Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19720

Full Text

ANNO LXVII
'DOMINGO 21 DE FEVEREIRO DE 1892
NUMERO 42
h
.i
DIARIO DE PERNAMBUCO
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGEIROA DE FARIA & FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantados.
Por Ires ditos vencidos. .
Por um anno a liantado .
dem idem vencido.
6&000
7&000
24&000
28&000
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PUBLICARES NA FRAN-
CA E INGLATERRA
OsSrs Amede, Prince & C, residentes em Pars34 ru de
Provence.
PARA OS LOGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por seis mezes adiantados.
Por seis ditos vencidos.
Por um anno adiantado.
dem idem vencido. .
13500
15H500
271000
31000
TELEGRAMAS
s:-;;: :::,:::::.:, so::::,::
RIO DE JANEIRO, 20 de Fevereiro, s
4 horas e 40 minutos da tarde.
Foi nomeadu chele de policia da Capital
Federal o Or. Agostinho Leite Vidal.
Foi nomeado director geral dos correios
o Dr. DemoatheneB da Silve'ra Lobo.
PARTE OFFICIAL
GoYerno
do Estado de
nambaco
Per-
IXPKDIENTE DO DA 12 DE JANEIRO DE 1891
Actos :
A ucti governativa do Estado usando da at-
tribnifo que Ibe confere os artigos 104 e 103 do
Re inlamento espedido pelo Decreto o. 9420, de
28 de Abril de 1883, resol ve nomear os Drs.
Constancio Pontnal, Antonio Bruna da Silva
Maia e Agostinho da Silva Leal, para examina
rem o escrivo dos (eitos da faznda do Estado,
major Luis Augusto Coelbo Cintra, que reque-
reu scccessor, a degencia de que trata o pre-
sente Jacto, ser presidido pelo miz de direito
dos tollos da fazenda Dr. AntoDio Domingos Pin-
to, com assistencia do 1.a promotor publico da
comarca d'esta capital Dr. Gervasio Fioravante
Pire3 Ferreira.Remetteu se |copia ao Dr. juiz
de direito d03 feitos da fazenda, ao 1.* promotor
publico e communicou se aos nomeados.
A junta governativa do Estado de accordo
com a proposta do Dr. questor policial resolve
nomear as seguiotes autoridades para a comarca
do Recire, em substitoicao das actuaes que ficam
exoneradas:
Subdelegado do districto do Arraal, Manoel
Silvestre Ferreira Bastos
1. Supplente, Leovigildo Samuel da Silva
Costa.
i." Supplente, Jos Joaquina do Reg Barros.
3." Supplente, Manoel Ferreira da Costa.
A junta governativa do Estado de confor-
midaie com a proposta do Dr. questor policial,
resolve nomear para o termo de Ipojuca as se
gaiates autoridades, em substituido das actuaes
que ficam exoneradas:
1. Supplente do delegado flManoel Felippe de
Souza Lefio.
2.' Supplente, Hermino Laurentino de An-
drade.
3.- Supplente, Manoel Olympio de Oliveira.
1.* districto de Ipojuca
Subdelegado, Joo Manoel Wanderley Lias.
1." Supplente, JoSo de Allemo Cvsoeiros.
2. Supplente, Felippe Manoel de Souza Leao.
3. Supplente, Tnomaz Cantuaria de Oliveira.
2. districto de Nossa Senhora do O'
2. Supplente do subdelegado, Antonio de Sou-
za Leo.
3. Supplente, Generino de Jess Pereira.
3. districto (S. Jos)
1." Supplente do subdelegado, JoSo Cavalcan-
te de A-aujo.
2 Supplente, Jos Francisco dos Anj03.
3." Supplente, Vicente da Cunha Souio-Maior.
A junta governativa do Estado de confor-
midad? ccm a proposta do Dr. questor policial
resolve nomear as seguinles autoridades para o
termo de Muribaca, em suoslituifio das actuaes
que Beato exoneradas.
!. Sapeante do delegado, o commissario te-
nente Tceodomiro Tbomaz Cavalcsnte Pessa.
2. Sapplente, Jos Augusto Carneiro Leo.
3.* Supplente, Joo Chrisostomo da Paz Por-
tella.
1. Supplente do subdeleeado do 1. districto,
Joaquim Irino das Cbagas Bezerra.
2. Sjpplente, Manoel Gomes de Farias.
3. auppie&tes, Joao Martina Pereira.
SubJeegado do 2" districto (Loreto).o sub-
commissario Flix de Barros Pimentel.
! Scppleate, Ildefi ose Fenelon de Albuquer-
que Millo.
A junta governativa do Estado de accordo
com a proposta do Dr. questor policial, resolve
nomear as segninlea -iuioridades policiaes para
o termo de S. Becto. em substituto das actuaes
que ficam exoneradas:
i." districto (Cachosriiiha)
Subdelegado, Joo Jos Pacbeco.
1. Supplente, Luiz Salustiaoo des Santos.
t. Supplente, Ricardo Teixetra de Paula.
3. Snpplente, Severiao Mu nz de Mello.
A junta governativa do Esta lo resolve no-
m'i." para o logar que se acaa vago de i-. sup-
plente do juiz municipal de crpbos do termo
de Triumpno, o cidadio Firmino Rodrigues Pe
reir, que prestar a lriaaco do estylo do pra
xo de tres mezes. Fizeram se as necessarias
communicacOe?.
A juata gobernativa do estado resolve con-
siderar de nenbum eTeito a portara de 8 do
corrento pela qual foi exonerado o tenente refor-
mado do exercito Joaquim Basilio Fyrrho do
posto de commissario da guarda local do muni-
cipio de Nazaretb.
A junta governativa do estado re3o!ve tran-
sferir o commissario da guarda local teuente
reformado do exercito Joaquim Basilio pyrrbo
do municipio de Nazaretbparao de Rio Formoso.
A junta governativa do estado resolve no-
mear o cidado Antonio Mariobo dos Santos
para o posto de commissario da guarda local do
municipio do Brejo, em substituido do actual
que tica exonerado.
A junta governativa do estado resolve exo-
nerar o cidado Irenio Mayoart Borges do po3to
de commissario da guarda local do municipio de
Bom Jardim.
A jun'a governativa do estado resolve no-
mear o cidado Luiz Francisco de Souza Cabral
para o posto de sub commissario da guarda local
' do municipio de Garanbuns, em substituicSo do
actual que Qca exonerado.
A junta governativa do estado resolve no-
mear Vicente Ferreira de Andrade Luna para o
posto de sub-commissario da guarda local de
Gloria de Goit, em subslituico do actual que
fica exonerado.
A junta governativa do estado, de confor-
midade com a proposta do Dr. questor policial,
em officio de bontem datado, sob n. 61, resol ve
nomear o official externo da extincta Secretaria
de Policia, Jo.quim Carneiro Lins de Albuquer-
que, para o lugar de agente de policta martima.
Communicou-se ao Dr. questor policial.
A junta governativa do estado, tendo em
vista a proposta exarada no officio do inspector
do Thesouro de 8 do corrente, sob n. 13, resolve
Bornear o cidado Antonio Francisco do Reg
Filbo para exercer o cargo de collector do muni-
cipio de Bom Jardim-Communicou-se ao in-
spector do Thesouro do Estado.
A junta governativa do estado, attendendo
ao que requeren Jesuino Firmo de Azevedo, pro-
fessor da cadeira de Gamelleira, tendo em vista re Da casa n. 184 na ra
a informacio o. 5 de 7 do corrente do inspector I iQWrme a intendencia Municipal do Hefe
g ral da instrucc&o publica e o attestado medico
exhibido, resolve conceder ao peticionario qua-
tro meies de licecca, com ordenado, para tratar
de sua saude onde lbe convier.
Officios :
Ao Dr. questor policial.A junta governativa
do estado, tendo exonerado boje Irenio Maynart
Bcrges do porto de commissario da guarda looal
de Bom Jardim, de quem tratou o delegado da-
quelle termo na representaco que veio annexa
ao vosso officio n. 23 de 3 do corrente, recom-
mendo vos que providenciis no senlice de ser
o mesmo Irenio Maynart Borges submettido a
processo correccional, se for caso disso, vista
dos fados expostos por aquella autoridade.
Ao inspector do Tnesouro do Estado.A
junta governativa do estado, delerinclo boje a
petico de Manoel J>o Gomes de Amorim, re-
commenda-vos que, nos termos de vossa infor-
mago n. 1003 de 28 de Dezembro liado, mandis
dar baixa na coilesta para pagamento da con-
tribuico do apparelbo da companbia Recife
Drainage, collocado na casa daquelle cidado,
sita s ruados Burgos n. 1, oa freguezia do Re-
cife, visto ter sido ella desapropiada por utili-
dad* publica.Communicou-se Intendencia
Municipal.
Ao mesmo.A junta governativa do Esta-
do recommeoda-ves gue providenciis no senti-
uo de cessar o pagamento da gratiticagao de
cem mil ris mensaes mandado abona: ao alto-
res do exercito Carlos Soares visto nao ter a
mesma junta ajudante deordens, lugar para que
tora elle designado pelo anterior goverco do Es-
tado.
Ao mesmoA junta governativa do Estado
declara vos para os devidos fins e em eolno
ao exposto nes voseos officios de 18 de Dezem-
bro do anno passado, e 9 do corrente mez sob
os. 987 e 17, que tica approvada a arremataco
toita por Jos de Azevedo Maia e Silva do torne
cimento dos medicamentos e utensilios necessa-
rios infermaria da Casa de Detengc, relativa
ao actual exercicio, com o abate de 6 \. sobre
os precos do formulario.
Onlrosim, recommenda-vos a mesma junta que
providenciis no sentido ie ser posto novamen
te em prega o fornecimento de alimenticio para
os presos pobres recolbidos qielle eatabeleci-
mento durante o 1* trimestre do mencionado
exercicio, devendo servir de base o creco cffe-
recido por Jos Elias de Oliveira, de ris por
dieta ou raco.
Ao mesmoA junta governativa do Estado
reitera vos a requesigo contida em officio de 8
do correte mez, no sentido de informardes,com
urgencia, em quanto importa as coatas dos prets
de paisanos coatractados para substituir as pra
cas da gua: Ja local das diversas comarcas d'este
Estado e as referentes compra do respectivo
armamento, cuio pagamento j se acba realisa-
do, ou vos tenha sido ordenado.
Ao gerente da Compaob'aPemimtucaaa.
A junta governativa do Estauo em aditamento
ao officio desta secretaria e 9 do corrente, man
da declarar-vos que a viagem do vapor ao Pre-
sidio de Fernando de Noronba fica transferida
para o da 20 bora do costume.Fizeram-se
as necessarias commucicacOes.
Ao cidado Manoel de Macedo.A junta
governativa do Estadot tendo em coosi lerafo o
que representou o presidente da Intendencia
Municipal de Nazareth em cilicio de 3 do corren
te mez, recommenda-vo3 que. ccm urgencia,
fajis entregada chave da'urna geral de jurados
do mesmo municipio aquella funcciona-io.
Ao inspector da Instru.co Pubii:a.Para
resolver sobre o assumpto do requerimento de
Lucilla S-.lwnia dos Santos, da qual trata a vossa
informaco n. 14 de bontem da'ada, recommen-
do vos qce informis si sao tituladas pea Esco-
la Normal as professoras a que llude a predicta
informaco.
Portaras :
A junta governativa do Estado ccmmunici
Intendencia Municipal de Triumpbo. em res
posta ao sen officio de 1 do corrente, que por
Decreto de 23 de Dezembro ndo foram dissol-
vid:s todcs os Conselbos Monicipaes e a 24 do
mesmo mez prejudicada3 as eleicSes de pretoi-
tos e sub prefeitos.
O Sr. gerente da Companbia Pernambuca-
na mande dar passagem de proa at a babia na
primeira viagem do c.rrea'e mez, a Jos Ma
tbeus. por conta das gratuitas a que o governo
tem direito, observado o dis posto na clausula 23
do Decreto n. 10208 de 16 de Marco de 1889.
Mutatts mtitaniis a Wilhelm Oueren e Hei-
nreb Watbr.
O Sr. Superintendente da Estrada de Ferro
do R i:!fe ao S. Fran.isco d passagena de viuda
e volta, per conta do Estado, em carro da 1.'
classe, da estaco de Una a de Cinco Pontas ao
sub co emissano da guarda local de Cnubotinho,
que chamado a esta capial por motivo de ser-
vico publico.
JMufofis mutandit de Canhoticho a Palma
res.
dem, idem. paissgem de 2* classe "as pra-
gas da cuarda local da Faneilas Antonio Pinto
de Araujo Madeira e Jos Joaquim da Silva qce
v;eram a esta capital em busca de fardameoto,
e providencie quanto ao transporte de um preso
que ellas conduzem para Quipap o qu l vai ser
apresenlado ao juiz muBicipal.-
Mutatts mutandis a estrada de torro Sal de
Palmares a Quipap.
dem passagem de viuda e volta em carro
de 1' classe da estac/to de Una a de Cinco Poe-
tas ao commissario da guarda local do municipio
de Quipap e em carro de 2* classe a urna pra
ce que o acompanba.
Mutatis mutindis de Quipap a Palmares.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a Limoeiro d passagens de ida e vol-
ta por centa do Estado, em carro de 2' classe da
estaco do Brum a de Timbauba a praca da guar-
da local de nome^JcSo Damasceno Cavilcante.
EXPEDIENTE DO DR SECRET.UUC
Officio :
S Ao presidente da Intendencia Municipal de
Caohotinho-De ordem da Junta Governativa do
Estado remeti vos um livro contende duzentos
ttulos impressos para eleitores, conforme solici-
tastes em officio de 11 do co-rente.
DESPACHOS DO DA 18 DE FEVKBEIBO
DE 1892
Abaixo assignados de moradores na colonia
Santa Isabel, pedindo a creaco de urna cadeira
do sexo feminiuo.=Io maco do inspector geral da instrucc?o publica.
Antonio Casado de Araujo Cavalcante, prefes-
for publico, pedindo 3 mezes de licenca.Sim,
com metade do ordenado.
Arco Verde, Pereira & Paraiso, cou:essiona-
rios da usina Pedrosa, pedindo pagimeato da
primeira prestadlo.Deferido, quantc a primei-
ra parte do pedido com officio de boje ao inspec
tor do Tnesouro do Estado.
Antonio Ferreira da Silva, proprietario da
casa n. 6 na ra do Pbarol, pedindo para darse
baixa as execucOes que existem contra si e
isental o dos impostos de decimas e annuidades.
Informe o Sr. inspector da Tnesouro do Es-
tado.
Companhia de Ferro Carril de Pernambuco,
pedindo antorisaco para emltiir bufantes de 100
e 200 ris arim de facilitar os trocos nos careos.
Informe o inspector do Thesouro do Estado.
Elysa Moniz de Carvalbo, pedindo para tran-
sferir o dominio til do terreno de marinba n.
Oiten; e nove.
Francisco de Lemas Duarte, 2o official da Se-
cretaria deste governo, pedindo para ser aposen-
tado.Aprsente se a junta mlica para ser in-
speccionado e junte certidao do Tnesouro pro-
bando o tempo de servico prestado.
Felippa Floripes de Faria Vieira, professora
publica, pediedo graticagaD de mrito.Re-
queira por intermedio do inspector geral da in-
strueco publica.
Illuminata Hercila Alves de Lyra, proto3Sora
publica, pedindo 3 mezes de licenca.Remettido
a junta medica a quem a peticionaria se apre-
sentar para ser inspeccionada.
Bacbarel Jercnymo Materno Pereira de Carva-
lbo, juiz de direito da comarca de Canbotinbo,
pedindo certidao da portara que o considerou
em disponibilidade na organisaco judiciaria
deste Estado, e bem assim a data em que deixou
o exercidio do referido cargo.Certifique se.
Jos Joaquim ae Souza, pedindo para lbe ser
concedido o lote de trras n. 67 na colonia Suas-
auna, onde mora a mais de S annos, tendo suas
planlaces.Informe com urgencia o Sr. delega-
do da inspectora geral das trras e colonisago.
Jos Antonio de Siqueira, procurador do Dr.
Sigismundo Antonio Goncalves, pedindo para il-
uminarse um dos apparelbos do predio n. 47
ra 13 de Novembro.Junte procuraco.
Joo Cavalcanti de Araujo, pedindo para lbe ser
concedido o lote de trra n. 7 no ncleo colo-
nial Baro de Lucena.- Informe o Sr. delega-
do da inspectora geral das trras e colonisaa
Cao.
Josepba Mirandolina Almeida Catanbo, pedin-
do para admittir-se um filbo na colorjia Santa
Isabel.Informe o director da colonia Santa Isa-
bel.
Joao Jos dos Santos e Silva, ex-altores do
meio esquadro de cavallaria, pedindo paga-
mento dos vencimeatos a que se julga com
direito.Informe o commandante da brigada
policial.
Lisbella de Albuquerqua Mello, professora
publica, pedindo tres meze3 de licenca.Defe-
rido a vista do parecer da junta medica.
Manoel Gonalve3 da Luz, ex altores do meio
esquadro de cavallaria, pedindo inaemni-agao
do sello que pagou na Alfandega de seu titulo
de nomeaco. Deferido |com officio desta data
ao ln3Dector da Tnesouraria de Fazenda
Manoel Joaquim Carneiro Monteiro, pedindo
pagamento do fornecimanto que fez, a prajas da
guarda local do Poco d Panella, do da .
a 18 de D zembro do anno passado.Informe o
commandante da brigada policial.
Bacbarel Manoel lenrique Cardim,' replicando
do despacho exarado em sua petigao em que
reclamava contra a cobraoca de um executivo
na importancia de 18*399, de decimas da casa
da travessa do Arraal.Informe o inspector do
Tnesouro do Estado
Manoel Tbomaz de Albuquerque Maranho,
contracta ate da3 obras da ponte dos Carvalbcs,
pedindo pagamento da quantia de 6684761.\i
forme o inspecor do Thescuro do Estado.
Maria abel dos Santos, pedindo para retirar
um tilho da colonia Santa Isabel.Sim, satisfa-
zendo a 2.a parte do art. 13 do Regulsmeoto da
Colonia.
Numeriano Augusto de Mello, contractante dos
reparos da ponte de Tacaruca, pedindo paga-
mento da qucBtia de 1:023/696.Sim, nos ter-
mos do cilicio de boje dirigido ao inspeetor do
Tbesouro do Estado.
Pedro Satyro de Salles, ex tenente da tonga-
da policial, pedindo pagamento dos vencimen-
tos a que ee julga com direito.Deferido nos
termos do officio neste data dirigido ao Thesouro
do Estado.
Severiano Jos da Silva, altores leformado
da ex-goarda cvica, pedindo solucao do despa-
cho de^sua petico em que pedia para ser refor-
mado o calcul) de sna pensc.Aguarde a reu-
nao .to Congresso do Estado, ao qual compete
resolver sobre o assumpto.
Torquato Lauren'ino Ferreira de Mello, pro-
fessor publico jubilado, reclamando por terem
excluido de sua penso a gratieaco de mrito
que recebia em exercicio.Reoueira por inter-
medio do inspector geral ta Iostrucco Pu-
blica.
Sscretaria do Estado de Pernambuco,
em 19 de Fevereiro de 1892.
O porteiro,
Hemeterio M. da Silva.
Major Jos Bellarmino Pereira de Mello. In-
forme o Sr. Dr. administrado." da Recebedoria.
Becebedorla do EstMdo de Pernam-
buco
DESPACHOS DO DA 18 DE FEVEBEIRO
DE 1892
Alfredo Dia3 4 CA 1." seceo para os devi
dos fias.
Paulino de Oliveira Maia.A l. seceo.
Ba.lurel Joo Feliciano da Motta e Albuquer
que.Informe a l. seceo.
Francisco Antonio Stephano Raphael, Ilenri
que da Silva Teixeira e Joo Moreira de Aracjo
Livrameoto.Informe a 1.* seceo.
Nunes & Silva e Maria do Rozario Augusta
Brando.A 1.* seceo para os lins convenien-
tes.
Questura Policial
SecjSo 2.* N. 43 Secretara da
Questura Policial do Estado de Pernam-
buco, 20 de Fevereiro de 1892.
Cidad&os. Participo-vos que forana
bontem recclbidos Casa de Detencao
apenaB o individuo de nome Manoel Joa
quim de Sact'Anna, remettido pelo Dr.
juiz de direito de JaboatSo como crimi-
noso do municipio de Nazaretb.
Nesta data chamo a atiendo das
autoridades policiaes do Estado para o
art. 42 f 5o da lei n. 15 de 14 de No-
vembro do anno passado que declara abo-
lidos os inqueritos policiaes, cumprindo,
poitanto que em observancia citada dis
posico nao se inicie mais inquerito algum
o que os existentes em poder das mesmas
autori lacle? embora cao concluidos, urna
vez que coctenham eaclareiimento ou
provA de algum crime, aejam remettidoa
ao. juizo competente para a formajao da
culpa, na conformidade do que preceitua
o 9 do art. 3o da lei n. 14 de 14
daquelle mes e anno.
Entraram em exercicio as seguinies
autoridades policiaes :
Manoel Cypriano Ferreira Rabello, sub-
delegado do 2 districto de S. Jos, na
qualidade de Io supplente.
lenrique Francisco de Moraes, subde-
legado do districto da Torre, na qualidade
de 2o supplente.
JoSo de Oliveira Cintra, delegado do
municipio de S. Bento.
A' Junta Governativa do Estado de Per-
nambuco.
O questor, Joaquin Tamre de Mello
Barretto.
Inspectora geral da Inairucro Pu
blica do Estado de Pernambuco
DESPACHOS DO DA 13 DE FEVEREIBO
DE 1892
Sebastio Antonia e Albuquerque Mello, pe-
dindo que fique sem eftoito a pena de reprenen
sao que lbe foi imposta.Deflro a petico do
supplicante nao so em face do que expe o sup-
plicante, como e principalmente tendo em vista
a informaco do delegado litterario do 2. distri
cto do Recito.
O profeasor de Chan Grande remetiendo o
compendio de aritbmetica, que confeccionou.
A i.' seccao, relator o D.\ Franco de S.
- 16 -
Clarinda Guimares Ribeiro Machado pedindo
a jus'.icaco de faltas.Justifico.
Augusta Marques da Silva.Encaminbe-se.
Leoncia de Luna Freir.A 3.a seceo, rea
tor o Dr. Cicero Peregrino.
Illuminata Hercila Alves de Lyra Encami-
nbe se.
Adelaide Amea Teixeira BarcellarEncami-
nbe se.
Francisco Carlos da Silva Fragoso.Encami-
nhe se.
18
A'coanjo da Silva Braga.Encami-
Miguel
nbe-se.
Isidoro
-Gomo requer.
Marinho Cesar pedindo urna certidao.
Maria
nbe-se.
- 20
Clara de Mello Figueira. En:ami-
INTERIOR
Thesouro do Estado de Pernam-
buco
DESPACHOS DO DA 20 DE FEVEBEIBO
DE 1892
Delfina Maria do Espirito Santo Nves, Ana
Senhorinba Ferreira Joo Joaquim da Cota Lei-
te e outros. Josepbina de Jesna Barroso, Fiel-
den Broibers (i), Companbia Pernambucana e
Antonio Alfonso Ferreira.Informe o Sr. conta-
dor.
Alfredo Ferreira Pimentel e Antonio Felizardo
de Amorim.A' seccao do contencioso para os
devidos tins.
Aitooio Trajano Candido Monteiro.Informe
o Sr. collector de Oliada.
Da a da
Nessa sua seceo publicou o Jornal do Bra-
zil : /
A3 aguas da nossa babiacom a lealdadepro
pria do marteem trazido s praias, nestes l-
timos das, cadveres e cadveres descoabecidos.
Sao fructos do tempo, deste tempo aneustioso,
sacudidos da arvore da vida por alguma dessas
tormt'.tas .jce emprestam ao tim do seculo o
aspecto entristcelo.- de urna tarde de spero
iivemo
Nioguem sabe donde veem estes morios igno-
rados; a agona fecncu Ibes os labios para a
revelaeo do mysterio. O mar que falla por
elles, condozindo os; mas na confoso dessa
voz escutam-se apenas phrases incemprehensi-
veis. que ora gemem btixo como urna prece.ora
prolongam-se sordamente como um protesto,
protesto intil e prece que labios de bomem nao
repetem. Nao um depoimento, um desvario.
Das victimas ninguem recolher a denuncia
ou a queixa; vaguem muito embora pelo mar
em liberdade, a morte amordacou-os, e nao con-
taram o tremendo segredo.
Em vas um destts cadveres achegou-se de
um vaso de guerra, como que pdlndo honra
militar e bandeira da patria a ringanga que os
secs Itbtoa cao podiam mais sopplicar.
Em vo ou'.ro foi ao encontr de urna barca
que ebegava ; desse entrecruzamento de rumos
diversos *pagou-se em breve ca superficie da
agua o lieeiro trsg?. Afastaram-se os viajantes,
reatando "os vivo3 as suas pieoccupaces e o
morto o seu a-bondoao. Simples incidente de
viagem.
Nao raro, lodos sabem o apparecimento de
cadveres no mar.
03 suicidas procuram este seio profundo e
largo como querendo ouvir no sea rumor nter-
minavel alguma cousa que Ihe d a iiluso de
urna voz amiga, para que o horror da morte nao
se aggrave com o desprezo e a solido.
Sao de suicidas estes cadveres que passam
em procisso sinistra, allumiados pelos to:hro3
des pbaroes dispertes f
Una es acaso na vida urna solidariedade de
intuitos e de eoffritnentos que se cootiaa, pelo
somno. so embalo das ondas, ou chegam de
pontos distantes, afUuentes diversos que desa-
guara, no mesmo mysterio ?
Sao nufragos, mas de que naufragio ?
O espirito vai de coojactura em conjectura,como
e les de mareta a mareta, sentindo que o agita a
mesma oscillaeo do scenario desta tragedia,
Estes peregrinos do nada nao tm a lmmobi-
lidade da espbynge, andam de roebedo em ro
cbsdo e de plaga em plaga em busca de quera
decifre este enigma sombro, que devorou os in-
terlocutores, e que talvez seja tambem fatal aos
adivinho3.
Nao sem um arrepio que vemo3 boiar estas
vidas que n2o sei que allucinada Ophelia desfo-
Ibou. Hamlet mesmo nao quera aprofuodar
esta questo, .
A caveira do monologo mmortal nao amedron-
ta a philosopbia da duvida ; v-se a impersoaa-
lidade do p ; em contracto com a trra perdeu
todo o que tinba de essencial ao bomem : er-
vos e msculos, a face que o sentimento buri-
lou e o cerebro em que a alma viveu.
Nao mais Jorick, ninguem; o seu riso
particular de truo as listas dorei succedeo ao
rictus impessoal das caveiras, na comedia da
morte.
Mas aqui ha o corpo que a vida acaoou de
deixar : urna impresso na retina, ummovi-
ment roubado mesmo na immobilldade, como
em urna photograpbla instantnea ; a agonia es
culpda na face, o sangue que parou e os ervos
que acabaram de vibrar.
Nao se nos aprsenla sob a ligara do esquele-
to, que indica a morte remota, a que surge da
trra e do esquecimento, como se voltasse de
urna regiio muito longinqua, descouhecida aos
entes mais caros. .
Demais, alm do mysterio da morte percebe-
se na face angustiada deste bando erradio um
outro mysterio.
Qoem sabe o que ha nesta interrogativa :
daotes colheitas d03 annos
avernos; liavia porgao de dinbeiro de ouro e
prata guardado pelos sertanejos para precisOes
extremas; havia a propriedade escrava, cuja
venda toreada pela suprema lei da necessidade
salvou a muitos; mas hoje nada disso existe.
Daqaella poca a esta parte tm sido pessi-
mos os invernos.
< Em teda regio do sul do Estado nao houve
no anno passado colbeita de cereaes, exce-
pto do municipio de Batunt e comarca do
Crato.
A populacho d03 lugares intermediarios
manlevese durante o anno de 1891 transportan-
do gneros; mas de Dezembro em diante de dif-
ticil que era esse transporte tornou se lmpossi-
vel pela falta de pastagem e absoluta d'agua em
distancias de lo e mais leguas.
Faltaram as costufbeiras ebuvas de Outubro
e Novembro para a rama salvadora da criago e
esta est extinc'a em muitas comarcas.
> Fazendeircs ha que nao tm mais urna rez,
segundo cartas que acabamos de receber de pes-
soas fidedignas do IcO, Iguai, S. Matbeus e As-
sar.
A populacho arroja-se para as cidades e vil-
las, e faminta percorre as ras implorando a ca-
ndad e particular.
O furto, o ataque propriedade a con se
quencia natural da miseria, do instincto da pro-
pria conservago e, interceptada a sabida,
desoladora a posico de nossos patricios do in-
terior I
Estamos certos da solicitude com que o il<
lustre general Clarindo procura minorar os sof
frimentos de seas patricios; mas diante de im-
possibilidade de faze!-o com os exiguos rend
meatos do Estado, invocamos o auxilio de nos
sos collegas da imprensa, para fazerem chegar
s altas regies do poder publico da L'oio, ao
llustre marecbal presidente da Repblica, o gri-
to de dor de nossos irmaos.
Eiles nao pedem esmola, pedem trabalbo
em que gaobem salario para salvar a vida.
0 prolongamento da estrada de ferro ao Ca-
riry, atacado em extenso tal que possam traba
lhar todos que se apresentarem, urna ptima
providencia.
E' esse o estado do- nosso serto e garant
moa nao estarem carregalas as cores do qua
dro.
Nestes prximos dfis, porm, ebegam noticias
de terem cabido ebuvas no interior.
No Estado do Rio Grande do Norte nao me-
Ihor a situac&o: a secca asela tudo.
No jornal. Repblica, eaic&o de 30 de Janeirc,
l-se sta triste desciipeo :
Dolorosas e desoladoras scenas s5o as que
se veem constantemente nesta cidade e arredo
res.
t Quasi todos es das passam de retirada in-
dividuos em cojos traeos pbysionomicos distin
guem-se perfeitamente os signaes la tome; pal-
ides, abatidos, esfarrapados, guiando enancas
em cujos labios nao paira sequer um riso, tao
natural naquelles que anda aso sabem avallar
das agruras desta vida.
Contrista profundamente ver as infelizes
eriazas devorarem urna bolacha ou um punba-
do de farinha, que algumas almas caritativas
distribuem entre ellas.
Nos campes a mortandade de gados con-
sideravel, e 03 sertanejos, na lucia afanosa em
que vivem para salvar 03 seus haveres, oltiam a
cada instante para o co, pedindo a Deas o soc
corro, que s elle nos pode dar.
< Continnam cada vez mais desoladoras as
scenas que o povo faminto obrigado a repre-
sentar na lucta pela existencia.
Confrange o coraco ver grupos de indivi-
duos, quasi hs, atirarem-se nos campos a algo
ma rez que morreu de magra, disputando aos
urubus o alimento que s a elles devia perten-
cer.
< Sabemos que em Jardim de Piranhas algu
mas familias tm passado das alimentando-se
nicamente com couros e ossos de gados que
acharn morios nos campos I
TRANSCRIPCES
Formas de governo
(Do
A secca do norte
No Estado do Ceari contina a secca a flagel-
lar a populacio do interior, com todo o seu cor
tojo de horrores; e desta vez, segundo opinio
dos jornaes, de peiores consequencias do que a
de de 1877, para que se acha a populaeo.
O Norte, de 30 do passado disse a respeito :
Naquella poca havia as reservas das abuo
D'ario Official)
XIII
Nao temos por supeitluidade insistir anda ca
dissertaco do importante assumpto da gualda-
dade religiosa.
No desdobramento do nesso placo, outro em-
pento nao temos sinSo trazer dos paizes monar-
cbi< os, que teem sido avocados por normas li-
beraes, arumento3 que ru.Uriquem ou redu-
zam extremamente essa proclamada harmona
rto poder soberano e regio Cira a democracia
pratica.
Por isso nos bavemos mantido at agora na
apreciaeo critica da sociedade iogleza, sob seu
aspecto poltico, quer o julguemos em toce das
instituicoes tundamentaes da respeitavel poten-
Ca europea, qaer o encaremos perante os -sta-
tutes, os acts e os bil?, entre os quaes avul
tam de importancia o B^ll dos Diretos e Con-
veogo de Oxford.
O assumpto tratado neste e anterior artigo
agora cada vez mais palpitante, se imponJo a
todas as mentes dos pensadores, e agitando as
consciencias que se vo emancipando, e propa-
gando a doutrina verdadeira e livre.
Nsnbuma nacionaliiade, por melacr que se
julgue constituida oas suas or^anisacOes libe-
raes, pode acreditar-se no ampio camiobo da
emancipaeo poltica e civil si, por base desse
juizo nao assena o sea criterio sobre a liberda-
de e igualdade religiosa.
Po38Uir e impor commuebo nacional um
vulto, derivar da submissao dos que o nao po-
dem recusar condlgOes de assimilccao na naci-
nalidade e consequeates direitos civis e polti-
cos querer torear a razo ao absurdo e recuar
teimosamente as frocteiras do bem senso e da
lgica, annullando a consciencia.
Ter direito a ser crente em urna religio ; ado
rar a divindadesob tal ou qual forma invcala
sob essa ou aquella denomiaago ; toroar-se
adepto, defensor, propagaodis'.a dessa ou da-
qaella doutrina, tida como revelada e directa-
mente recolhida da propna diviodade; trans-
mitida por progenitores ou colbidas em diver-
sas fontes; seguir convenidamente cu timida
mente os cerimoniaes e os ritos de qualqoer
crenea, de qualquer culto, em que por elles pos-
sam os crentes, consectarios perturbar o Esta-
do leigo, e com elle as bases de sua primeira
organisaco, eis o que deve ser mantido em ca
da individuo bumano o que deve ser praticado
ante o tribunal de cada co sciencia, na ordem
social.
Si a mais rudimentar douirinago democrti-
ca ahi est ensizando que a todos lidio o ex-
ercicio, plenamente livre, das suas facaldades
na esphera domestica, social, cvica e poltica,
quem poder aceitar que exerca essas facalda-
des aquelle a quem vedado deixar de ter um
Deus e reconbecel-o publicamente, submissa
mente, porque lhe impOe a lei ?
E mais: pelo culto desse deus ; pela publica e
ostensiva pretisso da sua fe se torna habilitado
e apto o individuo para compartilbar das van-
tagenssociaes, que outras nao sSo mais do que
a entrada em igual iade de direitos no seio da
grande aggremiacao.
Adora o deus official; segu o culto do Estado
conforme lhe impoz a vontade do monarcha e
anteriores, de boas adoptou-o o parlamento ? Encentra por ssoem
seu favor grande somma de direitos.
Recusa o deus official e o seu culto, ou porque
adquirida educago leva-o a esse brado de livre
pensamento, ou porque o ensiao de antepassa-
dos, em cojo meio evoluio, obsta a aceitagao de
culto diverso ? Eis o individuo parte e factor
social, privado de exercicio dos direitos, anda
quando baja preenebido correctamente quanto
lbe baja imposto o Estado pelas mos do fisco,
pela exigencia de servigos pessoaes, dos quaes
menos pesado ao o tributo militar.
Por que exigir imperiosamente que o subdito
pague sobre o exercicio da sua ectlvidatfe som-
ma de dinbeiros mais ou menos pesada, cobra-
das pelo Estado, e privar esse contribuate do
bem estar geral dos direitos polticos, porque
nao professa a religio official ?
A suppre3s2o da livre consciencia corre na-
rallelamente com completa e insuperavel exclu-
so do poder soberano e sua partilba s classes
operosas, julgadas sempre inferiores e profun-
damente collocadas no edificio social da monar-
cbia.
Nao bastou ao soberano Inglez, vencendo ou
ceden lo na iuta com os olygarcbas, manter a
bereditariedade do poder e do reino, perpetuada
na sua familia.
Dotou-se do supremo exercicio espiritual, re-
vigorando a pos:e temporal em nome dessa mes-
ma soberana transmissivel aos seus descen-
dentes.
Como que pesam, desde ento, sobre a en-
vergadura nacional duas grandes moles que m
pedem o passo para a ascencao aos grandes car-
gos nacionaes.
Por urna a realeza, cojo representante uno e
soberano avoca para si, de longo periodo secu-
lar, o direito de perpetuo dominio corda
pelos seus antepassados e seus posteros, pesa
e se impe.
Por outra as geragoes que se succedem, os
espintos que se emancipara, as aspiragSes II-
beraes que se expandem, a*reacge populares
que se projectam, as propagandas fecundas e
patriticas qae se levantam, os loctadores que
se eupenham na reivindicado dos direitos, to-
das essas sommas de tendencias, tentativas e
actos, todos esses esforgos, postos em pratica,
vo bater de encontr a muralba da cidadella da
perpetra iade e da perfectibilidade regias.
Por muito conseguem tantos e proficuos es-
torcos aggremiar proselytos, assimiiar consecta-
rios, desbravar a"palmos o terreno em que laba-
tam, emquaato a colligacio dos fortes, res e
nobrea, senbores e pares disputara o campo
com toda a superioridade de armas, de torcas e
de astucia.
Cedem as velbas tradigas certos; caneadas
aa memoria dos seus propciosrepresentado;.
Cedem. retrogradam, recuam, mas se nao ren-
dem, sioo perante a evidente imposstbilidade
de resistencia.
Antes de chegar, porem, a esta contingencia
o corpo da realeza e dos nobres, o organismo
soberano ou olygarcha pratica todos 03 esforgos.
emprega todos os recursos, mede todos os lan-
ces, leva mo a todos os meios, deixando muitas
vezes o adversario bastar-se at quasi a desespe-
rago.
Assim foi, assim na esphera social e poltica
restrictamente denominada ; assim foi na rbita
qce a lula pela igualdade religiosa tem at agora
percorrido.
Contra o edificio da igreja privilegiada foram
dirigidos golpes successivos que ihe d.viaui
preparar a queda.
Os actos relativos ao test voltaram ao debate
em 1828, em 1829 os catbollcos tiveram per-
misso de tomar assento em Westminster ;
em 1836 a celebrago dos casamentes e o re-
gistro dos nascimentcs e bitos iibertaram-se
da fiscalisaco da igreja official ; em 1832 os
nao conformistas e os anglicanos conseguem
condigss de igualdade quanto a03 cemiterios ;
1838 o anno aseignalado pela concesso ao3
judeos na entrada do parlamento e, ha pouco
mais de viole anocs, conceden o peder da
igreja oflichl que as .nanga; filiadas a qualquer
erenc religiosa penetrassem as escolas sub-
vencionadas.
Basta demorar por pouco o espirito ca inspec-
gao desses dados bisuricos para julgar que es-
forgos gastos e que tempos decorridos nessas
pequeas conquistas do espirito liberal.
Por imperfeita e rudimentar que seja a na-
Co das Uberdades e dos direito?, a cuja posse
aspirara ou em cu.a manu'engao se a.ham 03
representantes do corpo nacional, a lentido
dessas victorias, a diuturnidade que as separara
deixam ver bem ciar mente que torca e que re-
sistencia o privilegio religioio oppcz aos empe-
r.ho3 sociaes, no sentido do livre culto.
Lustros e decadas separara as datas inscriptas
como conquistas parciaes sobre o espirito de in-
tolerancia e de oppresso.
No emtanto, fo ca confessar, por bem pouco
se podem ter todas es-tas victorias dos emanci-
padores do espirito bumaHO.
Toda a possanca temporal, todos os recursos
materiaes que lbe EObram, delles anda hoje
gosa ntegralmeate a igreja ; obrigando por
muito a contriboices pesadas aquelles mesmos
que ella excluio to tongamente e to obstinada-
mente do seu seio e das suas concessoes.
Impellidas pela corrente que parece lmpellida
por forfiaa ineluctaveis e fataes, homens de alto
mrito mental surgem do seio da sociedade in-
gleza to subslancialmsnie conservadora e, pos-
suidos de espirito e de intentos librrimos, ca
dermj as armas ca lucta que, ha tempos,
teem travado.
Mas de quantos estorbos nao iolerrompidos,
de quantas actividades incangaveis, de quantas
conviccoes inabalaveis, de quantas energas ac-
cumuladas, de quantos pianos combinados nao
have mister para que sejam abertas as ultimas
brechas no massieo e secular edificio, erigido ha
secu'os, tendo por base a riquezas opulentsi-
mas do bens da igreja e por egide a sua intole-
rancia, os seus privilegios, as suas imposicOes.
Reconhecamos. escreve o erudito Lon Don-
nal, qne nao facii empresa conquistar a igreja
estabelecida na Inglaterra.
. Possuidora de grandes rendas, tem ella no
paiz posigo importantissima.
Estas rendas proveem principalmente das
dizimas, e do church rate, este regujado sobre
o valor locativo da propriedade immovel, tendo
immediata applicago mantenga e separaco
do templo e s despezas do culto; aquellas
constituindo o beneficio e subsidios dos bispos,
caones e arcebispos.
Possutndo cerca de cem milhes de francoa
de renda e proprietsrios de haveres no valor d6
mil duzentos e cincoenta milhes de francos,
fcil ser julgar de que formidaveis elementos
podero laacar mo os representantes do culto
official para deter o passo s lucias da emanci-
paeo espiritual.
lima corporaeo que do imposto e do total dos
seus bens retira annualmente cento e quarenta
e cinco milbOes de francos a distribuir por de-
zesete mil ministros do culto, aprsenla segura-
mente torca de resistencias difficilimas de su-
perar.
E nem dos impostos cobrados e dos have-
res lo opulentamente possuidos, reteve ella a
sua quisi iovencivel possaoca; porque os pro-
prios leigos contribuem para corroborar a vali-
dez material da igreja legal. E' o que faxem
pela iu3tituico do patronato.
De tempes immemoriaes os senbores que
edificavam urna capella oa igreja eram investi-
dos do direito de nomear o padre, que devia ce-
i
'
-

1



Diario de Pernambuco Domingo 21 de Fevereiro de 1892
ferrar o oficio religioso, e a eite perteaaiam,
jesde logo, as diima*-.e outra* reata, c
ias a nova parocuia.
Esaa quola, creda fura raalvaaje dai al-
nas, tornoa se em brew una fonwide esplo-
raroes no benelicioiexcimivo do saairecepior ;
e, desdobradaB por muiaamnnoa, aeaakMn eser-
Tem negocio, mais oaumeao* claramanteoon-
essado.
Para demonstrar, coa disMmo3 cima, cpie
os leigos concorrem para engrotsara caudal
das reada3 ecclesiatticat, bastara lembrar que
ios treze mil beneficios existentes cu Ingla-1
ierra e no Paiz de Giles, cerca de oito mil. per-
teDCentes a leigos, equivalen somma da cea
milbOes de francos.
Nao fos3em as deaigualdidesiutoleraveii crea-
das pela igreja legal e privilegiada, na) rem;
aaorassem ainda os propugaadores pela enanci-
pagao as nsgregala3 enefanias aceas a que
abri espado a crueldade do espirito religioso;
na) se colligassem, por isso e pelo impulso das
lucias libertadoras do seculo, esforzados bameoa
de pensamento esclarecido, e accaa enrgica, de
terto que a iguildade religiosa seria mais tar-
damente urna realidade na potencia occidental
martima, de cuja vida nos tem)3 occupado.
Entre estes, ecblicos e protestantes nao con-
formistas, reclamam pela igualdade religiosa,
clamando perante a injustig cruel que os obriga
i elles, sectarios de outre culto que nao o oficial
e legal, a pagar leve3 e pesad03 impostos para
que seja mantida urna religiao, que nao a sua,
e ostentados nm ceremonial e rilo3 que tanto 03
sffendem, quanto eacandalisam.
Opponuamoa agora ao espirito conservador da
metropale, manteado por tao loag03 aonos 03
privilegios ecclealasticos, conservando-organisa-
da classe artificialmente privilegiada, o rpido e
foasi sorprebendente progresso da livre coa-
ciencia as colonias da racaaaglo saxoila.
Na Canad, as colonias da ubertosa Austra-
lia, aas possessOes meridiomas da frica, as
ilbas inglesas da America, no imperio das li-
dias 0;ciientaes, os prelados angllcanos. pr
gam abertamente a liberdade religiosa, contra o
Tegimen odioso do privilegio.
Emquanto esse grito de guerra ao privilegio
e converle em aaudacao a victoria da liberdade
e da igualdade religiosa, tora do inmediato io-
fluxo da matropale, a Esc083ia, o Paiz de Gil-
es, a Inglaterra propria disputam ainda ao mes-
mo espirito emancipidar os privilegios e as ex
elosoes derivadas da sua intolerancia I
E' esse uai phenoneno por demaia digno da
abservacao demorada dos que aprofuodam o
olbar na evolucao social e poltica dos pavos
nodernos. .
E'amesma raja; sia 03oriuodde ummea
mosaogue; os descendentes dos meamej tron-
cos ; os nascidos da mesma nacionalidade; sao
sses que, construiudo fora do territorio da me-
\ropole, urna nova patria, reagem de prompto e
flficazmente, contra privilegios, legitlacao, insti
Imcoea mantidas no velho reino, e querem, na
eipanso das novas ideas, conquistar prompta-
menlo direitos e liberdade*, rasgando valente-
aien'.e o campo para a iguiliade social.
N5o rememoramo3 ja a calossal nacionalidade
ue se prapaz na estrada di prore330 humana a
mi que at all po le ii baver levado pasmo ao
mundo boJierno ; lembramos Jamaica, aa colo-
nias que teem par ceatro Sapetowa; a Aus
Vralia, onde nem s a eunacipaclo igualitaria da
coasciencii se implanta pelo lado religioso, mas
onde a autonoma estadaal, a formacSo de na
donalidaie, vigorosamente auton)mas, vai abri-
io rapi 'ammle novas e largas pasaagens.
em verdadeira espectativa
lue.atia* repadilioaoa
sympithi a,
raliaou#ae
i noi, a-.a utopia oa-dasdos paa-
rio soalzar n'umi niv frm da givarno
aatiga,oaatMhenx. aa suas epaoaiej,
'latan o sisea qito da industria- e do
oamnaroio, qie ala podan iootilisar, por
que tem o.-igam iadepandento dai aua
forois, a aa rea'dada aSo extrohis a
tad) quinto se paisa aa rodar.
O gararaa provisorio fiaba, siria injus
tic negal-a, um uniei ideala cansoli-
d-tv^J da rapublioa.
D'ahi par deaiie os iieasa cama;araui
a variar, 01 antas, ala hauve mais lioaii-
gaaeidade na panto da vista poltico e so-
cial, da parta das membros dirigentes a
naj&o.
D'ahi o que existe da revolucSo de 15
de Navem bro apenas no corceo da
quaai totalidade dos braaileiros, a imagem
da repblica, vestida ainda das meimaa
roupagens nebulosas da sonbo, da urna
cousa rdea temante querida, desojac.a, am-
bicionada, e que, qaanto mais d'ella nos
approximamas, mais de nos se afasta.
Embrenhada n'e3tas considerare!! pode-
rosas o espirito do povo debate-se, meio
aterrorisado, meio aucioso pargunta:
D'aquelles qua foram 03 sami causes,
quantos perdern j as llusas, e desap-
par eceram ?
D'esses qaa ficaiaai, que devenios es
perar ?
Balaiada e aliota, ma de Ghacchos
mais valentes e mais heroicos, do que
esses de qaa nos taifa a historia da Roma,
a patria busca o bpoio de todos os seus
lhos e na sua honra confia.
Que se perc tuda, mas que saldase a
repblica.
POLTICA
Em suas .Votai Politicat trajou o Diario
o Commercio estas linhas.
I
Do primairo governo da Repblica, de-
lirantemente acclamado pelas multidSes
somo salvador da patria e regenerador da
poltica e dos ostumes, que resta haje ?
Uta, o primus nter pares a morte levou
em tempo ainda de evitar-Ihe o graude
iesgOBto de ver a degenera$5o da sua
grande obra, Cesario Alvim proferio ir
administrar o seu Estado, Quintino Ba
eayu a voltou a ser o grande jornaata
que sempre toi, e finalmente Ruy Barbo
aa acaba de resignar a sua
n&dor.
cadeira de Be-
Que ficou ?
O seu chefe
malhas de urna
vio Be, forjado
sitiado de sorpresa pelas
intrincada rede poltica,
ceder o passo aoR seua
mimigcs 5 e hoje reformado e retirado da
vida publica simples espectador desta
irai c media que se repre.eata.
Que ficou ?
Por mais que brilhe sobre as nossas ca-
vecas o claro d&Legalidade sempie na
tscuridade que tacteamos, incert03 pelo
da do amacha setteados pelos mil boa-
tos que bo formam e que se compromet-
iera a seriedade e a boa inien$ae do go-
fio da Repblica.
O governo tem hoje 03 plenos poderes
sae lhe conferio a Najao pela voz de urna
aioria do Congresso para fazer o que
lhe parecer bem em proi da causa pu-
blica.
'.ue far ?
Muito poucos exemplos ha de urna for-
ja aasim legalmente substabelecida, do
povo ao seu governo deutre o exemploB
que a historia, nos ensina de factor identi
tes nem tod 0 ten provoitado.
A cocfiiinsa absoluta padece de tod .s
os males que se apontam a opposicao a
todo o transe.
Confianza como opposiSo, para serem
sinceras e justas ten de ser relativas.
Desta aorta, a Repblica no Brazil em
muito pouco mais de dous annos no9 tem
dado urna serie exqueeita e anodyna de
exemploa e preceitos, baralhando n'um
ipie-mele* extraordinario, tudo quanto
de mais proveitoBO e de mais funesto nos
teai farnecido a vida de outros povos.
Jas phalanges organisadoras da Rep-
blica, ama parte annulloa-39 voluntaria
mente desengaada da poder tomar de
novo o bom caminbo, outra consiitue hoje
governo e a sua guarda.
D'aquellaque ficoa T
Esta que far ?
II
guando se fundou a Repblica dos Es-
tados do Brasil, o sen primeiro governo
foi a expres3S clara dos sentimactos po-
lticos daqueila poca.
A grande alma de Benjamn Constant
era como um manto amigo e protector
abert-i acbre o ministerio, que o prestigio
de Deodore da Fonseca, tornava poderoao
ft>rte* TV T. L
Quotino Bocayuva e Ruy larbosa fo
raa as caberas desse corpo gigante.
A poltica reduaio uns ao que a morte
fes do outro.
Que resta do prhneire governo da re
pnblica?
O goverao actual, que dispSe do apoio
incondicional da maioria do congresso e o
de ama grande parte do partido republca-
bo histrico.
Que far o governo da repblica, com
as mSoa cheias de votos, com as casernas
theias de soldados, com o theaouro vasio
de dinheiro, com o paiz vaaio de cr-
dito? '
As class3B conservadoras da sociedade
gggg. glheiaa aos movimentos polticos, I
A accao corre no fOro e os Idois esiao separa-
dos,e viven a.penar, chorosos e magoados.
Tao bella em seu comeco, e qu. nao vai dis-
tante,chegen, de pbaae em ph?e, a la a seu
mingmtU.
do
o Tel o
Jornal do Commercio se
as Parfalbas
escreveu:
Dixiam toJoa :Nao tarda:
Abi vem dona Bernarda 1...
E vai d'abi
Dona Bernarda nao caegou aqu
m
VARIEDADES
O Brazil na Europ
A tGaze'a da Noticias* pubiicou ba pon:o3
das o segainte, que com certeza carece lor do
alerta, com que o collega fecba do trecho do Afi-
lia :
O Matin noticia a ebegada Praaca do conde
A. de Prantz, qae andou a percorrer a Guyana
e o territorio litigiosa com o Brazil, e qae ja.est
preparando nova expedido, que lbe permita ebe-
gar at a cadeia central do Tamuc Hanac.
A propasito, diz o Matin : Actualnecite ainda
a Franja tributaria da Inglaterra e da Brazil
para a borracha e o cacao. O territorio contesta-
do pie dar-nos esses dou9 productos em qoao-
tidades consiieraveis; esse territorio compre-
bendilo en'.re o Oyapock e o rio Branco e nos
coatesta lo pelo Brazil, que discute a ^sse res-
paito 03 termos mal definidos do traiido de (Jtre-
cbt, pelo qual o rio de Vicente Pinzn nos era
dado orno limite. Ora, este ultimo ni nao
mais que o Araguary.
Esse territorio contestado, e para bem dizer
desconhendo, poia que at hoja f tem sido vi-
sitado pelos Srs. Grevaux, Goudreaux e d* Fraitz,
tem estado absolutamente por explorar. Ha n'elle.
no emtanto, urna fonte inesgotavel de riquezas
para o nosso commercio; a regi&o tnuito frtil,
o clima sadio, o c lor moderado ; 03 habitantes,
salvo algunas tribus-de indios bravios, sao paci
fieos, bo8pitaleiros e absolutamente aMtaila
veis.
O explorador nio pede que se oceupe clli ial
mente essfe terreno contstalo ; e no em'anto o
Brazil, desprezando todos os direitos, fundou
una colonia militar aa margen] direita do Ara-
gua-y.
u que convm, facilitar a emigracao de
agricultores francezes, de modo que, em um mo
ment dalo, toda a regio esteja occupida por
comnatriotas nossos.
NVsse momen'.o, o Brazil ser obrigado a dei-
xir de caminbar para diante, coma tevo de fazer
an Ja ltimamente, ante a attitude enrgica dos
indgenas de Counani.
Alerta, secretaria do exterior I
*
O que o dluheiro 'i
Ha tempos o jornal Tit Bits, de Landres, of-
fsreceu un premio de dous guineas a quem
apresentasse a definic&o mais propria e adequa-
da da palavra dinheiro.
Turnaran parte n'este certamen mais de 6.000
competidores, oblen Jo o premio o Sr. Hsnry Ed-
muud Baggs, de Shaffleli, que apresentou a se-
guine detiGio :
Artigo que pie empregarse como passa
porte universal, para ir para toda a parte, menos
para o co, e como forcecedor geral de tadas as
cousas, excepto da felicidade.
Francamente, nao nos parece que a defioica
valba os dous guineus; os conceitos que encerra
sao mais velbos talvez... talvez... que o pro
pria dinheiro.
A avalar pjr esta, calcu!e-se o que seria a de
inicia classificada em 6.COO.0 lugar.
Alen da preniada, o *Tlt-Bits* publicou algu-
nas oulras detinlfOes das nelbores que recebeu.
Eis unas pencas :
0 dinheiro :
Um idelo que se venera em todo mundo,
sem que tenba an o templo dedicado a seu
culto, e adoran-o'o todas as classes sociaes, sem
que tx sta om hypocrita.
A nica commoJidade, que est sempre em
moda, de geratio em geracao.
Para o pai, independencia ; pira a me, sa-
tiefai'o; para o filho, motivo de engaa, e para
a alna, de felicidades.
deas do avaro, o joguete do rico, a joia da
classe media e anbio do pobre.
Um hospede deaejado, cuja chegada sem-
pre andantino, a estada Hacci'.o e a par ida pres-
tsimo.
O vapor na iamensa machina da vida.
1 O dinheiro, como para os religiosos a (e,
o melbor consolo da vida; mas o Eeu valor so o
aprecia bem qaem j o posauio e depois cabio
na miseria.
Pilases da loa
Em seu3 quadros vi\os publicados no Tempo,
Ruy Yaz descreve assim essas pha3es ;on refe-
rencia ao no conjugal:
O viver do Novaes com a esposa 6 extraor-
iinario :regula, sem falnar, com qualqaer ca-
lendario.Da la urna a urna as pbase3 tem
seguido,ou aej a culpa della, oa seja do ma-
rido.
muito o namoro ; os dous apaixona-
muudo a se apartar, vivan enleva-
Curou
dos,do
dos.
Amavam-se a valer, e mais o amor crescia,
conforme ia ebegando o deaejado da.
Nenhun dos dois jamis sentiu tanta ventura ;
a vida era i leal, celeste, meiga, pura.
De tanto goso assim nao ba mais farla pro va.
A coasa conesou, e bam, par la nova.
Casaram-se.
A principio, o mesma paraso.Una festinba,
un mino, arn beijo ou um sorriso.e.~3 nlsso
eis en resumo a vida do casal
Mas, foi se transformando o encanto conju-
Ao flm de um mez, 03 dois andavan meio
azedoa.Em samna o matrimonio i ebeio de
segredos...
Oque houve, i 330 nao sel; crescia om certo
tedio;nem mais urna caricia, om riso para re-
medio.
A la continua va a marchar lentamente.Ago-
ra comecava a ser quarto crescente.
Do tedio para a zanga lacil transica-
En breve era o casal perfeito gato e cao.
Brigava todo o dia, e as vezes sem motivo...
Tinna o demonio a casa, era um inferno vivo.
Cbegou meemo Novaes a extremo ta.. to mo
que a mulber muita vez mettea de rijo o pao.
Aden?, sceaaa de idylio e canto de aereia!
Eatrava nova pbase: agora a la chai,

Dea-se o qae em casos taes nao ba ninguem
3ue evit6 :a vida era infernal, cuioa se do
esquite.
REVISTA DIARIA
Actos ofllolaea 3.' SeccSoPalacio do
Governo do Estado de Pernambuco em 16 de Fe
vereiro de 1892.
A junta governativa do Estado resol ve nomear
o cldadao Jaao Can:io Civalcan'e de Albnquer-
que para exercer o lagar de avaliador privativo
as causas em qu9 for interessada a Pazenda do
Estado ou a municipal do Recife ; usando assim
exonerado Cleaneues Lopes da Siqueira, que
exercia o nesno lugar.
3.* seccia. -Palacio do Gjverno do Estado de
Pernambuco em 16 de Fevereiro de 1892 :
A junta govarnitiva do Estado resolve nomear
o cidaaoTranquillino doa Santos Castello Bran-
co para exercer o cargo de 2a solicitador d03
Feitos da Fazenda do Estado ; (canda assin
exonerado Ricardo Hmriqua di Silva.
Palacio do Giverno do Estada de Pemambu
co, 2* secgo em 20 de Fevereiro de 1892:
A junta governativa do Estado determina que
sejam rest.luidos liberdade os ex-tenentes co-
ronis Francisco de Paula Mafra e Ricardo Jos
Correia Lima, e relaxadas as ordens de priso
contra o bacbarel Jos Mara de Albuquerque
Mello e tenente coronel Francisco Gonc.ilvea
Torres.
O secretario da me3ma junta expeca as ordens
necessarias para a devida execuQo ao presente
acto.Assignado, Joaqulm Meadas Ourique Jac-
ques Ambrosio Maihido.J. V. M?ira de Vas-
concellos.
4. Seccio.Palacio do Giverno do Estalo de
Peruambuco 20 de Fevereiro de 1892 :
A junta governativa do Estalo tendo em vista
a proposta constante da elfic.o n. 93 de non-
tem dtalo do inspector geral da Instrucjo Pu-
blica resolve sapprimir a calein di encino pri
mario dosexi femioino da ra de Domingos
Theotonio na freguezia de S. Jas desta edide,
vaga pelo fa lecimento da professora Amalia Ca
rolina Pereira Caldas.
4' seceo Palacio do Giveroo do Estido de
Pernambuco, em 20 de Fevereiro de 1892.
A junta governativa do Estado, tendo em at-
tenco que o governo da Unio por decreto n.
732, de 5 do corren'.e, desligan da alministra
Cao federal a Inspectora de Hygiene do mesno
Estado resolve nomear para a referida inspecta
raos seguintes officiaes :
InspectorDr. Agostinbo da Silva Leal.
AjuianteDr. Augusto Lape da Assumpgo
Pessoa.
SecretarioJos Guilherme da Sil va Dua te.
Joaquim Mendes Ourique Jacques.
Ambrosio Macado.
J. V. Meira de Vasconcellos.
Por actos de hoje foram nomeado3 delega-
do do districto, bacbarel Alfredo da Silva
L'jyo. 1* supplenta Graciliano Martin3 Sobrinbo.
Por acto da tunta governativa do E:t&do de
20 do correte foi exonerado o baciarel Radol-
pha Albuquerque Araoja do cargo de fli:lal
miior da S3;retaria do Give'nie niraeado para
subsiituii o o bacbarel Esmeraldino Olympio de
Torres Bao letra.
Par publicar-Di Secretariado Giverna
remetleram-aos :
3" seejoPalacio da Governo do Estado de
Pernambuco em 19 de Fevereiro de 1892.Sr.
ministro da fazenda.
Em 22 e 29 de Dezcmbro e 20 de Janeiro ulti-
mas vos pedimos provideacias urgen'.es sabr a
crise qua a taita de dinheiro m.udotem acarre-
tado pan o commercio e para a papulaco >m
geral.
Reiterando esses pedidos de vos soliciUmjs
provideucias urgentes que fajan de83appare:er
taea exames qua presentemente attingem as Re-
partido da Fazenda, as quaes sao obriguds a
aao aaiisfazer com regolaridade seus pigameo
(03 atienta grande escasees de notas de pe
qaeno valor.
Cootamo3 que providenciareis conforme o caso
urge.
Jaaqoim Mendes Ourique Jacque;.
Ambrosio Machado.
Jos Vicente Meira de Vasconcellos.
3* SeccaPalacio do Governo do Estado de
Pernambuco, em 19 de Fevereiro de 1892.
Sr. Ministro da Fazenda.
Do facto de terem 03 Bancos Enissores. en'.re
os quaes se acba e de Pernambuco, limtalo
quasi exclusivamente a sai emissao a cdalas
aelOO*, 200 e 300*000, ten resultado a aggra
vaco da escassez de dinbeiro miado, que tintos
embarajos tem causado ao commercio e a popu-
lacho em geral.
Fazeodo aos esbos das justas queixas trazi-
das ao nosso conhecimeuto contra os males pri-
duzidos pelo facto exposto, vimos p wr-vw que
providenciis, com urgencia, no sentido de fa
zet os cessar, obrigando aas alludidos bancos a
substituirem as cdulas de grande valor que, em
larga escala, lm emittido por outraa da valor
inferior, ao qu?, pirece, podem ser constrangi
dos pela obrigao que contrabiram de emittir
bilhates dos meamos valores dos que se acha
vam em ctrculac.5) por parte to governo federal
Esperamos do vosso reconliecido patriotismo
eata e outras providencias que panbam Urina
e3cassez de dinbeiro miudo, que lnfilizmente
nSo nos assi3te competencia para responder.
Joaqun Mendes Ourique Jacques.
Jas Vicente Meira de Vasconcellos.
Ambrosio Machado.
3' SeccSo-Palacio do Governo do lEstado de
Pernambuco, em 19 de Fevereiro de 1892.
Sr. Ministro da Fazenda.
Tem de extinguir-se, a 31 de Mirca prximo,
o praio marcado pelo ministerio a vos3o cargo
para a substituico das notas da Tnesonra ca
riabadas pelos Bmco3 Emissores, de conformi-
dade com as dispoaicOes dos arts. 23 e 43 do
Decr. n. 10,262, da 6 de Junho de 1889. Graves
prejuizo8 trar ao commercio e ao publico em
geral a medida estabelecida desde qae se nde
o prizo marcado aem baver por parte dos Ban-
cos provilencias acerca do racolbimeato de taes
notas ; parecendo nos que deviam ser estbele-
cida3 agencias que ee encarregassem da auua'.i-
tuio ou tomada outra qualquer medida que ae
adapte ao Bervijo. Em vista do espo3to vos pa
dimos que providenciis em ordem de harmoni-
aar os interesaos da fazenda com oa demais con-
cernentes ao aasumpto, |afim de evitar que o
commercio e o publico sejam sobrecarregados
com esse vexame que necessariamente ha de
acarretar grandes prejuizos.
3 Seccaa-Palacio do overno de Pernambu-
co, em i de Fevereiro de 1892.
A juata governativa do Estado vos recommen-
da que providenciis em ordem a cessar a pra-
tica abusiva de substituirem as repartieras ar-
recadadoras o dinbeiro miudo que recebem por
cdulas de valor superior a 100*000, senio que,
entrando oesaas repartieres cdulas de peque-
nos valores nSo se dena o ficto attastada em
vosea in'ormaco n. 86, de 28 de Janeiro ultimo,
de serem 03 recolbimentos feitos neaae Tbesou
ro somante em natas de valor auperior a......
100*000.
Jaaquim Mende9 Ourique Jacque3, Jas Viccn
to Meira de Va8concello3, Ambrosio Macado.
Sr. inspector do Thesouro do Estado.
>uiiran do Ceara-Circular do gover-
nador junta governativa des'.e Estado.Gear,
19 de Fevereiro.
A crise poltica e atirantas a classe militar
exaltaram extremamente nimos n'este Estado,
tendo por ordem ministro e pedido doa olficiaes
se affastado batalhao onze, governador achando
momento spropriado nrndon atacar escola por
cavillaria e iofauteria policial no dia 15 s 3 h j*
raa, alumnos exasperados com patriotas accla-
maram-me como capitao reformado do exercito
a viDgar afTrouta resebida, repcllimo8 forgap po
liciaea, intimou se governador, recuson retirar
ae e atiron sobre nos representantes da legalida-
de, forte tiroteio al is 6 horas, houve oulroa a
diflerentea horas da noite, um qae com herosmo
136 alumnos acompanbados de duas boceas de
fogo e alguna patriotas defeederam as suas tor-
cas, de manha, Clariado ferido, sem gente por
mor'.e de muilos e por terem desertado outroa,
rendeu-se.
Morreu um alumno, fnica dois sendo um
gravemente, morreram alguna civis.que eaUvam
fra da lacla e amitos policiaes.
Con distinctos (linos como estes heroicos
alumnos, esta patria ser sempre livre.
Parabens patria brazilera ter entrado na
tegalidade a patria ceareme
D vulgaridadeaests telegramma.Senador
Bezerr.
Bto rande do Kono-Hontem abri
se nette Estado o novo congreaso ltimamente
eleito.
Hsodaio Pinto doa aatoa -No vapor
Pernambuco coja ebeeada neste porto est
annuociaia para o dia 23 do corrente, chega a
nosso conterrneo Deodato Pinto dos Santos,
noneado contador da lepartico dos correios
des te Estado.
offlcio dejualica Ao concurso abertu
para p.-ovimento da serventa vitalicia do cilicio
de tabellio e3picial encarregado do registro ge-
ral das hypotbecaa do municipio de Nazareth
apresentou-3e um nico concurrente, o Sr. Victor
Vielra de Mello.
Hospital Part;igue.-l j: pelas 11 ho-
ras da manh reunem-ae, na respectiva ade, 03
socios desse gremio beneficente em assembla
geral, para ter lugar a posse da eeva junta.
Lsdainh, cantada-Em observancia
dispoaiejio do respectivo compromisso, manda
boje s 7 1/2 horas da noite a irnandade de-
Santo Amaro das Salinas celebrar umi lalainba
cantando grande erchestra em louvor a Nissa
Senhora das Augustias na aua capaila das Sali-
nas.
Carao anana -Tem lugar ananb a 9
horas do da os exame3 em trigonometra, sendo
chamados os examinando;:
Joo Beitro de Andrade J.im, Manoel G)n-
Calve3 Nunes Micbado, Salomao Epaminondas
Freir Mariz Maraca, Jas Francisco de. Barros
Almeida, Luiz Villares Fragoso, Julia Machada
Guinari3, Artbur Fausto Botelbo e Adolpho
Cyriao da Cruz Ribeiro.
O resultado doa exames que bontem Uve
ram logar no mesmo Gurso foi o seguale:
Historia do Brazil
Joaquim Fonseci Nunes do Oljveira, approvado
com distinefio.
Eugenio Ozario de Gerqueira, approvado ple-
namente.
Hanoel Hygino de Oliveira, approvado simples-
mente.
Jos Amaro Bittencourt Barboza, idem dem.
2 Reprovados.
Geograpbia
Vicente Licinio da Coala Campelio, approvado
Eimpl3mente.
Pedro Edmundo da Costa Cirne, dem idem.
Julio Machado Guimares, idem idem.
Ignacio Freir Mariz, idem idem.
Club dos Dlaaidentes-Haje s 4 horas
da tarde reune-ae e3ae club carnavalesco em
sea8o de assenbla geral.
A reunio lera logar ra Inperal n. 133, e
ttm por flm deliberarse sobre assumpto coa-
cernen.e ao carnaval.
Seguranc.Esse vapor americana es-
perado de sul'at o dia '4 da carrete.
Incidente de Palmares -Sabie a8 oc
currenciaa ltimamente dadas ne.-si cidade com
referencia a estrada de ferro sul de Pernsmou-
60, do uos caubecimenle di seguinte cic.o que
precd;-8e s nesmas oceurrensias; e por isso
aqu inaerimol o:
Estrada de Ferro Sul de Pernambuci. Li-
ge em 18 de Fevereiro de 1892 N 6i. 3 Di
visSo. 1" Seceo.
Gidada.A 1* seceo conbacedora dos lti-
mos asontecimeotos de Palnares contr? a direc-
tora desta Estrada e larabem da attitude honro-
sa e enrgica qae tomastes perante os mesmo3
fados, Eaula-vos ::siegurando tolo o apioe ao-
lidariedade.
Saude e frateroiiaie ao illU3tre cidado Dr.
Franc:s:o Garloa da Costa Real, digniasima di-
rector tagenheiro chee interino.
(Assignado).Gasta Lima, ch?fe de 3ec<;So.
berby Club Ananhiaa neo dia reuoen-
se os accionistas d'essa sociedad i em assembla
geral, an de tratar da refjrma dos reapectivoa
estatutos.
Club Esperanca da Patria -Vi 4 bo
raa da tarde u'amaah' rene ae em 3easa esse
Glub, para tratar sabr assunpa da in'.eresse
social.
Capella de Santo Amaro das Sal
asa misaa que aos domingos celebrada
n'essa capella s 9 horas d) dia, ser h >je rezada
s8.
Aiagaa Davia bontem ter lugar n'esse Es-
tado, a eleico de governador e vise governador,
para cojos cargos eram candidatos os Srs. D\
Gabino Beso uro e BarSo de Traip
PenumbrasTemos aobre nossa baa um
folheto de trabalbos litterarios, em versos e pro
aa, da praoteada litterata D. Ignez de A n-nda
Pessoa, cujos dias foram precacemente contados
p.-li morte 3 letlras patrias.
Sao obras postbumas, porque em sua vida in
tellectual D. Igaez se velara como a violeta da
floresta, que emitte os seus alores sem ae mos-
trar a qu.'in passa e l.i'oa sent agradavelmente,
e si oceupava os lazares do lar com trabalbos do
espirito, estes Iha eran ama simples diverso
intima, um folgar d'alma.
E agora que es3ea trabalhos deixam o primo-
roso escrinio em que se depositivam, e se ob
jectivam pela publicaco, por grata lembrango
a'aquelle qua em vida foi consorte de D. Ignez,
tem o publico occasio de apreciar ama alma
que se derrama em efluvios de santimentos, um
corago que pulsa pelo que grande e generoao.
Ao 3r. Amaro Pesaoa agradecemoa o presente
que digaou-se de fazer nos.
Congresso Cearense Foi adiado para
o dia 1." de Junho prximo e.3se Congresso.
Gaceta de Molidas-Publicou en sua
Beunlao poltica -Honten s 51/2 horas
da tarde, perante numeroso auditorio o Dr. Thla-
go da Fonseca celebrou no largo da Pas, em
Afogados, ama conferencia sobre o pleito de
boje, pedindo o comparecimeato do eleitorado
s urnas e o suUragio da chapa do directorio do
partido republicano.
O orador fot muito applaadido, sendo em se-
guida chamado tribuna o acadmico Jos Bra-
ziliano, que proferto um bonito discarao.
Servleo militarHoje superior do dia
a Sr. capitao Xavier, e fas a ronda de visita
um subalterno do 14* batalbao.
O 14" batalhao de infantaria dar a guarnico
da cidade, excepto a guarda do Tae30u-o do
Estado que ser dada pela brigada policial.
Faz dia ao quartel general o Sr. cadete Hen-
rique,Cavalcaute.
Uniforme n. 3.
Amanh superior do dia o Sr. capitao
Leoncio e far a ronda de visita un subal-
terno do 14' batalhao.
O f batalhao de infantaria dar a guarnico
da cidade, excepta as guardia do Thesouro e
Detenco, que aero dadas pela brigada policial.
Faz da ao quartel general o Sr. clete R)
dopiaoo Civalcante.
Uniforme n. 6.
Casamento civil-Foi affixado-BO dia 20
da carrate edita) de proclama de casamento
doa contrabentes seguintes no 4o districto:
Primeiro
Antonio Gangalves de Souza Guimares com
D. Rosa de Barros Campello, moradores na fre-
guezia da Baa-Visla.
Foram affixados nos dias 19 e 20 do cor-
reate as seguales proclamas pelo eacrivo M.
Falco
Segundos
De Miguel Lapes da Fonseca com Mara Jos
Alvea da Silva, elle, viuvo, residente freguezia
de Santo Antonio, ella, solteira, residente fre-
uezia de S. Jos.
Da Caetano Ferrara Coelbo com D. Mara Ver-
selioa dos Prazeres, aolteiroa, residentes m
Afogados.
Inspectora do t," districto marl
timoRecife, 19 de Fevereiro de 1892.
Baletim meteorolgica
Horas Term. centi- Barmetro Tensao do Hmi
dade
73
63
7
6>
68
Temperatura mnima 26,30.
Temperatura mxima 289,73.
Evaporaco em 24 horas ao sol 10",2, som-
bra om,i.
Ghuva r.u'la.
DireccSo do veto ESE ron iaterrupc6e3 de
SE e E de meia noite al 12".03 da manb ; SE
com interrupces de SSE at 7-.10 ; SE com in-
terruogOes de ESE e SSE at meia noite.
Wlocidade media do vento 6",44por segundo.
Nebulosidade media 0.37.
Ba'etim io porto
grado (a 0<) vapor
6 m. 27,-i 733" 62 1983
9 27,8 736",3S 17,96
12 28, 2 734-,99 19,71
3 t. 28.0 733-,37 18.28
6 27,06 75-.60 18,39
Fra mar ou
baixa mar
?. M.
B. M.
P. M.
B. M.
Dias
Horas Altura
19 de Fevereiro 8-28 da m. 1-33
19 de 212 da t. 0-83
19 de 9-01 da t. 1-32
20 de 2-33 da m. 0-88
LeudesKttectuar-ae bao os seguintes:
Terga-feira :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, roa do Bam
sus 0. 45, de duas casaa, urna na Capunga e
ou'ra aa ra do Padre Florano.
Hssas fnebresSero celebradas .
Amanh :
A's 8 horas, na m?triz da Boi-Vi3ia, pela al-
ma de D. Mara Amalia Gbiappe Torreo.
Terga-eira :
A's 7 aoras. na matriz de S. Joa, pela alma
de Didimo de Oliveira Barcellos; s 7 1/2 horas,
oa matriz da Boa-Vista, pela alma de Vicente
T-ixjira Gaimbra; a 7 horas, na igr. ja da So-
ledale, pela alma de llenrique A. da Silva Oli-
veira.
casa de DetencoHovlmento dos pre-
10a da Casa de Detenco do Recife, Estado da
'ernambuco. em 19 de Fevereiro' de 1892.
Existiam 377, entraram 1, sahiram 16, xis-
ere 362
A saber :
Nacionaes 323. mniheres 17, eatrangeiros 20.
r-Total 36!.
Arracoados 318.
Boas 307.
Doentes 8.
Loucos 2.
Leu."i 1.
Total 318.
Movimento da enfermara
Teve baixa:
Manoel Alvea dos Sant08.
Hospital Pedro II O movimeon (leste
estabelecimenta de caridade, do dia 19 de Fe-
vereiro, foi o seguinte
Exi;tiam' 381
Entraran 18
593
Sabiram 1
Fallecern 2
Existem 595
* 599
visitadas aa enfermeras peloa segua
es rs.
Moscoso entrou8 71/2 hora3 da manh esa-
nio as 7 3/4.
Barro3 Sobrinho entrou s 7 1/2 da manh e
sahlo s 8 1/2.
Poatual entrou a 9 da manh e sahio e
10.
SimOea Barbosa entrou 3 10 1/2 da manh s
aabio sll 1/4.
elico de 13 do corrente, que no dia anterior re Ble/riai;dn0PJntrou s ll 3/i da manhSe 8abio as
Silva Ferreira entrou s 9 i/2 da manha e 8a
cebera o Sr. ministro da fazenda um telegranma
de grande importancia vindo de Landres.
Jornal do Commercio-03 Srs. Ds.
Lourengo Gavalcanti de Albuquerque e Francis-
ca Machado Das acaban de conseguir incorpo'
rar urna escomida redaccSo afin de levar a elleito
ama folha neatra u'eata capital, que aabir luz
aas primeiros dias do mez de Marco.
A folha diaria e denonfina-3e Jornal do Com-
mercu).
Sao seus redactore3 alm dos incarporadore3
os Srs. D.-s. Glovia Bevilaqua, Adolpho Gime e
Femando de Castro.
Alm da parte editorial e da noticiosa a em-
presa esfarcou-ae por conaeguir ornar a sua fo-
lha com una parle Iliteraria, outra bibliographica
e ouira commercial, a cargo de briihanlea
peonas. ,
E' urna tentativa extraordinaria a creajaa de
ama folha nentra neste Estado.
A escolba, porm, dos joroaliatas redactores,
todoa recoohecidameote supriores pelo aeu ta-
lento c aabretodo por seu carcter, faz no du
vidar do resultado de tal tentativa, especialmen-
te si ae connecer do temperamento forte e dia-
po3co de espirito doa incorporadores.
O Jornal de Commercio impreaso noa prelos
da amiga e acreditada Typosraphia Apollo, de
que tizeram excedente acquisca para esse Qm.
Paiiecimento -Na cidade de Ma%i falle-
cen antehantem noite o no3ao conterrneo ca-
pitao Jo) Licio Marques.
Succumbio a- conseqaencias de om amalle-
cimento cerebral na idade de 46 annos, deixando
viuva e dous Olbos em tenra idade.
0 lin.id o cujaa dualidades pessoaea o recan-
meodavan estima de qua gosava, era irmSo do
Sr. Manoel L'cio Marques e cunbado dos Srs.
Jos dos Sanios da Costa Moreira, Francisco P
T. Chaves e Raphael Das ; ao3 quaes apreaeuta
mos a expreaso dos nossos sentimentos.
PronunciaPor denuncia do Dr. inspe-
ctor da Hvgieoe foi ^pronunciado no art. 156 do
cdigo criminal o Sr. Thecdoro Minervioo Freir
Pitomba, por exercicio illegal de medicina.
Contra o pronunciado foi expedido mandado
de priso.
Premio da virtude-Esse premio insti-
tuido pelo commendador Antonio Jos de Maga-
Ibes Bastas e cuja execucSo incumbi junta
admniatraliva do Hospital Porluguez n'esta ci-
dade, acaba de ser deferido Exma. Sra. D.
Cirmelina Candida Atves de Sampaio d'entre
oito concurrentes, que foram apurados pela
commisso designada para esse fin.
Aberto em tempo o concurso, foram tomados
todo3 03 concurrentes; e depoia das precisas
syodicanciaa, a que proceden aquella commia
sao, apresentou ella seo parecer, que discutido
em seasao da junta adnimatrativa, foi approva
do sem discrepancia, bem como o alvitre eug-
gerido, na coincidencia de differentea habilita-
dos, de ser pela sorte escolbtdo aquello a quem
devesse o premio ser adjudicado.
A sirle foi favoravel referida senhora, que
ter de levantar a quantia de 500/000. I
bio a 10 3/4
Arnobio Marques entrou a 9 i/4 da manh
e aabio s 11 i/4.
Andrade Lina entrou a 10 1/2 da manb e sa-
hio s i-i 1/4.
Pharma:eutico entrou a 9 1,2 da manh e sa-
hio s 2 uoras da tarde.
Lotera do Estado do Gr&o-Par
A 3.' aerie da 51a lotera, deste Estado cuja
premio grande de 240:000/000, ser extrahlda
no dia 27 de Fevereiro (sabbado).
botera do MaranuoA 17* serie da
6* lotera deate Estado, cujo premio grande
de 300:000/000, ser extrahida na dia 24 de
Fevereiro (quarta feira).
Ceualterlo PublicoObituario do dia 19
de Fevereiro:
Jos Martina de Saaza, Pernambuco, 40, au-
nas, solteiro, Boa Vista tubrculos pulmonarea.
.Manoel Anselmo Marinho, Pernambuco, 48
anna3, solteiro, Boa-Vist, gaatro enterite.
Un feto, Pernambuco, Santo Antonio.
Barabara Mara de Jess, Pernambuco, 60 an-
uos, Santo Antonio, febre typbica.
Manoel Joaquim Tavares Pernambuco, 35 an-
nos, Boa-Vista, scirrhase heptica.
General Francisco da Costa Reg Mooteiro, 72
annos, solteiro, Graca, arteno esaleurose.
Auna do Espirito Santo, Pernambuco, 30 an-
nos, Graga, edema do gaio.
tinava deste Es'.ado oa meamos empregaaos para
continuaren! no exercicio de seus cargos e sen-
do approvada por unanimidade de votos esta ia-
dicago, foi eoviada me3ma juata governativa
a competente propesta, apresentanio oa nomes
dos cidados seguintes :
Para officiaes lanocencio3 Antones de Parias
Torres e bicharel Roiolpba Albertu Silveira
vmS aaVnuen3e3 hachareis Luiz Radrig'ues
Villares e Jos Alvea Lima. 6
Foi anda pela mesma junta e de conformida-
de com o citado art. noneado por naaninidade
de votos o actual porteiro desta junta Manoel
invino da i>iiva, para continuar no exarcicio de
sea cargo.
Em continuaca tonou se coobecimeato do
segu'nte.
_ KXPKDDUiH
Oflicios :
Di Dr. secretaria da junta commercial do Rio
de Janeiro, de 4 da corrente, communicaado ter
aquella junta, na mesma data, coicedido carta
de matricula aj cona-ciante Alexaodra Ribei-
ro de Oliveira estab-Jecid) na cidade Je Niclbe-
ny, com casa de negocias de gneros nacionaes
e estraageiros.Accme se a recapci e arch-
vese.
Da me3ma Dr. secretar o e da iguil data, de-
clarando fijar de passa da relaja dos commer-
ciantes nitricaliios o sta junta durante o se-
mestre de Julbo aDez-mbro do anuo prximo
findo.Para o archivo.
DKSPACHOS
PeticOes:
Da Jos Saare3 de Seixas, pdindo registro
para aua firma cam aereia!.Seja regi3trado.
D.: Antonio Alian si S:m3S, no miao senti-
do.Seja registrada.
Nada mais havenda a tratar o Sr. presidente
encerru a aesao a 12 1,2 horas do dia.
"
CHRQN1CA INDICIARA
aTaata Commercial do Estado de
Peraambuco
ACTA DA SESSIO DE 13 DE FEVEREIRO DE
1892
PK1SIDKSC1A DO SR. DBPUTADO JOAQUIM 0LINTH3
BASTOS
Secretario, Dr. Soares de Avellar
A's 11 horas da manh, foi aberta a sesao ea
taado presentes oa Srs. depotadoa : commenda-
dor Lopes Machado, Beitro e Flgueiredo, faltan-
do o Sr. deputido Paula Lopes por nao ter.sido
encontrado para ser avisado.
Lida foi approvada a acta da sesao ordinaria
anterior.
O Sr. presidente declarou, que em vista de
conferencia que Uvera com a junta governativa
deste Estado, deliberou convacara prsenle ses-
ao para tratar-se das nomeaedes dos empre ga-
dos da Secretaria desta junta visto ter de se reor-
ganisar este Estado de conformidade com ana
constitnicio.
O Sr. Presidente deciarou anda, qua em vista
das babilitacOes zelo e aasiduidade com que os
empregadoa da secretaria deata junta deaempe-
nham oa deveres de seus cargos, era de opinio
que. por forca do art. 47 do regulamento que
baixou com o decreto n- 596 de 19 de Julbo de
1890 fosaem propostos ilustre junta governa-
ECHOS Di 8|M
Revista de collaboraco
POR
Nemo & Ignotus
Smmario :No33a resolusSo Aconteci-
mentos do CearConse-
qaencias de urna teima
Pelo Santa IzabelEm fal-
ta de luztrevasA che-
gada do Dr. Segismundo
-t. falta de trocas em seu
mais alto grao.
Nos, Nemo & Igio'ui, sinceros repa-
b'.icanas e concaitaados collaboradores
dos Echo di Seman-t, pablicaios domi
nicalmente n'esta Diar:> por gracioso
conaeaao dos 83 n mu dgaos proprieta
ros:
Coasile ando que se acham entreveci-
dos os horisontes pal ticos pala accumula-
0S0 de nuvem tdegraphicas que piiraui
sobre nossas cabecas annancando nos a
cada momento raios e saraivas ;
Considerando que em nassa patria dc
pois do advento da raa iblici tuda ae tor-
nou fcil e pissivel assumiada a sorprezn
a poae de protagonista d- palco palitiao ;
Cansderanda aiida qua o Boato foi
elevado a altura de um axiomd e que
ltimamente a voa do pavo n)mo a
voa de Deus;
Conaideraado nalmenta que b6ba, b-
bBaimo acuelle que teado pernal para
correr e tempo anda para faael-o, espera
aa meio da raa o deaabamento da tem-
pestado ;
Resolvemos metter-noi em noaso capote
de invern o l no fondo de casa implo-
ramos dos cos que bons ventas conduzam
para bem longe esses t. ntos nimbos que,
se nSo esto carregados de pulhat, como
soem estar em taes occa35as,pois que em
tempo de guerra...sao realmeote para
por nos coracSes um grande maio.
*
Bem que diz!amos coa:
Para qae o Sr. Clariado hi de ser
p' oe boi? para que ha de tomara
nuvern por Juno?...
At que afiaal canvenceu ae o es go
vernador do Cear de que contra a foro.*
nao ha resistencia e da qua a prapbaaia
do Sr. Silveira Martina foi mesma urna
praga para a poltica braziieiraopvfor i
o poder.
E niaguem mais no caso da avaagar
ama tal proposico do que o ministro da
monarchia que n2o trepidan zn io tempo-
re em trocar o barrete phrygio pala dou-
rada frda de secretario de estado e qae
ora acaba de desirocal-a esqueceido-se de
quequem d e torna a tomar vira a
corcunda para o marcomo la diz o rifo.
Nao seria emtanto, mus humanitario
que o Sr. Clariado se ti vi Me em tampo
conformado cem a vontaie federal e sa
posto ao fresco?
Para que, pois, deixou-sa d:s'i;ir man-
samente as azuleas aguas de sua phaa
tasia?
Ahi tem o resaltado de ana taima : 13
horas de fogo e a sua final depasica.
Ass as palpebras para nao ver a sua imagem
reflectindo-se n'esae eapelho.
Que o diga o Sr. Thaumatargo.
J nos estava tardando urna desavencS
pelo Santa Isabel.
At qae emfim...
Acreditando iamoa que o etpirito do
mal j se havis foragido d'alli, quando,
ao lermoa o Diario > de quinta-feira,
sciente fcamos de qae para aquella casa
mal assombrada nSo ha agua-beata capaz
de afogentar o demo, de nm certo tempo
para c.
A signora Paolina Bertiny, urna das
persona que mais luziam naquelle palco
por falta de luz sufficiente ne seo cama-
rina acaba de terminantemente declarar
qae nSo mais aclaral-o-ha com as sua>
luzes, deixando-o em completas trovas.
J nos estava tardando urna desavenca
pelo Santa Isabel.
At que emfim...
*
A bordo do paquete brasileiro dia-
da, que na quinta-feira tocou neste por-
to, veio o Dr. Segismundo A. Goncalves,
um dos ohefes republicanos deste Estado
e Desembargador de noesa RelacSo.
Os seas amigos em crescido numero
foram recebel-o e a carro o acompanharSo
at a casa de sua residencia, onde S. Exc.
reposou algum temp, aegaindo todos
d'ahi para o Hotel Internacional, onde foi
servido um profaso almooo em qae foram
trocados muitos brindes.
Foi ama reoepclo digna do integro ma-,
gistrado que se tem imposto sobre tudo
por seu carcter illibado.

'
/

-


A
.
1-
,
1





.
t
<
- I


Diario de Pernambnco Domingo 21 de Fevereiro de 1892
H
Contina a falta da troco... j nao
Sodemos diser miudos porque at a notas
a 50000 va deaapparecando da circo-
lacSo.
Calamidado Horror !
Estamos j oanjados de pregar no de-
serto a res pe to deste facto i ua tem lan-
zado o pnico no seio de tossa aooiedade.
Has o que maia doloroso ha no meio
de tudo iato o pobre empregado publico,
que mal gacha para matar a fome e que
quando chega o dia de raceber os aeas
vencimentos nem maia um x tem no bol-
$o do mea anterior, yer-se forcado a pas*
sar troco aoa Sra. pagadores das reparti-
eres fiscaeaporque arguem-lhea estes
mui natural e terminantemente Traz
troco ?pergunta esta que mesmo um
gracejo atirado face de quem all vae
arrancando para embolcAr-se daquillo de
que tem falta.
Ora, imaginera, at que ponto nos con-
dusio a falta de trocoa :
Ver se o individuo forcado a nao rece-
bar o) seus vencimentos por falta de tro-
cono caso de nao tel-o para voltar ao
pagador.
Tendo a couea attingido urna tal defor-
midade urge que o governo volva para
ella aa suas generosas vistas.
Balalo
Grande sortimento de balaios para eofei e de
salas, para flores, papel, costura e roupa, estn
tes para msica, porta jornaes, mesas decharo,
e magnificas bolsas para viagem.
BAZAR DA BOA-VISTA
Objeetos de Bsenlas
Lndos medalbOes emfino Biscuit para orna-
mento de salas e liodlssimos objectos pronos
para presente.
BAZAR DA BOA-VISTA ___
Obras de electro-plat
Apparelbos para ca, licoreuos, aalvas, tintei-
ros e porta cartfles.
BAZAR DA BOA VISTA
Cha especial
Rscebem mensalmente o cha especial marca
Buil Dog.
BAZAR DA BOA-VISTA
Ra da Imperatrii n. 88
Alfredo Lopes A C
SPORT

lllppotlromo do Campo f-ramde
A reunio de boje nesse prado deve ser agra-
davel.
A corrida promelte 3er tambem de emoces
pela cooslituicfto dos pareos.
A inscripcao destes nao de produzirem-se as
certas.
E' esperar o que sabir.

A valeote Taeresopolis, herona dos prados,
fluminenses est se preparando para o primelro
encontr com o famoso Fausto.

Ecume, Lagrima, Cdula ..e Veogeor sao effe
ctiramente, os quatros animaes comprados pelo
Sr. Martina do Amaral, em BoeBoa-Ayres. do
extlacio stud Lis Ortigas para a coudelaria Grao
Para, des'.a capital.
Exorne e Veogeur sao filhos de Star, e Lagri-
ma e Cdala Albas de Ziooi, irms, portanto,
do grande Fausto.
Todos qaatro animaes sao de 3 i/2 anuos e
tm dado de si as melbores provas especialmen-
te e Ecume, que de orna velocidade a som-
brosa.
Acompaobam estes animaes o < eotraioeur e
jockey Jos Komay, e mais dous jockeys argen-
tinos, um 38 kilos e oatro de 45
Todo estejexcellente reforco para o turf flumi-
nense era esperado no Ro e atioal cbegaram,
meos o jocky Romay, que perdeu o vapor em
Montevideo.
INICACOES DTEIS
Prata preparara-se
seus pensionistas a
Muito. tstuis do Rio da
para enviarem alguna dos
capital federal.
No estado do Maranbo projecta se a funda-
c&o de um prado de corridas.

O treme-terra do Banco Sportivo, o intrpi-
do The Money, acba-se em magnieas coudicoes
j est tra Baleando.

A coudelaria de M. Edmond Blaoe 'oi a que
maior somoa de premios obteve o anno passa
do, es quaes elevaram se cifra de 56W5!
francos, e mais 199,493 francos, ganbos em In-
glaterra (na eomprebendendo oa segundos e
terceiros lugares) ; contribuindo para este re-
aultado 2 cavallos com 31 victorias alcanzadas
m Franca, 20 colloca^Oes de segundos e lercei
ros lagares, e tres victorias em oglaterra.
Esses vencedores rjrocedem de orlgens diver-
sas ; Ggurando na lista do? garanbdes que os
p-oduxiram os segointes animaes: Saumur,
Wellingtonia, Sockiras, Brace, Isonamy, Bor-
der-Minstret, Tnur, Arcbidac e sobre todos
Eaergy, a) qual cabera as bouras da ultima es-
tacto.
Sao pasmosos os successos incessantemente
repetidos e alcanzados pelos productos desse ul
timo garanbo.
Tinba seis anuos quando chegou em Franca ;
secdo seus primeirts productos : Rvreod,
Gouvernear, Compagnon Ii, Prtendaat II.Trom-
pette, La Batardge Corisand.
No segundo anno produzio Rueil, Iocitatos,
Energipue, Fantasa, Arab, Heloisa, Le Ches
nav. Mbamed e Ben Gana.
Os premios que I e va o (aram esses productos
na ultima e?tacao em Franja e oglaterra attin-
girara a 609,710.
Nao foram, entretanto, to felizes como po-
da n ser.
MEMORIAL
NINGUEM DEVE CuMPRAR
Artigos de cbapelaria ou flores, plumas, veos,
gazes, rendas, etc.. sem faier urna visita Cba-
pelaria Raphael, onde se encontra fempre tudo
qnanto, nesses artigos, ha de melbor e mais
moderno. #
2Ra do Barao da Victoria2
Rapbael Dias A C. ______
CORTES DE VESTIDOS
Em cacbemire
Voile de la.
Batista.
Levanline
Receben um chic sortimento a
LOJA DO COELHO
56 Ra da Imperatriz
atedeos
Dr. S Pereira, ra da Imperatria r. 8,
di consultas medico-eirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos n>s domingos e
dias santificados.
Consultorio medico- cirurgicoDr. Sim-
plicio Mavignier, de volta da Capital Fe-
deral tem seu consultorio^ ra da Cadeia
u. 27 1. andar.
Especialidade Molestias pulmonares,
tebres e da pelle.
Consulta de 12 aa 3 da tarde. Cha-
mados por eacripto.
Telephonen. 392.
Dr. lavares as Mallo, medico pelo Fa-
culdade do Rio de Janeiro, d consulta
das 12 as 3 horas daa tarda, no largo de
Corp o Santa n. 15, 1. andar: recebe
chamado a qualquer hora na sua residen
cia em S. Jse do Manguinho n 4. Tele-
phone n. 575. Especialidadea: molestia
de pelle e aiphilis.
O Dr. Lobo Moocoto d consulta em
saa casa ra da Gloria n. 39, das 10
horas da manhS 1 da tarde. ohando
se fra do servico publico offerece-so pan
acudir a qualquer chamado com prompti-
t&o para fora da cidade. Especialidades,
operacSes, partos e molestias de senioras
a de meninos.
Dr. Joaquim Lovrm.ro medico e p*:rtet
ro, consultorio ra do Cabug n. 14
l.* andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Oeeullataa
Dr. Ferreira, com pratica l-os princ -
paes hospitaes e clnica de Paria e Lon-
dres, d consultas todos os dias das i
horaa ao meio-dia. Consultorio e resi
dencia raa Larga do Rosario n. 20.
Dr. Barrtto Sampaio, occuliata, di con
sultas de 1 as 4 horas no 1. andar de
casa ra Barao da Victoria n. 51. Resi
dencia a ra Sete de Setembro _n. 34,
sntrsda pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Pereira da Silva recentemente che-
9ado de Pars, com pratica as clnicas
de Wecker e Landolt, di consultas de 1
is 4 horas da tarde i ra do Imperador
n. 63, 1. andar.
Telephone n. 588.
REZIDENCIA CACHANGA
rogarlas
Faria Sobrinho efe C, droguista por ata
oado, ra do Marque de Olinda n. 41.
Franciseo Manota, a Silva db C, doposi
tarios de todas as especialidades pharma
ceticas, tintas, drogas, producto chimi
co se medicamentos homeapatioos, ra di
Marque* de Olinda n. 23.
SEDAS I SEDAS t
Acabam de retirar da alfandega um esplendi-
do sortimento em sedas pretas e de cores, ver-
dadeira novidade
Domingos Coelbo Soares
LOJA DO COELHO
56 Ra da Imperatriz
RUCHES TRINCEZA DE GALLES
Sao liados os que receben a
LOJA DO COELHO
56Rua da Imperatriz 56
i-1:ii Eli
para senboras, meninos e meninas, novos mo-
delos.
Recebeu a
LOJA DO COELHO
Ra da Imperatriz n. 56________
" SABIDAS DE BAILE
Ecbarps de r nda de Bruxe.las.
liantilhas bespanholas.
Fichs de seda.
Recebeu a
LOJA do COELHO
Ra da Impesatriz n. Sd ______
PI11ICA(0ES A PEDIDO
FJeifo de Prefeito
Dizendo-se em um artigo da Provincia de boje
qne eu me opponbo e.eicao do Sr.Dr. Joo Ri-
oeiro de Brillo para o cargo de Prefeito do Recife,
tenbo a declarar aos meus amigos que sjo in-
teiramente injxacto, a pedir-ibes que sustentem
com o maior esforco a candidatura do mesmo
Dr. Brillo, a quem en irei dar o raen veto na
ama.
Recife, 19 de Feve-eiro de 1891.
Sigismundo Antonio Goncalves.
Para deputa los
Pedro Alves de Souaa Brasil, (artista.)
Dr. Joaquim Thisgo da Fonseca.
Francisco Mjreira Das.
As classes operanes artsticas.
geral
HIMS MODEIiOM
Em sela, renda e cchenme, recebeu nm pri-
moreso sortimento a
LOJA DO COELHO
56 Ra da Imperatriz
PASSKMENTKRIES
GaarnicOes para vestidos.
Ga'6e3 de seda.
GalOes de vidrllhos.
GilOesde la.
Receben a
L9JA DO COELHO
56, ra da Imperatriz
LEQ^EK i: VE\TAROI.AS
Em gaze, utas e pmmas.
Hecebeu a
LOJA DO COELHO
56 Rna da Imperat-ii__________
E3PARTILH08 E MADASiE VSHTIE
debruados a pelucia e setim, os mais commo
Oos at boje connecidos.
Recbeos LQM D0 C0ELH0
56 Ra da Imperatriz
A' Exma. JuataGovernativa
e ao Dr. inspector
da Instiuccao Publica.
Alguns pais de alumnas da Escola Normal,
pedem a Vs. Excs. que se dignem tomar em con
sideracao e dar as devidas providencias sobre o
modo pelo qual sao tratadas as alumna3 quefre-
quemara a aula de francez da mesma Escola
Anda hontem, em explicacac, o respective len-
te, entre outras amabilidades sabio fe com esta :
aumbomem admittido reprebinder-se
mais de urna vez, maisem urna moca SAFA
DEZ e melbor seria que fosse umi mulber
VADIA .
Alguns pais de familia.
Recife, 20 de Pevereiro de 189J.
Lyceu de Artes e Officios
Dos paranynpbos da benco do estandarte
deste estabelecimeoto, tem a sociedade at boje
recebido as segointes esportolas :
Commendador Jos Adolpbo Rodrigues
Lima 50*000
Commendador AqIoqo Gomes de M.ran-
da Leal 30*000
Barao de Souza Leao 20*000
D. Hara do Carmo, filba do Dr. An-
tonio Venancio C. de Albuquerqoe 20*000
D- Aoaa, Alna do Sr. Z ferino Vlente 20*000
D. Donatilid, esposa do Sr. Cypriano da
Costa Almeida 20*000
D. Francisca, esposa do Sr. Tbeodoro
Cbristiansen 20*000
D. Mara, esposa do Sr. Joo de Aquino
Fonseca 20*000
Commenaador Lniz Jos da Silva Gui-
maraes 20*'00
D. Mara Soares de A mor i m 20*000
D. Maris, Hlba do Dr. Francisco do
Reg Baptista 10*000
General Joaquim Mendes Oanque Ja-
cques 10*600
Dr. Prxedes Gimes de Souza Pitanga 5*000
"265*000
Ao eleitorado independente
Lembramos o nome do Dr. Joaquim Tbiago
da Fonseca como amigo sincero das artes, para
ser soQYagado no pleito de boje.
Muitos artistas.
(Da Gaxeta da Tarde )
Suaye e efficaz iDr. Bastos de Olive ira
Resonheoido como um remedio efficaz
e em rival o Peitoral de Cambar apr-
senla a grande vantagem da sua suavida-
de, o que o torna fcilmente assimilavel
aos paladares delicados, como os de se-
nhoras, crianzas e outras pessoas.
Eis como o Sr. Dr. Croa Cordoiro, con-
ceituado clnico Parahybano recommenda
as suas virtudes :
4 Attesto que o Peitoral de Cambar,
preparado pelo Sr. J. Alvares de Souaa,
um exceilente balsmico, e como tal o
tenho empregado nos doentes de bronchi-
tes o affeccoes pulmonares com grande
proveito, tanto mais por ser um expecto-
rante efficaz. O que affirmo em f de
meu grao.
Capital do Estado da Parahyba, 10 de
Maio de 1891.Dr. Antonio da Cruz
Cordeiro.
(A firma est reconhecida).
' nico agente e depositario do Peito-
ral de Cambar em Pernambnco a Com-
panhia de Drogas e Productos Cbimicos,
ra Mrquez de Olinda n. 23.
Engenho Matto Grosso do
Rio Forre oso
Tendo sido penhorados em virtude do manda-
do do juiz muni^ipul do Rio Formoso, 2.000*,
que eu devia pagar da renda da parte do enge-
nbo Matto Grosso. que tem o8r. Domingos Fran-
cisco da Silva Sussuarana; declaro que nin-
guem poder negociar tal letra de 2:0C0*000,
que se vence em Dezembro viodooro, pois
posso pagaripor ordem do jois.
Engenbo Matto .Grosse, 18 de Pevereiro de
MM
Vctor Pereira de Cartalho.
Ao distincto eleitora-
do do Recife
Para fazerem parte do Conselho Mu
cipal lembramos os nomes dos indepedentes
cidadaos, Pharmaceutico Theodomiro dos
Santos Selva e o guarda livros Jlo Af-
lonso Borges e Silva.
Diverso amigos.
Sem allivio!
Reconhecido como medicamento sobe-
rano- para as molestias das vias respirato-
rias, o Peitoral de Cambar mais e maia
se imp8e confanca publica, medida
que novos triumpbos vem robustescer os
seus crditos, largamente provados desda
1874.
Mais um teBtemunho da sua efficscia
apresenta-se hoje e firma-o um Ilustre
titular brazileiro proprietario da Faaenda
de Mat o Dentro, em Minas Genes.
Eis o importante documento :
Illm. Sr. J. Alvares de Souza Soa-
res.Atacado de urna forte rouqnidao, e
sem ter allivio com o uso de muitos me-
dicamentos recaitados, experimentei o seu
xarope Peitoral de Cambar, e em pou
eos das a molestia ceden completamente.
Depois deste facto tenho aconselhando a
diversas pessoas o seu remedio e todas
tm logrado os melbores resultados. Quei-
ja, pois, receber minhas felicitares.Ba-
rao de Ave!lar Reaende. >
( Afirma est reconhecida).
Adlou-ae a reata. Qjantas vozes nao
ouvlmcs nos prononciar esta pbrase por pessoas
que estavam convidadas para passar a noite ou
para jintar ou a assistir a qualquer cutra re-
unio em casa do Sr. X... ou do Sr. Z... ere-
cebem aviso que foi adiada rspentin menle a
festa por ter sido a doni da casa accommettida
de enxaqneca ? Ja se sabe oue quando a senbo
ra tem essa doenca n&o se \C: livre della secao
depois de 48 horas pelo menos. Ijso nao acon-
tecera se a paciente soobesse que de dez vezes
pelo meno oito vezes, as mais terriveis enxa-
quecas e a3 mais dolorosa3 ntvalgias se dissi-
pam, tomando se duas ou fes PeroU.s de tere-
bentbina do Dr. Clertan, cujos effeilos so tao
rpidos e inmediatos queespantam a pessoa que
as toma pela prlmeira vez. .
A o eleitorado do mu-
nicipio
A' con8deraco e ao sufiragio dos Srs.
abito res do municipio do Reciie vem o
Directorio do Partido Republicano apre-
sentar a chapa de seus candidatos, na
leicSo a que se tem de proceder no da
21 do correte para composicao dos Con-
seibos municipta) e dos respeotivos pre-
feitos e sub-prefeitos.
Nle desattendendo as necesaidades po-
lticas de momento, mas attendendo prin-
cipalmente as neceasidades geraas de orna
boa geatlo dea negocios municipaes, 0
Directorio esfor9ou-sa por compor urna
lista de candidatos que podesse merecer
do publico o mais absoluto e incondicional
apoio.
Conv cto de t r assim procedido e de
ser esse procedmsnto o mais correcto que
poderia ter, pede o Directorio aos seos
correligionarios e ao eleitorado do muni-
cipio em geral que suffragnem {sem dis-
crepancia a chapa que segu, composta de
ciddos eonhecidoB como conscienciosos
propugnadorea do bem publico.
Recife, 13 de Fevereiro de 1892.
Dr. Jos Izidoro Martina Jnior.
Armio C. Tavares dos Santos.
Dr. Joao Ribeiro da Brito.
Antonio da C. Ferreira Baltar.
Eis a chapa dos candidatos :
Prefeit >
Dr. Joao Ribeiro de Brito.
Sub preieito
Dr. Manoel Clnnentino de Barros Car
neiro.
Membros do Conselho Municipal
Joao Walfredo de Medeiros.
Uly88es Frederico de Almeida Albuquer-
que.
Tenente corotel Jos Fuza de OHveira.
Dr. Agostinho da Silva Leal.
Joao Jos de Amorim.
Dr. Jos Austregesilo Rodrigues Lima.
Joo Facundo de Castro Meoezes.
Dr. Virginio Marques Carneiro LeSo.
SebastiSj Manoel do Reg Burros.
Manoel Jonquim da Costa Ramos.
Municipio de Olinda
A postos descendentes de Bernardo
Vieira de Mello! A postos homens em
cojo eoracao o patriotismo ainda tem ra
ees Eis os nomes que deveis suffragar
no prximo pleito eleitiral para o vosso
Ccoselho da Intendencia
Dr. Francisco Gomes de Andrade Lima.
Tbeodoro Herminio dos Santos Costa.
Loiz de Paula Lepes.
Evaristo Flores da Rocha Wanderley.
Jos Manoel Correia de Barros.
Joaquim de S Cavalcante de Albuquer
que.
O partido.
0 Dr Barros Carneiro e a fa-
brica a vapor liana Espe-
ranza.
O Dr. Manoel Ciernen ti no de Barros Car-
neiro, formado em sciencias medicas e
cirurgicas pela facullade do Rio de Ja-
nei-o, medico adjuncto da clnica do
hospital de Santa gueda etc.
Attesto que tenho feito uso dos cigar-
ros denominadosMinha Eeperancae
bem assim do fumo Ilygienico Nacional
da fabrica do Sr. Antonio Francisco da
Cruz, recooheoendo pela analyse chimioa
a que proced, que o referido fumo e
cigarros nao encerram principio algum no-
civo as funecoes gstricas, sendo perfeita-
mente toleraveis aos dyspepticos.
In ti de medici.
Recife, 12 de Fevereiro de 1892.
Dr. Barros Carneiro.
Olinda
Cooselho Municipal
Apresentamos ao eleitorado de Olinda
os nomes des presentes cidadaos, propia-
mente no caso de salvar o municipio dos
cheques que soffreu na ultima Intenden-
cia daa estericridadea e daa panaceas:
Jos Figueira de Farias.
Joao Carlos do Reg Valonea.
Miguel Francisco de Souaa Reg.
Adolpbo Tbiago de Faras.
Amaro de Barros Correa.
MathiaB Ferreira Lima.
Olinda, 19 de Fevereiro de 1892.
Quatrocento e vinte oito voto.
Ao mmiicipio
O eleitorado da freguezia do Recife,
pelos seuB membros que comparecern: a
runiSo convocada para 17 do corrente re-
solveram uuanimemente confeccionar a
seguinte chapa para Conselheroe Moni-
cipaes na eleico a que se vai proceder
no dia 21.
Pede, portanto aos Srs. eleitores do
municipio todo o apoio e valimento em
favor da mesma chapa.
Conselheiros Muoicipaes
Joaquim Alves da Fonseca.
Tito Livio Soares.
Jos da Silva Loyo Jnior.
Jos Antonio Moreira Das.
Dr. Augusto da Cesta Gomes
Dr. Joao Carlos Balthasar da Silveira.
Francisco Faustino de Britto.
Joo Xavier Carneiro de Barros Cam-
pello.
Dr. Adolpho Alves SimSes Barbosa.
Alexandre Americo Caldas Padioba.
Olinda
Agradeco cordialmente aos meus concidados
a lembranca que tiveram de incluir o meu hu-
milde nome na capa para membros do conce-
ibo-municipal de Olinda, pois qae, motivos pon
derosos e argentes mj obrigam a renanciar todo
e qoalquer cargo, que por eleicao mi; seja dado
actualmente.
Oiiada, 20 de Fevereiro de 4883.
Majar Jos Figueira de Faria.
O Sedlits Ch. Chanteaud, o purgante
mais efficaz contra a prisSo de ventre, en-
xaqueca, dores de estomago, getta, reuma-
tismo, etc. A fama de que goza entre
oa facultativos universal. Para evitar as
cootrafaeces, exija-.se um embrulho ama-
reilo e a marca Ch. Chanteaud nico pre-
parador dos medicamentos dosimetricos do
Dr. Burggraeve.
Ao liitorado
Ciratldo !
PARA PKEFEITO
Dr. Manoel Pinto Dmaso.
Os pernambucanos.
Jaboatao
Coostando-me que na reuniao convoca-
da pelo partido republicano de JaboatSo
foi o meu humilde nome incluido na cha-
pa que se-fes para membros do Conselho
Municipal venho declarar que nao posso
nem devo acceitar a honra com que me
distinguirn!, agradecendo muito sincera-
mente queles que m'a dispensarem.
Jaboatao, 19 de Fevereiro de 1892.
Jos Caetano de Barros.
4.0 commercio
O abaixo assignado previne ao commercio
e aos devedores do estabelecimento n. 48
da ra DomingOB Jote Martns, que em
27 prximo paseado dissoheu amigavel
mente a sociedade, qu gyrava em dito
estabelecimento sob firma Antonio Joa-
quim 'ascao & C.* ficando o activo e
paES que qualquer venda ou pagamento feito a
terceiro nao obriga aa mesmo abaixo as-
signado, que o nico habilitado para
comprar e receber dividas e passar os
respectivos recibos.
Recite, 18 de Fevereiro de 1892.
Antonio Joaquim Cascao.
Medico operador e parteiro
Tem o seu consultorio ra do Marques
de Olinda n. 1, 1. andar, onde pode ser
procurado todos os dias uteis de 1 s 3
horas da tarde.
Chamados qualquer hora, ra do
Dr. Joaquim Nabuco n. 2 A. Capuaga.
Telephone n. 365.
r
1
i
Medico
DR. TAVARES DE MELLO
formado pela Pacoldade do Rio de Jaeiro,
tendo-se dedicado com especialidade i
therapeotica moderna das molestias de
pelle e sypoilis, aa polyclinica geral, a
cargo do Dr. Silva Araujo, onde servio
como sen ajodante ; d consaltas de IS s
3 boras no larcu do Corpo Santo n. 15 ou
andar, e recebe chamados a qnalqer hora
em soa residencia, roa S. Jos do Mangoi-
Sobo n. 4.
Telephone n. 575.
|fc-----------------------A
Dr. Silva Leal
Medico oecnllsta
Recentemente chegado da Europa e
com pratica nos prinoipaes hospitaes e cli
nicas de molestia de oUio dePars. d con-
sultas todos os dias uteis das 11 s 3 ho
ras da tarde em seu consultorio, rus
Duque de Caxias n 73 Io andar, entrada
pela Praca de 17, n. 73, (antigo Largo dt
ollegio).
Residencia a ra Bario de S, Borja n
16. Telephone n. 507.
Chamados por esoripto, em seu cnsul
ro, residencia, e na pharmacia Martin
O ADVOCADO
i lendes de Hollonda
Encarrega-se de qnalqner traba-
lho relativo a saa profisslo na co-1
marca de Oamelleira, bem como as i
(visinhas.
Escriptorio n Villa de Gtmel-
leira, onde pode ser encontrado das
10 s 4 horas.
i
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especial
dade de molestia* de aenhoraa e cranos
Consultorio e residencia ra da impt
ratriz n. IS, 1 andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por eacripto) qualquer hora
TKLKPHOKK H. 226
Dr. Mello G mes
Medico operador parteiro
57Ra do Barao da Victoria57
(DKFBONTI DA BA DI 8. AMABO)
Onde tem eoBtnllorio e resi-
dencia i podendo sr encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: partos, febres, moles-
tias de senboras e dos pulmoes, sjphia
em geral, cura rpida e completa e ope-
racoes de estreitamentos e mais souri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados ara
tora, a qualquer distancia.
Telephone ai. !
8
Dentes
Termina a horvel dor de dentes usan-
do o exceilente preparado deManoel Car-
doso Jnior.
As cartas que Ihe tem sido dirigidas
pelos jornaes de maior circulacSo, attes
tam a efflcacia.
Dep<
ositos
Drogara de Francisco Manoel da Sil
va & J., roa do Mrquez de Olinda
n. 23.
Phrmacia Martina, ra Duque de Ca-
xias n. 88.
Pharmacia Oriental, a roa Estreita do
Rosario n. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, ra do
Barao da Victoria n. 14.
Pharmacia VirgilioLopes, ra Larga
do Rosario n. 31.
Oculieta
Dr. Barrete Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 ra de
Barao da Victoria, {excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 26.
Telephone 287.
Dr. Nunes Coimbra
ClnicaMedico -Cirurgica
Especialidades : febres, partos, moles
tias de senhoras c de creancas.
Chamados a quaiquer hora na sua re
idonciaCaminho Novo n. 163, junto i
estacSo ; ou no seu consultorio, ra Mar-
Eiz de Olinda n. 56, on te d consultai
11 s 2 horas.
Telephone n. 387
Quauts doentes assim!
Aos Srs. Silva, Gomes &.C, proprieta-
ros da antiga e acreditadissima Drogara
Sul-Americana, estabelecida no Rio de
Janeiro, foi enviada a seguinte carta da
Estacao de Bom Jardm (estrada de ferro
de Cantage lio), narrando a prodigiosa cu-
ra de urna grave eafermidade pelo gran-
dioso remedio riograndense Peitoral de
Cambar:
< Illms. Srs. Silva, Gomes & C, dro-
guistas no Ro de Janeiro.Ha mais de
cinco annos qne en soffria de urna bron-
1 ohite com tosse e escarros de sangue, ha-
vendo dias de botar mais de meta
de sangue, nSo me deixando dormir aoitca
inteiras.
Recorr a todos os mdicos deste mu-
nicipio de Cantagallo, j sem gosto, nem
torcas para cuidar de minha lavoura; ni*
tinha nenhumas esperances da minh exis-
tencia por muito tempo, apezar de nao bm
faltarem recursos e bom tratamento.
Por milagro de Deua, cm amigo e ne
gociacte deste lugar, nao querendo que
en deixasse meus innocentes fiho's por
criar, acocselhou-me o Peitoral de Cam-
bar, e eu sem f, pois que nenhnm re-
medio me poz bom, resolv que esse ne-
gociante me mandasse vir da casa de VV.
SS. seis vidros para experimentar e, fia-
dos elles, j ,dorma bem, cessando de
todo os escarros sanguneos.
Mandei vir mais 21 vidros e continaei
at acabar, isto at o anno de 1888, e,
gracas a Deus, acho me completamente
curado..'
Agradeco a VV. SS. e peco-lhes pubi-
oarem este, a bem da homamdade soffre-
dora. Ao mesmo tempo, peco a Deas
pela saude, prosperidade e felicidade de
autor de tao grande e prodigioso remedie,
o Sr. Jos Alvares de Souza Soares.
JoSo Jos Zebendo.
(A firma est reconhecida).
Carnaval
Flcou assim organisada a commisso dos fes-
tejos carnavalescos da ra da Imperatriz :
Goilberme Spiller.
Joaqoim Teixeira Peisoto.
Francisco Moreira Dias.
Francisco Maya.
Jastinisoo Pereira da Silva.
Jos Henrique Pereira da Silva.
Albino A. da Motta Bar reto.
A o eleitorado do mu-
nicipio do Recife
Tendo o directorio do
partido republica o esco-
lhido o meu nome para o
cargo de Prefeito Munici-
palidade do Recife, peca
aos mens amigos, correligio-
narios em geral ao eleitora-
do da capital que me hon
rarem com os seas votos
para o mesmo crgo de
Prefeito, ficando certo de
que procurarei coiDprir com
os meus deve res, trabalhan-
do para que o bem publi-
co seja urna realidade nes*
te municipio.
Dr. Joao Ribeiro de Britto.
Aos eleitores do mu aicipio
do Recife
Coostando-me que aigoDB amigos pretendes
votar em meo humilde nome para o cargo de
preteito, declaro-Ins que nunca foi nem sos
randidato a to elevado cargo, mas se qoizereo
dispeosar ao signatario destas lionas mais ooa
prora de amisade, peco-Ibes lodo o apoio as
candidato apresentado pelo directorio do partide
republicano, o mea mulo particular ammea
distincto collega o Dr. Joao Ribeiro de Brito.
Recife, 71 de Fevereiro de 1895.
Dr. Barros Carneiro.
A's yictimas das febres
O elixir fetorll Cardeao. appra-
vado em 31 de Marco deste anno pela inspeets
ria geral da junta de bwieaedo Rio de Janeiro,
rem hoje apresentar-se a bomanidade Roffredo-
-a do mondo inteiro, como taboa de salvacSo que
to Infeliz naufrago lbe enviada por mo omai-
potente.
O elixir auatl-ferll Cardoio, applicx-
do em moitissimos casos de febres, tem come
por milagre, levantado do leito da dor a comple-
tos moribundos.
Este remedio, composto sement de vegeta**
loteiramente inoffensivo, ainda mesmo na mate
nimosa e tenra crianca.
As senboras, no estado de pandas, ou no pe-
riodo de mcommodos natoraes, podem osar sea
eceioalgom. ....
Este elixir j bem conbecido de alguns Sn.
mdicos de todo o pas, o mais seguro e prom-
pto remedio contra as febles, e com especialida-
de contra a febre amarella, erysipella e bexigas
de qoalquer qoalidade.
Modo de sisar
A's mangas at ora anuo 8 gottas de 2 em I
oras em orna colber das de sopa ebeia d'agca
iris. _
De ora anno a tres IS gottas; de tres a des
zottas; de dez annos em diante 30 gottas.
Os Srs. clnicos podem augmentar oo diminu*
at 60 gottas por dose.
Recife: mm~
Companhia de Drogas e Productos Chumos.
Santo Antonio:
Nacional Pharmacia, roa Larga do Rosar
a. 35. -
Pharmacia Oriental, roa Estreita do Rasar
q. 3.
Pharmacia Alfredo Ferreira, roa do Bario da
Victoria n. 14.
Pharmacia Martijs, roa Doqoe d Caxisa a.
M.
Yendas em grosso e a retalho.
DEPOSITO GERAL
Boa Estreita do .(osario n. 17
PEBV4MB1 CO
N. 149
ATTESTO
Estando com ora liluo de menor de 7 anuos de
idade soreudo das febres, por intermedio de
um amigo, applicoo-me o remedio do Sr. Manoet
Cardoso, eu indo mais o meo amigo partcipe! o
scffrimento de raen runo durante ha 20 dia;, o
Sr. Manoel Cardoso, gratamente pre3lon-se con
seu remedio e esta o meu iilho bom.
Recife, 28 de Julho de J890.
Roa da Viracao n. 1:Francisco Lourenco da
Silva.
N. 130
Illm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.E* com gran-
de satisfaco que atteslo o vlor e a efficacia do
seo especifico contra a febre; porqoanto tendo
apparecido meu bino Osvaldo com febre de ca-
rcter palustre duplo, e nao sendo possivel ceder
da sua inteasidade, resolv instancias de >m
amigo a applicar o sea especifico, e com granee
prazer meu v. desapparecer em 24 bcras a febre
restabelecendose tm seguida o meu eslimadis-
simo doente.
Pode fazer uso da presente como loe cosvier,
por eer a Bel expressao da verdade.
r Recife, 15 de Oatubro de 1889. ..,_
Seu altelo venerador criado.Jos Fernandos
de Alboqoerque Lima.
Estavam selladas e reconbecidae as firmas.

.


.
f-
i
i
-----------------..


Diario de Pernambuco Domingo 21 de Fevereiro de 1892

Gente amarrada a* poste
A Grande maioria da gente neste man
do obligada a trabalhar, para viver,
com as mos oa cabeca, ou talvez com
ambas.
Muito \)exn. Para vivarmos elevemos
poder trabalhar tantas horas por da,
tantos das na semana, e tantas semanas
dorante o anno.
Muito bem, anda. Mas sapponhamos
por um momento que qualquer de nos
tenha um inimigo que possuisse o poder
de nos amarrar com urna corda a sea bel
prazer. Hoje amarrara nos elle o braco
esquerdo, amanha o direito, no da se-
guinte urna perna, e asBm por diante. L
vem urna vez em que elle nos amarra
cama e nos conserva abi por espago de
ama semana.
Quanto nao viria elle a custar-nos,pago
a dinheiro no decurso de um anno? e
quanto poderia valer para nos se o podes
sernos amarrar a um rochedo e enforcal o
com a roa propria corda ?
Passemos a fazer urna illustracSo ou
duas disso.
Havia um homem que trabalbava em
ama linba terrea como signaleiro. Todos
nos coahecemos que qualidade de posigSo
essa, e temos alguma idea do trabalho
e reaponsabilidade que ella envolve. Pois
bem, manteve-a elle por amitos 'anuos,
sem faltar um so* dia no seu posto.
Conbecia elle melhor qne nieguem o
seu trabalho, e na seccSo da sua liona
nunca se dra um erro; porm acontece
que o sea inimigo comegou a amarral-o.
Como quer que fosse n2o poda ella
mais comer com appetite; qusndo elle
diligenciava fazel-o apoderava-se delle
ama tal depressSo que pareca tirar-lhe
todcs es signaos de vida. As vezes elle
se ressentia de tonturas de tal sorte que
tudo pareca girar em redor delle.
Se isto se desse na occasiSo de ter
elle que fazer qaalquer signal d'ahi re-
sultara fcilmente ama collisao ; por f elici-
dade bao sedeu aso. Outras cerdas foram
amarradas em redor delle: tinha elle dores
no peito e Uhargas, oseuventre se tornou
preso completamente a lingoa eneroBtava,
tieba mo sabor na bocea, afn'cSo do co-
rajao, fraqaeza, etc.
Dis-eram oa'.medidos que elle teria oque
abrir mao da sua oceupael j ; Bto todava
nao poda elle fazer. Tnha muiher e fi-
lhos a que prover e era apenas com que
ganhava diariamente que o poda fazer.
Mas finalmente elle se sento completa-
mente quebrado paseando a ficar de cama
durarte mu tas semanas e parte desse
tempo sem consciencia do que passava.
Entilo podemos dizel-o eil-o abi amarrado
de ps e m3oB. O sea inimigo o agarrara
seguro e estava a ponto de o matar.
Um dja depois que os me dices o tiveram
abandonado, as suas ideas pareceram
aclariar lembrando se elle entSo de um re-
medio- meia garrafaque elle havia es-
condido em urna caixa na cuanta dos si-
gnaes esquecendo-se completamente della.
Mandou elle buscal-a e tomou della urna
dose. Em menos de um mez era elle um
homem de sade ; as cerdas haviam sido
todas cortadas delle.
O remedio em questao era o Xarope
Curativo da Me Seigel, e o seu serTri-
mento consista em indigestab e dyspepsia.
Mas em quanto elle esteve doente com
ellas foi o mesmo como se tvesse estado
amarrado a um poste.
Dam se innmeros casos destes em toda
a Inglaterra, e de facto em todo o mundo.
Ouvimos fallar de meia duzia dalles,
dao se contado milhss de qne nunca se
ouve. -
A's vzes falla se em doenca de coracSo;
s vezes rheumatismo ; s vezes tsica;
as vezes deblidade geral ; s vezes debi-
lidade dos rins e da beziga ; .s veze3
prostracSo nervosa ; 's vezes dosordem
do figado.
Isto que os mdicos a designara por
todos estes nomes pomposos ; man no fim
de tudo nSo mais do que indigestSo e
dyspepsia e todos os mencionados soffri-
mentos ou chamadas doencas nao passam
de indicios ou symptomas da outranem
mais nem menos.
Se se dsae o caso de existir um ho-
mem sem ter padecimento algum do esto-
mago poderia elle viver eternamente se
gundo nos parece.
Mas como possivel que um homem
ou muiher se entregue ao trabalho quando
contem em seu corpo a merte e corrupjao
o estomago cheio de alimento em de
oomposicao lntrodzindo veneno no sangue
por todas as juntas, msculos e ervos ?
E' sao o que a dyspepsia cause.
A indigstalo um veneno vagaroso mas
seguro, o mesmo effei'.o que se se tomaE-
sem tantos graus de arsnico por (lia.
Eis aqu um outro caso, o de um fo-
gueiro de ama linha frrea o quai cont
de Hurlfrd o seguinte :
Diz elle : Tenho soffrido de indiges-
tSo e dyspepsia ha tres annes, coasultei
diversos mdicos mas peorei a cada passo,
por fim fui a um boticario que [me pro-
metteu curar dentro de urna semana ou
duas.
Vendeu-me elle tres garrafas dispen-
diosas de medecina e todo o offeito que
dellas senti foi a perda do meu dinheiro.
Depois disso obtive urna garrafa do Xa-
rope Curativo da Mai Seigel e quasi que
melhorei de repente.
Como me pesa nao o haver tomado ha
mais snnes
Podemos dar o nome deste homem se
" preciso.
Elle nao quera que o seu noms fosse
publicado, mas estava to bom como se
nao tivesse estado amarrado por muito
tempo. A doenca urna poderosa cjrda.
Aqu vai urna outra illustracSo. M. R.
B. Hopton de Long Weston diz : Te
nho sessenta e oito anuos de idade.
O Xarope Curativo da Mai Seigel nao
me tem tornado completamente mojo de
novo, mas tem-me elle curado de asthma,
prostracSo nervosa, e urna doenca da gar-
ganta proveniente da impureza do sangue.
Sentia-me demasiado coente para poder
trabalhar ; todavia posso agora trf.balb.ar
gracas ao grande remedio.
Pude dar publicidade ao facto. Toda a
complicarlo provinha de indigestSo.
Eis aqni como a gente se v amarrado
at que o Xarope da MSi Seigel nos pSe
livres.
Consultorio Medico Oculista
O Dr. Berardo communici aos saes
olientes, que mudou o seu consultorio do
predio n. 26 da ra do Bom Jess para o
de n. 9 da mesma ra onde continua a dar
consultas de 1 hora as 3 da tarde.
ResidenciaMagdalena.
Telephone n. 366.
dobradas, simples ou mixtas, podendo as
eBcriptas seren feitas no escriptorio ou
no proprio estabelecimento.
Propoerosae a fazer liquidares tora da
cidade, aceitam consignac3es, encarre-
gam se de promover a venda de productos
nacionaes, aceitando correspondencias dos
senhores de engenhos, fazendo adianta-
mentos. Encarregam se tambem, median-
te procuracSo, de receber fionorarios dos
Sra. funeciocarios pblicos, assim como
alaguis de casa, mediante mdica com-
mBsSo.
Os trabalhos de escripta e os contractos
serao fetoj em salat, especiaos, para este
fim, sendo que na primeira so terSo in
gresso os empregados e na segunda os
contratantjs, guardando-se todo o sigillo,
quanto s transacsSea effectuadas.
Venancio Labatut & C.
Advogaqo
Dr Eduardo Correia da Silva
escriptorio ra
H 15 de Novembro n. 77 (|
Consultorio Medico
O Dr. Manoel Argollo com pratica nos
hospitaes de Pariz e Berlim, tm seu con-
sultorio na ra do BarSo da Victoria n. 1.
Especialidades. Molestias dos appare
Ihos respiratorios, circulatorio e digestivo
Consultas das 12 a 3 da tarde.
Chamados por escripto.
Telephone n. 586.
Regulador da Marinba
Concerta se relogios da algibeira, pn-
dulas de torre de igreja ebronometros de
marinha, caixas de msica, apparelhos
elctricos, oculos, binculos, oculos de al-
cance, joias o todo qualquer, objeco ten-
dentes a art 3 mechanica.
9Ra Larga do Rosario9
O juiz de direito JoSo Baptista Gitira
na Costa enearrega se de contrahir em-
prestimos com o Banco Emissor de Per-
nambuco, sob hypotheca e penhor de sa-
fra, para os agricultores e commerciantes
residentes neate Estado e os da Parahyba,
Rio Grande do Norte e Cear, mediante
mdica retribuido ; assim como encarre-
ga-se de liquidacSes amigaveis, em qual-
quer das comarcas dos referidos Estados.
Pie ser procurado em sea escriptorio
ru do Mrquez de Olinds, antiga da
Cadeia, c. 1, 1.* andar, das 11 horas s
4 da tarde, e a outra qualquer hora, em
eua residencia, raa BirSo de S. Borja
n. 50.
COMMERCIO
Bols tommerclal de Pernam-
buco
jOTAQES OFFICIAES DA JUNTA D08 COR-
RECTORES
Praca do Recife, 20 de Fevereiro de 1892.
Nao bouve cotagao.
O presidente,
Eduardo Dubeux
O secretario,
Augusto Pinto de Lemos.
Cambio
PRACA DO RECIFE
Os hincos abriram 11 3/4 d. a coja taxa nao
aprareceram tomadores.
Da tarde em sympatbia com as noticias rece-
bidas do Rio o mercado air.-ouxou-se fecbando a
11 5/8 frouxo.
PRAf.'A DO BIO DE JANEIRO
Os bancos abriram a 11 7/8 retraliin 'c-se de-
pois de 2 oras para 11 3/4.
Banco da Bolsa
RECIFE, 20 DE FEVEBBIBO DE 1892.
Tranaaccoes effectuadas:
140 0brigac5es prefe r o n-
ciaes da Companhia de
Servicos Martimos de
Pernambuco do valor de
200*000 juros de 7 O/o
pagos trimestralmente
m 1- de Abril, 1- de
Julho. 1 de Ootubro e
1 de Janeiro
105 Ditas ditas
100 Ditas ditas
250 Ditas ditas
300 Ditas ditas
23 Ditaa d.tas
10 Ditas ditas
88 Ditas ditas
400 Ditas ditas
300 Ditas ditas
125 Ditas ditas
20 Ditas ditas
5 Obrigac6es preferen-
ciaes daCompanbia
Agrcola Mercantil do
valor de 2004000 de ja-
ros de 6 / ao anno
7 Obrigac6e3 preferen-
ciaes da Companbia de
Fiacao e Tecidos de Per-
nambuco do valor de
2004000 de juros de 7 %
ao auno
Escriptorio conamer-
cial
Os abaixo assgnadc3 tem estabelecido
cesta praja um escriptorio com a deno-
minado cima, a na Duque de Caxias
n. 72, 1. andar, com o fim de encarre-
gar-se de qualquer trabalho ou esc.-iptu-
racao de casas commerciaes por partidas
Dentaduras artificiaes
Sb pressSo elstica, e pressSo pneu-
mtica systemas noviseimos neste Estade
pelo cirurgiSo dentista Numa Pompilio,
4 ra do BarSo da Victoria n. 54 1 aa
:i&das S horas da manhS s 4 da tarde
mucosidades ? Vos eocommodam e de-
bilitam os suores nocturnos ? Tendes
garganta inflammada ? Estas rouco ?
Sents oppressSo no peito ?
Se por aciso, ou dado o caso que
edoecais de todas oa de qualquer urna das
enfermidades mencionadas, achar-vos heis
na urgentissima necessidade de empregar
um remedio efficaz e seguro tal qual seja
o Peitoral de Anacahuita.
NSo deixeis passar urna bora sem que
fagis urna prompta appIicacSo deste ina-
preciavel e prodigioso remedio.
Os males e sorrimentos, para logo serao
alliviados, e por fim acabar em restabe-
lecer completamente voasa sade e. com
ella vossa alegra e prazer.
Sua historia urna serie continuada de
prodigiosas curas e os triumphos sem fim.
Encontral o-beis venda em toda* as
prneipaes boticas da cidade e do campo.
Como garanta contra as falaificacSes,
observe-83 bem que os nmes de Lanman
& Kemp venham estampados em lettras
transparentes no papel do livrinho que
serve de envoltorio o cada garrafa. Acha-
se a venda em todas as boticas e drogaras.
443
Mathematicas E1 e-
mentares e Escrip-
tiraso Mercantil.
Venancio Labatut dedica-ss a preparar
qualquer pessoa em escripturajSo mer-
cantil com 30 a 5 licSes, conforme con
tracto, contina a lesionar as materias
cima ra Duque de Oaxias n. 72,
1. andar.
EDITAES
os
Reame dem idem 2100 a
usinas idem idem.....5200 a
Mercado muito animado.
2300
5J80J
10SKX 0
205*000
205*000
M5J000
206* 206iOO
OOOOO
203*000
207*000
208*000
208*000
ao par
A exportac&o at 19 do correte consta de..
50S03 saceos e 11598 barricas de assacarbraneo
oesando 4.933.114 tilos e lo92 saceos e 100 bar-
cas deassu:arma3cavadu pesando 1.188.175 ki-
los.
AlgodSo
Cota se nominal a 10*500.
At 19 do correte foram exportadas 6599 saces
e 150 fardos le algodao pesando 572 925 tilos.
Borracha
'iota-se nominal a 24*000 por 15 kilos.
Carocos de mamona
Cota-se a 1*900 por 15 kilos.
Coaros
Saceos salgados na base de 15 kilos a 660 ris.
>'erdes nominal 335 ris.
At 9 do correte foram exportados 30S3 coa-
ros e 2.000 i/2 de sola.
Mel
?or pipa de 480 litros 80*000 da falta no mer-
cado.
Alcool
Por pipa de 480 litros de 215*000.
Foram
D23.
exportadas at 19 do corrente 182 pi
Agurdente
For pipa de 480 litros 128*000.
At
jas.
19 do corrente foram exportadas 648 pi-
Carocos de algodo
Cota-se a 600 ris por 15 kilos.
Foram exportados
kilos.
at 10 lo corrente 496.920
f ABELLA DAS ENTRADAS DE ASSDCAB E AL-
GODAO
Mez de Fevereiro
Offereceram
41 Lettras byppotbecarias
do banco de Crdito Real
de Pernambuco do valor
de 100*000 juros de 7 %
ao anno
30 Ditas hyppotbecaris do
banco de Crdito Real de
Pernambuco do valor de
100*000
Vender
216*000
Comprar
104*000
104*000
CotacSes de gneros
A88DCAB
Para o ag~ieultor
B.anco por 15 kilos. 8*200 a 5*800
Somenos dem idem. ... 3*900 a 4*0(0
Mascavado idem idem 3*100 a 3*300
Broto secco a sol idem dem 2*600 a 2*700
Entradas
arcabas ....
Vapores. .
Animaos ...
Estrada de Ferro Central
dem de S. Francisco
dem do Limoeiro. .
Somma ....
Das
1 a 19
a 20
a 19
a 19
a 17
a 18
Assu
car
Saceos
68124
7623
9470J
63383
11427
160527
A!gO-
co
Saccas
108
2045
1241
11228
912
(232
1766
importacSo
Vapor americano Finance eutrade dos
portos do sal, em 19 do corrente e con
sigaado a H. Forster & C.
Caf 300 saceos a Joaquina Ferreira de
Carvalho & C, 40 a M. Leite & C, 5:47
a Companhia de Estiva, 60 a Soares de
Amaral IrmSos.
Estopa 6 fardos a M. Camiaha & C-
Por acaso experimeotaes
segointes sjoiptomas ?
Tendes tesse violenta ? Sents dores
nos pulmSes ? Expectoris phlegms oa
Fumo 39 volames a A. Machado & C,
4 a Figueiredo Costa & C. 2 a J. B. dos
Res, 232 a ordem, 37 a Pitta Carvalho
& C, 3 a J. J. Duarte, 45 a Santos &
C, 3 a Soares de Amaral IrmSos, 10 a
Companhia de Estiva. *" ~
Vapor francez cCharente entrado dos
port03 da Europa em 19 do corrente e
consignado a H. Burle'& C.
Azeite 1 caixa a Julio de Azevedo, 45
a Ramos Geppert & C 150 e 10 barra a
Companhia Industrial e Commercio de
Estiva.
Albos 50 canastras a JoSo de Almeida
& Torres, 50 a L. J. da Silva GuimarSes
100 a Companhia de Estiva, 8 a Que-
des de Araujo & Filho, 80 a ordem.
Bagas 3 caixas a ordem.
Ceblas 50 caixas a Ferreira Rodrigues
& C 35 a GuimarSes & Valente.
Carne de porco 2 A. J. Salsa.
Figos 4 caixas a Julio de Azevedo.
Fructas 1 caixa a Lopes Alheiro & C.
Livros 1 caixa a Ramiro M. da Co3ta
& C., 1 a F. P. Boultreau.
Rolhas 14 sacos a ordem.
Sardinhas 100 barricas a Companhia de
Estiva.
Vinagre ls barril a J. de Azevedo.
Vicho 20 pipas a Lopes Alheiro & C,
20 e 70 a Companhia de Estiva, 1 a Ju-
lio de Azevedo, 4 a M. D. da Silva Gui-
marSes, 1 a Amorim IrmSos d C, 5 a
ordem, 30 caixas a Paulino de Oliveira
Maia, 100 a Companhia de Estiva.
Vimes 303 Hacas a Jos Rodrignea
Maciera.
Fioa sem effeito a carga de Lisboa do
mesmo vapor publicada hontem.
Vapor francez Corrientes, entrado do
Havre e Lisboa em 18 do corrente e con-
signado a Augusto Labille.
Carga de Lisboa
Vinho 1 barril a J. de Sonza Roulin.
Eiporiaeao
aiom, 19 oa FBVEBEao di 18'2
Para o exterior
No vapo: americano Finance, para iNe'w-
York, carregou :
Rossbacb Brotbers, 1,005 couros seceos espi-
chados com 7,035 kilos.
No vapor ioglez Scholar, para Liverpool,
carregaram :
W S. Nogueira C, 41 saceos com 2,210 kilos
de cera vegetal.
H. Caminba & C, 400 saceos com 39,CO0 kilos
de sement de algodo e 96 ditos com 6,900
ditos de carocos de carnauba
J. Fuerstenberg & C, 500 saccoa com 30,000
kilos de carogos de algodao.
Na escuna portugueza Feiticeira, para liba
de 3. Miguel, carregou :
L. A. da Costa, 1 baruca com 100 kilos de
assuear branco e2 ga;co3 com 100 ditos de caf.
2* Seco.Secretaria do governo do Estafo
de Pernambuco em 19 de Fevereiro de 1892.
Da ordem da junta gobernativa co Estado fago
publico, para os evidos effeitos, que ao prov;-
mento da serventa vitalicia do offieio te tacel-
lSo especial encarregado do registro geral dos
bypolhecas do municipio de Nazaretb coacorreu
nicamente o cidadSo Vi:tor Vieira de Mello.
O secreterio da junta,
_______________D.miDgoa Aives Leite.
O Dr. Lyeurgo de Albuquerque Nasci-
ment, juiz de direito da Provedoria
cesta capital do i. atado de Pernambu-
co, em virtude da le etc.
Faco saber aos que o presenta edital
virem ou della noticia tiverem que, no
dia 24 do corrente mez, depois da au-
diencia deste juizo, ir em praca publica,
para ser arrematado por quem maia der
e maior lanyo offereoer, o bem seguicte :
sobrado no largo da Assembla, numero
d: sesete* (tres andares), pavimento terreo,
tres portas de frente, duas ditas no oitSo,
mediado deseseis metros e vate e cinco
centmetros de comprimeato, e sete ras-
tros e vate centmetros de largura, com
dous salas, um dos quaes serve de es-
tabelecimento de estiva, e um quarto no
fundo do segundo salSo.
Primeiro andar: tres portas de frente,
varanda corrida, tres janellas no oitSo,
duas salas, quatro qaartos, cosinha inter-
na e sala contigua mesma cosinha, tendo
o segundo e terceiro andares iguaes com-
modidades, avaliado por cinco contos de
res. O qual pertencendo ao acervo in-
ventar iado do tinado Jos Pinto da Cunha
Teixeira, vae em prca req'ierimento
do teetameateiro e inventariante Manoe!
Fernandes Velloso, para pagamento de
todas as despesas do respectivo inventa-
rio feitas pelo mesmo testamenteiro e in-
ventariare, a foi separado, para esse
ara o interior
No vapor americano Finante, para o Pa',
carregaram :
Cascaos Barbosa, 100 barricas com 8,400 kilos
de asssucar branco.
. E. C. Beltro & Irmo, 100 sacos com 6,000
fde assuear mascavado e 100 ditos com 3,621
ditos de dito branco.
P. Alvea i C 300 borrtcaa com 19,202 kilos
de assuear branco e ICO ditas com 3,416 ditos de
dito refinado.
J. Americo, 6 barricas :on 400 kilos de doce
e 1 lata coe 15 kilos de azeite de dend.
No vapor nacional Camillo, para Pelotas,
carregou :
N. M. do Eirado, 350 barricas com 37,359
kilos de assuear braaco e 100 ditos com 11,349
ditos de dito mascavado.
Para Porto Alegre, carregou :
-V M. do Eirado, 550 saceos com 41,210 kilos
de assuear brando e 100 ditos com 7,500 ditos
de di o mascavado.
No vapor nacional Espirito Santo, para Vic
toria, carregaram :
P. Carneiro & C, 30 saceos com 2,250 kilos
de assuear branco.
Para Riode Janeiro, carregaram :
Moreira & C, 300 saceos com 18,000 kilos de
assuear branco e 2C0 ditos com 12,000 ditos de
dito mascavado.
y G. Cascao, 2 barricas com 75 kilos de doce.
No vapor francez Corrientes, para Rio de
Jsneiro, carregaram :
E. C. Reftrfij A Irmo, 500 saceos com 30,000
kilos de assuear mascavado.
S. Gaitnares & C, 50 pipas com 23.003 lilros
de agurdente.
No vapor nacionil Satlite, para Santos,
carregaram :
Compannia de Estiva, 145 pipas cem 66,700
tros de agurdente, 93J saccoa com 54.000 kilos
de assuear branco e 150 ditos com 9,000 ditos
de dito mascavado.
D. F. Porto Baltar, 25 pipas e 50 barra com
15,875 it.-os de agurdente, 500 saceos com ...
3u,000 kil03 de assuear branco e 600 ditos com
36,000 ditos de dito mascavado.
Ns vapor nacional Jacuhype, para Bahia,
carregaram :
Cempanbia de Estiva, 1,000 8accoa com 60,000
kilos de assuear branco.
D. F. Porto Baltar, 450 saceos com 33,750 kilos
de assuear branco.
Para Penedo, carreganm :
M. A. de Sena & C, 20 barricas com 1,200
kilos de assuear refinado.
No vapor nacional Beberbe, para Santos,
carregaram :
P. Alves & C, 100 saceos com 6,000 kilos de
assuear branco e 300 ditos com 18,000 ditos de
dito mascavado.
No biate naeional Deus te Salce, para Moa-
sor, carregou :
J. Carvalho, 900 sacos com farioba de man-
dioca.
No biate nacional Bom Jess, para o Natal,
carregou :
J. Salgueral, 35 barricas com 2,100 kilos de
assuear retinado e 10 meia3 ditas com 740 ditos
de dito branco.
fim, no calculo procedido nos competen-
tes autos.
Dado e digo autos. E para que che-
gue ao conhecimento de todos maudei pas-
sar o presente, que ser publicado pela
imprensa e affixado no lugar do costume.
Dado e passado neata cidade do Recife,
capital do Estado de Pernambuco, aos
desenove das .do mez de Fevereiro do
anno de mil oitoceatos e noventa e dous.
Lyeurgo de Albuqnerque Naicimento.
DECLARARES
Hospital Portguez
Assembla geral
Sesso de posee
Pelo preseste convido os senbor3 socios do
hospital a comparecerem domingo 21 do corra-
le, s 11 horas da manha, na sie social, para
se cumprir o disposto no art. 29 dos estatutos.
Secretaria do Hospital Portugus. 17 de Feve-
reiro de 1892.
Manoel Lopes Ferreira,
Secretario.
Companhia
DE
Fia^o e Tecidos de Pernambuco
15 de Fevereiro de 1892
SSo convidados os senhores aocicni*tas desta
cooopanhia a cempareceren no dia 2 do prximo
mez. a 1 horada tarde, no seu ecriptorio ra
do Bom Jess n. 42, 1- andar, para censlituir-se
Astembla Geral orlinaria, com o fim de appro-
var as contas do anno fiado e eleger pur escru
linio secreto a Commissao Fiscal, ilesa da As-
sembla Geral e directora.
Jos Joao de Amorim,
Secretario.
Companhia
DE
Segaros Phenix Pernasubacana
.Na sede da compaobia ra do Commercio d.
46, estao dispoficSo dos senhores accioaiEtas:
i- copia dos Dalaocos semestraes do aune
prximo passoJo.
S- cp.a da relago nominal des accionistas
com o numero de ace;s respectivas e o estado
do pagamento deltas.
3- copia da lisia das transferencias de aceOes
realisadas durante o anco.
Recife, 16 de Fevereiro de 1892.
Os admlietradcres.
Luiz Duprat.
Manoel da Silva Maia.
Companhia Pernambucana
de Nave^acao
Paea as sca3 contss as tercas e sextas-feira?,
das 9 horas da ooaLha as 4 da larde._________
Banco da Balsa
Assembla geral
sao convidados os senhores accionistas a reu-
nirem-8e em assembla geral ordinaria no dia
6 de Marco ao meio dia, no escriptorio deste
banco, aam de torcarem conhecimento do rela-
torio, parecer riscal e contaa do primeiro perio-
do e elegerem o conselao fiscal.
Na sede do Banco ra do Vigario n. 2, en-
contrarse os sensores accionistas as copias do
bal o(o at 31 da Dezambro ultimo, contando
as indicac,6?s exigidas por lei; da relapso no-
minal dos accionistas com o numero de ac{6es
respectivas e estado do pagamento deatas ; e da
lista das transferencias das arcea realisadas.
DIVIDENDO
Oalrosim, sao convidados areceberem na sede
deste banco o 1 dividendo correspondente aos
mezes deco-ridos at Dezembro de 1891, na ra-
zao de 12 0,0 ao aneo.
Recife, 5 de Fevereiro de 1892.
Jos A. Rodrigu s Lima, presidente.
Antonio L. dos Santos, secretario.
_______P. J. Pinio, gerente.______________
Va Secretarla da anta Casa de m-
erlcordla alugam me oa egnlntea
predio* t
Ra do Encantamento. loja n. 11 30000
Ra do Amorim, armazem n. 26 10000
Hete idem u. 64 30*000
Ra do Burgos n. 19 124C00
Indemnisadora
Companhia de Segaros
MARTIMOS E TivRESTRES
Estabeleelda em sss
otado flnanceiro em Si de lie
zembro de 18SS.
Capital i,OUO:000|000
Fundo de reserva 0:376000
Sinistros pacos 1,776:683^000
44Roa do Commercio 44
CONTRA F0G0
fhe Liverpool & London (iota
1TTSUHAN3B GOMPAIT*
iilww, mim a c.
.___Raa do Bom Jess, n. 36
sEgkos .
MARTIMOS CONTRA FfcO
companhia Phenli Per-
nambucana
8CA DO COMMERCIO N'.iS
Loiion S Brasilian Bank
Limited
Rua a Commercio n. 32
Sacca por tedos os vapores sobre as ai-
cas do mesmo banco em Portugal sendo
ja Lisbo;.r.ia os C'apellistas n. i5. No
Porto, rua dos Jnplezes.
SEGURO COMA FUGO
Companhia Diorlh Brilish k
Sercantil e Insnranee
ita 1 suoscripto t
CadjS2ccumuiado3
Fon
RECEITA A=NCAL
premios centra
D fago....... l.i9S,818
premios sobre
Devidas...... 992,379
3.000,000 C 0*
9.752,443 18 o
i 3
1
t 2 488,197 12' 11*
N. B.A repartigao de fundos aecumuia-
dos scb:e seguros contra fogo, na se res-
ponsabilisa pelas transac<5e3 feita3 pela a
ce seguro sobre vidas.
Agente em Pernambuco,
JV. / Lidstene.
N 10 ruado Commercio.
Zoto seceos espicnaaos (kilo)
Conros seceos salgados (ko)
Couros verdes (kilo) .
Conrinhos (um).....
Carocos de algodo (kilo)
Garrapateara (kilo) .
Cacao (kilo).....
CBf bom (kilo) ....
Caf restolno (ko) .
Caf moido (kilo) ....
Carnauba (kilo ....
Cera vegetal (kilo) ....
Canna (litro).....
Cal (litro)
634
594
320
um
40
133
400
U200
1A00O
IJ2Q6
566
566
220
10
Carvao de Cardil (ton.) .... 30*000
Fannba de mandioca (lito) r | 62
Genebra (litro)...... 466
Sraxa (sebo)....... 633
aborandj (em folha) kilo 200
Leite de mangabeira (kilo) 14466
Mel (litro)........ 110
tfilho (&i!o....... 60
Phospbato de ca da lina Ra.a (tone*
lada).........lUOiO
Pelle de cabra (cento).....1871000
Pelle de carneiro (eeato) .... 145*000
Sement de carnauba (araba) 53
sola (meio).......1*850
Sement de carrapateira (kilo) ... 126
Sebo.......... 633
ratajoba (kilo)...... 40
Taboas de amarello em r>"ancbei
(duzn)........ 100*
Rendloeeotos publico
------------------------------------------------ [
THE IMPERIAL INSl'RXXCE COMPANT LIMITED
Estabelecido 1803
CAPITAL 1,900,000
i lis. a l.000;OOOO00)
8EGCBA EDIFICIOS E MEHCADOIUAS
Contra o fogo
TAXAS BAIXAS
Promplo pagamento de prejnlso*
SEM DESCONT
AGENTES
SEGURO COMBA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
R. Drusina & C.
al-R llarqaezdOlindo
ltnda ger8i :
Oo Oa 1 a 19
dem d 20
DI FEVEREIRO DS 18S2
Alfandega
oi2.354*301
27:117*653
Paota ds Alfaudeg*
SlkI** DI 21 A 27 DB FEVEUEIRO DS 1892
Alcool (litro....... 420
Algodao em rama (kilo) .... 613
Arroi com casca kio) ... 90
Assuear retinado (kilo) 390
Assuear branco (lulo) .... 340
Assuear mascavado (tim) v 195
Bagas de mamonas (kilo) ... 126
Borracba de leite mangab. (kilo) i*600
Cachaca......... 243
Renda do Estado
Do dia 1 a 19
dem de 20
147:763*183
11:401*703
Scmma total
569:471*954
159:174*891
728:646*845
Babia e escalavapor nacional i Jacuhy-
pe, commandante Carvalho, carga va-
rios gneros.
Maceivapor iuglea t Scholar com-
mandante E. Brown, carga varios g-
neros.
Observado
Procedente dos portos do sul fundeou
co lamarao o vapor nacional Camillo
e nao teve commonicacSo alguma com a
trra.
Scrcado Municipal de rfoe
O m'jvimtnto deste mercado no dia 19 de
Fevereiro foi o seguate : Entraram :
40 bois pesando 5 890 kilos.
372 kilos de peiie a 20 ris 11*440
11 compartimentos com mariscos a
100 rs. 1*100
6 ditos de camaroes a 3">0 rs. 1*800
56 cargas com fariaha a 200 rs. 11*300
7 ditas de fructas diversas a 300 rs. 2i00
5 cargas com gallinhas a 500 rs. 2*500
cassns com gallinhas a 300 rs. *
31 1 i columnas a 600 rs. 18*600
3o logares a 200 rs. 7000
6 sunos a 200 rs. (cabeca) 1*200
33 compartimentos com farinha a 400 21*200
34 ditos de comidas a 700 rs. 2380
45 dito? com fazendas etc. 600 rs. 27C0O
48 ditos cem verduras a 300 rs.
8 dos de sui^eiros a 1*
9 ditos de a 7C0 rs.
6 ditos de fressaras a 60) rs.
32 alhosa2*500
11 ditcsa2*
Rendimentos de 1 a 18
14*100
BJOOO
6*300
3*600
80*OCO
22*000
T1*340
4.9o*60
4.558*960
20
Seguca 3?:jo daAlfandega de Pernambuco,
d Fevereiro te 1892.
O thesoureiro,
Florencio Domingnes,
O ebefe da seccao,
Feliciano Placido Pontual.
Hceebedorla do Estado de
Pernanbueo
Do dia 1 a 17 47:816*181
dem de 18 317*422
48:133*603
Do ia 1 a 17
dem de 18
Recite pralnage
17:969*217
474*187
18:443*404
Jfovlinento do porto
Naviot entrados no dia 20
NSo houve.
Navios sahidos no mesmo dia
New Fork e escalavapor americano
Finance, commandante R. Zolng,
carga varios gneros.
Precos to dia :
Carne verde de 24) a 640 ris 0 kilo.
Sninos de 640 a 800 ris idemt
Carneiro de 640 a 800 ris idem
Farinha de 449 a 480 ris a cm>f
Miihode 300 a 320 ri3 idem
Fei]ao de 1*200 a 1*600 idemt
vapore a entrar
1I3Z DB FEVEREaO
Norte---------- Espirito Santo..... 21
Sul........ .' liguna........... 21
Sul.......... Ortegal........... 22
Norte........ Satellite........... 22
Europa....... Acor......;...... 21
Norte........ Allianca.......... M
Sul.......... Alagos........... 23
Sul.......... Pernambuco....... 25
Europa....... Humes........... 15
Norte........ Porto Alegre....... 27
Sol.......... Magdalena......., 27
vapores a sabir
MEZ DB FEVESEIBO
Europa......Liguria........... 20 as
Sol.........Espirito Santo..... 2t as
Snl.........Ai*nca..........23 as
Norte.......Alagoas........... 24 as
Sul .".,...... Thanes............ 23 as
Sol......... Perrumbuco...... 26 as
Europa......Magdalena........27 as
Sal.........ortoAlegre....... as 2 2.
o.
n.
B.
b.
a.
h.
H
'

<
I -
i







-



s


Diario de Pernanibuco Domingo 21 de Fevereiro de 1892
b
V
\


v
!

*


Compattljia De &t%uxos
cotba :::
Northern
de Londres e Aberdeen
Poseso financeira
Capitel subscripto 3.780,000
Fundos accumulados 3.000,000
Becelta annua! :
De premios contra fogo 626,000
Pe premios sobre vidas 208,000
De aros 155,000
Boxwell William & C.
INDEUZNISADOR
Companhia de Negaros
^HIPPODROMO
gampoTrande
I
Miguel Jos Alves
*' *Roa do Bou SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos segaros a uocr companbi
i rajaque concede aos Srs.seguadosisemp-
;ao de pagamento de premio em cada setimc
anno, o que equivale ao descont anuual de cer
a de fSpor c?ato em favor dos securad03
S. R. J,
Ju-
Nocledade Recreativa
ventude
Recreio duplo em il do corrente
S.!eai:ii:o aos senbores socios e suas familias
que domingo 21 do corrente. bajera um recreio
dudo, o qual principiar as 8 oras em pomo.
Taroaem sao admittidas familias estranhas a
sociedad?, possuindo os quisito3 dos es;a!ul03
que ac res.
Sicretaria do conselno administrativo, 19 de
"Fevereiro de 1892.O 2- secretario.
Manoel Casiano.
QUE SE REALIZARA'
No (lia 21 de Fevereiro
\onii
r
9
B
B
Pellos
Xa 1 ura-l
lid.
c
9
cor da xeti
menta
I
Proprletarloa
Instituto Commercial Per-
carubucano
AcLa se aberta ate o dia 29 do corrate a ma-
tricula para as acias deste Iaslitulo, na sede do
mesmo, antiga Escola Madelo e onde friacciona
0 Instituto Archeologico e Geograpnico Pernam
bucaco.
Secretaria do Instituto Zcmmerchl, 10 de Fe-
vere:ra de 1892.
O secretario,
Jao Bap'.ista Reyneira Cosa.
Irnnn-Jade do Glorioso Santo
Amaro das Salinas
Ladalnha cantada
A msa remedara desta i-mandade em cum-
pnmsnto de disposicc do sen compromissso
manda celejrar em suaigreja, domingo, 21 do
correcle, as 7 1/- horas da noiie, ama ladainha
cantada a gran de orcaestra em louvor a Nossa
Senhora das Angustia.
Nesse dia, a missa que se ce'e'ara ordinaria-
mente s 9 hars, ser celebrada s 8 horas da
manta.
Convido a todos os nossos irmos a virem as-
eistir oe mismos actos.
Cansa ario, 18 de Fevereiro de 1892.
Henriqae Maca'haes da Silva.
Escrivo.
Companhia de Santa
Thereza
Emprezsria de abtstecmente d'agua e luz
a cidade de Oiinda
Ass:mb!a geral, ultima convocacSo
E'- de novo convocada para o dia 3 de
Marco a assembla geral doa Srs. accio-
nistas, visto nao se ter no dia 16 do cor-
rente reunido numero legal. A assembla
tem por fim apreciar as contas, eleger a
administracao e fiscaes para o novo exer-
cicio fanccionario de accordo com a lei
com o camero de accionistas que compa
recer. O lugar da reunio no Bailo
des sessSes da Companhia de Trilhos Ur-
banos, ao meio dia.
Recite, 17 deFevr-reiro de 1892.
O director gerente,
______________A. P. Sim" es.
Companhia de Segu-
ros Amphitrite
No escriptorio desta empresa, ra do
Commercio n. 48, s2o offerecido aos Srs.
accionistas e esto ao sea dispor oa docu-
mectos seguintes :
1." copia dos batneos semeBtraea do
anno prximo passado.
2. copia da relacao nominal dos accio-
nistas com o numero das accSes respec-
tivas e o estado do pagamento dellaB.
3. copia da lista das transferencias de
accSes realisadas du-ante o anuo.
Recife, 17 de Fevereiro de 1892.
O director gerente,
A. M. de Amorim.
Companhia
Ferro Carril de Pernam-
buco
![Em virtude da escacez de cobre, nickel e se-
olas menores de 200D, peco aos sabores pas-
sageros o obsequio de nSo entrarem ?ara os
carros sem que previamente tenham a justa m
poitarca da passagem, visto que nao foi anda
esta campanil autorizada a emittir bietes de
1 rs., como requeren
R?c fe 19 de Fevereiro de 1892.
Felippe de Araujo Sampaio,
. Gerente.____________
Contraria
DE
H.*9. do Santlsslmo osario em
Oiinda
A a iual mesa de3ta confraria de accordo com
r licerga do bisao de3ta diocese, resolve^ fazer
aom :oda decencia a procisso da Virgem Senho-
ca da Siledade, no dia 3 de Abril do corrente
anno.
(Miada, 20 de Fevereiro de 1892.
O secretarlo,
Hermino EliaeoG. doB Prazeres.
Banco Popular
! dividendo
Os senbores accionistas sao convidados a vi-
rem receber na sede sacia!, do i- de Fevereiro
por diacte o i- dividerdo desuas respectivas
ccGes. na razio de 3 1/* 0/0 sobre o valor rea-
lisadc Jas mesmaa, correspondentes ao 1 pe-
riodo de Uao a Setemb'o prximo passade.
R 29 de Janeiro de 1892.
Albino Narciso Maia,
Director secretario.
Companhia Refinadora Mer-
cantil Assucareira
Da accordo com o que preceitua o art o dos
estatutos desta companhia, sao convidados os
sethores accionistas a realisarem a 2* entrada
do capital razio de 10 0/0 oa 10*000 por ac
cao at o dia 10 de Marco prximo vindouro,
das 10 horas da manh 3 3 da tarde.no Caes de
CapiDarlbe n. 54. .
Rf-ife 9 de Fevereiro de 1892.
Jos Joaquim da Costa Maia,
Presidente.
1. PareoPrado PernarntoncanolOOO metros.Animaes de Pernambuca aue nSo tenham
ganbo no Prado Pernambucano em 1891 e no Derby e Hippodromo em 1892. Premios :
200000 ao Io, 40*000 ao 2 e 20*000 ao 3o.
i.-
Ualange.....
Gerfaat......
Coliecior....
Dublin......
Gala........
Patehouly ..
IUj.......
Russo.......
Zaino.......
Russ.o......
Rodado......
Alazo......
Russo......
Castanho....
Pernamb.
53
55
51
55
55
55
53
Verde............
Azul e encarnado
Azul e branco........
Azul e ouro em listras
Amarello.pretoe azul
Azul preto e ouro....
Coud. 24 de Maio.
Coud. Aurora.
J. J. dos Santos Jnior.
1:6. Miranda.
Dr. Luiz Drummond.
J. B. C03ta.
M. J. Alves.
Pareai de Fevereiro802 metrosAnimaes Pernambuca que nao tenham ganho nos
prados do Recie at 12 do corrente, aalvo a corrida de 15 de Novembro de 1691. Pre-
mios : 200*000 ao 1, 40*000 ao 2* e 20*00C ao 3*.
Rio Grande.
Mizador___
Alabama....
Mutange....
5 Lisboa......
6! Coriseo------
7 Talissier___
8,Regedor ...
Rodado......
Castanho

Alazo.....:.
Castanho-----
Alazo.......
Baio........
Castanho... -
Pernamb..
51
51
51
51
51
51
51
51
A zul e branco.......
Azul e encarnado...-
Branco..............
Azul e branco.......
Preto e encarnado___
Amarello e rozo......
M. P. M. F.
S. A dos Anjos.
J. de Oliveira.
Silva & Rbeiro.
J. G. de Miranda.
Coud. Arrayal.
J. N. da Silva.
J. F.
PareoOrdena900 metros.Animaes de Pernambuco que nao tenham ganho em distancia
superior a 1000 metros, salvo a corrida de 5 de Julho prximo paseado. Premios: 200*
ao !-, 40*000 ao 2.' e 20*OOJ ao 3.9.
Phariseu....
Berlim
Gerfaut.....
Despota___
Gllete.....
Flautista...
Vivaz.......
Castanho
Cachito......
Zaino........
Rodado......

Castanho
P-rnamb.. 51
i 51
51
* 53
51
51
c 51
Encamado e azul....
Azul e encarnado
Listrado.............
Grenat.tbranco e azul.
Ouro e preto........
R. Costa.
F. C. R. R.
Coud. Aurora.
Costa & Fernandes.
M.L.
H. Baha.
F. R. Ramo3.
PareoDerby Club-900 metrosAnimaes
ao 1.', 83*000 ao 2
puncas e de Pernambuco.
e 25*000 ao 3.'.
Premios; 250*
Piramon...,
Faceira.....
Uoema
orga 2....
Castanho....
Rodada.....
Zaina.......
Rolado......
Pernamb.. i
ao
53
53
55
Amarello e branco
Azul, branco e ene
Preto e encarnado.
Coud. Bela-Vista.
Coud. Cruzeiro.
J. F. de Albuquerque.
J B. Santos.
5.c PareoTrilitos roano l.OOO metros.Cavallos de Pernambuco que nao tenham
ganho em maior distancia de 30 de Setembro de 1891, 31 de Dezembro do mesmo
anno, eguas do Estado. Premios : 250*000 ao 1., 80*000 ao 2o e 25*000 ao 3..
11 Despota.....
2 Coilosso ....
3Caubv......
4Pyrilampo
5|lda.........
6Maranguape.
Rodado.
Castanho
To-dilho..
Rodado...
Alazo...
Pernamb.
53
53
51
57
55
57
Ouroe branco.
Ouro e preto.
Grenat e azul-
Preto, ene. e ouro...
6.* Parco-Fralernldade 800
em maior distancia podendo entrar eguas do
ao 2. e 20*000 ao 3..
metrosCavallos de Pernambuco
estado. Premios
ililzador...
Coruja......
Njctheroy...
Camponez...
Romea.....
Fantina.....
Vermouth...
Boa-Idea....
Thisbe.....
Castanho
Rodado......
Castanho ...
Baio........
Castanho....
Tordilho
Alazo......
Pedrez......
Pernamb.
51
49
51
53
51
49
51
53
53
Azul e eucarnado..
Grenat e azul.
Branco e encarnado..
Azul e encarnado.
Encarnado e branco..
Azul e encarnado ...
Costa & Fernandes.
Coud. Republicana.
A. Marques.
J. E. Ferreira.
Coud. Ida e Volta.
Dr. B. ti. Fonc. Filho
que nao tenham ginho
: 200*000 ao i, 40*000
5. A. das Aojos.
H. Gibson.
Adolpho A. F. Taques.
A. C. S.
Coud. Portuense
Jl. P. Albuquerque.
A. M. A.
J. Monteiro.
J. M. de Abren.
OBSERVAgES
Os animaes inscriptos para o primeiro pareo deverSo achar-se no ensilhamento
s 9 1/2 horas da manbl.
Os forfas serSo reeebidos at sabbado, 20 do corrente, s 3 horas da tarde, na
Secretaria do Hippodromo.
Os jockeys que nSo se apresentarem convenientemente trajados com aa cores
adoptadas no programma por seus patrSes, nSo serSo admitidos pesagem e serlo
multados de accordo com o art. 51 do Cdigo de Corridas.
Chamamos a attencSo dos Senhores propietarios e jockeys para os arta. 46 e
47 e seus e o art. 48 do cdigo de corridas ; assim como os Srs. apostadores
para o horario, para encerramento da venda de poules, que ser restrictamente obser-
vado, salvo forca maior.
Previne-se aos Srs. apostadores qae os animaes que ficarem parados nao serSo
nullos os pareas e cena 83-restitairao as poules.
HORARIO
O D-imetro Pareo encerrar se ha a 11.50
Secretaria uo Hippodromo do Canapo Grande, 17 de Fevereiro de- 1892.
O secretario,
Faculdade de Direito
(Obras do novo edificio)
Em vista do aviso n. 663 do minute
rio da Instrucca'o Publica, Correios e Te-
legraphoB de 79 de Novembro do anuo
prximo findo, a directora d'esta Facal-
dade faz publioojjue se acha em concar-
rencia a execujo das obras do novo edi-
ficio da Faculdade, com o praso de 60
dias a contar da data d'este.
Os Srs. pr. tendentes diverSo apresen
tar na Secretaria desta Faculdade at i
12 horas do dia 27 da Margo do corrente
anno as suas propostas devidamente sel-
ladas e reconhecidas.
As propostas serSo f. itas por unidade
de servico, e este dever ser executado de
accordo com as plantas e orcamento fei-
tos ; p:dendo os Srs. pretendentes exa-
minar ditas plantas e orgamento no es
criptorio de administrado das novas obras,
sito no largo do Hospicio.
Os pagamentos serlo-fertos m en sal men-
te pelas medigoes provisorias precedidas
pelo engenheiro da obra
O arrematante ficar obrigado a indem
nisar ogoverno do preso das machinas,
materiaes e ntensilios existentes, para o
que antes da assiguatara do contracto se
proceder ao inventario e balaceo respec-
tivos, sendo o prego de taes objectos tlxa-
do pela administrado, de accordo com o
arrematante. ^
Ob proponentes deverao apresentar suas
proposta? acompanhados de conhecimento
qae prove terem depositado na Thesonra-
r3 de Fezecda a quantia de 1:000(5000,
a qual perderao em favor da fazenda na-
cional si sendo acceitas suas propostas nao
assignarem o respectivo contracto e nao
prestarem anca que fica arbitrada na
quantia de 20:G000j0.
Secretaria da Faculdade de Direito do
Reciie, 27 de Janeiro de 1892.
O director.
Dr. Jos Izidoro Martin* Jnior.
Derby Club de Per-
nambuco
S convidados ob Srs. ascionistas a
reunirem-se em assembla geral extraor-
dinarir no dia 22 do corrente, segunda-
feira ao meio dia na Secretaria d'esta So-
ciedade para tratar-se de reforma dos es-
tatutos.
Secretaria do Derby Club, 18 de Fe-
vereiro de 1892.
O secretario.
O. Guimara"'!.
Hospital Portuguez
Premio de virlude
Para estudar e dar parecer sobre os
eandidatoB ao premio de virtade, instituido
pelo finado commendador Antonio Jos de
Magalh3es Bastos, foi nomeada urna com-
missao de tres membros da junta admi-
nistrativa do Hospital Portuguez, que
depois de proc;der a rigorosas ndagacoes,
considerou em seu relatorio nos casos de
receber o premio os Srs. Ignacio Nery
Ferreira da Silva, Alfonso Henrique da
Cruz, Antonio Gabriel Rodrigues Ferrei-
ra, DomingoB Francisco de Siqueira Mar-
ques, D. Ermelinda Ponciana Moreira
Fon tes, D. Carmelina Candida AlveB de
Sampaio, D. Francisca Carneiro Bibeiro
Coelho e D. Anna Erminda Saraiva.
Na se8s2o da junta administrativa, em
27 de Janeiro ultimo, depois de discutido
o assumpto, foi acceito unnimemente o
alvitre indicado pela commisBSo, qie lem-
broa a adjudicado do premio pela sorte
entre os escolhidos.
Para concluir o trabalho foi convidado
o doenta Antonio Joaquim Garca, que
tirou da urna o no me da Exma. Sra. D
Carmelina Candida Alves de Sampaio, a
quem convido a comparecer no Hospital
Portuguez, no dia 21 do corrente ao meio
dia, para receber a quantia de 500)5000.
Secretaria do Hospital Portuguez, 19
de Fevereiro de 1892.
Manoel Lopes Ferreira.
Searetari.
Club Internacional do
Recife
De accordo com o nico do art. 45 de noseos
estatutos, previno aos senbores socios que o
edificio da sede do club com todas as suas de-
pendencias foi cedido a diversos socios qae se
quotisaram para a reunio carnavalesca do cor-
rente anno, em vista do que no dia da reunio
nao haver expediente.
Recife, 20 de Fevereiro de 1892.
Francisco Souaa Res,
Secretario.
Augusto G, da Silva.
BANCO DA BOLSA
Capital Res 1,500:00$000
Dividido em 15,000 accoe de 100:000 cada urna
, RA 0 VGARIO N- 2
(Esquina do largo do Corpo Santo)
Edificio da Junta Commercial
Hora da Boba
DE 1 A 2 DA TARDE
Compra e vende ttulos com cotacSo.
Liquda operacSes por conta de terceiro ou a prazo-
Faculta capitaes para corap-a e venda a dinheiro ou prazo de quaesquer
ttulos catados a Bolsa.
Integralisa convindo capitaes de Bancos e companhiaa reconhecida utilidade.
Faz transferencia do operares realisadas na Bolsa a prazo. m
Auxilia liquidagao de report e Delcredere.
Realisa operacSes bancarias relataras a sua rr.turexa.
Encarreg-se de incorporajoes de Emprezas
Levanta-se aprestimos.
Compra e vende metaes.
Encarrega-se da compra e venda de assacar, algodSo, etc. etc.
20 de Marco de 1891.
O director gerente,
P. J. Pinto.
Arsenal de Marinha
De ordem do Sr. capitao de mar e guerra Joao
Goncalves uarte, inspector deste arsenal e ca-
pitao do parto deste Estado, faco publico que no
dia 29 do crrante mez, s 11 horas da manh,
em urna das salas da secretaria da InspeccSo re-
i cece-se pronas as para a factura de livros pa-a
i a escriptaracao das ilrectonai de coastruccOes
navaes. marnin is e almosanfado deste. sr.-enal,
de conformi Ja ie com os modelos que se acham
expastos na mesma searetaria, para o necassario
exauae dos propanentfs.
Secretaria da Inspecco do Arsenal de Mari-
nha de Pernambuco, 19 de Fevereiro de 1892.
O secretario,
Antonio da Silva Azevedo.
MARTIMOS
Companhia Pernambucana de
vegac&o
Esta companhia mantem as seguintes liana
egalare3 de navegajao:
**rte. tocando nos portos da Par hyba, Natal
Mcauo, Mossor, Aracaly e Fortaleza, partinde
leste porto um paquete a 11 e 26 de cada mex.
Su, com escafa pelos portes de Macei, Pne-
lo, Aracaju, Estancia e Babia, salando desU
I de cada mea.
Nortnha, partida
no e-j o dt
aorto a 14 e
Fernando de
oes.
Si Fornoto e Tamandar, sahida a 28.
Rio de Janeiro, (directamenie) parte o paquet
u 2o a 30 do mez.
Rio Grande do Sul, (viagem directa) sahe di
.5 a 20 do mez.
idos os paquetes sao novos, tem excellentci
iccommodacOes para passageiros e para carga
i 03 precos sao mnilo reduzidos.
Os passageiros encontram, apar do bom tra
.amento, todo o conforto desejavel a bordo
im paquete.
Os paqnetes que (azem as viageaa ao Ro di
laneiro, alm de terem tudo o que se enecntr*
es paquetes moderaos, accresce que faz a va
/em em quatre dias e o prego de passageci
la i. classe 60/000.
O paquete empregado na vlagem para o Rli
itande do Sul e smente para carga, e tem c
.alado adequado a entrar no porto daquello Es
,ado em qnalquer occasiSo.
Recebe se engajamento de carga por qnaatl
lade isa para todas as viagens.
Outrosim, a companhia expedir paquetes ex
ordinarios desde que haja carga para o enga
ment completo de um paquete.
Sscnvorio. da ComDanhia Pernambucan
a. ti._____________________________________
The United Siate3 and Bra-
zilM. S. S. C.
O vapor AHianca
E'esperado dos portas do
norte al o dia S* do cor-
rente, seguiodo depois do
Indispensavel demora para
Baha, Rio de Janeiro e Bantoa
Para carga, passagens, encommendas a di-
nheiro a frete trata-se com os AGENTES.
O vapor Seguran ca
E' esperado dos portes do
sul at ojdia i de Fevereiro
seguindo depois da demo-
ra indispensavel para o
Barbados, 8. Thomaz e \ew
York
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata se com os
AGENTEg
Henry Forster & C.
8R'g do Commercio8
Io andar
Harmona Liio o Steamers
Para o Rio de Janeiro
Vapor Salerno
E' esparado at o dia 29 do
correte e segu para o por
to cima.
Para carga e encommendas trata-se com os
CONSIGNATARIOS
Jonhston Pater & C.
Ra do Commercio n. 15
Hoya! lail Stn Pt Gom-
peny
O vapor Thames
E' esperado da Europa at o dia
95 de Fevereiro e seguindo de-
pois da indispensavel demora
para a
Babia,' Rio de Janeiro/ Montevideo e Bues
noa-Ayres
O vapor Magdalena
E' esperado dos portos do sul
at odia ** ds Janeiro de 1892
seguindo depois da necessaria
__demora para
*. Vicente. Lisboa, vigo. e Soa-
thampton
Rei.ucc.ao de paiiagent
lia lia t teit
A'Lisboa i classe < 20 a 30
A' Southampton 1* classe 4 28 W
Camarotes reservados para os passageires de
Pernambuco.
Pira passagen3, fretes. encommenaas, trata-se
:om 03
AGENTES
4morim Irmos & C.
N.3Ra do Bon. JessN. 3
CHARGERS REUNS
Companhia Franeeaa
DE
VavegaeSo vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Baha, Ro de Janeiro e
Santos.
O vapor Colonia
Commandante Pequeux
E" esperado da
Europa at o dia
t de Fevereiro
l seguir depois
da necessaria de-
mora para
Baha, Ro de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queram apresentar dentre
de 6 das, a contar do da descarga das alvaren-
gas qualquer reclamacao conceruente a volumes
3ue porventura tenham seguido para os portos
o sul, afim de se poderem dar a teaapo as pro-
videncias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia n5o
je responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas passageiros,
para os quaes tem excellentes accommodaces
a tratar com o
AGENTE
Auguste Labille
9RA DO COMMERCIO9
Lioyd Brasilero
Seceso de navegaco
DA
EMPREZA DE OBRAS PUBLICAS NO
BRAZIL
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
E' esperado dos portos do nc
te ate o dia Si de Fevereiro se-
guindo depois da demora do
,costunae para
a, Espirito-Santo e Rio de
Janeiro
Recebe carga a baldear no Rio de Janeiro
jara Santos, Canana, Iguape, Paranagu, An
;oaina, S. Francisco, Itajahy, Santa Catharina
Re Grande, Pelotas e Porto Alegre.
As encommendas serio recebidas at 1 hora
on tarde do dia da sabida, no trapiche Barbosa
ef largo do Corpo Santo n. 11.
Para carga, passagens e valores: trata-se com
os AGENTES.
PORTOS DO SUL
O vapor Pernambuco
Commandante. Roberto Ripper
E' esperado do
sul at o dia a
de Fevereiro, se-
guindo depois da
demora necessa-
ria para
Parahyba, Natal, Ceara, AmarracSo, Ma-
ranhSb, Para, Obidos e Manos
As encommendas serao recebidas at i hora
lo tarde do dia da sahida, no trapiche Barbosa
ao largo do Corpo Santo n. 11.
Para passagen, fretes encommendas e di-
Gheiro trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Satellite
E' esperado dos partos do nerte
at o dia so de Fevereiro, e
seguir depois da demora do
costume para
ia, Rio de Janeiro e Santos
As encommendas serSo recebidas at 1 bora
la tarde do da da sahida, no trapiche Barbosa
ao largo do Corpo Santo n 11.
Aos Srs. carregadores pedimos a sua attenck)
jara a clausula 10* doa conhecimentos, que :
No caso de haver alguma reclamacao contra
:ompanhia, por avaria ou perda, deve ser feita
aor escripto ao agente respectivo do porto a
lescarga, dentro de tres dia3 depo3 de finall-
uda.
NSo procedendo esta formalidade a companhia
5ca isenta de toda a responsabilidade.
As passagens compradas a bordo e encom-
mendas all entregues pagarao mais 25 0/0 dos
pregas de nossa tabella.
Para paasagena 'retes e encommendas tra
a-se com os
AGENTES
Pereira Garneiro& C.
oRa do Com^rc^o-6,
1 andar
Api Balana i Naregago
a vacar
Macei, Vila-Nova, Penedo, Aracft-
j, Estancia e Bahia
O VAPOR
Principe do Grao-Para
Commandante Lacerda
E' esperado dos porto3 cima
at o dia SS de Fevereiro re-
gressando para os meamos de
pois da demora do costume.
f ara carga,"passagens, encommendas e dinhti-
rs a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osoriode Cerqueira
17Ra do Vigario17
! andar
Linha Bl-mensal
O vapor Ortegal
E' esperado dos
portos do sul at
o dia
9 de Fevereiro de tOS
seguindo depois a demora necessaria para
Brodeaux, com escMa por
Las Palmase Lisboa
ESTE VAPOR ENTRARA' NO PORTO
Para carga, passagens, encommendas di-
aaeiro a frete: trata-se com os
AGENTES
H. Burle & C.
42Ra o Commercio4
iEILOES
Leilo
Da casa terrea n. 11 sita a ra do Padre Fio-
rianno, com 2 sallas, i. quartos, cosinha externa,
quintal cacimba e em cbos proprios. *
Ter$a-feira, 23 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Bom Jess n. 45
O agente Pinto legalmente autorisado levar
a leo a casa cima mencionada, livre e des-
embarazada de qualquer onus.
Leilo
Da casa terrea com soto, ra do Dr. Joa-
quim Nabuco, n. o, freguezia da Graca, com 4
metros e 50 centmetros de frente. 12 metros e
70 centmetros de fundo, 2 janellaa de frente.
portSo e grade de ferro ao lado, com 2 salas, 1
quartos, 1 saleta, 1 telheiro, cosinha tora, soto
interno, grande quintal murado ao lado direito e
no fundo, cercado ao lado esquerdo, com cacim-
ba e bastante arborisado, terreno proprio.
Terca felra, 93 do eorrente
A's 11 horas
Na armazem da ra do Bom Jess n. 43
O agente Pinto levar a leilo, a requerimento
de D. Bernardida de Senna Los, testamenteiro
e inven ariante dos bens deivados por sen ma-
rido Lauriano Jos de Barros, por mandado e
em presenga do Illm. Sr. Dr. juiz de direito de
orpbos e ausentes, a casa cima mencionada,
edificada em cbcs proprios, na Capuoga, ra
do Dr. Joaquim Nabuco n. o.
Leilo
De 1 grande sobrado no lugar denominado
Caiueiro edificado em terreno proprio com 216
palmos de frente e comprimento at o muro que
pass i no fundo, sendo o sobrado edificado na
{rente do terreno tendo de cada lado 88 palmos
de terreno todo plantado de arvorea fructferas.
litarla feira 4 do corrate
A'S 11 HORAS
No armazem a ra do Imperador n. 39
O agente Martins vender em leilo o sobrado
e sitio cima no lugar da Magdalena a ra do
Cajueiro ; o agente dar informages e a chave
se acha em seu poder.
Leilo
De urna tacha a vacua com seus accessorios
montada sobre columnas de ferro com escada
e plata-forma para produzir 40 saceos de assu-
car por dia, 1 bemba de ar Usada com bomba
de climmentacSo para caldiras, 2 turbinas
com machinas tangentes e malexeur, 1 moi-
nbo para triturar assu:ar, 1 atravessador, ca-
nos de 2 a 6 polegadas, rodas para trolys, ei-
xos, sarilhos, polias, torneiras emuitasou-
tras pegas inheren.es a urna usina de fabricar
assucar-
Quinta feira, 5 do crrante
A's 11 horas
No armazem. da ra do.BarSo do Triumpho n.
46, antiga ra do Brum
O agente GusmSc, autorisado, far leijo
machinas e ferragens cima mencionadas.
Para informaces e ver, com o me;mo agiote,
em seu escriptorio roa do Mrquez de 0.
n. 48.
AVISOS DIVERSOS
Le Tailleor Moderno
Brevemente-----------
Precisa-se de um menino de 14 16 anuos
de idade, com pratica de molrrados e conheci-
mento ; na ra do Bemlica n. 6._____________
= Aluga-.:e o 2- andar do sobrado n. 7 ra
do Bemfica, est limpo e com agua ; a tratar na
mesma roa n. 6. ____________^________
O proprieiarlo das casaa ns. 1 e 3 ra do
Caronel fcameDha (antiga dos Praseres) pede
providencias a quem competir, para que obngue
os proprietarios do corligo denominado becco da-
acimba, que tem sei3 casas sem apparelho, e
entender que a frente das referidas casas praia
onde fazem despejo, com prejuiso para a hygie--
ne e do referido proprie'ario, que nao ha quem
queira alugar suas casas porque o mo cheiro
nSo se euporta. S-a o muito zeloso e digno ins-
pector da hygiene quizer dar um passeio ao re-
ferido luga: presenciar o que denunciemos.


r-



6
m

Diario de Peraambuco Domingo 21 de Fevereiro de 1892
r
Vende-ie om piano forte, proprio para
Sriocipiante : a tratar na cidade de Olala, roa
e S. Pedro Martyr a. 5.__________________
No escripiono da oampaobla de sertlcos
maritimos de Pernambuco, caes da Companbia
Pernambucana n. i, vende-se :
Ijmbreiras de pedra nacional e de Listo!.
Soleiras para varandas.
Pecas novas para janellas.
Arcadas de pedra para portas.
Cepos de cantara de Lisboa.____________
Precisa se Ce um caixeiro cotn pratica de
tatema ; trata-se na roa de Aguas Verdes n. Si,
taverna.________________________________
Precisa se de ama cria' a para copeira e
mais serrico de ama casa de familia ; a tratar
na roa da aoleaade n. 82. ___________
E na pregado
Precisa-se de um empreado que tenaa conbe
cimento de escripturagao mercantil e boa letra:
na rna Bario da Victoria n. 69.
Janipabo e caj
Compra-se em grandes e pequeas porgOes :
na rna do Principe n. i8, taverna.
Criado e cosinheiro
Na fabrica de tintaos de caja, rna da Aurora
n. 111, precisa-se de criados, serventes e cos
nheiro.
Copeiro
Preolse-ee de om bom copeiro com boas refe
reacias ; para mais info:mac5es, na rna do Com
mercio n. 7, andar, sala da (rente.
Sitio
AlQga-seum sitio com mnitas frocteiras e boa
casa de motada, no Arraial : a tratar na loja das
Estrellas, cua Duque de Caxias n. 56.
Prata prata!
No armazem de Olinto
Jardim e comp., na do
Mrquez de Olinda n. 16
compra-se moedas e objec.
tos usado? de prata.
Aproveitem, que
se meihor qae em
qualquer parte.
paga-
outra
Mangas maduras
Compra-se na fabrica de vintaos e licores de
caja e outra* frnctas. i rna da Aurora a. 111,
das 6 horas da manba s 4 da tarde, en qeal-
qier porcSo de 600 rs. a 145C0 o cento.
Aviso aos senhores de
engenho
A destillagSo den Coelbos, de E. Bellion, no
lareo dos Coelbos n. 13, compra-se qtalquer
quantidade de met bom a 5J por pipa.
PABA EffflHOS
Goimares & Valenle
Participam aos seas fregueses, e bom
assim aos Srs. agricultores, que conti
nuara a ter grande deposito dos artigo*
abaixo mencionados, garantiodo tudo de
1.a qualidade sem competencia em pro-
cos, visto como recebem os meemos arti-
geos directamente e terem constantemente
avnltados depsitos.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Cimento Portland He-
moor.
Oleo de mocot.
Dito mineral [( para ma
chinas).
Dito de linhaca.
Dito de ricino.
Dito de peixe.
Dito de coco.
Pixe em latas.
Azeite de carrapat.
Graxa em bexigas.
Caxeta de linho.
Potassa da Russia (em cai-
xas, barricas e latas).
G a z inexplosivel Dia-
mante.
Trisulphito de cal (aove
preparado para clarifica]
o assucar)
Formicida Capanema (o re-
medio mais efficaz para
a completa extinecao da
formiga sauva)
6 l'orpo Sanie- 6
___-_-_-_. I __. .._ ,_
Ao commercio
* A viuva de Antonio Jo= Paula Camino tem
justo e contratado vender, como vendido tem, o
seu depo.-ito de gneros alimenticios, sito rna
do Box- Jess n. 38, livre e desembaracado de
todoj os onu3, aos Srs. Pestaa dos Santos & C.:
que_ ge jolgar prejudicado com tal venda, apr-
sente sua reclamagao no pfeso de cinco das,
que ser tomada em conairteragao.
Becle, l6d.eFeter.-iro de 1892.
P.P. da viuva,
Antonio Jos P. de Csrvalo.
Jos Barbosa de Carvalbo.
l'osinheira e criado
Preciea ee, rna Mrquez de Olinda n. 53,
rmazer_ de miudeas.
Fazendas baratas
LOJA DiS LISTRS AZES
Ra Duque de Caxias o. tt 1
DE
JOS AUGUSTO DAS
Sedas, chamalots, gases.
Setins, surah e folar.
Gorgurlo de seda preto.
Organdys de Lindas cores.
Caxemir&s lisas de todas as corea.
Teoidos arrendados.
Linn liso e de ramagens.
Percales, finas corea seguras*
Chitas e crotones.
Morim lavrado em pecas e meias pegas
MadapolSo com um metro de largura.
AlgodSosinho marca T.
Atoalhado infestado de linho e algo
dio.
Goardanapos grandes e pequeos.
Colchas de damasco e fustSo.
Cobertas forradas.
Cortinados bordados e crochet.
Crochets para oadeiras e sof.
Cortinados para portas.
Mosquiteiro com arrracao.
Enchovaes para baptisados.
Vestidos para meninos.
Cortes de vestidos bordados.
Vestidos de crotones com en le i tes.
Fil para mcsquiteiros.
Talos felpadas e alcochoadae.
Lence felpudos paro banho
Cobertores de 15 e algodSo.
Pannos para pianos.
Baetaa para roupas de banhoa.
Chambres de cretona e felpudos.
Brine-pardos para vestidos.
Bramante de linho e algodlo.
Gregu lia de linho.
Brotanha de linho.
Flanellas lisas e de coras.
Cassa lisa fina.
Cambraia aaiaaa larga.
Cambraia victoria de todos os nmeros
Crinolina branca e de ceros.
Oleados para mesas.
Pannos de Damasc para mesas.
AlgodSo asul e riscado
Dito da Babia.
FustSo braceo e felpado.
Creps ingleses e de seda.
Merinas pretos e arrendados.
Valndoa pretos e de cor-s.
Veludilho de todas sa coros.
Cambraias com aalpicos brancos.
Capas pretaa de cachemiras i de seda.
Tapetes para sofs, portas e camas.
Alcatifa para forro de sala.
Boleas de tapete.
Sargelra de todas as corea.
C aemiras e pannos finos.
Alpaca; linas para r alitot.
Bodes da Baha de cores e brancas.
Todos estes artigos se vende por todo o
prego e se di descont a quem compra:-
em maior quantidade
NA
Lojadas Listras Azue&
A fina Duque de Caxias i. 61
Prf-uriM imm sVporatiTO
-ti
i
t

i
i
-}
4
->
J
->
Apprevado pala Illnatrada Junta de
_>gine PUDllea da Corte.
Auctorsado porDecreto Imperial
de 2o de Junho de 1883.
COMPOSI9O
de
Firmino Candido de Fianeirulo.
\litiga fabrica Caju-
rubeba
Veade-se nma machina americana de aplainai
8 outras de triturar, espremer fructas, etc., nma
excellente caldeira de cobre estanhado para co-
ser no vacuo, grandes depsitos de foiba pan
alcool on qualquer mister, urna boa armacao in-
glesa, grande qnantidade de rolbas inglesas,
lquidos e nnitos ontroa objectos, todo mnito
em conta ; na ra Luis do Reg n. i4, Santo
Amaro, das 8 as 10 boras da manba e das 4 da
tarde em diante.
Cosinheira
Precisa se de urna cosinheira ; a tratar na roa
do Commercio n. 32.
A' Boa F
Roa da Imperatriz n. 78-A
Tem para acabar, bordados a 400 rs. a peca,
litas a 200, 300 e 400 ra o metro, gales de co-
res, de seda e de algodSo.
A quem pertencerf ?
Em Janeiro prximo passado (oram entregues
no iraDicbe Vianna 45 volnmes ; quem se jolgar
com direito, qseira reclamar, que provando e
pagando as despesas, tomar conta dos referidos
volnmes.
Moedas de prata
de todas as qualidades, antigs e modernas, de
2J0OO, 1*000 e 600 rs., assim como toda a es
pecie de moedas eetrangeiras de ouro e prata
paga se bom precs. Compra se tambem ouro *
prata veiha ; na relojoaria David, ra do Cabe
gi n. 14
Ao commercio
Pestaa dos Santos C, tendo justo e contra
tado comprar, como comprado tem, a vinva de
Antonio Jos Paula Carvalbo, o sen deposito de
gneros alimenticios, sito i rna do Bom Jess n.
38, livre e desexbaracado de todo e qualquer
onus, avisa pelo presente ao3 credores da mes
ma vinva, e convida os a apreseolar snas contas
no praso de cinco dias, para serem pagas, <
Ando esse praso o comprador nao se responsa
bilia por crdito algnm da Arma vendedora.
Recife, 16 de Fevereiro de 189S.
Pestaa dos Santos & C.
Para adm nistrador de engente
OfTerece re nma pessoa com bastante pratica
por ja ter sido eenhor de eogenbo ; para iolor
mages qneiram dirigir-se rna do Bom Jess
numero 62, armazem.
Empregado com Muc-r eKoicia no
rhmmatisme de quhpeer natama,
em todas as molestias da ptue as
Uucorrhas ou flores branca;, nos
soffrimentos occasionados pela impuresa
do sangue, e finalmente nos difterenles
formas da syphilis.
Dse Nos primeiros seis dias nma
colher das de cha pela manh e outra jtT
noite, paramente ou diluida em agua -
e em seguida mudar-se-ha para colhe- (
es das de sopa para os adultos e me-
tade para as enancas.
\
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
I duroso; devem usar dos banhos frios ou
I mornos, segundo o estado da molestia.
I
i
A
-)
deposito osirrB-i.
Francisco Macoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Marques de Olinda
Pernambuco
7Z
o;

o
ja
ce
6 1-
a
be
-
S be

5_
sa
->

5
00
'O
8
Aluga-se
Urna casa e sitio uiargem do rio a tratar
na estrada real da Torre n. 6-A.
Compra-se
Quem tiver e queira vender urna casa que 8fji
em ra bem localisada, dirija-se praca Coadr
d'Eu n. ."'2. terceiro andar.
PAKA
ENGEISHOS
Lopes e Araujo partid-
pam aos seus freguezes e 3-
lustrissimos senhores de en-
genho, que tem deposito
constante dos artigos abaixo
mencionados garantindo 4
boa qualidade.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Dita de Cutunguba.
Potassa da Russia (ea
barriquinhas, caixas, lata
grandes e pequeas ).
Oleo de mocot,
Azeite de carrapat.
Dito de coco.
Dito de peixe.
Pixe em lata.
Kerosene inexplosivo.
Graxa em bexigas,
Gaxeta de linho.
Presos sem competen-
cia.
Rna do Liyramentt
i. 38
Manrique Fernanden da Coala
Mara liarlins Pereira da Costa, Juvma Maria
da Costa, Antonio Fernaodes Ribeiro e sua fami-
lia, Augusto de Figueiredo e Joi Fernaodes da
Costa (ausente), mandsm celebrar miajas por
alma de seu eempre lembrado esposo, Albo, se-
brinbo, cunbado e irmao, Henrique Fernaodes
da Costa, na ordem 3 de S. Francisco, s 8
borae da manh do da 34 do correte, 3- anni
versario de lao infausto paisamento. Para este
acto de relleiao convidara pg sene amigos.
l>. Mara
A
Amaiiat Chlappe
Torreo
Lindolpbo Hisbello Correia de Araujo e soa
mulber D. Eugenia Torrea Crrela de Araujo
convidara aos seus prenles e amigos para as-
sistirem a missa que mandara celebrar na ma
tris da Boa-Vicia, no dia 23 do correte, pelas
8 horas da manha, por alma de sua sempre lem-
brada cunbada e irma 0. Maria Amalia Cbiappe
Torreo, fallecida em Parix a 21 do mez pas-
sado.
f
Dldlmo ale Oilvelra Harmim
Francisca Secuniina de liveira Barcellee e
suas cinco irmas mandam no dia 23 de Fevereiro
celebrar na matriz de S Jos, s 7 boras da ma-
nba, orna missa por arma de seu nunca esque-
cido pai, trigsimo da de seu passamento. Ro-
garr ocomparedmento de algom amieo intimo.
t
Vrenle Telxelra Colmbra
2- anniversaro
Amalia Carolina Lavra Coimbra e sens Olbos
convidam aos seus prenles e amigos para asis
lirem a urna missa que peta alma do sen sempre
lembrado esposo e pai, Vicente Teixeira Coim-
bra, mandas rezar na matriz da Boa-Vista, pe
las 7 1/3 boras da manha do da 23 do cor-
rele.
t
Henrique A. da Silva Ol ve Ira
Julio Pires Lcbs, roa mulber e conbados man
dam no dia 23 de Fevereiro celebrar na igreja
da Soledade, s 7 horas da manbl, mitaas por
alma da sua nunca esquecida sogra e mi, anni-
versaro do sen passamento, convidam e agrade
cem aos prenles e amigos que comparecerem a
este acto.
AMA
Na ra da Aurora n. 109 B precisa-se
de umfc para casa de pequea familia.
Ama deleite
Precisa se de urna ma deleite ; na ra do
Livramento n. 38.
Ama
Precisa-se de urna, no Patio de S. Pe-
dro n. 1. l. andar.
Ama
Precisase de urna ama ; na ra de S. Jorge n.
t20, 2- andar. ___________
Ama
Precisa-se de urna ama para lavar e engom-
mar; sa ra do Rangel o. 9, padaria.
Amas
Precisa se do duas amas, sendo nma para en-
gommar e outra para cosiobar ; a tratar na loja
das Estrellas, roa Baque de Casias n. 56.
Ama de cosinha
Precisa-sa de urna ama que cosinbe bem, para
casa de familia a tratar na ra do Cabug o.
14, de meio dia at 2 boras.
TUL. HIT.v
Casa de commsses e repre-
sentages
EXPOSICAO
DE M COMPLETO SOBTIMENTO DE
de innmeras fabricas de todos os paizes da Europa e
das duas Americas, de toda especie de mercadorias, d
machinas e materia prima.
Deposito do afamado CREOLIM o melhor des-
nfectante conhecido.
Deposito da bem conhecida cODONTINA do
Dr. H. Rirdet.
62~Rn3 do Bom Jsv3--62

LOJA
DAS ESTRELLAS
Os proprietarios deste acreditado estabeleci-
ment de modas tendo concluido o seu balanco, resolve-
ram liquidar com differenga de 50 \, grande quantida-
de de sedas, fantasias e muitos outros artigos de moda
e dfelei, cuja liquidado principiar na prxima segun-
da-feira 25 do corrente.
ARMAZEM E LOJA

DAS
56 58-
STRELLAS
Bna Dip He Caiias--56 e 53
Telephone n. 2l0
irxo ha
MAIS
COPAHIBAl
INJECCAO PEYRARD D'ALGER
A laica lo _n_odo qae dsW coDtem principio alguui toxico neta c_astio, curando
-M-K-ai do Arfffll t*m expriBeotado a X**/efi* -Pwrrl era 23- Ai
roojcaa. eatr* o qaaei 90 hara mais de 10 t_rw>, 60 desdel axiQos. 92 dsde 4___
feaeite : 2J1 turma radica api oa dia de trauraento. Secunda xpenmeQUca eita em 1S1 KuCopeai Ifi
M cim iMmxor^m. M'm\MAjmp, plac da Cipltole. em_TOLOAA franoa) m ttda a. i-h-i
realmente em 4 ou t d.as. Relatono : Vanoa
Arabo padecendo do blenaaorraipas neailt vm
'das ate 2 annoa; o rosnltado maraTilhoao fot
Dtpoiiuco* tm Peniaualiuco ; _Trn- ac, 4m
iVA 4% CS
Ama
Precisa se de ama ama de meia idade para
cosinhar, rara casa de poooa .amilia na ra do
Alecrim n. 22.
Ama
Precisa se de nma ama para lavar, engoamar
e faaer mais algom servige de casa de pequea
familia ; na rna Imperial n. 19,1- andar, ?ieiro
o Mnnix.
Alugam-se
as segointes casas :
Ra do Imperador n. ?6, armazeu, e3.
andares.
Roa do GapilSo Antonio de Lima d. 30, sobra
do, com agua e gaz.
Ra da Fundic^o n. 10. con agua
Rna do Capilac Antonio de Lima n. 16.
A tratar na lilbograpnia ra Mrquez de
i Olinda n. 8.
Fitas lavradas para faxas n. 80 com maii
do um palmo de largara a 20000 reit
o metro.
Gregos, galSes, trancelins e regente
brancos e de cores, para enfeitar ve
tidos e roupa de ceanja, camisas, to>
lettes de senhora.
Collarinbos para homens a 200 res oa
Grande e variado sortimento de caizaa di
msicas a 20000, 30000 e 50000 reii
cada ama, proprias para presentes.
Espelhos mgicos a 500 reis um. Dan
40000 reis.
Espelhos com tres palmos de sitara, coa
moldara de dourado no, oval a 80001'
reis.
dem, idem a 60000 reis.
dem quadrftdos a 5(500 reis.
Ven tardas de palha branca a lf 000 reit
urna.
Leques de papel a 500, 600 e 800 reit
Rendas abicos de cores, braceo, de al
godSo e linbo de cores e pretos.
Bolsas e balaios de palba, para compras
viagens e passeioB,
Capas de la e casemira para senhoras.
Perfumaras, leos, extratos, cosmeticen
dos melhores abricantes.
Gales, palmas e pingentes de vidrilhot
Bolsinbas para passeio, de chagrn e pe
luca.
Albi'ns de pellucia, couro e chagrn.
Ver- do sortimento do brinquedos.
Pulceras, voltas, cazoletas, anneis, c
deas de plaqu americano.
Caixas de msica para presente a 7|0Gf
8I0CO, 91000 o 12I0C0 reis.
Meias, lencos, collarinhoe c punhos pan
senhoras e homens.
Oculos, pincanez, navalbas e caivetes.
Capellas, veos o ramos para casamento
Toucss e enxovftea para baptisados.
Corxetes em fita para metros.
GalSes brancos para roupa de criancaa,
NA
FLORIDA
IOo-PiQj Duque de Caxias-105
Attendite et vi-
cete!
JOS' SAMUEL BOTELHO
Fabricante de bonquets do mais aparado gos-
to, para casamento, embarques ou outro qual-
quer acto. Pode ser procurado ra da Cadeia
n. 43, loja de selleiro, onna sna residencia, rna
da Conceicao n. 3 (Boa-Vista).
Patacoes
Compra-se de todas as nac.6es ; na rna do Ca
boga n. 9, loja de Augusto do Reg.
Patacoes
Brasileiros
Marcados 24000 no centro, compra se poi
maior prego do qoeem oulra qualquer parte: nc
armazem i ra do Commercio n. 4
t .
'
t
Moedas de prata ou ouro
Comprase moedas de prata oa ouro de qual-
quer qualidade, pagando se maicr prego do qne
em outra parle ; na ra do Commercio, arma'
sem n. 4- ______________
A'BraF
Roa da Imperatriz n. 78-A
Reeebeu grande sor'imento de placas para nu-
meragao de casas.
Cosinheira
LOJA DO POVO
MRa do Crespo-II
O proprietario deste importante estabelecimento resolveu liquidar por meno
de tea valor os segointes artigos.
A saber:
v*oilea liaos e com flores a 240 rs. o covado.
Ditos phantasia o que ha de novidade 320 o covado.
Etamine com 3 1|2 palmos largura a 200 o covado.
Crotones claros e escaros a 320 e 700 o cavado.
dem em cortes com barra a 50500 om.
Creps pretos e brancos lindos padrSes, de 10000 o covado por 500.
Granadme de seda, de 20000 o covado por 10200.
MadapolSo de 70000, 80000 e 90000 a peca.
Dito franeea (20 varas) a 100000 a peca.
Cortes para colletes de fustSo a 10500 om.
Grande sortimento de brins de todas as cores e presos.
Jersey para roupas de crianca e Senhoras (novidade).
Cortes de vestido de cachemira a 250OCO.
Cortes de cambraia bordadas de 150UOO a 300000 um.
Merinos pretos para todo prego liaos e lavrados.
Capas de cachemira lavradas para Senhora (novidade).
Um saldo de merinos de quadro a 600 o covado.
Camisas francesas de 30000 a 60000 nma.
Lindo sortimento de cortes para calca.
Lindo sortimento de casemira para casacos de Senhoras.
Voiles de la para 1 SOCO o covado.
Ditos de algodSo grande sortimento.
Etamines de cores a 440 o covado.
Extracto inglez dos melhores fabricantes a 20000 o frasco.
Grande e lindo sortimento de meias para Senhoras, homens e crisneas.
Panos de crochets para sof e cadeiras.

.

Para urna familia estrangeira, exige ge boas
referencias : para mais informages, na rna do
Commercio n. 7, 1- andar, s^la da frente.
Tourinas
Vendem-se quatro vaccas tourinas com crias
a tratar na ra de D. Vital n. 70, mercearia.
A. Boa F
* Ra da Imperatr'z n. 78-A
Grande sortimento de botines para crianca, de
U0O0a3*CO0o par.
Electricidade para iumina-
cao e traccao
\\ J. Ayres
Encarrega-se de fornecer appareJhos e instru-
mentos elctricos de qnalqner especie e dos me
Ibores fabricantes. Contrata a instalicgo de
plantas elctricas, fornece ornamentos para as
mesmas, Ioormages em casa de Ramcs Sal-
gado & C-, faga da Independencia.
FUNDICAD BUHA
ALUNPAT.RSON S C
44KUA BAEO DO TRMPH0--44
Machinas a vapor
Moedas
Rodas d'agua
Taixas fundidas e batidas
Tacas batidas sem cravac,ao
Arados.
<-


E>iaro de Pernambuco Domingo 21 de Fevereiro de 1892
>.
s

'
MEMBREdiJURY
Exposico Universal de Pars
DE A ee.
HORS C0NC0ORS
A Superioridade dos Sabonetas de VIOLET
conhaclda e certificada pelas Celebridades
Medlcaes, e confirmada por urna
experiencia de mals de
mel seculo.
t^lVnAt" ESTES SABONE-ES
%^am>" tem a propriedade
*~ de tornar a cutis
FIEME BEANCA o AVELUDADA
PARS 29, BoxdevMd des Italiana, 29, ?ARJB
ACBAO-SE AS RlXCll'AES CASAS t PERFUMARAS da EUROPA < aa AMERICA.
^XSKaGBMHHHHsfBVHHHHB
SINAPISMO RIGOLLOTI
Esfriamentos Dores Congestoes jflflt > fA-f I
OHA-N Ct TODA* A PMAHUAQIAI
EXMArSE a AS6ONATURA, cor ENCARNADA, de
tSMHMIMHHrWWHUnKai
I
forcjTe saude" 5 "+_
Aos
C0A'V4^SCrTS
AS PESSOAS IDOSAS E ENFRAQUECIDAS
#1
aconselhamos IfllJllA nr DAVADA ( mPBPtona- i
o empego do flHlHl DE vHIHflll Pnosphata*
CARNE e PHOSPHATOS. Tnico Nutritivo e Reconstituinte
a Krnprecado era todos os ilospttaes. Medalhaa de Ouro
Ble! WS CQLLIN e C". -49. ru de Maubeuge, y eoi ai pharmacias fll
AROPEPHENICADO ALYCO PHENICO
DO D DCLAT I. do D DCLAT
Tosse, Catarrhos, Grippe, Bron-1 | I Antisptico poderoso, Hygiene do
, chitos, Tsica, Coqueluche, etc. ^^ toucador, da Bocea, Curativos, ere.
____________6, Avenue Victoria, Par, e Pharmacia
/*

Kola-Bh-Natton
RICA IM CiFBINA, THBOBROUISA, TANNINO, B UATBRIA HNC1IK1D1 DA KCU_
Temeos eise/malmehte mwmemmkm
Kir Vinho Kola-Btli-IVattou
Extractos fluidoi, Pastilhas, Plalas. Eissncia d* lela tarrada
Cnic productos experimentados com o msior xito nos hosplUes de Parla, desde UU pelos
Doctores Dujahdin-Bsal-meTZ, Huchard, Dl-rias, HaLlrz, Monmbt, etc., na Anemia, Ota reali,
>vmlosocas ssasrllll 1 mWm. rebree (trtaayaaa, uHaraltUstn, uMhu) Slarrnea.apertlaa.ae>,
?entprla. Diabetes, Albomlnarla, Fnoaphatnrla, asaca de trbala o atpln n li ullKtm.
.KM ACIA do BANQDEda FRANCa 2S, raaCoaullUr, Tarim. Es PeftMMatsaiee; rBAH-M da SILVA tes.
Eli
W
a HVi ?CO!!MAK:A
HQV& pesfumaia FXTRA-FINA

XABAO. ESSKCIA. AGUA DE TOILETTE. PO DE ARROZ. OLEO.
05 *$C%*fc%*$
PARA
ALVEJAR
E
REFRESCAR
O
SEMBLANTE
'
fj A' MAr^B6HALB~Jj
Esse P superior purificado e pre-
parado cotn o raaior cuidado.
Recommendado pelos mais afamados
Mdicos, e empregado pelo mundo
elegante.
Perfumeiro'
T
i 3
&UST,
FOflNECEOOR PMVILEGUDO
de S. A. a PRINCF.ZA de METTERNICH
CIRARD DE SEGR, Succr
4S, Sea de Hiyoli, 4g, Depsitos era pernambuco :
COMPANHIA Al DROGAS l PRODUCTOS CHIMICOS
e as princlpaes casas
Licor depurativo vegetal lodad*
do medico Cftiintclla
Este notabilissimo deparante que ve
precedido de to grande fama iiifallivel ai
cora de todas as doencas Byphiticas, es
croulosaa, rheumaticas e de pelle, com
tumores, ulceras, dores rheumaticas, o
teocopas n nevralgicas, blenorragias agt
das e chronicas, cancros syphiliticos,
SaroacSes viceraes, d'olhos, oi.vidos, gar
g antas, intestinos, etc., e en todas m
molestias de pelle, simples on iiatherica
assim como na alopecia ou queda do o
bello, e as doencas determinadas por
turac&o mercurial.
Dao-se gratis folhetos onde se encot
cram numerosas experiencias feitas coa.
este especifico nos hospitaes publicas i
muitos attestados de mdicos e docume
os particulares.
Fax-se descont em casa de
FAMA SOBRINHO & G.
Ra Mrquez de Ollndla n. II
Sitio Da Magdalena
Aluga-se o sitio na travessa da Fabrica de
Fiaco n. 46 A, na Magdalena, todo murado, com
diversas arvores iludieras, jardiio, casa com
commodos para grande familia, agua c gaz en-
canados : a tratar na roa Barao de 3. Borja, an-
Uga do Sebo, n. 50.
ATKINSON'S
WHITE ROSE
' i mals snaTe de todos os perfumes suaves
A original e nica esstncia renla-leira \
3i AmXsMK. Kv.tar M conUaoofOM.
ATKINSON'S
AGUA de COLONIA
- r^ra-la mn dos pernii
' r.-fretcantes. A de MtEOmom, de
aoricacao lagXi i rcooulieciil* cca>
a mais fina.
Vendem-*e em toda a parte.
J. A E. ATJLXJTSOIV,
24, Od Bond Street, Londres.
^AVISO l^efitimat someote com o rotle,
escodo aml c amireilo e a marca de
fat.no un>a "Ruta branca"com
o completo enderoco.

N
mi
re

erro Girard
AprrovaJo pela Academia de afedeclna 4e
Falla. Approvado pala Juali
Central da Hygiene pobllca do BraiO.
0 Professor Hrard encarregado do
Relalorio i Academia demonstrou a que
i fcilmente acceilo pelos doentet,
bem tolerado pelo estomago, restaura
as fotfas e cura a cMoro-anemia;
que o que distingue particularmente
este novo salde ferro, que nao causa
prisa* de ventre, a combate, e elevan-
do-se a dase, obtme-se dejeccoes
numerosas.
0 FERRO GIRARD ciraanemia,
cores pallidas, caimbras da
estomago, empobrecimento do
sangue; fortilica os tempera*
mentosfraoos.excitaoappetite,
regulariza as reerra o combate
a asterilidade.
Deposito en Pars, 8, ras Vlrenae
C AS FRUIC1PAI* MOaASUS t PSAUAOUS
w
LINIMENTO GNEAU
Vara as c&vauob
snrr?EssIo
| de FCG"
e aa
QUEDA
1 do PELLOi
ItAac*
ra r&na:ca
SniTlTUL
o FOGO
sa
.HltlHMU
liPUKifOH
A cura faz-te com a me em 8 ninutoe,
sen. dor e tem cor \r, era raspar o pello.
| Pharmi GNEAU, J75.Raa St-Honort,PARIS |
I TODAi 3 PMAPIMACIAH
aOSSIAS
BeIltza_do_Caro
creke"- qsss
Esta 'Ideada prepa-
rac.'io, jijo nao ofte-
recc perig') al-'um.con-
serva a uoeidade c a
belleza.
Duas applicacoc-s dia-
rias conscin lo a
o seu avcludado e fres-
cura.
Cura compleU e rpidamente
Cleiyon,Ha<-lKi liiijtit/riis. iCsjiintitf, Signara
tic (i-aridex, ele.
Otcosito jenl: Phtrm1* ingle-1 de Ch. DELACRE
BrLxeUas (Blgica).
Daanita OBI Fertiaiiihuco :
COMPANHIA de DR0SA8 a PRODUCTOS CHIMICOS.
F-A.RIS3
Hotel La Perouse
Casa de / Ordem Penso de Familia
QDARTOS t APOSENTOS COI TODAS1 AS ACCOMDACES
PRfcQOS MODERADOS
3, Ru La Perouse, 3
SITUAR A O EXCEPCIONAL.
Csmpos-Elftios, Parto flo Arco-di-Triumpho
DISCOIDES tVIIDY
A.*tlsr,nutlami,f.aiB,,Ui,f'Mmi,taS
Pastilhas mathematlcamente dos idas com os
Alcaunnet os mals usados para a preparacao
LBsta.ota.nea das tolucaos hypt drmicas.
com os meus estojo encerrando urna seringa
Praxaz, um VuJro de aoua dittilada e urna
cplleccao dos Dtz-oldes coro as dos< e com os
alcaloides os mals nsados na medicina humana
e na veterinaria os Srs.
MDICOS eAIVEITARES
teem inmediatamente aa sua dlsroslcio urna
solucao freso de qua nuer AUalme, dispen-
sados asslm da obriga. ao de empre -ar solucAes
preparadas & antcm&o, e, portaato, multas
veses descontposlas e at nocivas
itarliaiii Uauaitra i* aaa iitanM SaSHai
1 M StlIUi JaSMlaj a Slilu.
Vmsi aer acaso : H. MtUltNI, 11. ruraah, Ms
Saaailii Pimtmbscc: f fraui FrasMei SHssn
1 ROSA DE MI
Nova loja de fazendas
Este importante estabelecimento que acaba de paasar por urna grande reforma
acha-se habilitado a forcecer as melhores mercadorias por menor preco do que outro
qualquer, pois es teus novos proprietarios esto dispestos a seguirem o bom Eystema
dos grandes estabelecimentos de Pars, que : VENDER MITO E GANHAR POU-
CO, e tendo a'certeza de que aBsim o podem executar, nSo s por ser este o Eystema
que vSo adoptar como porque tendo ficado cono estabelecimento as melhores condi-
gSes querem que os seus estimaveis fregueses aufiram das vantageas que pereeberam
6onv$itt aproT$itar!
NSo sendo ignorado por ninguem o elevado preco de qualquer mercadoria che-
gada recentemente em oonsequencia dos pesados imposto?, participamos ao publico
qne continuamos A LIQUIDAR com grande reduccBes de precoa, um grande deposito
de fazendas recebidas aieda nos ltimos mezes do pretrito anno, avisamos perianto s
ezcellenti8simas familias e aos nossos estimares freguezes que se digoem de prefe-
rencia honrar-nos com a sua presenoa afim de supprirem se de lindissimas fazendas
por quantia excefivamente mdica.
Sao elegantes
com
O cortes de vestidos que acabamos de receber, em cambraia, 18, e seda
ricos bordados.
Grande e variado sortimento em fazendas de phantasia.
MadapoISes fracezes superiores.
Ditos especiaos americanos.
Cachemiras de todas as qualidadei e brins de linho finos.
Cortes para calca de 60, U, 10.J, 120 e 160000 rs.
Novidade em voiles de seda e 12 de 10600 por 10200 rs.
Setinetae, sortimento completo, phantasia branca rendada.
Cbapeus de sol c sombrinhss para senboras e criancas.
E' impossivel descrevermos minuoiosamente a grande variedade de artigos
que vamos vender a precos sem limite.
OffiCNA DE AL PAIA TE
Variedade em casemiras para ezecucSo de toda e qualquer encommenda de
roupa por medida.
Continuamos a vender as celebres
Machinas de costura
Singer, Imperial, Progresso, Medalba, etc.
Pre9os sem competidor.
2S Ra do Livramento 23
Bento Ribeiro & C
H
U
AUGMENTA
TNICO
ORIENTAL
rf
A*
CURA A CA8PA
IMPEDE A CAHIDA DO
CABELLO
0
><
ir*
m
-i
H
PERFUMA 4
Iso iaeressa
A FLOR DO BOSQUEa ra do Li
vramento n. 10, acha se preparada com
urna indissima colleccSo de sapatinho de
apurado gosto, para senhoraa e meninas,
em couros de cores diversas, com deslum-
brantes bordados a ouro, missangas, ma-
tiz e seda, o que de mais chic se possa
desejar para soires, casamento, baptiea
dos passeios etc., e vende a precos muito
rasoaveis.
Adi
MI PfllITI mu
Boa das Larangeiras n. 4 TeIplon 580
Neste acreditado estabelocimento de vinhos NATURAES PORTUGUEZES,
encontrar sempre os consumidores completo sortimento dos genuinos vinhos de uvas,
como sejam :
VINHO DO PORTO DE MONTEIRO & IRMAOS das Beguintes mareas
REGINA 1820-REX de 1834- MOSCATEL D. LUIZ I- DUQUE UMA
DUAS E TRES COROAS
VINHO VELHO DO PORTO DE 1851
Superior VINHO BRANCO DO PORTO, em decimos e engarrafados.
Vinhos para refeicoes das conhecidas
marcas:
SANTAREM, VIRGEM, COLLARES, FIGUEIRA, TINTO DE BASTO.
TINTO DO MINHO, MADURO PASTO ESPECIAL, LAGRIMA DO DOURO,
ETC. ETC.
SUPERIOR COGNAC PORTUGUEZ, em garrafas, por precos sem compe-
encia.
PREVENIMOS
Cuidado com as falsificares de vinhos nacionaes importados ds Rio de Ja-
neiro que alem de ter mo paladar, desenvolve rpidamente as molestias das vias res-
Sratonas, nao confundam estes com os nossos vinhos que sao importados directamente
os mais acreditados lavradores de Portugal.
Enres Barbosa, Cooper ty Comp.
SABO RUSSO
Maravilhosa esaencia preparada por
JAIME PARADEDA
APPROVADA PELA EXM1 JUNTA DE HYGIENE DESTA CAPITAL
numerosos certificados de mdicos distinctoa
e do peaaoas de todo o criterio attestam e preconisam
o SABO RUSSO para curar
Pelo vapor Olinda, chegoa (veja-:e o
manifest) nova remessa d'esta muitissima
acreditada marca de calcado para homem,
quem nSo foi servido com a penltima
remessa, deve sem demora vir FLOR
DO BOSQUE, afim de supprir-se em
quaato tempo.
Braga a Si
Desta importante fabrica a vapor,
A FLOR DO BOSQUE, |depositaria de
grande variedade em botinaB, sapatos e
sandalinas, para hornees senhoraa e crean-
caB, fabricados com couro de ptima qua-
[ lidade, pretos e de linda coras, e vende
por precos muito mdicos.
As excelletissimas noivas encontrarlo
na-FLORDO BOSQUE, orna infinita
variedade em botinas e sapatinhos de se
tim, duraque e pelica, brancos, com bor-
dados invejaveis.
As excellentisaimas normalistas conti-
nuarlo a encontrar naFLOR DO BOS-
QUE, as botinas de sua predilecc2o. a
50500 o par.
G rande deposito de botas para monta-
ra, costumes para caca, chancea e taman-
coa finos, sapatos para banhoa de mar, e
sapatos de borracha proprios para o inver-
n.
Sortimento completo de calcado nacio-
nal e estrangeiro.
A FLOR DO BOSQUE
10 RTJA DO LIVRAMENTO 1
Costa Campos & C.
PETTORAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
. *f.'?'fr"d''dc! ma,a Morosas da SStsSSSS
e d08 Bulmop.H, ordinarianK-nte desfnvolvtSi?
dos nao itfl ,ume*U de curar M promptamente m
:raiao cora o.remedlo convinlene. O Beafti!
artos a* Tenue d3o reciprocamente o resultado
I5r',,lti' Agthma, IJroncnitlg, Affeo-
cao Palruoiiar e a Tialca. e*.
1 odaa ss familias que tem eriancaa devem ter a
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
m^f2f? Sara */". em Ciso de i'necessidadr.
A perda de um sd da, pode em muitos casoa
accarretar serlas con.eqnencias. P?"tanto^s?
e deve perder lempo precioso, experimentande
remedios de efflcacia duvldosa, em.iuanto que
a enfermidade se apodera do systema e eo arrsira
profundamente, e ento que se necfsslta tomar
aesee instante, o remedio mals certo e activo aa
eueSeit?, eeate remedio sem duvidaalrama.
iftrtui, be Cereja do Dk. Ates. .
PBEPABAUO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
lOweU, Mass., Est.-Unidos.
DEPOSITO GKUi
.:.. .
Ven de-se
Urna casa de taipa, feitio de chalet, sito ta-
vessa do Dr Feitosa, 2- diEtricto das Gracas,
cojo terreno tem 100 palmos de frente, terreno
proprio, com cacimba de pedra e cal, boa agua;
o chalet tem de frente tres janelas ou postigos :
a tratar Da estrada do Limoeiro, em Santo Ama-
ro das Slicas, (averna n. 6-B : para informarles
na (averna da entrada do Feitosa, quem vem de
Santo Amaro, que lbe indicar qaal o chalet.
losmiteiros
MARAVILHA CURATtV*
DO CLEBES
Dr. Humphreys lie Nova Yorc.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
AFFBOYADA LICENCALA
tela Inspectora Gerol de Hrgicue da
Iiuper*o do .i jz.1.
A Mrvllha Caratlr* remedie nrompto
paxa as PiMdiiras, Machucaduras, Coatiuoea, Tir-
csMursis, Cortaduras, ou LaceracOos, Allivla a dr,
eeanea o aangue. faz parar a luBammacao. reduz '
a lucoac&o, tira o Uesccrfcaifcnto, a faz tarar a crida
como por encanto.
A Maravilha Curativa fi olllvloprompto
cura rpida para '..uelniadiiras, EM-iIdadaras, e
guelnTadura do Sol, e superur a remedio.
A Maravilha Curativa 6 impcgovcl para
tooaaas HemorrnaRias, seja do Nariz, das (rfulvas,
dos Pulmoea. do Estomago, ou as Hemorriioldat. >r
Almorreirnat-ciira sempre e nunca faJha.
A Maravilha l'Bf"c*vaumanivloprompto
para lor de Den tes, de Outiuo, 3? h'oce. Incliaco
aa> Face e Nevralgia.
A Maravilha Curativa e" orecurvo prompto
e irtcioeo para Dores riiecniaUcas Aiuljuo, Dure
Rigidez as Juntas ou X'crnas.
A Maravilha Curativa f>o grande remedio
Brancos e de cores
A 15$, 8f e 20#
VENDE-SE
LOJA DA ISTRASAZES
61-Rua Duque de Caxias-61
Queimaduras.
Nevralgias
ContusSes.
Darthros.
Empigens.
Pannos.
Caspas.-
Erup;Ses cutneas e mordeduras de insectos venenosos, etc.
A nica e a melhor AGUA DE TOILETTE, rennindo em si
tedas as propriedades das mais afamadas.
VENDE-SE noB estabelecimentos de Pedro Antunes & C. e
Rodolpho Antunes & C. i. ra Duque de Cazias n. 63 e 65.
Espinhas.
Dores rheumaticas.
Dores de cabeca.
Ferimentos.
Sardas.
Chagas.
Rugas.
era squlnencio. Angina. A:.i>x:lutial>ieha(asou
Qamraada&seutpre seguro, &empre efficaz.
A Maravilha Cnratlva >'e r.iulto valor
como lBjeccfio para o Cfitarro, a Leucorrhea on as
Flores Brancas, e outroa corrimemo& cUUtautes.
A Maravilha CaTativa lmpaaavel para
curar Ulceras, Chairas amigas, Apostemas, Panari-
clos. Callos, Frtclras, Joanetes e Tuaiores.
.Maravilha Cornlivn i remedio promptf.
para Diarrhea simples, e de Diarrhea ehrordea.
A MaravilL-a Curativa exceilente as
Esa-ebarlas e CavalUirlca, rara Terceduras. l>res.
Pisaduras e Esf oladuras. ContusSes, LacracOes, te.
Sepecialldades do Dr. hmphreys.
Remedios Eapeclflcoe,
l agenlo Maravilboao.
Remedias Srphiiitleos,
Remedies Veterinarias.
O Manual do Dr. Humphreys 144 pecinas sobre aa
Enfermidades e mododecural-asse cagratis, pede-
se aosea boticario ou i
HCNPHREYS' MEDICINE CO..
' 109 Faitea Street, KEW YORK.
Deposito geral na Companhia
de Drogas e Productos chimieoe.
Gerente Francisco Maneel da
va i .
CARDOSO a IRMAO
KuaBarodo rrumpho ns. 100 a 104 e rus
doVisconde de Itaparica ds# 22
Tem sempre em deposito :
MACHINAS a vapor de 4 a 8 cavallos dos melhores fabricantes.
CALDEIRAS multitubularea para 4, 5, 6 e 8 cavallos.
MOENDAS as mais slidas e melhores do mercado.
TAIXAS de ferr batido cravadas e caldeadas, fundido de todos os tmanhos
SRODAS'AGUA para cubos de maaeua e todas de ferro.
ODAS DENTADAS de espora e angulares de diversos tamanhos.
CRIVACOE8 duplas e boceas de fornalhas para assentamentos.
BOMBAS DE REPUCHO sem sola, vlvula de bronae.
CHUMACEIRAS parafusos e o mais que se opsa desejar para engenhos, estra-1
as de ferro e Obras Publicas.
FAZEM E CONCERTAM toda e. qualquer pe de maohiniamo Unto de fern
andido como batido-
EN JARREGAM SE de mandar vir da Europa por encommenda, mediaste umi
aommissao rasoavel, qualquer machiaiamo e CONTRAC TAM apparelhos para Uai
oas, para fabricar de 100 a 300 sacos de assucar em 24 horas.
Obrigam-se a montagem dos mesmos e responsabilisam< ara o que tem'om hbil engenheiro inglez muito pratico, alm de dos um socio
casa que tamben engenheiro.
Luiz Vernet levan
ta emprestimos de
qualquer qunta sob
cauco de ouro, prata
e pedras preciosas e
tambem compra cau-
teUas do Monte de
Soccorro, caucoes d
Banco Popular, joias
e brilh antes.
Pode ser procurado
aa sua relojoaria ra
do Barao da Victoria
n. 53, das 8 horas da
manila, s 8 da noute
Estantes para um-
sicas
Para amadores
Fecha e tica do tamanho da
msica
Pre^o 7^000
Loja das Lstras Azaes
61-Rna Duque de Caxias-61
Fazendas baratas
Para o Carnval
Velludo, Velbutinas, Gases prateados
tarlatanas, 13a e merinos de todas as co-
res, vende-se por todo o preco
NA
Lojas das Lislr s zoes
Ra Duque de Caxias n. 61
"maravilha curativa
do erutos
Or. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
AFFBOVa&DA LICENCIADA
p*\r. Inspectora Geral de Hrsier.o da
Imperio da Brazll*
A Maravilha Cu; tu!vr ( remeoMo prompto
iara as Pisaduras, Machucad utas, Contusoeti, Tor-
:eduras. Cortaduras, on Laceracow. AUlvla a dr,
ctanoa o saiigun, fu?, parar a lnflammaco. redul
a lncha^-o. tira o descoramento, e tas arar a feria*
como por encanto.
A Maravilha Curativa 6 aljirloj
cura rapi<
Quetmadu
reaiedio.
I
No Espinheiro, ra de
Santo Elias n. 10, precisa-
se de urna cosinheira e de
duas criadinhas para meni-
oas.
.Haravilha Curativa 6 alvlo prompto a
rpida para (Queimaduras, Escaldaduras, e
madura do Sol, e e superior a oualquer outre.
tan.
A Maravilha Curativa S Impagavel
odasas Hemorrhaglas, soja do Sarta, .las uen
dbe Fues. do Estomago, ou as HemorrhoMtts ou
Almorreixaascuraseuipreo nunca falha.
A Maravilha Curativo umallivloprompto
para I>or de lientea, de uvldos, da Face,
da Face e Nvvralgla.
A Maravilha Curat I va 5 o recurro |
e precioso para I>jes rheuntaticas, Alel,
Rigidez cas untas ou Peinas.
A Maravilha Caratlva o itrande remedie
para Esquinencia. Angina, Amrgdalas lncnadasoa
inflammadassempre seguro, bempre emcax
A Maravilha Corativa fi de multo valor
como lnjeco para o ("tarro, a Lcucoirbea on as
Flores Brancas, e outros corrimentcs debilltantea.
A Maravilha t'crntlva bnpagavel para
curar Uiceras. Cliagas au'JK's, Apostemas, Panaxl -
cios, CaUos, Frteiras, Josoetes eTuniorea.
A.Maravilha Cor ativa remedio prompto
para Dtarrhe? simples, e de Diarrhea ehronica.
A Maravilha Curativa .exceilente naa.
Estrellarlas e c avallarlas, para Terceduras, Dorea,
Pisaduras e Esoladura*. Contusocs, LaaratSes, 4 c
Especialidades do Dr. Hnmphreva.
Remedio- Eapeclflcos,
.'utuonto Maravilhoao,
Beanedios SyphUitiecw,
Bemcdioa Veterinarios.
Kanual do Dr. Humphreys 144 pasmas sebre as
Enfermidades e modo da cural-aeas ajgratls, pod-
se ao seu boticario ou
BCMPHBEYS' MEDICINE CO.,
109 lulton Street, XKW YORK.
DNIOOS AGENTES
Para vendas em grosso em Fa-'
nasHa.oco
Faria Sobrinho i C.
DROGARA
A' Roa Marqu* de Olinda n.
COPEIRO
Piecisa se de um menino
qne entenda bem do servi-
do de copeiro e que exhiba
attestado de sua conducta
a tratar no sitio n. 5 da
estrada de Fernandes Viei-
ra.

.
t
s
J




-J

8
HMBHH
Diario de Pernambuco Domingo 21 de Fevereiro de 1892
AOS FUMANTES
Desejaes nao ter azia quaodo fumaes ?
Usae por algum tempo os apreciareis cigarros denominados MINHA ESPERANZA, qaer picados, quer desfiados. Usae tamm o aromtico be
saboroso fumo desfiado intitulado Hygienico Naeional e os cigarros do mesmo fumo.
Dep i :r-nos-hei se foi ou nao til o conselho.
Cumpre notar que os Hvgienicos s3o fraquinhos e os ESPERANZAS sao fortes.
A fabrica MINHA ESPERANZA situada na ra Laiga do Rosario n. 21 .
Um apreciador.
VENDAS
Chapeos e capotas
Ultimas novdades de Paria recebeu o
Louvre
Capas, jerseys e visitas
Boatos inteiramente coros acaba de re-
oeber o
Cortes de lajinho, seda
e algodo
Ricamente enfeitados, tem recebido l-
timamente o
LOUVRE
Sec as brancas, pretas e de i
cores
Novos padroea e para grande escolba
foram despachadas nestes ltimos das
para o
LOUVRE
A'S EXMAS. FAMILIAS
Pede-se para honrar com suas visitas
AO PRMS DES DAMES
3S"Rua do Sarao da Victoria--38
59 TELEPHONE 59
SABAO CURATIVO DE RETER
Tumores, cravo, pelle vermelha, spera e oleosa impldido ou carado
por o maia grande de todos os aformosedores da pelie, o Sabio Curativo de
Reuler. Produza a pelle formoea, branca e clara e mSos brandas; absoluta
mente puro, delicadamente medicinado, extremamente inc-omparavel como
sabSo para a pflle bem como do toucador, do banbo e doquartodas cruncas.
ca tela Nao genuino sem cada envollbrio ter a marca re-
gistrada de Barclay e Co, New-York.
MK lUCIVil.,
Y IV It 4 O
::::::::
XAROPE DE REUTER IV. 2
Como remedio daEstaco Calmosa, PuriHcador do sangue, diurtico '
e aperiente, nenbum outro appellidado depurativo ou salsaparrilba se appro' i
xima sequer ss Xarope de Reuter c. 2. Combina quatro grandes propieda-
des em um so remedio, operando a um tempo sobre os orgSos digestivos, o
sangue, os rins e os intestinos.
Absolutamente neutraliza e expulsa pelos canaes inte; inaes, ras e
poros da pelle, os germens nocivos, que fluctuara no sangue, ra urina e na
transpirado.
O MELHOB
PURIFICADOR
PARA O
RICOS cortes de ves-
tidos de seda, de 13 e
1 cambraias brancas e bor
dadas.
Grinaldas, lepes e chapeos
de sol
De phantasias acabam de cbegar para o
LOUYRK
Costumes para cranlas
De todas as idades encontra-se grande
aortimento no
Louvre______
Qbjectos de gosto para
presentes
Ha neate artigo grande escolha no
LOUVR E
TECIDOS DE PHAN-
TA8A
Ssndo mpossivei de se detcrever a
grande variedade de tecidos de diversas
qualidades proprios para a estaclo aotual,
roga-se ao publico em geral e principal-
mente a Exmas. familias a fineza de vi-
sitarem o
LOUVRE
Ra 1. de Marco n. 20 A
Francisco Gorgel k Irmao
TELEPHONE N. 158
LEVANTINES, voiN
les parisienses e crotones
lindos desechos.
COLCHAS de seda e
de renda, alta novidade,
LEQUES de gase,
madeporola e tartaruga.
CHAPEOS e capotas
para senhoras.
GRANDE variedade
de objectos para presen-
tes.
TOALHAS e guarda
apos de linbo, brancoB
e de cores.
SEDAS brancas, pre-
tas e de cores para gran-
de escolha.
TECIDOS brancos e
de cores, arrendados para
vestidos.
CORTINADOS mo-
dernos pira camas e ja-
nellas.
VENTAROLAS d e
gase e pennas, ultima
moda.
CAPAS e pelerinas de
seda e rjnda pretas-
CAMISAS de linho,
punhos o collarinhos para
homens e meninos.
RICAS grinaldas para
casamento
VESTIDOS de seda,. COSTUMES dejersey,
12 e brancos bordadas j casemira e brins para me
para meninas. nios.
CAMISAS, saias e
calcas bordadas para se
n horas.
ENXOVAES comple-
tos para baptiBados.
MEIAS de seda e fio
deecossa,para senhoras,
bomens e crianzas.
RICAS almofadas de
velludo bordadas.
PERFUMARAS des
maisafamados fabricantes
de Londres e Paria.
MESaS, etageres e
cacbapotea, ultima novi-
dade.
GASES do seda, bran
eos e de cores para ves-
tidos.
ESPARTILHOS ele-
gantes de seda e brim
com pelucia.
GUARDA-POS d e
seda e alpaca para se-
nhoras.
GALLOES donrados,
prateados de seda e de
la para enfeites.
MAEQUras7r7ce3
zes.
GRAVATAS para ho-
mens o que ha de mais
chic.
MATINES brancos
e de cores, bordadas, com
rendas e fitas.
LAS modernas com
sede para vestidos.
VELLUDOS pretos e
de cores.
JABOTS e
seda.
fichs de
BICOS de seda de co
res modernas.
LINDOS albucs para
retratos.
MANTILHAS
bidas de theatro.
e sa
AOS
WEISKY
Royal Blend marca VIADO
Este excellente Whisky Escoces pre
arvel ao cognac ou agurdente de cana
para ortificar o corpe.
Vende Be a retalho nos melhores arma-
ens de molhados.
Pede Royal Blend marca Ylade>
cujo emblema sao registrados pan
tor1
BROWNS & C, agentei.
Fabrica de farras
DE
Ra Karo da Victoria n. 63
Loja de quadros
Madame Gerard avisa aos seus nume-
rossimos fregueses, que recebeu de Paria,
um grande e variado aortimento de pelli-
cas de chevreaux, de primeira qualidade,
seda castor etc., etc._______________
Libras sterlinas
Vende-ge na loja de jolas de Augusto Reg
. C. ra do Cabug n. 9.
PAEA LIQUIDAR'
Charlte verdadeiro, qua-
lidade superior,
Castores de todas as co-
res com lindos desenhos.
Tapetes com lindissimo
padroes.
Marroquhn branco e de
todas as cores.
Sola especial.
Formas francezas moder-
nas e mais artefactos pan
sapateiros.
Tudo isto se vende por
diminuto prego por'hare
grande depsito na loja de
calcados ra do L vra-
mento n. 10
Costa Campos C.
Pequeas Piiuias de RioTEs
Fizado entorpecido enra-se positivamente com esta?
pilus. Ellas eSo nm remedio purgativo livre de peri-
co para o homem ta fraco, tio Bem como baante
activo para o homem mais forte, e nao constipio de-
pols; pela aeco geral agrada a todos que as nsam. SSo
a. pulas estandartes di profisso medica dos Estados
Vnldos. Sao as menores e nuda acis a tomar.
Cuarenta em cada franco., *mmmm~_________
PAR*
FIGADO
BARRY
Cma preparado elegante tremamenteperf amada,
removetc^a^mpm-ezasdocrMeo.presemvocon.
tra calvicie e cabello cinzento; faz o cabello creacereg-
pesso, brando e hermoso. Infallvel para curar erapoSee,
doencas da pelle. gUnlas e msculos, e cura rpida-
mente cortadura, quelmaduraa. feridas, torcedura. acc
CAUTELA.Sito eenuino a cada frasco
ter a marca nitrada de Barctoj & Co., Toric
PARA O
CABELLO
APELLE
ESIABOEGiDO. EMlMt
depositamos destes pbodcctos.A companhia de Drogas e Pro-
ductos chimicos. .
Ra Mrquez de Olinda n. 23.

NOVOESTABELECIMENTO
FOLHETIM
Cal virgem de Cotunguba
A primeira por sua preciosa composicSo chi-
mica para o fabrico do aseucar, riqusima de
saes de po'.assa e soda, adaptavel perfeilameate
exploracao da industria de sabonetes, etc. etc.
Superior de Lisboa, vende se cada barrica com
60 kilos a 8*000.
Agente nesta capal'.Manoel Jos de Araujo, a
ra larga do Rosario n. 24 A.
BROWNS & C
Mudaram seu esenptorio para a ra do
Commercio n. 7 1 andar e continuara a dis-
poscao de seus amigos e fresruezes, para
fazer executar as melhores eondiijes suas
encommendas de qualquer artigo agrcola
ou industrial da Europa e Estados-Unidos
da America do Norte.
Dispondo das maiores facilidades para
encommenda de apparelhos para Usinas de
fabricar assucar, fabrica de fiacao e teci-
dos e outros ; acceitam contractos nao s
para o fornecimento dos machinism.os como
para a respectiva installafo.
Tem completa collecao de catlogos,
specimeus e planos e portanto sempre ha-
bilitados a fornecer ornamentos e pros-
pectos.
DOCE DE CAJO' SEGGO '
Recebeu um lindo aortimento de
CAPOTAS
de rendas di cores e pretas para senhoras.
G3H3C iAi jPj& O o
de renda e de palha para senhoras e meninas.

de palha e de seda para mangas.
IMPOS 01
para homens e rapazes, dos fabricantes FRANCEZES, INrLEZES E ALLEMAES,
CHAPEOS
de teda para homens.
GRAVATAS DE SEDA
FORMAS
de palha para chapeos de senhoras e meninas.
OSaNTGOSOB. AJO os
pretos e de cores.
Fitas, Gazes, Rendas, Veos, Azas, Passaros, Flores.
Plumas, Aigrettes eGrampos
(ara chapeos e outros artigos de fantasa.
Ra do Baro da Victoria n. 42
H. LICIO MARQUES
Telephone n. 560
JULIO MARY
OS DOIS INNOCENTES
TERCTIRA PARTE
llonilnuacao do n. 1 1 y
VII
A BEIKA DO CRIME
Ezplique-se, minha senhora... disse
ella. Effectivamente bou mai, mas n2o
compreheedi bem a allusSo que fez ainda
ha pouco.
Minha senhora, venho de Cbimay,
onde disseram-me que seu filho empre-
gara ha algum tempo um rspazinho e urna
mocinha pouco mais ou menos da mesma
idade. E' exacto isto ?
-* Dous vagabundos que nos recome-
mos. E' exacto. Oh I mas nos n3o os
maltratamos. Elles tm boa cama e boa
mee, aSo bem tratados. S o trabalho
pesado. A senhora saber d'onde elles
sao ?
Pode dar a data exacta em que os
recelbeu T
Ha cerca de eeia semanas.
Seis semanas, iito, murmurou
Lieta trmula de esperanea. Ha seis se-
manas que Bertina fugio.
E como senta sobre ella o olhar nter-
rogativo de Fitina :
A mocinha minha filha e nunca a
conheci...
A velha olhou-a com compaisao :
Comprehendo, disse ella, compre
hendo. Espere. D'aqui a pouco vai vel a.
D'aqui a poucos minutos, sem duvida.
E consultou o relogio que fazia soar o
seu tic tac a um canto da sala.
Men iilho at j devia estar de vol-
ta... Apprcxime-se do lume.
Lieta aqueceu-se aem dizer nada.
Quer deitar-se ? perguntou a velha.
N2o, oh I nao dormira?
As horas correram lentamente. Muitas
veses a camponia consultou o relogio.
Mostrava-se inquieta.
Devia estar de volta.
De repente lembrou-ae "-que Jennekin,
alguna dia antea, dissera lhe qu ? ia mos-
trar aos dous mocinhos os caminhos da
floresta de Amor, que confna com o de
Trlon. Isso tranquilizou-a um pouco.
Entretanto calculava. Percorrera mui-
tas vezes todos os caminhos da fronteira
Mesmo que Jennekin tivesse tomado o ca-
minho de Amor, j devia estar em casa.
Sem duvida encontrara Obstculos, cila
das preparadas pelos guardas da alfande-
ga. Tivera necessidade de ragir, dar
grandes voltas, e talvez vcltsse para a
fronteira.
Tinha orgulho do filho. Sabia que elle
era hbil em desnortear os guardas. Nem
pensava que elle podia ter sido preso.
Pelas quatro horas da mt>.nhS sabio e fi-
cou porta.
E prestou atteocao, procurando no si
lencio pesado da noite algum ruido de pas-
aos ensordecido pela nev que cobria todo
o campo.
E Papillou que sempre ohegava algu-
mas horaa antes do dono, meamo esse n&o
chegava.
Dopois de reflectir, isso tranquillizou a.
Pois se tivesse acontecido alj;um desas-
tre ao pequeo grupo, esse dosaatre nao
teria impedido o co de pascar.
Vende-se excellente doce de caj secco
na estrada dos Afflictos, segundo sitio de-
pois da capella.
Taboas de cambio
De 12 15 pence : vende-se por 6*000 na ra
do Bom Jess n. 5,1- andar.
^P^^^MBB^B^^BMWs^^iaMssiMssWss^sWsMsliiiiiiiiMWsiMssWsMia^L
E se a victima desse desastre fosse
Papillon, Jennekin nSo se teria demorado
nem os mocinhos.
Essa demora era, pois, natural.
la tornar a entrar porque fazia muito
fri.
Parou sbitamente e voltou ao jardim.
Pareceu-lhe ouvir vozes na matta. /
Sim, sim, sle homens, murmura
ella.
E esperou. Lieta tambem sahira de
casa.
Effectivamente sahiram de repente uns
homens da floresta, bem perto d'alli. Va-
se dBtinctamente os seus vultos sobre a
alvura da nev. Eram quatro, todos de
preto, e carregavam andando a passo al-
guma cousa que as duas mulheres nSo
distinguiam bem.
Quem essa gente ? murmura Fi-
tina inquieta.
E como elles approximam-se v me-
lhor.
O que elles carregam o cadver de
um homem.
E esses homens eram guardas envolvi-
dos nos seus capotes.
Fitina caanse, com o coraclo aportado
por urna arHicglo mortal. E que o grupo
acabava de aahir da floresta. NSo toma
o caminho de Sobre, dirige-se para a casa
de Jennekin.
Porque ? E' sem duvida um dos seas
camaradaa ferido e que precisa de soc-
corres immediatos. A velha flamenga cui-
dar d'elle, guarda ou contrabandista, pou-
co importa.
Empurram a porta do jardim.
Entram.
Maa o que ha ? O que ha ? diz
velha.
Elles param diante da casa e depositam
o lgubre fardo, e a velha Jennekin n5o
pode ainda reconhecer o filho porque o
cadver est coberto oom um manto.
Fabrica de gelo
goas e limonadas gasosas di
tedas as qualidades
Soda water, ginger, ale, liinao, laranja, cora
ci. abacaxis, granadina, grosellas, franboissi
baunilha, hortel-pimenta, etc., etc.
15-ACAES DO CAPIBARIBE-H-A
Comtudo terrivel presentimento guia-
lhe a mSo.
Os guardas afastam-se e a velha adan-
ta se.
O que trasera ah ?
Elles nSo responden). E' urna grande
desgraca. Lastimam na. Raras vezes da-
se a morte de um homem as luctas en-
tre guardas e contrabandistas na fronteira..
Entretanto acntese s vezes.
A velha abaixa-se e suspende o manto.
E a cabera lvida e ensanguentada de
Jennekin apparece.
Ella recua fulminada, at a casa, onde
cabe nos bracos de Lieta que a ampara.
E diz smente, com voz rouca :
Mataram o meu filho 1
Os guardas trasem o cadver para o
interior da casa. A velha perder s sen-
tidos. Lieta quem os interroga, pois
quer esclarecimentos, tanto por compai-
xSo pela pobre velha, como para saber o
que acontecer aos dous mocinhos.
Este homem o contrabandista Jen-
nekin ?
E'.
Foram os senbores que o mataram ?
Nos, nSo. Foi o cabo Pimperlot.
Jennekin acabava de matar Ronflaud, o
seu pobre cao. Pimperlot atirou ao acaso.
O acaso foi infeliz. E' urna desgraca, mas
nSo temos culpa. Adeus.
Os homens dirigiram-Be para a porta.
Lieta deteve-os.
Senhor, disse ella aquella que fal-
lara, Jennekin nSo esta va acom pan hado ?
E o que fizeram dos rapases que trazia
comsigo da Blgica ?
. Vimos os rastos d'elles na nev e
at encontramos os volumes com fumo que
alijaram para correr m melhor. Qaanto
a elles...
__Qaanto a elles ? interrogan ella,
toda trmula.
Nlo pudemos agrralos. E se nao
Constituijo
DO
Estado te Pftntam-
kwo
Vende-se a 400 re**
cada exemplar, no
escriptorio do Dia-
rio.
Livros de recibos para
alugueis de casas; vende-se
ao escriptorio deste Diario,
Revolucao de meninos
Tendo se recebido um novo e variado aorti-
mento debrioquedos, velocipedes e carrinuos d
3 e 4 rodas, pede-se a todos 03 meninos deste
Estado que, armado dos competentes cobres
venbam immediatamente depol-os lojs de m-
sicas ra Nova n. 13.
Moedas brasileiras
Comprase de 500 rs., 1*000, 2*000 no centro
da moeda ; na ra do Cabug n. 9, loja de Au*
gusto do Reg.
Attenco
Vende-se na ra do Bom Jess n. 38
1 piano novo Cari Sheel.
1 mobilia de Jacaranda nova.
i lavatorio com pedra,
conhecem os erminhos d'aquella floresta,
tm muita probabilidade de morrer de fri
esta noite...
Meu Deus .' Meu Deus I
E de repente lembra-se que fallaram
lhe de um co.
Mas esses rapazes estavam acompa-
nhados...
NSo.
Estavam... disseram-me... um
cSo... muito intelligente...
Ah sim, Papillon, disse um guarda
sorrinde-se. Pois bem! est arranjado
esse tambem, como Rouflaud !
Morrea T
Provavelmente. Urna bala do cabo
Pimperlot.
A velha voltava a si. Ergueu-se, ar-
rastou-se de jeelhos at junto do cadver
e repetio :
Mataram meu filho !
S diz isso. NSo solta um grito de odio
ou de vinganga. A terrivel dor acabru-
nha-a. E chorando reza em flamengo,
emqnanto os guardas feohrm a porta e
afastam-se e Lieta pensa em Bertina, tal-
vez perdida n'aquella floresta coberta de
nev.
Ajoelha-se tambem diante desse morto
e recita urna curta oracSo.
Fra bom para sua filha. Se elle fosse
vivo agradecel o-hia muito.
Depois sahe sem fazer bulha.
NSo quer perder um minuto. Segara-
mente Bertina nlo voltar para casa de
Jennekin depois do drama d'aquella noite,
que devia tel-a amedrontado.
E assim oadous abandonads o morreriam
de fri, talvez.
Ella ir procure d'elles, embora nSo
conheoa os caminhos. Percorrera essa
floresta e em cada casa que encontrar
dar os signaos dos desventurados.
E correndo como urna douda, afasta-se
da casa em que ore a velha camponia e
; nterna-se por entre as grandes arvores
que parecem absorvel-a.
NSo sabia os caminhos e nSo tinha,
pois, que escolher. Tomou o primeira qne
offereceu-se-lhe.
Em breve outros cruzaram se com o
que segua. Tomava-os tambem, ao acaso.
Attingio urna grande estrada que trilhou
durante algum tempo, que abandonou por
urna alea bastante larga no fim da qual
um emmaranhado de espinheiro? fel a vol-
tar.
De tempos em tampos, parava na sua
corrida louca, para gritar :
Bertina Bertina 1
Quera com aquelle grito tranqullzar,
a pobreziaha, dar-lhe a entender que os
guardas nSo a peisegniam mais e que
acharia proteccSo.
Mas a sua voz exhausta nSo ia longe.
Essas grandes arvores que pareciam mor-
tas o cobertas por aquelle lugohre suda*
rio de nev, semelhavam-se a phantasmas
oppondo-se a todos os esforcoB maternos.
A nev abafava a voz. Esta nSo tinha
sonoridade alguma.
Comtudo Lieta nSo desanimava. Um
secreto presentimento diaia-lhe que era a
Ba ultima esperanza que esteva em jogo
e que se nSo encontrasse Bertina n'aquella
noite nunca mais a encontrara.
E gritava na profundesa da matta sem
echo :
-_ Bertina Bertina!
Aconteceu que pareceu-lhe ouvir, em
certa occaaiSo, que respondiam-lhe.
Parou, palpitante do emoejto.
Presta ouvidos, retendo a respiracSo,
as suas fontes latejam, sob a influencia
do enorme cansaeo d'aquella noite de pea-
quizas, snecedendo um da tambem de
pesquisas.
(ConHnuarsi+ha)
Tjp. do Diario, roa Dnque de Uxias a. tt.


<


i.


1
"**