Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19811


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1110' L'IH IfllfiEO u
A CAPITAL E HG4HK ONDE SAO HE PACA PORTE
i'rnezea adistados............... 6KX)
is ditos dem.......... ...... ii'iJOO
Por um anno idem................. 2300
Cada numero avallo, do mes no da............ 10
SABBA50 12 DE FE7EBBIR0 BE 1
PARA DESTBO E PORA DA PROTOCIA
Por seis meses adiantados..............
Por nove ditos idem................
Por um atino idem. *.............
Cada numero avulao, de dias anteriores..........
13*500
20*000
27,^00
100
I

-V






*
NAMBU
Pr0pttei>ai>* fr* JRanorl fx&Lx&a *e .aria Silbos
Os Sm. Amede Prlaee A C.
de Pars, % & os nasos ftgenlo
exclusivos ve annaaclos e pu-
blicacdes da Franca e logla-
ierra
TELEGRAHMAS
S3H7IGC ?5TICUL?, SO 2IABI0
RIO DE JANEIRO, 11 de Fevereiro,
1 hora e 15 minutos da tarde. (Rece-
nido as 2 horas e 30 minutos, pelo cabo sub-
marino).
Fui removido da vara das relias da
fasenda para a vara cive da ca-
pital do Para, o Jais de dlrelto Ha-
chare! Joo Polyearpo don Santo*
Campe*.
Fol designada a vara do* feltos
da fazenda da capital do Para, para
ella ter exercicio o Jal* de dlrelto.
Baebarel Adolpbo Ernesto de vai-
concelios Chave*.
Forana nomeado* i]
Jal* de dlrelto da comarca de Ma-
ra Perelra. aa provincia do Ceara.
o baebarel Franclco Bastiste viei-
ra i
Jais municipal e de orpbioa do
teroao de Esa. na provincia do Ama
nona*, o baebarel Jaaon Yaladao t
Jtalc manielpal e de orpbioa do
t*rmo de Becerro*, na provincia de
Pernambaco. o baebarel Jos Pedro
de Salle* i
Lente da E*cola Naval, o Dr. Tar-
qulnlo Braulio de Soasa Amaran-
tbo Filbo.
:zs7i;: m 2BS sms
(Especial para o Diario)
NOS-AYRES, 10 de Fevereiro.
nj<- foram apena* assignalado*
aqal 3 cano* novo* e 3 obltoa de bo-
lera-morbo*.
MONTEVDd'O, 10 de Fevereiro.
O no.vo directorio acaba de deaco-
cobrir traeos de Irregularidades naa
Ananeas. endo taea Irregularidades
pratlcatfa* pelo soverno do general
B. Satino Santo*.
Xa* altima* S4I hora* deraan-ae a>
caao* novo* e 3 obltoa de casolera-
morhu*.
no Calle annunciam 89 obitoa.eean
i a a Bepubltca Argentina 34 eaaoa
novo* h bito* iiea epidemia.
PAHIS, 11 de Fevereiro.
O Sr. Havorgnan de Braiia parti
boje para o Congo, aflan de all aa-
aunalr aa faoecea de realdeute ge-
ral da repblica francesa.
BERLIM, 11 de Fevereiro.
Em p* de ama rea nio norial lata,
deram-ae desordena em atetilla.
MONTEVIDE'O, 11 de Fevereiro.
oje deram-ae |S eaaoa novo* de
citolera e 3 obltoa.
o departamento do Salto dlzern
serena Ido a**lgnalado* S bito*
deaaa cruel epidemia.
ex presiden to B. slaxlnao Santos
aqal esperado aoje.
Agencia lia vas, filial em Pemambuco,
11 de Fevereiro de 1887.
dantes, porque neceasario (tender ao pone? de-
envolvmento que as funecoes digestivas teem anda
bem como 4 natural gulodice desca idades em qae
a razio aiada nio impera, e nao se deve deixar a
alimentacio entregue vontade das crencas.
A qualidade dos alimentos deve ser regida com
extremo cuidadado,
De7e-se dar creanca alimento de digestao, es
colbendo aquelles que nio neeessitem de difficil
trturacio e que, em pouco volume, contenham
bastantes principios uteis.
Os caldos farinceos e feculentos, a sopa, a as-
sorda, satisfaiem as estas coadices.
A carne pouco cosida, ou pelo meaos a qae nao
estej.. muito dividida, inconveniente. Muitas
doeocas dos orgioa digestivos da creanca nao teem
outra causa.
Em geral estes cuidados sao pouco attandidos e
a nutricao das cranlas frita exactamente ao con-
trario do que mais Ibes conviria.
Dedus se naturalmente de todas as consideraces,
qnantas b vemos feito no decurso deste livrinhi,
que a nutricio deve ser em harmona com o gene-
ro da vida a que o hornero se entrega.
0 trabalbador do campo que gasta a mor parte
do tempo nos seus trabalhos ao ar livre, dispen-
dendo torcas musculares eonsider&veis, ois dave
nutrir-se do mesmo modo que o hornera entregue a
trabalhos sedentarios no sea gabinete de estado.
0 opeiario qae igualmente emprega forcas cun-
sideraveis nos seus mistares, nio deve alimentar-
se por modo igual so qae emprega o caixeiro,o em
pregado de ama secretaria, por exemplo, qae se
conserva quieto eassentado tal voz urna terca parte
do dia.
O trabalbador do campo e o operan > precisam
nio s de maior copia de alimentos ; mas tambem
lhes necessario um rgimen mais animalisado,
mais tarto d j que precisa o homem de gabinete, o
csixeiro e o empregado de secretaria.
Infelizmente o tiabalhador de campo e o opera-
rio, que de mais reparadora nutricio necessjtam,
teem poneos meios para satisfacer a esssas condi-
ces e natrem-se mal,ao passo qae o homem de
gabinete, em geral mais favorecido pela fortuna,
dispe de mais recursos nutritivos, pode escolher
a sua alimentacio, e nutre-se maitaa veces mais
do qae lhe seria preciso e conveniente para o sea
genero de vida.
Da contra venci destas rejrrae em qualquer daa
hypotbeses que apreacotamos, nascem doencas ; e
asaim vemos os operarios mal nutridos, seris vi-
ctimas de ama nutricio insuficiente, ao passo qae
o homem de vida s dentaria soffre os inconvenien-
tes de ama alimentacio superabundante e exces-
siva, e bastantes veses victima destes excessos.
Nio formulamos regias a este respeito ; ellas se
deduziro naturalmente das consideraces apre-
sentadas.
Quem nao as souber deJuzir, ou nao tiver forca
para se vencer,tambem nio as saberia camprir,
vendo-as escripias.
Cabe bygene publica estabelecer as bases da
alimentacio apropriada sos differentes gneros de
trabalbo.
V
Ba iilimentaro doa diversas clima*
Se o leitor reparar no qae Ibe succede, com cafe-
rend* i alimentacio, dorante o invern e na esta
cao calmosa,se reflectir bem quenas occesi^s
em qae o calor excesaivo o appetite diminue, e as
digeatoes sao morosas ao passo que no invern, du-
rante os Crios exeeasivos, quaolo t udo convida ao
exercicio e ao movimeoto, sent mais vontade de
comer e aa suas digestor sio rpidas e perfeit.s,
ter visto, na ana mxima simplicidad'! e ex*
ctidio, em qae consiste a regra hygienics da ali-
mentario nos diversos climas.
Nos climas fros e durante o interno doa climas
temperados, necessita o homem de mais alimento
e de orna alimentacio nio s farta de principios
plsticos, como ahondante em principios gordos ou
hydro carbonados.
Os habitantes da Laponia e da Groenlandia,
onsomem notavel quantidade de* gorduras e de
alimentos animaes. As substancias em que abun-
da a gordura e o sebo, so os seas mais appeteci-
dos manjares ; dos vegetaes nem usam por lhe fal-
tarera, nem osariam de b un grado, teodo-os, pois
lbe seriara pouco convenientes.
De invern, pois,referindo-nos agora a Porta-
gal,deve a alimentacio ser mais abundante :
con vera faser entrar na alimentacio aa substancias
gordoroeaa, e o cafe e o eha sio excellentes meios
excitantes e provocodores do calor animal.
0 oso m iderado do vinho e de algumas bebidas
alcooliess tambem nao inconveniente.
Durante o estio, a alimentacio dsvert, pelo con-
trario, ser mais leve, menos animalisads ; e os
excitantes, posto que em parte precisos para ven-
cer a atoaia das funecoes iitjestivas. sio menos
necessarios e otis. J
Ni podemos deixar de faser brevissimas con-
sideraces sobre a alimentacio nos pauses tropicaes
sob cuja accio na, oa portugaezea, tanto vivemos.
Abi, se por um lado o calor excessivo convida a
urna nutricio pouco forte, as perdas cansadas pela
traospiracao abundante e ia que tras cotnsigo a
accao dos miasmas palustres (compaobeiros quasi
inseparaveis do homem nos climas tropicaes) pela
sua parte acensa! ham o emprego de ama alimenta-
cio tnica e reparadora, que contrabalance os
mos tffdtoa destas causas de enfraquecimento.
A alimentacio nos climas tropicaes e regies pa-
lustres deveri ser um pouco mais forte e animali-
sada do que por ai s exigiran) as coadices da
temperatura ambient .
0 uso do vinho uestes pases indispensavel,
bem como o o emprego do caf e at certo ponto
o dos alcoolicos.
Deve, porm, attender se muito i morotidade
da digestao sob a accio deprimente dos fortes ca-
lores tropicaes ; e por isto todo s excesso na ali-
meutacio se devera evitar, niu s oa quantidade
como na qualidade dos alimentos.
Ha outros meios que prupnamente nio perten-
cem i alimentacio mas qae favorecen), de cajo ra-
cional emprego depende a cooservagio da saude
nos climas tropicaes.
O uso dos banbos fros, um exercicio moderado
mas regular (Unto physico como intelectual), a
eacolha das horas de trabalbo de repouso, con-
atituem estes muios.
(Continua)
INSTRDCCiO POPULAR
HIGIENE Di LHENTA510
(Extrahido)
DA BIBLIOTHKCA DO POVO E DAS E8COLA8
IV
Ba allmessjacAo coaslderada com
relaro djss sesos, tdade* e di
veamos generas de vida
(C a 11 n b f i o)
Aa r teices dsvem icr amadalas c pouco aban
?ARTE OFFICM:
<;oterno da Provincia
sxtboibhtc do da 10 Da jarbibo db 1887
Actos :
OprrMdent'1 da provincia attendendoan que
requi-r.su o bactiarel H-rsilio Lupercio de Souzh,
prora tur piiudeo da comarca de B io-Jardiin, re
aolve coii'eoer-ihe 'riuta Jia de lieeuca sem ven-
cimentus p ra 'ratar de neg lar nter- sse, ifc vendo entr.r no gozo da referida
tcenla no prszo o 20 das.
OprcsiJent' 'la provincia att. udendo a pro-
posta n que t> i-i t iiifurm'icio da The.oura-
ria de V*z uh ie o d aattlDre, *. 9, reootve de
eouformid-. i> c .i- di.-pi'i ao j Wsrtipi 76 da
cousoii iiv;'" >'- '' Aifau K) escnpturnro VrmC : '>ama Lodo p^r servir iu-
terinem iU' < baaosTUIIM da Altandega,
vi-:i> ti \ i .i ar ata a neceaaana saaoa
ou enicun.Iteuieiu .- cyia a Tbesoururia de
Paai
O ureid'nre d pr> vincia raole uomear u
capitiu Autoio aainicu de Lyra e Mello, par
exercer o eargo de delegado do 1 districto Ilite-
rario de -i. Ju. do B'-cife. -Hemetteo ae.e titulo
ao inspector geral da lustraccio Publica.
- O presidente da proviucia.tuaso sm vista o
f
oflleio n. 1, de 3 correte, no qual o engenheir
chefe da. repirticio das Obras Publicas, informa
3uc no mez de Dezcmbro ultimo foram encontra-
os na illuminacaV publica da cidade de Olinda
vidVte s"te lampeoes apagados e cento e dous com
luz amortecida, resol ve impor Companhia de San-
ta Tbereza as maltas a que se referem a clausula
17 do contracto de 4 de Julho de 1870, innovado
em 29 de Agosto de 1S77 e os artigos 13 dos re-
gulamentos de 12 de Jolhode 1886.Bemetteu-ae
copia ao eugenbero chefe da repmicio das Obras
Publicas e o inspector do Thesouro Provincial e a
Cmara Municipal de Olinda.
Oficios :
Ao commandante/das armas.Em rasposta
ao officio desse commnndo de armas de 21 de Oe-
zembro prximo pass-td i n. 621, declaro a V. Exc.
qoe pode faser acqoisico de um novo predio para
Quartel General, nio exeedeado o alugu I do qae
se pig-i pela casa qae actualmente se presta s
esse fim. Do qae occorrer a respeito dar V. Exc.
conbecimento a esta Presidencia nos termos da
ordem de 11 de Maio de 1885.
Ao inspector do Arsenal de Harnha.O mi-
nisterio da marinha, em tslegramma de hoje'data-
do, declara ter concedido licenca por sessenta dias
ao patrio-mor desse Arsenalo qoe communicon
V. Exc. para sen conbecimento e fins conveni-
entes.
Ao Bario de Nogaeira da Gama, mordomo
da Cmara Imperial.Destaro a V. Exc. que
n'esta data fiz conatar directora da Liverpool
aatrooomical Sociefy que Sua Magestade o Impera-
dor se diguoa de aceitar o lugar de socio da refe-
rida sociedade, de qae trata a peticio, que devol-
vo, aunexa ao ofBcio qae V. Ex:, me diriga em
23 de Dezcmbro do anao pasead >.
Ao Dr chefe de polica.Reraetto a V. 8.
para os devidos fins, copia do aviso da justica de 11 de Dozembro do anao prximo
passado relativo separacio das folhas de paga-
mento fina diarias do pesaoal empregado no servico
do- escajfr das visitas policial e sanitaria do porto
d'esta tapial.
Ap Dr. inspector da Saude do Porto.Be-
raetto a V. 8. para os de'idos fins, capia do avi-
so doMinisteno da Justina, de 11 de Dezembro
do anuo prximo passado. relativo separacio
das folhas de pagamento das diarias do pessoal
empregado no servico do escaler das visitas po-
licial e sanitaria do porto desta capital.
Ao mesmo.Tendo o Erm. Sr. ministro e
secretario de estado doa nagocioa do imperio eja
telegramma de 8 do c o-rente mes declarado qae
devem ter livre pratica navios procedentes de
Malaga e outros portos hespanhoes eotre Gibral-
tar e Cabo Palos, assim o fazo constar a V. S.
para os devidos effetos.
Ao m-smo. Declaro a V. S para os fina
convenientes qae, acerca do apparelho telephonieo
collocado neasa reparticio, resolveu o Exm. Sr.
ministro do imperio, em aviso ds 2*',de Dezembro
ultimo, sob n. 6925, em aolocio a sua reqatsicio
constante do oficio de 3 da accordo com o aviso de
4 de Maio anterior, ato qae nio tendo sido au-
torissdo despeta para aquelle servico, nem haven-
do verba destinada, nio pode ser concedido o ere-
dito solicitado em 17 de Fevereiro, 6 e 21 de
Abril do dito anno.
Ao director e memoras da Liverppool Aatro-
oomical Society. 'oinmuuico a Va. Ss. qae Sus
Magestade o Imperador se dignou de acceitar o
lu (ar de soQa deaaa Sociedade, de qae trata a
petiea* dirigida por Va. Ss. ao meen Aflfuato
Seuhor, segundo declarou-me o Exm. Bario de
Nogoeira da Gama, mordomo da Casa Imperial em
officio de 23 de Dezembro do anno passado.
Ao inspector da Tueaouraru de Fazenda.
O ministro da marinha, <:-n telegramma de bojo
datado, declara ter concedido liceoc* de 60 dias
ao patrio-mr do Arsenal de Marinha.
que coinmnnco a V. S. para os fias con ve-
nientes .
As mesmo. Djclaro a V. S. para os fias
convenientes, qae aatorise o director do Arsenal
de Guerra a mandar foroecer ao commandante da
fortaleza do Brura cinco cabos de madeira para o
servico da lmpesa da mesma fortaleza.
Ao mesmo.Mande V. S. ajusfar con tas ao
capellio t'-uente do corpo eccleaiastico do exercto,
padre Gervaaio Antonio Nogueira, qae vai render
no presidio de Fernando de Noronba o capellio
conego Maooel Jos Mirtina Alvea de Carva-
Iho.
Aos officiaes do 14* bstalbao de iofantara,
capitao Antonio Firmo de Soasa, Tenante Aare-
liana Ola vio do Valle, alteres Thomaz D niz Vil-
las-Boas e Ignacio Joaqaim Pereira Libo, que
segoem para o presidio de Fernando de Noronha,
no vapor Giqui, mande V. S. prestar con tas.
Ao mesmo.Mande V. S. ajusfar contas ao
2.* cirurgiio do corpo de saude do exercto, Dr.
Artbor Grato Al ves Carnauba, qae segu na pri-
mera opportunidade para o presidio de Fernando
de Noronha, onde vai render o Io cirurgiio Dr.
Francisco Jacintho Pereira da Matta.
Ao mesmo.Bemeetto a V. para os devi-
dos fins, copia do aviso do Ministerio da Juitica
de 11 de Dezembro do anno prximo passado, re-
lativo i separacio das folhas de pagamento das
diarias do pessoal empregada no servico do esca-
ler das visitas policial e sanitaria do porto desta
capital.
Ao mesmo.Nos termos da sua informacio
de 3 do correte, o. 5, mande V. S supprir o
almoxarifado do. presidio de Fernando de Noionba
com a qnautia da 7:4454969, a que allude o in
class orcamento para occorrer as despesas de pes-
soal e material relativas ao mes de Dezembro pr-
ximo pasBado.
Ao mesmo. Commanico a V. 8. para os
devidos fins, qae fies transferida para o dia 14 do
correte ao ineio da, a sabida do vapor Giqui
para o presidio de Fernando de Noroaba.Fize-
ram-ae aa devidia commauicrcea.
Ao mesmo.Para os fias convenientes re-
meta a V. S-. copia do aviso circular de 38 de.
Dezembro ultimo, sob n. 1, em qoe o Ministerio
da Agricultura, Comm-rcio e Obras Publicas,
para boa sxecacio da circular de 19 de Satembro
de 1885, autor isa asta presidencia, quando os re-
latnos do exercto pediram e praso de trras de
qoe trata a Id n. 2991, de 21 de Setembro de 1880,
art. 2 2*, a designar localidade em qae seja
medido o dito praso, visto acharem-se emancipa-
das aa colooias do estado.
Ao mesuio.Declaro a V. S. qoe, segando
o aviso do Ministerio da Agricultura, Commsrcio a
Obras Publicas, sob n. 22, de 24 de Dezembro ul-
timo, foi approvado o acto de II, pelo qual esta
presidencia concedeu ao euge.nheob.dro ristides
Gal vio Queiros, triota dias de licenca.
Ao inspector do Theronro Provincial.Em
solacio ao -xposto as snaa ioformaces de 24 de
Dezembro do anao prximo passado, na. 39 e
meios
lhe foi i
o precoj
Ourica
VTmo.,
ohecer, ]
aarendiafis. artfices des^e Arsenal, o menor Jos
de Calasans, oomo pede sejpai Bras Aatonio Jor-
ge, no requerimento que com os mais papois lhe
devolvo, conforme soteita na citada inform icio.
A)'me*si) Autonso Vmc, vista do final
de sos informadlo n. 796, d" 7 do brrente, a man-
dar foroecer ao commandante da fortaleza do
Brum, cinco cabos de madeira para o servico da
limpeza da meam* fortaleza.
Ao director do presilio d; Fumando de No-
ronha. Declaro a Vmc, para seu conhecimeoto e
fins coaV^nientes, que nesta data autorisd o com
mandante d* crasador Imperial Martnheiro, qae
vai estacionar as aguas desse presidio, vir a
esta capital sempre que o servico publico asaim o
exigir, a
Ao fiscal da compaohia Becife Draioage.
Haja Vne. de aproseotar remenlo da despeza
tazer-se com a collouacio dos apparelhos precisos
na tortalest do Brum.
AsTjngeahdro das Obras Publicas. Tando
onvido i irfapector do Thesouro Provinaial, devol-
vo a Vmc, em additamento ao meu officio de'3 do
correata, o orcamento qae acompaahoa o de Vmc,
de 20 de Dezembro ultimo, 231, na importancia
de 1:4OA300, referente a repasos do pontilbio
sobre o rio Araripe de Baixo.
As jais municipal e de orphins do termo do
Triumpso. Informa Vmc. no ffici > de20 ds De-
zembro. que tendo sido distribuido a esse munici-
pio o cacito de 1:063/986, por couta de 7* qnota
do funda de emancipa^io, foram avallados para a
libertadlo dos escravos classificados : Pedro, de
15 anos* de idade, pela qaantia de 850j ; Igna-
cio, de mauoos, por 2001, pelo que pede'qae veja
supprid* a d ta quota com a qaaatialde 64 )14,afim
de ser Sbertado o segundo dos di'os escravos.
Em rapoata declaro-lhe qae a meacionada quo
ta elevsiss'a 1:0654553, com o saldo da 6*. oa im
portaaofa Se 14567, e que s o Govcruo Imperial
tem cooapeteucia para aatorisar e excesso pedido.
Alera dato o meoor Pedro, de 15 annos de dade,
deve sssponaiderado ingenuo, salvo prova em con
trario, sjqnaodo assim nio seja, convm que, pelos
idiciaes, se reduza o preco exageiado que
do, urna vez que nio est em relami com
mam dos escravos nesta provincia,
juz municipal e do orphios do termo de
. Dos locumentos anaexos ao officio de
II de Desembro ultimo, nio ss pode ce-
Mathilde. cu jo pretenso s nhor qaiz ia-
screvaflna nova matricula, no qae foi atteadidn
por essi jaizo, teoh-i menos de 60 annos, ao con-
trario i a-xelacao que lbe enviou o respectivo col-
lector | !raf, consta que fot e la matriculada em
18 de rosto de 1873, tendo 48 anuos de idade,
pdo q'. i dve ter agora attingiio a de 61 annos-
Segu lo o art. 3 2 do Dec. n. 9,517, de 14
de Nov nbro de 1 >"), presnmem-se certas as de-
claraco-s da aatiga matricula, e a presmpeAo s
ceder 4 vista da senteoca passada em julgado.
Coasegotntemeote deve ser aanallada a matricula*'
desta, enviada por Vmc. e declarada liberto a di-
ta Matbde, salvo o recurso qae a lei faculta a
possuidera.
Aojis municipal e de orphios do termo do
Ex e Granito.Bemetto a Vmc, para os fias
convenientes, copia do aviso n 27 de 23 de De-
zembro lltimo, no qual o Exm. Sr ramiatro da
agricoltara, commercio e obras publicas resolve a
aua coasalta, relativa ao modo de preceder quan -
to aos escravos que no term i de Ex attingiram
idade de Sd aanos.
StfHt fe direito da tunare* de Palmaras.
Declar Vmc., para os flus convenientes, :jae
conforme decidi o Ministerio da Agricoltara,
Commercio e Obras Publicas em aviao de 28 de
Dezembro ultimo, sb n. 8, nio seodo devolatas
as trras denominadas Camaratnba, compradas
pela Col ola Orpbanol>giea Isabel, nio pode ioter-
vir na mciicio o juz comiaisaario, salvo se fr venfi
cado perante o joiso commam que oeoham dos que
litigan pela propriedade de tana trras tem por si
legitimo direito. Coosideraudo-se estas devolatas,
ou qoe coofinemeilas dbm terrenos devolatos.
Malatie mulandit ao jais municipal e ao
jaiz de direito de Paaalas e ao juz municipal e
joiz commssario do mesmo tomo.
Portariaa
Declaro Cmara Municipal de Alaga de
B.ixo, que ficam approvadas-aa arrematacoes dos
impostoa constantes do termo annex-< do seu offi-
cio, a qae respondo, de 11 de Oatabro do anno
passado, *
Declaro Cmara Municipal eleita do Rio
Formoso, em resposta ao sea telegramma de 7 do
cor rente mez, que em faltado presidente, oa de
qualquer vereador da cmara traasacta, para dar
jaramente e poase aos novos vereadores, pode um
d'estes ser juramentado perante a cmara mais
visinha, convocando e deferindo depois juramento
aos outros, conforme a doutrina doa avisos as. 208
de 20 de Agosto da 1859, 286 de 21 de Janhs de
de 1869 e outros.
O Sr. gerente da Companbia Pernambncana
fa^a transportar ao presidio de Fernn lo de Noro-
nha, por conta do Ministerio da Gaarra, no vapor
Giqui, os officiaes do 14 batalnio de infantera
qae para all destacan'; Capitao Antonio Primo
de Sojzs, teoeote Aureliano Xavier do Valle e
os alferes Thomiz Diniz Villas Boas e Ignacio
Joaqoim Pereira Lobo, e o Io cadete sargento
Eustaquio Lopes de Lima Barros; e bsm assim
os menores Augusto, com 6 anuos de idade, e Joio,
com 3, filhos do capitio, e um criado de nome An-
tonio, D. Dionsia do Valle, mulher do tenente, e
seus tilh is Josna, de 9 annos, Manoel, com 8, Ma-
na, com 5, Casemir-, com 4, Maris, com 2, e
Joio, com 6 mezes, e um criado de ooms Bene-
dicto, Simplicio, criado do alferes Villas B as, D.
Aobrosina Lobo, mulher do alferes Lobo, e seu
filho Joio, com 8 nonos de idade, e um criado de
nomo Bento.Commuaicoa-se ao coinmaaiato
dss armas.
O Sr. gerente da Companbia P.ruambacana
faca traos; orttr ao presidio de Feraaado de No-
ruaba, por conta do Ministerio da Guerra, no va-
pjr Giqui, o 2 cirurgiio do corpo de saude do
exercto, Dr. Arthur Grato Al ves Carnauba, qae
vai render o 1 cirurgiio Dr. Francisco Jacinth i
Pereira da Motta, e bem assim a ana malher D.
Pirmina de Seixas Alves Carnauba e seas filhos
Augusto, com 7 annos de idade, e Armando, era
l anno e 4 mezo3.Commuoicou-se ao comman-
dante das armas.
O Sr. gerente da Companha Pernambucam
mande dar transporte ao presidio de Fernando de
Noronha, por conta do Ministerio da Guerra, no
vapor Giqui, ao capellio-teoeote do corpo eccle-
aiastico do exercto, padre Gervazio Antonio No-
gaeira, que vai render o capellio cooege Manoel
Jos Martina Alves de Carvalho. Commamcou-
se ao commandante das armas.
__O -fr. gorent da Companhia Pernambana
mande conceder passagem 4 prda, at o presidio
Exm. Sr. presidente da provincia, para conheci*
manto do eidadio Manoel Mara de Seixas Borgea,
qae segundo dicidio o Ministerio da Agricultura
Commercio e Obraa Publicas no aviao n. 7 de 27
de Dezembro ultimo, nio da competencia do go-
verno imperial resolver sobre a manutencio do
dito cdadio ds posae de trras de aua proprieda-
de, na comarca de Palmares, invadidas segando
allega, pelo hereo confinante Herculano Antonio
Jos Marroqniro, pelo que deve o supplcanta re-
correr ao poder-judiciarin.
O ffici OS -JIJBl
Ao eogenaeirajdirector da reparticio eocar-
regada da conaerv.sjla doa portos.De ordem do
Ixm 8r. presidente^a provincia acense o reca-
bimentodp officio n. -fif de 31 de Desembro ulti-
mo, no quaI V. S.' participou qae em data de 4 foi
vendido em hast|publica, pela quaotia 1:0954 a
Fonscc Irmios & p. o cavername a qae se refere
a antorscio a>mesmo Exm. Sr., de 20 de No
vembro, cuja;Ranfla foi recolhida, tbesonraria
de Fazenola, fiando essa reparticio a contar do
refar^do diaf^ ^eaobrigada do aluguel do terreno
em que f uncejopavam as efiicnaa do Carpintero e
calafatea, quaet foram mudadas para a ra nova
de Santa Bita.
O mesmo Exm. Sr. ficou inteirado de, por
falta de pretendentes, nio ter tido lugar a venda
da caldera e outros objectos, mencionados naquel-
la autorisacio.
Ao mesmo De ordem do Exm.| Sr. presi-
dente da provincia acenso o recebimento'do officio
sob n. 2, de 4 do correte, em que V. S. participa
qae no da anterior reasMmio o exercicio de aeu
cargo o coadjavante de 2classe dessa reparticio
Libanio Presidio d Carvalho, rennnciaodo o res-
to da liceoca que lhe foi concedida em 27 de Se-
tembro ultimo.Communicou-se a Thezouraria do
Fazenda.
Aos lospector do Thezouro ProvincialO
Exm. Sr. presidente da provincia iodeferio hoje a
pretencao de Genoveva Bosa Correia da Silva
Gomes, proprietaria da casa n. 7 da ra do Ale-
crim, 4 vista da informacao de V. S. em officio de
31 de Dezembro ultimo, sob n. 347.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA II DE FEVEBEIB0 DS
1887
Manosl Pereira Groes.Certifique se.
Pret do Corpo do Polica, -Examine-so.
Silveira & C. e Alfredo Maurica. Ao
Contencioso para os devidos as.
Hermeliaia Brgida Como de Lima,
Volte ae Sr. contador.
Silva & C.Entregue se pela porta.
Pret do Corpo de Pohcia, administra-
dor da Casa de Deteagao, Manoel Mar-
ques da Silva e Flix Francisco da Gunha.
Prgue-se.
Florentino Cavaloanti de Albuquerque
e contraria do Amparo de Olinda. Haja
vista o Sr. Dr. procurador fiscal.

HtviSTA DIARU

33i), ditelaro a Vmc. qae aos officiaes do corpo de I de Fernando de orouha, por conta daa gratuitas
pulida, so compete o abono de ajada de custo nos' a qae o goveroo tem direits, a Maria Joaquioa d)
Espirito Santo, tnu'her do aeotenciado Joio Can-
dido de Vlour e a ama filba de 3 aunoa de idade.
Commuuicoq-se ao director do presidio.
__O Sr. gerente da Companhia Per lambucana
providencie no sentiio de ficar transferida para o
dia 14 lo correte, ao meio dia, a sahida do vapor
Giqui para o presidio de Feraaado de Noro-
nha.
O Sr. grente da compaohia Peroainbucana
le uavegacio faca transportar para o presidio ae
rViiaulo le Noronbsa, por conta de Ftiireira de
Dhveira & IrmJj?, os geueros constante das in-
clusa- relacoes. ~
Mdatii tttlaudit A Jos Joaqaim Alves 4 C.
Matatit .vlifa'tdit A Joio Bufino dos Santos.
Mutatu iutjndit.k Res & Santos.
BXFSDUITS DO asOBSTl*tO
Elital:
Por esta secretaria ae taz publico, de ordem do
termos remelos do art. 3 da lei n 787 de ti de
Aoril ile l^W, is'o 4, quando tivessaom sabido
em !,licencias x'raordioarias oa para destaca-
ra ntos, ciiipreheudido o caso do transferencia de
um para oatrt lu?r e nio quando eativerea des-
'acados ou -ra leiigeocia e voltarem 6. capital or
qualquer ui'tivo que uii sea de aervico publico
extraordiuario, o q-ie ease Toeaouro verificar ao
etfeotuar o referido aborto.
Beinf.'o a Vmc. capia dr-a officios do comman-
dante do corpo de polica, ce 19 e 29 d tfovena
iro do m.-a o anuo, sob na 1.0D3 o l 08, refe
rentes ao kbono J'a>jUtflla va'utageui a diviisos ef-
ficiaea, afim de aer aa'ufeit o pedido de aecordo
com esta decisio.Commanicoa-se ao comman-
dante do corp-j de p ileia.
Ao director do Arsenal de Guerra. Auto-
riso Vtaa., 4 vista do fioal da sua iofonaacao n.
799, de 7 do corrate, a admictir oa companhia de
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 10 DE
FEVEKEIEO DE 1887
Antonio Goucalves, de Azevedo.Dirija-ae ao
Sr inspector do Thesouro Provindal, a quem hoje
deularei as coadices em que autoriso a renovacin
do arrendamento da casa onde funceiona a Escola
Normal.
Autopio do Carmo Almeida.Si ni, sojeitando o
sufplicante opportanamente ao conhecimento e
approvac > do governo os estatutos da sociedade e
regolameoto do servico.
Antonio Jos da Silva.Concedo.
Baebarel Antooio Sergio Lopes Lima.Informe
o Sr. inspector da Tneaooraria de Fazenda.
Antonio Francisco Pest^na. Nesta data auto-
riso a Thesouraria de Fazenda a effeetnar o pa-
gamento.
Bellarmna Francieca Lobo.Sim, sem venci-
mentos.
Cosme Augusto Pereira da Luz e.Mara Aman-
da de Sooza.Bemettido 4 junta medica provin-
cial a quem o supplicaate se apresentar para aer
inspeccionado
Ferreira de Oliveira & Irmio, Joio Bufioo da
Fonstea, J. J. Alves C. e P sSJ itas^S^a,
com aa restricea do estro. "
Fia vio Goncalves Lima. Sim, com o venci-
meoto a que tiver direito na forma da lei, devendo
a licenca ser gosada dentro da proriucia.
Francisco Avila de Mendoaca.Informe o Sr.
eogenheiro chefe da Reparticio das Ooras Publi-
cas.
Dr. Francisca Jacintho Pereira da Motta.De-
ferido com o officio desta data i Thesouraria de
Fasenda.
Guilhermiaa Maria da Conceicio.Informe o
Sr. cemmsnjante do corpo de polica
Baebarel Herealano Baodeira de Mello.Sendo
obrigatorio o cargo de juz de paz, inadmissivel
a escusa por negocios partcnlares, estado de anu-
de precaria, que nao molestia grave e protn
gada e anda o f ao qaatriennio Godo, allegados pelo 4 jais de pas
eleto e atteadidos pela Cmara Municipal de Na-
znretb, don provimeato ao presente recurso ; tor-
nando de neahuin effeito a escasa concedida, cum-
prindo a mesma Cmara dar poase e juramento ao
cdadio eleito qae para esse fim aera convidado,
sob pena de desobediencia nos termos do art. 4*
da lei de 15 de Oatabro de 1827 e diversos avisos
do governo imperial.
Jos Baphael Soares de Azevedo.Informe o
Sr- inspector do Thesouro Provincial.
Jos de Barros Los Coacedo.
Bichare! Jos Ciimaco do Espirito-Santo.--Ea-
eaminhe-se devenao ser pago o porte na reparti-
cio dos correos.
Coronel Jos Thomaz Goncalves.Fornefa-se.
Joio Lopes da Silva.Informe o Sr. inspector
da Thesouraria de Fazenda, teodo em vista o des-
pacho de 9 de Setembro ultimo, proferido em ouUra
peticio do suppiicante.
Manoel Marques da Silva.Informe o Sr. i
poctor do Thesouro Provincial.
Maria Joaquina do Nascimento.-Sim, pagando
a suppiicante as comedorias.
Maria das Mercs Garca Chaves.Nio est
vaga a cadeira qae reqaer.
Secretaria da presidencia de Pemam-
buco, em 11 de Fevereiro de 1887.
O porte iro,
Franedino CAacon.
Repartlco da Palela
SeccJLo 2.' N. 134.Secretaria da Po-
lica de Pemambuco, 11 de Fevereiro de
1837. -Illm. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram reoolhidos homem
Casa de rtdteacSo os seguales indiviluos :
A' minha etdein, Maria de tal, oa Mana Joa-
quina da Conceicio, remettida pela subdelagacia
de S. Loureoso da Matta, como allieoada, at que
teoba o cooveoieote deslino, e Manoel Jos da
Silva, por disturbios.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Manoel Ferreira de Lima, por disturbios, e Bento
Maria Dias, por crioe de tentativa d Morte.
A' ordem do do Io districto de S Jos, Maria
Margarida da Conceicao, por offensa* moral pu-
blica.
O subdelegodo Jo 1 districto de S. Jos com-
maoicoo-rae, que nesta data fez remesa i ao Dr.
jais de direito do 3* districto criminal dos inqa>-
ritoa p iliciaea procedios c >otra Manoel Jos Al-
ves da Silva e Manuel Marcal Bodrigues de S >u-
za, por criine d feriineotos leves, tacto qae teve
lugar oo da 29 lo mez prximo pissalo, no esta
belecimeuto de B 'Ch* Fer -ira & C, na ra de S.
Joio.
Anda commaoicuu-m-* o cdadio, Jos Fran-
cisco Pioheiro Bira a, que em data de ho tem ti-
uba assamdo o exercicio d l crg > termo da Pi d'Aiho, na qualidade de 1 aup-
pente.
O eidadio Joio Aurelio de Oliveira, em data
de hoot- io aasuinio o exercicio de aub le^a lo da
Magdalena, oa qualidade'de 2 supliente.
Deua guardo a V. Exc. Illm. e Exin.
Sr. Dr. Pedro Vieante de Azevedo, muito
digno presidente da provincia. O chefe
de polica, Antonio Domingos Pinto.
Autorlda.de policial.Por portara da
presidencia da provincia, datada de 8 do correte,
foi nomeado, para 2" upplente de subdelegado da
Boa-V*iagem, Paulo Baptista de Jess.
Feas* de Kosoa Nenhora das Dores
em tplpucoa E' aaanhi qae, aps 20 an-
nos de ioterrapcio, celebra-se, na igreja de Api-
pacos, a feata de sua padroeira, Nossa Senhora
das Dores.
Constar de misan aolemoo a 11 horas do dia,
pregando o Bevd. Dr. Jos Afisnso de Limae Si,
e ladaiuha aa 7 horas da noite, precedida de ser-
mio pelo Bevd vigario Z-ferino Ferreira Velloso,
aaccedida de armamento da Bandeira.
A' tarde, no largo da igreja haver cavalhadaa
e outros folgarss populares, tocaudo duas baodas
de msica.
A' noite haver illnmioacio geral, seudo acen-
ddos, hoje e amaoba, dona fcoa elctricos; e de-
pois da ladaiuha ser qneimado um grande ijgo
de artificio.
Fe*tu do Bsm Parlo em Olinda
Hoje aera baateada a bandeira da testa de Nossa
Senhora do Bom Parto, que a : venera na igreja
dessa invocacio, em Olinda.
Amanhi ter lagar a testa, constando de miaga
solemne s 10 horas do dia, com sermao pelo Bvd.
fre Pedrs da Purificacio Paes e Pava, e s 7 ho-
ras da noite Te Deum, depois do qual ser ar-
reada a bandeira.
No pateo da igreja, tarde, haverio exercicios
gymoaaticos, e noite ser goeimado um fogo da
artificio.
Em todos os actos tocar urna banda de mosca.
Festa de Santo Antao na eldade
da VictoriaCom asaisteucia do Exm. prela-
do diocesano, celebra-se amanhi. oa matriz da ci-
dade da Victoria, a festa de Santo Autio, sea
orago.
Constar de missa solemne com sermao s 10
horas do dia e Te-Deum s 7 horaa da noite, com
predica.
Depois do Te-Deum ser queimado um fogo de
artificio.
Caes de BasaosDesde mu i tos annos que
o Caes do Bamos, prolongamento para o sul do
C*e 32 de Novembro, ara deposito de maderas,
algodes e outros artigos de commercio, jasando
tudo all circumdado por enormes montea de ciscos
e podrido ja.
Lembrou-se agora, e felzmene, a Cmara Mu-
nicipal de mandar remover esses ciscos e podr des,
sendo samoficado o alludido Caes. Mas, as made-
ras, os algodes e tati quanli, all depositados, que
fim lo varara ? o qae foram d'elles f Permanecern!
all?
No dia 5 do corrate termioou o praso de 6 ma-
ses qae pela Capitana do Porto foi concedido aos
proprietarios das madeiraa para recolhel-aa aos
respectivos rmaseos; e at agora nada ae fea
que denuncie a intencio de desembarazar o Caes
do atravancamento causado pelo deposito das di-
tas maderas.
Por seu lado, os proprietarios dos algodes all-
existentea la belle toie, nio se demovem do pro-
posito de tel-os all expostos, empecendo o transito,
e offerecendo colxoes gratuitos vagabundos e cri-
minosos, que deitados oessas camas improvisadas
sonham com as delicias do panizo de Mahomet.
Nio seria oportuno, j que se trata da I impesa
do Caes, desempacbal-o de taea eolaiet e dos es-
trados de gymnattica indecentes qoe se prestam
os depsitos ds madeira ?
Demais, o algodio indicado, qae orea talves por
mais de 5.000 saccas, exposto como est, pode tes-
tar a maldade dos perversos e ser pasto de um
incendio. E nease caao, quem o rasponsavel
pelo damoo dos moradores das visiohanoaa, quea
responder pelo Arsenal de Gnerra, tio prximo
do deposito ?
Tudo isso est indicando que u,-gente, agora,
qoe se trate de lirapar o Caes,fazer remover todos
os depsitos all feitos ; e para tanto se devem
combinar a Cmara Municipal, a Capitana do
Porto e a polica, esta auxiliando aquellas, cujos
esforcos devem ser convergentes.
Vae nisso o interesse publico, pois que com essa
remocio gaobario o transito pelo Caes, a morali-
dade offeodidae a salubridade e hrgiene da cidade,
cousas que nio podem ser doBsattendidas, mxime
nos lempos que vio correado.
Far-se-ha esse beneficio ? Veremos.
Novenas em CaxasagA --Tira sido feitas
cora o maior brilbantiamo as novenas de S. Fran-
cisco de Paula em Caxang.
A cantora dos versos, qae a Exma. Sra. D.
Francisca Adelaide Carneiro Lias, tem urna bella
voz e canta com estylo, o que muito tem agradado
aos espectadores.
O concurso de fiis tem sido grande, e -de aup-
por que, no dia da festa, o Caxang regorgite de
visitantes.
A msica do 14 batalhio de infantaria tem to-
cado antes e depois das noveuas.
a terca eira, 8 do crrante, o Exm. Sr. presi-
dente da provincia, com saa familia, acompanhad
do seu secretario Dr. Pedro Fraucisco Correia de
Oliveira e de sea ajudante de ordena, capitao
Theoliodo Augusto Bego, digaou-ae de ir aquella
arrabalde, e conata-oos que d'alli voltou muito
satisfeito.
AcasaemqueS. Exc. deseancou, durante o
tempo em que all esteve, foi a do major Thom
Corroa de raujo, ouahado do referido capitao
Tb-"lin1o.
Theniro de OltndaA Sociedade Dram-
tica Melpomene Olindense realis^, no di 17 do cor-
rente, o oi-u spectaculo mensal com o drama 'iat-
par o Strralheiro e a comedia Os Dous burdos,
tendo por just '8 motivos adiado e*te eapeciaca.'o
qa se projectava para o dia 12 tmb m do cor-
rate.
iti raade do Norte e Paranyba.
O vap .r Ptraptma, entrado tiont-in 'oa portos
lo norte e sua escala, fouxe nos fc.his dii Rio
Grande do Norte at 5 < da Parahyba at 9 do
correute.
fiad*. p.,rm, referera essaa tnlhaa digno de nota.
Perverso. Ante-hontem, quando pNrtio
do Caxang o trein frreo d- S l/ horaa da u.oie,
alguna perversos jogar-m pedras contra .. m no
treu, acertando alpturaas em diversos paosageins,
(and dous feridos no crneo e outru de n rae
J Ezeuoi-1 Borg.a, contus na espadua d,rc1^
Seria conveniente postar all algumas praca* de
pjhcia para enter o apedrejadores, que us 10-
fbrmaio, coatumam reuoir-se n'um botequnn asa
vfniohaocas da estacio.
E
i



'-
"isli
,' lia i- .w .i. i lili

1
n
*-


>

t


.i:

Transpone Part.-Este vaso de guer-
ra deve sognir na segunda-fera, 14 do frrente,
para as Ro.-as afim de levar o pessoal e o material
uecossario psra a eenstrucjao da caea que all vai
er construida para-os pharaleiros.
Corveta Imperial Varinheiro. Na
prxima tere feira, 15 do corrate, deve seguir
para o Rio de Janeiro, a corveta Imperial Mari-
nhtiro, 4 chamado do Ministerio de Vlariuha.
Posse de Irmandade.Ter lugar ama-
una, s 4 horas da tarde, na igreja do Carmo, com
toda a solemnidad*, a posse da aova mesa ada -
nktrativa da ir.onn^.id de Nbssa Senhom dx
Luz Tocar durante o-asto a banda marcial do
Arsenal de Guerra,
Fernando I Horaaba Por ordem da
presidencia da provincia fci tsansfenda do da
12 para o dia 14, a sehda, do vapor Giq/u para
eate presidio. *
Proclama de cavssnaeii*oFoi lido no
dia 6 do corrate, na matriz da Boa-Vista :
B 'nto de Assis Britto com Anna Isabel Ramos
da Coste.
Clab Carlos orneaHoje o Club Carlos
Qjme-i faz o sea sar> musical e dansante do cor-
rente anoo.
Arsenal de CaerraNa Thesouraria de
Paaeada, s 11 horas da manh de hoje, paga-se
as ci.stureiraa do Arsenal de Guerra a 1* quinze-
na de Janeiro prximo find >.
luotitulo VrcneolORic Na prxima
terci-fcira, 15 do corrente, ao meio dia devem
neuoir-se eai asamblea geral oa soeiaa do lusti-
tnto Arch?ol%ico e Geograohico Pernambncano,
para, na confarinidade do art- 10 dos seus tat-
tos, para elogerem a adminiotraco que deve diri-
gir o mesmo Iostituto mani social de 188788.
Clul Ayres CumaDe conforraidade com
os seus estatutos esta sociedade reuoir-se-ha
hej.'. &.i 4 horaa da tarde para preeener eleico
da nova directora com o numero do socios que a
etla c impareoer, em vista de nSo haverem compa-
reaiJj na convocara os dons tercos doa socios
exigidos pelos meamos estatutos.
Peala em Palmares-Aminhi celebrar-
e-b na aatriz de Palmares com grande pompa
a teste de Noaaa Smhora do Livramento, s 10 e
meia horas da dia.
H iver noite Te Deum pregando, o Revm. co-
nejeo vigario Idalino F .mandes da Soasa.
Hoje, a 6 horas da tarde, ser hasteada a ban-
deira con tod* a solemnidad .
Peala de Xsssu Seahora de Helis*.
Na capel la de Belm haver a feat de Nossa Se-
nhora amanha, s 10 horas do da, sendo ieite
com o muximo espl. ador.
A' tarde, em frente capella, haver trbalo js
gymnastieus e s 7 horas da noite Te-Deum,
queimndo-se depois um grande fogo de vista.
, Hoje noite ser pncissionalmente condaz'da
a bander* da casa da juiza e basteada.
Nao faltar j, qur hoie e qur amanh, s ho-
ras da eos turne, *s salvas do estelo.
PaileclmenloApa padecimeatos que ae
tornaram rebeldes a toda a medicaco c aeg maio-
rea cui lados da familia, suecumbio hontem pela
mauha em Cha do Carpina para onde tinha ido
ltimamente, a Exma. r. O. Mari Philomena
Moreira Bastos, digna esposa do negociante de
nossa praca Joaauim Olinto Bastos.
A virtuosa senhora que apenas coutava 30 e
poneos aanoa, dotada de um coracao bemfaaejo e
caritativo, era o modelo da verdadeiraesposa eme.
Deiiou na orphandade 6 pequeos flhoa que
desde j choram sua falta irreparavel.
O corpo veio do lugar do fallecim-snto em trem
eapeoial do Liinoeiro, e foi depositado no canute-
rio publico, onde hoje s 9 horas da inaah se fa-
rio os ltimos suffragios. partinio os carros que
tem de conduzir os convidados, da ra jo Impe-
rad r.
A' toda sua familia as noaaas condolencias.
PaamealOFallecen homem as 2 horas
da tarde, victima de urna leao cardiaca, Henri -
que Adour, empregado do commercio, tendo de
4ade59 annoa.
Era um hom^m eatimavel e geralmenje estima-
do pelos seua sontimentos elevados, o era no lugar
o qae pode rer um chefe de familia destincto.
O mu enWrraiaents t-i lugar boj a ll-ho-
ras do dia, estando o cirpo depositado na apella
do Ceiniterio de Santo Amaro.
Para oa sena amigos e os do sau genro, Or. Mo-
reira Alvea, actual presidente das Alagas, esta
rao paitados corros ua roa do Imperador.
Nossa* psames sua familia, e especialmente
aquelie nosso amigo.
El a a raiuLeaios na Prtriai
Tinbam aiguns jornaes aonunciado que o ge-
neral Boukauger devia ir 4 Boargta para assastir
as prevas de tiro com projectis novos.
O ministro da guerra nao toi i Bourges, e
acuelles que seguis com interesse os movimentos
do sen ministro da guerra pergnntavam qual a
causa.
Sa estemo I no caso dedizer qual o motivo.
O general Boulanger sendo informado que urna
brigada de eapiaa ailemes se tinha espalhado nos
arrabaldes do pobigono de Bourges para tentar
aorprebender o segredo da nossa nova artilheria
einjuauto se fasiam as experiencias na presenca
do inioisUo, absteve-se de ir all.
lias aqu nao eat tuio. Emqoanto que oa
emiaaarios de Bismark e do feld marecbal Moltke
eatarao de emboscada em Bourges, o general
Boulanger se apresentava os suburbios de-Lille,
onde se fizeram as meamaa exprimentages que
deviam ter lugar em Boulanger. Eatas experien-
cias foram inteiramente favoraveia.
UibliOKrMpbla- A eaaa Trevas & Irmaos,
de Miiao, publicoo o piimeiro volume da nova
obra i
A* txtates humanas por Paulo Mantegazia.
Este nvro ama batalha, diz o autor ao pri-
soeiri) capitulo.
Eate livro om poema em prosa, disseram oa
crticos competentes, que leram as suas primeiraa
pagtoaa.
Ortamente levantara vivas discassoes
e tambera
e dar
kogar a criticas e tambera qnellea enthusiasmoe
que tea acompanbado por to loagj tempo toda a
nova obra do eminente sabio.
uirectora das oorsa de coaaerv-
cato dM forlooBoletim meteorolgico d
di ilO de Fevereiro de 1887 :
Horas I-So o s -a 5 O 60 Barmetro a 0 Tensao do vapor a -3 ] 9 m
6 m. 26'6 75869 20.48 18
9 288 76014 20.58 69
12 299 7&)mi7 20.46 65.
3 t. 29-4 75923 20.42 67
C 278 759m(t6 20.-6 75
Temperatura mxima31,t>.
Dita minima2",5.
Evaporaco em 24 horas ao sol: 7,3 ; som-
bra: 4-,9.
Chavanulla.
Direceao do vento : E e ENE alternadamente
de meia noite at 3 horas da manh ; ENE e NE
alternadamente at 8 horas e 15 minutos da manba;
ENE at 9 horas e 50 minutos da manh ; E e
ENS alternadamente at meia noite.
Velocidade media do vento : 3ra, 71por segundo,
(das 6 horas da tarde at meia noite 4,61).
Nebulosidade media: 0,7.
(ellneaEttectuar-Be-hao:
Boje :
Peto aoae Pestaa, s 11 horas, ra do Viga-
rio n. 12, de movis.
Peto agente Bruto, s 11 horas, na ra de Santa
Sita a. 27, de predios.
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, na roa de
Pedro Affonso n. 43, de movis.
Mlsaaa raneares.-Serio celebradas:
Hoje :
A'a 6 horaa, na rnatiiz de S.Pedro Marfyr de
Olinda, por alma de Jos Pinto da Costa Sonto-
tfaier ; a 7 horas, na matris da Boa-Vista, por
alma de Eaedica Augusta Serrano Travassos ; s
8 horas, na capella do engenho S. Bernardo em
Pao d'Alho, por alma de Ignez Maranho de
Albuqoerque Lima ; s 8 horas, na Ordem Ter-
eeira de S. Francisco, por alma de U. Tberesa J.
da Costa Nogueira ; s 7 horaa, na igrej* do Es
pirito Santo, por alma de Jos Pereira de Men-
flaaaa,
Paaaaarelroa.Chegados dos porto do nor-
te no vapor nacional Pirapama:
Pantaleio Beserra e sna senhora, 8alvador Cor-
tea, aoa senhora, 1 irm e 1 filho, Antonio Tanol-
Joa Pereira da Costa, V anoel Linhares, Her-
Aaeyedo, Francisco A. de Alduquerque,
Tinoco, Dr. Lindolpho Alvea, sua se-
e 2 criados. Dr. Jos Joaqun de.S. (al-
1 irmao, John Crange e sna senhora, Marcos
lago. Joaquina C
no Dusrte da Silva, Miguel Antonio B, Dan-
CHRONIGA JUICIARIA
Tribunal da Rela^o
SESSlO ORDINARIA EM 11 DE FEVEREI-
RO DE 1887
PRESIDENCIA DO KXM. SK. COS3ELHEIRO
QIXTISO DE MIRANDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
A's horas do coatume, presentes os Srs. desem -
bargadorea em ame o legal, foi aberta a sesso,
dopois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e pascados os feitos deram-se os
seguintes
JCLSAMEST08
Habeas carpas
Paciente.
Antonio Florencio Dias. Mandou-se soltar,
unnimemente-, decretando-se a reaponsabilidade
do delegado de polica de Mamaoguape, contra os
votos dos Srs. deaembargadorea Tavarea de Vas-
codcellos, Monteiro de Andrade, Delfino Caval-
cante e Buarque Lama.
Recursos crimes
Da PenedoRecorrente Jos Soares de Albu-
querqae, recorrido o juizo. Relator o Sr. des-
embargador Pires Ferreira. Adjuntos os Srs.
conselheiro Queiroz Barros e deaembargador Al-
ves Ribeiro.Negou-se provimento aa recurso,
unnimemente.
Do RueifeRecorseate. o juiso do com-nercio,
recorrido Jos Pereia Santos. Relator o Sr.
desembargador Alves Ribeiro. Adjuntos os 8ra.
desembargadores Delfino Cavalcante e Pires Fer-
reira.Negou-se provimento, unnimemente.
Aggravo de instrumento
Do commercio do RecifeAggravante Carlos
da Fonseca Carvalbo, aggravado Joaqnim Fran-
cisco de Albnquerque Santiago. Relator o Sr.
desembargador Delfino Cavalcante. Adjuntos os
Srs. desembargadores Toscano Barreto e Alves
Ribeiro.Negou-se provimento, uianimemento.
PA88AQENS
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toicano Barreto :
Appellacao commercial
Do RecifoAppellante D. Maria Joaquina das
Dfes, appellado Francisco Cecilio Fernandes da
Silva Oaimares.
O Sr. desembargador Delfino Cavalcante jurou
saspeic&o no recurso crime de Maeei em que
recorrente Fortanato Benjamim Lins de Vascon-
celos, recorrido o juizo.
O Sr. desembargador Monteiro de Andrade man-
dn a mesa para providenciar a
Appellacao crime
Da OlindaAppellante Francisco Nery Perei -
ra, appellada a justica.
O Sr. desembargador Pires Goncal ves como pro-
curador da corda e promotor da justica interino
deu parecer nos seguintes feitos :^
Appellaces civeis
De Pao d'AlboAppellante D. Joanna Fran-
cisca de Mello Cavalcante, appellada D. Anna
Joaquina da Motta Silv-ra.
Do AtalaiaAppellante o juiso, appellado 8a-
tyro, escravo.
Appellacao commercial
Do ReeifAppailsntes D. Anna Candida da
Caoba e Joaquim da Alsanda a Silva appallados
os meamos.
tas, Ablon Ribeiro Dantas, Joaquim Ribeiro Dan-
tas Joaquim Firmino, Arthur Velloso de Asevedo,
sna m c 2 filhoa, Virgilio de Ges Leite, Marga-
rida e -Nico'o Indio.
Operarte* clrojrsjlcasForam platica-
das no hospital Pedro II, no dia lt do corrate, as
seguintes:
Pelo Dr. Malaquias;
Hvdrocele duplo pela pan^o e iajecab de iodo.
Pusthotomia pelo processo de Ricord indica por
phunosif e eiuicros veneno*.
Pelo Dr. Barata:
Atrasis ds> oataraeta dura pelo processo re-
talnc penferie) da Week-sr.
Tkiijrrhapbiai com ezeisilo ovalar da palada
palpebra, indicada pjr triehiasis.
Casas de sateneaoMovimcnto doa pre-
sos do da 10 da Peverairo :
Existain praaos 382, astraram 5, sahiraoa.16.
Existem 371.
A saber :
Nseionaes 329, mnlheres 14, estrangeiros 17, ee-
cravos sentenciados 6, ditos de correccio 5To
tal 371.
Arracoados 329, sendo: bona 315, doentes 14,
To cal 329.
Movimento da enfermara :
Teve baix*:
Jos Thom Ferreira da Silva.
TVveram altas :
Antonio Je s da Motta.
Manoel Jos Alves da Silva.
Joso Jos de Sant'Anna.
Vctor Jo< de Lima.
Jesuino Ricardo de Vera-Cruz.
Fallecen na enfennaria desta casa o detento
Jesuino Ricardo da Ver-Orar.
jirande extraordinaria lotera da
Alagoas Eata grande atera, coja premio
grande 2,000:OJOKJO, aeri <-xtrahrda impreta-
rivelm?nte no dia 26 d" Pssereiro prximo.
Oa bilhetes acham-se s> venda na praca da In-
dedendencia ns. 37 e 39-^.
Lotera de Binas-Seraea-A 5' paro?
da 1* lotera desta provincia, cajo prmio grande
600:900*000, sar extrahida no dia .. do Fe-
vereiro, impreterivelmente.
Os bilhaies acham-ae vosda aa Rada da For-
tuna, ra Larga do Rosario a/o6.
Lotera do Cear A aseria desta
provincia, enjo premio grande 4 1*000*000 ser
extrahida no da 13 de Feve-mira.
Os bilhetes acham-ae venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Tamoem acham-se venda na Casa Felia,
prasa da Independencia ns 37 e 39.
Lotera do4Sro-P*ra -A 10 parte les-
te loteria s^r extrahida quiota-teira, 17 de Feve-
reiro.
Bilhetes venda ni Casa do Ouro, ra do Ba-
rio da Victoria n. 40
Tambem ach im-ae venda na Casa da For-
tuna na Primeiro de Marco n. 23.
Grande lotera da provinciaA 14
serie desta loteria em beneficio dos ingeauos ds
Colonia Isabel, cajo premio grande 240:000*000,
aera extrahida no dia .. de Fevereiro, a 4 horaa
Ja tarde.
Os bilhetes acham-se i venda na Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera de Macelo de 300tO000
A 4* partes da 15 loteria, cojo premio
grande de 30.-O00*, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelmente no daf>de Fevereiro
a j, meia dia.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da la-
dependfincia ns. 37 e 39.
Tambem aahvn-aa venda- Rjda da Fortuna
na ra Larga do Rosario n. 36 e na Casa da For-
tuna ra Io de Mareo n. 23.
Prec/>s resainidoa.
Lotera do Paraaa-Esta importante lo-
tene, cujo premio grande #> 300:000*0)0, e habi-
lita-ae a tirar 15:000*0J0, ser extrahida impre-
terivelmente no da .. de Fevereiro.
Aebam aeexpostos venda os reatos dos bilhe-
tes aa Casa da Fortuna ra Primeiro de Mar jr
n 23. -
Lotera da cdreA 2 parte da 202 lo-
teria da eortej cujo premio grande de lUOiOOO
ser extrahida no dia .. de FevMeiro.
Os bilhetes acham-se venda na praga da In-
dependencia, as. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da For-
tuna a roa Primeiro de Marco.
Lotera do BloA 3 parte da loteria
o. 366, do novo plano, do premio de 100:000*000,
aera extrahida no dia .. de Janeiro.
Os biletes acham-se venda'aa praca da Iane-
pendencians. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Caaa da FoTtn-
oa a-rae l"-ds> Mareo n. 29.
Cemlterlo Publica -Obtnano do da 10
de Fevereiro:
Ranl, Pernambuco, 6 mezas, Recife; febre re-
mitiente.
Mauoel Escoci do Nascimento, Pernambucr, od
annos, casado, Boa-Vista; dilatacao artica.
Jesuino Ricardo da Vera-Crus, Pernambnco,
15 annos, solteiro, Santo Antonio ; febre perni-
ciosa.
Antonio Paes Pire?, Hespanha, 48 annos, ca-
sado, Recife; ruptura ameurismatica.
Francisca de Castro Leao Cabral, Pernombu-
cu, 24 annos, casada.Santo Antonio; abeesso pe-
riuterino.
Luiz de Franco Bahia, Pernambnco, 6o aaaos,
casado, Reeife ; insufficieneia
Appellacoea crimes i
De GovannaAppellante Pedro, escravo, ap-
pellada a justica.
De CamaragibcAppellante Manoel Gnoies dos
Santoi Lima, appellado Francisco E'esbo da
Silva.
De GaranbunsAppellante Bellarmino Correia
de Moura, appelladaa justica.
Do BuiqueAppellante Joao Martins de Oli-
veira, appellada a Justina.
De Pedros rie Fogo Appellante o juiso, ap
pella lo FranciaaOJos de Vaaeoncellos.
Do B-cifeapellantes Manoel Antenio de
Andrade O'mrroa^iappellada a Justina.
, Do Iug*.Appellante Jos Alves Barbosa So-
brinho, appellada:a justica.
Da ViatoriaApjeliante o juiso, appellailo-
Amaro it rar SuKi-ea e outroa.
De Jwbaatao Appellante o juiso, appaUalo
Jaio C-priit .no d Muuaa.
o Sr. de^embarpador Ta vares* d> Vaaeoncel-
los ao Sr. cjnaelhoiro Queiroz Barros :
Appellacao crime
Da AnadiaAppellante Joa Pedro Cavalcan-
te, appellada a justica
DILIGENCIAS
Mnndaiir sn ouvic o Sr. di'aniaharcador promo-
tor da justica na seguintes :
Appellacoea crimes
De Iagazeira ippellaute o promotor, appella-
do Jlo Nicolao da Costa.,
DeTraipAppellante Antonio Izidoro de Oli-
veira, appellada a juatica.
De CaruarAppellaute Joao Joaquim de San-
t'Anna, appellada a jusigi.
De Alag i NovaAppellanti* o juizo, appella-
do Manoel Baiboia de Maria.
DISTBDJDigSES
Aggravos de petico V
Ao Sr. desembargador Oiiveira Maciel :
O* provedoria du B-cit'e Aggravaute padre
Manoel Joa Lipes de Miranda, aggravado o cn-
sul di Portugal.
Ao Sr. deBembargaaor Pires Ferreira :
Do commercio do Recife Aggravante Fran-
cisco Gaspar do Piuh aggravado o ju'i.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De orphos do RecifeAggravante Jote Igna-
cio Heaket} aggravado o juizo.
Appeliasws civeis
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Do RecifeAppellantes Antonio Jo* Pereira
e oatros, appallados Francisco da Coste & C.
Ao Sr. deaembargador A Ivs Ribeiro :
Do RecifeAppelUintej Juo Antonio Pinto e
autroa, appellado o juizo.
Appeliayoes commerciaea
Ao Sr. desembargador Pires Gonralves :
Do f silfi j ajjnl aute Luis de Paula Lopes
appellado P. H. Tinnermann.
Ao Sr. desambar ador T i vares d Vasconce||oe:
Do RecifeAppellautes Gama it Pareira, ap-
pellados Soares PernauJes de Oiiveira Encerrou-ae a aoaso ao meio dia.
INDICACOES OTIS
Mdicos
O Dr. Lobo Mogcoso, de volta viagem ao Rio de Janeiro, eonotiiia no
oxereicio de sua proasao. Consltuas das
10 s 12 horas da mantia. Especial i -des
eperaj*3es, parto e molestias de s.-^nhoras e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Barreta tampaio d consultas de
meis-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra Barilo da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Seterobro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 2b.
O Dr. Castro Jesae tem o sen consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e pr-
teiro, residencia raa do Hospicio n. 20.
Consultorio: raa Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 horas da manhS s 2 da
tarde. Especialidade : molestias e opera-
c5es dos orgSos genito-urinarios do homem
e da mulher.
Dr. Joaqaim Loureiro medico a parteiroi
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1..
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Montairo.
O bacharel Virginio Marques, encarrega-
so de questSas civis, commereiaes, crimi-
naos e orpbanologicas e defeza parante o
jury d'esta e das comarcas prximas. Es-
criptorio a raa 1. de Margo 18. 1. andar.
Residenciara do Hospicio n. 83.
Drogara
Francisco Manoel da iiiva dt C. lapo*
sitarios de todas as especialidades pharma
citicas, tintas, drogas, productos cbimicu
o medicamentos homosopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Drogara
Faria Sobrinho & C-, droguistas por at-
tacado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de earapina
de Francisca dos Santos Macado, caes
de Capibaribe n. 23. N'esta grande esta-
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra-so e vndese madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como se preparam
obras de earapina por machinas e por pre-
go sem competencia Pernambuco.
custaa, que teve de fazer na demarcacao judicial
e questo sustentada coutra o tenoiite coronel Joo
de Albuquerqne Cavalcanti, e depoia com seus
herdena; vsm o mesmo abaizo assignado protes-
tar por sna ves, contra o qoe diz o Sr. Fradique
com o conh'cida intuito malvolo de por embara-
cos a qualquer transaccao que por ventura tenha
de faser sna referida me, que aquella parte do
sitio Varzea Bonita esteja sujeite a onaa algum
visto qae na aecao a qae aliado o Sr. Fradique
foi aja referida sua me pare vencedera at os
ltimos julgados e condemnados to somente em
cuates oa herdeiros daquelle tenente-coronel. como
se ptder ver da autos da mesom aeco existente
no uartorio do respectivo eacrivao.
Recife, 11 d^ Fevereiro de I8.
Alfredo Viciar BaUla Peseoa.
Ao Major Marcelino de Souza
Travassos e seus filhos
HOJE STIMO DIA DO P SAE-
TEADO PASSAMESTO
DE SUA ESPOSA E MAE
Eaedlaa ansusia Ser-
rano Trtsvaasos
aprsenla
SEUS SINCEROS PEZAMES
Fesla da Victoria

Grande fesa do f!a-
xang
Hoje pr>r oco:is2o do coraagar a novena
ser distribuid.i por moijas das mais dis-
tinc'as familias a Esmola, numero especial
de. um-i publij^cSo escripia p'das ma es-
pirituosas p Minas pernambu :anas.
Amanha e depois ter lugar, tarde, o
sorteio das flores e prendas, tSo graciosa-
mente offerecidas pelas scoh'iritas do arra-
balde.
Domingo,
PiJBLI0\C0SA PEDIDO
lUm. Sr. Redactor Por me auh'ar ausen-
te desta cidade s agora vim no conheci
ment da reanio que os Exros. Srs. ma-
gistrados fizen-m com o fim de representa-
rem ao governo, no intuito de pedirem ga-
rantas para suas elevadas catbegorias.
Nada mais louvavel e merecedor das at-
tencSes do governo' E' realmente atro
ver se um magistrado entregue ao furor
de qualqner mandSo de aldeia.
Sendo, porm, dos dignos Srs magis-
trados que deve nos esparar actos de jos
tica, lembramos a Ss. Bxcs. que a justica
deve comecar por nossa casa, e assim,
tambem deveriam pedir ao governo enr-
gicas providencias no sentido do reprimir
cerros abuzos que aiguns collegas de Ss.
Eses, praticam por estes sertJes, e mes-
mo capital), j a involvendo desabrida-
mente nos pleitos eleitoraes, j perseguin-
do os adversarios polticos.
A Cmara de Taquaretinga j teria sido
theatro da scenaa anlogas as de Palma-
res, se nao fosse a legitima preponderan ;ia
que o Revd. vigario Tejo ;xerco sobre seus
paroebianos, assim CDmo os Drs. Manoel
Tobas e Vicent de Miraos Mello, que,
nSo obstante reueberem diariamente pro-
vocagoes do jnie de direito, Dr. Jos Ta-
vares, teem sabido conter o furor daquel-
les que o tem querido desacatar. Justo
poia, seria quo Ss. Excs. em sua reunio
tivessem tambem tratado desta materia.
Rscife, 8 de Fevereiro de 1887.
Jusius.
Contra protesto
O abaiio assignado, procurador de sua me D.
Maris Bernardina da noarnacao Costa, tendolido
no Jornal do Recife, de 10 do correte me* um
protesto assignado pelo Sr. Jos Antonio Fersas-
dei Fradique, em que. com falso fundamento,
declara que a parte que possne a sua referida me
ao sitio Vanea Bonita, na Lage do Canhoto, pro-
vincia de Alagoas est snjeita ao pagamento do
13, dia da gloripao S- Fran-
cisco de i'aula, logo ao amaahecer una
banda dp msica pe-corrr o pittoreseo
arraballe, anaanciando aos fisis o priuci
pi da ftfste.
A's 10 horas da manh celebrar-se-ha
com toda a pompa e solemnidade a festa
religiosa com s-tiuSo do R-)vdm. commen-
dador padre Manoel Moroira da Gama.
A' trde continuar a venda da Esmola
o a distribuQo dos bouqu-:ts p ir moyas,
ficando o lindo fogo de artificio para a se-
gunda feira.
Alm dos versos postus em msica por
Mathas Lima os quaes teem agradado
muito, ser tambem cantado hoje e ama-
nhS tira lindo Veni Sancti Spirus com-
posicJLo do mesmo Mathias, sendo a entra-
da do violino pelo distincto maestro Mar-
cellino Cleto acompanhado a piano por D.
Amalia Coimbra, fazendo parte o mesmo
compositor em sua maviosa flauta.
A principal parte soprano ser execata-
da pela distionra cantora a Exma. Sra.
D..Francisca Lins, acompanhada por ou
tras distinctas senboras.
314
Morra-se me o cabello! dizia o Caci-
que Indio ao ver qu3 a sua louga e eompHda ma-
deia de cabello se tornara branca. Havia urna
razio philosophica neste avmptoma d decadencia
por ello deseoaheeida. E' qoando a circulacao do
singue na capa membranea da cabera se entorpe-
ce, que o cabello seces e este entorpecimento da
CTrculacio pde-se impedir mejmo na velbice me-
diante a appiicaca d'um estimulante proprio.
O 'lomeo Oriental que tao geralmente tem sido
introduzido nos pazes tropicaes com to felizes re-
sultados, sostem a necio vital na cutcula e ao
mesmo tempo assimila com o nutrimento natural
do cabello e augmenta milagrosamente o poder
productivo das raizes.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras
Agentes em Pernambuco; Henry Forster C,
raa do Commercio n. 9.
Kingncm pode duvidarqae as pessoas que come-
cam a emmagrecer, esto expostes s molestiss
epidmicas e sobretudo s affec^oes consumptivas,
como a tsica
) qoe mais confirma este verdade a cura de
taes molestias, que por mnto tempo foram tidaa
por incoraveis, desde que se pode conseguir des-
pertar o appetite dos doentes e fazel-os engordar.
Para este fim se tem dirigido os esforcoa de todos
os mdicos esperientes, que conseguirn) o sen fim
prescruvendo o Vinho ou o Xarope de lacto-phos-
phato de Dusart, digestivo poderoso, que levanta
as forcas e desperta as func^oes do estomago.
O phosphato de cal indispensavel vida; sna
administradlo provoca o appetite e fas engordar o
doent, como provam os factos depois de sna ap-
plicscao.
Todos sabem, mas compre repetir, qoe as noites
passadas nos tiieatroa, nos balese ou tras reunidos,
fatigam o organismo delicado da mulher.
O nico meio que se conhece para combater esse
cansacp empregar como perfume para o lenco o
Extracto de K--manga do Japao, da casa Rigaud &
I!., que dissipa es incommodos produzidoa pelo ca-
lor e aroinatisa o ar ambiente, e ao mesmo tempo
signal evidente de bom gosto e ibliuccao.
lnsioo pratlco a|>erfei?oado do
inglez, f rancez e allemo etc.
De regresso eat i eapitel o favoravelmente co
nhecido profeasor de linguas vivaa. GustavojR.
Poleni, de novo offerece a sua cooperacao a colle-
gios e familias de distinecao, como tambem a par-
ticulares. Precos razoavais eassistencia das mais
esmeradas.
Dirigir-se por escripto s livrarias Econmica
ou Industrial.
Em virtude do que dispe o Art. 65 do regula-
mento que baixou com o decreto n. 9,554 de 3 de
fevereiro de 1886, a Inspectora de Hygiene fas
publico, pelo praso de oito dias, que o cidado
Antonio Colnmby lhe dirigi a segunte petico
com documentos que satisfazem as exigencias do
Art 65 do citado regulamento :
Diz Antonio Columbv que achando-se estebe-
lecido na villa de Seriobem com caaa de drogas,
e tendo o supplicante pratica de longos annos de
pharmacia, eomo prova com os documentos juntos,
e havendo grande necessidade de urna pharmacia
oa mesma, como se v do attestado da Cmara
Municipal, vem o supplicante reqnerer a V. Exc.
a graca de conceder-lhe a licenca para abrir e
administrar pharmacia na villa de Seriobem, em
viste do Art. 63 do regulamento que baixou com o
decreto n. 9554 de 3 de Fevereiro de 1886. Nes-
tes termo?, pede deferimentoE. R. M. Villa
de Serinhaem, 20de Desembro de 1886.Anto-
nio Corumbj). < (Sobre duas estampilhas de 200
res).
E declara que, si nesse praso nenhum pharma-
ceutico formado lhe commoniear ou Inspectoria
de Hygiene de Pernambuco, a reaolucao de esta-
belecer pharmacia na citada lecalidade, conceder
ao pratico a licenca requerida.
Iospectoria Geral da Hygiene, 11 de Janeiro
de 1887.Dr. JPenVo Agonso de Cornotto, seer.
taro.
No domingo, 13 do corrente. se celebrar na
matris de Santo Anto da Victoria a fecta do
Orago com a major pompa possivel.
No sabbado, pela maaba, seguir a msica do
2* batalho, que durante todos oa a:tos tocar as
melhores pecas de seu repertorio.
A orchestra, compoata de bjna mn**icos, ser
dirigido por um distincto muestro d'este ca-
pital.
Haver mise, vesp?ras e Te Deum, tendo ser-
mao em todos estes actos.
Mo domingo o trem partir da estago de S.
Joo s 9 horas e 20 minutos, volteado depois do
fogo.
Havendo qualquer outro trem que parta antes
ou depois desta hora, ser annunciado. ,
A festa anda mais realcar com a prsanos dn^dos^puimoes^
Sr. bispo diocesano que segu no sabbado tarde,
afim de assiatir a festividad*-.
Conste que tambem irlo pessoas mais gradas
deata cidade.
Na noite da testa se qaeimar um deslumbrante
fogo de artificio.
Colleglo Bastlliito lcatlemico
N'este collegio eat&o estabelecidas aa aulas de
pratica das lcguns franceza e inglesa, a cargo
dos Srs. G.Klein eJ.FauatoDe, alm das theoricas,
a cargo do director e do Dr. Gab'iel de Araujo.
O director,
Jos Ferrara da Cruz Vieira.
O abaixo assignado teudo de seguir viagem
para a Europa, tratar de sua saie, deixa cumo
seus procura loiea, para tratar de seus negocios
durante saa ausencia, seas filhos Samuel Esnaty
e Jns Esnaty.
Recife, 8 de Fevereiso de 1887.
isaoc Esnaty.
roljpaiBiiu
DA FESTA DE NOSSA SESHOBA DO BOM
PABTO EM OLINDA
A mesa regadora da irmandade de Nossa Se-
nhora do Bom-r'arto, erecta na igreja de S. 8e-
bastio de Olinda, resol vea celebrar a feata de
eua padroeira no dia 13 do corrente, do modo se-
gunte :
No dia 12, pelas 7 heras da noite, ser hastea-
da a bandeira da Excelaa (renhora, tocando u. ata
occasio urna banda de msica, subindo ao ar di-
versos balos e xlgumas gyraudolas de togue'es.
No dia 13, s 5 lior\s da manha, urna salva
real annuneiar os devotos da Milagrosa Senhj-
ra, o dia da sna festa.
A' 10 horas do dia entrar o acto religioso,
com missa 8"l-inue, oran o no Evangelho o Rvra.
Fr. Pedro da Purificacao Paes e Paiva ; sendo in-
cumbid) da crehestra o uistiuco professor Jos
Tavares de Medeiros.
A's 5 hor.is da tarde, haver gymnastica psra
distracc-i do publico, nj pateo da iureja, emquan-
to chega o act relif-iauo da noite. Findo eate que
Sfja, ser arreiudo o estandarte da meama Vir-
gem, queimando-seem a"guida um minifico fogo !
de artificio, caprichosamente feito pelo pyrotech- |
nico Francelioo de Mello.
Em todos>estcs actos tocar urna bandajde mu-
sica.
A mesa regedrn declara se summamente gra-
ta e agradece a commisailo compista dos Srs. Vi-
cente Paes Barreto, Alfredo Bessone e Manoel
Eustaquio, a expontaneidade e esforcos qae era-
pregou, afim de consegoir nao a o fogo de artifi-
cio que tem de ser queimado na vespera e dia da
festa, como tombem entreter aos que comparece-
rem tarde, com o d:vertimento de gymnastica,
tend para i>t,> cootrsetado um artista j conhe-
cido pelo seu bom trabalho.
Emulso Je Lanman
& Kmp
A Emulsao de oleo de figado de baca-
lho com os hipopbosphitos de cal, soda e
potassa, preparada pela acreditada casa
de Lanman & Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, e a mais efficaz e
agradavel que at agora se tem offerecido
ao publico.
E' um regenerador poderoso das consti-
tu9oes'debeis a um femedio certo para
tjdas as affeccoes do peito, da garganta e
Use-se b a Emulsao de
Kemp nao confundindo-a com as outras.
Vende-se em todas as drogaras e phar-
macias.
Leimur Porto
Raa do Imperador a- -45
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
figurinas recebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicode costura, em bre-
vidade, modicidsde em precos e fino"
g osto.
AOSINCRDULOS
O abaixo assiiruado atiesta e jura, se for preciso
que soffreu muitos mezes de rbeumatismo, come-
cado no peseocoe que em pono tempo estendeu-se
por todo o corpo at os ps, ficando entrevado e
servido por outras p-ssoiu: tratou-ae com esmero
sem poupar nada, e, j desanimado com o muito
aoffrer sem esperanza de sarar, resolveu tomar o
Anti-rheumatico Paulistano,especialidade do pbar-
maceutico Luiz Crloa e que feheidade ha mais
de quatro mezes qua nao ai-nte o mnimo incom-
modo! Deeejando que o bam cliegue para todos,
o motivo real porque d este attestado.
Joaquim Diniz Va i. os.
S. Carlos do Pinhal, 22 ae Dezembro di 1885.
DepositarioFrancisco Manoel da Silva & C.
Droguistas, ra do Mrquez de Ouda n. 23.
cfllis!a
Dr. Barreta Sampaio, m.-dico ocu-
litta, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de mei dia s
3 horas da tarde, no 1." andar da casa
u. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepto noa domingos c dias santificados.
Residencia ra Sete de Setembro n.
34. Entrada pel* ra da Saudade n. 25.
Escola particular
de instrtefao primaria
para o sexo masen-
IIIIO
. CASA DE ENSINO MODERNO
8SRa Velha U
O abaixo assignado, participa ao Ilustrado pu-
blico desta cidade, que abri sua Escola parti-
cular de natracfo primaria para o aexo masculi-
no, ra Velha n. 36, (Boa Vista) onde esme-
radamente se dedica ao eusino de seos alumnos.
Educa e instrue a infancia pelo melhor systema
dos principaes collegios da corte do imperio, ende
por algum tempo demorou-se a paaseio, cujo sys-
tema a delicadeza, a vocacao, a paciencia
intima para o ensino, fazendo com que os seus dis-
cpulos sigam o caminho da intelligencia, da honra
e da dignidade com santos conaelhos e sis heoee,
afim de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religiao e da lei, e um verdadeiro
cidado brasileiro.
Espera merecer a confianca e proteceab dos
paia e tutores das criancas que queuam aprovei-
tar um rpido adiantamento de seus filhos ou tu-
telados, e em particular tem f robusta em todos
os seua compatriotas pernambucanos.
Comquanto ouaada seja esta tentativa, todava
espera que os seus incanaaveis esforcos, e os seus
puros desejos sejam coroadoa com a feliz appro-
vaijao de todos os filhos do imperio da Santa
Cruz.
Espera finalmente, que o respeitavel publico
saiba apreciar de perto o seu verdadeiro ensino
primario, onde rpidamente as enancas abracam
e amam de coraco aos livros, as sciencis as let-
tras e as artes.
Igualmente tem nma aula de instrueco prima-
ria noite para adultos, sendo das 7 s 10 horas.
Curso d portugus e francs a qualquer hora.
Horario da escola para meninos, das 9 horas da
manh s 3 da tarde.
Menaalidadets
Primeiras lettras 2000
Francs 300
Portugus 3^000
Pagos adiantados no acto da matricula
Recebe meninos internos, externos e meio pen-
sionistas, por mensalidades razoaveis.
Ra Velha n. 3G.
Julio Soares de Asevedo.
N. 4. Todos os i ,ue tm tomado Emulsao
de Scott, reconhacem a sua superioridade
sobre os outros remedios empregados at
hoje para a cura da tsica pulmonar, escr-
fulas, rachitis, anemia e debilidade em ge-
ral. As suas virtudes sanativas e reoonsti-
tnintes sao maravilhosas.
Tremenda e rafal enrermldasse (A)
A t.isae apparoce frac-a e passageira e o doente
deapreza-a ; nao a cuida...
Drpois, o enfraqnecimento do corpo, algumas
d es no peiioenas coatas, vSo seguindo essa toase,
que Huzm-'Uta, e por tim o do mte v se claramente
a bracos com o grande flagello da humandadea
tisica pulmonar !
Esta tremenda o futa! enfermidade tai sagaz,
que pira melhor couseguir seua funestos fina prin-
cipia disfarcando-noa n'uma tosse deaprezivel !
Mas ella nao realisar seas nefastos intentos se
fr usado em tempo opportono o remedio principal
e e que tem conseguido curas reaes da tisica pul-
monar, que o PEITO RAL DE CAMBARA', im-
portante descoberta de Alvares de S. .Soares, de
Pelotas.
Os interessados podero encontrar no opsculo
que acompanba cada frasco valiosos attestados de
curas obtidas em gravissimos casos, nao s de ti-
sica como de bronchites, asthma, coqueluche e ou-
tras molestias do apparelho respiratorio.
nicos agentes e depositarios geraes em Per-
nambucoFrancisca Manoel da Silva (b C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
Cirurgo dentista
PATRICIO MOREIU
Ex -il i trpili o de Ir derivo Mar
Consultas e operar6es das 9 horas df
manh5 s 4 da tarde
57-RA DUQUE DECAXIAS-5'.
Dr. Cerpira Me
MEDICO
Tem o seu escriptorio ra Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Santa
Cruz n. 10.
Especialidadesmolestias de senhoras e crian-
cas.Tolephone n. 326.
li

I!
H
Sil reir
\\lYO(i\HO
i)8Rua do Imperador,^
Prlmelor andar
Dr. Joao Paulo
HEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de enancas, com pratica as principaes materni-
dades e hospitees de Pars e de Vieana d'Austria,
faz todas as operacoes obsttricas e cirurgicas
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Baro da
Victoria (antiga roa Nova) n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 3 horas ie tarde.
Telephone n. 467.
9*
Dr. Ferreira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Clnica medico cirurca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senhoras e
criancas.
Residencia Ra da Imperatris n.4, segundo
andar.
(ollegio de Nossa Senhora da
Penha
RA DA AURORA N. 19
As aulas deste instituto comecaro a 7 de Ja-
neiro.
A directora,
Augusta Cameiro.
Dr. Gnl Leite
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Ballhazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
criancas, dos orgos respiratorios e das
senhoras.
Presta-s a qualquer chamado
fon da eapital.

para
AVISO
Todos os chamados devem ser dirigi-
dos pharmacia do Dr. Sabino, ra da
Baro da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia. '
Medico, ptsrtelro e spersadsr
Residencia rma Bardo da Victoria a. 15, l4 andar
Consultorio ra Duque de Caxias o. 59.
D consultes das 11 horas da mannS s 3 da
terse.
Attenda para es chamados a qualquer hora
telephone n. 449.
{}
i j sua residencia.' i
LicOr depnrativo vegetal ioditfo
DO
Medico Quintella
Este notebilissimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama infallivel na cura de todas
as doencaa syphiliticas, escrofulosas, rheumatica-
e de pelle, coma tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticas, inflamrsa-
des visceraes, d'olbos, ouvidos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
on diathericos, assim como ua alopecia on queda
do cabello, e as doencaa determinadas por satu-
raban mercurial. Do-se gratis folhetos ondet
encentram numerosas eip-ariencias feitescornal'
especifico nos hospitees pblicos matos o
dos de mdicos e documentos particulares,
pesconto para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinhe V C
Roa do Mrquez de Olinda n. 54.
.
~

'

^

f"
i '
F- -
i
\


i
h




I
-1
H
i
nosso dever
inos
Consultorio medico-
cirargico
O Dr. Castro Jesul, contando mais de 12 auno,
de escrupulosa obervacao, reabre consultorio m*
ta cidade, i roa do Bom Jess (antiga da Lrw
n. 23, I. andar.
ras de eraraltas
Do dia : das 11 as 2 da tarde.
)e notte : das 7 s 8.
Jas demais horas da noite ser encontraao oc
it'io travusB dos Remedio n. 7, primeiro por
tio esquerda, alm 1- pottao do Dr. Cisme.
Una naves escura encobre a
luz do sol tfa nossa eilslencal
A' incerteza da vida junta-se o mysteno
tenebroso da morte Em quanto que, por
urna paria, ease primeiro grito infantil que
nos annuncia aue outro ser aoabade unirse
nossa especie, inspira urna alegra proiun
da, por outra parto trememos do espanto no
ouvir o bater horrivel das azas do anjo ex-
t Tramador A voz omnipotente da in-
fluencia suprema que governa o universo
decretou nosso destino, a sentenca fatal foi
pronunciada e toaos os homens esto con-
dcranadoB a morrer !
Sem duvida alguma, a morte e ineyta-
ve!. Nao podemos, porm, retarda! a i
' esta urna que-tito quo seria de urna im
portancia incalculavel, ainda se tratasse s-
mene de ganbar urna hora de vida, pois,
animados d'esse sentimento sublime que se
chama nstracto, estaraos sempre resolutos
a dar batalha cora um valor indomavel ao
nosso inimigo mortal em favor do glorioso
privilegio da existencia Aquelle senti-
mento a voz espontanea da natureza, e o
consiste em obedecer. Va-
pois, a ver; possivel retardara
morte ? IndubiUvelmente o pois que o
mundo est sujeito a certas leis, e quem
as estuda convence se que n'ellas se com-
prehende a dita possibilidade.
Os que se acham dota os do valor e
juizo necessarios para se cobrirem com o
escudo que a propria natureza lhes propor-
ciona para este effeito, poderlo repellir os
ataques incendiosos do inimigo da vida, at
que as faculdades vitaes vao poaco a pou-
co em decadencia em urna velhice madura
e ditosa, e at que o anno da luz se lhes
aprsente com aspecto risonho e sem ter-
ror, para os conduzir, como n'dma visao
deliciosa, a essa regiao resplandecente que
briiha mais alm das trevas do sepulchro.
O destruidor toma diversas formas, mas
d a preferencia a de um inimigo moral que
devora actualmente as partes vitaes da so-
ciedado moderna. Martyrisou j e mar
tyrisa ainda quasi todos os habitantes deste
paiz.
Que inimigo este Quer o leitor sa-
ber se tambera victima da crueldade
deste tyranno ? Perguute a si proprio se
atorraantado por algura dos symptomas
que vamos enumerar: dores de cabeca,
das costas e das espaduas ; falta deappe-
tite ; accumulacao de urna lama viscosa,
espessa e pegajosa em roda das gengivas o
dos dentes, sentindo-se simultneamente
um sabor desagradavel, especialmente pela
uianhii; tristeza e dcscahimento acorapa-
nhados de somnolencia ; urnas vezes a sen-
sacio de uraa carga pesada no estomago,
e outras, debilidades na bocea do mesmo
orgao, nao havendo satisfacao alguma em
tomar alimento; aspecto tristonho e cor
amarellenU dos olhos ; estado fro e pega-
joso dan raSos e dos ps ; uraa toase secea
ao principio, acoropanbada, porm, depois
de ama expectora$ao de cor esverdeada ;
cansaco constante sem que o somno pareca
proporcionar descanco algum; enervacio,
irritacao e mos presentimentos; deliquios
e vertigens ao levantar-se do repente ; pn-
8ao de ventre; estado secco, e veces, ar-
dente, da cutis ; condicao espessa e em-
botada do sangue, escassez e cor muito
tinta da urina, que deposita um sedimento
depois de permanecer por algum tempo em
repouso; dovolucao requente do alimento,
urnas vezes com gosto acido, e outras ve-
zes algum tanto doce; palpitacao do cora-
cao ; manchas apparentes nos olhos; e no-
tave'l prostracao e debilidade do paciente.
Todos estes syroptomas costumam pre-
sentar se por seu turno. AcrediU-se que
quasi urna terca parte da nossa populacao
est afectada da dita enfermidade em al-
guma das suas variadas formas Como
regra geral, os mdicos se equivocam a
respeito da natureza desta doenca, cujo
verdadeiro nome dyspepsia ou indiges-
tao; enfermidade que se cura infalhvel-
ruente por meio do Xarope Curativo da
Mai Seigel. Este medicamento tera obtido
em ambos os hemispherios urna reputacao
iustificada incontestavelmente por suas
grandes virtudes. Vende-se em todas as
bonicas, e pharmadas e na casa dos pro-
prietarios, A J. Whit, (Limited), 35, Far.
ringdon Road, Londres, E. C, Inglaterra
MlracoloMO taeces* X (3)
Urna filha do Sr. Frmino Francisco Machado,
faxeodeiro no Ibicuhy, Rio Grande do bul, eslava
desengaada pelos mdicos que a declararan! at-
fectada de urna tyea pulmonar em estado bas-
tante adiantado. ,
A SHa familia, profundamente pernada, teve
a feliz leinbranca de experimentar o PMTUKAL.
DE CAMBARA.', descoberta e preparacio do Sr.
Alvares S. Soares, de Pelotas.
A'guns frases d'este precioso medicamento as
8eguraram as melhoras da doente, e o uso conti-
nuado opero urna cura radical !
Esse miraeoloso succeaso a\ enra de urna tao
terrivel enfermidade, referido em um carta im-
pressa nos opsculos ue acompanbam o mediea-
"uotcos agentes e depositarios geraes oesta pro-
viocia-Franeisco Maooel da Silva *C, I wt
Marque de Olinda n. 23-
V me> no Jornam de Pelota (5)
OU .octe cosaoeo -Urna pesssa muito
coaceituada, moradora em Baij (Ro Orando do
Sul), aehou-se gravemente doente do peito.
Foi chamado para a tratar o Ilustre Dr. Peo-
na, e mais tarde tambera o Ilustre Dr Albano.
O doente cada vez ficava peior ; a molestia,
aambantfo do tratauent-. medico, segr-ia sen fu-
nesto corso.
Urna pessoa da familia, tendo confianca no
Peitoral de Cmbala-, descoberta do Sr. Alva-
res de 8. Soares, de Pelota!, leawou ao medico a
OEstePporem%ue tal vez nao connecesse por ex-
periencia pwpria os effeitos de tao soberano reme-
dio, recasou-se a receital o, cont.nuande com ou-
n3.Tqt8'o doente nada aproveitava e quo
a morte era raeviavel, maudou-se, em JS*.
cooprar nm vidro do dito p.-itori|l no a^Kleci-
mento.do honrado eommemant." desta cidade, sr.
Domingos Dame, que sempre o tm legitimo
%0 doente principum a tom.ir o novo remedio e
me horar, e no fin. de algum tempe acbava-se
completamente witabelecido. j
Nunca hoave eoragem de declarar ao llostre
medico, que a ira realizad foi dev.da un.ca-
mente ao popular remedio-Peitoral de Cam-
bara,do Sr. Alvares de S. Sare.
Um Bafraue.
r. aba wSceutico Vals Carlos
* rusta Measte*
S. 0ro-*> Piohal, 17 de Maio de 1885.
-Presadsimo scsiior.Acerca de 8 meses que a
miaha aeabora a ffsia de torriveis dores aoe 00 n-
dos compannadas de ewrimento. dednz que a
de.xtnao a iur na garganta quejase va., bsigaaa.a alimentar-
se a caldos; passando noitos sem dormir, e das
sem poder .cuidar dos interess-s da casa, iodo
esta tempo viven ella sempre em dieta de nporoso
tratamento, sem obter saud'.
Dominada, coiu-^cou com os seus (aantos) pre-
parados, o Licor Autipsorico junto cosn os P6s De
purativos, e lo,-o a saude veio chegando, e boje
grscas a Providencia, posso com todo o praier
aununciar a V. S. e a todo o mundo quo minha se-
nhora acbu-se completamento boa dos ouvidos e
da terrirel ferida de garEnta, e autoriso V. s. a
publicar esta a beneficio dos que eorem igual en-
fermidade.. .
Sou com eatima. De V. S. amigo, venerador e
obrigado.Eduardo da Siita Tatares.
Depositarios Fraacisco Manoet da Silva ft O.,
droguista*, ra Marque* de Olinda n. 23.
Aos portuguezes
A aatisfaeao cm que hoi vivo pela arada re
cyporada, fas eom que venha imprensa agrade-
cer nos eos, de vir encontrar o verdadeiro e ni-
co remedio que curon-me da ter.-ivfl enfermidaie
que ia me consumindo ha mais de 20 annos, em
Portugal, onde fui tratado eom esmero e i>empre
doente; vim pira c em procura da saude, que
rocuperei temando os verdadeiros pos anti-he-
morrhoidarios do pharmaceutico Lua Carlos, e
que se vendem na corte, na drogara de Silva Ho-
rnea te C. ...
A minha terrivel doenca era toda hemorrnoids
e faaenao esta pnblieacao, guiando os doentes para
verdadeiro remed, creio ter cumpndo um dever
da gratidio a Dos pela miaha saude recuperada,
Santa Rosa, 28 de Janeiro de 1886.
Jos Lopes Esteves.
Deposito: Francisco Manoal da Silva & 0.
droguistas ra Marqaei de Olinda n. 23.
Sorprendes multa (ente ( O acreditado negociante o Sr. Emygdio Pinto
de Oliveir, agente consular de Portugal, resi-
dente em Santa Victoria, Rio Grande do Su., re-
metteu ao desobridor do Peitoral de Cambar,
Sr. S. Soares, urna importante declaracao assig-
nada pelo Sr. Vasc.i Jos Pereiri d'Avilla, que
ha longos aunos soffria de urna grave enfeimida-
de pulmonar, sem ter mais esperanc de eurar-se.
ltimamente, aRgravando-ee se-.s soft'iroentos,
recjrreu aquelle precioso medicamento, e nao foi
preciso mais que alguns frascos para o curar ra-
dicalmente ,
Este prodigioso resultado, que sorprenden a
muita gente, corre divulgado em todos os fulhetos
annexos a cada frasco do peitoral de Cambar.
Uticos agentes e depositarios em Pernambaco,
Francisco Manoel di Silva & C, ra Mrquez
de Olinda n. 23.
Ra do liar la Victoria u
14, 9- andar
A proprietsria deste estabelecimento, j bastan
te conhecido peioa trsualhos i'illi ejecutados eom
mestria bom gusto, como tam'uem pela Ihaiieza e
cavalheirisino que costuma-se dispensar quees
que dignam-te de hooral-o com a sua VMM e
confianca, previne ao publico que, oa a acquisi-
cao que fez de machinas as mais aperfeicoadas,
est o mesmo estabelecimento em condicoes de
tirar retratos inaUeravei pjr precos inferiores
aos dos que teem ltimamente vindos dos .sta
doa-Unidcs, e assim que um retrato de meio ta-
manho natural tira-se pelo custo de 15JD00.
O atolier, modificado e reformado como acaba
de ser, tornon se o mais perfeito possivel para dis-
tribuicio de luz, do modo que pdese trabalhar
sempre, com bom ou mo tempo, de 9 horas da
maoba a 6 da tarde.
A rasas circumitancias accresce ser o pessoal
technico habilitadissimo e delle tazer parte o pho-
to'rapho heepanhol D. Joa^uim Camelas de .as-
troque trabalhou nos melhorea estabeleciraentos,
desse genero, m diff.'.rentes paizas da Europa, e
a respeito de quem j os diversos jornaes desta
provincia trataras*-
Do que fiea dim v-sa que est o referido esta-
belecimento em condico-is de executar com pericia
quaesouer trabalbos de photogTaphia.
Al"encontrar-se-ha sempre exposUB venna
grande numero de vista de algans edificios
-jublicos, pracas, ras desta cidade e seus arra-
baldes.
Ao publico (1)
O Sr. Bernardo Jos dos Santos, residente no
Cerrito, municipio de Pelotas, provincia do Rio
Grande do Sal, querendo prestar urna homenagem
verdade, tornando publico as virtudes do pei-
toral de cambar, preciosa descoberta do
Sr Alvares de S. Soares, de Pelotas, fez publicar
o seguinte importantissimo documento, em diver-
sos jornaes da referida provincia :
Levo ao conhecimento do publico mais um
triumpho alcancado pelo popular remediopei-
toral de cambar-descobeite e prepara-
cao do Sr Alvares de S. Soares, de Pelotas.
. Havia seis annos que urna tosse grave me
atormentava dia e noite, fasendo ltimamente del-
ta r i abundantes escarros de sangue : os puimoes
com certeza achavam-se afectado e en tena ra-
fallivelmente de suecumbir terriveltsica pul-
monar ,
Um amigo sabendo do meu estado, aconse-
lhoa-me o precioso peitoral de cambara.
e somonte com o uso d 12 vidros deste importan-
tissimo medicamento, consegu curar-me radical-
mente, sentindo me hoje forte e podendo ] entre-
ear-me s lides de minha fazenda do Cerrito.
Depois deste caso, tenho aconselhado a muita
gente o peitoral de cambara, e todos tm
colbido resultados importantes.
Actualmente faz uso deste preparado, com
muito aproveitamento, minha filha Neufridea, que
tambem se acha soffrendo do peito.
. Faseoda do Descanco, no Cernto, 24 de Uu-
tnbro de 1884 Bernardo Jos do Sanio.Re-
conheco como verdadeira a firma supra. Em tes -
temnnho de verdade, o escrivao de paz Uoldao
8. de Gouveia.
nicos agentes e depostanos geraes nesta"pro-
vincia Pranclaco Manoel da Uva
b ra Marques de Olinda n. 23.
da infeliz pareeeu qne era "pos'aiflrtl
doenca que affligia sua filha poderia talvez
denomiuar-se Dispepsia ou lndigestao, e
nao a Tisiea que tanto temiam, e briga-
vam a esperanca de que, em tal caso, se-
ria fcil salvar a desditosa joven.
Aprassaram-se, pois, a alcancar urna
quautidade de um medicamento intitulado
Xarope Curativo de Seigel, e preparado
com o fira especial de curar a Dispepsia,
A doente toraou algumas dozes deste re-
medio, e o resultada do novo tratamento
oi maravilhoso. Hoje. aquella senbora, j
restabelecida, vive feliz e goza de urna
sado perfeita. Certo que, neste caso
os mdicos tinham tomado urna d<-enca por
outra, e quando se descobrio a origem do
mal^ e se explicou o verdadeiro remed",
os symptomas da Tsica desappareceram
i m mediatamente.
O caso que aeahamos de citar nao o
nico neste genero. Ha milhares de infe-
lizes que actualmente est8o tomando re-
medios para curar enfermidades do >gade,
dos rins e dos pulmSes, doencas propo-
nientes dos vapores miasmticos, etc., ao
passo que realmente nao exiatem em mui-
tos casos taes affec93es, sendo a indiges-
tao a verdadeira causa dos syroptomas que
tanto terror inspirara aos doentes; e se
estes applijassem o verdadeiro systema de
tratamento, nao tardariam a curarse.
Nao ser por demais o recordamos ao
leitor que o xarope curativo de Seigel se
vende em todas as pharraacias do mundo
inteiro, assim como na casa dos propneta-
rios, A. J. Wbite, (Limited), 36, Farring-
don Road. Londres, E. C.
Depositarios na provincia de Pernambu-
co : BartholomeuA C, J. C. Levy & C,
Francisco M. da Silva & C, Antonio Mar,
tiniano Varas & C Rouquayrol Irmaos e
Faria Sobrinhe & C.; em Bello Jardim :
Manoel de Siqueira Cavalcante Arco Ver-
de e Manoel Cordeiro dos Santos Filho ;
era Independencia. Antonio Gomes Bar-
bosa Jnior; em Palmares: Antonio Car-
doso de Agniar; e em Tacarat, Jos
Lourenjo da Silva.
Vm remedio efllcax (3)
RES NON VERBA
Aos que soffrem do peito recommendamos a lei-
tura da seguinte publicarlo do Sr. Jos Mana
Lopes, morador na liba dos Marinheiros, em frente
cidade do Rio Grande :
. lia quatro anuos que fui corado de nma
muito grave eiXrmidade, resultante de um res-
sntia dor agudissima do lado esquerdo do
peito, tosse secca e urna fraqueza excessi'a em
todo o corpo.
. Em oito mezea do tratamento com vanos me-
dicamentos, nunc cousegui obter alliv.o e cada
vrz a moh-Btia augmentava a ponto de me ju.ga-
rem perdido. _
. Encontrando-me com meu primo e amigo hr.
Manoc! Joaqnim, residente no Povo Novo, elle
acnselhou-ma o uso de Peitoral de Cam-
bar, do Sr. Alvares de S. Soares, de Pelotas,
elogiando-me muito este preparado e com ffeito.
em dus mezes de seu uso constante, reatabeleci-
me de urna molestia qju me levava sepultura. .
c O que digo verdade, e toda esta lha o pode
afirmar, p..is nella vivo ha mais de tnota annos,
onde tenho chcara e familia.
O leitor poder encautrar ootros mullos at-
testedos nos folhetos que acouipanham cada tras
co.
Deposito, nicos agentes e depositarios geraes
em PernambueeFrancisco Manoel da bilva ot
(J., ra Mrquez de Olinda n. 23.
Lop-.'s Pernandes ; pelo que toda e qnalquor pea
aoa que smfditcs bena quiser lanzar u poaer fa-
zer nos diaa de praca. ;
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei pbssar o jireaeiite edital que sei publica-
do peia'^hiytaiT' affixado o'lus;ar d> costme.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 10
de Dezembro de 1886.
Subscrevo e assigno, eU|, Pedro Tertuliano da
Cunba, escrivao.
Joaquim da Caita Ribtiro.
Edita!
BECLB4C0ES
loslilut Litterari Hdense
Domingo, 13 do corrente, s horas e lugar do
costume ha ver sea 4o do Conselho Administrativo.
Secretaria do Instituto Luterano Olindense, 10
de Pevereiro de 1887.O Io scretirio, Samuel
de Lima Botelho.
Capitana do por o
Paco publico que acbando-sn euneertado o ma-
cbinismo do pharol da barra dVst^' porto psde o
por do sol de hootcm, funecioua comas competen-
tes rotacoes.
Capitana do Porto de Pernambuco, 10 de Peve-
rairo de 1887.
1 O amanuense servindo de secretario,
FrancUeo Moreira Dia.
jita Cass flfl Hisiiwi U
De ordem da Illm. cmara, se faz publico a
quem entereasar pussa, que a mesina cmara em
aeBbSi) de hontem resolvea para boa execbcao do
art. 83 da iei n. 1882 de 10 de Sete.nbro do anno
passado que os proprietorios dos estabelecimentos
mereintis e casas de negocios que gozam daisencao
dorcfi-rido art., nao p: dem expora venda os meamos
artig s de que faaem mercanca os que sao obri-
gados por forja da meama Iei. a conservaremrse
fecgadoB nos Domingos e dias santificados.
Os contravantores, ficam sojeitas a multa de
30000, e o dobro, na leincedendencia, e obriga-
dos a fechares o esiabelecimentos.
Secretaria da Cmara Municipal do Recife, em
10 de Fevereiro de 1887.
Praxee Qome de Souza Pitan ga,
presidente,
Pranciico de Assis Fereira Rocha.
secretario.
Quarta pra^a
De ordem do Illm. Sr. Dr. inapec'or, se faz pu-
blico que s 11 horas do dia 14 do mez corrente,
seiSo vr.didos em praca, porta do trapiche al-
fandega lo Barao do Livrameuto, 25 engondados,
marca .SBA4C, contando loa^a de o de pedra n.
2, pesando liquido real 3,920 ki logra mmas, vindos
de Hainburgo no brigue allemao Marie. entrado
em 30 le Agosto do inno passado, abandonados
aos direiffc por Souza Basto, Amorim & C-
3" se'^'ao da Alfandega de Pernambuco, 10 de
Pevereiro de 1887.O ebefr,
Cicero B. de Mello.
0 Dr. Joaquim da Costa Ribsiro, juiz de
direito do civel desta cidack do Recife da
provincia de Pernambuco, jk> Sua Ma-
gestade o Imperador, a quem Deus
guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virom ou
delle notieia tiverem, que irados os dias de pre-
gues e as pracas da Iei e na audiencia deste juixo No domingo 13 do corrente, &lm dos trena da
do dia 26 de Fevemro do anno prximo viudouro, j Hnha principal, os trens seguintes levarao pasos-
irlo praca por venda a quem mais der e maior I geires at Apipccos pela liuba do Arraial.
lance theor eeginto: de. voltando de Apipacos as 4.5, 5.5, 6.15, 7.15
Urna mobilia composta de 18 eadeiras de goar- ] e 9.35.
nico, 4 ditas de bracos, 2 consolos com tempos de i Os passageiros destes trena baldeara no En-
Por esta secretaria bao chamados os pareutes e
protectores das menores abaixo declaradas, para
at o dia 28 do corrente apresental-xs no collegio
das (.rphas, ahn de serem ahi admittidas, visto
serem as^primeiras inscriptas no respectivo qua-
dro.
1 Carolina, protegida de Augusto Manta.
2 llluorinata, filha de Mara Floreucia Barbosa
dos Santos.
3 Laurinda, filha de Smcleca Lins de Vas-
concellos Araujo.
4 Mara, filha ia mesma.
5 Adelaide, filha d^ Msria Jos da Conceioao.
6 Maria, fiiha de Mara Joe da Encarnacao.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 8 do Fevereiro de 1887.
O escrivao,
Pedro- Rodrigue de Souta.
Estrada de ferro do Ro-
cife a Caxang
Festa de Apipacos
pedra, 1 sof, 1 mesa redonda com tacopo de pe
dra, tudo da Jacaranda, usada e avaliada por....
2503 ; ~ guarla-roupa de amarello usados, ava-
llados por 604 i 1 toet c >m tampo de pedra e es
troncarat-nto, menos os dja
ida, e 7.15 volta.
Neste dia, do meio da em daute srao emitti-
dos, de ac;ido eom a commiseo da festa, em to-
Sarao carnavalesco
No Club Carlos Come*
Sao convidados os senhores subscriptores para
este siro a precurar os seus igressus tm mao
do Sr. thesoureiro di elob, na sede do mesmo.
Recife, 8 de Fevio.ro de lt8/.
A commitsao.
Club dos laruis Peque-
onos \
Nos trez dias de Carnaval, este club pereerreri
diversas ras desta cidade.
Pede-so o comparecimtnto de todos os ocios
sede do mesmo club na ra de Christovo Colom-
bo n. 6.
O secretario,
Avelino Jos do S... -
S. W. J.
Sociedad*- Recreativa doventude
Sarao carn^valcico em 19 de Pevereiro
Iniciativa da presidencia
Pede-se aos senhores socios que dosejarem ti-
rar convites para este baile, o tavor oe apr-sen-
tarem suas norae na aecntaria da soeiedade.
Nao aero admittidos aggregad.
Prevenimos aos senhores ocios effectivos, bine
tientos e distinctos, qu os ingresaos poderlo dea-j
e j ter procuraos em mo do r. thesouri-iro.
Serretaria da sociedade Recreativa Juvtntude,
8 de Fevereiro de 1887.O 2 secretario,
Jos de Mefitis.
Lotera da Colonia Isabel
A 14* serie da 24* parte das loteras em favor
dos ingenuos da Colonia Isabel, acha-se expona
venda, cuja extraccao ser no da de Fevereiro
Thesouraria das loteras par o fondo da eman-
cipaco e ingenuos da Colonia Isabel, 3 de Fe-
veriro de 1887.
O thesoureiro,
Francisco Goncalves Torres.
Obras Publicas
De < rdem do Illm. Sr. engenheiro chefe da re-
partiere das obras publicas, taco publico que, em
v nuce da autorisacao do Exm. Sr. presidente
provincia, no dia 16 do correute, ao meio dia, re-
cebe se na secretaria desta repaxtico, propOBtas
para a execucao dos reparos precisos na ponte da
'Magdalena, oreados em 1:416X909.
O ornamento e mais condicoes do eonrai se
acham disposicao dos stnhores pretendentts
para serem examinados.
Secretaria da reparticao das obras publicas de
Pernambuco, 5 de "Fevereiro de 18S7.
q secretario,
Joa.0 Joaquim de Siqueira Varejao.
peino "grande, avaliadu em 35* : 1 lavatorio de das as estacos da lmha principal at Parname*
pedra para 2 bacas, eom espelho, avahado em | rm ,. no Arraial at Mangab-.-ira bilhetes da
20 1 commoda com tampo de pedra, por 40$ ; da e volta para Apipucos por preQos reduzdos,
1 seWetaria de Jacaranda, por 40S; 1 guarda- 8..ndo 1 classe 600 rs., 2 classe 300 rs.
louca de amare.lo, avaliado pur ; 2 aparado- j Estes bilbees nao tero valor na linha do Ca-
res de amarello, avahados por 205 ; 1 mesa cas- i xang.
tica com 5 taboas, avaliada em 40* ; 12 eadeiras Escrptcr A Companhia, 11 de Fevereiro de
EDITAES
de junco, avalladas por 30; 2 marquezas, sendo
urna de Jacaranda e outra de amarello, avahadas
por 254 ; 1 candelabro para 5 velas, avahado por
101; 2 serpentinas, avahadas por 10 ; 6 pares
de jarros de porcelana fina, avahados pur 35*. E
assim serao os meamos bens cima mencionados
arrematados por venda a qoeui mais der e maior
lance offerecer no dia e hora cima indicados e fo-
ram penhorados para pagamento do principal e
custa da aceao executiva que a Luiz Antonio I e-
reira move a Ordem Terceira de Nossa Senhora
do Carmo desta cidade. .
E para que chegus a noticia a todos, mandei
passar o presente edital, que ser affixado nos lu-
gares do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado neata cidadu do Recife aos lo
das do mez de Dexembro do 1886.
Eu, Felicissimo d<- Azevedo Mello, escrivao nz
acrever subecrevi.
Joaquim da Costa Ribeiro.
1887.
A. W. Stouebcuwer Bird.
Gcnnte.
I
Commiinilu
cftC.
I i
enfermidade tomada por
outra!
Equivoco dos lacultativis
O fallecimento de algum amigo ou p-
rente a quem amamos ternamente sem-
pre urna desgra9a lamentavel : mas a ca-
lamidade verdadeirameate terrivel quan-
do os factos nos manifestara que a pobre
victima suecumbio por se ter empregado
um systema de tratamento que no era
apropriado para a sua doenca. Comtudo,
casos ha em qne o erro dos mdicos se
descobre antes de desapparecer a ultima
esperanya, e nestes casos, algumas vezes
e consegue salvar a vida do doente.
Para eremplo do que deixamos dito, va
mos referir certos factos que estabelecem a
erdade da nossa affirmaeSo.
Ha cerca de dous annos, urna das se-
horas mais bellas de New-York, abando-
nada peles facultativos em um caso deses-
perado de tsica (pois era este o nome que
os mdicos davam molestia) jnlgava-se
condemnada a morrer. Os pas da doente
resolveram lvala a Pars, esperancados
em que, na capitel de Franca, a' iaeolda-
de deso.obriria algum remedio contra o mal
que ameocava a vida da joven senhora.
Esta esperanca nao se xealisou, mas feliz-
mente em Paris os amigos da moribunda
oaviram fallar de ura novo systema de tra-
tamento adoptado primitivamente pelos
Shakres do Monte Lebanon, no Estado
'da New-York e empregado depoi par ou-
tws pessoas com um xito extraordinario
Um amitos casos de Eriapepsia. Aue pas
da* Arenad de Pernam-
baco
" chamado ao qu-.rtel gaera, o ex-soldado
Luiz Pereira da Costa, afin de revtrter ao eervico
da eompanhia de cavallaria, visto qoe o geu subs-
tituto Manoel Candido Leopoldino deaertou.
Secretaria do Commando das Armas de Per-
nambuco, 9 de Fevereiro de 1887.________
O administrador do Consulado Provincial em
cumprimento do que dispoe a Iei de orcamento em
vig >r fa publico a quem interessar possa, que, nt
espaco de 30 dias uteis contados ce Io de Feve-
reiro prximo vindouro ; dar-sj-ha prmeipie a co-
branca, livre de multa, do imposto de reparticio
constante da tabella infra annexa i citada Iei re-
lativamente ao 1* semestre do exercicio de 1886 a
1887.
Consulado Provincial de Pernambuco 21 de Ja-
neiro de 1887.
Francisco Amyntas de Carvalho Monra.
Tabella a que se refere o edital supra
Parte 1
1 Casas de commisso-ss de consignacors e de
commisses e consignares.
2 Ditas ou depsitos de vender em grosso carvSo
de pedra em trra ou sobre agua.
Parte 2
2 Lojas de vender joias soraente, ou joias e re-
logios.
Ditas de vender relogios sonaente.
Casas de vender pianos e instrumentos musi-
caes.
Parte 3*
Fabrica de rap Meuron.
Ditas de sabao inclusive a que acha-se na fre-
gnezia de Alegados.
Ditas de cerveja, vinagre, vinhos, genebra, li-
cores e limonadas gasosas.
Ditas de Gaz.
10 Ditas agencias e depsitos de rap.
Parte 4a
11 EmprezaB auonymes ou agencias destas.
12 Companhia de Beberibe.
13 Banccs, agencias filiaes e representantes dos
sesmos e casas henearas.
14 Companhias, agencias oa casas de seguro ou
qualquer pessoa que ao carcter de agente
de companhias d seguro fixer contracto desta
natureza ou promovel-os, com excepcao dos
que tem sede neta provincia e eontractarem
o Bervico especial do artigo 13 desta Iei.
15 Armazens alf indegados, e depositas ou de re-
ceber.
16 Cazas de jogo de bilbsr. _________________
Irmandade de Wossa eahora
da Mande do Poeo da Panella
EleiqaJ
De ordi-m do charissmo irmao juiz : convido a
todos irmaos desta veneravel irmandade com-
pareceris no dia 13 do corrente mez pelas 10
horas do da, afim de se preceder a eleico dos
nevos funecionarios que tem do re^ar a referid
irmandade durante o anno compromiasal de
18871888, visto nao se ter ainda procedido a
respectiva eleico por falta de numero legal.
Consistorio da veneravel Irmandade de Nossa
Senhora do Poco da Panella, 11 de Fevereiro
de 1887.
O secretario,
.dn'onio Candido Ferreira.
O Dr. Tktmaz Garcez Faranhos Montene-
gro, c^njnejidador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
cio dista cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
Faz saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tiverem, que por parte de Domingos
Pinto de Freitas, administrador da massa fallida
de Jos Tarares Pnhero, lhe foi dirigida a peti-
cao do theor seguinte :
Peticao.-III'n. Exm. Sr. Dr. juiz do commercio.
Domingos Piuto de Freitas, na qualidade de ad-
ministrador da maesa fallida de Jos Tavares Pi-
nheiro
juntas
Sarao em 12 de Fevereiro
Aviso aos senbores soct pera proauraram os
seus ingressos na sede de club do dia 9 do correte
em diante, das 7 s 8 1x8 hsras da noite, em mao
do Sr. thesoureiro.
Secretaria do club Carlos Gomes, em 8 de
Fevereiro de 1887. O 1- secretario,
P. C. Casanova.
Facoldade de Direito
De ordem do Exm. Sr. Conselheiro director in-
terino, e de conformidade com es avisos de 31 de
Janeiro e 16 de Jolho de 1880, faco publico que
TUTnt^mpeV7precripcao das letras i nodia 21 docorrente (por ser o dia antecedente do-
do acceite de Pedro Correa de Miranda, Jos mingo) se abnr nesta secretaria a inscnpco para
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de direito
do civel nesta cidade do Recife e eu termo, ca-
pital da provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gestade Imperial e Constitucional o Sr. D. Pe-
do II a quem Deus guarde etc.
Fco saber aos que o presente edital eom o pra-
so de 20 dias viren ou delle noticia tiverem, que
no dia 19 de Fevereiro do anno vindouro, depois
da audiencia deste juno se bio de arrematar por
renda a quem mais der e maior lance offerecer os
bens seguintes : :
Ua sobrado de um andar de pedra e cal n. l
no pateo do Paraso : o pavimento terreo comduas
portas-e urna jaoella de frente, servade urna das
portas para o sobrado, cem duas salas, dous quar-
tos cosinha fr, quintal murado, cacimba meei-
ra e o andar com tres partas de fente com va-
rano* de ferro, com d jas aala, dous quartos, co-
sinha fra e em mo estado a coberta e o aseoa-
Iho medindo de frente 5 metros e 20 centmetros
e de' fundo 11 metros e 90 centmetros, avahado
por 4:000*000.
Umu casa terrea na ra da Roda n. O, com
duas portas e urna janella de frente, com duas sa-
las quatro quartos, cosinha fra, com um portao
que d sahida para ra dos Patos, sendj a casa
de pedra e cal, o solo foreiro, mediado de largura
5 metros o 65 centmetros e de fundo 14, metros e
15 centmetros, em mo etado a coberta, avaha-
da por 3:000*000.
Urna casa torrea, mei'agua, de pedra e cal, tai-
ta a moderna na ra dos Patos n. 8, com urna por
ta e urna jmila de frente, com urna sala, um
quarto pequeo, urna pequea cosinha, terreno fo-
reiro medindo de largnra 3 metros e 90 centime-
tras de fundo 5 metros e 5 centmetros, avahada
por 500*00.1. *' _.
Peohorados por execoyao de Victonno Domin-
gaes Alves Mai*, contra o cnsul de Portugal,
amo representante do espolio de Ignacio de Ha
Rodrigues Pontual Joaquim Jos Helleno, Joao
Pi da Silva Vallenca, Joo Carlos Beserra Ca-
valcante, Luiz Halano da Cunba Andrade, Igna-
cio Teixeira de Barros, Jos Rodrigues Pontual,
Jos Tbomaz de Aguiar Jnior, Antonio Netto de
Barros Loureiro, Joao Francisco Correa de Araujo,
Manoel de Barres Netto Cavalcante, Jos Wenees-
lan, A. R. T. Bastos, Sergio D. de Moura Mattos e
Manoel Jos Luis Ribeiro, e como quer que os sup-
plicados morem em lugar incerto e nao sabido,
para que tenha lugar a citacao por editos o sup-
licante reqiier a V. Exc. se digne de o admittir a
justificar o allegado passando-sa depois os respe-
ctivos editaes, tudo de conformidade com a le.
Nestes termos, sendo esta distribuida por depen-
dencia Pede a V. Exc deferimento. Espera re-
caber merc. Recete, 10 de Janeiro de 1887. V
advogado, Gomes Prente.
Estava sellada na forma da le. E mais se nao
contnha em dita peticoaqui copiada, depois den-
se o despacho do theor seguinte : .
Despacho.Destribuida. Como requer, desig-
nando o escrivao, dia, para a justificaco. Recife,
10 de Janeiro de 1887.Montenegro.
E mais se n3o continha em dito despacho aqu
bem e fielmente copiado, em vista deste despacho
fra feita a distribuicSo seguinte : .
Destribuicao.A-Ernesto SilvaOliveira .
E mais se nao continha em dita destribuicao
aqui copiada, depois vase o termo de protesto
que do theor seguinte i ,- .
Termo de protesto.Aos 10 de Janeiro de 1887,
em mea cartorio, perante mim e as testemunhae
seguintes comparecen o supplicante por seu procu-
rador, Cussy Juvenaljdo Reg, e por este foi dito
qae reduzia a termo o protesto constantte da pe-
ticao retro que offerecia eomo parte deste. Uo
quefiz este. Eu, Ernesto Machado Freir Pereira
da Silva, Cussy Juvenal do Reeo, Francisco Ma-
noel de Almeida Jnior, Antonio Barbosa Cor-.
E mais se nao continha em dito termo de pro-
testo aqui bem e fielmente uopado, depois vase
aue tendo o justificante produzidj suas testemu-
nbas que depuxeram convenientemente acerca do
allegado na petico aqui transcripta, o respectivo
faxendo sellar e preparar os autos os fel os conclu-
sos que nestes va se a sentenca do theor se-
gUSentetH}a.Vistos Hei por iustificada a ausen-
cia em lugar incerto dos justificados,, mando que
8eiam elles intimados por editaes com o praso de
trinta das do protesto de fls. para ioterrupeo da
orescripcao do ttulos defls e fls, costas ex-causa.
Recife, 11 de Janeiro de 1887.-Tbomaz Garcez
Paranhos Montenegro.
E mais se nao continha em dita sentenca aqu
CEm virtude desta seutenca o respectivo escrivio
foi passar o presente edital pe'o qual o seu theor
chamo, cito e hei por citadas os justificados ausen-
tes em lugar incerto e nao sabido, para que com-
uareoam ante este juizo dentro ao praso Je trinta
das por si ou por seus bastantes procuradores,
allegando e provando todo qnanto ior a bem de
eu direito e justica.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandn passar o presente edital, que ser publi-
cado pela impreusa e affixado noa lugares do eos-
Dado e paaaado nesta cidade do Recife capital
da proviacia de Pernasabnco, aos 11 de Janeiro de
1886
Subscrevo e assigno, Ernesto Machado Freir
Pereira da Silva.
Tktmaz Garcez Paranhos Montenegro.
os que i retenderem ser examinados as materias
que constituem algum dos cinco annos desta Fa-
culdade, como dispoe o art. V |1 do Decreto
de 19 de Abril de 1879, que ditos exames deverao
ser feito at o dia 15 de Marco vindouro em que
deve ter tugar a ab rtura das aulas s- finalmente,
que serio feitos de aecrdo com os Estatutos vi-
gentes sob as seguintes condicSes :
1 Apresentacao daa certidoes de exames das
materias exigidas como preparatorios para matri-
cula da Facoldade, ou das que antoceierem a
do3 exames requeridos na ordem do curso.
2" Prova da ideutidade de pessoa.
3* Pagamento da importancia da matricula na
proporclo dos exames requ ridos.
Secretaria da Faculdade de Direito do Reeife,
10 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
Joa Honorio Beztrra de Menezes.
LftttMte flfl contos
A grande lotera de 4000 contos, em 3 sorteios,
fiea transferida para o dia 14 de Maio vindouro,
impreterivelmente, nos termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de hoje.
Thesouraria das Loteras para o fondo de
emaneipacaa e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
Dezembn da 1886.
O thesoureiro,
Francisco Goncalves Taires.
CO
Terca-feira, 15 do correte, ao meio dia reusr-
se-ha esta aasocia?ao em sesso geral para a elei-
co dos membros que ho do cIDP1r1aa,me,,a)a.-
miuistrativa no prximo anuo social de 1887-1888,
de conformidade com a disposicao do art. 11 dos
seus Estatutos, pelo que sio convidados todos os
Srs. socios para compareccrem na sede do Instituto
no referido dia e hora.
Secretaria do Instituto, 10 de Fevereiro de
Baptista Noguetra,
1. Secretario.
COMPANHIA DE
0 escripterio (Testa
companhia acha-se
uiiccionando no largo
de Pedro II, n. 77, 1.
andas.
lnibumbc-sc median-
te contrato e a paga-
mento em prestafoes,
de construc$oes e re-
construcfdes ale pre-
dios, cojos projectos e
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No cscriptorio se en-
contrarao sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquary, tendo sem-
pre venda: tijolos
massiyos de al venara,
ditos para ladrlhos.
diversos formatos, te-
lhas romanas, france-
zas, de capote com en-
caixe, de cintas; canos
c curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
riados e tijolos fun-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c en-
comendas, no escripto-
rio central________
Club Concordia
Samstutr den 12, Februar 1887.
A.usseru.,i-ntlicher Geselliger abend.
Einladungen gestattet gegen anmeldung Ceim
Seeretaer.
Sonntag den )3, Febiuar 1887
Vachmittags 2 uhr.
Erstcs Preiskegeln to Ausstellung Sammtlicher
*
s
rl
-i.
:





.
.





Preise.
Prolongamento do Estrada de Fer-
ro de Pernambaco
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
no escriptorio do engenbeire chefe do trefego do
Prolngamelo da Estrada de Ferro do Recife ao
8j Francisco em Palmares reeebem-se propostas
at o dia 20 do corrente para a execucao de aterro
de algumas vallas e bacas existentes no treeho de
S. Benedicto a Canhotinbo do mesmo prolonga-
ment. .
No referido escriptorio eucontrarao os urteressa-
dos os precisos esclarecimeutos.
Secretariado Proleogamento da bstrada de fer-
ro de Pernambuco e Estrada de Ferro do Recife a
Csruai, 10 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
Manoel Juveneio de S*boya.
Estrada beiro ao Bonito
Por deliberacao da ditectoria sao convidados os
Srs. accionistas arealisarem no London ABrasi-
lian Bank, uo praxo de 60 dias, a contar de hoje,
a 4 entrada de 10 /. do ve lor nm-nal de soa
accoes, nos termos do nico do artigo 4 do
estatutos.
Recife, 7 de Janeiro de 1887.
O secretario,
Jos Bearmi > Pereira de Mello. ,


Lrfmdoa and BrasiHan Ba
Umietl
Soa do Commercio d. 38
Saccapor todos os vapores sobre u-
as do mesmo banco em Portugal, se|j
m Lisboa, ra dos Capellistas a. 75
Porto, ra dos Ingleses.
No
-r-


Diario de Pernambueo Sabbado 12 de Fncrciro de 17


SEC8BS
contra mm
The Liverpool & London & Glob
insirame mwm
Mim Brote k
COHPiKHIl 42 HECtUROft
NORTHERN
de LOndr- e ifcerdeea
fAnlf flnanrrira (di-ifinbro 1 S)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumult io3 3.134,34^
ecella annual l
Da premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGESTE,
John. H- Boxwell
Bill COHHKUIKXIO IV. *0 1* i. \ D II
"IflMPANHiDESEGlOS
co.vrii.% roto
>iorib British & Hcreaolile
CAPITAL
*:OOO.OOo de libras sterlloa
A O EN TES
Uomson Howie & C.
GompanliR tt Segaros Filado,
II
A Li
AGENTE
lignel Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESUS-N.
Seguros mardalos rrmlre
Ne.-tes ultimo a umca coaprjibia Htl prac
que concede ios Srs. sognradis isesapc&ode pap*
ment di; r>r. mi em cada kmo e&no, o sne
equiva e 0 .'.'"Kinto de-Uxro. i- i por Mata coa
avor dos segurados.
COMIANHIA
JMPERIA
N.
m:iiro contra fowc
EST: 1803
Edificio e mercadoriat
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejaison
CAPITAL
Ka. 16,000:00C*(.M!>
Agente*
BRO WNS & 0.
- Ra do Ctnmrrcin N. 5
Couipanliia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em I .
CAPITAL 1,000:0000
SINISTROS PAGOS
At SI de dezembro de 184
Shrilimos..... ],IIO:0()SOO(i
Terrestres,.. 3i6:000<|000
44 Roa do CoRimpn'ln-
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenlx Per-
nambacana
.Ruado Commercio n. 8
""MPREZm "GU~
Bdtvse aos Senho
res consmmidores que
queiram fazer quslqaer
comuaicacao ou recla-
mao, seja esta feila no
escriptorio desta empre-
za na do mperador n
29, OLde tambem se re-
ceber? qualquer cont
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
lermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio d Silva Oli
veira, e quandr for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tas Carvalho,
Durante a /tuzeneia
doabaixoassignado na
Europa todos o i recibos
dessa empreza deve-
ro ser passa dos em ti-
ldes carimbados e fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que nao
tero valor algum.
George Windsor,
Pacific Steam Havigation Company
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Soraia
E' esperado da Euro-
pa ate o dia 13 de Pe-
veriro, e seguir de
Inois da demora do cos-
r^^BXS9BB9BSasWtume para Valparaso
Cago escala por
BahlaeRiode Janeiro so
mente
Pura carea, passagens, encommendaa e din-
heiro frVta tnuet* -e com" os
AGENTES
tvilson woas *fc C, IJatited
S. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
Coeu4is. ^seo a Taer
PORTOS DO SUL
0 vapor Para
Commaitmte o 1 tenente Carlos An-
tonio Gome*
E' esperado dos .rtos do
norte at o dia 13 de Feverei-
ro e depois da demora in-
dispcnsavel, seguir para
i os f*/>s do sal.
Recebe tamoem carga para Santa Catharina,
f'inde d> Sul, Pelotas e Porto Alegrefrete mo-
dic .
Para carga, passgens, cncommendas e valores
truta- na agencia
PRAQA DO CORPO SANTN. 9
HailiBrtSieiaiiiBriiiiscie
DampfschiriTahrts-GeselIscban
O vapor Paranagu
Esperase de HAMBURGO.
por LISBOA, at o dia 14 do
corrate, ceguindo depois da
demora necessaria para
Untiei! Sutes Isi) Brasil S. g. .
O vapor Advanee
E' esperado dos portos de
sul ate o dia 14 de Fevereiro
depois da demora necr.saria
seguir para
tiaranho, Para, Barbados, .
Thomaz e Ncw-York
Para carga, passagens, e encoiutnendas 'rneru
0 paquete Finalice
Capero-tti de Nv>p(irt
News, u: o dia 27 de Fe-
Tcreiro o qoaJ seguir depois
da demora necessaria para s
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encouuni'ndas e dinheir-i
frea, tracta-si- toui us
AGENTES
Hcnry Forsler k t
N 8 RA DO COMMERCIO 8
!. anda.}
lABilOS
Brigitejortuguez
s. LOURENQO
l. ctbe carga a fete pina Lisboa e Porto
tratar com Amorim I raos A C.
m
i
Segu com brevidade para os portos cima o
lugar nacional Tigie, por ter ptrte di aua crg*
cugajidi, e par o resto que fnfcx, Irat- -se cou>'
Saltar Oiiveira & C-,rua do Vigsrio a. 1, pri
meirj andar.
B'ia < ommrrdal
COTAgES OFFICIAES BA JUSTA DOS COR-
KECTORES
Recite. U de F.vereir de 1887
Cambio sobre o Porto, 4 vista 142 0/0 de premio,
do banco, hontem.
(i presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
I e.i-r-''Hrio.
Edoardo Dubeux.
oalmeitl l>Hm-ario
HF.CIFS, 11 OB FEVEaBIBO DE 1B8V
Os bancos tornaram a establecer hoje a taxa
de 22 1/8, em subsiiiuico da de 22 1/4, que ape-
nas Tigorou offii ialmeote doas diss.
As tabellas ufficiaes, portauto, sao ettas :
" Do London Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e vista 21 7/8.
Sobre Pars, 90 d/v 429 e vista 433.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 532 e vista 538.
Sobre Portugal, 90 d/v 240 e vista 213.
Sobre Italia, vista 433.
Sobre New-York, vista 2*290.
Do Englis Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e vista 21 7/8.
Sobre Paris, 90 d/v 429 e vista 433.
Sobre Italia, vista 433.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 532 e vista 538.
obre Ntw York, 4 vist 2*290.
Sobre Lisboa e Porto, 9 d/v 240 e 4 vista 243.
Sobre a. principies cidades de Portugal, vista
248.
Sobre liba dos Acores, vista 251.
Sobre liba da Madeira. 4 vista 248.
Entrada i- suturar aigoifuo
XEZ DE 1-EVEBEiaO
Baretcas .
Ettrada de ferro de Uliu-
da......
Estrada de ferro de Ga
rua'.....
Auimaes.....
Estrada de trro de S.
Prancisc. .
Estrada de trro de L-
moeiro.....
' Herrado de orar c algodao
BEcnra, 11 de fevekeiro de 1887
Astuear
Os preoos dos asneare fecharam hoje muito
firmes aos algaliamos de nossas anteriores cota-
e6>8.
A eniruda foi pequea, devido a nao havexem
caeg,do as bsreacas d.is porto* limirropbes do sul
da provincia, am raso do forte ven'o-norte que
tem reiobdj, e d'oude vem grande qaantidade de
asiucarcs purgados.
A demanda por parte dos armxzenarios gran-
ee para satisfaser pe lid >s e vendas para os ater-
rados de Santes e Rio Orante, oude vigoram pre-
sos que nao cobren) as totncoes aqu estabelecidas
e que sao as seguintes :
8.* baizo, por 15 kiUs, de 1*-00 a 1*900.
3 regular, por 15 kilos, d- a 2*100.
:;. boa, por 15 kilos, da 2*100 a 24200.
Banperior, por 15 kiUs, d< 2*-j00 a 2*400.
W, por 15 kilos, de 24500 a -(OO.
Hranco turbina pulveiisado, por 15 kilos, de 2*200
a 2*300,
Dito dito crystalisadn, por 45 kilo, a 2*100.
Branco turbios Usina Pinto, p-ir 15 kilos, a
2*600.
.si>qwnns tnrbiaa Uina Pinto, por 15 kilos, a
1*S0.
^uoieno, por 15 kilos, de 1*500 a 1*600.
.vado pingado, por 15 k'lo, a 12(X>.
np'rior, por 15 kiL, a 1*300.
nnro, por 15 kilos, de 1*160 a 1*200.
Kegnl.ir, por 15 kilos, de 1 *06l a 1*100.
Hrutu Pi rtame, por 15 kilo, a l*UO0.
Ketaim-s. jror lo kilos, de 800 a 900 rs.
vendedor obiem o maxiinn ou o mnimo das
1 s aitucare da 3.* baix<>, 3^ regular,
superior e Snos, segundo o sortimento.
J/fodio
loi cotado a 6*250 por 15 kilos o de
e bees procedencias, cm trra.

1 10
1410
K.
1
s
32.318
200
5.332t
5.925
30.876
10 249
84.900
4.515
110
149
3.102
1.362
3.306
Rio de Janeiro e Santos
Os vapores desta companhia, os quaes tem op-
timas acjommodaces p>ra passageiroa, regres-
sain dos portos do sul com destino Lisboa e
Hamburgo partiudo da Babia nos dias 8, 16, 23 e
30 de cada mez e tocaro neste porto, caso se of
t. r-ca numer) suficiente de passageiroa.
Os Srs. passageires, que se quizorem inscrever
silo rogados a fazel-o pelo menas 4 dias antes das
partidas da Bahi
Pa-a carga, pasagens, encommeudas, dinhci-
ro e frete tracta-se com os
AGENTES
Borstelmann & C.
RA DO COMMERCIO N. S
1* andar
TOVAL MAIL STEAM PACKET
C0MPAI\Y
0 paquete Trent
esperae<>
do sul no dia 14 de
carrete segura lo
depois da deu-iors
necessaria para
*. Vicente, Lisboa, vlgo e non
thampton -
Reduccflo de pasaqens
Ida Ida e volta
\ S.uih.inpt iu l* ciatse 28 4
(laoiarte reservados para os passageiroa He
Pernambueo.
r-Ri paasageua, fretes, etc., rracia-se 1 03
CONSIGNATARIOS
Adunison Howie &C.
Bio le Jubto. Mos a Ro Grsi-
ie So Sil
0 vapor Ai-lindo
E' esperado do Rio Grande
do Sul, no dia 15 do coi ren-
te, e seguir depois de peque-
a demora para os portos
cima indicados
Recebe carga, encommeodas e passageiros, a
tratar com
PEREIRA CARNEIRO & C.
N. 6 RA DO COMMERCIO- N.'6
1. andar
i-oai>4\tia pkh.iihhic.A
DE
Vvegacao Costeira por Vapor
Fernando de Noronha
O vapor Giqui
Comandan te Lobo
Segu no dia 14 de
Feve.oiro,polas 12 ho-
ras da man hit.
Recebe carga at o
!dial2.
Pasaagt.^8 xt s .' aras da inanh do dia da
partida.
ESCK^^TORIO
'iei da Companhia Peravansb
cana a. t a
Para L7erpool
arrisnn Lina of Steamer
O vapor Mariner
(OMPAMHt
i>en.iHt;ci*
DE
laboiaudy 15 fardos a Uumes de Muttos Ir-
mos.
Pelles 72 f irdos 4 ardVm.
Sola 10 ralos a Gomes de Muttos lrir.Sog, 300
weins a Enjebo da Cunha Beltrao A Inno.
Velas 13 caixolas 4 ordem.
12.514
Pauta da tlfandesa
MHA DE 7 A 12 DE FBTBBEIBO
A'godao, kilo
Aisucar mascavado
kilo.
*33
070
\otaa do Tiienouro dilaceradas
O recolbimeuto de notas Jilaeeradas est sendo
feito na Tbesouraria de Pacenda, as terc,s e
sextas-feiras, das 10 4s 12 horas da manhi.
KutiMtituiruo de nota* do Ttieaoaro
Em 31 de M^rso vindouro termina n pmzti mar-
cado para recolbimeoto, sem descont, dos uiaa
de 2*000 da 5* estampa, 10*000 da 6 e 5*000
da 7.
A subatituico est sendo feita na Tbesouraria
de Paseada, nos dias uteis, das 10 as 12 horas da
manb.
Kxoortaeo
BECUTE, 10 DE rEVEKELBO DE 1887
Para o exterior
Na barca n"rueeuense Mira, carregaram :
Para Liverpool, S. Brothura & C. 133 saetas
com 9.82 kilos de algodo.
No pttacho americsiio B. Fabent, catre-
gara m :
Pira New-York, P. Caeco A Pilho 650 rceos
eoin. 48,750 kilos de assucar mascavado.
Na barca portuguesa Ifivo Silencio, earre-
garam :
Pora o Porto, J. 8. Loyo & Pilho 2 barricas
com 238 kilos de assucar bronco ; Cunha Irnios
& C. 6 barricas com 355 kilos de assucar branco e
4 sacos com 240 kilo* de caf.
No patacho p rtuguea Vertios, carrega-
r.iin :
Para Lisboa, Amorim Irmaos & C. 4.'4 cauros
salgados com 4,446 kilos e 16 ditos espichados
com 112 kilos ; P. Pinto A. C. 60 'larris cora 5,760
litros d mel ; M. J Pereira 30 barris com 4,800
litros de mel.
No vapor francez Vilie de Santos, carre-
gou :
Pr. o Havre, Pnhlman A C. 2,028 couros sal-
gados com 24,336 kilos ; A indo Kouquasi 3 bar
ris com 301) litros d agurdente ; A. P. de Oli-
veira A C. '4,000 cigarros.
Pora o interior
tavegaco Costeira or Vapot-
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macau, Mnssor, Ara-
caty, Cear, Acamku e Camossim
O vapor Pirapaua
ComoiandaDte Carvalho
Segu no dia 1D d-
Fevereiro, s 5 hort.
da '.-i:-'.:e. Heix'M
pjacarga at o dia 18.
ncomniendas passagens e diubeiros afrete ale
s 3 horas da Uiide d'i diu da lahida.
ESCRIPTORIO
Cae* da C'ompanhit* Pernamiv/iin
ii. l'
Espera-se de Liverpool at
o dia 24 do correte voltar
para o mesmo porto depois da
demora do costume.
Para frete trata-ae com o
AGENTE
S. L. JONHSTON
RUADO COMMERCIO H. 15
eOstPANIUE DES HENiAUB
RES hahitihen
LINHAMENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sul at o dic 21 do corrente,
segurado, depois da demora
I do costme, para Bordeaux,
" tocando em
Dakar, Lisboa e Vlgo
Lembrn-se nos senbores passageiros de todas
as classes que ha .lugares reservados para esta
igencia, que podem tomar em qualquer tetnpo.
Faz-se abatimento de 15 0/o em favor das fa
milias compostn de 4 ptssoas ao menos e que pa-
garem 4 passagens intriras.
Por excepcao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosnm tambera d'este abati-
meuto.
Os vales postaes s se de at dia 19 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinae-r*
afrete: tracta-se com o
AGENTE
Anguste Labiile
9 RA DO COMMERCIO9
llha de S. Miguel
Palacio Dortgaez Paiy
Recebe carga a fre-
te e alg'uiis passageiros
para a lili a de S. Mi
niel : a tratar com
Amorim Irmaos & C.
Leilo
De maisenn, presunt'is, vinho verde Jenuiuo e
do P^rto velbo. cognac e iliuin.
HOJE 1.', AS 11 HORAS
Agente Pinto
Traveasa do Corpo Santo n. 23
Leilo
carca
Importaro
Hyate nacional Correio de Macan, entrado de
Maco em 11 do corrente e consignado a Antonio
da Silva Camp r, maoitestou :
Algo 14o 34 sacess a Gomes de Mattos Irmaos.
Sal 28,000 litros 4 ordem.
Hyate nacional Bom Jesui, entrado da Para-
hyba, era 11 do cirrente e cratignado a Manoel
Joaquim Pessoa, manifestoa :
Algodo 375 saccas a Rodrigues, Lima t C.
Hyate nacional Iri, entrado d* Maco, em 11
do cor. ente e consignado a Joio Paca de Olivei-
ra, mi.uit'Stou :
AlgO'iao 50 saccas a Cunba Irmaos C, 25 a
Gomes de Mattos IrmSos, 18 a J-s do Macedo, 8
a Joio Vctor Alves Maljeus A C, 2 a Joao
Paes de Oli veira
Cera de carnauba 74 saceos a Cunhi Irmaos
AC.
Couros salgados secos 8 a Joao Paes d Olivai-
ra.
Penuas 1 pcete a Jos de Macedo.
Sola 18 meios ao mesmo.
Sal 12,800 litros 4 ordem, dito de 'espuma 23
saceos a Jos da Costa Babia.
Vapor nacional Pirmpama, entrado dos portos
do norte em 11 do corrente e coasignado Com-
panbia Pcrnambucaua, inauifestou :
Algodo 539 saccas a Luiz Antonio Sequeira,
175 a Bor.telraann A C, 200 a Joo Victor Al-
ve Matbeui A C, 38 a Machado A Pereira, 96 a
Sooaa Nogueira A C
Couros salgado* seceos 50 a H. Nuesch A C-, 24
a Joao Victor Alv.s Mathrus (t, 16 4 ordem.
Counnbos 2 tardos a H. Nuesch A C.
Gomma de mandioca 12 saceos a Luix Gencal-
ve! da Silva de Pinto, 14 a Ensebio da Cunha
Beltrao os Irmo.
No lugar lugiei Alice Hay, carregou :
Para Uroguayaona, h. G. Brito 20 barricas
com 2,4' 0 kilos de assucar branco.
No patacho nacional Positivo, carregaram :
Para o Rio Grande do Sol, Amonin Irmaos A
C. 3ti9 vnlumes com 23,295 kilos de assucar
branco.
- Na escuna cacional Urania, carregou :
Para o Rio Grand* do Sul, A. Guimaries 1,500
cocos, froeta.
No pruebo sueco Alm, carregou :
Para o Rio Grande do Sui, V. T. Coimbra 400
barrica i com 38,811 1|2 kilos de assucar branc>-
No p^tacbo ailemo Johinne, carregaram :
Para o Rio Grande do Sul, Maia c Rezcnde
18 pipas com 8,610 litrjs de agurdente.
No patacho hollaudez Broedestr w, carrega-
ram ;
Para I". Iota?, P. Carneirn & C. 475 barricas
com 41,4.5 kilos de assucar branco e 50 ditas
com 3,31 ditos de dito mascavado.
No briguc nacional Pftttert*. carrega-
ram :
Para Peloas, Amorim Irmaos A C. 610 barri-
cas com 65,138 1(2 kilos de assucar branco e 20
pipas com 9.600 litros de agurdente.
No patacho nacional 8. Benedicto, carre-
gou :
Para Porto Alegre. A. da Costa Moreira 1,000
coeos, fructa.
So vapir iuglez Mtrehant, carregaram :
Para Sautx.3, f. Carneiro c C. 1,120 saceos
com 67,20o kilos de assucar branco e 3,380 ditos
com 202,800 ditos de dito mascavado.
No vapor uacional Jaguarxbe, carregaram :
Para Macei, /eruandea A Irmo 1 barril com
96 litros e guirdeute.
No bate naeemal' Apody, carregaraaa :
Para Moesor, S. Nogueira 4 C. 4 sacos con*
310 kilos de ataer, r oranco.
Na barcada Lindo Paquete, carregaram :
Para Parahyba, Rodrigues Lima A C. 40 sac
cas cora 3,000 kilos de assucar branco. -
Pereira arneiro A C traasfenram todo- o car-
regnme to de aaaucar que baviam despachado pe-
ta o Rio Grande do Sul, ao patacho sueco Amor,
para Uruguayana,
aiaaitin A
Barca sueca Prima, Hull.
lingue portuguez S. Lourenco, Lisboa e Porto.
Barcada nacional Flor do Patio, Mamanguape.
Hareaca Linda Sinh, Rio Grande do Norte.
Bar a portugueza A'ouo Silencio, Porto.
Barca njruegoense Oordjn, Liverp.-ol.
Br>gne noruenuense iMira, Liverpool.
Cter nacional Geriquity, p'.rtos do norte.
Eicuna nacional Urania. Rio Gronde do Sul.
L^ar ingles Florence. Now-York.
Lg-r americano B Falten, New-Yoik.
Lugar ingles Elisabeth, Rio Grande do Sol.
Lgir nacional Tigre, Rt '-raude do Sol.
Lugar ingles Viola. New York.
Lagar iuglez Alice May, Uruguayanua.
Patacho portuguez Fanny, Par4.
Patacho americano Benjamn Fabens, Niw Yorz.
Patacho nacional Voitio, Rio Graude do Sul.
Palbabote nacional S. Bartholomeu, Porto-Alegre.
Patacho sueco Al mina, Rio I i raude do Sul.
Patacho portugus Veritas, Lisboa e Porto.
Patacho portugus fanrty, Portngal.
Vapor inglez MercAanl, Itio de Janeiro e Santos.
Vapor inglez Paraente, New-York.
Navios & deacarga
Barca nacional Mimosa, carvo.
Barcaca nacional Espadarte, algodo.
Barcaca nacicnal l.'onstantina de Lima, gneros
Dacionaes.
Barcada nacional Veneza, gneros nacines.
Barcaca nacional Rainha do Arijos, generes na-
cionaea.
Barcaca nacional Minerva, gneros nacionaes.
Barcaca nacional Beniyna, gneros uacianaes.
Haronea nacional Venus, geueros nacionaes
Barcaca nacional Itlor da Ondas, gneros naci-
naes.
Barca norurgnense Frenad, carvo.
Brigue Dorueguense Velang, carvao.
Brigue allemo Bruno & Marie, varios gneros.
Brigue austraco Pinas, varios gneros.
Escuna ingleza Percy, baealho.
Escuna inglesa Nellie. Barland, xarque
K-cuua idglesa Agenoria, bicalho.
Hiate nacional Bom Jess, algodo.
Hiate nacional Crrelo do Natal, varios generse
Hiate nacional Adelina do Anjos, algodo.
Hiate nacional Geriquity, varios gneros.
Lugar ingle e Venlure, carvo.
Lugar americano Harold B. Causen, farioha de
trigo.
Lugar ingles Nicanor, farinba de trigo.
Patacho allemo Wilhem & Joseph, xarque.
Patacho inglez J. L. B., baealho.
Patacho americano Leonora, farinba de trigo.
Patacho inglez Tiber, bacal bao e madeira.
Patacho portuguez Fanny, varios gneros.
Patacho nacisnal S. Benedicto, xarque.
Vapor ingles Starleghl, carvio.
Vapor uacional S. Francisco, varios geueros.
Vapor uacional Mrquez de Caxiat, varios gne-
ros.
Dinbelro
O vapor nc o.ial Pirapoma. trouxe :
Do Acarah para :
Gomes de Mattos Irmaos 1:300*000
De Aracaty p*ra:
Rodrigues Lima & C. 8:600*000
De Maco para :
De 1 inii ortante piano, fazendas, miudezas,
mwbilixs, e-)r,ho8. gunrda-vestidos, guarda-lou-
eas,) cadeiras avulsas, toilets, camas francezas,
niarquez 's, qundrus. jarros, relogios, obras de
uro. e tr.ui:os uutos objectos.
No aiinazeiii ra de Pedro Affonso
n. 43
Agente Brito
Sabbado 12 de Feoereiro
A's lo e 1/9 horas
Agente Pestaa
Leilo
De um baoheir >, uva toillet, urna meta elstica
de oito taboas, oiio cadeiras de Jacaranda, urna
banca de atnareilo, um guarda lonca, garrafas,
compoteirat, pratos diversos, cesta de vidro, s-
peme, jarros, manteigueiras, urna techadora de
mola, e muitos ontrua diferentes objectos que se
acbarao patenas no acto do leilo.
Sabbado 12 do corrente
A' ti horas
No armazem de agencia de leiltas ruado
Vigario n. 12
BILA0
Oe predios
Agente Britto
Urna casa terrea e sitio no becco do espinheiro
n. 1.
Duas ditas pequeas ns. 4 e 6 na traveasa do
Principe (Cisco), rendem 20*.
Urna dita gr. nde e sitio no Principe, na hdeira
do Burro, ao lado direito, tundo boa agua de be-
ber, JHrdim e inultas fructeiras.
Urna dita nova ra Imperial n. 286, com a
frente de azo'ejo.
Estes predios eatregam se pela maior offerta,
ao correr do artello.
Sabbado i2 do corrente
A's 11 horas
Ra dePeiiro Affonso n. 27, 1 andar
Leilo
De diversos caldeircs do ferro de ns. 6, 8 e 9,
chaleiras Agou Cerca de 300 dnzias.de bisna-
gas, resmas de papel de cores, um lote de espin-
gardas, bolea, botas, polvarinos, bornaes e lam-
peo para caca, mobilms, cunas, aparadores, me-
zas, guarda Icuens, eummod-.s, jarros para agua,
miudezas e vanos nutros artigos.
Segunda felra, It do corrente
A's 11 horas
No armaze.ii da ra Mrquez ^e Olinla
n. 19
ROR INTERVENgO DO AGENTE
Gnsmo
Leiliio
De bens inove's, 1 pinuo, lou;as, vidros e um apa-
relho de ouro e pinturaa licores, etc.
O agente M-desto Baptista, autorisado por urna
familia que so retir i para fra da provincia far
leilo do que abaixo 3': declara :
Um piano de. Blondel, 1 mobilia, moderna e de
gosfo, cmposM de 1 sof, 2 conidios, 2 cadeiras
de braco, 2 ditas de bnlanca e 12 de guarnico'
ludo liejiear.iiid.i, 1 cama para casal, de Jacaran-
da, 1 lavatorio, 1 marquezo, 1 guarda louca,
grnnde, 1 mesa elstica, cadeiras de junco e de
amarcllo, 2 aparadores, 1 berco e 1 fama para
menine, 1 cabio'e, 1 quartinheira, 2 cadeiras de
biianco de juuco, i mesa pra eserever, 6 qua-
dros, 2 pares de laut raa, 2 escarradeiras, 5 ta-
petes, 1 iburn grande, bolas p-ira jarros, 1 espe-
lh-1 de parede, 1 appa.-elh i para :Im->co, de por-
celana fina e de muito g-'sto, 1 dito para juntar,
doeeira, garrafng, copos, clices para vinho e li-
cor, falliere?, colheres, 2 ang-licas de vidro, 4
frascos com tintura de biunilha, diversas garra-
fas com licores diversos e tinturas, 1 garrafo
com 15 garr ta) de tintura de jaborandy, 1 ma-
china do costara, caadieiros, jarros, diversos li-
vros de medicioH, historia e romances, 1 adereco
de ouro com pedras finas, diversos vasos com flo-
res e outros muitos artigos.
Terca-feir, 15 do corrente
A's 11 horas
Na ra da Motriz da Boa-Vista, n. 16
' e 1 a 10
Icem de 11
ne 1 a 10
Id'io u* 11
'- 1 a 10
Lie* d 11
Hecebedor.
Consulado Prouintial
Le'l&o
De movis, quadros, louga e vidros
Sendo :
Urna mobilia de pao carga com 12 cadeiras de
guaroicV, 2 ditas de bracos, 2 ditas de bataneo,
2 consolos, 1 sof, 2 Iantcrnaa, 2 pares de jarros,
6 booitns quadros grandes, pannos de crochet
para cadeiras e sof, 1 tapete para sof, 1 can-
Recife Drainage
Jos
11 do cor-
rs.
164640
12*400
4*200
200
1J800
Mercado Municipal de S<
O uiovimento deste Mercado uo dia
rente foi o seguiute :
Entraram :
29 bois pesaudo 4,683 kilos*
832 kilos de peixe a 20 ris
62 cargas de farinba a 200 ris
14 ditas de fructas diversas a 300
1 taboleiros a 200 ris
9 Sumos a 200 ris
Forhm oceupados :
22 columnas a 600 ris
22 compartimeutoa de farinba
500 ris.
20 ditos de comida a 500 ris
73 ditos de legumes a 400 ris
17 ditos de suino a 700 ris
11 ditos de tressuras a 600 ris
10 talbos a 2*
4 ditos a 1*
A Oliveira Castro A C: .
54 talbos a 1* ris
2 talbos a 500 ris
Deve ter sido arrecadada neste dia
a quantia de
Rendimento de 1 a 9 de Fevereiro 1:926*460
B lanchede Terra Nova.
11:187/837 Brilhantedo Rio Grande do Sul.
1:2544012 Budade Cardiff.
Bella Rosade Terra Nova.
12:4414849 Cometade Porto Alegre.
Corrier-de Santos.
Cnurierdo Rio Grande do Sul.
28:890*658 Cysne^do Rio Grande do Sul.
.154*745 Christiani Scrivirde C*rdiff.
Diudado Rio Grande do Sul.
29.245*403 Enjettado Rio Grande do Sol.
Erutede Hamburgo.
Expressdo Rio Grande do Sul.
11:2101747 Edward Johnsondo Rio de Janeiro.
6184644 Ekundasu >d do Rio de Janeiro.
Fannyda Figueira.
11:829*395 Francisca Villa de Cardifl.
Guadianade Lisboa.
Hapnns do Rio Grande do Sul.
Hersiliada Bahia.
Idealde Loudres.
Jelanthede Santos.
J. G. Ficbt-do Rio de Janeiro.
Larelyao Rio Grande do Sul.
Lorenzodo Rio de Janeiro.
Lissie Wileede Terra Nova.
Li dadorde Rio de Janeiro.
Maia Ido Rio de Janeiro.
Marco Polodo Rio de Janeiro.
Marinho VIdo Rio Grande do Snl.
Meta Sophiade Hamburgo.
Mioniade CardifE
Metede Hamburgo.
May Coryde Terra Nova.
Noatunde Liverpool.
Nordsoeude Liverpool.
Nornega Ainod Cirdiff.
Nellyde Terra Nova.
Our Anniede Bueuos-Ayres.
Progressode New-Port.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sol.
Kolauddo Rio de Janeiro.
Shawmutdo ido de Janeiro.
Speraazade Cardift.
Sant Josephde Terra No7a.
Vareo da Gamado Rio de Janeiro.
Withelminede Hamburgo.
13*200
11*000
10*000
29*200
114900
'3*6,0
20*000
4*900
54*000
l*00n
196*140
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos do dia :
Carne verde 280 a 480 ris o kilc.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Somos de 500 a 640 ris idem.
Farinba de 240 a 320 >-8 a cuia.
Milho de 260 a 320 ris dem.
Feijio de 560 a 1*000 idem.
2:123*600
Gomes de Mattos Irmaos
Rodrigues Lima A C
Machado A Pereira
7:268*500
5:4814840
I:4t0*0U0
RendJmentos pblicos
ms de rsvBBuao
Alfandega
Renda geral
Ideo do 11
Renda provincial
Del a 10
dem e 11
loll
278:1784078
29;96050<
58.169^876
6:9114942
308:138*585
60:381 (818
868:520*403
Haiadonro Publico
Forana abatidas no tfatadouro da Cabanga 84
reses para o consumo do dia 12 de Fevereiro.
Sendo: 60 rezes pertencentea a Oliveira Castro,
it C, e 24 a diversos.
Vapores e navios esperados
varona
Ville de Santosdo snl boje.
Soratada Europa a 13.
Parado norte a 13.
Advaneedo sul a 14.
Trentdo sul a 14.
Paranagnde Hamburgo a 14.
Giquide Fernando a 14.
Arlindodo sul a 15.
Legislatorde Liverpool a 16.
Pernambueodo sul a 17.
Senegaldo sul a 21.
Supervisorde Liverpool a 22.
Espirito Santodo norte a 28.
Tagusda Europa ., 24.
Marinerde Liverpool a 24.
Financede New-Port-News a 27.
Cearde sol a 27.
AVOS
Alexandrado Rio de Janeiro.
Amode New-Port
Amandade Hamburgo.
Apotheker Dirsende Santos.
Ariesde Cardiff.
Jtovniento do Porto
Navios entrados no dia 11 de Feoereiro
Camossim a escala 101/2 dias,'vapor usclona'
Pirapoma, de 360 toneladas, commandante Fran-
cisco Carvalho, equipagem 30, carga varios g-
neros ; Companhia Pernambucana.
Santos24 dias, patacho ingles Emetine, de 296
toneladas, capito 8. E. Vanie, equipagem 8,
em lastro; W.W. Rooilliand & C.
Parahyba -1 dia, hyate nacional Bom Jess, de 85
toneladas, mestre Clementino Jos de Macal ,
equipagem 4, carga algodo ; Manoel Joaquim
Re Grande do Sul25 das, lugar nacional Ze-
quinhi, de 220 toneladas, capitao Serafim da
Silva, equipagem 9, em lastro; a Loyo A Fi-
lb0fl- .-
Rio de Janeiro23 dias, patacho inglez Wittwe,
de 366 toneladas, capitilo M. Hjvy, equipagem
8, em lastro ; a Hermn Lundgren it C
New Porte21 dias, vapr inglez Starleght, e
978 toneladas, commandHnte James A. Hindle,
equipagem 2, carga carvao de pedra ; a John-
ston Pater A C.
Navios sahidos no mesmo dia
Rio Grande do SulLugar sueco Hildur, capitao
M. N. Peterson: carga ssucar.
Rio Grsnde do Norte-Hyate nacional Apudy,
mestre Luis de Franca Medcii os ; carga varios
gneros.
SantosEscuna allein JoAan, capitao R. A. Pie-
ner; carga assucar.
Rio Grande do Norte Lugar inglez Venlure, ea-
pitao Alex Miche; em lastro;
SantosLugar ingles Flizbeth Stevens, capitao
1 Joba Stricke; carga assucar.
{

1
i-

I ;

lM
*i
-
t
<




u,
\
.
I

'!
r

1
ti
Diario de PernambucoSabbado i 2 de Fcvereiro de 1887
z, 1 mesa redoa^, de frrro, 1 cama
frc*a, 1 cornal de amareUo, l berco Ue Ja-
carandA. 1 kvotoriode aiaello, 1 cabida de co-
lumna o 2 marquoioes.
Um guarda louca d- amarelb, luiesa elstica
de dito! 2 aparadores de amarello, 12 cadeiraa d*
iuno, 1 q.artinbeira de pixede, 1 ~rqurio,
louca de j^utar, dita de almoco, copos, garrafa..
1 meca cosiuhn. 3 bacas de trro estanhadaa
e muitos oatros movis.
Terca-frira, 15 do correnta-
.%'s ti lloras
No 3- andar do sobrado n. 10 da ra Eetreita do
Rosario
O agente Martina autorisado por urna familia
que se retira para fra da cidade, far leilio de
todos os movis e iu*is objectoi existente i
dito sobrado. -
AO CORER DO MARTILLO
AVISOS DIVERSOS
Alupa-s casas a HKO no becco do Coe-
.__ :..., ,i < t;..... .un : u tratar na ra d*
Iho*, junto de Goucallo
56.
Imperatriz
~_"~}Ja ra do Cotovello n 83 precisa ee
guer para venJer em tabjleiro.
deal-
__ Precisa-C de uina o a << sinheira para cass^
de pouca familia ; na roa do Imperador n. 50, 1*
andar._______________________________-__
Alaga-se o sobrado, da ra do Imperador
n. 3. cora commodos i ara familia, caiado o pinta-
do, e por preco rasoave!; no Caes do Apollo n.
45^____________________________________
Aliaga se o 2- andar do sobrado n. 1, ra
do Viscoaoe de Pelotas, oJtr'ont Aragio tratar
na roa da M-dre de D* us n. 21.________________
Anenda-se o sino das .)aqu--iras, com grn
de casa de vienda e aais tie* pequea, n mes-
mo correr, aervindo prrl-taaki* penso ou
hotel ; a tratar no mesm tilia- ^_____________
g__ Precisase de um eaixeiro que tmba pratica
de padaria ; na ra da Impcratriz u. 41-______
Aiuga se a casa terrva n. B9 da ra Vidal
deN.greiros (pateo di Tere"), tem 3 quartm,
grande quintal, est li."pa ; pra ver, as chaves
estao na padaria do Sr Goimares, e para tratar.
na ra do Pilar n. 56, taverna.
Aluga se por 2ll#V 00 a casa terrea eo u
quartos, na ra Imperial n 1!>6 ; para ver, as
chaves estao junto, e trata-se na roa o Pi.ar n.
56, taverna._______________________________
~^ Precisase de um nwiuuo par eaixeirn, com
pratica ou sem ella ; na refiado rt ra Uireita
numero 10._______________
Anla i;irliiiii mixta na Capuiiga.
ruis Un Porn_>Iiucni n. IO
Aab.isi a**gui declara que acha-8.: 6ua
aula aberta oesJo o da 7 de Janeiro, 8*ndo a
mensalidade de um alumno 43000, de dons por
diante 3i0<>0, e ecnoa te tiabalho* de agalha.
Anna Vartjlo Magalhaes.
~_' uga-M o 2- e 3o andar, juntos ou separa
do-, d; i-aaa --.a um larga do Rosario n. 37, es-
quina defronte da igreja ; a tratar uo pavimento
terreo, loja de cabellreiro. ____________
__ O abano assignado f-u siente ao commer
CO e a seus amibos em partieuUr, que e*ie O dia
3 do correte dcixon de ser seu empregado o Sr
Josquim de Soma Aaevedo. Kccife, 10 de Fe
vereiro de 1587. .
liomineos Jos ^ i.tun<-s Guimaraes
Aluta_se das grandts casas com boas
accc_md/. Lamenba (antiga Piaierer) n. 42, e ontra na ra
do Espmheiro, com jardim e bom quintal, e agua;
a tratar na ru* da Impc-ratriz u. 61.___________^
__ Vmie-se muito barato uina grxndo batanea
romana, propria para pesar g.mivs volumoso
at2,500 kilos; ssimtanibem dous guincho pro
prios para barcaca e construccao de obras ; a tra-
tar na ra do Brum u. 67, ferrara de Mauoel Pe-
rcira da Costa^________________________________
Ama
Piecita-se de urna ama para cosinhs ; na ra
de S Jo n. 55. ____ _____
Chapeos de sol
Pede-se i pesaoa que no da 5 do correte le-
vou por engao da pbarra ca BartJiolomeu nm
chapeo de sol, o fvor de ir ou mandar desfazer a
troca, com o que se ricar agradecido.__________
Ilcfiia^ao
Vonle-se a refinagio
32 : h tratar na menina.
da ra da Concordia n.
" Aos senhores me rele ros
Ancoras novas
de oito e dex caadas e v. nde-se por barato pre-
^o ; na i na do Apollo ti 21.
Feitor
Quem precisar de um feitor portagnei, chegado
ha ponco, dirija se ao Trapiche Novo, a tratar
com o _esmo, noescrip-orio, ou annuncie por este
jornal, o qual d fiador a sua conducta._________
"N;28;940
O Sr, Antonio de
Olive ira Corage, tem
ama carta na ra do
Rosario Larga n. 14
armazem de molha-
dos.
Importante sitio
Vende-se um erande itio margem da Estrada
Nova do Caxanga. fregneiia de Afogdoe ; tendo o
mesmo urna casa rande de tijollo e cal, cacimba
com excelente agua potavrl, diverso ps de eo-
ueiro. dando fruct s n outr-.s aivores UM m. amas
condi>o-s, o qnal se ae.hn e..Mocado muito prximo
a est-eo do 'tmby (l* seccao da est.adu de ferro
da Vare). Trata-s-- a* ea n. 20 da ra de
Santa Therexa desta cidade ^^^____^__
Casa em Bcberibe
Vende-se urna casa sita ra da Igreja de Bi-
beribe mmto perto da estaco e em tern no proprio
com os vguiutes commodos : duas grandes salaB,
cinco quartus, cosiuha fr. c porto ao lado ; me-
dind i dita casa trinta palmos de frente e ses-
sautL de fundo, tendo um bom quiatal medin'Jo
trinta e cinco palmos de largura e eento e tantos
de enmprimento, udo terminar no no, em cuja
margem tem um b -m h .nhoiro. A' tratar na ra
do Imperadoi n. 67, 2 andr^___________________
Peitora l de Cambar
(*)
PRECOS
as agencias : frasco 2*500, 12 duaia 13* e
Ns sub sgpncias : frasco 2S800, 1(2 dusia
15*000 e duzia 28*000.
Aeentes e depositarios geraes em toda a pro
vinera Francisco M. da Silva & C, a ra d"
Mrquez do Olinda n. 23.
- *
Ama de leile
Precisa se de trina ama Riachuelo n. 32. _______ _
triada
Precisae de orna ciada ;
numero 50.
ras) da Soledad.e
Club linjieralriz
De ordem do Ilm. Sr. presidente convido a todos
os Srs. socio se nunitem 'm assembl gcral
Mtraordinuria, Duuiing 13 do corren te, s 1U
horao da manb na t Je dociubafim de prestarem
suas contas e d*rcm s.luco da missao de que se
incabirain. .
liurante os tres das do carnaval cao ti-rao in-
eresse no eab os socios que nao estiverem quites-
O srcretirio,
.Intonso Mciel de Siqueira.
Cosinheira
2')000
Pnga-se 205000 por inez a urna perfeita csi-
iih. ira, para casa d<- pe piena familia, preteriudo
so de meia i lade n que sej* ie boa moral, a raa
do Paysand n. 19, pasando a pn.te d. Chora-
menino : quam nao esiiver em cundicoee. eseusado
apresentar-se._______________________________
Curso de tnathemtica
O bacbarel Francisco Corrcia Lima Sobrioha
contina jom o seu curso de anthmetica, algebra
e geometr a :
na ra da Matriz n. 7.
Advocado
Hurtenclo Peregrino
Rua do Imperador n. 38
1 andar.
Criada
Precisa-se de um. eriada para cuidar ic urna
crianea de dous annos ; a tratar na rua da feole-
dade n 68. _____
Menina
Prscisa-se de urna minina para nlar e euidar
de urna crianea de oito mese,., pief.rmdo-je de
ccr ; a tratarjn rua N-va n. 4'', V andar.
Criado
Precisase de um criado; n, jua do Viscoude
de GoYauna n. 147, fabrica a vpor de chapeos
Mari liana
PARATINGIR A
barba e os cabellos
_sla tintura tinge a barbu e ra cabellos ins-
tanfaneamente, dando Ihes uina bonita cor
e natural, inofensivo o sen uso simples c
rpido._______
Vende-se na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Rouqu CAORS, roa do Uom-Jesu ;antga da Crat
n. 22. ___._____
>9
PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
Ama
a qu
a rua do R-ngel n. 10, 1 andar.
Precisa se de ama qoe cosinbe e engomme bem,
0

B4
p-t
5-
es
se
se
o.
m
g:
0 Remedio mart effictr e
efuro que se tem descaberlo ele
heje para axpe'lir as Ion brgas.
ROQM'AYOL IRERES
Bom negocio
Vende-se nm* casa de molbadvi propria para
principiante, por ter poneos fundos. Quein pre-
tender dirija-se reiinacao da rua do Lima, Santo
Amaro das Salinas.
Magnificas
Ovas de camorimuim a 800 ris o kilo, vendem
Gomes Ferrcrra & Su:ccss.ree, ao largo do Mer-
cado n. 12.
f
os Goncalves Moreira de Meudnnei, tendo
recebido a infausta noticia do fallecimeuto de sua
presad* mS, convida aos seas parentes e amigos
a assistiiem a missa que por alma dtlla manda
resar na igreja do Divino Espirito Santo, s 7 12
horas da mauba do dia 15 do corrate ;
,j te cantosa cordialmente agradec
e desde
Peitora! de Cambar (3)
Desooberta e prepnracSt) do Alvares de S.
Soarea, de Pelotas
Approvado pela Exma Junta Central de Bygie-
ne Pnblica,aoctorisado pelo governo imperial, pre-
miado com as medalhas de ooro da Academia Na-
cional de Paria c Eposicao Brasilera-Allema de
1881, e rodeado do valiosos attestados medicse
de rauitoe outrrs do pessoas curadas de : totses
simples, bronchites, asthma, rouquido, tsica pul-
monar, coqueluche, escarros de sangue, etc.
Preces as agencias : Frasee 2500J meia
dasia 13*000 e duni^ 24*000.
Precos as sub-agencias :Frasco 2*800, meia
dusia 15*000 e dusU 28*000.
Agente* e depositarios geraes neata provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C, a
rua Marques de Olinda n. 32
para
Sem dietaesem modifi- *r^ ai*. -..^^
cacoes de costumes
Laboratorio central, rua do Vkoud'
Rio-Branco n. 14
Esquina da rua do Regente
Janeiro
.Rio de
Especittcos prep irados pelo filiar
maceutico Eii^nio Marques
de Hollanda
Approvndos pelas juntas do liygiene da Co"<-
ttcpublicas do Prata .academia de industria d
Pariz.
Elixir da Lubiribiuu
Restabelece os dyspepticoe, facilita as diges
toes e promove as ejecces difficies.
Vinbo de aaanaz ferruginoso e quinado
Para os chiaro-anmicos, debella a hj poeiui.
intertropical, nconstitue os hydropicos e bcn'oi-
ricos.
Xarope de flor da arueira e lautumba
Muito re.coinm.nd;ido na bronebite, na hern ;>
tyse e as tosses a^o-bi oo chromeas.
Oleo da testudu- fefrugin* cascas lar;injn Barga*
E' o primeiro reparador da fraqOa da orga
nismo, na tysica.
Pillas ante-porio ichs, pfepjra-lHa : n
pererina, quinal ejaUarandy
Cora radiealmente us fehres intermittenf. re
mittente.s e pernieiosas.
Vinho de jurubeba simples e la.ubeiu tai
rugios, pr^pariiios nm inhfl M i
Efficazes mi" infla:..inace/i timado e bac
dgudas ou chronicas.
Vinho tnico de capuana > qu:na
AppHcado as coavalesceuca* das parturienta. ,
rctico antefebril.
Francisco Manoei da Silva i i.
RUA MRQUEZ DE OLINDA -
:uar;o.
' Esplendido sortinicnt^ "de galo.s de vidri-
Iho.
Gra/ide variedade ~&e- Icquea de setim a
4*5000.
'TFrizadorea amcrujaoo pira cabello a 300
lis o mai,o.
S-tas de pliaritasia para cabello.
Bonita coilec'.ao do plissj a -100 ris.
Bridos imita'yao de br lh..ute a 500 r3.
Avi-nti-s bordados para cranlas a 2OOO.
Chapan de fustao e settn p?ra crean-
5>s.
S^patos da merino e setim para crean
QaS.
lirias brancas e d cores fio de Escocia.
Pomada de voz<:na d diversas qualida-
des.
Sbonetos finos da vogeiina e alface.
Extractos fiuoa de Pmaud, Guerloin, c
Lubin.
L'ndas bomas de couro e veiludu.
Fichas de la para senbora a lJ-'00.
Sapatta de cnsemira preta a 2J0OO,
Thisouras para costar de 400 ris e
3<|p0.
Pst-otes de p de arroz a 300 ris.
Fita* de todas as qua lados e cores.
I,ii.i E milhres de objettos proprios paro tor-
tiir tn, senlior elegmie, e rouitos ou
ffM iiidii-p-.nsaveis pru uso des familias
tu io por pr.'c,is cdmiravclmente modi
cus
aVMtftfVMtfMMIMMs*A^%A^AWM
aria PblUmena Morelra
Baatoa
Joaquim Olinto Basto* e seus filho* convidan) *
todo* o* seu amigos para Ihes faaerem o caridoo
bsetjuio de sssistir.m aoa ltimos soffragioa que
hoje, pela* 9 hora* da icanhi, tem de ser celebra-
do na capella do cemiterio publico, pelo descanso
e sua pranteada e*pi mii, Mana Pbiaer-
Moreir* Basto*. Carro* rua do Imperador.
nANAN&AioJAPAO
RIGAUD C>a, Pertumirta*
PARXS.'.S. Ro Virtoj, 8, PJaJUS
(gztracto de Kananga
perfume para o len-
co producto da
preciosa flor conhe-
cida sob o nome de
Piru japnica.
O eu delicado
aroma, d persis-
tencia sem egual,
refresca o ar que
se respira, espar-
gindo ao mesmo
lempo ao redor da
pessoa qu* o n*a,
as suave enunaedes q revelara distioccio
e elesancs*.
Acaa- venda tm toda. as PmrfummrUu

m Graciosa
; Kia i do i'respo.-
Duarte &C.
i
Ozea P.
Ozea Saehet.
Ozea Essencia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os denles.
Ozea Puta para os dente*.
Estas exquisitas preparaces sao nruito apre-
ciadas na rnais distincta sociedade pela deli-
cadeza do sen perfume.
W m R I E C E R
TRANSPARENT CRYSTAtfIAP
(Sabo transparente cristalino)
reconhecido como i mais perfeito d^ todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades hygienicu-', pjlo Dea arona o pel sua larga duraeao.
, Dcpsi:> : .1 i->-lnal... PerfiMifcrloSj Farmacias, *ca.
__


*
es

mMBBBBl
QC
ce
T3
__
4)
O
t co
s ^i
i si
o es "2
** **
w ^_5
O
- *m
'- q
V T3

of n
3
he 9
-
-d es
Eejrio MarquesdeHollarda.
vJiua/Jrwrti'
aJiet-cui'
4&
biovadane*
f,/ifame

1
-.j Rheumatiemo.Ca/icroe,Bobas Impi^ens
etodaeas mole8t~B quetenho sua ori^em
na impureza do sangue devtda a s^pha.

^
as
O
v"
Q
'^VCtvu pffiuw* oatca> &C, m* con OM*, Jua; ^u<
tt*9 WmOdov W owi%e\*n*, a i*\c*t)a dema
4**--------r_-tl^-'
BOOUCTOSejl
\%
^ABOflATORIO
fOtClN/
CUTRALOC
d DAFiORABRASItEIRA
14 Rua do Ytecoraie do Rio Bnaneo
KIO IIK -JANK1KO-------


rj
i-j0i
OS
aos Consummidores
PERFUMARA oriza
TOS PRODUCTOS DAPRFtIMflfl _
PARS 207, Rua Saint-Honor, 207 PARS_________
Mmmmm
deven seu ntrecmso e /ii- %tnblle* :
1- Ao ciiJii iscroil* ca v i 2' -.slfrri )
lia takric das. f i atni--- rlij.
I AS SE IMITA OS PRODUCTOR 0 PERFf'UABIA ORIZA
nm atUnair ao -u- s.- if .t fio
A swarencia exterior itit'is i;iit' ""flJ' -f*^.
deiro l'roduttam O t*a, o- a> M e.tcerup te
precaver contra este comufrc- itltato e cynMUrur emo
'T^ contra/aceto qual *Uk> vendo por casi pco no*
teoeun -O OntaliTi
;Hmtr doaneill o rauxiaemlo.
f
as f
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO H0LL0WAY
uento de Holloway i um remedio infallivel para os males d pemas e do poto | tambem p-a
for&as antins charas e ulceras. E_moso para a gota e o rheumahsmo e para toles as enlermi-
dades de peito ni se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resframenos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle nao teem semelhante e para os membros I
contrahidos e juncturas recias, obra como por encanta
\asMi mediana iSo preparadas smente no Esttbeleenlo do Proresor Hollwv,
71, HEW 0XP0ED 8TBBET (autos 688, Oxford Street), L0HTI__,
E rendemse em todas as pharmaciis do universo.
rtT O compradores slo convidados rasptitoaaBanW examinar os rtulos de cada oaixa e Pote, ae no taasa a
direcsao, 533. Oxford Street, itotalsificasoaa.
DE
WOLFF
N. 4-BA DO
& c.
'-I 4
H'este muito onhecido estabelecimen-
to encoutnr o respei(a%el publlc o ni ais
variado co pelo Hartlmento de JOIAS
reoefkidas sempre directamente do* njellio-
res r.sbrfeantes da tCuropa. e qu primam
pelo apu-aJo gto ilo imiuti.'* elegante,
Ricos nderecos connpletos. lindan pulsei-
ras, alfinetes, voltas de turo era vejadas co *
brilhantes, ou perolasi, annefs, eaeoleta,
btales e outa-os muitos artigas proprios
dete genero.
ESPECIALIDADE
Km rel'-gios de uro. pratu e nirkeledo.
para ltenseos, senhoras e meninos dos mui
acreiitados fabricann s da Europa e Ame-
rica.
todos os tsrtigos desta casa s; -ran-
te-se a boa quulidade, assim como a modiei-
dade nos preces qiir s_o sem competencia.
N'csta casa tambem concerta-se qual-
quer obra de onro ou prata e tambem relo-
gios de qualquer qualitiade qn* seja.
4Rua do Cabula4

b
O
se

p
o
Cq
Ti
5
_r
-
2.
ap"
5
o
%
p
o

o.
p
Na<
p
&
O
---*-
rietarios do muito conhecido estabelecimento denorainado
MUSEU DE JOIAS
sito a rua do Cabug n. 4, communicum ao respeita^el PBUCO que recebertai u
eran.ie eortimento de jotas das roais modernas e des mais apurados gostos, tton.o tw
bem -elogios de todas as qualidades. Avisan tambem que .-ontinuara a receber po>
todos oa vapores vinds da Europ; obje.ctos DOToa e venden muito mer.cs qu- o_
oatra qualqaer parte. T.w i ^
MIGUEL WOLFF d C.
'
P, 4 -RUA DQ
Compra-se ouro e prata velba.
CABIIGA-N.

FUNDICAO GEEA
ALIAN PATEHSN 8r
N.44--Rn i do Brum--N. 44
JUNTO A E f A^AO DOS B0NDS
Tem para vender, por pre mdicos, as segurntes terragens:
Taclias fundidas, batidas e caldeadas.
Crivaccs de diversos taraauhos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.-
Grradeamento para iardira.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavalios
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, systma Leandro.
Encarregam-se deconjertos, eassentamento de machiaismo o executam qoii
trabalbo com perfeigao e presteza.

I
S
0D o m m^ rw
JOSEPH KRAIISE ft C..
Acaban, de augmentar o seu j bem conhecid
mporlanie estabelecimento rua *
de marco n. 6 com mais
am sabio no i andar luxuosamenle prepa-
rado e prvido de urna exposi
fk^f hras de prata do Porte e
dos mais afanados fabricaites do
mundo inteiro.
nonvida, nois, as Exmas. familias, seus nume
rosos .amigos e freguezes a visltarem
o seu estabelecimento, aflm de
apreciaren a grandeza bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza* o adornaran., em honra
desta provincia.
aCHi-SE ABEiffl DAS .1 !S BA i
CBMWM'_T_H
^
J
S
_

r


''
rm



O
mW~-

v^.
^;v
^iS


Aluga-sc barato
Au dos Guararapes n. 96.
Ra Visconde de Itapwica n. 48, armauem.
QRua Corredor do Bispo n. 18.
Becco Campello n. 1, 1 andar.
i do Mercado n. 17, loja eora gaz.
i do Corpo Santo n. 13, 2." andar.
st-se na ra do Commercio n. 5, 1' andar
ecriptorio de Silva Goimares & C.
Alaga*
se
o 2 andar do sobrado n. 35 travesea de S. Jos ;
o 1* e terreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
ros; o 1 do de n. 25 ra velha de Santa Rita
c 1 do de n. 34 na estreita do Rosario ;
limpoa ; a tratar na roa do Hospicio n. 33.
todos
Aluga-sc
o primeiro andar do sobrado do pateo de S. Pedro
n. 4, tem agua e gaz : a tratar na roa estr> ita do
Rosario n. 9.
\!ua-sc
o
A loja a 3o andar do sobrado n. 20 4 roa da
Imparatriz, com muitos commodas para familia ;
a tractar na roa do Bom Jess n. 11 com Capitu-
lino de GusmSo.
Alusra-se
A cass ra da Amisade n. 30 (Capunga), e a
de n. 20 na travesea do Corpo-Santo ; a tratar na
ra velba de Santa-Rita n. 14, sobrado, das 9
horas do dia i hora da tarde.
Alnga-se
a loja do predio ra do Mrquez do Herva!, tra-
vesea do Pocinho n. 33, propria para scougae ou
outro qualquer estabeecian nto eommercial, por
ser de esquina ; a tratar no largo do Corpo Santo
n. 4,1 andar. ________________._^____
"Tluga-sc milito barato
O sitio todo murada, e casa para familia, roa
de S. Miguel-n. 99, em Afogados, excellente mo-
rada.
A casa com 5 quartos. 4 ra de S. Jorge n 26
no Recife, perto a estaco do Limoeiro.
A casa com sala e 2 quartos, por 8, no becco
do Fundao n. 5, Boa-Vista : a tratar na ra de
Santa Thereza n. 38.
Ama
Na roa da Unio n. 13, precisa-se de urna ama
para cosinhar.____________________^^^^
Ama
Precisa-se de urna ama para censinhar e pasear
alguma roupa a trro, na roa Augusta n. 137.
Ama
Precisa-se de urna ama de meia idade : no pa-
teo do Terco n. 52.
Ama
Precisa-se de urna ama do boa conducta, para
cosinhar, engommar e mais servicos de casa de
pequea familia ; na ra da Matriz da Boa-Vista
numero 3.
Ama
Precisa-se de urna ama para c servico domestico
de urna casa de familia ; na roa do Cotovello nu-
mero 46.
AMA
Precisa- de> urna anapara
lavar, engommar e faze rutis
algn* servio de casa de fa-
milia : menos comprar e cozi-
nhar : na ra do Biachuelo n.
18. Pe ve dormir em casa.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinha ; na roa do
Dr. Joaquina Nabuco n. 3. ________________
Ama
Precisa-se de urna boa cosinheira, para casa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Companhia
n. 2. Prefere-se escrava e deve dormir em casa.
\ma
Precisa se de urna perita cosinheira, para casa
de familia ; a tratar na roa do Bario da Victoria
n. 46, loja._______________________

AMAS
Precisa-se de urna ama para cosinhar e outra
pera cuidar de duas enancas ; na ra da Aurora
n.*l, Io andar.______________________________
Ama
Jprecisa-se de urna ama de meia idade : na roa
da Aurora n. 137._____________________________
Ama para cosinha
\ Hi roa do Riachuelo n 17, se
precisa de una cosinheira, forra
ou escrava.______
Costureiras
Precisa se de perfeilas costn
reirs, paga se at 8*000 da
ros, no ateller de Unte. Fanny
Silva, raa do Imperador n. .<>,
t. andar.__________________,_
S na ru de Hurlas
tem borracha do Par, viada este anno directa-
mente, e vende*, mais barato qualquer Parte ; a roa de Hortab n. 1.
Club Imperalriz
A commiafio dos festejos carnavalescos da roa
da Imperatrie, attendendo ao pequeo tempo que
I^Kgleta para a realisagSo doe mesmos, roga aos
netos cavalbeiros que at dignnram acceitar o
seo offieio o especial obsequio deremetterem o seu
niilioao tbeeoareiro na da emperatriz a. 42
pelo que se confeNa desde ja agradecida.
Diario'de Peraml>ucoSabbado 12 de Feverciro de 1887
Tricofero de Barry
Garante-se que fez nas-
oerecreeoer o cabello anda
ase mais calvos, cura a
tinta 'e a caspa e remove
Vidas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-"^
mente impede o cabello
de oahir ou de embranque-
cor, e infallivclmente o
torna espesso, macio, lus
troeo e abnndiaue.
4MlS-
Agua Florida de Barry
Preparada segnnda a formula
original usada pelo inventor ani
1829. E' o nico perfume no inun-
do que tem a approvac&o official de
um Governo. Tem duas vezes
mais fragancia qua qualquer outra
ednraodobrodotempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E"
muito mais fina e delicaJu. E
| mais permanente e agradavel na
lenco. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
doente. E' especifico contrn a
frouxi'lao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
denmaios.
Xarope Je Vida le Beiftr No. i
ijrrxs n traAii-o. dbpois de ua-e.
Cura positiva e radical de todas as formas de
?scrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue, Jt*igado, e Kins. Garante-se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
restaura e reno va o svstema inteixo. 0 -
- "-------
Sabao Curativo de Renter
Para o Banho, Toilette, Crian,
cas e para a cura das moles-
tias ca pella de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa do
Francisco Manoel da Silva & C.
Coptiro
Precisa se de um menino para hotel, que teir
pratica; na roa da Madre ae Dens n. 3, hotel.
I,
A'S
Maria do Livramento, velba octogenaria e pau-
prrima, pode as almas caridosa9 que lbe mande
urna esmola pelo amor de Deus. Mora no becco
do Bernardo n. 51. E' urna obra de caridade.
l*rofcssora
Uxa tenhora competentemente habilitada, pro-
coe-se a leccionar em collegios e casas particula-
res, as seguintes materias : portoguoz. francez,
msica e piano ; a tratar na ra do Mrquez do
Herval d. 10.
Lotera de Alag as
Extracco-Terea feira
de Feverefro
Intransferivel
Bi'Hetea venda na ctsa feliz, Pra93
da Tndeoendeaaia ni. 37 e 39.
.\lle-Dcao
Urna senhora honesta, queentende de costurar
e taaer quatquer trab&lbo por figurino, ae o&erece
a acompuiibar qualquer familia que tenha de ir
para o Rio de Janeiro. Na mesma casa faa-ae
vestuario para o earnaval ; a tratar na roa Vidal
de Negrriros n. 78.
Cosinheira
Precisa-se do urna que dese*npenlie o lugar e
durma em casa; roa Duque de Cazias n. 42
porcima da da typOflraphia.
246 caixas de cognac
legitimo
Chegadasem direitera do lugar de produccao para
Charles Pluym & C.
foram mandadas pelaCompanhia Geral do Cha-
reote : Asbc ciacao de proprietarios.
Vende-se a retalbo e em porcao por caixa de
duzia i aos Sra. p^ercieiros em condiepes nunca
vista at este dU nesta praca.
lima garrafa de amostra 14&00
24ra do Commercio 24
Recife
Plalas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja pparciio puramente ve'
jetal, tef m sid j por savia de 20 annoa aproreitadat
com os melhores resultados as seguintes moles-
tias : afiecces da ^Ue e do ligado, syphilis, bou
boee, escrfulas, efcagae inveteradas, erysipelas c
onorrha.
Moria-
Como purgativas eme-se de 3 a 6 por dia, ie-
oendo-se epos eadi- dse um pouco a agua aaoca-
da, cha ou caldi.
Como rejruladorat' : tame-ae um pilnla ao jantar.
Estas pihuas, d mveneSo dos pbarmaueuticos
Almeida Andradc fe Pilbos, teem veridiettan dos
Srs. mdicos para son melbor garanta, toroande-
ie mais recommendaveis, por serem um seguro
purgativo e de pouea dieta, pelo que podern ser
asadas em viagem.
ACHAM-8E A' VENDA
^a d rosarla de Varia Robrinne *
*-\ BCA DO MAKQUEZ DE OLINDA 41
BienulBira
Precisa-se de nnia boa eugommadfira e que
eosaboe tainbcm, .vara casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Ifempanhia n. 2. Prefere se
escrava e deve -lcrm;\ rinjsesa.^
Por 14*00 is.
Aluga-se a.leja o aoorado ruu. <1e Lomas V-*
lentinas n. 50 ; a tratar na ra Primeiro de Mar-
co n. 7-Aj ttvrn.______________
SitlO M
Arr-'nds-se animalmente um bom sitio com bas-
tantes cdiMiill ^anfgranoV familia, boa agua,
com arveja- fiMiau e^rdim, e eom sabida
1 para o rio, pb/preco naite jizo"bv4 ; a tratar na
j roa do Livrsaentc u 24.
LOTERI
PARA
EDUCACAO DOS INGENUOS
X5JK.
CtiMnheiro
No cotlegio Instituto Acadmico, Mndese u.
153, precisa se de um.
COLONIA ISABEL
40S 240:000$000
40:000S000
20:0008000
10:0008000
5:0008000
Esta lotera, cuja 14.a Serie da 24.a parte, ser extrahida
na Quinta-feira, 3 de Feveroiro, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Concei^ao dos Militares, acha-se venda as se-
guintes casas:
Eua do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
Cabug n. 2.
Bangel n. 2.
> Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jugadores, e no Brazil, at hoje. ainda nao achou
nenhuma outra que se pproximasse em vantagem na distribuico
dos premios, e para prova esta asserco pedimos a attencao dos jo
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
lotera do grao-par
D 70 \ de premio do sen capital.
DEM DO CE4M
68 3t4 "i, idem.
DEM de alagoas
73 3x4aj idem.
dem de minas-geraes
Menos de 81 \
MA, COLONIA
Distribue em premios mais de 85 ll8io.
mm DO PARAN'
75 L
1
<% 0^ dt0 ao tT03l t
0^0%,W a bella alvura v
Lm ~ rosa que fez a reput
"das Bellezzs da Antiguida
L. PANAFIEU C*
Par', ni Rochtchoutrt, 70.
I MMiUriMB Prnan,buco : Frac- M. da S^VA* g.j
V


J
Jos Pereira de HendoBca
3c de seu falleciuieoto
Rodrigo Carvalbo da Cunea. Antonio da Fense-
ca e Silva, Guilberme Francisco Paredes Porto
Mendonca, Primo & C, convidam aos percutes e
amigos do finado a assistirem as missas que por
sua alma mundam rtsur s 7 he ras da manha do
dia 12 do correute, na igreja do Divine Espirito
Santo ; pelo quo desde j i te confcbs&m summa-
mente agradecidos.
, .. ._ .
= mam
Tliereja J. da Cotta Xosueira
Antonio aptitta Nogueira, coronel Oiiididc
Jos da Costa (ausente), seus filhos e filbae (au-
sentes) e Carolina de Almeida Nogueira agnide-
cem do intimo d'alma s pessoas que se dipnaram
' conduzir sua ultima morada a eua idolatrada e
sempre chorada esposa, filbH, irm e ora, D. The-
resa de Jess da Osta Nogueira, e novam*nte as
couvidam e aos domis parentes e amigos seis-
tirem as missas que pelo eterno repouso de sua
alma mandam n'sarnaordcm terceira de S. Fran-
cisco, a 8 bcra- da macha de pnl>b-.do 12 do cor-
rente, stimo oia do seu passamento ; pelo que
antecipam seu eterno agisdccimento e gratidSo.

f-Sa
Gnediua AmeiinIa Nerrano
TravaMMON
Marcolino de ouza Travaesos, sc-ks flho?, sa-
gres, cunhados e irmis, agradecen! a todjs aquel-
es que se dignnram fuzer o piedoso obs qum de
acompauhar at sua ultima morada o corpo de
sua estremecida, carinhesa e sempre lembrada
esposa, mai, filha, irmi e cunhada ; e de novo os
convidam, bein como aos dem-iis parentes c ami-
g -8 ussistirem as missas que. pelo repouso eterno
dH sua alma, mandara celebrar na matriz da Boa-
Vista cabbado 12 do corrente, pelai 7 horad da
maoba ; pelo que antecipam seu profundo rjeo
nhecimfDt.o o immorra pura gratidao.___________
0 Dr. Jos Mana de AluquerqUi Liima inunda
celebrar missas no dia tabbado 12 do correute
rnez, s 8 horas da manhS, na matriz da 13ou-
i Vista, desta eidi.de e na capella do engenho S.
i Bernardo, em Pi> d'Alho, pela alma de sua S3m-
pre lembrada consone I l^nez Maranbao de
j Albuquerque Lima, e convida a seus parentes e
' amigos a assistirem este acto de rtgiao e ca-
ridade, antecipando desde j a sua gratidao.
PastiUias vermifug-as
de Jcriag
o melhor especifico cjntra vermes : deposita cen-
tral em casa de Paria Sobrinho & C ra do Mr-
quez de linda n. 41.
^-j'W-'. <**
ELIXIR flRP9ldiT.GR AS
(MHvemtiwm m JVpsno, JHamtm** Chloruretou alcalinos)
CONTRA A
MOLESTIAS do ESTOMAGO e dos INTESTINOS
Oh tiraos M successo dsswtistrirlo a saparloridade dests imdlMnento pan excitar o wxtite e faier digerir. GUM :
DYSPEPSIA t VMITOS x DYSENTERIA
CLICAS T ACIDEZ OO ESTOtVIAGO DIARRHEA
^ t:<> m.llinr rriuntttihitr tara u l'essotts vnfi-tt,im-U FAJtIZ, Ph", 8. ra Le PelsUer. lemirits a Pernimbuco : FBAN" M. da SILVA k O".
DOMESTIC
Slo reconheciaa8 ser as man
(elegantes, as mais dnravel
era todos 06 sentidos.
as wxm
Para presos, e circulares come
illustracScs de todos os eetylo diri-
jam-se
Domesc SewingMacbiae C
NEW-YOR, U. S. A.
Telephone 1.IS8
Aw>J'i>>inf rrrrnrr rr.....-......... .....i
BRONCHITES, TOSSES, Catarros Pulmonares,
DEFLUXOS, Molestias do Perto, TSICA, Asmas
CUA RPIDA B 0BRTAPBI.A8
Gottas Liyoniennes
TROUBTTB-PBBRET
OS* CRSOSOTB te FU, ALCAT&iO te NORBQA t BALSAMO U TOLV
Este preparado, mfallivel para curar radicalmonte todas as Molestias das Via*
reap^atorlaB, recommendado pelas Notabilidades medicas como o nico emea.
o nico medicamento que alen de neo ligar o estomago, p fortifica, reconstitue e despena
o appette : duas gottas pela muh S e tarde bastam para tnumphar aos casos ma,s nbeldm.
DBVB-M BlOrJ! t BELLO DE OARAMT1A DO OOVEBKO rRAJCEZ
Deusto principal: TROt TTE-PERRET, 64. boalet-Voltaire4 PARS
^a^^:r^;r^rf:?igSiiiM?...........^
>??????????????????*
Cosinheira
Preciea-se de urna cosinheira ; na ra da Au-
rora n. 137.
m
~# Medalha do Ouro na Expsita o universal 1878 S~
'9 BRDEOS (FRAN?A) ^
4) Depoti'.os en? todm M tentas d Comettiblas. #-
?**<
Peptonas Ppsicas
de CHAPOTEAUT
laarmaoeutioo de Ia C31et
I
Approvad' pela Junta d'Hygiene do Rio-de-Janeiro. Empregaaaa nos
Hospitaes de Pars e nos de Marinha
A Peptona o producto de digestao da carne de vacca pela pepsina de Chapoteaut
extrahida do estomago do carneiro e transformada em um alimento soluvel, imme-
diatamente assimilavel, que vae ter a todos os pontos do organismo por meio da
circulaco venosa, e alimenta os doentes sem fatigar-lhes o estomago.
0 Vinho de Peptona de Chapoteaut pot- isso indicado as molestias que
tem por causa as ms digestOes, as affecceea do figado, dos intestinos, as
gastrites, na anemia, na chlorose; as molestias do peito, na dysenteria
dos paizes quentes, as digestea difficis e Io6onoo. Este Vinho alimenta as
ereancas, que nao supportao a comida, augmenta a secrecao do leite das pessoas
que cria o e torna-o mais rico; fortifica os veihos e levanta promptamente as forcas
dos coiivascsnts.
A Conserva de Peptona de Chapoteaut, que pode ser empregada interna-
mente e em clysteres, tem o poder de alimentar durante mezes os doentes mais
graves, como os tsicos, que nao possao tolerar alimento algum, os cancerosos, os
que soflrem da bexiga, dos rins e da medalla espinhal.
kV preoiae nao confundir as PEPTONAS DE CHAPOTEAUT eom outrrn fabrisadmt
eom earn de cavallo e vegetaes fermentado.
Deposito em Paria, 8, Rne Vivienne e as principaes Pharmaoias. ______
^000 Doe^
W rata da *
D artros, Chavos
Virus, Ulceras
PELO
, DEPURATIVO CHABLE.
En todas aa Pharmacia! da Dnlnm
Obi se ncontra gratis a
latida Chabl.
36
lCHABLE.
9AR/S
^000 2)0^7"
^ curados di "
GONORRHA.FLOfESbrancas,
PERDAS SEHIIHAES,
ESGOTAmENTO, etc., etc.
PELO
GITRATO DE FERRO CHABLE
Bm todas as boa
>, am loaaa as ovtts _,
L ^fj Pharmaeiaa ^o.0,
J* o airesse
SNDALO de NI I
Japrorado pela Junta d'Hygiene do Rio-do-Janeiro_
S;ipprime a Copahiba, as Cubebas e as injecgSes.
Cura em 48 horas todo e qualquer corrimento. E' da maior
efficacia as affeccoes da bexiga, .torna as urinas claras jor mais
tsnrat <'if sejo. Deposito era Pnrin, S, ru Vivienne.
fiPPRESSAfl"
TOS SE
UIUUU-DULBU
relia aUREOS SSrlt
.Sp2eto55*6e milaaTTonccoe. dos qnstf* mjMtiMS*____
^\.___^ nir- hnc, imiriia""
^l5SM*3m9LJs^^ '"
Aj

' 1






'



MLSAO
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiffado de bacalho
COM
Hypaphosphilos de cal e soda
Approvada pe "* *f *
gleae e aotsrlsada pelo
goverMS
E* o melbor remedie at hoje oWoberto para a
(latea brMekUe** eropfcBlw. ra-
UtM.. !!. *!" ee"'
defini, losme eoronlea e aTec^e*
4o pello e da garganta.
E' muito superior ao.oleo simples de figado de
bacalho. porqne, alm de tur ebeiro e sabor agr-
daveis, possue todas as virtudes mediente! e nu-
tritivas do oleo, alm daa propriedades tomes*
recoestituintes doa Bypopboepbitos. /
r rogaras e botica
Deposito em Peruambuco
Diario de Pcrnambuco- Sabbado 12 de Fevereiro de IS87
A* venda nat
Costureiras
Preci-ae de perfvitas costureiras, com urgen-
cia 1 na ra da Aurora n. 39, 1- andar.
Cosinheird
Preeiea se de ura cesinheira ; a tratar na tra-
vessa de Fernandes Vieira n. 8, becco do Padre
Ingln.
i
Cosinheira
Preeisa-se de urna cosinheira que enenda bem
de seu olticio, p*ga-o bem e casa de pouca fa-
milia : na ra do Cabug n. 5A, Lja.

lS82.BorAeaux. HtdvH de Br-nn;
Elols: AW'fia aa PrtJUi Rccb*-
fort : Kencio -,
jMSSssisSNa 8S3.iOTst.erdai:
Worfi/rta de Prij doiinji. 1865.
ZxpmlgOo m rabalo: <.-.j *-

i&
Alinieutagao Rica
em principios azoudts e phesjbjUili.
A rjUUNBA MUK o mellior auxiliar
da ania de leite lia alimentar;"*) das crlanclnias.
Experimentada com o melhor xito as Oeclica,
HospiUes e Asylos, soberana para as Criancas.
pessoas ldosas, fracas e as que soH'-ji e
Gastritis, Gastralgias, Molestia >., Intes-
tinos, Prisao de Veatr reeeldes, e todas
as Affecctes que nao periulttem ae estomago
supportar a almenianSo necesaria para a prc-
duccao da for^a e da saie.
EII6!E 1 MARCA REGISTRAD : i ViBGEM
Pharmacia M3CI3l,en> Bordratut (frasos)
fe Ptratmboco: Tren" a alare, a. C.
I*?1.'SSWH^SMW
Jalropb
Manipoeira
Eise medcainrnto de unta eficacia rrcnnbecida
no beriberi e outraa molestias em que predomina a
bydropesia, acba-se modificado m sua prepare-
cao, "iracas a nasa nova foranrtn de um distincto
medico desta cidade, stod qae rnente o abaixo
assignado est habilita*) para prcpaial-n de modo
a melhorar lhe-o goato e chairo, mu todava alte
rar-lbe as propriedadea medicamentosas, que se
conservara com a mesma actividade, se nao maior.
em vista do modo porque elle tolerado p-b
estsmago.
Inlro deposito
Na pharmacia Concricao,- a ra do Marques ;
Olio do n. 61.
Becerra de Mello
Especial
5 Magnifico assncar refinado, em igual ne %e
mercado. Refioacao Salgueiral, tua de Mareilio
DiaB n. 22.
Numero' t jlepbon i co445.
JuvMitude
Pede-se pessoa qne por engao levon trocado
nm chapeo de sol no sar.io de 6 deste mes, o favu
de o vir destrocar na roa de Hortas n. 17, andar
terreo. Recife, 7 de Pevereiro de 1887. _____
Advogado
Domingo* F. de Sonsa Lefto
10 h rus da manh s 4 da tard.'. ra
do Imperador n. 16, 1 aadar.__________^_^_
Das
s'aaflDcfosEGWisoi
-a Ulyssh ROY, caWRn (Fnd^
mle PROUST, Sucr & GenrG
k Ptrtamo acumUoo SJH Viaaie a asara) _,fc
de Me loe.................a 19* basto f
'. Scelo ctsenciCojn'-- 100(tbcm SOOfe
* PsrtuBisspaiatoA^osUooresMlOObSMM 300
i Xsaencla de RhumoodTa "la.cn :frax bOO
Depositarlos em B~.mamtouct> t
lili II "lll'ill
Vende-se um estabelecimento de moibados e
padaria, em Palmares (Una) largo da feirs, casa
da esquina, a melhor localidade do lugar ; a tra-
tar no eiesmo estabelecimento on ra Direita n.
'16, viado brauco.
m
Fazendas barassimas!!!
-
A
83o a segulntes Tendidas por preeos Um eompeteoela :
Lindos fusfoes de listrinhas, padr3e8 chiques a 400 ria o covatio .
Setinetas do quadriuhos a 360 ris o dito 1
Cretonea superiores, 1 metro de largura, a 600 ris o dito .
Cambraias brancas bordadas s 6^000 a pee de 10 jardas !
Linbos de quadrinhos escoces a 200 e 240 ris o covado I
Merinos de todas as cores, a 600 ris o dito !
Esplendidos aortimentos de las para vestidos a 500, 600 e 700 o dito.
Caxemires novidades a 1,5500 e 10800 duas larguras.
Gases de cores com palmas de seda a 800 ris o dito.
Merinos pretos e Caxemire., a 1000, 1*200, 1*400 e 2*000 a dito I
Velludilho bordado de todas as cores a 1*000 o dito !
S^tin qaco de todas cSres a 1*000 e 1*200 o dito 1
Popelina branca para as Exm." noivat, a 500 ris o dito !
Guarnieses de crochet! para cadeirat e sof a 8PX)-
Vestuarios de la para criangas, (novidade) a 7*000 e <*uou.
Meias alvas para criancas a 2*500 a duza !
dem cruas para homem a 4*000 e 5*000.
Cortes de fustSes para coletea a 2*000 um !
Caxemira ingleza a 4*500, 6*000 e 7*000 o eorte 1
Cheviots superiores, preto e azul a 2*800 e 3*500 o covado !
Completo sortimento de casemiras, pann9s e brins e muitoa outros artigos
lembrados presenta dos leitores
YENDAS
Vende-se a casa da estrada de Luis oo Reg
n. 21, com muitos comroodos e agua encanada, e
um terr no ao lado da mesma casa ; a tratar na
roa estreita do Rosario n 24^__________^____
Engenbo venda
Vende-se o engenho Murici, eos safra ornen
ella, situado na tregu' zia da Escada, distaute da
respectiva estaco um quarto de legoa, podendo
dar seu caminbos por da, moente e corrente,
tem duas casas grandes e 2 pequeas para mora-
da, e outra para farinba com suas pertencas, tam-
bem se faz permuta por predio neata pra?a : a
tratar na ra do Impeador n. 6L, 2- andar.
AlleDfo
Vende-se ou permutase urna casa terrea sita
na travessa do Faleao n. 12, com 2 salas, 3 qaar-
tos, cosinba lora, grande quintal e cacimba, por-
fo dando sabida para a ra dos Ossos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta rara todo
negocio per j ter o despacho do juiz, at para
butal-a em leilo. podendo apresentar os docu-
mentos os permutadores, desejsudo tambera urna
por troca, ainda qne seja pequea, porm que es-
teja nova e bem construida.
Yiveiro para passaros
Vende-ee dons gi andes e bonitos viveiros po
p.cco commodo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado com os passaros que possuia ; a ver
e tratar na ra do Imperador n. 22.____________
Grande liquilacao
na luja de miodzas
&O Ra \nva &0
O proprietario do estabelecimentoBasar da
Moda, scien'itca s Exmas. familias qne em vir-
tude da prxima reedificacao do predio em qne
est estabelecido, tem resolvido liquidar to-
das as suas mercadorias, constando de miudezas,
perfumaras e artigos de moda, com grandes aba-
timentcs, sendo que muitos artigos sao por precos
inteiramente baratos, como sejam :
Grande variedade de plastrons a 1*000 e 1*200
Sbonetes de areia de Risger a 200 rs.
Ditrs mglezes, grandes a 200 ra.
Duzias de ditos a 20(J0.
Garrafa de agua florida a 1*000.
Vaso cem opiata a 900 rs.
Frascos com extractos muito finos a 1*300.
Frasco con agua de colonia americana a 5G0 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Guarn,oes, linbas, fitas, bico, botoes e artigOB
de moda.
DARA ACABAR
Oleo para machinas
Superior qnahdade, a 6*400 a lata em cinco
galoes ; vende-se na fabrica Apollo e de eeai
depsitos. _________^__________________
li
De primeira qualidade ; vende-se no bazar da
onte Velba n. 41._____________________________
V ende-se
Na ra Imperial n. 200 C, urna casa de pedra e
cal por barato preto.
WHISKY
BOYAL BLEND marea VIADO
Este ezcellente Whisky Escesse! preterive
to cognac on agurdenle de canna, para fortifica
j corpo.
Vende-se a retalbo nos tu iheres armazena
colhados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADO enjo no-
ne e emblema sao registrados para todo o Braal)
BROWNS 6t C, agentes____________
Piano

que
serao
____n mu i
59--Rua Duque deCaxias-59
Vende-se um excellente e ptimo piano forte,
do tres cordss. de nm fabricante silero ao, em mni-
tc bom estado ; a tratar na ra de Mareilio Das
n. 60, pavimento terreo.
Vende-se
Na ra da Harmona, no lugar do Arraial, nm
pequeo sitio contando 135 palmos de largura e
344 de tundo, toda plantado de arvoredos novo!
de fructes e com urna grande casa nova de taipa,
faltando pouco para acabar ; faz-se negocio mnito
commodo. As pessoai que pretenderem podem ir
examinar e se entender na mesma na com os Srs.
Antonio e Joaquim tampaio Irraios, ou aa casa
amarella, com o Sr. Domingos Gemei Correia, que
danto explicatoes do negocio.
ic4W-<"i^

.GOTTASREGENERADORAS
do Doutor SAMUEL THOMPSON
f Aa Cnraa mais inespsradu io detiaas a este PRECIOSO MEDI-
CAMENTO, repar
pelo organismo conse
Gottas d&o vigor aos ore
dor por exeellencia de toda as perdat "iperimenUOS
EXCESSOS de PRAZEBE3.
desalisadas ESGOTAMENTO. ts coma
sexnaes dos doua sexo
: cirro infalhvel
tsdst as alleccoes
Impotencia, Eapermatorrha. Perdas mlnaxs, le
Francos (e
J
ij -t* cooww <** -*^-** ,w revueles.
ros* r>aso (M nio trooif i irc d Ftbrlct r* deve ser rige*: umente recasado.
0siw fUHuii*
ttott
_ Pbsnnacla Otnt", rma Xtoctaactiousirt, S8. Z^
l>posit*rios em Pernambuco : rRAN M. da SILVA dt O.
toZf>tr<-&<04>4'-*fZ& <^^">--t'-''--?''tfc^
1
Aos 1000:000*000
. 200:000*000
100:0001000
LOTERA
DE 3 SOHTEIOS'
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA
PROVINCIA. DE PERNAMBGO
Ex raecu a 14 e Malo e 1837
0 tiiesooreiroFrancisco Goncalves Torres
Carro de .isseio
Vende-se um em bom estado ; na Magdalena,
sitio do commendador Barroca.
I.ll\
v-

S
I
0 maii Simula, o ir'- *** Eoi/ tot REVVLSlOt
TJrDXBBa>TS.A."VTK5. tu V- <- jO.^\ B aoa "VXAv7
USADO NO %>*-NOC t* BIOOLXiOT ped aos Sui^ .ompsadorss que
VERDADEIRO ?k G0LL0T
em
o
AUevoluco!
Resolveu vender os seguintes artigos com
30 o/o <-e menos do que em outra qual-
quer parte.
Guarni(5e8 de velludilho bordado a vidri'ho para
vestidos, a 7*000 urna.
Tafetas de eres para carnaval, a 300 ris o co-
vade.
Cachemira bordada a 1*500 o covado.
Ditas prttaa a 1*000, 1*200, 1*400, 1*600 e
1*800 a covado.
Dita* de cores a de 900 rii e 1*200 o dito.
La! mescladas a 600 ris o dito.
Ditas com listrinhas a 560 rea o dito.
Ditas com bolinhaa a 600 ris o dito.
Ditaa de quadrinhos a 400 ris o dito.
Lindas alpacas a 360 ris o dito.
Gorgiirinas a 320 ris o dito.
Setim damaae a 320 ris o. dito.
Dito MacAo a 800 ris e 1*200 o dito.
Damase de seda a 1*300 o dito.
Grstfenaples preto a 1*800 e 2*000 o dito.
Gaze eom oolinhas a 800 ris o dito.
Fustao branco a 400, 480, 560 e 800 ris o dito.
Vellndilhos lisos e levrados a 1*000 e 1*200 o
covado.
Dito bordado a retroz a 2*000 o dito.
Caanbraia com sal picos a 6*000 a peca.
Camisas para aenhora a 30*000 a duzia.
Dita! de meia para homem a 800 ris, 1*000,
1*200 e 1*5(0 urna.
BFicbs de 12 a 2*, 3*000, 4*000 e 5*000 um.
11 i tos prateados a 2*000 um.
Ditos de retroz a 1*000 um.
Linhos f seosezes a 200 e 240 ris o covado.
Cullariiihos e punhos para seuhora a 2*000 um.
Ditos ue cor, idem idem a 1*000 um.
Cortea de caiimra finos de 3* a 5*000 nm-
Ditas de la o seda para collete a 6*000 um.
Ditos de cacbmra de cor para vestido por 20*
nm.
Cachemira de cor de 6* por 3*000 o corado.
Dircasco de cor a 700 rete o covado.
Pauuo da Costa a 1*400 o dito.
OC CHchas bordadas a 5*. 6*, e 7*000 urna.
detones tinos a 320, 360 e 400 rii o corado.
Chitas finas a 240, 280 e 800 ris o dito,
Zephiros finos a 500 ris o dito.
Setineta iscosseza a 440 ris o dito.
Ditas de quadrinhiis a 320 rs. o dito.
Chales Je mirin a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000 e 4*000 um.
Dito* de cachemira a 2*, 2*81/0 e 4*500 um.
Cobertores de l a 4*500 e 6*500 um.
EeguiSo pardo e amarello a 600 ris o covado.
Bnm de linho de <-"r a 1*200 a vara.
Dito prateado de linho a 1*000 a dita.
JColcba de crochet a 8*000 orna.
Anqninhas a 1*800 rs. urna.
0 48 i roa Dnp ile Mas
llcnrique da Silva Morelra
LOTERA do chara
40 0:000$ ooo
IX f RASFER1VEL!
Corre domingo 13 de Fevereiro
Un vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
ii (MI I!
240:000*000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRANSFER1VBL!
Corre Quinta-feira, 10 de Fevereiro
"f



LOTERA DE AL4G04S
3OO:O0O$00O
Esta acreditada lotera corre Terca-feira, 8 de Fevereiro
...........S-i
600:00'0$000
corre sahbado de Fevereiro de 1887
vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os bilhetes dcstas acreditadas loteras acham-se venda na
RODA DA FORTUNA
36--Rua Larga do Rosario-36
Bernardino Lopes Alheiro*

Esta

.
seductora
Um

'



J
200:000$OOO
LOTERA di provincia N PAi
EXTR4CCA0 U 10* PARTE DA 1* LOTERA
EM BEHEFIO Di SANTA CASA DE MISBICOBDIA
Ouinta-feira 10 de Fevereiro
AO MEIO DA
Esta lotera, por algum tempo retirada da ciroulafSo, devido a grande guerra que
lhe promovern!, orno do dominio publico, vem novamente tomar o seu lugar de
urna das vantaioaas loteriaa do Imperio.
O agente p*4e ao respoitavel publico a sua benvola attenfcau para o plano das
LOTERAS DO 0RO-PARA', por extenso publicado nos jornaes e impresso no ver-
so doa respectivoa bilhetes. O plano desta lotera o nico que em 50.000 nmeros
distribue #
12.436 premios, ou qtiasi a quarta parte!
Ainda mais : esta a nica lotera que premia todas os nmeros cujns dous al-
garismos finaos foren iguaes aos dos
QUATRO PREMIOS MAIORES
100*
aoi
505
400
A SABER:
s duna letras finaes do premio de........
a duas letra tinaes do premio de........
s dua* letra finae do premio do........
s duas letras fioaes do premio de........
200:0000000
40:0005000
20:0000000
10:0000000
Tambem aSo premiados todo os nmeros das centenas dos quatro primeiros
P Alm destes, tero esta lotera grande quantidade de outroa premios de bastante
importancia. E' tambero esta- a nica lotera que garante quem comprar 100 nme-
ros de terminare, aifferente 32 1/2 /0 independente dos premio avultados que
posEam sabir na extraccao. '- ,
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SE DESCONT
A's extracs3es sSo feitas em edificio publico e sob roai severa fiscalisasao por
parta das autoridades. c_
Os bilhetes acharo-88 venda na agencia e em todas as casas, em banto, Sao
Paulo, Campia, Rio Grande, Babia, Cear, Maranhao, Para, Amazonas e ero Per-
nambuco rua Nova n. 40 CASA DO OURO.-
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto te Rocha Montoiro fiallo
23R' LroguaytM23

^ VINHO DEFRESNE
TNICO-NUTRITIVO .
COM PEPTONA
(Qarm utimUavalJ
FERRO E UCTO-PHOSPHATO DE CAL HATURAES
Sendo o Vinho Deireane d'um gosto delicioso, tam-
bem o nico reconatituinte natural e completo.
E o mais precioso de todos os tnicos; sob a sua
influencia, desvanecem-se os accidente febns, renasce
nppetite,fortalecem-se os msculos e volum as torcas.
Enipreaa-secom xito contra a inappetencia.os cres-
cimentoa rpido, or.Talescentjas molestias do
estomago (Gastralgia, Gastritis e Dyaenteria), e
debilidade, a anemia e consumpeao.
lOEFRESNE : foMrtlor dos Hospiue. Para. Antor da Pancreatina
j todas u gjuumttaas _
-binuM M. Aa SILVA C*.

A' Florida"
Roa Duque de Casias n. loa
Chamase a attracio das Exmas. familias par-
os pri-eos seguintes :
Lnvas de seda preta a 1*080 o par.
Ciatos a 1*000.
Luvas de pellica por 2*500.
Lavas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500, 2f, 3*, at 8*.
Ramos de flores finas a 1*500.
Lnvas de Escossia para menina, lisa! e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 r., 1*, 1*500 e 2*._
Pentee de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. nm.
Anquinhas de 1*500, 2*, 2*500 e 3* ama.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs.
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
dem La Figurine a 5*000.
Pentes para coco com inscripclo.
Babadores com pintura e inseripces a 200 rs.
Enchovaes para balizados a 8, 9, e 12*000
1 eaixa de papel e 100 envelopes por 800 ria
Capella e vena para noivas
Suspensorios americanos a 2*500
La para bordar a 2*600 a libra
Mao de papel de cores a 200 ris
Estojos para crochet a l$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e \ dedos
de largura a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
Para a quaresia
Galao de vidrilho metro 1*.
Franjas de vedrilho a 1*,
Luvas pretas de seda e Escocia.
Franjas e galoes finos a 2*500, 3*e 4* o mete
Para o carnaval.
Lindas mascaras.
Bianagas de p de arroz.
dem idem de ouro.
dem perfumadas.
Lindas franjas de seda de corea com freos pa-
ra eufeitar vestuarios de mas caras a 1* e 500 n.
o metro, fazenda que jacustou o metro.
Papagaioa de papel a 200 ris.
Periquitos de papel a 100 ris.
Leqoes e vcntarolas a 200 ris.
BARBOSA & SANTOS -i
Tamban
Vende-se tainhas
de superior qualidade,
em quartolas eem bar-
ris, mais barato do que
em otra qualquer
parte; na ra de Pe-
dro Alfonso n. 11.
^"Cabriolets
Vende-se dous cabrioletB, sendo nm descobexts
e ontro coberto, em perfeito estado, para nm ou
dous cavallos; tratar rna Duque de Caxia!
n. 47. __________________ ,
Carnaval
Lavan com mofo a ** o par s
Luvas brancas frescapara eenhora, 2*._ Rim
Ditas idem par himem, com dous botoei,*oW
Na fabrica de luva, ma Jo Cabng n. 7, 1*
andar.
i wmm i


8
Diario de PcrnambncoSabbado 12 de Fevcreir de 1887
MTTE&ATb
Iv.
?
'.
4
\
0 AMIGO DO MARIDO
POR
JULES MA.RY
-(*)-
{CifHtintiaQo)
VI
Na praia tinha sido construida a easinha
- destinada a guardar o barco, e o carro
qne devia lvalo at o mar no momento
d teopsstade, estava perto d porto.
Todo o Pollet foi assistir ao baptismo da
Bertha Catharina pescadores, roolherea,
filhos e filhas dos pescadores. De Dieppe
tambera foi muita gente, roarinhoirns, sol
Kdos, offieiaes. Muitos marinbeiros da
costa normanda libaos vindo comprimen-
tar Holgan; todas coaheciam, ao menos
de nome, o hroe dos dramas sioistros em
tarobem haviaus toasado
que tantas vezes
parte.
Como o barco ia ter seu nome, Oatna
pina vio-se obligada a comparecer fasta.
Alm d'isso, sabia qua Gilberto estaria l,
rom a mli e a irral. O q-ie tinha aceito
como tarefa penosa, tornava se, portanto,
aos prazor: era mais urna oceasiao o amante
De cada lado do barco anda no esta
leiro-alinhava se a tripolacSo composta
de quatorze marinbeiros, vestidos de ca-
misas de 15, paletot, calcas de encerado
amarello, tendo na cabeca o estranho cha-
peo cha nado surmdt, de encerado, tam-
ben amarello, cobrindo toda a nuca o sem
aba na fronte... todos nervosos, robustos,
rostos queiroadoa pelo sol.. Nos largos
peitos traziara as medalhas porqu
havia um so que nao tivesse arostado
tempesUde... um s que se nao podesse
ufanar por um acto de dedicacao. .
Fleuriot tambera fazia parte -la tnpola
cao. Apoiado a um remo, nao tirava
os olhos de sobre o piloto, o patrio, Julo
Holgan, emSm.
Este, com effeito, tinha querido cora-
roandar o barco e todos o aceitaran com
entbusiasmo. Nao er* elle o mais robus-
to, o mais valente, o mais digno ?
Holgan estava vestido como os outros
roupa grosseira propria para resistir ao
vento, tempestade. Distingua se do
resto da trpulaclo, p^'.a elevad* estatura.
Traza o peito constelUdo de medalhas.
Faltava-lheurna a de Regiua.
bonnte azuos coco tope encarnado. .
Holgr.n !. ." Viva Holgan I.
E elle, immove!, de p, escuta va o grito
daqnelles toracSes que batiam iaohronos
com o seu. Nao havia feito um movimen-
to e eenaervava anda na mi o obapo
que tirara, na occaBSo em que o padre
estava b^ozmdo a Bertha-Catkarina...
De, repente levantou a cabeca.
Onde estara sna mulber?
Quera vel-a a todo o transe, porque de-
aejava qu foss* testemunha do triumpbo
que aleaneiva; quera tornal-a comparte
as provas da affeielo dsquelle pequeo
povo. .
Ah I se pod?s8n, aenao dizer lbe, a)
menos dar lhe a entender :
Ouves a ovacio de que su alvo ?
Vs como rae estimaos ?... So s rainha
pela belleza, eu tambero sou re pela co-
ragom e pela dedicacao... Cada um de
nos tero sua realeza... Sou acaso to mi
seravel e tao vulgsr, que nao me possas
amar ?
Eaaa alagr i foi-lhe recusada. Causar-
as conservou-s? inviaivel.
Estava l, dissiraulando-se na multi-
dao.
E nao era pira Gilbertoquasi ao seu
lado que estava olhando, mas sim para
o marido.
Cono Ifai; paremia transfigurado naquolle
momento !
Deatacava se no meio dos pescadores,
pela el -vada estatura.
A Iarg* fr.mte uro pouco deprimida na*
fontes e onde nasciam-Ihe us speros e
ruivos cabellos, denotava urna vontade
enrgica. O desembaraco e elasticidad
dos movroentos moatravam que nelle a
eidade era igual ao vigor. E at os
na nao se enganou... a eraocilo d Tho-
reza era erasiado visivel o trahio-a...
Desgranada! Que d. a ana!! !
Bem vejo que o ama I
Thereza estremeceu. O que anda ha
pouco nao saba, Catharina acabava de di
zer-lb'o! Faou um momento como fulmi-
nada, sem respiraclo, nao vendo nem ou-
vindo.
Depois, com altivez, a cabeca erguida,
os labios desdenhosos, responden :
cidade communiuava lhe voz nlo ssi o
que de grav e n ea'ranho.
Elle mesuso estiva admirado, ouvndo-
se cantar.
Na posiclo em qu estava, sentado ao
teme, va depenharera-se vagamente, no
meio da obscuridad^, a longa fila dos ro-
chados de Pourville aos quaes os rema-
dores davam as costas.
Pasaaraas atravez dos escolhos, forara
primeramente para o largo, depois volta-
Que lhe importa, se esto amor deve (ram costa. Os rochedos iam abaixando-
Arao-o, sim '..
vez que o atrai-
grito de colera, como um grito de leSo fe-
rido :
Oatlurina Cathariaa s tu.. s
tu!...
Os mariaheiros repetiara o estranho es-
tribilho n'um tom montono :
morrer cora migo !...
que lhe importa, urna
50a ?...
Estava fioda a cerimonia.
Jlo Holgan afastou-se da Bertha-Catha-
rina.
E, no meio dos vivas repetidos sem ces-
sar p.la multidao, o barco, cujas escoras
tinha sido tiradas, comecou a desusar so-
bre rolos at ehegar carreta, onde ficen
retirado por crelas passndas por buixo do duas sombras enlaeadas, olhando para
casco. I uoite, eacutaudo as vezes longinquas.
Depois a carreta foi puxada por um ea- j E, todo assusta io, Joao Holgau estre-
vallo at a praia e l os marnbeires laric-1 raeceu... que urna das sombras era a
se gradualmente. Muito perto, por cima
delles, dest cavase um chalet com as ja-'
nellas Iluminadas, a semelhanca de um
pharol. Do mar distinguia-se urna larga
janella que dava para urna sala. Um ter
raco que esteudia-se at borda extrema
da rocha, apparecia cheio de luz.
Mauhinaliucnte, o olhar do pescader de-
teve-se all .
Sobra a balustra ia de podra viam-se
a
E ala, ais,
Larga a escota
Vira, vira '
E vai de l
E ran tam pUo !
nao
a
Igl!
trajes gro8s communicavam lhe nao sei que de estra-
uho e de imprevisto, qua agradara.
Brilhavam-lhe os olhos e tinha espalha-
da pelo rosto u na expressao de nobre al-
tivez. Estava como rodeado por urna at
mi phera de forja e ae bondade.
Catharina imagnou que va-o pela pri
raeira vez !...
Estava tao diffe.-eate dos outros das!...
Entrevia, por assim dizer, a alma desse
homem e lembrava-se de suas ternuras in-
onsiderasa anda supsrior a si,
mas j o va erguido ao seu nivel!...
E', at acbava-o bello !
E com effeito; depois do casamento,
desie qu nao trabalhava mais nem ia ao
naar, a tez tinha perdido a cor bronzea-
da... a fronte tioha se tornado mais palli
da... havia se aparado, emfim, na compa
nhia da mnlher.
Ah / quao pouco se pareca com o pes-
genuas!..
Nao o
Brincava-lh.j nos libios um sornso e
com a vista procurava descobrir a filha e j Mdor que ella vira sobre as rochas escor-
a mulher e Umbem a Mme. Barb^rain, Irradias do Puys, com os ps us -netti-
Thereza e Gilberto, dos em grassos sapatos, vestido de farra-
Os pescadores do Pollet estovara todos po*! I
all e era to compacta-a saltadlo que nao
se viam as ultimas fileiras.
Reinava um silencio solemne. Algumas
ronlheres cboravam, porque previam I...
outras, porque lembravara-se II...
Chegaram os padres e lcntatnente fize-
ram a volta do barco, bcptisando o com o
nome de BerthaCatharina, em nome do
Padre do Filho < do Espirit i-Santo, < a
agua benta -aspergida em ;ruz, emquan
to curvavam se os marinbeiros, como se o
Deus que domina as tempestad ea passasse
por cima delles -consagrou a embarcado
e den tripolacao contianja e a f, que
fazem operar prodigios.
Entao ergueram-se vivas frenticos, que
echoaram at a extremidad' dn biirro, re-
petindo o nome do pescaaor Holgan.
Todos o conheciam. bavia uascido no
Pollet... julgivam-n'o perdido... re<:e
biam-n'o agora como um filho que volta
anos longa ausencia. Holgan I .
J0S0 Holgan I Era um grito de orgu-
Jho, de Dotbusiasuio. Holgan \
Joao Holgan 1 E voavam para o
ar os chapeas de encerado amarlo e os
Catharina nao era a nica que
mira va.
Alguna passos airas d'ella, estavam Mme.
Barbarain, Gilberto e Thereza.
Es'a ultima, desde que havia chegado,
olhava ardenterasnt^ para o pcacador.
Seguia-lhe cada um dos movmentos,
nao perda um olhar. Tinha nos olhos um
singular. Os labios contrahiam-se-
ram agua o barco.
a.' tarde Joao Holgan reuni a tripola-
cao da Berth't-Catharina, n'um ruidoso
jantar, onde rei.iou a mais franca aligra.
Findo o jantar, voltaram todos ao porto.
Recolhia-se o sol e ao longo no horiz in-
te as nuvens caprichosamente recortadas,
fiogindo rochedos, pareciam incendiadas
por vivos claretes vermelhoa.
A' medida que o sol ia desesrab^ndo,
variam ao infinito os effeitos de luz.
Na base d'aquellas arestas moved'cas
appareceu ama faixa azul, em cujo centro
brilharam duas ab rturas aeraelhantes a
olhos enorme fitando a itimeasidade.
Urna nevoa dourada espalhou-lbe logo e
pareceu querer oceultar, com o manto im-
penetravcl, os raysterio8oa esplendores do
astro, no seu ocaso. CSres variaveis, ephe-
meras corriam pela superficie calma do
mar, que passava do vermelbo ao ama-
rello, ao roxo, verde, cinzento escuro. To-
do ruido bavia cessado.
A mar comecou a subir e ouvio so o
marulho das pequeas ondas sobre os sei-
xos movedicos. Durante um minuto, urna
persistente lista luminosa indcou o acci-
dente; depois veio a noite, triamphante,
invaaora, tristemente grandiosa.
A Bertha Catharina all estava, balou-
cada pelo tiuxo. Os remadores sentaram-
se nos bancos, debrucaram se sobre os re-
mos e d'ahi a pouco nao se va mais ;da
praiao barco que a principio visivel, co- j
uso um ponto escuro de linhas indecisas,
pareceu evaporarse as trevas.
Passaram diauto do ,'es de Dieppe, coa
tearam oa rochedoa de Pourville, aaudadoa'
do bordo de alguna navios mercantea, que;
esperavam pelo roboador. Remavam de
vagar e o barco vaga va sem ruido, fazen-
do n'essa noite, admiravelmente calma, a
o admi- aprendizagera do mar. Logo a principio,
iam todos risonbos, aiuda sob a influencia
das copio-as libices
Foi um concert de clamorea de ale-
gra exuberante, entreraeado de empurr3es
amistosos e de murros retumbantes I
No largo, tornaram-se silenciosos.
Fleuriot cantou entao urna singular can-
de urna mulher alta e esbelta, tanto quan-
to se poda julgar aquella distancia. A mu-
lher deu alguus passos e Holgan recebeu
mu choque violento no coracao... Eram
os gestos deseiubarac&dos de Catharina...
o modo de mover a cabera. o mesmo
andar vivo o etegiute...
E era s o que poda ver, ds to Ion-
ge !
Holgan abafa va... Com um movimento
brusco, arrancou o paletot e a camisa e
cravou as unhas no peito descoberto, que
expoz ao ar fri da noite..
A sombra desl3ava-8e no terraco atraz
della um hornera estendia os bracos... e
a sombra pareca fugir, brincando, sem
duvida, porquedeixava-s e alcancar. .. de-
pois nao se vio mais do que um vulto for-
mado pelas duas sombras, unidas n'um
braco.
Holgan disse :
Estou louco. Nao ella. Como pu-
de soohar com aeraelhantes cousas?...
Ninguem o ouvio, porque Fleuriot can-
ta va.
E l no terraco, os amantes tinbam vol-
tado balaustrada e esoutavam, ainda
abracados, o singlo eatribilho que
das trevas e suba at etles :
sabia
o Eis, l desdobra a vela
" Do commandante a bella
E ala, ala
Larga a escota
Vira, vira !
E vai de l !
< E ran tam plan !
Vede como ella va
Erguendo ao ar a proa 1
brilho
aa toaos abriam-se e fechavam-se ma- &. <=J. nthmo harmoniaava-se <
Ib .
cbinalmente e o peito arfava...
Ella timben v:a Holgan, tal qual era:
grande, e modesto. .
E g->rmiuav-;<-lhe no fundo da alma esta
;r:quietaco :
M-u D-'ua, mea Deu8, o que qne
sinto ? Porquo este hornera me preoecupa
assim o pensamento '?
E um movimento casual da multidao ae-
parou-a da familia, e impellio-a para junto
de Catharina. Q-snai qne tocavam se e
nao se viam, :a* farte era a abstraccao ero
que estavam mergulhadas .. mas Catha-
rina estrem'.ceu e voltou se brnsTamente...
cruzaram se os olhares... retiveram ara
grito prests a essapar-lhee... Cathari-
FOLHETIH
O OORCUNDA
POR
rjiuio
IS7.L


cadencia dos remos cahindo na agua
Eis, 14 deadobra a vela
Do commandante a bella.
E ala, ala,
Larga a escota
Vira, vira
t E vai de l l
< E ram tan-plan I
Vede oomo ella v8
Erguendo ao ar a proa!

Foi Holgan quem continuou.
Tinha a vos forte e sonora, ecobora um
um pouco fatigada.
Mas n'aquella hora sentia-se feliz ; a fe-
Oh l Holgan, onde tenB a cabeca ?
Oltfa que vanos direito aos recites I
E' verdade, estava dormido! disse o
pescador com voz rouca.
O barco vrou de bordo, evitando os re
cfes.
- Era mais que terapo !
Fleuriot quiz continuar a cantar, mas
Joao interrompeuo, cora aspereza:
Cala-te, marnheiro... Pertence-me
a vez !
E cantn, dando toda a amplidao voz,
com os olhos fixos no chalet aquellos
olhos iriados de ouro, como os das fras
para nada perder do que se ia passar:
Ai de ti! se a ameacaa,
Te dirlo logo oa inglezes.
Sob aa aaiaa us:i calcas
E traz armas muitas vezes.
Assim que o vento vira ;
A baria vento, attenclo J
.Com que fogo ella se atira
E logo rompe o fuucc,ao !
E da repente, do peito oppresso por in-
dizivel angustia, desprcndeu-ae-lhe am
QARTA PARTE
(Continuaco do n.
IX
33)
O lm da reatas
Cocarda8se, que a na frente, parou, o
que arrancn nma quexa ao Sr. bario de
Barbanchoia.
- Meu velho, disse elle, fica certo que
o Pariziense saber livrar-se disso, j tera
visto muitos outros !
Tantas vezes vai o cntaro fonte..
ursoorou
Nao concluio o seu proverbio. Um rui-
do de pasjos ouvio ae do lado do repucho.
Os nos80s dous bravos precpitaram-ae
em urna moita, por airaplea habito. O seu
Jkrimeiro movimiento era oceultar-se.
Os passos approximavam ae.
Era u.n grupo de horoens armados,
caja frente'vnba o grande espadachim, o
alto Bonnivet, escudeiro da Sra. de Berry.
A' proporfao que esta rejida passava em
urna alameda, as luzss se apagvam.
Co.ardasae e Passepoil ouvirara imme-
diatamente o que dizia o grupo de homena.
t __Elle est no jardiro 1 affirmava um
argento das guardas ; interroguei todos
os piquetes e os guardas das portea ; o aeu
rico veatuario era fcil de reconbecer ; nao
o viram sabir.
Santo Deus I repetio um soldado,
hornero sacudir o Sr. de Gonzaga,
roo ma macieira de que ae quer tirar as
macs.
1^ Este rapiz deve ser um patricia,
murmurou Passepoil enternecido com aquel-
la metamorpbose normanda.
c Attencao, rapazea, ordenoo Bonni-
vet j sabem que am coropanheiro peri-
goso.
Afastarau se.
Urna outra ronda aaminhava do lado do
palacio, urna outra do lado da alameda que
"uarncuia as casas 'da ra Neuve des Pe-
o
titts Cbamps.
Por toda a par;e as luzes apagavam-se
na sua passagem.
Dir-se-hia qne naquella frivola morada do
prazer, preparava-se urna execucSo sinis-
tra.
Men velho, lisse Cocardasse, per
elle que procuraos.
__Parece-me ciar s,' respondeu Passe-
poil.
Ouvi dizer no palacio que o pequeo
Pariziense tinha maltratado bruscamente o
o ir. de Gonzaga. E' por elle que procu-
rara.
E para encontral-o apagam as lnzes ?
Com a breca sao qnarenta ou cin-
coenta contra um se elle escapa desta
vez...
Meu velho, interrompeu o gasco, ha
de escapar. O pequeo Pariziense tem o
diabo no corpo. Se acreditas em mim, va-
mos procural-o tambera e offerecer-lbe as
nossas pessoas.
.Passepoil era prudente. N2o pode re-
primir urna careta e disse :
Nao este o momento.
Com mil bombas Queres discutir
contra mim ? exclamou Cocardasse ; este
o momento ou nunca. E depois, se nao
precisar de nos, reseber nos-ba com o gol-
pe de Nevers Simos culpados.
E' verdade, disse Passepoil, somos
culpados. Mas com os diabos, nao ser
tato um roo negocio -
Keaultou dahi que o Sr. bario de Bar-
baocbois nao dormio no seu leito.
O fidalgo foi collocado sobre a trra e
continuou a dormir. #
O seguimeato desta historia dir onde
de qu.- modo disp -rtou.
Cocardaaae e Passepoil comecaram a pro-
curar.
A noite estava escura. J nao havia um
um UU20 lampeix acceso no jardiro, salvo
as proximidades do pavilho indiano. Vio-
se illurooarem-ac ae janellaa do primeiro
andar do pavilbao do regeote. Urna das
janellas abrio-se. O regente apparecea na
escada, e diaae aos seos servidores invisi-
veis :
Meus senhores, pelas suas cabecas,
agarrem-n'o vivo.
Safa resmungon Bennivet, cujo gru-
po estava na rotonda de Diana, se o nsiae-
javel ouvio isto, vai perseguirnos '
Somos obrigadoa a confeaaar que as ron-
das nao faziam de muito bom grado este
servico ; Lagardre tinha urna to terrivel
repntacao, que da melhor vontade todos
os soldados teriam feito testamento. Bon-
nivet, o espadachim, preferira bater-se com
duas duzas de cadetes, tordos, como os
chama vam ento naa casas de tavolagem e
em toda a parte onde ellas ao arruinavam,
a affrontar orna tal missSo.
Lagardre e Aurora acabavam de tomar
a resolucao de fugir.
Lagardre nao desconfa va do que se pas-
sava no jardim. Esperava poder passar,
com a menina de Nevera, pela porta de
qne era porteiro mestre Le Breant. Tinha
vestido de novo o bou domin preto, e o
rosto de Aurora occultava-se debaixo da
mascara. Deixaram o pavilbao. Dous ho-
mena esta vam ajoel hados nasoleira da por-
ta do lado de fra.
Fizemos o qne podemos, Sr. cava-
Ibeiro, disseram ao mesmo tempo Cocar-
dasse e Passepoil, que tinbam acabado de
esvasiar as suas garrafas para terem cora-
ge m ; parde-nos.
E alm disso, acerescentou Cocardas-
se, aquella maldito domin cor de rosa era
um fogo fatuo.
Mu Deus exclamou Passepoil, eil-o !
Cocardasse esfregou os olhos.
De p 1 ordenou Lagardre.
Depois, vendo de repente as espingar-
das dos guardas francezes no fim da ala-
meda :
O qne quer dizer aquillo ? acerescen-
tou elle.
Quer dizer qne est cercado, meu
pobre filho! responden Passepoil.
Foi no fundo da sua garrafa que elle be
beu tata liberdade de linguagem.
Lsgardre nSo pedio explicac5ss. Tinha
adivinhado tudo. A feta estava termina-
da, e era isso que o aterrorisava. As horas
tinharo-se paaaado para elle como minutos ;
nao tinha calculado o tempo ; demorar-
se. S o tu nulto da feata poderia favoie-
cer a aua tuga.
Esto do meu lado, veriadeir e fran-
camente f perguntou elle.
- Para a vida e para a morte rea-
pouderam oa dona bravos com a mao sobre
o coraya.
K n5o mentiam. A presenta do pequeo
Pariziense vinha em auxilio do fluido das
suas garrafas e acabava de embrigalos.
Aurora trema por Lagardre, e nao pen-
sara em si.
Restabeleoeram os guardas das por'
tas ? interrogou Heurique.
Rforeararo-noa, respondeu Cucar-
Por isso, nao ou viram.
Joao calou se, at volta. Nao oantou
mais, nem respondeu s perguntas de
Fleuriot e dos outros. Quando abordaram
ero Dieppe e amarraram o barco, Fleuriot
insisti para acompanha!-o. Holgan nao
oonsantio. Precisava ficar s. Nao 68tava
em si ; cambaleava ao longo do caminho,
como embriagado. Reinava no seu cere-
bro nma noite profunda, cheia de trevas
araeacadoras, no meio das quaea deataca-
va-8e um ponto Iluminado por vivos cla-
r3es, onde via apparecerem, abracados,
Catharina e Gilberto.
Assi'n tambero, quando o theatro est
inmerso n'uroa ob8cnridade facticia, oa ef-
feitos de luz vilo concentrar-ae as perso-
nagens da mgica.
A' medida que ae ia approximando pa-
rava, a cada. momento, para enxngar a
testa banhada de suor. E admirava-se ou-
vindo a respiracao ruidosa e entrecortada
de suspiros.
Nao, murmurava elle, nlo possi-
vel... vi mal...
E, dizendo taso, sacuda a cabeca como
se, dentro de si, fallassem dous bomens
ero que ai oda quera dnvidar ; outro que
estava certo !
Entrou furtivamente em casa. O quar-
to de Catharina nao tinha luz. Estaria j
deitada ?... Ella sabia que Holgan estava
no mar e at lhe baria dito que talvez
passasse a noite no barco, bordejando, to
indo estava o tempo.
Holgan ficon de p, at amanhecer o
dia, com oa olhos titos na grade do jar
diro.
Catharina eatava na cama, toda enco-
lhida, nao auaando mexersa.
E' qne ti vera, nassa noite, no chalet, um
medo herrivel-.. O barco que vira passar
no meio das trevas e d'onde partiam can-
tos alegres, era a Bertha Catharina...
urna das vozea a de aeu marido...
De repente, Gilberto, pegando-a nos
bracos, bavia-lhe dito : A luz bate-nos em
cheio, Holgan pode vel-a .'
E arrancara-a do terrajo, onde ella de-
bru$ava-se para escutar, cedendo a um ter-
ror louco.
E quando o joven ia levando- semi-
morta, onviu um grito enorme, vindo do
mar.
Catharina 1 s tu?
Teria oovido bem ? Ou teria sido sua
alma que assim havia gritado "?
Eis porque nao ousava levantar se, nem
sabir.
Holgan entrou para casa e Catharina
poz-se de novo a tremer julgando que vi-
ria bater-lhe ao quarto e fazar prompto
j us tica.. Mas nada ouviu. Tudo era si-
lencio. Ter-se-ha ento deitado ? Nao te-
ria suspeitas ?
Veatiu-se s presaas e deseeu.
I adiantada a manha. O sol dardoja-
va aobre aa florea do jardim raios perpen-
dieulares. Zumbiam as abelhaa e as bor-
baletaa esvoayavam-lhe ao redor. O calor
prostrou-a. Teve urna especie de verti-
gem e encostou-se ao tronco de um oasta-
nbeiro.
Abrinlo os olhos, viu Holgan, jnato de
si. Este tinha no rosto paludo nm expres-
ado de dureza. As faces tnbam-se cavado
de repente e tornavam salientes as magas
do rosto ; as sobrancelhas espessas occul-
tavam-lbe os olhos; tinha urna ruga pro-
funda na testa. Oa labios j nao eram
rfennos cono ontr'ora, mas flacidos*, pen-
dentes
Toda a bondade desapparecera lhe da
pbysionomia, onde s imperava agora a
energa. E havia tanto v;gor, tanta ho-
nestidad e iroplacavel nessa cabeca grossei-
ramente modelada que, p3la segunda vez,
deade a veapera, a joven aenhora sen^u-ae
subjugada... oh mas loi s um momen-
to-'...
E calmo, como se sua vida nao eatveaae
despedacada, disae-lhc :
Bom dia, Catharina... A festa de hon-
tem fatigou a moito?...
Catharina solton nm suspiro de allivio.
Dis8pava-se o pesadelo'... Holgan nada
ba !... Ento poz-se a rir, sem motivo.
Os nervoa precisa vam deBtender-se...
Um instante bavia-se curvado... Hon-
tem, ha pouco ainda, o marido parecera-
lhe quasi grande !... Agora j nSo era,
como pelo paseado, senSo um pobre ho-
mem '...
VH
Catharina mostrou-se to calma, to ae-
nhora de ai, qne Holgan teria ainda duvi-
da lo, ae nao tivesse aempre, dianto dos
olbos, a terrivel apparicao do chalet.
De seu lado, tarobem readquiriu o san-
gue fro e a indifferenca apparente com
que acolbia aa palavraa da mulher, enga-
nou-a augmeutando-lhe a certeza,-qne ti-
nha, de nao ter sido dsseoberta.
(Contina).
VARIEDADES
dasse; preciso jogar pela certa, com mil
bombas I
Lagardre comecou a reflectir ; depois
continuou do repente:
Conhecem por asaso mestre Le Breant,
porteiro.
Como o nosso bolso, responderam ao
mesmo tempo Cocardasse e Passepoil.
Ento nao lhea abrir a porta I disse
Lagardre com um gesto de despeito.
Os dous bravos approvaram com a ca-
beca esta conclusilo eminentemente lgica.
S aquelles que nlo os conhecessem po-
daos abrir-lhes a porta. Um ruido vago
ouvio se, entretanto, por traz da folhagem
prxima. Dir se hia que se approxima-
vam pessoas de todos os lados com precau-
cao Lagirdre e sens eompanbeiros nlo
podiam ver consa aiguma. O lugar em
que estavam tinha mais luz quejas alampa-
das viainhaa. Quanto aos masaicos, esto-
vara todos alm disso em trevas profundas.
Esoutem, disse Lagardre, preciso
arriscar tudo para salvar tudo. NSo se oc-
cnpem commigo, sai como me hei de Ii-
vrar ; tenho aqu um diafarce que poder
engaar os olbos dos meas inimigos. L-
veos esta moca. Entrar&o com ella pelo
vestbulo do regente, voltario esquerda ;
a porta do Sr Le Breant fica no fim do
primeiro corredor, passarao roascarados e
dirlo: Da parte daquelle que est no
jardim no aeu pavilhlo... Elle lhss abri-
r a porto da ra, e vio eaperar-ma por
traz da capella do Louvre.
Est combinada disse Cocardasse.
Ainda urna palavra. Serlo bomens
para se deixarem antea matar do que en-
tregar esta moja ?
* Com mil bjmbaa Deapedaoaremoa
tudo qne noa impedir a passagem, disse o
gssclo.
As moscas qne ae livrom, acsresien
ton Passepoil, com urna arrogancia que
nlo lhe conheciam.
E emboa ao mesmo tempo :
Desta vez ha de fioar contente com-
noano I
Lagardre beijou a mo de Aurora e
disae-lhe :
Coragem esta a nossa ultima ten-
tativa.
Ella parti escoriada pelos dous bravos.
Era preciso atravesaar a rotonda ds Diana.
- Ola I diaae um soldado, eata levou
bastante lempo a encontrar o caminho I
Cantarada, disse Cocardasse, nma
dama do corpo de baile.
Afaston con a mo sem ceremonia aquel-
les que estavam diente delle, e accresoen-
ton impudentemente :
Qnllombolas oa Canhemboras t
A proposito desta e de outros vocabulos
que do tupy passaram para o portugus, e
de mortea qne tm sido ltimamente per-
petradas contra nossos indgenas, o Sr. ge-
ne, al Couto de Magalhlea envin o aegun-
te ao Diario Popular de S.' Paulo :
i Aa familias antigs d S. Paulo e
Minas, assim como o povo itterato dizem
canhemhora ou canhymbora, o nlo qy,on%:
bola, e a segunda a forma correcta desse
vocabulo, que a lingua indgena, com cen-
tonares de outros, legou ac portuguez.
Comp3e-se das dua8 raiaes -canhym fgi-
do e b ra o que vive; e, portanto, o voea-
bnlo canhtfmbora exprime com concisao o
circunloquio : aquelle que vive fgido, e
por isso ha de subsistir na lingua portu-
guesa, tal qual fallada no Brasil. (So-
bre as raizes cima vide o padre Moutoya,
Vocabulario, sob a palavra huidor, pag-
316, e Tesoro sobre a palavra canhym, pag.
88 v., ambas da edicao de Vienna, 1876.)
Como os canhymboras tm de represen-
tar papel importante na pbaso da evoucao
da escravatura em que vamos entrando,
julguei que valia a pena mostrar que a tra-
diclo oral o conserva correcto, o que se
se d alias em muitos vocabnlos da ra^sma
origem, e mu geralmente empregidos,
como se ver adianto.
Eucerra elle pola aua dervacio tupy, o
facto histrico de que muito gente estar
esquecida, isto : os eacravos indgenas
precederam em 8 Paulo os escravos afri-
canos e engenho bouve que chegou a pos-
auir maia de trea mil dolle8, apezar da op-
poaiclodo8 velboa jesutas.
Esses milhares de escravos eram ospou-
cos 8obrevivente8 daquelias tremendaa ban-
deiras onde avulta a figura ainistra do
Anbanguera e de outroa Aulas doa aertea
do Brazil, banderas que pa8aavam a fio
de espada a velhos u enancas de aldeiaa
intuirs, para dexar vivos smente os bo-
mens e as mulherea adultas que, encorren-
tados, eram tocadoa diante delles doa fun-
dos dos sertSas de Cuyab e Goyaa e at
do Para e Maranbao, para virero ser entre-
gues ao captiveiro e prostituidlo as nos-
sas fazenlas.
(Continua).
__ Sua Alteza Real nos espera.
Os soldados comecaram a rir e dera at-
ibe passagem. Mas na sombra de um mas
850 de larangeiras que guarneca o ngulo
do pavilhlo, estavam dous homens qne es-
pieitavara. Gonzaga e o seu facttum, o
Sr. de Peyrolles. Estavam abi por causa
de Lagardre, a quem esperavam ver ap-
parecer de um instante para outro. Gon-
zaga disse algumas palavraa ao ouvido de
Peyrolles. Este reunio-se a meia duziade
patifes que traziam espadas e que estavam
oceultos por traz do masaico. Todos se
precipitarara nos passos dos nossos dous
bravos, que acabavam de aubir a escada,
escoltando sempre o domin cor de rosa.
O Sr. Le Breant abri a porto, coito
Lagardre o esperava. nicamente abrio-a
ouas vezes, a primeira para Aurora e sua
escolta, a segunda para o Sr. de Peyrollea
e seu8 eompanbeiros.
Lagardre tinha-se esgueirado at ao fim
da vereda, para ver ae a sna noiva entra
va no pavilhlo sem embarace. Quando
quiz voltar para o cubculo a passagem es-
tova impedida : um piquete de guardas
francezes fecbava a entrada.
Ola Sr. cavalheiro, gritou-lhe oche-
fe com nm pouco de alteraclo na voz, nlo
resista, peco-lhe, est cercado por todos oa
lados.
Era verdade. Em todos os massicos
prximos onvio se o ruido das ooronhas das
espingardas de encontr ao cblo.
Que querem de mim ? perguntou La-
gardre, que nem sequer pu :nou a espada.
O valente Bonnivet, que tinha-se sppro-
ximado apressadamente pelo lado de traz,
agarrou-o, passando-lhe os bracos em redor
do corpo.
Lagardre nlo tentn daBembaracar-se,
e perguntou pela segunda vez :
Que querem de mim ?
Por Deus raen camarada, respon-
deu o marquez de Bonnivet, vai ver
Depois acerescentou :
Para a frente, meus senhores 1 para
o palacio \ Espero que noa sirvam de tea
terounbas : fiz en s t ata impor ante cap-
tura.
Eram sosenla horoens. Cercaram Hen-
rque, e antes carregaram-n'o do que o con-
duzrarn aos aposentos de Felippa de Or-
lana. D-'pois fecharam a porta de vest-
bulo, nlo bavia no jardim alma viva, ex-
cepto o bom senbor de Barbanchoia,- que
roocava como um justo 8obre a re va hu-
medecida.
X
Losa riladas
O qei ohamavam o grande gabinetero
antes o primeiro gabinete do regente, era
urna sala baatante larga, onde elle tinha
por habito recebar oa ministros e o conse-
iho da regencia. Havia all urna mesa re-
donda, coberta oom nm panno, urna poltro-
na para Felippe de Orleana, urna outra
par o duque de Bourbon, cadeiraa para os
outroa titulares do oonselbo e para os se-
cretarios de estado.
Por cima da po;ta principal eatava o es-
cudo da Franca com o distinctivo de Or-
leads. Os negocios do reino tratavam-se
all todos os dias, nm pouco s pressas, de-
pois do jantar.
O regente jantava tarde, a Opera come-
cava cedo, na verdade nlo tiobam tempo.
Quando Lagardre entrou, bavia alli
muito gente ; pareca um tribuual. Os Srs.
de Larooignon, de Tresmes o de Machault
conservavam-se ao lado do regente, que
estova Bentado. Os duquea de Saint-Si-
mon, de Luxembourg e d'Harcourt esta-
vam juntos do foglo. Havia guardas as
portas, e Bonnivet, o triuraphador, onxu-
gava o auor da fronte diante de um eapelbo.
__" Arriacmo-nos, dizia elle a meia voz,
mas finalmente agarrmol-o I Ah o ho-
mem o biabo I
Resisti ? perguntou Machault, o t-
ente de policia.
Se en l nlo e8tvesse, respondeu
Bonnivet, Deus Babe o que aconteria.
Nos vaos das janellas, que estavam
cheios de gente, via-se o velho Villeroy, o
cardeal de Bissy, Voyer d'Argenson, Ls-
blanc, etc.
Alguna dos confidentes de Gonzaga pn-
derara abrir caminho ; Navailles, Choiay,
Noce, Gironne e o gordo Oriol, completa-
mente oceultos pelo seu companheiro Ta-
ranne.
Chaverny converaava com o Sr. de Bris-
sa-j, que dorma em p, por ter passado
tres noites a beber. Doze ou quinze ho-
mens, armados at aos dentes, cooserva-
vam-se por traz de Lagardre. S havia
alli urna nica mulhera Sra. princesa de
Gonzaga, que estova sentada direita de
regente.
__ Senhor, dase bruscamente o regente,
assim que vj Lagardre, nlo tinhamos
combiuado que o aenhor viesse perturbar
a noaaa feBta e insultar em nosss propria
oasa os mais nobres fidalgos do reiuo E'
aecuaado tambera de t;r deBembainhado a
espada no recinto do Palano Real.
Faz^nos arrepender muito depresaa
nossa clemencia para comsigo.
(CoiUinuar-te-hat
da
Trp *> Qtaripra* Duque de Carias n. *%
i
)
;*.
>-'.
i-,

t
i

f
s


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EA71GTVS5_N4JYGS INGEST_TIME 2014-05-28T16:18:51Z PACKAGE AA00011611_19811
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES