Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19805


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AIO LI NDMEBO 28
;,




.
PARA A CAPITAL E LUGARES 0\UE NAO SE PAA PORTB
Por tres roezes adiantados................ 6 Por seis ditos idera.......... .....*. I t*j5KX)
Por uin aono dem................. 23000
Cada numero avulso, do mesmo di*. ........ $10
DIARIO DE
SABBABO 5 DS FETMO 11887
PARA DENTRO PORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantados............... J 135500
Por nove ditoB dem................. 20fJ000
Por ura anno dem.........' ........ 270100
Cada numero avulso, de das anteriores. ... '..... 5100
NAMBUGO
JJropueirafcc He JRanoel Sx%ntkh be -tarta 4 Silbos
Os Srs. Amorte o PrIo.ee iV .
de Parla, 09 nossos Siente
exclusivos >e annanelos c pu-
blicarles da Franca e Ingla-
terra
TELEGRMMAS
sanco :::.;::::-" so jiabio
RIO DE JANEIRO, 4 de Fevereiro,
s 2 horas e 35 minutos da tarde. (Rece-
bido s 3 horas e 48 minutos, pelo cabo sub-
marino).
Poi nomeado Jala manlcipai e de
orplios do termo de Porto de Pe
dras. na provincia de Alag6a*. o na
rharel i.adi.i<> Coala.
(Especial para o Diario)
VIENNA, 3 de Fevereiro, tarde.
O PESTHER LLOYO, de Pensil, dlx que
0 Sr. Jallo Jrei-y. presidente da re-
pblica rrancema. e o Sr. Gblet. pre-
sidente do conaelbo de mlnlatroa de
Franca, facen* eaforcos obrebunaa-
noa con* o Bn de Impedlrem a guer-
ra na Europa.
BERLISI, 3 de Fevereiro, torde. .
A mor parte doa Jornaea allenaaes
crltlcana severamente LA fOST de
nerlim. ora~i> do Principe de Ms-
raarcU.
CAIRO, 3 Je Fevereiro.
o Sr. Stanley parti para Zamai-
bar.
MONTEVIDEO, 3 de Fevereiro.
Xas altimas i horas., deram-se
aqu 1* casos nevos e 4 bitos de
ckolera-moirbas.
PARS, 4 de Fevereiro.
Km consequencla dos persistentes
boatos de guerra prxima, a renda
francesa de 3 /0 balasu para S fra -
eos e 95 cent.
LONDRES, 4 de Fevereiro.
O aoverno austraco val prohibir
a expoliaran de armas do Imperio
Austro-Hngaro.
Agencia Ha vas, filial n Pernambuoo,
1 de Fevereiro He 1887.
HSTRCC POPULAR
HY'MNts Di ALIH
(Extrahido)
l>.\ BIBt.fOTHKO DOPOVOEDA8 ESCOLA8

UaeoioK substancias alimenta
res. oivisaoeeiasslflcaco. Corn-
liosico dos alimentos. Beglmen
animal e rgimen vegetal- negras
bvgae ateas
(Cnluiinfio)
E' da mais nlta eonveuiencia raiturar vegetaes
com o regimeu animal. Por alguin tempo se at-
tribuio o escorbuto ao continuado e prolongado uso
de carne nigadas, alimento predominante a bordo
dos navios em viagens de long* duracio. Parece,
porm estar hoje provado que esta doeoca, que
tantas victimas fez n >s nossos amigo navegadores
em uas ouada e empreheodedor* viagens, nio
tem por causa nica e delusiva a Hlmfentcao sal-
irada. A humidade e outras circumstanciib teem
h mxima influencia na prodcelo delia.
O rgimen vegetal rense, sendo exclusivo, tai-
vez menos nociva influencia no organismo. Assim
poderia prever-se que deveria acontecer, refl-ctin-
do que as substancias vegetaea entram materias
asoladas, tae como a fibrina, a albmina e a ca
seina egetae. ...
U.n rgimen vegetal qussi exclusivo, por largo
tempo continuado, c%us flince. digestivas, tornando laboriosas o d mo-
radas as dijresiOes, com excesaivo deaeuvolviuieQto
d* tidade e t.rnam-se de urna cor clara ; sao as vezes
soav-quidas apparece dysrrh*. O calor ani-
mal decresce, a constituido do Individu ) enfrsque-
Mi as forc*s dimiiioem. A gordura, isto ,.o vo-
lame, augmenta. ... ,
O 3n>"i* nos individuos alimentados exclusiva-
mente <-'m vegetaes empobrece, diminuiodo a parte
lid (os globslo), manifesUndo-se h anemia,
baixando a proporcio da albmina, o que causa as
hrdropesias, por motivos que nao e este o lugar
poprio para plisar aos acaso* leitorea.
Ha do-nets cuj apparec.menio se deva attn-
bmr ao uso exclusivo desie regiuun. tes coin1 :
stralgiHS, dysffepsiaa flUuoutas, dyarrba, etc.
O nUotoariot (vermes, lombrigas ate.) sao bUn-
t s v;sea a conseqiencia d'elle. Tambem h quem
amr-ne SV a diabete () causada pelo abuso dos
Wge'ars.
O rgimen 11S0 deve, piis, er exclusivamente
animal, neo jaeiite vegatal ; de ve met wixti,
inuito eepecialuiento para os h.biuntes de Poitu
gld, p-iix temperado no eu clima-
() Doene que consiste ira augmntr .nsi-
d-rnvlmente a qaantidadn d* urina e m couter
esta assucar.
O rgimen mixto consiste em urna determinad
quantidade de substancias animaes e vegetaes.
Segundo a opimao do chimico francs Domas,
um homem bem constituido, comendo regularmente
deve consumir na 24 hora 154 grammas de car-
bonio e 22,5 de aste. Para que a quantidade de
alimentos latisfac estas condicea, julgou-se ne-
cessario em Franca que cada soldado de ca valla-
ra teuha a racao seguinte :
Carne fresca........... 125 grammas
Pao de municao......... 750
Pao alvo para sopa...... 516
Leguminosa........... 200
substancias que teem respectivamente :
125 gr.70 gr. de materias azotadas
750) __c e 595 de na
516) asotadas
200 20 e 150
A racao do nosso soldado deixa tudo a desejar a
este respeito, nSo obstante os esforco ltimamente
faitea. A alimentac^o do saldado portugus de-
ficiente, incompleta e impropria. A racSo nao
calculada pela importancia das substancia alimen-
tare com repeito riqueza de materias acotadas
e hydro carbonadas mas smenle subordinada
immediata e fatalmente ao abono em dinheiro dea-
tinado a cada praca ; e, como o gneros sao cada
vez mais elevados no preco a racao longe de me-
lborsr, peora.
Os vegetaea, principalmente os legnmes e a
batata, formam a base da alimenta? io do soldado.
Nao temos inielismente ao nosso alcance dados
eom que possamM dar neate ponto ao leitir esc.a-
recimeot08 minucioso ; alias, posto que os limites
deste livro se nao prestara, a grande desenvolv-
ment, feriamos que entrar em algumas impor-
tantes miudeaas.
Se a bygiene do soldado ji difficil de satisfa-
cer pelas condicoes especialissimas da vida militar,
pela accumulaodo obrigatona e inevit ivel a que
elle tem que sujeitar-se, parece que urna boa ali-
mentacao e um exercicio regular e metbodico de
actividade pbysica.das fjrc-as corporaes, deveriam
tender para attenuai e nio acabar, as ms condi-
ciea obigatorias da vida de_ caserna.
Prece-nos que mais valeria ter, em vez da tor-
ca pouco valida e quasi intil de que dispomos,
urna terca ou quarta parte della mas robusta e que
pudeue resistir com vantagem s durezas da vida
de eampanha.
Se considerarme a marinha, se estudainos a ra-
cao do nosso marinbeiro, acharaos felizmente ele-
mentos melhore.
A racao do marinbeiro portuguez, ltimamente
modificada, pode sem vergjnba comparar se com
as races fornecidas as marnbas eatrangeraa.
Entretanto a tabella de races para os nossos
marinbeiros nao pode eximirse a urna certa critica.
E com effeto montona a racSo do marinbeiro ;
e at corto ponto pode se diser que faltam nella
os vegetaes frescos durante as viagens, o que po Je
ra evitar-e por meio das hortalizas conservadas,
boje facis de adquirir ; mas Actualmente as via
gen sao rpidas e curta ; e a trequeoeia dos por-
tos de escala, torna fcil obviar a este inconve-
niente.
(Continua).
?arte omciai.
Ministerio do Imperio
Po' despacho de 22 da correata Coi
agraciado com o titulo de bario de Muou-
ry o conselbeiro Caetano Vicente de Al-
roeida, ministro aposentado do supremo
tribunal de justica.
Concedeu se licenca a Eduardo Sim8es
dos Sant)8 Lisboa, addido de legacSo de
primeira ciaste do Brasil em Londres,
para acceitar a nomeado de cavalleiro da
ordem militar de Noasa Senhora da Con-
oeijao di Villa Vicosa, com que foi agra-
ciado por S. M. Fidelissima.
Ministerio da rustir
Por decretos de 22 do corrate:
Farsas removidos a podido: o juiz de
direito Ignacio Accioli de Vasconcellos,
da comarca de Camaqaan, de pri-meira
entrancia, no Rio-Grande do Sal, para
a da Imperatriz de igual entranjia no
Maranblo, e desta comarca para aquella
o juiz de direito Jos Jaeintho Borges Di-
niz; ioi designada a comarca de Itu', de
segunda entrancia, na provincia de S.
Paulo, para nella ter exercicio o juiz de
direito Francisco Ribeiro Escobar ; foi no-
mo ido juiz de direito da comarca de Cin-
tra, na .do Para, o bacharel Alfonso Bar-
bosa Moreira.
Foi declarado sem effeito o decreto de
14 de Setembro ultimo, que reaon'luzio o
bacharel Jos Mara Correia das Nevea no
cargo de juiz municipal e do orphaos do
termo de Paulo Affonso, ai provincia das
Alagoas.
Foi reconduzido no termo de Piranga,
na provincia de Minas Geraea, o bacharel
Antonio da Triodade Antunes Meira.
Foi concedida ao bacharel Briano O'
Conor de Ca margo Dauntre, a demissao
que pedio do lugar do jaiz substituto de
Campias, na provincia de S. Paulo.
Goram removidos, pedido : o. bacha-
rel Manoel Heduviges de Queiroz Vieira,
do termo de Sant'Anna de Macacu', para
o do Rio Bonito, ambos na provincia do
Rio de Janeiro ; o bauh-irel Joao Braz de
liveira Arrula, do termo de Jaboticabal
para o lugar de juiz substituto de Campi-
as, na provincia de S- Paulo ; foram no
meados : o bacharel Antonio Augusto dos
Santos Porto Filho para o termo de Bra-
ganga, na provincia do Para ; o bichare!
Joao Borges Pereira para o da Iguarap-
Mirim na referida provincia; o bacharel
Luiz Candido da Rocha para o de Jaboti-
cabal, na de S. Paulo,
Foram feitas as seguintes merct : de
Io tabblliio e escrivao de orphaos e da
provedora e capella e resiJuoi do termo
de Arar, na provincia do Ceir, a L'a
Ooofre de Farias ; de escrivao do jury e
eXe^u3es criinioaes do termo do Ico, na
referida provincia, a Jos Santiago dos
Santos ; de Io tabelliiio o., termo da capi-
tal da provincia do Paran, a Joaqun) Jo-
s Be-lUrinino Bettenoourt; de 1" parti lor
o contador do termo dos Anjo do Grava-
tahy, na provincia do Rio-Grande do Su!,
a Antoni) Rodrigues de Oliveira ; de es-
it*Aa de orphios do termo do S. Murti-
nbo, na referida provincia, a Jos Btmto
dn Fontoura ; foi nome.\do Antonio Prf*i
ra Bullo para cx;rcer o oficio de 1 ta-
belliao do termo de S. Lua de P*r*liytr.n-
ga, na provincia de S. Paulo, durante
mpo88bilidade do respectivo serventuario
Joao Goncalves Pedroso, a qaem pagar
a terr\ parte dos vencimentos, segunda a
lotajao.
Foi designado o estado-maior do col-
mando supsrior da guarda nacional da ca-
pital da provincia do Maranhao, para a
ello ser aggregado o major ajudante de
ordens secretario geral do commando su
peror da comarca de Alcntara, a Anto-
nio Pedro Ribeiro de Moraes.
Foi commutada na pena de tres annos e
seis mezes de prU&o simples e multa cor-
respondente a metade do tempo, a da qua-
tro e meio annos de prisao com trabalhc e
multa correspondente a metade do tempo a
quo estava cmdemnado pelo jury de S.
Joao d'EI-Rei, na provincia de Minas-Ge
raes o reo Manoel Goncalves Gomes.
Ministerio da Guerra
Por portara de 22 do oorrent, foi no-
meado ajudante da fortaleza de S. J0S0,
o alferes honorario do exercito Jos Luiz
Osorio.
Por decreto de 15 do corrente, n. 9,697,
foram approvadas as instruccoes regulando
o abono dos vencimentos militares.
Foi transiendo, por decreto de 22 do
corrente, .para a 61 batera do 2' batalbao
de art'lharia a p, o capitao de estado
maior de artilharia Carlos de Oliveira Soa-
res.
Foi demittido- do cargo do director da
fabrica de plvora do L'osip, o capitSo do
eaUdo-maior de artilharia Carlos de Oli-
veira Soares.
Por decreto de 22 foi approvado o re-
gulamento da escola tctica e de tiro da
provincia do Rio Grande do Sul, estable-
cida em Rio Pardo.
Soverno da Provincia
EXPCDIEKTB DO DA 4 DE JAXE1B0 DE 1887.
Actos :
O presidente da provincia a t tendead o ao que
requeren o guarda fiscal do municipio do Reeife,
Francisco Antonio Teixeira de Alboquerque, ten-
do em vista as iafermacoea ns. 44 e 319 de 19 de
Setembro e 18 de Dezembro ultimo, da respectiva
Cmara e Tbesouro Provincial e o parecer da jun-
ta medica provincial, resol ve de conformidade com
a le n. 498 da 29 de Maio de 1861, aposentar o
peticionvrio com a penaio de 459*720 corres-
pondente ao tempo do servico publico eft'ectivo, a
qual correr psr cinta do cofres da referid Ca-
mar. Commuuicou-se Cmara Municipal do
Reeife.
O presidente da provincia attendendo ao que
requeren Deomedes Brayiwr Lins, guarda de 2.*
elasse da Casa do Deteucio, resol ve coneeder-lbe
trinta dis de licenca par- trufar do eoaaude,
com os vencimentos a que tiver direito, devendo
entrar no goso da licenca no praso de quince
das.
Oficios :
Ao presidente da provincia do Maralo.
Recebi e agradeco, os exemplares impressos do
relatorio enviado por V. Exc. com otficio a que
respondo, de 23 de Dezembro fiado.
Ao presidente da provincia doCear.Re-
cebi e sgradsco o exemplares impressos de rela-
tor io enviados por Y. Exc. com officio, a que res-
pondo, de 30 de Dezembro
-- Ao conselbeiro presidente do Tribunal da
Relacio do Reeife.1irva-se V. Exc. de infor-
mar qual o estado em que se acha o processo do
promotor publico da comarcado Igoarass, bacha-
rel Francisco Xavier Paes Brrelo, que para esse
Tribunal appellon de sentene de 4 meses e 15
das de prisao simples e multa correspondente
metade do tempo, imposta pelo juiz de direito in-
terino d mesma comarca, bacharel Telesphoro
Gomes de Araujo, que o julgou incurso no mxi-
mo da pena ds art. 237 j 2, combinado com o
art. 238 e leferencia aoart. 236 do cdigo crimi-
nal.
De V. Exc. solicito decisao da referida appel-
laco, por conveniencia do servico publico.
Ao eommindante das armas. -Declaro a V.
Exc. para seu eonhecimento e devidos fin, que,
de conformidade com indicacio constante de seu
officio n. 1, de bouiem datado, designo o major
Estevao Jos Perras para presidir a commisao
composta do ajudante interino do Arsenal de
Querr e de um empregado de Fasenda, que nos
termos do aviso circular do Ministerio da Qurrra,
de 23 de Janeiro de 1884, deve no da 8 do cor-
rente s 11 horas da manh, dar comeco nos
diversos utensilios das guardas da Tbesouraria de
Fasenda, Alfandegt e Enfermara Militar.
A referida commissao dever reunir se n'esse
quartel general par d'ahi ter o conveniente des-
tino.
Ao mesino.0 ministro da guerra, em aviso
do 20 de Dizembro Sudo, deelaia qu, por falta de
verba no ornamento vigente, nio podem ser teitos
03 concert! de que carece a fortale'a SO BrSBS,
aguardando-so o prximo futuro exercicio para
cuij attender-so a taes concert.
O que commuuico a V. Exc. pra seu eonheci-
mento e em respost ao officio desse commando,
de 28 de Julho do an.io passado, sob n. 392.
Ao mesmo Sirva-se V. Exc. de nomearuma
commissao para assstir no Aiscaal de Guerra a
ab xtuia de 9 volunes viod.is d corte no vapor
Cear, contendo artiges destinados ao 2o e 14 ba-
talbao de intantariv, fortaleza do Brum e compa-
nhia de sprendiseg artfices do mesmo Arsenal e
de cava 11 Mr i a desta provincia.
A^> mesmo.Accusanio o rrcebimeoto do
officio de V. Exc, n. 639, de 29 de Dezitnbro
prximo fiudo, sendo acompinhado do relatono
apresentado pelo msjor Estevo Jos Perra, acer-
ca dos acontecimentos. que uftimamente tiveram
lugar no presidio de Fernando de Noronh, srva-
se V. Exc. de louvar ao referido maj.tr em sosas
a'esta presidenc-M, pelo boiu desempenho da com
mibsi i do quo f i incumbido.
,\o iuspeetor do Arsenal de Marinha.Em
soluc > ao officio de V. Exc, de 23 de Novembro
do anno passado, seb n. 592, dirigido ao ministro
d mirBtia, transmittio-ue este com aviso de 21
de Dezembro seguinte as inclusas propostas que
ah se .ipreseataro e respectivo! mxppas, para os
diversos lornecimenios aos navio e estabclecirneu-
t-js de uiri.ihd, uo semestre corrente, afim de se-
rem feitas nos competentes contractos as altera-
cues indicada pela Contadura ni offi.'o annexo
lr copia, o. 510, do 11 de Dezoinbr com o que
tica.n d-fio.tivainen-.e pprovads.
O que cjamuuioo para sou eonhecimento e d#-
vi-tos fios.
Ao luspector di Tueeouraria de Fazenda.
Autoriso V. S., vista da su informacao n 2, de
houlrin datad', a mindar satisfacer o incluso pe-
dido por duplcala, de medicamentos de que neces-
sita a Euterinaria Militar desta provin -ia. Com-
uiuuiciiu-4e ao jonunaiiJante das armas.
Ao mesmo.Sirva e V*. S. de desgoar um
cinprrgado da fazenda pxra faser parle da eoin-
tu:inm d. aviso circutr Jo minis-
di 8 do corrente s 11 horas da manha dar em
consummo diversos utencilos das guardas d'essa
thesouraria, alfandega e enfermara militar.
O empregado dever comparecer no quartel ge-
neral do commando das armas para d'alli ter o
conveniente destino.
Ao mesmo. Com referencia a< prop38tas que
e apretentaram no arsenal de marinha para o
diversos fornecimento aos navio e estabelecimen-
tos de marinha, no semestre correte, declara o
ministerio da marinha, em aviso de 21 de Dezem-
bro fiado, que feitas nos competente contractos as
alteracSes indicada pela contadoria no cficio jun-
to, por copia, de 11 do mesmo mez, sob n. 510, fi-
cam definitivamente approvadas. ) que commu-
nico a V. S. para os devidos fios.
Ao mesmo.Declaro a V. S.pasa o fin con-
veniente, que o director do arsenal de guaira em
officio de hontem, sob n. 777 participou-me haver
de conformidade com o artigo 282 do regulamento
de 19 de Oatubro de 1872, nomeado na mesma
data Rsymondo de Almeida Sampaie para exercer
o lugar de escrevento de 2* elasse do dito arsenal
em snbstituicao de Josquim Pires Ferreira Filho
que fallecen 29 de Dezembro findo.
Ao mesmo.Declaro a V. 8. para os fina con-
venienti'g, que no dia 31 de Dezembro prximo fin-
do, assnmiu o Bacharel Jos Antonio Correia da
Silva o exercicio do cargo de juiz de direito da co
marca de Olinda, que Ihe foi designada por decreto
de 18 do mesmo mez.
Ao mesmo.Remeti a V. 8. para o fin
convenientes copia do aviso do minibterio do im-
perio de 25 de Novembro ultimo, n. 5,291, relati-
vo a eoneeseo de crdito para occorrer ao paga
ment de gratficacao que vencen, de 23 de Ju-
nho 20 de Outubro do anno prximo passado, o
Dr. Jos Julio Fernanda Barro quando substi-
tuiu na qualidade de ajudante ao inspector da
sade do Porto.
Ao mesmo.Remetto a V. 8. para os fios
convenientes as inclusas costas sobre que versara
as nformacoes d'essa thesouraria de 30 de Marco
e lfe-de Setembro oltimis ns. 210 e 658, de me-
dicamentos fornecdo ao mes de Dezembro de
18J5 pelos pharmaeeuticos Rouquayrol Freres para
o tratamento de indigentes em Seriahuero, Caten-
de Colonia Izabel.
j Ao mesmo.Em resposta ao seu officio de
hoofem n. 3, declaro a V. S. que nesta data exped
ordem ao gerente da compaohia pernambucana de
navegacao costeira, afim de seren transportados
a r at o Aracaj, por conta do ministerio da fa-
zenda, no vapor Jaeuhype que tem de largar i 8
do corrente o Ia escriptnrario da tbesouraria de
fasenda de S. Paulo addido a thesouraria d'esta
provincia e ltimamente nomeado inspector da
alfandega d'aquella capital, Paulilio Fernandes
Barros e pessoas de ua familia.
As commandante superior da guarda na-
cional da comarca do Bom Cooselho.Declaro a
V. S. em resposta ao seu officio de 22 de De-
zembro do anno passado e afim de faser constar
ao eomman iante do 64 batalbao de infantari do
ser.vici activo da guarda nacional, sob seu com-
mando, que nio teodo ai oda sido votada creditona
le do orcameoto para a desposa com a acqu i ai-
cao de livros e mais objectos de expedientes des-
tinados so servico dos bataibes da mesma guarda
nacional deve a respectiva eseripturacao ser feita
en cadernos at ulterior dehberaco do governo.
-? Ao inspector do tbesouro provincial.Tendo
dado hoje eonhecimento ao engenheiro chefe da
f^Br'ico das obras publicas da informacio pres-
t5s jjor Yme. em cfScio de 27 da Deaembro ai-
timo, sob n. 339, recommendo-Ibe que mande en-
tregar ao tbesoureiro da dita reparticao a quantia
de 9:6584, coostante do pedido junt, para occor-
rer as despeza a cargo d'ella no mes de Outubro
do anno passado.Communicou-se ao engenheiro
chefe d reparticao das obras publicas.
Ao director do Arsenal de Guerra.Decla-
ro a V. S. para sen eonhecimento e fias conve-
nientes que o aj idante interino desse arsenal de-
ver no dia 8 do corrate, s 11 horas da manha,
achar-ae no quartel-general do Commando das
Armas, afim de fazer parte da commissao que,
nos termo do aviso circular do Ministerio da
Guerra de 21 de Janeiro de 1881. tem de dar em
consummo diversos utencilios das guardas da The-
souraria de Fazenda, Alfandega e Eif^rmara Mi-
litar.
Ao mesmoFico interado pelo officio n. 777
de hontem datado, de havar Vmc. de conformida-
de com o art. 282 do regul ment da 19 de Outu-
bro de 1872, nomeade Raymundo de Almeida Sam-
paio para exercer o lugar ds escrevente de 2* elas-
se desse arsenal, em uotituico de Joaqnim Pi-
res Ferreira Filh>, que-faleceu 29 de Dezem-
bro finio
Ao engenheiro das obras geraesHaja Vmc.
de apreaentar o orcamfnto do concert de que
precisa a easa existente no Arsenal de Mariana,
onde reside o patr&o-mr do mesan arsenal.
Ao engeuheiro fiscal da estrada de ferro do
Reeife ao 8. Francisco.Declaro a Vmc que pe-
lo aviso do Ministerio da Agricultura Commerco
e Obras Publicas de 23 de Dezembro ultimo, sob
n. 21, foi approvado o acto desta presidencia au-
torisan lo a concessao de licenca ao empregado
dessa estrada de ferro Antonio Martina Saldanha
Filho, oos termos dos avisos do mesmo ministerio
de 23 de Outubro de 1874 e 9 de Novembro da
1882 para tratar de sua saude.
A) juiz de paz, presidente da j Juta de alia
tamiuto militar d parochia do Nossa Senhora da
Ros 1 rio de Goysnna. -Nao se teodo procedido
nessa parochia a> alistamento militar, relativo ao
anno prximo, conforme determina o regulamento
n. 5,881 de 27 de Fevereiro d: 1875, recommeudo
a Vmc. que providencie oo seutido de ser quaa
toantes teito o dito alistamento, sub peade mul-
ta commind no art. 122 do citado regulamento.
Portaras:
A' cmara municipal de Afogados de Iog-
zoira.Declaro a cmara municipal de Afoga-
dos de logazeira que ficam approvadas as arre-
matsces dos imposios constantes d termo anne-
xo ao sea officio de 12 de Novembro ultimo, de-
vendo ser cobrado administrativamente os quedei-
xaram de ser arrematados por falta de licitantes.
__O Sr. agente da Uoinpautiia Brazleira, faca
transportar eorte, pir, coala do Ministerio da
Guerrx, uo vapir Mando as pracas do 1- bata-
Ih'.o de infamara, coostautes da relaco juuta por
copia, as quaes d'all; vieram escoltando acaten
ciados militares.Cemaionicou-se ao eon mandan-
te das arroag.
O 8r. gen ntc da Coinpanhia Pernimbucaaa,
mflode da' passagem a r at o porto do Araca-
ty, no vapor que para all seguir amanba, a R*y
mando de Mar tos A. Sobrinho e bem assim a proa
a um menor do nome Emiliano Jos de Sousa, por
conta das gratuitas a que o governo tem direito.
O Sr. gerente da Compinhia Pernambucana
de Navegacao Costeira, mande transportar a i
at o Aracaj por c^nta do Miuiaterto da Fazen-
da, uo vapor Jaeuhype que tem de largar a 8 do
corrate ao eacriptnrario da thesouraria de fa-
geada d i -. Paulo addido a thesouraria desta pro-
vincia uliimameata nomeado inspector da alfande-
ga (^aquella capital PauHlio Fernandes Barros e
bom assnn %s pessoas ds sua familia constante da
rea .io junta por copia.
EXPEDIENTE DO SBCRBTAHIO
Ao cummandanco das aro-as 8. Exc. o
Sr presidente d provincia, manda coairaunicar a
V. Exc. ter autons ido o director do Araenal de
Guerra a satistaser o pedido que acompanhou o
vu otfi'.'io n. 4 de honem datado.
XFSOrMITE DO DIA 6 DS J.KEIH0 DB 1887
.>fflcioa :
Ao Commindtote das ArmasDe conformi-
dade com a indicaoio constante do officio da .
Exc. de hontem datado sob n. 6 designo o major
itiu.au jue. u,s tunno i-i aviso eireultr jo minia- o*<=. uuto-i ui -- ---o-------7 -.
terio da guerra de 23 de Janeiro de 1*81, deve no Estevao Jos VrraJ SSM pres.dir commisao
composta do ajudante interino do Arsenal de
Guerra e de um empregado da fazenda, que nos
termos do aviso circular do ministerio da Querr,
de 23 de Janeiro de 1884, tem, no dia 10 do cor-
rente, s 11 horas da manha, de dar em consumo
os arreioa do animal que puxa a carroc da com-
paa ia de ca vallarla desta provincia.
A referida esmmissio dever reunir-se no res-
pectivo quartel. Oque declaro a V. Exc. para
seu eonhecimento e fin convenientes.
Ao mesmo.Acenso reeebido o officio de
V. Exc, de 3 do corrente, sob n. 2, ao qual
acompanhou a resposta do presidente do conselho
de investigacio nomeado para o descobrimento
dos res ponsa veis pelo conflicto ha vi lo em a noite
de 26 de Oatubro do anuo prximo passado, entre
pracas do 2 batalhio de infantaria e da guarda
cvica, relativo ao artigo publicado no Jornal do
Reeife de 31 de Dezembro finio, sob a epigrapha
Para o Exm. Sr. General Commandante das
Armas e assignadoO Vigia.
Ao Dr. chefe de polica.Transmiti a V. 8.
a incluso inclusa copia do aviso di ministerio dos
aegocos da justica de 17 de Novembro ultimo,
afim de que recommeode s autoridades policiaea
do termo de Itamb a doutriua do mesmo aviso e
se informe do que se acha contido na sua ultima
parte.
Ao inspector da Thesouraria de Fizenda. -
Sirva-se V. 8. de designar um empregado de
fazenda par faser parta da commissao que, nos
termos ds aviso circular do ministerio da guerra,
de 23 de Janeiro de 1884, tem, no quartel da com-
panbia de eavallaria, de dar em consumo, ao dia
1* do corrate, s 11 horas da machi, os arreios
do animal que puxa a carroca da mesma compa-
nhia.
Ao mesmo.Remetto a V. 8. as relacoes
de 19 escravos libertados aos maaicipios de Pal
marea e Agua Prata da 7* quota do fundo de
emancipacio, em audiencia de 17 de Novembro
ultimo, afim de que se sirva de mandar pagaras*
iateresssados os valores devidos. "ommuucou-
so ao respectivo juiz municipal.
Ao director do ArsensI de Guerra. -Decla-
ro a Vmc, para seu eonhecimento e fios conve-
nientes, que o ajudante intenso desse Arsenal
dever achar-se, no dia !* do corrente, s 11
horas da manhi, no quartel da companhia de ea-
vallaria, afim de fazer parte da co amissio que
nos termos do aviso do ministerio da guerra, de
23 de Janeiro de 1884, tem oaquelle da, de dar
em coasumo os arreios do animal que puxa a car-
ree.* da mesma compaohia.
Ao juiz de direito da comarca de Itamb.
Para os bus convenientes e m solacio da officio
de Vmc. datado de 4 de Setembro do anno pro
ximo fiado, traosmittio-lhe a inclusa copia do aviso
do ministerio dos negocios da justica de 17 de
Novembro ultimo, fasendo sentir a neceasidada de
entie si se anxiliarem as autoridades dessa comar-
ca e as da de Pedras de Fogo, ua proviocia da
Parahyba.
XPEDIEHTS DO SECRETARIO
AO inspector do Arsenal de Msrinha.
8. Exc. o Sr. presidente da provincia manda de-
clarar a V. S. que fie* nteirado do contedlo de
seu officio u. 2, de hontem datado, relativo ao
desarraojo havido ao macbiaismo do pharl da
barra do porto desta cidade.
Ao inspector da Thesouraria de Fasenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda re-
metter a V. S. cinco ordens do Thesouio Nacio-
nal de as. 265 a 269.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 3 DB
FEVEBBIRO DE 187
Antonio Flix do Monte.Providenciado.
Antonio Barbosa de Aguiar.Provideociado uo
seutido que requer.
An'ooio Florencio Das.dem.
Annunciada de Mello Mooteoegro.Como re-
quer.
Antonia Doria Mondim Pestaa.Sim.
Alfredo Teixeira Barcellar.Remettido ao Sr.
inspector da Thesoararia de Fazeuda para man-
dar attender, de aceordo com a sua informar;i 1 de
25 de Janeiro ultimo, n. 52.
Cordolioa Amelia da PazNao ha que deferir,
vista da informacio do inspector geral da In-
atrcelo Publica, com a qual concordo, e que
ser por ceitidio dada peticionaria, se oquiser.
Diogo Augusto dos Reis. Informe o Sr. nspec-
tor do Thes uro Provincial.
Joio Jcaquim de Siqueira Varejio.Informe o
Sr. inspector do Tbesouro Provincial.
Joa da Silva Loyo Jnior. -O valor do con-
tracto o declarado na clausula 23a, constante do
acto de 23 de Junho de auou passado; como,
porm, o prujectado coa trac tu caducou, nos termos
da clausula 2'.', nao ha que deferir.
Tenentecoionel Manoel de Azevedo Nascimen-
to.Foroeca-se.
Mariaaoa Augusta de Mello Rodrigues.Junte
certidio de idade do ingenuo,
Secretaria da presidencia de Per na ai
buco, em 4 de Fevereiro de 18t7.
O porteiro,
Francelino Chacn.
Reparticao da Polica
Scelo 2.--N. 103.Secretara da Po-
lica de Pernambuco, 4 de Fevereiro do
1887.-Hita, e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram hontem recolhidos
Casa de IWencSo os seguintes indivi-
duos :
A' minha ordem, Joaquim Baracho de Souzs,
remettido pelo Dr. juiz de >rphios de Timbba,
como alieoado, at que tenha 0 couvenente des
tino; Francisco Ferreira da Silva, remettido pelo
sub legado do V districto da Capunga, por dis-
turbios ; Silvana Mana de Barros, por estai sof-
freudo de suas facultadas mentaes.
A' ordem do subdelegsdo do Reeife, Mara Fe-
lippa da Conceiciu por offensas moral pu-
blica.
A' ordem do de Santo Antonio, Jos Po Cesar,
por disturbios.
A' ordem do do 1 districto de S. Jos, Aveliuo
francisco do Moraes e'Ser&phim Gomes Ferreira,
por disturbios.
A' ordem do do 1* districto da Boa Vista, Cae
tao Jos Francisco e Mana Amelia da iilv, por
embriagues e disturbios.
Deu guarde a V. Exc. Ilim. e Exm.
Sr. Dr Pedr Vicente de Aaevedo, mutu
digno presidente da provincia. O chefe
de polioia, Antonio Domingos Pinto. .
Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DIA 3 DE FEVEREISO DE
1837
Confraria do Amparo de Olinda, Dr.
inspector geral oe Iotruuyilo Publica e Sd-
veira & 6. Infirme o Sr. contador.
Joaqun da Cost* Martina e Muioel
Goncalves Pereira Lima. Escripturc se
a divida.
Augusto OotavianodeSoaza. Nga se
proviuiento de aceordo ooin a disposieo do
art. 6 combinado com a do art. do regu-
lamento de 7 de Outubro de 1873, expe-
dido para ez.-cucio do indulto da le n.
590.
rowa & G. Informe o Sr. Dr. ad-
ministrador do Consulado.
Augusto da[Costa Martina. Deferido
dando-se baixa na matricula e eliminando
se o debito relativo do exercicio de 1884 e
85 e seguintes, visto provar-se tr falleci-
do em 14 de Maio de 1884 p escravr.
Francisco pertencente ao supplicante e que
achavase comprehendido na disposigao
do 22 art. 1.' da lei n. 1810-
(Jontas das 249 a 252 partes da lotera
da Santa Casa e do procurador dos feitos
Approvadas.
Luiz de Paula Lopes. Ao contencioso
para attenler.
Costas da cclleotoria de logazeira. a
Silveira & C Haja vista o Sr. Dr. pro
curador fiscal.
Cramer Frey & C. Negase provimen
to, porquanto a vista de ordem da presi-
dencia de 5 de Ou'ubro do anno prximo
passado e mformacSas do Consulado, nio
prooedem as allegacSes.
Luiz de Paula Lopes. Informe a com-
missao liquidadora.
Contas do corpo de polica. Ex -.iu-
uem-se.
Antonio Pereira Gomes e Silva 4 C.
Deferido, ficando irrusponsaveis os suppli-
cantes pelo debito anterior das lojas n. 14
ao Largo da Companbia Pernambucana a
nos 84 A e 84 B ra da Imperatriz.nas
quaes provao nao ter succedid.
Jos Paulo Botelbo, Galdino Antonio
Alves Ferreira, Antonio Das E&talote e
Albino da Silva Leal. Deferido, fijan-
do irresponsavel pelo debito anterior o no-
vo nquilino que estabelecer se as casas
n. 12 a ra de Mariz e Barros, n. 39 ao
largo do Carmo, n. 18 a ruade S. Miguel
em Afogados e no 32 ao Caes do Ramos,
cuja desoccupaccio se prova.
Antonio Domingues Lioor & C. Defe-
rido, dando-se baixa na collecta, para aqual
nao houve justa causa, como imforma o
Consulado.
4
Amelia Austricliana Adelaide Ribeiro.Certi-
fique-se.
Sousa & C, Companbia do Beberibe, Antonio
Gomes Pereira, Jos Paulo Botelho, Antonio Dia
Estoiote, Galdino Antonio Alves Ferreira e A1-
b:no da Silva Leal. Ao Contencioso para os de-
vidos fias.
Joao Ferreira Villel i de Araujo e Mari Anta
de Jess Campello.Facam-se as cotas de porta-
ra de licene.
Manoel Marque do Abren Porto e padre Joio
Tenorio Vieira de Mello.Registre-se e facam-
se as nota.
Augusto da Costa Monteiro e Antonio Domin-
gues Lima & C. -Ao Sr. Dr. Administrador do
Consulado para os devidos fins.
Cimillo Lins do Amaral e Araujo & C. -Jun-
te-se copia da inspeccio.
Officio do Dr. Chefe de Polica.Informe o
Sr. Contador.
Cramer Frey & C. e Augusto Octaviaoo de
Souza.Botregue-se pela porta.
Pontos do guardas da illumtuaeio publica e
das Obras Publicas.Ao Sr. Pagador paraos
devidos fin.
Adolpho J. de Arauj-. Pague-so.
Coofrariado Livrameoto. Ao Sr. Thesnurciro
para os devidos fins.
Consalado Provincial
DESPACHOS DO DIA I.* DE FBVEBEIKO DE
1887
Medciros Silva & Martns. A' l.sec-
rjao para os devidos fios.
Mara dos Martyres Tavsrea dos Santo
A' 1 .* 8ecr;3o para atteoder.
Urbano Jos Carneiro. A' 1.' seocSo
para informar.
3
Josepha Alexandrina Porto Carreiro. -
A' I. seccao para atteoder.
Danoel Clamen!no Ribeiro, Miguel Fran-
cisco de Souza, Moraes <& Pinheiro, Del-
miro de Gouvea, Alvaro Jos Pereira e
Goncalves & O. Sim.
Jos Ferreira Morques, Josepha Maa
da Conceifilo, Manoel Thomaz de Aquino
e Candida Mara Guilhermina. Informo a
1. seccio.
FraacUco Jos Leite & C- Paschoal
Jesselli e Mara Sobrinho &. C. A' 1."
seccao para os devidos fins.
DIARIO DE PERMSIBuCO
RECIFE, 5 DE FEVEREIRO DE 1887
Noticias do <*aelflco, e sol do
imperio
Pelo vapor Aymor entrado hontem da Babi,
recebemos tamas d -ssa provincia at 30 de Ja-
neiro, e nellas encontramos as demaia noticias do
sul, que vio em seguida :
aclflro
As dstas io anteriores as de que ji temos da-
do ooticia ao 1 itore, mas mm'to retardada-
mente recebemo o jornaes que as contm ; asse-
guram a f ilhag de Buenos-Ayre que no dia 30
verificou-se a existencia do cholera ua aldeia Sn-
ta, em 8. Felippe.
Dru-se o primero cso no da 2n a b houve
quitro casos e duas roorte, a 29 nove coa e
dous bitos e no di 30 onze casos.
O governo chileno mandou iao ar a aldei-.
As cmaras Votaras 300,000 pesos para despe-
es extraordinarias com a epidemia.
Raceiava-8e a propa?acio do mal qu-, segundo
diziam, f>ra levado p>r pessoas idas de M-n loza.
ni da Prala
Datas at 1 do Janeiro :
O poder executivo da naci argentina pr-rogoa
por dous annos o prazi durmte o qual os bancos
nio sao obrigados a eonvert-r as suas nota.
c A prorogacio era fatal, diz La Nacin, d:i-
de que os o neos, amparad, s pelo decreto de 9 de
Janeiro e pela lei le 26 de Novembr- d-> 18$>, t-
nnim peiirado de conlicio e a lei de 26 de N -
vembro autorisara o governo executivo |para *-
cretal-a, se o julgasse conveniente.
A coramssio o*con! de auxilio proaegoiA
com actividade tS e<-u humanitarios trab.lho
acompinhada pela sympathil do p>vo inteiro, tr-
duzida no ans decidido apoio moral e materij'.
O ebo das crueis desgracas do interinr e oe
perige da si'uci'' eipital e oatro pinto e
tiaiulsram o grande movimnto, segurandj -9
seus resnlU-1 diz La Nadan :
i'er alliviar a descre* commnm, eone-rtsa
todo sem txeaucio, autondsdes e povo; e hoj,
ni pr'woc de o'Vs e eon'ristsdorHS intorss-
issssssss
'.
'-
'
" !
-i-.


Diario de PernambucoSabbado 5 de Fevereiro de 1887
davida vigoroso impulso a
para a quml neeesaitaaj de








flf
*


* -
T, recebera sem
abra empn hendida,
y andes recurso*.
* cnguem ficar aem contribuir para ella qual-
aatr que seja su posifio. J o diaaemos e ago-
m repetimos: turtos os donativos serio beinvindos
y. formar graudo fundo de cardade. -
Falleceram de cholera os medico* Aristidea
Gesinlea, em Martim Garca, e Nelli em S. Fer-
iando.
Segundo dadis colhidos cuidadomenta par La
Jsjjj-n, na cidado de Buenos-Ayres, na Bocea,
asa Barracas, na casa de isolamento e a burdo de
ios surtos no porto, dscam aa desda 1 da No-
vosabro at 31 de Deztasm 871 casos e 474 obi-
Ssa de cholera, ando sido em Novembro 183 e 130
aa Dei-mbro 681 e 344.
O mesmo d.ario pubeon o qnadro dempastrati-
vo da entrada na repblica datante o anno de
S6e, de 90,863 mmigrautea transportados em 466
SITIOS.
Ogoverno uruguayo decreten a disao'ucao do
5 btnlha > de cacadores, por motiva de eonve-
ieacia publica e da escolta do presidente, por
economa.
Entre o povo reuniam-se assignaturas para urna
sepresenucio ao presidente da repblica podindo
ademolc) do quarte! do 5 batalhio, afiui da
apocar aquella vestigio de uin passado doloroso *
offereceado levantar no lagar am monumento
alegrico.
Houve mudanc radical doa chefes polticos
ssstaandantea de eorpos, a qaal era, attnbuida
aacooberta de urna couspracio dos elementos
sjajsJjsJiB. no lutuito de d-rribar o governo.
A opiniio publica spplaudio es acontecimentos
ase inuciliaaram as machinacoes t ndentes a urna
saa;o saotista.
No di 23 de Deiembrj hoave, a despeito do
atoo tempo, urna grande manifest i<\-> ao presideu-
e da repblica, o qual foi ocompanhado pelo povo
steide a casa do governo at a da saa residencia
No theatro San Felippe toi-lhe offerecido e ao3
jeac ministros um banquete.
So discurso pronunciado naquella occasiio, da-
se o general Tajes : Hei d fzer a feleidade
ala repblica : promette o aolemnesaente mais pa-
sa nao uecessario que todos me acompmh- ra na
Soref, porque de todos necessita a patria nos
omentos actuaes. >
Nos estabelecimentos pblicos estava sendo
sobstituido o retrato do geaeral Santos pelo de
Andigas.
Joaquim Santos renunciou o mandado de sena-
ato-.
Dis La Nacin, edicio de 1 do corrente mez :
Vimos hontem urna carta de Montevideo, es-
sript* por pessoas que tem motivos especiaes oa-
j saber o que diz, e cuja palavra merece-nos f,
3a anal aasegura se que o cholera, existe na Union
desde alguns dias a esta parte, oceultando a au-
Cnridade a realiiade, por motivos que actialmen-
3b se adivinbam.
Aecreseente a carta que as pessoas que sa -
iea do que occorre. e principalmente os medicas,
nademnain severamente o procedimento da auto
dade que expoeo povo a graves perigos, irope-
sand* que se tomem as necessarias medidas de
psjssjajajlo,
Somos da mesma opiniio.
Bio de Janeiro
Datas at 25 de Janeiro e telegraphicas at
98;
O vereador da corte Dr. Jos Ferreira Nobre
srigio ao Sr. ministro do imperio a seguinte con-
sorte :
SenhorO vareador Jos Ferreira Nobre ten-
io duvi la sobre a maneira de eumprir o accor-.
o do tribunal da relaco, que annullou a apuia-
ao do 2 escrutinio da clei^ao municipal da cor-
le, duvida essa em que tambem esta o outros ve-
ncedores, consulta :
1.* Si o accordio annullou os diplomas dos ve-
,-eadoree eleitos em 2 escrutinio, oa se o processo
Se ama nova apuraeio nao attinge todos aquelles
vejeaderes.
2.* Si a cmara cleita, no caso de resposta af-
rsaativa i primeira consulta, deve ou nao con-
Tsetr a enmara transacta, para assumir a adini-
aiatracao municipal efazer nova apuraei).
O Sr. ministro do imperio remettea a consulta
i I* directora para informar.
L-se no Jornal do Commerdo :
Por intermedio de seu agente Angelo Fiorita,
t aotorisado o Sr. Cornelio de Soasa Lima, para
atroduzr des familias da agricultores italianos na
fosen la Corrego dos ludios, da qual proprietsrie
as> BBnnioipio de Santa Mara Magdalena, da pro-
aeia do Rio de Janeiro, tomando a si o governo
jasperial pagar integralmente o preco da passagem
sbbs sesmas familias, depois de se acbarem esta
Mecidas, cira cu sem contrato de -locayao de
srrvicas, na referida fasenda.
QEste auxilio prestado lavoura valiosisaimo,
jobrecirregaado-se o Estado eo.n forte onus para
iabilital-a prompta organisacao do trabalhli li-
TTf. Cumpra que pela saa parte os proprietarios
da aetabelecimentos agrcolas ponham t-jdo o es-
sero em fazer vingsr o previdente intuito dos po-
deres pblicos, offerecendo aoa colonos cendices
aeritaveii, e dispensando lbe o tratameuto qac
Jks devido. Maia valer este singelo program-
an do que o rgimen de contratos inexequiveis.
Foram publicados no Di-xrio e Jornal de No-
ios. oa se*uintes telegrammas :
. RIO, 27 de Janeiro.
Parti hontem para a provincia de Minas o
-acaeelbeiro Joaquim Delpbino, ministro da juati-
ga, (cando interinamente com esta pasta o Bario
lie Cotegipe.-
RIO, 28 fia 2 horas da tarde.
O ministro do imperio acaba de autorisar o
rdito extraordinario pedido pela presidencia da
Babia para oecorrer s despezas com o saneamen-
3a da capital.
Pedio exoneracio o commandante da escola
sikssr da corts.
T'.'in-se dado aqu alguna casos fataes de fe-
jb* amarella.
RIO DE JANEIRO, 27 de Janeiro.
Sa i aterradoras as noticias chegadis de Co-
bo.
All acaba de fallecer do cholera o juiz mani-
eras:) e o promotor publico.
As autoridades locaes teem tomado enrgicas
previdencias com o fim de debellar to terrivel
jaiasigo.
Ha dias que as ras da cid de estao desertas
i as casas fuchadas.
a Consta que o cholera j invadi a povoacio
o Ladario.
RIO, 28 de Janeiro.
Foi eleito em 2o escrutinio na eleicZo mnnici-
aal r Sr. Sizenando Nabuco, por 757 votos.
O Sr. Wilkeus de Mattos absteve-se.
ama
Datas at 30 de Janeiro.
L'in .'S na Gazeta de 29 :
S. Exc. Rvmu. o Sr. D. Luis, nosso virtuoso
aseebiapo, tendo reaolvido passar alguns dias na
* sidade do Bomfim (Villa Nova da Rainhs) em
basca de allivio a seas padecimentes. parti da
Pojaca, onde se achava, no dia 21 do corrente,
bagando a Alagoinbas acompanbado por S. Exc.
o S. eonsclheiro Saraiva e outros Ilustres cava-
Aeiros.
a No dia 22 seguirain em trem especial do pro-
Joogameoto para Queimadas, d'onde contiuuariam
m viagem ern trem la empresa constructora.
Lemos na mesma folba de 27:
Aute hontem durante a noite fugio d'este por-
to a escuna allema Hermana, a qual ao sabir da
baim tjmou a bandeira ingleza.
A tripolacio obrigou o respectivo mostr a
-vastar para o ancoradouro, o que effectuou-se hon-
Ssss.
Lemos no Diario de Noticia de 2i :
Nao ha muito dias que dando noticia dos
naves conflictos que se deram na povoajio de S.
Xiago do Iguape, provocados pela falta de paga
sssntn aos iornaleiros do engeuho central, que all
srristr. conflictos- de que resaltou a morte de Por-
firio Jos, empregado do mesmo engeuho, e que
brbaramente foi assasainado na preseoca de cen-
es de pessoas, e a vista do proprio subdelegado,
aeas que nenhum dos espectadores d'esse tremendo
ame dsse um paseo para a captura do assassino;
aio ba muitos dias dissemos, que cbamamoe a se-
ria attencao das autoridades da capital para o es-
tado de barbaria em que se acha aquella povoa-
osio, onde os actos criminosos se vio succedendo
a* xasio directa do abandono a que se deixam en-
tragues as vidas e os haveres das pessoas pacificas
aae alli fixaram residencia, e j nm outro crime
de aio menor importancia e praticado com igual,
ira i maior desavsombro, chegou ao nosso conhe-
.- A's 4 horas da tarde de sabbado ultimo, esta-
v em sua casa Sabino Estoves, foguista do enge-
aao central, homem bemqasto pelo sea honesto
socader e neveras estimado por todos os opera-,
nos) do mesmo engenbo, que viam n'elle nm dos
asas) smais activos e inteligentes companbeiros,
-aan-^'" alli entran nm tai Joio Antonio, deaordei-
ro de profissao, e cajo genis irascivel j4 por vezes
fra cansa de graviaaimas rixas.
Sem dizer palavra, cautelosamente como o la-
drio que a deshoras assalta o lar alucio, Jlo An-
tonio acercou -se de Sabino e traicoeiramente,
aproveitando um leve movimento que este fisera
voitaodo se, cravou lhe ao corocio urna faca de
pouta, de que lhe resultou morte quaai que ins-
tantaneamente-
Commettido o crime tratou o assassino de se
evadir, o que reoliscn sem o menor estorvo, nao se
aoaendo at boatem ande parava o autor da tSo
cararde quantu hoi rendo atieutado.
A papulaeio consternada e atterrada data
aquella doagraca e do desamparo em qieeaofl,
perunta*os que males anda lhe estario isami-
neotea, e igual perguata fasemos nos s autorida-
des snperiorea da provincia.
Lomos aa m<-araa> follm de 25 :
Naruadogenipspairi, asate-aasstBayparaolCa
de 8 horas da noite, urna inflrx fine* derramou
sobre a roupa que trazia vestida grande quantida-
de de kerosene, lancando-lhe em seguida fogo.
Acs gritos de eoccorro da vicsaiaaccuairam
duas pessoas, que com ella moravam, conseguindo
abafar o incendio, em que ficaram tambem quei-
Foram chamados os Srs. Drs. Silvio Pellico
Porte'la e Alfredo de Mello c Mattos, que promp-
ta mente prestar a m aos ofifeudidos os soccorros m-
dicos.
A infeli alienada, cujas queimaluras foram
pelos facultativo* consideradas graves, veio a tal-
lecer na madrugada de hontem, no meio das maia
lancinantes dores.
__ Leos mais na citada folha de '29 :
Sabe se par telegrama que naufragon ao
entrar na barra do Rio Granie do Sal, o patacho
poitugnez Tupinamb qae d'aqui sa'nira para
aquelle porto com carregamento de sal, embarcado
pelo Sr. Antonio d Araujo Porto.
Navio e carga estavam segaros.
Consta por telegramma que tem havido gra
ves conflictos na povoacao do Salobro.
No intuito de restabeiecr a tranquillidade
publica, o Sr. Dr. chefa de polica officiou aodev-
legado de Cannavieiras racommaodaudo lhe se-
guase para alli com a forca deque dspoaesse. j
< No lugar denominado Cox do Pega, na fre-
guezia do Campestre, foi hi diis assaltada a casa
de Juliio Francisco de Oliveira por um grupo de
individuas capitaneados por Fabricio Jos de
Oliveira. *
Travou se renhida luta, na qual morrfram
Jos Joio, Pedro d tal e Porfirio J. de Oliveira,
cando ferilas gravemente diversas pessoas, in-
clusive a mulher de Juliio.
Inteirado destes tactos, por communicaefia da
delegacia dos Leuces, o Sr. Dr. chete de polica
ordenou essa autoridad* que procedease s- ne
ceasarias diligencias afim de que nao Gquem impn
nes os autores de tao grave attentado.
HfciiSTA DIARIA
Ubi mu feraesAndam mal cuui^ndos os
deveres da repxrticao que tem a seu cargo as obras
geraes d'esta cidale.
Os caes das ras da Aurora e Capibaribe, esa
diversos poptoa, teem iiffrouxado e abatido, apre-
sentando rachas e depreseoes.
Por que nio se trata de reparal-o j qaante an-
tes ? Esperar-se ha por ventura que o damno se-
ja completo?
Tal espeta, se existe, traz prejaizo aos cofres
pblicos, sem contar que as depreaaoes, estendeu-
Jo-se ao pavimento das ras, prejndicam e tran-
sito.
Um pouco mais de cuidado nao ficaria mal i. in-
dicada reparticao.
EeHos ama quadrilha para pianno, composic&o do mallo-
grado maestro FranciscjjLibanio Colas, agora im-
pressa Dlos Srs. liento de Aguiar, e Joio Men-
donca,proprietarios da edico.
Encontra se na ra Duque de Caxias na. 62, 81
e 83.
Perlanetato leveTrujano Constantino de
Souza, ex-praca da linha, viudo ltimamente do
Curato, de Bom-Jardim, foi hontem ao palacio pre-
sidencial para pedir ama esmola ao Exoa. Sr. Dr.
Pedro Vicente, e como lhe dissessem qae S. Exc,
nao poda fallar, quedou-se a espera no saguio do
mesmo palacio.
Alli travou conversa com a ordenanza do mesmo
presidente, a prac de cavallaras Lourenco Xavier
Tavares, e dizeudo-lhe at que elle pareca deser-
tor, o mesmo Trujano descarregou-lbe de impro-
viso duas cacetadaa, tazando em Tavares dona e-
rimentos, um no alto da cabera e outro no pavi-
lbio do ouvido direito.
O offendido fui vistoriade pelos Drs. Bclcuior da
Gama Lobo e Jos Joaqun de Souza que decla-
raram leves os ferimentos.
O crimidoso, preso em flagrante, toi recolhido
Casa de Detencio.
Elle trazia maos intuitos, pois, antes do Crime,
declarcu que nio trepidara em praticar qnalquer
um, contanto que fosse para a cadeia viver do pao
do governo, e certo que, alem do cacte que lhe
foi tomado, eucontrou-ae-lbe n'um saco urna faca
de ponta, e na algibeira da calca urna navalha.
I'ntritlJio de asxuc.ir e ulKOdio
Vieram por mar e trra para o mercado do Rccife
no mez de Janeiio :
Assucar
De 1887 274.045 saceos.
. 1886 192.800
, 1885 300.530
. 1884 364.2*8
, 1883 214.832 *
Algodo
De 1887 31.287 saccis.
. 1886 15.549
, 1885 19.126
, 1884 14.743
. 1883 18.519 .
Falta d'asruaHontem, durauie grande
parto do dia, estiveram seceos os chatarizes da ci-
dado e a populacio aem agua. A p..uca que
appareceu chegou ser vendida 500 ria o ca-
neco. Nio a primeira vez.
Nio justo que tas tactos so repro Juzain f e
para o caso chamamos a attenco do fiscal da
Companhia o Beberibe.
Caes da ra da Aurora A Cmara
Municipal de Recite deve ordenar ao seu fiscal da
Boa-Vista qae obste a que n-> caes da ra da
Aurora permaneca! por muitos dias os ni .termes
de construccio que alli costumam ser descarrega-
dos das candas.
Vive obstruido aquelle caes e o transito preju-
dicado. No entonto, ha postura que veda seme-
Ihante aboso. E' preciso fazer eumprir essa pos-
tura.
Club Commercial EuterpeHoje, es-
te club d o seu sarao dansante do corrente mez.
jurrmaEscrevem-nos d'este povoado, no
10 do corrente, dizendo que sao lesas as esperan-
cas de invern e de prosperidade. Chuven alli
no mez rindo algumas vezes, sendo que 30, pelas
4 horas da tarde, cahio nm grande aguaceiro no
povoado e arredores, causando isso immenso jubi-
lo, pois as aguas j iam escasseiando at pora o
alimento-da populacio.
rosa boas as condicoes sanitarias do povoado.
Feaia em AplpneeaHoje, s 7 horas
da noite, ser basteada a baadeira da Senhora
das Dores, padroeira d'essa localidade, sendo a
testa celebrada no da 13 do crrente. A bandei-
ra sahir da casa da juisa para a igreja, aeom-
panhada por nm crescido numero de senhoras, ao
som da msica do corpo de polica, queimando-se
depois nm lindo fogo de artificio.
No dia inmediato (domingo principiar o septe-
nario, cujoa cnticos serio entoados por distinctas
senhoras que por devocio Excelsa Virgetn, a s-
to de boa vontade se prestam, havendo fogo de ar-
tificio em todas as noitas e tocando em todos os
actos a referida msica marcial.
Valleclutento Falleceu hontem de urna
bronco pneumona, o subdito portugus Antonio
Pedro de Souza Soares, ha anuos estabelecido
n'esta cdade na rna do Bario da Victoria, com
foja de machinas de costura e outros artigos.
Era nm homem estimado e dotado de aprecia-
veis qualidades.
Tmba cerca de 40 anuos de idade e deixou vin-
va e quatrojfilhos.
O sen cadver foi hontem mesmo tarde sepul-
tado no cemiteno publico.
Jarltbo Ante-hontem, s 9 horas da noite,
na estrada de Joio de Barros, districto policial de
Belm, diversos individuos, que alli se juntam na
caverna de nm tal eco, travaram conflicto com
os transentes, resultando sahirem alguns tari-
dos.
Quando appareceu alli a polica local, j os
desordeiros tmham desapparecido.
E', entretanto, conveniente que cessem aquel-
le ajuntamnt*s, pois nio a primeira toi que
alli ao dio desorden, provocadas posos toes do
grapa.
jlleanl-en oelaeaHa amanhi as segota-
tes :
Da Recreativa Juventnde, s 7 horas da noite,
em sessio magna commemorativa do anniversario
da biblotheea.
Do Gabinete Portuguez de leiturs, s 11 horas,
em assembla geral, para leitura do parecer da
commissio de contas, diecusaio do rotatorio da
directora e eleicio da nova directora, conselho
de administracio do corrate anno.
Da Irmandade de Nossa Senhora da Luz, s 8
horas, u i respectivo consistorio do Carino, para
eleicio da nava mesa regedora.
Olreeaoroa el obras de conserva.
cao okatM sjsartoaBoletim meteorolgico di
da 3 oV Feveretro de 1887 :
lo 8
ora 1 5"3 ti O V i3 3 Barosnatro a Oo Teaoio do vacar 1 1
c^ m
6 m. 22*3 75799 17.57 87
9 284 759K)2 19.40 67
12 . 300-6 759-06 21.02 64
3 t. 3u3 757-70 20.66 63
6 291 757>97 19.25 66
Temperatura mxima32*0.
Dita mnima22*,3.
Evaporacio em 24 horas ao sol; 6"! 2 : som-
bra: 3,2. '
Chavanalla.
Dinccio do vento : NE de mea noite s 2 horas
damanbi; nullo at 6 horas da manhi ; ENE
at s 8 horas e 55 mi autos ; E 10 horas o 5
minutos ; ESE at I hora e 5 minutos da tarde ;
variavel entre E, ESE e SE at meia noite.
Veloeidade media do vento : 1-59 por segundo.
Nrbuiosidade media: 0.52.
m. Jone da Corda-erandeEscrevem-
nos em 29 de Janeiro findo:
D'aqui aeguiram hoje paia essa cidade os
missionanos capuchinhos trei Faustino e frei Ce-
lestino, depois de nma demora de 27 dias, durante
os quaes pregaram a palavra divina, e praticaram
todos oa demais actos religiosos de toes mi3-
sdes.
Foi extraordinaria a afluencia de ouvintes da
palavra inspirada dos zeloaoa miasionarios. Xjs
dous dias em que houve procisaio, pode-se calcular
de a-te oitc mil p3aoas a concurrencia, e no ul-
timo dia da missio, em que tiveram lugar aa hen-
eaos, nio ha exagero em calcular a concurrencia
em 10000 pessoas.
No decurso das misses houve mais de 2,000
comrnunhSes, e effectuaram-se 396 casamentos,
sendo qu-; destes apenas 4 ou 5 nio foram de aman-
cebados. Vieram nubeutes de Palmares, Agua-
Preta, Rio Formoso, Jacuhype, Porto Calvo, e at
da freguezia da Escada.
Fizeram os missionarios 158 b iptisados, e 03
parocbos de Barreiros e S. Rento angmentaram
esse numero.
Os mizsionaros trabalhavam diariamente des-
de 9 horaa da uanbi at 4 horas da tarde.
> Durante o praso das inissoes, e nao obstante
o enorme ajuntamento de povo no pateo da igr. ja,
nao se deu o menor disturbio, nem sequer urna
troca spera de palavras. Todos attentos e silen-
ciosos, ouviam a palavra divinamente inspirada de
fre Celestino, verdadeiro apostlo de Chrsto, que,
exprooanJo es vicios, commovia os caraces e cu
siuava o-caminbo da virtude.
i A capella acha-se j encaibrada, devida em
parte aos esforc,s do professor Carlos Dias, que
tem administrado obra. Alm dessa trela, toinou
elle seu cargo a escriturario dos proclamas de
casamento e peticoes de dispensa, tendo maia o
encargo de cuidar do tratamanto dos padres mis-
sionanos, no que foi solcito.
O povo destes lugares ficou satafetissimo com
os resaltados das misacea, e bemdiz dos dignos
misaonarios, para as quaes pede Deus longos
dias de vida em beneficio da humanidade.
liarauliuiiEscrcve o nosso corresponden-
te em 31 do passado :
Victima de soffrimootos do corceo, falleceu
nesta cidade no dia 20 do crrante, Luis de Olin-
da Reg Barros, sub-empreiteiro de um trecho das
obi as do prolongamento na 3* seccao.
O finado, que era anda muto mot,o, gosava
entre os seus companh irjs de trabalho de muita
considerafio.
Ao seu enterro compareceram muitaa pessoas,
tocando a msica desta cidade urna marcha fne-
bre na occaaiio em que o cadver desceu a se-
pultura.
No dia 26, stimo do seu fallecimento, resou-
se urna missa pelo descaaco eterno do finajH^ seti-
do o lber ame cantada pela orebestra.
Paz sua alma.
> Tambem nesta cidade, falleceu no dia 27 do
corrate, Telesphoro Marques da Silva Jnior,
victima de padecmentos do figado, quo o obriga-
ram a vir no clicua desta cidade procurar lenitivo
para os seus sofl'rimenlos, onde eucontrou o tmu-
lo longe da familia e dos amigos, ,
< Ao Sr. Dr. Olympio Marques da 'ilva, irmio
do finado, apresentamos nossas condolencias.
Temos tido chuvas abundantsimas.
No dia 29 foram ellas aqu com urna impe-
tuosidade tal que causn um eerto pavor, pois pro-
longou-se por mais de trez horas, causando al-
guns estragos no acude publico e reservatorio das
aguas que abastecer esta cidade, os quaes arrom-
biram.
Segundo noticias que acabamos de receber,
as chuvas banharam urna circumferencia de 80
leguas.
Na Provincia de 25 do corrente, reappareceu
o collega desta cidade, ora fizendo rect;ficacdes,
ora calando em novas quedas, a qae, provave-
raente, o obrigaram os v4os ardentes de sua ima-
ginaca> romanesca !
Ainla desta vez o Ilustre collega foi infe-
liz, e infeliz duplamente, porque, tentando provar
o que diese em saa primeira carta, nio o conse
gaio, e, escrevendo a respeito de novoa factos fez
anda, graves injusticas par de novas aleivosias
de que est recheiada 8 sua carta de 18 do an-
dante.
Parece que o collega nio falla serio quando
affirma que urna terrivel devassa abrio-se nesta
cidade para descobrir-se qual o afronto autor da
missiva da Provincia
Parece qne o collega nio condece o adagio
que diz que pelo dedo se conhece o gigante.
Pois saioa que logo que appareceu a celebr-
rima missiva o seu autor toi logo apontado por to-
dos, e as censuras dirigidas ao collega nio se fi-
zeram esperar por gregos e trvanos, segando pro-
va a publicarlo feta no Diario de 21 pelo Dr.
Lvdio Maranno, apezar de affirmar o missivista
qne o Ilustre representante da Justica publica
nio encontrara nenhum imparcial e de sentimien-
tos nobres que se prestasse a desmentir em car-
tas o qne o collega havia narrado.
E' urna invardade e aqu ninguem onsar af-
firmar, que o Dr. Fiel Grangeiro dissesse a Ro-
cha que procurasse meios de evadir-se, pois no
jury, jamis serta aosolvido.
Se isto realmente se passasse, seria tio inti-
mamente qne, por certo, nio ebegaria ao conheci-
mento do publico.
Mas parece-nos que o missivista da Provin-
cta o que qtier declamar, e senio, vejamos.
Dis elle que nio tendo comparecido no dia 7
nm vereador, victima de nma atroz persegnicio
-poltica, deixou de rennir-se em fessio a ca
mar etc.
< No dia 7 nio so reunio-se a cmara, como
tambem foi empossada a nova, realiaando-se a
eleicio do presidente e vice-presidonte, nomeacio
de commissoes, demissio do fiscal etc.
Que diz o collega ?
Proclamas de casamento-Ma matriz
de Afogados foram lidos no dia 2 do corrente os
seguintes:
Bartholomeu Aurio de Medeiros com Hermelinda
da Silva Medeiros.
Firmino Jeio Flix com Francisca Mara da
Cooceicio.
Balbino Baptista da Silva com Isabel Francisca
do Rosario.
Jos Francisco Machado com Mara Rodrigues
da Conceicio.
A forca da imprenta-A imprensa na
Russia est sujeita ao rgimen de censura.
Ca jornaes prestam urna flanea, e, se publicam
artigos qne nio agradam s altas regios polticas,
dirge-se-lbes nma censura, qne sio obrigadot a
inserir no topo da pagina.
A' terceira censura fica o jornal supprimido.
Pela falta de publioscio das censuras no jornal
o proprietaro fica obrigado a pagar 25 rublos dia-
rios pela primeira, e 100 rublos tambem diarios
pola segunda, at publicabas desta; caso o nio
faca, fica o jornal supprimido.
Os jornaes qae nio prestam flanea sio submet-
tidos censura previa.
caso de ser vencido um ministro por um jorna-
lieta.
Em 1864 o Sr. Katkoff atacou violentamente no
sen jornal, a GomU t de Moscow, o ministro do
interior Sr. Valnieff, e este dirigiu-lhe ama cen-
sara, que nio foi publicada.
Pagou Kalkoff a multa e esperou.
Quioze dias depois recebeu nova censura, que
que tambem nio publican; mas, em coujpensacio,
apparecia a seguiute nota :
O ministro do interior envion-nos, ha quinze
dias, nma censura, que nao publicamos.
< Hoje dirige-nos nma outra, que tambem nao
publicamos, preferindo pagar ao thesonro aem ru-
blos diarios a publicar no nosso jornal a snja prosa
do Sr. Valnieff. .
Grande oensacao em Moscow: promoveram-se
subscripcoes, e todos os diss oa agentes do fisco
iam abrir a iODortaneia da-snoita.
ONac. Valnieff ficou furiaaae taaadoaaupprisaar o
jornal.
Note-se que tudo isto aconteceu durante a va -
gem do imperador Crimea.
No seu regresso, o czar damorou-se em Moscow
e mandou chamar o Sr. Katkoff, a quem pergnn-
tou a razio por que oio recebia o sen jornal.
A rase to de Mateom fui supprimida, meu
senbor.
E por quem ?
Pelo ministro do interior, responden Katkoff,
qne referi ao Czar o que se tiuha paseado.
Vae immediatamente fazer reapparecer o teu
jornal, dase o Czar, declarando qu; torna a appa-
reer por ordem do imperador, e que de hoje em
diante serci eu o teu sensor.
A Gatetla de M scoie reappareca no dia imme
diato, e dois das depois o Sr. Velnicft deixava de
ser ministro do interior.
J'iiux da corsa francesaA le rulativa
allienacio de urna parte das joias da cora
precreve que os diamantes, pedradas e joias que
faziim parte da colleccao dos chamados diamantes
da cor i, seja vendida em basta-'publica, sendo o
produeto convertido em rendas do Estado, e os t-
tulos deposi.ados ua caxa dos depsitos e con
signacooa.
Sio conservados os seguintes oojectos :Como
obras d'arte, ou com carcter histrico: a espada
militar ; o broche relicario, o Regente, o relogio
do dey d'Alger; o arando rub (cbimera); dragao
perolae esmalte ; o tequeno elephante da Dina-
marca, c pora o masen mineralgico : 3 diamantes
(breolcttes), 3 rubia, 12 amethistas, 20 opalaa, 13
pcrolas, 1 lote de pequeas perolas, 2 lotes de tur-
quesas, 1 de esmeraldas, 1 de topasios de cor de
rosa, 1 de peroles, 1 de pedras verdes, 1 diamante
(retracto), 1 pala (specimen), 1 lote derubis,esme-
raldas, sa,>hiras, c diamantes para a eseoia das
minas.
Foram destinados a serrn fundidos : a cora im-
perial, a espada do Oelphim, e a espada d; Luiz
XVUL
Cello*!Effectuar-se-ho:
Qoje :
Pelo agente Brito, s 10 1/2 horas, na ra de Pe
dro Alfonso u. 43, de fazeudas, miudezas, mobiiaa
e outros artigos.
Tcrca-feira :
Pcio agente Pinto, s 11 horas, no largo do
Corpo Santo u. 19, de movis e outros artigos de
eseriptario
UittaN fuuebrea. Serio celebradas:
Hoje :
A's 7 horas, no Espirito-Santo, pela alma de
Manoel Duarte de Pigueiredo; s 7 horas, ni Ma-
dre de Deus, pela alma de Ricardo Cordeiro de
Miranda; s 7 iioraa, em S. Francisco, pela alma
de D. afasia Leopoldina Gozen de Nogueira ; s
7 1/2 horas, no Carpo Santo, por alma de Manoel
da Silva Costa Campos ; s 8 horas, no convento
do Carino, por alma de D. Mara Eugenia Vieira
(Ja vadeante ; s 8 horas, na matriz da Boa-Viata,
por alma de D. Candida Mara Gomes de Carva-
Iho.
Segunda-feira :
A's 8 horas, na capella do Hospital Portuguez,
pela alma do Antonio Correia de Vasconcellos;
s 7 1/2, ea Santa Rita, pela alma de Vctor Ole-
gario de Sousa Gonveia.
Tcrca-feira :
A's 7 horas, im S. Francisco, por alma de Ma-
nee! Calalo de Sousa ; s 7 1(2 horas, na ordem
terceira de S. Francisco, por alma de Manoel An-
tonio Santiago Lessa; s 8 horas, no Corpo San-
to, por alma de D. Mara A. Ferreira de Brito
Houorio.
PaaasjgelraoChegados da Europa no va-
por franejz Henegal :
Alfredo A. Fernandos e sua senhora, Manoel
Antonio Feraandes, Albino da Costa Ramos, Ma-
noel Martnez, Antonio Joaquim Goncalves Fra-
ga, Via senhora, 2 filboe e 1 sobrinba, Jos Fer-
nandes da Silva, Jos Miguel, Antonio Aceledo,
Flix Gomes, Modesto Rodrigues, Antonio Affon-
so, Agostinho Soares, Panlino Alonso.
Sabidos para o sul no mesmo vapor :
Luis Alves Mouteiro, Miguel Seixas, Alexandre
Coteco, Fruto Penadas.
Chogados doa portos do sul no vapor nacio-
nal Aymor:
Mareilo Chaves Barcellos, Joio de Oliveira
Ramos, Manoel Francisco da Silva.
Sahidoa para os portos do sul no vapor na-
cional Baha ':
Major A. F. da Costa e 1 criado, Firmino. C.
de Araujo, saa senhors, sua mii, 3 filhos e 1 cria-
da, Salastiano Correia de Araujo, A. Jos de Oli-
veira, Augusto Silva, Horacio Silva, Magdalena
Mara dos Praseres e 1 filho, Benedicto Joaquim,
Epiphanio Fernandes da Costa, Daro de Almeida,
Antonio Joaquim de Sant'Anna, Marco Svanon-
chg, Mara Domingos da Silva, Firmiana das
Dores, capito tenente Henrique Pinheiro Gue-
dea, cadete Epaminondas B. Vasconcellos Mon-
teiro, Dr. Francisco Borges de Barros, Joaquim
Jos Alves Guimaraes, Arthur B. Dallas, Eduar-
do Leonel, Luiz Augusto de Castro Vasconcellos.
Jos A. de Oliveira, George Wilson, Jos Lniz
da Franca Pinto, Conrad Wachsmann, Amelio R.
da Silva Araujo, Mara Isaas dos Santos, Carlos
G. Rodolpho.
oopltal PortugusO movimento das
enfermaras deste hospital na semana fiada foi o
seguinte :
Kxistiam em tratamento...... 19
Entrn.................... 1
Sahiram coradas..............
Ficam em tratamento........
20
5
15
20
Entrou de semana o Sr. mordomo commendador
Manoel Jos Machado.
Cata de DtencaoMovimento dos pre-
sos do da 3 de Fevereiro :
Esiatiam presos 363, entraran) 10, sahiram 16.
Existem 35?.
A saber :
Nacioaaes 323, mnlheres 10, estrsngeiros 13, ee-
ravos sentenciados 5, processado 1, ditos de cor-
reccio 5Total 357.
Arracoados 323, sendo: bons 311, doentes 12,
Total 323.
Movimento da enfermara:
Teve baixa :
Francelino Maia da Hora.
Tiveram alta-;
Joio Francisco do Nascimento.
Jos Tbeodoro Carneiro da Silva.
Ijoterla do ParanResumo dos pre-
mios da 16* parte da 6* lotera do Paran ex-
irahida em 4 do corrate :
23152 300:000#000
48630 50:000*000
21860 20:0O0#0C0
14746 10:000#000
12055 5:000*000
24122 . 5:000*000
1164 2:090*000
2673 2:000*000
3007 2:000*000
22456 2:000*000
27690 2:000*000
44920 3:000*000
Lotera do irao-ParaA 9* parte les-
ta lotera ser extrahida qninta-teira, 10 de Feve-
reiro.
Blhetos venda na Casa do Ouro, roa do Ba-
rio da Victoria n. 40.
Tambem achum-se venda na Casa da For-
tuna rna Primeiro de Marco n. 23.
Grande lotera da provinciaA13 *
serie desta lotera em beneficio dos ingenuos da
Colonia Isabel, cujo premio grande 240:000*000,
ser extrahida no da .. de Fevereiro, s 4 horaa
Ja tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Reda da For
tuna rna Larga do Rosara n. 36.
Lotera de ascele) de 300iOOO*M>00
A 3a partes da 15* lotera, cujo premio
grande de 3f 0:080*, pelo novo plano, sera ex-
trahida impreterivelmeate no dia 8 de Fevereiro
ao meio da.
Bilhetes venda na Casa Folia da prtssa da la-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na roa Larga do Rosario n. 36e na Casa da For-
tuna ra Ia de Marco n. 23.
Presos resumidos.
botera da corteA 2 parte da 202* lo-
tera da corte, cojo premio grande de 100:000*
era extrahida no dia .. de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se veuda na pracs da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
botera do siloA 3* parte da lotera
n. 366, do aovo plano, do premio de 100:000*000.
cora extrahida no dia .. de Janeiro.
Os biletes acham-se venda aa praca da noe-
peadencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Casa da Fortu-
na ra 1* de Marco n. 23.
Cemlierio Publico Obtnano do dia 3
de Fevereiro:
Joio Diss Paiiio, Pernambuco, 40 annos, casa-
do, Bda-Vista ; broncbo pueurajnia.
Argent.na, Pernambuco, 7 mezes, S. Jos ;
eclampsia.
Mara, Pernambuco, 1 mez, S. Jos; rachi-
tismo.
Didimo, Pernambuco, 5 mezes, S.Jos; eclamp-
sia.
Mara Pernambuco, 4 horas; S. Jos.
Bewto Francisco dos Prazeres, Pernambuco, 40
anuos, cesado, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Gerlrudes Mara dos Prazeres, Pernambuco,
70 annos, viuva, Afogados ; dilntafo artica.
Mane el Antonio Santiago L-;ssa, Pernambuco,
68 annos, casado, Poco ; cystite.
J*cintbo H. Alves Cavalcante, Pernambuco, 48
a ii i-a. casado, Bi- Vista ; anemia.
Joaquim Policarpo de Frei tas, Pernambnco, 41
aonos, viuvo, Santo Antonio; aneurisma.
Valeria Leopoldina Y. da Silva, Pernambuco
35 annos, casada S Jos : leso do coraclo.
Fran-
o Sr.
provi-
Clraade extraordinaria lotera dasj
A laceas) Esta grande lotera, cujo premio
grande 2,000:000*u00, ser extrahida imprete-
rivelmente no da 12 de Fevereiro prximo.
Os bilhetes acham-se venda na praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
botera de Minaa-fieraeaA 4r parte
da 1* lotera desta provincia, cajo premio grande
600:000*000, ser extrahida no dia 5 do Fe-
vereiro, impreteriveimente.
Oa bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosario n. 36.
botera do Ceara A lotera desta
provincia, cajo premio grande 400:000*000 ser
extrahida no dia 10 de Feve-rero.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna rna Larga do Rosario n. 36.
Tambem acham-se venda na Casa Felis,
Pois, apesar d'am svtteaw tio severo, dea-se o praca da Independencia na 87 e 39.
Tribunal da itela;o
SESSlO ORDINARIA EM 4 DE FEVEREI-
RO DE 1887
PBESIDENCIA DO KXM. 8B. CONSELHEIKO
QUJNTUTO DB HIBAMDA
Secretario Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costnme, presentes os Srs. desem
cargadores em nume o legal, foi aberta a sessio,
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se os
seguintes
JULGAMENTOS
Habeas corpas
Pacientes
Manael Gomes da Silva e Joio Jos de Araujo.
Mandou-se ouvir o juiz de direito das execa-
coee.
Manoel Carino de Souza.Mandou-se ouvir o
Dr. chefe de polica e o Dr. juiz de direito da Vic-
toria.
Antonio Floreado Das.Mandou-se ouvir o
Dr. chefe depolicia.
Jos Francisco dos Santos.Mandou-se soltar,
unnimemente.
Recursos eleitoraes
De S. Joio Recurrente o juizo, recorrido Izi-
dro Jos Marianuo. Relator o Sr. conselheiro
Queiroz Barros.Negou-sc provimento, unni-
memente.
De TaquaretingaRecorrente Antonio
cisco de Lima, recorrido o juizo. Relator
conselheiro Queiroz Barros. Negon-se
ment, unnimemente.
De S. Joio Recorrente o juizo, recorrido
Caetano Mara Correia de Queiroz. Relator o Sr.
desembargador Buarque Lima.Negou-se provi-
mento, unnimemente.
Do ReciteRecorrente Egydip Augusto Bar-
bosa, recorrido o juizo. Relator o Sr. desembar-
gador Buarque Lima.Negou-se provimento, un-
nimemente.
Do ReciteRecorrente Joio Gregorio Goncal-
ves, recorrido o juizo. Relator o Sr. desembar-
gador Toscano Brrelo.Negou-se provimento,
unnimemente.
De S. Joio Recorrente o juizo, recorrido
Tbeodoro Roberto da Silva. Relator o Sr. des-
embargador Toscano BarreteNegou-se provi-
mento, unnimemente.
De TimbabaRecorrente o iaizo, recorrido
Joaquim Cesar Freir. Relator o Sr. desembar-
gador Pires Ferreira.Deu-se provimento para
se annullar a avaliaoio.
De TimbabaRecorrente Thomaz de Aquino
Barbosa de Souza, recorrido o juizo. Relator o Sr.
desembargador Monteiro de Andrade.Negou-se
provimento, unnimemente.
De AlagasRecorrente Antonio Hermn da
Cruz, recorrido to juiso. Relator o Sr. desem-
bargador Pires Goncalves.Negou-se provimen-
to, unnimemente.
De S. JoioRecorrente o juizo, recorrido Cae-
tano Gomes de Sonsa. Relator o Sr. desembar-
gador Alves Ribero.Negou-se provimento, un-
nimemente.
De GoyannaRecorrente Olympio Carneiro de
Vasconcellos, recorrido Antonio Roberto de Ol
veira Gitahy. Relator o Sr. desembargador Al-
vea RiberoDeu-se provimento, unnimemente.
De S. JoioRecorrente o juizo, recorrido Cle-
mentino Flix de Oliveir*. Relator o Sr desem-
bargador Tavares de Vasconcellos. Negou-se
provimento, unnimemente, e mandou-se proces-
sar o recorrido contra os votos dos Srs. deaem-
bargadores Pires Goncalves, Pires Ferreira e
Monteiro de Andrade.
De TaquaretingaRecorrente Eduardo Jos de
Mara, recorrido o juiso. Relator o Sr. desem-
bargador Tavares de Vasconcellos. Negou-se
provimento, unnimemente.
Prorogacio de inventaro
Inventariante Laurentiuo Pires de Carvalho.
Conceden-se o prazo de 6 mezes.
DISTBIBUICOES
Appeliacpes crines
Ao Sr. desem bar -ador Tavares do Vasconcellos:
Do Recite Appellante o juizo, appellado Se-
bastio Ferreira Lima.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
De Alaga NovaAppellante o juizo, appellado
Manoel Barbosa de Mara.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De S. JosAppellante promotor publico,
appellado Pedro Vieira'da Silva.
Ao Sr. desembargador Tescano Barreto :
Do BonitoAppellantes Francisco Zeferino Go-
mes e Jos Soares de Figuciredo, appellada a
justica.
Ao Sr. desembargador Delfino Cavalcante :
De CaruarAppellante Joio Joaquim de Me-
neses, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel .*
De CabrubAppellante Joviniano Martins de
Oliveira, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De Paulo Affonso Appellante Jos Belairo
Pereira Fiado, appellada a justica.
Appeacio commercial
Ao Sr. desembargador Delfino .Cavalcante :
Do Paaso de CamaragibeAppellante Antonio
Jos Rodriguej, appellado Manoel Heleno Rodri-
gues dos Santos.
Encerrou-se a sessio 1 hora da tarde.
IHDICACES OTIS
Medico
O Dr. Lobo Moscoso, de volta de saa
viagem ao Rio de Janeiro, conntia no
oxercicio de saa profissao. Consltuas das
10 s 12 horas da manhi. ^.Eapecialdades
eperac^es, parto e molestias de 8n horas e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Barreto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra l-> Barfto da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Seta de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio medico, roa do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 horas da manh s 2 da
tarde. Especializado : molestias e opera-
coes dos orgos geoito-urinarios do homem
e da mulher.
Dr. Joaqaim Loureiro raediuo e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1.'
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Monteiro.
O bacharel Virginio Marques, encarrega-
se de quest5es civis, commereiaes, crimi-
naes o orphanologicas e defeza parante o
jury d'esta e das comarcas prximas. Es-
criptorio a ra 1. de Marco 18. 1. andar.
Residenciara do Hospicio n. 83.
Drogara
Francisco Manoel da Suva & C, depo*
j.taos de todas as especialidades pharma
juricas, tintas, droga3, productos chimico
e medicamentos homceopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23. *
Drogara
Faria Sobrinko & C., droguistas por at-
tacado, ra do Mrquez de Olinda a. 41
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de cara-pina
de Francisca dos Santos Macedo, caes
de Capibaribe n. 23. N'esto grande esta-
bclecimento, o primeiro da provincia neste
genero, corapra-se e vendse raadeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como se preparam
obras de carapina por machinas e por pre-
go soru competencia Pernambueo.
PIBLIUU'OES A PEDIDO
FORlfl
f alio dos Feitos da Paseada
AUDIENCIA DE 4 DE FEVEREIRO DE 1887
joii db. vaaiTAS
ExcriwUe :Commendador Bandeira, major
Cintra e Reg Barros
Aberta a audiencia foram publicados diversos
feitos em que a Foseada autora e reos diffe-
rentes pessoas.
A magistratura naci nal
Alguns disiiuctos magistrados renniram-se nesta
capital afim de deliberaren) sobre os attentadoa,
que desde algum tempo se hio praticado contra
diverses memhros da magistratura em algumas
comarcas do Imperio.
Como cidadao, que nio indifferente aos gran-
des interesses da sua patria, nio poaao deixar de
manifestar francament" o meu pensamento sobre
este assumpto, que jolgo de elevada importancia,
nio i para u magistratura, como para a adsoi-
nistracio da justica.
O poder judicial, delegacao da naci, conforme
proclama o art. 12 da Constituicio poltica do Im-
perio, teudo os loros de soberano, anda nio con-
seguio de facto a independencia, que nos termos
do art. 179 g 12 da mesma Constituicio lhe deve
ser mantida.
Atado ao poder executivo, do qual diserica-
nariamente recebem os seus membros a inves-
tidura, comprimido pelas remoces e accessos
obrigatonos, que militas vezes se couvertem em
immerecido castigo dos magistrados, o poder ju-
dicial teria j perdido todo seu alto prestigio, se
os estmulos de honra e integridade dos seus mem-
bros nio mantivessem com o mais patritico sa-
crificio a sua Boberana raageatade I
Organiaado como se acba, estapoder antes um
ramo do poder executivo, que um poder distincto
e independeote, ameacados por esta trma os di-
reitos dos crdadaos, se nio um simples preceito,
o principio consagrado no art. 9* da Constituicio,
de que a divisio e harmona dos poderes o ele-
mento conservador destes direitof, e o mais seguro
meio de fazer effectivas as garantas que a Cons-
tituicao offerece.
Esa taes cendicet, enfraquecido e principio da
autoridada pela reforma de 1871, necessario, que
o poder judicial encontr na le toda forca para
bem desempenbar a sua elevadissima missio.
E' preciso, que este poder, a quem mais parti-
cularmente est confiada a ordem e segranos
publica e iudividual, seja bastante forte para sal-
var intacta a digoidade da le, sem a qual ne-
ahuma sociedade poder evoluir para realisacao
do seu grande fim.
Quando o poder judicial nao tem suficientes
meios de resistencia para conter as ms paixoes,
arruinam-se as suas bases e toda a organisacao
social e poltica de urna nacicnalidado tende a
abater-se, e os cidadios pacficos influenciados
pelo instinoto da propria conservacio levantam a
bandeira de urna nova reoonstruc^o poltica, que
quasi sempre a causa de graves commoepes po-
pulares.
Os attentados de que tem sido victimas alguns
magistrados em diversas comarcas do Imperio, e
especialmente as desta provincia, reclaman) dos
poderes competentes as mais enrgicas providen-
cias, nio s para a severa e efficaz punicao dos
seus autores, como para prevenir a sua reprodne-
cio.
Os crimes commettidos contra os agentes da au-
toridada publica, e principelmeute contra os jui-
zes, revelam da parte dos seus autores maicr
perversidad?, que os praticados contra simples
cidadios.
Elles produsem, alm do mal pessoal desses fnne-
eionanos, a perturbarlo da ordem publica, a
ameaca da seguran^i individual naa comarcas,
pois que, nenhum cidadao se reputar garantido,
quando as autoridades, incumbidas da repressio
dos crimes e da manutencao da ordem, nio sio in-
teiramente respeitadas.
Nio s no imperieso dever de manter a se-
guranca pessoal dos magistrados, como no pru-
dente empenho de revigorar o prestigio da autori-
dade e a magestade da Jei, urge, que se adoptem
providencias legaes, que premunam tanto quanto
possivel os magistrados de sttentados que man-
chsm a honra e a civilisacio nacionaas.
Si se procedesse a um minucioso inquerito sobre
taes acontecimentos, ter-se hia a prova perfeita,
de que elles em geral sao motivsdos pelo odio pro-
veniente das decisoes dos juizes, contrarias a des-
arrasoadas e injustas pretencoes.
Desgrscadamente, em geral os cidadios de mais
elevada posicao as comarcas, hor ens de pouca
instruccio e quasi milla educacio social e poltica,
sempre exagerados em sustentar grosseiros pre-
conceitos e falsos foros de directores de partido,
se nio sio os autores directos de taes attentados,
nio deixam de ter nelles criminosa cumplicidade.
Os individuos das ultimas carnadas populares, e
contra os qnaes a justica, criminal mais funeciona
constrastain, entretanto, com aquelles pelo respei-
to e obediencia s institui^oes e le, e s insof-
flados pelos poderosos, os mandSts de ald ia, tor-
nara se alguna, instrumentos de crimes tio exe-
crandos.
Os factes tem demonstrado, que a impuoidade
a conseqnenca dos delictos desta natureza, e
para isto concorre alm de outras causas, o receio
dos que sio chamados para esclarecer a justica, de
aerem por sua vez tambem justicados pelo autor
do crime, em rclacio ao qual o jury do lugar nao
tem a precisa independencia para fazer a devida
justica, se porventura elle trazido batra desse
tribunal para ser julgado.
Desalenta-se o espirito anta serqelhante consi
deraeio, mas, compre antes do tudo dizer a ver-
dade toda inteira.
Accresce, que a distincoio de crimes de aceao
particular e publica torna-se praticamente um fa-
vor sos delinquentes era muitos casos, porqnanto,
nenhum juiz ter a paciente e sant humildade de
faser em forma de queixa a narracio publica dos
ultrages de que foi victima em sua comarca, per-
ante autoridades, qne lhe sio subalternas, conser-
vando-seno exercicio eflectiv j do sen cargo.
E que justica se pode esperar rasosvelmente as
*i

.




-
'
I
y.
f
\ WlttMO
*> .i i i *



Diario d
Sabbi
5 de Fe
H"B
Hrior do imperto, quando o crimi-
q actneui poderosa netia residente e
iini das autoridades jadicisrias ?
Para garantir a nsbre rlasse dea m igistradoa,
pBrece-me, qe o corpo legislativo deve couverter
em lei as seguint e ideas :
_ 1." (ve se eoosiderem publieei os crines prs-
ticadot ooatra a pessoa dos juieea e promotores
pblicos, aiada que nSo estejam etn acto do exer-
cicio das suas tunceoes.
2.* Que soja elevada no duplo a pr.a decre'ad*
no cdigo criminal para taea crimes, quando esses
funccionarius estiverem vm aet> do referido r-xer-
clcio.
3 Qui oestes crimes posa* ter lugar a prisas
antee da colpa firmada pela maneira prescripta
noi artisos 14 g 2 da le de 20 de Setembro de
1871 e 29 de regulamento de 22 de Navembro do
mesmo amo.
v;
k
Qae, salvo os crimes de injuria, ca'umnia,
desobediencia e ameaoas, tod'S os demais com-
mettidos contra os mesmos funcionarios sejam
considerador i laffiancaveis.
5.* Para a formacao da culpa e julgamento de
tasa crimes sejam empatantes as autoridades ju-
dioiarias e o jury da comarca mais visinha a em
que os mesmos crim'S tenham sido commettidos,
incumbindo com reterenc-ia aos crimes communs,
aos juixes municipaes o preparo do proeesso at
pronuncia, exelusive, e esta aos juises de direito
-com recurso necessari) para a relac.o do distric-
to.
_
6* Por occasio de eoohecer o tribunal da Re-
lacao do recurso da pronuncia, sendo esta confir-
mada, poder* o inestno tribunal ordenar s auto-
ridades proceatantea, que seja remettido o proees-
so, ficando copia delle no cartorio, ao jui crimi-
nal da comarca da capital da provincia em que o
crime se der, afim de ser julgado pelo jurj da
mesma capital, se verificar-si que n caso occor-
rem as circumetancias mencionadas no artigo 60
do regulamento n. 120 de 31 de Janeiro de 1842,
ficaodo revogada a attribuielo que o citado arti-
go eoufere aos chefes de polica.
7. Que os delicias contra a pessoa dos desem-
bargad n< s, juizes de direito, substitutos e pro
motores pblicos das comarcas das eapitaes de
provincia sejvn processados e julgdos pela for-
ma rstabelecida no decreto de 9 de Outubro de
1850.
A tentintlla da lei.
BJA's 'S horas da manha celebrar-se-ha
ansa missa reaada para os devotos que nao
puderem assistir festa.
A'e 11 horns cntrari a festa, presidiado
o Exm. vigario Augusto, oceupando a tri-
buna sagrada o Exm. e bem apreciado
pregador, Revm. conego Antonio Eustaquio,
o a grande orahestr cotnpoata dos melho-
res professores, dirig la pelo irraao pre-
fessor Iydio de Oliveira.
Finda a festa subir ao ar nm explendi-
do b:lao feito a capricho por nm devoto^
e grande numero da girndolas da fogua-
tes, e a msica militar ejecutar o seu re-
pertorio.
A' tarde entre oulroa divortimentos ha-
ver cavalhadas, sendo corredores os pri
roeiro3 cavalleiros conhecidos nesto diver
timento, tocando -no coroto a banda de
msica do 2a batalbao.
Aps este, entrar o acto religioso, a
lad.inha polnmae, oceupando a tribuna sa-
grada e eloquents pregador R?vm. Fr.
Augusto da Immaculada Conceicao Al-
ves,; findo a acto, com a meama solemni
dsde ser arriado o estandarte do milagro-
so Santo a conducida para a casa da nova
Bzma. juiza, dando assim por concluidos
os actos religiosos.
Era seguida queiraar-se-ha o grande
fogo de vista, composto de pegas novas,
pela prraeira vez apresentadas ao publico,
feito a capricho pelo bem conhecido artis-
ta F. I. Baptista.
O interior da igreja e larg:> estarito ele-
gantemente armados e enibandeirados.
Mediante urna esportula far se ha a dis-
tribuicao da
Amaro.
effiige do milagroso Santo
O escrivo,
M. D. da Silva
X
Crime horrendo
Descrevendo, sob a epi^raphe cima, os maus
tratos a que Buccumbio a menor Luiza, a Provin-
cia de hontem, 4 de Fevereiro, depois de ter affir-
mado que o subdelegado respectivo1 revelava de
modo revotante a m disposico de poupar os au-
tores de to brbaro crime, prosegue nos seguin-
' termos:
A proecco dispensada por essa autoridade
fao portuguez Joao Tavares oi secuniad* pelo Sr.
Dr. Souza medico da policia, o qnal chamado para
verificar a causa da mort de Luiza, ligou mnima
importancia a nm facto t5o grave, ao pinto de um
outro facultativo nao se prestar a subscrever as
declaracoes por elle feitas.
Son bem conhecido desta cidade e a coberto de
imputacoe8 que s a leviandade me pode attri-
buir.
Qoal o facto que antorisou a redaccao da Provin-
cia a declarar que secundei a proteccio dispeosa-
C da pelo subdelegado de que se trata, ao portugus
Jo2j Tavares ?
No primeiro dia do corrente mes, fui convidado
pelo subdelegado da Capunga, capito Demetrio,
para vistonar urna crianca que, segundo diria o
mesmo subdelegad, no bilhete que me dirigi,
constava ter sid) assasslnada ; pelo que, no dia 2
pelas oito horas da maoha, me dirig a Capunga, e
ah em casa de urna mu'her onde se achava o ca-
dver, proced ao ezame cadavrico tomando as
notas neceasariaa que me hablitavam a formar o
^- juizo, de que com affeito a crianza suecumbira a
Como e le
ere*ce ota-
'
.: l
^N

maus tratas.
i Voltando para casa soube que em minha ausen-
Vcia havia sido procurado por um tr. ofiicial que
Jnora da parte do Sr. Dr. chefe de polica, o qnal
informado de j ter cu partido com a f. rramenta
necessaria, se retirara declarando ir chamar outros
m.'dicos. Alm disto receb momentos depois um
recado por escripto do mesmo Sr. Dr. chefe de po-
licia em que me requisitava lhe mandasse en a
competente autopsia so que respond que me aeran-
do s qnando etaminci o cadver nao tinha por
esta causa procedido a autopsia cententando-me
com o ezsme cadavrico e entilo expuz desde logo,
. meo juizo a tal respeito, accreecentando que anda
havia tempo para a autopsia estando prompto para
fazkl-a no dia spguinte, mediante indicaco da
hora e designacao de um companbeiro.
Urna hora depois, pouco mais ou menos, recebi
communicacao do Sr. Dr. chefe de policia dizendo-
me que poda seguir para o Cemiterio onde encon
trava os outros mdicos. Segu immediutameate,
porm fui entSo informado de qne a autopsia j
tinha sido feita e ento do referido Cemiterio tato
'- mesmo communiquei ao Sr. Dr. chefe de polica.
Eis a verdade dos factos; e assim coneluindo
desafio a redaccao da Provincia para que declare
qual o medico que nSo se prestou a subecrever as
declaracdes por mim feitas. Faca a Provincia tal
declaravao pois que mato est os seos crditos de
jornal que aspira os foros de bem concetuado.
Recite, 5 de Fevereiro de 1887.
Dr. Jote Joaquim de Souza.
Negocios de Garantas
Leudo boje A Provincia de 25 do corrente, e-
. parei com urna correspondencia enviada desta ci-
dade, a qnal, alm de muitas nutras inverdadee,
contm um tpico qne, envolvendo o meu nome, e
sendo, como plenamente falso, apresso-me a vir
a impiensa declarar que nanea, em minha pre-
senta, ouvi tratar em negocios relativos priso
de Rocha, nem to pouco me consta que esteja elle
na sala livre, e sim na enzovia da eadeia, desde
qne fui preso.
Nanea ouvi dizer, igualmente por ninguem, qne
Rocha tomasse banho na sala livre por ordena do
i delegado, nem to pouco que a malher do mesmo
R:cha conversaase com elle as duas hars da ma-
drugada.
Fazendo esta declarado s tenho nm fimrea-
tabelecer a verdade, nao coosentindo qne com o
mea silencio acredite-se em factoa qne nao passam
de roer s phantasias, e que sao destituidos de todo
criterio.
QGaranhuns, 31 de Janeiro de 1887.
Qcncalo Brat doi Santo*.
Agr d cimento
g^Alezandre Santos Selva, declara so publico qne
tendo-se retirado da pharmacia denominada Terco,
de proprivdade de sen irmao o pharmacentico
Theodomiro Santos Selva, e nSo podendo calar
em ana a>asa as maneiras delicadas e atteocoes
com que sempre o tratou darsnte o tempo que foi
sea empregado, vem por este meio dar-lhe um
te&tomnnho de gratido e ofFereoer-lhe os seos di-
minutos prestimos na pharmacia Minerva.
Prftgrainma
Pa festa de Santo Amaro das Salinas
A actual meta regedora da irmnndade
de Santo Amaro das Slicas, resolvea ce-
lebrar a festa de sen padroeiro, o onla-
toso Santo Amaro, este anno, pelo modo
srguinte :
No dia 3 do corrente-, pelas 61j2 horas
da tarde, ara conduzida da casada Exma.
'za para o mastaro, acompanhada das
Esiaas. sonhoras e meninas, que se dig-
n^rem comparecer, e ao som da msica
milit r do 2o batalbao, subindo ao ar di-
v rsos b-lfJs e foguetes.
qne modo
bello
308
O nutrimento io cabello iguil asadas flores, se
obtem, principalmente pela ubsorviclo das raizes.
Se a trra se secca e as raizes das fl 'res ficam sem
a necessaria bumidale, ellas murcham e perdem
suas bellas cores ; e se o crneo onde esto plan-
tadas as raizes d'onde nascem as fibras do cabello,
se acha seceo e entorpecido, o cabello se torna as-
pero, sem lustra e as cans appareeem.
O 'Inico Oriental remedea esse mal, reaniman-
do a cutis entorpecida e inerte, excitando suave-
mente as raizes e os diminutos vaSJs do sangue, e
renovando por assim dizer, o proeesso vegetal. A
aeco reproductiva desta preparaco milagrosa,
e promptamente transforma urna cabelladura rala,
dbil e spera, em espessas, lustrosas e maclas
madeizas.
Acba-se venda em todas ns boticas e lojas de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster 4 C,
ra do Commcrcio n. 9.
A malher int-llgcnte, a que eouhece a arte dif-
ficil das raras delicadezas femninas, sabe bem
que importancia tem para a sna belleza urna cu-
tis fioa e fresca, e por isso que ella empre a
diariamente aAgua de Rananga do Japao, da
casa Rigaud 4 C, nao t para lavar o rosto, mas
tambem nos banhos parciaes e geraes, porque os
principios higinicos desta Agua dao s carnes
immensa firmeza e um pe fume delicado persis-
tente, o que nao se obtm com nenbuma outra pre-
parafao.
N. 10 Re:ommenda-se a Emulsao de
Scott aos doentes do peito, da garganta e
dos pulni5es; aos anmicos, debis e es-
crofulosos, e todos os que precisem de
um boro reconstituate.
A EmuisSo nao tem igual para reparar
as forjas dos debis e enfraquecidos.
Aviso aos professores
Era 1859, qaanlo raearsava o primeiro anno
da Facaldade, de Direito, requer e obtive lcenca
para leecionar as materias do en sin o secundario.
f)ahi l 18SS, quando recebi o grao de bacha-
rel formado om d'reio, eierci essa espinaoaa pro-
fissi e entregaei ennaalmente os mappas dos
in-iu alumnos directora da Instrncclo Publica
dessa pr ivineia. Em 1864 nao exerci mais as func-
ces d" prefanec particular porque outra vida
nSo men s espinb) eu abracara; em 18S reti-
rei-mc d? Poraambaeo para a guerra do Para-
guay, na qualMade de capellSa voluntasio ; d'a-
tli viltei pira cftt o.5rte, onde tenho residido at a
presente data. Nunca mais exerci o pr ifeasoradj
era parte aljama, excepto no impnrial collegio Pe
dro II (nesta corte) per namea.ao do Ministerio
do Imperio.
Pois b?m. Depois de 22 aunos de ausencia da
minha provincia, fui assaltado no dia 13 do cor-
rente mes por um meirinho armado de ama pre-
catoria vinda de Periambuoo a requerimento do
director da Icetrucco Publica deasa provincia, de
19 de Maroj de 1866 para pagar a mulla de 20i
em que incorrera por nce ter apruentado 03 mop-
pat dos meus alum,to> em virtude'do art. 100 da
iei n. 369 de 14 de Maio de 1855 !...
O procurador fiaeal da Tbesouraria Provincial
requereu a exeeuclo da multa de 24 de Abril des-
ae nnni; foi passada precatoria para procurar-me
(talvez em lugar ineert) e se me executar, em 5
de Maico de 1869; essa preca'.ora teve e cum-
pra-se do juiz em 9 de Julbo de 1880, e eu fai iu-
timado pelo meirinho em 13 de Janeiro de 1887
para pagar o queuao devia! I !
note-se que desde 1867 eu resido tiesta corte,
onde touho exeicido funecoes publicas e cargos
bem distinctos, que me tm tornado bastante co-
nhecido ; porm s agora foi que souberam que
ha 13 annos son vigario da freguezii mais impor-
tante, onde devia ser assaltado pela precatoria
enviada pela minha provincia....
E, para evitar novos vexames, logo no dia 14
pagnei a srguinte bagatella :
Multa imposta pela directora do Instruy-
elo Puolica de Pernambuco em 1866 20000
De castas, ao juis 3*200
dem so escrivo 44500
dem fazenda provincial 1*900
Ao ofiicial de justica 500
Sellos, no Tbesouro Nacional 1*600
Castas do cartorio 3*500
Aviso
Somma 35*200
E que tal a brincadeira ?
Como sao administradas as cousas do noaso
paiz !
Em 1865 retirei-me dessa provincia ao som das
msica?, da fognetaria, dos repiques de sino e ou-
tras mani'eitacoes publicas para prestar patria
o mais nobre servido qne podia prestar, que ?ra o
sacrificio do sangue; e em 1866 era multado por-
que nao epreeentava mappas de alumnos Mas,
que alumnos ? sa fossem os no>isos compatrio-
tas que momam em meus bracos victimas da ty-
rannia inimiga.
note-se que eu marchei com um batalhSo do
voluntarios da patria, e a minha partida foi sa-
bida de t dos ; menos o director da instrucclo pu-
blica e o procurador fiscal da fazenda provincial.
Acautelem-se os professores para qne nao ve-
uham a ser tambem victimas do art. 100 da in-
atruccio dessa provincia 22 annos depois de ter
deixado o exercicio dessa profissao.
N> ata data officiei ao Sr. director actual da in-
strncclo publica desaa provincia pedindc-!he que
mande eliminar o meu nome do quadro dos pro-
fessores, afim de nao ser novamente vexado pelo
mesmo on idntico motivo.
Rio de Janeiro, 19 de Janeiro de 1887.
Monsenhor, M. da C Honorato.
O padre Hanoelda Costa Honorato, residente
ha 22 annos fra da provincia de Pernambuco,
julga nada dever 4 pessoa atgntna.
Porm, si algaem se julgsr seu credor. aprsente
suas contas legalisadaa ao seu procurador, o Sr.
Jos Nogueira de Soaza, no praso de nm mex a
contar da presente data, afim de seren pagas pelo
mesmo sennor.
E depois dessa data no se attender mais
pessoa algnma.
Becif >, 28 de Jaueiro de 1867.
Leonor Porto
Una do imperador n 45
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
fignrinos recabidoe do Londres, Pars,
Liaboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeiclode eostura, em bre-
Ividade, modicidade em precos e fino
gosto.
Aos portnguezes
A satisfacSo com que boje vivo, pe a san id ra
esperada, faz com que venha imprensa agrade-
cer aos cos, de vir encontrar o vei'dadeiro e ni-
co remedio quecarou-me da terrival enfermidaie
que ia me consumindo ha mais de 20 annos, em
Portugal, onde fui tratado eom eemero e sempre
doente; vim pira c em procura da saude, que
rocuperei tomando os verdaderos pos anti-he-
morrhoidarios do pharmaceutico Luiz C r!u, e
que se vendeos na corte, na drogara de Silva Go-
mes & C.
A minha terrivel doenc.i era toda hcmorrhoidns
e fazenio esta publicacao, guiando os doentes para
verdadeiro remedie, creio ter cumprido um dever
da gratido a Deas pela minha saude recuperada.
Santa Rosa, 28 de Janeiro de 1886.
Jos Lopes lis te ves.
Deposito: Francisco Manon! da Silva & C,
droguistas ra Msrqnez de Olinda n. 23.
Vaizo dos Feites da Fazenda
Nacional
O Dr. Jos Manoel de Preitas, desembar-
gador honorario, official da imperial or-
dem da rosa o juiz privalivo dos feitos
da fazenda, etc. .
Faco saber aos que o presente edi'al virem, oa
d'elle noticia tiverea qne tendo sido produzida
p rante este juizo urna jadtificsjao provaodo a
usencia, em lagar nao sabido,de Nicolao Jlo
Lidstone o sua inauter, me foi pelo Dr. pruenra-
dor fiscal requerido que os fisvsae ciUr por edital
para todos os termos de ama accao commiuatoria,
na qual se Ihes pede que facam fechar daas ja-
nellas que ha 4 meses, pouco mais ou menos,
abriram na pre.de do sna casa rna do Impe-
rador n. 51 sobre um terreno fechado e om parte
coberto, annezo i casa n. 53 pertenceate i
fazeiida naeional, onde funcoionam os tribu-
naes de justica, ficando-lbes marcado o praso
de urna audiencia para ceufessarem ou contesta-
ren!, tobpena de serem is roferidas janellas fecba-
di.s sua custa e de se Ibes impor ama multa Je
200*000, por cida janella ou abortara, que, em
tranegr asi do preccito judicial, quixerem de hoje
em diante abrir sobre o mesmo terreno.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mande passar o presente, que ser afitado ao lu-
gar do custume o publicado pela impreasa, apelo
qual chamo e hbi por citados os supplicados, Ni-
colu Joao Lidstone e sua malher, prn dito fim
com a coinminacao requerida.
Dado e passido n'eata cidade do Recife, aos 4
de Feverbiro de 1887.
Dr. Coto lis
Medico, parlelro e operador
Rezidencia ra Bario da Victoria n. 15, i' andar
Consultorio ra Duque de Cazias n. 59.
D consultas das 11 horas da manna s 2 ds
Urde.
Attende para os chamados a qaalqner horc
telephone n 449.
Clialea medico clrurca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de senhoias e
criancas.
Residencia Ra da Imperutriz n.J4, segundo
sudar.
Dr. Joao Paulo
MEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de criancas, com pratica as principaes materni-
dades e hospitaes de Paiis e de Vieona d'Austra,
faz todas as operaces obsttricas e cirurgicas
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Baro da
Victoria (antiga rna Nova n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 3 horas ds tarde.
Telepbone n. 467.
RU.h. DA PRINCEZA ISABEL N. 4
Sob a diroejao do bacbarel Laurindo Car-
neiro Le&o e do prefessor A. C.
Carneiro Le.lo
Admittem-se alumnos internos, meio
interno e externos.
Methodo pratico
Os alnmnos receberlo Jurante todo o
curso. nocSes de phisica, chimi ;a, historia
natural, agricultura, anatoma, phyaiolo-
gia, hygiene, etc., desecho e msica. Na
aula primaria o numero dos professores
ser proporcional ao dos alumnos.
L se nos Jornae de Pelotas (5)
Nunca houve corqf.si 1Urna pesssa muito
cooceitaada, moradora em Bag (Rio Grande do
Sul). acbon-se gravemente doente do peito.
Foi chamado para a tratar o Ilustre Dr. Pea-
na, e mais tarde tambem o Ilustre Dr. Albano.
O doente cada vez ficava peior ; a molestia,
zembando do tratamento medico, segnia sen fu-
nesto corso.
Urna pessoa da familia, tendo confianca no
Pe toral de Cambai- descoberta do Sr. Alva-
res de S. Soares, de Pelotas, lembroa ao medico a
sua applicaclo.
Este, porm, que talvez nao conhecesse por ex-
periencia propiia os efieitos de to soberano reme-
dio, recusou-se a reeeital-o, continuando com ou-
tras applicacoes.
Vendo-se que o doente nada aproveitava e qae
a morte era inevitavel, mandn se, em seguida,
comprar nm vidro do dito peitoral no estabeleci-
mento do honrado commerciante djtsta cidade, Sr.
Domingos Dame, que sempre o tem legitimo A
venda.
O doente principiou a tomar o novo remedio e
a me horar, e no fim de algum tempo achava-se
completamente rrstabelecido.
Nunca hoave coragem de declarar ao Ilustre
medico, que a cura realizada foi devida nica-
mente ao popular remedioPeitoral de Cam-
bar, do Sr. Alvares de S. Soares.
Um Baqrense.
Pianista
zapara reunioes familiares^
v 3 Pode ser procurado a qual -
quer bora
Rna da Penha n. 3-
t andar
"elisia
Dr. Ferreira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Coegio de Nossa Senhora da
Penha
RA DA AURORA N. 19
As aulas deste instituto comecSrao a 7 de Ja-
nei ro.
II
{I
1
II
A directora,
Augusta Carneiro.
Silyeira
\YOGVttO
38-Roa do Imperador-38
l'rimcior andar
Advocacia
O bacbarel Jos Vicente Meira de Vasconcellos
continua no exercicio de sua profissao de advoga-
do e tem sea escriptorio na Praca de Pedro II (oa-
tr'ora Pateo do Collegio' n. 6, Io andar, onde pode
ser encontrado das 10 horas da manha s 3 e meia
horas da tarde.
Pora destas horas pode ser procurado na casa de
sua residencia no Parnamerim.
Telephone (no escriptorio) n. 356.
O director dtste cjllegio declara aos pas de
seas alumnos e ao publico em (feral, que mudou o
seu collegio para a ra do Hospicio n. 3, cujo
predio offerece bastantes commodos e condicoes
brgienicas ; outrosm, que recebe alumnos inter-
nos, 8'mi-internos c externos, e as aulas coinc;a-
ro a funecionar a 7 de Janeiro de 1887.
O ai rector,
Ovidio Al ves Manaya.
Dr. Cupira Lis
MEDICO
Tem o seu escriptorio ra Duque de Caxias
n. 74, das 12 s 2 horas da tarde, e desta hora
em diante "em sua resideucia ra da Santa
Cruz n. 10.
Especialidadesmolestias de senhoras e crian -
jas.Tolephone n. 326.
EDITAES

MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
crianzas, dos orgios respiratorio
senhoras.
Preata-se a qualquer chamado par
or da capital.
AVIVO
1\
Fiqdo o acto da bandeira, em seguid:
e.trara o ruto na igreja o triduo, que ter
lugar todas as noites s 7 horas, acompa-
nhado pela grande ^irchestra dirigida pelo
irm3o e talentoso professor Lydio,de 01-
veira, tocando todas as noites .a mesma
msica militar.
Domingo 6, ao romper da aarora, asna
alva real annua^iari aos devotos do mi-
lagroso santo, o dia da sua festa.
Emulsao de Lanman
& Kmp
A EmuisSo de oleo de figado de baca-
Iho com os hipophosphitos de cal, soda e
potassa, preparada pela acreditada essa
de Lanman & Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, e a mais efficjaz e
egridavel que l pgora se tem offerecido
ao publico.
' um regnerador poderoso das consti-
tuiyoes debis e um remedio corto para
t idas as affeccSes do peito, da garganta e
dos pulmSea.
Use se t a Emulsao de Lanman d
Kemp nlo confandindo-a com as outras.
Vende-so em todas as drogaras a pbar-
macias.
I
Todos fe chamadas devem ser dngi
dos A pharmacia do Dr. Sabino, & roa do
Banlo da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia.
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 annot
de escrupulosa observacSo, reabre eonsaltorio nes-
ta cidade, rea do Bom Jess (antiga da Crus
n. 23, 1." andar.
Horas de consultas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demaia horas da noite ser encontrado n<
sitio travessa dos letnedios n. 7, primeiro por
tao esquerda, alm I." ponao do Dr. Cosme.
se

Oculista
Dr. Barreta Sampaio. medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no 1." andar da casa
n 51 ra do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias mineados.
Residencia ra Sete de Setembro n.
34. Eatrads pela ra da Saudade n. 25.
II
ODr. Thomaz Garete Parcnhos Montenegro,
commendadorda Imperial Ordem da Rosa
juiz de direito especial do commercio desta
cidade do Recife, capital da provincia de
Pernambuco, por Sui Magestade Impe-
rial e Constitucional, o Sr. D. Pedro II,
a quera Deus guarde, etc.
Fax saber aos que o presente edital viren ou
delle noticia tiverem.que por parte de Isidoro Bas-
tos de Oliveira me foi dirigida a peticao que de
modo, maneira e theor seguate :
Illm. e Exrn. Sr. Dr. juiz de direito especial do
commercio.Isidoro Bastos de Oliveir, sendo
creder de Henrique Lina de Albuquerque Laran-
geira pela quantia de 1:500000, importancia da
letra junta de seu acceite vencida em 30 de Janei-
ro de 1882, quer protestar contra a prescripcao da
referida letra, pelo que requer a V. Exc. digne-se
mandar reduxir a termo o seu protesto e intimal-
o ao dito devbdor por carta de editos, visto achar-
as o mesmo em logar incerto e nao sabido o, que
o supplicante est prompto a justificar e para este
fim requer mais a V. Exc. digne-se designar dia e
hora. Pede doferimento. E. R. Me.Recife 22
de Janeiro de 1887.Costa Ribero.
Eatava sellada na forma da lei com nma estam-
pilha no valor de 200 res.
E mais se nSo continha em dita peticao aqu ce-
piada, depois da qual via-se o despacho que do
modo, forma, maneira e theor seguinte :
Destribuido.Como pede.O escrivo designe o
dia.Recife 22 de Janeiro de 1887.Montene-
gro.
E mais se nao continha em dito despacho aqu
muito bem e fielmente copiado, em virtude do qual
fra teita a destribuico que do msdo, forma,
maneira o theor seguinte:
A' Ernesto Silva.Oliveira.
E mais se nao continha em dita e mencionada
deBtribuicao aqui muito bem e fielmente espiada
e transcripta, depois do que via-se o termo de
protesto que de modo, forma, maneira e theor se-
guinte :
Aos 24 de Janeiro de 1887 em meu cartorio, pe-
rante mineas testemunhasabaixo declaradas, com-
parecen o supplicante por seu procurador Jlo Cas-
tao de Abreu e por este foi dito que reduxia a
termo o protesto constante da peticao retro, que
offereecu como parte deste em que dopois de lido
assigna.
Eu Ernesto Machado Freir Pereira da Silva,
Jeao Gaett.no de Abreu, Eneas do Reg Barros
Falv&o, Antonio Barbosa Cordeiro.
E mais se nao continha em dito termo de pro-
testo aqui muito bem e fielmente copiado e trans-
cripto, depois do que via-se que tendo o justifi-
cante producido suas testemunhas, que depuzeram
convenientemente acerca do allegado na peticao
aqui transcripta, o respectivo eserivao faxendo
sellar e preparar os autos me os fez conclusos, que
nelles dei a sentenca do theor seguinte.
Vistos.Hei por justificada a ausencia em lu-
ger incerto do supplicado e mando qne seja o mes
mo intimado por editaes em praso de 30 dios do
protesto a folbas para interrupcao do titulo de fo-
lhas.
Castas ex-causas,Recife, 27 de Janeiro de
1887.Ihomaz Oarces Prannos Montenegro.
E mais se uo continha em dita sentenca aqui
fielmente copiada por forca da qual o respetivo
escrivo f.-x passar o presente edital, pelo qual e
seu theor chamo, cito e hei ncr intimado ejusti-
ficado ausente Henrique Lina de Albuquerque
Larangeira, para que dentro do praso d<- 30 dias
compareca ante este juizo, allegando e provando
tudo quanto for de seu direito c justica.
E para que chegue ao conhecimeuto de todos
mande passar o presente edital, que ser publi-
cado pela impieuea c affixado nos Inga res do eos-
turne.
Dado e passado nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, aos 27 dias de Ja-
neiro de 1887.
'Ihomaz Oarcez Paranhos Montenegro.
Eu, Jos Francisco do Reg Barros, escrivo, o
subscrevi.
-_"_______, Jos Manoel de Freitas.
O administrador do Consulado Provincial
dando cumprimento a portara expedida pelo Illm'
Sr. Dr inspector do Thesouro em 19 do corrente,
faz publico a quem ior?ressar possa, que, no espa
tenfe edital, ser effectuada por esta repartifao a
cobranca, livre de multa, das annuidades e mais
scxvicos da Recife rainage Company relativa ao
1 semestre do exercicio de 1886-1887, conforme
a re icao infra.
Consulado Provincial de Pernambuco, 22 de Ja-
neiro de 1887.
Relacao a que se refere o edital aupra
Freguetia do Recife
Pas : Marqupz de Olinda, Boot-Jesus, Alva-
res Cabral, Conmereio, Bispo Sardinha, Torres,
Thom do Souza, D. Mara de Souza, Vigario Te-
norio, Barreta de Menezes, Mariz e Barros, Bur-
gos, Araorim, Moeia, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana, Madre de Deus, Domingos Jos Mar-
tina, Mascates, Restauracao, D. Maris Cesar,
Visconde de Itaparca, Pharol, Areial, S. Jorge,
Vital de Oliveira, Guararapas e BarSo do Triu n-
pho
Pracas : Assembla, Chaco e Pedro II.
Travessas : Vigario, Madre de Deus, Campello,
Domingos Jos Martina, para o Corpo-Santo, anti-
ea do Porto, Bom-Jesus, Areial, pa'a a Fundic-
co, Accidente, Guararapes e praca de Pedro I.
Beccos : Abreu, Noronha, Largo, Pindoba, Ta
pado e Pasohoal.
Largos: Alfaniega, Corpo-Santo e Assem-
bla.
Caes : Compsahia, Brum e Apollo.
Freguezi.a de Santo-Antonio
Ras: Imperador, 1- de Marco, Duque de Ca-
xias, Cabug Baro da Victoria, Trincheiras,
Larangeiras, Larga do Rosario, Estreita do Ro-
sario, S. Francisco, Jc&o do Reg, Ilha do Car-
valho, R ida, Patos, Calabiuoo Velho, Santo Ama-
ro, Mathiaa de Albuquerque, Paz, Paulino Cam.-
ra, Fogo, L:vramento. Penha, Visconde de Inhau-
raa, Pedro tfons.o, Nova da Prai, Marcilio Dias,
Viraco, Lomas Valentinas, Coronel Snassuna,
Santa Thereza, 24 de Maio, Palma, Mrquez do
Herval e Cid. ia- Nova.
Campo: Princesa.
Largos: Paraso, Carmo, Penha, S. Pedro e
Praceta.
Travessas : Queimado, Cruzcs, Mrquez do Re-
cife, Bella, Quarteis, Calabouce, Expostos, Matriz,
Flores, Cano, BombarLivramento, Arsenal, 1 da
Praia, 2 dita, Circereiro, S. Pedro, Vracao, Lo-
bato, becco do Falcio, Pocinho e Concordia.
Beccos: Da ra Bella, Calabouco, Mirtyrins, 1"
da Camb'a, 2- dito, 3- dito, FalcSo, l- e2- da
Cadea-Nova.
Caes : 22 de. Novembro.
Praca : Pedro 11.
Freguezia de S Jos
Ras : Marcilio Dias. Lomas Valentina, Coro-
nel Suassuna, 8. JoSo, Palma, Mrquez do Her-
val, 24 de Maio, Das Cardozo, Passo da Patria,
Padre Nobrvga, Victoni. Cadeia Nova, Vital de
Negreiros, Fre Henrique, Dique, Assumpcao,
Domingos Theotonio, padre Floiiano, Christovo
Colombo, Jardim, Fortes, Antonio Henrique, Na-
gueira, Santa Ceciiia, Santa Rita, Nova de Santa
Rita, Praia de Santa Rite, S. Jos, Pescadores,
praia do Forte, Ypiranga, Imperial e Luis de
Mendonca.
Traveseas : Martyrios, Ramos, Pocinho, Ca1.-
dereiro, Gaz, Forte, Trata, Serigado, Copiares,
Nova de Santa Rita, S. Jos, praia do Forte,
Peixote, Lima e rustra de S. Jos.
Beccos : Palma, Caldcreiro, Gaz, Assumpcao e
travessa de Santa Rita.
Largas : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras : Imp ratriz, Conceicao, Tambi, Viscon-
de- da Albuquerque, Aurora, Capibaribe, Ponte
Velha, Conde da Boa-Vista, Riachuello, Uniao,
Saudade, Sete de Setembro, Hospicio, Carnario,
Rosario, Gervasio Pires, Atalbo, Socego, Princi-
pe, Santa Cruz, S. Goncalo, Coelbos, hospital Pe-
dro II, General Sor, Coronel Lamenha, Alegra,
LeSo Coroado, Baro de S. Borja, Soledade, Vis-
conde de Goyanna, Attracv'U' e Visconde de Pe-
lotas.
Travessas: Gervazi^ Pires, Coelbos, Atalho,
Barreiras, Veras, Quiabo, Joo Francisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bispo,
Pracas : Conde d'Eu a Santa Crus|
Largo : Campia.
Beccos : Coelbos e S. Goncalo,
Segunda prcfm
De ordem dollm. Sr. Dr. inspector, se faz pu-
blico que s 11 horas do da 7 do mes correte
eeao vendidos em praca, k porta do trapiohe al-
fandegado Bario do Livramcnto, 25 engondados,
marca riBA4C, coatendo louea de po de pdra n.
2, peaiindo liquido real 3,920 kilogrammas, vindos
de Hamburgo no brigue al -mo Afane, entrado
em 30 de Agosto do ;:ano passado, abandonados
aos direitos por Souza Bast s Am-.irim & C
3' scelo da Alfandega de t ernambuco, 3 de
Fev ___________ Cioero B. de Mello.
RMANDADE
D8
IVoaaa Senbora da nade da Poco da
Paneila
ELtigO
Convido a todos os carissimos irmos desta ir-
mandade, de ordem do irmo juis, comparece-
rem em o respectivo consistorio no domingo 6
deate m*z, pelas 10 horas 'o ;ia, afim de se pro-
ceder a elcico da mesa regedora qao tem de
funecionar durante o anno compromisaal de 1887
188", visto naa se ter procedido a referida oleicuo
como determina o actual comproui3so por faltli' de
numero legal.
Consistorio da irmandade de N. S. daPiie do
Poco da Paneila, 4 de Fevereiro de 1887.
O secretario,
Antonio Candido Ferreira.
Confrajia de S. Crispim e S. CrispinianO
no convento do Carmo do Recifo
De ordem do irmo procurador fiscal pela 82-
ge.nda vez convido os Sra. ex procuradores da
mesma confraria para comparecerem em nosso
consistorio no domingo 6 do corrente, s 9 horas
da manh, afim de reunidos em conselho fiscal
tratar-so de assumpto que t a ella compete, de
a.cordo e rm conformidade do nosso compromiso.
Recife, 2 de Fevereiro de 1887.
Eloy Martiniano Lopes Galvo,
Secretario.
Escola Normal
Matriculas
Por ordem do Br. Dr. director, e em observancia
da disposico do art. 74 do regiment interno de*
17 de Setembro de 1880, faz-se publico a quem
interessar posaa, que as matriculas deste curso es-
taro abertas desde o dia 24 do crreme at 3 de
Fevereiro prximo.
Os r. qu Tmentos para matricula no 1 anno do
curso devero ser instruidos com os documsntos
seguintes:
1." Certido de idade maior de 18 anuos para 03
alumnes do sexo masculino e de 16 para os do te-
minino.
2. Certificado ou titulo de approvacs em exa-
me as escolas publicas de instrueco prim-iria.
3. Fo'ha corrida ou certido de ao havjr sof-
frido condemnacao por algum dos crimes que po-
peai motivar ao profeesor publico a perda da ca-
dera.
4. Attestado de moralidado passado pelo paro-
dio ou autondade, quer policial quer litteraria da
freguezia em que residir o peticionario.
Os matriculandos que nao poderem exhibir titu-
lo legal da exame em eecola publica de eusino pri-
mario, devero inscrever-se para os i-xames de ad-
m8so, de que tratam os arts. ib a 77 do citado
regiment, e que comecaro no dia 24 do corrente.
Para as matriculas do 2J o 3o anno?, basta qne
as peticoes sejam documentadas com a certiio de
approvaco no exame do i.nuo precedente; guar-
dada a r. stric?ilo do art. 21 do j mencinalo re-
giment interna.
Secretaria da Escola Normal de Pernambuco,
lOde Janeiro de 1887.O secretario,
A. A. .Gama
O administrador do Consulado Provincial em
cumprimento do qae dispoa a lei de ornamento em
vig >r faz publico a quem interessar possa, que, no
espaco de 30 dias uteis contados do 1> de Feve-
reiro prximo vindouro ; dar-sa-ha principie a co-
branca, livre de multa, do imposto de repartico
constante da tabella infra annexa citada lei re-
lativamente ao 1 semestre do exercicio de 1886 a
1887.
Consulado Provincial de Pernambuco 2- de Ja-
neiro de 1887.
Francisco AmyntaB de Carvalho Monra.
Tabella a que se refere o edital supra
Parte 1
1 Casas de commissoes de consignac.d>a e de
commiatoes e consignaces.
2 Ditas on deposites de vender em grosso carvo
de pedra em trra ou sobre agua.
Parte 2
Lojas de vender jotas somente, ou joias e re-
logios.
Ditas de vender relogios somente.
Casas de vender pianos e instrumentos musi-
caes.
Parte 3-
6 Fabrica de rap Mearon.
7 Ditas de sabo inclusive a que acba-se na fre-
guezia de Afr-gados.
8 Ditas de cerveja, vinagre, vinhos, genebra, li-
cores e limonadas gaxosaa.
9 Ditas de Gas.
10 Ditas agencias e depsitos de rap.
Parte 4"
11 Empresas anonymes ou agracias destas.
12 Companbia de Beberibe.
13 Bancos, agencias filiaes e representantes
mesmos e casas b incurias.
14 Companhias, agencias ou casas de seguro
qualquer pessoa que no carcter de agente
de companhias de seguro fizer contracto desta
natureza ou promovel-os, com excepeo dos
que tem sede nesta provincia e contracurem
oservico especial do artigo 13 desta lei.
15 ArmazcnB aifandegados, e depsitos ou de re-
ceber.
16 Casas do jogo do bilhar.
C C. E.
Club Commereial Enterpe
Sarao danzante
Deve realisar se a 5 deste mez. Ingresaos em
poder do Sr. thesoureiro. llavera bonda depois do
sarao para Magdalena, Fernandes Vieira e Afo-
gados.
Secretaria do Club Cemuercial Euterpe, 1 de
Fevereiro de 1887.O- secretario,
F. J. Amorim.
IRMANDADE
DB
Nossa Senhora da Luz
Mesa geral de eleico
De ordem do irmo juiz, convido a todos os ca-
rissimos irmos para compareceris em nesso con-
sistorio no dooingo 6 do crreme, afim de enecr-
porados assistirmos a missa do Divino l'spirito
Santo, s 8 horas da manh, e em seguida proce-
dermos a eleico da mesa administrativa que tem
de dirigir a irmandade no anno compromissal de
1887 a 1888.
Consistorio da veneravel irmandade de N. 8.
da Luz no convento do Carmo, 3 de Fevareiro de
1887. O secretario,
Jos Ramos de Oliveira Jnior.
Arsenal de Guerra
De ordem do Illm. Sr. major director, distribue-
se costuras nos dias 4, 5 e 7 do corrente mez, s
costureiras de ns 351 a 400, de conformidade eom
os annuncios anteriores.
Secco de costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 3 de Fevereiro de 1887.
Flix Antonio de Alcntara,
Alteres adjunto.
Lotera da Colonia Isabel
dos
ou
OECLARACOES
Mato das Almas o H
Esta irmandade qurrfndo oncertar o orgao da
matriz do Corpo Santo, convida aos professiouaes
a exanlinarem dito orgo e apresentarem seus or-
camentos por quanto fazem dito concert.
Recife, 29 de Jaieirode 1887. .
O eserivso,
Mignel Sosres Moreira de Aranjo.
A 13a serie da 24* parte das loteras em favor
dos ingenuos da Coionia Isabel, acba-se exposta
venda, cuja extraeco ser no dia de Fevereiro
Tbesouraria das loteras para o fundo da eman-
cipaeo e ingenuos da Colonia Isabel, 3 de Fe-
veriro de 1887. -
O tKsoureiro,
IFraneiseo Goncalves Torres.
Gr:. Or:. ao Norte lo Brasil
ig^Tendo se convecado um congresso para se tra-
tar de asaumpto de mxima importancia e imme-
diato interesse para a maconria pernambucana
o qual se realisar no domingo 8 de Fevereiro s
11 horas da manb, na sala doGr.'. Or.-.
ra do Imperador, convido a todos os macona
activos e avulsos existentes no valle de Pernam-
buco a compareceris, e com suas luzes concorre-
rem para se tomar a resoluco mais conveniente.
Recife, 31 de Janeiro de 1887.
Achiles. 33.-.
Gr.-. Seer.-. Ota..
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro chefe, faco
publico que em virtude da autorisscao do Exm.
ir. presidente da provincia, bo dia 7 de Fevereiro
prximo vindouro, receb?-se na secretoria desta
reparticio, ao meio dia, propostas em cartas fe-
chadas e competentemente selladas, para a exeeu-
clo das obras de reparos das pontes de IguaraBs,
de Araripe de Baixo, na estrada do norte, e dos
Carva hoe sobre o rio Jaboato, na estriba do sal,
oreadas : a primeira em lr6798'J0, a segunda na
de 2:695/280, s a ultima 7(i*.
Os c rearecntos e mais condicoes dos contratos
acbam-se a disposico dos seahores pretendantes
para serem examinados.
Secretaria da repartico das obras publicas de
Pernambuco, em 22 de Janeiro de 1887.
O secretario,
Joo Joaquim de S. Vsxejao
De ordem do Illm. Sr. Dr. iaspontor
f0 publico que no dia 10 do crrente
ir de novo pr&ja, conforme ordeaou o
Exm. Sr. presidente da provincia em 24
de Janeiro ultimo, o servio d illomioa-
yao publica de Iguarsss, relativo ao se-
mestre terminar era Junho prximo fu-
turo, servindo de basi o prejo de 200 rs.
por I npcSo.
Secretaria da Tbesouraria do Pr ovia 38%
l de Fevereiro do 1887.
O secretario,
Affont' de Albuquerfue Mello


-
I
/$

L
J


de i mbutioS
ere
?
h
m
aa
.>*
m
-i
Malas terrestres
idministrador faz publico que d'ora em dian-
te a expedico de malas para a agencia de Jaobd
de Taoaratu. era feita de quatro em qoatro das,
pea liaba de Tacarat, 4, 8, 12, 1S, 20, 24 e 98
de cada toen, e nao mais pela de Petrolina, que
de cinco em cinco dias.
Correio de Pernambuco, 1 de Fevereiro de
1887.
Affjuso do Reg Barre.
Club Concordia
Ausserordantliehe Hauptversammlung Samstag
den 5. Fobrdar abendi 8 uhr. Tagesordnang laut
circular.
Das directonum.
S. R. J
Sociedad Recreativa Jiivenlude
SeasSo Magua e aario bimestral em 6 de
Fevereiro
Scienlifiea'se que a sesso principiar as 7 ho
ras da noitc, e que ao terminar esta, tera logar o
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
1 do Fevereiro de 1887.
Jos de Mediees,
2* secretario
Lotera de 4000 contos
A grande lotera de 40. K) contos, em 3 sorteios,
fia transferida para o da 14 de Maio vindouro,
impreterivelmenti', nos termos do despacha do
Exm. Sr. presidente, de boje.
Tnesouraria das Loteras para o fundo de
emaueipaco e ingenuas da Colonia Isabel, 14 de
D zmbr. de 1886.
O tbesoureiro,
Fraucisco Goncalves Tai res.
Do confjimidade com o art. 15 do3 estatutos
dejta companha, a direceo vende vinte ajeoes
d) ns. 141 a 160, 166 a 170. 526 a 530, vagas
pelo fallecimento doa respectivos accionistas.
Os pretendente devero enviar suas propostas
por interm ido de correctores geraes ate ao.meio
da de 7 de Fevereiro vindouro. Eecife, 29 de
Janeiro de 1887.
Correio de Pernam
buco
Administraco dos Coneos de Pernambuco, 31
t'e Janeiro de 1887.
Relaco da correspondencia registrada (sem valor)
que existe nesta repartico por nao terem sido
encontrados seus destinatarios :
A. Lemos.
Anastacia Mara da Conceeo.
Augusto Alves Tinses.
Alfredo Feroandes Dias.
Alcxandre Francisco da Silva
AgripinoT. C Braneo.
Antonio Ferreira de Farias.
Antonio Lias Barreto.
Antonio Perera Gomes.
Antonia Pinto do Reg Freitas.
Antonio de Q'ieiroz.
Antonio Ramos de Acvdo Jnior.
Antonio da Silva Braga.
Beliaario Francisco Gouveia.
COMERCIO
Bolsa cora ni rela!
COTABeS OFFICIAE8 BA JCNTA DOS COB-
BECTORES
naife, 4 de Ftvereire de 1887
Cambio obre Londres. 90 d|V. 22 1|8 d. por 14,
do banco.
Cambio sobre Lisboa, a 90 djv. 140 0/0 de premio,
do saneo.
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Benicio X. S. Cunha Mello.
Basilio de T. de Sant'Anna.
Cecilia Amelia Pereira Borges.
Cornelio Evangelista de Queiroi.
Carolina Mara do Bomfin (2).
Cetaria Nobre de Gusmo.
Candida Wanderley de Mello,
Desviar.
Dimas Francisco da Silva Braga.
Deodato Teixeira de Mello.
Eugenio Goncalves Netto.
Eduardo Henrique Guel.
Eduardo dos Res Oraco.
Eugenio do Reg Barro*.
Feroando Moura.
Flix Francisco de Sonsa Magalbles.
Francisco Antonio Vianna.
Frederico R. da Costa.
Francisco de Aratrjo Vascoocellos (2).
Gabriel Henriques de Araujo.
Goncalo Jos Rodrguas.
Henrique Guilberme Coelho.
Isabel Marques Barbosa.
Ignacia Ribeiro Guimaraes.
Julio Cesar Pinto de uliveira.
Jovino Ferreira Fontes.
Joo de Atevedo Soares Jnior (2).
Joo Coelho Moreira.
Joo, italiano.
Joio Jos de Araujo (2).
Joao Moraee.
Joao daMotta (2).
Joao dos Praseres (2).
Joo da Silva Villa-Nova.
Joaquim A. dos S. F.
Joaquim Aodr Limo.
Joaquim Jos Guimaraes de Campos.
Joaquim Pedro da Rocha Pereira.
Jos Antonio Barbosa.
Jos Domngues de Oliveira.
Jos Elias de Oliveira. '
Jos Francisco Das Ferreira.
Jos Garles dos Santos,
'os Gomes da Silva Santos.
Joe OcUviano de Oliveira Mello.
Joao Alves da Silva.
Luiz de Arruda Franca.
Luiz Goncalves de Laeerda.
Luir Urbano da Cuuha A.
Mara Francisca da Cooceico.
Mara Francisca Taveira.
Marques de Carvalho.
Manoel de Medeiros e Silva.
Mara da Nntivid de Gomes da Silva.
Mana Rosa da Assumpyio.
Maa Therer.a de Jess.
Mara Magdalena S. Corrtia.
Mara Victoria de Azcvedo Varejo.
Misael Augusto de Almeida.
Minervino Ave.ino Fiuza Lima.
Magalhes.
Miguel Arcbanio de Barros.
Maximiano Jos Duarte.
Miguel Accoli Wanderley.
Manoel Alves Rocha.
Manoel Joaquim Moreira Jnior.
Maooel Jcs Moreno.
Manoel Mendes da Silva.
Manoel Raymundo V. Cruz.
Manoel Rodrigues Lcite.
Paulo Alpiniano G. de Miranda.
Pomplio de Castro Lima e Almeida.
Raymunda Mara Joaquina.
Redactor da Gaceta de Noticias do Recife.
Silieria Maria de Araujo Lima.
Sebastio Antonio Vidal (2).
Thomaz de Figueiredo (2).
Thyrso Jos Mario de Souza.
Theodoro Pires Oe Souza.
Luigi Persich.
Vidornia Maria da Cmccico.
Joao Jos Silveira.
O 1 officia),
- Deodato Pinto dos San tos
\
ovlmento bastearlo
BECIFE, 4 DE FEVEREIBO DE 1887
Oa bancos conservaram no balco a tabella de
22 1/8, conforme se 'C abaixo :
Do London Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e vista 21 7/8.
Sobre Pana, 90 d/v 429 e vista 433.
Sobre Hamburgo, 90 d/v 532 e vista 538.
Sobre Portugal, 90 d/v 240 e vista 213.
Sobre Italia, vista 433.
Sobre New-Yo. k, vista 2*290.
Importaeo
Lugre americano Harold B. Covesens,
entrado de Baltimoro, em 3 do corrente,
e consignado a Henry Forster & C, roa-
n i festn. :
Farinha de trigo 3,867 barricas aos con-
signatarios
Escuna|ingleza Agenoria, entrada de Ter-
ra Nova, em 3 do corrente, c consigna da a
Saundrcs Brothers A C, man testou :
Bacalhu 2,361 barricas e 500 meias
ditas aos consignatarios.
Do EngV.s Bank :
Sobre Londres, 90 d/v 22 1/8 e vista 21 7/8.
Sobre Pars, 90 d/v 429 e vista 433.
Sobr Italia, vista 433.
Sobre Hiinburgo, SO d/v 532 e vista 538.
Sobre N.w Yoik, i vista 2*290.
Sobre Lisboa e Porto, 9J d/v 240 e viste 243.
^obre as principaes cidades de Portugal, vista
248.
Sobre liba dos Acores, vista 251.
Sobre Ilha da Madeira, vista 248.
Mercado de assucar e algodo
EECIFE, 4 DE FEVEREIRO DE 1887
As entradas do9 assucares d hoje foram regu-
lares.
Nao hout-c altcracao nos preces, que fecharam
b'rmi's s nossas cor-ic s anteriores, conforme se
v da segniute tabella :
3. baixo. por 15 kil.s, de 1*;00 a 1*900.
3.* regular, por 15 ki!o3, de 2* a 2*100.
JM boa, por 15 kilos, de 2*100 a 24200.
:' superior, por 15 kilos, d 2*300 a 2*100.
Finos, por 15 kilos, de 2*500 a 2*600.
Kranco turbina pulverizado por 15 kilos, de 2*200
a 2*300.
Dito dito crystalisado, por 15 kdos, a 2*100.
Braneo turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a
2*600.
HoToenos turbina Usina Pinto, por 15 kilos, a
1*800.
Smenos, por 15 kilos, de 1*500 a 1*600
Mascavado puigado, por 15 kilos, a 1*200.
Dito superior, por 15 kilos, a 1*300.
roto Un, por 15 kilos, de 1*160 a 1*00.
Regular, pur 15 kilos, de 1*060 a 1*100.
IJ.-uto clu rtame, por 15 kilos, a 1*000.
Retamos, par 15 kilos, de 800 a 900 rs.
O vencedor obtein o mximo ou o mnimo das
i .tacoes dos assucares de 3.* baixo, 3.* regular,
'.' boa, 3 superior e finos, segundo o sortimento.
Os procos do algodio continaon a ser de 6*300
a 6*360 por 15 kilos, para o de Pernambuco e
boas procedencias, em trra.
Em nosso ultimo numero demos o limite do al-
y.do a 6*500, quando os preco de tal artigo
reem attingido apenas a 6*350 conforme cima
disemos.
Entrada* de assacar e algodae
HEZ DE FEVEREIBO
Nos das 1 3 a entrada de atsucar fo de
15,653 saceos, sendo em barcacas, 10,428; via-
f -rrea de Carnar, 1,636 ; em animaos, 1,960 ;
va-forrea de S. Francisco, 1,045 ; e via-ferrea
| de Limoeiro, 1,584.
A entrada de algodao constou de 809 saccas, as
quaes transiraram : em barcacas, 250 ; via-ferrea
aruar, 29; em animaos, 92; e via-ferrea de
> iro, 438.
Pansa da airandesjra
kM'Ka DE 31 DB JiHEIE > A 5 DE FEVEREIBO
Algodo (subi) kilo *353
ucar mascavado (subi) kilo *070
s-'resaBaeatoa
4 Om FfcVEBEIEO
Nao foostou fretameatos.
Vapor nacional > Aynaor .
est carregtndo a=sucar com desti-
) Sal, para onde seguir nes-
Brigue alle.ua Bruno & Maria, entrado
de Hambnrgo no dia 3 do corrente, e con-
signado a Vit.nna Castro & C, manifes-
tou :
Brabante 2 caixas aos consigna torios-
Barras de ferro 2,250 a Miranda & Sou-
za, 800 aos consignatarios, 1,200 a Fer
reir & C. 150 a Compona Transatlan
tisch.
Cimento 300 barricas a H. Nuesch &
C, 2,100 ordeno, 410 a Companhia
Transatlantisch, 100 a ArTonso Oliveira
A C.
Cervejr 80 caixas e 10 barris, a Carva-
valho d C.
CarvSo de pe.dra 20 toneladas or-
dem.
Cr 25 barricas ordem.
Can is de ferro 455 ordem.
Drogas 10 vnlumes a Hermes de Souza
Pereira & C.
Dynan.ite 70 barris ordem.
Ferragfnj 4 ?olumes a Companhia Tran-
satlantis 'h.
Estupin 1 caixa ordem.
OarraTJas vazios 2,349 a Bernet & C,
1,310 erdem.
Movis 4 caixoes a Companhia Tran-
satlantisch.
Machinas 2 caixas a mesma.
Papelao 20 fardos ordem.
Pianos 8 caixSes a H. Vogely, 1 a
Companhia Transatlantiseb.
Phospboros 105 caixSes ordom, 10 a
Fran isjo Lauria & C.
Plvora 400 bartis ordem.
Papel de embrulho 500 pacotas.
Barnet & C, 112 a Caralho & C,
120 ordem.
Velas 50 caixas a Carvalho A C, 150
a C'impanhia Transatlantisch, 30 ordem.
Vidros 1,000 a Pinto Lapa & Irmao, 4
volumes a R. Hall, 4 a Companbis Tran-
satlantisch, 1 a Affonso Oliveira & C,
42 ordem. Ditos para vidracas 40 caixas
a Reis & Santos.
Gabinete Portuauez de
Leitura
Assenbla geral
De ordem do Exm. Sr. presidente do conselho
deliberativo, convido oa seahores socios do Gabi-
ne'.e Portugus de Leitura a reuniremse na sede
social, domingo 6 de corrente, s 11 horas da ma-
nbi, em assembla geral, aflm de ser lido o pare-
cer da onmmisso de exame de contas, dscusao
do relatoro da directora e eleicfto da directora e
conxelho para admiaistraco do corrente snno'
conf rme determina o art. 43 e sens dos nossoa
estatutos.
Secretaria do Gabinete Portugus de Leitura
em Pernambuco, 1 de Fevereiro de 1887.
Jos da Silva Rodrigues,
1- secretario
EMPREZA DI) GAZ
Pede-se aos Senbo
res coDsummidora que
queirain azer qualquer
comunicaco ou recla-
maeo, seja esta eita no
escriptorio desta empre-
za ra do mperador n
9, oude tarnbem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
HertnQIo Francisco Ro-
tlrigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, e quando or pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
lias Carvalho.
Durante a auzencia
do abaixo assignado na
Europa todos o s recibos
dessa empreza deve-
rao ser passadosem ti-
ldes carimbados e fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que nao
tero valor algnm.
George Windsor,
F Feriaba de trigo14,03.) barricas.
F. ijo224 saceos. .
Folhas de louro8 saceos.
Krnctac3 volumes.
Genebra260 caixas.e 200 gnrrafoes.
Gomina de mandioca45 volumes.
Herva doce19 saceos.
Legumes25 volumes.
Leite endeusado15 volumes.
Licores25 caixas.
Maizcua 112 caixas.
Manteiga525 barris, 745 meos e 103 caixas.
Massaa alimentares25 caixas.
Matte 2 volumes.
Mostarda2 s tecos.
Nuzca2 volveos.
Ovas de peixe13 caixas.
Pene da conserva134 volumes.
Pimenta da India65 saceos.
Presuntos6 canas e 6 barra.
PiO,: Quejos326 cuxas, 4 tinas e 1S volumes.
Sag10 garrafos.
8*1717.110 litros e 456 alqueires.
Salpicos1 caixa.
Sardiohas5 caixas e 225 barris
Tapioca53 voluiner.
Touciuho274 barris
Vin:igre=-16 pipas e 165 barris.
Vinho539 pipas, 1 meia, 470 quintos, 242 de-
cimos, 122 barra e 1.425 caixas.
Xarqu1.400 tardos.
Wermouth32 caixas.
D veraoi artigo i
Alcatrlo53 barris.
Alfafa120 fardos.
A!f iz ii.i4 saceos.
Alpiste-81 volumes.
Alsr.iade245 barra.
Azete de palma40 caixas.
Az-iie de peixe11 barris.
Barricas o barris vasios417 e mais 3.141 vo
lomes desmane mdos.
Borracha3 voiuxes.
Breu -15 barricas.
Cabos1 volume.
Ca!650 barricas.
Calcados20 caixas.
Carrapato28 saceos.
Carvls le podra-2 637 toneladas.
Ceras diversas106 volumes.
Chapeos30 caixas.
Charutos 25 caixas.
Chumbo55 barra do de muni<;ao, 1 caixa em
lencol e 7 harneas em cannos.
Cimento2.950 barricas.
Cobre10 volumes.
Courinbos c pellos6 caixas e 384 fardos,
duros de boi2.704.
Crogas e (BHdicaaMatofl221 volumes.'
Esuuho8 voluu.es.
Esteiras120 volumes.
COMPANHIA DE EDIFICADO
0 escriptorio d'esta
eompanbia a e h a s e
ftiiiccionando no largo
de Pedro II, n. 77, 1.
andas.
Imbumbe-se median-
te contrato v a paga-
mento em prestafoes,
de construc^oes e re-
consthicfdcs de pre-
dios, cujas projectos e
ornamentos sejam ou
nao confeccionados
pela companhia.
No escriptorio se en-
contrarlo sempre, as
amostras dos produc-
tos da fabrica vapor
do Taquury. tendo sem-
pre venda: tijolbs
massi^os de al venara,
ditos para ladrlhos.
diversos formatos, te-
lhas romanas, france-
zas, de capote coin en-
ea xe, de cintas; canos
e curvas de diversos
dimetros, ornatos va-
Cxporl.:<-So
SECirE, 1 DB FEVtRF.mO DE 1887
Para o exterior
No vapor inglez Derwentdale carregou :
Para Liverpool, V. Neeseo 60 fardos cem
11,976 kilos de residuos de algodo.
No vapor ioglez Coban, carrogaram :
Para New-York, II. forster ce C. 1,337 saceos
com 1)8,260 kilo de assucar masca vedo; Pohlman
dt V. 1,241 saceos com H,100 kilos de assucar
mascavado.
No vapor inglez Paraense, carregou :
Para New York, F. J. da Cuuha Qslv&o 8,000
eournhos de cabra.
No lugar americano B. Faberu, carrega-
ram :
Para Nrw-York, P. Carneiro & C. 512 saceos
com 38,403 kilos de assucar mascavado ; 14. J. da
Ricba 1,C00 caceos com 75,000 kilos de assucar
mascavado.
Na barca portuguesa Novo Silencio, carre-
garum :
Pura o Porto, F. Moraes 1 pipa com 480 litros
de aguardante ; P. Carneiro ce C 124 couros es-
pichados.
Para o interior
No lugar in?l'-z Elitabeth, carregou :
Para o Rio Grande do Su', F. A. de Azevedo
1,500 saceos com 90,000 kilos de assucar braneo e
1,500 dit s com 90,000 ditos de dito mascavado.
No pacacho nacional Potivo, carregou :
Para o Rio Grande do Bul, V. da Silveira 200
barricas e 300 saceos com 44,130 kilos de assucar
brnnc'o,
No vapor nacional Bahia, carregaram:
Para o Rio de Janeiro, M. Cunha 200 saceos
com 12,000 kilos de assucar braneo e 200 ditos
cam 12,900 ditos de dito tiascavado ; E. Barbosa
300 saceos com 18,000 kilos de assucar braneo e
100 ditos com 6,000 ditos de dito mascavado; F.
de Moiaes HiO pipas com 48,000 litros de agur-
dente ; L. A. da Costa 5,000 cocos, Iructa ; J. A.
da Costa Medeiro* 10 saceos com 6 X) kilos de
assucar braneo e 40 ditos com 2,400 ditos de dito
mascavado.
Para Bahia, J. A. da Costa Medeiros 80 barri-
cas com 9,121 kilos de assucar branen.
No vapor ingles Coban, carregaram :
Para o Para, Amorim Irmaos Se C. 150 barricas
cora 3,703 kilos de assucar braneo ; F. A. de Aze-
vedo 200 barricas com 13.179 kilos de Besucar
braneo ; E, Barbosa 300 volumes com 19.374 ki'os
de assucar braceo ; M da Cuuha 200 barricas
com 13,601 kilos de assucar braneo.
Na bareaca D. Sinh, carregaram :
Para o Natal, Fernandes A Iruaao 300 saceos
cam farinha de mandioca.
riados e tijolos fina-
dos de diversos forma-
tos.
Para vendas c en-
comendas, no escripto-
rio central.
COMPANHA DE SEGUS \
COSTRA FOCO
.Sorlb British k Mercantile
CAPITAL
tOOO.OOo de libras stferllnaa
A O EN ES
\ domsou Howie & C.
SEGUROS
V1ARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenlx Per-
nambuca na
Ruado Commereio i. 8
llISADOBA
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES *
Estabelclda eralss
CAPITAL 1,000:0001
SINISTROS PAGOS
li 3i de dezembro de 1884
Haritimos..... .,110:0008000
Terrestres,. 316:000^000
ll-Rua do Commereio
CONTRA F0G
he Liverpool & London & Glob
INSURANCE C0MPANV
gaite Brotes & C.
Londoa and BrasIUaa Ba
Umied
Ra do Commereio n. 32
acca por todos os vapores sobre as ca-
as do mesmo banco eui Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas al No
Porto, ra dos Inglezes.
(OHPWIIIl DE KEOUHO
NORTHERN
ae Londres e tberdeea
resiceOnancelra (Deiembro 1886)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumulad os 3.134,348
Beeella ananal t
Di premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros , 132,000
0 AGENTE,
John. . 3- Boxwe
BA COMHEBDOCIO X. 1* ANB4B
Co&p ii Seguros leiaie,
AGENTE
Mignl Jos Alves
N. 7-RUA DO BOM JESSN.
Seguro* msrilinos e terrestre*
Nestes ultimo a nica companhia nesta prac*
que concede ob Srs. soguradrs iseaipflode |
ment de premio em eada stimo afino, o
equivale eo devsonto de cerca do lft por oeoto i
avor dos segurados.
Ompanhu
Jmperiai.

DE
N.
NEGIHOS contra FOCiO
EST: 180S
Edificio e mercadoriat
Taxas baixas
Prompto paganumto de prejuitoe
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
-Ra do CommereioN. 5
lAIUTIMOS
L.:ar inglez Hora, bacalho.
I-ugar ingles Ploreme, bbcalho.
Lugar inglez Lord Fredeyal, ferro e carvJo.
Patacho americano Leonora, farinha de trigo.
Patacho inglez ZV6er, bacalb&o e madeira.
Patacho porcuguez Fanny, varios gneros.
Patacho nacisnal S. Benedicto, xarque.
Vapor iDglez Merchant, vares gneros.
Rendlmcntos pblicos
MEZ DE FEVEREIBO
Estupa-l fardos.
08^401
No prximo lindo mez de Janeiro foram impor-
t -dos pela Alfaadega o. seguiates artigos :
Gneros deetfivi e bebidas alcoolicas e fermentada
Albos132 ranastras.
Ameizas27 caixas.
Amcndoas2 barricas.
Arroz1.150 saceos.
Axeite de oliveira244 caixas.
Azeitonas2 caixas.
Bacalbo4i.577Jbarricas, 13.108 meias, 4.555
tinas e 526 caixas.
Bagres seceos17.941.
Banha de porco 1.050 barris.
Batats=1.389 caixas e 45'J gigas.
Biseuutos 30 caixas.
Caf4.391 saceos.
Canella30 volumes.
Carne de conserva8 volumes.
Cistanhas1 volume.
Ceblas596 caixas.
Cerveja446 caixss e 45 barricas.
Cevada18 barricas.
Cevadinha18 garrales.
Coa103. volumes.
Champagne4 aixss.
Chocolate4 caixas.
Cidra110 caixas.
Cognac351 caixas.
( ominh s 29 saceos.
Conservas15 caixas.
Oavo lacia 8 saneo.
Doces 16 caixas.
ErvilfiM13 volumes.
FareUos -Vi ssccos.
FerioEm ac 2 caixas, 160 cunbetes e 4 fei-
xes; em arcos 630 feixes; em rame 50 volumes;
em barras 1.998 e mais 486 tenes ; em cannos 2
e mais 42 feixes; em correales 4 barricas; em
enx'idas 269 barricas; em ferragens diversas 693
volamos; em fogVs, fogareiros e chapas para
elles 999; em folha 184 ; em folhas de Flandres
60 cunhetes; em formas para assucar 32 volu-
mes ; em ps 162 feixes ; em pregos 275 volumes:
cm laxas para engenho 102; em trilhos 1.667 e
mais 145 vulumes; em machinas e apparelhos di-
versos 1.058 volumes.
Fio de algodo e liuho128 volumes.
Fumo858 volumes. 10 fardos e 20 csixas.
Graixa2 barris e 8 caixas.
Kerosene150 caixas e 3 barris.
LA barriguda28 saceos.
Linhas100 caixa..
Lana7 fardos.
L.uca667 volumes.
MadeirasEm remos 14.
Mar more? e pedras19 volumes e 73 lages
Mercadorias diversas1.069 volumes.
Movis77 volumes.
leos diversos201 volumes.
Papel57 caixas e 3.032 fardos.
Perfumaras11 caixas
Phospboris302 caixoes.
Pianos e oraajs6 volumes.
Piassava70 molhos.
Pipas vasias168.
Plvora100 barris.
Sal irS barris.
Sebo109 barris.
Soda2 tamboros.
Sulla2.408 meos e 3 volumes.
Tamancof8 fardos.
Teeidus1.165 volumes e mais 1.288 fardos
do de nlgodio do paiz.
Tijolos50 caixas, para facas/
Tintas121 volumes.
Vellas13 eaixas.
Vidros 245 volumes.
VimesEm obras, 13 volumes.
Renda geral :
1 a 3
dem de 4
3enda provincial
Del a 3
dem re 4
Alfaniega
69:519*7>5
29:3134*33
98:833*558
.10,672.: 093
5:9414615
lo:a
Reeebedoria
i Grande do Sil, Pelotas e Por-
to-Alegre
Vapor Aymoi'
E' esperado da Bahia no dia
3 do corrente, e seguir de-
pois de pequea demora para
os portes cima indicados.
Recebe cnccmmendas e passageiros, a tratar
com
PEREIRA CARNEIRO & C.
N. 6 RA DO COMMERCIO-N. 6
1. andar
Brigne portuguez
S. LOURENQO
Rtccbe carga a frete paia Lisboa e Porto :
tratar com Amorim Irmaos & C.
Financede New-Port-News a 22.
Espirito Santodo norte a '3.
Tagusda Europa u 24.
Ceardo sul a 27.
De 1 a 3
dem de 1
Consulado Provincial
Pe 1
d-.n
Oe i
i 3
an 4
Recife Drainage
Iden ds 4
Xavion & carga
Barca sueca Prima, Hull.
Brigue pjrtuguez S. Lourenco, Lisboa e Porto.
Barcaca nacional Flor do Pasto, Mamanguape.
Barcica Linda Sinh, Rio Grande do Norte.
Barca noruegueuse Prince Patrick, Liverpool.
Barca portugueza Novo Silencio, Porto.
Barca naniegense Gord.n, Liverpool.
Brigue norueguense Alkor, Santos.
Cter nacional Geriquity, portos do norte.
Escuna nicional Urania, Rio Gronde do Sul
Hiate nacional Apudy, Mossor.
Hiate nacioaal Bom Jess, Maco.
Lugar ailem) Elisabeth Eleven. Santos.
Lugar nacional Tigre, Rio Grande do Sul.
Lugar norueguense Lakena, Rio Grande do Su'.
Lugar inglez Alice May, Uruguayanna.
Lgr sueco Hildur, R Patucho nacional Positivo, Bio Grande do Sul.
Palhabote nacional S. Bartholomeu, Porto-Alcgre.
Patacho sueco Amor, Ro Grande do Sul.
Patacho sueco Almina, Rio Grande do Sul.
Patacho portugus Verta, Lisboa e Porto.
Patachj portuguez fanny, Portugal.
Vapor nacional Jaguaribe, Macei e escala.
Vapor nacional Aymor, Rio Grande do Sul.
Navio* 6 descarga
Barcaca nacicnal Constantina de Lima, gneros
nacionaes.
Barcaca nacional Vneta, gneros nacin, es.
Barcaca nacional Rainha dos Anjo, generes na-
cionaes.
Barcaca" nacional Minerva, gneros nacionaes.
Baicaca nacional Benigna, gneros naoianaea
Barcaca nacional Xenus, gneros nscionaes
Barcaca nacional hlor das Ondas, gneros nacio-
naes.
Brigue allemo Bruno d Marie, varios gneros.
Brigue austraco Pinus, varios gneros.
Escuna inglesa Nellie Harland, xarque.
Escuna idglesa Agenoria, baealho.
Lugar americano Harold B. Causen, farinha de
trigo.
Lugar inglez Nicanor, farinha de trigo.
Mercado Municipal de 8. 20*240
13*800
3*600
600
3*200
O movimento deste Mercado no dias 4 do cor-
rente foi o segninte:
Entraram :
32 bois pesando 4,692 kilos.
1012 kilos de peixe a 20 ris
69 cargas de farinha a 200 ris
12 ditas de frnctas diversas a 300 rs.
3 taboleiros a 200 ris
16 Suinos a 200 ris
Foram oceupados :
22 columnas a 600 ris 13*200
22 compartimentos de farinha a
500 ris. 11*000
20 ditos de comida a 500 ris 10*000
72 ditos de legumes a 400 ris 28*800
16 ditos de suino a 700 ris 11*200
11 ditos de tressuras a 600 ris 6*600
10 talhos a 2* 20*000
8 ditos a 1* 8*900
A Oliveira Castro 4 C.:
54 talhos a 1J ris 54*000
2 talhos a 500 ris 1*000
Deve ter sido arrecadada nestes dias
a qnantia de 205*240
HAVIOS
Alexandrado Rio de Janeiro.
Amode New-Port.
Amandade Hamburgo.
Apotheker, Dirsende Santos.
Arbustusdo Rio do Janeiro.
Arica-de Cardiff.
Blanchede Terra Nova.
Brilhantedo Rio Grande do Sul.
Budade Cardiff.
Bella Rosade Terra Nova.
Cometade Porto Alegre.
Corrierde Santos.
Courierdo Rio Grande do Sul.
Cysnedo Rio Grande do Sul.
Diudado Rio Grande do Sul.
Dunstaffuageo Rio de Jsneiro.
Ehende Rio da Janeiro.
16.6131738 Elverbroydo Kio de Janeiro.
Enjettado Rio Grande do Sul.
115:447*296 Erutede Hamburgo.
Fannyda Figucira.
Francisca Villade Cardifi.
2:9184445 Guadianade Lisboa.
168*075 Hapnnsdo Rio Grande do Sul.
- lersiliada Bahia.
3:086*520 Idealde Londres.
J. P. Lassendo Rio Grande do Sal.
Larelyio Rio Grande do Sal.
3 aaatTM Lorenzodo Rio de Janeiro.
o A L Liz8ie Wilee-de Terra Nova.
3:4164201 Maia I_do Kio de janer0.
f amba Marco Polodo Rio de Janeiro.
6.652*952 Marinl VIdo Rio Glande do Sul.
Meta Sophiade Hamburgo.
Minniade Cardiff.
Metede Hambnrgo.
May Goryde Terra Nova.
Noatunde Liverpool.
Nordsoende Liverpool.
Noruega Ainode Cardiff.
Nellyde Terra Nova.
Our Anniede Buenos-Ayres.
Percayde Terra Nova.
Rosa Hilldo Rio Grande do Sal.
Shawmutdo Itio de Janeiro.
SperaBzade Cardiff.
Solvea Seada Bahia.
Sant Josephde Terra Nova.
T..bordado Rio Grande do Sol.
Withelminede Hamburgo.
Zequinha do Rio Grande de Sal.

^

1:494*244
624*690

556*200
761*140
Rendimento de 1 a3 de Fevereiro
foi arrecadado liquido at hoje
&C.
Precos do dia :
Carne verde 240 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Suinoj de 560 a 640 ris idem.
Farinha de 203 a 320 ris a cuia.
Milho de 260 a 320 ris idem.
Feijo de 560 a 1*000 idem.
Maiadonro Publico
Foram abatidas no Matadoaro da Cabanga 86
rezes para o consumo do dia 5 de Fevereiro.
Sendo: 61 rezes pertencentsa Oliveira Castro,
& C-, e 25 a diversos.
Vapores e navio* esperados
VAPOBES
Mrquez de Caxiasda Bahia hoje.
Ville de Bahiada Europa a 6.
Manoedo sul s 7.
Mondegoda Europa a 10.
Sopervisorde Liverpool a 12.
Soratada Europa a 18.
Advaneedo sal a 14.
Trentdo sul a 14.
Parado norte a 15.
Legislatorde Liverpool a 16.
Pernambucodo sol a 17.
Hovlmento do Porto
Navios entrados no dia 4 de Fevereiro
Rio Grande do Sul11 dias, vapor nacional Ay-
mor de 386 toneladas, commandante Francisco
Casavecbia, equipagem 30, carga varios gene-
ros ; a Perera Carneiro C.
Rio Grande do Sol42 dias, patacho hollandes
Broedertrow de 183 toneladas, capito B. H.
Kappon, equipagem 6, em lastro ; a Amorim Ir-
maos Si C.
Rio da Janeiro37 dias, barca norueguense Afa-
ne de 441 toneladas, capita Gustav Krag,
equipagem 11, em lestro; a Johnston Pater
Se C.
Rio Grande do Sul44 dias, brigue nacional Pra-
seres de 228 toneladas, capitn Joao Rodrigues
dos Santos, equipagem 10, em lastro ; a Amorim
Irmaos & C.
Rio de Janeiro-33 dias, barca inglesa Martha C.
Graig de 448 toneladas, eapit&o A. Whiteford,
equipagem 20, em lastro; a Niemeyer Chan
& C.
Rio de Janeiro25 dias. patacho sueco Nordbon
de 212 toneladas, capito E. G. Biorkinun,
equipagem 8, em lastro; a H. Lundgren & C.
Sahidos no mesmo dia
Estados- Unidos Lagar inglez Mennie, Cepitao W.
Mulealy; carga assacar.
Rio de Janeiro e escalasVapor naciom.1 Bahia,
commandante Aureliano Isaac; carga varios
gneros.
MontevideoVapor allemo Kiel, commandante
H. N- Thompson ; earga varios gneros.
CORRIGENDA
O brigue allemo Bruno de liarte, entrado no
dia 3 de Terra-Nova, reio consignado Transa-
tlantische Handelsgeselischaff e nio aos Srs.
Vianna Castro & C
y
rmMT
BJBJ


I

f




l
Diario de PernarabucoSabbado 5 de Fevereiro de 1887
5
Pacific Steam Navigaon Company
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Sorata
' esperado da Euro-
pa at o dia 13 de Fe
vereiro, e seguir de-
ido i a da demora do coa-
'tome para Va I para i ;o
com escala por
Bahae Rio de Janeiro so
mente
Para carga, passagens, encommendas e din-
heiro a frete tracta-se cora os
AGENTES
Ullson Sons fc C ., Mmited
N. 14 RA DO OOMMERCIO N. 14
Compskiltla lrallelra de nve
g:cao a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Commandante 1
tenente Guilherme Wad-
dington
' esperado dos portos do sul
at o dia 6 de Fevereiro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portee
do norte at Manes.
Para carga, passagens, encoromeuda valeret
tracta-se na agencia
PRACA DO CORPO SANTO N. 9
i'oHipanhia Uahiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, lronedo, Aracaj,
Estancia e Baha
0 Fapor Hamaez lo Caxias
Commandante Nova
E' esperado dos ooriop ci-
ma at o dia 7 de Fevereiro
e regressar ara os mes-
mos, depois da demora doeos -
' turne.
Para carg, passagens, encommendas e dinhei-
ro a fretp, trata-ae na
AGENCIA
7iiua do Vigario ?
Domingos Alies Hathens
COMPt^HU PERVAMVl'CANA j
DE
iavegacito costelra por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Babia
O vapor Jaguaribe
Commandante Baptista
Segu no dia 9 de
Fevereiro, as 5 horas
-da tardej
Recebe carga at o
Pdia 8.
Encommendas, passagens e dinlu'iros frete at
as 3 horas da tarde do dia 9.
ESCRIPTORIO -
Ao Cae da Companhia Penvimbucana
n. 12
ROVAlflAlLSTEAI PVCKET
COlPAPiY
0 pebuete Mondego
E' esperado da Europa no dia
9 ou 10 do corrate, seguinde
depois da demora necessa
ria para
Macei, Bahia, Rio de Janeiro e Santo
O paquete Trent
esperado
do sul no dia 14 de
correte seguinJc
depois da demora
uecessaria para
s. Vicente, Lisboa, Vlgo e oa
Ihampton
ReduccSo de passaqen
Ida Ida t volta
A Soathampt >n 1* classe 28 42
Camarote reservados para os passageiros de
Peruambuco. .-
fara passagens, fretes, etc., tracia-se ct m os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howic &C.
Nadeira para construcfao
Travs de 40 e 45 palmos, de boa qualidade, a
preco commodo ; vende-se na ra de Pedro Afron-
to o. 34.
Cosinheira
feci-se de nma
rora n. 137.
cosinheira ; na rna da Au-
EMULSAO DE SCOTT
DE
*
Aocommercio
Uin rapas com algiin Conhecimouto theorico de
francs, ingles e arithmetics, offerece-se a ser
caixeiro ou ajudante de guarda-livrosem qualquer
casa commercia', dando fiador i sua conducta ;
qaem precisar deixe ficar urna carta com as ini-
ciaes E. M. na refinacao da ra da Concordia cu
mero 32.
fCEO PURO DE FIGADO DE BACAHO
E DOS
t-OHPi.\UI.t PEDAIS IC1\*
DE
SavegacSo Costelra or Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Commandante Costa
Segu no dia 5 de
Fevereiro, as 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 4.
Encommendas passagens e dinbeiros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Pernamiucana
____________n. 12_________________
Patacho portuguez
VERITAS
Recebe carga a frete para Lisboa e Porto : a
tratar cem Amorira Irmaes & C.
Cos'nheira
Prccisa-se de urna cosinheira
ques do Herval n. 115.
na ra do Mar-
Por 14:000 rs.
Aluga-se a loja do sobrado a ra de Lomas Va-
lentinas n. 50 ; a tratar na ra Primeiro de Mar-
co n. 7-A, livraria. "_______
Dr. Mel'o Gomes
Medico pareiro operador
Mudou scu consultorio e residencia da ra Nova
n. 37 para a ra de Paulina Cam'irs, antiga Cam-
b* do Carmo n 36, por cima do cutileiro, onde
pode ser procurado a qualquer hora do dia e da
noite. Tanibem recebe chamados do mcio dia s
3 horas da tarde, na pharmacia do Povo, ra do
Rangel n. 34.
LEILU&
Especial
Magnifico hesucar refinado, sem igual neste
mercado- Refinacao Salgueiral, ra de Marcilio
Dias n. 22.
Numero tslepbonieo445.
Approvada pela Exm. Jimia Central de Higiene Publica do Rio de Janeiro e aulorisa apelo
(overeo Imperial
E' TA0 AGRDAVBL A0 PALADAR COMO 0 LEITE
CURA A
.esculla, neis Heidas, ffillfle emgeraJ,anene,tosss
cbroDca a afectes do peto a da garganta

Combina., n'unra forma saborosa e agradavei, o oleo de ligado de bacalho e os hypophoshitos de cal e soda e com
sea uso obtem-se, simultneamente, os effeitos de ambos estes dois valiosos e bem conhecidos remedios. Alm da que tolerada e
assimilada pelos estmagos mais delicados, e nao causa nem nausea, nem diarrha, como muitas vezes acontece com o uso
do oleo simples.
Ter^a-feira, 8 efFectuao agente Pinto o leilao
dos cofres, carteiras, e mais movis d escripcorio
do largo do Corpo santo n. 19.
Honuel Antonio Sanilaco i.essa
Candida Rosa do Albuquerque Lesea, ferida do
mais tloloroso sentimento pelo fallecimento de seu
sempre pranteado marido, Manoel Antonio Santia-
go Lessa, vera agradecer todos os que tomaram
parte na sua dor e acompanharam os restos mor
taes de seu marido sua ultima morada ; e de
novo os convida, e sssim a todos > s parentes e
amigos do fallecida, pira aisitirem as missas do
stimo dia, que serao rosadas s 7 1(2 horas da
ni'inha do dia terca-feir 8 do corrente, na crdem
terceira de S. Francisco, e desde j agradece
todos que coraparecerem._____________________
Leilao
tnued States Mail Brasil S. S. C.
O vapor Advance
K* esperado dos portos do
sul at o dia 14 de Fevereiro
depois da demora necessaria
seguir para
ifaranho. Para, Barbados, S.
Thoiuaz e \e Vork
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
se com os
O paquete Finance
spcra-se de New-Port
News, at o dia 22 de Fe-
vereiro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Heiry Forster & C.
N 8 RA DO COMMERCIO 8
1.- anda
' 0MP1\III* Pin-IHIII l A
DE
%'avegaeo Costelra por vapor
Fernando de Noronha
O vapor Giqui
Comandante Lobo
Segu no dia 10 de
Fevereiro.pelas 12 ho-
-ras da manbS.
Recebe carga at o
Idia 9.
Passag,. .>6 at as 10 horas da manhS do dia da
partida.
ESCRIPTORIO
caes da Companhia Peras Bibn
^^^_____can n. 1_________
CBEMSMIIS
Companhia Francesa de Navega-
?io a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lia-
boa, Pernarabuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santo a
O vapor Ville de Bahia
Commandante Delios
E' esperado da Europa
at o dia 6 de Fevereiro, se-
gurado depois da indispen
savel demora para a Ba-
ha. Silo de Janeiro
e Santo*)'
Roga-se aos Srs. importaderes de carga p-'loi
?apores desta linha,queiram aprosentar dentro de 6
dias*a contar do da descarga das alvareng;. ual-
quer reclamac2o concernente a volumes, qu ventura teuham seguido para os portos do sul,afirjj
de se poderem dar a tempo aa providencias necea-
garias.
Expirado o referido pras a companhia nlo se
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
frete: trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9 RA DO COMMERCIO 9
liba de S. Miguel
Palacio Dortagnez Famir
Receb carga a fre-
te e alguns passageiros
para a Ilha de S, Mi
gnel : a tratar com
Amorim Irmos & C.
De fazendas, miudesas, nobiliss novas, guarda-
vestido, guirda-lonca, commodas, toilets, cadei-
ras valsas, mesas, cadeiras de bilaoco, espregui-
(adeiras, espelhos, jarros, qoadros. 1 silhao, 2
grandes moiohos noves, camas, marqueses e ou-
tros muitos artigos, para liquidafio.
En) conlinuafao
Um gordo e bonito cavallo alazo. com os 4 p)
calcados, andador de b&ixo a rucio e muito novo, e
1 carro ds 4 rodas.
Agente Brito
Mabbado, & do correte
A's 10 1/2 horas ^
A' ra de Pedro Affonsam. 43
Veja-se a opiniao de illustres mdicos de varios paizes, sobre os resultados obtidos com o uso da Emulscto de Scott
Jote Vieira Fialho Cavalcante convida aos pa-
rentes e amigos aassistirem urna missa que man-
da rezar pela alma de sua sempre chorada mi,
Maria Eugenia Vieira Cavalcante, s 8 horas da
macha de boje, no convento do Carmo.________
Leilao
De 1 cofre priva fogn, 1 dito fiaices menor, 3
carteiras p.ra 2 pessoas, o ditas para urna pessoa
(altas e baixss) 11 mochos, 2 cadeiras de bragoe,
5 de guarnico, 1 balcio envernisado, 1 armario
grande, (cxcellente rouparia para algum collegio)
l repartimento de escriptorio, 1 prensa para copiar
cartas, 1 relogio de parede, 1 armario envidra$a-
do (estante ou guarda louca) 2 malas para viagem
e outros movis de escriptorio.
Terca-feira, 8 de Fevereiro
A's 11 horas
Agente Pinto
No 1* andar da casa n. 19 do| largo Corpo Santo
LEILAO
Do sobiv.do de 2 andares e grande sotao
rna de Domiogos Jos Martina n. 38,
freguezia do Recife^ qual tica en fren-
te do fundo do sobrado era que se acba
o Monte de Soccorro
Terea-felra, 8 de Fevereiro
A' 1 hora da tarde
Agente Pinto
No primeiro andar do sobrado do largo do Cor-
po-Santo n. 19, por occasio do leilao dos cofres,
carteiras e movis all existentes.
AVISOS DIVERSOS
Alnga-se casas a 84000 no becco dos Coe-
ihos, junto de ti. Gonfatlo : a tratar na roa ds
Imperatris n. 56. ._________________^___^
Pede-se so Dr. Lrdio Marianno de Albu-
querque qne appare^a na ra da Palma n. 69,
afim de se lhe entregur urna carta.
Destja-se sab.r noticias do Sr. Jao da Ro*
cba Marinbo FaK-i, senbor de engeiho, qa? ten"
do feito ama bypetheca hi seis anuos, at hoje
nao appareceu a dar inf jrmaco na rna dn Palma
numero 69.

Mari Annnnciada Ferrelra de
rilo Honorio
Joaquina Nunes Padilha agradece do intimo
d'alma a todos os amigos que acompanhiram ao
ceoiiterio os restos mortaes de Mari8 Annunciada
Ferreira de Brito Honorio, a qusm Deus foi ser-
vido levar para sua eterna gloria ; de novo os
convida assistirem a miesa que manda celebrar
na matriz do Corpo Samo, s 8 horas da manh,
por alia da mesma finadf, stimo dia de seu pas-
samento na terea-feira 8 do corrente, e des le j i
se confessa cordialmente grato todos aquelles
que se dignarem a assistir este aeto-de reg 2o e
caridade._________________
Ricardo Cordetro de Miranda
Maria Amelia Vieira e Miranda e Frsnciaco
Cordeiro de Miranda agradecer sinceramente
todas as pessoas que se dignaram acompanhar ao
cemiterio publico os restos mortaes de sen presa-
do esposo e irmao, e novamente convidara a todos
os parentes e amigos para assistirem as missas
3ne msndam resar por sua alma na igreja da Ma-
re de Deas, pelas 7 horas da manha do dia 5 do
corrente, stimo do sea fallecimento, e que desde
j se confessam agradecidos por mais este acto de
religio e caridade.

Vctor Oletearlo de Soasa
ttouveia
Primeire anniversario
Epaminondas Mar auno de Sousa Ooaveia con-
vida aos seas parentes e amigos para ouvirem
ama missa que manda resar na igreja de Santa
Rita, s 7|2 horas da manha, ao dia 7 do correa-
te. 1* aoniversa-,o do cruel passamento de sen
jamis esquecido filho, e d- sde j confessa a sua
eterna gratido por es se acto de caridade e re i-
Lembr*-sc ao Sr. Epiphania da Rucha
Wanderley, que taiem tr s annos que o senhor
do Recife sabio para Pi u'Alho, e at Moje n> m
responde as cartas qne se Itie dirige, e nem res-
titue o que se lhe pede.
Roga-se au (r. Francisco Antonio de S
Barrete que appircca na ra da Palma n. 69.
Ensiiio mixto
ra da Aurora n. 1.
de ce primeiras kttraa ; aa
Na ra do Cotovello n. 83 precisa-se de al-
guem para vender em tabolxiro.
Precisa-se de urna ba cosinheira para casa
de pouca familia ; na roa do Imperador n. 50, 1*
andar. ______________
Precisa-se de umit ama que saiba casinhar
para urna casa dj familia ; a tratar no Caes 22
de Novembro n. 32, 2* andar.
Aluga-se e sobrado da ra do Imperador
n. 3. com commodos para familia, caiado e pinta-
do, e por preco rasoavel; no Caes do Apollo n.
45. __________ ___
Quem precisar de urna protessora para ensi
nar em casa particular primerss lettras, trances,
italiano, msica e piano, dirija-se ao Caminbo
Novo n. 128.___________^_______
Alaga se o sobrado n 21 rna da Uniao,
teto agua e gas, e grandes accommodaedes para
familia ; a entender-te ra da l-nptratnz nu-
mero 19. ______
Aluga-se mi casa com qaarto e gabi icte,
pessoa idoaea, sem fami'ia ; a tratar na mesma
easa, no Caminbo Novo n. 128.
Qucm qniser lugar o 1' andar alojas
do sobrado n. 49, ra da Aurora, pro-
cure as chaves em poder do br. Negreiros
A roa do Imperador n. 24.
AJM/%
Precisa- se de urna ama
ero 137.
na ra da Aurora nu-
ItH V/ll.
Attesto ter empregado com vantajosos
resultados em doentes de tuberculoso pul-
monar, em rninha casa de sade, a Emul-
8do de Scott de oleo de figado de bacalho
com bypophosphitos de cal e soda.
O referido verdade e o juro in fide
medid.
Rio de Janeiro, 15 de Outubro de 1884:
Dr. J. Totano.
ESTADOS l NIDO
Nova York, 4 de Setembro de 1870.
Srs. Scott & Bowne.Tenho receitado
na minba pratica particular e nos hospi-
taes, a Ernulsfto de Scott de oleo de figa-
do de bacalbo com bypophosphitos, o es-
timo a como urna preparacSo de grande
valor.
A Emulscio nao muda, mesmo no tempo
de grande calor, e agrada mais ao paladar
do que qualquer outro preparado de oleo
que conheco.
Robert8 Watt, director do servico sanitario
do hospital de Chp.rity.
INGLATERRA
Royal Fr ee Ilosi tal. Grays Inn Road
W. C.
Londres, 11 de Marco de 1884.
Srs. Scott & Bowne. Tenho usado
com vantagens, a Emulsao de Scott neste
hospital, em casos, nos quaes, o oleo sim-
ples de figado de bacalho nSo poda ser
otlerado, pois a EmulsSo saborosa, ef-
ficaz e nao se repete o gosto do ojeo.
Chesam Sansn, medico interno.
VENEKUELLA
Valencia. Venezuella Io de Junho de
1884.
Sra. Scott & Bowne. Desde o ultimo
anno estou applicando a Emulsaa de Scott,
a qual tein dado muito bons resultados, po'i
alrode ser urna efficaz preparaclo para to-
das as doenc.as as quaes est indicado o oleo
de figado de bacalho, toma-se sem a me-
nor repugnancia, vantrgem immensa sob
lodos os respeitos.
Dr. S. Colora.
ESTDO* t NIDOS DECOLOH
DIA
Bogot, 4 de Junho de 1884.
Sr. Scott & Bowne. Ha alguus mezes,
esperimantei, em dous doentes a Emulsao
de Scott. Um padeca desde muito tempo
de uina ul 'era escrophulosa e o outro tinha
urna atrophia incipiente do figado.
Ambos curaram-se radicalmente com o
uso da Emulsao.
Dr. Vicente Prez Rubio.
iii:\i o
O doutor Ernesto M. Hogewicb, director,
do hospital de S. Sebastiao desta ci-
dade.
Certifica ter usado com bons resultados
a Emulsao de Scott na escrophula a na tu-
berculose, achando-a urna boa prepara-
cao que deve ser recommendada.
Veracruz, Abril 5 de 1883.
Ernesto M. Hegewich.
CUBA
Os abaixo assignados, doutores em me-
dicina e cirurgia, certifican haver empre-
gado e continuaren! a empregar a Emuls3o
Scott no hospital de caridade para mulhe-
res (S. Francisco de Paula), encontrando
no dito preparado excellentes propriedades
recon8tituintes, assim como o consideramos
Deposito em casa de Francisco Manoel da Silva
de Oliiida n-23.
de utilidade para as alfeccaes do peito,
qur tuberculosas, qur outras, pois modi-
fica vantajo8amento o organismo as pri-
meiras, emquanto a afi'ecjao nao tem en-
trado no terceiro periodo, e temos observa-
do as outras, que cura muitas dellas. Ac-
crescentaremos em conclusSo, que temos
acalmado algumas vezes e outras allivia-
do a tosse pertinaz, que tanto afflige os
doentes do peito, com o uso desta Emulsao.
Nao duvidamos, po'rtanto, recommendar a
EmulsSo de Scott para todos os casos, em
que estejam indicados todos os outros leos
de figado de bacalbo, e particularmente
naquelles a que nos referimos. E para
constar ende convenha, paseamos o presen-
te em Habana, aos 14 de Fevereiro d
1882.
Dr. Xicolas Carballo y Gutirrez.
Dr. Nicols Jos Guitariez.
PORTO RICO
Caguas, 30 de Junho de 1884.
Srs. Scott & Bowne. Tenho a satis-
fajio de participar a V. S., que tenho
receitado, muitos dos meus doentes, a
EmulsSo de Scott, tendo obtido,* em todos
os casos, os mais favoraveis resultados.
Esta efficaz preparacSo, pela sua frm a
agradavei e seu bom cheiro e gosto, veio
cneber o vasio, que notava-se de um me-
dicamento que, tendo por base o oleo de
figado de bacalho, nao apresentasse os in-
convenientes deste, (sobre tudo pelas crian-
fas) devido ao seu cheiro repugnante o
gosto desagradavel.
Dr. Domingo Cabrera.
Ra do Mrquez
0
Antonio Jos Maia & 13., avisam qne o Sr.
Jobo Alfredo de Almeida 'oares deixou de ser sea
empregado desde o dia 3 do torrente mez.
--------------
liarla Leopoldina (.oieiiile
Nosrnelra
Joo A. Gosende, Pedro L Oosende, Rosa Ma-
ria Goseude e suas filhas, Auna Augusta Noguei-
ra Leite, Jos Cavalcante de Albuquerque Le te e
seas filhos (ausentes) agradecen) do intimo d'alma
a todos aquelles seus amigos que dignararo-se
acompanhar at a ultima morada os restos mortaes
de sua sempre chorada iima, filha, mi, sogra e
avo, Maria Leopoldina Gosende Nogueirs ; con-
vidando os novamente para assistirem a missa que
msndam resar no da 6 do correite, s 7 horas da
manha, stimo de to infausto passamento, na
igreja do convento de S. Francisco, anlecipando-
lhes de novo o sea agradecimento par este acto
de religiito e caridade.
Manuel CalUto de Soasa
(audencio de Soasa Lint, sua familia, presen-
tes e> ausentes, do intimo d'alma agradecem aos
seus amigos que se dignaram aconipanhar i sua
ultima morada os restos mortaes de sea muito
sentido to, ir nao, marido, pai, filho, Manoel Ca-
liste de Soasa ; e de novo convidara a assistir a
missa que por sua alma mandam celebrar no con-
vento de 8. Francisco, na terca feira, stimo dia
de sen eterno passamento; s 7 1|2 horas da ma-
nh ; e de novo protestara se summamente gratos
por mais este acto de religio e caridade. _
Manuel da ila Coala Campeo
A viuva de Manoel da Silva Costa Campos,
tendo de celebrar s 7 112 horas da manh do da
5 do corrente, na matriz do Corpo Santo, ama
missa por alma do sea presado esposo, 3 anniver-
sario de sea passamento, convida a todos os
seas parentes e amigos para assistirem a esse acto
de religio e caridade, e desde j se confessa sum
mmente grato.__________________.^^___^^
CONTINUA ATO M DO MEZ
AU BON MARCH
XRa Duque de Caxias1
-PARA ACABAR
Aproveiteni anles qne se acabe___________________
" CMBRAIAS BORDADAS
Camisas de linlio com e sem collarinho
e selins finos de lodas as coies
Por Dielade do prego
SO NA LIQUIDADO ,
AU B01N MARCHE
81-Rna Buquo de Gaxias-81
Attcnfo!
FUNDICAi
ALLAN PATERSON 8" C
N.44--RU i do Brum--N. 44
JCNTO A E^ TACAO DOS BOBDS
Tem para vender, por pret, mdicos, aa seguintes feTagcns:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSes de diversos tamanhos.
Rodas de espora, dem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para ardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 oavaos
Moendas de 10 a 40 pollogadas de panaiura
Rodas d'agua, svstema Leandro.
Encarr^gam-se de conoertes, e assentamento do machinismo e execatara qual
trabalbo com perfeicSo e presteaa.
O Anselmo, eoiHuei. i-id> ra Duque de Ca-
xias n. 25, previne aos Ilustres cavalheiros que
' se preparara psra os bailes carnavalescos dos
Clubs Carlos Gomes, Regatas e Sociedades Ja-
ventude e Euterpe, afim de virem sua officina
' verem um rico sortiinento de vestuarios de phan-
I tazia por elle fabricados, e b m assim um riquis-
simo guarda-roups frabricado pelo Sr. Gastn
Courtois, estabrlecido em Pars ra Beranger
n. 7._________________________________
Punas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja preparaco purameute ve]
getal, teem sido por mais de 20 annos aproreitadas
com os melhores resultados as seguintes moles-
tias : affecfOes da pelle e do figado, syphilis, bou-
boes, escrfulas, chagas inveteradas, erisipelas e
gonorrhas.
Modo de usal-aa
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, be-
sendo-se apos cada dse um pouco d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como regaladoras : tcme-se nm pilla ae jantar.
Estas pilulas, de invencao dos pbarmaceuticos
Almeida Andrade & Filhos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para sua melhor garanta, tornndo-
se mais recommendaveis, por serem um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podeni ser
osadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
*o drogara de Parla Sobrlnne *
^t BDA DO MRQUEZ DE OLDDA 41

ss
PASTILHAS
De ANGELIM & MENTRUZ
9
a

as
N

5>
8
a?
os
a
O Remedio mal tfflot e
Seguro que se tem detcoberto ele
As W expe'lir at Ion erigs-
FUERES
R0IJBL4V0L
TI NTURAB POMADA
NICA TNICA
D FIULIOL
UISTAMTaNEAparmtbarta. !
S um ndro. sem prevart^i*
tm lTmgcn.
. tsjMiUltnl ea Pars i raUOL.ll, ra TTictM, Pltt
I
FIL.LIOL
apandara
Vanos
sua Cor primif.iT
-
m-' ':
l i
?
-
':V-: .
I
'


6
Diario de Pcrnambuco- Sabbado
^"**


Tricofero de Barry
6mm>i se qnefai nas-
cerecreaoerocabeUooinda
aos maia cairas, rara a
tinha e a caspa e remove
fodas as impurezas do cas-
co a cabeca. P mente ira pede o cabello
de cahir ou d embranque-
er, e infallivelmante o
torna espeaso, maclo, lus-
troso e abundante.

Aluga-se barato
Boa dos Guararapes n. 96.
Ra Visconde de I tapanca n, 43, armasem.
Ba da Pala a n. lt.
Ra Corredor do Bispo n. 18.
Becoo Campello n. 1, Io andar.
Largo do Mercado n. 17, loja com gas. .
As casasda ra do Corond Saassuna n. 141
Largo do Corpo Santo n. 13, 2. andar.
TraU-se na ra do Commercio n. 5, V andar
acriptorio de Silva Guimaraes fc C.____________

Aluga-se
o grande sobrado ra Imperial n. 8, que foi do
aflecido conselheiro Jos Felippe, com grande
terreno, diversas fructeiras, agua encanada egas ;
a tratar na ra estreita do Rosario n. 8, escrip-
tora.________________
Alug
a-se
o 2! andar do sobrado n. 35 travesea de S. Jos ;
ole terreo da de n. 27 ra Vidal de Negrei-
ros; o 1 do de n. 25 ra velha de Santa Rita
o 1 do de n. 34 ra estreita do Rosario ; todos
limpos : a tratar na ra do Hospicio n. 33
Ahiga-sc
o primeiro andar do sobrado do pateo de S. Pedro
n. 4, tem agua e gas : a tratar na ra estreita do
Rosario n. 9.
Altura-se
**&
jtfTv
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume aman-
do qae tem a approvacSo oficial de
um Govemo. Tem duas vezes
T^aifl fragrancia que qualquer outra
e dota Sobro do tempo. E' muito
mais rica, suave u deliciosa. E|
muito mais fina e delicada. E*
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
desmaios.
Xarope le Vila ie Beiter No. i
LOTERA
PARA
EDCACAO DOS INGENUOS
DO^A,
iJRB DK TJ81L-0. MKHS DK SiL-.
Cara positiva e radical de todas as formas de
ascrofnlas, Syphilis. Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perda do-Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue^Figado, e Bina. Garante-se
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
s restaura e renova o systema inteiro. g
Sabao Curativo de Reuter
a casa da ra do Progresan n. 23, com commodos
regulares e limpa ; a tratar na rm do Aragao
numero 37.
Aluga-se
por 20*000 o 2- andar do sobrsdo n. 55 da ra
da Guia, com 2 saUs, 4 quartos e cosinba, caiada
e pintado de novo ; tratar na ra Aujfusta nu-
mero 286.______________________________________
Aluga-se
o Io andar e soto da roa do Fogo n. 35 ; o 2o e
3* andar da ra estreita do Rosario n. 32, tem
agua e commodos para grande familia, estilo lim
pos e si. independentes : a tratar na ra da In-
psratriz n. 16, Io andar.______________________
Aliiu a-

A loja a 3C andar do sobrado n. 20 ra da
Imperatris, com maitoa comraodes para familia ;
a tractar na roa do Bom Jess n. 11 com Capitu-
lino de Gusmo.
Aluga se barato
fAs cailiihas ns. 10, 12. 14 e 18 do becco ra
da Palma ; a tratar na ra do Vigario n. 31, pri-
meiro andar.___________________________________
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite ; n ra do
Alecrim n 63. ____________________^___
A.ma
Precisa-Be de ama ama paia eosinhar ; na ra
Para o Banho, Toilette, Crian-
Sis para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
m todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silvn & C.
Precisa' se de um menino para hotel, que tenha
pratica ; na ra da Madre de Df us n. 3, hotel.
V
Nova n. 5, 1 andar.
Ama
Precisa se de duas amas, urna para cesinhar e
outra par- engommar ; na travessa dos Pires n.
5 (Geriquity).
Ama
Precisa-ae de urna ama para c servico domestico
de urna casa de familia ; na ra do Cotovello nu-
mero 46.
AMA
Preciwa-se de urna amapara
var. entornillar e faze miis
una servk'oi de casa de fa-
lla ; menea comprar e cozi-
nhar : ata ra do I*iacluirlo n.
13. De ve dormir em casa.
Ama
Precisa-se de ama ama para oosinha ; na ra do
Dr. Joaquim Nabuco n. 3.
Ama

?'
Precisa-se de urna boa cosinbeirs, para casa de
pequea familia ; a tratar no Caes da Companbia
n. 2. Prefere-ee escrava e deve dormir em casa.
Ama
Preciaa-se de urna perita cosinbeira, para casa
<]e familia ; a tratar na roa do Baro da Victoria
n- 6, loja.___________________________________
Ama
Pricisa-ss de urna
ama que compre e
cosinhe, a tratar na
rua da Imperatriz n.
.41, padaria.
M-JilAl
Preeisa-se de uroa ama p .ra cosioh>tr e outra
para cuidar de duas cnancw ; ni na da Aarora
l-B.^1, Io andar. _____
Copeiro
Precisa-se para casa de fntnilix, de um menino
de 12 anuos, que d fiador de sua conducta ; di-
rija se Cruz de Almas n. 8, Tamarineira.
S MES DfcjFAMIUA
. Para remediar fraqueza das criancaa, dea*
volver suas torcas, seu crescimento e preser-
"-os das molestias commans a idade tea,
os principaes Mdicos e Membros da Academia
r4e Medicina receitao, com grande xito, o Terda-
dairo Racahout dos rabes de Delanrenier,
de Paria. Este alimento muito agradavel com-
de substancias yegetaes nutritivas e
__Hk_tes, se espalha |>or toda a economa
e em vista de suas propriedades analpticas,
-_teihora a composicao do leite das senhoraa
pie criao, e restaura as torcas enfraquecidaa
do estomago.
-tmUto* "todutlOutn do BramtliOoFttlmgmi.
11
Mara do Livramento, velha octagenaria e pau-
prrima, pede s almas caridosas que Ihe mande
ama esmola pelo amor de D. us. Mora no bocee
da Bernardo n. 51. urna obra de caridade.
Professora.
Urna senhora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar em collegios e casas partcula-
es, ss Beguintes materias : pcrtogupz, francs,
msica e piano ; a tratar na rua do Marques do
Herval n. 10. ______________________________
300:000^
Lotera de Alag-as
Extraeco-Terca felra
de FeTerefro
Intransferivel
B:|hete8 vena na cjea feliz, Praja
da I:'.-^endoncia es. 37 e 39.
Menina
Urna faniiia estrangtira precisa de urna menina
ie conducta hfixneada, nicamente p r" tomar
eonta de urna criancinlm de o; meses, d-se bom
trato e paga-se bom ordenado ; informa ee A rua
nova de Santa Rita n' 66. eobrndo.
COLONIA ISABEL
vos *4o:ooosooo
40:000^000
<20:OOOsOOO
10:0008000
5:0008000
Esta lotera, cuja 13.8 Serie da 24.a parte, ser extrahida
na Quinta-feira, | de Feveroiro, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceipao dos Militares, acha se venda as se-
guintes casas:
Rua do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
Cabug n. 2.
Rangel n. 2.
Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jogadores, e no Brazil, at hoje, anda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuido
dos premios, e para prova desta asserpo pedimos a attenpao dos jo
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
lotera do gmo-par
D 70 \ de premio do seu capital.
DEM DO CE4R4
68 3t4 oi0 idem.
DEM de alago as
Vinho do Dr. Fbrestier
le Qilsa rrraciDOJo e de Caita b Lanillas ananv.
TOWT.CO RECONSTITtTIKtE
Remedio soberano
CONTRA A
CHLORO'E, ANEMIA, CABIE DOS OSSOS.
AFFEQC5ES DAS VAS DiGESIIVAS,
0I6RR A C:po:JICAS, ACHIT1SMO,
ES; :Cl.!, DEdlLICAOE,
jonvale:?.:;; as ~ feres typhoideas
F :. .'-VES, ETC.
* Penda .*: yetl&n
Ao publico
Una pesBoa habilitada e de boa edueacSo, avisa
ao publico deata cidade e eapeeislmente ao3 pas
de familia, que lecoiona portuguez, francez, latim,
geographia e uoetee de historia, em sua residen-
cia, ensinar auls primaria pelo methodo do pro-
fessor Manoel Chryaogno da Sil vi Braga, garan-
tindo modicidade n-s precos. Pode ser encontra-
do todos os d.as aqui nesta typographia das 11
da manha e 2 da tarde.
Ao commercio
I Olympia Carroil tsndo dado sociedade em sea
estabelecimento (Ship Chandler) rua do Com-
mercio n, 8, a Agostinbo Luiz Vieira, que pelo
seu contracto o socio gerente e nico signatario
da respectiva firma social Viuva Carroil & C. ;
declara que elle o nico competente para cou-
trahir obrigacoes em nome da sociedade.
Recife, 1 de Fevereiro de 1887^_______^^^^
0
Urna senhora honesta, queentende de costurar
e facer qaalqatr Ualjalbo por figurino, ge offerece
a acompanhar qnilquer familia que tenha de ir
para o Rio de Janeiro. Na mesma casa fui-ge
vestuario para o carnaval ; a tratar na rua Vidal
de Negreiros n. 78.
Sitio do Galdejreiro
Arrenda-se annualmente um bom sitio com bas-
tantes commodoo para grande familia, bea agua,
com arvon a frnctiferas e jardiin, c com sabida
para o rio, par preeo muito razoavtl ; a tratar na
roa do Livramento n '24.
Precisa-se oV urna eogosomadeira e de um co-
peiro : roa Duque de Canas n. 86.,
Para eaixeiro
Precisa-se de um menino com pratica ou sem
ella, idade de 8 a 1 anuo, prefere se portuguez
ou matuto ; na roa da DetencJo n. 9.
Nann'-I llunrle de liauelreilo
Mara Luiz Doertc Figueiiedo e seus filbos,
cunbadas e Fobrinha1' u{;radecem do intimo d'alma
todas as pessoas que e dignnram acompanhar
ao cemterio Yr.bKeo o* reatos mertaes de sen
prteado e*po*o, pai cuobado tio, Manoel
Duarte de Figucwedo ; e de novo convdnm a to-
dos o? pareptee e amigos para assistirem a missa
que por sua arma mundano celebrar na igreja do
Divino Espirito Santo, no eabbtdo > do crrenle,
s 7 horaa da rninti.". ; e desde j4 agradecem
todos aquelles que h dif i.nrem ssistir a este acto
de rel'giao e erridml -
Antonio Crrela ele Vaoronoellon
A directora do Oaftisetc portugus de Leitura,
o Monte fio Portogea e A junta administrativa
do Hospital Portugoe de Beneficencia convidam
todos o amigo* e prenles do te-- fallecido conso-
cio benemrito 0 8>. Antonio Corroa de Vascon-
cellos. a assistirem a exequias s jlemnes, que pela
eterno repens daqoelle seabor mandam celebrar
na capel la do Hospital Portuguez segnoda-feira 7
do corrtnte, s 8 hora da taauba, trigsimo da
* aeu paswmtnto.______________________________
Aviso
Pede o abaizo assgnado ao Sr. Manoel Joa-
quim de Mattos P. Guimaracs queira mandar ia-
tistazer logo o restante do seu debito neste ea-
criptorio : Vmo deve saber que um debito de tal
compromisBO n:o admtte abuses no pagamento.
Manoel Xavier C. Albuquerque.
.* fcVK>JEV!.0**
LC1
e Ulyssh ROY, mffUSn (Fran^si
gm/lsPfOUST, Sucr & Genm
\ Vertome onantioocoaVtehoa ia ec-roi ... fc
ds Me loo.................M>90froo.l awc^
". Saoio a Eesenca MCo^nan -e lou rasoos 500 Ot
ParfumoapvatodosaaliloorekjalOO huc 300 ta
' SssencaeRnumonde7a*ia.oa!30fnsooe 6004|
Deposllarioa em P-.riiambitco t
i 4o commercio
Faria Sobrinbo ( C. fizem constar que o Sr.
: Secundino Maurica dexou de ser empregado de
' sua drogaria. Recife, 10 de Fevereiro de 1887.
EhhM
73 3t4t idem.
DEM DE MINAS-
Menos de 81 \
IDEM DA COLONIA IS
Distribue em premios mais de 85 1i8jo-
IDEM DO PARAN'
75

APPROVACO DA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS
O qninium Labarraque um Vinho eminentemente tnico et febrfugo destinado ubettrmr todas a
preparaces de quina.
O quinium Labarraque contem todos os principio activos dos vinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vantagem aos convaleseentes de doencas graves, as parturienie e
a todas v. pessoas fracas ou debilitadas por urna febre lenta.
Tomado com as verdadeiras pilulas de Vallet, sao rpidos effeitos que produx nos casos de chlarou,
mia, cores paludas.
Em razao da ei7.:ecia do Quinium Labarraque, preferivel jp* Q2
1 o em copo de licor, no fim da refeicao e as pilulas de Vallet antes. ^^gffjJs^ Y<*0t
Vende-se na mor parte das pharmacias sobe a assignatura : f
Fabrioacao e atacado : Casa L. FREBE
rrrT
esfriamento, gosse, (atarrho, Risica
XAROPE, HYPOPHOSPHITO. GAL
fle GRIMALT & C,a
Approrado pala Junta d'Hygiene do Rio de Janeiro
Fazendo-se uso deste Xarope, calmo-se os accessos de tos se, desap-
Sarecem os suores aocturnos, goza-se de um somno reparador,
esperta-se o appete, e o doe'nte, augmentando suas forcas, apresenta o
aspecto de quem gosa boa sade. Os mdicos recommendo que se tome
ao mesmo tempo as Pastilhas peitoraes de sueco de alface e
agua delouro cerejode GRIMALT e C\ que constituem os
dois calmantes mais inofensivos da materia medica.
O frimcos Tan, gu contm asta Xarope, mSo de urna bella edr to romm o lewmo
m marca da fabrica, o asilo a a Brjna da no8a casa.
Deposit a PARS, 8, Ru Vivienne, e bis priacipaes Pharmacia e Dngariu.
10, rna Jacob, Paria.
Precisa-se de urna boa engommadeira e que
ensaboe tambem, para casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companbia n. 2. Prefere-se
essrava e deve dormir em casa._________^^^^
Costureiras
Precisa-se de perfeitas costa-
reirs, paga se at *000 da
ros, no atelier de lime. Fanny
I va. rna do iwperador n. 50,
i. andar.___
Vendse urna armaca propiia para qualquer
negocio, na rua d Visconde de Inhama (tangel)
n. 50 : a tratar na rua Duqua d Caxias n. 94,
loja das seis portas.
Peitoralde Cambar
(5)
PREQOS
as agencias : frasco 2*500, 1[2 duzia 13/ e
duzia 24/000.
as sub-sgencias : frasco 2800, 1 [2 duzia
15*000 e duzia 28/000.
Agentes e depositario geraes em toda a pro-
vincia-Francisco M. da Silva & C, rua do
Mrquez da Oiinda n. 23. _
Advogado
Dominios F. le Sausa Leo
Das 10 h"rss d manh^ 8 4 da tard*, roa
do Imperador n. 16, 1 andar.________^^^
Coiinheira
Precisa-se de urna que dese-npenbe o ugar e
duraa ini caa; rua Duque de C118 n.
porcim^ di da lypographia._____________________
t
"? Medalba de Ouro na Exposnio univer.-al 1878 W0
BOROEOS (FRANfA)
-9 Dipoiios em todas a tendal de ComeiUblas. 9-
o
PERFUMARA
PARIZ
Segredo da Juventude
AGUA LflFERRIRE
Para o Toucador.
POS LAFERRIERE
LAFERRIERE
PARIZ
Segredo da Juventude
OLEO LAFERRIERE
Para os Cabellos.
ESSENCIAS DIVERSAS
Para o Rotto. "^M >*' Para L'nf-
PRODUCTOS HYGIENICOS para conservar a Belleza do Rosto e do Corpo.
C e lias principae' Perfamarias e Cahellereiros^
Cxigir r tillo
fausta?
SOLCAO COIRRE
AO CHLORrtYD90-r HOSPHATO DE CAL
SNDALO de
Dprorado pela Junta d'Hygiene do Rio-de-Janeiro
Snpprime a Copahiba, as Cubabas e as Xnjeccoes.
Cura em 48 horas todo e qualquer corrimento. E' da maior
efieacia as afl'ccQSes da bexiga, torria as urinas claras por mai3
turvas nue sejao. Deposito em Pars, 8, ru Vivienne.
Exigir o etilo
Frente*.
O Mk Mdaraaw Oa reeoaatltaintes adi;itado por todos os Medico da Sorapa aa
^yuquo* feral, Anemia, Chloroiit, TUiea, Cachexia, Xtcre/uiat, RseMtUMo, Dono*
la euoi, Cresctmeeto Hffe Sat crtancat, Pasito, Dyiptptai.
sris, COIRKE, r~, 7, rsi a* CatrtlisHidi. 1
SJ5
iPatrMsta.
INJECTION CADET
dura certa em 3 (Has sem ontro medicamento
csrtta it *
Dahtros, Chavos
Virus, Ulceras
DEPRATTOCHABLE.
Ea tiu m Pktnatlu tt Dslnn*
Onde ee encontr ret i
IsuctiCkM.
S*5^ ,
GoMOMH, FLOKSbnneas,
PENtkt SEHIIMAES,
ESGOTAHENTO, etc., ttt.
OTH1T0 DE FEHBO CHABLE
36
CHABLE
AR/S
Em todos aa boot
>e
Pharmociai
o a-Jnaae
V
*+Ml# r. J4>taemmt*
(31


r
-.
-
I
l
m
%



.

t

f
r

--


tf


Diario de Pernambuco-- Sabbado 5 de Fevereiro de 1887

\
GMULSAO
SCOTT
1>K OLEO PUEO DE
Figrado de bacalho
COM
H>p|ihosphitos de cal e soda
Approvada pela Jimia de Uy
giene e autorizada pelo
goveruo
E' o roelbor remedio at boje deucoberto para a
(laica UroneUife. eeeroplralae. r-
rtaltin. anemia.! ebilidaO* en eral.
deflnn. toaae ebronlca e aflreccOea
pello e *a gaana. ftSfi
E' muito- superior ao oleo simples de figado de
a**i pnrepw, alear te cheiro e sabor agrs-
daveis, possue todas aa virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm daa propriedades tnicas
reconstituintts doe hypophospbitoa. A' venda nat
^rogaras e botica.
Deposito em Pernambuco
Costureiras
Precisa-ee de perfeitas costureiras, com urgen-
cia ; na ra da Aurora n. 39, 1 andar.
Jalroph
Manipoeira
Esse medicamento de orna eficacia reconbecida
no beriberi e ontras molestias em qae predomina a
hidropesa, acba-se modificado em sua prepara-
cao, .raeas a urna nova formula de um distincto
medico desta cidade, sendo que comente o abaiio
assigaado est habilitado para prtpaial-o de modo
a melborar lbe o gosto e cheiro, aem toiavia alte
rar-lhe as propriedades medicamentosas, que se
conservam com a mesma actividade, se nao maior
em vista do modo por qne elle tolerado pelo
ee te mago.
I iiico deposito
Na pharmacia Conceicu, ra do Marque* de
Olinda n. 61.
cierra de Mella
VENDAS
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinbeira que en'.cnda bem
de sen officio, paga-te bem e casa de pouca fa-
milia ; na m do Caenga n. 5-A, laja.
Celeste
.--i
Cosinheira
Precisase de urna cosinheira ; a tratar na tra-
vessa de Fernandes Vieira n. 8, becco do Padre
Inglec.


I
l *
w
1982, BoMeaux: UedaJha de Brtnre;
Bloia : htJ&>r,A ce Fat*: Roche-
lort: Uencto de Htdiina de Pra'%
grande mode'o -;8S3,Amste;dam:
tena/na de Prati douraaa. 1885,
Expsito do Trabalho: admtate
FaUflll
Aliweutaco Riea
tu rincipios uoUta ikoaatUilM.
A r&EIHHa Milif o melhor auxiliar
da ama de leitc na allmenlacSo das crlanciniias.
Experimentada com o melho'r xito as Crochs,
Hospitaes e Asylos, soberana para as enancas,
pessoas iuosas, fracas e as que soffrem de
Gastritis. Gastralgias. Molestia ile Intes-
tinos, priso de ?entre rebeldes, e todas
as Affecc&es que nao permitiera, ao estomago
supportar a allmenlaco nc-cessaria para a pro-
-duc?o da forca e da saiWe.
EIIG1R 1 MCA REGISTRAD!: k TOtOl
PharmaeiaMEU#,cn Bonleuiuc (franca)
ta PtrnimoiiQO : Tram- K. lia Silva 6. C*.
Rodrigues de Faria ft C. aeabam de receber dos
Srs. Bento de S & C, urna especialidade em fu-
mo Bio-Novo, desfiado a capricho, com a marca
Celeste,cujo emblema os seus fabricantes ao
deixam-se desmentir, porque realmente macio
aromatisado, fazendo crr mesmo quelles que j
o apreciaram, que os aojos agradecidos pela feliz
lembranca o balejaram : roa de Maric e Barros
a, II.____________________________
U eommercio
O guarda-livros e baraneiador Luia de Franca
Marques, participa ao eommercio e ao publico,
que pode ser procurado em sen escriptorio roa
das Trlncbeiras n. 48, 1 andar, daa 9 s 4 horas
da tarde, e as demais horas em sua residencia i
ra da Conquista n. 8, para os mis teres de sua pro-
fiseo, como seja : eseriptnrac&o por partidas de-
bradus,balancos, contratos e distratos mercantis.
Vende* se om boin sitio na estrada de Agua
Fra, junto a bomba estremando cora o sitio do
Cali, com boa casa, boa agua e melhores coturno-
Jos ; a tratar no meamo sitio, ou na roa Formosa
numero 25.
t Vende-se a casa da estrada de Luii do Reg
n. 21, eom muitos eommodos; e agua encanada, e
um terr no ao lado da mesma casa ; a tratar na
roa eitreita do Rosario n 24.

Precisa-se
de urna mulher para ama de homem solteiro, que
saiba ben cosiuhar, prefere-se de meia ida de e
boa conducta ; na ra Direita n 23, se dir quem
qoer.
Cosinheira
Precisa-se do urna ama que cosinhe com per-
feicao e de om rapas de 12 a 16 anuos, de bons
costumes, para o aervico domestico de casa de fa-
milia ; na roa do Mrquez do Herval n. 10.
t!^....
Estes
POS
dio ao Rosto
a bella alvura vapo-
rosa que fez a reputacao
das Bellezas da Antiguidade.
L. PANAFIEU a Cu
Paria, ra Rochechouart, 70.
lleiiMllrloifBPsrnamM/co :FrHC~M.taSILVA C,
I....I
^TplVERem
V m pot Doa w
V* Nova PERFUMARA Extra-fina
rCOpYtOPSS col APit
i --f-"i
)....... ..CORYLOPSIS it JaPO \ ri i.iutt... saCORYlOPSIS*. J1PI
,^*.....M C0RY10PSIS ioLtlti iuuimu.. aCORYLOPSIS de JlPa6
ilUi.TMCaiaS9RY10PSISfl JAP01C........a CORYLOPSIS do JiPil
una.......atURYUP&iSitJiPifliPMaM......aC0RIL0PSlialJAP8
Ps^t&fcAft

r

:
Fa/endas baralissimas!!!
SSo as segnlntes vendidas por preeos sen competencia:
Lindos fustSes de listrinhae, padr3? chiqueB 8 40 reis covado !
Seinetas ci-. quadrinhos a 360 ris o dito !
CretoneB superiores, 1 metro de largura, a 600 ris o dito !
Cambraias brancas bordadas a 641000 a peS de 10 jarda !
Linbos de quadrinhos escocez a 200 e 240 ris o covado I
Merinos de todas as cores, a 600 ris o dito '
Esplendidos sortitnentos de ISs para vestidos a 500, 600 e 700 o dito.
Oaxemires novHadcs a 10500 e 10800 duas larguras.
Gasea de cores com palmas de seda a 800 ris o dito l
Merinos pretos e Caxc-mires, a 10000, 10200, 10400 e 20000 o dito I
Velludilbo borofcdo de todas as cores a 10000 o dito!
Scn iraco de U.ds.8 cores a 10000 e 10200 o dito l
Popelina branca para as Exm.as noivas, a 500 ris o dito !
Guarnic,ots de crochets para caceiras e sof a 80000.
Vestuarios de 13 para cranos, (novidade) a 70000 e 80000.
Meia al vas para enancas a 20500 a dazia !
dem ornas para hornem a 40000 e 5000.
Grrtis re fustMes para coletea a 20000 um !
Caxemira ingleza a 40500, 60000 e 70OGO o corte 1
Chevi.is superiores, preto e azul a 20800 e 30500 o covado 1
Completo aortiniento de casemiras, pannos e brins e muitos outros artigos que serao
lembrados presenca dos leitores
iMill MGI! K
59--Rua Duque deCaxias-59
\os 1.000:006^000
200:000|>000
100:000*000
\.
iid lotera
\ DE 3 F
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA
A
PROVIMi DE PERNAMBUCO
Extraccao a 14 Qe fle 1887
0 thesoareiroFrancisco Gon^alves Torras
OPPRESSAh
truuMcrun
NEVR'ApAS
ium tiiLv;s i:m
ploma aervoso, acuita
ispra-ae a f!MBr* aoe oaaetra uo pello acalma o symptoma lervoso, I
i ipectoracao e rlrorlaa a#|ttncc6ea dos org:6s regiratorios.
raatiiai.....n m usa li '---------------------------------'
iflLlB
Engenho venda
Vende se o engenho Marici, eon safra ou sem
ella, situado na tregu'sia da Escada, distaute da
respectiva estacSo um quarto de legos, podendo
dar seis eaminhos por dia, moente e corrente,
tem duas casas grandes e 2 pequeas para mora-
da, e ootra para farinha com auas pertencas, tam-
bem se faz permuta por predios nesta praca : a
tratar na ra de Imperador n. 61, 2- andar.
Padaria
Vende-se a padaria Luxitana, na estrada do
Arraal n. 25, bem afreguezada e com poneos fun-
dos, e o motivo se dir ao comprador.
A Mevolu^o
A' rna Duque de Casias, resolveu vender
08 seguintes artigos com 30 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a' 14500 o covado.
Mirins de cores finos, a 900 e lf 200 o co-
vado.
Ditos pretos a 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
. Las mescladas de seda a 600 ris o covado.
Ditas com listrinbas de seda a 560 ris o dito.
Ditas com belinbas a 600 ris o dito.
Lindas alpacas de cores a 440 ris o covado.
Las com quadrinhos, a 400 ris o covado.
Gaze eom bolinhas de velludo a 800 ris o co-
vado.
Setim maco lavrado a 1*300 o covado.
Seda palba a 800 ris o covado.
Ditas de cores de 2* por 1*000 o eovado.
Setim maco liso a 800 e 1*200 o dito.
Grs de aples preto a 1*800, 2*000 e 2*500
o covado.
Setinetas lisas a 320 e 400 te. o dito.
Ditas de quadrinhos a 320 rs. o dito.
Ditas pretas finas, a 500 rs. o dito.
Pust5e8 brancos e de cores a 320, 400, 440,
500e800rs. o dito.
Zephiros finos, escosseaes, a 500 rs. o dito.
Zephires de quadrinhos a 180, 200 e 240 ris o
covado.
Zephiros lisos a ljOOO o dito.
AlpacSo de cor para pulitot, a 1*000 o dito.
Velludilhos lisos e tevrados a 1*000 o eevado.
Cretones finissimos a 240, 260 e 240 e 300 ris
dito.
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 440 ris o dito.
Colchas brancas a 1*800 urna.
QSeda escossf sa a 360 re. o covado.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Ditas de crochet a 8*500 dito.
Camisas bordadas para homem a 30*000 a du-
ia.
Ditas para senhocas a 30*000 a dita.
Cortea de casinira finos de 3* a 8*000 um.
Caeacos de laia a 10*00 um.
Fichs de retroza 1*900 om.
Ditos, de pellucia a 6*500 um, (bordados).
Cachemira de cor a 1*600 o co'ado.
Flanella americana a 1*400 o dito.
Cortinados bordados a 6*000 e 7*000 o par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Meias para homens de 2*400 a 9*000 a du-
xia.
Ditas para senhoras de 3*000 a 12*000 a du-
zia.
Mantilhetas de seda a 6*000 urna.
Espartilhos de couraoa a 4*000, 5*000, 5*000
e 7*500 um.
Toilett para baptisado a 9*000 e 12*000 um.
Lencos brancoe e com barra a 2*000 a duzia.
Anquinhas a 1*800 rs. urna.
Brim de linho de cor a 1*000 a vara.
Dito pardo a 1*000 a dita.
Esguio amarello e pardo a 500 ris o covado.
Chales de mirn liaos a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000, 3*500 e 4*000 nm.
Cortes de cachemira para vestidos a 18*000
um.
Redes Hamburguesas a 10*000 urna.
Panno de crochet para cadeiras e sof a 1*000,
1*200, 1*600 e 2*000 om.
Henrique da Silva Moreira.______
WHISKY
ROY AL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Esceesez preferivi
40 cognac ou guarden* de canna, para fortifica
9 corpo.
Vende-se a retaiho nos tu Iheres armasen*
oolhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo m>
ase e emblema sao registrados para todo o BrasL
BBOWNS & C, agentes
ltenlo
Vende-se ou permuta-se urna casa terrea sita
na travessa do Falco n. 12, com 2 salas, 3 quar-
tos, cosinha lora, grande quintal e cacimba, por-
tao dando sabida para a ra dos Ossos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta far todo
negocio por j ter o despacho do juiz, at para
butal-a em leilo, podendo apresentar os docu-
mentos aos permutadores, desejaudo tambero urna
por troca, ainda que se ja pequea, porm que es -
teja nova e bem construida.
Viveiro para passaros
Vende-se dous g; andes e bonitos viveiros po
p.eco coenmodo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado eom os passaros que possuia ; a ver
e tratar na ra do Imperadot n. 22.
Grande liquidado
na luja de miudzas
ftO lina Nova 5o
O proprietario do estabelecimentoBasar da
Moda, Bcien'ifica s Exmas. familias que em vir-
tude da prozima reedificaoao do predio em que
est estabelecido, tem resolvido liquidar to-
das as suas mercadoriaB, constando de mindezas,
perfumaras e artiges de moda, com grandes aba-
timentos, sendo que muitos artigos sao por preces
inteiramente baratos, como sejam :
Grande variedade de plstrons a 1*000 e 1*200
Sabunetes de areia ae Risger a 200 rs.
Drtrs ingleses, grandes a 200 rs.
Duzias de ditos a 2*0(0.
Garrafa de agea florida a 1*000.'
Vaso cem opiata a 900 rs.
Frascos com eztractos muito finos a 1*300.
Frasco con agua de colonia bmericana a 5C0 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Guarnivdea, linbas, fitas, bicos, botoes e artigos
de moda.
PARA ACABAR
Oleo para machinas
Superior qualidade, a 6*400 a lata
gal&ei; vende-se na fabrica Apollo
depsitos.
jm mu em cinco
na fabrica Apollo e de sen*
Veiide-se
a taverna da esquina da entrada do Fundo, em
Beberibe, por circunstancia de molestia, ggaran-
te-se as casas do estabelecimento e de morada,
sondo os alugneis de ambas de 20*000, ou alnga-
s ao a do estabelecimento, todo negocio fas- se ao
comprador : dirija-se mesma.
De primeira qualidade
Ponte Velha n. 41.
vende-se no bazar da
LOTERA do cear
400:000*000
L\ ntASFERIVEL!
Corre quarta-feira, | de Fevereiro
Ini vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
.-
I COLONIA I!
240:0001000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRMSFERIVEL!
Corre Qiiinta-feira, g de Fevereiro
i '*
LOTERA de alvgoas
300:00C$000
Esta acreditada lotera corre Ter^a-feira, 8 de Fevereiro



1NTR\KSE,MVEL,
600:000$000
Esta sedacin loleria corre sabbado 5 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os bilhetes l estas acreditadas loteras acham-se venda na
RODA DA FORTUNA
36--Rua Larga do Rosario-36
Sernardino Lopes Alheiro*
I
t
.
200:000$000
LOTERM DA PHDH.UI.1 lid PIIV
E\TR\C{iO DA 9a PARTE DA 1* LOTERA
El BENEFICIO DA SAfiTA CASA DE MISEBICOBDIA
Quinla-eira 10 de Fevereiro
AO MEIO DIA
Esta lotera, por algum tempo retirada da circulagilo, devido a grande guerra que
lbe promovern), orau do dominio publico, vem novamente tomar o seu lugar de
urna das ventajosas loteras do Imperio.
O agente pede ao respeitavel publico a sua benvola attenc&o para o plano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado nos jornaes e impresso no ver-
so dos respectivos bilhetes. O plano desta lotera o nico que em 50.000 nmeros
distribue
12.436 premios, ou qaasi a quarta parte!
Ainda mais: esta a nica lotera que premia todos os nmeros cu je s dous al-
gariamos finaes forera iguaes aos dos
QUATKO PREMIOS MAIORES
A SABER
1004 s duaB letras finaes do premio de.......
604 s duas letras finaes do premio de.......
505 s duas letras finaes do premio do.......
404 s duas letras finaes do premio de.......
200:0004000
40:0004000
20:0004000
10:0004000
Tambem sao premiados todos os nmeros das centenas dos quatro primeiros
premios.
Alm destes, tem esta lotera grande quantidade de outros premios de bastante
importancia. E' tambem esta a nica lotera que garante quem comprar 100 nme-
ros de terminacSes diflVrentes 32 1/2 % independente dos premios avultados que
posEam sabir na extraccSo.
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SEM DESCOMO
A's extraccoes sao feitas em edificio publico e sob mais severa fscalsacao por
parte das autoridades.
Os bilhetes acham-se venda na agencia e em todas as casas, era Santos, SSo
Paulo, Campias, Rio Grande, baha, Cear, Maraahao, Para, Amazonas er em Per-
nambuco rua Nova n. 40 CASA DO OURO.-
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto da Rocha Hontoiro Gallo
23W c Urugnay&in23
grageas de Ferro Rabuteau
.tunado do Instituto da Franga. Premio da Tharapeutica
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia. ,
As Verdadelras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorote, Anemia, Plidas Cores, Corrimentos, Debilidade, Esgotamento, Convalescencia,
Fraqueza das criancas, Depawperamento e Alterando do sangue em consequencia de
fatigas viglias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 a 6 grageas dor dia.
Nem Constipacao nem Diarrhea, Assimilacao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que "nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as criancas.
iitt Urna xplictoio data I hada acompanha cada frasco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & Cia, de PARS, que H
encentra em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos. -^
A' Florida
Roa Duque de Caxlas a. OI
Chama-Ee a attenco das Exmas. familias par-
os procos seguintes :
Lavas de seda preta a ljOOO o par.
Cintos a 1*000.
Luvas de pellica por 2*500.
Luvas de seda cor granada a 2f, 2*500 e 3*
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1*500, 2*, 3*, at 8*.
Ramos de florea finas a 1*500.
Luvas de Kscossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rr, 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. om.
Anquinhas de 1 *5(-0, 2*, 2*500 e 8* urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 rs.
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
dem La Fignrine a 5*000.
Pentes para coco com inscripclo.
Babadores com pintura e nsenpeoes a 200 ra.
Enchovaes para batizados a 8, 9, e 12*000
1 eaixa de papel e 100 envelopes por 800 rii
Capella e veas para noivas
Suspensorios americanos a 2*500
La para bordar a 2*600 a libra
MSo de papel de cores a 200 ris
Eslojos para crochet a 1$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
Para a paresia
GalSo de vidrilho metro 1*.
Franjas de vedrilho a 1*,
Luvas pretas de seda e Esccc Franjas e galoes finos a 2*500, 3*e '4* o metr
Para o carnaval.
Lindas mascaras.
Bienagas de p de arroz.
dem dem de ouro.
dem pe fumadas.
Lindas franjas de seda de corea com frocoa pa-
ra eufeitar vestuarios de mas caras a 1 e 500 rs.
o metro, fazenda que j custou o metro.
Papagaios de papel a 200 ris.
Periquitos de papel a 100 ris.
Leques e votarolas a 200 ris.
_BAIiBOSA & SANTOS
Tainhas
Vende-se tainhas
de superior qualidade,
em quartolas eero bar-
ris, mais barato do que
em outra qualquer
parte; na ra de Pe-
dro Affonso n. 11.
I
Turbina
Superior assucar im turbina, especial pan
doce. Bffinacao Salgueiral ; 445 numero tele-
phonico. Ra Marcilio 9is n. 22. ^^^^^
Cabriolets
Vende se dona cabriolets, sendo um descoberto
e outro coberto, em perfelto estado, paaggo ou
dous cavaJM; a tratar roa Duque de Caxiss
n. 47. 1


Diario de PcrnambucoSabbado S de Fevereiro de IS87
.



m*.
i
i.
L1TTERATU&'
0 AMIGO DO MARIDO
POB
JULES MA.RY
-t*)-
II
(Cvntiniutyl)
NSo perdeu festas, corridas, rounioss,
cavaleadas, bailes. Foi vista e admirada
em toda parto. Vesta as toilettes mais
elegantes, de um apuro e originalidad taes
que logo attrahirain a attencSo. A pri-
meira alegra que teve depois do casamen
to foi quando os reporters parisienses lhe
citaram o no me com o das mais elegantes
senhoras do high-life. A maomparavel bel-
leza de que era dotada, reamada pelo mya-
terio que a rodeava, a tinha collocado, por
um momento, ao nivel daquellas. Quando
porm se soube que era casada com Hol-
gan, a admiracSo que nspirava nao dimi-
nuiu, mas tomou-se menos respeitosa.
Coquette e leviani, em extremo, viu-se
logo rodeada e rquestada pelos rapazes e
trocea galanteios com os mais conhecidos
sportmen e c'ubmen de Diippe e outras es-
tacSes baliteares.
Por isso, os reporters, referindo-se a um
baile em beneficio dos pobres, dado no Cas-
sino, a que ella assistira e onde tinbam
conseguido entrar algamas senhoras de re-
putacao duvidosa, no juntaram o nra
della ao das senhoras da boa sociedade, co-
mo haviam feito da primeira ven.
Nao lhe causou isso abalo, porque, tal
lando do baile das corridas, deacreverara
minuciosa-uente seu toilette ; vest 10 de
seda branco e lilaz, com fofos da renda
e avental bordado ua vidrilbo branco.
Nada, omittiram, nem mesmo a exptes-
sao cariohosa dos olhos sob as largas abas
do chapeo de palha guarnecido de gnipare.
No meio de tudo isso, que papel fazia
Holgaa ? Nunca teve om mo pensamen-
to ; nao acredita va no mal, ou aatr s nao o
conhecia.
Desde que sa casara,
em coutinua ombriaguez,
ria at a adoracSo, com
bordando de felicidade.
parencia grosseira
culta, abrigava-se
E nSo se importou mais com o marido,
que, entretanto, csteve donte, durante
quinze das.
Foi entilo que lhe appareceu o primeiro
receio e pela primeira vez sentio apertar-
lhe o carasio.
Notou a indifferenca de Catharina mu,
anda aesim, dessulpou-a. Se eslava
sempre tSo oceupada Passava a maoba
voltava
, quasi sempre,
diese elle baixinho, abra,
aocordado ? O que
vivia mf.rgulh.vJo
amando Catha
o coracao trans
Debaixo da ap-
daquolla natureza in
urna delicadeza extre-
ma, urna sensibilidade veriadeiramente te-
minil.
Identificou so com a linda parisiense a
ponto de sentir as mesmas impressoes de
goz>r dos meamos triumphos.
' Confiado e simples, nSo vio que una o
olhavam con do e outro3 riam-se. Tra-
jando desgeit03aroente, apezar da roupa
ter sido feita por um bora alfaiate ella
aisim o tinha querido ni iguem havia,
as salas, mais contrafeito, embarac^do e
perturbado do que elle.
Para ver isso teria sido preciso mais
calma, menos vermelhidao no rostoesse
affluxo de saugue que lhe suba cabaca
quando se achava sob a luz deslumbrante
da um lustre.
E percorria o baile dando e recebando
encontrSes sam se inquietar senSo com
Catharina, que, por vezes, va pasaar. nos
bracos de um cavalheiro no3 turbilbSss da
walsa.
Entretanto, esta nova existencia aucce-
dendo regularidade da viJa laboriosa
e oheia de privacSea a.que eslava habitua-
do, alterou lhe a saude.
A trausicSo tinha sido demasiado brus-
co, manifeatou se um pouco do febre o du-
ranta siguas diaa o robusto rapaz passeou,
no jardim, paludo e irritando.
__Eat doante? perguntou Iba Catha-
rina.
__E' a primeira vez que me acontece
tal cousa! disse JoSo, riodo-so... isso
-' > - alo nada. Sim, sei que multo forte 1
- FOLHETIM
na cama, porque
muito tarde.
O da era destinado As visitas, aos con-
ciertos, ao toilette. Da noite, ia ao espec-
tculo, s festas do Cassino ou s reunioea
particulares onde era admittida.
Urna noite em que a febre nao o deixa-
va dormir, JoSo levantou-se, foi a j mella
e olhou vagamente, no co carregado de
nuvens, os relmpagos precursores da
tempestado.
D'ahi a pouco comecou a tro vejar e o
mar, agitado, veio tomar parte naquello
concert ruidoso. A chava cabia, refres
cando a atraosphera abrazada o estalando
as vidracas e na areia do jardim.
Nessa noite, urna companhia dramtica
exaellente, embora organizada As pressas,
e que baria chegado na vespera, levava
acea A s: ciedads onde a geute se abor-
rece.
Catharina nao deixou de ir. Estreava,
justamente, um vestido de seda adamasca-
da, cor de malva, em cuja aaia, do pregas
lobreaahiara riquissi.naa rendas; o fich
era do rendas.
Tanto no vestido com 3 no ficha' e at
no lindo chapeo de palha estavam espa
Hiatos, com profusao, rarailhetes de amo-
res perfeitos.
Estava encantadora assim.
Tinha nos olhos un brilho suave e vo-
luptuoso o via se-lhe, por asna dizer, o
ardor do saogue, sob o avelludado trans
prente de seu lindo rosto rabe. Foi,
como sempre, admirada.'
A' meia noite, JoSo sentio pararem al-
gun3 carros, junto grade do pateo.
Catharina apeou se de um dellea e Joao,
que tinha excellento vista, pode vel.a, i
luz dos relmpagos, despedir-ae familiar-
menta de alguus rapazes, que o tinham
ido acompanhar at casa. Ohegaram-
lhe aos ouvidos palavras enteraortadas de
risos e enfraqaocidas pela distancia. E
nada mais.
Catharioa entrou e o pescador eonser-
vou-se aiada janella com a cabega entre
as raaos, porque latejavam-lhe as fontes
de um modo horrivel. Por que nao vol-
tara ssinha ?
Quem rara aquolles rapazes? E, cau
sa notavel, urna daquellas vozes tnha-lbe
penetrado ao coracao, como urna puahala-
da ; estava certo de tela ouvido j, On-
de ? Nao o sabia. Ah Landry!...
Sim, era a voz do BarSo de Landry, a
quem se referir urna das cartas anony-
mas. Landry em Dieppe I Landry aaom-
panbando sua mulher 1
Que loucura! Pois ira agora tornar so
ciuraento II demais a mais sem mo-
tivo
Enxugou a testa bauhada de saor.
Ora essa, pois nlo estou todo mo
Ihado pela ebu"a exclamou em voz alta.
Quera ludirse a si pronrio. Tinha
o rosto afogu^ado e senta suffoeacSea.
Voltou janella e debrucou-sa o mais
que pode para respirar. A noite estava
escura e o vento soprava, cada vez mais
forta ; dir-se na, que o co e a trra cou-
fundam-se n'um eahos. E ao long?, no
extremo da cidade, o mar quebrava se,
com um ruido enorme, nos rchelos da
costa.
Foi a raaior tristeza qae sentio, depois
ca raorte de seua pas e do naufragio da
Caridade, tristeza inconsciente, mas que
o prostou, Atordoado, sem saber o que
ia fazer, nem dizer : aguilhoado pelo cal-
ino, correa ao quarto de Catharina e ba-
teu. Por baixo da porta filtrava-so urna
res'.ea de luz indicando que Ha nao se
deitara ainda. Estava se despindo sem
auxilio de criada; reinava profundo silen-
cio.
Sou eo,
Catharina...
Pois ainda est
desaja ?
Preciso fallar-lhe. ..
Abrise a porta. Holgaa entrou cabis-
baixo, humilde, tendo vontada de ajoelhar
se, como se estvesse n'um templo, nao
para rezar, mas para
que ia dizer. /
Catharina mostrou-se admirada,
estavtt habituada a vel o aquella hora.
Pela alteracSo do rosto de Holgan com-
prahan icu que se tratava do ama scena.
pedir perdao pilo
NSo
franzio a testa e, como tiaha os hombros e
o pessoco descobertos, vestio um peignoir,
cujas rendas foram cahir-lhes graciosamen-
te sobre os pequeos chinellos turcos, bor-
dados de perolas veidadeiras. Depois
aentou-se n'uma poltrona e, cruzando os
bracos, perguntou :
O que aconteceu I Sente-se peior ?
Vou raelhor, obrigado.
Ento alguma noticia desagrada-
vel?... Diga depressa... Estou fati-
gada, e com somno; nao me faja consti-
par.
E Holgan, procurando auavisar a aspe-
reza natural da voz :
Catharina, vou parecer lhe, talvez,
ridiculonao a tratava mais por tu desde
que ella lhe dissera nao ser isso usado na
boa sociedade mas amo-a tanto, sinto-me
tao infeliz que mo perdoar...
E parou embarazado.
Vamos a ver, disae ella sorrindo.
Ha pouco, quando entrou, ou estava
janella, por acaso... a febre nao me
deixa dormir... e ouvi, julguei ouvir qae
nao vinka s. algumas pessoas, uns ra-
pazes a aoompaahavam... pareceram-me
muito alegres... e, como talavam alto, pa-
receu-me reconhecer... de certo me enga-
nei. "
Catharina nterrompeu-o encolhendo os
hombros :
O Barita de Landry, nao assim ?
Joao moveu affirmativameoto a cabera ;
nao poda pronunciar urna palavra. Estava
paludo, mas tinha os olboa fitos em Catha-
rina. Esta observoa o curiosamente.
E' ciamento ?
Sou, disse elle em voz baixa... tao
bella I
E' exquisito !
Deu dous ou tres passoa pelo quarto e
accrescentou :
Faz mal em preoecupar-se com o Ba-
exclamou de re
O OOKCKJNM
POR

QARTA PARTE
O PALACIO ULl
(Cuntinuagio do n.
* VI
28)
A lima do MinalMHlpi
Cocardassa e Passepoil, taudo feito Sa-
m os assaltanntos, olbaram em torno de s.
__ Virara ainda o do.niu > de d rosa
no mesmo lugar.
Era Cidalise que ganbava as suas cem
pistolas.
Coordassa e Passepoil, f lzea por ter
dado impunemente o socco, coraecaram a
vigiar Cidalise, repetindo com triumpho :
Andemos direito !
Durante este teropo, Aurora desorienta-
da, e nao vendo nH os aeus dous protec-
tores, era obrigadi a seguir os movimentos
daquelles que a ce r ja van.
tatee pareciaai ceder mullidao e diri-
giam-se insensivelmeata para a moita si-
tuada entre o ropuaho e a rotonda do Dia-
nae
Era ao centro daquella raoia qu3 ae er-
gua o cubiclo de uiestre L; truant.
As pequeas nms, cortadas nos massi-
coa, eram toituosas segn lo a moda ogl?-
za, quecomtyava a introduir-iC A mili-
tidao seggia as grandes avenidas e> deixav.t
aquellas cirriroa auaar dejettoj.
Junto Jo cubculo de mctra Le Breant,
principalraento, havia completa solidao.
Foi para abi que anastaram a pobre Au-
rra.
Caavemy levou a mito mascara. Ella
sfitou um grande grito, porque o tinha re-
.Onbecido pelo joven de M.drii.
ro de Landry. Nao o amei, nao o amo
na) o amarei nunca.
Date /e-so e depois
pente :
Sinto qae seja ciamento, ser infeliz.
Ciuraento ?... Que idea Por que casou-se
comigo ?
Desde que a vi, sent um amor doli-
do I...
Pois eu nao o amo.
Joao recebeu o golpo com firmeza, ape-
nas se lhe contrahiram as feicoes.
Deva ter-me repellido, tirado a es-
peran ca...
Por que ? Se eu nao o ama va, tam-
bera nao o odiava. Tinha tanta razao pa-
ra aceitero casamento como para recusal-
o... NSo amava a ninguem... appareceu
o aenhor... era rico... eu era bella... effec
tuamos urna troca...
E' um negocio como qualquer outro;
todos os das v-se isso... A maior parte
dos casamento a nSo se fazem de outro mo-
do .. amento d se lhe outro nome... Cha-
mam se casamentos de conveniencia... Afi-
nal, reflectindo, nSo be pode queixar... tem
urna mulher bonita, cobicada por muita
gente, garanto-lhe... Quanto a mim, tam-
be m nao sou infeliz..
Tirou-me da miseria... sua generosidade
permitte-me aatUfazer caprichos, que sSo
numerosos, concordo, e at mesmo despen-
diosos... Mas nEo poderemos nos viver
juntos, como amigos, sem nos insommodar-
mos mutuamente e principalmente sem in-
troduzirmos, em casa, esse hospede impor-
tuao que se chama ciume ?...
Escota, Catharina, nSo estou habi-
tuado s phrases e nunca conversei, em
minha vi la, senSo com pessoas tSo igno-
rantes como eu.
Pois bem, ouvndo-a, sinto que alguma
cousa se ravolta em mim e como qae dimi-
nue o meu amor... de certo deve ser bem
mo o qae est dzendo ..
Catharina voltou para a poltrona. Re-
costada como estava, viam-se-lhe os brazos
alvos, admiravelraente torneados.
Tem razao, murmurou com os olhos
baixos e-como fallando comsigo mesma, fiz
mal .. Nao merece que lhe falle assim...
Comprehendo que deve estar sentido... Mas
tambem, meu Deas, porque se en:ontrou
commigo ?... Por ventura prouarei-o... Fiz
o menor esforco para attrahil-o ? Vamos...
rosponda, JoSo... porque nSo se casou com
alguma rapiga do 'oltat o foi, justamente,
procurar urna parisiense?...
Eu te amo I Eu te amo I exclamou
Holgan, apaixonadamente.
J vejo que nao nos entendemos.
Invejo-o. Quizara amalo tambem... NSo
quero parecer peior do que sou... experi-
mentei... nSo pude conseguil-o...
NSo me laya fijar louaa, Catharina 1
E' preciso que me ame... Diga o que de-
vo fazer...
laso nao me compete, meu amigo...
O amor compSe-se de mil nadas... de at-
ten5es... sorprezas. omfira nSo sou eu
que devo ensia r-lh'o.
Holgan abanou a cabega.
NSo croio que o amor seja tao com-
plicado, a m*no,s que haja tantas manei-
ras de amar qaantos sSo os individuos e os
genios... NSo sou delicado, verdade... e
tenho tSo poaca imaginacSo que me seria
preciso quebrar a cabega para adivnhar-
Iheos desejos... Isso natural em quera
como eu sempre viveu solado e cuja vida
passou-se nos mais duros trabalhos para
ganbar o pSo de todos os dias... Entre-
tanto, sinto que amo-a com um desses
amores que nSo posso exprimir... Procu-
ro pontos de comparacSo e nSo encontr...
Por urna palavra sua teria abandonado
meus pais... iaoa um signal e uSo mais
verei meus amigos... Pode fazer de mim
o que quizar... Minha vida pertence-lhe ;
disponha della. Oque lhe estou dizendo
j lhe foi, com certeza, muitas vezes repe-
tido por outros mais instruidos e elegantes,
ma3 nenhum o provou... commigo, experi-
mente. .. ha muito tsmpo que estou habi-
tuado a encarar a morto... Ainda nlo ti-
nha dezoito anuos, quando effactuei o pri-
meiro salvamento no mar...
Sei qus valen te.
Nunca hesitei diante do perigo e nSo
tenho n8so grande mrito... nunsa reflec-
t... Dizem que a reflexSo tira a cora-
gara ... Portanto s merecem elogios os
que a tm... Ea, nSo. Amo-a e para pro-
val-o seria capaz de matarme diante de
si... de boa vontade... sem hesitar...
ao trense certeza de se lembraria de mim...
E' muito natural .. NSo cor .gem...
NSo, meu po re JoSo, seria loucu-
ra. .
Porque?
Porque, francamente, nSo mereyo
esse sacrificio.
Oh Catharina.. .
Sei o quo vai dizer : sou bella. Ado-
ra-me. Antea eu fora menos bonita e mais
simples .' Ambos lucraramos, crea.. .
E depois de ama pausa, continuou
Perdde-me ae o fago aoffrer... NSo
minha culpa. NSo sei, muitas vezas, o
que se passa em mim e at tenho medo
do sondar o coracSo. Repito, JoSo, que fiz
tudo quanto me era posavel paraamal-o...
NSo o consegu. Porqus ? Nao sei...
Entregue a mira mesma, desde crianga,
sem nunca ter amado at hoje, dai largas
imaginacSo...
Ah I JoSo, se infeliz, nSo o sou me-
nos.
Estimo que tenln viudo fallar-me e que
nosaa conversagSo tenha tomado essa di-
reccSo... ficar me conhecendo mlhor...
Hiato dizendo que nSo sei o que se
paisa em mim.,. creame que nlo sou
roa .. Ah I so eu o amasse I
?Jo3o abaixou os olhos ; as lagrimas lhe
corriam pelas faces.
Ella proseguio, commovida :
Faoo-o soffrer JoSo? Perdde-me !.,.
Era preciso dizer-lhd todo... Aceitando-o
por marido... nSo me comprometti a
amal-o...
E' verdade, osperava que meu amor
ser', um da, retribuido. NSo imagina va
qae poda tornar-me ciuraento a este pon-
to o soffrer tanto Catharina, sou um des-
granado, nao ma torne mais infeliz ainda...
nSo me cause ciames, peco-lbe... Ha pou-
co, ouvindo a voz de Landry, compreben-
di que poda perder a cabeca... s contie-
no a colero de nomo... mas, por isso
mesmo, quem sabe se a minha nSo seria
terrivel, se houvesse motivo ..
Est ameacando? perguntou ella,
com altivez.
NSo Catharina. Fallo com toda a
simplicidade, dizendo o que peaso e no
aeu interesse... J que nSo me ama, tem
no coracao lagar para outro amor. Esse
nSo lhe permittido. .
E accrescentou,' abaixando a voz:
E eu nao o permittiria, comprehen-
de?
Catharina fitou-o procurando adivinbar
O grao de energa contido naquella phrase.
Depois disse, encolhendo os hombros:
Estoa cora fro... se me deixasso
s?
JoSo sabio cambaleando. Zambiam-lhe
os ouvidos e, para chegar ao quarto, teve
de segurar se s paredes. Esta scena pe-
ai vel causara-lhe febre.
(Continuar-se-ha).
;
V

i
Com o grito que soltara Aurora, a porta
do cubculo abro-ae.
Um hornera alto, mascarado, completa
mente escondido por um ampio domin pre-
to, appareceu na aoleira.
Trazia na tuao urna espada.
NSo se assustc, encantadora dama,
disse o marquez ; estes senhoras e cu to
mos nicamente ceus humildes admirado-
res.
Dizendo isto tentou passar o braco ero
torno da cintura de Aurora, que gritou por
soccorro.
S gritou urna vez, porque Albret, que
se tinha esgueirado por traz dalla, tapou-
lhe a bocea com um !eo$o de seda. Mas
um s grito foi bastante.
O domin preto pogoa na espada com a
mao esquerda.
C .m a direita agarrou Chaverny pala
nuca e atirou o a dez pasaos de distancia.
Albert teve a mesma sorte.
Dez espadas 3ahiramdasbainhas. Agar-
rando n su com a raSo direita, desarraou
era dous passe3 Gironne e Noce que esta-
vam na frtnte. Oriol, vendo isto, nao es-
tove para historias.
Tendo ganho as suas esporas, o novo fi-
dalgo poz-se a ug'r gritando : Soccor-
ro 1 i Montaubert e (Jboisy carregaram :
Montaubert oahio de joelbos, com un gol-
pe que recebeu na orelha. Choisy, menos
feliz, apanhou urna cutilada na cara.
Eutrctanto, os guardas fran :ezea ohega
vaui fctt ahidos polo barulho. Oa nosso
amadores de aventuras dsper3aram-se co-
mo um bando de .dornhas.
Oa guardas iraaxzes nlo encontraran!
ninguem, porque o domin preto e a moja
trabara timbera dcsapparecdo como por
encanto.
Ouvram s a bull < da porta de raestra
Lo Brean: que se f-ichava.
Safa I disso haveruy, encontrando
N*vaille na acult!lo, que aarrafusca Que-
ro eucon:rar mi :o ^ aquelle vahntSo, quan-
do inuis nao s ja, a nao para apresentar-
Ihe os ra-U3 rumpriraentos pilo seu pulso.
Gironne c Nje ehegavaui d cab:$a
baixa.
Obji,y estaca/4 a um canto cora um
lam;o ensanguentado j: ? cara; Aljntaubcrt
escanda aofoHi* -ortadi o meibor que po-
Outrja cinco eu seis tiuham tambem ar-
raubSea mais ou menos apparentea a escon-
der. S Oriol estava intacto.
Olharam une para o outros com uro ar
tris*-*.
A expedicSo tinha tido mo resultado, e
todos perguntavam quem podia ser aquelle
valente esgrimidor.
Conbeciam todos as salas de armas de
Pariz, e ah nSo se fazam floreios como
no fira do seculo anterior. J se uSo usa-
vara.
Ninguem, entre oa amadores de espada,
era capaz de por em debandada oito oa dez
espadachins, e de mais a mais, sem muito
trabalbo. O domin preto nSo ae embara-
cou com as loogas pregas da sua vest-
menta. Apenas cabio a fundo duas ou tres
vezes e com grande firmeza. Que valente
pulso !
Era um estrangeiro. as salas de armas
ninguem, nem mesmo os raestres, era da-
quella raaravilhosa forca.
Ha pouco tinbam falUdo daquelle duque
de Nevera, morto na flor d*>s annos. Eis
ahi um homem cuja lembranc* ficoa era
todas as academias, lgeiro como o pe asa-
ment, um p de ac, olhar de lynce I
Mas toha morrido, e com certeza todoa
all poaiam testemunhar que o domin nao
era um phantasma.
Tiaha bavido um homem no teropo de
Nevers, um homem mais forte que o pro-
pro Nevers, um guarda do fallecido rei,
que sa chamava Henrique de Lagrdre.
Mas, que i.nportava o nomo do terrivel ea
pada ? O que certo que os nossos li-
bertinos nao tinham tido muit* felicidade
aquella noite.
O Corcunda tinha-os batido com ln-
gua, o domin preto co.o a espada. Tinham
duas desforras a tirar.
O baile I O baile I
Sua Alteza Real! as princezas por
aqu 1 por aqu!
__ O Sr. Law I por aqui I O Sr. Law,
cora milord Stairs, embaixador da rainha
Auna de Inglaterra.
N;lo empurren! I ba lugar para toda
a gente.
Maloriado 1 Insolento I Bruto !
E o reato, o verdadeiro, o predilecto
prazer das multidSaa : costellas partidas,
pea earaagaios, mulheres desmaiadaa !
Do fuado d multidSo ouviam-se grito
egudoa.
As mulher s pequ*nas goatam de afo-
g.ir-se na raaltidao. NSo ?3.n nada abso-
lut.miente, aoffrain ura martyrio, mas nSo
podem resist'r aos a'tractivos daquelle sup-
pliio.
O Sr. Law Olbera, o Sr. L*w, que
sabe a escada do regente !
fa-
fallava
VARIEDADES


Esta de domin cinzeno Mme. de
Parabre.
Aquella de domio cor de castanha
a Sra. duqueza do Phalars.
Como o Sr. Law est vermelho I jan-
tou bem I
Como o regente est pallido deva
ter tido ms noticias de Hespanha.
Silencio 1 o baile I o baile 1
A orche8tra, sent*da em tomo do tan
qao, rompeu os priraeroa accordes, a
raosa primeira arcada de que se
ainua na provincia, ha quinze annos.
O estrado estava levantado do lado do
palacio, ao qual dava aa costas. Pareca
urna ecllina florida do mulheres.
Do lado opposto, urna cortina subi len-
tamente por um machinisrao invisivel. Ro-
preaentava, como natural, urna paysagem
da Luiziania, florestas virgans, erguendo
at ao co as suas arvores gigantes, em
tomo das quaes se enroscavam os cipos e
as serpentes ; planicies a perder de vista,
montanhas azulad.s e aquelle immenso rio
de ouro, o Mississpi, pai das aguas.
as margena do rio, viam-ae risonhas
paysagens, e por toda a parte aquella ver-
de raacio do que os pintores do seculo
XVIH tanto gostavam. Bosques encan-
tadores, quo faziara lerabrar o par izj ter-
restre, suacediam-se nos aos outros, corta-
dos por grutas atapetadas de musgo, onde
Calypso estara bem para esperar o joven
e fri Telaroaco. Mis nem urna nympha
mythologica ; a cor lo;al pretsndia nascer.
Raparigas indianas vagavam por aquellas
sorabraa, cora as suas tangas matisadas e
pininas brilhantes das suas coras. As roSis
suapendiara graciosamente o beryo dos re-
cem-nascidoa aoi ramos das arviras emba-
lados pela brisa. Alguna guerreros ati-
ravara ao arco, e oa velhos furaavara o seu
cachimbo era torno do fogo do conselho
Ao mesmo tempo que o panno do fundo
se levantaba, diveraas pfiS do orname:)-
tacSo aahiara da torra, do modo que a es-
tatua do Mississpi, collocada no centra de-
tanque, ficoa coran quo oraraoldarada p>r
urna esplendida paysagem.
Oa appliU808 irrorop?rara de todos os la
dos.
Qil estiva Luco. Aaabava di entrar
era eaena a menina Nivelle, que fazia o pa-
pel principal no bailado, o papel da filha
do Missssipi.
O aeaso tinha-o collocado entre n Sr.
barSo do Birbanchois o o Sr. de Hanan
dyc.
LA RI2LIUIOV
O muse I maintenant il faut ouvrir ton aile
Pour un essor illimit.
Sur de plus hauts sonnmets transporte la querelle
Du peuple et de la royaut.
Muse I detouroe toi des choses de la terre ;
Leve tes regards au ciel bleu,
Perce d'uu ceil pieux et l'ombre et le mystre,
Et contemple l'ternel Dieu!
Toute chose proclame, en ce monde o nous sommes,
L'existence du Crateur,
Et c'est une croyance inne au ccenr de l'homme,
Que ce dogme consolatenr.
En tout temps, en tout lieu, ebez les barbares mate,
On a pri, crant ou boi
La substance premiere, incre et Suprme,
L'Etre tout puissant, l'Infini!
Le monde n'eut longtemps qu'ane image confuse,
Vague, de la Divinit :
Tel un voyageur prend, lorsque la nuit l'abusc,
L'ombre pour la ralit ;
Mais depuis que, suivi par la foule docile,
Celui qu'une Vierge enfanta
Est venu sur la terre annoncer l'Evangile,
Pus a gravi lo Gclgotha,
Et chang par sa mort, la croix, jads infame,
En signe de rdemption,
Du segaeur tout-puissant nous portons tous dans l'ftme
Une infailUble noton ;
Et l'homme, possdant la science fecunde
De son avenir ternel,
Sait qu'il doit ddaigoer les faux biens de ce monde,
Et mettre sons espoir au ciel;
Et la Religin, arobange tutlaire
Depuis cette heure nous guida,
Et qaand sur nous du sort s'acharne la colore,
Elle nous dit: sursum corda !
Notre ame, n'est ce pas, o Poesa ? adore
Cette clatante vrit
Dont le christian8me a fait luir l'aurore
Sur la coupable humanit ?
Eh bien I Muse 1 frmis d'ane colero juste,
D'une sainte ind'gnation:
Car on veut arracher cette croyance augusto
Du cceur de notre nation ;
Oui, mme en Franco I on veut du dogme catholique
Voir l'athisme triomphant...
Et qui ? Les partisans de cette republique,
Qu'avec tant d'ardeur on dfend I
C'est l l'infame esprit revolutionnaire !
Qu on cesse doee de le prdner,
Ou qu'clate sur ses dfenseurs le tonnerre
Du Diea qu'ils veulent dtraer.
Vebitas.
*



Entao disse elle, dando urna coto
vellada em ambos, como acham isto ?
Os dous barea, altivos como cedros,
abaixaram at elle os olhares desd nhoaos.
Est no estylo ? proseguio o gordo
agiota, est desenliado ? est brilbaote ?
est dourado ? S a aaia me custou cento
e trinta pistolas ; as azas vSo a trinta e
dous luizes ; o cinto vale qui nh en tos escu-
dos ; o diadema urna accSo inteira. Bra-
vo, adorada I Bravo !
Os dous barSes olharam um para o ou-
tro, por cima da sua uabeca.
TSo bella creatura I uis3e o barSo de
Barbanchois.
Vestir Bemelbante roupa continuou
o barao de Hunandaye.
E arabos olharam ae tristemente por ci-
ma da cabec^ empoada do gordo agiota, e
accreacentaram em unisono :
Onde iremos parar, Sr. barita ? on-
de remos parar ?
Um trovSo be applausos responden ao
primeiro bravo lancado por Oriol.
A Nivelle estava encantadora e o paaso
que dansoU beira da agua, entre aa al-
phas, acbaram delicioso.
Palavra aquelle Sr. Law era ura ho-
mem muito honrado, per ter inventado
urna trra onde dansavara tao bem. A mul-
tidSo voltava-se para lhe enviar todos os
seus sorrisos a multidSo estava apaixona-
da por ella ; a multidSo nSo se cancava
de alegria.
Havia, entretanto, all duas almas ape-
nas que nSo tomavara parte na alegria ge-
ral : Cocardasse e Passepoil, que tinham
seguido religiosamente, durante dez rainu
tos, a menina Cidalise e o seu domin cor
de rosa; depois o domin cor do rosa da
menina Cidalise desappareceu de repente,
oomo se a torra se tivesse aberto para o
eogulir. Foi por detraa do tanque na en-
trada de ama especie de pavilhSo de fo-
Ibas de papel recortado, representando fo-
Ihas de palraeras.
Quando Cocardasse o Passepoil quizeram
l entrar, doas guardas francezes craza-
rain as bayonetas debaix) do queixo.
O paviluSo servia da camarira a damas
do corpa de baile.
Com a breca meus camaradas.. .
quiz dizer Cocardasse.
Para traz respjnderam-lhe.
Meu valenta amigo... disse por seu
turao Passepoil.
Para tras I
Oluarara uno pra o outro com ar de
compaixao.
;
J-
f [{Continuar *e-ha.$
do Diario roa Daque de Caxias
f

}

i
/
H
O caso estava claro : tinham daixado
voar o passaro aonfiado aos seus cuidados :
tudo estava perdido I
Cocardasso estendeu a mao a Passepoil.
Entao meu velho, disse elle com
urna profunda melancola, fizamos o que
podemos.
NSo estamos de vea respondeu o
normando.
Com os diabos l Estamos arranja-
dos.... Vamos comer bem, beber melhor,
eraquanto estamos aqui, e depois v a
Deu, como dizem na Hespanha.
Fre Passepoil soltou um profundo sus-
piro.
Pedir-lhe-hei nicamente, disse elle,
que me avie com um bom golpe no peito.
Dave ser a mesma cousa para elle.
__Para que o golpe no peito ? pergun-
tou o gselo.
Passepoil tinha lagrimas nos olhos: nao
estava muito bonito.
Cocardaase teve que confessar a si mes-
mo, naquella instante supremo, que nunca
tinha visto homem mais faio que o seu t>-
Iho.
Entretanto, eis o que rspondeu Passe-
poil, abaixando modestamente as suas so-
brancclbas :
Do6ejo, meu nobre amigo, morrer de
um golpe no peito, porque, estando habi-
tuado geralmente a agradar s damas, ra-
pugnar-me-hia pensar que urna ou cuitas
pessoas deate sexo, a quem dediquei mi-
nha vida, podessem ver-rae desfigurado
depois da minha morte. /
- Picaro I resmungou Cocardasse ; po-
bre porabo 1
Mas nSo teve forja para rr.
Comecaram ambo* a caminhar ea tor-
no do tanque. /
Pare:iam dous Somnmbulos que cauu-
nhvara sem oavtf e'sem ver..
Era muito carioso o bailado intittuudo
A filha do ^liaissipi. -- -
Depois que o bailado foi inventado, o.**
se tinha via 3e
i
.JB -*^-*W
4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEGVIDEQL_9UXW1R INGEST_TIME 2014-05-19T20:23:12Z PACKAGE AA00011611_19805
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES