Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19816


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ASNO Llll"HOIBJ39
PARA A CAPITAL E LICiARRi OSDE SAO SE PACA PORTE
Por tres raezes adlantados............... 6(5000
Por sei3 ditos dem.......... ...... i?j000
Por um auno dem..... ........... 23|$000
Cada numero avulso, do mesmo da............ 10
DIARIO DE
SET-FEIR 18 DE" MIS1 DE 1887
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados............... ] 13(5500
Por nove ditos idem......... ....... 20(5000
Por um auno idem................. 270100
Cada numero avulso, de das anteriores........... 0100
NAMBUGO

j)r0priei>ai>e t JUanocl
Xtguriifa te arta

iUjus

TELEGRAMMAS
l

1
2S2725D SA ASESTCIA 2A7AS
(Especial para o Diario)
MONTEVIDE'O, 17 de Fevereiro.
as ultima* 4 liorfti cieram ae
aqnl 3 cano* novo* e neniium bito
de cbolers-morbai.
BUENOS AYRES, 17 de Fevereiro.
De hoalem para boje deram ae
aqnl O casos hotos e 4 bitos de
ebolera morbos.
Na provincia de Aconcagua (Cblle)
foram assignalado* 54 bitos da
crael epidemia.
SETTIN, 17 de Fevereiro.
rol estabelecldo o estado de sitio
esta cldade.
LONDRES, 17 de Fevereiro.
Diversos telegrammas annunclam
sjn<- as tropas cblneaas Invadlram
o territorio da Blrmania.
BERLIM, 17 de Fevereiro.
O Vaticano ronvidou o partido do
centro ou partido catbolleo ato Bel-
ebstag. o qaal tem por riiefe flr
Windtborst. a absterse tanto esa
relaco & votaco do proJeeO de le
sobre o septenado militar, romo em
referencia 6 le de coerci na alsa-
fia I.iiralna.
Agencia Havas, filial em Pornambuco,
17 de Fevereiro de 1887.
?arte officui.
bbbbW
1HSTBDCCA0 POPDLAR
HIGIENE DiJLWRiO
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS

VII

Carne
fresca.
Epilogo
Continuaba o)
Tabella B
Kaeao dos nossos alumno marinheiros
Gneros Quantidades Distriboico
) 2?s, 4", 6"
de vacca feira sab-
bados e do-
mingos.
-'
ou
Bacalho..........
ou
Outro peixe salgado
eu
Peixe fresco......
Legumes (s).....
Legumes com ma-
cal rao ..........
Legames com at-
roz............'
Macarro.........
0k,3751
0k,240}
Ok,35o!
Ok,40o|
Ol.SSO,
01,150 )
01,150)
0k,050j
J

Arroz............
Pao de immieao.. .
e
p;.. Aivc........
Caf terrado e marido
0k,050
0k,450\
0k,200
0k,020
0k028
0k,035
01,20i) ,
01,015
i
3-s e 6 feira.
Domingos e
5*s Feira,
2s, 4" feira e
sabbados.
Domingos e
" feia.
2,s, 4" feira e
sabbados.
Todos os das
3
Caf cal 1,'ro.....
Auocar----.....
Vinho.-...........
Viubo purHJinrar...
Azeite par ceiaa te
magro e de corno
salgad......... 01,015 > 3" e 6 feira.
8a!........'...-... 0I.025
Vis.gr*.......... 01,(35]
Len'jn, earvao, etc.
Um decilitro de vinho dado ao jantar e entro
ceis.
Tabella C
Composicao do vinho. Em cadi litro ha :
Agua........................ 891 a 900
aEsooI ethylieo................ 79 a
Oatros alcooei (butyrico, amlico,
etc.)
Aldehydes...................
Ethcres (actico, butyrico, cenan -
thico)......................
leos esscDCiaes...............
i Assucar (glycose e chalarlos?)..
Manite.......................
| Mucilagem, gomma e dextrina...
Pictiua, oenantiaa (?).........
_ Materias corantes.............
i Materias gord s...............
, Materias azotadas.............
j Tartrato acido de polassa (6
l grammas ou mais.......
t Tartrato neutro de calcio...
2 iTartratooeutrodeammoniaco
ITu.f.utj umHlt (U ulilminin
3,
* 'Tartrat > acido de aluminio,]
od\ oucom potasso.
5 i Tartrato acido de ferr, t ou >
I com patassio.
FKacematos ...
I Acetatos, propiouaios, buty-
rafos, actatos, etc......
30 a 11
Je
[de{
potaaiio .. -I
sodio.,
calcio .
magnesio.
niUUliniO- -
ferro......
ninmoniaco
ISolpbatcs
Azota tos
Pbospbatos
Silicatos
iCbloretos
Brome tos
blatas
Fluoretcs
/ Carbnico (2 gratns. oo mais)
Trtrico, at 5 gram.......
Rm ce mico................
Ctrico...................
fanoico..................
Meiapectico...............
Actico...................
Lctico...................
Buiyrico..................
Waterieo..................
(Continua)
Ministerio da fustiga
Para o logar de juiz municipal e de or-
phaos dos termos rennidos de Cimbres e
Alagoa de Baixo, na provincia de Pernam-
buco, foi nomeado o bacharel Alfredo Se-
raphico de Assis Carvalho.
Ministerio da Mariana
Foi nomeado o capito-tenente Jos Por-
uro de Souza Lobo, para commandar a
canboneira Henrique Das.
Vai ser novamente submettido inspe :-
cao de saude o ex-imperial marinheiro M;i
noet Femandes do Nasoimento, que pede
adruissSo no Aszlo de Iavatfuos.
Foi nomeado Domingos Jos da Silva
Fortuna, para esorevente da caohoneira
Lamego.
O 2 tenente Lelo Amzalsk pedio e
obteve dernissSo do commando do reboca-
dor Ouarany, que se acha em servijo sa
nitario na liba Grande.
Foi exonerada, conforme requereu, Joo
Manoel Wammeyl do lugar de escrevente
Ja directora de construcc3es navaes do re-
ferido arsenal.
Foi Domeado professor de artilharia e
torpedos da escola pratca de artilbaria e
torpedos o Io tenente Benjamn Ribeiro de
Mello.
Ministerio da Guerrra
Foi nomeado o escrevente de directora
de machinas do arsenal de marinba da
provincia do Para Raymundo Nonato Adal-
to da Silva, para o lugar de amanuense
da secretara da inspecyao do mesmo arse
nal.
Ao commandante da escola militar da
cSrte declarou o Ministerio da Guerra que,
vista das ponderarles feitas pelo mesmo
commandante, fica sem effeito o aviso de
6 de Margo de 1885, que o autorisou a
mandar externar e desarranchar os offi
ciaes alumnos da -referida escola, que o
requnrerem, podendo entretanto tal per-
missSt ser dadas aos que forem casados e
tiverem aqui familias.
Mandou se trancar, de oonformidade
com o final do art. 143 do regulamento
de 17 de Janeiro de 1874, a matricula
com que frequenta as aulas do curso pro
paratorio annexo a essa escola o soldado
do corpa de alumnos Antonio Candido dos
Santos Silva e Mello, conforme propoz o
commandante da mesma escola.
--------,
toverno da provincia
EXPEDIENTE DO DA 18 DB JASEIBO DE 1887
Actos :
O presidente da provincia, nos termos do
art. 2 da lei n. 1883, de 2 de Dexembro de 1886,
resolve que das loteras a correr no presente ex-
ercicio, quinse pertencerao aos estabelecimentos
pios da Santa Casa de Misericordia do Becife, a
beneficio das quaes correrlo as quiltro primeirag,
e (as mais determinadamente com as seguales,
conforme a ordem em que to mencionadas :
1. Matriz de I'amb.
2.* Santissimo Sacramento da Boa Vista.
3.o Matriz da Gloria de Goit.
4.* Matriz de Itamb.
5. Matriz de Vivencia.
6 o Matriz de Itamb.
7.* Matriz de Ipojuca.
8. Matriz de Una do Rio Pormoso.
9. Matriz de Sernb&em.
10 o Club Litterario Caruaraense.
11." Matriz de Itamb.
12. Recolhimento de Iguarass.
13. Igreja de S. Pedro dos Clrigos.
14. Igreja de S. PantaleSo do Monteiro.
15. Matriz de Cabrob.
16 o Matriz de Pesqueira-
17.* Igreja dos Martyrios de Goyanna.
18." Matriz de Bom Jardim.
19.a Matriz de Itamb.
20 Oecolbimento da Glora.
21.' Igreja do Carmo a cargo da irmandade de
Nossa Senhora da Luz.
22.* Horario da Ba-Vista.
23 Mi.triz de g. Jos de Pedra Tapada.
24." Capella de S. -bastiao de Nasaretb.
25 Matriz de Taquaretinga.
26 Matriz de Agua Preta.
27.o Matriz de Leopoldina.
28. Matriz da Victoria.
29. Matriz de Aguas-Bellas.
30 Matriz de Quipap.
SI. Matriz da Varzva.
32 o Matriz do Poc > da Paneila.
33.* Matriz de Corrate?.
34. Matriz de Tacarat.
Remetteu-se copia ao thesour.-iro das loteras,
ao Thesouro Provincial e ao Dr. ebefe de polica.
O presidente da provincia, atteodeno ao
que requereu o bacharel Urbano Matnede de Al-
meida, bel do thesoureiro do Consulado Provincial,
e tendo em vista o attestado medieo exhibido e as
informacdes constantes do ofBcio n. 370, de 15 do
correte, do inspector do Thesouro Provincial, re-
solve prorogar por tres mezts, com metade do or-
denado, a licenca concedida por portara de 13 di
Outubro do anno pabsade, ao peticionario para
tratar de sua saude onde lbe convier.
| O presidente da provincia, attendendo 0 que
requereu o Dr. Jos Julio Feroandes Barros, aju
danta do inspector de saude do porto, resolve con-
ceder-lhe tres mezcj do licenca com ordenado na
forma da lei, para tratar de sua saude onde lee
convier.
O piesidente da provincia de conform'dade
com a proposta do Dr. ebefe de polica, em oficio
n. 23, de 12 do corrate, resolve ncmear para o
lugar vago de l*'8upplente do delegado de S. Jos
do Esypto, o cidailito Benedicto Mara Lima, ac-
tual subdelegado do districto de Santo Antonio das
Batatas, e para este cargo o cidado Agostinho
Ferreira da Silva.
Oficios :
Ao general commandante das armis.De-
claro a V. Eic, para os devido fins e em resposta
ao seo oficio n. 23, de 13 do carrate, que os dez
mil cartuchos desembalados, mndales fornveer
pelo Arsenal de Guerra, para o 2o batalbo de in-
fartara, poden ser eondu*>doa pela carroca a
cargo do mesmo batalbio do paiol da polvura da
Imberboru para o respectivo quartel. Coinmn -
nicou-se ao director de Arsenal de Guerra.
Ao mesmo.De&rindo o requenmeuto d.>
soldado do 14 batalho de iotantaria, Antonio
Florenthio Cavalcante, autoriso V. Exc, vista
da sua informac2o n. 29, de bon'em datada, a con-
cf-der-lhe bjixa do servico do exercito, mediante
substituto. }
Ao Dr. ch.e Je polica Verifique V. S. e
me informe qul o valor de urna mofina que publi-
ca o jornal Provincia, assegurando que figurara
cono eoganjados na 5* estaco da guarda cvica
individuos que nao sSo guardas e nao prestam
servicia de polica.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Sirva-se V. S. de mandar pagar aos interessados
os valores dos cinco escravos, constantes da rea-
cao junta, libertados no termo de Caruar, por
conta da 7* quota do fundo de emancipacSo, em
audiencia de 17 de Setttnbro do anno passadj.
Ao mesmoSirva-se V. S. de maadar pagar
a Joao Antonio de Lima o valor do escravo Anas-
tacio, conforme are!aco junta, libertado no termo
de Granito, por conta da 7' quota do fundo de
emanepacio em audiencia de 29 de Dezembro ul-
timo ; proeedendo ee a respeito da forma do art.
44 do regulamento de 13 de Novembro de 1872.
Ao mesmoCommunico a V. S., para os fins
convenientes, que o promotor publico da comarca
de Bom Jardim, bacharel Hersilio Lupercio de
Souza, en 10 do corrate, entrou nu goso de 20
das de licenca que lhe conced para tratar de sua
saude.
No dia 13 do referido mez assnmo o ejercicio
de promotor publico interino o bacharel Epitbacio
Lindojpho da Silva Pessoa, nomeado pelo respec-
tivo junde direito.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juiz munieipal do termo
de Bom Jardim, bacharel Vicente Pareira do Re-
g, em 3 do corrente reassumio o exercicio de seu
cargo.
Ao mesmo.Declaro a V. S., em resposta ac
seu oficio de 14 deste mes. n. 25, que convem
aguardar o augmento de crdito solicitado ao go-
verno geral para ter logar o pagamento da quan-
tia de 550 ao pratico Antonio Franciseo Pesta-
a, conforme* opina o contador d'essa Thesou-
raria.
Devolvo a esa inspectora o oficio do inspector
do Arsenal de Marinba a respeito do assumpto, o
qual acompanhou o que ora respondo.
Ao inspector do Thesouro Provincial.1%.
lei n. 1,883, de 20 de Dezembro do anno fiado.
mandou continuar em "igor, at que a Assembla
vote novo orcamento, o do exercicio de 188585
(lei n. 1,860 de-1885), prorogando assim os effei-
tos desse exercicio, o que fas tambera vigorar
quanto a certas autor'nacoes de naturesa transito-
ria o exercicio de 18841851 (lei n. 1810 de 18S4),
nos termos da lei a. 1524 de 22 de abril de 1881.
Pelo que, permanecendo m arta. 3. e 8. da le
n. 1,810 de 27 de Julho d 1884, mais urna ra-
zio para que Vmc na conveniencia da fiscalisa-
cao da renda e de accordo com as necessidades fi-
nanceiras da provincia e o pouco servico a que
est reduzido actualmente o Consulado, attenda
as reclamares que lbe fiz por portara de 27 do
al ludido mez de Dezembro, aprescutsndo-me um
projectp de reforma dessa reparticio.
a inspector geral da instrucelo publica.
Declaro a Vmc, que fica approvado o novo hora-
rio das aulas da Escola Normal, constante da ta*
bella anaex* ao seu oficio, a que respondo, de 15
do correte mez.
Ao director do Arsenal de Guerra.Recom-
mendo a Vmc, q'ie nos editaea chamando concur-
rentes para fornecimento de artigos que forem
precisos nesse Arsenal, declare que sero impro-
rogaveis os prazos estabelecidos nos respectivos
contractos, os quaes deverao ser razoaveis, afim
de evitar reclamacSes.
Ao mesmo. De?olvendo a Vmc. o incluso
podido, que acompanhou o sen oficio n. 827, de 18
Jo corrente, autoriso o a comprar administrativa-
mente os artigos no mesmo mencionados ; e bem
assim 12 bonets de servico interno para os apren-
dizes artfices nltimamente transferidos para a
companhia de operarios militares, urna ves que a
respectiva despeza nao exceda da quantia de....
58410!.', segundo o orcamento que veio annexo ao
citado oficio, vnto nio extirem taes artigos no
almoxarifado desse Arsenal e sarem elles de ur-
gente necessidade.Communicoa-se ao inspector
da Thesouraria de Fazenda. f
Ao mesmo.Declaro a Vmc, para os fins
convenientes, que, vista da sua iniormaejio n.
778, de 3 do corrente, conced aos negociantes
Rodrigo Carvslbo & C, conforme pediram, proro-
gacao do prazo qae obtivoram para entregar a
esse Arsenal 505",oO de fl nella que faltn para o
completo da seu contracto, sendo relevado da mu -
ta em que incorreram. Commuuicou se ao ins-
pector da Thesouraria de Fas inda.
Ao mesmo. Tendo em vista a iuformacio
de Vmc, de 17 do corrente, n. 826, sutoriso-o a
mandar fornecer a guarita que tom de ser eolio
cada no edificio onde actualmente funeciona a
Recebedoria de Rendas Geraes ; correndo a des-
peza por conta do Ministerio da Fazen&a.Coa-
municoa-se ao inspector da Thesouraria de Fa-
zenda.
Ao engenheiro chefe da Reparticio das Obras
Publicas.Para resolver sobre a fiscalisaclo da
lluminacao, convem que Vmc. me inforoce :
Se o regulamento pelo qual se regem os guar-
das aiuda o de 27 de Outubro de 1870.
Se nSo foram pelo menos alterados os districtos
de 4 para 10.
Se tem havido regularidade as partes diarias
dos guardas, e se fazem as declaracoes regula-
mentares (art 2.* e 3." do regulamento.)
Ao commandante do corpo de polica.Faga
Vmc destacar urna praca na barreira de Japa-
randuba, no termo de Palmares, conforme solicita
o Dr. chefe de polica. Commuuicou -se ao Dr.
chefe de polica.
Aojuiz de direito da comarca do Cabo.
Convem que Vine, informe se prestaran) juramea-
to, e em que detas, os ciJadaos nomeados para os
lugares de suplentes do juis municipal do termo
de Ipojuca.
Ao da comarca de Panellas. Transmiti a
Vac. a iueluj-i represeutacio documentada de
Mauocl Calixto de Souza, afim de que proceda
como entender de direito.
Aojuiz municipal e de orphSos do termo de
Caruar. Tendo autorisado boje o pagamento
dos valores dos escravos libertados netse termo
por conta da 7a quota do fundo de emancipacao,
em audiencia de 17 de Setembro do anno passa-
d, conforme a relacio em duplicata aunexa ao
oficio de Vmc., de 5 do corrate, declaro-lbe que
o saldo que passa 4 quota futura, deve ser......
115^575, incluido o de 14902 perteocentes a 6*
quota.
Ao do trma ds Granito.Tendo determina-
do hoje o pagamento do valor de um esciavo li-
berta Jo nesse termo por cinta da 7 quota de
fundo de emancipacSo, conforme a relacao em du-
plicata, aooexa ao oficio de Vmc. de 30 de De-
zrmbro ultimo; procedendo-se a respeito de con-
formidad com o art. 44 de regulamento de 13 de
Novembro de 1872, declaro-lhe que deve accres-
cer i queta futura o saldo de 8 ris.
Portariis :
Determino a Cmara Municipal de Igiar.iss
que expeci communieacao aos juize.s de pas e d
as demais providencias do estylo, afim de que se
pro -eda nesse municipio, no da 25 de Fevereiro
prximo vindouro, eleicao para precnebimento
da vaga do fallec lo capitao Manoel Lourenco de
Lima Sobricbo, que fra eleito vereador para o
quatrienni) de 1887 1890.
Deto'rmioo Cmara Municipal de Panellas
que d as ptovdeueias do estylo afim de que se
proceda nesse municipio, no dia 28 de Fevereiro
prximo vindouro, & eleicSo para vereadores e jui
zea de p-.z, que deixou de ter lugsr no dia 1 de
Julbo do anno pasando, pelos motivos expostos no
oficio que a esta presidencia dirigi na mesma
data a respectiva mesa eleitoral.
O Sr. agente da Companhia Brasileira de
Naegac.Jo fa lanho, por coutt do Miniserio da Marinba, no
vapor esperado do sul. o 1* tenante Henrqae
Christiauo Braune, que para all segu, em virtu-
d de ordem do quirtel general de marinha, afim
de aasumir o commaudo da caahoneira Guarany.
Commuuicou-se ao commandante da escola de
aprendises msriaheiros.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagons de r, at Aracaty, no va-
por que segu A&ra o norte a 20 do corrente, a
Honorina AyreL de Almeida Freitas e Virginia
Ayres de Almeiia Freitas, por cont das gratu -
tas a que o govdrno tem direito.
O Sr. engenheiro em chefe do prelongamen-
to da estrada de ferro do Recife ao S. Francisco
fi* transportar, por conta da provincia, desta
capital uidade da Victoria, o cabo de esquadra
JesquQi Agostinho de Barros, anspecada Fran-
cisco Jos Pereira e o soldado Manoel Antonio do
Nascimento, do 2" batalbo de infantaria, os quaes
para all seguis, em substituiclo do cabo de es-
quadra JSo Sabino Alves Preira e soldados Cae-
tano Pereira da Silva e Francisco Antonio de
Brito, que fazem partom do respectivo destaca-
mento, os quaes seguem par esta capital, tam-
bem por conta a provincia, sendo que o soldado
Francisco Antonio de Brito tras em sua compa-
nhia sua muher a tres filhos menores.
EXPKDirsiE DO 8ECBKTBI0
Oficios :
Ao 1* secretario da Assembla Legislativa
Provincial.De ordem do Exm. Sr presidente da
provincia transmiti a V. 3., afim de ser opportu-
namente submettidos cousideracao dessa Assem-
bla, o orcamento da receita e despeza para o
exercicio de 18JI1887 das Cmaras Municipaes
de Ipojuca, Pedra de Buique, Caruar, Victoria,
Timbaba e Iguarass, e o balanco do de 1885 a
1886 das referidas Cmaras e d?.s de Tacarat,
Taquaretinfa, Tfiumpho, Barreiros e Granito.
Ao promotor publico da comarca de Tacara-
t.S. Exc. o 8r. presidente da provincia manda
communicar a V. S., que fica inteirado do assnmp-
to de seu oficio de 1 do corrento.
Ao gerente da Companhia Bahiana. De
ordem do Esm. Sr. presidente da provincia acen-
so o recebiawnto "de oficio em que V S. partici-
pa, que o vapor Principe do Gr&o Para chegou
hoje da Baha e escala e regiessar no da 21 do
correte, s 4 horas da tarde.
XPBDIRBTB DO MA 19 DB JXHUBO DB 1887
Actos :
O presidente da provinci, attendendo ao qae
requereo o juiz de direito da comarca de Aguas
Bellas, bacharel GandiaoEudoxio do Brito, resol-
ve prorogar por trinta das, com o vencimento *a
que livsr direito, a licenca com que est o suppli-
cante, para tratar de sua saude.
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica era oficios
ns. 41 e 43, de 17 e 18 do corrente mez, resolve
exonerar Hyginio Pacheco de Quciroga, Julio Adol-
pho de Souza a Joao Felippa ery Napoleao dos
lugares de subdelegado, l. e 2. supplentes do l.
districto (Montes) do termo de Palmares, e nomear
para os referidos lugares de subdelegado, 1 e 2
supolentes, e de 3, qce se acha vago, os cidadSos
Alfonso Marinho Fatco, Venancio da Silva Santos,
Joao Firmiao de Oliveira e Jos Francisco de
Sousa Grande, na ordem em que vao collocados.
Outrosim, resolve nomear, em virtude dames-
ma proposta, o cidadio Jos Florencio de Oli-
veira para o Ingar de eobdelogado do districto de
Catende. no mesmo termo, em sobstitaioo de Jos
Alves de Souza que pedio demissio
O presidente da provincia, de conformidade
cora a proposta do Dr. ebefe de poticia em oficio
n. 43, de hoatcm datado, resolve exonerar o 2* e
3o supplentes do delegado do termo de Palmares
Adolpho Firmo ds O iveira e Miguel Rodovalbo de
Barros, e nomear para o lugar, vag >, de delegado
do mesmo termo o capitSo de Corpo de Polica
Jos Hemeterio da Paz Portella e pata o de 2* o
3 supplentes, na ordem em que vo collocados, os
cidados Joaquim Antonio Maia Antonio Beserra
da Silva Pereira.Communicou-se ao comman-
dante d Corpo de Polica a nomeacao do capito
Paz Portella.
O presidente da provincia, attendendo ao qu
requereu o Dr. Luis de Carvalbo Paes de Andrade
cnsul geral do Brasil, na Hespanhc, actualmente
no goso da licenca mista provincia, e tendo em
vista o exposto pela Thesouraria de Fazenda em
oficios de 12 e 18 do corrente, ns.21 e 38, resolve,
de accordo cora o decreto 2884 de 1 de Fevereiro
de 1862, abrir um crdito da importancia de.....
3734368 verb i-yLegscoes e Consuladosdo Mi-
nistro de Estrangeiros. exercicio vigente, afim de
ter lugar o pagamento do vencimento que cabe ao
aupplicante, relativo ao tempo decorrido de 1 de
Outubro ae oltiino de Dssnmbro do anno passado.
Remetteu-se copia do acto Thesouraria de
Fazenda.
O presidente da provincia attendendo ao que
requereu o escrivao de orphos, ausentes e anne-
xos do termo de Bom-Jardim, Joaquim Pacifico de
Arroda e Mello, e tendo em vista a informsclo do
juii de direito da comarca, rosolve conceder-lhe
tres mezes de licenca para tratar de sna eaude,
deveodo o peticionario entrar no goso da referida
licenc* no praso de vinte dias.Communicou-se
ao juiz de direito da comarca de Bom-Jaidim.
- O presidenteda provincia, deconfrmdadeco:n
o disposto no art. 263, 5, do regulamento annexo
ao decreto n. 9420 ds 28 de Abril de 1885, resolve
nomear Eneas Goncalves de Vasconcellos para
exerceros oficios do escri vao de orpbaos, ausen-
tes e annexes do termo de Bom-Jardim dnrante o
impedimento do respectivo serventuario vitalicio
Joaquim Pacifico de Arrnda e Mello, quo n'esta
data obteve tres mezes de licenca para tratar i de
sua saude.Communicou-se ao juiz de direito da
comarca de Bom-Jardim.
Oficios:
Ao 1* viee-presidente da provincia de Minas
Geraes, Dr. Antonio T.xeira de Souza Magalhios-
Pelo oficio, que respondo, de 3 da corrente mez,
fico sciente de no.ver V. Exc. no meima data assu-
mido a administracio da provincia, na qualidade
de 1 vice-presidente.Apresento a V. Exc. os
meus protestos de estima e consideracao.
Ao procurador da Corda, Soberana e Fazen-
da Nacional.Dgnese V. Exc. de emittir pare-
cer sobre o assumpto do oficio, aqui junto em
original, do 5* juiz substituto da comarca desta
capital. .
__Ao inspector da Thesoursna de Fazenda.
Teudo em vista o exposto por V, S. em oficio -de
boje, n. 40, antoriso-o a franquear a reparticSo a
seu cargo para o fim de ter lugar a vistora reque-
rida pelo bacharel U'ysses Vianna, na qualidade
de procurador do thesoureiro bacharel Eduardo de
Barres FalcSo de Lacerda.Officiou-se ao juiz dos
Feitos da Fazenda.
Ao mesmo.Remeti a V. S. para os devi-
dos effeitos, copia do aviso de 5 do corrente, n. |88
expedido pelo M'iist-rio do Imperio, autorisando o
augmento d 1604000, que o director da Faculdade
Direito solicit o, ufin de occorrsr ao pagamento,
mencionado no dito aviso. I
__ Ao mesmo. D V. S. suas ordens para
que o I" eseriptucano da Alfandega do Par,
Eutichio Mondim Pesua, recoiha-se a sua repasv
tico, conforme determinou o Ministerio da Fazen-
da nu a riso junto por copia, da 20 do mez prximo
issauu.
Ao mesmo. Fago constar a V. S., confor-
me recomraeudnu me o Miaisterio do Imperio em
aviso de 31 de Dezembro prximo passado, n. 36,
qne fica concedido pela verba Secretarias e Bi-
bliothecas das Faculdades de direitodo exercicio
de 1886 a 1887, o augmento de crdito de 5004,
que o director da Faculdade de Direito do Recife
solieitou, afim de occorrer as despezas relativas
consnacao daquella verba destinada adespe-
zas diversas extraordinarias, inclusive publica-
epes na Imprensa Nacional.
Ao mesmo.Para os devidos effoitos e em
addiumento ao meu oficio de hontcm, remetts a
V. S. copia do aviso expedido pelo Ministerio da
Marinba. em 30 de Dezembro prximo passado,
seb n. 1885, pelo qual autorisado o pagamento
da quantia de 5504000, ao pratico Antonio Fran-
cisco Pestaa.
Ao mesmo.Tendo em vista o exposto pelo
commandante das armas cm oficio do 13 do cor-
rente, n. 25, junto por copia, autoriso V. S. de
accordo com as disposicoes em vigor, a mandar
lavrar contracto com Francisco Ferreira Borges,
de arrendamento de seu predio ra, de Luis do
Reg pela quantia do 1:5004000 annuaes, afim
de nelle fu accionar o quartel general do alludido
commando Communicou-se ao commandante das
armas.
Ao mesmo. NSo tendo sido regularmente
prestadas por intermedio dessa Thesouraria as in-
formaces exigidas dos colleetores das rendas ge-
raes em meu oficio de 18 de Dezembro ultimo,
nem prestando-se aos intuitos desta presidencia
as puncas informago >s remettidas at agora, visto
que por ellas nao se pode conhecer o numero, sexo
e idade dos escravos quo attingirsm idade de
60 a 65 at 31 de Dezembro de* 1885, nem dos
que ficaram compreheodidos nessa condico aos tri-
mestres s bsequeutes, at 31 de Dezembro ultimo,
sirva-se V. S. de erigir terminantemente dos
mesmos colleetores a rem -ssa urgente de taes in-
formacoes. pelo modo explicado; fazendo organisar
nessa Thesouraria um mappa de todas os munici
pios com essas declaracoes, e remettendo-o a esta
presidencia ateo dia 26 de Fevereiro prximo, com
as notas parciaes que forem enviadas.
Ao inspector de Thesouro Provincial.A'
vista do que expoe o engenheiro ebefe da reparti-
cSo das obras publicas, em oficio de 9 de Dezcmo
bro ultimo, sob n. 224, declaro a VniC. em addi-
tamento ao oficio do secretario desta presidencia
de 3 do corrente, que approvo a arrematacao feita
por Francisco Candido de Medeiros para execucSo
da obra de reconstruccao da ponte sobre o re Pi-
rapama, no engenho Junqueira, com o abate de
14 % sobre o orcamento de 7:5004000, conforme
consta de seu oficio n. 254, de 11 de Novembro
do anno passado.Communicou-se ao engenhei-
ro chefe da reparticSo das obras publicas.
Ao mesmo.Informe Vmc. com a possivel
brevidade si foi assignado, e em que data, o con-
tracto a que se obrigou o commendador Jas da
Silva Loyo Jnior pela portara de 23 de Junho
do anno passado.
Ao director do Arsenal de Guerra.Mande
Vmc. satisfazer na forma das disposicoes cm vi-
gor, o incluso pedido de urna blusa de panno fino
com devisa de galSo, que para seu uso faz o al-
feres do 2- batalhio de infantaria Francisco Je-
ronymo Lopes Pereira. Communicou-se ao bri-
gadeiro commandan'e das armas e ao inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Ao engenheiro director da reparticSu das
obras publicas.A vista do que Vmc. expoe em
oficio de 8 do corrente, gob n. 2, approvo os or
(amentos para execucao dos reparos precisos as
pontea de Iguarass, Araripe de Baixo, na estra-
da do norte e Carvalhos sobre o rio JaboatSo, o
primeiro na importancia de 1:6694800, o segundo
na de 2.-6954286 e o ultimo na de 670*000, e au-
toriso-o a mandar chamar concurrentes a taes
obras nos termos das intrueces de 30 de Agosto
de 1875.Communicou-se ao,inspector do Theseu-
ro Provincial-
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
Declaro a Vmc, para os fins convenientes, que,
segnndo declarou o Ministerio da Agricultura,
Commerch e Obras Publieas, no aviso de 4 do
corrente sob n. 2, o Goveruo Imperial nao tem
competencia para conceder prorogacSo de 5 an-
uos, pedida pela directora dessa Companhia, a
contar de 28 de Setembro de 1883, data em que
lindara o praso da duracio desta.
r Ao engenheiro chefe do prolongamiento da
estrada de ferro do Recife ao S. Francisco.Sir-
va-se Vmc de informar, com a possivel brevidade,
acerca da inclusa proposta apresentads, em vir-
tude da lei n. 1,871, de 31 de Maio do anno pas-
sado e do edital de 3 de Novembro ultimo, para
construccSo de urna estrada de ferro, que, partndo
de Canbtinho ou Poco do Coelho, v terminar em
Bom Conselho.
A' Cmara Municipal do Rcife.Com a co-
pia inclusa da informacSo n. 9, de 17 do corrente
do engenheiro chefe da repartica o das Obras Pu-
blicas, respondo ao oficio que a Cmara Municipal
do Recife dirigime em 22 de de Dezembro de
anno passado, relativo licenc i requerida pelo Dr.
Malaqnias Antonio Goncalves e Joao Jos Rodri-
gues Mendes para a reconstrucgS dos muros da
frente de suas casas em Ponte da Ucha.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande por disposigSo do Dr. Caetano GuimarSes'
de Si Pereira urna passagem de r, do porto desta
cidade ao de Mosaor, por coata das gratuitas a
qae u goveruo tem direito."
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande por a disposicSo do Dr. JoSo Baptista Gi-
tiraoa urna pasBagem de r, do porto de Maco ao
desta cidade. por conta das gratuitas a que o go-
veruo tem direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande conceder passagem de r at a Parahyba a
Domingos Dias Vieira de Mello, por conta das gra-
tuitas a que o goveroo tem direito, no vapor que
segu amanbS para o norte.
EXFBDIBim DO SECBETBIO
Oficios :
Ao 1* secretario da Assembla Legislativa
Provincial.Da ordem do Exm. Sr. presidente da
provincia transmiti V. 8., para os fins conve-
nientes, o bataneo da receita e despesa do exer-
cicio de 1885 a 1886 e o orcamento para o de 1887
a 1888 da Cmara Municipal de'Ingazeira.
Ao agente da Companhia Brasileira de Na
vegacao a Vapor.Da ordem do Exm Sr. presi-
dente da provincia acenso o recebimento do oficio
em que V. Exc. participa que o vapor Para che-
gon dos pnrtos do sui hoje e seguir para os do
norte amanbS s 4 horas da tarde.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda re-
metter a V S. quatro ordens do Thesouro Nacio-
nal de ns. 271 a 274 ; e bem assim urna portara
do Ministerio da Fazenda de 8 do correte, con -
cedendo 3 meses de licenca ao 3" escripturario
dessa Thesouraria JoSo Vicente da Silva Costa
Jnior.
Ao mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
vincia mand-t remetter a V. S. a inclusa ordem do
Ministerio da Guerra de 5 do corrente mez.
Ao commandante do corpo de polica.De
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia com-
munico a V. S, para os fias convenientes e em
additamento au meu oficio de 3 do corrente, que
no requenmeuto de Diogo Augusto dos Res, pe-
dindo reconsiderado do despacho d'aquela dala,
foi boj* proferido este outro :
Nao ha motivo superveniente quo autoriso a
reforma do despacho ja dado a 3 do crreme mez.
Igual ao inspector do Tbesouru Provincial.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro de
Caxang. ) Exm. Sr. presidente da provincia
manda remetter a V. S. 163 p->sses impresa >s gra-
tuitos em pagamento da i 37 p-issagens de 1 classe
e 126 de 2a, concedidas ,>or diversas autoridades
policiaes durante o mez de Novembro do anuo pas-
sado n,s cairos dessa estrada de ferro, segando os
documentos apresentados com o seu oficio de 11
do corrente aeb n. 151.
Ao mesmo De ordem do Exm. Sr. presidente
da provtnoia acenso a recebimento do oficio de 11
do corrente, sob o. 150. cora o qual V. S. remetteu,
em sumprimento do disposto no accordo de 20 de
Janeiro de 1877, 3,000 passes impressos gratuitas
dessa estrada de ferro.
Ao engenheiro Alvaro de Mello Continuo de
Vitlena.O Exm. Sr. presidente da provin ia
da acemar o recebimento do oficio de hontem
em que V. S. communica haver n'aquella>dsta
assumido ovexercicio do cargo de engenheiro chefe
do districto telegraphico de Bai reros a Mossor.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 16 DE
FEVEREIRO DE 1887
Antonio Cordeiro de Medeiros. Re-
queira a Thesouraria de Fazenda.
Bernardino Sotero dos Santos. Diga
que emprego exerce.
Tenente Jo2o Barbosa de Souza. Pas-
ee portara nooieando o supplicante.
Tenente Jos Victoriano de Vasconcellos
e Leonardo Antonio do Espirito Santo
Porto. Prejudicado quanto a nomeacio
provisoria.
Bacharel Lydio Alerano Bandeira da
Mello. Certinque-8e.
Manoel Jeronymo da Costa Ucboa.
Informe o Sr. iaspector do Thesouro Pro-
vincial.
Vctor Vieira de Mello. Infor.ne o Sr.
juiz municipal do termo de Nazareth.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 17 de Fevereiro de 1887.
O port* iro,
Francelino Chacn.
N. 87. Quartel general do commanlo
das armas de Pernambuco 15 de Feverei-
ro de 1887. Illm. e Exm. Sr. O facto
publicado hoje na revista do Diario de Per
nambuco, verdico, segundo informa o
coronel commandante do 14 batalbEo de
infantaria, e o soldado Manoel Francisco
da Costa 'desse batalhSo foi preso e reco-
ihid a enfermara militar para ser tratado
por se achar ferido. Logo que tenha alta
ser convenientemente castigado.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo digno
prest Jenje desta .provincia. O brigadeiro
Jas Ciar indo de Queiroz
Repartico da Polica
Secao 2.'N. 159.Secretaria da Po
licia de Pernambuco, 47 de Fevereiro de
1837.-Illm. e Exm. Sr.Participo a
V. Exc. que foram hontem recolbidos
Casa de De-tencjio os seguintes individuos :
A' minha ordem, Bellarmina Maria do
Espirito-Santo, como alienada remtala
pelo subdelegado do Peres, at que tenha
o conveniente destino.
A' ordem do subdelegado da Magdale-
na, Joao da Silva por disturbios.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Aie7e^ ""lito
digno presidente da provincia. O chefe
de polica, Antonio Domingos Pinto.
Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DIA 17 DE FEVERK1K0 DE
1887
Antonio Goncalves Ferreira Cascao.
O conhecimento exhibido nao satisfaz a
exigencia por nao ser o do ultimo semestre
pago.
Ordem 3. de S. Francisco.Ao Sr. the-
soureiro para os devidos fins.
Ctfuimendador Jos Candido de Morara.
Deferido, tomando-se por termo a fianza
offarecida.
Dr. Francisco Oorreia Lima Sobrinho,
Elpidio Valeriano Pereira de Oliveira,
Edawiges Amalia Cavalcante de Albuquer-
que, Jos Elias de Oliveira e JoSo K-mps
Jnior.Informe o Sr. contador.
Joviniano Jos SimSes. Fajara se as
notas da portara de licenca.
Anastaco Costa & C-Deferido, ficao-
do irresponsaveis os suppli antes pelo de-
bito anterior do estabeleciraento n. 1 a ra
do Cabug, visto provarem nao succeder
no mesmo estabeleciraento.
Justino Epaminondas da AssumpcSo
Neves.Certifique-se.
Maria do Livramento Nonato.Informe
o Sr. pagador.
Miranolina Maria do Espirito-SantJ.
Deferido, ficando isenta da decima a casa
n. 27 a ra de Motoeolomb, visto echar-
se nos condic3es da lei n. 1,544 no corren-
te exercicio.
Idalino Izidro da Costa Vieira.Satis-
faja a exigencia.
Maria Joaquina da ConoeigSo. Date-
rido, sendo alienada da contribuirlo judi-
ciaria a casa n. 81 a Estrada Nova de
Afogados, a vist* da isemprjao do lancador
Soriano em 24 de Janeiro ultimo o de ac-
cordo com a lei n. 1,544.
Viuva de Jos da CooceijSo Oliveira F-
gueiredo.Ao Sr. contador para attender.
Joviniano Jos SimSes. Facara-se as
notas da portarla de licerca.
Contas dos colleetores da scada, Pao
d'Alho e de Banito. Approvalas.
Gracilino Octavio da Cruz Martins e
Dr. Francisco Oorreia Lima Sobrinho.
Haja vista o Sr. Dr procarador fiscal.
OfBcio do Dr. procurador dos feitos.
Informe o Sr. Dr. administrador1 do Con-
sulado.
Epiphanio de Luna Frelrt.Registre se
e facam se as notas.

W
>
1


*:,



DIARIO D PERMISO
RECIFE, 18 DE FEVERrT.IRO DE 1S87
Noticias do Sul do Imperio
O paquete nacional Pernambuco, .arado-non-
tem do sul, trouxo as seguintes imticias :
Min.ii erari
Datas at 7 de Fevereiro :
Sobre o essass'ioatj commettido naa cercanas
da cidade da Vargiofi, nn pes>o do fascucUiro
Jos Antonio Peuha d. Andrade, d o Mw m-
Minciro as seguintes iuformacoes :
Fenba retrava-se pnra su, casi e%^T**3*r*?,
diante de urna cruz que xistia i b^rda ^JU3S
nho, tirara seu chaple cm-cir i ro:nr. FoW
nesse momento qne lhe drsfetharaiu o tiro, eapan-
tando-se o animal, inaj au cahiudo o caVafciro.
Ainda a victima po i- Wguit para a sua faaeaia


I

I

li----- B^B*
qoe en milito perto, mu, abi chegando, nSo poJe
por si t deecer do animal.
Uma ccrava o aoxiliou, e o bom do homem,
querendo poupar a m consorte > magoa prove-
niente do grav>Mao*cceso do que fr victi-
ma, por se lembrar qoe ella tamb -m esta va doen-
te disse-ibe qoe sen animal hayia se espantado,
lancando-o subre eapiobeiros que bastante o ba-
VisiB fe r i do.
Naturalmente desasoeegada, a respeitavel se-
nhora qois ver o feriinento, e dsprsaaa conven -
oea-se da triste reaiida.de. Kecorreu-se ao me-
dico do lagar, e Pean pedio instantemente > via-
da do digno e illasKwigaas da Vargians, Rva.
padre Aureliano Daosato sWasilero, typo de vir-
tudes, piedade e caosatter, qae sem demora o soe-
corren. A sciunci, sao pode, porm, salvar a
preciosa vida de Puwta, qoe morreu tranquillo,
duendo ignorar que sha aera aquella grave of-
fens, e que se estivasae em ana* ataos perdoaria
ao assassino, pois qoe nao desejava que lguem
aoffresae por sua causa.
Vendo morto o dilecto companbeiro de sua vida
a extremosa esposa de Penha, libertando por tes-
tamento todos os escravos que possuia, d-.-ix.n-se
dominar pela inais pungente magoa e dolorosa
tristes e, recusando alimentar se, sobreviven
apenas oito di s qaelle qne constitua sua felici-
dade na trra e certamente foi com elle reunir-se
no co.
A polica da Yarginha de*envoleu a mais
louvvel actividade para a descoberta dos autores
Oeite crime, e para auxilial-a neete intuito veio de
Tres Puntas para all o inteiligente e aeloso pro-
motor publico da comarca 8r. alteres Custodio
Vieira de Brito, qoe nio poupou-se a trabalhos
para conbecer os criminosos.
Estes esforcos combinados deram o melhor re-
saltado, sendo presos o mandante o mandatarios,
Manjt-1 Joaquim, Quintte e Lobo, estando-se pro
eedendo a rigoroso inqaerito, do qa d j consta
que Lobo foi quera matn o inielis Penha, para
r ganhar 1200 !
*Jk Di o mesmo jornal qae na freguezia da
Varginha graasam febres de mo carcter, qae
tem feito mnitas victimas, febrea qne os faculta-
tivos do lagar anda nao poderam perieitaaoente
classificar, julgaudo-as o povo como sendo moles-
tias nova ou modernas
O Sr. Jos Teixeira de Beirelles requeren
ao goverao proviocial privilegio por 50 annos,
aem garanta de juros, para ama liaba de 6 nds
de traccao animada, que, partindo da establo ie
Contendas, na Minas e Rio, v as aguas de Con-
tendas, a ponco mais de legua da estacio, e bem
assim isencio de direitoa provincias* sobre o
transporte dos materiaes aecessaros aquella li-
nha.
__ O Sr. Herculano Maia fundn ns fazenda d-1
Sabamaaia, em S. Joio d'EI-Rei, ama fabrica
para preparo de manteiga e queijos, tendo eio
acquisicio de machinas, que habilitam por pro-
cesaos modernos a produsir, nesta especie de in-
dustria, que pode rivalisar com o melhor e mais
apreciavel importado do estrangeiro.
8. Paulo
Datas at 9 de Fevereico :
O Sr. Andr Montenegro deecobrio em terrenos
do municipio de Casa Branca, urna fonta de pe-
trleo, podendo remecer 25 garrafas por hora.
__ Da o Diario Popular que acbam-se eon-
oluidos os estados para o tracado da va-terrea qae
deve ligar a eatacio de Mogyguass cidade do
Espirito-Santa do Pinbal.
Segando o projeeto organisado pelo Dr. Qr-
cia Redondo, engenheiro encarregado desse traba-
Ibo, a estrada fiear com urna extensio de 38* 700,
atravessando cm quasi toda a ana extenso terre-
nos fertilissimos e de grande cultura.
A estrada ser de bitola de nm matro entre
trilhos e custar apenas 600:0000 iocluntavse
nesta quantia o cnsto do preparo do Ieito e saper
stractura, obra de arte, estacoes e material ro-
dante.
Segundo a estatistica minuciosamente orga
nisada pelo engenheiro Garca Redondo oe produc-
tos de exportaejo da zona interessada pela estra-
da attingem j a 385,000 arrobas, avultando prin-
cipalmente o caf, e os productos de importaeio
gobem a 150,000 arrobas, o que prefaz um total de
535,0X) arrobas com qaeJdede j conta a estrada
para o sen trafego.
A julgar por estes dados, alias positivos e v*r
dadeiros, a estrada deve produzir, logo no seu pri
meiro anno de trafego, urna renda brota superior a
100:030*, e sendo a sua despeza calculada em
pouco mais de 50:0000, segne-se que a receita
dever attingir a quasi 50:0000, o que promette
um juro de cerca de 8/0 sobre o capital a empre-
gar.
a Pelos dados que temos vista, de presumir
que se a linha estiver concluida em 1888, a tempo
de aproveitar a grande safra de caf que se pre-
para para essa poca, a sua renda seja muito su-
perior calculada.
* Neste intuito os concessionarios desta via-fer-
re* esli tratando de organisar com toda a pres-
teza a companhia que tem de levar a effeito a
construecio da linha.
Consta-nos que no Espirito Santo, no Pinbal,
j se acba subscripto maia de metade do capital
preciso, e tudo leva a crer, viste das vantagens
qae cff reec a empresa, que dentro en> pouco es-
teiam tomadas tedas as acc3e9.
Rio de Janeiro
Dates at 10 de Fevereiro :
De Campo i havia datas de 8 :
No domiupo (6), entre 11 horas e meio-di*,
lancaram fogo em um cannavial da Fazenda
Velha, do Sr. Francisco Feneira Saturnino Bra-
ga. ,
Reconbeee-se que o fogo foi priraeiro ateado no
bordo da estrada, e sem duvida por nio se ter
propagado prom pamente, lancaram de novo no pro-
pno cannavial.
Logo que o o incendio foi visto por gente da te-
znda, tocn se rebate e acudi toda a vizinhanca
em numero de cerca de 500 petsaa, que em pouco
teicpo extinguiram o incendio.
O prejuizo calculado em cerca de 2:0000000.
O Sr. Dr. chefe de polica foi ao lugar do lucea-
dio e abri inquerito.
__ A' note soube-se na cidade que fSra lanca-
do fogo em outrs fasenda, mas nao bavia ainda
informaces precisas desse cutro incendio.
Foi encontrado boisndo no rio Parahyba, em
frente cidade de S. Fidelis, o cadver de um
ind viduo de cor branca, que nio foi reconhecido,
o qual apresentava sigoaes de facadaB no peito e
no pescoo ,
Suppo -se que o individuo, depois de ter sido
assassinado, lora laucado ao rio.
A polica procede indagaees.
__Diz nm dos jornaes dessa cidade qne o ca-
dver de Jeronymo Braga, que foi assaasinade
e atirado ao rio.
No dia 7, s 5 horas da tarde, na roa do
Mafra, em casa do Sr. Manoel Antonio Corri,
tres enancas que se achavam brincando no quintal
da casa, cabiram em um poco de 25 palmos de
profundidade, que estava secco, ficando sement
urna dellas, de 11/2 annos de idade, com nm braco
destocado.
As gritos das criancas acudiram as pessoaa da
casa e da vizinhanca, que as retiraram do poco.
_ No mesmo dia, s 9 horas e 30 minutos da
manh, no eseripterie do Vinte e Cinco de Marco,
querendo o Sr. Jnlio Armonde por no dercanco o
gatilho de urna garrucha, qaando o abaixava, a ar
madisparouea carga de chambo foi cravar-so
nuasi toda no lado direito da cabeca do Sr. Adal
pho Peretra Porto, que pequea distancia es-
teva assentado junto a ama mesa.
Os ferimentos forara considerados leves, porm
Eusceptiveis de se tornarem graves-
O Sr. Dr. chrfe de polica, qae compareceu no
lugar fez tomar a declaracio do Sr. Porto /de
que o'facto fra paramente casual e independente
da vontale do 8r. Armonde, qne sea amigo in-
timo. .
__ Foi publicado o segninte plano para as lote-
as eeraesEm urna so extraccio :
Capital i2O:U00fO00 em 12.000 bilhete de
100000 cada nm, divididos em decirnos.
Premios :
1-premio de................. 30.O0C/000
i dito de................... 10:000001-0
i dito de................... 5:0000000
lditode................... 2:000#000
9 ditos de....... 1:0000000 2:0000000
4 ditos de....... 600*000 2:0000000
10 ditos de....... 2000000 2:0000.00
0 ditos der...... 1000000 2:0000000
137 ditos de...... 4O0UOO 6:4800000
?200 ditos para todas
a dezeaas cojo
Itimo algans-
no terminar na-
qnelleem que sa-
bir o premio de
30:0000, a..... 100000 12:0000000
1.200 ditos idem cojo
ultimo algaris-
ato terminar na-
Diario i* s'ernambneoSexta-lcira 18 de Pevcreiro de 1887
qunlle em qoe
sahir o prenio
de 10:0000, a.,
approxim coes
para o premio de
30:0000.......
ditas para o de
10.0001....... OO0OOO
100000 12:0000000
4000000' 8000000
4000000
85:6800000
2.581
9.419 bilhete braaaoa
DvspezM :
ImpoatooVK/. 18.000*000
Sello de 12.000
Uatataf 150
r..........
Addtcioaal d e
5'/..........
BesMfcia liqui-
do : 10 /. da
120:000|ea so-
bra de3O:O;O0. 12:0000000
Comm issio e
despeaas/.... 2:4000000 34:3200000
1:8000600
900000
12.000 bilhetes a 100000.........12O:OO0OOU
fcMa
Datas at 14 da Fevereiro :
Aa toibas desta provincia nada referem digao
de interesse.
Alanos*
Datas at 16 dn Fevereiro :
Lemoa no Trabalho:
Pessoa fidedigoa informa-nos que no lugar
Gaaribasdo termo de Sant'Anna do Ipaoeum,
indo o inspector de quarteirio prender a um en -
miaofo, este resistir viva forca, e nesse acto
disparara ama pistola contra Agistinbo Jjs Soa-
res, matando-o instantneamente.
O criminoso toi eaptarado e acba se recolhido
cadeia daqaella villa. Este e ontros factos desta
natnreza reclamam do governo o augmento da
forca publica nesses logares onde os criminosos
andueioM mente traositam, sem regp 'ito s leis e
s autoridades.
A provincia se acha, verdade, braoos com
urna seria cnse financeira, mas manda o patriotis-
mo que facamos um sacrificio heroico.
L-se no mesmo jornal :
ltimamente as proximidades da povoaco
de Entre- Monta, neste municipio, Olympio Cidrio
assaaaiooa brbaramente, para roubar, nm atei-
jado que por aquellas parageas andava esmo-
lando.
< Quando o aleij ido sahio da casa onde se
acbava ho podado, Cidrao o atalbou por urna ve-
reda, e encontrando-o adiaate descarregou sobre o
infeliz doaa tremendas cacetedas que produxiram
a morte imm .diatamente.
Todo o dinbeiro que conduzia o aleijado era
tres mil e teatos ris.
. Cidrao foi preso pelo subdelegado daquelle
distncto e acba-se actualmente n>t cadeia desta
cidade.
< O assassino, em anta de perguntas, cmfessou
o crime com todo cynismo e horrorosas peripecias.
Conta aerem cumplicea no crime mais um homem
e duas mulheres.
A' justica compete fazer descarregar as penas
da lei sobre tao horrorosas fras. *
mam
Viaruu Frrea do Eatado
(Jornal do Commero, da corte, de o de Fevereiro)
Dos 7,300 kilmetros qae constitnem a r le da
nossa viacio frrea em trafago, pertencem 1,900 ao
Estado, que os administra e custea, represeatando
agor esta propriedade nao menos 160000:0000, a
levarmos em conta o capital eropregado dorante o
ultimo anne na ccastruceo de trechos ainda ni>
entregues so transito publico. Mais oa menos ap-
proximados reterem-S'i estes algansmos o estado
de conaas actual. Ha um anno eram esses os da-
dos officiaes que importa ad nosso intuito repro-
duzir.
Tal era entio a totalidade da viacio frrea no
Brasil.
Era trafego............ 7,062k,l 75m
Em construccao adiantada 2.267k,628m
Concessoes e estudos..... 6,06lk,44lm
Total............... 14,39lk,244m
O grupo das linhas construidas e custeiadas pelo
Estado era o seguinte :
Linhat
Batnrit e ramaes.
Camocim a Sobral.
Palmares S Francisco
Recife a Caruai.
Paula Affinso. .
Alagoinbas ajoazeiro.
D. Pedro II .
Rio do Ouro
Taquary a Cacequi .
Totees.
109.482
128.920
103.000
38.000
115.853
190.568
724.908
34.541
261.847
i
I
f
6.519:
2.464;
7.326:
5 910
6.000
10.052:
95.651
887:
18.000
244*814
904*205
837*384
973*174
00 0OOO
4020103
6510014
3640911
:OOO0OOO
. 1,717119 152.813:377 490^
3
5
tn.
if
li
o
5"
S c
B c


s
ce
99
-n.S
5 s
I!
a. .
3 (i
n
e

ce-
a
r.
fe
ca ta
co I to "--io-
i oocoetao<
: -1 S CX
ca o ce
Si -a -> a> cp so
, *. co ce co
d I tO CJ ZD *^
i ve-e..
to I o *. I O O
o i to o cj ot co
Knaoioc
a ce co
c. J
.
C7< -c:
^-
O cace
2
ce co to "-"

fv ic te ^ v
KCtS-O
S t CO --1
ce o -^
SfcfcB""
to ce os u1
* o o ta
o; H*tO
*~V.
~-. Co 45
:v i
*- -j a
4 -i ce
ti -ico
a S3
'S "- CO
4
CO

se
05
to
C-:
*
CO

H; i O ti tt
w
c-. X
ce te
ii -a ito
c-. -1 *.
o*.

5
Considerando qoe, em geral, nao vem de longa
date o trafego da mor parte destes linhas, bem
como que o Estado-industrialista ou o Estado-em-
presario nio usufrue tio lmente das suas empre-
sa* >- receita directa, nada inquietadora a apre-
ciacio dos algarism-8 supramencionados, tanto
mais que algomaa das mesesas linhas, nio havendo
attingido o sea ponto terminal, devem de ser tidas
como inacabadas cu como empresas ainda nio de-
finitivamente constituidas. Ha comtudo que dis-
criminar nertes dados. A porcentagem de 8 1/2
sobre o capitel presumidamente empregado as li-
nhas determinada pela renda liquida da estrada
de ferro D. Pedro II, a qual eoaenrre para aquelle
resoltado com a sua especial porcentagem de 7 /,
mais oa menos-
Di'du si dos os elementos referentes a este nossa
grande linha (cuja receita para merecer do Es-
tado desvelada attencio), teremos os segoiates re-
sultados em relacio a todas as ontras vas frreas
aena mencionadas :
Receita.......l.O83:9140S38
Despeas.......1.671:1640431
Dejuzt........687:249*803
sendo de 57.161:7260891 oaapital effeetivamente
einprstjlii neste grupo de estradas.
<7vMr|e 8 1/2, pois, apparente. Se exceptn-
armos do computo a estrada de fer o D. Pedro II,
de grande percurso, ha longos annos aberta ao tra-
fego, ramificada por diversas linhas que u'ella en-
troncara, e lancada em boa parte ao travs de sonas
das mais productoras do Imperio, teremos qae o
Eatado custea cercado 1,000 kilmetros de viacio
frrea (ou, precisamente, 992k211) com o sacrificio
annual di 587:2190893, sem contar tfjuro do ca-
pital eropregado caja procedencia acharemos nos
nprestiosos Matoa e internos, repetidos a ioter-
mllos tao eurtot. Ente ra smo as-irifici"- nio ainda
que raaliaeaae tu* o Estado, porque, a despeito
da constanracao mais zeloaa, ho de exigir as li-
abas, alaaaaaa veaaa, obra*extraordinarias e reno-
o o saaajBrento anais oa menos consideravel do
irialMasne, qae vira aggravar o defitit de
mst, dissaasat a principia, que o Etado-
emprezario nao usufrue das suas empresas tio s-
mente a receita qoe chamaremos palpavel.ou aquella
que se tradui em saldos demonstrados por alga-
nsmos Fomentando mais ou menos enrgicamente,
ou mais ou menos lentamente, a expansio das for-
cas productoras, a viacio terrea multiplica por
variaisaiaios aspectos a materia tribatavel, ao
passo qae por outro lado poe na* ra do E-tado,
aoservicodosseusgran-ies i.iteresses, meioprompto
de transporte, o que muito effi-azmente Ihe faci-
lita a accio administrativa. Iiistrameato poderoso
de creacio e mobiliaaco da riqueca, a va terrea
irradia a sua influencia a todas a* espheras da
actividade, a todas as manisfestaces do trabalho,
a todo mecanismo da vida social. O que ella
economisa, no eustodo transporte o riqueza que se
accumula ao capital naci.mal; os bracos que ella
poupa sao forcaa que bao de convergir para ontras
oceupac '8 ; a promptidio que ella aseegura s
communicacoes, emquaoto as torna mais numero-
sas, evita p >r outro lado o esperdicio de tempo e
as consequentes dfspezns das longas viagens.
Apesar desta ineatimavel e multip'a receita in-
directa, da qual o Estado comparte por diversos
modos, ha razio para que se empregaem todos os
meios de impedir a continuHcio do sacrificio com
que estio pesando nos cofres angustiados do Esta-
do aquelles 1,000 kilmetros de viacio farrea. O
poder legislativo manrfestou preoecupacio por este
estado de eous- com o fim de determinar se coavir transferir a
emprezas particulares as estrada* de trro do Es-
tado. Governo, imprensa e opiniio, achamo-nos
todos de accordo na necessidade de tu io envidar
para que nos seja ponpadoou pelomunos attennado
aquelle onus, evitando-se ao mesmo tempo que este
mallogro, na apparencia exagerado, acarreto des-
costo e entibiameoto da iniciativa individual, em
se tratando de empresas de viacio farrea no Bra-
sil.
Tio pouco propensos a censura iuopportuna
quanto ao louvor importuno, praz-noa reconaecer
qoe neste ramo do servico tem pateoteiudo gran-
de zelo e perfeita orentacoo aetusl ministro da
agricultura pelas previdencias com que tem pro-
curado f.inentar o trafego das vas farreas do Es-
tado, mediante tarifas coadunadas s cireumstan-
cias peculiares de cada zona. era tudo est falto,
oem o ministro parece injpirar-se de conviccao
diversa. Os feus avisos desta especialidade, com-
mettendo aos direct res das estiada* a incumben-
cia de estudar e propor novas providencias recla-
mada* pelas condico s locaes, revelasa bem da par-
te do governo a comprebeusio nitida das difiieul-
dttdcs do objecto e da necassidade do retocar e
aperfeic >ar o systeraa at que o acert da previ-
sao seja demonstrado pelos factos.
Decorre deate ponsamento o aviso circular que
abaixo publicamos, e do qual se evidencia a firme
resolucio em qne se acha o governo de tornar ver-
dadeirameute uteis as estradas do Esiado. Verda
deirameute atis, dizemos, porque o duro rgimen
das tarifas por tanto temp) videntes nio permittio
at agora viacio aperfeicoada voncer a compe-
teaoia que lhe tm offerecide es meios rudimenta-
rio* de transporte.
Tal o aviso h que alludimos, ante-bontem ex-
pedido pelo ministerio da agricultura aos directo-
ras das vina frreas do Estado e aos fiacaes das li-
nhas subveucionadas e situadas as provincia do
norte :
Redusiodo a taxa dos fretes em algumas es-
tradas de ferro do norte do Imperio, pertencentes
ao Estado, a qual era superior de outras liabas
estebelecidas em regioesde mais importante com
memo, e maiores produccao e riqueza, o governo
imperial tsve vista nio s reparar injusta e pre-
judicial desigualdade mas tem sem acabar com a
concurrencia do tropeiro que tanto damuificava a
renda daquellas vas frreas.
Nao somante, porm, a qastio dos fretes,
em quanto nio for grande a sua diff renca que in-
flue nessas localidades para o desvio de moitos ge-
neros das zonas atravessadas pelas linhas e das
que ficam alera do ponto terminal deetas. Os inte-
reses ligados aos antigos meios de transporte ;
as formalidades peculiares do servico das vas ter-
reas ; as distancias a que as estacoes se acham,
muitas veses, dos povoad ,8, determinando aceres
cimo de despesa ; a falta de commissarios que se
encarreguem (como tazom muitas companbias que
por sua conta cu-teiam estradas de ferro) da re-
cepcio, despacho, fornecimento de saceos e at de
dinbeiro para pagamento dos fretes as estacoes
do interior ; a ignorancia dos export idores do cen-
tro a respeito das tarifas e meios de effectuar a
remessa dos seu9 productos ; a novidade do pro-
prio melhorumento ; tudo isto concorre de modo ef-
ficas para que sejam preferidos os antigos meios
de transporte como i cargueiro, apezar da igual-
dade dos fretes ou pequea difirenos contra el-
les, principalmente emquanto nio for augmentado
o percurso das linhas, com o que terio de tornar
se mais sensiveis e apreciaveis a economia do tem-
po, a regularidad-; dos transportes e outras vanta-
gens inherentes s estradas de ferro.
Convra, pois, eliminar os obstculos que por
tal modo se oppoem ao progresso da renda dessa
estrada, estudandoos loeosque possam ser empre-
gados com rselhor resultado, lncumbindoa Vm. des-
te estudo, recommeodo Lhe que se dirija aos cen-
tros de produccao e commercio das zonas servidas
por essa estrada, onde, conferencian iocom os prin-
cipad productores e commerciantes, Ibes demons-
trar as vantagens de se utilisarein da estrada de
preferencia aos outres meios de transporte 8dando-
Ib' s nota detalhada e expliettiva dos (retes dos g-
neros da localidaie, aesmpanhada de todos os es-
elarecimentos nccesnarios para melhor comprehen-
s j i das tarifas e instruccoes regulamenteres.
Igual procelimento ter cm relacio aos tropai-
ros que disponban de recursos e aos intermedia-
rios establecidos as estacoes da estrada, no in-
tuito de facilitarem as communicacoes dos produc-
tores e fasendeiros com os commerciantes do centro
exportador por ella servido.
Aqu 1 es principalmente, quando vera de Ion-
ge, tm interesse em chegar ao ponto exportador
ou de maior importancia commercial servido pela
estrada, ainda mesmo cora a demoradealgans das
de viagem, porque receb m o treta total dos g-
neros e alm disso all encontr&io quasi sempra
com ma>s facilidade cargas de iraportacio ou de
retorno, o qae nio obtm em geral na* estacos
da estrada, que assim duplamente prejudicada
com o desvio das mercadorias em ambos os sen-
tidos.
Pira attrahir o tr aporte das mere.dorias
aaaim d-aviadas da estrada sob sua direccio, au-
toriso Vmc. a conceder o abatimento de 10 % no
frete de* generes de exportacio, qnando despa-
chado* em quantidade maior de 500 kilogrammas,
e a dar urna passagem gratuita de 2> classe aos
qu'j acompanharem os meamos gneros.
Depois de estudar a materia com a attencio
que sua importancia reclama, apreaenter Vmc.
r-latorio m.nuci' so de tudo o qne tiver observado,
interpondo opiniio a respeito das reformas que
julgar neerssarias e devam aer adoptadas pelo go-
verao, e outrosim, noticia das industrias e pro-
duccio das localidades que percorrer, bem como
do clima, propriedades do solo, rgimen das aguas,
caminhos e outras circumstancias dignas de
nota.
< Dever o relatorio ser acompanhado de carta
da regiio, abrangendo todos os centros producto-
re*>da zona servida pela estrada.
Deu* guarde a Vmc. Antonio da Silva
Prado >.
PERNAMBUCG
Banco d Crdito Real de Per
BALANDO EM 31 DE DBZEMBBO DE 1886
Activo
Accionistas:
Pelas entradas a
realisar 4OOKWW000
~^_
; Ruraes 612:9000000
Urbanos 226:3000000
839:2000000
Valore* hypotbecado* :
Ruraes 1,308:8000000
Urbano* 385:3000 0 1,694:1000000
Letra* bypothecariaa :
Pelo valor 757 letras existente* em carteira a
perteocente ao Banco :
530 do lo w-) 53:0000300
mestre ',] serie
227 .2 vito) 22:7000060
Deposito Tadmi-
nistracio e ge-
rencia
Letras a teceber
Valora* eaaeiona-
dos
Movis e utensi-
lios
Dcspaza* d'iaatal-
lacio
Irapressoes e li -
vros
Caixa :
Oiub-iro existeute
no cofre do Ban-
co
75:7000000
16:0000000
32:0800010
4O:(X>0OOO
1:7880990
3:1500720
4:1560200
24:8540095
Pnaalvo
Capital:
Valor de 2,500
aecdes de 200* 500:0000000
Fondo de reserva:
10 % >bro.....
12:7050045,
conforme o art.
52 dos estatutos 1:2700504
Lacros suspenso* :
Saldo de lacros
nio distribuido*
no presente ba-
taneo 1:4340541
Emissio de letras hypothecariag :
Por 8,392 letras bypthecarias em circuacao :
5,177 do 1"
samestrei 517:7000000
3,215 do2
dito
l serie
321:5000030 839:2000000
Garantas de bypotbeas :
Ruraes 1,308:8000000
Urbanos |385:3OO0OOO 1,694:1000000
Cancio d'aminis-
tracio ,e geren-
cia 16:0000000
Ttulos em caucio :
Pelo valor de 40u
letras bypoteca-
ias de ns. 6276
a 6675 40:0000000
Letras bypothecarias norteadas :
Valor de 124 le-
tras resgitar
de Io e 'J sor-
teios 12:4000000
Premios de letras
hypotb-c ari a s
sorteadas 2CO0OOO
Juros de letras bypothecarias :
Pelo saldo dos ju-
ros contados at
hoje [16:2640500
Dividendos: j*
Pelo 1 a distri-
buir na razio di>.
10 /. ou 40000
por accio 10:0000000
Amortiaacdes :
Pelo saldo desta
conta 790460
8,130:9490005
8. E. 4c O.
Ternambaco, 31 de Desembro de 1886,
Os administradores,
Manoel Jacio de Amorim.
Jos da Silva layo Jnior.
Luiz Uaprat.
Transferencia de accoes
Foram tcansferdas durante o anno bsneario,
355 accoas ; eendo 100 por alvar e 255 por ven-
da. Desta* ;
10 ao preco de 400000 cada nma.
170 dem, de 4I0UOO, idem, id m.
75 dem, de 420000, idem, idem.
255
Parecer da commiaa&o flacal
Srs. accionistas.Gumprindo o art. 75 dos
nossos estatutos, vinos, como membro da com-
missio fiscal, apreaentar-vos o nosso parecer so-
bre os negocios e operaedes do anno bancario fin-
do em 31 de Dezembro prximo passado.
Examinamos os livrose a escripturacio do ban-
co ; coafrontemos com ella os balancee e demon
straco^s da conta deLucros e Perdas,tudo
encontrando exacto, em boa ordem e com clareza.
Da demonstracio da conta deLucros e Per
dasv se que a receita e despeza do anno, foram
as seguintes:
Receita 1.- semestre 12:0680193
2. dito 36:7930282
Despeza
1. semestre
2." dito
-----------------48:8610475
8:5150410
27:6410020
Lucros lquidos
36:1560430
11:705*015
Da importancia destes lucros lquidos feram
deduzidos :
Fundo de reserva-10 % 1:2705504
Dividendol- 10:0000000
---------------- 12:270*504
Saldo em lucros suspensos 1:4340541
Apraz-me significar-vos que para urna institui-
fio nova na nossa praca, o resultado do sen pri-
meiro anno foi muito vantajoso, tanto mais quanto
o justo crdito das suas operaepes o conseguio
desde a primeira operacio que realisou.
A administracio em seu relatorio vos esclarece
detalbadamente o movimento havido ; e esta com-
m8sao fazendo-lhe referencia conclue propsodo-
vos que sejam approvadas as cantas apreseotadas
referentes ao anno bancario findo em 31 de De-
zembro de 1886.
Banco de Crdito Real de Pernambuco, 4 de
Fevereiro de 1887.
Francisco Sibeiro Pinto Guimar&es.
Jos Adolpho de Oliveira Lima
Vencido emquanto ao dividendo, que no mea
parecer'nio pode exceder a 12 ao anno, em-
quanto ofuno de reservanio estiver completo,
em conformidade com o art. 52 2* dos estatutos.
O dividendo de 10 % P8ra 8e's mezes, sobre os
ciocoenta cont* que eo foram realisados no fim
de Junho, na razio de 20 /0 ao anno.
Thomaz Comber.
Banco de Crdito Real de Per-
naniiuieo
faneiro de 1889
ACTIVO '
Accionistas 4"O;rOO0OOO
Eraprestimos hypothecarios 840:0.00000
Valores bypothecados 1,722:100*000
Letras bypothecarias 70:6000000
Deposito de administracio e gerencia 16:000*000
Letras receber 32:0000000
Valores caucionados 40:0000000
Movis e utensilios 1:788*990
Diversas contes 8:716*320
Caixa 17:3180195
Os administradoras,
Manoel Joo de Amorim.
Jos da Silva boyo Jnior.
Luiz Duprat.
KtviSTA DIARIA
3448:523*805
PA8SIVO
Capital
Fondo de reserva
Lucros suspensos
Emissio de letras bypothecarias
Garantas de hypothecaa
Caucio de administracio e gerencia
Ttulos em caucio
Conta* correte* garantidas
Dividendo*
Letras bypothecarias sorteadas
Juros de letras hypothecarias
Diversas contes
500:0000000
1:2700504
1:1340541
840:0(1000 0
1,722:1000000
16.0000000
4O:OOO0OJO
14:1340000
10:0000100
9000000
966*000
1:7180760
8. E. eO.
3,14^:5230805
Pernambuco, 5 de Faverero de 1887.
Hevlata le aricada e exerelelo de
fosoS. Exc. o Sr. general commaodante das
armas passou bontem reviste aos corpos de goar-
nicio desta cidade, o* quae* formaram em bri-
gada no largo do Hospicio, apresentando-se bi-
zarra e luzidantente preparados os dous coros de
infantera 2 e 14 e a eompankia fiza de eaval-
laria.
Depois da revista, os dous corpos fiseram excr-
cicios de fogo esa quanto a companhia fiza fosia
manobras de ferro fri das qoaea tiraraa-se bem,
merecendo elogios.
Para o largo do H.spicio affluio grande massa
de povo, sempre vido dessas sceoas militares,
dignas por certo de serem vistas, quando officiaei
e pracas se esforcam, como bontem, para dar do
nosso exercito urna boa idea.
Aasistiram aos exercicios U. Exc o Sr. presi-
dente da provincia, o Sr. Dr. chefe de polica e
muitaa pessoaa gradas, alm de muitas senhoras.
Sarao* carnavalearon.Amanhi ha
sar s carnavalescos no Club Carlos Gomes e na
Sociedad* Recreativa JuventuHe.
Em ambas as sedes soeiaes fasem-se deeoracoes
especiaes para a circunstancia, e as respectivas
testas promettem ser pomposas.
Ferro tia tse Caruar.- Do dia 21 do
correte em diaote, o trem P. I da ferro-via de
Cainar s ir at a eatacio de Cascavel as ter-
cas-teiras e nos sabbados de cada semana.
Aineueu Muaical Peroaabaenno-
Hoje, s 7 horas da noite, rcunem-se em assem-
bla gersl es membros dessa sociedade para ele-
gerem o respectivo thesoureiro.
Patacbo Eotronda-BaaioCom este
titulo acabam alguns mocos amantes das folias
carnavalescas de formar um club, que pereorrer
as> principas* nas desta capital no domingo e ter
ca-teira. O traje bonito e o patach) feito com
capricho. *
Ei* o sea itinerario :
DomingoCampo das Princesas, rea do Impe-
rador, largo de Pedro II, Duque de Caxiea, Ran-
gel, pateo do Me-cado, Penha, Livramento, Mar-
cilio Das, Vidal de Negreiros, Coronel Suassuaa,
oateo do Carmo. Paulino Cmara, Flores, Sol,
Palma, Mrquez do Herval, ponte da Boa-Vista,
Aurora. Forraos*, Hospicio, praca do Conde d'Eu,
Aragio, pateo da Santa Cruz, Ponte Velha, Vis-
onae de Albuqurrque, Iinperatris, Bario da Vic-
toria, Cabug, Larga e Estreite d Rosario e Du-
que de Casias.
Terca-feira -Campo das Princezas, Imperador,
Primeiro de Marco, Dnque de Caxias, tstreita e
Larga do Rosario, Cabug, Bario da Victoria,
ponte da Boa-Vista, Aurora, Formosa, Hospicio,
praca do Conde d'Eu, Aragio, pateo da Santn
Cruz, Ribeira, Gloria, Visconde de Albuquerqne,
Imperatriz, ponte, Mrquez do Herval, Palma,
Sol, Flores, Paulino Cmara, pateo do Carmo. Co-
ronel Soassun, Vidal de Xegreiros, Maroilio D'ns,
Livraroento e Duque de Casias.
Ua* do Bardo da Victoria Commu-
nicam-ao* que a commissio iucumbida de decorar
ra do Bario da Victoria para oa dias do carna-
val, nio tem poupado esforcos para tornar eesa
ra brilbante has suas f. st-.s.
E de esperar que o consiga, visto qu alli es-
tio estabelecidoa muiros neg'ciantes, que sem du-
vida coutribuiio para o desidertum da commis-
sio.
Jnda*=E' o titulo que o Sr. acadmico Ri-
beiro da Silva deu um novo drama qu escreveu
e este impriuiind j e para o qual recebem assigoa
turas as priacipaes Iivrana* da cidade.
Aiova zniiaicaO Sr. Candido Filho, mes-
tre da banda de msica do corp > de policia, j i bem
conhccido pelas suas producr^oes, acaba de dar ao
prlo mais urna, que intitulou Polpourri carnava-
lesco.
E' para pianno, e revella a permanencia do
bm Korto do autor, de par com o seu progresso
na divina arta.
MiaaHoje, s 8 horas do dia, na capellado
collegio e S. Vicente de Paula, celebram-se mis-
sas por alma de Henrique Adour, mandado de
sua familia.
A Eaiaco Recebemos da corte o n. 3, de
15 do correute mez (16 anno), da Estac&o, revis-
te de modas, que aili se publica.
Traz figurinos coloridos e folh.i de moldes.
torpo de policaHiutem o corpo de po-
lica deu guarnico cidade, fazendo previamen-
te a devida parada-
Para esta marchou o corpo luzido e garboso,
pondo em evidencia o zelo, actividade e energa,
do actual coinmandante, o Sr. tenente-coronel Ma-
noel Goncalves Pereira Lima.
Fi ptima a impreuio recebida por todos quan-
tos viram desfilar o corpe.
O Hiiibu Piluresco Desta excelleate
obra que se est publicando em Lisbi. acabam
de chegar os fascculos ns. 25 e 26 para a livraria
francesa do Sr. J. W. de Medeiros, ra 1' de
Marco n. 9.
Obra poollinma ilo llr. iprlgl tui
maraesDistriboio-se bontem o 7" fascculo
aa Misceanea PhiUsopkica e Sociolgica, do fi-
nado Dr. Aprigio Justiniano da Silva Guimaries.
Cigarro* IrajaOs proprieterios da_ fa-
brica Camscan, sita ra estreita do Rosario n.
50, obsequiaram-nos com alguns massos d- urna
nova marca de cigarros, que alli fabricam, deno-
minados Irojs.
Sio feitos com fumos misturados de Mmas Ge-
raes, Goyaz e outros. Sio agradaveia ao paladar
e dio urna fumaca ebeirosa.
Os amantes de cigarros tem nessa marca um
bom espcimen no genero.
Agradecemos o mimo.
Club SympatblaEste club carnavalesco
sabr em passeiata nos tres dias de carnaval,
sendo no primeiro e terceiro com vestuarios iguaes
e no segundo com vestuarios diversos. A sede
da sociedade no becco dos Acouguinhos n. 16.
i ii .i i lulo Arnbeologico e Veogra
pblce PernambacanoTerca-feira, 15 do
corrente, ao meio dia, reunio-Be esta assocacao
em sessio geral para eleicio da mesa administrati-
va do anno social de 18871888, sob a presidencia
do Exm. Sr, coneelheiro Pinto Jnior, com asis-
tencia dos Srs. Drs. Jicero Peregrino, Jos Hygi-
no, Lopes Machado, Joaquim Loureiro, Joao Al-
fredo de Fretas, Amaro Fonseca, commendador
Miranda Leal, major Gal vio Ucha, Augusto Ce-
sar e Augusto Costa, oceupando a cadeira de 2
secretario, e major Codeceira substituindo o Io,
que nio compareceu.
Lidas as actas da sessio ordinaria de 13 de De-
zembro e da sessio solemne de 27 de Janeiro, fo-
ram approvadas.
O Sr. Io secretario mencionou o seguinte expe-
diente e offertaa:
Dos officios, sendo um do Sr. cnsul hespanbol
e outro do Sr. consol francez, communicando ao
Instituto qne por motivo justo deixavam de com
parecer sessio magna anniversaria.
(nutro f.lhetos contendo um officio com que o
Exm. Sr. presidente da provincia, conselheiro Jo-
s Fernandes da Coste Pereira Jnior, en'.regou
a administracio ao Eira, vice-presidente, Dr. Ig-
nacio Joaquim de Sonsa Leio; bem como o rela-
torio com que este Exm. Sr. passou ao Exm. Sr.
Dr. Pedro Vicente de Azevedo a presidencia da
provincia, e bem assim a falla que este dirigi a
Assembla Provincial na sessio extraordinaria de
3l de Desembro do anno proxinm passado.
Pelo* Srs. H. Catnpello e R. Ivens, 2 volomes
da obra de que sio autores, denominadaDe An-
gola Centra Coate.
Pela Sociedade de Geographia do Rio de Janei-
ro, 4 boletins e 4 nmeros de sua Reviste.
Pelo consocio major Cintra, urna estante enver-
uisada.
Pelo consocio Dr. Irineu Joffili, amostra* da fer-
ro encontrado em S. Joo de Cabaceiras; chrys-
tal de R^cha, diversos machados e cunhas indge-
nas de pedra.
Pelo consocio Dr. Jos Hygino, 1 volnme da
obra de Agassiz. Voyage au Brezil; 1 dito de
Bertillon. Les Rices auvages; 9 ditosMemo-
rias da litteratura da Academia Real de Scien
cas de Lia ooa; 7 ditosHistoria da Fundacio
do Imperio do Brazil, por Pereira da Silva. His-
toria do Bra-il de 18311840; 7 v IsWs do Dic-
cionario Bibliographiuo, de Innocencio Francisco
da Silva ; 4 ditosHistoria de Portugal,_por Ale-
xandre Herculano ; 5 ditos das ordeuaces de D.
Alfonso V; 15 ditosGommentarios as ordena-
cues, por Pegas; 2 ditosPrelecoes de direito
patrio, por Sampaio.
Pelo consocio Dr. Ulysses Vianna, 10 ditos,
Tratado da America Latina, por O Calvo.
O Sr. Dr. Jos Hygino aprsente ao Instituto
os documentos seguinte*, que receben ltimamen-
te da Hollanda :
N-tdlo* danos do eooielbo supremo do Brazil,
annos de 1C35 a 1636 ; Resolocoes dos estado* ge-
rae* da* provincia* Neerlandesas; Notulos secre-
to do supremo coaselho do Brasil, dos anno* de
1647 a 1651; dveros documentos remettidos
pelos Estado* geraes da Hollanda aos directores
da companhia, sobre o levantemento aos morado-
res de Pernambuco, e 3 opsculo* do seculo
A \ 11.
Tambera apresentou a seguinte carta que lhe
dirigi o Sr. commendador Francisco Benicio das
Cbagas, acompanbado de um manascripto indito
denominado Apontamentoa para a historia pa-
tria por **lix Fernando* Pcrtella.
Bonito, 15 de Janeiro de 1887.Illm. e Exm.
Sr. Dr los Hygino Duarte Pereira -Nio tenb*
a honra de pessoalmente eonhecer a V. Exc, po-
rm seu nome e seu* servicos patria sio tio co-
nhecidos e apreciados que nio s me animo a di-
rigir lhe a presente, como tambem enviar-lhe, afim
de ser por V. Exc. entregue ao Sr. secretario do
Instituto Arcbeologico e Geographico Pernam-
bucano o presente manuscripto que para este fim
me entregou o benemrito patrate Flix Fernn -
des Portello, a quera ped qae escrevesse alguns
pormenores da guerra denomnala dos Cpanos
em 1832 a qoe assistio e acompanhea o mesmo
Portella.
Implorando mil descolpas pela insignificancia
do presente manuscripto, nio s em mea nome
como do autor.
Rogo a V. Exc. que transmita aos ilustres so-
cios de tio patritica e til instituicio, que acei-
tem este prova de meas boas desejos a semelban-
te fim. Permittindo V. Exc. que com o mais pro-
fundo respeito e distincta consideracio ponha a
sua disposicio meui diminutos prestimos nesta
comarca assignando-me de V. Exc. attento, vene-
rador e criado sincero. Vancisco Benicio das
Chagat.
Apresentou mais nma carta do 8r. Cornelo
Wasch, acensando a recepcio e ao mesmo tempo
agradecendo o titulo de socio correspondente que
lhe conferir o Instituto.
Uma dita em latim do director da bibliotheca
de Leyde agradecendo o recebimento das R*vis
tas deate Instituto.
Uma dita do Sr. J. J. Feylbriet, .uciimbmao-j
igualmente de agradecer ao Instituto o seu titulo
de socio honorario.
Urna dita do secretario da bibliotheca Je Ro-
terdam, agradecendo a remessa das revistas qns
aecusou reeebidas.
Findo o expediente o Exm. Sr. presidente de-
clarou que na forma dos estatutos ia proceder
eleicio dos funecionarios do Iustituto que tem de
servir no crrente anno social de 18871888;
mas que convinba antes de tudo agradecer por
parte do Instituto a commissio eacarregada de fa-
zer os convites as autoridades principies da pro-
vincia para a sessio magna, composta do br. Lo-
pes Machado, commendador Miranda Leal e Au-
gudtn Coste, ao Sr. c imraendador Miranda Leal
pela direccio da decoracio e aeseio da casa, que
foi bem desoinpenhada pelo Sr Man:el Goncalves
Agr por elle incumbida, e aos Sra. Drs. Jos
Hygino, Cicero Peregrino e major Codeceira pela
direccio que deram ao arraojo e ass-ii da biblio-
ih-ca e mus 'u para o dia da mencionada aessao
ccajrna e pasa indo se a proceder a eleicio, cor-
rendo escrutinio secreto, foram eleitos os segra-
les s ciod por inaioria absoluta de votos :
Presidente- ConselDeiro Juo Jos Pinta Jnior
(reeito.)
1* viee presidenteExm. Dr. Ignacio Joaquim
de Souza Leio.
2o ditoDr. Cicero Odn Peregrino da Silva
(reeleito).
3o ditjMoosenhor Joaquim Arcoverde de Al-
buq icrque Cavalcante (reeleito).
1 secretarior. Joio Baptista Regueira Coste
(reeleito),
2o dkoMajor Jos Domingues Codeceira (re-
eleito).
Supplentes do 2o secretarioFrancisco Augusto
Pereira da Costa e Augusto Cesar da Cunha (re-
eleitos).
OradoresDr. Jos Hygino Duarte Pereira e
Maximiano Lopes Machado (reeleitos).
ThesoureiroUommendador Antonio Gomes de
Miranda Leal (reeleito).
Commissio de contasDre. Antonio Witruvio
Pinto Bandeira Accioly de Vasconcellos, Antonio
Mara de Parias Naves e Cicero Odn Peregrino
da Silva (reeleitos).
Commissio de redacejoDrs. Cicero Odn Pe-
regrino da Silva, Joio Alfredo de Freitas, Maxi-
aiaui Lopes Machado e Jos Hygino Duarte Pe-
reira.
Seccio de archeologiaDrs. Joio Baptista Re-
gueira Costa, Cicero Odn Peregrino da Silva,
conselheiro Quintino Jos de Miranda, monsenhor
Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcante,
Augusto Cesar da Cunha e major Leopoldo Galvao
Borges Uchoa.
Seccio de geographiaDrs. Joio Baptista Re-
gueira Costa, Cicero Odn Peregrino da Silva,
Maximiano Lopes Machado, Amaro Joaquim da
Fonseca Albuquerque, Joio Alfredo de Freitas e
Jos Hygino Duarte Pereira.
Seccio de historia nacionalDr. Joaquim An-
tonio de Castio Loureiro, monsenhor Joaquim Ar-
coverde de Albuquerque Cavalcante, Francisco
Augusto Pereira da Costa, Or. Amaio Fonseca
de Albuquerque, Dr. Maximiano Lopes Maobado
e Augusto Cesar da Cunha.
Seccio de historia colonialConselheiro Dr.
Joio Jos Pinto Jnior, Dr. Jos Hygino Duarte
Pereira, Joio Alfredo de Freitas e Maximiano Lo-
pes Machado.
Finda a eleicio lida e va i a urna commiaaio
composta dos Drs. Cicero Peregrino, Lopes Ma-
chado e Joaquim Loureiro, a seguinte proposta :
- Proponho para que se crie um lugat de biblis-
thecsiio, qae ser eleito annualmente, recahinde
a eleicio em qualquer dos socios, o qual servir
sem remuneracao alguma pecuniaria, e ter a sea
cargo e zelo, a boa ordem e conservacio da biblio-
theca, do archivo e musen do Instituto.
Sala das sessoes do Instituto, 15 de Feve-
reiro de 1887 Jos Domingues Codeceira.
O Sr. Dr. Jos Hygino propoo a convocacio de
um sessio extraordinaria para se tratar dos meios
da continuacio da publicacao da revista, sendo ap-
prevada ceta proposta, deliberou o Instituto que
se marcasse dia para ella, precedendo aanuncio
nos jornaes da cidade.
E nada mais havendo tratar foi levantada a
seBsio, declarando o Sr. presidente, que na forma
do* estatutos ficava o Instituto em ferias at o 1"
de Abril dia em que dever ter lagar a sessio de
posse.
Directora dan obra* de connerva-
co don portnBoletim meteorolgico do
dia 16 de Fevereiro de 1887 :
Temperatura mxima30*,5.
Dita mnima25,75.
Evaporacio em 24 horas ao sol: m,5 ; som-
bra: 3,8.
Chava0,2.
Direccio do vento : SE todo o dia, com inter-
valos de ESE dorante 3 horas e 55 minutos.
Velocidade media do vento : 5,">26 por segundo.
Nebulosidade media: 0,68.
O Padre Ancbletta. Anchictte, o cele-
bre naturalista portugus, de que fallam todos os
exploradores da frica e qae tem enriquecido os
museos de Portugal, com magnficos ejemplares
da fauna e da flora africana, foi,, na mocidade, o
mais estroinae desalineado estodante. A respeito
de ronpa, era de uma phantasia e falte de limpeza
verdaderamente extraordinarias.
Uma noite, combinavam diante de Anchiette,
alguns amigos um passeio ao campo. Auohiette
mostrou desejos de acompanbal-os, mas um dos mo-
cos, amigo intimo do notevel naturalista, disse-
lhe :
Ora, Anchiette, tu andas sempre vestido de
maneira qae aesmo uma vergonha! Olha como
frases esse collarinho da camisa .' Vestido assim c
possivel vires com a gente?
Deixa estar, responden Anchiette, levem-me
voc3, que eu prometto apresentar-me limpo e de-
centemente vestido.
Accederam oa amigos, ao pedido de Anchiette,
tanto mais qae, pelo talento e psla graca, era elle
um compmheirio.i
De madrugada, pela volte das cinco horas da
raaaaa, qaando apenas ama cinzenta penumbra il-
luminava as ra* de Lisboa, foram oa tees amigo*
'
'
M

i :,*.
j< r-
'
. p
'
-f,

r-.'

i

'tic
V s
Horas Sl-S Ni Barmetro a 0 Ttasio do vapor i o a 3 a
6 m. 266 759m44 20.01 T7
9 280 760n72 20.O5 70
12 29-7 760'n89 20.11 65
3 t. 29-4 759^21 19.43 64
6 283 759">28 20.05 7u

-


Diario de PernambicoSexta-lein* 18 de Fevereiro de 1887
>



i
*

bascar AnchietU, roa da Crui do Pao, onde elle
morava, Ancbietta eottou par o corro com elles
que, quaato Ihe penaitti a fraoa elaridade da ma-
drugada, viram que AnchietU tinha ur oollannbo
irfeprehenaivelmfnte ciar.
Pelo carainha, foi aalaraado e da e am do* eom-
panhiro cornecou a olhar, cooa mais atteoeo pa-
ra o collarinho de AnchietU.
Oh i AnchietU, deia ver o collarinho. Que
diabo/
AnchietU voltou para cima a gola do paleto, di-
xendo:
Nao teca aada que ver !
Esta reeposta augmeotou aluda a cu. :oidade
doa oompanbeiros; mas Ancbietta, de gola lovan-
Uda, teimava eos nao moa'.rar o cellariaho. Veado
os amigos que nao havia meioa de oncbergar o qu
proteadiam, fiseram an sigoal e, a uin Umpo lan-
caram-se todos tres contra Aucbetu, para lhe vi-
rar para baizo a gola de casaco. Ancbietta resis-
ti com tenacidade, mas cedendo a forca maor,
teve de exhibir a peo de roupa, que tanta curio-
dade tinha despertado nos eoinpauheiro.
Aborta a gola do casaco, os tres compauheiroa
ticaram embasbacados a olhar para o amigo.
Anchietta tinha virad, sobre o collarinho da
vesperH, a trada da camisa !
LimoelroEm data de hontem esoreveram-
nos dosta cidade o seguinte :
m cumprimeoto tarefa que sobre meus
hombros tomei, eis-me prompto a narrar-lhe o qoe
por c se tem passado.
A Provincia nao trepidou em procurar uan-
char a repnUoo e probidade do nosso actaal de-
legado de poliea, e bem assim do cidado Joa-
quim Piuv-ntel, homens esees que, quer como ci-
dados, quer como autoridades, e at mesmo como
particulares, procodem da modo que se tornam
dignos de alta estima e conaideracao, ficando as-
sim muito aquem da censura que injustamente
lhes atira a Provincia ; mas o que importa ? Os
invejosos teem o seas artigos perante os quaes
ninguem escapa. O que facto que a ordem
publica se conservo sempre traaqurll, todos
qaietos, e a cadeia replecta de malfeitores.
A falta do invern ji nos vai assastando e
fazendo-nos grande tranatorno, porque o caso
quem nao planta nao colhe ; e aqui, onde falta
d'agua potavel extraordinaria, fax- se muito e
maito sensivel a falta do invern. Todos os dias
dizem os astrnomo improvisados : > Amanha
temo agua ; ella nao tarda. Mas falham os
clcalos.
Deus permitta que el'.e nao se demore muito,
e que nao venha deixando a geute a ver as estrel-
las pelas ripas, como em Quipip e em oatros lu-
gares ; mesmo Dorque a mor parte das casas
d'aqui nio forain Ulhada para estes combates
da natuieza .
O nosso acude acha-se em triste estado de
immundicia e desamparo, e urge que o goverao
se lembre do nos e tome sobre elle medidas se-
rias.
Sendo aquelle acude orejugxum peccatoru m
'esta localidade, mister que se prive n'elle
a lavagem de cavallos, constantemente ; que se
basque aprofundal-o e limpal-o mais.
Em dias do mes prximo fiado tivemos aqai a
feata do glorioso martyr S. Sebastio, a quat ea-
teve esplendida. Foi extraordinaria a concur-
rencia dos fiis que de todos os lagares vinh un
rende r pn to ao santo. O ser mi) foi pregado
pelo bem conhecido e diatincto pregador Fre Au-
gusto a Imms.culada Conceicio Alves. Pinda a
festa teve lugar a procissa que, acompanhada de
um nevo immeuso e de urna b*uda de msica
po-d'alhense, pereoireu as ras princ>paes da ci-
dade, recolbendo-se as 6 horas da tarde.
Era lindo ver o espectculo religioso que se
apresentava vista do espectador. Durante todo
o trajecto da procisao nao se ouvia o menor ru-
mor, o povo era todo um s -si'encio e veneraco.
A' noite foi aueimado um lindo fogo de artifi-
cio, e em seguida foi laucada aos ares urna grande
e bem construida machina de cor, a qual subiu a
perder-se de vista, ao som de lindas pecas que a
msica nao cessava de tocar.
Ha poucos dias um rapaz empregado da fa-
brica de cieos vegetaesGluarauydo propriedade
dos Srs. Dantas, na occasio em que se abaixava
para tirar um pouco de algodao, succedeu pegar-
lbe os crivos de ferro do cylindro da machina em
urna das pernas, maltratando-o e feriado bastante.
O empregado est em tratamento a cargo do mes-
mo Sr. Dantas, pois que, humanitario como o Sr.
Dantas, coatama scropre asiim fazer com todo e
qualquer empregado seu, muito embora j gastasse
s com um qoe fracturen o braco perto de oOO,
someute conta mdica !
i- m um dos dias da semana passada teodo
chegado de urna diligencia urna das pracas de po-
lieia do destecamento d'aqui,succedeu qn<-, na oc-
casio em que a mencionada p araca.ia tirando o
tinturio para pendural o, disparou-se casualmente
urna pistola, que traxia i ciata, indo a carga infe-
lizmente empregar-se na perna d'uma enanca filha
do Sr. Pontea Marinho, que neste momento passa-
va por defronte d'alli. O menino est em trata
ment, e consta-nos, que nao ha perigo de vida.
O soldado foi preso immediatamente e sobre o facto
tomaram-se as respectivas medidas, preenebidas as
formalidades da le.
Na quarta feira, no lugar Cedro, a feir que
aili ha acabou-se em pan : creio que o Cedro, quix
tranaformar-se em quiri.
Alguna individuos competente fardado!, e
com vontade de dormirem engaiolados entenderam
travar entre si ama lata, da qual resultoa alm
de milita encelada um pequeo ferimento. O sub
delegado Joaquim Pimentel apenas teve coubeci-
meuto do oceorrido chegou alii acom pan hado d'ama
forca, e pode prender asis dos valentoea, pondo por
esta forma, termo ao barulho. Esao sempre prom-
ptas as providencias, logo que a qualquer autorida-
de d'aqui chega o couh cimento de qualquer facto.
Nada mais. At para o mes .
Club 1 de Fevereiro.Esta sociedade
carnavelesca reune-se hojeem sessao de assembla
ereral, s 7 horas d noite, no logar do eoatume, a
fim de se deliberar sobre o passeio que tem de fa-
zer dito Club nos tres 'dias do carnaval.
Collnburadorea de OntlafO jornal
Outing, que se publica em Nova-York, tem colla-
boradoreB realmente extraordinario. Um d'alles
esta dando a volta ao mondo em velocipade; e
eis que outre, o capitSo Cloudman, vai dar a mes-
ma passeiata n'um navio microscpico, que mde
apenas 9ra,73 de comprido, 3",5 de alto e cala
1">,50.
Dizem que o capitao Cloudman um humero
fri, tranquillo, prudente, e, embarcando-se para
esta viagem de aventaras, tem consciencia dos pe-
rigoa que vai correr e das difficaldades de todas
as sortea que o ameaeam. Por este lado a expe-
riencia interessaute e dar a medida do que po-
de fazer no raer um homem absolutamente so, obli-
gado a ficar ao leme, faaer manobra, preparar o
sea alimento e achar o tempo neceesario para o
somno.
O apparelbo da embaicacio, cojo nome Ou-
ting, compile-se de urna vela de proa, urna g-ife-
tope, e, para o bom tempo, coteto e varredoura, e
urna giba. Tem tmbeos, para o mo tempo, ama
vela de capa e ama vela de estai. Todas ai ma-
nobras esto dispostas de maoeira que se pode go-
vernar o barco e orientar ao meamo tempo as
velas
Leva o capitao Cloudman am pequeo arsenal:
urna espingarda de repeticao, urna de dous tiros,
doas revolver de calibre graude, dous mais pe-
queos e um canhiosinho de yacht sobre o coo-
vez. ;
O itinerario que deve seguir o Outing este:
de Nova-York desear as eosta americanas, to-
cando as ilhaa Babama; d'alli ir a Colon onde o
navio ser posto em trra e atraveasar o istbmo
sjj um vagio de estrada de ferro; mettido outrn
vez dentro d'agua em Panam, subir a Costa da
Cilitoruia at S. Francisco ; d'alli, se a eatacao
fr favoravel, ir a Alaeka, atravesaari o arehipe-
lago das ilhaa Aleutes e chegar a Yokohams, se-
guiado as costas de Kamtschaika.
De Yokohama o Outing passar par Cor;
depois para Shankii, Hoog-KoBg, dobrar a pe-
niasal de Malacca e chegar a Calcutt ; em se-
guida ir a Bomba m. depois ao isthmo de Suex e
Gibaltar.
De Gibraltar para voltar para a Amenes, o
capitao Cloudman subir as costas da Heapanba,
da Franca, d Irlanda e da Escosiia, e passar
para a Islandia, tocar a Groelandi, no La-
brador e emfim tornar a entrar no Porto de No-
va-York, onde conta, diz elle, celebrar em fami-
lia o natal de 1889.
Segundo o clcalo da capitao Clomdman, nanea
se achara, at so ebegada ao oort da Escos-
sia, a mais de 80 milbas ao largo da costas.
Boa viagem ao intrpido capitao!
Am saalkeres mm .! e ACrtea-
Se n Europa rcetasacs todos os dieito* para as
malbures, excepto o de seres soldado, dA 9 o
contrario na Asi e a frica ead se Ibes sega
toda especie de dtreMee, seas eade fases a'tXsf
mili tares.
PSJ paUcio do ro, em Qolconda, guardado por
um batalhio da mulheres especialmenw mprega-
das no servioo do harem.
Estas mulheres andam armadas de espingardas,
o uniforme d'ellas consiste n'um thacko encarna-
do agoloado, am penaaoho verde, frdela de pan-
no encimado oom galoas braucoa, calca verde,
corrame braocos. Aaseveram teres ellas appa
reacia muito guerreira debaixo d'este veaturio oom
cores vivas.
A guarda particular do rei de Siao tambem
maito curiosa. Compde se de qaatrooentas mu-
lheres escolbidas entre as raparigas mais robus-
tas e mais bellas da trra.
Sao admittidas ao servios a partir da idade de
trexe aunos, e paasam para a reser'-a aos vinte e
einco anuos. Deixam entao o Borrico pessoal ao
aoberaua e ao emptegadas na guarda das casas
reaea c das propriedade da corda.
Estas mulheres tazem voto de castidad^ e nio
pidem quebral-o seno quando o r as admitte no
numero da auaa mulheres legitimas. O arma-
mento d'ellaa consiste n'um lauca que manean
com habilidade.
Este baUlbo dividido em qaatro companbias
de mulheres cada qual, commandadas por um
d'ellas que ellas meamas escolhem.
Na frica, o rei de Dahomey mantem um eorpo
escolhido de oito mil combatentes, cuja metade
couiposta de raparigas bellas, a quaes imposto
o voto de castidade; estilo armadas de espingar-
das e sabres.
Ultima hora* da vida do liiutre
eatadiMta Mareo Hlnsraettl* Dis ama
folha italiana :
O rei Humberto e rainha foram visital-o.
D. Laura Minghetti os recebeu na ante-ea-
mara.
O rei disse a D. Laura, que desejav iafor-
msr-se pessoalmente do estado de sade de sen
primo. Sabe-so que Mingbetti era condecorado
com o Grande Collar da SS. Annuociada.
Apenas entrn o rei no quarto do enfermo,
este se levantoo de leito apoderado de vivissima
commoco.
O rei. apenando affectuosamento a mo de
Minghetti, lbe dase :
Espero que este mal que ora vos afflige, seja
pas^ageiro: tendea inda d3 prestar importantes
servicos ao paiz.
Ao que Mingbetti, inclinando a cabeca, res-
pondeu :
> liagestade, de-me ter de retirar-me d'este
mando por nao poder mais servir-vos.
O re a esta res posta mostrou-se commovido e
por instantes nao pode fallar.
A' vigilia da morte. Minghetti chamou a si a
consorte, D. Laura, e lhe disse que desejava reoe-
ber os conforto religiosos.
Quiz que fosse chamado exclusivamente o ca -
pellao da corte, conego Anzino.
c Accresceutou vibradameate : Nao quero ou-
tre padre.
O conego Anzino achava-se em ?ioden e por
sao teve de se lhe telegrapbar para que viesse
immediatamente.
- Pelas 9 horas da noite comeeou a delirar.
Minghetti balbuciava com vos bastante forte:
Devo prestar anda servicos ao paiz.... O
rei o disse___ Deixai-me levantar----- Nao quero
retratar me de cousa alguma... bou chisto, mas
patriota....
Depretis, no quarto do moribundo Minghetti,
foi accommettido de urna convulsao de pranto, que
durou algumas horas.
itmtmttmm Eflectuar-se-hao:
oje :
9501 200:0004000
39414 40:000*000
26657 30:000*000
28463 10:000*000
Estao premiados com 5:0004 !
8103 21197 40046 46453
Estao premiados com 2:0034 :
7528 8557 13639 14853 17622 85860 34248
36626 37055 489*9
Estilo premiadoscom 1:0004 :
2383 4559 4665 6513 13430 14921 15965 16303
17032 18647 25903 8016 32S48 33225
36605 4'.'33 4327 49055 49105 49250
Approximooe8
9500 2:000A00O
9502 2:0004000
3.i423 8004000
39425 800*000
26656 4004000
26658 400*000
28462 4''#030
28164 1404000
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, na ra de
Pedro Alfonso n. 43, de fazenda, miudezaa e
movis.
Amanha :
Peto agente Burlamaqui, s 11 horas, na ra do
Imperador n. 22, de dividas.
Peto agente Modesto Baptitta, s 11 horas, na
ra Duque de Caxias n. 28, do hotel Internacio-
nal.
Peio agente Pinto, s 10 lj2 horas, roa Nova
n. 45, da armaco e todos os accessorios da mes-
ma caaa.
Segunda-feira :
Peto aoente Pinto, s 11 horas, na travessa d
Corpj Santo n. 23, de queijos soissoa.
Mi*sk ruuekrea.Sero celebrad :
Hoje :
A' 8 horas, na capella do collegio de S. Vicen-
te Paula, por alma de He arique Adour.
Amanha :
A's 8 horas, no convento do Carmo, por al na de
D. Candida Fonseca de Asevedo.
PaasasrelroaiCbegado do porto do aul
no vapor nacional Pemambuco :
Launndo Carneiro Leao, Edgardo Correa, Al-
berto J. P. Paca, Gustavo J. P. Paca, Bartholo-
meu da Costa, Antonio da A. Boselho, Benedicta
Braga e urna neta, Antonio L. de' Mello, Mara
Seuhorinha, 1 ex-praca, Januario da 8ilva Tor-
res, Alfredo Lopes, Cassiano A. Lopes Jnior,
Samuel Felippe, sus senhor e 2 filhos, Aleiau-
dre A. de Moura, ManoI da Silva S. Jnior,
Amancio da Cuaba, Manoel Nune da Fonseca,
Antonio Francisoo Piodabyba, Mari Brilbaote,
Antonia Lopita, Dr. Frauciaeo de Soos e 1 cria-
do, Antonio Nones de Almeida, Baphael A. Vas
e Silva, Jnao Cordeiro, Benedicto Nunes Leao,
Pi Correia dos S tutos, Pedro Correi dos Santos,
Pedro Firraino Loureiro, Evaristo Teixeira Piato
Gomes, Manoel Francisco dos Santos Maia, aaa
senhora, 1 filho e 1 criada, Rosa Isabel da Fonse-
ca, Antonio C. de Mello Lina e ama escrava, Jos
Garateante da Costa, Antonio Justino da Costa,
Mara 6. da Coaceics.
Operacoe clrarsrieaaForam pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 17 do correte, as
seguinte:
Ampatacao da cxa esquerd p-ilo methodo a
dous retalhos reclamada por fractura comminuti-
va da perna.
Uretbrotomi interna pelo prooeeeo de Maison-
neuse indicada por estreitameato fibroso da are
thra,
Pelo Dr. Malaquias;
Abertura de um abeesso tuberculoso da pros-
trata.
Casta de DeeeeMovimento doa pre-
sos do da 16 de Fevereiro :
Existiatn preso 355, entraram 2, sabiram 13.
Existem 344.
A saber :
Nacionaes 312, mulheree 8, ettrangeiroa 16, ee-
cravos sentenciados 5, dito de eorrecco 2To-
tal 344.
Arracoado 334, sendo: boa 323, doentes 11.
Total 334.
Movimento da enfermara:
Teve baia:
JoSo Severo de Sonsa.
Teve alta :
Laurindo Jos de Franca.
Caaa de OaroEsta casa vendeu da lote-
ra do Para o n. 40J46 com sorte de 5:0004.
boteraLista dos nmeros premiados na
14* serie da 24a parte da lotera em favor do
ingenuo da Colonia Isabel, extrahida no dia 17
do correte:
Q3909 240:000*000
A 11a parte desta lotera ter lagar no dia
24 de Fevereiro impreterivelmente.
raaade extraordinaria lotera das
aiaaroaa Esta grande latera, cujo premio
grande 2,000:000*000, ser extrahida imprete-
rivelmente no dia 26 de Fevereiro prximo.
Os bilhete acham-se venda na praoa da lo-
dedendencia ns. 37 e 39-
liOieria de Minan-Cera.esA 5' parte
da 1* lotera desta provincia, cujo premio grande
600:000*000, ser extrahida no dia 24 do Fe-
vereiro, impreterivelmente.
Os bilheies acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosario n. 36.
Iiterla do Ceara A lotera desta
provincia, cujo premio grande 400:000*000 ser
extrahida no dis 19 de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Tambem acham-se venda na Caaa Feliz,
praca da Independencia ni 37 e 39.
Lotera de Macelo de 3OOiOO0JMMrO
A 5* partee da 15* lotera, cujo premio
grande de 390:0004, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelmente no di 22 de Fevereiro
ao meio dia.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na ra Larga do Rosario n. 36e na Cas da For-
tuna ra 1 de Marco n. 23.
Preco resumidos.
Lotera de Paraa-Esta importante lo-
terie, cujo premio grande e 300:0004000, e hab-
lita-se tirar 15:000*000, ser extrahida. iiapre
terivclmente boje 18 de Fevereiro.
Acbam-seexpostos venda o restos doa bilhe-
tes na Casa da Fortuna roa Primeiro da Marc<
n. 23.
brande lotera da provlnclaA 15
serie desta lotera em beneficio dos ingenuos da
Colonia Isabel, cojo premio grande 240:000*000,
ser extrahida no dia .. de Fevereiro, s 4 horas
Ja tarde.
Os bilhetes acham-se venda n Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera de tro Para-A 11" parte les-
ta lotera aera extrahida no dia 24 de Feve-
reiro.
Bilhetes venda na Casa do Oaro, ra do Ba-
rio da Victoria n. 40.
Tambem acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da cArteA 2* parte da 202* lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:0004
ser extrahida no dia .. de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na praca da In-
deoendencia na. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da For-
ana ra Primeiro de Marco.
Lotera do saleA 3* parta da lotera
n. 366, do novo plano, do premio de 100:0004000,
era extrahida no da .. de Janeiro.
Os bilete acham-se venda ua praca da laae
pendencia ns. 87 e 39.
Cenalterlo Publico -Obtaano do dia 16
de Feveaeiro :
Genesio Geroneio Peixoto de Alboqucrque, Per-
na robuco, 33 annos, casado, Smto Antonio ; tu-
brculos pulmonares.
Mari Javina, Pemambuco, 1 mez, Santo An-
tonio ; espasmo.
Mara Francisca da Conceicio, frica, 58 anuos,
solteira, Graca ; tubrculos pulmonares.
Mara de Nassreth, frica, 70 annos, vi uva,
Boa-Vista; cancro do otero.
Manuel Ferreira Ponte, Portugal, 50 annos,
viuvo, Recife; tubcculose.
Antonio Ignacio do Reg Medeiros, Pernam-
buco,.62 annos, casado, Afogados; cangestao ce-
rebral.
Tbereza, Pemambuco, 3 auno, Santo Antonio ;
asthma.
Georgiana de Souza Thenoro, Pemambuco, 20
anuos, solteira, Graca tubrculos pulm mires.
Manoel, Pemambuco, 2 meses, S. Jos; es-
pasmo.
etns da CumpaHbra Central Sagad abriga a
vir imprensa dar algumas eH HP**":>
posao otatltir, j para evilar que Wfaermane-
cam do falso supposto de um plano tensbroto de urna
fraude em grandes preoorQoes, j porque mais
de urna vez dise as raesmas conferencia que
cada um de nos devia assumir a responsabili-
dade pelos conseluos que dsse a seus consti-
tuintes.
Nao dvvo, portanto, evitar a discusso agora
que se procura insinuar que concorri para a falta
do accordo que se pretendia.
Informado pelo Gerente da Gompanhia de que
era difGcil, mesmo impossivel, em vista dos pro-
cos do assucar, realisar integralmente o paga-
mento das cannas que fossein entregues pelos
contractanteg, e de que era por isso indispensa-
vel obter delles um praso para salisfazel-os
disse que considerava muito grave a situacac
da Companhia, pelo qne lbe acouselliarajjue
nao se dirigisse aos cootracUntes, propoBao-
Ihes a medida que lembrava. sem que a respe-
ctiva Directora o autorisasse a proceder por
esse modo.
Ponderou-me elle que ajueartas da Directora,
asseguraryjo a impossibilid do levantamento
de um empmpflimo em Loiares e encarregando-o
ao mesmo *Bao de proceder um accordo acerca
do pagamento das cannas, o habilitavam a tratar
do assumpto.
N'esta circumstancias, aconselhei que se pro-
movesse unta reuniao dos agricultores que con-
tractaram o fornecinieato de cannas; e no dia
em que ella se e&ectuou, expuz fielmente, o que
se havia passado, apresentandoem seguida, alera
da proposta ae que fallara os meus illustres col-
legas,' ouU* concebida nos seguiotes termos,
pouco mai ou menos : pagar integralmente a3
cannas j recebidas a lazo de 8000 por to-
nellada, conforme o contracto, e as que tivessera
da ,mt entregues daquella dala em diante, com
3 7. em assucar.
Esta proposta deixou de ser acceita, nao ob -
staute terem os agricultoresj)elo contracto o di-
reito de eacolher uina dauas ofTertas,
mWm
3433
36045
3010
15826
ramos de 2:000*000
4882 18130 290iS
6027 23689 31601
10628 28157 34540
ramos de 1:000*000
8150 13375 14826 30121
40:000*000
20:000*000
10:000*000
5:000*000
923 8150 13375 14826 30121 38907
1561 8369 18627 16917 30839 39233
4750 9174 13804 28726 32400 39235
5693 9354 14455 23383 37481 .....
N. mais alto 39235 1:000*000
N. saais baixo 928 1:000*000
amoxiiuco
3908 4:000*000
3910 4:0004000
3432 3:0004000
3434 3:000*000
36044 2:000*000
36046 2:0004000
3009 1:0004*00
8011 1400*000
l7-5 86*4000
12827 8604000
O ns. de 3,901 a 4,000 estao premiados com
4004, excepto o da sorte grande.
Os ns. ie 3,401 a 3,500 estao premiados com
200*, excepto o da sorte de 40 cantos.
Os n. de 86,001 36,100 esto premiados com
100*, excepto o da sorte de 20 cont.
Teda centenas, terminada em 09, esto pre-
miadas eos 100*, inclusive a da sorte grande.
T4e o ni. teraaioado em 9 e 3 esto premia-
do so 34*
>1III do Par*Eis es preatio da 10*
erie da 1* lotera do Grio-Par extrahid es 17
do cor rente :
IHDICAgOES OTIS
Medleos
O Dr. Lobo Hoscoso, de volta de su a
viagem ao Rio de Janeiro, conntia ne
oxercicio de sua profssao. Coaaltuas das
10 s 12 horas da maohS. Especialdades
eperagSes, parto e molestias de sen horas e
meninos. Boa da Gloria n. 39.
Dr. Barreta Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas do 1. aadar da casa
a ra to Bario da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Seta de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Catiro Jess tem o sea consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus o. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par
teiro, residencia roa do Hospicio n. 20.
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 horas da manbl s 2 da
tarde. Especialidade : molestias e opera-
rles dos orgos genito-urinarios do homem
e da mulher.
Dr. Joaqaim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Mon teiro.
O bacharel Virginio Marques, encarrega
se de questoes civis, coramerciaes, crimi-
naos e orphanologicas e defeza perante o
jury d'esta e das comarcas prximas. Es-
criptorio a ra 1." de Margo 18. 1. andar.
Residenciara do Hospicio n. 83.
Orosarla
Francisco Manoel da Suva dt C.% depo-
sitarios de todas as especialidades pharm.
ceuticas, tintas, drogas, productos chimic-'
a medicamentos homosopaticos, ra do Mr-
quez de O linda n 23.
D roca ra
Farra Sobrinho & C-, droguistas por at-
tacado, roa do Marquea de Olinda n. 41
errarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de corajina
de Francisca doa Santos M acedo, eaes
de Capibaribe n. 23. N'eate grande esta-
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra-se e vndese madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como ae preparara
obras de carapina por machinas e por pre-
co sem competencia Pemambuco.
PUBIMCOESA PEB1D0
A c-oapaaih.a Central safar
Faetories of Brasil, Limited
A publicacio finta no Jornal do Recife de hon-
tem pelos illustresadvojjados- os Srs. Drs. Ulysses
Vianaa e Jet rljgwos relativamente s confe-
rencias que vemos sobre a novagSo dos contra-
A primeira proposta tarasmh nao foi acceita
por todos os agricultores presentes; porquanto
os do municipio "do Cabo queriam receber logo
mais de 50/., visto cada deverem Gompanhia
e os outros porque, deduzindo-se dos 50 /0,
que tivessem de receber, a importancia que de-
viam pagar pelos emprestimos que lhes naviam
sido fetos, cariam sera recursos para o paga-
mento das cannas dos lavradores.
Entretanto, segundo pens, nao hesito em af-
linnar que, si a Companhia garantisse o paga-
mento ila quaotia que Qcasse a dever, tena che-
gado a um accordo com os agricultores.
Mas, esigiudo os illustres collegas que fossem
hypothecadas as fabricas para garantia da divida,
declarei que nao rae lembrava se os Estatutos
permittiam Directora, sem 'auctorisacao da
Asserabia Geral dos Accionistas, liypothecar as
fabricas, que, ainda quando isso lhe fosse con-
cedido, acreoitava que ella nao acceitaria a pro-
fio.sla. porque tendo eraittido debentures que pela
egislagao ingleza conferiam aos portadores hy-
potheca sobre ascuas propriedadesficaria mal
collocada e as sujeitasse de novo ao mesmo
onus.
Nessa occasio accrescentei que. segundo ,'o
meu modo de pensar, esses ttulos emittidos na
Inglaterra jiao importavam hypotheca nos bens
situados.'aO Brazil, e mandei procurar o parecer
que nessfsentido j havia dado, e a cuja leitura
procedi perante todos, atira de que nao pairasse
duvida alguma sobre o que acabava de asse-
gurar.
Insistindo os advogados dos agricultores, na
conveniencia de ser ouvida a Directora sobre a
hypotheca, depois de verificada em face dos
Estatutos sua competencia para autorisal-a
sera audiencia da Assembla Geral, nao me op-
puz a que fosse feita a consulta.
A Directora, como eu esperava, recusou nao
s hypothecar as fabricas, como empenhar o
que Uvesse de receber do governo em razo de
garantia de juros, porque quer sobre as fabricas,
quer sobre essa garantia, os portadores de de-
bentures tinham preferencia.
Desconheco os precedentes pouco honrosos da
Companhia aos quaes se referem os meus illus-
tres collegas: ao contrario do que se affirma,
sei que as letras por ella acceitas em favor de
alguns dos contactantes foram pontualmente
pagas, apezar de nao estarera garantidas por
qualquer modo.
Nao se tendo feito por esses motivos a nova-
co do contracto proposta, foi entao requerida
em Londres a liquidaco da Companhia
Convm-noo esquecer que apresentei todos os
telegrammaa que rae foram communicados,
bem como o Cdigo de accordo com o qual fo-
ram elles redigidos, '.e finalmente, lembrar que
em um dos meamos tclegrammas, a Directora,
recusando a garantia pedida, propunha equi-
parar, quanto ao pagamento, os agricultores aos
portadores de debenture.
At a esse momento, creio que os meus honra-
dos collegas nao suspeitavara esses planos tee-
brotos a que boje al ladera, nem desconfiavam
da franqueza e lealdade com que eu procedia.
Avisados de que havia sido pedida a liquida-
cao, requereram embargo nos ben movis da
Companhia por serera susceptiveis de fcil alie-
nadlo, o que sobremodo me surprehendeu prin-
pafmente pelo grande nuauro de arrestos e ac-
odes que foram intentadas.
Apezar disto nao procurei fallar com os meas
Ilustrados collegas a esse respeito, nem demo-
rar o andamento desses differentes procesaos.
Convencido do direitoque defendo, hei de fa-
zef-o valer em juizo, como meu dever, usando
nicamente dos recursos que a lei concede.
Recebendo o gerente da Companhia a senten
ca qoe decretou a liquidaco e urna carta do li-
quidador nomeado, o Sr. A. Larabert, fez ver
aos meus honrados collegas quaes eram as
tntencoes deste e o que elle lembrava para
aproveitar-se a parte da safra que restava aco-
Iher ; isto : receberem os agricultores a im-
portancia que produzissem as cannas, deduzidas
as despezas do fabrico, e sercm pagos pela dif-
ferenca entre o apurado e o prego do contraclo
como os portadores de debentures, ou era aceces
da Companhia. caso ella se reconslituisse.
A proposta no sentido de asociarera-se os
agricultores nova empreza que tivesse de con-
tinuar o servigo das fabricas, recebendo o paga-
mento de seus dbitos em accoes, foi por mim
considerada fra de questo ; nao, porque nao
merecesse as honras da discusso, mas porque
prevenidos, como estavam, elles eos collegas
contra a Companhia, nao acceitala-hiamemcaso
aigum.
Alem disto, alguns dos agricultores nao podio
empregar capitaes na empreza, porque preci-
savo receber o qne lhes tbsse devido para sa-
tisfazerem compromissos, at mesmo com os
proprios lavradores de seus engenfcos.
enhuma das proposta foi aceita.
Decorridos alguns dias, o Gerente da Compa-
nhia eficontrou-se com o Dr. Paulo de Amonm
Salgado que lhe declarou ser fcil um accor-
do para a colheita das cannas que estavam no
campo, se fosse effecluado o pagamento do de-
bito proveniente das que j haviam sido entre-
gues. .
Depois d 'essa dectaraco tivemos anda urna
ou duas conferencias e n'ellas foram apresenta-
das pelos meus honrados collegas as bases para
um contracto, entre as quaes figurava a da per-
manencia do arresto as fabricas, como garan-
ta para os agricultores.
Declarei positivamente que nao poda aceitar
semelbante clausula, nao porque tivesse instruc-
ces doSr. Lambcrt n'esse sentido, mas porque
a considerava inadraissivel desde que nao nodia
o liquidador estipular garantas em favor de al-
guns credores.
Os meus Ilustrados collegas declararan por
sua vez que nao prescindiam d'essa garanta;
mas nao podendo nem devendo o liquidador acei-
tal-a, limilei-me a declarar quo nao telegrapharia
apresentando a proposta, podendo, entretanto,
fazel-o o Sr. Gerente, se pensasse de modo dille-
rente.
Procurei mesmo evitar a discusso porque a
considerava intil.
Lembro-me, entretanto, ter ditoque sendo exi-
gido da companhia o pagamento do debito, e ten-
do ella de dispender grande quantia com a co-
lheita, nao se devia prival-a dos meios de ga-
rantir com as fabricas qualquer compromisso
que tivesse de contrahir.
Disse mais que me pareca im prescindvel a
venda das fabricas ou a adjudicaco d'ellas aos
credores; porquanto os accionistas, que per-
deram o seu capital, recusaran! provavelraenle
recebel-as.
Perguniane-me os collegas se podiam ser as
abricas vendidas, nao obstante o arresto, lhes
respond affirsaativarneute, acrescentando que era
possivel j estivessem at vendidas.
Q que eu quiz manifestar, pois, foi o proposito
de nao acceitar clausula alguma que imporlasse,
quer a obrigaco de nao alienar as fabricas, quer
a garantia para qualquer credor em prejuo de
outro. .
Pela exposigo dos distinctoscollegas. vejo quo
foram essas palavras por mim nrofendas que
os induziram a deparar com um plano tentrret de
urna fraude em. ~niu propof^escnUoear os
agricultores na dependencia di companhia, leca n-
do-os para o jutzoda l!qaidacS3, onde se encontra-
riam, com as preferencias dos possuidores de de-
bentures.
Esse plano nunca existi, nem existe ; e os
meus honrados collegas nao tinham razo para
suspeital-o, attendendo nos a que desde muito
o Sr. A. Larabert propoz equiparar o pagamento
dos agricultores ao do3 possuidores dedoenfurei,
mais ainda a que ja tive occasio de dizer-lhes
quenoraeoppunhaa que liquidaco fosse feita
aqui e nao era Londres.
Para que pois attribuir ao Sr A. Larabart pla-
nos tenebrosos f D'elle apenas recebi duas
cartas, cuja leitura posso confiar aos meus o'is-
tinctos collegas para sua completa tranquilidade.
O meu empenho (nao tenlo necessidade de
occultal-o) fazer comqu8 nao prevaleca a pre-
ferencia que os collegas attnbuem aos credores
residentes no Brasil com prejuizq manifest dos
que residem era outros paizes ; preferencia que
nenhura principio, ou le autorisa, como em
tempo demonstrare!.
Baslam estas explicacoes para se conheccr
quera o responsavel pelos pleitos judiciaes e
pela perda de parte da safra.
Tambem sou advogaao de credores de quan-
tia superior aquella a quese julgam com direitos
os contractantes, e portanto deploro os prejuizos
que resultam quer desses pleitos, quer da cessa-
co da colheita da safra.
Recife, 16 de Fevereiro de 1887.
Dr. Jaaquim Correa de Araujo.
Genesio Cieroncli Pe de Aibu
iliierque
Este nome encimado em o de um pobre
homem que acaba de ceder a lei da evolu-
cao na terga-feira ultima, a urna tsica pul-
monar, filha do tanto lidar pela vida, para
legar aos seus filhos, quo em numero de
quatro, gemem a dor da orphandade o na
viuvez urna mulher, a pobreza e a honra-
dez.
Nascido nesta capital a 24 de Agosto
de 1845 e morto a 15 de Fevereiro de
1887, 42 annos partanto, aqui, sem ao
menos ter o prazer de legar mulher e
filhos urna morada em que possam boje
viver desoancados, lembrandose e orando
a Deus por sua alm >, o que fazem, mas
nao com este deacanco.
Nos, quejj conhecemos de perto, roga-
mos a Deus eterno repouso de sua alma, e
enviamos sua familia sinceros psames.
Recife, 18 de Fevereiro de 1886.
22. C. P. Orete.
Dr. Csel Me
* parteare e operador
Rendeneia na Barde da Victoria n. 15, andar
Consultorio ra Duque de Caxiasjo. 59.
Di coaaslta da 11 horas da asaba a 2 da
tarde.
Atiende para os chamados a qualquer hora
telephoue a. 449.
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr. Castro Jess, contundo maia de 12 anuo
ie escrupulosa observaco, reabre consultorio nes-
ta cidade, 4 roa do Uou Jesua (antiga da Cros
O. 23, l.o andar.
Horas de consultas
De da : da 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demai hora da noite ser encontrado ae
fitio travessa doa Remedio o. 7, primeiro por-
tio esquerda, alm b porto do Dr. Cosme.
clnica medico-clrarea
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadesPartos, molestias de senhora e
crianca.
Residencia Ra da Imperutriz n H, segundo
andar. *
Licor depurativo vegetal iodiKd
DO
3Iedi 150 Quinte lia
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama infallivel ua cura de todas
as doencas sjphilitica, aflcrofuloea. rhenmatica-
e de pelle, com tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgcas, blennftrrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphilitico, inflamma-
oSes v8cerae, d'olhos, ouvidos, garganta, intes-
tino, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou queda
do cabello, e as doencas determinadas per aatu-
raco mercurial. Do-se gratis foi he tos ondei.
encentrare numerosas exp riencias feita com
especifico nos hospitaes pblicos e muito r,
doa de medico e documento ^articulares,
pesconto para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinas & C.
Ra do Marques de Olinda n. ; i.
Castillo vencedor
Essa sooiedade carnavalesca sahir, nos
tres das de folgan$a do carnaval, em pas
eio pelas prinuipaes ras da cidade, e no
tajecto sacudir flores aos seus amadores.
A' ra deS. Jorge, onde est a ale
destes castello, achar se ha garbosaojen-
te embandeir da e adornada com lin-
dos arcos; a estorbos dos membros da
commisso, composta dos Srs. Jos Fran-
cisco da Silva, Cosme Francisco Pereira
da Silva, Bento Joaquim Rodrigues, Cons-
tantino Fonseca do aseimsnto, Julio Mar-
colino da Silva e Jacintho Monteiro dos
Santos.
1
O crneo torna ae multa vese
estril causa de descuido e deleito. Urna
aoalyses chimica nos fornece os constituintes do
cabello, e os elementa vegetaes do maravilhoao e
iocomparavel Tnico Oriental, se conforma exac-
tamente elles. Esta valiosa preparacao encerra
em si as materias requeridas pela natureza para
formar e aperfeicoar a cabe Hadara, f irnecendo e
producindo no casoa onde faltam completamente.
O resultado que o crneo, o mais improductivo
e estril, torna-ae fecundo oob sas admiravel in-
fluencia, e um cabello basto. Insidio e formoso, co-
bre promptamente a cabeca e o adorno completo.
Os Vasos que nutre o cabello, Nquerem tom em
taes caaos e esta essencial accio vigorosa, pro-
porcionada por esta admiravel e impagavel prepa-
racao vegetal.
Acha-se venda eu todas as boticas < lojas de
perfumaras.
Agentes em Pemambuco, Henrv Forster & C .
ra do Commercio n. 9.
Nao cessaremos de repetir que nao ha
cousa mais preciosa do que a aaude. No
campo, nos lugares hmidos e pantanosos,
onde imperam as fobres tercais, as per-
niciosas e intermitentes, preciso estar sa
munido de sulphato de quinina, que de-
bella as febres em seu comeco ; o melhor
o de Pelletier, cujas capsulas con t m, em
toda a sua pureza, o sal preparado em sua
casa, e nio off-irecem os iaoonuauientes
das plalas e confeitos. Estas capsulas tem
impresso com tinta preta o nome Pelle-
tier.
Emulso de Lanian
?Se Kemp
A Emulsao de oleo de ligado de baca-
Iho com os hipophosphitos de cal, soda e
potassa, preparada pela acreditada casa
de Lanman & Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, e a mais efScaz e
agradavel que at agora se tem eflorecido
ao publico.
E' um regenerador poderoso das consti-
tuicoes debis e um remedio certo para
tidas as afleccSes do peito, da garganta e
dos puImSes.
Use se s a Emulsao de Lanman d
Kemp nao confundindo-a cora as outras.
Vende-se em todas as drogaras e phar
raacias.
11
}
Se
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
crianfag, dos orgos respiratorios e das
genhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
for da capital.
AVISO
Todo os chamadas devem ser dirigi-
dos pbarmacia do Dr. Sabino, ra da
Baro da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia.
i -

..-

idvogado
O bacharel Julio de Mello Filho tem o
seu escrptorio de advocacia ra Primei-
ro de Harco n. 4, Io annar, onde pode
Ber encontrado drs 10 horas da manhi s
4 da tarde.
N. 9.A Emulsao de Scott fortifica a
desenvolve o systema osseo e nervoso das
criancas debeia e rachiticas, e nao ha nada
que poasa se comparar este remedio to
agradavel a reconstituinte para a cura das
doencas devidas a m condicSo de sangue
e debilidade do corpa.
CX=rxz=C==x^^c=C=z:t5
A
{}
}
Silveira
VV06VW0
.jH-Itiia do Imperador- -38
Prlmelor andar
MEDICO
Tem o seu escrptorio ra Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Santa
Qruz a. 10.
Especialidadesmolestias de senhoras e cran-
es.Tolephone n. 326.
m
bulista
Dr. Ferreira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia a
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Antonio fl'AlniBiila Estrella
Olicina de eseolptor enta
Ibadoremmadeira
85-BA DO BOM-JaRDIBI-87
PORTO
Encarrega-se da todas as imagens em I
qualquer Umanho, altares, nctuaro, ta-<
cheiras, cati9e, jarra e sacras, bem co-
mo tariabas funeraria, figura allegori-
ca e serpentn, tudo pertencente di-
tas artes. Tambem se encarrega de pinta*
l ras e prata para imagens.
Crside deeoNlto de
planha paraaa
e redoma e\
i merea
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lta, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias santificado.
Residencia ra Sete de Setembro n.
3-4. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
Um remedio elacax (2)
RES NON VERBA
Aos que soffrem do peito recommendamos a lei-
tura da seguinte publicaco do Sr. Jos Mara
Lopes, morador na llha dos Marinheiros, em frente
cidade do Rio Grande :
c Ha quatro annos que fui curado de ama
muito grave enfermdade, resultante de um res-
friado.
Senta dor agudissima do lado esquerdo do
peito, toase se cea e urna fraqueza excessira em
todo o corpo.
Em oito mezes de tratamento com varios me-
dicamentos, nunca consegu obter allivio e cada
vez a molestia augmenta va a ponto de me julga-
rem perdido.
ncontrando-me com men primo e amigo Sr.
Manoel Joaquim, residente no Povo N-vj, elle
aconselhou-me 6 aso de Peitoral de Cam-
bar, do Sr. Alvares de S. Soares, de Pelota,
elogiaado-me muito este preparado e com efftito,
em deas meses de seu uso constante, restabeleei-
me de ama molestia quu me levava sepultura 1
O que digo verdade, e toda esta ilba o pode
affirmar, pois nella vivo ha mais de trinta annos,
onde tenho chcara e familia, a
O leitor poder encentrar oatros maitos t-
testado no foi netos que acompanham cada fras-
eo.
Deposito, nicos agentes e depositarios geraes
em PernambuceFrancisco Manoel da Silva &
C, roa Marque de Olinda n. 23.
Hotel Gibraltar
Pra^a da Bataiha, 108
{defronte do correia geral e estacao
telegraphica)
Este hotel muito se recommenda aos via-
jantes pelo local em que se acba,
perto dos Jardins Theatro e o precos
de nospedsgem sao mais baratos
i do que em outro qualquer, com o mesmo
tratamento
Proertetarloa
FERNNDES &IRMAO
PORTO
I



'


Diario de PernambacoSexta--feira 18 de Fevereiro de 1SS7
*-
r
/
Escola particular
deinstrtcfo primaria
para o sexo mascu-
lino
CASA DE ENSINO MODERNO
ggRa Vellia$B
O abaixo aSsignado, participa ao Ilustrado pu-
blico desta eidade, que abri ana Escola part
cular de mstraccSi primaria para o sexo masculi-
no, roa Velhi 36, (Boa Vista) onde esme-
radameuta so dedica ao easino de seos alotrnis.
Educa e iustrue infancia pelo melbor sy3teuia
dos priocipaes colegios da corte do imperio, ende
por algum teapo deraorou-se a passeio, cujo *ys
tema a delicadeza, a vocaco, a paciencia
intima par o ensiuo, fazendo com que os aeus dis;
cipulos sgam o caminbo da intelligencia, da honra
e da diguidade com santo* conselhos e sis lices,
xfin de que ventara a ser o futuro sustentculo
d-tpttiia. da religio e da le, cora verdadeiro
eidadilo brasileiro.
Eapcra merecer a conflanca e proteccio dos
pas e tutores das enancas que queuam aprovei-
'ar lira rpido adiantamento de seos filhos ou tu-
piados, e em particular tcm f robusta em todos
na seus compatriotas peroambucanos.
Coinquauto ousada seja esta tentativa, todava
espera que oa seus incansaveis esforcos. e os aeus
puros desejis sejam coroados com a feliz appro-
vac:V> de todos es filhos do imperio da Santa
Espera finalmente, que o respeitavel publico
taita apreciar de perto o seu vordadeiro ensiuo
primario, onde rapidamento as enanca abracam
e amara de coraco aos livros, as sciencis as iet-
fcas e as artes.
Igualmente tem urna aula de nstruccao prima-
ria noite para adultos, sendo das 7 s 10 horas.
Curso d portuguea e francez a qualquer hora.
Horario da escala para meninos, das 9 horas da
manh s 3 da tarde.
Mciiaalidade*
Primeiras Icttrsi o*X
Portugus o*1*
Pagos adiantados no acto da matricula.
Recebe meuinoe internos, externos e meio peu-
s'ouiatas, por mensalidades raioaveis.
Ra Velha n. 30.
JuZo Soaru de Azevedo.
Leonor Porto
Elua do Imperador n 45
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
figurines recebidos de Londres, Paris,
Liiboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicode coatura, em bre-
vidade, modicidade em precos e fino
posto.
Dr. Joo Pauio
UEDICO
Especialista em partos, molestias de sentaras t
de criancas, com pratics as principaes materni-
dades e hospitaes de Paris e de Vieana d'Austria,
faz todas as operacoes obsttricas e cirurgieat
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Baro da
Victoria (antiga ra Nova) n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 a 3 horur da tarde.
Telepbone n. 467.
Colleglo Instlate Acadmico
N'este collegio esto establecidas aa aulas de
pratica das lieguas francesa e inglesa, a cargo
dos Srs. G. Klein e J. Panstone, almdas theoricas,
a cargo do director e do D.. Gab-iel de Araujo.
O director,
Jote Ferrara da Cruz Vieira.
EDITAES
COMERCIO
Boina commertlal
COTACOES OFP1CIAK8 DA JUNTA DOS COR-
KKCTOKES
Recife, 17 de Ftvereir de-I887
Cambio sobre o Porto, a 3 d/v.141 0/0 de premio,
particular.'
Lscente de letras, 10 Q/0 a anno, uoutera.
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
II o vi me nto nunca rio
BCIFE, 17 DE FSVEXEIIG DI 1887
A taxi official para os bancos, contina a ser
de 22/, conforme as tabellas abaixo :
Do London Bank :
Sobre Londres, 90 dyv 22 e a vista 21 3/4.
Sobre Pars, 90 d/v 432 e a vista 436.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 536 e 4 vista 542.
Sobre Portugal, 90 d/v 243 e a vista 245.
S.brc Italia, i vista 436.
Sob.e New-Yurk, vista 2*303.
Do Englith Bank :
Sobre Uudres, 90 d/v 22 e a vista 21 3/4.
Sobre Paris, 90 d/v 432 e vista 436. #
S.bre Italia, vista 436.
Sob.e Hamburgo, 90 d/v 536 e i vista 542.
Sobre NtW-York, vista 2*300.
S-jbr Lisboa, e Porto, 90 d/v 243 e 4 vista 245.
-obre as principaes cidades de Portugal, 4 vista
250.
Sjbro liba dos Acores, 4 vista 253.
Sobie liba da Madeira, 4 vista 250.
- aereado de asaucar e aigodo
EECIPE, 17 DE FEVEBEIBe DE 1887
Assucar
As entradas foram pequeas.
Nao houve alteraco nos precos, vigorando, por-
tento, os que hontem marcamos, regalados pela
t. bella seguirte:
i. baixo. por 15 kilos, de 2*000 a 2*100.
3. regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*2u0.
3.a boa, por 15 kilos, de 2*00, 2*300 e 2*400.
3 superior, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
Branco turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a
/6fcO.
*o:nenos turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a
i900. nan
Wrmico turbina pnlverisado, por 15 kilos, de 2*300
a 2*400.
ja i.os, por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
rearada, por 15 kilos, a 1*200 a 1*300.
Bruta, por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
itera mes, por la kilos, de 840 a 1*000.
O m-iximo ou mnimo dos piecos sao obtidos
conforme o sortimento.
Algodao
O preco de algodo de Pernambuco e boas pro-
e aeo.ias, em trra, contina a ser de 6*250 per
15 kiks.
Entradas de swacar e aliodau
ves deJfeveheibo
ENTRADAS
Cmara Municipal de Recifc
sLimpcza publica da eidade
A Cmara .Municipal rlcsta eidade, em vir'ude
da le, que manda ser a limpesa dn eidade feita
por arremataco, recebe propostas em carta fe-
chada para o servio da reterida litnpe'i, at o
da 16 de Marco do crrente anno, as quaes dn-
verao ser entregues pidos interessidos em ecsso
da mesma Cmara, do dia cima referido, de con
formidade com a> bases qne abaixo vo publica-
das ; chaman io-se especialmente a attencio dos
concurrentes para a. clausula XIV.
A arrematacao do *ei vici da limpezn pubFica
ser f-ita por pr. pasta em carta fechada, no
sendo pcrmitrfdo ? nenhum concurrente arrematar
mais de urna "frcguezia, s"rviodo de bape para
cata urna, a quautia de oito coutos e quiuhcntcs
mil ria annuacs.
II
O arrematants obriga se a executar o varri-
mento diario de todas as mas, pracas, beccos, tra-
vessHs pontea, caes, jampas, emtitn, toda a fre-
guozia que arrematar; a remover para os lugares
abaixo dactrminados todo o iixo, materias orgni-
cas inorgnicas, animaos raortos, qualquer que
seja o tamauho, que enterrar, sendo indinni*uuo
pelos donos d'aquolles que i>rem reconhcidos, e
fiaalmente tudo quanto se compreheuda ua pala-
vra immundicia. Obtlga-se*anda o arematantn a
providenciar sobre a ebatruccSo das vias de eom-
municaco da estagnacao e do escoamento das
aguas pluviaes, quanJo for possivel.
III
O eervico principiar ao mesmo terapo em cada
frfguezia, 4 meia no-.te, devendo terminar s 6
horas da manh, isto com rulacao s pontes, caes,
rampas e s ras designadas abaixo,^ ponendo
porin, ser feito de dia qu'andi as noite forem
chuvosas. A limpt'za das demai ras podtr co-
mecar das 6 s 10 horas da manh.
IV
Todo o Iixo ser r< movido em carrosa puxada a
burro ou cavallo, e devem ser cebertas.
V
A ponte de Sant Lhbel ser varrida pelo arre-
matante da fregntzia de Santo Antonio, as da
Boa-Vista e Recife pelos retpectivos arrematan-
tes.
VI
No ervico da romaco dos objectos^ que obs-
truam as ras, prac>s, ues e rampas nao se cra
prehendem aquellea que pertencerem a donos de
obras ou empreiteiroe. a quem os fisiaes obrigarao
a retirar, "- nem ta-J ruco a calica que da mesma
forma ser couduzida por e'.les para os lugares
que a Cmara indicar.
Obriga-se anda o ai rematante a arrancar toda
a ve/etcio expontanea que nascer entre ou sobre
o calcamento e o passeio das ras, e bem aesim a
derrubar todo o matagal que exifti' na frfguesia
que arrematar, seudo que este aervico poder ser
feito de di.. vm
Obriga-se tambera o arrematante a limpar e a
desinfectar os mietnrios e latrinas, lavando-os
com preparacoes chimicps, trasendo-os aemprc
aceiados interna e externamente.
Ia
O arrematante sosnpprir sua custa, de todos
os utencilios necessarius para a boa execuci do
servico.
O arrematante incorrer na multa de 10*, sem-
i.....
.-r^i-. de ferro de Ulin-
Kvfc......
de ferro de Ca-
nia" .....
*iaea.....
U de ferro de 8.
: laCJ .
de ferro de Li-
a d* Tkeaoctro dilacerada*
Mibinseuto de notas dilaceradas est sendo
i Theteuraria de Pasends, as tercas e
, das 10 s 12 horas da manba.
SuballluiCMu de nota* do Thessuru
Em 31 de Mrc> viudouro termina o pruzo mar-
cado para rcolbimento, sern descout, das notas
de 2*U0J da 5" estampa, 10*000 da 6 e 5*000
da 7"-
A subetituicao eBt sendo feita na Tbeaouraria
de Fasenda, nos dias uteis, das 10 s 12 horas da
mantas.
Embarcares despachadas
Vapor americano Adeance, sabido no da 16;
conduzio:
Para NeVT York:
5,215 saceos com assucar mascavado.
Para Marm.hao :
170 barricas c.m assucar branco.
Para Para :
1,612 i/a barricas, 20/3 e 950/4 de assucar branco.
13 pipas de agurdente.
Carreicaraui diversos.
Vapor nacional Pard, sahido no dia 16, condu-
zio :
Para Babia :
20 1/2 bai ricas com asaucar branco.
Para Rio de Janeiro :
400 ssccas com alodo.
1.556 saceos com assucar branco.
400 ditos com dito- mascavado.
Para Porto Alegre:
100 saceos com assuctr branco.
Carrrgaram diversos.
Brigue p rtuguez S. Loureneo, sahido no dia
17, condusio :
Para Lisboa :
1,528 conros.
Para Porto:
423 saccas com algodo.
100 saceos com assucar mascavado.
341 conros.
Carregaram diversos. ,
Brigue nacional Praxtret, sahido no dia 17,
conduzio :
Para Pelotas :
960 sacc-s com assucar branco.
1,020 barricas com dito dito.
340 saceos com dito nascav-ado.
40 barricas cora dito dito.
20 pipas de agurdente.
Carrrgaram Amoriin Iroiijs & C.
arca
Eikumiasnnd
noruecuense
Esta barca, entrada hontem, consta *f tar frita-
da no Rio de Janeiro para earregar algodo aqu
com destino ao Bltico.
Pauta da tlfanaea
HfcXlEA DE 14 A 19 D> FBTEBEIBO
AIcoo (kilo)
Algodao (kilo)
Arroz com casca (k'lo)
Assucar refinado (k lo)
Dito branco (kilo)
Dito mascavado (kilo)
Borracha (kilo)
Cachaca (liiru)
Cacao (kilo)
Cafrrstolho (kilo)
Caf bom (kilo)
Carnauba (kilo) i
Careos de alfvdao (kilo)
Carvao de pedr de Cardifi ('0 :.)
CouroB secco* tpichados (k lo)
Ditos salgados se-co (kilc)
Ditos verdes (kilo)
Farioha de mandioca (litro)
Pumo resfolh) (kilo)
Genebra (litro)
Mel (litro)
Milho (litro)
Pranchoes (duz;a)
218
350
065
151
131
067
1*266
077
400
4S0
J20
366
014
16*000
585
500
275
250
400
200
040
040
100*000
ImportacSo
Lugr" nglea Manche, entrado de Ter-
ra Nova, em 16 do correte, e coDeigaado
a Saunir.s Brotlter* & C, maDifestou:
Bacaltao 1:875 b.rricae, e 2:310 meias,
aos consignat irlos.
Logre inglez Mennia entrado de CarJiff,
em 16 do uerrenf, censignado a J. Pa-
ter, & C, manfestou :
Carvao de pedra 761 toneladas or-
dem.
Hiate nacional Flor do Jardim, entrado
pre que fr encontrada sem indicia de ter sido
limpa, qtftlquea ra, travesa, boceo, largo, pat 'o,
rampifc caes, mfetorio e latrina, qne Ihe ser des-
contada no pagamento semanal.
XI
arremarante que hoaver incorrido em cinc*
multas, sem provimento de recurso interposto pe
rante a Cmara, perder o contracto e o valor da
6ik;* sem direito ainda a ser indemnisado de
qualquer interesse ou perda, que piovier do mes-
mo contracto.
XII
O servir, da lmpeza publica, alm da fiscali-
sa;ao a quo est sujeito por parte do fiscal, a
quera cjrrc o rigoroso dever de velar pelo cum-
primantj restricto das presuntas clausnUs, ser
tambera iiipeeeionHdo pelo respectivo commissa-
n, que irapor maltas ao arrematante pcli falta
de cnmprimvntO de dever, c >m recurso para a C-
mara, aSo p > iendo da deuisao desta recorrer o
otante p-ira qualquer autendade adminis-
trativa ou judiciaria.
xin
As reclamacoes contra o servico da limpsa pu-
blica dsvero ser feitas por escripto 4 Cmara ou
a qualquer de sens membros.
XIV
O arrematante prestar urna Sanca de um cont
de ris em dinbeiro ou apolices geraes ou provin
oiacs, pira gnrantia deste contracto, e a Cmara
s receber propostas daqnelles que houverem
depositado a quantia de 200* em dinheiro, em po-
der do procurador, o que pro vario com o respec-
tivo recibo, na accasiao da entrega da propoata ;
sendo qne perderlo dita quantia, se acceita soa
proposta nao vierem assignar o contracto dentro
do pi aso de 8 dias. contados da ap_provacio do
presidente da provincia.
A arremataciio ser feita por anno financeiro
municipal, isto do Ia de Outubro a 30 de Se-
tembro ; sendo que o presente dever vigorar da
data, em que for approvado pelo presidente da
da provincia, at 33 de Seterabro do corrente
anuo. .'
XVI
A Cmara pagar ao arrematante, por semana,
o strvico de limpesa na respectiva proporcio da
importancia da arremataciio annual.
XVII
As ras, que nao forem calcadas, serio limpas
a aucinhu.
XVIII
As propostas serio entregues. pelos proponen-
tes em sessao da Cmara, designada para este
tim, sendo preferido quem inelhorea vantageus of-
teivcer, e quem mais idoneidade tiver.
XIX
Terminado ou interrempido o prazo do contrac-
to, nao lera a contractante direito a ser indem-
nisado de qualquer valor ou material, que tiver
empregado no servico, cujo material fiodo o con-
tracto, pertencer ao contractante.
XX
O contractante nao pode abandonar o servico
que tiver arrematado, salvo em caso de (orea
maior provada, a juizo da Cmara ; mas se o fi-
ser fra desta excepcio, n3o s nao ter direito
a udemnisau4o alguma, como tambero perder
o valor da tianca em beneficio dos cofres muni-
cipaes.
LUGARES DESIGSADOS PAEA n'bLLBS DEPO-
SITAB-SE O LIXO DA CIDADE
Freju-tia de Santo Antonio. Praia de Santa
Rita.
Frtguetia da Boa-Vista.Hospicio.
Freguezia do Rteife,Lido da mar pequea ao
Basta da fortaleza do Bruin. 100 bracas distantes.
Freguetia de 3. Joti. -Nos alagados ao nasceu-
te e ao poente da ra Imperial.
UUAS QUE DEVEM 8ER VARBtDAS a' NOITE
Rec-fe.Mrquez de Olinda, Bis'po Sardinha,
Largo da Alfaodegfl, Madre dej Deus, Amorim,
Travessa da Madre Deus, Bom Jess, Commercio,
Torr.s, Thom do Souza, Matates, Largo do
Corpc Santa, Vigario, Abreu, Travessa do Corpo
Santo, Viseando deltaptrica, Bario de Triumpbo,
Caes do Appolio e liniin.
Figue
de 'Ja 'o na mea'na data, e consignado a
viuv Lagos, manifestou:
Sal 53:000 littros ordetn.
Vapor nacioual Pernambuco entrado dos
portoa do sul, no d'a 17 do correte, e
consigaado ao Visconde de Itaqui N'urte,
manifestou ;
Carga do Rio de Janeiro
Amostras 1 volume. ordem.
Chapeos 5 caix3es a diversos.
Carne 5 barris Antonio D. de
redo.
Caf 60 saceos a Alberto Rodrigues
Branco, 40 a Ferreira Aodrigues & C. 93
Femandes Irroaos. 104 a Doraiogues Cruz
Teixeira & C, 102 i ordem, 31 Atitnnio
Jos Soares & C. 50 J. J. da CosU C
60 a Manoel Rezendo.
Fazeodas 2 caixas ordem.
Fumo 67 voluraes a Sodr da Motta
& Filho, 75 ordem, 2 a M. A. Pereira,
6 a J. H.dos Saotos, dito em folba 20 tar-
dos a Samuel Esnaty.
FogSea de ferro 7 volumea a Ferreira
Gunuaraes & C.
Liaba 1 caix i ordem.
Matte 2 volumes a Pedro Vitello d C.
Mercaduras diversas 6 volumes aogj-
verno da provincia.
Panno de algod&o 10 fardos
Cordeiro & C, 10 a Machado
5 a Sevtrino 4 Irmlo.
Saceos 3 fardos ordem.
Tubos de ferro 6 ordem.
Vinho 10 barris a Gomes & Pereira, 6
ordem.
Xarque 400 fardos a Maia & Rezende,
186 a Sauaders Brothers & C.
Carga da Bahia
Azeite 7 barris a Domingos Cruz A C.
Charutos 5 casoes ordem, 1 a A.
Jos Soares & C.,'3 a Jos Antonio dos
S.intos.
Capos 1 ouixao ordem.
Fio de algodao 77 saceos a Jlo Fran-
cisco Leito A C.
Fumo em folhas 3 fardos a Jos Anto
oio, Pereira.
Mercadoras diversas 11 volumes a H.
Burle A C,
Papel 4 volumea ordem.
Panno de algodao 48 fardos a Ferreira
A IrmSo, 6 a A. Santos A C, 5, a Alves
de Britto A C, 8 a Goncalves Irmao A
C, 5 a H. Nuesch h C, 36 a Lniz An
tonio Siqueira, 18 a Beroet A C-, 40 a
Machado A Pereira, 25 a Olioto Jardim
A C, 26 ordem, 13 a Rodrigues Lima
A C 10 a Amorim A C-
a Maiins
A Pereira,
Vinho 2 pipas
Maris da Silva.
e 26 barris a Antooio
Hiate nacional ifom Jesiu. entrado da
Parabyba em 17 do cerrente o consigna-
do a Manoel Joaquim Pessoa, manifes-
tou :
Algodo 275 saccas a Rodrigues Lima
A C
i:\portacao
Ezcurz, 16 na rcvssEao de 1887
Para o exterior
Na galera inglesa Lorento, carregaram :
Para Liverpool, H. Nuesch C. 200 siccjs con
15,000 kilos de assucar mascavado.
Na barca noroeguense Mira, arregaram :
Para Liverpool, S. Brothers ot C. 68 saccas
com 27,720 kilos de algodo.
Na barca noruegueuse Bote, carregaram :
Para New-York, Julio & Irmao 500 es ecos com
37,500 kilos de assucar mascavado.
Na esenaa americana Sarold,* carrega-
rsmj:
' Boa-Vista.Imperatris, 'onde d'u, Largo da
Santa Crus, Ra da Santa Cruz, Conceico, BarSo
de S. Borja, Visconde de Pelotas, Viscoude de
(Joyana, Anrora, Visconde de Albuquerque, Hos-
picio, Cae* de Capibaribe, Pires, Pormosa, e Becco
dos Ferreiros.
Santo Antonx;Bario da Victoria, Cabug,
Praca da Independencia, Rosario (eatreita), Rosa-
rio (larga), Imperador, Du.jue de Caxias, Primeiro
de Mareo, Livramen'.o, Direiw (parte), Penha,
Viscoude de Inhauma, Pedro Affonse, Caes do lia-
mos, Caes 28 de Novembre, Florentina, S Prau
cisc", Sol, Mar uezdoHerva! (parte). Rjda, Largo
do Paraizo, Pedro II (largo), e Corone! Suausupa
(parte).
S. Jos. Largo do Mercado, Ra Dircita (par-
te). Imperial, Vidalide Negn iro-, ARsmnpcio,|Lar-
go das Cinco Poetas, Marqni.-s dj Hervul (parle) e
Coronel riuassuna (parte).
Paco da Cmara Municipal da Reelfe, i de Fe-
vereiro de 1887.
Presidenta.
Dr. Prxedes Gomes de Sonta Pitonga,
Secretario.
Francisco de Assis Penira Rocha,
O Dr. Joaquim da Cesta Ribeiro, jniz de direito
do civel neata eidade do Recf e aeu termo, ca-
pital da piovincia do Pernambuco, por Sna Ma-
gestade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
d>o II a quem Deus guarde etc.
Faco saber aos qae o presente edital com o pra
so de 20 dias virem ou delle noticia tiverem, que
no dia 19 de Fevereiro do anuo vindouro, depois
da audiencia drste juizo Be bao de arrematar por
benda a quem mais der e maior lance offerecer os
vens geguiutes :
Um sobrado de um andar de pedra c cal n. 13
no pateo do Paraso : o pavimento terreo com duas
portas e nina janella de frente, servindo urna das
portas para o sobrado, esm duas Balas, dous quar-
tos, cosinha fra, quintal murado, cacimba ineei
ra; e o andar com tres partas de fente com va-
randa de ferro, com das salas, dous quartos, co-
siaha fra e em mo estado a coberta e o assoa-
Iho ; medindo de frente 5 metros e 20 ceutimetrnp
e de fundo 11 metros e 90 centmetros, avaliado
por 4:000*000.
Urna casa terrea na ra da Roda n. 25, com
duas portas e urna janclla de frente, com duas sa-
las, quatro qnartos, cosinha fra, com nm portao
que di sabida para ra dos Patos, sendi a casa
de pedra e cal, o sole foreiro, medindo de largura
5 metros a 65 centmetros r de fundo 14 metros e
l> centimetroB, em mo estado a coberta, avaha-
da por 3:000*000.
Urna casa terrea, mei'agna, de pedra e cal, fei-
ta a moderna na ra dos Patos n. 8, com urna por
ta e umajanella de frente, cora urna sala, um
quarto pequeo, urna pequea cosinha, terreno fo-
reiro, medindo de largura 3 metros e 90 centime-
tras e de fundo 5 metros e 5 centimetroi, avaliada
por 500*00(1.
Peuhorados por execuco de Victorino Domin-
gues Alves klais, contra o cnsul de Portugal,
como representante do espolio de Ignacio de S
Lopes Femandes ; pelo que toda e qualquer pea
soa que em ditos liona quizer tancar o pouer fa-
zer nos dias de praca.
E para que chegue ao conheemento de todos
mandei passar o presente edital que ser publica-
do pela imprensa e atnxado no lugar do coslume.
Dado e passado nesta eidade do ttecife, aos 10
de Dezembro de 1886.
Subscrevo e assigno, eu, Pedro Tertuliano da
Cunos, escrivao.
Joaquim da \Cotta Ribeiro.
DECLARARES
Club Concordia
Zweites Preiskegln
Sonntag den 20 Februar
Nachmittags 2 ubr.
Das directorium.
Para New-York, H. Forst tiS. 6,'X'O saceos
com 4M),000 kilo de aasnear maacvado ; M. J.
da Kocha 500 saceos com 37,500 kilos de assucar
mascavado.
__ Na barca portuguesa Novo Silencio, carre-
garam :
Pura o Parto, M. Lima C. 50 saccas con,
4,001 kilos de ajgodao ; 8. B.ito Amorim C. 37
taccas com 2,795 l\ kilos de algodo.
i Para o interior
__ So lugar nacional Tigre, carregou :
Para o Rio Grande do Sui, J. dos ha utos La
ges 15 pipas cora 7,200 litros de gurdente.
__ No p-tacho allemo Johinne, carregou :
Para o Ro Grande do Sul, V. da Silveira 560
volumes com 47,592 kilos de aasnear branco e 100
barricas com 11,39J ditos do dito mascavado.
No lagar ingles Morning Star, carrega-
ram :
Para Santos, H. Burle & C. 3,000 saceos com
180,000 kilos de assucar branco e 3,00'J ditos com
180,000 ditos de dito mascavado.
__ No vapor allemo Paianagud, carrega-
ram :
Par o Ro de Janeiro, H. Burle & C. 150 saccas
eom 11,427 kilos de algodao.
No vapor nacional Arlindo, carregaram :
Para o Rio de Janeiro, V. T. Coimbra 1,000
saceos com 60)000 kilos de assucar branco e l.OdO
ditos com 60,000 ditos de dito mascavado.
Para Santos, P. Carneiro 4 C. 1,018 saceos coro
62,880 kilos deassuca Wn.
Para o Rio Grauie du Bul, P. Carneiro & C.
200 saccas com 13,403 kilos de algodao e 20 pipas
com 9,600 litros de agurdente.
__ No vapor nacioual Para, carregou :
Para o Rio de Janeiro, F. J. de B.rros Jnior
170 pelles de cabra-
No vapor nacional Pernambuco, carrega-
ram :
Para o Para, G. Senua & C. 100 saceos coa
6,000 kilos de tnilho : J. L. deOliveira 15 barricas
coro 971 kilos de assucar refinado.
Para nanos, H. Oliveira 20 barris coro 1,920
litris de agurdente e 100 barrica* com 4,30 kilos
de assucar branco.
__ No hiate nacional Correio de Natal, earre-
barricas com ;
garam :
Para o Natal, P. Alves & C.
900 kilos de assucar refinado.
__ No vapor nacional Piropama, carregaram :
Para Parnahyba. E. C Beltrio 6c Irmao 76 vo-
lumes com 3,351 kilos de assucar branco.
__ Na barcaca Rainha dos Anjos, carrega-
ram :
Para Macao, E. C. Btltro & Irmao 10 barricas
com 1,080 kilos de assucar branco.
Para o Natal, Fernandos & Irmao 421 saceos
com farinha de mandioca.
\avlo 4 cara-a
Barca noroeguense Box, New-York.
Barca norueguense Vega, Russia.
Barca norueguene Oqir, Liverpool.
Barea inglesa Dunstujfuge, Estados-Unidos.
Barca noruega Re, Ameriea.
Barca sueca Prima, Hull.
Barcaca nacional Flor do Pasto, Mamanguape
Barctca Linda Sinh, Rio Grande do Norte.
Bar .-a portuguesa ATow> SiUncio, Porto.
Barea norueguense Gord^n, Liverpool.
Brigue noruegueuse Mira, Liverpool.
Cter nacional Geriquity, portoa do norte.
scuna sueca Lorel*y, Rio Granae do Sui.
Escuna alleraa John, Santos.
Escuna allema tritit, Porto-Alegre.
Ecnna nacional Urania, Rio Gronde do Sui
Ualcra ioelesa Lorenzo, Liverpool.
Hiate nacional Correio de Natal, Nata!.
Hiate nacional, Adelina^ Maeo.
Lugar inglez Mo'nmg Star, Santos.
Lugar iuglez EUsabeth, Rio Grande do Sal.
Luj Patacho nacional Matinho VI, Rio Grande do Sal.
Patacho nacional Taborda, Santos.
Patacho americano J. P. Lassen, Rio Grande do
Sal.
Patacho portugus Fanny, Par-
Patacho americano Beniamin Fabens, New-1 or.
Palhabote nacional S. Bartholomeu, Porto-Alcgre.
Patacho portugus Venias, Lisboa e Porto.
Patacho portugus anny, Portngal.
Vapor brasileiro &ergipe, Baha e escala.
Vapor brasileiro Arlindo, Rio Grande do Su!.
Vapjr ingles Plessy, Liverpool.
Vapor nacional 5. Franc*, portas do ra!.
Vapor inglez Paraense, New-York.
Navio* 4 descarga
Barca noraegnen'se Noatun, csrvJo.
Barcaca nacioual Apresentatfio Je Mario, gneros,
nacionaes.
Secretaria Ja presidencia de Per-
nambuco, id detFevereiro de
188*
2* seceo.
De ordem do Ezm. Sr. presidente da provincia
e em observancia do disposto no art. 171 do regn
lamento annezo ao decreto n. 9420, de 28 de
Abril de 188o, faco publieo que por portara desta
data foi nomiado s Sr. JoSo Barbosa de Sonsa
para servir provisoriamente os officips de tabellio
e annezos da comarca de Taquaretnga.
O secretario,
Pedro Francisco Correia de Oliveira.
.ooii auhia de seguros Pheuix
Peroambucana
Os senhor.'B accionistas, nos termos do art. 'b
e para os eff itos do 1' do art. 27 des ei tat tos,
sao convidados a reunirem-se era assembl-i geraj
ordinaria no dia 3 de Marco prximo, ao meio dia,
na sede da companhia.
Pernambuco, 16 d* Fevereirj de 1887.
Os a iministradores,
Luiz Duprat.
Dr. Manoel Gomes de Mattos.
J.io Jote Rodrigues Mendos.
Jaizo d(K Feitos da FazeniL
ESCBIVAO TORRES BAKDEIRA
No dia 11 de Marco prximo, ir praca por
venda as casas uhaixo descriptas, penhoradas pela
Fazenda Provincial :
Casas sitas no Becco do Quiabo ns. 1 e 3, fre-
guezia do Pojo da Panella, com 2 jauellas e 1 por-
ta, portio ao lado, 6 metros e 30 centmetros de
frente, 13 metros e o centimetios de fundo, 4 qnar-
tos. cosinha fra, auin'al murado, cacimba meeira,
e a de n. 3 com 2 "salas, 3 quartos, cobinha fra,
terraeu, sota > interno, com 1 salo e 1 qnarto, ain-
s arruinadas, e avahadas em 200*000 ceda
iima, pjrtencentes a Antonio Jos Pinto.
Estrada de Perro do
Recifc a Caruar
De ordem do Illm. Sr. director, fiz-se publico
que a contar do jia 21 do corrente o trem Pis
r at a tstaco do Cascavel as tercas e sabba-
dos.
"Secretaria do Prolongaroentoda Estrada de Fer-
ro de Pernambuco e Estrada de Perro de Caruar,
16 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
Manoel Juvencio de Saboya.
Atheneu Musical Per-
nambucano
De ordem do cooselbn xdu>inistrativo da socie-
dade Atlieiieu Musical P.rrjimbucano, convido ros
Srs. socios afifn de se r-unirem em nossa sede,
s 7 horas da noite do da 18 do corrente, para
era assembl* geral elcgar se o thesoureiro vista
na tar acceitado o cargo, o que lora elcito.
O." secretario,
Hantino Pinto.
Club Carlos Gomes
Tendo a couimis?ao encarregad* da ornamrnta-
cSo drs salo.-s d-i club para osario carnavales
no d .i 19 do corrente, de principiar seus fraba-
lhos, previno aossenhires socios que fica suspen-
so t.,d i o expediente nos das '7, 18 e 19.
Recife, 16 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
P. Casanova.
'-^-^-Hp
ay
Barcaca nacicnal Elor de Tatuaminha, idem.
I'.aicaca nacin! Semprevivo, idem.
B/ rea nacional Moema, idem.
Barcaca nacional V.ctoria Alagoanna, idem.
Barcaca nacional Boa Nova, idem.
Brigue austraco Pinas, varios gneros.
Ilrigue allemo Bruno & Marie, varios gneros.
Escuna inglesa Percy, baealbo.
I ate brasileiro Bom Jesus, algodo.
Hiate nacioual Flor do Jardim, sol.
LAgar inglez Momia, carvo.
Lugar noroeguense Courier, farinha de mandioca.
Lugar ingle Blanche. -bacalbe.
Lugar inglez Retrevier, baealbo.
Lugar inglez Luvtie R. Wilce, bacalho.
Lugar americano Harold B. Causens, farinha de
trigo.
Lugar inglez Nicanor, farinha de trigo.
Patacho ingles S Joseph, bacalho.
Patacho ingiez Tiber, baealbo.
Patacho americano Leonora, farinha de trigo.
Vapor allemo Paranagud, varios gneros.
Oinhetro
O paquete Para levou ante-hontem para :
Alagoas 127:900*000
Babia 1:000*00) .
Rio de Janeiro 16:000*000
O paquete Pernambuco trouxe do *ul, bontem,
para :
Francisco Goncalves Torres 6:030 000
Bermrdino Lopes Alheiros 4:000*000
Antonio A. do Santos Porto 4:00ti*t)00
Francisco Lauria & C. 3:000*000
Martina Fiusa 4 C. 2:000#01'0
lleudirueutus pblicos
MSZ DI rUVEBSIBO
Al/aniega
A direceo desta companhia tera a honra de
convidar os Srs. accionistas para reunirem-se en
assembla geral ao mcio dia de 28 do corrente mes
no sen escritorio, aflu de conhecerem das contas
do anno findo em 31 de Dezembro prximo passa-
do ; e bem assm proceder se a aleico de que tra-
ta o 2o do art. 27.
Recite, 14 de Fevereiro de 1887.
Os directores
Joaquim Alves da Fonseca.
Jos da l-lva L yo Jnior.
Antonio da Cnnha F. Baltar.

Por esta secretaria sao chamados os parentea e
protectores das menores abaixo declaradas, para
at o da 28 do corrente apresental-as rio collegio
das orphs, aftm de serem ahi admittidas, visto
serem as primeiras inscriptas no respectivo qua-
dro.
1 Carolina, protegida de Augusto Manta.
2 Illuo>iuats, filba de Mara Florencia Barbosa
dos Santos.
3 Laurinda, filha de Sincletica Lins da Vas-
concellos Araujo.
4 Mara, filha da mesma.
5 Adelaide, filha d~.Msria Jos da ConccicSo.
6 Mana, filba de Mara Jos da Eocarnaco.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 8 de Fevereiro de 1887.
O escrivao,
Pedr Rodrigues de Sonta.
S. if. J.
8ociedade Recreadla Bveniuiie
Sarao carnavalesco em 19 de Fevereiro
Iniciativa da presidencia
Pide-se aos senhores socios que desejareai ti-
rar convites para este baile, o favor de apresen-
tarem suas notas na secretaria da sociedade.
Nao sero adraiUidos aggregados.
Prevenimos kos senhores socios effectivos, bene-
mritos e ditnetos, qne os ingressos podero des-
de j ser procura Jos em me do Sr. thesoureiro.
Serretaria da sociedade Recreativa Juventtidc,
8 de Fevereiro de 1887.O 2o secretario,
Jos de Mediis.
Companhia de Editlcaco
Assembla geral ordinaria
De accordo com o artigo 31 dos ertatutos sao
couviduucs os Srs. accionistas da Companhia de
Edificarlo para se reunirem no dia 1 de Marco,
ao meio uia, ua s le da mesma Companhia, ao lar-
go de Pedro II n. 77, i ander, afim de ouvircm a
Icitura do r*lstorio, balanco e apreciarem as con-
tas da directora, discutirem e upprovarem o pa-
recer fiscal, e ainda procederera a eleico da nova
commisso fiscal, nos termos dos arts. 21 8, e 38
dos mesmoa estatutos.
Recife, 12 de Fevereiro de 1887.
Gnstavo da Silva Antunes,
Director secretario.
Permutas
O Sr. Dr. inspector geral ~a inslrnccd publica
in.nda fazer constar s professoras pusucas Bel-
larmina Francisca Lobo Barros e Amelia Mana
da Conceicao Ramos, esta da cadeira de Campos
Frioo e aquella da de Pao Branco, que lhe fica
mircado o praao de 20 des, a contar da data de
sua remocao, afim de assumirem o ejercicio de
suas cadeiras.
Secretaria da instrueco publica de Pernam-
buco, 17 de Fevereiro de 1887.=0 secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvo*
Carneiro de 720 a 800 ris dem.
So.iuo-1 de 500 a 640 ris idem.
Farinha de 160 a 240 ris a cuis.
Milho de 260 a 320 ris idem.
Feijo de 560 a 1*000 idem.
Renda geral
1 a 16
dem de 17
Renda provincial
De 1 a 16
dem e 17
44f>:300786
48:205*461
84:429:264
6:67Ua5
493:006*247
91:086 4319
lotal
Recebedoric
Pe 1 a 16
dem de IV
504:592*566
20:053*278
1:014*547
Consulado Provincial
Del
dem
On 1
Ideo
a 16
dd 17
a 16
ue 17
21:967*825
34.6844006
159,027
Recife Drainage
34:843*033
18:309*333
1:416*824
19:726*157
aereado Municipal de S. doa
O movimento deste Mercado uo dia 17 do cor-
rente foi o segninte:
F.ntraram ;
431/2 bois pesando 6,052 kilos, sendo 16 di-
tas de 1' qualidade, 12 e 1/2 ditos de 2> dita
a 14 ditos particulares
730 kilos de pene a 20 ris 14*600
101 eargas de farinha a 200 ris 20/200
16 ditas de fructas diversas a 300 rs. 4*800
9 taboleiros a 200 ris 1*800
19 Sainos a 200 ris 3*800
Foram ocenpados :
26 columnas a 600 ris 16/600
21 compartimentos de farinha a
500 ris. 10/500
21 ditos de comida a 500 ris 10/000
77 ditos de legumes a 400 ris 30/800
18 ditos de suino a 700 ris 12/600
10 ditos de tressuras a 600 ris 6/1)00
10 tainos a 2/ 20/000
8 ditos a 1/ 8/000
A Oliveira Castro & C.:
54 tal tos a 1 ris 54/000
2 taihos a 500 ris 1*0X0
Oeve ter sido arrecadada nesta dia
a quantia de 213/700
Rendimento de 1 a 15 de Fevereiro 3:106/160
Foi arrecadado liquido at boje
Precos do dia :
Carne verde 200 s 480 rii o kilo.
3:319*860
Haiadouro Publico
Foram abatidas do Matadouro da Cabanga 64
rezea para o consumo do dia 18 de Fevereiro.
Sendo: 43 retes pertenceutes a Oliveira Castro,
ic C, e2l a diversos.
Vaporea e stavloa eaperadeo
VAPOKES
Legislstorde Liverpool hoje.
Seoegaldo sui a 21.
Supervisorde Liverpool a 22.
Ville de Maranhodo sui a 22.
Ville de Cear do Havre a 22.
Espirito Santodo norte a -3.
Tagnsda Europa u 24.
Marinerde Liverpool a 24.
Financede New-PortNews a 27.
Cearde sal a 27.
avos
Alejandrade Rio de Janeiro.
Amode New-Port.
Amandade Hamburgo.
Apotbeker Dirsende Santos.
Aricade Cardiff.
Aldwathde Terra Nova.
Ameliado Rio Grande do Sal.
Auriolade Terra Nova.
Budade Cardiff.
Bella Rosade Terra Nova. c
Cometade Porto Alegre.
Cysnedo Rio Grande do Sol.
Cnristiani Scrivcrde Cardiff.
Cameiiade Terra Nova.
Dudado Rio Grande do Snl.
Enjettado Rio Grande do Sui.
Erntede Hamburgo.
Edward Johnsondo Rio de Janeiro.
lite de Tena Nova.
Eugeniade Terra Nova.
Guadianade Lisboa.
Hapnusdo Rio Grande do Snl.
Herailiada Babia.
Idealde Londres.
Jelantbede Santos. /
J. G. Ficbtdo Rio de Janeiro.
Li dadorde Rio de Janeiro.
Liliande Terra Nova.
Laviniade Terra Nova.
Maia Ido Rio de Janeiro.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio Grande do Snl.
Meta Sophiade Hamburgo.
Mayde Terra Nova.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Nellyde Terra Nova.
Our Anniede Bueooe-Ayres.
Progressode New-Port.
Plimouthdo Terra Nova.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sal.
Rolanddo Rio de Janeiro.
Sperauzsde Cardft.
Vareo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelminede Hamburgo.
Movimento do porto
Navios entrado no dia 17 de Fevereiro
Rio de Janeiro e escala7 dias, vapor naciona
Prcnambuco,ie 1,999 toneladas, commaodante
Pedro Hypolito Duarta, equipagem 60, carga
varios gneros; ao Visconde da I:aqui do
Norte. N _
Rio de JaneiroBarca norueguense Etkundasund,
de 797 toneladas, capitao 0. Borthimiusseo,
equipagem 15, em lastro; a W. W. Robilliard
& C.
Liverpool33 das, barca norueguense Moalun,
de 780 toneladas, capitao J. Jorgensen, equi-
pagem 11, carga carvao de pedra ; ordem.
Psrabyba2 das, uvate nacional Bom Jess, ae
85 toneladas, mestre Clementino o..s de Ma-
cedo, equipagem 5, carga algodao; a Manoel
Joaquim Pessa. __,
Tena Nova-31 dias, p.tacho ingles S. Joseph,
de 25 toneladas, copiUo A. LAgelier,, equipa-
gem 8, carga, bacalho; ordem.
Nenio sahido no mesmo Pelotss-Brigne nacional Prozeres, capitao Joio
Rodrigues dos Santos ; carga assucar.
Santos e escalaVapor allemio Paronayud, com-
ntandanta F. Bohlfs; carga varios gneros.
MsceiLugar idgles .sute R. Wiice, capisao
E. P. Aeale ; carga bacalho.
Rio Grande do rfgPatacho sueco irmao, capitao
J. Thore; catfgllHUoar.
I
B
.'.

#.-




-i.:'
V




Diario de PernarabucoScxta-eira 18 de Fevereiro de 1887



. '"'
Tlicsouro Provincial
\ De ordem do Illm. Sr. inspector desta repart-
(So, fuco pnblico que no da 18 do correte mes,
aara-se a classe de 1* entraucia de professora?,
relativamente aos vencimentos do m>z de Dezem-
oro prximo fiado.
Pagadoria do Thesouro Provincial de Pernam-
sjnco, en 17 de Feverei.-o de 1887.
O cscrivio da despera,
Sil vino A. Rodrigues.
Corroo g$ral
Malas a expedir-te hoje
Pelo vapor nacional Pernambueo esta aiminis
tracao expede malas para os portes d j norte, re-
cebcudo impressos e objectos a registrar at 2
hora da tarde, cartas orainarias at 3 horas ou 3
/2 con porte duplo. .
Administroslo dos correios de Pernambu -O, 18
de Fevereiro de 1887.O administrador,
Affonso do Reg Burro*.
Lotera de 4000 coritos
A grande lotera do 40M) contos, em 3 sorteios,
Sea transferida para o dia 14 de Mxio vindouro,
pieterivelmeDtt', nos termos do despacho do
im. Sr. presidente, de boje.
Taesouraria das Loteras para o fundo de
t>aneipnco e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
ikzen-.br, de 1886.
O tbesonreiro,
Francisco Goncalves Toires.
a
E
rolongamento do Estrada de Fer-
ro de Pernambueo
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
ao es'riptorio do engenbeire ebefe do trafego do
Prdongameuto da Estrada de Ferro do Recife no
S Francisco em Palmares reetbem-se propostas
at o dia 20 do correte para a exeouco de aterro
e algnmas valla e bacias existentes no trecho de
8- Benedicto a Canhotinho do mesmo prolcnga-
aseato.
Ho referido e3criptorio encontrarlo os interessa
ee oa precisos esclarecimentos.
Secretaria do Prolengamento da Estrada de For-
jo d Pernambueo e Estrada de Perro, do Recife a
Caraar, 10 de Fevereiro de 1887
O secretario,
Manoel Juvencio de Saboga.
Campanilla de seguros Aniphf
frit
A direcelo em cumprimento ao art. 33 dos es-
tatutos d'eata couipannia, convida os Srs. sceio-
a-sto a reuDirem-se em assembla geral, no saluo
da Arsoeiaco Commercial Beneficeute no dia 2
do prtxmo Marco ao meio dia para ouvirem o
sen relatorio e o parecer da < oi.imesac fiscal.
Igualmente n:oceder-se-lia a eleicode que tra-
te o art. 40 dos mesmos estatutos.
Reeife, 17 de Fevereiro de 1887.
Os directores
An" nio Marques de Arnorim.
Manoel Jos da Silva Guimares.
Joiquim Lopes Machado.
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
EstabeicJda eml^S
CAPITAL 1,000:000$
SDISTROS PAGOS
At 31 de dezembre de 1884
Maroios..... ,..0:0008000
Terrestres,.. 316:000|00(fe
J.ARa do Commerelo
COHPAXHIA D*S NEGI'ROH
NORTHERN
de LOndre. e toerdeen
Polrnnnceirn (t)ezemhro 1S8S)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumulados 3.134,34rj
Becetta annual :
D premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENT,
John. H- Boxwell
BU COUHEBDOCIO N. M AK04B
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia PheoJx Per-
nambacana
Ruado Coramercio u. 8
lARullOS
(ompanhia
mperia i
DE
CONTRA
The Liverpool & London & Gob
INSURANCE C0MPAN1
iers & C.
afondo a and lira si Han ta
Limited
Ba do Commerci? n. 32 ,
Saeca por todos os vapores sobre as ca-
u do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas n. 75 No
Pote, ra dos Inglezea.
SEGUROS contra FOGO
EST: 1803
, Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizot
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
N. fRa do CommercioN. 5
COMPANHIA DE SEGUROS
C O.Vl'It A FOGO
Cortil Brilish k Hercanle
CAPITAL
fl:OOO.OOo de libras sterUnaa
A O EN 1 ES
idoiuson Howic & C.
THEATEO
Sil ANTONIO
tngo. segan fa e ti
Grandes baile i carna-
valescos!
Magnifica orcheitra a cargo do muito conhecido
artista PORCIUNCULA.
O botequim, 4 cargo do Sr. Bernardino S.
Daarte.
HORAS DO COSTUME
COHPAXHIE DE MEN8AG1E
RES H.4HITIHES
. LINHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
E' esperado dos porto, do
ul at o dic 21 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costump, para Bordeaui,
tocando em
Dakar, Lisboa e Vlgo
Lembra-se i,o3 senliorcs passageiro. de todas
as claases que bu lugares reservado, para esta
agencia, qne podem tomar em qiialqoer tempo.
Faz-se abanmento de 15 % em favor das fu
milias composta de 4 pregona ao menos e que pa-
garem 4 passagens intuirs.
Por excepcao os criados de familias que toma-
ren) bilhetes de proa, gosam tambem U'este abati-
mento.
Os vales postaes b se da at e dia 19 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas t dinheiro
a frete: tr&cta-se com o
AGENTE
4ngns!e Labille
9-RIJA DO COM.MERCO~9
ROYAL MAL STEffll T*ACKET
G01PAHT *
0 paquete Tagus
i
Bio fie Janeiro, Santos e Rio Graii-
0 vapor Arlindo
Este vapor sabi-
r para os portos
cima indicados,
no dia 18 do cor-
rente s 4 horas
da tarde.
Recebe carga, enccmmendas e passageiros, a
tratar com
PEREIRA carneiro & c.
N. 6 RA DO COMMERCIO-N. 6
1." andar_____________
Para L7erpool
Harrlson Liie o Steamers
O vapor Mariner
Espera-se de Liverpool at
o dia 24 do corrente voltar
para o mesmo porto depois da
demora do co&tume.
Para frete trata-se como
AGENTE
S. L. JONHSTON
RA DO COMMERCIO N. 16
GRANDE! CARNAVAL
* y =>.
1887
Theatro de Variedades
DA
10VA-HAMBTJRG0
ElPIZa CARNAVALESCA
Oualro esftlendidissiflisos bailes de mascaras as noiles de
Sabbdo,
Domingo,
Segunda e
Terca-feira.
Este elegante Theatro, transformado com autorisajao de seus dignos proprie-
aurtos em um vastissiroo salao, illurainado por roilhares de combastores de gaz e ga
tordamente decorado por um babil armador, offerecer lite da socidade p?roamba-
cana, qnatro noites agradabilissimas, onde poderSo gozar as delicias do Deus Momo.
Em roda do Theatro e era toda a exteosEo do jardim e galeras grande pro-
rasa de illuminacjlo a giorno, bandeiras, flores, tropbas allegrteos, tudo emfim qne
aoK-a transformar aquella ambiente n'nra verdadeiro paraizo terrestre l 1
Urna orchestra ezcellente ensaiaHa a capricho para estes csplendidissimos
BAILEN, e regida pelo hbil mestre J. T. de Medeiros, tocar derramando em
eatadupas harmoniosas as mais bellas e mimosas quadrlbas, arrebatadoras, valsas, de-
lirantes polckas, mazurkas e o grande e provocante CAN-CAN composto ezpressa-
joente para este fim par um distincto amador.
Diversos CLUBS especialmente convidados, fsrSo sua entrada triumphal
entre os clarSes de fogos cambiantes e aos sons dos hymnos carnavalescos, que n'esta
ccaeio se farSo ouvir.
As mais volaptaosas sylphides em attenr^So empreza comparecerSo para
erem a* delicias da noite.
Aos bailes da Nova-Hamburge
Folgar e danzar a divisa!
Os camarotes altos e varandas sao reaerradoa pa^a as imilias que quizerem
parecer.
As pessoss 'que nSo se achsrem decentemente vestidas n8o terSo iogresso.
CaTalleiros e senboras, mascarados ou nao. 1))000
Principiar s 8 horas.
COVPANUIA PERKAH8UCAK*
DE
KaTegacSo Costeira oor Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahx/ba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camotiim
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 19 de
Fevereiro, s 5 hore
da tarde. Recebe
carga at o dia 18.
Encommendas passagens e dinheiroa a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRTPTORIO
Cae da Companhia Pemambucaw
n. 12_______________
Cosnpanhia Uahlana de aavega
eao a Vapor
Macei, Villa Nova, 1-enedo, Aracaj,
Estancia e Babia
O vapor Sergipe
Commandante Pedro Vigna
Segu impreterivel-
mente para os portos
cima no dia 18 do Fe-
- vereiro, as 4 horas da
tarde. Recebe carga
Pnicamente at o 1 '.
dia do dia 13.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7tiua do Vigario7
Domingos Alves Malheus
Unued States Miil Brasil S. & .
O paquete Finalice
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 27 de Fe-
vereiro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinbeira
frete, tracta-se com os
AGENTES
tan Forster k C.
N 8- RA DO COMMERCIO -8
/ anda
CAKGELRS REUNS
c ompanhia Franceza de navega-
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambueo, Babia, Rio de Janeiro e
San toa
OwjurTl He Marilio
Commandante Brant
Espera-se dos nortos do
sol at o dia 21 de Fevereiro
seguindo depois da indis
penas ve I demora para o Ha-
vre.
Conduz medico abordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo passa-
dio.
As passagens pode rao ser tomadas de antem.
Recebe carga encommendas e panageiros para
os quaes tem ezcellente. accommodacoes.
O vapor ViUe de Cear
Commandante Simon-t
E' esperado da Europa
at o'dia22 de Fevereiro, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Sa-
bia). Rio de Janeiro
e anin.
Roga-se aos Bts. ir-portaderes de carga plo
vapores desta linha,auciram apresentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvarengu iua-
quer reclamocae conteniente a volumes, qnd po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.afin
de se poderem dar a tempo as previdencias neces-
arias.
Expirado o referido orase a companhia nio se
responsabilisa por extravio*.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
frete: trata-se com o
Angoste Labille
9 BA, DO COMMERCIO 9
E' esperado da Europa no dia
23 do corrente, seguinde
depois da demora necessa
apara
Baha, Rio de Janeiro- Monte-
video e Biieno.vAyrc
Para passagens, fretcs, etc., tracta-se -& os
CONSIGNATARIOS
Adamsoii Howic & C.
COMP.tMin PERMAHRlCAliA
DE
^iaTcgaco costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaiu' e Babia
0 vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 18 de
Fevereiro, s 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o
^essSMSSsEKSBlaVdia 17;
Encommendas, passagens e dinbeiros frete at
-is 3 horas da tarde do dia 18.
ESCRTPTORIO
Ao Cae da Companhia Pemambucana
n. 12
Para casa de familia
Oetieja *e ron tratar ama menina
de 14 h % aosa, trabalbadelra e
de boim uatuote para o m-rvlco
Interno de urna cana de dan pe.-
os. dsndo-.e rouon. cototda dor-
mida e O' (leado, porem ooe nao
leniia friido ainda em casa alsjw-
' mu. irsla c i II da mniilui 4
da tarde, ra dv lmper*dur u. 46.
I andar.
AVISOS DIVERSOS
Alnga-se casas a 8A0U0 no bec> aos U t-
Ihos, junto de S. Goufsllo : a tratar na ra d>.
Imperatriz n. 56.
Preeisa-se de ama boa cosinheira para cas
de pouca familia ; na roa do Imperador n. 50, 1*
andar.
Aluga-se s sobrado da ra du Imperadur
n. 3. com commodos rara familia, caiade e pinta-
do, e por preco rasoavel; no Caes do Apollo n.
45.
Aliuga se o 2- andar do sobrado n. 1, ra
do Visconde de Pelotas, oatt-'ora Araglo tratar
na ra da Madre de Deas n. 21.
23 Aluga-se o 2- e 3o undar, juntos ou arpara-
dos, da casa da roa, larga do Rosario n. 37, es
quina defronte da igreja : a tratar no pavimento
terreo, loja de cabelleireiro. .
Alaga-se o soorado n. 21 rna da Uniac!
tem agua c gaz e grandes accomn-.odac^s para
familia ; a entender-se na ra da Imperatriz na
mero 19.
= Quem qaizer dar a quantia de 300^000 para '
alforria de urna escravn, qne cosinba, lava e en-;
tc; ilypojihosphltos de cal e soda
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiffado de bacalho
con
chora, que tem ama fiha ingenua de 13 annos,
que faz todo o servico e anda com crianzas, diri-'
ja-se ioformacS.^B, na rus do Mrquez do Her-
val n. 23, loja. A escrava contrata-se servir a
quem lhc emprestar esse dinheiro o tempo de dous '
annos : quem qaizer apparecs logo.
tpprovada pela Junta de By-
glene e autorizada pelo
governo
E' o melbor remedio at hije descoberto para a
tnica bronclilteis. e.crophnlas,
t
"V
Perdeu-se a cautella de n. lti,030 do Monte ebtUm, nnemn. .'eblltadc em eral.
de Soccurro da provincia de Pernambueo; pedese detlnxo*. to*e chronlca e asTcecdea
a quem achal-- que entregue
da Madre de Deus.
no hotel Pitla, ruu
Precisa se de um caizeiro qu? tenha pratica
de padaria ; na ra da Imperatriz n. 41.
Engomma-ne com asscio e promptidao:
ra do Imperador n. 54, 3." andar.
Segu com brevidade para os portos cima o
lugar nacional Tigre, por ter prte de sua carga
engajada, e para o resto.que falta, tratj-se com
Baltar Oliveira & C.,rua do Vigario a. 1, pri-
meiro andar.
Para o Para
Patacho portuguez Fany"
Seguir com brevidade. Recebe carga frete.
A' tratar com Amorim Iranios & C.
Sabbado. 19 do corrente, deve ter lagar o
leilo daarmacio, espelhos, candieiros gaz, fi-
teiros, mesas, cadeiras, bem como as fazendas,
roupa feita e raiudezas da loja de alfaiate da
ra Nova n 45, m muitos e differenteg lotes.
'
Leilo
(Km continaaco)
De bisnajas novas, resmas de papel de cores,
qnartohw com vinho Bordeaux, garrafas com dito,
caixa. com cerveja allem e muitos outros artigos
proprios para o carn val.
EM SEGUIDA
SerSo vendidos movis, miudezas e perfuma-
ras.
HOJE,A'S 11 HORAS
No annaz-.ru da ra Mrquez de (Jimia
' n. 19
RORINTERVENCAO DO AGENTE
(iiisin.)
Leilo
Ag-ente Bnto
De fazendas, miadesas mobilias novas, 2 pianos
fortes de Bordimesas, cadeiras avolsas, gnaroa-lou-
ca, guarda-vestidos, 12 cadeiras de junco, relogios
de parede, lou^as, espelhoe, quadros, jarros e mui-
tos artigos para liquidaco.
No arraazero roa de Pedro Affonso
n. 43
SEXTA-FEIRA, 18 DO CORRENTE
A's 10 e i/8 horas
Leio
da armacSo, balcSo, candieiros a gaz, es-
pelhos, fteiros, cabides para roupa, me-
8as;cadeiras, carteiras, burra prova de
fogo, taboleta e mais objectos da
LOJA DA RA DO BARAO DA VIC-
TORIA N. 45
Em lotes, vontade dng compradores (garantin-
dc-se a chave da casa ao comprador)
Em eoiinuafo
Em mullo* e diOereatea lotest
Leilo
Das fasendss e ronpss feitas, constando de
Pecas de casimiras pretas e de cores, cortes de
fusto para colletes, bengalas, seda preta, cortes
de casimira, brine brancos e de cores, suspenso-
rios de seda, lenco, grava tas, meias, camisas de
linho lisas e bordadas, carteiras de changrin,
meias fio da Escossia, carriteis de retrs, sobre-
tudos, malas, fraques, colletes, botes, fivelas,
colietes, fitas, merino setim e mitra* fasendss.
SABBADO 19 DE FEVEREIRO
O agente Pinto; autorisado pelo Sr. Jos de
Oliveira, levar a leilo nao t a armaco e seas
pertences, como as fazendas e roupas feitas da
loja da ra Nova n. 45, em muitos e differentes
lotes, vontade dos concurrentes.*
O leilo principiar s 10 e meia horas, pela
armsco, na referida leja.
Agente BurJamaqui
Offerece-se um rapuz com bastante (iratica
qS copciro. dando fiador sua conducta ; na rua-
r. va de Santa Rita n..5.
Aluga-se
o predio n. 2 da ra do Cammercio, onde estere o
hotel de l'Univers, completament" restaurado com
grandes acccmTiodac.'s, tsndo um audar terreo e
tres supsriores. Aluga se timbem qualquer dos
andares separadamente : a tratar ua ra di Ba-
rao de S. Borja n. 22.
Ari)i;iay
Venle-s1! a arranca.) da ruad>Ringfl n 10
por ter o sed dono sstabelecido-ee no n. 13-A.
Trotes do careaval
Acha-se venda em casa do Sr. Vctor Prille
Succetsor. ra do Imperador n. 55, a linda
polka Tn ti-s do Carnaval, que fj composta e de-
dicada ao bello sexo an uljr d msica.
Criado
Precisa-so de um criado moco e de boa conduc
ta : no hotel do Caminbo Novo n. US C.
I'rcirnrn no publico
A sociedade musical Oito de Dezembro, previne
ao publico que no domingo 13 do corrente delei-
tava-se na pitoresca cidade de Olinda ; por seo
nada tem com os acontecimentos na Encruzilhada
de Belm onde se achava a sociedade denominada
14 de Marco.
Recife, 16 de Janeiro de 1387.
Kapaziada ao Gafe IVlro-
do peito e da Karsnnitt.
E' muito superior no oleo simples de figado de
sacalho. porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
iaveis, pessne todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituinti-s dos hypophosphitos. A' venda na*
r rogaras ebotiess.
Depoeito em Pernambueo
Caixeiro
P.-ccisa-se de um caixeiro com pratica de mo-
lhadcs, que d fianca de sua conducta, de 14.a lo,
annos ; as ra Pormjsa n. 31.
Anqninhas
polis!
De boas dividas na importancia de
4:947J120, do espolio do finado Manoel
de Araujo GuimarSes : a relacSo dos de-
vedores acba-so- em poder do mesmo
agente para os Srs. pretendentes virem
examinar
Sabbado 19 do corrente
.V.<* 11 horas
Ko arnsassem da roa do Imperador
n. se
O agente cima, por mandado e assistencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito da provedoria de ca-
pellas e residuos, a requerimento de inventaren-
te, Ie9ar a leil as dividas na importancia de
4:947^120, pertfucciit.es ao espolio do finado la-
noel de Arsujo Guimracs. Os Srs. pretendeates
desde j podero vir examinar o mandado que se
aens em poder do mesmo agente.
Leilo
Do hotel denominadoInternacional sito
rna do Duque d Caxias n. 28
Sabbado, i do corrente
A's 11 horas
NO MESMO HOTEL
O agente Modesto Baptista por mandado e com
assisteocia do Eiin Sr. r>r joiz do commercio
far leilo do hotel cima deelurado, arrestado a
Matbias & C, a requt-rimento de Goncalves & C
Leilo
De duas meias barricas cu tinas com
queijos 8U8sos, frescos e novos vindos pelo
ultimo vapor, vinhos e cognac.
Segunda felra, ilo corrate
A's li oras
No armazm da travesea do Corpo Santo
n. 23
I Agente Pinto
Castro & C, tendo preparado o eeu citabeleci-
mento com grande pompa para os trez dias do
Carnaval, scientificam ao respe tavel publico que
nellc encontraro o especial caf, o sempre afa-
mado sorvete e creme, bebidas finas, como sejam :
bitters, licores e cerveja das mi:bores marcas, co-
gnac, vinho do Porto especia!, o verdadeiro fi-
gueira, champagne, vermouth, refrescos, bollos,
filbs e outras cousas que seria eofadonho men
cionar.
Tem tambem preparado um reservado onde se
encontrar comidas quesatiafazem o miis esqae-
sito apetite a aquellos que quizerem honrar o nos-
so estabelecimento.
A elle rapaseada a elle.
Ra da Imperatriz n. 49
PoI-Poqit Carnavalesco
Acba-se venda em esta do Sr. Vctor Preale
Succesaor, roa do Imperador n. 55, um lindo
Pot-Pourri Carnavalesco, arranjad pelo profe.sor
Candido Filho, mestre da msica de polica, dos
seguintes cantos populares :
Dcrmes que eu velo. O aertaaeijo. Ob Vindc,
viade las do Co. Ta s a pastora formoia- Tre
mei Gabriel, tremei. Mara Pao. Buvons sec. Le
vttc la camisella. Oh! Man sum-sum. Caran-
gueijo nao peixe. Onde vai Sr. Pereira de Mo-
raes. Russiannt. Ad>-ns oh Carnaval.
O carnaval est n-j batendo a porta ; jiortantD
os diluanles devem-se muir d'um cxemplar pela
diminuta quantia de 1 ""''.
Para cosinhar
a
t
'rccisa-sc de una
ama para cosinhar,
mas qnecosinhe bem;
no 3. andar do predio
n. 42 da rna Duqur de
Caxias. por cima da y
pographia do Diario,
Pelo diminuto preeo de 18500, para senboras e
meninas.
Completo sortimento de fazendas e roupas fei-
tas, por preces baratisimos : na ra Duque de
Caxias n 8 i
MEMDONCA & C._________
Vinho (le Mourisca
Esse importante vinho de que nico
importador JoSo Ferreira da Costa;
jpuro de uva escollada a capricho, e pro-
prio para mesa, pelo seu mereeimento tem
obtido a melhor aceitssiio no3 lugares para
onde tem sido exportado : acha-se ven-
da a pethlho em casa dos Srs. Pecas,
Mendes & C. ___________ _
Tintar i iifin
PARA TINGIRA
barba e os cabellos
Esta tintura tinge a barb e os cabellos ins-
tantneamente, dando-Ibes urna bonita c-dr
e natural, inofensivo o scu uso simples e
rpido.
Vende-se na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Rouqupyrol Freres, snecessores de A.
CORS, ra do Bom-Jesus (antiga da Qrns
n. 22
Madame Adoor, seus fibos, e genros ausentes
agradecen todas as pesaras Que acompanbaram
o seu esposo, pai e sogro, II-nrique Adtur, at a
u'tima morada e de novo convidara, a assiatii as
midsas que pelo eterno repouso de sua alma man-
dara rezar no c illegio S. Vicente de Paula, peUs
8 horas da raauh do dia 18 ds corrente sptimo
diado son fellecimento.
Citndida Fonteca .licvedo
Antoni-j da Silva Azevedo e seus fibos canvi-
dam os paruotes e amigos para ossistirem as mis-
sas que mandara resar na igreja do convento do
Carrno p->r alma de sua presada esposa e mi,
Candida Fonseca Axeve4:>, s 8 horas da manhS
do dia 19 do corrente mez, stimo do sen pasea-
menta.
HISTORIA
DE
VCTOR HUGO
Grande novidade
A rebotes elctricos
Para oe festejos das noites do carnaval
Vende-se ra do Baro da Victoria n. 61
Loja de ferragens do Soaza
CAPSULAS
M ATHEY- CA YLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e s3o recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Paris, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagla, a Cystite
da Collo. o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgaos genito urinarios.
m4 Urna ixplicco detalhadi acompanha cada Fraseo.
Exigir o$ Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & Cie, de PARS,
que te achSo em cata dos Droguista* e Pharmaceuticot.
r
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO HOLLOWAY
O Ungento de Holloway nm remedio infaivel paia os males de pernas e do peito tambem pwra
4 as feridas antigs chagas e nlceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para todcs as enfemu-
dades de peito na se nconbece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as grawhas e tods as molestias da pelle nao teem semellunte e para os membros
oontrahidos e junctoras recias, obra como por ennato.
, (ou medicinal ata preparadu smente no Ettabekcimento lo Profetsor HOLLtW&V,
T*, m exrOXO bTSEKT (aatM SSS, Oxford Strest), LOHLBS,
E vndense em toda* u phtTi%rh do univets.
m Os compndont sSo cooridados rapeitouoMnte a exaniBar rotulle cada 8da PWe, *o
___________ dae^sjOiodSjp|t.l0 '


. -.

i *-\

I




-.

.'1. .'. f' .
1^ HRM 1


6
Diario de PerwmbueoSeito-fcira 18 de Fevereiro de 1887


Alaga-se barato
Ana doe Guararapea n. 96.
Su Visconde de Itaparica n. 43, armaxem.
Ra Corredor do Bispo a. 18.
Beceo Campello n. 1, i" andar.
Largo do Mercado n. 17, loja com gac.
Largo do Corpo Santo n. 13, 2.* andar.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
sscriptorio de Silva (nimares & C.
Aluga-se
o 2 andar do sobrado n. 35 travesa de S. Jos ;
o 1" e torreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
roe; o 1 do de n. 25 raa velo* de Santa Bita ;
o 1- do de n. 34 na estreita do Rosario ; todos
limpos : a tratar na roa do Hospicio o. 33.
Aluga-se barato
Urna casa com sala, dona qoartos, cacimba, fo-
gio e apparelho, na raa do Dique n 2, outr'ora
roa das Carrocas ; a tratar na ra de Santa The-
resa n. 38.___________________________
PdIio de Riga
MATHUE9 ASTIN & C, receberam ultima -
uiote um completo sortimeoto desta madeira,
como sejam : prancboes e taboas para assoalbo,
da melbor qaalidade e de diversas dimensSes, e
aue vendem por precos comtnodos, e redasidos,
coalorme os lotes ; no armazem do caes do Apollo
n. 51, ou roa do Commercio n. 18, 1 andar,
Vina
Precisa-se de ama ama para o servioo domestico
de ama casa de familia ; na ra do Cotovello nu-
mero 46.
AMA
Precisa-se de nina ama para
lavar, engommar e faze rmai
alguna serviros de casa de fa-
milia : menos comprar e eozi>
aliar : na ra do Riachuelo n
13. nove dormir cni casa.
Ama
Precisa- se de urna ama para cosinba ; na roa do
Dr. Joaquim Nabaco n. 3.___________
Ama
Precisa-se de urna boa cosinbeirs, para casa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Companbia
n. 2. Prefere-se escrava e deve dormir em casa.
AMAS
Precisa-se de ama ama pra cosinbar e outra
para cuidar de duas enancas; na raa da Aurora
n. 81, Io andar._________________________
Ama
Precisa se de ama para casa de familia, roa
do Cabng n. 3, 3 andar.
Ama
Precisase de urna ama que coiinLe e engoma e ;
na roa do Rangel n. 44, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para engommar : na roa
da Soledadp n. 58.
Ama
Precisa se de urna ama de meia idade ; na ra
da Aurora n. 137.
Vina
para eugommar e lavar ; precisa se na raa do
Marques do Herval n. 107, entrada pelo oitao.
\ma
Precisa-se de urna ama para engommar e enaa-
boar ; a tratar na ra das Cruces n. 18, primeiro
andar. Deve dormir em caaa e prefere-se escrava.
Ama
Precisa-se de ama ama para cusinhar ; a tratar
na raa das Cruxes n. 18, 2- andar. Deve dormir
i e prefere-se escrava.
AJaVM/%
Precisa se de urna ama de conducta afiancada
para casa de um homem solteiro ; na ra da Con-
cordia n. 165, tavema.
Ama
Precisa-se de urna ama pata cosinbar : na raa
Duque de Cazias n. 74.
Ama .
Precisa-se de urna
para o servido domes-
tico de urna casa de
pouca familia; na ra
do Cotovello n. 46.
km para eosiiiha
Na ra do Riachuelo n 17, se
precisa de orna cosinheira, forra
oo escrava.________________
S Da raa de Horlas
tem borracha do Para, vinda este aono directo-
mente, e vende* niais barato *o qae en outra
qualquer Parta ; a roa de Hortafc 1._________
Sitio
Aiuaa-se um sitio com casa, e ira oe ,
no Ata-riaba do Qiqaia ; atufar aa raa So Io>-
peradoc n. 50, tercerc andar.
Tricofero de Barry
Garanto-so quefaa nas-
cerecreeoer o cabello anda
os mois carros, cura a
tinba e a caspa e remore
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de oahir ou de embranqno-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troeo e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao oficial de
um Oovemo. Tem duas veses
raals fragrancia que qualquer outra
e dura o dobro do tempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidSo e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
deamaioe. <
Jarope Je Via Je Beter A. i
unta di miir-o. DBFoia de usAir-,
Cora positiva e radical de todas aa formas de
tscrofulas, Syphis, Feridas Escrofulosa*,
Affeocdes, Cutneas e aa do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas aa do-
encasdo Sangne^Figado, e Bina. Garante-sa
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangne
e restaura e renova o systema iuteiro. y -i
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian
cas e para a cura das moles-
tias da pelle de todas as especies
em todos os periodos.
LOTERA
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
A.
Mara do Livramento, velba octagenaria e pau-
prrima, pede as almas caridosas que lhe maade
urna esmola pelo amor de Deus. Mora no boceo
do Bernardo n. 51. E' ama obra de caridade.
Professora
Urna senbora competentemente habilitada, pro-
poe-se a ltecionar em cellegkw e casas particula-
res, as seguintes materias : pcrtogdot, francs,
msica e piano ; a tratar na ra do Marques do
Herval n. 10.
300:000$
Lotera de Alagas
Extrai'^oTerca felra
de Fevereiro
Intransferivel
Bi'hetes venda na casa feliz, Praga
da 11 tendencia na. 37 e 39.
Corinhcira
Precisa-se de urna que dese-npenbe o logar e
durma em casa; 4 ra Duque de Cazias n. 42
porcima da da typograpbfs.
Precisa-se de orna boa engommadeira e que
ensaboe tamben, pera casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companbia n. 2. Prefere-se
escrava e deve dormir em casa._______________
Sitio do Calileireire
Arrenda-ieannnalmente um bom sitio com bas-
tantes commodoo para grande familia, boa agua,
com arvon s fructferas e jardim, o com sabida
para o rio, por preoe muito razoavel ; a tratar na
ra do Livramrnto n 24.
Jalroph ,
Manipoeira
Este medicamento de urna eficacia rcconkecida
no beriberi e outras molestias em que predomina a
bydropesia, acba-se modificado em ana prepara-
cao, 'ragas a urna nova formula de um distincto
medico desta cidade, sendo que comente o abaixo
asaigmtdo est habilitado para preparal-o demodo
a melborar Ibe o gosto e rbero, tem todava alte-
rar- I be as propriedades medicamentosas, que se
conservan) com a ntesma actividade, se nao maior
em vista do medo por que elle tolerado pelo
es t* mago.
Jaleo deposito
Na pharmacia Conoeicao, raa do Marques de
OHoda n. 61.
Deserra le afelio
Comnheira
20*000
Paga-se 204000 por mes a orna perfeita c;si-
nbeira, para casa de pequea familia, preferindo-
se de meia idade e que seja de boa moral, na
do Paysanc n. 19, passaado a poute do Chora-
meoino : qusui nao estiver em condiedes escusado
apresentar-se.
us lasi^"
Por 228000
aluga-se a casa n. 26 da roa de S. Joo, com bosn
quintal, cacimba e esta limpa ; a tratar na ra
Duque de Cazias n. 85.
triada
Precisa se de urna criada para o servico domes-
tito de casa de aaasiiia ; aa roa do Mrquez so
Herval a. 10.
Advogado
Domingo* a?, de Soasa Leap
Das 10 horas da manh* s 4 da tarde, ra
do Imperadora. 16,1 andar.
AGUA SALLES
atfkV&Me aa Cas
vis un i 'mi Jriacte n njen m fr^arat
as muan um mxiro
X. SALLES ala] A IfOWBaHETTI. ntnasssr
rislinfclslii, n, ru Tarr-s*. ralB
9mtm-m mm tMkss- m sh^in ru* ssai i'ii tMsJs*VM
Smvia^avmgjj^; irmcM. U silva G".
PAEA
EDCACAO DOS INGENUOS
COLONIA ISABEL
VOS 24O:000S0OO
10: SSO:OOOSOOO
10:0008000
5:OOOSOOO
Esta lotera, cuja 15.a Serie da 24.a parte, ser, extrahida
na Quinta-feira. g de Feveroiro. s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceipo dos Militares, acha-se venda as se-
gnintes casas:
Ba do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
Cabng n. 2.
> Bangel n. 2.
Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jogadores, e no Brazil, at hoje. ainda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuico
dos premios, e para prova desta asserco pedimos a attenco dos jo-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
lotera do grao-pm
D 70 "\ de premio do seu capital.
DEM DO CEAR.V
68 3{4 io dem.
DEM de alagoas
73 3x4 X idem.
DEM de minas-gehaes
Menos de 81 i
DEM HA COLONIA ISABEL
Distribue em premios mais de 85 1i8io.
DEM DO PARAN'
N. 28;940
O Sr, Antonio de
Oliveira Coraje, tem
urna carta na ra do
Rosario Larga n. 14
armazem de molha-
dos.
Curso de mathematica
O bacharel Francisco Correia Lima Sobrinha
contina com a sen cursa de aritbmetica, algebra
e geometr a : na ra da Matriz n. 7. _____
PiLLAS do Dr
6
TB1KTA AMNOShbomEiltOM!
a Bcadi, li, oonftT- d'wuu Pilala. r,a zucar
MU SMH pncm |S*a -ngtlur-^lm tt NafS*
P*Im tou propriedadM lotdeai t w_t PSMiaa
o ioscszto a rasaos nuxnriJL
o svidiouiuate m. vrtio ooatrm u
Dtm i lito*>90 Kiiorom Mista
Paros ssoattrs
raju rmniftrr-'fn sS tfe Samas
4flB(6M sterofutosaa, at-
ItssSU StrJl: S, raa ds 6rsnUt-lslit-rsan. tita
H teusM: TBMM- m la aatTA. O
. gyjyr^ ff f~. .,...- n-ntiof-ftii

Cosiiihcira
Precisa-se de urna cosinbeira ; na rna da Aa*
rora n. 137. ______________^^^^___
Solicitador
Jos Ferreira de Paula, providonado pelo Tri-
bunal da RelacSo de Pernan,buco, cff que ni precisar de tr balboa inherentes sua pro-
fssao na cidade de Pesqueira da comarca de Cim-
bres, onde foi sua resid ncia, e tamben: trabalba
as esmarcas do Brejo da Madre de Deus, Caroa-
r. S. Bento c Escada.
Professor
Precisa-se de um professor para ensiuar alguna
meamos de um eugculio distante da estacio de
Ribeiro duas legoas, r que saiba atitbmetica,
historia e francs : a tratar na ra do Mrquez
de Olinda n. 56, escriptorio de Leal & Irmao.
7:0(I0000
Quem quizt'r emprestara quantia cima a juros
commodos, sobre hypothecas em predio n'esca ci-
dade, deixe no eacriptoria da redaccao desta folba,
em carta feicbada com as iniciaes J. B. -, seu uo-
me e moradia, para ser procurado.____________
25SO0O
Aluga-se o 2 andar do sobrado n. 129 ra
de Marcilio Das, tendo mais sotao com coBi'nha e
outros arranjos, a tratar na Gamboa do Carmo
n. 2. venda. _________
4o commercio
O abaixo assignado participa ao corpo do com-
mercio que diasolveu amigavelmeote a sociedade
que tinba dado ao Sr. Felippe Neres Guioiaraes,
na casa de secos e moldados, ra de Paulino
Cmara ; ficando todo o activa e passivo a cargo
do abaixo assignado, retiraodc-se o mesmo t.
Guimaraes pago de sea capital e lucros continuan-
do a mesma firma at hoje adoptado.
Becife, 16 de Fevereiro de 1887.
Jos Miguel Barbosa Ramos.
Caixeiro
Precisa-se de um menino com algnma pratica
de tavema para o Arraial ; a tratar na ra larga
do Rosario n. 14.
Na ru. do Bario da Victoria n. 48, ha tres
para se vender barato, sao potos em fotaa.
0 professor


APPROVACO DA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS
O qutnhnn Labarraque usa Vinho eminentemente tnico et febiifugo destinado a substituir codas a
preparacAes de quina.
O quinium Labarraque contem todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vantagem aos convalescentes de doengas graves, as parturientes c
k todas as pessas iracas ou debilitadas por urna tebre lenta.
Tomado com as verdadeiras pilulas de Vallet, sao rpidos effeitos que produx nos caaos da cUorott, am-
ia, cores paludas.
Em razao da ei:ecia do Quinium Labarraque, preferirel C_2 __f
o em copo de licor, no fim da referi e as pilulas de Vallet antes. ^J_wf%# $&aMt*tp** **'/!/
Vende-se na mor parte das pharmacias sobe a assignatura: _f s^
Fabricaco e atacado : Casa L. FRERE
19, rae Jacob, Paria.
Jos Julio de Ssnss Martina offerece-te para, de
4 horas da tarde em diante, eosinar em casas par-
ticulares e em sua residencia, ra Visconde de
Qoyanoa n. 119 as seguintes materiss : portu-
gus, francs, aritbmetica, geometra, geographia
e primevas lettras. Apresenta como garanta a
sua s*ratica no ensino destas materias no primei-
ro collegio deata capital.___________________
Borracha
especial : na ra eatreita do Rosario n. 24.
A o publico e a corpo do
commercio
O abaixo assignado, tendo de rctirar-se para
Europa e julgando cada dever nesta pra9a e mm
tora della, avisa ao publico e juntamente ao corpo
do commercio, que se alguara se julgar credor do
iresmo, aprsente suas contas no praso de tres
dias, que lhe serio pagas na ra Imperial nume-
ro 277. Recife, 17 de Fevereiro de 1887.
Eduardo Jos de Mello.
Compras por atacado
O i'etiorn de Cambar
tem precos especiaes para acuelles que compra-
rem grandes porcoes. Distribnem-seimnressos
qu( m os pedir, contendo as condices de venda* :
na ra do Mrquez de Olinda n. 23, drogara dos
nicos gentes e depositarios geraes
Francisco U. da Silvsf& C.
Molestias das Creanoas
XAROPE DE EABAOIODADO
de GR/MAULT e Ca, Phajmaceuticos
Approvado pela Junta d'Hjgieue do RJo-de-Jtcain.
Este Xarope que, pela ana reoonhecida efi acia, figura na PharniacoDa Haccesa
Edifdo de 884J, goza da melho' reputaclc en're os mdicos de toaws os paizes.
Substite o oleo de flgado de bac1' ao pela intelligante conibiiiagao intima do iodo cem
o sueco de plantas antiscorbutic~, como 9 agrao, o rabo e a oochlearia, bom
oonbecidas na medicacAo dos adultos e das cranlas pelo iodoe o enxofre que ellas
contm. Este xarope convm s c;rean<}as paludas, iracas, sera appetite, predi-
postas a certas molestias, como a ozagra, as croatas ds leite, o engorgitaruento
das glndulas do pescoco, que desnpparecem dcbaixo da sua accao.
Essensialmente depurativo e inoflensivo, nao caustico como o iotlureto de potassio
e o iodureto de ferro, mas como esls eatpregado iiurafonilic-ir os teruperamentos
1 cooibater a tsica, as toases catarrhaes. o iniarte das gi!vllas-, JJ
OOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO
debis e para u_
os mos humores, as molestia da pelle e tcd.is as que sao devidas a usa vfctio
do sangue.-------- ------"*'
Deposito em PARS, 8, Ru Vfivinnn. i ni tmentt Pbarntarias e 'rrqar as.
!*
TNICO FEBRFUGO REGENERADOR
VINHOooStoJOHANNO
Quina, Coca, Extracto de Carne e Hypophosphito
KsoomsinniHo sin nos casos que necessltao tnicos para reconstituir e resonomr
o organismo arruinado por molestias, exceesos, naturesa do clima, anemia, cmioroata,
minas caonexla, rinxo branoo, que tanto arrulnao a saude das mulneree.
roorass o* Sanru, sin^aosn wat J>stneiaw, etc.
S. VT7TE3H, SroffnJstt, 80, Boulirud dt Straabourar, a PABXS

DE
MELISSA dos CARMELITAS
BOYER
TTxxioo Succeasor
dos Catrna-elitas
14, Ba de l'Abbaye, 14
CONTRA-
Apoplexia
Cholera
Enjo do mar
Flatos
Clicas
Indigest5es
Febre amarella, etc.
Lar o prospecto no qoal ra onnltldo
oda dro.
naT-*a Miolrotatrelro braneo e prto,
BD,M em todo. o. vidro,
eeja qoal r o tamanho.
BEPOSnOS KM TODAS AS PHARHACIAS
DO universo.
?ooooooooooooooooooooooo
Ify^B******************** *tM>StW>V>l
DE ARROZ SIMN
Sa.toox*ertB reme Simn
preparados cota glyoerina, para a toilette diaria, contra
as influencias perniciosas da atmospbera e para dar ao
rostro: Frescura, Mocidade e Macieea.
FRUSTRAt iS UUR0SAS IWTACOU.
J. SIMN, S6, Ru de Provence, PARS
PRIHCIPAE HUWMOUS, IWWBUAS El UUAS D UBM.UBEMK.
+im*m**W r' *SS^tS#sa^Vr>V>a
,1 ''

t





-f


}


;
i'i
f
? i
m
Diario de Peniii*ocoSejsto-fcira 18 de Fevereiro de 1887
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira ; n ras Real n.
28, Casa Forte.
Engommadeira
Precisa- .e de orna qu*> ngomme eom perfeicio
i ru do Marqne do HervsJ n- 10.
Cosinheira
Precira-se de urna cosinheira qoe en'enda bem
de sen oficio. piga-e bem e es de pone* ta-
soilU ; na roa do Cabugi n. 6-A, ljja.
YENDAS
Vende-se a eaaa da estrada de Lua do Reg
a. 21, eom milites commodo e agua encanada, e
sn Wrr no ao lado da omsbm casa ; a tratar na
na estreita do Rosario n 24.___________________
" Vtnde-se muite barato urna grande balanga
romas, propna para peasu-gneros voIusboo
at2,500 kilos; assim Umbem dous guincho pro
Brioi para barcaea e coustruecao de obra ; a tra-
{ar a roa do Brum n. 67, ferrara de Manoel Pe-
dir da Costa.________________________________
'Vende-se na cidade da Escada duas excel-
kn'.es esst. do pedra e cal, bem loealisada, por
ser aa ra do Comacrc ; a traUr neta cidade
do Recite com Antonio Pereira Lopes, roa do
Alecrim b. 74, e na cidade da Eacads, na meama
a, eom o Sr. Alfredo & C.________________
Magnificas
Ovs de camorimpim a 800 ri o kilo, vendem
Gome Ferreira & Sueceacrs, ao largo do Mer-
eedo n. 12._____________________________
Pos de arroz
Vende-se em pacotes, to bem preparados como
o francs, e per metade do preco, propno para
toilet, barbeiro e o carnaval, pelo aeu reumido
valor, roa da Matri da Boa-Vista n 3.________
Mleic-o
Vende-se on permota-ae urna casa terrea sifa
na travesea do Falcao n. 12, com 2 salas, 3 quar-
to, coainba tora, grande quintal e cacimba, por-
to dando sahida para a roa do Ossos ; a trat*r
na mesma com a proprietaiia, e este fara todo
negocio por j ter o despacho do juis, at para
btela em leilao. podendo apresenter os docu-
mentos aos permutadores, desejando tamben ama
por troca, anda une eja pequea, porm que es-
teja nova a bem construida._______________
Viveiro parapassaros
Vende-se dous gi andes e bonitos viveiros no
Sreco commodo, sendo o motivo da venda ter o
ono acabado com o passaros que poseuia ; a ver
e tratar na ra do Imperado: n. 22.
Imprtante sitio
Vende-se um grande sitio i margen da Estrada
Nova do Caxang, fregoesia de Afogadoe ; Unido o
meamo nma casa grande de tijollo e cal, cacimba
com exeellente agoa potevel, diverso pe de oo-
queiro, dando frnctos e outras aivores as mesma
condicoe, o oual se acha collocado muito prximo
a esUcio do Zoasby (1* eeecao da estrada de ferro
daVarsea). Trate-se a* casa n. 20 da roa de
Santa Therexa desta cidade.
Cliapeleria Victoria *
A' Praca ala ladeie-enela au.
> terna e vende
Chapelinas francesas, fina e modernas, para
senbora, pelo diminuto preco de 18* orna !!!
Vende-se
um eatabeiecimento de molhados, bem localisado
proprio para principiante por dispor de pouSeO
fundos : a tratar na roa Duqoe de Caxias n. co,
padaria. _______________________________
Oleo para machinas
Superior qualidade, a 6*400 a late em cinco
galoes; vende-se na fabrica Apollo e de seo
depsitos.
Borrada para limas
De primeira qualidado ; vende-se no baaar da
onte Velha n. 41.
lio ni negocio
Vende-se um estebelecimento de moihadoe e
pagara, em Palmares (Una) largo da feira, casa
de esquina, a melhir localidade do lugar ; a tra
tamo sesmo estabelecimento oo na Direite n.
16, viado braaeo.____________________________
WHISKY
BOYAL BLEND marca VIADO
Este excel lente Whisky Escasees preferive
ao cognac on aguarden-e de canoa, para fortifica
i corpo.
Vende-se a retalho nos a Iberea armazens
oolhadoa.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cajo r*
me e emblema aao registrados para todo o Braati
BROWN8 c_ C, agenta___________
Yende-se
Na roa da Harmonia, no lugar do Arraial, um
pequeo sitio eontendo 135 palmos de largara e
344 de rondo, toda plantado de arvoredoa novo
de fructos e com nma grande casa nova de taipa,
faltando pooco paca acabar ; faz-se negocio muito
commodo. As pessoas que pretenderem podem ir
examinar e se entender na mesma ra com os Srs.
Antonio e Joaqmm Sampaio Irtnaos, on na casa
amarella, com o Sr. Domingos Gemas Corris, que
darao explicares do negocio.
flOE
JLLLUT
Cura rapUim certa pe
ARSENIATOdeOURO DYNAMISADO,
Uo Doutor ADDISOP_________
da Chloros* Anemia, toda, Molaatla Systaiaa ***0<*mmo u
mato rabeld-, KolesUas -hronlcaa dea Pulm-w, te, o.
Ttoa ir___*_ nadU um *__> o poder __i-o ata maM__ia a*
o primeiro e o ma urgieo dos rtconttitumtm.
c-mASco > e f-ancos (_**-*) ^ .
Todo trotee qu de trouxer a Marca le fabrica rctistra&a e MVaaara^^^^L
de-e Mr rlaoroaamante raonaado. ^*&~*^
t, a. w^
Uatmfm
VARIS, Pharmaela O__
Deposito sm Ptrnambuco : FRAN M. da SI UVA A C.
Engenlio venda
Vende-se o engenho Murici, con safra on sem
ella, aitoado na trego^sia da Escada, distante da
respectiva estacao um quarto de legos, podendo
dar seis caminos por da, moente e corren te,
tem duas casa grandes e 2 pequeas para mora-
da, e ootra para farioha com soas pertenoas, tam-
bera ae faz permuta por predios nesta praca : a
tratar na roa da Imperador n. 61, 2- andar.

mo* as segnintes vendidas por presos sem competencia :
lindos fust5es de listrinhaa, padrSes chiques a 400 ria o covado !
Setinete8 do quadrinhos a 360 ris o dito !
Cretones auperiores, 1 metro de largura, a 600 ris o dito !
Carobraia3 brancas bordadas a 65000 a pega de 10 jardas !
Linhos de quadrinhos eauocez a 200 e 240 ris o covado 1
Merinos de todas as cores, a 600 ris o dito !
Esplendidos sortimentos de lSs para vestidos a 500, 600 e 700 o dito.
Caxemires novidadeB a 10500 e 10800 duas larguras.
Gases de c6res com palmas de seda a 800 ris o dito 1
Merinos pretos e Caxemires, a 10000, 10200, 10400 e 20000 o dito I
Velludilho bordado de todas as cores a 10000 o dito !
Sctin maco de todas cores a 10000 e 10200 o dito 1
Popelina branca para as Exm.a noivas, a 500 ris o dito !
Guarni^oes de crochets para cadeiras e sof a 80000.
Vestuarios de 11 para crianjas, (novidade) a 70000 e 80000.
Meias alvas para enancas a 20500 a duzia !
dem cruas para homem a 40000 e 50000.
Cortes de fustSes para coletee a 20000 um 1
Caxemira ingleza a 40500, 60000 e 70000 o corte !
Cheviots superiores, preto e azul a 20800 e 30500 a cavado 1
Completo sortimento de casemiras, pannos e brins e muitos outros artigos que serio
lembrados presenca dos leitores
Mili m mi i i '
59--Rua Duque deCaxias--59
osTOOOiOOO^OOO
200:000W00
100:0001000
m\\\ LIITHHII
DE 3 SOMOS
Eai favor dos ingenuos da Colonia OrphanologieaIsabel
DA
PROVINGi DE PERNAMBGO
Extraccas a 14 de Malo eissi
0 thesoureiro Francisco (oncalvcs Torres
{jiEDALHA DE HONRA
| 0U0 CHETRIEa
i Silnticmlo *> Alcatrfo,
) bgtomJco, c qnmuitt
tftm* u ptprl*+> *
I OLEO de FIGADO
K IU1LI0 FERRUSISOSQ
i m Mu muncft qu qtrmiOt
qdmlaitlrar o Farro **m pf-
BRANCC.L.0IR0
EFERRUGINOSOi
tuiir Pritfo a Vratra, m
lawaaMt,
straaTaai taz
M ruyafcattmtii.il
^^

''
JUco e
rva>
Oriqmi*
'#
DIPLOMA DB HOlfAT]
EBOBITADO POE TODAS Al
CalebridAdM Medicas |
>ara.oa(BaiuaorA
. OLESTIU 00 PE1T0, ,
AFFECyOES ESCROFULOSAS
CHLOROSfS,
ANEMIA, DEBILIOAK,
TSICA PULBOMA,
B0MCH1TES, RACNlTISsIO
Vinho de Coca
Grande liquidacao
na loja de miudzas
o Raa Nova so
O proprietario do estabelecimentoBasar da
Moda, seien'ifica a Eimaa. familias que em vir-
tude da prxima reedificacao do predio em que
est estabeleeide, tem resolvido liquidar to-
das as suas mercadorias, constando de miudera,
perfumaras e artigo de moda, com grandes aba-
timentos, sendo qne snuitos artigos ao por preeos
inteiramente baratos, comoaejam :
Grande variedade de plastrn a lOOO e 1200
Sobunetes de areia de Risger % 200 ra.
Ditcs ingleses, grandes a 200 ra.
Dusias de ditos a 2*000.
Garrafa de agua florida a 1*000.
Vaso com opiata a 900 ra.
Frascos com extractos mnito finos a 1*300.
Frasco com agna de colonia americana a 560 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Guamiyoes, liabas, fitas, bicos, botoes e artigos
de moda.
_________PABA ACABAR________
AKevoluco!
Resolveu vender os seguintes artigos com
30 % de menos do que em outra qual-
quer parte.
Guarnicfs de velludilho bordado a vidri'ho para
vestidos, a 7*000 urna.
T fe tas de cores para carnaval, a 300 ris o co-
vado.
Cachemira bordada a 1*500 o covado.
Ditas pretss a 1*000, 1*200, 1*400, 1*600 e
1*800 o covado.
Ditas de cores a de 900 ris e 1*200 o dito.
Las mescladas a 600 ris o dito.
Ditas com listrinhaa a 560 ris o dito-
Dita com belinhas a 600 ris o dito.
Ditas de qnadrinhos a 400 ris o dito.
Lindas alpacas a 360 ris o dito.
Gorgurioaa a 820 ris o dito.
Setim damaas a 320 ris o dito.
Dito Maco a 800 ris e 1*200 o dito.
Damass de seda a 1*300 o dito.
Grsdenaplee preto a 1*800 e 2*000 o dito.
Gase com boohas a 800 ris o dito.
Fustio branco a 400, 480, 560 e 800 ris o dito.
Velludilhoa lisos e lavrados a 1*000 e 1*200 o
aovado.
Dito bordado a retroa a 2*000 o dito.
Cambraia com salpico a t*000 a peca.
Camisas pata aenhora a 30*000 a duzia.
Ditas de meia para homem a 800 ris, 1*000,
1*200 e 1*500 urna.
BFicbs de lft a 2*, 3*000, 4*000 e 5*000 um.
Ditos prateados a 2*000 um.
Ditos de retroza 1*000 um.
Linbos eseoseees a 200 e 240 ris o covado.
Collarinhos e pnnbos para senbora a 2*000 nm.
Ditos de cor, dem idem a 1*000 um.
Corto de casinira fino de 3* a 5*000 um.
Ditas de la e seda para collete a 6*000 um.
Ditoa de cachemira de cor para vestido por 20*
um.
Cachemira de cor de 6* por 3*000 o covado.
Damasco de cor a 700 ris o covado.
Panno da Costa a 1*400 o dito.
Cortinados bordados a 6*000 e 7*000 o par.
Colchas bordadas a 5*, 6*, e 7*000 ama.
Cretones finos a 320, 360 e 400 ris o covado.
Cbitaa finas a 240, 280 e 300 ris o dito,
Zephiroa finos a 500 ris o dito.
Setineta escossesa a 440 ris o dito.
Ditas de qnadrinhos a 320 rs. O dito.
Chales de mirino a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000 e 4*000 um.
Ditos de cachemira a 2*, 2*800 e 4*500 um.
Cobertores de la a 4*500 e 6*500 um.
EsguiSo pardo e amare] I o a 600 ria o covado.
Brim de linho de cor a 1*200 a vara.-
Dito prateado de linho a 1*000 a dita.
Colchas de crochet a 8*000 ama.
Aoquinbas a 1*800 rs. nma.
Q48.. .
Heorlque da| Silva Morelra
Novos Barateiros
Grande liquidado de tondas
Reduaflo absoluta de prao
Alpacas de cores lisas de preco de 600 rs. por
280 o dito.
Ditas alcochoadas de 800 rs. por 440.
Etamiaes de 14 tecido rendado de 1*800 o co-
VBdo por 600. ^^
Ditas de algodaode moito bom gtxo a 500 rs
o dito.
Creps de cores de preco de 800 ra. por 3b0 o
dito.
Coutelines de core tecido de agonal de preco
de 800 rs. por 360 o dito.
Paoanr de coree tecido alcochoado de preco
de 1*200 o metro por 440 o covado.
Setinetas de cores lindos padroes, 320, 400 e
440 o covado.
Zephir de qnadrinhos a 180 e 240 o covado.
Baptistas de cores a 140, 160 e 280 o dito.
Brilhantinas de corea de preco de 7C0 o covsdo
por 320 o dito.
Merino preto com duas larguras a 800 rs. o co-
vado.
Atoalhado de linho lavrado a 1*300 o metro.
Dito da costa de quadros a 1*500 o covado.
Dito da cotta de listras a 1*200 o dito.
Brins de cores para cale a 260 o covado.
Dito pardo liso a 320 o dito.
Esguio pardo delinbopara vestuarios da crian-
cas a 400 o covado.
Cambraia branca bordada a 5*500 a peca.
Toalhas felpudas para rosto de preco de 7* por
5* a duzia.
Ditas menores a 3*600 a duzia.
Dita grandes para banbo a 1*500 ama.
Colchoes para cama a 5* um.
Cortes de caaemira de cores para calcas a 3*
um.
Guarda p de linho para senbora a 10* um.
Ditos de diti para homem a 5*, 6* e 8*000
nm.
Bramante de algodao liso com 4 largaras a 1*
o metro.
Dito de dito trancado a 1*100.
BniD branco de linho qualidade superior ao n.
6 a 2*400 a vara.
Casemiras de cor* para costumes de preco de
3* o covado por *80J o dito.
Costumes de banbos de mar para senbora a 10*
um.
Ditos de ditos paro homens a 8*.
Ditos para meninos a 5*.
Sapatos de banbos para bomens e senhoras de
differentea p ecos.
Magnificas sallas americana: para viagem de
15*, 20*, e 25* urna.
Saceos de lona para roupa suja de differentes
tamaiihos per barato preco.
Colchas brancas de algodo a 1*900 nma, apro-
veitem !
Completo sortimento de lindoa cortes de case-
miras para calcas, casemira de cores para costu-
mes, panno, brins de corea e muitos outro arti-
gos que serio lembrados a preseoca d'aquelles que
nos honrar com suas visitas, na antiga e acredita-
da loja de fasendas de
Amaral & C.
Ra 1- de Margo n. 20 junto do Louvre
DKPosrros mu todas as pbimcipabs pharmaqub do aMiit.
Vende-se
Na ra Imperial n. 200 C, urna casa de pedra e
cal por barato preco. ________
Carro de passeio
Vende se nm em bom estado ; na Magdalena,
sitio do commendador Barroca.
LOTERA do ceara
400:000*000
IXTRASFERIVEL!
Corre sabbado 19 de Feyereiro
1111 vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
*
i.
240:000*000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRANSFERIVEL!
Corre Quinta-feira, g de Fevereiro

L0TEBI4 DE ALAGOAS
3OO:O0O$OOO
Esta acreditada lotera corre Terea-feira, 22 de Fevereiro

N
3
*
.
1IiT&\NSTOMY1L
600:000^000
Esta seductora lotera corre sabbado 24 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os bilhetes dcstas acreditadas loteras acham-se venda na
RODA DA FORTUNA
36-Rua Larga do Bosario36
Bernardino Lopes Alhdro.

!
200:000$OOO
LflTlIi M PlflII N FUI
XTB4CC0 DA W PARTE DA I* WUMA
EM BENEFICIO DA SABTA CASA DE MMCOMA
Quinla-feira 24 de Fevereiw
A0 MEI0 DA
Esta lotera, por algnm tempo retirada da circulacao, dovido a grande guerra que
lhe promoveram, eomu do dominio publico, vem novamente tomar o aeu lagar de
urna das ventajosas loterias do Imperio.
O agente pede ao respeitavel publico a sua benvola attencSu para o jilano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado nos jornaes e impre.sso no ver-
so dos respectivos bilhetes. O plano deste lotera o nnico que em 50.000 nmeros
distribue g
12.436 premios, ou qaasi a quarta parte!
Ainda mais : esta a nica lotera que premia todos os numeroa cujos dous al-
garitmos finaes forem iguaes aos dos
QUATRO PREMIOS MAIORES
A SABER:
1000 s duas letras finaes do premio de...................... ^SSfiS!
60 s duas letras finaes do premio do...................... 'nnn
50,5 s duas letras finaes do premio de...................... 52SR2
40)5 s daas letras finaes do premio de..................... iv.uuvfiuw
Tambe m sao premiados todos os nmeros das centenas dos quatro primeiros
P Alm destes, tem eeta lotera grande quantidade de outros premios de bastante
importancia. E' tambemesta a nnica lotera que garante quena comprar 100 ame-
ros de terminacBes Jift>rentes 32 1/2 % independente dos premios avultados que
poseam sabir na extracto.
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SEM DESCONT
A's extraesoes sao feitas em edificio publico e sob mais severa fisealisacSo por
parte das autoridades. _
Os bilhetes acbam se venda na agencia e em todas as casas, em bantos, &So
Paulo, Campias, Rio Grande, Babia, Ceara, Maranhao, Para, Amazonas e em Fer-
nambuco rua Nova n. 40 CASA DO OURO.-
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto da Rocha Hontoiro Gallo
23R' c IngHayua23
FERRO GIRARD
Approvado pela Academia de Medicina de Panz.
Appiwdo pla Jnnota Central de Hyglene pubUoa do Bnd.
O Professor Hrard encarregado do Relatorio Academia demonstrou q que
fcilmente acceito pelos doentes, bem -tolerado pelo estomago, restaura as
^caieeuraacmorHinemia; que o que distingue particularmente este
novo salde ferro, que nao causa priso de ventre a qual cmbale,* elevn-
dose a dse, btm-se dejecees numerosas.' alm^ t> ?,
O FERRO GIRARD cura anemia, corea paludas, calmbras de estomago,
embrdmento do aangne; fortifica os temperamentos fraoo., excita o
appetite, ragularixa as regr\ e comble a esterilidade.
Deposito em Paria, 8, roa Vivienne na principan Brogma Paitpiou
A' Florida
Roa Duque de Caxias loa
Chama-se a'atcraco das Ezmas. familias par
OS precoe seguintes :
Luvas de seda preta a 1J000 o par.
Ciatos a 1*000.
Lavas de peluca por 2*500.
Luvas de aeda cor granada a 2f, 2*500 e 3*
o par.
Pitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 ra. o
metro.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ramos de flores finas a 1*500.
Luvas de Escossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 600 n., 1*, 1*500 e 2*.
Pente de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Anquinbas de 1*5(0, 2*, 2*5C0 e 3* urna.
Pliass de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 re.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
Pentes para coco' com inscripcSo.
Babadores com pintura e insenpees a 200 rs.
Enchovaes para batizados a 8, 9, e 12*000
1 eaiza de papel e 100 envelopea por 800 ris
Capella e veus para noivas
Suspensorios americanos a 2*500
La para bordar a 2*600 a libra
Mae de pspel de cores a 200 ria
Estojos para crochet a .$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*C00, 4*000 e 5*000 a peca
Para a quaresia
Galo de vidrilbo metro 1*.
Franjas de vedrilho a 1*,
Luvas pretas de seda e Escocia.
Franjas e galoes finos a 2*500, 3*e 4* o metr
Para o carnaval.
Lindas mascaras.
Bisnagas de p de arroz.
dem idem de ouro.
dem perfumadas.
Lindas franjas de seda de corea eom frocos pa-
ra eufeitar vestuarios de mas caras a 1* e 500 rs
o metro, fazenda qoe j custou o metro.
Papagaioa de pspel a 200 ris.
Periquitos de papel a 100 ria.
Lequea e vcntarolas a 200 ris.
BARBOSA & SANTOS
Cabriolets
Vende-se dous cabriolets, sendo um descoberU.
e ontro coberto, em perfeito estado, para um ou
dona cavailos; tratar ra Duque de Caxias
n. 47._____________

Carnaval
Lava* com mofo a 1A o par
Lavas brancas frescapara senhors, 2*.
Ditas idem para homem, com dous botoes, 2*500
Na fabrica de luvas, ra Jo Cabug n. 7, 1-
andar.
LOJA
DAS
LISTRAS AZUfiS
Jos Augusto Das
RA DUQUE BE CAXIAS N. 61
TBLEPHOHE N. 211
Grande liquidacao de fazendas finas por
todo prego
As Ezmas. ntmiliaa que nao posaam vir na loja,
queiram mrndar pedir amostras por portaderes
ou por telepbones, que taremoa multo gosto em
wmeter^amostras de quakjuer faaenda que dase-
jm
Xm loja da* Listrs* Aaaea


Diario de PcrflambucwSexta-feira 18 de Fevereiro de 18&7
TTSRATi
3

<
0 AMIGO DO MARIDO
I'OB
JULES 3IA.RY
-(*)-
(Cvntinuas&)
IX
febre e
natural
No dia spguinte Catharina teve
ficou do cama, sera fallar cono niDguem.
|m medico, chamado logo, declarou que
nio eslava ero perig); o estado nervoso
em que se achava e sua sobrexcitagSo nSo
eran mais do que a consequeneia
do drama da vespera.
Holgn nao entrn no quarto.
'_^A luta, nasse hornera, havia sido tao
terrivel quo, apezar da forca do que era
dotado, estava abatido, mergulhado n'uma
prostragSo completa.
Ficou en casa todo o dii, alquebrado,
partidas, por assim dizer, as molas da von-
tade, sem coragem at para sihir.
Mandara vir a filha e brincava cora ella;
esta crianca era a ana nica al'-gria, sua
consolarlo, sua esperanca.
Estava sentado e tinba sobro os joelhos
a menina, que divertia-se em colher flores
da trepadeira que 'enroscava-sa era volts
da janella e qua ia pregando nes cabellos
despenteados do pai quando ouviu abar-
se o portSo do jardim e entrar Gilberto.
Holgan empallideceu ura poaco, poz Bar
tha no chio e mandou-a erabora depo.s de
desembarazar-ae das flores de que estava
coberto. Gilberto entrou na casa.
Holgan escutava-lhe os passos. Estas
pararam porta do quarto, mas Gilberto
nao en'rou, era bateu immediatamente.
Era detido por urna ultima hesitagSo.
EotSo, aera esperar que elle bateas
Holgan gritou cora voz forte :
_ Entre I
Abriu-se a porta e o joven appareceu,
com o rosto pallido e contrahido, os olhoa
baixos. JoSo tinha-se levantado, >as nSo
dera um passo para reeebel-o.
Esperava-o. Gilberto approximou-se e,
qusnio esteve porto, sentiu um estremeei-
mento violento, cambaleou, abaten se, por
assim dizer, sobre urna oadaira, quasi de
joelhos diante do pescador.
__ Perdi, JoSo, disse cora
ta ; pego-loe perdSo.
O pescador observou-o,
instantes, cora olhir cruel.
' Nao, respondeu, nSo o perdoo ; des
hoarou me e despedagou-rae a vida... abu-
sn infamemente do minlia amisade o con-
flanea... o seuhor e ella estavara huntera
em perigo, e eu poderia tel-os deixado
morrer... Ia-o lazer... Alguem disse-
me :
E' preciso e coraprehendi que as-
sim o era, .ion effaito... E sinto-me hoja
feliz pelo passo que dei, porque o senhor
nunca poder resgatar minha dedicagSo de
hontem, a qual pesar-lhe-ha em cima, ter
mente, como urna vergonha...
Joio, nada sou perto do senhor...
imploro lhe o perdSo.
Nunca perdoarei, dis3e ello, sem
colera, sem violencia.
Entao, JoSo, que pretende de mira?...
Ah! colloca-ae mnha disposigo,
nao aasim ? ura duello ? Poaao porven-
tura bater-me com o senhor ? Entretanto,
bem quizera matal-o... sira, sena tirar
de cima do peito um grande peso. E ten-
tei-o, urna vez.. quena acabar com isso...
se o tivesse sorpreheudido. Agora e un-
possivel. Nao o salvei hontem para mtalo
O que preciso que eu faga ? Orde-
ne JoSo!
Parta! Que nunca mais o torne a
ver Abandone a Franca para sempre !
Obedecerei.
Gilberto, sua vida pertence-rae lem-
bre-e disso. Se dentro de oito dias nao
ti ver deixado a Franca, rei reclmala.
Adcus '
O joven sahiu mais pallido ainda cam-
baleando e tropecando como se estivesse
embriagado.
Estava com a eabega vasia, sem pensa-
meotos... Tudo te lho desmorona va ao
edar o nao via sobre casas ruinas, sobre
esses destrozos senao a vegonha, o sent -
mento de sua pequenez diante daquelle ho-
rnera.
era sequer pe^sava em Catharina.
Atravessou o jardim e, chegado ao com-
po, deito^,a correr, ao acaso, como loaco,
tomando o primeiro caminho ou atalho que
se lhe apresentava. ..
Durante alguns dias Catbarina nao sa-
hiu de casa, erabora j estivesse de p.
Holgan nSo a tinba tornado a ver. NSo
o quera alias e at conaervava Bcrthajun-
to de si, recusando mndala com a mSi,
quando easa o pedia.
Catharina tinba medo. O que lhi esta-
ra reservado ? Qual seria a vioganca que
iria elle tirar ? Nao o sabia, e at nao era
rata sua principal preoccupncSo. A terri-
vel sceaa do naufragio era o objecto con-
tinuo dos 8onhos qua tinha, mesrao accor-
dada. NSo pod:a pensar em outra causa
E naquelle drama s via um homaro, ura
hroe, urna espeoe de genio caira), bem-
fasejo, pairando por sobre a tormenta, do-
minando as ondas, afastaodo a morte, qua
si tSo grande como ura Deus.
E por muitas vezes chegou janalla e
levantou ura canto da cortina para ver pas-
sar Holgan, nojarcfiro, levando Bertha nos
bracas. Olhava-o por muito terapo, ad-
mirada de achal-o tao simples. Senta ger-
minar no espirito urna inquietagSo vaga e
que nao podia definir. Nunca havia tido
remorsos... Agora estava suspirando a
cada instante!
Abrandava-3e-lhe o coragSo e murmura
Jva s vezes, como respondendo a algum
mysteriosb pensamento sobre o futuro, que
voz extiuc-
duranto alguns
surgia-lbe de repente a deixava-a interdic-
ta e trmula.
E' demasiado tarde, demasiado tar-
de 1
Entretanto a vida que Holgan e Catha-
na levavara nao podia continuar assim por
muito tempo. Catbarina nao ousava ain-
da sahr ; sentia eBirame.imentos nervosos
quando lembrava-ee do momento em que
se aoharia em face do marido.
Um dia Holgan entrou lhe no quarto.
A eracgSo de Catharina foi to forte que
ella julgou que ia desmaiar.
Holgan, entretanto estava muito calmo
como sempre.
Apaas um pallidez estranha cobria-lhe
o rosto, ordinariamente vermelho, e iazia
apparecerem filetes de sangue as faces,
perto dos olhoa. Catharina nao fez um
moviraento, nao proaunciou urna palavra.
Holgan conservoa-aa de p, diante
dol :
Catharina, disse elle, nSo lhe farei a
menor censura. Casou se comigo sem
araar-me ; eu devia tal-a preservado con-
tra si propria. Nao soube fazer. Deveria
tel-a punido ; pensei nisso e a' resolv fa-
ze-o. Deus decidi o contrario.
Nada mais de commura pode existir en-
tre nos e, de raeu lado, nao conservei a
mevor affeigSo pela senhora I Sei que o
amor, muitas vezes, res8te aoa ultrages
de ura adulterio, por mais odioso que
seja... Aquellea qoe experimentan), assim,
ama paixSo tSo ciansa, devem soffrer
mnito...
Ao menos ser me-hao poupadas seme-
lhantes torturas... Sa nSo tivessemos fi-
lbos, dir-ae-bia como disse ao seu aman-
te : Parta, fuja para bem .longo de
mim Mas preciso que a senhora fi-
que, por causa de nossa filha... Nao
quero qne se envargonho ara da da se-
nhora, era que saa falta recaa aobre
ella. Por conseguinte, nao a evpulso de
minha casa.
Sua vida e a de seu amante me per-
tencera. Nao se esqueoa disao e o que
nao puderam fazer era a honeatidade,
nem o respeito que a ai raesma devia, fa-
ja-o ao menos o modo... Saa falta nSo
conbecida... segundo imagina...
Por nossa filha, por minha Bertha quo-
rida, que nada se altere em nosas rela-
edes ; mas seja qual for o seu arrependi-
mento, se eu a perdoar algum dia, quando
tver rasgatado, pela dedicayao matera il,
o crra.! de boje, nunca mais sentirci amor
por ai...
Exprima-se oom urna dignidade severa
e firme.
Catharina deixou-sa cahr de joelhos e
s pode murmurar :
JoSo, nao me eamngue assim com o
seu deapreao... JoSo, "tenho vergonha de
mim mesma... Joo, merec a morte...
devia ter roe deixado morrer... Porque
salvou-rae ?...
Holgan abanu a cabeca e nSo respon-
deu : estava pensando em Thereza.
Ja ha muito havia elle sahido e Catha-
rina conservava-se ainda de joelhos, me-
ditando... Teria preferido a colorado ma-
rido, censuras, insultos e at actos de bru-
talidad?, aquella tristeza reservada.
Contava com alguma paoicao terrivel e
eis que Holgan, depois de ter lhe feito
comprehender, sal 'ando-a, a grandeza de
seu carcter, despresava-a a ponto de nao
achal-a digna de urna vinginca.
E a vergonha que senta por ter enga-
ado e deshonrado aquello Lomera aug-
mentava-se oncontrando-o tSo forta, to
cima da deshonra.
Catharina tornou a ver Gilberto, tar-
de ; Mma. Barbarain estava lavada em
lagrimas ; s Thereza nao chorava.
Informaram na da prxima partida de
Gilbeito. Catharina lembrou-se, entao, do
dito do marido: Parta I Gilberto obe-
deca.
Quando acharam-se a sos por um mo-
mento disse-lhe Gilberto:
Fez muito mal em vir... Catharina I
Entao teria partido sem ver-roe ?
NSo era isso melhor ?
Para onde vai?
Ao acaso. Deixo a Franca. Vou to-
mar paaaagem abordo do vapor que parta
para a Inglaterra ; irei para a America.
Urna vez l, tomarei cutro deatino...
E esquecer se-ha do mim... nao ?
Sim disse elle oom firmeza. Ao
menos envdarei todoa oa meu8 esforcoa
para conseguil-o, accreacentou, notando
lhe a pallidez.
E eu?... Eul J penaou no que vai
aer de mim?... O senhor ter aa viagens,
com todas as diatrac.d'es que costuraam
proporcionar... e tal vez um novo amor I...
Oh! n5o proteste... E eu, ficarei sosi-
nha... nesta cidade onde o conheci, ame-o
o onde tudo me raeorda o nosao amor...
ao lado de um homem que me odeia e
despreza? Sem amisadea, sem pr otecelo ?
Pensoa nisso.'
(Contina).
Quando tardinha as saadosas brisas
Por entre as ramas sasaurantes, virem
Oacular de leve tous gentos caballos,
Onde viveram os meua doc'aohelloa,
Onde aa findaram as miabas speraocas,
Reserva para mim doces lembrancas !
Quando a noite soturna e vagarosa
For esfendecdo o manto, o negro veo,
Ou quando a la magestosa e terna
IIluminar a trra, o.mar e o co,
Se tiveres lembrancas do passado
Recorda te de mim, d'um desgracado I
Quando sobra coxins rios, mimosos
Dormitares rain ha e soberana,
Se t'alraa ao co so, elevando
Cheia de vida, de prazor ufana
Rendar gracas ao nosso Creador,
Recorda-te de mira, meu charo amorl
Quando alta noite despertares, virgem,
Do teu sorono mellifluo de fada,
Se ouvires ao longe urna toada
D'um infeliz e triste visjor
Que chora a vida e maldiz amor
Ao som d'um mavioso bandolim,
Recorda te de mim !
G s'algum dia desposada sendo
Entre venturaa e prazsres mil,
Ero tarde amena de forraoso Abril
Passeares acaso era teu jardim
Se atares o lyrio aasa tristoaho,
Raoorda-to de mim !
Olandim.
Racife-3-2-87.
VARIEDADES

F0LHET1M
Ao amigo e collega Lonrenco
CaT?leaate de Albaqaerqae .
Quando acismares
N'aquello co de ail de nossa infancia
Nos no8B08 aonhoa loarosencantados,
X'essa quadra feliz da mocidade
N'esses dias saudosos que se foram ;
NSo te esquecas de mim I...
(Ovidio Mdlo.J
Recorda-ta de mim...
Quando acordares
E no coqueiro agreste o canto ouvires
Do mimoso e tristonho roxinol,
Saadando o dia ao nascer do sol
Cheio de maguas, de sau lade infinda
Recorda-te de mim, eu te amo ainda I
A SIL" MIC A
A msica, easa arte sublime, que nos d
a coragem ou o terror, que nos causa a
alegra ou o pezar, nasceu com o primeiro
objecto terrestre.
Desde o vento com suas arias e os ma-
res com suas harmonas, ate os passari-
nhos, que soltara enternecidos trinados, to-
dos tem msica.
Ella tSo velha como o universo, e
exercda quer pelos povos os mais altamen-
te civilUados, quer pelos selvagens sem a
menor sombra de aparfeicoamento.
A musiaa, mais natural do que a lin-
guagem, e o homem s teve o trabalho de
liraal a ou aperfecoal a e inventar instru-
mentos mais proprios para que ella fosse
harmonio8araente exercila 1
A muaica nSo oi em seu principio senSo
urna repeticSo de sons.
Dapois, com o caminhar dos tempos, ella
fot se deaenvolveni} j adquirindo um mo-
vimento ma8 vago, j acaelerando-o, con-
forme as necessidadas da dan^a, do canto,
etc. 5 e entre a raga branca que ella tem
feito mais progressos, po8 esta dotada de
orgaos mais seosiveis do que qualquer ou-
tra raga.
Tudo no mundo transformase; assim
como a msica, que a principio compunha-
se dej quatro notas como entre os negros
da frica ou de cinoo como entre os chi-
nezes, ella que servia para o acompanha-
mento ao canto o dangl^foi paseando
por formas mais aperfeigoadas, e tem feito
com que a harmonia equipare so quaai a
meloda ou harmonia doce.
Hoje ae consideram oito notas que fo-
ratc tiradas das oito primeiras syllabas de
cada, verso de urna estrophe a S. JoSo
Baptista.
Foi Guido d'Arezzo quem dett>rminou
que, para a meloda da msica, se elevas-
se a Voz em cada um doa priucipioa d'a-
quelles versos, que erara cantados em coro
pelos meninos, no principio e no fira da
licgSo.
Noa primeiros terapos da msica, esta a
ae limita va da igreja, msica montona,
sem variagSes; i haviam, porm, essas
melodas lilhas do inatincto e do sant'men-
to, formas incompletas, mas fortes pela es-
pirado e que se transmittero de geracSo a
geragSo.
Depois foi-se sentindo o progresao da
harmonia, veio a necessidade de reforgar a
0 O'OKCNM
POR
fAULO rSVAL
QUINTA PARTE
0 E0SI3AI3 DE CA3AMI0
(Continuagao do n. 34)
H
Urna irmiNso dr Bia
Gritos de mulhors atropalladores, gritos
de homens suffjcados, murros trocados em
boa l.
As acgSes azue8 tinham all ura successo
muito digno dellas.
Orul e Montaubert descerara os degros
da escala do palacio.
Acabavam de ter urna entrevista cora
Gonzaga, que os tinha censurado forte-
ment?. Estavara silenciosos e muito tris-
tea.
NSo mais um protector, disse Mon-
taubert, chegando ao jardim.
E' um amo, resmungou Oriol, e que
nos conduz para onde nSo queremos r. Te-
nbo muito desejo...
E eu tambero interrompeu Montau-
bert.
Um criado com a libr do principe, ap-
proximou se dellea e entregou a cada um
um pequeo embrulho.
Raagaram o sello.
Os embrulbos coatinbam um mago de
acgSes azues.
Oriol e Montaubrt olharam ura para o
outro.
Cora a breca! diase o gordo financei-
ro, j muito alegre, acariciando as rendas
da sua camisa, chamo a isto urna atteacao
delicada.
Tem maneiras de proceder, dase
Montaubert, que a pertencem a ello. Con-
taran) as notas, que eram em numero ra-
zoavel.
Vamos juntal-as, diaae Montaubert.
Varaos, aceitn Oriol.
Os escrpulos i iam longe ; voltava a
alegra.
Oavio-se um e^ho por traz delles.
Juntemos, juntemos.
Todo o grupo, loa jo, descia a escada.
Navaille3, Taranne, Choisy, Noce, Albret,
Gironne e o resto.
Todos elles tinhain eneohtrado igualmen-
te, quando ebegaram, urna consolacSo.
Formaram-se em grapo.
Meas senhores, disse Albret, eis aqui
nos miseraveis negosiantes, que tm escu-
dos at as botas. Associando-nos, pode-
mos sustentar o mercado hoje e fazer um
bom negocio. Ten'no urna idea...
Ouvio-se um nico grito :
__Associemo-nos, associemo-nos !
Eu tambero, perguntou urna voz Agu-
da que pareca sabir do bojso do barSo de
Bata. ,
Voltarara se. O Corcunda l estava,
prestando a sua corcunda a um negocian-
te de longa qae dava os gneros do seu
armazem, por urna meia duzia de trapos, e
que era feliz.
__Vai-te para o diabo disse Navailles,
recuando, nSo gosto desta creatura.
Vai-te par- longe, ordenou brutal-
mente Gironne.
Meua aenhores, sou um aeu criado,
respondeu o Corcunda com delicadeza;
alugaei o meu lugar e o jardim tanto meu
como doa aenhores.
Quando pens, disse Onol, que este
demonio, que nos intrgoa tanto esta noi -
te, nSo mais do qua urna estante ambu-
lante.
Que pensa, escota e falla, disse o
Corcunda, frisando cada ama desias pala-
vras.
Cumprimenton, sarrio e foi para o aeu
lugar.
Navailles acompanhou-o com o olhar.
Hontem, n3o tinha medo deste ho-
mnculo, murrourou lle.
E' qu9 hontem, diase Montaubert em
voz baixa, podamos ainda escolher o nosao
caminho.
A tua idya, albret, a tua idea ex-
clamaran muitas vozea.
Reoniram-sa em tomo de Albret^ que
fallou durante alguna minutos com viac
dade.
E' soberba, diase Gironne, compre-
hendo.
. E' zuberba, repeio o barao de Batz,
aonoridade das vozas por moio de inatrn-
roeatoa qae sorvissem para que aquellas
deacangaaaem.
Hyppoliti Baccusi foi quem primeiro con-
ciliou 08 instrumentos com as vozes ; apre-
sentarara-se entao, destinando-se a esse du-
plo uso, pedagos de msica, feitos por Do-
menico de Noli, Jean Gabrielli etc.
Appareceram, dapois, artistas que pu-
nbam em msica episodios e cantos, d'onde
surgi o -drama lyrico o a msica drama-
tica, que teve So grande incremento na
Italia.
Chegou agora, j que esbogamos a ori-
gem e historia da muaica, a occaaiSo de
dar-moa urna definigSo daquella arte.
Segundo PlatSo, a msica* cifrara-se as
be.a regraa dos usos e coatumes.
Para Pythagoras, consista no regular
movimento dos astros celestes, ou como
dizia elle, na msica do co.
Mas, hoje, todas estas ideas desapparecc-
ram, e o que mais figuradamente podemos
dizer : que o rouxinol um perfeito m-
sico por causa da cadencia, da snblimida-
do e da meloda do seu canto.
A muaica segundo Vron (L'eathti-
que) arte de escolher dispor e combinar
os sons, relativamente uns aos outros.
Ella tem, alera da parta artstica, que
consiste na esoolha e disposigSo dos sons,
urna parta acientifica que a observagdo,
e est comprehendida na harmonia e no
rythmo.
O msico tem necessidade do conbeci-
mento das relagSes dos sons, e isto f-
cil de verifioar. Quando recebemos qual
quer impressSo agradavel'ou desagradavel,
ella affecia-noa todos os igaos dos senti-
dos' Urna aenaagSo faz brotar ideas e em i-
gSes e se nSo Oonhecemos as relagSas dos
sons una para com oa outros, podemos di-
zer que a msica harmoniosa, mas nun-
ca poderemos affirraar que ella bem for-
mada, que os sons estSo bem determina-
dos, que finalmente ella melodiosa.
Na msica deve encontrarse sempre
a meloda, a harmona e o rythmo.
Alm d'estes tres elementos indispensa-
veis na msica, esta nunca poder ser boa,
si nSo for bom executada.
O que ser do vesso, si elle nSo for lido
com o devido accento ?
O que ser do discurso si fr pronuncia-
do sem firmeza do gesto ?
. Assim tambora, a msica sem ser exe-
cutada com graga, com energa, com ex-
pressaa, perder o seu valor.
O que ser de qualquer poesa se nella
nSo estiver impregnado este perfume d'al-
ma do poeta, e nSo for da ressumbrando
o odor d'alma de quem l 1
O qae ser da msica, sem que o seu
executor se possua de aentimento bastante
para acalmar as dores do um peito oppri-
raido ou alegrar um coracao que chora ?
Eis porque, alm da medida, do ryth
mo e da harmona, necessaria se taz a
execagSo.
Na muaica, como em todas as billas-ar-
tes, preciso enco itrar-sa a peraonalidade
do autor.
De nada lhe servem as falsas imitagoes.
A imaginagSo tudo.
Peas e medidas a imaginagSo apenas
estragam-n'a. Ella precisa voar livremen-
te. Infeliz daquelle que quizer inventar,
cingindo-se a compendios e a regras, pois
na Ba obra descobrir-se-ha o acaahamea-
to do seu espirito.
, Daavellier diz no Tratado de compo-
aigSo elementar e de aocordes ; Quem in-
venta medita com profundeza, fecunda com
paciencia, dispde com sbedoria e encada
com kabilidade-
0 representante da msica o som.
O homem exprime tudo quanto sent
por moio de gestos exteriores em gritos.
Os sons actuam sobre, o ayathema ner-
voso.
Deata maneira, a alegra expreasa por
um movimento repentino, por urna precipi-
ta gao, a tristeza por um movimento mono-
tono, fro, vagaroao.
Da raesma torma, o sjm sendo deter-
gombrehendo, mas guaira ainda exbligar-
me.
Oh dssef Noce, intil, mSos a
obra I preciso 'que dentro de urna hora o
negocio estoja feito.
Dispersaram se immediatamente.
Alguns sahiram pelo pateo da ra Saint-
VIagloire para se dirigirem ra Quncam-
poix.
Oa outros forana sos ou em pequeos gru-
pos, converaando aobre 08 lacros do nego-
cio.
No fim de um quarto de hora, Taranne
e Choisy entraren pela porta que dava pa-
ra a ra Quincampoix.
Abriram caminho a cotovelladas e inter-
pellando Oriol, que conversava com Gi-
ronne .
Um furor exclamaram elles ; ama
loucura 1 DSo trinta e cinco na tasca de
Veniae ; quarenta at cincoenta era casa
do Foulon Dantro de ama hora darao
cem. Compren), comprem !
O Corcunda ria-ae no seu canto.
Dar-te-hSo um osso a roer, disse-lhe
Noce a o ouvido ; toma cuidado I
Obligado, meu digno seahor, respon-
den Esopo H humildemente, tudo quan-
to preciso.
Em am momento espalbou-se o boato de
que as azues iam dar cem de premio antes
da noite.
Os compradores apresntaram-se em mul-
tidSo.
Albret, que tinha todas as acgSes da as
sociagSo na sua carteira, 'veadeu-as todas
a cincoenta de premio; e fez-se forte,
alm disso, em nma porgSo consideravel a
entregar ao raesrao prego dentro de duas
horas.
EntSo appareeeram, na mesm3 porta que
dava para a ra Quincampoix, Oriol e
Montaubert com rostos de duas varas.Jg
Meus senhores, disse Oriol quelles
que lhe perguntararo a cansa do sea ar
consternado, creio que nSo preciso repe-
tir estas noticias fataes, isso faria baixar
os fundos.
E o qae temos nos com isso ? accres-
centou Montaubert cora unr profundo sus-
piro, a couaa se far muito maia depressa.
Manejos 1 manejos gritou um gordo
negociante, que tinha oa bolsos oheios de
netos.
Socega Oriol, disse Montaubert, com-
prehende ao qae nos expoes.
Mas o circulo vido compacto dos cu-
riosos agglomerava-se j em torno dellles.
Fallero, meus senhores, digan o que
sabern, exclamaram : um dever de ho-
rnera honrado.
Oriol e Montaubert conservaram-se mu-
dos como peves.
Bou-ihes gondar, diaae o barSo de
Batz, quo ebegava ; baja, baja, baja.
Baixa? Por qua?
Manejos, disseram-lhe.
Silencio. Porque motivo baixa, Sr.
de Batz ?
NSo ae!, reapondea gravemente o ba-
rSo ; zinguenta bur zendo de baja.
__Cincoenta por cento de baixa ?
lo tez minudas.
Era dez minutos, mas um desmo-
ronamiento.
__jYa, um desmoronamenda, eine
tesasdre t
__ Meus aenborea, diaae Montaubert,
nSo exageremos.
Vinto azues a quinze do premio I
gritaran) em torno delles.
Quinze azues, quinze, a dez de pre-
mio e praso.
Meus senhores, meua senhores, urna
loucura o rapto do joven reinSo ain-
da um acto official.
Nada prova que o Sr. Lavr fugio.
E que o Sr. regante esteja prisionei-
ro no Palacio Real, concluio Montaubert
cora ura ar profundamenta desolado.
Houve um silencio, depois um grande
clamor seguido de mil gritos. s
O joven rei raptado I A fuga do Sr.
Law o regente prisioneiro I
Trinta acgdes com cincoenta de pre-
juizo.
Otenta azues a sessenta !
A cem I
A cento e cincoenta!
Meus senhores, meus seahores, dizia
Oriol, nSo seapressem.
Eo vendo todas as que tenho com
trezentos de prejuizo 1 exclamou Navailles,
que s tinha urna, querem ?
Oriol fez um gesto de enrgica recusa.
As azues dersm immediatamente quatro-
centos de prejuizo.
Montaubert continuava :
NSo havia rouita vigilancia para com
os de Maine, tinham partidarios.
O Sr. cbanceller d'Aguesseaa era da
conspiragSo, o Sr. cardeal de Bissy, o Sr.
de Villeroy e o marechal de Villars.
Obtiveram dinheiro do Sr. principe de
Cearaare.
Jadieael de Malestroit, marquez de Pon-
callee, o mais rico fidalgo da Bretanha,
minado pelas vbragSes dos corpos elsti-
cos, toma diversas mudangas conformo m
notas da musiea sao maia ou menos r-
pidas.
O som tem tres propribdades: a iatea-
sidade, a altura e o timbre.
Ser maia ou menos intenso, coahrsM
a violencia do movimonto que o produxir;
mais on menos alto, segundo o numero
dessea movimentoa, e ser raai? ou menos
timbre, conforme a natureza do objecto
sonoro.
A msica expresaa por meio d as-
trumentos, as ou reunidos.
Os instrumentos para muaica c'.ividetn-ae
em instrumentos de sopro, de corda e da
percarsSo.
Dos instrumentos de sopro, quo com-
pSem-se de tubos farados, sendo alguns e
chaves, que servem para augmentar oa
diminuir o som, os principaes sSo : flauta,
fliutim, clarinetta, oboe, fagote, eorne ia-
glez, trombone, trompa.
Dos de cordas sSo : violino, rabeca, vio-
leta, violoncello, clavicordio, sanfona, pia-
no, lyra, vlolao, viola, harpa, bandoic
e guitarra.
Os inatrumentos de peroussSo ou dos
que produzco) sora por meio de perouraSo,
ha : o bombo, o triangulo, o tambor, as
campanhias, ospratos e o timbale, etc.
As msicas que podem ser tocadas por
estei instrumentos, reunidos on por alguna
separadamente sao : msicas sacras o dra-
mticas ou syraphonias.
As primeiras sSo executadas na igreja,
as segundas chamadas tambem de sali,
sao de diversas especies, taes como: sona-
tas, concertos, phaotasias, duetos, torca-
tos, caprichos, variagSes, romances, notar-
nos, bacarolas, hymnos, etc.
A symphonia urna msica composta
para a orchestra, e dividida em quatro
partes.
Msica muito melodiosa e cheia de aw-
vimentos graciosos, sem feito, innmeros,
genios como Mozart, Beethoven, ete.
Falta-nos agora, tratar dos diversos m-
sicos que se tornaram immortaes.
Na Italia foi onde maior vulto tornou a
msica, Florenga foi bergo do Octavio
Rinunci, Jacques Peri e Pedro d'Arezzo.
aples tevo Alexandre Laorellati, Nico-
lao Porpora. Veneza foi patria de Cavol-
1L Stradella, e do grande rabequista Tar-
tini. Finalmente em Roma tornaram-aa
immorredouros : Rossini, Donzette, VercK;
Alegoi, Mercadante e muitos outros.
A llemanha teve Back, Haydn, appel-
lidado o Cy8ne da Allemanha, Naumann,
Gluck, (o Miguel Angelo da msica) We-
ber, Lchubert, Meyebeer, Mozrt, Beetho-
ven, Meudelssohn, etc.
Na Franga brilharam Boillieu, Aufaec,
Losueur, Rameau e outros.
E no Brazil ? nada poderemos dizer de
positivo por ora, a nSo ser que pronuncie-
mos o nomo de Carlos Gomes, que aos 30
annos j era muito conhecido em sua pro-
vincia natal, S. Paulo, era admirado polos^
acadmicos d'alli, entre os quaes era mui-
to estimado e a quem offereceu o Hymuo
Acadmico.
Sua primera opera foi A noate do Cat-
tello, tirada de um romance de Castilbo-
Teve logo um immenso successo. Segsu-
ram se a eatas o Guarany appUudida
em MilSo, Florenca, Roma, aples, Lob-
dres, Paria e S. Pet raburgo, Mara 2k-
dor, Fosca, Salvator Rosa e muitas ou-
iras, pois seu genio basta para encher da
gloria o Brazil todo.
Mas de eeperar, e os factos o estS*
provedo que o gigante americano, a ooa-
sa cara patria, nSo desesnoe tSo cedo so-
do os louros obtidoa pelo grande maestro.
Carlos de Mosquita j so vai tomando
urna gloria nucional, que nSo ha da ser
inferior quelle de que hoje nos oceupa-
mos.
Recife, 14 de Fevereiro de 3887.
Julio Pires.
agarrou o joven na estrada de Versailles e
levou-o para Nantes.
O rei de Hespanha passa nesta momen-
to os Pyrineus com um exercito de tres
mil bomens; nm facto infelizmente ave-
riguado.
Sessenta azues a quinhentos de pre-
juizo gritaran) na multidSo que continua-
va a augmentar.
Meus, seuhores, meua senhores, nSo
se .ipressem.
E' preciso tempo para trazer um exer-
cito dos Pyreneus at Pariz.
Alm dieso, sSo apenas boatos, nada mais
qae boatos...
Boados, boados, repetio o barSo de
Batz. Denho ainda ame azon : dou-a bur
quinhentos frangoa.
Ninguem quiz a acgSo do barSo de Batz,
e oa offerocimentos comegaram em altos
gritos.
Na peior hypothese, continuou Oriol,
se o Sr. Law nSo fugio...
Mas, perguntaram, quem retra o re-
gente preso ?
Meu Deua respondeu Montaubeit,
perguntam-me mais do que sei, meas se-
nhores. NSo vendo, nem compro, gragas
a Deua I O Sr. duque de Bourbon estava
descontente, ao que parece. Fallara tam-
bem do clero, para negocio da consttugSo.
Dizara que o czar eat envolvido em tudo
isto e quer fazer-se proelamor rei de Fran-
ga.
Foi um grito do horror.
O b .rao de Batz propez a sua acgSo por
cem escudos.
Naquelle momento de pnico universal,
Albert, Taranne e Noce, quo tinham os
fundos da sociedade, fizeram urna pequea
compra e forara assignalados immediata-
mente. Mostravam n'os com o dedo como
dous idiotas : compravam. Em um momen-
to a multidSocercou-os perseguiooseeuffo-
C0U-08.
NSo Ihes diga nada, disseram ao ou-
vido de Oriol e de Montaubert.
O gordo e pequeo agiota mal podia im-
pedir ae do rir.
Pobres insensatos, murmuroa elle,
mostrando os seus cmplices com um gesto
cheio de compaixSo.
Depois ncorescentou, dirigindo-se mul-
tidSo :
Sou fidalgo, meus amigos ; dei Ihes
as minhas noticias gratis et pro Deo ; fa-
gam o que quizerem, lavo as minhas mSos.
Montaubert, levando mais longe a com-
placencia, gritou aos innocentes :
i

Comprem, meus amigos, comprem!
SSo boatos falsos, vSo fazer um magnifico
negocio.
Asaignavam dous ao mesmo tempo so-
bre a corcunda do homnculo.
Elle recebia com a8 suas duas mos a s
qaeria ouro.
Realista realista era o grito geral.
O que chamavam o par para as accSas
azues ou netas era cinco mil libras, prego
da sua emissSo, apezar do valor nomioa
ser apenas de mil libras. Era vinte mma-
tos ellas biixaram alguraas centenas da
francos.
Taranne e os seus agentes agarravam
tudo.
As suas carteiras enchiam-se como
aacco de couro de Eaopa II ou Jona, qoe
ria muito tranquillamente e empreatava a
ana corcunda para aquellas transacgSea. -
A cariada estava jogada.
Oriol e Montaubert deaappareceram.
Immediatamente de todos os lados ebe-
gava gente quasi sem poder respirar.
_ O Sr. Law eat no aeu palacio.}
__ O joven rei est as Tulherias.
__E o regente est neste momento ai-
mogando.
Manejos 1 manejos 1 manejos !
.Maneja maneja 1 maneja 1 repeta
o barSo indignado ; bem tezia eu qua erra
maneja.
Houve rouita gente que se entorcou.
A's duas horas, Albret apresentou-ae pa-
ra entregar as aeges vendidas ao prego
de cinco mil e cincoenta francos. Apeaar
das pessoas que sa enforcaram e daquelle
que fizeram bacarrota, limitando-so a ar-
rancar os cabellos, Albret realisou anda
um fabuloso lucro. Assignando a ultn
transferencia sobre a corcunda do homaa-
culo, Albret collocou-lhe urna bolsa na mSo.
O Corcunda exclamou:
Anda c, Baleia.
O antigo soldado das guardas, approxi-
raou-se, porque tinha visto a bolsa.
O Corcunda atirou lh'a. ^^
Os nossos leitores quo nao acharem o
estratagema de Oriol, Montaubert e coot-
panhia muito elementar s tm que lee a
notas de Cl. Borger sobre as Memonaa
secretas do abbade do Choisy.
VerSo ahi manejos muito maia groasen*
coreados de im menso successo.
(Continuar-ssha.)
Typ. do Diaria ra Daqae de jCaxias n. Ut,
-.
N
i

- .
-.
--
1
-
I .
*
.-'

1 '
I 'i'.
'
VM


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECO86R4H5_OK3ORJ INGEST_TIME 2014-05-28T18:33:13Z PACKAGE AA00011611_19816
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES