Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:19706

Full Text



IHMHMIVMHIII
ANNO LXY
STA-FEIRA 5 PE FBVgjSISO BE 1892
NUMERO 28


>
DIARIO DE PERNAMBUGO
PROPRIEDADE DE HANOEL FIGEIROA DE FARIA & FILHOS
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por tres mezes adiantados. 6$000
Por tres ditos vencidos..... 7&000
Por um anno a liantado .... 24&000
dem idem vencido...... 28000
SAO NOSSOS AGENTES EXCLUSIVOS DE PtCAgES NA FRAN-
CA EINGLATERRA
I
Os Srs mede, Prince & C, resi lentes em Paria34 me de
Provence.
PARA OS LOGARES ONDE SE PAGA PORTE
Por Seis mezes adiantados.
Por seis ditos vencidos.
Por am anno adiantaflo.
dem idem vencido. ,. .
i3500
15&500
27^000
31&000
ssa?z;a pastiglab i: zszaszo
RIO DE JANEIRO, 4 de Fevereiro, s
3 horas e 33 minutos da tarde.
Foi publicado um decreto estabelecendo,
que os feitos judiciaes, processados nos
Estarlos, ouj magistratura nao esteja or-
ganizada, scjam julgados em gra de ap-
peaglo pela Rilarlo d) Estado mais pr-
ximo.
Foi negada saneeSo ao decreto do Con-
gresso, c'-e vaJidava os exames prestados
oes estabeiecimentos particulares para a
matricula as curie- aupsrioro3 dos Esta-
dos da Unio.
Foi nameado ajudante de 1.a clssae da
estrada ds ferro Sul de Pernambuco o en-
genheira Francisco Baptista de Nasci-
mento.
Por aposentado do ministro do Supre-
mo Tribunal Federal, Faria, foi comeado
para substitnil-o o desembargador Ampbi-
lopbio de Carvalbo.
Foram declarados em dispocibilidade o
desembargador da extincta Relajaa do Re-
cife, Francisco Teixeira de S; e o juiz
ds direito de Jaboato, Jos Cavalcauti
d'Aibuquerque TJcboa, visto n2o terem
sido aproveitadr>3 na organisagao da ma.
gistratura desse Estado de Pernambuao.
O presidente do Estado de Minas Geraes,
coLselheiro Cesario Alvim renunciou o car-
go, tendo de publicar um manifest eobre a
sua sttitude.
PARTE OFFICIAl
Ctarerao to Esafio de Per
nambaco
Faiacio Jo Governo do Estado de Percambuco
em 3 ae Fevereiro di 1892.
4*Secao. A juna governativa ao Estado, at
tendeado as reclamages feitas por grande nu
mero de ccmmercintes contra o acto de ii de
abro do anno passado na parte que probi
i.o a ezperUcS do m:Io e a compra em alta
escala do mesmo artigo;
Considerando que sts; Estado, que at bem
penco teiii.ro era importador de miloo passou a
oroduzii-o em abundancia auperior as necessi-
dades de s:-a coasumo, como bem o prova a lar-
ga expartag&o que ja fazia desse artigo e o sto-
ck que del.e existe no mercado depois da pro
mbigo de sua expartago ;
Considerando qu:e3sa probibigo prejudicar
grandemente a pequea lavonra, visto como os
plantadores de mho nao obtendo para esse ce-
res! um pr(a rasoave! e remunerador, restrin-
gira on .'b^ndonarSo o sen plautio ;
Considerando que pelas informages prestadas
por diversas Intendencias e pela Associagae
Commercial de Pe:nimt>u:o, bem como pelas re
preseatojes de numerosos commerciaates veri-
tica-se que a quaotidade de mho existente no
Estado, parle da qual anda por colber, multo
seperior as cecessidades do consumo local;
Considerando quedas informaces erepre
sea'.3gei aiiudidas consta que sendo o milho
de fcil deteriorago, que j comeca a ter lugar,
resultar grave prejuizo para a agricultura e pa-
ra o commer-cio da manuteogio de qualquer me-
dida que embaracem a sea sahida;
Consideran-Io finalmente que i em caso3 ex-
ce-pcionaes que se uo verificam presentemente
ueste Estado, de feme, escas3ez de gneros de
p-imeira necessidaJe que possa determinar
aquella ou pelo menos a alta exagerada do p-e
co de3ss gneros, se re jastificar o emprego
de medidas que cerceem a liberdade coaamer-
c:al;
nesolve revogar o citado acto de II de Nj
vombro do anno passado na parte relativa a ex
po-'.ago de miliio.
General Joaquim Mentes Ounque Jacques.
Amb-osio Machado
J. V. Meiva de Vasconcellos.
de 1892
V-
l
EirED:2NTE DO DA O.DE UN'EIRO
Anos:
A jnnla gevernativa do do Estado, de contor-
Bidade cc-m a propo3ta desta data, do coronel
ccxmaoJr.-ite da brigada polichl, resol re no
mear para o- postes c; c.;p;'t kn' tente o de
ajndante de o-aen? di mesoi3 brigada o teoente
bocorario Vi'le'l? Pereira do Lago, e actaal se
cetario da guarda local Car'03 Lopes Nogaeira
R033.
A junta govarnativa do Estado re3olve nomear
o tecente JaSo Ribeiro P^ssoa de Lacerda, para
o posto de capitao da 5' companbia do corpo
policial.
A junta governativa do Estado resolve tran-
sferir para^A'' districto da 1' regiao da guarda
local o commisario normado para o 3> districto,
cidadao Patricio Jos Tavares de Vasconcellos.
. A jnnta governatlva do Estado resolve no
mear o cidado Weoceslu de Carvalho Paes de
Andrale, para o pasto de commissario do i'
districto da 1" regiao da guarda loca!.
A junta governativa do Esta lo reolre ro
mear o tenente Ernesto Correia de Mello, para o
posto de comenissario da guarda loca! do muni-
p;o de Ouriccry.
A junta governativa do Esaio de Matar-
midade cora a proposta do ouator pucial re-
solve comear o tenente Ernesto C Mrreti de Mel-
lo, para o cargo de delegado de polica do ter-
mo de Oaricu:y-
A junta goveraa'.iva do Esta'o resolve ex-
onerar o bacharel Pedio Francisco ds IIjc io
cargo de promotor publico da com xa de Oun
enry.
A jcata governativa de Estrdo resolve Irn
sferir o commissarlo da guarda lo al leante
TDeodonio Thomiz Cs vallante do municipio Je
Cabrob para o de Maribeca-
A junta governativa do Estado rssjlve en
mear o cidadc Flix de Barros Pimeutel pj:a
o posto de ab-commissario da goardi .s-' du
municipio de Maribeca.
A junta gobernativa da Estado resolve ex-.
nerar o capitao Joaquim Francisco d? Foa.e;a
Galvo do cargo de delegado Iliterario < hstric
to de Marangu.pe. da comarca d-j l^atcaas. <
nomear Joaquim de S Cavalcaate de Albuqo/ r-
que para substitull-o.
OfficiOS :
Ao presidente do Tribonal da Relaco do Re-
r.fe. A i unta governativa do Estado, de posse
dos rasaos o&ici&s datados de i do correte mez
em que peds que vos sejim ministrados escla
recimeotos sobre a prisao dos pacientes Ricardo
Jos Correia Lima e Francisco de Paula Nafra e
sob^e a ordem de orno expedida centra os na-
cientes bacbarel Jos Mana de Albuqierqne Mel-
lo e coronel Francisco Gonalvs To-res e d'a
qnelle em que requesitaes aapres;ntaso dos
pacientes Ricardo Jos Correia Lima e Francisco
de Paula Mafra ao egregio tribunal que digna-
mente presids, passa a expor vo3 o -eguinte :
Nao deseo aheci do a esse tribunal a mu i arca
poltica porque acabou de passar o governo des
te Estado em virtude do inorimeoio revolacio-
uario de 18 do prximo passado mez de Dezem-
bro.
Deve o mssmo tribural saber qne esta junta
tem ama origem revolucionaria, da q jal decorre
no actual momento poltico nma lat tu de de po-
deres sem a qual as grandes responsabilidades
que sobre ella pe^an na poderiam babilitai a
ao desempenbo de seas crdens e espinbosa mis-
So.
A manutengo da ordem publica li.: nunca se
Ibe e impe-se-ibe como o mais sagra i,.- dos seas
deveres ante a propna consciencia o principal-
mente peraate o povo que lbe confieu seus des-
tinos dos quaes tem ella o rigoroso dever de
prestar ibe as mais strictas contas.
Em taes circumstaoefas para que .junta pu-
desse desempenbar se daquellas responsabiiida
des entre as quaes avulta a da maameaco da
ordem publica neste Estaao Ibe era indispensa-
vel tomar todas as providencias po;a mais ex-
traordinarias que el'as sejam.
Entre e>sas providencias Qguram as qae se
traduziram na prisao dos pacientes Rcardo Jos
Correia Lima e Francisco de Paula Mafra e na
expedicao de ordens de prisao coutia o bacha-
rel Jos Mara de Albuquerque Hell) e o coro-
nel Francisco Goncaives Torres.
Esses cidados principaes responiiavels pelo
derramamento de saague que teve luir ir na Qui-
te de 18 de Dezembro constiluem anda no meio
da notoria exaceroagode nimos dos amigos do
goverao deposto e em vista das mais publicas
aaaeacas que por elles sao feitas contra a actual
ordena de cousas creada pelo movimento popular
daquelle da, am eraade perigo contra a ordem
publica e a garanta dos direitos det'se mesmo
povo em nome do qual esta junta vos falla.
Do exposto evldencia-se que as [ rises e as
ordens de prisSo que motivaram o recurso de
Habeas corpas interposto perante esse triba
nal em favor dos pacientes alladidos foram re-
volucionariamente decretadas por esU junta.
Trata-se de um caso de salvacao publica que
em um meio revolucionario nao pode obedecer
aos principio? da lei coamurn, aos oltics da qnal
a propria revolocao poderia ser considerada um
crime. Saias populi suprema lex est.
E' verdade que os cidado3 qae impetraram
essa Egregio Tribunal orlem de Ilab.-as-cor-
pus tEtfio compromettidoB nos acoD.ecimentos
ds dia 18 como responsaveis pela pratica de cr-
ales communs para cuja averiguao se est
procedendo contra eiies na couformidade da iei
commum.
Como porem o procedimento da jar la nao tem
fundamento nesses Crimea enao se acba con-
cluido o inquerito a que sobre elles st proce-
dendo a au'.oridGde policial, deixa a ciesma jun-
ta de 6atisfzer ao vosso p3dido de informases
na parte referente a esse ponto e a existencia
de requisico da autoridad-e judiciaria compe-
tente para a formago de culpa contra os pa-
cientes de que se trata.
Profundamente convencida, pois, como se ac'aa
esta junta ae que falta a esse Egregio Tribunal
na especie em questo, competencia para co-
nhecer das prises effectuadas e por effactaar,
deixa por isso de mandar apresentar-lbe os pa-
cientes aa forma de vossa requisi(3( de i deste
mez R:metteu se cOpia ao D.\ QjestorPoli
cial,
Ao iaspector da Tesooraria de Fazenda.
Communico-vos que o ministerio da jastlga por
Aviso de 26 de Dezembro rindo ap;irovoa a li-
cenca de tres mezes provisoriamente e sem ven-
cimentos que em prorogagao obteve o promotor
publico da comarca de ltaaob, becbE.rel Felippe
Augusto Carneiro Campelio.
Ao mesmo.A junta governativa commu-
nica-vos que o juiz municipal bacbarel Miguel dos
Aojos Birros interrompeo, por molestia, o exer-
cicio de seu cargo no 1. da ao correte mez.
Ao mesmo.A ju^ta governativa do Estado
coamunica-vos que o ministerio ds jostica por
Av>so de 26 de Dezembro lindo approwu a licen-
ca de um mez que, provisoriamente e sem ven-
cimentos obteve o juiz substituto c.a comarca
de S. Lou-enjo, bacbarel Francisco Porfirio de
Andrade Lima.
A' Santa Gasa.Deferindo hoje o requeri-
menio do Dr. Estevao Cavalcante de Albuqaer-
qae, sobre o qual versa a vos3a informaco n.
630 de boniem datada, autoriso vos a transferir-
des o referido facultativo do lugar de cirurgio
do Hospital Pedro II para o de medico da Casa
dos Expcsto3 e Collegio dasOrpbs, e deste para
aquelle o Dr. Antonio da Silva Ferreira, que se
obrigar a auxiliar o mesmo D.\ Estevo Caval-
cante, quaado se tornaram precisos 03 seus ser-
vijos.
Ao inspector da saude do porto.A junta
governativa do Estado declara-ros que Mea ap-
provado o acto constante de vosso cilicio de non-
tem datado, relativo ao contracto de am cozi
nbeiro para o lazareto do Pina, com a gratifica-
cao mensal de [40/000Communicou se ao n
spector da Taesoarana de Fazenda-
Ao inspector da hy^ieae.Com a copia
inclusa do officio de 31 de Dezembro findo, do
eagenheiro encarregado das obras do novo edi-
ficio destinado Faculdade de D reito do Recife,
respondemos ao que nos dlrigistes em 23 do
mesmo mez, sob n. 2o9, solicitando providen-
cias para que seja esgotada a agua existente as
caixas dos alicercea do mesmo edificio.
Portarlas:
A junta govprnativa do Estado, inteirado
do assumpto do cilicio de 30 de Dezembro findo
em que a nova Inteadeacia Municipal de S. Lou-
ren;o da Malta, acclamada pelo povo. communi-
ca o sen exsrcicio, declara mesma Intendencia
que apprj .a este acto e moto confia que serao
garntidos osioteresses do3 monicipes.
A junta governativa do Estado, inteirada do
assumpto do ofiicio do Io do correte, em que
a nova Intendencia Municipal da Gloria de Goit,
acclamada pelo povo, communica o seu exerci
ci, declara mesma intendencia qae approva
esse acto e mnito confia que sero garantidos os
iateresses dos muni ipes.
Srs. agentas do Lloyd BrazileiA) deem pas
sageas de r de ida e volta.por coala do Ministe-
rio da Agricultura, entre esse porto e d a Para-
byba a Leopolde de A bayde L'.lia que vai aaer-
vico da inspectora do i' districto dos portos,
seguido drc'ara a mesma inspectora em of io
de hoje sob n. 5.Communicou-se ao inspector
do 2o districto dos partos.
O Sr. gerente da Companbia Peruambucana
mande dar passagen3 de pri at a Babia, oa 1'
viagem d'este mez a Joo Garca, Alberto Arti-
gos Henrique Popes, sua molbere iima fiiba, por
conta das gratabas a que o governo tem direito ;
observado o disposto na clausula 23 do decreto
n. 10203 de 16 de Marco de 1889.
O Sr. superintendente da estrada da ferro
do Recife ao S. Francisco de" passagem, por con-
ta do Estado, em carro de 2' classe, da estagao
de Cinco Pontas a de Uca.ao 2 sargento do cor-
po policial Francisco Bezerra Carlos Lima, que
acbando-se all em diligencia, veio a esta capital
a servico.
O Sr. supe-intendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passagens de 1
Ao mesmo. A junta governat va do Esta
do commuaica-vos que o ministerio da jus'.iga
de 26 ce Dezembro liado approvoa u licenca de
diis meses que provisoriamente e sem-venc-
melos obteve o jotz de direito da como rea de
T.iumpbo bacharel Eatrapio Gonjalves de Alba-
qaerqne e 8T8.
Ao mesmo. Mandai entregar oD.*. ins-
pector da saude do porto, por conta do crdito
destinado para a3 despezas com o tratamento de
accommettidos de febre amarella, a de 1:000000, da qual deve- prestar opportuna-
mente contas.
Ao inspector do Arsenal de llarinba-k
r.'k governatita do 2->tado, a vis.a de vossa
.i'io.-EecJo Je 2 .,o correte mez, zutoriso-vos u
aia.idT. ;s fc'fcCtuar os concertos de que neces-
sita o Offto ae ferro do Gymoasio Peraambucano,
conforme solicitoo o regedor daquelle estabele-
cimento em cilicio de 28 de Dezembro.Com-
muoicou-se ao regedor do Gymoasio.
Ao inspector do Thesonro do Estado.De
accordo com a vossa inlcrmaco n. 989, de 22
ds Dezembro cltimo, deferimos o rquerimeoto
em que o major Luiz Augusto Coelho Cintra pe-
de isenco do pagamento das aoauidades dos
appareloos da Companbia Recife Drainage, col-
locados as casas de sua propredale, sitas s
ras do Coronel Suassuna n. 27 e de Frei Hen-
rique ns. 26, 36 e 38, e pede igualmente que se
d baixa as execoQfles ex'stentes um joizo re-
lati/as aos reten los apparelbos.
Ao uesmo..corana, com ugmcia e con-
fo."C cor.bor en vesa? attribatc6es, a qaanto
no.tan -p economas reinltant^s dosd'ffirentes
".ctos da lOGtaro'tando duspezas, descrimando
as em reicao a cada sei vico
Ac otsmo. De accordo com a vc3sa in
ro m::;i: a. P88 da 17 de Dezerxljro nltimo.
r"ir? ir nra Domingo' Jo3 Ferreira 4 C. a
qoarj'-ia 1- l:09o<000 mportatcia de artigos
,'j-cei.'JS coxp.naia de cavatiaria de polica,
_' .io. j-, a COjta juna, corriendo a i'tapezi pt.o
ce ..., ,j ;t pela e n. 22 Jo citado mez-
A;'. H'Jctadaote do 14' bataloac d infan-
lar a.P'-;vd*fDi*-ial no semita de ter entre*ne
.o q i-tei aetre da gaa da local, Maaoet Cae-
'.aiio iei.. di Paz o res o Jo armamento e mu-
J!j!oqnea. d:-. se acba oquirtel to batalbao
3or. "osar naiaiaada e s qoe ie refe e o "oroael
nrr. ar .'e da hrigad. palie:al noafiicio junto
'io eopia ae M du Dezembra altinu, sob n.
-1.
Ae ccmmaa^aate do 2 ba'aliii.a de infn-
aia 'ri-i a--i para que eej3ro re<"olhido3
aa qar'tai >la !Mnrabcat, cot.fornie solicita o
eo on cmsandinte di bripada policial em
offi io a. 22 at 31 de D- de irr.mentaqtte partaneiam .pragas nqaea
guarda, que foram desarmadas por occasiao de
transitaren] a objecto de servico nos das 18 e
19 do mesmo mez.
classe, por conta do Estado, da eataco de Cinco
Pontas a de Una, a duas pracas da guarda local,
com direito a bagagem.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco, d passtgens de ida e
volta, por conla do Estado, em carro de 2* classe,
da estago de Cinco Pontas a de Una, a urna pra-
ca da guarda local e providencie quanto ao trans-
porte da bagagem que ella tem de condnzir ao
regressar.
*0 Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passagens, por con-
ta do Estado, em carro de 2' classe, da estacSo
de Uoa a da Cinco Ponas, a 4 pracas e provi-
dencie quanto ao transporte de 2 sentenciados
qne ellas teem de condnzir para esta capital.
Mutatis mutands de Cateade a Palmares.
OSr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco de passagens, por can-
ta do Estado, em carro de 2* clas-e, da estaco
de Cinco Pontas a de Una, s pracas da guarda
local do municipio do Ex de nemes Joviao Jos
Gregorio da Silva e PeJro Jos Calixto, qae para
alli regerssam.
Mutatis mutandis de Palmares a Garanhuns.
O Sr. superintendente da e3trada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passagens, por con-
ta do Estado, em carro de 2* classe, da estaco
de Cinco Pontas a de Uoa, praca da guarda lo-
cal do municipio de CabrobO, Luiz Jos da Sil
va, que veio a esta capital por motivo de servico
publico.
Mulata mutandis de Palmares a Garanhuns.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passagens de ida e
volta, por conta do Estado, em carro de 2* clas-
se, da estaco de Cinco Pontas a de Una ao 2o
sirgento do corpo de polica David Gomes de
Magalbes e providencie quanto ao transporte da
bagagem que elle tem de condnzir ao regressar.
Mutatis mutandis a estrada de ferro Sul de
Pernambuco.
O Sr. superintenlente da estrada de ferro
do Recife ao Liaooeira d passagens de ida e vol
ta.^por conta do Estaio.em cargo de 2 classe, da
estac/u do Bruna a de Timbaaa a Jos Leite da
Si.va Brazil e Manoel Vicente Goncaives que se
guem para all a servido policial.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao Limoeiro d passagens de ida e vol
ta, por conta do Estado, em carro de 2* classe,
da estaco de Nazaretb a do Brom, a urna praga
da guarda local e providencie quanto ao trans-
pare de um li'-mdo que ella tem de condusi-
para esta capta1.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao Lmoeiro d passagens de ida e
volta, por conta do Estado, em carro de 2> classe,
da estaco do Brum a d'aquella cidade praca
do corpo de polica de nome Coriolano de Siqnei-
ra Galvo e providencie quanto ao transporte da
bagauem que ella tem de conduzir ao regressar.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao Limoeiro d passagens, por conta
do Estado, em carro de 1* classe, com direito a
bagagem, da estaco de Nazareth a do Brom ao
commissario da guarda local tenente Joaquim
Bazillo Pyrrho.
Joaqaim Francisco do Naacimento ex-
praca do 2.' batalhSo da brigada policial,
pedindo pagamento dos vercimentos a
que se julga eom direito Deferido cma
officio n'esta data dirigido ao commandan-
te da brigada policial.
Manoel Constantino da Suva Carneiro,
ex-praoa do t.- batalha da brigada poli-
cial, pedindo pagamento dos vencimentos
a que se jujga com direito.Deferido
com officio n'esta data dirigido ao com-
mandante da brigada policial.
Manoel Goecalves da Luz, peiiodopara
declarar nao ser produzido effeito a nomea-
c2o de ajiere3 do esquadriSo de cavallaria da
brigada polica!Informe o commandante
da brigada pohciai.
Pedro Pereira Lima, ex praca do 2.a ba-
talhao da brigada policial, pedindo paga
ment dos vencimentos a que se julga
com direitoDeferido com officio nesta
data dirigido ao commandante da brigada
policial.
Dia 1 de Fevereiro
Agstinbo Soares de Santa Clara, pe-
dindo dispensa do lapso de tempo para
matricnlar sea filho Antonio Soares de
Sania Clara na Escola Normal.Informe
o director da Escola Normal.
Agstinbo Ferreira do Amral o Silva,
professora publica pedindo dispensa do
exama da inspeccHo de sauda em qae pe-
dia 2 meses de licenja.Remettido a
junta medica do Estado para devolver os
papis a qne bb refere a peticionaria.
Elisa Candida de Figueiredo Mello,
professora publica da cadeira do povoado
de Pedra Molla, pedindo para ser removi-
da para o EncanAmento da freguesia do
P090 da Panella.Indeferido em vista da
informaclo.
Francisco Lucio da Castro, professor
publico, pedindo 3 meies de licenca.Re
mettido junta medica do Estado a
quem o peticionario ae presentar para
ser inspeccionado.
Gaudino ErneBto' do Medeiros, proprie-
tario do sobrado c. 12 sito na ra do Li
vramecto e da casa terrea n. 13 sita a
ra do Fugo na freguezii de Sanio Anfo
n:o, pedindo para sor sa^primiclo o Bppt-
relho di Companh a Drayna^o.Icfo me
o Sr. Fiscal da Companbia Eecie Dray-
nage.
Jos Antonio de F&rias, ex- alfares sub
coamissario da comarca da Palmares, pe-.
diodo pagamento do seus vonaimentos dos
mezes de Dezembro do anno findo e de
Janeiro at o dia de sua exoneracSo.
Informa o Inspector do Thasouro do Es-
tado.
Secretaria do Estado de Pernambnco,
jm 4 de Fevereiro de 1892.
O porteiro,
Hemeterio M. da Silva.
Inapeciorl xeral da Inilrurra Pu-
blica do Estado de Pernambuco
ok8pachos do dia 27 ds janeiro
de 1892
Joo Fernandes Soares, pedindo qae seja equi-
parada a verba destinada a sua escola das oo-
tras das cidades do interior. Em jattenco a
verba consignada no orcamenlo vigente, nao
pule o supplicante ser atteniido no que requer.
Joo de Souza Das, professor interino de
Preguigas, pedindo pagamento do aluguel da
casa em qae faneciona a saa escola.Deferido
com officio ao Thesouro para pagar, no caso de
nao ter sido pago ao effectivo.
Maa Cesar de Vasconcellos Campos.Enea
minhs-se.
28
Modesto Flo-eatino Hermeto d03 Sanlo3 Car-
valbo, professor publico de S. Jos de Amaragy,
reclamando coatra a quola destinada sua es-
cola para alubul de casa e expediente. Em
face do que dispe o ornamento vigente, nao
ple ter lugar o que reqaer o sapplicaute.
Joaquina Amelia Bello.Eacaminbe-se,
Leonor Augusta Belmonl Mafra.Encamiuhe
se.
Emilia Firmo de Oliveira.Eocaminbe-se.
Elisa Candida de Figueiredo .Meiio.Encaml-
nhe se.
- 30 -
Francisco Lacio de Castro.Eocamlnbe-se.
Maria das Mercs da Cruz RiDeiro.Eneami-
nhe-se.
INTERIOR
additauento dos despachos de 30 de
Janeiro de 1892
Jos Gomes Ferreira Maia c Jos Eleu
terio de Azevado, contractrates das ota-
rias deste estado em beneficie da Santa
Casa do Misericordia, reclamando contra
a ibterpretay&o e execaySo que se preten"
de ar aos || 44 s 49 do art. 2. da Iei
n. 33 do Ot-cainento vigenteInforme o
inspector do Thesouro do Estado.
JoSo Saptista Gomes Penna, pedindo
entrega de docameatos Entreguem se os
documentos solicitados modiante recibo.
Jo3o Tenorio da Silva, ex-prac do 2.
batalhSo de br'.gaJj policial, pedindo pa-
gamento do rencimeato a que se julga
com direito Date ido com offioto nesta
data dirigido aa commandante da brigada
policial.
Jos Joaquim da Saot'Anna ex-praca
do 2. bataibo da brigadu policial, pedin-
do pagamento do3 vencimeutoe a que se
jalga com direitoDeferido com officio
n'esta data dirigido ao commandante da
brigada policial.
(tuestan* policial
SecjSo 2.1 N. 29 Secretaria da
Questura Policial do Estado de Pernam-
buco, 4 de Fevereiro de 1892.
Cidados. Participo-vos que foram
hontom recolbidos Casa da Deten cao os
seguintes individuos :
A' mioba ordem, Jos Jeronyma de Britto e
Julio Braz da Silva, vindos como sentenciados,
da comarca de Goyanna ; Llbanio de tal, remet-
tido pelo subdelegado do 1* districto de Jaboa-
to como criminoso de morte na comarca do
Cabo; e Luiza Rosalina do Nascimento, alienada,
com destino ao asylo da Tamarineira.
A' ordem do subdelegodo da freguezia do Re-
cife, Jos Leite dos Santos, por disturbios.
A' ordem do subdelegado de Afogados, Rosa-
lina Umbelina de Sant'Anna, por crime de
forte.
A' ordem do subdelegado do Io districto da
Boa-Vista, Joarra Mara do Espirito Santo, Nar-
cisa Mara di Conceico. Cbnstianno de Soaza
Leal, Joao de Deu3 e Francisco Calabria, per
disturbios.
A' ordem do subdelegado do districto de Be-
lm, Luiz Alve3 de Souza, por crime de roubo.
Honten?, s 9 horas da noite, no engenha S.
Joo, a freguezia da Varzea, travaram.se de
raze os individuos de nomeB Francisco Igna-
cio e Joo Marcolino da Silva, trabalbadores da-
quelle engeobo, resultando sabir o primeiro fe-
rido gravemente.
Contra o delioqueale que foi preso em fla-
grante, procede-se na fo.'ma da lei.
._Pelo subdelegado do districto ds Belm, foi
remettido ao Dr. jniz de direito do 5* districto
criminal o inquerito policial a qae procedeu
contra Luiz Alves de Soaza, por haver no dia
23 do mez de Jioeiro findo penetrado aa casa
do cidado Jos Villela de Castro Mariz, estra-
da do Rasarinbo, d'oade roubou diversos objec-
108.
O delegado de S. Laureoco da Malta tambem
remellen ao juizo competente o inquerito a qae
proceden, por crime de ferimentos graves, con-
tra Claudico Jos da Silva.
O cidado Artbur Bastas reassamio nesta
data o exercicio do cargo de subdelegado do
districto da Torre.
Entraram em exercicio a3 seguintes autorida-
des policiaes:
Joo Correia dos Prazeres, subdelegado do 1
districto de S. Loarencn da Matta, sa qaalidade
de supplente.
Olyjapio Augusto de Farias, delegado de Li-
moeiro, na qaalidade de 3o supplente.
Manoel Joaqaim de Oliveira, subdelegado do
Io districto do Altiuho,
Joaqu.m Baptista dos Santos, subdelegado do
districto de S. Joo dos Pombos do.municipio da
Victoria.
Ambrosio do Reg Barros, delegado do muni-
cipio de Cimbres.
Vicente Ferreira Nano, Joo Agr de Araujo,
capito Candido Ladislao (Carolino Mergulho e
alteres Jos Mariobo dos Sontos, subdelegados
dos districtos de Jacarar, Serra do Vento, Ja
rema e Maadagaia do municipio do Brejo.
Commanicou me o Dr. promotor publico de
Bom Jardim, qae no dia 21 do ra?z ultimo, pro-
ceden em companbia do dolegado respectivo a
visita da cadea daquella comarca, a qual foi
encontrada em can Jigo ;s regalares, acbando-se
recalhldos nella nove deteotos, sendo qualro
sentenciados e cinco pronunciados em diversos
crimes.
A* Junta Governativa do Estado de Per-
nambnco, 3 de Fevereiro de 1892.
Oquestor, Joaquim Tavare de Mello
Barretto.
Revolta dos presos
(Continuaco)
Continuamos boje a pablicar as noticias que
colhemos nos joraaes do Rio de Janeiro.
PARTE DD AJUDANTE GENERAL
Ao Sr. general de dlviso Jos Simeo de Oli-
veira, ministro da guerra, dirigi o Sr. ajndante
general a seguate commuaicaco.
Compro o grato dever de relatar-vos os a-
contecimeotas resoltantes das medidas acertadas,
determinadas oelo governo, afra de restabelecer
a ordem perturbada pelos facto3 de qae foi tbea-
tro a fortaleza de Santa Cruz dorante os dias 19
e 20 do correrte, congratulando me com o go-
verno, com o exercito e com a armada nacional
pelo esplendida triampbo com que feram sup-
plaotados aquelles revoltosos.
A's 8 horas da maab de 19, tendo noticia do
qu se eslava passando na fortaleza de Santa
Cruz, Lage e S. Joo, tomel immeJialam.-ate as
providencias que o caso requera.
Ao che^ar repartico receb um officio de
comcaulante da furtaiea ir S. Joo, narrndo-
la circi'jitanci-.damenle o f-icto de se ter d:ri
pido 'j g upo de revoltosos, intimando o a qae
;e rendesse e adherase ao movimento operado
r.a fortaleza de Santa Cruz, queja se acaava em
poder delles, bem como os da Lage.
Mandei passar om telegramma para a fortaleza
de Santa Cruz, para me informar do que alli se
eslava passando, e nao sendo po3sivel traasmit-
ll-o, por j se acharem interrompidas as com-
tnonicaces telegrapbicas e telephonicas.ordenei
ao coronel graduado de estado maior de artilha
na, Francisca da Rocha Ciliado, qaerequisitasse
do arsenal de Guerra urna condueca e fosse
fortaleza de Santa Cruz ioformar-se do qoe all
se passava e qae procurasse tomar as medidas
qae a opportunidade Ibe eoggerisse, devendo at
assumir aquelle commaado se assim jalgasse
possivel; este cfficial camprio digna e brilban-
temente a honrosa commisso de que foi incum-
bido, e asseguro vos qae muito se deve a elie,
que com o seu valorse procedimento sustou o
.atento em qae estavam os revoltosos de bom-
bardear a capital, pois, segando asseveravam, ja
sebavism passade as duas horas improrogaveU
que tinham marcado para romper as hostilidades
que a loucura Ibes ditava.
A's 5 boras da tarde da mesmo da parti do
Arsenal de Guerra, acompanbado do mea estado-
maior composto do coronel graduado Francisco
da Rocha Callado, mujer de estado maior de 1'
classe Octaviaao de Broto Gilvo, capito do
mesmo corpo Jos da Caoba Pires e mais do
major do estado maior de 2" classe Fernando
Augusto da Siiva Veiga e capito do estado-
maior de artilharia Celestino Alves Bastos, que
6e me apresentaram por ordem do governo e do
10* bataibo de infantaria, afim de irme-nos in-
corporar ao 7" bataibo da mesma arma, qae j
se acbava na base do forte do Pico.
Logo que nos aproximamos do ancoradouro
des navios de guerra, a fortaleza de Santa Cruz
couoegou a curar batas sobre as lanchis, o que
obrigou-me a mudar de itinerario ea uirigir-me
ponte de S. Domingos para nao comprometter
a forca qoe p%riearia, seporvLQlu.'a me dirigisse
directamente Jurujuba, como a priacipio pre-
tenda.
Ao desembarcar ea S. Domingos, providen-
c!ei para qae fesse transportada em bonls at o
ponto terminal da linba toda-a forca que me
acompanhava e bpm assim o manicio de bocea e
de guerra que levava.
No ponto terminal diapnz a orga de modo a
que marchassemos a cobertode qualquer aggres-
so, pois constava que logo adiaote existase orna
emboscada e qnando nao existisse, era de meu
dever mandar caaa toda a seoranc.
A*s 10 1/2 boras da noite chegamos base do
forte do Pico, qae-desde longe reconhecemos,
porque estav'sastentando tirotelo com as forjas
do 7* bataibo de infantaria, o que anda augmen-
ton o nosso esforca para alcancarmos aquelle
ponto, mo grado o pessimo caminbo e a copiosa
chava que ento cania.
Djpois de ter sido informado pelo tenente co-
ronel Carlos Olympio Ferraz, do reconbecimento
feto s posices que ento oceupava com o sen
bataibo providenciei de modo a qae o 10" bata-
ibo ao mando do tenente coronel Silvestre Ro-
drigues da Silva Travassos, ficasse cobrindo o
lado da fortaleza Marecbat Flonano Peixoto e o
7 cobrisse a direita da praia de Jar ajaba qne
dominada pelo forte do Pico e crdeoei qae du-
rante toda a noite se mantivesse o tiroteio, poa-
pando-se.porm, as mnnic&es.
Ao despertar da manb de bontem mandei que
a alvorada fosse tocada com msica e ao clarear
do dia proced aos necessarios reconbecimentos,
acompanbado daqaelles commandantes e dos
ofliciaes qae compuaham o meo eatc.do maior.
Encarreguei ao capito Napo'eo Felippe Acn
de ir ao ponto em que tinham ticado as duas
metralbadoras ejeo a competente guamico e os
muicios de bocea e de guerra, e qne as rou-
xesse aa lancha do arsenal qae agaardava as
michas ordens, abrigada em urna eoseadfc.
Asseguro-vos que a dito capito desempenhou
mui'.o dignamente essa commisso, correntio
grande risco de vida ao atravessa;- a baha da
Jurujuoa, oedi a laucha do arsenal fJooa ao al-
cance dos Uros que Ibe diriga i.m canho Krup,
qae os revoltosos dorante a noite consegniram
assentar no forte do Pico e com elle domiaava
aquella babia e nostilisava com granadas a forca
sob o meo comraan lo
A intensidade des fogos do referido canho
exigia a preseaca de algama artilbana qne fosse
asseatada em ama colina existente em lagar
froateiro ao Pico, para dal'i bater os revoltosos
e proteger o asfalto qne j eslava Iniciado, por
am recoabecimeoto a qus mandei proceder no
caminao que, embora quasi inaccessivel, o ni-
co qne all-existe, de cojo jiervico encarreguei o
'1* tenento Veiga Cabral que se me apresentou e
declarou que eslava acompaaaado do sargento
Dionysio Ferreira de Abreu do 1 bataibo de
artilbaria, que lbe ia servir de guia, pelo que
cuniiei a esse olic.al 30 pracas e am corneta e
dei lbe as miabas ordens de modo a uo se mal-
lograr to importante quo audacieso plano-
Por essa occasiao mandei o coronel graduado
Callado, com toda a urgencia, providenciar de
modo a qae a esqoadra activasse o bombardeio
fortaleza de Santa O'uz e trouxesfe comsigo
dous canboe3 do 2 regiment de artilbaria para
com elles proteger o assatto planejao.
Pouco tempo depois, vollando s o tenente
Veiga Cabral, declarou-me qne, apezar de difli
climo o assalto, nao era comludo impossivel,
tornando se necessario mais forca e ofliciaes.
Inmediatamente z seguir 25 pracas do 7
bataibo e 30 do 10, com os capiles Gadofredo
de Mello Brrelo, do Ia de artilbaria Alfredo de
Souza Mendes, do 10* de infaataria alferes Hen-
nque Silva, do 10, Reg Barros e Gomes Padi-
Iba do 7 e varios inferiores dos dous corpos.
Fiz cessar o fogo durante o tempo da subida
desta forca para nao prejudical-a, determine;
tambem qoe o resto da forea estivesse de prom-
ptdSo para sabir logo que fosse dado signal de
fogo pela forga atacante.
Efectivamente depois da indispensavel demo-
ra para a subida, leita a conveniente destribui-
co da ferga, no momento opportuno rompea o
fogo em cima, protegenao a forga qoe fazia o
assalto.
O tenente Jos da Veiga Cabral a quem em
grande parte se deve o bom xito desta exped-
cao, bem como ao sargente Dionizio, foi um dos
primaros a penetrar no forte, recebendo j den-
tro urna bala que o ferio em ambas as pernas.
Seguido pelos demais ofliciaes e a toda forca
que abi se acbava sustentou-se renhido tiroleio
com os revoltosos, que ousados sempre, nao ti-
nham anda abandonado o forte.
Perseguidos por todos es recantos abandona-
rana finalmente a posico.
Alguas talvez para fugir, talvez para ausleatar
lucia com os batalbOes que neste momento ebe-
gavam, aariram o porto recebando immediata-
mente urna descarga que os prostou.
Foram tambem feridos durante este assalto os
capil&es Godofredo de Mello Barreto e Souza
Mendes, alferes Padilba, varios inferiores e pra
gas.
Ao mesmo tempo que isto se passava,' avanga-
va debaixo pelo ingreme e torturoso caminbo
que liga a praia ao forte, o 7* batalbSo de infan-
taria tea Jo a sua frente o digno commandante
tenente coronel Ferraz e o 10 bataibo comman-
dado pelo distincto tenente coronel Travassos.
Acompanbado de meu estado maior segni junta-
mente com elles para animar e acce'erar a' mar-
cha ordenei qae as cornetas nao cessassem o to-
que de avangar.
E' de jusuga declarar qne com admiravel ra-
pidez os bataibes coQseguiram em pouco lem-
po alcaocar o forte oude penetraran) debaixo de
vivas e de ora geral, persegucdo sempre os re-
voltados.
Ah tiz logo occapar pelo 7a bataibo de infaa-
taria o parapeito qae emfreata fortaleza da
Santo Croa, todrs as faces lalerae3, portees, em-
tiai as pontos por onde bavia pcssibilidade de
se'tnos sorprehendidos.
Fia condnzir para a muralna um canho Krapp
qae os revoltosos baviam abandonado bem como
a munigo, para ser agora por ns.utiisado-
Com o intuito de fazer avaagar 10 batalbSo
de infantaria para assaltar a fortaleza sob pro-
tecgo da fuzlaria que faziamos a muralna e
do canho que j possuiamos deixei qae as tor-
gas tanto de am corpo como de outro descangas-
sem am pouco afim de readquirir torgas para
nova lucta.
Durante a ascengo tomos constantemente
perseguidos pela artilbaria de Santa Cruz, pelo
K'upp que eslava no Picoe pela fuzlaria des3e
lorte.
Senborea do forte nao fomos anda poupados
um s momento pelas granadas e balas viadas
de Santa Cruz.
Em quanto ludo isso se passava nao tendo
anda comegado o bombardeio, por parte da es-
quadra, vendo que era urgente tomar o mais
cedo possivel a fortaleza porque a munigo qae
tinaamos oa era demasiada e estavames at
aquella hora sem alimento e sem esperaaga de
obter urna e oatra coosa por falta de conduego,
ordenei ao capito Cuaba Pires, meu ajudante
de campo qne seguisse com toda prestes*, afim
de pe !ir a V. Ex ou ao Sr. Marechal Presidente
da Repblica para mandar comegar o bombar-
deio e tambem conseguir que fosaem enviados
mais mdicos, pas que at ento s um se acba-
va comaosco.
Na perenrso para o forte, maitas pracas, ou
pelo sea estado dbil, uu pelo caagago natura;
de ama vigilia trabalbosa, ou pela falta de ali-
ni3-.ri;o, ou pelas asperezas e difficuldades
dos caminaos ou finalmente, pelo conjuncto, de
todas estas ctreumstancias, ficram cnidas pelos
matos e pela estreda sem que fosse possivel, de
momento, prestar lhes qualquer soccorro pela
falla absoluta de recursos e porque urga operar
para o fim que libamos em vista.
Tendo rompido o fogo da esqoadra compre-
hend logo que era ebegado o momento de agi-
mos decisivamente.
Assim, a boca de fogo, de cojo servigo esta-
vam encarregado? o Major Octaviano de Brito
Galvo, alferes Leopoldo de Azevedo e o 2* sar-
gento Faustino da Siiva, nao perda tempo en-
viando-Ibes granadas e lanternetas.
Em breve foi hasteada a bandeira branca na
fortaleza; em conseqaencia desse signal de pz.
fiz cessar as hostilidades de nosso forte.
Logo em seguida foi introduzido o forte e cor.-
duzido a minba presenga o 1 tenente do 1 ba-
taibo de artilharia Mesquita, um dos prisionei-
ros dos revoltosos, qae viaha da parte do coro -
nel Bezerra Cavalcasti communicar me qne,
lendo os revoltosos se entregado a discripgo,
pedia o meu comparecimento na fortaleza afim
de restabelecer a ordem e a antoridade como
todo anteriormeate se acbava disposto.
Fiz seguir immediatameote o major Tobas
com a ala esquerda do 7* bataibo, no intuito
de recolher os revoltosos a prises.
A frente do resto da forga segu para a forta-
leza, onde encon'.rei-me com V. Ex. com cujo
accordo dei as ultimas p'ovir'.e-ncias, retirndo-
me em iegoda para a repar'.igo nesta Capital,
oede pernoitei.
No desenvolvimento de to^os e3les acontec-
mentos cumpro um dever de Iealdade, informan-
do ao Gcverao que o General Governador do Es-
tado do Rio, bem como o Dr. Chele de Polica do
mesmo Estado, foram incansaveis cm prestar,
por todos os meios, os recursos de que dispu-
naca para minorar as fadigas da marcha a para
qae nada nos faltasse.
Infelizmente, apezar de toda a saa boa venta-
de e aclividade de seus agentes, manos dos au-
xilios nao pode-o ebegar at nos, petes diffiCBl-
dades do caminbo por trra e pela impraticabi-
lidade por mar, ltenlo o fogo nircigo.
Recommendo a canideracao do uevorno os
Services prestados pelos tener/ea co'cncis Car-
los Oiyraeio Ferraz, commanuA'.c do bata-
ibo e SJveatre Rodrigues da Silva Travassos,
commandaute do 10a, pela boa ordem e disci-
plina qae maativeram em seu^ batalhoes, j em
marcha, j dorante a noite em diversos servigoa,
j durante a arriscada e penosissinxa sabida
para o forte.
Chamo tambem a vossa attcngo para o cora-
joso e bravo procedimento do 1* tenente do









Diario de Pernambuco Sexta-fera 5 de Fevereiro de 4892
argel
lieron



aatalbo Jos da Veiga Cabral, Quem, H,0
liase, cabe grande partero boa m** {.
bem aseim por taatrUeo pro* di
lares do 7* bataltto Reg LBartos
ourteUmestre do memo baultto,
Jeito Ribeiro e 2*Mfento do lf batatato Cice-
ro Siqueira Carvali,.uui'jem os Miro P-
ueiros a entrar no rto ibaixo do t*x o ud-'
Sao dignos lamMBade toda a lossa ajcside-
rsco os servicoi ptUtadn.pelo lapiiao-dltreto
e Souza Meado, dIO btate*), pUao Ge-
dofredo de Mello Barrito, do i" de -artilbaria,
alferes Hanrique Silva, do 10> batalbao, alteres
o T Antonio Gomes Padila, sargento Dyoni
aio Ferreira de Abren, do 10 batalbao de anima-
ra, 2 sargento Ramiro Augusto de Oliveira, do
W batalbao, 2 cadete do 7* Josa Eloy Pessoa e
adete do 10* Fortuna, pela coragem < presten
com que fizeram a sabida at a montanba pelo
Banco esquerdo e cootequente assalto ao forte.
Os officiaes que compnnbam ento o mea es-
lado.raaior, coronel gradaado Francisco da Ro-
cha Callado, major 4o atado maior de 2* classe
Fernando Augusto Ferreira de Aoreu, major do
estado-maior de 4 classe Ojtaviano de Brito
ftilvao.aaaUio estado mawr de .ariharia
Celestino Altes Bastos, capitao de estado-maior
de i classe Jos da Caoba Pire?, portaram-se
te modo irreprehnsivel, t rana mi tirado com
prestea e dedicagio todas as miabas ordena.
O capitao medico de 4.* classe D.\ Hanoel
detono da Silva prestoo com intelligencia e de
dkag&o 03 servigos de sua proBssao. Convam
erlarar que os servigos do corpo sanitario foi
deficiente, por nao ter sido possivel avisar em
lempo a Inspectora Gsral qae, mesmo assim.
togo qae leve conhecimento do qae se passava,
lomea as providencias nece3sarias na occa3iao.
A's oficialidades do 7." e 10. batalhes cabe
iambem todos os loavores pela boa disciplina
ine mantiveram, pela lealdade com qae se por-
laram e pelos bona servigos qae sempre presta-
ran!.
Os briosos soldados do I., 7. e 10.' bata
ftes de infaataria nao desmentiram im s me
Beato da gloriosa tradieco de soldado brazi-
teiro ; nos momentos difficeis, nos pontos arris
cados 14 eslavam elles imperturbaveis, calmos,
valentes, comprindo heroicamente o sea dever
a ascencSo arriscada e difficultosisaima ell. s a
faiiam extenuados, arqaejmtes, mas sempre co-
rajosos, fortes, alegres, como quem cumpre ama
aiBSao sagrada. Elles, pois, qae sao a guarda
Sel de nossas institaices, qae nos instantes pe-
rigosos e difficeis a todo se expem e se sacrifi-
can), que soffrem com resiguago todas as pri-
vages qaando mister esse sacrificio, elles me-
recen) todas as attencoes por parte do goverao
para as occasies precisas todo se lbe poder
exigir : cereal-os de todo o bem estar na paz
para recompensar as aeraras da guerra.
Terminando, envio-vos em original ss partes
ios commandanles dos dous batalbea, onde
ven; mencionado : o numero de pracas tondas,
segundo a gravidade do ferimento ; a manicio
Casta dorante os tiroteios e assalto ; os estragos
ofardamento e em dive'saa armas; finalmente,
todas as pequeas oceurreacias qae escaparam
a occasiao a minba observar:. Para essas
parles chamo a attencio de V. Exc
Taes sao, Sr. ministro, em resumo, as infor-
magoea qae teobo a vos mioi3trar relativamente
4 missao que me foi confiada.
WA CARTA DO ALMIRANTE SALDANHA DA
- GAMA
AoSr. tenente-coronel Carlos Olympio Ferraz,
zommandaote do 7." batalbao de infaataria, di-
rigi o Sr. contra-almirants Saldanba da Gima a
eguinte carta :
Mogy das Cruzes, S. Paulo, Janeiro 21 de
1892.
Prezadisdmo e sympathico camarada coro-
nel Carlos Olympio Ferraz. Mnda ge. nao pos so furtar-me ao prazer intenso de
flntar miabas mais sinceras e cordiaes felicita-
J0e3 aos applausos com que autoridades, im-
prensa e povo o eato vietcnando, e bem assim
jo seo valoroso 7., pela parte preeminente, de-
sviva, que om e oatro acabam de ter na siffo-
tajao do tristisslmo levaniam*nto dos presos
nstenles na fortaleza de Santa Cruz.
Pela energa, efficacia e promptidao da aeco,
tsae importante servico que com o seu intrpido
satalbao vem de prestar o mea digno camarada,
>a de tambem servir para de oatro lado mais
sisa vez mostrar que influencia pode exercer
aa correcta e brilhante conducta de toda a torga
ilitar organisada, o sentimento do patriotismo
altado a cousciencia do dever, coragem e
iieciplina.
Honra, pois, ao commandante do 7. batalbao
e infaotaria, aos seas dislinclos officiaes e aos
ieo3 bravos soldados.'
Nao deixe de transmittir a todos os seos com-
mandadoa, pego lbe, esta expresso dos meus
niimentos.
Aceite mais um saadoso aperto de mo e at
j viata__Do camarada, admirador e amigo cer
y.__Luiz F. de Saldanba da Gana.
PARTE DO COMMANDO DO 7. BATAL.HO
7. batalbao de infantaria.Sob aimpresso
le jubilo inexcedivel passo a expor as oceurren
tia3 desses ltimos dias nos qoaes to justa e
gloriosamente nobilitou-se o batalbao que orgo-
fio-me de coramaniar.
No da 19, as 9 1/i hora? da manha, Uve or
flem para seguir com o batalhno, eompetente
aente municiado, para o Arsenal de Guerra ;
dirig me incontinenti para esse ponto, onde fui
recebido pelo tenente-coronel Guilherme de Bar-
ros de Vasconcellos, vosso ajudante de ordens,
ane tranemittio-me a ordem de embarcar em lan-
ceas com o batalbao em direcgSo Santa Cruz e
com destino a Praia de Fra-
Ponderando a Inconveniencia de tal itinerario
ajo resultado funesto, evidentemente se mani-
JeB'.3, pois que acarretaria certamente a morie
ragloria de todo o batalbao, o3o obtive resposta
lguma pela qual me Dndesse orientar.
Felizmente, ness.) interim approxima-se o ci-
j'IIo ministro da cuerra, a quem depois de ter
abnndado as mesmas consideragOes expuz um
nove plano, qual o de. seguir por Nitberohy com
destino Praia de Fra, tendo por objectivo pre-
liminar o assalte fortaleza do Pico, onde se me
ifigurava fcil a rendig8o de Santa Cruz.
Depois de ter estacionado por algum tempo na
stago das Barcas Ferry, aflm de dar lugar a
jte podesem reunir-se as pragas que andavam
ssparsas, em vista de ter sahido o batalbao pou-
to antes da guarnigao, >egw para Nitberoy onde
eonferenciei com o goveraador ecnefe de polica
do Estado, os quaes facultaram meio3 da con-
dncgo, pondo a minba disposicSo cerca de 10
iads. que levaran at o posto terminal da
liaba, de onde seguimos em ama marcha forja-
da peao33=ima pelos ardores atrozea da can-
cula. ^
Em diversos pontos do caminbo encontravam-
se piquetes destacados da polica estadoal que
le iam retirando a proporgo qae eram alcanga-
Iob pelas nossas torgas.
Em um desse3 pontos reuniram se a nos al-
nos soldados mais, commandados pelo alferes
Loiz Mariano de Campos, os qoaes nSo tinbam
podido apreseatar-se em tempo.
Aflnal depois de 3 horas de marcha difficol-
lada pelo calor e sede, exhaustos pelo cansago,
alca gamos emm o lugar denominado Varzea
ao ponto do ninado pelo sobresalto Forte do P:cd
onde ja se achava urna torga compo3tade 60 pra-
vas, sendo 30 do "i* e 30 do de infantaria,
aquellas commendadas pelo tenente Carlos Au
gusto de Souza, e estas pelo alfere3 Pompilio do
l*de infantaria.
Ahi tambem eslavam preseates o tenente do
i regiment Jos da Veiga Cabral, e captio do
do i de artilbaria Godofredo de Mello Brrelo.
Acampamos e immediatamente tratou este
aromando de estender cordoes de sentioellas e
organisar piquetes avangados, disposicOe3 estas
ane conservamos at a3 11 i/2 da aoite; hora em
que chegastes com o 10 de infantaria, que auxi-
iiou no3 no servigo feito de baixode fogo ioces-
sante e mortifero, tendo s 7 horas da tarde se-
glido para a fortaleza da Praia de Fra urna
forga de 30 pragas sob o commando do tenente
Carlos Augusto e alferes Antonio Gomes Padilha
que all conservaram-se at as 7 horaj da manha
de 26.
A estas mesmas horas apresentou-se-me o sar-
gento Dioniosio, do 1* de artilbaria, offereeendo
ge para seguir com urna torca de 30 bomens afim
de tomar posigao em nm morro que tica a cava-
loeiro sobre o forte do Pico do lado do norte, o
que vos communiquei e 8i seguir toda a torca
sob o commando do tenente Veiga Cabral, a
anal reuniram-se pouco depois, a requisito da-
-juelle oficial, mais 30 pracas com o capitao do
. de artilbaria Godofredo de Mello Brrelo, alto-
res Jo5o Xavier do Reg Barros e Antonio Go-
ms Padilba.
iniciado o transito, continaamente retarlaio
l#0o a principio Bor im impertinente fago de
toMMfe, Otmjmao pelas dAcotrlidM naturaes
po o aamiOho que iam se Obrlfado i a to-
mar ingnme ecreste, chalo de mttagaes es-
PMia e iatrinudds, qie os oosgum a andar
qiatMe rop*de urzas que Ibis dilaceravam
itmmii, n inma qae toda a marcha f >i (ata
Jabalo le au sol aspbyxiante e mme oais se
relMleseta com* poera suffjcante qu; se te-
van lava em tuivcns do terreno.
Foi, pota, soaiase 21/2 horas depoii, que
ohf amos ao ponto designado.
Aaezar ae mortificados pelo cansago os solda-
dos ja vistos pelo immigo, como qae se retem-
peraram e com ama audacia. e heroismo iaexce-
diveis, galgaado pontos que dantes julga"am-se
inacessiveis, penetraram no recinto da fortaleza,
recbaasando os revoltosos a bala e ponta de
bayoneta.
Aos gritoados nissoa eaoloqne de carga avan-
car o 7* penetrou no forte, achaado anda empe-
nhada a lata com oa rebeldes, que foram ento
completamente repellidos.
De posse do forte, apodaramo-uos de ira ca-
nbao Krnpp, do qaal nos utilisaraos dando tres
Uros cooUa Santa Cruz, uitimj e poderoso ba-
luarte dos sediciosos.
Depois de forte hombardeio de parte :i parte
basteou-sa naquella fortaleza urna banleira bran i
ca, sgnal este que nos dava a entender que elles
revoltosos ja eslavam tiispostos a rndeme pelo
que aprasentamo-nos no baluarte e tomos rece-
bidos a tiros de lauterneta; entilo veio como
parlamentar ao oosso encontr, o tenenta do 1
de artilbaria, Mosquita, seguiodo por is.o para
aquello panto o batalhSo no qual foi recebido
pela ollicialidale do 1" de artilbaria ahi estacio-
nado.
Conservamo-nos at o 1[2 da tarde embican-
do depois com destino a esta capital.
Terminando esia ligeira exposigo, escusa en-
carecer o nobre herosmo, a admiravel coragem
e rara abnegagio que deu provas o bata bao e
sua brilhaate officialidade, pois fotes teitema-
nba oc:ular da3 .privages airoias que soffre-
mos.
Fomos superiores aellas, todas as di.culda-
des qae se nos aniepuzeram foram sobrepujadas,
e se grande foi o sacrificio, mais para e immor-
relora sera a gloria que o batalbao coaqoistou,
oesses dias qae constituir i urna data p jreane
nos feitos da nossa historia militar e manto
principalmente para a nossa patria qut, com
certeza se orgulhara com os feitos referidos e
desse modo a uaificago sera inquebr.inlavel
para a prosperiiade da nossa fioreacento repu-
publica.
Os officiaes do batalbao do meu commando
que tomaram parte nos ditos acontecimaios,
sao os seguintes :
Major fiscal Raphaei Tobia3, capita33 Miuervi-
no Tnom Rodrigues, Angosto Fredenco Cald-
w:ll do Couto, Jas Leoncio de Lima, capitao
ajudante Juvencio Rodrigues dos Santos, addi-
dos Alonso Grey Marques de Souza e Leopoldo
Jo*-*rrtra 4a StTva'.'tenerrJtej Fredenco Guiiber
me Pinto de Goaveta, Carlos Augusto de Souza,
alferes Joo Leopoldo Montenegro Cunda, Aato
nio Gomes Padilha, Ignacio Gomes da Costa.
Amonio Rodrigaes Portugal, Joaquina Pareira
Piracuruca, Alberto Leopoldo Xavier de Azeve-
do, Affonso das Chagas Guimaraes, Cornclio dos
Santos Lontra, Antooio Rodrigaes de Altmquer-
que, Joao Xavier do Reg Barros e Luiz Manaao
ae Campos.
Nao tentio expresso sufficiente de que me
posaa serv r, para significar loda a extensao do
meu reconbecimento e gratido a todos os offi-
ciaes cima referidos nos memoravels dias 19 e
20 lado do corrate.
Da todos elles recebi a3 mais inequvocas de-
monstrases e provas ioacessiveis ue zelo, de-
dicagao, coragem e sangue Trio.
Fico, pois, orgulboso de ver urna p'eade de
officiaes, jovens na sua maior parle e ltima-
mente sabidos das escolas, poriarem-se como se
portaram, dando provas do miis subido valor e
patriotismo.
As pragas de pret, em geral, tiveram om pro
cedimento digno de louvor, e aperar da tome,
sede e cansago e rigores de um sol abrazador,
na occasiao da tonada do referido forte a antes,
encaravam tudo com a maior indifferenga possi
vele at o final da luta patentearam que sao
verdateiros soldados e que muito se reccmmen-
dam pelo valor, disciplina e dedicaco qie tm.
D'enire ella3 se salientaram o Io sargento Dyo-
aisio, do 1* batalnio de artilbaria de pouSao e
particular 1 sargento Guilherme Leile lUbeiro,
o primeiro pela sua abnegago, otTarecendo-se
para ronduzira3 pragas ao lugar onde se dem
lomar o forte do Pico, cujo resultado ja aabeis,
e o seguodo pela coragem e valor, sen io um
dos pmeiros a transpor as bateras do referido
forte ; para eatas daas pragas pego o vosso au-
xilio, porquanto sao merecedoras, tendo-se em
vista os servigos que prestaram.
.Julgando-as no caso de serem premalas pelo
governo nao fago mais do que cumprir um de
ver de justiga.
No aasalio do forte do Pico foram toritos os
seguinlea officiaes e pracas :
Capitao do Io batalbao de artilbaria Godofre-
do de Mello Barreto, tenente Jos da Veiga
Cabral, alferes Antoaio Gomes Pddilba, mesire
de msica Ral Augusto de Ca3tro, msico Cy-
rillo Antonio Gomes, cabos Atbanas:o Constanti-
no de Oliveira e Antonio Fabrlcio Gomes de
Souza, soldados Trajano Gonzaga Barooiia, Mi
noel Fernandes Ferreira e Benjamn L'io das
Neve3 e maia alguna levemente feridos e con-
tusos. .
Por circumstancias eapeciaes deixo aqu de
mencionar as occurrencias relativas aos estragos
e exlravio3 de armamento e fardameato, o qae
em Dreve terei a honra de sabmetter ;i vossa
apreciagao. .
Delxaram de ser mencionados os officiaes se-
guintes :
Capuo Jo3 Xavier Figueiredo de Brito e al-
feres Joo Alfredo Barbosa Lima e Fernando/
Gar.-ocbo de Brito, o primeiro por ter ticado no
quartel no servico do estado maior, o negundo
no servigo da distrlbaigo de gneros alimenti-
cios e mais misteres do cargo de qaartel-mestrj,
e o terceiro, tenlo-se-me apresendo no luga-
denominado Ignejiuha, commandando una torga
que bavia deixado de se incorporar ao batalbae
por se achar de guarnigae, foi depois por mim
oomeado para ir a Nitberoy, aflm, de pedir ao
respectivo governalor D. Carlos ballhizar da
Silveira muoijss e vveres, as6im como com-
municar ao vice-presidente da repblica, mare-
cbal Florano Peixoto, onde no3 acbav irnos e
que teocionafamos tomar de assalto o forte do
Pico 4s 11 horas da noite ; tendo cumprido eata
missao, ficou a di3posigo do governador de Ni
iherov, onde se cooservou, como coasta do of-
licio dirigido por aquella autoridade d vice-
presiden'-e da repblica.
Capital federal, 2 de Janeiro de 1891.oar/oj
Olvmpio Ferraz, teuents-coronel.
1 (Continua)
jamis a coragem de por um prego na roda dos
esDaajamantos e das loucuras, cujas tanestts
conseqaancias estamos agora aoffrendo e todos
vamos Pifar a casta dM nais diros Hcrificios.
A descrenga aos expedientes dos velaos par-
tidos esta maia que demonstrada no excepcio-
nal acototmanlo feito ao novo gabinete, em am-
bas as cmaras legislativas e oa impreasa poli-
Usa por aqaelles mesmae que tem callaborado
oas pasaadaa adaioistracftts partidarias.
Base acolhimeito, ae o traduiem por um acto
de contriccio patritica, tambam se pode expli-
car pelo sentimento intimo da propria impo-
tencia, t
D.ssolvam se os velhos partidos como alvitra
o Reprter, ou proenrem reivindicar a post-
gSo a que se julgarem com direito, impondo-se
ao re e ao povo, o facto qae todo isso vira
mais tarde, se vier.
A questao de movimento, a qae prevalece
agora a todas as demais, evitarmos, pela una-
nimidade de eaforgos o descalabro completo do
nosso crdito as pracas eatra^geiraa e a derro-
cada moral no convivio europea.
Rei e povo, constitacionaes da carta e dem-
cratas do mais avangado rgimen, s por um
movimento de insania que poderiam actual-
mente desconhecer qae a nova situagao carece
do concurso patritico da nagao para conjurar a
catastrophe, com todas ai suas medOQbas con-
sequencias.
O miniaterio novo qualifleado nao de accal-
magdo partidaria, como se chamaram ob dous
que o precederam, mas de aalvagSo nacional.
Aos alvitres apresentados par varios oradores
na i.essio inicial de apresenlacao do gaoinete,
para que trate ja de restituir ao povo portuguez
em toda a sua pienitude, as Liberdides que lbe
team sido ltimamente cerceadas pelo ulira-con-
servadorismo da situagao regeneradora, que
procurou suffocar pela violencia a in iignagao
publica, mais que jaaMticada, contra os vexamea
e brutalidades do governo britannlco, a taes al-
vitres, como ia dizenlo, oppoe-se urna razSo
dd estado, que das palavras do novo presidente
do conseibo se dedos.
A maioria parlamentar regeneradora ;-ao
governo cumpre-lbe abater se agora de levantar
conflictos parlamentares, por isso que nao role
dispensar a cooperagao do parlamento para o
coBjuucio da medidas de salvac&o publica, que
dentro em poacos dias apreaeoiar, fundamen-
tadas n'um relatoro explcito, verdadeiro e fran-
co sobre a verdadeira situacao das nossas fi-
nanzas.
E' este o ponto capital qua deve ter em vista
nesta conjunctura.
Se pela proposigao de providencias de carc-
ter meramente poltico promovesse conflictos
parlamentares, das duas ama : oa teria de reti-
ftr-se do poder ou cumpria lbe propor ao poder
moderador a dissolnco da cmara electiva.
Qaalquer das solugoes annullaria a miS3o
excepcional e diflcillima que o actual gabinete
assumia e seria, assim o dase o Sr. conselheiro
Das Ferreiraom nrime de alta traigao.
E' por isso qae o ministerio por agora, se res-
tringe a debeltar a crlse fiaanceira, sem descu-
rar a da moralidade entregue j agora aos iri-
bnnaes do paiz.
Toda e qualqaer ou'.ra seria ioopportuna.
Depois, nao deveraos esquecer que esta seasao
parlamentar qae vai correado a ultima da le-
gislatura.
Os debates sobre o projecto da remodelagSo
das pautas aduaneiras, que o novo governo ac
ceitou para base da discusso, de urgencia
que se ultimem qnanto antes e o gabinete tran
sacto apenas asaistio j moribundo ao inicio
dessa discussao.
as medidas salvadoras em que o faocciona-
lismo de todas as categoras ser o bode expia-
torio, de crer que se nao adoptem se nao pe-
los meios constuciooaes, isto com o concur-
so do parlamento.
Encerrado elle ou adiado qaando c governo
entender qae nao precisa da saa co.laboragao,
licar o ministerio ento cornos meios livres pa-
ra se occopar desassombradamente das qaes-
toes propriamente ditas da reivindicagao das li-
berdades puDlicas.
E' por isso, como muitos pensam que a am-
nista para os condemnados polticos tanto da
mallograda revolta republicana de 31 de Janeiro
de 91 como dos dellctos de impreosa Acardo pa-
ra o segn lo periodo da geren -ia do ministerio
actual se l deitar, para entio qae seras pro-
vavelmente restitaidos aos municipes de Lisboa
os toros e regalas de que foram esbalhados pela
ultima remodelagao reaccionarla do primeiro
municipio do reino ; para mais tarde que a li-
oerdade do exercicio do direito de reunido e de
di8Cusso pela imprensa, direitos esses espesi-
nbados pelos governos precedentes, ser garan-
tida pela revogagao desses decretos s compara-
veis aos do rgimen absoluto.
Taes promesaa8, entenda-se bem, nao foram
feilas pelo actual presidente do gabiaete, o qual
soube hbilmente, as snas respostas aos depo-
tados da extrema esqnerda. demonstrar que, sem
lbe repugnarem taes exigencias democrticas,
porque seria renegar todo o seu longo passado
como homem.publico, nicamente Ibes oppunba
a coosideraco da falta de opportunidade.
O qae tica exposto apenas o coronario da
palestra oa sabbatina parlamentar, que se se
guio a exposigo do programma poltico do novo
ministerio.
Cumpre rae agora resumir, tanto quanto me
tor possivel, as declarages do Sr. Jos Dias Fer-
reira as duas casas do parlamento enumerando,
nao menos, o que lbe tor dito pelos oradores que
intervieram n'essas interessanlea sesses, quer
em nome das colectividades polticas por elles
representadas, quer em seu proprio nome e sob
a sua responaabilidade pessoal.
O ministerio composto dos cavalheiros que
mencionei na minha ultima de 18. :
O Sr. Visconde de Chancellemos, sobre cuja
acceitagin bavia alguma duvida, acceilou.
Na distribuigo das pastas nao houve altera-
gao.
CQRRESPOMDEMAS_____
Do Diarlo de Pernambuco
PORTUGAL Lisboa, 22 de Janeiro de 1892
O Reprter depois de fazer referencia aos
ltimos ministerios ex-partidano3 escrevia o se-
guinte ha poneos dias :
r Mas m quanto durar esta terceira experien
ca, tempo, occasiao, e j nao cedo, para
03 velhos partidos pensarem no papel qae esto
representando na poltica porugueza.
Se nSo teem razio de ser, seo paia Ibes n5o
d a torga e a respeitabilidade de que precisara
se sao apenas tolerados pelo habito e um nome
de obliteradas tradiges, ento da sua dignida-
de e do seu pundonor dissolverem se e lesappa-
recerem para sempre da lista dos comltatentea.
Se pelo contrario teem torga, teem vida, co-
ragem e dignidade, ento reivindiquea a posi
gao que de direito ibes pertenre e mostrem ao
re e ao povo que o sea lugar e empru na van-
guarda e nao as bagagens, quando se combate
pela alvago da patria |
Nao admira que 03 chamados velhos partido?
vo tendo a consciencia da mediocre confianga
que inspiram a coroa e ao pais, mas a iste prin-
cipalmente ; porque em presenga da temerosa
criae econmica, monetaria e financeira que nee-
te momento preoecupa todos os nimos, a pri-
meira idea qae occorre aos nomens que nao se
encontram filiados ou interessados as aventu-
ras dos partidss velhos, ao elles en grande
numero, que tal estado de coiaa s i deve na
saa mxima parte aos erros dessas olgarcbias
partidarias, aceumulados desde muitce annos,
sem que um desses valbos partidos tivesse tido
No dia 18 d'este mez polas tres horas e um
quarto da tarde, estando a sala completamente
cheia de pares e deputados, e as tribunas api-
nbadas de espectadores, abri se a sesao na C-
mara dos Depntados.
A concorrencia foi tanta que a3 pesadas que
ficaram atraz liveram de subir s cadeiras para
poderem enxergar o que passava na aala.
Lida e approvada a acta, apreientou-ae o go-
verno.
O presidente dea a palavra ao Dr. Jos Das
Ferreira, que no meio de um silencio profundo
fez as snas declarages sobre o sys'.ema governa-
tivo.
Principiou, por dizer que tendo sido chamado
a formar governo em circumatancias perfecta-
mente excepcionaes e bastante difficeis, neceasi-
tava antis de tudo. contar com a sincera e leal
cooperagao das duas casas do parlamento e da
de lodo o paiz para levar a cabo a tarefa qae o
governo se impozera.
O governo sera tolerante e liberal e nao ata-
ca' ninguem, porque precisa de que o nao ata-
quem, que lbe dm torga e o auxiliem.
Est n'isto a sua poltica.
Sendo gravissimas as circunstancias financei-
ras em que se encontra o paiz, e tendo chegado
a hora dos sacrificios, o governo ter de oa pedir
a todos,, teudo sempre em vista prejudicar o
meno3 possivel aquelles que de menos recursos
podem dispr.
Mas, nao s'jndo sufficiente esta medida para
conjurar a crise, que afflige a fazeada publica, o
governo chamara oa credores do Estado e pedir
Ihea-ba tombem que compartilbem dos sacrifi-
cios, que, n'este momento, se impem a todos os
portuguezes.
Com respeito ao projecto de reforma das pau-
tas, os trabalbos proseguirn como at aqui, at
ique a nova medida aeja apresentada as duas
caBaa do parlamento, tomando o governo provi-
dencias provisorias para a cobranga doa direi-
tos.
As palavra do illuatre presidente do conseibo
foram ouvidas com geraes demonairagss de
agrado e aympathia, e, em seguida, o Sr. Joo
Marcelllno Arroyo, representando a maioria rege-
neradora, declarou que onvira com; attengo is
pal?vras de S. Exc, e qus em nome do seu par-
tido proraettia leal cooperagao ao governo.
O Sr. Veiga Beiro, representando a minoria
progre3sista por idnticas declarages s do Sr.
Arroyo, declarando que o governo poda contar
com o auxilio fiel do partido progressista e com
a sua coilaboragao decidida em todas as medidas
de interebse publico e pedio ao loverno que
apresentasse qoanto antes urna exposigo cir-
cunstanciada e verdadeira do Estado da fazeada
publica para o paiz conhecer bem quaes as cir-
cumstancias em que ella se encontra.
O Sr. Jos Dias Ferreira agradeceu as manifea
Hsass^-SSSSSHM
tages e declaroi qae no relatoro, que hade pre-
ceder as medidas de salvagio panuca, qae ten-
ciona apnsentar, far urna exposigo clara e
precisa do estado em que se encontra a fazenda
publica ; mas tendo esse relatoro de ser modado
em bases criaseverdadeiras, te dentro d'algons
das podar dar conhecimento d'elle Cmara.
O Sr. Ruivo Godinl-io, por parte do grupo de-
nominado porto-frasco, felicito! o governa e o
paiz pelas esperances, qae o novo gabinete d de
reeonstUalr a fazenda publica por meio de medi-
das equitativas que dabaUem a crise que o af-
flige.
O Sr. Augusto Fuschini louvou o goverao pelo
seu programma!; mas indicon como urna medida
de primeira necessidade a amnista para os Cri-
mea polticos e dase qua as economas devem
realisarse sobra a riqueza e nao sobre os orde-
nados dos pequeos faneciouarios, e que as de-
dueges devem ser progressivas, se esse tor o
plano do governo, dar-lbe ha todo o seu apoio.
O Sr. Manoel d'Arruega (republicano) declarou
confiar no talento doa novos ministros, mas qae
achava o programma do governo anedyno e, por
isso aguardara os actos do gabinete para apre
ciar a sua intervenco nos negocios pub'i :os;
indicoa quaes as melidas, que a opioio recia-
mava : liberdade de imprensa e de reunio, es-
magadas pala dictadura do Sr. Lopo Vaz, reba-
bilitagio do municipio de Lisboa, affrontado por
outra lei dictatorial, amnista para os presos po
Uticos, applicaco das leis aos que das syadican-
cias forem aparados como reus ou cmplices de
crimes qua trazem indignada a opinio pu
blica.
Responden o novo presidente do conselho di-
zendo que sentia que as suas palavras nao Uves
sem sido emprebendidas, alias o llustre deputa-
do nao apodara de anedyno o programma do go-
verno.
Que o momento nao era o mais asado para fa-
zer revogar medidas polticas, dando logar, tai-
vez, a cinflictos lamentaveis, que conviaha evi-
tar.
Se tal fizesse, o governa falseara a sua missao
e tornar-se-bia reu d'alta traigaj.
Com respeito amnista dos condemnadus po-
lticos, eslava ella dependente d'am alto poder
do Estado e nao poderia o governo, cono fcil
de comprebendor, arriscar, n'este momento, opi-
nies a tal respeito.
O que o governo poda desde ji afiangar qae
bavia de fazer cumprir as leis, acabar com to-
dos os abU3os e castigar os delinquentes, nSo
duvidando para isso: proceder com toda a ener-
ga, entregando com a maior rapidez os culpa-
dos aos tribunaes, e recommendando Ihes a
maior brevidade no levantamento dos respectivos
procesaos.
A attituda decidida e enrgica do ebef? do ga-
binete provocou os applausos da cmara.
Anda falln o Sr. Eiuardo de Abren (repu-
blicano), dizeado que almirava a boa f do paiz
recebendo sem protesto um quino ministerio,
que se a presenta como sendo de salvaco pu-
blica, maa.lendo pela mesma cartilba que os an-
teriores, admirando tambem a elasticidade da
maioria, que enzulia um quarto ministerio;
mas a parte mata interessaote do seu extraordi-
nario discurso foi quando disse que o d-ficit des-
te anno de 18,152 conos, tendo aido pedidos o
anno passado ao estrangeiro 71,675 contos, sen-
do 45.003 contos votados pela cmara logo em
seguida 7,000 contos votados pela mesma cama
ra, e em seguida 16,347 contos obtidos pelo Sr.
Marianno de Carvalbo, em condiges taes, que
anda boje se ignoram.
Est Portugal no actual momento com um de
ficit de 17,152 contos. Com a receita de 40,003
contos, dos quaes 27210 sao para o pagamento
de juros da sua divida, e 12,790 para todas as
desperas do Estado. Quem consultar o relato-
rio de Necker, edigo de 1823, ver que neste
momento a divida portuguesa e os juros qae el-
la paga sao proporciooalmente muito superiores
aos da naco francesa naquella poca.
Perante este estado de cousas, o orador emmu-
dece porque quer, no comegaado j a abrir bre-
cha no ministerio, n'um ponto negro que nelle
existe. Cr qae s a revoiucao que apure e de-
pure, poder salvar o paiz. V para breve a
mudanga radical das instituiges (agitago or-
dem, ordem!) e possivel qae o Sr. Jos Das
anda se propoaba presidencia da Repblica.
E' de notar que est a fazer um anno que foi
apresentado pelo Sr. Eduardo de Abren na c-
mara, um relatoro e projecto de le, onde se
encontram consignadas todas as reformas que
se jolgam agora de salvaco publica. Ento, a
maioria qae applaadia agora o Sr. Jos Das
Ferreira levou a sua furia contra aquelle proje-
cto do Sr. Eduardo de Abreu. a ponto de nao s
nao querer discocil o, mas at a recusar a sua
publicaco na folba official.
Respoodendo lbe o Sr. Jos Dias Ferreira, foi
o Sr. Mariano de Carvalbo, ministro da fazenda
do gabinete demissiooario. quem terminou o
debate, declarando que euvira com altenco o
programma do novo governo e as explicages
do Sr. Dias Ferreira.
a impresso que lbe ticra, fra de que poda
associar-se completamente ao programma do
Sr. presi lente ao conselho, como se elle fosse
apresentado por oatro cavalbeiro qae tivease as-
sumido o pesado encargo de presidir a om mi-
nisterio.
Entenda que a situagao muitissimo grave.
Dizia isto agora, como a tinba dito quando entra-
ra para o ministerio, e dizia-o muito mais fran-
camente do que quando era ministro, porque
ento as difficuldades da situagao Ihe impu-
nbam a necessidade de re3trig33 que alias mui-
to lbe pesara.
Traba para si que bom era que o actual mi
nlsterio n'uma exposigo franca e clara, como
elle erador faria se se conservasse no governo,
dissesse realmente ao paiz qual a ana situagao
financeira, propondo ao mesmo tempo as medi-
das necessaria3 para elle se poder sabir.
A situacao era tal, disse o Sr. Marianno de
Carvalbo, que por mais duros e asperoi que fos-
sem os sacrificios, todos se deviam aubmelter a
elles.
Qae era este o programma qae todos os bo-
mens pblicos sao obrigados a seguir.
to, gente-ie o governo forte para poder luctar.
A situagao grave; mas seria maia do que isso,
se houvesse divergencias no ponto capitalpro-
videncias largas e rpidas oa questo financeira.
Deve o paiz tranquillisar-se.
Dentro em alguna mezes a nosaa situacao fi-
nanceira aera bem differente do qae boje A
situagao econmica, na qaal inflaem causas es-
trauhaa aeco governativa, levar mas tempo
a aaaar-se, mas conseguir-sena bom xito. A
crise nao pode resistirlo esforgo de todos.
Sobre aa declaracttes do Sr. Jos Das Ferrei-
ra, foi levantada a aesso.
O Sr. Oliveira Martio3, ministro da fazenda,
no discarso-programma que fez na cmara dos
deputados, prodazio a mais lisongeira impres-
Bld. Expoz a tragos largas a situagao do paiz e
declarou que se julgasse tudo p rdido tena a
coragem sofficieate para abandonar o campo.
Nao o julgi, e pede a cooperagao do parlamento
para as medidas que, brevemente, apresentar,
exigindo sacrificios a todas as classes.
Encarou a crise sob tres aspectos:
1.- Desequilibrio orgameotal. Bntende ser
necesaario restabelecel-o immediatamente, re-
duziodo as despezas e augmentando as receitas.
2.- Circulaglo fiduciaria. Julga ser um erro
gravi88imo restabelecer a circulago monetaria
e tratar de defender eficazmente as reservas
metallicas do Baoco de Portugal.
3." Desequilibrio econmico. Tem a coavic-
go de que esta causa levar tempo a desappa-
recer, e que forgoso proteger ao trabalho na-
cional por meio da p-oteceo pautal.
Os meios de que o governo iangar mo pata
se desempeouar da sua missao, aero : usar do
mximo espirito d econmica at mesmo as
mnimas despezas, e empregar completa fran-
queza com o parlamento, chamando o a collabo-
rar na regenerago ecoaomica-financeira da
nago.
Como disse, estas inlicages causaram na c-
mara a mais grata impresso.
(Conftuia)
A's 5 horas apre3entouse o mioisterio na c-
mara doa parea, cujas galeras estavam igual-
mente cheias.
Dada, pelo presidente, a palavra ao Sr. presi-
dente do conselho, este repetir a declarago
feta na outra cmara. Qae o governo se coa
stituira sem oatro intento maia que o de salvar
o paiz, e que para isso esperava o apoio geral.
Goveraaria com a constituigao, cumprindo-a e
fazebdo a cumprir escrupulosamente, e que lbe
merecera o primeiro cuidado a gravisaima quea-
to financeira.
Concluio o sea discurso accentuando que o
governo nao gastara um real fra do necesaano;
que em tudo far as mais ju3tas economas e
que, pedindo sacrificios ao paiz, tambem bavia
de pdil-03 aos nossos credores, sendo e3tes in-
teressados em nao se recusarem ao que se Ibes
pedir, que reverter para o bem geral.
Pediram logo a palavra muit03 dignos pares,
entre os quaes os Srs. Mrquez de Vallada, C-
mara Leme, Conde de Bom Fim, Barros e S,
Barjona de Frenas, Jos Luciano de Castro, An-
tonio de Serpa e Conde de Valbon.
Do que all disse o Sr. Mrquez de Vallada,
n'outra secgao deste retrospecto informo os le
to.-es, por se referir questo das malverea-
ges oa Compaabia Real dos caminaos de ferro
portuguezes.
E como a narrativa j vai loaga, bastar di-
zer-ihes que tieou para a aesso seguate asa-
rem da palavra os cbofea dos partidos regenera-
dor e progressista.
Na aessio de 19, tanto o Sr. A. de Serpa por
parte do primeiro. como o Sr. Jos Luciano per
parte do segundo, e anda oa Srs. Parjona, An-
tonio Candido e outros digaos pares, que usa
ram da palavra, todos expressaram idnticos
sentimentos, sendo o concert de louvores to
afinado, que o Sr. Tbomaz Ribeiro chegou a de-
clarar-ge assustado do enthusiasmo e fervor das
testas.-
Tantos jbilos, tantas congratulagss, tantas
esperanzas, disse S. Exc, podem pelo excesso
ser fataes. A proposito contou a engragada an-
cdota do festlm de ero. O imperador romano
reuni em gape magno grande numero de con
vivas. Deliclou os com esplendidos manjares;
deu-lhes a beber finos e preciosos vinhos e mu
sicas embriagantes convidavam ao prazer. Qaan-
do o festim era mais animado, comegaram do
tecto cahir flores, e cabiram tantas, que os con-
vivas morreram aspbyxiados pelos perfumes.
Anda fallaram os Srs. Joo Chrysostomo de
Abreu e Souza, Conde de Valbon e Barros e S,
concluindo o Dr. Jos Dias Ferreira por agrade-
cer e acolhimento benvolo que a cmara fes ao
ministerio. Com aa manifatages do parlamen
Acio oflflciaeaPor actos da junta gover-
nativa do Estado de 12 de Janeiro ultimo, foram
nomead^s as seguintes autoridades polieiaes, em
subs'.ituigo das actuaes que foram exoneradas.
Para os lugares ie 1.,2* e 3.* supplentes do
delegado de Pao d'Alho, os cidados tenente
commissario Joaqnim Jos de Barros e Silva, ca-
pitao Bellarmino do Reg Accoly e Chrlstovo
Mara dos Santos Cavalcante.
Para subdelegado e supplentes do 1.* districto
respectivo os cidados Jos Aatonio Cesar de
Vasconcellos, Jos Mara de Sonza Delgido, Jos
Dirceu Padilha e Manat Vicente dos Santos Bar-
ros.
Para 2.- supplente do subdelegado do 1.* dis-
tricto da Boa-Vista, o cidado Jos Ferreira da
Silva Lima.
Em 16 do dito mez, foi Horneado para alferes
quartel-mestre da guarda local o cidado Alfredo
Peeeoa.
Em 28, foram nomeados para os !ngare3 de 2 *
e 3." supplentes do delegado de Tacarat os ci-
dados Joaquim Al ves 3raodo e Sil vino Francia
co Delgado Torres.
Para 2.*e 3* supplentes do subdelegado do 1
districto de Jatob os cidados Antonio Flix da
Costa e Prxedes Baptista de Souza.
Para subdelgalo do districto da Volta o ci-
dado Manoel Coelbo da Araujo.
Para subdelegado do districto do E-pirito-San-
to o cidado Fraacisco Lourengo Pereira de
Souza.
Para 2.* e 3. aupplentea do subdelezado do 1.
districto de Tacarat 03 cidados Joaqaln Con-
rado de Souza Lima e Manoel Fortunato Pereira
de Ara ojo.
Para 1., 2." e 3.* supplentes do delegado de
Villa Bella os cidados Jos Martina Torres, Jos
Antonio do Nascimento e Braz de Mello Mattos.
Para subdelegado e supplentes do 1." districto
respectivo os cidados Miguel de Souza Barros.
Antonio de Souza Pereira, Manoel Rodrigaes de
Mello e Manoel Emilio de Magalhes.
Para subdelega lo e supplentes do districto de
S. Francisco do rnaoicioio de Belmonte os cida
daos Francisco Alves Barbosa, Antonio Eparai-
nendas Nogoeira de Barros, Joo Alves de Mattos
e Manoel Lop*a Nogueira.
Para delegado de Belmonte o cidado Manoel
Furtado Leite.
Em 29 foi nomeado para delegado do 2 di3
tiicto de Agua-Preta o capitao Manoel de Souza
Lea.
Em 30, foram nomeados, para 3. supplente do
subdelegado do 1. districto do termo do Bonito
a cidado Antonio da CunhaBrayner.
Para 2.~3. supplentes do subdelegado do
districto de Capoeiras oa cidados Fraacisco
Leandro Gomes doa Santos e Possidonio Pereira
de Lucena.
Para 2.e 3.suopleate3 do subdelegado do
1.a districto de Calende oa cidados Jacob Luiz
de Carvalbo e Peregrino Americo Leite Filho.
Para 2.0suDplente de delegado de Bom Jar
dim o cidado Jos Gomes Barbosa.
Para 2.* supplente do subdelegado do !. dis-
tricto respectivo o cidado Jos Gomes de
Aojo.
Para 1." e 2.* supplentes do subdelegado do
districto do Chos, os cidados Sebasiio Bar-
bosa Leal e Manoel Rufino da Cuaba.
Em 30, foi nomeado para o posto de sub-com-
missario do 4.* districto (Boa-Vista) da 1." re-
gio da guarda local o sargento Francisco Borges
Vieira ae Mello.
Em 1 do crrante mez foram nomeados :
Para commissario da guarda local do muni-
cipio de Paneiias o cidado Manoel da Silva
Barros.
Para sub-comraissario da guara local do mu-
nicipio de Paneiias o cidadio Constantino Ra-
mos de Vasconcellos.
Foi considerada sem nenbum effeito a por-
tara de 20 de Janeiro ultimo, que exonerou o
sub commissario da guarda local do municipio
de Caruar. Franciaco.Xavier Pestaa; tendo sido
na mesma data transferido para o municipio de
Jaboaio.
Uelecacia I.illerarla da Hastale
aaO Sr. delegado Iliterario do districto da
Magdalena, cidado acadmico Ribeiro da Silva,
sobre urna reclamago inserida no Jornal do Re
cife do dia 28 do mez (indo, assigoada pelos pre
judteados, acaoa de oficiar neste sentido ao Dr.
raspector da instruego publica nos termos
abaixo:
N. 18.Delega ca litteraria do districto da
Magdalena, em 30 de Janeiro de 1892.llustre
cidado.Tenho a honra de losar ao vosso co
nhecimento que, tendo esta delegacia lido urna
local na seceo das Publicantes Solicitadis do
lornal do Recife de 28 do correte mez, assigoa-
da por Os prejudicados, em que se chama a vos
sa atiengio ou de quem competir para prov- n-
ciar sobre o caso de existir en urna escola pu-
blica da estrada dos Remedios, urna pesaoa sol
fredora de affecgo pulmonar, dirig-me imme-
diitameBte a tomar conbecimento daquella re-
clamago, chegando ao segrate resultado, que
vos communico:
Existe, vardade, urna pessoa auectada
daquella molestia, residente temporariamente no
andar superior do predio onde funeciona a esco-
la do aexo femioino, na estrada doa Remedios,
mas que nenhuma coaviveocia tem com o pavi-
mento terreo daquelle predio, o que verifi-
que;.
O art. 13 do regiment daa escolas de in-
struego primaria, n. 333 de 28 de Setembro de
1885, apenas cogita do caso de aluaiQO ae-
commetlido de molestia r pugnante ou contagio-
sa, nao altiogindo aquellas pessoa3, como no
caso presente. No entretanto eata delegacia fez
sentir a respectiva professora a inconveniencia
de leccionar naquelle predia, ao qae a digoa
professora responden que a doente de que se
iraia reiirar-se-hia logo que obtivesse urna outra
casa, o que faria dentro de tres dias.
Cumprindo aseim com o meu dever, reitero-
voa os meua protestos de estima e considera-
gao. -'M OI t
Sade e fratendade.Ao ilustre cidado
Dr. Oliotbo Vctor, muito digno inspector geral
da inat-ucgo publica.O delegado litterario,
J. C. Ribeiro da Silva.
Escola \oroaai Hoje he ver exame oral
de rancez no 1- anno e escripto no 2-.
Para publicarDa secretaria do governo
remettem-noa:
Iulendencia Municipal da cidade de Garuar.
Em 6 ai Janeiro de 1891.
Cidados.A Intendencia Municipal desta ci-
dade respondendo ao vosso oficio circular de
18 d Dazembro findo, em que communicaeg ter
em a referida data, assumido o exercicio daa
funegoes da junta governativa deste esta o, da
qaal dignamente fazeis parte, fita scieate; o
aproveitando a opportunidade, vos apreaeata
seas votos de alia coasideragao e sincera adhe-
310.
Saulie fraternidade.Aos Illustrea cidados
general Joaqaim Mendos Ourique Jacqaes, Dr.
Ambrosio Machado da Cunba Cavalcante e Jos
Vicente Meira de Vascoaoellos, multo digno
membros da junta governativa do Estado.Ju-
vencio Taciano Manz.Presidente, Antonio Ii-
nocencio Florencii de Vasconcellos.Cezario
Vieira de Mello.Jos Francisco de Pontes Aze-
vedo.Joo Guilherme de Pontes. :
Q'Mwlel do Commando do Corpo de Poluta 23 de
Janetr de 1892.
Relatoro
Tendo em data de 23 de Dezembro pretrito
levado ao conhecimento d.'ssa Ilustre junta, de
haver assumido o commando deste corpo, deixei
de apresentar o relatoro que me cumpria, acer-
ca do seu estado, do numero dos officiaes e pra-
gas, de sua desciplioa, armamento, tardamente
equipameoto, assim cmodo quartel seu aloia-
mento e utencilioa, pur carecer de um exame de-
udo e apurado, de modo que nessa exposIgSo
podes-e assegurar com Urmesa qaal osea estado,
exame esse, que somente. agora pode ser ultima-
do, e cujo resultado tenho a subida boora do
submetter a considerago dessa illastre e patrio-
tica Junta.
Tratando dos officiaes
Pjucos foram oa qu* encoutrel no corpo e que
se me apresentaram, sendo informado que outros
baviam se ausentado do quartel, mais sem qus
houvessem communicado por escripto a este
commando o destino que tomaram, de modo qwo
me babilitasse a justificar snas faltas.
Das pragas
Eocontrei um crescido numero no qiartel mas
sem que constasse de livro algum ou mesmo de
cadernos, apropriado3 03 seus al3tamantos, sen-
do de notar que, algunas frdalas e 1 rundas e
outras a paisanas e desarmadas sem qae pos-
suissem eqaipamento algum, no entretanto, que
nesaa extranba e ignorada desorganisago mili-
tar viviam como se tossem verdadeiros soldados
em pleno servigo do Estado.
Alm do que, sem orem, sem rgimen e des-
ciplina, e aglomerados e armados, eram um pe-
ngo eminente que poda a todo momento ae le-
vantar contra a moralidade e deaciplina, apana-
gio daquelles que fazem da vida militar o seu
gallardo de gloria.
Do archivo
Nao encontrei livro algum oa Secretaria d'este
commando, casa de ordem, quartel. mestranga e
companblaa, que tomaodo-os por base podesae
ajuisar do que se fez anteriormente, e por mul-
tas inveatigagea que fizeeae nenbum eaclareci-
ment consegu obter que nelle firmado podes3e
conhecer o seu ponto de organisaco.
Dos utensilios
Nenham utensilio encontrei pertencente a este
corpo.
Do edificio
Sendo antiquiasimo. se acba bastante arruina-
do e sob as mais instes condiges hysienicas,
sendo qae, seas alojamentos tranlormados como
se acnam em cavallarigas, nenhuma commo ida-
de ofierece para acondicionar aa pragas do corpo,
que dormitam sem commodo algum, e quolidia-
mente respiram exhalages ma que corrom-
pen] e infestan? a sua sade.
Attendendo a estas circamstancias, este com-
mando tem deixado de proseguir nos assenta-
mentos de praca, consequeotemente. ae torna de
urgente necessidade a remogo do corpo para
um outro quartel, que oflerega commodidade ne-
cenara.
Nio obstante tudo isso tem este commando
alistado 30i pragas, e procurado disciplinal as e
exercital as com a coadjuvago dos officiaes e
especialmente do inteligente e distlnclo alferes
Gustavo Galvo de Cavendisb, que para tal fim
tem em prega lo toda a eolicitude e esforgo.
ltimamente teabo anda a ponderar que todo
esse alistamento, assim como toda escripturagao
do corpo em organiaago se acha feita em cader-
nos pela falta de anda nao lerem sido torneados
os livros apropriados, o que se torna de urgente
necessidade esae fornecimento, para a boa mar-
cha do servigo de to alta monta alm do que
contina o corpo sem armamento e corrame,
e desta falta tem deixado de ser satisleitaa as
requisiges das autoridades polieiaes pare a aa*
nutengo da ordem publica.
EPi'ocedeodo por esta forma, tenho comprido
com o dever de empregado publico e o de cida-
do, qne por amor e respeito ao cargo que exer-
ce procura acautelar seu nome.
O tenente coronel commaadante, Manoel Gon-
galves Pereira Lima.
Ncleo Artstico Inirurilvo-Reune-
se boje em sesso para selemnisar o anniversa-
rio de sua installagSo.
Pbonograpbo -Esse importante app.re-
ino, sobre o qual amanb daremos circums.an-
ciada noticia, relativamente as impresees qae
experimentamos, acha se em exposigo pela ma-
nha no Caes da Lingueta e noute na Praga da
Independencia n. 31.
O publico deve ir apreciar urna maravilha do
engenho humano.
vnica aullara Tendo a digna junta
de bygiene recebido urna reclamago sobre a
inmandiee do quintal do predio n- 22 da ra do
Areial, na freguezla do Recife, no qual sao de-
positados nao s lixo em decomposigio como
tambem materias fecaea, entendeu providenciar
e nesse sentido foi o Dr. Lopes Pesso para co-
nhecer a veracidade da mesma denuncia.
Encontrn de facto o llustre facultativo pro-
vas de aecusago feita e i.o s em virtude de
seu cargo como a bem da salubridade publica
do nosso Estado, reclamoa a nao contlnuago de
aemelbante abuso.
Mas, tanto bastoo para que fosse o mesmo fa-
cultativo bru3ca e grosseiramente aggredido pe-
la praga da guarda local, de nome Manoel u-
nes, o qual tem o n. 30, e faz parte da guarn-
gao do posto do Recito.
Esta prega, sahinio, de urna 'toca (nm dos
quartos do referido quintal) pareca querer ar-
rasar o mundo com ana 'grande figura.
Chamamos, pois, a alteogo de quem compe-
tir para a alludlda praga, que, ao envas de aju-
dar no cumprimento e stricta observancia das
posturas municipaes e bem da salubridade pu-
blica, pe-lhe obstculos e ameaga at aoa dele-
gados incumbidos de sua execugo.
O cidado Dr. Lopes Pessoa, aps a aggresso
recebida prenden a a.ludida praga, dirigindo-se
ao l" posto policial onde communicou o occor-
rido-
0 procedimento de tal prega merece serio cor-
rectivo a e3peramo3 ar providenciado semelhan-
te mo procedimento da parte de um mantenedor
da ordem publica.
Cavalbeiro* da KpochaUm dos mem-
bros da directora deste dialincto e sympathico
Club Carnavalesco leve a gentileza de vir bon-
tem no nosso eacriptono mostrar 0030 novo es-
tandarte social qie acaba de ser importndo de
Paria, por intermedio da firma commercial Ma-
noel Colago 4 C, deata praga, o qual tem de ser
exhibido pelo referido Club no3 prximos dias
do carnaval.
Examinamol-o attenciosamente, e de mais apu-
rado gosto e luxo Seamos certos nao apparecer
outro naquelles dias.
A sua face grapnica tricolor e do mais fino
damasco de seda, tendo na parte superior as ini-
ciaos da sociedade, na parte central o nome da
mesma por extenso e abaixo a data1884da
fundago o Club, tudo em ouro e a alto relevo.
A pirie posterior de escolbido setim grenal.
AinJa um lindo recorte com aa cores j mencio-
nadas e cum franjas douradas, disposias de mo-
do a enoabrlr a verga de que ser suspensa o
torna mai chic e pe em evidencia o apurad
gosto da execugo do artista que o confeccio-
nou.
Inconte3tavelmente este um trabalho digno
de ser apreciado e que com certeza attrahiri
sobre o Club Carnavalesco Cavalheiros da Epo-
cha toda a attengo e elogios doa espectadores
das festas do d eus momo.
caatlao vinarias-A bordo do Sittelile
embarcou bontem em Macei para esta cidade o
capuo Villana, o qual teve um bonito embar-
que, segundo por telegramma nos dommunica o
collega do Estado, daquella Capital.
Iijcen de Artes e Onlcioa -Na terga-
feira ultima s 7 horas da noite, com assistencia
doa Srs. inspector da instruego publica Dr. Olin-
iho Vctor, director e membros da Sociedade dos
Artistas Mecnicos e Liberaos, director e corpo
docente do Lyceu, alumnos d'este, convidados e
outraa pessoas, teve lugar n'esse estabelecimento
'

'
-

.
.

.

A




Diario

de inatruccio a sessao de abertura'de carao lecti-
vo do mesmo eatabelecimento oo auno fluente.
Abena a sesso por meto de al guma patarras
dirigidas pelo D.\ Pereira da CosU, director da
meajionala sociedade, aos alumnos, animando
4 e estimulndoos a nobre lucia do estado, to-
mn em seguida a palana, como representante
do corpo docente do Ly:eu, do qaal fax parte o
Dr. L .urea tino Mireira, qoe em bello discarao
le Vcl oa p-oveuos e a grandiosidade da iastroc-
Cao, i n mando ignalmente os alumnos a se ap-
plicarem ao estado das materias ensinada no
Lyceu, cala ama das quaes devia jer para elles
objecto de serias meditares e accarada atlen
Co..
Anda U30u da patarra o Sr. professor Barros
Correu, qae dirigiado se aos seas discpulos,
fel-o em aceentuagio animadora e de forma a in-
ainaar-lhes o campamento dos deveres escola-
res como m3io de consecoco dofima qae visa
o bomem qae estada.
8ob a agradavel impressao d'essas palavras,
qae repercutlram n'aquelle reciato como iacita-
io ao trabalbo e acceutos do futuro, encerroa-se
a sesso. dorante a qaal por veses a banda mu-
aic! do Lyceu executou varias pecas.
O edificio do Lyceu achava-se ornamentado e
illominado interna e externamente.
Por exteoso deixamos de dar aqai o bello dis-
curso do Dr. Laareatiao Moreira, ao qaal cima
oos referimos.
o bil lai fctniey-Dnem de Wasbin
glon qae M. Bercek Jaridge, em ame do part
do democrtico apresentuu no parlamento ama
moQao pedindo qae antes de 15 de Fevereiro
seja snbmefido cmara um projecto revogan
do a clausula do bil Mac Ktnley relativa a rea-
procidade e admittindo iivremeate todos os pro-
doctos dos paixes do continente americano sobre
os qaaes os Estados-Unidos aao imp:m direitos
de importaco.
Esaea paites admittiriam em franqua os ce-
reaes, carnes, conservas, etc.
Hialorln de Peraimbnoo -Sob o titu-
lo de Brazil Rfpxblicano dis O Tempo, do Rio:
A Rtvue Bteue inaere em sen numero de 19 de
Dazemtirj passado um excellente artigo do nosso
talentoso e illastrado compatriota o Sr. Dr. Osear
de Araujo, sob a epigrapba Os antecedentes da
Repblica no Brazil.
Ha, porm, na enumeradlo dos tactos que con-
stituem aquellos antecedentes, urna onissio, que
compre reparar e qae, sem lvala conta de
incompleto coobecimento da historia poltica do
Brasil, a pode ter origem na falta d'essa bisto
ha. que j tempo de eacrever e qae s ella po-
der guiar seguramente o escriptor nos debates
e as criticas que tenba de faxer.
O autor do artigo a qoe laxemos referencia af
tiran que o primeiro despertar da idea republi-
cana oo Brasil remonta a 1710. quando Felippe
dos Santos, o patriota martyr, quiz proclamar a
repblica em Mioas G>raes.
Nao foi. porm.em 1710 nem em Miaaa-Geraes
trae pela primeira vez a aspiraco democrtica
dos nossos maiores se tornoo publica e osten-
siva.
D-x anuos antea, quando em Pernambuco re-
bentava a guerra dos Mscales, Bernardo Vietra
de Mello, oatro patriota martyr, levantava no
congresso da nobresa e do senado da cmara,
reunido revolucionariamente na cidade de Olin
da para resolver sobre o goveroo di capitana, o
brado de patria livre e republicana.
Foi tsto em Njvembro de 1710, sob o governo
de Sebastio de Castro Caldas, e trasladamos
para aqu, cono merecida relnndicacao histri-
ca algumis pilavras do biographo pernambuca-
no, padre Martina, sobre o caso, para nao citar
outros Cronistas e historiadores qae d'elle se
ocenpaa.
Fallando de Bernardo Vieira de Mello, dix
aqaelle escriptor:
< Na reunido da lobreza e do senado para de-
liberar sobre governo foi de opiniSo quo se de-
clarassem em repblica ai instar dos venesianos,
corlaado todas difficaldades coa a pintura
dos recursos que baviam assim para resistirem
como para se retiraren: no caso de desgraca. E
accrescen'a : < Conclua afloal ser melbor, no
caso de deagraca, entregar se aos polidos e
guerreiros franceses do que aos grosseiroa, mal-
creados e ingratiasimas Mscate?.
A o'inio de Bernardo Vieira nao foi de certo
vencedora no congresso de 1710, mas nem por
iato e menoa irrefragavel verdade que, des an-
nos ante3 de Felippe dos Santos, ja em Pernam-
buco fra proclamada a independencia com a re-
publica.
Algn versos-Artbur R.bello, um dos
nossos mogos poetas, araba de dar estampa
m folbeto de suas produeces poticas.
E' saa estra promeltedora, que faz esperar a
con'iauacao de ama serie de (rucios que o esta-
do sazonar,
Os veraos de Artbur Rabello sao harmoniosos,
enbuaiasticos ; e n'elles com a rima ca*a-ae o
pe- s im-n'.o. qoe a alma, a vida da poesa.
E assim felicitamos ao poeta, ao qaal ao mes-
mo tempo agradecemos o exemplar com que nos
memoseou.
PhoiusrapiilaO Sr. A. Du:aable acab
de ob-equiar-nos com ama expresaiva pbologra
pbia do mage3.oso catafalco erecto na matriz da
Boa Viata por occasiao das exequias em memo-
ria de D Pedro de Alcntara.
E" um trabalbo perfeifo e que muito hoara o
atelier Ducaable.
Agradecemos o mimo.
O Jadeo ErranteAos Srs. Ramiro M.
Costa & C, proprietanos da Livraria Contempo-
rnea, agradecemos a remessa dos doos primei
ros fascculos ao grande romance denominado
O Jadea Erranteda larra do conbecido e fes
tejado esc-ip'-or Eugenio Sue.
Os amigos das boas leituras nao devem dei-
xar de aasignar es'e ,a3Sombros) romance que
tanto successo fez em saa primeira edico, e
que prova a rapidez com que foi ella esgolada.
Para esse fim dirijam ee qaeila livraria onde
por cada fascculo despendern apenas 3' O r:s.
Anda ao3 Srs. Ramiro & C, devemoa a re-
measa d03 iascicnlo 7 e 8 dos Mosqueiteiros.
de Alexandre Dumai. e 13 e 16 do Diccionario
da Liogoa P.rmcoeza de Moiaes e Silva.
Manta Caa de MisericordiaFoi este
0 pesaoal de enfermos e educandos existentes
nos diversos estabelecimentos a cargo da Santa
Casa no mez de Janeiro lindo.
Hospital Pedro II
Dito do'. Variolosos
Dito dos Lazaros
Azylo de Mendicidade
Collegio das Orphas
Hospicio de Alienados
Casa dos Expostoa:
S n poder das amas
No eatabelecimento
Total
95)
211)
599
9
41
500
SOO
239
07
1.595
domingo prximo, anm de evitar a cena 3 desagra-
daveis como ao de qae foram t Mtemuabos no
anuo panado, sendo at necessiirio o eaprego
da forca publica.
Paquete John BinerEtse paquete da
CompanDia do Pacifico, qae viajava no Brasil,
sanio da Valparaso para a Earota no da 16 de
Janeiro.
Km vir'.nde de caosai qoe nao nao conhecidas
anda, naofragoo oa ponta de Carransa, lendo
sido salvo 03 pauageiros, trlpolacio e malas.
Essa noticia dada por um te enramma trans
mettido de Liverpool em 19 de Janeiro ao Jornal
do Commercto de Portugal.
renta de S. ebastiao na Cabo No
doningo lera logar essa festividade religiosa na
cidade do Cabo de Santo Agostinto, e qae aera
annonciada pela manb com ama salra de SI
tiros e pasaelata do Club Philarmouico Cabense.
Oa actos religiosos comegirao a 11 12 boras,
orando ao evangelbo o Revm. fre Augusto, e re-
gendo a orebestra o professor Lydio.
A tarde satura a lmagem em prociaso so-
lemne.
A' noite ser cantado o Te Deum, aps o qaal
qoeimar se-ba um bello fogo de artificio, traba-
loado pelo artista Javencio.
j vespera, em seguida a concluaao da nove-
na, abre se um grande basar das prendas offer-
tadas pelos devotos.
ablacte Porta cues9 novo ministro
da jostea desee gabioet-*. o Sr. bispo de Beth-
saida, contra o Jornal do Commercio. de Lisboa,
receben no gabinete do sea ministerio os eco-
pregados da respectiva secretaria que iam com-
primental o.
Acolbeu-os S. Ex:, com a amabilidade qoe o
caracteriza, e, com a fraoquexa que tambem
um dos seos bellos predicados moraes, ao mes-
mo tempo qae revelava assim o pensamiento do
governo, de qae fas parte, disse-lnes, uam toro
evanglico de qoem Ibes aconselbava confjrmi-
dade e resignacao:
Venbo com os bolsos vaaios p sendo-os por sso smente para receber.
Claro esta, accrescenta o nosso Informador,
qoe estas palavras nao agradaram ouito, Mas
preciso qae tolos leaaamos pnciencia e qoe
cada qaal coopere para o levaniameiito do pas.
A em de qae, pelo teor da declaragio ministe-
rial, serao manudaa nessaa reducca a maior
equidade e justica.
O Imperador da ailemanha e a lm
prensaA Gazeta -da Stlesta celeb-ou agora o
sea centesimo quinqaagesimo anniversario.
O imperador Guilberne envin cordialissimas
felicitacs ao proprietario do jornal, que se tem
coniervado sempre na po3se da mesma familia.
Na soa carta o soboraoo dis qae esta publica-
gao i a historia flel dos acontecimeiitos que le
varam a P'aaaia ao lagar qoe o reino boje oc
copa na Europa.
ma SyadlealEasa associto belga
promove ama grande reunan, a qotd assistirlo
muitja deputadoa e senadores, ten lo sido ap-
provada urna ordem do dia de prote.-to contra o
tratado con a Allemaoba.
renta de Santo tmaro -Comecam hoje
as novenas da festividade de Santo Amaro em
sua igrej) das Salinas.
Esaas novenas sao cantadas glandes orebes-
tra, cuja regencia esta encarregada ao professor
Ly dio de Oliveira.
fectoa amann o sen sarao bimestral, referente
ao primeiro bimestre do crrante anno.
O concert entra s 9 boras.
D. alarla d'AranJo Booa Silva
I) Pars, onde prematuramente ceder a le da
morte, cbegoL embalsamado o corpoda respe!
tavel senbora, cojo nome titula esta local.
Piedosamente depositado na capella do Cemi-
terio Publico de Santo Amaro, abi Ibe ser&o boje
s 9 boras do dia prestidos os siffragios da
igreja com os ultimes officios da amizade, da
ternura do esposo e da sauosa leen branca da
familia, sendo em seguida a essa manifestacao,
que traduz o merecimento da famil a no lar e
oas relacOes sociaes, re;olbido ao ja;iigo da fa-
milia Lvramento.
Cnegada Na tprci-feira ebegou da capital
federal o Sr. Dr. Epilacio Pejsoa. nosso co-esta-
daoo e digno representante do Estado da Para
byba no congresso nacional, onde no desem-
penbo do sea mandato fez papel saliente e con
snante com os seus talentos,
Comprimeotamos ao Ilustrado meco, dando
Ibe as boas viadas trra natal.
Em afl'raglo Por alma do Dr. Joo Ho-
norio B sorra de Menezes -ezam-se missas no
dia 6 as 8 oras da maoba na matrir da Boa-
Vista ; no mesmo dia e boras na capilla do en
genbo BomfJm ; e no dia 8 s 10 boras da ma-
nba oa cape.ia io engenbo U'-inga.
Escada-Dessa cidade noticiamjW3 ose-
oate :
Aj retirar se da comarca da Escada, o ex-
juix de direito da mesma, Dr. Jos Jacinibo Bor-
ges Dinix, no dia 1." do corrate, o eos ami-
gos otTereceram Ibe um lauto ulmoc) e um de-
licado presente.
N'esaa modesta feata, tizeram se representar
todas aa clesses.
Na occasiao de tomar o trem o digno magis-
trado, todos o accompanbaram a gave da estago
aonde foram trocadas as ultimas despedidas.
O Dr. Borges Dinix deixou de sei approvei-
tado pela junta governativa, na ultima nrganisa
(o jndiciaria.
rrviro militarHoje superior de dia
o Sr. major M-'irelles, e fax a ronda de visita
um subalterno da batera.
O li' batalbo de infamara dar a guarnico
da cidade, excepto a guarda do The aburo, que
ser dada pala polica, dando o 2' o ofticial
para a guarda de palacio,
Faz da ao quartel general o Sr, cadete Ca-
oba.
Uniforme n 5.
Paquete Matelllte E-ss paqi.ete nacio-
nal, po Lioyd Braxileiro, tendo sabi.'O Inntem.
4, do porto de Maceic:, deve amanhece: hoje, 5,
no nosso, seguindo boje mesmo tarle para os
porto? do norte.
Paquete 9. Salvador Eise piquete na-
cional tambom do L'.oyd Braxileiro, tendo sabi-
do hontem, 4, do pono Natal, devera chegar
aqu amann, sabbado, 6, seguindo co mesmo
d.a tarde para oa portoa do sol da Upnblica.
napectorla do ?.' dlotrlcto marl
timoRecite, 3 de Fevereiro de 1892.
Boletim meteorolgico
Amanhi :
Pelo agente Pestaa, ao mel da, travoau
do Corpo Santo o. 27, de ama cata.
Pelo agente Martina, a 11 horas, roa do
Fogo a. 8, de SO caixas com prego* avariados.
Pelo agente Gnsmo, s 11 boras, roa do Ba-
rio da Victoria n. 48, de movis, espelbos, toa-
cas a vidroa.
Pelo agente Brito, 4s 10 1/2 hirai, A roa da
Aurora n. 29, de um plano, movis, obras de
coro, vidroa, etc.
Paaaavelroa Cbegados do sal no vapor
nacional Porto Alegre:
Dr. Manoel do Nascimeato Machado Portella,
soa seohora e 1 fllha, Mara da ConceicAo Peca
nhi, Dr. Alvaro Joaqulm de Oliveira, Aduslndo
Alvaro O., Aduainda O., Benjamn O. e 2 cria-
dos, Salvador B. P. da Silva, alteres Earico A.
de Oliveira Jacqoes e Juatina Jacqoes, desem-
bargador Minoel Nascimento di Fooaeca Gal-
vo, saa seohora e 10 Qlbos, 1 cadete, Paulo da
Silva, Jos da Costa Lima. Joo de Moraes, Dr.
Benildo Romero, Maria S. da Cooceicio, Anto
nio Vieira dos Santos, Antonio Villa Nova, Jos
Barbosa. Mme, Villa, Candido Rebouco, Anto-
nio Cadena. Manoel Ferreira dos Santos, Arlbar
Machado, Manoel da Silva Nevea, Mara Leopol
dina Neves, Tranquilina de Alencar, Lourengo,
Mamasia e Osmioa.
caa de DetencaoMovlmenlo dos pra-
ios da Casa de Detencao do Reclfe, listado de
Pernambuco, em 3 de Fevereiro de 1892.
Existiam 344, entrou 15, sahiram 6, exis-
ten 353.
A saber:
Nacioaaea 316, mulheres 16, estrangeiros 21.
-Total 363.
Arracoados 306.
Bons 295.
Doentes 6.
Loncos 2.
Loocas 3.
Total 308.
Movimento da enfermara
Tlveram baixa:
Antonio Jos Carneiro.
Joo Brax de Lyra.
Mauoel Martina de Soma,
Hospital Pedro II O movimena deste
eatabelecimento de caridade, do dia 3 de F
vereiro, foi o jeguinte :
Existiam 600
Eatraram 14
Sahiram
Falleceram
Exiatem
------614
7
1
606
------614
pelos segun-
Foram visitadas as enfermeras
tes rs.:
Moscoso entroa s 9 horas da manba e sa-
bio a 9 1/9.
Pontual entrou s 9 1/2 da manb e sabio s
10 1/4.
Simes Barbosa entrn s 9 1/2 da manb e
sabio s;10.
Berardo entrn s 10 l/ da manbS e sabio s
11 boras.
Silva Ferreira entrou s 10 da manb'e sa
bio s 10 1/2.
Mavignier entrou s 9 1/4 da manb e sahio
s 10 12
Arnobio Marques entroa s 9 1/a da manba
a sabio 4 11 1/4.
Andrade Lima entroa s 9 1/4 da manb e sa-
bio s 10.
Pbarmacentico entroa s 9 1/4 da manb a sa-
bio a 3 horas da tarde.
Ajudanle do pbarmacentico entroa s 81/4 da
manb e sahio s 5 boras da tarde.
Lotera do Bulado do CJro-Para
A 2.a serie da 51* lotera, deste Estado cojo
premio grande de 120:000*000, ser extrabida
no dia 6 de Fevereiro (sabbado).
Lotera do MarannftoA 15* serie da
6 lotera deste Estado, cujo premio grande
de 3OJ:O0OJ0O0, ser extrabida no da 10 de
Fevereiro (qaarla fei-ra).
Cemlterlo PublicoObituario do dia 3
de Fevereiro:
Pedro Baptista do Nascimento, Pernambuco,
25 annos, solteiro Beberibe; tubrculos pulmo
nares.
Severina, Pernambuco, 3 das, S. Jos; ira-
qneza congeoita.
Francisca Maria da ConceicSo, Cear, 66 an-
nos, viuva, Boa Vista; roeumaiismo alberomo
aorta.
Um liomem, Pernambuco, Boa-Vista ; con
gesto-
Maooel Pedro, P.irahyba, 23 annos, solteiro,
c -.-;<,-1; tubrculos pulmonares.
Galdina de Araujo, Pernambuco, 50 nnaoa, sol-
teira, S. Jos; leao cardiaca.
prohibido de continuar com a jogatina e acosto-
mado a eogasopar, procurou esta sabida para
melhor calotalos ; bomem sem prestigio, dis-
pondo coicamente de sea voto, vardadeiro ca-
panga, do qoe dea provaa nos dias 18 e 19 de
Desembro ultimo, eatranhoa esta comarca, uxei
ro e visero emameagaa a si proprio, o qae ra-
zia quando empregano do Prolon coroo este motivo para dlxer aoa seus cradores:
nao tenho garantas, por iato nao posso pa-
gar-Ibes.
Nos, porm, pedimos a todos os negociantes
de Palmares, sem excepcio, qie declarem se a
a polica algom da proceden como actualmen
te, e quaes os perseguidos ? I
Sita t
Em qoe epocha os Srs. Negociantes dormiam
socegados e sem receio dos ladiesT
A qoem a polica tem perseguido ?
Reapondam por saa digoidade I
Accnsam, una a polica, outros a particulares,
de terem aggredido ao Dr. Palcao ; o publico
aprecie o qae disseram as testemaobas qae.de-
puzeram oo inquento e a respoata dos peritos.
O Sr. Simas, testemonba, guarda-livros do
Proloogameoto dis qae eotroa pelos fundos de
sua casa o Dr. Paieo molhado da cintura pira
baixo dizendo ter sido aggredido e quando
mudava a roopa ouvio um uro em casa do
Dr. 1...
Ora, te o Dr. estava em casa do Sr. Simas
mudando a roapa e o tiro deu-se nesta occa
aio em casa do Dr, em quem foi desfeicba
do I... onde estar a roopa que o Dr. mndon
incontinente !
J estara a sna espera ?
E' o Sr. Simas insuapeito, amigo e visiobo do
tDr. !
Dis o creado do eslava n'uma elevacSo deitado no qoarm con-
tiguo a sa a, com a porta aberta. vendo o Dr.
sentado defronte; de repente ouvio ama rumor
aa aala, sabio do quarto e viu um bomem uaixo.
gordo e barbado que deu-lbe urna pascada de
leve que nao den para doer, depoia saltn
para a roa e ebegando elle a porta nao viu
ninguem !
Balas doaa testemunhaa sSo pessoae da con-
fianca do Dr. e o dono do hotel frooteiro ca-
sa qoe tambem o declaron que nada vio I...
Os peritos, um opbarmaceutico amigo intimo
do Dr. o Sr. Xavier da Maia, o outro o marchan
te Liberato, apesar da opposigo apresentada
conseguirn vistoriar a sala e nada viram que
demonstra-se ter bavido aggresso I...
O proprio Dr. declaroo no engenbo Venus
qu: o tiro fra dado por sea criado-. Dis o so-
gro do Dr. qae est convencido ter sidoaqoillo
ama comedia... qoe reconhece a lingoa ferina
de sea gearo a ponto de ter cortado as rea-
gOes! (palavras propriaa). E sao estes os bo
men i que se disem ameacados e influencias legi-
timas de Palmares I
Diverso individuos tem sido perseguidos e
obrigados a mudarem-ae de Palmares... real;
a polica nio o naga! Mnrava em Palm ir suma
qaadnlba de ladres de cavallos e rotoneirus,
cojos nomescao declaramos na integra, para nao
alongarmo nos, boje perseguidos, qae em pleno
da roubavam publicamente; para ver^ onba des
te municipio nao poda se amarrar um cavaIIo
em frente s casas commerclaes ; emqnanto c
dono comprava toubaram-no eo que achavam ;
as casas amanbeciam arrombadas e ronbada,
espancava se por qualquer cousa os tmidos e
traeos e protega-se a rapioagem I
A Provincia e os quetxosos dizem que os sena
amigos it'o sido perseguidos etc... nos porm
nao acreditamos que os nomes abaixo sejam de
>migos seas, e sim dos cavallos alheios... eil-
os :
Raymondo Braga, processada em Agna Preta.
negociante e proprietario em Palmares f Casca
Grosaa, Casco de Caa, Joo Pretiobo, Chapeo de
Leoco, Manoel Cauocolo, Liberato, Joo Japarao
daba, Antonio Cabra, Joo Damasceoo, Monoel
Lourengo de Sooza, Manoel Vicente e o ebefe
dos chelea Franca Malulo, lodos residentes na
cidade de Palmares e ladres de cavallos I...-
Uaa processados, outros denunciados e outros
perseguidos em ootras comarcas I
Alem destes ha maia de quarenta ratonelros e
gatunos j presos, p oceaaados e mudados, cu-
jas nomes esto a diaposicio de qnem qnizer co
iihecel-os. Desej aramos que o publico e as anto
ridades superiores couheeessem do procedlmen-
to das autoridades de Palmares que tm f con
seguir a extermmago dos criminosos existentes
na comarca digna de melbor sor te- Provoca
mos qualquer comestagao.
Os tmparciaes -
SABIDAS 1AUI
Ecbarps de rmda de Bruxeilas.
Maotilbas bespanbolas.
Pichas de seda.
Receben a
LOJA do COELHO
_______ Ra da Impesatrix n. 86_________
CAPAS SIOB>Bl.tSl
Em seda, renda o cachemira, receben um pri-
moroso sortimeoto a
LOJA DO COELHO
___________56 Roa da Imperalris___________
I.F4H I'* E VEXIAROLA8
Em gaxe, Utas e plomas,
ttecebea a
LOJA D-y COELHO
56 Roa da Imperatrii________^^
ESPARTILHUS 1> MADAMb. Vcnllc
debocados a pelucia e setim, os maia commo
dos at hoje conbecidos.
Receben a
LOJA DO COELHO
56 Roa da Imperalris
PASSEMECTERIES
Goarnicea para vestidos.
Galoes de seda.
Cales de vidrilhos.
Giloeadel.
Receben a
L9JA DO COELHO
56, roa da fmperatrii
PELOS LTIMOS PAQUETES RECE-
BEU AU PARADIS DES DAMES
Si
I,
a -
D
a.
o
o
s
5
o
a.
o
O*
xa
S
i I
a

5
1
3*1
4 2
t-
n
w
5
3
i

5
sr
9
aS2S f
Q. ~ ** *^
o a, o m m )
2S I I
c
O
C'Uarinh08, grvala, camisas de pbantasia e
perf orna ras, etc.
Mesas para jogo e para famantes,
Etagerea chinexes e dooradoa
Cacb<*ool8.
S
An Psradls des Dame
Fazenda.* e modas
Esplendido sortimeoto impossivel de descre-
idv se tem recebido de Pars.
Aa Paradis dea Dames
Ra Sarao da Victoria. 38
SJDAS
Brancas, pretas ,e de cores para grande esco-
AU PARADIS DES DAMES
COHHUNICADOS
Desleaes
Com esse titulo A Provincia de hontem repro
doxindo nm telegramma transmitido a O Paiz,
no dia 18, e em o qual ee d curso a um consta
de acclamago di governador, expende algumas
conslderacoas intrigantes, dixendo qae se pre
tenda alijar o general Oarique do logar qoe oc-
copa na Jnnta Governativa.
Para esmagar a torpe intriga, para provar
d'onde parti o consta calumnioso bstanos a
transcripto do aeguiote telegramma publicado
no proprio Paiz e na mesma edieco do dia
19:
Recife, 18.
Casamento civilNo juizo dos casamen-
tas do districto foram hontem lidos os segua-
les proclamas:
Segundos
De Lecon'.e Ernesto Len com Rosita Lallea,
solteiros, residentes a fregaezia de Santo Anto
nio.
De Ailonio Saveriano doa Anj03 com seve-
riana Maria de Lima. Elle, resident i a fregue-
xia da Boa Vis-a, ella, na do Rjcife, ambo3 sol-
teiros. M
De Joaqun de Almeida Costa com Philom'na
C5=ta, solteiros, residentes a freguezia do Re-
cite.
De Silvino Antonio do Nascimento com Idalina
Ma-ia de Lima. Elle, residente na freguezia da
Graga, ella, na de Santo Antonio, ambos solteiros.
Primeiros
De Agosticho da Silva Guimare3 com Seve-
rina Mart ns dos Ramos, solteiros. Elle, residen-
te a fregaezia de anto Antonio, ella, ca da Box
Vista.
De Eulogio Jos Rodrigoea de Oliveira e Ma-
ria Hfeaia da Silva Guimara^a, solteiros, resi-
dentes a freguezia de S. Jof.
De Manoel Tondella cem Amelia Celestina Ra
moa solteiros. residentes a fre;oezia de S. Jos.
No mesio julio do 5 districto foram hon
tem laojbem iflixad03 editaes de proclamas dos
83Uin-.e,s contrabentt3 :
S" proclama Francisco Ursulano Rapnael
Mon':eiro, morador na fregoezia da Graca, com
D. Mana Amelia da' Conceigo, moradora na
frecuezia da Boa Vista.
t> proclama Alfiedo Iiebarque Carneiro
Lea!, com D. B vira SiaiOes, moradores na fre-
nana do Pogo da Panella.
Junio pedido -Alguns romeiros ermida
de S. Severmo, no engenbo Ramos, em Pao d'A
!ho, pedem nos lembremos ao digno superinten-
dente da estrada de ferro ae Limoei-o provid-n
ce uo sentido de serem preparado! carros suffi
c.entes para o transporta de passageiros no
.-.
Horas a a ^2 Barmetro a 0 Tenso di vapor
6 m. 27,-2 735.-88 19,70
9 23.3 736-30 19,2.
12 283 755-19 19 24
3 t. 58 ! 754-29 18.76
6 ,9 753-37 18,91
73
68
68
67
68
Foram desmentidos os boatos que circularan
por intermedio d'O Estado e d'A Provincia sobre
urna jretendida reuniao popular para actlamar-se
governaiar.
E ento, diga-nos agora o publico imparcial,
de qae forca sao os redactores d'd Provincia.
Espaiham pela cidade o boato falso da que ia
ser acclamado governador, do rpido curso a
essa mentira e depois para armar ao e/feito vm
firmados n'esaes boatos, destruidos lmmediata
mente, allezar deslealdade entre 03 dona mem
broa civis e o mil.I ir que compoem a benemri-
ta Junta Govaroativa!
Quem qniz;r apreciar a veracidade do fado
que assign lamos le O Paiz n. 3553 de 19 de
Imiiro, 3. colanna.
CHROMCA TBET.UL
tindanae Angot
Represeotou-ae ante hontem no Sania Isabel a
Hdame Angot peca cujo enredo, conhecido van-
tajosamenu pelo publico, nos dispensa commen
taos a respeito.
As honras da noute couberam inqnestionavel-
mente signora Paolina Bernanei {Clarette An
got) que valentemenle altestou os aeus memos de
cantora e de artista dramtica.
Paolina Beroabei, cuja reputaga artstica
por demais notavel, possue uto modulago ac
ceutuada e qnasi excepcional na uicgao, desta-
cando todas as palavras e tem urna voz segn asi
ma e amoldavel a todas as infloxOes exigidas.
Artista muito distincta a Sra. Beroabei, cob-
quistou longos e entbosiaaticoa applauaos, prin-
cipalmente no couplet do 2* acto no daetto do
3.
Qaeremos, porm, ou vil-a as Educandos do
Sorrento, ou em outra pega em que possi n'uma
espbra mais ampia aitestsr vantajosamenle o
grande talento que possue.
A signora Fiori Oitonello, cujo porl elegante
e cuja correceo nos vestuarios agrada logo
primeira vista, foi urna mademosselle Lange gra
ciosa e exoresaiva, suppriado com ama pericia
adrairavela falta de voz para certos trechos.
ngel Pilou foi interpretado pelo Sr. Natale
Ferrv que agradou quer na parle dramtica quer
na cantante.
Zucchi, arti3ta sempre correcta, foi um Lari-
vandire. comm'il faut.
Z-jccbi eBernini cantaram com urna graca ad
miravel o duetto cmico do 2* acto, provocando
ruidosos applauso3.
Ao Sr. Beroini coube a execucSo do papel de
Pomponet, que encontrn um interprete digno
dos applausos que muitas vezes cobriram as suas
palavras.
A Sra. Luiza Rcsseli foi-se muito satisfactoria
mente no papel de Amarantha.
A signora L. Poli foi um Trenlz muito ele
gante.
Os demais artittss foram bons auxiliares.
Cs croa-apreseotaram-se bem trajados, o que
deu grande realce pt gi.
temperatura mxima 9,'5.
Dila miiima-26/00.
Evaporago em 1 horas: ao sol9,"0; &
sombra3,-7.
ChU7annlla.
Direccao do vento: ESE e E allernados de
meia noite at 7 horas da manh; SEI e ESE al
temados' at 11 horas e 55 minutos; SE com io
terrupcOes de SSE eESE atJ7ooras eli minutos
da tarde; ESE at meia noite.
Velocidade media do vento: i,*90 por se-
gundo.
Nebnlosidade media : 0,"4O.
Boletim do porto
r5 J M
- X
M.
M.
M.
M.
Dias
Horas
3 de Fevereiro
3
3
4
821 da manb
156 da tare e
8-34
230 da manb
Altura
2-18
0-48
2-28
0-45
L>iiSr-aEileciuar-se-nao os seuintes;
Hoje:
Pelo agente Gasmo, s 12 horas, nnLingueta.
de 2 vaccas tounnas e duas ga rolas p -enhas; s
11 horas, ra Mrquez de Olinda n. 48, de um
sitio na estrada de Belm; e cuas casas e 18
meias aguas em A'ogadoa.
Pelo agento Pestaa, s 11 horas, ra do
Rosario da Boa-Vista n. 11, da armigo e mais
aecessorios da taveroa ah existe Jle.
Negocios de Palmares
( Ligeira respotta)
Teado a Provincia por diversas vezes oceupa-
do-se com fados imaginarios attribuidos a poli-
ca de Palmares esperamos que alguem ee apre-
sentasse firmando taes publiracOes; hoje vimos,
admirados, o Sr. Tiburcio Fieoy pedir garan-
tas, por dizer-se ameacado em sua preciosa
existencia... Por emquanto foi o nico.
Alm das scenas adrede preparadas pelo Or.
Manoel Falco, bomem sem escrpulos, que oo
respeilando a reputaco albea procura alcoolt-
sar se para ataasalnar a honra das familias,
nada mais liouve que merecesse attencao.
O eacrivo Ursino de Barros tambem diz se
sem garantas e publicamente insulta aos via-
jantes na estago de Cinco Poatas, mostrando ao
publico da capital as suas bbilldades na
descompostura banal ; ee bom que saibam as
autoridades e o publico, qae, quem eaparuu esse
escrivo na eatagao de Agua Preta, n > foram
capangas e sim agricul'ores e propri.'tartos, quo
anda esto promptoa e eslavam em qualquer
tempo, nao a espancal-o ou insltalo, porque
disto nao merecedor, seria honral-o, mas a
enxotal-o como verdadeira ave de rapia do
bosso meio social t
O Sr. Joaquim de Sanl'Anna vendo se fallido,
e nao podendo, talvez, dar compromissos a seus
pagamentos, ausentou-se para o engenbo do Sr.
AoeuBto Freirdizendo-se sem garantas !
Aoalyzando o procedimento das altas parso
nalidades que alardeam-se influencias locaes e
legitimas em Palmares de nosso dever mos-
trar aquelles que anda igaoram, o motivo de
taes retiradas.
O Sr. Tiburcio deveado a negociantes de Pal-
mares e da -apila!, qsantia superior aa que pos-
aue em seo Intel e caa d? jogo. vendse
MEMORIAL
NINUUEM DEVE CuMPRAR
Artigos de chapelaria ou flores, plumas, veos,
gazes, rendas, etc.. sem fazer urna visita Cha-
pelaria Rapbael, onde se enconlra tempre ludo
qnanto, nesses artigos, ha de melhor e msjs
moderno.
2 Ra do Barao da Victoria2
Raphael Das & C. ______
CORTES "DE" VEST DOS ~
Em cachemlre
Vo.'le de la.
Batiste.
Levantina.
Receben Hm chic sortimeoto a
LOJA DO COELHO
56 Roa da Imperatriz
SEDAS I SEDAS I
Acabara de retirar da alfaodega om esplendi-
do 8ortimento eni sedas pretas e de cores, ver-
dadeira novidade
Domingos Coelbo ft.Soares
LOJA DO COELHO
C6 Ra da Imperatriz
GERSEYS
para senhoras, meninos e meninas, novo3 mo-
delos.
Recebe* &
LOJA DO COELHO
_________Ra da Imperatriz o. 56_____
ROHfi A PRINEZA DE GALLES
Sao lindos os que receben a
LOJA DO COELHO
56Rua da imperatriz 5*
Presentes
E' tal a variedade, que se pede nada compra-
rem para tal flm, aem primeiro visitaren.
Aa Paradis dea Dames
CORTES UE VESTIDUS
Em seda, l e cambraia branca bordados gran
de sortimeoto recebem
Aa Paradis des Dames
Chapeos e capotas
Alta moda em Pars ret ron a'Alfandega.
Au Paradi des Dans
nar pnWioo os dbtoitos dos projectos, qua
orem apresentadoa para beneficiar os aaui^
gos do governo.
Una discuisSo franca, sera insultaa,
sempre no terreno em qne cavalheiroc
poasam percorrer sem rebaixamente 4m
dignidade, ha de prodoair sempre tuaa
correte de opinio publica com {orea
batan te para impedir a approTacto de
projectos de interesad particular.
Foi bem doloroaa para os pernambuca-
nos a experiencia do 1. congresso, oas
qae os congressistas protestaran nos cor-
redores contra aa ordena qae recebia
verbal mente oa por telegramma, mas mx
sala sob o olhar do chefe poderoso, qae
destribuia oa favores, se atterrorisavam
votavam como se Ibes tinha insinuado.
Nio pertencendo a nenhum dos grupea
polticos, temos grande interesse, em qae
qualquer, qne esteja no poder nSo abata
muito, este interesse, qae nos sasoitoa a
lembranca de dar nm grito de alerta aoa
pernambueanoB, qne nSo vivem da polti-
ca, nem esperara pelos se te annos das
vaccas gordas para compensar os prejoicoa
e pedindo-ihes qae combinem em ama
lista de terco dos congreasiatas a eleger e
oompletarem cada nm como julgar. mais
conveniente.
Urna reuniSo de eleitorea independeatea
poda se tazer no Recife, nio havende
mais tempo para convocar os das outras
comarcas, e se aasentar definitivameate
oa organisacSo da chapa do terco dos
congressistas.
*' apreciaglo do eleitorado aprsenla-
mos a segainte lista :
Para senadores
Advogado Antonio Joa da Costa Ri
boira.
Agricultor coronel Joaqaim Max mico P -
reir Vianna.
Agricultor BarSo de Or. ni te.
Desembargador Manoel Clementino.
Negociante Bario de Petrolina.
Para deputadoa
Agricultor coronel Antonio Tavares.
dem Dr. Panlo de Amorim Salgado,
dem Dr. Gervasio Campello.
dem Bario de Suassona.
Industrial Dr. 'orbiniano Fonseca.
dem Gabriel Cardoso.
Negociante coronel Francisco F. de BritU.
dem coronel Manoel M. Fiuza.
Advogado Jos Beierra Cavalcanti.
dem Fernando de Castro.
Recife, 31 de Janeiro de 1892.
Um eleitor.
CAPAS, VISITES E PtLEKNlES
De seda preta e de renda o que ha de maia
chte, recebeu
An Paradis des Dames
Becebru a. Florida Rendas com 70
entimetros de largura, bicos de fil com um
palme de largura, dem de seda preta com 2 pal-
mos e mais.
103 Ra Duque de Caxias 103
Charuto de Habana
Receben nova remeasa a
LIVRARIA CONTEMPORNEA
Btalos
Grande sortimeoto de balaios para enleje de
salas, para flores, papel, coatura e roupa, estan-
tes para msica, porta jornaes, mesas decharo,
e magnificas bolsas para viagem.
BAZAR DA BOA-VISTA
Objectos de Blscults
I, ndo medalbOea em tino Bi.cait para orna-
meato de salas e lindiseimos objetos proprioa
para presente.
BAZAR DA BOA-VISTA
Obras de electro-pl.it
Apparelhoa para en, licoreiros, salvas, tintei-
ros e porta cariOes.
BAZAR DA BOA VISTA
Cha especial
Racpbem mensalmeute o cha especial marca
Bol Dog.
BAZAR DA BOA-VI5TA
Ra da Imperatriz n. 88
Alfredo Lopes & C.
PlBLIfOES A PEDIDO
Um mo conselho
Os polticos de profasio nSo perderam
os hbitos contrahidos durante os cincoen-
ta annos do reinado do Sr. D. Pedro II.
Prevalece anda na nova forma de gc-
verno a pratica dos chefea de partido do
tempo da monarchia. Elles nio se im-
portavam enm o interesse publico ligado
intimamente ao resultado das eleicSes,
quando tinbam a certeza de nio poder
conseguir urna maioria forte e obediente
para poder em livr emente distribuir entre
os seus parentes e asBOciados os contrac-
tos, as aposentadoras e os bous empre-
gos
E a3sim que o grupo que est em op-
pos9?.o ao que apoia o governo actual,
acaba de dar a seus correligionarios o
mo conselho de se absterem de votar na
prxima eleicio para o segundo congreeso
deste estado.
Pensando de modo diverso dizemos, que
a opposicio deve ter a coragem de latar.
J nao est em vigor o reguiamento Al-
yim, que t2o triste celebridade deu a seu
auctor.
O regukmento actual determina, qi 5
vota(8o seja feita em chapa incompleta,
com dois terjos dos nomes do numero dos
congressistas. Nesta condicSes s o ca-
pricho oo a conseiencia da traqueza pode
aconselhar o abandono do pleito eleito-
ral havendo possibilidade de e'eger a
tert& parte dos membros do congresso.
Dirlo os chefea polticos, que tanto lhes
val ter urna minora como nio ter um s
representante de seu grupo, mas oa cida-
dios, politicoa oa n5o, que sio fazem da
politicagem urna profsso que com o seu
trabalh j ooncorrem para as rendas do Es-
tado, pode-se at dizer exclusivamente,
com os imposto* de exportajio, pela dmi-
nu9So do valor vendaval de seus produc-
tos, com 03 de importacio, pelo augmen-
to do preco de todos os genero, nio que-
rem, qua seas interesses e direitos cor-
ran a revelia em om congresso onde o
governo tenha ananimidade de votos e
onde nenhuma voz se faca ouvir para tor-
IllumiuaQo publica
do Recife
A historia contada no artigo publicado
no Jornal do Recife de hoje (30) sob esta
epigraphe, resente se de muitas inexaet:'-
des.
Antes de todo as demora* que si
alinde nio podem ser imputadas empre-
za, que nio merece censura pela reclama-
do de seus direitos, sem concorrer fe
modo algum para as aanniacSes resultantes
de erros e inconvenientes afinal reconhe-
cidos.
A qnestio principal para a empresa e a
da sua indemnisacio, cojo Dreco nio e
nem pode ser o de 995:947|}528, come
suppiie o articulista, ou antes o Banco da
Bolsa, mas outro muito superior nos ter-
mos da reclamacSo da empresa, e ni es me
em face da avaliaclo sob a base do cam-
bio 27 d. aomo expresso no contracto.
Sobre este ponto a empresa nio ceder
absolutamente de seos direitos, e de coa-
formdade com as leis do pas, que garan-
ten! a prop edade, se mantera no domi-
nio e posse desta, at receber o sen justo
e real valor, para o qae j nterpos em
tempo os competentes protestos perante
os poderes administrativo e judiciaro-
Na anedocta chistosa do advogado ehi-
caista nSo sabemos quem faz o papel de
escrivio, e e de admirar que se procure
censurar o juii por nio proceder cem sof
fregaidio, procurando antes estudar eos
criterio a questio que lhe est affecta !
A empreza nio ae tem conformado com
as decisoes que anda allude o artice-
lista, e contra ellas tem sempre reclamada
e protestado ; assim como nSo exacto
que techa a mesma empreza solicitado
nova prorogaoSo, accedendo apenas aoi
desejos da Junta, para nio se dizer que
quei iacrear embarazos e difficuldades.
Recife, 30 de Janeiro de 1892.
Sociedade Recreativa
Juventude
Programma da parte concertante do sa-
rao de 6 de Fevereiro de 1892.
As 8 horas em ponto
1.REZZ9NIGO.Attila, trio para
flauta, violino e piano pelos jo-
vens Jeao A. de Albuquerque
Jnior, Artbur Lima e Maria
Alminda de Albuquerqae.
2.TOSTLNon t'amo piu', romees
para canto pela Exma. Sra. D.
Luiza Medeiros.
3GARIBALDIII Barbiere de Se-
vigli, do para flauta pelos
consocios Octavio Bandeira e
G. de Castro.
4 ASCHERLucrecia Borgia, Mor-
ceau de concert para piano pela
Exma. Sra. D. Maria Amelia
Seixas.
5.GUNODSerenado para canto pe-
la Exma. Sra. D. Luiza de Me-
deiros.
6.BRICCIALDICarnaval de Venesa
, variacSes para flaut pelo
joven Joao A. de Albuquerqae
Jnior.
7.ARDITI. L'Estasi-, walsa para
canto pela Exma. Sra. D. Luiza
Medeiros.
8.HUGUES. -Favorita, grande due
para flautas pelos jovens Joio
A. de Albuquerque Jnior a G.
de Castro.
9.BURCHARD. Ruebesahl trie
para flauta, violino e piano pelos
consocios G. de Castro e Arthur
Lima e a Eana. Sra. D. Maria
Amelia Seixas.
Os acoaipanhame.ntos esiao a cargo da
joven Maria A. de Albuquerque e da
Exm;-. Sra. D. Maria Amelia Seixas.
O director de concertos interino,
Gervasio d Catiro.






I


-.
*lfc
I
I


-
4
Diario le Pern^mbuco Sexta-feica 5 (te, Fevereiro it 1$92
Partido republicano
O direc'orio do partido tepublicaao consultan
do os momentesog lolereses do Estado de Per-
nambuco Da pbase poltica que alravessamos, e
depois' de ter ouvido as legitimas influencias do
mesmo Estado resolved apresentar candidatos s
elelc,6es de senadores e depatados ao Congresso
d'este Estado a que se tem de proceder no da SI do
prximo vindouro mea de Fevereiro os cidadaos
abaixo mencionados.
Todos esses cidadaos sa recommendam ao bro
so eleitorado pernambucaoo peio sea amor
cansa publica, e estao na altara de prettar-lbe os
mais assignalados servigoi.>
Espera, pois,o mesmo directorio qce'os nomes
de tao distinctos cidadS09 serao bern acolbidos
pelo brioso eleitorado d'este Estado, que dar
ainda ama vez urna prova de sea pslrliffarno,
correndo s ornas para firoaar a generosa polti-
ca iniciada a 18 de Deiembro altivo pela aobe-
ania popular.
SENADORES
i Dr. Albino Gonealves Meira de Vascoacella
2 Dr. Ignacio Alcebiades Velloso.
3 Joo Lok Gonealves Ferreira (Boro dfl Ara-
riba) .
4 Domingos Francisco da Soaza Leao (Viscon
de Tabatinga).
5 Teaecte corone! Joliao Angosto da Serra
Mar'.ins.
6 Dr. Francisco do Reg Barros le Lacerda.
7 Dr. Manoel Gomes de Mat'.os.
8 Dr. Manoel da Trlndae Pere'.ti.
9 Dr. Ermirio Cesar Coctinbo.
10 Desembargado.- Adelwo estonio de Lssa
Freir.
DEPUTABOS
1 Dr. Jos Izidoro Mar'.ins Imior,
! Dr. Joo de Oliveira.
3 Majo: Laiz Augusto Coelfco Cia'.ra.
4 Tenente Eugenio de Bittencourt.
5 Dr. Pedro Francisco Correia de Oliveira.
6 Dr. Jos Ignacjo da Cuaba Rabeo.
7 Tenente Antuano Barrla Lins.
8 Dr. Edaardo Rodrigues Tavares de Mello.
9 Teaente-coronel Francisco Vidal Araaha Mi-
te Negro.
10 Capitio Javenco Taciano Mariz.
11 Tenente Joo Francisco Jorge.
12 Salvador Fecio dos Santo*.
13 Dr. Joo Coimbra.
14 Antonio Martioiano Veras.
15 Tenente-coronel Antonio Gomes Carreja da
Cruz.
16 Dr. Esmeraldino Olycopio de Torres
deira.
17 Capito Manoel Jos da Csma.-a.
18 Dr. Luiz de Caldas Lias.
19 Joaquim Lopes Hachado.
20 Manoel Euftemo da Rocba Samico.
/ Tal foi o mu prazer que. yalU3.ao Estado do
Rio Grande, anai de vir de novo com minoa na
lher, para participar da minba felicidale, ja que
tioba sido a cornpanbeira fiel de mlnba des'en-
tura dorante io prolongados WD08.
Mais do que realizada foi a oromeasi, porque
depois das operacOee que scffri, obiive vista de
modo que leio bem caracteres comamos.
O mea cotbcSo enche sede verdadeiro pTi.zer.
dando esta eoiemne e pnbli:a manlfestacSc de
miaba gratido, que indescMptivel.
Recite. 18 de Janeiro de 1892.
Alfonso de Albuquerque U. Arco Verde.
**--------ee*>------
Estrada de Ferro Cen-
tral de Pemam buco
O trem de passageiros que parti da
Estacao do Recite as 5 horas da tarde de
1 do correnta em direccao a Jaboa:2o,
abalroou com om outro trem que vinhs. do
interior, o qual fazia manobra na raetima,
linba.
Resulton de semelhants desastre, ea-
rem iautilisadc3 cinco carros, e maito es-
tragadas as duaa locomotiras que 6e cho-
caram, cajos prejuizos sao avahados em
cerca de vinte ceios.
Por grande felicidae n2o ha victinao
a lamentar, sendo porem incaleulaveis o
pnico e angustias que produz'.o serne-
lhaute sinistro, nao e aos passageiros
qae vinharn co cembeio, como as p
que em Jaboatao testemunharam o terrive;
desastre, e esperavam naquolle trem,
membro3 de saas familias.
"' necessario que seja aberto por qc.em
do direito, rigoroso inquerito, afim Je
saber se quem sao os culpados da nezii
gencia de se fszer manobrar um trem em
urna curva, na cccasiSo em que pelo ho-
rario devia cheg&r a estacao o trem que
tiaha partido do Recie ; e urna vez co
uhecido os responsaveis de t3o grande
falta, devem ser punidos com toda a sve-
ridade.
Convem notar que o choque dos trens
tove lugar a tres metros de distancia da
poete, sobre o rio Una, de modo que mi-
lagrosamente deixou de ser sepultado r.o
rio, todo o comboio, e nesse caso, teria
mes a lameatar com certeza a morte de
quasi todos os passageiroa.
Tudo isto devido a que ?
A falta de cumprimento de deveres e a
confianca no patronato.
Um pnssafjeiro.
o que fcil de verificar, mettende-as
dentro d'agua, onde se abrom dentro de
alguns instantes. Tomando as, os doen-
tes nSo sentem o gosto amargo, causa tra-
quate da repugnancia que experirnenta-
vam para ingerir Uto precioso medie-
ment.
Olinda
Tendo de se proceder as eleicoos no
dia 21 do crrante, lembramos ao eleito-
rado de Olinda os nomes de doos distin-
ctos cidadao3 benemritos, para prefeito o
illaatre commendador Manoel Alves Bar-
bosa e para sab-prefeito o Ilustre o cidr.-
lo major Jos Figueira Paria.
Maito eleitores.
^SOO*
Bon-
Ao HIui Si*. Dr. Barreto Sam
palo
Desde 1882, perdi a vista de ambos os oihos,
iendo sempre diante de mire a esperanza de re
conquisial-a. pois que minba f em Deus e boje
na sciencia inquebrantavel.
A esperanc na sciencia ticou profundamente
abalada, qaaotfo um "distincto oculista, de pas-
seio ao Rio Grande do Norte, esarninou-me e de-
claroa qae ama oneracko seria ineficaz.
De todos os lados surgiam esptritos bemfaze-
jos qoe apontavam rae o Recife. onde achava se
o Sr. Dr. Barreto Sampaio, verdadeira providen-
cia para os qae soffrem.
Vim a esta cidade e Ico que examinon-me
08 olbos, declaroa o sabio oculista, em om pa-
recer, qae tm consequencia de irido cboroidite
achavam-se as papillas completamente oblitera-
das, e que com ama operaco seria restituida a
vista pelo o ho esquerdo. de modo a pod*r Ruiar-
me, e com outra operaco nao se repetiriam os
ataques de aflammaco no direito. coja perce
p;o luminosa estava quasi extincta.
C0I1ERGID
Bolsa Coaamerclal de Pernam-
baco
COTAC5KS OFFICUE8 DA JUSTA DOS COB-
BECTORES
Pra$a do Recife, 4 de Fevereiro da 1892.
Nao boave cotago.
0 presidente,
Eduardo Dubeaux.
O secretario,
Augusto Pinto de Lemos.
Cambio
PBAA DO RECIFE
Os bancos mantiverant durante o dia a laxa de
12 1,8, dispostos, porm, a saccar a 12 3.16 se
offerecesse dinfceiro.
Papel particular foi offerecido a 12 1.4 sem to-
madores.
PBACA DO BIO DE JANEIBO
12 3 t em lodos os bancos papel particular
ifferecido francamente a 12 3.8.
Banco da Bolsa
RECIFE, 4 DE FEVEREIRO DE 1892.
Transaccoes effectoadas:
Assucar Bruto 3#0OO
CotacSes de generas
ASSCCAB
Para o ag-intUor
*anco por 15 kilos. 4/800 i 5*400
Jmenos dem idem. 3*700 a 3SiO
Socavado idem idem 3*100 a 32O0
3roto secco ao sol idem dem 2*900 a 3*100
Relame idem idem .... 2*c00 a 21700
usinas idem idem..... 4*600 a 5/403
Mercado maito animado.
A exportacio at 23 do passado consta de...
25427 saceos e 9952 barricas de assucar braceo
nesando 5.38!.ft56 silos e205.007 saceos e barri-
cas de assu-.ar mascbalo pesando 17.551.176 ki
,os.
AlgodSo
Nao boave negocio.
K' 25 do passado foram xportada? 12326 eca
e 3039fardos"oealgodo pesando 1.448.875 Silos.
Borracha
Cota-se nominal a 24*000 por 15 kilos.
Carocas de mamona
Cota-se a 1*900 por 15 kilos.
Conros
Saceos salgados na base de 15 kilos 660 ris.
"cides nominal 355 ris.
At 25 do nassado foram exprtalo; 19035 EO*
.-os e 82.6801/2 de sol?
Sa grande procara
M
Por pipa de 480 litros 60*000 ba falta no Ates-
ado.
Alcool
Por pipa de 480 litros de 215*C00.
Forara exportadas at 25 do "passado 536 pi-
pas.
Fallecimentj
No dia 13 ae Dezembro do anno pr-
ximo pasando, e ua cid.de de Ciliada f-l-
leceu Paulino de Souza Limeira. O fi-
nado preparava-se para corcluir o cjreo
de preparatorios, quando efectivamente a
morte corta lhe o rio da existencia.
Contava apenas 13 aunos de idade e
era natural do vislnho do Estado da Par; -
Paz a su a.ma.
Cr-se geralmenta que o vinho quinado
excellente reparador da saude deterio-
rada, e um tnico estimulante, que, naa
longas convalescenjas, communica ao or-
ganismo as forcas necesaarias para resist.r
s enfermidades, que possam assaltal-o,
por causa da quinina que conten. Igno-
ra Be porm que, a quantidade de quinina
dissolvida no aicool sendo muito limitada,
preferi^el recorrer ao t Sulphato de
Quinina de Pelletier, que sa encontra
em capsulas de dez centigrammas, marca-
das com o nome do inventor, delicic.as,
transparentes, que se digrem fcilmente,
Os escriptores, os horneas do sciencia,
os artistas,'os grandes industriaes, fina!,
mente todos os que fatigara o cerebro-
tendo o espirito ocoupado, torcam se irri
taveiB, perdem o somno, e o appetite, p;-
decem da ecxaquecas, e soffrem de me
lancelia ; perturba-se o equilibrio vital, a
igeso difficil e demorada. Nestea
casos forjo so recorrer aos bromuretos
alcalinos combinados,o nenhuma formula
mais perfeita do que o Elixir Antinervoso
Polibromurao de Baulry, quo se adminis-
tra na dose da urna a duaa culheres de
sopa diariamente.
O. Baria do Uvrameao Rosa e
Silva
O conselheiro Francisco de Assi Rosa e Sil
va (ausente), a viscondessa o Livrameato, o
cotumendador Alomo J^s da Silva, D. Joaaoa
Francisca da P%osa e Silva, Joo Mara de Araujo
Livrarnento e o Dr. Jos Uarcellino da Rosa e
Silva, coavidam acs sea prenles e amigos oa-
ra acompanbarem a sua ultima morada, os res-
tos mortaes de sua nresada psoosa, rilha, eora,
irm e confiada D. ilaria do Livrarnento Rosi e
Silva, os quaes esto deposados na capella du
Cemilerio Publico! onda pelas 9 horas da /na
cha do dia 5 do correte sero celebrados os l-
timos suffi-agiac.
Recife, 3 de gwerwB d? Somno calmo e mitipacSo da d6r, esta
divisa do Xarope de Follet que triumpha
da Insoiania seja qual fr a sua causa, febre,
molestias, trabalho,agtacaonervosa,preoccu-
paco moral, etc., etc.
O Xarope de Follet produz o 3omno
verdadeiro, isto o somno natural, sem
perturbag5o, sem mau estar, sen perigo; o
somno que o repouso calmo d'j corpo e do
espirito. Em um vidro de Xarope de Follet
se acha cinco ou seis noites de um repouso
completo, natural e restaurador; e este pro-
ducto, de fabricacSo franceza, 19, na Jacot,
Pariz. acha-se em todas as Pharmaciasv
Agurdente
Por pipa de 480 litros 120*000.
At 25 do passado foram exportadas U9't pi-
sas.
Carocos de algodo
Cota-se a 600 rii por 15 kiluB.
Foram exportados at 19 lo passado 130.000
kilos.
tabella das entradas de assccab e al-
godIo
Mez de Janeiro
Programnta
Da fesla de S. SebasliSo da ci-
dade do Cabo
No dia 6 do crrente mez, ter logo
aps a novena, lugar um grande ieiiao
das prendas offertadaa palos devotos do
inartyr S. SebaetiSo.
Ao aivorecer do dia 7, ama salva di
21 tiros annunciar aos devotos que
chegado o dia qne tem de ser festejado o
mesmo martyr, seguindo-se depois a pas
seiata do Club Philarmonico Cabense que,
com suas harmonio3as pajas despertar os
devotos daquelle martyr.
A'sl ['horas do da tara lugar a festa,
cuja orcheatra est confiada ao maestro
Lydio de Oliveira, sendo os solos canta-
dos pelos melhores profeasores, pregando
o sermSo do Evangetho o inteligente pre-
gador Fre Augusto da Jmmaculada Oon-
cei^So Alves.
A'tarde haver a procissSo composta de
quatro andores primorosamente prepara-
dos pelos artistas Bernardino a Agostioho ;
ao recolher se esta entrar o Te'Dsum
sendo depois queimado um grande fogo
de artificio caprichosamente preparado
pelo hbil artista Juvencio.
A commisaSo encarregada da festa dSo
tem poupado esforcos para que todos os
actos sejam caprichosamente executados
como de costume.
Estrada de Farro da S. Francisca
fornecer os trecs do costume, conforma
seu annuncio.
Suave e efficaz

'-aeoae>
Ao publico e ao commercio
Ns abaixo as-ipnsdos declaremos ao carpa
commercial que compramos ao r. Mi da Silva
Santos .-eu deposito de seceos e caf moldo, sito
rui de S. Jos n. 56, livree desembLracado de
qualquer oros, e quem se ju'gar creJor quera
apreseniar sua3 coalas no pruzo de tres das a
contar desta dais, para screm vcricadas epagss.
Recife, l de Fevereiro de 1892.
Nuns & Ribeiro.
Reconhecido como um remedio efficaz
a em rival o Peitoral de Cambar pre-
senta a grande vantagem da sua suavida-
de, o que o torna fcilmente essimilavel
aos paladares delicados, como os de bc-
nhoras, criaegas e outras pessoas.
Eis como o Sr. Dr. Gra Cordeiro, con-
ceituado clnico Parabybano reconimenda
as suas virtudes :
Atiesto que o Peitortl de Cambar,
preparado peio Sr. J, Alvares de Souza,
um excellente balsmico, e como tal o
tenho empregado nes doentes de brocabi-
tes o cfec,oe8 pulmonares cos grande
proveto tanto mais por ser um expectov
rante efflcaz. O que tffirmo em f de
tceu grao.
Capital do Estado da Parahyba, 10 de
Maio de 1891.Dr. Antonio da Crus
Cordeiro.
(A firma est reoonhecida).
' nico agente e depositario do Peito-
ral de Cambar em Parnambnco a Com-
panhia de Drogas e Productos Chimicos,
ra Mrquez da Ohnda n. 23.
mente ; portanto nao posso dtixar de felicitar ao
me3mo Sr. M. Cardoso pela fcii2 descoberta a
bem da bamanidade.
Recife-, 22 de Junbo de 1889.
Alcin* Fernandes de Azevedo.
Elavam selladas e recoabecidae as firmas.
Comarca de Tim-
ba liba
Ao eleitorado do Estado de Per-
naobueo
Lembraruos acs eleitores indepeedentes
os nomes doa denodados paladinos repu-
blicanos Drs. Mano.i Aatonio Pereira
Borba, Jos Bezerra Cavalcanto Francisco
Gomes Leopoldo de Araujo e Antonio
Hermenegildo de Castro*
31 de Janeiro de 1892.
Muitos deitoru.
Entradas
Jarcacas .....
Vapores......
i.nimaca.....
Estrada de Ferro Centra!,
liem de S. Francisco .
fdem do Limoeiro.
Somma
Assu-
car
Das Saceos
1 a 30 148310
1 a 31
1 a 30 12196
1 a 30 15943
1 a 29 11(3603
l a 28 33800
331952
A go-
co
aaicas
;)85
193
4250
871
1094
3206
20217
importacSo
Terra Nova, patacho inglez May Johns,
entrado em 3 e consignado a Blackbarn
Needham & C.
Bacalhau 2595 barricas e 1500 msias
ditas a ordem.
Cardiff, barca sueca a Carlota, entrada
em 2 e consignada a ordam.
Carvo de pedra 895 toneladas a or
dem.
Cardiff, barca norueguense tFraterni-
tas, entrada em 2 e coasigaaia a Wil-
aon Sons & C.
CarvSo de pdra 613 toneladas a or-
dem.
Cardiff, patacho inglez Endrick, entra-
do em 2 e consignado a Vilson Sons & C.
Carvo de pedra 490 toneladas a or-
dem.
Cardiff, barca norueguense Fortuna,
entrada em 2 e consignada a ordem.
Carvo d pedra 650 toneladas a or-
dem.
N.w Port, barca norueguensa iHakoa
Jarl, entrada en 2 e consignada a orc.em.
CarvSo de pedra L690 toneladas a or-
dam.
Liverpool, ^lugar inglez Wandriac,
entrado em o e consignado a Foaseca Ir-
mSos & C.
Arcos de ferro 4 volumes a Sociedaie
Refinaria e Destillacao.
Ferragens 2 volumes a ordem.
Maohinismos e objectos para fabrica de
vidros 395 volumes e pecas a compajhia
abrica de vidro d.o Peraambuo.
Manteig 1 caixa a Ortolaoo Foaseca.
Folhas de flandres 100 caixaa a A. Pin-
to da Silva & C.
Louca 1 caixa a ordem.
Mercadoriaa 4 volumes a Ortulano Fon
seca.
Mahicismos 1 caixa a ordem.
fijlos 117C99 a Companhia Fabrica
de Vidros de Pernambuco.
Ditos para limpar facas 100 caixas a
QoD5alves Rosa & Fernandes.
Tintas 37 barricas a M. J.-Campos
& C.
Toneis de ferro 96 a Sociedade Refina-
ria e Destillacao.
Verniz 1 caixa a M. J. Campos.
Bordeaux e escala, vapor francez Con-
go, entrado em 4 e consignado a H.
Burle A C.
Amostras 3 volumes a diversos.
Coras mortuorias 1 caixa a A. J. da
Silva.
Cognac 20 caixas a Sulzer Kiuffmann
& C.
Espartilhos 1 caixa a J. J. de Amo-
rim.
Licores 4 caixas a Das Fernandes
& C.
Mercadorias 1 cjxi a Papoula & C.
Manteiga 2 caixas a ordem.
Objectos de histo.ia natural 1 caixa a
A. J. da Silva.
Queijos 1 tina a Dias Fernandes, 80
caixas a ordem.
Relogioe 1 caixa a A. J. C. de Arauj o.
Rolhas 1 c'ixa a A. G. L. Williams.
Roupa 2 caixas a Cunha IrmSos & C.,
1 a S. Bastos.
Tecidos 1 caixa a Bercet & C.
Vinho 2 bordolezas a C. B. Dallas, 3
co Qraude Hotel, 3 a J. Louret, 3 a A.
G. L. Williams, 4 a ordem, 3 a J. H.
Boxwell.
Portos do sul, vapor francez Adour,
entrado em 4 e cunsigaado a H. Burle
& C.
Xarque 2261 fardos a Amorim Iisbs
& C, 248 a Jos Baltar & C, 3194 a
Pereira Carneiro.
Esportaco
asear. 3 fvep.euo di 18.-2
rara o exterior
No vapor ioglez Merchant, para lverpool,
carregaram :
Companbia de Estiva, 2,500 saceos com 137,500
kilos de carocos de algodao.
Lopes Alheiro, 100 saceos com 6,000 kilos de
carocos de algodo.
B. NeeJhan 4C, 10 saceos com 415 kilos de
carocos de carrapato
1. Faerstenberg kilos de carocos de algcd&o.
o vapor francs Adour, para L:soa, car-
re^aram :
P. Csrneiroft C.| 1.&48 couro's seceos saig-dos
coai 3.376 kilos.
Ao corpo eleitoral e ao po-
vo peroambuc ino
Eu poda limitar-me em dirigir-vos urna
circular solicitando o vcs3o saffrAgio e o
V0830 apoio para a micha caedidatuvn ao
congresso do Estado, as e!ei,oes de 21
do corrate, por ter sido spresentado o
raen nome peio directorio do mea parti-
do ; mas, considerando que urna circular
urna chapa sedica com razSo diversa
mente interpretada pela massa eleitoral,
porque os candidatos prometiera tudo n2o
podem ou nSo eabem se pod m realisar o
que promettem, prefiro adoptar a pratica
da autcrata Inglaterra em pleitos e'eit-
raea, usado igualmente nos Estados-Uni
dos d ) Norte que conatituo o caracteristi
co americano,o Coraicio.
Estamos em urna Repblica democra
tica, as manifestacSeB populares terem
servir da base s delibtracoes dos gover
nos. Xellas que o povo presta ou re-
tira o ceu apoio aos que se epresentam
como defensores dos seus direitos.
Coavoco por isso um meeting para o
prximo domingo 7 do correte, s 4 1(2
hora* da tarde, no jardim da Praca da
Repblica, que atr o primeiro da serie
dos que farei as localidades do interior
para onde for fcil o transporte, descul-
pa.ido-me aos cid*daos daquellaa onde
pela distancia, nlo me possivel chegr.
Recife, 2 de Fevereiro de 1892.
Antonio Martiniano Veras.
No vapor ailemo Caiania, para Estados
aidoi, carre^iram :
Julio & Irxfio. 353 saceos com 25.475 kilos de
assucar mascavado.
Si barca portugueza -V. Silencio, para o
Puno, carreeou :
J. M da Coita Carvaibo, 1 barrica com 82 kilos
de assucar oraoco e 1 dita com 92 ditos de dito
mascavado, 1 caixa com doce no valor de li'5.
Para o mterior
%i v/par nacional Satlite, para o Para,
carregaram :
J. Borges, 300 barricas com 20,480 kilos de
assucar branco.
N. M. do E'.rado, 150 barricas com 9,592 kilos
de assucar braaco.
J. Bailar & C, 23 pipas com 11,040 litros de
agurdente.
P. Alves & G, 300 barricas com 19,206 kilos
de assacar oraoco.
Para Haranoo, carresaram :
P. Rodrigues & C, 15 saceos com 1,125 kilos
de assacar mascavado.
No vapor francez Medoc, para Rio de Janei-
ro, carregaram :
. ban & ., 500 saccas com 44,968 kilos de
lgodao.
No vapor allsmao Rosirio, para o Para,
carreearam :
A Nabuco & C, 100 saceos com 6,0i0 kilos
de assacar branco.
No vapor nacioaal S. Salvador, para Rio de
Janeiro, carreearam :
M. Maia 4 C, 600 saceos com 30,000 K03 de
assucar mascavado.
No vapor nacional Nbula, para Rio de Ja-
neiro, carregaram :
Costa Ferrdra i C 0 pipas com 23,000 litros
de agurdente.
No ra.oor nacicnal Maranhao, para Marcos,
cmegou :
J. Borges, 30 barricas com 2,200 kiios de
assucar braaco.
Ni barca nacional aria Angelina, para Pe
iotas, carregaram :
M. Cordeiro & C, 650 Eaccos com 41,250 kilos
de assu:ar braaco, 350 volumes com 35.893 kilos
de assucar branco e it ditos com 10,973 ditos
de dito mascavao, e 100 sacco." com 7,:'W -litos
de dito.
Pauta da Alfandesa
ZUifTA pi 1 A 6 DE FEVgUEIKO DS 13.2
Alcoel (litro....... 114
algodo em raxa kilo) .... 6C0
Arroz coa cawa a.1.0) .
Assucar reaado iilo) 380
Assacar braneo (at) .... 317
Assucar mascavado :Ei[0) .
Bagas de mamonas (kilo) ... M6
Borraca de teite mauga. (kc) 1/6C0
Cachaca...... 220
Couros seceos espichados (kilo) 634
"euros seceos salgados (kilo) 94
-OOT03 verdes (kilo).....
Coarinhos (um)......' 1870
carocos de algodSo (tile) .
uarrapateira (kilo).....
Cacao (kilo)....... 400
Ct bom (kilo)...... 1*100
'Jal restolao (kilo)..... -*00
Caf moido (kilo) .#..... 1*200
Carnauba (kilo...... 566
Cera vegetal (fcilo)...... 566
Canna (lro)....... 0
Cal (litro)........ 10
Carvo de Card (ton.) .... 30*000
Farinha de mandioca (lito) r 5
iensbra (litro)...... 440
Sraxa (sebo; .......*3
,'atorandj {(a folha) kilo 300
A's victimas das febres
O elixir antifebril C*rclo. appro-
uo em i de Marco ueste anno rea [^.ecto
-il" geral da jauta de bygleoe do Rio de Janeiro
>je apreseotar-se a bumaaldade "offrodo
a tm'uadoiteiro. como tafcci _e salvacio qae
?o inf;;;z aaafrago he 6 enviada per nSo or-jt'-
ootecte.
O elxir nfl-feliril Cttromo. anplica-
io em maiti&simee casos de tccrt-s, tem como
.oor milagre, levantado do leito aa dor a eomple
Um i-orir-uados.
Este remedio, eomposto srnene do ve<:
inteiramente Inoffensivo, ainda rtesmo ca ma::
ajimoa e leva criatc>.
As senhoras, no estado ae pan ';.s, cu no t>e-
-ado de incommoos aaluraes, podan erar err
eceioalgum.
Este elixir j bem conhccido de aignn? S-s
ae'.ccs ce tono o paiz, o nais segero e prora-
ato remedio centra as ebres. e con espeetallda-
le contra a febre amarea, enfSipellt e c:s:gas
ie quaiquer quadade.
Slodo de u.>ar
A's criascas t uro aono 8 enttes de em 2
ooras em urra co.'her das de sopa cheia i'agn
!lt.
De um anno a tres 12 gottas ; de tres a dez 20
Ottas: de dez d:.cs em diante SO gottas
Os Srs. clnicos codera aogmentar ou tfmicrbl'
t 60 gottas por dose.
Recife :
Companhia de Drogas e Frodcctos Ctiaicos.
Santo Antonio:
Nacional PSarmacia, ra Larga do Rosario
8. 35.
Fbarmacia Oriental, ra Esireita to Rosarit
o. i.
Pharrr.acia Alfredo ferrara, ra do BarSo di
Victoria n. i.
Pharmacia lartus. raa Duque d Caxias o
i8.
Vendas em e.-osso e a retalfao.
DEPOSITO GERAL
Ra Estrella do Rosario n. U
PB^AHBLCO
N. 148
Ci^adSo Manoel Cardoso Jnior.
E' com grande salisfacao que atiesto o valor o
a (fficacia do seu prodigioso especifico contra a
feote, [.orquanto tendo apparecido meu tilho
Manoel com febre de carcter mito, e nao sendo
possivel ceder da sea inteosidade, resolv a con-
Klbo de um amigo a ipplicar o seu especifico, e
com nuito prazer ceu vi desapparecer tm dous
diss a febre, u-siabelecendo-se .em seguida o
mea estimado Gibo.
Pode Vmc. fazer uso do presente coaao he
convier por ser a verdade Dura.
Recife, 15 de Maio de 1889.
De Vmc. atiento, venerador e criado Fioria
no Marques Botelbo.
N. 147
Eo, abaixo assigaado, negociante n'esta cida-
de. atiesto que tendo no dia 17 de Jucho do cor-
tente anoo, meu irmao e caixeiro apparecido
com febre de 39 1/2 graos, immediatamenle re-
corr ao I.ira. Sr. M. Cardoso e felizmente com o
seu preparado Elixir Aoti-Feoril, no fim de
dous dias tinba desapparecido a febre completa
Sem allivio! *
Reconhecido como medicamento sobe-
rano para as molestias das vias respirato-
rias, o Peitoral de Cambar mais e maia
se impoe confian? publica, medida
que no vos triumphos vm robastecer os
seus crditos, largamente provados desde
1874.
Mais um testemunbo da sua efficscia
apreBenta-se boje e firma-o um illustre .
titular brazeiro proprietiio da Fazenda
de Mat o Dentro, em Minas Geraes.
Eis o importsnte documento :
a Im. Sr. J. Alvares de Souza Soa-
res.Atacado de urna forte rouqnidSo, e
sem ter allivio ecn o ueo de muitos me-
dicamentos receitadoa, experimT.tei o seu
xarope Peitoral de Cambar, e em pou-
coa dia3 a molestia cadeu completamente.
Depois deste fado teaho aconseihaedo a
diver3s pessoas o seu remedio e todas
tem logrMQ os melhores resaltados, Quei-
ra, pois, receber minba felic:ti.53es.Ba-
r3o de Avear Reseode.
(A. firma,t: recoabecido).
et
Leile de mangabeira (kilo) .
Mel (litro........
iilho (kilo.......
Phospnato de cal da IiOa Raa (tae-
lada).........
Pelle de cabra (cento).....
Pelle de carneiro (canto) ....
ementa de carnaoa (arroba)
sota foieio).......
Sement de carrapateira (kilo) .
Sebo..........
ratajaba (kilo)......
rabeas de amarebo eepranchoe*
(duzta)........
1*466
90
. 70
uooe
187*000
145*000
53
3*830
126
633
40
Anacahuita Peitoral
As curas produzidas pela compoE52o
de Asecahaita ptitora!, sjo realmente mi-
UgrcsaB.
Dom Glemeats Silva, que reiide na ra
do Estado, Santiago do Chile, escreva aos
nossos agentes em dita cidade, que ba-
vecdo Boffrido atrozmente de as'.bma, peio
eapseo da mais de se:e acrios sem que
medico alguno jamis lhe houvesse propor-
cionado o menor aiivio; deciio-se final-
menta em tom&r da ComposiQao de Ana-
chaii Peitoral e depois de haver apenaB
tomdo douB frascos descobrio com sorpre-
zk, q'ie a grande opprcss2o do pe:to bavia
aaasi completamente desapparecido. o
em tanto foi continuando a fazer uso deile
e co fim da tr- 8 meze? ae achou pe.rfeita-
mente corado, coa grande asombro e
satisfajSo de todo 03 seus pareatos e ami-
gos os quaei j baviam perdido as espe-
rangas de jamis vel-o bom. Disae tam
bem qie eide eutao est* paite o tem
recomrnenditdo a em fraude numero de
seua eo-ibecidos que s.jffriam de .rieren-
tes afficges pulmonares t2o frecuentes
cas costas do mar Pacfico, na America
do Su!, e que seus bous resuit&dcs tem
sido uciversaes.
Como Garanta contra as f?.!s!ncc3es,
cbserve-ss bem qne es nomes de Lunman
A Ker.tp venbam estampados em letras
transparentes co papel do livncho que
airva da envoltorio a cada garrafa. Acha-
se de venda em todas a boticas e droga-
ras.
11113
s
ai
20Ra do Hospicio20
As aulas desie estaDelecimento de inetruccao
primaria e secundaria para s sexo feminino
abrirse-bao no da li de Janeiro de i892.
Recebe-se alumnas internas, semi-internas e
externas.
A directora,
Mara do Carmo Azevedo.
100*
Rendlatentos publico
MEZ DI FEVEUEIBOOK 1892
Aifandega
Rtfida geral :
Do dia i a 3 76.027*103
dem ae 4 48:548*96
Renda do Estado :
Do d:a 1 a 3
dem de 4
12:209*456
8:309*614
124:570*071
20:519*070
Somsa total
145:095*141
06ert;aco
Procedente da Europa fundeoa no la-
marSa o vapor francs Mtdec e nao
teve communicagSo com a trra.
Mercado nanlclpal de S. Jos
0 'n'-Tmtnio deste mercado no dia 3 da
Fevereiro foi o seguine : ntraram:
40 12 bota pesando 5 512 kilos.
664 kos de peixe a 20 ris 13*2S0
5 1 2 cargas com farinua a 200 rs. 10. 0
8 aitas de fructas diversas a 300 rs. 2400
1 cargas com galinhasa 600 rs. 610
cassos com galtnhas a 400 rs. *
31 columnas a 600 rs. 18/600
6 suinos a 200 rs. 1*200
30 taboleiros a 200 rs. 6*000
1 compartimentos com farinha a500 25*500
34 ditos de comides a 500 re. 17*C0
95 dito; e eguass e fazendas a
400 rs. 3800O
17 ditos de sumos a 700 rs. 1!900
6 itos de fressaras a 600 rs. 3*600
6 ditos de ca maroes a idO rs. 1*2C0
45 talbos a i* 9JJ0O
Rendimectos de 1 a 2
Se 4 *e Fevereiro de 1892.
O thesourero,
Florencio Dommgues,
O chefe da seceo.
Feliciano Placido Poctual.
K refcetlora do Ectitdo de
Pera&as*>aeo,.
Do dia 1 a 2 4 093*365
r^em de 3 l:035*i6i
Frecos do dia :
Carne verde de 249 a 640 res o kilo.
Sainos de 640 a S00 ris ideau
Carneiro de 640 a 800 ris idecci
Farinha e. 320 a 400 ris a cuia.
Milho de 300 a 320 ris idem,
Feo de 1* a 200 idem
230*280
45S*2C0
686*480
528*36
Stecke f>raiaage
Do dia 1 a 2 201*450
Idemdfc3 l84*to2
385*502
Hovlinento do porto
Navios entrados no dia 4 de Fevereiro
Rosario de Santa F e escala25 dias,
vap.r rancez Adur de 2154 tonela-
das, commandanta Fournier, equipa-
gem 52, carga varks gneros a H.
Burle & C.
Macei -12 horas, vapor inglaz *Mari-
cer de 860 tonel .das, oommaadante
Th J. Feater, equipagem 25, carga
t8EU3ar a Blackburn Needham & C.
Porto Alegre e eicala24 dias, vapor
nacional Nbula de 718 toneladas,
commandante H. Thompsoa, equipagem
29 carga varios gneros a Pereira Car-
neiro & G.
Navio sahido no mesmo dia
Parahyba vapor inglez < Merchant, >
commandante H. Schaw, carga varios
gneros.
MaceiPatacho ing!z iMay Fiavrer,
capito E. Dug'", crga bacaiho.
v?pors a entrar
ilZZ DE FiVEBEIKO
Eu:ooa. -------- Ville de Montevideo. S
Europa. . 5
5
b
Europa. ...... Sorata ........ 9
Sul S
... 10
Norte .. Europa 13
..... La Plata...... 1K
Sul .... ...... Trini......... . . j
Sul.... ...... O/inda....... 16
Norte.. ...... Espirito Santo. ... O
Sul.... ...... Alagos....... ... ti
Europa ...... Thames....... ... * 25
27
27
Taporas a sabir
MEZ DE FEVEEEIBO f
Sul...... ... S. Francisco....... 5 as 3 b.'
Sai...... ... Ville de Montevideo . o 38 2 h.
sol...... . McdOC............ 5 s 9 h.
Sal...... ... Rosario........... 5 as 9 h.
SOI...... ... Capua............ 7 as 12 n.
Sul...... .. S. Saltador........ 7 as 5 h
Norte----- . arankao......... 9 33 S h.
Sul...... ... Sorota............ 9 as i h.
Sal...... ... Brai............ 14 ss 5 h.
Sul...... ... La Flota.......... 15 33 5 h.
15 33 2 b.
Norte .... ... Olinda.:.......... (7 as 5 h.
Sul...... ... Espirito Santo..... 21 as 5 b.
Norte .... ... A'.agoas........... 2 i as 3 b.
sol...... 25 os 27 as 2 h.
2 h.
Sul...... ... Por ....... 28 as 2 Q.
"
i





v



1

---------------
,' ------------------------------------------





::-


I

Diario de Pernambuco Sexta-feira*5 de Pevereiro de 1892
Quantos doentes assim !
Aos Srs. Silva, Gomes & C, proprieta-
ros da anti?a e acreditadigsima Drogara
Sal Americana, estabelecida no Rio de
Janeiro, foi enviada a segninte carta da
estacSo do Bom Jardim (estrada de farro
de Uantagallo;, narrando a prodigiosa cura
de urna grave enfermidade pelo grandioso
remedio rio grandense Peitoral de Cam-
bar :
Illms. Sra. Silva, Gomes & C dro-
guistas no Rio de Janeiro.Ha inais de
cinco ancos que eu soffria de urna bron-
chite cora toase e esgarros de sangne, ha
vendo das de botar mais de meia garrafa
de sangue, nao me deixando dormir aoutes
inteiras.
Recorr a todos os mdicos deste muni-
cipio de Catagallo, j sam gosto, nem
f-rcas para cuidar de micha lavoura ; nac
tinba nenhomas esperanzas da minha exis-
tencia por muito tempo, apezar do nao me
altarem recursos e bom tratamento.
Por milagre de Deas,
gociante djste lugar, nao querendo que
eu deixasse meus innocentes fiihos por
Consultorio Medico
O Dr. Manoel Argollo com pratica nos
hospitaes de Paria e Berlim, tem seu con-
sul'.oiio na ra do Bario da Victoria n. 1.
Especialidades. Molestias don appare-
Ihos respiratorios, circulatorio digestivo
Consultas das 12 a 3 da tarde.
Chamados por eterpto.
Telephone n. 586.
. Advogado
Aquilino PoroEncarrgase de
qualquer trabalho de sua proasl) as co-
marcas : Escada, Ipojuca, Cabe, Palma-
res, Gamelleira e Victoria.
Reside na cidado da Escada.
DERBY CLUB
DE .
wmnmAmmvc o
criar, aconselhoa me o Peitoral de Cam-
bar, e eu sem f, pois que nenhum re
medio me poz bom, resolv que ease ne-
gociante no mandasae vir da casa do
Vv. Ss. sais vidros para experimentar e,
tcdos ellas, dorma bem, cessaado de
todo os escarres sanguneos.
Mindei vir nais 24 vidros e continuci
at acabar, isto at o auno de 1S38, e,
gracas a Deus, acho-mo completamente
carado.^
Agfadejo a Vv. Ss. e peco lhes publi-
cairsm este, a bem da humanidade soffre-
dora. Ao meamo ten-po, pojo a Deue
pela saude, prosporidade e ielicidade do
autor de tao grande e prodigioso remedio.
o Sr. Jos Alvares d9 Sousa Soares.
Jouo Jos Ztiendo.
(A firma est reconhecida).
tas-s*& O _^_/________
Do us milagre s
II!. Sr. D. Carlos.Tomei o sue re-
medio o Elixir M. Morato, e foi com elle
qae pude sarar das boubas que soffria ha
muito tempo e descorocoava por nunca
malhorar, um meu visinho que tambem
soffre, j largou de tuio que lhc receita-
nun e est tomando o seo remedio.
Agradecido pelo remedio, lhe bou obr
gadissimo.
Santos.
Albino Jos Cauto.
Ulm. Sr. D. Carlos-Eu e todos de
cesa, faz muito tempo que soffremos hu
morts de boubas,com diet, sem resulta
do. Fisemcs uso a^ora do Elixir M. Mo
rato, preparado por D. Carlos e saramos
completamente.
O remedio alm de ser muito bom ain
da tem bom gosto, pois as criancas be
biam com facilidade, misturado com agua.
Sap.
Firmino Aguiar.
Ao alcance $ todos
Consultorio Medie Oculista
O Dr. Berardo ceram OH aos seus
um amigo e ne- clientes, que mudou o -eu lOBJ-iItorio do
predio n. -ti da ra do Bom Jess para o
de n. 9 da mesma ra onde contiaua a dar
consultas de 1 hora as 3 da tard ResidenciaMagdalena.
Telephone n. 366.
Dentaduras artifciaes
Sob prsalo elstica, a cpiesio pneu
matica systemas novissimos nes:e Estado
pelo cirurgiSo dentista Numa Pompilio,
4 ra do BarXo da Victoria n. 54 1 an-
dsas 8 horas da manh s 4 da tarde
PROJEOTO DE NSCM>{!AO
Qara a 3.a corrida a realisar-se no
de Fevereiro de 1892
dia 14
i.
9 O
Regulador da Marioia
Concerta se relogios de algibeira, pn-
dulas de torre de igreja chrsnometroa de
marinha, cal xas de msica, aoparelhcs
elctricos, oculos, binculos, oca os de al-
cance, joias e todo qualquer, objiscto ten-
dentes a arte mechanica.
9Roa Larga do Rosario9
DECLARARES
Great WBStern tf BrzI Mn
Horario para os trens extraordinarios no dia 7.
de Fevereiro de 1892, pira a festa de S- Severa
no em sua capella no eageano liimja em Pao
a'Alha.
IDA.
Esta roes
Vendas a dinheiro com descont de
10 por cento
A Nova Esperanca chama a attenc2o
para o seguinte :
Todas as quintas feiras venderse ha
qualquer mercadoria com o descont ci-
ma os saldos e retalhos por menos do
cueto.
O grande sorimento das seguintes mer
caderis convida a fazerem urna experien
cis-
Fita, leques, sortimento de meias para
(ehoras, crianzas e homens, rendas bran
cas, pretas e de cores, bordados, avsne
taes para crian jas, costumes de brim, ca-
pas de f el tro, enxovaes para baptisados
bonecas, relogios, preparos para vestidos,
arres, candieiros, lampariuas, gravitas,
co'larinbos, punhos, aberturas para cami
zaa, botBes de todas as qaalidades, qua-
dros, espelhos, boleas, artigos para pre
sentes, objectos japoneses, albuns e qua-
dros para retrates, preparos para borda-
dos, linhas brancas e de cores para cro-
chet.
E muitoa outros artigos de miudezas e
mais que nSo difficil ver.
A Nova Esperanza
65Raa Duque de Caxias63
Pedro Antunes & C.
Recife...........
Encruzlbada.....
Arraial.........
Macacos.........
Caaaragibe.....
S. Loureoco.....
Tiuma...........
SanURita.......
Ramos..........
Pod'Albo(cbeg.)
manh rnaoh tarde
6.50 8.10 12.15
* 8.-20 12.24
7.08 8.30 12.33
8.47 12.50
9.00 1.03
7.57 9.20 i 23
* 9.32 1.35
8.25 9.56 1.58
8.50 10.20 !.2
9.02 10.27 i 31

tarde
1.20
1.29
1.38
1.55
2.08
.28
2.40
3-05
3.30
3.38
jt1 evereiro
PAREO onsoIafXo 800 metros, Animaes de Pernaiabuao qae nao
tenham ganho premios nos prados do Recife, excepto a corrida de
31 de Janeiro. PBEJCOS : 200(5000 ao primeiro, 40^000 o segundo
e 0(5000 ao terceiro.
PAREOProsporidade1050 metros. Animaes pungas e de Pornambuco.
premios 2505000 ao primeiro, 60f>000 ao segundo e 25S000 ao ter
ceiro. *
3' PAREOAnlma^o1CC0 metros. Animaes de Pernambuco que n3o tenham
ganhi premios, preuos : 200i5000 ao primeiro, 4050O ao segando
e 20000 ao terceiro.
4." PAREOVeloclTade 1050 metros. Auimaes de Pernambuco., premios:
2500003 ao primeiro, 608000 ao segundo e 25)5000 ao terceiro.
PAREODerby Club de Pernambuco 1.400 metros. Animaes de
puro sangue. premios : oOCl'JOO ao primeiro, 1C0500 ao segundo e
SOFOCO ao ter-.eiro. t
PAREO -Prado Pcrnambncano 1.000 metros. Animaes de Pr
nambuco que n2o tenham ganho premios nasta ou maior distancian nos
ultimes 4 meses de 18D'.. przmios : 200,5000 ao primeiro, 40,5000 ao
segundo e 205OOO ao terceiro.
PAREO- llippodromo do Csrmpo Crande300 metros. Animaes de
Pernambuco que n2o tenham ganho pramios cestes ltimos 6 mezas
e em distancia superior nes prados do Recife. premios: 200,5000 ao
primeiro, 40JC00 ao segundo e 2C50GO ao terceiro.
PAREOConclusa 1.000 metros. Animaea de Pernambuco que nSo
tenham gacho premio? 'm maior distancia nos prados do Recife.
premios : 200^000 ao ^nuieiro 400CC ao segundo e 20,5030 ao ter-
ceiro.
Observares
De onformidade com o art. 5., do cdigo de corridas, dJo poderao
ser inscriptos no pareo Prosperidade o animal Attlante, e no Velocidade Piramon.
A inscripcSo ter lugar ter9a eira 9 do corrente as 6 horas da tarde,
na Secretaria do Derby.
Secretaria do Derby Club, 14 de Janeiro de 1892.
SERVINDO DE SECRETARIO
A. J. Moreira.
o.
o,
7.
8,
VOLTA
Estipes
Pao d'Albo...
Ramos.......
Saola Rila..-.
Tiuma.......
S. Lcurenco.
Camaragibe ..
Macacos.....
Arraul......
Bacrozilbada.
Recife i......
machi
10.5
10.52
11.12
11.30
11.45
12.0i'
12.ii
12.36
12.43
12.50
tarje
8.20
545
6.08
6.30
6.51
7.12
7.26
7.45
7.55
8.03
noite
7.40
.. 10
:-38
f:.58
$M5
('.33
51.48
10.07
10.16
10.25
noite
9.35
9.55
10.17
10.3
10.58
11.17
11.30
11.52
12.04
12.11
De Sorocaba
Declaro que soffri muito tempo, fazendo
uso de medicamentos sem resultado e
usando tres dias apenas da injeccao M.
Morato, sarei completamente de umachro-
nica gonorrhea que me atormentava.
Fa;a uso desta como onvier.
Antonio F. Fontoura.
Agentes depositarios em Pernambuco,
Francisco1 M. da Silva 5b O, ra Mrquez
de O.inda n. 23.
SS
O juiz de direito JoSo Baptista O tira
na Costa, eccarrega se de contrshir cm-
prestimos com o Banco Emiasor de Per-
nambuco, sob hypotheca e penhor de sa-
fra, paraos agrie altores e commerciantes
residentes neste Estado e os da Parabyba,
Rio Grande do Norte e Cear, mediante
mdica retribnicao ; assim como encarre-
ga-se de liquidares amigaveis, em qual-
quer das comarcas dos referidos Estados.
Pe ser procurado em seu escriptorio
ra do Mrquez de Olinda, antiga da
Cadeia, n. 34, 1.* andar, das 11 horas s
4 da tarde, e a outra qualquer hora, em
sua residencia, na Magdalena travessa da
fabrica deFiajSo n. 1.
Dr. Feitas Gnimares
Participa aos seus amigos e clieates
qae mudoa o sea consultorio da ra Du-
que de Casias n. 55, para a mesma ra
o. 61, 1.* andar, onde contina a dar
consultas de 11 1 hora d i tarde, e resi-
Bde no Cajueiro n. 4.
Telephone n, 2 -'.
Nula Nao baver carros e Ia cuate.
* O trem nao parara nestas eslacO.'s.
Os precos serao dos treos ordinarios.
Roga se aos seaborea paasageiroa para virem
manidos com a importauc.ia de sua; passagens
para e ilar demoras e aiflicuidades na troco?.
Os Irens ordinarios passarao no cagenho Ra-
mos.
Recife, 4 de Fevereiro de 1892.
/. H. Conclly,
Superintenaeote.
Banco dePemam-
buc3
o
Em observancia do art. 19 dos estatutos deste
binco, convido os senbo.-es accionistas a reuni-
rem-se no dia 18 do corrate mez, ao meio dia.
no 1- andar do predio onde faacciooa este bao-
co, para tomarem conbecimento lo relatono,
balabco deste banco, parecer da ccmmiso fis-
cal e e!eio da directora.
Recife, 1 de Fevereiro de 1890.
Jos A. Rodrigues Lima,
Director M'crelario.
BSTBADA BE FERRO DE FERNAMBCO
DO
RECIFE AO S. FRANCISCO
AVISO
FESTA DO CABO
DOMINGO 7 DO CORRENTE
Alcm dos trens ordinarios de passagelros haver o seguinte
trem especial entre as estaces das Cinco Ponas c Cabo.
THEM ESPECIAL
Ida (tarde) i
(partida) 12. Cabo
. 12.10 Ilha
. 12.20Prazeres
. 12 30;Ba-Viagem
. 12.50 Afogados
. 1. ICinco-Pontas
Cinco-Pontas
Afogados
Bia-Viagem
Prazcre8 i
Ilha
Cabo
Cabo,
K-hegada)
') de Fevereiro
volta (noite)
(partida) '.
de 1892.
<
t
c
(chegada)
10.30
10.45
11.05
11.15
11.30
11.40
JVelh Hood,
Superintendente
JS. t. J.
*H-
Soeledude Recreativa
Tentnde
faro bimestral em 6 do corrente
A bem dos in'.eresses saciaea est designuca
a noute de 6 do correte para ter lagar o sarao
do corrente bimestre.
O concert principiar a; 9 horas da nonte.
Secretaria do conseibo admiautrativo, 2 de
Fevereiro de 1892.O 1- secretario.
F. Lima.
Compahia de tfiagao e Te-
cidos de Pernambuco
De confarmidade com os ns. 1,5! e 3 do rtigl
147 do decreto n. *% de ideJilho de 189
acbam se a disposio dos seaborea accioaia'a
o seguinte:
Cop as d)= ta!:i"c.33 do auno tiaanceiro de
1891
Relago nominal dos senbores accionistas.
Lista das transferenciaa de aoc&es.
Escriptorio Ua compaabia, i roa do Bom Je-
su? n. 42 1 andar.
Recie^O de Janeiro de 1892.
O secretario,
'. Joo Jos de Amorira.
Companhia
* DE
Servidos flaritimos dePernam-
boco
AVISO
A carga e descarga de carvc era d'ora em
dian'.e assim regulada :
Para alvarangas de 3o ton3. donf: dias nteis.
dem idem de 60 tons. tres dias nteis.
dem idem de 80 tons. qnatro dias nteis,
I lem idem de mais de 80 tona, ci ico dias otis.
ReMK 4 de Fevereiro de 1892.
O gerente,
Alfredo de Araojp L.
BANCO DA BOLSA
Capital Res 1,500:00J000
Dividido em 15,000 accoe de 100:000 cada urna
. KA DO VGARIO N- 2
(Esquina do largo do Corpo Santo)
Edificio da Junta Gommercial
Hora da Bolsa
DE 1 A 2 DA TARDE
Compra e vende ttulos com cotac.3o.
Liquida oporacSes por coca de terceiro o a a prazo-
Facnlta capitaes para comp-a e venda a dinheiro oa a praso de qu&esquer
'.ituJos '.-otados na Bolsa.
ategralisa convindo capitaes de Bancos e ccmpsnhias reconhecida atiidade.
Faz transferencia do operacSes realis&das na Bolsa a praso.
Auxilia liqnidaQao de report e Deicredere.
Realisa operagSes bancarias relativas a sua DatOTeJHU
Kncarregse de incorporajiSes de En-preaas.
Levaata-se prestimos.
Compra e vende metaes.
DCarrega-se da compra e vecds de ausaoar, aigodSo, etc. etc.
20 de Margo de 1891.
O director gerente,
P. J. Pinto.
Comi ania de tecidos
Faulista
Secando di?pe o art. 16 do decreto de 17 de
Ect-nolo Ae T7^ww% At\ 1Jaaero de 1890da lei e regnlamento d03 bancos
S .1 ciVltl lie rcrrO U e sociedades anonymas, actiam se no escriptorio
Recife a Caxang'
Festa da Yarzea
A pedido e por conveniencia das pes-
B088 qne concorrerem as novenas da festa
de K. S. do Rosario na Varzea, o trem
que pela tabella parte dalli s 7.29 ficar
partindo s S 30 a contar do dia 4 at 13
do corrente.
Escriptorio da Companhia, 3 de Feve-
reiro de 1892.
H. Fldchtr,
Gerente.
Ka Secretarla da anta Casa de Mi-
nerlcordta alagam e oa seguate*
predios i
Ra do Encantamento, toja n. 11
Ra do Amorim, armaiem n. 26
dem idem n. 6\
Ra do Burgos n. 19
30*000
10*000
3GI000
2:oo
?ooyraas
provisorio ra do 3om Jess n. 1, patimeQto
terreo, copia do balaoco, relzjao nominal dos
sennores accionis'.a?, durante o anno lindo.
Recife, 17 de Janeiro de 1892.
J. A. Saraiva Jnior,
Director secretario.
Companhia Santa The-
resa
Abastecimento de luz e agua ie Olicda
Assembla gerul
Por ordem da directora sao convidados os se-
nbores accionistas para apreciar o parecer da
commis-ao de cenias e o relatono da gerencia,
t Ester a eieijao da directora, commlssao riscal,
8 mesa da assembla geral no prximo exer-
cic;o.
A r?uuio se 3r no faiao da Compa'bia Tri-
lhoa Urbanos, ra da aiao, ao meio di d'j 16
de Fe?ereiro.
Recife, 30 de Jnei.-o de 18.
O gerente,
AtDnio Perelra Simoes.
PRADO
PERNAMBUCANO
ni .al
*Br5
^??sd: m~u
Progrtfiakt da 11.a soriitia
QUE SE REALISARA'
lo doiiiiuso, I do correte
Xomes
9
a
o
Pellos
Natura- e-
Cor da vesti-
menta
Proprif tarlo*;
1. pareo Consolacftw 800 metros Animaes de Pernambuco que n5o tenbam
ganhL premios! Premios : 200*000 ao i." 40*000 ao e OOOO ao 3.-
! (Ortigal.....
G a 11 e t e ex-
3 Pouillac.
3 r.yclone.....
4 Ca penez...
5 Al !j........
6'MaUnge.....
7|Vermoutn...
8 Lirxeira.....
9IYusult......
tPreto...
Rodado.
Pernamb.. 54
Baio.....
Castanbo
A'azo.
Tordiibo..
Uusso
Roziibo .
*i
o
54
54
34
H
o
Lista e mangas ene.
Encarnado..........
Azul preto e onro
Grenat eccro.......
zale encarnado
Grenat ene. e tranco
2 Pareo-uplementar1.000 metros.Animaeo de Pernambuce.
ao i* *0000 ao 2* e fCOOo ao 3.
J. Lina.
M.R.
C'oud. FragOFO.
A. P. da Silva.
M. J. Aires.
Silva & Ribeiro.
A. M. Alves.
H. de Oltv.ira.
:. a. b.
Premios : 20OfCOO
Maran guape, i 3
Pyrilampo... S
Talispher. ...1 5
Ida..........I 5
Alazo. -
Tordiibo.
Rodado..
Peraamb..
i:
m
. i
-
354
Preto, ene. e c&ro-..
Grenat e aznl......'.
Listas e mangas ene.
Preto e rosa.........
Dr. B. B. Fons. Filbo.
J. E. Ferreira.
Coud. Recife.
Goud. Ida e Volta.
3 pareoFerro Carril-1300 metros. Animaes nacionaea. Premios: 4C0/000 ao l.
SOOOO ao a e iOiOOO ao terceiro.
I. Siroco.....
Torpedo..
Cora.......
G?llileu..-.
Castanho....
Zaino.......
Altso......
S. Paolo.. 38
S. Pauto.. 58
54
60
Azul e ouro..........
Azul, ene. e braneo..
Preto es:arlate.......
Ouro e preto.........
Coud. Internacional.
Coud. Cruzeiro.
Coud. Temeraria.
Coud. Fraternidade.
4 pareoPrado Pernamtoucano1200 metros.-Animaes de puro sansue qre
. nao lerram gando premios em 1892. Premios: 300*000 ao i, 100*000 ao 2.
gaono premios
e 30*000 ao terceiro.

Rapid......
Apollo......
Seabresa___
4 Pandego
Zaino.......ilaglaterra.j 56 iEcear:aio e palba |A. Marques.
Alazo......[R.daPrata.1 5! Ouro e preto........
Zaina.......(Inglaterra. 5* Encarnado e preto...
Castanho..,.! 56 lEscarlate e ouro.....
Coud. Fraternidade.
F. Alluood.
J. Matbea?.
5.* pareoExperiencia 900 metros.Animaes de P;nambuco que nao tenham ga-
cho nesta distancia.
Monro...
Lucifer..
Ua.....
Tade..
Vivaz...
lDespota.
TjGolaor..
glPlulSo..
Alazo.......
Russo ......
Russo......
Mellado.....
Castanho
Rodado.....
Ziino.......
Rodado.....I
Persamb..
o
54
32
54
54
o
34
54
Ouro e azul em lista..
Uaro e azul..........
Rosa e preto.........
Ene. verde e amarello.
Preto ene. e onro.....
Encarnado e azul......
Violeta, azul e ouro...
Preto braneo encarnad.
Coad. Mouriscaaa.
A. U.hoa.
C. Ida e volta.
0. L. Drummoad.
P- R. Ramos.
Co3ta 4 Fernandes.
C. Provinciana.
C. JJ-raqdja,
6/ pareoEstimulo1000 metrosAnimaes de Pernambuco que sSo tenham gaafco pre-
misen .891 a 1892, Premios: 200*000 ao 1., 40*000 ao 2. e 20*000 ao 3..
Cyclone......
Hercules......
Ally.........
Good-mor-.
ning.....
GarfMi......
Rodado..

Castaaho.
Rod:do...
/.nao ....
Pernamb .
00
S4
Encarnado............

Azul preto e curo.....
54 En:. Pratoe curo.
56 .Azul cn:araado...
C. Fragozo.
H. L.
M. J. Alves.
R Cirdo30.
C- Aorora.
7.'pareoConpensacuo1.050 metros.Animaes de Perncmboco- que nao teibam ganho
distancia superior a lOO metros. Premios SO-'OOO ao 1.- 40^000 ao 2. e 20*000 ao 3.-
Lucifer..
Gala
Dspota-
Russo .
Alazao.
Rodado.
Pernamb.. I 52 tOuro e azul............
j 52 Aza! e ouro em listra--
* I o2 (Eacarnado e azul.....
A. Ucbda.
D. L- Drummond.
osta Fernandesg
no ensilhamento s
horas da tarde
OBSERVAgES
Os animaes inscriptos para o 1.* pareo deverao achar-se
9 12 horas da manha.
Os forfaita ser3o recebidos at sabbado 6 de Fevereiro, s 3
na Secretaria do Prado.
Ob jockeys que n2o se apresentarem convenientemente trajadoB com as coreB
adoptadas no programma por seus patrSes, nSo sero admitidos pesagem e serSo
multados de accordo com o art. h\ do cdigo de corridas.
Previne-se aos senhores accionistas de procuraren! os seus ingresaos na Se-
cretaria do Pradoa Ra da Imperatriz n. 26 1. andar.
Recite, 4 de Fevereiro de 1892.
O secretario,
J. Alves.
Curso Annexo da Fa-
culdade de Direito
do Recife.
Pela secretaria do Curso Annexo se
faz publico de ordem do Sr. Dr. Direc
tor, que se achara aberta a matricula
para as diversas aulas preparatorias do
mesmo curso a contar de 12 de Feverei-
ro prximo vindouro at o fim do referi-
do mez, devendo ter lugar a abertura das
aulas no dia L* de Margo de conformida-
de com o diaposto no art. 451 do decreto
n. n. 1232 F, de 2 de Janeiro de 1S91,
combinado com o art. 14 do decreto nu
mero 1075 de 22 de Novembro de 1890.
A matricula frr-se ha por series on por
aulas avulsas, (arts. 459 e 467 do citado
decreto n. 1232), sendo necessario que os
candidatos matricula da l.2 serie :
Ia. tenham pelo menos 12 annos de
idade; |
2\ que exhibam certificado de estados
primarios do primeiro grao, oa obtenham
no proprio curso approvajSo etn todas as
materias d'&quellee estudos ;
3\ provem ter sido vaccinadoa ( artigo
450 ).
A petijao para a matricula dever de-
clarar o nome, filiajao, naturalidade o
idade do alumno e ser acompanhado de
conhecimeato que prove haver pag na
alfandega desta cidade a tasa annual,
que :
Para urna aula Para duas >000
Para trez ou mais I2f$00
O curso de estados consta das segnic-
tes disciplinas:
Pottaguee.
Latim.
Francez-
Inglee.
Mathematica elementar.
Phisica e chimios gera'.
G-eograpba.
Historia natural.
Historia universal.
Historia do Brazil.
Ha duas caieiraa de mathematica ele-
mentar.
O alumno matriculado no curso tem
preferencias, na admissSo dos exames, nSo
dea obrigado a exhibir o curriculum vitce,
de que trata o art. 460 do regulamento
do pagamento da taxa de cinco mil res
pela icscripjao pura cada prepatorio, pa-
gamento a que sao abrigados os alumnos
estranhos. nos termos do art. 461 do ci-
tado decreto de 2 de Janeiro de 1891.
Secretaria do Curso Annexo da Facul-
dade de Direito do Recife, 25 de Janeiro
de 1892,;
O secretario.
Joao Telesphoro da Silva Fragoso.
Banco da Bolsa
Tendo este banco procedido a incorporaco da
Companhia fie Servaos Martimos de Pernambu-
co. e sendo o concurrente que mais vantagens
offereceu ao novo contrato de ilkimicacao publi-
ca desta cidade, para a qual torna se necessario
fazer adiantamer to como seja o do deposito do
valor da avalii'cj da empresa do gaz, para o
que cao bastante a Ia entrada dos accionistas
do mesmo banco, previne-se aos seahores accio-
nistas deste banco, que sao convidados a faxer a
segunda entrada de 10 0 0 de suas acedes a' o
dia 15 de Janeiro do aano qne vem, e a 3 entra
.la tambern de 10 0.0, 30 dias depois, como de-
termina o art. 4." dos estatutos.
Recife, 28 de Dezembro de 1891.
director gerente,
__________________ Pinto.__________
Gabinete Portug-uez
de Leitura
Assembla geral
De novo conviJo todos os sennores asse ciados
para reuirem-sa domingo 7 do cor.-ente, s 12
horas do da, na sede desta icstituicao, para
assis'irem a leitura do parecer da ccmmisso
aomeada para exame de centas e legerem a
nava administracSo.
Secretan! do Gabinete Portugcez deleitara
?m Pernr.mbuco, 1 de Fevereiro de 1892,
Joo V. C. Al.'arra,
l- secretan1).

-x
t-
f




-aa
Diario de Peraambuco Sexta-feira 5 de Fevereiro de i 892
^
m3m&6
A commissao da festa do Glorioso Sanio Ama-
ro de Jaboato, fax scieote aos seas denlos qae
no dia 5 do correte ser basteada a bandeira do
Glorioso Sanio Amaro, pelas 6 horas di tarde,
crregada em carro triamphal, acempanhada por
Socas, a qoal sahir da casa da Exma. Sra. D.
ilmira Cubra) da Silveira Guimares, jpJxa da
fetta.A commissao, .
Loiz Medeiros Barbosa.
Aodr Benedicto.________
Companhia
Industria de chapeos
A directora desta companhia, em viriode do
que preceitua o art. 16 do decreto de 17 de Ja-
neiro de 1890, scientiflca qae ttcam a disposigo
dos senhores acciooistas ea sede da companhia,
a roa Mrquez de Olioda n. 17, as copias de ba-
taneo, relago nominal dos accionistas, e lisia
de transferencia, todo relativo ao anno social
Hado ec 31 de Dezembro prximo passado.
Recife, 30 de Janeiro de 1891.
Jos Joaquina da Cosa Maia.
Jos Gomes Sanche.
Jos Joaqmm Alves.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do Sr. Dr. inspector e em
vista de telegramma do inspector da cai-
ta de amortisacSo, de hontem, aco pu-
blico que conforme a deliberado tomada
pela respectiva junta administrativa, far-
se-ha nesta Thesouraria a substituido daa
notas do governo de cem e quinheotos
mil reis, da quinta estampa, at 31 de
Marco de 1892.
Em 15 de Deaembro de 1891,
O secrotario,
J. Gomes da Suva.
Banco Popular
dltldrnto
Os senhores accionistas sao convidados a vi-
rem receber na sede social, do 1 de Fevereiro
por dtante, o primeiro dividendo de snas respec-
tivas acetes, na rasao de 3 1/3 0/0 sobre o valor
realieado das mesmas, correspondentes ao pri-
meiro periodo de Maio a Dexembro prximo pas-
sado.
Recite, 29 de Janeiro de 1892.
Albino Narciso Maia,
Director secretario.
Companhia
DE
Tecidos Paulista
Os senhores accionistas sao convidados a rea-
lisar a terceira entrada do capital a raxo de 20
0/0 at o dia 8 de Fevereiro prximo futuro das
11 horas do dia as 2 da tarde, a ra do Bom Je-
sos n. 1. pavimento terreo
Re;ife, 7 de Janeiro de 1892.
J. A- Saraiva Jnior,
Director secretario.
Responsaveis
Pelo presente sSo intimados em cum-
primento da circular do Ministerio da Fa-
zendo n. 66 de 14 de Novembro ultimo
os seguintes devedores para no praso de
15 di as contados de hoje, virem aatisfa-
zer a importancia de suas responsabilida-
des, conforme os termos que assignaram,
mediante os quaes efeotuaram-se despa-
chos livres de direito de importoslo, sob
pena de ser feita a cobranca ejecutiva-
mente :
Bario de Serinbaem (re-
presentado pelos sena
her ieirosj como gerente
da empresa Fstrada de
Ferro de Ribeirao a
Bonito. 2.443.5420
Coronel Jos Bellarmino
Pereira de Mello, idem. 1.3270730
Gaspar de Menezes Dru-
mond, coatractante da
asina Trapiche. 7.678|J455
Dr. Jos Zeferino Paes
de Lyra, idem do enge-
nta central de Palma-
res.
Lopes Magalhaos & C,
pelas machinas e appa-
relhos para a usina
Pirangy-Ass.
Os meamos, pelas ferra-
gens, idem, idem.
Os meamos, pelas pesas
^ de machinismoi, idem,
-. idem.
Jos Adolpbo Rodrigues
Lima, pelas ferragens
destinadas usina
Timb.
Manoel Antonio dos San-
tos Dias, idem, idem
usina Santa Filonilla.
Cunha Vasconcellos & C,
pelas pesas de ferro da
usina Carassn'.
Cunha Siqueira & C, pe-
los direitos de diversos
objectos para a usina
Trapiche.
Manoel Jos de Souza
GuimarSes, director da
Companhia de Fiacao
e Tecidos da Torre.
Bandeira & Siqueira, pro-
pietarios da n s i n a
Bandeira.
Manoel JoSo de Amorim
presidente da Compa-
nhia Agrcola Mercan-
til, pelo material para
as usinas Carass, Ban-
deira e Trapiche.
Souza Pinheiro & C, pelo
material para a usina
Lustoea.
D.-. Francisco da Cunha
> Beltro, gerente da
^Companhia Industrial
Assucareira, pelo ma-
terial para a meema
Companhia.
Manoel Joao de Amorim,
presidenta da Compa-
nhia A. Mercantil pelo
material para a usina
Ipojuca.
1.415,5282
1.2O705CO
1835750
93 300
3.2050650
1.4180450
630000
140175
11.8118048
500727
Hospital Pbrtguz
Domingo paseado fes esta instituico aasem-
bla geni, sendo eleitos os Sra.: commimdador
Jlo los Rodrigues Mendes, Joto Raposo de
Souxa e Joo Alves de Freitas, para os cargos de
provedor, vlce-provedor e ennoler.
Faculdade de Direito
(Obraa do novo edificio)
Em virtude ao Ar. n. 664 do Ministe-
rio da InatruccSo Publica, Correioi e Te-
legraphos de 19 de Novembro de. anno
prximo findo, a directora desta f acalda-
dade fas publico que se acha em concur-
rencia a execucSo das obraa do nov3 edi-
ficio da Faculdade, com o praso de 60
dias a contar da data deate.
Os Sra. pretenden tes deverSo apresjn-
tar na secretaria desta Faculdade *t as
12 horas do dia 27 de Marco do correte
anno as suas propoataa devidamento sella-
das e reconhecidas.
As propostas serSo feitas por onidade
de servico, e este deveri ser excoriado
de accordo com as plantas e orcimento
feitos; podendo os Srs. pretendentes exa-
minar ditas plantas e or y amento no es-
criptorio da administracSo das noval obras,
sito no largo do Hospicio.
Os pagamentos serlo feitos mentalmen-
te pelas medicSes provisorias procedidas
pelo engenheiro da obra.
O arrematante ficar obrigado a indem-
nisar o governo do preco das machinas,
materaes e utensilios existentes, para o
que antes da assignatura do contracto se
proceder ao inventaro e balando res-
pectivos, sendo o preco de taes cbjectes
fixado pela administrado, de accordo
com o arrematante.
Os proponentes deverao apreseotar suas
propostas acompanhadas de conhecimento
que prove terem depositado na Thesoura-
ria de Fasenda a quantia de 1:0000000,
a qual perderlo em favor da Fasenda
Nacional si sendo acceitas auas propostas
nao a8signarem o respectivo contracto
nao prestarem flanea que fica arbitrada
na quantia de 20:0000000.
Secretaria da Faculdade de Direito do
Recife, 27 de Janeiro de 1892.
O director,
Dr. Jos Izidoro Martina Jnior.
MARTIMOS
liba de S.Miguel
A escuna portuguesa Feiticeira eei;ue para
o porto cima oestes poneos das : pan o resto
da carga trata-se com Antonio Mara da Silva, a
ra da Companbia Pernambocaoa na. 8 e 10.
Pera
utu de
Companhia
vegacio
Esta companbia mantem as seguintes linttai
egularea de navegacao:
*krte, tocando nos por tos da Paran y bu, Natal
k.a, Mossor, Aracaty e Fortaleza, ;jartindc
leste porto um paquete al! e 96 de cada mex.
Sul, com escala pelos portas de Macei>, Pena
lo, Aracajo, Estancia e Babia, sahindo destt
x>rto a 14 e 29 de cada mex.
Fernando de Nortnha, partida no mov o d(
nex.
Re Fomoso e Tamandar, sabida a Sil.
Rto de Janeiro, (directamenie) parte o paquett
ic 25 a 30 do mex.
Rto Grande do Sul, (viagem directa) sabe di
5 a SO do mex.
Tjdos 03 paquetes sao novos, tem enflente
iccommodacoes para passageiros e para carga
d os precos sao muito rednxidos.
Os passageiros encontram, apar do tom tra-
jinen to, todo o conforto deaejavel a bordo
am paquete.
Os paquetes que taxem as viageas ao Rio di
Janeiro, alm de terem todo o que se ncontr
ios paquetes modernos, accresce que f;.x a va
tem em quatre dias e o preco de passagem
la 1." classe 60*000.
O paquete empregado na viagem para o Rli
jrande do Sul e smente para carga, e tem <
.-alado adequado a entrar no porto daquallo Es
ado em qualquer occasio.
Recebe se engajamento de carga por quant!
ade lixa para todas as viagens.
Ontrosim, a companbia expedir paquetes ex
ordinarios desde que baja carga para o enga
ment completo de um paquete.
Sscri orio. da Comnanbia Pernambucan
a. Si.
Lloyd Brasileire
Sec$io de navegacSo
DA
EMPREZA DE OBRAS PUBLICAS NO
BRAZIL
L1NHA DO NORTE
PORTOS DO NORTE
O paquete
S. Salvador
Cemmandante o 1 ten en te Guilhe.rmc
Waddington
E' esperado dos portos to or
te at o dia de Fevereiro se-
guiodo depois da demora do
stume para
la, Espirito-Santo e Rio de
Janeiro
Macei.
Sl Naroi Con-'
w
STRAITSOFMAGELLANLINE '
Paquete Sorata
E' esperado da Europa at
dia de Fevreiro seguindo
_idepois da demora necessaria
para Valparaso com escala por
Baha, Rio de Jameiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
abeiro a freie: trata-se com os
AGENTES
WIsod. Sois i C, Limited
10RA DO COMMERCIO10
fiel Cross LIm ef StBamers
Porto do Para
O VAPORINGLEZ
Amazonense
K' esperado em
do corrente e
aniraparao por-
) cima.
Para carga e encommendas trata-se com os
CONSIGNATARIOS
Jonhston Pater & C.
Ra do Commercio n. 15
Boyal lail Stean UM Con-
W
O vapor La Plata
Agente Britto
Leilo
De 1 plan*, movis, etc., etc.
Un pisao, 1 mobilia de junco de fantasa, meia
mobilia de junco, i toilette, cama fraDcen de
jacareada, 1 eapelho oval. 1 mesa de Jacaranda
para Jogo, 2 cadeiras de balaoco, 6 quadros, bo-
nitos jarros, 4 snelas douradas, 8 ditas pretas,
1 lavatorio com pedra. 1 relogio com redoma, 1
commoda, 1 guarda vestido, S marquexoes, 1
bergo, 1 guarda loaca, S apparadores. 1 guarda
comida, 3 banquinbas, looca de porcelana e pe-
de pedra para almoco e jantar, candleiros de
kerosene, lanternas, talberes, vidro^ linos, 1
mesa para cosinba, 1 sola, S consolos de ama
relio, junco, jolas de ouro de lei, e muitos ou-
tros objectos que serio vendidos ao correr do
martelio.
Nabbado. alo corrate
A't 10 e 3j4 hora
Ra da Aurora n. 29, 1' andar
Leilo
e vi-
para a
E' esperado da Europa at o dia
l & de Fevereiro e seguindo de
pois da iodispensavel demora
Baha, Rio de Janeiro, Montevideo e Bue-
not-Ayre
ara carga, encommendas, passagens e di
nbeiro a frete, trata-s com os AGENTES.
O vapor Trent
E' esperado des
portos do sul at
o dia 15 de Fe-
vereiro, seguindo
depois da demora
necessaria para
La Palmas, Lisboa, Vigo
e Southamptcn
Redcelo de pattagem
Ida Ida votit
i'Lisboa 1* classe A SO A SO
A' Soutbampton 1' classe 28 A U
Camarotes reservados para os passageiros de
Parnambuco.
Para passagens, (retes, encommendas, trata-f
MB 08
AGENTES
Amorim Irmos &c C.
N. 3Roa do Bon. JessN. 3
LEILOES
Agente lJestana
Leilo
Da armaco, gneros, uteocilios e predio, da
bem afreifuexada taverna sita ra do Rosa-
rio da Boa-Vista n. 11, em um ou mais lotes,
vontade dos Srs. compradores.
Hoje
Sexta feira 5 do corrente
A's 11 horai tm ponto
O agente Pestaa fara leilo por conta e risco
de quem pertencer, do estabelecimento cima
mencionado.
Em um ou mais lotee
Leilao
De 2 vaccas tournas prenhes sem cria e
2 garrotas tournas prenhes
Sexta-fera, 5 do corrente
Ao meio dia em ponto
Na praca do Commercio (Liogueta)
POR INTERVE>T.O DO AGENTE
Gusmo
Leilo
4.3975345
4.185,5500
2.773S500
5.000S000
co
2a Secao da Alfandega
, 21 de Janeiro de 1892.
O
47.185,5.132
de Pernambu-
hefe,
Feliciano Pontual.
tonco de Fernamboco
DIVIDENDO
Sao convidados os senhores accionistas a vi-
rem receber no escriptorio des e banco do dia
So em dianlp o 4 dividendo de soas acetes, na
ra2o de 8 ( ao anno, correspondente ao 2o
semestre fioo em 31 de Dezembro de 1891.
Recite, 23 de Janeiro de 1692.
Jos Aaolrho Rodrigues Lima
Director secretario.
Recebe carga a baldear no Rio de Janeiro
jara Santos, Ganana, Iguape, Paranagu, An
'.oiina. S. Francisco, Itajahy, Santa Catbarina
ftic Grande, Pelotas e Porto Alegre.
As encommendas serSo recebidas at 1 hora
la tarde do dia da sahida, no trapiche Rirbosi
ao largo do Corpo Santo n. II.
Para carga, passagense valores: trata-se com
os AGENTES,
PORTOS DO SUL
O paquete Maranho
Commandante Antonio da Silva Fer-
reira
E' esperado do
sul at o ca 8
de Fevereiro, se-
uindo depiis da
demora necessa-
ria para
Parahyba, Natal, Cear, Amarracao, Ma-
ranho, Para, Obidos e Maoaos
As encommendab serSo recebidas at 1 hora
lo tarde do dia da sahida, no trapiche Barbosa
io largo do Corpo Santo n. 11.
Aos Srs. carregadore8 pedimos a sua attenca j
san a clausula 10* dos conhecimeutos, que :
No caso de haver alguma reclamacao cortra ;
:oinpaunia, por avaria'ou perda, deve ser feit;
jor escripto ao agente respectivo do porto di
lescarga, dentro de tres dias deno3 de Cnali-
Nao procedendo esta formalidade a compiinnia
9ca isenta de toda a responsabilidade.
As passagens compradas a bordo e en:om-
De 1 sitio com 400 palmos de Irente e 300 ditos
de fundo, com casa de taina coberta de tenas,
na estrada de Belm, freguezia da Grafia, e
prximo casa da viuva do Ftitosa, perten-
cente aos herdeiroa de Urbano Vicente Fer-
reir.
Sexta-feira, 5 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra Marques de Olinda
n. 48
O agente GusmSo, autorisado por mandado do
Exm. Sr Dr. juiz de direito de orpbaos, levar
a leilo. com assistencia do mesmo juiz, o sitio e
casa cima mencionados, pertencenles ao espolio
cima referido.
De movis, espelho, quadros, loucas
droe
Sabbado, do corrente
A's 11 horas
No 1* andar do obrado ra do Bario
da Victoria no 48
CONSTANDO:
De 1 mobtlia de pao carga com 12 cadeiras de
guarnicao, 2 ditas de bracos, 2 ditas de balando,
1 sof e 2 censlos com pedra, 4 Jarros, 4 qua-
dros, 1 tapete para sof. 2 escarradeiras, 2 espe-
lbos, 3 lancas para cortinado, 1 cama francea,
1 guarda vestido, 1 commoda, 2 caoldes, 2 mar-
qnexoes, 1 guarda roupa, 2 bancas, 2 lavatorios,
1 masa para jantar, 1 guarda louca, 2 apparado-
res, 12 caueiras, 1 mesa redonda, i espreguica-
deira, jarros e baca para lavatorio, louga para
almoco e jantar, copos, cauces, garramo, talbe-
res, mesa de cosinba e muitos outros objectos.
O agente Gusmao, autorisado por una familia
que retira-se para lra do Estado fara leilo dos
objectos cima deseriptos.
Leilo
Dos salvados do vaporinglez
Elsto w e do respectivocas-
co no lugar onde se acha.
SEXTA FEIRA, 19 DE FEVEREIRO YINDOURO
Ae nieie dia
No trapiche da Companbia Pernambucana, em
Penedo, com assistencia do encarregado ao
vice consulado inglez.
Carvalno Sobriobo autorisado pelo capitn
William Poltinger, do vapor inglez Elsiow ,
naufragado no cabeco norte da barra do rio de
S. Francisco e annuencia co Sr. encarregado do
vice-consulado inglez, nesta cidade. vender em
basta publica no dia 19 do vindonro, ao meio
dia, no lugar cima desigaado o dito vapor no
lugar onde est, com o restante do carvo de
pedra mais ou menos 200 toneladas, comidas
para tripolaco para cerca de dous mezes, todo
mcame, vellas, correntes, ferros e tanques.
Tambera vender 4 botes, sendo dous delles
salvados com seos pertencea e qne se acbam na
Alfandega desta cidade.
O vapor de ferro e foi construido ha 7 annos
apenas, classiricado 100 AlLLoyds. Todo o
mcame e vellas sao novos.
DimensOes
Compriment 2S8 ps inglezea.
Largura36 ps iaglezes.
Ponlal18 1/2 ps ingleze^
Tonelagem-1698 bruto. 1069 liquido.
A arremataco a dinbeiro a vista e livre da
commissao para o arrematante.
Penedo, 28 le Janeiro de 1892
WPi
AVISOS DIVERSOS
Precisase de um bom cosinbeiro ou cosi-
nneira e de um copeiro; a tratar na ra Mr-
quez de Olinda numero 3o.
- Precisa-se de um caixeiro ctm pratica ou
sem ella, de taverna ; a tratar na ra de Aguas
Verdes n. 21, (averna.
Precisa-se de um caixeiro na cidade de Ja-
boatao. ra do Imperador n. 61, que tenba algu-
ma pratica de taverna e padaria, de 12 14 an-
nos de idade.
CosiobeiraPrecisa-se ae urna; na ra daa
Nymphas n. 14-A.
Va .apa. Hambres, fritadas de camaro, em-
padaa, creme, baedeijas com bllanos, doces
d'ovos e outras qualidades, bons boceados, pas
teis de nata, cangica, pao de 16, bolo ioglez,
touciabo do cCo. arroz de leite, mi benta, bolo
de rolo : na Soledade, ra do Desembargado-
Nunes Machado n. 56.
Precisa se de urna ama para cosinnar e
mais servicns de duas pessoas ; a tratar na ra
da Praia n. 12.
Vende-se urna vacca boa de leite e com
cria nova ; na ra do Progreseo n. I.
criado ; na roa do Ilos-
Precisa-se de am
puio n. 3.
f recisa ae de Uuau amas, sendo urna para
engommar e outa para cojeira e servijo de
casa, pagase bem ; a tratar na roa Barao da
Victoria n. 50, I- andar.
Leilo
De 2 casas ns. 28 e 30 sitas roa do Motocolom-
j b, 1 dita n. 10 na ra da Paz e 10 mei'aguas
na. 4 a 22 sitas na traressa do Bem Goslo, de-
nominada travessa do Sabino, todas na fregue-
zia de Aogados.
Sexta-feira, 5 de Fevereiro
A'S 11 HORAS
No armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48
O agente Gusmo, autorisado, far leilo das
caaaa e Imei'agoas cima mencianadaa, podendo
os compradores irem examinal as.
Precisa-se de urna criada para copeira e
mais servico de urna casa de familia ; a tratar
na ra da Soledade n. 82.
Aluga-se a casa da ra da Roda o. 23 :
ra co Apolbo. H.
Aluga-se urna casa grande com boas ac-
commodages para familia, com Brande sitio
bem arborisado. na estrada real da Torre, a tra-
tar na casa n. 6-B.
Engommadeia
Precisase de urna engoi raadeira ; a tratar
narua Duque de C xias n. 86, loja.
mendas all entregues pagaro mais 2o 0/0 dos
precos de nossa tabella.
Para passagers, Iretes e encommendas tra
ca-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro&c C.
6Ra do Commereic^.6
1* andar
Leilo
Agente Peslana
Da excellenie casa terrea n. 13 sita ra da
Hora, no Espinbeiro, freguezia da Graca em
terreno proprio, peneocente ao espolio de D
Mana Isabel de Oliveira Pratis.
Sabbado 6 do corrente
Ao meio ia
No armazem a travsaa do Corpo Santo n 27
O agente Pestaa far leilo^por mandado e
assistencia do Exm. Sr. Dr. juiz de orpncs de
urna casa terrea 'sita ra da Hora n. 13 no
Espinheiro, efleada em terreno proprio, com 2
janellas de frente, portas lateraes, 2 salas *
quartos, cosinba, jardim na frente e pequeo si-
tio bem arborisado, a qual ser vendida nelo
maior preco que encontrar no dia e hora cima
mencionados.
Leilo
De 20 caixas com pregos avariados, mar-
ca V c & c.
Sabbado, 2 do correte
A's 11 horas
Na ra do Fogo, armazem n. 8
O agente Martins far leilo por conta o risco
de quem pertencer, de 20 caixas cot pregos de
rame, marca V C G, avariados d'agua do mar
a ordo do navio Adolpbine vindo de Ham-
burgo.
Criado e cosinheiro
Precisase de um crudo fiel e um cosinheiro
rfeeito ; na ra do Pajsand n. 19._______
Criado
Precisa se de um criado que d conhecimento
da conoucta ; na roa de S. Joo n. 17, fabrica.
Muita attencao
No neceo dos Ferreiros n. 6, ?recisa-se de
cosfureiras que j eatejam habilitadas em eos-
oras.
Ao commercio
O abaixo assignado. como nico responsavel
pela firma Audrade Lima & Irmo, declara ao
corpo commercial que acaba de vender ao Sr.
Cosme Vieira de Araujo o sen estabelecimento
livre e desembaracado de qualquer divida, o
qual gyrava nesta pra^a sob a lirma cima, sita
ra larga do Rosario n. SO.
Raymundo N. de Andrade Lima.
Ao commercio
O abaixo assignado declara ao respeitavel cor-
po commercial que acaba de comprar a fabrica
Camacam, livre e deeembaracada de qualquer
onu-s. a qual gyrava nesta praca sob a firma Au-
drade Lima & Irmo, sita ra larga do Rosario
numero 30.
^_______Carneiro Vieira de Araujo.
Ama de leite
Precisase de urna que tenha bons cos-
tumes : tratar na ra de Pedro Alfonso
n. 28, (antiga da Praia) armaiem de xar-
qne.
AMA
Na ra da Aurora n. 109 B precisa-se
de orna para casa de pequea familia.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosiobar para pe-
quena familia ; na ra Direita n. 64, 2 andar.
Ana
Vende-se
Precisa-se de urna ama para cosiobar e mais
serviga de casa de familia ; a tratar na ra do
Hospicio n. 39:
No becco do Pair n. II, diversos ps de ero
tous. assim como um rorro bordado a onm
Para feitor
Na casa n. 5, a estrada de Joao Perroatfe
Vieira, prt cisa-se de um homem que emea a de
jardim ehorta e se encarregue da limpesa c*
sitio._________________________________
Pergunta-se
O arco que se esta constru o do na obra do Sr.
Francisco Manoel da Silva, roa das Pernambuca-
nas, para eacadaria desta casa, offerece ou cao
garanta ?
O Parafbso.
jiiiniiiiniiiiiiiiiiiiiC
HM
Na roa Atfguata n. 182. precisase de orna *m*
ira casa de pouca familia.
pouca familia
Ama
Na ra de D. Mana Cesar n. 30, precisa-se de
urna ama para cosinbar.
Ama
Precisa se de urna ama para cosinbar e mais
servico para casa de pequea familia, preferin-
do se crioula e de meia idade : a tratar na roa
do Livramento n 1, sobrado.
Amas
Precisa-se de deas amas, sendo orna para en
gommar e outra para cosinhar ; a tratar na loja
das Estrellas, roa Boque de Caxias n. 56.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar e lavar
e que durma em casa de -eu patro; a tratar no
pateo da Santa Cruz n. 18.
Amas
Precisa se de duas amas, sendo urna para co
siohar eoutra pira engommar; 3 tratar na roa
Nova a. 52, segundo andar.
Prensa de copiar cartas
Vende-se urna, perfeita e qoasi nova ; na ra
de Hortas n. 17.
loedas de prata
de todas as qualidades, antigs e modernas, de
2*100, 1*000 e 500 rs., assim como toda a es-
pecie de moedas estrangeiras de ouro e prata,
paga se bom prece. Compra se tambem ouro <
prata velba ; na relojoaria David, ra do Cabu-
g n. 14
Ouro, prata e brilhantes
Compra-se na ra do Bartholomeo n. 59, casa
particular.
I LUZ I
DIAMANTE,!
LONGMAN & MARTNEZ, S
NEW YORK.
Livre de Exploso, Fumaca e Mo Chei ^m
A venda em todos os
_ armazems de seceos e molhados.
73 ii ii ii ii mi ii ii mi ii irC
losinheira
Precisa se de urna cosinbeira
da lmperatriz n. 16,1- :ndar.
a tratar na ra
Patacoes
Compra-se de todas as nacOes ; na roa do Ca-
bug n. 9. loja de Augnsto do Reg.
Patacoes
Brasileiros
Marcados 2*000 no centro, compra se por
maior prego do queem outra qualquer parte: nc
armazem ra do Commercio n. 4.
Criado e cosinhtiro
Na fabrica de vinbos de caj, ra da Aurora
n. 111, precisa-se de criados, serventes e cosi
nheiro.________________________________
Compra-se
Quem tiver e queira vender urna capa que srja
em ra bem localizada, dirija-se praca Conue
d'Eu n. 32, terceiroandar.
Cavallos roobados
Do engenbo Lebo da comarca de Gamelleira,
roubaram na madrugada de 23 de Janeiro, dous
cavallos de sella, sendo um casfanbo amarello
argel, castrado, bem novo, quando anda mure lia
a orelba, e andador baixo.
Outro russo pombo, inleire, pequeo andador
de baixo a meio, tendo urna pequea rotura do
lado direito gratificase a quem der noticias de
quem os tem ou oade param, no mesmo enge-
nbo ou ra de Marrillo Dias n 106.
Victoria *
Vende-se urna victoria concertada e pintada de
novo, muito leve, forte e segu*a, propna para
viagens de engenho, po* ser para isao muito
propria, e tendo arreio de metal branco muito
lino ; a tratar na cocheira do Sr. Jacintho ra
do cae* do Capibaribe.
Caixeiro
Brancos e de cores
A15, 18$e20#
VENDE-SE
LOJA DA1STEAS AZBS
61-Ra Do que de Caxias-61
Estantes para mu-
sitas
Para amadores
Fecha e tica do tamanhe *
msica
Prego 7#000
Loja das Listras Azues
61-Rua Duque de Caxias-61
Fazendas baratas
Para o Carnval
Velludo, Velbotinas, Gases prateadea
tarlatanas, las e merinos de todas as ca-
res, vndese por todo o preco
NA
Lejas das Lislr s zoes
Ra Duque de Caxias n. 61

Precisa se de um menino de 12 14 annos
que d conhecimento de spa conducta
da P.z, em Afogadcs, n. SO.
e
no largo
Aviso aos senhores de
engenho
A destillaco dos Coelbos, de E. Bellion, no
largo dos Coelho3 n 13, compra-se qualquer
qnantidade de mel bom a 56i por pipa.
Bom negocio
Vende-se a taverna sita ra do Rosario da
Boa-Vista a. 11, amesma tem poucos lundos e
e't b'XD afreeuesada : a tratar na mesma.
Precisa-se
MU.
Medianico
de um mecbameo;
na fabrica Ca-
Gaixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica de mo-
lhados ; na ra de S. Francisco n. 72.
Libras sterlinas
Vende-se na loja de joias de Augusto Rege
* C, ra do Cabog n. 9.
Criado
Precisa-se de um criado ; no largo da Penba
n. 33. hotel.
PAEA ENGE1S
Gnimsres i Tlente
Participam aos seus freguezes, e besa
assim aos Srs. agricultores, que coat'
nuam a ter grande deposito dos artigo
abaizo mencionados, garantindo tnio de
1.a qualidade e sem competencia em pre-
fos, visto como recebem os meemos srti-
gos directamente e terem constantemente
avultados depsitos.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Cimento Porlland He-
moor.
Oleo de mocoto.
Dito mheraJ [( para ma-
chinas).,
Dito de linhac,a.
de ricino,
de peixe.
coco. ,
latas.
I

Dito
Dito
Dito de
Pixe

em
Empregado
Precisa-se de um empregado que tenba conhe-
cimento de escripiuraco mercantil e boa letra:
na ra Baro da Victoria n. 69.
Feitor
Precisa se de um feor
Paysandu n. 19.
a tratar na ra de
Ao coffituercic
Foi dispensado do servico de nossa drogara o
Sr. Manoel Agaoito de S.
Recife, 3 de Fevereiro de 1891
Farias Sobrinbci
Gosinheira
Precisa se de urna cosinbeira ; a tratar no se-
gundo andar ra Mrquez do Herval n. 85.
Criado
Precisa-se de um criado
cisco n. 78.
na ra de S. Fran-
N 47:730
Chama se attencao do Sr. Bacoel da Silva Cas-
tro guarda da casa de Detenco, para vir pagar
o seu debito do anno passalo, ao contrario co-
bra-se judicialmente, ra Ma-ase do Hrval nu-
mero *9.
Azeite de carrapato.
Graxa em bexigas.
Caxeta de linho.
Potassa da Russia (em cai-
xas. barricas e latas).
G a z inexplosivel Dia-
mante.
Trisulphito de cal (novo
preparado para clarificar
o assucar)
Formicida Capanema (o re-
medio mais efficaz para
a completa extinccSo da
formiga sava)
6 Corpo-- Santo- 6
MUTILADO I

..dfA^"




Diario de Pernambuco Sexta-feira 5 de Fevereiro de 1892
ummxxi
VINHO FEBRFUGO
<*^- O VINHO DK QUINIUM d'ALraXD LAXAMAaca, emminest miente tnico e febrtfago dove ser preferido a
todos aa outras preparaos de quina.
tV. 0 VINHO DK QUINIUM de Labaxxaoik, preparado eom o fUIMlHH (extracto de verdadeira quina),
Wwnto pela Academia de Medicina, coatitue um madioanianto de copeai>o determinada, rico em
principio! calvos, e com o qaal o* medicoa e o* doeate* podem aamyre contar.
<4VH. O VINHO DC QUINIUM Je Labakuquk, proscripto coaa glande xito i* perneos frmern, debilitados, e ja
por ditrtai cauta rfenfraqueeimento, soja por mitiga melutku; aos adulto* fatigado por ut rpido uretcimtnto
ka menino que Um difficuldad* em seformaredttenvoiper; i mxheru .iepou dos parto; aos velhs enfragueeido pela
edade au dotmca. No caso de Calrese, anemia. Cores aiUim, este rinho um podereso auxiliar dos ferruginosos.
Tomado junto, por exemplo, m aa verdadeira Pilulaa Illllllllllllllll
PARIZ. 1. ra Jacob ? I rRERE Ca A CHASJPIOMY O, acc- ? 19, ru Jacob, PARIZ
E MA MA10R PARTS DAS PHABMAC1AS DB T0DO3 06 PAIZS ________
Em casa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franca e do Extrangeiro

gS de |mVm &TT02 tSptCitti
PREPARADO COM BISMTJTHO
Perfumista
oa.
F-AJERIE, B, Siam. de leu Paix, G, F-aJRIS^f
ddddtibs^ddb*AiefcAAJb*
Agua a Melissa ^ Carmelitas
TJaico Buccessor dos Carmelitas
ARIS -- 14, Ra de l'Abbaye, 14 PARS
CONTRA:
Apopleja Flatos
Cholera Clicas
Enjo do mar | Indigestoes
Febre ama/ella, etc.
Ler o prospecto no qual ral enrolrido
cada ran.
Deve-se exigir o letrelro branoo
e preto, em todo oa vidra,
ae)a qual tSr o tamaito.
Drosnos km todas aa rHARMACLas
do Vnirereo
Desconfiar
falsifirarors
e exigir a Assignatura
de
PPPPPPPPPPPRPPPPPPPr^^
cuja iasi r SOI
B' o melhor alimento para as crtanvas de tenra ldade. Snpprej
i nsufflci enca do le te maternal e facilita o desmama Com sen 1
uso nao na dlarrbee nem vomi tos e sua dlgestao fcil e completa. \
Empregt-se ttmbim rsntsjotamenta como alimento par os
Adultos a Connliioentss que tm estmagos dslicidot.
! lltlttlIlOfttlIttlitttiH
siiow Premio Grande. JExpoaico XJniveraaJ, Paria 1880. ]
liorna tu .Honra, 1S 2eda.'ha de Otxro S MMN de Prata.
FARINKA LCTEA NESTLI
LESTE CONDENSADO MESTL
r verdadeiro leite dio di vaccas STJZSBAB tendo conservado s-ju aroma e jjf/
"todas suas qualtlades nutritivas. #lm dos grandes ser vicos que esta conserva prest* i Frota, Iff
tao Exetcllo e aos Hoapltaes, ella tem ganhado sua posicao na alimentacio do* parttciilares;| [aos quice ella assegui a um lelte agradavel, studavel e natural. ^
ixtitr i nru: av wmtvry.it i m-ti tiam i srarsto x>a nsme*.
I A casa Henrl XeiU nao lem mals, como outr'ora, um nico agente para o Urmetl ,JH
'atu* productos acnam-se na* principie atiag Importadoras, drogaras, pnarmacias lojaa >B,
[de comestiTels.
HENRI NESTL, em VfiVET. { f los US:
immtiiitittmim
Licenciado pela Inspectora de Hysrenc do Imperio do SrasiL
:*
VINdeMOITIER
Mldice, fytsiitati da ceitmit d aJeM I Sdoi it PmiU
DIGESTIVO, TOHIGO, FEBRFUGO
PREPARADO COM
Quina e Pyrophosphato de Ferro
ESTE
IO ro PRECONIZADO POR TODA A 11IPREHSA MEDICA
COMO SENDO O MAIS PODEROSO
VIH
DinjoMmtiivjn':'
igjjl
Tnico cmpregado para curar
ANEMIA, CHLOROSE
EMPOBRECIMENTO DO SANGUE
Soberana contra as Febrea
| houyvet, Ptaaceatieo Y tee,HOAREA Snec"
PARS 44, ra des Lombards, 44 PARS
Deposito cm JPernambuto : rstAXf M. da IXVA A O"
B AS PRINCIPAES PHARMACIAS
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO HOLLOWAY
' Ungaento de Holloway um remedio infallivel para os males de pemas e do peito ; tambem para iis feridas
chagas e ulceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para todas as enfermklades de peito nao
se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Teneres as glndulas e todas as molestias da pelle cao teem semelhante e para os membros contrnidos e
juncturas recias, obra como por encanto.
Essas medicinar sao preparadas */mentc no Eslabclecimento do Profesor Holloway,
"8, HEW OXFORD STREET (antes 533, Oxford Street), 10NDRES,
E vendemsc em loda> as pharniacias do universo.
Z"T Os compradora*, sio convidados respeiiosamenie a examinar os rotulo* de cada oaixa e Pote nio teem a diiec^ao,
533. Oxford Street, sao falsincacoes.
tten^ao
Veade-se na roa do Botn Jess n. 38 a impor-
tante mereearia, 1 piano novo (Cari Sbect), i
mobi'.ia de Jacaranda nova, ( 1 vilorio codi pe-
dra, 1 mesa elstica d- 8 tabear.
I
MOLESTIAS DAS DREANCAS
XAROPEfeRABO IODAD0
de ORiMAULT C*
safa Jjta da Hjt$ do Rie-de-Jtneiro.
Mais activo que o xarope antbcor-
butico, excita o appetite, resolve
o engorgitamento das glndulas,
combate a pallidez, torna firmes
as carnes, cura os maos humores
e as crostas de leite das creange.s,
e as diversas erupeos da pelle.
Esta combinaro vegetal, essencial-
mente depurativa, melhor tolerada
que os ioduret08 de potassio e de ferro.
Em PARS, 8, Boa. Vivienae.
jaeasxgPjl
I



ATKINSON'S
WHITE ROSE
I De arom. tfto delicado como a propri
| nnia. O sea perfame encantador f sen-ja
troco c- uare e nnnoa canea.
ATKINSdN'S
AGUA de COLONIA
-jperior aa ontraa marcas pela fie n -lo
| t*u aronaa, ora c qaalldadM extren-a-
roent*' refreftcaatsK.
A marca ATKrNfio5 a melbor.
Vcndem-se em toda a parte
d| REMEDIOS .
ILEROY
Popuaret e" FRANCA, na AMERICA,
HESPiNHA,no BRAZIL,
onde sao j'.onnoos oj Jante de Hyghine
Kedlcaco Depurativa e H-
cocstltulute tlanao toda a faciiidade
para i, or proco barate, e
se urar em pou<:'j Ifimpp.
Es* mcdli icao expulsa rapldame ite
os humores, ores viscosos x*
dados que occasi unas
lea o sangue e frnpcde
as rci-alildas.
migantes Le Rytt
[QJCSI^aSJMW;
4 graos, dosa loa segundo aldade, cod-
!i es edalmente as Molestia*
Croicas.
PiluIasleRo
II-
J. A
rsosT,
24, Od Bond Street. Londres.
AVISO Legitima! lmente eom o rotulo-
escudo azol e amarello e a marra de
labrK-a urna "Rom branca" coa
e ium.IiI d s
Extracto concentrado dos Reine- |
I alo liquido podendn snbstltull-os, I
I para a* pessoas que tlvcrctn repu-l
| gnancia para os purgantes lhjidof..
Sai lnfdlllv.ls contra Asthtna,\
Cntnrrltit, (ata, Khrumatimiio, \
T'tinrtf-H, t U-eras, 'eriJu d o i
ii]>ln'tti\'ebrttM,t'oitgcntin'Hf Wo~ I
j lestiae da Pifiarlo, Impigf na, \
1'priiint/tittU'*, MPiiopnuHa, etc.
-NAO SE DEVE ACEITA
m
1 qu\li|ii t prodarUyjue uio f.T o en lerey i*
Ph-J C0TT1N, grnro so sii Le Ro v
| Ra do Seine, 5f, PARS j
Dtpoerro bu todas as fbmh
Al" IS J
ACLC, ?
REMEDIO DO DR. AYER
CONTRA
AS SEZES OU MALEITAS.
O Remtcdio do Dr. Ayer, descoberfci
vegetal que nao contera a quina nem
arsnico, nem taopouco outro ingrediente
nocivo, um remedio infallivel e prompto
para toda a qualidade de febres intermit-
ttntes ou maleiteu. Seus effeitos sao per-
manentes e certos e nenhura mal abso-
lutamente pode advir do seu enrprego.
Da mesma forma torna-se o melhor
remedio posslvel para todas aquellas
docncas que provm dos effeitos do
'miasmas, que se desenvolvem nos lugares
pantanosos e infectados, e que geralmecte
caracterisao-se pelas affeccSes do
agrado e.do baco.
O Remedio de Ayer curara sempre,
mesmo nos casos peiores, toda a vez que
5r erapregado convenientemente e se-
gundo as direcc,5es.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYiSR & CA.,
LoweU. Mass.. Kst.-Un ido.
Liqaidapio de cal
ado
A FLOR DO BOSQUEa ra do La
vramento n. 10, chama a attenoBo de setu
rregneses para os artigos obaixo deacrip
tos, ejos sao uvendidos por precoa resum
dissimos para fechamento de con tas.
Grande sortimento de botinas ingleaai
da diversas qualidades a 9,5000, 10JO00
lltJOOO o par.
Botinas para homens, das melhores f
bricas do Rio, por presos sem compe
'enca.
Botinas de cordav&o, com salteiras obn
forte e elegante, fabricadas especialmento
para as Exmas. Sras. normalistas.
Sapatos brancos de setim e duraqoi
oroprios para aa Exmas. Sras. noivaa.
Esplendido sortimento de botas pan
montara, tanto de couro da Rusia preto
ramo branco.
Chaucos e tamancos portugueses para
averno.
Botocos e cothurnos propros para cao
Botinas nacionaes impermeaveis, obn
solida e propria para o invern.
Lindo sortimento de sandalias de toSai
as qualidades, tanto estrangeiras coas*
nacionaes.
Para creancas de ambes os sexos h*
sempre nesta casa o mais completo e v
nado sortimento de botinas, cothnrno*
focos e sapatos.
A FLOR DO BONqUE
10 RA DO LIVRAMENTO V
Costa Campos & C.
MhRAVILHA CUHA1 [v&
DO CELEBRE
Dr. Humphreys e Nova YorK.
A Verdadeira Maravha do Seculo.
APPE0VAD& E LICEMCIADA
pele. Ip#-rti in Ceril de Ilysicuo cSq
Imacrio d Brasil.
A Marra-vil Ira- Cprativ* remedio rroTnptfl
para asTFtaftdnras. llacaicfeuiurs, Cotmiso^s, Tor-
ceduras,Cortaduras, ou L.'iceracos. /.lvii.ador,
esiAnoa o sangue. luz parar a ittlannnacjU). redtu
a lncnsio. tiro desccriniento, e faasarar a eria
como por encanto.
A Maravilha l'n.-niiTn e alllvtopromproo
cura rpida para Vl(**uuaduras, scal Vu< in.adur^ do Sol, c frupciior agulqueroutro
remedio.
A Maravilha Curativa 1mp--nvi! para
todasa&HeiuorrtiaKias, sejadoXarlz, dat'Jen^lvas.
dos Polmoes. do Estomago, ou as Hemorrholdat or.
Almorrelmaecura senipre c nunca alna.
A Maravilha tai. c-Walumallivionrompto
Sra Dor de Dente-, de uuviuoc, *? Face. JiiuBacao
Face e >'evralgia.
A Mnrnvilha Curativa orectirso prometo
e i redoso para Drirrs rla-mitallca, Aleljuo, Doro
Rigidez as Juntas ou 'croas.
A Maravilha Curativa o grande remedio
par Esquinencia. Angina, Amygdala.. 'n"hadasou
nnammadassemp-e wuuro, sempre enlcas.
A Maravilha Curativa de Multo valor
como laleccSo para o Catarro, a J.eucorrhea ou as
F;ores Urancas, e outros corrlmentos debilitantes.
A Maravilha Curativa lrr.pasavel par
ciar Cceras. Cliauas aminas. Apnste-na.-, Panarl-
elos. Callos, Fricaras, Juanetes e Tumores.
Maravilha Curativa remed'5 prompto
para Diarrhea simples, e de Plarrnea ccronJ^a.
A Maravilla Curativa excedentena
Estreharlas e Pleadurase Esfoladuras. Cuntusocs, Lac?ra;oes, &c
Especialidades do Dr. H-imphre~.
sfVemedios Especifico^,
Ungento Mnravllhoso,
Kemadios Svphilitlc,
Remedio Veterinario.
O Xann&i do Dr. Hompnreys 144 pecanas sobre as
Enfermidsdes e mododecural-asse cagratls, pede-
se ao sea boticario ou &
HMPHHXYS' MEDICINE CO.,
109 Faltn Street, NEW YORK.
Deposito geral oa Companhia
de Drogas e Productos chimicos.
Gerente Francisco Manoel da
Silva.
WHISKY

Liquidam os artigos seguintes
Cortes de fast&o para oolete a 16000!
Lindas mariposas de cores para vestidos a 240 reis, oovado!
Baptistas finas de raminbo, a 200 reis dito 1
Chitas elaraa e percales a 240 reis o dito
Voiles ultime gosto em padrSes a 240 e 260 !
Brisa Hollanda para c*saqu;ches a 440, reis o dito !
FuatSes branco bordados a 500 e 600 reis o dito !
Casemiras pretas 2 largares a 2(9400 e 3500 reis o dito !
Pannos de cores para mesa a 1(5200 o dito !
Cassinetas superiores de quadrinhos a 10000 o metro!
Bramantes 4 larguras a 10400, dito.
dem tode de linho a 20400, dito.
GuarnicSes de crochets para cadeira e sof, a 8f000
dem idem de cores a 60000 !
Guardanapos adamascados, duzia 30000 !
dem grandes, linbo a 80000!
Ceroulas de bramante bordadas a 160000.
Camisas brancas francesas a 450000.
Lencos brancos e de cores a 20600!
Flanellas para vestidos e camisas a 500 reis.
Toalhas para banbo, a 180000 e 22$000, dasia.
dem de labirintho ricas para baptisados.
Fichas prateados a 10200.
dem de 1S finas a 30000 e 50000.
Cobertas de ganga e cretone, grandes, a 30400. .
Redes de cores a 40000.
Cambraia branca, bordada, a 505CO a peca.
dem victoria e transparente a 40000 e 50000.
MadapolSes superiores a 80000 e 100000.
AlgodSo nacional largo a 60500.
Grinaldas e veos para noivas, setins brancos de cores, colchas de crochets
cortinados e muitos artigos que na actualidade sao verdadeiras pechinchas.
As vendas em grosso teem 14 |0 de descont.
Ra Duque de Caxias n. 59
Royal Blend marca VI^DO
Este excellente Whisky Escoces pre-
erivel ao cognac ou agurdente de canni
para ortificar o corpo.
Vende se a retaiho noa melhores arma
sens de molhados.
Pede Roya! Blend marca Viada.
cajo nome e emblema sao registrados par.'
todo Brasil.
___________BKQWNS & C, agentes.
Liquidago
Movis aastriacos
Tendo-se de deeoecupar o grande armazem
ra Bario da Victoria ns. 34 e 36, vende se to-
dos os movis novos e todos os objectoa exis-
tentes nesle eslabelecimento, preco? mdicos
para liquidar : qoem precisar de Meas mobllias
e muitos ooiros artigos, aproveite s occasllo de
farer bom negocio.
LUJA DO liWBI
Pede atten^ao ao publico, para o sortimento de fazen-
zendas que annuncia, por precos commodos
Merinos de cores com duas larguras.
Nanzuks de todos os precos.
Lana de cores, sortimento completo.
MadapolSes de todos os precos.
Sargelins de todas as cores.
Grande sortimento em chitas e crotones.
Vieites de seda e merino, novidade.
Bramantes de linho e algodao.
Voiles de algodao, baratos, cousa chic.
Merinos protos, lisos e lavrados.
Grande sortimento em brins e cassinetas.
Fiehs pretos, de cores e pratiados.
Amor da China, lindos padrSea. *
Fustoes brances e de corea.
Mariposas de cores, barato.
Cambraias Victoria e transparente.
Creps voile, novidade.
Colchas de ceres, lindos padroes.
Vistuarios de Jersey para criancaa.
As fazendas que annunciamos assim como outras muitas qae seria enradonh.
eocionar, venem-se por preos razoaveis e ha sinceridade na medida.
VER PARA CRBR
ALOJA DO GLOBO
55Ra Duque de Caxias55
Antonio Fernandas 4 Ajc$T$do
ADEtl PIIRTIM1
Raa das Larangiras n. 4 Telphone 5 80
Neate acreditado eatabelocimento de vinhos NATRAES PORTUGUEZES,
encontrar sempre os consumidores completo sortimento dos genuinoa vinhos de ovas,
como sejam :
VINHO DO PORTO DE MONTEIRO & IRMAOS das seguintes marcas
REGINA 1820REX de 1834- MOSCATEL D. LUIZ I DUQUE UMA
DUAS E TRES COROAS
VINHO VELHO DO PORTO DE 1851
Superior VINHO BRANCO DO PORTO, em decimos e engarrafados.
Vinhos para refeic,es das eonhecidas
marcas:
SANTAREM, VIRGEM, COLLARES, FIGUE1RA, TINTO DE BASTO,
TINTO DO MINHO, MADURO PASTO ESPECIAL, LAGRIMA DO DOURO,
ETC. ETC.
SUPERIOR COGNAC PORTUGUEZ, em garrafas, por precos sem compe-
tencia.
PREVENIMOS
Cuidado com as falaifcac,oes de vinhos nacionaes importados do Rio de Ja-
neiro que alem de ter mo paladar, desenvolve rpidamente as-molestias das vas res-
piratorias, nao confundam estes com os nosaos vinhos que sao importados directamente
dos mais acreditados lavraderes de Portugal.
Jnnes Barbosa, Cooper jr Comp.
CARDOSO ft IRMAO
RuaBarodo rriumpho ns. 100 a 104 e rus
do Visconde de I tapa rica ns. 22
Jete JCt V_ X J? JC
Tem sempre em deposito :
MACHINAS a vapor de 4 a 8 cavallos dos melhores fabricantes.
CALDEIRAS multitubulares para 4, 5, 6 e 8 cavallos.
MOENDAS as mais solidas e melhores do mercado.
TAIXAS de ferre batido cravadaa e caldeadas, fundido de todos os tamachos,
O RODAS'AGUA p:ra cubos de maaeira e todas de ferro.
RODAS DENTADAS de espora e angulares de diversos tamanhos.
CRIVACOES duplas e boceas de fornalhas para ausentomentos.
BOMBAS DE REPUCHO sem sella, vlvula de bronce.
CHUMACEIRAS parafusos e o mais que se opaa desejar para engenhos, estra-1
as' de ferro e Obras Publicas.
FAZEM E CONCERTAM toda e qualquer peca de machinismo tanto de fern
andido como batido-
EN ARREGAM SE de mandar vir da Europa por encommenda, mediante um>
oommissao rasoavel, qualquer macbinlstno e CONTRACTAM apparelhos para Uei
aas, para fabricar de 100 a 300 sacos de assucar em 24 horas.
Obrigam-se a montogem dos mesmos e responsabilisam<'se pelo bom trabalb
ara o que tem um hbil engenheiro inglez muito pratico, alm de dos um so ojo
oasa qne tambem engenheiro.
INOFFENSIVO
O GRANDE
PEIFICADOR
SLSaPARRlLHA
BE
BRISTOL
CtfRATOSAS AS IMPUREZAS BO
SANGUE E HUMORES
EFFICAZ
H
H
<
Luiz Vernetlevan
ta empr es timos de
qualquer quntia sob
caujo de ouro, prata
e pedras preciosas e
tambem compra cau-
tellas do Monte de
Soccorro, caucoes do
Banco Popular, joias
e brilhantes.
Pode ser procurado
na sua relojoaria ra
do Baro da Victoria
n. 53, das 8 horas da
manh.s 8 da noute.
Moedas brasileiras
Compra-se de 500 rs., 14000, 2 000 no centro
da moeda ; na ra do Cabuga n. 9, loja de An-
gnsto do Reg.__________________________
MARAVILHA CURATIVA
DO CELEBRE
Dr. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Seculo.
APPBOVADA LICENCIADA
pe*r. Inspectora Geral de Hygtene de
Imperio do Brnzil.
A Maravilha Curativa remedio prompto
jara as Pisaduras, Machucaduras, ijontusoes. Tor-
seduxas, Cortaduraa, ou Laceracods. All va a dor,
estanca o sangue. fas parar a innammac&o. redu
a tnooaefto. tlrao descor&mento, e fassarac a frula
como por encanto.
A Maravilha Cnratlva alllvlo prompto
ira rpida para c^uelniaduras, l>calduduras.
c/uelmudura do Sol, e 6 superior a qualQ,uer ouorc
remedio.
A Ma
odas as
ravilha Curativa lmp
sas HemorrbaK'las. eja do Naris, das Geruflvs
dos PuimCes. do Estomsgo, ou as Hemorrhoidas oa
Almorrelmascura sem pre e nunca falla.
A Maravilha C'nrnalTeumalllvlopromiso
rara l'-r ,1o i x-iii.-t-, o- uuvkloe, da r ac. au-b^Ao
da Face e Nevralgia.
A Maravilha Curativa o recurso i
e precioso para Dores rbeumatlcas, AliiJ
EUgldes Das J untas ou Pernas.
A Ma. 'iviiha Carariva o grande rene-no
para Esquinencia. Angina, Am.vgaolas inchadaso
Inflammadassempre seguro, sempre efncac
A Maravilha Cnratlva, de multo valor
como lnjec&o para o Catarro, a Lcucorrbea ou a*
Flores Brancas, e outros corrlmentos debilitantes.
A Murnvillaa Cnratlva lmpagsvel para
curar Ulceras. Chairas antigs. Apostemas, Panarl-
clos. Callos, Frlelraa, Josnetesp Tumores.
A Maravilha Cnrallva remedio prompto
paraDuuThes simples, e de Dlarrhea cnronlca.
A Maraviltm Curativa excellente na
Ftrebarlas e CavallarKas. para Toreedura, Dona,
Pisaduras e Esf oladuraa. ContusOes, LaceraOei. 4o.
Sspedalidades do Dr. EaBpfarevs.
Remed EspeciOcos,
4*n*nento Maravilhom,
Remedios Syphilitlca,
Remedios Veterinario.
O lUanuol do Dr. Humphreys 144 paginas sobre a
Enfirrmidades e mododscural-asse dagraUs, pedo-
fie ao su u boticario ou a
HMPHKEYS' MEDICINE CO.,
109 Fiiltnn Street, NEW YORK.
NICOS AGENTES
Para vendas em grosso em Pal?
nambueo
Faria Sobrinho & C.
DROGARA
A' Ra Marque* de Olinda n. 1
Licor depurativo vegetal leda**
do medico lulnella
Este notabilissimo depurante que va
precedido de tao grande fama infallivel as
cura de todas as doencas svphiticas, es-
crofulosas, rheumaticas e de pelle, coms
tumores, ulceras, dores rheumaticas, os
teocopas e nevralgicas, blenorragias ago
das e chronicas, cancros svphiliticos, in>
Sama^Ses viceraes, d'olhos, ouvidos, gar-
gantas, intestinos, etc., e em todas as
molestias de pelle, simples on diatherca,
assim como na alopecia ou queda do oa
bello, e as doencas determinadas por t*V
turacSo mercurial.
DSo-se gratis fblhetos onde se encoB'
tram numerosas experiencias feitas coa
este especifico nos hospitaes pblicos
muitos attestados de mdicos e docume-
os particulares.
Faa-se descont em casa de
FARIA SOBRINHO d C. ,
Roa Mrquez de Olinda u. 1 *
Prata 1 prata!
No armrzem de Olint
Jardim e comp., ra do
Mrquez de Olinda n. 16
compra-se moedas e objec.
tos usado de prata.
Aproveitem, que paga-
se melhor que em outra
qualquer parte.
Costureiras
Precisa se de peritas cos-
tureiras em casa de mada-
mePaul Jullien, ra do Bar
rao da Victoria d. 50.
Cosinhelra
Precisa se de tnna cosinheira : na p bar mas
Americana.



1















8
Diario de Pernanibiico Sexta-feira 3 de Fevereiro de 1892
AOS FUMANTES
Desejaes nao ter azia quando fumaes?
Usae por algum tempo os apreciaveis cigarros denominado^ MINHA ESPERANZA, quer picados, quer desfiados. Usae tamoi o aromatice! be
saboroso fumo desfiado intitulado Hygienico Naeional e os cigarros do mesmo fumo.
Dep cir-nos-hei se foiou nao til o conselho.
Cumpre notar que os Bvgienicos sao fraqu'mhos e os ESPERANZAS sao fortes. '
A fabrica MINHA ESPERANZA situada na ra Laiga do Rosario n. 21 .
Um apreciador.
YENDAS
Ra do Anionm n. 66
Vende se despachos pa importagao. expoi-
tago e outros msteres, papel para impressao d
diversos formatos e por prego commedo.
Plvora
Sem competencia no largo da Alfandega nu
mero 4.
Taboas de cambio
De 12 15 pene* vende-se por 6*000 na rna
do Bom Jesn3 n. 5, 1 andar._______________
Piano
Vende se por barato prego, por ter algum uso
um piano do bom fabricante Blondel : a tratar
na ra de S. Goncalo n. 29.
Chapeos e capotas
Ultimas novidades de Paria receben o
______Louvre________
trapas, jeraeys e visitas
Gestos iateiramente novos acaba de re-
cebar o
x,aTrjrvT.3
Cortes de l,linho, s eda
e algodo
Ricamente enfeitados, tem rece! ido l-
timamente o
So' quem vende
Mimo novo a 280 rs. a cuia e 60 rs. o kilo
Largo do Mercado a. 12, Gomes Fe-tira.
no
LOUVRE
Constituicao
DO
Estado 4$ Pintan*-
buco
Vende-se a 400 re*%
cada exemplar, do
escriptorio do Dia-
rio.
Livros de recibos para
alugueis de casas; vende-se
no escriptorio des te Diario.
Feijo mulatinho
Vendem
Galinares & Yalenle
i e 6Corpo Santo4 e 6________
PARA
ENGEMOS
Lopes e Araujo partici-
pam aos seus eguezes e il-
Iustnssimos senhores de en*
genho, tjue tem deposite
constante dos artigos abaixc
mencionados garantindo a
boa qualidade.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Dita de Gutunguba.
Potassa da Russia (em
barriquinhas, caixas, lata*
grandes e pequeas ).
Oleo de mocot,
Azeite de carrapato.
Dito de coco.
Dito de peixe.
Pixe em lata.
Kerosene inexplosivo.
Graxa em bexigas,
Gaxeta de linho.
Precos sem competen*
cia.
Roa o Lirrant9iti$
a. 38
FOLHETII
JULIO MARY
OS DOIS INNOCENTES
TERCTIRA PARTE
(Contlnuar&o do n. I 3 )
I
* IJ2IKA DO (RIME

Desejava, saber noticias de urna
criaba...
Em que dia foi deposidada ? em que
nome ?... Qual o sexo ?
A mai, se era a primeira vez que se
apresentava, dava todas as informales.
Se estava habituada a vir, dava apenas
ao embregado um numero, recebido prece-
dentemente, correspondente e annotajSes
e era logo despachada.
Urna moca, com vinte annos apenas,
charando perguntou :
Desejava saber...
J veio alguma vea ?
Sim, senhor.
apresentou o seu numero de cha
mada.
O empregado folheou alguns documen-
tos e depois disse:
Vive!
es urna crua na annotacSo.
Onde est ? diaia am oca chorando.
Nio pode diser-me a qoem est confiada?
Secas brancas, pretas e de
cores
Notos padrees e para grande osoolha
foram despachadas nestes ultimo das
para o
LOUVRE
Grinaldas, Icqaes e chapeos
de sol
De phantasias acabam de chegar para o
LOUYRE___
Costumes para creancas
De todas as idades encontra-se grande
sortimento no
Louvre
Objectos de gosto para
presentes
Ha neste artigo grande escolha no
LOVR E
TBCH)0S)E PHAN-
TASA
Sando impossivel de se deterever a
grande variedade de tecidos de diversas
qualidades proprios para a estagao actual,
roga-se ao publico em geral e principal-
mente s Exmas. familias a fineza de vi-
sitarem o
LOUVRE
Ra 1." de Marco n. 20 A
Francisco Gnrgel Irmo
TfiLEPH >NE N. 155
BROWNS & C
Mudaram seu escriptorio para a ra do
Commercio n. 7 1 andar e continuam a dis-
posicao de seus amigos e fresruezes, para
fazer executar as melhores condifes suas
encommendas de qualquer artigo agrcola
ou industrial da Europa e Estados-Unidos
da America do Norte.
Dispondo das maiores facilidades para
encommenda de apparelhos para Usinas de
fabricar assucar, fabrica de fiacao e teci-
dos e outros ; acceitam contractos nao s
para o fornecimento dos machinismos como
para a respectiva installago.
Tem completa collecao de catlogos,
specimens e planos e portanto sempre ha-
bilitados a fjrnecer ornamentos e pros-
pectos.
NOVO ESTAB ELECIMENTO
Receben um lindo sortimento de
CAPOTAS
de rendas di cores e pretas para senhoras.
de renda e de palha para Benhoras e meninas.
de palha e de seda para crianQ&s.
4ntiga fabrica Caju-
rubeba
Veade-se urna macnina americana de aplaicar
e outras de tritnrar, espremer fructas, et:., nma
encllente caldeira de cobre eatanhado para co-
ser no vacuo, grandes depsitos de foa para
alcool ou qualquer mister, cma boa armacao in-
gleza, grande quantidade de rolbas irglexas,
liqnidcs e rauitos ottros objectos, toc mnito
em cont3 ; na ra Luiz do R?go n. 4, Santo
Amaro, das 8 as 10 toras da manila e das 4 da
tarde em diante.
Vende-se
Urna taverna mnito afieguezada a estrada de
Lciz do Reg n. 19, por a Cena querer remirar se
por incommodo de sade : a tratar na mesma.
para homens e rapazes, dos fabricantes FRANCEZES, INLEZE S E ALLEMAES
CHAPEOS
ie seda para hornees.
GRAVATAS DE SEDA
FORMAS
de palha para chapeos de senhoras e meninas,
pretcs e de cores.
Fitas, Gazes, Rendas, Veos, Azas, Passaros, Flores,
Plumas, Aigrette? eGrampos
para chapeos e outros artigos da fantasa.
Ra do Baro da Victoria n. 42
M. LICIO MARQUES
Telephone n. 560
Cal virgem de Cotunguba
A primeira por soa preciosa composicao chi-
mica para o fabrico do assucar, riquiseima de
saes de potassa e soda, adaptavel perfeiumente
exploracao da industria de sabonetes, etc. etc.
Superior de Lisboa, vende se cada barrica com
60 kilos a 8000.
Agente nesta capital Manoel Jos de Araujo,
ra larga do Rosario n. 24 A.
NA
Rosa de Ouro
Os proprietarios deste bem conhecido estabelecimento resolveram defiuitiv-
mente .azer grandes reduceSes de presos no grande deposito de fasendas de que se
acham supridos e para conseguiris urna IiquidacSo completa e tSo rpida como
deeejam, avisan?, aos seus numerosos fregueses e as Exmas. Familias afim de virem
de preferencia aqui suprirem-se, por diminuta quantia, de lindas fazendas
A saber:
Vestidos de cambraia bordados em cartiies. Chapeos de sol e combrinha* de
seda. Vosti^inhos de cachemira, cambraia e de ustao, para criancas.
Merino lavradas e lisos cores lindissimas.
Luvas de seda. Lencos de linho em caixinhas. Meita de cores. Collarinhos.
Punhes. Gravatas e lagos de seda.
MadapolSo fino de 13|000 por 10JC00 e de 155000 por 120OCO.2
Dito lavrado americano de 1200, 145000, 155OG0 e 164000.
Cachemiras com quadrinhes de seda Je 205CO por 15500.
Setitis de cores a 15000. Gorgurica e crotones muito largos a 500 e 6C0.
Voiles de seda de 15500 por 15200 e 15000 reis o covado.
Cambraias de carocinho. Baptistas e brim de linho para vestido.
Setinetas de todas as cores e voile assetinado o que ha de mais chic.
Merino preto de 156C0 por 15200 e alpacas de cor de 15000 por 600 e 500.
Pantazia branca rendada por 1$200.
Chapeos de sol de fina seda cabo de nikel e casto automato por 155000 e
outros de 95000 e 105000. Sombrinhas de seda 125, 1C5, 65000, 455U0 e 25000.
Carnizas francezas de 70S0OO a duaia por 455C0 e 45000.
Ditas da flnella, cretone e de meia.
Tapetes para sof, de 255000 por 20J0OO.
Ditos mais pequeos.
Grande sortimento de casimiras e cheviotes.
Calcas de casimira de 185000 por 115000; de lf 5000 por 65000 e 45000,
pechincha.
Cortes finos de casimira dos quaes em 24 horas se fax urna caiga por 20J
Brins e cassinetas para roupas e muitoB artigos cuja eaumeracao se te
difficil para nos, quanto mass&nte aos leitores.
Fax se roupas por medida, precos commodos.
Nao se eaquecam das nossas
Machinas de costura
que continuamos a vender por prego sem competencia.
Progresso medalhaImperialExpresso e 5inger> americaca.
Se queris comprar em conta neste mez dirig vos a

to



PEQUEAS PUUUS de RETEfi
Flgado entorpecido cura-e poBitlvamente com estas
pUulas. Ellas 6o nm remedio pulsativo llvre d: peri-
go pora o bonieo 3s frac, to bsm como bastante
activo para o_homem mala lorte, e nio constlpio de-
pois; pela aeco geral a^radaa torios que as usam. Sdo
as pi! las estandartes da prcfiwo medica dos Estados
Unidos. Sao as menores e riis facis a tomar.
Qo&renta em cada frasco.
PARA
FIGADO
Fabrica de gelo
ignas e limonadas gasosas di
todas as (aadades
Soda water, gmger, ale, limSo, laranja, can
ci. abacaxis, granadina, grosellas, Iranbolsti
baunilha, hortel-pimenta, etc., ele.
12-ACAES DO GAP1BAR1BE-1J-A
Oh.' nada receie... NSo a tirarei de i.
Seria tSo felix... E se nSo fosse muito
longe talvez eu pudesse ir at l e vela,
ainda que me oceultasse.
O empregado sacudi os hombros
Todos os das ouvia aquellas sup plicas.
O que me pede impossivel...
Mas, senhor...
Impossivel, a senhora foi avisada.
Nunca saber onde est o seu filhe- Nunca
mais o ver!
E como a moga solugava, o empregado
dase com mais brandura :
Pode reclamal-a Assistencia. Ella
a entregar quando pagar as despexas e
quando, depois de urna 'devassa, conven-
cer-so que est habilitada a manto! a e
educal-a honestamente... Quer recia
mal-a ?
A moca besitou muito.
Depois cada voz baixando mais a ca-
bera :
NSo posso Aind nao posso !
E sahio enxug&ndo os olhoa.
Multas d'ellas fa'lavam assim como
aquella a principio e depois acabavam por
nio pensar mais nisso.
E os popres Abandonados andavain no
mondo sem familia.
Apresentou-se outra.
Era urna mulher de trinta annos. Dora
lux a duas gemsas e na vespera o lian-
te abandonara a.
Havia tres annos que regularmente to-
dos os tres mezes all ia.
Na ultima vex, em Fevereiro, interro-
gara o empregado :
Minhas duas filhas ?...
E o hornera responden:
Urna d'ellae morren !
A mulher teve um estremecimenlo e
nio respondeu palavra !
N'aquella manhS approxima-se. Ba no
son olhar orgulho e felicidade. Sorri e
dia em vos alta, porque quer que ou-
I^ICOFERO deBAHHT 1
m -----------1-t A.famflnla Tkerfnmflifl rfkt\t* W
CABELLO
THEO. JUST.
Gasa de commisses e repre-
sentaces
EXPOSIQAO
Di UI COMPLETO SOBTIMBNTO DE
noesDersrxxas


Urna preparadlo elegante extremamente perfnmada,
remove todas os impurezas do craoeo, preservativo con-
tra calvicie e cabello cinzeLto; faz o cabello crescer cs-
peaso, brandoe hermoso. Infalivelpracnrarernpofle,
docncas da pelle, g'x^nlas e meseulos, e cura rpida-
BsBU cortaduras, queimaduras, heridas, torcedoras. &c '
CAUTELA.N-o ecntino stm cada frascol
ter a marca registrada de Barclay & Co., New York.
A PELLE
ESUKLECIDO EMIIB1
depositamos destes PRODUCTOS.A companhia de Drogas e Pro-
ductos chimico?.
Ba Mrquez de Olinda n. 23.
oain todas as mulheres aue estSo presen-
tes e que sem duvida nao podem fazer o
mesmo que ella vai fazer.
Sr. empregado, a ultima vez que
venho pedir-lhe informales da minha fi-
Iha, porque muito breve estarc habifaia
a resgatal a e edacal a eu raesm...
E tevi um largo gormo de elcidade.
Muito bem, disse o empregado.
Tem o numero ?
Eil-o.
O homem consulta as suas annotacSes.
Achon o numero correspondente, certo
Entap porque fica calado ? Franze a so-
brancelba.
EntSo, senhor ? disse a mulher, n2o
acha?
Sim achei, minha pobre senhora...
achei ?
EatSo?
Sua fi'ba morreu.
A mulher po; so a rir, casia de ees-
fianc^.
Dcsr :i'pe me, mas o senhor eugr.-
p.on ge. Tinho duas filL^s ni Asshtencia,
duts gemeas ; Va tres mozos, ama d'ellas
morreu, o senb.r me cT.sse. E a e sem duvida que se refero, mac a outra ?
O homeTii murmura, realn-en'.e afSijto :
A outra tambeai morrm !
At duB As i ia; !
A principio o2o comp-'.hendc e recua
como se fobse .ahii, ffM -Ta dor co^-
fu'sa altora-lhe s feijSos aii.da ha pou:o
t3o risonbas.
E balbuc":
Mithtv 'iluM Llinhas fiihas 1 Meu
D;.-us,J meu Dodx !
E pan que nSo vejam aa suas lagrhaaa
mas, fog-3 I
H faltavam as duas mniheres que ti-
nham ebegado por ultimo e que pareciam
conhecerem se.
Eram mais onl mvnos da mesma idade
t m nm phyuonomU pareciam teme-
lhantes. Entretanto eram completamente
extranhas urna outra. Urna, apesar dos
seus quarenta e cinco a cincoenta annos,
conservava-se magra e rachitica. A outra
era mais forte, mais robusta, de sangue
mais rico. Pareca que cata resida no
carrpo, a julgar pela sua tez bronzeada e
que a out'a morava em Pars, ao ver a
sua pallidez. Ambas tinham os cabellos
brincos. Apezar do carcter dfferents
das suas physiouoiniaa, a mesma tristeza
cavara nellas, na fronte, a mesma ruga,
p iiera lhes nos olhos a mesma melanco-
la, o mesmo olbar desanimado, que pa-
reca cangado de soffrer ; emfim, espalha-
ra sobre ellas um ar indefinido de resigna.
(So desolada.
A que pareca residir no campo levan-
tou-se e approximou-se do empregado.
A;.res<}ntou o seu numero.
O empregado disse :
- Continuamos a nio ter noticias...
A mulher suspirn. Nao retorquu.
Esperava sem duvida aquella resposta.
Tornou a seutav-se.
A outra approximou-se por sua vez*
Recdbeu esta resposta :
A sua fi'ba existe...
Um iampejo illuminou os olhos da po-
tra mulher.
Balbuca !
Origada, senhor. Oh I obrigida !
Mto b.t-ve, sim, tenho certeza, muito
breve poderei resgatai-a... Trabalho para
isso !...
de innmeras fabricas de todos os paizes da Europa e
das duas Americas, de toda especie de mercaduras, de
mach oas e materia prima.
Deposito do afamado tCREOLIM o melhor des-
nfectante conhecido.
Deposito da bem conhecida cODONTINA do
Dr. H. Rirdet.
82~Ro: do Bm $sns~2
cs a entregramos sem duvida al
ams, minha senhora, porque temos da
b an uo!ho: js informacS8!
= a mu'bor alo senSo Lieta, a pobre
Lieta Laroaudet.
A outra que chora, sentada no banco,
u03 desoouheoida. Chama-se Mara
Theresa, rendeira na Pierre de Marbre,
no centro das mattas das Ardennes.
Lieta, ao pmr diante delta, detem-se.
Est muito pesarosa, minha se-
nhora. ..
Ai de mim .' Nem ao menos sei on-
de para o meu filbo !
Desappareceu ha muito tempo T
Ha dez annos que e administrado
perdeu de vista.
Dez annos Dcz annos Ser poa-
sivel !
Sim, fugiu. Agarraram-no. Tor-
nou a fugir. Depois disso nunca mais se
soube delle.
Mara Thereza levantase, dirigi-se para
a porta, abre a e desee a escada. Quando
chegou em baixo, na avenida, tem urna
vertigem. Lieta, que nSo a deixara, so-
ccorre-a. Santa-a sombra de urna arvo-
re, em um dos bancos da va publica.
Diga-me, disse ella com compaixSc,
onde que mora, e le val-a- he sua
casa...
Nao mora em Pars.
E enxngou a fronte.
Dasculps ma, mas todas as vezes
que venho a esta casa receber, infeliz-
mente a mesma resposta, voltava-me
lembranca o meu soffnmcnto de outr'ora,
um terrivel soffrimento de que sou victima,
e tenho estas fraquesas.
Vou chamar* um carro... e voltar
para o hotel.
NSo estou em hotel. Cheguei esta
manhS das Ardennes e volto noite. Oc-
culto-me de todos e desejaria que todo o
mundo ignerasse a minha viagem.
Sa eu me atravesse, minha senhora,
disso Lieta, tmida...
besitou, mas depois animou-S3 :
Moro do outro lado do Sena, na ra
Saint-Severin. NSo auito longe d'aqui.
Quer acorapanhar-me ? L descancxri.
Mara Thereza encarou domoradamec-
te Lieta. Sem duvida a detconbecida foi
sedmida por aquellas feg3ts meigas, pois
diste :
Sim, aceito, estou exhausta.
Pois entSo venha !
Tomou o braco de Mara Thereza e le-
vou-a para o lado do Sena.
II
Havia dous annos que meiga Lieta,
recuperara o uso da razao.
Tres ou quatro annos antes de sahir, de-
finitivamente e para nSo voltar mais, da
casa de sade onde fra enclausurada, no
Eure, j a sua sade melhorara muito.
Tornara-se^mais calma, as suas constan-
tes obsessues, fructos de tantas desgracas
immerecidas, nSo se repetiam to freqoen-
temente, a raaSo ia-sa apossando outra vex
d'aquelle recebro e o medico do hospicio,
que antevia urna cura, cercava-a de cui-
dados particulares.
A sua brandura, durante os longos an-
nos que se tinham passado depois da fa-
tal scena da ra Denfert, nSo se desmen-
tira.
Da todas as enfermas e a ca usuradas
com ella era a que mais fcilmente vivia.
Sempre risonha, nunca se revoltara e
as vigilantes consideravam-na como urna
amiga.
Qjando ficou completamente curada,
nem por isso deixou o hospicio. Obteve
o emprego de inspectora {geral da roupa-
ria do estabelecimento. Nessa occupa<
(So socegada, teatou recordar-so da sua
vida passada. A memoria dos factoa que
haviam precedido a ana loucura voltava-
lhe pouco a pouoo, entretanto alguns an-
nos tinham decorrido que eapessa nuvem
pairava no sea espirito.
(Continuar>>se-haj
Typ. do Dtario, m Doque de Casias n. 41
x
f i
Y

/
I
T*