Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19817


This item is only available as the following downloads:


Full Text
m\
AMO LIII 1IMEBO 40
ff a=aa=.
PARA A CAPITAL E Llfi.tRiO 0\UE MI SE PACiA PORTE
Por tres roezes adiantados............... 6f$000
Por seis ditos dem.......... ...... ii'iJOO
Por um anno dem................. 23O0O
Cada numero avulao, do mesmo dia............ i$10
DIARIO
SABBABO 19 DE FEYRSffiO 11881
PARA DENTRO E PORA DA PROTIMCIA
Por seis mases adiantados............... J 13J500
Por nove ditos idem................. 200000
Por um anno idem.................. 270100
Cada numero avalao, de das anteriores........... #100
pr0ptteiai>e toe M&no itgpctra be Jara 4 Silbos
i

t



TELEGRAMAS
ssara ?ast.wus so biasio
RIO DE JANEIRO, 18 de Fevereiro,
as 3 horas e 40 minutos da tarde. (Rece-
bado s 5 horas e 50 minutos, pelo cabo sub-
marino).
4 *
trabaran para a Europa no pa-
fui'lt- Ingle o lr. Jooquim Anrelio
\bnfo de traojo.
58aVIC5 BA A&SJfCIA SAVAS
(Especial para o Diario)
MONTEVIDE'O, 18 de Fevereiro. '
tqni e na cercana da cldade de-
rana e apenas de honlem para boje*
9 cato* novo e 3 bito de cholera
sorba.
S. PETERSBRGO, 18 de Fevereiro.
O Joraae rao annunclana que
goTerno do Csar et revolvido a
impeJir pela fi>rea da arma o e
aasaxnento evenlaal da Franca
Agencia Havt.s, 5!ial em Peroambuoo.
18 ie Fevereiro de 1887.
NSTRUCC POPULAR
';

(Extrahido)
DA BIBi.IOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
VII
Epilogo
(C u nc I'-selo )
Tabella D
Tabella em que se compara a /orea alcoolica dos
vinhos da Europa com a dos de Portugal
Europa vincola
*
5 o h
> o 5
3 i o o **
Regioes Nomes h Q 3 a -I
-2 A -
t* N
-- m
6
Vinhos do Palatiuadu... 9
Norte..... Vnoos da 8axonia..... 9 > 8,8
Viohos da Hungra..... 9
1 ii J
( Vinhos doMeio da Franca 13 l 145 16 ) 14'S
*-*">.....( Vnhos de Hespanh*....
Vinhos da Grecia....... 18 )
18 I
Meia-da,..< Xeres...............,. 16 >20,0
24 1
Marsala............... 24
Portugal vincola
v ( Vinhos de Braga.......
moM { Vinhoa de Coiuibra.....
.1

<>ir''n ..
Mein dia.
Vinhos de SanUrem....
Vrnl i de Ln'b -'a.......
V'inijs d<; Aveiro......
V;nh"S da Companhia..
Vinhoade Lisboa......
V...h .* do Algarve. ...
8,5
16 )
14 }14,C
24
20
91
i
I;
'bella E
Comp ir red i das quanlidades de carbonio e de atte
fonrcida* n t alimentacao do individuos das
elasses abaixo indicadas
Carbonio Aste
Operarios agrcolas das berdades
de Vanclose (segundo Gasparin)
Operarios de cerveze............
Operarios da L itnbardia.........
Operarios inglezes do norte......
Operarios franceses (no caminao de
ierro de Roueu)..............
'IVfiO-.-a e castureiras ( E. Smith).
Soldados trancezea (Levy).......
Matu'ueiros franceses...........
Operarios irlandeses............ 670
Operarios francezes em descanco.. 280
Operarios francezes trabalhaado.. 480
502
710
694
420
384
267
277
22,15
24,16
27,6o
20,00
31,90
11,00
21,50
'2 50
1850
20,00
30,00

__ ?ABTE UFF1C1JI___
lioverno da provincia
.XPEDIEXTE DO DIA 28 DE JABSIB0 DE 1887
Actoa :
O presidente da provincia, tendo em vista o
officio n. 19, de 18 do correte mes, do inspector
{{eral da iustrcelo publica, resolve, asando da
facaldaie conferida pefo art. 215 do rcgulauaento
de 6 de Fevereiro de 188'a, aapprimir a 3. cadei-
ra de ensino primario do Santssimo Sacramento
da Boa-Vista, vaga pelo fallecmento do pro-ssor
Joio Jote Rodrigues Coiomunicou-se no inspe-
ctor da inatruecla publica o ao do Tbesouro Pro-
vincia*.
O presidente da provincia, attendendo ao
qae reqnereu o guarda da Casa de Deteuclo, Ge-
nesio G.roncio Peixuto d Albnquerque, resolve
ooceder-lhe 60 lias de iicenca coan ordenado,
para tratar de sua s>-.de onde Ihe convier, a con-
tar de 20 de Desembro fiudo.
OfBeijs :
Ao presi 'eiite da provineia da Parahyb*
Eia rrsposta ao officio de V. Exc., de 21 de De-
aeotbro prximo finjo, n. 1,591, cabe me diser-lhe
que nVi possivel fnzer-se a cobraaea de 'que
ata c-iui os agentes fiscaea e poiiciacs desta pro-
viaeia : p trari i boin derempeobo das attribuic-s pro-
prias de raes'funccioiiarios, anda a le provincial
m. 1,141 de 8 de Juoho de 1874, art. 55, terminan
latente pnbioe at agesino que eobranca de igu1
aatwresa se ta^a coui os agentes flaca es das pro
viacias limitropbes no territorio da provincia.
Ao coraman jante das armB. Deferindo o
requerimento de Candido L-odoro de Sonsa Mi-
randa Couto, autor i so V. Exc, i vista da sua io-
formaco n. 33 de 18 do Crrente e do at testado
medico exhibido pelo supplicante, a conceder ao
filho d'este, 2 cadete* do 2. batalbio de infan-
tera, Jos Agapito de Miranda Cont, Iicenca
por 20 das para tratar de sua sade em casa do
meamo sapplicante.
Ao mesmo.Sirva-se V. Exc. providenciar,
afim de qae, no da da partida para o sul do va-
por Cear, qae se espera dos portes do norte a 23
do correle, apresente-se na repartilo da polica
um offiuial e dons sol Jados de primeira lioha, no
aentido de acompanharem at a corte o bacharel
Eduardo de Barros Fule-So de Lacerda, qae all
tem de responder a ama ordem de habeas-corpus
perante o Supremo Tribunal de Jastica.
Ao inspector da Thesouraria de Fasenda.
Declaro a V. S., para os fina convenientes, qae,
segando consta de aviso de 5 do correte, sob n.
1, o Exm. Sr. ministro da agricultura, commercio
e obras publicas autorisoa a directora da conser-
vacj dos portes desta provincia a comprar
Companhia P. rnambucana, pelaquantia de..
4:0004, ama caldeira, ja asada, mas anda em
bom estado, para o vapor destinado ao servico de
transporte da vasa.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal das comarcas de Taquaretipga, Bom Jar Jim e
Liraoeiro.Declaro a V. S., em resposta ao seu
officio de 10 do correte, que, segundo consta de
partieipaco do delegado encarregado do expe-
diente da polica, de hontem datada, sob n. 47,
foram dadas as necessarias ordens no sentido de
Ihe seren foroecidas as listas de qae trata o cita -
do officio.
Ao inspector do Thesoaro Provincial.In-
forme Vmc. se foi publicado o edital cbamaudc
concurrentes, e com antecedencia de quaotos dias
de praca, relativamente ao servico do illuminac2o
publica de Iguarass, de que trata essa inspecto-
ra em officio de 13 do correte, u. 366.
Ao commandante -aspasrpa de polica.
Mande Vmc. destacar no 1.* districto do Poco da
Panel la qaatro soldsdos e um cabo, sob o com-
mando de am interior.
Palacio da Presidencia da Peruambaco. Be-
cife, 20 de Janeiro de 1887.1. seccao.Cir-
cular.De conformidade com o aviso-circular do
Ministerio da Jastica, de 30 de Desembro fiado,
baja V. S. di: dar suas ordens para que os offi
ciaes nomeades para a guarda nacional se apr-
senteos tardados e promptos para o servico dentro
dos prazo; marcados no art. 20 do decreto n. 1,354
de 6 de Abril de 1854, contados da data do cita-
do aviso, sob pena do seren privados dos respec-
tivos postes, nos termos do art. 65 da lei a 602
de 19 de Setembro de 1850, pena esta que tam-
bera ser applicada a todos aquelles qae comea-
dos d'ora em diaote nao camprirem semelbante
preceito legal ; devendo V. S. trazer ao meu eo-
nheeimente o qae occorrer a respeito.
Dos guarde a V. 8. PeoVo Vicente de Ate-
vedo.Sr. com nandante superior da guarda na-
cional da comarca de...
Portara :
Respondo ao offijio de 18 do crvente mes,
da Cmara Municipal da Encada, declarando qae,
se a Cmara nao se reuni por falta de numero e
nao deferio o juramento em sessSo aoa novos elei-
tos, essa atrribaicao, bem como a de chamar para
presidente provisorio o uta a velho dos vareadores
novos, com jete ao mais votado doa ex-vereadores
presentes, on mesmo ao nico qae se aposentar,
(Aviso n. 181 de 20 de Abril de 1861, o, 70 de
1883)
Assim constituida a nova Cmara, sob a presi-
dencia do veresdor mais veiho qae se apresentar,
este far proceder immediatamente em seguida
e'eicilo do presidente e vioe-presidente, e caso
para isso nao possa constituir sessie por falta de
vereadores novos, suficientes psra havor maioria,
convocar ento os immediatos precisos para pre-
taser maioria dos membros da Cmara, sendo que
os cdados convidados a tomar asaento como ve-
readores, effeutivos ou supplentes, nao compare-
eendo, podem ser compelldos por mnio de multas,
na forma do art 28 da lei do 1.* de Outubro de
1828. e afina! processados criminalmente. (Art.
128 do Cdigo Peoal.)
Reccmmendo Cmara Municipal de L -
moeiro que remett secretaria desta presidencia
os documentos comprobatorios da despesa de que
fas mencao o balance aooexo aoeeu officio de 17
do correte, afim de serem enviados opportuna-
mente Assembla Legislativa Provincial con-
forme dispem os arte. 81 e 82 da lei n. 1221 de
21 de Janeiro de 1875.
Inteirado pelo officio de 7 do correte que a
Cmara Municipal de Alagoa de Baixo, nao se
acha de posse do respectivo temo de p:sos e me-
didas do syatema mtrico decimal, e reconhecendo
a mesm* Cmara, segando o final de seu citada
officio, que muito se resente da falta de taes pesos,
cumpra que pela veibaE\entuaesdo 11 art.
24, da lei n. 1882, ou por outro meio mande re-
ce bel-os na Alfandega, solicitan Jo previamente
desta presidencia a i -vid i entregt.
Portaras :
O Sr. agente da Companhia Braiileira de
Navegacao faca transportar pir conta di Minis-
terio da Jua-.ica, at o Rio de Janei'o, a bordo
do vapor Cear, o btcharel Eduardo de Barros
Falco de Lacerda, seu detenter o major Leopoldo
Borgea GalvSo Ucha. e mais am official e duas
pracas de 1* liuh.Gommunicou-se ao chefe de
polica.
O Sr. gerente da Companhia Pernambacana
d passHgeui, por conta do Ministerio da Justica,
para a provincia da Parabyaa, a bordo do vapor
Pirapama, que boje para all segu, aos soldados
de polica daquella proviucia, Marcolino Francis-
co das Chagas, Luiz Mjreira Franco e Joo L?o-
poldino Camello, osquaes vao escoltando oeriasi-
0080 Antonio Ferreira Tavares, qae tamb:m deve
ter pssssgcm por coate do referida ministerio.
Communicoi-se ao ebefe de p licia.
EXPEDIENTE DO DIA 21 DE JAIBIRO DI 1887
Actos:
O presidente da provincia attcnJendo ao que
requeren o capillo Manoel Th.miz de Villa Nova,
tabillio e esenvio de orphos do termo de Ga-
ranbuna, resolve prorogar provisoriamente por
tres meses a Iicenca com que est o peticionario
para tratar de sua saude.
O presidente da provmci* resolve nomear
Jos Tiburbino da Costa Ribeiro para exeiccr o
cargo de delegado do districto Iliterario de Nossa
Senh ira da Dores de Pocoes, em substituicio de
Severiano Rodrigues Pires Jatob, que nao acei
wu o lespsctivo cargo.Remettea-seo respectivo
tituh ao inspector geral da instruccSo publica..
Officio8 :
Ao Dr. Alvaro R?dovalho Marcondes dos
liis, presidite da provincia de Matto-Grosso
Pelo officio, a que respondo, de 9 de Desembro
fiodo, fica acierte de haver V. Exc. prestado ju-
ramento e tomado pisse do cargo de presidente
desaa provincia. Aprsente a V Exc. mens pro
testos de estima e consideraco.
Ao Dr. Fausto de Freifas Castro, 1* vice-
presidente da proviucia do Rio G-ande do Sul
rVIo officio, a que respondo, de o\ de Dez-mbro
findo, fico inteirado do baver V. Exc. prest .do ju-
ramento e assamido aadministracVidessa provin-
cia, na qualidade de 1 vice-preaid-nte. Apr-
sente a V. Exc. meus protestos de estima e eon-
sideracio.
Ao presidente da provincia da Parahyba
Sobmetio consid--racio de V. Exc. copia do offi-
cio em qae o Dr. obste de polica pude providen-
cias para que se no reprudosam os factos men-
cionados no ciUdo officio, Kitribaios a praoas de
polica dcsia provincia.Commuoicoo-se ao Dr.
chefe do po'icia.
Ao commandante das armas.Sirva-se V.
Exc. de providenciar para que opportuaamente
sejam r< mettidos para o presidio de Fernando de
Noroaha, os sentenciados militares de qu; trata o
inclusa aviso por copia, do Ministerio da Jastica,
de 3 do corrate mes.
Ao director interino da Faculdade de D-
reto do ReciteAfim de ser enviada ao Exm.
Sr. ministro e secretario de estado dos negocios
da jastica, conforme exige em aviso de 11 do cor-
rente mez, recommendo a V. Exc. que me remeta
ama copia aathentica da carta de bacharel dojuiz
(te direito Antonio de Soasa Lima.
Ao Dr. chsfe de polica.De conformidade
com a ioformacao do inspector do Thesoaro Pro-
vincial, em offiuu n. 373, de 17 do correte mes,
decliro a V. S. qae aatoriso a iocacao da casa de
Joaquina da Costa Mar tas, contratada para servir
de quartel ao destacamento de Atsgados, desde
14 do Novembro do anno prximo fiado, ama vez
que o aluguel mensal nao exceda de 14/000, preco
porque esteva alugada a casa qae anteriormente
se prestava a esse servico.
Assim fica respondido o officio de V. S. n. 3,
datado de 4 deste mez.Communccu-se ao ins-
pector da Thesoaro Provincial.
Ao meamoOonvm que V. S. me informe,
com urgencia, sobre o facto attribuido ao subde-
legado do Loreto, Jos da Silva Barros, e pabli-
cadi na Prooimcia de hoje, com o tituloMuri-
beca.
Ao mesmo--Transmtto s V. 8. o incluso te-
legramma, que me foi enviado pelo juis de paz de
Catende, afim da prestar-me as necessarias infor-
marles acerca de que nelle se con t m.
Ao inspector da Sade do Porto.Recom-
mendo a V. S. que me remetta at o dia 15 de
Fevereiro vindouro o relatorio de quo trata o art.
95 n. V do decr. n. 9,554 de 3 de Fevereiro de
1886.
Ao inspector da Thesouraria do Fazenda.
Mande V. S. justar coatas ao alteres do 2 ba-
talhao de intentara Jos Soares de Mello, qae se-
gu para a corte, ao vapor Cear, esperado do
norte.
Ao mesmo.Declaro a V. S. para os fin
convenientes, que auterisei o director do Arsenal
de Guerra a satisfacer o pedido de uma cale* de
panno fiao azul fraaoeze urna sobrecasaca de pan-
no fino com divisas de galio que, para seu uso,
fas o tenente do 2- batalho de lafantara Manoel
Alcntara de Souza Cousseiro.
Ao mesno.Remetto a V. S. para urgente
execuco copia do aviso circular do Ministerio da
Agricultura, Cimmercij e Obras Publieas de 12
do corrate, soba. 10, acompanhadade doas exem-
plares impresaos dos mappas, em cujas claros de-
veri; ser preeuch.dos os dados relativos a prodc-
elo agrcola deste proviucia durante os cinco l-
timos i-xerciojs com o valor exacto da expor-
ta cc.o.
Ao mesmo.Transmute a V. S. para es fina
convenientes a relacao das objectos necessarios ao
servico da companhia Recite Drainage, esperados
Ha Europa no vapor ingles Oratur a 22 do cor-
rentc e que devem ser despachados na alfandega
livres de direito, conforme solicitoa o respectivo
fiscal em officio de 17.Commuoicou-se ao res-
pectivo fiscal da companhia Recite Drainage.
Ao mesno.Declaro a V. S. que, segando
commuaiooa-me o Ministro da Agriou.tura, Com-
mercio e Obras Publicas en aviso n. 1, d* 12 do
corrate, foram sollicitadas as necessarias ordens
afim de qae nessa thesouraria seja posta por con-
ta dJ exercicio findo da verba E ven tuses, art. 7'
da lei do orcamento do exercicio de 1885-1886, o
crdito de 22/500 para ser applicado ao paraman
to divido a Cimpaahia Peruambacaaa de Nave-
gacao Costeiro, pelo fete de 25 saceos com paos-
phato de cal ao presidio de Fernando de Noroaha,
conforme essa inspectora solicitoa em officio n.
34 de 28 do mes fiado.
Ao mesm i.Remetto a V. S. psra os de vi-
dos fias, a conta em duplcate na importancia de
86/240 proveniente da pintura de quatro boias de
que se oceupou sua nformacao de 19 de No?embro
prximo paasada, n. 811 e de que trata a ordem
do Tbesouro Nacional n. 266 de 23 de Dezem-
bro.
Ao director do Arsenal de Guerra.Mande
Vmc. satisfaser o incluso pedido de artigas de tar-
damente, qae para seu uzo faa o tenente do 2- ba-
talhao le ntaotera Manoel de Alcntara de Soa-
sa Cousseiro.Jommuuicou-so ao commandante
das armas.
Ao director do presidio de Fermodo de No-
rooha.Providencio Vmc. para que oppertuoa-
meote seja recebido oease presidio os sentenciados
de qae (rata o incluso aviso por copia do Ministe-
rio dos Negocios da Justica de 3 do cu-rente.
Aos engenheros fiscaea das estradas de fer-
ro geraes e ao chefe do proloogameoto.Em cum-
primento do aviso circular do Ministerio da Agri
cultura, Commercio e Obras Publicas de 30 de De-
zembro ultimo, sob n. 158 do Jual consta ser in-
tento do governo tornar completa e nnitorme a or-
ganisaca-i dos dados estatsticos referentes, ao
movimeoto do traf-go, receita e despeza das di
varsas estradas do imperis, remetta Vmc. afim de
sorem adoptados para o referido fino, os modeles
inclusos.
Ao mesmo.Remetto a Vmc. para os dev-
dos fins, copia ds aviso circular de 12 do corren-
te, sob n. 1 em qae o Exm. Sr. ministro da agri-
cultura, commercio e obras publicas exige as pre-
cisas loformac.'s para o relatorio que tem de ser
apre&entado a Assembla Geral Legislativa em
sua prxima reuuio.
Ao director da colonia IsabelPara satis-
faser a sxigeacia do aviso n. 5 da 12 do correte
mez ao ministerio dos negocios da agricultura,
comroereio e obras uublieas, recommendo a V-
Rvma. que me remetta infarmacoes dos trabalbos
d.-ssa oloma, para que sirvam ao relatorio qae o
mesmo ministerio tem de apresentar a Assembla
Geral na sua prxima reuniao.
Porteras:
A' Cmara Municipal da GamelleiraDe-
termino Cmara Municipal de Gamelleira d'
as providencias do estylo afim de que se proceda
nesse muniepio no dia 16 de Fevereiro prximo
vindouro eleicao para juises de pas, que deixou
de ter lugar no da 10 de Desembro fiado pelos
motivos expastos ao officio qae me diriga a res-
pectiva mesa eleitoral.
0 Sr. ag-nte da Companhia Brazileira faca
transportar corte, por coala do ministerio da
guerra, no vap ir Cear, esperado do norte, o al-
teres do 2- batalho de iufaotaria, Jos Soares de
Me lo, que para all segu em virtude de reque-
sico da repartilo de sjudante general, e bem as-
sim seu criado de nome Martioho.Uommuaicou-
te ao commaudaute das Armas.
\ aXPBDiaiTB DO SECBBTAJMO
Ao commaodaote das Armas.S. Exc o
Sr. presidente Ja provinci manda comniuaitsar a
V. xc. ter autorisado o director do Arsenal de
G ierra a satisfaser O pedido que veio anneio ao
s u officio n. 38, de hontem datada.
Ao inspector do Arsenal de Marioha. O
Exm. Sr. presidente da provincia msoda commu-
oicar a V. Exc em resposta ao seu officio n. 477
de 23 de Setembro ultimo, que a Thesouraria Fazenda acia-se habilitada pela ordem do The-
souro Nacional n. 266 de 29 de Desembro a pa-
gar a conta de pintara de 4 boias de qae trata
seu meocio ado officio.
Ao Dr. Francisco de Asan Rosa e Silva,
1 seereterio da Assembla Legislativa Provin-
cial.C Exm. Sr. presidente da provincia, man-
da con.mun ar a V. S. que nesta data proferto o
seguate despacho no seu officio n. 197 da 81 de
D> zembro uitimo, relativo ao ponto dos empren-
des da secretaria deesa assembla a dw
graphos, correspondente aa alla^Mo mes
mettido -"^r. inspector do Tbesouro Provincia
idos fins.
sujo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda communoar a V. S. que no ssu offi-
cio n. 196 de 18 de Desembro findo reme t ten Jo a
relacao dos Srs. deputados que comparecern)
seaso extraordinaria dessa Assembla encerrada
naquelle dia, proferoo seguate de .-i acha : R-
mettido ao Sr. inspector do Tbesouro Provincial
para os devidos fias.
Ao inspector da Thesouraria de Paseada.
O Exm. Sr. presiddate da provincia mana remet-
ter a V. S. a inclusa ordem do Tbesouro Nacio-
nal n. 1 de 11 do corrate mez.
Ao Dr. Manoel Pedro Alves de Barros, se-
cretario da provincia de Matto-Grosso.Pelo of-
ficio de 9 de Diembro findo fico sciente de ha-
ver V. S. prestado jur-meuto o temado piase do
cargo de secretario dessa provincia.
Aprsente a V. S. m.-us protestos de estima e
coasiderac&o.
Ao Dr. Juiz de direito da comarca de Aguas
Bellas.Para se resolver sobre o assumptj de
sea officio de 7 do corrate mes recommsqdo a
V. S., ds ordem do Exm. Sr. presidente da pro
vincia, que com a possivel brevdade transmuta
a esta secretaria publica-forma do titulo ds pro-
vimento vitalicio do serventuario Lourenca Foo-
toura da Costa, e caso nao seja possivel satsfazer
tal requebeo compre qae V. S. declare se o mes-
ai i serventuario exercia vitaliciamente os offlsios
de eserivo do jury e execuedes crimioaes.
- Ao Dr. juiz de direito do > listricto cri-
minal da comarca do Recife.De ordem do Exm.
Sr. presidente da provincia, communco a V. S.
qae o Exm. Sr. ministro e secretario de estaado
dos negocios da gueria em aviso de 10 do corra-
te mez, participan que expedir as convenientes
ordeos na sent lo de virem com brevdade para
esta provincia o major do 9' batalhao de infante-
ra Antonio Francisco da Coste, o capito com-
mandante dt companhia du dita arma da Para-
hyba, Joaquina Pedro do Reg Barros col* ci-
rargiao corpa de saude do exercto Dr. Francisco
Borges de Barros, afim do deporem como teste-
munhas offere.cidas na denuncia dada contra o bri-
gadeiro Francisco Joaquim Pereira Lobo, ex-di-
rector do presidio de Fernando de Noroaha.
Ao Dr. juiz municipal e de orphos dos ter-
mos reunidos de Garanhuns e Correotes.Do or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, decla-
ro a V. S. que nao pode ser reprodazido na im-
presa desta capital o edital que acompanhoa o seu
officio de 5 do corrente mez pando em concurso a
serventa vitalicia dos lugares de 1 o 2- tabel-
lia e annexos do termo de Correntes, porque o
mesmo edital foi afiliado na cidade de Garanhuns
e na j na localidade a que perteneca os referidos
cargos de ta>ello, contarme determioou o art. 150
3-, e art 157 do Decreto n. 9,429 de 28 da
Abril de 1885.
Cumpre, portante, que V. S. auna ocie aovo
concurso observando a respeito as citadas dispo-
sices.
KXPEDIEXTi: DO D IA 22 DB JAHKIBO DB 1887
Actos:
O presideote da proviucia, attendendo ao que
reqaereu o bacharel Antonio Candido Correa de
Arauj-i, resolve xoneral-o do cargo de promotor
publico da comarca de Villa Bella.
_0 presidenta da provincia, attendendo ao que
requlreu u pnm.ot.r Dnblioo da coinarca de Cim-
bres, bacharel Alfredo Seraphieo de Assis Carva-
lho, esolve conceder-1 be am mes de Iicenca com
os vencimeutosa qae tiver direito, para tratar de
su* saude on te Ihe convier, dsvendo entrar no
goso da referida liceoca no praso de vate e cinco
das.
O presideote da provincia resolve exonerar o
major Arsenio Ribeiro Gordeiro Campos do cargo
de delegado do districto litherario de Lagoa dos
Gatos por terrrsdencia em Punellas, nomear para
suostituil o o capitao)Franci8Co Leite de Azevedo.
Remetteu-se o respectivo titulo ao inspector geral
da Instruecao Publica.
O prideote da provincia resol re remover
da comarca de I tamb, para a de Floresta o pro-
motor publico bacharel Alfredo de Oliveira Fou-
seca.Fiseram-se as devidaa cammunicacSes.
O presidente da provincia, de accordo com o
art. 12 do decreto n. 9,554, de 3 de Fevereiro de
1886, (resolve nomear delegados de hygieue as
seguintes cidades e villas :
CaboDr. Jos Victoriano de Vasconcellos
Mello.
EscadaDr. Manuel Duarte de Faras.
PalmaresDr. Joo Maria Seve.
BarrerosDr, i'yrilliuo de Almeida Costa.
Rio-ForaoeoDr. Francisco Romano de Brt-a
Bastos.
Serinhem-Dr. Messias Jos dos Santos Pa-
tury.
OlindaDr. Joo de S Cavalcante de Albn-
querque.
Goyantia Dr. Belarmino Correia de Oiiveira.
NasiretbDr. Antonio Dourado de Azevedo.
Pao d'AlhoDr. Neifia Macario de Mbraes
Guerra.
TimbaubaDr. Manoel deMoraes Vascoocellos.
VictoriaDr. Jos de Barros Andrade Lima.
JaboatoDr. Francisco de Arruda Beltro. -
Fizeram-so as devidas communicacces.
Oficios :
Ao commandante das armas.Deferindo o
reqarrimento do cabo da esquadra do 14 batalbao
de iufanteria Jos Francisco Correia, autorso a
V. Exc, viste da sua ioformacao n. 39, de 20
do eerrente, a conceder baixa di servico do exer-
cto referida praca, mediante substituto.
__ Ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de informar
sobre o que trata o incluso offi mo e mais papis da
reparticc Quartel Mestra General, relativos ao
fornecmeato de medicamentos maodados faser i.
Pharmacia Militar dt-sta provincia.
Ao inspector da Thesouraria de Fasenda.
Remetto a V. S. a relacao e duaa escravas liber-
tas no termo de Auguas Bellas, por conta da 7.
quota do fundo de emaneipaclo, em audiencia de
24 Je Novembro do anno paasado, afim de que se
sirva de mandar pagar aos interessados os devi
dos valores.Comaiunicouse ao respectivo juiz
municipal
Ao inspeetor do Thesoaro Provincial.Tendo
vista o exposto por Vmc, em officio de 28 de
Dezembro prxima passado n. 336, autoriso-o a
mandar entregar c-m as garantas do estylo o
producto do beneficio da lotera extrahida em
favor da igreja do Jatob, dividindo se esae mes
mo beneficio em duas partes iguaes, sendo urna
dolas para a igrt-ja de Jatob do Brejo, e a outra
para a de Jatob de Tacarat
__ Ao director do Arsenal de GaerraDe con-
formidade com o aviso do Vi misterio da Guerra,
de 4 do corrrnte, mande Vmc. fornecer Guarda
Cvica os seis sarilbos mencionados na inclusa
note de 17 de Novembro ultimo, organisada na ro-
part{?0 do Quartel Meatre General, devendo p-
portunameote apreseotarcouta ao Thesoaro Pro-
viocial, afim de ser o referido Ministerio iodem-
nisado da importancia dofornecimento. Fiseram-
se as devidas commnnicacS.-B.
__ Ao mesmo.Maode Vine, satisfaser o in-
cluso pedido de artigas de fardamen-o que, para
sau u io, faz o alferes do: 2* batamo de infantera
Vicente Ferreira LimaCommunicou-ee ao com
mandaste das armas e 4 Thesouraria de Fasenda.
__ Ao mesmo.Nao se | restando ao servido da
constraccio dos dez mi', eartuchos desembalado,
maodados fornecer ao 2' bitalh > de mfantaria as
carmeas dos corpas da gaarnico p ir s < acbarem
desconcertadas e estragados os arreios dos ani-
maes, seguado ioformacao d > bngadeiro eommaa
danto das armas em officio n. $->, de 19 do carrate.
beira para o quartel d'aquelle batalhao. -Commu
nicon-se ao commandante das armas.
Ao iuspector de hyi- ne. RecomJienJo a
Vmc. que remetta Secretaria desta Presidencia
algucs tabas espillares conteni lympha vacc-
nica.
Ao engeoheiro das obras geraes.Approvo
o contracto celebrado n'essa repartilo com Jas
Joaquim de Araujo para o farnecimento de pe-
dras de caataria necessaria i cousti uejao dos
pilares da ponto Buarque de Macedo. razia de
200/, 165/ e 130/000 por metros cubico, das que
teem de ser embregadas oas cornijas, fiadas e sa
patas dos meemos pilares, segando o termo junto,
por copa, ao officio de Vmc. de 18 do corrate,
sob a. 1.Commaaicoa-se a rhesouraria de Pa-
seada.
Ao juz de paz presideote da junta de alis-
tamento militar da parochia de Santo Automo de
Garanhuns.Informe Vmc. si n'essa parochia pro-
cedeu-se ao servico da alsteme: to militar relativo
ao anno passado, deseado, no caso negativo, dar
as necessarias providencias no sentido de ser,
qaaato ntes, feito o dito alistameoto, sob as pe-
nas de que trata o art. 122 do regalameoto
a. 5881, de 27 de Fevereiro de 1875.
Ao jais municipal e de orphlas dos termos
reu-jidos de Bezeiros e Gravat.Da certdlo
passada pela collectoria geral desse muoicipio, e
aooex* ao officio de Vine, de 12 do correte,
coasta qae Marcoliao, libertado p-ia 7a quota do
fundo de emancipacao, de cor preta, filho nataral
de Fortunata, e am anno de idade, foi matriculada
por Francisco Xivier de Lima, si paseo quo da
certdlo Je idade, tamb m aunen ao mesmo offi-
cio, v-se qae Marcolino (a mesmo ou outro) bap-
tisado em 30 de Agosto de 1871, sem declaraclu
do dia do nascmento cabra e filho legitim' de
Francisco e Fortunata, escravos de Francisco Xa-
vier de Lima.
Tambera pela relacao annexa ao seu officio de
20 de Desembro v-se que Marcolino pertenceu
aos herdeiros d>c D. Thereza Maria de Jess.
Dando-ae, portento, divergencio e^uanto ma-
tricula, certdlo de idade e dominio de Marcolino,
cumpre que Vmc. informe a respeito.
Pertanas :
A' Cmara Mu :icipal de Nazareth.Acca-
saado o recebimento do efficio de 17 do corrente
mez em qae a Cmara Munipal de Nazareth tra-
zendo ao mea csahecimeato a inconveniencia da
arrecadaclo des impostes administrativamente e
declarando nlo apparecer licitantes aos mesmos,
quand j postos em praca, em vate da exigencia
que tem feito a meaina Cmara relativa hypo-
tbeca que devem prestar os arrematantes ou seus
fiadores, pede autorisaclo para aceitar como fiaoca
lettras garantidas por particulares, devdamente
abonados a juiso da mesraa Cmara, faca coustar-
Ihe, em resposta, qae semelbante autorisaclo e
pode ser concedida assamn^o a Cmara, soli-
dariamente, a rospensabilidade, e obrigando-se,
pelos bena dos vereadores na pmporcia das ren-
das arrematadas, pela fiel execuclo ao contracto,
ex-vi do que dispe, com relaclo ao procarador, o
art 80 da lei de 1 de Outubro do 1828 e aviso
a. 457 de 11 de Outubro de 1869.
A' Cmara Municipal de Floresta. Para
resolver sobre o assumpto do officio de 14 de Ou-
tubro do anoo fiudo, recommendo Cmara Mu-
nicipal de Floresta, qje me informe qual o crdito
preciso afim de occorres^M despexas com agua e
US para-a nadeia dessa villa.
. O Sr. agente da Companhia Brsileisa faca
transportar corte, por conta do Ministerio da
Uaruha, no vapor esperado do norte, o 2 tenente
Jos Thomas Machado Portella, qae par'alli se-
gu disposicao do qoartel-geaeral da marinha,
segundo declara o commandante da escola de
aprondzos marinheiros, em officio n. 267, de hon-
tem datado.Comrauuicau-se ao commandante da
escola de aprendzes marinheiros.
O Sr. superintendeute da estrada de ferro
do Recife S. 'rancisco faca transportar d'esta
capital cidade da Escada, por conta dos passes
gratuitos a que o governo tem direito, o teoeate do
exercto Jlo Bernardo do Keg i, um criado e a
respectiva bagagem, e bem assim d'aqiella cidade
pi.a esta capital o teoeate Damilo da Costa Le-
to, sua mulher, 6 filhos menores e a respectiva
bagagem.
EXPEDIENTE DO SBCBBTABIO
Officios :
Ao commandante das armas.De ordem do
Exm. Sr. presideute da provincia, commuaico a
V. Exc, quepruvidenciou-se convenientemente so-
bre o assumpto de sen officio n. 40, de tuntem da-
tado.
Ao conselheiro director geral da Secretaria
d'Estado dos Negocios da Justica.De ordem do
Exm. Sr. presidente du provincia, e em observan-
cia do art 3 do Dec. n. 8,266 de 8 de O tuoro de
1881, transmiti a V. Exc. o offiea de 6 do eer-
rente mez, em que o jais de direito Jos Fiel de
Jess Leite, d-se por notificado de sua remoclo
da comarca de Tacarat nesta provincia paia a
de Vgia, na proviucia do Para.'Jommuuicou-se
ao juis municipal do termo de Tacarat.
Ao director da Directora das Oura< Publi-
cas da Secretaria d'Es'jido dos Neg icios d'Agri-
cultura, Commercio e Obras Publicaa. Conforme
as ordens em vigor, envo a V. Exc qaatro exem-
plares impressos em qae se craim o officio c >m
qae o Exm. conselheiro Jos Ferasudes ia Costa
Pereira Jnior, passau a administraba > deste pro-
vincia ao Exm. 1* vice-presideut- Dr. Igoacio
Jilaquim de Sonsa Lelo, em 30 de Marco d anno
fiado, e o relatora quo este apreseutou ao asaumir
a mesma administraco em 10 de N jvambro, e bem
assim, igual numero de exemplares da falla que,
no 1* de Desembro ultimo, em sesslo extraordina-
ria S. Exc. o Sr. presidente da proviucia dirigi
Assembla Legislativa Provincial.
Ao secretario da Assembla Provincial.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
remetto a V. ., a,n de serem opp>nun.raente
subineitidos deiib'-raclo dessa Assembla, o bi-
lanco da receita e despea^ do exercici > de 1885 a
I806 e o orcamento para o de 1887 a 1888, das C-
maras Muuicipaes de Floresta e Buique.
Ao gerente da '. ompauhia Pernambucana.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia fieou iateira
do pelos officios de V. S de hootem, que essa com-
panhia expedir para os port s do Rio Formoso e
Tamaodar o vapor Giqui, na na dragada de 26
do eorreute, e p-tra os u > sul al Aracaj o Man-
dahu, s 5 horas da urde da dia 2'.
Ao Dr. juis ds direito da comarca de Sal-
gueiro. De ordem do Exm. Sr. presidente da
proviucia, commuaico a V. S., que nlo teve desti*
uO O officio junta ao Je. 2 do c urente mez, dirigido
ao Exm. Sr. conselheiro muiiatro dos Ng icios da
Justica, por nao ter sida V. S. uomeada ch fe du
polica da provincia de Miuas-Geraes, mas sim o
jais de direito Leviad > F rreira Lipes, conforme
eaosta Diario* de Pernambae i, de 3 o 28 de De-
zembro dudo.
DKSPACU03 DA PSEolDMCIA DO DIA 17 DS
rBVSKElItO DE 1867
Alfredo Teixeiia Biroellar. Iaforme o
8r. inspector do Tneaourmia de Ffeu-
da.
Gorapanhia The (ireat. Western of Bra-
sil Railwy Cimpauy. Informe o Sr inj-
pectur do Toesuuro Provioca!.
Coronel Fri.n'is-o CAmello Pesso de
L cerda. Forneya-se.
Padre Fr-moisv-i Veiiaaimo Banleira. -
Informe o Se. inapa:tor do Tuesiuro Pro-
nial.
dos tachi- aatoriso Vaw. a mandar faaer oonducolo das w-1 w' ** JaM nii-:4- ,
z : .Re- faridos cartuehos de paiol da plvora da Iisben- Joao
offijio ao Sr brigadeiro commandate das
armas.
Mariana Augusta de Mello Rodrigues.
Remettido ao Sr. director da Colonia
Izabel para attendor a suppliaante nos ter-
mos da sua informaclo de 31 Janeiro lin-
do.
Ricardo Conoly & C.Sim mediante
recibo
Tranquilina Graciana de Mello L -itaj.
Informe o Sr. regedor do Gymnasio Per-
nambucano.
Se retara da Presidencia de Pernam-
buco, em 18 de Fevereiro de 1887.
O porte ir o,
Francelino Chacn.
Repartido da Polica
Seccao 2.*N. 165.Secretaria da Po
licia de Pernambuco, 18 de Fevereiro de
1837. -Illm. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram hontem recolbidos
Casa de DetencSo os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife,
Herculano Jos de Almeida, minha dia -
posigSo.
A' ordem do do Io districto de S. Jos,
Jalo Paulo dos Santos, conhecido por Pes-
quirrim, preso em flagrante por crime de
ferimentos.
A' ordem do de Santo Antonio, Q-enesio
de tal, por disturbios.
Communicou-me o subdelegado do 1"
districto da Boa-Viata, que hontem pela
manha, foi encontiado no largo do Hospi-
cio, pertencente a mesma freguezia, o ca-
dver de Assis Pedro de tal, e dahi trans-
portado para a matriz e procedeu-se o exo-
rne cadavrico pelo Or. Augusto Coelhn
L -ite, que deelarou ter sido a causa da
morte urna congestSo cerebral.
Hontem, pelas 10 horas da noite, na
ra do fogo da freguezia de Santo Anto-
nio, J'io Paulo dos Santos, conhecido por
JoSo Posquirrim, por motivos que sa igao-
ra, ferio com duas facadas a Manoel Cae-
tano de Azevedo Leite.
O criminoso procurando evadir-s aps
o crime, foi perseguido e preso no J dis-
tricto do S. Jos.
O ferido foi vistoriado pelo Dr- Jos
de Miranda Curio.
O subdelegado respectivo tomou confie
cimento do facto e prosegue nos termos do
lei.
Parthipou-me o sebdelegado de Afaga-
dos, queeaindata de honttn fez remessa
ao Dr jura do direito do 38 districto cri-
minal, do IquerHo^ policial procedido con-
tra Joaquim stevao de tal, poi ter assas-
sinado no dia 12 do corrente a Tertuliano
Riachuelo Tavares, conhecido por Tice,
no lugar Catuc.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm.
r. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito
digne presidente da provinoia. O chefe de
polica, Antonio Domingos Pin'o.
Thesoaro Provincial
DESPACHOS DO DU 18 DB FEVEREIto DE
1887
Companhia Great Western of Brasil Raliray,
padre Francisco Verissmo Baudera, Maooel Je-
roormo da Coste Uchoa, Augusto Octaviaoo de
Sonsa, commaadante do carpo de polica.Infor-
me o -Sr. contador.
Amonio Dias Estelita.-Entregue-se pelaporta.
Amelia Maria da Conceiclo Ramos e Dr. Pedro
de Alcntara de Miranda Veras. Certifiqae se.
Companhia da Beberibe.Eatregue-se o depo
sito.
Contis da ex traeca) das 7* a 11* partes da lo-
tera da Santa Casa.-.Examiaem-se.
Consalado Provincial
DESPACHOS DO DIA 16 DE FEVEKEIK
DE 1887
Mantel CarJoso Jnior.Sm vista das
informacojs nada ha quo deferir.
Valentina Maria da Conjeigao.Cum-
pra-se.
- 18-
Francisoo M >ria dos Santos Bernardes
e a irmandada de Nossa Senhora da Boa
Viagem -Deferidos de accordo com as
nformaoSes.
Josepba Tbomazia de Santa Rosa e a
companhia de Trilhos Urbanos'O0 Rjcifu a
Caxangi.Informe a 1* se cao.
Souza Nogueira <& C, Joaquim Jos da
Fonseoa.Certifiqese o que constar.
Inspectora geral da f nstraceSo
fafollca
despachos do dia 16 de feveeeibo
de 1887
Cordolina Amelia da Paz, professora pu-
blica. Justifico en virtule de autori-acao
da presiden-ia da provincia d-; 12 do cor-
rente.
Anglica Maria Roberto de J--SU8, pro-
lessora publica Encaminhe se.
Ira Nogueira da Cunha Leite, profes-
Bora contractada. Encaminhe-se.
17 -
Dr. Pedro da Cunha S.mto-Muior, lente
do Gymnasio. '-Cumpra su o registre-se.
Generosa do Reg Medeiros Caval ante
de Albuqnerqu?, profuss-irn publica.-Jus-
tifico as faltas dadas pela suppli-ant- ele 8
a 16 do Novtrobro.
Iooocencio Mcndes L^pos Mendooga,
protessor publico. Prcjudicado.
Floren'io Dommgues da Silva. Em
vista da foramen do delegado lilterario
nlo ha que deferir.
Dr. Pedro da Cunha S >uto-Muor, lente
du Gymnasio.-Cu:r.pra se. e legistre-se
Secretaria da nstruccao puliii :a do Per-
nambuco, 17 de F.-veriro le 1887.
0 piTteiro,
J Augusto de Mello.
*'-
-. -' 1
p

m
... .



u
J*V*r:'

.**

i
m

o
**
Dvtrift de fernamfmcflSubbad 19 de Fevereiro de 1887
INTERIOR
Produca* Aercola de S. Paul*
(Jornal do Commercio, da efirte, de 2 da
Fevereiro)
Com os dadog que no* offereceu o relatorio,
agora distribuido, do inspector da Tbesouraria
Provincial de 8. Paulo, podemos completar as iu-
iormaedes de que usamos, ha diaa, para acaigua-
]ar o deseovelvimeota agrioeta d'aqaella prospera
eircuinscnpcao do imparto durante o ultimo quin-
Mo*c '
rsaos ento ter sido este
tago effeetuada osa tai
Valor oficial
41.782:750*297
44.266:7634742
57 466:583*006
56.663:542<391
42.257:126*182
24.436:75*618
qnennio liquidado.
valor official da
periodo:
xercicioi
1881 1882
1882-1883
1881-1884
1884-1885
1885 1886
Total
tendo sido por tal arrecadados os grandes direitcs
provinciaes:
1881-1882 1.724:488*900
1882-1883 1.731:84*a78
1883 1884 2234:393*383
1884-1885 2197:717*105
1885-1886 1.656:864*728
Havendo anteriormente registrado a quota par-
te cem que concorreram os diversos productos
para a totalidade do valor official aocrescentare-
mos agora dados relativos 4 quaotidade esparta-
da de cada um dos principaes artigos:
Caf
Kdogs.
1881 1882
1882 1883
1883 1884
1884 1885
1885-l8s6
1881-1882
1882-1883
!--:; 1884
1884 1885
1885-1886
1881-1882
18-1883
1883-1884
1884-1885
1865-1*86
1881-1882
1882-1883
188 i-1884
1884-1885
1885-1886
1881 1882
1882 1883
1883 1884
1881-1885
1805-1886
1861-1882
1882 1883
1883 1884
1884 1885
1885 1886
1881-1882
188J-18B3
1883 1384
1884-1885
1885-1886
Mgodao
Fumo
Assucar
Toucinho
Arrot
Couros
115,124,716
147,468,020
13S.172.975
140,687 272
108,878,784
1,191,222
444,437
293,960
939,004
993,332
344,408
1,362,811
243 016
283.584
240,262
30,180
91,490
1,920
1,170
42,628
327,745
144.U90
145,472
261,049
237,567
2,600,007
2,113,707
2,577.139
1,854,006
2,152,194
316,396
282,479
384,760
387.582
68,640
Club Oeoaa do Mar. = Coro este titulo
sahira de sua tde grua de Marcilio Das e per-
correr as roas desfarcidade nos tres dias de car-
naval eate lindo Club. |
Canal do iwlhtao do PanamLemos
no Jornal do Commercio da Corte :
Quaodo se aveutoa a idea da abertura desta
eaual ti vemos occaso de observar, que nao pareca
o Brasil ter rauito para lucrar com esta emprese
que viaha supprimir a escala quaai obrigatoria
palos nossoa porto para a navegado entre os por
toa da Europa e da America do Norto e es do r*a-
otfieo. Aceresciaasainns que nao era iato pit a, mo-
as para aostiliaai a, mesmo se o pjdessemos, pois
qne todos, as pise estilo indirectamente nteres -
rivaiateate queinaado, por effeit i de ter explosia* dea no piagreaaa das relacoa* eommerciaes, alero
Faculdade de islrello Por serem fe-
riados os di.s 20 23 do correte mea, somente a
24 eomecaro as inicripcOes para ex*m-s extraor
liuarios do corto acadmico, oa quaei, aatioa como
os ordinarios, terminaro 14 de Marco prximo.
No mesmo da 24 reunir-se h* a congregne)
de lentes para resolver acerca da admisso ex*
me dos alumnos qne deixarart de pagar a 2 taxa
respectiva ou deixaram de prestar exame por qual-
quer outro motivo attendivel.
Victima do petrleo a kerosene
H intern fallecen o aaaoor de 12 anno* de idade,
Irioeu Bodrienes de sYioza, que na tere fe ira ul-
tima, per vaha du oito horas da noite, n'om dos
sitio* i marcea* da estrada do Arratal, tora hor
Tiubamos notado que, emquanto uro feo pro
docto, o caf concorrera para a riqueza da provin-
cia pelo valor official de 234,126:553*272, n&j ex-
ceder de 8,310:212*246 a exportaeo de todos os
outros. O relatorio, a que alludimos, permitte-nvs
apreciar o phenomeno com especial referencia ao
anno foauceiro de 1885 a 1886. A proporcio
verificada neste anno foi a seguinte :
Productos Valor official Direitos provinciaa
Caf....... 40.297;013* 1.612:976*OO
Outros pro-
ductos ... 1.261:348* 52:665*000
To'acs... 41.558:391*
1.6*5:641*000
E' verdade que taes algarismos, representando
tnicamente a exportaeo, nao entendem con o
eonsamo local. A eats respeito tivemos occaao
de ob ervar que, por exemplo, o desenvolvimeuto
da cultura do algodo nao para ser avallado p lu
quantum exportado, por ser notorio que na* fabri-
cas de tecidos, ero bom numero estabe'ecidas na
provincia, tesa augmentado anno por auno o con
anmo da materia prima. Quando vemos que con-
tra 1,191,222 kilogrammas exportados no primeiro
anno do quioquennio exportou a provincia 903,'132
no ultimo anno, nao ha concluir qne a cuitara tem
realmente diminuido. Pelo contrario a prodcelo
p le ter augmentado, deve mesmo ter augmen-
tado, sendo auspicioso que a exportaeo pare;
patente i ur o contrario. A exportaeo pode dimi-
nuir em razio do augmento do consumlo interior
e o facto para ser invocado como testemuuho de
vitalidade econmica. O mesmo para diser do
aasucar. Se a provincia, tendo chegado a expor
tar em 8283 cerca de 92.1)00 kilogrammas, vio
descer a exportaeo a 1.920 e a 1.170 nos dous
anuos eubsequentea, e elevar se a 42.698 em 85 -
86. taed alternativas nada exprimem quanto ao
mov ment real da produ-.co, sendo ceito que na
nltimo tenoio tem ella augmentado pelo estsbele-
eimento de engenbos ceotraes, que tendem a dimi-
nuir as exigencias da importaco do artigo para
consumo interior.
Besa deeejaramos que de muitos outros artigo*
fosse dado dicer outro tanto, bem como a porcen-
tagem do algodo e do assucar sobre a produeco
total da provincia se elevasse a grao apreciavel.
Infelizmente, esta porcentagem to trouxa que
lmente i ibpira fraca esperanca ao menos por ero-
qnanto, na variedade das culturas da provincia.
A propirco cima registrada ti.l que dispensa
comuv uturios. hbil inspector do Tbesouro
Provincial, a despeito da teuaencia optimista de
todo o admioistraeor, dis com raso que, nao con
vindo expr o futuro da provincia sorte de um
i producto, nenhuma necesaidade ae inpoe
S. Panlo mais imperiosa do que a do desenvolvi-
Biento de culturas que. unios possiveis em algu
asas tonas, nao serio menos remunerador&s do que
a do caf.
A preeminencia de urna cultura facto natura
e esta preeminencia peder constituir penbac de
Cde riqueza e symptoma claro de pros per idade.
bcrit poasivel tizar de antemSo, mesmo em
theoria, qual o limite imposto pr< ponderaneia de
qualquer ramo de trabalho pela previso econ-
mica. Apeaar listo, o posto que 4 primeira vista
e ha ja p r inexequivel subordinar a liberdade do
trabalho a progiamma determinado, compre envi
dar esforcos para influir at onde fr praticavel na
distriboicao daa forcas agrcolas du B. Panlo e de
todas outras circumscripcoes do Imperio. Cabero
aempre meios indirectos onde fallecen! meioj direc-
to!. Se debalde aconselbanamos cada lavrador
que, por bem do equilibrio daa forcas productoras,
distribua neste ou n'aquetle sentido os seus agentes
da produceo, nao ser estsrilmente que Ihe indi-
caremos culturas lucrativas, e mais premptas e
menos dispendiosas o mais adaptadas a esta ou
aquella sona de que a do caf. Attennaco de
impoatos, aberturas de vias de eommunicaci,
iund-icao de ncleos coloniaes, facelidades conce
didas diviao da propriedade, sao outros tantos
meios pelo* qnaes ser possivel ir fomentando a
transformaco agrcola de qoe a provincia de
8. Panlo evidentemente neceasita e para a qual
nenhuma outra circumscripcao do Imperio se acba
mais habilitada nem melhor prediposta.
KtviSTA DIARIA
Asa t or dadle* policiacaPor portaras
da presidencia da provincia de 17 e propostas do
Dr. ebef de polica, de 14 e 15 do correte, forara
ornead :
Delegado do termo de S. Bento, o alie res do
arpa de polica Francisco Xavier Camello Pos-
tea.
2* sepplente do subdelegado de 1* districto de
Jardim, o cidadao Antonio de Paolo Ho-
Crnaaaalo fernimbacano A' (em
pedido, to ci nerado o Exm. 8r. deo Dr. Joa-
uim francisco de Paria de cargo de regedor in-
terino do Ojmnasio Pernambucano, sendo desig-
Bado para substitail-o, na forma do regiment de
eeubekeiui-nto o secretario Dr. Celso Tertuliano
Fe mandes Quintella.
o kerosene de um oaadieire, na oeeaso em que
esse infeliz o tranaportava da sala pan um dos
compartimento* da easa.
Sirva mais este lamentare! fasta de navo aviso
quem nao toma as devida* oauteUaa ae uso do
kerosene.
A n ni versarlos.- Faxem hoje238 annos qne
ferise nos montes Guararapes urna b*Ulba entre
hollandeses e portuguezes.
Tamben ta*em boje 19 annos que a esquadra
brasileira, subindo para o Paraguaj, passoa em
frente a fortaleza de Homayt.
__ Amanh fazem 60 anuos que, na Repblica
Argentina, terio-se a batslha de Ilusaingo, entre
hrasileroa e argentinos.
Fazem tambem amauna novo anno* que S. S. o
Papa LeSo XIII foi exaltado an solio pontificia
Corpo de p al lel*\--Intormam.no* que o Sr
general commandante das armas deade o prioci
pi do corr-nte me* deaignon o Sr. alferes do -
Datalhao de infantera Antonio Valerio dos San-
to* Neves, para dar instroeco ao corpo de poli-
ca, e, cinsta-nos mais que S. Esc. pretende, de
accordo com o Sr. tenente-ooroael Mauoel Gon-
cales r*ereira Lima, preparar aquella corpo para
formar em parada no da 25 de Mareo.
E' iocoutestavelmenta um importante servico
promover-se a inetruc^ao do corpo de polieia, com
o que milito lucr-r a ordem publica, mxime se
S. Exc. conseguir, non acreditamos, a confrater-
nisaca da forca de polieia com a de liona.
Pelo que temos visto tudo vi em bom cam-
nho, e com a coas cuco desse desidertum, S.
Exc. mcreeer os applausos da populacao desta
capital.
Re*i*lencla e naorte -Tendo o delegado
m exercicio de Peo d'Alho seiencia de que no
logar Concoica) estavam acoutados Manoel r*er-
reira, cogneminado Manoel C .veira, Jose Pretinbo
e outros conhecido ladrees de cavallo* e assassi-
nos, para all se dirigi ante non tem coin ama for-
ca do destacamento com o intuito de pren Jel-ns
All chegando, encontrou odeligado o referido
Mauoel Caveira, prouunciado em enme de morte,
acompanbado de dous sequaaes. Extes, apenas
avistaram a tropa, pozeram-se em fuga; Manoel
Caveira, porm, fea logo fogo contra a* pracas
que compunbam a diligencia, resista .o tenaz-
mente ordem de prisao que loe foi dada.
Travou so lata e deeta resuttou ficar morto Ma-
noel Caveira, cojo corpo foi conduaido para a ci-
dade do Divino Espirito Santo de Pao d'Alho,
onde toi vistorado, para proceder-se nos termos
da lei.
Reviftta IllaatradaRecebemos hontam
da corte o 460 deste peridico, publicado alli
pelo Sr. Angelo Agostini.
Est esta revista, que urna das melhore* que
se publica no imperio, no seu 12* anno de exis-
tencia.
O trlme de VanderbillDistribuio-se
hontem o 7 fascculo deate romance histrico do
Sr. acadmico de direito, Mauoel da Matta Mon
teiro Lopes.
Club Iliterario Ajrea ama Hoje
s 4 horas da tarde, fuocciona este Club, na res-
pectiva sede, em sesso ordinaria.
Pedtdo rasoavelMoradores da rna do
Visconde de Goyanna nos p dem para lembrar aos
directores do patacho Estronda Mundo e demais
clubs carnavalescos a conveniencia de passarem por
all, urna vez que vio at o pateo da Santa Cruz,
e a volta natural pela citada ra.
O pedido parece nos to rasoavel, qne de crer
seja aeff-rido.
Directora daa obran de conaerva-
emo doa portnBoletim meteorolgico dj
di* 17 de Fnvfreiro de 1887 :
iii
4f i B-3 o
Horas asi
Son
-a c.
p
6 m. 26-4
9 29-8
12 310
3 t. 29*-8
6 283
Barmetro a
0
75909
760n28
76010
758-70
75848
T.sio
do vapor
19.69
20.11
20.51
20.27
19.40
"3
33
o
1
=3
77
65
62
66
67
Temperatura mxima32" 25.
Dita minima26,5.
Evaporaco em 24 horas ao sol: 6,5 ; som-
bra: 3",2.
Chovanulla.
Direcelo do vento : SE tedo o dia, com nter-
vallos de ESE durante 1 hora e 15 minutos.
Velocidade media do ventn : 5,60 por segundo.
Nebulosidade media: 0,48.
Club dita Hornean Celebren. -Com
este titulo organisou-se urna soeiedade carnavales-
ca, que peroorrer as principaes roas deata cidade
nos tres diaa do carnaval, representando aiguinaa
celebridades mais as arte* e as ciencias.
A sede social na ra Velba de Santa Rita
n. 80
CadverAnte-hontcm, pela manbi, sendo
encontrado no largo do Hospicio o cadver do
chim Pedro de tal, foi elle condozido para a ma-
triz da Baa-Viata, onde foi distoriado pelo Dr.
Coelho L-it-, que declaren ter sido a causa da
morte de Pedro urna congestivo cerebral.
i'or eansa de clame*] O cidadao JoSo
Paulo doa Santos, sapateiro, conhecido por Pes-
quurrim, um bomem summamente apaixonado
por aves, especialmente das que existem aos vi-
veiros da ra do Fogo; mas tambem homem um
pouco egosta.
Mora alli urna ave de cor parda, qoe elle quera
i6 para si, com o que nao poda concordar o ama-
dor Manoel Caetano de Azevedo Leite, conhecido
por eco, e qm-, aperar de ser sapateiro como Pes-
querim, arrstava a asa sibredit* cuja.
O Pesquera!, que andava ha dias curo a pulga
atraz da orelha, tratou de aparar oa esporoes do
outro e assim, ante-hontem, per volta das 10 ho-
ras da noite, vendo-o na porta da casa da da rola,
a animal-a, pretendendo tomar-lhe o p, etc., roi-
se a elle como gato a bofes e pespegou-lbe duas
tacadas, ama no braco direito e outra n'um do*
quadra.
Foi preso em flagrante na travessa do Coronel
Suasduna e est svndo inquirido.
Os ferimentos de Azevedo Leite foram conside-
rado* leves.
a Cavalhelros da EpocbaCom ebte
titulo acna-se organisado um Club Carnavalesco,
de qu'; fazem parte diversos empregados do com
mercio, e cuja sede no 1* andar da ra do Barilo
da V iotoria n. 39.
No dou.ingo gordo e na teroa-fieira percorrerao
os Cavalheiro* da Epocba as principaes ra* des-
ta capital e exbibiro oem toda a clareza o plaoo
patritico e gigantesco, que teem, para fazer com
que se inictm melboramento* materiaes, que o
Club julga indispensaveis para o progresso real de
Pernambaco.
A referida atotoc patritica gratit.
Fentejon Carnavalesee* As eommis-
miwdes dos festejos carnavalesco* da ra Vis-
conde Inbauma, pedern-nos para lembrar ao* mo-
radores da mesma, que illuminem snas casas as
trez noites de Carnaval para maior real da testa.
Devem os referido* moradores atteodel-os.
alien carnawalenconHaver hoie e
nos tre* das de carnaval, no theatro de Varieda-
des da N.va Hamburgo; para o que aaha-se o
theatro elegantemente preparado.
Cada concurrente no baile rebeber na occa-
sio da compra da entrada um bilhete numerado,
que dar direito a nm vigsimo da* iterias men-
cionadas no annoncio publicado no lugar compe-
tente.
latra do Corpo Santo Em mena da
boatem, resolveu a irmaudade do S. S. Sacra-
mento da parochia de 8. Fre Pedro Goncalves
do tteeife que nao fossem celebrado* o* acto* da
Semana Santa, ficando assim disfeito o anininci.
anterior. ________^___
Club Uuarda PB' mai* um club eama-
valesco, creado ltimamente para o dias do car-
naval. Peroorrer diversa* ra*, iindo da res-
pectiva sede ns tres d,as de folia.
te qne, paca nos meamos se la enenrlar a distancia
dan ecromiaaieneoes osan o Pacifico, assim pudesae-
m< >**: aenxnatasa-as.
Instan aanamaa ideas reatos abundar o Sr. ge
neral Dr. Cont da stacalhies na snguinte carta
que nos dirigi de S. Paulo
Na noticia publicada recentemente pelo Jornal
do Commercio relativamente ao canal do Panam,
vem tudo quanto diz respeito s conuco -s tecbni-
nas dessa grande obra, porm nao vem os dados
necessarios para que se avaliem os efieitos que ella
vem trazer para a Brazil, supprimindo de n-issos
portas a infiudade de paquete* e navios de vela
que por emquanto sao toteado* a fazer, tocando
n'elles, a* viagens para as eentas do Paeifico. Aus-
tralatia, China, Japo, etc., e por isso peco-lbe
permisso para completal-a com esses dados, resu
mido* de jaranea earop is.
E' muir.j conveniente que o commercio do Bra-
sil preveja com antecedencia as cnsequencias da
suppr-ss o dess's colobsnes meios de transporte e,
para isso, iudispensavel ter vista a quau'idade
da tooelagem quo, pelo encurtameoto das distan-
cias, vai deixar de tocar nos nos** portos e pissar
pelo Panam; esea previso minorar o males
que forcosameote havemoa de soffrer com a eleva-
5*0 do preyo dos ftete* pela diminualo da con-
currencia.
< Os jnrnaes da Inglaterra, Franca e Estados-
Uoidos in largamente se oecupado dos i-ff-itoa
eommerciaes desse emprenendimento, agora que
tudo leva a crer qne elle ser levado a cabo, efldi-
tos que hj de exceder de muito aos produzidos
pela abertura do iatbmo de Suez.
Segundo a estatietica do Sr. Amie ^fartau
as carga* transportadas entre a Earopa e Amrica,
Azia f Ooeania, montaram enorme somma de seis
muhes e meio de toneladas, ero 1884. e devem estar
elevadas a oito milhoes e mei em 1888, por ser de
6 "I, o augmento medio da tonelagein por anno ;
destas, um terco pasta pelo cabo Hora, tocando nos
portos do nosso paiz, e dando nos baratean e faei -
lidadei de trausporte, que cessarao com o encurta-
ment de distancia que ha de trazer o canal de
Panam para os navios que os transportara.
Em um artigo do Sr. Fernaodi de L-sseps,
presidente da companhia, publicado na Science, de
Nova-Yoik, de 3 de Dezembro ptssado, a receta
proveniente debsa massa enorme de cargas est
oicada para os accionistas do caoal, em cinco mi
liiOcs e trezeutas mil libras sterlinas ou mais de
sessenta mil contos de noeaa moeda, por anno, ao
cambio actual.
Calculando as distancias pelos dados foenecidos
pro Board of Trae de Inglaterra, os seguinte*
exemplos darao ao leitor brazileiro urna idea clara
do eucurtamento de viagein que o casal de Pana-
m vem trazer :
A distancia entre Lindres on Liverppol e S.
Francisco, pascando pe cibo H >rn. e, pirtanto,
tocando em portos do Brazil, de 16,900 milhas ;
paseando pelo canal, de 8,200 ; ha pois, um en-
cuitameoto de mais de inetade. D' Paris uo mes-
mo porto no primeiro cas i, de 16,200 ; no segun-
do, do 7,900, en um encurtamentu anda de mais
de metade ; de Nova-York a S. Francisco, pelo
primeiro roteiro, vio 15,900 mlihas ; pelo segundo,
4,200, on um encurtamento de mais de dons tere is
da distancia.
Segando nma noticia publicada ltimamente
peio Electrical Sevicw, de Londres, eatao actual-
mente trabalhando no canal de Ponam mais de
20,000 operarios, e o Sr. Lesseps dis que a obra
estar concluida pelos fios do anno de 1889.
Comquanto debaixo do ponto de vista brazi-
leiro, esta obra seja mais nociva do qne til a nos -
so* actuae* interesses, contudo ella tras to gran-
des beneficios para a humanidade, e n havemos
participar de alguna parte delles, pelo progresso
de eiviliaaco que ha de resultar como cousequen-
cia ufalivel da maior faclidade e barateza das
ccuimunicavoej entre as diversas regioes da trra.
O anno passado os jornaes nos notieiaram saje
os astrnomo* andavam muito preoccbpad >s com
as tachas que se avistam no planeta Maree, joigan
do alguna delles ver confirmada a bvpotbese de
que taes fachas sao canses que os habitantes alli
rasgaram para comrauntcar seas ocanos.
8e assim o* astrnomos de Marte hao de fi-
car grandemente sorpresos quando, dirigindo para
c os ses telescopios, encontrarem em IS89 a l-
nha escura por que ser representado o canal do
Hanam visto daquella distancia em contraste com
a regiao brilbaue das cordilheiras qoe atravessain
o mesmo canal. Sera ento carioso lr o Jornal
dt Commercio, e mais diarios de l daro ento do
planeta que habitamos,e os milbares de hypotheses
que seus astrnomos formulario respeito saber
se a trra ou nao habitada, e se o canal ou nao
obra de seus habitantes. E' possivel que chegne o
na em que a electricidade nos pouha em commu-
nicaco,com outros planetas ; e n quanto nao vem
isso, contntenlo nos por hoje com a noticia de que
quem do Rio de Janeiro quizer ir China, ao Ja-
po, a Australia, de 1889 em diante, na i necessita
de expr se nem aos geios dos mares do Bul nem a
temperatura ele?adissima do canal de aues pois
ter a regiao comparativamente temperada do ca-
nal de Panam .
Triso de primavera Lemos na Joma
do Commercio, ds corte, de 7 de crrente:
A's presidencias de Minas-Geraes, S. Paulo,
Paran e Ri i Grande do Sul remetteu o Ministe-
rio da Agricultura, para que facain distribuir aos
agricultores, ementes da variedade de trigo de-
nominado da primavera, adquiridas em Franca
pela legaco imperial. Provideaciou-se igual-
mente quanto diatribuico de iuslruccoes para a
cultura do triga no Brasil.
Temos ponderado numerosas vezes, nem jamis
ser em demasa repetir quanto intereaaar noasa
constituicio agrcola a fundaco de culturas navas
para a* quaea se mostrem a pas as nosaas zonas.
A teudencia to profundamente arraigada para a
cultura exclusiva de algu'is productos, a'm de
notorios inconvenientes, contri Due em escala nao
pequea para qne o solo, em maita parte, nao seja
lio utilisalo quanto pulera ser, e em outras re-
gioes, seja abandonado por impres:avel ou entre-
gue a improductivo repouso durante largo periodo,
a pretexto de acbar-se esgotado ou cansado. Cul-
turas alternadas corrigirio umitas vezes este pre
sumido eegot-mento.
Especialmente com reluci ao trigo, na verda-
de para lastimar que, podendo adaptal-o a Untas
das uo=s-s zonas, tenbamos de o importar, sobre-
carregado de despezas de transporte s outraa, em
escala aunnalmente ascendente, privando-se alias
a mor parte da populacao do interior da alimenta
(Jo nutriente daquelle cereal.
O trigo qae produzimos mal chega para o con-
samo de algumas colonias ou melhor, de algans
habitantes das colonias e suas cercanas. S esta
cultura, tntretanto, poderia abrir nos novo manan
cial de riqueza, j eoneorreudo para diminuir a
importaeo do artigo, ja oflerecrndo populuclo
de numerosas localidades snpprimento de alimen
taco san.
A eate respeito notare-nos qne o governo fara
bem buscando colligir e tornando publicas as n-
formacoes que hoovesse dos resultados obtidos das
atjente que manda distribuir.
Ha longos ann>s adoptau o governos a pratca
de importar e distribuir mudas e sementes, sendo
iuteiram uto descoobecidos, entretan'o, os fructos
alcanzados por esta propaganda de novaa cultoras.
Nao ha disto noticia, anda mesmo incompleta.
Os agricultores recebem as semeutes qae as vezes
soliciuin, e comquanto as recebam gratuitamente
nao se julgam de modo nenhum obngados a com-
muoicnr os resultados que lcgram do planto. Os
documentos officiaes, no geral mais palavroeos do
que repletos de factos, nao trazem noticia de ne-
nhuma tentativa daquelle genero.
servico b' m orgaoisado poderia, no entonto,
supprir at eerto ponto esta lacuna, sendo natural
que muitos Uvradores se prentassem de boameute
a coriesp mder pelo meic de iuformace* utei*
ao favor qae Ibes fez o governo, dando Ibes sa-
n-otee. .
Resultados ha que somente podem provirde con-
tiooi lade de esforcos, e, era geral nao primauoa
f.or esta qualidade. Nao muidam somante o* mi-
nistros a intervallos mais curtes do que tora para
desejar. Mudam com ella* tentativa* e projeets*,
do quae* de oidiaario abrem mi oa saccessores,
e assim qne se esterelisam o disperdieam traba-
lho e tempo, que a perseverenca fara fructifi-
car. Disto temos exemplo no qu tem occorriio
em relsci'i cuitara da quiu icaiisav*.
Ha talvez 20 annos, ou pouoo menos, iotroduzio
o governo porcio de sementes dessa to apreciada
variedade de quina e nada mais se fes para pro-
pagar cultura to til.
Se neste lonf;o intervallo a administraco publi-
ca proseguisse na sua tentativa, e exemplo do que
fes as Indias Ioglezas o governo britannico, te-
riamos oreado para o paiz nova fonte de riquesa.
TerIHcacao da morte. as cidadea
cultas e populosas ha medieoe chamadoobi-
tuarios eoearregados de verificar ae mortes,
mas onde nao os ha, como entre ni, porque en-
tende a noasa muuieipalidaie qne n> deve ter
medico* proprius para esse servico, que cabe a
qualquer medico iudistiiictamente, eoavm esperar
sempre que os primeiros signase de putretaccio
nos den a.aeguranca de que a.vida.ent uxtincta.
De todo o sandos as casas de inanasar/i da pan-
adas vivan sao rarissim >s. A obra* clasreas
mencionaro estes trezse signaes da morte.
1' Ausencia prolongada das pancadas do co-a-
cio coafirmada igualmente com a auscultacio j
2 Face cadavrica ; 3 Descoramento da pelle ;
4. Perda da transparencia da cutis ; 5." Ausencia
de vesicaco e de vermelhdo da palle, quando
queimada; 6.* Immobilidaie do thorax; 7. Au-
sencia do ar expirado com o espelho ; 8.a Suspen-
siones actos de seosibilidade e de intelligeneia ;
9." Evacuacio passiva; 10. O abatimento doa
albos e ennevoameuto da cornea; 11. Immobili-
dade do corpa ; 12. Abaixamanto da maulla in
tenor ; 13* Flexio do pollegar sobre a palma da
mi.
Para dizer a verdade o signal seguro da morte
a putretaeco.
Diarrba min ebolerlea.E' am facto
morboso conhecido por todos, e que do grau de um
simples disturbio digestivo, produzido talvez poi
se ter muito comido, e outras vezes usado de trac-
tas verdes, ou de substancias verdadeiramente en-
joativas, como as gordurosas e oleosas, pode ir at
causar urna affeccio gravissima, e apreaentar urna
quadra epidmica, ou a invaso de um* doenca
contagiosa, como o cholera, para ser mortal.
Se for por urna indigesto accidental ou resfria-
Tiento, que um individuo teve urna dyarrha, po-
de curar-se sem medico, com a dieta, com um h-
geiro purgante ou com o ficar em casa o atacado,
tranquillo, pir um par de das, mas em todos os
outras casos nao ha outro remedio seoio procurar
o esculapio, maniando-o logo chamar.
Em todo o caso veja-se o medico, que se chama
para receitar; pura uao vir logo com adstringen-
tes o laudauos, porque soppnmindo a dyarrna,
arriscara a duplicar a causa de mal.
t-eilAenEtf-jctuar-se-bo :
lioje :
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas,na ruado
Imperador n. 22, de dividas.
Vdo agente Modesto Baptista, s 11 horas, na
ra D'jqoe de Caxias n. 28, do hotel Iuternacio-
nal.
Pc2o agente Pinto, s 10 1|2 horas, ra Nova
n, 45, da armaco e todos os accessorios da mes-
ma casa.
Segunda-feira :
Pe o agente Pinto, s 11 horas, na travessa do
Corpo Santo n. 23, de queijos suissos.
Terca-teira :
Pelo agente Gusm&o, s 10 horas, em frente
A-sociacao Agrcola, de assucar turbinado.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, no cae* Viut- e
Dous de Novembro, de 4 vaccas com e sem cria,
cimento em barra e plvora.
Mlnaa* funebrea.Sero celebradas:
Hoje :
A's 8 horas, no convento do Carmo, por al ua de
D. Candida Fonseca de Azevedo.
Terca-feir :
A's 8 borss, na Ordem Terceira de S. Francisco,
por alma do commendador Antonio Ignacio do Reg
Mcdeiros.
Operario clrursjleaFoi pratieada no
hospital Pedro II, no dia 18 do corente, a se-
guinte :
Pelo Dr. Malaqnias;
Ainputacij do dedo indicador da mi direta
pela desarticulaco do segundo osso do metacarpo
e methodo oval-ir, redamada por esmagamento do
dedo.
Cana de OeteneoMovimento dos pre-
sos do da 17 de Fevereiro :
Existan) presos 344, entraram 32, sahiram 4.
Existem 372.
A saber :
Nacionaes 340, mulheres 8, estrangeiros 16, es-
era vos sentenciados 6, ditos de oorreccio 2To
tal 372.
Arracoados 329, sendo: boas 318, doeates 11.
Tocal 329.
Nao bou ve alteraco na enfermara.
Vlramde exlraordinaila lotera daa
41 aicoaa Esta grande lotera, cuj premio
grande 2,000:000*' >00, ser extrahida imprete-
rivelmente no dia 26 de Fevereiro prximo.
Os bilhetes acham-se venda na praca da In-
dedendencia ns. 37 e 39.
Lotera de Mnan-teraenA 5' parte
da 1* lotera desta provinein, cujo premio grande
600:000*000, ser extrabida no dia 24 do Fe-
vereiro, impreterivelmente.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera do Ceara A lotera desta
provincia, cujo premio grande 4 K):000#000 ser
extrabida no dia 20 de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Tamoem acham-se venda na Casa Flix,
praca da Independencia ns 37 e 39.
Lotera de Macelo de 300:000*000
A 5* partes da 15 lotera, cujo premio
grande de 390:000*, pelo novo plano, ser ex-
trabida impreterivelmente no dia 22 de Fevereiro
ao meio dia.
Bilhetes venda na Casa Folis da praca da la
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na ra Larga do Rosario n. 36e na Casa da For-
tuna roa 1 de Marco n. 23.
Preces resumidos.
Lotera do tiro-"ara A 11* parte les-
te lotera ser extrahida no dia 24 de Feve-
reiro.
Bilhetes venda na Casa do O uro, rna do Ba-
rio da Victoria n. 40
Tambem acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da corteA 2* parte da 202* lo-
eria da corte, cojo premio grande de 100:0004
>er extrahida no dia .. de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da For-
jna roa Primeiro de Marco.
Lotera do RioA 3* parte da lotera
ni 366, do nevo plano, do premio de 100:000*000,
era extrabida no dia .. de Janeiro.
Os biletes acham-se venda na praca da Inae
pendencia ns. 37 e 39.
Ceml ter lo publico.Obituario do d a 17
de Fevereiro :
Jos Flix, Peroambuco, 23 annos, solteiro, S.
Jos; bronchite.
Mara Goilhermina Daucas, Pernambuco, 59 an-
nos, solteira, Boa -Vista ; tebre pernicioj .
Placido, Pernambuco. 4 mezes, Recife ; convul-
sSes.
Joaqaira Jos Pereirs, Cear, 36 annos, solteiro,
Boa-Vista ; |esio cardiaca.
Le poldioa Mara do Espirito-Santo, Pernam-
buco, 30 annos, solteira, Boa Vista ; tubrculos
pulmonares.
Mara Joaquina do Espirito-Santo, Pernambaco,
45 annoss, casada, Boa-Vista; tubeiculos pulmo-
nares.
trinen Rodrigues de Sonza, Pernambuco, 11 an-
uos, Peco ; queimadnras.
Pedro, China, 50 annos, Ba-Vista; congesto
cerebral.
Mara, Pernambaco, Boa Vista ; pelo subdele-
gado.
Leopoldina Mara da Coaceico, Pernambuco,
35 annos, solteira, S. Jos; tabrculos pulmo-
nares.
CHROMCA JUB1CIARIA
Tribunal da Helaco
SESSO ORDINARIA EM 18 DE FEVEREI-
RO DE 1887
PSK8IDBNCIA DO EXM. SR. CON8ELHEIRO
QUINTDJO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
'A's horas do eoetutne, presente* o* Sr*. desem
bargadores em naos o legal, foi aborta a Besado,
depuis de lida e approvada a acta da antecedente.
DiHtnbuidos e paaeado* es felo* deraavse o*
seguiutes
J 0 LGAMBNT08
Habeas corpas
Pacientes .
Joo Gomes dos Santos. Mandoa-se oavir o
jais de direito da comarca de Olinda.
Manoel do Carmo Souza. Mandoa-se soltar,
unnimemente, decretando-se a responsabilidad.-
do delegado do Teixeira contra os vot s dos Srs.
desembargadores Tavares de Vaaconcellos, Mon-
teiro de ndrade e Deifiao Cavalcante.
Jo* Jos de Araujo.Mandou-se soltar, con-
tra os votos dos Srs. desembargadores Tavares de
V iscoQcell js, Monteiro de Aodrade e Prea Fer-
fcra.
Jos Luiz da Rocha.Mandon-se soltar, contra
o voto do Sr. desembargador Tavares de Vascon-
dlos.
Jos Vicente da Silva.Mandoa-se ouvir o juiz
de direito do 2* districto criminal.
Recurso crimes
De Bom JardimR-corrente o juizo, recorrido
Manoel Pereira de Araujo. Relator o Sr. des-
emoargador Buarque Lima. Adjuntos os Srs.
desemoargadores Pires Ferreira e Alves Ribeiro.
Negou-se provimeuto e tnaodou-se responsabi-
lisar o subdelgalo de Queimadas, Joaqaim Jos
de Miranda, unnimemente.
De Mai:ei Recorrente Fortunato Bjnjamim
Lias de Vasconcellos. Relator o Sr. desembar-
gador Pires Ferreira. Adjuuto os Srs. desem-
bargadores Tavare* de Vaaconcello* e conselheiro
Queiroz Barros. -Deu-se provineuto para se an-
nullar o processo con ti a o voto do relator.
Aggravo de peticio
Do commercio do Recife Aggrarante a com-
panhia Tbe Central Sugar Factorie, aggravada a
Baronesa de Palmares. Relator o Sr. conselheiro
Queiros Barros. Adjuntos os Srs. desembarga-
dores Buarqne Lima e Toscano ISaireto.=-L)eu se
pr-'Viroent ao aggravo, u taiii nemente.
Do Recife-Aggravantes Lopes Irroios &C,
aggravados Antonio Luiz da Costa c C Relator
o Sr. desembargador Oelfino Cavalcante. Adjun-
tos os Srs. deaemb irgadorcs Monteiro de Andra-
de e Uves Ribeiro. Negou-se provimento, con-
tra o voto do re tor.
Do CaboAgaravante Dr. Joaquim Jos Coim-
bra, aggravado Mauoel Thomaz Uo Sonza L-e.
oWlator o Sr. deiembargador Pires Goncalves.
Adjuntos os Sra. desembargadores Alves Ribeiro
Toscano Barroto.Negou-se provimento, un-
nimemente.
Do com nercio do Recife Aggravante a com-
panhia The Central Migar Factorie. aggravado o
Viscondo de Campo Aligre. Relator o 8 desem
bargador Tavares de Vasconcelios. Adjuntos os
Srs. desembargadores Huarque Lima e conselheiro
Qjeiroz Barrua.Deu-se provimento, onanime-
mente.
Do commercio dj R-'cife Aggravauto a com-
panhia The Cent :al Sugar Factorie, aggravado
SeDaatiao Alves da Silva. Relator o Sr. d -sem-
bargador A ves It b-ir >. Aijuntos os Srs. des-
embargadores r'ire.s Ftrr.-ira e lavares de Vas-
concelios.Di-u se proviinmti, unnimemente.
PAS8AQEN8
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Tojcano Barrete :
Appellacio com nercial
Do RacifeApuellantes Dina Candida da
Cunba e Joaquim de Almeida e Silva, app 'Hados
os mesmos.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
conselheiro Q leiroz Barros :
Appellaco commercil
Da ParabybaAp^ellantes liap-so & Filho,
appellada D. Candida Cavalcante de Albuquer-
qu Pereira.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Appellaco crime
Do RecifeAppellautes Manuel Antonio de An-
drade e outros, appellada a justica.
O Sr. desembargador Pires Goncalves como pro-
curador da cora e promotor da justica interino
deu parecer nos seguintes teitos :
Appellaces crimes
De TraipAppellaute Aniouio Isidoro de Oli-
veira, appellada a justica.
Do PiaucAppellaute o juizo, appellado Va-
lerio, escravo.
De CaruarAjpellante Mara de Barros e
Silva, appellada a justica. '
Da EacadaAppellaute Pedro Flix Antonio,
appellada a justica.
Do Catle do Rocha Appellante Francisca
Faustino da (silva, appellada a justica.
De TaquaretingaAppellante Jos Constancio
de Mello, appellada a justtica.
De Alag. NovaAppellaute o juizo, appel-
lado Maooel Barbosa de Mara.
De Iogazeira-Appellante o promotor publico,
appellado Joio Nicolao da Costa.
Appeilacoes civeis
De S. Joo Appellante o collector das rendas
geraes, appellado Joaquim Martins de Parias-
Cas tro.
De M. Jo-) -appellantes o juizo, Mara, Jos.
Justino e outro, appellado o seuhor dos escravo i.
Do RecifeAppellante o jmzo dos feitos da fa-
zeoda, appellados Beruet c C.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. desemoargador promotor in-
terino da justica :
Appellaco crime
Do Bonito Appellante Friucisco Zeferino Gon-
calves, appellada a justica.
DISTKU5UICUES
Recursos eleitoraea
AoSr. desembargador Alves Ribeiro :
De Campia grande Recorrente o juiso, re-
corrido u Dacbarei Irme) .Ceciliano Pereira Joffly.
Do Catle do RochaRecorrente Felippe Du-
tra de Almeida, recorrido o juizo.
Ao Sr. desembargador Tavares de Vasconcelios:
De Campia Grande Recorrente o promotor
publico, recorrido o juiso.
Do Catle do RochaRecorrente Jos Tavares
Gumaries Cariri, recorrido Aureliano Filgaeiras.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Do LimoeiroRecorrente Luiz Jos da Silva,
recorrido Jos Vieira de Mello.
Do Catle do Rocha^Reeorreote Jos Tavares
Gaimares Cariri, recorrido Joaquim Rodrigues
Vianna.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima:
Do Catle do RjchaRecorrente Nabor Mar-
tins Torres, recorrido o juiso.
Do LimoeiroRecorrente Luiz Jos da Silva,
recorrido Jos Francisco Cavalcante.
Ao Sr. desembargador Tucano Barrete :
Da Parabyba Recorrente Jos Luiz Castanho,
recorrido o juizo.
Do Catle do RochaRecorrente Jos Tavares
Gaimares Cariri, recorrido Joo Francisco de
Carvalho.
Ao Sr. desembargador Delfino Cavalcante :
De Atalaia Recorrente Antonio Castro de Car-
valho, recorrido o jmso.
De MaceiRecorrente Joo Pereira Maia, re-
corrido o juiso.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel f
De Ouricury Recorrente Benjam Alencar, reco rido Manoel Marinbo Falco.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Do Cato' doRocua-Recorreute Simplicio Fer-
nandos Pimenta. recorrido o juizo.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Do Catle do RochaRecorrente Joaquim Tra-
jano da Costa, r. corrido o juizo.
Ao Sr. desembargador Pires Goncalves :
Do Catle do Uocoa Recorrente Joo Baptista
de Oliveira Forte, recorrido o juizo.
Aggravo de petico
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel:
Do RecifeAgxravantes Pedroea & C, aggra-
vada D. Florioda Gomes Pedrosa.
Aggravo de instrumento
Ao Sr. desemoargador Pires Goncalves :
De Naxareth-Aggravaute Francisco Jos da
Costa Germano, aggravado Tbomaz Jos de Mello.
Encerrou-se a scsso as 2 horas da tarde.
O Dr. Castro Jettu tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
soorado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio : ra Larga do-.Rosario n. 24 A.
Consaltas das i 1 horas da manh s 2 da
tarde. Especialidade : molestias e opera-
res dos orgos genito-urinarios do homem
e da mulher.
Dr. Joaqaim Ltttreiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Monteiro.
O bachard Virginio Marque, encarrega-
se de questoes civis, eommerciaes, crimi-
naes e orphanologicas e d'ifeza parante o
jury d'esta e das comarcas prximas. Es-
criptorio a ra 1. de Margo 18. 1. andar.
Residenciara do Hospicio n. 83.
I>roKariu
Francisco Manoel da Sxm & C. depo-
sitarios de todas as especialidades pharma
ceuticAa, tintas, drogas, productos chimio
d medicamentos homceopaticos, ra do Mar-
ques de Olinda n 23. *
rosara
Faria Sobrinho & C., droguistas por at-
taeado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de car apia
de Francisca dos Santos M acedo, caes
de Capibaribe n. 23. N'este grande esta-
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, coiupra-se e vende se madeiras
de todas as qualidades, serra-ae madeiras
de contci alheia, assim como se preparara
obras de carapina por machinas e por pre-
go sem competencia Pernambuco.
INDICACES UTEIS
Medico*
O Dr. Lobo Motcoeo, de volta
viageru ao Rio de Janeiro,
de sua
Rio de Janeiro, conntia ne
oxercicio de sua proris-ao. Consltuas das
10 s 12 horas da manha. Especialdades
epera^Ses, parto e molestias de s-nhoras e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. barreta ampaio d consultas de
meio-dia a 3 horas no 1. andar da casa
a ra l-> Bar&o da Vhtona, n. 51. Resi
dencia ra Seta de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
piiB(j\(Ms a mago
O ir. Jnla de direito de Palmare* e
Antonio Beserra da Silva Pereira
e o aiiiumeiiio da neasjo do Jary.
O Jornal do Recife de 12 do corr>nte nos deu
a conhecer os motivos que teve o Dr. juiz de di-
reito desta cunara para adiar o jury, que devia
unceioBar no dia 7.
A sesso adiada deveria ter sido feita no fim do
anno paeaado se a lei nao fosse letra morta nesta
comarca depois da ebegada doste juiz, pirm co-
no se lacia necesearij excluir, como ezeluio, 10l
jurad a, pur nudez e falta de sent, afiui de qne
podesse ter lugar a condemoaco dus infelizes pre-
sos a qnem tenazmente peisogue, fez a exclusao
ao dia 4, tnarcou o jury para o dia 7, ficando a 4*
sesso do uno p> ssado no linleiro e a lei ferida de
morte.
Eu cerno lu um dos escloidos por nudez, tomti
algvma roupa emprestada adm de poder com ella
vir em publico analisar os motivos que determi-
naram o aiainedto da sesso de 7 do correte.
Este adiamento cmsou immensa sorpresa po-
pulacHo da cidade, e as causas que o motivaram e
constautes do officio t xposico de motivos que fz
ao Dr. juiz municipal, e que tob a capa do anony-
mo man iou publicar para colorir seu acto e ver
se por meio d'eilo attoge seus fina, mostram o de
que capas um tal juiz quando quer desacatar a
le e desvirtuar os factos.
Chegando nesta comarca pelo meiado do anno
passado, teve de todos bem agasalbo e pisando to-
das as mamfestacues de apreci e coiisideraco,
assestou as Daterias da perseguic e semion de
tul modo a desordem, que no dia 29 de Dezembro
foi envolvido por urna.
Dado o tacto, que contristou a comarca, longe
de fazer, como faria qualquer homem de somena
dignidade, bateu palmas ao desacato, fel-o publi-
car por todo mundo, porque sendo obra par si pre-
parada e ageitada, esperava que d'ella decorresse
os proventos ; ato a demisso de todas as au-
toridades policiaca, e substituco por peasoas do
peqneno grupo dissidente de qnem se tem consti-
tuido manivella. ,
Nao aconteeendo assim, porque aae estamos na
Turqua onde um crime prsticado por um, sujeita
a punico a populacao inteira da cidade, dahi o seu
desap intamento, adiamento do jury por falta de
garantais qusndo certo, que no termo reina
completa paz, todos estas abaixo da lei e cima
da deshonra, a exc<*pco del le que est cima da-
quella e abaixo desta.
Duas sesees de jury presidio este juiz neste
termo, e nellas, apezar das vioiaedes flagrantes
feitas a lei, apezar da directa intervenco que to-
ma nos julgamentos, nunca teve neeessidade de
exercer eesa energa de que falla no oficio citado,
pois nunca se dirigi a ninguem cbamando-o ao
emprmente ae de ver E como fazel-o se o pri-
meiro que disrespelta a intituico elle, consti-
tnindo o tribunal em ama v -rdadcira ribeira, pelo
abandono que faz de sua cadeira e suspeusao da
sesao, depjis oa antes da leiturs dos autos, para
fumar, tomar caf e mais algumi co'isa f...
O facto puslico, nao pode ser negado, porque
tem sido presenciado por toda esta cidade que o
deplora : depois as garantas de que falla nao sao
pessoaes como diz e eu creio desde que o vejo an-
dar s, risonbo e slegre a todas as horas pelas
ras da cidade, nao se pode por em duvida, que
nao tem direito a ellas, porque em todos os tempos
sempre funecionaram os mercados sem neeessida-
de de faser-se alteraco no mundo.
Tanto nao foi por falta de garantas, que este
juiz deixou de fazer a sesso do Jury, que o sub-
delegado nomeado pitra esta cidade, o Sr. Alfon-
so Murinho, passoa sobre qnem ello exerce mais
poder que a propria morte, receben autos do dia
7 o seu titulo emendado, e anda nao entrn em
exercicio. Nao, a causa entra ; o juiz procura
o pretexto para, declarando a justic-t em perigo
ver se forca a administraco a collocal-o m coo-
dicoes de fazer deste termo nm regiment, que se
mova ao s.im do tambor, e da sala do jury um
quartel, onde seja official de estado ; o que nu
se reabsando, como nao se realisar, a inda assim
nao perden o trabalh?, porqae vai perseguiudo os
pobres presos, a quem aflige por tabella desde qae
para aqu chegou, levando esta perseguico ao pon-
to de, illaqneando a boa f da administracp fa-
set-a eenvencer de que elles estavam na sala da
cmara quando a verdade que elles la nanea es-
tiveram, esim em um quarto no fundo da encho-
via, qne, por melhores|condicoes hygienica, pri-
sao reservada para os detentos, com tanto qne os
flzesse a tirar, com fes, para a enchovia, porque
elle setsatisfas com urna de duas-a condemna-
co ou a morte.
h este juiz, qae s respira odios, tivesse cora-
c-o, longe de malsinar a i Exm. Sr. Dr. Pedro Vi-
cente f elas providencias dadas, elle se devia con-
fessar eternamente agradecido, porque ellas foram
as mais completas que se poderiam desejar.
O Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente eoncedeu-lhr
tudo, deu lhe um subdelegado de caa, valente, sec-
tario da theoria do ccete, j tendo feito nella as-
suar primeiras armas, donde sabio galhardamente
deixando a cabera do moco Paulo, filho do com-
mendador Augusto Rufino, com menos galhardias '
porque ficou offendida em diversas partes.
Este facto que publico, e que foi pratcado ao
meio da em ponto na ra mais publica desta ci-
dade, segundo eremos, o qae d lugar as louva-
miobas do juiz e da opposieao em relaco a esta
autoridade,emquanto que os demais nomeados equi,
aceitaram porque nao teem sangue derramado na
historia de sua vida, sao continuadores das que
deixaram, nao offerecem garanta, pois s quem
poder garantir um tal juiz, a desordem.
Maodou como delegado de polica um militar
velho, prudente, de sua inteira confianca e de re-
nome teito por outras commissoes que tem bri-
Ihaotemente exercido.
O-a, nao tendo Palmares tirado o privilegio da
iovenc do ccete na provincia, visto com} fac-
to sabido, qae ha tres annos am collega do Sr.
Dr. Lu* Ignacio, em comarca que fica apenas
distante 5 leguas da capital, fui victima delle,
em que uveate podido conseguir, apezar de tol-
dado acti /o dos dominadores de ento, a demisso
de orna sequer das autoridades indigitada* como
mandante do desacato, fbra de duvida que este
beben mais agoedo do qae o Sr. Dr. Luis Ignacio,
que alias encontrou em S. Exc dispmicoes para
Ibe conceder, como conceden as providencias mais
completas.
Se, portante, com ellas nao se julga garantido
contra as perturbaco.'s qoe tea feito na comarca,
t lhe vejo um recurso, tomar para si o qae diss*
\
1
7
l

vi

4
Rusa*.* '**>!* >


Diario de PenmbUG--Safcbad* 19 de Fevereiro de 1887
>
-.**.
"



o conselheiro Basto* as seguintea palavra, e
mudar de condueU : Toda justioa eat per-
dida deade que aos juuiee mportam as opinioe
das partes.
O jai que procara saber o qae ae erer, antas
qne procure aab-r o que se ha feito, um faccioso
iguobil, que deshonra a caga, que nunca dsveria
ter vestido.
Antonio Bewerra da Suva Pareira.
TrilbOM l'rbano* do Recite a Olio Ja
e eberibe
Preeiaando minha malher usar de banhos salga-
dos no dia 6 oa 6 do crrante procurei ao sr. ge
rente d'aquella linha e solicitei-ltoe que me intor-
masse do proco das passagens especiaes de Bebe-
ribe, onde resido temporariamente, bem como o
preco de passagem ordinaiia que deveria ser para
mim por ter de acompanhar minha mulher, e S. S.
disse-me que, quer ama, quer outra, enstari i cada
urna vinte mil ris.
Con relaco ordinaria nada oppuz; mas rea
tivameate a especial, para banhot, observei sim
pletmaUe qae por forca do annuneiu do Sr. geren-
te, publicado nos Diarios de Janeiro paseado, pa-
reca-me que os habitantes de Beberibe deviam
gosar do mesmo favor que os do Recife, visto
como tal favor nascia, segundo a redacco do re-
ferido annuncio, do motivo ou fim das viagens, e
nao da moradia dos passageiroe; sendo assim a
passagem especial, a guiza das ordinarias tomada
quer do Recife, quer de Beberibe Olinds, deve-
ria costar o mesmo preco.
N'isto ficmos. Nos das 14 e 15 procurei ao
ti. ger nte no escriptorio da compaabia para ou-
vir o seu ultimtum e nao o encontrei; mas urgin-
dt> a necesaidade de miaba mulher fax?r uso dos
banhos, n'esto ultimo da procurei ao empregado
encarregado da expedico dos passcs pedi-lbe
as duas passagens em assignatura, a partir, como
j disse, de Beberibe, isto urna especial para
banhos e outra ordinaria, levando elle por taes
passagens a quantia de 451000, a contar de 16 de
Pevereiro 31 de Marco, ou por outra, na raaib
de 10*000 a especial e 20*000 a ordinaria, por
mez.
N'eati occasiio chaonei a attencio do emprega-
do, indagando-Ule accenluadamente se estava bem
certo no preco que exiga, accreseentando que se
por isso aobreviesae qualquer duvida, en nao faza,
questioera aatiafazir a difieren?, o que, conver-
sando a respeto, repet entre outros a alguna dos
empregados da companhia e ao Sr. Francisco An- j
gusto Pacheco.
No di 16 comecei a U3ar das passagens e logo
ahi me foi exigida a differenca do preco da via-
gem relativamente minha mulher, isto de ordem
do Sr. gerente.
A mesma exigencia repetio-se no dia 17, o que,
como j o havia dito, desde tomada das aseig-
naturas, motivou eu procurar o Sr. gerente no es-
criptorio logo as 10 horas da maobi, e um pouco
depois chegando este a si dirigi-me em termos
polidos como tenho por habito ; purui com aor-
preza minha sou recebido p ir S. S. de um modo
brusco indigno de am cavalheiro, anda mesmo
aiva, em qae aia todos come homtns nio impar-
ciaes e de stUiment s oajosaquelies dictinetos ca
valneiroe, qua eu tanto i espeto pelos seu carac-
teres, todos os quaes san bem conh-cidos de mul-
to, eapeeialment < da redaecio da Provincia.
Os 8rs. Drs lysses Vianna, Jos Mara e
Joao Angosto, que tasem parte d'aquella redaecio,
principalmente os deas ltimos, qae aqu estive-
mos, e que cooheoem o pegaoal do seu partido
neata trra, por ond mais de orna vea o Dr. Joio
Augusto foi candidato a deputacio geral, qae di-
gam qual o conocto em que pode ser tida a aste-
veraco, que fiseram aquella cavalheiro, como
negativa i calumnia contida na allodda tcia-
va de 3.
Emquanto nio externarem sua opiniio a res
peito. sellaran com seu silencio o conecto pouco
lisonjero, em que, por forca da misaiva de 25, es-
li tidos eeses eu correligionarios, para mim,
orno j disse, do numero dos de melhor poaci, e
mais elevado merecimento dos liberaos d'esta
trra.
Logo que li a misaiva de 3, indigoado, nao tanto
pelas maleinace* levantad s contra mim, como
pela injuitica da arguicoea, qae ella contioba,
todas de urna mentira sem nome; tratei de obter
as respestas, que fiz publicar, com a conviccio de
qae a propria redaecio da Provincia tena na de-
vida conta aquellas respoetas, e dariam mais for-
mal despreso a seu missivista, como ama lieco,
que deveria aproveitar-lhe para o faturo.
Asiiui, entretanto, nao acontecen, e ei que foi
o proprio orgio do partido liberal, que o ae eucar-
regou de desvirtuar tio aeguros tcstemunho, qae
deviam ser para elle insuapeitoa e irrecusaveis,
pondo aos seus proprios amigos pelas ras da amar-
gura.
Nao me cabe, porin, quanto a este ponto, jus-
tar as coatas com a redaecio da Provincia.'
Os seus correligionarios, t> atrozmente vilipen-
diados, que o facam.
Contooto-me, todava, com o ha ver publicado s
respostas alluddas, que. si nao serviram para que
a illustre redaecio Tiodifica&se, como pedi, os seos
conceitos, e, bem ao contrario, poblicasse poste -
nrmente a segunda misaiva, em seu jornal de 25,
devem ter sido lidas por tsdos aqaelles, que co-
nhscem a inteiresa de carcter de seus signatarios,
e que, por isso, devem ter dado o devido valor s
arguiedes, que tive em mira espancar.
O meu apparecimeoto na imprensa nio teve por
motivo a menor sensacao, que em mim praduzis-
sem as mentiras, qae continba a missiva de 3,
anda augmentadas pela de 25, em que o inept
missivista, que nio passa de alguna idiota, qae
quer ter o praz r de estar rabiscands noticias fal-
sas, como si isto recommende algnem por presta
ci de servicos, diz que a Cmara Municipal desta
cidade dio romou posse ao dia 7 do correte,
quindo essa posse verificoa-se u'aquelle mesmo
dia, com todas as solemnidades da le.
Son d'aquelles que entendeos, que o funeciona-
rio publico aecusado, cor mais pequea que seja a
aecu sacio, deve defender-se perante o publico,
como dando-lhe a maior prova de respeto, que
lhe deve, como o juis severo de seos actas.
Eis, oois, o intuito com que appareci na ra-
no Diario de 21,
u. taiti im
Medico, partelro e operador
Baideneia d ra Bardo da Viatoria n. 15, V andar
Consultorio i ra Duque de Caxiaajn. 59.
Di consulta das 11 horas da taanni s 2 *.
tarde.
Attende para o chamados a qualquer bon
telephone n. 449.
Consultorio medico-
cirurgico
O Dt. Castro Jess, contando mais de 12 ann -
de escrupulosa obaervacio, reabre consultorio oes
ta cidade, rua do Bom Jess (antiga da Crui
n. 23, l.o andar.
Horas de consultas
De dia : das 11 a 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demais horas da noite ser encontrado nc
sitio travs do Remedios a. 7, priraeiro por
tio i esquerda, alm I-"* porcio ds Dr. Cosme.
g
alista
Dr.'Ferrbira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 rua Larga do
Rosario.
AOS INCRDULOS
O abaixo ataigaado atiesta e jura, se for preciso
qae soffre mu ten aseses de rbeuuaatisrao, come-
cado no pescoco e que em pouco tempo estendea se
por todo o corpo at aspes, ficando entrevado e
crvido por outra aeaeek's: tratoa-ne eom emro
seso poapar nada, e, j desanimado eom o moto
soffrer sem espranos de sarar, resolven tomar o
Anti-rheamatico Paulistano.especialidade do phar-
maceutiao Luis Cario e qae felicidad^ ha mai
de qaatro meze que nio sent o mnimo incom-
modo I Desejando qae o bem chegue para todos,
o motivo real porque di este attestad.
JOAQDIM DlHIZ VaLOIS.
S. Carlos do Pinbal, 22 de Desembro de 1885.
DepositarioFrancisco Manoel da Silva & C.
Droguistas, i rua do Marques de O'inda n. 23
orusco luu.guu uo um "^-i ------- ,. m, o intuito com que ai
de qualquer individuo de mediocre educaco, ^ |tr, entre as amabilidades que o Sr. Dr. gerente ati- ^^ mM1V8 da Proviacia de 12. e com
rou-m;, chamou-me de defraudador da campa- appBrec0 asora) para responder de 25.
nhta ; sendo secundado mais augmentada e corre- i Q^^^ | e lJaneiro,5e 1887.
ciamene por um Sr. Joio Fondea, guarda-l.vros L^( Marianno & Albuquerore.
da companhia, qae teve a cnancice de conm&ar-
me a brigar na rua !......
O Sr. gerente apoiando o no meio do mais sig-
nificativo silencio dos mais empregados, esque-
eia-ae de que plantara por si e por seu alter ego,
o desrespeito, a desordem e a indisciplina dentro
de su.i propria repartidlo, impossiblitanlo-o des-
t'arte a reprimir depois a qualquer empregado que,
esquecido dos seus deveres, o primeiro dos quaes
tratar com urbandade i partes e principalmente
aos accionistas como eu sou da companhia, mal-
tratar sem acquiescencia do Sr. gerente aquellas
que tiverem pendencias com a companbia, ou tai-
vez ao proprio Sr. gerente.
Se nit me revistisse da prudencia excepcional
em occasioes taes, o escndalo tomara talvez as
proporcoes desejadas pelo Sr. grrente. D'-spre-
zei Beas insultos e paguei as passagens como elle
exiga I
No entretanto intuitivo qne se me interrogue
da cansa de tio desusado e reprehensivel modo
de proceder da parte do Sr. gerente para commi-
go, pois tao estranho proeedimento, a nio ser
u'uot estado anormal de espirito, deve ter urna
razio determinativa : Eil-a e eu a igooravs :
O 8r. gerente, como levianamente declaroa-me,
suppe me um do uaiaero dos sevaadijas, em sua
expressio, iato no numero dos accionistas qae
nio vem com agrado a sua gerencia !
Nio sabe o Sr. gerente mesmo se tem razio
pan; me enppor entre aqaelles de quem 8. S. em
suas altur s feudaes sempre combar e uao
sabe pirqul ainda nio me ouvio pronunciar a tea
respeto ou sobre o modo por que gire os nego-
cio e nteresses da companbia,
Quiz, pois, o Sr. Gerente premunir se de argu-
mento para responder a opposico que eu poisa
facer em assembla geral sua administracio, e
que desde j assegaro
Hito Educador
Se o miseravel que ea reveu na Provin
cia de hontom um artigo contra o Dr.
J. J Seabrasob o titulo Mo Educador
quizer ter urna resposta cabal e es rasga-
dora, tenha a coragem preciaa para assig-
nsr o tal artigo, e qualquer outro que pre-
tenda es revinhar, assumindo assim a res-
ponsabilidade do qae diz.
Falta de caridade
Alguem que nio s>bs|respeitar, nem aquilatar
reprehensivel modo | reputacio alheia, appareceu n Diario de Per-
nambuco de honteui, sob a epigraphe acimt, con-
tando ama calumniosa historia de baver o Exm.
Sr. Bario de Itapissuma expellido de seu enge-
nho do escravo de nome Jos, mvallido, para nio
morrer la, e nao dar-lhe o alimento e os medica-
mentos precisos; mas, conbecedor e admirador
das excelleates qualidades de que dotado o hon-
rado Sr. Bario de Itapissuma, venho declarar hue
de todo falsa essa historia, ama vea qne nnnea
possnio, nem poisue elle escravo alguno com esse
nome.
Esse escravo Jos, invalltdo, de un orphios,
filhos de am sea cuuhado, ha alguna anues falle-
cido ; soffre de urna chaga chronica que o impe-
de, desde muitos aanos, de prestar qualquer ser-
vico, anda por onde qoer, e s<5 volta ao engenbo,
quando maito doeute, oa aiaito neeessitado, oade
i Sr. Gerente"faer acha tractamraento, e todo quanto carece, quando
motivos qae a justi- porm, sente-se roelhorado, torna a ganhar o mun-
do.
se para isso encontrar
^""i'sto succeder dir S. S. qne sou levado! Em circomstancias iguaes s d'esse Jos, tem
pelo despeito por ter queridodefraudar a eom- j o Exm. Sr. Bario diversos escravos em seu enge-
panbia e S. S. nio coosentio.
Antecipo-me j d'sgora respondcr-lhe ao ar-
gumento se delle tiver occasiio de usar e para
isso chama a attencio do publico sensato mena
eompanbeiros accionistas.
Nio quiz defraudar a companhia no preco de
passagens.
1- porque antes d-1 tomal-a, no da 5 ou b
procurei infarmar-me do proprio 8c. Gerente ao-
bre o preco dellas e fiz lhe as obrervacsoa qe me
parecern justas, de aceordo com as qaaea foi o
pro edimento posterior do empregado qae expe-
dio-aa ;
i- porque preven i logo a um empregado de
que nao fazia duvida em pagar qualquer diffe-
renca, no cas j de engao de sea parte
nho* que, se tornando invallidos, l se recolbem e
acbam sempre o quanto neceisitam, joao fcil
de examiuar se.
Eis a verdade, e provoco a quem quer que seja
para provar o contrario.
Reeife, 17 de Fevereiro de 1887.
Quem sabe.
Attengo
O abaixo assignado tendo comprado uin vigsi-
mo bilbete da 1* parte da 1 lotera da Alagaa
de dona mil contos de res, cojo bilhete tem o nu-
mero 233,404, succedeu perdel-o; pelo que previne
ao tbesoureiro e quelles que negociara cora ditos
quem
3- finalmente, porque tomando .s aasigaatura bilbetes,que caso saia, na extraccio, premiado o
no da 15, comecei a usar del.as no dia 16, logo dito bilhete, nio o paguera sem que previ,
no dia 17 procures ao Sr. Gerente para resolver o
final, posto que nenhuma objeccio me fosee op-
posta pelo referido empregado, e tio sement le-
vado do escrpulo qne me logerio a exigencia do
8r. Gerente.
Ora quem assim procede, Sr. Dr., nao quer
defraudar
Do occorrido e que sascintameate tica dito, cal-
mamente s ha a concluir :
1 o preco concedido s passagens para banhos
em Olinda, quer do Reeife quer d Beberibe
aquelle que livrte espontneamente exigi e rectoro
o empregado ;
2- qae o Sr. Gerente pela desconfianca que de
mim tem como seu desafecto na gerencia, natre
m vontade mea respeto ;
3- que essa m vontade al-o colloear-me fora
do favor de seu annuncio e crear para mim ama
tabella espeexaUssima.
Esta ultima conclusio que irremissivelmente
nasce do factos occorridea e descriptas, vem
tamben da letra e espirito da coneessio do an-
nuncio applicado mim.
Demonstrar isso ser'-objecto ds um outro arti-
go se tiver a honra de ser contestado pelo Sr. Ge-
rente.
At l I
Joaquim da Silva Carvalh.
(iaranhDBs
Nio sei se mais deva admirar a audacia do en-
cantado missivista, qae d'aqu enva noticias
Provincia, ou ai a sem-ceremooia com que a iHua-
trada redaecio do orgao liberal acceita aa missi-
va, que lhe sao remettiaas, para adasnpal-ss,
pouco ae importando com o que de falso e menti-
roso contenham ellas, anda que d'ahi resulte
o sacrificio de reputaces de amigos seus, os
quaes, pela sua policio e conceito, de que gosain,
tevem ser por ella mais altamente considerados.
A missiva, com data de 3 do correte, e publi-
cada na Provincia de 12, era, como demonstrei
em minha resposta, do Diario de 21, um acervo
tal de mentira e infames cakonuiis, qne iodigoou
a todos es que della aqu tiveram eonheaimento.
Petiaei, quando ae Iratava de ama publicacio
eita na Provincia, orgio do partido liberal, que o
testefltunho dos distinctoa cavalbeiroa, aos quaes
dirig cartas, e cojaa reapoacaa fia pabliaar a*
Diario de 21, por se achreos o numero d x lioe-
raes de melhor nota, e mais elevada posicio neaU
trra, fosse bastante para convencer illustre re-
dnecae, da que aa argaicoea, faitaa contra mim e
i Mitra o digao Dr. jais d direko datta comarca,
nao passavam de vi calumnia', aoaienae proaesaa
de qasui nio tendo aa oae aa*M aa ocenpar, to-
isova sobre os hombro tao torpe incnsnbeaiMe, com
um fim, que a maguera dado conaeear.
Eagaaai me, paru, e fiqoei pasma, aaaoalo ri
estampida na Provincia ae 25 ates aaprdi as
sem
justifiquem, por que maneira o houveram,
quer que seja qne o apresentar.
Palmares, 14 de Pevereiro de 1887.
Ticor Quedes da Silva.
Club Marois
Vcoho por esta vez mostrar o nosso programma
cerno j tiohamos declarado. Este denominado
Clab offetece aos teus compauheiros de duba di-
versos que qaeiram pelos tres diaa do carnaval
com auas presescas honrar ana sede, rua do
Fogo n. 17, como tambera mostrar sua ru gar-
bosamente ornada de arcos e bandeirolaa para a
maior concurrencia do respeitavel publico. Na
vespera pelas 9 1/2 horas da noite ha de se com .me-
morar o 4" anniversario do Club cima menciona-
do coa am sarao danaante ; tambera mostrar em
sea sali o estandarte do mesmo. Ao terminar
esta funecio soltar-se-ba diveraaa girndolas de
fogo querendo despertar os amadores da Deus
Momo que chegad a occasiio do Club pereorrer
diveraaa ruis desta cidade com vestes criticando
os lords d'frica.
O secTetsno,
Leoncio M. Santos.
Despedida
Nio diipondo de tempo suficiente para despe-
dir-me de todas aa pessoas, que me dispensara
auas relacoes amistosas, em consequencia da pres-
tes da viagem, prevaleco-ma do presente meio
par.i pedir-lhes desculpa da falta eui que involun-
tariamente incurre, deix-tndo do cumprir o dever,
que me impe a consideracio qae merecen: ; e of-
fereco-lhe os raeus pequeos serveos na capital
da Parahyba, para onde parto com a familia, ama-
nhi no vapor Piropo roa.
Recife, 18 de Fevereiro de 1887.
Candido Freir.
sai
Noa climas doa (rooleoa. o cabello
cabe cedo, ae que nio ae coaaerva com grande
cuidado. Urna friccio suave e frequente eom a es-
cova, torna-ae mai neceessrio para seu deaenvol-
vimeoto vigoroso, porm requer-se ainda mai al-
guno C0U8.
O crneo torna-se secco, e precisa de forca a vi-
sor. O melhor vigorador que e tem inventado o
Tnico Oriental, o qual tio admiravelmente aa ae-
aimila com as a*creees dos vaso cepillares uni-
dos cutcula, e assiste a producir urna colheita
abundante de cabellos liados a luzidios. Os bigo
des, barbas e auica calas ternam-se basta e vi-
gorosas sob sen estimulante effeito.
Acha-se venda eu todas as boticas e lojas de
perfumaras
Agentes em Pernamboco, Henry Peratar m C ,
roa do Commercio a. 9.
Licor depurativo vegetal Mtf.a
DO
Medico Quintella
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de tio grande fama infallival na cora de todas
as doencaa sjphiliticas, escrofulosas, rheamatica-
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rfeamati-
eas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e ebronicaa, cancroa jvphiuticoa, infiamma-
ooea viaceraes, d'olhos, ovidos, garganta, iates
tinos, etc., em todas aa molestias de pelle, simple
oa diathericos, assim como na alopecia oa qaeds
do cabello, e as doencaa determinadas per sata
racio mercurial. Dio-ae gratis folhetos onde i
encentram numerosas exparienciaa teitas cora .
especfico nos hoepitaes pblicos e muitos v.
dos de mdicos e documentos particulares.
pesconto para revender.
Deposito em casa de Fara Sobrinhe & C.
Rua do Marques de Olinda n. 14.
{}
I
{
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
criancaa, dos orgios respiratorios e das
senboras.
Preata-ae a qualquer chamado para
fora da capital.

aviso
Todos <>s chamadas devem ser (Ungi-
dos pharmacia do Dr. Sabino, rua da
Bario da Victoria n. 43, onda sa indicar
sua residencia.
i
3~
:ft
idvogado
O bacbarel Julio de Mello Filho tem o
sea escriptorio de advocada raa Primei-
ro de Harco n. 4, Io aunar, onde pode
ger encontrado drs 10 horas da manha a
4 da tarde.
N. !-. Recommenda-se a Emulsao de
Scott aos doentes do peito, da garganta e
dos pulmoes ; aos anmicos, debis e es-
crofulosos, e todos os qae prscisem de
um bom reconstituate.
A Emalsao n3o tem igual para reparar
as for cas dos debis e eufraquecidos.
Silveira
VttVOGVlH)
38Rua do lmperador-58
Prlmeier andar
1
Di. Gemuera Lete
MEDICO
Tem o seu escriptorio i rua Duque de Caxiaa
n. 74, daa 12 a 3 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia roa da Santa
Ornan. 10.
Especialidadesmolestias de senhoraa e crian-
cas.Tolephooe a. 326.
V
;
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico oen-
luta, ex-chofe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1." andar da casa
n. 51 roa do Bario da Victoria, ex-
cepto noa domingos e diaa santificados.
Residencia rua Sete de Setembro n.
34. Entrada pela roa da Saudade n. 25.
Usa remedio entras (2)
EES NON VERBA
Aos que soffrem do peto recommendamos a to-
tora da seguinte publicacio do Sr. Jos Mara
Lopes, morador na Una dos Marinheiros, em frente
cidade do Rio Grande :
Ha quatro anaos qae fai arado de urna
muito grave enferndade, resultante de um res-
friado.
Senta dor agodissima do lado esqnerdo do
peito, tosse secca e urna fraqueza excesaira em
todo o corpo.
Em oto meses de trataawnto com varios me-
dicamentos, nanea consegu obter allivio e eada
vez a molestia augmentava a ponto de me julga-
rem perdido.
Encontrando-me com meu primo e amigo Sr.
Manoel Joaqoim, residente no Povo Nsvo, elle
aconselbon-me o uso de Pe toral de Cam-
bar, do Sr. Alvares de S. Soares, de Pelotas,
elogiando-me muito este preparado e com effeito,
em deus mezes de aeu uao constante, reatabeleci-
me de ama molestia q un me leva va sepultura I
O que digo verdade, e toda esta ilba o pode
affirmar, pois nella vivo ha mais de trinta anaos,
onde tenho chcara e familia. *
O leitor poder encentrar outros muitos at-
teatadoa noa folhetos qae acompanham eada fraa
co.
Deposito, nicos gentes e depositarios geraes
em PernambuceFrancisco Manoel da Silva dt
C., rua Mrquez de Olinda n. 33.
Hotel Gibraltar
Praf-a da Batafha. 108
(defronte do eorreio geral e ettacao
tdegraphica)
Este hotel muito se recomovttida ao via-
jantes pelo local em que se acha,
perto dos Jardins Tbeatros eos precoa
de noapedagem uao mais baratos
do que em outro qualquer, com o mesmo
tratatn en to
Frine, Maria Magdalen, Nioon, a priaseza de
lo Ursino e outras mulheres famosas, qae desde
a mais lemota antiguidade at os tumpos rao 1er-
ooa representaran] a imagem da formosurt, moa
travam com orgalao seus cabellos lingos, bastos
e brilbantes.
Comprebende-ae pois que a mulher, querendo
ter nm bonito cabello, desejando coaserval-o, era-
pregue o Oleo di Kananga do Ja pi da casa Ri-
gsud k C, que suas qualidades cepillares re-
ne um pertum-i suave, que nao incojtraoda a ca-
beca, que pelo contrario torna supportavel o calor
suffocante dos climas tropicaes.
Castillo vencedor
Essa sooiedade carnavalesca sahir, nos
tres das de folganca do carnaval, em pas
seio pelas principaes ras da cidade, e no
tajecto sacudir flores aos seus amadores.
A' roa de S. Jorge, oade est a s le
destes castello, acliar-se ba garbosamen-
te erabandeir da e adornada com lin-
dos arcos; a esforcos dos membros da
commissSo, cora posta dos Srs. Jos Fran-
cisco da Silva, Cosme Francisco Pereira
da Silva, Bento Joaquim Rodrigues, Cons-
tantino Fonseca do Nascimanto, Julio Mar-
colino da Silva e Jacintbo Monteiro dos
Santos. ,^-
Emulso de Laaran
*& Kemp
A Emalsao de oleo de figado de baca-
lho com os hipophosphito'a de cal, soda e
potassa, preparada pela acreditada casa
de Lanman 4 Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, e a mais efficaz e
agrada vel que ai agora se tem offerecido
ao publico.
E' um regenerador poderoso daa consti-
tuiyoes debis e am remedio certo para
todas as affeccSes do peito, da garganta e
dos pulmSes.
Use-se t a Emulso de Lanman &
Kemp nio confundindu-a com as outras.
Vende-se em todas as drogarias e pbar-
ra acias.
Escola particular
deinstrtco primaria
para o sexo mascu-
lino
CASA DE ENSINO MODERNO
3gRua Velha
Clnica medico elrurea
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senboras e
rmnea.
Residencia Rua da Impf r itr:7 n 4. g>~'ind
andar.
EDIT&ES
O abaixo assignado, participa ao Ilustrado pu-
blico desta cidade, qae abri sua < Escola parti-
cular de instraccio primaria para o sexo masculi-
no, rna Velha n. 36, (Boa Vista) onde esme-
radamente se dedica ao ensno de sena alumnos.
Educa e ioatrue a infancia pelo melhor ayatema
dos principaes collegioa da curte do imperio, ende
por algum tempo demoron-se a passeio, cujo sys
tema a delicadeza, a vocacao, a paciencia
ntima para o ensino, fasendo com que os aeu dis-
cpulos sigam o caminho da intelligencia, da honra
e da dignidade com santos conselhoa e sis licdes,
afim de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religo e da lei, e ora verdadeiro
cidadio braaileizo.
Espera merecer a confianca e proteccio dos
pas e tutores daa criancaa que quenam aprovei-
tar um rpido adiantamento de seus filhos ou tu-
telados, e em particular tem f robusta em todos
oa seus compatriotas pernambucanos.
Comquanto ousada seja esta tentativa, todava
espera que os seus incansavefs esforcos, e os seas
paros desejoa sejam coroados com a felis appro-
vacio de todoa es filhos do imperio da Santa
Crua.
Espera finalmente, que o respeitavel publico
aaiba apreciar de perto o aeu verdadeiro ensino
primario, onde rpidamente as criancaa abracara
e amara de coracio ao livroa, as acieaeis aa let-
tras e aa artes.
Igualmente tem ama sala de nstruccio prima-
ria noite para adultos, sendo daa 7 a 10 horas.
Curso de portugus e francez a qualquer hora.
Horario da escola para meainoa, das 9 horas da
manhi s 3 da tarde.
Menaalldade*
Primeiras lettras 2|000
France 3*000
Portuguez 3*000
Pago adiantados no acto da matricula.
Recebe meninos internos, externos e meio pen-
sionistas, por mensalidades razoaveis.
Ru Velha n. 36.
Julio Soares de Acevedo.
O Dr. Joaquin da Costa Ribeiro, joiz de direito
do civel neata cidade do R-cif: c seu termo, ca-
pital da piovincia de Pernambuco, por ba *Ja-
gestade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
dio II a quem Be gawrde etc.
Paco saber aos qae o presente edital com o pra
so de 20 dias virem oa delle noticia tiverem, que
no dia 19 de fevereiro do anuo vindooro, depois
da audiencia deste jurzo se bao de arrematar per
bsnda a quem mais der e maior lance oflerecer os
vens seguates :
Um sobrado de um andar de pedra e cal n. 13
no pateo do Paraso : o pavimento terreo com doa
portas e urna janella de frente, aervindo urna das
portas para o sobrado, com duas salas, dous qusr-
to, cosinba fra, quintal murado, cacimba unci
ra ; e o andar com tres partas de fente com va-
ran Ja de fecfC, com djaa salas, dous quartos, co-
sinha fra e em mo estado a coberts e o assoa-
Iho ; medrado de frente 5 metros e 20 centmetros
Le de fondo 11 metro e 90 centmetros, avaliado
por 4:000#000.
Umu casa terrea na raa da Roda n. 25, com
duas portas e urna janella de frente, com duas sa-
quatro qnartoa, eoainha fra, com um pertio
que d sahida para raa dos Patos, send o a caaa
de pedra e cal, o aolo foreiro, medindo de largura
5 metros a 65 centmetros e de (ando 14 metros e
l> centmetros, em mo estado a coberta, avaha-
da por 3:000/000.
Urna caaa terrea, mei'agua, de pedra e cal, fui-
ta a moderna na rua doa Patos n. 8, com urna por
ta e urna janella de frente, com urna sala, um
quarto pequeo, urna pequea cosinba, terreno fo-
reiro, me lindo de largnra 3 metros e 90 centime-
traa e de fundo 5 metros e 5 centmetros, avaliada
por 500*000.
Penhorados por execucao de Victorino Domin-
gnes Alves Maia, contra o cnsul de Portugal,
como representante do espolio de Ignacio de 8
Lopes Fernandes ; pelo que toda e qualquer pea
soa que sm ditos bens quiaer laucar o poder fa-
ser noa diaa de praca.
E para que chegne ao conhecimento de todos
mandei pasear o presente edital que ser publica-
do pela imprenaa e affixado no lugar do costme.
Dado e passado neata cidade do Recife, aos 10
de Dezembro de 186.
tabscrevo e assigno, eu, Pedro Tertuliano da
Cunba, eacrivo.
Joaquim da Costa Ribeiro.
1. Ueccio. Secretaria da polica de Per-
nambuco, 18 de Fevereiro de 1887.N. 809.O
Dr. ebefe de polica manda transcrever par* co-
nhecimento de todoa c fiel execucao oa aeguintes
artigos das posturas muaicipaes approvadas pela
lei provincial n. 1,129, de 26 de Janeiro de 1873,
com relacio ao brinquedo do entrudo com agua ou
outra qualquer substancia :
< Art. 70. Fica prohibido neste municipio o
brinquedo de entrudo com agua ou outra qualquer
substancia de qualquer maneira que ae empregue :
os infractores pagario a multa de 15/ e soffrerio
8 dias deprisao.
Art. 71. Fica prohibida a venda de limas de
cheiro; os infractores alm do as perderem, paga-
rio 4* de multa.
< Art. 72. l'ica prohibido andar qualquer pea
soa mascarada as ras deste municipio, ainda
que seja vestida carcter e os contraventores
pagarao 30* o soffrerio 8 dia de prisio. Esta pro-
hibicio nio eomprehende os 3 dias de carnaval.*
Ootroaim, declara que igaalmente prohibido
aos mascarados a prarica de aeces ou gestos que
na opiniio publica sejam considerados como evi-
dentemente offensivos da moral e dos bons costu-
rles, nio podendo oa meamos fazer allusio a au-
toridades ou corporacaa eivia, militarea ou reli-
giosas, nem apresentarem se em trajos indecentes
ou immoraes. O que tem por muito recommonda-
do, fazendo punir rigorosamente aa infractores com
as penas da lei.
Secretaria da Policia de Pernambuco, 18 de Fe-
vereiro de 1867.O secretario, Joaquim rancisao
de A.rruda.
Pernambocano
l
Oficina de esculptor eenta
IMremnadera
85-RA DO BOM-JaRMII87
PQIVTO
Encarrega-ae de todas as imagena em}
^qualquer tamanho, altares, sanctuarios, to-<
cheiras, casticaes, jarras e saetas, bem co- i
rao tari rabas funerarias, figuras allegori -1
cas e serpentinas, todo perteocente as di- ,
ta artes. Tambem ae encarrega de pinta-1
[ras e prataa para imagena.
'lirsndr depnaUo ae redomas
pianiiaN para a
ienas
Leonor Porto
Raa do Imperador n. 45
Primeiro andar
Contina a execatar os mais difficeis
figurinos reesbidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicio de costura, em bre-
vidade, modicidade em precoa e fino
goato.
Dr. Joao Paulo
HEDICO
Especialista em partos, m ilestiaa de senboras e
de enancas, eom ortica as principaes materni-
dades e hospitaes de Paria e de Vieana d'Austris,
fes todas as operaces obsttricas e cirurgicas
conceraantea as saas especialidades.
Consultorio e residencia na roa do Bario Ua
Victoria (antiga rua Nova) n. 18, 1 andar.
CoaanaUa das 12 a 3 hora i tarde.
Tlepbone a 467.
(iymnasio
Pela Secretaria do Oymnaaio Pernambucano ae
declara aos pais ds familia, a quem mais nteres-
sar possa, que se acha na direccio do mesmo, por
designacio do Exm. Sr. presidente da provincia, o
rerpectivo secretario, Dr. Celso Tertuliano F.
QuiDtella, do ordem de quem sao oo geral convi-
dados todoa que tiverem de dar educacao e instrue-
~,o a mocidade para visitaiem o estabelecimento,
que acha diariamente aberto desde 6 horas da ma-
chi a 9 da noite, conneoeodo deate modo por ai,
e nio por informacoea inexactas, todo quanto o
mesms estabelecimento dispensar aos seos alum-
nos quer com relacio ao tratamiento quer com re-
lacio a transmisaio do ensino, que recebem dos
professores que sempre se distinguirn] pelo seu
zelo inexcedivel no comprimento de seus deveres e
pelo oteresse que mostrara no ensino daa discipli-
nas que proiessam e no apro .-eitamsnto de seus dis-
cpulos.
O instituto aceita alumnos em trea cathegoriaa,
conforme ae acbam divididos, pensionistas ou in-
ternes, meio-pensionistas e externos.
Oa pensionistas, residirio no institnito, tendo
direito de eatudar aa materias de que ae compe o
curso ensinadasl segundo o programma estabele-
cido : a ser alimentados sadia e abundantemete,
tratados em suas enfermiiadea pelo medico do
instituto, tornecendo lhe tambem este medicamen-
to a ter roupa lavada e engommada regularmente
duas vezes por semana, banho, etc.; tudu isto pela
mdica quantia de 400* por anno.
Oa meio-peoeioniataa Be apresentario no esta-
belecimento noa dias lectivos, hora em que as
aulas se abrirem, e desde entio at serem encer-
radas a tarde, sao equiparados aos internos, tendo
como estea os meamos direitoa quanto ao eatado,
alimentacio e recreio, isto pela mdica quautia de
240*000.
Os externos s teem direito a lices e explica-
toesdis materias ensinadas no carao, quaesquer
que ellas sejam, pagando apenas no acto da ma-
tricula a taxa igual a que pagam oa alomnos no
collegio daa artes.
Os alumnos internos deverio apresentar o enxo-
val preacripto no regiment interno e ter correa-
pond"nte na capital, para com promptidio aatia-
tasar aa peaaoes s outra qualquer despeza de qne
tiver elle neco8sidade.
Aa pensea serio pagas na secretaria do insti-
tuto, por trimestres adiantados.
Recife, 18 de Fevereiro de 1887.
Servindo de Secretario
MarcioniUo da Cunha Pedroxa
O administrador do Consolado Provincial em
enmprimento do que diape a lei de orcamento em
vigir fa publico a qnem intereasar possa, que, no
eapaco de 30 dias utea contados o 1 de Feve-
reiro prximo viodouro ; dar-ae-ha principie a co-
branca, livre de multa, do imposto de repartilo
constante da tabella infra anoexa citada lei re-
lativamente ao 1* semestre do exercicio de 1886 a
1887.
Consulado Provincial de Pernambuco 2o de Ja-
neiro de 1887.
Francisco Amyntaa de Carvalho Moura.
Tabella a qne ae refere o edital supra
Parte 1*
1 Casas de commisso commissoes e consignaedes.
2 Ditas ou depsitos de vender em groaso carvio
de pedra em trra oa sobre agua.
Parte 2
2 Lojas de vender joias somonte, oa joias e re-
logios.
4 Ditas de vender reloios aomente.
5 Casas de vender pianos e instrumentos musi-
caes.
Parte 3-
6 Fabrica de rape Menron.
7 Ditas de sabio inclusive a que acha-se na fre-
gueaia de Afogadoe.
S Ditas de cerveja, vinagre, vinhoa, geoebra, li-
corea e limonadas gazozaa.
9 Dita* de Gas.
10 Ditas agencias e depsitos de rap.
Parte 4'
11 Empresas anonymes ou agencias destas.
12 Companhia de Beberibe.
13 Bancos, agencias filiaes a representantes dos
meamos e casas br.ncariaa.
14 Companbias, agencias ou casas de segaro oa
qualquer pesaos qae no carcter de agente
de companhias de seguro fizer contracto desta
natureza ou promovel-os, com excepcio do
que tem sede neata provincia e contractareot
oaervico especial do artigo 13 deetalei.
15 Armasen alfa-adegadoa, e depsitos ou de re-
ceber.
16 Cazaadejoro de bilhar.
Cmara Hunicipal do Recife
Umpeza publica da cidade
A Cmara Municipal desta cidade, em virtude
da le, que manda aer a limpeza da cidade feita
por arremataoio, recebe propostas em carta fe-
chada para o aervico da retenda lmpexa, at o
dia 16 de Marco do corrente anno, as quaea de-
verio ser entregues pelos interessidos em seasia
da mesma Cmara, do dia cima referido, de con-
formidade com aa basea que abaixo vio publica-
das ; chaman lo-ae especialmente a attencio dos
concurrentes para a clausula XIV.
A arrematacio do servico da limpesa publica
ser feita por proposta em carta fechada, nio
sendo permittido nenbum concurrente arrematar
mais de urna freguezia, servindo de base para
cada urna, a quantia de oito contos e quinhentas
mil ris annaaes.
II
O arrematante obriga se a execatar o vara-
mente diario de todaa aa roas, pracas, beccos, tra-
vesis pontea, cea, rampaa, emdro, toda a fre-
guezia que arrematar; a remover para oa lugares
abaixo deierminadoa todo o lixo, materias orgni-
cas a inorgamcaa, animaea raortos, qualquer que
seja o tamanho, qne enterrar, sendo indemniaade
peloB donos d'aqnelles que forem reconhecidos, e
finalmente todo quanto se comprebenda ua pala-
vra immundicia. Obrlga-se ainda o arematante a
providenciar sobre a ebetruccio das vias de com-
municaco da eatagnacio e do esc 'amento das
aguas pluviaes, quando for possivel.
III
O servico principiar ao mesmo tempo em cada
freguezia, meia noite, devendo terminar a i
horas da manhi,'iato com rulacio s pontos, caes,
rampas e s ras designadas abaixo, podendo
porm, ser feito de dia quando as noites forem
chuvosas. A limpeza daa demai* ras poder co-
mecar daa 6 a 10 horas da manba.
IV
Todo o lixo aera removido em carroca puxada a
burro ou cavallo, e devem aer cobertas.
V
A ponte de Santa Isabel ser varrida pelo arre-
matante da freguezia de Santo Antonio, as da
B6a- Vista e Recife pelos respectivos arrematan-
tes.
VI
No servico da remocao doa objectoa que obs-
truam aa ras, pracaa, caes e rampaa nio se cem-
prehendem aquellea que pertencerem a donos de
obras ou empreiteiros. a quem os fiscaea obrigario
a retirar, ft nem tio pouco a calica que da mesma
forma ser condusida por elles para os lugares
que a Cmara indicar.
VII
Obriga-ae ainda o arrematante a arrancar toda,
a ve^etacio expontanea que nascer entre oa sobre
o calca ment e o 'passeio daa ras, e bem apsim a
derrabar todo o matagal que existir na freguezia
que arrematar, aendo que eate aervico poder aer
feito de dia.
VIII
Obriga-ae tambem o arrematante a limpar e a
desinfectar os mictorios e latrinas, lavando-os
com preparacea ebimiesa, trazendo-os sempre
aceiados interna e externamente.
IX
O arrematante se snpprir sua casta, de todoi
os utencilios necessariua para a boa execucao do
aervico.
V X
O arrematante ineorrer na multa de 10*, sem-
pre que fr encontrada sem indicio de ter sido
limpa, qualquer rua, traveasa, becco, largo, pateo,
rampa, caes, mictorio e latrina, que lhe ser des-
contada no pagamento semanal.
O arremarante que hoaver incorrido em cines
multas, sera provimento de recarao interposto pe-
rante a Cmara, perder o contracto e o valor da
flanea sem direito ainda a aer indemniaado de
qualquer interease ou perda, que piovier do mes-
mo contracto.
XII
O aervico da limpeza publica, alm da fiscali-
a que est sujeito por parte do fiscal, a
quem corre o rigoroso dever de velar pelo enm-
primento restricto daa presentes clausulas, ser
tambem inspeccionado pelo respectivo commissa-
rio, qne impor maltas ao arrematante pela falta
de cumprimento de dever, com recurao para a C-
mara, nao poiendo da decisib desta recorrer o
arrematante para qualquer autoridade adminis-
trativa ou judiciaria.
XIII
Aa reclamac5es contra o aervico da limpesa pu-
blica daverio ser feitas por escripto Cmara ou
a aualquer de seis membros.
M XIV
O arrematante prestar urna flanea de nm cont
de rea em dinheiro oa apolicea geraes oa provin-
ciaea, para garanta deste contracto, e a Cmara
s recaber propostas daquellea que houverem
depositado a quantia de 200* em dinheiro, em po-
der do procurador, o qne provarao com o respec-
tivo recibo, na occasiio da entrega da proposta ;
sendo qne perderio dita quantia, se acceita sua
proposta nio vierem aaaignar e contracto dentro
do praao de 8 diaa. contadoa da approvacio do
presidente da provincia.
A arrematacio aera feita por anno financeiro
municipal, isto do 1* de Outubro a 30 de Se-
tembro ; aendo que o presente dever vigorar da
data, em que for approvado pelo presidente da
da provincia, at 33 de Setembro do corrente
anno.
XVI
A Cmara pagar ao arrematante, por semana,
o aervico de limpeza na reapectiva proporcao da
importancia da arrematacio annoal.
XVII
Aa ruaa, que nio forem calcadas, aerao limpas
a ancinhu.
XVHI
Aa propostas serio entregues pelos proponen-
tea em 8essao da Cmara, designada para eate
fim, aendo preferido quem melhorea vantagenaof-
lerecer, e quem mais idoneidade tiver.
XIX
Terminado ou interrempido o praao do contrac-
to, nio ter a contractante direito a ser indem-
niaado de qualquer valor on material, qne tiver
empregado no aervico, cujo material findo o con-
tracto, pertencer ao contractante.
'^ XX
O contractante nio pode abandonar o aervico
que tiver arrematado, aalvo em caso de (orea
maior pro va da, a juico da Cmara ; mas ae o fi-
zer fra deata excepcio, nio s nio ser direito
a indemnisacio alguma, como tambem perder
o valor da flanea em beneficio doa cotrea mani-
cipaes.
LOGARES DESIGNADOS PABA n'ELLES DEPO-
SITAK-SE O LIXO DA CIDADE
Fregu zia de Santo Antonio.Praia de Santa
Rita.
Freguexia da Boa- Vista.Hoapicio.
Freguezia do RecifeLado da mar pequea ae
noite da fortaleza do Brum, 100 bracea distantes.
Freguezia de S. Jos.Noa alagadoa ao nascen-
te e ao poente da rua Imperial.
BDAS QUE DEVEM SER VARBlDAS a' NOITE
Recfe.Mrquez de Olinda, ,Biapo Sardinha,
Largo da Alfandega, Madre de] Deas, Amorim,
Trave8Ba da Madre Deus, Bom Jess, Commercio,
Torres, Thom do Sonsa, Mscales, Largo da
Corpo Santa. Vigario, Abreu, Traveaaa do Corpo
Santo, Visconde de I tapa rica, Bario de Triumpho,
Caes do Appollo e Brum.
Boa- Vista.Imperatriz, Conde d'Eo, Largo da
Santa CrBSy Rua da Santa Croa, Conoeioio, Bario
de S. Borja, Viaconda de Pelotas, Visconde de
(ioyana, Aurora, Visconde de Albuquerque, Hos-
picio, Cae de Capibaribe, Pires, Formosa, a Becco
dssIFerreiros.
Santo Antonio^Bario da Victoria, Cabug,
Praca da Independencia, Roaario (eatreita), Rosa-
rio (larga), Imperador, Duque de Caxiaa, Primeiro
de Marco, Livramento, Direita (parte), Penha,
Vaconde de Inbauma, Pedro Alfonso, Caes do Ra-
mos, Caes 22 de Novembro, Florentina, S. Fran-
cisco, Sol, Mar mes do Herval (parte). Roda, Larga
do Paraso, Pedio II (largo), e Coronel Suassuaal
S. Jos.Largo do Mercado, Rua Direita (par-
te), Imperial, Vidal do Negreiros, Aasuanpcio, L o daa Cinco Pontos, Marques do HervlV (parte; s
Coronel Suissana (parte).

['., -
r



Diario de PernambucuSabbado 19 de Fevereiro de 1CS7
:/
>
,-
Paco da Cxraara Municipal do Reoif, 4 do Fe-
vereiro de 1887.
Presidente.
Dr. Prxedes Gome de Soiaa Pitonga,
Secretario.
Francisco de Assis Per&ra Bocha,
DECLARACOES
Arsenal de Guerra
O conselho d compras recebe propostas
na dia 3 de Marco do correte anuo, at
s 11 horas da maona, para a comprados
rticos seguintes:
Algodaosiuh i de 80 90 centmetros de
largura, metros 3-15I
Algodo em rain, kilos 1 7
Am,gm, metros 18
onets de aervico interno
Britn branco liso, metros 850
Brim escoro (de linbo trancado) metros 26.769
mra encarnada, metros 1.680
Cadeiras de gaaroicad de Jacaranda
Cadeirai de braco de Jacaranda
0! Jairas de ferro para 5"J pracas
valdeiras de ferro para 25 praoas
;.mecos de metal branco 3
Jiriu^h'iras de sola 10
Correiras de marmitas de 8 pracas 57
fiiotuies com terragens, palas e patro-
nas *9
Esteiras de palha *
Ki '*d*s com bainbas para msicos B
PtaaeUa alvadia para forro de capotes
initros !
Ganga encarnada, metros
ijrxvatas de sola de lustro **~
(xurda-feixes
H'.llauda de forro, metros y
Lencos de cbiU bV
L,.tas para acarar caf 2
Metas de algodo, pares Jg
Satatos de couro de beserro, pares o0
accus para marmitas de 8 pracas 48
I"..mancos, pares *
Previne se que nao serlo tomadas em conside-
ra cao 8 propostas que nao forem feitas na formn
d;> are. 64 do Beg. de 19 de Outubro de 1872, em
duplcala, com referencia a un s artigo, mencio-
nando o nome do propoente, a indicacad da casa
uiimuiuTSM. o preco de cada artigo, o numero e
marca das amostras, declaracao expressa de su-
c-itar-se a multa de 5 Ojq, uo caso de recusar as-
signar o contracto, bem eomo as de que tratam os
aMa, 87 e 88 do reeulamento citado.
Uutro sim, previne-se mais que sao improroga-
>is os praaos eetabeleeidos no respectivo termo
iii-, contracto.
Secretaria do Arsenal de Guerra do Fernam-
uuco, em 18 de Feveieiro de 1887.
O secretario
Joe Francisco Ribeiro Machado.
Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Sr. conselheiro director inte-
rina .-e fas publico que sendo feriado pelos estato-
u>* os dias 20a 23 do corrente inclusive, t no dia
24 p.der comecir a inserpeo, j annonciada, dos
examas extraordinarios, os quaes, bem como os or-
dinarios, s poderlo- ter lugar at o dia 14 de
Marco. .
Igualmente se fas publico qoe no inesmo da 24
ge reunir extraordinariamente a Oongregacao para
resolver a respeito da admissac o acto dos estudan
tes que uio pagaran a 2 taxa respectiva, ou que
por qualquer motivo attendivel deixaraui de faser
exame na poca competente, com tanto quej te
nbam requerido, ou o requeran agora.
Secretaria da faculcudade de direito do Recife,
1S ae Fevereiro de 1887.
O secretario,
Jote Honorio B. de Menezet.
Club Concordia
L Zwetes Preiskegeln
Sonntsg den 20 Februar
Nicbuiittags 2 uhr.
Das directorium.
. ompanhia de Seguros Pheulx
Pernambucana
Os senhores accionistas, nos terinog do art. 25
e para os effeitos do 1- do art 27 dos estatutos,
sao ecnvidados a reunirem-se cm assembla gera|
ordinaria no dia 8 de Marco prximo, ao meio da,
c ede da companhia.
Pernambuco, 16 de Fevereirj de 1887.
Os a (ministradores,
Luis Duprat.
Or. Manoel Gomes de Mattos.
Joao Jos Rodrigues Mendes.
GOMMERCO
Bita commerelal
l'OTACBS OFFICIAK8 DAJONTA D08 COB-
BECTOEE8
Recife 17 de Ftvereir de-1887
Lmw>. soore Para, a 90 d/v. com 3 1/4 0/0 da
descont.
. a bHm sobre Londres, a 90 d|v. 22 1|0 d. por 14,
do banco.
Wito sobre dito, vista, 21 7/8 d. por 1*000, do
banco.
-iuoio soore Lisboa, vista 143 0/0 de premio,
de banco.
O presdeme,
Antonio Leonardo Rodrigues.
Pelo secretario,
Augusto P. de Lentos,
Hollnenlo bantarlo
sccira, 18 di ravBiuiao de 1887
Os bancos estabelecemm boje a taxa de 22 1/8,
conforme as tabellas, que abaixo damos.
' crrente que os baocus nao cemam cambiaes
sobre a costa por falta de numerario.
Jlo como causa diaso lerem as sommas da pr-
senle safra sido superiores as dos aunus anteno-
*
Parece-nos, portanto, ser chegada a oceaaiao do
cuiuitrcio desta praca ser soccoriido novamente
ikI i Banco do Brasil.
.Sao estas as tabellas :
Uo London Bank :
Suor Londres, 90 d/v 22 1/8 e vsU 21 7/8.
Hubre Pars, 90 d/v 429 e vista 433.
o-o.r Hamburgo, 90 d/v 532 e A visU 588.
Sobre Portugal, 90 d/v 240 e vista 243.
;. ,bra Italia, vis la 433.
,.b,c New-York, visu 2*290.
l>.. English Bank :
SvilN Loudree, 90 d/v 22 L8 e 4 vista 21 7/8.'
e Psris, 90 d/v 439 e vista 433.
&.;i:t Italia, vista 433.
i brs Hamburgo, 90 d/v 532 e vista 538.
-bre XiW-York, vista 2*290.
.-. are Lisboa e Porto, 90 d/v 240 e vista 243.
-obre as principaes eidades de Portugal, vista
s 248.
sobre liba dos Acores, vista 251.
Sobre liba da Madeira, i vista 248.
creado Je soucsr e slgodo
BSCIF, 18 DE FBVSRB1R9 D 1887
f Astucar
As entradas continuam a ser peqm
Os procos para os assucares de difierentes qua-
lida'li-s sao anda estes :
3. bao, por 15 kiles, de 2*000 a 2*100.
3 regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*200.
i :,.,., por 15 kilos, de 2*^00. 26300 e 2*400.
3 rtipevier, por 15 kil..s, de 2*500 a 2*600.
cu turbina Usina Piuto, p-jr 15 kilos, a
' 0.
mus turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a
B0D,
m turbina puUerisado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*100.
.,, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700,
,vdo, por 15 kilo. U900 a 1*300.
.. por 15 kilo, de 1*100 a 1*200.
es, por la kilos, de 840 a 1*000. _
roo on minirr.! dos piecos
. o s.rtiuiuuto.
Mgodo
u rcado do algodat est trono.
ifferenti
sao obtidos
Jaizo dos Feilos da Fazenda
ESCBIVAO TORRES BANDEIRA
No dia 11 de Marco prximo, ir praca por
venda as casas abaixo descriptas, penboradas pela
Fasenda Provincial :
Casas sitas no Becco do Quiabo na. 1 e 3, fre
guexia do Poco da PanelU, com 2 jancllss e 1 por-
ta, porteo ao lado, 6 metros e 30 centmetros de
frente, 13 metros e 6 centimetos de loado, 4 qasr-
los. cotinha fra, qun'al murado, cacimba meeira,
e a de n. 3 com 2 salas, 3 quartos, cotinha fr,
terrscc, smu interno, cim 1 salan e i quurto, am-
bas arruinarlas, e avahadas em 200*000 ceda
urna, pertencool' b a Antunio Jos Puto^_________
Estrada de Ferro do
Recife a Caruar
De crdem do Illm. Sr. rector, f.z-se publico
que a contar do jia 21 do coireute o trein P 1 s
ir at a retaceo do Cascavel as tere .s e sabba-
dos.
Secretaria do l'rolongamento da Estrada de Fer-
ro de Pernambuco e Estrada de Perro do Caruata,
16 de Ftvcreiro de 1887.
O secretario,
Manoel uvencio de Saboya.
lodemnisadora
A direccao desta companhia tetn a honra de
convidar os Srs. accionistas' para reunirem-se em
assembla geral ao meio dia de 28 do coi r. nte mes
no seu escritorio, afirn de cenhecerem das ecutas
do anno fiudo em 31 de Dezembro preximo passk-
do ; e bem assim proceder se a eleicSo de que tra-
ta o % 2 d'> art. 27.
Recife, 14 ce Fcver Os directores
Joaquim Alves da Fooseca.
Jcs da iiva Loyo Jnior.
Antonio da Cunha F. Baltar.

u
Por esta secretaria fclo chamadas os psreutes e
protectores das ineuures abaixo declaradas, para
at o dia 28 do correute jreeeiital-as no Collegio
das orphis, aftin de serem ah admittidas, vio
seren as primeiras inscriptas no respectivo qua-
dro.
1 Carolina, protegida i.'e Augusto Manto.
2 IlluminatM, fillia de Mara Florencia Barbosa
dos Santos. -
3 Lauriuda, filha de Sincletca Lina de Vas-
concelics Araujo.
4 Mara, filha ja m. sma.
5 Adeluide, filha de Miria Jos da CsMSifio'.
6 Mana, fi.ba de M-.ria Jos da Eocarnacao.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 8 de Pevcreiro de 1887.
O eserirlo,
Pedro Rodrigue de Soma.
h. li. J.
Mociedade Recreativa Juveniude
Ssra-j carnval' seo em 19 de Fevereiro
Iniciativa da presidencia
Pede-se nos senborrs socios que desejarem ti-
rar convites para este bailo, o favor de apresen
Urem sua notas na secretara da socivdade.
Nao serlo admittidos aggregados.
Prevenimos aos senh-res socios effectivos, bene-
mritos e distiuctop, que os ingresaos pod< rio des-
de j rer procura ios em u.S do t. thesourriro.
Seretara daeocicd.de Recreativa Juventude,
8 de Fcveieiro de 1887.O 2o secretario,
Jos de Mediis.
ompanhia de BdiOcac3o
Asseiubia geral ordinaria
De sccordo com o artigo 31 des ertatuto sao
convidadas os Srs. accionistas da Cornpanliia de
Edificacao para se reuuirein no dia 1 de Marco,
ao meio da, na sede da mesma Companhia, ao lar
go de Pedro II n. 77, 1' andtr, afim de uuvirein a
letura do r*ltoric, balanco e apreciarem as con-
tas da directora, discutirein e upprovarcm o pa-
recer fiscal, c ainda procederem i eleicao da nova
commissao fiscal, nos termos dos arts. 21 8 8, e i
dos mesmos estatutos.
Recife, 12 de Fevereiro de 1887.
Gustavo da Silva Antones,
Director secretsrio.
O prec i desceu para 6*200 por 15 kilos o de
Pernambuco e boas procedencias, em trra.
Kntradaa de sursr e algodo
MES DE fEVEKElkO
exrainas
Barcscas.....1 4 17
Estrada de ferro de Olin-
<5
da......
Estrada de ferro de Ca-
ruar .....
Animaos .
Estrada de trro de S.
Franciscj .
Estrada de trro de Li
inoeiro.....
1 17
1 17
1 18
1 16
1 16
=
30
62.006
483
7.648
9.827
o
9
S
u
m
-a
4.053
1.852
215
6.262
55.640 2.702
16.586
151.690
5.805
20.889
Vola do TtacMouro dilacerada*
O recolhimciitu de notas dilaceradas est sendo
feito na Tin Miuraria de Fasenda, as tercs e
sextas-feiras, das 10 s 12 horas da mauha.
Subnllluico de muta do Tltenuaro
Em 31 de Marco viudouro termina o przu uiar-
caio para r.-culhimeuto, sem descont, das notas
de 2*OOJ da 5' estampa, 10*000 da 6* e 5*000
da 7.
A eubstituicao est sendo feita na Thesouran
de Fasenda, nos dias uleis, das 10 s 12 horas da
maob.
I re lumen toa
13 DB FkVBBEIBO
Patacho aPSsJo Brilhante, para carregar aqui
aesucar com desuno a Montevideo em direitura, a
7 reales fortes por barrica.
Patacho ingles Agenoria, para carrogar aqu
assucar enn destino a Santos, a 140 rs. por 15 ki-
los.
Gtnbarcates despachada*
Vapor :-ileiuaj Taranagu, sabido no dia 17,
co'iduzio :
Para Sautoi :
3,850 sacos com assuear braaoo.
2,950 ditos i.m dito mascavado.
10 pipas Cun jtguardent*.
CarregaraiB diversee.
Patacho sueco A/mia, sabido no dia 17, cou-
dazio :
Para Rio Grande do Sul :
2,0Sd barricas com ssucr branco.
100 dius com .lito mascavado.
Csrre|farui diversos.
Pauta da Aifnndeg*
slm.s* de 14 a 19 na ravaastao
AIcoo kilo)
Algodio (kMo)
Arr-'Z com cisca (kilo)
Assuear retinado vkilj)
Dito branc > (kilj)
Dito ma'jiva!li tkilo)
Borracha (kilo)
Cachaca 'lilr.i
Caeao.kilo)
^rfrfstolho ,kilo)
218
350
055
151
131
067
1*266
077
400
490
Arsenal de Guerra
Do ordem do Illm. Sr. raajor director, distribue-
se costaras nos dias 19, 21 e 22 do corrente mes,
s costoreiras de ns. 401 a 430, de oonlormidade
com os annunces anteriores.
Seccio de costaras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 18 de Fevereiro de 1887.
Flix Antonio de Alcntara,
Alteres adjunto.
EMPREZA DO GrT
Pede-se aos Seiiho
res consummidores que
queirain azer qualquer
comunicaco ou reda-
[nacao, seja esta feita no
escriplorio desta empre-
za ra do mperador n
9, oude torobem se re-
ceber? qualquer conta
que queipam pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermttlo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva OH
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
vins Carvalho.
Durante a auzeucia
do abaixo assiguado na
Europa todos o i recibos
dessa einpreza deve-
rao ser passados cmt;i-
ioes carimbados e fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que nao
tero valor algum.
George Windsor,
Club Carlos Gomes
T-do a cooimisso eucarregad da ornamrnta-
cao des sales do club para o saro carnava'esjo
no da 19 do corrente, de principiar scus trnba-
lhos, previno aos senh-ires socios que fica suspen-
so todo o expediente nos dias 7, 18 e 19.
Recife, 16 de Fevereiio de 1887.
O speretari,
P. Casanova.
LoteriaTde400 contos
A grande lotera de 4000 coutos, em 3 sorteios,
fica transferida para o dia 14 de Maio vioduum,
impreterivelmente, nos termos "do despacho do
Exm. 8r. presidente, de hoja.
Thesburaria das boteras para o fondo de
eoiancipacao e meenuus da Colonia Isabel, 14 de
Decembro de 1886.
O thesooreirn,
Francisco Gonualves Taires.
COMPANHIA DE ED1FICAQS0
0 escriptorio d'esta
companhia a cha-se
tunceionando no largo
de Pedro II, n. 77, V
andai.
Imcnmbe-se median-
te contrato < a paga-
mento em prestares,
de construcfdes e re-
construcfdes de pre
dios, cujosprojectos c
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No escriptorio se cn-
contraro sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquary, tendn sem-
pre venda: tijolos
massi^os de alvenaria,
ditos para ladrilhos,
diversos formatos, te-
lhas romanas, france-
zas, de capote com en-
calve, de crista; canos
e curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e fijlos fun-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c en-
eomendas, no escripto-
rio central._________
iiii i e Ptrmiaco
Hiiiriruia de eacravoM
O administrador da racebedoria faz publico, que
fiuda-io no da 30 de Marco d<> corrent anno a
uova matricula e arrolameuto dos escravos exib-
tente ueste mnnicipio, devendo es donos e pos-
ouidores dos mesmjs npresentarem at aquelle dia
hs relafdes em duplcala, contendo o nome jo es-
cravo, nacionalidade, sexo, filiacn, oceupacao ou
servco em que for rmpregario, id.de e valor,
alein do numero de ordi m da matricula anterior,
sendo o valor dado por extenso pelo sciihor do ee-
iT.ro ou seaJegilima representante, nao fxceden-
do o malino regulado-pela i lade do matrlculanda,
que ser tsmbem escrpta por extenso, conforme a
I seguute tabella :
E.cravos menores de 30 anuos 900V)00
Ilem de *> a 40 800*000
Caf bom (kilo)
Carnauba (kilo)
Cargeos do alfodao (kilo)
Car vio de pedra de Csrdift (tOJ.)
Cuoros secco* et pichados (kilo)
Ditos salgados se.os (kilc)
I'1 tos verdes (kilo)
Farinba de mandioca (litro)
Fumo rcsto'.h > (kilo)
Uenebra (litro)
Mel (litro)
Milbo (litro)
Pr anchoes (dosis)
320
:ji
014
16*000
585
500
275
250
4u0
200
04
040
100*000
Importado
Patacho inglex S. Jos, entrado de Terra Nova
em 17 do corrente e consignado a J. Pater & C
manifestou :
Haealhio 3,331 barricas e 1,000 meiis i Or-
dem.
Barca noruegueuse Noatun, entrada de Liver-
pool em 17 do corrente e consignada a J. Pater
fe C, manifestou :
Carvio de pedra 731 toneladas ordem.
Barca noruegueuse Aitw, entrada de Cardiff em
18 do corrente e consgnala a Wilson Sons C,
nimiifeitou:
Carvio de pedra 831 toneladas ordem.
ExportacSo
rbcifb, 16 na FBVKRErao de 1887
Pura o exterior
Na galera inglesa Loretao, carregaram :
Para Liverpool, Seis & Santos 100 saceos com
30,000 kilos de assucar masca vade.
__ No lagar americano Harold, carregon :
Pra NrwYork, M. J. da Rocha 3u0 saceos
com -.',500 kilos de assucar mascavado.
Na barca portuguesa Novo Silencio, carre-
garum :
Psra o Parto, Miranda & Souza 2 barricas com
162 kilos de assucar brance e 1 barril com 36
uros de agurdente.
Para o interior
No patacho allemo Johanne, carregaram :
Para o Sio Qraude do Sul, Vinva de Manoel
F. Marqaea Filho 400 bairica com 43,994
kilos de assucar branco ; J. A. da Costa Medeiios
150 barricas com 16,948 kilos de antier branco ;
Amorim Irmios at O. o0 barricas coji 30,281 1|2
kilos de assucar branco.
No vapor nacional Arlindo, carregaram:
Para Porto-Alegre, P. Carneiro & C. 40 vol
mea com 32,910 kilos de assucar branco e 200
saceos com 15,000ditos de dito masesvada.
Para o Rio de Janeiro, P. Carneiro C. 500
sacis com 33,277 kilos de slgodao e 500 saceos
com 30,000 kilos de assucar Wiw ; V. T. Coim-
bra 500 sacc s com 30.000 kilos de assucar mas-
cavado; B. C Muniz Vieira 2,000 cocos, fruct.
No patacho allemo Frtts, carregaram :
Para Porto-Alegre, P. Carneiro Se C. 1,300
saceos cjm 97,500 kilo* de aisucar branco e 700
na 52,500 ditos de dito mascavado.
No patache nacional Zboordn, carrega-
ram :
Para S.ntos, Baltar Iruiaos & C. 100 saceos
com 6.000 k:los de assucar brauco.
No vapor nacional Pernambuoo, aarrega-
ram .*
Para o Para, F. A da Asevedo 800 volumes
com 20,035 kilos de assucar branco; A. &. da
Costa 20 volumes com 1,061 kilos de assucar refi-
nado ; M. J. Alves 10 barricas com 654 kilos de
assucar refinado.
Para Manaos, Amorim IrmZos & C. 40 bsrris
com 9,840 litar de agurdente; P. Aires & C 40
dem de 40 a 50 600*000
dem de 50 a 56 400*000
dem de 55 a 60 200000
O valor das eicravas ser regalado pela mesma
tabella com o abatimente de 'b 0/0 dos preces
nella' estabeleeidos.
A inscripesk > para a nova matricula ser feita
vista das relacoes. que serviro de base a]matri-
cala esp1 ciat ou de averbacio (ff-ctuada dt con
fjrmidade com a lei de 28 de 6e'embro de 1871,
ou de certidao da mesma matrcula, ou vista do
ttulo de dominio qaando contiver a matricula do
escravo.
Nao sero dados matricula os escravs maio-
res de 60 aunos, serio poiiu iuscriptos em arro-
lameDto especial.
Seao considerados libertos os escravos, que uo
praso marcado nao tiverem sio dados t nova
matricula.
Pela inncripcSo ou rrolamento de cada escravo
pagar-se-ha 1*000 de emolumen os, cuja impor
tancia sir destinada ao fundo de emancipucao
dep.is de gHtisreitxs as dispezas da matrcula.
Receliedoria de Pernambuco, J4 de Fevereiro
de 1887.
Alexandre do Souxa P. di C-rms.
latas c m 600 kilos de assucar refinado ; f. A. de
Asevedo 91 volumes eom 3.175 kilos de assucar
branco ; P. Piuto & C. 70 barris eom 6,720 litros
de agurdente.
Para MaraubSo, J. M. Dias 2 caixes com 100
1|2 kilou de rai-.
No hiate nacional Adelina, carregaraic :
Para Maco, f. Alvea 4 C 1 Dan tea com 70
kilos de assurar refinado o 10 ditas com 1,1 li
ditos'do dito branco.
*No hiate nacional D. Antonia, carregou
Para o Natal, J. L. dos Reis Feneira 100 sac
eos com fariuua de mandioca.
>avli. tx carga
Barca noruegueuse Vega, Bltico.
Barca norueguense Ogir, Estados U.iidos.
Barca inglesa Dunsti.ffage, Estados-Unidos.
Barca noruega Re, New-York.
Barca sueca Prima. Hull.
Barcaca nacioual Flor do Passo, Mamanguape.
Barcaca Linda Sinh, Rio Graude do Norte.
Bar -a portuguesa Nooo Silencio, Porto.
Brigue allemio Bruno Brigue norugueuse Mira, Liverpool.
Cnter nacional Oeriquitu, porto do oorta.
x'scuna sueca Lortify, Rio Grande do Sul.
Escuna alterna Joliaima, Santos.
Escuna allema frita, Porto-Alegre.
Escana nacional Uranio, Rio Oronda do SuU
Galera ioelesa Loreau, Liverpool.
Hiate nacional Correio de Natal, Natal.
Hiate nacional Adelina, Uasao.
Lugar ingles Mo'tung Star, Santos.
Lfr nacional Tigre, Rio Nraade do 8ul.
Patacho allsm&o Brilhante, Montevideo.
Patscho ingl r. Ageaoria, Santos.
Patacho nacional Maiinho VI, Rio Grande do 5>ul.
Patacho americano J. P. Loasen, Rio Grande do
Sul.
Patacho portugus Faruuj, Para.
Palhabote nacional S. Bartholomeu, Porto-Alegre.
Patacho portugus Peritos, Lisboa e Porto.
Vapor ingles Pletty, Liverpool.
Xavloa A descarga
Barca noruegueuse Aino, carvao.
Barca norueguense .Yoatiu, carvSo.
Barcaca nacional Apresentacio de Marta, gneros.
nacionaea.
Barcada nacional Flor de Tatuamuiha, dem.
Barcaca nacional Semprevtya, idem.
Barcaca nacional iVoema, idem.
Barcaca uacioaal P.corio Alagoanna, idem.
Barcaca nacional Boa Nova, idem.
Brigue austraco Pimu, varios gneros.
Escuna inglesa Percy, baealbo.
Hiate brasileiro fion Jess, algodo.
Hiate naciouai^Fior do Jardim, sol.
L^ar ingles Minnia, carvio.
Lugar norueguense Courier, farinha de mandioca
Lugar Ingle* Blanche, bacalhe.
Lugar ingles Retrevier, baealbo.
Lugar ingles Luaie R. Wilce, bacalho.
Lugar ingles Nicanor, 'farinba de trigo.
Patacho ingles S. Joseph, bacalho.
Patacho ingles 21or, bacalho.
Patacho americano Leonora, farinba de trigo.
Dimetro
O vapor Arlindo levoa hontem pura:
Rio de Janeiro 4:000*000
O vapor S. Frauctsco levou para :
Macei 20:000*000
Peaedo 23:000*000
Rendia*eates publico
Permutas
O Sr. Dr. inspector geral -a insiruccao publica
m.nda fazer coust.'tr s profeesons puiIims Bel-
laruiina Fraucmcs Lubo Barros e Amelia Mana
da Conceicao Ramos, esta da cadeira de Campos
Frioa e aquella da de Pao Branco, que Ibe fica
maleado o praso de 20 dice, a contar da data de
sua remocio, afiai de assumirem o exercicio de
nuas cadeiras.
Secretaria da instruccao publica de Pernam-
buco, 17 de Fevereiro de 1887.^=0 secretario,
Pergentino S. de Araujo GalvJo
Beoda geni :
as na rsrvaaaiBO
Alfanitfa
Fhe Liverpool & London k filo
INSURANCE CMPANY
K
Prolongamento do Lstrada de Fer-
ro de Pernambnco
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
no escriptorio do engenheire chefe do traiego do
Prolongamento d* Estrada de Ferro do Recife ao
SJ Francisco em Palmares recebem-se propostas
at o dia 20 do corrente para a exeeucio de aterro
de algumas vallas e bacas existentes no trecho de
S. Benedicto a Canhotinbo do mismo prolonga-
mento.
No referido escriptorio encontrariio 08 interessa
dos os precisos esclurecimentos.
Secretariado Protfcngainent'Td* Estrada de Fer-
ro de Pernambuco c Estrada de Per. o do Recife a
Caruar, 10 de Fevereiro de 1887
O secretario,
Manoel Juvencio de Saboga.
Companhia de seguros .impht-
triie
A direccAo em cumproicuto ai art. 33 do9 es-
tatutos d'esta compaunia, convla os Srs. accio-
n'&tas a reunirem-ae em assembla geral, no salan
da Afsociacao Commercial Bemficei.te uo dia 2
do pr> limo Marca ao meio dia para ouvirem o
sea relatorio e o parecer da Igualmente p:oeeder-se-ba a elrico de que tra-
ta o art. 40 dos mesmoa estatutns.
Recife, 17 de Fevereiro de 1887.
Os directores
A n n:<> Marques de Amorim.
Manuel Jos da Silva Gaimaraes.
.lo ij'iiin Lopes-Machado.
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em 1155
CAPITAL 1,000:000*
SINISTROS PAGOS
li 31 de dezembro de 18S4
Haritimos..... 2,0:000000
Terrestres,.. 310:000^000
U-ilaa dd Commerelo
(OHPAXHIA :D EGUIOSI
NOaTHERN
de LOndres Aberdcen
p>-.ic Bnancelra (llezembro I S>ii>
Capital oubaciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,34i
Rerriln nnnnal t
Da premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John H- Boxtcell
un (OHHRitiioiio x.se r *nd*i

i
CONTRA FO.0
\orlh BrUish & Meranle
CAPITAL
t:OOO.OOo de libras scrllua
AGENTES
Adomsoii Howie & C.
SEGUROS
WARITI3IOS CONTRA FOGO
Companhia Phealx Per-
nambucaaa
Ruado Commercio u. 8
O* 1 a 17
dem de 18
3.506*247
28.693685
Renda provincial :
De la 17
dem de 18
91.086^)19
3:957*083
52:199932
95;043I402
e 1 a 17
dem de 18
De 1> 17
d-sa de 18
lo^s
liecebedori.
Consulado Provincial
517:243*331
21..'67.826
503*816
21:571*671
34:872*980
841*240
35.714*220
Recije Droinage
Osl(17 19:696*215
IdcD da 18 2:262*693
21:958*^08
Mercada Municipal de 9. Jas
O movimento desta Mercado no dia 18 do cor
reate foi o seguate:
Entraran) ;
26 bois pesando 3,565 kilos, sendo 8 e 1/2 di-
tos de 1* qualidade, 6 e 1/2 ditos de 2a dita
e 11 ditos particulares
1310 kilos de pene a 20 ris 26*200
88 cargas de farinha a 200 ris 17*600
20 ditas de fructaa di vergas a 300 rs. 6*000
8 taboieiros a 200 ris 1*600
11 Suinos a 200 ris 2*200
Foram oceupadoa :
25 columnas a 600 ris 0i5*00
22 compartimentos de farinha a
500 ris. 1*0000
21 ditos de comida a 500 ris 10*500
771/2 ditos de legumes a 400 ris 31*000
17 ditos de Buino a 700 ris 11*900
10 ditos de tressuras a 600 ri 6*(00
10 talhos a 2* 201000
7 ditos a 1* 7/000
A Oliveira Castro & C.:
54 talhos a 1J ris 54*000
2 talhos a 500 ris l*O0
Oeve ter sido arrecadada ueste dia
a quantiade 221*00i>
RendimcutD de 1 a 17 de Fevereiro 3:319*860
Companhia
|mperia i.
I V
f
MI-U-UROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e mercadoria
Taxas baixas
Prompto paganumto de prejuizos
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. *Rita Oe Li
AGENTE
Miguel Jos Alves
* N. 7RA DO BOM JESUS-U
segaroa mnrittss>e> e terrea
Nesies ultimo a umea coopanhia nesta p^aca
jue concede sos Sre. segaradrs iseapclode paga
ment de premio em cada stimo aaao, o fM
avor dos segurados.
THEATRO



! ,
Grandes bailen carha-

vleseos!
.
Magnifica orchestra a cargo do mqito conbecido
artsto PORCIUNCLA.
O boteqaim, cargo do Sr. Bernardino S.
Dnarte.
HORAS DO COSTUME
I.-r.
!

Vi lie de Maranhaodo sul a 22.
' Ville de frardo Havre a 22.
Espirito Sancodo norte a 23.
Tagusda Europa u 24.
. Marinerde Liverpool a 24.
Financede New- Port- News a 27.
Cearade sol a 27.
j
-
3:540*860
Foi arreeadado liquido at boje
Procos do dia :
Carne verde 320 a480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Suinos de 500 a 640 ris idem.
Farinha de 180 a 240 <-is a cuia.
Milho de 260 a 820 ris id*m.
Fejao d 560 a 1*000 idem.
Haiadoaro Publico
Forsm abatida no Matsdouro da Cn^anga 86
reses para o eoasumo do uia 19 de Fevereiro.
Sendo: 61 resas pertencentes a Oliveira Rastro,
St C-, e23a diversos.
Tapare* e
avio* esperados
varoaas
Legislatorde Liverpool hoje.
Senegaldo sol a 21.
Supervisorde Liverpool % 22.
avos
Alexandrade Rio de Janeira
Amandade Hsmburgo.
Apotbeker Dirsende Santos.
Aricade Cardiff.
Aldwatbde Terra Nova.
Ameliado Rio Grande do Sal.
Auriolade Terra Nova.
Bodade Cardiff.
Bella Rosade Terra Nova.
Cometade Porto Alegre.
Cysnedo Rio Grande do Sal.
Christiani Scriverde Cardiff.
Cameliade Terra Nova.
Diadado Rio Grande do Sal.
EnjetUdo Rio Grande do Sal.
Erutede Hamburgo.
Edward Johnsondo Rio de Janeira.
lite de Tena Nova.
Eugeniade Terra Nova.
Guadianade Lisboa.
Hapnnsdo Rio Grande do Sul.
Hersiliada Babia;
Idealde Londres.
Jelantbede Santos.
J. G. Fichtdo Rio de Janeiro.
Lidadorde Rio de Janeiro.
Liliande Terra Nova.
Laviniade Terra Nova.
Maia Ido Rio de Janeiro.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio Grande do Sol.
Meta Sophiade Hamburgo.
Mayde Terra Nova.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Nellyde Terra Nova.
Our Anniede Buenos-Ayres.
Prcgressode New-Port.
Plimonthde Terra Nova.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sal.
Rolanddo Rio de Janeiro.
SperaBzade Cardiff.
Vareo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelminede Hamburgo.
movimento do porto
Navio entrado no dia 18 de Fevereiro
New Port49 dias, barca noroegaensc Aino, da
74 toneladas, capitao Hsrald Gundersen, eqiii-
pagem 12, carga carvao de pedra; a Wilsom
Sons&C.
Navios sahidoa no mesmo dia
Babia e escalaVapor naeicnal Sergipe, com-
mandante Pedro Vigna, carga vario gneros-
Rio de Janeiro e escala-Vapor nacional Arltndo,
commandante Frank Conditt, carga varios g-
neros. _
SantosPatachj nacional Taborda, capitao Fe-
lippe Rodriguss Maia, carga van-s gneros.
MaceiBarca norueguf nse Vakyrten, capitao Biree, em Isstro.
Babia e eswla-Vapor. nacional 6. Fraimtco,
esmmandanto Joaquim da 8ilva Pereu-s, carga
varios gneros. _
Mnos e escala/spor nacional Ptrnamm,
commandante Pedio Hyppolito Daartr, carga
MaceiBarca noruegaense Flid, capitao B. M
Nielsen, em lastro.
%
>
<


Diario de PernambncoSabbadit 1$ de Pvereiro de 1887

/




1
CHANDE CARNAVAL
ro^
1887
7SO
Theatro de Variedades
DA
NOVA-HAMBRGO
EMPIZi CARNAVALESCA
(Jiialr- esplendidissimsos bailes de masearas as noites de
Sabbado,
Domingo, ,
Segunda e
Terca-fera.
Est- .legan'e Thestro, transformado coro autorisagao de seos dignos proprie-
tarios em uro vastissiruo sali, illuroinado por mhares de combustores de gaz e ga
hartamente decorado por me hbil armador, offerecer i ele da .acidado p-rnainba-
cans quatru noites sgralabilissimas, onde poderlo gozar as delicias co Den Momo.
' Em roda do Ti.eatro e oiw toda a extensSo do jardim o galenas grande pro-
fas*) de iluroinacSo a giorno, bandeiras, flores, trophos allegamos, tudo emfiro que
pos,: transformar aquelle ambienta n'um verdade.ro paraso terrestre I l
Urca orchestra expeliente ensaiada a capricho para estes espiendiaissimos
B \ILC:S e regida p-lo babd mes-re J. T. de Medeiros, tocar derramando ero
.dupa harinoniosa. as roais bellas e mimosas quadnihas arrebatadoras, valsas, de-
Bte. polkas, maaurkas e o grande e provocante CAN-CAN composto expressa-
jente para este ii-n pir uro diitincto amador.
Diversos CLUBS especialmente convidados, faro sua entrada tnumphal
entre 03 claroea de fogos cambiaba o aos sons dos hyronos carnavalescos, quo n esta
oecasiao se f;>rao ouvir.
As mais voluptuosas sylpbides em attencao 4 empreza comparecer para
kaerein as delicias da noite.
Aos bailes da Vova-Hamburgo
Fokar e danzar a divisa!
^-^
Pcde-se especialmente
Aos senhores frequentadores, que para manutencao da bi ordem, no trans-
raro seas bilhetes de entrada, caso se retirara antes de terminaran os BAILLi>, bem
oomo nao demoren os eropregados do Buffet quando os houverem de MIW, qao para
aaior presteza haverao cartSes 4 venda, para com elles pag-rem o que consumirem
ua noite.
PREMIOS
Alm das scuhas de entrada, cada concurrente ao* baile receber na oecasiao
ds compra presa fro a honra de offerecer iquelles que se dignaran de assistir os desl.nobr.ntes
BAILES, e que consisten) ero 3 vigsimos das loteras de Magias, Cear e Mm >s-
Beraes para cada premio, sendo estes em numero do tre, para cada noite.
Os premios serao tirados sorte, em prsenos de todos os concurrente*, en-
trando para a urna nmeros correspondente aos das senbas vendidas, recebendo os
premios aquelles que exhibirem as senbas cora os nmeros correspondentes aos em que
sahirem os premios. .,
Resulta destes prera.os que quem coroprar por 15000 urna eotradapara cada baUe
ficar habilitado a ganhar n'aquellas grandes loteras tres premios no morrae valor de
150:0003000!
Os amarte .ltos varandas sao reservados para as f-mdias quo qmzerem
soni parecer. .
As pessoas que nao se achare- decentemente vestidas n.-.o ferio n.gresso.
ranLm&ft&s
Oavalleiros e senboras, mascaraloeou nio. 15000
Principiar s 8 horas.
~YoiP%*U1K DE MEIWAI.
RES AitlTIMEfl
IJNHA MENSAL
Paquete enegal
Commandante Moreau
E' esperado dos porU* d.
ul at o din 21 do crreme,
seguiudw, depois da dainurii
do coet ume. para Bordeaux.
tocando em
Dakar, Lisboa e vlgo
Lembm-ee 03 aenborea passageiros de toda*
1* clas*w que ha lujares reservados para esta
agraria, que podem tomar em qualqn" tempo.
Faz-ce abatinieuto de 15 / *~ favor a*a fu
miliaa cnmpoata de 4 pessoas ao menos e qoe pa-
gMrt-in 4 pastxgens ioteiras.
Por excepeo os criados de familias que toma-
ran bilbetes de proa, gosaro tambera d'este abati-
meoto.
Os vales poataes e se die at dia 19 pagos
de contado.
Para carga, rjassagens, encommendas edinheiro
afrete: tracta-te com o
logaste Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
ftelcgacia de polica d 2' dis-
trieto da capital
De oroVm do Illm. 8r. Dr. del.gtdo, layo pu-
fctieo que foi apprehendido como furtado, e se ach
*rr>-i'do neafa oeiegaciit, um relogio de ouro,
ml\ t, deaeoberto, que sera entregue a qii'in ao
Bermo pruvr ter direiu>.
Rucite, 18 de Fcvereiro He 1887.
O escrivao,
D. Carneiro.
SARiTilOS
R0\ALIAILSTE4I PACkET
C01PAXV
.0 paquete Tagus
' esperado da Europa no dia
23 do corrente, segurada
depoia da demora necessa
apara
Baha, Ro de Janeiro Monte
?Ideo e Buenos Ayre
Para pasaagens, fretes, etc., tracca-se u> o
CONSIGNATARIOS
AdamsonHowic&C.
(lime:! Slales Isil Brasil S. 8- C.
O paquete Finance
spera-ae de New-Port
News, at o dia 27 de Fe-
vereiro o qoal seguir depoie
da demora neceasuria para a
Baha e J de Janeiro
Para carga, pasaagens, encommendas e dinber i
a rcto, tracta-so com os
AGENTES
Hcnry Forslcr k C.
H 8- RA DO COMMERCIO -8
i.' andat
Para I7erpool|
Harrisnn Li 1 Steaiers
O vapor Mariner
Eapera-se de Liverpool at
o dia 24 do correte voltar
para o mearao porto depois da
demora do costme.
Para firete txtta-se com o
AGENTE
S. L. JONHSTON
SUA DO COMMERCIO H. 16
HambnrE-Saeflafflenlamsce
DampfschinTahrts-riesellsehan
0 vapor Tijuca
E' esperado dos por-
tos do sol at o dia 4
de Mar(i saguindo dp-
p-)is da demora neces-
aria para
Lisboa e Mam burgo
Para carga, pasagens, encommendas, dinhei-
ro e frete tracta-se con os
* AGENTES
Borstelinann & C.
RA DQ COMMERCIO N. 3
I* amdar____
~ conrA^HiA rBRNAaBiica*
DE
^avecaco Costelra or Vapar
PORTOS DO NORTE
Pamht/ba, Natal, Macati, Mouor, Ara-
caiy, Cear, Aearahu e Camossim
O vapor Pirapama
Commandante Carvalbo
CHARfiElRS REL'KIS
ompanhia Francesa de Wavega-
eo a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
. Santo'i
OwrVi) de Haranbao
Cummandante Brant
Espera-se dos norto do
sul at o dia/l de Fevereiro
seguiadO depois da indis
pensavel demora para o H-
re.
Conduz medico a bordo, de marcha rapids
e offerece escellentes commOdos e ptimo paasa-
tL
As p*sfageus pdenlo ser tomadas do anteuio
Kecebe carga encommendas e parsageiros para
os quacs tem ezce I lentes accomraodacoes.
0 vapor ViDe de Cear
Commandante Simn t
E' esperado da EuropH
at o dia22 de Fevereiro, se-
gurado depois da indispon
savel demora para a Ba-
ha. Rio de Janeiro
e Staaion.
Roga-sc aos 8rs. bcportadnves de carga p'los
aporcs di:sT). !inhn,,uiraip apreatsitiu' dentro de t>
dias a contar do da descarga aiw utvarang.. .>.-
quer reclamacae concernente volumes, que po-
VHntaratenbamseguiGii piirH.is portos do sul.afir
de se poderem dar a tempo aa providencias neces-
arias.
Espirado o referido praso a compauhta nao se
responsabilisa por extravos.
Para Bars*, pntsxgi'ns, encommendas e dinbeiro
frit": irn'H b.^ com >
LEILA0
blnlle
9 RUa DO COMMERCIO 9
Ali!!S2<*
te>
t
Segu com fcrevidade para os pnrtos cima o
lugar iiacinul Tigre, por ter p.rte da sua carga
cngajnds, e par o resto que falta, tratase com
Baltar Oiiveira 6c C,rua do Vigario n. 1, pri-
meira andar.
Sabbado. 19 do curente, deve ter lagar
leilio da armacao, espelbos, ondieiros gaz, fi-
ti'iros, iriMas. cMiers, bem como as fazendas,
roupa iiin < luiudeaas da, luja de alfaiate da
roa Nova n 45, m muitos e differenfes lotes.
Leilo
i ni contlnnacio)
De bisna^as uuvas, resmas de papel de cores,
quartolai com vinbo Bordeanz, garrafas com dito,
L-aixss to'n cerveja allema e muitos oatros artigos
proprios para o carn .val.
EM SEGUIDA
Serao vendidos movis, miudezas c perfuma-
ras.
HOJE,A'S 11 HORAS
No armazem da ra Mrquez de Olinda
n. 19
ROR INTERVESQO DO AGENTE
Gusnio
Leilo
De 16 chapis de 11 e 150 gravatas de
seda de alguilao, 1 peca do panno para
buhar, 6 its do feltro de cores, 20 du-
zias de ponbos de linho, 13 ditas do
lencos de linho, ti pegs de alpaca preta,
2 pegas de peluas de cores e urna sr*
inacao inglesa
Hojo, 19 de Fevereiro
A's ti horas
Agente Pinto
Per occasiio do leilio da armacao. cofre, mo-
veif, candieiros, fszendas e roupas feitas da loja
da ra Nova n. 45.____________________________
Le'lo
da armacao, balciio, candieiros a gaz, es-
petaos, fteiros, cabides para roupa, me-
sas;csdeirs8, csrteiras, burra prova de
fogo, taboleta e mais objectos da
LOJA DA RA DO BARO DA VIC-
TORIA N. 45
Em lotes, vontade dos compradores (garantin-
dc-se a chave da casa ao comprador do 1.* lote
da armacao.
Em conlinuafo
Em mullo e difireme* tosca
Leilo
Das fasendas e roupas feitas, constando de
Pecas de casimiras pretas e de cores, cortes de
fuetio para colltes, bengalas, seda preta, cortes
de casimira, brins brancoi e de cores, suspenso-
rios de seda, lencos, gravatas, meias, camisas de
linho lisss e bordadas, carteiras do changrin,
meias fio da Escossia, carriteis de retrs, sobre-
tndos, malas, fraques, colltes, botoes, fivelas,
colzetes, fitas, merino aetim e nutras fasendas.
S.aBBADO 19 DE FEVEREIRO
O agente Pinto, aotonsado pelo 8r. Jos de
Oliveirn, levar a leilo nao 6 a armacao e sens
pertences, como as fasendas e roupas feitas da
luja da ra Nova n. 45, em muitos e difierentes
lotes, & vontade dos concurrentes.
O leilio principiar s 10 e meia hora, pela
armacio, na referida leja.
Agente Burlamaqui
Em frente Associngao Agrcola, no largo
do Arsentl de Mariana, de 2251 saceos
com assucar turbinado.
Zej-ca feira, '2 do corrente
A's O horas
Os agenten cima venderio com, assistencia e
mandado do Exm SrT Dr. j'iiz do commereio, a
rt'querimeato do visonde de Cnmp> Alegr^' < ou-
tros, os a-tu'.'ars aclm difns, arrestados a Com-
nanhia The Onfrai, Sugar Faetones of Bra-il
Limited, sendo 748 siccos depositados no arma-
zem de.Afl no armazein do Fonseea I'niios & U. e no arma-
zem de H. sjtollzenhack 526 shcl-js, cujos assu-
i^res serio vendidas p-las respectivas amostras,
em um lote ou mais de u:n, a vuntadu dus compra-
dores .
Leilo
de 400 barricas eoui plvora descarrrgadas de
bordo do navio flruno S Marie, entrado de Ham-
burgo em 3 de Fevereiro, cooi a vana o'agua do
unr* existentes no deposito da Imberibeira.
Teri?a feira Se Fevereiro
A's II horas
Agente Piolo
No Caes 22 de Noverobro
Em frente ao armazem' de farinba dos Sra. Hcnry
Forster 4 C, por oecasiao do leilio
de cimento avariado
Leilo
de cerca de 220 barricas com cimento, avariado,
de 70 kli>grammas, mareaCoradescarrega-
das de bordo oo navio Pinas, entrad'* de Ham-
bnrgo em 25 de Janeiro prximo passado com ava'
ria d'a^ua de mar e existentes
No Caes 22 de Novembro
Em irentp ao armazem de farinha de trigo dos
Srs. Henry Forster t C.
Terca-feira 22 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
No Caes 22 de N .vembro, e por occasiio do leilio
de barra com plvora
Leilo
3 De 4 vaccas crioulas com e sea cria
TERCA-FEIRA, 22 DO CORRENTE
Ao meio dia
Agente Pinto
No Caes 22 de Novembro
Por oecasiao do leilio de cimento e plvora
Leilo
de nina parte do eogenho BRLM
c Britto
Agent<
O agente cima, a mandado do Illm. e Exm. Sr.
Dr. juiz de dtreito da provedoria, em sua preson-
ca e a reqoerimento do inventariante don bens da
finada D. Theresa Carneiro Lins de Miranda, le-
var leilio urna parte do engenbo BRUM, da
quantia de 12:559*. e bem assim a terca parte de
ama casa terrea sem numero ra de S. Francis-
co, todo na freguezia da Varte.
Quarta-feira 13 do correte
A's 11 horas
A' ruado Imperador n, 18
AVISOS DIVERSOS
Alugu-se casas a 8*IX(J no becoo dos Coe-
I bus, junto de S. Goncallo : a tratar na ra ds
Imperatriz u. 56.
Precisa-so de urna boa cosinbeira para casa
de pouca familia ; na roa do Imperador n. 50, 1*
andar. _. : _________
AHuga se o 2- andar do sobrado n. 1, ra
do Viscoaoe de Pelotas, oatr'ora Aragio tratar
na ras da Madre de Drnis n. 'i.
n Aluga-se o 2- e 3o andar, juntos ou separa-
dos, da casa da rus larga do Kosario n. 37, es
quina defronto da igreja ; a tratar no pavimento
terreo, loja de cabelleireire.
Aluga-se o so orado n. 21 i ra da Uniao*
tem agua e gaz e grandes accommodacea para
familia ; a cntender-se na ra da Imperatriz nu-
mero 19.
Precisa se ae um caixeiro que tenba pratica
de padaria ; na ra da Imperatriz n. 41.
enconrasae com assaio e promptidio :
ra do Imperador n. 54, 3. andar.
Offerece-se um rapaz com bastante pratica
de copeiro, dando fiador sua cjuducta ; na ra
O va de Santa Rita n. 5.
De boas dividas na importancia de
4:947l20, do espolio do finado Manoel
de Araujo Guimaraes : a relagao doe de-
vedores acha-so em podsr do mesnso
agente para os Srs. pretendentes virem
examinar
Sabbado 19 do corr A's 11 horas
Vio nrniaiem da raa do Imperador
n. Ct
O agento acuca, por mandado e assistencia do
IHmtSr. Dr. jniz de direito da provejoria de ca-
pel las e residuos, a requerimento de inventaran-
te legar a leilv as dividas na importancia de
4:947*120, perteucentes ao espolio do finado la-
noel de Arsujo Guim-rics. Os 8rs. pretendeates
desdej podirso vir examinar o mandado que se'
aeba em poder do mesmo agente^_______________
Leilo
srilrz
Segu no dia 19 de
Fevereiro, s 5 borsi
tarde. Recebe
ga at o dia 18.
neomrMBdas passagens e dinbeiros a frete ate
s 3 horas da taide do dia da sahida,
E8CRD7TORIO
Caes da Companhia Periambuoana
n. 12 s
Do hotel denominado Internacional sito
ra do Duque A Caxius n.*28
Sabbado, 1 do correse
A's 11 hora
NO MESMO HOTEL
O sgente Modesto Baptista por mandado e com
aasisteoci do Ezm Sr. Dr juiz do commercio
fa. Irili do b>tel cima declarado, arreatadoa
Mathias & C, a requ rimento de Qoncalves ot C
Leilo
De duas meias barricas ou tinas o Bt
queijos suissos, frescos e novos vindos peW
ultimo vapor, vinhos e cognsc.
Segnoda feira, 1 do corrate
A' 11 horas
No armazwra da travessa do Corpo Santo
n. 23
I Agente Pinto
Vende-se o estabeleciuiento de molbados sito
ra do Mrquez do Herval n. 167, e o motivo da
venda o dono ter de retirar-se para fra por
doonoa. _________________
Prevenro ao pablir*
A sociedade musical Oito de Dezembro, previne
ao pnblice que no domingo 13 do corrente delei-
tava-se na pitoresca cidude de Olinda ; por isso
nada tem com os acontecimentos ua Enrrusilhada
de Belm onde se acbava a sociedade denominada
14 de Marco.
Recife, 16 de Janeiro de 1887.___________^^
Boto perdido
Pe:-deu-se um botio de puuho de oniz, com pe
de auro ; pede-so a qui m ti ver acbadoque o man-
da i ua do Baria da Victoria n. 43, qoe queren-
do, se recompensar.
^aixeiro
Precisa se de um caixeiro de 12 a 14 annos de
dade, com pratica de tavenia, e que de ti adjr de
u conducta ; ra das Trimihei ras n. 23.
rgtnci
Precisa-se de perfeitas costureirss ; na ra da
Aurora n. 39. i" andar.
Na ra do Coronel Suassoua, o. 230. precisase
de urna ama para casa de doas pessoas.
Ao rsmmerclo e SO publico
O abaixo assigoado, testamentelro e inventa-
riante do espolio do finado sea irmao Antonio Jote
Lopes Braga, tendo pago integralmente a iodos
os credores do mesmo tinado, assim como liquida-
do com os herdeiros as herancas que Ibes tocaram
as partilhas, constantes do inventario, e como
tenba do prestar as devidas contas ptr-nte o juiz
competente, faz a presente deelaraeio par qaem
se julgar prejudicado apresentarsuas contas paca
serem pagas, isto no praso de tres das, a contar
de boje. Outrosim, agradece me seu inimigo gra-
tuito a lembranca que teve..., rauia espeeta-
tiva. Pede a todos os devedoroe do mesmo espo-
lio par que venham saldar robs contas com o
abaixo assignado, rus de Pedro Alfonso n. 58,
isto no praso de 30 dias. Recite, 18 de Fevereiro
de 1887.
Vicente Lopes Braga.
Nazaretk
Vinho de Moorisca
E9so importante vinho de que nico
importador Joilo, Ferreira da Costa;
puro de uva escolhida a capricho, e pro
prio para mesa, pelo seu merecimento tem
obtido a melhor aoeitscSo nos lugares para
onde tem sido export*do : acha-se ven-
da a petslho em casa dos Srs. Poyas,
Mendes di C.
Sr. Juiz de orphus
Lance a sua vista para os filbos do fallecido
conselbeiro Joo Paolo Monfeiro de Andrade.
Antonio lena i lo Resro
Medelroo
Anna Valeuca do Reg Medeiros, Antonio Ig-
nacio do Reg Medeiros Jnior, sua mu her e fi-
lbos, Manoel Medeiros, Anua M'deiros eMaaoei
Martins Fiuza Jnior agradecem cordialmentn a
todas as pessoas que se dignaram acompanbar a
sna ultima morada os restos mortaes de seu pre-
sada espose, pai e sogro ; e de novo as coavidam
para assistirem as missas que peo eterno descansa
de sua arma mandam resar n> ordem terceira de
S. Francisco, s 8 horas da inanhi de terce.-feini
22 do corrente, stimo dia do seu passamento, e
pelo que se confesssm desdi. j;i agradecidos.
-MZt^^TajtMUJ^WaEE-gt-ggvSr- II Ull I ISJSIBBaa>

vraiRenlo
Oiz-re que a bisarra commissio que no anno
paseado promoved os festejos carnavalescos di-ata
ra vai este anuo inetallar um club iviiouiinan.io-o
Faladort da vida alheia, e dar bailes nos tres
das, serviodo da sal) o coiro, que pira aso
ser Iluminado a gaz e soffrer outxos melh >r->
inenioa de elegancia. Para ruis brilbamismo, no
domingo baver uina succulenta fejuada, para a
qual sdao coiivitados os sucios honorarios : V>-
nagreires cuirus Cou6ta mais qua o mesmo
club ttm em vista mandar botsr rodas no corto
paru i'ar um passeio pela cidade, sendo ojinecino
puxn pflos socios mais nutndos.
Eft'aiha & Sercoia,
Secretarios.
Gabellei as
E BARBAS de cabelle natural, para o carnaval;:
na roa larga do Rosario n. 22. ______
Para casa de familia
Deseja h contratar urna menina
de 11 a 16 aunes, trabalnadelra e
de bons rositanse* para o aervlco
Interno de ansa caaa de dnaa pes-
soas, dando-ae roupa. comida, dor-
mida e o> donado, porem une nao
tenba servido ai-uia em casa algu
mn. rata-ae das 11 da mauna s 4
da tarde, a ra do Imperador n. Ifi.
I andar.

Candida Fonseea tzetedo
Antonio da Silva Azt-vedu e seus filbos coavi-
dam os parantes e amigos para cssistirem as mis
sas que mandam resar na igreja do convento do
Carmo por alma de sua presada esposa e mii,
Candida Fonseea Azevedo, s 8 horas da manb
do dia 19 do corrente mez, stimo do sen passa-
mento.__________________________
Senecio Serondo Plxulo de Albu-
querque c
Isabel Xavier Peixoto pe Albuquerque, sens
filbos, sogrs, manas, conbadas, sobriohos, pre-
sentes c ausentes agradecem cordialmente a to-
das as p-ssoas qne lhefizen.in o caridoso obse-
quio de conduzir ultima morada o corpo de seu
idolatrado esposo, Genezio Oeroncio Peixoto de
Albuquerque, e de novo as convidara paraassis-
tir s missas que pelo repoaso et ru do mesmo
finado mandam celebrar no da 21 do corrente, p -
las 7 horas da manhi, na matriz de Santo Anto-
nio, pelo que se confessam desde j agradecidos.
Para cosinhar
^recisa-se de urna
ama para cosinhar,
mas que cosinhc bem;
no 3. andar do predio
n. 42 da ra Duque de
Caxias. por cima da ty-
pographia do Diario.
HISTORIA
VCTOR HUGO

covado.
Reducto absoluta de preco
Alpasss de cures, lisas, de preco de 600 ris o covado, por 280 o dito.
Ditas acolchoadas, de 800 rs., por 440.
Etamines de la, tocido rendado, do 10800 0 covado, per 600 rs.
Ditos do algodao, de muito bom gosto, a 500 rs. o dito.
Creps de coros, de preco de 800 rs., por 360 o dito.
Coutelines de cores, tecido diagonal, de prego de 800 r.*.. pur o60 o dito.
Panams de cOres, tecido acolchoado, de preco de 15200 o metro, por 44U o
Setinetas de cores, lindos padroes, de 320, 400 e 440 o covado.
Zephir, de qnadrinhos, a 180 e 240 rs. o covado.
Batistes do cores, a 140, 160 e 280 rs. o dito.
Brilhantinss de cores, de prego de 700 rs. o covado, por 320 rs. o dito.
Merino preto, com duas larguras, a 800 rs o covado.
Atoalhsdo de linho, lavrado, a 1300 o metro.
Dito da Costa, de quadros, a 15500 o covado.
Dito da Costa, de listras, a 15200 o dito.
Brins de cores, para caiga, a 260 o dito.
Dito pardo, liso, a 320 rs. o dito.
Esguiao, pardo, de linho, para vestuarios da criancas, a 400 rs. o covado.
Cambraia branca, bordada, a 55500 a pega.
Toalbas felpudas para rosto, de prego de 75003 por 55000 a duza.
Ditas menores, a 35600 a duzia.
Ditas grandes para banhos, a 15530 urna.
Colchoes para cama, a 55000 um.
Cortes de casemira de cores para caigas, a 35000 um.
Guarda-p de linho, para senhora, a 105000 um.
Dito de dito, para hornera, a 55000, 65000 e 85000 um.
Bramante de algodax, liso, eom 4 larguras, a 15000 o metro.
Dito de dito, trangado, a 15100 o dito.
Brim branco de linho, qualidade superior, n. 6, a 25400 o covado.
Casorairas de cores, para costumes, de prego de 35000 o covado, por 15800
Costomes de bauho de mar, para senhora, a 105000 uro".
Ditos de dito, para horaena, a 85000.
Ditos de dito, para meninos, a 55000.
Sapatos de banhos, para horoens e seol.oras, de differentes pregos.
Magnificas mallas americanas, para viag*m, de 155. 205 e 255000 urna.
Saceos de lona p*ra roopa suja, de differentes taroanhos, por barato prego.
Colchas brancas, de algodo, a 15900 urna.
Completo sortimento de lindos cortes de casemira para caigas, casemira de
cores para costumes, panno, brins de cGres c muitos outros artigos que serao lembrados
presenga d'aquelles que dos honrar cem suas visitas.
Na antigra e acreditada loja de fazendas
DE
AMARAL & C.
(Junto do Louvre)

o dito.
O abaixo assignado, tendo n-otivos para nao
continuar como supp'ento de subdelegado de po-
lica do 1" districto desU cidade, vem pedir pela
iaprensa so Exm. 8r. presidente da pnviucia a
sna exuneraiu. 17 de Fevereiro de 1887. -
Joscnim Nones Xavier d* Sonta.
Cautela n. 15115
Perdeu se a cntela u. 15115 do Monte de 80c-
coriro, a pessoa qoe a acboa querendo fser o fa-
vor de entregsl-a poder dirigir-se roa de Mar-
cilio Dias n. 13, loja.
ALLANPATEKSNftC
N.44--Ru t do Brum--3. 44
JUNTO A Et? f AflAO DOS ONS
Tem para vender, por pr mdicos, as segtuntes lerragens:
T.-nhaa fundidas, batidas e caHaadaa.
CrivagSefi de diversos tamanboa.
Rodaa de espora, dem, idn:
Ditas angalarcs, dem, idatn.
Ban'-os de fierro com serra circular.
Grademuijt para iaidim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito tundido, de lindos modcios
Portasd fomalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 uavsdioa
Moecdaa da 10 a 40 pollogadas le paimdura
Rodas d'agua, systema I^eandro.
Encarregam-se de coneertws, e asscr.Umento de machmiamo o execatam qaa>
trabalhc com perfeigla e preatoa.


I
I



I
6
Diario de PcriMiuifcutHSabbado 19 de Feverciro de 188'

:^__i

\
ieT *>
?f^^
**
Aloga-se barato
Coa dos Guara.rapes n. 96.
Boa Visconde de I tapar i ca n. 43, annaxem.
Raa Corredor do Bispo n. 18.
Becco Campello n. 1, i andar.
Largo do Mercado n. 17, loja com gai.
Largo do Corpo Santo d. 13, 2. andar.
TYaU-se na ma do Commercio n. 6, 1* andar
ecriptorio de Silva Huimarae & C.
Alug
a-se
o 2 andar do sobrado n. 35 travesea de S. Jos ;
o 1- e terreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
roe ; o 1- do de n. 25 ra velba de Santa Bita ;
o 1 do de n. 34 rna estreita do Rosario ; todos
limpos : a tratar na roa do Hospicio n. 33.
4luga-se,
o predio n. 2 da roa do Coronercio, onde esteve o
hotel de l'Unvew, completamente restanrado com
grandes accommodacof s, tendo nm andar terreo e
tres superiores. Aluga se tambetn qualqner dos
andares separadamente : a tratar na rna do Ba-
rao de S. Borja n. 22.___________
Ama
Precisa-se de una ama para c servico domestico
de urna casa de familia ; na rna do Cotovello nu-
mero 46.
AMA
Precisa-se m> una amapara
lavar, enjaminar e Itero rmaim
alonas aerviea* lo casa de fa-
milia; nieW canprar r__4-
nhar : na na la Biacfcnnla n
13. Deve dormir en casa.
Ama
Precisa- se de ama ama para eosinha; na raa do
Dr. Joaqaim Nabuco n. 3.
Ama
Precisa-se de urna boa cosinbeira, para casa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Com pan bk
n. 2. Prefere-se escrava e deve dormir em casa.
AMAS
Precisa-se de nma ama pra cosinhar e oatra
para cuidar de duas enancas ; na ra da Aurora
n. _., Io andar.____________________________
Ama
Precisa se de urna para casa de familia, rna
do Cabag n. 3, 3 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama que cosite e engoma e ;
na ra do Bangel n. 44, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para engommar : na roa
da Soledad? n. 58.
Vina
Precisa-se de urna ama para engommar eensa-
boar ; a tratar na ra das Cruzes n. 18, primeiro
andar. Deve dormir em casa e prefere-se eterava.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; a tratar
na ra das Orases n. 18, 2' andar. Deve dormir
em casa e prefere-se escrava._______________^^
\ina
Precisa-se de urna ama para cosinhar : na ra
Duque de Caxias n. 74.
Ama
Precisa-se de urna
para o servido domes-
tico de urna casa de
pouea familia; lia ra
do Cotovello n. 46.
Ama para eosinha
Ni roa do Riachuelo n 17, se
precisa de nma eosinheira. Torra
on escrava.________________
S na ru de Hartas
tem borracha do Par, vinda este anno directa-
mente, e venden oais barato do qoe em outra
qualqner Parte ; a rna de Hortat n. 1._________
Pinito de Riga
MATHUE3 A8TIN & C, reeeberam ultim-
mente um completo s.irtimento desta madeira,
como sejam: prancbes e tabeas para assoalbo,
da melhor qualidade e de diversas dimenses, e
aue vendejn por precos commodoe. 6 redusidos,
conforme os lotea ; no armazem do cae do Apollo
n. 51, ou raa do Commercio n. 18, andar,
ISSJ, BordMax <'< t Irvn;
kiols Mtatiiu ae Prili; Rocta*-
lor : Ktnclo U M-dilht d Prtts,
t'tndtmomio 1.83.AmiMrdim:
Mtasiiu do Pisli doursas. 1SSS,
r.ssxttiyt da TratIko dmlmto
F__T___I
Alinientetfi&o Rica
% O pr!ssipic ui _Ut t >k_,Uti4_.
A r___D~A MBxar e o melhor auxiliar
da ama de le; te na alluienUoi' das crtanclnnas.
_perii_e_tada com o nu.hor oxito na ieciios.
Hospiue* e Asylos, sjberaiia para as criancas,
pesaoas idosat.' frv__ c as que so'rcm de
iMtflUi. ttat .iras, Molestia de Z_*.ea-
tlmsi *rl*l de ''entre rebeldee, c tudas
as Afcccdes ove uo yermitlcm ao estomago
a-pportar a allmeniacao neceasaria para a pro-
duccSola torca o da saiide.
rxuB i suca registrada : a tokb
Hrmmbuce -*-__- SL, da Silva OS
Tricofero de Barry
Garante-s qu faz nas-
cer ecrescer o cabello anda
aos xaeim calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as taparease do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello '
de cahir ou de embranque- W
cer, e iniallivelmente o torna espeaso, macio, lus- I fan_MP*KK
troso e abundante. -*__*
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacfio oficial de
um Governo. Tem duas vezes
raais fragrancia quo qualqner outra
edoraodobrodo tempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
definalos.
Xarope Se TiJa e Beater Ho. L
AJCTZS D -RAO. D_P0I8 D rSAlr-4
Cura positiva e radical de todas as formas de
ucrofulas, Syphis, Feridas Escrofulosas,
AfTeccSes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo eomperda do Cabello, e de todas as do-
enoasdo8angue_Figado, e Bins. Garante-a*
que purifica, enriquece vitalisa o Sangua
e restaura renova o svstema inteiro. 0 i
Sabao Guratiyo ae Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian.
Sas e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
__ todos os periodos.
Deposito em Pernarobueo oas* de
Francisco Manoel da Silva & C
's alnas cari-osas
Mara do Livrattento, velha octagensria e pau-
prrima, pede s almas cartdosas que Ibe maade
orna esmola pelo amor de Deua. Mora no boceo
do Bernardo n. 51. E nma obra de caridade.
tofessora
Urna senkora compefeaterceiite habilimda, pro-
pe-se a leccionar em collegios e casas partcula
res, as setroiotes materia : pertoguez, francs,
msica e plano ; a tratar na ra do Mrquez do
Herval n. 10.
300:000|)
Lotera de Aagas
Ex.ra?SoTer*?-f ei ra
de Fcvcrt'fro
Intransferivel
B:,tietes venda na aaM feli, Praja
da I_ 'tendancia ns. 37 e 39.
Cofinhcira
Pracisa-se de orna qoe dse-npenbe o lugar e
durma em casa; 4 raa Duque de Caxias n. 42
porchna d da typographia.__________________
E
Precisa-se de ama boa engommadeira e qoe
ensaboe tamben, para cana de pequea familia :
a tratar no Caes d* Companbia n. 2. Prefere-se
escrava deve -dormir em casa._______________
Silfo no Calrteireire
Arronda-ae annuamente um hom sitio cem bas-
tantes commodoo. para .grande familis, boa agua,
com arvorts fructferas e jardiin, c com sabida
para o rio, por preca muito rasoavel ; a tratar na
raa do Livramrato n 24.
Jalrophi
Manipoeira
Eise medicamento da urna eficacia reconhecida
no beriberi e outraa molestias em que predomina a
hydropesu, seba-se modificado em sna prepara-
cao, ;racas a nma aova formula de um distincto
medico desta eidade, sendo que someote o abaizo
asignado est hai.il'tado para preparal-o demodo
a melbtnar Iba o gooto* cheiro, sem todava alte
aar-_le aa ptopriedaile madicamentosas, que se
conservan) com a mearan actividade, se nao maior
em vista do modo por que elle tolerado pelo
estsmago.
I airo depoNito
Na p>a~nftiA Canee ifio, a ra do Marques de
0lin4an.<;i.
Beserra de Mello
Comtheira
MHB
Paga-se 20*000 por mes a urna perfeila cjsi-
nb< ira, para eaaa de pequea familis, preferindo
se de meia Hade e que soja de boa moral, roa
do Paysand a. 19, paseando a poute do Cbora-
mooino : quom nV> estiver em condicoes escusado
a presen tar- se.
triada
Precisa se de una criada pura o servido domes-
tico de casa de lamilia ; na ra do Mrquez oo
Herval n. 10.
Advogado
Domingo* P. d tnia L>o
Das 10-oras da maahi a 4 da tarde, roa
do Imperador n. 16, 1 andar.
_e*-_*_r>x-*Acs*, o*
KROfiCTOS EKCLOSISOS
3 LYSS. ROY, (ai Potes tfrs^it
milBPROUST, Suc- & Genr
. rartum nan-ao
. __--(flO0*
* Ti't iri-nfanoar irrrinnr 500_
' 1um_p_-to____ioor_>-ll>or-_-. SOOa
tI_nU-mlmmHl||Ta'lt.a!Ut-HM SOO_
Depoaltarloa em rVaiuitiKt"
LOTERA
PAEA
EDUCACAO DOS INGENUOS
DA
\
COLONIA ISABEL
AOS _4o:ooosooo
40:0008000
20:0008000
10:0008000
5:0008000
Esta lotera* cuja 15.a Serie da 24.a parte, ser extrahida
na Quinta-feira, E de Feveroiro, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceicao dos Militares, acha-se venda as se-
guintes casas:
Sna do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
Cabng n. 2.
Bangel n. 2.
> > Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jogadores, e no Brazil. at hoje, anda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuido
dos premios, e para prova desta asserco pedimos a attencao dos jo-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
LiTERIA 1)0 GMO-PAR
D 70 i de premio do seu capital.
IHEH 1)0 CE.4R.V
68 3i4 \ idem.
DEM de alago as
73 3x4 y idem.
dem de minas-gemes
Menos de 81 \ ^^
IDEM DA GOLOOTA ISABEL
Distribue em premios mais de 85 li8 \o.
IDEM DO PARAN'
751 __________
N. 28;940
Sr, Antonio de
Oliveira Corage, tena
urna carta na ra do
Rosario Larga n. 14
armazem de molha-
dos.
Curso de mathematica
O bacbarel Francisco Corrcia Lima Sobrinos
contioa m o seu curso de aritbmetica, algebra
e geometr a : na roa da Matriz n. 1.__________
Solicitador
Jos Ferreira de Paula, provi-ionado pelo Tri-
bunal da Bdedb de PeinHmbueo, oFeiece--e a
qcpm precisar de tr^bnlhos inherentes sua pro-
fiseao na eidade de Pesqui'ira da comarca de Cim-
bres, onde tbi sua resid nei, e tumben: trabalha
as c.mnrcaB do Brcjo da Madre de Ueus, Carua-
r, S. Bento e Escada. ________
7:O0$OO0
Qaem quiser emprestara quantia cima a juros
commodoa, sobre hypotbecas em predio n'esta ei-
dade, deiie no eeeriptorio da redaccSo desta folha,
em carta feichada com as iniciaes J. B. C, seu no-
me e meradia, para ser procurado^_____________

.5$000
Aluga-se o 2 andar do sobrado n. 12^ roa
de Marcilio Das, tendo mais eoto com eosinha e
outros arranjos, a tratar na Gamboa do Carato
n. 2. venda.
Ao commercio
O abaixo asaignado participa ao corpo do com-
mercio que dissolveu amigavelmente a sociedade
que tinha dado ao Sr. Felippe Nevrs Guimaraea,
na casa de secos e molbados, a ra de Paulino
Cmara ; ficando todo o activo e passivo a cirgo
do abaixo assignado, retirande-se o mesmo tft.
Guimaraea pago de seu capital e lucros continuan-
do a mesma firma at boje adopfaoo.
Recife, 16 de Fevereiro de 1887.
Jos Miguel Barbosa Ramoa.
c&frs m o teo
Na ru do Bario da Victoria n. 43, ba tres
para se vender barato, sao novos em folhu._____
0 profe
essor
Jos Julio de Sonsa Martina offerece-se para, de
4 horas da tarde em dimite, eosinar em casas par-
ticulares e em sua residencia, ra Viscoude de
Goyanoa n. 119 as seguintes materias : portu-
gus, francez, arithmetica, geoaietria, geographia
e primeiras lettras. Apresenta como garanta a
sua pratica no eusino destas materias no primei-
ro collegio desta capital._____________________
Borracha
especial : na ra estreita do Rosario n. 24.
Ao publico eao corpo do
commercio
0 abaixo assignado, tendo de retirar-se para
Europa e julgando cada dever nesta praca e nam
tora della, avisa ao publico e juntamente ao corpo
do commercio, que sealgnem se julgar credor do
mesmo, aprsente suas contas no praso de tre
dias, que Ihe serio pagas na ra Imperial nume-
ro 277. Reeife, 17 de Fevereiro de 1887.
Eduardo Jos de Mello.
Anqninhas
Pelo diminuto preco de 1&500, para senhoras 3
meninas.
Completo sortimento de tazendas e roupas Mu-
tas, por precos baratismmos : na ra Duque de
Caxias n. 83
M.EMDONCA & C.
Engommadeira
Precisa-se de urna que engomme com perfeicao
na ra do Mrquez do Herval n 10.
Sitio
Alaga-se um sitio com casa, e outra boa casa,
no Aterrinho do Giqui ; a tratar na ra do Im-
perador n. 50, terceirc andar.
' Non PERFUMARA btm-tna
rC0pYt0pSSD0jAfA0l
I.......5eBT10PSISoJ_PO|r___M..._C0RY10PSISfcJiP_l
.....mMRYLOPSISHiJ_r_0 uiuum.. _CORYLOPSISiJiP_l
rtiummSSRYlOPSISdfl JAPlO I Ci---------CORYLPSISdoJAPll
rm.......CORYMPSiSiiJAP-i nmu......nCOMLOPSIliiJAP^
Exigir o lh
Friootz.
^ SOLUCO COIRRE
AO CHLORrYDRO-FV.OSPHATO DE CAL
a __ m4*ro Ao laiiaMlHuliiU- adoptado por todos os Hedios da woa na
r*+*ut i roT Anemia. Chlorotit, TUea, Cackexia, BtcroriUat, SscMtitmo, Dotnf**
J_~uat, Cresctmette iifilcU Sos crianfat, Futi, Dysrepstat.
a*. COIRRE, n-, 71, ni t Ckmks-i-. Hs_ttHittjr-->s_ ____.
0,000 Do.^
W cmiM te -
Dartros, Chavos
Virus, Ulceras
-____.0
DEPURATIVO CHABLE.
i u_J ai PhanuelM DulnrM
Ondt (.ncontra fntlt
itUcia C>Ie.
36
lCHABL^
^,000 Do63i
V tmUt i. **
GoHORRHt, FLOBESbnncas,
PERMS SEmUHES,
S60T*mEH70, ere, ato.
ai.c
CIT1AT0 DE FERRO CHABLE
INJECTION CADET
Hura certa em 3 dias sem mitro medicamento
_P_L___i y. Poulevard _>.*-, V =- _>___U_I
Km todas a boas
**a
Pharmaciat
o adr-

\*
SNDALO de MIDY
Approraio pe]* Jnnta d'Hygieue do Bo-do-Janeln
Supprime a Copahiba, as Cubebas e aa Injeccdes.
Cora em 48 horas todo e qualquer corrimento. E' da maior
efficacia as aflecgo.8 da bexiga, toroa as urinas claras por mais
turvas que sejao. Deposito em Pars, 8, rne Vivienne.
PERFUMARA
PARIZ
Sogredoj* Juventud
AGUA LAFERRIERE
Pmra o Toueador.
POS LAFERRIERE
LAFERRIERE
PARIZ
Segredo da Juventude
OLEO LAFERRIERE
Para os Cabellos.
ESSENCIAS DIVERSAS
Para o Rosto. "^SM S'- P"n 'nf0
PRODUCTOS HTGIEWIOOB fm**inerw a al/eza do Botto do Coro.
n.po-t-i_-aftr___OT.l-_-^l--i-n.VA--'. a V>** frfvmuH^JMMmnj;_____
' Armalio
Venle-se a armao da ra do Rangel n 10
por ter o seu dono sstabelecido-se no n. 13-A.
Trotes do carnaval
Acha-se venda em casa do ir. Victor Pralle
SuccerST, ra do Imperador n. 55, a linda
polka Trntf s do Carnaval, qoe foi eomposta e de-
dicada ao bollo sexo amador de msica.
Caixeiro
Precisa-se de nm caixeiro com pratica de mo-
lhadoB, que d flanea de sua conducta, de 14 a lg
annos ; na roa Formo.a n. 31.
Kapaziada ao Cal Pelro-
polis!
Castro & C, tendo preparado o sen estabelcci-
mento com grande pompa para o trez dias do
Carnaval, scientificam ao respe tavel publico que
nell. eneontrsrSo o especial caf, o sempreala-
mado sorvete e reme, bebidas finas, como sejam :
bitters, licores e cerveja da milbores marcas, co-
gnac, vinbo do Porto especial, o verdadeiro fi-
gaetaa, champagne, vermoutb, refrescos, bollos,
blbs e outraa consas que seria enfadonbo men
cionar.
Tem tambera preparado em reservado onde ae
encontrar comidas' que sali.fsiem o mais esque<
sito apetite a aqnelles qoe quixerem honrar o nos
o estabelecimento.
A elle rapasesda elle.
Rna a Impcralriz n. 49
Criado
Precisa-sc de nm criado moco e de boa conduc-
ta : no hotel do Caminho Novo n. 118 C.
S MES DE FAMILIA
Para remediar fraqueza das criancas, desen-
volver suas (prcas, seu crescimento e preser-
val-os das molestias communs idade tenra
os principaes Mdicos e Membros da Academia
de Medicina receito, com grandeexito, o verda-
deiro Bacahout dos rabes de Delangremer,
de Pariz. Este alimento muito agradavel com-
nosto de substancias vegetaes nutritivas e
fortifleantes, se espalha por toda a economa
e em vista de suas propriedades analpticas,
melhora a composico do leite das senhoras
que crio, e restaura as larcas enflaquecidas
do estomago.
0~Mi'to> m todas I Cidtdts do Brasil t doPt>rtH0mim
Pot-Poiirri Carnavalesco
Aeha-se v^nda e:n casa do Sr. Vicor Preale
Succeasor, roa do Imperador n. 55, non lindo
Pot-Peurri Carnavalesca, arranjado pelo professor
Candido Filno, mestre da msica de polica, dos
eguintes canto, populas : ..,,,.
Dcrmes que eu velo. O aertaneijo. Oh Vinde,
viode los do Geo. Tu s a ja.tora formota- Tre-
mei Gabriel, tremol. Mario Pao. Bovtma aec. Le-
vttp la camisella. Oh Man sum ron. Car-
gneijo nao peixe. Oade vai 8r. Pereira de Ma-
raes. Russiann. Adens oh Carnaval.
O carnaval est nos batendo a porta ; portento
os a_%awk# deron-se mir d'um -exemelar pe
diminuta quantia de 1*500.

\




l _*. '
i *
* fe^
.-.






-
-


-.

...



-----
fe


r
c
*
-~
-
f
'.
.'*
'-



a









rwyyq
^Jf*T'"*?.^"
Diario de PeraanbveQSabbado 19 de Fevereiro de 1887
ti
* yi

Cosinhcira
Precisa-se de nina cosiobeira que enfeuda besa
de sea office. p.g-se beo.ee casa de pouca ra-
mili ; na ra do Cabaga n.D-A, IjJb,
YENDAS
__ Vende-e a caea da eetrada de Lu do Reg
n. 21, con muitos eomroodos e agua encanaaa, e
nm terr no ao lado da meama cusa ; a tratar na
ra estreita do R ario n 24._______
Vndete na cidade da Escada duas excel-
lentes cast-s dn pedra e cal, bem localieadas, por
aer na roa do Commercia ; a tratar neata cidade
do Recite com Anlouio Perora Lopfa, a roa do
Alecrim n. 74, e na cidad* da Eacads, na mesma
. cem o Sr. Alfredo & C.
Magnificas
Ovss de camorimpim a 800 riao kilo, vendem
Gomes Ferreira & Sueeessi rea, ao largo do Mer-
ca* n. 12._________________________________
Pos de arroz
Vende-se en pcot*s, to bem preparados como
o francez, e per metade do preco, proprio para
toilet, barbeiro e o carnaval, pe1 resumido
valor, ra da Matris da Boa-Vista n. 3._______
.Menean
Vende-se ou permuta-se urna casa terrea sita
na travessa do Faleo n. 12, com 2 salas, 3 quar-
tos, cosinba tora, grande quintal e cacimba, por-
tao dando sahida para a ra do Oasos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta far todo
negocio por j ter o despacho do juia, at para
beta I a em leiao. podendo apresentar os docu-
mentas aos permuUdores, desejando tambera urna
por troca, aind qoes-ia pequen, porm que es-
teja nova e bem consti uida.______________
Viveiro para passaros
Vcnde-se dous g' andes e bonitos viveiros
s
po
reco cotamodo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado com os passaroe que possuia
e tratar na ra do Imperadoi v. 22.
a ver

_'
dio ao rtosto
a bella alvura vapo-
rosa pie le a reputacio
das Ielleas da ntffluidasla.
L.. PANAFIEU C*
Paria, rvt oeo*oaef, 70.
tovutttrmtmPernMrobiice :rruc*'M.a8^Va.*0*.<
taaa aa asaasiww
Importante sitio
Vende-ee um grande sitio 4 margem da Estrada
Nova do Caxang, fregueaia de Afogadoe ; tendo o
meamo unoa casa grande de tijollo e cal, cacimba
com excellente agua potavel, diversos pea de oo-
queiro, dando fructos e outras aivores as mesmas
condi^oes, o cual ae aeha oollocado maito prximo
a estuco do Zumby (1* seccao da estrada de ferro
da Vanee). TmU-se aa cas* n. 20 da ra de)
Santa Theresa desta cidade.
Chapeleria Victoria
A' Prara da leleeei>nia na. 10 a
iem e vosle
Chapelinas francesas, finas e modernas, para
senboras, pelo diminuto preco de 18* urna 1!
Veode-se
um eatabelecimento de molbadoa, bem localisado
proprio para principiante por dispor de pou3s0
fundos : a tratar na ra Duque de Caxias n. co,
padaria._______________________^___
Oleo para machinas
Superior qnahdade, a 6/400 a lata em cinco
gales; vende-se na fabrica Apollo e de seu#
depsitos. ____________^^____^_^__^^
Borrada para lias
De primeira qualidade ; vende-se no bazar da
onte Velha n. 4L ________^___________
Bom Hfgecto
Vende-se um stabelecimento de moihados e
par*aria,em Palmares (Una) largo da feira, casa
de esquina, a melh r loealidade do lagar ; a tra
ar no sesmo estubelecimesto o & roa Direita n.
16, viado brsuco.__________ _
WHISKY
ROY AL BLEND marca VIADO
Este excellente Whisky Eecasaes preferive
ao cognac ou aguarden^ de canna, para fortifica
) corpo.
Vende-se a retalho nos a> Ihares armaren
oolhadoa.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cajo no
sm e emblema sao registrados para todo o Bra
BROWNS fe C, agentes __

- Medalha da Ouro na Expon (Jo un ver aJ 1S7S "
2 -^^ t

- BRDEOS fFRANCA)
-m Depsitos em todas as tendis de Comestibles. 9-
stt*--*?O*O*00
II &
dito.
dito t
Fazendas bara!issimas!!!
fa3 as sffiiiBtcs Tendidas por preco sem compeeaicla :
L lindos fustoes de listrinhas, padrBes chiques a 400 ris o covado !
Setinetas dn quadriohos a 360 ris o dito !
Cretones superiores, 1 metro de largura, a 600 ris o dito !
Carobraias brancas bordadas a 6)5000 a pe$a de 10 jardas !
Linhos de quadrinhoa eacocez a 200 e 240 ris o covado !
Mentios de todas aa cores, a 600 ris o dito !
Esplendidos sortimentoa de 12s para vestidos a 500, 600 e 700 o
Oaxemires novidades a 1(J500 e 10800 duaa larguras.
Gases de cores com pslmaa de seda a 800 ris o dito I
Merinos pretoa e Oaxemires, a 1(5000, 10200, 1400 e 2,5000 o
Velludilho bordado de todas as cores a 10000 o dito !
Sotin maco de todas cSrea a 10000 e 10200 o dito I
Popelina branca para ai Exm.1* noivas, a 500 ris o dito !
Guarnieses de crocheta para cadeiras e sof a 80000.
Vestuarios de 12 para enancas, (novidade) a 70000 e 80000.
Meias al vas para eriancaa a 20500 a dnzia !
dem croas para homem a 40000 e 5000.
Cortes de fustSes para coletea a 20000 utn !
Caxemira inglesa a 40500, 60000 e 70000 o corte !
Cheviots superiores, preto e acal a 20800 e 30500 e cavado I
Completo sortimento de casemiras, pannos e brins e muitos outros artigos que
lembrados presenca dos leitores
imiiro d mi i r
59-Rua Duque deCaxas--59
Eogenho venda
Vendase o eogenho Mnrici, con sstra ou sem
ella, situado na tregu- zia da Escada, distaute da
respectiva estsco um quarto de iegoa, podendo
dar seis caminaos por da, moente e crrante,
teto ddas casas grandes e 2 pequeas para mora-
da, e octra para tunaba com suas pertencas, tm-
bela se faz permuta por predios nesta praea : a
tratar dh ra do Imperador n. 61, 2- andar.
Grande liquidare
na loja de miudzas
5o Ra .\'OM &o
0 proprjeurio do estabelecimentoBazar da
Moda, scien'ifica a Exmas. familias que em vir-
tud*) da prxima reedificacio do preoio em que
esi eatabelecide, tem resolvido liquidar to-
das as iuhs mercadorias, constando de miudezas,
pertumaHaa e artigos de moda, com grandes aba-
timentos, sendo qne muitos artigos sao por precos
inteiramente baratos, como sejam :
Grande variedade de plastrons a 14000 e 1*V200
S.bonetes de areia ae Risger % 200 rs.
Ditr s ingleses, grandes a 200 rs.
Duzias de ditos a 20t|0.
Oarrafa de agua florida a 14000.
Vaso com opiata a 900 rs.
Frascos com extractos muito finos a 14300.
Fmsco con agua de colonia americana a 500 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Quaroives, liabas, filas, bicos, botdes e artigos
de moda.
_________PARA ACABAR_________
A Kevoluco!
Resolveu vender os seguintea artigos com
30 o/0 de menos do que em outra qual-
qner parte.
OuarnicoVs de velludilho bordado a vidrbo para
vestidos, a 74000 urna.
Tufetas de cores para carnaval, a 300 ris o co-
vado
Cachemira bordada a 14500 o covado.
Ditas pretas a 14000, 14200, 14400, 1400 e
14800 o covado.
Dita, de cores a de 900 ris e 14200 o dito.
Lis mesclaoas a 600 ris o dito.
Ditas com listrinhas a 560 ris o dito.
Ditas com belinbaa a 600 ris o dito.
Ditas de quadrinbos a 400 ris o dito.
Lindas alpacas a 360 ris o dita
Oorgarinas a 320 ris o dito.
Setim damast a 320 ris o dito.
Dito Maco a 800 ris i 14200 o dito.
Damass de seda a 14300 o dito.
Oredeoaples preto a 14800 e 24000 o dito.
Gaze com oolinhas a 800 ris o dito.
Fueto ortico a 400, 480, 560 e 800 ris o dito.
VeUudilhoa liaos e lavrados a 14000 e 14200 o
cavado.
Dito bordado a retroz a 24000 o dito.
Cambraia com salpicos a 64000 a peca.
Camisas para senhora a 304U00 a duzia.
Ditas de meia para homem a 800 ria, 14000,
14200 e 14500 urna.
fcFicbs de \i a 24, 34000, 44000 e 54000 um.
1 utos prateados a 24000 um.
Ditos de retroz a 14600 um.
Linhos < seo.'re a 200 e. 240 ris o covado.
Collarinhos e punhos para senhora a 24000 um.
Ditos de cor, idem dem a 14000 um.
Cortea de casimra finos de 34 a 54000 um.
Ditas de 12 e seda para cohete a 64000 um.
Ditos de cachemira de cor para vestido por 204
um.
Cachemira de cor de 64 po* 84000 o carado.
Damasco de cor a 700 ris o covado.
Panno da Costa a 14400 o dita
Cortinados bordados a 64000 e 74000 o par.
Colchas bordadas a 54, 64, e 74000 urna.
detones finos a 320, 360 e 400 ris o covado.
Chitas finas a 240, 280 e 300 ris o dito,
Zephiros finos a 500 ris o dito.
Setineta escosseza a 440 ris o dita
Ditas de qnadrinhos a 320 rs. o dito.
Chales Je mirin a 14800 um.
Ditos estampado* a 34000 e 44000 uta.
Ditos de cachemira a 24, 24800 e 44500 um.
Cobertores de la a 4450U e 64500 um.
EsguiSo pardo e amarello a 500 ris o covado.
Bnm de linbo de cor a 14200 a vara.
Dito praieado de linho a 1400Q a dita.
Colchas de crochet a 84000 orna.
Anquinhas a 14800 rs. urna.
ser&o
PPRSSAO
TOttC
uriuiMcnni
ASTHMA
MERlLSiB'
CU A A
?eta OGiMH ISMi
aanira-se a Bsaa me penetra 00 peno acalma o symptoma oeooso, tatllU
a xpectoracao e arorlaa as funocea do oreaos respiratorios.
asJ.lSI'lll.lia.iaaSi I >,
Hr'l*CN
Aos 1.000:000^000


200:000$>000
100:000^000
HUII LOTERA
DE 3
Eaijfavor dos ingenuos da Colunia Orphanologiea Isabel
DA
PROVINCIA. DEPERN\MBUGO
Eitmp a 14 ie Maio He 1881
0 thesourciro Francisco Gon^alves Torres
(gesfriamento, feosse, gatarrho, Risica
XAROPEceHYPOPHOSPHITOdbCL
de GRIMAULT & C,a
Appnrtdo pela Juta d'Hygkne do SI d Jtneln
Fazendo-se uso deste Xarope, calmo-se os accesaos de tosse, desap-
parecem os Buores iiocturnos, gozarse de um somno reparador,
desperta-se o appetite, e o dtrente, augmentando suas fonjas, apresenta o
aspecto de quem goaa boa sade. Os mdicos recommendo que se tome
ao mesmo tempo as Pastilha peitoraes de sueco de alface e
agua de louro cerejo de GRIMAULT e C\ que constituem os
dois calmantes mais inofensivos da materia medica.
O* frmmoom ?, m contera Cae-opa, aBo de ama 6sJI* er m ws imrmo
m marca d fabrica, r> tallo e a Arma da nasa* cavsa.
Dtaoiiu sa PARS, 8, Ru Vivi^nne. e m sriacaae Pfarawia e Drafariu.

LOTERA do ceara
400:000*000
L\ IR ASFEItl VEL!
Corre seg-nndafeira 20 de Fevereiro
lim vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
I
240:000*000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRANSFERIVEL!
Corre Quinta-feira. j^ de Fevereiro

L0TERI4 DE AL4G0AS
3OO:O00$0OO
Esta acreditada lotera corre Terca-feira, 22 de Fevereiro
L


600:000$000
Esta seductora loleria corre sahbade 24 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os bilhetes dcstas acreditadas loteras acham-se venda na
RODA DA FORTUNA
36Ba Larga do Rosario36
Bernardino Lopes Alheiro,
\:

o 48 m
llcnrlquc da| Sll^a Morelra
Vende-se
Na roa Imperial n. 200 C, urna casa de pedra e
cal por barato preco.
Carro de passeio
Vende se nm em bom estado ; na Magdalena,
sitio do commendador Barroca. __________
Peitoral de cambar
Agentes e depositarios geraes n'sta provincia
FRANCISCO M DA SILVA & C.
No armasen de drogas ma do Marques de
Olinda n. 23.
Precos : Fraseo 24580. 1/2 duzia
13J000 e duzia 24*000___________
EMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiffado de bacalho
COM
ilypophosphitos de cal e soda
ipprovada pela Junta de Uy
giene e autorizada pela
govemo
E' o melbor remedio at huje descoberto para a
,lntra bronchlle. errophnlas. rs
rbltea. anrmlR. t eblli.ladr em eral.
leOsio, toaae cremlejai e mMe>iq4t*>*
dio pella) e das sarnaoia.
E' maito superior ao oleo simples de ligado a>
acalbao, porque, alm de ter cbniro e sabor agr
lavis, possue todas as virtudes medicinaee e an-
ntivas do oles, alm da propriedades tnicas
econetituintrs dos bypophosphitoa. A' venda na
f rogaras e boticas.
Deposito era Pemambnco_________
li3ii iiiiia
PARA TIN*OIR A
barba e os cabellos
Esta-1tintura tinge a barba e os cabellos ios-
tan'aaeamente, daodo Ibes ama bonita cor
e natural, inofensivo o sin uso simples e
r8!VVnde-se na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Rouqupyrol Fre^s, suect-ssore* de A
CAORS, ra do Bom-Jesus (aotiga da Crut
n. 22.
200:000$000
L0TIB1I Di
EXTliCClO 04 PARTE D4 1* LOTERA
EM BEIFIO Di SAKTl CASA DE MISEBIHDIA
Ouinla-feira 24 de Fevereiro
A0 MEI0 DA

Esta lotera, por algnm tempo retirada da circulacSo, devido a grande guerra qne
lbe promoveram, *orou do dominio publico, vem novamente tomar o seu lagar de
urna das vantajosas loteras do Imperio.
O agente pede ao rsspeitavel publico a sua benvola attencSo para o plano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado noa jomaos e impreaao no ver-
so dos respectivos bilhetes. O plano desta lotera o nico que em 50.000 nmeros
d istribue
12.436 premios, ou quasi a quarta parte I
Anda mais: esta a nica lotera que premia todea os nmeros cujos dona al-
garismoa finaes forem iguaes aos dos
QATRO PREMIOS MAIORES
A SABER :
1000 s duas letras finaes do premio de...................... 2^:^^n
60(5 a duaa letras finaes do premio de......................
50)$ a duaa letras finaes do premio de......................
40($ s duas letras finaes do premio de......................
40:000*000
20:000(5(000
10:0005000
Grande nov da de
A rebotes electrices
Para oe festejos das noifs do carnaval
Vende-se i ma do Barao da Victoria n. 61
Loja de erragens do Soaza'
Vende-se
Urna loja de barbeiro, na freguesia de Santo
Antonio; 4 tratar na roa di Ringel n. 69.
Tambem sio premiados todoa os nmeros das centenas dos quatro primeiros
Alm destes, tem esta lotera grande quantdade de outros premios de bastante
importancia. E' tarobem eata a nica loteria que garante queai comprar 100 nme-
ros de termina?8es ifivrentea 32 1/2 % independente doa premios avultadfts que
pOBEam sabir na extraccJio.
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SEM DESCOMO
A's extraccSes sao feitas em edificio publico e sob mais severa fiscalisacSo por
parte das autoridades.
Os bilhetes acbam se venda na agencia e em todas as casas, em Santos, So
Paulo. Campias, Rio Grande, Babia, Cear, Maraohao, Para, Amazonas e em Per-
nambuco rua Nova n. 40 CASA-DO OURO
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto i* Rocha Hontoiro Sallo
23P c UruguaysLDa23
grageas de Ferro Rabuteau
Laureado do Instituto de Franot. Premio de Tharapeutie*
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado a Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos caaos de
Chlorose Anemia, Plidas Cores, Corrimentos, Debilidad*,Esgotamento, ConoaUscenexa,
Fraauezadas criancas, Depauperamento e Alleragao do sangue em consecuencia de
fatioas vioillias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 6 grageas dor da.
iVem Constipacdo nem Diarrhea, ssimilacao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engunr
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as criancas.
ltjl im eMplicteio dettlhade acomoa/iAa cada fraseo.
Exigir 9 Vardadeiro Farra Rabuteau de CLIN 4 O, de PAMS, ja at
tncontra em oa dos Droguitaa e Phormacauticos. ^
A' Florida
Boa Duque de Caxias n. loa
Chamase a attenco das Exmas. familias par
os precos segniotes :
Luvas de seda preta a 1^000 o par.
Ciatos a 1*000.
Luvas de pellica por 2*500.
Luvas de seda cor granada a 2f, 2*500 e 8*
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuna de 1 500, 2t, 3*, at 8*.
Ramcs de flores finas a 1*500.
Lavas de Eseossia para meaina, Usas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 600 n., 1, 1*500 e 2f.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Anqainhas de 1 *5(- 0, 2*, 2*500 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
Pentes para coco com ioscripcao.
Babadores com pintara e inscripcoes a 200 n.
Enebovaes para ba tizad os a 8, 9, e 19*000
1 eaixa de papel e 100 envelopes por 890 ris
Capella e veas para noivas
Snspencorios americanos a 2*500
La para bordar a 2*600 a libra
Mo de p*pel de cores a 200 ris
Estojos para crochet a f$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*000,4*000 e 5*000 a peca
Para a paresia
Galao de vidrilbo metro 1*.
Franjas de vedrilbo a 1*,
Lavas pretas de seda e Escoca.
Franjas e gales finos a 2*500, 3*e 4* o metr
Para o carnaval.
Lindas mascaras.
Bisnagas de p de arroz.
dem idem de ouro.
dem perfumadas.
Lindas franjas de seda de cores com frocos pa-
ra eufeitar vestuarios de mas caras a 1* e 500 n
o metro, fasenda qte j caaton o metro.
Papagaios de papel a 200 ris.
Periquitos de papel a U>0 ris.
Leones e ventarolss a 200 ris.
BABB08A & SANTOS
Cabriolets
Vende-se dous cabriolets, sendo nm deseobertb
e ontro coberto, em perfeito estado, para um ;ou
dous cavallos; tratar ra Duque de Caxias
n. 47.________

Carnaval
Lavas com mofo a l* o par
Lavas brancas frescapara senhora, 2*.
Ditas idem para homem, com dona botoes, 2*601
Na fabrica de lavas, ra Jo Cabug n. 7, 1-
andar.
Vinho do Dr. Fbrestier
TOKICO RECONSTITTJINTE
Remedio soberano
COSTRA A
CMLOBO'E. *1EMI*. CAHIE DOS OSSOS.
AFFEcgOES DAS VIS D10ES7VAS,
0aBrHr>~ CHtflNICAS, HACHIT'SIUO,
ESCSOfUi-AS, OEeiLIOADE,
COSVALESCEnCAS 01 ?EH3 TYPH010EA8
( MOt-CartM 3PAVES, ETC.
> ./. jfl. HtmredoM
. vaAHea.
T

Sra^i. "
rn


8
Diario de PcrnambucoSobbado 19 de Fevereiro de 1887
SCIMCAS
Ihylol0la
O JEJUM E 08 JKJADORES
processos de nvestigsclo mais^ penetrante,
a, domis, usuaes nos laboratorios d phy-
siologia. Primeiramente, o individuo foi
aubmettido durante algum tempo raqao
di conseroacaorlZo s i igaora que os pby-
siologistas assim chamaran) a quautidadn
de alimentos exactamente suffinente e ne-
c3saria para reparar as perda que resul-
tan do proprio funccionamento dos orglos.
Urna vez que o peso do corpo tora*-se sen-
A experiencia recentemente feita om
Millo pelo Sr. Succi charaeu a atcnclo da
todos, dos physiologistas, mdicos o do po-
vo, sobro a interessante qunstlo dos phe- sveirneQte constaco e, por outra parta, es-
uomenos orgnicos resultantes de um je- lti4belei:da a coraposicilo normal das urinas
jum prolongado. E' sabido que o br.
kxcci resistiu a ura j-jum de 30 das cor
ocutivos e qut; est actualmente em Pa-
riz prompto para recomes .r essa expenen
ca.
Este facto pareceu, primeiramente, mes-
mo muitos medaos, mais que extraordi-
nario, iraprovavel, si nao impossivel: pa-
rece a rouica gente que nao se pdi estar
mais de dous dias sera ooraer, e que mes-
mo a 6uppres8ao de um nico repasto
perigoso e, om todo caso, terrivel supph-
ciol Demais, esta idea nao tcm sido des-
de muito tempo admittida pelos physiolo-
gistas ? Longet.* que professau duanie tan-
tos annos a physiologia na Faculdada de.
Medicina do Paria e que escroveu um tra-
tado, ainda hoje muito estimado, nio hesi-
ta em declarar na ultima edicao dessa tra
tado(1369, 3 ado., t. I):
t Nio mencionamos os casos da absti-
nencia prolongada durante alguns dias, al
gumas semanas, alguns mezes, olguns an-
nos. Acreditamos que, pondo da p*rte a
exaggeracao, esses casos-raros reduzem-se
a nada. A fome urna faneclo inteira-
mente rnimal, na qual o espirito nio re-
como nos an-
He tixada a relacao entre a absorcao de oxy-
geno o exhalaclo de acido carbnico,
loisiau-aa a experiencia.
Procurou-se ectSo attender ao estado
real da funccao respiratoria, seguinda as
variacSes possiveis da absorpcao ae oxyge-
no e da em naci, de acido carbnico pe-
los puluiSes, por meio de analysea do ar ex-
pirado.
E' realmente, grasas a essa investiga-
cao, que sa poda chegir a descobrir, pelo
menos em parte as causas da3 variacSes
.la temperatura. ?or outra parte, granas
ao poeuraograpbe, registraram-se as mod-
ficac3es possiveis do rythmo respiratorio.
Ao mesm tempo, o numero dos glbulos
do sangue foi quoiidianaraente contado, e,
comquanto os procesaos simples e rpidos,
os proemios chama ios ie clnica, de dosa-
gem da hemoglobina, nio possam dar re-
presenta papel algum ; ora,
maes, a morte chega fatalmente em poneos
dias nos cosos de inanijlo, parece-nos oi-
possivel que nao acontesa o raesrao ao ho-
niem.
Teremos occasiao de mostrar mais de es-
em que erros cahiu Longet crendo
a tome urna funccao iateiramento
os animaes subraettiios
paco
que
animal,
que
inaniclo morrena muito depressa e que o
mesmo acontece ao humem ; mas escapca-
Ihe a grande nflneniia do sy3tema nervo-
so central sobre a natricao e a denutrislo.
Dada esta opioiao, nio se segu, por
isso que muitas pessoaa, sabendo da expe-
riencia de Milao, fossera levadas a crer
que a astucia estivera em jogo, e que os
mdicos que valavam o Sr. Succi da e
noite forara hbilmente illudidos. Entre-
tanto, essas supposieSes slo, em s
inuteis. porque o ^ejum de que se
quasi explicavel em todos os pontos
dados que actualmente po3suo a pbysiolo-
gia sobre a inaniclo. Nao difficil mos-
tral-o; mas, antes, talvez opportuno fa
zer observar que a experiencia de Millo,
tal como foi realizada, nao parece ter sido
neta concebida neta efectuada em candi-
eles rigorosamente scentficas.
Cortamente urna experiencia que
mittia estudar no homem os diversos
sultados absolutamente seguros, nao se de-
nomenos da denutriclo lenta, desse estado
conhecido, desde as bellas investigacSes de
Chossat sobre a inaniclo (1813), sob o no
me de inaniciaceo, urna tal experiencia
apresentava alto ioteresse. Parece, pois,
que se devera julgar necessario o emprego
doo raeios.roais exactos p-ra fazer, em in-
tervalos regulares, o exama completo das
funccfcs do in tividuo exposto a essa ex-
periencia. .
Sem duvida, nao sejulgou sufficiente
conUr urna vez por da o numero das pul-
sacSes e os das respiracoes por minuto, to-
mar urna vez por dia a temperatura e ve-
rificar por meio de dynamometro o estado
da forja muscular. Taes sao, com effeito
os ensa,s a que, pelos jornaes, sabemos
prestar-se o Sr. Succi; mas, certamente,
iulgoa-se, com razio, que essas observa-
res, ainda quanio si lhes juntesse a d_o-
sagem quotidiana da urea da urina, nao
forneceriam conhecimento intimo das modi-
ficac3e3 orgnicas do individuo.
Recorreu-secomo nao suppl-o? a
xou de praticar eom intervallos regulares a
do3age:n da hemoglobina (l).
Estas duas espeaies de ensaios permitti-
ram apreciar de modo suffioiente as mu-
danjas por que passa o liquido sanguinso,
o que essencial em urna oxperiancia
desta genero ; Como Hiller (2) j o havia
mostrado por experiencias em ras, e como
sabemoa pela3 pesquizas de Cbossat e pelas
de todos os physiologistas que estudaram
a inanic&o.
Experiencias, aicia mais importantes,
talvez, furam tambem feitas. O melhor
meio e o mais exacto que possuiamo3 de
conhecer o estado geral da funocao de nu-
tricio, de estudar o movimento de assimi-
lagSo e de desassimilajlo que constitue e
regula a propria vida e, por conseguinte,
de psnetrar no mais intimo das acsSes vi-
taes, consiste na analyse mais completa
possivel das ruinaB. A chimica physiologi-
ca tem hoje sua disposigao processos de
analyse assaz aperfeicoados para que Be
possa determinar ds modo jamis seguro,
em muitos casos, a que variaefos funccio-
nae9 se ligam as varias3es dea diversos
elementos da urina, e nao somonle da
urea, como de todas as materias azotadas
e dos diffarentes saes. Finalmente, a tem-
per .tura, sem duvida, foi tomada como
convioha, e principalmente a temperatura
peripberica comparativamente tempera-
tura central.
Eis quaes eram as principies experien-
cias a realisar. Em resumo, iniportava
per-1 apro veitar a occasiao paja refazer sobre o
phe- humara as experiecaias de Chossat (em-
Alguns pergnaUram ent3o com que fim
o Sr. Succi fea essa experienciz corajosa e
que podia ser bella, mas que parece nao
ter consistido senao em urna experiencia
singular e audaz, urna especia de aposta
extraordinaria. Nao ae trata de discutir, e
demais nlio nos conviria, os motores do
acto do Sr. Suci: o que consideramos
nicamente o factor tal como elle se p is-
sou e qual o conhecemos.
Tomemos, portante, agora a experien-
cia em si, -.orno foi realisaia ate sea ter-
mino. .
E' certo primeramente que um homem,
de boa saude physica e talve principal-
mente moral, pode viver mtA, tempo nao
comando ncm bebendo, sea^jpffrer muito
pela fomc. A historia dosiineiros d''
Bois-Mouzil, referida por Sovicho (4), pro-
va-o. c Oito mineiros conservaran) se en-
cerrados 136 horas em urna mina de car-
vio de pedra. Desde o primeiro di,-, repc-
tiram entre si -neia libra de po, um peda-
co de queijo e dous copos de vinho, que
um delira tioha truzi o para a mina e que
nio quiz guardar para si s, e outros dcua,
que tiuham comido antea de entrar na mi-
na, nio quizeram tomar parte na distri
buiclo, aizendo que nio deviam morrer
mais tarde que os outros. Julgava-se ge-
ralmente que esses oito infeliz*s mineirjs,
nio tendo tomado alimentos duante cinco
dias, deviam experimentar os mais torri
veis tormentos da fome, na ocoasilo e n
que a sonda penetrou na galera : mas,
pelas suas declarac3es, essa longa absti-
nencia fora lhes pouco penosa.
No homem doente, em muitos casos, nos
febris, e principalmente, como se ver
mais tarde, entre 03 alienados e os hyste
ricos, ojejumpode ser prolongado Berna
as o muitas vezes mezes inteiros, sem
que se siga a morte. No tempo em que se
aujoitavam os febris a urna dieta absoluta,
observava-se algumas vezes ao?identes
gravissimos resultantes da inaniclo. Vel-
pcau diz ter visto produzir-se a perfuraclo
da cornea em um militar privado de todos
os alimentos, durante seis semanas, por
causa de urna febre typhoide, em Tours,
'secub, favo-
trata
com
FOLHETIM

OOOKGNDA
i.
POR
tiuUM
QUINTA PARTE
O SOSBH DE LMIM
(Continuacao do n. 35)
II
Urna ciiiikoao na Saina
A narrativa destas canalhadas agradava
muito populaca. Faziam a sua reputa-
cao como ho nern de espirito, ao mesmo
tempo que a sua fortuna subii aquellas au-
daciosas ladroeiras.
Eram estratagemas que taziam rir toda
a gente, excepto os entercados.
Emquinto 03 nossos espertalhSs divi-
dan) os lucro-, o Sr. principe de Gonzag
e "O aeu fiel Poyrolles desceram a oseada
do palacio.
O soberano ia visitar os seus vassallos.
~t aS' recomecava com furor. Outras no
ucias mais ou menos controversas circula-
jam.
, A casa doouro, ura instante atordoada
pelos espasmos, tinha se levantado e ia
Wm.
O Sr. de Gonzaga trazia na mao um
largo enveloppe, do qual pendan) tres sel-
los, presos por comoes de seda.
Quando o Corcunda vio aquella objecto,
os olnos abnrarn-sc-lhe, emquanto que o
sangue aubio Ibu violentamente t>o rosto pal-
illo.
Nio se moveu e continuou o seu cfioio.
r Mas o seu olhar fixou se d'ah em diante
jq Peyrolles e Gonz^gn.
Que faz a priu.eza ? perguotou elle.
- A princeza nao dormio esta asite,
respondeu o facttum, a 3ua camarista ou
vio-a dizer : t Procurara Priz inteiro I
Hei de eucontral a.
I Grabas a Deus 1 murmurou Gonza
Ka.: se algum da visse essa moca da ra
A Chantre estara tudo perdido.
prego da balanca), e, por outra parte, as
do Boussingault (1844), de Bider e Sch-
mdt (1862;, de Bischoff e Voit (1860)
(nalyse chimica das materias excretadas),
juntando a estas experiencias outras in-
vestigacSes possiveis, gracaa a novos me-
thodos physiologicos. Ora. era preciso que
este programma osse seguido. Vimos
mais alto a que verincacSes, lirto dizer
rudiraentares, limitaram-se os mdicos em
Millo. (3
(1) O emprego do methodo hematosco-
pico recentemente descripto pelo Sr. A.
rlenocque (ver Comptts rendus de l'Acode-
mi des sciences e Bulletins de la soc. de
biologie, 1886) torna mais fcil e mais suf-
icientemente precisa esta investigaclo.
(2) Elementa physiologia, tit. II pag.
48.
(3) Parece-nos intil relembrar os por-
menores destas observacSes: a Rvue
scientifique j os dea no seu numero de 25
de Stembro de 1886.
Parecem-sa ? perguutou Peyrolles.
Vers: duas gottaa d'agua.
Recordas te de Nevera ?
Sira, replicn Peyrolles. Era um bo-
nito rapaz.
Esta bem sua filha e bella como
um anjo. O mesmo olhar, o mesmo sor-
riso.
J sorri 1
Est com D. Jruz, conbecem-se.
D. Cruz consola-a. Desejava ver esta
enanca. Se tiveaoe urna filha como ella,
amigo Peyrolles o."eio... Mas slo loucu-
ras!
De que me hei de arrepender ?
Tenho feito a> pelo mal ?
Tenho um fim e caminho para elle. Se
ha obstculos.. .
Tanto peior para os obstculos I mur-
murou Peyrolles, Berrindo.
Gonzaga passou as mos pela fronte.
Peyrolles pegou no enveloppe sellado.
Alteza, julga que isto o que procu
ravamos ?
Nio ha a menor duvida, respondeu o
principe ; o b azlo de Nevera e o sello da
capella parochial i". Cylus-Tarridea !
Julga que estas slo as paginas ar-
rancadas ao lame so registra?
Estoo certo.
Alera disso, alteza, pode verificar,
abrindo o enrel >ppe.
Pensa eru ^emelhante cousa? excla-
men Gonzaga, quebrar os sellos os sellos
esto intactos Meu Deus ; cada um del-
les vxle urna duzia de testnmunhas. Que-
braremos os sellos, amigo Peyrolles, quan-
do for tempo, quando apresentarinos ao
conselho de familia reunido a verdadeira
herdeira de Nevers.
A verdadeira ? repeli involuntaria-
mente o facttum.
Aqu?lla que deve ser para nos a ver-
dadeira. E a evidencia ficar provada de
urna s vez.
Pryrolles :cclinon-3e.
O Cor .una olhava para ellea.
Ms, continuou o facttum, que farc-
inos da outra moca, Alteza, refiro-me
aquella que tem o olhar de Nevera e o seu
sorriso ?
Maldito Corcunda e'xclamoa o agio-
ta que 88ignava caquelle momento sobre
a carcunda da Jona, por que te raexesas-
sim.
O Corcunda, efiectivmente tinha feito
um movimento involuntario para se appro-
ximar de Gonzaga.-
Este nfl ctia.
J penaai nitfo I disse elle, fallando
comsigo mesme. Que furias tu dessa mo-
em 1818 ; observoa outro caso no Val-de
Grce, em 1820, em um soldada que che-
gara ai quadrasesimo dia de urna febre
typhoide, e se conservara em abstinencia
completa.
Pelo que diz respeito aos animaes, Cho
sat avaha em 15 ou 18 dias, na media,
sua resistencia manicio. Demais, esta
duraclo muito variavel conforme os in-
dividuos e mulo mais considera/el as
pessoas gordas. E' sabido que os animaes
hibernantes conservam-se mezes sem co-
mer. Nos animase de sangue fro a sobre-
vivencia do mesmo modo mui longa:
tartarugas mettidas no gesso podem alli
permanecer tres mezes, e slo retiradas vi-
vas. As ras podem passar mais tempo ain-
da (todo o invern) sem comer.
Mas nio insistamos, maij que razoavel-
mente, sobre estes factos. Em summa,
convrn nio esquecer que o homem no es-
tado normal, s offerece urna resistencia
muito menor inaniclo. Como, pois, ex
plicar o caso do Sr. Succi ?
Pdese, em primeiro lagar, perguntar
qual o estado do systema nervjso do Sr.
Succi. E' que, realmente, tem se visto
hystericos e alienados conservar se mezes
ar
inteiros sem tomar alimentos e, apez
des te jejum involuntario, nio deperecer,
por assim dizer. Todos os alienistas tcm
assigoalado a recusa de alimentos entre os
symptomas caractaristicos da melancola ;
tambem um signal que se observa fre-
quentemente no delirio das perseguicZes;
esta sitiophobia tal que muitas vezes se
obrigfedo a recorrer sonda sssophagianna
para nutrir esses infelizes. A raesraa recu
sa de alimentos observase algamas vezes
nos hystericos; por este nico facto mais
de um bysterico pode ser considerado ou-
t r ora. .. e mesmo no nosso
Mcido da grava divina. Hoje. os hyster
c >s slo capazas de entregarse a este di-
vert nento, aimplesmente para attrahir so-
bre ai a attenclo. Realmente, nem serapre
assim ; e, em muitos casos, a sitiophobia
hysterica jum phenoraeno pathologico mui-
to rtal. Precisamente havia ltimamente
ao servico do ,Sr. Germain S no Htel-
D-u, urna nevropata que, durante tres se-
mauas, nio pode absolutamente comer era
bebeo cjusa alguma, vomitando tudo quan-
to se procura va dar-lhe. Influencias pura-
mente psychioas, ne(n que exista no indi vi-
iuo que as sente-neuhum estado pathologi-
co, vivas emccSes moraes podem tambem
retardar a denutriclo que resulta da pri-
vaglo de alimentos. A este proposito, o
Sr. Henri de Prville (5) refere, segundo
Diderot, a observaclo de um alchimist
chamado Duchanteau, que pensava que
aps 40 dias de privaclo de alira- ntos, nio
beb<-ndo sinlo sua urina, produzria a pe-
dra philosophal por cohobaclo do superior
e do inferior. > Essa Duchanteau suppor-
tou esse rgimen durante 26 dias e nio
morrea. A ultima urina, de odor balsmico,
foi conservada at a Revoluclo. Do mes-
mo modo, o Sr. protessor Bernheira lem-
brou ltimamente, em um nteressantissi
iuo artigo sobra o jejum de Succi, publico
na Gazete hebdomadaire de medicine e ana-
lysado na Rvue scimtifique de 30 de Ou-
tubro, o caso dosse Guillaume Grani que
se deixou morrer de fome as pri;cs de
Toulouse, em 1831; viveu at ao sexag-
simo teraeiro dia sem ter tomado outra
cousa sinlo agua; quando morrea s pe-
sava 26 kilogrammas. < Decidido a se dei
xar morrer, diz Bernheira, dominado por
am estado p^yebico que o tornava tnsen-
sivel s impress3es physicas, nao queren-
mais comer, nio entrado mais nacessida-
de de fazel-o, o infeliz nio achou a fome
que procurava, morreu lentamente de ina-
niuao. i
Parece que era todos os individuos, ne-
vropathas ou alienados, o movimento de
desiissimacao est quasi enraizado ; por-
tante nio carecem elles assimilar. O Sr.
Succi nio seria um desses nevropathas
capazas de supporta um longo jejum? Ora
os joraaes informaram-nos qae elle tinha
sido recolhido duas vezes a um hospicio
de alienados, em Roma. Demais, parece
que elle exalta-se fcilmente quando falla
do segredo que pretende ter descoberto
para j*-jum sem soffrer. Disseram-nos,
certo, que essa excitaglo nio constitue um
symptoma morbilo e que, alm disso, o
Sr. Succi nunca endoudecera e que fora
recolhido a esse hospicio por equivoco.
Convir-se- entretente, que esta* particu-
laridades prestara-se, pelo menos, a refla-
xlo.
Nio importa menos fazer ontra reflexlo.
O Sr. Succi s se privoa de alimento, soli-
dos, mas nio de lquidos. Durante os seus
30 dias do jejum, diz-nos o lemps do 19
de Setembro, elle absorveu sete kilcgram-
mas d'agua de Vichy, 12 kilogrammas
d'agua de Hunyadi-Janos e 16 kilogram-
mas d'agua pura, ^a media, bebia 348
grammas d'agua por dia ; mas como lan-
cava em vmitos voluntarios cerca de 248,
s absorvia 600 grammas d'agua diaria-
mente ; facto este intersantissimo, porquan-
to, varias experiencias tm demonstrado e
tedos os physiologistas actualmente admit-
tem que a privaclo d'agua contribua mui-
to para gravea desordens na inaniclo. Rls
collocadas sob campnulas com cblorureto
de calcium morrem apresentando perturba-
93es da circulaglo e da respiraclo (inter-
rupsaonaspalpitagos do coraclo dypna),
perturbares da sensibilidade e das con-
tractas tetnicas, prodazindo-se ao mes
rao tempo alteraces nos glbulos verme-
Ihos. E' domis incontestavel que a ab-
lorpclo d'agua permitte prolongar o jejum.
J, mas sem estabelecel-o definitivamen-
te.- porque os resultados de suas expe-
riencias sobre este ponto nio foram sem
pr.t idnticas, Cossat entrevira o facto.
Posso, a esto respeito, citar ama experien-
cia mui receate, qual foi-rae dado aasis
tir, e que mo licito referir suraraariameo
te, experiencia exocatada no laboratorio
de physiologia da Facaldade de Medicini
polo Sr. Laborde.
O Sr. Laborde lancoa mo de dous,
ces de idntico peso e, no mesmo dia,
submetteu ambos a urna dieta absoluta ;
somante am pode beber agua ad libitum.
Ora am dos ces morrea no vigetsimo
primeiro dia de jejum ; no quadragesim
da o outro esteva em todo vigor, muito
magro, certo, e apresentando alguns
symptomas inquietadores, mas ainda es-
perto, responde aos appelloi e s caricias
e con o olhar vivo. Beba, na media,
100 grammas d'agua por dia. A expe-
riencia foi interrorapida nes3 occasiao
porque o Sr. Lab >rde quera ver como esse
co reparara as perdas que soffrera. Es-
te facto muito simples sem a menor com-
plicaclo experimental, nio ser um dos
mais de monstrativos?
Notemos, afina!, que pela absorpcao do
certa quantidude de aguas mui ricas em
materias salinas, como a agua de Vichy o
a agua de Huoyadi, o Sr. Succi preser
vava-se dos accidentes gravissimos que
resultara da privaclo dos saes contidos nos
alimentos solidos. Esses accidentes, como
sabido consistem, principalmente, em
perturbares profundas do systema nervo-
so (de mineral iscelo.)
Talvez que essa fasto de absorpcao de
agua tosse susceptivel de explicar-nos, em
certa medida, pelo menos, a conservado
da forga muscular do individuo (medida no
dynamometro). Havcria muitas reservas
a fazer sobre este meio de apreciaclo do
estado das forcas mas nio convm entrar
em oatras miau :iosas criticas. Realmente
uurante esses 30 dias, o Sr. Succi
nao viveu de cousa algama, viveu de
saa propria substancia, assim como o
o oelho herbvoro cuja urina, normal
mente alcalina, torna se, quando o o
o fazem jejuar to acida como a dos ani-
maes carnvoros porquanto, nutrindo-se de
sua propria carne tornase pelo facto car-
nvoro. Mas esta autonutrSo, si se me
permitte a expressao, pode ser activada
por esta absorpcao d'agua. D se pheno
me no anlogo era certos obesos a quem so
faz beber rauita agua ; neste caso a denu-
triclo torna so raais profunda, e eesa indi-
Sr. Succi, e, em -todo caso, o menos es-
clarecido.
Resta, em verdade o famoso licor. Mas
o que poderiamos dizer delle, si nada
sabemos ? Demais, j vimos que ala
necessario dar graode importancia a tai
factor para explicar esse jejum, mais ma-
ravilhoso na appare icia que na realidade.
Era verdade: cumpre repetil-o, o Sr.
Succi nio viveu sem nada comer ; nutri se
de si mesmo ; e fazendo-o, ainda consumi
quantidade muito apreciavel de materia,
porquanto, sabido, emsgrejeu lSkg.SOOc,..*-,
no comeco da experiencia, elle pesavsY
61kg,3O0; a perda de peso, ramo acabafj
raos do var, foi asss coasideravel, equi-
valendo a um consumo medio de 450,
grammas de substancia por dia Ora, os
experiencias de Cbossat demonstraran) qua
um animal aubmettido inaniclo, em ge-
ral, morra quando tora perdido a quarta
parte de seu peso inicial. O Sr. Sucoi
nio tinha, pois, a perder sinlo dous kilo-
grammas, no fim de seu jejum, si licite
applicar ao homem, e ao homem especial
de que se trata, os clculos de Chossat.
O nico ponto anda obscuro como
vimos ha pouco, o facto da integridade
quasi completa das forcas physicas e intel-
lectuaea ; todava, varias hypotbeses j tm
sido propostas para explical-o. A primei-
ra, em data, e a que foi proposta pelo Sr.
L. Bufalini, am dos mdicos da comms-
8lo milanesa. O Sr. Batalni supp'e que
o extracto de planta absorvido pelo Sr.
Succi, no primeiro dia de seu jejum, tem
a propriedade de demorar a nutricio.
E' certo qua a regresslo orgnica este-
ve quasi entrevada e a permutacao mole-
cular entre os albuminoides abolida. .-
Acredito que Succi tem um systema ner-
voso trophico inteiramente especial, e gca-
Qas ao qual esse trabalho molecular intime
da nutricao pie ser, si nio suspenso,
pelo menos fortementa diminuido.. Como
se v, admitte urna ncvropathia real ac-
tuando sobra o systema ganglionario.
Esta opinilo do Dr. Bufalini puramente
hypothetica : poaco sabemos sobre o pa-
pel do systema nervoso sympathico om
phenomeno3 denatriclo e nio conhecemos
nada sobre urna fuucclo de estadio e das
permutas nutritivas, qua pertencriam a
esse systsma nervoso.
A bypothese emittida pelo professor Ber-
nhein, no artigo j citado, mais plausi-
vel.
O leitor ha de lembrar-se (Rvue scien-
tifique, de 30 do Oatubro) que o Sr. Ber-
nhein distingue a sensacao de teme do es-
vduos eraagrecem. Em conseqaeuoia de U(lo (S aan55o; a fome mata rapidamea-
(4) Annales oVhygine publique et ep
medicine lgale, tomo XVI.
urna denutriclo activa, os msculos do Sr.
Sacci poderam achar darante bastante
tempo os materiaes necessarios para se
contrahirem qaasi to tortemente como an-
tes da experiencia, sappondo ao menos
que aceitassemos sem reserva os resulta-
dos dos ensaios dynamometriuos. Demais,
o Sr. Succi, de tempos a tempes, no de-
curso de seu jejum, entregoa-se a diffaren-
tes exercicioa muscalares que necesitam
de certo dispendio de forcas (passeios a p,
esgrima e nataclo.)
Parece, todava, haver urna especie de
contradieclo entre o faelo de urna denutri-
clo profunia e a grande duraclo do jejum.
Como pSde o jejum prolongarse, ei a de-
(5) Journaldes Dbats, de 5 de Novem-
bro.
9a, amigo Peyrolles, se estivesses no meu
lugar ?
O facttum teve um sorriso equivoco.
Gonzaga comprehendea sem duvida, por-
que disse:
Nio, nio, nio quero. Tenho outra
idea. Dize-me, qual o peior e o mais
arruinado de todos os nossos satellites ?
- Cbaverny, respondeu Peyrolles, s^m
hesitar.
Nio te me xas, Corcunda disse am
novo compiador.
Chaverny, repetio Gonzaga, cajo
rosto illuminou-se ; gostas desse rapaz I
mas incommoda-me; isto me desembar-
cela delle.
m
Cuprlco do Corcunda
Os felizes especuladores, Taranne, Al
bret e companhia quando acabaran) de di
vidir os lucros, comecaram a mostrar-se na
multidao. Tinham-se elevado a urna gran-
de altara. Olhavam para elles com res-
peito.
Onde est o querido Chaverny ? per-
guntoa Gonzaga.
No momento em que o Sr. de Peyrolles
ia responder, am tumulto horrivel ou"io-se
na multidao.
Todos so precipitaran) para a esoada, on-
de dous guardas franceses arrastavam am
pobre diabo que tinham agarrado pelos ca-
bellos.
E' falsa 1 diziam, falsa I
E' ama infamia falsificar o signal de
crdito I
Profanar o symbolo da fortuna publi-
ca I Embaracsr as transaeces arruinar
o omraercio !
Atirem-n'o agua I falsario, atirem-
n'o agaa, miseravel |
O gordo o peqaeno agiota, Oriol, Mon-
taabert, Taranne e os outros gritavam co
mo bucos. Nio ter peccado para ser o
primeiro a lanoar a pedra era bora para o
tempo de Nosso Senhor.
Levaram o pobre desgranado, aterrori-
zado, quaai morto, presenca de Gonzaga.
O seu crirae era ter passado para azul urna
aculo branca, para auferir o pequeo pre
mo que tinham temporariamente os ttulos
da moda.
Compaixlo 1 tenham corapaixlo ; nio
tinha comprehendido toda a enermidade de
m'.-u crime.
Alteza, disse Peyrolles, s se viem
aqui falsarios 1
Alteza, ac '.rescentou Montaubert,
preciso um exemplo !
E a multidao:
te a inaniclo mata lentamente. O byste-
rico qae jejua nio tem fome; eis porque
nao morre na inaniclo; supprimi essa sen-
sacio, que, muito viva, produz verdadeira
novrose, e o jejum poder ser supportado
por muito tempo. O alienado, o byste-
o anorexico, que nao comem, obedecera a
urna suggesto psychica espontanea ou de
origem desconhecida, que os torna insensi-
veis fome... Succi ura crente. Coa-
vencido do poder de seu licor, neutralisa a
sensa^ao fome por autosuggestao... Na
morre de fome, porque nio tem fome ; se
soffre os effetos da inaniclo que, por si,
nio mata em 30 das. Por mais iuterea-
sante que seja esta interpretadlo, cumpre
nutricio foi asss activa para garantir du- j convir que hypothetica ; mas o que mo-
rante t-mpo notavel a quasi integridade | nos hypotheti30 no artigo do Sr. Bernhetai
das forcas musculares? Valvez fosse ne- o o que esse artigo patenteia bem, o pa-
cessario procurar a expHcacSo desta con- pe do systema nervoso C3rebral na fome,
tradicelo apparente nesse estado particu- pape 1 que ainda Longet como vimos, dea-
lar do systoraa n "rvoso, de qae j fallamos conhecia completamente
anlogo ao do3 hystericos qae podem je-
jaar mezas inteiros. Ou eutlo, por um
mecanismo difficil de comprehender o fa-
moso licor (servido no comeco da expe-
riencia) permittiria a armazenagem quasi
exclusiva no tecido muscular oa o dispen-
dio qaasi exclusivo, em proveito desse te-
cido, das reservas orgnicas disponiveis ?
Como qaer qae seja, este, parece, o
ponto mais interessante da experiencia do
Horror 1 infamia 1 falsificador I ah 1
scelerado, nio tens perdi I
Ponham-n'o fra, disse Gonzaga, vol-
tando os olhos.
A multidao acersoa-ae immediatamente
do pobre diabo, gritando :
No rio 1 no rio I
Eram cinco horas da tarde.
O primeiro toque de sino de fecbamento
echoou na ra de Quincampoix.
Os terrives accidentes que se renova-
vam todos os dias tinham determinado a
autoridade a prohibir negociac53s de ac-
eces depois de aooitecer.
Era sempre no ultimo momento que o
delirio do jogo chezava ao cumulo. Pareca
urna revolta. Agarravara-se pelas gollas .
Os clamores cruzavam-se de tal modo que
nio se ouvia senlo um grito.
Deus sube quanto tinha o Corcunda que
fazer ; mas o seu olhar nio deixava o Sr.
de Gonzaga. Tinha ouvido o nome de Cha-
verny.
Vio fechar! gritava a mullidlo. Va-
mos depressa' acabemos cora isto.
Se Esopo II, ou Joas, tivesse tido mui-
tas duzias de corcatdas, que fortuna !
O que quer dizer me do marquaz de
Chaverny, Alteza ? perguntou Peyrolles.
Gonzaga ia fazer am signal de cab ca
protector e altivo em comprmante, aos
seas confidentes. Tinha crescido desde a
vespera no conceito dos seas amigos.
- Cha/erny, rep9tio elle com am ar
distrahido. Lembra mo d'aqui a poaco que
tenho que fallar aquella corcunda.
E a moca, nio perigoso deixal-a co
paviluao t
Muito perigoso Nio ficarei l mui-
to teropo. Emquanto pens, amigo Pey-
rolles, cearemoa em casa de D. Cruz, em
urna reunilo de ntimos. Que tudo esteja
prompto.
Accroscentou algumas palavras ao ouvi-
do de Peyrolles, que se inclinoa e disse :
E' qaanto basta, Alteza.
Corcanda, axclamou um comprador
descontente, saltas como ura loaco, j nio
sabes o tea offi io.
Miras senhores, precisamos tomar de no-
vo o Bdeifl.
Peyrolles nffastava se.
O Sr. de Gonzaga chamou-o.
Procura, Chaverny, disse elle, morto
ou vivo, quero Chaverny.
O homnculo sacudi a corcunda, sobre a
qual iam assignar.
Estoa fatigado, disse elle, o sino est
tocando. Preciso descansar.
Effectvamente o sino tocara e os por-
_
1
teiros pasaavam tazando echoar os molhos
de chaves.
Algans momentos depois, nio se oavia
outra balha senlo a dos codeados qae fe-
cbavam. Cada locatario tinha a saa fe-
chadara, e as mercaduras qae nio se ven-
dan ou trocavm ficavam as lojas. Os
porteiros apressavam vivamente os retarda-
tarios. Os especuladores associados Na-
vailles, Taranne, Oriol e companhia, ti-
nham-se approximado de Gonzaga, a quem
cercavara com o chapeo na mo.
Gonzaga tinha os olhos fixos no Cor-
cunda, que, sentado sobre um lagedo na
porta do sea cabiculo, nio pareca disposto
a sabir.
Contava vagarosamente o conteado do
sen grande sacco de couro e tinha pelo me-
nos na apparencia muito prazer com esta
Bsate.
__ Viemos esta manhl so er noticias
do sua saude, senhor meu primo, disse Na-
vailles.
E ficaraos contentes, acerseentoo
Noce, por saber que nio soffreu cousa al-
guma cora as fadigas da festa de hontem.
Ha alguma cousa que fatiga mais
que o prazer, meas sonhores, a inquieta-
5I0.
Effectivamente, disse Oriol, que que-
ra a todo o preQo empregar a palavra ;
efectivamente, a inquietacio... eu pens
assim. Quando se est inquieto...
Ordinariamente Gonzaga era om bom
principe e vinha em soccorro dos seus cor-
tezlos que se arruinavam, mas desta vez
deixou Oriol perder o lugar.
O Corcunda ria-se sentado no lagedo.
Quando acabou de contar o seu dinheiro,
amarrou cuidadosamente o seu sacco de
couro com urna corda.
Depois encaminhou-se psra o seu cubi
culo.
Eotlo, Joas, disse-lhe um porteiro,
quares dormir aqui ?
Quero, mea amigo, responden o Cor-
canda, trouxe o que era preciso para isso.
O porteiro soltou urna gargalhada. As
outras pessoas que estavam imitaram-n o,
salvo o principe de Gonzaga, qae consr
voa-se serio.
Varaos I vamos disse o porteiro ;
nada de gracejos, meo Corcanda 1 Retira-
te depressa !
O Corcunda fechou-lhe a porta no na-
riz.
Como batease, dando grandes pontapes
no cubculo o Corcunda inostrou a cabeca
na pequea claraboia que ficava no tecto.
Jastica, Alteza, exclamoa elle.
_. .-_.........
Nio quer isso dizer que saibamos ao cer-
to o que a fome. As ideas de Beau-
mont, de Durnas, de Spurzheim, de Broas-
sais, de Danvin, as experiencias de Bra-
chet, de Louge e Lassagoe, de Begin, de
Sedillot, de Longe e at as de Schiff na
adiantam muito.
(Continuar se-ha.)
soaa.
1 Gonzaga olhou para
. 4.

at

Justica, repetiram alegremente os se-
nhores, que estavam com o principe.
E' pena que Chaverny nao esteja
aqu, accrescentou Navailles; tel-o-faiaa
encarregado de lavrar esta importante e
grave sentones.
Gonzaga reclamou silencio com um gesto.
Todos dewera sahir ae tocar do siso,
disse elle, o regulamento.
Alteza, replicn Esopo II oa Joas,
cora o tora tapido e conciso de am advoga-
do que formula as suas conclusoes, p'CO-
lhe que considere que nio es:ou na posicio
dos outros ; ninguem alugou a casa cte seu
co.
Bsm lembrado I gritaran) todos.
Os outros disseram :
Que prova isso ?
Medor, respondeu o Corcunda, tinha
ou nio por cestume dormir em sua oasa 9
Bem lembrado bem lembrado !
Se Medor tinha, como posso proval-a,
por cestume dormir em aua casa, eu qae
substitu mediante trinta mil libras aos di-
reitos e privilegios de Medor, desejo faaar
como elle e s sahirei d'aqui se me expai-
sarem com violencia.
Gonzaga sorrio desta vez. Exprimi a
sua approva$Io por um signal de cabeca.
Anda c, disse o principe.
Joas sahio immediatamente do seu cu-
bculo.
Approxira ,a-se e compriraentou cerno as
homem de boa sociedade.
Por que queros tu morar al dentro?
perguntou-lhe Gonzaga.
Porque o lugar seguro e teoho di-
nheiro.
Julgas ter feito um bom negooio com
o teu cubculo ?
Um negocio de onro, Alteza ; j a
sabia.
Gonzaga collocou lhe a mo sobro o hom-
bro.
O Corcunda soltou um pequeo grito de
d6r. Isso tioba-lhe acontecido naqueHa
noite, no vestbulo dos aposentos d re-
gente.
O que tens ? peguutou e pnaupe
admirado.
i- Orna recordacao do baile, Alteza^
cansaco.
Dancou muito disseram as outras pes-
elles com desd o.
" Estira dispostos a gracejar, meua se-
nhores, disse tile, eu terabem ; mas ae a*
fariamos muito mal, pois que este podem
rir-se de nos I
(Continuar-se-ha^
"T^p. do IWeno ra troque de ,Caxias
i *

$ '.
i
w
*
J-



1

r;.


L


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQ9D89PPO_6WU495 INGEST_TIME 2014-05-28T18:04:36Z PACKAGE AA00011611_19817
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES