Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19802


This item is only available as the following downloads:


Full Text

*' ^ r-ggg-----------1
PARA ^CAPITAL E IXXL4IUKN 0".EF NA K PACA PORTE
Por fres mezes adiantados............... 600
Por seis ditos idem.......... ....... ii'jJlO
Por um anao idem................. 23*00
Cada numero avulso, do mesmo da............ $10
1ICA-FEIEA 1 DE FE7ERSIB0 DE 188?
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados............... 13(5500
Por nove ditos idem................. 200000
Por ura anno idem.......-.......... 27100
Cada numero avulso, da das anteriores.....-....,. 5100

.V


Pvoyxittfabt te Mano Signtixia ttt Ja ft Silbos
Os Srs. Amede 5rln se Ce C.
de Paria. iE os uassos agente
exclusivos '->e annanelos e pu-
blieacdes dx Franca e Ingla-
terra
TELEGRAMAS
SSSflJG PA-SHCTOAa SO 2IASI0
RIO DE JANEIRO, 31 de Janeiro,
s 3 horas e 10 minutos da tarde. (Rece-
* bido s 5 horas e 10 minutos, pelo cabo sub-
marino).
Forana nomcados i
S. cMTiiiiiirnrio da TbeNoararla
de Fazenda de Pernambaro. Manoel
Antonio Sydney t
3.o escrlpiarario da Alfandega dp
Ccan. Luis letra Perdgalo t
Commandanle da Enrola Militar
da Corle, o nrlsadelro Agoatinno
Harquos de sendo exonerado o
actaal.
---------------aanja----------------
SNICO 2A AKS5IA SA7AS
(Especial para o Diario)
LONDRES, 31 de Janeiro.
O Sr. Cnamberlaln rol derrotado na
.na tentativa de reconatltnlco do
grupo liberal da Cantara doa Com-
iniiii.
\{iva desordena de certa gravtda-
de acabaa de dar-ae cm Belfort. na
Irlanda.
Dense amacolisao entre oa nacio-
nalistas, a polica e a tropa, baven-
do feridoa de ambos oa ladoa.
LONDRES, 31 de Janeiro,
O Conde de Paria partir para Lis-
boa no alta de Fe vera-Ir prximo.
BUENOS AYRES, 31 de Janeiro.
\a* animas 94 huras, derana-se
eaaoa novoa e 4 obltoa de cholera-
morbna.
Ka provincia de Aconcagua, no Chi-
le, deram se 91 obitoa e em santia-
go do Chile 15 caaoa e 11 obltoa de
cholera.
PARS, 31 de Janeiro.
O governo allemo eat coaatruln-
do actualmente caaernaa para auaa
tropaa. perta> da frons-lra francesa.
LONDRES, 31 de Janeiro.
O Sr. Goaehen acaba de apreses-
tar-se candidato notamente & depn-
laro. maa por Londres.
ROMA, 31 de Janeiro.
Ka Cmara doa Depnlados Col diri-
gida nina interpellacfto ao governo
relativamente aun caminaos de fer-
ro itallauoa.
Tertninou e**a Inlerpellaeo pela
ailopco da urna morao de congaa
ra ao ministerio.
Agencia (lavas, filial en Purnambuco,
31 de Janeiro Ja 1887.
INSTR0CC10 POPULAR
Di
(Extrahid)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
I
' .lmenlo* e aubtancla alimenta-
res ivIsooeciaialHcaco. Com-
poalco das.alimentos, negimen
animal v rgimen vegetal. Begra
hygi?a!ca
(C o n 11 n o a c 3 o)
Em pequeo valume, o chocolate ecntem inuitos
principios nutritivos. O principal elemente da
ain^ntea de cacoeiro iiui materia gorda, a
manteiga de cacao variandi as eus proporc de
5C alai 4.5 por 100. Co-itm mais a referida auieiidoa
17 a 20 de albmina, 2 de tbeobromioa, que uro
iloide (s) anlogo e talves idntico cafena, G
de urna gomoia acida e materia mu amarga, 13
alfl cclluloie, 4 de substancia mineraee, e 11 de
nrr.. K-t* analyse f (irada da obra ja citada de
Poswagrtves, e devida a Bausai igault.
0 chocolate de boi qualidade um excellente
aiima-ilo. Cooipe-sede 1,52 de sete, 48 de car-
oooio, 2 Da eo:nparac3o d> Bal ,e> late, como alimeuto,
- pela sua emposC30, co o asteas, v-se que ac s-
airr.lh:, *.> iiijo, a -ud um pouco menos atufado.
Eiq qnutlidaues iguies. o chocolati t-m m ia
jiz^todeqaea earno de : tem quasi trea
vexcsmaii azot>i' poderla M>r reputado sao-O t-e
teiw mais ntitrii-nt-'. rVi.i!, aoavem repetiraqui
o ijiu j iDtaios. N.o fo as qnantidadea da
le que pre 1 imiiiam em uorl 'iflstaocia as qne
ll.e deven dar, i por si, os foros de m>is nutiien
0 <>hoeolar* um bin aiimecto, ina>iau podo
Bmbtitiiir a carn. fia certos estados tm que o
ra saber o que ak'sl iido veja se o volum''
I1X da BibVothtxt d> Pono e da Eeeolat.
individuo nao pode alimentar-fe de caros e pora
esaes o chocolate, o queijo e outros alimentos maito
azotados, sSo convenientes.
Aa amendoas de cacao depois de torradas, podeui
naar-se como snec 'danea de chocolate ; e, nos lo-
gares em que esta planta se cultiva, poden servir
de alimento, por ezemplo, para os convalescentes.
Occuperco-noa agora do ci.ldo. O caldo de carne
composto de tolas as parte que agua a ferver
pode tirar delta. Em geral a carne osada para
caldos a de vacca. O caldo tem, tido como muitas
coiaas, partidarios enthusiastas e inimigos encar-
nizados. Tem passado jpar um grande alimento
j f Jr ama bobida que para nada serve.
Parece-nos quo ha ezaggero em qualquer destas
opi.does extr.m .s, e que vai moito na apreciacao
de saas qaalidades nutrientes o considerar a mi-
oeira por qoe preparado c o fim a quo o d-s-
tinsm.
Sao podemos aqui dizer milito sobre a arte cu-
linaria e seos preeeitos, mas devemos fazer notar
qoe o caldo om dos alimentos que melhor provam
a otilidade de om bom cosinheiro
Para preparar a carne para cali de ve ella ser
posta oa paneila com agua fra e nao, como se taz
geralmente nis nossas, em agua a ferver. Pelo
contrario, qoereodo aprovetar a carne pira cosido,
entilo dever ella deitar-so n'agoa em ebullicio.
Segundo este ultimo molo de proceder, a agua a
ferver coagula iminediamente os principios exis-
tentes na carne que os conserva em si, nao os dei-
xan'.o no caldo,ao passo que do primeiro moda,
vai a agua pono a pouco dissolveado, ou, por as-
sim dizer, extrabindo da caroe os seus principios
ufis, e o caldo, convenientemente adobado, fica
nutriente e de sab^r agradavel.
Um kilogramma de caldo cootm, termo medio,
28 grammas de materias dissolvidas, nlo contand)
as inat ri is gordas, as qaaes sobrenadan se o caldo
est qoente, no estado liqoido, solidificando-se e
depositando ae se elle estriar. Na preparadlo d>
caldo entram saei vegetaus, legomes, gordura, etc.
e as 28 grammas qoe notamos, contam-se, piuco
mais oa menos, 10 provenientes de sal, 6 de vege-
taes e legomes, e 12 de caroe.
Addicionaodo pi, cortados em pedacos, ao caldo
fas-se sopa, alimento muito dos nossos usos e que,
apezar de todas as criticas, tem resistido e conser-
va-se em uso em todas as mesas, formando o pri-
meiro prato das refeicoes.
O caldo tem sido especialmente criticado, como
alimento para docntes. E' de so geral as doen-
cas dar caldos qoando outros alimentos nito padem
ser ingeridos nem tolerados pelo estomago do en-
fermo.
Com certeza que se compararmos o caldo como
leite, em relaco ao seu poder nutriente e s me-
lhorcs preparares e arranjo dos seus componentes
o leite ter a primazia. Tamben verdade qoe se
encararmos esta qoeeto s em certas coadicods,
por exemplo, se compararmos os caldas de om hos-
pital moito povoado, como alimento para doentes,
com o leite dado coa igual fim, sem da vida deve-
mos reputar bem mais til o leite ; porm, entro
um bom caldo c um leite poseo puro, uao hesitamos
em dar a preferencia ao cald i pelo lado diettico,
posto que saibamos quo o leite o typo do alimen
to completo qoando poro.
Em somma nSo nos parece que ae deva ser ex-
clusivo e qoe se facacondemnar o c Ido como abso-
lutamente intil ;pelo menos no estado de saode
ecm certas docncas o caldo deve repotar-se om
bom e agradavel alimento.
A manteiga entra na nesaa alimentacSo ; deve-
mos por sao dizer 'uaa palavras a seu respoito.
A manteiga um cerpo gordo, complexo, tormado
pela rconiSo ds sobstan:ias girdaa elementares.
margarina, botyrina, botyroleina, caprina, etc. Al-
tera-se fcilmente reMfsudo, perdendo o aroma e
o sabor, o qoe tudo devido separado dos cidos
caprico e bufyrieo e da base (oxydo de glycerina)
qoe os satura. E' esta uccao naturalmente devida
a urna fermentaco(*) e favorece-a om excesso de
ar e de luz e a s'-paraflo imperfeita do leite da
manteiga.
Salgando-a conserva-se por moito tempo e serve
de tempero e tambem paoa ac mpaohar o pao.
A manteiga fresca do gosto agradavel e moito
usada em Portugal. A manteiga conservada em
sal e preparada para dorar, vem dos quasi toda de
Inglaterra.
Na alimentaco entrara substancias vegetaes
que ser vem de condimento e ootras mineraes com
o mesmo fim, sendo destas ultimas a mais impor-
tante o sal (sal das cuainhas, qoe os nossos leito
tores j conhecem pelo seo nome chimico de chlo-
reto de sodio).
(Continua).
(*) Vejase o vol. XXXIX da Biblictheea do
Povo e da Etcolas.
MTE OFFiCUl
Governo da Provincia
BXPBOIBXTB DO DI 29 DC DBZBHBBO OB 1886
Actos :
O presidente da provincia, de confonnidade
com a proposta do Dr. chefe de polica, resolve
exonerar o tenente c .Tonel Austricliano de Castro
S Barreto do cargo de del-g ido do termo da Pal
man s, c nomear, para snbstitnil-o o tenante co-
ronel commandante do corpo de polica Htnoel
Qoncalve Perera Lima.
Officios :
Ao conselhWro presidente do tribuual da
relaca j do Recife.Pelo ofSciu n. 2695, de hon-
tem litado fico sciente de ter o desembargador
Joaquim Pires- Q-oncalves da Silva assumido, em
20 do corrente mez, o exercicio do cargo de pro-
corador da cotie soberana da fazenda nacional.
Ao procarador da corda, aoberania e fazenda
naci nal.Pelo olfieio de 20 do c rrcote mes fieo
cente de ter V. Exc. assumido, nessa data, o
exercicio de seu cargo.Cominunicou-se theaoa
rara de fasenda.
Ao commaudaute das armas.Autorizo V.
Exc vista do que exp em ofiicio de hoje da -
tado sob n. 6i6 a reduzr a oitenta pracas o des-
tacamento do presidio de Fernando de Noronha.
Tent, o vaso do guerra que pata all vai seguir,
apcessidadc de algumas vezes regressar ao porto
d'esta cidade, tuma-se conveniente qoe o dito pre-
sid seja guarnecido por aqueile numero de pra-
eas.
Ao mesmo.Oeferiudo o reqoerimento do 2
cadete da compaohU de cavallaria Francisco de
Paula de Albuquerque Salles, sobre qoe versa a
ufiruiac" d'esse commando de ar.naa de 21 do
crreme, sob n. 622, aatoruo V*. Exc, de accord-.
com a c tada ufurmacao, a conceder ao peticionario
trinta das de licenca para tratar de negocio de seu
pai titular iuteretse no termo de Ipojuca.
Ai iusp'ctor da thesturariade fazenda.De
accordo com a inforaiac d'essa thesouraria de
20 do correte sob o. 866, n'esU data, autoriso o
engenhuiro eucarregado das obras militares a
mandar proceder os concertos de que necesaita o
corpo d guarda da alfaodcga, urna vez.que para
a respectiva despuza, calculada na importancia de
1214179, conforme o orcamento a presentado pelo
dito eiigeohciro,exisle crdito u verba cnmetcnte,
seguudo consta da uicnuioaada iuio.ma^ai.
que declaro a V. >. para os def idos tina.
Ao mesmo. Pica approva !a a inclusa pro-
poeta, que devolvidos uegociinlfs Maia e Sil-
va & C, accei'a pea seecio da junta '-jbsh ilie-
souraiia, para a arrcm>taco dos artigos de exp-
diente, constante da relami nunea, para o arse-
nil de guerra uu seuvestro de Janeiro a JunLo do
ann pioximo futuro.
O que declaro a V. S. para os dovidoa effetos e
em resposta ey lea officio n. 893 de 22 do correute
nez.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os fins
coevenientas, qoe o promotor publico da comarca
de Panellaa, bacharel Jos da Cunha Liberato de
Mattoa, re^ssomiu, cm 18 do corrente mez, o exer-
cicio de seu cargo.
Ao mesmo.Declaro a V. 8. em respoata ao
seu oncio do 21 d'este mez, sob n. 885, que appro-
vo a desigoacao, feita pelo inspector da alfandega,
do 2 escripturario, Manoel Riboiro do Carvalho
Jnior, paraservir o logar de thesoureiro da mes
ma alfandega, visto ter-se dad} no allodido dia
24 a falta semoltanea de comparezimeoto ao ex-
pediente da repartieao do thesooreiro Eugeoio
Marqaes de Amorim, qae consta achar-se demet-
tido, a de seo fiel, Horacio Marques de Amorim.
Ao mesmo.Fae- constar a V. S. que nesta
data exarei o seguiute despacho na petQ&o de Joo
Capistrano de Almeida sobre transferencia de ter-
reno de marioba, a respeito da qnal essa thesoa-
raria informo' em officio de 22 do corrente, n. 870.
Nao pode ter logar o que requer, em vista da io
formacao da t'iesooraria de fezenda de 22 do cor
rente sob n. 87J.
Ao mesmo.Remelto a V. S. para sea co-
nhecimento e fins convenientes, copia ao aviso ex-
pedido pelo ministro da fazenda em 9 do corrente,
pe'o qual foi apprevado o acto d'esta presidencia,
prorogando por mais seis mases o prazo concedido
ao suministrador do trapiche altaodegado o Ba
rao do Lvram*nto, Jos Luiz de Souza para
continuar a receber os gneros da tabella II.
Ao mesmo.Sirva ae V. S. de mandar in-
demnisar aos interesaados os valores de tres escra-
vos constantes da inclusa relaf&o libertados em
audiencia especia! do juizo de orphaos do termo
de Pctrona, de 23 de Novembro ultimo, por conta
da 7' quita do fuddo de eraancipacjlo.Commu
nicou ae o respectivo juiz de orphaos.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar in-
demnisar aos interessados os valores de vate eum
cscravos libertados em audiencia especial de 5 de
Novembro ultim do juiz municipal u de orphaos
do municipio da Victoria por conta da 7 quoa do
fundo de emaocipaeSo constantes da inclusa rea
cSo quo veio annexa ao officio do mesmo juiz de
20 do corrate.Oommuaicou-seao respectivo juiz
municipal.
A> engenheiro das obras militares.Auto-
ra} V. S a manda proceder os eoncertos de qoe
necesaita o corpo da guarda da Alfandega, urna
vez que, para a respectiva despeza, calculada na
importancia de 1214179, segundo o orcamento an-
nexo ao seu officio, n. 84, de 11 do corrente, existe
crdito, conforme declara a Thesooraria de Fa-
senda, cm officio n. 866, de 20 deste mez.
A> inspector do Thesouro Provincial.De-
volvo a Vmc. os inclusos-papis acompanhados de
sua informaco de 23 de Novembro prximo pas-
sado, sob n. 276, relativamente a petico da The
Great Western of Brasilian Railway Company.em
que requereu o pagamento di quantia do 314850
do passagens concedidas nos trena da meamacom-
panhia as pravas d polica e a presos, para que
informe so depois da lei n. 1786 de 1883, r.rt. 14,
2", nao tem havido exemplo de se dar passagem
as estradas de ferrs por conta da provincia a forca
publica e a presos, se caso novo o das portaras
da 4, 8 e 18 do Ootobro ultimo, e nao sendo, de
quo reod ae tem procedido para satistazer servir
eos policiaca dessa natoreza, que sao algumas
vezes impreseiodiveis.
Ao director do Arsenal de Guerra. De con-
formidade com o qae solicita o engenheiro encar-
regsdo das obras militares, em officio n 88 de 16
do corrente, autoriso Vmc, de accordo com a sua
informal,'! j de 23 deste mez, sob n. 760, a mandar
entregar ao dito engenh-iro, depois de feitas as
modifcacoe8 qae forem por elle indicadas, a ns-
cripc em letras de sinco existentenesse Arsenal,
aSm de ser collocada no qaartel do Hospicio.
Ao director do presidio de Fernando de No-
ronha Sciente de quauto Vmc. refere em seos
offl.-ios de 19 e 20 deste mez, com relsco aos la-
mentaveis acontecimentos que occorreram nesse
presidio no da 3, e das providencias tomadas por
occasiao do conflicto e depois deste, qnando abi
ataos o reforco de 80 pracas sob o commando do
major Esteva Jos Ferraz, destacado ordem
deata presidencia, para, de accordo com Vmc., res-
tablecer a tranquilidad; da ilha tomando as pro-
videncias que o caso rcqacrer, recommendolhe
qae proceda a inquent i oa indagaces necessarias
para se conhecer quem os culpados dos assassina-
tos das pracas e dos sentenciados, afim de aerem
entregues a justica publica.
Pelo commando das armas serSo sujeitos a con-
s jlho os militares que tomaran parte mais activa
no conflicto, como cabecas do movimento, sendo os
demais corrigidoa disciplinamente, o que Vmc.
tamb-m far, se j nao o t ver feito, com os presos
encontrados em colpa.
Oatrosim, serlo substituida desde j todas as
pracas que mis oa m-noa se envolveram naquel -
es acontecimentos, atinal toda a guarnic, por
nao courir que e no presidio, uem sej-i fornecida d possoil do mais
de um batalho.
O cruzador Imperial Marinheiro, sob o comman-
do do rapito-teneiUe Jos Vctor D.-lamaro com
o numero de 140 pracas do bordo, segas para ah
onde vai estacionar s orden de Vmc. para guar
da do presidio e mais servios que forem neceasa-
rios, regressan lo a este p >rto por todo o mes de
Janeiro prximo.
Recomraeudo lhe, por ultimo, a fiel observaocia
do regulamento e disciplina doa seus subordinados,
e espero de seu sulo e envidada que nao se re
produsam semelhantes tactos de insubordinar,"u
convindo que reclama sempre em tempo as provi-
dencias preventivas que entender cooveuieotes
para defeta, polica c eeguranca do presidio.
A' junta classilcadora de escravos do muni -
cipio do Recife.Para resolver sobre aapprova-
$o da classifi^acao, de que Vmes. enviaram co^ia
com o oQi:io de 24 do corrute, hontom recebido,
para applicacl da 7a quota do fundo de emauci-
pa9&o, cumpre que Cisa junta informe com urgen-
cia, pira o qae devolvo n dita copra :
1* Si a claasiSiMCilo t-A feita, tendo se viaja
os lvros da matricula, conforme e avis do Uuiis-
tero da Agrieultura, Coumercioe Obras Publicas,
de 23 do Junho de 1375..
V Q al a clasa: h quo pertep.ctm os eieravos
de ns. 25 a 43 o 46 a 61.
3* Q.laudo forain apr -sentadas as deelaracas
relativas nos cscravos de ns. 22, 23, 24, 34, 35 e
55.
4* Q i il o da em que f.rain c instituidos os pe-
culios le diversos escr.ivoi dassilioados, afim de
que opportuuameuie possam ser computados os
juros dos ditos pecuii js.
Finalmente, u'.vi-.r-me hao Vmes. crtida de
idale dos escrios c ns. 1 a 6, 26, 21, 2, 31, 33,
35, 37, 39, 41 o 43.-R-m-tteu.se copia ao Dr.
juiz de ospnos do Kecife.
Circular :
Ao juizes do dircilo.tecomonondo a Vmc.
que com t possivcl brevidade devolva devida
mete snootado o excmplar irr.presso do quadro
em brauc.i, que a ete acompanba, oadt d-iver-ve-
ha mencionar o que foi relativo Biliosa revsio
eleitoral a que se pncedeu nessa comarca, afim
de ser enviado secretara de eatado d> negocios
do iiupcrio.
Ao Dacliarel Js Novaos de Sousa Carralh .
Tendal Vme. sido n> meado juis de di ruto da co-
marca de IV.carat, uestu provincia, e conviudo
abi a sua presenca eiu vista eos gravea acouteei-
meutis qae se derum > povoado de Jatoba, de-
termino-lhe que t-mc poste e assuma o exercicio
do sen cargo quauto antes, iadcr.codente de ttu-
lo, qu recebwr depois.
E possivel que, ao ciitgar a comarca, j l es-
t-ja o Dr. chefe de polica, a queus cu datade
lioutem, determinei que s guiase sem perda de
tempo.
Sahindo Eme. do servio do meu gabinete, on-
de o enconad e o "de mcreceu por seu procedi-
mento, miiiha calina e confinnrM, vai perfeitamen-
to conhceijfM dos aentimentos do imparcialidado e
justio, que animan a admniatra;ao, pelo que es-
pero ser VSc. na comarca om perfeito magistra-
do, garaotia'para todos, elemento da ordem etran-
quildade, correspondendo asaim confianea com
qoe acaba de ser honrado pelo g"verno imperial.
Dando por feitas a si proterio todas as instrnc-
coca j dadat s autoridades da c'omarc, reeom
mendo-lho que em ahi chegando offioi-me requesi-
tando quaesqaer outras providencias que por ven-
tura anda sejam ou se tornem necessarias.
Ao promotor publico da comarca de Gara-
nt'in 3.Declaro a Vmc. cm soluco a materia do
officio do 14 4o corrente que, de eoaf ormidade com
a ioformica%6r copia inclusa do administaador
dos correos,. sob n. 1,104 de 23, convm aguar-
dar a Droxinta inaagtirac > do trecho da estrada
de ferro do pvolongamento de S. Francisco.
Portara :
) Sr. 8ap?riatendente da estrada de ferro
do Recife .alj S. Francisco. Sirva-se mandar
transportar en carro de 1* classe da eatac.o daa
Cinco Poutas a de Palmares no 2- trem de boje,
o comrflandarjte do corpo de polica e bem assim
em carro de 3" classe a cin.-o pracas do mesmo
corpo, providenciando igualmente quanto a volta
das me.-mis
aptecentaren
'.ra esta capital qoando para aso se
Ao Dr.
Sr. presiden
pj -'.ti ir par
a bordo da
sentenciado*
ci n. 126, d
to que V. &i
mes seutenci-
Ao eng
dem do Exm
munico a V.
de 16 do
expedidas
entregue, d
V. S..-forer
zinco,sxisti
cada no qu
Ao ii
Exm. Sr. p
ter a V. 8.'
feites, copia
Augusto Oe
loteras ordi
deixando de
anda a loteri
lhetes j esta'
arm
h
iva 11
'EDIENTK DO SECBBTARtO
icfe dfa polica. De ordem do Exm.
da provincia, declaro a V. S. que
o presidio de Fernando de Noronha,
honeira Imperhl Mannheiro, os
sargento de qae trata o seu oS
hontem datado, convindo entretan-
presente relaca) nominal dos mes-
Ios.
eiro das Obras Militares.De or-
r. presidente da provincia, com-
ea resposta ao a.-u ofiicio n. 83,
te, que ao director do arsenal sao
ciaaa ord ms no sentido de lhe ser
de feitas as raodificacoes que por
dicadas a nscripco em telh&s de
no dito arsenal, afim de ser collo-
do Hospicio.
r do Thesouro Provincial.O
dente da proviocia manda remet-
s;u conbeciraen: c devidosef-
offieio de 23 do corrente, n qual
iano de Soasa, ex-thesoareiro das
ras da provincia, declaroo que,
ar da faculdade do fazer extrabir
annuuciada e a venda ou cojos bi-
m impressos, e a rocolher os bi lhe-
tes da referid* lotera annuuciada epreparar anas
contas para presta!-as dentro do praao legal.
AoDr. jiz municipal e de orphaos do ter-
mo do Tacaratii.Do ordem do Exm. Sr. presi-
dente da proancia communico a V. 8. que por
decreto de 24 fo corrente mez, Li removido da co-
marca de Tacarar para a de Vigia de 2* entran*
ca na provincia do Para, o juiz de direto Dr.
Jos Fiel de Jess Lte, sea lo-lhe. marcado o
praao de aeisjgezes para tomar posse c entrar em
exercicio, sanado participou o Exm. Sr. conse-
Ibeiro ministro dos negocios da justica em tele-
gramma de hontem datado, A V. S. compre por-
tante, fazer ao referido joiz a notificarlo de sua
remocao un tiaras* do dec. n 8,266 de 8 de Outu-
bro de 1894, constante do impresso a qae junto. '
Commanicou-se ao respectivo juiz de direto.
Ao Dr. uiz de direto da comarca de Itam-
b.De ordem do Exm. Sr.presidente da provin-
cia recommendo a V. J. que devolva informada, em
observancia do despacho de 14 de Agosto ultimo,
o requerimento do partidor e contador do termo de
Itamb, Jos Francisco di Almeida pede desis-
tencia dosiu officio deju8tica.
EXPEDIEVTE DO DIA 33 DE DESBHBBO OB 1886
Actos:
O presidente da provincia considerando, se -
guudo o orficio'do engenheiro chefe da repartidlo
obras publicas, de 20 do corrente sob n. 233, que
o arrematante da obra de reparos da ponte de
Duas Barras, sobre o rio Amaragy, Francisco
Avila do Mendouca, nSo dea comeo dita obra,
eontractada em Catabro de 1883, resolve quo se
rescinda o respectivo contracto, com imposicao de
multa, na forma doart. S6 do regulamento de 24
de Feverero de 1874, como propoz o mesmo en-
genheiro.Remetteu-so copia ao Tesouro Pro-
vincial e < Ooras Publicas.
O presidente da provincia, attendendo ao que
requereo o Io escrlpt'-.rio do Theeouro Provincial,
Tbom Joaquim do Rogo Barros, e tendo em vista
o aftestado medico exhibido e a ioformac,o do mes
mo Thesouro de 23 do corrente, sob n. 326, resolve
conccder-lhe tres mezes de licenca, com venci-
mentos, na forma da lei, para tratar de sua sauds
onde lhe convier.
Officios :
Ao inspector da Tbesouraria de Fazenda.
rao constar a V. S., para os devidos fias que, na
torma das dispoec-'s em vigor autoriso, nesta
data, o 1 rector do Arsenal de Guerra a mandar
aatiafaser o pediio de urna sobrecasaea da panno
azul que para seu uso faz o alteres da compauhia
de es vallara Manoel F. licitno Ladislao do*
Santos.
As mesmo.Mando V. 8. ujuttar cintas ao
alferes do 2o batalho d- infancaria Joaquim Qu -
rio Villarnn, que segu em deligcucia pata a co-
marca do Tacarat.-Communicou-se ao codB^aan-
dante das armas.
Ao Dr. inspector da Saude do Porto.-De-
claro a V. S. qae j estando feito o forneeiment
Alfandega das mnnicfcs de que trata em seu
officio de 17 d) corrente, segundo consta da iufor-
ina.-u junta por copia do director do Arsenal de
GiiTii, nada ha a providenciar sobro-o que soli-
cita ein seo predito officio flemcttea-se copia
Tuesjuraiia de Fazenda
Ao director do Arsenal Je Guerra.Na for-
ma das Jispo8(o !3 cm vigor autoriso Vmc. a man-
dar satisfizer o incluso podido de urna sobrecasaea
de panno azul qne para seu uso fas o alferes da
compauhia ds cavallariii, Manoel Feliciano Ladis-
lao dos Santo?.
Ao iuspeetor-da Instrucclo Publica.Auto-
riso Vmc. a justificar as faltas de exercicio esco'ar
do professor Gaspar do Nascimento Rgoeira
Costa, alluddas em seu ufficio, a que respondo, n.
387 de lont-'ui dat.do.
Ao engenheiro fiscal do Io districto de enge-
ntaos contraes.Rametto a Vmc, afim de ser con-
renicntcmente informado, a inclusa petico da
Cimpauhia N-r.h Brasilian Sugar Faetones, que
veio aum-xo ao aviso do Ministerio dos Negocios
da Agricultura, Cmmercio e Obras Publicas, sob
i. 215 de 7 do corrente, na qual pedo ao g.vorno
imp .al approvaco do contracto que celebron
com a directora da va-ferrea do Limoeiro para o
ervict-de tiaajp.rtes de esnnas entre a fabrica
de S. Loureno da Matta'e as propiedades agr-
colas denominadas Cumorim e Massiape, nesta pro-
vincia.
l'ortari.s :
A' CainaraUunieipal deSilgueiro.Declaro
Cmara Mui.icioal de Salgoeiro que ficam ap-
provadas as nriematafes dos impostes constantes
dos termos -un -ios, p,r cipa, bo seu otficio, a que
respondo, d O Sr. jente da C mp-anhia Babiana do Na-
vegHfo faja transportar bordo do vapor Cara-
tula st Pcnedo, por conta do Ministerio da Jus-
tiei, o Sr. Dr. ehcfn de picia e o amauaense da
repirtico da polica Abdisio de Vasconcellos e o
alferes de l* linha Jojquim Qu'rino Villarim, que
vo em delgenca comarca da Tacarat. Ou-
trosim o mosmo Sr. ageole far transportar
p.4a, at o mesmo porto e por conta do m^ino mi-
nisterio as sete pracas do exercito, qoe acompanbam
o mesmo Dr. chefe de polica.
O Sr. gerente da Companba Pernambocana
taja transportar ao Cear na primeira opportuni-
dade, por conta do Ministerio da Guerra dezenove
caixes e um caixote, mediado todos 12199 dec-
metros cabicos o bem assim sete fardos pesando
464 kilogrammas, voluaes estes qae vo contendo
artigos de fardarcento e eqoipamento destinados
ao 11 batalho de infantera estacionado n'aquella
proviocia.Communicou-se ao director do Arse-
nal de Guerra.
O Sr. Gerente da Companbia de Navagaco
de Penedo mande dar transporte at Piranbas por
conta do ministerio da justica ao D.-. chefo de po-
lica, o amanuense da repartico de pdicia Abdi-
sio Vasconcellos e o alteres de l3 linha Joaquim
Quinao Willarim qae segu em diligencia para
Tacarat.
O mesmo Sr. Gerente far transportar proa
por conta do referido ministerio e ate o menciona-
do porto sete pracas do exercito qaeacompanham
o Dr. chefe de polica.
Offieiou-se ao engenheiro ebefe di estrada de
ferro de Paulo Aflonso.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
A' commisso encarregada do exame e liqui-
dadlo das contas da estrada de ferro do Recife ao
S. Francisco.O Exm. 3r. presidente da provin-
cia deu hoje o conveniente destino aos documen-
tos que acompanharam o officio de V. S. de 23 do
corrente.
- Mutatis mutaniis ao engenheiro fiscal da
estrada de ferro do Recife ao Limioiro.
, EXPEDIENTE D) DIA 31 DH DEZHMBRO DS 1886
Actos :
O presidente da proviucia, attendendo ao
que requrau Joaquim da Rocha Sampaio, nomeado
em 19 de Outubro ultimo para o lugar de 3- sup-
plente do jaiz municpil e de orphoa do termo
de Buique, resolve prorogar por 31) das o prazo
de 2 mezes qae se lhs marcoa para prestar o ju-
ramento do estylo.Communicou-3e ao juiz de di-
reto de Bulque.
Officios :
Ao inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Tendo em vista o aviso, junto por copia, expedido
pelo ministerio da J03tica cm 13 deste mez, auto-
riso V. S. sob respoosabilidade desta presidencia,
a mandar abonar a quantia de 800.4000 ao bacha-
rel Lydo Alerano Bandeira de Mello n meado juiz
municipal e de orphais do termo de Janaaria na
proviuta de Minas-Geraea, sobra o qual iofor-
mou esia inspectora em officio de hontem sob
n. 899.
Ao mesmo.Do accrio com a inforuaco
prestada por V. S. om 22 deste mez, sob n. 871,
autoriso o dispendio da quantia consignada na
no corrate exercicio para as despezas com o ex -
peJciit.' e alogael de casae acquisicao de movis,
lvros e outros artigos necessarios reparti lo de
Hygieu'p de qoe trata a mencionada informayao.
-Communcou so ao inspector de Hygieae.
Ao commandante do corpo de polica.Con-
vm qu- Vmc. faca destacar 3 pracas no districto
de Pao d'Alhoe 4 pracas e 1 cabo no districto do
Arraial. Communcou se ao Dr. delegado eucar-
regado do expediente da polica.
Ao joiz de direto Jos Antonio Cjrreia da
Silva.Tendo sido designado a Vmc. a comarca
da Olinda por decreto do 18 do corrente, conforme
consta do Diario Oficial a. 349, de 19 do refe-
rido mes, recommendo-Iha que entre desde log
em exercicio, por assim convir ao servio publico
independante de titulo, que receber depois.
Ao juiz de direto presidente da junta revi
sora do alistamento militar da comarca do Pao
d'Albo.Remetto a Vmc. conforma solicita em
officio de 14 do corrente, o litro destinada eseri :-
turaci do trabalbo da junta revisora do alista-
mento militar dessa comarca.
Portara :
O Sr. gerente da Companha PernambucanA
faga ranportar provincia do Rio-Grande do
Norte, por conta do ministerio da guerra, 58 bar-
ras de madeira com cabeceiras, 116 pea de ferro,
3 mezas com gavetas, 1 dits envernisada, 1
banco e 20 camas de ferro com lastro de madeira,
artigos estes que sa destinam a companbia de in-
fantera e euiennaria militar daquella provincia
fijando sem efleito a portara de 20 deste mez que
maodou transpirrar taes artigas.Commanicoa
se ae director do Arsenal de Guerra.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Ao Dr. juiz substituto do 3- districto cri
rainal da comarca do Recife.Do ordem do Exm.
8r. presidente da provincia, communico a V 8.
que no seu oflitio de 29 do corrente mez proferio-
sehoje o seguate despacha : i Ao director do pre-
sidio de Fernando de Noronha para eatisfazer a
reqaisiclo.
Ao ba barel Jos Bandeira de Mello.O
E:m. Sr. presidente da provincia, manda commu-
mear a V. S. que por portara de 13 do corrente
nome 'U-o procurador fiscal ad hoc da Thesoura-
ria de Fazenda para dar parecer em alguas po
cessos sobro os quaes allegou suspeici o procu-
rador fiscal interino da mesma Thesonraria, ba-
cbarel Olympo Mrrques da Silva.
DESPACHOS DA PRESIDESCIA DO DA 29 DE
JANEIRO DE 1887
Dr. Antonio Joaquim de Barros Sobri
nlio. Informe o Sr. inspector da saude
do Porto.
Antonio Fernandos da Silveira Carva-
lho. Deferido, nos termos do artigo 1.
2.', das instruc95ei de 17 do correnti.
Antonio Francisco Postn a. la forme
o Sr. inspector da Thesouraria do Fazenda.
Argentina Araripe da Silva. S auf'aya
o desposto no artigo 9.' d> reguliment de
21 e Abril de 1S83.
Emilia da Silva Rosa. R; uettido ao
Sr. directir da Colonia Isabel para atten-
der a supplicante nos termos de sua iufor-
mayao do 25 do corrent;.
Fausta Pergentina de Liim B irroa.
Sim por tres mezes, co.n ordenado.
Prancisoa Cordeiro Falao Brasil. Diga
que emprego exerce.
Jos Emeliano Cavalcante Je Albuquer-
que. Informo a Cmara Municipal do
Bom Cou3elho.
Capitao Manoel Tiioiuaz de Vilu-Nova.
Em vista da informaba. no pode sor
attondidj.
Mara AlexanJrina do Almeida Arauj >.
R;mettido so Se. dirsetir da C l nia
Isabel para attender a supplicante, sai ter-
mos e sua iufurinacjl de 25 do corrente.
Alaria da. Naiifidad Ferreira. Indc-
terido.
Sjoretaria da presidencia de Pernam
buco, em 31 do Janeiro do 1SJ7.
O porte ir j,
Francdino Chacn.
Itepariifo da Polica
Sccsao 2." -N. 87.Secretaria da Po
licia do Pernaubii'.-o, 31 de J meiro de
I87.-Illm. o Krm. Sr. Participo a
V. Exc. que firam recolhidos Casa do
PeteucAo os spguintt's indivi luos :
da.
No dia 29 :
A' miuha ordem, Antonia Mara
Conceitjao e Maria Amelia da Silva, por
embriaguez e disturbios, e Levin Tavarea^
de Souza, como alienado, at que teuhaj
conveniente destino.
A1 ordem do subdelegado do Recife,
Marcolino Rodrigues dos Santos u Tbeodo-
ro Mximo Gomes, por uso de armas de-
fe za.
A' ordem do 2o districto de S. Joi
Rosalina Maria da ConceicSo, pjr distur-
bios
A' ordem do do Io districto de Afoga*
dos, Miguel Pereira da Silva, por uso de
armas defesa, rainha disposigSo.
No dia 30 :
A' miaba ordem, Jos Luiz de Franca,
por disturbios.
A' ordem do subdelegado do Racife, Ma-
noel Gregorio do Espirito Sauto, Manoel
Luz Amaro, Jos Joaquim de Scuza e
Jo3 Ferreira da Silva, os dous pairaeiros
par embriaguez e os ltimos como vaga-
bundos.
A' ordem do do 4 districto de S. Jos,
Maria Jos da AanunciacSo, por distur-
bios e offensas moral publica, o Manoel
Margal Rodrigues de Souza, preso em fla-
grante por cri me de ferimentos.
Em officio da 29 do corrente, com muni-
cou-me o Dr. delegado do Io districto da
capital, que no dia 2 tambem deste mez
s 3 horas da tarde, Pedro Albino da Sil-
va, cocheiro do carro n. 7 da Companha
Locomotora, cabira do mesmo carro, ao
subir a ponte do Rrjife, fracturando a por-
na esquerda, facto esta occorrido plo des
carrilhamento do carro.
Conduzido ooffendido a presenca duquellt
autorilade, esta o fez transportar para o
hospital Pedro II, afim de ser tratado.
No dia 29 do corrente, s 2 1 [2 horas
da tarde, em urna taverna pertenceat a
Rocha Pereira d C estabelecidos a ra
de S. Jlo, freguezia de S. Jos, Mano l
Jos Al ves da Silva, alienando coibsM-
noel Marjal Rodrigues de Souza, caxeiro
daquollo estabelecimento," resultou d'isso
sahirem ambos feridos.
Qomparecenio o subdelegado respectivo,
prendeu os em flagrante; sendo Silva
transportado para o hospital Pedro II,
am de ser tratado.
O referido subdelegado prosegue nos
termos do inquerito policial.
O delegado do tormo de Pao d'Alho em
officio de 29 o correfe, participou-me
que naquella data fizara remessa ao juizo
competente do inquerito policial procedido
contra Joao Caraeiro da Motta Silveir-i,
pelo espancaracnto immoderado feito em
sin escrava Monica.
Em.officio de 27 tambem deste mez o
delegado do termo da Gloria de Goit,
communicou-me que em companbia do Dr.
promotor publico da comarca, proceder a
visita da cadeia daquella cidade, onde
existiam 6 presos, que nenhuma reclami-
cao riz: am.
Deus guarde a V. Exc. Ilim. o Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azovedo, muito
digno presidente da provincia. O chefe
de poliia, Antonio Domingo Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 30 DE JANEIRO
DE 1887
Jos Ferreira Marques.Informe o Sr. Dr. ad-
ministrador do Consulado.
Joaepha Alezandrina Porto-Carreiro e Manoel
Fernand-'s Velloso. Ao Contencioso e Consulado
para attender.
Contas dos thesonreiros das Lterias ordinarias
da provincia c da do fundo de emancipa?3.3 e in-
genuos da colonia Isabel.Examinen se.
Fieiden Brothers, commandante do corpo Jo po-
lica e Jjs Autenio de M;raes.Junte-se copia
das Informacoes.
Jos Avelmo de Almeida, Maria Augusta de
Mello Rodrigues, officio do Dr. procurador dcsfei-
tos, Maria Jos Pereira Rosado e Jo: do Azove-
do Maia e Silva.Informe o Sr. contador.
Luiz Al ves Monteiro e J. Ansberto Lopes.
Certifique-se.
Affonso Arthur Soar>-s e Francisco Antonio de
Me ira Lima. Entregue-so a quantia em depo-
site.
Ant.mio Pereira Gomas a einlas d collecto-
res de Ipojuca e Alagoa de Baizo.Haja vista o
Dr. procurador fiscal.
Loureaco tinedes Alcoforado.A divida d-su-
plicante j foi liquidada o incluida no quadro rc-
mettido a assembla e por isso nao ba que defeiir.
Maria P,-esciliaua Villela dos Santos e Ism-;-
na Guimaraes Das.Regsirem se c facaui s; os
asseutaucnios.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 31 DE JANEIRO DE 1887
Beruardino Ray.nundo <& IruiSo, Virgi-
nio Horacio & Pinto.Informe a 1.* sc-
eSo.
Jos IJotelli de Azovedo & Filio.- A'
1.* sccajSo para os devidos fins.
Almeida & Filho, Antonio Martins do
Rio, Francisco Antonio do Aibuqu-rque
Mello, Julio Fuerslembcrg, Jos Riboiro
O (J., JoSo Fra cis o Baptista Piuheiro,
Jos Fr.\ntisc> do R-g MelL Lourcnjo
Gomes Procopio, Mortiniano J-i liibeiro
Pessoa, V. Niesen.--Sim.
Marceliao Jos da Paixao.Iuforme a
1. sectil.
Fr.Hi- isco Ferreira Borges, Joao Valeu-
te da Cruz.A' 1.* seecJSo para os devi-
dos fins.
Joa i'edro Rodrigues da Silea. Dcf:-
rido e o vista da nova inforrnagao do chcfo
da l.se:go, ficando sem eff ito o despa-
ch i ate 22 do corrente.
GviHf.lves Vimiia & C' Oerlitique-s-.-.
Inv]ccator!a geral da Instrnc^o
Publca
DESPACHOS DO DIA 25 DE JANEIRO DE 18S7
Ionoceneio Mendes LopesAs Mend ; ,
professor publico.Prejudioado.

N
'i


;


i




Diario de PcrnambncoTerfa-fcira 1 de Fevereiro de 1887




-

^
Josquira KUs do_Albuquerque R-go
Burros, professor publi:o -Prejudieado.
Idiilioa Pcrfiria do Aroaral, professora
publica. -Enoaminho-se.
FraacUco Pereira Lima, professor pu-
blico.Informe o delgado Iliterario.
- 2t -
Maria do Livraroeuto Nonato professora
publica.Enoaiuinha ae.
28
Julia Ayrea de Almcida Frutas, pro-
fessora publica-Emnhe-e.
. Secretaria da inatrucc&o publica de Per-
Bambuco, 31 de Janeiro de 1887.
O porteiro,
J. Augusto de Mello.
HtviSTA DIARIA
Ualiia Rlnt e Ferro-*la do Ribei-
ro ao Conilo-Couforme aunuaoimua S.
Exc. o Sr. presidente da provincia, acompauhado
de um numeroso e cscolhido squito, visitou, no
domingo, 30 do musfi.do, a Usina Pinto e a fer-
10-via cujos trabalbos eato iniciados, e que den-
tro tm breve, ter de ligtir o Bonito a linha frrea
de 8. Francisco.
Os convidados e quantos, movidos pjr louvavel
eotiosidade, concorreram ao lugar da festa^, foram
recebidos, no meio d.< festivas de monstracoes, por
S. Exc. o Sr. Barao de Serinhacro accionistas e
enipregados da ferro-via, cujo enlroncainento ua
linha de S. Francisco te 6 stejava, e pelo -r. Gun
ealvrs Pin o, soeios e anprogdos da Usina de R-
beiro. ,
Depois da ceremonia da beucoda nova estrada
eeleb.adi pelo Rvd. padre Augusto, vigario da
Boa-Vista," e proferidaspalavrHa adequadas ao as-
sampto, pelo engeoheiro l)r Souz Res, Exin.
Barao do Soriiihcm e Di. Alcoforado Junkr, de-
putado g ral pelo dUtricto ( n1o a fe brada, seguirn! os convidados eiu trez carros, pu-
chados por urna locomotiva vistosamente enfeita-
da, e percorrerara todo o trecho da estrada 4 ca-
pas de ser entregue ao trafez.
Fioda essa ligeira excurso, foi visitada a Usina,
cojos roachinismos fuaceonavam euto.
Km seguida foi serv Jo em um elegante barra-
cao um sumptuoso e variado alinoco durante o qual
f ram levantados diverso; brindes a proposito das
novas euipreas, sendo mais de um ves compri-
mcnUdo o Ilustre Barao de Seriiihiem pelo Rvd'
vigario de Affogadoe e Visconde de Tabating, so-
bresahindo principalmente o que Ihe foi dirigido
por S. Exc. o Sr. presidente da provincia que, em
linguagem correcta e alegante, animeu o a prose-
guir na emoreza eucetada, ligando seu noroe de
modo glorioso histona da iniciativa particular
nos grandes commettimentos em favor da indus-
tria e d> progresso desta provincia.
Por fim, comprimentando ainda o Sr. Barao de
Serinbaem, o Dr. Martins Jnior informou em elo-
queates palavras que havia no meio aquellas ale-
gras urna escrava que pedia em lagrimas a sua
liberdade, e convidando a todos para aolemnisa-
rem aquella festa com un belo acto dohuinanida-
de, indiceu o Dr. Juvrncia de Aguiar para, auxi-
liado por urna das s.nhoras presentes, cbtei a
quantia necessaria ao rngate di meema escrava.
Em breve e animado discurso jnstificou o Dr. Ju-
vencio de Aguiar suas opinioes e as do seu parti-
do relativamente questo servil, e passando a
desempenbar se da cemmissao que Iba fora con-
fiada, obteve, nao s o necessario para a liberda-
de pedida como um auxilio mais para outra, fican-
o ambas as quantias depositadas as mos do
Sr. Barao de Serinbaem.
A>7 e meia horas da nou'.e S. Exc o Sr. pre-
sidente da provincia e convidados estavam de vcl-
tajnesta cidade.
Aeeitem os empregados da Usina Pinto e da
ferro va do Bonito nossas felicitaeoes. Esta pro-
vincia tuuito t'-m que esperar da iniciativa de seus
fillios, e aquellas duas emprezas sao duus bellos
exessplos a seguir.
Eis a allocuco do Sr. eigao Pedrosa, que
no- f i obsequiosamente remettida :
Exm. Sr. Barao do Seiohera N'esta festa
industrial cujo principal promotor e protogonista
sem duvida V. Exc., en nao sei o que mais ad-
mire se a celeridade e perfeico d'arte com que
sob a hbil drceco do Sr. Dr. Souza Reis, vai
sendo executado o trabalho technico da nova ferro
via que tem de percorrer esta fertilisaima zona em
demanda de ubrrimo solo da comarca do Bonito,
cojo futuro se eos antolha repleto de vida e pros-
peridade;si a forca de vontade, dedicaco e
inexcediveis esforcos cora que V. Exc. se tem
apresentado ante urna empresa d'esta ordem, em-
presa alias que a muitos pareca inexequivel, mas
que felizmente acaba de ser iniciada sob o ben-
fico influxo da relgio catholica pela solemne co-
remonia religiosa que ha pouco se praticou.
Sendo esta a pnim-ira iniciativa particular que
n'este genero se opera n'esta provincia com geral
applauao de todos aquelles que de veras se inte-
ressam pelo progrcs3o e prosperidade do seu paiz,
cabe V. Exc. a mor parte da gloria a que tem
jas como agricultor intelligente, laborioso e em-
prehendedor, que nao trepida, nao recua um s
pasao diauto das diffieuldades e entraves que en
contra para iuvar van te a arro|ada empresa que
se impoz e do cuja exequibihdade j nao licito a
ninguein duvidar.
* Prevendo entretanto quo uao estarlo muito
remotos os bellos das em quo os laboriosos habi
tantea d'estas risonhas plagas bao de gozar ds
rantagens inmensa de urna estiada do ferro as
condicoes d'esta que ora te inicia, eu desde j os
felicito na respeitavel pessoa de V. Exc. o faco vo-
tos para qne todos os interessados por este gran-
de mclhuramento o auxiliem do modo que posto
em breve a nossa cara provincia contar mais esse
vehculo de coaduccao publicaesses carros de
fogo que devorara o espago (ua onomatopica phase
de um sabio contemporan-c) em sumuiaessa ma-
ravilbosa creacj da scieocia e industria moder-
na. ', pcis, possuido de taes sentimeotos que en
ouso algar a miuba fraca voz peraute to conspi-
cua e Ilustrada assembla, par* finalmento brin-
dal-o como um dos mais disiir.ctos filtros d'esta
heroica provincia.
Ribeirao, 30 de Janeiro da 1887.-Padre Pe-
iroia. *
firanile decracnHootem & tarde cons-
ton que, a 500 mi has distante de Macei, dtu-se
urna colisSo entre duas grandes galeras iogle-
**
A reparticao do telegrapho nacional felegra-
pbou para Macei, e d'alli teve em resposta a con-
firmaci) do facto.
EfTtctivamente, deu-se a grande deegraca, que
foi narrada nos eegulntes termos :
< A barca inglesa Kapunda, de casco de ferro,
registrada em Loudre?, do commando do capitao
Hasson, nanfragou distante de Macei 500 milhas,
s 2 horas da madrugada de huje (31 de Janeiro).
Levava emigrantes de Plyraouth para Austra-
lia em numero de 318 peasons inclusive a tripala-
cio.
D'essas pessoaspereceram 302, sendo salvos
16 tripulantes, sendo que 14 teguiram para o Rio
de Janeiro, reeolhidos pela barca francesa Utys-
se, e 2 vieram para Macei.
O capitao morreu. Os emigrantes foram co-
Ihides pela morte estando dormir.
< Foi rpidamente pique, sendo a cansa do
tre o sen sbalioamento com a bares Adolme-
, de naci inglesa, do conunando do capito
Jlikan, carregada de manganez, e em viagem
/Coquimbo para a Inglaterra, com registro em
Belfort e 14 pessoas de tripolacio.
D'estes inorreram dous, cinco seguirn) para
o Rio de Janeiro na allndida barca lyuu, e sete
vieram para aqui, inclusive o capitao. *
idimentos publico A seguintes
estaces arrecadaram em Janeiro:
Alfaadega:
De 1887 824:869*160
De 1886 723:7541141
De 188& 797:230*919
De 1884 1.319:200*;!55
De 1883 807:491*029
Rectbedoria Geral: _______
De 1887 35:37*066
De J886 33:493*108
De 1885 36:174*535
De 1884 55:775*426
De 1883 52:079*378
Consulado Provincial :
De 1887 242:867*250
De 1886 208:537*193
De 1885 240:394*918
De 1884 251:823*588
De 1883 151:105*849
Movimeiiiu de tllulielro No mez pr-
ximo findo a praca do Recife, sob a responsabili -
dade das diversas companbias de vaporea que a
servem :
Recebeu 1.680:462*930
Expedio 873:295*696
A expedicao foi para
Rio da Janeiro 53:585*000
Baha 7:095*000
Sergipe 6:000*000
Alagas 255:005*000
Fernando 7:445|69G
Parabyba 25.000*000
Rio Grande do Norte 85:163*0OJ
Oear 15^00*000
Maranhao 800*000
Pare Aroiaonas 417:600*000
l..mii:iio PiroambufanoNo da 3
do corrate abrem-se as aulas do curso littera io
e scientifico drste estabelccimeuto de iustruccao
secundaria.
Encola .Normal Terminis 3 do cor-
rento as inseripcoea de matriculas nos tres annos
do curso da Escola Normal.
Soeledade PntlomatlcaEsta s -ce lu-
de, fundada por alumnos do Instituto -hilomati-
co, reabre hoje os seus trabalbos.
Frita de Nmsb lenhara da Sande
Amanta, oo Poco da Panella, eelebra-se a fes-
ta d Nossa Senbora da Saode, constando de mis-
an solemne s 10 1(2 horas da nanhS, com ser-
m2o pelo Rvm.Dr. Annanias, e Te-Deum lauda
mu s 7 horas da noute, pregando o Rvm. eom-
mendador Manoel Moreira da Gama.
Depois do Te-Deum ser armada a bandei.a.
O largo da igreja estar embandeirado e en
feitado, c noute ser Iluminado, queimando-se
depois de arreiada a Dandeira um grande fogo de
artificio.
A ferro-via do Caxang expedir trens pela ta-
bella especial,publicada u'outra scelo deste Dia
rio.
ivsiii de \osn entiora da Do-
re, na Ecada.As 7 horas da noite de 5
do corren"e ser hasteadi a bandeira da festa de
Nossa Senhora das Dores, que so venera na res
pectiva igreja da cidade da Escada.
f.'aver prestito que, percerrer differentes
ras.
A Ente ter lugar no dia 13 do corrale, e de 6
12 far-se ha o septenario.
Nos das 5, 6 e 13 biver corridas de cavallo,
vulgA civalbadas.
llirectaria das oaras do coner-
o do portoBoletim meteorolgico do
d"i 30 de Janeiro de 1887 : _____
Moras v a* o 5 2 .- M Barmetro a 0 Teaso do vapor B ce 'O i
5 a
6 m. 249 757-192 20.61 88
9 l 7"8 758-88 21.39 74
8, 801 75824 21.85 63
29-7 757ia34 22.15 71
6 >~t'J 70707 22.93 79
Temperatura mxima31 O.
Dita mnima24",9.
Evaporacao em 24 hjras ae sol: G*,2 ; som-
bra : 3*,S.
Chuvanulla.
Dircccao do vento : N E de meia noite s 2 horas
da maulla ; nullo at 9 horas da raanhi ; NE e
ENE alternadamente uta II horas e 20 minutos :
E.NK at s 5 horas da tard.- (e.?iu iuterrupcao de
10 minutos .\L) ; ENE < E alternadamente at 8
horas e 15 minutos ; ENE at meia noite.
Velocidade media do vento : 2IU,70 por segundo.
Nebulosidade media: 0.74.
Contraria de Santa Rila deCaia
onsta que o conseno adiuioUtrativo d'esta
confraria, t-ndo em vista do 12, art. 52 do actual
compromisso resolveu c.lebrur na sua igreja us
predicas (u r -tmaes i-.s qui..t .g-feiras eos actos da
Semana Sauta.
Jabuale Escivvem-nos em 31 do pas-
eado :
O lllin. Sr. commendador Lopes Machado, l-
timamente mudado para esta cidade, acaba de
prestar um servico relevante ao municipio, fazen-
ao construir sua custa em torno de oma.funte
publica i-xialente margen) do rio Duaa Unas urna
so ida paiede abobadada de alvenaria e cimento,
junto qual fea collccar urna excellente bomba.
E' um acto digno de louvor e gratidao esse do
Ilustre commendador, que veio assim resguardar
e tornar mais pura a agua de que quasi todos n'es-
ta cidade se abastecen).
Cavslheiros, como o Sr. commendador Lopes
Machado, ao sempre bemvidos entre nos.
FeH*ldtde r<>IRioa Amanha ter
lugar no convento de Nossa Senhora do Carmo
d'esta cidade, a festa de Nossa Senhora da Luz,
constando de vesperas hoje noite, depois do has-
teamento da bandeira, s 6 horas da tarde, missa
s 4 horas da madrugada. A's 11 horas J.o dia
haver anda missa solemne, pregando o Evaoge-
iho o pregador da capella imperial, fre Augusto
da Immaculada Coi'ceicfto. A' noite havera Te-
Deum, orando fre Pedro da Fui ificaco Paz e
Paiva, quemaodo-se depois, assim como na ves-
pera, um liiido iogo de artificio.
Em todos os actos, inclusive a tarde, tocarao as
bandas marjiaea do corpo de r/olicia e 2o de infan-
tina.
Ao terminar a festa,'e no consistorio, o Sr. An
tonio Francisco Moreira, juil da irmandade, para
solemn8ar o dia da festividade, concede liberdade
gratuitamente sua nica escrava, de nome Flo-
rencia, de 24 annos de idade.
BrueribeEscrevem-uos :
Arrebentaiam-me durante o dia de honters, o
encanamento que condoz agua deB^beribe Olin-
da paia abastecer a esta cidade. O acto foi cor-
tamente voluntario, pois foi dado n'um ponto em
que o encanamento passa pelo fundo do rio no
Porto da Madeira, e r.ao se achon na visinhanca o
pedaco de cano partido. Pela manh de hontcm
andou tambera um vaaio quebrando es vidros dos
lampeoss da illuminaclo publica, desde Duarte
(Joelho at os Milagrea, este, porm, foi apanhado
cora a bacca na botija e dever soffrer as consc-
quencias do seu vandalismo. Pelo tacto de ter
sido arrebentado o encanamento o abattecimento
d'agua diminuio sensivelmente. A esta hora
porm, est o mal sanado.
Feata em PalmareA festa da Nosg
Senhora do Livramento que se venera na matriz
da cidade de Palmares toi transferida para o dia
13 do correntc.
Club Ayrc GamaRabrem-se hoje os
tr&balhos sociaes deste Club, bavendo, s 4 horas
da tarde a primeira aessao preparatoria.
Ferimento leveAnte-bontem, s 4 ho-
ras da tarde, o individuo de neme Manoel Bata-
Iha, morador ao becco dos Burgos, ferio, por'ir o-
tivo de chimes, a Joanna Mara da Coneeicao,
all moradora, dando-I be com um ferio urna gran-
ee pancada na arcada superciliar dircita.
Vistoriada a mulher pvlo Sr. Dr. J. J. de Souza,
consideren ette facultativo leve o ferimento.
O criminoso evadio-se.
Socledade Recreativa Jiueniuiie
A aibliotheca desta socieiade foi frequentada
durante o mee findo por 46 socios, que consulta-
ra m 50 obras em 56 voluntes.
Sahiram para recreio dos socios 36 obraaem 39
volames
Recebeu as seguintes offertaa :
Pelo socio Dr. Ferrer romance Nationaox por E
Chatrian 1 vol. ene.
Desconseiuencea des conditions renales por G.
A. Humbert, vol. ene.
De L'arganiaation de la jattice repressive por
M. J. Becot, 1 vol. ene.
Guide des Jugeres marina por Hantoferilte i
vol. ene
A Igreja e o Estado por P. Campo, 1 volume
brox.
Questdes e varias resolocoes de direito.
E mphytico por Corris Telles, 1 vol. e 15 folhe-
tos diversos.
Pelo Sr. Manoel Caetano de Andra.de:
Vida de Horacio Nelsou por Forgocs, 1 vol.
eue.
Cousas espantosas por C. C Branco, 1 vol.
ene.
Excurso peloe dominios da Entomologa por
Joo A. Freitas, 1 vol. brox.
Pela Exma. Sra. D. gnea Sabina Pinbo Maia:
Rosas Paludas, 1 vol. brox.
Pelo 8r. Ernesto Ro.-as : Viagens Maravilhosas,
A ventura de Trea Russos e Trea Ingleses.
Pelo 8r. capito Jorjre do Reg Baptlst", Noc-
tivagas (poesas): por Ovidio Filho, 1 valnme
brox.
Pelo socio Manoel Jos de Sant'Anna Araujo :
Regnlamento da Alfandega por E. A. Athavde
1 rol. ene.
O Dinheiro, Sabedoria e Virtud, romance por
R. A. de Oliveira, 1 vol. brox.
Auotacocs do Cdigo Cotomercial Portugus, 1
vol. ene.
Pelo socio Manoel Domingos da Silva Girio, O
Filho de Monte Cbristo por Julio Lermina.
Pelas reipoctivis reiacjes :
Diario de Pernambuco, Pro vi acia, Provinciano,
Jlo Fernandos. Linterna Mgica, Evolu^o e a
Revista Illustrada.
Proclama de ranamcnloi Foram
proclamadas os seguintes no dia 30 de Janeiro na
Boa-Vista :
Firmino Joo Flix com Francisca Mura da
EnearnRco.
Antonio da Costa Honorato com Mara Balbina
dos Santos.
Marcea Joc da Silva com Auna Velloso Lima.
Joaquim Pereira, de Britto com Cecilia Pereira
de Britto.
Jos Xavier Barrstto dsa Neves com Adoznda
Floras de Lemoa.
Foram tambesa lid js no m amo dia na matriz
de S. Jet:
Antonio da Costa Honorato com Maria Balbina
doa Santos.
Amaro Braziliano de Sant'Anna com Maria do
Vasconcellos Motta.
Manoel Luiz ae Santo Amaro com DcnasiaSoa-
res de Carvalho.
Manoel Francisco da Silva Janior com Fran-
cisca da Costa Farias.
Jcao Joe da Silva cem Fortunata Duarte de
Farias Destibanx, vinva.
DinbelroSabido para o lu no vapsr Ja
guar.bt:
Diversas 19:885950
Hysrieite do bnnhisfaa de marJ
os antigos diziamM balneisnon est prawarican-
dum e com --lViro deve-se ter todo euia do cora os
banb >s, pois que a par de immenaas beneficios pi-
den) dellcs risultar grandes males e molestias.
Na Europa os bygienistas preoecupam se antes
do tildo com a escolba do mar c divergem acera
da preferencia ero favor do Ocano ou do Mediter-
rnea, principilmente eudo em consideracSo a di-
versidade das estucas ; cutre n, porm, essa
< ue'tao preliminar nao tem raaio de ser.
Para nos a primeira questo a estudar deve ser
a que se refero a escolha da praia, ou local para
uelle serem tomad s os banb i.
Isto mesmo perdeu muito de importe neis para
cs depois da existencia da cata de banha eolio
cada sobre os arrecifes.
Esse eetabilecimento pela sua pisicin e condi-
coes especiaos de suas buuh iraa re-une todas as
vantagens que cfferccr possam aa m Ibores praias
sem es mcouvenientes destas.
A agua nos arrecifes purs, limpi la, batida,
forma ondss mais fortes ou mais fracas, conforme
a posieao da banheira preferida pelo bar:hi3la, que
enoutra nlli maia a vantgem de poder receber a
onda em tolo o corpo, ou era um lugar corto o de-
'errainado, conforme a molestia que tiver.
AUi a agua est santa dos tiasmas palustres,
que poiem formir-se dos detritos animaos e veg'-
tes, que ordinal emente existen em suspeufo
as aguas das praias.
Entretanto para os que nJo poderem o Bao
quizerem banhar-se as aguas do Occano sobre os
. rr.'ciV..-, i xpom .s aqui os ensinamentos do Dr.
Monlau acerca da escolhi de urna praia.
Deve se evitar as praias prximas a paes e de-
psitos d'agua estagnada e as em que de6emboca-
icsn rios cu prximas a estes.
Era geni as praias sao de fundo arenoso ou pe-
dregoso.
As primeiras tem maia inconvenientes que van-
tagens, turvain a agua, aquejen) u'a. enfraquecem
o. embata das ondas, obrgam o banhista a inter-
n-ir-sa muito mar a dt utro, o que sempre peri
goso, e se houver forte coi renteza, dio lugar a mu-
danca de avetas e expem o bauhista aos perigos,
que d'abi resultam.
Tratando das praias de fundo arenoso, diz o hy-
gienista citado, enturbian el agua, la calientan,
debilitan el empuge de la ola, obligan internar-
se mucho para billar un caudal bastante, y ex-
ponen a hundimientos, efecto da falsos-fundos
de desniveles imprevistos.
As praias do fundo pedregoso sao preteriveis
por cansa da limpidez e frescura d'agua, que,
sendo ai,i mais batida, mais tnica, mais ef
ficaz.
As ondas sao mais fortes e enrgicas e oidina-
nameute maia batidas pela existencia dos ruche-
dos ou penhascos em taes praias.
El fondo pcd;08o, diz o Dr. Monlai, man-
tiene el agua ms limpia, ms fresca, asegura al
bazista mayor caudal de sta, sea cual fuere el
momento de la marea y da ala ola mayor energia,
las aguas son ms batidas y tnicas ; pero, en
cambio le obliga a gastar calzado, y le precisa
estar mey sobre si para que no le bagan tambaliar
las olas. >
Alm d'iato ainda recommendado que Be pre-
firam as praias prximas povoados, onde possam
ser encontradas recursos de alimeutaco, distrac-
cao, etc.
Prxima mente nos ocenpamos da hygiene do ba-
uhista antes do bauho, no b&nbo e depois do
banho.
Liinleiun MgicaDistribuio-ae hontem
o n. 178 deste peridico livre e humorstico.
i,<- lile*Elicctuar-se-ho :
Hoje:
Velo agente Modesto Baptisla, s 11 horas, na
ra do Rosario n. 24, de predios.
Pelo agente Sveira, a 11 horaa, ruado Mr-
quez de Olinda n. 10, de movis.
l'elo agente Gtumo, s 11 horas, no aruiazem
jo Sr. Aunes, de lioguicas e velas stearioas.
Quinta-tetra :
Peo agente Martins, s 11 horas, na ra da
Roda n. 48, da tavurua ahi sita.
Sexta-feira;
Pelo agente Martins, s 4 horas da tarde, em
Jaboato, n.a Duqqe de Caxias n. 17, de movis,
pasearos, tijoloe. terrenos, arrai.s, etc.
Pc.'o agente Pinto, s 10 horas, no armazem do
Annes, de gneros de estiva.
Miaa fnebre.Serao celebradas :
Boje :
A's 8 horas, na mattiz de Pao d'Alho, por alma
de Francisco Xavier Uarueiro da Cunha.
Quiota-feira :
A's 8 horas, as matrizes de Pao d'Alho, Luz,
Jaboato e 15.m- /ista do Recife, pela alma de
Francisco X ivier Carneiro da Cunha.
Ciraaade extraordinaria lotera da
Masono Esta grande lotera, cujo premio
grande 2,000:000#(j00, ser extrahida imprete-
rivelmente no dia 12 do Fevereiro prximo.
Oa bilbetes acham-se venda na praca da In-
dedendencia ns. 37 e 39.
I-otes ta de Mina (.erneA 4' parte
da 1* lotera desta provincia, cujo premio grande
600:000/000, ser extrahida no dia 5 do Fe-
vereiro, impreterivelmente.
Os bilhetes acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosan 3 n. 36.
Lotera do CearaA 6* parte da 3* lote-
ra desta provincia, cujo premio grande ........
4 0:000/000 ser extrahida no dia 2 de Feve-
reiro.
Os bilhetes achara-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Tambera acham-se venda na Casa Feliz,
praca da Independencia ns 37 e 39.
I,olera de Macei de 30OiO0O*0OO
A 2* partes da 15* lotera, cujo premioj
grande de 390:000/, pelo novo plano, ser exa
trahida impreterivelmente no dia 1 de Fevereir*
ao meio dia.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da In*
dependencia ns. 37 e 39.
Tambera acham-se venda Roda da Fortuna
oa ra Larga do Rosario n. 36.
Preces resumidos.
Lotera do Grao-ParaA 8 parte les-
ta lotera aera extrahida quinta.teira, 3 de Feve-
reiro.
Bilhetes venda na Casa do Ouro, ra do Ba-
rao da Victoria n. 40.
rande lotera da provinciaA12 >
serie desta lotera em beneficio dos ingenuos da
Colonia Isabel, cujo premio grande 240:000/000,]
ser extrahida no dia 3 de Fevereiro, a 4 horas
da tarde.
Oa bilbetes acham-se *venda na Reda da For
tuna 4 ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera da edrteA 2' parte da 202* lo
'eria, da corte, cujo premio grande de 100:000*
ser extrahida no dia .. de Fevereiro.
Os bilhetes acham-se venda na praca da In-
dependencia na. 37 e 39.
Lotera do RioA 3* parte da lotera
o. 366, do novo plano, do premio de 100:000/000,
ser extrahida no dia .. de Janeiro.
Os bilhetes acham-se venda na praca da noe-
pendencia ns. 37 e 39.
Haiaaouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 85 rcaea para o consumo
do dia 1 de Fevereiro.
Sendo: 64 rezea pettenceatsa Oliveira Cutro,
Se C, e 35 a diversos.
Mercado Municipal de Jos-O
novimento deste Mercado ucs alas 30 e 31 do cop-
rente foi o seguinte :
Entraram :
71 bus pesando 12,609 kilos.
467 kilos de peixe a 2U reis 9J340
93 cargas de fariaha a 200 ris 18/600
15 ditas de fructaa diversas a 300 rs. 4/500
6 taboleroa a 200 ris 1/200
30 Sainos a 200 ris 6*000
Foram occuoados :
451/2 columnaa a 600 rea 27/300
44 compartimentos de farinba a
500 ria. 22/000
35 ditoa de comida a 500 ris 17/500
137 ditos de legumcs a 400 ris 54/800
32 ditos de auinoa 700 ria 22/4 '>
22 ditos de tressuras a 00 ria 13/20;)
20 talhos a 2/ 4QJ0OO
1S ditos a 1/ 13/000
A Ortveira Castro & C.:
108 talhos a 1& ris 108/000
4 talhos a 500 res 2/00!
Oeve ter sido arrecad ida uestes dia
a auantia de
Rendimento de 1 a 29 do Janeiro
Foi arrecadado liquido at hoje
r'recoa do dia :
Carne verde 240 a 430 ria o kilo.
Carneiro de 720 a 80) ris ideut.
8linas do 560 a 640 reis dem.
r'uririba de 16) a 240 -is a cuia
Milho de 260 a 320 ris id-m.
Fcijo de 560 a 1/000 idem.
359/840
5:505/920
5:865/760
mim^aam-m^snsa
CHRONSA JUBICIARIA
Tunta Coniiuercial da cidade do
Recife
ACTA DA SESSO EVI 27 DE JANEIRO
DE 1887
pras dehc a no iu-x. sit. uEPirr*Dj joaqcim olinto
BASTOS.
Secretario, Dr. Julio GuimarStt
A's 11 horas da manbl uilo tendo compareci-
do o Hr. i-Hu iiii- !!.-- 1 i' aisuraio a pr -
sidencia o Sr. deputado (Marte Bastos, qae decla-
rju aberca a scisao es'an io reunido* ns Srs. di-
putados : commendador Lapos Machido, Beltro
Jnior o Hermino de Figueiredo.
Liaa, fji approvada a acta di sessao anterior
e fez-se a leitura do seguinte :
RXPEDIENTK
Officins :
Do 14 d corr.mte, la junta eom-Jierci il da ca-
pital do imperio em resposta ao desta junta do 31
de Deiemjro a!tim>.Para o archivo.
De 19 do pr.'sente mez, dado S. Salvador ncom-
3 : i.j.i i i d i ; i ..i; i i i i cjiaaierciantes ma'rieu-
lados no semestre linio cin Dezeuibro u^liuij.
Accuse-sa o rec bimento e arebive-se.
De 3 cesto mez da de Pj.-to Alegre, remetien-
do a relacao dos coramerciiiites quj se raatricula-
raiu dur-iute o auno prximo paBsaio.Arehivc-se
e aecuse se a recebimcnio-
De 13 do corrente da junta commercwl d* For-
taleza, ace.uaando o recebimeut} do affieio quo se
Ihe dirigij a 31 de Dezjrabro ultimo. Soja ar-
chivado.
De 22 do crrente da junta dot correctores d-;3-
ta praca enviando o bjletiin das cjtacos olfieiaes
de 17 a 22 do presente mezPara o archivo
Diarios Offkiaes de ns. 11 a 16. Para o ar-
chivo.
Foram dist. buidos rubrica os aeguiutes il-
vr03 :
Copiadores de Oiinto JarJim it C, e Andiade
MaU & C.
Foram assgnados a 21 di corrente as cartas de
matriculados Cjinia?roante3 p)rtuguez'3 domi-
ciliados nesta praca Jos Pereira ie Amareie
Aotouio Jos da Costa Araujo.
DESPACHOS
Peticoes :
De Antonio Machado Gjines da Silva, para *im
se archive na forma da le o parecer da comais-,
gao fiscal, o balaaco e rela^o a accionistas da
compauhia do fiaoto e tecidos de Pernambuco.
Archivem-se.
De Francsc Jos Lete & C p ira que se re-
gistre a nomiacj dis seus caixeins Pedro Jos
Luiz doa Santos e J jaquim Manoel do Naacimen-
to e baixa do registro da dos seus ex-caixeiros
Francisco Jos L^ite Filhj e Mauricio do Bago
Pinho.Como pedem.
De Paaohoal Jaasel, i lera, quauto ao ex-cai-
xeiro Jus Antonio de Lacerda Machado e baixa
no ni luimii l Joo da Costa Ojvira.Como re-
quer.
Da Antonio Jos da Costa Araujo, para que se
Ibe entregue 11 facturas que juntara a sua peticao
solicitando matricula.D so med'ante recibo.
Dos directores da companhia Indemui;adora pa-
ra que aejain archivados o balauco o a relacao de
accionistas de dita companhia. Arcbive ae, na
forma da lei.
De Antonia Gjncalves do Asevcdo, subdito
portugus, de 46 annos do idade, domiciliado uee-
ta praca com sua casa der coromercio d fazendas
por grosso, solicitando carta deeommerciante ma-
triculado. Sao attes'tantrs do crdito commercial
do impetrante Luiz Antonio de Siqueira, Gomes
de Mattos Irmos e Baro da Sol Jade. Como
eperacSos, parto o moleatiaa de STjhoras e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Brrelo Sampaio d consultas dq
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra "> Barao da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Seto de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio rueJico, ra do Bom-Jesus n. 23,
3obrado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia raa do Hospicio n. 20.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 horaa da manha s 2 da
arde. Especialidad : molestias o oprra-
cSes dos orgaoa genito-urinarios do honiow
e da mulher.
Dr. Joaqam Loureiro medico e partiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, 1.-
andar, de 12 s 2 ila tarde ; residencia no
Montei ro.
Drogara
Francisco Manoel da Sa & C Ibboj
stanos de todas as e8p'jciadaac3 phartaa
Citicas, tintas, drogas, productos cjiimjin
e medicamciitus hoincaopatioos, ra do Mr-
quez de Oliuda n 23.
Orosxarla
Faria Sobrinho & C., droguistas por at-
tacado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
Senaria a Vapor
Serrara a vapor e officina de earapina
de Frauciac^ dos Santos Mauedo, caes
de Capibaribe n. 23. N'esto grande esta-
belejinento, o priraeiro da provincia neste
genero, coiupra-se o vendo se madeiras
do todas as quaiidades, serra-se madeiras
de conta tlheia, assim como se preparam
obras de earapina por machinas e por pre-
go sem competencia Pernambujo. -
PlBLItiACfcSA 'EOIO
O ilclcaniio de iiolicia do termo i'" riorc Atacado cjui > fui ptdg Sr. Manivl Carn.'iro da
Cuuha Aibuquor()ue, na Provincia de 14 do cor-
rent~m_'z,-sju forjado vira impreosa, uao respon-
der a sua pubcrtp,pjrque elle De:n sabe a
que eacreveu, levado pelo oJi.i que me vota em
conseiiuencia ela6 pprsegui.'oes qui.- tenho cora i d rlc-
gad > do polica feito aos erimiuOdos e mu priacipal-
uijpte a aqiiilles quo sob sua p.-oteoeaj so aclu-
fm h unisiados em suas trras, oiniu-ttenJo eri-
me8 de furto* de cavallos, como s;\ do docum-n
to n. 1, e qae ab.iixo transe-evo ; mas soineute,
para convencer as autoridades supriores da pij
vincia, de que quaud-i me d.rigi cjm a fjrca pu-
blica sua cas i, tinha ejiao c rio prender taes
individuos, seus apanigualys, o ejue peruoitava'n
era casa c sua resideucia cjrao periuitavam ou-
tr'ora no seu enjjeaho Cuudalo,Lauriauo No-
gueirn, Francisca Nogueia o ,\iigu;l de tal, la
d0o3 de cavaos, hoje pron.^ueiados nesto term i
p^I i assMSsinatj barbara que zeram ni pessoa do
infelia Vicente da Penba, s 2 horas da tarde,
dentro de sua sala de visita par ter o pobre Vi-
cente tomado sua deeza, esenpauio ascira do mor-
ree Mauoel Carneiro, que fugio, apoarecendo de-
p>is quando l chegou a autoridade policial.
Era vista do que, como responder se um h)
mera como Mauoel Carueiro da Cuuha Albuquer-
que, que alera do ser geralm ute ouhecido r.y.m
protector d; taes individuos, ceresce a circuns-
tancia de exercer qualquer viugaoca, ainla mes-
mo as que sao repudiadas p los bomens covardes ?
Conseguin'.emeate, o meu movel hoje soraentc
dizer estas poucas palavrad, fazuudo em seguida a
publicacao de docuraeutos que tallara b mu alto, e
qu* certamente scro mais que suificieates para
couvencer as autoridades superiores da provincia
c ao publico do que eu uo sou o hnmem que pin-
ta Manoel Carneiro, quo alias tudo inventa, co.n-
tanto que possa seguir desa93ombradamente o seu
eamiuho !!...
'o d'Alho, 30 de Janeiro de 1887.
Francisco Vidal Aranba Montenegro.
(Estava sellada e recoohecida a firma).
DOCUMENTO N. 1
Auto de perguutas feitas a Manoel Felippe de
Mello
Aos 29 das do mea de Janeiro de 1887, nesta
requer.
De Jos Pereira de Mendonca e Mendonca Pri-
mo & O, ficando Mead .mea Primo & C. de posse
do establecimeuto de fazendas sito rna Duque
de Caxias n. 83 e do activo e oDrigado pdo pas-
sivo da extincta sociedade, com a faculdide de
continuar a usar da firma Mendonca & C. Ar-
ebive-se.
De Felicio Jos Vaz de Oliveira e Bernardino
Ferreira Praca para que se archive o contracto
do sociedade em nome collectivo que cetebraram
sob a firma de Oliveira Praca & C, com o capi-
tal do 1:000 j, para o cemnercio de gneros de
estiva por grosso e a retalho nesta praca ra
da Ilha de Carvalho, andar terreo n. 37. Seja
archivado.
De Antonio da Silva Campos e Manoel Ferrei-
ra Gomes da Silva para que seja archivado o con-
tracto de sociedade em noroe eollectivo que cele-
braran! sob a Firma de Campos & Ferreira com
o capital de 10:0004 para o coramercio de mer-
caderas e fabrico de camisas nesta praca roa
do Imperador n. 54, conhecido eob a denorainacao
Camisaria Pernambu cana, ficando sem eftoito o
contracto que registraram a 28 de Janeiro de
1886.Archive-se ua forma da le.
Da viuva Carroll Se, C- para que ae archive o
contracto de sociedade em nomo eollectivo que
sob dita firma eelebraram D. Olympia Carroll e
Agostinho Luiz Vieira, com o capital de 4:2035
para o commercio por grosso e a retalho dos g-
neros e artigos proprios para abastecimento de
navios no Schip Chandlers em que j negocian)
ra do Commercio n. 8, sendo gerente o socio
Vieira.Archive-se.
De Santos & Matta para que se d baixa no
aeu ex-caixeiro Miguel Antunes Coelho.D-so a
baixa pi dida.
De Maia Sobrinho & C, idora, de sea ex-eai-
xaBUfrcdo Jos Garca c registro da nomeaco
arara a Francisco Veras.Na forma re-
>a-Mauoel Jos Fernandes, idem, de seu ex-
ajxeiro Casemiro Lucio Jorge e registro^ da no-
tario que passara a Antonio Jcs Celestino Tor-
res IPeniaudes.Como requer.
De D. Mara Joaquina Alves, Emilia Joaquina
Alvee, Joanna Joaquina Alvaa Ribero, Francisca
Theodora Alves, Maria de Miranda Alvea e Jos
Joaquim de Miranda Alves para que se archive o
contracto de sociedade de capital e industria que
eelebraram sob a firma de Miranda Alves & C.
com o capital de 22:407*950 para o comaaercio
por grosso e a retalho de ferragens nesta praca
ra do Marques de Olinda n. 58.Archive-se na
forma da lei. *
Prestou juramento de bem servir o eargo de
avaliador commercial para o triennio de 1887 a
1889, Francisco Gomes de Araujo.
Administracio do banco de crdito real de Per-
nambuco solicitando o arehivam-nto do bataneo
bancario do anno prximo passado e a relacao dos
accionistas da mesma sociedade.Archivem-se.
Encerrou-se a sesso ao meio dia.
IRDICCES OTIS
Medico
O Dr. Lobo Moscoio, de volt de sua
viagem ao Rio de Janeiro, conntia ne
ozercicio de sua pronssSo. Consltua da*
10 s 12 horas da manha. Especialdades I quaei se acoitavam no corgo da bica no meimo
cidade do Espirito Santa de Pao d'Alho, em casa
d- residencia do delegado de polica o tenente
francisco Vidal Arauha Montenegro, presente o
mesmo e o interrogado, corainigo esemao de aeu
cargo, abaixo asaignado, ahi passou o delegado a
fazer as perguutas seguintes :
Perguntado qual o seu n rae, idade, estado, na-
turalidade, prossao, se -abia ler e escrever e on-
de mora ?
Responden que chama-3 Mano;! Felippe de
Mello, casado, natural da provincia -da Parabyba,
coaa 32 anuos do idade, nao sabe ler e nem escre-
ver, vive da agricultura.
Perguatado se conhece Mauoel Carneiro da Cu-
nha Albuquerque, onde elle mora e qual o pessoal
que com elle convive ?
Respondeu que c rali ve a tres ao ios e que mo-
ra no lugar Canua Brava deste termo, e que o pes-
soal qu-i o cerca de gente m. que ltimamente
em das de Dezeuibro, trea d ases indivi luos, que
faz parte do pessoal que o cerca, sahra de sua
propriedade, ficando outros tres, cujos nomos ig -
ora elle rcspindente, os quaes sahiara consecuti-
vamente c voltavam depois couduzndo cavallos
furtadog, conservndose occulto debaixo da pro-
teegao do mesmo Manoel Carneiro.
PergUDtado se elle respondente fdra portador de
urna carta de Amador de Barros Cavalcante Lins,
senbor de cogenho Pindobinbs, em a qual com-
munica o que elle respondente acibava de diser,
pe lio lo provi >noias c> rea de semelbante facto ?
Respondeu que verdade, que indo a negocio a
casa de Amador, no engenho Pindbinha, elle in-
dagou como am os negocios de furto de cavallos em
Caima Brava, e tendo elle respondente ihe decla-
rado o que j diase, Amador euto escreveu a car-
ta do que elle respondente foi portador e que entre-
go j ao delegado de polica, em seu engenho Arara.
Perguntado se elle respondente era morador de
Manoel Carneiro e se contina l residir ?
Respondeu que nunca morou l, porm, que tra
balhava sempre a Manoel Carneiro e que- de pre-
sente mora em Pet.imb.
Perguntadj se Ihe consta continuaren! os mes-
moa lad'oea, sobre a pro'ecco de Manoel Carnei-
ro, em seu sitio Canna Brava ?
Responden que depois da diligencia feita pelo de-
legado elles se retiraran), nao sabendo para onde.
E como nada mais Ihe foi perguntado deu-se por
findo ste depoimento qae depois de lbe ser lido e
achar conforme a seu rogo assigoa Manoel Mar-
ques "de Albuquerque Maranbo, com o delegado
e as testemunhas quo presenciaram dito depoi-
mento.
Eu, Jos Zeferino Brayner Rangel, escrivo,
escrevi. Francisco Vidal Aranha Montene-
gro.Manoel Marques de Albuquerque Maranhao.
Joo Francisco Correia de Araujo.Jos de S
Cavalcante de Albuquerque.
E mais se nao continha em dito depoimento
aqu fielmente copiado do propro original ao qual
me reporto de meu poder e cartorio e de tudo dou
f.
Eu, Jo3 Zeferino Brayner Rangel, escrivo,
escrevi.
Auto de perguntas feitas a Maooel Joaquim
de Ssnt'Anna
Aos 29 diaa do mes de Janeiro de 1887, nesta
cidade do Espirito Santo de Pao d'Alho, em vasa
de residencia do delegado de polica o tenente
Francisco Vidal Arauha Montenegro, presente o
mesmo e o interrogado commigo escrivo de seu
cargo, abaixo asaignado, ahi passou o mesmo de-
legado a fazer aa preguntas seguintes :
Perguntado qual o seo notti", idade, estado, na-
tu ral idade, profisso, se sabe ler e escrever ?
Responden que cbama-ne Manoel Joaquim de
Sant'Anna, solteiro, com 22 anuos de idade, natu-
ral desta freguezia, morador no sito Canoa Bra-
va de propriedade de Manoel Carneiro da Cunha
Albuquerque, vive da agricultura, nao sabe ler
menos escrever.
Perguntado se sabe se no sitio Canna Brava
tem alguna individuos protegidos por Manoel Car-
neiro, e que ae davam a furto de cavallo ?
Rerpondeu que Manoel Carneiro, protega um
grupo destea bomens, o qual grupo se retirou logo
que o delegado de polica fes l ama diligencia,
sitio Canna Btava, que fica atraz da casa de Ma-
noel Carneiro, e que at o presente nao voltaram.
E como nada maia lha foi perguntado deu-se
por nodo este depoimento que depois de ser lido e
por achar conforme e por nao saber ler nem ee-
crtver, a seu rogo sssigna Manoel Thomaz de Al-
buquerque Maranhao, com o delegado e as teste-
munhas que presenciaram dito depoimento.
Eu, Jos Zeferino Brayner Rangel, escrivo,
escrevi.Francisco \ idal Aranha Montenegros
Maaoel Thomaz de Albuquerque Maranhao.-Joo
Francisco Correia de Araujo.Jos de S Caval-
caute de Albuquerque.
E mais se nao continua em dito depoimento aqui
fielmente copiado do preprio original, ao qual me
reporto em meu poder e cartorio, e de tudo dou
t.
En, Jos Zaferino Brayner Rangel, escriva,
e3cicvi.
DOCUMENTO N. 2.
Illm. Sr. Dr. juiz municipal do termo de Pao
d'Alho. O tenente Fjancisco Vidal Aranha
Montenegro, a bem dos seus direitos precisa que
V 8. se digne attestar sob f de seu cargo os
seguintes quesitoa :
1. Se conhece o supplicante, desde qunndo e
qual a profisso que rxerce oa comarca ?
2/' Se copeta que duraute o grande espaco de
ferapo que resido n'esta comarca tivesse c.mmet-
tido algum crime ou nc-smo f.ltas que o dejabo-
nera ?
3. Finalmeote : Qual o ccnceto que faz do
supplicante eom reluci a sua conducta mcrul ?
NVatts termos, pede deterimentoE. R. M.
Pao d'Alho, 29 de Janeiro de 187 Manoel Vi-
dal Iranha Montenegro.
Aitesto que conheco o peticionario desde 1869,
e a muitos annos exerce a prcfissilo de agricultor
na qual oceupa lugar salieute. Desde a poca
que o eonliei; i nunca me eonetou que hcuvessu
commettido crime aigum, mereeeado geralmeute
consideiu5ao e estima.
A bem da vtrdada anda atteso, que formo o
melhor coneeito de sua conducta moral
derando austero pal de familia.
;dade do Espirito-Santo, 29 de Janeiro de
1887.O juiz municipal, E'ysio da Cunha Mo-
rana Pinheiro.
(Estava sellada e reoonheeda na furaia da lei).
DOCUMENTO N. 3.
Pao d'Alho, 29 de Janeiro de 1887.-Illm. Sr.
coren.1 Luiz de Albuquerque Maranhao.Hoje
mais quo nunca, Soho uocessidade de quo V. S.
falle com u franqueza que o caracterisi, acerv-
do que sabe cin rejacas a minlia prssoa, asaim
espero que respndame oa quesitos abaixo permit-
tindo fazer o uso que "me convier, "
se dignar dar-ine :
1. S* ma conhece e desde quando?
2 Se j teve algum negoeio ou irdusaceo com
miuha pacoa c quul os si ua resultados?
3.0 Filialmente: Qual o oonceitoquo ainda hoje
faz do nniiha p f sou ?
w
o consi-
da resposta que
V

?
De V. S. amigo resp-ltador e abrigad.Fran-
cisco Vidal Araulii Montenegro.
Illm. Sr. Montenegro.Em resposta carta
qae me dirigi V. S- tenho n dizer-lhe sobre f
da verdade que o cjnh 'co a 18 anuos data ,-m que
V. 8. regrsssou do Paraguay, tendo c,m V. S.
innmeros negocios e dt- grandes quantias, sendo
V. S. mu tas vez.a depositario de dinbeiroa dan-
do-uie conta de tudo sem que me lesasse coi cousa
algum*, sendo que por istj anda hoje continuo
a fazer o meih.rjuizi da j essoa de V. S. c depo-
sito toda miuba couiinca.
Assim tenho respondido a carta auc me dirigi
podeado portanto V. S, faz-r o uso della como bem
Ihe aprouvAr.
Pao d'Aiho, 29 de Janeiro de !887. De V. S.
venerador c criadoLuiz de Alouquerquc Mara-
nhao.
(Estava sellada e reconhecida na forma da le).
DOCUMENTO N. 4.
Illm. Rvm. Sr. vigario da freguezia de Pao
d'Alho.O teneuto Franci o Vidal Aranha Mon-
tenegro, lequer a V. S. para que revendo o livro
de laucauentos de bitos, Ihe d por certido o
que constar da escrava do supplicante, de nome
Gertrudes, que foi sepultada i.o cemiteno do po-
voado do Ro3arin Nestcs termos, pede a V. Rvma. deferimento
E. R. t.
Augusto Adolpho Soates de Kmcwetter, pres-
bytero secular e pro-parocho da freguezia do Di-
vido Espirito-Santo de P) d'Alho por 8. Exc.
Rvma., etc.
Certifico que revendo o livr.i und.cimo, dos bi-
tos desta freguezia. fh. 13 verso, deparei com o
asseute seguinte :
Aos-vinte e seis das do Dozembro de mil o-
toeentos e oitenta e cinco, u'esta freguezia, falle-
ceu Gertrudes, parda, idado da 17 annos, eolteira,
escrava do tenente Francisco Vidal Aranha Mon-
tenegro : da habito branco, e Sipultada no cemi-
terio.do Desterro, n Do que fiz escrever este, quo
assigno.O pro-parocho, Augusto Adolpho Soares
de Kusewetter,E' o que consta do referido as-
sento, que mandei copiar : lia in fide parochi.
Cidade do Espirito Santo de Pao d'Alho, 29 0
Janeiro de 1887. Augusto Adolpho Soares de
Kusewetter, coadjutor pro-parocho.
(Estava sellada e reconhecida na forma da lei).
DOCUMENTO N. 5.
Illm. Sr. tenente Jos Francisco Paes Barreto.
Tendo sido V. S autoridade policial deste ter-
mo o me conhecendo de muitos annos, preciso que
se digne atteatar o quo sabe com relacio a miuha
peasoa de conformidado com os quesitos abaixo :
1." Desde quande me conhece e qual o lugar
que ento eu oceupava.
2- Se como autoridado que foi neste termo no
dominio liberal, ouvio dizer alguma cousa que
fosse em desabono de mir.ua pessoa.
3. Finalmente : Qual o coneeito que faz de mi-
nha conducta civil e mera!. Assim, peco a V. S.
permisso para fazer uso que me convier de sna
resposta. Do V. S. attsot-J, respeitador e criado
Francisco Vidal Aranha Montenegro.
Pao d'Alho, 3J de Janeiro de IHl.
Illm. Sr. tenente Francisco MontenegroPer-
mtta-me que responda o que me pede em baixo a
carta que V. S. dirigi-me. Assim, poi?, o fac
sob f do verdade.
Conheco V. S. desde o anno de 1865, poca em
que commigo marchou para a guerra do Paraguay,
oceupaudo ento V. S. o posto de alferea no 1.*
corpo de voluntarios da patria. Como autoridade
policial, que fui no dominio liberal, neste termo,
nunca me eonetou consa alguma que o de3abo-
nasse, e finalmente, sempre fiz bom coneeito da
pessoa de V. S. e assim continuo a fazer, por ter
cerno certo a inteireza do elevado carcter que o
dota. Pudendo, portanto, V. S. fazer o uso que
bem entender da minh i resposta. De V. S. cria-
do e oDrigadoJos Francisco Paes Barrete
(Estava sellada e reconhecida na forma da lei).
0 solicitador Pedro Jos do Car-
ino eSonza
Ao Publico
Tendo sido adulterada a minha resposta ao
professor Prancisco Correia de Mattos, pub cada
no Jornal do Recife de 16 do correte, venho re-\
produzil-a para que possa ser lida o devidamente \
apreciada. 1
Eil-a : ,/7
O solicitador Pedro Jos do Carmo e Souta. ao
professor Francisco Correia de Mattos
No Diario de 4 do corrento li uns artigos as-
siguados por S. S., os quaes fazem alluso a mi-
nlu pessoa, como autor da muito justa represen-
tacn que fizeram ao Dr. Inspector Geral da
Iustruccao Publica dos desvarios praticados por
S. S. em sua aula, teudo por entretanto S. S. con-
seiencia deque outrem o responsavel por aquella
lepresentaco.
Nao me sorprehendeu o procedimento de S. S., '
porque razdes baviarc pelas quaes eu j linha por
firme presupposto ser por S. S. atassalbado.
O castigo immoderado que S. S. applica em
seus alumnos, cujos pas assim como eu lhc sao
desaffectos ; falta de humanidad-: absoluta, tanto
assim que, transgredido sera pejo e sem regula-
mento, naa estaces iaveroosas conservou a aula
fechada at chegar a hora do expediente, nao im-
portando se que as pobres crianzas que veem de
maior distancia soffram oa rigores das chovas.
Sao estes oa actoa da boa regencia de sua cadei-
ra que S. S. aponta como exemplo para eu immi-
tal-a em minha profisso 11 t
Estes tactos que venho de allegar, comprehen-
dendo-se na vulacao des artigos citados naquella
1
i

* r:.
.r
.
1



^p
7"
Diario de PernambneoTcrpa-fcira 1 de Fevereiro de 1887
3
_

11

i
representacio, nao foram por 8- S. contestados,
e e poden fssel-o eom o sea ber> conbecido
NSo, em tora de baixo profundo.
O todo de ma poyeroaomia demonstra a per-
vereidade de seu coracio, e seu pedantismo, ornar
uroprio e hypocrisa ja se vio turnando patentes
c de todos canhecidos.
No me tenho por entendido em portugus, p >
rm compre-me declarar a 8.8. quo nio inveja
suas habilitacSe.
Se 8. 8. tivesse ao menos conseieneia de si,
nlo criticana dos escriptos albeios eoma j o ou-
vi criticar em n;n discurso do Ilustre finado
D.-. Gaspar d- Drumuiond.
Quinto aus oonhcicaentos que tenho do meu
meu offijio, S. S. mnito e inuito ignorante da
materia, p*ra ser meu juiz. O publico decidir!
a vista dos attestados a baixo 'ranscriptos se 8. 8.
tui razio.
Concluiudo devo dizer-lhe : S? S. S.j I
infelicidad.' de h algum tempo
tros ou nos eovis, lamente sui desventura. BU
sempre viv, e espero em Deus viver no meio
da s-iciedade al o ultimo dia di minha exis-
tencia.
8erinhSem, 22 de Juntiro de 1887.
Pedro Jos do Carmo e Souzu.
P. S.Oi attestados forain fielmente transcrip-
tos n'aquelle Jornal. E aproveitando a oppar-
tuoidade declaro ao Sr. professor Maltas que nlo
volt a re i com S. 8. iroprensa.
Tremenda e fatal enferas-tdade (a)
A toase apparece traca e passageira e o doente
de?preza-a ; nlo a cuida. ..
D. pais, o ehfraquec'imeuto do corpo, algumas
d es no peiioenas costas, vio guindo essa tosse
que augmenta, c por fim o diente v se claramente
a bracos cora o grande flagello da humanidadea
tisica pnlmonar !
Esta tremenda e fatal enfermidade fia sagaz,
que pra melbor conseguir seas funestos fin* prin-
cipia dlsfarcando-nos n'uma tosse desprezivel !
Mas ella ulo realisar seus nefastos intentos se
fr usado em temp> opportuno o remedio principal
e e que tem conseguido curas reaes da tisica pul-
monar, que o PEITORAL DE CAMBARA', im-
prtante descoberta de Alvares de S. Soares, de
Pelotas.
Os interessados polerio encontrar no opsculo
que acompanha cada fraseo valiosos attestados de
caras obtidas em gravissimos caso, nao de ti-
babitar nos ao-' sica como de bronchites, asthma, coqueluche e ou-
tra molestias do apparolbo respiratorio.
nicos agentes e depositario* geraes em Per-
namboco-Francisca Manoel da Silva & C, 1 ra
Mrquez de Olinda n- 23.
Aviso aos professores
Ao publico
Lendo a Provincia de bontem, 28 da do correntc,
deparei com uin artigo assignado pelo Sr. Andr de
AOuquerque Mello, morador do engenho Vanea
Grande, d'este termo, em o qual querendo elle de-
preciar do meu amigo teueate Montenegro, dol
gado de polica, nventou urna historia na que e le
frtil, e som o menor escrpulo deu publi
cidade.
Em vista d'eate s'cu inqualifieiivel proeedircento,
venho do alto da iinprrnsa protestar, fazendo con-
vencer ao publico, q je nlo verdade quo o mesmo
delegado, que uicu amigo, tivesse, como elle
disse cercado a casa de mea filh para n'ella ver
se encontrav* ladroVa de cavallo.
Em (eujpoa Jos, em qao eram autoridades poii-
eiaes d'estu termo outros cidadlos, que ulo erada
meus amigo?, u pertenciain poltica adversa.
nunca eu, o uem meu fi bo s'ff remos desacato
algum, quanto mais li je, que al.m da amisade
que tenho ao actual delegado, elle mais que todos
os habitantes (Testa enmare:, sabe que sempre go-
zei de um ame pibre, mas de hornea honrado.
Assim, pois, coino poJona o delegado Monte-
negro, cercar a casa do meu filho. como o Sr. Ao-
drueAlbuquerque Mello, emseueostumado delirio
d3se em tal correspondencia?!
Eu, te quizesse, aproveitana o eusejo qm me
deu o Sr. Andr, pira Ihe dizerquaes es individuos
que n'esta comarca, c sturaain acuitar ladroes de
cavalios, icas como teuho digndadc, deixo para
que ou'rii facain....
Se o Sr. Andr nio os canhece, procure saber
das scuj segregados Jlo Pedro, Francisco Tei-
xeira, que clles informarlo de uicdo que plena-
mente u satisfaga, para eutao appirecer de publico
contando as facanlins de taca iudividnos, e nao de
horneas, que ten Jo uinu vida leuga, nunca acharara
quera de pi'blico on musmo particular Ihe diasessem
o que, sem o menor criterio, disse o Sr. Aor de
Albuquerqoe, com relaelo a mim e a meu filho.
Assim tenho desierto a falsiJale que aventn o
Sr. Andr, no intuito de ferir ao delegad) de poli-
ca para quem na acha elegios pelos bons servicos
que tem prestada etta comarca, banindo de seu
territorio criaiinssos inda m sino aquelles que eio
protegidas por certas individuos, que bem couhece
o Sr. Audr, que parece, vai perdendo com este e
outros procedimentos o concoito e a estima qu en
tempos passados gozava doo habitantes d'esta
comarca, e assim se esquecenda ponco pouco o
noaie d'aquelle que se anda fosse vivo podera com
um bom reio impedir a carieira desastrosa c fatal
que segu, sem que o menos saiba respeitar nos
cid'.dlos que anda (.ffendidosbradam aieu Deu?,
mu Deus, porque o desamparaste?
Cidade do Esprito Santo, 29 de Janeiro de
1887.
Jos Francisco de Arruda.
Ro Grande do Norte
Acaba de sustenttir these pela facnldade de me-
dicina do Rio de Janeiro, obtendo o grao de d.s-
tinc^loa joven e talentos > Rio Grandense do
Norte Alfredo Augusto de Castro Medeiros, que
com a sua applicaclo e dedieacao 1 to nobre e
humanitaria profissslo scube conquistar um ame
brilhantc n'aquella faculiade, ascrevondo-se em
dons concursos um de interno da cadeira da clinita
de molestias de criancas em 1885, e outro na de
ajudante do preparador da cadeira de anatoma
topographica e operacoes, sendo escolbido para 66-
tes logares por urna comraissaa de lentes, pelo sa-
bido coneeito e reeonhecida vocablo, em que era
tido n'aquella faculdade.
Almejamos ao distmeto Rio Grandense do Norte
um futuro risoubo e prospera viagem para o sen
torrla natal, onde vai, depois das lides acadmi-
cas, abracar a Exma. familia.
Felicita-o
Um amigo.
Recifc, 29 de Janeiro de 1887.
Eslimulal on cabellos decadente
Se o vosso cabello est ralo, lembrai-vos que
entre os claros das fibras germiuam renovos de
cabellos debaixo da epiderme, es quaes s neces-
aitam de um estimulante effieaz para ajuial os a
penetrar a superficie e brotorem em fibras vigo-
rosas,
Applicai com frequeneia o 'Jnico Oriental, em-
pregaad* a escova com bastante forca, afim de
excitar os absorventes a que o recjbam, e o resul-
tado ser cert iinentc grato e benfico. A expe-
riencia universal dos effeitos do tonifico, que
nao E.n-ute reforcam e ampliam as fibras, mas
8m tambens as faz multiplicar. Nos climas cali-
dos, ende as senhoras erroueameuto so taxem aso
de leos para os cabellos, achara) que este in-
coa) para velmente superior 1 qualquer outro artigo
para dar as suas trancas brilhj,eIasticdado e for-
masurs.
Acba-se 1 venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Postar a C,
ra do Commereio n. 9.
Um medico distinco de Paris, creo ai nu-
merosa clientella de cabecinbaa loaras, urna eliea-
tella infantil, queo aeolbe como um amigo qneriia
quando a visita e o aegredo est, em que o hbil
medico reeeita sempre a fbucta jclibr, qn as
ereancas comem com gosto como nm confeito.
Este agradavel laxativo purgndo-s kvaatea-
te, cura c-uas indisposices ordinarias evita es
ligeiras incommodos que, ola sendo atacados i
tempo, podem produzir enfermedades graves.
N. V. A EiDulsitoda Sjott o inelhor re-
medio at boje descobcro para a cura da
tisica, broocbites, escrfulas, anemia, ra
chitis e debilidade em geral ; tarabam o
um curativo infallivel para os defluxos,
tosso chronica e affecgoas da garganta.
Po$o da Pane Ha
ContinaagSo do prograraraa da tradiccio-
nal festa de Nossa Ssnbora da Saude.
Teudo deeorrido as novenas com a maior
concurrencia e solemnidado possivel devi-
do aos esforgoB daquelles quo se compene-
trara pelo ongran eciment do cuito reli-
gioso ; no dia 2 de Fevereiro ao alvorecer
diversas gyrandolas de bombas ao som da
msica marcial saudar ao festivo dia.
As 8 boras da manbS celebrarse ha a
missa costumada, e pelas 10 1(2 horas en-
trar a festa, sendo enoarregads da or
diestra, o talentoso professor Ja-a Tava-
res de Medeiras, exeeutande a missa ita-
liana do .iiae8tro Canalho Cerruti, orando
H9 Evangelho o distincto pregador Revdm.
Dr. Ananias, e finalisando o acto com urna
salea de 21 tiros.
A tarde entri outros uivcrtiment03 eshi-
bidos tocar no coroto a banda de msica
do 14 batalhao diversas e escolhidas pe-
gas do seu repertorio, soltando-se diversos
baloes, e as 6 horas uma jaiva real de 21
tiros.
As 7 horas cantar se ha o le-Deum de-
nominado Rio de Janeiro do maestro
Aguiar, oceupando a tribuna sagrada o
bem conhecido pregador commendador Ha-
noel Moreira da Gama, seguindo se aps
esto acto, e com a mearaa solamnidade se-
r arreiado o estandarte que conduzido
para a igreja se far a entrega a nova
juiza eleita quo cora e melhor boa vonta-
de aceita o cargo.
grande logo de vista preparado a ca-
pricho, queimar se-ha no mesmo dia dan
do assim por concluido os festejos pa
drotira da freguezia.
A decoracao do templo, deve-se a sua
elegancia ao artista Jos Castor do Araujo
e Souzn.
O encarragado de todo o fogo consum
do o pyrotbechnico Joo Hyppolito Fer
reir Costa.
Alia-BO a distribuidlo mediante uma es
porlula a eBgie da Senbora da saude para
os romeiros que desejarem.
O pateo e exterior da igreja estar ele-
gantemente enfeitado, e a noite profusa-
mente illuminaio, devido ao interesse e
capricho da commissao da noite anteceden-
te que nada poupar para sobresahir den-
tre as deraais noites.
Finalmente a mesa actual confessa-se
reconheciua a todas as pesaoas que gene-
rosamente conrorreram com seus obulos
para o realce da fasta, inclusivel a compa-
nhia da via-terra do Casanga representa-
da pelo aeu gerente.
Pojo da Panella, 29 de Janeiro de
1887.
O escrivao,
Candido Ferreira.
Emulsao de Lanman
& Kemp
A EmulsSo de oleo de figado de baca-
lb) com os hipophosphitos de cal, soda e
potassa, preparada pela acreditada casa
de Lanman & Kemp de Nova York,
melbor, a mais perfeita, e a mais effieaz e
agradavel que ai agora se tem offorecido
ao publico.
E' um regenerador poderoso das consti-
tuirles debis e um remedio certo para
todas as afeccoes do peito, da garganta e
dos pulmSes.
Use-se ao a EmuIsSo de Lanman &
Kemp nao confundindo-a com as outras.
Vndese em todas as drogaras e phar-
raacias.
SI
Em 1859, quando eu cursava o primeiro anno
da Faculdads de Direito, requer e obtive liceuoa
para lecciouar as materias do ensino secundario.
Dah at I8W, q.mnl) recebi o grao de bacha-
rt-1 formado em direito, exerci essa espnhasa pro-
fissla e entreguei annualmente os mappas dos
meas alumnos 1 directora da Instraccla Publica
dessa provincia. Em 1864 nlo exerci mais as fune-
c5es de professor particular porque outra vida
nli men-is espiuhosa cu abracara; em 1865 reti-
rei-me de Pemambueo para a guerra do Para-
guay, na qualidade de capellio voluntasio; d'a-
11 vnltei para esta corte, onde tenho residido at a
presente data. Nunca mais exerci o professorad)
em parte algum, excepto na impsrial collegio Pe
dro II (nesta corte) por namea.lo do Ministerio
do Imperio.
Pois bem. Dpois de 22 annos de ausencia da
miaba provincia, fai assaltaio no da 13 do cor-
rente mez por um meirinho armado de uma prc-
catorU vinda de Peraambuoj a requerrmento do
director da Inatrucclo Publica dessa provincia, de
19 de Marca de 1866 para pagar a mulla de 20i
em que ineorrera por nao ter apresenlado o map-
pas dos meus alum,ios em virtude do art. 100 da
le n. 369 de 14 de Mao de 1855 !. -.
O procurador fiscal da Thesouraria Provincial
requereu a execucio da multa de 24 de Abril des-
se anno; foi passada preeatoria para procurar-me
(talvez em lugar ineerto) e se me executar, em 5
de Marco de 1869; essa preeatoria teve e cum-
pra-se do juiz em 9 de Julbo de 1880, c eu fui in-
tixado pelo meirinbo em 13 de Janeiro de 1887
para pagar o queulo devia !! 1
E ntese que desde 1867 ea resido nesta corte,
ende tenha exeicido funesoes publicas e cargos
bem distinctos, que me taa tornado bastante co-
nhecido ; porm s agora toi que souberam que
ha 13 annos bou vigario da fregaezii mais impor-
tante, onde devia ser assaltado pela preeatoria
enviada pela minha provincia
E, para evitar novos vexames, logo uo dia U
paguei a seguate bagatella :
Multa imposta pola directora do Instrue-
c!o Puolica de Poroambuco em '
De custas, ao juiz
dem ao escripia
dem fazenda provincial
Ao official dejuatica
Sellos, ao Thesouro Nacional
Gustus do cartorio
1866
20J000
3*200
4*500
1/900
500
14600
s#soo
Somma 35X20J
E que tal a brincadeira ?
Como sao administradas as cousas do nosso
paiz!
Em 1865 retirei-me dessa provincia ao som das
mnaicas, da fognetaria, dos repiques de sino e ou-
tras uianiteitacoes publicas para prestar patria
o mais nobre servico que poda prestar, que era o
sacrificio do sangue ; e em 1866 era multado por-
que nlo apreseutava mappas de alumnos Mas,
que alumnos ? S s fossem os noasos compatrio-
tas que morriam em meus brarps victimas da ty-
raiiniu inimiga.
note-se que eu marchei com um batalhlo de
voluntarios da patria, e a minha partida foi r-
bida de todos ; menos o director da inatrucclo pu-
blica e o procurador fiscal da fazenda provincial.
Acautelen!-se os professores para que nao ve-
iliara a ser tambem victimas do art. 100 da in-
strucclo dessa provincia 22 annos depois de ter
deixado o exercicio desea profisslo.
Nesta data ofHciei ao Sr. director actual da in-
Strucclo publica dessa provincia pedindo-lhe que
mande eliminar o meu nome do quadro dos pro-
fessores, afim de nao ser novamente vexado pelo
mesmo ou idntico motivo.
Rio de Janeiro, 19 de Janeiro de 1887.
Moasenhor, M. da C Honorato.
^ RU* DAPRIXCEZAISABELN. 4
Sob adiwegJU) do bacharel Liurindo Car-
noiro L?So e do professor A. C.
Carneiro LeSo
Adiuittem-se alumnos internos, meio
interno o externos.
Methodo pratico
Os alumnos receberSo durante todo o
curso, ocois de phisiua, cbiraioa, historia
natural agricultura, anatoma, phyaiolo-
gia, hygiene, etc., desenho e musiea. Na
aula primaria o numero dos professores
ser proporcional ao dos alumnos.
Uma nnveiu escara encobre a
luz lo sol 4a nossa exiseneal
A' incerteza da vida juntase o mysterio
tenebroso da morte Em quanto que, por
um:i parte, esse primeiro grito infantil que
nos annuncia que outro ser acabado unir-se
nossa especie, inspira uma alegra profun-
da, por outra parte trememos do espanto no
ouvir o bater horrivel das azas do anjo ex-
t.-rminador A voz omnipotente da in-
fluencia suprema que governa o universo
iecretou nosso destino, a senlenca fatal foi
pronunciada e todos 03 homens estilo con-
doranados a morrer !
Sem duvida alguma, a morte inevita-
vel. Nao podemos, porm, retrdala?
E' esta uma que-to quo seria do uma im
portancia incalcula7el, ainda se tratasse s-
mene de ganbar urna hora de vida, pois,
animados d'esse sentimento Bublime que se
chama instincto, estamos sempra resolutos
a dar batalha com um valor indomavel ao
nosso inimigo mortal em favor do glorioso
privilegio da existencia Aquello senti-
mento a voz espontanea da natureza,~e o
nosso dever consisto em obedecer. Va-
mos, poisL a ver; possivel retardar a
testados nos folhetos que acooipanham esda fras-
co.
Deposito, unios agentes "e depositarios geraes
ea PernambuceFrancisco Manoel da Silva di
C, i rus Mrquez de Olinda n. 23.
tomMa
Dr.
Medico, partelro e operador
tendencia ra Barao da Victoria n. 15, 1- andar
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da manda s 2 da
tarde.
Attende para" os chamados a qualqner hora
tclephoue n. 449.
bulista
Advocada
bacharel Jos Vicente Meira de Vaseoaeellos
continua no exercicio de sua profisslo de advoca-
do e tem seu eseriptorio na Praca de Pedro II (ou-
tr'ora Pateo do Collegio n. 6, Io andar, onde pode
ser encontrada das 10 horas da manhl s 3 cmeia
horas da tarde.
Fora destas horas po le ser procurado na casa de
BU residencia na Parnamcrim.
Telephone (no eseriptorio) n. 356.
lilil. Sr. plinrmnrrallra Liliz Cartn
de 4 rrila (><
S. Carlos do Pinhal, z7 de Maio de 1885.
*T Presadissimo stnhor.--Acerca de 8 mrzes que a
minha senbora siffria de borriveis dores nos ou/i-
dos acompanhadas de corrimento, dedos qne ia
deixando a surda, e alm disto scffria d' feridas
na garganta que j se via obrigda a alimentar-
se a caldos; passando naites sem dormir, e das
sem poder cuidar dos interesses da casa. Todo
esU temp vveu ella sempre em dieta de rigoroso
tratamento, sem obter saude.
Desaiiinada, couK-aoa eom os seus (santos} pre-
paradas, o Licor Antipsorico junto com os Pos De
pura ti vos, e logo a saude velo chegaudo, e h.je
gragai Providencia, posso cam todo o prazer
annuuciar a V. 8. e a toda o mundo quo minbr e-
nhora acba-se completamente boa dos ou vi dos e
da terrivel ferida de garganta, c autoriso V. S. a
publicar esta a beneficio dos que eoffrem igual en-
fermidade.
Son eos estima. De V. 8. amiga, v aerador e
obrigado.Eduardo da Suva Tarare.
DepositariosFrancisco Manoel da Silva & C,
droguistas, a ra Mrquez de Olinda n. 23.
i

MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Ballhazar da Silveira
lapecialidaseafebres, molestias das
er i aneas, dos orgias respira tari a
senhoras.
Prestase a qualquer chamado par
ort da caaital.
AVISO
Todos i- chamadas devem ser dngi'
dos pharmacia do Dr. Sabio, i roa do
liarlo da Victoria n. 43, onde so indicar
sua residencia.
Dr. Ferrara da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Collegio de Nossa SeBhora da
tafea
RA DA AURORA N. 19
As aulas deste instituto comecarao a 7 de Ja-
neiro.
A directora,
Augusta Carneiro.
Leonor Porto
iua do Imperador n 4 5
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
figurioos recebidas de Landres, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicaode costura, em bre-
vidade, modicidade em precos e fino
[gosto.
Aviso
Dr. Barreto Sampaio, medico oeu-
litta, ex-ebefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia as
8 boras da tarde, no 1.* andar da casa
n. 51 roa do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias santificados.
Residencia ra Sote de Sotembro n.
34. Entrada pela ra da Saudade n. 25.
Consultorio medico-
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 aanoe
de esrupalosa observaco, reabre consaltorio nes-
ta cidade, 6 roa d Bou Jess (antiga da Grus
(. aadar.
lloras de cobshIiss
De dia : das 11 s 2 da Urde.
De noite : das 7 s 8.
as demais boras da noite ser encontrado no
sitio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por
O padre Manoel da Costa Honorato, residente
ha 22 annos fra da provincia de Pernambuco,
julga nada dever pessoa alguma.
Porm, si algnem se julgar seu credor, aprsente
suas contas legalisadas ao sea procarador, o Sr.
Jos Nogueira de Souza, no praso de um mez a
contar da presente data, afim de seren pagas pelo
mesmo senbor.
E depois dessa data nao se attender mais
pessoa alguma.
' Rccifo, 28 de Janeiro de 1887.
Clnica! medico -cirurca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EapecialidadePartos, molestias de senhoias e
criancas.
Reeidencia Ra da Imperatriz n.|4. segando
andar.
Dr. Joe Pauli
MEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de criancas, com pratica as principaea materni-
dades e bospitaes de Paris e de Vieana d'Austria,
faz todas as operacoes obsttricas e eirurgicas
concementes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Bario da
Victoria (antiga ra Nova) n. 18, 1- andar.
Consultas das 12 s 3 hora d tarde.
Telephone n. 467.
morte ? Indubitavelmcnte o pois que o
mundo est sujeito a certas leis, e quem
as estuda convence se quo n'ellas se coin-
prehonde a dita possibilidade.
Os que se achara dota ios do valor e
juizo uecessarios para se cobrirem cora o
escudo que a propria natureza lhes propor-
ciona para este effeito, poderao repellir os
ataques incendiosos do inimigo da vida, at
quo as faculdades vitaes vao pouco a pou-
co em decadencia em ama velhiee madura
e ditosa, e at que o anno da luz se lhes
aprsente com aspecto risonho e sem ter-
ror, para os conduzir, como n'uma viso
deliciosa, a essa rcgio rosplandecente que
brilua mais alen das (nafta do sepulchro.
O destruidor toma diversas formas, mas
d a preferencia a de um inimigo moral que
devora actualmente ai partes vitaes da so-
ciedade moderna. Martyrisou ja e mar
tyrisa ainda quasi todos os habitantes deste
paiz.
Que inimigo te t Quer o loitor sa-
ber se tambera victima da crueldade
deste tyranno? Pergunte a si proprio se
atormantado por algum dos symptomas
quo vamos enumerar: dores de caboca,
das costas e das espaduas ; falta de appe-
tite; accumulajSo de uma lama viscosa,
espessa e pegajosa era roda das gengivas o
dos denteB, sentindo-se simultneamente
um sabor desagradavel, especialmente pela
maulla; tristeza e descahimento acompa-
nbados de somnolencia ; urnas vezes a sen-
sacSo de uma carga pesada no estomago,
e outras, debilidades ua bocea do mesmo
orgao, nao hivendo satisfaclo alguma em
tomar alimento; aspecto tristonho e cor
amarellenta dos olhos ; estado fro e pega-
joso dan maos e dos ps ; uma tnssc secca
ao principio, acoropanhada, porm, depois
de uma expeewracao de c6r esverdeada;
cansaco constante sem que o sorano pareja
proporcionar descanco algum; enervarlo,
irritacao e mes presentimentos; deliquios
e vertigens ao levantar-se de repente ; pri-
ventre; estalo secco, e veces, ar-
Hua do BarSo da Victoria u.
11, andar
A proprietara debteestabeleeimeato, ji bastan
te cjnhcido pelos trsualhoj all executadus eom
mestria e bo'n gosto, como tambem pela lbaneza e
cavalheirismo que costuma-se dispensar qnees
que digoanwe de honral-o com a sua visita e
eviifiauca, provine ao pablico que, eom a aequisi-
cao qne fez da machinas as mais aperferogadas,
est o mesmo cstabelacimento em condifes de
tiraT retratos inalteraveis pjr precos inferiores
aos das que teem ultimamenti vindos dos Esta
do8-Uaid>s, e assim que um retrato de meio ta-
manho natural tira-so pelo nsto de 15 X)3.
O atener, modificido e rehirmado como acaba
de ser, tornon-sc o mais perfeito pnssivel para dis-
tribuico de luz, de modo que pie-se trabalhar
sempre, com bom ou m> tempo, di 9 horas da
mauhi s 6 da tardo.
A casas circua itancias accrescc ser o pessoal
technica habilitadsimo e delle fazer p irte o pho-
tographo hecpanh)! D. Joaiuim Camelas de Cas-
tro que trabalhou nos mciliiiei estabeleeiinentos,
desse genero, cm djffirentei pases da Europa, e
a reapeito de quen j 03 diversis jornaes desta
provincia trataram
Do que fiea dito v-se que est o referido esta-
belecimento em ond'coes de executar com pericia
quaesquer trabalhos de photogr.iphia.
Al encontrar-se-ha sempre expostas venda
grande numero de vistas d alguns edificios
pu')licos, pracas, ras desta cidade e seus arra-
baldes.
Ao publico (i)
O Sr. Bernardo Jos dos Santos, residente uo
Cerrito, municipio de Pelotas, provincia do Rio
Grande do Sul, querendo prestar um homenagem
verdade, tornando publico as virtudes do pei-
loral de cambar, preciosa descoberta do
Sr. Alvares de S. Siares, de Pelotas, fez publicar
o eeguinte importantissimo documento, em diver-
sos j irnaes da referida provineia :
Lvj ao c mlieciraent o do publico mais um
triumpho alcincalo pelo popnlac remediopei-
turul de cambardescobeita c prepara-
cao do Sr. Alvares d- S. Soares, de Pelotas.
flavia seis annos que nina tosse grave me
atormentava dia e noite, fazendo ltimamente dei-
tar j abundantes escarros de sangue : os pulmoes
com certeza achavam-se aSectaioi* o eu teria in-
fallivelmente de suecumbr terriveltisica pul-
monar t
v TJm amigo sabeudo do meu estalo, aconse-
Ihou-me o precios.) peilural de cambar,
e somente com o uso de 12 vidros deste mportan-
tssimo medicamento, cousegu curar-me radical-
mente, sentindo-me boje forte c podendo j eutre-
gar-me s lides do minha fazc-uda do Cerrito.
o Depois deste caso, t-.-uh > aconsblhado a muita
gente o peitural de cambar, e todos tm
colindo reeultudod importantes.
> Actualmente faz uso deste preparado, com
muto aproveitamento, minha filha Neufrides, que
tam'jem se acha sjffrend i o peito.
Pazeuda do Descance, no Cerrito, J24 de Ou-
tubro de 1884Bernardo Jos dos Sinds.It.1-
conheso como verdadeira a firma supra. Eoj tes-
touuu.il-' de verdade, o escrivao de p*s Roldo
S. de Gouveia.
nicos agentes e depositarios geraes nesta pro-
vincia Fraucinco H.iauei da Silvadt C.
a ra Mrquez de Olinda n. 23.
cutis ; coodifao espessa o ern-
tio esquerda, alm I? porfi ds Dr. Cosme.
Licflr depurativo vegelai io^
DO
Medico Quintella
Este notabilissimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rheamatioa-
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
oas, osteocopaae nevralgieas, blenaorrhagias agu-
das fl chronicas, cancros syphiliticos, inflamma
o3as visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou queda
do cabello, e as doencas determinadas per sata
raefio mercurial. CSo-se gratis folhetos onde*
encentram numerosas exp iriencias feitas com i
especifico nos bospitaes pblicos e mutos ..
aos de mdicos e documentos particulares,
tanate para revender.
Deposito em easa de Paria Sobrinhs & C
Ra do Mrquez de Olinda n. 11.
sao de
dente, da
botada do sangue, escassez e cor muito
tinta da urina, que deposita um sedimento
depois de permanecer por algum tempo em
repouso; devoluco frequente do alimento,
urnas vezes com gosto acido, e outr.is ve-
zes algum tanto doce ; palpitaeiio do cora-
cao ; manchas apparentes nos olhos; e no-
'tavel prostrayao e debilidade do paciente.
Todos estes symptomas costumam apre-
sentar-se por seu turno Acreditase que
quasi uma terca parte da nossa populacho
est affectada da dita enfermidade em al-
guma das suas variadas formas Como
regra geral, os mdicos os equivocam a
reapeito da natureza desta doenca, cujo
verdaieiro nome dyspepsia ou indiges-
tad ; enfermidade que se cura infallivel
mente por meio do Xarope Curativo da
M3i Seigel. Este medicamento tem obtido
em ambos os hemispherios uma reputacao
justificada incontestavelmente por suas
grandes virtudes. Vende-se em todas as
bonicas, e pharma-ias e na casa dos pro-
prietaros, A J. Whit, (Limited), 35, Far.
ringdon lijad, Londres, E. C, Inglaterra
Sorprenden a muita gente i (O)
O acreditado negociante o Sr. Emygdio Pinto
de Oliveira, agente consular de Portugal, resi-
dente em Santa Victoria, Rio Grande do Su!, re
metteu ao descobridor do Peitoral de Cambar,
Sr. S. Soares, ama importante deelaracAO aseig-
nada pelo tjr- Vasco Jos Pcreira d'Avilla, que
ha longos unnos scffria de uma grave enfermida-
de pulmonar, sem ter mais esperanca de car ar -se
ltimamente, a^Rravanio-se seas soffriroentos,
recorreu aqaclle precioso mdicamente, e nao foi
preciso mais que alguns frascos para o corar ra-
dicalmente.
Este prodigioso resaltado, que sorprendeu a
muita gente, curre divulgado em todos os folhetos
annexos a cada frasco do peitoral de Cambar.
nicos agentes e depositarios em Pernambaco,
Francisco Manoel da Silva & C, ra Mrquez
de Olinda n. 23.
AOSINCRDULOS
Oabaix} af signado atiesta ajan, se for preciso,
que soff.eu muitos mozes de rbeumatisrao, como-
sado no pescoQO o que em pouc temp j estendeu so
por todo o corpo at os ps, Meando entrevado e
servido por outras pissoad: tratou-se com esmero
sem poupar nada, e, ja desanimado com o muito
soffrer sem esperanca de sarar, resolveu tomar o
Anti-rheumaticoPaulistano,especialidade do phar-
maceutico Luis Carlos e que felieidade! ha mais
de quato mezes quo nao seute o mnimo incom-
modo! Desejaudo que o bem ebegue para todos,
o motivo real porque d este attestad.
JoAQDlM DlHlZ V*AL0I3.
S. Carlos do Pinhal, 22 de Dezembro d; 1885.
DepositarioFrancisco Manoel da Silva C.
Droguistas, roa do Mrquez de Olinda n. 23,
fatenlo selrar e preparar os autos os fel os eoneki-
sos que uestes va se a eentenc* do tbeor se-
guate :
Sentene.Vistos.Hei por justificada a ausen-
cia em lugar ineerto dos justificados v mando que
sejam elles intimados por editaes com o praa de
trinta dias do protesto do fh. para interrupcio da
prescripcao dos ttulosdefls. eflj., custas ex-esusa.
Becife, 11 de Janeiro de 1887.Thomas Garcez
Paranhos Montenegro.
E mais se na contiuha em dita seatenca aqu
copiada.
Em virtuJe desta sentenca o respectivo eserirao
foi passar o presente edital pe'o qual o seu thaor
chamo, cito e hei por citados os juotificHdos ausen-
tes em lujar ineerto e n3o sabido, para que com-
pare^im ante este juizo dentro ao praso Je trinta
dias por si on por s.-us bastantes procaradores,
allegando e provando tulo quanto for a bem de-
sea direito e justiea.
E p^ra que cheque a> conhecimento de todos
mand)u pasear o presente edital, que ser publi-
cado pela imprensa e atusado nos lugares do cos-
tnme.
Dado e passado nesta cidade do Recife espita!
da provincia de Pernambuco, aos 11 de Janeiro de
1886.
Subscrevo e assigno, Ernesto Machado Freir
Pereira da Silva.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, jmz de direito
do civel nesta cidade do Recife e seu termo, ca-
pital da ptovincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gostada Impsrial e C nst dio II a quem Deus guarde etc.
Faco saber aos qne o presente edital eom o pra- .
so de 20 dias virem ou delle noticia tiverem, que
no dia 19 de Fevereiro do anno vindouro, depoir
da audiencia deate juizo se bao de arrematar por
venda a qnem mais der o maior lance offerecer os
bens seguintes :
Um sobrado de nm andar de pedra e cal n. 13
no pateo do Paraso : o pavimento terreo comdaaa
portas o uma jan-lia de frente, eervindo uma das
portas para o sobrado, eom daas salas, dons quar-
tos, cosinha fra, quintal murado, cacimba meei-
ra ; e o andar com tres partas de fente com va-
randa de ferro, com daas salas, dous quartos, co-
sinha fra e em mo estado a coberta e o assoa-
Iho ; medindo de frente 5 metros e 20 centmetros
e de fondo 11 metros e 'JO centmetros, avahado
por 4:000*000.
Umu casa terrea na ra da Roda n. 25, core
diine portas e uma jantlla de frente, com duaa sa-
las, quatro quartos, cosinha fra, com um psrtao
que d sabida para ra dos Patos, send> a easa
de pedra e cal, o solo foreiro, mediado de largura
5 metros t 65 centmetros e de fundo 14 metros e
lo centmetro?, em mo estado a coberta, avala-
da por 3:000*000.
Uma casa terrea, mei'agua, de pedra e cal, fei-
ta a moderna na ra dos Patos n. 8, com ama por-
ta e uma jantlla de frente, com uma sala, um
quarto pequeo, uma pequea cosinha, terreno fo-
reiro, medindo de largura 3 metros e 90 centime-
tras e de fundo 5 metros e 5 centmetros, avahada
por 500*000.
Penhorados p< r execucao de Victorino Domin-
gues Alves Mais, contra o cnsul de Portugal,
como representante do espolio de Ignacio de S
Lopes Fernandes ; pelo que toda e qualquer pes-
soa que sm ditos bens quizer laucar o poder fa-
zer nos dias de prnea.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente edital que ser publica-
do pela imprensa e arfixado no lugar do costume.
Dado e paseado nesta cidade do Recife, aos 10
de Dezembro de 1886.
Subscrevo e assigno, ea, Pedro Tertulian* da
Cunba, escrivao.
Joaquim da Costa Ribeiro.
administrada
MirncnloNO saccesso (S)
Urna filha do Sr. Fumino Francisco Machado,
fazendeiro no Ibicuhy, Rio Orando do Sul, eatava
desengaada pelos mdicos que a declararam af-
fectada de uma tysica pulmonar em estado bas
taute adiantado.
A SNa familia, profundamente consternada, teve
a feliz lembraoca de experimentar o PEITORAL
DE (JAMBARA', descoberta e preparacio do Sr.
Alvares S. Soares, de Pelotas.
A'guns frascas d'este precioso medicamento as
seguraram as melhoras da doente, e o uso conti-
nuado operou urna cura radical !
Esse miraculoso successo na cura de uma to
terrivel enfermidade, referido em urna carta im-
pressa nos opa-.culos que acompanbam o medica-
mento.
nicos agentes e depositarios geraes nesta pro-
vinciaFrancisco Manoel da Silva 4C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
l'in remedio cuica (2)
BES NON VERBA
Aos que sofficm do peito recommendamos a lei-
lura da seguinte publicaco do Sr. Jos Mara
Lopes, morador na liba dos Marinheros, em frente
cidade do Rio Grande :
> Ha quatro anaos que fui curado de uma
muito grave enfermidade, resultante de um res-
friado .
Senta dor agussim do lado esquerdo do
peito, tosse secca e uma fraqueza excessi ?a em
todo o corpo.
Em oito meses de tutaniento eom varios me-
dicamentos, nunca consegu obter aliivio e cada
vez a molestia auguicntuva u ponto do me ju'ga-
rem perdido.
Encontrsndo-me com meu primo e smigo Sr.
Manoel Joaquim, residente no Povo Nevo, elle
aeonselhou-me o uso de Peiceral de Cam-
bar, do Sr. Alvares de S. Stares, de Pelotas,
elogiando-rae muito este preparado e com effrito,
em dsus inrzr-s de seu aso constante, reetabele*i-
me de nina molestia qau me levara sepultura !
O que digo verdade, e toda esta iiha o pode
afirmar, p is nella vivo ha mais de trinta annos,
onde techo chcara e familia.
O leitor poder encentrar outros muitos at-
0 Dr. TJiemaz Garcez Paranhos Monterte-
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial lo commer-
eio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
Faz saber aos que o presente edifal virem ou
d'elle noticia tiverem, que por parte de Domingos
Pinto de Ficitas, administrador da raassa fallida
de Jos Tavares Piuhero, Ibe foi dirigida a peti-
cao do theor seguate :
Petieao.Illm. Ezm. Sr. Dr. juiz do commereio.
Domingos Pinto de Freitas, na qualidade de ad-
ministrador da maasa fallida de Jos Tavares Pi-
nheiro, quer ioterromper a preseripeo das letras
juntas do acceite de Pedro Correa de Miranda, Jos
Rodrigues Pontual,, Joaquim Jos Helleno, Joao
Pi da Silva Vallenca, Joao Carlos Beserra Ca-
valeante, Lniz Halanv da Cunha Andrude, Igna-
cio Teixeira de Barros, Jos Rodrigues Pontual,
Jos Thomaz de Aguiar Jonicr, Antonio Nctto de
Barros Loureiro, Joo Francisco Correa de Aranj',
Manoel de Bams Netto Cavalcaute, Jos Wences-
lao, A. R. T. Bastos, Sergio D. de Moura Mattos e
Munoi-I Jos Luiz Ribeiro, e como qaer que os sup-
plicados morem em lugar ineerto e nao sabido,
para que tenba lugar a eitaea.i por editos o sup
plieante reqaer a V. Exc. se digno de o admittir a
justificar o allegado pas^ando-sa depais os respe-
ctivos editaes, tudo de conformidade com a lei.
Nestes termos, sendo esta distribuida por depen-
den?U. Pede a V. Exc deferimento. Espera re-
oebrr merc. Reeefe, 10 de Janeiro de 1887. O
advogado, Gomes Prente.
Estava sellada na forma da lei. E miij se nao
continha em dita petieaoaqui copiada, depois den-
se o despacho do theor-seguinte :
Despacho.Destribnid*. Como requer, desig-
nando o escrivao, dia, p-ira a justificacao. Recife,
10 de Janeiro de 1887.Montenegro.
E mais se nao continha em dito despacho aqui
bem e fielmente copiado, em vista deste despacho
fra feita a distribuido seguinte :
Destrbuico.A' Ernesto Silva.Oliveira .
E mais se nao continha cm dita destribuicao
aqui copiada, depois va se o termo de protesto
que do theor seguinte :
Termo de protesto.Aos 10 de Janeiro de 1887,
em meu cartorio, perante mim e as testemunhas
seguintes comparecou o snpplicaate per sea procu-
rador, Cussy Juvenal do Reg, e por este f .i dito
qie reduzia a termo o prctekto constantte da pe-
tieao retro que offereia como parte deste. Do
qne fiz este. Eu, Ernesto Mach .do Freir Pereira
da Silva, Cussy Juvcnal do Retro, Francisco Ma-
noel de Alincida Jnior, Antonio Barbosa Cor-
del ro.
E mais se nao confiaba em dito termo de pro-
testo aqui bi m e fi linete opiado, depois via-se
que tendo o juatificinte produzdj suas testeniu-
nhas que depuzersm convenientemente acerca do
allegado na p?tv4) aqui transcripta, o respectivo
^ O administrador do Consulado Provincial
dando cemprimento a portara expedida pelo lilm,
Sr. Dr. inspector do Thesouro em 19 do corrate,
faz publico a quem interessar possa, que,uo espa-
ce de trinta dias uteis contados da data do pre-
tende edital, ser.i effectuada p>r esta repartidlo a
cobranca, livre de malta, das anuuidades e mais
servicos da Itecife Drainage Company relativa ao
1 semestre do exereicio de 1886-1887, conforme
a re igo infra.
Consulado Provincial de Pernambuco, 22 de Ja-
neiro de 1887.
Relacao a que se refere o edital supra
Freguezia do Recife
Bas : Mrquez de Olinda, Botn-Jesus, Alva-
res Cabn I, Conmercio, Bitpo Sardinba, Torres,
Thom de Souza, D. Mara de Souza, Vigario Te-
norio, Barreto ae Menezes, Mariz e Barros, Bar-
pos, Amorim, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana, Madre de Deus, Domingos Jos M-.r-
tins, Maseat-M, Restaurar^ao, D. Mara Cesar,
Vsconde de Itaparica, Pharo, Areial, S. Jorge,
Vital de Oliveira, Guararapes e Barao do Trun-
pho
Pracas : Assembla, Cbnco e Pedro II.
Travessas : Vigario, Madre do Deus, Campelio,
Domingos Jos Martina, p-.ra o Corpo-Santo, anti-
ga do Porto, Bom-Jesus, Areial, pa*a a Fnde-
cSo, Accidente, Guararapes e praca de Pedra I.
Beccos : Abreu, Noronha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Pasehoal.
Largos: Alfandega, Corpo-Santo e Assem-
bla.
Caes : Companhia, Bru o Apollo.
Freguezia de Sauto-Autonio
Ras: Imperadjr, 1- do Marco, Duque de Ca-
xias, Cabug, Barao da Victoria, Trincherras,
Larangeiras, Larga do Rosario, Estreita do Ro-
sario, S. Franciscc, Jto do Reg, liba do Car-
valbo, Roda, Patos, Calabjuco Velho, Santo Ama-
ro, Mathias de Albuquerque, Paz, Paulini Cam1. -
ra, Fogo, L:vramento. Penba, ViBConde de Inhau-
ma, Pedro ffonso, Nova da Praia, Marcilio Dias,
Viracao, Lomas Valentinas, Corcnel Suassuna,
Santa Tbereza, 24 de Maio, Palma, Marques do
Herval e Cideia-Nova.
Campo : Princeza.
Largod: Paraso, Carmo, Penha, S. Pedr) e
Praceta.
Traveseas : Quemado, Cruzes, Mrquez do Re-
cife, Bella, Quarteis, Calabcufe, Expostos, Matriz,
Flores, Cano, Bomba, Lvrsmento, Ar.-enal, Ia da
Praia, 2 dita, Carcereiro, S. Pedro, Viacao, Lo-
bato, becco do Falcio, Pocinho e Concordia.
Beccos: Da ra Bella, Calabouco, Martyrias, 1*
da Camb.a, 2' dito, 3- dito, Faleo, 1' e2- da
Cadea-Nova.
Caes : 22 d-i Novembro.
Prava : Pedro 11.
Freguezia de S. Jos
Roas : Marcilio Dias, Lomas Valentina, Coro-
nel Suassuna, S. Joao, Palma, Marques do Her-
val, 24 de Maio, Dias Cardozo, Puaso da Patria,
Padre Nobrega, Victoria. Cadei Nova, Vital de
Negreiros, Fre Heurique, Dique, Assumpco,
DomingosTheotonio, padre Flsiiano, Christovao
Colombo, Jardim, Fortes, Antonio Henrique, No-
gueira, Santa Cecilia, Santa Rita, Nova de Santa
Rita, Praia de Santa Rito, S Jos, Pescadores,
praia do Forte, Ypirauga, Imperial e Luiz de
Mendonc.a.
. Travessas : Martyrios. Ramos, Pocinho, Cai-
dereiro, Gas, Forte, f rata, Serigado, Copiares,
Nova de Santa Rita, S. Jos, praia do Forte,
Peixote, Lima e matris de S. Jos.
Beccos : Palma, Caldereiro, Gaz, Assumpco e
travessa de Santa Rita.
Largos : Forte Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Roas : Imp^ratriz, Cooceicao, Tambi, Vscon-
de Ai Albuquerqoe, Aurora, Capibaribe, Ponte
Velha, Conde da Boa-Vista, Riacboello, Uoio,
Saudade, Seto de Setembro, Hospicio, Carnario,
Rosario, Gervasio Pires, Atalho, Socego, Princt -
pe, Santa Cruz, S. Gonenla, Coelbos, hospital Pe-
dro II, General Sor, OoronOl Lamoafaa, Alegr-a,
Leo Coroado, Bario de S. Borja, Soledade, yis-
conde de Goy;.nna, Attraecio Viseon* de Pe-
lotas. V i
Travessas : Gervazi. Pires, CoelhosW Atalho,
Barrciras, Veras, Quiabo, Joio Francisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bispo,
I'racas : Conde d'Eu e Santa Crus.
Largo : Campia.
Beccos : Coelbos e S. Goncalo,
O a liniuis tro dor do Consulado l'ruvincial em
cumprimento do que dispSsa le de oroamento era
vig ir faz publico a quem iuteressar possa, que, no
espace de 30 dias uteis enriados ce Io de Feve-
reiro prximo vindouro ; dar-a'-ha principia ci-
branca, livre de muita, da imposto do repartida*
constante da tabella infra aniiix* citada l-.a re-
lativamente ao 1* semestre do exercicio de 1886 k
1887.
Consulado Provincial de Pern;jnbuco 2; de Ja-
neiro de 1887.
Fianciaco Amyntas de Caivalho Houri.
Tabella a que se refere o edita! supra
Parte 1
1 Casas de comxissos de consignacoes e
eommiso s e consignacoes.



m f -
I

- T-V
c
7*




HH
Diario de PeraaiubucoTerfa-leira 1 de Ptvcrciro de 13S7
T
-
\f
fapYjft- de vender em grosao carvSo
-
Parte 2
:. Lijas de vender joiaa somente, on joias e re-
logioi.
4 Ditas de vender relogioi lmente.
5 Casas de vender pianos e instrumentos mus-
Partea
6 Fabrica de rap,Meuron.
7 Ditas de sabio inclusive a que acna-sc na tre-
gueaia de Afigados.
9 Ditas de cervej, vinagra, vinhoe, genebra, li-
cores e limonadas gasoaas.
9 Dita de Gas.
10 Ditas agencias e depsitos de rape.
Parte 4'
11 Empresas anonymea ou agencias destaa.
12 Companhia de Beberibe.
13 Bancos, agencias filiaos e representantes dos
mesmos e casas bancarias.
14 Companhias, agencias ou casaa de seguro ou
qualquer pessoa quo no carcter de agente
de oompanhias de seguro fizer oontaacto deata
natreaa ou promovel-os, com cxcepcio dos
que tem sede neata provincia e contractarem
o servico especial do artigo 13 deata le.
15 Armasens alfandegados, o depsitos ou de re-
cebcr.
16 Cazas de jogo de bilbar.
DECLARARES
Reeife Draina ffe
Rslacao do3 concertos feitoa nos a pparelho 1
_ no moz de Outubro prximo nodo, de
conformidade com 0 art. 10 do contracto
0 2. do art. 15 do Reglame uto ds 12
do Janeiro de 1872.
Fregueaia do Recite
Marques de Olinda n. 34 2 #640
DiU n. 46 61?0
Dita n. 5 1*320
Bom Jess n. 10 2*640
Dita n. 40 4*66(1
Dita d. 52 4 340
Dita n. 54 4*460
Dita n. 7 2*640
Dita n. 27 5*020
Dita n. 29 2*540
Dita n. 37 2/640
Commercio n. 8 2*640
Dita n. 12 2*640
Largo do Corno Santo n. 13 Travcssa do Vigario n. 1 8*520
2*640
Torres n. 6 84780
D. Maria de Souza n. i 19J100
Becco do Abreu n. 6 4*600
Vigario Tbenorio n. 31 2x610
Amorim n. 29 24586o
Tuyuty n. 6 2*640
Largo da Aesrmbla n. 17 2*640
Madre de Deus n. 9 2*640
Domingos Jcs Martins n. 62 2*640
Dita n. 82 3*840
Dita n. 102 2*640
Dita n. UU 1*540
Becco Largo u. 1 2*640
Dita n. 3 3*080
Msscates n. 11 2*640
Kestauracao n. 58 2*640
Dita n. 5 4*620
Dita n. 53 2*640
D. Maria Cezar n. 40 2*640
Dita n. 17 2*180
Dita n. 21 2*640
Viscoade de Itaparica n. 32 5*980
Dita n. 15 2*640
Dita n. 35 2*640
Dita 11. 43 2*640
i'rac* do Chaco u. 8 2*640
Dita o. 1 3* 80
S. Jorge n. 68 16*870
Ditan. 111 5*110
Dita n. 135 2*640
Guararapes n. 96 2*640
ii"ccu do Triumpho n. 90 2*610
Fregoezia de Santo Antonio
Imperador n. 52 4*560
Dita n. 27 2*640
Dita n. 31 3*080
Dita n. 67 2*840
Caes i'2 de Novembro n. 32 2*640
1. de Marco n. 10 2*640
Duque de Cazias n. 40 0*510
Dita n. 42 2*610
Dita n. 74 2640
Dita o. 35 154160
(,'abue n. 7 2*640
Barao da Victoria n. 33 25*740
Dita n. 43 2*640
Dita n. 55 2*640
Dita n. 65 2*520
Trincbeiras o. 19 7*9; 0
Larangeiras n. 14 7*460
i'ravess das Cruses d. 4 2*640
D.ta n. 12 3*960
Larga do Rozarlo n. 36 13*110
Dita n. 21 47*410
Latreita do Rosario n. 4 2*640
Dita d. 85 3*6C0
>. Francisco n. 32 2*640
Dita n. 42 5*170
Dita n. 48 2*640
Dita n. 62 3*960
Dita n. 70 1 Dita n. 13 ' 2*640
2*640
< "ampo daa Princesas n. 5 2*640
liba do Carvalho n. 17 2*610
Travesa dos Quarteia n. 13 2*640
C.'co do Caluboaco n. 20 2*640
l'kulino Cmara n. 6 2*640
COMERCIO
is.i eonimerclal de Pcrnam-
buco
RECIPE, 31 DE JANEIRO DE 18b7.
As tres horas da tarde
< -Vace* ujieiaei
A plices da divida publica de 5 OjO do valor de
l:000*0-JO-a 970* cala urna.
Aoolices provine;C3 de 7 0/0, valor de 1:000*,
jaras de 1 de Setembro a favor do com-
prador, ao par.
Acj-s da companhia de seguros Amphytrite, do
valor realisado de 200* a 150*000 cada
ama.
1 .-t.-as bypothecarias do banco de crdito real de
Pernambuco. do valor de 100*, juros de
7 0|0, a 91*00 cada urna.
Descont de ietras, 10 0/0 ae anuo.
Ka hora da bolsa
Venderain-so :
0 apoiieca da divida publica.
i 2 tpolices provinciaea.
lo aeco.a da compauhia Auphytrite.
54 tetras bypothecarias.
Fra da bolea e aob propostas
Venderam-ae :
10 accoes da companhia de segaros Phenix Per-
n.iinuucaoa do valor realisado de 200* a 320*000
' .da urna. *
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario.
Eduardo Dubeui.
or* n. 1
Fogo n. 22
Livramento n. 6
Peoha o. 3
Dita n. 25
Viaoonde de lohaama n. 32
Dita n. 38
Dita n. 27
Dita n. 55
Pedro Affonso n. 35
Dita n. 37
Marcilij Dias n. 20
Dita n. 36
ViracAo n. 39
Lomas Valentinas n 16
Dita n. 26
Dita n. 28
Vinte e Quatro de Maio n. 17
Travesea da Concordia n. 19
Dita n. 20
Dita n. 3 i
Palma n. 23
Marques do Herval n. 36
Dita n. 31
Dita n. 97
Cadea Nova n. 3
2 Becco da Cadeia Nova u. 10
8. Jos
Marcilio Dias a. 68
Dita n. M
Dita n. 117
DiU n. 127
Lomas Valentinas n. 48
Dita n. 82
Dita n. 96
Dita n. 41
Coronel Suassuna n. 150
Dita n. 278
Dita n. 41
Dita n. 69
Dita n. 135
Dita n. 139
Dita d. 175
Dita n. 189
S, Jco n. 15
Dita v. 31
D.ta n. 61
Palma n. 99
Mrquez do Herval n. 165
Di! n. 217
Travecsa do Pocinho n. 33
Pusso da Patria n. 4
Padre Nobrrga n. 80
Vidal de Negreiros n. 86
Dita n. 1
AssuropcSo n. 30
Dita n. 40
Domingos Theotouio a 10
Dita n. 52
Dita n. 56
Padro Flori-.no n. 14
Jardim o. 32
Dita n. 23
Forte n. 6
Antonio H nrique n. 14
Santa Cecilia u. 25
Santa Rita n. 58
Dita n. 7
Dita o. 49
Dita n. 83
Nova de Santa Rita u. 4
Dita n. 12
Dita n. 44
Dita n. 3
S. Jos n. 4
Dita n. 60
Pescadores u. 32
Dita n. 7
Imperial n. 15
Travcssa do Lima n, 12
Fortaleza das Cinco Pontas
Mercado Publico
Boa-Vista
lu pora triz n. 14
Dita n. 24
Dita n. 30
Dita n. 32
Dita n. 68
Dita n. 86
Dita n. 1
Dita n. 3
Dita n. 43
Dita n. 47
Dita n. 55
Traca do Conde d'u u. 14
ConceicAo u. 4 '
Dita n. as
Dita n. 37
Visconde de Pelotas n. 22
Dita n. 1
Tambi n. 18
Visconde de Albuquerquc n. 96
Dita n. 162
Dita n. 1
Dita n. 43
Punta Vellia n. 46
D.ta n. 54
D.U a. 9
Riachuelo n. 18
Dita n. 2S
Dita n. 51
Unio n. 13
Hospicio n: 3!
Dita n. 55
Horario n. 34
Dita n. 48
Dita n. 39
Gervasio Pites n. 47
Dita n. 30
Atalho n. 19
Princii e u. 2
Co?lhoa n. 3
Coronel Lamen ha n. 42
Travesa do Veras n. 8
Dir o. 11
Larga da Campia n. 15
Barao de S. Borja n. 14

15*160
23*090
2*640
2*640
2*640
6*980
3*960
550
2*640
5*920
20*780
25*140
2*640
2*640
26*580
5*920
2*610
10*100
*?#990
2*640
3*740
2*640
19*960
2*640
12*^80
2*640
3*960
2*640
2*540
2*640
12*320
7*920
7*410
2*640
8*760
2*640
4550
4*620
12*320
2*640
2*640
2*640
24610
3*960
154160
4*620
15*160
8*340
2 640
2*610
5*280
14*960
2*640
8*300
6*140
2*640
5*380
*550
2*61"
1*520
10*120
12*3 0
*550
2*640
44620
2*640
2*480
2*640
4*260
2*610
2*64U
7*600
12432o
3*860
2464")
2*640
. '.ii
24640
18*800
20*020
9*660
2610
30*480
2*640
2*610
6 8:0
5*060
4*560
3*080
3*080
2*640
2*640
3*080
9-.0
3*910
i'9*360
40i0
6*600
31*240
2 640
3*960
14*740
2*610
4*480
25*740
2*640
340*1)
8l70
2*610
6*80
34*010
3**60
25*740
34*720
24610
2*610
3*960
2*640
3*960
2*640
3*080
32*980
25*740
14*740
2*640

Visconde de Goyanns p II
Dita d. 50
Reeife, 29 de Janeiro de 1887.
O gerente,
_______________________J. Dowtlev Jnior.
riiae iii Alias Pele
Esta irmandade querendo concertar o orgao da
matriz do Corpo Santo, convida aoa protessionaes
a examinan 111 dito orgao e apresentarem aeua or-
namentos por quanto fasem dito concert.
Reeife, 29 de Janeiro de 1887.
O eacrivao,
Migsel Soares Moreira de Araujo.
Priiueira prapa
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, ee faz pu-
blico que s 11 horas do da 3 do mea de Feve-
rriru vindouro, seio vendidos cm prac,a, no tra-
piche alfandegado Bario do Livramento, 25 en-
gondados, marca SBAiC, coutendo louca de c
de pedra n. 2, pesando liquido real 3,970 kilo-
gramuias, vindos de Hamburgo np brigue alitmao
Marie, entrado em 30 de Agosto do anno pasia-
do, abandonados tos direitos por Souza Bastes
Amorim C
3* scelo da Alfandega de i'ernambuco, 29 de
Janeiro de 1887.O chefe,
Cicero B. de Mello.
ConiYaria de Cbrlsplm e S. Caris-
piiiiMiiu. no convento do Carino do
Recite
De ordem do rmao provedor, convido sens ca-
rissimos irmaos cootrades para no dia 2 de Feve-
reiro comparecerem cm nosso consistorio, para-
mentados de hbitos, para assistirem 'a festa de
N. S. da Luz 110 cnesmo convento, pelas 9 horas da
mmiiiit e a noite. Reeife, 28 de Janeiro de 1887
Eloy Martiniano Lopes Galvjo,
Secretu rio.
Gabinete Portugus de
Leitura
Assembla gcral
De crdem do Ezm. Sr. presidente do conselho
deliberativo, convido os Eenhores sociis do Gabi-
nete Portugus de Leitura a reunircm-se na sede
socia1, domingo 6 d; corren te, s 11 horas da ma-
nha, em assembla geral, am de ser lido o pare-
cer da oommisso de examo de cenias, discusro
do relatorio da directora e eleicsto da directorin ci
conselho para admiaistracSo do correato anno
conf rme determina o ai t. 43 a scus dos nosso*
estatutos.
Secretaria do Gabinete Portugus de Leitura
em Pcrnambuco, 1 de Fe ver ro de 1887.
Jos da Silva Rodrigues,
1 secretario.
Iiidemohadora
De confoimidadc cern o art. 15 doa estatutos
desta companhia, a direccao vende vinte a."toes
dj us. 141 a 150, 166 a 170. 526 a 530, vagas
pelo tailecimcnto doa respectivos accionistas.
Us pretendentcs deveruo enviar suas propj9ti:s
por inte-.n/dio de correctores geraes ute s>o meio
dia de 7 de Pevereiro vindoun. Reeife, 29 de
Janeiro de 1887.
Encola \hm!iI de Pcrnanitjuco
IEORAISIO PAISA I 89
a
S S 3
3 e o
o o o
eco
1 t* o
sr
o
r
2
rerceir. Segundo Princiro
l NI -e O S a 1 r 5 b-C r?fs
B 3 7
S
B 5
qtor-
n B 3 *
-. r. 3
B.S
3 S 3
'3B
Aviso ao Publico
Festa do P050
No dia 2 de Fevereiro prximo os trena da ma-
nha seto os da tabella ordinaria para dias santi-
ficados, e tarde serio expedidos pela tabella se
guinte.
IDA
Do Reeife ao Monteiro pela liuha principal
1280, 1-0, 130, 20, 2-3', 30*, 3-30,
40, 4-30, 50*, 5 30 e 100 at Dous Ir-
mios.
Do'Recife ao Monteiro pela iinha do Arrayal
6-0, 630, 730, 8-0, 8-30, 9-0 e 9-30.
Do Reeife a Varzea 12-40, 20, 330, 50,
630, 8-0 e 100.
Do Reeife a Duis Irmao3 pola linha do Arrayal
12-55.
Do Caldereiro a Dois Irmaos 225, 3-25,
4-25, 525, 6-25, 825 e 10-25.
VOLTA
Do Monteiro ao Reeife pela linha do Arrayal
140, 2-10, 2-40, 3-10, 310, 4-10, 4-40,
510 e 540.
Do Monteiro ao Rccifo pela linha principal
630, 7-0, 730, 8-0*, 8-30, 9-0, 9-30,
10-0 e 1045.-
Da Varsea ao Reeife 1 45,315,4 45,615,
7-55 e 925.
De Doia IrmSos ao Caldereiro 25, 35, 4-5,
5-5, 6-5 85 e 105.
Os Srs. passageiros do Ramal da Varzea bal-
daso no Entroncameoto quer na ida quer na vol
ta menos os do trem de 1240 do-Recite.
N. B. A venda dos bilbetea nos trena e limita-
da a cada seccao.
Os senberea paatageiroa que quizerem aprovei-
tar oa bilhetea de ida o volta por precos mais mo-
derados devem procural-os as estaces.
Os trena marcados com c preaentc signal *
significa aer i xpresso na ida do Entroncamento ao
Caldereiro e ua volta da Ca'ea Forte ao Entronca-
ment.
Estriptorio da Companhia, 27 de Janeiro de
1887.
H. W. Stoueh. wer Bird,
Gerente.
Sceretsirla da presidencia de Per-
namliucv, C9 de Janeiro de
188*
2* aeccilo.
De ordem do Exui. Sr. presidente da provincia
e tm observancia do disposto no ar. 167 co regu-
lamento annexo ao decreto 9420 de 28 do Abril
de 1885, faco publico que ao provimento dos ofi-
cios de fabelliao escrivo do jury, execucoes cri-
minaea e annexos do termo de Taquaretinga, con-
i-orrerain no prtS) legal o Srs. L-onardo Auto
uio do Espirito Santo Porto, Jo Victoriauo de
Vaseoncellos Pcreira c Jo5o Barbosa de Souia.
O secretario,
Pedro Francisco Corrcia de 01 i ve ira.
Obras publicas
De ordem do Iilin. Sr. cngenheUo chefe, fac>
publico que em virtude da autorUhco do Eim.
Ir. presidente da provincia, uo dia 7 de Fevereiio
prximo vindouro, receb -te ua ateretaria deata
ripartico, ao meio dia, pmpsstas em cartas fe-
chadas e competentemente selladas, para a execu-
50 das obras de reparos das pontos de Iguarast,
de Araripc de Baixo, Da estrada, do norte, e dos
Carva los sobre o rio JaboatSo, na estrada da sol,
(r.-atas : a primeira em l:679*8JO, 11 aegunda na
le' 2:695*280, e a ultima 67o*. _
Os (rcartentoa e.mais coiidi^-Sra dos contratos
achaiD-ae a disposijo do? eenhores pretendentcs
para serem examinados.
Secretaria da repartico das obras publicas de
l'cruambueo, cm 22 de Janeiro de 1887.
O secretario,
J0S0 Joaqr.im de S. Varejao
C. C. E.
Club ommerelal Enicrpe
Sarao danzante
Deve realisar ae a 5 deste mea. Ingreasos em
poder do Sr. thesoureiro. llavera bonds depoia do
sarao para Magdalena, Fernandes Vieira e Afo-
gados.
Secretaria de Club Cemtoercial Eaterpe, 1 de
Fevereiro da 1887.O 1 secretario,
"F. J. Amorim.
Escola Normal
Matriculas
Por ordem do Sr. Dr. director, e em observancia
da oisposigao do art. 74 do regiment interno de
17 de Setembro de 1880, faz-se publico a quem
interessar possa, que as matriculas deste curso es-
tarlo abortas desde o dia 24 do correte at 3 de
Fevereiro prximo.
Os rrqaerimentos para matrcula no Io anno do
carao deverio ser instruidos com os documentos
segaiutes:
1." Certiao de idade maior de 18 anuos para os
alumnes d > sexo masculino e de 16 para os do fe-
minino.
2. Certificado ou titulo de approvaco em exa-
me as escolas publicas de instruccio primaria.
3." Fo'ha corrida ou certido de ao haver sof-
frido condemnscao por ulgum dos crimes que po-
peai motivar ao profefsor publico a perda da ca-
deira.
4." Al testado de moralidndc paasado pelo paro-
cbo ou autoridade, quer policial quer Iliteraria da
freguezia em quo residir o peticionario.
Os mntrieulandoa que nao poderem exhibir titu-
lo legal de exame cm efcola publica de eneino pri-
mario, deverao inscrever-se para es txames de ad-
rnissao, de que tratam os arts. .5 a 77 do citado
regiment, c que comecarSo no dia 24 do correte.
Para as matriculas do '< e 3 anno?, basta que
as peti^oes sejain documentadas com a certido de
approvacSo uo exame do anno precedente; guar-
dada a restrieco do art. 21 do j mencionado re-
giment interna.
Secretaria da Escola Normal de Pcrnambuco,
10 de Janeiro de 1887.O secretario,
A. A. Gama.
C mu^uj .-ajiucAi-r 3 a 29
Idvn de 31
Racira duosDe 3 a 29
dem de 31
91:447*360
4:8061770
96:251*130
8.801*156
301*388
9:102/544
&XDMSNTS PWJCOS
Mea de Janeiro
ALFANDEGA
rEJIDA OSBiL
D 3 a 29
u-3* 31
lictDA PBOVUICUI.
.H.-3 29
J m e 31
787:995*622
36.870/538
142.113.: 336
4:499*784
824:869*160
146:6134120
lolal
EDOBiA-! e3a29
ej el
971:482*280
33:796*881
1:510*185
35:337*066
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Patacho pertugnez Fanny, che gado da
Figueira no dia 29 do corrente, e consig-
nado a Amorim IrmSos & C, manitestou-
Peixa 1 barran a Pedro A. da Silva
Proa.
Poliame 1 caixa a Antonio Maria da
Silva.
Vinho 82 'pipas e 55 barra de quieto a
Silva GuioiarSes & C, 69 e 45 ditos a
Paiva Valente dC, 56, 35 ditos e 20
decimos a Francisco Ribeiro Pinto Giras
res 4 0., 51, 35i5 e 20|10 a Souaa Bas
fto, Amorim & C., 9 e 5(5 ordem, 1
barril a Pedro A. da Silva Proa.
Hiato nacional Apuiy, entrado de Mos-
sor, na ro*sma data e consignado a A.
de Suuza Nogueira, mauifestou :
AlgodSo ip saccas.
Sementes de carrapateira 3 saceos.
Sal 200 alqueires ao consigoat..rio.
Hiate nacional Bom Jesm entrado d?
Macu, na raesraa data, e consignado a
Manoel Joaquim Pessoa, rcanifeitou :
AlgodSo 39 saccaa a Garneiro da C'u-
nha & O., 32 a Gomes de Mattos Ir-
maos.
Sal 25,600 litros ao consignatario.
Vapor nllemao Pernatnbuco, entrv.do de
Hi tu burgo e Lisboa em 31 de Janeiro, e
consignado a Brostelmana & C, manrfes-
tou :
-Carga de Hamburgo
Agua mineral 21 cairas a Sulzor K*uf-
fmann & C.
Amostras 27 volumes a diversos.
Bombas 1 caixa a Manoel dos Santos
Villana, 3 volumes a M. J. T. Bastos.
Cera 2 c.ixas a Francisco Jos dos P.
Guiraaraes.
Cachimbos 2 caix^s a TransatUntisch.
= ?
i <
3 -
v Ci
si'
u
v
S 5
I je
c a. S
o c
2
h 5 a
-r; tC -: -.
||f|
Club Concordia
Aasserordectliche Hanptversainmlung Samttag
den 5. Pcbraar abends 8 uhr. Tages-rdiiung laut
circular.
Das direc'orium.
E.Q.2
Ja
S 3
3 6 S
8SB
5 B ~
^14
3
5 s^?
3
^co^- en
3 l
2! a
3Bj
O secretario,
JL, A. Gama
&
Cerveja 1 caixa a Sulzer Kauffinann
C, 111 ditas e 10 barris ordem. -
Cirio urna caixa a F. H. Ca ls.
Chapeos um caixlo a J. lliristiani & C.
1 a Affonsj Oliveira & C, 2 a Maia 4
IrrnSo, 2 ordem, 1 a J. J. Sainara, s, 1
a Eugenio Samico. J,
Drogas 2 volumes n Fari Sobrinho &
C, 4 a Eugeoio Samico, 8 a Francisco
Manoel da Silva h 0.
Encerado 2caixas ordem.
Estanho 7 barricas ordem.
Flores artiticiaes e outroa artigjs 3 cai
xas a Ripha-1 Oas & C.
t\rrugans 1 vulriiua a VV.u. Hiilliday
& C, 1 a Gaimarae3 & Pennao, 6 a Otto
Bohres Successor, 2 a Francisco Manool
Silva A C, 13 ordem, 2 a Prente
Vianna & C, 5 a A. D. Carn-iro Vrnna,
13 aNunes Fonseea d Cf, 1 a NeHo Cam-
pos-A C, 1 a C Fernandos A O., 3 a
Maaoel Joaquim Rib.vro A C, 36 a Oli-
veira Bastos A U.,'2 a Tlieodoro Just, 4
a Maia A Silva, 2 a Gomes de Mattos Ir-
rniios, 12 a Leite Bastos A C, 3 a.Sulzrr
KautTaiann A C, 7 a Fran-jisoo Launa A
C, 3 a Francisco S^hantisch.
Lupeio 1 caixa a R. da Drtisina A C
Laminas de chumbo 1 caixa a Eugenio
Samico.
Linhas 1 caix3 a A- D. Carneir, Vian-
na.
Licores 2 caixaa a Gnijarrtes A Per
man.
L*nterne8 pa.i cano
Drusina A C.
L)uca 1 barrica a
AC.
Machinas de costura 54 caixaa a Theo-
doro just, 4 a Papoula Irmaos 11 a Reis
& Santo, 12 a Parentn Vianna A C, 7
a Adelino Silva A C, 11 a A. D. Carnei-
ro Vianna, 17 a A. P. do Souza Soares,
dita de arrolhar 1 caixa o F. Antonia ds
Silva Barbosa.
Machina urna caixa a Manoel dos San-
tos Villaca, 1 ordem.
Mcroaduriaa diversas 2 volumes a Lo
poldo Preale, 3 a H. Vogek-y, l a Qito
Bohres Successor, 3 a Nuoes Fonseca A
C, 3 a Manoel Joaquim Ribeiro A C, 1
a Oliveira A C, 8 ordem, 4 a Maia A
Silva. 2 a Gui.uaraea Cardoso A O., 2 a
Loleria ta Colonia Isabel
A 12 serie da 24 parte das loteras em favor
los ingenuos da Colonia Isabel, acha-se cipobta
venr.'a, cuja extraccao aera n'i dia 3 de Fevereiro
Thesouraria daa uterina para o fundo da eman-
cipato e ingenuoa da Colonia Isabel, 3 de Ja-
n-iro de 1887.
O thesoureiro,
+ Francitco Gonfalves Torres.
Lotera de 40 contos
A grande lotera de 4000 contos, era 3 aorteios,
firn transferida para o dia 14 de Al-lo viodouro,
impreterivelmente, noa termos do despacho do
Exin. Sr. presidente, de boje.
Tnesooraria das Loteras para o fundo de
irancipaco e ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
izi mbrj de 1886.
O thesoureiro,
Francisco Qoncalves Teirea
2 caixas a R. de
Sulzer Ksuffmann
F. J. dos Pasaos Guiraarilcs, la Sulzer
KauT.nann A C, 2 a R. de Drusina A C ,
1 a F. Lauria A C 1 a Francisso do
Azevedo A C, 9 a Transatlantisch, I a
E- G CaseSo. ?.
Movis 1 caix3o ordem, 1 a Silva Fer-
nandas A (J.
Meias 1 caixa a Eugenio Samico, 1 a A.
Vianna A 0."
Pianos 2 caixSes a H. Vogeley, 1 or-
dem.
Prensa 1 caixa a Teo. Just.
Paratina 7 caixas ordem, 6 a F. dos
Pa8808 GuimarHes, 1 a Transaltantisch.
Phosphoros 30 caixes a Prente Vian-
na A C, 2 ordem.
Prego 43 caixas a Albino Silva A C
Pimetita 10 Baccos Domingos Ferreira
da Silva A C.
Oleado 1 caixSo a Raphael Dias & 0.
Perfumara 1 caixa a Teo, Just.
P*pel 1 caixa a F. G. Caris, 2 a Gui-
raarSes Cardoso A C, 9 a Nunca Fon-
seca A C, 6 ordem, dito de impress2o
17 faidos a Manoel F. de Faria A Filhos,
dito de cmbrulbo 51 tardos ordem.
Rnlh-8 2 saceos a ordem.
Rottin 1 caixa a Albino Silva & C.
Te.'idos diversos 7 volumes a Alvea de
Brilto A C, la Guimara>s A Perraan, 29
a ordem, l a A. Vieira A C-, la Leite
Bastos A C, 3 a Machado A Pereira, 2 a
A. C de Vaseoncellos, 1 a Cauto Santos
& C.
Tintas 2 volumes ordem.
Vidros 1 caixa a W. Hallday A C 1
a Otto Bohres Successor, 7 ordem.
Carga de Lisboa
Alpiste 25 saceos a' Domingos Ferreira
da Silva A C.
Amendoas 2 gigas.
Ceblas 50 caixas aos mesmos.
Conservas 5 caixas a J. Fernandes de
Al.nf-ida, 5 a Domingos Ferreira da Silva
& C.
Cevada 10 1/2 barricas a Costa Lima
AC.
Farello 100 saccoB a Ferreira Rodri-
gues A C.
Lcgumos 25 saceos a J0S0 de Almciia.
Toucinho 40 barris a Domingos Ferreira
da Silva A C, 30 e 10 meioa ditos, a F.
Ribeiro Pinto GuimarSes A C.
EMPREZA D Ul
Pede-se aos Sentao*
res coDsumraidoi'es que
queiram azer qualquer
comunicacao ou reda-
maca), seja esta eila no
escriptori desta engre-
a riado mperador n
!9, o-de tarnbem se re-
cebera qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Seohores
llennillo Francisco Ro-
tlrigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oli-
veira, equand) (or pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tas Carvalho.
Durante a auzencia
do aba ixo as signado na
Europa todos o i recibos
dessa einpreza deve-
rao ser pausados em ti-
ldes carimbados e fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que nao
tero valor algum.
George Windsor,
COMPANHIA D3 SEGUROS
NORTHERN
de LOndres e Aberdcesa
roalcaOnancelra (Oeaembro 1885)
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,34a
Beceila aannal 1
Da premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
Do juros 132,000
O AGENTE,
John. H- Doxioell
BUS COUMEUUOCIO X. SO 1* A>4B
,______________l_______
fondn and Brasllian Ba
Limited
Ra do Commercio n. 32
traeca por todos os vapores sobre as ca-
as do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas n. 75 No
Porto, ra dos Inglezea.
r- i
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenli Ver-
ns:;;r::;*ana
Ruado Commeiciu u. 8
-':
Companhia
Imperial
SEGUROS costra FOGO
EST: 1803
Edificio e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizo
CAPITAL
Rs. 16,000:000 000
Agentes
BROWNS&C.
N. Ra do CommercioN. 5
I
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclda em 1&5
CAPITAL 1,000:000$
sinistros pagos
At 31 de dezembro de 1884
iiaritinios..... 5,110:000^000
Terrestres,- 316:000$000
44Ra do 'onnuerelo-

he Liverpool & London & Glob
INSURANCE C0MP4NH
&G.
C'OMTRA FOGO
Norlb British & Hercanle
CAPITAL
C:ooo.oOo de libras sterlinaa
A GEN ES
Adomson Howic & C.

4
AGESTE
Vinho 10 pipas, 20 quintos e 10 deci-
mos a Antonio Mara da Silv, 40 quintos
e 20 caixas a Joaquim da Silva Carneiro.
OKSPACHOS DE BXPOKTACAO
' Em 29 de Janeiro de l7
Para o exterior
Xo vapor ingles Derwentdale. earregaram :
Para Liverpool, Anirade Lopes & C. 366 aae-
coa com 2J.7& kiloa do carocos de algodio; N.
Cha & C 220 saccas com 19 855 kilos de algo-
do.
Ka barca inglesa Juanport, earregaram :
Para New-York, P. Cnrueiro & O. 250 saceos
com 1(5,750 kiloa de assucar inascavado.
o lugar iaglcs Sambean, earregaram :
Para New York, J. 8. Loyo ae Pilho 913 saceos
com 68,850 kilos de assucar inascavado.
o lugar americana 'D. Fabens, earregaram :
Para New-York, M. J. da Rocha 1,500 saceos
com 112,506 kiloa de assucar masca vado.
No vapor ioglez Coban, earregaram :
Para New York, H. forster 4b C. 8,300 aaccoa
com 621,500 kilos de assucar musca vado.
Para o interior
Na barca inglesa Alice May, carregon :
Para roguayann, 8. O. Brito 400 barricas
com 46,220 kiloa de assucar branco e 100 ditas
com 11,280 ditoa de dito mascav&do.
Na escuna dinamarquesa Clara, earrega-
ram :
Para o Rio Grande do Sol, J. 8. Loyo 438 barricas eom 23,880 kilos de aasucar branco e
50 ditas com 6,398 ditos de dito mascavado.
No lugar nacional Juvenal, earregaram :
Para Santos, P. Carneiro r. C. 100 aaccoa com
6,000 kilos de assucar branco e 470 ditos com
28,200 ditos de dito mascavado.
No patacho sueco Amor, earregaram :
Para o itio Graude do Sul, P. Carneiro & C.
650 barricas com 56,210 kiloa de aasucar branco.
No palhabote nacional S. Bartholomeo, ear-
regaram :
Para Porto-A legre, P. Carneiro &C, 100 saceos
com 7,560 kilos de aasucar brano.
Na vapor a'.lemo Pcrnambuco, earrega-
ram:
Para Sanus, Amorim IrmSca & C. 200 saceos
com 12,000 kiloa de assucar mascavado e 300 ditos
com 18,030 ditoa da dito branco.
No vapor americano Advance, earregaram :
Para o Rio de Janeiro, J. M. Oas 50 saceos
com 3,000 kilos de aasucar branco; J. 8. Loyo &
Pilho 1,800 saccaa com 108,000 kiloa de aasucar
maacavada e 200 (ticos cora 12,000 dUos de dito
branco ; J. A- ''a Costa Medeiros 58 barricas com
3,480 kiloa de aasucar branco e 72 dilaa com 4,320
ditos de dito mascavado ; S. G. B.-itd 900 saceos
com 54,000 kiloa do assucar branco
Par Babia, Burle & C 100 barricas com 4,253
kilos de auucar branco.
Miguel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESS-N.
Mesaros mariiisstos e terreetrM
Neates ultimo a nica companhia neata praca
que concede sos Srs. seguradrs ieempciode ]
ment de premio em cada ge timo anuo, os,
equivale ao descont de ceras, do 15 por cento i
avor dos segurados.
X

No vapor nacioail S. Fratioisoo, earrega-
ram : '
Para Baha, Amorim Irmaos & C. 77 si ecos
com 5,775 kilos de aasucar branco.
No hiate nacional Camelia, earregaram :
Para o Natal, f. Alves & C. 27 barricas com
1,800 kilos de assucar refinado.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 30
Hamburgo e escala 26 dias, vapor allemao Per-
nambuco, de 1,523 toneladas, commandante L.
Scharfe, equipagem 39, carga varios gneros ;
a Borstelman & C.
Camossim e escala12 das, vapor nacional Ja-
guaribe, de 412 toneladas, commandante Anto-
nio Maria Ferreira Buptista, equipagem 29,
carga varioa gneros; a Companhia Pernam-
bucana.
Rio-Granie do Sul89 dias, patacho nacional
Marinho 6", de 286 toneladas, capitao Francis-
co Lihorio Dores, equipagem 10, em lastro; a
Loyo & Filhos. %
Navios saludos no mesmo dia
MontevideoEscuna dinamarquesa Clara,'capitio
I. Sebioning; carga assucar.
SantosLugar nacional Juvenal, capitn Jos
Dias Netto; carga aasucar.
Navios sahidos no dia 3/
Terra-NovaPatacho ingles Seretha, capitSo W.
J. Harvy ; em lastro.
Estados-UnidosBarca norueguenae Enma, ca-
pitao Julius Izackaen ; carga assucar.
LiverpoolBarca norueguense Gordon, capitao
I. G. Perdcrsen ; carga algodSo.
PelotaaPatacho nacional S. Bartholomeu, capi-
tAo Manoel Maria Mrcente; carga assucar.
Obsermcao
Nao bou ve entrada no dia Jl.

"i
VAPORES ESPERADOS
Bahia
Merchant
Senegal
Marques de Camas
ViOe de Bahia
Mando*
Mondego
Supervisor
Sorata
Trent
Para
Legislaor
Pernatnbuco
Espirito Santo
Tagui
Otar.
do norte
de Liverpool
da Europa
da Bahia
da Europa
do sul
da Europa
de Liverpool
da Europa
do sul
do norte
do Liverpool
do sul
do norte
da Europa
de sul
3
3
3
4
6
7
10
12
a 13
a 14
a 15
s 16
a 17
a 28
a 24
a XI


sssr
Diario de PernambacoTcrfa-feifa 1 de Fevereir de 1887
l\
***
-h-.
1*
Compattkifa llrasllelra de nave
acao.i Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Manos
Commandante 1- tenente Quilhrme Wad-
dington
' esperado dos portos do bu!
at o dia < de Fevereiro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portot
do norte at Manos.
Para carga, passagens, cncoonienda* e valore*
tracta-se na agencia ___ "
PRAQA DO CORPO SANTO N. 9
PORTOS~DO SUL
0 vapor Baha
Commandante 1-tenente Aureiiano Izaac
E' esperado do .,rtos do
norte at o dia 3de Feverei-
ro e depois da demora in-
dispensavoj, seguir para
os f-'ns do snl.
Recebe tambem carga para Santa Catharina,
Grande d) Sul, Pelotas e Porto Alegrc.frete mo-
dic .
Para carga, passgens, cncommendas e valores
ata-sc na agencia
PRAQA DO CORPO SANTN. 9
GIAKEHS KOHS
Companhla Franceza de Xarega-
co a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro c
Santoa
O vapor Tille de Baha
Commandante Dclins
E' esperado da Europa
at o dia 6 de Fevtreiro, se-
guindo depois da iudispen
'savel demora para a M-
. hiu. Bio ite Janeiro
'e Sanio.
Roga-se acs Srs. importadores de carga p.'los
vapores desta linha,aueiram apreeentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarengy. ,..+'.
quer reclamarlo concernente a volumes, que po-
venttira tenham seguido para os portos do wJ^M
de se poderem dar a tempo aa providencias neces-
earias.
Expirado o referido praso a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
X frett: trata-se com o -
AGENTE
Augiislr Labillc
9 RA DO COMMERCIO 9
COHP4NH1E DE HEWNMIE-
MES HAK1TIMK
UNHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
Espera-se da, Eu-
ropa no dia 3 de
Ftvereiro seguin-
do depois da de-
mora do costume
para o Rio de Ja-
ro, tocando na
Baha
Lembra-se eos senhores passageiros de toda
as classes que ba lugares reservados para cata
agencia, que podem tomar em qualqner tempo.
Previne-se ao ssenhores recebedores de merca
dorias que s se attender as reclamscoes por fal-
tas nos volumes que forein reconhseidas na occa-
iao da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dinbeirc
afrete: tracta-se com o fcs
AGENTE
4uguste Labille
9 RA DO COMMEKUIO-9
Patacho portuguez
VEKITAS
Recebe carga a frete para Lisboa e Porto
tratar cem Amorim Irmaos & C.
ao sul cem o de Joaqoim Jos de Sant'Anns, ao
poeote com um vallado, ao nascente com o rio
Duas Unas, teudo no terreuo cerca de mil pea de
eafeeiros, urna excellente borta teixada crca
nativa e maia deas cacimbas com agua para be-
ber.
Quatro mil tijollos de alvenarias, 17 travs de
qualidade, 70 caibroe, 3 e meia dusias de taboas e
urna porc&o da enxameis.
Doze cadeiras ds gnarnicSo, 1 piano, 1 sof de
amarelio, 3 consoles, 1 mesa redonda, 1 cama
franceza, 1 estante envidracada, 2 mesas grandes
1 dita pata cosioba, 1 armario, 1 mocho, 2 etagers,
1 taboa com cavaletes, para engommar, 16 passa-
ros diversos e cantadores.
Urna espingarda de pressao, 1 dita de 2 canos
de carregar pela cnlatra, 1 dita de espoleta, do 2
canos fina para caca, do fabricante Henry La-
pott e 1 revolver americano.
A"s 4 horas da tarde
Sexta-feira 4 de Fevereiro do 1887.
Na ra Duque de Caxias casa n. 17 em
Jaboatao
O agente Martina autorisado pelo Iilm. Sr. Ma-
nocl Anselmo qae'se retira para fora da provincia
far lcilao do terreno, materiaes, movis e mais
objectos cima mencionados ao correr do martel-
lo para liquidar.
Os senhores concurrentes devero ir no trem
que parte do Rccife s 3 1/2 horas da tarde.
Fertoral de Cambar (3)
Descoberta e preparabas do Alvares de S.
Soares, do Pelotas
Approvado pela Exma Junta Central de Iygie-
ne Publica,auctoroado pelo governo imperial, pre-
miado com as medalhaa de ouro da Academia Na-
cional de Pars e Expoaico Brasiloirn-Allem de
1881, e rodeado de valiosos atteatudua mdicos e
de muitos outr, a do pessoas curadas de : toases
simples, bronchites, asthma, rouquiJao, tsica pul-
monar, coqueluche, escarros de sangueKetc.
Precos as agencias : Frasee 2J500, meia
dusia 13000 e dusia 24*000.
Precos as sub-agencias :Frasco 2*800, meia
dusia 15*000 e dnsi i 28*000.
Agentes e depositarios geraes nesta provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C.,
ra Mrquez de Olinda n. 32
Brigiie portuguez
S. LOUREXqO
Recebe carga a frete pai a Lisbca a. Porto
tratar com Amorim Irmos 4 C.
Leilo
PAA\\ iAQ\3ID\C\
De fazendas, miudezas, 1 in biiia de Jacaranda
e urna de pao carga, novas, 2 guarda-vestidos,
toilete, aparadores, 3 camas francezas, 2 marque-
ses, i eapelhos, 2 commodas, 2 guarda-lencas,
sofs de amare.lo. cadenas avulsas, estatuas, 1
relogio de parede, caides, meia?, 1 mesa elstica,
quadros, jarros, candieros, kerosene e cutros arti-
gos que serio vendidos ao coner do martello para
liquidadlo.
No armazem da ra de Pedro Alfonso
n. 43
Te cafeira 1 de Fevtreiro
A's 10 1/2 horas
Agente Britto
Leilo
De 5 barricas com presuntoe, 3 ditas com agua
de soda, 10 eaixus com cognac, c 1 caixo cem
bisnaga.
Sexta felra -4 de reverciro
A'8 11 horas
No .rmazem do Annes
Em lenlo da AlTAntlesra
Ag-ente Pinto
AVISOS DIVERSOS
Leilo
coni| tahia Uahlana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. J. Coelfio
oegue impreterivel-
ment para os portos
acuna no dia idoFe-
vereiro, ai 4 horas da
tarde. Recebe carga
nicamente at o 1/2
cncommendas c dinhei-
dia do dia 1.
Para carg, passagens,
ro a fret'', trata-sc na
AGENCIA
7tiua do Vigario7
DomingiiS Alves Malhcos
COMPAXUll PEaMAIHt'C.l ^1 *
DE
^avegaco Costeira or Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
O vapor Ipojuca
Commandante Costa
Segu no dia 5 de
Feverciro, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 4.
Encommendas passagens e dinheiros afrete at
s 8 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pemamb^iAann
n. 12
iniied Slales M\ Brasil S. ,
O vapor Coban
Segu'ri para
norte no dia 4
cem cicalu ao
pjrtos do
corren te,
Da rasa terrea n. 106 da liba do Retiro na
Paasagem da Magdalena, terreno proprio, de 1
porta k 2 jancllas, com muitos commodos, quintal
murado com portao, duas salas, agua encanaba,
as chaves esto na casa de junto para os senhores
pretendeates examioarem.
Um sitio na estrada do Arraisl perto da rstaco
da Casa Amarella onde inora o major S, com
grande rxtenso de terreno e grtndc ci.sa de vi-
venda .
Terca-feira, 1 He Fevereiro
A's 11 horas
Na ra Estreit do Rosario n. 24.
Agente uodeslo Baptiza
Veocle-sie a summa theolcgica de ?. Thomaz
em 8 vol. : uu raa das Cruzes n. 42, 1 andar.
Alaga se o 2- andar da casa n. 8 ra da
Imperatris, excelente morada ; trata-se na ra
do Imperador u. 61, 1- andar.
Aluga-SL' c;:sas a 8*(KX) no becco dos Coe-
ihos, junto de S. oncallo : a tratar na roa ds
linperatriz n. 56.
Precisa-sede urna cosiiiheira ptrfeita, e que
durma em casa, para casa de familia ; a tratar
ua ra do Baro da Victoria n. 39.
LUGA-SE o 2a andar do sobrado n. 1,
ra do Visconde de Pelotas, autiga do Arago :
tratar ra da Madre de Dcus n 22.
Pr-eisa-se do um pequeo de 10 a i nios,
para criado, de boa coadaea e que d fiador ; a
tratsr ua ra velba de Santa Bita n. 14, sobrado.
Tendea taime ou tjolTreis) do pello M
Usai o melhor remedio, que o PITORAL DE
CAMBABA', e veris como vosso si'ffrimcnto des-
apparece. Vende-se na drogara dos nicos agen-
toa e dfpositarios geraes na provincia, Francisco
Manoel da Silva 4 C, ra do Marques de Olinda
n.23__________________________*___________
Pede-se so Dr. Lydio Marianno de Albu-
querque qne appareca na roa da Palma u. 69,J
afim de se Ihe entregar urna carta.
Agente Silveira
Leilo em continuado
Terca fclra, 1 de FeveS-elro
De movis, loucas, quadros
esp^lho oval
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 10
A' 11 HORAS
Constando de duas mobilias de Jacaranda, l
piano de Blondel, 1 rico espelho oval, 1 guarda-
vestidos do amarelio, 1 secr.tari* de mogno, 1
teilet de Jacaranda com pedra, 1 guarda-louca, 2
mezas para jogo, 1 commoda inteirn, 2 tercos,
marqueto, jarros, lanternas e outros m iveis de
casa de familia.
O agente Silveira levar a leilo os movis e
mais objectos cima descriptos, na terca-feira, 1 de
Fevereiro, no armasem cima mencionado cujos
movis ser) vendidos ao correr do martello por
ter de se entregar a chave no dia seguinte.
Leilo
De 12 arrobas de linguicas preparadas
com banha, em latas, e diversas caixas
coro vellas stearinas.
Terca felra 1 de Fevereiro
A's 11 her-s
No armazem do Sr. Annes, em frente
Alfandcga
O agente Gasmao far leilo, per cocta e risco
de quem pertencer, dos gneros cima menciona-
dos em lotes vontade dos compradores.
Deseja-se sabir noticias do Sr. Jso da Ro"
cha Marinho Falca?, senhor de enge.ho, quo ten-
do feito urna bypotbeea hi sis annos, at hoje
nao appareceu a dar iaf,rruaco na rnn dii Palma
I numero 69
i ------------------------.________________________^^,-
Precisa se de um.. criada que cosinhe e en-
' gimme ; na ra do Imperador n. 18.
j------------------------------------.----------------------------------------------------------------------------
i Lembra-se ao Sr. Epiphania da Rccba
Wanderley, que fazern tres annos qae o acnhor
do Recife sabio para Pao d'Alho, e at hoje nrm
responde as cartas que se Ihe dirige, e nem res-
tituc o que se Ibe pede.
Roga-se ao Sr. Fransisco Antonio de S
rico Barrete que appareca na ra da Palma n. 69.
Quem quizer al upar o 1* andar e lojis
do sobrado n. 43, ra da Aurora, pro-
cure as chaves rm poder do Sr. Megreiros
ra do Imperador u. 24.
No da 26 do corrente mes auseutouse da
casa do bacharel Manoel Raymuudo de Araujo
Pinheiro o ingenuo Bazilio, cem 13 anuos de ida-
de, de cor preta, sabe lr c escrever ; julga-se que
tosse seduzido por alguein para utilisar-se dos
seus eervcos, quem dVIle tiver noticia participe
ou o leve casa do mesmo bacharel, ra direita
dos Afogados, que ser gratificado, pois que o di-
to ingenuo filho de urna sua ^x-cscrava j falle-
cida, c foi criado e tem sido educarlo pelo mesmo
bacharel.
Aniceto Correia Lopes, bavendo um snppli-
cante semi-branco de igual nomo, por isso vera
'eclarar perntcmeute su pubco, que d'ora em
diante assignar-se-lia Aniceto Lopes Correia do
Nascimento.
Vende-se a vasa da estrada de Luiz do Reg
n. 21, com muitos commodos c sgua encanada, e
um terreno ao lado da mesma casa ; a tratar na
ma estreita do Rosario n 24.
Leilo
Cear, Para, Barbados, S. Tho
maze Xew-Vork
Para carga, pasagens, encommendas, dinhoi-
ro e frete tracta-se com os
AQENTE8
O vapor Advance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 14 de Fevereiro
depois da demora oecessaria
seguir para
Maranho, Para, Barbados, .
Thomaz e Mew-York
Para carga, passagens, e enconitnendas tracta-
ie com os
AGESTES
0 paquete Finalice
fispera-ss de Sew-Port
News, at o dia 22 de Fe-
vereiro o qual seguir depois
da demora necesaaria para a
Babia e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheirs
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster 4 C.
RA DO COMMERCIO 8
!. anda
Ensiuo mixto
rus da Aurora n.l.
de ce primeiras k tiras ; na
Da armagao, gneros, partimento de roa-
deira e mais pertences da t*verna da ra
da Roda n. 'S, em um ou mais lotes.
Garante-se a casa a 'quem comprar a armac).
Quiuta fera 3 de corrate
A's 11 horas em ponto
O agente Martina, competentemente autorisado,
far leilo da grande tsverna da ra da Roda n.
/ 48, cujo producto ser applicado a pagamento de
i credores da referida taverna.
Os gneros so todos de primeira qualidade e
a casa muito xfreguesada. ,
\ ssistente
Na ra da Aurora n. 1.
--------------------------->--------------------------------.
Costureiras
Precisa-se de perfeitas costureiras, com urgen-
cia ; na ra da Aurora n. 39, 1- andar.
curan!
Sem dicta escm modifi-
cares de eostunies
Laboratorio central, ra do Viconde d.
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo phar
maceutico Eugenio Marques
de Hollanda
A pprovr.dos pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria d<
Pariz.
Elixir de imbiribina
Restabelece os disppticos, facilita as diges
toes e promove as ejeccoes difficies.
Vinbo de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a ,hjpoemia
intertropical, rtconstitue os hydropicos e benbe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e matamba
Muito recommt ndado na bronchite, na hemop
tvsc e as tosses agudas ou chronicas.
Oleo de testudus ferrugihoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
nismo, na tysica.
Pilulas ante-peridicas, prepralas oom
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermitientes, re
.nittontes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tambem fer
ruginoso, preparados em vinho de caj
Efficazes as inflammafes do figado e bac:
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capuana e quina
Applicado as convalescencas das parturiente
retico antefebril.
Francisco Manoel da Silva H.
RA MRQUEZ DE OLMDA-
para senhoras
e dourados a 26000.
douradoB a 500 ris o
Cosinheira
LEILO
. 8
1 Grite do Sal, Pelas
tO:ltee
Vapor Aymor
Por-
E' esperado da Babia no dia
3 do coirente, e seguir de-
pois de pequea demora para
os portos cima indicados
' Recebe encommendas
com
passageiros, a tratar
PEREIRA. CARNEIRO W C.
N. 6 RA DO COMMERCIO -N. 6
1. andar
Precisa-se de urna cosinheira ; a tratar na tra-
vessa de Fernsndes Vieira n. 8, becco do Padre
Ingl.a.
Vinho
De importantes movis, 1 piano novo, jarros etc.
Quinfa felra 3 do corrente
A's 11 horas, no 2o andar da ra da Impara-
triz n. 14
O AGENTE MODESTO BAPTISTA, autori-
sado pelo Sr. Eatychio Mondn Pestaa que se
retira para o Para, far leilo aos seguintes mo-
vis que se recemmendam por serem ttdos de born
gostoe novo.
A' saber:
Um piano novo de Pleyal n. 6, urna rica mobi-
lia de megno, composta de 1 sof, 2 cadeiras de
brajo, 12 de guaraico e 2 consolos, 1 sof e 6 ca-
deiras, de po carga, 2 consolos modernos com
tampos de pedra, 1 espelho de parede moldura
dourads, 1 dito oval, 1 guarda roupa,l gurda ves-
tido, 1 commoda con tampo de pedia e tndo novo
e da mogno, 1 mesa para csarever com 3 gavetas,
1 bonito toilet, 1 relogio de parede, 1 dito de metal
para mesa, 1 cama nova e bonita do pao carga, 1
dita de amarelio, 3 marquesoes, 1 commoda de
amarelio, 3 mesas cem gavetas, para escrever, 12
cadeiras de junco, 1 mesa elstica de 8 taboas, 4
aparadores, 1 guarda leuca de mogno, 8 etagers,
1 carteira de amarelio, 1 cadeira para piano, jarros,
candieiros para gas, clices, 1 sdereco de curo com
perolas, e outros artigos propnos de casa de fa-
milia.____________________________________
Leilo
Em Jaboatao
7i=fiua Duque ds Caxias=n. 17.
De uta importante e frtil terreno mar
gen do rio Duas Unas, materiaes para
edifiuac,3es, um piano de armario, diver-
sos movis, 16 passaros, 3 importantes
espingardas e 1 revolwer americano.
Sendo um terreno foreiro, (dominio til) na ra
Duque de Canas, antiga Bom G-osto, cora 500
palmos de frente, Bn itando-oc ao norte com ter-
reno do commendsdsr Joaquim Lopes Machado,
puro
Acabado de ebegar consignarlo ; venda-se
na roa de Hortas n. 17.
U commercio
O guarda-livros e balanciador Luis de Franca
Marques, participa ao commercio e ao publico,
3ue pdie ser procurado em eu eacriptorio ra
as Trlncheiras o. 48, 1 andar, das 9 s 4 horas
da tarde, enas iemais h>ras em sua residencia
ra da Conquista n. 8, para os roister ,s de sxa prc-
fiseo, comos'ji: < seripturaco por partidas do
bradas,batneos, contratos e distratos u.ercantis.
Aula particular de \. S. das
tees
A professora Rita Maia Jas Neves participa
aos pais e suas alumnas c ao publico, que mudou
a sua anla para a ra da Santa Cruz n 28, a qusl
se acha alerta desde odia 10 do mes passado.
Recebe meninas internas e externas, e bein assim
meninos de 6 a 8 annos de idade. Promettc toda
a solicitude no bom desempenlio dos de 'eres inhe-
rentes ao seu cargo.
Broches nikelados
Hoiiitcs grampos
maco.
Esplendido sortiroento de gal3es de vidri-
lbo.
Grande variedade de lcques de setim a
JiJOOO.
Frizadores americanos p.^ra cabello a 300
ris o maco.
Setas de phantasia para cabello.
Bonita ccHecgito do plisss a 400 ris.
Brincos imitajao de br'lhante a 500 ris.
Aventaes bordados para creancas a 2|J000.
Chapus de fustlo e setim para crean-
gas.
Sapatos de merino e setim para crean-
gas.
Meias brancas e do cores fio de Escocia.
Pomada de vozclina de diversas qualida-
des.
Sabonetes finos de vogelina e|alface.
Extractos finos de Pinaud, Guerloin, e
Lubin.
Lindas bomas de couro e velludo.
Fichus de la para senbora a l)Ji00.
Sapatos de easeroira preta a 2AOOO,
Thesouras para costura de 400 rio e
35000.
Pacotes de p de arroz a 300 ris.
Fitas de todas as quadades e cores.
Immensa variedade de botSes phantasia.
E milhareB de objectos proprios paro tor-
nar ama senhora elegante, e muitos ou
tros iodispensaveis para uso das familias
tudo por pregoa admiravelmcnto modi
coa
Na Graciosa
S-Kua do Crespo-1
Duarte &C.
Pilulas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja preparHco puramente vo]
etal, tcem Bido por mais de 20 annos aproveitadas
com os melhorea resultados as seguintes moles-
tias : affeccSes da pelle e do figador syphilis, bou
boes, escrfulas, cbagas inveteradas, erysipelas e
gonorrhae.
Modo de uniiI-s"
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, be-
8endo-se aps cada dse um pouco dsgua adoca-
da, cha ou cuid.
Como reguladoras : tome-se um pilla ao jantar.
Estas pilulas, de invenco dos pbarmaoeuticos
Almeida Andrade S Filhos, teem veridietum dot
Srs. mdicos para sua melhor garanti, tornande-
je mais recommendavcia, por serem um sogutd
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
asadas em viagein.
ACHAM-SE, A' VENDA
h drogara de Paria Nobrlnbo A
Al BCA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Previos se qne ]>essoa alguma nao faca negocio
com o sitio da Imbura, com tr< s legaas e meia de
matas, cacimba de canco e sumby, que se acha em
qoesto com a viuva de Buscavida, hoje viuva de
Nicolao Machado Freir, como consta do cartorio
do escrivo Cunha, e que est appellado para u
tribunal da relaco, c aguardo a iculhcr ficticia
para responder quando vier a crrtido do anony-
mo. Rccife, 31 de Janeiro de 1887.
Maria Francisca dos Anjos Curado.
Compras por atacado
O Pelloral de Cambara
tem precos especiaes para aiuelles que compra-
ren! grandes porcoes. Diatribucm se impresaos a
quim os pedir, contendo as condicoes de Yendas :
na ri.a do Marques de Olinda n. 23, drogara dos
nicos gentes e depositarios geraes
Francisco M. da Silva & C.

o
o
5
ce
^s
PASTILHA3
Dfi ANGELIM k MENTRUZ
Ti
i
BS
es
es
en
r>a
0 ftmtdio mtto fca e
Segure que et tem descocerlo ate
tije per etpe'lir ti ion brlges.
ROQRIaM hieres
CONTINUA ATE' 0 FIM DO MEZ
AU BON MARCH
81Ra Buque de CaxiasX
PAai ACABAR
Aprovcilem antes que se acabe
CAMBRAIAS BORDADAS 1
Camisas de liiiiio com e sem collariuho I
c seiiiis linos de todas as cores
Por melade do preco
SO JNA LIQlDAgAO T
AU BON MARCH
81-Roa Buque d$ Caxias-81
S
i
m
JOSEPH KRAIJSE & C.
Acaban] de augmentar o sea j bem conhecid
iporiaiiie estabelecimento ra i
de marco o. 6 com mais
om saino no 1 andar Inxnosamente prepa-
rado e prvido de urna exposi-
fj& m de prata d Porte ee!etre^Sii*
dos mais afamados (abricatiies do
mundo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren.
o seu estabelecimento, aflm de
apreciarem a grandeza bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.
ACIA-SE ABEBTO DAS 1 A'S DA NOITE
COMVITi
- ::'*
"-..-


DOMESTIC
Sao reconheciaas ser as inais
elegantes, as mais duravel '
em todos os sentidos.
AS MHLHOEES
Para prejos, e
lustragSes de todos
j m-se i
Domestic Sevving Machine i ti.
NEW-YOR, U. S. A.
Tctephone n.158
circulares como
os estylo din-
ALLAN PATERSON ft C
N.44--RU i do Brum--N. 44
JUNTO A B^ f A(!A0 DOS BONBS
Tem para vender, por pra mdicos, as seguintes ferragena
Tachaa fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSes de diversos tamauhoa.
Rodas de espora, dem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeameuto para iardiru.
Varaadas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelas
Portasd fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, S e 3 cavaos
lioendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de conuertas, e aasectamento de maohinismo e
trabalbo com perfei^o e presteaa.

exectuam
qual-
A LA REINE DES FLEJES
aialMes Hoyos
L T. PIVEfem PARS
Mascotte
PERFUME FORTE-BONHEUR

Extracto de Corylopsis do Japo|
PERFUMES EXQUISITOS :
Eouqaet Zamora Anona du Bengale
Cydcnia de Chiae
Stephania d'Australi-3
KelTotropo blanc Gavdonia
Bonqnet de l'Amili-White Rose oJ ICesanlik Polyor oriental j
Briso de Nice Bouquot ci Reino dos Prs, oto. :

ESSENGIAS CONCENTRADAS C^.? QUALIDADE EXM
'^petos aas principaes Perfumaras, Paaraacias e abeertos^toerio*^


I
I

1
i .
:i
&
j
*AX*

\

Alagase barato
Boa dos Guararapes n. 96.
Ra Visconde de Itaparlca n. 43, armazem.
Boa da Palma n. 11.
Ra Corredor do Bispo n. 18.
Beeco Cam pello n. 1, 1" andar.
Largo do Mercado n. 17, loja cora gaz.
Aa casasda na do Corono' Suassuua n. 141
Largo do Corpo SRnto n. 13, 2." andar.
Trata-se na ra do Coinmereio n. 5, 1* andar
icriptorio de Silva GuimarSea & C.______ _
Aluga-se barato
O sitio todo murado.J com caca para familia,
roa de S. Miguel n. 99, em Afogados.
A casa i ra de S. Jorge n. 26, no Reeife.
A casa pequea no becco do FundSo n. 5, na
Boa-Vista ; a tratar na ra de Santa Thereza nu-
mero 38.
Aluga-sc
o grande sobrado A ra Imperial n. 8, que foi do
alecido conselheiro Jos Felippe, com grande
terreno, diversas frueteiras, agua encanada egas;
u tratar na ra estreita do Rosario n. 8, escri-
tor is.
Aluga-se
o 2> andar do sobrado n. 35 travess de S. Jos ;
o l- e terreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
ios ; o 1 do de n. 25 ra velha de Santa Rita ;
O 1 do de n. 34 ra rstreita o Rosario ; todo?
limpos : a tratar na ra do Hospieio n. 33.
All!
iga-sc
o primeiro andar do sobrado do pateo de S. Pedro
n. 4, tem agua c gaz .- a tratar na ra cstr-'ita do
Rosario n. 9.
Alusa-se
a casa da ra do Progresso n. 23, cem commodos
regulares e limpa ; a tratar na ru do AragSo
numero 37.
Aluga-se
por 20J00O o 2- andar do sobrado n. 55 da ra
da Gnia, com 2 saina, 4 quartos e cosinhn, caiad?
e pintado de novo ; tratar na ra Augusta cu
mero 286.__________________________________
Alugu-se
o Io indar sotao da roa do Fogo n. 35 ; o 2 e
3 andar da ra estreita do Rosario n. 32, tem
agua e commodos para grande familia, estilo lim
pos e sao independentes : a tratar na ra da I n-
peratriz n. 16, Io andar.
Ama
Precisa se de duas amas, urna para cesinhar e
ontra parj engommar ; na travessa do3 Pires n.
5 (Geriquity).
Ama
Precisa-so de urna ama para c servijo domestico
de urna casa de f-im.a ; na ua do Cotovello nu-
mero 46
... JK i
Precisa se de um.-' ma pera cosinhnr ; a tratar
do 1 andar n. 22, ra larga do Rosaiio.
AMA
Precisa-se de una amspara
lavar, engommar e faze raais
alguna ser vico de casa de fa-
milia : menos comprar e cozl-
nliar : na ra do Riachuelo n.
13. Deve dormir em casa.
Ama
Precisa- se de urna ama para cosinbar ; na ra
do BarSo da Victoria n 9. _______
Ama
Precisa-se de ama ama para oosinha ; na na do
Dr. Joaquina Nabuco n. 3.
Ama
,, Preeoa-sc de urna boa cosinheire, para casa de
' peqnena familia ; a tratar no Caes da Companbia
a. 2. Prefere-se escrava e deve dormir em casa.
Ama
Precisa-se de urna ama de meia idade ; na ra
da Aurora n. 137.
| Dina senhora
Precisa-se de urna senbora de 35 a 45 aunos de
idade, que se queira sujeitar ao servico domesti-
co, e que entenda de fazer alguns doces ou traba-
lho de massas. pare acompanhar nm casal
sem filhos, que vai para lugar prximo esta ca-
pital : trata-se na ra Imperial n. 178.
Cosinheira
Precisa-se do urna ama que ecsiobe com per-
feieao e de nm rapaz de 12 a 16 annos, de bons
costumes, para o servico domestico de casa de fa-
milia ; na rna do larqu-z do Hcrval n. 10.
Copeiro
l'n-i-isa-se para casa de familia, de un menino
de 1 i naos, qne d fiador de soa conducta ; di-
rija 3' a Cruz de Almas n. 8, Tamarineira.
Diario de PcmambucoTer^a-cira 1 de Fcvercro de
i&&7
Tricoftro de Barry
Garante-s qne faz nas-
cer e cresoor o cabello anda
sos mala calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
tojos as impurezas do cas-
co da cobeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir on de embranquo-
cer, infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
4/Wj&-
-
Agua Florida de Barry
Preparada segnnda a formla
original usada pelo inventor em
1829. E'o unir perfume no mun-
do qne tem a approvaeaoofficia' de
um Governo. Tem duas yezes
ni ai fragrancia qui qnalqner ontra
o dura o dobro do terupo. E'muito
mais rica, suave o deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. 1.'
mais permanente o agradnrel na
lenco. E' duas vezas mais refres-
canto no banbo e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidAo o debilidade. Cura as
dores de cabeca, os oansacos e os
denmaios.
b Vida ie Reiter No. 2.
Mrns vb vbajj-o. dxpois de sal-S.
Cora positiva e radical de todas as formas de
fscrofulas, Syphis, Feridas Escrofulosa,
Affeccoes, Cutneas e aa do Couro Cabel-
ludo com peda do Cabello, e de todas as do-
encas do Bangue^Figado, e Bins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sango
e restaura renova o systema inteiro. mt :
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian
cas e para a cura das moles-
tias da pelle de todas as especies
em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
LOTERA
PARA
EDUCACAO DOS INGENUOS
DO^A,
ATTEXfAO
Avisamos nos nossos fregueses que pelo
ultimo vapor ehegado da Eurcpa recebe-
mos o mais moderno e tingante sortimento
de chapeos da sjI pora boiorns, senlioras
e enancas, cues pela sna elegancia e va-
riedade reiUfazem bein tria05a que de
presente rht-bcr um ; aproveit^m que es-
to se acabando Vendas em poreno e a re-
talho.
Este tred'tndo stabele;ment, j bas-
tante cotillee-ido quer pela seriedade e ca-
pricho de todos os seus Ir.ibaihos ; previ-
ne 803 B's amigos e (reguezes para lhes
evitar que eontinuera a ser prejudicados
ou Iludidos, que a.-abaram com a loja filial
da ra do Cabug. qufciqu'-r pedido on en-
commenda devela ser frito para
15--RUA DU BARO DA VICTORIA-15
Jone FMri-Iro di C
Ge
SI
Precisa ce. de nm menino para hotel, que tenha
pratica ; na roa da Mndre de Di'iis n 3, bote).
Oleo para niacliina^
Superior qnaliaadf, 6jtO) a lata em cine*
faloes ; venJc-se na fabrica Apollo e de sen
epositos.
Mara do Livramcnto, velha octagenaria e pau-
prrima, pede as almas caridosas que lbe mande
urna esmola pelo amor de D>ns. Mora no boceo
do Bernardo n. 51. E' nm obra de caridade. -
Professora
Uma Eonbora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar ein ccllegios e casas partcula
res, as seguintes materias : portogurz. fraocez,
msica e piano ; a tratar na ra do Mrquez do
Herval n. 10._________________^^_
300:000^)"
Lotera de Alag is
Extrac^o- Terpa felra 1
de Fcvercro
Intransferivel
IVictea venJa na ctsa fIiz, Prays
da "-"N^ndencia ns. -S7 c 30.
Uma fanilia estrangeira precita douma menina
de conducta fiaucada, unica'.rcnte r>ra tomar
conta de uma criaccinha do o to mezr-s, d-se bom
trato e pagase liom ordenado ; informa se a ra
nova de S.-.ntu R:ta n' f'f>, sobrado.
Advegado
S'>SS?E
.ei?Pi:M!fO)ECAl!
:<*>h u ir.:':.ior.cia Jo l.y.
potes dirainv, o appctite an-inenia, aa fo>l
has tdv.q?.G a vlr, os saores n-jcf.ir-io- coss;., j
eo dorafe -Rcoza de u:.i bom ---: il>'su3aco..
Cs rysopWK ".'
de 'abrica day^arrn.-.'-i. SV-'AIH.j
12, 'rite Ca'Ho^ortv.Pdriz, to os lint-j
1> CHUilCEIi-L ..;'N;
|<* km prcp.'icdsd's '-
-1 {raucos i BiniA -
t'tsdrM-M noi ; P'...ui>\ j
O bacharel Julio 3e Mello Fillu tem o sec es
criptorio de advocara a ra Piiireiro de M*rco
n. 4, 1- andi.r, onde |de sor cn.-outrado das 10
bsrsa da manli s 'J da tarde.
Ama
Pricisa- ss de uma
ama que compre e
cosinhe, a tratar na
ra da Imperatriz n.
41, padaria,
COLONIA ISABEL
AOS 2#:ooo$ooo
40:0008000
20:0008000
10:0008000
5:0008000
Esta lotera, cuja 12.a Serie da 24.a parte, ser extrahida
na Quinta-feira, 3 de Feveroiro, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceico dos Militares, acha se venda as se-
guintes casas:
Ra do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
Cabug n. 2.
- Rangel n. 2.
Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jogadores, e no Brazil, at hoje, ainda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuico
des premios, e para prova desta asserpo pedimos a attenco dos jo-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
LOTERA 1)0 GMO-PAR
D 70 \ de premio do seu capital.
(DEN DO CE4IIV
68 3[4 \ idem.
DEM de alago as
73 3i4"y idem.
dem de minas-gehaes
Menos de 81 i
Precsa-se df uma engommu oir e de um co-
peiro: ra Duquo de Caxias n. 86.',
4
i.-

FranriNro Xavier Carueiro la
Canlm
Anglica Xavier Carneir- da Cunha e aens fi-
lbos, Antcni-j Xavier Canieiro Campells o aua
mulber Rita Camp-Mo, Franiriseo Xavier Rodri-
gues Campello e Graeisiio Xtvi< r Carneiro da
Cunha (ausentes). Joo Xivicr Carneiro da Cu-
nha o snas filhns Jalia Cel.-siina Cirneiro BeltrSo,
Mara Xnvier fnWro B-l'ro, Mirandolina Xa-
vier Carne'ro Beltrao e Francisca Xavier Carnei-
ro HelrrSo, c-uvidam aos seus parentes e amigos e
aos do finado pa- a ouvirem urna miss, que na ma-
triz de Pao d'Albo, iwiudam celebrar r.a quaita-
feira a S horas da ni'iiliii, pul-.1 repouso eterno
U'alma de seu eemprc lembrado sobrnh-j c primo,
Francico Xavier Carneiro da Cunha, stimo dia
de seu pass&'i ento ; pelo que su centessam desde
j eternamente gratos por esee acto de religio e
cnriHude.
r>i.'...;aMi-
Mnria do Carino de Sloaza
Vianna
Primeiro anniversano
Joaqulm de Mouza Vianua Ferreira manda re-
sar missas por alma de su a presadiesima ta Mara
do Carmo do Souza Vianna, na ordem tercera do
Carino, pelas 6 li2 horas da mxnha do dia quinta-
feira 3 do correte, l- anniveisario de seu paeaa-
iiicut \ _______


FranCiNCo deLcmits a a-.-tv
A viuva e fiihos de Franuiaco de Lsmos Uuir;.-.
j mandam celebrar alcumas misjad na igreja da
; Santa Cruz, no dtu 3 do corfent*, s 7 h iras da
' manha. trigsimo do ee i fallecimeoto ; convidum
para cate t!i de religio e caridad os seus pa-
rentes 9 amigjs
Francisco Xaiicr Carneiro da
Cunta
D. Joanna Coelhj Carneiro da Cunha e seus fi>
lhos, D. Isabrl X. C da Cunha, D. Rosa Xtvier
Carneiro LeSo, Man.el Xivi r Carneiro de Albu-
querquo, IrinoCoelhj da Silva, Jovino Coelho da
Silva, Joaquim Menees Carneiro L ao, espoia,
mai, irma, irmilo e cunhados do Francisco Xavier
Carneiro di Cunha, convidara, seus parentes e
amigos para assittirem as missus que mandam
celebrar nas matrzes da Boa-Vis!a Juboatao e
Luz, s 8 horas do dia qunts-feira 3 d Feverei-
ro. stimo de seu passamento.
li
De primean qoalidade
Ponte Velha a. 41.
vende-se no bazar da
Padaria
'P
V't-cde-se a padaria Lu itana, na estrada do
Arraial n. 25, be < afreguezada e com poucos fun-
dos, e o motivo se dir ao comprador.
Ama
Distribue em premios mais de 85 1j8[o.
IDEM DO PARAN'
75
Precss-ee de rma perita cosinheira, para casa
de familia ; a tratar-^ua ra do Bar&u da Victoria
n. 46, loja.
Ai o criado
iO

Precisa-se de uma ama para cosmhar, e de um
criado ; a tratar na ra do Barao da Victoria n.
54, loja.
SADE PARA TODOS.
Pl LULAS HOLLOWAY
As PHula8 purlfloao o San&ue, corrigen) todas as desordems de Estomago b
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das coostitucoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades j
peculiares ao sezo feminino era todas as edades. Para cs meninos assirn como tambem para as
pessoas de idade avanzada a sua efficacia e incontestaveL

Essas m^iicinas sSo preparadas lmente do Estabelecimento do Professor Hollowav,
78, NEW 0XF02B STKEET (antes 6S3, Oxford Street), LOHDKES,
G vendemse em todas as pharnucias do universo.
1 gf Os compradores sao convidados respeitosamente a examinar es rtulos de cada caira e Pote s: ato teem K
. direegao, 533, Oxford Street, sao ralsirkaooes.
Os proprietarios do rauito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU
KANANGAdoJAPAO
RIGAUD y Cf, Perfumistas
FARIS 8, Ru Vivienn, 8, PARS
(A AgUO- de (Knnga, a loc&o a mais refrige-
rante, a que mais vigor d pelle, e que mais branquea al
cutis, perfumando-a delicatamente.
(ExtritO di (Kailng, suavissime s aristocrtico,
perfume para o lenco.
0160 di (Knng, thesouro dos cabellos que ator-
banla, faz crescer e impede de cair.
SabOnte de (KIlnga, o mais agradare, e macio,
conserva 4 cutis sua nacarada transparencia.
POS de (Knng, branqueao a tez dando-lhe elegante
cor mate e a preservSo de sardas.
Depsito nas principSes Perfumarte
sito a ra do Cabug n. 4, coromurricnm ao respcita'-el PUBLICO quo receberam u:
grande sortimento de joias 1as roais modernas e des mais apurados gostos, como \~t
bem relogios de todas as qualidades. Avisam tambem que continuam a receber p-
todos os vapores vinde da Europa, obj'rctoa novos e vnien> rauito menos quo e
outra qualquer parte.
MIGUEL WOLPF & C.
I
Uma wiili ra hoiisfii, ^U tritendi dec.slurai
etazer quu'q:-r tihbslho p>- figuriiio, se offerece
a acompanh :r quihjUfr f .ni lia quo (raba de ir
para o Km ce Jaocirsi Ni ii.csma casa i^s-se
vestuario psra e carnaval ; a tratar n do Negr'ios n 78.
Silio no CaMoireire
Air ndc-se i fe ata ^cm sitia cera bas-
tantes eeinmadoi para gn.ude f..u.ilin, ba agua,
ccmarvoris fiuclifc-rs e jardiin, c com sabida
para o re, pvt r" ?a multo rsiouv 1 ; a tratar na
ruado Livifcni'uto u- 24.
N. 4 RA DO
Compra-se ouro e prata velha.
CABUGN. 4
INJECCAO DE GRIMAULT E C"
Preparada com as folhaa do Idattco
pprOfBia p9M Jaota d'Hygieae io Rto-d+Juiin.
Esta injeocao preparada com as folhas do Matico do Per para a cura
da blennorrhagia, adquiri em pouco tempo uma reputacao universal por
ser a untaa innocente, contendo apwnas vestigios de ses adstnngentes, que
se encontrBo em outras em grande quantidade. Em poucos das ella acaba
com os corrimentos mais dolorosos e mais rebeldes.
Deposito em Paria, 8, Ru Vivienne, 8
Oseta fraseo leva a marea ef fabrica, a firma o mello da noa oa
de FERRO
Pharmaceutico, Doutor em Sciencias, Inspector da Academia
Approrado pe a Juata de Higiene do Rio-de-Janeiro
Esta solugao, que fo: 4idmittida na Pharmacopa Francesa (Edi^ao
de 4884), clara, lmpida, anloga a uma agua mineral ferruginosa
concentrada, o nico dos ferruginosos, que, assemelhando-se
composicao dos glbulos do sangue, tem a grande vantagem de obrar como
reparador e reconstituinte dos ossos e do sangue. Sem fatigar
jamis o estomago, sem enegrecer os dentes, sempre de grande van-
tagem para combater as dores de estomago, as cores paludas, a
anemia, a pobresa do sangue, a leucorrha, a irregularidade
damenstruacoe outras indisposic(oesaqueestosujeitas assenhoras,
as mocas na idade da puberdade e aa creancas debis, anmicas e
sem eppetite.
Deposito em Faris, 8, ru Vivienne e naa principaes Pharmacias e Drogaras.
2P?BES3O
TWSt
UTiMIMtfWJI
?c--. tiaias kki
iloma aerroao, laciUts
iibira-so a fsm > ano ponelru. uo jied malina o s,
iej^ectoraaS e arorls as fuDOCdcs ao orirails respiratorio*.
Vea** m mrnfi m eaaa as BWTIV. fM, s um <-Lssare. na l>srU
I j

'
f




Diario de PernambucoTer i'a--f eir 1 de Fevereiro de 188
Cozinheiro ou cozi-
uheira
r/recisa-so de um cozinheiro ou de um* coti-
nbeira, uxrional ou straogoiro, que entenda de
iu arte e ''ja peaaoa oapat. E' pera tteompa-
nbar um caeul si ra filbos pnra locar prozimo 4
esta capital: lii. M bum Ufelaineutu 0 ccuiiata-se
na ra Iirp^rial n. 178.
*<
Advogado
ItonilniON F. de *ioua Lefio
Das 1U horas da munbS s 4 da urdr, ra
do Imperador o. 16, 1 sudar.
idmlnlitrifio : PAI/, J, Boultrtnl Hontmrtrt.
GRANDE-GRILLE Affeece lraiphalicai.il on-
t* i das Tas d iges tiras, .bstracfSss do Ruada e do Uas'O
obstmeeoes viaecraos, eaacrscAes calculosas da biU.
H0P1TA-. A Caetr.es das riaidiguti ra iiieora mo-
da do estmago, digalao difflcil, inappetanel,
ca-trjl^'Us ilijicpsu.
CLE8T1NB Aneccesdoarias.dabeiifureij,
acnctdaiariaa-,g i-,JiiboWs.aliaiBinorij.
HATJTERIVE.-Ufe pi sdor:o.di tmiga.arjia;
eoacrccoosd.i.o i; io l.iioa. diabsCaH.albt HMMb.
EXIJA-SE i WE s FME na BfSi
Jalroph
Manipoeira
Etse medicare! nto de urna effieacia reconbecida
no beribtri e oulras molrstias ero que predouiiua a
bydropeaia, acba-se modificado em sua prepara-
cio, >racag a urna nova formula de um diatincto
medico deata cidade, sendo que comente o abaixo
assignado est habilitado para preparal-o demodo
a mtlhorar lhe o goslo e cheiro, sem todava alte
rar-lbe as propriedad.-s medicamentosas, que se
conservam com a mesma actividade, te oo maior
em vista do modo por que elle tolerado peb
eattnago.
Inlro deponslo
Na pharmacia Concico, ra do Marques tk
Olioda n. 01.
Beaerra de Mello
Cosinheira
En HminDuto, aj Kgns* arima nomea-ns. a. !ii^-c em casa* de
AIUSilEN-T LAB1IXE, 9. rna Jo Cunmarat.-
a SULZEEt a SCi'CHU, 35. ra da Cru.
.
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de bacalho
COM
Hypopl.ospl.iios de cal e soda
Approvada pela Junta de Hy
giene e antorlsada pelo
governo
E' o roelher remedio at hnje deocoberto para a
lisien broneblle. encropliulaaj. rs>.-
mitia. anemia, cebllldadc em trem.
deflnioa, losare cbr*sieA e nlTrccOe
do pello e da garsanla. S*a>
E' muito superior ao oleo simples de ligado de
bacalho. porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituintrs des hypofhospbitos. A' venda na
progarias e botieas.
Deposito em Peruambuco
Precisa-se de urna cosiabeira que en coda bem
de sen officio, paga-se bem e casa de pouca fa-
milia ; na roa do Cabug n. 6-A, bja.
Celeste
Rodrigues de Faria & C. aeabam de receber dos
Srs. liento de S & C, urna cspi-cialidada ero fu-
mo Rio-Novo, desliado a capricho, com a marca
Celeste,cojo emblema es sens fabricantes nao
deizam-se desmentir, porque realmente macio
aromatisado, fasendo crr intimo queles que j
o apreciaran), que os anjos agradecidos pela feliz
(embrace* o bafejaram : ru:i de Mariz e Barros
n. 11.
Sitio
Aluga-Ee urna cas-i e sitio na l'assagem da
Magdalena, junto do largo do ohafariz ; a tratar
na loja de livros uo p do arco de Santo Antonio.

Codnheira
Precisa-se de urna que desc-apenhe o lugar e
dunna em rasa; ra Duque de Cazias o- 42,
por cima da typogrsphia.
Precisa-se de nma boa engommadeira e que
eusaboe tambem, pera casa de pequea familia :
a tratar no Caes da Companhia n. 2. Prefere-se
escrava e deve dormir em casa.
VENDAS

rosluhelra
Precisa-se de urna cosinheira ; na ra da A*>
1 rora n. 137.
Fa/cndas baralissimas!!!
j

<"
Nao as seguiste vendidas por precos sem competencia:
lindos fustoes de listrinhas, padrSes chiques a 400 seis o covado !
etinetas do quadrinhos a 360 ris o dito !
Cretona superiores, 1 metro de largura, a. 600 ris o dito !
Carohraias brancas bordadas a 6f$000 a peca de 10 jardas !
Linhos do quadrinhos escoces a 200 e 240 ris o covado !
Merinos de todas as cores, a 600 ris o dito !
Esplendidos sortimentos de las para vestidos a 500, 600 o 700 o dito,
axemires novidades a lt?500 e 1^800 duas larguras.
Gases de cores com palmas de seda a 800 ris o dito!
Merinos pretos e Caxemires, a 1000, 1*200, 10400 e 2*000 o dito I
Velludilho bordado de todas as cOres a 1*000 o dito !
Sctia maco de todas cores a 1*000 e 1*200 o dito !
Popelina branca para as Exm." noivas, a 500 ris o dito 1
GuarnicSes de crochets para cadeiras e sof a 8*000.
Vestuarios de la par. enancas, (novidade) a 7*000 e f*000.
Meias alvas para enancas a 2*500 a duzia !
dem cruas para hornera a 4*000 e 5*000.
Cortes de fustSes para coletes a 2*000 um !
Caxemira ingleza a 4*500, 6*000 e 7*000 o corte !
Cheviots superiores, preto e azul a 2*800 e 3*500 o covado 1
Completo sortimento de casemiras, pannos e brins a rouitos outros artigos
lembrados preseoca dos leitores
que
serSo
iO 01 GIMA k I!.
59--Rua Duque deCaxias-59
Em casa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franca e do Extrangeiro
?
1= A "P.TR. a_ TS\i fi
gs de glorie grnz especial
PRBPARADO COM BISMUTHO
PAY, Perfumista
PAEIB, 9, Ifrua do la. Fad^c, 9, PARS
Vende se um boro sitio na estrada de Agua
Fra, junto a bomba extremando cera o sitio do
Cali, com boa casa, boa agua e melhores commo-
ios ; a tratar no rocano sitio, cu na ra Formosa
numero 25.
Engenta venda
Vende-se o engenho Murici, con safra ou sem
ella, situado na tregu- zia da Escada, distante da
respectiva estaco um quarto de legos, podendo
dar seis caminhos por din, moente e corrente,
tem daas casas grandes e 2 pequeas para mora-
da, e outra para farinba com suas pertencas, tam-
bem se faz permuta por predios nesta praca : a
tratar na ra do Imperador n. 61, 2- andar.
P rrcira & Irmo
Vendem i
Panno de algodao branco e riscado, das fabri-
cas da Babia e Rio de Jane ro, fio do algodao
para redes, superior qusldade, e alguna filtros
para purificar as aguas do Beheribe : oito de
Corpo Santo n. 25.
A Kevoluco
A' ra Duque de Casias, resolveu vender
os seguintes artigos com 30 / de me-
nos do que em outra qualqucr parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a 1^500 o covado.
Mi r i nos de cores finos, a 900 e 1^200 o co-
vado.
Ditos pretos a 1*200, 1>400, 1*600, 1*800 e
2*000 o cavado.
Las mesclarias de seda a 600 ris o covado.
Ditas cora listrinhas de seda a 560 ris o dito.
Ditas coro bel.unas a 600 ris o dito.
Lindas alpacas de cores a 440 ris o covado.
' Las com quadrinhos, a 400 ris o covado.
Gaze com oolinbas de velludo a 800 ris o co-
vado.
Setim maco lavrado a 1*300 o .covado.
Seda palba a 800 ris o covado.
Ditas do cores de 2* por 1*000 o.covado.
Setim maco liso a 800 e 1*200 o dito.
Groa de aples preto a 1*800, 2*000 e 2*500
o covado.
Botineras lisas a 320 e 400 rs. o dito.
Ditas de quadrinhos a 320 re. o dito.
Ditaa prctas finas, a 500 rs. o dito.
Fustoes braneoa e do corea a 320, 400, 440,
500 e8C0 rs. o dito.
Zephircs fino, escosseaes, a 500 re. o dito.
Zephiros de quadrinhos a 180, 200 e 240 ris o
covado.
" Zephiros lisos a 1(000 o dito.
Alpacu de cor para palitot, a 1*000 o dito.
Velludilhos bos e lavrados a 1*000 o ovado.
Cretonea finissimoa a 240, 260 e 240 e 300 ria
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 440 ris o dito.
Colchas brancas a 1*800 urna,
2Sed esc..sseza a 360 rs. o covado.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Ditas de crochet a 8*500 dita.
Camisas bordadas para homem a 30*000 a du-
ia.
Ditas para senho.as a 30*000 a dita.
Cortea de easinira finos de 3* a 8*000 um.
Casacos de laia a lOOO um.
Fichas de retroz a 1*000 um.
Ditos, de pellucia a 6*500 um, (bordados).
Cachemira de cor a 1*600 o ecado.
Flanella americana a 1*400 o dito. _^
Cortinados borddos a 6*000 e 7*000 o par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Meias para homeus de 2*400 a 9*000 a du-
zia.
Ditaa para senhoraa de 3*000 a 12*000 a du-
zia.
Mantilhefas de seda a 6*000 urna.
EaparUlhoa de ouraoa a 4*000, 5*000, 8*000
e 7*500 un.
Toilett para baptiaado a 9*000 e 12*000 um.
Lencos brancoe e com barra a 2*000 a duzia.
Aoquinbaa a 1*800 rs. uma.
Briro de linho de cor a 1*000 a vara.
Dito pardo a 1*000 a dita.
Esguio amarello e pardo a 500 ris o covado.
Chales de mirn liso a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000, 3*500 e 4*000 um.
Cortes de cachemira para veatldoa a 18*000
um.
Redes Hamburguesas a 10*000 uma.
Panno de crochet para cadeiras e sof a 4*000,
1*200, 1*600 e 2*000 vm.
enrique da Silva Mortira.
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escossss preferivt
10 cognac ou aguardcn-e de canna, para fortifica
} corpo.
Vende-se a retalho noa tu lherea annaaena
nolbados.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cujo d*
me e emblema sao registrados para todo o Braat
BROWNS & C, agentes
Aos 1.000:000^000
200:000|>000
100:0001000
lili*DE LOTERA
DE 3 somos
Em favor dos ingenuos da Colonia Orphanologiea Isabel
DA
TR0VINC1A DE PERNAMBUGO
Extracga a 14 ii Haio He 1831
0 thesoiirciroFrancisco Goncalvcs Torres
GRAGEAS
FORTN
INJEGQAO
Higinica frestmcrn
sem causar
Kddenit algiu.
deCoaahflw, Cvaata
atanhs Ptrn, lltmutho
fcatrlo, Trebeflth/na. $f
As ORAGEaS OPT d* aiaJimni (I830i > puraaa-ae uoa Hospitaes. Cnram as molestia seoretaa,
zoas rebelde- --^ fatigar os estmagos mai delicados.
A INJECCO FORTN sompre recommendads como o coraplemento da medicacXo.
a r*r**mn~ T raW H- 8n.VA ty, awiaei Wanaacaa.
Alleiicao
Vende-se ou permuta-ae nma casa terrea sita
na travessa do Falco n. 12, com 2 talas, 3 quar-
tos, cosinba lora, grande quintal e cacimba, por-
fo dando sabida para a ra dos Ossos ; a tratar
na mesma com proprietaiia, e esta far tjdo
negocio por j ter o despacho do juiz, at para
bota!-a em leilo, podendo apresentar os docu-
mentos aos permutadores, desejando tambem uma
por troea, ainda que seja pequea, porm que es-
teja nofa e bem construida.
Vivciro para passaros
Vende-se dous giande8 e bonitos viveiros po
pieco commodo, sendo o motivo da venda tr o
dono acabado coro os paasaros que poasuia ; a ver
e tratar na ra do Imperado: u. 22.________
Grande liquidado
na loja de miudzas
50 Roa Xova SO
O proprietario do estabelecimentoBazar da
Moda, ecien'ifica a Exmas. familias que em vir-
tude da prxima rcedificacao do predio em que
est estabelecido, tem resolvido liquidar to-
das as suas mercadorias, constando de miudezas,
perfumaras e artigos de moda, com grandes aba-
timentoa, sendo que muitoa artigos sao por precos
oteirainente baratos, como sejsm :
Grande variedade de plaatrona a 1*000 e 1*200
Sdbonetea de areia oe Riager a 200 re.
Ditca ingleses, grandes a 200 rs.
Duziaa de ditos a 2*000.
Garrafa de agua florida a 1*000.
Vaso cem opiata a 900 rs.
Frascos com extractos muito finos a 1*300.
Frasco con agua de colonia americana a 5(0 ra-
Papis para forro a peca de 320 e 400 ra.
GuarniTdes, linbae, fitas, bicos, bofes e artigoa
de moda.
_________PARA ACABAR
Vende-se
duas casas terreas no largo de Apipucoa na. 14 e
34, catando esta un piuco arruinada, e um terre-
no na rna da Cadeia Nova ; a tratar na ra da
Concordia. 289-
LOTERA do cear
400:000*000
L\ ntASFERIVEL!
Corre quarta-feira, 2 de Fevereiro
lu vigsimo d'esta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
240:000*000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRANSFERIVEL!
Corre Quinta-feira, 3 de Fevereiro
LOTERA de alagoas
3OO:O0O$OOO
Esta acreditada lotera corre Ter^a-feira, 1 de Fevereiro
lotera ii
\KTl\\NSal\I\rFX
. 600;000$000
Esla seductora lotera corre sahbado 5 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os bilhctes dcstas acreditadas loteriasacliam-sc venda na
RODA DA FORTUNA
36--Rua Larga do Rosario-^6
Bernardino Lopes Alheiro*

200:000^000
LOTERA Di
E\TRiC{iO DA 8* PARTE DA 1* LOTERA
H BENEFICIO Di SANTA GASA Di
Ouinta-feira 5 de Fevereiro
AO MEI0 DA
Esta lotera, por algum tempo retirada da circulajao, devido a grande guerra qae
lho promovern., como do dominio publico, vem novamente tomar o seu lugar de
uma das vantajosas loteras do Imperio.
O agente pede ao respeitavel publico a sua benvola attencSy para o plano dss
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado nos jornaes e impres30 no ver-
so dos respectivos bilhetes. O plano desta loteria 6 o nico que em 50.080 nmeros
distribue #
12.436 premios, ou quasi a quarta parte !
Ainda mais: esta a nica loteria quo premia todos os nmeros cujes dous al-
garismos finaes forem iguaes aos dos
QUATKO PREV10S MAIORES
A SABER:
100(J s duas letras finaes do premio de........
60)51 s duas letras finaes do premio de............
50,5 d88 ,etras finaes do Premio dc
400 s duas letras finaes do premio de
:::::
200:0005000
40:000000
2O:0p0000
10:0005000
Tambem slo premiados todos os nmeros das centonas dos quatro primeiros
!mAm destes, tem esta loteria grande quantidade de outros premios de bastante
importancia. E' tambem esta a nica loteria que garante quem comprar 100 nme-
ros de terminales Jiffrrentes 32 1/2 % indeperidente dos premios avallados que
possam sabir na extraccao. J____
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SEM DESCONT
A's extraccSes sao feitos em edificio publico e sob mais severa fis^alisacao por
parte das autoridades.
Os bilhetes acbamso venda na agencia e omtodas as c ., un dantos, Sao
Paulo, Campias, Rio Grande, babia, Cear, MarMh&K Pa as e ea Per-
nambco ua Nova n. 40 CASA DO OUEO.~ |^R|
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto 23R^ t Iruguayana23
. e GRAGEAS doutor VIVIElt
Extracto natural do Figado de Sacalhao
PREMIADO COM MEDALHAS DE OBO E PRATA
pela Ja.csud.onaia ITacioiaal
Ordenados nos Hospitaes de Franpa, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
grandes <
rSsi^Bu1r?,Si^u^
TOfinri a experiencia tem confirmado o bom cxfto d-este producto.
vsvmaT em duas cores ao redor do garglo de cada
^i Fabricantes.
PARS BO, Boitlrrard tfe Strasbourg, SO PARS
Exigir a Arma do inventor _
garrafa com o Sello d* UniSo dos Fabricantes.
A' Florida
Ra Duque de t asas u IOS
Chama- te a uttencSo das Exmas. familias par'
08 prtcos seguintes :
uvaa dc seda preta a lafOOO o par.
Ciatos a 1/000.
Lavas de pellica por 2/500.
Lnvas de seda cor granada a 2/, 2/500 e 3/
o par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuus de 1/500, 2/, 3/, af 8/.
Ramea de flores finas a 1/500.
Lavas de Eacossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1/ o par.
Porta-retrato a 500 rs., 1/, 1/500 e 2/.
Peutes de nikel a 600 rs., TOO a 800 ra. um.
Anquinfaas de 1/560, 2/, 2/500 e 3/ nma,
Pliaaa de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 ra.
Eapartilbo Boa Figura a 4/500.
dem La Figurine a 5/000.
Pentea para coco com insenpeuo.
- Babadores com pintara e inscripces a 200 ra.
Encbovaes para batizados a 8, 9, e 12/000
1 eaixa de papel c 100 envelopes por 800 ris
Capella e veus para noivas
Suspensorios americanos a 2/500
La para bordar a 2/600 a libra
Mo de papel de cores a 200 ris
Mojos para crochet a .$000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largara a 3/000, 4/000 e 5/000 a peca
Para a quiircsia
Galao de vidrilho metro 1/.
Franjas de vedrilho al/,
Lavas prelas de seda e Escocia.
Franjas e galoes fines a 2/500, 3/e 4/ o metr
Jara o carnaval.
Lindas mascaras.
. Bicnagas de p de arroz,
dem dem de ouro.
dem perfumadas. -
Lindas franjas de seda de cores com frocos pa-
ra enfeitar vestuarios de mas caras a 1/ e 500 ra.
o metro, fazenda que j euston o metro.
BARBOSA b SANTOS
Tainlias
Vende-se tainhas
de superior qualidade,
em quartolas e em bar-
r s, mais barato do que
e m outra qualquer
parte; na ra de Pe-
dro Alfonso n. 1!.
Turbina
Superior assucar e turbina, especial para
doce. KffioacSo Salgueiral; 445 numero tele-
phonico. Ra M&rcilio Dias n. 22.
Cabriolets
Vende-se cus cabriolets, sendo nm deseoberto
I e outro coberto, em perfeito eBtado, para osa ou
I don's cavsllw; tratar ra Dnqae de Caxias
I o. 47.
fmmm'PWa&*


mmm

8
fimrio de rcruimbueoTerfa-leira 1 de Feverciro de 1




m
WTRATb
Horneas de torea ,
(Conclusao)
A multidao fas Ibes roda, acotovelando-
ee una aos outros no empenho do qttal ha-de
ojogo de mais perto ; e apptaude, accla
ma, enthusiasraa-se, cbcga a parecer que
para aquelle caso que repicara os siaos,
e estallara os fogueles O jogo quasi sero-
pre acaba ao serio, influero se da nxa os
curiosos; e, um s hornero, dnfeodc-se
pao, de quatro ou cinco, e parte-lhos a
todos, era quanto o ajo vai deitando a loa.
A bordo da uro dos nossos navios de
guerra, uro batalbBo naval, que ia buscar
o rancho para o destacamento, pediu de
HMfsdcs, "jomadas, trazer ao castello as
tropas, contra o vlete de espadas.
Os dous fidalgos gastavam s maoa lar-
cas seu3 thesouros, para ver se conquista-
vara a forraos* dama de Ouros. O pai
desta era um tyranno, cercado de ulicos,
e lhe dera, s deshumano por noivo o
conde do Paus.
Era o conde, alm de tolo, rouito corcun-
da e zanaga?... Vejara l que desconso-
l! que triare sorte oziaga a desea dama mande.. Pois nlo ? Entilo bavemos de
Sl/ra risadas, sonhava ser, o tratante I
o propro con le de Espidas I
Assim sonhava a enanca com sen cas-
tello. do cartas, eroquanto o pai na espe-
ranca das grandes ideas fartas de sonhos
na lotera, com a raamli se entretendo, por
sua vez, disco-rendo, oa scus casteilos fa
zia :
Quera sabe se a soro grande n'este
bilhete nao temos ? E' crivel que Deus a
ma vez, vendo all um pipo, se lhe da-
varo urna pinga de vinho. Reeponderam-lhe
por mofa, sabendo que era eifcrcado e so-
lido: .
Aqu est a quartola !
Entao 1
E entao, 6 beber d'ahi !
Elle levantou-a pelos dentes, aguentou a
no ar, tirou lhe o batoquo. e bebeu.
Ha muitos annos na feira d'Evora, dous
imSos tiveram urna altercacao com um fci-
rante por causa de urna melancia : Quan-
to custa a melancia? Nao se vende
__Porque no vende voi a melancia t
Porque nao quero. Travou-se a lueta ;
acudiram os das barracas prximas, met-
teu-se o povo na contonda houve pancada-
ria brava, e os dous irmaoa varreram a
fei-
Joao Anastasio da Motta, de Azeitao,
montava a cavalb, deitava a mao a urna
argola chumbada na parode, raandava fus
tigar o cavallo, que se agitava para partir,
e permaneca firmo com elle entre os joe-
lhos.
Quando o capitao-rar de Faro era ra-
pazito, de quatorze, quinze annos, succe-
dia as vezes pedir a sua raiie para o levar
comsigo quando sahia de sega; se casa
senhora lho dizia que nao, o heroesinho ia
para traz da sege o agarrava o estribo.
Batia o boloeiro as bestas e as beatas nao
andavam. Diziaui entilo da janella as cria
das, rindo:
Olhe, icinhasenhora, o minino que
est a puxar para traz!
Havia aqui um soldada, pa*mo do su
regiment, hornera nervudo <; audaz, que
tinha por costura'-. quando o cavallo am-
birrBva em nao se tirar de um sitio, met
ter lhe o braco por baixo e polo onde
queira.
Homens, qu3, por igual, (dos que mu
lembram) priraavam em robustez e em v-
ror, toi ura certo alraocrevo Felippe do
Outeiro, que e.a Turres Vcdras, no tem
po da Mara da Fonte, agarrai o corre-o,
o a quero, ao qne se conta, o marechalcleu
um anno de direitoa livres; e um tal CeD-
teio, maioral do Sr. Joao de Souza Falcan,
de Alpiarca, que pegava no rabo do ato
toiro com urna s miio o atreva se a sus-
tel o. ..
Julio Cesar Machado
Castello de cartas
A PASSOS GUIMARAES
Era um pequeo un traquinas, um de-
monnho, uoi arteiro Nom as ir mas pe-
queninas po liara com tal bregoiro O
pai, n'ura dia de enfado, para evitar-lhe as
proeza*, den lhe um biralho doirado, de
finas cartas frncp*3.
que alegra
qne via certeiras sett&s laucadas ao cora-
giio que batia pelo vlete de Espadas I
Um genio do grande fama, o genio Dun-
ga de Paus, querendo amparar a dama,
subi do throno os degrm, assim fallou
ao rei de Ouros :
Como queris, Magestade, perder to
grandes thesoafOs, quando tendea, na ver-
dade, tartana em vossa mSo ? I... Apro-
veitae voasa sorfe Nao percaes oc-asiSo I
Dao a filha por consorte aquello dos tres
amantes que os outros vencer, vo3 dando
a posse, dominio e mando dos scus reinos
deslumbrante!
Oora o rei que era usurario, e que de-
sejava encher o ssu desfalcado erario, sem
se arriscar a perder (quo nisso era dos
mais cantos) achando o plano excellento,
mandou por um dos arautos publcalo
incontinenti.
guerra, defen-
Arraarara sa os tres em
dendo a dama e o lar 1...
Corra o sangue na trra, como corre a
agua no mar 1...
O joven conde do Espadas cubriu-se de
eterna gloria, apoz tres horas passadas na
batalha em que a victoria por elle se de-
clarara coatra o vale*c de Paus, a quera o
ocano tragara com todas as suas naus.
Do reino tomando conta em nome da
sua amada, o joven con le se aprompta pa-
ra a segunda cruzada. Vai bater se pela
dama, como faz ura paladino... Alenta-o
a divina flamma do seu amor peregrino !
Mas, ah !... Vencidas as tropas a ga-
nha a grande batalha pelo velho rei de
Copas, debalde o conde trabalha para nao
ser v, .timado, como preza, no festejo do
son rival amparado por ura genio raalfa-
sejo !..
Debalde, nao No castello encontra o
infeliz amanto o Dunga de Paus qu", ao
vel o, lho diz com voz retumbante :
- Infeliz conde de Espadas, teu cora-
gao reanima 1 O rei, a marchas torgadas,
ip castello se approxiraa... O mau ganio
que protege ha de eer por mim vencido I
Saloman, que os genirs rege, ouvio teu
fundo gemido, o quer cobrir te de gloria.
L?va esta espada eoratigo, e ganhars a
victoria contra o teu fero inimigo! O
a-aropomonto das tropas dess3 rei quo
teu fligello, dessa berrendo Tei de Copas
que vero sitiar o castello, ataca com todo
o ardor, confiado nosta espada, e ganha
ras vencedor, teu premio a amanto ado
rada !
O jown conde pasaando do desanimo
alfgria, fi^ou aa oso esperando o momen-
to em quo devia, cora sua espada sraente,
derrotar todas as tropas do na rival inso
lent, desse velho rei de Copas.
Q.i victoria esplendorosa Que espen
doroi carapacha-'. A nova correu faustosa
daqaelia enorme facaona I O conde, s,
derrora todo exereito quefoge... A
aventara foi tao rsra, tao singular, que
ainia hoje a relembram-n'aseus vindouras!
T' nio do caso noticia, enthusiasmado o
r?i de Ourcs nisse filha :
passar teropo folgado!... Tereraos cha-
cara logo, no bairro mais freqnentado. ..
por exemplo, em BotafogoJ... Daremos
nossas partidas s quintas-feiras, quo di-
Mi 1 Terei as honras devidas aos milio-
narios felizes !.. Lerei o meu panegy-
iieo cm todos esses jornaesl... Fro
quentaremos o Lyrico, Cassino, bailes...
e o masl... Tu ters ricos brilhantcs,
bellos vestidos de seda... o veremos,
trumphantee, quo n.To ha quera nos exce-
da I... Dexarei de ser jarreta, vers I...
E ata, por eignal, que Be rae der urna ve-
neta, serei visconde tal 1... Visconde
ou mesmo bar3o... o ter um crach
no peito t... Palavra I que figurao Deve
ser do grande effeto I... Pois est dito!
Entraremos para a classe da nobreza / E
quera sabe se seremos, eumarquez, c
tumarquei?! E' bem possivel que um
dia... tudo no mundo possivel 1 cresga
a nossa fidalgua at ebegarmos ao ni^el
do sangue mais azulado da mais afamada
alteza 1 Est dito 1 Est tratado !...
Entrramos para a nobreza !
Mas n'isto batem.
Quem ?
Pergunta e corre
porta...
Entao v que
que lho vender o bilhete.
Que numero tero, senhor ?
Tres mil e cincoenta e sete.
Nao ha desgraga maior Quo cai-
porismo ccete.'... Diz o.esperto bilhei-
teiro.
Quer dizer que o mea slbete ?...
S tem... o mosroo dinheiro I
Ao mesmo tempo a crianga, feliz- no so-
nho siogelo, tanto se agita e balnga ...
que derruba o seu castello !
E os dous agora suspirara por sonbos e
ideas fartas das illusoes, que oahiram...
como casteilos de cartas.
SOARES DE SOUZA JfJNIOR.
Ah I querera entao que Ihes- ponha
bora o carneirinho ? Pois vSo para casa..;
dcixem-no ficar... e l mandarei sao como
um pero.
IV
Efectivamente, dous das depois, o ve-
terinario levava lhes o carnero, completa-
mente restabelecido. Dava-lhe o movimaa-
to :i cabera, e elle fazia m, m, como
d'antes.
Nem Rosinha ncm Marielta perceberara
que o carneirinho era outro.
Chatchit.
debalde intenta. -Saceesavas gargalhadas
Sonor Mattha despeda ; desorictada, di-
zia mil rousas desencontradas...
E pela raedonha brecha passou a linda
cabeja... depois o corpo...
A abbadessa rpida cahio qual frecha.
Trinta annos ti.iha a suicida ; dividira-
lh'os a serte quinze na raorte sem raorte
quinze na vida sem vida.
A. A.
VARIEDADES
ligero a abrir a
o mesmo bilhetero
Sror Hartha
Ub que perfeito, cb que divino
oh que ditoso modo de amar !
P. Antohio Vibiea -SermSo de
Santa Thereza
Em trajos de ceremonia, Musa, sobe
ao Parnazo, pois eu vou contar um caso
dos terapos da colonia.
Havia, em certa cidade, um raosteiro-ci-
tadella, fundado sob a tutela da Senhora
da Piedade. Era urna casa sombra, sem
regras do architectura, mais negra que a
noite escura, de noite como de dia. Os
muros, tristes e altos, tinham dez palmos
de largos, e punbara fortes embargos a sa-
crilegos assaltos.
To rigorosas a espessura nzlo tomara
por lisonja nenhuma paluda monja da te-
nebrosa clausura. Pois, consoante noticia
do povo, que nao se illude, s respirava
virtude lao santa e nobre milicia.
At boatos correram do que monjas da
Piedade com chairo de santidade as almas
ao co renderam I
Velha tradgao transporta que, p.rfei-
tinha e rosada, fra urna freir encontrada
Nchlller
Entre -os vultos mais importantes do
orbe litterario, entra os espiritos cultos,
que Ilustrara a Allomanha a patria de
. Haeekel, figura o nome de Joito
ChistovSo Frederico Schiller.
Vamos tratar, anda que resumidamen-
te, da sua biographia.
Nasceu Jlo Schiller a 11 de Novem-
bro de 1759, em Marbach, pequea cida-
de do Wurtemberg.
Na collina em que se eleva hoje esta
ridente cidade, diz urna tradiccao popular,
s se av&tava ou distingua urna immensa
floresta, que era habitada por um gigante,
por urna divindado viva do paganismo
Marte ou Baccho.
Era tambem um gigante, um gigante
da poesa, que acabava de nascer nesse
lugar consagrad^ j pelas crengas supers-
ticiosas do povo dizia um grande alle-
mao.
O pai de Schiller chatnava sa JoSo Gas-
par Schiller, que entrara com 22 annos
n'um regiment do hussards, como cirur-
giao-barbeiro, onde tornou-se saliente, gra-
gas ao seu talento productor, seu compor-
tamento exemplar e activdade.
Du Cirurgiao o Gaspar passara a jardi-
se trans-
.neiro. Depois succedeu que elle
seis annos depois de morta. Ser o cor- forma88e em literato. Assim, foi o pobre
po tao casto daquella freir benigna que|art8ta um paro| do virtudes.
Elle cririquceu anda mais a litteratura
com as seguales obras, qjia reunidas s
outras, immortalisaram n'o* .- A Alegra,
a Historia das prindpaes rQfiatnqZea e con-
juracjSes da idacte media e dos tempos mo-
dernos, a Historia das revolucdes- b$s Pai-
zes Baixos.
Traduzio l'phigeiiie de Euripede e os
Phenic'or
Mais tarde, porcm, escreveu i.Noiva de
Messina.
Estudava com ardor a phlosopha de
Kant e a historia ; escrovia artigos para a
Qazeta Litterarh, para Thalia e a His-
toria da Querr de trinta annos.
AAllemanhao ncleo da sciencia
que lia com cnthusiasmo os seus bellos es-
criptos, esqueceu o seu filho dilecto, quan-
do a morbidez o prostrou a urna cama.
Contava um grande numero de amigos,
entre os quaes um avoreceu-o, dando-lhe
urna pensao de 1,000 escudos.
Nao foi a nica vez, observa X. Mar-
mier, que a Allemanha se mostrou assim
ingrata para com seus filhos.
' assim quo, em 1791 cabindo grave-
mente doento, foi compellido a abandonar
os livros e retirar se para um lugar, cujas
condig3cs climatolgicas lhe ofFerecess9m
mais vuntagem no sentido do restabeleci-
mento de sua saude. Quando voltou
lena, publicou as Horas (Die Horeu) e em
1795 um Altnanach das Musas.
Em Conclusao, offereceu o grande poeta
litteratura em geral as obras intitula-
das : Mara Stuart, Joanna d'rc, Oui-
Iherme Tell e o Theatro.
Para elle a poesa nao foi mais do que
que urna amisade entbusiasta ou um
amor platnico para urna creatura da nos-
8a imaginario. >
A maior clevagao do poeta, diz anda
elle, pequea, comparada ao pansamen-
to de viver feliz.
Recife, 29 da Janeiro do 1837.
N. C.
a trra sentir se indigna de fazer dclle o
seu pasto ?
Essa reclusa divina, que ninguem hoje
conhece, no meu cont reapparece, do
meu cont herona.
II
Em noite de fro e vento (j meia noite
sora) a-Virgem Santa olvidara o seu pie-
doso convento...
Bramio rude tampastade, rao horrendo
muro escuro do
O veterinario
I
Adoeae o cao do to Lucas, um lavrador fjz ura furo no pujante
honrado, que tem duas filhinhas lindas I mosteiro da Piedado
como os amores : Rosinha e Marietta.
O to Lucas manda chamar o veterna
rio/ e as pequeas ficara rauito admiradas.
Pois tambem ha raedizos para o
caes ? pergunta Rosinha, a mais velha.
Pois nao, minha filha, respondo o to jas ao peso
Lucas; os animaes tm tanto direito !
vida como nos.
Dos catres saltaram toda3 as monjas es-
pavoridas ; dellas do modo transidas, del-
las de horror quaoi doudas 1
Rezaram no coro accesso at despontar
o da ; o soalhado pareca vergar das mon-
III
Propicia sore, princesa, te aguarda
1. -{j> Quanto prazer! que alegra aa te?E '. te^l *i&*0^
Foi um succjbso Conservou-so trfo o dia
socegadinho e 'rovesso
Para gozar sera eanseira aquella gritode j
ventura, sentou-se n'uraa cadeira, juato
:sa da costura da mam cora qmm Ll,fc^M, n% mais
o up"l M*' *- "SS'm se ifz.
Uva, n'aqnelle dtoso inttante, o nspel qW
lhe centava um" grande plano brilhwrte-
Pzsa o menino fazeivio o1 seu castefe..
de cartas, eroquanto o paiiB. erobeb?d*n
do as grandes ideas f*rtM4%*^<>* na
lotera, por sua vez, dis i -a !c, os *?us
casteilos fazia.
O pequeo adormocu, deixando o cai|
tello erguido, e aonhou...
No sonho seu, ouvio um grande alari
do... Era o velho re de C"pas que vinha,
FOLHETIK
ulrSorprza4fczr Ib** smii^oaiiento : -
A#ai*t<2.-h!e prompta, pricez^a- o fe-
V*, pelo quai bem sei que anhe
a^vei ii'*8sa..- alegra*!
II
Acontoceu que d'alli a quinzo dias, ten-
do ido cidade o padrnho da Marietta, a
pequeoita mais nova, trouxe lhe um err-
neirnho rauito interessante. Era de pao,
mas pareca vivo. Dava-lhe um movimento
cabeca, e elle fazia m m.
Marietta, porm, tantas vezes quiz ouvir triste que <
o carneirinho fazer mi, m que acabou por
degolal o.
III
A pobjaequerrneha ficoa itroftaolavel. |
Rosinha'*TOB-lhe que guardasse os deetro-
Dos claustros a regra obriga, sera ser
justja avessa, quo seja eleita abbadessa
das freirs a mais antiga.
Sror Martha do Cerdeiro, hava rauito
professa, era coratudo, a abbadessa mais
nova que houve em mostairo. Des que
lhe morrera o novo, naquclla casa encer-
rou-se, mais doce que a pomba doce, mais
triste que o tristo govo. Dir-se-ha ter
olvidado de que era, ou que havia sido,
defunta sem ter raorrdo, viuva sera ter
casado,,
IV
*V'
oos para quo o tio Lucas nao of visse,
poderla zangarse-, e no dia seguinte,
tendo d ir buscar leite a um estabulo pr-
xima, ra mmmendou a irmansinha a acom
Emhsse, levando comsigo o poftre dego
da.
Em bella manha de Maio (curiosidade
funesta !) sobo a freir a larga fresta pra-
ticada pelo rao, ve,- l fra, enlagados
(par em verdado formoso I) um cavalhero
amoroso e a dama dos seus cuidados.
Sror Martha os olhos tapa ; abre-os de
Treme, encara, des-
novo : examina.
GoBjJuido, ests coaAorcio faustoso, foi
casal ccnluzip psra ocaateljp famoso, on-
de em festaso-esperavadtrreini o povo em
Miri\ tS.UTi "para os mi ros centava crear
^^nwtS T^-:^o:Z:Z d7JZZZr&i% \ "Jl^ annos havia annos do inte^
, e acabou de expor-lhe, com muito raedo, o cavalleiro n3o va.
gravo metivo quo as levara alli, dissipou-
so o uoo humor do bora velhote.
Afarietta obedeceu, e, uraa vez fra de I atina.. Um grito d alma lhe eecapa I
casa, as duas pequeas deitaram correr A triste reconhecera no fadalgo, qoe
para a casa do veterinario. ^passara, o seu noiyo que julgara, roorto que
Este oue era um velho rabugento e sur-(nunca esquocera !
do por UTn.bom
a-ior.ido vi ter
.......: lita.
r^l
O ouoi
ai'iii'>reanfe
o mcni-
4Ra
jvS*?, seguj.-
)arbaramente e pelas
murmurou o Sr de
'0 0OE0WDA

rsa
POl

!5
La Va^uyn.
. Era urna emboscada, accresccntou
La Fccj
A.impressilo tao violenta a sua razao
rqesquinha, magnetizada doninha, resistir
Nenhura indicio, nenhuma pro va Por von-
tade ou nao oi preciso entregar ao tompo,
isfo Deus, o cuidado de entregar o
culpado.
Peyrolles s tinha um desejo; affastar-3C
MeXukraw, so nao rae engao, disse oara ir prevenir Gonzaga. Ficava, entro
tanto, para taber at onde o Corcunda le-
vara a sua audacia na traigao. Pcyrolles,
vendo voltar tona d'agua a r.cordagao
da noite de 24 de novembro, senta um
pouco a sensagao de um horoem a quem
estrangulara. O Corcunda tinha razio :
QRTA PAlfT
(Cv'iitinur.gio di
IV
necoritace* a ye* fialH!c".<*
Fallo com aquellos que to cabell:
brancos, repetio" elle. Comsigo, Sr. de 1*
o Sr. Roban-C!;a^t, ao Sr. jnarquea .=
Caylus-TarrHee, pai da Sra. princoz* de
Gonaaga. Entre. #
Meu pai ialiou-me d'isso mais de
urna vpjb, disse Nayailles.
-.Meo pai^raliaiigo do fallecido du-
"ever/, diis'9 Chaverny.
i-tiva' encolhit^e.
r*-itin^pu ena'voa baixa e
*k> coba
^U
i te, p'ias cos-
fcacatta.*.rindo isto ver
sa eharaava Cay-
^- .
ns* j; a nava entao ? pergunta-
ods os laifofl.
ia do hoioOa-'ulo vestido de pre-
j era responier. /
Pmibj>."coiii um tom de gracejo e
Quando'a morte essa justica suprema
da Providencia no dizer de Shakespea
re, roubou-lhe a vida, elle Iegava poste-
rdade o seu exemplo e o seu nomo im-
mortal.
A mai do Schiller tinha o nome de Eli-
sabeth Kodweis ; era, diz um bographo de
Schiller, uraa raulher araavel, prasenter^,
o pela sereaidade de sau espirito e doy ura
de Bas maneiras impuoha-se ao respeito.
Muito moga ainda, ella manifestava
urna certa tendencia para a poesia e m-
sica, ondo colheu louros.
De feito, no anniversaro de seu casa-
mento, a mu do feliz autor da a Noiva de
Messina dirigi alguna versos a seu ma-
rido, nos quaea aprecava-se a creagSo da
estrophe e a harmona do rythmo.
Itfti guia va o seu filho pela avenida
da poesia; filhotomiva se enthusia?ta
por ella.
Frederico Sahiller assstio pela primeira
vez em Louisbourg a urna representagao
theatral.
Tulo causou-lhe tanto gosto e tal im-
prescao no seu espirito, que o joven poeta
postergoa os divertimentos para edificar
um theatro cm que fazia, como Goelli;
(diz Marmier) mover boneaos.
Alguma8 vezes, procurando um assurap-
to de pega dramtica, dizia elle rindo-
e : a quo dara sua ultima casaca e sua
ultima camisa para oucotral o.
O investigador dramaturgo trabalbou
muito, at que afinal vio rasgaren se as
nuvens de obstculos.
Escreveu um drama intitulado O Es-
tudante de Nassau, urna ode chamada A
tardeles Brigands -drama em 5 actos -
a Antologa 'poltica, que foi publicada em
1872 e a ConiuracSo de Fiesque.
O grande Meier, encantado pela belle-
za desta ultima obra, exclaroou : que um exccllente drama e melhor es-
cripto do que les Brigands. o
Era Francfort produzio o poati o Amor
e a Intriga.
A fecundidado invejavol de F. Schiller
nao fiaou ah ; foi mais adianto.
As lettras em Franca
Os crticos francezes estao fazendo o balanco do
que produzio a litteratura do paiz durante o anno
que acaba de correr.
Nao se mostrara satisfeitos os crticos.
O tlieatr), o genero litterario em que a Franca
tem a supremaca hoje, na produzio nada de no-
tavel em 1886 ; nenhum dos dramaturgos celebres
escreveu nada, apenas Victoriano Sardoes, que
deu acea o Cracodrilo, e todos os autores c-
micos tem estado in allns com excepcio do Mei-
lhac, que co.n Les demoiselles Clocliard e com GoUs
alcancou dous xitos nao mais que mediocres.
A poesia tem estado dormitando. Oa annaes
litterarios de 1886 nao regstram poema notavel
excepto la Mer do Joao Iiichepa. Os historiado-
res tem estado mudos e o silencio que mais la-
mentam os amantes das lettras francezas o de
Tainc.
tSm troca o romaneo tem estado como nunca
choio de vida.
Dos romances Un crime d'amour e Pecheux
d'Islande e o drama do Renn L'bbesse de Jou-
arre teca sido os Hvro3 mais gibados do anno.
Alm destes Emilio Zjla escreveu L'ocuevre ;
Octavio Penillet, La mort; Jorge Ohnet, Les da-
mes de Croix-Mort ; Alberto Detpit, Mademoiselle
deBressier ; Emilio Prouvillon, Jean et Jeanne ;
Ludovico Halevy, Prncesse; Guy de Maapassant,
LaPetite Roque; Jeau Richepio, Braves geni;
Hctor lUlot,Zytee Baccara; Octavio Mirabeau,
Calvarte; Catule Meados, Zothar e Mario Uchard,
Joconde Berthkr.
Com isto tem os leitores o resumo bastante
completo do bom que produzio a Franja, litteral-
mente fallando, em o anno de 1886.
O do 1857 comeca debaixo dos auspicios de
dous symptomas dignos de nota, que sao a appa-
ricao dos primeiros assomos do decadencia na es-
cola naturalista e o albor do imperio de ama nova
escola, a escola dos romancistas r"ssos.
memoria ; na efirte, os
sao vinte vezea
Ilunandaye, que e
Fiandres debaixo Qn seis
0.hornero de quera fall" na agora deitado ao
ps de trra, so
tivessa aberto
o crneo do cijano quo o tinha debaixo do
joellio.
O vel! bario fiaou de boeca aborta e
tilo profun K.nieT.tr commovido, qv. a pa-
lavra lhe falt>u.
- Comsigo, Sr. de Marillac, cuja filha
tomou o veo por causa delle ; comsigo, Sr.
ciuqu-> ">"
urna gra'lo de ferro, por cansa dolie, aaa
janelbis o Mil-;. Feron, tuaaoante ; co:n-
igo, Sr. dnqoe do La Fet, quo pOfdeu
una n-jil-.- o seu cbcIo dn S-nneWre, j >-
io cora elle ; comsigo, Sr. de Vau
n, cujo boabra nao p u 'i**'
oo aquella bella estocada. .
Nnvia pxcI marvo rite vozes n
uro t eiipp> de Nevera !
O C>rcundi descobrio bj e pronuncios
Icntamecto : \
Felippe do fijrrane, duque co Ne
vrrs, assassinado nos muros do uastelio de
Ins-Tarrids, a 2i do N>vemb'r> de
7.
Na
;.nm
cou
iTfanTe uraa s.-raana. a semana se-
guinte, f-Ho-s: uai pouco meno. No
Sm do mez, aquell-s que pronunci vam
anda o uome do Nevera, pireciam que
cbeg-iva-n de Pontoie ..
, Su i Alt -z! Real, nte'rrompeu aqu >
Sr. de Robos, fe* tudo quanto era possi-
/e!.
Sira, .ia>, i-. Sua Alt-za Real era
um <..s tr.s Fe! pp-s. Sua Alteza R-^i
quiz vlngar o su melho amigo. Mas o
ai.-i'.. ? U casi .i:.- !' Caylus no fiui do
mundo. A ii 'lo 24 novembro guar
dou o ?n B'-gr'"o. Escoeado dizer que
o -r. princip-- do interro'u.peu-?e o bsmuneula vertido de
pret- UMi digno scrvioVrdoSr. de Gonzaga
que s alnurjiva o Sr. de Peyrollea t
Oriol e Noce i-in-gar-iri se um para o ou
r- pira -ios-i-brir o facttum um pouco
cescjccrtaco.
- U acrecentar, coatinaon o Corcun-
da j escuaado c dz-r que oSr. principa de
G->:zga, que era igualmente ara dos tres
Fcllippes, dvia revolver co o Urra para
vingar o s/u amigo. Mas tado foi iuutil.
a corte n5o tem
mortos de vinte annos,
esquecidos. Mas havia aqui urna circums-
tancia toda excepcional : o raorto fazia parte
de ura1 especie de trindade da qual doia
membroa estavam vivos : Felippo d'Orle-
ans o Felippe de Gonzaga.
O que tacto, que teriam dito o ver
o interesse despertado em tjdas as physio-
nomiaB, que se tratava de um assassinato
commettido hontem.
Se a intencSo do Corounda tinh sido
resuscitar a emogao daquelle drama myata>
rioso e remoto fiz?ra um successo com-
pleto.
Eh I tEhl disse ello, lnguido em
torno de si um olbar rpido e penetrante ;
e entreg r-se ao co, o peior expediente.
Sei entretanto de pessoas prudentes que
nao desdenham absolutamente drste supre-
mo recurso. E francamente, roeus senho-
res, poderiam eacolber muito peior ; o co
tam ainda melhores olhos que os da poli-
ca ; o co paciente, tera o tempo. De-
mora se alguraas vezes, passam se dias,
mezes, annos, mas quando chega a hora....
Parou.
Sua voz vibrava Burdamente. A im
presslo produzida por ello era tJo viva o
to forie que todos a s )flPriam, como se a
ameaga implcita, envolvida om sua pala-
vra penetrante, tivease sido dirigida contra
tolos ao mesmo tempo.
S havia um culpado, um subalterno,
um instrumento. Todos oa outros tremiam.
O exercito flfeigoado do Gonzaga, inteira-
mento composto de pessoas muito jovens
para poder ser auspeito, agtava-se sob o
peso do nao sei quo cmpreasSo dolorosa
Sentiriaro quo cada dia passado jperta-
va mais a cadeia royateriosa quo oa ligava
ao amo ? Adivinhariam que a ^espada de
DamocloB ia cahir suspensa por um fio, so-
bre a cabega do proprio Gonzaga ?
Nao sabemos. Aquelles.iustiuetos se dis-
cuten).
Tinham medo.
Quando chegar a hora, continuou o
Corcunda, o elU vera scropre, cedo ou tar-
de, um hornera, um menaagero do tmulo,
um phantasma sabe da ter-a, porque Deus
o qtter. Esso hornera cumpre, roo grado
seu, alguma vez a sua roissSo fatal. Se
forte, so fraco, so o seu brago como o
meu e no pie com o peso da clav.', es-
guera-ae, arrasta-se e vai... at que che-
ga a colloca a sua humilde bo:ca ao nivel
da orelba dos poderosos, o em voz baixa
ou alta, na hora dada, o vingador admira-
do ouve cahir das nuvens o nomo do as-
sassino.
Houve um grande e solemne silensio.
Quo nome ? perguntou o Sr. de Ro-
han-Cbabot.
Conhecerool-o ? perguntaram Cha-
verny e Navailles.
O Corcunda pareca soffrer a excitagao
da sua propria palavra,
Foi com voz entrecortada que proso-
guio :
_ Se o conhocem ? que importa I quem
sao .os suhores ? o que polem faz^r ?
Pronunciado o nome do assassino assus-
tavam-so como coro o estampido do trovao.
Mas l em cima, no primeiro degro do
throno, es' sentado um hornero. Ain',a
ha pouco, n voz cahio das nuvens : Al
teza 1 nest mutidito durada est o as
sassino e o vingador abri os olhos, olhan-
do para a multidao que passava por baixo
das suas janellas. a Alteza 1 hontem, sua
mesa, na sua mesa amsnha, o assassino
sentava-e o sentar-se-ha o o vingado pas-
sava pela memoria a lista dos seus c vas. Alteza 1 todos os dias, pela manb.a
e not^, o assassino rstende-lhe a mSo
ons3guentada l o o viogador levantase
diz?ndo :
Por Deus, vivo, justiga ser teita.i
Viraui urna cousa singular : todos aqul-
Ui quo eatavain alli. os mais fidalgos e os
mais nobres, langaram uns aos outro olba-
res de dteconfianga.
-2-Eis, inisus senhora, accrescentou o
Corcunda, com um tora" rapi io o seceo, a
ra5^ por que o rente do Franga et
apprehensvo esta noite, e eis ah por quo
a guarda do palacio foi reforjada.
Cumprimentou e pareceu que ia sabir.
Esso nome I exclamou Chaverny.
Esse famoso nome, disse Oriol
__ Nao vm, quiz dizer Peyrolles, que
o imprudente tru&j graceja com os senho-
rjs ?
O Corcunda tinha parado na solera do
pavilho.
Assestou a luneta para o seu auditorio.
Depois voltou rindo se seecaraente. >
Ola I disse elle, nao ousam approx-
mar so mais uns dos outros ; todos julgaro
quo o seu visnho o assassino. Tocante
efFeito da estima mutua l... Meus senho-
res, os terapos estSo muito mudados, j
nao ha moda. Nos nossos das, nao se ma-
ta mais eom aquellas armas brutaes do an-
tigo reginen : a pistola ou a espada. As
nossas; armas estilo as nossas carteiras ;
para matar um hornera, basta despejar lhe
o bolso. Eh I eh eh Gragas a Deus !
Os assassinos silo raros na corte do regen-
te 1 Nao se affasfcm assim uns dos outros,
o assassino nao est abi Eh eh I eh I
interrompeu elle voltando as costas aos ve-
lhcs ti talgos paja dirigirse nicamente ao
grupo de Gonzaga, eatao agora cora una
cara de palmo e raeio T Tm remoraos ?
Que rom qua os alfgre um p3ucn ? Vejara I
eis abi o tr. do Peyrolles qua foge ; per-
de muito. Sabera pura onde vai o Sr. de
Peyrolles i
Este desapparecia j por dtraz dos
rasssigos do flores, na direegao do pala-
cio.
Chaverny tocou no brago do Cor.unda.
O regente sabe o nomo ? perguntou
elle.
Eh! Sr. marquez, replicou o homn-
culo vestido do pr.'to, nao se filia nisso,
divortimo-nos. O meu phautasma est d*
bora bu or, vio perfita tiento que o trgi-
co n.lo moda aqui ; passa para a come-
dia. E com sabo tudo o diaba do phan
tasms, aa cousas tanto do presente como
do passado, veio festa ; eh eh eh 1
ajui, o&mprehendrt bem, ello osper S. Al-
teza Real para mostrar lhe cora o dedo...
E o dedo apontava para o espago.
Com o dedo, comprohende! com o
dedo, as raaos habis, depois ns mos en-
sanguentadas ; prenso livrar se a gente,
rioao-se, do vonono ou do puntal, Com o
xS
1

\
r


f
dedo, meus senhores, os fidalgos quo fazem
saltar a banca nesta vasta mesa de Uns-
quenet onde o Sr. Law tem a honra de fa-
zer a banca.
Descobrio-so devotamente ao nome de
Law o pro3egiiio :
Com o dedo, patoteiros do dados, os
cavalheiros do agio, os esoimoteadores da
ra Quncerapoix. O Sr. regente bom
principe e o preeonceito nao o tolhe. Mas
nao sabe tudo, e se soubesso tudo, teria
urna grande vergonha !
Um movimento levantou-se entre os jo-
gadores.
O Sr. de Rohan disse :
E' urna verdade.
- Bravo applaulirara o bario de la
Hunandaye e o barao di Barbancbois.
. Nao verdade, roeus senhores? re-
plicou o Corcunda ; a verdade diz se sera-
pre a rir. Estes mogos tm vontado de
rao langar fra d'aqui, mas detim-se pelo
respeito das vossas idades. Refiro-me aos
Sfrs. do Chaverny, Oriol, Taranne e ou-
Cbavcrny pegou no brago do Navailles.
- Que se ha de fazer este patita ?
disse elle ; vamo nos erobora.
Os velhos riara-si cora vontade. Os nos-
sos ^adores rotiraram-se uns aps ou-.
tros.
O Corcunda j nao tinha ouvmtes.
Tirou do bolso um pergaminhi sellado
com as armas d ciri o sentou-se para o
ler mesa do jogo, agora vasia. O per-
gaminho comegava por estas paiavras :
Luiz, por graga do Oeus, rei do Fraaga e
do Navarra, etc. No fioi e3tava a assig-
natura de Luiz, duque do Orlen?, rogan-
te, o as assiguatura? d) secretirio de Es-
ta .lo Liblano o do Machaulb, tenento de
poli'ia.
- Est em regra! disso o Corcunda,
depois de o ter p.r.-orii.lo com o olhos :
pola primeir* vez ha vinte annos pj lomos
levantar a cnbegn, olhar de frente o attrar
o nos'o nom-j cara daquelles quo nos por-
seguero. Prometi que o havemos de fa-
zer.
(Continuar -se-ha
Typ do Diaria ra Duque de Ouxiaa n. 4
mhun







{

*?& .
3
*

^
/
<

I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWAITROPV_K2T9AO INGEST_TIME 2014-05-19T20:46:20Z PACKAGE AA00011611_19802
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES