia, kilo
Cabo para enxada, um.
Chapeos de baeta. um.
Cabos de Cairo, kilo.
Colla da Baha. dem.
Cobre em folha, idem.
Caivete lino, um.
Cera branca em vellas, kilo.
Ditas em brandres, idem
Caetas de pao. duzia.
Cbamins patent, um
Cabo de linho de todas as diroenses.Hlo.
Doutrina Chrisl, urna.
Doce de goiaba, kilo.
Enxamels, um.
Envelopes in folio, um
Ditos para oflicio, idem.
Enxadas de 3 l|2e 4 libras, urna.
Esleirs de palha, idem.
Estanho em verga, kilo.
Esleirs de palha para*cangalha, urna.
Feijo sacca.
Fannha de mandioca, litro
Dita de trigo SSSF. barrica.
Dita de tapioca, kilo.
Flele de cores, metro.
Fumo em latas, kilo.
Folha de Flandres, urna.
Facas de ferro, duzia.
Ferro inglez sueco sortido, kilo.
Fios de vela, idem.
Grammatica portugueza de C. Nunes, urna.
Dita de Abilio, idem.
Geometra, idem.
Geographia, idem.
Gomma laca, kilo.
Gomma arbica em po, idem.
Dita em caroco, idem.
Giz idem.
Hostias, urna.
Historia do Brazil, idem.
Incens, idem.
Kerosene, lata.
Lcnces de algedo, um.
Lacres, pao
Lixa esmeril, folha-.
Limas sordas. duzia.
Ditas de desbastar, urna.
Limates sortidos, idem.
Lapis de borracha, duzia.
Ditos de Faber pretos, idem
Ditos de carapina idem, duzia.
Linha branca n. 20, carritel.
Lenges de linho, um.
Limates e limas sortidas, caixa.
Lapis de cores, duzia.
Livro 1. de leitura, um.
dem 2. de leitura, idem.
dem 3o de leitura. idem.
Manteiga iogleza, kilo.
Manleiga franceza, idera.
Maniielada, idera.
Manuseriptos, idem.
Mangaos de Ierro para carroga, um.
Macarra, kilo.
Hadapolao, pega.
Milito, sacco.
Oleo de linhaga. litro.
Marmitas de folha, urna.
Ocre amarello. kilo.
Papel almasso pautado fiume, resma.
Dito carto mata borrSo, folha.
Pedras para escrever, urna,
Paos de jangada para balsa, idem.
Ditos grossos. idem.
Paos para candieiros palent a gaz, idem.
I'alha de carnauba para chapeos, urna.
Pregos de ferro surtidos, kilo.
Peonas de ac l'erry. cana
regos Trance-es kilo.
Piche, barril.
Sabo amarello, kilo.
Systema mtrico, um.
Sola, meio.
Sal de coatBha, litro.
Tinta . Tinta preta, litro.
Toalhus de algodo, una.
Taboadas, idem.
Telhas dezinco. idem.
Vidrus para vidraca, um.
Verde enromo, kilo.
Vinagre de Lisboa, iitro.
Vinho hranec. idem.
Vinho do Porto, idem.
Vassonras de piassava, urna.
Velad stearinas, kile.
Xaique. idem.
Zarco, idem.
Thesouraria de Fazenda de Pernambueo, 2o
de Maio de 1889.
O secretario da junta.
Dr. Antonio Jos de Santa Anua.
Companhia de Edificaeao
Assembla geral extraordinaria
De ovdem da directora c em vista da resolu-
go ton!da em assembla geral extraordinaria,
hoje effectuada, na qual foi resolvida a conve-
niencia da liquidagSo da companhia, convoco os
senhores accionistas reunirem-se em assem-
bla ueral extraordinaria, no dia 10 de Junho
vindouro, ao meio dia, no escriptorio da compa-
nhia, praca Pedro 2 n. 77, 1- andar, afim de
tratarem e accordo cora o n. 5 do art. 5- da lei
n. 3150 de 4 de Novembro de 1882, dos meios
de liquidal-a e indicarem o que deve ser adop-
tado.
Previno aos senhores accionistas que em face
do disposto pelo | 4- do art. 15 da lei citada,
ha necessidade do comparecnento de numero
de accionistas que represente dous tercos do ca-
pital social.
Recife, 23 de Maio de 1889.
v Menezes
Gerente.
Secretaria da inwtrurrao publica, 31
-de Maio dcISf"
Praso de lo diai
N. 85.De ordem do Sr. Dr. inspector geraj
da instrugae publica, faco saber ao professor
Jos'Maria de Hollauda uateante, nomeadoW
virtude de portara da presidencia de 27 do cor-
rente para reger a segunda cadeira do sexo
masculino de Santo Amaro das Salinas, que Ihe
lica marca 'o o prazo de 15 dias, a contar da-
data da mesma, para assumir oexercicio da,re-
ferida cadeira.
0 secretario,
___ Vergentino Saraiva de Araujo Galvao.
Secretaria da inatruccao Publica
1- de Junho de "i SSO
Prazo s de 60 dias
N. 86. De ordem do Sr. Dr. inspector geral.
fago saber aos professores pblicos Manoel An-
tonio Leite e Manod Delfino de Medeiros Favilla,
removidos, o 1 por portara de 17 de Abril ul-
timo, para a caaeira de Jatob de Tacaratn; o
2- por portara de 25 do mesmo mez, para a de
Ouricury, que lhes lica marcado o prazo de tO ,
dias, a conlar da data da remogao, para assu-
inirera o exercicio de suas novas cadeiras.
O secretario,
Pergentino Saraiva de Araujo Galvao.
Thesouraria de Fazenda
Fornecimento Guarnirn
O conselho para o fornecimento de vveres aos
corpos da guarnigo da provincia e enfermarla
militar e forragens a cavalhada do destacamento
do 10 regiment de cavallaria ligeira, recebe-
propostas no dia 14 de Junho prximo futuro, s
11 boras do do d'.a, no quartel-geueral do com-
mando das armas; onde funeciona o dito conse-
lho. para contractar o alludido fornecimento du-
rante o semestre de Julho a Dezembro deste
anno.
Os gneros e artigos sSo :
Arroz, kilogramma.
Assucar branco relinado de i" qualidade, idera.
Azeite doce de Lisboa, litro.
Alfafa, kilogramma.
Assucar de 2a qualidade, idem.
Agurdente, litro.
Aletria, kilogramma.
Ameixas passadas, idem.
Araruta, idem.
Bacalho, idem.
Batatas ittglezas, idem.
Biscoutos, idem,
Banha de porco americana, idem.
Caf em grao, idem.
Carne de porco, idem. *
Carne de vacca com osso e sem osso, idem.
Carne secca do Rio Grande do Sul, idem.
i h verde da India, idem.
Cha preto da India, idem.
Cevadinha, idtm.
Cravos, cenlo.
Chocolate, kilogramma.
Canim, idera.
Caf uioid'j, idem.
Carvo vpgetal, sacco.
i'arvo cock, kilogramma.
Caetas de madeiras, duzia.
Carne de carneiro, kilogramma.
Enterro por cavallo, um.
Farinha de 1* qualidade, litro.
Farinha de 2* dita, idem.
Feijo preto, idem.
Feijo mulatinho, idem.
Fructas. ragSo (duas bananas oh urna laranja).
Farello ki ogramma.
Ferradura par.
Figos passados, kilogramma.
Frangos, um.
Gallinha, urna.
Gomma-arabiea, frasco.
Goiabada em lata, \ilogramma.
Lenha, acha e toro.
Leite de vacca, litro.
Lavagem de roupa passadaa ferro, pega, urna.
Lapis preto de Faber n. 1 duzia.
Macarrao, kilogramma.
Matzena, idem.
Manteiga ingleza de 1 qualidade, idem.
Marnielada, idem.
Milito, dem.
Medicamentos para cavalhada, numero.
>\os. um.
Pi. kilogramma.
l'hosphoros americanes, grosa.
Passas, kilogramma.
Pesas de jigo Perry, caixa.
Papel pautado fiume, resma.
Papel mala-borro, flha.
Queijo de Minas, um.
.Sal, litro.
Sanguisugas pela appJieejo de, urna.
Sabao comnium, kilograi ma.
Toucinho de Minas, kilo.
Tinta prela, garrafa.
Temperos e verduras, racp.
Tapioca, kilogramma.
Vinho tinto e branco. i;ro.
Vinho do Porto idem.
Vinagre tinto, idem.
Vinagre branco, dem. -'_
Vassorasde piassava -. iiea, dusia.
Vellas de cera, kilograi'.i
Cocdigues
1* Todos os gneros straoj de 1" qualidade, e
os fornecedores dever':c sutisfazer os pedidos
dentro dos posos mar. 'o nos respectivos con-
tractos, entregando > aesmos gneros nos
quarteis ou fortalezas e .enfermaras, e deposi-
tarse nesta Thesourarir. le Fazenda urna quantia
como caugao^ que ser :rbitiada pelo conselho
de fornecimento.
2 As propostas de* o conter a declaraglo
evpressa de sujeitar-se o proponente a mnlt".
de >"., da importancia me montarem os t-
veres oa artigos que forera .icceitos, se deixa-
rera de comparecer pa:i ,signar o respectivo
contracto, dentro dopr;,: ret for marcado pelos
joraaes.
3" pdenlo concoi:-" aos fornecimentos os
i .Jidatos que se habitarem na forma do art.
I- do decreto 11. 7.0S5 di-6 de Maio de 1880.
4* Da falta de liel cumprimento de qualquer
das obrigacoes contrahidas, os fornecedores fi-
carao sujeitos a pagar o valor do genero rejei-
lado ou nn recebidb em tempo.
3* Os concurrentes sao obrigados aaprfJsen-
tar as amostras dos gneros ou artigos que fo-
rem julgados precisos pelo conselho.
6" As propostas serao apresentadas em du-
plicata s 11 horas do referido dia............
em que alli sero abertas e apuradas em pre-
senca dos proponentes, sendo que na mesma
occasio se acceitaro propostas para a venda
de estrume dos animaes da comj>anbia de ca-
vallaria.
7a Finalmente. n n: :i rescisSo de seu contracto e forem atten-
didos licai'ao sujeitos mult, de 10 % sobre o,
o'.al do fornecimento do semestre anterior.
Thesouraria de Fazenda de Pernambueo, 28 de
H le tH8i).
0 inspector,
Manoel Antonio Cardoso.
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial,
na forma do regulamento de 28 de Maio de 1887,
publico para conhecimento dos interessados,
qs entro de 30 dias uteis impsprogavei3, con-
do 1 de Junho prximo, dar-se-ha prin-
por esta repartico a cobranga, livre de
multa, dos impostos abaixo declarados, de que
trate a lei n. 1881 ao i- semestre do
exercicio corren1 de ly-.
Recebeloria. l'rovn< -o Peraambuco, 23 de
Maio de 1889
, Franci 1 has de Carvaiho Moura-
3*0/0 multiplicad "per '(i -obre estabeleci-
raentos a retalho.
20 0,0sobn- ivo dos estancleci-
mentos industriaes desta cidade.
10 0 0 idem Mera idem fra da cidade.
2005000 por pessoa que ^mpregarcajlaesem
descont de lei:
1:000# por 1 ..ia de brinetes de
loteras.
12 0/0 sobre escriptorios, cartorios e cotjsul
torios. >
2#30' por tonelada de alvarenga ou cgna.
Decima urbana.
25 0/0 sobre a renda dos bens de raz pti
centes corporagoes de raao morta.
80 rs. por litro de agurdente ou aleo
Companhia de bombelros.


je
u



m



?-
i-
X.
PiariQ- de^ JRernambuco-r-TeF^feira 4 de Junho de 1889
'!>
THEATRO
Ouarta-feira, 5 de Junho
compaa m b. HorJORio palacios I
fEspectaculo em beneficio das obras do Passeio Publico
13. DE MAIO
P di|ctor do ClTOOiOhileoo tendo cedida obsequiosamente ura beneticio
para as obras do Passeio Publico, e se tornando difficil devido ao mo tempo que tem
rejnadp uestes dias realistir.no Ciico do Largo do Arsenal, resolveu dar urna funcclo
escolhida no scenario o Theatro Santa Isabel constando dos seguintes trabalhos acro-
| Zaticos pela FAMILIA PALCIOS
SALTOS TERRESTRES
Corda de Baile pela Estrella do Norte
KSGADA BE B KSM AN G H A R-J A PB N E Z A
e muitos outros trabalbos nos quaes a companhia se extorcar pela sua boa eneraran.
A commisao encarregada das obras do Passeio i'ublico, pede ao respeitavel
publico o seu bom acolhiaiento a esse espectculo, attendcndo a que o seu producto
ser applicado a ura fim til e agradavel.
Os bilhetes serio encontrados no escriptorio do Theatro ein mao da pessoa
encarregada da venda
PRECOS DO COSTUME
O espectculo entrar s 8 112 horas ein ponto.
*nspectoria de trras e coilo-
nisa^ao de Pernambuco
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector de trras
e colonisago, fago publico para conhecimeoto
dos interessados, que nao tendo sido aconta a
nica proposta que se aprcsentou para conduc-
cao de immigrantes, que no dia 8 de Jui Im
prximo at o meio dia, recebem-se nesta inspe-
ctora aropostas em cartas fichadas para a re-
ferida conduccSo, mediante as declaracOes se-
guintes :
{.
O prego pelo qual o conlractante se obriga a
receber os imnngrantes a bordo dos vapores que
firarem no lamario ou entrarem no porto, e a
conduzii-os ate a hospedaria da Jaqueira.
2.*
No prego da conducgao dever ser incluida a
bagagcn de cada immigrante, cuja descarga
correr por conia do contractante.
3.
O servico para os menores de 3 annos ser
feito gratuitamente.
Recife, 28 de Maio de 1889.
0 escripturario,
Manoel Joaqun Ramos e Silva.
ftecrefarla da lusrueco Pu-
blica. S de Maio de 1*
Concurso para provintento de cadeiras de
entino pr imano
M. 83-De ordem do Sr. Dr. inspector geral ta
lnstrucgao Publica e em virtude do que dispoe
o art 83 do regulamento vidente, se faz saber a
quem interessar possa, que. acha-sc posto em
concurro o proviiuenlo das cadeiras de instruc-
cao primaria, constantes da relago abaixo trans-
cripta e para isso acha-se aberla nesta secretaria I
a inscripgiio dos candidatos a este provimeaM, [
com o prazo de 40 dias. a contar desia dala,
dem do Bom Jess n. 29, l. andar |240i(XX)
dem de Domingos Jos Martins n.
136, loja 200*1100
dem de Thom de Souza (Lingoeta)
n. 14, 1 andar 200*000
dem da Viraco n. 19, casa terrea 240iOOO
dem de S. Thereza n. 7, idera 216*000
dem do Imperador n. 81, loja_ __ ."20*000
THEATRO
CHAROEURS REUNS
Coai|>u.uti>u fc'rAjnt-ejtn
DE
v %veg!fiio i\ vapor
jnhii regular entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, rWiia;, Ri< do Janeiro e
Sajitos.
O VAPOR
V ille de 14osario
Commandante Portier
E'esperado da Europa at o dia 6
de Junho, seguindu depois da in-
dispensavel demora para
Bahia, Rio de Janeiro o Santos

Conduz medico a bordo, de muidla rpida
e offereoe exccllentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens podei o ser tomadas de ante-
mao.
Recebe carga, encommendas e passugeiro*
para es quaes tem encllenlos accommodages.
Roga-se aos Srs. im|iortadores de carga pelos
vapores dest linda, queirara apresentar dentro
de 6 das a contar do da descarga das alvarengas
malquer reciamagao coucernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
h artni de se podei dar a lempo as provi-
dencias necessarias
Expirado o referido prazo a companhia nao m
responsaDilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o AGENTE.
O vapor
Ville de Pernambuco
Commandante Sebire
Espera-se dos portos do sul no
dia 10 do corrente, seguindo
depois da indisponsavel demora
para o Uarc tocando em
Espectculo ollerecido a Sociedade Pernam
bocana Ctmramoratm da Aboligao, para a
constiluigao de um fundo social.
OiHiil i-feira (i de .Inulto de 188
ser levada sema, a applaudidissima comedia
drama
mkmmm
amufar s 8 horas.
O resto de bilhetes no tJi< airo.
As pessoas que se dignaren) acceitar bilhetes
podero entregar a sua importancia com a de-
clarucOes necessarias comnusso que para esse
lim estar a entrada lo Uiealro.
I'onds para todas as linhas e (reos para Api
pucos e Olinda.
Brazil
oDservadas as seguintes disposiges do regula-
mento vigenie.
Art. 85. Os candidatos devero no prazo as-
signado, dirigir-se por meio de peligo instruida '
com os documentos exigidos no art. 90, ao ins-
pecto- geral, que, julgando provados os requisi-;
tos do art. 89, ordenar que sejam inscriptos.
S 1." O exame de habilitagao para o mugs
teo primario far-se-ha na Escola Normal pela
forma porque ahi sao examinados os alumnos-
inestres. i
2." Si todos os inscripios tiverem titulo de
habilitacao, passar-se ha logo ao concurso.
Art. 9. a podero propor-se ao magisterio
publico os cidados brazileiros com os seguintes ,
requisitos :
i.1- Maioridade legal.
i 2 Moralidade,
i Isengo de culpa e
. g 4.' t'-apacidade profissional.
Art. 90. Os reqo'sitos do artigo antecedente
'leveru ser provados:
0 do s Io porcertidao de baptismo.
O do 2.a por attestado do parodio ou de
qpaesqut-r autoridades do lugar onde residir o
'concurrente.
0 do 5 3 pela exibigo de folha corrida.
lo *! 4o por meio de exame de habilitacao.
Art. 91 Sao dispensados :
l.* De exhibir certidao de idadios candi-
datos que forem ou tiverem sido funccionarios
publieos e 05 que apresontarem algum titulo ou
diploma que nao poderiam obter sem a maiori
dade legal.
4. De apresenlar folha corridaos que
1 tnibirem attestados de procedimenfo civil e
jaoral, passados pelas cmaras munleipaes, auto-
ridades iudicianas e policiacs das localidades
em qne riouverem residido ros dous unimos an-
cos ; os que, se adiando no ext rcieio de em-
frego publico, exhibrem attestados do respec-
ivoj cnefe : e as educandas do collefrio de 01-
phs e casa de expostos.
3. Do exame de habilitacao as materias
de ensino primario os candidatos qu birem:
1 Diploma conferido pela Escola Normal da
provincia 011 de qualquer outro curso normal
primario do imperio. (Art. 233).
II Ttulos c m graos scienlificos pelas (acuida-
des do imperio.
I!I Diploma conferido pelo Gymnasio Perna -
bucano ou pelo Imperial ollegio Pedro II.
4. O inspector geral ple dispensar a exlii
bigo immcdiala de alguns dos documentos re
feridos nos arts. 90 e 91, marcando prazo para
fu aprr-sentagao. sem a qual nao podera con
i eier o titulo de c.-'pacidade.
Art, 92. As seuhoras que se propozerem ao
professorado publico, nao sendo soltciras. de-
vero exhibir, conforme o seu estado, certidao
de casamento ou de bito de seu marido, ou
sentengt de separarlo conjugal, passada em |ol-
gado.
O programma de pontos pode ser pelos nn.-
tendentes, procurados nesta repartigao
O secretario.
Pergeftino Saraira de Arajo Galtao.
KelacHo da adern*
1 Caiiiutang, mixta
2 Cajoe.ro. ideui.
3 Cachorro, idem.
I Flores, dem.
.1 Marnval. idem.
G Af.ua' Preta, sexo masculino.
7 Praia dos Carneiros, mixta.
8 S. Jo- da CortSa Grande, mixta.
'.> \;:iur Redonda, idem.
10 -Catcinlt' i.ieni.
\NTACASA
caan para iLiditn
liuk nrion. 27. O*00Q
(den i. ir andar '80
I It-ni id" n mImb. 3. andar ISO'JOO
lie W, annaiem OOitX)
idinba (Kocanta-
:.ieni'-) .11. 2.aand^r 300*000
do \lurqu/. de (.diada, i. 44, so-
2:131*009
1 jilem n. 33. idera idem 1:800000
ARITHufc
United States and
M. S. S. C.
Ovapor Advanee
E' e.-perado dos portos 'o
su!al odia 6 ile Ju'iho
o qual depois da demo-
ra necessana seguir?.
para o
Maranho. Para, Barbados, W.
Thomaz e "%'ew-l'ork
Para passagens carga, encommendas e di-
nheiro a frete, trata-se : coin os GENTES.
Henry Forster & C.
f*Run do Covime'do8
1*andar
lUHIMMIIt PEilllHCA\t
DE
\av<>H-o costeira por vapor
Para Fernando de \onmlia
O vapor S.Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 10 de Junho s 12
horas da manh. Recebe carga at o
dia 8.
Passagens at s 10 horas do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucanr
n. 12
Companhia Brasileira de
\;ivegac,ao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor VTanos
Commandante o 1 tenente Guilhenne
\Vuddingtt>n
E" ispe.-jdo ros portos do norte ir*
o dia 6 de Junho e depoi da iie-
la inai.-per:save! seguir para 1.-
porto.- do sul.
As enoommendaf aette recibidas no trapicha
Jarbosa me 1 hora da lard- do dia da sahida
Para carga, passagens. eocommendase ""!'
-es trata-se com os AGENTES
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Anto;::" Francisco le
Alii'.eid;.
E'. espenxlo dos pe ros do <:. a;-1
da 7 dh-Juntio eguii
a.iii Lm -i pai >
purioe iktor} ate SU'
As encomOieiidas ?>,.-... .
ca a' 1 hor.i'i.i i;.,".!-
Paja raraa, '-:' ipmt' '' ; s*i?en 1
-' a irata-s* cmi ,,s /
AGENTES
Pereira Carnein
. Io andar
Rio de laiaeiro. BJo rande do
Hu. Pellas, c Porte-Alegre
O vapor inglez Cometa
K' esperado dos portes a>i:ua
al o dia 7 do correle, e re-
.' ',:ra os ruemo
costme
Para carp, en
om
Pereira Carneiro &C.
6RA DO COMMEROTO_G
^ c.
LEILftES
Ij^ilo
LlMboa.
Hu rara no porto
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e olerece evcellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens poderao ser lomadas de ante-
mao.
OITerecendo-se mais aos viajantes para Paris
bilhetes de caminho de ferro do Havre a Paris.
Recebe carga, encommendas c passageiros
para os quaes tem excellentts accommodacOes.
Para carga, passagens, eacummoiidas e di-
oheiro a frete : trata-se com o
Auguste Labille
RA DO COMMERCIO
1
9
Companhie de Mesga^eries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Nerthe
Commandante Jozegabel
De movis, Imiea, espelhos, etc.
O agente Bntlo, autorisado [ior una familia
que rcl'iou-se para fora da piovuiciu (.ir leilao
do seguimu : 1 mobilia de jucaranda a Luiz XV,
1 cspelho o\al. I seciviaru. X comuioda, t ca-
ma rranceza, 1 marquezo. i bnlei, 1 santuario,
t cadeira para piano, 1 mesa e estante; 10 eta
gers, 1 mesa elstica, 1 cadeira para menino, 1
sof, 7 cadeiras de junco. 2 consolos deamarel-
o, 2 aparadores, esteira para galu, 1 marqueza,
1 cabide e quar iuheira de columna,, louca para
almoco ejantur. vid ros, jarros, quad ros, tape-
ts, mesa de cosinha, lacas, colberes, bandeijas
c outros objectos, ao correr do martello.
, RuaFormosa n. 31, Io andar
4't 10 j2 horas
erea-felra. 4 de .911 a lio
Leilo
De bons movis do Jacaranda, de unco e
de amarello, loucu, vidros, 1 importante
espingarda e 1 importante colleccao de
crotos.
CONSTANDO:
De 1 mobilia de Jacaranda, com 12 cadeiras
de guarnico, 2 ditas de bracos 2 ditas de ba-
lanco 2consolos com pedra, 1 sof, 2pares de
jarros, lanterna. 2 bonitos ctageres, 1 bom can
dieiro belga paraceulro desala, cscarradeiras, 1
Bonita cama franceza, 1 meia commoda, I mar-
quezao, I loile com jarro e hacia, 1 grande ca-
bide coberlo, 1 cadeira retrete, 1 mesa com es-
tante e 1 manga de vidro.
Urna mobilia de junco com cadeiras de baian-
co e conselos com pedra, 1 guarna louca, i meza
elstica de amarello, 2 aparadores de columna,
1 sof, cadeiras avolsas, Ibanheiro oval, 4 Ma-
dras, 1 apparelho com frisos para janlar, 1 dito
para almoco. copos, clices, garrafas, conipo-
leiras, talheres e oulros muitos movis.
Una bonita colleccao de crotons.
Terca fein 1 4 do crrante
As II horas do dia
No 2o andar do sobrado n. >3 da.ra Pedro
Affonso (antiga da Praia)
0 agente Martins ara leilo por ordem de una
familia que se rerou desta provincia dos mo-
vis e u^ais objectos exislentes em dito sobra-
do os quae? se acham 1110U0 bera <: Ao correr do martello
Leilo
De 2 machinas de pe (nacional), 2 dilas para ca-
misaria, 1 ilita de mo fprogresso), 1 dita para
alfaiate, 3 ditas do m.'io waqer), 1 pratileira,
1 relogio graude de. pande, 1 dito menor, 2
cadeiras, I nie-a e um lote de macniuas des-
ronoertadas.
Ter^a-ffira. 1 do corre nte
A's si horas
Na ofcina sito y ra Marrilio Dias n 8o. antii';-
Leilao
Da rasan. 30 ra do Sania Rila, oaniii metros
e 45 centmetros de Jarguwe 42 metros e 30
(eaiiiiietros de comprimento, com 2 portas de
frente, 2 no oitao. soto interno e salo, tendo
no pavimento terreo! salo -apenas,.coMnha
tora e 1 quarto junto, quintal e cosinha.
Jjiiinta-felra do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Bom Jess n. 49
O agente Alfredo Guimaraes por alvar do
lllm. eExm. Sr. Dr. juiz substituto da fazenda
provincial e a reqoerimento de Joo Romo da
Cruz Carvalho, levar a leilo a referida casa
para pagamento de impostos que est a dever
Leilo
De 15 caixas com cha e manteiga em la-
tas de 1 libra e 2 caixas com presun-
tos.
luula-foir, ti do corrate
A's 11 horas
Agente Pinto
Rita do Bom Jess n. 45,-armazem
Por occasiao do leilo de mobilias, quadros,
espelbos, candieiros e muitos oulros movis exis-
tentes no mesmo armazem
"- -_ ,'
E'esperado da Europa no
dia 4 de Junho e segui
r depois da demora ne-
cessaria para
t
Bahia, Rio de Janeiro, Buenos-Ayres
Montevideo
Leinbra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para e>a
agencia, que podem tomnr em quatquer tempo.
l'revine-se aos Srs. racebedores de mercado-
riasqueso seattender a rcclamaces por fal-
las, uos volumes, que forem reconhecidas na
_>ccasi5o da descarga, issim como deverao den-
tro de 4S horas a contardo dia da descir^a da-
alvarengas, fazerem qualquer reciamaco con-
ceroentesa volumes que porventura lenham se-
guido para os portos do sul, aliin de poder-se
dar a tempo as providencias ueeessarias.
EMlen puqurtesi mo illumlnadoK i
III? e!e:lriil.
Para carga, passagens, enconiinendas e di-
nheiro a frete: trata-se com o
Augiste Labille
/ Ra do Commercio .'/
conr.\Hi.44 pt:itn-!ictvt
.%'avugavo ostelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Peuedo, Aracaji' 0 Bahia
O vapor Jacuhype
t.'omiuantlajite Ksteves
Sepuc no dia do
5 horas da tarde.
51 at o dia 8.
10 Junho s
Recbe car-
Encommendas, passagens e dinheiros fete.
aUi as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
COMPIIIVVA I'KIIMMUICAM
DE
\:;v sav'so eostelra por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, fatal, Maco Mosior, Ataca-
ty e Cear
O vapor Jag'uaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 3 de Junho s ."i
horas da tarde. Recebe carga al o
dia i.
Encommendas, passagens e dinheiro a frete.
at ? 3 horas da tarde do da da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Ca& da Companhia PernamLuamn
v. 12
to val Mail Steain Packet
Companhv
paquete Tagus
1 'orninaiidante P. Kowsell
O
Espera-se dn Europa at o da 7 de
Jonho. seguiudo dermis da demo-
ra do coatmne para
Baha, itio de Janeiro Moni I
do e Biicno.i-Ayre*
Para psBageus. frotse enceminendas *rata-
e com os A'KM'ES.
O paquete Trent
('ommaBoaate W. G^ftatan
I'.' ^s,erailo do iii .no dia 9de
'ois da demora
ira para
Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuorpia
iccflo de ftMsaaent
Jila /.'.
>'Lttioa H ci, 4.21) .o
'Suj | t l i.
..- passaeiros t
Perna mbo
Ettjuuaato vigorar a quareiilena impoeta na
Kepublica Argentina, ac vapores e natios pro
. companhia nao
rga p;ira Buenos-
Ayrer.
-f-i-. fretes.enenmm^nda", (rata-M
i'lll o-
Aiuorim Irmos & C.
N oRa do Bom JessK. 3
Agente Pestaa
Leilo
Das dividas da massa fallida de Alberto Rodri-
gues Branco, na importancia de 67:1882335,
servindo de base a olTerta de 5005.
*abhado l.~ de fiinho
A's 12 horas cm ponto
Ha armazem de agencia de leudes, sito travessa
do Corpo Santo n. 27
O agente Pestaa, autorisado por mandado u
assislencia do Exm. Sr. Dr. juiz do commercio,
tara leilao das dividas j referidas, no dia e ho-
ras cima mencionados.
AVISAS DIVERSOS
GRANDE NOVffifflMB
SLffiAVCZA rUTILBAJffl >
CS?0S1T2-
48RA BARAO DA VICTORIA48;
Vcuham ver para erer
Aluga-se o terceiro andar do sobrado ra
do.lmpenidor n. 26 ; a tratar na litbographia
ra Mrquez de Olinda n. 8. ______
ra Marrilio
Direila
Aluga-se o sobrado a ra Harao de S. Bor-
ja n. 26. com bastantes commodos para numero-
sa familia, e oda praca Conde d'Eu n. 26, idem;
a tratar ca ra de Santo Amaro n. 8.
Aluga-se urna casa para grande e pequea
familia, muito fresca, com banho salgado ; para
informaco, ra Duque de Caxias n. 11, loja.
Precisa-se de um menino com algumapra
tic-a de molhados na ra da Ponte Velha nu-
mero 77.
Precisa se de orna ama para cosinhare que
seja ido-n na njn do Livramento n. 19, primei
ro uod.n.
- !-. i di
le umacosinheira: na ra da
Aro
i-- urna uosindeira ; na rua da
Por iiifervtncao do agente
(illSlllaO
Leilo
No 1-
De 1 hnd.
De movis, piano, espelho, louea, vidros e
trens de cosinha
Quarta-feira, 5 do corrente
.%'> 11 horas
andar do sobrado rua do Borao
da Vctor tu n. 4t>
i 0NSTAND0
hnd. mobilia de pfaankizia a medaihoes
com 12 cadeiras de guurnicb). i ditas de bra-
cos, 1 sola, i consolos cohj pedra, I piano do fa-
brcame J. ili.as. 1 tapete paia .-ola. 1 cadeira
p..ra piano, etagers, 4 jarros, 1 espelbo, 7
capuchos de coco, I arandela belga, 1 lbum
para retrato-. 2 cadeiras de juuco com balanco.
Icaninho para menino, 1 machina elctrica! 2
uscarradeiras, h quairos. 1 linda cania paraca-
sal. 1 toilet, 1 lavatorio com pedra, 2 tpeles pa-
ra sama. 2 cabi--.es. 'i camas para meninos, 1
marquesio para casal. I lavatorio de amarello. 2
camas de lona 2 habusgrandes de-fulna, 4 ma-
la graode para viagem. 1 dita menor, 1 bolea
para viagem. 1 n-sa de amarello com gyela,
1 pyramida para altar, ne-ia commoda, 1 berro,
2 cadeiras de amarello com balanco, bausa
elstica, i aparadore-- de armario com pedia. 1
guarda comida. 2 aparadores torneado-, 1 (flo-
ro envidracadi: para botica, 12 cadeiras de jun
co, lsof, i .uai.iiilieira de columna. 1 jarra e
filtro, I caiitoneira, ( caixa para lek-phone, 1
cadeira e jarro par. menino. 2 bancos para jar-
dim, appareihor para alu .co e juntar, copos, c-
lices, jicoreiros, galheteiros. arnifas. talheres,
bandeijas. jarras para agua. 1 inca de cooba.
1 armario. I barril coa i-nneira. 1 machina pa-
ra limpar facas. ceos de cosinha e muitos ou-
tros objectos de rasa de familia.
O agente Cusmao
AnlorisailQ por urna familia qne iBndoo-se,
far Ifii-io dc.i- bjert^s cima raenciouado.
ii. 11.
Viente Pestaa
Leilo
De
X
o armazem
a travesea
vi
torreuos e q>fis sitas do Campo Gran-
de, estrada d Olinda, confronte a re-
sidencia do Sr. Dr. Jos Din
ftuarfs-feira. & do corrate
A's ] horas
do Corpo Santo
n. -_'<
O agente rVtauo eoder por conta e risco
de quem peiteneer. I leneim silo ;i estrada de
(iliudi. rom 200 palmos de Irentee 6ii0 de fun-
do, conlemlo 8 mefaguas e urna urande casa
em caixao, i- mais um alicoree ein respaldo.
proprio para um srande predio como se pode
vi Tincar pela largura que aprsenla. e.M-eliente
racimba cmi agua poVuel, em Ihii-: residen-
cia do Sr. Dr. Jos Diniz. milito peno do Hip-
podremo do Campo Grande: na mesma occasiao
vender o mesmo agente f pianos sendo 1 de
Heiiriq Heree, 1 cofre prova de t.gt. I mesa
ela-dica com 7 tahoas, curteira. I mobilia de
Jacaranda e outros mudos objectos que starfto
piesenh-s a vista dos Sr.-. enmpiadores.
Agente Pestaa
Leilo
DE PRRDION
Um importante t-obnido de 3 andares sito
rua Duque de Caxias n. Kt. ouir'ora i o Queima-
do. esquina dn becco da CengregMO-, o qual
-.'ilamensai^, servindo de'buse a ollera
de 2!:800O0O.
lim idto a rua do Bom Jess, outr*ora da Cruz
ii. 17, ni. i lo 81*000 mensaes, servindo de
base a oetu de 6:000*000.
i M dUo de 1 andar na Travessa do'.armo n.
lo rendendo mensal 43, servindo de base a"
offerlii de 3:joI000.
lm dito de andar no becco da Bomba n. 8,
rendendo iOOOO, servindo de base a ollera de
3*390*000.
Um dito no bw-cco do Campello n. 1, reodendo
TpOO ni.Msaes, servindo de base a offerta de
i:00*000.
Urna casa terrea sita no becco do Campello n.
3. remiendo lOiOOO mensaes, servindo de base
a olTerta de 800*000.
Todos estes predios acham-se hvres e desem
halagados e serio endidos por intervengan do
;i-i-iiic. Pestaa.
4|uarta-i>ira. a do corrale
A's 12 horas era ponto
No armazem travessa do Corpo Santo
n. 27
- A fabrica Vendme pr cisa d n ffica -d
cigarreiro, para destianos.
- Uto moco de 16 annos de idade, i.t d.i
liador de sua conducta, offerece-se para caixeiro
le algum armazem de molhados, para o qual tem
algtuua ortica ; a tratar na Braga do Corpo
Santo n. i ou rua Bella n. 6
Vende-se urna vacca tonrina, pi-enhe de 7
mezes e dias. de boa qualidade, e a causa da
venda por ii-ir se o dono doenle e querer i:
para Kurop.i : quem qnizer dirija se ao caes do
Mpibaribe. em urna coebeira junto a olariu do
Sr. Bellarmino.
- .Vi ni-i K al da forre n. 21. vende-se uma
uiciua dioldaloria para fazer espirito, um
alambique para agurdente, tachas de ferro de
differentt-s lmannos para o fabrico de assucar.
rodase rodetes de eugreoagem, guindastes para
levantar pesos e cuhas para fermenlacao vi-
nosa. _
ruada Soiedada a. 56, vende-sej as se-
guintes ob>as :
Illustrago E.-panoIa y Americana dos annos
de 71, 72.73 7i e 75.
Novo Mundo dos annos de 71 (i 76.
Brasil Hislorii'O aj o 3- anno de sua publi-
cagilo.
Atlas da Guerra do Paraguay.
Antonio Jos^ Conrado tem seu escriptorio
ru i Mrquez de Olinda n. 4.
Furtaram na noite de 31 do mez passado.
do eogeoho Noruega, tres cavados, sendo um
fjveiro, ca.-trado gordo, bem feito. frente aber-
la, tres ps calcados e bom de carro : o segundo
mellado, dinas e cauda pretas. castrado, com
marca de cangalha, quando anda arrasta os ps :
0 terceiro castanho duro,, com marca de can-
galha, castrado, carregador, tropego no andar,
deudo as encimadas que tem tido ; todos tem
as anras a marcaNoruega Boga se us aulo
ridndes competente, ou qualquer pessoa. que
sabendo ou tendo noticias dos referidos animaes
avisem no Recife aos Srs. Pontual Rezende & C.
rua do Commercio n, 46, ou ao Sr. Francisco
1 Ribeiro Carvalho. na rua estrella do Rosario
n. 8, ou inunde aviso ao proprietario deste en-
genho.
Enenho Camorisinho
Arrenda se o engenho cima, silo no termo de
Agua Preta, moente e corrente. muito jierto da
e-'tagao, com exiellentes terit'nos e boas matas :'
a tratar na rua do Bom Jess n 4. escriptorio.
amaoiaa"ai ** *
BEDU FUERES
Constructores a Hih. Franca
Represeatado por luiilio Bil-
lioo. rageoheiro mechaafv<>:
(PERXAMWUCCi)
Assentamento cempelo para engenhos cea-
iraes e Uziaas pelos processos os mais aperfe-
goados.
Moendas e repressao mltipla.
Corte-cannas vertical, syslema Bedu.
Diffuso, circular e recllinba, dilo Bedu.
DitTusao continua do bagago dilo Perret.
Fornos para queimar o bagago da dilfusac-;
dilo Bedu.
Filtros mchameos a tiltragao mltipla.
Turbinas centrifugas (economa, limpesa e
trabalho rpido).
Em geral lodosos apparelhos os mais moder-
nos e os mais aperfeigoados para o fabrico de
assucar.
N. B. O Sr. Emilio Billion fazendo urna via-
gem de 3 mezes na Europa, durante u sua au-
sencia dirigi as carias e pedidos a casa Beda
Frres a Ham, que fornecer plantas, orgameo-
tos etc., e por qualquer negocio urgente infor-
marse ao Sr Eugene Chaline ; 24 rua do *>m-
raercio, Recife.
Experimentae
A bronchite e a coqueluche curam-se
raaravilhosamente por meio do Peitoral de
Cambar, que se vende em casa dos agen-
tes Franeisco Manoel da Silva & C. e en*
todas as boas pharmacias e drogaras des-
ta capital.
Experimentae !
Ama
Precisa-se de uma ama que seja boa c ..-,. i let-
ra ; na rua Vidal de Negreiroa n 130.
Farelo de caroQ de
alg" :(l >
Ja conhecido como o melhor e mais nutritivo
alimento para animaes : vndese na rua oto
Bom Jess n. 38, 1- andar.
Jos- Jouquim AJvea
Maria Libania deliveira Al ves, seus lilbCfc
Eresentes e ausentes, genro, ora, cimbado, so
rinhos e mais prenles, agradecen) mu- since-
ramente a todas as corporacoes religiosas e ac*
an.igos que se dignaram acompamw sua ul-
tima moraua os restos mortaes de seu idolatra-
do esposo, pai, sogro, irmo e lio. Jos Jouquinc
Altes, e de novo veem rogar Mies o caridoso ob-
sequio de assistirein a- missas que serao reza-
das pela alma do dilo Uado, quarta-feira 5 do
correle a- 8 horas da manha, na igreja da Te-
neravel ordem terceira de S. Francisco; ea to-
dos que comparecerem confessam desde j osen
ino!villavel reconheciiimto.
I

tea.,XJl
(Cotias. Qi&rrhia,
> i
'J 1 !
&y, faterta)
K*ia peepar.iciio coiilui o ulMiil'it"
de bismutlio i-iu furoia, de pas:a e i-xl:i-
marnenU' dividido. Ue mistura com nfgn*
ella forma um verdudeiro leite ilisipidn.
-fjne com ;issuc:-!r. ou :.em a-sucar. as
OOOOQM< U<> fe COU.'j M a ';jit^,to;.t..
,com praz?r. E' um .reiiiediu jHKleroso
contra as clica, as diarruas, a dy-
senteriados paizesqueutes.as dore-
j'e8ton)r>rjo,asga3trites gastralgias
0 ulcer-'-es do intestino. SuauccSo
mar.iviosu para couibater a diari iiea
precursora do Cholera.
Cada frasco acompanhado do uma
colher de osso, que a medida exacta
para a sua applicacao. A dose de duas,
(uatro at seis oolberes para os adultos;
oara as creancas, ella de meia colher.
Em PARS, 8, Rna Vivlenne.
Cario AuguMo Carneiro Moiitci-
ro iiiiio
D. Mana Isabel Tavares Carneiro Monteiro.
Carlos Augusto Carneiro Monieiro. D. Olympia
d" Carvalho i'arneiro Monteiro e seus tilhos, ar,
tios, cunhados e primos agradecem cordialmente
a todos Ojp seus prenles o amigos e aos do sen
chorado iarido, filho e ir mao, e com especiali-
dade ao disiincto clnico desta cidade Dr. Anto-
lonio Joaquim de Barros Sobrinho, e ao Sr. Joo
Ramos, pelas maneiras raralleirosaa e disvellos
que empregaram para salvarem seu marido e
tilho da cruel enfermidade que o prostrou no Jei-
to da raorte..
Aproveitand) a opoortunidade, convidamos a
todos os parentes e amigos e do inditoso Carlee
Augusto C. Monleiro Filho, para assislirero a
missas que pelo descanso eterno de sua alma..
mandam celebrar na ordem terceira do Carmo
no dia 6 do corrente mez, pelas 7 1/2 horas da
manh, confessando-se desde j agradecidos por
este aelo de religiao e caridade.
f
Queris curar-vos ?
Se queris curar-vos da vossa tosse ou
da vossa rouquidSo, tomae o Peitoral de
Cambar, que ficareis logo curado.
Os agentes,
Frartcisco Manoel da Silva & C.
Capifo liiacio do Hoto Me*
leiros
Julia Lumachi de Hollanda Cavalcante de Al-
buquerque. Serapiao do llego Barros, Joaqnuc
do R*go Medeiros Vasconcellos, Herculina de
Brilo Lyi a, Generosa do Reg Medeiros Cavalcan-
te de Albuquerque, Francisca do Reg Medeirorr
Vasconcellos, Anna do Reg Medeiros Va acn-
cellos e Sebastiana do Reg Medeiros, agrade-
cem do intimo d'ulma a todos aquelles prente
e amigos queacompanbaram o cadver de sea
nunca i-squecido e bondoso pai, mando, sogro e
av, capito Ignacio do Reg Medeiros; e de
novo os convidan) para as.-istirem a missa que
mandam rezar quarta-feira 5. as 8 horas da ma-
nila, stimo dia de seu pasamiento, na matriz
de Afogados,* pelo que antecipam seus eteraor
agradecimentos por este acto de religiao e ea-
ridade. _________________
Hospital- Portuguez de Be-
neficencia
Atten^o
Pdese ao lllm. Sr. Cornelio E. de Queiroz,
bacharel em direito. o obsequio de deixar uma
carta com a sua residencia nesta lypograpliia
co i a tuiciacs J. P.
t
*Tmys~sg:
A 'i'ania Mack ic*(
otilo o tbgtdtixa-
:.:ua Ja S taBcir.hasi,
JW noTC e mara-
I;: ,-f:, .1,!>>.
bj'ri'-iilcu, r mMt'l
ueeUmu ai;" *,
EsU PM
Cial. tfurr -., n;
lis cu!:., e,
como rtfr*w i', i
i tu i^s
ginas e pcrAinanas.'
,CK, Uu -D.
--n etrnemoi". Mu: MriJultS*.
iow1 lo.niiiim Alies
Em nome da junia adniinistrativa, registra
com profundo pesar o fallecimento do prestime-
so socio e iiioi doino Jo.- Joaquim Alves, e con-
vido todos o- senhofes a- ociados, prenles e
amigos do tinado, as.-isti'-em a missa que por
sua alma ser celebrada na capella deste hos-
pital, quinta-leira 6 do coi rente, as 8 horas a
manh.
Secretaria do Hospital Portuguez de Benefi-
cencia, 3 de Junho de I8i9. O secretario,
Jofi V. C. Afarra.
s
Jsf oaquion Al%<->
A lleinliceiiie. do i nieiros convida a lodos o
as.-ociado- para assistiiem a uma missa que por
alma de .--eu prestimoso consocio Jos. Joaqui
Alves. manda rezar na ordem terceira de 8.
Kiancisco.quarta-feira ."i do corrente, s 8Jraa-
da manlia, stimo dia de seu passameoto, e par
este acto de religiao e caridade, soigUaltoenJe
convidado> os puentes e arni08 do finado.
o secretario
Joaqujm_Ma[a
'
I


.


i



iario de PeriiarnbucoTprga-feira 4 de Juoho de
p
188
-**-
--**<


2HUUIU CRESA >-2l
'
habas para vestido padrees modernos a 160 re. o covado.
Cketones francezes, cores claras, a 260 re. o dito.
Merinos de cores, duas larguras, a 500 re. o dito.
Ditoe Je cOres labrados, de 25000 a 10000 o dito.
LZfi de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 re. o dito.
Merino de quadros de 320 re. o dito.
tkMk) branco de 400 e 500 re. o dito.
Muraalina branca para casacos a 500 re. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lidos gostos, a 600 re. o dito.
Ditos c listas arrendados, alta novidade, a 800 re. o dito.
Mirifica arrendados, de cores, de 800 a 500 re. o dito.
Flor de Italia era quadrinhos, a 500 re. de 900 re.
Mareo! mis de cor, de listas, a 400 rs. o dito.
CVrtc de camfaraia bordados transparente e tapado, de 15)5000
e 200000 por 9000 e 12)5000 cada um.
Lcelo, jiadrSes era quadros, a 440 rs. o covado.
Jfejizukes padroes mimosea, de 280 re. o dito.
Percatas raiudinba se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 2i>000 a 1 Setim Alacio de todas cores, a 900 rs. o dito.
jBrim fin pardo para vestido, a 400 re. o covado.
fSamhnir:t Victoria transparente, tina, a 3)5000 a peca.
0LIVEBA CAMPOS & 0. todo de recebe.- bre*
vemente um sortimento e artigeos novos de alta novidade, resol verarn
Xazer urna grande reduc^o nos presos dos artig-os abaixo menciona-
dos, para os quaes cjiamam a atteno das suas Exilias, freguezas.
Mantas hespanholas, de seda preta 3$fi0tf urna.
Espnrtilhos, o que ha de meibor, de 4000, bfiOO, 000
70000 um.
Ficbs de cor arrendados, de 10n iM
Capinh 8 hespanholas de cor a 200Q una.
Fichs de seda, muito lindos., a 3(K)0 um.
Sargeli m diagonal, todas as cores, a 240 re. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 3&000 e -4000 um.
Luvas de seda, todos os tmnimbo, de 25000 a W;')Q \> par.
Lencea de nho do Porto, a 4$ti00na.
Ditos'grandes para cania irancuza, a !000 mu.
Colchas de cor, de 2iCKK> a ^n;i un.*
Fichs, sortimento completo, J. 2000 a 6jj00o um.
Lencos de linho com barrinhu tk?000 una duzia.
Camisas francezas, de 2-1-iUOO e 3(5OUO a duzia.
Meias cras para .ornen, de 44000, 50000 e 60000 a duzia.
Ditas brancas cras c de cores para itenhora*.
Ditas brancas cras e de cores pura enancas.
Chambres de cretonc, de 00ttO e 65009 uin.
Cortes de casemira de c6r, de 60000 a 84008 uiii.
Cortes de fustlo para collete, de 10000, IjJOQ.e 24000 nm.
Camisas inglesas de franelia, la pura, a f>0OOO urna.
Alm de outros artigos qi;e deixauos de mencionar.
2i--Roa do Crespo
ca
Caiitellas do Maule de Uctnm
Compla-8% cautellas do atonte1 rfe forrorpo d*
luulquerJola, brilhntes e r-lo^ljs; paga-
bem na Praea da Independencia n. 92, loja d
reipjoeiro.
Hotel Primavera
18 lina da Roda 19
proprietario desse estahelecimento. Jos?
Ili r,;ardo da Silva, chama a anfnc.u 'o respei-
lavfi publico para incumbil-o de cOconiniendas
de jantares.
Fornece-se comedorias pan c&feM particula-
res a preeps commodos :
Feijoada 240
Caros de qualquer forma 3SO
Petxe 400
Fri^ideir 400
Ver para crr
PILULAS BLAIR
GOTSoVP.nlMTSMflS
J C '-;5jrr/m re.'-eflio ingls para
OotP 13Tietrnictlsrics; Sciatica.
Lumbago e Neuralgias.
.'.' -nselhi at .i luda-i 1 f*%in.\ n ootortta- trun, recente ou .1 ilu-aa, }.ie
IHLl'I.A^ IM.AIH COXTKt A ROTA
E US lili lj.\iVfiSMOS. |Hir enni tttt* pilnl.u
co c-i iTul.:g n ri-m.-dio mais i'up,i .. .fli-.o. qu
JMMit 1 .i ipr,siMil..ilo ao pnlilieo, se ido enipra-
_*.!!.1 r mi nptiift.1 ntn *w ;', \j:giM bm l.inU)
na J.iimp com* 111 \ineriot.
-'.. Pun. ..;.:. iiT.i'il.!.....i) 1,, ,Ien*-WSt
nai.vit ttUr ili-iin.i. Vi'n.!|.|at i'in eaixas
d-incw.- i i jii.i-. A.ii.ini- eemeoada iodo
o V' .irm irMltuoi .u r-Dgai. lasdu iiiundoeuteiro.
P'P*^-'-' ri'- f Pwiniiliiini Ft *Ai fUtiH:
Muila atten^o
Na ra de S. Joc n. *)(> leiu para vender os
ilViuidos viuhos e liro-csde lodos o* fruclos do
I paiz, fabricados pelo linado Joo do Amaral Ra-
poso, comosejam : vinlio de caj M e i." qua-
flid.idc, vinho do abaoxt, viulo de ianipapo,
'cuiiiposlo e simplivs. hesperedin brasifeira, la-
raiiaiiilm cordial, exauda.-- e lirno e cidra, e
iras prensa- para aapMiuer o* l'rucio*. e ludo
se veale por uratis.-'Hiui preeo para llquiJa-
ei!:1;.............................................................................................._
As almas cariciosas
Mura Candida YVanderlcy Autrao. viuva do
empreado publico Cundido Auirun da Multa Al-
bu|uerque, moradora na travessa da Piedade n.
o. era Santo Amaro, leudo em sua couipanbia
tros orphis e vivendp na mais extrema pobreza,
vera recorrer as almas caridosas, que compade-
cendo do seu allliiiivo estado em que se acha a
soccorram ; pelo que sera rcconhccida.
VIG0E DO CABELLO,
DE AYER
a edr, impedir a queda, e promo-
ver sea vic
ment.
ver sea vico e abundante cresci-
Ksta apurada e excellente preparar"),
sem duvida o melhor remedio at hoje
conhecido para os diferentes defeitos da
cabelladura, merece a intima attencao de
todas as pessoas qne teni tido a' infelici-
dade de perder em parte este mais rico
ornamento natural da physionomia.
Com o sen emprego intelligente tem-se
conseguido resultados realmente sorpren-
dentes. Em miiitos casos, porm nao
sempre, a propria calvicie tem sido curada
permanentemente.
Sempre se consegue fazer parar a queda
Jo cabellos; emqnanto qne para opentea-
fo das senhoras, o objecto mas til a
mais agradavel qne se pode empregar.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AVER & CA.,
T.o wel!, >I jiss., Est.- Id los.
A' venda as lojas de armarinho e pet-
nm arias.
DEPOSnO KKAJ
-DC>-
ESfOMaO
-E DO
FiaADO.
DE BRISTOk
PRAlffFJTE VEGETAES
sao o melhor Purgante e o Remed"
.aiv'i efic-xz centra os ditos male;
Regularizan! a Digesto
?U*RIFICAM A BILIS
e curam radicalmente
A DISPEPSIA.
u^a-se
c sobradinho no-becco do Quialio n. 64 (Afoga-
dos), calado e pintado de novo, rom quintal
grande, cacimba e diverso- ps de rructeiras : a
tratar na ra deMarcilio Pias n. 06.
Alura-se
m
&J
Instrumentos de msica
para banda e orchestra, realejos, cnisbihae com
[, e 6 pecas. ia:a en. ne.i ; ua li.i#ri i Con-
emporanea.
CliNPUtt i
F-NDICAO DE SINOS B BRONZE
di:
LUZ DA CHIZ NESQQITA
66na do Baro do Triumpho66
Tem para vender o seguinte :
Machina de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
tl;uubi<|iit's de cobre do antigo e novo systema com esquenta garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
t'arapneas de cobre.
Tafxas, taixos e caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
Xorncii'ns de bronze e madeira de todos os tamanhos.
CABOS do cobre, defobumbo e de ferro.
Heparlideiras. passadeiras e escumadeiras de cobre e de ferro estanhado.
Cobre em lencol e arruelas.
Sola ingleza e do Rio.
Cadlnhos patente e de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E mnitos outros objectos
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e obras de encommenda, garan
tmio presteza, perfeicao e precos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
l'E.\DE a praso ou dinheiro com descont.
1
'
I
i
grageas de Ferro Rabuteau
Hurtado do Instituto de Franca. I :mio de Therapeutica
O emprego em medicina de Trro Rabuteau j uaseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao i ecommendadas nos casos de
Chloronc, Anenri ,i'.ilu.i'Corei>Corrimentos, Debi'iit-id*, Bfgotuwmato, Gonvulutmeia,
Fruqueza d fa-::i e;i:i.- "suessos J oda a natureza. Tomar 46 grageas dor dia.
Sem Cvtutipmco nem Diarrhea, Attimilafo compietu.
filixir de Ferro Rabotean recommendado is pessoas que nao podem engulir
enjruttr a.= grageas, m calis de licor aos repasten:
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente pan. as enancas.
..-.'i: Urna explicado detaihade aconpjnha cida truco.
L'ax-iir o
Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & C'a, de PARS,
omtru ern casa iiu:, Drcjtuntas e Pitarm.ceticos.
que se
mmmvm\
59Rmi Duque de Caxias59
ADMIRE
Cortes de cretones em cartao com fignrino e enfeitos, a 8|5000.
dem de oachimiras bordadas, a 25d000, sao de 40(5000.
.Setim preto, a 10000, 1(5200 e 1(5800 o covado, verdadeiro Maco.
Qrosdenaples prctos, verdadeiro Len, a 2(5200 o dito.
Merinos pretos, duas larguras, a 500, 800, 1(5000 e 10500.
Mantilhas pretas, a 15200, 3$00<> e 5(5000.
Casacos de cachimira pretos, a 300000.
Fil bordado, a 800 ni. o covado, para veos e enfeitos.
Velludilhos de todas as cores, a 800 rs. o dito.
Zefiros de cores, a 80, 100 e 160 rs. o dito.
Linons de cores, a 200 rs. o dito.
Tecido8 diversos em cre, a 240 e 300 rs. o dito.
FustSes brancos bordados, a 360, 400 e 460 rs. o dit >.
Lindas setinatas, a 200 rs o dito, apn.veitem.
Cretones magniticos, um metro de largura, a -tJU rs. o dit".
Chitas, bom sortimento em cores firmes, a 200 rs. < wtf.
Rendas austracas para vestidos a 500 re o dit-.
Cambraias bordadas, a 40500, com 10 ardas,
dem Victoria, a 20600 e 30000, com 10 ditas.
Madapol2o superior, a tj000, com 24 ditas
Algodoes naeionaes, a 30000 e 30500 com '0 dita*.
Ricas guarnicoVs de crochet, a 70000 e 80OOT
Toalhas de labyrintho para baptisados a 250000je 3O0OO<.
dem grandes para rosto a 40000 a dnzi.
-Ceronlas de bramante, a 120<)OO dita.
Meias inglezas superiores a 30 Camisas inglezas e francezas a 300000 e 360000.
Cortinados bordados a 60000 e 80000 o par.
Lences de bramante a 10800.
CoberUs de ganga, dou pannoe a 2)800.
Redes superiores, a 100000, sao de 150000.
Pannos para mesa a 10100 e 10400 o covado.
Atoalhados bord dos, a 10200 o metro.
Bramantes de algsdao, a 700, 900 e 10000 o dito,
dem de puro linho, a 10600 o dito.
-Casimiras em cortes, a 20000, 30000 e 50000.
Sargelina diagonal, a 200 e 220 ra. o covado. *
As vendas em grosso tem o descont de 14 n|
PEREIBA MAfiALflAES
^00,000 DoeateJ
rencos i*
lEFLUXQS, TOSSE,. INSOMN
CRSE6 NERVOSAS
PELO
XABOPE BO W FORGET
-fin oar as Pharrraciat de Uriwrto
ao lado.
SA
36
^00,000 Doente?
ciradoi di
fGONORRHEA,FLORES BRANCAS]
PERDAS SEMINAES,
C H A B LE J DEBIL,DADE.ESGOTAMENTO,ete.
i CURATO de FERRO CHABLEj
Em lodaa aa boas Pharmacias
Exija se o enderezo
ao lado.
PAR
T1 ~ ^ r*

^'!'? -..- & v
, i* NI .-
>.-( '.i > i. v.' '''.u" A peni: .*is rn-.lesde i>crnasedo peito ; ir.bem pc-
.- q .. :. i fui > : 'H i '- ^ita o v rh,:iimaii.-.mo e para ti da.-: as ^nfeiic
U n%* s rrconheot e^ual .
os /; ;,; .. *, tf'nhtles nslrlfiucic:- e iossss*
-, i. .-. ^. >':-;.\ ."in > i'jr eiKa;;':. *
. ,-i 'r i- ,-v i-.- ..- n^ !.-';;( uji.::- l) i ".wiClX EIOV^OWAV* J
..- '. .*.. | \j x.-;iok do 4111 vftr-.. "
\.. ... -( .. 1 .;>*! .... o- r..;iriiis .'.c ca- CTJx^ C ?.^r, se :1o teWl i*
u.."-cv*-> xi-. if-ireei. .-w Ltiv490e>
rwr-*t^'-m- m^^1"*-* "
u mummi
vi
filO54
(Vltiiiiuis 1 vipor.
Moendas.
Rot!;ir >!Wa.
Taixas tundidas e batidas.
Taixas batidas sem
Arados.
Licenciado pela Inspectora 4e Hye.eno lo Imperio do EraziL
crava m 1 '-
'J
T
G&ciot
TI, FE3RIFG0
DE 1^
Medie, gttrUkmt *> codtm da riis 1 fifldM Suit
PREPARADO OOM
jliWFT
fe" VI '
H .f
. i 1
Quina e Pyrophosphato de Ferro
BSn VnHO KOI flECONIZAOO POR TODA A IMPREHSA MBDICA
COMO SNIKI O MAIS ODEROSO
Tnico empreado para ourar
AKi-ft'iJii, GHLC-BSSE
EMPOBRECIMENTO DO SANGUE]
Soberano contra an Febret*

hodyvet, Ptars-aceulico de 1* Glasse,H0UAREAU Suce0
PARS 44, ra des lombards, 44 PARS
T)PH>vlt.-irl.-. 0111
Penunmtiuro F R A N.
K .AS I' ISCII kES ]
M. da SILVA di O.
1.' '.::'.
IPILULAS DWESTIVAS DE PANCREATINAj
de DEFRESNE
Pharmaoeutico de i Claue, Forneoedor dos Hospaes de Pan*
A Panoreatina empregada nos hospitaes de Pars, o mais poderoso i
I digestivo, que se conneca, visto como tem a propriedade de digerir ei
tornar assimilaveif nao smente a carne e os corpos gordurosos, mas I
tambem o pao, o amido e as fculas. .... .... I
Qualquer que seia a causa da intolerancia dos alimentos, alteracao, oul
I ausencia de sueco gstrico, inflammacao, ou ulceracBes do estomago, onl
ido intestino, 3 a 5 pilulas de Panoreatina do Deresne depois da co-
I mida, sempre alcangam os melhores resultados e sao por wso proscriptas I
I pelos mdicos contra as seguintes afeccoes:
[Falta de appetite.
'Ms digestoes.
Vmitos.
Flatulencia estomacal.
Gastralgias.
Ulceragoes cancerosas.
Enfermidades do ligado.
Emmagrecimento.
Anemia.
Diarrhea.
Dysenteria.
Gastrites.
Somnolencia depoiaicomer,evmitos qoe aoompanham a gravidexe
PANOREATINA DEFRESNE em frasqninhos com a dose de 3 a 4 colhe-j
radazinhas depois da comida. I
Em jua de DEFRESNE, autor da Peptona, PARS, e em toda aa PtaranM|
o armazem fi urna sala 3 roa Mrquez deOlinda
n. 52 : o 2- aiuiur ra do Imperador n. 39 ; o
3- andar ra do oin Jess n. 42, e a loja no
palco do Terco n. 2 : a tratar com Luiz de
Moraes Gomes Ferreira.
Alugrie' barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Baixa verde n. 3.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Baixa Verde ns. 1-C.
Ra Viscoude de Ltaparici n. 43. armazem.
Ra do Coronel Suassuna, quarto n. A.
Largo de S. Jos n. 74.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar ra do Commercio n. a, 1- andar,
ecnptorio de Silva Guimaracs & C.
Precisase de urna ama para cosinhar; na Ira-
vessa.do pateo do Paraizo n. 16.
Agostinho & Irmos
Collar de Ouro
S-* itu* < (kufk -A
Gomo tiz*--emos urna grande reforma em o
nosso estabelecimento, tizemos tambem reduc-
go nos pregos de nossas joias de ouro, prala 6
briihantes. Pedem a seus amigos e freguezes a
virem comprar lindos objectos com ponco di-
nheiro. i ompra-se ouro, prata e brilhntes. em
obras servidas e paga-se bem. Consertam Se re-
logio, obras de ouro e prata comraodamente
Gozinheira
Precisa-se de urna ama que cosinne nem, para
ca^a de pequea familia, que durma em casa
dos patres; na ra Conde da Boa-Vista n. 24-F,
porto de ferro
Cosinheira
Precisase de urna, que tosinhe bem e nao
saia ra ; a tratar na ra do abuga n. 14, i-
andar, d meio da at i horas.
\ o commercio e ao
publico
Julio Soares de Azevedo. tendo de partir no
dia 5 de Julho prximo, para a corte do imperio,
alim de I (ixar sua residencia, avisa aos seus
credores que se apresentem em seu collegio
ra Visconde de Goyanna n. 34, no dia 18 do
corrente, s 11 horas da manha, afim de liquidar
todos os seus dbitos, aue por ventura, deva
nesta cidade ou fra dalla.
Iraa
t
Precisa-sede urna ama para engommar e mais
serviros de -sisa de pequea familia ; na pra(,i
da Boa-Vista n. 32.
Ama
Na ra da Matriz da Boa-Vista n. 26. orimeiro
andar, precisa se de urna ama que cosinhe bersi,
para casa Je pequea familia.
Ama
Precisase de urna ansa.pajra cosinhar ; na rui
Mrquez de Olinda a. 56, 2- andar.
Quadros
;oni bellissimas oleographias, objectos para
idorno de sal;, e para presentes, tudo encontra-
re na liviaria Contempornea, roa i-de Marro
Quraero 2.
MAIS DE 10:000 CIRAS
Eng'omma^tira^T
Precisase de urna pedia engommadeira pura
urna familia estrangeira ; a tratar no sitio dos
Oualro Leoes, em Feruandc* Vieirj.
Discursos
o m uito eloquente orador conego Mves
des, recebeu a livrana Contenpuranea
Mm-
j
i
noBTE "so mmiisifo
DORES E DeDENTES
JC CowJU xa\#A^_ a v^A^&\
PEEPABADO NICAMENTE
POR CALASASS & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, incha5oes, dores aciaticas, newal-
gias, dormencia, etc., emprega -do-se em
fomentacSes sobre os lugares affectados
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de dentes.
Todos os frascos- levam direccoes nara
uso d'este medicamento admiravel.
Preco 15200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & O. roa
Mrquez de Olinda n.23
Grande emigra$ao!!
De lindas borboletas de todas as civs para
enfeitar um interessante penteado. receberam
Pedro Anlunes C, n. 63, ra Duque de Ca-
xias. Igualmente bonitas setas para segurar
chapeos. __ ________________
Malas deviagem
jara roupa de senhora e de homem, propria de
Camarote e caminho de ferro, bolsas, cnapelei-
-as, binculos, etc. etc. artigos muito
baratos na livraria Contempornea.
bonae
CORA SEGURA das MOLESTIAS SECRETAS
Medalha de Prata na Expoeica: Unirersal de Barcelona em 1888
Medalba de Ouro, Pars, 1885. Diploma de Honra, Paris, 1886
PXX.T7X*.A.S
e Injecco de
KAYA KAVA
DO DOUTOR FOURNIEB
BLENNOR^HAGIAS
SPERMATOR^^liAS,
URTHRiTES4 OORRIMENTOS
Estas enfermidade recentes o antigs, curun-se radicalmente em_ alguns dias,
em segredo, sem regigaien Bem tisanas, e =em cancar nem perturbar os orgaos digestivos.
Enja-se sobre c.tda piJula. sobre cada cu.xa. sobre cada rotlo,
i .'r;; iLifcr" Kav- &0ViMe*3
PAEIS.,22, Pra$xda r.'adcleiao, 22, FAEIS
i
l
DE PAGLIANO
Depurativo e Regenerador do Sangue
Privilegiado pelo Governo de S. M. el Rei d'Italia
Governo de S.
DO PSOPE6SOB
MESTO FAftLIAIO
d Flornc
i
ft
t
1
nico Succaifor do delunto Professor JERONYMO PAQL.IANO,
VENDE-SE EXCLUSIVAMENTE KM
aples, 4, Calata S. Mareo (Casa propria)
A CASA DE FLORENCA EST SUPPRIMIA. 0 Ser. ERNESTO PAGLIANO posse
todas as receitas escripias pela propria mo do defunto Professor JERONYMO PAGLIANO,
seu to, outrosim um documento que o designa como nico successor :
ERNESTO PAGLIANO.
* Depsitos em Pernambue : rA-a~ M. da silva a. C.
V. KM TODAS AS 'RISCIPAES PBAKMAC1AS UO llritzll
*****#**#**#####****#*#*#**>*'

,& & v RL\
.^ase.a
W^LGATRAO FEF;::UGiNt]SO\
Chioros^ '- Anemia.CatHarropuiwoaar Bronctt ciHiiica,
amarro ta tiexisa, Phtisica, Tosse conouisa, Oysoens-a, r- Palm.
iruas ssminaes, Catttarros antigs s complicarlos, eic

Jofvsar otl InxsHrlt tlitl Imesna iruf.
3E
SAMDALO GmiHs
JftS O T ^d S T T ^'1. a E C3 JE3 T ^L
f.a j^'. tasas t sai triante *eemmmri\'.tatt*m s*m .-t.*t*-
> p Ifl .'- I I re. ie Iffji aotj.ft
. -<>T'. trsitit. ^: LnvoRi
11 f1>iV~1"WMlMtBMMMt~>aatliltlli MmimH Win


1





I
-


1



E, *-,
I
-
i
i


9
jDiario de PernambucoTerqn-fera 4 de Jimlio Je 1889

B
VENDAS
Vndese terrenos beir localisados no Ca-
j (M&gdalena) : a entender se ca ra de
;iudu n. 7, taverna.
Boa pechincha
9ende-se20 duias de cadeiras de junco, no-
> e toda mndeira de pinho, pertencente ao
o cliilfno : a tratar na ra lo Imperador n-
'. priiu"iro andar
V iiiho puro de Santa-
rem
D quinta de (Carral
Ocgou a segunla reinen; deste especial vi-
para o armazn central de gneros alimen-
ticios ra do abuga n. II o qinl se torna
.'OTimendado por ter puro da uva.
Joaquira Christ ivau & C.
Telephone119
Vende se e aluga se a casa tejre
:i ra Sete de Setembro (antigaCalbougo) n.
Bom empreg-o de ca-
pital
ea quasi nova,
da
6 ; par* tratar na ra do Cabug n. 1
Fabrica de fiaco e te-
cid os de "Satal
Julio & Irmao. praga do ""rpo Santo n. 7,
teem venda os acreditado? algodes dessa fa-
brica, transados e lisos._ ___________
Liquidaco por 30
dias
Aproveitem!
Pedro Aotunes C, desejosos de reduzir a
grande quantidade de raercadorias que existe em
seu estabelecimento, resolveram fazer grande re-
duegao nos pregos, afim de facilitar um enfadp-
nho balango.
Alera de muitos ontros artigos, damos urna no-
ticia ligeira de alguns que podem convir as ama-
veis leitoras. ,. ...
GRAN:>E VAIUEDADE em bicos de seda, li-
nho, algodao e la..
SALDOS DE FITAS de todas as cores e largu-
ras. GuarnigOes de vidrilhos pretos e de cre
palmas, pingentes e gales andaluzos, alta nevi-
dade. a ygretes para cabellos e chapeos. Pes-
tes a Imperial Regente. Cortes de vestidos bo -
dados de 9* a 20*. Vestidos ponto de malhr
para crianzas, prego de 6* a 40. Gorros z ma-
rojo. Aventaes bordados para changas. Rendas
taespanhplas. Lindos arligos para presentes
Porta-caries e flores em electro-pate. Babados
sotm-coeoe bordados. Finas perfumaras.
Afiia* > abnete? fenicados. Commodos e ele-
atea espartanos de 35500 a 10*. Bonitos le-
qr.es de seda, setinta e papel. Braceletes e bro-
ches, ouro romano. Talneres de electro-pate
para crianga? Grande vanedade em calungas.
Capellas, veos e ramos de flores de larangeira
para noivas Finas meias;de seda. Esccssiae al-
codo para senhoras, homens e changas. Enxo-
vaes para baptisados. chapeos, sapatos e meias
Nao
3e?.
63
te esquegam que fazemos todas as conces
RA DUQUE DE CAXIAS-63
Nova Esperancn
Pedro Anlunes k I.
Mel
Vende-se no engenho Concordia, posto na es-
j. o de Bibeiro ou as Cinco Pontss, confor-
me o ajuste.
&tten Vende se o estabelecimento de molhados sito
ra do Hospicio n. 59, o motivo seu proprie-
iario achar-sc doente c ter de tratar de sua
saude.
Vmho particular
Xo armazem da ra do Amorim n. 60 vnde-
se o que pdeftaver de melhor pelo niodco pre-
go de 7*000 o garrafao de tres caadas, vol tan-
do o casco.___________________________
Materiaes
Vndese barato doze milheiros de telhas, ma-
deiras e tijolos de urna grande olana ; a tratar
na ra do Imperador n. 50, 3- andar.
Trlbofe para os especuladores
Na ra do Rangel
ns. 13 e 13 A
G. SANTOS & C.
Jos Bi & G.
13
Completo sortimento de casemiras para ternos
que faz-se por pregos barassiojos.
13 A
Grande sortimento de miudezas *recebidas di-
rectamente de Pariz dos mais afamados fabri-
cantes.
13
Camisas de linbo a 2/000 e a 3/000, colchas
de cores a 1J500, fichs a 900 rs.
13 A
Leques de gaze, penas e setim, espartilhos e
litas modernas, sortimento variadissimo, pregos
mdicos.
13
Cortes de casemiras para caigas o mais mo
derno que ha no mercado e de duraque, seda e
fusto para rolletes.
13 A
Bordados e entremeios Victoria ou transpa-
rente de todas as larguras, pregos sem compe-
tencia.
13
Cortes finos para vestidos em cartees a 6000
e 8*000. ISs de quadros a 160 rs. o covado, chi-
tas de 200 a 280 rs.
13 A
Bicos brancos e de cures, espelhos, jarros fi-
nissimos, mais baratos que em outra qualquer
parte.
13
Gorgorinas para vestidos a 300 rs. o covado,
recebidas directamente, sargetins a 180 rs. o
covado, cambraia com salpicos de cores a 500
rs. a vara.
13 A
Pe-fumarias : sabonetes, extractos linissimos,
oteo Hermosa a 900 rs. o frasco. Gravatas bran-
cas para casamentes, regalas, plaston. man-
tas, etc.
13
Grande sortimento de piastras de 500 alOOO
a Derby Club.
13 A
Luvas de seda de cores e pretas a 15800 o
par. ditas fio de Escossia a UOOO! !
13
Importante ofllcina de alfaiate sob a gerencia
de um perito mestre prompto a satisfazer o gos-
to o mais exigente, por pregos sem competencia.
13 A
Lengos finos de linho, ditos bordados' e de
labyrintho a 500 rs., enxovaes para baptisados,
toucas de setim para changas e meias de todas
asjqualidades.
13
Quem quizer vestirse bem e por pouco di-
nheiro venha a este estabelecimento que encon-
trar alm de um completo sortimento, ince-
ridade, agrado e modicidade nos pregos.
13 A
Grande vanedade de objectos de phantasia
proprio para presentes.
A final
Quem desejar andar no rigor da moda venha
sortir-se oestes dous estabelecimentos que se
confr ternisam afim de combaterem este bicho
horroroso-PRECO CARO.
ft!. AXTO* c C.
Ba do Rauge- n. 43
JOS BIE & C.
Ra do RangeJ B. 13 A.
MAIS BARATO
Na Loja das Lislras zoes
A' RA DUQUE DE LXIAS N. 61
Vende-se fazeudas finas mais barato e
dase descont a quem comprar de 200000
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nSo fr de muito
agrado para quem for comprada e vende
pelos seguintes pregos:
Cachemiras lisas e com listas de
seda de l.ndas cores, a 15400.
Merinos de duas larguras, a 440 e
800 rs., qualidade superior.
Tecldos arrendados c6r de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 400 e 500 rs.
Tecldos de linho, lindos padroes
grados, a 200 e 240 re.
Zeflros lisos e de quadro, a 80 e
100 rs.
HetIns de Maco branco, preto e de
todas as coren a 750 e 800 rs.
Wetins de quadrinhos, a 900 rs.
ttedas lavr-das branca? e de cores ca-
AO
Convite
s
55
familias
ras, a 10400.
GaZes de seda,com fios prateados a
10000.
Cortinados de crochet,
900 ra.
Cambraias bordadas brancas
cores, a 4)J00< a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 160000, 180000 e 200000.
Veos para chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid s
a 10200 e 20000.
TEGIDOS MAIS RARATOS
Percales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
cores finas e seguras, a
em peca, a
de
FOLPVriM
SEM MAI
POR
PAULO B'AI&MOHT
A FALHA DA G0URA?A
(Continuagaodon. 12 3)
CAPITULO XI
O dedo de eu
E, mais baixo, muito Angustiada, muito
perplexa, accrescenton :
Como hei de encontrar uin lago bas-
tante hbil para fazel-o cahir?... como
conseguir obrigal-o a confessar os seus
proprios crime8?... porque nao existe
urna prova contra elle, nada, nada !... A
substituto da crianga ?... Ninguem a
vio. Quanto sua identidade, achava-se
tfio slidamente estabelecida, que seria
preciso um milagre para destruila. Ama-
una, quando tiver certeza de nao ser
acompanhada ou espionada por elle, irei
contar tudo iss ao Sr. Marais, ra Ja-
cob. Mas receio que' elle fique tambem
embarazado como eu...
Estava encostada ao portal, e re%ctia
profundamente, deixando os olhos fixos na
direcejio que tomara o carro c na aual
desapparecera.
Urna voz conhecida arrancou-a sua
proccupao.
Que ests fazendo ahi, Suzana V
perguntava Roberto.
' Vim procural-o.
Pois nSo parece. Mas entra. Se tens
confidencias a azer-me, eatou s.
Ella obedeceu.
Pecha bem todas as portas; Roberto,
disse ella ao mancebo.
E' entSo grave o que tens u contar-
?
O que pode haver de mais grave.
Roberto arriou cuidadadosamen te as pe
sadas cortinas e reposteirosde panno ver
dt.
Vende-se
por preco commodo e com penco capital um de-
posito de cigarros e charutos tora afreguezado :
quem pretender dirija se ra do Rangel n. 62,
botica, que se dir com quem tratar________
Agora, disse elle benevolente e se-
rio, escuto-te.
__ Reconduzi Clotilde casa della do-
mingo passado, disse a nioya sem demora,
isto hontem.
Elle ficou mais branco que a cera.
__Oh! Suzana!... murmurou elle, que
queres dizer ?
Ella levantou-se e, pegando em ambas
as maos do mancebo, cora o doce affecto
de outr'ora, que a rapariga empregava-o
qaando conduzia-o ao eolio :
Estimo-te muito, meu queridinho,
disse ella beijando-lhe 03 cabellos, e nao
quero que soffras !...
Sabes entao ?...
Que voces sao dous corajoes valoro-
sos e leaes... Oh sim, meu Roberto,
sei disto, e de alguma cousa... Por exem-
plo, que Clotilde digna de ti, que tn e
ella foram criados um para o outro, que a
tua velha amiga promette-tc que sers ma-
rido della, e que essa mesma velha amiga
criar os seus filhos como criou-te a ti, Ro-
berto !
Um movimento mais forte que a sua
vontade fez o filho de Pedro- levantar-se
da cadeira em aue estava sentado, com a
cabega oceulta as maos.
De repente vio-se de p, apertando nos
bracos a rapariga como um doudo.
Oh querida Providencia .'. .. mur-
murou elle, tu que tcns sido sempre to
bo, s bemdita quanto s amada !....
Acredito-te, minha Suzana, trazes-me o
paraso ao coracSo... Son feliz, feliz co-
mo nunca o fui!
Ella desvencllhou se do3 bracos do man-
cebo.
Fazes bem/em ter confiaaca, disse
ella com o seu doce sorriso commovido,
mas nio bastante isso.
O que preciso mais ?
Primeiro que tudo, velar por Clo-
tilde.
Ameaca-a entao algum perigo ?
Receio que sim. Recommenda-lhe
que preste bastante attenejio a tudo quan-
to succeder-lhe estes dias. Que nio acre-
dite em carta alguma recebida ; que nao
v a nenhuma entrevista, ainda que lhe
digam que Adelia, tu ou eu que a pe-
gamos. Sobretudo deves ir todas as noi-
tes esperal-a sahida da sua loja e acom-
panhe-S-at casa della.
Farei isso, disse elle muito grave !
Outra cousa. Desvia-te como da pes-
te desse americano maldito, desse canalha
que veio aqui captar tao singularmente a
conhnca de todos.
E' de sir Jonathan Pierce que que-
res fallar, Suzana V perguntou Roberto es-
tupefacto.
Cassas de
120 e 240 rs.
norim de listras aznes muito lar-
gos com 20 varas, a 60000, a pega.
Sargens Unos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardanapos superiores a 10800 e
20000, a duzia.
Atoalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 10000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro
Toalhas acolchoadas e felpudas com
listas de cores, a 40000 e 60000, a duxia
Blcos brancos francezes, a 60t
e 800 rs., a pega.
Blcos finos, brancos, eremos e ma-
tisados, a 20000, a pega.
Baldas a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 rs.
Luvas de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 20000.
Leqnes de papel, a 500 rs. e trans-
parentes, finos, a 20000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 6^000. -
Jabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 r.-.
Kxtractos finos francezes c inglezes
a 10000 e 2;>000.
Bespert adores americanos, a 70.
Hosquitelros americanos com ar
magao a 100000 e 120000.
Espartilhos americanos e ingleze*,
a 40000, .">5)0O e 60000.
Capis le vidrilho e rendas, a 250000
e 805000.
Toalhas de labyrintho para bap-
tisado a 300000, 4O0 E muitas fazendas qne se d por todt o
prego na.
Loja das Listras zoes
Pede se attengao para os pregos abaixo
mencionados :
Cambraia com salpicos a 40000 a pega.
Rendas hespanholas a 10 o covado.
Madapwlao americano a 0, 70 e'80000.
Renda da China, novidade, a 240 rs.
Amor da China a 200 rs. o covado.
Zefiros a 160 e 200 rs., cousa chic.
Espartilhos, grande sortimento.
Guardanapos a 10600 a duzia.
Capas para senhoras, novidade.
Fustoes brancos a 400 e 500 rs. o c->
vado.
Linn bordado a 800 rs. i covado.
Toalhado para mesa a 1)5 o metro.
Esguiao pardo a 400 rs. < covado.
Babados e entremeios, grande sort^
mente.
Colchas muito bonitas a 20000.
Enxovaes para baptisados, finos.
Merinos pretos e de cSres a 500 rs o
covado.
Cortinados para cama a 60000..
Las a 240, 320 e 500 o covado.
Luvas de seda a 20000.
Crinolines a 400 re c metro.
Cambraia branca a 20800 a pega.
Grinaldas para noivas.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co
vado.
Cortes d cachemira, c usa chic
Sargelins de todas as cores a 200 ra. i
covado.
Collarinhos e punhos grande sortiment).
Cretones para vestidos a 320 re. c
covado.
Toalhas felpudas, grande reduegao em
pregos.
Camisas inglezas com e sem collarinhc
Mantilhas pretas.
Brins para roupa de criangas.
Setins de quadro, em cortes, gostos no-
vos e pregos commodos.
Batistas a 120 rs. o covado.
Cretones para coberta a 500 ra. o co-
vado.
Tecidos arrendados para vestidos, cou-
sa chic, a 400 ra. i covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Bramantes 1 sos e trancados a P>00, 10
e 10200 o met o.
Alm do que fica mencionado, temos
mais outras pechinchas que s vista se
pode acreditar.
Dase amostras sem penhor.
55RA DUQUE DE CAXIAS b
FERWMIESDEAZEVEOAC
Breu
marra
F
A proveitemaoccasio
Verdadeiraa pechlncbati
Cortes de cretone combinagao a 44500.
Linora estampado bonitos desenhos, covado
a 300 rs.
Las de froco finas, covado a 280.
Ditos de qur.dros bonitos, covado a 240.
Fusiao de cores, lindo gosto, covado a 160.
Zeliros UrgOfl de quadros, covado a 240.
Ditos de quadros. covado a 120 e 160.
Toalhas alcochoadas grandes, duzia a 44500.
Guardanapos de franja, duzia a 14600.
Saia bordadas finas a 34500.
Fich? linos lisos e bordados a 14-
Sctins de quadros novidade, covado a 14.
Camisas tinas de algodo a !45i0.
Dita- finas de linho a 3*500.
Ta|*etes grandes para sof a 134.
Cambraia branca bordada, pega a 44-
Madnpolao americano muito largo a 6*500.
Mimosa cambraia d.s mogas, pega a 34500.
Ali-'odo largo com 10 metros, pega a 24500.
E oujras nuitas fazendas que se liquidam por
menor prego para acabar
% 'ra Duque de Casias n.
Leja do Triumpho
Bastos & Companhia
A Revoluqa'de 48
A' ra Duque de Casias n. -18
NAO CREIO QUE HA JA COMPE-
TENCIA DE PRECOS
Neste muito acreditado estabelecimen-
to de fazendas finas c modas, como j
teem provado aos seus fregueses, que ven-
dera por menos 30 do qie em outra
qualquer casa, cmtinuam a offerecer as
mesmns vantager.-.
Merinos de quadros e lisos a 2 280 rs. o cevado.
Seda alsaciana (fantasa) pacbrSes escolla-
dos a 280 ra. o covado.
Zefiros de quadros modernos a 120, 14*',
200 e 240 rs. o covado.
Cachemiras lisas e de quadro (combina-
gao) a 320 rs.
Organdis (fazenda de fantasa) a 400 rs, o
covado.
Nanzuks muito finos de 120 a 240 re. o
covado.
Algodosinho muito largo e bom, a 4.5000
c-fi-- a pessa.
Fichs de 12 de todas as cores de 15,
10500 c 2 um.
Cretones claros e escuros a 160, 200 e
240 re. o covada.
Leques transparentes a 2$,_ e de papel a
500 rs., para acabar.
Lindos cortes em cart5es com avamentos
a 6)5, 85 e 105 um.
Camisas de meia (pechincha) a 15 B 15200
ama.
Toalhas de cores para mesa elstica 55
urna. !
Camisas francezas de linho puro de 45
por 55, urna.
Brim branco n. 6 a 15600 a vara.
Madapolao americano com um metro de
largura a 65 n pessa.
Brins de linhos de cores finas e garantidos
a 600 rs. o covado.
Bramante trancado duas larguras a 400
rs. o metro.
Atoalhado de linho a 15500 o me^ro.
Cortes de fustao para colete a 15 e 15500
um.
Toiletts para baptisados, maito finos a 105
e 125 um.
Espartilhos de couraga a 45 e 55 um.
Cachemiras de 13 pura, claras e escuras a
25 o covado.
Setins de todas os cores a 800 rs. o co-
vado.
Cortes de cachemiras finos a 45, 55,. 65,
75 e 85 um.
Lengos de cores, imitagao de seda, a
15800 a duzia.
Esguiao de algodao, duas largaras, a
35200 a pessa.
Colchas de crochet com palmas de cores,
para noivos a 105 urna.
Capellas com veos a 85 urna.
86 na Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
Vende-se em barricada 30 rs. a libra
mazem da roa do Amorim n. 60.
no ar-
E de quem havia de ser entao ?...
Adelia, Pedro, tu, Roberto, sao honestos
de mais para que possam 1er em certas
almas mais negras que o inferno. Esse
estranho soube aboletar-se no seio desta
familia, immiscuir-se na sua vida... e tao
esperto !... A ti sobretudo, Roberto, elle
inspirou affeigao, velando pela tua moci-
dade. Acreditaste que isso era por soli-
citude, e ficaste-lhe reconhecido, sem adi-
vinhar a que fim oceulto obedeca o ban-
dido !...
Suzana!... Nao ests divagando?...
Cala-te, s eu o conhego, cnxcr
gue-o em plena luz, adivinhei a ma:s in-
significante das suas acg5es. Mas, Rober-
to, mesmo sem comprehender-me comple-
tamente hoje, supplico-te que me obede-
gas, que te cales, que me acredites !...
Em nome do teu amor por Clotilde, con-
servem-se os teus labios mudos durante
alguns dias ainda, mas irrevogavelmente
unidos, mesmo perante tua ma, mesmo
perante teu paij... Para attingir o fim que
eu miro, hei de precisar talvez do teu au-
xilio... Nao sei ainda ao certo, mas tudo
pode succeder. E'-me pennittido contar
comtigo absolutamente, completamente ?
A palavra soberanamente enrgica e de-
cidida da intellgente rapariga, que elle
sabia ser tao honesta e tao dedicada, im-
pressionara Roberto at o intimo de sua
Estimava sir Jonathan, ou antes res
peitava-o, pois a su affeigao recebera pro-
tundo golpe em presenga do ceg amor de
que o americano cercava Georgina, que
tornara-se to antipathica naquelles lti-
mos tempos ao filho de Pedro.
Mas esse respeito votado ao antigo pro-
fessor nao podia de modo algum ser equi-
parado ternura e gratidao experimen-
tadas pela amiga da sua vida inteira, Su-
zana, em que todos de casa tinham tao
absoluta confianga.
Estava se acostamado a acreditar na
sua palavra, a respeitar as suas decsSes.
Pois nao era ella a dedicagao, a intelli-
gencia e a lealdadc personificadas ?
Sim, disse gravemente Roberto, per-
tengote inteiramente. Quando ordenares
obedecerei!
Tanto de dia como de noite ?
_ Sempre.
E me confiars tudo quanto se der,
tudo quanto se pasear?
Sim, tudo.
Mesmo do que disser respeito va
Georgina ?
Oh disse elle encolhendo os hom-
bros significativamente, essa em nada in-
flue no meu coracSo.
Indue, no entanto, e poderosamente,
Papel de forro
Je sala, gabinete e corredor, esplendido sorti-
mento n livraria Contempornea.
Roya) Rleod marca YIADO
Este excellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Hoy al Blend marca Vlado
cujo nome e emblema sao registrados par*
todo Brazil.
BROWNS & O, agentes.
Vende-se
um estabelecimento de molhados ra do Ran-
gel n?a3, e garante sea chave ao comprador : a
tratar no pateo do mercado, talho do commercio
n. 2, com o dono.______________________
Cofres de ferro
Carlos Sinden tem para vender cofres de su-
perior qualidade, mais barato que em outra
qualquer parte : na ra Bario da victoria nume-
ro 48
A LOJA MAIS BARATBRA
PARIZ NUMRICA
AZEVEDO, IRMaO & U.
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephone200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo e pregos sem com-
1>( tcncia.
A saber ;
Capas de surah, senda e merino.
Renda-preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de la e 15 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 15000 e 15200.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 15500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 15500
Chachemiras com 2 larguras a 800 re.
Ditas de l e seda 2 larguras a 15000.
Madapolao trangado a 95000 a pega.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito Boa-Vista, verdardeiro, a 65000.
Fichs de 12 e seda 15000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos couraga a 45000 e 55000.
Colchas de fustao a 25000 e 35000.
Capellas para noiva com veo bordado a
65000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 15500.
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama s
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900.
Guarnigoes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 45000.
Capachos de coco. m
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol.
Setinta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200 _^______
Leite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio lo-
go depois das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garntese a qualidade do leite.___ ___
Pao centeio
Mello A Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas1 e sextas-feiras, tem este sa
Doroso pao ; ra larga do Rosario n. 40^______
!
nos acontecimetos que vao dar-se. Sao Fo provavlemente tude isso reunido que
as suas acgSes e as suas palavras que
preciso sobretudo vigiar, porque ellas po-
dem ser o echo do pensamento de outro.
Na verdade, Suzana, nao achas ex-
traordinario o I amor de sir Jonathan por
ella ?
Extraordinario, nao.
Roberto olhou para ella txarr.ente.
Suzana, diante do clarSo que accendeu-
se nos olhos do mancebo, arrependeu-se
das suas palavras.
Ella parece-sc com :i finada irma
delle, segundo disseram-me.
Robert 1 nti-< rept-eoo.
A joven governante levantou-se.
NSo procures aprofundar estas cou-
sas antes da hora aprazada, disse ella ;
contenta-te em ter confianga na minha af-
feigao por todos voces. Mas vela por
Clotilde. A partir desta noite. acompa-
nha-a casa della e por cousa alguma
deixa de fazer.
Esta recommendagSo fallava muito de
perto aos mais secretos pensamentos de
Roberto para que elle nao obedecerse.
Ao tempo que o mancebo recahia as
suas reflexSes, Susana afastava-se.
Sir Pierce, devendo partir as seis horas
da estagao de S. Lzaro, voltaria cedo in-
fallivelmente com Georgina.
Era preciso que o americano, sua vol-
ta, encontrasse a joven governante no seu
trabalho, tranquilla como de costume; o
menor concilibulo, a mais ligeira emogao,
despertariam as suas suspeitas ; e Suzana
comprehendia que era preciso evitar a to-
do transe.
A's cinco e meia eft'ectivamente voltou
a carruagem.
Na diante'ra do vehculo via-se urna cai-
xa enorme; era o vaso que Georgina qui-
zera trazer comsigo immediatamente, em
deixar loja o trabalho de mandar entre-
gal-o.
Sir Jonathan desembarcou em primeiro
lugar e tomou a moga nosbragos para aju-
dal a a descer.
Com infinitas precaugoes, fel-a subir os
degros da entrada e dirigio-se com ella
ao sallo em qje se achava Adelia.
Minha senhora, disse elle a esta ul-
tima, trago-lhe Georgina um pouco incom-
modada. Ella queixa-se de dor de ca-
bega.
__Meu Deus, o que teus tu ? pergun-
tou a Sra. Chaniers assustada.
Na loja ohineza em que entramos
para comprar o vaso, respondeu a rapari-
ga..havia um cheiro exquisito e penetran-
te de musgo, patebouly, incens, nao sei
que mais, porm urna cousa muito repug-
nante, que enjoou-me logo o estomago.
fatigou-me. Estou sem duvida com urna
enxaqueca, e nada mais.
Sir Jonathan pegou na mao da menina
Chaniers.
Voc est com a pelle fresca, Geor-
gina, disse elle; nao ha de ser nada. Es-
ta manha o estouvamento de D. Suza-
na perturbou a sua digestao; os cheiros
desagradabais da loja fizeram-lhe sem du-
vida dr de cabega; tudo isso reunido
produzio-lhe effectivamente a enxaqueca.
Urna chicara de cha e um bom somno, e
tudo desapparecera.
Levantou-se.
0 tempo corre, disse elle, vou-me
einbora. Voltarei provavelmente amanha
tarde ; trate de ser corajosa. Depois de
amanha iremos juntos levar embaixada
dos Estados-Unidos os papis, gragas aos
quaes tornar-me-hei seu pai.
Pronunciou esta ultima palavra cem tim
bre de voz extraordinario, muito meigo,
mas que de repente extinguio-se-lhe na
garganta, como se elle toase perder os
sentidos.
Dominou, porm, sbitamente a sua
emogao e voltou sua frieza costumada.
Adelia olhava effectivamente para etle
de modo singular ; ella, at all, no en-
tanto, tao indifferente aos ardentes teste-
munhos do louco affecto que elle prodiga-
lisava constantemente a Georgina.
A8saltal-a-hiam de repente ciumes de
sua filha?...
Ou?...
Jonathan, extremamente angustiado por
estas reflexoes, resolveu nao beijar a me
nina Chaniers.
Foi na mao de Adelia que elle pousou
os labios demoradamente, profundamente,
murmurando esta nica phrase:
Pense em mim, Adelia!...
E olhava para.ehVternamante.
Com alegra profunda, e que se refle-
tio immediamente nos seus olhos, verifi-
cou que ao seu nome, pronunciado por
elle pela primeira vez, a viuva [nao pa-
reca ter-se zangado, antes mostrava-se sa-
tisfeita.
Georgina recostara-se em urna poltrona
baixa, e, com a cabega cahida para tras,
\pareca abatida, com os olhos fechados.
__Nao a acorde, disse ella brandamen-
te. Se ella puder dormir at hora de
jantar, is\o hora e meia ou duas, a sua
iudisposigao se dissipar.
Sir Pierce afastou se sem ousar accres-
centar urna palavra.
Estaba ub pouco inquieto, sim.
Mas afinal de contas urna enxaqueca
cousa tao simples!
Sim, disse comsigo ao embarcar na
Para jornaes
Papel formato Diario, 500 folhas
Dito dito Jornal, 400 folhas
Dito dito Provincia, 400 folhas
Vende-se na fabrica Caxias.
7500
5*000
4*500
Superior queijo do Serido a
1^500 o kilo
S no largo do Mercado n. 12, Gomes Ferreira
4 C. Successores.
carruagem, amanha encontral-a-hei mais
bella e mais bem disposta que nunca!...
Mas o somno pesado e inquieto que aca-
ba va de apoderar-se de Georgina nao a
repousou, ao contrario.
Quando abri os olhos, estava alque-
brada; a sua euxaqueca, longe de acal-
mar-se, tinha-se aggravado, aposentndo-
se com os enjoos particulares que acom-
panham esse genero de indisposigo.
Dentro em pouco s intoleraveis dores
as tmporas, foram juntar-se os vmitos.
Comquanto urna repugnancia invencivel
houvesse succedido em Suzana, desde a
vespera, a paix3.o insensata que enchia, ha-
va dezesete anuos, o seu coragao pela
crianga a quem tinha creado, a joven go-
vernante despio a doente, levou-a para o
seu bonito quarto, de paredes cor de rosa
e deitou-a no seu leito alvo.
Pouco a pouco, apezar dos cuidados de
Adelia desesperada, a pelle da moga loi se
tornando mais quente, os seus magnficos
olhos foram-se circulando de larga man-
cha azulada os seus labios embranque-
ceram-se, ao passo que devorava-a ardente
sede.
Ella qucxava-se sobretudo da garganta
e dos rins.
E' preciso chamar, o medico, decla-
rou a Sra. Chaniers, cerca das nove ho.
ras, a Pedro, tao inquieto como ella.
Vou eu mesmo, rephcou o Sr. de
Sauves, porque, se elle nao estiver em
casa, irei procural o no club.
Continuava a ser o Dr. Graniere o me-
dico da familia, o amigo do rmao e da ir-
mS.
A cabega de Georgina era completa-
mente uvadida pelo atordoamento, o seu
rosto, de pallido que estava antes do jan-
tar, tornava-se de um Verme !ho carregado,
e urna grande oppressao faziasibilar-lhe o
peito.
Nao pareca reconhecer nem sua mai
nem Suzana.
De quando em quando smente, ella
erguia-se offegante do travesseiro, e com
voz quasi inintelligivel dizia :
Tenho sede !...
E emquanto Adelia precipitava-se, com
urna chicara na mao, ella recebiava vida-
mente, febrilmente, e bebia o liquidotde
um trago, tornando a cahir para tis mais
ardente que antes, inconsciente e dolo-
rida .
Suzana! todas as nossas imaginag3es
vao causar infelicidades a esta crianga,
disse finalmente a pobre m3i desyairada,
Estou desesperada. Ve como-si a s"
fre !... Es muito mal, fiiango-te !...
30f-

;i
"



'
' -*"''
'
-
Typ. do roiro ra Duque de Caxiaa n. U.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU96Q2ZLK_83XYPS INGEST_TIME 2014-05-28T18:57:22Z PACKAGE AA00011611_19827
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES