Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19815


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LII--N0Mfifl28
*
PARA A CAPITAL E LCSARK* OXDE \AO RE PAGA PORTE,
Por fres mezes adiantadoa.............. 6(5000.
Por seis ditos idem.......... ...... i:-*iJOOjf
Por um anno dem................. 23(5000
Cada numero avulso, do mesmo da............ 510
DIARIO DE
PTMA II DE WM M1887
PARA RESTO* E FORA DA PRO VIMC14
Por seis meses adiantadoa.......i....... ;' 13A50Q
Por nove ditos dem................. 20#000
Por um anno idem................. 270000
Cada numero avulso, de das anteriores........... #100
/
Proprieirai)* ht Jftatwel -Itgifdra tft Jara 4 Sios

C"v
Oa Nr.<. Amede Prlnee ti C.
de Pnria, 89o os domm agentes
evolutivos de annunclos e pn-
l licuis es na Franca e Ingla-
terra
TELEGRAMMAS
"


":V'
:ss::;: : ti-vcia savas
(Especial par o Diario)
BUENOS-AYRES, 16 de Fevereiro.
Dernm se de tiontom para cfi l ca
o novo* e 1 bito de enolera-mor-
ba*<
Do Chile annunria 133 ofclloa
na iillima II hora*.
MONTEVIDE'O, 16 de Fevereiro.
Aqu e na* cercana* da cldade Je-
ra m 5 caso* noto e S onllow de
cholera-morona.
LISBOA, 16 de Fevereiro.
rendo o coverno poringoes envia-
do ao alio deZandnar nos ultimtum
exiglnao ansa aolueo aserta da toa-
ata de Tunue. o foterno de Sansl-
toar al agora delaou em reanoata
ease ultimtum.
ROMA, 16 de Fevereiro.
O Mr. Depreda, qae navla receido
a incambeacla de formar um novo
gabinete, lem encontrada grandps
dlfflcnldadea no deaeaapedno deaaa
Inrambencia.
PARS, 16 de Fevereiro.
O governo ottonaano e oa delega-
do* blgaro* do novo eonaelna de
regencia araban de chegar 4 am
acrflrdo.
Agencia Ha vas, filial en Pernambuco,
16 de Fevereiro de 1887.
INSTRDCCiO POPULAR
BHI DAJUMENTACiO
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
(Continuaba o\
Epilogo
Llamo complementa deinonstrativo e justificativo
.1-: vnras aasercoes disseininadas pelaa paginas do
presente opsculo,e simultneamente como as-
auinpro que por estraitameuto ligado coin os prin-
cipios jeniea da by devera lutaressar ao leitor curioso, deliberamos in-
cerrar este volume da Bibliotheci do Povo e das
Escola* com a rxposivao das cinco seguate* tabel-
las :
Tabella A
Gneros de que deoe eompor-ie a rocao de urna praca
nos nono navio da armada
?ARTE OFFICIAi

Gneros
Carne de vacca
fresca...........
ou
Carne de vacca
saldada. -.....
ou
Bacalho........
oa
Peize salgado...
ou
Peixe fresco.....
Legumes ()...
Legumes com ina-
carrao........
Legumes com ar-
ios...........
Mac arrio........
ou
Arroz...........
Bolacha (t).....
oa
Bolacha.......i.

Pao alvo........
ou
Pao Alvo.......
Quantidades
0k,375
0k,375
0k,240
0k,350
0k,400
0l,200j
01,160 )
01,150)
0k,050}
0k,050'
I >
Pao de manicio..
Caf torrado e
incido.........
ou
Caf em grao....
Assucar...."....
Vioho...........
Vinbo...........
Vmho para jantar
Azeitepara ceias
de magro e de
crne salgada..
Ok 0281
0k,035J
01,600)
01,100 )
01,015)
0[,015
Distribucao
Domingos, 2"
4, 5* fei-
raae sab-
bados.
3" e 6* feiras.
Domingos e
5* feiras,
2*, 4 feiras e
sabbados.
Domingoe e 5a
feia.
2', 4 feiras e
sabbados.
Navegando.
Fundeado em
porto* fra
do Tejo.
Pandeado no
Tejo.
Todos es das
Navegando.
Fondeado.
Todos os das.
3*e6 feiras,
e sempre
que se abo-
ne carne
salgada.
Todos os das.
Sal............. 01,025)
Vinagre......... 0l,t35)
NotaHa do abono em dinbeiro para hortalizas.
Nao huyendo pao nem bolacha, estes gneros
sutatitaem-se por l1,300 de farinha de mandioca.
fe nao boaver est, augmenta 0k,6O0 a raco de
tanM, ate.
A agurdente t abonada como gratificaco
extraordinaria ; nio fas parte da raco do mari-
nbeiro.
(Continua)
toTerno da provincia
BXPKDIBHTB DO OU 15 DE JAN81BO DB 1887
Oficios:
Ao Dr. ebefe de polica.Por telegramma
do jais de direito de Palmares, coasta que fra
espancado, na noite de hontem para hoje, um ofi-
cial de justica de notne Manuel Jaca, httnbuindo
aquel le juiz a sutoria do crime ao proprio subde-
legado em exercicio, pelo facto de ter o offendido
servido de testemunha no inquerito policial, que
ltimamente alli se proceden por offeuaa no pes-
soa do mesmo jais de direito.
Reiterando a V. 8. as recommendacoes que lhe
fia por oficio de 5 do corrate, para que propo-
nha a snbstituico deasa e outras autoridades po-
liciaca, coovm qae o faca com a promptidao e ur-
gencia que silo indispensavais em bom da segu-
ran;* e tranquillidade publica daquella cidade.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Remetto a V. S., para que tome oa devida censi -
deraco, copia do oficio de hoje dirigido a esta
presidencia pelo jais dos feitos da faaenda, a res-
peito de ama justificaco requerida pelo bacharel
Eduardo de Barros Falca de Laterda.Commu-
nieou-se ao dito juia.
Ao tenente coronel Joo Nepomu ieno de Me-
deirca MalletEm solacio materia do oficio de
V. 8. de 12 do corrate, n. 19, declsrs-lhe que
esta presidencia esta eolhendo informaces e em
estados, no intuito de organisar-se urna compa-
nhia de bombeiros suficiente para a extmcco de
incendios nesta capital.
Ao director da Colonia Isabel.Tendo esta
presidencia, por portara de 11 de Agosto de 1884,
declarado que o medico deaseeatabeleciraento deve
nelle ter sus residencia effectiva exercendo as
fonecoes de seu cargo pelo modo prescripto no
art. 31 do regolamento de 14 de Marco de 1874,
nessa parte anda em vigor, convrn que Vmc me
informe se esta recommeodacio tem sido ejecuta-
da, e se o servico por esse modo bem desempe-
nhado, oa se reclama modificaces e reforma.
Ao presidente da Cmara Municipal de Ga-
melleira.Declaro a Vmc em respost* sos seus
oficios de 7 do corrate, que compete-lhe, embora
seja o unid vereador que compareca jesso, dar
poase nova cmara, cujo titulo a mesma aeta
da eleicio, qae deve existir nessa Cmara e da
qual consta qaaes os eleitoa.
Ac fiscal da Companhia Recife Drainage.
De accordo com a informacio de Vmc, em oficio
de 3 do correte, delibcrei qae, mediante indemni-
aaco, faseem cedidos 4 Santa Casa de Misericor-
dia os objectos necessarios para a obra de canali-
saclo das materias fecaes do hospicio de aliena-
dos ; o que lhe declaro para os devidos effeitoa
Conrmunicon-seao provedor.da dita Santa Casa.
Portaras :
O Sr. agente da Companhia Brasileira faca
transportar corte, por conta do Ministerio da
Marinha, no vapor Ptrnambitcc, chegade do norte,
o voluntario para o aervico da armada, Laia Gon-
zaga das Neves, qae para alli sega-i 4 aisposico
do quaitel-general da marinba, segundo declara o
inspector do Arsenal de Marinha, em oficio n. 7,
de hoje datado.Communieou-se ao dito inspector.
O Sr. gerente da Companhia Pernambacans
faca transportar provincia da Parabyba, por
conta do Ministerio da Guerra, na caixote me-
diado 13 decmetros cbicos, conten do diversos ar-
tigos; doua alvos de madeira para exercicio; ama
mesa para inatruccao de tiro e duaa chastes para
bandeirolas, tudo destinado 4 companhia de in-
fantera d'aquella provincia. Communieou-se ao
Arsenal de Guerra.
O Sr. gerente da Companhia Pernambncana
faca transportar 4 provincia do Rio Grande do
Norte, por conta do Ministerio da Guerra, com
destino companhia de infantera e enfermara
militar alli existentes, duaa marquesas com as-
iento de palhioha, oite barris de dous fundos para
agua, um barril de um fondo para agua, cinco ca-
bids portateis para armas, cinco cabides para
correames, qnatro carrinboa de mao pintados,
quatro tamboretea com assento de madeira, tres
tinas para agua, um caixao mortoario cam argol-
las, des mesas pequeas de entre cama, dous ta-
boleiros pequeos com taraps e dous caixes
grandes pintados para depsitos, medindo ambos
2488 decmetros cbicos, contendo um d'elles di-
versos utensilios mandados fornecer por aviso do
Ministerio da Guerra ele 31 de Julho do anno pas-
sado. -Coramunicou-se ao Arsenal de Guerra.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transpeitar 4 provincia do Rio Grande do
Norte, por conta do Ministerio da Guerra, um cal-
zte medindo vmte e seto decmetros cabicos, o
qual vai contendo artigoa de tardamento, desti-
nados aos alferes Goncalo Barca e Joa Candido
Bezerra da Triada de. Communieou-se ao Arse-
nal de Guerra.
KIPIaiKNTE do sacaavABio
Oficio i
Ao engenheiro das Obras Publicas.8. Exc.
o Sr. presidente da provincia ficou inteirado pelo
oficio de hontem, sob a. 6, de haver V. S. man-
dado passar certificado de pagamento da primeira
prestacio, a que tem direito o arrematante do em-
pedraaento da estrada da Victoria, na cidade de
Jaboatie.
EXPEDIENTE DO DU 17 DE J.BEIB.0 DB 1887
Actos :
O presidente da provincia, para boa execa-
c.lo dos arts. 42 e 43 da le n. 1,860, de 11 de
Agosto de 1885, e nos termos do art. 24 4o do
Acto Addicional, resolve que se observen) as se-
guate :
lnttruofSe
Art. 1.a Todo o empregado provincial, qae in-
terinamente substituir ou tro, quer de categora su-
perior, quer nio, ter direito, alm do ordenado
integral do proprio emprego, a gratificarlo qae o
substituido deixar de perceber.
1." Dando-ae a eubstitaicio por vaga de em
prego substituido ter direito o substituto interino
a todos os veucimeotos do dito emprego, perdendo
os seus, qoanuo empregado, (L. art. 42).
j 2.* No caso de ser a vaga deixada por morte
do funecionano, a caja familia cabe por espaco de
um anno, em quanto se nio fundar o Monte-Pi
dos Fuoccionarios Pblicos, a gratifi.-acao inhe-
rente ao emprego, o substituto interino perceber
o ordenado do substituido e mais a gratificac&O do
proprio logar, sendo empregado, quando por ou-
trem nao for ella percebida por qualquer titulo,
cemtaoto que nio exceda a gratificaco do empre-
gado substituido, porque entilo a ter direito at
a quantia equivalente.
Art. Io Preenchida efectivamente a vaga do
empregado com familia, a que se refere o art. 4*,
o nomeado deixar do perceber durante um anno
a gratificaco inherente ao emprego.
Se, porm, o preeuchimeuto da vaga for por ac-
cesso o promovido nestas condic-e, ter direito
tambem a gratifaeacao do ultimo emprego que en-
tilo vagar, em quanto a sua propria gratificaco
for percebida pela familia do fallecido. Neare caso,
por excepeo, o nomeado para o logar que vagar
por accesso, receber apenas ordenado Uo empre-
go por igual tempo. ,
Art. 3.* Quando o veacimento do lugar substi-
tuido for constituido smeute de ordenado ou ex-
clusivamente de gratificaco, um terco quer de um,
quer Je outro, ser considerado gratificaco para
os casos de aubstituieea.
Art 4. Por morte do empregado publico, inclu-
sive proleasores de inatruccao primaria e secunda-
ria, a familia por elle maotida perceber a grati-
ficaco inherente ao emprego, durante um anno, 4
contar do da do fallecimcato.
iJArt. 5. Entende-ee por familia para os effeitos
do artigo antecedente:
S 1. Os filhos em geral menores de 21 annos.
2-* As filhas solteiras.
3. A viuva em quanto viver honestamente.
i 4. Os ascendentes pobres o valetudinarios.
| 5." As irms honestas solteiras ou viuvas, que
provarem ter vivido em companhia do fallecido, e
que eram por elle mentidas.
Art. 6.o Os interessados na forma do art. 5 de-
voras hsbilitar-se perante a presidencia da pro -
vincia dentro dos tres primeiros mezes posteriores
ao fallec ment do empregado, provaudo o bito e
os demais requisitos oa coudicoes, sob pena de
perda do favor legal.
Art. 7. Nos casos de accnmulaco com substi-
tuico ou sem ella, permittida por-le, ter direito
e funecionario nao a aos veneimentos do proprio
lugar coma s gratifisaaas d'aquelle ou d'aquellea
que acoumular (L n. 1,488, art 1" na referencia
ao art. 47 do Reg. de 6 de Maio de 1879 e L. n.
1,497, art. 2*), salvo quanto gratificaco que es-
tiver sendo percebida por outrem, ou que for defe-
rida familia do funecionario fallecida (L. art. 42
e43).
Art. 8.e Nao p*rmittidc, em circunstancia al-
guma, gratificaco era duplicata por um mesmo
emprego e por igual motivo.
Esta disposico, entretanto, s se applica a em-
pregos propramente, e nao aos casos em que a le
marca apenas | gratificaco para certa ordem de
servicos, os quaes podem ser feitos por urna oa
mais pessoa8, desde que a despeza nao exceda a
verba consignada.
Art. 9." Estas instracfes nao comprebendem
os professores interinos ou contratados, ,| por
disposicoes especiaes sao nomeadoa ou substituem
professores impedidos ou nao prvidos anda as
cadeiras, os qaaes percebem vencimentos certos e
determinados em lei na qualidade de interinos ou
substitatos.
Art 10. Pica assim alterado o art. 119 do Reg.
de 6 de Fevereiro de 1885 e revogadas quaesquer
ostras disposicoes regulamentares em contrario.
Remetteu-se copia ao Thesouro Provincial.
O presidente da provincia r-solve considerar
caduca a concesao feita, por acto de 27 de Jnlho
do anno paasado, a Thomaz Passini, para fazer
trabalhar ama companhia Ivrica no tbeatro Santa
Isabel, durante os mezes de Abril a Agosto deste
anno, visto nao ter o mesmo Passini assignado o
respectivo contrato, conforme infonnou o inspector
do Thesouro Provincial, em oficio de 12 da cor-
rente, sob u. 365.Fixeram-se aa dendas commu-
nicacoes.
0 presidente da provincia, de confsrmidade
com a proposta do administrador dos Correioa, em
oficio de 14 do correte, sob n. 26, resolve, nos
termos da lei n. 2,794, de 20 de Outubio de 1877,
exonerar pedido a Julio Beserra da Silva, do
cargo de agente do correio da povoaco do Alti-
nbo, e nomesr para substituil-o o cidado Tertu-
liana Al ves dos Santos.Communieou-se ao admi -
nistrador dos Correioa.
O presidente d provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. ebefe de polica em oficio
n. 23 de 12 de corrente, resolve nmear o actual
subdelegado de Santo Antonio das Batatas Bene-
dicto Maia Lima para o cargo de 1 supplente do
delegado de S. Jos do Egypto que se acha vage.
EXPEDIENTE DO SECRBTABIO
Oficios:
Ao conselbeiro presidente do Tribunal da
Relaco da Recife.Commuaico a V. Exc. que
tere o conveniente destino o ralatorio que acotn-
panhou o seu oficio n. 2704, de 7 do corrente
mes.
Ao mesmo.Pelo oficio de 15 do correnta
mes, n. 2709, fleo inteirado de ter o desembarga-
dor Delfino Augusto Cavalcante de Albuquerque
assumida naqueil-t data o exercicio de sea cargo.
Communicou-se a Thesouraria de Fasenda.
Ao commandante das armas.--Digne-se V.
Exc a expedir suas ordena para que seja posta
urna aentinella rondante porta do edificio n. 2 do
Caes do Ramos, afim de que sirva de garanta a
Recebedoria de Rendas Geraes, a qual boje tem
de ser transferida psraomencionado edificio, con-
forme solicitou-me o inspector interino da Thesou-
raria de Faaenda em oficio de 15 do corrente n.
31.Communicou-se ao inspector da Thesouraria
de Fasenda.
Ao jais de direito do 2* districto criminal da
comarca do Recife.Transmiti em original o in-
cluso oficio do delegado ncarregado do expedien-
te da palicia n. 34 de 12 do corrente mez, acom-
paohado de copia de que lhe dirigi o Administra-
dor da Casa de Detenco, afim de V. S. ttender a
reqaisico do administrador acerca da remocao de
presos para o presidio de Fernando de Noronha;
devendo devolver-me o referido oficio, logo qne
deem as respectivas providencias.
AoDr. chefe de polica.Accuso o recebi-
mento do oficio de 5 do corrento mes em que V.
S. me participa ter chegado nessa data ao povoa-
do Jatob, proseguindo nos termos do inquerito
iniciado pelo delegado de termo de Tacara t a
reapeito dos facto* que ltimamente alli oeeorre-
ram.
A Thesouraria de Fazenda.De accordo com
o que solicita a Cmara Municipal de Timbeaba
em oficio de 23 de Desembro ultimo ; sirva-se V.
S. de providenciar para qae pela alfandega seja
entregue o temo de pesos e medidas, destinado
mesma cmara, ao respectivo procurador, Tbomas
de Aquino Barbosa de Sousssa Cemmunicou-se a
mesma cmara.
A mesma.Communico a y. S. para os fias
convenientes, que o juiz de direito da comarca de
Tacando, baeharel Jos Fiel de Jess Leite, re-
movido por decreto de 29 de Novembro ultimo
para a comarca de Viga na provincia do Para,
no dia 5 do corrente mez renenciou ao res-
to da (cenca em cujo goso se acaavam para co-
mecar a contar o praso marcado por le para as-
sumir o exercicio de seu cargo naqaella provin-
cia.
A mesma.Communico a V. 8. para os fins
convenientes que, no dia 31 do mez fiado, o pro-
motor publico da comarca de Flores bacharel Joo
Qaintiliano de Azevedo Silva intorroinpeu o ex-
ercicio de seu cargo para entrar no goso de 3 me-
zes de licenca com ordenado que em 19 do mesuio
mes obteve para tratar de sua saude.
A' mesma.Devolvo'a V. 8, os papis com
relaco ao r*querimento do Dr. Luis de Carvalho
Paea de Andrade os quaes vo acoro pan hados de
sua infonnacao de 12 do correte, n. 21 para que
me informe se a despesa de que se trata acha-ae
comprehendida no g 7 do art. 5a do decreto 2a8l
de 1 de Fevereiro de 1862.
No caso afirmativo, cumpre solicitar desta pre-
sidencia o preciso crdito.
Ao administrador do tbeatro.Nesta data
defiro o reqnerimento em que Joaquim Monteiro
de Carvalho pede a esneessao desse tbeatro para
fazer trabalhar de 15 de Maio a 15 de Julho des-
te anno urna companhia dramtica, nos termos do
Regulamento de 16 de Marco de 1885, e com a
clausula de dar o supplicante depois do 3' espec-
tculo um beneficio em favor da mesmo tneutro,
de conformidade com informacio prestada por V.
S. em 24 de Desembro ultimo.Igual a directora
e ao Thesouro Provincial.
Igual ae Thesouro prsrineial.-De coafor-
midade com a informacio de Vine, em oficio de
17 de Desembro ultimo, sob n. 316, defer boje a
peticio do bacharel Luis Rodrigues Villares con
siderando seutas da contribuicao de aunuidade de
apparelbos da Companhia Recife Dranago desde
os exercicios de 1872 a 1873 as casas de na. 11 e
17 4 travesea do Carcereiro e de na. 26 o 30 a
travesea do Corpa Stnto por se acharem compre-
hendidas na clausula 17 da novacio do contracto
respectivo ; ficando sujeita a de n. 13 da referida
travesea do Carcereiro a partir do 1 de Julho de
1883 em razio de augmento do valor locativo.
Communieouoae ao engenheiro fiscal da Compan-
hia Recifc Drainage.
Ao engenheiro chefe da repartico das obras
publicas.Para bem conbecer o servico a cargo
dessa reasrticao, e resolver sobre a sua melhor
e mais eesnomica direcedo, attendendo aos oficies
de 8 e ll'do corrente mez sirva-se de remetter-
me Vmc.
1" As eltinms resentas dos trabalbos [feitos pe-
los conduteres com as medidas, que indicaran) na
conveniasttfa do servico (Regulamento de 24 de
Fevereii-dLiB-1874 art 17 g 3-.
2* Os srtimoB relatorios dos spontadores com
as especiiaacoes regulamentares (Reg. de 8 de
Julho deje?!, art. 3- g 4-.
3'. Os litros de contabilidade dos engenheiros
de distrisloV que exigir com promptidao no es-
tado em toio se acharem iReg. de 8 de Julho de
1.-ST4 art.lfl).
4 O a)ovimeote em resumo, da pagadoria no
trimestree Outubro a Dezembro, com especifica-
cao do scfvico de cada um des quatro empregados
(arte. 27 28 do Reg. de 24 de Fevereiro de
1874).
Ao rector do Arsenal de Guerra.Declaro
a Vmc, para os fins convenientes, que, a vista de
sua inforsaaco n. 773, de 30 de Desembro fiado,
defer hoto o requerimento do negociante Joio Ro-
drigues d Moora, prorogando por 40 dias o praso
de 90 qae obteve para entregar a esse Arsenal
24,081M de'briin pardo trancado, conforme se
obrigou para com o mesmo Arsenal, ficando isento
da multa em que i acorren.Commuaicou-se a
Thesouraha de Fazenda.
Ao mesmo.Declaro a Vmc, para os fins
convenientes, que, a viste da sua informacio n.
732, de 4 de Dezembro (indo, conced aos nego-
ciantes Rodrigo Carvalho & C, conforme pediram,
prorogaop por 10 dias do praso de seu contrato
para fazerem entrega a esse Arsenal de 457 bor-
nees de brisa imperial, ficando sentos da multa.
Commuaieoe-se Tbesoarajia de Fasenda.
Ao commandante da escola de aprendises
msrinheiros.Devolvendo a Vmc. as propostas
que vieran- aunexas ao aeu oficio n. 257, de 27
de Desembro rindo, declaro-lhe qae, vista das
allegacoes no mesmo expostes, nesta dae>t, auto-
riso o inspector do Arsenal de Marinha a mandar
fornecer pelo respectivo almoxarifado escola sob
seu coanmando, os colxoes de que precisar dnrante
o semestre corrate, sendo regeitadas as ditas pro -
postas.Expedio se ordem ao dito inspector e offi-
ciou-se Thesouraria de Fasenda.
Ao commandante do corpo de polica.Ao
Dr. chefe de polica mande Vmc. apresenlar ama-
nh duaa pracas, afim do escoltarem um criminoso
at o termo da Es-ada.
Ao mesmo.Autoriso Vmc a alistar no
corpo de seu caminando os paisanos de que trata
o oficio n. 2037, de 12 do corrate mez, havendo
vaga para a admisso dos mesmos.
Ao eapito da guarda nacional Joio de Seusa
Leo commandante interino do conselho de qua-
lificaco da guarda nacional da comarca de Ja-
boatio.Declaro a Vmc, em resposta ao seu ofi-
cio de 12 do corrente, que, segundo consta de par-
ticipaco de delegado cncarregado do expediente
da Repartico da Polica, de hontem datada, sob
n. 32, forara dadas as necessariaa ordena no sen-
tido de ser satisfeita a requisico constante do ci-
tado oficia'
A' Oamara Municipal de Ignarass. Rea-
mara nao se reunir por
ferir juramento em sesaao dos novos eleitos, essa
attribuicao bem como a de chamar para presidente
provisorio o mais velbo dos venadores novos,
compete ao man votado dos ex-vereadores presen
tea, ou mesmo ao nico qae se apresentar (aviso
n. 181, de 30 de Abril de 1861, n. 70, de 16 de
Outubro de 1863)
Assim constituida a nova cmara sob a presi-
dencia do vereador mais velho que se apresentar,
este far proceder immediatamente em seguida a
eleiyao do presidente e vice-presidente, e caso
para isso nao possa constituir sesso por falta de
vereadorea novos, suficientes para haver maioria,
convocar ento os immediatos precisos para pre-
faser maioria dos membroa oa Cmara, sendo que
os eidados convidados a tomar assento como ve-
readores effectivoe ou supplentes, nao compore-
cendo. podem ser compellidos por meio de multas
na forma do art 28 da lei de 1 de Outubro de
1828 a afinal processados criminalmente (art. 128
do Cdigo Penal).
A' Camera do Cabo.Determino Cmara
que expeea os devidas communicaces aos juises
da paz e rJt as providencias do estvlo afim de que
se proceda oesse municipio no dia 25 de Fevereiro
prximo vindouro eleicio para um vereador, em
substituido de Joaquim Manoel do Reg Barrete
qae taliecea, segando declaroa-me o presidente da
Cmara em oficio de 12 do corrente mes.
A' Cmara Municipal de Villa Bella.Para
resolver sobre o assumpto do oficio de 15 de De-
sembro rindo, recommendo Cmara Municipal de
Villa Bella qoo me remetta copia do termo de ar-
remataco de impostes de que trata o seu predito
oficio.
Ao superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco. -O Sr. superintendente
da estrada de ferro do Recife ao S. Francisco,
faca transportar, por sonta dos passes gratuitos a
que o governo tem direito, da estacio de Cinco
Pontas 4 da Escada, o preso de nome Basilio e
duas pracas do corpo de polica, a* quaes "fall
regressaro escoltando outro preso com destino 4
Casa de Detenco.
Ao mesmo.O Sr. superintendente da es-
trada de ferro do Recife ao S. Francisco, faca
transportar, por conta dos passes gratuitos a que
o governo tem direito, da estacio de Cinco Pontea
a de Una o eapito do corpo de polica Satvro Fer-
r ira Leite e urna praca do mesmo corpo que
para alli segu a servico.
XFKDlBSTa DO SBCBBTAKIO
Ao commandante daa armas.Sua Exc. o
Sr. presidente da provincia manda communicar a
V. Exc. ter autorisado o director do Arsenal de
Guerra a satiafazer o pedido que acompanhou o
seu oficio n. 27, de 15 do corrente.
Ao delegado encarregado do expediente da
repartico da polica.O Exm. 8. presidente da
provincia manda declarar a V. 8. que nesta data
aubmetteu a consderacio do ministro da justica,
o contedn de seu offi do de 13 do corrente, a. 27,
a reapeito do pagamento da quautia de 9354000
concemente ao farneciinento de expediente da re-
parrico a cargo de V. 8., e da insuficiencia de
crdito destinado a verba por onde corre o dito
pagamento -
Ao inspector do Thesouro Provincial.O
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. S., que nesta data dirigio-se ao mi-
nistro da justica, a respeito do auxilio do cofre
geral a forc* policial nesta provincia, visto como
aeguodo infonnou a thesouraria de Fasenda, all
agora, oenbuma quota oi distribuida com destino
ao mesmo auxilio, do qual se oceupou essa inspe-
ctora em oficio de 31 de Dezembro prximo pas-
eado n. 342.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao Limoeiro. -O Exm. Sr. presidente da
provincia pruferio hoje seguinte despacho em um
requerimento de 19 de Novembro de 1&85 no qual
o superiotendeute deesa estrada pedio prorogaco
de praso para apresentar estados ret rentes ao
p rolouga ment do ramal de Bom-Jardim.
Nao tendo a Companhia cumprido com as
clausulas 74, 7 e 78 da mmoraco de seus coo-
tractos nem cam a prorogacio que lhe foi con-
i cedida por despacho de 29 de Agosto, de <884,
nem com a que pede no presente requerimento
> para 26 de Novembro de 1886, considero cadu-
c cas as concesaoea de ratnaes e prolongamentos
que forem feitas ,'e constam do acto de 24 de
Outubro de 1878.
Mutatis mutandit ao Thesouro Provincial.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 15 DE
FEVEREIRO DE 1887
Angosto Berenguerde Almeida Alcoforado.In-
forme o Sr. jais de direito da comarca de Pal-
mares.
Antonio Augusto Ferreira Lima.Sim, com or-
denado, na forma da lei.
Carlos Barromeo da Silva.Informe o Sr. Dr.
juiz de direito da comarca de Nazareth.
Caetane Beserra des Santos.Deferido com of-
ficio ao Sr. brigadeiro commandante das armas.
Bacharel Felippe de Figueira Paria.Remet-
tido ao Sr. inspector interino da Tesourana de
Fazends para attender ao supplicante em termo.
Francisca Romana Bezerra.Infirme a junta
clasificadora de escravos do municipio da Vi-
ctoria.
Francisco Texeira de Farias. -O supplicante j
foi attendido.
Dr. Francisco Jaciotho Pereira da Motta.
Ioforme o Sr. inspector da Thesouraria de Fa
zenda.
Guilermina Adelaida Bandeira de Castro.
dem.
Ignacio Vieira de Mello.Informe o Sr. juis
municipal do termo de Nazareth.
Joo Jos do Nascimento.Providenciado.
Jos Candido Ferraz.Informe oJ8r. comman-
dante superior da Guarda Nacional das comarcas
de Floresta e Tacarat.
Miguel Joaquim de Carvalho Seara.-Defirido,
para que pague-se ao supplicante, a contar de 25
do Outubro de 1886, ex-vi da lei n. 1682 de 21 de
Junho de 1882, a gratificaco correspondente a
terca parte de seus vencimentos actuaes, nos ter-
mos do art. 5* da lei n. 683, de 5 de Maio de 1866,
restabelecido pele art. lo da lei n. 1522 de 11 de
Abril de 1881. A disposico do art 83 do rega-
lamente de 18 da Mareo de 1885, sendo exorbi-
tante dadelegaco contida no art. 6 da lei n. 1810
de27 de Junho'de 1884 e importando tevogaciode
leis, nao pode ser executada nem criar direitos,
O mesmo.Nesta data profer despacho na pe-
ticio anterior.
Manoel Jos da Costa.Deferido com oficio ao
Si. brigadeiro commandante das armas.
AUeres Pedro de Barros Falco.Passe porta-
ra concedendo a licenca requerida.
Se-Tetara da Presidencia de Per na m-
buoo, em 16 de Fevereiro de 1887.
O porteiro,
Franodino Chacn.
N. 80. Quartel General do Com mando das Ar-
mas de Pernambuco, 12 de Fevereiro de 1887.
Illm. e Exm. Sr.Na seccao do jornal Pro-
vincia de hontem, na parte noticiosa, sob a epi-
graphe Chefe de policio detordeiro, diz se que ao
sahir o 2 batalho de infantera da ponte da Boa-
Vista, de aeu regresso para o quartel, algumas
pracas do 14 da mesma arma e da companhia
de cavallaria espancaram indistiuetareente aes
transentes.
A este respeito ped intormacee aos comman-
dantes e as offereco, por copia, a quem Deus
guarde.
Illm. e Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente de Aze-
vedo digno presidente da provincia.
(Assignado)O brigadeiro, Jos* Clarind d*
Queiroz.
Quartel do Commanio do 14* Batalho de In-
famara no Hospicio em Pernambuco 11 de Fe-
vereiro de 1887. N. 89.
Illm. e Exm. Sr.Na Provincia de hoje e na
parto noticiosa vem narrado um facto que diz
ter-se dado hontem, quando o 2* batalho de in-
fantera regressava para o seu quartel, depois do
exercicio que fes no largo do Hospicio.
Hontem o batalho de meu commando es te ve de
guarnieao, nao me constando, das partes do ofi-
cial de estado su de alguno commandante de guar-
da, que praca deste batalho tivesse tomado parte
uo espaldeiramento, se que houve, a que se re-
fere ease jornal, mcmo porque o Mr. D. chefe de
polica nao tinha a sua disposico forca alguma
do 14* batalho de meu commando.
No eotreteato aproveito a occasio para aese
verar a V. Ex. que de necessidade urna provi-
dencia seja qual for da parte da polica, afim de
que essa mullidlo de capoeiras, vagabundos e des -
ordeiros deixe de atrepellar os batalhes em seu
transito,
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. Sr. gene-
ral Jos Clariudo de Queiroz, digno commandante
das armas.Jos* Thomat Gontalvts, coronel.
Conforme.Francisco Camello Pessoa de La-
cerda, coronel secretario.
Quartel do Commando da Companhia de Caval-
laria de Pernambuco, no Campo das Princesas,
11 de Fevereirs de 1887. N. 31.
Illm. e Exm. Sr.Em cumprmento portara
de V. Exc. de hoje datada, para informar com
urgencia o que ha de verdade sobre as pracas de
cavallariasegundo o que vem publicado na sec-
cao da Provincia de boje, quetem por titulo No
ticias, e sob a epigraphe Chefe de polica desor-
daro.
Tenho a dizer o seguate, que hontem quando
retirava-se o 2 batalho de infantera para seu
quartel, logo ao sabir do largo do Hospicio urna
giande malta de capoeiras e entre elles alguna de-
centemente vestidos, tomaram a frente do batalho
e de ves em quando faziam as carreiras costuma-
das aggrediodo a todos, quo Ibes passavain na
frente levand* assim o terror a todos os transen-
tes e espectadores pacatos ; ao chegar junto da
ponte da Boa-Viste, o Dr. chefe de polica qae
andava pasaeio, apenas acompanhado por urna
praca de cavallaria que lhe serve de ordenanca
mandou esta dispersar aquellea desordeiros, em
acto continu fortn o mesmo doutor e a referida
praca aggredidos, nessa occasio chegou -urna ou-
tra praca de cavallaria que est tambem s suas
ordene, porm, desarmada, ahi travou-se urna luca
terrivrl, que se nao fuese a coragem e agilidade
das ditss pracas, teriam sido supplantadas pelo nu-
mero e perecido as pontas das taccas de seus
aggressores.
Foram ests as pracas que tomaram parte no
conflicto, quanto s mais, conservaram-se neo fe
quartel.
Terminando esta creio ter comprido as ordena
de V. Exc. a quem Deus guarde.
Illm. e Exm. Sr. general commaudante das
armas Jos ciar iodo de Queiroz.O eapito Joe
Ju.-tt'niano da Rocha.
Conforme. Fancuco Camello Pessoa de La-
cerda, coronel secretario.
Repartico da Polica
SeccSo 2.*N. 154.Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 46 de Fevereiro de
18S7. -Illm. e Exm. Sr. Participo a
V. Ezc. que foram recolbdos Casa
de Detencio os seguntes individuos :
A' ordem do Exm. Sr. presidente da
Relaco, Jos Luiz da Rocha afim de res-
ponder a ama ordem de habeas-corpus.
ti! ordem do subdelegado do 1. distric-
to de S- Jos, Mana Seohorinha da Coo-
ceico, Mara Rosa da Conceicao e Jos
Ignacio Cavalcante de Albuquerque, por
disturbios.
A' ordem do do 1." districto da Boa-
Vista, Joa Francisco Tbom, por offensas
a moral publics.
A' ordem do de Belm, Serafim Alvca
da Cimba, preso em flagrante, por crime
de furto de cavallo.
Communicou me o subdelegado do 1.*
district.ro da Graca que hontem pelas duas
horas da tarde, no sitio da Ponte de UchSa
pertencente a Jos Joio de Araorim, por
occasio de se proceder a urna excavacSo
no terreno entre dous poyos para a cons-
truccio de urna galena, suc-edeu desabar
grande qnantidade de trra sobre o traba-
lhador de nome Joaquim Cdelho, perlu-
guez de 50 annos de idade, que morreu
inmediatamente.
O cadver foi vistoriado pelo Dr. Mala-
quias AntoDo Goncalves, que declarou ter
sido a causa da morte, asphyxia.
O delegado do Brejo da Madre Deus
em officio de 6 do corrente corrmunicou- _
me que naqaella data, em companhia do
Dr. promotor publico, do escrivio e do res-
pectivo carcereiro, fizera a vistoria na ca-
deia d'aquella cidade, encontrando 19 pre-
sos. Sendo 16 sentenciados, 2 pronuncia-
dos e 1 sentenciado appellado, os quaes
aenhuma reclamacio fizeram relativamen-
te ao tratamento que all recebiam.
Hontem s 7 horas da manbS no Ar-o
de Santo Antonio, da freguezia do mesmo
ame, Liberata Francisca do Rosarior mo-
lher de cor preta, foi atropellada por um
carro que conduza capim, resultando frac-
turar urna das pomas.
O carroceiro poz se em luga, e a offen-
uida foi conduzida ao hospital Pedro II
afim de ser tratada.
O subdelegado d'aquella freguezia to-
mou conhecimento do facto e prosegue no
termos da lei.
Deua guarde a V. Exc. Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, rauito
digno presidente da provincia. O chefe
de policia, Antonio Domingos Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 16 DE FEVEREIRO DK
1887
Fielden Brothers, padre Miguel Peres de Aze-
vedo Falco, Dr. Jos Horacio da Coste, Joo Cor-
deiro dos Santos e Manoel Clementino. Informe o
Sr. contador.
Pret da guarda cvica.Examne-se.
Ventura Pereira Penna.Satisfaca a exigencia
que resulta da informaco da seccao da conta]
doria.
Antonio Augusto Ferreira Lima.Curapra-se a
portara de licenca.
Commendador Jos Candido de Moraes c Dr.
Jos Horacio da Costa. Haja vista o Sr. Dr. pro-
curador fiscal.
Pret da guarda cvica.Pague-se.
Hermelinda Brazida Canato de Lima.Ao con-
tencioso para satiafazer a exigencia da conta-
doria.
0
.'
asa
ananas
INTERIOR

'S.
ReleTacSo de mu (as e de Im
posto*
(Jornal do Commerci de 1* de Fevereiro)
Lei destinada a abreviar a emaocipaeio gradual,
com o menor sacrificio possivel dos proprietarios de
escravos, a de 28 de Setembro d 1885 esmerou-se
no assegurar a estes propietarios garanta e favor
com que Ibes grangeiasse confianca e restituase
seremdade. Todo o sea mecanismo roda neste
xo.
Houve precaucao de patentear profundo respeito
pela propriedade que a lei deixou subsistir, como
para justificar, por tal arte, as excepces feitas
com toda a brandara plenitude dessa mesma pro-
priedaae. Tabella de valores, declaraco voluntaria
do preco dos matriculandos, modo de applicacao da
taza addicional, saneco penal contra o acou tamento
de escravos, iseocio do servico militar como premio
da oceupacio effectiva nos trabalbos da lavoura :
nada foi poupado, nem a lentide engenhosa da
depreciaco do valor dos captivos, para compensar
o tenue sacrificio da alfrria dos sexagenarios, es-
tatuindo-se para coroar a obra, que parte do tundo
de emancipaeio haja de ser appcada manumis-
sao dos escravos mais velbos, isto : dos que mais
se avisinharem da idade fixada como fronteira do
astado de escravido.
Outra nao menos evidente prova desta preoecu-
pacao depara-nos a disposico que, dispensando
as leis fiscaes que regem a cobranza da divida
activa, releven graciosamente as multas impostas
por inobservancia da lei Rio Branco e dos seus re-
guUmentos, na parte relativa matricula e s de-
claracoes exigidas dos senbores acerca do bito,
alfrria, transferencia de dominios, e mudenca de
domicilio dos seus escravos. E' intuitivo como ae-
melbaqte dispensa, nada contribulado para acce-
lerar a emancipaeio, nem entendendo com os in-
tuitos principaes da lei, poe a mira em angariar o
apoio e a svmpathia d'aquella classe de propieta-
rios, indnltando-oa depenalidade essencial rgu-
laridade da matricula.
Novo indulto estatuto a lei, mas este de signifi-
caco e alcance mui dignos de louvor, remettindo
a quem libertar ou tiver libertado escravos seus, a
titulo gratuito, qualquer divida pela qual sej* res-
pansavel fazenda por efleito deimpoitos aferen-
tes ao ex-escravo. Aqui manifesta-se o intuito de
estimular as allomas gratuitas e de poopar aos
doadores de aiforrias j concedidas o deagosto e a
pena de serem executados para arrecadaco de t isa
sobre valor extincto por acto espontaneo e desin-
teressado do devedor. Nesta parte foi pie vidente e
engenhosa a lei, a bem da realisaco Jo seu plano
de emancipaeio gradual. Ella enteodeu avisada-
mente qne, ao momento de inventariar de novo a
propriedade escrava, fazendo-a rematricular, con-
vioha fementar a tendencia da emancipaeio.
Desejamos pela nossa parte que a herm<,neutio%
acnda em auxilio desta salutar disposico, tornan-
do-a mais eficaz pela verdadeira iuterpretscao que
nos parece quadrar ao texto legal. Como sabido,
aero tidos como livres oa amigos eacrave que,
dentro do prazo fizado, nao forem dados nova ma-
tricula. Mais liberal neste ponto do que a de 1871,
a seaunda lei de 28 de Setembro nao alargou
aquelle praso com outro addicional de maneira que
para a nova matricula foi marc do o przo impro-*
rogavel de um anno, u pauso que pira a antig*
o praso foi realmente du dous annos. Tanto iva,
com efteiio, permittir inacripcoes no auno aubse-
quente ao encerramento da matricula, quanto mar-
car para esta o biennio.
Livres ipso facto os amigos escravos nao reiw
triculadoa, iaiporta causa da enaueipaco t$
nar ext- osivo o indulto ds taxas aos sciiIa*,
que, nao promovendo a inacripei dnasens acn.-ieS
escravos, preferirem esto modo silencioso de rna-
numissio oatorga de carta de alfrria. A le ua|
foi clara ueste parte, mas a mesma razo devo Idi
'
a I
t" '


i


2
Diario db i*ernambnro---(Juinta-feira 17 de Feyeren> te 1887
Dar mesmo direito e as leu. Fuvoraveis 4 li
Berdade hio de ser interpretadas a;jin o aamu
pii'i o-ie -j intufiou e dictan Ha de o intrepre
..mpjmtl na, do que rajtrjaigij as, bnscan-
oii "ii :o, rsoonstruir o pcnsamento do legia-
1b >. No caso varente, a intenco nada foi equi-
i ..- -f-l .infcre-se par hoa lgica que a rerniaaiodu
i>m "ioveniente: dt tazas sobre o eacravo al-
to* iwij tambem para aer a p pilen d a favor do
pr. .rietario que realmente altorria eaaravo o<-a-
* era/<>', dentudo ale 9 dar nova matricula, to-
ta .niiiasao t-onstitafl ms le manumit? e tasto
b^ia para adq lirir n faaar-da le.
A n )va matricula ter de eucairar-se definiti-
vamente a 31 do Masco e asare, por tanta, que iu-
terveuba a hermenutica administrativa pira fi-
zar tiesto ponto aeerdadeira doctrina, que. era
I.certeza, influir favoravelaaento na obra da emau-
fcip>gii voluntaria. Os poderes publieoa, couside-
rotn uu ui > i segunda lei de 28 de Setembro como
padrro iminudave', nada devem poupar na esphe-
B* da aua competencia para as manamissoea se
C t.-Tiiem cada vez raais numerosas. A indiffereuga
> ejin que por longis anuos temos olhado para Uto,
>ao menos apparentemeote, nao lera etmeorrido em
Cueua encala para que, volvidos mais de tres
roa sobre a prmeir* lei daquells data, anda
aoe aehftnos, contra todas as provisoes ana une a
das em 1871, diante das proporcdea temerosas que
nos est mostrando o problema do estado servil.
Tardamente ou nao, cumpre recobrar quanto pos-
tivel, o tempo quati esteriliaado ou tai pouco qti-
lisado. Para este efieito, dentro da rbita das lea,
respei tadoa os direitoa que torera para respeit.tr,
nenhum esforco se haja por demasiado. A segunda
le de 28 de Setembro traz diapoaicio para aerap-
piicada ao extinguir-ae a esor&vid i. Para que
esta anda remota pbaae do trabalho nacional nao
carrete perturbando*, sobrevindo suavemente co-
mo planta que rompe terreno aemeado de boa
previsan ec ni mica preparar o advento cora soli-
citude 14 todos os das. Cada manamissio eoncor-
te para este resaltado.
A questo militar
(Jornal do Commtrcio da corte, de 5 de Feve-
reiro)
Servimo-nos aqni deate termo por ter sidoein-
pregado ltimamente para designar aconteciman-
tos em que se achara cn"olvidOo militares ; em
rigor, porm, queato militar, no sentido de pen-
dencia entre governo e ezercito cousa que na
pode dar-se ; repelle a mesmv nogio de exer-
eitn.
O lago que prende o ezercito e sem o qual elle
Bo role existir, a disciplina ; sem ella nao te-
ma exercito, tenemos apenas bandos armados,
contra na qua"s bavia de levantar-se a naci n-
terin. Esta disciplina tripue arduos deverea, ms
bao de aer cumpridos per aquellea que volunta-
riamente abracaran* a nobro carreira daa armas,
nobre somente emquanto nao desviada da estreta
anda da honra. Nao coufia a nagao urna espada
; senio a quem jura com ella defender a lei. a lei
aoment". No leal cumprmeuto aaste juramento
est') os bros militares.
Pode o governo exorbitar ; ai militar restan
os recaraos estabelecidos pela t e na forma por
ella prescripta. Se nada disto vale, eupporte co-
rajosamente a injuatiea solFrida, porque cima da
-------------------.------------------
sidencia. declarando aberta a sessio e sur o a>i
fimprincip l, carao consta do sviao publicado as
f ilhas diarias, tratar dos tneios, que pirventura
possam.existir, de evitar a ruin ., cora quj. a es-
pantosa deacid i dos prego do aaauear na Europa
8 nos Escalos Unidos da Aun/rica do Norte o a
Ja alga do cambio
lioiatro d- fazeuda,
Do" modo nio tez I eatio ameagando a nossa industria assucareira
?, ) .. aislador qoiz estimular a emancipago, baixa addciontl resultando
reruojfi m ..i 1-:, r. m tanto qu a-^j* dada nu te- I prunovida p-lo Exra. actual
V>.. odo por titulo gratuito.
Depois de lida e approvada a acta da seas-i i
unoedeiita (13 de Jumo), aM termos em que tora
puneada na Diarim de 'i de Setembro, o Sr. se-
rio goral aareaenta ao conselho 2 voluae*
co aatraaBiadente Dr. Jorge Oodawaram,
diraatjr daaacwiatia da cmara dis trs. depsaa
io e-cootatido eaesses ha vidas de 15 de Abril
a 3 de Jume di corrate anni, o ultimo relatarlo
do cm. ministra da agricultura, cum 3 vaiames
de eanexoa eavaadoa pala ireaaaeti** ae< lasara,
varios nmeros d> Agrario, rom.ittidos pala ao-
eieuade Agrcola Paraenise e 3 offi^ioa da directo-
ra da Aasociacao Ooramercial Beoeficente. O
prni.eirj de ditos officioa, firmado em 25 Je Agoa
to, tem por alvo commumear a elei?o e poase da
uiesm i directora ; o segundo, datada de 6 de Se-
tembro, o couvito "Jingid a superintendencia
para, no ha W da aaja mea, delibera: de ac-
toeda cica a aupracitada direotoria e a da Asso-
cia^aj Uuwiii'ircial Agrcola aoerea dos raeoa a
empregar, em orJem de obter do governo impe-
rial a auspaosao temporaria dos direitoa de ex-
portacao da assucar u a diminuir/Jo do frete do
meam geuero as viaa-fi-rr-aa da provincia; e no
3, com data de 7 le Outuoro, a directora da
Coramerei.il Beneticente enmmunica a superiu-
teu tenca, a pedido do Exm. senador Soares
Braudio, os p*8S)3 que S. Exe. deu e prrflenja
dar em prol du s.il.-aeto Qa lavoura peruambuea*
nae reaiette por copia o telegramma do Exm vi-
ce-presidente di e un ir i i ,i -lepu'-dm Or. Go
mes de Castro, aceusa'ido o ivcen;.ii-'i,To da peti-
cio dirigida a dita Cmara em virarte da delio---
racio tomad na reuailj do da 10 de Setem-
bto.
ContiuuaaJo ir com d i expediente, o mis-
mo Sr. secretan > ?-r*i aprsenla raaig 2 tole
grammas relativos ao mes n aa^umpto, r- di.igi-
dos directamente a aoeiiind'e, um p-l is Bams. de-
putadoa da prjvincia e Mtro pelo Et.u. ennelhai-
ro Soares Branda um ofieio, no qual .o Illra. Sr.
Carlos Baatitreau, ^acusando-se de ompareeer a
sesao solemne do dia 28 para o qa-I f8ra cjuv-
dado, snbmettu a aanaMarast) da sociedad.! algu-
mas m-didaa teniente;, m ana npinii, a melho
rara situaci da classe agrcola, a finalmente
ontro oficio, uo qaal a Il!m. S-. "Wells-Hood, sa-
penitendente da via-ierrea do Recite ao S. Fran-
cisca solicita, em data de 21 da Outubro, a opi-
mo da sociedade acerca d > avian, que elle man
dou publicar nos jornaea de 18 c 20 do mez c:r-
rent/acerca dj tirameoto da amostras dos pro-
ductos agrcolas transoortadoa na via-ferrea sob
aua direceo, e que motivuu reclanvicO 'S e pro-
testo por parte da Aasocia;!) Commercial Agr-
cola. Em seguida, participa ao eonselhi ter-se
acensado em tempo o receoimento doa oficios da
directora d Commercial Beoeficente e ter a su-
periutendeueia turnado parte no di* 10 de Setem-
bro ua reuniao das 3 directoras, onde debalde
proenroa obter que, na representaeao que se pre-
tenda dirigir aoa p ideres pblicos, se insistase
para que o governo imperial se abstiveaae de pro-
mover e sustentar artificialment-', pelo menosera
quindo nio Baldos, na conta ae nossas traiiaac^aa
lnternaciooaes ;
3.* A eficacia do plano apresentada para este
fita pelo actual Mimatro da faaenda ;
c Coubiderando, que a pretenc > manifestada por
S. xc, de restaurar progressivamente o padrio
monetario da lei de II de Aguato de 1816 (cambio
de 27 d. por mil ris) equivale a urna sentenca de
norte para a lavoura da canna e industria aasuca-
rer i da Provincia, cujos productos nao podem, em-
quaii'o n formo calmeados uas me mas condicoes
d>s similares daa mais aacoes. e espuoalmoute dos
da betterab.ia earopa. obter precia que aejam
daa aiuiiaaa > parla nenio braaileiro, rema'.tldaa, areinuneradnrea ai cambio de 27, o qie o prop
Sr. conaatlieiro Helia trio reeonbeceu explicitamen-
aentd em s ;u diacurao de 6 de Agosto prximo
pasaalo;
< Coaaaiaaatanda, que oa actuaes precoa do
car ii -a jaavsH loj.cuusnmidorea, aem eom aoaaabo
ae 18. sjae xaataiuu durante a afea de tfi
K, aijfaaun-raars para o nataoa aaaacaras e
a diminuicao de cerca de 20%, que Ihes fez pre-
sentar a elevaco artificial do cambio (da 18 e22),
promovida pelo meamo Ministro da fazenda com os
fundos do ultimo empiestirao externo, cona'itue
novo prejmzo, que os nossos agricultores devero
acoresceotar ao que j Ibes causava a baixa dos
precia -tioaanereados estrangeiroa; tem de ealiir do
capital da ecploraeio e de fasel-o desappareoer
dentro em breve, com immenso prejuizo da pro-
duecao, mina dos prodectores e infallivel dimiuui-
ca > daa readas do Estado ;
Considerando, quo embira, quer as cou lines
de uo>soa productores, quer os precia do asauer
poaaam incinorar, nao cbayar i estes lio afia a aer
remunerad ires cora o cambio de 22 d-, e eom inaio-
ria de raza j com outro mais alto ; por estas, e ou
traa considerac-S que das ineamis demanam ;
Encarrega a c'aoi;:to de Supennteiideneia de
ditieir-se, em uome da agricultura pernambacana
aa Uoveruo de S Al. o Imperador, em ordem de
obter, que vio quaato i.o se h-ijam toraadoa re-
muiicradorea os precos de aasucar. tabatenh-t se o
ur-aiao (J j veru de qualqoer nter venci no mer-
cado do cambio, destinada a protpover on manter,
por venda de carabiaea, pagamentos realisadis
em ouro, uu outro qualquer meio conducente ao
mesmo in, urna taza superior a resoltante i"
eatado u jo noesos couipr?inissos inteciiaeioiiaes.
S. R.
. UJe da S iciadade Auxiliadora da Agricul-
tura em 27 da utubro de 188Henrique Au-
gusto Milet. >
Posto o projecto em diacussua, o Sr. Jgnicio di
Barros dis, que earbo'a nao fiirtne o enthuaias-
ndividu est um interesse infiniUmente supe- qU,ntd og preC09 o assucar nao ae tornaaaem re-
rtor, e que deve fazer calar todos os outro, a
ezistencia inesma do exercito. Jurou o militar
dar a vida pela patria, mas a patria nao esta so-
mente defroote do ioimigo externo : est dentro
d'eila inesma, est na manutancao da ordem, sem
a qual nao podera subsistir uenhuma aociedade
humana.
P 1- ser doro o sacrificio, mas toda de abn-'-
^acao e ancritcioa a vida do soldado. Nio est o
valor smente em arroatar o iaimigo nos campos
uiuneradores, urna taxa do csm'-.io de nossa moe-
da nacional, que ja est cauaaudo aoa nossos
agricultores prejuizo inaior que o resultante da
existencia dos direitoa de cxportaslo geraes e
I pr vineiaes.
Di, qae nada mais precisa communictr a) coo-
selbo acerca daquetla reuniao, visto ter sido pu-
blicado ni Diarw i; ro Jornrtf o theor da repre-
senta;aa dirigida a ambas as casas do par..unea-
to ; accrescentar apenas, para compreheosio do
de baUlha neui ah se ver nunca traquear o bra- QUe H(.jm4 retero uuando deu conta lo expedieu
.
zil-ir.) ; es' tambem em supportar resignada-
mente jjuanto o dever impe, mas nisto nao sej i
nunca o soldado que d o eaemplo ao oficial,
aliando a este toca dal-o aquello.
Eacusado rememorar os precedentes da re-
una i de cfeiaes no theatro do Recreio Drama-
tico Poi qaanto a n3 nm acto impensado ; o
facto inesmo de mnguem ter ous-tdo assignar oa
convites para aquella reuciSo, largamente distri-
buidos, ja pareca indicar que da legalidade d'el-
ia nao tiuham inteira ccnsciencia ot promotores.
Vtio depo>s a exaltacSo do momento e a irreflexio
a que todos os ajuntameotos fataline i te arraatam
fez o resto. Estamos convencidos que neuhum
dos officiae3 all preaentea teria tolerado da parte-
los seus subordinados o acto qne praticavam re-
lativamente aos seus superior s Entretanto, a
ordem hierarchica igualmente adstriogente em
Jodi.a o B'-ua !os ; o direito de que o oficial se
{alga revestido para com o aeu superior, ha de
eoncedel-o para comsigo mesmo aoa seus sol-
dados
.vi i queremos investigar o fundamento daa
yii'H" dos uitici&eg ; podero ser iniutu juaLt, a
nesaa qu-stio de forma c esta quebrava todos
te, que, em ordem de aproveitar anda, cas i foise
> poaaivel, a prorogac.ao dos trabalh)S legislativos,
durante a qual poda sar apresentada, o mento da receita, urna ementa supprimn o o di-
reito de (xportaco do assucar, enviaram-s; tele-
grammas aoa nossos representantes, qu-r na C-
mara quer no Seuado ; raapondeado nquslles, que
j era tarde, visto-ter sido encerrada uaqu-lle da
a diseussio do cima citado orcamento ua reap'C-
tiva cmara ; e sendo advfigado no Senado pela
Exm. conselheiro Soares Brandan a mencionada
suppresso, porm, sem resultado, por causa da
opposico do Exm ministri da farend... qoe em
bora deelar iss reoonbecer a justica do pedido e
promettesse no ornamento viadouro propor a sup-
presso da taxa, oppoz-se a que figurasse dita
suppresso no ornamento que ae ea'jiva diseu-
tindo.
Diz que, da mesma forma, nao precisa tratar
circumataociadamente da reuniao solemne, que o
Illm Sr. Gerente eonvooarn para o dia 28-de Se-
temoro, visto a mor parte doa membros presentes
tercm turnado parte uella e as opinies a presenta-
das naquella occasio coustarem do relatorio da
. gerencia, cuja primeira parte sahio luz no Diario
os vinculo* da 4iaeiplrna. Se quera tormulou \ fe Pemambuco de V de Oatubroedo resumo da
reaoluco tivesee tido o intento, nao de obter re- Kim gc^Jo qae to publicad no num-ro 27 da
paraco para reacs ou suppostas .'ojusticas, mas | tA f0|nB-
e toraar impoasivel esaa reparaeia, nae poder*
ter esculhido melhar fraa. Digamol-o franca-
mente ; aquella intimacao ao governo seria para
aer teita i frente de forca formada e desenvolvida
jaa praea publica, mas nao para ser apresentada
lespeitoeameutf.
Que Bguifica o reeurso directo para o sobera-
Nao repetir, pou, aa cooaideraQoes que apre-
seotou no sali da Assaciaoi) Commercial Bene-
ficenle ; pude entretanto licuxitfa ao Illm. presi-
j dente do Conaelho, para, como corollaxio das mes-
las, e no intuito do corresponder ao tui principal
da actual sesao extraordinaria, depositar ua
no V Sondo a nica attribuico constitucional do me8B. Para er llda uiacuda na occasia* pro
i
I-i
I
Imperador applicavcl ao caso, a de noinear e de-
miltir livremente os seus ministros, o recurso im-
porta implcitamente o pedido da deatiluicao do
min^tro da guerra, ou de todo o gabinete. Ser
e-te pedido para ser feito por officutes em uome
coUectivo, reunidos no intuito de exeroer pressio
co^eco ?
Pallou-se tambem de obter .-arantas contra
qualquer perseguico que o governo movease aoe
sliiciaes que tomaram parte na reuniao. Seria
inhibir o governo de lancar mi d'aquelles offi-
eiaes para qualquer sei i ico que nao fosse do agra-
do d'elles Qu.-.iquer commisso ppderia o oficial
rtcuaal-a a ttulo de perseguico : aera posicio
esta que possa aceitar um governo ? Oa que ad-
heriram res lucio or certo nao r- fiectiraui que
fcruava ella imposi\el todo o exercito.
Pas8ado o momento de desvario, estamos con-
B vencidos qne pensando com maduresa os officiaes
Fnaconhecero que foram inunzidos a um pasao er
Hado ; que exigindo o qae era impoasivel conce-
der-se-Ibes, nio pn-moviam o que ae Ibes augura -
va interesse da classe, antea oppunbam barreira
inauperavel a qualquer sattst cao que o guvernu
qoizesse dar a desejos tao irregularmente mani-
fastadoe.
Nao sabemos se o Sr. general Dtodoro j fez
nao doa plenos poderes por aquelles officiaes cou-
feridos em nome do exercito ; qualquer que ai ja,
porm, a reaoluco do governo, a forma nao po-
derla elle toleral-a sem aniquilar-se a si mcarao.
qae ficaria sendo ento o exercito ?
Fallamos com rude franqueza, porque fallamos a
bomeus bricaoa por carcter, de tundo sio e ju'zo
eecli-recido. Nao queremos dar cooaelhos aoa of-
fic aea que asaignaram aquella reaoluco ; apenas
ihes pedimos que, pasaada a exeitacio do momeo
to, r-dictam com cima no aeu acto. Uto bas-
tar para vertm que aa naturaes conaequencias
d'elle ievariam dissol gao do exercito. A' pa-
tria por ellea ennobrecida or tantos fritos heroi-
cos, tacara agota anda um supremo sacrificio
i.-quecam resentimentos, olviaem mesmo injust
uaa, ae injcst;cas han ve, e sal vera a disciplina do
exercito. Em holocausto patria abnegaem aa
suaa propriaa peaaoaa ; o mais duro, mas tam-
bem o mais glorioso dever do soldado.
pria, urna proposta de reaolucio relativa a com
! plcta inopportuoidade da alga do cambia prouio-
I vi la pelo Exm. Cousclheiro Ministro da Fazeuda.
Em seguida, o mesmo Sr. secretario, pa-saudo
I a tratar das circumataucias fiaanceiras da Sucie-
dade, diz que continuam ellas no mesmo eatado de
anemia ; sendo que doa 45 aociog, que anda fi-
giravam eamo effectivos no semestre paasado,
apenas 15 pagaram.as respectivas cotas, e doe-lbe
ver-9e obrigado a tornar publico, qu.e ua oocasiio
em que a lavoura da canua, eamaguda pela con-
currencia dos asaucarea de betterraba premiados
era toda parte pelos respectivos governoa, so pode
encontrar salvagao u'uma proieccio enrgica dos
poderes pblicos, es nossos agricultores sao tao
deaoaidoaos de sus verdaderos interesse*, que
estamos vendo alguns delles, e estes dos mais
abastados, que nao recuam diante daa maisavul-
tadaa despezaaa vxigidaa em aome da poltica,
soccorrerem-se a pretextos miaeraveia, para econo-
misacem ot 15 ou 20 annaoa 4c sua assignatura,
expoodo-se a occasionar o desapparecimento da ni-
co orgio que ora teeir. para apreseutar suaa quei-
xas aos cima citados poderes pblicos, e delles
exigir as medidas urgentes, sem sb quaes a sua
industria, nao desapparecer sem duvida, mas fi-
cai reduzida ao insignificante consumo da popu-
Ingo do Imperio.
Ultimada deat'arte a exposigo fetta pelo Sr. se-
cretario gerai, o Sr. presidente aubmette a conai-
deragio do Conseluo o oficio do Sr. superinteu
------ "- ^fc ct ------- ---------- a
p -. i cambio bailo, o\> aeu desidraiu u se ja a esta-
ojiitla i.-, do mesmo cambio, como j tem declarado
ni ta da urna vez e repetido ltimamente na ses-
ea* aoiemoe do-dia 28 de Setembro, nio tem du-
vida alguiua em it-uitar o pr. jecto de reaoluci) a
e>ti prompto firual-o noui a *ua asaiguatura
Proeedeaia deata iorma. julga elle permauecer do
accordo eom oa sena principios, que nio adraittein
a conveniencia de oszlacoes e. subre t id > de'oscll-
lacoaa artificiaea, co-ao sao aa de qoe se trata, e tem
por tira restaurar u n padrio inouaiai io em uesaccor
do e un as circaruatanciaa daa nossas industriase
particularmente da do assucar, que Jetenvolveu-ae
com a permanencia do cambio baixo e experimentou
intenaoa aofirimeiitos todas aa vezas que, em eonse-
quenea da etnprestiinos realisados no exterior, o
mesmo cambio foi temporariamente experimentan lo
nlgaa que O approxnnaraui do par. Diz, que esta
i-oiisideragij est bem Unge da autoriaar a se at-
tnbuir lavoura da cami-t a ni- ensata prat ngio
de vivar das desgranas alheias e a cuata do The-
sooro Nacional, obrigando a este pagar milharea
de contoa pelas tio falladas differungaa de cambio
nos p tgaineutos dos contractos com as praoas es-
trangeiras, porquanto estes milhares despendidos
naata verba anmala de despeza da fazenda na-
cional ais compensados p rmaia nnitoe milhir.>a,j
que se et laousaran cota os encargos da divida
interna e eom o paga nonti de todo o peeaoal ad-
ministrativo, que devenido ser aatisfeitoa em un- ia
corrente, tornar-se,-hio cada vea mais ouer.-.a >s a
medida que artificialmente a inoeda fortal cer s.'.
Diz que. por outro la lo, esta oasideraca-i nio
pode ser tazada de baiiearroteira, por isso que
foroada consequeneA do eatado a que tem (-.boga-
do o paiz |ielai circuraataoeia* occorrentes e de
alguin taudi de fonfa inaior. oa in lependenteman-
te de proposito deliberado, e d que nio licito
sabir sacrificando urna das pnmeiras industrias
de grande parte do imperio Savia saenlos. Seria o
cae i de dizer-se, que o daente escapara da mo-
lestia se nio fiase a cora.
Accrescenta, que de entre as medidas a que al-
lude de um modo geral o pr.iiec.to em diseussio,
cono tenientes a collouar os n eondiges des similares das in iai;r*, sobrepu-
ja sem duvida a lembrada pea Exm. debutado
Coe.ho de Almeida, cate aano em nosao parlm-n
to, a aaber tratados a-peeitea coa eerto*' fiaizes
consumidores de nosao aaauear, como sejam os Es-
tados- Unidos da Amrica do Nortee os Platinos
da America do Sol.
O e-r. H. A. Miltt diz, qae concorda nteiraanen-
te com as consideracoes qie acaba de apreaeatar
o aeu preaado eolljga 6 amigo o Sr. Dr. Ignacio
da Barros, acerca das economiaa indirectas que
do cambio oaixo reauftam para o Tfaesooro a-
eional e compeusara de sobra o dispendio das-tio
falladas differengss do cambio ; notando apenas,
que o collega esqueceu-se de especificar a princ
pal verba compensadorao augmento do produc-
to da taxa de exportafio, que no exercicio a que
referio-se o Exm. Sr. conselbeiro Belisario em seu
relatorio a Assembla Gteral Legislativa, deu ama
receita de 21 mil contos, a qual teria sido apenas
de 14 mil com o cambio par, .- como de 18 pro
poreionou um acorescimo da receita de 7.000 con-
toa a deduzr da despeza com aa difftrengas da
cambio que forado dea mil contoa n'aquelle eaer
acia.
Diz, que na reluci das medidas aeeessarias
pa collocar oa nossos productores de assucar em
uondjcoes iguaee adoe aneaos concurrentes, inelue
igualmente a concluaio de tratados do commer-
co coan oa Esados-Uai duae aa repblicas do Pra
ta at ja iadieou, na sesao de 13 da Julho, as
conceasoea reciprocas, que podiam servir de base
a semeliantes tratados, ant-a que o Sr. conselheiro
Tu nnaz Coelho vccupaaaf-se do assumpto; entende
queo alargainento do crdito nao menosneces&ario
que aa outras medidas que j foram reclamadas;
e como nao acertado pedir muitas cousas juntas,
por isao lieaiton-te, noprojecto de reaoluco, me-
dida de maia urgencia, effeito maia i inmediato e
mais fac reaiisacio, qua cifra-se em abster-se o
governo de actuar sobre o cambio.
(Joauto a defeza Uo cambio baixo, isto a qual-
quer cusidemoio tendente a mostrar, que nao
lio feio como pintara-no oa economistas improvi-
sados do Jornal do Coiiumtreio da corte, e ctferece
muitaa vantagens ao lado dos malas que acarrata,
julga conveniente e at prudente, nio tacar am
aatnelhante ponto, intimamente ligado coa a con-
veniencia oa inconveniencia dos planos finaoceiros
do Exm. Sr. Belisario e acerca do qual exsteca
protundas divergencias at na propria Sociadade
Auxiliadora : parece-lhe que s devem os censurar
PERMMBUCO
fiatlgddg 4n\||ladra da Agri-
cultura
CONSELHO ADMINISTRATIVO
acra raovisoaiA oa SBasoEXTKAOaoiBAaia aa-
txda bm 37 na ootdbbo na 1886
Presidencia do Sr Dr. t-auLo de Amorim
Salgado
A 1 hora da tarde do dia 27 de utubro de
188G, acliando-se reunidos na sede social, roa
Estrena do Rosario n. 29, em virtude de convoca-
(3o feita com as formalidades do artigo 30 doa es-
tatutos, os Srs. membros do eonsJho Drs. Paulo
Amorim Salgado c Ignacio de Barros Barreto,
ndador Joo Fernandos Lopes, agricultor
o Bandeira e engenaeiros Henrique Augus-
ilet e Antonio Pereira Sirooes, no estando
presentes o Sr. Bario de Scrinhem, presidenta ef-
Motivo do conselho, nem o da seceo oitava, o
Sr. Dr- Paulo da Amorim Salgado aseme a pro-
dente da yia.ferrea.de S. Francisco e ostra, que 0 procedimento do Exm.jMinistro da Fazenda, sob
o ponto de vista da ioQpportuuida.de da alga arti-
ficial promovida por S. Exe. em que todos concor-
dara, e forneas intento que redigira oa caosido-
raudos da propost.
O Sr. Pereira >imie.i diz, que concorda com a
propoata e aena mu judicioaaa as retlexoos qae
acaba de apreaentar o ceu digno collega o Sr. U.
A. Milet, para determinar os limites d'eutro os
quaes devvi conservar-ae a representagio; entre-
tanto, se o coaselho entender, qae se deve especi-
ficar as medidas necessarias a eollocag do itoaso
producto naa meatoas condiges dos similares dos
mais paizes, julga queo primeiro lugarperteuce a
extiucgao do elemento servil, cuja conservagio
mantera-nos em coudigio de afarioridade.
Depois do Sr. Pereira Simdes, nio ha vendo maia
quem prca a palavra, a diseussio encerrada e a
proposta approvada pela unaninidade do mem-
o/os presentes.
Nada maia haveudo de qae tratar se, o Sr. pre-
sidente levanta sassio a 3 horas e 36 ai notos
da tarde, depois de marcado o dia quinta-feira 24
de Novembro para a aasao ordinaria do dito mez.
a opposigio apresentada pela Associago Commer-
cial Agrcola medida tomada pelo Sr. Wells-
Hoo 1. consiante do avUo publicado as fulnas de
18 e 20 do cnente utez. uo destituida de fon
damvutd ; pois. ae as tiradas de avultada porgo
de assucar, a titulo de amostras, dio prejuizo ao
agricultor e compromettum a -eauaosaoilidade da
Companbia, anda peior se tornara a ctindigo do
agricultor si, como quer o Sr. superintendente, ae
veriGcassse a entrega do conhecimsnto antea da
tirada das amostras, sem as quaes nao ae pode
realisar a venda ; pois dani em diante, nio toado
maia a Companbia reanonsabilidade alguma, fi-
caria o genero entregue aos ausentos e exposto a
verdadeiro saque.
Entende, que o alvitre maia curial s aer
franqueada a tirada de amostras s quwn apreaen-
tar o coabeeimauto ou aatorisaco do remetteate
ou do destinatario, e isto urna a vez e em quan-
tidada fizada de aatema pela Companbia. De-
pois de algamas observaoes, apreaentadas no
mesmo sentido por varios membros do Conselho,
decide este, que se responda ao Sr. superinten-
dente da via-ferrea de S. Francisco propondo-lbe
a adopoao do alvitre indicado pelo Sr. Dr. Amo-
rim Salgado.
Paseando te a tratar do asiumptn qne motivara
a convoca cao, o Sr. presidente manda ier o pro-
jecto de resolucao depositado na meta pelo Sr.
secretario geral a cajo thecr o seguate :
O conaetao administrativo da Socieiade Au-
xiliadora da Agricultura de Fernambueo, preacia-
dindo de quaetquer apreciagoes relativas ;
1" i conveniencia de renovar a tentativa,
malograda em 1854, de restaurar e manter no
Imperio a circnlaeao aetallica ;
2* posaibilidade de cwnaeguir-se aemelhan-
te resaltado, sem ter previamente effoctuado, na
notsa organisacio econmica e financeira, refor-
mas taet que aategnrem equilibrio permanente,
Xutlcla polticaQuem tem competencia
para tratar no assumpto expedio da corte o se-
grate telegramma, em data de boutem :
E' inexacta a noticia transmitida para algu-
mas provincias, de baver qualquer outro membro
do gabinete pedido oa pretender pedir ezooera-
cio.
A poltica nao tem alteracio. a
Vernal de Rio Foraaioaao Por acto da
presidencia da provincia, de 15, e propoata do Dr.
ebefe de polica de 12 do corrente, foi aupprimido
o tf distriete- pclieial *o termo do R'i-j Formse.
luartla da Cana de Detenrftn?or
portara do Dr. ebefe de polica, de hontem data-
da, foi comeado guarda de t' classe da Caaa.de
D.-tengio, Pedro de Soasa Barbosa, em substitu-
gao de Qeneaio GeroneoPeixoto de Albuqaerqoe,
que tallecen.
Cmara Municipal Jo Rpcifc Em
sessio de houtera desaa corporagia, ficou assenta-
do qae os empregadas removidos na se3so ante-
rior licariara percebindo oa veacimencta doa luga-
res que deixavam e nio ot dos uovoa lugares para
que foram provisoriamente removidos.
Foi concedida a exsoeraeio pedida pelo fiscal
Santos Nevee, da paroehia do Recife, contra os
votos doa Srs. Dr. Lacerda. Antunes, Agostmho
Bezerra, Samicj e Joio Amorim.
Foram aoncadidos 'JO das de lioenga aocapellSo
do Ccroiterio de Santo Amara.
Fiaerimentii. Falieea* montem, de una
atlei-aii tiudiaca o honrada*aaBasaadoaM;oeiaaa9
d'estaaBBBjB, comraendador -Aaaaa Ignacio do *e-
go Medeiros.
Tiuha o finado mais de 60 annos de idde e era
merecida e aumoiamoote estimado par todos quan-
tos o eonheciam.
Foi depuudo do Tribunal do Cimmercio d'esta
praca e vice-prove 1 ir da Saata Casa de .'iia-ri-
cordia, da qual era irmio beinteicor pelo muito
Sue pjr ella fizara, o & qual doara um predio na
apunga, am de se fundar um asylo para a in-
fancia desvalida.
O seu cadver f >i depositado na igreja da Or-
dem Terceiri de S. Francisco e tarde traslada-
da tiara o C.-miterii Publico de Santo Amaro, on-
de fui inhumad t.
TUtealr. de Oltnda. A aociedade dra-
mtica Melpomeae Olindense, dar hoje o seu es-
pectculo in-ns"l, colistando do drama em 4 actos
Gaspar o tSerralliero e da comedia em 1 acto Os
Unas S'trdos.
Mnlaiicat chamar a atiene i i de quem competir para um
grande deposito que ha no quintal de urna casa
rtia dn ranti. Cecilia, lado dos nmeros impares,
onde ha criagio, matanga e compra e venda de
P'ii-o.i, com ttr^nd- nicoinmodo da visinbanga.
i lu t nt< !u> do Marflm-Sahir nos
trea >lias de carnaval um club com esta denomi-
nagao, a pereu'rer as ruis da Clirh i-'-nu'. i Manta Rosa. Tambem
sahira con este titulo um grande club carnava-
lesco -I ma do C r niel Saasauna n. 28, primeir i
a p-lir, |i -re .ir-: i > diversas ras d'esta cidade.
luf >rniara-uoa .fi' "ste club eamera-se em apre-
sentar-se com .. mi ir galhardia.
Transporte 3"ur*)>Segaio hontem com
destino ao pharol das Roccas, este transporte con-
duzindo raateriaes .-ira a casa dos respectivos
pbaroleiroa.
lfaiitlluo. 0 Sr. Dr. chefe de polica fez
reeolhe.r hontem ao Asylo de Mendicdade, 6 men-
digos.
(eneral talpnrlnO Exm. Sr. general
cominandante das armas manda resar aa igreja de
Santa Cruz, amaiihi, s 8 horas da manhi, i ua
missa pelo general Joi i Antonio de Oliveira Va -
porto, fallecido era Porto-Alegre no da 6 do cor-
rente.
A8sistir missa urna brigada composta da
companbia de cavallaria, 2 e 14 batalboes de
infantaria, cominandada pelo coronel Jos Thomaz
(ioogalves.
A brigada partii do largo do Hospicio s 7 1/2
horas da manhi.
Tune lltotinto de Taqnnretlnea
Par portara de h.iutem foi nomeado pelo Exm. Sr.
presidente da provincia o cidadio Joio Barbosa
da Soaza, para aervir provisoriameote oa oficios
de tabellio e nnnexos da comarca de Taquare-
ting.
Club l-it I erario ljrea <>amnNo dia
12 fez este club a eleicio de novoa funecionarios,
cujo r<-akady foi este :
Presidente, Arthanio Vieira.
Vice-preaideate, Joio H. B. Lyra.
1* secretario, Artbur A. de S. Magalhies.
2* dito Josini lf. B. de A Pereira.
Adjunto do secretarios, Constancio de Carva-
lbo.
Orador, Julio II tnsem.
Vice-orador, Rotilio de Oliveira.
Thesooreiro, Oenuino G. Powell.
Fiel, Eduardo Penna.
Bibliotbecario, Elysio da Mello.
Esta oeimisai i foi empossada ao dia 14.
O l'nlaaruDistribuio-se hontem o n. 14
.i'es'-' peridico Ilustra lo e humorstico.
Club Emaaclpaco doa tluebrado*
Esta aociedade carnavalesca reune-ae boje, s
ti 1/2 horas da tarde.
flnriaeo de Pereambaco.lieunio-seuo
dia 15 essa Aasociagio era assembla geral do
eorrente mea sob a presidencia do Jr. Dr. Witru -
vio Pioto Bandeira.
Aberta a sessio, fai lida e approvada a acta da
anterior.
Em seguida o Sr. Presidente fazendo o relatorio
doa trabalboa, expreasou-ae do modo aeguinte :
Depoia das ferias sociaes, congratula-se o Con-
aelho Deliberativo por ter pela primeira vez de di-
rigir-se ao corpo constituate, daado-lhe comta dos
seus actos e por conseguate do modo por que as
desempencado o mandato que Ihe foi confiado, du-
rante o espaoa decorrido da ultima a presente
sessio.
Neste periodo, funceionou o Conselho Delibera-
tivo em aessoes econmicas nos das 18 e 25 de
Novembro do anno prximo paasado, 20 e 27 de
Janeiro ultima, e S e 10 de Fevereiro corrente.
Na primeira deesas aessoes foi votada e deca -
rado sccio o Sr. proteasor Manoel Antonio Maciel
.Vfoateiro, sendo igualmente approvadot dous pa-
receres da C-iinraissio de Syudieanca, para aerem
presentes deliberagi) deata Asaembla, relativos
um ao balancea da reeeita e despeza da Theaou
raria correspondente aoa mezes de Julho Outu-
bro do anno passado, e outro s cantas da fasta
aaniversaria. Do batanete verifiea-ae qae a recei-
ta inclusive o aaldo do trimestre anterior de 486
990, alcangou ao algansmo de 2 131 990; e como
a deapesa eubio & quaatia de 7804900, fecbou-se
o mesmo Iwlaacete com o saldo de 1 .'51/090 ; e
daa coatas da coaaissio enearregada da teata an-
iversaria vite qae disppado a mesma commisso
de recursos na importancia de 356/000, despender
a quaatia da 351/760, pelo que restou a de...
1/240.
Nessa sessio, apresentada e discutida urna pro-
posta do Sr. Felippo Meuaa consultando: Si o so-
cio firma o dtreita percepeo do aaxilio social
da data da coocosafto pela assembla geral oa si
do da em que se d o facfo, que conatiiundo o
diraito, determina o auxilio; toi resolvido que a
entrad* no goso do referido auxilio deve ter eo-
mego da data em que a assembla geral o consagrar,
correndo d'ah o prazo deduragio eatabelecido nos
Estatutos. Da aecordo foi decidida sem reclamago
do consocio o Sr. Henrique daa alerces Janaetn,
que lora auxiliado por baver sido dispensado do
lugar que exercia no (rymnaaio.
Na segunda foi apresentada pelo Sr. Jos L. Sal-
gado Aceioli urna proposta no seutido de despen-
der-ae 100/0.U 120/010, cora a acquisico de
armarios para o archiva da Bibliotheca. Discutida
ampiaraente a materia que s:b a relaco da urgen-
cia da acquisacio, que uo ponto da competencia
do Cjtiaelho para autoriaar a deapeza, foi votada e
empatada a propoata,sendo desempatada pela Pre-
sidencia nos termos de s.ubmettei -se a materia ao
cjuhccimcuto e ueliberaco da aasembia geral, de
accerdo de algutna surte com um requariraento do
Sr. Dr. Horacio Costa viada mesa depois da ea-j
cerrada a diseussio e no sentido de nao votar-se
a propoata e dar-ae-lhe o dostino que effectiva-
raente Iba foi dado em consecuencia do desem-
ptte.
Foram compradas 8 analices da divida provinci-
al do valor nominal de 5040UO ao par ex-dividatdo,
do que den commuaicaco na mencionada sessio
o Sr. thesoureiro ao Conseiba
Na terceira, depois do expediente, que cifrou-se
na leitura de um offieio do filbo do finado con icio
o Sr. Viceote Malaaguuso Tiburcio Ferreira, soli-
citando a conceaao do aaxilio social e outro do
Instituto Archsologico convidando esta Asssocia-
gio a comparecer a aua teata anniversaria ; e de
entro do fiho do finado eonsocio o Sf. professor
Joaquim Jos Rodrigues convidando para aasis-
teocia missas mandadas rezar por alna da aeu
pai, o Sr. Antonio Peroamboce tomou a palavra,
a depois de breves consideragies aceren daa aenti-
das pardas porque passara a Associago nesses
noucos dias, especiahsa a de Rodrigues, o pompa -
nbeiro constante e dedicado, e conclue por propor
que seja em signal de pezar encerrada a sessio ; o
que tai approvad > unanimeotc.
Devo notar Assembla que foram namaadas
coramiasoea para representaren! a Asaociagi em
satisfagan aos convites, qae menciooei.
Na quarta foi apresentada pelo Sr. Falippe
Mener.es urna proposta indicando para socio ao
Sr. Dr. Joio Baptista Raguein Costa a qual foi
a oommissj de syudieanca ; e flas commisses
eapteisea a que cima allndi, deram parra e te-
rem desempenhado a miatio qae Ibes foi incurrir
bida.
Nessa sessio foi lido um convite do Exm. Ins-
pector do Arsenal de Marinha para aasistencia ao
langamento ao mar do navo vaso Guararapes, e
sobrou ao Conselho pezar de pi ter correspon-
dido i officiosidada e cortezia do venerando an-
ciio que o Gzera, porque ao no dia da solemni-
dade 'e prximo s harus de aeu coraego chegou-
me s Qiios o mesmo convite, de sorte a impoasi-
bilitar a devida providencia.
Na quinta nio 'houve propriainente trabalho,
encerrndose sessio apa a leitura do expe-
diente ; na sexta, porm, foi apresentada pelo
consocio Sr. fiilva Miranda ama proposta iadi-
caudo para socios aos profeaaorea primarios Srs.
Miguel Archanjo da Silva Braga, Luiz Marques
Vieira e Benedieti Marques Vlera; a qual foi
commisso de syndieancia, votando-ea em seguida
um parecer da mesma commisso relatiAo k sd-
missso do Sr. Dr. Joio Baptista Regueira Costa,
que foi declarado socio em conaequeucia da vota-
gio. N'essa sesao receberam-ai e foram man-
dados archivar 35 broeburas de obras diver-
sas offertadas pelo consocio Sr. Dr. Alxteida Cu-
uba.
Srs., o Conaelho Deliberativo qaaado vos fez
aentir o aeu jubilo pela presento reunio anda
por ella vos d sciencia de am sentimente op-
posto que Ihe desperta esta reuniio, onde nota
se a ausencia de bons c dlaboradores do edificio
social cujoa alicorees foram asaentadoa no memo-
ravei 6 de Outubro.
Nessa intermittencia da reaaiio da Assembla
Geral aDriram ae claroa em nosao aeio, insuppri-
veis por sua natureaa irreparavel : a raorte exi-
gi seu fuuasto tributo.
E tres foram o eompanheiros que cederam
sua lei : Rodrigue*, Malaugunzo e Barros Leite,
que do presente representara ama recordagio,
que sempre ser grata aos eompanheiros sobre-
vivoa.
Terminando o relatorio, e entrando-se na or-
dem doa trabalhos da sesao, foram approvados
os pareceres da commisso de syndicancia sobre
as cutas da thoaouraria da Associago e da
ojuimiaaiu encarrerada da festa anniversaria ;
bem como os concn-entes ao auxilio aocial, re-
querido pela Exma. Sra. D. Isabel Senborinha
Viegaa, irmi do tinado eonsocio Sr. Joaquim Leo-
cadio Viegas, e pela Exma. Sra. D. Franeelina
de Jess Cardase, viuva do finado coneocio Sr.
Antonio da Costa .traujo Maduro.
E' approvada a propoata do Sr. Jos Luiz
aotorisaodo a acquisigio, de armanoa para o aer-
vigo do archivo e bibliotheca, nao deven lo a des-
peza exceder de 130/.
Entrando em diseussio a propoata do Sr. Dr.
Perg'ntiuo Saraiva relativa a creagio de ura
monte-po voln itano dea,lo j, tomara a palavra
a favor o autor e o Sr. Dr. Horacio Costa e con-
tra os Srs. Drs. Almeida uuba e Antonio Per-
nambuco e o Sr. Felippe Menezes, pronuncindo-
se este no sentido de comnutal-a ; e por fim re-
quer o autor e concedida a retirada de soa
propoata, a qual fazendo propria o Sr. Dr. Hora-
cio Costa, contina a diseussio, que sen re.ine-
riraeuto adiada.
E por acbar-se adiantada a hora,, levan'.a se a
sesao.
Pao dV4ltaoDcsta cidade escreveram-nos
em 14 do crreme noticiando o segui.it- :
No da 6 do corrente, domingo, no theatro
Santa Therez* desta cidade, o Club nsaio Dra-
mtico Pao d'Alhense deu um espectculo em be-
neficio da actriz Angelina de Serpa Brandio :
desempenhando os amadoras satisfactoriamente os
seus papis.
No dia 7, funccionou cmara municipal,
sob a presidencia do vareador vice-presidente te-
nente Montenegro. Aberta a sessio, foi proposta,
pelo vereador Pinheiro Ramos a mu langa dos no-
roes de algamas ras deata cidade, sendo u-iani-
memente approvada; Scando assim substituidas :
a praga do Comraercio pedo nome de praga do
Conselheiro Joo Alfredo, ra da Viragio pela
de roa do Desembargador Pires Ooogalves, a do
Triompho pela de ra do Doutor Felippe Fguei-
ra, e finalmente, a de Santa Thereza pela de
ra do Coronel Luiz Maranhio.
A actual cmara tem providenciado no senti-
do de baver umita rapeza e asseio na cidade.
Anda no dia 7, o Sr. Jos Dirco Padilha
abri urna escola particulardiurna e nocturna
na ra do Itahybs, deata cidade.
No dia 9, assumio o exercicio do cargo de de-
legado r>e polica deste termo, na qualidade de 1>
aupplente o cidadio Jos Franciseo Pinheiro Ra-
mas.
No dia 10, assumio tambem o exercicio do
cargo de aub-lel- gado do 1* diatncto, na quali Jade
de Io aupplente, < alfares Flix Jos da Oliveira
Mello.
No dia 11, durante a tarde, chuveu coposa-
mente.
>r Foi designado pelo juiz compatent-i o da 28
do correte para ter glugar a 1 sessio do jury
deste termo.
E' pena que esta nossa cidade, qae est tio
perto d'essa capital, soff'ra maia do que outras,
que eotio tio distantes!.. Lugares ha, mais
longiquos que teem casa de mercado, illominagio
e outros melhoramentos, que este nosao torrio nio
tem; certa que a illam'nagio j foi votada na
Asaembla Provincial, aasim como a caoalisagio
d'agaa potavel, maa, aioguem as arrematou : 6-
caram, poie, no esquecimento !...
a E' muito conveniente qua a Cmara Munici-
pal desta cidade, attendeado s palpitantes na-
oeasidadea dos seus municipes, providencie quaa-
to antea, afim de que se faga a casa de mercado
para Ifvrar os pobres matatos do sol e da chuva,
a que se expoem nos dias de fera.
O cernterio publico, cujo terreno foi desapro-
piado e ae acha em completo abandono, nio che-
gon a ser principiado, n.i oastaute os pedidos da
popuUgioque reside n'esta cidade, onde o cemite
ro situado n'uma das ras, isto em frente da
ra dos Caldeireiros. Ora, n'eate tempo, em que
nio reina epidemia (gragaa a Deus), tolera-se,
mas, em tempo de peste nio se pode tolerar, por-
que exhala-se do cemiteno um eheiro mo, que
infecciona toda a cidade ; elle pequeo e haveu-
do inultas inhumagoea miater exbumar-ae cada-
varea antea do tempo, como tem succedido quau-
do grasas epidemia.
Compadega-s pirtanto o gjvcino da triste
situagao dos pao d'alhenses.
A ordem publica contina sem a mnima al
teraco e a polica vai regularmente.
Au revoir. *
A Moda Illualrada Distribuj-s-j hon-
tem o n. 194 deste excedente qaiazeaario de mo-
das, que se assigua na Livraria Corazzi e est no
seu 9 anno de existencia.
Tras gravuras, urna estampa de moldes e i:
Sgurino colorido.
Entino teehnleo no BrasilLemos na
Gazeia de Noticias, da corte :
Vai entrar nos prelos o quarto livro de pro-
paganda da Sociedado Central de Immigraco.
E' este escripto pelo Ilustrado Sr Dr. Tarqumio
da Souza Filbo e tara por titulo Enano Technico
no Brasil.
Pelos csnheciuiantos que em trabalhos desta
ordem j manifestou o taleutoso autor, eremos que
ser obra bastante interessante. A propaganda
das ideas indicadas no summano que temos a vis-
ta sera duvida alguma, de grande vantagem.
Com boa razio en tendea o Sr. bario de Ma-
mor dever autoriaar a publicagio
L;mos tambem no O Rio de Janeiro :
i O ooaao talentoso amigo, Dr. Tarquinio de
Souza Filbo, fez entrar para o prelo um livro de
alto valor acta,', escripto com muito criterio, tea-
do o titulo cima.
O joven publicista 'raz para a questo do po-
voameate do Brasil am novo contingenta : aedu-
cagio profisaioaal.
At hoje tem-se encarado a questo da irami-
graeo sob ,um s aspecto: fazer entrar bracos
para as industrias. D'ora em diante a questo
tem de mudar da aspecto.
E' preciso tornar a nossa patria, a patria do
immigrante pela religio e pela familia. Ah es-
to os excellentes livros do senador Taanay sobre
casamento civil, quebrando os moldes velhos e dan-
do ao direito de constituir familia urna aova orieu
taco, inteiramente conteotaoea corneo espirito
do noaso tempo.
Os latifuudios, o principio da propriedade ter-
ritorial, sua applicaco e sua attlitago effectiva,
eis ah outro objecto que taz parte do programla
da Sociedade Central de Immigragai. Para esta-
dal- sob o ponto de viata da propaganda, a So-
ciedade commetteu o honroso encargo Andr
Reboucas, o que mesmo que diter :
> Vamos ter um livro precioso, fructo de um
vasto espirito, resultado de aturados estados, foote
mexgotavet de luformaces utiliasimaa. A niti-
dez das idaa pode-te avahar pela ntidos doa ori-
ginaes, que ha pouco ti vemos occaaiio de ver.
A questo do entino profistional, grave pre-1
ecupago de todos os pensadores do velho mundo,
<8o poda delxar de figurar logo entre aa priraei-
ras da propaganda abolicionista. 0 proletariato e
o aocial amo, que trazem conturbadas as velhas
sociedades, tam, como urna de suas causaaefficien-
tea, a falta de enano das casses. Fazer do tra-
balho uoia lei que organisa e funda todas aa or-
dena de intereaaes, eta aqui outro problema que
cumpre estudar, desde j, preparando- Ihe solacio
condigna.
- O livro do Dr. Tarquinio de Souza Filho vem
ao encontr dessa necessidade a entra para a obra
da propaganda abolicioniata com o grande peso de
ama obra consciencioaa'e erudita.
FelieiUmos o nosso joven amigo e psdimos-
Ihe licanca para apresentar o aea lirrs, copiando
dalle as pigrapbea doa treze captulos em qae se
divide.
Ha ahi una zyntheae ebqoeote a sea es-
I. O problema do ensiiio em noato secuto.
II. 0 entino publico no Brasil.
III. Necessidade da organisago do ensino
technico no Brasil.
IV. Escolas technicaa em noato paiz.
V. Escolas techoicas noestrangeiro.
VI. Organisago do ensino technico
VII. Ueilidade daa materiaa *ue figaram no
prograrama.
VIII. Educagio profissionalsspinto geral
dos programmas.
IX. Instruccao primaria e a introduego do
trabalho normal as escolas.
X. Instituigoes auxiliares do ensino techni-
co.
XI. Intervenci) do Estado na organisago
do entino technico.
XII. Appello a iniciativa privada.
XIII. Nota bibliographica.
\avptaru coaaserclo de cabo
taentEm 2 de Novembro prximo findo, foi
assignado em Assumpgio, capital do Paraguay, o
seguate protocolo cutre o Brazil e essa repbli-
ca, regulando a navegagio e o coinmercio ds ca-
botagem entre os doua paizes :
Os abaixo assignados. respectivamente eucarre-
gado dos negocios do Brazil e o ministro das re-
lagoea exteriores do Paraguay, devidamentc auti-
risadog, convm no seguiute :
A navegagio e o eorainercio de caboragem, per-
mitidos pelo Paraguay aos navios britaunicos no
protocclli, do 16 de Outubro de 1881, interpreta-
tivo dos arta. 2- 4- do tracado de amisade, coin-
moreio e navegaoo da mesma data, s.o concedi-
dos nos uiesmos termos aos navios brazileiroa em
virtude do art. 20- do tratado tambam de amisa-
de, coramereio e ave<;oa concluido entre o Bra
zil e o Paraguay era 7 de Junho de 1883.
Esta concesso durar emquanto o favor de que
a esse reaoeito gosara no Brazil os navios estru-
genos e, portauto, os paraguayos, nio for a todos
retirado por medida g-ral decretada pelo poder
legislativo ou pelo exeeutivo.
Keito em dois excaiplares na cidade de A?sump-
co, aosilli dias do inez de Novembro do unno de
18S6 Francisco Regs de Oliveira.S. S. De-
coude.
itirectorta dan obran de consten'-
fi" i corloBolotim meteorolgico d i
dit 15 de Fevereiro de 1887 :
Moras
G
9
Vi
3
i
a b
228
2707
304
29-9
288
barmetro a Teaso do vapoi
O
T.o'.M'.JS 16 71
760m04 19 -i!
759'"7u 18 -'1
758m65 17 48
75860 19 25
5
88
68
54
:V>
66
Temperatura mxima31*0.
Dita miuiraa22",5.
Evaporagio era 24 horas ao sol: fluyi ^^^
bra: 4",4.
Chuvanulla.
Direcgio do vento : SE ta lo o dia.
Velocidade media do vento : 4,ail por segundo.
Nebulosidade media: 0,51.
Protecco da propriedade imliis
IralA Convenci de Pariz pela qual foi cons-
tituya e organiaada a Uniao destinada a prote-
ger a propriedade industrial, representada nos in-
ventos e seus aperfeiguataeut 3, mareas de fabri-
ca a da coramereio e uomes coramerciaes, eatipu-
lou que aa nagoea ligadas por aquella pacto sujei-
tanam reviaio peridica o theor da mesma Con-
veogio para, por este modo, aperteigoar o syste-
ma orgnico da associago, segundo as indicagoes
da experiencia. 0 Brazil perteuce a essa Uniao,
para cuja fuodagio concorreu, e, tenda-se feito
represeatar na ultima conferencia reunida, em Ro-
ma, acaba de adherir a estipulagoes addicouaes
all propostas e unnimemente aceitas peles dele-
gados dos diversos Estados.
A Uniao tem por um dos seus fios unitoi-
mar, quanto possivel, a legtslagio dos Estados
contratantes subordinando-a a principios cardeaes
que assegatara em toda a parte propriedade in
dustrial protecgio que Ihe realce o valer. Trata-
se de ober que o invento industrial, a marca de
fabrica e de commercio, e o nome commercial, poa-
aam acolher ae sombra de garantas que ni" l-
mitem os seus effeitos ao territorio de cada nagao
nem variem esaencialinente de pau a paiz. 0
ideal da Uniio a uniformidad.; da legislagio uni-
versal cere* da especie e a mais perfeita recipro-
cidad? internacional quanto 9 garantas da pro-
prie ta.l-i industrial deutro do permetro da asso-
ciago : Lei uuivertal e applicavel em cada paiz
a nacionaes e a eatrangeiros, tal a aspiragio que
se procura realisar. E' para chegar a este fim
que a Uoiio oncaminha os seas esforgos, tendo j:i
logrado firmar em rea vastisaima alguns princi-
pios uniformes com os quaes tem melborado de
muito o rgimen da propriedade industrial.
Anno por auno tem a Uniio recebido adhetoes
novas, e, em quasi todo o mundo policiado, tm si-
do revistas as lea referentes i propriedade indus-
trial. O Brazil, pela sua parte, atteudeu mate-
ria pela le n. 3,129 de 14 de Outubro de 1882 e
trata de retocar a lei das mareta afim de harmo-
nisal-a com disposiges, as quaes concordou, da
convenci fundamental da Uniio. Iniciado e vo-
tado pelo Senado o projecto de reforma, pende da
decisao da Cmara doa Diputados, a qual, segun-
do o pensament do governo, ter que oceupar-je
do obyecto na sua prxima sessio.
Do mesmo modo que a Uniao Postal e a dos Te-
legraphos, a da protecgio da propriedade indus-
trial veio corresponder necessidade universal, e
com o andar do tempo, ha de produzir resultados
inestimaveis. Tacs uuioes, viucuiaudo os povos
defeza mutua dos seus interesses econmicos, ten-
dern a approximal-08, e, portanto, a tornar mais
ditficeis e menoa numerosas as rivalidades, as uial-
querengas, os precouceitos e outras causas de an-
tagonismo e de conflicto que hio de Iluminar na
historia o nosso grande seculo com o claro sioia-
tro di gueoTit. Assentou se que o meio de defen-
der fronteiras povoal as e cnriquecel-as. O meio
de diminuir as causas da guerra multiplicar as
boas obras da paz.
auxilios A ImmicracaoAo Sr. Conde
de Villeneuve. na aua qualidade de enviado ex-
traordinario e ministro plenipotenciario do Impe-
rio no reiuo da Blgica, declarou o Ministerio da
Agricultura, por.aviso de 26 de Janeiro, para qae
pela competente lcgago se faga saber o Sr. J. L.
Heufvebmus em resposta carta qae Ihe dirigi
este subdito belga:
Que o plano do governo imperial nio se. limi-
ta ao pagamento de passagem a emigrantes que
se destiuarem aos estabelecimentos agrcolas. Go-
zario da vantagem de obter transporte, a prego
reduzido, nos vaporea das emprezaa ou compa-
nbiaa qoe tal serrigo houvercm contratado com o
governo imperial, todos os emigrantes qae quite-
rem estabelecei-se no Brazil como proprietarios
ruraes ou nos ncleos coloniaes do Estado, j ha-
vendo para esse fim contrato firmado n'esta corte
com Jacome Nicolao de Vicenzi & Filho, com cujo
representante em (Jenova deverio entender-se os
que desejarem partir desde j, emquanto nao fo-
rera celbralos novos contratos, em qae seja con-
templado o-porto de Antuerpia ;
Que nao foram dev Jmente contprebendidas
pelo Sr. Henwelmans aa circulares de 12 e 15 de
Outubro, na parto relativa ao pagamento integral
da passagem aos emigrantes que vierem estabele-
cer-te naa fazendaa. Conforme ae acha explicado
na de 23 de Dezembro ultimo, esse favor direc-
to e exolusivamepte feito ao emigrante, para a iu-
demuisag > da importancia qoe houver sido des-
pendida com o aeu transporte;
Finalmente, que encoatrario prompta colloca-
go, sobretu lo na provincia de S. Paulo, se coua-
tituirem familias e forem agricultores, os qua dis-
poserem de meioa para adiantamento das detpezas
de viagem.
II
! '

r
V 1 1
.- M-

? '
i 'r- '
% f V

*
n

:
<-,
MUTILMI



vw1
i
V^F
T
BmMaan

B
' J. '.Uilll't
Mao de PeraaiiifcucoHuinta-fcir 17 de Fevereiro te 1W7
3
'#
'
*



t r
-1
V r
diri-
Canal do Panana*De ama carta
rida a un ongenhciro deata curte pelu Dr. Jos
Thomaz de Aquino o Castro, chefu do escriptorio
teehoico-e de operaces da 1 secco dos trabalhos
deste canal, extraho o seguate o Jornal do Com
mero da cc te :
t>projeeto adoptado em 1879 palo Congresso
do Canal Iuter-oceanieo o d um canal nivel
e a co aberto qae liga a baha de Lim>a a de
Panam na extensa de 73 kilmetros. Os esta-
dos feitos iadicam como cubo a extrahir se nada
menos de 90,080.000 de antros cbicos. O canal
aegue sempre do lado do atlnticoo thalwag
do villa de Chagre e do lado do Pacifico o do Rio
Rio Grande; atravossa a grande oordilbeira que
divide as aguas dos dous ocanos na garganta de-
nominada La-Calebra onde ha um corte de 109
metros de altara.
A largura superior deate corto sena de 262
metros ae o terreno fosse ihi horiaonral, mas de
facto ella excede a 500 em virtude da congura-
co da garganta e da forte inclinadlo dos perfis
transversaes ao eixu do canal.
O perfil typo : largura do fundo 22 metros,
linha d'agna 40 metros, profandidade 9 metros,
um resalto de dous metros de cada lado e taludes
de 1/1. *
Oa taludes quaai que nao varam com a sa-
trela do terreno, porque os cortea sao na generali-
dade de 70 a 109 metros de altara. A formacao
geolgica da reguo atravessada pela linha por
pbyrica e troppuanna desde o Pacifico at a cor-
dilheira central; deate porto at Colon encontra se
a formacao de gres e calcarlo terciario. Todava
do ponto inicial ao terminal do canal encontra se
sempre urna carnada de arga mais ou menos dura
que precede ao sub solo referidj e cuja esspessura
media varia de 3 a 10 metros.
Urna das questiV-s mais intaressantes que se
liga perfuracao do canal com certeza a regu-
larisaco de todos os ros por elle cortados: eos
principies sao: o Chagree (o maior inimigs do
canal) o Obispo, o Rio Grande, o Trindade e o
Gatun.
Cada um destes ros tem sido e contina a
ser n8snmpto de estudos serios no intuito de evitar
a fluciuacao do nivel do canal producida pela en-
trada de grandes maasas d'agua no periodo das
chuvaa torreucias.
r Consideremos por exemplo: o 1 crazamento
do Chigres a partir da montante estaca 45.000.
O nivel das buxas aguas do rio ahi 12B560, e o
tundo do canil pasas ca cota-menos 9 ; imagi-
ue-se a impetuosidade com que em tal queda su-
perficial se precipitaran] no canal os 600 metros
cubioos que constituem o maior volume d'agna por
segando de Chagrcs. A fluctnaco do nivel pro-
duzria fortes frrente* deafavoraveis navega-
cao e com corteza estas crreutes attingiriam va
lorea mnico mais fortes do quo aquelles que se
achou aqu com a applicaeao da equacie do movi-
inento variado eia um canal de secco e declivi-
dade constante; o resultado a que chegou M. Re-
clus com a auolicacao da formula
h oin
d 1_^
s_*o=%-----------
.1 A'
-dh
R
Sao: Veloeidade mxima das correntes pro
duzidat pela entrada dis aguas do Cbagres,
quando a sua despesa for de 200 metros por se
gundo de.. .=l,7 por segundo.
- dem iddin quando a despesa for de tiOO me-
tros por segundo.. .=ll",70 por segundo.
Reconbnceu-se, pois, a necessidade absoluta
de regularisar-se o rgimen de to grandes roassas
d'aguas e limitar-ce a sua entrada no canal a
quantidade e tempo determinados.
' plano para isto adoptado salvo alguma rao-
dificacao ulterior constar: de desvio* directos ao
mar dos ros Trindade e Gatun : paquanaa barra-
rens e bacas de deposita nos tributarios mais
importantes de Cbagres; regularisaco e deriva-
tio do Obispo ; cortes perpendiculares ao eixo do
canal em todos os pontos em que este cortado
peio Chagres e iodos os seus tributarios. Enes
cortes tem por fim suavis-tr a queda formada pela
iffereuca de nivel das duas linhas d'agna per-
mittindo assim a reduccao do nivel dos dous mares
aem grande pertuba^ao do canal.
Grande barragptn regaladora do Chagrn.
Lsta obra tem por fim limitar a despeaa de*le rio
na poca das grandes cbeits a 200 metros cbicos
por segundo; e as suas dimenaoee oollossaes (lar-
gura npparente = 131U metros, comprimento =
1.450'0, largara no fondo do valle 960 rastros,
largara na cresta, 40 metros e altara d'agna 38
metros,) permittiram armaaenar 700,000,000 me-
tros cubico*, quantidade superior a quo poder
produxir um mez de chava continua sobre os 1,350
kilmetros qaadrados qae constituem a baca su-
perior do Cbagres
A agua retida por esta represa escoar no
canal por meio de sypboes invertidos qae se car-
regarlo automticamente e que sero suficientes
para esgotar tres quartos da capacidade do reser-
esitorio em 30 das, permittindo assim a entrada
sem transbordamente das cbeias ordinarias.
O cubo desta obra foi avaliado em 20,000,000
de metros cbicos.
A grande dfferenoa da amplitude das mares
dos dous ocanos outra origem importante de
correntes cajos tffeit os desastrosos se trata de
obviar.
A amplilude das mares era Colon de 0**60,
ao passo que no Pacifico attinge a 6 ,4. e como
Colon acha-se em retardo de 9 horas em reiacao
ao porto de Panam segue-se qae quando este
u:tiino estiver em praia-mar o primeiro atar em
meia-mar, e que cada dia a differerca de nivel
mximo entre os de mares igual a meia am~
pUtude da mir do Pacifico meaos o qasrto da
amplitude total da mar do atlntico, isto ,
3,200.6=3.05. Esta differenca do nivel ora
posttiva ora negativa, dara lagar a fortes eorren-
tes alternadas se por ventara o canal se comtnuni-
casse livremeate com os dous mares. Para cuin-
ater taes effeitc* estabelecer-se-ha na boca do
Pacifico tres portas de mar cijas bases devem
fiear abaixo do plano das baixas aguas excepcio-
naes.
O vlnno De boa qualidade bebida nutr
tiva, corroborante e por outrss motivos a*.atar.
Deve-se osal-o com temperanca. Convm em
quantidade moderada durante a comida. E' pre-
ferivel o vinbo tinto ou rxo ao braoco ; o espiri-
tuoso e aromtico ao doce e espumante.
O vinho fas mal s crianeas, aoa meninos e aos
abixo de sete aonus e as pessoas tosaicoloaas.
4 Aos meninos ejovenziubos entre oasetteeo
uainze annos convm dsl-o em poaca quantidade,
agnado e rarissimas vetes paro.
E' atilissimo na idade viril e na velhice. Fa-
zer do estomago odre e gastar entre as insidias
do viabo e da patuscada, dioheiro e saude aecu-
aoullando sobre si e sobre a propria familia mise-
ria, enfermidades, deshonra e tal vez tambem- in-
famias, cousa m, impa e brutal.
A paixao do vinho, qae favorece o habito de
embriagar-se, sobre tudo detesta vel, parque- nao
ornete conduz a pobreza, otfusea e perverte a
intelligencia e o eoracao, deprava e eneurt i |a vi-
cepcao ; ella contamm i com o seu ftido o mental
amplexo, e a prole do bebado pela maior parte
das veses eptlephica, rixosa, lonea, surdo-muda,
idiota, cretina, imbcil, albina, escrofulosa, rachi-
tica, tobercuioss, etc.
Tudo quanto se tem dito dos perigos do vinbo
se da ve entender com mais razio dos damnos que
aearreta a saude o aso habitual dos outros licores
eapirituosos, entre os quaes a agurdente, o rhum,
o absintho, etc.
O bom cidadio evitara eseropulosa,mnt tndo
biuqueca^o, mas sobre tudo beberricar vinho o li-
cores sem necessidade e sem medida. Nao vemos
uccsasidade de expender aqu palavras em auper-
duas recommenda<>s. Um pouco da carne e um
poucode vinho todos os das do anno sobre a ma-
sa dsj> familia ; nunca um so dia de crpula ; com
c-ates propsitos disponba ou inajrua asuavidt O
honesto cidadao.
Mms>MsiJ PurlagueiO mo vi ment das
'-nfermariaa deste hospital na semana fiada foi u
segninte :
Exiatiam enj tratamento...... 19
Entraram Joyante a semana... 2
Sabbado :
Peio agente Burlamaqt, s. 11 horas, na roa do
Imperador n. 22, da dividas.
Peto agente Modesto Bapstt, s 11 horas, na
ra Duque de Calas n. 98, do hotel Internacio-
nal.
Miaaata tmmmltrmm.Serio celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, por alma
do D. Mara Philomona Moreira Bastos.
Amanh :
A's 8 horas, na capella do collego de S. Vicen-
ta Paula, por alma de Heurique Adaur.
Sabbado :
A's 8 horas, no convento do Carmo, por al na de
E>. Candida Fonseca de Asevedo.
rasretr vaper nacional Sergipe :
Albino H. da Silva, Tbeophilo da Cmara e
sua aenbora, L. Braga Linch, A. Braga, Joao
D. di Oliveira Jnior, Dr. Gomes de S e Alba
querque, 3 filhos e 2 criados, Dr. Liberato da Cu
nba, Daniel Herzengues e 1 criado, Guilherme N.
Maciel, Augusto de Siqunira, Joao Machado de
Agaiar e Joo A. G- Lima.
Cbegado de Hambargo no vapor allemao Pa -
ranagu :
Reobert Walty.
Chegados do sal no vapor americano Advan-
ce:
Izandro R. de Torres, H. U. Hughes. U. G.
Haghes, Richard Mayer, Arthur L. Campos e G.
D. O. D. Oliveira.
Chegados dos portas do sul no vapor ingles
ZVea:
Manoel P. Gitiraoa, Arthur Dallas, Alexaodre
Jos da Croa, Antonio S. da Costa, Pedro Lare,
Jos Vctor de Oliveira e 2 criados, Antonio Mar-
ques e Dr. Octaviano A. de Mello.
Sahidos para a Europa no meamo vapor :
G. D. Robertson, Joaqoim Das, Rodrigo L.
de Oliveira, C E. Larssoo, H. Noodberg, M. .
G. Penen, capitio 6. Lindstoui, M. J. Payne,
M. O. G. Tiasier, M. J. P. Janson, J. Pereira
de Amorim, B. J. Baptista, Lonreazo Cocozz,
Angelo Co:ossa, James Henerdy, Nicola Palom-
bo, w. Pauliog, D. Laughan, J. Svceney, J.
Roas, J. Johnson, M. Love, W. Grant, R. Au-
dleson, Abb Harrison, Joaquim Barroso, M. da
Silva Cruz, Isaac Esnaty, M. K. Leeson a J.C.
Pedregal.
Sahidos para o sol no vapor nacional Para:
Conselbeiro Silverio Pernandes de Araujo Jor-
g#e l filho, capito-teneate Porfirio de Soasa Lo-
bo, W. Gildeimeister, Alejandre L. da Caoba.
Dr. Arthur Mouteoegio, sua senhora e 1 criado,
Joaquim C-da Costa Pereira, Theopbilo Cmara,
Francisco Narciso do Nascimento, Amelia, Zul-
mira e Anna e 2 menores, Osear Sexas, Francis-
co H. Pinheiro, sua aenbora e 1 filho, Ensebio
Jaciotho Lobe9, Ignacio S. da Canba Sal&asr,
Gaspar A. de Andrade, Francisco M. da Fonseca,
Jos Rodrigues da Costa.
Lotera de MaceloPor telegrama re-
cebido pela Casa Feliz, sabe-se que, na 4."
parte da 15* lotera extrahida em 15 de Fevereiro
tora a premalos os seguintes nmeros :
57.353 300:000*000
37.354 80:000*000
33.455 40:000*000
5.746 20:000*000
35.547 10:000*000
39.164 5:000*000
48.289 5:000*000
Premio de tOOO*
4.508 4.841 7.900 18.132 19.785 21.600
24.H4 26.117 40.67J 47.636 51.994 58.886
59.879
Premio* de iiooofi
1.460 2.240 6.907 7.839 8.371 11.515
11.767 16.727 18.242 21-078 22.165 26.446
28.293 28.436 31.745 34.550 35.025 35.273
37.452 40.645 41.716 42.228 47.653 48.876
51.165
tpproiimaroes
57.352 4:000*000
57.354 4:000*000
37.353 2:000*000
37.355 2:000*000
33.454 1:600*000
33.466 1:500*000
5.744 1:300*000
5.746 1:300*000
35.546 975*000
35.548 975*000
Os nmeros de 57.301 a 67.400, excepto o que
sabio o premio grande, esto premiados com.....
200*.
Os nmeros de 37.301 a 37.340, excepto o que
sahio o premio de 80:000*000, esto premiados
com 100*.
Os nmeros de 33.401 a 33.500, excepto o qae
sabio o premio de 40:000*000, esto premiados
com 100*.
Os nmeros de 5.701 a 5.800, excepto o qae
sabio o premio de 20:000*0^0, esto premiados
com 100*.
Os nmeros de 35.501 a 36.600, excepto o qne
sabio o premio de 10:000*000, esto premiados
com 50*.
Todas as centenas cajos doas algarsmos termi-
uarem em f3, esto premiadas com 100*, inclusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros qae terminarem em 3 e 4
esto premiados, com 20*
Cana de UeieneoMovimeoto dos pre-
sos do dn> 15 de Fevereiro :
Existiatn presos 359, entraram 6, aahiram 10.
Existen! 355.
A saber :
Nacionaes 319, muiheres 12, eatrangeirot 16, ee-
enwi sentenciados 6, ditos de correcco 2To-
tal 355.
Arraooados 336, sendo: boas 325, doentes 11
Total 336.
Movimento da enfermara :
Te ve alta :
Manoel Thomaz de Aquino.
Teve baixa :
Jos Braz da Silva.
Tambem acham-se venda na Casa da Fortu-
na roa lo da Mareo n. 23.
cenatlaerto PaftMea -Obtnano do dia 15
de Fevereiro:
Mara, Pemambuco, Boa-Vista; nasceu morta.
Antonio Visante de Lima Subrinho, Pemam-
buco, 29 annos, solteiro, Boa-Vista,; tubrculos
pulmonares.
Kranoisco de Paula Campeilo, Pn-nambueo,
20 annos, solteiro, Graca; tubrculos pulmona-
res.
Manoel, Pernambaco, 20 annos, solteiro, Bos-
Vista ; broucbte.
Joaquim Coelbo, Portugal, 63 anuos, casado,
Graca; aspbixia.
Mana Emilia da Conceico Li.is, Prrnam-
bueo, 45 annos, vinro, Recite; tubrculos pulmo-
nares.
Ernesto & Leopoldo, o to pouco sao ellas
oa culpados da cegaeira alhei.
Reoife, 16 de Fevereiro de 887.
J. Manta.
INDICARES OTIS
Medico*
O Dr. Lobo Moscosoj de volta de sua
viagem ao Ro de Jaoeiro, coontiua ne
ozercicio de sua prosalo. Conaltuas das
10 s 12 horas da maahS. Especialdades
eperar;5es, parto e molestias do s-n horas e
meninos. Ra da Gljria n. 39.
Dr. Barreto Sampaio d eonsaltas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da cara
a ra i-> Baroda Victoria, n. 51. Resi-
deucia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25. '
O Dr. Catiro Jess tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das ll horas da manha s 2 da
tarde. Eapecialidade : molestias e opera-
res dos orgaos genito-arinarios dto hornera
e da molher.
Dr. Joaqaim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Canug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia, no
Monteiro.
representan-
dtsirteto deata provnola.
naosproTlnrlapsroao eral.
Calando o espirito partidario, do qiml acbu-me,
desde muito, totalmente retrahil por ver o m-
rito e outros reacs strroicos sempr- i-sji-anhados e
postoa a margem, veuho solemne neilO), sem ais-
tringir-me a disciplina de qualquer d-< polticas,
hypoth'-ear, post factum, o mea votn aquellsa oue,
na prxima reuniaj dn Aswmbli Provincial, 'ni-
do invidarem, par qUt venba tornar a \-. da pro-
vincia a, como entendo, mu ajusta e eqaiiativa
' resolucao infra, qae (podeado, com alguma
modificacao, ser incluida na futura projectada re-
forma da inatruccao publica ) de grande van-
tagem ser, e trar enlutares consequeucias ; cer-
ceiando, assim, o de meiito e iaeonressaveis e es-
candalosos patronatos ; se que a justica, a mo-
ralidade e o camprmento do dever sao cousas a
que se possam -prestar anda alguma attencao.
E's e resolncao oa projecto.
Art. I. Os professores pblicos prirairos que
contarem mais de 21 annos de ettecti vos e boas
ser vi eos (exlSaidas as licenoas) ns magisterio pu-
blico da provincia, sem quehajam soft'rido a mi-
oima condemaacao, pena ou castigo disciplinar
gosarao, de entao em diante, de todas as vasta-'
geas pecuniarias inherentes aos de 3* entrancia,
nao t no ejercicio como em saas juoilaooas.
Art 2.* Eicam. desta forma xevogadas as dis-
posicoes em contrario.
S assim baver mais estimulo entre os profe-
sores, e melhor se avaliar o merocmento de cada
nm.
Pao d'Alho, Fevereiro de 1887.
Um matre-exsla eleiior.
Em virtude do que dispe o-Art. 65 dn regola-1
ment qne baixou cora o decreto n. 9,554 de 3 de
Bavereiro de 1886, a Inspectora de Hygiene fax
publico, pelo praso de oito dias, queo cidadis
Anlonio Columby Ihc dirigi a seguate petioas
onm- documentos que satisfasem as eaigenaiaa do
Art. 65 do citado regnlamento :
Diz Antonio Columby que acbando-ae estarte-
lecido ni villa de Semihaem. oam camude drogas,
o toado o supplican-e pratica de longos, nonos de
pharmacia, como prova com os docuineatos juntos,
e havendo grande necessidade de urna pbarinaca
na aiesma, como' se v do atestad) a Cmara
vlauicipal, vbm o supplionate requerer a V. Exc.
a gnjea de conceder-lhe a HeaOBa pasa nbsie e
administrar pharmacia ua villa de Serinbem. em
vista do Art. 65 do rigulamento que baixou com o
decreto n. 9&54 de 3 de Fevereiro de 1886. Nes-
tes termo, oede deferimeotoE. &. M. Villa
de Seriiihiem, 20 de Dezembro de 18R6. Ante
o Corumby. (Sobre duas estampilaua de 200
res).
E.declara que, si nesse praso nenbum pharma-
ceutico formado Iha communicar oa Inapectoria
de Hygii'us de Pernambuco, a resolucao de esta-
belecer pharmacia na citada localidade, conceder
ao pratico a liceoca requerida.
Inspectora Geral da Hygiene, 11 de Janeiro
de 1887.Dr. Pedro Affonso de Carvalho, secre-
tario.
Escola particular
deinstrtcco primaria
para o sexo mascu-
lino
CASA DE ESSINO MODERNO
Ra Velha
Aos portugueses
O backard Virginio Marques, encarrega
se de queatSas civis, commerciaes, crmi-
naes e orphanologicas e defeza parante o
jury d'eata e das comarcas prozimas. Es-
criptorio a ra 1." do Marco 18. 1." andar.
Residenciara do Hospicio n. 83.
Drogara
Francisco Manoel da Suva < C. dooo-
stanos de todas as especialidades pharmn
oeuticas, tintas, drogas, productos chimici
e medicamentos hommopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23. *
Drogara
Faria Sobrinho & C-, droguistas por at-
Ucado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
errarla a Vapor
Serrara a vapor e oficina de carapina
de Francisca dos Santos Macedo, caes
de Capibaribe n. 23. N'este grande esta-
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra-se e vende se madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como se preparara
obras de carapina por machinas e por pre-
i;o sem competencia Pernambuco.
Ao Binculo
(ORGAO DE CLASSE)
Fiquei pasmo, no sabbado quando li o numero
do Binculo, pois nao suppuaha que a redaccao
deste orgSo de ciaste frene capas de estampar em
urna de suas columnas) a aso aira mais triste de
que quanta Pacbecada ha.
Noticiando aquello orgao u marte de um ami-
go, dia : falleeeu o 8r. aommendador Maia, etc.
Oexou, aioda elle quem falla, na orphandade 7
filhos entre ellas o Dr. Francisco Maia, etc.
Ora qualificar-ee um hachare! de orph&o, s da
cachola do mea illustrado e sapientissmo collega
Olympio Seix^-Oh! Olympio! Estudas mais
ou euto pecas ao Pacheco que te escrevas as no-
lieiss, porqae Dte caso est salva a toa reputa-
co de redactor.
Irra Isto que esminbar regressivamente.
Major A. A. Leal.
A satisfacao cam que hoje vivo pe a saude re-
cuperada, fas com que venba a. imprensa agrade-
cer aos cos, de vr encontrar o verdadeiro e nni-
oo remedio que curon-me da terrivel enfermidale
que ia me consumindo ha mais de 20 annos, em
Portugal, onde fui tratado com esmero e sempre
doente; vim pira c em procura da sande, que
recuperei tomando os verdadeiros pos anti-he-
morrhoidarios do pharmaceutico Luiz Carlos, e
que se veadem na corte, na drogara de Silva Go-
mes & C.
A minha terrivel doenc* era toda hemorrbodas
e fazenio esta publcacao, guiando os doentes para
verdadeiro remeds, creio ter camprido uai dever
da gratidao a Oeus pela minha saude recuperada,
Santa Rosa, 28 de Janeiro de 1886.
Jos Lopes Esteves.
Deposito: Francisco Maooel da Silva & C
droguistas ra Mrquez de Olinda n. 23.
Dr. Goeino Leite
Carnaval
Os dous castellos
deliberaram unir se
PUBLIC4C0ES A PEDIDO
E'
dC,
Pa 1 lencia Lev y
ramele extraordinaria lotera dan
llaioaa .Esta grande latera, cuju premio
grande 2,000:OJ0OU0, ser extrahida imprete-
rivelmoate no dia 26 de Fevereiro prximo.
Os bilhetes aebam-se venda na praca da In-
dedendencia ns. 37 e 39.
incontestavei que a firma J. C. Levy
esta va definitivamente fallida ante-
riormente faraosa commandita do contra
to ; e, a insolvabilidade deste, lograran) Er-
nesto d Leopoldo escapar 4 reinonaabilidade
solidario pela confusao entre esta e effeitos
puramente commanditarios.
Mas, admittido que fosee pelo direito
novo a caducidade da responsabilidade so-
lidaria preexistente, caberia, ao menos, a
nccSo para eifectividade do fundo comman-
ditario obrigado no contrato.
Por mais que ellas protestaaaem que o
fundo j estuva na pharmacia esperando o
contrato, ninguem os acreditara.
E elles proprios informaran] classe
commercial, dispertada pelo intereses deesa
questSo, que a casa estava fallida, antes da
commandita; e, neste empenho disaeram
no aggravo que publicaram, qae se
nao fosaem os sapprimentos de dinheiro,
que faziam, depois de esgotado o capital
com qua entrara ilolmes, nao poderia a
firma dar cotnprimento seas tratos; e as
letras dessa procedencia nanea Ibes foram
pagas, e menos
e oaro e vencedor,
em um s corpo para,
nos tres das de folgaoca do carnaval, sa-
hirem om passeio pelas prncipaes ras da
cida le, e no trajecto diatribuirao flores aos
seas amadores.
A' ra de S. Jorge, onde est a s ie
desses dous castellos, achar-se-ba garbosa-
mente embandeir da e adornada com lin-
dos arcos; a estorbos dos membros da
commisaao, composta dos Srs. Jos Fran-
cisco da Silva, Cosme Francisco Pereira
da Silva, Bento Joaqaim Rodrigues, Cons-
tantino Fonseca do Nascimento, Julio Mar
oolioo da Silva e Jacintho Monteiro dos
Santos.
Jos Joaquim doa Reis.
Rufino Jos Vicente.
Manoei (ornes doa Prazeres.
Francisco Jos da Silva.
Joao Jess Flores. "
cautelal
eaaatra lusas na
318
re
Medico, parteiro e operador
Iledencia ra Bario da Victoria n. 15, t" andar
Consultorio ra Duque de Caxiasgo. 59.
D consultas das 11 horas da manb s 2 ds
tarde.
Atiende para os chamados a qualquer hor
telepboue n. 449.
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr. Castro Jess, contando mais de 12 annos
de escrupulosa observarlo, reabre consaltorio nes-
ta sidade, ra do Bom Jess (antiga da Crus
a. 23, l. andar.
Hora de consultas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demais horas da noite ser encontrado no
sitio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por-
to esquerda, alm I.' porto da Dr. Cosme.
Clnica medico-clrarca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senhoias e
crianeas.
Residencia Roa da Imperutriz n |4, segundo
andar.
O abaixo assignado, participa ao illustrado pu-
blico desta cidade, que abri sua Escola parti-
cular de instracco primaria ji-ira o sexo masculi-
no, > m Velha n. 3tt, (m-Viste) onde esi
radamente se dedica ao eosino de seos alum
Educa e ustrne a iafaucia pelo melhor svsr^ma
dos principaes coilegios da corte do imperio, ende
por aigum tempo demorou-se a passeio, cujo sis-
tema a delicadeza, a vocaoo, a paciencia
intima para o ensino, fazendo com que os seas dis-
cpulos sigam o caminho da iotelligencia, da honra
edadignidade com santos conselhos e sas licoes.
afim de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religiio e da lei, e um verdadeiro
cidado brasileiro.
Espera merecer a confianca e proteecao dos
pas e tutores das enancas que queuam aprovei-
tar um rpido adiantamento de seus filbos i n tu-
telados, e em parficular tem f robusta em todos
os seus compatriotas pernambacaaos.
Comquanto ousada seja esta tentativa, t espera que os seus incansaveis estorcos, e os seos
puros desejos sejam coroados com a feliz itppro-
vacio de todos os filbos do imperio da S*uCa
Crnz.
Espera finalmente, que o respeitavel piih'ieo
saiba apreciar de perto o seu Verdadeiro nataf
primario, onde rpidamente as enancas abfc*m
e amam de eoracao aos livros, as scieocis as let-
tras e as artes. '
Igualmente tem urna aula de instrnecio prima-
ria noite para adultos, sendo das 7 s 10 horas.
Curso de portugus e fraucez a qualquer hora.
Horario da escola para meninos, das 9 horas ds
manha s 3 da tarde.
Henaalidadea
Prmeiras lettras 2009
Fraucez 3004
Portuguez 3000
Pagos adiantados no acto da matricula.
Recebe meainos internos, externos e meio pea-
sionistas, por mensalidades razoaveis.
Roa Velha n. .'.
Julio Soares de Azevtdo.
t

Leonor Porto
Ra do Imperador n 4.
Primeiro andar
Sahia curada...,......
Vicam em tratamento.
21
1
. 20
21
Continua deseraaaao Srl mordooiocommendador
Mwoel Jos MachaS. )
f^eilAw Krlictuar-ai-hao:
Boje :
Velo uytnle Martins, e 11 bosms, na ra do
Livramenro n. 94, de movis, looeas, vtdros. ate.
Pese agente Ousmo. s '.) 1/2 horas, na porta ds.
Astocisco Commercial Agricola, de assucar.
Lotera de Mlnaa-CeraeaA 5' parte
da 1* lotera desta provincia, cujo Drsmio gnsade
600:00O vereiro, impreterivelmente.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosana n. 36.
Itoleila do Cear A lotera desta
provincia, cojo premio glande 4<)0:0004000 ser
extrahida ao da 19 de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Tamtiem acham-se venda na Casa Flix,
praca da Independencia ns 37 e 36.
Lotera do Cirao-Para A 10 parte les-
ta lotera ser extrahida boje, 17 de Feve-
reiro.
Bilhetes venda na Casa do Ouro, roa do Ba-
rio da Victoria n. 40
Tambem achum-se venda na Casa da For-
tuna rus Primeiro de Mareo n. 23.
valsase lotera da provinciaA14
serie deata lotera em beneficio dos ingeauos ds
Colonia. Isabel, cojo premio grande 210:000*000,
era extrahida no dia 17 de Fevereiro, s 4 horas
ia tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Reda da For
tuna roa Larga do Rosario n. 3t>.
Lotera de Mace! de SOOiOOOdOOO
A 5* partes da 15* lotera, cujo premio
grande de 3(/0:000, pelo novo plano, sera ex-
trahida impreterivelmente no dia 22 de Fevereiro
ao meio dia
Bilhetes venda na Casa Felis da praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
- Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na roa Larga do Rosario n. 36e na Casa da For-
tuna roa 1 de Marco n. 23.
Preces resumidos.
Lotera do ParamesBata importante lo-
tee, cdjo premio grande 300:000#000, e habi-
lita-se a tirar 15:00UO0. seta extrahida impre-
terivelmente arnanh 18 de Fevereiro.
Acham-seexpoetos venda os resto* dos bilhe-
tes na Casa da Fortuna ra Primeiro da Maree
a. 23.
Lotera da corteA 2> parte da 202* lo-
rert da corte, cojo premio feraade de 100:0604
ser, extrahida no dia .. de Fevereiro.
Os bilhetes sebam-se venda na praca da In-
deoeodencia na. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da Sor-
una roa Primeiro de Maroo.
Loterla ste> salo--A 3* parte da lotera
a. 366, do novo plano, do premio de 100:0004000,
ser extrahida no dia .. de Janeiro.
O* biletes acham-se a venda na peana da Iuue-
pendencia ns. 37 e 39.
ainda a mensalidade de
1204000, a quetinaam direito.
Em abano do acert ainda daclinaram
nomes de credores, que nao foram pagos;
sendo, entretanto, anteriores a decantada
commandita I...
' estupendo !
A aaseveracao dos peritos do exame da
fallencia abjrtada, sobre a nao insolvabt-
lidade, s tem valor relactivo.
E' urna apreciarlo apriorada debaixo do
ponto de vista dos valores, desde que ve-
rificaran! um saldo em favor do activo,
que intrinaecamento nao conheeiaai, aem
podiam conhecer, deviam opinar pela sol-
vabilidade.
' O procedimento dos perit >s foi correcto,
mas nem por isso pode a opiniSo delles
ter a virtude de supplantara palavra aatori-
sada dos aggravantes que, ao caso, falla-
vam ex-cathedra pelo conhecintento de
causa.
Deveiiain, por tanto, ter sido compelli-
dos a fazer effoctivo o fundo capital obri-
gados no contrato da commandita.
Os peritos rectificando o balanco, junto
aos autos, anterior a commandita, demons
traram um enorme prejuizo que desfalcou
os espitaes dos socios Ora, quem quer
que aceitar o exame na parte que opina
pela nao insolvencia, devo tambem acei
tal-o na parte referente ao prejuizo encon-
trado, o'scorrido anteriormente com-
mandita, e, d'ahi concluir qua Ernesto
& Leopoldo nao tinbam o fundo capital
que encartaran) no contrato.
Ainda allegaran! no aggravo referido
que a existencia de mercadorias dadas pe-
los peritos no exame alludido ira ficticia,
por quanto nio bouve inventario, e redu-
zidas ellas s snas justas proporcSes. o
dficit seria palpavel! ,
O qae importa riizer, qae o prejuizo en-
contrado pelos peritos seria ainda maior, e
oa rnesma razao devpriam diminuir os es-
pitaos.
Assim, e por qualquer face que se" en-
care o caso, o fundo que Ernestu & Leo-
poldo tinbam como solidarios seesgotara ;
e, por isto, deveriam aer obrigados a fazer
effectivo o capital do contrato.
No que teaho dito, nao vae censara a
P*>r*?6e mineraes oue enveaeqam e destrem
o cabello I Almedtai-p iam a nutricao saudavel
contida no Tnico Oriental, e certamente tornar
a voltar comprido e basto, Applcai. esta mar vi-
Ihosa prparacSo vegetal, com a escova pela ma-
nda e noite, e nao smente as fibras multipl'car-
se-ho, mas sim tambem chegarao a alcancar o
comprimento desejado. Este effeito to uniforme
em todos os casos, prova quo esta rara e excellen
ta composico um substituto perfoito para a nu-
tricao do cabello, quando este nao existe nao exis-
te em quantidade suficiente nos vasos secretorios.
Isto ainda nao tado ; a caspa estorva e mata as
fibras, e esta admiravel preparafio vegetal dissol-
ve estes resaltados da transpiraco supprimida, e
offerecendo assim occasio a que o cabello cresca
com elegante abundancia.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras
Agentes em Pernambaco, Henry Forster 4 C.
ra do Commercio n. 9.
O purgativo que convm particularmen-
te aos fumantes, pois sua aocao suave con-
serva o estomago sempre dosembaracado,
evitando as vertigens, dores de cabeca,
inflammacoes da garganta, fondas da lin-
gua, taita de appetite, etc., que produz o
oso continuado do fu-no, aEructa Ju-
lin -confeito vegetal que as pesabas mais
diflr.'eis louaia com prazer, e que offerace
a vantagem de em nada estorvar as oceu-
pacoe* ordinarias.
--------
Perguata inoleiisivii
Pergunta-se ao presidente da IHm*. C-
mara se os kiosques vendem ou nSo bebi-
das slcoolicas; e no caso afirmativo, se
podem infringir o art. 83 do regulameato
das postara muuicipaes.
Os privilegiados.
Licor depurativo vegetal iodir'.o
DO
Medico Quinte lia
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama tfallivel na cora de todas
as doencas svphiliticas, escrofulosas, rheamatica-
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheomati-
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros svabiliticea, inflamma-
cies visceraes, d'olnos, ou vaos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
on datbericos, assim como oa alopecia oa qu_da
do cabello, e as doencas determinadas por sata-
racSn mercurial. Dio-se gratis folhetos onde<
encentram numerosas experiencias feitascom
especifico nos hospitaes pblicos e amitos .
dos de mdicos e documentos articulares.
pesconto para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinho &- C.
Ra do Mrquez da Olinda n. 4.
Contina a execatar os mais dfficeis
figurinos recebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicaode costara, em bre-
|vidade, modicidade em preoos e fino
g osto.
Emulso de Lanman
& Kemp
A Emulso de oleo de figado de baca-
Iho com os hipophospbitos de cal, sorla n
potassa, preparada pela acreditada c.sa
de Lanman d Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, o a mais efficaz c
agradavel que ai agora se tem offurecide
ao publico.
E' um regenerador poderoso das consti-
tuicoes debis e um remedio certo para
todaa as affeccSes do peito, da garganta e
dos pulmSes.
sese t a Emulsao de Lanman r
Kemp nao confundindo-a com as outras.
Vende-se em todas as drogariaa e pbar-
raacia.
-. "
-

91
{}
}
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
crianeas, dos orgaos respiratorios e das
genhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
fora da capital.
AVISO
Todos os chamadas devem sar dirigi-
dos pharmacia do Dr. Sabino, ra da
Bario da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia.
:
'alista

Hotel. Uibraltar
Praca da Balalha. 108
{defronte do correio geral e estcelo i }
telegraphica] i |
Este hotel muito se reeomnreoda aos via- ) (
jantes pelo local em qne se acha, .1 j
perto dos Jardins Theatroa e os precos / \
de Dospedagem ido mais baratos ) (
do qua em outro qualquer, com o mesmo | (
tratamento
Proprietarlo m
FERNANDES &IRMAO
POSTO
idvogado
O bacliare 1 Julio de Mello Filho tem o
seu escriptorio de advocacia ra Primei-
ro de Harco n. 1, Io annar, onde pode
ser encontrado drs 10 horas da manha s
4 da tarde.
N. 8. Na tsica pulmonar a potencia
da Emulsao Scott como remedio mara-
villosa. Restaura o sangue ao seu esta-
do normal. Sana as inflammacoes de gar
ganta e dos pulmes. Calma a toase e a
rouquidao. O cor s faces e aumenta a
carne e as forcas.
m
Dr. Fertira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Dr. Joao Panto
MEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de enancas, com pratica as principaes materni-
dades e hospitaes de Pars e de Vieana d'Austria,
faz todas as operacoes obsttricas e cirargicas
concernentes as saas especialidades.
Consaltorio e residencia na ra do Bario da
Victoria (antiga roa Nova) a. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 8 oras da tarde.
Telepbone n. 467.

1 I

EDITAES
Ollicina de ^Sculptor e enta-
lliadnremmadeira
85-RA DO BOM JaRDIM87
PORTO
Encarrega-se de todaa as imagens em
Vqualqner tamaubo, altares, sanctaarios, to-<^
(cheirn, easticaes, jarras e sacias, bem co-
} mo tarimbas funerarias, figuras allegori-
cas e serpentinas, todo perteneente s di-
tas artes. Tambem se enesrrega de pintu-
ras e pratas para imagens.
rsode lewoHtio de rrdamaa e
piaanas para aa anea
H
{}
Silveira
\OVOG\00
8--liua do Imperador-38
Primelor andar
WiiT6i
MEDICO
Tem o seu escriptorio roa Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Santa
Cruz n. 10.
Especialidadesmolestias de senhoras e crian-
cas.Tolephone n. 326.
m
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-cbofe de clnica do Dr. de
Wecker, di eonsaltas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1.a andar da casa
n. 51 ra do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingose dias s^ntiheados.
Residencia roa Sute de Setembro n.
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
O administrador do Consalado Provincial em
enmprimento do qae dispoe a lei de orcameoto em
vigjr fas pablioo a quem interessar possa, qae, tac
espaco de 30 diss uteis contados de 1 de Feve-
reiro prximo vodouro ; dar-se-ha principio a co-
braoca, livre de malta, do imposto de reparticSo
constante da tabella infra anneka citada lei re-
lativamente ao 1* semestre do exercicio de 1886 a
1887.
Consulado Provincial de Pernambaco 2 de Ja-
neiro de 1887.
Francisco Amyntas de Carvalho Moura.
Tabella a qae se refere o edita! supra
Parte 1
1 Casas de commissoes de aonsignaces fe de
commisses e consignacoes.
2 Ditas ou depsitos de vender em grosso carvao
de pedra em trra ou sobre agua.
Parte 2
2 Lojas de vender joias somente, oa joias e re-
logiOB.
4 Ditas de vender relo^ios somente.
5 Casas de vender pianos a instrumentos mosi-
caes.
Parte 3
6 Fabrica de rap Meuron.
7 Ditas de sabio inclusive a que acha-se na fre-
guesia de logados.
8 Ditas de cerveja, vinagre, vinhos, genebra, li-
cores e limonadas gazosas.
9 Ditas de Gtaz.
10 Ditas agencias e depsitos de rap.
Parte 4'
11 Empresas aoonymes ou agencias destas.
12 Companhia de Beberibe.
13 Bancos, agencias filiaes e representantes dos
mesmos e casas brncarias.
14 Companhias, agencias ou casas de seguro ou
qualquer pessoa quo no carcter de agente
de companhias de seguro fizer contracto desta
natoresa ou promovel-os, com excepcao dos
que tem sede nesta provincia e contractarem
o servifo especial do artigo 13 desta lei.
15 Armazens alfaudegados, e depsitos oa de re-
ce ber.
16 Cazas de jogo de bilbar.
DECLARACOES
"

Recife Drainage
Relacaodos concertos feitos nos apparelhos
no mez de Janeiro do corrente anno, de
conformidad^ com o art. 10 do contrac
to e | 2* do art. 15 do regulamento de
12 de Janeiro de 1872.
Recife
Marqu-z de Ol.ada a. 10 6M20
I Dita n. 48 2*910
Dita n. 64 2640
Bom Jess n. 40 4#400



m
r- "'



-i*:
:M
m
4
Diario de PernambueoQuinta--fcira 17 de Fevereiro de 1387
Dita n. 29
Dita o. 13
Couiaiercio o. 8
Liriro iio Corpo Santo u. 11
Bispj tardioha o. 4
D. Mana de Souza n. 1
Beec Jo Abreu a. 4
?.ra i.Tbenorio n. 10
u. 2-1
Mnz e Barcos o. 2
laorim a. 7
Dita i.. 27
Tuyuty o. 5
Ma.ire Je Deas n. 9
Domingas Jos Martin n. 36
DiU a. 53
Diu ii. 82
Dit a. 112
Ifct* i>. 136
ifavessa do Campillo o. 2
Travessa para o Corpj SantJ n. 16
- U n. 30
Tapado a. 1
tauraeij B. 26
DiU n. 38
DiU u. 52
Dm n. 56
D. Maria Cesar n. 6
Diu u- 20
Dita u. 22
DiU n. 42
Visconde da Itaparica o. 63
S. Jorge o. 10
Drlii u. 98
DiU n. 124
Dita o. 47
Guararapes n. 8
Travessa da pra$a de Pedro I n. 11
Santo Antonio
Imp'.-raiinr u. 21
Dita n. 57
Diu ii. 85
DiU ii 19
Prava de Pedro II n. 1
lo de Marco n. 6
Dita n. 16
Duque de Cax.s u. 26
DiU n. 42
DiU n. 59
DiU n. 68
DiU u. 74
Diu d. 73
Cabuga n. 9
Baro da Victoria n. 38
Diu n. 52
Dita u. 47
Dita u. 67
Trincbeiras n. 21
Dita n. 39
Larangeias n. 24
Travesa das Cruzes o. 4
Dita n. 12
Largo do Paraizo n. 10
DiU n. 18
Dita n. 28
Dita ii, 49
Larga do Rosario n. 24
Drtau. 38
Estreita do Rosario n. 36
Dita d. 21
Jaio do Reg u. 8
DiU u. 20
Dita n. 34
Roda u. 26
DiU n. 44
Travs** dos Quarteis n. .34
Travessa dos Quarteis n. 42
B.eco do Calabouco d. 5 A
Santo Amaro u. 2
DiU n. 14
Travessa dos Expostos n. 14
Travessa da Matriz o. 4
Matbiss de Alboquerque n. 3
Paulino Cmara n. 19
DiU n 23
Traversa do Carmo n. 18
DiU da Bomba n. 2
Livramento n. 24
Penba u. 21
Visconde de Inbauna n. 41
Pedro Alfonso n. 55
Travessa do Carceireiro n. 6
Marcilio Das n. 36
Dita n. 60
DiU n. 68
DiU n. 11
DiU n. 49
Viracao n. 27
Lomas Valentinas n. 34
Coronel Snaasuna n. 68
SanU Th reza u. 10
Diu n. 15
Travessa do Pocinho n. 26
Vinte e Quatro de Maio n. 26
DiU n. 28
DiU u. 32
Traversa da Concordia n. 10
Palma n. 23
Marques do Herval n. 26
Diu o. 23
Dita n. 29



2*640
4UI0
24640
4*550
4*620
14*740
2*640
2*640
3*080
5*2S0
2*640
21*740
12*870
2*640
3*640
2*640
6*680
2*640
2*640
2*6 tO
2*640
2*-40
2*640
2*640
4*380
2*640
21640
2*64i
2*640
2*640
2*640
2t4U
2*610
2*640
9*570
2*640
18*360
2*640
5*660
2*640
31040
2*640
2*640
2*640
3*960
2*640
4*620
2*640
2*640
5*280
4*620
2*640
2*640
4*620
4*620
7*460
2*640
4*620
12*320
9*240
2*640
2*640
2*640
8*020
2640
01*330
3*960
18*740
2*640
2*640
4*360
4*660
2*640
2*640
5*280
3J960
12*870
2*640
2*640
14*480
2*640
2*640
2*640
2*640
14*960
2*640
19*140
2*640
42*820
4*720
2*640
3*960
2*610
2*640
2*640
4*620
2*640
2*640
2*640
4*620
37*040
2*640
2*640
3*040
13*130
2*640
4*710
2*640
1*520
3*960
Dita n. 85
8. Jos
Marcilio Dias n. 78
Diu b. 97
DiU n. 49
DiU n. 149
Lomii Valentinas n. 25
DiU o. 27
Coronel Saassoaa m.146
Dita n. 172
Dita n. 262
DiU n. 73
Becco da roa da Palma
Mrquez do Herval n. 167
DiU n. 169
Diu n. 207
Passo da Patria n. 12
r'adre Nobrega o. 3
Vidal de Negreiros n. 84
Diu n 90
MU n 139
Frei Henrique n. 6
Domingos Theotooio n. 52
DiU n. 58
Padre Floriano a. 5
DiU n. 69
Forte n. 1
Antonio Henriqno n. 25
Sogueira n. 13
DiU n. 45
SanU Cecilia n. 55
SanU Rita n. 40
S. Jos n. 35
DiU n. 41
Dita o. 47
Travessa de S. Jos n. 12
Pescadores n. 27
Fortaleza das Cinco Ponua
Boa-Vista
Imperatriz n. 12
Dita n. 24
Dita n. 39
Dita n. 65
Praya do Conde i'En n. 24
Dita n. 30
Dita n. 32
Dita n. 21
Conceicao n. 46
Dita u. 60
Visconde de Albuquerque n. 48
Dita n. 94
Dita n. 176
Aurora n. 55
Ponte Velba n. 8
Diu n. 68
Diu n. 104
Dita n. 35
Diu n. 37
Diu n. 65
Conde da Boa Via tu n
Riachuelo n. 32
DiU a. 13


18
COMERCIO
Boina cotnnerelal
COTA9OK8 OFFICIAKS DA JUNTA DOS COB-
BECTORES
Reeife 16 de Ftvereiro de 1887
Cambio sobre Lisboa, a 90 d/v. 139 0/0 de pre-
mio, particular
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
U secretario,
Eduardo Dubeuz.
! tinento ba n cari o
SECU-K, 16 DB FEVKBBIKO DB 1887
Os bancos mantiveram boje no bal cao a Uza de
22/ que hontem estabelecerain 4 ultima hora.
Consta, porin, que fizeram transaccOea
f>o -otas as Ubellas officiaes :
Do Lundon Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 e i visU 21 3/4.
Sobre Pars, 90 d/v 432 e visU 436.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 536 e visu 542.
Sobre Portugal, 90 d/v 243 e visU 245.
S^bre Italia, i vista 436.
Sobra New-York, visu 2*300.
7*260
2*640
3*960
2*640
65980
4*620
550
2*640
8*040
21*570
9*900
2*200
12*320
2*640
35*480
4*710
19*860
2*640
2*640
7*020
5*660
16*060
4*360
2*640
9*460
6*820
4*660
2*640
22*850
2*640
2*640
1*760
2*640
2*640
4*620
3*080
6*820
20/1220
3*0O
33*060
4*060
25*740
'2*640
14*740
2*640
6*820
2*640
2*640
19*360
16*060
2*640
2*640
2*640
6*820
3*040
5*360
3*520
4*36)
16*060
2*640
2*840
22*360
4*i6j
2*640
6*820
2*640
8*420
2*640
26*600
7*180
2*640
2*640
30*660
4*660
12*920
2*640
2*640
3/39o
2*640
2*64
13*980
3*430
3*960
Saudade a. 12
Hospicio n. 49
Dita n. 69
Carnario n. 13
Gervasio Pires n. 45
Dita u. 47
Travesea da roa de Gervasio Pires u. 19
Atalho ii. 23
Socego n. 43
SanU Cruz n. 20
DiU n. 42
S. Goncalo n. 19
Dita n. 29
Bt-eco dos Coelboa
HospiUl Pedro II n. 4
Coronel Laineuba n. 4
DiU n. 12
Travessa das Barreiras n. 5
Travessa do Quiabo n. 8
Diu n. 12
Bario de S. Borja n. 28
DiU n. 50
Diu n. 41
Visconde de Goyanna n. 59 A 10*320
Reeife, 15 de Fevereiro de 1887.
O gerente,
J. Dowsley Jnior.
Club Carlos Gomes
Tendo a commisso eucarregads da firnamrnta-
5*o doa saloes do club para o sarao carnavalean
no da 19 do torrente, da principiar seos traba-
Ihos, previno aos senhores socios que tica fipen
so todo o expediente nos dias 17,18 e IV.
Recite, 16 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
P. Casanova.
Lotera da Colonia Isabel
A 14a serie da 24* parte das loteras em favor
dos ingenuos da Colonia Isabel, acha-se exposta
venia, cuja extraeco ser no da 17 de Fevereiro
Tbesouraria das loteras para o funde da eman-
cipacao e ingenuos da Colonia Isabel, 13 de Fe-
veriro de 1887.
O thesoureiro,
Francisco Goncaloes Torre.
Club Concordia
JZweites Preiskegeln
SooDUg den 20 Februar
Nscbmittags 2 uhr.
Das drectorinm.
Secretaria da presidencia de Per-
nsmboco. IO de bFevereiro de
2 seccao.
De ordom do Exm. Sr. presidente da provincia
e em observancia do disposto no art. 171 do regu
lamento annexo ao decreto n. 9420, de 28 de
Abril de 188o, faco publico que por porUria desU
daU fji nomcado o Sr. Joo Barbosa de Souza
para servir provisoriamente os oficios de tabellio
e annexos da comarca do Taquaretinga.
O secreurio,
Pedro Francisco Corris de liveira.
Conipanhia de Segaros Phenlx
Pernambiicana
Os senhores accionistas, nos termos do art 25
e para os efivitos do 1' do art. 27 dos estatutos,
sao convidados a reunirem-se em assembla geral
ordiuaris no dia 3 de Marco prximo, ao meio dia,
na sede da companhia.
Pcruamboco, 16 de Fevereiro de 1887.
Os a ministradoras,
Luiz Duprat.
Dr. Manoel Gomes de Mattos.
Jobo Jos Rodrigues Mendes.
Joizo dos Feltos da Fazenda
ESCRIVAO TORRES BANDEIRA
No dia 11 de Marco prximo, ir a "praca por
venda as casas abano descriptas, peoboradas pela
Fazenda Provincial :
Casas sitas no Becco do Quiabo ns. 1 e 3, fre-
guezia do Poco da Panella. com 2 janeilas e 1 por-
ta, portao ao lado, 6 metros e 30 centmetros de
frente, 13 metros o centimetios de fundo, 4 qnsr-
tos. cosinba fra, quin'al murado, cacimba meeira,
e a de n. 3 com 2 salas, 3 quartos, cosinba fra,
termo.", soto interno, com 1 salo e Iqnarto, am-
bas arruiuadas, e avahadas em 200*000 ceda
urna, pertencentrs a Antonio Jos Pinto.
Mubatliulro de nata* do Theseuro
Em 31 de Marco vindouro termina e prasu mar-
cado para recolbimeuto, sem descont, das mitas
de 2*000 da 5* estampa, 10*000 da 6 e 5*000
da 7.
A substituicao est senda feia na Tbesooxaria
de Fszenda, nos dias uteis, das 10 is 12 horas da
manba.
Bniradas de Manear e alaadata
MES DB FEVEBEaO
Estrada de Ferro do
Reeife a Caruar
De crdem do Illm. Sr. iirector, faz-se publico
que a contar do jia 21 do corrente o trem P 1 s
ir at a estaco do Caacavel as tercas e sabba-
doa.
Secretaria do Prolongamento da Estrada de Fer-
ro de Pernambuco e Estrada de Ferro de Caruar,
16 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
Manoel Juveno de Sabaya.
juta Gasa os Histricordia do
Por esta secretaria po chamados os pnrentes e
protectores das menores abaixo declaradas, para
al o da 28 do correte apieaenUI-as no collegio
das orphs, aflu de sercm abi admittidas, visto
serem as primeiras inscriptas uo respectivo qua-
aro.
1 Carolina, protegida de Augusto ManU.
2 IlluoHuata, filba de Maria Florencia Barbosa
dos Santos.
3 Laurinda, filba de Sincletlca Lns de Vas-
concelos Araujo.
4 Maria, filba la muma.
5 Adelaide, filba dr Mara Jos da Conceicu.
6 Mana, filba de Mara Jos da Eocarnaco.
SecreUria da SanU Casa de Misericordia do
Recite, 8 de Fevereiro de 1887.
O eserivao,
Pedr Rodrigues de Soma.
SeceMoria ib FeroaiMco
Matricula de eeravoa
O administrador da recebedora faz publico, que
finda-se no da 30 de Marco do correte anno a
nova matricula e arrolamento dos escravos exis-
tentes neste municipio, devendo es donos e pos-
suidores dos mesmos apresenUrem at aquclle dia
as relacea en daplieau, coatendo o nome ao es-
cravo, nacionalidade, sexo, filiacao, oceupacio ou
servico em que for rmpregado, idide e valor,
altm do numero de ordem da matricula anterior,
sendo o valor dado por extenso pelo senhor do es-
cravo ou sea legitimo representante, nao exceden-
do o mximo regalado pela idade do matriculando,
que ser tambem escripU por extenso, conforme a
seguinte tabella :
Escravos menores de 30 anuos 900*000
dem de 30 a 40 800*000
dem de 40 a 50 600*000
dem de 50 a 55 400*000
dem de 55 a 60 2OOJ00O
O valor das escravas ser regulado pela mesma
tabella com o abatimento de 25 0/0 dos precos
nella esUbelecidos.
A inscripeo para a nova matricula ser feita
visU das selacoes. que servirao de base a matri-
cula especial ou de averbacao effectaada d con-
formidade com a le de 28 de Setcmbro de 1871,
ou da certido da mesma matricula, ou vista do
'.talo de dominio qasudo contiver a matricula do
escravo.
Nao sero dados matricula os escrav. s maio-
res de 60 nudos, sero porin iuecriptos em arro-
lamento especial.
Serio considerados libertos os escravos, que no
praso marcado nao tivcrein sido dados a nova
matricula
Pela inscripcao ou arrolamento de cada escravo
pagar-se-ba 1*000 de emolumen os, cuja impor-
tancia ser destinada ao fundo de emancipacao
dep is de satisteitas as despezas da matricula.
Recebedora de Pernambuco, J4 de Fevereiro
de 1887.
Alexandre de Souza P. do Carmo.
Indemoisadora
A direccao desU companhia tcm a honra oe
convidar os Srs. accionistas para reunirem-se em
assembla geral ao meio da de 28 do corrente mez
no seu escritorio, afim de cenhecerrm das contaa
do anno fiudo em 31 do Dezembro prximo pausa-
do ; e bem assm proceder-se a eleico de que tra-
ta o 2 do art. 27.
Reeife, 14 de Fevereiro de 1887.
Os directorea
Josquim A Ivs da Fooseca.
Jos dapilva Loyo Jnior.
Antonio da Cunha F. BalUr.
S. lis J.
Socledade Recreativa Joveniude
Sarao car nt vale seo em 19 de Fevereiro
Iniciativa da presidencia
Pede-se aos senhores socios que desejarem ti-
rar convites para este baile, o favor de apresen-
Urem auas notas na secretaria da sociedade.
Nao sero admittidos aggregados.
Prevenimos toe senh res socios effectivos, bene
mritos e distinctos, que os ingrseos podero dea-
de j ser procuialus eui inae do r. ihesourriro.
Secretaria du sociedade Recreativa Juv.-utule.
8 de Fevereiro de 1887.O 2" secretario,
Jos de Mediis.
Companhia de Fiarlo e Tecidos
Sao convidados, os Sr. accionistas para se reu-
nirem em Assembla Geral, que deVera ter lugar
no da 28 do corrente, ao inio da no sali da
Associacao Commercial Beueficente, aasistirem a
leitura do Ralatorio do anuo fiado, approvaco das
contas e parecer da Commissio Fiscal, assm
tambem eleger novos fiscaes e autorisar o levan
tameiit.i de nova fabrica.
Reeife, 14 de Feaereiro de 1887.
Maooel J>iio de Amorim,
Presidente da a.'sembl* geral.
Jos Adolpho de Olivera Lims,
1. secretario.
22
Barcacas.....
Estrada de ferro de Cun-
da......
Estrada de ferro de Ca-
ruata .....
Animaes.....
Estrada de ferro de S.
Jftancsd .
Estrada de trro de Li-
moeiro.....
Do EngUsh Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 e viaU 21 3/4.
Sobre Pars, 90 d/v 432 e visu 436.
Sobre Italia, vista 436.
Sobie iamnnigo, 90 d/v 536 e vista 542.
Sobre Ntw-York, visU 2*300.
Sobre Lisboa e Porto, 90 d/v 243 e visU 245.
-..bre as prncpaes cidades de Portugal, vista
250.
Sobre liba dos Acores, vista 253.
Subre liba da Madeira, vista 250.
Mercado de aaaucar e alf od&v
BBCirB, 16 DB FEVEREIRO DB 1887
Assucar
As entradas foram peqnenas.
Os precos mantiverain-se firmes aos algarismcs
f eguiutea :
3.* baixo, por 15 kilos, de 2*000 a 2*100.
3 regular, por 15 kilos, de 2*100 a 2*0.
M boa, por 15 kilos, de 2*^00, 2*300 e 2*400.
3 superior, por 15 kilos, de 2*500 a 3*600.
Urlico turbina ~ Usina Pinto, por 15 kilos,
2*6uO.
Soinenns turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a.
1*900.
Urlico turbina pulveiisado, por 15kilos, de 2*500
a 2*400.
v-o.uo., por 15 kilos, de 1*600 a 1*700.
Mtfteavadti, por 15 kilos, a 1*200 a 1*800.
Bruta por 15 kilos, de 1*100 a 1*200.
Relames, p-r lo kii.s, de 840a 1*000.
O in-jimo ou minirau dos piecos eo obfidoi
e.wr.ium o surlii.'.ent.'-
Alywic.ii
i) n,.r.i.!, d hi^odo i..)\.'eiiU-se frouxo.
O ); MMitiirika a cr 6*250 por 15 kilos o
c I -....iiil.uco e b as piocodi ncias, em ierra.
Xptiv ao Tin wuuro juiaceradiiH
iiu de notas .!lce"rads est s
i.i d Fajeada1, uas tere e
mi: las 10 i 12 b.rss da icauhi.
i
15
4 16
I 14
1 14
30
41.631
483
6.275
7.837
44.733
13 752
114.711
8
3.364
1.852
197
6.244
2.231
5.176
l'J.061
Pauta da Altanaesa
BMtBA DB 14 X 19 DB FBTBBBIBO
Alcoo (kilo) 218
Algodo (kilo) 350
Arroz com casca (kilo) 065
Assacar refinado (kilo) 151
Dito brauco (kilo) 131
Dito mascavado (kilo) 067
Borracha (kilo) 1*266
Cachaca (litro) 077
Cacao (kilo) 400
Cafrestolho (kilo) 4S0
Caf bom (kilo) 320
Carnauba (kilo) 366
Crneos de alpodo (kilo) 014
Carvio de pedr de Cerdrfi >o i.) loiOOO
Coaros seceos empichados (kilo) 585
Ditos salgados seceos (kikj 500
Ditos verdes (kilo) 25
Farinba de mandioca (litro) 250
Fumo reatolho (ko) 400
Genebra (litro) 200
Mel (litro) 040
Mlbo (litro) 040
Prancboe* (duzla) 100*000
I relsmculun
16 DE rtVBBElBO
Foram hontem (16) fechados somante s seguin-
tes :
Patacho allemaj Wheiui A Jowt, pira c irro-
gar assucar aqu, com destiuo a Monte, ideo em di-
reitora, a 7 reales, liquido.
PaUcho allemao truno & liarle, parf. carregar
aqu enroco* de algodo a grauel euin destino a
Hull, u 22/6 liquido.
Iaportaeo
Lagrc norueguense Courier, cnlratlo de
Porto Alegre em 16 do corrento e ironsig-
ndo a PeroiraCarneiro d 0 ma?iif"tou :
Farinha de mandioca 3,000 sacos aos
consignatarios.
BBCB, 15 DB VBTCBBIBO DB 1887
Para o exterior
Na galera inglesa Loremo, carregaram :
Para Liverpool, P. Carneiro h C. 860 saceos
to'n 61,500 kilos de assucar mascavado.
>a barca uomeguense Ogir, carregaram:
Para New York, J. 8. Lito Filho 597 saceos
com 44,775 kilos de assucar mascavado.
No vapor americano Adnance, carrega-
ram :
Para New-York, P. Vianua & C. 555 saceos
cm 33.500 kilos de assucar mascavado ; M. J. da
Rocha 500 saceos com 39,000 kilos de assucar
mascavado ; H. Forster 4 C. 160 saceos com
12,000 kilos de assacar mascavado.
No patacho p rluguez Veritas, carrega-
ram :
Para Lisboa, P.Pinto a. C. 50 barris com
4,800 litros de mel.
Para o inltrior j
No paUcbo sueco Aimina, carregon :
Para o Rio Grande do Sal. V. T. Coimera 400
barricas com 42,813 kilos de assacar branca.
S escolia oscioiial Urania, carregou :
Para u Rio Grano-' du aul, J. M. Das 1,100
barricas com 107,100 kilos de assacar branc<.
No vapor allemao Paranagu, carrega-
Companlila de Editlcaco
Assembla geral ordinaria
De accordo com o artigo 31 dos ertatutos sao
convidadas os Srs. accionistas da Companhia de
Edificaco para se reuniris no dia 1 de Marco,
ao meio oa, na s le da mesma Companhia, ao lar-
go de Pedro II n. 77, 1* andar, afim de ouvirem a
leftura do r'Istoro, balance e apreclarem as con-
tas da directora, discutirem e approvarem o pa-
recer fiscal, e ainda procederem a cleieSo da nova
cvmmisso fiscal, nos termos dos aris. 21 8, e 38
dos mesmos estatutos.
Reeife, 12 de Fevereiro1 de 1887.
Gustavo Director intetino.
--------------.-----------,-------------
-, -
Atheneu Musical Fer-
nambucano *
De ordem do conseibo administrativo da socie-
dade Atheneu MusicaiiPeroambucano, convido aos
Srs. socios afim de se r'nnirem em nossa sede,
s 7 horas da noite do dia IS do corrente, para
em assembla geral elegsr se o thesoureiro visto
na ter acceitado o cargo, o que fra eleto.
0 1. secreurio,
Han'ino Pinto.
Prolongamento do Estrada de Fer-
ro de Perniinibnco
Da ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
no es rpturio do engenbeira chefe do trafego do
Prolongamento da Estrada de Ferro do Reeife ao
S Francisco em Palmares recebem-se propostas
at o dia 20 do corrente para a ezecuco de aterro
de algumas vallas e badas existentes no treebo de
S. Benedicto a Canholinho do mesmo prolonga-
mento.
No referido esenptorio encoutraro os interessa-
dos os precisos esclareeimentos.
SecreUria do Prolengamento da Estrada de Fer-
ro de Pernambuco e Estrada de Ferro do Reeife a
Caruar, 10 de Fevereiro de 1887
O secretario,
Manoel .iuveneio de Saboya.
Lotera de 4000 contos
A grande lotera de 4000 coutos, em 3 sorteios,
fica transferida iara o dia 14 de Maio viudouro,
impreterivelmeote, nos termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de boje.
Tbesouraria das Loteras para o fundo de
f>iiiaqcpac.aV< e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
Dezembro de 1886.
0 thesoureiro,
Francisco GoncalveaToires.
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
GstabelcJda em 1*&5
CAPITAL 1,000:000*
SINISTROS PAGOS
At 3ft de dezembro de 18 4
Harimos..... 3,110:0008000
errestres,.: 316:000^000
la-Hila do Commerelo
i.omou and Brasillan Ba
Limited
Ra do Cominercio a. 32
^.acca por todos os vapores sobre as ca-
b do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra ios Cap-illistas n. 75 No
Porto, ra dos Inglczea.
n
COMTRA POCO
\arlh Urilish & Mercanle
CAPITAL
t.ooo.oOo de libra sterllna
A GEN 1 ES
Ulomson llowic&C.
CONTRA FOGO
!'he Liverpool k London k Glob
mmmi compank
H.
Vmom. flp Seguros FiiiitaiB,
Je
SEGUROS
martimos contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambocana
Kuado Cornmerco n. 8
COMPANHIA O iEClJROM
NORTHERlY
de liOnrtre e tberdeen
P <>n leu O nance Ira (Dciembro 19S6)
Capital oubsciipto Fundos accumulados ReceIa annnal t Da premios contra fogo De premios sobre vidas De juros 3.000.000 3.134,34 577,330 191,000 132,000
O AGENTE, John H- Boxwell BA COHMKKIIOf.'IO V 86 1*ND4II
(Jompanhia

Imperial
ti
DE
NECt'RON contsa FO0
EST: 1803
Edificios e mercadoria*
Taxas baixas
Prompto pagamiento de prejuitOB
CAPITAL
a. 16,000:000000
Agentes
BROWNS & C.
N. jRua do CmmercioS. t
THEATRO
i
i itqi-l
Grandes bailes carna-
valescos!
Magnifica orchestra a cargo do mnito conhecido
artista PORCIUNCULA.
O botequim,
Daarte.
cargo do Sr. Bernardina S.
HORAS DO COSrUME
martimos
AGENTE
.-I
refinado ; Maia & Keseoe 2 eaisas com 218 kilos
de assacar brancu ; B. Olivera C. 10 pipas com
4,800 litros de agurdente e 3 cascos com 218
litros de alcool.
Para Marauhao, P. A- de tzevedo 59 barricas
eoin 5,025 kilos du assacar branco.
No biate nacional Adelina, carr.-gou :
Para Maco, P. de Souaa Martina 1 Oarrica com
120 kilos de assucar branco e 1 dita com 60 ditos
de dito refinado.
Miguel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESS-N.
Mesuro marlitsMoa r lerreslres
Nestes ultimo s nica coapanhia aesta praca
que concede nos Srs. segnrsdrs iii'inpciodt paga
ment de premio em oda stimo auno, sne
njuivale ao descont de cerca dt 15 por osato em
avor dos segurados.
BSBSSBS-SSBSS1 ,_ J__l
Para Santos, S. Guimaraes & C. 200 saccis
com 12,000 kilos de assucar niagaavHdo e 200 ditos
:uui 22.00d ditos de dito brm-o ; f. A de Ase-
vedo 50U saceos com 80,000 kilos de assacar mas
cavsde o 5oO ditos com 30,000 ditos de dito
braoco ; Amoriui 1 roaos & C. 500 saceos com
30,000 kilos de assucar mascavado ; Maia & Re-
zende 400 Baccus com 24,000 kilos de assucar
branco ; S. Suimares & C 10 pipas com 4,800
litros de sguardente.
No patacho sueco Nordbon, carregon :
Para Santos, F. A. de Aaevedo 1,500 soceos
com 90,000 kilos de asaacar braaco e 1,500 ditos
com 90,000 ditos de dito mascavado.
No vapor nacional Arlindo, carregaram :
Para Santos, Auioria irmaos & C. 10 pipas
uom 4,800 litros de aguitrdeiite, 450 saceos com
27,000 kilos do assacar brauco e 050 ditos com
33,000 anos de dito masevado ; P. Csrneiro & L'.
1,300 saceos com 78,000 kilos de assncxr hrtnnn e
3,150 ditos com 189,000 ditos d dito mascavado.
No paluch i naciooul Toborda, currega -
ram :
Para Santos, BalUr Irisaos & C. 1,4'X) saceos
Coin 84,0u0k'los de assucar branco a 1,500 ditos
coui 90,000 ditos le dito insscavadoo.
No vapor nacional Para, carregou :
Para o Rio de Juneiro, M. M Torrea 1 caixa
com 20 kilos oe doce.
No vapor nacional Perttamouco, carrega-
ram :
Para o Para, S. C Bellrao & Irmo 50 barricas
esa 2,057 kilos de assacar branco.
No hiate SMKSJial Iris, carregou :
Para Mossoro, J. Paes da liveira 12 barrica.
com 780 kilos do *=ucnr rebuado 10 ditas com
750 ditos de dito branco.
No vaur ainnricano Advauce, carregaram :
Para o Para, E. Barbosa- 300 barricas cum
19.607 kilos de assiu-ar branco ; V. T. Coimbra
350 volumes com 26,940 li2 kilos de assucar
branco ; P. A. d AxeveJo 200 tfjlmes com
12,025 kilos de assucar bruteo ; J- S. da Costa
Moreira 32 barricas coa 1.639 kilos de assuear
l
-Vavio t\ carca
Barca noruega Kex, America.
Baica sueca Prima, Hall.
Brigae nacional rrazeres. Ri Gra'i.ie do Sul.
Barcaca nacional Flor do Passo, Mamanguape.
Harcaca Linda Sink, Kio Grande do Norte.
Bar -a portuguesa Novo Silencio, Porto.
Bafea norueguense Oord.n, Liverpool.
Brigne nornegueuse Mira, Liverpool.
Cter nacional Geriquity, porto do norte.
Escuna allenia John, Sutos'.
Bacana allem J>ritx. Porto-Alegre.
Escuna nacional Urania, Rio Gronde do Sul.
Hiate nacionol Adelina, AJaco.
Lugar ingles Monung Star, Santos.
Lugar iuglez EUsabeth, Rio Grande do Sal.
Li^r nacional Tigre, Rio (raude do Sal.
Patacho americano J. P. Latsen, Rio Grande do
SuL
Patacho portugus Fannjf, Para.
Patacho americano Benjamn Fabens, New- Vorz -
Palhabote nacional S. Bartholomeu, Porto-Alegre.
PaUcho sueco Aimina, Rio Grande do Sal.
Patacho portugus Veritas, Lisboa e Porto.
Patacho portugus Femny, Portngal.
Vapor nacional S. Francisco, portes do sol.
Vapor ingles Paraense, Nw-Ysk.i.
\avioo tfe*estrsn
Barcaca nacional Apresentacao de Maria, genero
nacionaes.
Barcaca nacional Fiar de Tatuaminha, idem.
Barcaca nacional Semprevtva, idem.
Barcaca nacional Moema, idem.
Barcaca nacioual Vxtoria Alagoanna, idem.
Barcaca nacional Boa Nova, idem.
Brigae aastriaco Pirus, varios gneros.
Brigae allemao Bruno & Marie, varios gneros.
Escuna inglesa Percy, baealbao.
Hiate nacioual Flor do Jardim, sol.
Lugar ingles Mittnia, carvo.
Lugar norneguense Courier. farinha de mandioca.
Lugar ingles Blanche, baealbao.
Lugar ingles eretner, bacalbo.
Lugar ingles Lume R. Wilce, bacalbo.
Lugar americano Harold B. Causens, rarinba de
trigo.
Lugar ingles Nicanor, 'farinha de trigo.
Patacho ingles Tiber, bacalbo.
Patacho americano Leonora, farinba de trigo.
Vapor allemao Paranagu, varios gneros.
Vapor brasileiro Sergipe, varios gneros.
Vapor brasileiro Arlindo, varios gneros.
Oinuelro
0 vapor Arlindo trouxe do sul para :
Pereira Carneiro & C. 12:400*000
0 vapor Sergipe tambem trouxe do sul para :
Francisco Goucalves Torres 800*000
Renda piuvincial
Ue 1 a 15
dem e 16
78.533^744
5:895*520
84:429*264
lo'.al
Recebedorii.
Pe ;1 a 15
idem r>e 16
18:3821550
1:670*728
l>e 1
dem
a 16
,. 16
Consulado Provincial
(-OMP.tXHlK DE t1K>9At.e
RIE9I HAItlTIHEN
LINHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sal at o dia 21 do corrente,
seguinde, depois da demora
do costume, para Bordeaux,
tocando em
Dakar, Lisboa e Vigo
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as classes que ba lugares reservados psra esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo,
Faz-se aba timen to de 15 % em favor das fa-
milias compoeta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garem 4 passagens inteiras. .
Por excepcSo os criados de familias que toma-
rem bilbetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes s se das at e dia 19 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinbeiro
a trete: tracta-se com o
AGENTE
agoste Laiille
9-RUADO COMMERCIO-9
l;-:-.;

32:101*960
2:573341
-
1^ 1
Idea
s 15
< 16
Reeife Drmimge
26*020
20*600
3*600
2*400
3*200
Mercado Municipal Oe Jos
O movimento deste Mercado no dia 16 do cor-
rente foi o segointe :
Entraram :
311/2 boia pesando 4,948 kilos, sendo 16 e 12/ di-
tos de 1* qualidade, 8 ditos de 2* dita
e 10 ditos particulares
1301 kilos de pene a 20 ris
103 cargas de farinha a 200 ris
12 ditas de fructas diversas a 300 rs.
12 taboleiroa a 200 ris
16 Sainos a 300 ris
Foram oceupadoa : <-
241/2 columnas a 600 ris
22 compartimentos do farinha a
500 ris.
21 ditos de comida a 500 ris
79 ditos de legamos a 400 reas
18 ditos de saino a 700 ris
10 ditos de tressuras a 600 ris
10 talaos a 2*
6 ditos a 1*
A Oliveira Castro & C.:
54 talaos a 1* ris
2 talhos a 500 ris
Deve ter sido arrecadada neste dia
a auaotia de
Pernambucodo aul hoje.
Senegaldo sul a 21.
Supervisorde Liverpool a 22.
Ville de MaranbSodo sol a 22.
Ville de Geardo Havre a 2.
Espirito Santodo norte a 28.
Taguada Europa u 24.
Marinerde Liverpool a 24.
Fin aneede New- Port- News a 27.
Cearde sul a 27.
avos
Alesandrsdo Rio de Jaueirc.
Amode New-Port.
Amandade Hamburgo.
Apotheker Dirsende Santos.
i 7* ni ticade Cardiff.
34:675*301 Bodade Cardiff.
Bella Rosade Terra Nova.
i. /ww. a* Cometade Porto Alegre.
16:0264125 Cysnedo Rio Grande do Sul.
a2*91 Christisni Bcriycrde Cardiff.
Diadado Rio Grande do Sul.
18:319*0i Enjettado Rio Grande do Sal.
Erutede Hamburgo.
Edward Johbsondo Rio de Janeiro.
Guadianade Lisboa.
Hapnusdo Rio Grande do Sul.
Hersiliada Baha.
Idealde Londres.
Jelsntbede Santos.
J. G. Ficbtdo Rio de Jsneiro.
Lidadorde Rio de Janeiro.
Maia Ido Rio de Janeiro.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio Grande do Sul.
Meta Sophisde Hamburgo.
Noatunde Liverpool.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Nellyde Terra Nova.
Our Aoniede Buenoe-Ayres.
Progressode New-Port.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sul.
Rolanddo Rio de Janeiro.
Sperauzade CardifL
Sant Josephde Terra Nova.
Vareo da Gamado Rio de Jsneiro.
Withelminede Hamburgo.
I*:-?

*
14*700
11*000
10*500
31*600
12*600
6*U00
20*000
6*000
54*000
1*010
Rendimento de 1 a 14 de Fevereiro
Poi arrecadado liquido at hoje
Precos do dia :
Carne verde 30 a480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Cuino, de 500 a 640 re idem.
parinha de 160 a 240 -is a cuia.
Milha de 280 a 320 ris idm.
Peiiao de 560 a 1*000 idem.
23*220
2:882*940
3:106*160
Itendinientos pobllco
MBS DB FBVBSBIBO
Alfandega
Renda reral
U 1 a 16
Mein de 16
417:266*720
28:034*066
445:300*786
atadooro Publico
batidas ot Matadoaro da Cabanga 80
o consumo do dia 16 de Fevereiro.
Sendo : 57 roses pertencentes a Oliveira Castro,
& C, e 23 a diversos.
Porau.
rezes para
No mesmo estabelecimeoto foram tambem
abatidas para o consumo do dia 17 do corrente 90
reses.
Sendo : 64 pertencentes a Oliveira Castro & C,
e 26 diversos.
Vaporea e navio* esperados
Psrsnagude Hamburgo hoje.
Legislstorde Liverpool hoje.
tlovmrolo do porto
Navios entrados no dia 16 de Feeereiro
Rio Grande o Sol43 dias lagar nurueguense
Cmtrier, de 96 toneladas, capitn C. Sand, equi-
pagem 5, carga farinha de mandioca; ordem.
Cardiff37 dias, lijar ingles Minnia, de 423 to-
neladas, capitao Tellcl Olsen, equipagem 9, car-
ga carvo de pedra; ordem.
Macso6 dias, hiate nacional flor do Jardim, ds
76 toneladas, mestre Joaqnim Jos^dos Santos,
equipagem 5, carga sal ; a viuva Lsges.
Terra-Nova-27 dias, lagar ingle" Blanda, le
195 toneladas, capitao Robert JPolfery, equipa-
gem 8, carga bacalbo; a Saundera Brothers
& C.
Navios sonidos no mesmo dia
jjew.YorkVapor amerieaso Advauce, comman-
dante Jas Lord, carga vaios gneros.
Rio de Janeiro e eseala-f Vapor nacionsl Para,
commandante Carlos Ganaos, carga varios gene-
ros. ...
PelotasPatacho hallaiides'Broedcrorotw,capitao
B. d. Kiappen, carga assiicar. r____
Porto e LisboaBrigue portugus S. Lowrtnfp,
capitao Manoel Jos as) Moraes, carga vanos
gneros.
- :


:

<

-t
*

>'

\
mi:
i
i

M
r;
I
V
J
Diario de Pernambuco---^unta-Ieira i 7 de Feverciro de 1887
o
Bio He Jaaertr, Santos e Rio Gren-
to So Sil
O vapor Arlindo
Eate vapor satu-
ra para o* portos
cima indicados,
no dia 18 da cor-
rente a 4 horas
BOYAL HAIL STEAH PAMET
C01PANY
O paquete Tagns
da tarde.
Recebe carg, en~cmraeds
tratar com
|;naagciro, a
PEREIRA. CARNEIRO &> C.
N. 6 RA DO COMMERCIO N. 6
RA DO COMMERCIO
1. andar
Para L7erpool
Harrisnn Line of Steamer
O vapor Mariner
Eapera-se de Liverpool at
o dia 24 do corrente voltar
para o meamo porto depois da
demora do costme.
E' esperado daEuropa no dia
23 do corrente, seguinds
depois da demora necessa
ra para
Baha, Rio
video c
de Janeiro Monte
Buenos Ayres
r'ara pasaagens, fretes, etc., tracta-se tu os
CONSIGNATARIOS
AdausonHowie &C.
COI
Para fr^te trsta-se com o
AGENTE

S. L. JONHSTON
RA DO COMMERCIO H. 15
Conpast i:a llra. ^.:eoa Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante o capito de f ragata Ped/i o
Hyppolit Duarte
' esperado dos portos do sul
at o dia 17 ds Fevereiro, e
seguir depois da demora in-
"iX^" diapeusavel, para os portot
do norte at Manos.
DK
\avesaco costefra por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Pcnedo, Aracaju' e Bahia
0 vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 18 de
Fevereiro, s 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o
dia 17.
Encatnmendas, passagcns dinbeiros fete at
4s 3 horas' da tarde do dia-18.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia PerrJimbucana
n. 12
luga-se o ao arado n. 21 i roa da Uniio,
tem agoa e gas e grandes accomir.odacoes para
familia ; a cntender-se na ra da Impcratrir nu-
mero 19.
= Quem quizi-r dar a quautia de 300*000 para
alforria de urna caorava, qae cosinha, lava e en-
gomma com toda prrfeico roupa de bomoin e se-
abora, que tem urna biha ingenua de 13 xnnos.
que fat todo o srrvicoc anda com crinlas, diri-
ja-se informhi.iVs, na ru do Mrquez do Hcr-
val n. 23, toja. A t m-rava ronlrat* se servir a
quem lhoemprestar t'sse diaheiro o trtnpo de dous
annos : quem quizer appareca logo.
Perdeu-se h cautella de n. 16,u30 do Monte
de 6occorro da provincia de Pernambuco ; pede-s;
a quem achal- que entregue no hotel Pitla," roa
da Madre de Dos.
Caixeiro
Preciee-se de un caixeiro con priica d.i too-
Ihadcs, que d8 fia.ieu de sUa cnduetu, de 14 a lo
annos ; na rua F.nmsa n. 31.
Precisa se oe utn caixeiro que tenha prat ca
de padana ; na ra da Imperatriz n. 41.
ln;omma e coin aseeio e promptidS'i:
rna do Imoerador n. 55, 3." andar.
Precisa se de nma ama de conducta afianzada
para casa d- uuj h.in.eui solteiro ; na ra da Con-
cordia n. 165, taveina.
nqninha.s
Pelo dainnto pre^o "o 15500, par* ..nljoras e
meninas.
Completo EOrtimento de iazer.d.is e rounss fei-
tac, !>--i- precos baratissimo : ni', ru i I>i>que d-
Casias n 8j
_________M I M p Q NCA & C.
Vinho de Mounsea
E*s importante vinho de que nico
importador Jo2o Fenvira lia Costa;
a puro de uva escoltada captiebo, pro
I prio p*f pe**, p|-> n-u !rre;-'cir>i.-..T.> fin
Obtido i uieihoi- Cv.l...;0 Dos 1 lagar-1* uaM
onde ten sido exportado : h:Iim-s.- "ven-
da a pntallio ciu casa dis Srs. Pocos,
Mendes i& C.
proprietaris do muito
conhecido estabelecimento denominad"
Ama
Para cargt;, passageo. -uiounoeucU* valores
traer-se oa h^'dc
PRACA DO CORPO SANTO N. 9
COMHAKHIA l'Ell>tlliHa\4
DE
Navegaco Costeira or Vapor
PORTO DO NORTE
Parahyba, Natal, Macau, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 19 d,-
Fevereiro, as 5 horae
-da tarde. Keceb*
carga at o dia 18.
ncommendas passagens c dinbeiros afrete at
s 3 horas da taide do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
Cae* da (J&mpanhit* Pamambwsmn
n. 12
lEiLOf.
Preeisa-se de urna ama paia cosinhar: na ra
Duque de Caxias n. 74.
Ama
Leilo
l'iu eontiuoaeo;
De biramM novas, resmas de papel de cores,
quartolai com vinho Bordeaux. garrafas com dito,
caixas co-ii cerveja nllema e muiros outros artigos
proprios para o carn val.
EM SEGUIDA
Sero vendidos movis, miudezas u pe fuma-
rias.
HOJE,A'S 11 HORAS
No arrnazeii da ra Mrquez de Olinlu
o. 19
KOR INTERVESQO DO AGENTE
Gusmao
Leilo
urna importante colleccSo de quadros
oleographias
De
No 1- andar do sobrado n. 24 da ra do Livra-
mento, onde ha um grandn leilo de bons movis.
Pelo agente Martina
Leilo
uavega-
( umpauhia Uahlaua de
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, tened o, Aracaju,
Estancia e Bahia
0 vapor Sergipe
Ccmmandante Pedro Vigna
riegue iinpreterivel -
mente para os portos
acuna no dia 18 do Fe-
vereiro, a 4 horas da
tarde. Receba carga
nicamente at ol
diado dia 13.
Para carga, passagens, encommendas e dinbei-
ro a trete, trata-ae na
AGENCIA
7tina do Vigario7
Domingos Alves Malhens
Lntied States Maii Brasil S. 8- .
0 paquete Finalice
spera-se de New-Pnrt
News, at o dia 27 de Fe-
vereiro o qual seguir* depon
da demora necessaria para
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, paaaageus, eucouuueudas e diuher*
a freto. tracra-se com os
AGENTES
Hcnry Forster i C.
De 92 saceos com assucar, sendo 48 com
assu.-ar purgado e 44 com rtame
QUINTA-FEIRA 17 DO CORRENTE
A't 9 12 horas
\a porta da Associacao Agr-
cola
O agente Gusmo, autorisado por mandado do
Exm. Sr Dr. ju's de direito do cominercin, e a re-
querimeuto de Tavares de Mello, Genro & C, far
leilo com assieteucia do mesiio juiz, de 92 saceos
com assucar, oertcncentes ao seu devedsr arres-
tado Francisco do Reg Barros Goiabeira.
Precisa-se de uma
para o servico domes-
tico de uma casa de
pouca familia; na ra
do Cotovello n. 46.
Para cosinhar
Precisa-se de uma
ama para cosinhar,
mas que rosinhr bem;
no 3. andar do predio
n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da y-
pographia do Diario.
Compras por atacado
O iViomi de Cambar
tem precos especines para acuelles Me couiii-a-
rem grandes porgues. Distnbaem a......i:iiii
quem os pedir, contundo as eondicoes de veouas :
na rna do Mrquez de Olinda n. 23, drogara dos
aicos : gentes e depositarios geraea
Francisco M. da Silva C.
l\ovos Barateiros
Grande liquida^au de fazendas
Reduccdo absoluta de preeo
Alpacas de etns lisas de pit'vt u 600 ip. por
280 o dito.
Ditas alcocboadi.s de 800 rt. per 44.'.
EtJiiniaes de i tecido ren3ado de 1/800 o co-
vado por 600.
Ditas d algodode moito bom gaua 500ra
o dito.
por 360 o
, MUSEU DE MAS
sito a rua do Cabug n. 4, communicam ao respeitavel PUBLICO que receberam m
grande sortimenlo de joins das maia modernas e dos mais apurados gostos, como taat
i>ero relogios de todas as qualidadea. Avisam tarabem que octinuam a receber po-
todos os vapores vinds da Europa, objectos novos e venden' muito menos que e
outra qualquer parte.
MIGDELWOLPP&C. J
N. 4RA DO CABUG-
Compra-se ouro e prata velha.
DE
/.^. nal t pieco
de preco
Leilo
N 8- RA
DO COMMERCIO -8
!. andat
CilARElRS RELMS
Companhia Pranceza de >areea
cao a Vapor
Linha quitizenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santoa
0 fajor Yule no BmudmO
Commandante Braut
Espera-se des nortos do
sul at o dia 21 de Fevereiro
1 se guindo depois da indis-
I pensavel demora para o Ha-
vre.
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece exceentes commodos e ptimo paasa-
As p-.iscagens poderlo ser tomadas de antemau.
Recebe carga encommendas e parsageiros para
os quaei tem exce I lentes accommodacoes.
0 vapor ViUe de Cear
Commandante Simn t
E' esperado da Europa
at o dia22 de Fevereiro, se-
gurado depois da indispen
savel demora pan a Ba-
fila. Klo lie Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga p.4ot
vapores desta linha,quciram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng.. m'
quer mclamacao concernente a volumea, quo po-
ventns a tenham seguido para os portos do sul,afin>
de se podercm dar a tempo as previdencias neces-
sa ras.
Expirado o referido praso a companhia aso se
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
frete: trata-se com o
Augusto Labilie
9 RA DO COMMERCIO. 9
"lio tanto TflirtAj
Segu com brevidade para os portos cima o
logar nacional Tigie, por ter pirte de sua carga
engajada, e par o rcstojqne falta, trata -se com
Baltar Oliveira t C-.raa do Vigario n. 1, pri-
neiro andar.
Para o Para
Patacho porlagiez Fiu;"
Seguir eom brevidade. Recebe carga frete.
A' tratar com Amoros Irmio* a C.
De bons movis, 1 piano, quadro', sanefas
.jarros e vidros
Sendo uma solida mobilia de Jacaranda (mede-
Ibo) a Luis XV e encost de paihinba, com 12
cadeiras da gaaruigo, 2 ditas de bracos, 1 sof e
2 consolos com pedra, 1 piano de armario, 3 sane-
ras com cordoes e borlas, 2 pares de jarros, can -
dieiros de gaz, 1 rico quadro grande eom moldura
dourada, 1 sof de amarello, 2 consilos de dito a
Luit XV, 2 cadeiras de bracos, 12 cadeiras de
junco com assento de madeira, 1 cama francesa, 2
marqnesoes, 1 cabide de columnas e 1 cadeira
secreta.
Uma mesa elstica de amarello, 2 aparadores
de columnas, 12 eodeiras de junco, 1 marquesa, 1
berco de faia, 2 mesas redondas de amarello, 1
qusrtinheira de amarello, 1 banquinha de ama-
rello, 3 mesas de louro para cosinha, 1 tazo, i
flandre para farinha. 1 grande bacia de folha
para banho, diversas loucas e outrss moitos mo-
vis.
4|uinta felra, 1? do corrente
A's 11 horas
No 1- andar do sobrado n. 24 da ra do
Livrumeuto
O agente Martina far leiUu por cunta de uma
familia que se retiran para fora da cidade, dos
movis e mais objectos existentes no referido so
brado.
Ao correr do aaartello
Agente Burlamaqui
Para casa de familia
Desteja e contratar iimn menina
ilelInIS annon. Iruliulliu eira e
de boa* roatume* para o siervlco
Interno de urna casa de daas pesi-
soas, dando-se roapa. -omita, dor-
mida e ordenado, poreua uui- no
(enha nervido ai-mu era casa ates-
ima, raia-se ti 11 da nianin 6. 4
da tarde, a ra do Imperador n. 46.
1 andar.
7:000$000

Quem quuer emprestara quantia cima a juros
commodos, sobre hypothecas em predio u'esla ci-
dade, deixe no eseriptorio da redaeco desta folha,
em carta feiehada com as iniciaes J. B. C-, seu no-
me e meradia, para ser procurado.
2S$000
Alnga-re o 2 andar do sobrado n. 12U ra
de Maicillo Das, teado mais sotao com cosinha e
outros arianjos, a tratar na Camoda do Carmo
n. 2. venda.
Ao commercio
De boas dividas ua importancia de......
4:947jl20, do espolio do finado Manoel
de Araujo GuimarSes : a relacid dos de-
vedores acha-so em poder do- mesmo
agente para os Srs. pretendeutes virem
examinar
Sabbado 19 do corrente
a'* ti horas
No arassem da raa do Imperador
n. *t
O agente cima, por mandado e aasistencia do
Illm. Sr. Dr. juiz de direito da provedoria de ca-
pelina e residuos, a requerimento de inventaran-
te, Ie9ar a leilie aa dividas na importancia de
4:947 120, pertencentcs ao espolio do finado ida-
noel de Araujo Gnimnrcs. Os Srs. pretendeutes
desde j poderao vir examinar o mandado que se
aeba em poder do mesmo agente.
Leilao
Do hotel denominado Internacional sito
ra do Duque -. Caxias n. 28
Sabbado, 19 do corrente
A's 11 horas
NO MESMO HOTEL
^0 sgnte Modesto Baptista por mandado e com
assisteiiciu do Exm. Sr. Dr jais do commercio
ar leilao do hotel cima declarado, arrestado a
Matbiaa & C, a requerimento de Goucalves t C.
AVISOS DIVERSOS
Alnga-se casas a 80000 no becco dos Coc-
ios, junto de S. (ion?alio : a tratar na ra ds
Imperatrix n. 56.
Precisa-se de urna boa cosinheira para cass
de pouca familia ; na ra do Imperador u. 50, 1*
andar.
Alnga-se e sobrado da ra do Imperador
n. 3. com commodos rara familia, caiado e pinta-
do, e por preco rasoavel; no Caes do Apollo n.
45^___________________________________________
Al'u^a se o 2' andar do sobrado n. I, rua
do Viscoriue de Pelotas, ojti'oia Ar^gio X tratar
na ru da Ufan de Di'US n. 22.
Anenda-su o sirio das Jaqueira-j, com gran,
de casa de vi venda e mais tas pequeas, na mes-
mo Correr, servindo perteitamente pensao o
hotel ; a trs.tar no mesmo sitio.
A luga te o 2- e 8" andar, juntos ou repara-
dos, da casa da rus larga do Rosario n. 37, es
quina afronte da igreja ; a tratar DO pavimento
terreo, loja de eabelleireiro.
O abaixo assignado participa ao corno do com-
mercio que dissolven amigsvelmente a sociedade
que tiuba dado ao Sr. Felippa Neves Quimaraes,
na cara de secos e rnolhados, roa de Paulino
Cmara ; ficando lodo o activa e paSsivo a cargo
do abaixo assignado, retirndose o mesmo 5r.
Quimaraes pago de seu capital e lacros continuan-
do a mesma firma at boje adoptado.
Recife, 16 ds Fevereiro de 1887.
. Jos Miguel Barbosa Ramos.
Creps de cores do preco de 800
dito.
C'iiteliiH' Uh curan oc.k di-
de 800 ra. or 3(50 n li'o
Ham^irs de <.!' "i-i l a4o>k(tN<<-i
de 14201 b nvro p r 44'.) .> i-..v.ii"
.Sttiiii-t de ,,,,e ni.-..- i. i'.. -.-, 320, 400 e
440 o civaiiv.
Zephir Baptistas uu coieo .. I 1 i, |l>0 e 2MI dito.
Brilhantinas do ''"es u j-n.v '-e 7i 0 o covvdo
por 320 o di-o.
Merino p-r>-- i-oin auas larguras S00 rs. o eo-
vado.
AloalliH.!.. J. i i,h Uv i.. -.. 300 o metro.
Dito "I* i-i i fv ij,i..i na r. i i 0 o eOVa.lv.
Dito da c.i de Iis'r.s .. 120 | Brins de errr para adv 2U0 .i evado.
| Dito pardo l".> a 3'J'i .1110.
Esguio prelo uc li .ii ,. i-, v.'SManos daciiau-
' cas a 400 a nja-i-.i.
Cambraia braixa bi.d.di a JUII a peca.
Toalb.io f<.lpula< |.-:- nwl'i rio. pi-.-^.i Je l& por
\bi a duzia.
Dit.ta meiinreo a 30 > < dnin.
Ditaa granel-t ,i..ra b.tnlin 1^500 u.na.
Colchos jara eama a 5 mu.
Cortes de cawioira m voris |>aia calcas a 3
um. .
Guarda p de linliu para seubura a 10 u;n.
Ditos dedil, para bjuteiu a 5, G e 8000
um.
Bramante 0e algoda lieo com i larguras a
o metro.
Dito lie dito rraiicndo a 1 lOJ
Brnii Inuucu (i- liiibu quaiiatle rUperior ao U.
t a 2*40 >.. vra.
Caseuiiraa era tara aiuur. s Je pre^o do
'i o euVatto p,r I i) ibl >.
Cvsluii.i.s ao bMilMM de ii. .i |rj sruticra a 10*
um.
Ditos 1c ditos p-.ro h' ni n.i a b.
Ditos para mriiHios a bf
Sapaloa ue baiilios para liomeiis e senhoras de
diferentes p ecos.
Magnificas mallas aiuericniat uara viagem de
154, 20, c >:>& urna.
'^?accas do Ion nara icupa tuja de d'ti'.r lite
tanianlioi- |>.-r huraro prevo.
Coicli* uraov'k .ic u g j.iiio a 1 j90<) uuib, airu-
vritem !
C:npleto ?ortiriM uto *V lnd.w i-irli'a d- -an-
miras par calvas, casenuin ile om para r.stu-
tnes, panno, briiia de #** e muiti-a nitros arri-
gus i|Ui* S'ia.i n mili Hito* u presi-n^H n'q.-it s uue
nos homar i-uiu suh< visitas, ua andga e a. r. uita
da loja de taueiiOaa de
WOLFF &
N.4BIJA' DO CABIA'-N.I
c.
Caixeiro
Precisa-se de um menino com alguma pratica
de taverna para o Arraial ; a tratar na rua larga
do Rosario n. 14.
Cofrc pnira ils fi
(arito da Vii
barato, sao
0 profi'ssor
a rna do Baro da Victoria n. 4S, ha tres
para se vender barato, sito novos sin folha.
Jos Julio de Sonsa Martina ofirece-ae pars, de
7 horas da tarde em diante, ensinar em casas par-
ticulares e em ana residencia, rua Viscoude de
Goyanna n. 119 as seguint^s materias : portu-
gus, francs, arithmetica, geometra, geogrsphiu
e primeiras lauras. Aprsenla como garanta a
sua pratica no ensino destas materias no primei-
ro.collegio desta capital.
Venderse
um eotabelecimento de mulhados, b.m localisado
proprio para principiante por dispor de pou3s
fundes : a tratar na rna Duque de Caxias n. co,
padariar/
Borracha
especial : ua roa estr.ira do Rosario n. 24.
Ao publico eao corpo do
commercio
O abaixo assignado, tendo de retirar-se para
Europ* e jnlgando cada dever nesta praca e asui
tora ella, avisa ao publico e juntamente ao corp
do c-niinereii". que se algusm se julgar credor do
mesmo, aprsente suaa contas no praeo do tres
dias, que Ihe erao pagas v rua Imperial nume-
ro 277. Reeife, 17 de Fev.i^iio de 1887.
Eduardo Jos de Mello.
Grande novidade
A rebotes elctricos
Para oe festejos da3 noites do carnaval
Vende-se 6 roa do Bario da Victoria n. 61
Loja de ferragens do Souza
*JlL%
Candida Fonseca aseveds
Antonio da Silva Ase vedo e seos filbos convi-
dara os parantes e amigos para ossistirem aa mis
sas que niaodam tesar na igreja do convento do
Carmo por alma de sua presada esposa e mai,
Candida Fonasea Aaeveio, s 8 horas da manh
do dia 19 do corrente mes, stimo do san pasta-)
manto.
Amaral & C.
Rua 1- de Margo n. 20 junto do Louvre
BBfflBOJS UUB CBI-l
Scm dicta esem modifi-
ca0cs de costumes
Laboratoriu
central, nm do Virond-
Rio-Branco n. i 4
Esquina da rua do Reqeiite -. Rio de
Janeiro
r
EspcdOcAS fircfiirados wfo pilar
^ace.uiiC) E^eiiH Marques
de oanda
1r iiygieut dn Ct'irte.
ir i i dP iiviiifria d
Approviiiiua pelas jyum
ti-pil'i'ti -i- "-:r f
Paria.
(elixir d" imliiribina
Ke-^fH-lea; os 9yfpnpttetjs."'faeiKta as diges-
i-S ( I'romovn ;,h eji-cve itil&i-iea
V:i:i,.) .* artauas teiru^innsue quinado
l'ia > e!i..rn k-iroiici-s. oi-uella a h) poeinit
uitertr'-|iie'ii r. CntHitUe hydropicos e benbe-
ricns.
Xwop-- fli.- ii" aru*H.4 e luUua^lMt
Mi/itu re. iii:iniid:'.-fo na broii.-liite, na hemop
iyse e na ros-* 4fp*kfH4t .hrnJeus.
()|Po A, -- ',! (',.,-nijiiii i>" r-asems d
'/.lijan Hiiii.iai -
K' .....i" n-|i..iml'H i-> traqttesa d< \*K
uinii i. !.. fr#H
PiUliu Mri.> i ;^S, >i -jii-.i l^-S !! "
Ji^nrili.i, 'uill^ < jalii>r.:''-''v
Cura. i:-.di.-.iiirit'nt^ s febr- lernrHli llh'i-. re
mitteatea o ^erttk-iosas,
VdIiu .' .:.!'...-ii SiiU.
riit^n n
Etr.eai.-i. i.!. ii.t:aii.ii-..i^ia-*
ac-udas .1(1 i -lo- '.'i t.
Viph' r :-"" di- yri>il>
Ayji'ir' -.......-' -OCMIV
,t.< i ii.f-tejfi..
!.-..^ e ta.iil>ni i*
einbo '!?-. | i'l
J. licaib -. i
ra e |lln
- .!> uartu: i- "t-i
Francisco Hnnoei RUA MRQUEZ DE ULINIM
3
SUSPENSORIO SfllLLERET
QatUcs, m lindera! *balxo tas cuas.
Para esia-' a falsiflcacdel,
Eifi-o^rmo do'iriunwr, lampada
em toda suspensorio.
FHDAS DE TODOS OS SISTEMAS
MCIAS PARA V-RIZES
th.wct.LEGCTDEC. tBwettnr.rar, 49,r. J.-J. 1 M*as
REGISTRADO
HISTORIA
VCTOR HUGO
iVeste iiiuitu < onlit t-iilo estabelecimen-
to eni-onlriTii o respeitavel o mais
variada e eouepleto stortimento de JOIA
recersidasi seiupre din vt ament dosi melho-
res) f<*brieante da Kuropa, e qu primam
pelo epit< i lo fart do mundo elefante.
Rices adereciia completos, linda pulsei-
ras, llinetes, valtas de uro eravejadaa cou
brilhantes, ou perolas. anneis, cacoleta*-,
baldes e eutros niuitos rticos prop-ios
des te sciiero.
ESPECIALDADE
Bm rel*a;A para lioaras-o. Nenhoras e nteoinss dos niai.
acre rica.
Parta todos s artigos desta casa 5 rati-
te-se a boa qualidade, asisim como a inodiei-
dade nos preces t|< san sem eompet-ncia.
Ii'estii casa tambem concerta-se qual-
quer obra de ouro ou prata e tambem r ?>-
gios de qualquer qualidade que seja.
4Rua do iabug4
1. -
N
i-
-
a
ALLAN PATEUSON
N.44~Bu 1 do Brnm--l. 44
JUNTO K^ fA(JA0 DOS B0NDS
Tem para vendot-, por prei_ mdicos, as saguintes ferragena :
Tachas tundirlas. '. -(irlas e caldeadas.
CrivajSes liv.;-1ui.N{Amanho8.
Rodas de espor*. m.-.in, idem.
Ditas angulares, ideiu, idera. 1
Bancos de ferro com serra circular.
GrradeameBto para iordim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito tundirlo, de lindos modeln*
Portasd fornalha.
Vapores de forfa de 3, 4, 5, t e 8 oav^oa
Moendas de 10 a 40 pollegadas de pauadurai
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-8e do eoncertos, e assentamento d rgachinismn
traballio uota perieiyu e ur^stea.


. V
r.aiii
V
CstBiv^^nr
JOSEPH RRAUSE ft C.
Acabatn de augmentar o seo ja bem conhecid
mportante eslabeleeimentu rua Io
de marfil n. 6 eom mais
od! salo no \ andar Inxuosamente prepa-
rado e prvido de nma exposi-
fh de %hm de prata do Porto eei^ira-plil*
dos mais afamados abeaiiids do
mundo inteiro.
nonvida. pois. as Exmas. familias, seos nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren,
o sen cslabeieciiuento, aim de
apreciaren, a grandeza bom gosto com qne
nao obstante a grande
desmol, a adornaran., em honra
"* desta provincia.
* AGfl-SE ABERTO DAS 1 A'S BA ME
CAPSULAS
f ATHEY- C AYLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Hontyon
> .
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigo nunca
o estomago e sao recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hospitaes de Pars, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Condimentos amigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
da Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgos gento urinarios.
uv, Um txpliosfio diulhidi seompssks esd Fraseo.
Exigir M Verdaderas Capsulas Mathey Caylus de CLIN Jb C, dt PARS,
_^ que m odios sin coso dos Drflyais|oa.4 Phormoceuticos. -.

tf
LA
m




ernttiiifottco-MJi
CUIDADO COM
AS FALSIHCACOES!
O LENCO O TOOCADO
E O BANHO.
Aluga-se barato
rua do* Guararapes n. 96.
Ras Visconde de Itaparica o. 43, armazem.
Ras Corredor do Bispo d. 18.
Becco Campello n. 1, Io andar.
Largs do Mercado n. 17, loja com gas.
Largo do Corpo Santo o. 13, 2* andar.
[Yata-se na ra do Cowmercio-n. 6, 1* andar
senatorio de Silva Guimares fc C. ^
Aluga-se
o 2* andar do sobrado n. 35 4 travesea de S. Jos ;
ole terreo do de n. 27 roa Vidal de Negrei-
ro ; o 1- do de n. 25 4 ra velba de Santa Rita ;
o 1- do de n. 34 roa estreir do Rosario ; todos
Umps : a tratar na roa do Hospicio n. 33.
Aluga-se barato
Una casa com sala, dons quartos, cacimba, fb-
gio e apparelho, na roa do Diq1 e n 2, outr'ora
ra das Carrocas ; a tratar na roa de Santa The-
reza 38.__________________________________________
Pinho de Riga
M^SHUES AUSTIS & C, receberam ultims-
ment um completo sortimento desta madeira,
como sejam : pranchoes e tabeas para sssoalbo,
da neelbor qualidade e de diversas dimensSes, e
que veadem por preces comcaodoe, e redolidos,
conforme os lates ; no armazem do caes do Apollo
n. 51, ou 4 ra do Comino:ci n. 18, 1' andar,
Ama
Na roa da UniSo n. 13, precisa-se de urna ama
para cosinhar. ______________^_^^__
Ama
Precisase de urna ama de boa conducta, para
cosinhar, engomraar e mais servicoe de casa de
pequea familia ; na ra da Matrit da Boa-Vista
numero 3.
Ama
Preeisa-se de urna ama para o servico domestico
de urna casa de familia ; na ra do Cotovello nu-
mero 46.
AMA
Precisa-se de urna amapara
la vita*, entornillar e faze rmai
algn aerviea de casa de fa-
milia ; a*
e eazi-
nkar : na ra do Riachuelo 11
13. lieve dormir em easa.___
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinha ; na rus do
Dr. Joaquim Haboco n. 3._______________________
Ama
Preeisa-se de urna boa cosinbeira, para casa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Companhia
n. 2. Pretere-se escrava e deve dormir em casa.
AMAS
Precisa-se de urna ama para cosmnar e outra
para cuidar de duas enancas ; na ra da Aurora
a, 81, Io andar.____________________________
Ama
Precisa se de urna para casa de familia, 4 ra
do Cabug n. 3, 3* andar.
Ama
Precisa-se de urna ama que cosate e engoma e ;
na ra do Rangel n. 44, 2- andar._________________
Ama
Precisa-se de ums ama para engommar : na ra
da Soledadp n. 58.__________________________
Amas
- J Precisa-se de ama ama para cosinhar e outra
T para lavar ; na ra do Sebo n. 26.
Ama
Precisa se de urna mi de meia idade : na roa
a Aurora n. 137.
Ama
" para eugommar e lavar ; precisa se na ra do
Mrquez do Herval n. 107, entrada pelo oitlo.
Ama
Tricofero de Barry
Garaate-se que faz nas-
cer eereseer o cibollo anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remore
todas as impurezas do cas-
co da oebsca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir onde embraaqao-
eer, e infallivelmenta o
torna espssso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a frmala
original usada pelo inventor em
1829. E* o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao oficia} de
um Govemo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquer outra
ditraodobrodotempo. E'muito
ciis rica, suave deliciosa. E'
cuito mais fina e delicada. E'
snais permanente e agradavel no
lenco. E' Tuas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. Cura as
dores de oabeca, os cansacos e os
desmaioa.
Xaroje Je Vila ie Benter No. I
jjrns di usAir-o. orrois de usxi^-a.
Cura positiva e radical de todas as formas de
lecrofnlas, Syphiiis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e> de todas as do-
eneas do San guizgado, e Bina. Oarante-se
que parifica, enriquece e vitalisa o Sangos
e restaura e renova o systema inteiro. a> *
SabaoCnratiYOdeReuter
Para o Banho. Toilette, Crian
Sts e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
a era todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
'satinas cariiosas
Maria do Livramento, velba octagenaria e pam-
prrima, pede as almas cariciosas que Ibe inaude
urna esmola pelo amor de Dcus. Mora no boceo
de Bernardo n. 51. E* urna obra da earidade.
Professora
Urna senbora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar em callegios e casas particula-
res, as seguintes materias : portugus, francs,
msica e piano ; a tratar na ra do Mrquez da
Herval n. 10.
300:000$
Lotera de Alagas
E \ t rcelo Te rea- f el ra
de Fevercfro
Intransferivel
Bi'hetes veniia na casa feliz, Praga
da I pendencia na. 37 e 39._____________
Cminheira
Precisa-se de urna que dese-npenbe o lugar e
darme em casa ; 4 ra Duque de Cazias n. 43
porcima di da fypogmphia. __________________
Preeisa-se de urna ama para engommar e ensa-
boar ; a tratar na roa das Cruzes n. 18, primeiro
andar. Deve dormir em casa e prefere-se escrava.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; a tratar
na ra das Cruzas n. 18, 2- andar. Deve dormir
em casa e prefere-so escrava.
1
I
4ma para cosinha
[ Ni ra do Riachuelo n 17, se
. precisa de Ama cosinbeira, forra
) ob escrava. ________
S na ra de Hortas
tem borracha do Par, vinda este aono directa-
meate, e vende* mais barato que em outra
qnalquer Parte ; a ra de Hortat. n. 1._______
% iaiT'aaa^ia la
11U f ULUUff
Dtnilns;o ** de Sonsa Lee
uDas 0 horas da msnhi s 4 da tarde, roa
?Imperador n. l.->. oar.____________i_^^
l, ~ Sitio
HuflHs srfio com cas, e outra boa easa,
M* do-Giqui ; a tratar na ra do lu-
cen. 50, tBteei
Precisa-se de ama boa engonnnadpirH e que
eosaboe tambero, para casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companhia o. 2. Prefere-se
escrava e deve dormir em casa.
Sitio no folttairein
Arrnnda-se annualmente um hom sitio com bas-
tantes commodoe para grande familia, boa agua,
com arvores fructferas e jardim, c com sabida
para o rio, per preca multo fttsoavrl ; a tratar na
ruado Livramento n' 24.
LOTERA
PAEA
EDCACAO DOS INGENUOS
LO.A.


COLONIA ISABEL
AOS 240:000$000
40:0008000 '
20:0008000
10:0008000
5:0008000
Esta lotera, cuja 14.a Serie da 24.a parte, ser extrahida
na Quinta-feira, 17 de Feveroiro, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceico dos Militares, acha-se venda as se-
guintes casas:
Ra do Baro da Victoria ns. 4 e 43.
> Cabug n. 2.
Rangel n. 2.
> Larga dO Rosario ns. 24. 36 e 42.
lo mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jugadores* e no Brazil, at hoje, ainda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuico
dos premios, e para prova esta asserco pedimos a attenco dos ju-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
LOTERA 1)0 GO-PAR
D 70 "i de premio do seu capital.
DEM 110 CE.4R.V
68 3t4 t0 idem.
dem de alago as
1 73 3i4aTo dem.
DEM de minas-geraes
Menos de 81 "i
DEM D, Hli01fIA ISABEL
Distribue em premios mais de 85 1i8io.
DEM DO PARAN'
75
BAY& MARTIN
ferntetdom d m Uijmtuh a atoas da teftabrra,
do Enmto NarMk arNuataa.
GAAIXA bbilmhte LIQUIDA
GffAIXA-PttuUNCTUOSA
OLEO p&r ASBZIOS
ttsetmsHiaaairliiainn'jaHiai il
aktattsat*am
DKPoarro tu
7, HigU Holbom, 07
IBaW 1. ai UHIR
Ghapelcria Victoria
A' Praca da independencia ns. Se a
dO lena e vende
ChapeKnas fraocezas, finas c modernas, para
enboras, pelo dkminoto preco de 184 ama I!!
,




i riada
Predfcfie de ana criada para o servico domes-
tico de aaaa de familia ; na ra do Marquea ao
Herval b.*
Jalroph
Manipoeira
Esse medicam(:ito de ama eficacia reconbecida
no beriberi e ontrne molestia* em que predomina a
bydropesia, m.Iii t' modificido em saa prepara-
co, >rracas a urna io\ a formula de um distincto
medico desta cidede, s'ndo qce rnente o abaixo
asaignado est habilitado Dar preparal-o de modo
a meiborar-lhe o geste e cheiro, sem todava alte-
rar-lbe as propriedadea metlicamentosas, que se
conservan com a nesma actividade, se no maiot
em vista do modo por que elle tolerado peb
estomago.
ciioo depoalto
Na pbarmacia Conceico, ra do Marques Je
lindc u. 'l.
eatees-a sin Melle_____________
Cwinheira
20*000
Paga-se 20*000 por mes a nna perfeita cesi-
nbrira, pera ca. ae de meia lade ei]U-.> aeja de boa moral, raa
do Paysand n. 19, passaado a poute do Chora-
menino : quem nao eativer em condicoes eseusado
apresentar-ee.
Cosinheira
Preeisa-se de ana cosinbeira ; na ra Real n.
28, Casa Forte.
Caixeiro
Precisa-s? de um caixeiro de '.4 a 18 annos,
com pratica do reccoa e molhados ; na ra de
Maicilio Das n. 26.
ftr *%m
ataga-se a casa n. 26 da roa de 8. JuSoveotn bom
uiutal, aacuaae. e suV liay a-laala*1 aa ra
tuque de Caxia* n. 85.
. i in*----------------------------------
LUisa
A' quera faltar urna bolsa, que foi desen
caaHtrliatra, vonfm biiscafi-a to oscriptorioi
d'eele Diaria, onde, a vista dos signaes
exhibidos, ser-Ibo-ba entregue.
YERDADEIROT T} nVLI PURGATIVO lili U IPILULAS
CEME
fHARMQil OOTTlil
Os Purga tiros Le Boy justifican
saa reputaco secular e aua superio-
ridade por mimares de curas; hoje sao
adoptados por toda a parte, de preferencia
qualquer outro para cura rpida e poaco
PIRGA1IF LE BOl^nonerosa'dv
nnrw NKtTm n o toti/10l-ESTIA8 CHRONICAS
" conhecidas, mal curadas, e consideradas sein
__ como incuravei-,. Nao existe medicaco mais
'fllca contra o humores, pituitas o biles alterada
provocam ou entreteem estas longM aflecoow; nao
reconstuinte mais enrgico contra aa reincidencias.
Afim do evitar aa Contrafases:
8t da* rteutar como inefliXM ou ptrigoto qualquer Purgativo
rLe Boy liquido ou em pilulat que nao tahit da 1 b i
t'ottin, gemto do Cirwgido JLe MOff 1 Rm da teine
: nao tromendo a afign^tura ao lado aoore o rotulo. Xj
Curso de aaatheiiiatica
O buchaae! Fi-nciaoo Carr. m Lima ^M)lKinh
coatiua cum o aeu curioi de arubmatic, a ebra
e geomett a : na roa da Matria n. 7. ____(
PARA TINGIU A
barba p os cabellos
sta tintura tinge a barba e os cabellos ins-
tantneamente, dHiide-lbes urna bonita efir
e natural, inufuneivo o ai-u uso simple* e
rpido.
Vende se ra BOTICA PRANCEZA E DRO-
GARA de Ronqoerroi Preres, snecessores de A.
CAOR8, roa do Bom-Jesus (antiga da Croa
d. 22
VSNHOgilbert SEGU N
Approvado za>la J^oadaoniav do Mediatos de Franca
MS DE SESSENTA AUNO* DE EXPERIENCIA
Viaho de urna efcacia inconteataTel como Antiperiodico para cortar as Febre*.
e como Fortificante as Vonvaleacettfas, J>ebilidade do Sangue,
Faltm de Menmtruaeo, Inappetencitr, Digeste difjieeis.
Enfermidaea nervosa; Debilidad*.
Pharmacia O. SEGU1N, 378, ra Saiat-Honor, PARS
Depositarios em Pernambuco : FRAN'" M. dn SILVA C.
i Ansa fcttsru
ni Ptrnam*ict: ^JPR
r.tt.4.aiva*c- "^..vj^.
p^^^^ ---------------------------------------' ^v*
Esto MEI)ICAXWTCO 00 um gusto agraOavel, adoptad oom srantJe xito na Z,
aals de ao uaw pelos melhores Medico de,Paz. cura os e/luxo., -.*, ".
%tm m (t^noM*. aJ~re mim***. *r*u*~ M>. da* V< mrma^m w 1 beu^.
23S
Photigrapba
rco^
Precita-* 4'ua peotHgrNfM*- iwra gaeanagaa-
il lia iaiaiiifi aat|ajii< a|ilii i Hermina Costa
C^ u-do Barao da Victoria n. 14. Dirijam-se *
D. Jaagaka CaneUa de CaaUov jftsadw da dita
V i N HO
EPEPTICO,
fDoD.rViai de PARS*
Contando os tres fermento
da digestao :
Pepiisi, Dias Ptucreatin
BECEITADO ?OB TODOS
OS MSBXOOS,parauXHs*eatSes
i tardas o laborloa, apmymu i
Isla. Cardalrla, Oa.trodynlaJ
lOaatrala-la, Calmbras de esto-^
I mas, Vomito, ConTalesceo-
as lentas, etc.
Deposito geral : H. VIVIEM
SO, Bool'ds Straibourg, em Parla
a sa todai at ranuuoua
omnx^xww^f^y
imnnwi 'iwwwwn
FANCREATINA DEFRESNE
ifttit tfMtUlnmU noi Bu/itou it Parit
m Marmia Pramna.
O mais poderoso d'entre todos os afales
digestivos conhecidos, a Pancrratina M>e~
/reine emprega-se sempre com resultado
provado contra:
Ta.Uo I Oaatrltea
Ms dla-eatees Oa.tralla
na tlemelas do atoo ac-o
Somnolencia aps aa refelcSea
Vomites determinados pete eravldes
Safermldades do Ufado
Tomada depois das refelcaes desoetu e excita
oappeuto dos convalescentes, conibate e detem
o emagrecimento dos liseos.
A BaereoHss Defre*ne em pd e em
fVulas veDde-se em todas as pharmaclas.
sana o*o**i^u>iiwn> i Cosinlieira
Prscisa-ee de urna coeinheir ; na ,
rora n. 137.
da Au-
Alimentagao racional
das mXe9, criancas, amas a convalesoeuth
Por uso i PIJOSPUA TI\A FalH-rea.
PABIZ, 6. Aveau: Victoria, 6, PARS.
OejosiUrios ta Pernamtuco : FaAN" M. da SILVA k O.
Solicitador
Jos Perreira de Paula, provirionaHo pelo Tri-
bunal da lie la cao de Pernau,buco, i ft'ei i'c --e a
Juera precisar de tr> balboa inherentes boa pro-
seao na cidade de Pesqueira da enmarca de Cim
bres, onde foi su resid ncm, e tninhetc trbalas
as comarcas do Brejo da Madre de Dcus, Carua-
r. 3. Bent) e Escada.
DOEWGASdoESTOMAGO
DIGESTOE8 DEFFIOKI8
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, Diarrhea,
Debilidade das Criancas
CURA SEGURA B RPIDA l'BI.O
ELIXIRGREZ
TNICO-DIGESTIVO
ctrm Qumo, Coca t l'epaina
Adoptado em todos os Hospitae
MEDALHAS AS EXPOSIQOES
PiRIS.r LaBruyre.?4,eemtodasasPharmiciai.
N. 28;940
O Sr, Antonio de
Oliveira Coraje, tem
urna carta na ra do
Rosario Larg-a n. 14
armazem de molha-
dos.
CONT"* TOO* At>
MOLESTIASaiWW&kM
SPSdAUlBnS
Catarro eltronico da bsxiga.
Itritava do canal de untrm,
\ Molestias da prstata,
l rcoRtner.cls da UrlH9,
i Arela na urina, ate.
8WANN, Pha.-maceutico-Chimlco,
\ 2a9U, IX, aiu CAWCjsja, n, PARS
A o commercio
Nos abaixo assignados, socios da loja de fazen*
das nesta cidade do Cabo, sita ru* do Visconde
de Pelotas n. 1, t-mos de commum accordo dissol-
vido a meama sociedade, retirando-se o socio Jos
Antonio Pereira de Moura com todo o seu capital
e lucros, ficaadu o socio Bento Portella Sarcia
Vidal com a meama loja de azendas e sent de
,qualquer divida que tenha sido contrabida pelo
socio Jote Antonio Pereira de Moura, a excepeo
dos impjstos que a meama leja estiver a dever. E
para cnct-r man'lt mos pai-aiir o presente m du-
lu-i.!-. i,i.i- ia ir i .oii-crv-.K (ir. paron
I
tia de m saos din-ir s.
Cxi-ilf f1.- C*o, I F< creir' A* 1S87.
.Ii.m: ,\t..ui> l'ereif. la Mu ira.
iii-iiiii i'uritilU Garca Vidal.
ROSADA pr. d.ridUMli
bniM
IUSTAN VANEA pr a bkrka.
atow I sus Cor prinuun.
KW'Uttvl ea Parfsi TUJCIOIn 47. na Tiriooe, PiaB
*8 VtrmaMf: FRAM- M 4a 8U.VA a^
Prufessor
Precisa-te de um professor para eosinar algun3
meninos de um enjpsoho distante da estacan de
RibeirSo duas legoas, e que saiba arithmetics,
historia e francs a tratnr ne. raa do Marques
de Olinda n. 66, eserifHorio de Leal A Irmao.
SUSPENSORIO
|Elastico, iem ligaduras debafxo du raas.
* Para evitar un faLsiflcacdet,
exigir a firma do inventor, estampada
em coda 9U9pensorio.
mmmm ftf$ DE TODOS OS SISTEMAS
MCIAS PARA VABI2ES
T.LEOOKIDIt, saratsiir.firH. 49,r.J.-J.ltesws
Manoel Adour, sens nlbbs, e genros ausentes
agradecem todas as pessoaa oue acompanharam
o seu esposo, pai e sogro, H^nriq ie Adcor, t a
ultima morada e de aovo convidan) a assiatii aa
missas que pelo eterno rpouB0 de sua alna man-
dam resar no collegio S. Vicente de Paula, pelas
8 horas da manhS do dia 18 d- correte sptimo
diado sau fellecimento.
Mara B*fs4lons(>sK
Joaquim Oliuto Uastos. seos filhosl mai, irmSos
e Bobrinhos, Jos Joaquim Me reir, sua rnulber e
filhos, agradecem cordialuiante a todas as peasoas
3ue Ibes fserara o caridoao obsequio de conduair
-ultima morad o corpo de eua idolatrada esposa,
mai, filba. irma e tia, Matia Philuoiena Moreira
Bastos, e de now a coavidampara hasatirem aa
missas que pelo rapsase -eteeno damsma tinada
mandan celebrar no dia 17 do correte, pelas V
horas da jaawlst na monis da Boa-Visn, salo
qoe se coatessam desde 4 agradecidos. ______

V

.
1 .",
t -
.


*




.


,



S
-.


-
- -

" ;

.


.
\
i
y
* r
,



:'


-
-
,..'-

'...
a
r"


i
(

:-
.



.
e r
'

*
1
M



m '
I

f
n


.-.*

\\m



:>
1
I
j
I


*
Diario de Pernainbocoftomta-feira 17 de Fevereiro de 1887
PULSAD
DE
SCOTT
lig OLEO PURO DE
Fijado COM
HvpojIiS[)iraos de cal e soda
aprobada pela mota le a&
glene e auto risada pelo
soverno
E' o melbor iwrdio at boje deoeoberl para
tiste* lrsietii. erfcl "-
fcl.n-m*.telimiie '*'
drnuto.. to-e clironla e aOVcc**
o peleo d aarsjanta. ...
E' muito superior ao oleo simples de figado de
bacalho. porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
dareis psaiie toda as virtudes roediciuaee e nu-
tritivas do olee, alm das propriedades tnicas
recouatituintrt dos hypopboapbitos. A venda na
trocaras e boticas.
Deposito em Pernambueo_________^_
Eogommadeira
Precisa- se de nma qn engomse cem perteieao
o* ra do Mrquez do Herval n. 10-____________
HOMMIS,________________
P^ *5LERY
Vende- em toda i parte
Pos de arroz
Vende-se ein pacotas, tilo bem prepara 'os coas
o francez, e per" metsde do ,prfC/>, proprio para
toilet, barbeirn e <> carnaval, pelo seu resumido
valor, ruada Matriz da Boa-Vista -n. 3. >
Bom Uf ;ocio
Vende-ae um estabelecimento de motilados e
pai'arm, em Palmare (Una) largo da fei, casa
de esquina, a melh t loealiduie d,i lugar ; a tra-
tar no sesmo estabelecimeato ou rua'Direita n.
16, viado braseo.
Importante sitio
Vende-te um grande sitio margem da Estrada
Nova do Casanga, freguezia de Afbgadoe ; tendo o
mi-srso orna casa fraude de tijollo e cal, cacimba
com ezcellente agua potavel, diversos ps de co-
queiro, dando roetos e outras aivores as mesmus
eoodicSea, o aual se aeha collocado muito prximo
a estacad do Zamby (1* ergio da estrada de ferro
da Vanea). TraU-f na casa n. 20 da ra de
Santa Tbereza desta cidade.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira qne en.enda bem
de 8eu officio. paga- bem e casa do ponca fa-
milia : na ra do Cabug n. 5-A, 1-ija.

VENDAS
Vende-se a essa da estrada de Luii do Reg
n. 21, com multes commodos e agua encanada, e
nm terr no ao lado da mura casa
ru esrreita do R sario n .24.
a trata, na
Venie-se muito barato urna grande bnianga
r imana, propria para pesar gneros volrnosos
at2,500 kilos; nesim Umbem dous guinchos pro-
prioj para barcitca e construegJo de obras ; a tra-
tar na ra do Brum n. 67, ferrara de Manoel Pe-
reira d Costa. '
Vende-ce na cidade Ha Escalfa dnas eicel-
ien'.es casas do pedra e cal, bem loca usadas, por
ser na ra do Commerci ; a tratar neeta cidade
do Recite com Antonio Perora Lopes, ra do
Alecrim n. 74, e na cidade da Escads, na mesan
casa, com o Sr. Alfredo < C.
Maitiiilinis
Ovss de camorimpim a 800 ris o kilo, vendem
Gomes Ferreira Sueceesc res, ao largo do Mer-
cado n. 12.
PERFUMARA DO HUNDO ElEBAMT
DELETTREZ
64-, 86, Ra Bichar, 54. 56
PAT.IZ NOVA
-*- RIVAL
CREAQA0
*
SUAVIDADE
concentragao
CREME OSI
1 SABONBTB, EXTRACTO \
AOL-A DO TOUCADOR
POS DE ARROZ
COSMTICO, BMLHANT1NA
OLEO, POMMADA, VINAORE
A Pertumaria 0SMHEDIA assegura aos
PLIBHTBE f IEIE
uTtutuit itirna t (r um igual
Engenbo venda
Vende-se o engenho Murici, con safra ou sem
ella, situado na rregursia da Escada, distante da
respectiva estaeo nm quarto de legos, podendo
dar seis caminaos por da, mocte e corrente,
'em dnas casas grandes e 2 pequeas para mora-
da, e outra para farinha com suas pertengas, tam-
bera, se faz permuta por prsdios tiesta prega : a
tratar na rna do Imperador n. 61, 2- andar.
Allenco
em Aramia i FU A H" M
"dT
ILVA*<
VERMIFUGE COUKIET
nm
Vende-se ou permnta-se urna casa terrea sita
na travesea do Falco n. 12, com 2 salas, 8 quar-
tos, cosinha lrs, grande quintal e cacimba, por-
fo dando sabida para a ra dos Ossos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta far todo
negocio por ji ter o despacho do juiz, at para
btala esa leilo. podendo presentar os dceu-
mentos aos permutadores, desejando tambem urna
por troca, ainda queseja pequea, porm que es-
teja nova bem construida.
Viveiro para passaros
Vende-se dous glandes e bonitos viveiros po
pieco eommodo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado com os passaros que possoia ; a ver
e tratar na ra do Imperador n. 22.
Grande liquidado
na loja de miudzas
5o Roa .Vova 50
O proprieta rio do estabelecimentoBasar da
Moda, scienrifica s Ezmas. familias que em vir-
tude da prxima reedificac&o do predio em qne
est estabelecido, tem resolvido liquidar to-
das as snss mercadorias, constando de mindezas,
perfumaras e artigos de moda, oom grandes aba-
timentos, sendo que muitos artigos sao por preces
inteintmente baratos, como sejam :
Grande variedade de plastrons a 1*000 e 1*1200
Sobunetes de areia de Risger a 200 rs.
Ditrs inglezes, grandes a 200 rs.
Duzias de ditos a 24000.
Garrafa de agua florida a 14000.
Vaso com opiata a 900 rs.
Frascos com extractos muito finos a 14300.
Frasco con agua de colonia americana a 500 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Guarni.oee, liabas, fitas, bicos, botoes e artigos
de moda.
PARA ACABAR
LOTERA do ceara
400:000*000
1N rmSFEtUVEL!
Corre domingo J" de Fevereiro
Um vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
1
Oleo para machinas
Superior qualidade, a 64400 a lata em cinco
galea; vende-se na fabrica Apollo e de seu
depsitos.
CHOCOLATE com SANTONINA *,
UFULira para trtrair ai LOMBJUCAI
tal Vermluto TtcemmenU ptlt
sM uitr arndaral e naaerra^ iadeiidv
Exigir tsigntturt : / \y )m%
Paru,Piu coLim-t'ust. htfffmiK rni"ijmn*e'
c mor ose, Anemia Catharro pulmonar,Bronchite chronlca,
Catharro da Bexiga, Phtislca, Tosse convulsa, Dyspepsia, nOnt,
Per das seminaes, C amarros antlges e complicados, etc.
Boulevard Donaln, 7, em PAJUZ, amas prlacipaes Pharmacia.
"

o
Faxeodas baralksimas!!!
as sejjnliites Tendfdas por presos sem oonipeleacla:

Lindos fus toes de listrinhas, padrSes chiques a 400 ris o covado !
Setinetas do quadrinhos a 360 rais o dito !
Cretones superiores, 1 metro de largura, a 600 ris o dito !
Carnhraias brancas bordadas a 6)JOOO a peja de 10 jardas 1
Linhos de qnadrinhos esuocez a 200 e 240 ris o covado !
Merinos de todas as cores, a 600 ris o dito !
Esplendidos sortimentos de I3s para vestidos a 600, 600 e 700 o dito.
Cazemires novidades a 1-5500 e 1*800 duas largaras.
Gaes de cores com palmas de seda a 800 rcis o dito!
Merinos pretos e Caxeroires, a ljjKXX), ljJ2Q0, 14.00 e 2000 o dito I
Velladilho bordado de todas as cores a 1)5000 o dito !
Setin maco de todas cores a 1-5000 e 1-5200 o dito!
Popelina branca para as Exm." aoivas, a 500 ris o dito !
Guarnicoes de crochets para esdeiras e sof a 85000.
Vestuarios de la para criatieas, (navidad*) a 70000 e 8^000.
Meias alvas para criancas a 2fj00 a duzia !
dem cruas para homem a 4#000 e 5(5000.
Cortea de FustSes para coletea a 2^000 um !
Caxemira ngleza a 4^500, 60000 7(G00 o corte !
Cheviots superiores, preto e azul a 20800 e 30500 o covado !
Completo sortimento de casemiras, pannos e brins e muitos antros artigos que
lembrados pfesenca dos leitores
ii
240:0001000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
DTRANSPERIVEL!
Corre Quinta-feira. 17 de Fevereiro

LOTERA DE ALU.0AS
3OO:00O#OOO
Esta acreditada lotera corre Terca-feira, 22 de Fevereiro


De primeira qualidade
onte Velba n. 41-
vende-se no basar da
Vende-se
Na ra Imperial n. 200 C, urna casa de pedra e
cal por barato preco.

WHISKY







serao
n
I).1 Cl:\l|I 11;.
59-Rua Duque deCaxias~59
Aos 1.000:000$000
200:000*000
100:000000
LOTERA
J
I
1-
Eoi favor (tos ingenuos da Colonia Orphanalogiea|Isabel
PROVINCIA DeVeRNAMBUGO
Bxtraccao a 14 fle Maio fle 1887
0 thes0reiro-~Fraocisce Gonpalves Twres
SABONETEqeALCATRAO
vasta toilettb. oa sanios b oomaoos v*m. i wmwpM
Ese BAB9XMTM, sjeratsialslrs suaUsssitiin, o mala effiosai para a en
mOLBSTIAS OA ELLE
SAPO CARBONIS DETERGENSII
fwifs con o sAfv>_VAKi*oxMei ut.tJt.UOMt, ti afn iepnUgti ts tmUra
uua*
VAHIOUA st FEBRC KSCARUATINA
Ss HABONETEB sao recomraendados pelo Gorpo medleo lntelro, porqne pterlnesn as
OfcsiPTsA MNPIWOM e CON TAOI OSAS m aOapti* Narifstsr dim*
MASCA OB PAICA NOS BNVOLOXaoa B NOS PZH
DagBJSStn aimmi "vV. "V. WRIOHT SC 3>, Soutbwark. XfONOUSS
^=^.............. III I........x-^-
HI.....I
BOYAL BLEND marca VTADO
Este eiccllente Whisky Esosssas prek'rivr
so cognac ou agurdenle de canoa, para fortifie-
j corpo.
Vende-se a retalho nos tu lheres armasen
no) hados.
Pede KOYAL BLEND marca VIADO cujo ne-
ne e emblema sao registrados para todo o Brasil
BBOWNS 6c. C, agentes
---------------------------1---------------------_
Vende-se
Na rna da Harmona, no lugar do Arraial, um
pequeo sitio contendo 135 palrao de largura e
344 de tundo, tods plantado de arvoredos novos
de fruetos e eom nma grande casa nova de ta.^pa,
faltando perneo para acabar ; faz-se negocio muito
eommodo. As pessoas que pretenderen, podem ir
examinar e se entender na mesma ra com os Srs.
Antonio e Joaquim Sampaio Irmios, ou na casa
amarella, com o Sr. Domingos Gentes Correia, qne
dario explicaeoes do negsoio.
Carro de passeio

Vende-se um em bom estado ; na Magdalena,
sitio do oommendador Barroca.
I
A Revoluco!
Resolveu vender os seguintes artigos cotn
30 /0 de menos do que em outra qual-
quer parte.
Guarnicoes de velludilbo bordado a vidri'bo para
vestidos, a 7*000 tuna.
Tafets de cores paca carnaval, a 300 ris o co
vado.
Cachemira bordada a 1500 o covado.
Ditas pretas a 1*000, 1*200, 11400, 1*600 e
1*800 o covado.
Ditas de ceres a de 900 ris e 1*200 o dito.
Las mescladas a 600 ris o dito.
Ditas com listrinhas a 560 ris o dito.
Ditas eom ocluiras a 600 ris o dito.
, Ditas de quadrinhos a 400 ris o dito.
Lindas alpacas a 360 ris o dito.
Gorgurinas a 320 ris o dito.
Setim damass a 320 ris o dito.
Dito Maco a 800 ris e 1*200 o dito.
Damase de seda a 1*300 o dito.
Grosdeuaples preto a 1 800 e 2*000 o dito.
Gaze com bolinbas a 800 ris o dito.
Fnstao branco a 400, 480, 560 e 800 ris o dito.
Velludilhos lisos e Uvrados a 1*000 e 1*200 o
ravado.
Dito bordado a retroz a 2*000 o dito.
Cambraia com salpico a 6*000 a peca.
Camisas para senhora a 30*000 a duzia.
Ditas de meia para homem a 800 ris, 1*000,
1*200 e 1*500 urna.
gFicbs de 1S a 2*, 3*000, 4*000 e 5*000 um.
I tos prateados a 2*000 um.
Dilos de retroz a 1*000 nm.
Linbos scoisezes a 2(J0 e 240 ris o covado.
Collaiiabos e punhoa para senhora a 2*000 um.
Ditos de cor, idem dem a 1*000 um.
Cortes de casinira finos de 3* a 5*000 um.
Ditas de 12 e seda para eollete a 6*000 um.
Ditos de cachemira de cor para vestido por 20*
um.
Cachemira de cor de 6* por 3*000 o eo?ado.
Damasco de tr a 700 ris o covado.
Panno da Costa a 1*400 o dito.
Cortinados bordados a 6*000 e 7*000 o par.
Colchas bordadas a 5*, 6*, e 7*000 urna.
Cretones finos a 320, 360 e 400 ris o covado.
Chitas finas a 240, 280 e 300 ris o dita,
ephiros finos a 500 ris o dito.
setineta eseosseaa a 440 ris o dito.
Ditas de quadrinhos a 320 rs. o dito.
Chales de mirin a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000 e 4*000 um.
Ditos de cachemira a 2*, 2*800 e 4*500 usa.
Cobertures de la a 4*500 e 6*500 um.
Esguiao pardo e amarello a 500 ris o covado.
Brim de linbo de cor a 1*200 a vara.
Dito prateado de liuho a 1*000 a dita.
Colchas da crochet a 8*000 urna.
Anquinbas a 1*800 rs. ama.
0 48 roa"
lie b r i que daj Silva Morclra
Casa em Beberibe
Vende-se nma eaaa sita i ra da Igreja de Be-
beribe muito perto da estsco e em terreno proprio
oom os seguintes commodos : duas grandes salas,
cinco quartos, cosinba fra, e por tilo ao lado: me-
diado 4 dita casa trinta palmos de frente e ses-
senta de (ando, tendo um bom quintal mediado
trinta e cinco palmos de largura e cento e tantos
de eusspvissento, iodo terminar no rio, em coja
margem tem um bom banoeiro. A' tratar aa ra
do Imperador n. 67, 2* andar.


600:000$000
Esta seductora loieria corre sahbado 24 de Fevereiro de 1887
Um1 vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os bilhetcs destas acreditadas loteras acham-se venda na



RODA DA FORTUNA


.
36--Rua Larga do Rosario--36
Bernardino Lopes Alheiro*




200:000&OOO
Di FMIILI DO PARV
EXTRACCiO DA i 0* PART DA LOTERA
EM BENEFICIO Di SANTA GASA DE Hit
1Hriuts--fera 17 de Fevereiro
ao meio da
A' Florida

Esta lotera, per algum tempo retirada da circulacjU), devido a grande guerra qne
lhe promovern], orau 4o dominio publico, vem novamente tomar o sen lagar de
ama das-vantajosas loteras do Imperio.
O agente pede ao respeitavel pnblico a sua benvola attencSo para o plano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado nos jornaes e impresao no ver-
so dos respectivos DilbeteB. O plano desta lotera o nico que em 50.000 Maeros
distribue
12.436 prejriios, ou quasi a quarta parte!
Anda mais: esta s nica lotera que premia todas oa nmeros cajos don al-
galiamos finaca forem iguaes aos dos
QATRO PREMIOS MAIORES

1005
605
505
405
A SABER:
as duas ietraa finaos do premio de...................... 200:0005000
s duas letras nnaes do premio de...................... 40:0006000
as duas letras finaos do premio de...................... 20:0005000
as duas letras oaes do premio de...................... 10:0005000
todos os nmeros das centenas dos quatro primeiros
Tambem sao premiados
premios.
Alm destas, tem esta lotera grande quantidade de ontros premios de bastante
importancia. E' tambem esta a nica lotera que garante quem comprar 100 nme-
ros de termnac3es difterentes 32 1/2 % ndependente dos premios avultados que
possam sabir na ex trcelo.
TODOS OS PREMIOS SiO PAGOS SEM DESCOSTO
A^xtrac^Jee saofeas em edificio publico e sob mais severa fiicialisacSo por
parte das autoridades.
Os bilketea acaam-M venda pa agencia e em todaa as casas, em bantos, oao
Panlo Campias, Rio Grande, Babia, Cear, Maraohlo, Para, Amazsoas e em Per
mbueo rna Nova'n. 40 .CASA DO OURO.-
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto 4a Rocha Honeiro Gallo
238' c Iruguapa23
XAROPEdREINVSLLIER
Laureado pela Academia de Medicina g^
"^^Ja--. Cava/fts/ro laj/lo de Honra rr*f3&0
^SlaATOd.CAi Gr&A**^
i a substancia mineral mais abundante do organismo e toda ves que sua
O
qnan
sfla
forko
como _
BlSIBO. O
ifta inrarr..lsaii 1i n carie e queda 4sdenles to frequeDtea deyols da premies.
achtJsmo, Srbllldade do Orgapls
diariamente as enancas racilita a denacab e o cresetmento: as maes e^amasi_ne_iei
Em
DTfito: Pkarmaaaa
Pernambueo: FM.
M. Ha SILVA *
8, laa da la Magissielns, sVU
Ptitrmttitt i
Ra Duque de Caxias n. loa
Chama-Ee a actencao das Ezmas. familias par-
08 preeos seguintes :
Lnvss de seda prcta a 1^000 o par.
Ciatos a 1*000.
Lavas de pellica por 2*500.
Lavas de seda cor granada a 2f, 9*500 e 3*
opsr.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ramos de flores finas a 1*500.
Lavas de Eeeossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porte-retrato a 500 rs., 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. nm.
Anquiuhas de 1*580, 2*, 2*500 e 3* urna.
Pliasa de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
Idea La Figurine a 5*000.
Pentes para coe com inscripoSo.
Babadores com pintura e inscripedes a 200 rs.
Encbovaes para batizados a 8, 9, e 12*000
1 eaiza de papel e 100 envelopes por 800 ris
Capella e veas para noivas
Suspensorios americanos a 2*500
La para bordar a 2*600 a libra
MSo de papel de cores a 200 ris
Estojos para crochet a 1$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
Para a quaresia
Galio de viarho metro 1*.
Franjas de vedrilho a 1*,
Lnvaa pretas de seda e Escocia.
Franjas e galoes finos a 2*500, 3*e 4* o metr
Para o carnaval.
Lindas mascaras. >
Bisnagas de p de arroz.
dem idem de ouro.
dem perfumadas.
Lindas franjas de seda de corea com frocos pa-
ra eufeitar vestuarios de mas caras a 1* e 500 rs.
o metro, farenda que ja costn o metro.
Papagaioa de papel a 200 ris.
Periquitos de papel a 100 ris.
Leones e veotarolas a 200 ris.
BARBOSA A SANTOS
m

Cabriolets
. Vende se ous cabriolets, sendo um descoberu
e ootro eoberto, em perfeito estado, para nm ou
doas cavsllos; tratar rna Duque de Caxias
W_________|__________________,
Carnaval
IaaiTas com atoro a lo par
Lavas brancas frescapara senhora, 2*.
Ditas idem para homem, com dona botdes, 2*S0S
Ns fabrica de lavas, roa Jo Cabug n. 7, 1-
andar.
LOJA
DAS
LISTR4S AZIIES
Jos Auguslo Das
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61'
TELEPHONK S. 211
Grande 3WOC& de fazmdtu fimai por
todo pre<;o
As Exmas. familias qn aio possam vir ns loja,
queiram mrndar pedir amostras por portadores
oa por telepbones. qne teremos multo gasto em
remeter amostras de qualquer fasenda que dse- ,
Ka loja dna Uetrae Asnea




'-:w



vj
Diario le Pcrnambtmi(tultla-feira 17 de Fevcreiro *de ISS7
i
LITTE&ATliB.
no.
Pobre querida Mol trada' mormurou
MIGO DO MARIDO
POB
JULES MA.RY
(CovtinuaG)
VIII
do
O temporal tiohasa desencadealo,
repenre,como acontece, quasi eempre,
Mancha e em poucns minuto attingira
naxiaio de intensidade.
-Gilberto, desde as priraeiras lutadas,
ooniprehend.'U o perigo.
Se nao nos raandararo algatna em-
bircacao, estaremos perdidos!
E lanjou na olhar doloroso para a-
tbarina, que ia tabes morrer no esplendor
da belleza e da raocidade. Por si nada te-
ma. Pertencia a urna familia de homens
do mar. Conservou todo o sangue fro, n-
sonbo, alegre. m u _u_
Arrastou- i para fra da cmara, que a
agua encbia cada ves mais ; os marinrui- ,
ros, silenciosos c sombros, olhavam na di-7
recelo de Dieppe ; de t -.rapos em tempoi,
um delles diriga aoa amigos de torra, ura
grito desesperado e o nome do Holgan n?
cha lhes aos labios, como a salvagao pos-
sivel, como a esperanga suprema...
Urna onda atirou Gilberto de encontr a
um mastro, com urna torga de catapulta ;
agarrou-se a um cabo e cahiu ensanguen
tado, o crneo partido..
E' preciso amarrar-se, disse o velho
Bernard, quo procurava, pela dcima ves
oa 'acender o cachimbo, piscando
o
Rsta eb ...
Gilberto, quero acabar com isto ja...
horrivrl fictr assim. De que serve esta
tortura... io a morte certa... Dize, jui-
nas qui doloroso morrer afogado?... ina
riuheiros tirados da agua quasi seffoeados
e reanimados depois, devern ter dito o qae
soffrerara?... Ah ? dov.i ser hosrivel ...
Gilberto, se roe estrangulasses ?. Tons
ama arma, um puohal... Mata-me.
A marte, vindo de tuas ralos, nao me
fti'ria soffrer... Dame a milo para que a
beije prirueiro, e depois fere-me : Recu-
sas? Nao rae amas? Em tnu lugar, Jlo
nilo hesitara. Tar-me-hia morto ou salvo.
os
olhos.
Gilberto levantou-se, foi buscar Cathari-
na e amarrou a perto de si... a cada mi-
nuto entravam ondas enormes que lhes pas-
savam por cima ; quasi snffocando-oa...
V>.mos, disse Bernard, creio que isto
para hoje, porque nio ha am s da praia,
que ouse tentar o pafiso... at o proprio
Holgan.. .
Ura marinheiro -Jlo Ricordot-gritou :
O Bertha Catkarina l... O Bertha
Catharina a eatibordo ...
Era verdade Traham-n'o visto.. mas
da soberbo... O 0 escaler, repelado, desappareceu... Ti-
co traba se tornado curopce delles. Inam nha 8iao lancado para a praia... n.uma
agora perder na mesma occasilo a vida e das tentativas efectuada por Fleunot.
a felicidade ? Duas vezes tornaram a vel-o e outras
Quando baixou a noite e a ventana tu- tantas perderam-n'o de vista...
niolhes aos ouvidos, sacudindo a Esperan- Catharina, offegante, procurava sondar
ca como se fosse um brinco, Gilberto dis a8 treva8 implacaveis.
se'a Catharina : Gilberto, pensara>:
E's animosa e forte ? Salvo por Holgan '... por elle 1 I I...
Sim, emquanto estiver ao teulado... por esse homem !. .
Estamos em perigo... E o velho Bernard, quo desistir de
Comprehendi-o. S franco... Nossa acender o cachimbo e que masca va um pe-
posicao desesperada ? daco de fumo, repeta a Ricordot, com urna
Nao, se que nao temos avanas. obstnacao em que bavia, ao mesmo tem
Mas a Esperanca nao solida e talvez | p0) urn pezar e urna especie de desprezo
nao possa resistir a um tempo destes... ehocarreiro, por
Catou-ae. Um estalido sinistro tinha
vindo interroropel o. Empallideceu epre-
cipitou-se para o convez. Lecroisy e re-
gon acabavam de ser levados pelo mar.
O leme eslava quebrado. Gilberto tornou
a descer para a cmara. Abragou a aman-
te. J nlosorria...
E's animosa e forte ? perguntou Gil-
berto, pela segunda vez.
Est tudo acabado.... nio e assim t
S ha urna asperanga... que ve-
uha urna embarcacao do Dieppe...
CatSarina estremeceu.
_ Ah murmurou ella... um escaler sal-
vavidas ?... coroprehendes ?
_ Sim, se formos salvos, sel o-neroos,
talvez... por elle!
Nio ousou pronunciar o nome
esta morte tantas vezes
affrontada :
Falaste cedo de mais, rapaz. E' ho-
je e nio amanhl, que vamos molbar con-
sideravelmente a carcassa.
Catharina, agitada pela febre, delirava :
Gilberto, amo-te, e sinto-me feliz mor-
rendo comtigo... quande Boar a hora, de-
sata as cordaB que me prandem a este mas-
tro... eu soffreria demasiado... entlo tecm-
girei com os meas bracos... aasim que
quero morrer... e o mar nio ter forja
bastante para arrancar-me de sobre teu co-
rceo. .. aasim acharei suave a morte...
pro.mrarei teus labios... e receber meu \^[^Ha verdes e fixos
E tu nao pj :cs neru urna, nem outra cou-
sa?...
Catharina... conserva-te calma ,
peco-t9.
- Calma?.. J o estou... E' mesmo
estranho que eu lea tao bem em minha vi-
da, no meu coracllo .. Por que te amei,
Gilberto?... Podes dizel o ?... Ser ver-
dade que ta ame?... Nao, nunca ta amei!
Deu orna gargalhada.
Catharina, volta a ti .. nio me deses
pnres se queres que eu conserve o sanguo
fro e morra como deve morrer um ho-
mem !
Ella calou se por alguna minutos... Os
raarinheiros nao os ouviam... Estavam
rezanda cm voz baiza...
Entra duas tufadas de vento, o velho
Bernard-murmurou, ezpellindo um golfada
de agua salgada :
- Raios de Brest J Terei visto cousas I
Terei visto cousas !
Catharina conservava-se em silencio re-
volvendo olhos assustados, os- dentes ba-
tiara ; de repente deu uro grito selvagem :
- Pos bem, nao, nao*'quero morrer ;
nao quero... tenho inedo! Da que te ser-
ve ser homem e forte, se nSo me pode
salvar ? ...
Gilberto abaixava a cabeca, sombro,
quasi indiferente; esquecia-se, por um in-
stante da amante, para s pensar em sua
mai que nao lhe sobre vi vera... em There-
za, cuja vida serii um luto eterno... em
Regina... a nica que n5o se le robrar i a de
nada, porque nio podid comprehender ...
- MeuDeus, perdi, tenho medo...
dizia Catharina... Tenho medo...
Fechou 08 olhos para nio ver o abysmo
que Iho aceultava o mysterio terrivel da
morte... e onde esperavam-n'a, sem duvi-
da um nfinidado de monstros medonhos de
beijo... o ultimo .. com meu ultimo sus
piro... Amo-te, Gilberto... e nio tenho me-
|do-.. olha-me... v como sorrio.
__Pobre crianga, nio ten saudades de
bel
de Hol
in. Calaram-se. As ondas auspendiam a nada na vda r
Esperanca e faziam-n'a jogar, a ponto de Saudadea de que? Porque sou
nineuem poder ficar de p. la devena chorar por miro ? Mas esta bel-
Estavam ambos de joelhos, abracados, lea8) eu nio peniava nella senlo porque ta
com a agua at quasi cintura... agradava. Porque sou joven? Nio o es tu
Salvos por elle!... repeta Cathan-; umbem ? Urna vez qua fui feliz contigo,
na... Salvos'por elle
EBtava tremendo.
Tens medo ?
Nio. O quo a morte, urna vez que
morro comtigo?... Estou com fri, eis
tudo... esta agua est galada...
Seu manto, suspenso a um canto, anda
nSo estava molhado. Gilberto passou"
nos hombros. Catharina ergueu as
fluctuantes do manto, sobre o amante, en-
volvendo-o tambero.
Apertados um ao outro, confunda m as
respiracoea... os labio rocavam-se sem
pensarem em beijar se... as mos estavam
hmidas... Cathariua esteva com os den-
tes cerrados... o corpo violentamente ag
tado por bruscos estremecimentos... os
ervos em complete re volta...
Catharina, me perdSas, por nada po-
der faser para salvar-te ?
Perdo-te e amo-te... Fizesto-me fe-
liz... amo-te... Desde que te pertenco...
tenho vido mais do que em toda minha
vida. _
jesejar agora? Escuta,
verdade que vamos mor-
que posso mais
Gilberto... 6
rer ?...
Sim, salvo so houver um milagro.
Pos bem, a espectativa da morte
mais cruel do qua a propria morte .. Nun-
ca deixaate de satistazer um s de raeus
-Ih'o j desejos, .. Gilberto, nio esperemos pela
abas I morte... precedamol-a.. amarra teus
bracos aos meus.. deixemo-noa levar pela
primeira-onda. Quero que o mar lance
sobre a praia, nossos doua corpo unidos.
Catbarin, o que que pede ?
Ah recusas?... E'a tu que tremes?
Nio me aroaB?... Nio me amas?... Nun-
ca roo amaste?... Jlo muito maior do
que tu, mais valente, mai forte... era
mais digno do meu amor...
Catharina tiritava de fro, ma tinha o
rosto atogueado pela febre-.. a roupa es-
correndo agua desenhava-lhe as formas, o
cabellos desatados cahiam-lhe aobre o
hombros, sobre a testa e quasi ocoultevam-
lhe o rosto.
FOLHETII
E neste delirio, que tinha-se apoderada
della e aniquillava-lhe toda a vontade, toda
a energa, t.ve urna allucinaelo singular.
Evocada pela febre, reapparecia-lhe sua
vida, nao desde a intenoia mas desde casa-
mento... e era ao marido que sempre, por
toda parte va, elevado, elevado a urna
altura desmedida.
Via o robusto, cheio de bravura incon-
sciente, levantando urna carreta atolada oa
lama... atirando um arado a dez passos de
distancia .. depoi, salvando Regina... de-
pois, presidindo o baptismo do Bartha (/*-
tharina... via-o riaonho, feliz aoolamado pe-
los pescadores... e o peito coberto de me-
dalhas... ouvia-o at dizer, com avozgro-
sa e ingenua :
Um salvamento, no mar, a cousa
mais simples que ha .. nio to difficil
como se penas...
Mas ontlo, se nio era difficU por
nio vioha agora? Hsvia salvo tanta
tranhos, por que nio procurava alvar sua
mulher ?
Gilberto pensava, no mesmo mtente:
- Preferira morrer a dever-lhe a vi-
da I... i '
E, ma?hinalmente, Catharina lembrava-
se de urna pbrase de ana mli:
_ E' um torra nova... um verdadep
trra nova
De repente aahiu do mar, do meio da noi-
te, urna voz chamando:
- OUTdT^^BjR Oh 14 !
Ao meamo tempo, Ricordot grita va :
O Bertha Catharina a sotavento !
Era o bote salva-vidas. Ninguem a ha-
via visto chegar.
Quando aproximou-se mais pode-se ver
do us -uarinheiros, curvados para a frente,
com a cabeca entre os joelhos, immoveis,
prostrados por urna pancada de remo. Na
popa eBtava um homem de elevada estatu-
ra, de p, empunhando o lene com urna
das mos e segurando-se com a outra
borda do escaler, inabalavel nessa posi-
cao...
Era alguns minutos foram atirados os
arpeos Esperanza e comec,ou o salvamen-
to.
Gilberto murmurou estremecendo :-
E' elle Qua vargonha !... Prefiro
morrer 1...
Cortn as cerdas que o prendiam ao
i>astro.. Beijou 03 cabellos de Catharina
e precipiou-se.
J 8entia-3e no vacuo e os p3 nio tooa-
vam mis no convs... quando dous bra-
cos de ferro o agarraram e suspenderam...
Com mil raios I dizia Bernard, era
tempo... O Bertha Catharina est a
bombordo, Sr. Barbaran e nio a estibor-
do ..
Catharina assustada, olhava para Jlo
Holgan, ao leme, calmo, dando ordaas fra-
mente, sem oceupar-se com ella...
Acabava de surgir to inopinadamente,
tal qual o vira, ha pouco, no meio do de-
lirio, que julgava ainda sonhar e esta ap-
pariclo aasustava-a como se fosse urna des-
sas cousas sobrenaturaes, inolvidaveis, com
que o espirito fica eternamente impressiona-
do.
Alguna marinheiroB foram logo desatal-a
e levaram-n'a para bordo do salva-vidas.
Catharina submettia-se como so fosse urna
crianza, sem forja e sem vida. mas nio
desviava da Holgan os olhos, dilatados, fi-
xos como os de urna louca.
Quando a entrar para o escaler, Jlo
fez um movimento brusco.
Era s quebrar um do arpeos, dar urna
volta ao leme... o Bertha Catharina afas-
tarse-hia e a Esperanca estara perdida
para sempre !... E Catharina e Gilberto
morreriam I... Mas voltou a cabega e ficou
quieto... murmurando :
- J que Thereza assim o quor. .
Os maroheiro8 do hiate, Catharina e
Cilberto, estavam embarcados. O Bertha-
Catharina viroa de bordo, forja de re-
mos ...
Obedecendo a um movimento esponta-
neo, Gilberto estendera a mo a Holgan
E' intil, Sr. Gilberto, inutilr res-
ponden o pescador.
Os dous rivae olbaram-se de frente.
E Gilberto comprehendeu que Holgan
sabia tudo.
Entlo ficou profundamente perturbado
cheio de urna emoglo pungente.. Nio
lo tivesse medo !.. mas sentase mise-
ravel ao lado desse homemto pequeo,
to humilde, to pouca cousa, quo teve d
de i proprio...
Teve, entra vez vontade de morrer.._.
debrucou-se e j ia perder o equilibrio
quando, pala segunda vez, Bernard rete-
ve-o sera comprehender.
Tome cuitado... est eacorregan-
do..."
Gilberto ficou immovel; sumam-lhe os
os, batiam-lhe aa fontos, e tinha as
em fogo, apezar do vento glacial o
hmido... ^ _.
Catharina esteva a quasi deamsiada. Ti-
nha a e cabeca o busto encostado a um
remador quein dobrado ao meio, sem mo-
vimento.
AGRICULTURA
i:truines
COMPOSI9I0 00 PABTKS COMPONENTE8 DOS
E8TBMES
(De Jornal do Agricultor)
M de Bousaigault em urna broebura (La
Fosse fumier apresante os curiosos re-
sultados de alguma analyses. 0 estrume
fresco produzdo por ura cavallo pensado
a feno e aveia, e Uni todos oh dias urna
cama da deis kilos de palhaa compoe-se de
29,247 de materias orgnicas, 0,67 de azo-
to ; 0,232 de acido phosphorico; 0,078 de-j
acido sulphurico ; 0,074 de chlore ; 0,074
de potaasa ; 0,047 do soda; 0,530 de oal;
0,257 de magnesia; 1,367 de silica, 0,040
de oxido de ferro e de manganesio; e
67,454 de agua -100,000.
O estrume fresco de urna vacca pensada
a teo e batatas, e tendo todos os dias urna
cama de 3 kilos de palha de trigo compdV
se de 16,425 de materias organiua ; 0,341
de azoto ; 0,122 d acido phosphorico ;
0,068 de acido sulphurico ; 0,048 de chlo-
ro ; 0 327 de potaasa ; 0,024 de soda ;
6,269 de gal; 0,134 de magneaiaiP,690 de
silica ; 0,017 de oxido de ferro e de man-
ganesio; 81,86? de agua -100,000.
O estrume fresco de um carneiro alimen-
tado com feno, e recebendo por da 225
grata mas de cama de palha da trigo, com-
poe-se de 34,475 de materias orgnicas ;
0,823 de azoto ; 0,203 de acido phospho-
rico; 1,096 da acido sulphurico; 0,090 de
ckloro; 0,788 de potaasa; 0,060 de soda;
0,663 de cal; 0,281 de magnesia, 1,661
de silica; 0,035 de oxido de ferro e
manganasio; 61: 648 de agua100,000.
O estrume de um porco sustentado com
batatas cosidas, e recebendo cada dia para
cama 450 gramasas de palha de trigo, com-
poe-se da 23,332 de materias orgnicas ;
0,786 de azoto ; 0,207 de acido phospho-
rico ; 0,234 de acido sulphurico ; 0,089 de
chloro; 1,697 de potassa ; 0,000 de soda;
0,179 de cal, 0234 de magnesia; 1,125 de
silica; 0,027 de oxido da ferro de man-
ganesio ; 72,378 de agua-100,000.
APPUOAQO dos kstedmbs
Temoa visto que os estrumes quentes,
asno, oarnei-
c
que
0 OORCUjNM
xal-o, permitte que eu o previna contra
estes dous bandidos.
Coi.ardasse e Passepoil ? Sai que
maltrateram-te, meu pobre Peyrolles.
Nio se trate diwo. Alguma cousa
nos atraigam. E veja, se
POR
QUINTA PARTE
0 COMBATO DE CSAMELO
Quando ella voltou a si conservoo-se na
(Coutinuaglo do n.
I
33)
Alada a caaa de ouro

>
Peyrolles conservou-se seno como um
frade de pedra.
- E de moverem co e trra, concluio
Gonzaga, para saberem se o nosso cabriou
ainda nos escapou desta vez.
Tocou a campainha e disse ao criado
que entrn:
Preparem a minha carruagem. Tu,
amigo Peyrolles, continen elle, vais ter
com a Sra. princeza, afim de apresenter-
ihe como de costme, as homenagens do
meu respeito profundo. Procura ter bona
olhos. Dir-me has qual o apecto que tero
o gabinete da Sra. princeza, e de que mo-
do a sua camarista te responder-
Onde encontrarei VosBa Alteza ?
Vou priroeiro ao pavilhlo. Tenho
pressa de ver a nosaa joven aventureira
da ra Perre-Lescot. Parece que ella e
aquella louca D. Cruz alo amigas. Irei,
em seguida, ao palacio do Sr. Law, que
me deapreza ; depois me mostrarei no Pa-
lacio-Real, onde a minha ausencia nio ta-
na bem. Quem sabe que calumnias pode-
rlo ter dito a meu respeito ?
Tudo isto levar muito tempo.
__ NSo, ser rpido. Preoiso ver o
nojjfl amigos, os nosso bons amigos. Es-
DMbZ nao ser ociosa, e preparo para
eswJRbkuma pequea oea.. Ms fal-
laremos disso mais tarde.
ApproxJmou-Be da janella e apanhou a
pedra que estava sobre o tapete.
Alteza, disae Peyrolles, antes de dei-
roe diz que
tosse preciso urna prova, estava no nego-
cio dos fossos de Caylus, e entretanto nio
os vi na lista de morte.
Gonzaga, que olhava para o favorito,
desdobrou o papel.
leso verdade, murmurou elle, esses
Domes nio esto 3qui. Mas se foi Lagar-
dre quem escreveu essa liste e e o uob-
808 dous patif^s eram pr Lagardre, ella
teria posto os aeus noraes em primeiro lu-
gar para dissimular.
E' muito subtil. E' preciso nio des-
presar cousa alguma em um combate a to-
do transe. Desde hontem que cont com
o desconhecide. Essa singular creatura,
esse Corcunda, que entrou a seu pesarnos
seu negocios...
Faz-me pensar nisso, interrompeu
Gonzaga preciso que elle rae despeje o
sacco at ao fundo.
Olboa pela janella. O Corcunda estava
justamente defronte do seu nicho, e dar
dejava um olhar penetrante sobre as ja-
nellas de Gonzaga. Vendo-o, o Corcunda
ubaixou as olhos e comprimentou-o respei-
tesamente.
Gonzaga olhou outra vez para o seu fa-
vorito.
Havemos de saber isso, murmurou
elle ; havemos de saber tado isso. Parece-
me que o dia ha de valer a noite. Vai,
amigo Peyrolles : abi est a minha carrua-
gem.
Peyrolles obedeceu.
O Sr. de Gonsaga entrou para a carrua-
gem e mandn tocar para o pavilhlo de D.
Cruz.
Atravessando os corredores psra se
dirigir aos aposentos da Sra. de Gonzaga,
Peyrolles dizia comsige :
Nao tenho pela Franja, minha bella
urna deatas ternuras idiotas como
fim s duvidaa do Sr. principe. Erro pe
oas de palavra. Vamos encontral o nio
dalli, em urna tas da ra Aubry-kvBou-
cher, bebendo e comendo como quatro
A alegis brilhava-lhe nos rostes.
Nio morreu disse Cooardasao apo-
sentando o copo.
Passepoil enbeu-o e repetio :
Na morreu.
E ambo bebern a saude do cavalbeiro
Henrique de Lagardre.
Com oa diabos, muita asneira tase-
mos hontem i noite.
__ Estovamos bebedos, meu nobre ami-
go, replicn Pessepoil ; a embriagues
crdula. Demaia, tinhamol-o deixado em
to mos lea joe !...
Ha roo lenjes para aquello meni-
no ? exclemou Cocardasse com enthoaiaa-
mo. Com mil diabo! 8e o vir espetado
como um frango, hei de anda diaer : Cota
patria,
tenho visto alguroas. Cera dinheiro en
cootram-se patrias por toda a parte. O
mealbeiro est quasi cheio e em vinte e
quatro horas posso passar a mo pelo co-
fre do principe. O principe parece-meque
vai em decadencia. Se a cousas nio me-
lhorarem daqui at amaraba, aprompto a
mala e vou procurar um clima que conve-
nha miaba delicada saude. Que diabo !
d'aqui at amanha a mina nio tem tempo
de saltar.
Cocardaase Jnior e frei Passepoil -
nbam promettido multiplicar -se paca por
mil diabos, ainda se safa desta I
O facto murmurou Passepoil be-
bendo ao goles, que um rapagao. Da-
nos honra termo contribuido para a sua
educajlo. .
__ Meu velho, acabas de exprimiros
sentimentos do meu corajlo. Podemos
quebrar os osao, pertenjo-lhe de eorpo e
alma I
Passepoil collocou o copo vasio em 01 ma
da mesa.
__Meu nobre amigo, replicn ee, ae
me fosse permittido dirigir-se uosa\^fcsr-
vajio, dir-te-hia que a tna iutenjSes
sao boas ; mas a tua fatal haquasa pelo
rinho...
__Olha, meu velho, intterrompeu o gas-
clo; tu eBtava tres veza mais bebedoj
que eu.
Bem 1 bem 1 urna vez que ternas as
cousas assim I... Ola, rapariga, ontro co-
po.
E passou o braco pela cintura da criada
que pareca um tonnel.
Cocardasse contemplava-o com um ar de
compaixlo.
Ouve, meo vemo, tu vs a palha no
olho do visinho e nio vs a travo no teu.
Chegando aos aposentos de Gonsaga, na
manhl daquelle dia, estavam tanto mais
convencidos'do fim violento de Lagardre,
que se dirigiram de manhl caa da ra
do Chantre, cujas portas tinham encon-
trado forjadas.
O pavimento terreo estava vasio. Os vi-
zinhos nio abism que fim tinha levado a
mega bonito, atia Franciao e Jlo Mana
Bsrricbo.
cofre
mesma posijlo e foi na praia, no mo-
mento em que o escaler acostou, debaixo
das aocalamaj3es da multidao, que vio que
aqnellehomem esteva morto.
(Continua).
-------------- ^_______ -jfMJi
Esteva tudo acabado : o malvado que
tinham atacado aquella noite o domin cor
do rosa, que estavam encarregadoa de guar-
das, traham fallado a verdad* : Lagardre
tinha rtaprido. *
Mas psaprio Gonzaga acabava de dar-
Ibes esperances com a commisBlo que Ibes
tinha confiado.
Gonsaga quera que encontraaaem o ca-
dver do seu inimigo mortal. Gonsaga ti-
nha com certeza razSes para isso. Nio era
preciso mais so nosaos doy amigo para
beberem saude de Lagardre vivo. Quan-
to segunda parte da sua missloproou-
curar oa dous bravos que tinham defendi-
do Aurora, era cousa feito.
l!.' preciao arranjar urna hiataria, meu
velho, diese Cocardaase.
Duas historias, respondeu frei Passe-
poil ; ama para ti e outra para raim.
__ En bou meio gasclo e meio proven-
jal ; nio me custa arranjar historias.
E eu sou normando veremos quem
arranja a melhor historia.
Provoca8-me?
Amigavejmente, meu velbo.
Cocardasse encolheu os hombros.
Era ainda muito cedo para voltarem pa-
ra o palacio de Gonzaga.
Era precbo tempo para procurar e^par
engendrar cada um a sua historia,
roo qual do doaa era
que slo os de cavallo, mu.-,
ro, ovelha ou cabra, convm aos terrenos
compactos, e mesmo ligeiros em climas
pluviosos.
Os estrumes frios, que slo de vaceas,
bois e porcos, convm particularmente aos
terrenos ligeiros e quantes. Tambera vimos
que os estrumes grossos slo mais proprios
para os terrenoa fortes, o os meudos, ou
consumidos, sao de melhor effeito em ter-
renos ligeiros, quando urna atmosphera h-
mida, ou Buficientea chuvaa favoreceos a
dissolujlo de seus ses.
PassomoB agora a indicar em que po-
cas devem ser conduzidos os estrumes aos
campos ; a que doses se devem elevar ;
se ser melhor estrumar a longos ou cur-
tos intervallos ; a que profundidade devem
ser encerrados ; e finalmente se haver
iucoveniente em applical-os em cobertura,
ou eipalhados pela superficie do solo.
Os homens mais competentes aconse-
Iham geral mente ao cultivador a oonduzir
ao campo oa estntmes quando eatlo fres-
co ou palhosos, mas que devem ser logo
eapaloados e aterrado, dando multas la-
vouras trra assim estrumadas, antes de
semear.
Este processo realmente bom para tr-
ras compactas, onde o estrume grosso nio
ae consoma com rapidez ; mas as trras
ligeiraa serlo suficientes duas lavonra
antes da seroenteira; porque nellas a de-
compoBjIo do estrume rpido em tem-
po de chuvs, e os ses dissolvidos infil-
tran! se pelo sub-solo em prejnizo do solo
aravel.
Se, por qualquer cireumstan-ia, alfi-
vador tiver neceasidade de condnsr so
campo o estrume muito antes da Beseatei-
ra, sendo os terrenos ligeiros, o/meio que
tem para evitar a desorganisaglo desse es-
trume, depois de enterrado pela lavoura,
calcar a trra cora o rolo oyliqdfico.
Ordinariamente a applicajlo 'nos estru-
mes feita no fira de Agosto ou Setembro,
as vesperas das sementeiras do outono,
no fim do]inverno para as sementeiras da
primavera, ou ainda para reanimar a co-
neita que soffreu no invern.
Em geral, a poca da applbaglo dos
estrumes determinada pela maior ou me-
nor neceasidade dos fruutos, ou pela maior
ou menor profundidade daa raizes ; quer
dizer, quando se trate de grlos que
minam rpidamente deve se estrumar4
co antes da sementeira, ou ao mesmo
po, para que o estrume possa aproveitar s
plantas ao tempo do seu desenvolvimento.
Quando, porem, se trata, como na cul-
tura hortfcula, por exemplo, do grlis que
se semeiam no fim de Outubro ou Novem-
bro, para adiantar oito ou duz dias de nas-
cenga na primavera, nao deve haver pres-
sa na estrumaglo, e nada obste que se
espere o fim de Janeiro para se espalhar
0 estrume, em cobertura sobre as trras
semeadas.
O principal fim que o alimento che-
gue ao orglo da germinaglo, isto 6, da
nascenga da tenra planta que tem a alimen-
tar.
Quondo, porem, sa trata de prados na-
turaes ou artificiaos, ou arvores, a ppli-
caglo dos estrumes determiuada appro-
ximadamente pela profundidade qua as
raizes oceupam ; quanto maior fr a pro-
fundidade, tanto mais tempo preciso ao
estrume para chegar s raizes.
Por isso nos prados naturaes eora-
postos de gramminea8, cujas raizes pouco
profundara, pode estruroar-se em Feve-
reiro ou principios de Margo, que quan-
1 do ellas tm necussidade d bom alimento.
Para os prado artificiaos tenros, ainda
pouco enraizados, do mesmo modo de-
vem estrumar-se no fim do invern ; mas
se estes prados tiverem longas raizes, deve
antecipar-sa a estrumaglo ou no outono,
ou, o mais tarde, em Janeiro. Pela mesma
razio ae devem estrumar no outono as ar-
vores fructferas e as vinhas.
Passemos a tratar das doses de estru-
me que se devem empregar. J ficam in-
dicadas as quantidades que habitualmente
costumam empregar por eada hectaro,
quantidades que variam ontre 20000 a
40:000 kilos. Na cultura intensiva nio
slo su ffi cien tes estas cifras.
Ha cultivadores que cultivara auas tr-
ras como os jardins, e elevara as propor-
jSes de adubos a 100:000 kilo3 e mais por
hectaro, e tiram proveito.
Os estrumes em demasa alteram o sa-
bor dos productos, mas apezar de tudo,
dio lucro ao productor.
Os homens scientificos querem estable-
cer a cifra segundo a consumaglo normal
das colheitas, firmados no principio de que
um hectaro de trigo ou de batatas, ou de
outro qualquer fructo, tira do solo tanto
i
\)



Vere-
n
Urna emlanao aa *
A festa do palacio real tinha produzido
um grande effeito.
Bem entendida, ninguem d'entre aquelle
povo de especuladores tinha posto o p na
festa ; mas alguna, debrugados nos terra-
jo das caasa vizinbas, tinham podido ver
o bailado : s faliavam no bailado. A fi-
Iba do Miiipi, tirando a agua do jarro
de aeu respeitavel pai, a tranformava em
moedas de oes, era urna delicada e en-
cantadora allegeria, alguma cousa verda-
deiramente francez, que podia fazer pre-
sentir a que altura ae Relevara, nos seculos
futuros, o ganio dramtico daquelle povo.
que, oasoendo malicioso, creou a opereta!
A' ceia, na sobremesa, tinham combina-
do urna nova emiaalo de acjbe.
Eram as netas. Tinham j dez por cen-
to de premio antes de Ber gravadas. As
mais eram brancas, aa filhas amarellas, as
netas deviam ser azues, cor do co, da
esperanca e dos sonhos. Ha, segando di-
zera, urna imraensa e profunda poesa em
um tallo de acjdes.
Em geral, as lojas das ras situadas as
esquinas abarracadas, eram armazens de
bebidas, cujos donos vendiam o vinho com
urna das mos e jogavam cara a outra.
Bebia-ie muito ; o que era um incentivo
para as tranaacjSes.
A cada instante, viam-se eapeeatedores
fielize levar um eopo de vinho sos guardas
franceses que estavam de sentinellas as
ras principaes.
Estas sentmellaB era-ri icuito procura-
das ; isto valia urna campanba aos Porche-
0 Corcunda foi um dos primeiros que
entrou no palacio de Gonzaga, e aasim quo
se abriram as portas vio-e chegar um pe
queno que trazia nma cadeira, ura cofre,
um travesseiro e um colchlo.
O Coreunda mobiliava e seu cubculo e
quera evidentemente fazer delle o seu do-
micilio, como tinba direito pelo seu arren-
da nento.
Effectivamente tinha succedido aos di-
reitos de Medor, e Medor dorma all.
Os locatarios das caBihnolas do jardim
de Gonzaga desejariam que os dia ti ves-
sem quarenta e oito horas.
Falteva-lhes tempo para o aeu appetite
de negocio.
Em caminho, quando iam ou voltavam
para casa, faziam negocio ; reuniam-se pa-
ra jantar, afira de agiotarem emquanto co-
miam. S as horas de somno eram per-
didas.
Nio ser bumilhante pensar que o ho-
mem, eslavo de urna neceasidade. mate
No primeiro andar, parto do cofre ar ._, .
rombado. havia urna grande poca de san- rial nio pie agiotar emquanto dormei
'Os fundos estavam -
na
alta.
>
rons.
Iocessantemente, carregadores e carro-
gas de mo, conduziam grande quantidado
de mereadorias, que amontoavam as casas
ao lado de fra, no meio da ra. O car-
reto era pago por um prego louco. Urna
nica cousa, era nossos dias, pode dar idea
da tarifa da ra Quincampoix : a tarifa
de S. Francisco, na cidade do Oolden fever,
onde os doentes degta febre de ouro pagara,
dizem, dous dollars para engraxar os sa
patos 1
A ra Quiooampoix tinba admiravis se-
melhanga8 cora a California. O nosso Be-
culo nada inventou m reaglo a extrava-
gancias. Nao era, nejn o ouro, nem a pra-
ta nao eram to pouco as mercadorias que
saproenrava: a voga era para o popel.
As brancas, as amarellas, aa mais, as fi-
lhas, finalmente esses queridos anjos que
iam naacer, as ne'as, as azues, essas ter-
nas aseses, cujo berjo cercava-se' j de
tanta solicitada ; eis ah o que se pedia
de todas as partes em grandes gritos, eis
ah o que se queria, o que verdaderamen-
te exciteva o delino de todos.
de azoto, tanto de phosphato, tanto disto,
tanto daquillo, e bastar restituir ao aolo
rigorosamente, sob forma de alimento, as
qualidadea de aubsistencia tiradas para
re8tabelacer equilibrio e manter a fertili-
dade primitiva.
Os praticos, porem, uue crsm as van-
tagens do maior valor dos terrenos, e qne
3uerem ao fim de um quarto de seculo ou
e meio meio Beculo de cultura que estes
terrenos tenham mais valor real que antes
do arroteamento ; nio se conten'am com
esta rasfies, e querem que a restituijlo
seja mais elevada que a despendida pela
torra.
Mariano de Lkmos.
v
BeflictemoB : um luiz vale vinte e qua-
tro francos hoje; amanhl valora ainda
vinte e quatro francos ; emquanto que urna
neta de mil libras, que esta manhl nio va-
le cem pistolaa, pode valer dous mil escu-
dos amanhl noite.
Abaixo a rooeda, pesada, velha, immo-
vel. Viva o papel, leve como o ar, o pa-
pel precioso, e papel mgico, que realisa
mesmo no fundo das carteiras, nio sai
que trabalho de alchimista 1 Urna estatua
quelle bom Sr. Law, urna grande estatua
alte como o colosso de Rhodes I Eaopo II
ou Joa lucravam cora este afn. A sua
corcunda, essa estante com que o presen-
teara a naturaza, nio desean ja va um s
inBtantente, As moedas de ouro de seis
li ras e as pistolas cahiam-lhe sem cessar
na sacla de ouro. Mas esse lucro deixa-
va-o impaaaivel. Era um financeiro empe-
dernido. Nio estava alegre aquella ma-
nbl pareca doente. A'quelles que tinham
a bandada de interrgalo a es&s respeito,
responda :
__Fatiguei-me um poucO esta noite.
Onde, meu amigo Joas ?
_ Em caaa do regente, que me convi-
dou para ana festa.
Riam-se, aasiguaVa, pagavam ; era urna
oonsagrajlo.
A's dez horas da manhl, nma aeclama-
jlo immensa, terrivel, nudosa, fez tremer
os vidroB do palacio de Gonsaga.
O canho que annunoia o nascimento dos
filtras dos soberanos, nio fas mais nem
tanta bulha como aquillo.
Batara com as mos, gritavam, os cha-
peos voavam pelo ar, a alegra tinha jam-
pejos de espasmos, tripudios e desfalleci-
mentoft.
As ag5es azues, as netas, tinham nas-
cido I Frescas, virgens, pequeas, do prelo
da typographia real. Nao haveria razio
para abalar a ra Quincampoix 1 As netas,
as acjSes azues, as recem-nascidas, tra-
aendo a assignatura veneravel do oontador
Labaatide I
Venham, des de premio!
Quinze 1
Viata em diversas especies.
Vinte e cinco I pagos em II de Berri.
_ Em cravo da India, em seda, em vi--
nbos de Gasconha l
__ Estfja quieta, tiazinha !
Obi o patife, que maltrata as mulhe-
res. Nio te.n vergonha?
_ Batira-te retira-te I Urna partida
de garras de Rouen.
__ Batir te! pomos de Quintn, tanta
de premio.
Typ. do Diario roa Duque de Caria u. t&
I


V
i


t
i
*'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH06YCYVX_ZEXGA5 INGEST_TIME 2014-05-28T14:55:06Z PACKAGE AA00011611_19815
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES